Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19602

Full Text
mk
ANNO Lili NMEfl U
PARA A CAPITAL E LICiARK OM)l WAO SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantadog
Por seis ditos idem.....
Por um anno ideai.....
Cada numero avulso, o mesmo dia
60000
120000
24,5000
0100
SABBADO 30 DE JANEIRO DE 1
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adianUdos......... ..... 130500
Por nove ditos idem............... 20*000
Por um anno dem................. 270000
Cada numero avulso, de dias aateriores........... 0100
DIARIO DE PERNAMBCO
Ptopxvtha'be te Jftanuel Xtgurira De /aria & lilaos

TELEGRAMMAS

ssavxgo ?AUicro3 9: subi
BAHA, 29 de Janeiro, s 3 horas e
55 minutos da tarda. Recebido s 4 horas
e 45 minutos, pelo cabo submarino).
Fot elelto deputado geral pelo 11.
dlatricttt deata provincia, o Dr. Joa
quim Jeronjmo Fernandet da Cu-
nta Flltao (C).
ciano de Moraes Sarment, Cncinato Americo Lo-
pes e Artbur Fernandes Campos da Paz;
Para o cargo de director da Faculdade de Me-
dicina da Babia o Dr. Ramiro Alfonso Monteiro,
sendo concedida a exoaeragao do mesmo carga,
que pedio o conselheiro Francisco Rodrigues dn
Silva.
Foi aceiti e confirmada a renuncia que fez o
conego Dr. Jos Basilio Pereira da sua cadeira na
catbedral do arcebispado da Babia.
Por portara da mesma data foi exonerado
Antouio Joaquim Lzaro Ferreira dos lugares de
amanuense da Junta Central de Hygiene Publica
e do Instituto Vaccinieo.
sesvijo s- kicia 3A7a:
(Especial para o Diario)
LONDRES, 29 de Janeiro, de manhS.
O gabinete apreaentou a M. a
Rain lia Victoria o eo pedido de le
niixsno conectiva.
Juina que *>. M. a Balnha In-
cumbi ao Sr. Bladatone da forma-
cao de um novo gabinete.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
29 de Janeiro de 1886.
TNmncao^poPDLAR
Geographia geral
Extrahido
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(ConlinuafSo)
ASIA
Surperficie 42,160:000 kilmetros quadrados.
Populaco 703,000:000 habitantes 16 habitantes
por kilmetro quadrado.
A Asia conprehende 11 estados principar : ?i-
beria, Pers'a, Transcaucasift, Turqua Asitica,
Afghaniat.in, Herat, Turkestan, China, Japo Indo-
china, Indosto, Arabia.
A Asia ten por limites : ao norte o ocano
Glacial rctico ; ao leste o eatreito de Behring e o
Grande Ocano ; ao sul o ocano Indico ; mar Ver -
melbo, o isthmo de Suez, o Mediterrneo, o cstreito
dos Dardanelns, o mar de Mrmara, o estreito de
Constantinopla, o mar Negro, o Caucaao, o rio e os
montes Urae, e o rio Kara.
A Asia esc i comprehendida entre 23 e 188 de
longitnde oriental, el" e 78 de latitude norte.
Estende se do polo ao equador ; o clima aprsen-
la todis as temperaturas e as produccoes sao in-
finitamente variadas. O centro forma um vasto
plato cercado de altas montanhas. A fertilidade
das planicies meridionaes extraordinaria ; o nor-
te porm s tem desolados steppes cobertos de gelo
durante urna parte do auno. A Asia esta, cercada
de numerosa lhas, e as suas costas, muito irre-
gulares, apresentam grandes pennsulas ; tem
tambem inmenso ros cujas cheias inundam os
pases por onde passam, mas cajos estrgos sao
compensados pela fecundidade que originan.
Os ponto: mais ferteis sao infelizmente as
mais insalubres e aquelles onde mais abundara
os animaes ferozes. Numerosas minas de metaes
e jazigos de pedras preciosas. As racas de bo-
mens sao variadas, como o clima. Os goyernos
sao quasi todos despticos. A religio mahometa-
na domina as regioes occidentaes. O christianis-
mo s professado em parte da Turqua asitica,
Tninnnrniii. Siberha e Iui -stA >. Ka China e
no Japo tem muitos adeptas a doutrina de Coofu-
cio. .s regioes orientaos e meridionaes predomi-
na o paganismo, no Iu Jjsto o brahmanismo e em
parte da China, Japao e Indo-China o budhismo
Na Persia e no Indosto ha um grande numero de
parti ou gue-bres, adoradores do fogo.
os mnE8 qu-f biDham as costas da Asia (alem do
Glacial, Pacifico, Indio e Mediterrneo) sao.- o mar
de Aral, o mar Caspio, e mar Negro, o de Mr-
mara, o do Archip'lngo, mar Azul e mar Amarello
("China) o do Japao, o de Okhotsk e o de Behring.
golfos : o di> Obi. a de Anadyr, o de Tonkin, o
de Sillo, o de Martaban, o de Bengala, o de Ornan,
o de Cambi/a t golfo Perneo o golfo Arbico,
etc.
estreitos : o de Behring, o de Tarrakai, o de La
Perouse, o de Coria, o de Matsmai, e canal da
Formosa,, o ie Fokien, o de Malacca, o de Palk,
o de Ormuz, c de Bal el Mandeb, o dos Dardane-
los o de Consiantinopla etc.
ii.ii.vo : Nona Siberia, Tarrakai, archipelago Ja-
ona, Liu Kiu, Formosa Hong-Kong, Hiang-Chan,
hian, Andoman, Nicobar, Ceyl&o, Mardivat e
Coquenivas, Chypre, Rhodes, Sporades, etc.
FENissuLAS : Obi, Kamlchatka, Corea, Indo-China,
Indosto, Qudjerate Arabia, Anatolia, etc.
cabos : Severo-Vostochnoi, Lupatka, Romana,
Comorim, Hai-al-Had, etc,
mohtarhas : Caucaso, entre o mar Caspio e o
mar Negro ; nontes Uraes, entre a Russa euro-
pea e a Siberia ; serra Altaica e os montes Stano
voi, entre a Siberii e a China ; Himalaya entro
o Indosto e a China; montes Mogas, na Indo Chi-
na ; montes Gates, no Indosto : Tauro e Lbano
na Turqua asitica ; monte El A red, no centro
da Arabia, etc.
lagos : AtphaUte ou mar Morto Van, Urmiah,
Zerrah, Batial, Balkakie Khuku Noor.
bios : Obi, Jennisseye, Lena, que desaguaos ao
norte da Siberia ; Amur, entre a Siberia e a Chi"a ;
Huang-Ho (iio amarello) e Yangthese Kiang (filho
do ocano) a leste da China ; xnbodja, einan,
Saluem e Irraouady, na Indo-China ; Bramapura
Ganjes no g;otfo de Bengala ; o Indo ou Sind,
no mar de Ornan ; o Tigre o o Euphrates, no golfo
Prsico ; o K'zil Irmak, que desagua no mar Negro
O Jorddo que desagua no mar Morto.
(Contina.)
MRTE FFICIAL
Ministerio do Imperio
Por despacho imperial de 23 do eorrente foram
agraciados:
Com o tituio de Bario do Alto Muriah, Anto-
aio Theodoro da Silva:
Com o de Bario de Icohan, Jos Antonio Soarea
Ribeiro :
Con o ti alo de conselho, o presidente da Rea
cao da Babia, desembarga ior Joaquim de Azevedo
Monteiro.
Foram iomeados:
Para o cargo de presidente da Junta Central de
Hygiene Publica, o Barao de Ibituruna, e mem-
bros da mesma corporacao os Drs. Agostinho Jos
de Sousa Lima, Francisco Marques do Araujo
Groes, Jos Ricardo Pire* de Almeida e Beato
Groncalves ('rus: sendo exonerados os Drs. Do-
mingos Jos Freir, Jlo Paulo de Carvslho, Lu-
rnistcrio da I ustlca
Por decretos de 23 do eorrente :
Foi exonerado, a pedido, o bacharel Caetano
Estellita Cavalcante Pessoa do lugar de juiz mu-
nicipal e de orphaos do ermo de Flores, na pro-
vincia de Psrmmbuco.
Foi declado sem effeito o decreto de 13 de
Agosto de 1886, que comeou o bacharel Bollar-
mino Alvares da Nobrega Pmag para o logar de
juiz municipal e de orphaos do termo de Guara-
puava, na provincia do Paran.
Foram nomeados juiz municipaes c de orphitos
dos termos de:
Flores, na provincia de Pernambuco, o bacharel
Jos Francisco Ribeiro Pessoa;
A reas, na provincia de S. Paulo, o bacharel Ar-
tbur d'Avilla Reboucas:
Guarapuava, na provincia di Paran, o bacha-
rel Olavo Graciliaao de Matos;
Palmeiras, n v mesma provincia, o bacharel Be
larmino Alvares da Nobrega Pinag;
Conceicao lo Arroio, na provincia do Rio Gran-
de do Sul, o bacharel Fenelon Alcoforado Filho.
------------vgeoag-------------
Hinlsterio da Fazenda
Por decretos de 16 do eorrente mez foram no-
meados :
Inspector da alfan lega de Para, o chefe de sec-
cao da de Santos, Joo Lopes Carnciro da Fon-
toara;
Inspector da alfandega do Cear, o inspector
da do Para, bacharel Jos Basson de Miranda
Osorio:
Chefe de seccao da alfandega de Santos, o chefe
de seccao da do Para, Candido Jos Pereira;
Chefe de seccao da alfandega do Para, o inspec
tor da do Cear, Luiz Carlos da Silva Peixoto.:
Por decretos de 23 do eorrente foram conce-
didas as demissoes que pediram :
Bento Jos Pinto Lobao do lagar de thesoureiro
da Alfandega de Aracaj, e Hermogenes Augusto
da Silva do de solicitador dos Fetos da Fazenda
da provincia do Rio Grande do Norte.
foi nomeado por decreto da mesma data para
o primeiro dos referidos lugares Augusto Lobao.
Ministerio da Agricultura
Por portara de 16 do eorrente foi nomeado o en-
genheiro Artbur de Lima Campos para o lugar de
ajudante da commissao de melhoramento do porto
de Fernambuco e incumbido das obras geraes da
mesma provincia, com o vencimento de 4004000
mensaes.
Foram expedidos os seguintes avisos:
Ministerio dos Negocios da Agricultura. 2
seccao.N- 1.Circular.Rio de Janeiro, 22 de
Janeiro de 1886.
Illm. e Kim. 8r.Remetto a V. Exc.....exem
piares do livro para nova matricula especial de
escravos e outros tantos do de arrolamento dos
libertos pela idade, afim de que V. Exc os faca
promptamente enviar s collectorias e repartieres
fiscaes incumbidas do s-tvco creado pela le i
n. 3270 de 28 de Setembro de 1885, e regulado
pelo d'creto n. 9517 de 14 do Novembro.
Tenha T. Exc. em vista as reeommendicoes
constantes das minhas circulares anteriores sobre
esta materia, e expeca as que lhe parecerem con-
venientes ao bom andamento do novo serrico.
Caso faltem alguna exemplares, V. Exc provi-
denciar no sentido de que elles sejam ahi pre-
parados, conforme autorisou a circular deste Mi-
nisterio, de 23 de Janeiro de 1872.
Deus guarde a V. ExcAntonio da Silva Pra-
do.Sr. presidente da provincia de...
Ao ministerio dos negocios da fazenda :
Illm. e Exm. Sr.-Tendo deliberado o Centro
da Lavonra e do Commercio exhibir em especial
seccao, na Exposico das Trez Americas, pro-
jectada em Nova-Orleans, diversos productos do
Brasil, mauifestou-ine o desejo de que a exporta-
cao de taes productos, como de outras vezes se ha
praticado, seja isentada de impostos.
Rogo, pois, a V. Exc. que, no caso de assen-
tir no iudicado pedido, que me parece attendivel,
se digne de expedir neste sentido suas ordeus s
alland 'gas do Rio de Janeiro, Baha e Rccife.
t Deas gualda a V. Exc -A. da Silva Prado.
IU. e Exm. Sr.A pedido do Centro da Lavoura
e do Commercio que projecta oreanisar na exposi-
co das Trez Americas, ea Nova-Orleans, urna
seccao de producto; do Brasil, rogo a V. Exc se
digne de permittir que pelo engeuheiro director das
obras do ministerio a cargo de V. Exc sejam for-
necidas aquella aasociacio amostras e colleccoes
de productos nacionaes as condiepes que ao mes-
mo engenheiro parecerem convenientes
Deus guardo a V. Exc.A. da Silva Prado.
Aos ministerios do imperio justica, fazenda,
guerra e marinos :
Illm. e Exm. Sr.Tendo resolvido o Centro
da Lavoura e do Commercio organisar na exposi-
co das Trez Americas, em Nova-Orleans, ama
seccao destinada a productos do Brasil, rogo a V.
Exc. de dar suas oraens para que os chetes das
repartieres e servicos do ministerio a cargo de
V. Exc. nesta capital, auxiliem a predita associa-
co naquelle seu empenho, podendo fornecer-lhe
objectos aproprlados aos fina do mesmo projecto,
as condiooes que forem julgadas convenientes.
Aproveito a occasiao par* reiterar a V. Exc.
as seguranzas de minha alta consideracn e parti -
cular estima.A. da Silva Prado.
A' presidencia de S. Paulo :
Illm. e Exm. Sr. Providencie V. Exc. para que,
por couta do ministerio a meu cargo tenham
transporte as vas farreas dessa provincia, os pro-
ductos que da expisico regional de Campiuas
houverem de ser remettidos ao Centro da Lavoura
e do Commercio com destino Exposico das
Trez A mericas, na qual pretende a mesma associa-
co organisar ama seccao dt productos do Bra-
sil.
A commissao directora da Exposico Regional
de Campias receber a este respeito as conve-
nientes communicacoes do Centro da Lavonra e
do Commercio, bem como indicaces acerca da
qualidr.de d is productos, acondicionamento, etc.
Por esta occasiao participo a V. Exc. qae pela
predita associacao me foi manifestado o desejo de
que ejam sentados de impostos provinciaes de
exportaco os productos que houverem de ser re
mettidos para aquella seccao, os que nao sio des-
tinados venda, mas nicamente aos fins da
exposico. Dcus guarde a V. Exc. A. da Silva
Prado.
A's presidencias da Baha e Pernambuco.
Illm. e Exm, Sr Tendo resolvido o Centro da
Lavoura e do Commercio organisar na exposico
das Trez-Americas, em Nova-Orleans, urna seccao
destinada a productos do Brasil, d V. Exc. snas
ordens para que dessa provincia sejam remettidas,
com urgencia, ao Sr. Allain Eustis, agento consu-
lar do imperio, em Nova-Orleans, amostras de as-
sucar, alzodo, e de outros prodactos apropriados
qu.llefim; devendo os mesmos productos ser
acompanhados de informacoes relativas quanti-
de quartel e cadeia pelo aluguel de 15 Thesouraria de Fazenda a conta que veio annexa
.Comnunicou se ao Thesouro Proviucial ao seu offieio n. 135, de hontem datado.
calidade
mensaes
Ao director do presidio de Fernando de No- I Ao Sr. bibliothecario da Bibliotheca Nacio-
rouha.Receba V. S. nesso presidio Anna Mana nal do Rio de Janeiro. Em additamento ao meu
do Espirito Santo e suas duas filhas, mi c irms, offieio de 9 do eorrente, transmiti a V. S. as in-
do sentenciado Pedro Jos Montenegro, em cuja tormaces juntas, em original, prestadas pela Ca-
companhia pieleodem viver, desde que verifique mar Municipal do Granito, sobre o assumpto do
ser a mesma Anua Mara do Espirito Santo ini questionario que ae jinpanhm o seu offieio de 12
do referido sentenciado, conforme allegou em re- de novembro do anno tip.do.
querirr.cnte a esta Presidencia. Ao director do Museu Nacional. De ordem
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda. do Exm. Sr. conselbeiro presidente da provincia,
dado animal da producan e ic outras que a V., maz de Aquino Camello para servir naquella lo providenciado no sentido de ser, satiseta pela
Exc. parecerem ufis.
Deus guarde a V. Exc.A. da Silva Prado.
