Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19682

Full Text


ANNO LXV
Q1NTA-FBIRA 7 DE JLHO DE 1892
NUMERO 150
/



T
I
PERNAMBUCO
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARA & FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres mezes achantados.
Por ti es ditos vencidos.
Por um anno aiianlado .
dem idem vencido.
63000
71000
24&000
28^000
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PUBUCACOES NA FRAN-
CA E INGLATERRA
Os Srs Amede, Prince & C;, residentes em Paria34 rae de
Provence.
JHSTRBCCiO POPDLAR
o:::::: nunit
PELO
Df A, 0. Mu
PARA OS LOGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por seis mezes adiantados. 13500
Por seis ditos vencidos. 15|500
Por um anno adiantado. 27000
dem idem vencido...... 31&000
KEGLVDA PAUTE
(Ccnma0o)
23 instuuc<,ao publica
e) grainrtatica expositiva da lingua portu
gueza.
f! gym Etica.
Sao discii-liaas to segend; grao, alm das j
mencionadas.
3) lices decousa?.
fc) no5 s y.-'T^.i de ^ojjwphia e historia do
ti 9 Miranhao.
S disciplin?s do tercero gro.slm das pre-
cedentes :
a) arunme'.;ci at proporgCcs ioclasive-
b) gecmrlm elementar.
O gramola tica tneorica da lingaa porlugucza,
^rjalyse dos classiCG?.
d) deEeabo e msica. t
c) geographla e historiado Brazil.
f) noces elementares di [hysica, ch'mica e
mineraloga.
g) D'roes elementares de .botnica, zoologa e
geologa.
as escolas do sexo emiaioo e as mixtaa,
easinam se tambem nooOes de encomia domes-
tica e trab3lhos de agulha.
O curso do ensino publico secundario 6 minis-
trado no Lyeen desta capital e consta das sfguin
tes cadeiras: graramatica portogueza e littera-
tura pirtogueza e brazileira, latim,francez, ita-
liano, inglez, allemao, philosophia, historia ge-
ral da literatura, rbetorica e potica, artbmeti-
ca e a'gebra geometra trigonometra, elemen-
to de physica, chimica e mineraloga, elementos
de botnica, zoologa e geologa, historia uni-
versal e historia do Brazil, geg'aphia e meteo-
rologa .
A Escola Normal tem como nico flm formar
profeasores para as esccla3 publicas de instruc-
Cao primaria ; o rgimen da escola o extrnalo,
sendo gratuito o ensino pira ambos os sexos.
O corso normal de tres anaos, divididas as
inaterlcs da seguate maneira, pelos annos do
curso :
1' anno. Grammatica taconea e pratica da
lingua portugueza ; arithmetlca trie mea, prati-
ca ecommercial, historia do Brazil ; corographia
do Brazil ; pedagoga ; de eabo de imitaao ;
desacho linear e geometra pratica ; msica ;
gymnastica.
2. anno. Litteratara portuguesa e brazileira ;
algebra elementar ; geometra e trigonometra :
eograrjhia pbyiua e astronmica ; elemento? de
physua, chimica e mineraloga ; historia univer
sal; desenho linear e geometra pratica ; peda-
goga instruegao moral e civica; msica; gym-
cas tica.
3 tnio. Elementos de geometra descriptiva
e desenho lioear; elementos de botnica, zoolo-
ga e geologa ; historia universal; pedagoga:
legislacao e hygiene escolar; icstrucfiSo moral
e civica ; desnho de imaco ;mD3ica ; e gym
r, as tica.
I
PARTE OFF1CAL
Governo do Estado de Per-
nambuco
EXPEDIE-NTR DO DA 25 DK MAIO DB 1892
Actos :
O governador do Estado resolve considerar
sem effeito o ac'.o de 17 do correte pelo qual foi
nomeado AMbar Teixeira Bastos para exercer o
cargo de thesoureirc do Tnesouro do Estado.
Communicou-se ao inspector lo Tnesouro do Es
tado.
Ogcvern-dor do Esladotmdo verificado que
as orden* que houtem deu para o tim de ser dis-
solvido o ajuotaaiQto provocado por artigos vio-
lentos publicados na 1 aprensa desta capital nao
foram devidameote cumpridas dando se imper-
doavei demora na applicacao das providencias
que a situabas exiga, e tendo em considerado
os acontecimento que tiveram lugar hontem
noite em GaxaDg, a reveiia da autoridade poli-
c al, re?oive exonerar do cargo de questor o Dr.
Francisco Xtvier Guedes Pereira-
O g>vernaior do Estado resolve nomear
Eugenio Vellez de Mello para o ca-co que se acba
vago de delegado de polica do mu ipio de f"or
rente?.Commuricou-se ao Dr. ques'er policial.
O governalor do E Udo resolve p'orogar,
por 15 olas, o praso de um mez marcado ra por-
tara de 5 do correnle para o bacharel Algusto
de AiDuquerque <".; bra! de Vasconcelos assuroir
o ejercicio do cargo de promotor poblico do mu
nicipio deTriumpho, para o qual foi nomeado
naque. data.
O governador do Estado resolve nomear Fran-
cisco Ferreira de Andrade para o poeto de eub-
commissario da guarda local do municio de Cor-
rentes, em subsiituicSo de Jos Marques deOli
veira que nao sclicitou o ti tu o de nomeacao.
O governador do Estado resolve nomear os
cidadoe Antonio Basilio de Mello Cataiho na
qualidado de presidente, tenente Antonio Olega-
rio de Barros Qutala, tenente Francisco Xivier
da Silva Marques, Fortunato Jos da Silva Paisi-
nho e Francisco Antonio Messano para servirem
de membros da Intendencia Municipal de Cor-
rentes.Fieram-se as necessarias communica-
c6eB,
O governador de Estado attendendo ao que
requeren Leoocia de Lumna Freir, profeasora
da 2* cadeira de ensino primario do sexo mescu-
lino da ciiiade da Eacada, tendo em vista a infor-
maco n. 117 de i9 do corrente mez do inspector
geral da Instruccao Publica e os documentos ex-
hibidos, resolve conceder a peticionaria a grati-
fkacSo de bons servicos de que trata o artigo
46 do regulamento de 18 de Janeiro de 1888
visto contar mais de 25 annos de effectivo exer-
cicio no magisterio. Communicou-se aoinspec
tor geral Ca Iastrucgo Publica.
O governador do Estad j attendendo ao que
requeren Antonio das Cbagas Rodrigues Macha
do, p-ofessor publico da cadeira de ensino pri-
mario de S. Caetano da Raposa tendo em vista
a ioformaco n. 188 de 4 do corrente mez do
inspeitor geral da Iostrac$o Pubica e o parecer
da junta medica resolve prorogar por 60 dias
com ordenado a licenca ltimamente Concedida
ao peticionario para tratar de sua saude onde
ibe convier.
O govrrnador do Estado attendendo ao que
requeren Hercnlano Hygino Nanea Bandeira,
pro fes?or da cadeira do sexo masculino de Na
zareth, e tendo em vista a inforoucSo n- 215 de
17 do corrente, do inspector geral da instrnccS3
publica e atlestado meaico exhibido, resolve
conceder ao peticionario 60 dias de licenca com
ordenado para tratar de ana sade onde lhe con
vier.
O governador do Estado attendendo ao
que requeren Maria Francisca de Castro Araujo
professora publica da cadeira de ensido mixto
de Nova Descoberta, na Torre, tendo em visto a
inJormacao n. 188 de 2 do corrente mea, do in-
spector geral da instrucc&o publica e o parecer
da junta medica, resolve prorogar por dous me-
te*, com ordenado, a licenca concedida ultima
mente peticionaria, para tratar de ena ssde
onde :he convier.
O governador do Estado at'endendo ao que
requereu Maris Cindida Tavares de Mello, pro-
fessora publica da cadeira de ensino mixto da
Praia da Piedade, teoda em visla a iofomsgao
n. 192 de 9 do corrente mez, do inspector geral
da instruccSo publica e o parecer da junta me
dica, resolve prorogar por 2 mezes, com orde-
nado, a licenca ltimamente cancedida peti-
cionaria, para tratar de sua sade onde iQe con-
vier.
, O governador do Estado attendendo ao que
requereu Maria dos Mercs da Ctji Ribeiro.
professora da cadeira mixta de Sert&osisbo, em
Agua Preta, e tendo em vista a informoco n.
216 de 19 do corrente, do inspector geral da in-
atruccSo publica, resolve prorogar por 3 meze3.
com ordenado, a licenca ultimaaentr concedida
peticionaria, para tratar de ena sade onde
lhe convier.
O governador do Estado attendendo ao que
requereu Clarioda Guimares Ribeiro Machado,
profeaso'-a publica da cadeiro da ensino prima-
rio do sexo feminino di; S. Caetano da Ra
posa, endo em vala a informagao n. 187 de 4
do corrente mez, do inspector geral da instruc
Cao pu..tic* e o parecer da junta medica, resol-
ve prorogar por 2 mezes, com ordenado, a licen-
ca ltimamente concedida peticionaria; para
tratar de sua sie onds lhe convier.
Oicios:
Ao commsndante do 2- dislricio militar.
Transiaittindo-vos o reqnerimento era que a ex-
praja do 14- balalhSo de infantaria Manoel Soa-
res do Naecimento solicita que se lhe expeca
nova baixa, urna vez que, a que acompaoba o
alludido requerimento, se acba dilacerada, rege-
que vos digneis de prestar ao assumpto a con
sideraco que merecer.
Ao inspectora Toesouraria de Fazenda-
Declaro-vos, para os tos convenientes, que o\
bacbarel Joaquim Tavares de Mello Barreto com-
municon me, em offieio de 20 do corrente, ha-
ver naqnella data assurdo o exercicio do cargo
de fiscal do Banco Emissor de Pernambnco.
para o qual foi nomeado pelo ministro dos ne-
gocios da fazenda em 9 do mesmo mez.
Ao mesmo-Rogo-vo3 que vos digneis in-
formar sobre o assumpto do incluso requer
menlo de Francisco Aatonio Meisceno.
Ao inspector do Thesouro do^JstadoPara
os fina convenientes declaro-vos que a licenca
concedida ltimamente ao porleiro da Secretaria
deste Governo, Hemeterio Maciel da Silva, deve
decorrer do 16 do corrente mez.
Ao director ge-al das Obras Poblica3Em
demonstrado de pezar pelo fallecimento dos
nossos co r patriotas que foram victimas no nan-
fragio do encouracalo SolimOes, solicito que
os empregados da repartijac a vosso cargo to-
rneo) luto por oito dias, durante os quaes deve
ser conservado eai foneralo pavilho nacional.
dem ao delegado da laspecoria de Trras
e Colooisaco.
Mutatis mutandis ao director ebefe da Es-
trada de Ferro Central de Pernambuco e dir
ctor da Estrada de Ferro Sol de Pernambnco-
Ao delegado da Inspectoria Geral de Tr-
ras e ColonisagaoRogo vos q le me informis
com a possivel brevidade o que ba com relacSo
troca da propriedade destinada hospedara
da Jaqueira pela Casa dos Expostos, pertencen-
te a Santa Casa de Misericordia.
Ao delegado Iliterario de G^avatInfor-
mai com orgencia onde deve ser collocada a ca-
deira de eneloo p-imario de Pao da Guarita, re-
gida pelo professor Jos Angnsto Porto Carreiro,
a qual, segundo consta, esta fu accionando inde-
vidameote dentro da cidade de Grvala.
Ao presidente o Conseibo Municipal de
MuribecaRespondo o offieio n. 194, de 20 dd
corrente mez, declarando que deveis vos dirigir
ao superintendente da estrada de Ferro do Re-
cite ao 8. Francisco, commnnicando lhe a desig-
nado da estacao dos Prazeres para n'ella fnne-
ciooar a mesa eleitoral de que trata o predito
offieio.
Ao presidente do Conselbo Municipal de
Amaraiy Recommendo vos que, com urgen-
cia, me informis sobre o assumpto do i inclusos
requerimeutos, que sero devolvidos, do Bario
de Contendas e de Adolpho Mendes de Ho-
landa.
Ao sub commissario db municipio de Ama
ragyDeclaro-vos, para vosso conhecimento e
fins convenientes, que nSo podis absolutamente
funeciouar no carcter"demembro da mesa elei-
toral.
BXPBDISN'TB DO D SECRETAR!}
Officios:
Aol. secretario da Cmara dos Deputados.
Para que possa a Cmara conbecer melbor dos
motivos qae determinaran) a demora na renessa
dos exemplares das lei3"Banccionadas on nao, os
quaes foram enviados ^om offieio dessa Secreta-
ria, o. 166 de 10 de Dezembro do anno passado,
remelto vos de ordem do governador do Estado,
cepia da inforroacSo prestada a respeito pelo
chefe da 4.* Seccao desta Secretaria.
Ao 1.a secretario da Cmara dos Deputados.
De ordem do gevernador do Estado vos remet-
i para os devidos tns o incluso quadro do divi-
da passiva do Estado apresentado pelo inspector
do Tnesouro com offieio n. 413, de 23 do corren-
te, junto por copia.
Ao juiz de direito de Triumpbo.O gover
nador do Estado manda commnolcar vos que
prorogou por 15 dias o praso de om mez marca-
do na portaria de o do corrente para o bacbarel
Augusto de Albaquerque Cabral de Vasconcellos
assumir o exercicio do cargo de promotor publi-
co d'esse municipio, para o qual foi nomeado
n'aquella data.
O Sr. gerente da Companh a Pernambuca
na d passagens de r at Macei na I.* viagem
d'este mez, por conta das gratuitas a que o go-
verno tem directo a D. Maria e seu filbo Atbana-
sio Cavalcanlc Ramalho
O Sr. gerente da Companbia Pernambnca-
na d passagens de proa at Macei, na viagem
d'esie mez, por conta das gratuitas a qae o go
verno tem direito, a Anna Maria .da Conceicito e
sua irmS Prudencia, observado o disposto na
clausula 23.a do Decreto n. 10208 de 16 de Marco
de 1889.
O Sr. gerente da CompaBbia Pernambncana
d passagens, de proa at "Natal, na 1 viagem
do mez de lunho prximo, por conta das gratui-
tas a qne o governo tem direito, a Raymondo
Joaqnim da Silva, observado o disposto na clau-
sula 23.a do Decreto n. 10208 de 16 de Marco de
1889.
O Sr. gerente da Companbia Pernambncana
d passagens de proa at a Babia, na 2.a viagem
d'este mez, por conta das gratuitas a qne o go-
verno tem direito, a Manoel Maria de Oltvelra,
e Jos Maria de Oliveira, observado o dispos'.o da
clausula 23.a do Decreto n. 10208 de 16 de Marco
de 1889.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco C passagem por conta
do Estado, em carro de 1.' classe, de Cinco Pon-
as Una, aofcidadao Joo de Oliveira Cintra,
delegado de polica de S. Bento, conforme re-
quisita o Dr. questor policial em offieio n. 74 de
boje datado, visto ter nodo aquella antoridade a
esta capital por motivo de servio publico.
Mutatis mutand* de Palmares a Canboti-
nho.
m
DESPACHOS DO DA 4 DE JLHO DE
1892
Adolpho Jos de Araojo, pedindo e itrega de
nm alteslado medico que juntou a urna petico.
Sim, por crrtidSo.
Antonio Augusto da Fonieca, 3* oflicial da
xtincta secco de Estatistica. pedindo pagamen
lo de seas venciaento3 Deferido com offieio
desta data ao inspector da Thes:uraria de Fa-
zenda.
Angelo Rolim de Souza Moreira, carcereiro de
carteia de Gloria de Gjit, pedindo pagamento
de vencimentos. Satisfaga as exigencias da
iei.
Antonio Mariano da Silva, preso pobre reco-
lhido na Casa de Detencao, pedindo para ser re
movido para a comarca de Leopoldina a fim de
justificar se a sua innocencia.Informe v Dr.
questor policial.
Antonio Bento da Fonceca, vindo do presidio
le Fernando pede urna passagem para a provin-
cia do Cea onde natural.Informe o Dr.
quest.r policial.
Alfredo Pesoa, sub-commissario quartel-mes
treda guarda local, peiindo para ser snbmelii-
do a urna inspeceo de saie.Indeferido.
Bartbolomeu Victorino de Souza, sub-commis-
sario da guarda local de Q ipipa, pedindo pa-
gamento de venciraentos Informe ao inspector
da Thesouro do Estado a qnem foi paga a quan-
ta referente aos mezes de Janeiro a Abril ul-
timo.
Cariolano Herculano Paes Barreto, sentencia
do civil, pedindo perdi do resto da pena. -la-
forme o Dr. juiz de direito do 2 districto cri-
mine'.
Francisco Leite N'jgueira Pas, tenente com-
missario d) municipio de Flores, pedindo paga-
mentos de vencimentoe.Ioforme o inspector do
TheSciro do Estado.
Capitao Joao Francisco Hemeterio Porteila, pe-
dindo qne te lhe mande pagar a quantia qae
despenden com as pracas do corpo de polica.
Defarido cola offieio desta data ao commandante
do corpo de polica.
Jos Rodrigues da Costa, preso na cadeia de
Limoeiro, pedindo para spr removido para a Casa
de DeteDcao. Informe o Dr. juiz pe direito do
munic'plo de Limoeiro.
Bacharel Liodolpbo Olympio dos Res Cam-
pello, oflicial da secretaria do Thesouro do Esta-
do, pedindo 3 mezes de licenca. Sim.
Luthgarde Maximiano Pestaa, alferes da 1.
companbia do corpo policial, pedindo 15 dias de
licenca.Remedido junta medica do Estado, a
qnem o supplicante ae apresentar para ser in-
speccionado-
Mara Francisca Hermelinda Cavalcante, pe-
dindo dispensa do pagamento de decima da casa
o. 60 ra do Padre Floriano na freguezia de
S. JosInforme o inspector do Thesouro do
Estado.
Miguel Joaquim Seara, arrematante da cobrao-
ca dos pedagios das barreira3 de Timb, Bujary,
Tanquinbo, Urua, pedindo para destacar em
cada orna das altad das barreiras urna praja de
polica.Informe o commissario geral da guarda
local.
Coronel Manoel Antonio dos Santos Dias, con-
cesionario da usiaa Santa Fionila, pedindo para
entrar para os cofres pblicos com a quantia de
30:0'0,1000, para amortisacao de snas apolices.
Sim, nos termos do offieio de boje ao inspector
do Thesouro do Estado.
Manoel Clemeatino Correia de Mello, arrema-
tante do pedagio das barreiraB de Tapacur, Mo-
reno e Tacarnna, pedindo para entrar com a
prestscio qur> obrigado depois de realleados os
contractos que esto fazendo-te c aberto o trafe-
go da de Tacurnna. Deferido nos termos do of
ficio n'esla data dirigido ao Thesooro do Estado.
Pedro Cypriano da Silva, sentenciado, pedindo
que si lhe conceda perdo da pena.Informe,
com urgencia, o Dr. juiz de direito do 2* districto
criminal do Recife.
Paulina Maria da Conceico, pedindo para ser
removido da cadeia de Caruar para a d'esta ci
dade o seu ti i rio de nome Joao Bezerra de Mo-
raes. Informe o Dr. juiz de direito do 2.* dis-
tricto criminal.
Pompeu Caotarelle, commissario do municipio
de Boa Vista, pedindo urna prorogacito do prazo
para a postilar o sen titulo.Concedo o praso de
8 dias.
Tnelemaco Cavalcante de Mello, i." oflicial do
archivo da secrt'aria do governo pedindo 3 me-
zes de licenca.Sim.
Secretaria d Governo do Estarlo de
Pernambuco, 6 de Julho de 1892.
Tito Franco de Mendonqa.
Queatnra policial
SeccSo 2. N. 152 Secretaria da
Questura Policial do Estado de Femara
buco, 6 de Julho de 1892.
Cidadao.Participo ? qne foram hon
tem recolhidos Casa de Detencao os
seguintes individuos:
A' ordem do Dr. juiz do 5." districto
municipal, Abel da Silva Dar.rte, Jos
Cesar e Feliab^rto Moreira das Chagas,
rinheiro, nao era isso razio suficiente a indu
zir os colonos italianos a ff.-dntarem o estndar
te brazileiro, como o fizeram, demonstrando a
evidencia a ignorancia desses rodimentares prin-
cipios de civilidade que todo cidadao deve co
nhecer em beneficio mesmo co sea estatuto pes-
soal que, como a propria sombra, segu lhe os
passos.
Em um paiz reconhecidamente hospitalero,
como o nosso, taes commettimentos dep5em
sebre modo contra estrangeros rreconhecido3
e desabosados.
Anda mesmo, admiltida a bypotbose, os guar-
das da AlfuDdega de Santos tivessem perpetrado
lao lamentavel e hediondo crime, os colonos ita
lanos nao tinham razad para romperem em boa
tilidades contra a nacionalidade brazileira que.
nao pode absolutamente ser responsavel pe!o<
desmaudos daquelles que ella saberia se'era-
menteScastigar com todo o rigor de snas leis
penaes.
Em toda a parte ha incultos e perversos; e,
assim como toda a pennsula italisnabadeinc<:n-
testatelraente condemear o vil procedimento di
r/outfi de seus tilhos residentes em S. Panto,
assim tambem a nacSo brazileira nSo pode ab
sotatamcu'e re3poader por criminosos de entro
modo que nao entregando-os i accao da jastica,
com soe fazel-o.
O caminho que, em taes emergencias, tinba a
seguir a colonia italiana era representar junto a
egaco de seu palz contra o pretextado crime
para qne esta o fizesse sentir aos poderes com-
petente- que, convictos estamos, dariam a? pro-
videncias exigidas no caso.
O desforco, porm, qne pozeram em pratica
de:ac-edita sobremaneira os sens f-as civis e
moraes e provoca a antipatbia e a odiosidade,
de todos os brazileiros, para a sua cansa, ene,
por mais justa que seja, nao era para tao vis
excessos, 15o selvticas vindictas.
Rasgar e pizar o estandarte 'de urna nacao
atirar a ultima injuria a lace de um povo qae o
idolatra e defende com '.olo o ardor patritico
que se contem na alma brazileira.
A honra e d'giidad > nacional constituem um
culto inviolavel e sagrado para 08 tilhos do cru
zeiro que por tantas vezes tem posto em prova
o seu valor na defeza de tao sublimes principios.
Aguardamos os jornaes d'aqnelle Estado qae
certamente relatar-nos-bSo os pormenores de
tao afrontoso commettimeoto, para poderm es
verberal-os com todas as nossas torcas.
De ante mao, porm, lavramos o nosso pro-
testo de indjgnacao contra esse acto de puro e
transedental canibalismo commettido por estran
geiros que se arrogim os foros de civilisados e
que, em retribuicao da bospitabilidade e daabnn
dancia qne encontram em nos solo, dSo nos tao
tristes e deprimentos attestados de sens caracte-
res e sentimentos,
Figm-a Sobrmho.
EXTERIOR
EUROPA
Forfugal
Vao ser coavo jadas extraordinariamen
te as cortes para revolverem sobre o con-
venio relativo divida esterna.
Tem-se como certa a noticia qae ha
circu.ado de haver o governo allemao di-
rigido ama nota ao portugus com refe-
rencia ao aupan de divida externa.
No da 25 as tropas receberam ordem
de conservarem se de promptidSo.
Essa providencia foi determinada pela
parede dos telegraphis'as na Hespanha.
Mas j se acham restabelecidas as com-
municacoes telegraphicas com esse paiz
No dia 22, o pessoal da legajSo e do
consulado do Brasil mandn celebrar urna
como gatunos, vagabundos e desordeiros.
A' ordem do subdelegado da frogueiia I mi88a por alma das victimas do Solimes.
do Recife, Aul Ferdinana, Johan Marinno
Antonio Ferreira da Crua e Manoel Fran-
cisco do O', por embriaguez.
No dia 5 do corrente foi capturado na
cidad* da Escada o indrviduo de nome
Joao Baptista de Oliveira, crimiuoso de
morte e de furto no municipio do Bonito.
Reassumio boje o ejercicio do car
go de sabdelegado do districto de Tigi-
pi, o cidadao Liberato Lata de Freitas.
Ao Dr. Alexaadre Jos Barbosa Lima
muito digno governador do Estado.
f O Questor, Benjamn Aristides Ferreira
Bandeira.
DIARO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 6 DE JLHO DE 1892
Estado de S. Paulo
Mais um edificante exemplo veio corroborar a
opioio qne externamos no precedente artigo
acerca de nossa colonisac&3.
Telegrammas de Saat03 pSeo-nos a) tacto de
qoe gravlssima a sitaajo creada naquella ca-
pital em conaeqaencia de um conflicto provoca
do por colonos italianos a pretexto de vingar
a morte do compatriota commandante do navio
Anara, victima de febre amarella, mas qae el-
le; attribairam a espancamen'.o >.
As saspeitas de tal crime recabiram sobre
guardas da Alfandega e aellas originaram-se
desavenca; entre estes e marinbeiros daqaelle
barco, resaltando a intervencao dos colonos ita
Manos qae, por cceasiao de am meeting, pisaram
e rasgar am ama banleira nacional.
Entretanto procedentes embora estas saspei-
tas, provado mesmo o assassinato daqaelle ma-
A ceremonia, qae se effectaoa na igreja
do Sacramento, foi inmensamente concor-
rida.
Compareceram a colonia brasileira e-di-
versos portaguezes qae residiram no Bra
zil.
No mesmo da., o Sr. Costa Lobo, mi-
nistro dos negocios estrangsiros do gabi-
nete portoguez, mandoc celebrar tambem
urna missa por alma das mesmas victimas.
A essa ceremonia comparecen grande
numero de altos personagens polticos e a
mor parte da colonia brasileira.
Ainda n'esse dia o Sr. bispo de Beth-
saida seson outra missa em idntico suffra
gio.
A assistencia foi numerosa, e estove
presente toda a colonia brasileira.
O governo foi representado pelo Sr. mi-
nistro da marinha e ultramar.
Trata o governo de crear ambulancias
postaos martimas ; assim como ooocedea
a Associagao Commercial do Porto a rea
do terreno que fot preciso para installacab
de nm posto semaphorico provisorio em
LeixSes, qae a mesma associacSo vai ah
eregir s saas expensas, para o servico da
navagacSo.
O consol geral do Brazil em Lisboa,
paasou o exeroicio do consalado ao respec-
tivo vice cnsul,para deixar livre e desem-
barazada a syadicancia do sea movimento
pelo delegado do governo da Repblica
Brasileira, prestes a obegar em cumpri-
mento do servico de inspeccao dos conso-
lados brasileiros.
Fallecen na cidade do Porto o capita-
lista Seraphiai Vasques, oatr'ora nego-
ciante no Rio Grande do Sal.
Daixoa testamento e nelle importantes
legados a peisoas residentes no Brasil.
Chegou da frica o valeate oficial
Azevedo C mtiuho qu informa ser muito
grave o estado d Zimbezia. Da tambem
pormeno es interessantes da horrorosa ex
plosSo em que elle foi quoimado e em que
outros seus companheiroa foram mortos.
Diz-se que eato official requereu conse
Iho de guerra por causa da saa mallograda
exped;2o o que vai publicar um rotatorio
da mesma.
Confirma-so a morte de Minoel Anto-
nio de Souza, homem que tinha grande
prestigio as populagSas indigenas.
Cartas de Santarm d3o noticia de um
cyclone que su dias passou pelo logar de
Qraintho, a pequea distancia da cidade e
que causou enormes prejaizos, arranciado
peta riz oliveiras, sobreiros, vinhas, etc.
Urna camponeza que estava sentada
junto da casa, com um filhijho nos bracos,
vendo approximar se o p de vento, cor-
rea a recolher-se fechando a porta.
Mas insta-ites depois a porta era ar-
rombada com grande racasso e o telhado
voava inteiro ares fra. A desgranada,
que se achava era p, foi atirada parede
fronteira, partindo um braco.
O filho fieou em micero estado:
A agua do rio, sugada pelo torvelioho,
subi em columna direita a mais de 230
metros de altura.
O cyclone arrasou tudo na sua passa-
gem.
Hettpanba
O Sr. Elduay:o, ministro do interior
do gabinete hespanhol, dea a sua demis-
8o.
Foi sabstitaido pelo Sr. R. I. Villaver
de, antigo ministro da Justina no gabinete
precedente.
O pessoal dos telegraphos do reino
b dias declarou se em parede, exigindo
augmento de ordenados e diminuidlas de
horas de trabalho.
Em todas as liohas cessou de todo o
servigo.
Em mil estaco as do ser 7193 geral o
abandono deste foi completo, bavendo
sido cortados os fios telegraphicos em di-
versas pirtes das linhas.
Actualmente, porm, pode considerar-se
terminada a parede dos telegraphistas hes
panboes; poie o governo fes substituil os
por militares e o servico recome$ou, sob a
vigilancia de forjas do exercito.
O director dos telegraphos dea 'demis-
sSo do cargo.
Sobre o*fallecimento de Marfori,
de qae j dei lb.es noticia, teoho a aesrea
centar em complemento e rpida biogra-
phia poltica, que era sobrinho do mare-
chal Narvaez, e desempenbou o papel sa
lente na corte de Is, bel II.
Marfori foi ministro do ultramar no ga
binete Goncalez Bravo, cujas actos pro
voearam a revolacJto de Setembro de
1863, qae des'hronoa a rainba.
Era actualmente conselheiro de Estado,
senador, camarista de S. M. a rainba re-
gente e tinha o collar de Carlos III, a
mais alta distinecao hespanhola, depois
do TosSo de Ouro.
Em consecuencia do duello trgico
que teve logar no dia 24 pela manbS,
entre o Sr. marquez de Moraes e o Sr.
Meyer, crpitSo de engenbaria, do qual
reaaltou a morte deate, o marquez de
Mores foi preso, e ser levado perante os
tribanaes competentes pelo crime de ho-
micidio involuntario.
Esse acontecimento contir.i a impres-
sionar vivamente a imprensa e os circuios
officiaes alintaos.
A crise financeira assoberba a Hes-
panha, cujo governo todo envida para n3o
deixar aspbyziar-se.
Neste sentido acaba de organisar novas
propostas em modificacao do seu provecto
de orcamento para o exercicio de 1892
93, visto ter recoohecido a insufficiencia
das anteriores sobmettidas ao congresso
em presenoa do decrescimento das receitaB
en tao calentadas.
O novo trabalh) do governo ama re
modelajSo profunda do primitivo; e ato
v se das medidas que seguem e foram
propostas na referida remodelacSo :
Augmente de renda paga reta compa
nhia dos tabacos ; a companhia rebeber
em compensaco o monopolio dos phos
phoros.
Njvo imposto sobre valores mobiliarios,
inclaindo as obrigajSes hypothejarias e
as dos oaminhos de ferro.
Augmento de impostos sobre assucares,
alcooes, privilegios de invencSo, emola
montos dos fanecionarios civis e eclesis-
ticos, assim como sobre as aposentajSes
civis.
Emfim, pedir-se s cmaras autorisacSo
para v nder ama parte dos bens nacio-
naes e para contratar am emprestimo de
setenta milhSes de pesetas a 5 por canto
amortisavel, para reembolsar os adianta
montos da companhia arrendataria dos
tabacos.
Salmern chegoa Madrid e j se
o conselho qoe o deve jul-
apresentoa no congresso,
onde
esperase
a qoes
qoe ioterpellar o governo sobre
tSo financeira.
Acredita se qoe ser effectaada a
fusao de todos os elementos republicanos,
divergentes at agora ; e de accordo es
foroa-ie Zorrila, qae trabalha para qae
ella se firme em bases solidas e segaras
e possa realisar-se o ideal porque se tfa-,
nam todos os republicanos.
Franca
Eatao presos e incommantcaveis alguas indi-
viduos acensados de haverem vendido segredos
militares Allemanba e Italia.
E a despeito das ustissimas reservas do mi
nisterio da guerra, a reporltgem parisiense con-
seguio os nomes dos individuos complicados
n:ssa questo. Um delles o capitao Barny do
exercito francez.
J est nomeado
gar.
Kceiigstein, vulgo Ravachol, aator das ex-
plos8 dynamite, qae se produziram no bou-
levard San Germain e na ra de Clichy, e con-
demnado no dia 27 de Abril prximo passado
por estes factes monstruosos trabalhos fora-
dos e perpetuidade, acaba de ser novamente tra-
zido perante o supremo tribunal por crimes an-
teriores e de direito comrnum commettidos so-
bre varias pessoas uestes ltimos annos.
A deliberaco do jury nao foi longa e o ver-
diclum, tendo sido dado, afastando toda a cir-
cumstancia attenaante, a corte pronancioa a
condemnaco pena capital da Ravacbol.
A execugao deve ter lagar prximamente.
A imprensa conservadora da capital applande
a deciso do jury de Montbrisson, qae condem-
nou tavachol pena ultima.
Os anarchistas acham-se grandemente excita
dos e promettem tomar terrivel desforra. A po-
lica est vigilante, guardando vista os dyoa-
mlteiros mus em evidencia.
A populago confia na energa do governo e
as medidas de seguran^ qae as autoridades
j resolveram.
j- Est verificado que existe em circulagSo
cinco milbGes de francos em debenlares falsos
da Companbia de Dynamite, que aqu tem sle.
O tribunal qae julgou este caso escandaloso
expedio mandado de priso contra os directores
Arlhan e Legay.
Mr- Gri8topbe reassumio a presiddncia do
Crdit Foncler.
O Fgaro comecou a propaganda pela reali-
zago de urna exposigo universal nesta cidade,
no anno de 1900. [
Acaba de d&sapparecer o jornal clerical La-
Djfense. depois de ter vivido 16 anuos e al-
gumas semanas, em que desempenbou as re-
tacees da Igreja e do Estado um papel que nao
foi sem importancia, nem sem proveto para as
ideas conseradorase liberaos.
Mr. Dapanloup, o celebre bispo de Orleans,
foi 0 fundador da Dfense.
J em 1868, com alguns amigos, Augustin
Cocbo, Montalambert, o duque do B.-oglie e o
padre Gratry, Mr. Dapanloup concorrera para a
funlaco do Fracais, mas a attitude desta
folba desgostou-o depressa, e traton de reunir
c 1 pita -a para a publicaco de ama nova folba,
que foi a Defense, cajo p-imeiro numero ap-
pareceu em 13 de Maio de 1876.
Entre os seu3 primeiros assignantes o novo
jornal contoa o cardeal Pecci, bispo de Peru3a,
qae devia socceder a Po IX dous annos mais
tarde Leo XIII testemunhou sempre maita
aHeijao a Defeier.
ltimamente a Defense estava fazendo poli-
tica realista.
Um jo'nal religioso nao poda continuara sua
publicacp nestas coadiedes, que nao satisfa-
ziam os desejos do Santo Padre, e por isso a
Defense desapparecea como a Union de la
Fraace Cbrtieane.
Fallecen no na 26 o contra almirante Mou-
ebez, director do observatorio astronmico de
Pariz e membro da academia de Sciencias da
mesma capital.
O passamenlo do venerando sabio causou do-
lorosa sorpreza e todos o> jornaes ooticiaram no
com palavras do maior sentimento, tragando a
extensa e ootavel biographla do Ilustre cidadao,
iue cedea Iei da morte na idade de 71 annos.
Preparam se grandes funeraes ao fallecido,
que era muito estimado no mundo dos sabios e
na mirinba.
Algans casos de cholerina, sem a menor
gravidade, appareceram nos arredores de Pariz.
Embora nao haja motivo de se attribuir a isso
algnma importancia, as autoridades sanitarias
tomam todas as medidos necess:rics para evitir
a propagaco do mal e para acalmar a commo-
Co que a apparicao desta epidemia nao i'a'.xa
de causar entre a populacho.
Mas est verificado j qae os casos de enfer-
midaie saspeita, que tanto alarmaram a popula
Cao desta cidade, nao passam de accessos de
cbolerina.
Entretanto esta molestia desenvolvere apezar
dos asnidoo3 cuidados das autoridades sanita-
rias.
Morreu no \* 4 de haoigo nm rapaz es-
cultor, alumno da Escola da3 Bellas Artes, cha-
mado Peyre, n'um quarto que elle alugava por
cem francos por anno, no sexto andar do n. 37
da ra Monge.
Tinham no mandado de Saint Etienne apren-
der a arle na capital. Os pas pensavax que elle
viva bem e manlavam-lhe s vezes uns presen-
tes de ovos e comestiveis, que elle nao sabia
como utilisar, por falta de preparos de ros'nha.
Como era orgulbo'o, nao padia. V va de bata-
tas fritas e agua 1-to (, morrta. O medico,
que om amigo, tendo o encontrado cabido, le-
vou-lne duas horas antes de morrer, perguntou-
lhe o que sentaUrna especie de p ralysia
Mal me posso mexer.
O que comen bontem
Batatas, e beb um gole d'agua.
E anl?-aontem ?
Batatas e agaa.
Deram-ihi am caldo, que o estomago nao pon-
de Bupporlar, e com o esforgo do vomito mor-
rea, antes qae chegasse o carro das ambulan-
cias, qaa mandaram bascar para o levar ao hos-
pital.
Assim, quem pobre e tem vergooba, pode
morrer de (orne u'esta cidade de laxo, em qae
ha dyspepticos qae (do oito francos per um
pecego da Montrenil sobremesa de am jamar
en restaurad ebie 1
Na vaga deixad* na Academia Franceza
pela morte do almirante Junen de la Gravire
fot eleito Ernest Lavisse. "
Emite Zila, que se apresentava candidato,
sem contar com a eleiro. mostrou-se admirado
do numero de votos qae teve.
Dez votos I disse elle a um reprter. Por
mais que cont, nao sei de onde me veio o dci-
mo. Vo v* qne foi o Lott qae votou f o- mim...
Ei-nest Lavisse o condecido historiador, mes-
tre de conferencias na Sorbonne, chefe do movi-
mento escolar francez, nm dos guias da nova
geraco. E era o mais academisavel dos candi-
datos.
A saa eleicSo, qae nao foi nma surpreza, a
nioguem sarprebendeu.
* A medalha de hon'a da exposic&o de pin-
tara nos Campos Elysios foi conferida este anno,
em terceiro escrutinio, por 183 votos sobre 324
votantes, a A'bert Maignan, aator da Morte de
Carpeaux.
Aibart Maignan, que tem 48 annos de idade e
expositor desde 1868, teve saccessivamente
todas as medalbas, e em 1883 foi nomeado ca-
valleirn da Legiao de Honra.
Bel lea
Estava designado o da 27 do passaio paralter
lugar o juigamento plenario dos dyjamitiatas de
Liege.
Nj dra 24 liaba se Jado, as minas de car-
vao de pedra de Roax, exploso de gris.
Foi alioida ama das paredes dos pocos de ex-
ploraco, o qoe dea logar morte de maitos
operarlos.
As cmaras belgas votaram ltimamente
urna le suspendendo at ulterior disposic^o
as operacoes da moeJagao e aDnameato.
A respeito escreveu ama fotha :
O anno passado, ao ser denuncalo o con-
tracto que coofiava estas operacOes a urna em-
presa, pe lira o governo ao parlamento a sospen-







