Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19619

Full Text
'
ANNO' LXVII


M

ERCA-EEJBA 20 DE SETEMBRO DE 1892
NUMERO 212
IEDADE DE MANOEL FIGEIROA DE FARA & FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA
Por tres mezes adiantados. 6&000
Por ties ditos vencidos g 7$OOO
Por am anno aiiantado .... 24$000
dem idem vencido.....* 28&0G0
o>
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PUBLICAC0ES NA FRAN-
CA E INGLATERRA
Os Srs Amede, Prinee & C, residentes em Paris34 rae de
Provence.
PARA* OS LOGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por seis mezes adiantados.
Por seis ditos vencidos.
Por um anno adiantado.
dem idem vencido. .
13*500
i51500
27*000
31*000
TELEGRAMAS
UfiTgfl PASTICLAS DO SIASIO
RIO DE JANEIRO, 19 de Setembro,
a 5 horas da tarde.
Fui Horneado 2." escrpturario da Alian
dega do Para o Dr. Felippe LopeB Netto.
Foi nomeado praticante da Thesou-
''raria de Pernambuco, Rodolpho Figairedo
Menezes
Foi annullada a remocao de Ghristo
v?.a de Barros Reg.
O chafe de polica remetteu ao tri-
bunal competente o inquerito a respeito da
noticia dala pelo JornoZ do Commercio so-
bre os niekcis falsos.
O inquerito termina ponderando que o
redactor do referido jornal, Dr. Carlos Ro-
drgaos incidi no art. 316 do Cdigo Pa-
ul.
A amara dDs Deputadcs nao acei-
touja renuncia do conselhek o iatta Ma
chado.
Esta mesma casa d Congresso ne-
gou a urgencia solicitada pelo deputado
Dr. J. Joaquira Seabra para apresentar
urna in^icacao sobre o crdito moral e so-
cial da Repblica.
Este deputado, porcm, fallar amanbg
na hora do expediente.
PARTE OFFICIAL
overo do Estado de i*er-
onusbaco
EXPEDIENTE DO DA 8 DE JULHO DE 1832
Aclu :
O governador do Estado, tendo em vista os
requ^.-imentos de profesaores do Gymoasio Per-
namoueo. Drs. Jos So-iano do Sonza, Jos
Diniz Brrelo e Manad Cesario da Silva 8rasi-
ie>ro, sobre os quaes veream a* informages
Je 26 a 29 da Abril ultimo do re3p c.ivo rege-
dor ;
Considerando que ei verdade qne o art. 73
a Coa;li'.aigo Federal prchibe as accumula-
fiOsi r< muoeradaa nao o menos que o art. 7i
Ja mesan Constiioigao grauta eaitada sua ele-
oitu le os cargos najioviveis ;
Coas'.d: raouu que a le fefleratn. 18 de 8 de
iro deste ainn explicativa ao citado art. 73
ex ;- la probtbicau de accn-nuiacSes os car-
gos de ordena prcfissioaal e scientilic, entre os
qaues eitao ineoniestavelaiente ncuidos 03 do
magist ro publico ;
Considerando que, ei mo grado a clara ex-
COj [ o que a ei federal n. 28 estatua se honve-
applical-a ao caso de accumulago de car-
gos do magisterio eatadoal e federal, tal applica-
gao B pelu gOTerao fi de ral poderia ser feita para
.i de serem pn vados do cargo federal os
la .; :;o:.j,noa de que trata a portara de 13 de
Abril ultimo ;
Consitarando que visivelmente forgada a io-
terpreiago que essa portara u as disposiges
da c.ta le; qoer distiaguindo casos excepcio-
naes oade ella nao distingue, quer admittin lo
nmi reeiprocidade de que essa le nao poda co
Rilar, po:s cao poda ser intuito do legislador
federal decretar a perda de cargos e3tadoae3 o
qa.- _a escluva competencia dos poderes lo-
caes ;
Coaoiderando que a le federal n. 42 de 2 de
Junno do correte anno iada mais claramente
confirma os direites adquendos pelos fsocciona-
rio' dispensados por aquella Donara ;
Considerando que em .sta dos decretes de 9
e 15 de Janeiro de 1891, qoe rtvogaram a le n.
132J e os ar:s. 222, 23 e 224 do reguiameato de
18 de Janeiro oe 1888 naaa prohiba aqneiles
fuacciouanos de acctitarem os cargos federaes
em qoe fo.-aui investaos ;
fte.-olve coasiderar Bem efieito o acto de 13 de
Ahr! ultimo pelo qual foram dispensados os pe
uuouarios dos cargos de professores, o Io da ca-
deira de pni!o3ophia o 2 aa hngua nacional e o
3o da de historia do Braz'l do Gymnasio Pernem-
becano.iommunicou se ao regedo: do Gyaona-
io Pcraanbucano.
O governador do listado resolve remover,
per convea.eocia do servido publico, a professo-
ra Felisfiella Amalia de Mi.auda da 2" cadeira de
ensiDO inicio deLimoalro para o ae igual ens'-no
de Bongy, na f;eg ta de Nossa SenSpra da Paz
de AfogadOb, com os vencimedos que actualmen-
te percebe.
O governador do Estado resolve noruesr a
altitona me3ira titulada pela Escola Normal Pran-
cifca Hermelinda tie Albuquerque Vascoacellos
profpssora publica efectiva da cadeira de ensi
no orimano do eex? feminino da Gloria de Goi
t ccrij os vencimeutos e 1" entrancia.Fize-
ram Be s necessarias communic?5ei.
O governador do estado, atiendeno ao que
requereu o promotor publico do municipio do
Brejo, bacaarel Francisco Martiniano de Sooza,
resolve coaceder-lbe tres mezes de licenca com
os veacimectos a que tiver direiio na forma da
lei, devecdo o peticionario entrar no goso da
ttesmi licenca no prazs de 25 dias.
governador do estado, attendendo ao que
requerij o promotor publico do municipio de
Cimbres, bacnarel Jos Coelbo da Silva, e tendo
em vista o attestado medico exbioido, resolve
prorogar por 8 das, com os vencimentos a que
tiver uireito na forma da lei, a lice caque ooleve
ltimamente para tratar de sua saude.
OOicios :
Ao governador do elado da Babia.Teabo
a satisfacao de 6ubmetter a vossa consideragao
epia do of&cio que em 20 de Juabo findo dirig
ao Sr. ministro da fazenda, referente a circular
n. ii de 24 de Maio ultimo, a qual declara aos
befrs das -epartices competeates, que pertence
renda federal o imposto de transmissao de
propnedade, cobrado pela compra e venda de
eriiSarcacOea.
Mntntis muandts a todos os demais gover-
aadores e presidentes.
Ao inspector da Tflesourari de Fazenda.
Pego que informis sobre o assumpto de que
trata o offirio junio do escrivao do arcbipelago
de Fernando de Noronba de 18 de Atril ullimo
e demais papis que o instruem.
Ac inspector do Thesoaro do Estado.De
aceordo com a voesa infrmagao n. 586 de 5 do
orreoteraez.e emvista.to arl4idjregu:ameDto
de 8 : Narembro de 1873, aulorso vos a man-
darec abonar ao enouBaD laole du corpo policial,
fne Reara abrigado a prestar opportunameole as
necesearia: coatae, a quantia precisa para occor-
rer s despezaa de momento, exigidas pelas re-
petidas eahidag do pragas em diligencia para o
i^irior,Cori!maDicou-3e ao commandacte do
cerpo.
Ao meamo. So i termos da vo.isa infor-
rcacao n. 551 de 27 de Janba fiada dero r.esla
da'.a o requerimeoto em que fre Paulino da So-
iedade peda o pagamento do aluguel da parte do
convento de Sanio Aotoaio onde se acha aquar-
lelada a forga policial, na razio de 25 saes, a cootar de i de Jul'io de 1891 em diante,
pelo que mandare escripturar a parcella de
1503000 concernents aos mezes de Julbo a D3-
zembro do citado ai no e paga- a de 125000
correspondente MM mezes de Janeiro a Mal J ul-
timo.
Ao mesmo-Em respi&ta ao offir.o desse
Tbesouro, n. 393, de 18 de Maio ultimo, recora-
mendo que vos enteodaes com o comm mdanls
corpo polica' e fagis, de accordo com elle, as
restriegues que forem pos?ives, sobre o pedido
aqu junto, de moveis e oatros arigos para o
referido carpo nma vez qce excessivo em re-
ferencia a alguna delles submettendo depois o
mesmo pedido consideragio deste goveroo
para poder resolver sobre o assumpto.Remet-
eu-se copia ao commandante do corpo.
Ao inspector geral de trras e colonlsagaa.
Pego vos que informis com urgeacia sobre o
ussumplo da reclamagojuma de dlverso3 mora-
dores italiano? da Colonia Suas?una, dsvolven
do-a opporiooamente.
Ao director do presidio de Fer^andi de Nj-
ronha.Conforme solicita o ministerio da guerra
em aviso de 30 de Junbo Rudo recebei nesse
pr-sidio os ex-soldados do exerci'o Manoel
Francisco Vieira e Francisco Antonio de Oliva i-
ra os quaes se acbam cumoido seu"> r-g i na
penitenciaria do Estado da B hia.
Ao mesmo.Exped vossas ordens aBm de
que sejam remettidas para esta capital, na pri-
meira opportuoiiade, as 13 correntes e 26 mani-
Ibas que ac3mpanbaram o presos que saguiram
para esse pre.-idio no vapor Puris
Ao mesmo.-Fazei regressir na primeira
opporiunidale para es'a capital o sentenciado
Manool Manaoao do N seimento, sob n. 876,
fien de responder ao jury no municipio de Pa-
oellas, cauforme solicita o juiz de direito do 2*
districto crimio&l umofno oe 5 do -orrente,
sob n. 182 Commuoicou se ao ]uiz do 2" dis-
tricto criminal.
Circular:
Ao? juizes de direito e prefeitos de muni-
cipiosSendo da maor canreaiencia que e3te
Esta 1j aprsente Da expo3igao de Chicago pro-
duc-tos de arte e nateraes, pe;o ?os que envidis
todo o esforgo em remetteraes commissao cen-
tral uesta capital, com a maior-brevid?de os es-
pec'mens de artefactos, fibras, madeiras, etc.,
qne nena possam Rgurar.
Ceno este goveruo deque aceitareis seme-
Iban'.e incumbencia, desde J se conle-su pe-
rborado pelo bom xito de tao patritico empe-
nbo.
EXPEDIENTE DO DB SBCBSTABIO
Cfficio3:
Aos secretarios dos gavernos d03 Estados.
Comaounico vos que em data de 2 do correte
as>jutni o exercicio ao cargo de secretario inte-
rino do governo deste Estado para o qual fui no-
meado na mesma d .ta.
Aprsenlo os meus protestos de estima e con-
sideragao.
u governador do Estado manda communi-
ear-v que asedio ordem no sentido de ser-vos
abonaa pelo T.'sonro do Estado a qoamia de
3 O00000, oara es Rus coavenientes de vosso
oincio u. 193 de 2 do correte, Rcando \< ob-i-
gado a prestarJrs opportunameBte as coalas re-
lativas a referida quantia. Ofliciou-se ao inspe-
ctor do Tbesouro.
Ao inspector do Theouro do astado.D?
ordem ao governador uo Estalo communico vos
que h 6 jo correte mez o bacharel Benedicto
Teixeira tata, juiz de direito do municipio de
Boa Vista enlrou no goso da licenga qoe oDteve
por portara de 5, tambem do corrate
Ao Dr. procurador geral do Estado.De
ordem do Sr. governador do Estado transmuto-
vos em resposta ao vosso offi.-io de 27 de Julho
Rndo copia do telegramma da ministerio dos ne-
gocios d; justiga, datado de 4 do correte.
ko juiz de direito de Caruar.De ordem
do Sr. governador do E.-tado, recommendo-vos
que prestis, com urgencia, a iaforrnago exig-
ua em 1. do correte mez, com relagao ao as
sutapto dos ofIic;-'S que vos foi remmettido, e
que devolvereis de 20 de Julho Rndo dos jaizes
oe direito e municipal d9 Bezerros.
Ao Dr. Francisco do Reg barros de Lacer-
da.O Sr. governador do Estado pede-vas que
eavieis a esta secretaria a eacriptura de compra
da propriedade Consulta com que o engenbeiro
Alfonso Lustosa instraio a petigo em qoe solici-
tan o auxilio para a fondago da usinaLustosa.
Esse documento vos sera opporiunamente devol-
vido.
Sr. agente do L'oyd Brazileiro.O gover-
nador do Estado manda aecusar a recepgao do
ollioio em qoe commuaicaes terebegado hoje dos
partos do sol o vaaor Brazil que seguir para
os do norte amaaba, as 5 boras da tarde.Com-
muuieou-ae a directora da agricultura.
Portaras:
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passageas, por coa-
ta do Estado, em carro de 2.* classe, da eatago
de Gaicelleira a da Cinco Ponas a 3 presos e 6
pragas, sendo para estas de viuda e volta, con-
forme solicita o Dr. queator policial em ollieio de
boje sob n. 866.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Becife ao Limoeiro d passagens de ida e vol-
ta, per conta do Estado, al Nazaretb em carro de
2.a classe ao sargeo'o da guarda local Pedro Leo-
poldo Darae?, conforme solicit o Dr. qoestor po-
licial em ofcio de hoje sob n. 869.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passagem, por con-
ta do Estado, da e3tagao de Cinco Ponas a de
Palmares em carro de 2.* classe, a um sargento
do respectiva guarda local, que para alli regres-
sa. conforme solicita o Dr. queator policial em
ofli-'io de boje sob n. 867.
DESPACHO DO GOVBRNO DO ESTADO, DO
DA 17 DB 8ETEMBBO DE 1892
Casemiro Vieira de Mello, pedindo pa-
gamento de vencimeotosDeferido com
officio de hoje ao inspector do Tbesouro
do Estado.
E. L. Bing, gerente da estacSo tele-
graphica estacionada no Presidio de Fer-
rando de Noronha, psdindo licenca para
embarcar gneros para o mesmo presidio
Providenciado.
Frederio Colamb no da Silva Guima-
rSes e outroa Informe com urgencia o
inspector do Tbesouro do Estado.
Jos Feliciano Bezerra de Aguiar, pro-
fessor publico, pedindo 6C das de licen-
caSim, com ordenado.
Jos Nones de QueirozInforme o
inspector do Thesoaro do Estado.
Joo Gomes Carneiro Informe a Inf
tendeada Municipal de Goyanoa.
Jo.quim Mauool de Oiiveira e Silva,
pro'essor publico jubilado, pedindo para
ac- computada sua jubiladle a gr&tica-
93o de mrito a que ae julga com direito
Informe o inspector geral da InstracjSo
Publica.
Leobina de Barros Lina e Silva, pr->-
-essora publica, requerendo gratificc3o de
me-itoInfi. me o inspector do Theaouro-
Manoel Cl-mentino Correia de Mello
Informe com urgencia o engenheiro di-
rector gera' das Obras Pablicas.
Maria Por&ria do Espirito SantoIn-
forme o director do Presidio de Fernando
de Noronha.
Maria Antonia de ConceicSo, pedindo
para ser eocaminhada nn>a ana petigao ao
Sr. ministroJ'da goerraRequeira a quem
competir.
Maria Marcionilla Pereira Lima, pro-
fesa ora publica, pedindo as grat.fcagSes
de mrito e de ooas sf.rvigos a que se
julga com direito -Informe o inapector
do Tbesouro do Estado.
Secretaria do Governo do Estado de
Pernambuco, 17 de Setembro de 1892.
O porteiro,
Hemeterio Maciel da Silva-
Com mando das Armas
Qaartel general do Commando do 2 dia-
tricto militar em Pernambuco, 18 de
Setembro de 1892.
Ordem do dia n. 40
Publica para os fios convenientes que
foi posto a dispoaigao do Sr. governador
do Estado, o Sr. Io tenente de artilharia
Jos Florencio de Carvalho, conforme de-
clarou-me o Sr. ministro da Gaerra, em
telegramma da 11 deste msz.
A' vista do tormo da inspeccSo a que
foi aubmettido o Sr. 2a cadete do 2' bat i-
IhSo da infantera Leopoldo Fernandos de
Albn^uerque Lima, concedo lhe a contar
do 16 do corrate, tres mezes de licenja
p&ra tratar de sua saude, devendo ter alta
do hospital militar, de accordo cam a opi-
mSo da junta.
Transliro, a pedido, do2 para o 34'
batalhao de infantera o msico de 3a cUs-
se Francisco Salles de Maria, correndo
as despezaa de transporte por sua conta.
(Aasigaado) Roberto Ferreira, general
de brigada commandante do 2- distrcto
militar.
Est conforme.Gustavo GalvSo de
Cavendisch, alferes ajudante de ordens
encarregado do detalbe.
cuestura policial
Secgao 2a. -N. 215 Secretaria da
Questura policial do Estado de Pernam-
buco, 19 de Siembro de 1892.
OidadSo. Partcipo-vos que forem
recoli.dos ^Caja de Dotengo os seguin-
tes individuos :
No dia 17 :
A'ordem do subdelegado ra freguetia do R
ciie, Mara Magdalena, por ofensas a moral u
blic i; e Joo Francisco da CosU, por disturbios.
A' ordem do subdelegado da freguezia de San-
to Antonio, Aristbeu Ferreira de Carvalho, por
crime de ferlmentos.
A' ordem do subdelegado do Io districto da
Boa Vista, Guinello ou Gullherm? Francisco da
costa, por embriaguez, diaturbioa e offeusas
moral publica.
A' ordem do subdelegado do districto da Tor-
re, Simpbronio Antonio dos Santos, como gatu-
na.
No dia 18:
A' ordem do subdelegado da fregueiia de
Santo Aatanio, Jos Guilberme e Antonio Mala
quas, coma gatunos.
A' oraem do subdelegado do 2o oislricto da
Boa-Vista, Ernesto Pi de Mello iaa3, como des-
ordeiro.
A' ordem do soodeleg?do do Pogo da Panea,
Cosme Jos Damiao por embriaguez e diaturbioa.
Communica o subdelegado do 1* districio
da Boa-Vi3ta que hootem uenhua ncidenie des-
agraaavel se deu na testa realisada no hospiul
Portugoez apesar da grande concurrencia de
pessoas que all afUu am.
As torgas da euarua local e do corpo de poli-
ca, commanJadas esta pelo alferes Jos Nahuco
de Araujo Veras e aquella pelo sargento Mumz
Tavares e Manoel da Silva Carnero, presta-am
bons servigos, auxiliando efficazmenie a autori-
dade policial e bem ssim o tenen'e commisa
rio Bento Luiz de Carvalho, o cabo do 4* po3to da
euarda local e a praga Manoel Rozecdo di Sil-
va.
Hontem, s 11 horas da minha, apresen-
too se no estabeleciaae ito de branles & C,
ra do Bom Jess, da freguezia do Recife, um
menor coao um bilets aasigaado por Fraocisco
Ignacio Pinto, pedindo quelles negociantes que
loe mandassem dous q nejos 11 i engos.
De3conliaodo Abrantes que a assignatura da
bilbete era falsa, ioterrogou a respeito ao ailu-
dido menor, que declarou telo recebido da mao
de Belmiro Manoel dos Santos, qne se acbava
um pouco distante do estabelecimenio a e3pera
dos queijos.
Lavado o facto ao conh'Cimen'o da autoridade
policial, foram dadas aa necesjarias providen-
cias para a prisao de Belmiro, a qual foi effe-
ctuad incontinente, sendo elle recolmdo Casa
de Detengao.
Contra o delinqoente procede-se nos termos
da lei.
Na manba de 17 do coirente, por ac:aso
de fazer-se a fachina da cadeia do maaicipio de
Garanbur, os presos em numero de 6 e urna
praga lnsistiram contra o carcerelro e 4 solda-
dos que o acompanbavam e conseguirn) eva
dir-se, levando duas carabinas qua se acbavaai
no quartel.
O commissario e o sub-comniasario da guar-
da local seguiram em perseguigao dos fugitivos,
um dos quaes ja foi capturado.
Hontem, a tarde, no districto de Tigipi,
travaram lucia 03 individuos de nomea Demetrio
Archanjo e Joo de tal, conhecido por Joao Mo-
chila, resultando sabir aqoelle levemente ferido.
A tal respeito pro:ede-se na forma di lei.
Hontem. & iO boras da noile, aprasentou-
se no quartel do 4 posto da guarda local urna
patrulba de soldados do 14.* batalhao de ofan-
tarla conduzindo o individuo denome Hercul.mo
Jos do Espirito-Santo, a quem havlam prendido
no lugar denominado Cisco, como desordeira e
por se acbar emOriagado.
Diaeodo Her-ulano ao subdelegado do 1 dis-
tricto da Boa Visla que se acbava bastante mal-
tratado, mandou esta autoridade vistor-alo. e
verificando se da corpo da delicio ter elle rece-
bido diversos 'e-imentos graves, sobmetten o a
auto de perguotas arlti de pro:eie* de accordo
com a lei contra os deliaquentea.
A tal respt.ito dirijo-me nesta data ao general
commandante do 2. districto militer.
Em resposta ao offiua que em data de 17
do correte diriei ao subdelegada da freguezia
do Recife, com relagao ao que noticin a < Gazeta
da Tarde, > na sua ediccao de 16 deste mez
terem tres prags da guarda local, na noite de
6 desle mesmo mez, s 11 horas, nao s espan-
oado brbaramente ao subdito portugoez Agoa-
tinio de tal, como lambem penetrado em um
estabelecimento, onde arrambaram babs ega-
vetaf. levando com3igo lodo dinheiro que encon-
trar...:, informa a referida autoridade que com
effeilo foi o mencionado Agosnbo espancado,
nao sendo, entretanto, exacto que tivesse havio
arrombameuto em novel algum nem subtraego
de dinheiro, conforma atiesta o proprio Agosti
nho-
Accrescenla a dita autoridade que o espanca
ment de Agosiiabo nao teva lugar em seu esta-
belecimento, como diz a , mas sim em
urna casa onde elle reside em companbia de oa-
tros individuos de pessimo comportamento eqoe
vivem a praticar diariamente conflictos e dis-
turbios.
Entretanto logo que se deu o facto foram as
pregas recolbidas aa xadrez e vistorlado Agos-
nbo, cojos ferimenios foram considerados leves
pelos peritos.
En data de 17 do corrente o tenente Joo
da Silva Q'ieiroz assumio o exercicio do cargo
de commiasario da guarda local do municipio
de Iguarass
Taabem em data de 13 do correte assumio
o exercicio do cargo de commisjario da guarda
local do municipio de Goyanoa o tenente Sebas-
tio Mendes BandeiraGaimares.
Entraratn em 9xercicio as segointes autori-
dades polidacs:
N> da 17, tenente PorphirioPoppe Giraa.snb
delegado do I* districto de S. Jos; Pedro S tyro
de Salles, subdelegado do districto de Tig 016
do municipio deJaboato; e Jos* Luz de An-!
drade Luna, delegado do municipio de Bom '
lardim.
N)Uialo,J)s Alves da Silva, subdelegado
do i' districto do municipio de Garanbuos ; e
Ajostinbo Jarg districto do referido manicipio, na qualidade de
1' supaleate.
Ni dia 13, J >s Antonio Casar de Vascoocel-
!os e Slelh.ano Eleul rio da Silva, subdelegados
do l* e 2 diatrictos do municipio de Po-d'Alho.
Na dia 7, Bnalmente, Satyro Ferreira Le,te,
ielegado do municipio de Pes ineir.i.
Constando de Dubcafj insera na Ga-
zeta do Recife de 17 do correte, sob a epigra-
phe Tigipi, que no quartel do destacamento
alli estacionado ha jogaiina desenfreiada a que
concorrem pessoas ioexperientes que, alm de
perderem horas e horas, sabem depenadas, sa-
enfteando seos patrO?s e familia, nesta data re-
cotamenlo ao subdelegado respectivo qoe me
Informe com urgencia a tal respeito.
Ao commissirio geral da guarda local re-
rommendo que providencie no sentido de serem
fornecidas ao quartel do 4" pasto dez barras pa-
ra dormida das pragas.
Ao Dr. Aloxandra Jos Barbosa Lima
muito digno governador do Estado.
O Questor,
Julio de Mello Filho.
- 5555inES"
'CUcsonro da Estado ds Per
namboco
DESPACHOS DO DIA 19 )E SETEMB30
DE 1892
Bacharel Arthur da Silva Reg, Banco
da Bolsa, Candido Alves da Fonseca e
outros, Frunciaco Laite Nogueira Paz,
Joaquim Francisco du Miranda, bacharel
Lu>z Salazar da Veig.i Pessoa, Nicas da
Silva GnsmSo, Pereira Carneiro & C,
Sebustio Bezerra de Albuquerqne e Sou-
za Nogueira & C.Informe o Ir. Dr. con-
atdor.
Easdine Gonc.Jve3 Ferreira de Luz e
outros.Heja vista o Sr. Dr. procurador
fiscal.
Clotilde de Oliveira e outroa e Ray
mundo Bernardo Lasserre.Uertifique-se.
Francisco Tavares da Rocha.Informe
a Seejo do Contencioso, o quo existe
om relacSo a fiaega.
Qraciano e Lenidas.Informe o Sr.
Dr. administrador da Recsbedoria.
Marianno Tavares LeSo.Informe o
Sr. collector de Cmara.
Casimiro Adolpho & C. e Jo2o Baptista
Lima.Remettido ao Sr. porteiro para
entregar as partes ioteressadas.
neceaeduria du Estado do Vrnarj.
buco
DESPACHOS DO DIA 17 DE SETEMBRO DE
1892
Dr. Joaquim Jos de Miranda, Ray-
mundo Bernardo ae Lassere, berdeiros de
'ranciso Piuta de MagalhSes, Gaspar
Jos de Mello, Gaspar no das Santos, Cor-
reia do Araujo, Faustina Josepha da Con
ceic3o, Antonio Secnndino do Monte.A'
directora da Associacao Commerciel.
Informe a Ia secfSo.
Af aso Augusto de Britto Taborda.
Oertifique-se,
18
Jos Francisco dos Santos, JoZo da Sil-
va Alencar o Manoel Ferreira.Idforme
a Ia secyao.
Generosa Francisca da Concsic^o.
Certfique-se.
Inspectora Xi'ial da limlrui'ro Pu
blica do Estado de Pernambuco
DESPACHOS DO DIA il DB SETEMBRO
DE 1892
Maria Marcionilla 'Pereira Lima.Ea-
caminhs ac.
Leobina de Barros Lina e Silva.En-
caminhe-sa.
Francisca Amelia de Albuquerqae Pra-
zeres.Encaminhe-se.
Loarengo Guedes Alcoforado.Enca-
minhe-se.
Francisca Luduvina Ribeiro Bacsllar.
17^
Custodio Jos da Silva Pessoa. Cum-
pra-so e registre-ae.
EXTERIOR
EUROPA
Franca
O S". C'.rnot. presldenie"da Repblica, acotn-
panbalo de vanos altos persoafgen.i politices,
deizou a capital a 3 pel maoba. para dirigr-se
a bambe.ry, departamento da afta Saboi, afira
ce presidir "as grandes featas que se celebram
nes'.e momento nc-ssa cidade, em commemora-
go do !- centenario da reunio da Saboia
de FraBga.
O Sr. de Freycmet, ministro da guerra, e o
Sr. Ribot, mroistro dos negocios estrangeiros,
que acompanbam o presidente da Repblica, che-
gara a na manb de 5 a Aix-lea-Bjius, localida-
d-- vi-mlia, onde fizeram nma visita ao Sr. de
Gi.'ts. ministro dos negocios estrangeiros da
Rusi.i, qoe se acha desde algum tempo nesta
eslagao ibe mal para restabelecer a sua sa e.
A palavras trocadas entre os tres emiaentes
homens de estado exprimiam a mais cordial s;m-
patb'.a.
Grande numero dedeputadose senadores igual
mente partiram para assisiir s testas de Cbam-
bery, onde Ihes ser oflVrecido um grande ban-
quete poltico, ebegando ah 'ambem milbares de
pessoas procedentes de todas as direcgOea da
Franga para tomar parte as mesmas fesias.
A populago de Cbambery fez enlhusiastica
recepgao ao presidente Sidi Oarnot.
As feetas [correram ,'entbusiasticas em suas
variadas mnnifestagoes, com grande animagao e
brilbaatismo inimitado.
' S. M. Jorge I, re da'Grecia, cunhado do
Czar da Russla, que acl almeote fas uso das
aguas em Aix-les-Baios, eatagao tbermal sitala
perto de Cbamberry, dirigise a esta ultima ci-
dade para as3istir aos fe tejos do centenario da
aanexacio da Saboia Franga.
O Sr. Garnot, Presidente da Repblica, apro-
veitou o ensejo Jpara fazer urna visita acuelle
Boberano.
A entrevista foi das mai3 cordiaes.
O preaideute Carnot regressou a Paris, e
_'-ad ",rii i populrgao da Saboyi as attengOes
com que alli foi cumulado duraote a sua excur-
sao.
Tam em chegou a esta capital, da volta de
Aix lea Baias, o rei da Grecia, que na dia 9 visi-
tas em Fontaiaebleaa ao Sr. Garnot, o qual a s turno lbe retribuio essa fineza por visita que Iho
f z no dia subsequenie.
A imprensa republicana defende acalorada
e entusisticamente a reeleigSo do presidente
Garnot.
A eleigo desse presidente da Repblica Fran-
ceza, resultado de nma crise singular da poltica
de sen paiz, foi ao mesmo tempo a sua solugao
mais prudente, coico o tem a p-aMca demonstra-
do; po8 o governo desse notavel cidado tem
sido a melbar garanta para a e-tabibJade das
inotitnigSes republicanas.
E de facto, durante este periodo, verdadera-
mente fecundo para a Repblica em Franga, mul-
tas diffi:uldades teavse vencido, muitos proble-
mas temerosos resolveram se por si mesaaos no
nada, e nao ioqui<:am por ora a raz pnDlica ; e
outros, quer pela influencia oe causas interna?,
quer ptla aego Ce torgas ex'eriores, encami-
nham S para urna setugao moderada.
I) sorte qoe, posta de i arte aquestao do anar-
cbisito, qu; urna molestii epidmica de que
soffre a Europa inttira actu.lente, e a perspe-
ctiva de nma guerra qoe a nagao parece antes
desejar qne temer, pode diaer se qoe a Franga
nao tem graves apprehenaoes sobre o seu fu uro.
E', ponanto, natural que, rio bavendo Beos
descontentamentos contra o governo actual, sur-
gase a idea da rele ?o do actnal presidente,
que ..o i tanta correcgSo, prndenria e firueza
vai carrespondendo confiaaga nao e dos que
e elegerara, mas lamb-iui da nago. qu^ apoia o
seu govemr, sendo qne a ideada reeleigao, nes
tas condices, talvez cooquiste fcilmente os ani
mos, porque na^amais ju3iiticnv?i do qne prefe-
rir-pe a permanencia e um goveroo, cujas qua
iidauKS excellentes esto ja provadas, o'um pe-
riodo que nao muito corto, s incertezas e s
duviias do 'lesconbeciJo, tanto mais quanto,
neste3 doua ltimos decennios da sai ultima re-
pblica, so a^ora a Franga encontrn mais torga
e mais ccarianga no poder presidencial.
Um cidadoo iue preencheu dignamente o pe-
riodo do seo goveroo. reassuiiodo o por um
acto espontaneo dos representantes de sua oatria
v nesta coofirmagao ae contiaoga nacional mais
nma rtsponsab liaade seria, q-;.e se ajunta ao?
eens deveres da patriota para robustecel 03.
E' isto o que garante o exit > dos que recom
meudam a eleigo de Sadi Carnot; e esta nao
deixa de ser para a Frang orna necessidade na
conjunciu-a presen'^, qnindo urna poltica nao
rieve 3er oierrompua na marcha que se lbe tem
aberio, qua do um nome mesmo torna se a ga
rantia da prospendade publici, anda que hsja
quem negu a influencia das Individualidades
sobre o desenvolvimemo das nagOes.
Recressou a Roma o noncio ap03tolico
acreditado junto ao goveruo francs.
A imprensa republicana noliciaido as brilban-
tes decoontrg-s populares a esquadra f.-ance-
za. em Genova, recorua as glorias navaes e mi
liiarts da Pranga e da Italia e diz queepera
qi'.e as duas n.g'S anda cooperem alliada3 em
pro! da liberdde e progre3so bu uaoo.
Igualmente a impreosa franceza e todos os
joroaea italianos raostram-se nteiramenlc sais-
feitoa com a grande pacifica manifestagSa feita
ao reprtsin ante da Franga.
Vai ser adoptado na osqnadra franceza um
novo canho inventado por ofbciaes de marinba
la repnOica ; e foi inaugurado o cabo telegra
pblco entre a Franga e A'gelia.
Acaba de ebegar a Pina o embaixador
francez em S. Pete-sburgo.
Diz-se que a vinda do ulustse diplmala pren-
de se a concluso de um trataao de commercio
com a Rossia.
O irem correio no dia 3 do correte foi
saqueado em Monlbard, fugioao os estafetas.
A3 malas condnziam valores consideravei?.
Igooram-se ainda quaes 03 dres.
Segundo as fo'bas mais autorisadas, o in-
cidente Oe Tnger nj leve a gravidade, qne ee
lbe quiz attnbuir.
Uno solaado marroquiao tentn simplemente
esp ular o cavalto,qoe o ministro montava, mas
o roldado ignorava a qualidade do cavalleiro.
Logo que soube do caso, a autoridade militar
deu todas as satlsfagGes ao offendido e casligen
severamente o soldado.
Foi condemoado a 20 aonos de trabalbos
pblicos Greniel, o empregado da secretaria da
marinba, aceusalo de baver vendido segredos
militares ao capito Borup. ex addido militar da
legago dos Estados-Uaioos ne.-ta capital.
Effcctuou-se com socego a abertura dos
conse'bos geraes.
O Sr. Loubet, preHidenle do conseibo e miois-
tio dos negocios do interior, foi eleito presiden-
te do conselho geral do Drflme.
Um dos chetos do partido realista francez,
o Mrquez de Breteuil, acaba ce langar urna car-
ta a03 secs eleitores, na qual os avisa de qae se
retira da viaa poltica. Motiva a ana resolugao
o ter Sua Santidadc recommendado aos partidos
moacrebicos francezes que aeconformaasemcom
o rgimen republicano e cooperassem lealmente
na sua consolidage.
O Mrquez de Breteuil oao contesta a sabedo-
ria poltica do3 conselbos de Le&o XIII. Oizso-
menle qu? a soa dignidade pessoal uau lhe con-
sentira a converaao repblica, e que, em todo
o caso, tendo um tao longo passado realista, de
pouco Valeria a sua corp ?ragao n'um rgimen a
cojos olbos seria forgosamente soepeilo.
Na imprensa franceza, sem distincgo de
nuance, presta-se geral bomeaaf^em ao tom quasi
ca'aiheiresco desia carta, escripia com tiualga
altivez por um fiel ao ihrono, que nSopode obe-
decer ao Papa sem mentir ao seu passado polti-
co, nem deaobedecer-ine aem t.-ahir as soasen-
vicgGes religiosas.
O Mrquez de Breteuil innegavelmente da
escola do defamo Conde de Chaxbord.qne pre-
torio o exilio perpetuo a transigir com os adver-
sarios do pavilbo branco.
E' a escola a honra, j que nao pode ser a
escola da victoria.
E' particnlaraaente interessan'.e o caso de que
no? ocenpamos, porque conatitue nma ligo e
om ensinamento a todos os monarcbcos da ve -
Iba rocha qne se acbam em siiuago idntica-
Para os ebefes da opposigo anti repcolicana,
o demma o meamo : ou a adheso franca e
ioteira repblica adbeso que repugna aos
sena precedentes, ou o recolhimento vida pri-
vada, o abanlooo d urna locta nao somente vS
einniil, seno de algum molo impa, poisqu"
conatitue um acto de desobediencia -= exhorta-
gOes da Santa S.
O exemplo ser seguido, provavelmeote, e os
veteranos dos grupos legitimistas, orleanistas e
booapartiatas vSo reunirse ao marquez de Bre-
teuil oo exilio voluntario a qne se condemna de
modo tao honroso para elle.
Assim se consolida a repblica franceza pela
torga do tempo e das cousas.
Realista na nova gerago nao os baos aotigos,
03 que o sao ainda por sentimeoto, alias respei-
tavel, encontram o caminbo aberto. Ho de
tiles acaso continuar infructuosamente o comba-
te pelo tbroBO, faltando sua tidelidade para
com o altar t
Raras vezes se tem visto, n'esles tempes, um
espectculo mais logi:o.
' Cbegaram a Dieppe, com destino ao Cana-
d, grande numero de judeus expulsas de
(Mine*.
A esquadra argentina que chegra ricen-
tmeme ao porto de Toulon, depois d? ter assis-
tido s festas do centenario de Christovo Co-
lomeo, em Hue!va, pardo para Genova, atim de
reonlr se s numerosas esquadraa alli reunidas
e que devem tomar parle na grande demonstra-
gao naval a reallsar se em boora pre?"0ga do
rei Homberto nos festejas colombianos que vao
ee celebrar dessa cidade.
Coo3ta qee vo sendo coroadas deex'to as
experiencias do sabio Paateur, para o trat..ai .;-
to preventivo do cholera.
As inocolagOea em caes at agora deram os
reiultados que se esperava.
A Repblica Asgentioa assigaou -m trata-
po commercial com a Fran;a, as3egurando a esta
o trata ment de nagSo man favorecida.
A Colombia, o Uruguay e o Paraguax assigna-
ram enm Franga um convenio anlogo.
Desordens de certa importancia reproduzi-
ram te na cidade de Leivn, entre osoper.tri03
mioeiros fransezes empregados na sociedade
carbonfera de Lienta e operarios belgas enga-
jados na mesma companbU.
03 operarios francezes, seguindo o exemplo
de seos corapanheiros da regio carbonife*a do
norte, reclamam a despedida de todos os minei-
ros de oaciooalidade belga.
Pelo receio de novas desordena, ae autorida-
des militares tomaran: todas as medidas neces-
sarias para as reprimir.
Igualmente os operarlos mioeiros empregados
na regio carbonfera de Carmanx (departamen-
to do Tam) declararam sfc em grve.
Os grevista1, que se acham exasperados, fa-
zem com que se receiem desordens e violen-
cias.
Ujj lestccameato de trepas da guirnigo do
Alby dirigi se aos logares onde se produzo a
g--e, com o fin de impedir que a ordem seja
alterada.
No entretanto, aquees operarios ainda se nao
resolveram a aeacer mina, continuando a
manifestar a mesma exasperago de modo a re-
cejarse que um conflicto surja entre elles e a
torga armada.
D'elles foram presos 4 que violaram o domi-
cilio do director das minas, onde foram ames-
gal es de [norte.
Apesar das medidas tomadas p^'.aa autori-
dades sanitarias para ejitar a invaso do cholera
espordico, diz se que a epidemia grassa em
diversos pontos da capital.
No dia 3 regist.-aramve alguna obi'03 e pela
manba e dorante o dia segu'at o numero de
caso' ainda augmenlou.
Toda a corporago medica emprega a m'.'o:
actividade em todos os quarteires da cidade
com o tim de reprimir o fijgello, registrando
nestes ltimos dia3 o boletim medico ofirial,
que os obitoa havios ltimamente sao mas
aitribuidos epidemia de diarrha choleriferme,
do que ao cholera espordico, sendo que repu-
tara continuar a melhorar sensivelmente o esta-
do sanitario de Pariz.
Em RuSo deram-se no dia 5 sete caso3 no VOS,
e oo Havre declina a epidemia, pois nao eacon
trou ahi condiges favoraveis ao seu dcseovol-
vimento e foi promptamente combatid) pelas
autoridades sanitarias.
Como resultado destes bons estorgas, desde o
dia 1 v5o rareaodo 03 casos novos e parallela-
aenie decresce a mortalidade.
Blgica
Em consequencia das maoifestagO^s an-bel-
gas aoa mineiros de Livn e Seas, bouve varias
raanifestageoes anti-francezaa as povoages bel-
gas da frooteira.
O cholera, tendo declinado no interior da ci-
dade de Antuerpia, appareceu e desenvo.veu se
nos suburbios.
Segundo conta a Reforma, manif:s!aram-3e
em Cbarleroi, quatro casos de cholera.
L1TTERATDRA
I2iposlf5es pernambucanas
A seguoua Exposigao Provincial de Pernam-
buco teve logar no pavimento terreo do palacio
da presidencia, e c acto da sua inauguragao fai
solemne e imponente. Pernamanecen aberta por
quatro das, figuraram 427 productos e foi visi-
tada por 6551 pessoa?.
Nesta expoaigo tiguraram com vantagem
ricas e variadas collecgOes de amostras de ma-
deiras e mineraes, trabalbos de marcinana, fun-
digo e perfumaria3. productos pbarmacentiCGS,
alimenticios e agrcolas, preparago de couros e
pelles, diversos objeetoa de bellas-artes, ora to
e deeoragao, cermica, ele-, notando-se entreou-
t os, um i casula bordada a ouro feita na Casa
dos Expostos, um oly jsigrapbo de novo sy'ema,
feito pelo padre Francisco Joo de Azevedo,
urna pequea machina de fiar, fabricada na Casa
de Detengao. um molelo fle macbioa de piar,
inventado por um curioso, um revolver de vnte
Uros -' nm boobo e caixa de guerra de metal.
Sobi sala, disse a commiso directora da
exposic j do Rio de Janeiro: Este trabalbo
faz honra a provincia qne o produzio rivalisaado
admiravelmeate com os das primeiras fabricas
da Europa; e sobre o revolver, disse que,
causn snrpreza ver se que em Peraambueo j
se rabricavam canos de armas de fogo com tanta
perfeigo.
Os expositores que tomaram pane nesta ex-
POsig3o, obtiveram do ju'y de quaiilicago, em
Pernambuco, 40 medalbas oe prata e 70 de co-
ore, e pelo d< rtlo de Janeiro, 1 rnedalba, de
onre, 3 de prata, 11 de cobre e 21 mecg5es hon-
rosas, sendd algun3 contemplados anda pelo
jury de Paris, entre os 105 premios que foram
conferidos aos expositores brazileiros, em coja
numero cortam-se 51 de Pernambuco.
A guarda da medalha de brome com o res-
pectivo diploma, que foi conferida & commissao
ae Piroambuco, pelo jury da exposigj de Pa-
ris, pelos productos qi-e enviou, foi confiada ao