A' presidencia de1 Minas-Geraea :
Illm. e Exm. Sr. Tendo resolvido o Centro da
Lavoura e do Commercio organisar na Exposico
das Trez Americas, em Nova-Orleans, urna desti-
nada a productos do Brasil, d V. Exc. suas or-
dens para que dessa provincia sejam remettidas
aquella associacao colleccoes de madeiras, mne-
raes e de outros productos apropriados aquello
fim.
Deus guarde a V. Exc. A. da Silva Prado.
Ao director da estrada de ferro D. Pedro II:
Tendo o Centro da Lavonra e do Commercio-r -
solvido organisar na expobico das Trez-Ameri-
cas, em Nova-Orleans, urna seccao destinada a
productos do Brasil, recommendo a V. S. que. en-
tendendo -se cem o presidente da mesma associa-
cao, lhe precie todo o concurso para realisacao
d aquello intuito, podendo confiar-.lio productos
n.'sionaes e colleccoes que terSo de ser reeutre-
guesssese estabelecimeuto.
Dar V. S. outrosim, suas ordens, para que te-
nham transporte nessa estrada, por conta do mi-
nisterio a meu cargo, os productos nacionaes que
se destinarem supraidicada exposico das Trez
Americas.
Deus guarde a V. S.A. da Silva Prado.
Eipediran-so avisos anlogos para que os
directores do Imperial Instituto Fluminense de
Agricultura, Museu Nacional e Repartico dos
Teleg:aphos, prestem toda a coadjuvaco, no sen-
tido indicado, ao Centro da Lavoura e do Com-
mercio.
Ministerio da Guerra
Por decretos d 16 do corrate foram transferidos:
Do commando do 1* regiment de astilhava
para o do 4 batalho da mesma arma o cororjel
Candido Jos da Costa, e do commando deste ba-
talho para o daquclle regiment o tenente-coro-
nel Bernardo Vasques.
1 ara a 2* classe do exercito, de conformidade
com a immediata c imperial resoluco de 1 de abril
de 1871, tomada sobre consulta do Conselho Su-
premo Militar, o capito do 17 batalho de iufan-
taria Paulino Pompilio d i Araujo Pinheiro, o te-
nente do 4 batalho da mesma arma Juvencio Za-
barana e o lente do 3o regiment de cavallaria
Cesario dos Anjos Garca, loando aggregado s
armas, a que pertencem, visto terem sido julgados
incapazes do servico do mesmo exercito, em ins-
peceo de saude a que foram submettido*.
Por portaras de 19 do eorrente :
Foi dispensado, em vista do disposto no art. 14
n. 4 do regulamento approvado pelo decreto n. 9259
de 9 de agosto de 1884, o|capito reformado do exer-
cito Luiz Carlos Zamith do lugar de secretario da
Escola Geral de Tiro do Campo Grande.
Foi nomeado para o mesmo lugar o tenente do
7 batalho de infantaria Gabina Bezouro.
Foi transferido para o 2J corpo de cavallaria o
alferes do 5 regiment da mesma arma Agnello
Pinto de S Ribas.
Concedea-se a troca de corpos entre si aos 2"
tenentes Americo Augusto Soares Woolf e Anto-
nio Baptista da Costa Jnior, este do Io regi-
ment e aquello do 1' batalho de artilharia.
Mandou-se servir na guarnico da Baha o phar-
maceutico alferes do corpo de saude do exercito
Joaquim Teixera de Asis.
Foi designado para servir na guarnico de Ala-
goas o capello-tenente do corpo ecclesiastico do
exercito, padre Germano Antenor de Araujo.
------------woaeej
Ministerio da Marlnha
Expediram se em 22 do eorrente as segnmtes
portaras :
Ao 1* tenente Vctor Candido Barreto, encarre-
gando-se a organisar um compendio pelo qual as
pracas de pret da armada possam facilincn:c fazer
os estudos necessarios para a comprebeoss dos
phenomenos da electricidade applicaveia ao ser
vico e exploso dos torpedos.
Concedcndo ao official da 1> classe, reformado,
do corpo de fazenda da armada, Francisco de Paula
Sena Pereira, (cenca para tomar assento na as-
sembla da provincia de Santa Catbarina.
Foi concedida ao bacharel Luiz Carlos Barbosa
de Oliveira a exoneraco, que pedio, do lugar de
directo! das obras civis e militares do Arsenal do
Marinha da Corte.
t'ara exercer interinamente o mesmo emprego,
foi nomeado o engenheiro civil Sabino Eloy Alvim
Pessoa.
De conformidade com o decreto de 2 de maie de
1874, foi nomeado Carlos Thomaz Garca de Al-
meida para o lagar de amanuense do secretaria
do Arsenal de Marinha da Corte.
Cioverno Ja Provincia
EXPEDIENTE DO DA 21 DE JA.NEIBO DE 1886
Actos :
0 presidente da provincia, resolve nomear
delegados dos districtos litteraros :
De .-ertosinhj, Henrique Velloso Freir.
De Cuvambuca, capito Manoel da Rocha Lins.
Kemettou-se os ttulos ao inspector geral da Ins-
trueco Publica.
O presidente da provincia, attendendo ao
3ue requereu Ernesto da silva Miranda, professor
a cadeira de ensino primario da estrada de Fre-
cheiras, om Goyanna, tendo em vista a informa-
cao n. 25 do hontem datada, do inspector geral dt
Instrucco Publica e o attestado medico exhibido,
resolve conceder ao peticionario, a contar de 16
do eorrente, 30 dias de lie mea com ordenado para
tratar de sua saude onde lhe convier.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Ignez Barbalho Ucha Cavalcante
professora de ensino primario cin P.mollas e tendo
em vista a informac n. 9, do inspector geral da
Instruccc Publica, resolve conceder a peticiona-
ria a contar de 16 do corrate 4 mezes de licenca
com ordenado para tratar de sua saude, onde lhe
convier.
O presidente da provucia, attendendo ao
qae requeren os prefessores Anuncio Antonio dos
Santos, Flaviano Baptista de Oliveira e Casemiro
Lucio dos Santos e tendo em vista a informac
n. 16 de 18 do eorrente mez, do inspector geral
da Instrucco Publica, resolve consentir que os
referidos professores permteos as cadeiras de
modo que o 1 paasa > Ieccionar em A ireu de Una
o 2o em Agua Brauca e o 3o em Tamandar. -
Communicou-se ao inspector geral da Instrucco
Publica.
O presidente da provincia, resolve nomear o
capitn Jos Bezerra Cavatcaute Maciel pra o
lugar de 3o suppleute de juiz municipal do termo
de Agua Preta, devendo prestar o juramento do
estylo no prajo de 15 das.Communicou-se ao juiz
de direito.
Oficios :
= Ao inspector do Arsenal de Marinha.Com
a informac junta por copia do inspector da TLe
souraria de Fazenda, do 19 do eorrente, sob n. 38,
respondo ao offieio de _V. Exc, de 21 de dezembro
fiado, sob n. 568, relativo ai fornecimento de carne
verde.
Ao mesmo.A' vista do que me expoz ver-
balmeute V. Exc expeco ordem no sentido de se-
guir para as Roccas o cruzador Medusa afim de
conduzir os vencmeutos e mantimentos para os
guardas de pharol all existente, deveado co rer
por conta do Ministerio da Marinha a despeza que
com a viagem fizer o dito cruzador. O que lhe
declaro para seu conhecimento e fins convenientes.
Ao Dr. chefe do polica,-Declaro a V. S.,
em resposta ao seu offieio n. 1585 de 7 de dezem
bro findo, que de conformidade com a informac
do inspector do Thesouro Proviacial ai provo o
contracto de locaco feito pelo delegado do termo
de Correates, relativamente a urna casa de Tho-
Expcca V. S. suas ordens afim de que o cruzador
Meduza siga para as Roccas conJuzindo venci-
mentos e mantimentos do3 guardas do pharol all
existente.
A despeza que fizer o dito cruzador con a via-
gem correr por conta do Ministerio da Marinha.
Ao mesmo. Declaro a V. em additamento
o meu offieio de 16 do eorrente, qus e official
tnaior da Secretaria desta Presidencia, Emiliano
Ernesto de Mello Tamborim, qu l servio o cargo de
secretario da provincia ho impedimento do respee-
tivo funecionario. tem direito a vencmeutos in
tregraes durante o perolo de 2 a 13 do referido
mez.
Ao mesmo.Em resposta ao offieio d-ssa
Thesouraria de boje datada, sob n. 40, tendo em
vista o teiegramma, qu1, por copia, acompanhou o
meu offieio de 11 do corrate o expedido em 24 de
Dezembro findo p*lo Ministerio da Guerra, recom-
mendo a V. S. que, sob responsabilidade desta
Presidencia, man ie pagar a Jos Joaquim de Aze-
vedo alm da quantia de 74720 miis a de
294200 e bem assim, a quem tiver direito, a de
120000 de que trata a informac d'essa conta,
annexa ao citado offieio, proveniente de diversos
artigos de oquipamento e arreios destinados com-
panilla de cavallaria, segundo contracto celebrado
ora o Arsenal de Guerra, devendo, opportuna-
mente, ser levada essa despeza ao crdito de um
cont de res mencionado no precitado teiegramma.
Incluso remetto a conta, por duplcata, da re-
ferida importancia de 294200.
Ao Thesouro Provincial.Em additamento
ao meu offieio de 16 do eorrente, declaro a Vmc.
que os empregados da Secretaria desta Presiden-
cia, Emiliano Ernesto de Mello Tamborim, Dr.
Henrique do Athsydo Lobo Moscoso e Antonio Go-
mes Lea! teem direito a vencimentos integraos, por
Sar terem servido, o primeiro o cargo de secretario
a provincia, o segundo de official maior e o ter
':eiro de chefe de 41 seceso da mesma Secretaria,
durante o periodo de 2 a 13 do referido mez.
Ao director da Bibliotheca Provincial.Re-
metto a Vmc. para essa Bibliotheca, um exem-
plar da brochara em francez, quj o Dr. Ladislao
Netto, director do Musen Nacional, publicou no
Rio de Janeiro sobre a inscrip^o Thonus spo
Cuyba, referente probabilidade de haver os
Phenicios chegado s costas orientaes da America
Ao juiz de paz de Jacarar. Respondo ao
cfficiode 13 do eorrente mez, declarando a Vmc.
que, sendo o segundo escrutinio consequencia ne-
cessaria do primeiro, claro que nao peder elle
ter lugar nessa paro.hia, vista do art. 127 do
regulamen'o expedido com o decreto n. 8,213 de
13 de Agosto de 1881, urna vez que ahi deixou de
haver eleico de depatados provinciaes, pelo mo-
tivo exposto em offieio de 30 de Dezembro findo.
Portaras :
A' Cmara Municipal de Buique.Para po-
der resolver sobre o assumpto do offieio de 9 do
eorrente mez, recommendo a Cmara Municipal da
Pedra de Buquc que orgauise com urgencia e
transmita a esta presidencia um projecto de re-
ceita e despeza do seu municipio para o exercicio
financeiro eorrente.
A' Cmara Municipal de Nazareth. Res-
pondo ao offieio de 7 do eorrente mez, declarando
que a Vmc. cumpre quanto antes marcar diapa-
ra proceder-se a eleico de presidente e vice pre-
sidente dessa cmara e presidir a apuraco da
eleico de vereador, a que alinde, dentro do praao
legal, anda mesmo que nao esteja eleito aquelle
presidente.
A' Cmara Municipal de Ouricury. -Res-
pondo ao offieio que a Cmara Municipal de Ou-
ricury dirigio-me em 7 de Dezembro findo, deca
rando-lbe que nao podem ser approvadas as ar-
rematacoea dos impostos constantes dos termos
annexos ao seu predto offieio, vista do que dis-
p5eoarl.51da lei n. 1.717 de 28 dejulho de
1882.
Ao mesmo.Declaro Cmara Municipal
de Ouricury em resposta ao seu offieio de 3 de
Dezembro findo, que, competindo 4 Assembla
Legislativa Provincial acreajo de empregos mu-
nicipaes nao pode ser approvado o acto da mesma
cmara, relativo nomeafo do cidado Juvenal
Antonio de Castro e Silva para eiercer o cargo de
advogado.
Ao mesmo. -Declaro Cmara Municipal
de Ouricury que deixo de approvar as delib?ra-
coes constantes de sea offieio de 7 de Dezembro
findo, pelos motivos expostos no que nesta data
lhe dirijo relativo a mmeacao do advogado dessa
cmara.
Ao superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.Sirva-se de mandar
conceder passageas de 3* classe que ser oppor-
tunamente descontada das gratuitas a que o go-
verno tem direito da estaco de Cinco Pontas a
de Una ao 2- sargento e pracas do corpo de po-
lica Joo Baptista da Silva, Lino Gabriel de Oli-
veira, Amancio Jos de Sant'Auna e a respectiva
bagagem e bem assim at a Gamelleira ao cabo
Vpolio Becerra de Araujo.
Ao encarregado do prolongamento da estra-
da de ferro do Recife ao S. Francisco.Na es-
taco de Una mande conceder passagem de 3
classe por conta da provincia a:e a estaco d
Canhotinho ao 2- sargento e pravas do corpo de
polica Joo Baptista da Silva, Lino Gabriel de
Oliveira e Amxncio Jos de Sant'Anna e trans-
porte ao fardamento que eonduiein para os desta
vamentos de CabroW e Tacarat.
Ao agente da Companbia Biazileira.Man-
de dar passagem a corte por conta do Ministerio
da Guerra, no vapor Baha, esperado do norte, ao
soldado Joo Antonio dos Santos, que foi trans-
ferido do 2- batalho de infantaria para o 17- da
mesma arma e bem assim ao 2- cadete Salvador
B.ubalho Uehoa Cavalcante Filho, que foi reque-
sitado pela repartico do ajudanto general para
matricular se na escola militar da corte.
Outrosim, fac tambem ter igual destino o sol-
dado addido do 14 batalho Galdino Pereira da
Costa, que foi transferido para um dos corpos da
guarnico do Rio Grande do Sul. Communicou
se ao commandante das armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana,
mande dar passagem r, na primeira opportu-
nidade, at o presidio de Fernando de Noronha, a
Bento do Reg Jnior, guarda do mesmo presidio
e a sua mulher Joanna Maria do Bego Lima, pir
conta das gratuitas a que o governo tem direito.
O Sr. gerente da Cempanhia Pe; ambucana,
mande dar passagem de proa na primara oppor
tunidade, at o presidio de Fernando de Noronha.
por conta das gratuitas a q-ie o governo tem di-
reito a Anna Mana do Espirito Santo, mi do sen-
tenciado Pedro Jos Montenegro e as duas filhas
que acompanham.
EXPEDIENTE DO SECBETABIO
Oficios :
Ao director do Arsenal de Guerra.De or-
dem do Exm. Sr. conselheiro presidente da pro
vincia, rismetto a V. S. os inclusos termos de ins
peceo de sade, a que foram submettidos os me-
nores da companhia de aprendizes artfices desse
arsenal Constantino Cavalcante de Albuquerque e
Thomaz de Aquino Paes Barreto, de que trata o
su offieio n. 122 de 13 do eorrente.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. conselheiro presi-
dente da provincia manda declarar a V. S., ter
aceuso o recebimentc do offieio de 19 de Dezembro
ti ii.no, ao qual acompanhou um exemplar da bro-
chura por V. S. escripia e publicada acerca da
iuscripco physica apocrypha. de que se oceupa-
rain ha anuos a imprenta do Brasil e Asaociacoes
-contificas da Europa e da America.
O mesmo Exm. Sr. expedio V go as ordens ne-
cessarias para que esse exemplar, nico, que
lhe foi entregue, ti vase o destino por V. S. indi-
cado no seu mencionado offieio.
Ao juiz municipal de Aguas-Bellas.S. Exc.
o Sr. conselheiro presidente da provincia manda
declarar a V. S. que leve o coaveniente destino a
certido de exercicio annexo ao seu offieio de l
do eorrente mez.
Ao Sr. Dimas Francisco da Silva Braga.O
Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia man-
da commuuicar a V. S. que o Dr. inspector geral
da Instrucco publica, ja deu, segundo informou
s providencias necessarias sobre o assumpto dos
seuB .ificijs de 9 a 13 de Dezembro fiado.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 28 DE
JANEIRO DE 1886
Augusto Xavier C uramra da Cuaba.
Concdo.
AJferes Bellannino dos Santos Bul cao.
Concedo.
Dozeinbargador Constantino Jos da Sil-
va Braga. Hoje declarei Thesouraria
de Fazonda que, s guado consta de teie-
gramma de 26 do crrante, o Ministerio
da Justiga, solicitou ordem de Thesouro
Nacional para o fim de ser attendido o
supplicante.