3
-
... ...m. L'l ,



1
Diario de Pernambuco Quinta-feira 7 de Julho de 1892
j3o deltas por um perndo de-seis meze, tato ,
at 18 de Fevereiro de 1891.
Esta interrupga foevaacitiata rnrt- o nm da
es examinar ai se Oev eria oonsanrar o eystonaa
dn empreza particular. ouoopatar o Oa.iaunoa
ctJ por conta do osi-ia.
O governo, de ocearJo com a coauMMao too
otaria, eotendii^etvar* esejar cantarse a
lobricago das eataaties metallMH aoiataoco Na-
cional, qoe j teo*ajeo cargo.aamiaa*ae o*
embolso do papetBBOeda. Masaste aueabetaci-
nento declinou tal-.aacaagai eaMndojeasearar
que DO actual estado ^apresta MMtina nao
era de prever que se houvesse de recomecar
por emquanto a cunbagem.
0 governo concordou com esta opinio, enten-
dendo que a Blgica pode sem inconveniente,
< esperar que a poltica monetaria que os Esta
dos UJ408 nao de aegar e reflexameate, taires
.13 principaes na^oes europeas, se accentue mais
Jaramente.
Por occasiao das conferencias inlernactooaea
e 1878 e 1881, a Blgica co'.locou-se no terreno
do mooometallismo. M-. de Nee, deputado par
Lonvain. attribuio o mal estar agrcola, indus-
trial e econmico qa em.ioda a parte se est
hiendo sentir, ao encarecimento da moeda que
lem-por corollario a baixa de todos os presos.
E julga aerem causa desta crise monetaria o
abandono do bimetallissimo, a desamoedaco
arctal da prata na Allemanha, e a sospenso
a cunhagem deste metal nos estados da uaiao
taifaU.
Gamo conclasio, "reclaman e regresso ao bi-
metalismo, e emlttio iacidentalmeote o voto de
que a Beleica se puzes: desde j em relaco
com os demais estados da unio para procura-
rea, de commum accordo, o melbor caminbo a
seguir por occasiao da prxima conferencia mo
netaria internacional.
A resoosta do ministro da [aseada tai muito
leeervada : oa qaiz elle, a proposito do proje-
e'o de le especial apresentado as cmaras, en
fc-ar as. delicadas questes do mono e bimetal-
lismos
Insisti de um modo especial, como ja o fuera
o Sr. Luzaiti no parlamento italiano 003 telizes
resultado i da unio latina :
Permittio ella artificialmente, a muUos mi
lhois de borneas o darem prata o valor do
ouro, tornando se assim menos seusiveis os in
convenientes da raridade deste- *
Por ultimo declarou que a Franca o paiz
que occupa, e de ha muito, o pnmeiro lugar na
unio latina ; e que deila que os outros devem
esper.r a direcgo na prxima conferencia mo
a::dra.
T
Pauta A
(A que se releren. oiarta^l0 e 3.* do presante
tasado
INTERIOR
MULiAMaVAS
Algodo, kilo .
Assucar, ioter'or ao tvpo 20
^dafJfcala hallaodeza, l.k.lo
GoanMerdes, kilo -
Couroraeccos, kilo .
Farinba de pao, k.lo.
Farioha d'agua kilo
Doce de qualquer qualidade,
kilo.......
Hateras Btamentosas, ani
maes e veaeiaes, kilo .
Borracha, kilo.....
Madeiras em broto para mar
cineiro, ad valorem. ,
1 real
.90 ris
1 real
10 ris
1 real
i
!/.
Cada um destes andares lera 80 ps por SO.
Do lado oppoto da treote principal estar a
bibliotnsca,;fsbiste d:;saaraes, arda,
etc.
No aseundanatla- e por airea da sobada prin-
cipal asNoraatlas paramnhtras e quartoapara
as roiamasa>'-
Todoo-snajanda aaisr do ptvilbo do aorte
a. el jira, raudo- eataido. Rouniao .do Ctab.
O paoilaao dosul lera modados de costana?,
las orec-peo, sata onde se serrlrao rtes-
ete
(Contenta.)
30'/
30a>f
LITTERATDRA
TralsoVde commerclo e Baver4o
celebrado em Janeiro uillmu en
tre o fetrasti e Portugal
0 Jornal do Commercio pablicou na inte-
gra-esie tratado, cujas esUpolagt8 sao as se
guales :
Art. 1 Haver plana e inteira libirdade de
comaiercio e de navegajo entre os naciooaes
dos dous palies. Os portugueses.e os brazlei-
ros nao serio sojeitos, em raiao do sen com-
mercio ou industria, nos portos, eidades ou
quaesquer lugares-dos respectivos estados, fuer
abi se estabelegam, quer abi residan) tempora-
riamente, a ouiros os maiores tributos, impostos
ou cootribOicOes de qualfoer denomioago que
sejam do que aquelles que pagare ai os naci
naes Os privilegios, mmuaidades e outros
quaesquer favores de qoe gosarem, em materia
de commercio e industria, os nacranaes de ama
das alias partes oniracianiei sero commans de
Uta.
Arla- As- mercadorias proce lentes de Por
mgal, e- ineoetaoa4as aa pauta B aonexa-ao pre-
sente tratado e bem assim as ai ere dorias o.-i
finaras da repblica dos Estados Unidos do
Brazil, e mando aadas ua pauta A aoaexi a este
t-atado, paya-a como nicos direitos de entrada
os eeaeoihcadosi as mesmas paulas. -
Art. 3- s dircos, porm, que terio de ser
cobrados sobre as mercadorias especificadas as
pautas A e B s que se refere o precedente ar-
tigo, sero sempre inferiores aos dlreitos geraes
ou eoDvencioBaes estabslecldos por ama ou oo-
tra das altas parles coniractaotes, de, pelo me-
nos, a importancia das porcentagens difieren-
ciaes tixadas as mesm.18 pautas ; de modo que,
empre, e em todo e qualquer caso, soja mau
lid* em favor las moteado ias das 4uas nacis
nma margein diferencial para nim.s, lujca
inlerior das pj-ceotageos cima reletvdas.
l- ij .an'.ot m'-rcadorias, que oas citadas
piota< A e B sio livres de direitos, oenbutna
das altas partes conlractaotes podera fixar, paia
outros paizes, direitc inferior ao estabelecido
as respectivas tarifas em vigor no 1* 4e Ou'.q-
Orode 1891-
2-0 caf originario do Brazil .osar em
Portugal de todos os favores de armazsoagem,
re-exportacj5o e transito, que forem concedtios
ao caf procedente das possessCes portugoezai.
3- K' applicavel ao assaiar e ao algodao
originarios do Braiil o dispasto para o caf no
parugrapbo anterior.
A't. 4- Ndohum imposto interno, directo on
indirecto, nacional, d^ estado ou municipal, po
der ser cobrado sobre qua quer das mercado
ras mencionadas oas referjss pautas A e B
aanexas ao presente tratado, tquenao seja ex-
tensivo s mesmas mercadorias de qualquer
procedencia ou origem, inclusive de origem na-
cional.
?ri. 5.*As duas alias partes contractantes
obrigam-se reciprocamente a fazer aproveitar a
ouira da lodos os favores, privilegios oo redc-
elo nos direitos de importaco e exportacko de
que gozem desde ji oo venbam a gozar os pro-
ductos de quaesqner outros paizes, assim como
a oao e8tbclecer, urna relativamente a outra
prebibico ou restri:co de importaco, que nao
tej ao meemo lempo applicala a todas as de
mais oages.
Art. 6.* Portugal poder lser Hespaoba,
quanlo ao commercio da fronteira, concessdos
esaeciaes que nao srjam extensivas a qualquer
ou'-ra naro.
1. Nerhuma concesso comtndo poder Por-
tugal fazer Hespaoba, pelo que respeita as
mercaderas comprebendidas no presente trata-
do, el m violaco do disposlo no art. 3a deste
mesmo tratado, e portado para algodo e assa-
car de procedencia hespanbola, ou de qualquer
outra origem manter-se-ba o rgimen disposto
no citado art 3.*
J i.0 Os beneficios resoltantes do disposto no
art. 5. e as restrieges do precedente 1* deste
art. 6a, BUDeisUro dorante a vigencia do presen-
te tratado.
Art. 7.a Nos portos das duas nac,5ss contrae-
tantes, os navios portuguezes e brasiloiros sero
equiparados aos naciooaes para todos os effeitos
e em todas as condigOes, com eicepco do que
respeita a navegaco de cabalagem e aos privi
legios (x tusivos concedidos pelo governo do
Brasil associago Llcvd Brssileiro.
Paragrapho nico, a nacionalidade dos na
to i ser reconhecida de urna e outra parte, se-
gundo as lela e regulamentos particulares de
cada paiz, por meio de documentos pasalos
aoa capites patas autoridades competentes.
Ar 8 Nos tratados qoe as duas altas partes
conlractantes celebrarem com quaesquer oatras
potencias, excluiram os favores ou beneficios
que reciprocamente ee concedam ou venham a
coneder-se do que respeita a direitos de impor-
taco, exportajao. e resinen fiscal, de seren
comprebendidos em sens effeitos no tratamento
de nago mais favorecida, que per ventura pac
tois com teraeiro paiz.
Art. 9 A duraco deste tratado ser da aels
aonos a contar da troca das ratificacOas.
Paragrapho onlco Senenhuma das altas par-
tes conlractantes tiver declarado ontra, dose
mezes antes de expirar o termo indicado, a in-
tecc,lo de fazer cessar os effeitos do mesmo tra-
tado, este continuar em vigor durante um anno
e assim por dianle at que se faca a dita indi
cacao.
Art. 10. Fica marcado o prazo de seis meze3,
a cessar da data da assgnatura do presente tra-
tado, para a sna ratificado pelas dnas altas par-
tes conlractantes.
As ratifica (des sero trocadas no Rio de Janeiro
den'.n de dous mezes depois de decorridos os
seis cima concedidos.
< Km testemonho do que os respectivos pleni-
potenciarios asslgnaro e sellaro o presente
tratado.
Feilo no R.p de Janeiro, em duplicado, aos 14
dias de Janeiro de 1893.Fernando Mattaoo San-
tos. -r-Joo Ptreira de Andrade.
Fernaoio Mitloso Saaios.Joo Pereira de
Anirade.
PAUTA B
(A que se referem os arts. 2 e 3 do presente
tratado)
Hercaorla
Vinho, litro...............
N. B.O vinho engarrafado
pagar mais 60 "/. do res-
pectivo dire'to, litro.....
Aieite, litro...............
Vinagre, litro.............
Sal.......................
Roteas de cortina, k-.lo.....
Fructas verdes, k lo.......
Fructas seccas, kilo........
Cebaulas e albos, kilos.....
Escovas, pinceis e mala arit-
gos cerdosos: pedras c
marmores em bruto ou ap-
parelbados ; prodactos ce-
rmicos (com excluso do
tijolo), a saber : telba de
barro vidrado ou nao, la
drilho, ladnlho refractario
azulejo, vasos de barro
para flores, 'bastea, esta-
tuas, etc. Nmeros i a 6,
cal em pedra on em p...
Sandalias, tamanecs e caiga
dos (com excluso dos sa
patos, botas e botinas de
luxo e uso geral)........
& I
ca
_ a.
Q O
140 ris
224
210
60 .
Livre
140
60 .
150
70 .
1.3
eco
ca a
gal
2
30 a/.
30
2o
30 "/.
20 a/.
25 a/.
23 a/.
Com 25 / meaos
do que o direito
nacional, de Es-
tado oo munici-
pal, xado, ou
que veoba a ser
xado na tarifa
dos Estados-
1 Unidos do Bra-
zil.
dem, dem.
Joao Pereira de Andrade.Fernando Matloto
Santos.
mm
EXfOSI(A<) DE ClHCAfi o
(Exposl?e Colomblaua)
( Continamelo)
Edificio do governo
O Editicio do Governo aoba-3e situado peno
das mareos do lago, ao sal da lagos priocipal,
ua rea reservada para as asedes sstraogeiras e
os diversos estados, ao este do Edificio das Se-
nboras e do Midwa; Plaisaaoe.
O pianos foram obra do archttecto D. Win
drim.
E' d'estylo claasico e cobre urna rea de 350
ps por 420, construido do ferro, tijolo e cryslal.e
cusiat 400,000.
Ter urna cpula octagonal de 120 ps de di-
metro e 130 ps d'elevaco.
Este edificio Oca ligado ao edificio da pesca
por urna ponte obre a laga.
Os espagos para as repartieres das diversas
e&bibices seri: para a Repartico da Guerra,
23.000 pos quadrados; para a do Thesouro,
10,500; Agrlcultara, 23,150; Interior, 24000;
Corretea, 9 000; Pesca, 20.000 ps quadrados ;
e Instituto SmUbionian o resto do espago.
Ae autoridades da Casa da Moeda exhibiro
nao so urna collecco completa da moedas fcitas
oos Esta Jos-Unidos, mas tambem um grande nu-
mero de moedas estraogeiras.
Exbibir-se-ba anda um numero de quadros
dos educios pblicos da capital.
Exhibir se-a urna estaco de Salva-vidas per-
leramente equipada com peasoal habilitado para
attender a todos os acc.tientes.
Bxbiblr-se ha um enorme mapa de 400 ps
quadrados da Perspectiva da Costa, feito em ges-
so, e collocado horizontalmenle nos terrenos da
Exposigo. *>
Acbar-ae-ho exnostos os uniformes do exerci
t?, modernos e do tempo das guerras dos Esta
dos-Unidos, assim como um telepbone que se
usou no Campo da batalha.
a exposigo do Gabinete Medico oceupar um
edificio eaptcial qoe serve ao mesmo tempo de
hospital, com os *eus : espectivo3 mdicos e Ir-
mas de caridade.
Edificio das senhoras
Como era natural esperar-se, a Exposigo Co-
lombiana ser caracterizada por feigOes comple-
tamente novas, nao e de arrojada audacia na
sua concepjo, mas d'oma esplendida magni-
lude em sua execuco.
Um destes grandes futes que mais despertar
a attenco e que mais se impot admirago
dos visitantes, especialmente os es'rangeiros,
sera o Edificio das Senhoras.
Se ellas nada mais fizesaem seno expdr este
bello edificio j teriam feito bastante para ex'gir
a admirago e respeito do mundo civilizado.
Esta estruetnrai obra d'nm nobre pensamen-
to concebido pelo cerebro d'oma senbora, e os
sena planos foram tragados de forma a conquis-
taren! os sinceros e justos louvores dos mais
eminentes arebitectos e foram levados a execu-
gao absolutamente por senburas.
Desde os seos alicerces at delicada esculp-
tura do seu tecto lulo absolutamente feito pelo
trabalbo da mulner.
Em resposta ao anauncio de que estava aberla
a compeligo entre as mulheres arebitectas para
05 planos do edificio, receberam-se planos de
doze, e planos d'oma excellencia tal, qoe fol so
depois de nuaiooca a cuidadosa deliberago
entre os arcitectoa encirregados de fazer os
planos das grandes estructuras da Exposigo
que o Cbefe da ConstrucgSo conceden o premio
a Misa Sophia G. Hiyden.
Este edificio acha se situado ao noroeste da
laga e as suas dimensOes sao 400 ps por 20o.
0 grupo principal consiste de nm pavilho ao
centro e dois cutros, um de cada lado unidos por
meio de arcadas que. sao abenas no primero
andar.
Considerado debaixo de sua arcbiteclnra da
escola da Remnascenya Italiana.
O primeiro andar estar a una des ps cima
do solo e urna larga escadaria levar ao pavilho
do centro.
Este t avlalo qoe tem a entrada principal em
forma de arco com urnas columnas al ao se-
gundo andar ser adornado de moldnra de for-
ma trtaBgular em relevo.
Urna galera de 40 pea de largo unirse ha
rotunda aborta de 70 por 85 ps, sendo da mes-
os altura do edificio e protegida por ama cla-
raboya ricamente adornada.
Todo o primeiro andar do pavi'bo do sui de-
dicar-se ha < xlilbtgo de coisas antigs, e o
do norte s reformas e organisaco do trataiio
e caridade.
ocaniiuho do Paris*
(A PROPOSITO DR UM CONT DE CATTJAE
MEKD9 HONT&M PUBLICADO MJMTB P1A-
BIO)
Era triste carpir da sorte ingrata
As agruras que a vida he roubava,
Longe d'aquella terna e doce imagem,
Que bella em sonhos rubros Ihe aff agava,
Decorreu vagaro30 e longo olempo,
Para o pobre cantor ofido amante.
Que de scismar caneado j viva
as fadigas da lula cruciante.
Encerrado no alio da masmorra
Elle exclamava ento cheio de dr
Oo que me serve a vida sem aquella
Visa a form.sa de. meu casta amor T
Qae me importa morrer! Se nesta mundo,
Do peito as esperaogas me roubaran T
Podis fechar-vos, olhos meus I Nao v4dea L
Qa'a minba Guilbermina me arrancaram t
Depois, ao termicar estas palavraa
Cabio do precipicio, qne o conttnb?,
Sendo logo amparado em ana queda
Pelas azas subti3 de urna andorinaa,
Essa avesinba terna que c ouria
Era nm anjo qu' a forma disfargando
Vinha livrar da marte Aytnen,
Do p'raiso o caminbo Ihe apontando.
E assim fai levado o pobre louco
as azas deste svlpho encantador
At qu' ao longe vio a tarre enorme.
Onde pairava o seu querido, amor.
Ento,elle hes tou. nsm mais um passo
Quis proseguir no toa doudejante
j Uniojvijaor, de rtas formas
Qia pasmado licou e delirante l..|
Replicn ajuotando : pois tu pensas,
Q' ao Paraso j chegaste ento?
Como te engaas I estis betn longe &ind> I
Vamos, camlnba...nao obegmos.. nof...
Mas, Aymeri, qoetinha visto a Torre,
Onde encerrada Guilhermina estava
Ficoo attonito e respondeu altivo
Ao menaageiro :que all para va,
Porem o aojo que o austinha em cima
Vendo o esforgo de ficar parado
C m violencia despenbou -!o alto
O corpo lnermme de Aymeri. Coitado!
Seu crneoardente, todo esmigahado
Sobre o lagedo sacudido, exange,
Doa olhos bellos, da car nea bocea
E al da fronte* lne jorrava sangue.
Mas, Guilhermina co' os cabellos saltos
Cingindo ao col o infeliz amado,
Entre mil beijos. solugando aperta
A'quelle corpo j deepedagado.
E elle, er: to oo derradeiro instante
Murmura ebeio de eteraal candura:
Q e mais certo caminho eu segniria !
Que Paraso ha de mais ventura ?
Cwini di AiHat.
na lyra vaga e cerlea
das rosciras de Beiblem.
Bao longeviso maldita
como um pbantama oeteto
sobre a trra nwbaoita
a escurido do Calvario...
E o patita Ijcariote
fot empenhar o caacte.
No vasto tJardim sagrado
onde medita o Rabbi
entra o bando amotinado
4os guerreires mavoniu.
ao mando il'Ikarabbi
kalifa* dos sedlogitas,
e ao simples rumor do beijo
do Iscariote villo
o Rabbmo bemfasejo
foi preso como ladraa,
que suspender os sapatos
e o casaca a de Plalos.
Merodea, eolio, siaistro
degolador d'ionocentes
mandn chamar o ministro
a quem haviam roubado
oa penates repelientes
e entregou Ihe o aecusado... .
Mas Plalos. bomem serio,
e de seniimentos saos
aodou com muito criterio
e lavou as proprias mos.
Judas,* rei dos matreiros,
receben triota dinheiroB.
Vae caminbo do Calvario
o cortejo da agonia.
ao vento o longo sudario
das trancas de Magdalena)
e os solugos de Mana,
solucos d'oma agucena
desfeita pelo tufo...
E o Nazareno, acensado,
Foi ento cruficado,
a esquerda do mu ladro.
E cJudas, todo taful,
veio p'ra o Echo do, Sol.*
Perseguido e na desgraga
ptlo remorso tremendo,
Judas* ouscou na cacha ga
o esquecimeato da vida,
por i88o vive bebendo
como urna esponja curtida.
E como um bonzo* tapuia,
depoia daquella traigo,
o JuJas cae aos boceados
nos sabbados de alleiuia...
E* voz correte e geral
que quem roubau a Plalos
o casaco e os sapatos
foi o bonzo districlal...
VARIEDADES
Lendas Orientaes
(Ormoz Ooneta da Tarde, do Rio)
Oa peate de Pilatoo
Lnda bblica inscripta em
hebraico as columnas de
jaspe da mesquita de Ornar.
No Jardn das Oliveiras*
O Nazareno medita.
O pe fume das coseiras
ascende ao co luarento.
A estrella d'alva crepita,
como um cyrio macilento
e a la serena e grata
no vasto azul sideral,
parece um ninho de prata
encrustado de cryatal...
No meio das sombras mudas
surgi o vulto de Judas.
Sobre os labios do Rabbi
adeja um vago sorriso,
mais puro que um colibr,
mais perfnmoso que a essencia
da baunilba de Trebiso, *
mais branco do que a innocencia
das virgens de Abiatbar,
bem como se algoma estrella
vieaae do co pousar
na sua fronte slngella.
E o malaadro do espiao
olfreceu lbe um casatSo.
Vinha a alvorada surgiodo
sobre o val' de Joeapbat
o as tenas do tamarindo
cboravam tristes.e crescentes
o pranto de Jeovat
como perolaa cadentes.
E o sol levantando a fronte
como a hostia consagrada
suba sobre o borisonte
na missa da madrugada.
E o traste do Iscariote,
quiz impiugir-lbe o capote.
Sobe a encosta da colina
como um bjmoo de ventura
a doce vos crystallina
das cabreiras da Jadea*
e, em baixo, sobre a plannra
dos campos da Basila*
Jerusalem, a sagrada,
Sob a copla do ar
sooba anda, reclinada. *
Jauto mosquita de Ornar*
Christo porm resisti
e o malandro ento fugio...
As legiOes dos soldados
do immenso Imperio Romano
percorrem com mil cuidados
teda a patria de Israel
desde a Armenia ao Kirdnshao*
desde Erzeroum a Metel,
em busca d'um criminoso
mais lerrivel qoe um carrasco
mais nojento que um leproso,
mais duro do qoe um penhasco,
qae alapardara os sapatis
e o casaco de Plalos.
Voltara a ooite serena...
No Jardim das Oliveiras*
a laa branca agucena
estende o manto de opala
sobre as tenas das tigueiras
Sue a brisa lnguida embala
o Christo vela e medita
naqnelle silencio enorme,
emquanto a Juda* dorme
e a na tu reza palpita...
E Judas vete outra ves
ver ee tente va o freguez...
A' Hara