'-







-

*
__
t.
r*^*"",-*r

t*m*mmmmmmm
MM


Diario de Pernanibcco Terca-feira 20 de Seleoibro de 1892
Instituto A>-cneologico e Geograpaico Peroam-
bocano, por deliberagaa da mesma oeeamiso. |
4.a exoosijo
Convidado o goveroo d) B-asi! para loasr
parte oa Exposi.ao Unversal de Vienna d'.iui
tria, em 1873. resolv-u ccaipare-er i filialmente
a esse omicio universal, prcmoveodo aatror
mente orna terceira exposic/to nacional m Rio
Janeiro, para o que exaediram se as acct^sa-
tordcns no sentido de s fazerwi i x pongos*
jarcia-es as provincias, rara reunimos na expo-
sigo nacional, escolherem se 03 croa deveriam
figurar na Exposico alversal.
Em virtude das ordeos dirigidas pelo governo,
em Aviso de 31 de Maio de 1872. foi nomeada
urna ccmmisso de cinco m^mbros para dirigir
es trabalhos da exposigo, da qual foi presidente
o Bario do Livrameoto e secretario o Or. Manoei
Buartju de Macedo.
No da 20 de Outobro de 1872 teve lugar a
abertura solemne da expnsiaas, pelo presidente
da provincia desembargador Francisco de Paria
Leaos, sendo em seguida franqueada concur-
rencia publica.
Nesta exposico, que teve lugar no andar ter-
reo do pago municipal, flguraram 741 productos
e (oi visitada por 10,940 peseoaa duraale oa tres
dias em que se conservoo aberta
A exposigo provincial de 1872, diz acommis
ao em sen relatorio, nao fol abundante de pro
JuctBs raros e traamos da paciencia. Oebaixo
leste ponto de vista, foi menos artstica e co-
riMa ro qup at q*e apreceleram ; masem rom
pensago offerecea carcter mais commeroiai, e
portanto de mais immediata itilidade pratira.
AiQda assim, esta exposico como as de 1861 e
1866, mal representa a verdadeirajnqueza oatu
ral, agrcola e fabril da provincia.
Aos exooBitores qoe coocorreram a essa ex
posiQo foram conferidas pelo jury de Peroam
buio 46 medalbas de prata, 17 ce cobre e 43
roeogis honrlas ; pelo ju-y de jualifieago da
exposigo nsciooa do Rio e Janeire. 13 meda
.as de prata, 12 de cobre e 30 ra^ns-5^ honro
sas. e pelo da exposico universal de Vienna, 2
diplomas e medalbas de progresan. 8 diplomas
e medalbas de mrito e6 mensee honrosas.
Os premios conferidos pe o jiry de Pernam
Du:o forsm distribuidos em 2o de Margo de 1873,
p os do Rio de Janeiro e de Vicua d'Austria em
28 de Abril iie 1878 teode lagar ambas as so-
lemnidades no palacio do goveroo.
5. exposico
Promovida pela Soc.edade Patritica Doze de
Setembro.
Bsla ass cacao, que entre outro3 tina, se pro-
punha auxiliar o desenvolvimento e prosperida
de da agricultura, commercio, industrias e ar es
em Pernambuco, pro:urou satisfaze' esia parte
do spu programma promovendo urna exposico
de productos naturas e agrcolas, a qoal teve
lugar no edificio do hospital da Ordem Terceira
de N S. do Carme do R-?cife, e foi solemne-
mente inaugurada 110 iiia 2 de Dezembro de
<872.
Os objectos que tiguraram na exposigo acha-
vam se divididos em seis granos assim dispos-
10= : frodoctos naiuraes e vegetaes madei-
ras de constmeco ; 2 Productos agrcolas ; fia
rlcultura ; 4- Gado ; o- Productos de pesca ; 6-
Machinas e instrumentos agrcolas.
Sob o titolo Urna rpida visita a exposico,
sr.m se expreasia o gernte da Sociedade Aa
xiliadora da Aericnltura de Pernambuco, uo seu
relatarlo de 1872 ;
Na seceo de machinas preodeu-aos a alteo
gao a machias a vapor de urna simplicidade ad
miravel, exposta pela casa de Samuel Johnston
ao lado de soas aperfeigoadas turbinas ou ceu
rifugas di- parlamento ; a almaojarra exporta
pela "casa de Btwman, osm como o geotioso e
porttil folie de matar forangas, oappareibo de
moer mandioca, suas exoellentes bombas (sobre-
!uio pela simpl'xidade e dn-g4o); a prensa de
troctas de Pugy ; o arado de lateira de una nos-
so eslabelecimrnto de ferragens.
Na seceo des assucares, alai das amostras
dos turbinados em S. Francisco e no engeabo da
Mel (ambos da V antea), sobresahiam bellsi-
mas de asaucar de Gurj& de Cima e do eage-
nbo Novo atan beca.
V,uiifi tambjin em oatras sesges notaveis
amostras de algodo, entre ellas a da lha de
Femando; la n bem attrabia a attenco a afama-
da fa-ina de Mnribeci, urna variedado de ami-
dos extrabidos d varias raizes alimenticias, re-
sinas e substancias oJcoginosas de nossos ser-
tes ; licores esrjoisitos ; a cerveja nai ooal, o
vinho de caj ; varias substancias para <:ordoa
Iba e tecetaoB, graada abuudaucia de in unci-
rs preetcas, etc.
F.tra'm :: a presidencia ra p:o sen relator o cpresentaiio a Assembla Provia
cal em r874, a'iiD se exprime respe.Ho :
Se ni'isa cxp (gao ni se n liiraui iodos os
nossos productos arlcolas. a m par isso iiwxou
ella de ser interessant' e .rica e tanta m;s ad
mira vel, por aero resultado do utao i<'ui-
dna!, leudo por nico movel o cuuaprimen,io do
dever contrabido e azer conhecidas nossas n
quezas.
Posto que modesta, uem por isa deixou de
contar a expos'C" bellvssimos e ric03 specimeos
de nossas principaes foutes de r quea agrcola,
e muitos proluctos nossos, mineraes e vegetes,
all se moatraram pela primeira vez.
Foi Din facto novo no Brazil ver-ae emprega-
dos alguns homens para por seas eforgos iodi-
vianae-< realisarem urna dessas festas do toaba
lho, em que na competencia dos productos tem
a pilma o qpc melhor se aprsenla, creandojpor
conB-qu8BCia om ioc^ntivo ao productor ; e lo
mteressante foi o resultado colhido, que o go-
ven.o imperial so mandou louvar a mesma so
ciedade, como instantemente recommeniou que
tosse ella auxiliada pelos poderes pblicos em
suas futuras exposigOes.
Infelizmenie, porm, oi esta a nica exposi-
co que reahsou tao patritica associago, a
qoal (infelizmente anda) de xou de existir pou
co lempo depois, legando-nos os seus annie6
para at'.estar o sea esforg e nobilissima misso.
Pelo jurv especial da exposifio fo.'am conferi-
dos 63 segaiotes premios: 9 diplomas del*
classe corn menso espacial, 33 da 1" classe, 33
(l 3*.
6.* Exposigo
Tendo 01 Bstlrios Uuidos da Am;rica de ce-
lebrar oprimeiro centenario de sua enancipa-
co polit c'.. entre outras festaa commemorativas
ces3e sranduto acontecimeoto, decr.-lou qae
se Baesse uiaa exposico universal na cidade de
Philadeipbia, 1 qoe (-(lectivamente leve logar eo.
18 6 no da 4 de Julbo-
Tcndo o Braiil de rep.esentar-se oflicialmentc
nessa feta universal, letercjinam celebrar urna
!uarta expos:co nccoual no Rio de Janeiro,
ormada dos productos das expoaies parciaea
de algurxa. pvncia?. e para este m baixou
psia e-crauna do Ministen as da Agricultura,
Con; roer co Obras Publicas de oavenieDles or-
seos a avio circulai1 de a Janeiro tle 1873.
Ncmeada posterioraieot-: commisso dire-
da exposico presidente o cons-lneiro Manoei do Najcimanio
Machada PorteJla e secretario o Dr. Felippe de
Figu iroa Faria, no da 4 de Julho de 1875 teve
logar o acto soietum da aberluca da exposigo,
no salo da honra da monicipalidale, exacta-
mente iim anno antes da abertura da expoaicfe
Hoiversal.
eata expo.igo, que tevi u.:ai- noidar e
reo do mesmo pago muucioal, figoraram 966
productos, consTvou abita por oiio das e
foi visitada por 33,899 pessoa?.
Anda que nes a expoa.c- se exhibiese quac
tidade upertor de productos sobre as anteriores,
com'udJ '01 inferior a ellas, pnncipaii^eula de
1861, atiento o estado da industria e da agricul-
tura'<> a crise fiaanceira que ea ao nfli no
trabalbo e no bem estar aocic-l de odas as
Figuraram muio poneos pro tactos le agri-
cultura, principalmente do assucar e al e
da industria deste, tigurarao pela priUici.^ ve
os tecidos da fabr.ca da Magdalena ; as bellaa
artes foram tambem representadas por pequeo
numero de objectos porm, com vantagem, a seceo de lavra de
minas metalrgicas, e a de substancias alimen
licias e de consumo e productos da industria-
Compre, porm,;&8acoaar oa seguales obje-
ctos, dignos das ltenos que prenderam e dos
lonvores que mereceram da coinmisso do jury
de recompensas ; modelo de moenda pelo Dr.
Ignacio de Barros Barrito, om mecbanismo para
p.-eparago do farello de maniva, podras arli
caos e cemento nacional, crina vege'al para
substituigo do cabello em diversos artefactos,
cera vegetal da arvore ImberuL, rboos nacio-
naes, mineno de cobre e thares mechapicos
para acio do algooao-
Pelo jury de qualilicago da provincia foram
conferidasaos exposit-sres 2 medalbas de noro
e diplomas, 53 medalbas de prata e diploma*, 29
metait hioros** ; peto jary Rio de Junare- (l876j 3 medalfcus de progresso
dipla.i 10 Bedallws de aterto e diplomas, 4
roealna- de mrito e 11 mnG-s bunrosas ,
pelo ju-y da Exoosng Dur*1 "raw de Pnila le
pbu (1876) 9 medaibao e 6 diploma* ; re um-
penaas esta qn tora.-: d s>i-.iiiidii Km ou
solmosla !< ao Psi.cio 0tiawrnu wu 28 de
Abril ae 187*.
7' lxpoaivau
Sao pad.ida c gorerno n.ral fi:r se re
presentar officalmente na exposigo interna' 10-
nal de Antuerpia que teve lugar em 188o. por
nao dispor de verba orea neniara para as des
pezas a (azer se. deliberou aceitar o espontaneo
offerecimento do Centro da Lavoura e do Com-
raeroiu, tmivrtaat: ausbciscio do Rio de Janeiro,
para a oraiiirago de urna secgo destinada
exbibieo Brazil naquel a expoico.
Para este llm. baixou pela secretaria do Mi
nisteno da Aricuitura o aviso de 29 de Setera-
bro de 184, acompanbando urna circular do Cen-
tro da Lavoura, dirigida a Associago Commer-
cil de Peruamouco. pelo qual foi determinado
a oresidencia da provincia qae prestase a refe
nda Asssoclago toda a coadjuvago de que po-
desse carecer.
Aceitando a Associago Commercial lo pa
triotica incumben;ia, den logo comego aos ira
balhos necessarios, e em 1 de Fevereiro de 1883
franqueoa ao publico nos sales do seu edificio
a exposigo de productos agrcolas e industriaes
que promover.
Figcraram na exposigo 394 productos diver-
sos, cuja enumerago, discripgo e applicac-s
constam de utn foineto sob o titulo: Succinta
noticia sobre a industria da provincia de Pernam-
buco organisada com o lina de dar alums in-
formi'ijes das riquezas exploraveis e peculiares
da provincia, pela commisso agenciadora de
productos nalaraes para a exposigo de Antuer-
pia na Bel no anno de 1885
F. Augusto Pereira da Costa.
{Continua).
o pensamento
(A. Medeirot Jnior)
Quando ao grande mar das>illuses
O pensamento atira se atrevido,
K vae de vaga em vaca destimido
Em busca inunda a boas emogoes.
Aqui div sa as gran'scintillacoes
Da gloria como um lacho encandecido;
Ao longe no futuro reflectido
O co, a trra, mundo de visOes !
Porm se nesse caminbar constante
O pensamento doudo viajante.
Nao v um vulto de mulber amada...
Receia, para, volta contristado.
Tendo consigo apenas conservado.
Acrrima fadiga da jornada.
Recfe1892
(MyajMA de Oliveira.
Acin ofOciae*Por acto de 29 de Agosto
lindo o governador do Estado removeu o com
missario da gna.da locaJ Faustino Barbosa de
Souza Ferr-iZ, do municipio de Ccbrob para o de
Aguas Beas, devendo assumir o exercicio no
piaso de 30 dias.
Por acto de 16 do corrate mez nomeou para o
oosto de sub commissario do 7 dis'.ric.o da l3
ragio das guardas Locaes o cidado Franciscj
Honorio de Car valo que as.-umir o exercicioio
praso de 15 das.
Em 17 do mesma nomeou para o lugar de 5-
jaiz subsiitnto do municipio desta capital o ba-
caarel Diomedes Goncalves da Silva, que servi-
r dito cargo at que aesumam o exercicio os
juizee distrctaes que forem eleitos pelos dovos
coneelbos municipaes na forma da le o. 15 de 14
de Novem de 1891.
Ao noaeado tica mareado o praso o dias para
assumir o exercicio de seo cargo.
Para publicarDa secretaria do governo
remettem-noe t
4' SecgaoPalacio do Governo do Estado de
Pernambuco, em 9 de Setembro de 1892.
O overnador do Estado, tendo em vista a 10-
formago r. 431, de 6 do coirente ukz, do ins-
pector geral interino da lustrucco Publica, prea
iada sobre o assumpto da represeutago de Ma
noel Correia de Araujr, resolve demettir Antonio
Pereira deliseira Coelho o cargo de professor
da cadeira de ensino primario do sexo maseoli
no ce Venantes, visto estar provnda sua inha-
uiltlaco para exercor o reende argo, confor-
me se evidencia do documento anuexo ntor-
ma,go do respectivo delegado luterano de que
Irataomesmo inspector.(Assignado) Alexaa
dre Jos Barbosa Lima.
Foram removidos os seguintes professores :
D. Uibadiua Aira da Oooeeico Vieira de Mello
para a cadeira do sexo femenino da freguesia
de S Fre Pedro Geugalves do Recite ;
D. Mara do Rosario e Silva paca a do sexo fe
menino da Magdalena;
D. Nympba Mnuiz Tavares para a de ensino
mixto oe Barbaltio;
D. Eii-a Camlida de Figutireda Mello para a
dos Remedios;
D. Grata Candida de Alcntara Coulo para a de
Pedra Molle.
A professora D. Olivia LoyolU obteve um mez
de licecga para tratar-se.
O governador do Estado demittio o bacha-
re Eipicio Barbalho Ucha Cavalcanle da oro
motoria publica do municipio deTacara', a bem
do servlco publico e nao como foi publicado.
Delegado* iliterario Foram exonera-
dos, a pedido, os delegados Iliterarios da Mag
calea e do 4- districlo da f/cguezia de Nossa
Senhora da Graca
Foram nomeaios dei gadjs litterios: ote-
nentecoronel Alcx-indre Mara de Hoilacda Ca-
valcanle, do distric.o da Vicioria, e exonerado o
actual;
O capito Antonio Carlos da Silva eixoto do
de Leop.ldina, e exonado o actual.
Conforme propoz D inspector geral da
instroegao publica, foram Horneados ns cidados
Jos Gitirana e Jos Frauciaco Coelho, delegados
luteranos, do v districlo da fregoefcia de Nossa
Senhora da Graga e do de Ctibrob
IjicencaAo professur Jos Feliciatir, Be-
zerra da Aguiar concedeo se 60 das e iicenca
para tratar de u; lan
Por actos de houtem :
Foi restabelsida. por exigencia do servigo pu
blico a 1 secgo da secretaria do governo.
Foi Lomeado 3- oflicial da 1' tecgo dase
cretana do tjoveruo Adolpbo Curio de Carva-
Iho.
Fcinomeaio 3 t fli-ial da 1 secgo da
mesma secretaria, Rjdolpbo Honorio de Serpa
Brando, durante a ausencia do funeciocario ef-
fcc'.ivo
Falkcimenia-Victima de padecimentos
que resisliram aos dea*< i loa da medicina e da fa
milia, fallecau boul--u 2 horas da madrugada
o nos o collega do sialo de Pernambuco Dr.
Francisco Jos de Medeircs.
Advogdo, parla-neniar e jomalista o illustre
tinado contava 47 anuos de exisler
Deixa familia, 1 quem apresenlamos as nossas
condolencias.
O enterrameuto cffectuou-se bontem s 4 ho-
ras da tar le, auiudo o fretro da roa da Unio
n. 47, achaudo se ^reseoies representantes da
Gazeta da Tarde, P-oviacia e Estado de
P.raambuco.
Eaiu Diario f z-se represeutar pelo rosso
collega Dr. Tbiago da Fonseca.
Beunlo acadmica Hoje ao meio da,
em um dos salOes da Facul 'ale de Direito de
vem reunir se os estudantes afim de tratarem
dos meios de levr a effeiio urna manifeslacao
ao Dr. Albino Meira que acaba deser reinte-
grado em sua cadeira. -
Benefleenle do* animas atraate*
Hoje .a 7 horas da ooite, em sua sede ra
Coronel Suassuua d. 2, reune-se essa sociedade
em ossembla geral para proceder a eleico da
aova directora, funecioaaado com quaiquer nu-
mero de asaociados comparecentes.
imposta do roanaEm resposla tele
gramma do '.Sr. Dr. inspector da Thesonraria de
Fazeaaa, o Sr. ministro da fazenda dirigw-lbe o
segal oto :
N 947.Separligo geral dos telegraphos.
gtago do ^o.-Apreaentado a 17 de Selembro
de 1892.laspecto- Tnexourana Recfe. Receo
lelei;ramini soOre. risoluci c-moeroianies fu-
0 abrirem --oas usiae 'LjchbuIos e sso epera-
a u g ivwow "ie aau clasae ruja aaiorga.^otia
aaa 00 rr|>uuj le auio.-i:iau coaaoieja a
afanoerera (*a Ml(HlftiT>- a Mattiuu^u Ja tneoria
coit.;u;ioual qe uag. aoKO.oro Cjmpateucia
para apofoaar os uii ie, que uvrr- ; euos do 30 nanos do exerci-
cio, pabMDMM o e^uinte locomenio ectraor
auiarid do D* 1 Offi ial le 6 t*i correulemez.
-aRECER N. 841892
Iidefere a petigao em que o bacnarel Marciano
G'jng-alves da Rocha pede aposeniadoria no
c.r*!0 de promotor de candlar e residuos da
Capital Federal.
O bacharel Marciauo Gjugalves da Rocha, ex
promotor de capellas e residaos aa Capital Fe-
deral, requer a sua aposentadoria, visto nao ter
(ido aproveitado na nova organisago judciaria.
Para fundamentar a sua pretengo, o suppli-
caate aoccorre-^e das disposiges transitorias do
decreto a. J1030 de 14 de Novembro de 1890 e
das da Constituigo Federal.
E', parm, evidente que neohuma daquellas
diapos.ge:. fortalece o pedido do snopicante.
No Congresso Constituue prevale'jeu sempre o
salutar principio em virtude do ^ua1 s se deve
conceder aposentadoria ao fuaccioaaric que se
invalide no servio na nago (Const. art. 75 ).
Por equidade, a Constituico abri as mas
dispostges transito iaa urna excepgo em favor
dos magistrados que nao forem admtttidos nn
nova or^auisago juciciara federal ou estad^I,
aos quaes se conceder aposentadoria. com 1 -
dos os vencimentos, si eontarem mais j traoU
annos de exercicio.
Essa excepgo ; foi aberta em favor dos ju'zes
de direito e desembargadores cao aproveitados;
mas o peticionario nao era nem urna, nem outra
C0U30.
Portanto, a commiso de parecer que seja
indeferida a petigo em que o bacharel Marciano
Gangalves da Rocha requpr aposentadoria no
cargo do promotor de capellas e residuos na Ca-
pital Fe .eral.
Sala das commisses. 1 de Setembro de 1892.
Mursa, presidente.Homero Baptista. relator.
Brasilio dos Santcs.H.racio Costa.-Eduardo
Gongalves.
Hospital Portuf ue> Effectoou-se nte-
noatem, como urna pompa e brilbantismo desu-
sados a festa commemorativa do 57* anniversa-
rio da fuodaco do Hospital Portuguez de Bene
Ucencia, til e importante estabelecimeolo que
tem prestado reaes e ava.itajados servigos.
Revestida de extracrimario explendor; a fes-
la realisada ante bontem se por um lado demoos-
trou o zelo e actividade da actual junta adminis-
trativa do Hospital, por outro veio atlestar, do
modo mais completo, que o povo peroambucano,
i a ella coacorrando, reo.leu o devido tributo aos
dignos e esforgados administradores de urna ins-
liluigo pia.
Autes da solemaidade religiosa foi inaugura-
do, no salo nobre do edificio, o retrato a oleo
do qos.-o distincto amigo e hocr-do negociante
d -sia praga, commendador Jos Maria de Andra-
de.
Por essa occasio o Exm. Sr. cnsul portu-
guez, com a correcgo e elegancia que Ibe sao
caractersticas e que o toroamuuiperfeiio geut-
lemn, pronunciou um discurso allusivo ao ac-
to, salientaode i.a 1 to a atilidade de Hospital,
como os serviros que a este tem sido prestados
pelo commendador Jos Mana de Andrade, a
quem, n'aquee momento, se renda justo e me-
recido preitc de gratido.
O commendador Jos Maria de Andrade pos
suido da mais natural commogo, agradecen a
maniestago de que era alvo.
Em seguida teve comego a ceremonia religio-
sa qoe consiou de missa cantada, com acompa-
nhamen o de grande orchestra sob a direcgo
do babil professor Poiycarpo Soares Rosas.
A' hora tffectuou-se o jantar acs enfermos,
sendo a mesa servida pelos incausaveis uaem-
bros ua junta administrativa.
Esso janiar, em que se objecUvava o nobre
sentimeoto da carldade, foi tocante, produzlndo
agradavei mpressao em todos quantos a elle as-
sistiram.
Has 4 bon.8 da tarde s 9 da noute, aa enfer-
maras e dependencias do Hospital, lindamente
adornado e ostentando primorosas galas, es'.i-
veram expostas a visitago publica.
Em barraquinbas caprichosamente preparadas
e administradas por distinctas senboras, eative
rain expostas multas prendas, que foram adqui-
ridas pelos visitantes, revortendo o producto da
kermesse em favor do Hospital.
A's 6 1/2 horas da tarde foi cantada urna so
lemne ladatnba.
Das 4 horas da tarde s da noute, tocaram
no jardirn diversas bandas de msica militares e
de distinctas sociedades particulares, que cen-
en-reram para brilbaotismo da festa.
Todo o edificio e jardins estiveram durante a
noute iarbantemente illuminados a gaz, e
glorno.
A concurrencia foi numerosissima e incalcu-
lavel.
Os bonds da Ferro Carril ebeios a mais nao
poderem despejaram continuamente urna mul-
uto vida de tomar parle nessa festa de cari-
de, onde nao bouve o menor incidente desagra-
! da vel.
Os incansaveis membros da junta administra-
tiva, que souberam captar geraes sympatbias
pela ihaneza do trato, devem estar saiisfeitoe
com o explendido resultado d'essa festa, e nos,
gratos pelas attengoes que nos foram dispensa-
das, felicitamos to distincta corporago pelo
modo altamente lisongeiro porque foram corres-
pondidos os seus esforgos.
Iril): nal do Jury do BecireFunc-
cioaou hontem esie tribunal com a presenga de
27 juizes de facto.
A's 11 horas ca manh. verificadas as cdulas
e faia a chamada, foi aberta a sesso sob a pre-
sidencia do Dr. Joo Joaqulm te Freitas Henn-
ques, juiz de direito do distric o criminal, oc-
cupando a tribuna da aecusago o Dr. Gervasio
Fioravanti Pires Ferreira. 1." promotor publico.
Em primeiro logar foi julgado o reo Antonio
Manoei Barbosa, pronunciado como incurso as
penas to art. 303 do codito penal por haver no
aja 25 de Agosto de 1891 Jna freguezia do Pogo
iKlla, ferido o seu cunhado Muaoel Pedro
o Nascimemo.
Produzio a defeza o Dr. Ovidio Cavalcanle, e
ce contormidade com a declso do jury, que ne-
gcu por unanimdade de votos a autora do de-
licio, foi o reo absolvido-
Eji segundo Logar foi julgado o reo Joo Mec-
des de Albucjuerque que por hit ver no da 21 de
Fevereiro do correte anno no largo do Mrcalo
de S. Jjs, ferido a Jos Vieira da Cunha, acha-
va se p anunciado as penas do art. 303 do co-
dig'.pcoil.
0 icopoo a .-iiiuaa dd defeza o Dr. Aciphrisio
Fiaiho Sobrinho.
0 jury negou per 7 votos a autora do delicio
e de necordo com esta deciso foi o reo absol-
0 ronselho de seuenga compoz-se dos seguin-
tes jarado* qoe funecianaram em ambo os jul-
t/aenios :
b -j.iamin Ernesl) Pereira da Silv 1.
niano Augusto de Miranda.
Francisco de Paulo Vieira.
Leovtlgiao Samuel da Silva Costa.
Alfredo Alves da Silva Fr
Odi'uo CoeUao da Silva.
Aatooio Soares Andrade Brtterodes.
Jo.-e Tbo;.az Cavalcjn e Pesso\
Chodou Augusto Albuquerque Chaves.
Devem ser julgados amanha os r s Frao-
3 Augusto Moreira e Antonio Laureoiino Pe
reir.
Ewasao de preso Por occasio da fa
cbina da cadeia de Garanbuas, na manh de 17
do crranle, foram o carcertiro e 4 prcas, que
o acomoanhavam, accommeitios ioespera
damente pelos presos em numero de 6 e urna
iga; os quaei poieram fugir, apoderando-se
e 2 carabinas.
O i evadidos foram perseguidos pela guarda
local, que anda pcade capturar a um d03 fugi-
tivo.
Exposico de Pe roa mime, prepa
raioria a de cuicaao A respectiva com
misso deliberou a inaugurar no da 10 de No-
vembro prximo essa exposigo.
Nes.e sentido por seu annuncio em oulra sec-
go convida as classes artstica, industrial e agr-
cola, bem como a todos em geral a concorrerem
a essa festa do trabalbo com quesquer productos
ou artefactos, que sero entregues a secretaria
do Lyceu de Artes e Officios das 9 s 3 horas da
tarde e a noite das 6 s 9.
Club Marcelino Cleto-Amauh, s 7
horas da n oite, reuae-se em assembla geral
um insufficien
tambem vene-
esse Club, para proceder a eleico da nova di
rectora qae tem ue dirigir oa trafiattios soj.cs
no anoo ae 189293.
salaaaM e ulcnieaaa- Orando posso
eacoUier, dM Giaxa, euire oauaua* irescaa e em
conaorva, areflro sempre as pranetraa, a me ion
por satisfeiao; porque as segundas, uieamo sen
do opti'tiaa, eao sempre ovanaa di gen vea e a
sin lave do que o proprlo alimeoio em estado
de fresca, ama vez que todas oa processoa que
se em pregan para conserva! as, erXo em auti
ihese com a* da digesto.
Tambem quando ama substancia em conserva
apreseota a mesma composigo cnimica que li-
aba no estado de fresca ; quando as bacilha
nao podem iavadil-a ; qaando o oxygeoeo do
ar nao pode oxyJal-a ; tem essa substancia pas-
sado por urna modificaco molecular, que torna
a diversa para o nosso estomago e para o nosso
sangae.
Nao esquegamos jamis, que o oosso estoma-
go reactivo excessivamente exquisito ; Da-
langa muito mais delicada de que todas aquellas
qoe se acbam nos laboratorios.
0 pao e hontem e o pao de hoje teem identi
ca composigo ; porem quanta differenga aa sua
digenbilidade f
Mullos nao podem digerir seao o pao secec-
outros pelo coalrano nao poiem comer seno o
fresco.
E at aqu atieada-se a que nao failo seio
de comidas em coaeerva, de boa qaallaade,
predaradas com todas aa ,regras u'artj, e com
iodos oa meit s ensinad^s pela cbjmica indus
triad moderna.
Mas importa notar que em muitas dellas, alem
da acgo oexporavel e lnevitavel do lempo, que
nao deixa jamis um s instante de repouso
materia que foi viva (tambem quando esta
mettida hrmeticamente as latas d'Apper) o in-
dustrial janla substancias an plicas, que eo
verdadeiros veneaos ; e desse ajuntamento, sem
que o ajuntamento saiba, ^resolta fechar ah ba
cni.is, que entraro mais tarde em nusso corpo.
Qaaotas vezei nao tenbo parado deante das
bouegas do Balmoeiro de segnnda e terceira
ordem, eos suoarbios das grandes cidados e as
aldeias do campo, am de olbar para os sata-
mes, as salchichas, as soppressata que ah es-
tavam expostas, contemplando com tanto horror
e.ses pandemonios polychromas, que me aziam
lembrar antes a mesa anatmica que a casinha,
antes o gabinete d anatoma palhalogica que a
mesa do jantar I
No entretanto, todo aquelle inferno devia en-
trar em corpoa rumanos e converter se em san
ru em msculos que trabatuam, e em cerebro
que pensa I
Aquelle pudtm, que nao ousarei chamar ma-
saico, de tinnhas de toucinho rangoso e carnes
lvidas, delibras flaccidas e ero as babosas,
salgado, apiroentadoe temperado o os aro-
mas mais plebeos e excitantes tor-i. de tal
sortesaboroso que faz comer com prazer o pao
preto e amarello do pobre.
iV o abyssus abyssum lovocat da Biblia ;
um veneno, que tronsmitte um outro, e todos
juntos do ao pobre organismo
te alimento, que de ordinario
noso.
' Em multas a'deias da Italia nao se vende a
carne fres.'a senouma vez ao mee e o alimento
carneo de toi. s os dias caame ou salchicha*
ou um dos tantos affectados que mudam o no-
me e a cor aos diversos pases, mas sempre amostras da alimentagio.
Um saldo de soppressata faz comer muito
p, '
o -..6 inilaneses. que mesmo satyncando,
j ai;.ais mordem, deram com benigna malicia ao
seu luganeghin d'ai o bapinmo irnico de
mu, para azor sabir que uaquella (ripa alem
aa carne de porco e de boi entra tambem eosac
Cada aquella do mulo, do burro e do cavalio.
Isto nada seria si a carne de quaiquer des-es
equinos fosse fresca e s, pois seria digerida
sena damoo pelos estmagos fortes de quem
muito tr^baiha com as musculas ; mas ha ainda
outros Hitados slem do mu !
Hi. loinonoa Hoje s 6 horas da tarde
foacc.na em sesso ordinaria a directora dessa
sociedade carcavalesca.
Sociedade Goncalven Dlao No do-
mingo passado funccionou essa sociedade em
seeso ordinaria, aa qual foram empossados os
socoa effectivos prximamente admittidos, tra-
tando-ae de diversos outros assumptos deleitas,
historia e pbilosopbia.
Na prxima sesso de domingo vindouro se-
rn encerrados os trabalbos do correte anno
so, ia
FallecimentoNo municipio da Vicenaia
fallecen em seu engenbo Suruary, a Sra. D-
Laura Francisca de Arruda Camar3, viuva de
Apollinano Jos dos Santos Andrade.
Era urna respeitavel matrona que por suas vir
tudes se lizera sempre estimar, como mereca.
A sua familia as nossas condolencias.
Compauiia PernambucanaSaboa-
do a tarde cahio ao rio do estaleiro das oficinas
dtrsj coicpaohia, em Santo Amaro, a pnmeira
das aivarengas que ella havia projeciado cons
truir para o seu servigo 00 porto.
A embarcaran e de boa coDStrucgo e as me-
Inores condiges de navegabilidade e transporte
de carga, medindo 64 i/2 ps de comprimento
14 i/2 de bocea, 7 de pontal e 1 de callado, de
ferro de boa quahdade.
Club Carnavalenco don Patrlotan
Essa acreditada sociedade realisa boje s 7 ho-
ras da noite em sua sede urna sesso de assem-
bla geral para tratar de assemptos de grande
alcance social por ser segunda convocago fuoc
cionar com o numero que comparecer.
Club arna raleoco Caladoren Este
club, reunir-se ha amanbs7 horas da noute,
em sua sede ra do Bom Jeaus n. 24, em ses-
so de aasembla geral, para resolver negocio
de magna Importancia.
Servlco miliarHoje superior do dia
) Sr. capito Mendonga, e fa ronda de visita am
subalterno do 2- batalho.
O 14* batalho de iafaotaria dar as guarda?
dos edificios federaes.
Uniforme a. fie capa.
-ervlco policialE' hoje superior de
iia a -. capito Pires.
O corpo de polica dar as guardas de Pala
ci Oetengao e Tbesouro do Estado.
Uniforme n. 9.
^iietiaeo EBectuar-ae-hiio oa sesmea
Hoje:
Pelo agente Oliveia, s 11 horas, ra do
Imperador o. 39, de orna casa terrea-
Pelo h gente Gusmo, s 10 horas, no armazern
da Alfaudega, de mercadorias avariaias.
ao ruaebreaSerao ceiebrau.e :
Hoje :
A's 7 horas, na igreja de S. Gongalo, pela al-
ma de D. Delmira Z^ferina Alves Cordeiro ; s 7
e 1/2 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
do Dr. Joo Ja come Martins Pereira.
A's 8 Seras da manh, no convento de S, Frau-
c seo, pela alma de Joaqun; Anselmo de San-
t'Ann.
Acuantia :
A's 7 horas, na Ordem 3" de S. Francisco,
pela alma de D. Mana Victoria dos Santos ; s
7 e 1/2 horas, na matriz de Santo Antonio, pela
alma de D. Luiza de Franga Ribeiro ; As 8 horas,
ne matriz da Boa Vista, pela alma de Jos Lwi
Alves Vilell..
Inspectora do ," diotricto mar'-
timoRecife, 18 de Selembro de 1892.
Bolelim meteorolgico
Horas Term. cenli- Barmetro
(o O)
761-,87
763- 31
761-.47
761-.41
761-.75
Temperatura mnima 24*,00.
Temperatura mxima 27,00.
Evaporaco em 24 horas ao sol 7,"9, son-,
bra 3m,6.
Chava nulla.
Direcgao do vento E com inerrungoes e ESE
e ENE de mea noite at 2 h. e 57 m. da manh;
ESE e SE alternados at 8 b. e 10 m, ; S e SSE
alternados ate 10 h. e 54 m.; S com interrupcOes
de SSE e SW at meia notte.
Velocidade media do vento 5-,72 por segundo.
Nebulosidade media 0,42.
Boletim do porto
Cunha, Carlos Castor, Aron Calare, sua senhora e
1 Alba, Inojoza VarejSo e 2 lbos. Franciaco Bor-
ges, Jos Joaqum do Nascimento, Coaatancia de
ouza Bandeira, Podro Antonio da Coate, An.o
co Soares, Joeepb Latbam, Francisco de Sai.es
Vsconcellos, sua seonora, 2 inos e 2 criadas,
W Vogel, Cnritovo Goerro, Mana Joaquina,
Mara Guerra Joo M. P. Guerra. Alvaro da Costa
Ferreira, Octano Salva, Antonio Victorino Alvos.
Dooalo Lobo, capito capito Francia \j Jos
Veibo, sua senhora, 2 Albos e i criada, Ladislao
Araoba. Jos Joaqutm de Azevedo 41meida, Ga-
briel Estanislao e sua senhora, lenle Francis-
co de Barro Brrelo, Bernardino R. Costa Mon-
lei-o, Manoei da Sil a Santos, G. de Mello, Joa-
qu>m Jos Martina, Januano Francisco de Amo-
rim.
Sabidos para o sal no vapor nacional Ala-
goaa :
Alfredo D. T. Bandeira, Francisco Floriaoo,
Joanna, Baro de Santo Andr, Dr Folicio Bnar
que, Amonio Freir Hagber, Costa Amazonas,
Or. Cae'.ano A. C. Nascimento, Joas Taarino de
Aodrade, Meira Lima, Dr. Cyro de Mattos, Gio-
vanoi Sans.ni, Aatooio F. de Azevedo Silva, Dr.
Jos Ferreira Muoiz, Antonio C. Mendes Fernn-
des, Carlos Gangnat, Loiz Setymi, Andr P, Del
gaao. sua senhora, 3 lilUes e 1 criada, Emigdio
J. P. Ribeiro. prigio M. Coelho. Joaquim do fte
to Brrelo, Augusto F. Costa, Thom A. da Mol-
la, Antonio T. de Araujo, Maria Vital T. Bandei
r, Mcioel E. de Oliveira Carvalho, Laurindo R.
Campel'o, Joo V. de Barros, 2 menores, Jos
Ferreira dos Saat03 e l filho, Eduardo, 1 mari-
nbe|ro nacional.
Casa a Uetene&o -Scvit^ec'.o Cus ;-e-
sos da Caa> de Detenco co Recle, Estado -*t
Pomambuco. ma 18 de Setembro da 892.
Sxi8ii:,ii 333, en'-raram 4, sahirou 1axi-
m 336
A saoer :
Naciooaes 301, mulerea 3 sstrangelros 32.
-Totai 336
Arragailos 305.
Sons 2i5.
Doetos 16
Loncos 3
Looca 1.
-Totsl 305.
Nao houve altergo na enfermara.
<=,Foram visitados os presos deste eatab-Uci-
mento por 200 pessoas sendo, homens 75 e mu-
Iheres (25.
Hoopttal s*sdro 11 -O movimento deste
estabelecimento de caridade cargo da Santa
Casa da Misericordia do Recite, do dia 18 de
Setembro. foi o seguate :
Existiam 687
Entraran 11
------698
Segundo pareoVelocidade- 800 mo-
tr u ~~An'^,aa *" Pernambuco que nlo
tenham ganho eu diatancia superior de
20 de Agosto do 1891 i. 31 de Juuho de
2005
405
2."
3.
pn-
Du-
1892. Premioa : 2wa g0 pruneiro,
ao segundo e 200 ao teroeiro.
Tahcior, montarlo por Manoei
Pereira, 55 kia.,
Dubn, 1 m por J. Marcelino.
51 ks.,
Vingador, idem por P. Alejan-
drino, 53 kls.,
Tempo : 54 lj2"
Rate das poulos : Talicier em
meiro 10.5900 e em segundo 7|}000 ;
blin em segundo 14&00.
Movimento das poules : Circularam
390, em primeiro 236 e em segundo
154, na importancia de 1:950$OCO.