Companhia Great Western of Brasil
Raway. Deferido com offieio de hojo ao
Thesouro Provincial.
Alferes Constantino AI ves da Silva.
R^queira a Thesouraria de Fazenda para
relacionar o debito, nos ter nos da circular
de 30 Janeiro de 1871, n. 36, visto estar
encerrada a eseripturajilo do ejercicio de
1884 -1885.
Francisca Maria da CnceijSo. Infor-
me o Sr. inspector geral da instruegao Pu-
blica.
Idalina Alice de Albuquerqui. Conce-
do 3 mezes na forma da lei.
Joanna Mara da Conceicao. Informe
o Sr. Dr. chefe de polica, ouvindo o Sr.
administrador da Casa do Detensao.
Coronel Jos Thomaz Gousalves. -Ra-
mettido ao Sr. director do Arsenal Guerra
para mandar fornecer.
Bachird Joaquim Alcibiades Tavares
de Hollanda. Concedo.
Joo Gomos da Silva. Informe o Sr.
Dr. juiz de direito das execurcSes.
Martinho da Silva Costa. Informe o Sr.
inspector do Thesouro Provincial.
Secretaria da presidencia, de Pernambu-
co, em 29 de Janeiro de 1886.
O porteiro,
J. L. Viego*.
Thesouro i o vinel a I
DESPACHOS DO DA 29 DE JANEIRO
DE 1886
Barao de Santa-Cruz e Francisco Tavares da
Silva Cavalcanti.Haja vista o Sr. Dr. procu-
rador fiscal.
Francisco Ramos da Silva e Antonio Lopes de
Azavedo.Ao Consulado para attender.
Artbur Octavianuo da Silva Ramos : Manoel
Jos da Cmara.Registre-se c facam-so os de-
vidos assentamentos.
Contas das 235 a 236 partes da loteras da San-
ta Casa, das loteras das igrejaa da Concciclo de
Itamarac e de Maneota, da 2a da matriz de Flo-
resta e da 3 da matriz de r'etrolina. -Exami-
nem-se.
Justina Maria do Nascimento e Ordem Terceira
de S. Francisco de Olinda.Junte-se copia das
informarces.
Joo Pacheco de Medeiros. Nao ha que deferir
por lhe nao interessar particularmcitc o reqne-
rido.
Teneute-coronel Jos Gomes Leal.Certiu-
que-s.
Dr. Cosme de SA Pereira, Martinho da Silva
Costa, commandante do Corpo de Polica, Fran-
cisco Antonio Lopes, Joo Vctor Alves Matheus
& C, e Medeiros 4 C.Informe o Sr. contador.
^ Monte-Pio dos Honorarios do Exercito.Ao Sr.
thesoureiro para os devidos fins.
Gruilhermina Jovina Pinheirc.Satsfaca a exi-
gencia da Contadoria.
Francisco Ferreira de Albuquerque Naseimen-
to e Pontos da Cmara Municipal do Recife. In-
forme o Sr. Dr. adminitrador Jo Consulado.
Antonio Epiphanio dos Santos.Ao Sr. collec-
tor de Palmares para cumprir o despacho da
junta.
Padre Manoel Simplicio do Sacramento e Ma-
noel Clementino Ribeiro.Ao Conteneiooo para 01
devidos fins.

Repartico da Polica
Secsao2.a N. 94.Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 29 de Janeiro d
1886.Illm. e Exm. Sr. Participo a V.
Exc. que foram hontem recolhidos a Casa
de Detencao os seguintos individuos :
A' minha ordem, Esequiel Casado de
Oliveira, remettido como sentenciado pelo
delegado do termo de Palmares, a disposi-
9S0 do Dr. juiz de direito das execucSes ;
Manoel Quintino de Barros Correia, vindo
do termo do Brejo como criminoso ; Jos
Francisco de Souza e Jos Pereira Dutra,
vin los di termo de Bezerros como crimi-
nososs.
A' ordem do Dr. delegado do Io distri-
cto de capital, Ildefonso Gonc^lves de Si-
queira o Antonio Firmo Xavier, por dis-
turbios e offensas moral publica.
A' ordem do subdelegado de Santo An-
tonio, Francia so de Paula Santos preso em
flagrante por crime de tentativa de raorte.
A' oriem do do Io districto da Boa
Vista, Antonio Izabello, Antonio Vicente
Barbosa de Lima e J0S0 Vicente Barbosa
do Lima, por disturbios.
A' oriem do do 2o districto da Grja,
Francisco de S Montenegro, por distur-
bios.
Hontem s 9 horas da noite, e no
uadro do Padre Antonio, V- districto da
oa-Vista, Jos de tal, praya do 14 bata-
lho de linha, ferio gravemente a Maria
Catharina da Silva.
A offendida foi recolhida ao hospital
Pedro II, e contra o delinquente que an-
da no foi encontrado, procede-se nos ter-
mos do in uerito policial.
Communicou-me o delegado do ter-
mo de Cimbres, que no dia 27 do corren-
te proceder a vistoria da cadeia existente
ali, na qual foram encontrados trinta e
dous presos, sendo 16 sentenciados, 11
pronunciados e 5 indiciados em diversos
crimes.
- Em data de hontem assumio o exer-
cicio da delegacia do tsrmo de Jaboatao,
na qualidade de Io supplente, o capitSo
Francisco de Hollanda Cavalcante de Al-
buquerque.
Tambem no dia 26 do eorrente as-
sumio o exereio da delegacia de Gravat
o Io supplente Cypriano da Silva.
Deus guarde a V. Exo. Ulm. e Exm.
Sr. conselheiro Jos Fernandes da Costa
Pereira Jnior, muito digno presidente da
provincia. O chefe de polLa, Antonio
Domingo Pinto.
Cmara Municipal
ACTA DA SESSO ORDINARIA DA CAMA
RA MUNICIPAL DA CIDADE DO RE-
CIFE, NO DIA 20 DE JANEIRO DE 1886.
PRESIDENCIA DO SE. PADRE MELLO
Aos 20 das domez de Janeiro de 1886, aomeio
da, no paco da Cmara Municipal d'esta cdale
do Recife, achando-se presentes os Srs. vereado-
res padre Mello, commendador Neves, tenente
Viegas, Dr. Jos Osorio, commendador Moraes,
Dr. Goes Cavalcante, Dr. Correia de Araujo,
Cussy e Dr. Augusto Vaz, faltando os demsis ve-
readores inclusive o Sr. presidente, por doente,
em face do que o Sr. padre Mello oceupando a ca-
deira da presidencia declarou aberta a sesso,
urna vez que bavia numero legal.
Lida a acta e depois de ser a mesma appro-
vada ; o Sr. tenente Viegas pedio a palavra para
tratar de negocio urgente, logo que fosse assigna-
da a acta, a qual deixon de ser assignada na mes-
ma occasiao pelo Sr. Cussy por ter sido obrig^do
a aecudir a um chamado, retirando-se do paco da
Cmara. Em consequencia do que o Sr. viee-pre-
sidente verificando nao haver numero legal levan-
tou a sesso, e marcou o dia 27 do eorrente, para
a seguinte.
Nessa occasiao alguna Srs. vereadores reclama-
ram mostrando que se devia chamar suplientes
visto anda nao ter sido este anno possivel reunir-
se a Cmara.
O Sr. vice-presidente disse que nao poda man-
dar convidar os ;rs. snpplentes por nao se dar o
caso de screm elles chamados, visto que tem se
entendido s fazer -se no caso de nao se reunir a
Cmara em tres sessdes consecutivas, e nao se
podia considerar a sesso que acabava de termi-
nar orno frustada ; que havia mesmo um aviso do
Ministerio do Imperio que assim determinava ; e
nada mais se passou.
Eu Francisco de Assis Pereira Rocha, secreta-
rio sabscrevi.
Dr. Antonio de Siqueira Carneiro da lunha,
presidente.Padre entonto de Helio e Albuquer-
que. Jos Pedro das Neves. Manoel Antonio
Viegas.Jos Osorio de Cerqueira.Josi Fran-
cisco de Ges Cavalcante. Jos Candido de Moraes.
Francisco de Paula Correia de Araujo.Joo
Goncalves Torres. Dr. Joo Augusto do Reg
Barros.Cussy Juvenal do Reg.Augusto Carlos
Vaz de Oliveira. Manoel Francisco de Barros
Reg.Antonio da Silva Neves.Augusto Oda-
viano de Souza.
Cmara Municipal
DESPACHOS DO DIA 28 DO CORRENTE
Pelo Sr. vereador commissario de poli-
ca :
Antonio Teixeira dos Santos, pedinlo
que sejam feitas as dividas averbac3es no
sentido de ter transferido o seu e3tabele-
cimento de trastes da :asa n. 36 ra dtt
Duque de Caxias para a de n. 21 Es-
treita do Rosario, o qual passar a gyrar
sob a firma de Pedrosa & Santos.Como
requer.
Costa & C. pedindo licenga para abrir
um cstabelecimentj de mercearia no pavi-
mento terreo do predio n. 151 ra da
Aurora. dem.
Eduardo Augusto do Na->jimento para
abrir urna offioina de funilaria na mei'agua
de n. 2 A. rna do Paysand, freguezia
da Graca. dem.
Marcelino Alberto Lopes para trans-
ferir o seu estabelecimento de taverna do
prodio n. 1 ra do Jardn, para a casa
n. 17 ra de Christovto Colombo.
Ilem.
Maria Baptista da Costa, para abrir um
estabelecimento de molhados na casa n.
2l a prevoag&o do Barro, freguezia de
Afogados, nao ficando responsavel por
qualquer delicto de impostos que possa
existir referente a mesma casa.dem.
Pelo Sr. Cussy do Reg, commissario de
edificaqdes
Carlos Antonio de Araujo replicando sa-
tisfaz a exigencia contida no parecer do
engenheiro, deolarando que tem 24 pal-
mos de frente e 50 de fundo o caixSo de
sua casa n. 14 ra do Tuiuty, que pre-
tende levntalo de conformidade com as
posturas e cuja licenca solicita. Sino, de
conformidade com o parecer do engenhei-
ro, pagos os direitos.
F. F. Borges, pedindo licenca para man-
dar reconstruir urna parte de seu predio
n. 54 ra de Luiz do Reg, freguezia da
Boa-Vista, bem como a calcarla do mesmo
predio.Concedo a licenca requerida, de
conformidada com o paraeer do engenhei-
ro, pagos os direitos.
Fraqciaco Manoel da Silva Tavarea,
por seu procurador Jos Joaquim Gongal-

ft
H



Diario de PerDambncoSabbado 30 de Janeiro 1886


vel Bastos, para mandar tomar gotoiras na
casa n. 8 a ra do Visiioode de Goyanoa.
Dando semencia ao fiscal, concelo.
Francisco Pinto de Magalbaes para o
mesrao fim, com referencia a sua casa le
.49 ra de Gervasio Pires. dem.
Jos Luiz Ribeiro replicando satisfaz a
exigen i* ;ontida no pardear do engenhei-
ro, declarinBHqfcfican*pio Waa *
n. 25 B mtmimio rra\ir\>"' pretende eMnoaraaeaa asa -> taipa.
icensa solista. -uniforma doparaaer lea
engenheiro, concad a licenaa, pafas M
direitos.
Joaquim Paobeoao da^ilva-aara .anta*
rever a coberta da eeu-e-ooredia n. 40 ruw
do Coronel Soassuna, substituinio telhas,
bem como tomar algumasfondas. -Na for-
ma requerida, dando sciencia ao fiscal.
Manoel Soares Ribeiro para man lar
substituir algumas telbas da coberta do
predio n. 6i) ra do Padre Floriano. -
Como pede, dando sciencia ao,fis -al.
Secretarik da Cmara Municipal do Re-
cife, 29 de Janeiro de 1386.
O porteiro,
Leopcldino C. Ferreira da diiva.
DIARIO BE PERNAMBDCO
RECIFE, 30 DE JANEIRO DE 1886
\oiU lis do Pacifico. Rio da Pra
la e sal do imperio
Os paquete francez Equateur c inglez Neva,
entrados hontem do sul, trouxeraro s seguiutas
noticias e as que constam das rubricas Parte Ofi-
cial o Interior.
Pacifico
Datas telegraphieaa at 11 de Jineiro:
Sexuada commuuicou ao diario portenho La
Prensa o sen crespndante em Valparaso, no
dia 9 reuairaia -se novameute as coramissoe da
maioria e da minorin do congregan, sem cun'nlo
acbarem solado para o conflicto.
Na s-essao da cmara o deputado miuisterialioU
Ixidoi o Errazuriz eaviou mesa uuia declaraeo
assignada por 46 deputados, dando por approva-
dos os subsidios. A principio niuguem acredUou
que pro.ediineuto to inconstitucional podease ser
tomado ao serio. A discussao nao se achava m-
gotada, no tioba havido votacao, nao obstante o
presidente da cmara, Mont, deu por approvadas
as coutribuicots sem subinetiel as discassac
Seinelhante acto de di etadura deu motivo paro
desordem indiscriptivel. Houve depois em Sant-
iago uma graDde reuniao pnbliei, na qual tonMa-
ram parte cen* de 7,000 p-ssoas, muitas das
quae? notaveis. Em seguida a um discurso vehe-
mente de Molchior Concha Toro, foi adoptivo um
protesto contra o presidente d cmarae coutru
veigor.hosos do governo tyraniuca.
A mprensa da-Jpposico tarabem atacava ener-
gicam u;e o governo ea maioria parlamenta que
PIDls o Rio Granente que em 8. Jola do Monte-
negro esta grassando o typho, tendo sido victimas
algnns dos immigrantes ali cuegades.
Deram-se novos dasmoronameutoa na estra
da de ferro de Bag, tendo as chuvas feito desa-
bar grandes aterros.
Falleeeram : no Rio Grande, Bernardo Pereira
da Silva, que lora lerido com algumas facadaa por
um escravo do Bario de Corren tes e Isabel Mar
ques Guiraar-s ; em Jaguaro, o professor part-
.otilar AtfredocBluae; em Cangane, Jos Fatreir
teiro, o um Ca-naqnam, safando diz o BAo do
, 186 anona, Maria do: Jess, qiundnixou
C1OT 11 futa*, 'd|bact06,wl72 enetos* 11 tafl-ealffs.
Parta
Datas at 13 de Janea:
Os 89 lotea du ncleo nuloniasrSanta {hiifc,
ultiauwnriierfan lados, foram dietribuidoSvO estos
B9ta*480 tmmigr anotas, sondo. J*. polaeae, 84 a.
lianoe-do norte, 9 atMriaoM e 3 elU-men.
Xa noite de 8 uara 3, das 1 paraar8 heon*-
deu-se em casa do r. Antonio Diogo Guimares
um roubi da quantia de 2:185*007 em dinheiro,
urna barra de praU com 1,293 grainmas, uio*-*ai-
nha Je prata para faca e um cano de prata m-issi-
(O para a mesma
aau tutnurina
Datas at 17 le Janeiro :
L-se no Lageano o soguinte:
De Curitibanos nos e3creve o promotor publi-
co d'aqnalla comarca a diversas pessoas d'esla ci
dade, communicando ter o juiz de direito interino
reunido geute para impelir-lhe a entrada ni villa
de Campos Novas, onde ia erercer as tuncco.'s de
seu curgo.
Avisado por um fazenleiro antes de chegar a
villa, teve de voltar para Curitibanos, onde espera
as providencian que o garantam no exercicio de
seu cargo. Tinha seguido para a comarca o juiz
de direito effeetivo.
S. Paulo
Datas at 23 de Janeiro :
Poi rescindido, por acto de 20, o contrato cele-
brado a 25 d; Abril do anno passado, com R. O
Lobedanz, pira a introducco de immigrantes par
esta provincia.
Por acto da presiien:ia de 20 do correte e
sob proaetsta do administralor do correio, foi co-
meada D Anna Candida de Brito para o lugar
va_-1 de agente do correio da estafio do Braz, na
capital.
Pelo r.'sp-ctivo juizo, ua capital, v2o ser con-
feridas 109 cirtas de lioerdades a escra/os roaio-
res d>- 65 annis na conforidade da matricula da
col lectora geral.
L-se no Correio de Campias:
i A nossa primeira expos'?!) regional vai ter
um f 'cho de ouro.