Vou deiiar te amanba... e lcngos diaj
Passarei sem te ver aojo adorado!
Vou deixar-ie ; Jias levo bem ravado.
Teu retrato em miLh'alma. E se me envas.
Daqui urna saudade, e as melodas
De um ledo suspirar, terno e maguado
Sabido de tea seio iomaculado
Deste cofre de amor e de harmonas.
Ser repercu'ido minh'amada I
Na meu perto leal febricitante,
'ande to para ti leobo guardada.
Uaa'alma aonde vive a todo instante
A tu'alma de urjo retratada
Qaer esteja a tea lado, quer distante.
Recite5-Julho-92.
Ern*ti.
ftEYSTA DIARIA
Canta alegre a cotovia
sobre os trigaes da Gotulia
a serena meloda
da cavatina do Bem,
v t.
clnppresvo de cadrlra Por portara
de 3 do correte foi supprimida a cadeira de ca-
sino primarlo do sexo feminino da roa dt Sol-
dade, na Boa Vista, vaga pela exonerago con-
cedida a D. Anoa arlo'.a de Barros Birrete
Kensdu-Etlectuou se hontem a 62' aesso
aob a presidencia doSr. Dr. Ermirio Cesar Coo-
tinbo.
A' hora legal, feita a chamada, veriQcaodo-se
estarem presentes os Sra. Luna Freir, S Pe-
reira, Pioho Borges, Sonza Leo, Gong.lvea Fer-
reira, Barros de Lacerda, Peretti, Aristarcho Lo-
pes, Hermogenes, Mlaquas Goncalves, Velloso
e Hermirio Coulinbo, o Sr. presidente declara
aberta a sesao.
Falla com licenga o Sr. Albino Metra.
O Sr. 1- secretario procede tallara do se-
guate expediente:
Um officio do secretario do governo, commu-
nicando que o Kxui. Sr. governador do Estado
ficou inteirado do assumpto do officio n- 12C de
2 do crente mes, relativo prorogagio por 20
.dias, das sesaoea do congreaso do Estado.In-
teirado.
Outro do mesmo, remettendo um exemplar da
reaolugo eanecionada sob n. 43, qoe fra en-
viada pelo 1- secretario da Cmara dos Denta-
dos.A' archivar.
Outro do mesmo, idem dem, sob n. 44, en
viada pela mesma cmara.A' archivar.
Outro do presidente do Superior Tribunal di
Justiga do Estado, informando sob a projecto n.
4 deste anno, iniciad.) na (amara doa Daputa-
d03 D potados.A' quem fez a requisigo-
O Sr. Barros de Lacerda justifica um proje-
cto sob n. 11, revogando a le a. 19 de 1831,
assignado por elle e pelos Srs. Souza Leo e
Velloso.
A requerimento do Sr. Barros de Lacerda vai
o referido projecto a imprimir no Jornal da ca-
sa, deveodo ser dado pa.a a ordena do da da
prxima aesso.
Passa-se ordem do dia
Approva-se sem debate em 2* discosso, sen-
dispensado do intersticio, a requerimento do Sr.
S Pereira, o parecer n. 8) adoptando a resolu-
go iniciada na Cmara dos Deputados pelo pro-
jecto n. 22 deste aono, relativamente aposen-
tadora do Dr. Jos Jaaquim de Sonza.
E' submettido 2' discusso o parecer n. 56
adoptando com modificagoea a reaolugo inicia-
da na Cmara dos Deputados pelo projecto n.
30 deste anno, autonsando a abertura de crdi-
tos supplementares.
Comparece o Sr. Gomes de Mattos.
Ada se pela hora ja discusso, ficando com a
palavra o Sr. Velloso e leuda orado os Srs. Lu-
na Freir e Peretti.
0 Sr. i- secretario procede i leora do se-
gulnte:
Um officio do 2 secretario da Cmara dos De-
putados. remetttendo para os fias coastitucio-
naes as 3 seguales resolugss alli iniciadas pelos
projectos os. 35, 52 e 53 deste anno :
i declarando ser obrigatoria a Iastrucco Pri-
marla Elementar as escolas gratuitas fundadas
peio Estado ou pelo municipio, (arojecto n. 35).
A' 5 commiaso.
i' Autorisando a pagar-se a Lyiio Parpurano
Santiago de Oliveira urna differeaga de seus ven-
cimentoi, (proje:to no 52j.A' 3* commiaso.
3* Elevando a cldade a antijra Villa de Bonito
(projcto n. 53).-A' 2* commiaso.
O Sr. p -esidente levanta a sesao e designa a
seguin'.e ordem do dia :
i diacu38o do. projectos ns. 10 e 11. 2" dos
pareceres de na. 6 e 81 e 3 doa de ns. 76 e 80,
todos deste anno, e continuago da anteoedente.
Cam ir* domleputados Funceionott
hontem sob a presidencia do Sr. Dr. Moreira AI
vea tendo comparecido 28 Srs. deputados:
E' lida e approvala sem debate a acta da aes-
so antecedente.
O Sr. 1 secretario d conta do segointe espe-
diente : '
Officio do secretario do Governo do Estado,
remettendo sem original a informago do direc-
tor da Bibliothe:a Publica sobre o numero e ven
cimentes de empregados da mesma repartieo,
numero de volumes existentes e horas do expe-
diente.A' quem fez a requisigo.
Ontro do Ia secretario do Senado, remettendo
tres exemptares do projecto o. 9 deste anno,
revogando as lea do Estado ns. 89, 18 e 25.
A' commiaso de legialago.
Petigo do Jos de Azevedo e Souza requeren-
do, por contar mais de 20 anoos de enactivo
servigo publico, sui aposentaoria com Os veo-1
cimentes proporcionaes a eate tempo, visto sua
invalidez phieica.A' commissa depetfcOea.
Outra dos ruardaa da illomioago publica, re
clamando contra o Reeulameoto de 4 de Abril
de 1877, que prejodeou os-eu3 vencimeatos.
A' commissiode petigOes.
A:bam aa sobro a mesa, sSo lidos e vio im
primir os seguintes pareceres :
N. 178. da cornmissa de redaego, dando a
do projecto n. 55 do correte anno, que proroga
por mais cinco anuos a iseocfto de impostos tsla-
daes Companbia de Tacldos Paolista para a
fabrica por ella mootada em Olinda.
N. 179, da mesma commiaso, dando a da
projecto n. 60. tambem deste anno, qne deter-
mina qne a prporgo que os municipios forem
orgaoiaando a sua guarda muaicipal, o governa-
dor do estado ir dispensando a guarda local
nesses municipios.
Vem mesa um projecto sob n. 70, firmado
pelo Sr. Juveaco Mariz, autorisando o governa-
dor do estado a contractar com o lente-coro-
nel Joo Guilherme de AzevedoLy-a, a coastrue-
c5o de urna va terrea, de bitola estreta, que
partiodo da eslago de Garuara, da estrada Cen-
tral, v terminar no povoado de C.teode ou Ja
queira, passando pelos povoados de Bebedonro,
Batateira e Lage Grande ou suas adjacencias.
Apoiado e julgado objecto de deliberago vai
a imprimir.
Oatem a palavra o Sr. Samico, declara qne por
motivos imperiosos deixou de comparecer aes-
so de 18 do mez rindo, em qne foi apresentada
a mogo do Sr. Martina Jnior, e que votara
pela mesma, se tivdsso comparecido mesma
sesso.
Obtendo a palavra o Sr. Lapes Machado, apr-
senla um requerimento, que approvado, para
qoe se solicite do Sr. governador do eatado in-
formago sobre o estado em qae se acbam-as
obras do melooramento do porto do Recite, e se
a respectiva companbia pote continuar nos tr-
bateos a qne esta obrigada.
Pasea se ordem do dia.
Entra em 1.a discusso o projecto n- 28, qae
approvado sem debate.
Submettido a 2.' discussa o projecto n. 40,
foi rejeitado, tendo orado o Sr. Lapes Machado.
Entrando em 2 discusaolo projecto n. 45,oro
os Srs- Al ves L.-ite. que requer que o projecto
v commisso de legislag&o para dar parecer
Pedro Atexandrino. que conclue apresentando
um substitutivo; Carreta da Cruz e Martiniano
Veras.
Foi approvado o requerimento do Sr. Altes
Leite, ficando prejudicado o substitutivo do Sr.
Pedro Aleatidrino.
Entra em 2.' discusso o projecto n. 49, que
i5 approvado, tendo orado os Sr. Lopes Machado,
Joo Coimbra. Martiniano Veras e Cuaba Ra-
bello.
Poatoem 2.a discusso o projecto n. 56, faou
o Sr. Pedro Correia que requereu o adiamento
por 48 horas, cojo requerimento fat depois reti-
rado a s*-u pedido.
Fallou em seguida o Sr. Correia da Cruz, que
mandoa urna emenda sob n. 1, que foi appro-
vada, no3 postes que nao sao ioconstitucionaes,
tendo o mesmo Sr. deputado, requerida depois
pela '.rdem ao Sr. presidente algumas nfloxoes,
que fez aobreo. aasumpto.
Fallaram mais os Sra. Mtrtios Jnior, Correia
da Cruz e Pedro Correia, outra vez, Joo Coim-
bra, que requereu que o projecto v a commid-
so de legistego, o que foi approvado.
Eotranio em 2* discusso o projecto n. 57,
cuja vota ci ficou aliada por falta de numero.
Oram os Srs. Martiniano Veras e Lopes Macha
do, qoe naudou. um requerimento, que t.-nuein
foi adiado, para que o projecto v a commisso
respectiva para dar parecer respeito.
Entra anda em 3* dcusso o projecto o. 54
ficando encerrada e adiada a rotago por falta
numero.
Escotada s ordem do dia o Sr. presidente le
vanta a sesso designando a segointe: Ia dis-
cusso doa projectos ns. 67, 68 e 69 ; 2* do de
Humero 59 e votagO;s adiadas.
Foram rene tudas ao Senado as resolugOes ini-
ciadas nesta Cmara peios .projectos os. 35, 52
e 53 do corrente anno.
t:\pnairuu de Chicago Leaos no
Paiz :
Na ultima sesso que se i Tectuou sob a pre
sideucia do Sr. conseibeiro Ladislao Netto, vice-
presidente, traten se de urna preciosa medida,
qual a de fornecer apontamentos uosea im
prensa diaria, sobre os principaes assumptos alli
discutidos ou suggeridoa pelos differeniea mem
bros da commisso.
O Sr. presidente lembrou entre ootras med
das a de en:ommeadar se para os Estados di
versos do Brazil amostras do maior fomato poa-
sivel, quer de madeiraa, quer de rochas .evitan-
do se absolutamente os especlmena de madeiras
em forma de pequeninos livros, que amesqui-
nham as nossas riquezas iloresjaea, ao envez de
dar sobre ellas a idea grandiosa da sua pu-
janga.
O mesmo Sr. presidente communicou que es-
per va transportar al os primeiros das de Ju-
lho oa ltimos objeclos do musen anda existen
es neste edificio, para o que ira empregar
todos os eslorgos do pessoal deasa repartigo,
poia que de varios pontos do Brazil comegavam
a remetter productos para a expasigo prepara
loria-
Botado das Alagoao-Por tetegramma
particular eecebido pelo nosao collega de redae-
go Dr. Thiago da Fonaeca ti vemos a grata no-
ticia de haver sido nomeado secretario do Sope
or Tribunal de Justiga da Estado de Alagoas. o
intelligeote amigo e collega Joo Duarle Filho,
esforgado jeraalista, que no referido Estado, se-
guindo as tradicgOes que aqui deixou. conquistou
03 mais justos ttulos considerago, estima e
gratido do brioso povo alagoano.
A nomeago de Joo Duarte, portante, repre-
senta o cumprimeoto de um dever, qual o de se-
rem aproveitados os servigos de to dis'.ncto
collega, ao qual, cordlamente aaudamos.
Ijlvroa de tnstrucco Acabamos de
ler com a mxima attengo e cuidado dous im-
portantes e uteis livros dedicados s escolas pri-
marias :um primeiro o-m segundo livros de
licgOes moraes e instructivas.
O seu jautor o Sr. Joo Kappe demonstrou o
mais apurado gosto e inimitavel talento na con
cepgo de tees livros que constituem verdadeira
preciosidade para a escola primaria, onde se
ressente a falta de livros que fallem inlelligen-
cia e ao sentimento.
Organiaadoa de accorlo com o moderno proces-
sus pedaeogico, representando por meio de lia
das gravras aquillo que o autor deseja dizer, os
livros que temoa noaaa vista sao urna verda-
deira novidade, que, sob todos os aspectos, re-
ne a ease carcter o da utilidade.
Os primeiro e segando livros de Joo K ppe
merecem ser adoptad03 em todas as escolas e
oxal que o seu Ilustrado autor poaaa dar nos
oHtros livros lo importantea e uteis infancia e
mocidade estudiosa.
Ao iucaosavtl negociante Manoel Jos Gangal
ves Braga, proprietario da Livraria Industrial
ra do Baro da Victoria, agradecemos a offerte
que, to gentilmente nos fez.
Origem do conflicto en Santoa
Assim narrada pelo Crrete Paulistano :
Deu-se em Santoa um conflicto entre a trj-
polago do vapor italiano Montana e um guar-
da da alfandega, por haver este ordenado que
retirassem as pranchas que davam communtca-
ga nara a trra.
Essa ordem que regulamentar fot receaida
a tiros de revolver, ficando ferido o guarda.
Comparecen a autorilade policial, furmou a
forga de linha e a desordem chegou a tomar ca
riCtsr serio*
O delegado de polica mandou proceder a cor-
po de delicto no offendido e o processo seguir
seus tramites. '
O Diario de Santos, sob o titulo A ultima
horaconflicto da o seguinte sobre o mes-
mo facto :
A' hora de entrar a noasa folha para o prelo
temos informados de um conflicto dado a bordo
do vapor italiano Mentana*, surto aqui neste
porto.
D-se como causa do conflicto o facto de ter
nm dos guardas da alfandega intimado a retira-
da das praachas qoe de trra communicavam
com aquello vapor, e que, segundo o regula
ment, depois das 6 horas da tarde nao podem
alli estacionar.
De bordo recalcitraran! contra a notificago e,
depois de urna altercago de palavras, alguem
da tripolago desfechou diversos tiros de revol
ver sobre o guarda, que ficou ferido.
A' detonago dos tiros acudi o pessoal da
fuarda-morta, queitambtn foi recebldo debaixo
e fogo.
Avisada do occorrido a polica, dirigi se
para bordo, em botes, ama forga bsd as- ordena
de um ofcial, acompanhada de guardas da al-
fandega ; no caes ficou postada urna forga do
1.a batalbo de iofantaria sob o commando do
capito Pyrrho.
Nada podemos alarmar de positivo sobre o
3ue 009 iuformam, nem o que snccedeu depois
o comparecimento da forga, que teve ordem
para embalar.
Trtaunal de Jury de BeelfeAnda
bontem nao ponte ser insultada a 3' sesso or-
dinaria deste Tribunal.
As II oras da manh verificadas as cdulas
e feita a coamada, apeaas compareceram 25 jui-
zes de facto.
Foram multados em 54O0O os seguintes jura-
dos notificados que deixaram de comparecer :
Jos Barchisco da Silva Santos.
Joaquim Ramos de Oliveira.
Dvid Ferreira Ballhar.
Fructuoso de Azevedo Maia.
Jos Cavalcante R.oeiro da Silva.
Jos Carlos de S.
Salustiano Fraaciaco Marlioa.
M.jor Jos Alfredo de Carvalho Juniur.
Dr. Adrio Luiz Pereira da Silva.
Dr. Adolpho Alves SimOi-s Berboza.
Dr. Bernardino de Seuua Ferreira Cabra!.
Rufino de P.ula Mesquita Cardcso.
Ricardo Soares de Frel'a?.
Jos Fernandos de Souza Vales.
Jos Fernandes Lima.
Joo Gomes de Oliveira.
Anloaio Pialo da Silva.
Fernando Magalhes da Silva.
Luiz Burlamaqui.
Jos Cisneiro de Alboquerqne Mello.
Joo Facundo de Castro Menezes.
Pedro da Costa Guedes.
Manoel de Medeiros Souza.
.1L nnque da Silva Moreira.
Jos Soares de Albuquerque.
Manoel Jos Fernandes.
Antonio de Barros Falco.
Antonio a Silva Ramos.
J.s dos Sactos Lima.
Manoel Dias dos Sanios.
Maco-1 Jas Monteiro Sobrinho.
Affou/Alberto Hrbater.
Jos Bdraardino Rozas.
Laurentino de Barros Barrete Coutinho.
Luiz d-F-ang Marques.
Antonio da. Oliveira Maia.
Candido Alves Ferreira.
Eduardo Paoapbilio de Albuiuerque Maraoha.
Joaquim Jos do Naacimento Ramos.
Jas Lourengo da Silva Oliveira.
Joaqu m Fernandes da Silva.
Jos Emiliano de Oliveira Bastos.
Jos Antonio Coulinbo Vianna.
Manoel Theotonio de Mello.
Jacintbo LeopolJiao da Silva.
Jos do Espirito Santo Silva. .
Arthur Tbalema e Silva.
Aatonio Dias de Araujo.
Eugenio ds Silva Regadas.
Guiln-irme Ferreira Pinto.
Jote da Costa Gageiro.
Joo Fex dos Santos.
Mano-1 Joaquim Fraocisco de Joara.
Jos Francisco da Cmara Santiago.
Antonio Gingalves de Barros.
Isidoro Francisco de S:queirs.
Dr. Mapo-;l Ca tao de Siqueira iavalcante.
Secundino Jo G-.tahy.
Augusto Carlos de Frettas.
Aofon-o Soares da Motta.
ltenr.que da Fonseca Coutinho.
Joo Sabino Pereira Geraldes.
Jos Ribeiro dos Santo?.
Sebastio da Silva Retumba.
I-idcro Borges de Fritas Borb.
A sesso ficou adiada para noje as horas do
cootumo.
Enveaenamento -Trgicoe 'luctuoso dra-
ma acaba de oecorrer na ciaade ds Nazarett
tendo por theatro a cadeia e por victima um dos
i nplicao3 no crime de sedulas falsas que lti-
mamente foi descoberto. .
Antonio Malta, que tal o nome da vctima,
foi envenenado, sem que at boje a justiga pu-
blica podesae descobnr os autores de tal cri-
me.
Malta foi o o delator que deu as mais minu-
ciosas informagOes sobre o numero e nome doa
que eram cmplices em tal crime e talvez por
eaae facto foi punido por "quem quiz?3se occul-
tar a verdade anda nao totalmente desvendada.
Tendo morndo s 10 horas da nolte de sabba-
do ultimo somente na segunda-feira-foi visto-
riado, por nao terem seguido para a alludida ci-
dade de Nazaretb oa mdicos da polica, chama-
4oS.,por telegramma.
A victima foi aalopsiada pelo Dr. Antonio Pi-
na e pelo D.-. Jos Jacinlho Co.ho da Silva, que
recooheceram ter sido a morle produzida por
envenenamento, sendo porem ignorado a quaii-
dade do veneno empregado.
A autopsia foi ;f;ita perante o Dr, juiz de di-
reito da comarca.
Entrada Inlrantiiavel-E' a de Fer-
nandes Vieira em resultado da estsgoago das
agaa3 pluviaes, e que al.i nao encontram sabida,
gragas ao pessim i eatadt) do leito da mesma e
da completa ausencia de eacoadores.
O bond ao passar por alli perde o eeu carcter
de transporte urbano e os pobres animaes sao
forgadea nataco.
E' bom que os senbores das obras publicas
laocem as suas piedosas vistas para esae enor-
me a'agido que, sobre impedir o transito publi-
co, tantcs damnos traz talubr.dade ribeiri-
nba.
Caiimenio civilNos 2 e 3' digtrictos
foram lides hontem proclamas de casamento dos
Beguintea contrahentes :
Primeiro3
De Jos Antonio de Freitas com D. Maria Julia
de Gusmo Lobo, solteiroa, residentea aa fregue-
zia de Santo Antete.
De Aastricliuo Gomes de Souza com D. Mara
Luiza Lobo Crte-Real, solteiros, resideotes a
freguezia de Santo Antonio.
De Vicente Ferreira de Carvalho com D. Gui-
lhermina Emilia da Triadade, solteiros, residen-
tes freguezia de Afogados.
Credencial Na occasiao de monsenhor
Gotti, arcebispo de Petra, internuncio apostlico
e enviado extraordinario da Santa S junto ao
presidente da repblica, pronunciou o seguinte
discurso:
Exm. Sr. vice presidente.Tenho a hon-
ra de apreaentar a V. Exc. a carta pontificia,
pela qual o Santo Padre Leo XIII, meu Augus-
to Soberaco e Senhor, se compraz acreditarme
como Internuncio Apostlico e Enviado Extraor-
dinario nesta illostre Repblica dos Estados-
nidot do Brazil.
Sua Santidade, entre os incessantes cuida-
dos que dedica aa governo da Igreja Universal,
d especial e benvola attengo prosperidada
e ao incremento da religio Catbolica no seio
desta nobre Nago Brazileira, que gloriosas tra-
dicg5es unem por vnculos de e de devogo
Santa S Apostlica.
Nao para duvidar que essas ptimas reia-
g6es, nao e permanecero inalteradas, mas se
tornaro anda mais intimas, se possivel, e as-
sim mais fecundas de benficos frucios de pro-
gre33o religioso e social.
Honrado com urna representago que me
impe o dever de corresponder a to nobreB in-
tentos, confio antes de tulo no auxilio de Deus,
e esperq/alm disso, que o benvolo concurso
de V. Exc. me tornar mais fcil o desempenbo
da mi8o que me confiada.
Nsta esperanga, fago os ma3 ardentes vo-
tos pea felicidade de V Exc e do Exm. go-
verTi e doa honrados Corpoa Legialativos, como
:ambem pela prosperidade de todos oa Estados
que constituem esta illjistre Confederago.
O Sr. vice-presidente responden :
Monsenhor.A credencial que recebo das
voaaaa mos pro ra do empentto que Sua San-
tidade pe em manter as m?lbore8 relagoea en-
tre a Santa_S e o governo brazileiro. Dou o
maior apregoa esse empenho e a elle correspon-
der! sempre com a maior solicude.
i Na alta mlsso que merecidamente vos foi
confiada, tereia, Sr. Internuncio occasiao de re-
cochecer a sioceridade com que vos fallo. Po-
dis contar com a minha cooperago.
Pelo Congreaso Federal, por mim e pelo
meu governo cordialmente vos agradego, e com
aatisfago retribuo os votoa que tendea a bonda-
de de expressar-me.
Pbtlomomo*)Rene ae hoje s 6 horas
da tarde, no predio n. 71 ra Marques do Her-
val, esaa sociedade carnavalesca em sesso de
assmbla geral.
Divida doa Entado* Unido -Adivida
publica dos Estados Unido3 da America do Norte
diminuta em Maio de 188 149 dollars, cerca de