Terceiro pareoPrado Pernambucano
1.250 metros.Auimaee pongis e de
Pernambuco. Premios : 2500 ao primei-
ro, -iS ao segundo o 25(5 ao terceiro.
Dspota segundo, montado por
Nicolao, 54 kls., 1.
J. Marculi-
srorJo
6 m. 24,*8
9 25,'6
12 6,'3
3 t. 25/5
6 > 24,8
nso do Hur,.i
vapor dade
17,53 76
17,50 72
18,42 73
18,12 76
17,53 76
Saniram 10
Fallecern. 1
Existem 663
------674
Foram viiitadas as enfermaras pelos seguir,
es Drs. :
Moscoso entrn s8 1/2 horas da manh e sa
aii s 9.
Barros Sobrinho entrou s 6 1/2 da manh *
anu ..iiio as 73/4.
Malaquias euarcuaa 9 1/2 da uiaon e s.nic -
10.
SimOes Barbosa entrou s 9 1/4 da manh e
sabio as 10 3/4-
Berardo eniou a 9 1/4 da raiaab e sabio as
9 3/'* horas.
Arnobio Marques entronas 10 da 2ijr.li
a sabio s 11.
Looes Pessoa entrou as 9 1,4 oras da cnanhi
: sabio s 9 3/4
Vieira da Cunha entrou ; 10 e saho i
ti.
Carlos Gouveia entrou s 91/4 horas da manh
e saho s 10 1,4.
0 ajudante do pharmaceotico entrou s 8 34
horas da mauh e saho s 3 horas da lar
de.
Ilillicu-K da lolertu do Yplranga
Recebem-sj bilbetes desta lotera em troco da
do Cear sem descomo algum, na Casa do Ouro
de Joo Joaquim da Costa Latte a ra Baro da
Victoria o. 40.
Lotera do Botado do rao-Par.
A 2.* sene da 55." lotera, deste Estado
premio trraoae de 240:000*000, ser extrahtfa
no dia 24 de Setembro (sabbado).
botera do Balado do Rio Grande
po MalEsta lotera cojo maior premio cit
(0:000*000 ser impretenvelmente extrahiaa
no da 24 de Setembro (sabbado).
Lolerlaldo Bolado do Ceara A 3'
parte a 3* tetina *" pstado do Cear, com o
Bremio grakde de 50:000*000. ser extrahids
impreterivelmeme no dia 20 de Setembro (ter-
ga-feira).
botera do Estado de Mina* fie-
raeoA 1* parte da 10 lotera, deste estado
com o maior premio de 36:000*000. ser extra
nida impreterivelmeote, no da 20 do Setembro
terga feira.
botera < Estado do Maranbao
A 2g* serie da 7' lotera des*e estado, sendo o
premio grande de 300:000.5000, ser impreteri
velmente extrbida no da 21 de Setembro (quar
ta-eira).
Cenalterlo publicoObtuario do dia
de Setembro de 1892
Aonunciada Dutra da Annuncago, Pernam-
buco, 20 annos, solteira, Boa-Vista ; entente.
Maria Ignacia de Jess, Pernambuco, 50 ni-
o?, casada. Boa Vista ; septicemia.
Terciria, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista ; fe-
bre palustre.
Mancel Jacquee, Pernambuco. 4o annos, viu-
vo. Boa Vista ; diarrha.
Josepha Beterra dos Santos, Pernambuco, 30
annos, solteira. Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Lucio, Pernambuco, 28 annos, casado, Boa-
Vista ; tube'colos pulmonares.
Bernardino Jos Ayres, Santa Calharina, igno-
ra se, Recife ; beriberi.
Joanna, Pernambuco, 18 diaa, Recite ; ather-
psia.
Manoei Flix Gongalves de Souza, Pernambu-
co, 50 annos, casado, Afogados ; inflammago.
PiramoD, ;dcraa por
no, 50 k!s.,
Tenorino segundo,
Gustavo, 54 kls.,
Tempo: 88"
2.'
idem
por
Dspota segundo
Kateio das noules
em primeiro 8t500 e em segundo 6/J930;
Piramoa em segundo llf$209.
Movimento das poules : circularan
849, em primeiro 633 e em segundo 246,
ua imporifincia de 4:245i000.

Quarto pareo Trunos UrbanosGran-
de PremiaHandcap 1.800 metros.
Animaos nacionaes. Premios : 8006000
ao primeiro, 2-03 ao segundo e 806 ao
terceiro.
Atlante, montado por J. Cam-
pos, 52 kls., !
Ninicbe, idem por Gustavo, 58
kls 2."
D. Affonso. idem por Pedro de
Souza, 52 kls.,
Tempo : 12T"
Riteio dts poules : atlante em primei-
ro 166000 a em secundo 76800 ; Nini-
che em segundo 76000.
Movimeuto das poules : Circ:uaram
1022, em primeiro 695 e em segundo
327 na importanuia de :1106COJ.
#
(jiato parooDerby850 raecroi
Animaes de Pernambuco que nao ttuiaam
ganho em dist.r.cia superior a 1.050 me-
tros uoa praos do
20c, ao primeiro, 406
ao terceiro.
Turco segundo, montado por M.
ArcnaBJo, 3 kis.,
Recife. Premios :
ao segua..- e 2Z$
por B. Becjamin,
2.
P. Alesandri
Berlija, id^m
53 kis.,
Tapir, deua por
no; 51 kls..
Tempo : 60"
Rateio das poules
primeiro 316000 e em segundo
Berlina em segundo 106100.
Movimento da6 poules : Circulanun
318, em primeiro 217 e em segundo
101, na importancia de 1:590(9000.
turco
segiaudo em
175300-,
Horas Altura
8-50 da m. 0-33
3-11 da t. 2-13
9-03 da L 0-42
3-29 da m. 2-28
paaaaselras -Sahidos para o norte 00 va-
por nacional 01iada>
Pramar ou 1 "has
baixa-mar
R. M. 18 ae Setembro
P. M. 18 de
B. M. 18 de
P. M. 19 de *
Hipporiromo do Campo Grande
25a CORRIDA
Gracdes premios. Trilhos Urbanos, An-
mhgao e Estado de Pernambuco
Foram no domingo ultimo disputados
no Hippodromo do Campo Grande esses
grandes premios qie se comprehendiam
no programma daquella corrida.
A festa sportiva que nesse dia se dava
naquelle pitteresco prado foi effectivaaien-
e no bello enterteniment offorecido ao
publico.
Alm desse primoroso dia de ver3o que
presidio a nesma festa, correu ella coc
aniiaso e ordem, que fazem a excellen
cia de tees reunidas,
E a concurrencia, mesmo na coinciden-
cia da festividade do Cajueiro, nlo deixou
de aer lisongeira, tornando assim mais
brhonte a reunido, que relativamente
correspoedeu expectativa.
Das carreiras eis o resultado.
#
Primeiro paree 0 ae Setembro- 80
metros. Animaes de Pernambuco que
0S0 tenham ganho primeiro o segando
premio nos prados do Recife. Premios
2006 ao primeiro,
ao terceiro.
ohmSef, montado por Canana-
varro, 51 kls,,
Pre.-
Per-
d8-
Sexto pareoAuitaacaoGrande
mi1.100 metros.Animaos de
nambuco qca n2o tenh.m ganho em
taccia superior a 800 metros. PremioB :
o005 ao primeiro, 805 fto segundo e 306
ao terceiro.
Talicier, montsdo por Manoei
Pereira, 50 kls.,
Alexandri-
Casemiro,
3.
Talicier em priroei-
Yambo
lambo, idem por P.
no, 50 kls.,
Camponez, idem por
50 kls.,
Tempo : 80 Ii4"
Rateio das poules :
ro, 96700 e em segundo 76000;
em segundo V6500.
Movimento das poules : Circularam
829, em primeiro 537 e eras segundo
292, na imdortancia de 4: .456000.
Stimo pareo -Estado de Per:ambuco
Grande PremioHandcap1 609 me-
tros. Animaes de Pernambuco. Premios:
5006 ao primeiro, 1505 ao segundo e
506 o terceiro.
Maurity, montad 1
chanjo, 58 kls.,
Piramon, idem p r
uo, 65 k .,
Cyclone, idem por
drino, 55 kls.,
Tempo: 120"
Rateio das pou!
r: 65900 e em sei
em segundo 560^0.
Mov meato das t;oules :
899, em primeiro 71 e
328, ua importancia de 4-4950i.0.

M. Ar-
J Marceli
P. Alexsn-
l."
9 o
Maurity en
550C0: Piramon
cnlaraiB
eax segundo
8. pareo nSo ffectuo c rrida
pelo adiontamuto da hora.
O movimento geral da -asa s postas
registrn a emise / 4 897 poules. na
quaatia total de 24:4856000
406 ao segundo e 206
GedeSo, idem por A. Meira,
51 ks., 2.'
Tejo, dem por P. Figneredo,
51 kls., 3/
Tempo : 59"
Rateio dos poules :
meiro 236800 e em segundo
deSo em segundo 6*5900.
Movimento das poules : Circularam
590, em primeiro 286 e em segundo 204,
SolimSes em pri
86600; Ge-
Lourengo Cavalcanle, AntonioE.de Alm|ada|na importancia de 2:9506000.
A corrida cuja historia compendiamos
no que cima tica exarado, deu occasiSo
a aprecir-se' :uas br ba velocidade e folego doa n;imaes Talicier
e Atlante.
Este que de nimai de Pernambaoo foi
elevado punga, correndo com meio
a tigues an ordem de Niniohe, o-, D.
Affonso e Danubio distancia d 1.800
metros, chegou meta primeiro que estes,
tendo antes percorrido a raia em sahida
falsa n"o contiia mais de 7.000 metros.
E aquelle vencendo o tiro de 800 me-
tros em 54 1|2" em competencia com
Ally, Dublin, Vingador e Petropolis se-
gnndo.
Sao provas estas que especaalio&m os
referidos animaes, que se revelaram su-
periores e impossiveis de perderem re-
gularmente para os seus competidores em
quaiquer corrida.
PRADO PERNAMBUCANO
Hoje encerra a ioscripcSo para a cor-
rida de domingo prximo no prado do
Lacea
'.'
X.