No dia 25, em que deve ser encerrada, reali-
sar-se-ha ama procizso cvica, na qual tomirao
pirte exclusivamente 03 operarios de todas as
clanes industria*?- inclusive a corporaco typo-
graphca.
Deve sjr u na fi!a sol -mne.
A 18 d> amonfl aoite, no bairro do Tan-
quinho, estrada d Praeieaba ao rio Claro, o preto
livre Benedict > Intouio Vrraz, ceuhecido pir Be-
U lut,' Moleque, foi aggredido por um h nein des-
eonhecido j .m quem pouco antes jogara em urna
venda prxima.
K c^-b ni > um tiro de garruchi, d.do pelo des
eonhecid), jue o off-ndeu levemente em umi per-
na, desfechou no mesmo cadetadas e facadas na
Englieh Bank ao mesmo pr<>co contra caixa matriz,
e o London Bank a 17 13/16 d. contra banquoi-
ros.
As tabellas no Commercial e no do Commer :io, e
as taxaa no London Bank e Engli^h Bank foram
as s^guintes :
No siado^ presidido pm Antonio Varas, deu-i regia, frontal, que s mataram dentro em pouco
se novo acto de dictadura, approvando se o pro-
cedimeuto do presidenta da cmara dos deputa los
e sub ni te.ido e a discuisao o projecto da le de
subsidios, a despeto da illegalidade da forma e d>
protesto assigc.alo por 37 deputados. Os senado-
res da iLuoria protestaram cuergicaaiente e rcti
raram se do, sala, dcixando all nicamente a
maioria, circumUancia de que ae aproveitou o pre-
sidente para dar por approuado o projecto

de le
.. coat.-ibuieorti, "sem que tivesse sido discu'ilo.
Kio da Frata
Datas de Buenos Ayres at 15 e de Montevideo
at 16 de Janeiro :
Na R-publici Argentina, ontinuava a discos-.
sao do3 negocios eleitoraes sobre a base di eolli-
gaeao dos partidos qae declararam, pelos seus re
SresciKautes, que a opposicao candidatura do Dr.
uarez Celman para elles causa eommum.
Os c uijdit03 Gorostiaga, Irigoyen e Rocha,
com assiiteacia do general Mitre, reouiram-se no-
vameute e decidiiam proseguir nos trabalh>s da
uniai d>s seus partido?, nomeando pira esso fim
delegados ; o directorio rochistas, o Dr. del Valle
e Manoel Gorostiaga, o directorio irigoyenista, os
Drs Giilo e Lr.z Sienz Peni; c directorio go-
Bsatiagniata, I .' Manoel Estrada e o D-.Bonifa-
cio Lastra.
Os delegad 3, i 3 tir.bim re mi 1 > loas
um (roardavarx a miior reserva cere* das sua
delibeiaeoss.
AeolgacJo oeoapavaae por emqaaafr com os
trabalhn-reUtivos e!ei?ao de deputados n i
ifeetuar se r. 7 de Fevereiro prximo, deixan
do para depois della a solacio d> problema das
candiJ .turas presidencia da repblica, o que
bsporta dizer qoeos tra (jaadidatM eottigadps
eoaservam as svis pua^B
Segando asse'urou ao diado portenho La Na
i correjpoadeote cm La Plata, a,
'susfaJoras que circulavain em Bueno* Ay-
r^s e a rafes u i 11 aituacio p 'litica da provinei t
ra,,, > .1 is pira distrahir a attnca
outros :i tos 11 republi .. nos quaesse prep-irsv
va alg'ima cousa por pirte da atitoridade-nacio-
aal.
Os delegados dos trez partid .s di eppotic
eandir'atura oficial chegaram -accordo defi.ntv
assentado n'estas bases :
Con l usar e combinar as forcas popal a res eo i-
tra a a li la 'ira offlei il ; r nai t
deput i los e senndores evando os partidas a ra-
pruatltacao cinaun e parcial simultaa ;n, I
Bignai :, para tase f'ii horneas que mareeaoi .
confian; i ni,-'.on : adiar at d > ;s :
de Pevereiro a qnestla de candidaturas preaiden-
l > Crta part io-. o ;:i u e .'.npro.iv.so
\\ : lve!-j ;i itri )l
do do3 me-in "f' '
futuro um grande partido nacional, que lev
bandeira dos pra i. i ton
l.'it i Eoir urna 8 ''a nis-i i I '| i
presi.la as trabalb capital o em
toda-, r x\ eiaa; forartlar umi acta, aad
da p sanr
kM pir ltim lii dalles : Ji
riir "llar a tilas .:s direetociaa toeaes da repu-
pub. com nuiicando e be pedir a to-
do! o inmens de b-^a v nifade sua eooperacao rf-
licaz e su apoto patritico.
Bn HontendeJ cireulavam boatos iuqiieta-
dorc, 6 n se sa'oer a certo em qu l se ian lav un
Fall orlem de prisa > pa determinadas
i; a mticia foi desmentida.
A: >iie de Montevideo resorrea **
,i itr i das d > observa",""' 3 u,'!
escala pelo rio de Janeiro ; a d ms
dias o vaporee 11 carretra entro o Rio de Janeiro
e o sal -on eeinva por p rws ntarsaedianoirfnian
jolevarem maiide 10 das de vi.:- m M
os navios de v i procedentes do dito porto ^ Con-
sidciam-se comprthendidos .-s ai iiapnienai o,
na.ios proeeJenU l: outns partos do Brasil naj
nao se preserva'em ^ufficientemnt'! do ponto ata-
cado pela epedinia.
Rio brande lo Mal
Datas at 19 de J.ueir i
__ M i po3se do cargo de. ehef d
polica |o Dr. joiquim Ci'rreia de Oliveira Au-
ira i .
Por ordem lo Sr. Dr. d. 1 -gado da
ria da saude pnblica c do Sr. inspector d i alian-
dega de Porto-Alegre, foi o piqnet; Cavoar p^s-
to iuommuni a.el con a t-rra em conseq .
de nm caso fatal de.febre araarella qua se dau m
porto de Rio Grande.
Por estar soflrendo de alien icio mental, fji
yMJ de 8. 9e ira. '/. f nao Coelho
Netto, eetveotuij-i o vitaleiu do 2.- eartorio de or-
phaos di : rmo ds S. Leopoldo.
Na capital, foi gravemente t.-rida por umi
praca rio lo0 loitalho de infantera a orden
do Sr. tenentc coronel Eugenio Luiz fraseo.
Diz o ommeroial do Rio Grauie qu i tem anda
de prolongir-s-i a interrupcao cau j id i a. liub i
frrea desta eidade Bage, pelos ultimos d mu
ronamentos. ,Nio obstante, trabalha-se aciva-
mente nos aterros e as obras de arto destruidas
i ivel nundaeao do dia Xi do
pasead o.
Refere o Bap'.teiue p. Quacahy :
Um acre Jit ido cavalleiro cheg ido hoitera do
Algrete refere no o eegainte :
Na dia 9 do eeweate, n aquella eidade, 6
boras da Urde, uo lugar chamada Cautho un
da p lela rural assasaiaou brbaramente a tiros
de r' I ilhos de espada duaapaacas J
batalba 18* d Ignor*va-e.) 'n'aauela eidade 4|ual.^mHivo
do brbaro erime, e em face de uma populacaj
Londres 17 13/16 n 17 7/8 d a 90 d/v.
Piris 533 o 534 rs. por fr., a 90 d v.
H imburgo 660 rs. por m a 90 d/v.
Italia 540 e 537 rs. por lira, a 3 d/v.
Portugal 3(10 e 299 / a 3 d/v.
New Y ora 2*>olU,porol., vista.
Omoanento do. dia fobpequeao sobnet Londaes
a 10.1 MB., bancaBso,conaai-aaimsotB*,e ai/ie
ni/i^id eapel entxticoiar; e soaM*lrancaa
53tM 533; rsiu .bangario, e 532 rs, pa titular.
Dolsacsnn >wontosJD taiaawm- pequeo.
fa>Marin* hfiMam 106 ssjaaasfoaaeaf.
K^aaaioa
nas a|M0 dt*Jua*m> :
O reaaltttSfinahdo psaita-ieleietal ioi este :
1." districto :
Dr. Matoso Cmara (C) 426
Dr. Moni Freir (L) 850
2.a districto :
Conselheiro Costa Pereira (C) 395
Dr. Horta d'Arcujo (L) 187
Lemos na Provincia de 20 ;
Na freguezia de Santa Izbel, Piguel, um
pobre velho, ferio casualmente, com um tiro de
espingarda, a ona filba Maria Angelina Figuel,
casada com Francisco Bispo da Silva.
A municao da espingarda, 29 bagos de chum-
bo, foi empregar-se na cxa eequerda da infeliz
mulher, que, embora esteja grvida, nao orre pe-
rigo de vida.
O subdelegado fez corpo de dlicto e auto de
perguntas.
jimia
Datas at 27 de Janeiro.
"^As noticias desta provineia sao de intereese
local.
INTERIOR
0 inspector do quarteiro, Antonio Ramos de
Oliveira,- que presenciou o facto sera poder evi-
tal-o, prendeu en flagrante a Benedicto Moleque,
queja se acha na cadea.
i. iio Janeiro
Datas at 24 de Janeiro:
Alera d > que consta das cartas do nosso corres
poniente, urna de 19. publicad na rubrica In'e
rior, outra de 24, qu) publicaremos amanba, ape-
llas ref Tem os jorna-s o seguiute :
Realista se s 2 horas da tarde de 21, com
assistencia de S. A. o Sr. Conde d'Eu, e chando-
so presente* a directora c o conselho ai ninistra-
ti\-, ii ai.-ociaei i ma it:n"dora do Museu Escolar
X i i nal, a BnutMtsofie da exposicao do obj
escolaren, promovida pela m sma asso^ia^o, fran-
qneaado te immeliataniente a entrada ao publico
Concorreram os collegios: do sexo feminino
Lirly, D mklecainps, Franco-Brasileiro, Progres-
so, Imintcula la Cinceic4o, Campos Porto, Geslin,
Boapaaet, Masset, Santa Thereza, Canno.inssim
e uno o Uecolbimento das orphas de Santa There-
za e Casa do3 Expostos; do sexo masculillo : Me-
nea : Vi eir e Reis, escolas dos dous sexos d ..As
sontacao Promot-ra da InstrueeSo, a oicola mixta
de [mpeeiai Quinta de S. Cliristovio, e as oselas
publica* de Santa Rita o Sacramento.
Tambera concorreram varios patstLulares com
livris e objectos relativos ao cnsino escolar
O acto da inau-oracoio foi inulto concorrido, e
a exposicao contini ab Tta.
L-i.i s uo Jornal do Commercio, de 21:
Dando cxemplo de louvavol perseveraba n i
pro lag ndi de qne se encarregou, nao perdeocca-
sVio o Centro d i L'vvoxtra e do Commercio de at-
trihir pira-os n '33 <* prineipaes productos, sbre-
la I o ca, a atteucao dos mercados estrang-ros,
I i n.nitar por este modo o desenvolvime.ito
I i relacdei ommerciaes do Imperio. Uitimiinen
,-iin lo ji tiv n M measWo oe noticiar, exi)z
aquella assoeao-lo na c ipitsl di Nova Ze a i lia,
_'l-' .o trae ilo caf e assuear d o Brasil, que, en-
viadas p ira u eznosiai i ia laetrial d i mesma ei-
dade, nao paderam s r all adaaittidaa por iat ex
presnanteate vedada a aceitafio dos productos fa-
bri % los no exterior.
Organisada par este motivo uma eipoaicao es-
pecial 1' iqoells productos do Brasil, debnxo da
direeoio do Sra. il laes .m o encargo de repres-litantes de Cen-
Ir i da Livourac do I i, varas demonstr i-
i;5i3 vi -am piteat ,ar o importa ite xltb d i >
ii : expisi?ii. Nao s nenie a imprensa local oc-
i -se aetiv i o 'nt: J > objocto, pleiteando pela
;:iencia d : estreitarem-ic re icoes co nm r-
ulreaX lia o o Brasil, m is a jun
ccmI d; WeUigton, relerindo-se expe-
sico ios productos kcaetleiroe, ehamoe a atteajfle
do* ai m parias v inta^cns provaveis do
como Brasil, deliberando incumbir a
un i o n.niss.lo o estudo d i materia par i que se
habilite a morra .r anal s guraac a regpeito da
I rao attmgir ajaelUs rea
j "ie
- Pouco depois d i vx-osifao, os S-s. John Petty
o* O., eetab i ci los na pra^i do Rio de Janeiro,
t u.lo auxilia i i elfieazraente o Centro Ja L ivour.i
Com n r*io ni realsaeao o'aquuile seu tmpt-
'i rain de importau'e casa da Nova Ze-
landia encommenda Je caf.
Neui aerapre os esforcos inelhor. dirigidos po>
itera produzir imineJiat imente re ultados valiosos.
No Jesenvolvimento de relceles coramerciaes a
tempo colaborador indispensavel. Taes esforz,
porm, s.io tempre meritorios.
A i Sr. Canoa Bolle, commissario da Sociedade
Central de Gcjgraphia, C->m iercal de Berliu, ex-
pelio o ministerio da agricultura, a 12 do correute,
O seguiute aviso :
o Illm orPoi-ae pres nts a coramuuicacao
qoe, em dala de 26 de Dezembro ultimo, me diri-
gi V. S na qu.ilidada de eoraiaissario da So
da le Central de Geogr..pliia Commercial de Ber-
ln, quauto ex productos do Brazil que
i ir u |Uella ci
lader durante os metes di Maio,a Julhodo mesmo
, sem neahuin nutro auxilio, do governo Irape
rial, alm d o tr.insp irte gratuito, dentro do Irape-
ro, i la dir itos bj exportaco para os
fi:n.
Preteu^ por tal modo aquella preseantisama
associaoao ofterecor ao publico alleraa o elem
de apreeiacao segura a reapeiti di coa i.af.io do
Brazil, tolo, clima, riquezas naturaes, meios de
aonieuad, e de todo o mais que poder dar
i d* exacta do Imperio.
O rainisteri o a mea cargo, ligando o raais vi-
vo iutertssj ao bora xito da retena Expogicao, e
assegurauJ o a V. S. toda adhese e apoio reali-
acao de np iili. t5: utl & exroansao das rels-
coes teanurciaet Ja Alemanha e do Brazil, con-
ceder traimporte gratuito ngs estradab d ferro
pertenceuteg ao Estado e solicitar do Ministerio
Negoci is J i Fazenda a seucao pedida, para
aguarda a indlcaeio das estradas que hou-
verem de realizar o s-obredito transporte bem como
das estacaos p las qilaes ter ae correr o procasna
da expor.ae4o dos mesmos proiucto?.
0 que V. S. poler commuiiicar Sociedale
Central de Geograph; i Comai rcal de Berlie, as
rando ule que o Governo Imperial, por aquella
r-mode o por outj3 jneioa que eoubecem ni esphe-
ra da sua coinpeteacu, prestar mesma assocw-
cao todo auxilio de que esta carecer para o fim,
indicado.
Dens guar; a V. S A. da Silva Prado.
Eigas noticias commerciaes da ultima data ;
Rio,.23 Ja Janeiro de 1846^0aereado de cam
bio esteve boje pouco activo, sacando es bancos
naconasa a 17 7/d d. obre Loaires, ao balcio, o
Correspondencia do Otario de
ernambneo
RIO DS JANEIRO -cobte, 19 de Ja-
neiro de 1888
Summahio : -Tranquillidade deitoral.O que mais
deve ter contentado o governo.Como o
'Paiz aprecia o resultado do pleito. -As
abstencoes.Os conservadores d> 8 dis-
trictode Afinas. Como a 'Gazeta de No
licias explica o trvanpho do gocernn, e
como considera as rieicoes dos Srs. los
Camarg e Jos Marianno.As noticias
aqui chegadas sobre ambos.O que occor
re no Kio Grande do Sul. Opleito no
2" dislrirt > daqitella provincia e o brio
rio-grandense.'jomo vai falhando a es
tatislica liberal. A derrota do 8r. Mo-
rara de Barros.
O que por ora aqui sabemos do resultado do plei-
to eleitaral cm todo o inuerio, j deve s-r ahi co
nhecido; e antes que esta ch gue ao seu destino,
mais alguna cousa ter otelegraphoniliiiit.il>.
principalra -nte em rclacao a Minas e Rio-Grande
do Sul, de que te nos noticias incompletas quanto
aquella, c confusas qaanto a esta, de onde s na
certeza da eleico de um liberal, o Sr. Jo>quira
Pedro Soares. Isto iispena-me do fizer menea >
dos resultados pareaes que nos vio chegando.