"-
P

^^^^l^^.^.'>^


X
Diario de Pernambuco Quinta-fefea 7 de Jaiba de 1893
BP

trez mil e seiscentos coatos, importancia dos
litlos resgatados.
Bm 31 de Maio o aaldo em cofre do theaouro
none americano era de 795 milb.o->a de dollars,
i rea de tres milhO.'s e d uzelos mil coatos.
fbeata-A bordo do vapor Tagus djve
boje obelar de regresso da capital federal a esta
cnade a nossa distiacta coestadaia, aExou.
Sra. D. Amalia de Alouqoerque Mello, festjala
compositora da bella wiisa Lemoiaocas de Ma-
ris.
A pkotographia daa coreMuito se
tem trabalbado e progredido desde o dia 19 de
Agosto de (839, em que Daguerre, depois d
morte de N.epce, revelou ao publico o segredo
da impresso das imageas dos objeclos pela Inx.
Ueste momento o grande paaso que se pre-
tende dar, o da reprodcelo das cores.
Os nossos leilorea estaro lembralos de que
em 1891 o Sr. Gabriel L'ppmann apreaeotou
Academia de Scienciaa de Paria urna solugto la
teirameate nova do proolema.
At enio, anara-se a p-ocura de substancias
anmicas susceptiveis de tomar a cor 103 diver-
sos raioa corados; acbaram-u'as mata ou menos,
te porm nao coaseguiam fUar as cjres. A luz
apaga o que ella propria produzio.
Lippmann, dando de mo aos procesaos cbi
micos, por um metbolo exclusivamente physico
chegou a ob'.er imageas coradas inapagaveis.
A pnocipio careca de moito tempo, e Lipp-
mann nao fue-a experiencias senio sobre o es
pectro solar formado, como se sane, de co*es
simples, ama verdadeira uta de riscaa transver
saes: vilela, iodigo, azul, verde, amarello,
alaranjado e vermelbo.
Agora a aolugao dea mais um pisso.
O inventar consegaio augmeatar a senaibil
dale das placjs e o sea soehromatisme, islo ,
a eua facuUade de serem igualmente seaslveis
a todas aa corea. Lippmaon p le preparar pa
cas seosiveis cono aloomtno-bromureto de prata
e fel-aa oribo cbromaticas pela addigao da asali-
na e da cyaoina.
Com esiaa placaa todas as edes simples veem
ao mesmo lempo, ate o vermelho, depois de urna
exposigao da 3 a 30 aegundoa.
Asaim fot qoa obteve imagena brilbantes do
espectro solar, e chegoa a photograpbar com
perteito exi'.o varios objectos; urna vidrafia po
lychroma, um grupo de b.ndeiras, am prato de
laranjas e um papagaio.
O modelado 6 perfeito, aa c."a3 ntidas.
As baadeiras e a ave empa'hada exigiram 5 a
10 minutos de exposico ao so'; a luz diffa3a
aioda carecsm de boras. O verde das foihagens,
o cinzenta da pedra vieram pereitamente ; s o
azul do co que veio pdigo.
Aijui est, pois, o ponto que ainda reclama
aperfeicoamentos no processo.
No esiano3 longe.coaseguintemente, de ob'.er
a deaejada icaravilhi: em alguns minutos am
quadrinao de geaero, om o sol por pinto: I
toooriarau Medlco-Paarmaeeastca
Reune-3e bojeem sesso ordinaria e tendo d
discutir materia imporlaute pede-se o compare-
cimento os socios.
servio militarHoje superior, do dia
3 Sr. capitao Leoncio, e faz ronda de visita
* ux subalterno da 2o batalho.
O 2" batalho de infantera dar as guarda?
dos edificios federaes.
Uaiforme n. 7 e cara.
Servleo policialE' boje superior do
da o Sr. capitao Mon'-eiro.
O corpo de polica dar a3 guardas de Pala-
cio. Detenco e Taesouro di Estado.
Uaiforme n. 9.
Paat-agetroe -Sabidos para o norte uo va-
por nacional Alagdas : _
Joa Ferreira Novaes, Filippa B. da Fonseca
Galvo, Deodato Borges, Augusto G. da Silva,
Francisco Vergou, Roza y Pa. Antonto lenacio
* dos Santos, Jos Antooio de Lima Mjura, 3 pra-
vas e 1 preso, Francisco de Paula Lopes, Garles
Barboza P iiro, Dr. Miguel de Santa Cruz, ios
aOcalves da Justa, Dr. Jos Domingua Foato
Deili, D:. Joaquim Nogueira d;i Costa, Eduardo
Dias Sosueira, Manoel Antonio Sy tat-y, aua se-
nhora, 4 lbos e l criada, Mana, 1 praca e 1
mulber, Presciliano de Albuquerque, Jaym1 Da
vid Firme, Francisco Alves Gomes, Luiz A. lo
diano Pmeiro, Antonio Kicolaea e sua seobora.
Caetano T., sua senbora e 1 tubo, Toeodore Ni-
colaes, sua senbora, 2 rilhos e sua rr.Si, Nicolaes
Kicola, sua senbora e 4 fimos, Felippe E P.
Araujo Gorreia, Dr. Mancel Bruno Alvea do
Gouto. .
Sabidos para o sul no vapor nacional aa
ranbc :
Justino da Silva Torres, Jo3 G ircia, Antonio
S. da Motta, capitao Flix Lima, Brs Ferugan,
Dr Ambrozio C. de Mello. Manoel A. de Araujo,
Jorge e 1 lia. Octavio F. Nobre, Antonia de Ma-
raes, Arthur de Barros, Dr. Manoel G Nogueira,
Amalia A. da Costa Barros e 2 Albos, Dr. Manoel
t. de Caminal. Leonel P. da Mo'.ta, Adriano de
Oliveira Maia, Antonio de Freitas, Joo Ma.leira
de Freita3 e sua Benbora, Dr. Lourenco M. de
Freitas Barbcza, tenente Auiuliano Lio?, Fran
isco A. da Silva, Manoel A. de Reg Barros, Ja-
cintbo A. Pereira da Silva, Manoel Jos de Aran
jo Braga, Mara M. S. Campos, Antonio da Silva
ampo*, Maximino L. Figueiredo, Augusto S. A.
Maranbo, Joo Rolim, D-. Eduardo Lope3, Tbe-
reza de Jesaa Araites e Maria de Jesaa Arantea,
Mara de Jeaua Arantes, Manoel F. da Silva Ju
aior, Maria Rodrigues, Izan Pierri, llbyanGippe,
i cadete, i marinbeiro nacional e 4 aprendizes
marinbeiro8.
i.eUeoEfTectuar-se-bao 03 seguintes :
Hole :
Pelo agente Gusmao 3 11 horas, ra de
Horlas n. 34, de movis, espelb03, etc.
Pelo agente Pinto, a 11 horas, no hotel Orien-
tal, de objectoa de ferro, movis, etc.
Pelo agenle Britto, s 11 boras, a ra Direita
n. 78, de movis e trastes diversos.
asiasaa foaebre-Sero celebradas :
a manh :
A's 7 horas, na igreja da Santa Cruz, pela al-
na do baebarel Carlos Justiciarlo Rodrigues,
floje:
A's 7 boras, na matriz do tiorpo Santo, pela
alma de D. Maria RocbaDias da Costa: s 7 1/2,
na Penba, s 6 boras, no Collegio de S. Vicente
de Paula, s 7 horas, as matrizes da Boa-Vista,
s 8 e 1/2, na de Santo Antonio, s 8 horas, no
Carmo, e S. Francisco, s 7 horas, em S. Jos, s
? horas, em Afogado3, Ecada, G3meileira e Pal
mares, s 5 e 8 boras, no convento de S. Fran
cisco, pela alma de D. Joaquina Moreira Ribeiro.
Innpeoturln do *. dUirielo mar!
limoRecife, de SJulho de 1892.
Boletim meteorolgico
JJ?ris Teri. centt- Barmetro Tensao do Hum
t^ grado (a O) vapor dade
^n. 22;5 761-.18 19,20 93
9 23,-1 762-08 19 04 91
t 23 ,'8 761-.47 19,50 89
3 t. !2,-7 761-.15 18 76 91
6 23,1 761-.34 19,20 89
Temperatura minima 21*,50.
Temperatura mxima 240,50.
Evaporajao em 24 horas ao sol 2,B8, som
bra Im,4.
Chava 24,m0aj. __
Dreccao do vento SW de meia noite at Oh.
e 5 m. da manbi ; S com interrupcjsi de SSE e
S5W at 2 h. e 25 m. ; SW 3 b. e 26 m. ; SSE
om interrupc5es de S, SSW e SE at 7 b. e 25
v ; SSE at 9 h. e 08 m.; S at 9 h. e 26 m.
SW at 10 h. e 04 ro.; SSW at 19 k. 28 m. ;
S e SSE alternados at 11 h. e 18 m.; SSW com
interrupfiOes de SW e SSE al 0 h. e 12 m. da
larde, variavel de SSE E at 2 h. e 45 m. ; 3
com interrupgOas de SSE at 3 h. e 45 m.: SE e
ESE alternados at 4 h. e 10 m.; SSE e SE alter-
cados at 5 b. e 35 m. ; SE e ESE alternades
at 6 h. 09 m. ; SSE e S alternados at 7 b. e 21
m.; SSE com interruecOes de S o SE at meia
Vclocidade media do vento 4-,68 por segundo.
Nebulosidade media 0,87.
Boletim do porto
tria mar ou Dw$ Horas Altura
baixa-mar
P. M. 5fie~Julho 1-26 da I. 1-72
B M. 5 de 7-43 da t 0"67
p u 6 de 2-04 da m. i"-90
B. M. 6 de 8-06 da m. 0-74
Casa do neiencftoMovtmento aos pr-
103 da Casa de Datencao do Recife, Estado de
Pemambuco. ero 5 de Jolbo de 1895.
Exitiam 317, entraram 7, sahiraai 6, exia-
192 318.
A saber :
Nactonaes 285, malherc 5, e3tra>geiros 28.
Total 318.
Arracoados 272.
Bons 255.
Doeutes 13.
Loncos 4.
Loica 1.
17 \2227
X '22i7
Total 272
Movimento da eofermarii
Tiveram baixa i
Manoel Ferreira doa Santos.
Antonio Joaquim de Aanl'Anna.
Tiveram alta :
Isidoro Jos doa Ssntos.
Joao Jos de Sar/Aona.
Teve baixa:
Jos Francisco dos Santos.
Foram vialtados os presos de3te estabeteci-
mentos 78 pessoai, sea do borneas 35 e moihe-
res 43.
Molerla da Bolado do Mina* tierae*
Por lelegramma recebido pela Caaa do Quro,
eate o reaultedo da 2* serie da 6* lotera do Es
tado de Minas Geraea, extrahida em 5 de Julbo
de 1892 :
9278 36:000/000 _
2909 1:500/000
. 5278 750*000
1930 300*000
-_ 9966 300*000
i f\ 714 150*000
150*000
150*000
Vi 4675 150*900
665 i 150*020
7444 150*000
7t>86 150*000
7861 150*000
9742 150*000
Approximac-es
9277 240*003
9279 240*OCO
2908 W*003
2910 90*000
577 4000
5279 43*003
Esto premiados coc 75*000os segeintis ca-
meros:
9271 9272 9273
9J74 9275 927
9377 9279 9230
Esto premiados com 30*000 03 s .guDtes n-
meros :
2901 2902 29)3
290i 2905 2905
2907 290 i 2910
Esto premiados com 15*000 os seguintes n-
meros :
3271 5272 5273
5274 5275 5276
5277 5279 5280
Todos os nmeros terminados em 8 esto pre-
miados com 15*000.
Todos os nmeros terminados em 9 esto pre-
miados com 13*000.
A seguate lotera corre no dia 12 de Julbo,
com o mesmo plano.
Lotera, do Ealado do aranhao-
Por lelegramma recebido pela Casa do Ouro,
este o resultado da 11* serie da 7* lotera, es
trabida a 6 de Jolbo :
3950 800:000*000
8330 12:500*000
3386 7:300*000
1018 2:500*000
1727 2:500*000
7802 2:500*000
1619 1:250*000
2940 1:250*000
3438 1:230*000
4017 1:250*000
4981 1:250*000
6365 1:250*000
8l7 1:250*000
8722 1:250*000
M-PBOXMACORS
3249 1:500*000
3231 1:300*000
8329 1:000*000
8331 1:000*000
3385 500*000
3587 500*000
Esto premiados com 375*000 03 seguintes
aumeros :
3241 3214 3247
3242 3245 3248
3243 3246 3249
Estc premiados com 250*000 os seguate*
aumeros:
8521 8314 8327
8322 8323 8328
Sb-Ji 8526 8529
Esto premiados com 125*000 os seguiutes
nmeros:
3381 3384 3388
3582 3585 3589
3383 3587 3590
Todoa os nmeros terminados em O esto pre-
miados con 123*. excepto a sorte grande.
Todos os nmeros terminados em 1 esto pre
miados com 125*, excepto a sorte immediata.
A seguinte lotera corre no dia 13 de Julbo
del 892 com o mesmo plano.
Hoaaitai Pedro II -O movimento deste
esiabelecimento de caridade cargo da Santa
Casa de Misericordia do Recife, do dia 5 de
Jolbo, foi oseguinte:
Exutiam 684
Entraram 1^
700
Sahiram 20
Falleceram 2
Existem 678
----- 700
Foram visitadas as enfermaras pelos segain
tes Drs. :
Barros Sobrinbo entreu s 7 3 4 da manh e
sahio s 8 3/4 horas.
Malaquias entrou s 11 da manh e sabio
s 11 3/4.
SiaaOea Barbosa entrou s 10 1/2 e Babio s
11 3/4. horas.
Berardo entrou s 11 da manh e sabio s
11 1/2.
Lopes Pessoa entrou s 8 3/4 boras da maoha
e sabio s 9 3/4.
Aadrade Lima entrou s 101/2 da manh e,sa
bio s 1/1
Vitira da Cunha entrou s 9 1/2 e sab.o s
10 1/2.
Bastos de Oliveira entrou [s 10 da manba
e sahio s 10 3/4.
Joo Rangei enttou a 8 1/4 da manba e sabio
a <0.
Carlos Gouveia entrou a 8 3/4 boras da manh
e sabio s 11 3 4.
Pbarmaceutico entrou s 9 1/2 da manh e -as
alo a 3 boras da tarde.
O ajudaale do pbarmaceutico entrou s
8 3/5 horas da manha e sabio s 4 1/4 horas da
tarde.
Lotera <'o Entndo do Haranhao
A 12" serie da 7* lotera deste estado, sendo o
premio grande de 300:000*000, ser impreterl-
velmente extrhida no da 13 de Julbo (quarta-
jeira).
Lotera do Balado do Bio Grande
po MalEsta lotera cujo maior premio de
10:000*000 ser impreterivelmene extrahida
no dia 9 de Julbo (sabbado).
Lotera do Eatado do rao Para-
A 14.' sene da 52.* lotera, deste Estado cuje
premio grande e de 240:000*000, aera extrauid*
no dia 9 de Julho (sabbado).
Lotera do Eatado de Mlnaa fie-
rae-oA 3.a parte da 6 lotera, deste estado
com o maior premio de 36:000*000. ser extra
bida impretcrivelmente no dia 12 de Julbo (ter-
ci-feira).
Cern terlo publico-Obituario do da 3
de Julbo de 1892.
Tbeodorico, Pernambuco, 24 horas, Santo An-
tonio; ttano infantil.
Joo Jos de Sant'Anna, Pernambui\ 45 an-
nos, casado, Boa-Vista; leso cardiaca.
Sophia Francisca, Pernambuco, 60 annos, so-
teira. S. Jos; tuberculose.
Felippa Maria da Conceifio. Pernambuco, 50
annos, solteira, Boa-Vista; leso cardiaca.
Margajida Tbereza de Mello, Pernambuco, 40
annos, solteira, Boa-Vista: diarrha.
Maooella, Pernambuco, i horas, Grasa ; ttano
Infantil. _
Joaquim da Costa Dourado Jnior, Pernambn-
co, 37 annos, Olmda ; hepatile.
sa vez, os artigos dos distinctos republicanos,
para evitar qae a verdade dos fado i aejam de*
tu rpada.
Eii-08:
PERNAMBUCO
Em artigo inserto no Jornal do BraziU c-xhi-
be-se boje o Dr. Ulyaaea Vianna, pretendendo
contestar a defesa feta na Cmara dos Depata-
doa dos actos do actual governador de Pernambu-
co pelo meu distincto collega o Dr. Aanibal Fal-
co.
Nao contestarla o Dr. Ulysses Vianna, candi-
dato a am lugar no Sene lo Federal, se nao tos
se o mea nome indicado como causa das diesen-
sOes peliticas ora existentes entre os diversos
grupos que se degladiam em nosso Estado.
Pos so assegurar ao novo republicano, candi-
dato a senatoria, que jmaia troquel urna nica
patarra com o honrado Dr. Barbosa Lima a res-
peito da candidatura que me foi offerecida por
amigos; to pooco socitei de miustro algum o
menor favor poltico, apezar das amistosas rela-
des maotidas entre nos.
Sabem todos os que me conbecem que seria
incapaz de consealir que meu nome foase in-
cluido em chapas impostas ainda mesmo por se-
cretarios de Estado.
Nenbum fundamento pode ter o que dizem es
telegrammaa e cartas transcriptas, attinentes a
(raasaces em .favor da incloso do meu nome
na chapa organisada pelos partidarios dos Srs.
Drs. Martins e Vianna.
De longa dala balo-me pela causa republicana
e aquel les que me conbecem sabem perfeitamea
te, que reria incapaz de me prestar a um papel
iodigno do meo paseado.
0 illastre governador de Pernambuco, em sua
carta mas honrosissima carreira poltica, tem
dado tantas provas de civismo, que nao ser
poBisivel por-se em davida sea valor moral.
Em lelegramma, publicado boje am varios
orgos de impreosa, o digno governador justifi-
ca os actos de 8ua*admini8traco to censurada
pelo Dr. Ulvsses, prometiendo refutar o annun-
ciado manifest do Dr. Martias Janior.
Ento ficar provada saciedade, a iojustica
com que atacam o procedimento correcto do
digno republicano Dr. Barbosa Lima.
Joaquim Pernambuco.
Rio, 22 de Junho de 1892.
ESTADO DE PERNAMBUCO
Em respoeti ao artigo boje publicado no Jor-
nal do Brazil. pelo Dr. Ul jases Vianna acerca de
negocios polticos de Pernambuco, leudo a fazer
ligeiras declarajes.
Nunca me entend com o digoo e honrado go-
vernador de Pernambuco, Dr. Barbosa Lima, a
respeito das eleicjtea federaes qae se deviam
realizar a 20 do correte, e foram adiadas para
o mez de Setembro.
.Y- ra peaaoalmente, nem por qualquer meio de
correspondencia, epistolar ou telegrammatica,
ousei sol citar a intervengo de S. Exc. em fazer
das candidaturas que recommenei ao eleitorado
pernambucano. Reapeitei-lbe os legtimos es-
crpulos, que sei apreciar devidamente.
S tive noticia das duas portaras de adiaman-
to, depois dellas communicadas imprensa lo
cal. Applaudi, sem duvida, os intentos que os
determinaran!, mas de modo algum as reclame).
Nao guardo copia dos telegrammas que trans-
miti, mas o Sr. Dr U. Vianna pode reqnerel-a
da repartigo geral dos telegrapbos; p, como de
ordinario os despachos que dirijo ao Hiustre go-
vernador de Pernambuco, vo em cifra para que
nao divulguem, offirefo ao Sr. Dr. Vianna a res-
pectiva chave, que pode reclamar de mim, quan-
do os quizer decifrar.
Nao jolgo conveniente contestar as afirmati-
vas e os coaceitos que o Sr U. Vianna escreve
com referencia ao honrado governador de Per-
namoaco. S. S. julga ter demonstrado a nter-
vengo do integro republicano no pleito eleito
ral a ferir se em nesso Estado ; mas a qualquer
outro nao baatam, como a S. S., as allegajes
do Sr. Dr. Sigismundo Gon^alves...
Demais, o Sr. U. Vianna reportoa-se s provas
que da aliudida ntervengo diz ter dado ao pu
blico pernamoucano o Sr. Martina Jnior. Ora,
ao manifest desse eenhor, annunciam telegram
mas boje publicados vai responder o Sr. Barbosa
Lima. Aguantando, portante, esses dous doca-
mentos, o Sr. Uiysses Vianna poder restabele
cer o propoaiio, em que estava, de guardar si-
lencio sobre os ltimos acontecimet-tos polticos
de Pernambuco
Como o candidato senotoria entendeo termi-
o'.r o sea artigo, injuriando ao Sr. Barc03a Lv
ma,ama das mais enrgicas e das mais puras
individualidades do partido republicano,per-
ra.tta me S. S. aizer-he que seria fcil retor
quir a sera illuao, inspirada em Juvenal ; por-
que na re*s4idade, nem tolos podem simular o
integro CuriU3 Dentatus, qae prefera mandar
aos que im curo a possoil o elle proprio..
Ha mesmo quera nao poB3a ungir do incorra-
ptivel romano...
AnNibai Faleao.
22-6-92.
Ra do Rczario n. 34.
Recife, 6792.
Cw.
O proprio bario da Hirsch deisen mul-
to diuheino as mSos doa. book makera.
Em conapooaa^So maito pouca gente
puiora dinbairo em Sir Hogo, que venceu
a carraira dsixaado a quera de ai Courlis,
qoa chegou em segaudo por Sansonet e
(Jitronelle, e Chene Roya!, em teroeiro
por Narraiaae o PerpleziL.
SPORT
COHHUHICiDOS
r. Ulyose Vianna
O Jornal do Recife de antebontem aprtsen
toa apreciago doa seus 'leitores o artigo que,
ro Jornal do Brazil, pubiicou o Sr. Ulyaaea
Vianna, sobre 03 negocios polticos deste Es-
A esse artigo deram, pelo Jorasl da-Ctm
mercio. prompta e cabal resposta 03 Dr. Joa-
quim Pernambuco e Anoib.l FalcSo.
A' aprciacao do publico offerecemes, por noa^
IKevldo lonvor
Com BatisfacJlo publicamos o officio
abaixo enderegado pelo Ezm. Sr. Gover-
nador do Estado prestimoaa directora
do Hippodromo do Camoo Grande :
"Palacio do Governo do Estado de
Pernambuco em 2 de Julbo de 1891.
" 5.* secgSo.Sra. membroB da direc-
tora do Hippodromo do Campo Grande.
" Acensando a recop$2o de voseos
cfflcios datados de hontem e boje, acom-
panhados da quantia e 1.2155000, pro
docto da corrida realisada em 29 de Junho
rindo, em beneficio das familias do au
tragos do couragado SdimSes, a qual
acabo de enviar ao Sr. nainistro da ma
rinha para dar Ihe o de vid o destino,
aproveito o ensejo para loavar to huma-
nitario procedimento de vossa parte, e
agradecor-vos em nome das familias das
victimas de tSo deploravel catastrophe.
" Saude e frateruidade. Alezandre
Jos Barbosa Lima,,
Carpnlelro
Estava a chegar de Buenos-Ayres ao
Rio de Janeiro esse bonito alaaSo do turf
argentino, que no anuo pasaado fea alli
23 carreiras, as quaes vencen 7 veaes,
chegou em segundo logar 3 e em teroeiro
5, e n8o alcanQOU collocajao em 8.
Aa saas victorias foram as seguintes :
Premio Debate 1.750 met. 121"
' Hurn 1.400 89"
Gladiador 1.900 124"
' Salta 1.750 114 3,5"
Hermanas 1.900 122 4|5"
' #D3embre 1.400 87 4i5"
" Aventureiro 1.600 103"
Sommoram em 20,750 pesos os premios
que levantou no referido amo esse cele
brado animal, que filho de Casthereagh
e Tapestry e vem correr no turf fluminense
sob o neme Amazonas.
Derl>y d'Epsom
Nunca se perdeu, nem ganhou-se tanto
dinheiro em urna corrida como na que foi
disputada na raia desse prado no dia 1 de
Junho ultimo tendo lido em o lid Oerby
d'Epsom urna mina por meia duaia de
apoBtadores e para os Dook makers.
Segando os jornaes, o duque de West-
minster que foi obrigado a declarar for-
fait de Orme, envenenado, tinha apostado
pelo seu animal cerca de 100.030 libras
ou 2.200:(00contos da nossa moeda no
desgracado eambio actual, e esse cavao
nSo entrou na corrida.
Sir Frederik Johnstone apostara cerca
de 40.000 libras em La Fleche, egua do
bario de Hirsch, tornada favorita pelo
desastre do Orme.
MEMORIAL
NINGUEM DEVE COMPRAR
Artigos de cbapelaria ou flores, plomas, veos
gazes, rendas, etc., sem fazer ama visita Cba-
pelaria Raphael, onde se encontra sempre todo
qnanto, nessea artigos, ha de melbor e mais
moderno.
2Ra 4o Baro da Victoria2
Rapbael Dias a C.
IMICACOES TEIS_
Medico
O Dr. Lobo Moscn da consulta e
-aa casar ma da Gloria n. 39, daa 10
horas da manba 1 da tarde. Achando-
se fra do servi$o publico offorece-so par
acudir a qualquer chamado com prompti-
tSo para fora da cidado. Especialidades,
operacSes, partos e molestias de senhorai
a de meninos.
Dr. S Pereira, ra da Imperatrii n. 8
d cnsul tas medieo-eirurgicas todos os dias
daa 8 ao meio dia, menos nos domingos e
diaa santificados.
Consultorio medico. O Dr. Manov.
Argollo, com pratioa nos bospitaes de
Paria e Berlim, tem sea consultorio ra
BarSo da Victoria n. 1.
Especialidades.Molestias dos appare-
IhoB respiratorios, circulatorio e digestivo,
consultas das 12 fcs 3 da tarde. Chama-
dos no escriptorio.
Telephone n. 658.
Consultorio medico-cirurgicoDr. Sine-
dlioio Mavignier, de volta da Capital Fe-
deral tem seu consultorio, roa da Cadeia
a. 27 1. andar.
Especialidade Molestias pulmonares,
tebres e da pelle.
Consultas de 12 as 3 d? tarde. Cha-
mados por escripto.
Telephone n. 392.
Dr. Joaquim Loureiro medico partee
ro, consultorio ra do Cabug n. 14
l. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Oeeullftaa
D?. Ferreira, com pratioa &M princ
paes bospitaes e olinic\ i: J..*-> a Lon-
dres, d consultas todos >1 liti das &
horas ao mcio-dia. C^araltorio o rali
dencia roa Larga do liosano a. i J.
Dr. Barreta Sampaio, occolista, d o o >
altas de 1 s 4 horas no 1. andar d
oasa ra Baro da Victoria n. 51. Resi
dencia a roa Sete de Setembro n. 34,
entrada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Pereira da Silva recentemente che-
gado de Pars, com pratioa as clnicas
de Wecker e Landolt, d consultas de 1
s 4 horas da tarde ra do Imperador
n. 63, 1. andar.
Telephone n. 588.
RESIDENCIA CAXANGA
Drogara*
.Farta Sobrinho & C, droguistas por at
oado, ra do Marques de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva A C, deposi
tirios de todas aa especialidade* pharma-
couticas, tintas, drogas, producto chimi
ce se medicamentos homeopticos, ra de
Marques de Olinda n. 23.
PtBLICAtflES 4 PEDIDO
Os Concelhos Muni-
cipaes
i
J vai muito o que se tem escripto l-
timamente sobre os Concelhos Municip aes
neste Estado.
Por diversos motives a opiniSo pu-
blica condemna os ; uns porque elles
trabe .a sua missSo constitucional e agem
irregularmente ; outros porque elles nSo
representara a vontade popular pela absten-
clo de mais de 2|3 do eleitorado na sua
eleicSo ; outros porque elles se manifestara
em completo antagonismo a actual adminis-
tracto do Estado, cujo ideal repellem uns
por isso, outros por aquillo, todos porm,
sao conformes que desappareyam taes con-
celhos o que acham tanto mais honesto,
quanto os municipios se acham em inicio
de organisacSo o qae d aos concelhoa mu-
nicipaes o simples carcter de meios pro-
visorios.
Suspencao ou dissolu$ao delles em snm-
ma a concluso commum a que tem obega-
do una e parecem chegar outros dos Ilus-
tres articulistas,
Ainda n'A Provincia de 3 num bem
elaborado escripto, e com ligeiras varian-
tes neste Diario, n'A Repblica e no Es-
tado de Pernambuco, se teem pronuncia-
do pennas bem aparadas em condemna-
580 aquellas corporasSes.
No entretanto parece-nos que o inimi-
go, que se vai tornando commum, ainda
nao foi atacado pelo unici flanco ataca-
ve!, sem represalia e repulso possiveis e
ao mesmo tempo sem disvirtuamento de
nobreaa de batalha.
NSo seremos nos que daremos o com-
bate decisivo ; falta-nos a precisa tatica,
mas isso nSo nos mpede de levarmos^tam
bem noBsas mdnic,5es para a campanba.
E' na guerra que mais se precisa de
amadostemerarios soldados.
NSo ser porque os actuaea Concelhos
Municipaes se tenham divorciado da alta
administrasSo do Estado, nSo ser porque
,n8o representem a maioria do eleitorado,
nSo ser por Ba irregularidade de
conducta, nSo ser por nenhuma deesas
razes que devara elles desapparecer a
noWo ver.
O serem ellesmais provisoriosnSo
Ibes tirara a respeitabilidade relativa, se
algum outro motivo nao os condemnasse.
Fossem elles actualmente creacSes legi-
timas e j mais cruel quer das causas
apontadaB, falos-hia alvo de todos os ata-
ques.
Repelimos "a idea de sUBpenBSo de
funcc/Jes, porque saspendel os seria reco-
nhecer legitimidade, onde n2o ha, seria
Dissolvel-oa por que nSo exprimem a
maioria do eleitorado, sera injusto para
ellos, seria alem de todo gaiardoar ara
crime poltico qual a abateny&o daa
urnas ; quem nlo comparecen, compare-
cesse e a quem nSo oomparoceu fallece o
direito de pedir.
Pedir a dissolucSo por somelhante mo-
tivo seria o caso de ama ezoepolo de
illegiti nidade da parte.
Dissolvel-os porque contravem as leis
a cujo cumprmento se tornara refracta-
rios, seria urna pena illegal e applicada
por poder incompetente ; elles teriam o
seu foro os seos juises e o seu proeesso
e a sua penalidade.
Dissolvel os porque dea toa m da admi-
cistracSo suprema do Estado, seria igual
mente illegal ; seria crear um crime lo
previsto e sobre todo asphyziar a quescio
envolvendoa nesse ambiente exterminador
daa paixSes partidarias, quaado ella tem
um espado balsmico onde pede respirar
livremente.
Seria um commetimento perigoso, nao
porque delle podessem vir consequencias
f'ataes, pois esta ierra a trra dos tactos
oonsummados ; mas estaboleceria um pre-
cedente mo para a publica adminiatrasSo
de futuro.
Seria urna deslealdade, senSo o abuso
da forji, condemnavel em todas as rela-
$Ses da vida do Lomem, como do governo
o mais forte eliminar o mais fraco.
Isso nSo seria em ultima analyae muito
honroso pura o vencedor, no entanto que
elevara o vencido as sympathias do mar-
tyrio.
Mas a nec3B8dade da dissolujSo dos
con8elhos impoe se, perqu ellea nao tem
existencia legal.
E' c que veremos no seguinte artigo.

A Exm. Sr. conselheiru
Dr. Joaquim Correia de
Araujo.
NSo pretenda esarevor mais cousa al-
garas pel imprensa sobre a questSo da
Companhia Ferro Carril com a de Casan-
ga, conforme deelarei em mea ultimo ar-
tigo.
Mantenho o meu proposito.
Como porm o meu amigo e collega,
Dr. Joaquim Corroa de Araujo terminou
seu artigo de hontem, disendo que
prove certos carnes de visita que est an
cioso por publicar, e como posBivel que
alguem, que me nao conhega devidamen
te, enxergue em tal affirmaySo urna amea-
9a para intimidar-me, ou urna bIubSo ao
meu carcter, sou forcado a vir de novo
imprensa somante para dizer ao meu
collega que pode publicar todas as cartas
ou corto1 es de visita, que possuir, na cer te
aa de que nada poder haver em ta*a
cartSes, que poasa prejudicar-me.
E tanto mais rasSo tenho para pedir lhe
que r ublique logo esses carlees de visita,
quanto tal insinuacSo ni'jnde a divrsos e
preciso que cada um saiba com toda a
clarees o pensamento de S. S. para de-
fenderle conoenientemente.
Use portante de inteira franqueza o
meu antagonista, publique tudo o que
pudor e tiver, pois somonte asaira cenvm
a quem, como S. S. zela a propria honra
e porta oto tambem a dos outros.
As imunuacoes nSo sSo fsitas para n,
nem jamis attingem o alvo qaa o pro-
tende.
Recife, 6 de Julho de 1892.
Dr. Adolpho Cirne.
1 mi 11 fooi *"~
Monopolio de Carnes Verdes
Sob o mulo que encima e3Us linha?, appare-
cea no Jornal do Recife de boje, um especu
lador, assigLaodo-seo inimigo do monopo
lio, com pretenr,038 a insinuar-se no animo
do Sr. prefelto e obter favores impossiTeis, como
seja o de taxar o prego da mercauona alheia.
Em ama epocha em que todoa os gneros da
primeira aecessidado eeUo por r preo maite
alio, comprehende-se que os criadores de gado
tambem quei-am Tender por bom preco a sua
mercadoria. E' o que acontece. Ai carnes mais
baratas foram netes ltimos dias compradas
Das feiras de 6 a 9 mil ris a arroba. E sendo
assim, aqai do mercado, ellas nao podem ser
vendidas pelo prego que ineuleam os calumnia-
dores que se lotitulam inimigos de om monopo
lio que nao existe, ms que desejam crear para
si.
Porque o fingido defensor do poyo nao falla
contra o preco do bacalbo e da carne de xar-
que, prego moito mais alto do que o a carne
verde 1 Impostores !
Fallam de carrogOes para a condurgSo das
carnes e flngem ignorar que elles foram impos-
tos pela Intendencia, e que custaram mmto di-
nheiro.
Esta troupe dos Sydronios, dos Bellarmlnos
Aroxas e outros muitos, quebrados de ambas as
algiUriras, qu-.rem tentar ama cousa impossivel:
faxer fortuna a cnsta da repntagao alheia, e do
nome, at boje sem mancha do Sr. Dr. prefeito.
Eoganam-se.
Quem nao tem nem fortuna e nem cred'to para
commerciar, toma ama caixa de pinbo, urna
lata de grasa e vai ser engrasador, que um
meio de vida muito mais honesto do que mentir
e calumniar.
Recite, S de Julho de 1893.
0 indignado.
Ao Exmo. Sr. tee ate Bel-
larmino Athayde
Nao devia responder as delicadesas do distinc-
to Sr. tenente Athayde, mas como homem que
se preea devo declarar ao publico que falsa a
historia contada pelo referido Sr. a respeito do
que se passou na casa do meu amigo e chafe Dr.
Martins Jnior. _.
Garanto, e isso (se o Sr. Athayde o xigir) po-
de ser referido por muilas pessoas, que la se-
acbavam, que eEse official, cuja transferencia foi
vivamente solicitada (ainda em tempo do Sr. des-
embargador Lacena) pela brioiae distiacta (ffl
cialidade do V batalho de infantera, declaren
so meu Ilustrado amigo Dr, Martins Jnior que,
se viesse para Pernambuto nao seria nm arrua-
ceiro, disendo que o meo amigo capitao Reg
Barros (cujo rmelias nesta queslao pela pri-
meira apparece) lhe havia declarado que ja sa
tinha entendido com o Dr. Martioa respeito de
Diseoppor este a sua traosfere cia parva
guarnigao deste Estado-
Nao foi o Dr. Martias quem ioicioa a conversa
como falsamente, para lmpor-se no conceito dos
seas co-religionarios, declara o illuttre Sr. te-
nente Athayde
Eisoque se passou: tacto omise.s cont
das mil' eana *o*le*v
Para terrar devo agndaeer aoMBuato Sr.
tenente Beliarmino de Attwtyde as maaetraB som
Em recompensa poder lhe na offerecer Dsl*
mimoio nooqoei d 1 perfumada* flores que coli
em jardins do Estado de.Alagcas, onde o teen-
(e A bayde passou como urna brisa benfica e a-
lutar, isto ,poderla transcrever nns tantos arti-
gos edicioriaes publicados nos jornaes alageaoes
quando o Sr. Athayde (entao alferes) l-eeteve;
artigos que demonatxariam a eua nobresa, cota-
gem e elevado carcter.
Em todo o caso fe o F1DALGO St Aiha?de >
quiser saber do repertorio que tenho em meo
poder, diga, perqu;' contaret muitas hiitorias
alias bem edificantes ; e se o mesmo Sr. cense
guir permisso do Sr. generai crmmanJanle te
districto, publicarei alguns documentos impar
t antes e e loquen tes, eclbidos na Parabyba, Al:|
goas Serg-'pe e Pernambuco.
J. Thsao da Fonmm.
Para o Exm. Sh GovePBinl^r
provideneiar e o pal ico re
serYar-sc.
E' o Sr. Antonro da Silva Vftal qoe
vive honradamoato ?
Faga se o juizo pelo que passo a nar-
rar :
O tal Vital diz ser dono da propreda-
de tQulandim porem a parte de trra
que me perteace ser sos r
Dia ter um engenho denominado -. Du-
vidoso porem para ser mesmo duvidoso
porque o terreno anda est sendo edificado
per once aos herdeiros do Conselheiro
Jos Bento' da (J. Figueiredo.
Tendo elle sido testemuoha a 24 anuos
da venda de um terreno ao Sr. Jos An
toaio da Motta que a outro venden to e ou
por minha infelicidade comprai-o a esta
outro, reuni em 1883 diversas pessoas
armadas e apoderou-se do dito terreno-e
das cannas que ahi estavam plantadas, o,
nSo satisfeito ainda, deu-rce para visinbo
um seu e&covabotas Manoel Pereira oonbe-
cido]por (Finicho que fiado na sua bravura
provoca-me e a minha familia com pala-
vras injuriosas pretendendo at (segundo
me oonsta) matar-me e feito outras bravu-
ras como : o ter deahoaeitado urna crpha
que sua cunhaia ecomadre da qual teve
um filho.
Qual o mais culpado dos deas o qae ira-
tic ou o que manda praticar ? Julgando
que ambos devem ser punidos, pe50,i>
acreditando no governo justiceiro do Exa.
Sr. Barbosa Lima, que providencie e da /
minha parte (ceg como sou) respemn-
sabiliso os Vital e acto pratioado contra mim ou contra
o que me perteneer,
Engenho Amolar 4- districto de Bonito,
6 de Julho de 1892.
Ooego,
Joao Luiz Habello*
..i .i .i nf^s i .. .
Lua Inbercolose aguda
O facto sm seguida narrando pelo Sr.
Joao Antonio Pereira Santiago, socio da
importante firma commercial Santiago &
Irm2o, do Rio de Janeiro, mais um va-
lioso testemunho da efficacia do Peitocal
de Cambar para a cura das enfermidades
pulmonares, das quaes conatituio se o so-
berano debellador.
Leia-se o que diz aquelle distincto ca-
valbh-o :
Eu abaixo aasignado, morador ra
S. Pedro, c. 0, no Rio de Janeiro, de-
claro que, tendo urna filha minha de 13
aonos de idade, sido acoommettida de
urna molestia grave, consultei es medidos
de maior reputagao desta cidade, e estea
diagnosticaram ser o siJErimento urna tu-
berculose aguda. Por espago de quasi
dous mezes sujeitei minha filha ao trata-
meato desses illustres facultativos ; maa,
a molestia combando de tudo, progredia
para o desfecho fatal.
N'essas circumetancia um amigo dedi-
cado aconseihou-me a experimentar
Peitoral de Cambar, medicamento do Sr.
J. Alvares de Sousa Soares, ds Pelotas,
e, em tao boa hora acceitei esse censerho,
que no fim de seis dias as melhoras sa
foram acuep'nando, tendo diminuido a
tosse e outros phenomenos que acompa-
nham essa terrivel enfermidade.
Minha filha tomn deoito frascos dt
Peitoral de Cambar e boje pie se con-
siderar completamente restahelecida. Du-
rante ci ico meses e meio frequentou os
lugares mais recommendados pelos medic-
eos, sea estado de magreza era extremo e
a febre nSo e. deixava.
Convicto, como estou, de que o Peito-
ral de Cambar, um preCioso remedia
para as affecgoes dos pulmoes, maitc o
tenho recommendado s pessoas de mi-
nhas relag5es.Joao Antonio Pereira San-
tiago.
(A firma est reconhecida).
toda a legitimidade.
apenas pnir qual quer infracslo aommet-1 mmente delicadas com m^digaoijitar-ge
So. por aaordad sem descouhecer lhe' dundo aislmtom a sweatrerma amrtrlfdadetw
tesHmnnho de que cada qual dlt) qtre tentv
Estupendo
E' curar em trez dias gonorrheaa chro-
nicas ou recentes, como acontece com o
remedi vegetal que se chama InjeccBes
Anti-blenorrhagicas de M. Morato. Cura
garantida em tres dias, seja qual ffir aira-
tureaa do paciente.
A Injeccio Anti-blenorrhagiea de M.
Morato, vende-ae em Pernambuco, na
Companhia de Drogaa e Productos Chi-
micos.
Roa Mrquez d'frinda, 23
_-------------- Bi .....
Kegulaikr k Marinha
Concerta se relogios de algibeira, pn-
dulas de torre de igreja ebronometros da
r. rinha, caixaa de msica, apparelho
t-iectricos, oculos, binculos, culoa de 1-
oanoe, joiaa e todo qualquer, objecto ten-
dentes a arte meohanica.
9Roa Larga do Rosario9
Mathematieas El e-
mveatares e Escrip-
turac^o Mercantil.
Venancio Labatut dedica-ss a preparar
qualquer pessoa em esoripturaco mer-
cantir com 80 3& liooe, coafwmo con-
tracto, contina a lecionar as materias
cima ra Duoup.d- Casias n. 72,
l* andar.