i
HffiCI
-*-~


PERNAMBUCO
Acta de rcnalSt dos subscriptores da t;
panilla de Tecidos de Malha.
Presentes, a ama hora (Ja tarde do da 25 de
Agosto de 1892, no lugar designado, os incorpora-
dores da empreza e subscriptores em numero legal,
como consta do livro de presenca, foi acclamado pre-
sidente da reuni o Sr. Dr. Jos Joaquim de Oliveira
Fonscca, que convidou para secretarios os Srs. Drs.
Joo de Oliveira e Lauro de Gastello Branco.
Verificado o numero de subscriptores presentes,
representando mais de dous tercos do capital, o Sr.
presidente declara aberta a reunio.
Tendo de ser transferidos Companhia bens per-
lenceates ao incorporador Joao Walfredo de Medei-
ros, o Sr. presidente declara que, na forma da lei, se
vai proceder eleigo de louvados que araliem ditos
bens. O Sr. Dr. Joao de Oliveira propoe e appro-
vado, que o Sr. presidents faga a escolha que recahe
nos Srs ; Dr. Lauro de Gastello Branco, Antonio Du-
arte Carneiro Vianna e Nicholas John Lidstone. Es-
te ultimo, allegando parentesco com o Sr. Carneiro
Vianna. pede dispensa, que Ihe concedida, sendo
nomeado para substituil-o o Sr. Gomes Augusto Gajo
de Miranda.
Declarando os louvados que conheciam os bens
avahar e que podiam com pequea demora dar o
seu parecer, o Sr. Presidente suspende os trabalhos
por meia hora.
Reaberla a reunio e entregue pelos louvados o
parecer, o Sr. presidente consulta aos Srs. subscrip-
tores se deve ser elle lido e votado em seguida, o
que se decide pela afljrmativa.
E' este o parecer: "Nos abaixo assignados, no-
meados pela assembla geral dos subscriptores da
Companhia de Tecidos de Malha. para avaliarmos a
propriedade e concesso com que para a mesma com-
panhia entra o subscriptor Joao Walfredo de Medei-
ros, avahamos a dita propriedade em dez contos de
res, (Rs. 10:000^000) e porque assim o fizemos,
a-signamos a presente declarago para ser submetti-
da a apreciago da sobredita assembla. Recife,
~2~> de Agoslo de 1892 (assignado) Lauro de Castello
Branco, Antonio Duarte Carneiro Vianna. Gomes
Augusto Gajo de Miranda. Posto em discussao o
parecer, fallam sobre elle os Srs. Theodomiro Ribeiro,
Rodrigo de Carvalho. Jos Abilio, Joao de Oliveira e
Frederico lysses, que m;mda mesa a seguinte
emenda substitutiva : Proponho que se de proprie-
dade do Sr Medeiros o valor de vinte contos de reis,
(Rs. 20:000^000) nada percebendo elle pela trans-
ferencia da concesso.
Esta emenda approvada e consultado o Sr.
Medeiros se acceita. responde affirmativamente. Em
seguida procede-se a leitura de um conhecimento do
Banco Popular (transferido depois para o Banco
Emissor), certificando o deposito de 20 [0 realisado
pelos subscriptores. Leem-se os estatutos, assigna-
dos pelos subscriptores e sao elles approvados. Es-
tando a hora adiantada o Sr. Presidente levanta a
sessao, devendo os Srs. incorporadores, convocar bre-
vemente outra reuniao para se proceder eleicao do
conselho fiscal e ser declarada installada a compa-
nhia. Eu, Joo de Oliveira fiz e subscrevo esta,
com os demais membros da mesa.
Dr. Jos Joaquim de Oliveira Fonseca.
Joo de Oliveira.
Lauro de Castello Branco.
Joo Walfredo de Medeiros.
Guilherme Carneiro da Cunha.
P. P. do Conego Idalino Fernandes de Souza.
P. p. de Alves de Brilo & C
Guilherme Carneiro da Cunha.
Theodomiro C Duarte Ribeiro.
Alfredo Amando P. Fragoso.
francisco Machado Teixeira Cavalcante Sobrinho.
Guilherme Dantas Bastos.
Agoslinho Santos & ..
Jos Firmino Alvares Quental.
Dr. Agostinho da Silva Leal.
Rodrigo Carvalho da Cunha.
Joaquim Colago Dias.
P. P. de Manoel Colago Dias.
Joaquim Colago Dias.
Gaes Augusto Gajo de Miranda.
P. P. de Papoula Irmo.
Gomes Augusta Gajo de Miranda.
Primenio Duarte Ribeiro.
P. !. (leTheo. Just.
P. P. de Jos Augusto Alvares de Carvalho.
Primenio Duarte Ribeiro.
Frederico lysses de Almeida Albuquerque.
Manoel dos Santos Araujo.
Isidoro Lemos.
Jos Abilio de Barros, por si e
P. P. de Ernesto Arcelino de Barros Franco.
P. P. de Jos Rogoberto de Barros
P. P. da Theodomiro dos Santos Selva.
P. P. de Albino Silva & C.
Joseph Clement Levy.
Como representante de minha tilha Maria da
Paz Araujo Braga.
Manoel J. G. Braga.
Arthur de Mello.
Francisco Pereira da Silva.
Por minha mulber Priscilla Castello Branco.
P, P. de Joo Machado Teixeira Cavalcante.
P. P. de Manoel Machado Teixeira Cavalcante
Jnior.
P. P. de Ignacio Romero Cavalcante.
Lauro de Castello Branco.
Antonio Duarte Carneiro Vianna, por si, sua
nulher e filhos.
Francisco de Assis Cardozo.
Gustavo da Silva Antunes.
Alexandre Americo de Caldas Bnando.
Jos Lopes Ferreira Maia.
Acta da reuniao dos subscriptores da
Companhia de Tecidos de Malha
Presentes, as duas horas 0% tarde do dia 2 de
Setembro de 1892, no lugar designado, os iocorpo-
radores da Companhia e subscritores em numero
legal, como consta do livro de presenca, foi aoclama-
do Presidente da reuniao. na ausencia do Sr. Dr.
Oliveira Fonseca. o Sr. Dr. Joo de Oliveira, que
convidou para secretarios os Srs. Dr. Lauro de Cas-
de Pernambaco Terca-eira 20 de Selembre de 1892
3
telty) Branco e Arthur de Mello. Lida a acta da
sesjso anterior sem discussao approvada.
Comparecendo o Sr. Dr. Oliveira Fonseca, assu-
me a presidencia e convida os mesmos secretarios da
ultima sesso.
Em seguida procede-se a eleigo de membros
do Coselho Fiscal e supplentes, sendo este o re-
sultado :
Votos
i." Dr. Joo de Oliveira 133
2. Joo Machado Teixeira Cavalcante 103
3." Frederico lysses de Almeida Albuquerque 57
Commendador Jos Abilio de Barros 47
Rodrigo Carvalho da Cunha 25
Dr. Jos Joaquim de Oliveira Fonseca 22
Antonio Duarte Carneiro Vianna 14
Manoel Colago Dias 8
Francisco Pereira da Silva 7
Dr. Lauro de Gastello Branco 2
Fora'm proclamados eleitos os tres primeiros.
A eleigo para supplentes deu o seguinte re-
sultado :
1. Coronel Joo Rodrigues de Moura 83
2. Gomes Augusto Gajo de Miranda 71
Frederico lysses de Almeida Albuquerque 71
3. Commendador Jos Abilio de Barros 71
Rodrigo Carvalho da Cunha 44
Francisco Pereira da Silva 42
Joo Machado Teixeira Cavalcante 15
Izidoro Lemos 11
Antonio Duarle Carneiro Vianna 4
Dr. Lauro de Castello Branco 2
Manoel dos Santos Araujo 2
Manoel Colago Dias 1
Tendo o Sr. Frederico Ulvsses sido eleito effe-
ctivo, form proclamados eleitos os outros tres mais
votados.' .
Em seguida foi levantada a sesso, ficando ins-
tallada a Companhia.
Eu. Joo de Oliveira, fiz e subscrevo esta, que
vai assignada pelos membros da mesa.
Dr. Jos Joaquim de Oliveira Fonseca.
Joo de Oliveira.
Lauro de Castello Branco.
Joo Walfredo de Medeiros.
Guilherme Carneiro da Cunha.
P. P. do Conego Idalino Fernandes de Souza.
P. P. de Alves de Brilo & C,.
Guilherme Carneiro da Cunha.
Theodomiro C. Duarte Ribeiro.
Alfredo Armando P. Fragozo.
Agostinho Santos & C,.
Francisco Machado T. Cavalcante Sobrinho.
Guilherme Dantas Bastos.
Jos Firmino Alvares Quental.
Dr. Agostinho da Silva Leal.
Rodrigo Carvalr.o da Cunha.
Gomes Augusto Gajo de Miranda.
P. P. de Papoula Irmo.
Gomes Augusto Gajo de Miranda.
Joaquim Colago Dias.
P. P. de Manoel Colago Dias.
Joaquim Colago Dias.
Primenio Duarte Ribeiro.
P. P. de Theo Just.
P. P. de Jos A. Alvares de Carvalho.
Primenio Duarte Ribeiro.
Frederico Ulvses de Almeida Albuquerque.
Manoel dos Santos Araujo.
Jos Abilio de Barros, por si e por procurago
de Gustavo da Silva Antunes.
P. P. de Jos Rogoberto de Barros.
P. P. de Theodomiro dos SantosSelva.
P. P. de Albino Silva & C,.
Izidoro Lemos.
Joseph Clemente Levy.
Como representante de minha filha miaor da
Paz Araujo Braga.
Manoel J. G. Braga.
Arthur de Mello.
Francisco Pereira da Silva.
Por minha mulher Priscilla de Castetlo Bran-
co. Lauro de Castello Branco.
P. P. ^de Joo Mrehado Teixeira Cavalcante
Jnior.
P. P. de Ignacio Romero Cavalcante. Lauro
Castello Branco.
Ernesto Arcelino de Barros Franco por si e P*
P. de Joo Alvares da Silva.
P. P. de Firmino de Araujo Lima.
ESTATUTOS
DA
Companhia de Tecidos de Malha en Per-
namburo
CAPITULO I
Da Empreza
Art, 1. Fica creada na capital deste estado
urna sociedade anaoyma sob a deneminago de
Companhia de Tecidos de Malha.
Art. 2. A 3de da Companhia ser na cidade
do Recife, onde ter o foro para todos os seus con-
tractos, e acgoes que delles se originarem.
Art. 3.c A durago da Companhia, ser de trinta
annos. a conlar da data de sua instalago, e s pode-
r ser dissolvida antes do prazo, por deliberago da
assembla geral dos accionistas, convocada especi-
almente para este fim, ou nos casos previstos por
lei.
Art. 4. Terminado o prazo do artigo antece-
dente, poder ellfe ser prorogado, se assim entender
a assemba geral dos accionistas.
CAPITULO II
Capital e acedes
Art. 5. O capital da companhia ser de duzen-
tos contos de reis ( 200:0000^000 ) divididos em
mil acgoes de duzentos mil reis cada urna, podendo
ser elevado se assim exigir o deseavolvimento da
mesma.
lrt. 6. Est; capital ser realisaio do seguinte
modo: 20|o logo depois da subscripgo e o restante
em prestagDes de l0[o com intervallos nunca inferio-
res de 30 dias, anunciados nos jornaes deste cidade.
Art. 7. As acgOes sero aominativas em qnanto
nao forem integraiisadas e a transferencia se far por
termo lavraio ao registro da Companhia. assignado
pelo ceden'.e e cessiouano, ou por seas legtimos pro-
caradores.
Art. 8. O accionista que dentro do pntr> da
chamada nao realisar a-sua entrada, seravisado pores-
cripto, marcando le-lhe novo prazo de 30 dias para
efiectuar o pagamento de sua prestarn coa a multa
de 5[0, o nao a eflectuande, se lhs marcar anda novo
prazo de 30 dias ubi a molla de O0^
nico. Esgotados estas prazoa, a, Directoria
proceder de aecurdo com a lei vigente.
Art. 9. As aegoes de qie trata, o artigo antece-
dente, sero logo annancia las pe* Directora, que
far emittir ootras era substituigo, tendo preferencia
para ellas os accionistas da Companhia.
Art. 10. Toda a.acca indivisivel em referen-
cia a companhia.
Art. 11. E' accionista tod'd a pess&a que possuir
urna o utais acgoes.
Art. 12. Cada meo'acgoes do direitoaum voto,
e seja qual for o numero 4e acgSes, nao poer ter
o acc onista mais de vinte voto=.
Art. 13. O possuidor de menos de cinco acgoes
uo podera votar e nem ser votado, mas, poder as-
sistir as assemble s geraes e discutir qusstoes que a
ellas forem submetlidas.
Art. 14. A resiponsataJiiade do aceionisti, li-
mitada ao valor de suas acgoes.
Art. 15. Sao difitos do accionista .
1,J Receber os dividendos que Ihe tocarem-
2. Poder ser eteilo ou nomeado para qualquer
dos cargos da companhia, com as restriegues destes
estatutos.
3. Fazer-se representar as assemblas geraes
por procura 'ores, cora tanto que o m jndatario seja
accionista, e nao faga parte da Ureetoria ou do con-
selho tscal.
4," Os mandatarios devero depositar as procu-
ragOes peranle a Directora, dous das antes da re-
uniao da assembla geral.
CAPITULO III
Frns da Companliia
Arl. 16. Montar id municipio do Recife, fregue-
sia da Varzea, um.i fabrica vapor, com machitiismos
aperfeigoados, para a explorado de tecidos de malha,
concernen'.es a meias de todas as qualidades, para uzo
de ambos os sexos, a camisas le meia, acerouhs, a
luvas e quaesquer outros artefactos inherentes ae mes-
mo ramo de industria,
1.' Montar tambem urna fabrica de carias de
papelo vapor, e por um sys!emi aperfeicoado, para
os productos da fabrica
11, As officinas de trabadho, sero constitui-
das era secgOes, conforme a conveniencia i servigo e
submetlidas a u i. regulamerrto organisado pelo gerente.
Art. 17. A companhia ter o seu escriptorio
centrd na cidade do R.cile, ende se tratar i todo o
moviment > commercial, compra e venda, encommen-
das, cnntract >s recebimentos e pagamentos, ele, etc,
CAPITULO IV
Da AdministraQuo
Art. 18, A companhia ser administrada p;r tres
directores eleitos pela assembla geral, por escrutinio
secreto e maroria de votos.
Un co. Destes um ser gerente, outro thesou-
reiro t o ontro secretario.
Art, 19. O mandato da Directora ser de tres
annos, podendo os seus membros srem reeleitos,
Art, 20. Os airelo res, gerente, thesoureird e se-
cretario, logo que tomaren posse, caocionaro. o pri-
meiro e segundo 25 acgoes cada um, e o Urceiro 15
acgOes. pea responsabilidade de sua gesto, as quaes
sero averbadas no registro da companhia e inaliena-
veis, at serem jolgadas pela assembla geral as res-
pectivas contas.
Art. 2*1. Nao podero ser direct res- coojuBcia-
mente, os parentes at o 2 gru,
ArL 22. Considerar-se-ha ter resignado o man-
dato, o director que sem causa justificada, deixar de
exercer as funCoes de seu cargo por tempo exceden-
te a dous mezes.
Art. 23. Quando por motivo de fallecirrcuto, im-
pedimento e resignago, se verificar alguma vaga de
director, a Directora poder preenchel-a. nomeando
um accionista que tiver a qualificagc nece ssaria. e de
preferencia aq ielle que possuir conhecimentos praticos
dos ramos de commercio e industria exploradas pela
companhia.
nico O accionista chamado a preeacher a
vag exereer o mandato at a primeira reunio da
assembla geral, ordinaria ou extraordinaria.
Art 24, Sao attribuigOes da directora
1. Reunir-se orlinarament nma vez por
mez, e extraordinariamente quando o gerente ou dous
directores convocar,
2. Deliberar sobre todos os interesses da
companhia, podendo at contrahir empresnmos ou
fazer operagoes de crdito, sempre que exigir o bom.
andamento de seus neg ;ios, de accordo com o con-
selho fiscal.
3. Fazer acquisigo dos bens movis e im-
moveis necessarios ao bom funecionamento c desea-
volvimento das industrias que a companhia explorar.
| 4. Mtrear os vencimentos do pessoal da com-
panhia.
| 5. Apresentar annualmente o reJatorio dos
trabalhos da companhia.
Art. 25 Sao attribuigSes do director gerente:
1." Presidir e dirigiros trabalhos da directo-
ra.
| 2." Convocar as reunioes da directora e das
assemblas geraes e extraordinarias.
3. Representar oiciaimente a companhia
em todas as suas relages, podendo para este fim no-
mear delegados.
| 4". Assignar com os mais directores, as ae>-
g5es da companhia e todos os mais ttulos de respon-
sabilidade da mesma.
5. Dirigir os trabalhos da fabrica.
| 6." Fiscalisar e superintender todos os ramos
de ser Jigo da companhia, nomear suspender a demit-
tir os empregados da fabrica.
7. Determinar todos os pagamentos.
Art 26 Sao attribuigoes do director thesourei-
ro.
l. Ter sob sua guarda e responsabilidade os
dmheiros da companhia.
2. Effectuar os pagamentos determinado ou
visados pelo directorWerente.
| 3." Fazer recslher a um banco o excesso da
receita que nao lenha de ser consumido com o
custeio da companhia.
4- Retirar do baneo as sonunas necessarias
aos pagamentos.
| 5. Promover activamente e uaealisar a co-
braoca dos dnheiios da companhia.
* | 6." Fiscalisar a esrripturago e ordenar que
ea seja feita com a laaxima ponlualidade e: regulari-
dade;
7." Ter a aeu cargo toda a correspondencia,
auxiliado pelo guarda Iivros, ou qualquer outro em-
pregado habilitado.
| 8. Assignar as acgoes e mais ttulos de res-
ponsabilidade da companhia.
9. Substituir o director gerente em seu* im-
pedimentos.
Art. 27 Sao attrifcuiges do director secretario.
| 1. Lavrar as acias das reunifSes da Directora.
~2:'~ Reunir annualmente os elonentss indis-
pnsav.is coofecgio do re I a torio que tem de ser
apresentado pela directora as assemblas geraes.
I 3. Assignar as accoes e maia titolos de res-
ponsabilidade da; companhia.
4.-$ubstiUir os directores, gerente e thesou-
reiro em seus impedimentos.
Art. 28 A directora nao poder contrahir ob*i-
gago alguma pessoa1! ou conectivamente, de modo
que venka prejudiear directa ou indirectamente os in-
teresses da companhia.
CAPITULO V
Do Conaelto Fkcol
Art. 2.9 O conselho fiscal ser composto de
tres membros e tres supplentes, que substilairao os
primeiros em seus impedimentos, na ardero da volago.
s sero eleitos annualmente pela: assembla geraL
Art. 30 Alm de seus deveres e responsabili-
dades reguladas pa lei. derero assistir as reunioes
da directora, quando para isto forem convidados.
nico Perceber cada um a gratificacao de
duzentos mil reis annuaes.
CAPITULO VI
Da Assembla Geral
Art. 31 A assembla geral a reunio de to-
dos os possuidores de acgoes descriptas no registro da
companhia.
Art. 32. A assembla Geral julgar-se-ha cons-
tituida com o numero de accionistas representando ura
quarto do capital social.
Arl. 3t. No caso de nao se reunir o numero de
accionistas para se constituir a assembla geral, ob-
servar-se-ha o disposto na lei.
Art. 34. A conrocagao da assembla geral, or-
dinaria, se far por annuncos nos jornaes, com ante-
cedencia de 15 dias.
Art. 35. Haver annualmente urna assembla
geral, que ter lugar no terceiro mez, depois de lindo
o anno social.
| 1." As asambleas geraes extraordinarias,
tero lagar todas as vezes que o caso exigir, mas
as deliberagOes a tomar-se versarlo somente sobre o
assumpto para que tiverem sido convocadas.
| 2. O accionista s poder tomar parle as
deliberagoes destas assemblas. tendo inscripto suas
acgSes no registro da companhia 30 dias antes da
reunio.
Art. 36. A mesa da assembla geral ser com-
posta de um presidente e dous secretarios, sendo
aquelle eleito por acclamagao t estes Domeados pelo
presidente.
i nico. No caso -de suscilar-se dunda, far-
se-ha a eleigo por escrutinio secreto.
Arl. 37. Compete a assembla geral.
i 1. Eleger a Directora na poca marcada
nestes estatutos.
2. Eleger annualmente o Conselho Fiscal e
seus supplentes.
CAPITULO VII


Dividendos e fanda de reserva
Art. 38. Os lucros lquidos verificados semes-
tral mente sero applicados da forma seguinte :
1. Cinco por cento para o fundo de reser-
va at completar a qnantia de cincoenta contos de reis.
; 2." Tres por cento para os empregados da
companhia, quando o dividendo attmgir a 25 ;0 e
distribuidos de accordo com o disposto no art. 39.
3. Dez por cento applicados aos reparos
dos macfiinismos e obras da companhia.
4. O excedente ser destribuida pelos Srs.
accionistas como dividendo.
CAPITULO VIII
* Peculio dos Empregados
Art. 39. Os 3 /0 destinados aos empregados
da companhia. sero destribuidos na proporgo de
seus vencimentos e levados a caixa da companhia e
all creditado a cada um.
Art. 40. Estas importancias conservadas pela
companhia, sero entregues ao empregado, quando
este for desligado della por motivo justo, oo quando
por molestia ou caso fortuito, provar a necessidade
de seu peculio.
Art. 41. Sao cansas para determinar a perda
do peculio.
| 1, O abandwio do lugar as secgBes de tra-
batio da labrica, sem previ accordo com o gerente.
| %" O mo comporlamento ou infraego do
ragulameBlo.
Arl. 42. Dado os casos dos || antecedentes,
reverter era favor dos demais o peculio do delinquente
CAPITULO IX
Caixa de Soccorro
Art. 43. Logo que a fabrica comece a lunccio-
nar regularmente, ser creada urna Czixa de Soccorro,
em auxilio do pessoal da mesma, nos casos acc i den-
taes, motivados pelo trabalho, as enfermidades gra-
ves e prolongadas.
Art. 44. Constituir esta caixa, a eguinte re-
cata
| 1." Um dia de baUaJJw 4e cada topre^ado,
artista oo operario da fabfica, descontado mensal-
menie.de seus vencimentos.
| 2." A multas postas aos rawarios por in-
faccao do reg#lameto,
Art. 45. A beneficencia eomepar a vigorar,
tres mez.es depois do primeiro descont.
OAPITiUjO x
Disposioiies Geraes
Art. 40. Sendo o objecto da companhia a vx-
plorago de tecidos de algodo, l e sMa. e reconhe-
cendo-se que a fda, nao s 'e grande -ajo*- no
commereio, mas tambem de fcil cuitira no Brazil,
devflf a omparjinia, logo-que possa. iniciar esta pro-
#
,