Tainbem ul i preciso referir o modo calmo e pa
cifieo por que correu a eleico, que- aqui na cor-
te, quer por toda a parte de que temos noticias; o
facto patente c por si mesmo se annunca.
Na o sei o que mais deve ter contentad o o go-
verno : si o triuuipho esplendido que acaba de ob-
ter, superior ao que era 'aperado, si cssa calina e
traoquillid.il', n.io perturbad ao que consta at
o presenta -em ueulium ponto do imperio, trataa-
do-sede umi eleico em virtudo da dissolucio, por
mu lanc i dfl sitOSOaO p ilitiea.
Pode-ae mesmo Jiz >r qne o resultado obtido aqu'
na corte foi uma suroreza. Contava se mais un
menos cora o triumoho da chap i lora,
mas nao p>r timinhi dilferenct de votos, especial-
mente no 3o districto, era que era cren^a geral
que a inaiori t do al lltorado era lib eral.
Como explicar a differeuca de mais Je quinheu-
tos votos qua o Sr. Bulboes Carvjlho obteve sobre
o Sr. Bezerra Je Meuezus, que ha um anuoapeuas
vio a sua caulidatura suffragada com mais a^ se-
tec'ntos votos, agora eraeute alcaucou 343 ?
Do modo porque se houvo o governo d teste-
inuiilio o insuspsito Paiz, era artigo da penna de
um dos candidat >s derrotados, o Sr. Bocayuva,
que assiu) se exprimi ao dia seguate :
XIo na podo ooateatarqoe~a victoria do go-
verno e do seu partid i f.i esplendida.
Estamos C)!iveneiJo3 de que, dada a prov.i j
experimntala do rgimen da eleicao directa e
ir de eeafi taca que era si m'smo tem o poder,
o resultado eonhecid o foi alm da expectativa do
proprio gover i >.
Para sermos verdalero3 e justos deveraos re
conheeer que o proe >ral correu mansa e
pacificamente em tod > > imperio : p 1 > raenes, at
o mi.nento era que cscreveraos nao ha noticia de
desoriens ou de violencias que bajan imp'did o
livre exercicio J> voto eleiteraL
E se s dis provincias onde mais intensa oostuina ser a
kgitaeio pditio, o meamo, nVvamoa snppAc, ter
acontecido e:a G oyaz, o que nos traquillsa quan-
I ate do i'oudidato c uisiguado prra essa pro-
vneia e que para conh.cel-a empreen leu tac p -
tosa viagem.
Nesta capital o procediraeuto das mesas e'ei-
e orreeto.
Assgialainos o facto ce n praaer, p irqu
atiesta um gru le |irogress i moral e um oenaivel
m ; o.rain-uto u coetumoe o aa nocaa eda
lea.
Alm listonad houve propraraente da parte
.erno ou das autoridades interveucao violen-
ta o i napoeeS de tor;a.
Cora tu 11 acha o Paiz que heuve presso moral,
que produzio un certo coustrangimento inde-
p ni lencia 1 > i leitor, constrangimento alias des-
amo, porque o resultado prova que o gover-
uo nao preoiaev i fazer estentacio de seu patroci-
ui i a nlgtimas c in lidaturas oEciaes.
Xaturalmente, ueste ponto o Sr. Bocayuva re
- W a candidatura do Sr. Ferreira Vianna, seu
comp 'ti r, c mu o qual ello caperava entrar em 2o
escrutinio, se t vesse obtido dos liberaes maior nu-
iner i ao contava, o o Sr. Baptista Pe-
reira tivesse ti lo maior votaco. Mas este ape
as alcaiicou 208 votos, tendo o Sr. Ferreira Vian-
na 1,012 e elle Bocayuva 462. Mas talharam os
clculos.
Por 880 accrescent i ainia o Paiz, oo.n alguma
exHgireracao:
Pelas notie. Bireoeqee partido
libTal desappareceu da superficie da trra, quere-
raoe dizer, da superficie da poltica.
O.iJe nao se absteve era massa, deixando de
offerecer ao governo resistencia e portanto servin
do indiiectamente canea dos adversarios, deata-
cou contingentes para reforjo das candidaturas de
alguns dos seus contrarios.
i Foi as=iin que aiud i nos distrietos onde at ha
pouco era preponderante a maioria do partido li-
beral, pela renuncia ao vo:o deixarain o* membros
desee partido qre a minora fieass-^ viotoros i
' Este syinpoina grave por qualquer dos as-
pectos era que elle s>ja c 'iisidcr.i 1 o.
Protesto ou iudinereuc*i attestaf
ne da raorte le um ny w I l p irtido ura ficto de
grande aleancj poltico, cujas consequencias maii:
codo ou raais tarde se pronunciara) fatalmente.
NSo tanto assim. Aqui na corte houve, i
mente, graadd numero de abstencoea, que nao se
pode assegurar que fo3scra sement de liberaes.
Dos 7,080 eleitores que conta o municipio neutro,
s concorreram vota.o 1 208, faltando, portan
to, cerca de 3,000 eleitores.
Mus outro tanto nao ae onteceu as provincias,
.onde s consta at o presente, que se tivesse dado,
abstraera em m issa, de duzeutos e tantos eleito-
i 8 iistricto de Minas. Mas ahi foram os
conservadoras quo se abstiveram, por mo quere-
ram tomar (irte na luta entre os Sr>. de:ano .V-
vim e Yaz de Mello, ao qual haviaa auxiliado na
eleicao pasrada. Dessa abstedfSo resaltou ser
eleito o primeiro por urna maioria de 97 votos, e
foi o que ihe valcu, porque no 7 districto. a sua
candidatura gorou.
A rasea de Noticias, no seu numero de hontem,
na revista semanal ; sob e titulo cousa* polticas,
acbando que a governo ganhou de mais oque quem
tem de pagar o exeesso a naco, observa qae.
oara nao ser-se induzido a erro, attribuindo a vic,
toria iut rveticSo violenta, manejo, trica, etc.,
deve se levar em conta que para ella concorreram
poderisamente tres elementos: 1, nao a boa,
organisaco s disciplina do partido, mas os senti-
mento instinctivamente conservadores de parte
do paiz que acha por melhor uianter o qne pos-
sue do que expor se a novos melhoraraentos,e alera
disto a circumstancia de ter a actual iei um censo
multo alto, que entrega as urnas principa'ui' nte
s classes em que naturalmente ten. mais adeptos
o partido conservador ; 2o, o facto de retaguar-
da dessa forca, j de si reepeitavel, formar-se urna
outra que se coinpoe dos que apoiam tolos os go-
vernos, e nella est quaai todo o nosso funcciona-
lismo e pretende otes ; 3, a completa desergani-
aaao do partido liberal, de tal modo que na eapi-
j imperio nao lwuve noticia deque og cheles,
sea/na conhecidos, teuhain aiquer mostrado poesuir
a-^aojao da forja de que. pode ria m dispor, e a
geaade poltica, que se da que algnns neeanelba
rain e a maioria adoptouy.eonaistioaia abskanaao. <<
-l)|nuraero desseequaaeanaelhaiam aaeteaco,
panaae que nao deveaonaac^e o -r. aenadoliOeta
vsaaosque expedio oiaeulaqM|ae fo|inbliooad pela
ipBMBaea, ao eleitorndo liberal.do 2 distriet, re-
ootmnendauJo a candidatura do Sr.- Henriqae de
Carvalbo, o qual. apezar disto, nao teve mais de
287 votos, ao pasao que o candidato conservador
obt ve 607.
Continuando em suas apreciacoes no cstylo
caustico que Ihe peculiar, lamenta a Gazeta, que
uo aatiateitoa com o. rcsultadoa obtidoa, ostajam 1
desde j procurando ebegar por linhas tortas ao
fim qne se nao alcancou pelo cam i nho dimito,
come ,seja descobrir vicio as eleicoes dos Srs.
Jos Mariano e Camargo, que as anteriores elei-
coes obtiveram maioria explendida, e agora os
jornaea do governo considerara derrotados.
D rei oque occorruu aqui relativamente a elei-
cao deases senhorer. No mesmo dia 15, por volta
das 2 horas da tarde, affixaram a Gazeta e o Paiz
boletins dando o resultado da eleicao do Io dis-
tricto dusaa ; rovincia, com o numero de votos ob-
tidos por cada nm dos candidatos. Quanto ao 2*
districto diziam simplesmente : Jos Mariano
eleito em Io escrutinio. No dia segrate, no corpo
da foi ha, publicarara telegrammas, accrescentan-
do que elle tinha sido eleito por uma maioria de
58 votos ; mas desde logo correu que havia outros
telegrammas dizendo que os dous candidatos iriam
a 2* escrutinio, nc se dando os pormenores.
Um telegramma do Sr. Costa Pereira dirigido
ao Sr. presideute|do conselho, datado de 15 e pu-
blicado no Diario Official Je 16, dizia aoenm :
Eleicao eorrou com perfeita calma e perfeita
llbirdade de voto em ambos os districto3 da capi-
tal. Portella obteve 1006 votos a Sabuco 748
SogHndo districto anda nao est bem verificado.
Uoje, porm, publican os jornaes o seguiute te-
legramma dirigido d'abi, em data de hontem, pelo
proprio Sr. oos Mariano, que d explcacoee que
0 leitor saber, melhor do que eu, se sao ou nao
reaes :
Estou eleito com 826 votos, tendo 2 em sepa-
rado, tendo obtido o Sr. conselheiro Theodoro 767,
se.ido 2 em separado. Obtiveram tambem : To
1 entino 55 vetos e Ambrosio 1.
Os conservadores, contando eom maioria na
juifta apurad.orjreepretendan desprezar os 2 votos
que foram f ornados" em separado, contra a expres-
sa disposicao dos arts. 18 da Iei eleitoral c 178 do
re?pectiro regularaento, para obrigarera me assim
a ura 2o escrutinio. Esse alvitre foi combinado
em palacio, tomando parte nelle o presidente da
provincia.Jos Mariano.
Acerca da eleicao do 4r. Camargo, o que cons-
tou uo primeiro dia foi que a votacao conheeida
Java vautagem ao seu competidor, o Sr. Paulino
Chaves. Depois as noticias foram encontra 1 is.
dizendo urnas que elle tinha sido eleito, e outros
que tinha sido derrotado. Por fim dizem agora
que tera de haver 2* escrutinio, porque deduzidos
os votos do candidato republicano, nenbum dos
d en obtove maioria absoluta, por eaaaa de urnas
trocas de nornes.
Sendo assim, eraqui pode o governo serr? o -
8H7el, tanto no que aeonteceu ao Sr. Caiaarg>
como a o Sr. Jos Mariano ?
Nao somante o que se deu em relacao ao Sr.
Cunirgo, qu) me fez dizer cima qne-as noticias
acerca do Kio Grande saa um pouco> contusas.
De faeto, tambera a re3peito do 9.0 districto d'a-
quella provincia nao sao accordes as noticias..
Hontem o l'aiz noiieiou a derrota do Sr. Joaquim
Pe lro Salgado, sendo eleito o Sr. Seve Navarro.
Mas o Jornal d> Commercio, que recorre semprc
a feotes :nuito seguras, dizuos h-je apenas qae,
p! i resultado couhecido, o segn lo contava gran -
de maioria sobre o primeiro. K', pois, muito pre-l
suinivel a derrota deste, derrota que ter ura i
grad 1 siraifieacae eeer, mais de que todas, do-
lorosaaoSr. Silveira Martina.
S o ficto de ir o Sr. Camargo a segando es
crut: i o, ni primeira opportnnidad i que se offe
re :eu depois que elle represento-a a personalidad*
befe no goveruo, qiuio antes disto
obtinhi >. niaiorias esplendidas j motivo para
riam ter tido motivo poderoso, qae outro nao foi
senao a intervenoao do Sr. Jos Bonifacio em fa-
vor do candidato conservador, nio em amor a
este, mas em odio ao dito Sr. Moreira de Barros, o
qual j disto se queixava antes da eleicao, assim
como queixava-se tambem da guerra que Ihe es-
lava fazendo o Sr. Antonio Prado, como governo,
nao por raeio do presidente, do caja honestidade
de proceder nada tinha que dizer, e antes elogia-
va, mas directamente e fazendo accoidos com al-
guns adversarios.
Por ora fuJtannos pormenores, e neta sei mes-
mo at que ponto essas- allegacoes sejaui verda-
deiras.
KtviSTA MARIJ
i;i'i cedeu para denotados Assembla Geral Legis-
lativa no dia 15 do corrente, temos mais conheci-
raento dos seguintes resultados :
13 DISTBICTO
Leopoldina
Dr. Alfredo Corroa 44
Dr. A. de Siqueira 18
Ourieury *
(117 eleitores)
Dr. A de Siqueira 6[
Dr. Alfredo Correia 56
Granito
(82 eleitores)
Dr. Alfredo Correia 41
Dr. A. de Siqueira 41
Pefrattsa
(90 eleitoreB)
Dr. A. de Siqueira 46
Dr. Alfredo Correia 44
Belmonte
(25 eleitores)
Dr. Alfredo Correia 16
De.-A. de Siqueira 9
Salgueiro
(109 eleitores)
Dr. Alfredo Correia. 54
Dr. A. de Siqueira 53
Baraode Caar 1
Dr. Joaquim Nabuco 1
Exu'
Nestc collegio deu se uma duplicata. Depois
de se ter reunido a mesa no lugar competante,a
casa da Cmara Municipald'ahi se retirou o juiz
de paz presidente com dous mesarios, e foram iu-
stallar outra mesa ua matriz. A mesa da casa da
Cmara, completndose na formada Iei, procedeu
eleicao, fazendo a que se coustituio na matriz
uma duplcala.
Assim, pos, temos:
Exu'
(eleicao da casa da Cmara, 20 eleitores)
Dr. Alfred / Correia 17
Dr. A. de Siqueira 3
(eleco da matriz, 37 eleitores)
Dr. A. de Siqueira
o pessimo estado em qae ficou a linha depois das
chuvas Jestes ultimos dias, estado to mo, que
prohibe a subida do trem de hoje em diante com
machina grande, de Tapera para cima.
Desse accidente que alias podia ter tido graves
consequencias, nenhuma felizmente temos a la-
mentar, nem mesmo estrago do material; apenas
assim perturbado o servico, atrazaram-se os trena,
o que nSo se teria dado seno no desencarrilhado
se o servico telegraphico nao me tivesse desampa-
rado inteirameute, exigindo que por taita de com-
muuicacoes ficasse o trem de suburbios das 4 e 1/2
que tem de cruzar em Tigipi com o n. 2 all re-
tardado 2 horas.
E' quanto teoho a informar a V. S. sobre o
facto.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Dr. Aristides
Galvo de Queiroz, digno director en 'enheiro
ches.J. J. D. Parias.
eVfiW ae emenda i Apezar das nossas
constantes reclamacoes, o correio da c8rte nSo se
emenda. Ainda hontem tivemos uma nova prova
do seu desaso ou da sua desidia.
A carta do nosso correspondente da corte, pu-
blicada na rubrica Interior com a carta de 19 do
corrente, foi lancada n'esse da n'uma caixa do
correio urbano, e, segundo o carimbo da reparci-
cjo competente, deu entrada no correio no dia 20.
N'esse dia sanio da corte o paquete nacional Per-
nambueo, que devia trazel-a ; e no entanto a car-
ta l ficou, e s nos foi remettida pelo paquete in-
glez de 24, hontem chegado ao Recife !
Aqui registramos o facto para gloria e honra
do correio da corte.
Club Iliterario Digueo Jnior
Fanecionou^o dia 28 de Janeiro- este club fun-
dad' entre os alumnos do Instituto 19 de Abril
em sesso ordinaria sob a presidencia do Sr. Joo
Paulo Carneiro Leo ; forara sorteados e discuti-
ram a theseQual o verdadeiro descobridor do
Brasil : os Sis. Ismael Marques da Silva e Abel
Duai te Pinto ; foi sorteado para ebronista secun-
dado o-8r. Vicente Paula de Albuquerque Mello
e TU cairo dn Variedades-N'este-thea-
tro ser cantada, hoje, pela companhia dyrico-
comica do Sr. Millone, a lindissima opereta de Of-
tembackA Bella Helena.