rujn


4
Diario d< Peruaoibaco Quinta-feira 7 de Julio de 1892

1
a
Dr. Emygdio Monte
negro
Atiesto que tcnho en pregado com o
melbor resultado em minh clnica o tPei-
toral de Cambar, preparado pelo Sr. J
Al vea es deSoaza Soares, de Pelotas, as
diversas affe^Ses das vas respiratorias
cor.o poderoso emoliente, principalmente
da bronchiti catharrhal das criancaa quan-
fonattravesEan a crise da primeira den ti-
9S0. O referido verdade e o jaro em
de mea grao.
Recie, 8 de Margo de 1891. doutor-
Emygdio Montenegro.
( A firma est reconhecida
E' o g ande depurativo
deseoberto dos indgenas
cujo, tem a propriedade de
curar a syphilis rapidamen
te, curar o rheumatismo
como por encanto, e curar a
morpha cerno por mila-
gre.
C aprecimento do gran
de remedio o Elixir M.
Mralopropagado por D.
Carlos, o facto mais ex-
traordinario d'este seculo,
taes sao as curas que dia-
riamente se effectuam.
Agentes em Pernambuco
Companhia de Drogas e
Productos CIir i eos : ra
Mrquez de Olinda n. 23.
De interee
O Sr. Israel Antonio Gidade, resdente
nos Cerros de Taquary (Rio Grande do
Sul), dirigi aos proprietarios da Phar-
tra- a Central, em Porto-Alegre, a seguin-
e Carta, que recommeudamos attencSo
dos interesbaos:
Srs. ouza Soares Porto Ale
gre.SendgT^ atacada minha
urna toase desesperadora e
esposa de
de carcter
ESOBIPTORIO G0MMEBG1AL
Duque de (laxias n. 72
I
I
Faiem liquidacOes amigaveis oa jndiciarias
acceltam commistese conignacea encarregam-
ee da venda de engenbos, fazem adiantameatos
e acceilam correspondencias dos senhores de en-
genba, nromovem a venda de productos naci
naes e fazem qualquer transaeco de commer-
cio.
Eacarregam se tambem de receber os honora-
rios dos Srs. funccionarlos pblicos alaguis
de casa, mediante mdica commisso e bem as
sim de qualquer trabalbo de escripturajo de
casa de commercio.
Cabo
0 Dr.Joaquim Felippe (ixou a
nesta cidade e da consultas
Dnarte.
Presta-chamados a qualquer bora
sua residencie
na pbarmacii
Olinda
Bacharel F. Caldas tabelliao e escri-
vao de orphSos de Olinda, mudou o cea
cartorio para a casa a. 23, ra de S.
Bento, onde reside.______________________
COMMERCl
Bolsa Conuncrcial de Pernem
buco
OOTAC5K8 OFFICIAES DA JUNTA D08 COB-
RETORES
Prafa do Recife, 6 de Julho de 892.
Apolice8 do Estado de Pernambuco do valor
de 1.000* de juros de 7 0,'o ao preco de i.050*
com os juros do semestre vencido.
AccSes prefarenciaes da companhia Industrial
Pernambucana do valor da 200* de juros de 7
0/q a- pare
Na Bolsa venderam-se:
10'Apolices do Estado de Pernambuco.
180 AcjOes preferenciaes da Companhia Indas-
duetrlal.
O presidente,
Eduardo Dubeux.
O secretario,
Augusto Pialo de Lemos.
Cambio
PBAgA DO KECIFK
Os bancos abri:am a 10 3/8 avancando depois
do meio dia para 10 1/2.
Em papel particular nao consteu transaeco.
O mercado estavel.
PRAGA DO BIO DE JAKKIKO
Os bancos abriram a 10 1/2 e ao fechar do dia
deram a 10 9/l6.
Papel particular foi cotado a 10 5/8 com ten-
dencia para alta.
Cotaee de genero
ASSC'R
Para o agricultor
Branco por 15 tilos. 8*500 a 10*
jmenos, dem idem.... 5*500 6*000
Mascavado idem idem 4*500 a 5*000
Broto secco ao sol idem idem 2*800 a 4*000
Rtame idem idem .... 1*700 a 2*100
Csinas idem idem .... a *
Mercado muito animado.
A exportaco at 30 do passado consta de 12060
saceos e 2671 barricas de assucar branco pesando
1.121.130 kilos e 19.301 saceos e 100 barricas de
assacar mascavado pesando 1.186.825 kilos.
Algodo
Cota-se nominal a 11*500 sem negocio.
Borracha
Cota-se nominal a 30*000 por 15 kilos.
Carnauba
Cota-se a 11*000 per 15 kilos nominal.
Carosos de mamona
Cota-se a 2*400 por 15 kilos.
toaros
Seceos aaigadoB na base de 15 kilos a 050 ris.
Verdes nominal 360 ris.
At30 do passado foramexportados 10906 cou-
ros e 570 1/2 desoa.
Mel
Por pipa de 180 litros 80*000 ha falta ao mer-
cado.
Foram exportadas al 30 do paspado 12 pi-
pa*.
Aleool
Por pipa de 480 litros de 260*C00.
At 30 do paseado fonun exportadas 188 pi-
pas.
grave, lancei mSo de diersos preparados
sem proveito algam, e, tendo conhecimen-
to dos bons resultados do Xarope Peito-
ral de Cambar, do Sr. J. A. de Souza
Soares, mandei immodiatamente comprar
dois vidros do dito Xarope, e, com o uso
do primeiro, logo a doente experinenteu
melioras e, depois de ter tomado o se-
gando, vio-se completamente restabele
cida.
Qaeiram, pois, acceitar a exprsalo do
meu reconhecimento, que se dignarlo trar.-
smittir ao fabricante de tSo benfico me
dicamento, fazendo d'esta o oso que lhes
convier.
lsrad Antonio Cidade
(A firma est reconhecida).
E' nico agente e depositario do Peito-
rel de Cambar ra Marques de Olinda
a. 23.
0 Di. Barros tarneiro e a fa-
brica a vapor Minha Espe-
raba.
O Dr. Manoel Clem entino de Barros Car
neiro, formado em sciencias medicas e
cirurgicas pela fanuldade do Rio de Ja
neiro, medico adjunto da clnica do
hospital de Santa gueda etc.
Attesto que tenho f to uso dos cigarros
denominadosMinha Esperancae bem
assim do fumoHygienico Nacional da
fabrica do Sr. Antonio Francisco da Crus
reconhecendo pela analyse chimica a que
proced, que o referido fumo e cigarros
nao euc-rram principio algum nocivo as
funcces gstricas, sendo perfeitamente
toleraveis aos dyspepticos.
In fide medie;.
Recife, 12 de Fevereiro de 1892.
Dr. Barros Carneiro.
Dr. Carneiro da Cunha
O Dr. Carneiro da Confia retirando se para o
sul da repblica temporariamente, previne aos
teus amigos e clientes que o substituir na cli
nica o Dr- Hodolpho Galv&o com escri
ptorio ra do Bjm Jess 24 e residencia ca
praca de Sant: Cruz 8.
Dr. Rodolpho Galvo
D consultas de 11 1 hora da tarde a ra do
Bom Jess 2^e reside na praca da Santo Irai
n. 8.
Ham Remedio Vegetal is
Sombroso.Afinal chegoa deseo-
brir se na essencia concentrada o'um pro-
ducto vegetal, aro efficassimo remedio po-
sitivo, contra todas as enfermiaades pre-
cursora da thisica. A arvore de sade,
pois que assim verdaderamente que se
deve de chamar, da qual se extrahe esto
inestimavel thesouro, a Anacahuita do
Mxico, e o Peitoral de Anacahuita, for-
ma a preciosa compos;.c,j que alcanca
sempre a victoria sobre as eefermidades i-
".migas dos orgSos da respiraco. Ja
mais houve remedio algum que se tizesae
dentro em tao pouco tempo tao universal-
Foram exportadas at 30 do pas3ado 875 pi-
pas.
c aro vos de algodo
Cota-se a 640 ris por 15 kilOP.
Foram exportados at 30 io passado 490.314
tilos.
TA3ELLA DAS ENTRAD j3 DE ASSCttAX B AL-
GODO
Met de Julho
Assu-
Entradaa
Jarcagas .....
/apores......
toimacs.....
estrada de Ferro Centr&l
dem de S. Francisco ,
dem do Limoeiro. .
omma.....
Dias
a
a
a
a
a
i
car
Saceos
44
182
38
~26V
Algo-
dio
Sacras
400
210
2i7
18
72
203
920
Agurdente
en pipa de WOIitros 150*000.
importaeSo
Vapor francez Equateur, entrado dos
partos da Europa, em 5 e consignado a
H. Burle e comp.
Ameixas 3 caixas a Dias Fernandos e
comp., 6 a Domingos Ferreira da Silva e
comp., 9 a Quedes de Araojo & Filhos.
Amostras 1 volume a ordem.
BotSes 1 caixa a J. A. M. GaimarSes.
Cognac 30 caixas aos consignatarios, 25
a J. de Almeida <& Torres, 20 a Sulser
Kauffman e comp., 10 a Carvalho e comp.
Couros e miudezas 2 caixas a C. W.,-
chsmann.
Conservas 23 caixas a Carvalho e comp.
5 a Dias Fernandos e comp,, 2 a C. Bo-
litreau, 7 a Castro Lemos e comp.
Chapeos 1 caixSo a Companhia de Cha-
pos.
Cha 1 caixa a C. Bolitreau.
Joias 1 caixa a J. Krause e comp.
Louca 1 caixa a C. Bolitreau.
Licores 1 caixa a Carvalho e comp., 5
Diaa Fernandos e comp., 7 a Salzer
K&nffmann e esmp.
Movis 21 caixSes ao Baro de Casa
Forte.
Massas 15 caixas a Carvalho e comp
Mercadorias 5 caixas a irmS Salvignal
8 a irmS Choorerach, 2 a Prente Vianna
e comp.
Porcelana 1 barrica a J. Gerard.
Queijos 1 tina a Dias Fernandes e
comp., 20 caixas a Sulzer Eaaffmano e
comp.
Tintaras 1 caixa a Moora.
Roupa branca a caixa a C. Bolitreau.
Vestidos 1 caixa a C. de Aqaino Fonse
ca Filho.
Vicho 1 barril a Pereira Carneiro e
comp., 3 a ordem, 2 a B. Lopes Alheiro
e comp., 3 a F. P. Bolitreau, 45 caixas a
Carvalho e comp., 13 a C. Bolitreau.
Carga de Lisboa
Ceblas 50 canas a Medeiros & Barros.
Cravo da india 5 saceos aos meamos.
Pe lies 1 caixa a Malbisson.
Vapor allemlo Curityba, entrado de
Hamborgo e LisbS, em 4 e consignado a
Borstelmann a comp.
| mente popular. Os gratos testemunhes
' dos coi ac8es agradecidos, que padeoeraoi
i de tosses, esquiaeccias, rouquidJo, inflim-
I ma^So do peito, bronchites, esthma, caiar-
rhos, c-ostipacSe, thisica, &, se recebem
Suda dia aos centenares de todas as partes
do mundo.
Como garanta contra a9 f*leiricac5esJ
observe-se bem que os nomes de Lunman
& Kemp venham estampados em letras
transparentes no pap.-l do hvrinho ue
serve de envoltorio a cada garrafa.
Achacas a venda em todas as boticas
e drogaras.
Novo estabelecimento
Os abaixo assignados tem a honra de
anounciar que acabam de inaugurar am
novo estabelecimento de ferragens, ra
d i Duque de Caxias (antiga ra do Quei-
mado) n. 90, e approveitam a opportuni-
dade para offerecer ao respeitavel publico
os seus servicos, compronettendo se ser-
vil-o do moio mais satDactorio possivel,
pois, para isso, acham-se habiiit^oa e
preparado possuindo, nlo gmente os
predicados exigidos para aerem sempre
agridaveis, como por terem em seu re-
ferid.) estabelecimento, o mais completo
e variadissimo sortimento de ferragens e
cutelarias dos melhores fabricantes, cujas
mercadorias vendem por baratissimo pre-
90, por uc adoptaram a divisa :
VENDER BARATO PARA VENDER
MITO
Os proprietarios desBe novo estabeleci
ment, que se julgam, pelos motivos ex-
pojtos, na a!tura de corresponder as
maioics exigencias, espera a visita de
sena amigoa, que se certificarlo de todo
quanto fica relatado.
Recife, 4 de Julho de 1892.
Leito & Qosta.
Dentaduras artificiaes
Sob prossao elstica, e pressSo pneu
fltica* systeinas novissimos ueste Estado
pelo oirurgiao dentista Numa Pompilio,
4 ra do Barao da Victoria n. 54 1<> aa
da 'dr.s H horas da manhS as 4 da tarde
'Medico e oculista'
Dr. Berardo oculista do hospital
Pedro II, tem coniultorio ra do
Bom Jess n. 9, 1." andar.
Residencia na Magdalena.
Telephone n. 366
Elixir ante-febril Cardoso
SEGUNDO A FORMULA
Manoel Cardoso Jnior
Approvado em 21 de Marco de 1890 pela inspe-
ctora eral da digna junta de nyglene do Ric
de Janeiro.
Eite Elixir de composico toda vegetal pre-
parado te.-lindo as regras pbarmaceuticaa, acn
ciliadas pel03 autores modernos e de recouhe-
cida capacidade scientica Unto no paiz como
10 estrangeiro.
Esie Elixir o producto nao so do grande es
.udo d romo tarnoom pattiologicas.como tambem o re
aliado Uas immensas applicacGes nos diversos
sos de febri'8 de fundo palustre.
A apnlicacfio dpste Elixir na grande epidemia
je bexigas de 1890 a 1891 mais urna vez de-
icons'.rou a sua efficacia ; pois no principio dos
Carga de Hajiburgo
Azu! u!t amar 2 caixis a Ferreira Gui-
rnarSes e comp
Amostras 20 v lume3 a diversos.
Jimento 350 barricas a Antoaio Pinto
da Silva e comp., 400 a ordem, 50 a Odo-
rico Cmara, 60 a Azevedo e comp., 70
a Sulzer Kauffm=nn e comp., 30 a Pereira
de STarias e comp.
Couros 1 caixao a Frederico e comp., 1
a C. Wachsmann.
Capsulas de metal 1 caixa a ordem.
Calcados 1 caixSo a ordem, 1 a C.
Wachsmann.
Cogn&c 20 caixas a Browns e comp.
Chapeos 1 caixSo a A. Fernandes e
comp., 2 a Raphael Dias e comp.
Drogas 27 volumes a Companhia de
Drogas.
Fiascos 35 grades a Sobres do Ama-
ral IrmSos e comp.
Ferragens 12 volumes a Albino Silva
e comp., 5 a Gomes de Mattos lomaos, 6
a ordem, 1 a Parete Vianna e comp., 1
a Oliveira Bastos e comp., 2 a C. Wa-
chsmann.
Folhas de flandres 25 barricas a or-
dem.
Louca 1 caixa a ordem.
Lampadas 14 caixas a ordem.
Lanternas 21 caixas a ordem.
Mercadorias 1 volume a Manoel Colla~
$o e comp 2 a Netto Campos e comp.*
2 a N. Fonseca e comp., 3 a Oliveira
Bastos e comp., 13 a ordem, 2 a Gaima-
rSes Cardoso e comp., 4 a Prente Vian-
na e comp., 4 a Guimar'es Cardoso e
comp., 7 a A. Stolzemback, 2 a Gomes
de Mattos IrmSos, 2 a T, Just, 3 a A.
Domingos Lima, 7 a Oliveira Bastos e
comp., 4 a 0. Wachsmann, 3 a Browaa
e comp., 2 a R. de Drusina 1 comp.
Machinas de costura 10 caixas a Oli-
veira Bastos e comp., 1 a ordem.
Oleado 2 caicas a ordem.
Objectos para chapeos 3 caixas a Com-
panhia de Chapeos.
Ditos para litographa, 8 caixas a or-
dem.
Papel 6 caixas a H. J. Perman, 6 a
Prente Vianna e comp., la A. Fernan-
des e comp., 1 1 fardo a F. P. Boli-
treau, 1 e 3 a ordem, 1 e 2 a Browns e
esmp 10 a Companhia de Drogas.
Dito de impressSo 29 fardos ao Jor-
nal do Recife, 12 a Manoel Figueiroa
de Faria & Filhos.
Pinceis 1 csYxa a Companhia de Dro-
gas.
Porcelana 1 caixa a ordem.
Phosphoros 10 oaixSes a Fraga Rocha
e como., 10 a Oliveira Bastos e comp.,
10 a Costa Lima e comp*., 30 a Soares
do Amaral IrmSos.
Stearina 3 barricas a F. J. Pasaos Gai-
maries.
Tinta 3 caias a Oliveira Bastos e
oemp.
Tintas 2 caixas a ordem.
Tecidos 2 volumes a N. Fonseca e
comp., 1 a F. de Asevedo e comp., 2 a
N. Maia e comp., 1 a A. Vieira e comp.,
2 a Guerra Fernandes 9 comp., 5 a Ro-
primeiros symptomas a bexiga aborta, e em ca
sos mais adiantados a bexiga passa a ser urna
oenca febril vulgar apresentandu pequeas to
melacOes que com a continuaco do Elixir de-
eapparecem sem todava apreseutar recelos de
perlgo.
Os muito attesiados publicac.es no Diario de
Pernambuco e Gazetada Tarde provam o que
dizemos.
Nos caso* de febre amarella o eflelto admi-
ravel, apresentando pbenomenos to maraviiho-
(08 que nesta cidade do Recife e na do Rio de
Janeiro pouco recelo causa a febre amarella,
mesmo estando o doente com vomito preto e
sanguneonestes ltimos periodos eatao ne-
is -ario a applicscao em alta dose, despresando
a tabella ansexa.
Este Elixir j conhecido do publico e de am
grande numero de dignos mdicos apresenta-
do para combater os differentes iucommodos to-
dos elles de carcter febril.
Por mnito tempo tivemo3 occisiao de fazer a
applicacSo as febres erysipellosas e com lao
oom resultado que camos admirados de to al-
tos effeitos.
Pela pratici chegamos a conoecer que nos
ataques ae febre erysipellosa oa erysipella como
vulgamente se diz necessari* o uso de 10 das
do Elixir.
Nos grandes incommodos das senboras, mens-
truacSo, gravidez e qos cat03 de parto com fe-
bre e de am resaltado muito certo e seguro e
asea composico tao simples que nao offerece
receio de applicar o Elxir nem mesmo em deses
superiores as indicadas na tabella infra.
Pedimos aos dignissimos mdicos que deseja-
rem fazer aso deste Elixir em sua clnica nao se
sujeitarem r.ossa prescripcao, mas sim fazer a
applicacao em harmona com os casos que dse
jarem combater, certos de que o medicamento
de composico innocente para o organismo por
mais frgil que seja.
Hodo de asar
A's criaacas at um auno 10 gptas de i em 1
loras em urna colber des de sopa ebeia d'agui
'ra.
De um auno a tres 15 gollas.
Da 3 a 10 annos em diante, 40 gottas etc.
Estas dose3 devem sempre ser applicadas em
agua fria.
Deposito
Companbia de Drogas e Productos Caimicoe
Recite, ra do Mrquez de Olinda n. 23.
Nacional Pharmacia, ra Larga do Rosari
a. 35.
Pharmacia Oriental, ra Estrella do Rosaru
a. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, roa do Barto d
Victoria n. 14.
Pharmacia Martias, ra Duque de Caxias c
<8.
DEPOSITO GERAL
Vendas em grosco e a reUlo.
Haa Estrella do Rosario n.
P&BKAMBtCO
Custa de cada frasco de 15 grammas500
Os nostos frascos sao qaadrados e conta go-
tas. N'um lado teem grvaloElixir ante febril
e no cutroManoel CardosoPernambuco. e to
dos os prospectos sao assigeados por Manoel
Cardoso Jnior, sendo falsos os que nao foreai
asignadas.
N. 155
lllm. Sr. Manoel Carioso Jnior.
Tendo tu feito uso do seu infallvei remedio
ante-febril, declaro-lbe que o resoltado dele 01
me por demaia satisfactorio, tanto que tome
urna rose e extinguio-me completamente
fabre.
Faco lbe este, para que chegue ao seu conbe-
cmeoto e fazer o uso que lbe cenvier.
Recife, 4. de Setembro de 1889.
l Jos Francisco e Silva.
Andr Bnrity
Declaro que fui mordido de urna c asea
vel, e curei-me sem cess&r durante mai
de 4 annos, ricando-rae uns buracos chago
sos nos ps que se sarava um abria outro
immediatamente ; ficando anda com para-
lysia em urca mao d'esde que fui mordido.
Aconselh&io a fazer uso do novo reme
dio o=EIixir M. Morato propagado por
D. Carlos, tomei-o bstente tempo e fi-
drigues Lima e comp., 2 a Mattos Cami-
nha e comp 3 a GoncalveB Cunha e
comp,, 1 a Frederico e comp., 3 a Olinto
Jardim e comp., 1 a Alvim & Chance, 1
a Muller e comp., 4 a Bernet e comp., 3
a Alves de Britto e comp., 3 a R. de Car-
valho e comp., 3 a S. Nogueira e comp.,
10 a ordem, 3 a Joaquim Qoncalves e
comp., 1 a C. Wachsmann, 1 a F. J. dos
Pasaos GuimarSes, 1 a B. de Aaevedo e
0)mp.
Vellas 10 c.xas a ordem.
Vidros 200 grades a A. D. SimS.-s, 4
caixas a ordem, 2 a Browas e comp.
Carga de Lisboa
Cerveja 10 caixas a Wanderloy 4
Basto*.
Ceblas 30 caixas a Domingos Ferreir
da Silva e comp
EiportacSc
BKCVB, I DS JOLaO .e :.SS2
Para o exitnor
Nao houve exportacao.
Para o interior
quei completamente bom. A quem anda
nSo conhece oElixir M. Morato,eu de-
claro que este remedio santo, porque
faz milagrea.
Porto Felia.
Andr Burity
Deposito em Pernambuco: Companhia
de Drogas e Productos Chinacos.
lina SLrqaez d'Olioda, 11
Dr.TriiTGiiiares
Participa a seos amigos e clientes que
mudou o seu cousultoric da ra Duque
de Caxias n. 55 para a mesma ra n. 61,
l. andar, onde contina a dar consultas
de 11 a 1 hora da tarde, e reside no Ca
jueiro n. 4.
Telephone n. 292.
Dr. Bastos de Oliveira
Medico operador e parleiro
Tem o seu consultorio ra do Marque*
de Olinda n. 1, 1. andar, onde pode ser
procurado todos os dias uteis e 1 s c
horas da tarde.
Chamados qualquer hora, roa do
Dr. Joaquim Nabuco n. 2 A. C ndnga.
Telephone n. 365. a
No vapor francez Ctrca, para Rio de Ja
neiro. carregaram :
R. Wi!l:am3 & C, 200 saccas com 13,493 kiloafc
de algodao.
M. Maia & C, 330 saceos com 19,800 kilos de
osuno.
P. Carneiro 4 C, 22 pipas com 10,340 litros, da
agurdente.
A. Labille, 200 saccas com 17,443 kilos de
algodo.
Para Santos, carregaram :
S. G imares 4 C 636. s ecos com 38,160
kilos de milbo.
Companbia de Droga-. SO latas com 750 litros
d oleo de ricino.
M. Borges 4 C 80 ;accoa com 4,800 kilos de
assucar branco e 120 ditos com 7,200 dito; de
dito mascavado.
Para S. Paulo, carregaram:
M. tcrges & C, 200 saceos com 12,000 kilos
de assucar branco.
No \apor nacional Alagos, para Ceara,
carregon :
J. M. Dias, 1 caixa com 27 kilos de rap.
Para o P-ira, carregaram :
Companbia de Drogas, 33 caixas com prepara-
dos de jarobeba no valor de 145, 14 ditas com
cjbeca de negro no valor de 70
Amorim IrmSos 4 G, 25 saceos com 1,8/5
kilos de assucar branco
No vapor nacional Maranhdo, para R.o de
Janeiro, carregaram :
A. C. Morena Dias, 1 caix-i com 50 kilos de
queijos.
D, F. Porto Baltar, 2.000 sactts com 120,000
kiloB de mlltio.
S. Gaimares t C, 364 saceos com 21,840
kilos de milbo.
Pira Victoria, carregaram :
A. S. Cooto 4 C, 10 pipas coin 4,700 litros de
agurdente.
No vapor allem&o Curitiba, para Santos,
carregaram :
E. C. Beltrao 4 Irm&o, 100 barricas com 6 000
kilos de assucar brasco.
D. F. Porto Baltar, 5 pipas com 2,350 litros
de alcool.
Para Rio de Janeiro, carregon:
D. P. Purto Bailar, 600 saceos com 36,000 kilos
de milbo.
No aiate nacional Jaguarary, para Natal,
carregaram :
Companhia de Estiva, 286 saceos com farinha
de mandioca.
Jallo Iraaao, 100 saceos com tarjaba de man-
dioca.
Oculifta
f
Dr. Barrete Sampaio, oculista, I
ex-chefe de clinica do Dr. de
Wecker, do volta de sua via- j(
gem Europa, d consumas do 1
1 s 4 horas da tarde, no 1* ')
andar da casa n. 51 ra do i 1
BarSo da Victoria, excepto nos )
domingos e dias santificados. 1 i
Telephone 285.
Residencia ra Sote de Setem-
bro n. 34. Entrada pela mu da
Saudade n. 26.
Telephone 287.
Dentes
Termina a horivel dor de dentea asan
do o excellente preparado de Manoel Car
doso Jnior.
As cartas que lho tem sido dirigida:
pelos jomaos de maior circulacSo, attea
tam a eficacia.
Dep'
^ositos
Drogara de Francisco Manoel da Sil
va J., ra do Mrquez de Olind*
n. 23. A
Phrmacia Martina, ra Daqno de Ca
xias n. 88.
Pharmacia Oriental, a ra Estreita d<
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra dt
BarSo da Victoria n. 14.
Pharmacia Virgilio Lopes, ra Larg
do Rosario n. 31.
Dr. Nunes Coimbra
ClinicaMedico Cirargica
Especialidades : febres, partos, mola
ti as d& senhoraa e de creancas.
Chamados a qualquer hora na sua ro
sidencia, ra da Soledade N. 31 esquina
da ra do t&lbo.
Patata da Alfaadcca
SSSLVNA DE 4 A 9 DE JULHO DE 1892
Alcool (Utroi ...... 489
Algodao em rama tkiio) .... 693
Arcos com casca hj.o) .... 90
Assucar retinado ("kilo) 565
Assucar branco (kilo) .... 500
Assucar mascavado (kilo) 200
Bagas de mamonas (kilo) 126
Borradla de leite mangab. (kilo) 20C0
Cachaca........> 250
Couros seceos espichados {kilo) 654
Coaros seceos salgados (kilo) < 594
Couros verdes (kilo) .... 315
Coorinbos (um)....... I 70
Uaroco3 de algodo (kilo) ... 45
Carcapateira (kilo) ...... 120
acto (kilo)....... UX)
Gaf bom (kilo) ..;.;; *200
Cafrestolho (ko)..... I000
Caf moido (kilo)...... M40o
Carnauba (kilo ...... 1666
Cera em 7elas (rilo)..... 640
Dita em bruto ou preparada (kilo) 650
Canna (litro)...... 300
Cal (litro)........ 10
Carvao de CardiC (ton.) : 33*000
Panna de mandioca (lito* r | 62
Senebra (tro) ..;... 295
Graxa (sebo) ...... 633
Jaborandj (em folha) Klo 200
Leite de mangabeira (kilo) 1*466
Mel (litro)........ H5
tfilha (ko........ 85
Phosphato de cal da lh Ract (tone-
lada) ..... .... 11*000
Pelle de cabra (ceuto)..... 187*000
Pelle de carneiro (cento) 145*000
Sement de carnauba (arroba) 53
sola (meio)..... 4*500
Sement de carrapateira (kilo) 126
Sebo.......... 700
TataiBba (kilo)...... W
Faboa3 de amare'io em pranchOes
(dnzta)........ 100*
Readt&caos pa*j!Ises
KK D* JULHO -S182
-
/U/aa R-^nda peral
Do dia lao 183:021*413
Ueio de 6 52:376*036
-----------------240:397*419
Renda do EaUco :
Do dia 1 a 5 34:267*783
dem de 6 7:397*457
----------------- 41:665*240
8omma total 282:062*659
Segunda seccao da Alfandega de Pernambuco,
6 de Julbo de 1892.
O tbe8oareiro,
Florencio Domingaes.
Ser viudo de chafe da seccao,
J. E. Pereira Magalhaes.
RECEBEDO HA DO ESTADO
Do dia 1 a 5 50:912*098
dem de 6 14:019*069
Do dia 1 a 5
dem de 6
RECIFE DRA1NAGE
64:931*1*7
1:213*150
300*000
~1.513*150
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiis
dade de molestias de senhoras e oreanoa
Consultorio e residencia ra da rapo
atris n. 18, Ia andar
Consultas de 8 s 0 da manbS
Chamados (por escripto) qualquer b-ira,
TBLKFHONK N. 226
Dr. Silva Leal
Medico eccullsta
Recentament-,- chegado da Europa o
com pratica nos principaes hospitaes e cli-
nicas de molestias de Uios de Paria, d con-
sultas todos os dias uteis da3 11 s 3 ho-
ras da tarde em seu consultorio, roa
Duque de Caxias n- 73 Io andar, entrad
pela Praca de 17, n. 73, (antigo Largo de
Collegio).
Residencia a ra Baro de S, Boria c.
16. Telephone n. 507.
Chamados por escripto, em seu cocsal-
ro, residencia, o na pharmacia Martina


lixir depura-
tivo vegetal
Formula de Angelino Jos
dos Santos udrade
Approvado pela Inspectora Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em D
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande eflica:ia as mo-
ieBtias&ypbilticas e impureza do saogue; assia
como em todas as molestias das Eenhoras.
Tem curado radicalmente muilas pessoa., ac-
commettidas da terrivel molestia beriberi.
Rheumatismo sypbilHico ou gotozo, dftr scla-
ica erupcOes de piie, cancros, e cancros ve-
nreos, flores brancas, by^terismo. frouxklao de
aervog, irites e omras inflamrcaQOes dos olbos
molest.as do ligado, escropbulaa, escorbuto,
eofrimentcs de estomago, ulceras, gomma?, fs-
tulas, empingens, darhros, pannos e manchas,
a pelle, bobas bobdes, sarnas, catarrho e
quaesquer moldstias da bexiga, entre outraas
albuminuria, ourinas doces c sanguinolentas,
anemia, paralysia, erysipelas, e inammagOe,
das pernas e ps, hemorrhoidas, asthma, bydro-
celles, tumores, nevralgias, e elepbantiazes ou
morpba, as irregularidades da menstruacao
r P-ota-ae com aquelle numero de altestados j
publicados e os que existen] em nosso poder a
efficacia deste elixir as molestias indicadas

ia
Nacional Pharmac
35, Ra larga do alosarlo, j
A'ruaBaro da Victoria n. 37 se dar ioda e
qualquer explicacao que for preciso acerca desta
preparado.
Catado com an rlnirtFa^6e
Modo de usar
Os adultos tomars qua.ro colheres sopa pela manb e qaatro noite.
As criaucas de 1 a 4 anuos tomarc- urna eo-
lner pela manb e outra a noite e as de 5 a 11
ann9s tomaro duas colheres pela maah e du&
a noite.
Deverao tomar banhos fros uo moraos pela
manb e noiie.
Resguadoregul r.
aendimeato ie 4
347^520
1.018*080
1:365*6'0
Precos co uia
Carne verde de 490 a 610 .ii 0 kfiC.
Sainos de 640 a 800 ris idem.
Carneiro de 800 a 1 ris ldom.
Farinha de 400 a 640 ris a caa.
Milito de 36) a 403 ris idem.
Paiio de *800 a 500 idem.
Vaporea a catrr
Mez de Jalbo
Sul.......... Tagiu............
Europa ....... Thames..........
Norte........ Fin-mee........... 7
Sul.......... Brazd............ 8
Europa....... Aconcagua ...... 9
Sul.......... Europa.......... 14
Norte....... Pernambuco....... 15
Sul.......... Seguranza........ 15
Bul.......... Mandos........... 17
or *........ S. Silvador....... 20
Sul.......... Espirito Santo 24
Europa....... Galicia........... 24
Norte....... Alagos.......... 85
Su!.......... Olinda............ 30
MoYlmento do porto
Navio entrado no dia 6
Cardiff55 dias, lagar ingles cEbse de
368 toneladas, capitSo J. B. Isbister,
eqoipagem 10, carga carvao de pedra a
ordem.
Navios sahidos no mesmo dia
Saatof e escalavapor lUfmjp {Curitb*/
Vaporea a *&>*
Mea de Jalbo
Sul......... Tagus............ 7
Sul......... Finance........... 8
Sul......... Aconcagua........ 9
Norte....... Braza........'.... 9
Norte....... Una ...-.......... 11
Snl......... Concordia......... *3
Sal......... Pernambuco....... 15
Norte ... Seguranca........ 16
Norte....... Manos........... 18
Sul......... S.Salvador........SO
Sal......... Galicia............ 24
Norte..> Espmto Sanio.....5
Sal.........Alagos........... 36
Norte....... Olinda............30
as 12 b.
as 5 t.
as 1 b.
as 5
as 4 b.
.3 3 t.
as o b.
as 3 tU
r.s 5 t.
as 5 b.
as ib.
as 5 b.
as 5 t?.
s 5 b.