1
7-rr


v r
fDferio de Pemamboco Terga-feira 20 de Setembro ae 1898
pa ganda nos terrenos da fabrica e as circumvisi-
nbancas.
Art. 47. A corapanhia no intuito de facilitar a
vida aos operarios, lera no ncleo fabril um deposito
de viveres. .
Art, 48. Logo que as financas da companhia
permittirem, ficar o Director Gerente, de accordo com
a Directora, auctorisado a instituir em o ncleo fabril
urna escola primaria para os filhos dos operarios, de
conformidade com o regulamento opport unamente or-
ganisado.
Art. 49. Para todos os casos omissos n'estes
estatutos, vigoraro as disposicoes das leis em vigor
sobre as sociedades anonymas.
CAPITULO XI
Disposicoes Provisorias
Art. 50. O incorporador Joao Walfredo de
Medeiros traspassar a companhia de Tecidos de Ma-
lha, o contracto entre o mesmo e o governo deste Es-
tado, para montar urna fabrica de meias e outros teci-
dos de malba.
Art. 51. A companhia acceitar de incorpora-
dor a que se refere o artigo antecedente, o contracto
de que trata o mesmo artigo, e bem assim sua pro-
priedade situada na freguezia da Varzea, constando
de duas casas terreas e sua dependencias, construidas
de lijlo e cal.
Art. 52. Na primeira reuniao da assembla
geral, serao nomeados os louvados na forma da lei,
aini de procederem avaliago do contracto e pro-
priedade cima mencionados.
.4rt. 53. Fica organisada do seguinte modo, a
Directora que tem de funecionar nos tres primeiros
anuos:
Director Gerente Joao Valfredo de Medeiros
com o ordenado de oito contos de reis annuaes.
Director Thezoureiro, Theodomiro Cesar Duarte
Ribeiro com o ordenado de quatro contos de reis, an-
nuaes.
Director Secretario. Alfredo Amando da Paz
Fragoso, com o ordenado de dous contos de reis, an-
nuaes .
Art. 54 Quando os lucros lquidos attingirem a
25 |0. a directora perceber urna gratificaco de
10 [0 sobre scu ordenado e assim proporcionalmente,
sendo esta gratificacao levada a conta de despezas
geraes.
/ rt. 55 Os accionistas autorisam aos incorpo-
radores tornar effecliva a companhia de Tecidos de
Malha, reconhecendo assim a substancia dos presen-
tes eslatulos.
Recife, 1G de Julho de 1892.
Joao Valfredo de Medeiros.
Theodomiro L. Duarte Ribeiro.
Alfredo Amando P. Fragoso.
Jos Firmino Alvares Quental.
Firmioo de Araujo Lima.
Izidoro Lemos.
Agostinho Santos 6; C.
Guilherme Carneiro da Cunha.
Francisco Pereira da Silva.
Jos Augusto Dias.
Rodrigo Carvalho da Cunha,
Luiz Ferreira Gomes da Silva,
Dr. Joo Joaquim de Ofiveira Fonseca.
Manoel Joaquim Ribeiro.
Joo Alvares da Silva .
Primcnio Duarte Ribeiro.
Theodomiro dos Santos Selva
Alves de Britlo & C.
Joaquim Colaco Dias.
P. r-. de Manoel Colaco Dias.
Joaquim Colago Dias.
Frederico Ulysses de Almeida Albuquerque.
Arthur de Mello.
Gomes Augusto Gajo de Miranda.
. Frederico Magalhaes da Silva.
Joaquim Monteiro da Cruz Jnior.
e dolpho Teixeira Lopes.
Jos Abiliotde Barros.
P. P. de Jos Rogoberto de Barros.
Jos bifio de Barros.
Jos Carneiro da Silva.
Joao de Oliveira.
Francisco Machado T. Cavalcante Sobrinho.
Lauro de Castalio Branco, como representante
de minha mulher D Prescilla de Castello Branco.
Lauro de Castello Branco.
P. P. de Ignacio Romero Cavalcanie .
Lauro de Castello Branco.
P. P: do Conego Idalino Fernandes de Souza.
Guilherme Carneiro da Cunha
Por minha filha Maria da Paz Araujo Braga.
Manoel J. Gongalves Braga.
Manoel dos Santos Araujo.
Eugenio Guedes de Araujo.
Antonio Duarte Carneiro Vianna.
Por minha mulher Mara Emilia Soares Vianna.
Por minhas filbas Maria da .Gloria Soares Vi-
anna, Leonor Beatriz Soares Vianna.
Por meu filho Antonio Duarte Carneiro Vianna
Jnior.
Antonio Duarte Carneiro Vianna.
Gustavo da Silva Anluncs.
Jos A. A. de Carvulho.
Papoula Irmao.
Augusto Gonsalves de Barros.
Jos Lopes Fe reir Maia.
Adolpho Gentil.
Nicholas John Lidslonc.
Jos J. da Costa Maia.
Jos Gongalves Pinto.
Theo. Just,
Como representante de minha mulher D. Can-
dida Rosa de Oliveira. ?
Adolpho Gentil.
P. P. de Manoel Gomes de Maltos.
Arthur Gomes de Maltos.
P. P. de Manoel Joaquim da Costa Carvalbo.
Antonio Dias Brrelo.
Dr. Agostinho da Silva Leal.
P. P. de Joao Machado Teixeira Cavalcanie.
Lauro de Caslello Branco.
Adelaide de Caslello Branco e Silva.
Joaquim Luiz Teixeira.
Guilherme Dantas Bastos.
Francisco de Assis Cardoso.
Alexandre Americo de Caldas Brandao.
P. P. de Ernesto Arcelino de Barros Franco.
Jos Abilio de Barros.
Albino Silva & C.
Marcellino Fernandes da Cunha.
Francisco Joo de Arn.Tim.
Jos-;ph Clcmenl Levy.
Joao Rodrigues de Moura.
Joao Walfredo de Muduiros* comu|areiaute mo-
rador a ra Primeiro de margo n. 9.
Theodomiro C. Duarte Ribeiro, commerciante,
morador a ra Primeiro de Margo n. 7.
Alfredo Amando P. Fragozo, Guardar-libros,
morador a ra Visconde de Albuquerque n. 104.
D ndo cumprimento ao despacho retro, eer-
co que nesta data e sob numero oitenta e quatro
foi devidamente archivado os estatutos, cora os do-
cumentos que acompanharam, da Companhia Tecidos
de Malha a que se refere a presente peligao. E para
constar onde convier, eu Innoccncio Antunes de Pa-
rias Torres, Official da Secretaria da Junta Commer-
cial do Recife, passei a presente certido aos dese-
seis de Setembro de mi! oilocentos noventa dous.
Subscrevo e assigno O secretario Joaquim Theotonio
Soares de Avellar.
COMERCIO
Bolsa Commerclal de Perna ni
buco
30TAC.OK8 OFFICIAE8 DA JUNTA DOS COR
BKTOBE8
Praca do Recife, 19 de Setembro de 1892,
Nao heuve cotago.
Pelo presidente,
Augusto Pinto de Lemos.
Pelo secretarlo,
Antonio Leonardo Rodrigues
Cambio
PRAgA DO RKCIFK
Os bancos abriram a 12 1/2. 90 d/v, nao appa
sareceodo tomadores.
O mercado fecboo posigo duvidosa.
Nao constou negocio em letras particulares.
PRACA DO RIO DB JANEIRO
A cotago bancaria (oi 12 3/4 d.
Cotace de gneros
Para o agricultor
ASSUCAR
usinas por 15 kilos.
branco dem idem ....
Jmenos, idem idem. .
Hascavado idem idem
Broto idem idem.....3*500 a
ruto irelado......SJ500 a
Rtame idem idem .... 1*600 a
8*000 a
7*000 a
54500
i*500 a
900
9*001'
6*000
5*000
4*500
2J8C0
2*200
Algodo
Nao constoo. vendas deste producto.
JLleool
Por pipa do 480 litros de 280*000 a 300*000.
Agurdente
?or pipa de 480 Litroa a 160*000.
Coaros
Soceos salgados na base de 12 kilos a 640 ris
nominal,
/ardes nominal 365 ris.
TABELLA DAS ENTRADAS DE A88DCAE E al-
godo
Mes de Setembro
Entradas
larcacas.....
'apores......
tnimaes.....
Estrada de Ferro Central
'dem de S. Francisco .
' em do Limoeiro. .
Somma
Dias
16
16
16
16
15
15
Assu-
car
Saceos
1300
417
17
3105
1081
5630
Alto-
duu
Saccas
890
520
383
96
340
1054
383
Borracha
Cota-se a 25*000 por 15 kilos.
.
Por pipa de 4801itros 100*000 nomine!,
Carnauba
Cota-se de 6*500 a 11*500 por 15 kilos nomi-
nal.
131 por taca o
RtCTrl, 16 DE SETEMBRO DB 1892
t'ara o exterior
NSo bouve exoortacao.
Vara o mterior
No vapor ingldz Chilian, para Santos, car-
regar am :
I. I. iloreira, 500 saccas com 43,6.8 kilo? de
algodo.
J. Baltar 4 C 500 saceos com 36,000 kilos de
milbo.
Companhia de Estiva, 500 saceos com 30 0C0
kilos de milho e 26' pipas com 11,750 litros de
alcool
Para Rio de Janeiro, carregaram :
B. Williams fe C, 500 saccas com 36,696 kilos
de algodo e 276 ditos com 22,560 ditos de assu
car masca vado.
J. Sa LeiUto, 500 saceos com 35,100 kilos de
algodo.
No vapor nac'onal Olinda, para Cear,
carregaram :
P. Carneiro & C, 110 barricas com 12,571
kilos de asfucar branco.
Para o Para, carregaram:
J. Baltar & C, 2C0 caixas com 2,800 kilos de
sabo e 3 pipa3 com 1,440 litrosde agurdente.
Joao Soma, 3,000 caixas com 39,100 kilos de
sabao.
E. Kantbacb, 8 saceos om 120 kilos de rio de
algodo.
P. Alves & C, 60 barricas com 2.522 kilos de
assucar refinado e 50 ditas com 3,425 ditos de
dito branco.
Companhia de Drogas, l pipa com 480 litros
de agurdenle, 15 caixas com cabeca de negro
no valor de 30* e 24 ditas com preparados de
jurabeba ao valor de 60*.
Amorim Irmos & C, 20 pipas com 9,400 li-
tros de agurdente.
Para Manos, carregaram :
J. Baltar C, 25 pipas com 2,250 litros de
agurdente.
C. Guimaraes Jnior, 25 barricas com 1,768
kilos de assucar branco.
P. Alves & C, 20 barricas com 1,125 kilos de
assucar retinado, 43 volomes com 3.149 ditos de
dito branco e 65 barra com 6,240 litros de
agurdenle.
F. Rodrigues & C, 1 barril com 85 litros de
mel.
P. Carneiro & C 25 barris com 2.400 litros
de agurdente e 25 barricas com 1,291 kilos de
assucar branco.
J. M. Dias, 2 caixas com 144 kilos de rap.
Amorim Irmaos & C, 25 barris com 2,230 li-
tros de agurdente e 245 voluntes com 17,470
kilos de assucar branco.
Para Maraaho, carregaram :
M. Borges 4 C, meia pipa com 235 litros de
agurdente.
No vapor nacin.! Alagos, para Rio de Ja-
neiro, carregou :
A- C. Uoreira Dias, 1 caixo com 60 kilos d-
doce.
Companhia De=ti ago Central, 30 pipas com
14,400 litros de agurdente.
S. Guimaraes 4 C, 467 saceos com 28,020
kilos de milbo
No vapor nacional Venus, para Rio de Ja
nero, carregaram:
Companhia de Estiva, 1,000 saceos com 60,0.0
kilos de milbo.
Amorim Irmios C, 1,600 saceos com 96,000
kilos de milno.
Na barcaca Paraguassu, para Parahyba,
carregou :
J. Souza, 40 caixas com 920 kilo3 de sabao e
20 ditat, com 240 ditcs de semen.es.
Pauta d Ifaudega
SEUAI.A DB 19 A 24 DE SETDMBBO DE 1892
Alcoci (litro........ 540
Algodo em rama (kilo) .... 572
Arroz com casca r ..o) .... 90
Assucar retinado Otilo) .... 710
Assucar branco (lab) ..... 533
Assucar mascavado (kilo) ; 222
Bayos de mamonas (kilo) ... 730
tlorrachade leite mangab. (kilo) 2*010
Cachaca......... 270
Couros seceos espichados (kilo) 620
Couros seceos salgados (kilo) 560
Jouros verdes (kilo)..... 310
Colinchos (um)....... 1*8/0
tarogos de algodSo (kilo) ... .0
Carrapateira (kilo)..... 120
Caco (kilo)....... 400
Caf bom (kilo)...... ;*200
Cafe restolho (kilo)...... 1*000
Caf moido (kilo)...... 1*400
Carnauba (kilo)...... 53
Cera em velas (tilo)..... 640
Dita em bruto ou preparada (kilo) 800
Canna (litro)...... 343
Cal (litro)........ 10
Carvo de Cardiff (ton.) .... 37*000
Fannba de mandioca (lito r 30
Senebra (litro)...... 295
Graxa (sebo)...... 633
Jaborandy (em folha) kilo ... 200
Leite de mangabeira (kilo) ... 1*466
Mel (litro)....... 166
Milho (kilo...... 80
Phospnato de cal da lina Rata (tone-
lada) ......... 11*000
Pelle de cabra (cento)..... 187*000
Pelle de carneiro (cento) .... 145*000
Sement de carnauba (arroba) 53
sola (meio)....... 4*500
Sement de carrapateira (kilo) 130
Sebo.......... 700
Stearina em velas (kilo) 1*000
Tataicoa (kilo)...... 40
Taboas de amarello em pranchoes
(cuiia)....... 100*
ZEendlaentoa pblicos
MIZ Ca dSTEMBTO OE 1892
Atfawuga
Renda geral
Do da 1 a 17 673:601*946
dem de 19 38:279*857
---------------- 711:881*703
Renda do Estado :
DO dia 1 a 17 84:062*357
dem de 19 4:337*901
------1----------88:400*258
Somma total 800.281*961
Segunda secgo da Al'audega de Pernambuco
19 de Setembro de 1892.
O tbesoureiro,
Florencio Dominguei,
O chefe da seceso,
M. Antcninc de C. Araujo.
A PED10
Ao eleitorado do muiicipio
do Recife
Em satisfago aos intuitos que inspiram a po-
ltica verdaderamente republicana, iniciada e
proseguida n'este Estadc, com rara elevago de
vistas e notavel firmeza, pelo .eu digno gover-
nador, Dr. Alexaodre Jo3 Barbosa Lima, vimos
boje apreeentar consideracin reccmmendar
aos livres scffragios do eleitorado da capital de
Pernambuco es nomes dos cidados que em nos-
so entender devem. para benecio d'este muni-
cipio, preeneber os cargos de seus prefeito, sob-
prefaito e Conselheiros municipaes.
A composijo a'esta lista de nomes, para os
quaes esperamos a consagrac&o do voto popular,
revela bem a ndole plena e acentuadamente re-
publicana da poltica actualmente victoriosa em
Peruambuco e para a qual, felizmente, nao tm
faltado os;applausos, cordiaes e calorosos da po-
puIacXo d'este Estado e dos mais patriticos e
mais cultos espirites do Paiz inteiro. Porque
ella real e fundamentalmente, a poltica do
bem publico, superior s suggestes do inte
resse pessoal, visando sobretodo, senao ex-
clusivamente, a concretisagao nos costumes e
as leis, as relacOes civis e polticas, do ideal
que se traduz pela formula inscripta na gloriosa
Dandelra que o immortal Benjamn Conotant deu
a nossa Patria, regenerada*
Se ella nova em no3so Estado, e deegrajada-
mente o mais decidido deve ser o esforco da
populacho a'esie municipio para assegurar-lbe o
triumpho pleno, para gloria de nosso Estado,
que assim corresponder a seu passado republi-
cano, icstituindo pela sua directa e consciente
intervecco nos pblicos negocios um rgimen
de paz, de cordialidade e de abnegado labor, li.
beral, ordeiro e progres3ista.
Cuntamos com a adneso activa do publico do
Recife chapa que offerecemos a seus suffragios<
porque, no meio das discordias que nos tem di
vidido, com magaa dos coraces verdaderamen-
te republicanos, ella um eigoal conspicuo de
que nao nos inspiram considerares de par.ida
rismo, de que t aos anima o desejo frvido e
patrio.Ico de elevar a trra onde cascemos i
prosperidade, grandesa e ao brilbo de que ella
creJora, pelo esforgo longo e doloroso dos nos
sos antepassados, e que nos devem.s aos nossos
successores por honra nessa e fi.licidude d'ellcs.
Nnhum dos cidados a quem pretendemos con
ferir o penoso encargo de gerir os negocios mu-
nicipaes do Recife pensa ou pensar, ao executar
o inanda'.o que Ibe conferir a populago 'esta
capital n'cutra cousa mais do que em servir os
9eus altos e legtimos interesses: e o passado
bem conbecido de cada um d'esses nossos dignos
compatriotas segara garanta do perfeito desem-
peoho do cotnpromisso que, em nome d'ellcs e
em nosso propiio nome, desassombrada e scien-
temente, oosames assumir, assig'ando este dc-
l comento.
E, como grave e decisiva a ac'.ial pi>aee da,
poltica pernambucana,coja provae elevada
iospir^go affirmamos e proclamamos com jus
tincado orgulho,devemos ,declarar que os ve-
tos que ora reclamamos do eleitorado do Recife
devero ser traduzidos como significando espe-
cialmente a consagragao plena dessa poltica,
um verdadeiro pl biscito sobre o conjuncto da
direcgo administrativa de nossa ierra natal.
Para este notavel pronunciamento convidamos
osSrs. eleitores d'este municipio, esperando
que a 30 de Setembro correte elles Suffraguem
as urnas os nomes dos seguales ciladaos ;
Para prefeito
Dr. Menoel Pinto Dmaso.
Para sub-prefeito
Dr. Jos Marcelino da Rosa e Silva.
" RECEBEDO.UA DO ESTADO-
Do dia 1 a 17 63:734*3-'0
dem de 19 6:173*886
Do dia 1 a 17
dem de 19
RECIFE DRALNAGE
69:908*446
2i:96248 845i*559
31.414*045
Herbado municipal de 9. fo.
O ov mtnto deste mercado no da 17 de
Setembro foi o seguinte : Entraram.
46 bois pesando 6,591 kilos.
640 k 6 ditas com camardes a 100 rs.
6 compart. com mariscos a 10'Jrs.
49 logares a 200 rs.
10 suioos a 200 rs.
50 cargas de farinha a 200 rs.
5 cargas de milbo seco a 200 rs.
4 ditas com feijao a200 rs.
2 ditas com fructas diversas a 300
28 dita de batata a 300 rs.
2 ditas de canna a 300 rs.
52 ditas com gerlm a 300 rs.
4 ditas com miiho verde a 300 rs.
47 ditos com verduras a 300 rs.
2 dita de cebolinbos a 300 rs.
2 cassus com gallinhas a 300 rs.
3 ditas com louga a 300 rs.
(3 ditos com fannba 4 JO
6 carga.7 com gallinhas a 500 rs.
32 columnas a 600 rs.
7 compartimentos com ressaras
?. 60) rs.
47 ditos com faxendas etc. s 600 rs.
27 ditos de comidas a 700 rs.
11 ditos dp sameiro ai*
8 ditos a 7 O rs.
47 lalbos a 2*000
12*800
*600
*600
9*800
3*600
10*100
1*000
*8(K)
rs. *eoo
8#i00
*600
15*600
1*200
14*100
*6C0
*6O0
900
2o*20U
3*000
19*200
4*200
8*2i0
18*900
11*000
5*600
MIMO
Rendimento do dia 1 e 16
290*300
4.128*020
4.418*320
Pregos do dia:
Carne verde de 240 a 619 ris a kilo.
Sainos de 640 a 800 ris idem.
Carneiro de 800 a : ris idem.
Farinha Ae 320 a 480 ris idem.
Milho de 420 a 440 ris idem.
Feijao de i* a 1*800 idem
tluviuieuio do Porto
Navios entrados no da 18
Bio de Janeiro e esoalavapor nacional
Al.gas commandante Antonio Ferreira
da Silva, carga varios gneros.
Rio Grande do Norte, barca iogleza Cbar
lott, capital D. Nicol as, em lastro.
Navios entrados no dia 19
Mossel Bay (frica)44 ,daa, lugar in-
gles Actor de -.98 toneladas, capitao
C. Morrell, equipagem 10 em lastro,
ordem.
Navios sonidos no mesmo dia
Santos e eacala vapor francez Entre {
Rios, commandante Richard, carga va
riof generes. I
Para conselbeiroa municipaes
Desembargador Lu d Albuquerque Martina
Pereira.
Coronel Francisco Faustino de Britto.
Dr. Joaquim Correa de Araujo.
Dr. Fabio da Silveira Barros.
Fernando Pereira da Silva.
Flix Pereira de Souza.
Jos FausQo Porto.
Alfredo Falcao.
4ndr Maria Pioheiro.
Jos Prente Vianna.
Recife, 17 de Setembro de 1891.
Annibal Falcao.
Miguel J. de Almeida Pernambuco.
Alfredo Falcao.
Luiz AugustojCoelbo Cintra.
.Antonio Carlos Ferreira do Silva.
Dr. Manoel Pinto Dmaso.
Dr. Fabio ta Silveira Barbos.
Faculdade de Direito
Com o tutulo supra e na columnaPartido
Republicano., luj: ou o Jornal uo Recife de
domingo, 18 do crreme, um artigo, que, segn
do me dizem da lavra de um meu dlstincto
collega, cujas relagOes muito aprecio, por quem,
contesto sinceramente, tenbo a maior pympathia ;
mas ao qual, nao doo como a ninguem absoluta-
mente, o direito de offender-me impunemente.
E' assim que no alludido artigo se diz :
Os cooselhelros Pinto Jnior, Correia de
Araujo. Tarquinio e outros foram cbrigaJos a
abandonar a sua misso, que Ibes eram um sa-
cerdocio, sahindo entristecidos a'aquelle Tem
po que, pelo habio da (requeocia, era para elle3
parte iotegraste de sus uciividades. Com a ex
pulso d'estes entrou, ua petos proprios Estatutos postos em execugo.
urna leva de ioiividuos, alguos, sem duvida, boa
rosamente connecidos, oatros himples pretencio
sos, em cm s titulo de recommeodago e res
peitabilidade, para aqceilea logares, onde o me
rito e a scieoeia devem ser os nicos adornos da
becca que reveste as uneges de mestre.
O que ah se ennuocia em relago ao meu ve
nerando mestre e re.-peita-ei amigo, conselbeiro
J. J. de Pinto Jnior, e sem davida orna carapuga
propositalmeote lalnada para m m e (esculpe
me o articolista si nao foi esta a sua intengso
com o flm de magoar-sc a quem boje est reven-
do a caddira de Direi'o Romano, da qual era ca
thedralico aquella meu estimavel mestre.
O que porm, nao saoe o articulista (ai qne
faz que nao sabe) o que moitjs nao sebem:
que o (Ilustre conselbeiro Piolo Jnior nao sa
hio a contra ,.o:to da Faculdade e entristecido
por se ver obrigadoa abandonar a saa misac.
O venerando mestre ja im Margo de 1888 em
um bello discurso que p.-oferio por occasio da
abertura do curso de Direito Remano disse o se-
guinte do alto da sua cadeira : De um momento
para ouiro possivel que pe ga ao Poder compe
ten'e a minha jubiiago, porque vai se me alque
brando a saie e siuto que j nao me sao facis
os trabalhos que exige a regencia d'esta cadeira
(de Direito Romane). O discurso citado acba-se
tmpresso com o importante trabalbo que aquel!-
respeitavel mestre publiccu soore a materia do
sua caJeira.
Alm d'isso. sei qu o ccnselheiro Pinto Jnior
foi aposentado com annuencia sua, e nem outra
cousa era de esperar em vista d'aquellas suas
palavras j cit'da?.
Nao desejj. porm. o meu bem estar e nosigo
a custa de quem quer que seja e principalmente
com o scffr.mento de um mestre e amigo a quem
tonto resceito e considero e, si o articulista ob-
tiver de S. Esc. urna de-clarado em como foi
aposentado forgadamente e que est descontents
com a sua aposentadora, desde j me compro
metto a renuaciar a cadeira de D;reito Roaano,
sem encarar qualquer sacrificio, para que S. Exc.
v de novo illastral a como sempre fez.
Se, porm, o articulista nao obtiver urna tal
dectaraco e se o seu artigo nao passa de um
deaabafo contra o llluslrado pertambucaoo, Dr.
Joo Barbalbo. que nao o aproeeitou para urna
cadena do turto jurdico tf me licenga para di
zer- he com a dignidaue que me caracterisa e a
altivez que me cougeoita: que nao me tocim
nem de leve as suas pelavras leva de indivi-
duos pretenciosos, etc. Nunca procurei u.ma
cadeira na Faculdade de Direito e se tivesse ai
pretengao saberia, como ootroi, fazer all om
concurso que me bonrasse; d.vo a cadeira que
rejo a es ontaaeidade do Dr. Joao Barbalbo, meu
amigo to intimo que para mim um quasi ir-
mao ; nao o importunei com pedidos para tal
tim; foi conhecendo minhas aptidOes para a ca-
deira de Direito Romano que s. Exc. bonrou-me
com essa nomeago. Diz me a consciencia que
em nada tenbo desmerecido o brilbo com quo
sempre foi ella regida pelos meiis antecessores
Santos e escala vapor ingles Chilian,
commandante E. M. Makensie, carga
varios geuer.jg.
Fernando de Noronha vapor nacional
Beberibe, commandante Fabio Rio, car-
ga varios gneros.
West ndicelugar inglez Flora, capitSo
James Rike, em lastro.
Observaqao
NSo hoave entradas no dia 18.
Vapores a entrar
Mez de Setembro
Sul.......... Aport.............
Europa....... Marmer..........
Sul.......> aboatao...........
Sul.......... Seguranza.........
Norte....... finme----- Sul.......... Maranhao..........
or re........ Braz.............
Europa....... Tamar............
Europa....... Rei de Portugal----
Norte........ Jiwii.............
Sul.......... Tagus.............
Norte........ Una..............
Norte....... C.apulete..........
Europa---- Baross............
Sul.......... Pernambuco.......
20
20
20
21
22
23
25
2o
25
26
26
27
29
29
30
Companhia North British
Mercantil e Insurance
Capital subscripto l 3.000,000 0- 0*
Fundos aecumniados 9.752,443 18 5
KECKITA A- NCAL
De premios contra
fogo.......1.495,818 6 10
De premios sobre di-
vidas ..... 992,379 6 1
t 2.488,197 12* 11
N. B.A repartigao de fundos aecumnia-
dos sobre seguros contra fogo, nao se res-
poosabilisa pelas transaegoes feitas pela a
de seguro sobre vidas.
Wilson, Sons & C, Limited.
SEGUBQS
MARTIMOS CONTRA FOfi
companhia Phenlx Per*
nambucana
UIA DO COMMERC1N.O- 64
London & Brasilian Baak
Limited
i2a do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre sa .>
xas do mesmo banco em Portugal sonde
em Lisboa ra dos Capellistas n. 75. Fo
?orto, roa dos Ingleses.
ser.
que nao envergonboa illust-ada corporago de
qu i fago partee que entre os meus illustrados
CDiiegas (ou de concurso) com os quaes tenha
traninado, entre os meus discpulos e, em ge-
ra, no seio de ea futurosa mocidade acadmica,
goso da maior esma e c nceito, a julgar pelas
pro vas que constantemente reteno.
s&o bavia necessidarte de se me offender e a
outros collegas, a proposito da reintegrago do
meu alustre migo Dr. A. Meira, o qualVesUn
certo, nesta parle agradecerla a efeza.
Quaoto ao Dr. Joo Barbalho, a tudo que de
offensivo se diz contra elle naqueile artigo res-
ponderei: s levam pedradas as arvores que
ao bons fructos, e quanto mais numerosas
aquellas to tanto mais saborosos estes devem
Nisi otile est quoJ Le,mus, stulta est glo-
ria.
Recife, 19 de Setembro de 1892.
Dr, Jos Dlniz Brrelo.
Tributo *>Gsfhumo
(2o ANHIVERSAKIO)
Fazera coas anoos, longos, tristes, ebeios des-
tasaudade amargurosa, que, como um-crep
funerario eovolve o corago, sem o mais leve
raio, o mais paludo reflexo de esperanga vir il-
luminal-o, que evoku se, como ave a. luz em
Ousca do onnito, um espirito, compoato subli-
me de virtudes inolidsveis de qua^dades raras
das vigorosas cerebrages, que no puro marmo-
re da memoria dos que o amaram, esto hurila-
das em tragos indeleveis: este noore espirito,
to prematuramente arrebatado aos br.gos dos
amigos, da familia e da patria, que o ti avam
com elbos cheios do ternura e amor, pertericeu
ao qae ehamou-se ao mundo subjec.ivo Joo
Jacques Martins Pereira, juiz municipal que foi
da comarca da Vigia, no Estado do Para.
Fazem dous anoos demorados e tristes, cerno
o desespero de um congaa feicbado toas as
illuses da v.da, que aquella alma feita de luz e
de harmona, extinguise como um perfume de
flor, como um astro que a esponja da cerraco
apaftou no es pago lutoiJo, iodo reiiver alm
dessas montanbas, que giram no etber, careo
bomem e Deus t
Fjzei dous annos, sim Mas que duzentos
fossem e nao tenam a forga de apagar a cru-
ciante saudade, que, como inica Drjaura, en-
volve n'um veudecbammas o corafao de urca
me; para quem elle rol na vida toda esperaiiga,
todo o encanto, quasi urna religio; e que hoje
e sempre sobre as ruinas daquellas cousas san-
tas ergueu como n'um sacrario a pallida e im-
morredoura saudade, que nos corag0e3 mater-
nae3 o gottejar constantes das lagrimas, que 3e
nj momam as faces, nem por isio deixam de
cabir como gottas candentes no arcabouco do
peito.
Mas que dazentos fos3em e mesmo assim para
0 pai que o amou coa o or^olbo e ffan, rom
que se ama um bino perfeito, urna esperanga
cheia de certezas de realizar ossooSos paternaes,
o terapo decorrido um^ nuvem que pus-ou sem
deisir no es pago um s trago, um sigual de sua
viagem aena.
Mas que duzentos fossem, e seu arnipes nao
veriam o seu decurso e de sua memoria nao tu-
gina a.lembranga do nobre mego, que soube fazer
amar-se, porque elle tinba a dogura de urna al-
ma virginal apar de um talento ebeio de vigor,
pan conquistar urna setinei pagina fia Historia,
emque seu nome serla Iaog-ido em ureas let-
tras.
O olvido, o esquecmento ; cenquistam os se-
res que passaram na vida envoltos no anonymato
das mediocridades, es que nao scuberam dcs re-
cesaos do lar cultivar a pura flor do sentimento
e no vasto tbeatro social os vigores da Inlelli
gencia e do corago.
O queriio mmortal, porm, souba pela deli-
cadesa de sua psy.'bose converter o sea lar, a
casi paterna, n'um santuario de alegra e de
carihbos, anda mais, n'om templo artstico, em
que a divina arte de Mo:a.-t recebia a mais apai-
xonbda cultivago; e no meio era que as paixes
se cbocam e o tumultuar de amigOes, como um
revolto ma!, cobre de espuma o. caracteres fra-
cjs, elle soube cmgir a fronte de luminosa au-
rola, se bem que rnuitJR vezss a rajida da in-
gratido o fizesse gemer I...
M-s sempre justo e bom!
D;zer dos que se foram. nesta ida sem volta,
aquillo que o corago, como urna inviolavel,
guarda cneio de um puro caito, como que pro-
duzir urna resurreigo.
Joo revive nestas linbas lacgadas no papel,
que mal div samos pelo maro roclo, que .-os
humedece os olbos ; elle resurge em nossa alma
tal como foiaello, joven, esperangoso e nobre.
Que mais doce tributo, que mais santa orago
poiif alma hum-ma ferir sm suas fibras mais in-
tima3, em uonra de um ente amado, que nos dei-
xout
O sol, quando no occaso, tem seu adeas de luz
trra, que o abandona, a ave presa desfaz-se
em harmona, a estrella aos lumes a'aiva <- .pil-
lldece e desmaia ; o corago tem o pungir da
saudade, suave elo, plstico mediador, que com-
munica os vives e os redivivos em outra manso.
Assim, pois, como ontla de incensn a se ptr-
der no azul inundo, onde se abriga aquelle espi-
rito de luz e de barmonia, sobe at elle o nosss
adeus, envolto na saudade, que nos alaga o co-
rago, sacrario dolente de sua doce leinbrauga.
Recife, 20 de Setembro de 1892.
Mui'os amigos.
MBtaMM
Correio
A'quelles que teem tomado o enfado de 1er 03
meus escriptos nesta questo do Correio, pego
para ao me cansurarem por ea ter vencidos e
estar a fustigar o Sr. lnoeu.
Este senaor, preciso notar, um bataib3dor
valente no campo da diffamago e das torpezas,
que nao se deixa vencer; a minha demanda com
eile nao est fiada, anda tenbo que liquidar a
acgo que elle intentou contra mim pela nao
prestago de contas de l:2o0000 em dinbeiro e
sellos, c mstantes de dous recibos de eervigo de
que elle infamemente se apossou.
Ora, nao ha oeste mundo quem sabendo o
Sr. Irineu de quanto capaz para conseguir dr-
uheiro, acredite que, nao ten Jo eu Ibe prestado
contas de 1:250*000 em valores e diabeiro. (!)
porque elle era responaavel, parte recchida em
3 de Setembro de 1885 e parte em 28 de Abril de
1885. logo duas contas que nao prestei (vejam I)
elie continuasse a me ter por descendente at 5 de Dezembro de 1887, quando
sabi do Correio, brigandi com elle.
Cootinuou como besoureiro at 31 de Janeiro
de 88, voltou como !. official para mostrar o
seu altn valimento e com desfrucUveis preten
gOes a contador ou administrador, distnbuindo
protecgo at a quem nao qoizesse e ameagando
a Beus e ao Dlabo que o carregue, em D'zembio
de 90 e sabio ganindo em Dezembro de 91. S m,
entretanto, ter, na repartigo, procedido contra
mim por essa fai'a.
Nem mesmo quando me nlirei, brigando com
elle, repito, deu embecimento do (acto ao Sr.
administrador afim de garantir seus direitos com
as providencias que necessaria e inevi.almente
o Sr. administrador havia de lomar.
Nestas condigdes, teodo vencido urna das
questOes embora a mais importantenao devo
limitar-mea posigo de simples ag.-adecido pela
justiga que obtive, urna vez que continuo debiixo
do peso infamante das villezas do Sr. Irineu.
Eu, si nao tivesse a felicldade de ser julgarlo
por juizes to circunspectos, certo que hoje
estara na ra das Amarguras, talvez sem poder
cuidar do pao para mees fllhos.
Todos que conbecem as laganhas do Sr. Irineu
sabem que elle nao tem consideragOes, no t?m
mesTio escrpulos de prejudicar seja o que for(
a quem quer que seja, com tanto que possa cea*
tinusr na sua vida desregrada, de paed gas, pela
qual tu o tem sacrificado.
Sendo assim, en, escudado no direito e na
justiga, tenho o dever.de chegar-lho o ferro em
braza cara para ver se consigo fazel-a corar
urna vez. um instante, e elle me deixar ero piz.
Elle disse quesi a queslo fosse resolvida a
meu favor, nao se demorara oeste estado nem
um da.
Que arrojo e quanto pudor I veremos.
Collado, tinba a presumpgo ri-1:cula e vil de
r u p?r que todos os homens, anda os de maior
considerago, seriara capazes de descer at elle.
Infeliz l
Elle provecoa-me com a correcgo de seu pro-
cedimeuto at boje; pois bem, eu quero qae a
justiga attenla aos tac.os que aponiei e j estu-
dar esse procedime; to l no Correio onde elle
diz ter prestado t> bons Berti(M desde os S' U3
17 annos.
Termino-
15-992.
Getninio.no Augusto de irania.
L