*rt si a Hechanicos e Liberucs-
Amanh, pelas 10 horas do dia, reune-se em as-
sembla geral, no Lycea de Artes e Offieios, os
membros da Imperial Sociedade dos Artistas M-
chameos e Liberaes, para o fim de eleeiem os
novos funeci olanos da directora para o corrente
anno.
Tbeatro de Olintla -A sociedade drama-
tica.Melpomene Olindense realisa no dia 1 da Fe-
vereiro em s u th atriulio, o espectculo mensa!,
levando scena o bonito drama em 3 actos Dian-
71a de Rione n a 00inedia Um marido victima das
modas.
E' este o primeiro espectculo da nova directo-
ra eleita em 10 do corrente mez, e consta-nos
37 que a mesma nao teas paspada esforcos para que
O resum de toda a votacao do districto, ex- \ elle satisfaca aos associados e envidados.
1*1 IV I A irt l\ i e* rtA ^lJ.^i^...^^- _]_ *J_____ __ __ j______________________ M -m________e* _M ^___ ________________ Bltl ____ __
cluindo ambas as eleicoes do Ex, o que nos pare-
ce m is harmonico.com a Iei eleitoral, este :
Dr. Alfredo Correia d'Olivvira (C) bi
Dr. Antonio Manoel de Siqueira Cavaloante
(L) 486
Pel qu sendo a maicria absoluta de.501, est i
eleito o Dr. Alfreio Correia d'Oveira.
A' proposito desta eleijao dirigirara-nos as
seguintes linhas :
Illms. Srs. redactores do Diario de Pernam-
buco.O Noticiario da Provincia de hoje d
e rao eleito pelo 13' districto o Dr. Antonio Ma-
noel de Siqueira Cavalcante com uma maioria de
10 votos, mas, uao sendo isto exacto, peco Ihes
que se diguem publicar na sua Revista Diaria o
Corridas de carnlloo em Beberlbe
Haver ara anlia i tai 1 corrioas do cavaos
no povoado de Bjberibe.
Comecaro s 4 da 'arle c terminarao ao escu-
re eer.
Hiver pelos menos, iuform ira-nos o prometo-
res desse divertu.euto, seis pareos, novos caval-
los e novos corredores.
ferimenlos urate Ante hontem, s
10 e 1[2 horas da noite, no quad.o de Pa.ire n-
tonio, da parochia da Boi-Vista, a praca do 14
batalhao de ufautaria de u ,me J Porfirio, en-
contrando sentada na porta do seu cubculo a
parda Mara d?, Coucei?ao Calner, perguntou Ihe
que a l esta va fazendo; e, nao recebendo res-
resultado das elcicoes havida3 nos doze coegio3 posta, sem mas tirte nemguarte., deu-lhe uma tre-
que corapoem o districto, e que mostra ter sido j menda eacetada, que Ihe fracturou o crneo,
eleito o Dr. Alfredo Correia de Oliveira, porque,1 Mara Calher ergeu-se para o seu aggressor,
tendo comparecido 1,022 eleitores, obteve elle 531 e cit-' saccando mo de uma navalha que levava,
votos o Dr. A. deSiqunira 489, sendo a maioria | com ella fez-lhe tre* ferimentos, um no pescojo,
absclula 512. outro na caxa toraxiea e o terceiio no veatre.
Tendo comparecido 1,022 eleitores e sendo a \ O delinquonte tratou logo de evadir-se ; e apo-
raaioria absoluta 512, est eleito o Dr. Alfredo lieia, tendo tomado conhecimento do facto, remet-
Co.-reia, visto ter tido 531 votos. ten para o Hospital Pedro II a offendda, cujo3
Corre era Penedo o boato de que os liberaes 'ferimentos foram julgados graves, e communicou
110 Ex, 8eparaalo-se da mesa legsl, que funecio-1 o ajoutecimento ao teneute que estava de estado
d:7er-i' que a lauca rograndense se nao f#i
quebrada, pelo menos, ficou com a ponta torta.
Mas c caso aggr-'.va-se ainda mais tratando-se
do Sr. Salgado, coiiheaido como fidus Achates di-
quelle senador, e um dos seus melhores cabos de
guerra, hora 111 d>. grande influencia uo seu par-
tida, ex-lep:i'adi gara', deputado pe.ivincial, ve-
r ador >la Cmara da capital, provedor da Santa
Casi, inerabro, e creio qu prndente, do directo-
rio liberal, anace da abolicionismo ni provincia e,
finalmente, empresario e director la scena d
das as manifi'Stacoes c ovacoes feitas ao Sr. Sil-
veira dartins quando este regressa da corte.
E nao s isto. Quanlo constou qn o Sr.
S ". e N ivarro, e nao o Sr. Trajano do Mcdeiros,
seria o candidato conservador pelo 2." districto,
o "'r. Slvoiri Marlins nao deu grande importancia
sua candidatura ; mas teve o cuidado de tomar
as suas providencias, fazendo as precisas recom-
nwadaooea. E' sealo quaudo, um doschefes li-
baraaa Jo districto, um Sr. coronel Marques Rosi,
di Oonceieao do Arroio, pede demissao, d claran-
do que retirava-se da poltica.
O Sr. Silveira Martins iuquetou se com o caao
e foi elle mesmo entender-se com o coronel, para
lissuadil-o de um tal proposito,fazendo ihe snitir,
entre varias outras consideraceOee, que nSo era
> licito a nenhum general abandonar os soldados
ua ve=p>'ra da baialha. E porqne o chffe
resignatario nao cedosse, foi-Ihe dada a dispensa
e nomealo outro chefe, timbera coronel,ura Sr.
Rodrigues Saraiva.
De volta capital, o Sr. Silveira Martins, em
uma especie de ordem do da, que fez publicar na
Reforma, eom a sua assiguatura, refe io o occor-
rido e dea conta ia nova nomeacc pira conbeci-
raent-i do partido, nssegiirando, entretanto, que o
resignatario nao havia mudado de partido, e seria
injuria suppor que ello opporia e.nbaracos ae seu
anceessor e amigo, ao quil nao r -cosaria o apoio
do seu voto e do seu prestigio e accrescentou :
< O resultado da eleicao do 2. districto na 1
duvidoso ; era preciso para sel-o, que esta regriq
tivesse p-rdido e brio rio-grandense.
O governo de S. M. o Imperador nilo ama 1
Rio Glande, quer humlhar-uos, fazendo nesta
provincia o que se tem feito em Goyaz, Mutto-
Grosso, Pwuhy, lato rednzir sua pequea re re-
seut:ic,io p ira iiugra-otar a das grandes provin-
cias.
O Rio Grande do Sul, apezar da sua popula-
- riqueza, ds 6 deputados ; Pernambuco d
13 ; o dobro e mais nra do que damos nos. Fosse
eleito o Sr. S rr -Penambueo bearia
com 14, o Rio Gr.-inie do Sul cam 5.
Ser esse partido conservador do Rio Grande
do Sul to desgracado qne nao tenha rio-grau-
p ir r iresentil o ?!
Ctenlo alguns nones de conservadores filhos
d 1 provincia que considera superiores ao Sr. S.
Navarro, cuvclue :
Bam pode por isto ver o eleito-ai >
gio que nao ha risco de perJer se a Meioo 111
circulo, mas curapre que cada locahdade proteste
enrgicamente pola derrota do candidato ollieial,
con:ra o oystem 1 de tutell* que a poltica conser-
va 1 ora quer continuar a raanter.
n isto o que esmero far o eleitorado da Cou
ceico do Arroio. G. da /jilneira Martins.
Ora, se ap zar disto o Sr. Navarro for ele;
por um 1 raiiorii de 188 v.otos, como diz o Paiz de
hoje, como nao tieir prejudicado o prestigio do
illustre chefe, que nessa partida jogou at o brio
rio gran>lense da Couceico do Arroio ?
O negocio, pois, muito serio para o Sr. Silve
ra Martins, tanto mais quauto fundavam aqui os
: s esperanzas uo resultado da elei-
ea> do Rio Grande do Sul, qua figura va na esti-
tistica, de que fallei na anterior, com um contin-
gente poderoso.
Verdade seja que tambera em Pernambueo e
em nutras priviacias aquella eftatistic* vai fa-
lhando. Veremos so em Minas ella nio ser alte-
rada. Do que consta desta provincia nao ha ain-
da baso sufnciflnte para forraar-se juizo.
Nao terminare! sem fallar na derrota tto Sr.
Moreira de Barros, em S. Paulo, que, para quem
nao couhece miudamonte os negocios polticos da
qaella provincia, foi urna verdadeira sorpresa.
Essa derrota proveio, segando disse a imprensa,
de traicao dos eleitores liberaes de Campo Bello.
Para que estes assim procedeseem, porm, dve-
neu ua casa da eain.ua, legar designado fiara
elcic3o e onde se tni procedido s eleicoes ante-
riores, tizeraui urna duplicata, na matriz ; mas
essa eleicao em caso algum pode ser considerada
valida, por ter sido feita contra todos oe proceitos
da Iei.
* Quaii.i > -ii-smo seja julgada nulla tambem a
eleicao proced ia 111 c isa da cunara, o que
inadmnisivel por ter ti lo feta com t:da a legali-
dade, niuda assira tera o Dr. Alfredo Correia 514
.otos e o Dr. A. do Siqueira 486, e, portanto,
mesmo ueste caso est eleito aquelle.
Acerases que a eleie.io d'e Floresta, em que
teve o Dr. A. de Siqueira 39 votos de maioria co-
lore o Da Adre io C n-r a; evidentemente nulla
e nao ple Ser aparaie, por quanto a mesa foi !-
legalmente constitu lu e a eleicao prolongou-se
1 11 horas da noite do da 15; continuando -a
masa os trabalhos no dia segrate era casa do te-
neute coronel Fausto Serafiui d; Souza Ferraz,
como tudo est provado com o protesto qm foi
apresentado e aceito pela mesa, segundo consta
da acta, e cora a juitificacelo que com citaco do
Dr. promotor publico, dos m-rabros d 1 mesa c do
fisoal do Dr. A. de Siqueira, foi dada perant 1 o
Dr. juii de direto interino, que o julgou por sen-
tencia.
. ittoritliiUe-w poliriate* Por portara da
presieucia da provincia de 28 do corrente mez,
sob proposta do Dr. chele de polica, foi nomeado
o cidado Joaquim Manoel do Moura e Silva
para o lugar de. subdelegado do districto de Ca-
tenae do ;- rmo J 1 9 linares ; e para o do 3" sup
a 10 tab lelegado do diatricia d >s Montea do
mesmo termo o cidadao Ein'esto Adolpho de Pava
era substituicao de Francisco Honorato do Valle,
que fica f xonerado.
Porportarit Je igual data foram uoraeados 2
e 3' s.ippient a do sublelegado do districto do
Verde do termo de Boaito os cidados' Florismun-
do Torres Mnr inho e M u >b1 Sabino das Mercs
na ordem em que vo enllocados.
Ferro-via de Caraar.A' proposito, da
coramuuicacao que nos tizeran e hontem a ui pu-
blicamos sob esta rubr'ci, o Sr. Dr. Aristides Gal
vo, digno engenheiro chefe Ja ferro va de Ca-
ruar, reraotteu-nos copias dos seguintes docu-
mentos, que nos aprensamos em publicar.
Prolougamento da estrada de t rro de Pi mam-
buco e estra la de ferro di Recife a C ruar. \'.
1,190. -Escript^rio do Trafego. Recife, 29 de Ja
neiro de I850.
I) parando hoje na Revista Diaria Jo Diario de
Pernambuco, com ura c.inraunicado sobre in
lari i il s do s i-vico lo taafega desta estrada, com
rauuioado do qual s se pode concluir, ou que o
coramunicani'! igoori o qoe se paseou, ou eutao, o
que mais grave, tera. prepsito em faltar a ver
dade, nao sei cora que tira, apresso-me, era uddita
mente ao meu ofiieio u. 1,180 de 26 do corrente, a
cxpr a V. S. 1 jae se deu.
Chegaudo o trem dai 4 1/2 a Tigipi, onde tinha
de cruzar com o da Victoria, esperou por elle
verdade > o 1, porque o telcgr.-pho que na i Ver-
dade estar iraprestavel, era o telegraphista nao
ter capaeidada, nao se pode oomannicar com Ja-
boatiio p >i- estrem as nootras al edea. fallando e
assim interrompida aoan)aiuaicacao,e qua foi real-
mente irregular e sobre o que ji se providen-
CluU.
Nao exacto qu.' depois d'cssa demora o trem
partisse na incerteza, elle parti cora liecnes
apho at Jada por mira do Recife, portanto,
ni 1 corrern) aoa pas:ageiros risco e nem se-
guirara na duvida, pois, to los tiverara bem eerteaa
da licenca q*X; Tigipi receoeu. Nao ainda exa-
to que no dia seguinto tiv-sso q trem outra vez
esperado 1 lioni, 1 demora n'esse dia foi apenas
de 15 m > com lioenc '
Quanto a falta de provideucia.;, nada direi a
V. S. qu melhor do que o commuuicante do Dia-
rio rae eonheoe e sabe de que modo encaro o cum-
priraeuto le incis deveres.
Desde hontem e em vista do atraso indispensa-
vel ao trem Ja Victoria, eraquanto a linha nao
estiver perfeiti, ordenei que o cruzamento d'csse
trsm com o d u 4 1 le faca era Jabuato.
B' quauto tenho a informar a V. S. sobre esta
fact".
Deus guarde a V. S..Illm. Sr Dr.,Aristides
Galvo de Queiroz, digno director engenheiro
caefe I. J. D. Farias.
Prolongameoto da estrada de ferro de Peenam-
buco e estrada de ferro do Recife a Caruar N.
1,180.Escriptorio do trafego. Reeife, 26 de Ja-
neiro d" 18861
Tenho a houra de levar ao conhecimento de y.
S. que hoatem o trem n 2 que parti da Victoria
s 2 horas e 55 minutos, ao cheirar a Bento Velho
desenoarrilbon o tender da machina, tornando a
deeenearrhar d-pois na pageagem do corfti 160,
prximo de Tapera. Den cansa a esse accidente
; no quartel do 11'. Este mandou algumas pracas
em procura Jo criminoso, mas nao nos consta que
o teuham encontrado.
dulzo de paz da fregueala de *
lo AntonioAcha-se no exercicio do cargo
de juiz de piz desta fregaezla o Sr. major Antonio
Bernardo Quinteiro, que d audiencia s tercas e
sextas-feiras de todas as'-serainas, s sala res-
pectiva, ra do Imperador, despachando em
qualquer parte onde for encontrado. *
Em IranaitoO paquete Neoa levou hon-
tem para a Europa 83 passageiros, sendo 3 toma-
dos em Pernambuco.
O paquete Equateur levou com o me rao des-
tino 152 passageiros, sendo 12 tomados em Per-
na nbuco.
DinheiroO ,0 iquete Neva trouxe para :
Div- rsos -- 200:000*000
O mesmo paquete levou para :
Portugal 80
O piquete Pernambuco levou para :
Parahyba 14:000*000
Bio Grande do Norte 1:000/000
Cear 25:000*000
iNtpisiaoo eserava de s. Paulo
Estatistica recen^ementu organisada registra o
seguinte movimento da populacao escrava de .
Paulo, a contar do encerramento da matricula es-
pecial (30 de Setembro de 1873) at 30 de Junho
do anuo prximo passado :
Escmvos inscriptos na matricula especial 166.427
Entrados desde entao uo3 diver-
sos municipios ..... 77.585
Sabidos no mesmo periodo 42.744
Maior numero de entrados.
Populacao matriculada e iverbada .
.\o periodo cima mencionado diminuio
aquella opulaeio pelas seguiuees cau-
sas :
bitos........
Alibrrias.......
Total .
PopnlacSo a 30 de Junho ultimo
47 998
153.O70
popu-
subdivdindo se do seguinte molo a mesma
laco em relaco aos sexos :
Do sexo masco lino.......87.050
Do se*o femiuino.......66.220
As 16,299 altoirias classifioam-sc do seguinte
mudo :
A titulo oneroso........5.168
A titula gratuito.......11.131
Reerera so estes dados a 109 municipios, fal-
t .iei 1 nf.irraacoes a respoito de tres onde a popu-
laba escrava mu pouco numerosa.
E' notoria a raperfeiciio de taes e tatisticas.