-

-

commaudante A. Berkar, carga varios
gneros.
Ajjtilhaslugar americano ^Nantaikt,
capitao W. S. Quptill, em lastro.
Moasor barca americana cLHiia: >, ca
[Ho C- A* Eaton, em lastro.
Rio Formoso e Tamandarvapor naci-
cal cJaboatSo* commandante Pereira,
em lastro. -
ulereado naalcipal ds Jof
O movlmeuto deste mercado no da 3 Je
Julbo foi o segoiate : Entrzram. *
30 i|2 bois pesando 4,316 kilos.
151 k'k>8 de pelxe s 2U res 3*020
2 compartimentos com mariscos a
100 rs. *20O
1 compartimento com camarO:s
a300rs. 300
32 columnas a 600 rs. 19*203
4 ditas com gallinhas a 500 rs. 17 ditas com milbo verde a 200 rs. 2*000
5*100
1 ditas de cansa a 300 rs. *300
11 ditas com gerim a 300 rs. 3*300
7 dita de batata a 300 rs. jileo
4 ditas com louca a 390 :s. 47 lugare a 200 rs. 1*290
0*400
8 suinos a 300 rs. 1*000
46 cargas de farinha a 200 rs. 9*000 ,
5 cargas de milho secco a 200 rs. 1*000
3 ditaa.com fdijo a200 rs. *60O
7 compartimentos com .'ressuras
a 600 rs. 4*200
11 ditos de fumeiros a 1* 11*000
9 ditos a 700 rs- ;6*40
34 ditos de comidas a 700 rs. 23*810
46 ditOB com fazeu-aa etc. 600 rs. 27*6no 13*50j
45 (titas com verduras a 300 rs.
62 ditos com farint a 4 jO 24*800
39 talbos a 2 773030
jr*


iarso
ite Pernambuco -- Quhua-eira 7 ie Julho de 1S92
5


-
EDITAES
Recebedoria do fstado de Per-
naiabuco
EJital n. 8
O administrador da Recebedoria do Es-
tado faz publico, para cotibeciaiento dos
intsressadoB, que, dentro de 30 dias uteis,
improrogaveis, contados de 18 do correa-
te, serSo arrecadados bocea do cofre, os
mf.03toB constantes das rolacoes abaixo,
decretados pela le de orcame to em v'gor
e rilativos ao I. leineatie do esercicio da
1892.
R;cebedoria do Estado de Pcrnambu
eo, 14 de Junbo de 1892
J. Ferreira de Almeida Guimarcles.
Relami a que se refera o editul supra
Tasa tiza
Fabrica de *sz carbnico, 5.000^.
dem de gelo, 3:0005.
dem de leos, 180$.
dem de rap, 460.5.
Prensas e algodXo a vap^r, 803$.
Dentistas, 180(5.
Advogados, 50$.
Medico, 50j.
So'icitador, 35(5.
Contador e distribuidor, 355
Partidor e avaiador, 355.
Agrimensor, 5( $.
E-genbeiro civil, 5C$-
Despachante, 655.
Ajidante de despachante, 25$.
Leiloeiro, 205)
crivSo de qualquer jaizo ou tribunal,
205000.
Tabelliao 30$.
Corrector, 2005.
Agente de fretamento de navios, 1505,
dem commissario de compra e venia do
morcadorias e cambiaes, 2505-
Guarda-livros, 2o$.
Interprete, 25S.
Director, agente de companhia oa socie
dade anonyma quando remunerado, pa
gando o presidente mais 25 r0 se tiver
vencimentos superiores, 200$.
Por pessoa que empregar capitae3 em
descont de letraB, 30i 8.
Por joalheiro que maseatear no Estado,
tenha ou nao ostabelecimonto, 550/.
P r psssoa que vender madeira de pro-
cedencia estiangeira, 600$.
Por casa que vender carvSo de pedra em
grosso, l:800f.
Por caiseiro viajante, 100$.
Por bilhar, pagando tmente 405 cada
um que esceder a unidade, ICO>.
Por casa que vender bi!Letes de loteras
1:000$.
Por casa que garantir biihetoa de loteras
do Sitado, alm do imposto anteceden-
que fioa fazendo p:. te do pre-
retro,
sent.
E de como aaaim o diese atsigna este
termo, com as mesmas tes emunbas.
Eu, Antonio Angosto da Frota Mene-
.G3, escrivSo interino o escrevi. Ricardo
Hennque da Silva, Felippe Muiillo Fer-
reira, Innoencio Garca Chaves.
E maia se nSo con'inha ea dito termo,
aqu cimente copiado ; dep is do que
tendo os suppiicantes justificado, o allega-
do em sua peticao quanto a anaencia e in-
certeza do domicilio do suplicadoproduzin
do testemunhas que depuzeram convenien-
temente, subirn} os autos minha cou-
clu3o, e nelles profer a sentenca do
theor i quinte :
Sentanc* : Hii pjr justificada a au-
sencia em lugar incerto e n2o sabido do
justificado Jof.quim Jos Pacheco de Al-
buquerque MaranhSo, e ao mesmo intme-
se por editaos do protesto de folhas, para
ioterrupcSo da proseripeao do titulo fo-
lhas.
Custa3 pelo justificado ex sausa.
Recife, 2S de Jucho de 1892.Antonii
Domingos Pinto.
E mais se nSo c^ntiaha em dita sen-
! enca i.Q'ii Belmente copiada; em cum-
I primento do qual o respectivo eflcrivEo
passou o presente edita!, pelo theor de
qual chamo, cito e hei por intimado o
justificado, au3orte em lugar iccerto e
nSo sabido Joaquim 4Jos Pachaco de Al-
buque: que liara hao, para que dentro do
prazo de trinta di?s compareca ante este
juizo, requereudo e allegando tudo o que
dr de :eu direito e jus'.ioa, c-ndo afinal
intimado por todos es termos da peticao
e termo ae protesto de prescripcao, que
csm transcriptos.
E para que chegue ao conhe cimento de
todos, especialmente do justifcalo, m?n-
dei pasBar o presente edita!, quo vai por
mi m assignado, e ser pub'icado pela im
precsa, e affizado no lugar do costume.
Dado e patsado nesta cidade da Rcci
fe, aos 30 de Junho de 1892.
Paga este 10 0 de sello, e 500 ris
de emolumentos pela assign ttura.
Eu, Antonio Aug: sto da Frota Menc-
zcs, escrivSo interino o escrevi.
Au'.onio Domingos Pido.
DECLRALES
te, 100$.
Industria
30
Em vista dos preces los a que lem che-
gaao o sssucar em rama, ficoa resolvido que os
precos dos refinadores regaiaro de hoje em
diaale aos seguintes precot :
Especial 12000, 880 rs. o kilo.
1* 11*000, 800 rs.
2* 9*000, 640 rs.-
3" 7009. 520 rs.
Recifc, 5 d* Jalho de 1*92.
2- se:.'e'ario,
Antonio Teixeira.
e profissao que pagam
sobre o valor locativo
L 'jas
Roupa feita, camisas, babs, louca de
barro, fiandres, selieiro, machina de cas-
tara, relogios, msicas e instrumentos.
OffioMM
Marrnore, tartar.iguairo, sergueiro, re-
logios, oorives, empalhudor, gravador,
abridor, marcineiro, ferreiro, latoeiro, ter-
neiro, canteiro, fogueteiro,_chaf eos, tanoa
rae, sapatos, carro, carrecas e violas.
Armazena
Cal, cimento, sal, materiae3, madeiras
carvo vegetal, lenba, cereaea, barrica,
depsitos, quer das casas commerciaet ou
propriamente dit", couro, movis e agen-
da de leilSo.
Fabricas f
Fractoa e productos nacionaes e lavas.
Casas
Cabellereiro, barbeiro, mortaari5, ima-
gens, ornamento- para igreja, tinturaria,
moda e passaros.
Estabelecimentos diversos
Collegios, lytographias, photographias,
erjcadernac.5e8, coche i ras e cavallarica.
Estilo sujeitos ao imposto de 30 Ojo ro-
bre o^valor locativo, alm dos estabeleci-
mtK^pB cima meccioaados, os que nSo es-
tiverem comjkrehendidos na tabella annexa
a 'ei do orcaraento, quer na cidade ou
fra della. \
Parteiras
30 0,q sobre o valor locativo do predio,
5 IS. art. 2. da lei n. 33.
O Dr. Antonio Domingos Pinto, juiz de
direito do commercio da cidade do Re
uife, capital do Estado de Pernambuco,
em virtude da lei, etc., etc.
Fajo saber aos que o presente edital
v rem e delle noticia tiverem, quo por
parte de Ferreira Ca&cao & e'ilho, em li
quiiajao, me foi dirigida a peticSo do
theor seguinte :
PeticSo. Illm, Sr. Dr. juiz do com-
m^rcio. Ferreira CascSs & Fhos, em
LquidaySo, eende credores do Joaquina
Jo Pacheco de Albuqi:erque Miraah^p
da quaciia de 838$9.0, p.-iacipa! da
ietra junta, alera dos juro3 venc;dos, re-
qoerem a V- S. 8e digne mandar tomar
p;.- termo o seu protesta, q epelo pre
sent os supplicanteB fazem, p^ra que dita
letra, que est vencida desde 26 de Ou
tubro de 1887, nSo prescreva, ea: do o auj>
pl'cada intimado do rteamo protesto por
elitae3, visto se aihar em lagar incerto e
nao sabido, o que os soppiicar.tes justifca-
ti i em dia e hora qne V. S. designar
Pedem a V. S. deferimento.Eeperam
Receber Merc.
R3cife, 21 de Junho de 1892.O so-
lio rador Ri sardo Henrique-a Silva.
(Satava leg^lmet-ti selUdi.),
Despacho : Distribuida. Como re-
q-ier ; justificando a ausemia di aopplica-
d; do dia que o escriv"o desimar.
Rae'fe, 21 Ce Junbo de 1882 Domin-
gos Pintw.
D^tribui^So : -A' Guildes.01iveir
E mais se r.3o cor.ticba em dita petizo,
deapaeho e destribn'$So, qae v3o tielmen
t; e 'piados.
ppo'B do que o eisrvSo competente
l;v- o termo de protesto do theor se
g trote:
Termo de protesto :=A s 22 dias do
m de Junbo de 1892, nesta cidade do
Recite, em meucirtorio, veio o solicitador
Ri _rd( flenrique da Silva, procurador
bastar.to dos snpplicantos Ferreira CascSo
THEATR0
COfJPAJiHir DBABATICi
SoH a ieep la artista
ANTONIO C0IMBBA
Sabbado 9 de Julho de 1892
A pedido geral 1!!
Quarta representacSo da sorprehenden-
te peca sacra
08 ML1GRE8
'i
Com mais um quadro representando a
Virgem Santissima asaistindo a encarna-
q2o de bcu amado filho e mais urna impor-
tante transformaos* !
pre; js i
Camarotes de t" e 2' {tojo : 6*000
Ditos de 3*
Ditos de i' 4*000
Csdelras de f e 2" " 2*000
Plateas 1*000
Para ios 1*000
As 8 horas
Companhia
Industria de chapeos
No escriptorio deBta companhia, roa Marqoei
de Olinda n. 19, paga se o coupon n. 1 dos Eens
tl'ulos de obngajSo, preferenciaes, ve cidos em
30 de Jucho prximo passado.
Recite, 1 de Julho de 1892.
Jos Gome Gaachnee,
Tiesaonrelro. ^^^
Arsenal de Guerra
Assigoalura de contracto
De ordem do cidadao major director. Dr. Julio
Fernaodes de Almeiua, e de conormidade como
art. 64 i- de regolamento em vigor, convido
os Srs. negociantes abaixo mencionados a cotn-
parecerem na secrelaria desta repartico no pra-
zo de 3 dias iicprorogaveia, para asslgnarem 03
seus contractos, sob as penas da lei :
Kenozes Scbiappe Se C-
Antonio Fer. an^es Teixoira.
Miae Silva i C.
Francisco de Lima Coatisbc.
Manotl da Silva Faria.
Jos Rqo Glimaco da Silva.
Joo WYfredo de Medeiros.
Secretaria do Arsen?l de Guerra de Fernam-
buco, 3 de Julhi de 1&9J.
0 secretario,
Ribc-iro Machado-_____
Thesouraria de Fa-
zenda
Substituido de notas
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector e de con
formidade com o of&cio da inspectora da Caixa
de AmortisacSo de 18 de Junho ultimo, sobn.
394, faco publico qoe fica pnrogado at 31 de
Dezembro prximo Sado o praso para a ensti
toiQao. sers descont, das notas do Tbesouro de
100*100 e 500*000 da S. estampa, a3 quaes
desta data em diante icaro enjtitos aos ejcoa-
tos eslabelecidos do art 13 da lei o. 3313 de 16
He Setembro de 1886.
Thesourana ae Fazenda de Estado de Pernam
suco, 5 de Julho de 1892.
O secretario,
J. Gomes da Silva'
instituto Arc&eoiogico e Geogra-
phico Pernanibucano
Quinta feira, 7 do corr n'e, ahora do costume,
haver sesso ordinaria.
Secretaria do Instituto, 5 de Julbo de 1891.
O 1." secretario,
___________________Baptista Regueira.
Associi.gao dos Funcciona-
ios Pblicos do E-tado
de Pernambuco
De ordem do Sr. Dr. presidente, convido aos
senbores associades a se reunirem em as3ecibla
geral qninta-feira, 7 do sorrecte, a hora e ro
lagar do costume.
0 ( secretarlo,
Alberto Miranda.
Chicaras e pires, casal.
Caf em grSo, kilo.
Caboa para enzada, um.
Cha Hissoc, kilo.
Cera branca em vellas, dem.
Couros para forro, um.
Cha preto, kilo.
Cal branca, litro
Nu-
Bonds para Maglalena, Afogados e Fernandos
Vivir.
Trfnspara a liaba principal voltanio pelo Ar
rayal e Onda.
O ecretario,
Silva Bastos
Gomp'dnhia de Trilhos Ur-
banos do Recite a Oliu-
da e Beberibe
JUROS DS DEBENTURES
A Companhia ptga os yi os de seus
emprstitos de debenturee as tercas e
sabb-dos de cad* semana, das 10 horas
da mahcS ao meiu dia, no seu escriptorio
a ra da Aurora.
Escriptorio do gerente, 1 da Julho de
1892.
A. P. Swtoes.
B i
A
buco
?ua
Bom
Recif.
i 892.
admini>tra e o Banco mudou a
ra
se ie para a
Jesas i. 26.
, 27 de Junho
Luz Drupat,
Secretario.
do
de
Junta medica
F co publ co que a junta medica do Etado,
renne se nesta mpectoria de tygiene todas as
* Filho, em quiia$ao, perante as test-r.^oartas-feiras a cma hora da tarde,
mtirhpg abaixo assignadas, dise qae, por Inspectora de Hygiene Publica do Estado de
parte de seas oonstituintes reduaia a ter Pernambuco, en 4 de Jlgh0 ^^J1
mo o sea protesto, constante da peticao I Gflilberme Dua'ne.
S. B. dos G. Munici-
paes
Em vista do 4- dos nosso3 estatnton, convido
a todos os D0S80S socios a comparecerem na sede
social no dia 11 do correte, adm de ter lugar
a assembla geral para a approvacSo do 1- se-
mestre.
O 2- secretario,
Querico de Sant'Anna.
^hesouraria de Fa-
zenda
Forneciffieato para o presidio de
Fernaodo de Noronha
Tendo tern-inado no dia 30 de Junho
recentemeoto rindo o contracto de gneros
e mais artigos para abastecimento do Al-
mozarifado do presidio de Fernando de
Noronha, chamo de navo concurrentes, de
ordem do Sr. Dr. Inspector a continuacSo
do mesmo fornecimento por atodo o tempo
a decorrer de Julho a Dezembro deste
anno, cuja arrematado ser feita com
quem melhores vantagens offerecer o qae
se aparar pelo exame das respetivas pro-
postas que alias deverSo ser aposentadas
at o dia 9 do correte as 11 horas da
inanria em cartas selladas e fechadas,
contendo a declaracSo ezpressade que os
proponentes se obrigam a por os gneros
e artigOB naquelle presidio occorrendo a
teda a despeza de acondicionamento e
frete e correndo risco de qoalquer avaria
ou outra alguma aventualide durante o
transporte at final recabimento no lugar
do destino.
Os propocentes deverSo habihtar-se na
forma do costme perante a Inspectora
desta repartijo. requerendo previamente
ueste sentido e provando que so nego-
ciantes matriculados.
Segu se a relacSo dos gneros e arti-
gos a coptractar. os qa&es de ver?.o ser de
prime ira quahdades e propostos pelas
unidades mencionadas aqu ;
Arithmetica de Castro Nunes, ama.
Arroz pilado, kilo.
Araruta, dem.
A8sac?r branco retiido, dem.
Alcool de 36 a 40-, litro.
Agulh'-s para costura, pjel.
Azeite doce, li1r>.
Assucar mascavado, kilo.
Assucar mrsr.vadii.h'", ide:n.
AlgodSosinhu, metro.
AigcdSo tranBair. aaal, idem.
AlgodAo tr.-\uadu de linho, id m.
Agua ra7, kilo.
rame de ferro idem.
Arcos de ierro solidos, dem.
Alcatro barril.
A'etria, kilo.
Bot3;sdj osao c m dous furos, grosa.
Bicalho, kilo.
Boccaes para car.dieiros, patentes, um,
Banha de porco,ki!o.
Boi vivo com 150 kilos e pasto, um
Brabante, novello.
8re:i, kilo.
Baadeirt oaciooai, ama.
BalaDya decimal cora forya de '200 kilo,
dem,
Balanja decimai c;m forca de 20 kilos,
idem.
Cartas de A II C, duzia.
Lhapoa de o-iha, um.
Colla da Babin, k:lo.
Caivetes finos, um.
Colheres de metal para sopa, dutia.
Colhrres de pedreiro, duzia.
Chambo em barn, kilo.
Copos do vidro, um.
Cimento Portiand, barrica.
CarvSo de pedra, tonel da.
Cordas de croa, pessa.
Cabos de cairo, kilo.
Cobos de manilba, idem.
Chamins, patente, ama.
Cnetas de madeira, duzia.
)
Cal prcta, idem.
Cabos de linho, kdo.
Couros cortidos, um.
Cobre em folba, kilo.
Doutrina christS, duzia.
D.ce de goiaba, kilo.
Envelloppes in foliara, um.
Enveloppes para ofijioa, um.
Esteiras de palha, urna.
Estanho em verga, kilo.
Enchadas de 3 12 a 4 libras, urna.
Esteira de palha para cangalhas, ama.
Fumo em lata, kilo.
Fugoes americanos, um.
Farinha de mandioca, litro.
Farinha de trigo S S S F, barrica.
Fio de villa, novello.
Farinha de tapioca, litro.
Flandres, folha.
Gomma Arbica, em p, kilo.
Grammatica portugueza de Castro
nes, urna.
Grammatica portugueza de Abilio, idem.
Geographia, idem.
Gomma-laca, kilo.
Gomma Arbica, liquida, frasco.
Giz, kilo
Gesso er, idem.
Hostens, urna.
Historia do Brazil, idem.
Incens, kilo.
Kerosene, Uta.
Lfcre, pao.
Livro 1. de leitura, um.
Livro 2.9, dem, idem.
Livro 3., idem, idem.
Livro em branco com 50, 100 e 200 fo
Ibas, um.
L-p8 de borracha, duzia.
Lapia de Faber duzia.
Lipis de carpina idem.
Lapis de cores idem.
Liza branca folha.
Limas sortidas, meia cana e triangulares
urna.
Linha de costura carritel.
Manuscriptos, urna.
Manteiga franceza, lata de kilo.
Manteiga ngieza, dem."
Mu mellada, kilo.
M*carr3o, idem.
Madapolo, metro.
Mantas de 12, urna.
Ocuios de alcance, um.
Papal almajo pautado Fame, resma.
Dito cartSo matta-borrfio, folha.
Pee'ras para escrever, urna.
Pe os de jangada, um.
Paos de jangada grossos para balsas, am.
Pavios para candieiros, duzia.
P#lbii d.< carnauba para chapeos, cento.
Pennss de ajo Perry (de 10< ), caiza.
Pregos francezes, kiloe
Pratos de taca Agatha, duzia.
Papel de hollanda pautado, folba.
PreBhas para papel, caiza.
Paos de sucapira, um.
Parafusos de ferro grandes, am.
Ditos de ferro, pequeos e sortidos, kilo.
Pixe, barril.
Kczo-terra, kilo.
Systema mtrico decima!, um.
SolrJa forte, kilo,
isoila, meio.
Sabao amarello, kilo.
SaJ commam, litro.
Seccanto de zinco, kilo.
Taboadas, duzia.
Tinta prcta para escrever, garrafa.
Taboas de louro para soalho, ama.
Toa!has de algodio, duzia.
Taboas de amarello para soalho, urna.
Travs de diversos tamanhos, urna.
Tenas de barroj cento.
Traslados, colleccSo.
Vidros para vidrayas, um.
VasBOuras de piassava, urna.
Vinho do Porto, litro.
Vellas Stearinas, kilo.
Vinagre de LisbSa, litro.
Vinho branco, idem.
Verde chromo, k'.lo.
Xarque, k !o.
Xamploes para prensa, ume
Em o de Julho de 1892.
O secretario,
_______________J. Gomes da Sea.
Inspectora de Hygiene Pu-
blica do Estado de Per-
nambuco.
Em virtude do que dispSe o artigo 68
do regulamento que baizou com. o decre-
to n. 169 de 18 de Janeiro de 1890, esta
inspectora faz publico pelo prazo de 8
dis que o cidadSo Amaro Gomes de Oli-
vera, lhe dirig > a seguinte peticao, com
es do nmer.tB qne s&tbfazem as exigen-
cias do (.rt-go 67 do citado rag'amento :
Ao ci -a;!.o Dr. Iaspeeior de Hjrgiere
; Fublica.
Amaro Gomes de Oliveira, tendo corn-
rjrad". (, antiga pharmacia da cid-de de
Birreiros, e acbando-se habilitado a diri-
gil a, como prova com os documentos aa-
MSH ; vem respeitosamente requerer-vos
a respectiva licenco.
Ne^tes termos, p-. de vos deferimento.
Sarreiros, 20 de Junho de 1892.=Amaro
Gomes de Olineira.
tCstava com o s-tle do Estado.
E deparo que m 30 dias depois do ul-
timo annuncio, renhum pbarm^ceutioo
formado communicar a esta Inspectora
de Hygiene a resoluc&o de estabelecer
pha- m&cia na citada localidade, conceder
'o ortico a licenca requerida.
lospeotona da Hygiene Publica de Per
ambuco, 28 de Junho de 1*92.
O secetario,
./ si Guilherme da Silva Duarte
Pgameito da impostor, de-
'i
cirx-a e 25 0,0
DO
CAMPO GRAHD23
i.
9."
PE0JECT0 DE INSCRPCAO
Para a 22 corrida a realizar sedomiego 17
de Julho de 1892
i. PAREO 17 de JULHO800 metres'. Animaes de Pernambuco que n5o
tenham ganho premios nos prados do Recife. premios : 2005000
ao primeiro, 4C000 'ao segando e 20.5000 ao terceiro.
PAREO-DERBY-CLUB 9C0 metros. Animaes ce Pernimbuco que n5o
ganho de 31 de Janeiro 31 de Maio. pbemjos : 200^000 ao pri-
meiro, 40(J0G0 ao segundo e 2O$C00 ao terceiro.
P.4REO PRADO PERNAMBUCANO 950 metros. Cavallos de Per.
nambuco que nSo tenham ganho em distancia superior a 1050 metros
nos prados do Recife, podendo entrar egats do Estado, premios :
200(5000 ao primeiro, 40S000 ao segundo e 2Qi$0r-.O ao tercriro.
4.a PAF-EO -LIBSRDADE 1.000 metros. Animaes de Pernambuco que
nao tenham ganho em maior distancia nos prado9 do Re cite e
nao tenham victoria en 900 metro aos meamos prados, premios ;
2005000 ao primeiro, 405000 ao segund e 205000 ao ter-'
ceiro.
fc. PAREO IMPRENSA 1.300 metros. Animaes nacionaes, podendo en-
trar animaes estrangeiros que nSo tenham ganbo. premios : 4005000
ao primeiro, 805C00 ao segundo e 405000 ao terceiro.
G. PAREO-ESTADO DE PfiRNAMB JJO 1.400 metros. AnmaeB de
Pernambuco, que nao tenham ganho em distancia superior a 1050
metros nos prados do Recife. premios : 4003000 ao primeiro,
10C50C0 ao segundo e 505C00 ao terceiro.
f. PAREO PROGRESSO 850 metros. Animaea de Pernambuco. peu-
mos : 2005000 ao primeiro 405000 ao segando e 205000 ao ter-
ceiro.
8. PAREO IGUALDADE 800 metros Animaes de Pernambuco
nito tenham ganho em maior distancia, prfmt s : 2005000 ao
meiro, 405oOO ao segando 205000 ao terceiro.
que
pri-
Observacoes
De accordo com o art. 5. do cdigo de corridas, nSo poderlo ser
inscriptos no pareo Derby-Club o animal Pygmeu, no pareo Prado Pernambucano os
animaes Pirilampo e Maurily, no pareo Estado de Pernambuco o animal Pyrilampo,
no pareo Progresso os animaes Piramon e Maurity.
A inscripcao encerrar-se-ha terca-frira, 12 do correte s 6 horas ds tarde
oa secretaria do Hippodromo a ra 15 de Novembro n, 55, Io andar.
O animal vencedor do pareo Estsdo de Pernambuco nSo contar victoria.
Secretaria do Hippodromo do Campo Grande, 6 de Julho de 1892.
O SECRETARIO,
Augusto Silva.
J. J. Stevens, comman-
danie do vapor inglez In
chbarvar vinc'ode Auture-
pia, previne aos
taos das mercadorias, abai-
xo declaradas e cor signa-
das a ordem, que teem de
mandar as embarcacoes a
bordo, para receber ditas
mercadorias, entendendo-se
com os meus agentes Johns-
ton Pater & C, e nao appare-
cendoos donos am 48 horas,
as mercadorias serao depo-
sitadas em trapiche Alfanl-
degado, correndo as despei
zas por conta e risco dos
seus do os.
AC 17j32 16 volumes de
papel.
H 11 vlits pertences de
dragas.
S e K 921 [080 160caixas
com cerveja.
TJ 1500 barricas
ir ento.
NSOC dos lados,
diamante B e C dos lados
20 pertences de trilhos.
H 14 volumes.
Etiqueta IOO barricas de
cimento.
A 2761 Trilhos e per-
tences.
4 le Julho de 1892.
consona- Gompanhia Trilhos Urbanas do
Recife a Olinda e Beberibe
35 DIVIDENDO
Terca, quinta c aabbado da semana que
boje comeca serSo pagos os dividendos se-
mestraes da Companhia segundo a taxa de
6 0[Q, e d'ahi em diante s terjps e sab-
bados de cuda mez.
Para ieto ser o Sr. thesoureiro encon-
trado no escriptorio da Companhia das 10
horas ao meio dia dos alludidos dias.
Escriptorio do gerente, 2 de Julho de
1892.
A. P. Simdes.
Cl-
marca
SsSStt
Jompanhia Trilhos Urba-
nos do Recife a Olinda e
Beberibe.
RESGATE DE ACgES PREFSREN
CIAES
Sao c8G3'1js ao escriptorio da Compacoia os
posnldor*' da ar^ps pr"ferenciaes do empres
timo de 1675 de numeres "o j 100 para receber
o sea valor correspondente, pois aue resolven a
Lirectorfa recolhel-as fe:o seu nomi'^ de or-
em, deixaodo por is-o de vencer jar s oo pre-
sente semestre. Para esse flm s r ea.->itradol
o Sr. tnesoareiro d^s 10 horas ao meic j, na'
twca. qamt.i e sabbado da semana proxim* e
d'ab em diante dos dus le 6 de cada mes, e
as tercas e sabbados de cad3 sen na.
Escrip'.orio do gerente, l d uoo de 189JI.
A. Perelra Sinfi?s
Pcc3o da Recebedoria de Estado se
(az sciente aos teobores r,ont"bn.ntea dos m
pjilos da dcima e S5 0/0 sobre a renda dos
D3ns de raiz pertenceaies as corporag" de
cao oop'a, que na sexta feira 8 do corrente lio-
da definitivamente o p-aeo df- 30 das u'.e'S que
'b*s fo concedido r ara psRarem diios iipostoi \
itsta seceo, relatio ao!- semestre de 18M,
ndependente de mn'.i.
{ secefio da Tnesoirsrla do Estsdo He Per-
nambaco, i de Julbo de *8.>2
0 ebefe,
H.iraco Peregrino.
E
Companhia
Pern rabacaaa k \mgw\Q
De ordem da direct.nia. ootnmanica-e aos
Ofsa!doro8 das oariguto-? pferenciaes, que
iodo esses ttulos sido emi'.'.i no lempo e9te
que nSo bavta imposto sobre o :'o? das mt-s-
mas obriga^Oes, e por conseguri.- a compra-
dores adquiriram os meacioaado^ 11 ;'os oa f
de que o jaros seriam lquidos, liv.-e i de qi al
qner onue, reeolveu a directora que o imposto
sobre os juros das referidas obrigacOes, fosse
pago pela companhia.
Sala das teseOes da Gompanhia Pernambcca-
oa de Navegacao, 6 de Julbo ie 1892.
Antonio lysses de Carvallo,
fterente.
Thesoarariade Fazen-
da de Pernambuco
JUROS DE APOLIGES
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector se decla-
ra que esta repartico paga os juros da divida
interna fundada da< 10 s 2 horas da tarde.
Thesouraria de Farenda de Pernambcca, 2 de
Julho de 1892.
O escrivo,
_________Joo Gooealves dos Santos Janior.
Banco Emissor de Pernambntt)
Convida-se aos senhores po^suidores de letras
uvpotbecarias e apolices estadoae3 emiltidas em
virtude de emprestimo feto ao Estado, a rirem
receber os juros correspondentes ao semestre
fiado. Os coapons devem ser diatacados na the-
souraria do Banco.
Recife, 1 de Julbo de 1892.
Jos Marcelino da Rosa e Silva.
Director secretario.
Glab Internacional do
Recife
Sarao anniversarlo
Acha se designado o dia 23 do correte para
o sarao commemorativo do anciversario deate
club. Ossenborcs socios queiram procuraros
seos ingresaos na sede do club nos dias uteis,
da* 7 s 9 horas da nnute.
Secretario do Club Internacional dj Recife, 4
de Julho de 1892.
O 1- secretario.
Alfredo B. Ja Ro.a Borg-s.
Santa Casa de Vlisericordia
do Recife
Perante a janea administrativa em sua sesso
do <'ia 12 do correite, ir praga a reada an-
nual do predio a. 9 da ra do Dr. JoSo Miquilino
(ootr'ora do Sol), coaiposto da toja, l- andar e
*oto. tendo pr base o preco de 7200C"0 por
anne.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 6 de Julbo de 1892.
O escrivo,
PeJro Rcdrtgues de Souza.
Corpo policial
0 tencate-coroa:l M noel Goncalves P-ereira
L ma, c n intuyante do corpo policial, faz s b r
q i;, autori ado pliExm. ,Sr. D.\ gova*nfd)r
ao Esudo, chamu de novo a concurrencia pu-
blica, por lar sido apenas apreseotada urna >-j
pista no dia 30 do mez rindo, sobre a compraade
17 pavallos para a companhia de cavallaria do
co-f o de polica, devendo os vendedores'pre-
genta-em anas propostas at o dia 13 documen-
te, com o preco de cada um e mais condic'ej
ne.-essaris ao respect-o jalgamento, cojas Dro
postas sern abertas na secretaria dse copa,
no qu3r'el da Soledade, s 11 horas do dia *6.
Onartel do corpo de polica, 6 de Juliio
1891
Friacisco Jos da Silva,
Tenente secretErio.
.




de
Despedida
Joo Madeira de Freitas e sua mulber, segua-
lo a bordo do MarsahV para o Espirito San-
io, 4e8pcdem se por este meio das pssoas e
sua amizade, s quaes, devido ao mo tempo,
nao poderam dirigir se pessoalmente, do que
pedem desculpas, e ofiWecem-lhes os s us pe-
queos prestimos naquelle Estado.
Refe, 5 de Julho de 189!.


ni i nuil' a> i


Diario de Pernambuco Qointa-feira 7 de Julho de 1892
Arsenal de Marmita
De ordem do Sr. Contra-Almirante
Jofio Goc5Ivea Duarte, inspector deste
Arsenal e CapitSo do Porto deste Estado
faco publico para inteiro conhecimento de
qaem icteressar possa que o recebimento
de pr- postas psfa a nipressio do roteiro
da costa do norte do Brasil desde Mace i
at o Para annuociado por edital para ter
lugar no ia 5 do crrante, ficou adiado
para o dia 9 deste mez, s 11 horas da
manhS.
Sec otaria de InspeccSo do Arsenal d
Marinba do Estado de Pernambuco, 6 de
Jalbo de 1892.
O sasretario,
Antonio da Silva Azevedo.
si mk nm
Royal Insurance Compan}
de Liverpool
C1PITAL *.:
Drusina & C.
WarqinczdOli ptfo
Companljia he &e$nxoe
conu roso
Northern
de Londres e Aberdeen
Fosi?ao financeira
Capital subscripto
Fuaos accumulados
Aeeelta annual :
De premios contra fogo
De premios sobre vidas
De uros