U

L
3
l .....M
---


Diario de Pemambaco Terca-leira 20 de Setembro de 1892
1
Cor suprema
A' MEMORIA DO MEU FILHO DR. 0 JACO
ME MARTINS PERE1RA
(2* anniversario)
O meu olhar caneado em praa'.os immergio
debalde le procura em ancia acerba, esiraatia !..
PartiBte p'ra tao longe, Blbo estremecido
que t a miaba dr immensa te acompanha !..
Deixaste tua mai em vida quasi morta.
entregue magua atroz, s ; gonias lentas 1.
Sao sei como no r-eito o corsea supporta
lacta tristeza amarga em horas Ictulentas !..
Exnosta desventura, s pesas cortantes
miob'atma geme e cbora e lembra compungida
do pabia,o feliz os cleres instantes !..
Pe-a-me o abandono e a negra soledade !..
sei que a orresle, filho e sinto-te cora vida
p jique nao morre em mim a ttrica saudade !..
;0-Seterabro-9.
Carolina Dutra Marlins Pereira.
Violencia policial
O informante d'A Proviucia que den logar a
pubcagao sob a epigrapbe cima, relalivamea-
le a priso e consicotiva soltura de Antonio Mar-
tina, coohecido por Amur, pela polica do 2*
di-trictu de S. Jos, foi absolutamente injusto e
infiel; e, na qualidade de escrivo da referida
subdelegada, e tendo intervindo obre o as
sampto son obrigado a urna rectifioaco a re-
speito.
Amor, conbecido desordeiro do 2o iistricto de
S. Jjs foi prefo ua noite de 15 por duss pravas
Ce polica, e nao do destecamento do Iludido
iiairicto, por haver abofeteado urna praca da
guarda local de Afogados e pretendido desarmar
urna prara do corpo policial, e eu eslava presen
t guando o preso ebegou a reeidencia do res
peciivo subdelegado, o Sr. Pereira do Reg, o
qu-il fel-o immedi. tmente recolher.
No dia seguinte, por intermedio meo em atten-
cao a um pedido do Sr. Frederico Tavora, de
quem tenno caria a respeito, o mencionao pre-
so fui solt, tendo declarado ao mesmo Sr. sub-
delegado que o motivo de ter sido preso foi o
eetar mnito embriagado, tanto assim que bavia
perdido um sacco com gneros e a quantia de
quatro mil ris ; sendo absolutamente falso que
livesse entregue qualquer dmheiro na subdele-
gada.
Sou obrigado a fazer publica a presente decla-
rado por ler presenciado o fado e ter interfer
do para ser relaxada a referida prao correccio-
nal.
Recite, 19 de Siembro de 1892.
Giicerio Coelbo do E. Sanios.
Bom Jardim
Com a poblicscao das cartas que se leem aSaixo,
mostr que cao sou o autor dos artigos que. sob
a epigrapbeBom Jardim, tem sido publicados
ao Jornal do Rffe contra o vigario d'aquella
fregn-zia e um seu scbrlnho, e que sempre ma
ar.i-Ti fesiei contra aquellee arligos.
Qaantos s alie sosa injuriosas e calumniosas
reterentes minha pessoa, comidas em artlgps
anonjiio3 publicados na Provincia, entrego-as
ao desprezo, po'que ellas nao me attineem.
Sou, felizmente, conbecido ueste Estado e
rair.ba cuta nioguem ..dquire celebridade.
S. Lourengo, 17 de Siembro de 1892.
Luiz Salazar da V. Pesjoa.
Xoitetros
Prlmeira noite
Todos os artistas, secdo encarn gado d> noite o
Sr. Manoel Lauriano, marcineiro.
Segunda noite
Todos os empregados publicoB, sendo encarre-
eado da noite os Srs. Perminio de Mello e
Francisco C. Galvao.
Terceira noite
Todos os sensores e senhoras casados, sendo en-
carregados da noite o Sr. Manoel Izidlo de Mt
randa e a Exrni. Sra. esposa do Sr. Alvaro de
Menezes.
Quarta noite
Todos os mocos e mocas solteiros, sendo encar-
regado' da noite o Sr. Bernardino Mataeos e a
Exma. Sra. D. Camilla Pessoa.
Quinta noite
Os sPEuintes senbores de eogenho:
Manoel Francisco da Rocha, engenbo Conserva.
Jacinttio de Mello, engebbo Permanente.
Luiz de Franca Caldas, engenbo Pedra Redonda.
Pedro Alves da Silva, engenbo Serra da Prata.
Joao de Deus Moreira de Carvalbo, engenno Boa
Sorte.
Jos Portella de Macedo. eogenho Tombador,
sendo enesrregedo da noite o Sr. Manoel Fran
cisco da Rocha.
Sexta noite
Os Srs.:
Fabricio de Araujo, enger bo Calende.
Jjaquim Nunes Ribeiro, eogenho, Ouricury.
Dr. Odilon lavares Lima, eogenbo Humajia.
J o Olvmp:o da Silva, eogenbo Tabayar.
M. Bellarmico.eugeobo Rachedo. sendo encarrega
do da noite o Sr. Joaauim Nanea Ribeiro.
Stima noite
Os Srs. :
Dr. Launndo Feij de Mello, engenho Nctheroy.
Luiz de Franga, engnbo Barra-Nova.
Jjo Silveno de Sonza, engenbo Monte Cesario.
Affonso Augusto Freir, engenbo Santa Anna.
Jos Mariobo, engenho Burity.
Christovo Rodrigues Ferreira, engenbo S. Fran-
, cisco, sendo en;arregado o Sr. Augusto Freir.
Oi'ava noite
03 Srs.:
Calillo Claodiao Correia de
Santa Cruz.
Teen e L.urenjo Correia de
Gurja.
Tenente Francisco Correia de
Limao.
Prudencio berreira de Mello,
Ftrmosa.
Jos Raptiael de Lyra, engenho Curupaity.
Tenente Flix Atnanasio de Villa Nova, engenho
Boa-Sorie, sendo eacarregado da noite o Sr.
tenente Flix Airtanasio de Villa-Nova.
Nona noite
Todos os negociantes moradores no povoado de
Calende, sendo encarregado os Srs. Alvaro de
Menezes e o Sr. Francisco Nicolao de Pontes .
Encarregados da fesla
Os Srs. :
Levino do Reg Barros.
Antonio Camillo Pessoa.
Encarregados para preparar a igreja
Os Srs. :
Joo Petrolino de Mello.
Constantino Bezerra rie Vasccncellos.
As Exmas. Sras. D. Tae.-eza de Villa-Nova e D.
Cariota de Lyra.
Citeade,31 de Julbode 1892.
Pre-parocbe.
Padre Vicente de Moura Va3concellos.
ros em embarcacSes de pequera on gran-
de cabotagem que uSo tenham sido pelo
lea perito examinadas, clasificadas e re
eonhecidas em condicoes acceitaveis.
Recife, 6 de Setembio de 1892.
Pela Companhia Iodemnisadora.
Joaquim Alves da Fonseea.
Director gerente.
Pela Companbia Phcemx Pernsmbucana.
Luiz Duprat.
Administrador gerente.
Pela Companhia Ampbitrite
'.utomo Marques deAmorim.
Director gerente.
pu-
Ao commercio e ao
blico
Declaramos a todos os nossos fregu-
zes, ao commercio e ao publico em geral
que desta data em diante, deixa de ser
nosso em pregado o Sr. Antonio Pereira
Lopes, e isto por irregularidades comme>
tidas pelo mesmo Sr. no exercicio de taes
cargos ; pelo que lhe retiramos os poderes
que ibes furam conferidos as procnrac,oes
que ao mesmo haviamos paseado.
Rscife, 27 de Agosto de 1892.
Botelbo & C.
t
Millo, eogenho
Me! lo, eogenho
Mello, erjgenho
eogenho Lage-
Marechal Manoel Deodoro
da Fons-eca
A commissao encarregada pelos offi-
ciaes do exercito, em servico neste esta-
do daa exequias Bolemnes por alma do
Harechal .llanoel Deodoro di
Fonseea/ as quaes realisar-se-h5o no
dia 20 do correte, s 8 boras da mabS
ca igreja da Conoeicao dos Militares, con
vida para assiBtil-as os parentes, amigos
e apreciadores do glorioso extincto.
Coronel Juiiao Augusto da Serra Mar-
tina,
Major Julio Fernacdes de Almeida.
Major Joao Claudino de Oliveira e Crua.
Tenente coronel Dr. Francisco de Paula
Mello.
Documtntos
lllm. Sr. Dr. Salazar.Permtame V. S. que
aqu mesmo eu responda a sua carta.
Qauanto ao 1.* posto: V. S. nao o autor, e
aemao menos tem visto antes de ser publicados,
s artigos que contra o vigario Borges e sea so-
annho tem sido pablico no Jornal do Recife.
Quanto ao 2." que V. S. mais de nma ez
me disse que nao era conveniente a publica-
do daquelles artigo? ;
Qjantoao 3.*, linalmente. que V. S. emeon
versa intima cumm.gonunca se oceupou d'a
qoelle8 individuos.
Pode V. S. fazer da minha resposta o uso que
H>e convier.
10 de Setembro de 1892.
De V. S. amigo oongado e criado.Jjaquim
oialves da C. Lima Filbo.
(Esta reconhecid a firma).
lilm.Sr. Dr. L. Salazar da V. P.Em resposta
11 arta cima temos a declarar que V. S. nunca
veio ao nosso escriptorio com artigo para ser
publicado em solicitadas sobre neeoctos de Bom
Jardim, nem mesmo contra o Revd. vigario
aquella freguezia e no seu sobrinbo, tendo
<- t respondido a carta de V. S.
P6de fazer o uso que lhe convier da presente.
De V- S. criadoe obrigado.Gerente da em-
presa do Jorsal do Recife iiuiz Pereira de
OliveiraFaria.
l.'cllegaD-. Salazar.Permitame que, ao p
a. lhe responda que nao sei quem seja o au-
or dos ec-iptos que tem sido publicacos na
Jornal do Recife, sob a epigrapbe Bom Jar
cim, a que se refere asna carta ;^endo cero
qtj rio foi o collega porque, por mais de urna
;m minha p.-esenga, rep.ovou o proced
x : o de quem os pcblicava, poi8, achava que
m Moa alguma devia escrever contra outra sem
ji.: assumisse a respoasabUidade de seus arti-
Orf.
E' o que sei e pode usar desta m'nha re3pos-
:mo entender,
.^azareth, 17 de Setembro de 1892.
Dj collega obrigado Francino de OHveira
Sojsa.
iKstao reconbecida3 as firmas.)
---------------^SS@G>---------------
Eleicao
Par\ a festa da Exc3lsa Senhora Sant'An
ta, padroeira do povoado de Catende
Ju zes por eieigo
Sr. Carlos Sioden.
aiur Fclippe Paes de Oliveir?.
Juizaa por cleigo
A- Exmas. Sras.:
D. Cariiina, esposa rfo Sr. C?rbs Sin->en.
D. Sophia, esposa do Sr. capito Mendo Sampoij
Primo.
Joizes por dvo5o
Os Sr?.:
Teneat:-coroael Joo Guilberme de Azevedo
Lyra.
ipiiio Mendo Sanpao ?nmj.
Dr. Leopoldo de Araujo.
D. Lupicinio Lio-.
Dr. Fernando de Castro.
Japitao Jerouyrr>o Alarlo Ma-a. ,
ji |jor evogo
As Exm-is. Sra, :
i Mara, esposa o 8r. T.ajor Felippe.
D. Bcimira, esposa do D Lapiciniu.
D. Mana Natividade Cavalcucte Barros.
D. Dorinha, espesa do Sr. Antonio Camillo.
V ('.andida, professorr. publica.
B. Baria a Fcnstca. gente do correio.
Mordomo
O >. Manoel Clemente des Santos, professor pu
lico. J
Hordoma
A Exma. Sar. D. / nna, espoaa do Sr. Eustaquio.
Tnesoureiro
9 Sr. tenen'.o Livino B- do Rego^Barros.
Trocurador geral
CapitSo Jos Nrcodemos de Pontes.
Procuradores
O Srs :
Fabio de Alborjuerquc Coulinho.
O|ao Cr' spo Fi'.bo.
('ncisco CoBla.
,Jvaro de Menezes.
iBezio lo Reg Barrea.
^c'oaio Camillo.
Festa de S. Gonzalo
Esta festa ser do dia 25 do corrente
mea na igreja dos Remedios, guardando o
sagamte programma :
No dia 21, as 7 horas da ntite sahlr
a baedeira da casa da Exm. Juiz-,
Estrada dos Remedicrs, conduaida em pro-
cisso at ser hastead'a.
JJo dia 22, 8 m'.-smas horas da nojte
comacar o triduo, sendo es versos Ai-
tados por nm dos mais distintos canfores
desta cidade.
No dia 25 s 10 horas da marcha en-
trar a miasa solemne pregando ao Evan-
elho o eloquente panegirista Padre Pe
dro da Puricacao.
A tarde- entre outros entrenimentos,
soldar se-ha nm ,findo e aloquente aersta-
to levando urna figura que se desprender
urna certa altara descendo peloapara-
quedas.
A noite ladaioha em aeco de grac&s
com predica.
A mabica dos menores do Arsenal de
Querr tocar nm todos os actos.
__-----------m -----------
[le io mame pal
Para c nselbeiros
Dr. Luiz da Costa Feneira Porto Carreiro.
Capillo loaquim Sautino de Figueireito.
Major Affonso Ovt.ra.
Muitcs eleitores.
EDITAES
\
Como tributo ao 1." anniversario do fal
lecimeoto;>de *Jeriralo Fro*io SI
mfie, mandam os seus filaos, genro e
netos rezar mssas as matrizes da Boa
Vista e S. Pedro Martyr da Olinda, em 2i
do corrente, pelas 7 horas.
83
d-
lhe for
cinve-
da minha
Ao commercio
O abaixo assignado perito das Coropa
chias de Seguros Martimos Icdamnisado-
ra, Phca ix Pernariibucana e Amphitnte
desta praca e da Agenciado Registro Ma-
rtimo Brazileiro do Rio de Janeiro de
ordem das mesmas companhias e o o Re
gistro, faa saber aos armadores das era-
barcajSes de grande e pequea cabo-
tagem que todas as mesmas mbarca-
c3es deven: ser ex&min&daa, claatifi-
cadas e inscriptas co Registro afim de
eerem acceites ob bubs carpas segare j
que nochuma dellas poder conservar a
classe e cathegoria que lhe fr Migiiada
(art. 4 do Reguiamente) sem se sujeitar a
urna distoria de 2 em 2 annos ou,
rama o periodo de dun53o que
designado soffrer avarias nao for
nientemeute reparada debaixo
inscripeo.
Recife, 6 de Setembro de 1892.
Franc seo Joi Fernundes.
Perito.
Elei(j5es flualc pes
O Directorio do Partido Republicano, conside-
rando Ilegal a dissoluco dos Concelhos Mnni-
cipaes, deliberou abster-se compleUmente das
eleisoes e 30 de Setembro, recommendando a
todos os amigos e correligionarios que se afas-
tem inteiramente do pleito.
Recife, 2 de Setembro de 1892.
IipoRO MAi-.TINS .UNIOR.
As Companhias de Seguros Martimos
desta prfea Indemnisadora, PLoecix Per-
oambaeana e Amphitnte, fazem sciente
aos Beua segurados que, a contar do 1.
de Outubro prximo ro acceitoro sega-
Eugenio de Athayde L. Moecoso de-
clara que adopta d'ora em diante a assig-
natura seguate : Eogenio Moscoso.
Recife, 17 de Setembro de 1S92.
Elixir ante-febril Cardoso
SEGUNDO A FORMULA
Manoel Cardoso Jnior
Approvado em 21 de Marco de 1890 pela inspe-
ctora geral da digna junta de nygiene do Rio
de Janeiro.
Este Elixir de composico toda vegetal pre
arado segando as regras pharmaceuticas, acn
selbadas pelos autores modernos e de reconhe-
cida capacidade scientica tanto no paiz come
co estrangeiro.
Este Elixir o producto nao s do grande es
tudo das accOes pnysiologicas das substancias
como tambem pathologicas.como tambem c re
aullado das immensas applica^oes nos diversos
casos de febres de fundo palustre.
A applicaco deste Elixir na grande epidemia
de bex'igas de 1890 a 1891 mais urna vez de-
monslrou a soa efficacia ; pois no principio dos
prraieiro3 sympiomas a bexiga aborta, e em ca
sos mais adiantados a bexiga passa a ser ama
loenga febril vulgar apreeentando pequeas to-
metales que com a contiauafo do Elixir de-
fapparecem sem todava apresentar receios de
perlgo.
Os muito Mtesiados publicados no Diario de
Pernambacc e Gazeta da Tarde provam o que
dizemos.
Nos casos de febre amarella o eneito admi-
ravel, apresentando pbenomenoa tao maravilbo-
sos que nesta cidade do Recife i do Rio de
Janeiro pouco rece.o causa a febre amarella,
oiesmo estando o doente com vomito preto e
sanguneonestes ltimos periodos entao ne-
is ~ario a applicaco em alta dose, des
a tabella anaexa.
Este Elixir j conbecido do publico e de um
grande numero de dignos mdicos apresenta-
do para combater os aifferente iucommodos to-
dos elles de carcter febril.
Por muito tempo tivemos occasiao de faxer a
applicaco as febres erysipellosaa e com to
oom resultado que Ucamos admirados de to al-
tos effeilos.
Pela pratica chegaroos a conhecer que nos
ataques ae febre erysipellosa ou erysipella come
vulgamente se diz neceasari o uso de 10 das
do Elixir.
Nos grandes incommodos das senhoras, mens-
truas&o, gravidez e nos casos de parto com fe
bre de um resultado muio certo e seguro e
a sua co Bposijo to simples que nao offerece
receio de applicar o Elixir nem mesmo em doses
superiores s indicadas na tabella infra.
Pedimos eos dignissixos mdicos que deseja-
rem fazer nso deste Elixir em sna clnica nao se
jDjeiiarem teosa prescripco. mas sim fazer a
applicaco em harmona com os casos que dse
jarem combater, certos de que o medicamento
de composico innocente para o organismo por
mais frgil que seja.
SSodo de asar
A's criaofias at um anno tO gotas de 2 em I
acras em urna coihtrC das|oe sopa cheia d'agn
fria.
De um anno a tres 15 gottas.
Da 3 a 10 anuos em diante, 40 gottas etc.
Estas doses devem sempre ser appiinadas em
agua fra.
Deposito
Companhia de Drogas e Productos Cbimn^
Recife, rea do Mrquez de Olinda n. 23.
Nacional Pharmacia, ra Larga do Rosar!
n. 36.
Pharmacia Oriental, ra Estrella do Ressr.t
a. 3 __
Pharmacia Alfredo Parrara, na ao narao a
Victoria n. 14,. .
Pharmacia Mariis, ra Duque ce Casias e
Para qualquer iuformacao sera encoatrueo o
autor na ra do Rosario Estreita n. 17.
Os nossos frascos sao quadrados e conta go-
tas. N'um lado teem gravadoElixir ante-febr:!
e no oiroManoel CardosoPercambuco. e to-
dos os prospectos sao assigoados por Manoel
Cardoso Jnior, sendo faos 03 que nao forex
3 asignados.
N. 156
Amigo Sr. Manoel Caraoso.
Techo a satisfago de comuiunicar-lte que
conaaotemente enuo tirado proveito com o seo
poderosoElixir aou-febnluo9 casos de fe
bree, que tem apparecido <"n i->'-:>9 pessoas
ae nossa pesa, lanudo uenii*ii>~tf jcmclhante
mal em pcueos Jas-
Assim, pcis, aproveito a occasio para lne
dar 03 oieus parabens por lo importante de.s
coberta a bem da bemacidade.
Aqut fleo an seu dispor como sempre.
Do : migo e criado obrigado,
Henrique de a meida.
N. 158
Recife, 27-7-91.
Amigo cida o Venstimo de Jesos.
Agradegc lhe cordialmente o favor de me ter
lornecido o poderoso Elixir Cardoso, pois com
poseas doses resiabsleceram-se mei !:lho e mi-
i ha pota, te urna ftbre aguda, cm ti horas. O
me 2;o refultado deu-se com o meo vtsinho M
notl o .Nascimento Paiva, a quem tambem ap-
pliqael o niesmo elixir.
Peco-itn- eucarecidsmente faga rheaar ao co-
nbecimeuto t'o cidado e feliz uvc-n or.
ou do cidaco
Humilde e agradecido criado obrigado,
Hercalano Garca do Amaral.
(Ettavem melladas e reconhe:ldas as firmas.)
O Dr. Antonio de Olinda Almeida Ca-
valcaati, jais seccional do Estado de
Pernambnoo etc.
Faco saber a todos que o presente edi-
tal virem e delle tiverem noticia que no
dia 24 do correte rcea a 1 hora da tarde
depois da audiencia deste juico e perante
o mesmo juiz se vender em praca pu-
blica 36 acedes da Companhia Pernambu-
cana de ns. 3.109 a 3.144, pertencentes
ditas accSes a Sebasti&o Lopes Quima-
raes, penhoradas para pagamento da Fa-
senda Nacional e cuates, este ser t ffixado
no lugar do costume e pablieado pela im-
prensa.
Recife, 19 de Setembro de 1892.
Eu Joo Baptista da Silva Margainho,
escrivo interino o e crevi*
Antonio de O inda Almeida Cavalcanti.
O Dr. Francisco Altino Correia de Arau-
jo, juiz de orphSos, do municipio do
iecif", Estado de Perngmbuco .em vir
tuda da lei.
Fafo saber aos que o presente edital
virem ou delie noticia tiverem, que peio
inventariante da propriedade em commum
Apipucos, me loi dirigida a petico do
tbeor seguinte :
lllm. e Exm. Sr. Dr. juiz de orphacs.
Paulo Jos de 01 i ve ira, inventariante
da propriedade em commum Apipucos, que
tendo de proseguir-se nos tormos do inventa
rio da referida propriedade, ha muito tempo
parausada, reaqer a V. Exc. que se digne
de trden<.r nova publicacao de editaes
por espaco de 90 das, notificando a todos
os icteressados na referida propriedade,
para por si ou por seus procuradores tuto-
res e curadores, a virem dar no respeti-
vo cartorio, escrivo Dr. Pontes, os seus
comes para ssrem descriptos no inventa-
rio, e bem assim exhibirem os ttulos que
comprovem os seus direitos a serem con-
siderados como herdeiros ou consenhores
da meeina propriedade.
Espera receber merc.Recife, 9 de
Agosto de 1892.O advogado Dr. Adoi-
pho Cirne.
Esta va sellado.
Nado mais se contiaha em dita peca,
na qual profeii o despacho seguinte :
as autos, como requer. Reeife, 9 de
Agosto de 1892.Altino de Araujo.
En virtude deste meu despacho o es
crivo passou o presente, em virtude do
qual cito a todos es interessades na pro
priedade em commum Apipucos, para
no referido prazo de 90 dias, virem por
si ou por seus procuradares, dar seus no-
nomeB no respectivo cartorio (escrivo Dr.
Pontee), para eerem descriptos no inven-
tario, bem assim exhibirem os ttulos que
comprovem os sous direitos a serem con-
siderados como herdeiros ou consenhoreE
da mesma i-ropriedade.
E para que ebegue so conhecitnsnto de
todos, maodei passar o presente edital,
que ser *fflx.do no lugar do costume e
publicado pela imprensa.
Dado e psBsado nesta cidade do Recj'e,
aos 10 de Agosto de 1S92.
Eu, Manoel do Nascimento Pontes, es-
crivSd o subscrevi.
Francisco Alline Correia de Araujo.
PRADO
PERMMBimO
Para
a
5a
PROJBCTO M BSSfiRBPCAO
corrida a realizar se domEgo 25
de Setembro de 1892
1/
2.
PAREO- Inicio 800 metros.
ganho premios, premios
e 20)5000 ao terceiro.
Animaes de Pernambuco que nao tenhaa
: 2005000 ao primeiro, 40000 ao segunde
PAREOExperiencia 800 metros. Animaes de Percambuco que nao
tenham ganho cm distancia superior de 850 metros em 1S92. pre-
mios : 200)>000 ao primeiro, 400000 ao segundo e 20iJOO0 ao ter-
ceiro.
3. PAREO- Harmona 1100 metros. Animaes pungas e da Percambuco.
premios 2500000 ao primeiro, 5O0COO ao segundo e 50000 ao
terceiro.
40< PAREOEstimulo959 metros. Animaes de Pernambuco que nao tentum
ganho em distancia superior a 1050 metros prkm'.os : 2000000 ao
primeiro, 400000 ao segundo e 260000 ao terceiro,
5." PAREO Ferro Caarll-- 1.550 metros. Animaes nacionaes. premios:
1000000 ao
segundo e 500000 ao terceiro.
1150 metro. Animaes de Pernambuco. prk-
ao primeiro, 000000 ao segundo e 300000 ao
5000000 ao primeiro,
6. PAREO Velocldate
saos : 301/0000
terceiro.
7. PAREOLlberdade 8C0 cetros. Animaes de Pemarabuco que nao te-
nham ganho premios nestes 12 mezes a contar da data desta ins-
er pelo, premios : 2C00000 ao primeiro, 400000 ao segundo e
200000 ao terceiro.
Observacoes
De accordo com o art. 5. do cdigo de corridas nao podero ser ins-
criptos nos seguintes pareos os animaes Cyclone, Qallet, Maranguape e Piramon,
no pareo Experiencia no pareo Harmona os animaes Atlante, Petropolia e Bonica,
no pareo Estimulo es animaes Maranguape e Pirylampo, no pareo Velocidade o ani-
mal Piramon,no pareo Liberdade o animal Maranguape e Piramom.
A inscripcao encerrar-se-ha terca-feira 9,0 do corrente as c horas da, tarde
na secretaria do Prado Pernambucaoo, a ra Ja luperatriz n. 26, Io andar.
Secretaria do Prado Pernambucano, 15 de Setembro de 1892.
O SECRETARIO,
J Alves.
Recebe doria do Estado de
Pernambuco
EDITAL N. 13
O administrador da Recebedoria do E
tado faz publico, para conhecimento das
Srs. contribuintes que dentro do prazo de
30 dias uteis, improrogaveis, contados
desta data, sero arrecados a bocea do co
fre. os impostos estadaaes, constantes da-
relaco abaixo, relativos ao Io semestre do
exercicio corrente de 1892.
Recebedona do Estado de Pernambuco,
5 de Setembro de 1892.
JV> Ferreira de Almeida Guimaraes.
RelacSo a que se refere o edital supra
Classe n. 8.Eatabelecimectos com-
merciaes ou agentes que venderem ce-
reaes, caf, fumo em folha e em p, cor-
da, picado e de-aado, tranformado em
charutos ou cigarros, nao produzido no
Estado.
Classe n. 13.Armazens de fazendas,
ferragens e minucias, em grosso.
DO
CAMPO GRANDE.
4.* amihersario
PSOJECTO M INSCRB?C!O ,
Para o pareo grande premio
Hipdromo o Campo finta**
Que se realisar na corrida que ter logar
no dia 20 de Novembro de 1892
2500 metrosHandcap Animaes de qualquer paz
Premios 3:000#000 ao Io, 1:000#000 ao 2
e 300^000^ a 3o
Inscripcao 240#0G0
Observacoes
S se realisar este pareo inscrevendo-se e eorrendo pelo menos cinco an-
maos de tres proprietarios differentes.
A inscripcao encerrarse ha na quinta-feira 3 de Novembro de
da tarde.
Secretaria do Hippodromo do Campo Grande, 19 de Julho de
O SECRETARIO,
1892 as 6 horas
1892.
Edital n. 14
Augusto Silva.
iliOi
O administrador da Recebedoria do Estado faz
publico, para conhecimento dos respectivos inte-
ressades, qae, de ordem do Dr. inspector do
Thesouro, Oca prorogado a' o Bm do corrente
mez o praso concedido para pagamento a noces
do colre da annuidade e mais servicos do Recife
Drainage ComD^ny, relativo ao semestre do
exercicio de 1892.
Recebedoria do Estado de Pernambuco, 12 de
Setembro de 18.12.
1 reir de Almeida Gu:irarr. DECLARARES
Repartirn das Obras Pu-
blicas, trras e colonisa
c,ao no Estado do Amazo-
nas.
De ordem do Dr. Director desta r'par-
ticao e por detcriainacao do Di. Presi-
dente do Estado, chamo concurrentes por
espaco de 90 dias r contar desta data
par9 os Be/vicos abaixo declarados :
Uma penitenciaria para quatrocectos
[400) presos com acommodmot para a '
cereiro, ajudantee mais pesscal, com offi
cias e disposi^es de aucordo com o no
vo rgimen de prisSes e com os progres-
sos da arte.
Um palacio para o presidente do estado
com as indispenaaveis confortabiidades,
e para aecrettria do governo.
Pelos oanos e orcarrentus que forem
acceites por esta directora e approvados
pela presidencia, o estado pagar de gra-
tficaj.'o o que for arbitrado.
As propoBtas, que serSo feitat em car-
ta fechadas, ser2o recebidas at o dia 8
de Outubro do corrente anno.
iicpartic2o das Obras Pablicas, Tema
e Co!on8r.ao em Manos, 11 de Julio
do 1892.
O escriv2o,
Vicor Antor-o Ferrandel.
Emprestimo emittido pela
Companhia Promotora de Industrias e Helhoramentos
O 3. sorteio ter lugar a 30 de Setembro de 1892, sendo o maior premio do
Rs. 2j:OO05C00.
Alem dos de reis 2:0000000,1:0000000, 500000, 200*000, 100,5000, 500
400000, e 250000.
Precp de caia obrigac,ao 20$000
Roga se aos Srs. possuidores de obrigajSes a virem receber os premies do se-
gundo sorteio effectuado a 30 de Junho ultimo, bem como os juros vencidos do pri-
meiro e segundo trimestre no escriptorio a Companhia a ra do Torre n. 42,
1. andar.
Companhia Fabrica
de Estopa
Os accionistas sao convidarlos a fazerem at o
dia 30 do corrente, a quinta entrada na razio re
10 0/o sobre o capital, ou SO*'.00 per accao, ro
Banco de Pernambuco.
Recite, 1 de Seteoibro de 1892.
Thomaz C Griffitb,
Director secretario.
Hippodromo do Campo
Grande
Assemblu geral ordinaria
Sao convidados os seohores accionistas pira
reumrem se t\a assembla g^ral ordinaria.no
dia 20 do mez corrente. s 6 horas da tarde, na
secretaria, roa 15 de Novembro n. 58. 1- f-n
dar, aGm de ter lugar o enmprimento dos 1
a 2- do art. 21 dos estatutos.
Secretaria do Hippodromo do Cacpo Grande,
J ua Setembro de 1892.
O secretario,
Augusto Sii-.a^_____
Companhia Exploradora de
Productos Calcarlos
Os seubores acciouisias pao convidados a rea-
lisarem a quarta entrada do capital social na
razao de 10 0/0 on 20* por accao, no escriptor;n
ca companbia, sito no caes do Apoilo i. 73. den-
tro do prano rie 30 das, contados desta data.
Recife, 25 de Agosto de 1892
J. Cardoso Avres.
Servindo de secretario.
Santa Casa de Misericordia,
do Recife
A junta administ ativa, tendo de elevar as
paredes do taio do norte do Hospicio de Aliena-
doF, precisa cootratar a mo d'obra em elevacao
das resrjias paredes de alvenaria de lijlo e ar-
gamasfa do cal e arela, inclusive andaimes por
metro cubico.
O nboco guarnecido por metro quadrado.
A cornija por metro corrente.
A desmontagem ta coberta actual e a colloca-
cSo de nova.
Para isco receber propostas em cartas fecha-
das e selladas com o fello do Estado, com a de-
claraco dos respectivos precos, na sala de suas
sessOes, pelas 3 boras da tarde do dia 20 de cor-
rete.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 16 de Setembro de 1892.
O escrivo,
fedro Rodrigues de Souza.
Pernambuco Fowder Fac-
tory ,
CHAMADA DE CAPITAL
Convido ao3 seohores accionistas panbia, de ordem da directora, a realiauem :
o cia 15 de Outubro prximo, a 3 entrada de
capital, na razo de 20 0/0 ou 40* por accao, no
escriptorio do thesoureiro da .oiLpanliia roa
do Corxmercio n. 4.
Recife, 15 de Setembro de 1892.
A. J. Barbosa Vianna,
Secretario.
COMPANHIA
Restillaco TanoarialMe-
chanica Parahybana
Chamada de capital
De ordem da directora sao convidados os
S'-a. accionistas a realisarem a ultima entrada
de 10 por cento ou 20* por accao al o dia SO
do corrente, no largo do Corpo Santo n. 2.
Recite 14 de Setembro de 1892.
Manoel Lopes de S.
Companhia Serrana
Pernambucaaa
No erciptorio desia c.mp-'nriia. rna da Im-
peratriz n. 37, acb3m so a disposigae o senho-
re8 ceionistas, os ralancoe. conta, :atas de
accionistas, india'ces dss transfeiencas de
arges e on'ros dorc:n [itos fo: carrejes ao
anno social lindo em 31 '.< Agesto uroxiino pas-
sado, ce conformic'aje com Que .r/rraina
ale.
Recife, 17 e Setercbro de 1892.
Ala lio Pinto A' v .
Director .^ a ig.
\
.
nBBH i
MMM-V"


>
Diario de Pernambuco Terca-feira 20 de Setembro de 1891
Sociedade
Retinara e Destilacao Per-
nambucana
NSj tanao se reunido numero sufflciaoti dos
senoam accionistas para a aasemblea ral or
dioaria desia uciedde, de uovo coutd oa
mesgiO; Miuures paiv o ea titn. a runi-
rem no Recite, io ce avwmbro da 1892.
Joo Fernandes Lopes,
Presidente.
O vapor Tags
Cbamandante W. Sn>ith
E' esperado dos portos do sal
ateo da da Siembro se-
guindo depoia da neceeaaria
emora para
abo, Vigo e Santhamp.
m
mat,
Expsito de Pernambuco
preparatoria a de Chicago
Tendo a commiBsSo exeoutiva da Ex-
poaicSo de Per. ambuco preparatoria a de
Chicago deliberado inaugurar a maema
exposif.io n) din V.) da N-jvembro prxi-
mo, ve couvijar >c cias.a.artiatioH, io*
dustrises, agrcolas e a todos os cidedSos
em gem, a concorrerem ssa featn do
trabaib... universal, remetteodo qualquer
producto ou artefacto, sriui de que neaaa
representsgSo da Exooaicjio Coiombiauna
de Chicago se ja digna des noeeos lroa
de civilisac;o, e da importancia poltica e
econora ca do Estado do Pernambuco.
Attendend) o prot rarama da ExposijSo
a toles os ramos de trabalbo e actividade,
vasto como a cimniiaa&o tem em distri-
to a t< das as peaeoas que se interessa-
rem pelo bim xito da representoslo de
PemamDUo em Chicago, concorrendo
com es productos da sua actividado, um
exemplar do dito programma, que ser
entregue na secretaria do Lyceo de Artes
e officics da 9 s 3 horas da t rde, e a
das 8 s 9 horas da noite.
A commiaaao poe tsmbem a *dispoaic2o
dos concurrentes exposigao o local que
escolhenm, acultando-lhes anda arranjo
e deenreyao des" meamos, para melhor
realce d< s seus productes, para o que se
entendero tempo om a mesma com
miaaao.
O vssto edificio dos offieinas de Lyco
de Artes e Officios, onde ter lugar a ex-
posicao, i fferece espaco e vantagem aos
expositores ; e a commissSo fazendo um
appello ao patriotismo do povo pernambu
uano e a todas as caseos trabalbadoraa,
espera que Pernambuco ter um lugar de
honra co grande concurso universal de
Chicago.
Recite, 20 de Setembro de 1892.
Dr. Ermiro Casar Coutinho,
Presidente.
Joao Jos de Amorim,
Vice presidente.
Francisco Augusto Pereira da Costa,
Secretario.
Antonio Gomes da Miranda Leal,
Thesoureiro.
iDr Joaquim Correa de Araujo.
Major Julio Fernacdes de Almeiad.
Fjancisco Apcgorio Leal.
MARTIMOS
------------1-------------------------...... -..... .......
Conipaalita Pernaubucana de
navegaco
Esta coir.panhi man .n a sego'ntes linhas
ehjres de navegaco:
Norte tocando aos portes da Parabiba,
Maco, Mosto Arrc ty e Fortaleza, partindo
deste porto um pagete a ti e 26 da cada mei
Svl, com escala ueibs portes de Mace;, Pene
do Aracsj, Estancia e Babia sahindo deste
oo.-to a 14 e 29 de ca>ia mez
Fernando de Noronha. partida ao meado do
mez
1\. os os paquetes sao hoyos tem excelleo.e
acc imodaces para passageiros c pera carga
o preces s.o muito r dundos
Os passageiros eocontram, apar do bou tra
tamento, todo o conforto desejavel a bordo de'
um paquete.
Os paquetes que fazem as viagens io Rio de
Janiero, aiem de terem ludo o que se eocontram
nos paquetas modernos, accresce que faz a via-
t-ui em quitro das e o prego de passagens a
> classe 60*000.
O paqaete empregado na viagem para o Rio
Grande do Sol rnente para carga, e tem o
calado adequade a entrar do porto daquelle Es-
tado en qualquer occasio.
Recebe-se engajamento de carga por qcanti-
dade fixa para todas as viagens.
Outrosio, a companbia expedir paquetes ex-
traordiBanos desde que baja carga para o enga
r ment completo de um paquete.
Escriptorio da Companbia Pemambucaoa
The Uoed Stares and Bra-
zilM. S. S. G.
O vapor Seguranza
/*gf?^W^ p- "stwB.io Hn, portos do
.. ..... ... *i leSetem-
. iu bt-^uio.n, uepois dain-
dispensavel demora para o
HaranhSo, Para, Barbados, .
Thomaz e !"ew-York
Para carga, passagens encommendaa e di
abeiro a frete. : trata-se com os AGENTES.
Reduccc de paiiagmt
[da iiattu
i luliboa i* clasae s. *\> 30
t Mtbamptoniac!c.sp* 36 ski
(jamarotaa reservados para os psssageiros o
rnambBeo.
?ara passagesa, :eie3. ^.ceommendae. trata-
oa oa
AGENTES
% .morir rios & C.
r.3_Rw do Boa Ja, V. *
Lloy Brasiielro
Seeio U MavegaoSo
DA.
MPREZA DE OBRAS PUBLICAS N
BBAZIL
PORTOS DO SL
O paquete Maranho
Commandante G-uilherme de Caatro
E' esperado dos
portos do su I at
diasa deSetem
bro -eguindode-
depois da demo
ra necessrria para
Parahyba, Natal, Oear, AmarrasSo, Ma-
ranhfio, Para, Obidoa, e Manos
As encesmendas serio rtcebldas at i bora
to tarde do da da sabida, ao trapiche Barbosa
10 '.ango do Corpo Saato n. ii.
Para carga, paBsagens, encommendas edl
heiro frete: trata-se cornos AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O paquete Brazil
omd&ndante o capitao de fragata Pedrc
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos
portos do norte
nodia <5 rio cor
Ifente, seguindo
'depois da demo-
I relonio de aerede, 1 soft, I coBatHos, II ca-
deiras, cadeiraa de balaceo, porcelanas, vidros,.
cristae8, cbjecuw de eleotro-piate, talberes, co-
Iberes, tapetes de coco para forro de sala.
Quartos
Dsaa oamas fraocezas de Jacaranda. S guarda
vestidos, S mesas de canoa, 1 toilette, i lavato-
rio com pedra, commodas, cama oe ferro dou-
rada com elstico 1 e molas, marqaazOes, e inultos
ouiroa movis.
Dooa bancos de jardim, 1 selim e pertences,
1 oito para jo'key.
No palacete da ra do Visconde de Goy-
anna n. 153.
(jtiarta-feir-f, 2i de Setembro
POR 1NTERVENCAA DO
Agente Pinto
Vende-se a verdadei-
ra cal virgem de Cotumguba
para fabrico de assucar no
armazem u ra Duque de
i axias n. 6.