Alm das lacunas que sao para attribuir aos da-
los loeaes, sabido como sao numerosas as omis-
0 largo periodo de 12 annos
rido os Droprietarios, deixando de com-
muniear s estates competentes, uos prazos re-
sres, bitos, alforrias e mudaoja de do-
> dos ercravos. Attendeudo a estas omis-
i=iileranJo que muitos escravos deixa-
ram de ser dadoi nova matricula, adquirindo
ipso facto o goso da liberdade, pode espirarse
icerrada a u va inscripcao, nao exceder de
135,00) almas a popalacao escrava da. provincia
de 8 Paul dedsidoa na forma da Iei, consoli-
; ie sao d> sle logo os q:;
at entao a idade de 60 anuos
'Noticia siibii- a-, co eiarcuN da pro
viiKi.i u. Piauiy TclepJum^e
Tiiereziaa, da 1 do corrente :
O illustre Sr. Francisco Augusto Pereira Ja
OSta, 1 x-secref BOa, na 3ua curta
estada entre nos, eiedendo aos impulsos do seu es-
pirito lave sobremodo iufati., avel, le-
gou-os om trabalho de subido merecimento, a que
deu o :no -esto titulo de Noticias sobre as comar-
cas da provincia do l'iauhy.
E' um apnhado de importantes apontamea-
tos para a 11033a historia, que ter de servir de
bus8ola qoem tirar, mais tarde, de tomar-aos
hombros essa patritica tarefa.
Publicado cemo apenso ao relatorio eom que
o ex presidente desta provinca, o Exm. Sr. Dr.
Riyinuuio Theodorieo de Castro e Silva, abri a
2> tesado or linaria da Assembla ProvincialjHto
da 1 de Junho ultimo, e em tolhetus, em nnmero
assaz limitado, o importante trabalho do Sr, Pe-
reira da Costa nio est por isso ao.alcance d to-
dos, como t$ra para desfijar, desde que, sendoXco-
ino de inconfestavel utilidade. a todos iuteres-
sa grandemente.
' Julgand o da maior conveniencia torial-o-go-
nhecido quanto possivel, vamos, com a devida ve-
nia de sen illustre autor, publical-o .por partes no

i

t.
1
i
V
ILEEfVEl
**
-



r

Diario de PeniiuiilHH'?-~Sabbado 30 de Janeiro de 1886
i
nosBo jornal, naseccao especial, que para ease
fm abrimos no presente numero. *
Iell*eaiICtIuusuar-so-ftao :
Hoje :
Pelo aitente Bruto, as 10 1/2 horas, 4 ra do
Apollo n.~33, do estabelacimeuto ah sito.
Pelo miente Outmao, as II horas, na na do
Marqueide Olinda n. 18, da-miadesas e quinqui-
lharias.
Segunda-reir :
Pelo rente Cfusmao, s 11 horas, no hotel do
Universo^ aa roa do Commereie n. 2, dos movis,
toacas vidros ah existentss.
Qua rta-feira t
Pelo agente Gusns, as 11 horas, na roa da Li-
vramento n. 21, da armaca-> e varios utensilios do
estabeleci ment ah sito
Peto agiente Brito, as 11 horas, na ra do Im-
perador n. 24, de predios e terrenos.
Miaa fnebres-Serio celebradas :
Hoj* :
A's 8 horas no Espirito Santo, e na Conceicao
do Bonito por alma de Manoel Antonio Soares da
Fonseca; as 8 horas, no Carmo, por alma de D.
Thereza Goncalves de Jess Asevedo; s 8 ho-
ras, na matriz de Santo Antonio, por alma do co-
nego Antonio Marques de Castilha ; as 8 horas,
na matriz da Boa Vista, por alma do Dr. Fortu-
nato Barroca.
Segunda-rera :
A's 8 horas, na Ordem 3.* de S. Francisco, por
alma de Antonio Albino Groncalves Rosa; s 7 1(2
no Corpo Santo, por alma de Manoel Jos dos
Santos ; s 8 horas na matriz da Boa-Vista, por
alma de O. Clarinda Diamantina de Araujo Ro-
mero ; s 6 bocas, no Terco, por alma de Joio
Ferreira ; na Madre Deas por alma de D. Fran-
cisca Casimira da Cruz Mesqaitta : s 8 horas,
na capella do Asylo de Mendicidade, por alma de
Mansel Jos dos Cantos.
Joanna Evangelista 8oares Raposo, Pernambu-
co, 42 annos, casada, Otaca ; fbre typhica
Joanna Antonia dos Santos, Peruambuco, 44
annos, casada, 8. Jos; trberculoe pulmonares.
Thom Feliciano da Silva, Graca ; ignora-se.
28
Geraldina Mara 4a Conceicao, parda, Parahy-
ba, 23 anuos, casada, S. Jos; volvo.
Jos, pardo; Pecnambuco, 8 alezos,1 Recite ; en-
tente.
Josepha Mara do Espirito Santo, parda, Per-
nambuco, 23 annos, solteira, Recite ; fysica.
Joo Faustino da Silva, pardo, Parahyba, 30
annos, viuvo, Boa-Vista ; lesao cardiaca.
Mara, preta, Pernambuco. 5 meses, Santo An-
tonio; menegite.
Thereza Eitella Mara de Jess, parda, Per-
nambuco, 73 annos, solteira, Boa-Vista ; diarrhea.
Mana Luiza, preta, frica, 90 annos, Boa-Vis-
ta ;pela subdelegada.
Venancia, parda, Parahyba, 26 annos, solteira,
Boa Vista ; ulceras.
Josephina Vidova, Franca, 43 annos, casada,
Graca ; febre puerperal.
Jos, branco, Pernambuco, 18 mezes, S. Jos ;
quemaduras.

INDICARES UTEIS
Quar.a-feir& :
As 8 horas, na ordem terceira de S. .Francisco,
por alma de Antonio Albino Goncalves Rosa.
PassaxelrosCbegados dos portos do sul
no vapor francs Equateur :
8. Gr3orges, M. Dranlest, H. C. Netto, Joaquim
G. Maia, D. Morello, Eulalia Jacintha Guimares,
Olympio F Lopes, S. Bender.
Sabidos para a Europa no mesmo vapor :
Antonio P. Das Jnior, Julie Jerwitz, Joaquim
M. Guedes, Jos Mara Bastos, Antonio Vioira,
Joaquim Moreira Ribeiro, Francisco da Silva,
Emilio M. Alonso, Antouio Vidal Barros, Severo
Pina, Antonio Duarte Gomes.
Chegtkdos da mesma procedencia no vapor
ingles Neva :
Padre Luiz Jos de Araujo, Henry Ernest Lan-
ce, Dr. P. de Gusmo Fcuseca.
Sahidos para a Europa no mesmo vapor :
Joaquim A. Pereira, N. Jessen, Antonio D.
Campos
Casa dr Uelenrio Movimonto dos pre-
sos no dia 28 de Janeiro : .
Existiam presos 335, entraram 11, sahiram 5,
eztem 341.
A saber:
Nacionaes 309, mnlheres 4, estrangeiros 5, es-
cravos sentenciados e processados 13, ditos de cor-
ree-cao 10.Total 341.
Arracoados 314, sendo : bons 302, doentes 12
Total 314.
M'ivimento da enfermara :
Tiveram baixa :
Joo Ferreira da Silva.
Zeferiuo Jos da Silva.
Tiveram alta:
Jos Nuncs da Rocha
Manoel Autunes de Aodrade.
Lotera da provincia Quinta-feira 4,
de fevereiro, se extraiiri a loter,; n. 34, em bene-
ficio da matriz de Rio Formoso.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceicao dos Militares, se acharao expostas as
ornas e as espheras arrumadas em ordem nume
rica, apreciaco do publico.
Lotera de Macelo de OOtOOOgOOO
A 13' parte da 11 lotera, cujo premio grande
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extrahida
impreterivelmente no dia 3 de Fevereiro, s 11
horas.
Os bilhetes achain-se a venda na Casa Feln
praca da Independencia ns 37 e 39.
Lotera do Blo.A 2- parts 195 do plano
novo do premio de 100:000*000, ser extrada im-
preterivelmente no dia 3 de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera do Ceai-a de 8:00*00-
A' 2a sene d'eata grande lotera, cujo maior pre-
mio de 250:000*000, se extrahir mprotervel-
mentc no dia 3 de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da corte Es os ns. mais pre
miados no sorteio de 23 de Janeiro da 1' parte da
26* lotera (195 A) em pro do Instituto dos Meni-
nos cecis e sardos-mudos : .
najaos de 100.000*000 a 1:000*000
Medico
Conaaltorlo medico cii-urgU-o do Dr.
Pedro de Attabyde Lobo Hoscoso a
roa da filorla n. 89.
O doutor Moscozo d consultas todos os
das uteis, das 7 s 10 horas da manha,
Este consultorio offerece a ODmmodida
de de poder cada c'oente ser ouvido o exa-
minado, sem ser presenciado por outr.
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreao pra-
ca do Commercio, onde funcciona a as-
peccao de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poder Jo ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas
O Dr. Acibiaies Velloso continua a ter
consultorio, na sua antiga sidencia,
ra do Bario da Victoria 45 1* andar.
D consultas das 7 s 9 horas da manha
e acole aos chamados a qutlquer hora
Pratica operaedes.
Dr. Miguel Themudo mudou seu cnsul
torio e residencia para a ra da Imperatriz
andar, ondo d consultas das 12
Resta pois que os liberaos vencidos e convenci-
dos se cubram do vergonba e deixem que o paiz
prospere sob aiaencia das ideas oonservadoaae.
Cuinprt-an inacrever sobre a Ijusatuinalar dot
lberaes, qwederappareeoram da poltica, o se-
guate epwaphio :
Aqu jas o partido liberal que viven urna vida
ingloria, fazendo promesaas utopistas que nanea as
pode realiasar, a desmanchndose, nurreu ligan-
do a seufadversarios urna situaeioohfficil o cotn-
promettedora.
4 Districto
10107
8864
1311
170B
11761
1447
3895
6104
6504
7482
9334
10106
10108
8863
8865
1310
1312
1707
1709
11750
11752
irmoxiiucoES
100:000*000
20:000*000
5:000*000
2:000*000
2:(j00*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*090
1:000*000
1:000*000
1:000*000
6:000*000
6:000*000
4:000*000
4:000*000
3:00.1*000
3:000*000
3:000* 00
3:000*000
51
894
999
1090
578
2104
4037
5819
7659
8823
10915
1879
2758
3646
1463
2171
2697
4294
811
2112
4230
6481
8169
8887
10838
PREMIOS DE 500*000
5594 8394 2741 13007
7627 8797 9958 13440
7776 9121 12741 13491
PREMIOS DE 200*000
4765 8701 112% 12231 13832
4898 8803 11363 12683
5334 10886 11616 13120
8066 10950 11932 13477
PUEMIOS DE 100*000
1108 1559 1579 1669
2898 2927 3486 3697
4874 4960 5286 5577
6760 6834 6848 7563
8437 8591 8720 8821
9479 9532 10124 10149
10945 11080 11507 11845
12155 12455 12718 3647
11934 11950
13658 13740
Mercado Municipal de S. Jos.O
moviutento deste Mercado no dia 29 de corrente,
foi-o seguinte:
Entraram :
28 bois pesaudo 4.881 kilos-
956 kilos de pcixe a 20 ris 1*J120
15 taboleiroa a 200 res 3*000
36 cargas de farinha a 200 ris 7*200
10 ditas de fructas diversas a 300
xis 3*0)0
7 Sun*a.2O0 ris 1*400
Fortn pceapados;
19 columnas a 600 res .11*400
44 tainos de. caoo yjjrde a ,1*000 .44J000
20 ditos de ditos a. 2* 40*000
iS compartimento* de taiinhs e co-
midas a 500 ris 21*500
65 ditos de legurnes a 400 ris 26*000
17 compartimentos de suino a 700
ris 11*900
14 ditos de iressuras a 600 res 8*400
n. 14, 1.
bons s 3 da tarde e recebe chamados a
bualquer hora. Especialidades partos, fe-
bres, syphilis e molestias do pulmao e co-
racio. a
Dr. Barreta Sampaio d consultas de 1
s 4 horas da tarde, ra do Barao da
Victoria a. 45, 2 andar, residencia ra
do Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Henrique M,et. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Encarrega-se de questSes
as comarcas prximas as linhas frreas.
Dr. Ferrer, ra do Imperador n. 79,
1. andar.
D<~. Oliveira Escorel, 2. promotor pu-
blico, tem seu es'Tiptorio de advogacia na
ra Primeiro de Marco n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogado -
ra do Imperador n 37.
Corte Real, ra do Rangel n. 55, Io
andar, escriptorio e residencia.
Madanra de consultorio
O Dr. Adriao avisa aos seus dientes
que mudou o s : consultorio para a ra do
Queimado a. 46, 1. andar. Consultas
todos os dias das 11 s 2 horas da tardo
rogarla
Faria, Subrinho & C, drogustas poi
attacado. Ra Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Suva dk C, depo
sitarios de todas as aspeasatidades pharm
ceutifas, tintas, drogas, productos chimic i
e medicamentos homoBopaticos, ra do Mar
quez de Olinda n 23.
Botica francesa e drogara de Bou
qsavrol Frre. laccessores
A. de Cao s
Neste estabelecimento fundado desde
1821 encontra-se os productos chlmicos
drogas, tintas, leos, pinceis, vernizis das
melhores marcas ; todas as especialidades
pharmaceuticas dos legtimos autores, um
variado sortimento"' de fundas c aguas mi
neraes, os granulos dosimotricos de Burg
grave e productos especlaes da Flora Bra-
sileira. 22 ra da Craz, Recife.
aterrarla a Vastar
Serrara a vapor e officina de car apia
d Francisco dos Santos Ma:edo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande rstabele-
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, comprase e vndese madeiras de
todas as qualidades, serra-so :nadeiras de
conta alheia, assim como seprrparam obras
de carapira por machina e por precos sem
competencia.
196*920
Deve ter sido arrecalada neste dia a
quantia de
Precos do dia:
Carne verde a 320 e 480 lis o kilo
Suinjs a 640 560 ris idem.
Carneiro a 900 e 600 ris idem.
Farinha de 320 a 600 ris a caa
Milho de 36 i a 300 ris dem.
Feijio de 8(0 a 1*280 ris idem.
saiadsni* Pns-lico. Feram abatida*
no Matadouro da Cabaaga 72 res* pare o consu-
mo do dia 80 da correte mes.
Cemlterlo PublicoObituario do dia 27
d i Jwaeiro :
Quenno Jos dos Santos, Pernambuco, 58 an
nos, casndo, 8. Jos; congest&o cerebral.
Mano 1 Raposo d'Almeida, Portugal, 53unes.
casado, Boa-Vista; hemorrhagia cerebral.
Manee), Pernambuco, 3 m^ei, Santo Antonio ;
entero eolile.
Manoel, Pernambuo, 3 meses, SansS-Antonio ;
g astro eaterite.
pdbl::acOes a pedido
A victoria das ornas
Quando em Agosto do anno passado o partido
liberal, consco de sua impotencia para governar o
paiz, havia constitucionalmente sido apeado do
poder, os homens polticos e os jornaes que publi-
cara jj esta noticia disseracoo partido liberal nao
cabio, desmanchou-se.
E' que a lgica dos acontecimentos tinba de
realiasar esta verdade.
Agora que o paiz acaba, em pleno goso de sua
Uberdade, de manifestar-se, v-se claramente que
o pf.rtido libera1 desmsnebou-se e que, ou corrido
de vergonha concentrou se para mais tarde fuudir
suas ideas e apresentar se ao paiz com outros
principios, que tazendo esquecer o seu passado con-
demnado pudesso anda Iludir a naca), ou conhe-
cendo a sua fraqueza e a superioridade das ideas
de seas adversarios havia por um rasgo de patrio-
tismo (abnegaco difficil para lberaes) quebrado
todas as suas armas e cedido o campo poltico
seas adversarios* os conservadores.
Sim, de todo o pais cueg i nvticia da derrota
dos candidatos lberaes, ain ia n aquellas provin
ca ia que se acredita va dominar a poltica libe-
ral a derrota dslles test ido completa.
Como se peder traducir essa maasfJBstaco seaao
polas coBsideraoies apMsastadas.
E^.por isto que o jorobes que se dseut seutioe
como a Gazeta de Noticia* eo Pase coosssam que
a victoria das urnas, que aorreu em.plena Uberda-
de, devido a nada ter operado o partido liberal
dura ate o se te annos do seu dominio e aos sent-
meatos instintivamente conservadores da pari-
do paiz, que prefere man ter suas instituicoes a
vl-as arriscadas cm melhoramentos que chama-
ntos utopistai.