3.780,000
3.000,000
i 626,000
208,000
155,000
Femando dt Noronka. partida no meado do
Del
Ricr-Fomoto e Tamadart, sabida a 28;
Bia de Janeiro, (directamente) parte o paquete
de 38 a 30 do mez.
Rio Grande de Sul, (viagem directa) sabe de
3, a 10 do mex.
Todos os paquetes sao notos tena excellente
aecommodagoes para paasageiro e para carga
e oa precos sao muito reducidos
Os passageiros encontram, apar do bom tra-
tamento, todo o conforto desejavel a bordo ed
um paquete.
Os paquetea que fazem as viagens ao Rio de
Janeiro, alm de terem tudo o que se encontram
oos paquetes modernos, accresce que faz a via-
gem em quatro dias e o prego de passagens a
i classe c 60000.
O paqaete empacado na viagem para o Rio
Grande do Sal .rnenle para carga, e tem o
calado adequsdo a entrar do porto daquelle Es-
tado erx qualquer oecasio.
Recbese engajamento de carga por quauti-
dade flxa para todas as viagens.
Outrosim, a companhia f xpedir paquetes ex-
traordinarios desde que bja carga para o enga-
jamento completo de um paquete.
Escriptorio da Companhia Pernambocana
CHARGERS REUNS
Companhia rranrna
M
\aTegac5o rapor
L-inha quinsenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos.
O yapor Concordia
Com mandante The bal t
ENTRARA~NO PORTO
E' esperado de
Europa ate o dia
1C de Julho a
seguir depois da
necessarla demo-
ton Mariles
Julia 1)1 mensal
O paquete Mdoc
I
Boxwill WiUserna C.
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Saces por todos os vapores sobre as ai
sas do mesmo banco em Portugal sende
em Lisboa ra dos Capellistas n. 75. 2".
Porto, ra dos Inglezes. ________
Companhia North Brlsh
Mercantil e Insurance
tal subscripto 3.000,000 O Cados accumulados 9.752 4i3 18 Fnn .......... BECEITA ASNTJAL premios contra premios sobre 5 10 1
* 8 488,197 i* 11*
N. B.A repartido de fundos accumula-
fe iobte segures contra fogo, nao se res-
pcu.abilisa pelas transaccoes feitas pela a
de seguro sobre vida3.
Agente em Pernambuco,
A. J Lidstene.
M 10 ruado Commercio.
HE IMPERIAL INSCRXXCE COMPAXY LIMITED
Estabelecido 1803
CAPITAL. 1,900,000
(B. *J.000O0*0)
SEGURA EDIFICIOS E MERCADURAS
CcDtra o fogo
TAXAS BAIXAS
rompi pasamento ie prcjnlco
SEM DESCONT
ENTE S
IIV ^ElV WIS AB OR A
mpanhia de Segaros
ir ;ta* Ifi'Siilft
Mi ;uel Jos Al ves
N. tu do Bom MMN>N. *
SE" MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ...amos seguios a unicr compan
aesta pr. a que concede aos Srs. segu adosisemp
rito de i. ramen i de premio em cada setime
uno, que equiva .'cao descont annua .de car
a de Ifpor cen cem favor dos segurados
I idemnisadora
Companhia de Segaros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabeleeldaem lSKfc
tado flnaacelro em SI de >
zembro de 18 SO.
CapitJ 1,000:000*000
Fundo de reserva 110:3761000
Sinistros pagos 1,776:683*00
4Rna do Commercio 44
~~ SEGUROS
COSTRA FOGO
eompaabia Phenlx Per-
naaibneana
BA DO COMMERCK) N.46
" AMPH1TR1TE
Companhia Je Segaros Martimos
TERRESTRES
Capital..... 1.000:000#000
4* Raa do Commercio 48
CONTRA FOGO
The Liverpool 4 London i Globi
nrsuRAitfcs gdmpany
bucsbbs, mmx & c.
Ra do Commercio n.
13
WARmMOS
D
r.
Compaahla Per sambuca na de
nnregaco
Esta companhia nia.sQ a segn-ntcs linbas
regulares de navegado:
Norte tocando nos portes da Parabiba, Natal
Maco, Mos8o:, Arrcaty e fortaleza, rartlndo
deste porto um pagete a 11 e 26 da cada mez
Sul, com escala pelos portos de Macei, Pene'
do AracEjo, Estanca e Babia sabiodo des'.e
porte a 1* e 19 de cada mez
ra para -1
Baha, Ro de Janeiro e Santo
Roga-se aos Scs. Importadores de carga pelos
vapores desta linba, queiram apreaenter dentro
ie 6 das, a contar do da descarga das alvaren-
?a8 qoalquer reclamacao concernente a volumes
ne porventura tenham seguido para os portop
lo sul, am de se poderem dar a tempo as pro-
idencias necessarias.
Expirado o referido praq a compannia bso
ie responsabilisa por extravios.
Recebe carga, encommendas passageirot,
8para os quaes tem eicellentes accommodagOe
* tratar com o
AGENTE
Auguste Labill e
9RA DO COMMERCIO9
Spi k I #
E' esperado da Europa ate
0 da
1 de dulho de 18*1
segundo depois da indispensavel demora para o
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ay-
res e Rosario de Sinta F
ESTE VAPOR ENTRARA' NO PORTO
Previne-se ainda aos Srs. recebedores de mer-
adoria3 que *o se attender a rectamaces por
Saltas, que forem reconhecidas na occasiao di
iescarga dos volumes ; e que dentro de 48 no-
.-as a contar do dia da descarga da alvarengaa,
-everao fazer qualquer reclamacao concernen-
tes a volumes que porventura tenham seguido
p ra os portos do sul, afim de serem dadas s
empo as providencias necessarias.
Roga-se aos Srs. passageiros de se apresenta-
rem na vespera da chegada do vapor para toma-
em as suas passagens.
Para carga, passagens, encommendas a dJ-
biro a frete: trata-se com os
AGENTES
H. Burle & C.
42Ra do Commercio42
Leilao
De predios, solos e movis
A saber :
Daas casas terreas da ra do Conde da Boa-
Vista (Cminho Novo) ns. 105 e 107, em chaos
proprios, que rendem 408*000 annualmente.
Urna casa terrea da rui da Alegra n. 1, (casa
de esquina) que rende 216*000, seodo melade
do espolio e metade de urna particul.r.
0ua9 casa? terreas da roa do Camaro, tregae-
zia da Boa-Vita, ns. 11 e lo, sendo duas quintas
partea da prime-ira e metade da seguoda, do es-
pollo, e as ouiraa partes de particulares, (cen
Viudo.)
Os solos das casas Ua
Ra do Barao da Victoria n. SI
Ra da Gloria ns. 44, 46 e 48 boje, US. 114 e
116.
Ra Velba ns. 73, 73 e 77, boje 117 119 e 1S3.
Sabbado 9 de Julho
A's 11 1|2 horas
Roa do Bom Jess n. 45
O agente Pinta levar a leilao, a requerimento
do Dr. procurador dos feitos da fazeoda e por
mandado Dr. juiz de dlreito da provedoria, aos
bens cima mencionados, perteacentes ao acer-
vo do finado Antonio Martias de Carvalho Azeve-
do, e do inventarame testameatelro F: Joaqulm
Gomes da Silva.
f
(apila Ignacio Cavaleaate rae*
Brrelo
Henriqaeta de B-irros Paes Barreto e suas ti-
Ibas. Joveniaoo irino Paes Barreto, sua mulber.
filhos, ora, genro (ausente) e netos, agraaecem
as pejsoa3 que acompanbaram a ultima morada
o cadver de sen prezadlssime marido, pal, ti
lbo, irmo, conhado e tio, capitao Ignacio Ca
valcante Paes Barreto, e de novo ronvidam aos
seas parentes e amigos e aos do tinado asis
tirem as missas que por sua alma mandam cele-
brar na igreja da Penba s 7 1/S, Collegio de S.
Vicente de Paulo s 6 Horas, Boa Vista s 7 bo-
ras, Santo Antonio s 8 1/S, Carme 8 horas, S.
Francisco 8 horas, Capunga 9 boras, Corpa San-
to 8 boras, S. Jos 7 horas, Afogados 8 borrs,
Escada, Gamelleira, Palmares, e sendo todas as
missas celebradas oa sexta-feira, stimo dia do
seo passamento, coofessando-se anticipadamen-
te agradecidos por este acto de caridade e re'.i-
g'^o___________________________________
i
Precisase de urna ama para casa d
fumilia, para comprar, cosinbar e fazer
n ais alguns servidos, a tratar ca ra da
Imp ratriz n. 24 1 andar.
\ma
The United States and Bra-
zilM. S. S. C.
O vapor Finalice
E' esperado de Nevf York
al o dia de Julho se
guiodo depois da indis
pensavel demora
Bala~,lio~e Janeiro e Santo
Para carga, passagens, encommendase di-
heiro a frete trata-se com os Abfci&.
O vapor Seguran ca
E' esperado dos portes do
sul at o dia 15 de Ju-
lho seguindo depois da de-
mora indispensavel para o
Narauhfio. Para, Barbados, ">
Thomaz e \>wlork
Para carga, passagens, encommendas a di
aheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commercio8
Io andar
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mouory Araca
ty, Cear e Camossim
O paquete Una
Commandante Monteiro
Segu no dia 11 do cor-
rente s 4 horas da tarde
para os portos cima indi-
cados.
Recebe carga, encommendas, passagens e di-
nheiro frete at 3 2 horaa da Urde do dia da
partida.
ESCRIPTORIO
Ao Ca 8 da Comvanhia Pernambucana
n.12
w
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete Aconcagua
E' esperado dos
portos do ful at
odia de Julho
seguindo depois da indispensavel demora para
Liverpool com escala por
Lisboa, Bordean* e l'lymonlb
Para carga, passageiros, eneommendas e dl-
sheiro a freve: trata-se com os
AGENTES
Wilso, Soos i C, Limited
10-RA DO COMMERCIO10
i
lu stBEm Pibt
w
O vapor Magdalena
Commandante H. C. Rigaud
E' esperado da Europa no da
1-1 de Julho seguindo de-
!poi3 da indispensavel demora
para a
Baha, Rio d& Janeiro, Montevideo e Bue-
not-Ayre
Para carga, encommendas, passagens e dJ-
oneiro afrete, trata s com os AGENTES.
O vapor Clyde
Commandante J. D. Spooner
E' esperado dos portos do ?ul
at odia; IC d2 Julho de 1892
seguindo depois da neces
__demora para
H. Vicente, Lisboa. Vlgo e Sen-
llamptoc
Reducco de pauagens
i'o lia vUt
k' Lisboa I classe 20 SO
1' SoutbamptoD i' classe 23 i 42
Camarotes reservados para os passageiros da
Pfrnambuco.
Para passagens, fretes. eDeommendas, irata-r*
:onv 03
AGENTES
4morim Irmaos & C.
N. 3Raa do Boo JosasN 3
Conpanhia frigorica Pastoril
Brazileira
Cear, MaraohSo e Para
Vapor nacional Venus
E'esperado dos
poitcs d sulnes-
tes" pouc s d.a
^eguindo depois
da demora neces-
sarla para os portos cima indicados, receben*
do carga para os meemos.
Este vapor tem excellentes accommodacoes
para passageiros de 1' e 2* classe e Ilumina-
do lu elctrica.
Para passageiros, carga, DCommecc'?s e va-
lores trata-se com os ____
AGENTES
Amorim IrmSos d C.
Ra do Bom Jetu n. 3
Leilao
Lloyd Brasileiro
SeccSo de navegaco
DA
SMPREZA DE OBRAS PUBLICAS NO
BRAZIL
PORTOS DO SUL
O paquete Brazil
yomdandante o capitao de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos
portos do bu at
= o dia 9 de Ju-
lho seguindo de-
depois da demo
ra necesrria para
Parahyba, Natal, Cear, Amarrajao, Ma-
ranho, Para Obidos e Manaes
As encommendas sero recebidas at 1 hora
to tarde do da da sabida, no trapiche Barbosa
10 iart 3 do Corpo Santo n. li.
Aos Srs. carregadores pedimos a sua attenci
>ara a clausula 10 dos conhecimentos, que
No caso de haver aiguma reclamacao contra >
:cmpanhia, por avaria ou perda, deve ser feit
jor escripto ao agente respectivo do porto d
iescarga, dentro de tres das depois da nnali-
ada.
Nao procedendo esta formalidade a compaa
lea isenta de toda a responsabilidade.
Para passagens, fretes e encommendas tn
.a-sa com os ____
AGENTES
Pereira Carneiro& C.
6-Rua do Commercio 6
lo atida
De predios
SENDO :
O sobrado de um andar e sot&o interno roa
ce S. Jorge n. 127, com sabida para a ruado
Pbarol, onde tem um armasem com duas portas
de frente; o sobrado tem agua e gaz encanado,
baoheiro de azulejo.
Urna meia agua ra dos Guararapes n. 75,
com porta e j mella de frente, coziaba interna,
terreno proprio.
Sabbado, 9 do corrente
A's 11 horas
No armasem roa 15 de Novembro n. 39
O agente Martins far leilao por mandado do
Illm. Sr.Dr. juiz de orpbaos, em sua presenga,
dos predios cima, a requerimento de Herculano
Rodrigues PiDbeiro, inventarame do espolio de
Manoel Jos Rodrigues Pinheiro^____________
Agente Pestaa
Leilao
Das casas terreas sitas s mas de Das
Cardoso n. 52 e Pescadores n. 28, per-
tencentes ao espolio do Dr. JoSo Alfre-
do de Freitas
ftabftado, do correte
A'S 12 HORAS
No armazeai a travesea do Corpo San-
to n. 27
O agente Pestaa vender, por mandado e as
sislencia do Exm. Sr. Dr. jo z de orpbaos, as
casas terreas cima mencionadas, com os com
modos seguiotes :
Ra dos PescaScres n. 28, com 1 parta e 1 ja
nella de frente, com 2 salas, 2 quartos, cosinba
ra e quintal murado, terreno foreiro.
Ra de Dias Lardoso n. 52, com 2 salas, 3
quart03, coiinha fOra, quintal grande e murado.
1
Precisa se de urna ama que saiba cosinhar
b?m e que durma em casa dos patrOes ; no pa-
teo da Santa Cruz n. 2. Nao se faz questo de
preco. ^_______
A.ma portugueza
Prccisa-se de urna ama portuguesa de meia
idade ; na ra Pedro Affonso n. 2, antiga da
Prala.
Ama
Joaquina Mrelra Ribelro
Manoel Moreira Ribeiro, Cleopbilla Moreira
Ribelro, Joaquina Moreira Aibeiro (ausente), Joa-
qulm Moreira Ribeiro, Hertclia Mjreira Ribeiro,
lhos e neto da tinada Joaquina Moreira Ribeiro,
que fallecen no reino de Portugal, vem respeto-
samente convidar a todos os parentes e amigos
para assistlrem as missasque mandam celebrar
no,dia 8 do corrente, no convento de S. Francis-
co, s 5 e s 8 horas da macha, trigsimo dia do
passamento de sua nunca esquecida mi e av,
e desde ji se confes3m summamente gratos a
todos aquelles que bonrarem com as suas pre-
Benpas gata acto de religio p ca^lf^;.d.______
i
IE1L0ES
Lelj
Asente Brillo

De movis, espelho oval etc.
O agente cima aatorisado por urna familia
3ue se retira para fra deste estado, ar leilao
osobjectos abaixo.
Urna mobilia de encost de palha, preta, qua
si nova, 1 cama franceza, 1 toilette, 1 commoda,
1 guarda vestidos, 1 lavatorio com padra, 1 ber-
co, 1 c; b de, 1 marqu-zo, 1 marqueza, 1 cama
para menino, tapates, louca para almoco e jantar,
quadros, jarros, etagers, 1 colxo, 1 lavatori de
amarello, cadieiros para kerozene e outros mui-
tos objectos.
Sexta feir 8 do corrente
Ra Direita n. 78
A's 11 boras
JLeilo
De 1 deposito de ferro para agua, 1 bomba,
repartimento de quartos, portas e grades de fer-
ro, movis, loucas, vidros, cadeiras ce junco, fu-
gao, trem de cosinba e mais objectos oob so
Drados dama do Bispo Sardhha ns. 3 e 5.
Sexta felra, 8 de Julho
Agente Pinto
No 'hotel Oriental
Sexta-feira, 8 continua o agente Pinto o lea0
dos movis dos sobrados da ra do Bispo Sardi-
nba ns. 3 e 5, Hotel Oriental._______________
Leilao
de movis, espelho oval, quadros, porce-
lanas, loucas, vidros e trem i e cosi-
nba.
Sexta-feira, 8 do cirrerte
A's 11 horas
No I* andar da ra da Larangeira N. 14
CONSTANDO DE:
De urna mebilia de junco quaei nova com 1
sof, 12 cadeiras de guarnicao, 2 ditas de braca
e 2 con.-los com pedra, 1 espelho grande oval
com moldura dourala, & auadros grandes mol-
dura douraJa 6 etageres, 2 jarros, 2 escarradei-
ras, 4 tapetes pequeos, 1 capacho, 1 espanador
de pena?, 1 cama francez* de amarello, 1 toilet-
te de di o com espelho, 1 cpula. 1 cabide de
coluaoa, 1 guarda looca de amarello (novo), 1
mesa elstica com 3 taboas, 1 aparador, 4 qua-
dros, com vidros, 1 quadro grande pintura a
oleo, 2 c&bldea, 1 lavatorio de ferro, porcelanas,
louca, garrafas, copos, calioes, galbeteiro, laihe-
res, trem de cosinba e muitos outros objectos de
uso domestico.
0 agente Gosmo autorisado por urna fami
lia-que mudan de residencia, far leilao dos
objecios cima, os quaes sao completamente
novos.
Hanocl Joqnlm %lve da Comim
Maaoel Francisco Alves da Costa agradece a
lodos que se dignaram acompanbar os restos
mortaes de seu querido pai, Manoel Joaqaim
Alves da Costa, e de novo roga-lhes o obsequio
de assistirem as missas que pelo eterno descanco
de sua alma manda celebrar na ig.-eja de N. S.
da Penba, s 8 boras da manb do da 9 do cor-
rente, stimo do fallecimeato, antecipando a io-
dos o seu reconhecimen'o. ________
Precisa se de urna ama que lave e engomme
com perfeic/'c ; a tratar na ra do ftangel n. 9,
padaria._________________
Ama
Precisa se de urna boa engommadeira
lar na ra da Amizade n. 1-A, Capunga.
a tra-
Ama e criado
Precisa-se no sobrado n. 4 roa do Vigario
Thenorio, para cosinhar e comprar, e mais ser-
vico ; na Bverna do pavimento terreo.
Ama
Precisa se de urna rapariga de 14 16 sanos,
para cuidar de urna crianca ; na ra Formosa
numero 37.______________________________
Ama de leite
Precisase de urna ama de leite; na ra da
Conceio o. 43. ______________
Marta Bocba Da* da rotla
Joaquim Antonio da Cota e -eus Qlbos, cu-
nhada, tos e tias, agradecem a :oJos aquelles
que se digearam acomranhar ultima morada
os restos mortaes de sua prezada esposa, e de
novo conv;dam para assistirem as missas que
por alma da mesma sero celebradas na matriz
do Corpo Santo, s 7 boras da manb do dia 8
do corrente, pelo que acbam ce summamente
gratos uor este acto de religio e caridalp.
AVISOS DIVERSOS
Tendo se desencaminhado a apolice da
Djvida Publica n. 10128, pertencente a mioba
fiha Anna Medeiros, pesso a quem por ventura
a tenha acbado, de a restituir entregando ra
da Soledade n. 23, que ser recompensado.
Recife, UdeJunho de 1892.
Anna Valenca do Reg Medeiros.
No becco dos Ferreiros n. 6, precisa se de
um criudo com u'geacia e que tenba boa con
duc'.a.
Precisa se de urna ama para cosinbar e de
um trabalbador que entenda de jardim, para um
sitio no Arraial; a tratar no armazem travessa
do Ccrpo Saato a. 37, das 11 horas s 4 da
tarde. __________
Precisase de urna criada para copelra e
mais servico de urna casa de familia ; a tratar
na ra da Srledade n. 82.__________________
"^"Espeihos grandes quadrados eovaes, dou-
rado tico e m Jdura larga, de 9# a 20*000 cada
um, receben a Florida ra Duque de Casias
oumero 103. _______________________
' CRUDO. Prectea-sft de um que se ja fiel e
que entenda de trabalbo de sitio ; a tratar na
ioja da ra do Crespo n. 10, oa do Arraial (Man-
gabeira de Baixo) com Joaqaim Moreira Res.
Precisase de um bom copeiro ; a tratar na
ra da Imperatrz n 3, 1- andar.
Vende-se nma caaa terrea em Olin-
da, sita ra da Santa Croa dos Milagrea
n. 47 : tratar na ne?ma.
Precisase de urna rapariga de 12 16
annos, de bous costumes. para andar com crian-
cas ; na ra Augusta n. 189.
Artista strraUktiro
Precisa-se de um^que en-
tenda de machinas de im-
pressao typographica.
Indicacao no escriptorio
do Diario.
.--------------------*-------------------------------
Hortelo
Precisa-se de um horte!So que entenda de sen
mister; a tratar no armazem do Lima, ra Baro
da Victoria n. 3.
Aluga-se
Duas casas, sendo una em Afogadose outra
em Beberibe ; a tratar no trapiche Vianna, For-
te di Mattos.____________________________
Estopa usada
Vende-se por prego commodo : no trapiche
Viaona, Forte do Mattos.
Vende-se
Urna victoria ; para ver e tratar oa eocheira
do Recife, roa da Reelanracao n.l.__________
Taverna
Vende-re urna taverna em boa localidade e
com poneos fontos, propria para principiante i
a tratar na ra Direita de Afogados n. 96.
Vende-se
Urna perco de travejamento j servido ; a
tratar no sobrado cimento do largo da Sole-
dade.
Boa cosinheira
Precisa-se de urna boa cosinheira, que com-
pre, trabalbando f nos dias otis e dormindo
onde qulzer; oa ra Nova n. 13.____________
Cosinheira
Precisase de urna que cosinbe com perfeicSo ;
na roa Velha n. 28
Criado
Precisa-se de um criado de boa conducta,
para servico de fabrica : oa rea de S. Joo nu-
mero 17.
Di
;dida
>espe<
Mrdatne Julie Koblet eegoltxlo pelo vapor
tOrenoque para Paris, 8 place Breia, para fa
zer coxpras, pede desculpa a todas as pessoas
de sua amizade nao Ibes ter feito pessoalmente
as suas despedidas.
Jos de tirv.du Urna e Silva
A viuva, fi'boa e genros convidam aos paren-
tes e amigos do tinado assistirem as missas
3ce manaam rezar s 8 1/2 da manb do dia 11
o correte, na matriz de Santo Antonio, trige
simo dia do seu passamento.
Comprase
quanudades
Janipabo
janipabo em pequeas e grandes
na ra do Principe d. 28.
Ama
Precisa e de duas amas para cosinhar e en-
gommar a tratar no largo do Corpo Santo n.
17, 2- andar._____________
Amas
-


Precisa se de amas, urna para tratar de duas
criacas e outra para cesinhar, sendo a dormida
em casa dos patroes; a
1, sohrado.
tratar no Livramenlo a.
Caixeiro
Precisase de um menino ; a tratar na ra de
Paulino Cmara o. 2.______________________
Caixeiro
Preciza-se de um caixeiro ; a tratar na traves-
sa das Cruzes n. 16. _____________^___
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro com pratica de mo-
lhados, de 15 20 rnnos de idade, e que d co-
nbecimeulo de sua conducta ; na ra do Capitao
Lima n. .5, Santo &rraro.
Carro ca
Lihras sterlina3
Vende-se na ioja dejlas de Augusto Rege
na roa do Cabac n. 9. ______
As usinas, refnacoes e fabri-
cas de doce
Vende-se um apparelbo completo e novo par
ser movido a vapor, servindo de cosiuha para
100 pessoa.- on podendo-se utllisar d.to appare-
ho para retinar assucar cu fabricar doce ; ver
ler atar ra do Amorim n. 52.
Comprase urna carrosa de quatro rodas, nova
ou servida ; na ra do Vigario n. 31, primeira
andar. _^^___________
Patacoes
Compra-se de todas as na^es ; na ra do tie-
bug n. 9, Ioja de Augusto do Reg._________
Historia Universal
Vendem-se vinte volumes desta obra de Cesar
Canl, encadernacSo nova de Lisboa no pateo
do Ta^o n. 23. _________^^^^^
m/
2 andar
OAuga-se o 2- andar dacaea ra 1- de Mar-^o
(amiga do Crespo) n. 17, tem agua ; a tratar na
Ioja.

CARDOSO ft- IRMAO
Kua Baro do Triumplio ns. 100 a 104 e rus
doVisconde de Itapanca ns. 22
Tea aempre em deposita :
MACHINAS a vapor do 4 a 8 cavallos dos memores fabricantes.
CALDEIRAS multitubulares para 4, 5, 6 e 8 cavallos.
MOENDAS as mais solidas e melhores do mercado.
TAIXAS de ferro batido cravadas caldeadas, fundido de todos 03 tmanboo,
q RODAS'AQUA pra cubos de maoeua o todas de ferro.
RODAS DENTADAS de espora e angulares de diversos tamanhos.
CRIVACES duplas e boceas de fornalbas para assentamentos.
BOMBAS DE REPUCHO sem sola, vlvula de bronze.
CHUMACEIRAS p&rafusos t mais que se opsa desojar para sogaabws, atra-
a de ferro e Obras Publicas.
FAZEM E CONCERTAM toda e qualqner peca do machinismo tanto de for*
andido como batido-
EN JARREGAM SE de mandar vir da Europa por encommenda, medinte om: -
sommisaao rasoavei, qualquer machinismo e CONTRACTAM apparelbos para D
oas, para fabricar de 100 a 300 sacos de assucar em 24 horas.
Obrigam-se a montagem dos meemos e responsabilisamose polo bom trabalht
o que tem um hbil engenheiro ingle- muito pratico, alm de dos um socio
a que tsmbem engenheiro.
'
*
Saias brancas bordadas para senhoras.
Casacos brancoB bordados pera senhorasy _1 -
Camisas, dem, idem, dem.
Vstuarios e Jersey e Malha para meninos e meninas de 60, 70 8J. 90, 100 e 14 0
um facto.
Toalhas de linho com bico crivados de bico, diversos presos.
Casacos de Jersey para senhoras grande Bortimento.
Dito de caxemira de cor.
Capas e veaites pretas para senheras, caxemira e seda, diversos precos.
Crotones fiancezes muito largos, cores e brancos a 500 rs. o covado.
Toalhas de linho o al^odSo para mesa.
GuardanapoB linho e slgodao, grandes e pequeos.
Cintos de cores de 240 a 400 rs.
FnstSo braceo fino.
MadapolSo francez com 24 jardas de 80, 9$ e 100000 a peca.
Brim pardo liso para vestido a 400, 500 e 600 o covado.
Sargelim de cores e branco a 30 o covado.
Camas bordadas Hubo puro com 4 fronhai e 1 talhe todo igual,
tfantilhas hespanholas.
RA PO CRESPO
N. 21
-


( liBVH i


Diario de Pernambuco Qninta-feira 7 de "Jullio de i$9i







Sa* rE5S
>er0ot.
*&***
Qe&j
AU BON MARCHE
AUtAZSKS X>E NOVIOADEe
PARS. Casa A&istide BOCICAT PARS.
iic Novillajes reonndn ero lodosos aeui artigos a escollia roai* compacta, naW rita e mai* tHqniH


0 tfiaaj J* rnirr todo oom diminuto lucro
* lUirmente de OOOflanca t mitoiuU sai Arma*** do *fi MAKCBi:
A Casa Jo BON MARCH rvmettc franco, a quera o pedir, seus Catlogos
assim como Amostras variadas de todas as faiendas, outrosim AM'wu coatendo
os seus modelos de Reupa feila de toda a torte.
A Casa do BON MARCH possue sortimentos consideiaveis, taes como :
Fazendas de Seda, ditas de U unidas ou de fantasa, Pannos de linho, Traios, Roupa
feita, Vestuario,Chapeos e Cacados paraSenhoras, Homens e Meninos, Tecidos de
ponto de mcia, Camisas, Enxovaes, Mobia, Tapetes, Artigos para viagem, Artigos
Je Pars, Luvas, Rendas, etc., sendo reconkeci Jo que ella offerece enormes vantagens
tanto por causa da fMillitiarii como da baratera nal de todas as. mercaJorias.
A Casa do BON MARCH iMctu metcadura para o inundo iiteirr, e
corresponde em todos os idiomas.
As remessas que poderem sor idus per olurnes poswtes. serjo eettuadas
em tantos volumes/rwoquanus vczc a encommenda, paga aguantada, contiver
a somma de cem trancos.
O BON MARCH (PARS) nao tcm Snccursal nem Repretentantc e roga aos
seus reguezes que desconem dos negociantes que usaren] do mesmo titulo.
Os Armatens do BON MARCH sao os maiores, os mais ordenados e orga-
nisados do mundo; contcem todo quanto a experiencia lem produzido de til,
liagraJavele commoJo, constituindo ponapto urna Jas curiosidades de PARS.
VERDAOEIRAS PILLAS do D" BLAD
impregam-se oom ptimo Uto lia mala de so pela malor parta dos Facuiutl-
Toa Francezes e Eau-ang*lros para a curada AMMMMJU CHMiOMOBM (time prnlIHmu) a
formar da* menina.
A insercio no novo Codea Francet. outrosim o ficto da haver a faurt VHys ara
verlflcado a efXIcacla d'eslaa Ptalas. autorisando-Uiee a venda, ascua qualquer ancono.
i mwtnitm tmm uKJr piaaia matar t* mt m nii jala mu.
DE8CONFIEM-8E MS H*IITA OTA..- Ai HrUUiiru PMu de B' Blaud aso M rtnOtm tM(o en frtiom a 1 fren
tfe 200 100 rtttiu, mu nanoa sor aludo.
. -jos, s, ca patkhki. DBFOsrroa ni tovas as pjukcifabs peamacuas
00
3'-
'
S.
BELLE2A
DEPOSITO GERAL;*%n40
Pharmacia Ingleza de Ch. Delacre
*!**&
t
.0%
0*^0* a"
L,
Bruxellas (Blgica),
isito em Peritainbuco
O
de DROGAS e PRODUCTOS CHIMICOS.
a
DE
extingue as dores ou a insomnia occasion-
nadas pelas Hevralglat, a Gofa, as Emtaquecas,
o Cancaco rfo cerebro, a Irritaco nervosa, as
Preoccunacss o Ca/or to clima, a Toase da
Asthma, da Bronchite, da Gripp e proveniente
de qualqner outra causa.
0 XAROPE da FOLLET provoca um som-
no profundo anlogo ao somno normal; com
o seu emprego nao se est exposto a nenhum
dos inconvenientes do opio ou da morpbina.
a melbor forma d'administracao do
CHLORAL; sua cOBservagao perfeita, e,
assim aconselhada, nao irrita o estomago. Fohmulaib db TateAPEuncjE.
O XAROPE de FOLLET se vende era quasi todas as pharmacias de todos os paizes e
se prepara em Casa de I- 1 -'RERE, A. Cha<*tigny e C", Succesores, 19, ra Jacob, em Pariz.
W JL I1a*%ysg balsamo
tV\rl\m9wmWm\ sulfuroso de
LEBRUN
Balaamo de Tolu, Aloatro, Acnito e Monosulfuro de Soda puro para
la cara inf&llivel da Pklhitica, Bronchite crnica, Calharro, Laryngitet AphonMk e
[ Doencas da pelle. Para o modo de emprego consultar o prospecto.
PARS, PHAA/MCI CEKTUL, SO, ftubourg Montmirtre, atad uabiraaciai raafelru.
Oefoslurloj fim PawiAltt.qa; ^RAfic aj. da SILVA V Ca
mmm
UEIMENTO SNiAO
Para os CATAXLOS
BllkCA
DB F*8S:CA
A eura fat-se com a meo em 8 nintitos,
sem dor e sera cor ir, NSM raspar o pello.
Pharm^GNBA, J75.RM St-Honort.PARIS |
K EM TODA PMARMAOIAB
A.VERDADEliHAS AGUAS de
DH33
Sao as Fonios do Estado franca*
Adminirtraicso:a,aOULEVARD MOHTMARTRE, PARS
CELESTINS, artu oaiorina, DMaan a Btiig.
6RANDE GFHLLE,oIesadoFiBadoedoApparelhobiUarifc
HOPITAL, doencas do Utamigo.
HAUTERIVE, Alfcceoea de Estemsoo ede pparelho nrinira,
l/nicl, cujo ;ngtrr*/tmtr,to 6 Pictlitdo oor um RtfUtnUtta
, ilo Citado.
ItpritlM ea Pernambuco j Silzer el Iichlln ia|. LahUla
ui ffitiM riuauAi m InsaUa,
Cento por cento
Cautellas do Monte de
Soccono compra-se com
100 9t cima da avalia na relojoaria Vernet.
Ra do Barao da Victoria
n. 53.
Hot$ Bragan^
Porto
Diaria16200,1^000 e 800 reis
Aaseio e limpeza. Mesa abun-
dante e variada
Viuhoa especiaos 0 discripcSo
Bons commodos para familias ; abatimen-
to importantes para as mesmas
Proprietario,
B. Mcufado CqMq,
ESPECFICOS
DO CELEBBK
Dr. Humphreys de Nova York.
Em veo mais de 30 annos. simple9. Fffpiros. *1H-
A*es e baratos. A venda as DroRSTlaa e Phar-
jiadas prliiclpaes e mals garant Ja do Mundo.
Ko. Cl'KA
1. Bfkw, Conmsio, Inaami.iwaes...........
2. Fobrc p Colira causadas por Lombrlgai....
3. Colicu. Choro e Iusomu!jida.si:riancas.....
4. Iiinrrlicii de Criancas e Adultos..............
5. Iiysrnlcrin, Dores de BaiTiga,Clicaalllosa
6. C'orpru^, Oolera-Motbo. Vmitos...........
"~ 7. T*-e, Gonatlpai'ao. KouQtdflo, Bnmclille..
S. Iltirrtc r>entPederara,e Nevraluia.......
9. I>or de Cubi-i'ii. nohu 10. Di. pi-phi. IndleeatAo, PrlsSo do \enlre.....
11. SuppreNHfm du Keera. EscassaouL>eno-
rada......................................_
12. l.enrorrhea, Floreslii-auoas, ietau>rorusa
LS. Cniap, TosseRouca.DIlBcultUdedeResijlrar
u. Hpi'h, ErupOes, Erysiuela..................
:s. ICheauaiUmo. 1 tf-rwrheurnatlcaa..........
lii. SezoeN, MnH'lia, Febre tnlennhtente.........
ti, llciiiiiri'hoiiln. Almorn vmas. lnttrna oa
(.\ t-rnas. simples ou sangrentas...........
18. Oplilbiilmin,(Jll><)Sfraci)s(iii lufloi-mados.
9. <'ilarro, agudo ou chronlco, Deuxo........
-0. CoouHache, Tosseeepasmodiea..............
31. A^ni'i. ^ost-laelodinteultosa.................
a. Siippurrtvdu iliis OMos, Sarde*............
23. E,-rolnlu*. Inchacoes e Cceras.............
i4. Debilidude gern.. ou physlca..............
3>. Hv.lropef.ia, Aeumulaeoes fluidas...........
2f. Knjoo de !I ar, Sausa. Vomllos.........
2i. Molestia ouriuarias, Clcalos ou Ped
na Bextea...................................--
3? mrKitenra, Dehltldade nervosa, seminal..
29. ChaKiiinUa-, ua Bocea, ouAuhta..........
H0. Inronipciuin de Ourina, uurlnar sena
Cama--------.,...............................
81. Mentruac~io cloliiroKa. Prurito..........
82. Iliplesliiis do 4 oriicuo. PalpltacOes, etc..
Si Epilepsia, Mal cauuco, Oottacoral, BaUe de
84. Ditberia. Maimallgno de Garganta......
SO. t'ougeatoes Chrouicas, DordoCabeca
O Manual do I)r. Humohrevs, 144 paginas aofan:
os Eu. Tmldads e o modo daoural as, sedarall^
pede-se ao seu boticario ou a
OMFHBEYS' MEWCINE CO.,
te Falten Street, KEW YOBH.
Deposito geral na ComAqired
ie Drogas e Productos chimicos.
Gerente Francisco Manoel da
Silva.
,11
11!

VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
Preparado sob bases scientilicas
e physioloiricas para o fim de
beneficiar os cabellos, restaurar
a cor, impedir a queda, e promo-
ver seu vico e abundante cresd-
tueato.
Esta apurada e excellente preparacio,
sem dnvida o melhor remedio at hoja
conhecido para os differentes dfeitos da
cabelladura, merece a intima attenco de
todas as pesaoas que tm tido a infelict
dade de pejde m paste este mais rico
ornamento natural da physlonomla.
Com o seu emprego Intelligente tcm-as
eonscgu ido resultados realmente sorprer-
duntca. Em muitos casos, por-m uit
sempre, a propria calvicie tem sido curad*
permanentemente.
Sempre se consegue fazer parar a queda
dos cabellos' emquonto que para opentea
ao das senlioras, o objecto mais til
mai agradavel que se pode empregar.
FREFAKATK) PELO
DR. J. C. AYER & CA,
. Lowt-ll, Mass., KKt.-Unidos.
' A' venda as lejas de axmarinao e pes-
tamariaa.
^>," i DcrosiroaaasA/ o.;
*?'?K5.l ^"
PABA BIGEN1S
Gimares Vulente
Participa m aos eos fregueses, e bem
assim aos Srs. agricultores, que conti-
nuam a ter grande deposito dos artigos
abaizo mencionados, garantindo tudo de
1.a qaalidade e sem competencia em pro-
cos, visto como recebem os meamos arti-
gos directamente e terem constantemente
avultados depsitos.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Cimento Portland He*
moor.
Oleo de mocot.
Dito mneral ( para ma>
chinas).
Dito de linhac.a.
Dito de ricino.
Dito de peixe.
Dito de coco.
Pixe em latas.
Azeite de carrapat.
Graxa em bexigas.
Gaxeta de linho.
Potassa da Russia (em cai-
xas, barricas e latas).
G a z inexplosivel Dia-
mante.
Trisulphito de cal (novo
preparado para clarifica!
o assucar)
Formicida CSapanema (o re-
medio mais efficaz para
a completa extinecao da
formiga sauva)
6 Corpo Santo 6
i -s-#MsSBjBBSstt
^*^
i
1 Approvado psla lUutrada junta de (.
3 Auctorisado por Decreto Imperial
i
4,
O afamado vinho AlvaralbSo para os
anico3 recebedores
Guimares i Valente
4 e 6 Largo do Corpo Santo 4 e 6
Urgente
0 Sr. Lonrenco Alves de Souza, morador na
forre, e actualmente empregado na estrada de
ferro em Serinhiem, regado a vir i rna Barao
da Vic oria n. 13, onda tem ama carta para lbe
ser entregue. ~ _
Moedas brasileiras
Compra se de 800 rs., 14000, 1*000 no centro
da moeda ,- na ra do Cabug o. 9, loja dt Aq
gasto do Reg.
-i
-
-i
i
->
i
-
i
i
4
i
Prejirai tmm epuratin
Hygiene Publica da Corte,
de 2o de Junho de 1883.
COMPOSI9O
de
FirffiinO Candida de Figueiredo.
Empregado com a malor efficacia no
rheumatitmo de qualqner natareza,
em todas as molestias da pitee, as
leucorreas ou flores brancas, nos
soffrimentosoccasinadospela impureza
de tangue, e finalmente aas differentes
Coimas da sypktUs.
Dae Nos primeiros seis dias urna
colher das de cha pela manha e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e m seguida mudar-se-ha para colne-
res das da sopa para os adultos e me-
tade para as enancas.
Rgimen Os floentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos bachos fros ou \
momos, segundo o estado da molestia, u
<-
r
h
\
\
h
<-
f
I
r
{
(-
y
y
-
r
<
t
Y
\
-
V
r
<-
f-
(-
l-
f-
SSFOSITO CENTBAL
Francisco Manoel da Silva & C.
Droguista
23 Boa Marques de Olinda
Pernambuco
i
Animaes lutados
Forain fartados em a noute de ante hontem
aara hoatem, do cercado do engenho Poetas, em
Caxang, urna egoa alas cacbita, com crinas e
canda brancas, ferrada com as inreiaeg J. M.
C. A. e um garanhio russo foveiro, defeituoso
das mios : quem apprehendel-os e laval-os a
aquelle engenno ser generosamente recompen
Em tamanho natural pintados a Oleo e a Crayon com "linda moldara dourada
fio* ea alto relevo e cordCca com duas lindas borlas de 1S e seda, tudo
POR 35:000 E MAIS PRECS
As Ermas. Familias^devem ter em sua salla de risitas RETRATOS de seas
parentes e amigos ntimos em lugar de vistas e paysagens que nSo tem recotdacao
alguma, ve pelos prejos mdicos que custam os RETRATOS muito fcil se obter
dirigindo um pequeo RETRATO em car t So de visita, nSo importa que boj a antigo,
bast diser a cor dos olhos e do cabello para ehegar um RETRATO mnito perfeito
e a contento de quem eneommendar.
Queir&m ver a expos9o de retratos
61-Ra Duque de Caxias61
LOJA DAS LSTEAS AZES
Onde se recebem encommendas ; as pessoa3 de fora da oidade que desejem
encomsoedar |algum RETRATO em tamanho natural podem remetUr as phothogra-
phias em carta registrada ao agente geral em Pernambuco.
rasas .A.G-'rjrsTa xj^s
LOJA DO P0V0
11Ra do CrespoH
". Ja.
O proprietario deste importante estabele>?imento resolveu liquidar per e
de sea valor os seguintes artigos.
A saber:
Voiles liaos e com flores a 240 rs. o covado.
Ditos phantasia o que ha de novidade 320 o covado.
Etamine com 3 lj2 palmos largura a 200 o covado,
Oretones claros e oscuros a 320 e 700 o covado.
dem em cortes com barra a 5 Grepes pretos e brancos lindos padrSes, de ltJOOO o corado por 500.
Grranadine de seda, de 2^000 o covado por 10200.
Eadapolao de 70000, 80000 e 90000 a peca.
Dito trances (20 varas) a 100000 a peca.
Cortes para ce lie tes de fustSo a 105UO um.
Grande sortimento de brins de todas as oores e precos.
Jersey para xunpas de crianca e Senhoras (novidade).
Cortes de vestido de cachemira a 250OCO.
Cortes de cambraia bordadas de 150UOO a 300000 um.
Merinos pretos para todo preco lizos e lavrados.
Capas de cachemira lavradas para Senhora (novidade).
Um saldo de merinos de quadro a 600 o covado.
Camisas francesas de 30000 a 60000 urna.
Lindo sortimento de cortes para caiga.
Lindo sortimento de casemira para casacos de Senhoras.
Voiles de 18 para lfOOO o covado.
Ditos de algodao grande sortimento.
Staminea de cores a 440 o covado.
Extracto ings dos melhores fabricantes a 20000 o irasco.
Grande e lindo sortimento de meias para Senhoras, homens e creanoa.
Panes de crochets para sof e cadeiras.
i
fr
FEBIDAS
HAMAMELIS
DE BRISTOL
(AVELEIRA MACICA)
CNGUENTO EXTKACTO
ESPECIFICO PARA O
RHEUMATISMO
E HEMORRHOIDAS
INCHAgQES
a
Enqenhos
Vendem se os dous engenhos Angico e Bom-
Tom, bem montados, com animaes e utensilios
neCJisarios moagem, com safra ou sem ella.
a vomade do comprador, /ngico est situad*
na tr.'gu'zia de una, e Bom Tom na de Barrei-
res ; quem quizer dirija-se a este engenh, onde
reside o proprietarlo.
Engenho Coqueiro
Comprase pirtes do engenbo Coqueiro. sito
na freguezia de Uoa ; a tratar na roa do Cora-
merejo n. 28, 1- andar.______
Licor depurativo vegetal Joda-
do d medico Quintella
Este notabilissimo depurativo que vem
precedido de tSo grande fama infallivel
na cura de todas as doencas syphiliticas,
escrofulosas, rbeumaticas e de pelle,
como tumores, ulceras, dores rheumaticas,
esteocopas e nevralgicas, blenorragias
agudas e chronicas, cancros syphiliticos,
infkmmacSes viceraes, d'olhos, ouvidos,
gargantas, intestinos, etc., e em todas as
molestias de pelle, simples diatheitcaa,
assim como na alopecia ou queda do
cabello, e as doencas determinadas por
saturacao mercurial.
Dao-ee gratis folhetos onde se encon-
tram numerosas experiencias feitas com
este especifico nos hospitaes pblicos, e
muitos attestados de mdicos e documen-
tos particulares.
Fas se descont em casa de
FARIA SOBRINHO & C.
Ra Mrquez de Olinda n. ti
MARAVILHA CURATIVA
DO C3JBIBE
Or. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seculo-
APPHOVAA E LICENCIADA
^cicv Inspectora Ornl de Hyglene ttc
Imperio do ISrui1.
A ?Iar.vilha Ccvm.va remedioproir^pco
pora as Pisaduras, Machucad utas, CcmtMooa, Top
aeduras, Cortaduras, ou Laceracfcs. Alllvia a lt
estanca o caiigue. laz parar a tuflamnia^Ao. rr- & lnchaae, rao descoraiocato, e faxsarai aferda
como por encanto.
A farnvilba Curativa alllTlopromptoa
cura rapMa para (ueiiuaduras, Escaldaduraa, '
QmilajillliB, do Sol,e eupertor a oualQuex uutfi
remedio.
A Maravilha Cnratlva Impagavel pare
eiKlaAasHcn.'.rrhagiiis. seja do Nariz, dasGenRivus.
aas Fuuuoab. du Estomago, ou aa I[rm \imorrelmnscurasemprvo nunca falha-
A Maravilhn CurativaumalUviopronipw.
para Dor de Deiucs, de uuvid'js, da Face. acht^io
da Face e Nevralgia-
A Marnvillia Curativa 6 o recurso proirpt:
e preoioao para DOres rheumaticas, Aleljao. *>_r*
KJgWez as Juntas ou Peinas.
A Marevfiba Curativa o mnde remedia
para Esiiuincm^. Angina, A-sjiy^iizjas:nciadasori
inflammadassempre seguro, sempre effleaz.
A Maravilhn Curativa de multo rrJos
c^mo lnjeccflo para o Catarro, a Leucorrhea ou ai
Flor* Braiicaa, < outros corrimentus del>iHt^nt<^s.
A Maravlllia Curativa 6 impaga^el ai
fnirar Ulceras. Chagas EUtiga**, Apostemas, Paail
cK*s, Callos, Frlcirat. Joruaetes e Tumores.
A .llaravilli.i CnrnfIva remedioprorrpTX
para Diarrhea ^imp!es, e de Diarrhea enromca.
A M.iravillu Curariva 6 excellente ca
Estrehaiiaii e C'a%allarlcas, para Torceduras. DCret
i'isadurasc Esfoladuras. ContUb5js, Laoerae.Oe*.. &c.
TIEO. JDST.
Casa de commisses e repre-
sentaQes
EXPOSICAO
DE M COMPUTO SBTIMENTO DE
ESKxsreacas
de innmeras fabricas de todos os paizes da Europa
das duas Americas, de toda especie de mercadoriao, d
machinas e materia prima.
Deposito do afamado tCREOLIM o melhor des-
afectante conhecido.
Deposito da bem conhecida tODONTINAi de
Dr. H. Rirdet.
82--Bai do Bom JFSS--6
S^eeialidades do Sr. HomphreT^
Remullo EipecitlcoH!
ungento Maro vil bono.
Bemadios Syii ii i-.i-,
Remedios Veterinarios.
O Manral do TJT. Humpareya 144 paginas sobr:- a
EiiformfO&JIrtf 6 modo v curt-f ac tl trati, pv -
6e ao seu boticario ou a
HrMPHKEYS' JUEDICINE CO.,
109 Fulisn 8treet. NEW Mili..
NICOS AGENTES
ir ara rendas en grosao en s?r
nanibueo
Faria Sobriniio t G.
DROGARA
A' Ra Marques de Olinda n.
I
A IVoTa Esperanca vai por mo
mentos interromper as amaveia leitoraa
as suas preocupa^Sea diarias, para lem%
brarslhes que ha grande utiidade em di^
rigir-se a ra Duque de Casias n. 63,
afim de proverem-ae de qualqner artigo de
gosto e phantasia que constantemente re
cebemos dos principaes mercados da Eu-
ropa e America ; dentre el les vamos dar
ama ligeira noticia para poderem avaliar
o bom sortimento.
Lindas cestas com fructas e flores para
adornos de salas e toiletes. Bonitos jar-
ros e jardineiras para flores.
Completo sortimento de papis e envelo-
pea de phantasia.
Interessantes pastas phantasia para se*
nhoras.
Finas camisas bordadas para noivas.
Ventarollas e loques, novid: de.
Commodos espartilhos para senhoras.
Grande variedade de meias para senho-
ras, homens, criancas e padres desde a
mais para seda ?o maislfino algodSo.
Licoreiros, Albuns, Candieiros e Be-
ecas.
Quadros bordados em papel de arroa
com imagens.
Brinquedos de todo genero para crian-
gas.
Amoladas bordadas para sala.
E muitos outros artigos que a vista de-
sejarem.
Pedro Antunes k C.
63Roa Duque de Caxias63
Alta noria ^iv
Luv%s a Mosqueteiros de para seda
para senhoras receberam
Pedro Antu aes & C
63-Ra Duque de Oaxias-63
Parafeom$as
Alta novidadeB em gravatas, punhos,
oollorinhos e aberturas.
Halas para viagens.
Pedro Antunes & O.
63-Bua Duqae de Caxias5
V


8
Diario de Pernambnco Quina-feira 7 de Julho de 1892

AOS FUMANTES
Deseja-s n?.n ter azia ce .ao fumaes?
Usae por algum tempo os apreciaveis cigarros denominados MINHA ESPERANQA, qner picados, qner dssfiads.
saboroso famo desfiado intitulado Hygieiiico Naeional e os cigarros do mesmo fumo.
Depois di so dir-vos-hei se foi on nao til o conselho.
Cumpre notar que os Hvgiemcos sao raquinhos e os ESPERANZAS sao fortes.
A fabrica MONEA ESPERAN CA situada na ra Laica do Rosario n. 21 A.
Um apreciador.
Usa i tambera o aromtico
VENDAS
CrilANQAb
Costuraos e vestidos de brim, carcbrai&s,
jersey, 13 e seda para todas as idades.
tem grande sortimento.
A PABADIS MS DAMES
Rea Baro da Victorian. 38
Ssas
Bracea pretas e de cores lisas e con
lavores, recebeu um esplendido sortimento.
Au Paradis de Di-mes
~ lIs '
Em cortes de vestido,, ricamente enfei-
tados e em pecas /isas e com desenhos.
A PRADIS DES DAMKS
(jh apeos c capotas
Ultimas novidades de Paiis recebeu o
________Loavre_______
Gapas, jersey s e visitas
Gostos inteiramente novos acaba de re-
tener
cortes de la,linho, seda
e algodo
Ricamente enfeitados, tem reeebidj ni-
amente
LOVRE
Se, as brancas, pretas e de
cores
SABAO CURATIVO DE KE0TES
Tumores, cravo, pelle vermelba, spera e oleosa impidido oo corado
por o mais grande de todos os a formse dores da pelle, o Sabao Curativo de MEDICINAL
Rente r. Produzs a pelle formosa, branca e clara e ruaos brandas; absoluta- v para o
mente puro, delicadamente medicinado, extremamente ineomparavel como
sabSo para a p a CAtTBLA.Nao genuino sem cada envoltorio ter a marca re
gistrada de Barclay & Co, New-York.
XAROPE BE RETER IV. 2
Como remedio daEstagao Calmosa, Purificador dosangoe, diurtico,
8 aperiente, nenbom ontro appellidado depurativo ou sarsaparriltaa se appro
eima sequer ao Xarope de Reuter n. 2. Combina quatro grandes proprieda-
xes em um s remedio, operando a um tempo sobre os orgaos digestivos, o
dangue, os rins e os intestinos.
Absolutamente neatralisa \pulsa pelos canaes intestmaes, rlns e
poros da pelle, os germens nocric-, .,!ie ilutuam no sangue, na urina e na
transpiracSo
O KELHOB
PURIFICADOS
PABA O
AMttUH.
Bordados
Novos padrSea e
ende despachadas
para grande escolba
nestes ltimos das
PEQUERAS PULULAS DE REUTER
Fiead j entorpecido curase popivamenle com estas pillas. Ellas
do um remedio purgativo livre de perigo para o bomem mais fraco, to bem
como bastante activo para o bomem mais forte, e nao constipare depois; pela
dcc&o geral agrada a todos que as usam. Sao as diluas estandarte da pro
fissao medica dos Sitados-Unidos. Sao as menores e mais facis a tomar.
Quarentaem a
PARA
figIdo
R eos cortes de vestidos de cambraia
branca o em pscaa.
_ Ai Paraflls fles Pames____
Elegantes
Espartilhos de seda e de brim com
pelucia tem.
Au Paradis des Dames
LOUVRE
I
Modelos inteiramente novos ao
Au Paradis des Dames
T
E chapeos de sol,
sortimento.
recebeu um lindo
AU PARADIS DES DAMES
Buhar
J superior e conhecido panno tem
Au Paradis des Dames
Invern
Capss de seda e de 1S de cores imper
me&veis para senhora, recebeu o
At. Raradisdes Dames
Alfaf? Flor
Chegada recentement e
Vende Guimaraes & Va-
tlene.
e 4 6 Largo do Corpo
Sacio 4 e 6
Cimento ingle
Marca excelsior com 150
kilos. Vende-se rua do
Bom Jess o. 12.
Costa Cazero & C.
Cimento
Em barricas inteiras.
Vende Guimaraes $* Va-
lente.
4 e 6 Largo do Corpo
Santo 4 e 6
Farelo nacional de man-
dioca
Fino d3'"00ascca.
Grosso a 24000 a sacca.
34-Madre de Deus34
Coimbra Guimaraes & Sobrinbo
Grinaldas, leqnes e chapeos
de sol
De phantasias acabam de chegar para o
LOUYRE
Costumes para creancas
De todas as idades encontra-se grande
rortimento no
Louvre
Qbjectos de gosto para
presentes
Ha ueste artigo grande escolha no
LOUVRE _____
'TKSODOB D PHAN-
TASIA
Sondo impossivel de se deterever
rrande variedade de tecidos de diversas
\ualidades proprios para a estacSo actual,
oga-se ao publico em geral e principal
tiente s Exmas. familias a fineta de vi-
tits- em o
LOUVRE
ftua 1/ de Marc,o n. 20 A
Fra cisco Gurgel 4 Irmao
TELEPHONE N. 158
TRICOFERO DE BARRT
Urna preparacaoelegante, extremamente perfumada, remove todas as im-
purezas do crneo, preservativo contra calvicie e cabello cinzento ; faz o cabel-
lo creBcer espesso, brando e bernoso. Iofellivel pira curar erupjes, doencas
da pelle, glndulas e msculos, e cura rpidamente cortaduras, queimaduras,
feridas, terceduras, etc.
CaittbIA. NSo genuino sem cada frasco ter a marca registrada
de Barclay & C,New York
PARA O
CABEL
APELL
depositarios BK8TE3 PBODCCT08.A compauhia de Drogas doctos chimicos.
Ra Marques de Olinda n. 23.
FUNDICAO BSRAL
LLANFAfBRSON S
44-RUA BTtAO DO TSIUMPH0--44
Machinas a vapor
Moendas
Rodas d'agua
Taixas fundidas e batidas
o
FOLHETIM
@ Pa ii M Mlf A
POR
PEDRO DECOIIRCELLE .
TSBCSr FASTE
Attencao
Vinho verde de prime ira
quadade
Chamamos a attencSo dos apreciadores e do
respeltavel publico para este vinbo espec al e de
primeira qaalidade, escolbido na Europa exprs
smente para o nosso ara>zem ; c qual vende-
mos pelo diminuto prreo e 800 re. a garrafa on
9 500 a duzia.
HRoa do Catata.1
04QUIM CHRISTOVAO & C.
Taixas batidas
Aradoj.
sem
cravaeao

MOSQUITEIROS AME32.C&FC-
COM ARMADO 5 COB.DAO
iiccs m ralii a iip sei aiit
Loja e Irmsxem tos Estrellad
50 e 58 Ra Duque de Caxias 56 e 58
Telephone n. 210
NOVO ESTABELECIMENTO




Barato
Vende-se barato umR col-
lec^ao de 40 ps de c-otons
grandes e muito b nitos, to-
dos bem acondicionados em
vazilhas : quem pretender
diiija se a Olinda, Ladeira
da Ribeira obrado n. 28
Mercearia
Vende-se a denominadaArmazem Conserva^
tivocom pequeo capital, vende-se barato a
armacao ; no pateo do Terco n. 13.
Recebeu um lindo sortimento de
CAPOTAS
e rendas de cores e pretas para senhoras.
de r''',s e de palba para senderas e meninss.
de palha de seda para crianzas.
IMIPIOS ii rELfl
para homens rapazes, dos sabricantes FRANUEZEa, lM^ur.ZitS E ALLEMAES.
CHAPEOS
de seda para hornees.
GRAVATAS DE SEDA
FORMAS
de palha para chapes de senhoras e meninas.
3NfG3S3aAjaas
pretos e de cdreB.
Fitas, Gazes, Rendas, Veos, Azas, Passaros, Flore.
Plumas, Aigrette8 eGrampos
para chapaos e outros artigos de fatasia.
Ra do Baro da Victoria n. 42
M. LICIO MARQUES
Telephone n. 560
cndam!!
A LOJA CO POVO
Vende
Cortes de vestidos bordados, de linho,
Zephiro, e etamine, claros e escuro, por
20^000.
Cortes de vestido de cretona guarnec
Ido, com 10 metros a 55500.
Jerseys para caiacoB de senhora e roa-
pas para creanca.
La* para a 6000 o covado.
Etamices para mosquiteiro e cortinados
com 3 1|2 palmos de largura a 200 co-
vado.
< Continuar Ao do B. 149)
VII
MA CARTA ANONYMA
Observou entSo que a mSo estava ge-
lada e nSo correspoLdia ao seu aperto.
Olhou para Magdalena que, ou de pro-
posito ou sem intenc2o, voltra a cabeca.
NSo aohas que melhor irmos ao
encontr- d*estes senhores? pergoctou elle
a Magdalena.
Da certo.
Offereceu lhe o brago em que ella se
apoiou ligeiramente, e, seguidos de Mme,
Hardouin, foram ter ao jardim com seas
amigos a qne vieram reunir-se os diver-
sos hospedes do castello.
Entretanto, depois de alguns instantes
de urna conversa^So banal, depois da ha-
ver supportado as felicitacSes e os gra-
cejos de um gosto mais ou menos delicado
de seuB convidados, Corvol pedio licenga
para ausentar-se por alguns minutos.
Como exclamou o Dr# Bonardel,
negocio !... No dia seguinte ao casa-
mento !... O seo nico negocio por em-
quanto, mea caro Corvol, deve ser oceu-
Er-se de sua mulher 1 NSo pensas assim,
agdalena ?
Sim, de accordo, replicn Corvol
de accordo, replicn
mas trata se apenas de escrever urna carta,
um t-legramma.
Deixeo {aliar ; o enhor tem raao, i conversando alegremente.
interrompeu o Sr. Hsrdonin ; a elioidade
nSo deve fazer esquecer o dever. Ea, na
noite das minhas nupcias, att-s de entrar
no quarto nupcial, fui chamado para redi-
gir um testamento.
E foi 1
Com certea. E preciso notar,
ponderou o ezcellente homem, que esta
demora nSo fes senSo augmentar os dese-
jos de ir ter com minha mulhei. Tinha a
consciencia tranquilla e nSo vasta.
V mea caro Corvol, v tranquill:-
ear a sua col -ciencia, disae o Sr. Bguar-
de!, j que esta a opiniSo do Sr. Har-
douin. Corvol sandou sorrindo as pesBoas
presentes e parti em direccSo ao seu ga-
binete de trabalho.
E preciso, mormurava elle, qua eu
proye a mim mesmo que nSo sonhava esta
noite, quando julguei ver Roberto.
Sentou-se secretara e redigio um te-
legramma dirigido ao seu amigo do mi-
nisterio.
Chegando a respesta elle fiora tran-
quillo.
Se lhe respondesse como elle eaperava,
que o condemnado continuava as gales,
ou que estava morto, evidente que nada
tinha a receiar.
Tooou a campainba. Apparecen um
criado.
Tome, disse Corvol dando lhe o te-
legrama mettido dentro de um envelop
pe, v levar isto estacSo dos telegra-
phos em Charmerettes.
N'este momento tooou a sineta que an-
nonciava o almoco.
Corvol apressou-se em ir reunirse a o
seas hospedes, e, tranquillo, quasi alegre,
foi tomar lugar mesa.
O almoc.0 foi demorado, muito intimo,
e passou se sem incidentes.
O sol estava msgnifioo, o calor um
pouco forte. Tomaram o caf no terraco
euja
bre o grupo dos que conversvam,
alegra ruidosa nSo cancava.
SantiS-se morrer.
Entretanto preoisava reunir-se a el les.
Era preciso qae se conservasse impene-
tr.vel, e que nioguem suspeitasse das suas
mortaes angustias!
Alli, bem perto via a oapella cujas pa-
redes o sol dourava n'aqueile momento,
asendo brilhar os vidros das janellaa.
Fura fc.ll, qne, n'aquella mesma manhS,
ama puha, urna honivel puha fE digo le baca do da nasente, tinha mais
Corvol era, como se sabe, um brilbante
conversador.
Por urna especie de bravata, diverta-
se em provocar outra vea o douto Bonar-
del relativamente s maravilhas do hypno-
tBmo, aasumpto que, toda a gente o Ba-
bia, tinha o dom de excitar a colera e a
indignagSo cmica do velho pratico.
Sao todes uns charlatSes, est ou-
vindo, estes sena grandes homens, excla-
mou o velho furioso, e a sua suggestSo
pulha, porque esta a palavra que con
vm para qualificar as pretendas observa-
cSes BCientifcas d'esses saltimbancos que
Sretendem ter verificado phenomenos ri-
iculos e absurdos 1.
Toda a gente ria da petulancia do doc-
tor que readqairia todo o fogo da njocida-
de para protestar contra doutrnas subver-
sivas.
Ninguem ha via notado a horrivel palu-
dos de Magdalena, qne pouco a pouco se
havia afaatado sem que ningaem vbso, e
sentara-se, ou melhor, cahira em um banco
escondido debaixo de urna moita de ma-
dresilva em flor.
D'ahi ouvia Corvol, sen marido, affirmar
a realidade das suggestSes hypnoticas, ci-
tar factos, dar exemplos baseados sobre a
autoridade de nornes celebres.
Todos riam, todos negavam. Ella po
rom accreditava Estava convencida.
D'esta vez, essa cobvccSo apoiava para
firmar-se no sea espirito sobre a certeza
dos crimes qne ella havia commettido.
Um innocente condemnado Roberto, o
seu noivo, o nico homem que ella tinha
amado as g*ls !
E como consecuencia mm facto terri-
vel. Ti aba -se indusoluvelmente unido a
nm ladr&e!
Era mulher de nm assassino !
Lancava olhares furtivos, medrosos, so*
Fabrica d luyas
DE
Roa Bardo da Yictorla d. 65
Leja de quadros^
Madame Oerard avisa aos seus nume
roBsimoB fregueses, que recebeu de Para,
om grande e variado sortimento de pelli
cas de chevreaux, de primeira qaalidade
dea castor etc., ete
" fin
Royal Blend marca VIADO
Este excellente Whisky Escoces pre-
ervel ao cognac ou agurdente de oann
para ortificar o corpo.
Vende se a retalho nos m ores ara
sena de molhados.
Pede Roya! Blend arca Tlad.
cajo nome e emblema sSo regs trados pan
tot'do o Brasil.
BROWNS & C
Jf ____
urna vea sjfTrido aqaelle mysterioso po
der, caja existenoia o doutor negava e
Corvol affirmava.
A urna explosSo de voz deste ultimo,
ella voltou a cabeca e fiotou o olhar n'elle,
atreves da folhagem das madresilvas.
Ah I era elle ; era elle o assassino.
NSo poda duvidar por mais tempo.
Reconhecia-3 I
Soltou um grito e cabio inanimada.
Correram pressa e na oocasiSo em
que a levantavam o Dr. Bonardel affirmou
immediatamente, em voe alta, que nSo
havia motivo para sustos.
E', disse elle, conseqaencias das
emooSes de noivos. Alm d'isso o calor
intoleravel! D'aqoi a urna hora nada
mais ter. E' preciso apenar desapertal-a,
transporta! a para a cama e deixal-a ro-
pousar.
As suas ordens foram immediatamente
executadas.
N'este momento o errado a qsem Cor-
vol tinha confiado o telegramma apparecen
no terrajo. Traaia urna salva de prata
na qual estava eollocada urna carta e um
telegramma, e apresentou-:s a seu amo.
Este pegou nos dous enveloppes, e afas-
tando-se um pouco abri vivamente o te-
legramma :
f O condemnado Desroches, disse
elle em vos baixa, est vivo e em Non-
mea. Foi apresentado para perdSo do ul-'noa pesarosa a separajSo que devia im-
timo relatorio trimecsal. Riscado do qua-
dro dos adiados. Esperamos novo rea
torio. Se houver novidade informarei.
Um raio de alegra illaminou o rosto de
Corvol.
Tinha sonhado.
Roberto continuava em Nouma e esta-
va longe de voltar 1
Collocou o papel no bolso e olhou para
o subscripto da outra carta.
Lettra deeconhecida, envetappe cor de
rosa, fechado por um sinete de lacre azul,
sem iniciaes.
Que aera iaso ? disse elle comsigo.
Cheira a provinciana romntica. Felici-
tac"B polticas, sem duvida, por causa do
mea casamento.
Abri a carta, sorrindo com a sua idea.
A carta era escripia iguale ente em pa-
pel cor de rosa.
Corren aasignatura e leu.
< Urna amiga esquecida. >
E' o que eu pena t disse elle oom
um Borrso. Qae amiga ser es ti, e que
me da ella ?
Com um olhar rpido percorreu a carta.
Mas logo s primeiras palavras, fea-te
livido, e esteudeu a mSo para a balaus-
trada de marmore procurando um ponto
de apoio.
Oh! meu Deus .' murmnroa elle. Ser
possivel ?
VIII
A PROVA .
Com o face paluda, os labios brancos, o
olhar perdido em urna constante medita-
$5o, Corvol esforcou-se em vSo para res-
ponder aos gracejos que lhe dirigiam do-
rante todo o dia Mme. Hardouin, o Dr.
Bonardel e os outros hospedes do cas-
tello.
Procuravam diatrahil-o, tornar lhe me
Vende-se um cofre cam
pateo do Te go n. 23.
Cofre
pequeo defeito; no
Farelo de milho cj
Sacca de Oicilos
Imporaote (arelo para engordar anircae?. ra-
vallos e vaccas df leite.
34Madre de Dtns3i
Coimbra GniciarSes 4 Sobncbo
Cal virgem de Cotunguba
A primeira per sua preciosa composicao cbi-
mica para o fabrico do assucar, riquissima de
aes de potassa e soda, alaptavel perfeitamente
s expioragao da industria desabneles, etc. etc.
Superior a de Lisboa vende se cada barrica
com 60 Kilos a 8JOOJ. Unics deposito neata
aca, ra Duque de Caxias n. 6.
Vivam os noivos f
COSTUMES
p t - >
de Casaca | r- b CD<
de Crois 1 I i
de Frack
de Paletot e debrin? sr 3 BB ft - o D
g M " cu
Fabrica de geio
Igofts e limonadas gasosas i%
tedas as qoalidades
Soda water, ginger, ale, limSo, laranja, can
rao, abacaxls, granadina, grosellas, franbolaaf t
unilha, hortela-pimenta, etc., etc.
12-ACAES DO CAPIBARIRE-it-A
HSTBl'SEMOS DE MSICA
A Livraria Contempornea tem um deposito
completo de instrumentos de sopro e de corda
para banda e orebestra, a precoz muito razoa-
t is.
N. 2-Rua i.' de Marco-N. 2.
Ramiro M. Costa & O.
por ao noivo a indisposicSo de Magda-
lena.
Socegue! A doenca nSo grave,
dizia o tabelliSo. Urna simples enxaque*
ca NSo vos afiligeis por urna interrup-
93o de vinte e quatro horas no seu tete a
tete.
de mais o mundo nSo se acaba
hoje. E' horrivel pensar nisso I proce-
guia o doutor. Olhe pelo menos hSo de
viver jantinhos ans qaarenta annos. Essa
perspectiva que tem feito com que eu
nSo me tenha casado-
Corvol quera achar aquellea gracejos
maito espirituosos. Procura va sorrir, res-
ponder. Era-lhe impossivel.
Aquella carta em papel cor de rosa pe-
eava-lba no espirito, gelando lhe todas as
veleidades de indifferenca.
Aqaelle dia nSo acabava mais.
Suhio muitas vezes para informar se do
estado de Magdalena.
A criada responda-lhe que a senhora
estava descansando e que nSo se atreva a
penetrar no quarto.
Ao jantar Magdalena mandn pedir des-
culpa por nSo comparecer.
Corvol, sem duvida, para conservar o
bom humor que convm a um dono de
casa, beben abundantemente.
No salSo esforcoa se por ser amavel.
Insensivelmente a obsessao cruel que o
tinha perseguido durante o dia, apode*
rou-se de novo do sea espirito e quden-
se por vezes a scismar em um canto es-
curo.
Alm d'isso, todos os convidados retira*
ram-se cedo.
No dia segointe havia festa e as sc
nhoras principalmente qaeriam descansar
para apresentarem-se em todo o esplen-
dor de sua bellezi aos convidados que de*
viam vir de Vannes.
(Cortina >

1
%
/
~
"rrr
mi >*'
,, mi. 4i.......>)
' "'. "'