O vapor Finance
E' esperada dos portes do
sal at o dia tt de Agos-
to seguindo depois da de-
mora indispensavel para o
Bahia, Rio de Janeiro e Santo
Para carga, passagens, eneommendase di
ibeiro a frete trata-se com os AGENTES.
O VAPOR~INGLEZ
Capulet
E' esperado de New Y. rk al o
dia 99 lis Setembro seguindo
-depoit ua demora do cosame
I para
Baha, Ro de Janeiro e Hamos
N. B.Este vapor nao toma passagei-
ros exclusivamente para carga.
Para carga, passageos, encommendas a di
ohejro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Rua do Commereio8
Io andar
i\ Maii oteis M m
O vapor Tamar
Co m man dan te T. E. Exham
E'esperado da Europa no da
r*5deSe tmbro seguindo depois
^J' indispensavel demora para a
Babia, Kio de Janeiro^ Santos, Montevideo
e Bu e-nos-A y re s
Para carga, encommendag, passagens a di-
nbero afrete trata s com os AGENTES
ra i eceesana osra
Macei. Bahia, Eapirito-Saiito
Janeiro
e Rio de
Recebe carga a baldear no Rio de Janeiro
jara Santos, Canana, Iguape, Paranagu, An
:onna, S. Francisco, Itajahy, Santa Catharina
\U Grande, Pelotas e Porto Alegre.
As encommendas serao recebidas at i hora
la tarde dj da da sahida, no trapicnc Barbos
io largo do Corpo Santo n 11.
Aoe Srs. carregadores peaimoe a sua attenc*)
ara a clausula 10* dos conhecimentos, que
o caso da naver alguma reclamago contra >
ompanhia, por avaria ou perda. deve ser feiU
*e escripto ao agente respectivo do porto d.'
lcarga, rtet-tro de tres das depois de final!
naa.
Nao proeedendo eeta formalidade a compaacn
ica isenta de toda a responsabilidad*:.
Para passaginb. freasa eoiocuaaoas iv>.
t*M com os
AGENTES
Pereira Carneiro& C.
"-.fttta do GofHmarew~3
Ia andar
EILOES
O leilo de om excellente piano forte, de
mobilias e mais movis anounciadj por inter-
veocao do agente Pinto para quarf-feira, 21,
oeve ter logar no sobrado grande da rua do
Visconde de G yanna, r.u? pertenceu familia
de Loiz G met 'erreira.
Sexta f ira, 23, Jeve ter lagar o de mo-
vis, prata opjectos de ouro de lei, que princi-
piar as 10 (|2 horas ; bem como 1 hora da
tarde o de predio e objectos de uur. com bn-
Ihantes.
Leilo
De mercaderas agendas e descarregadas do in
cendio do vapor fra-o ez Santa F*
Hoje
20 DO COK1NTE. A'fi 10 HORAS
No armazem a. S da AlfaiMega, constando
De caixas com roblas, ditas com batatas, pa-
pel para telegrapbo, perfumarlas, murcelinas,
chapeas para senil, ras, marroquins. madapolo,
arerqnes, objectos de seda, cortinados, agaa ja
peneza, Uvros, tapete -.veludado para jarro, ca
pachos tfe rdco, pecaste merino, oleo eriza, bor-
dados, belgas, funis de vidro, apelos, caslicies
de metal, cadeiras, latas, diversos acedicasenlos
como sejam oleo de ligado da bacalolo, a^ua
Wich e divereoB xaropes, papel pan "r.rnlbo e
outras fazendas.
O agente Gasmo, antorisado pcius Srs. H.
Borle & C, agentes dos comits dos seguradores
do Havre e Paria e por coata a riaco de quem
pertencer e com licenca do Eno. Sr Dr. inspec-
tor da Altandega e em preseoca de nm empre
ga4o para este rim nomeado e cam autorisao
do Exm. Sr. coosul de Franca, far teil&o das
mercadorias cima mencionadas.
Agente Oliteira
Leilo
Da casa terrea n. 27 do becco do Poci-
cho, freguesia de S. Jos, rendando
mecsalmente 16-5000 e em terreno prc-
prio.
Terca-feira, 90 do correrte
A> 11 horas em ponto
No armazem nua da Imperador n. 39
0 agente cima, por marcado e agritesela do
Exm. Sr. Dr. jniz de orpbaos e ausentes, a re-
quenmei.tu do tutor dos menores lbos do fina-
do Dionizio Das Moreira Leite levar a 2 lellao
a ca8*t cima, edificada em terreno proprio.
Os Srs pretendentes desde ja poderao ir exa-
minar a r-ferida casa.
Leilc
De bona movis, eapelhoa ovaes, qnadros,
arandelas de metal dourado e pratea-
do, objecto de electro-plate, lanfas e
vidro.
Sala de frente
Urna mobilla de Jacaranda a Laiz XV com 1
sof, 2 contlos, 2 cadeiras de bracos, 12 de
gcarnico, 2 espelb.13 ovaes doaradoa grandes,
1 peca de esteira de qnadros, 1 dita de coco pa-
para forro oe sala, arandelas de brome para
velas, caadieiros a gaz, 2 mesas de jacarauda
para ]tffo, 2 saoefas e quadros-
Segcoda saia
Urna mobia de jacaraodi massiseo gosto da
Babia, cadeira para vingem, meia mobilia de
po-carga. 2 cadeiras de balanco e dous espe-
lbos.
Terceira aala
Urna mesa elstica grande, 1 guarda losca,
1 guarda comida, 1 mesa eecrivaatnba com ar-
mario envidrando, urna cadeira de balando es-
tufada.
Urna mobia de junco com 1 sof. 2 coosolcs
com pedra, 2 cadeiras de bracos, 12 de gnarni-
c&o, 2 cadeiras de balanco.
Sala d* jantar
Urna mesa ehatica grabde, 1 guarda louga,
2 apparadorea, 1 sof 24 cadeiraa de gcarnico.
Agente Oliveira
3. e ultimo leilo
De todas as obras e bemfeitorias e o dominio
til do engeobo Venesa na freguezia da Luz,
ci marca de S. Lourenco.
Quarta-f ;a, 21 do corrente
A"* 11 horas em ponfo
No edificio da eala da Intendencia Munici
pal de S. Lourenyo da Matta
O agente cima, por mandado n assistencia
do Sr. Dr. julz substituto doctmmercio daquelle
municipio, reqnerimento do D. Abbade do
Mosteiro oe S. Bento de Olmda e depois da au-
diencia deste juiso levar a leilo pela 3* e ul-
tima vez o domioio uti. e bemfeitora do dito en-
genho Vedesa, p rtencente a Antonio Francisco
da Costa e sua mulber, para pagamento da exe
cucao que le move o dito D. Abbade, tendo 40
casas de lavradores, ditas de vivenda, dita de
purgar e de farirha. etc.
Os Srs. pretendentes desde j poderao ir exa-
minar a dita obra e bemfeitorias e algoma ex
plicaco o m sojo agente dar em stu escripto-
rio na roa do Imperador n. 39.
Palha de ea/nauba
a 500 rs. o cerrf ; na rua do Pires
Vende-se
Dumero 31.
Agente Pestaa
Leilo
Da casa terrea com 2 quintaes e frente c'e lijlo
para a raa da Palma, sita rua Das Cardo u. 32, pertencente ao espolio do Dr. Joo Al- (
fredo de Freitas. I
Quinta -feira, 22 do corrente
AO MEIO DIA EM PONTO
No armazem a travesa do Corpo Santo
n. 52
O agente Pesiara vender po- mandado e as
sis'.encia do Exm. S-. D juiz de orpbos e au-
sentes a casa terrea cima mencionada, livre e
desembarazada, e a quem mais der.
Leilo
a= deas casas terreas da roa de S. JoSo ns
77 e 79
Sexta feira, 23 do crtente
A'l HOHA D\ TARDE
A gente Pinto
Rua do Knm Je>us n. o
Caixeiro
Precisa-ee de um caixeiro de 14 a 10 annoa,
com praiica de moihsHoa i^ae d nanea de sua
conducta ; na rua di Lima n. 71.
A o publico
Affonso Aoensio ue Brlto Taborda previne a
quem interessar possa, qoe ningoem contrate a
compra dos bees pertencentes a Momias Gomes
remandes, porque dito Malbias a saccador e en-
dossante de dive-sas le'.ras qoe estilo a vencer ae
e de que o annnnciante portador, letras essas
qoe representam avallada quantia.
E para que ntoguem te chame a ignorancia,
faz o presente aviso, por meio do qual protesta
contra qualquer traneaccio qoe se faca com taes
beos.
Recife, 16 de Seiembro de 1892.
______________P^P Benjamn Bandeira.
Precisa-se
De um ajudante de cosinheiro ; no largo do
Mercado n. 33. hotel.
Lices
De primeiras lettras, portuguez, latim, arit-
mtica, francez Iradnzir e fallar, em casa do dis-
cipolo : no Bazar i-ede-ativo rua 24 de Maio,
outr'ora roa da Concordia n. 9.
Coogresso das Damas
8 e 10-Rua do Cabuga8 e 10
CARVALHO ic ALMEIDA
Modas e confeccoes
T lephonc-IO:;
Inexgotavel e sorprendente
Collecco ^e cambraias brancas e de cores no
COKGRESSO DAS DAMAS
8 e 10Rua do Cabug-8 e 10
Cal de Jagnaribe
A eompaabia fxplorado oe productos calca
reos, nica producios da cal virgem de Jag ja-
rlbe para o faDrico de assocr e da cal branca
para c-i-fao, t-stuque, gaarniSo, etc., etc., ten-
do ciencia de qoe os seas productos tem sido
rnodulentamcQ e falsiticat os misturandu se cal
comprada companbia com ontra de inferior
qualidade e dando se Ibe o Dome de Jaguanbe.
previne ao publico desta falriflcagao, e rog aoe
seas numerosos consumidores de maodarem
comprar os verdaderos prodmMos. nc armazem
da companbia, caes do Apollo n. 73, Recife.
Exames de preparatorios
Arilhmetica de Trajano. livros e grammatic
de Joo Ribeiro. grammatica allem, fran> em,
etc., encontra se na
PAPELARIA AMERICANA
Qae tem um completo soriuiieolo de livros de
insiruccio primaria e secoedaria, livros em
branco para significados, notas, etc.
Rua do Impeador n. 79
f
los Coma da Sllvn Ha'a
Pernaromo da Ooita Mala, Jo=','..im o Cota
M Jos da Silva Uloto, Mana Rosb, Anna da Silva
Maia, Alfredo da Silva Pillo (ao ser) agrade-
cen) do intimo o'alma a toao* os i-migos que -9
digDaram acompaonar at a sua u m i mo ada o
cada er de sea idolatrado irmio, ^minado e to,
Jos Costa da Silva Maia, e de nevo os coQvidam
para assi3tirem as musas que bao de ser ce'e-
bradas pelo repouso eterno de sua alma, n igre-
ja da Santa Croz, s 7 I, i b jras da manh do
da 22 do correte (quinta-feira) stimo di sea
pastsmeoto, couessaLdo-se desde jeternamen-
te ^tradecidOB.
I
t
ipe
Paos
Compra se a roa Doqu
de janeada
Duque de Caxias u.
91.
Leilo
Da cafa e sitia em terreno proprio na estrada de
Belm o. 9 G, freguezia di Grsc>, em frente
ao Hippodromo do Campo Grande, com 100
palmos de frente e 1200 1300 de fundo, todo
arborisado, cem poni de ferro na frente.
Sexta-feira, 23 do corrate
A' 1 he a da tarde
Agente Pinto
No sobrado da rua 10 Imperador n. 4, por occa-
sio do leilo oe movis, curo prata e brilban-
tt-S.
Leilo
De urna pulseira com brilbante, 1 relogio de
ooro para hemem. e correte, orna volta com
cacoleta, 1 aderf co com baldantes, 1 importante
annel para bacbanl, 1 par de rosetas com bri-
Ibantes (bicha.") trancelms e relegios.
exta feira. 93 do corrente
Agente fiulo
No sobrado da rua do Imperador o. 4 por oc-
casi o de um ouro leilj de movis, prata, ouro
e predios.
Leilao
Do movis, prata do Porto o ouro de lei
Sexta-feira 23 do eorrene
No sobrado da rua do Imperador n. 4
0 agente Pinto levar leilo por mandado e
em presenca do Illm. Sr. Dr. jniz de orphSos,
a reqnerimento do inventan-me dos bens dei-
xados por Manoel Goocalws Farreira e Silva, os
beos araixo declarados existantes no sobrado
da rua do Imperador n. 4.
CONSTANDO :
De um cordSo de uro, urna pequea cadeia
de ooro, orna cafeteira de prata, um bale, om
jarro e baca, orna salva grande, orna di a pe-
quea, ama tigella, 2 asaocareiros, 6 pares de
casiigav.3, um espatolo, om pegador de gelo,
doas conchas quebradas, um trinchante, 12 ta-
lberes. 2 colheres de arroz, orna concha grande,
2 ditas pequeas 30 coln r para sopa. 2i di-
tas de cha, 12 tamberas cabo de prata, 1 paiitei-
ro, 3 caixas para relogio ludo de prata, 12 ca
deiras de Jacaranda. 2 cngolos iaem, 1 sof, 1
piano, om par de jarros, 2 parea de caaticaes.
urna aerpentioa, 1 guarda louga. urna mesa elaa
tica, 21 i adeirae, 2 solas, 1 aparador, 2 consolos,
urna commoda, orna mesa redonda, dnaa mar-
quezn, orna carteira e 1 armario-
O leilo princiniar s
As 10 If2
AVISOS DIVERSOS
Auoa Valerca do Reg Mede.ros, tutora de
sua filna Anna Medriros, tendo de substituir a
apolice da divida publica peral l. 10.128, jeros
de o ';.. emiso de 1680, por ter-se desemeami-
nbado, vem fazer publico por meio da presente,
atim de obler dita subslitaico pila repartigao
competente.________________________
AMAPrecita se de urna para casa de fa-
milia ; na rua das Trincbeiras n. 28.
CRIADO ; trata se na rua Nova numero 38,
loja.__________________________________
~ Vendem-se vaccas tounnas, paridas e pre
nhi'S; no sitio defronte da esta cao do Campo
Grande (estrada de ferro de Olinda).
Precisa se de urna ama para engommado e
servico interno de casa de pequea familia, pre-
ferioao-se que cao saia roa.
A tratar no largo da amiga assembla n. 21.
Comprase om grcde sitio com bastantes
ierras para planlacAo de canoa, perto da cidade:
a tratar na rua da Mad e de Deus n. 10.
AInga-8e ama boa casa na roa de S. Bento
o. 8 (Ulioda) ; a tratar na roa da Cadeia n. 35.
Vende-ae nm bom sitio na Imberibera rom
alguns coqueiros, mangueiras, larangeiras, etc.,
tra a se no
Escriptorio Commercial
Rua DuQUa de Caxias n. 72
Dnas professoras, ama de ponugoez e ou
tra de pi&DO. offprectm oe para leccionar em
collegios e casas oe familia : para info maces,
na raa 1* de Maree o. 9, livrana fraoceza.
Offerece-se orna senhora de meia idade,
boneata, para dirigir e faaer servicos domsticos
em cata de bomem aolteiro de criterio ; quem
pretender dirija carta fechada a esta typograpbia
com as iniciaea D. G., para ser procurado.
Todos os artigos para
mensemeniDos
ho-
Eacontram se no CONGRESSO DAS DAMAS 10- Raa do Cbue*8 e 10
Istofo lyric? 2 S f 1 I j 2 -s ., ? 4 i i 1 t 1 m "5 E i. a, a
Precisa-se
De ama eeobora de oacicnalidade portageeza
para fazer compaDhia e i-judar em alguns servi-
cos domes'icos a bu a fsmilia composta de deas
pessoas, n'om c-rgenlio peno de Agua Preta.
Offerece-se grande vamagens : quem preten
dtr achara com quem tratar na rua do Livra
ment n. 32.
Alugam-se
lo publico
O abaixo assignadu. coostando-lbe que Jere
mas Domingos Casco est agora assignando se
Jeremas Domingos Beiro, o qoe tem dado lu-
gar a conftisOes, e para evitar duridas futuras
declaro que o refrrido Jeremas Domingos Cas-
cao, rao seu prente em ero algum, nem
empregaoo da ca-a Beiro & Almeida nesta
praca.
Reciie, 13 de Setembro de 1892.
Vctor G. de Sooza Beiro.
Veudem-se
Doas otarias, urna sita roa Visconde de Goy
anna n. 137, e ouira na travessa dos Remedios
n. 3 ; a primeira propria pira obras Unas, e a
secunda para lijlos grossos, podem ser exami
nadas ; trata-se na rua Baro de Triumpho, an-
tiga do Brum. n. 76.
as seguintf s caaaa
Rua co C.Ep:tao Antonio de L'.ma n. 20 com 3
quartos e 2 sal
Roa da Fuartigo n. 10, com bastantes commo-
dos e com agua.
Roa do Capuo Antonio de Lima n. 16, co
commodos para grande fami'ia.
A tratar na rua Mrquez de Olinda n 8, litbc-
grapbia.
Moedas brasileiras
Comprase de 500 rs., 1,1000. 2^000 no cena-:
da'moeiia na rua do Cabuga n. 9, oja de Ac
gasto do Raso.
Libras s ter lina-
Vende-ae na loja de joias de Angosto Rep.
na raa do Cabos* n. 9.
Bom emprego de ca-
pital
Vende se urna propriodade de trras sita em
S. Jos da Lage, Estado de Aisgoas, com a de
sominaco Varzea Bonita.
Esta propnrdade tem a; rneibores condi^Oes
para qualquer estabelecimento agrcola, lo s
pela esleot&o do terreno todo ovt-noo, como
passa e tem nelie sua esteco e-irada de ferro
que liga este quclle Estado, alem de que, devi
de com a velha de S. Jos da Lage, e est evi-
dins*Gle demarcado judicialmente.
Para ioformac.5?s naquella villa, o Sr. Jos
da Costa Fonseca, conb^cido por Zumba Nazano,
no Recife na Impericl n 31, e rua dos Guara
rapes n. 74.
Junw basa Al ve Vella
fanclaca Iilomioata Aives Vrella. feas
lilhos e sobriDhos, mandsm c- inorar me-
s^s no da 21 o coTtnte, oa nwt'iz da
Boa-Vista, pelas 8nor&s ta muot por
ama do feu sempre lemorado esposo, pal e lio,
J'j Luii Alvea vileda, r aaniversario do seu
pasi-aa etuo, para assistir a este acto du relig'o
e candada, convidam a iodos os parenes e ami-
gos, eos do floado, e desde j se cnn'cssom eter-
namente gratus a iodo-: que se dignareci ccrapa-
Hara Joaquina Barb a Haca
lliue
Bento BarDosa Maglfaea, tua mu-
lber Senhorinba taagalbe? e seus ti-
;bos Jos*- MgaJhes, 'nieio Magelbaes,
Jco M galbes, Caodita Mcga.bts e
Antonia Magalbes, agraecem a todas
as pessoas qoe se igna'am corxp: nbar sna
oliima morada os restos mortae3 de fu muito
prezadae sempre lembrada filba e irra. M^na
Joaquina Barbosa Magalb^es, e de uovo convi-
dan] as pessoas de ru< amizade para assistrem
a misfa de sev.mo da, que pelo seu eif'no des-
cao(.o mandam celebrar auarta-feira 21 do cor-
rete, na igreja do Corpo Snto du Recife, pelas
8 hora;.
t
Cotre
Vende ee om cofre do fabricante Milners
com todas as chaves: na roa Nova n. 16.
Vende-se
Um carrinbo de duas rodas (dogeart) com um
bom ca vallo e amios, por prego mdico ; a tra-
tar na rua Baro di. V ctoria n. 63, 1- anear.
Instrumento de ergenharinha
Comprase um ibeodolite. i .osito ou grapho
metro : indicacOes, a roa Duque de Casias nu-
mero 63._______
Visita;-, leques e renda*
Guarnic6es de vidrubos, gal Oes alamares de
seda e com vidnlbos, ultimas novidades,
Reeebeu o
CONGRESSO DAS damas
8 e 10 Rua do Cabuga8 e 10
Vende-se
Grande porco de taboas de po ca-ga e ama-
relio, por prego sem competencia ; co armazem
de materiaes no caes 22 de No>embro n. ti.
O grande 3obrado da rua Capitao Antonio de
Lima o. 30, onde foi o escriptorio da EsTada
pe Ferro Sol de Pernambuco, com commodos
para grande familia, com agaa e gaz ; a tratar
qa roa Karqqi de Olinda ?. 8, litbographia.
Aluga-se
O 2 andar do prediu n. 56 ra Duque de
Caxias ; a tratar ue ioja dae E-trellas.______
Patacoes
Compra-se de todas as naces ; na roa do Ca-
bng n. 9. Ioja de Augusto do Reg.
Estabelecimento de
motilados
Vende se o-bem motilado- ettabelecimentode
seceos e molhados. rua da Concordia n. 1 ; a
tratar no escriptorio Commercial, ru& Duque de
Caxias n. 72, 1- andar.
Farinha barata
Vende se no largo
rs. a cnia, em a^os
terree.
nana Joaqun Hrl>OMi fin
nuaiea
Antonio J. de Suuza Martns, comper
'libando com o sentimeoio d- profunda
do- qcc ora dilacera o coracao da fami-
lia dor.lm. Sr. BentoBartosa Magalb&es
pela irreparavel perda da querida filha
e oeaicada 'rm. Exma. Sra D. Mana Joaquina
Barbosa Magalties, manda celebrar, como bo-
rneo;'gem a memoria da destitosa fPnho'a, ca
igrtja do Corpo Santo oo Rclfe. pelas 8 boras
da maob do d a 21 docorrrute, ana mis.-a pelo
sen eterno rtpauso, para cojo ano de rt-ligi2o
convida assistirem as pessca3 de amiade soa
e da nesma familia, cenfessanao se desde j
agradecido.
Di'lmira Zeferlua Alvo Cardoto
Pedro Alves Cardlo e GtorgiaAives
Cardoso agratecem de intimo de sua
alma a todas as pessoas q'.ete digua-
ram acempanhar at a sua ul:ima mora-
da o? restes mortaes de sua sempre
it-morada n u lier e iti, e de novo convidam
para assistirem as mismas que por sua alma
mandara rezar no da 20 do corrente xu g'eadeS. Gong lo, as 7 boras d* manha, sti-
mo do seo ialleeimento.
Dell
t
L.ulsa de l'rniKa Bilii-iro
1" -Civt-rsrio
David Gone; Ribeirx- e soa familia,
manaam retar urna mis-a pelo eterno
defCicso d^fUa estremecida filba Luiza
d" PXaoca Ribeiro, n. Aa 21 do corren-
te. as 7 1/2 oras ca marn, na matriz
ie .>anto Antonio anuiversano co seu pss;a-
mento, e ci uvidcm aos sep* parri tes e amigos
para assist/r-.m a este acto de reii^io, pelo qae
ronfe'sam-se eternanrerne irid-cidos. _____
i
Hnrm linnin Jo aantu
1- aooiversario
O pbarmaceul'.co Jos a Cruz Santos e
uairm Mara Joaquina Santos convidam
a todos os oaran'-es e amigos rara assis-
tirem algunas musas pela eterna memo-
ria de ua cara mi. Mana Vic-orta dos Santos,
oa crdem 3* de S. Francisco, as 7 horas ca rua-
nbS de qmria-teira 21 ao ccrrenie mez, ptlo que
Ibe* fi'--rao pratos.
t
Jorqiii.t. .4nelniw le -mu' mira
1- ; ni ivt-rsano
Caetana ih-ia da Silva e Saci'Anna e
s^us fllhos, convidam os pareles e ami-
tros de seu sempre lembrado mando epai,
Jj>quim Anselmo de San.'Auvi. : ara
assistirem a mi- sa, que pelo eterno repouso ''o
mesmo. maedam celebrar no dia 20 do-corrente,
pelas 8 boras da manb, lo convento de S.
Francisco. Confessam se gratos por erse cari-
doso obsequio
t
do mercado n. 12, a iiO
orticos a 5800 com 42
pifiA umm
Gniiiues v
Participan) aos seus frognesea, e bem
aaaim aos Sra. agricultores, que conti-
nan) a ter grande deposito dos artigo
abaixo mencionados, garantindo tudo de
1.a qual idade e aem competencia em pre
coa, visto como recebem os meamos arti-
gos directamente e terem constantemente
avultados depsitos.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Cimento Porlland He*
moor.
Oleo de mocoto.
Dito mineral ( para ma
chinas).
Dito de linhaca.
Dito de ricino.
Dito de peixe.
Dito de coco.
Pixe em latas.
Azeite de carrapato.
Graxa em bexigas.
Potassa da Russia (em cai-
xas. barricas e latas).
Gaz inexplosivel Dia
mante.
Trisulphito de cal (aove
preparado para clarifica
o assucar)
Formicida Capanema (o re-
medio mais efficaz para
a completa extinecao di
formiga sauva)
6 toreo- Sanio- i
Cimento por'lani
Novo, ebegado par vapor, qcalidade superior
prego sem competencia, barricas e meias ba-
icas, em grosso e a retalho ; vende se na ra
da Madre de Deas n. 22
I i i ... +
Aluga-se
Uaia grande cesa ^sseada, com um encllenle
Jardim e grande sitio om fructeiras, com vm
aveiro de pe*xes. tem agoa encanada, comme-
ios para grande famil a. criando se todo o sitto
aereado com um muro, acba-se situada ao larfs
da i^rrja da Santo Amare das Salinas n. t: a
ratar na pharmacia Conceico junto ao arco do
mesmo nome
Vapor Santa F
Babadoa e. ejtremeos bordados a 800 rs. a
peca !! I na rua Mrquez de Olinda n. 49. Bou
pvard (es Dames
Dr. Joo Jaroao Martin* Pe
reir
2- aaniversario
Rodrigo Jacomo Marti:is Pereira, fu
mulber e tildo, mandam rezar missas por
alma do seu idolatrado e sempre chorado
filbo e irmo, o Dr. JoSo Jacomo Martins
Pereir, na matriz da Boa Vista, terga-leira 20
do crreme, s 7 1/2 boras da manr., 2- anoi-
versario de sen fallecimenio.
t
Criado
Precisa -se de om criado ; na roa Doque de
Caxias o. 94.
Coswheiro, criado e criada
Preci.-a se : ni roa de Py?anJ n. 19.
Criado
Precisa se de um criado ; a tratar na rua da
Amizade n. 1-A.C-punga.
Prevenco
Os senbores logistas oSo devem comprar pape
de embrnlho. liso e de cores. Fem visitar p
PAfEL-RIA AMERCANA
Onde enconiraro om completo sortimento de
papis e enveloppes commerc aes.
Precos baratissimos
Rua do Impe-ador n. 79
Feitor
Precisa-ee de um feitor que eotenda de jar-
dim ; em Santo Amaro das Salinas, jauto a igre
ja chcara do porto encarnado, do tenente-coro
oel Francisco Botelbo deAndrade.
Aluga-se
0 1' e 2- anulares da casa si'a 4 rna de Bem-
11-a n. S. oa Maedaleoa, cam muitos commodos,
tem agaa encanada e gaz, um ncell?r te quiaiai
com porto co fondo; a tratar na pharmacia Con:
ceico. roa Mrquez de Oliada.
Mar;t iga ingleza de primei-
ra quaJidade
DEPOSITO
Armazem Central
RUA DO CABUGA' 11
Joaquim ChristovcO & C
Precisa-se lima co-
-inlieira e de urna
raulher para andar
com crioQas. Na
rua do Alecrim n. 22.
\ma
i
Precisa se de uuj au.a c,ce aiba fazer con-
cert de roupa e f.ga altuos servaos, prefera-
do-se de idade : a tratar na rua das Florentinaa
numero 10.
Ama
Precisa-sede cmaama para cosiobar, comprar
eeogommar; na raa des Crozes a. 33. primeiro
andar.
Ama de leite
Com orgencia precisa-se de orna ama de leite;
na rua do Hospicio a. 20.
Ama
Precisa-se de urna ama para i ngommado ; na
rua Nova n. 7, 2- andar.
Ama de cosii ha
No sitio n. 5 da estrada de Joo Feropndes
Viei'a, se precisa de urna co.-iaheira c.uc seja
fiel.
Anta
Precisa se de urna ama para comprar e cosi-
nbar, e que Jurma em casa do patro ; na rea
do Livramento n. 34, Ioja.
Ama e criado
P.-ecL-a-se de urna ama para cosinbar, e um
menino re 12 annos para maddadcs ; a tratar na
roa de Pedro Affoneo n. 22. oo na Boa Vista roa
Velha n. 117.
Ama
I
<


i
I
.
Precisase de orna ama para coainhar e mais
servico ; a tratar na rua ao A taino n. 15.
1
( mam i


?
^iario de Pernambuco Ter^a-feira 20 % Setembro de 1892
--^^-^^_
TMiCO
ANALPTICO
RECCKSTTUINTE
O Tnico
irais enrgico que devem
em pregar os Convalescentes,
M pestoas idesas,
aeA'.jU'ires, as disneas dbit
'ttMQ?'.

w|
^
COM aiNA
SUMO DE CARNE
PHOSPHATOdeCAL
Compona
oom Substancias necessnas
e indispensaveis na
formtcio no dessnvolvlmento
da Carne
muscular e dos Syatmt*
nervosos e ossosot.
8 as Pessa
fr&oat de OmstitK^o.
,,,,.. wiLtt.',8orWio' ;caii...-nto< mataactivas,raracoiiibater a a winla,
iu-'-, ajTas Slraiui.* ou Gasirita, a DlarriiOaatnica, a Ida. oer tica, a
a Oh!
je Euiiuagrc
tatala
miuaonmi livJ-v:-*otaoiento nerrOso, aOs quaes os_temperanlenl..sd*hjeo1
sq..
t l.l.. ra de llourbon, 14.
aj.aJVrnam&u.-o.- FRAN M. DA SILVA fc C" ea ttdu as Phinncm Drotanis.
ROPE PHENICADO
DCLAT
do D
Tosse, Catarrfaoa, (xrippte, Bron
, chitos, Tsica, Coqueluche, etc.
6, .v.mmio Victoria, Paria, e Pharmacias
LYCOPHENICO
DO C DCLAT
Antisptico poderoso, Hjrgione do
toucador, da Bocea, Curativo, etc.
!^>sn
l/eanciatfo para /pacforia de H/eene 0c Imptho do trsz. ______
SISLAS se SNDALO CITRIR.'
PniparBCio aiguma mala aflioaz ooutra aa
MOIaESTIAS SECRETAS
a. famosas Capsulas ttnve.rsimen tr rteomn*endad*a pelos XStdico.
Uma Cfiix coc intruooiA conifieta para 4 tratam*nto) -'iini ff'.-raiintnvc dentro de orna eiai.na
. ..-.- iBunuoeLr UTA tu, ejmmm di *mHfti .
DKPOIIITCM K' TOPA' AS PltMCIPAH riAUMir *s.
^.-.%AiJJ-fJJ1/l/iJilJli PREVINAM-SE COM AS IMITAQOES XH>*>**rW
SABONETE 0UIA4VElUDAD0*JaV
O Melhor | nfe :
e o mais Suave dos Sabes vwraft
t = ti f -wt -wur %. 13 T A #r T7. T 9^ A $Ml t/HSn
mai Suave dos Sabes
ERFUMARIA-ORI S-A.
de L. LSJEAND
*av Inventor do Producto VERDA DE IRO e accraflitado ORIZA-OIL
X X Place ci la Madeleine, Paris
ACHA-SE EM TODAS AS GASAS DE CONFIANCA
1
/^T.l,V^*'\', UCEHClMlOS PEA ..CPECTOBIA J$
Aper/entS, tomacl<
L DE HTOTSNE DE RIO DE JANIHQ
Purgativos, Depurativos
de Sant IJ Caaira. & ralta de apaotte, a Obatraccaa, a nxaqn&ca, as ?articen*
/# as congeatftea, etc. Dose ordinaria: 4, 1 a S graos.
\\------------ J Qesconar das falsitlcac.es. Exigir o rotulo junio impresso em rrancez
***&*
Dcsconar das I
8^hM'c&fflte?* rf0 WIic tf,s fabricantes
m VSBC Pulnali. I-EROYj o em toda, a Wiamiaola*-
SIEDALBA DE HONRA
0 OLEO CHEVBIER
des.nicctado p/o Alcatro,
otltsmico, o o feo.
0 OLEO de FIGADO
DE EKAliO FERRUGINOSO
a unid preparacio Q'jc ptrmttte
&Jm.rastrar o Foit M/n pro-
ti sao de Vcstre, flff/n
iDc-amodo.
^GS0jZg?>
BRANCO.LO'RO
' ferruginoso]
d0 ALCAtW^ '
CHEMlti
DIPLOMA DB HOIVRA


iruTiiK) roa Tooas 8
Oeleoridados lcucas |
D\FKAHCAED*ELBOPA
as
MOLESTIAS DO PEITO,
AFFECQOES ES:OFULOSS|
CHL0B0SIS,
ANEMIA. OEBILIDADE.
TSICA PULMONAR,
BRONCHJTES, RACHITISMO
DSPOSIIO pral em P11U
i!,m 3 Fjai'-Hontmarlre, 21
LICENCIADOS PKLA IVSI'Er.TOBIA DE HYHIENK DO IMPERIO DO BRAZIL.
Vinho de Coca
APiSRffO RSGOI.LOT
1 Cfc I
Esf riaraentos D6res Congestoes
\ EX.M-8E
ASSIGLNATUR6, edr ENCARNADA,
ROPE de PAGLIANO
Depurativo e Regenerador do Sangue
Privilegiado jpelo aorerno de S. 1S.. el Eei d Italia
SoTerno de S.
:do pbofesboh
l K SIO PA 01
VEMiC-SS EXCLUSIVAMENTE EM
Mapoles, -4, CS^lin.*. ^. Marco A CA-SA DE FLOHENCA EST SUPPRIMIDA. 0 Mr. ERNESTO PAGLIANO po-
II rsceitat senaras vela proD'ta mt do vefunto Professor JBROH~YMO PAGLIANO, seu to.
jxigir tore o frasco e a caixa a marca d fabrica depositada conformemente le.
ERTNTESTO PAQL.IANO.
:Oi Pernambuco: COMVAaTaiA de SSOGAS e PRODUCTOS CHIMICOS
-: KM 'Q :*-- A- PBINC DO Itritz.'l.

nt,0 porc
as do Monte el
S( > ce .o comp ra -tse jo
a da avakia^a:
ii- lo Barata
Cosialivira
Precisa-se de
una
que
em
Todos aquelles que sofreml
Ido peito, devem experimentan
|as Capsulas do Dr. Fournier.[
. cm odas ai pn'nr"naes Pharmacias
ilo Brasil.
ttt V OADEIHAS PA8T1L.HAS DE
es extrahidos oas Aguas Mineraas de
05 2W f'< u marcas
da Companhia concessionaria da Vichy.
Digesttio posas. oen(as do Estomago.
ESTACO Dosl^WS-3ou:1e,^bro
Banhos, Duchas, Casino, Theatro.
ItlKllui <9 Pernambuco ; Solzer H KMklla Alf. litll
ni iriflMariiffiOuei iatviu.
LOMBRUA *&&
em HORAS, com 05
LBULOS DE SECRETAN]
PkefmeeiUoo. fireimtdo oom nfeHw
CHICO REKKIUO IHPALI.IVIL
A30PTADO PELOS HOSPITACS DE PBIS
lOewiuriss ea hrUBkMs:FHU~ di SliTi 4 P*1
boa eobinheira
compre e durma
casa d queipa ir por ^ I guiri
... oipo para Ola Ja.
ag se bem a tra-
tar aarua da Soled ~
de u 58 ou ua ra
V, ds Marc,o n. i6, oja.
dovafror "SoiU F'
.-miras saa s de qnadros 240
rw.
Toil< 200 ris.
Toy cby 11
}60 e 4 10 ris.
i setim 13 mais de largura a
1<)200 ris.
40000 e 5f>(*> .
mira para
I6f>00,< e 20^000
Fiehue & 5C0 ris.
Pelerinas a 1)55(1) e 2J000.
. -hcira a
4#0.0,5r5000e 600.
Camisas, regata^ de la.
Camisas de linltu para homem.
volchiis bt-anoas.
E amitos outres artigas.
Loja e ariiazem
DAS iiSTEE^LAS
56S8-DaqoedeCa\ia^6eo8
Tehphuiie 218
Azeite puro de Oliveira
Em latas de 1. o 4 litros.
Receberam
GUIMARAEl 4 VALENTE
e 4 Prafia do Corpo Saoto 4 e 6
INTEGRIS
CINCOENTA C0I\T0S
Terceira Lotera do Cear
EXTRACC40
Terca-feira 20 de Setembro corrate
Intransferivel Intranserivel
PAGA-8E 0 DOBRO EM CASO DE TRANSFERENCIA
Esta lotera, que recommeiida-se pelo seu beni elaborado
plano mais do que qualquer de suas congnere?, acha-s^ venda
as seguintes ca?as:
Casa da Fortuna, Ra 1. de Mar^o j, 23.
asa do Otiro, Ra Baro da Victoria n. 0.
Sonho de Ouro, Praca da Iadependencia ns. 3 e 5.
Casa Feliz, raqa da Independencia n. 37.
fe INOFFENSIVO Jafj
O GRANDE 1
hl PUEIFICAD0E H > ti ti H <\ K|
> < Q 0 < DE BRISTOL
CURA T ODAS AS IMPUREZAS PO
\% SANGUE E HUMORES
EFFICAZ 4
Chegaram
de Caxias o. 6i
LOJA DAS
L1STRAS AZCES
Bazar Pematnbueano
Fabrica Meteoros
Os abaizo assigeados proprietariot da
acreditada e oonhecidu FABRICA ME
TEOROS, em atteaySo ao respeitayei
publico e especialmecta ao3 sena inaume-
raveis frcgtiezes, vem porticipar-lbes que,
xa consequencia do augmento que fiae-
ram, uo salario dos operarios do seu ea-
abelecimeiito fabril, resolveram elevar
(l50i.0) era milheiro de cigarros de todas
as marcas manufacturadas uo seu esta-
beiecimecto.
Assim deliberaram por verificaren! qr.ti
pava conservar leBo o crdito dos seus
cigarros, seria preciso harmonisar a ai-
ceugio do pre^o, com a superioridade da
aiaaipulacao, pelo que, preferiram manter
o crdito dos meamos, manufacturndoos
com materia PKIMA 8DPKBJOB, a ter de
mpregal-a inferior sem elevar o prec^;
dos seus productos, gmente com o intuito
da maiores lucros.
Procedendo dest'arte, esperam que sena
bons fregueses contiuaarao u despensar a
honrosa confianch, coi-1 que sempre des
tinguirtm a FABRICA METEOROS.
Ra larga do Roar-ri'1 B, 30.
22-7-92
Joaquirn B. dos Res & C, Sncoaasoraa.
A 8{$000 a peca
Pc-yas d- ^%ita chineza padreen lindos
com 12, 14 e 15 jardas por 84000 a
peye.
NA LOJA DO CAMPOS
Ra do Crespo n.21
Mr Villa
Expremiere d Pars
Robes el confectioo
Precos rommodos.
Precisa cosiureiras.
Ruh Barao da Victoria n. 18
2o andar
50
MOQUIT&IROS AME 7 C& T
;M COMARMAgAOE CORDA
B3B.JK.3NTGOS K 33d& G03B.KS
nicos m Fenflem 2 iecos m m^^
Loja $ &Tm:zm &*$ Estrellas*
e 58 Ra Duque de Caxias 56 e
Telephoce n. 210
58
ruNaicAd
44RA BAEAO DO TRIMPHO-HW
Machinas a vapor
Moendas
Rodas d'agua
Faixas ftt&dj
batidas
Arados-
Taixas
t bat c-c
em crava^t
Centenario do Colon
une Tonos ous sobtetb iodos os oias
HOTEL ORIENTAL I
l BISPO RFWHi lt. 5
Esse esplendido estabelectiento mentado com todo be \ i conforto,
qual j contacom urna immensafrreguaeia do que ha melhrr n< ocmmerc ao respeitav9l publico de visita o eatabeleoimento onde achara comida., assiio e no
esmerado servico, se est preparando sa'oes particulares no primeiro andar para fami
ias e banquetes, a casa conta com dois
chele francs.
ooainheiro8 brasileires de 1* ordem e um
Apartamentos e quartos mobiliados para familias e viajantes.
A oasa se eocarrega de banquetes soires em casa e fra.
Acceio, promptid&'i, esmero no servico e preyos rasoave s
Se falla ingles francs, aliemao, italiano e hespanhol.
Proprietario, ADOLFO HILEMAN
tesos i'S das mete todos os
N. 5 Ra Bispo Sardinha N.
Ver para erar
PEITORAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
Aa earprraidacVs mal dolorosa* d.. e...faci
do. iulmO.-s, ordiuaria.B.m. d.-M-uvolvcm^e,
woaopor_pniidpio ba-4p,.1Upntt-, cuic rulU
ea BAO rao dHBon d*- cura ct prom&tami rttt *
fatio com o remedio.nonvcnl*n;i. <.- Roafrl.
adon a.'To*Me ift reclpr-jcamer-. /, reachatte
- I riiiKills, Asllima, KPoncLiilr.. .iT...
fao l'iilmoiii.! | Tl&iva.
loda ns fuuiil-.-v n lem crinD(ja.- deren
Peitxiral de Cereja do Dr. Ayer
M-. cus para a rmu en caso o teceftJ
A perd* de um da, ;mji <*m moito;
aocjT-iir sertafl coveqat'UCUia. Por tant
- leve p*rdiT temp< precioso, experimeii
remedlot it- efloaota dnvidosa enguanto *
- enfi rmidadi i odera do t mi i -
profUDdimente, enf-
a*at instante, o n-n-.. ti. raaiacerto nc
taff";r-> ttt* ri aedlo sen duil
afEntiw- ur Cbrbja do Di. a.i;k.
PKEIA&AIX PELO
DR. J. C. AYER & CA
lunre, Maas., asC-UnMos,
ucrvairo OEIUX
HoteJ do Cabo'3
Esta importante hospedara tend- pas-
eado por grande transformacSt, e com-
pletamente adaptada as exigeccias mo-
dernas, do bom servico, asseio, e todo o
conforto indispensaveis a esta cathegoria
de estabeiecimento, acha se a dieposicSo
do respeitavel publico, par os ns a que
se destina.
Tem r oas accommodaeftea para dormida,
e pensoes ; assim como banhos frios. no
rio contiguo ao mesmo estabelecirrento.
A proprietaria a Sra. D Margarina
Bradley residindo no estabeiecimento, se
esforzar pelo bom desempenho do. aervi-
50, e attengoe, a aquellas pessoas, que
a honrarem de stut piesenga, offerecen-
do aos seus hospedes smceridade 10 trato
e modicidade nos preces.
Agradece aos senhores viajaLtes, e as
b miiias, que lhe dispensaren, seus fa-
vores.
.ARA.ILHA CURATIVA
DO CELETRE
Or. Humphreys de Nova !or.t
A Verdadera Mamvilha do Scula
APPR0\J) E LICENCIADA
* e!r. la*tn*tTorm Oral de HyffU'nc d.
imperio de BruzU.
.'. J*ln?*vllba l'ui-ni.ra rcmco j.-ompe*
jar& Pisaduras, MaehucadurA,i'ii(usoes,l\ir
,G Hrtadnv t, ; i ..-Ter. q58b, Aivtaadoi
r, faz jiarar a fudaninia^u. redu:
(.Incbai^o, rirao uescoramenio, e taasarar a. erklt
cuino por enc&nvo.
A -Jim .jvil,.a Caratlva alllvloprompto .
:ufi. ttbuid pura VueUuaduras, Escaldaduras,
I ira Uo Sol, e superior a qualQuer uuux
A Jiaravrtha Curativa 6 irr-paKare par,
odatas ner.,.rrhadas, M.'JadoN"art". das^Rgivat
dos Poimk's. do KsioniaRO, ou a? lleaiurrliuiu^toi.
AJmorreinia.s--curaseD.proC' nunca falba.
A MaravHlia Ciirnti\ nim.filv i p mptf
para i*r le Den tes, de OuvW'je. da Face. Inchac:
da Pace e Neuralgia.
A Jtlarnvi'-iii Curad va orecunc prompx-.
rVclosf pai-a I>n.s rbeuruaticas, Ah-ijAo, JXr*
f i
i;:. Idea as Juntas ou P#*mas.
A l>Ibcc:\tiha Cnraiivu S
mt?ie -
p'ja Esqulneiu'la, Anpina, Aiiiygdalas icchadauoi
iiitammadassempr? seguro, sempre efflca3-
A Maravllha <'oralivi*_ f de motto falo
c -mo n.fecc5o para-' i I pneorrtK'a ou *
> loras 'raneas, t- oUtTOB ^rimemos debilitantes.
A Alaravllba l'araliva imr>agari?| pai
^.-irTjleeras. OnnrascuUjiMH, Apostemas. Panar
"los. Callos, Frtelr.Le JooneteseTumores
A Mr.raviMiLi Cnvalivaremediopmrrpu
para Dlarrea simples, e de Dlarrhea chronlvu.
A M.pavillin Cnratlv C- < T-vlente ca.
Estrebaria''<,av,TUr,rl.;a>*, |*am Forcedoi i
Pitaduras t Esfoladurn*. ConCiCoos, Lacerav EspecSalHales do Dr. Hunptoejrv.
UemeMofi KspecicoH,
'.ruaruento Mnravlbo,
lCi-niwliat. f-yii;lii ko .
Remedios Vetcrinurio-
OMantraldo Dr.Humphrej-s 144paginass..tir. i_
Eafi-rnildados e mododecnrl-asat; daip-atls, pfdt
Be ao sen boticario oa a
BSinraatv pisoacike eo.,
IOS Jtiiou stTi-n, KBW VORL
NICOS AGENTES
aaBafeac-s
o IC,
i
4
-r
-;
i
i
->
4
Prepara Approvado pela Ilustrada junta o |L
Eygieae Publica da Corte.
a-
4___a_ J_______^____,1.1....,..-. 'A
Aoctorisadoporl :rial '&
de 2o de Junlio de 883.
COMPOSICC
de
-redo.
i
?
i
-:
i
5
->
-i
-}
^i Empreado coro a maioi
i ; rheui:
i em '. molestias ./ ias
": "
4 softrimei.'
4 do sa Serenes
f"
-H' Dse
-S! colhet d
Doite, puramente ou dilu
e am seguida m
rea
j tade pa
Rgimen Os 1
i
-:
i
i
estado da m
DEPOSITO 'CENTSAI
-^ Maco: dat 'j.
%
23 Ba Marques de Olinds
Pernambuco
Em ripas e barrotes, pre-
sos sem competencia ven-
de-se na ra Duque de Ca-
xias n. 68.
Casa em Olinda
Alaga se a de n. 29 rna de Boaifim, com
boas commodcs para grande familia; a tratar di
mes mi, ou oa ra do Apollo n. 8,1 andar.


.
X

-.'-
i^
iieMI


%

8
Diario de Perambuco Ter^a-feira 20 de Setembro de 1892
AOS FUMANTES
Deseja s nao ter azia qaido umaes?
Usae por algam tempo os apreciaveis cigarros denominados MINHA ESPERANZA, qner picados, qaer desfiados, usa i tambera o aromtica
saboroso famo desfiado intitulado Hygienico Nacional e os cigarros do mesmo fumo.
Depois diiso dir-vos-hei se foi on nao til o conselho.
Compre notar que os Hvgienicos sao fraquinhos e os ESPERANZAS sao fortes.
A fabrica MINHA ESPERANCA situada na ra Larga do Rosario n. 2 i A.
Um apreciador.
S^Ab Paradis des Dames
Novos cortes de vestidos de seda, la, cam-
braias bordadas, tecidos de algodao, cam-
braks de pbantasia.
KIHEIKA taiNlE E EZTKAOEDINiBIl MEMA
i DO r""*
Espartilbos de setim e de brim. leqnes de
plumas, gaze, ventarolas, bicos de seda de
c:es, andaluzes de seda.
Sobretodos iropermeaveis, peitos com pre 1
alisas, ponbos. colariDbos e perfuma
ras dos melhores fabricantes, meias de se-
ca, o da escossia e algodao.
E.-teira da India, brancas e de cores, ta-
petes em pegas, guaroices de tapetes de
carneird, almofadas ricamente bordadas de
curo.
88--BUA SASC SA VICT0BIA--33 &
Telephone59
Sei as brancas, pretas e de
cores
Novo3 padrSes e para grande escolha, J
Bt->'- despachadas oestes ltimos das.
LOUVRE
cortes de l,linho, seda
e algodao
BieuMOtl enfeiiados, tem reoebid; al*
Harnate e
LOUVRE
Ed Kamitez
O VcrJadeiro papel almajo dessa importante
abrica austraca, vende se por preco mdico na
PAPELARIA AMERICANA
Ra do Impeador n. 79
Os
t
trez risos
2 ticos e deliciosos
.PLANO MONUMENTAL
que seimpe ao publico pelas incontestaveis e reaes vantagens que offerece
EXTRACCAO
15 m 011TUBR0 DO CORENTE
mTm&MmmmiwML imTMMMBwmmiwmL
PAGA-SE 0 BOBRO EM CASO BE TRANSFERENCIA
A. extracjo eflectuar-seJu na capital do Estado do Cear, soba fiscalisacao das autoridades do governo
e com asistencia dos representantes dj jornalismo do Rio de Janeiro e capital do Estado.
BANQEIRO: Banco do Braz
Esta lotera, que recommenda-se p o seubem elaborado plano mais o que qualq ler de suas congene
cha-se yenda as seguintes casas:
Casa da Fortuna, Ra 1. de Margo u. 23,
Casado Ouro, RuaBaro da Victorian. 40.
Sonho do Ouro, Praga da Independencia ns. 3 e 5-
Casa Feliz, Praga da Independa n. 37.
res,
Esteiras da India
Cigarros
Branca e de fantasa de novos desenbos
para forros do acalho, ccmple:o sortimento
no LOUVE
Francisco (argel i I?mo
Ra Io de Marco d. 20A
TELEPHONE 158
Kerosene loexplosi-'el
V Foasoa Inalo
FOLHETII
a domdorTdi lilil
JULIO 01GASTINE
(Coninoa^o do n. 911)
TECB08 m PHAN-
TASA
B.'.rdo inpossivel de se deecrever a
purte vanedade de tecidos de diversas
cualidades proprios para a estajSo actual,
-oga-se ao publico em gem e principal
centc s Esmas. familias a fineza de vi-
jitarera o
LOUVEE
Ra 1/ de Margo n. 20 A
Fra:cisco Gorgel ilmio
TELEPHONE N. 158
Grinaldas, leqnes e chapeos
de sol
Da phantasias acabam de chegar para o
LOYRB
Gapas, jersey s e visitas
Gestos ioteiramene no7cs acaba de ra-
saber
LOYES
CoEumes para creaocas
Da todas as idades encontrase grande
. .rtimeno no
Louvre
jbjectos de gosto para
presentes
Ha seBte artigo grr.nde escolha no
LOUVRE
Ohapos e capotas
Ultimas novidades de Paria receben o
Loovre
Fabrica de gelo
as e limonadas gasosas :
todas as qoalidades
Soda water, ginger, ale, limao, laranja, ears.-
?ao, abacaxis, granadina, grosellas, trani.,&Kwl
unilha. hortela-pimecta, etc., etc.
19-ACAES DO APIBARIBE-iJ-A
SABAO CU A ATI YO BE l^T
Tumores, cravo, pelle vermelba, aspara e oleosa impidido oo curado
por o mais grande d9 ledos os aforaioseadores da peile. o Sabo Curatirode
Reuter. ProdGz:.< a pelle ormosa, branca e clara e raaos brandas; cbsolnta-
mete paro, delicadamente medicinado, extremamente incomparavel como
sabSo para a p^lle bem como do toucador, do banho edoq'iartodascriancas.
CAtTEliA. Nao genuino Bem cada envoltorio ter a marca re-
S.israria de Barclay & Co, New-York.
MEDICINAL
YPABA
TOILETS
DE REUTK& IV. 2
Como remedio daEstaco Calmosa, Purifi :;Jor dosangue, diurtico,
s aperiente, nenbum outro appellidado depurativo ou saisaparrilha se appro-
eima sequer ao Xarope de Reuter n. 2. Combina quatro grandes proprieda-
xes em um so remedio, operando a um tempo sobre os orgos digestivos, o
dengue, os rins e os intestinos.
Absolutamente nentralisa xpulsa pelos canaes intestinaes, rins e
poros da pelle, os germens docivos, i^ae flutuam no eangue, na urina e aa
tranapiracao
o MELHCS
PURIFICADOS
PASA O
PEQUiE^AS FILUL & DE REUTR
Figadj entorpecido curase positivamente com estas pilulae. Eilas
sao um remedio purgativo livre de perigo para o hornera mais fraco, to bem
como bastante activo para o hornera mais forte, e nao constipan depois; pela
accao geral agrada a todos que as usara. 85o as Dilulas estandarte da pro
Bao medica dos Eitados-Uaidos. Sao as menores e mais facis a tomar.
Quareataem a
PARA
FI6AD0
PRLMEIRA PARTE
iun
O sol, j alto, passaodo atravez das
persianas, illumiuava as cortinas ; mas os
objectos que mobilia7am o quarto, esta-
tuas, bronzes, vasos, plantas, apenas se
destacavam em urna especie de claridade
vaga.
Roberto nSo conaecia este quarto. Du-
rante alguns segundos o seu espirito con-
Bervou-89 inquieto e perplezo...
D-pos, sbitamente, voltou-Ihe a me-
moria.
Oihou em redor.
Nao vio Carmen.
E elle tisha-se deitado vestido.
Porque ?
Soergueu-se no leit< e mergulhon o
clhar na semi-obscuridi-.e do epoaento.
NiDguem.
Escuto u.
Nenbum ruido.
',bamou.
Ninguem responden.
Eoto s'ltou em terra.
Que .ignificava qrr'*0 ?
Correa janella, afastot as cortinas,!
b'io ^3 persianas e o sol i
ento fazeedo 'reluzirem os
os cobres, inundando de la
de s'da.
Vio fra o parque, com as franjas das
arvores acontadas pelo vento que soprava.
Por mais louge que estendesso a vista,
nem um ser humano divisava.
A cabeja 1 he pesa va, aa ideas eram oon
fosas.
O ar livre lhe refrescoo um pouco o
cerebro e a reminiscencia voltou pouco a
pouco.
Reconheceu o caminho pelo qual viera
ao castello. Lembrou-se de que elle e
ella tinham jantado, n'afuelle quarto...
Mas por que o deizra ? Para onde
fra?
Nao o podia explicar.
Havia na sua memoria ama lacun.
Via Carmen junto de si, eorrindo e abra-
zando-o com o efflivio rdante de seus
olhos, depois tudo desapparec;a sub ta-
tamente, todo se embrulbava.
Roberto Van dan me arranjoa os cabellos
e a barba com urna escova que achara na
mesa de toilette.
Nao sabendo como sahir do quarto, pa-
zca com ama forja o cordSo da campai-
nha que penda ao lado da chamin.
Passaram se alguns instantes, depois a
porta se abri docemente.
A cabeca de Mercedes assomoa :
Foi o senhor que tocoa ?
Sim.
Que deseja ?
Oade est sua ama ?
Em sea quarto...
Va dizir-lbe que preciso fallar com
ella j.
Sim, senhor.
Mercedes sabio
Roberto Vandanme pos-se a caminhar
| com agitacSo, muito intrigado.
Nada comprehandendo do que
se tinha
7adio o apo- j pBB8ad
donrados e i Aquella malber o chamara, fisera-o crer
as tapecarias'nuc o amava, e depois o abandonou alli.
Que diabo quera aquillo diaer ?
Pretenda zombar d'elle ?
Ret :o-:indo, lembrou-se que aquella mu-
lher que alli o attrabir* tinha sido amante
do rajah, antes que elle chegasse a Me-
har com Severina.
Achoa verosmil que ella ficasse resen-
tida com elle por ter lhe feito perder a
sua posicSo, e tornou-ae um tanto inquieto.
Se Cirmen lhe tivesse armado urna em-
boscada para se vingar !
Achav;. se sua merc a'aquello cas-
tello abandonado.
Ninguem sabia que elle tinha vindo para
all.
Alm disto, que ente no mando pen-
sava ou* se incommodava por sua cansa ?
Ninguem daria pela sua falta, ninguem
sentira o sen desapparecimento.
Sua flha, ou aquella que fazia passar
por tal, s podia amaldijoal-o. Roberto
pensoa anda que agora era rico, e ser-
lhe-ia penoso nSo poder gozar d'aquella ri-
queza, elle que durante toda a vida cor-
rer atrs da fortuna sem poder conquis-
tala.
Tinha presea de rever Carmen e co-
nhecer as snas intensles a sea respeito.
A Domadora appareceu emfm.
NSo parecia mais a mesma mulhcr.
Sea olbar era doro, sua physionomia
feroz.
Roberto estremecen vendo a.
Ah eil a emti-u !
Quer falar-me ?
Mas de certo...
Que deseja ?
Desojo saber o que fa'50 aqu, para
que me chamoa...
Ella fitou o com os seas olhos crueis.
Tu nSo o adiviahas ?
N2o...
Para matar-te!
Roberto teve um brusco sobiesilto.
Para matar-me ?
Sim.
TRI-OFERO DE RARRT
Urna preparacao elegante, extremamente perfumada, remove todas as im
purezas do crneo, preservativo contra calvicie e cabello cinzeoto; faz o cabel-
lo crescer espesso, brando e hernoso. Iofellivel para curar erupes, doeocas
da pelle, glndulas e msculos, e cura rpidamente cortadoras, queimaduras,
feridas, terceduras, etc.
CAUTELA. Nao genuino sem cada frasco ter a marca registrada
de Barclay & C,New York
PARAO
CBELO
I
K
DEP08ITABI08 Dj8TE8 PB0DCTO8.A companhi e Drogas doctos chimicos.
_____ Ra Mrquez de Olinda n. 23
Que pbantasia!
Julgaste insensato, que ea tinha
esquecido a injuria e a humiIhacSo que
soffri ?
Que injuria ? Que humilhacao ?
Foste tu a causa de ser eu expulsa
de Mehara !
Eu?
Sim, tu 1
Como assim ?
Levando ao radjah aquella rapariga.
Mas sou ea retponsavel 'pela traiclo
do principa ? O principe nSo te amava
mais. Havia de te abandonar por ontra
qualquer mulher.
Nao, porque nao encontrara outra
tSo bella como ea. v_
Roberto ia dizer qualqaer cousa, mas
ella o interrompea.
Nao adivinhaste que era por este
motivo que ea t* espreitava e que te at
trahia a este castelo ? NSo adivinhaste
que quero vingar-me de ti, para depois
me vingar do principe e da sua amante ?
O da estava claro.
Roberto nao se amedrontou.
Cruzou 08 Dragos era ar de desafio.
E porque, dBse elle, nao me ma-
taste emquanto eu dorma, ou emqaanto
me achava sob o tea encanto ? Agora qua
coaheco a? tuas intencSes, muito tarde.
Nao tj matei, disae Carmen, porque
reservo para ti um castigo peior que a
morte.
Elle chacoteou.
Tinha curiosidad de o conhecer.
Sem responder. Carmen foi porta,
abrio-a e tez signal a aigaem que Rober-
to nao va :
Eotre, disae ella.
jQEntrou j'ura mojo, olhar brilhante, sem-
blante tSo plido, que dir-so hia a pro-
pria visSo da morte.
Era Raphael.
Carmen sumir se.
Ao ver o mancebo, Roberto dea um
grito.
Este mojo era o sea retrato aos vinte
ancos, quando chegra a Pars, faminto e
miseravel, para tentar fortuna.
Roberto, recuando perante o olhar pa-
voroso de Raphael, balbucioa :
Quem o senhor ?
J o adivinhaste, respondbu o joven
porquanto tens medo.
Medo?
Sim. Recuas e tremes !
E Raphael caminhava para o misera-
vel, que recuava sempre aterrado.
Mas quem o senhor ? Que me
quer ?
Eu bou o filho de Marianna, clamo a
Raphael, sou tea filho... O que desejo,
voa dizer-t'o.
Roberto teve no rosto ama pavorosa
contracjSo.
O. semblante de Raphael estava som-
bro e feroz.
Sabia de tudo.
Pela manhS, ao despertar, como sabe-
mos, Carmen fizera o chamar e lhe con-
tou toda a sua historia.
Disse-lhe quaes os motivos do sea odio
contra Roberto Vandaome e porque razSo
quera vingar-se do miseravel.
Fallou-lhe na moja loara que Roberto
havia vendido no Oriente, que fazia pas-
sar por sua filha, e que Raphael descon-
fiou logo ser sua irmS.
Ao eacatar estas estranhas revelajSes,
toda a alma do mojo fremia.
Arrepeodeu-se de nSo ter, na vespera,
trucidado aqu:!!e homem, se hem que
fosee seu pai.
Este miser '.re nSo mereca cem vezes
a morte ?
Bem o v, dase Carmen, a noasa
causa commur.:.
^Sim, dase Raphael... Eu avie-
f uhrm 9 wvm
DE
Roa Raro An Victoria b. 1
Loja de quadros
Madame Gerard avisa aos seas E'iivr ?
rossimos freguezes, qpe recebea de Paria,
am grande e variado sortimento de pe(li<
>as de chevreunz, de primeira qnalidade
r"ea, castor etc., et6.
Ultima expresso da
moda
Sedas, setias, las, voiles, lioons, nansook,
percalina, chus e meias, encoctrarao um com-
pleto sortimen'o ao
CONGRESSO DAS DAMAS
8 e 10 Kua do Cabug 8 e 10
Cortes de (abordados aseda
Vende-se
25/000, 30000, 3S000 cada uro, no
Congresso das Damas
8 e 10-Rua do Cabugi-8 e 10
Expos-icao de retratos
A craion e oleo com moldura ; na loja das
Listras Azues ra Duque de Casias n. 61.
libertar
garei, mas antes de tudo preciso
minha irmS das suss garras.
Ea nSo lhe quero mal a ella, disse
Carmen, innocente pelo que succedeu;
mas urge punir os don- hornees que a dei-
taram a perder.
O principe ?
O principe que a comproa e o out-c
que a venden!
Sim, sim, replicou Raphael tudo tr-
mulo de ndignajSo e colera. Mande me
conduz'r ao lugar em que se achava o
homem.
E do modo porque vimos Carmen o
introduzio no quarto em que sstava Ro-
berto Vandanme.
Os duus homens mediara ne com o olhar,
com o fogo do odio nos olhos.
Roberto procarou, entretanto, perfi-
lar-e 8
Estendeu a mSo a Raphael...
Sou muito feliz, murmurou elle com
um sorriso amarello, bou bem feliz em te
ver, meu filho, mas nSo contava encon-
trar te aqu.
Raphael, sempre 'sombro, nSo lhe dea
a mSo.
Tens medo de que ea te morda ?
perguntou o pai.
NSo gracejo rosnoa Raphael. Te-
nho ezplicajes serias a tomar-lhe.
Falla I
Antes de tudo, sabe que fim levoa
minha mSi ?
NSo. Nunca mais ella me den no-
ticias suas.
Pois saiba que morta.
Morrea ?
Morreo de dor, de desgosto e de
miseria. Morreu amaldjoando-o, lamen-
tando se de ter encontrado no sea cami-
nho um miseravel como o senhor.
(Contina}
\
\

1
j
"i
-
fe
Typ. do Diario, ra Duque de Caiias n. i
t.
i ">
" y '"i ." .. mm,m


^