O paiz acaba da coademnar a politioa liberal e
significar pl na t laxamente que t es conserva-
dores podero salva-lo da anarchia e banca rota,
que se va ameacado.
Nao toi a forca do governo que determinou esse
resaltado, por isso que os tactos e a grande inao-
ra da victoria demonstran) o contrario.
Em Pernambuco onde assistimoa o plsito fot elle
o mais livre que se pode imaginar, as seccoee elei-
taraes pareciam reonioes amistosas em que os ad-
versarios se davam asomaos contemplando a liber
dade ; urna s gotta da sangue nao fas derramada,
nem urna 6 desordem sequer se vio levantada ;
entretanto 4e 13 deputados que di esta provincia
j 10 conservadores toram eleitos cosa granda
maioria.
O condidato hercleo do part io liberal, api zar
de ter P4Q.pasado o seu districto com.nma maioria
pbosphorica, val a 8 eaarutinio ; da um aiodase
nio sabe o resultada* a#nuolibrai eleito o foi
cm os votos de conservadores dissidentes !
E'ste ojesnltado do.j)leito eleitoraj em Jodo
e-pais.
Nao pude partir hoje para Gnyanna, conforme
annunciei, tao cedo como pretenda ; tive anda
tempo de 1er o artigo do Sr. Dr. Maciel Pinheiro,
hoje publicado, e que me impoe a obrigaco de
di-ixar esiriptas meia duiia de linhas para serem
dadas estampa amanha.
O phantasma da romoco contina a perseguir
o Sr. Dr. Maciel Pinheiro ; com a sua remoco
que comeca e que remata o seu artigo de hoje,
essa remoco que, obedeoendo versatilidade das
suspeitas do juis de direito de Timbaba, ora foi
negociada ha seis meses, ora um comprouiisso
por mim agora contrahido, ora, finalmente, ser
devida ao Dr. Pedro Correia, digno secretario da
presidencia
Entretanto, quando o facto se der, si, afinal, a
decantada remoco so verificar, s propria
consciencia que o Sr. Dr. Maciel Pinheiro deve
pedir ezplicacjs.
Nao posso deizar de notar e de tornar bem sa-
liente, o que alias nao ter escapado perspicacia
do publico que tem lido os artigos do Sr. Dr. Ma-
ciel Pinheiro, que esse magistrado, que nao po-
ltico, que nao pertence a nenhom dos dous agru-
pamento de traficante desU paiz d> analphabetos
e de eseravos, que est procedendo no negocio, com
3ue anda agora to atarefado, com a maior isenco
e animo e sem a mais leve inspiradlo do espirito
do partido, est empenbado n'um trabalho surdo e
Seitoso, visando desintelligencias entre mim e o
lustre chefe conservador de S. Vicente, o capi-
to Francisco Cabra! de Mello Cavalcante.
Nesse intuito, o Sr. Dr. Maciel Pinheiro chegou
at ao ponto de explorar a circumstancia de ter
alguem, que tomou nota de uns brindes feitos em
um jantar, emprestado ao Sr. Francisco Cabral o
tratamento de tentnte-coronel, quando elle ape-
nas capito, e como tal fo tratado pelo rneu- amigo
Dr. Joo Baptista, na occasio em que brindou por
elle.
Tenho f em Deus que terei de ver o Sr. Dr.
Maciel Pinheiro cheio de descosto e de arrependi-
ment por ter perdido o sen tempo nesse poaco
louvavel empenho.
Nem se persuada o Sr. Dr. Maciel Pinheiro que
procurar.'! subterfugios pira evitar u realisaco
desss plano, como 8. S. procura geitos para enea
minhal-o. Nao, nao sei fugir a qaaesquer respan
sabilidades, quando tenho de arfirmar a verdade e
quando me cumpre defender amigos.
O Sr. Dr. Maciel Pinheiro, no intuito maligno
de preparar urna accusaco aos raem amigos Dr.
Pedro Correia e major Leodegario, recorreu a
urnas perguntas e respostas ao Sr. capito- Fran
cisco Cabral, desticaiaa,-distanciadas, com visos
de despretenciosas, para, afinal, tirar urna conse-
cuencia conforme aos seus projectos.
Formulada urna pergjnta clara, precisa, franca,
o Sr. capito Francisco Cabral nao ser capaz,
estou certo, de envolver os nomes do Dr. Pedro
Coi rea e do major Leodegario, em um plano em
que elles nao entraram, e contra o qual, que alias
nao foi proposto e a que incidentemente se refer i
urna prssoa presente protestamos eu e os amigos
que me acompanhavara.
E, quando assim nao procedesse o Sr. capito
Francisco Cabral, hvpothese que repillo, porque
taco desee cavalheiro o melhor conceito. eu nao
duvidara oppr a minha sua palavra, avivando
sua memoria para commigo restabelecer a verda-
de dos fnetos.
Concluindo, assevero que o major Leod gario,
pelos bons crditos de que gosa, est cima de im-
putacoes da i rdem da que Ihe feita pelo Sr. Dr.
Maciel Pinheiro, e repito o que j tive occasio de
dizertaes imputaces nao attiugem a pessea e a
reputaco do Dr. Pe^ro Correia ; este anda
muito moco, para j estar estragado, j tem dado
de si a melhor copia, para ser suspeitido de actos
menos dignos.
Recite, 29 de Janeiro de 1886.
J. Juvencio Ferreira de Aauiar.
So o descont dos atilbos varia da urna safra
para outra, por culpa dos senbores'brnecodores
da canna, que, innocentemente, ora faiera feixes
peqaeniaos de modoaqae um *rgou wntm maior
eumero, e poctanto nsaior quantidade de atilbos, e
ora fecham os olhos com 2 ou 3 gamos de bandei-
ra, augmentando assim o peso.
Pasea vamos casualmente, em dias de Noverabro,
pelo engenho ontral do Oabo, e encontramos fa-
sendo-sa urna experiencia para determinar o des-
cont dos atrlhos, e, se a memoria nao nos faiha,
aehavans-se piesentes os 8rs. gerente geral, ge-
rente da fabrea, engenheiro fiscal, Visconde de
Campo Alegre, seu filho Dr. Felppe e o Dr. Pau-
lo de Ama ral Salgado, .iuc, depois de verem o re-
sultado, concjrdaram em que a dedueco fosse de
4,77 /.,. ^
O engenho de Cuyambuca anda nao terminou
sua safra, porque os senhores fornecedores nSo
podora entregar a quantidade de canna requerida
pelo gerente.
Finalmente lembratnos ao oficioso informante
que conselho e rap s se d a quem pede .
\KCROi,o(ii.i que em memoria de
sea querido Irm&o Fortunato Fia-
vlano do Bego Barros, otTereee a
seu alTlIctoe Istconsolavel pal, esta
tesiemunbo de saudade, amor
fraternal e veneraco filial
SEC ONDOI.NNTE FII.IIO
Eduardo
Recife, 30 de Janeiro de 1886.
Mourir n'est pas mourir; mes amis, c'est changer!
Nous fumes la vie enfantes avec peine ;
Et-eet haureux trepa, des faibles redout,
Nest qu'un enfantemente l'imtnortalit!
Ijtmartine.
Oh I triste humanidade !
No palco gigantesco do universo, qu< mosqui-
nho o papel que representas!
Olhas-cima, vs a magestade em seo portento;
olhas abaixo... o que vs ?... a mesma natureza
rica de explendores.
Escrava submissa e tmida caminhas lentamen-
te em busca do destino, trazendo na fronte o em-
bleca da dr. Fatal heranca que te legou o proge
nitor?
Cada passo_que das mais um corpo que cabe, e
inuitos coraces que st dilaceran).
Aliis urna vez se abre a trra, e era suas entra-
nbas oceulta o corpo, que nao mais se ergue.
Q i de angustias nao restam, porm, aesaea co-
rado "s despedacados, que unidos confundein suas
dores n'um s pranto.
Ser longo eeu penar, se em breve n morte nao
vier por um termo, e allivial-os.
AO
toral io 8'
Sendo um dos candidatos ao 2* eserutiuiu na
eleico que no da 31 do corrente mes tem de pro -
ceder-se neste 8o districto, venho declarar ao dis-
tincto corpo eleitoral do mesmo districto que, por
causas que nao Ihe sao desconheeidas, desisto de
minha candidatura.
Nesta occasio, me grato, altamente reconbe-
cido, confess ir-me, a commisso de meu partido
pela incluso de meu humilde nome na chapa que
confeccionou, honra que muito penhorou-me, m-
xime, nao a tendo eu solicitado ao digno eleitorado
do districto, igualmente grato me conft-sso pela
votaco com que distinguo-me no Io escrutinio.
A' todos os protestos do meu mais subido reco-
nhecimento e seguranca da enntinuacao dos meus
fracos servicos em prol dos interesses do partido.
Minas-novas, 29 de Janeiro de 1886
Antonio Venancio Cavalcante (TAlbuquerque.
6 districto eleitoral
Estou muit grato ao eleitoradj do 6' districto,
que elegeu-me deputado provincial.
O resultado de minha eMco urna prova da
dedcaco de amigos que souberam corresponder
a ) appello que Ibes fez a coinmisso eaoarregada
da or^anisaco da chapa conservadora.
Eternamente reconhecido aos amigos, que me
elegeram espero dar omprimento ao mandato com
a devida lealdade.
Recife, 23 de Janeiro de 1886.
Jos Doraingues da Silva.
Nunes Hachado
No dia 3 de fovereij;o, (por ser o dia 2
santificado) ser celebrada urna missa com
memento na forma dj costume, es] suffra-
gio s almas dos finados patriotas Dezem
bargador Joaquim Nunes Machado e seus
eompanheiros raortos no dia 2 de fevereiro
ds 1849; pede se o compareciinento de to-
dos os libantes es amigos d'aqsealo: finado
Pezembargader: a qual teca lunar na .ma- ain*-BaiN-*iapowibuitado pela .distancia em que
;, a q._. ,, i ^ i se achava de abracar aquelle corpo outr ora ruous-
triz de Santo Antonio.
ha
S h vas da ma-
Te Central Sngar Faetones of
Brasil, Limited
Nio deve passar tem reparo dos agricultores,
que pretendem fornecer cannas a easa companbia
o artigo anonymo publicado no Jornal do Recife
de hontem, assim como tambem a ignorancia do
officioso intormante.
NSo ha motivos puja se ter receio de que a
companbia nao colha a safra contratada, u> tem-
po fizado.
Se a companhia nao prolooga os seus transways
ppr todos os partidos dos ongennos contratados,
pprque disto s Ihe resultar prejuiao. De que
ssrve prolongar o ramal de Garap. ou mesmo
costruir novos para osse eogenho que na safra
passada apenas forneceu 8*),000 kilo grammas
de canna ?
Nao basta que a lnha-ferrea ebegue a cerca
de 50 mtiido engenho T
Se os proprietarios julgam os seus terrenos
bons, e nelles nao plantam porq je fieam um pouco
distantes da linha dos trsnsjswrn iinn a astaattus
tas, estabelecarc trilhosDecauville ou mesmo
concorram com parte, das despesar, que a compa-
nhia constituir a* linhas ferrosa exigidas.
II* 30 dias que repoasa em leto sepulchral aquel-
le que em vida chamara se Furtunato Flaviauo do
Reg Barroca.
A morte inexhorau-l em suas le s descarregou o
golpe fetal de sua lamina sobre um filho querido,
um irmo dilecto e um cidado correct) e exem-
plar.
Quando o futuro se mostrava risonho e p recia
abrir Ihe as uzas como doce refugio, cis que vem
o negro desengao e arroja-o, com seas sonhos e
verde: illiisoes. n i mando lern-tumulo.
Contava apenas 28 -annos!!!
Quando sua f tmilia principiava a colher os fruc-
tos da arvore plantada, e eom tanto esmero culti-
vada por um bom pai e excedente cidado, soffrer
duro e cruel golpe veudo esta arvore antes de tem-
po arrancada em suasraizes!
III usos deste mundo!! I
S Deus real, e a eternidade e fi.n de nossas
aspiracoes.
Tu lo o mais passageiro, p nada!
Era o fallecido natural d'est* provincia, onde
naaceu em 23 le desembro de 1857, filho legitimo
do coinuiendador Antonio Valentim da Sdua Bar-
roca e de sua primeira mulber D. Mara Alexan-
drina do Reg Barroca.
Ap izam irte de sua me en 1868, se3uira com
seu p>i Earopa e all estudara era Lisboa o cur-
so de preparatorios.
Em 1873 indo este all buscal o foi, em sua com-
panhia para a Blgica, onde na Universidade de
Qrand se forraou Engenheiro Civil no anno de 1881;
grangeando desde logo a estima e oon ideraco de
seus collegas o professores.
Em 1878 eoroado com os louros que alnejava
udquerir, voltou sua provincia natal, sendo logo
cinpreg-ido na estrada de ferro d Recife ao L-
moeiro, ondo praticou sob as instruccoes de dis
tinelo e abalsado Mr. Elit.
D'ahi passou para a estrada de ferro do.Recife
a Caruar, oacle conservou-se atobter lugar Ha
estrada do prolonga ment do Recife a S. Francis-
co.
Nesta ultima prestou relevuutes servijos, nao
poupando sacrificio e estorcoj para o prsgresso e
adiantamento das obras, como seus collegas e su-
periores poden) attestar.
Para prova de suas habilit.'.coes e perpetuidade
de seu nome, basta mencionar-se o importante t-
nel de M&rayal, construido (em cuma) sob sua d-
recfo e fiscal i saclo.
Monumento de sua gloria!
Dexeia ser aili sea tmulo; porque duss vezes
salvou-se quasi milagrosamente!
Fantico pMo trabilho a profisso qae abracara
jamis os perigos e as intepe es embargaram-lhe
os passoa, c jamis na execuco de obras a seu
cargo fora condescendente com os executores. .
Victima do trabalho e do dever, falleceu em con
seque i: ca de urna cougestao cerebral, que 3 acom-
metteu na volta do servico do corapo; qual re-
sisti por algum tempo com o vigor proprio damo-
cidade, para depois ir defiuhando at exhalar o ul-
timo suspiro no dia 1 do corrente mez e anno
Morrea louge de seu rstremoso pa>, que naquelle
tempo visitava a provincia de 8. Paulo ; mas aps
os conforto dn religi > christ, no regaco de sua
Juerda irm o da madastra que o amava e consi-
erava como a seus proproe filhos.
Arneao de trato, modeste, earativo, seloeo, intel-
ligente, esforcado e probo, era to querido o esti-
mado de seus collegas, como se itmao lora, de seus
superiores eooso filho e bom amigo, e daquelles a
quem eoccorria, com un modelo de pbilautropia
christ.
Todos lamentara e se coudoem de tao peno llu-
ra morte...
Ha dore i que nao se podesadifinkiseuoAoiren
do-as : dores que qurbram urna por urna as fibras
do coraco do homem, e fal as gemer em som plan-
gente e triste, por teinpos>.intarminaveis.
Tal a que ente um pai que v os filho naacer
e depois de erial-o, de sacrificar se pela sua eduu..-1
cae de tazel-o homem perfeito pelariostrucco con
selhos e bons exemplos, recebe a triste nova de sua
morte ; vendo assim destruidos completamente os
projectos brilhantes de luz e esplendor, que com sigo
ruuinavaparaetafcuvp do filho e da/ familia 1
harstoniosas pecas da mnsica do 2* batalho de
int'staria, para ^anunciar aos'habitantes desta
heroiea cidade a veepera do dia em qae os filhos
da-Mi da Deas, tributam homenagem a sacro-
sasta m milagrosa Senhora da Luz.
A's"5 horas da tarde-hastear-se-ha o estandar-
te da mesm Senhora, sendo acompasoado ao
mastro por innocentes meninas trajandaivestes
apropriadaa ao acto, tocando nesta occasio a re-
ferida msica.
Dia 2
A's 4 horas da madrugada, depois de celebrada
no altar da padioeira urna missa em intenco dos
devotos que concorreram para esta festividade,
ser despertada a populaco por ama salva de 21
tiros, seguida de diversas garandlas de fogue-
tes, ao toque da alvorada pela supiadita banda
marcial, para se. avisar que raiou o dia cm que os
verdadeiros atletas do christianismo, exultam de
satisfaco, pois o dia em qae a igreja catholica
commemora o nome d'aquella que sendo escolhida
para ini do Creador, tambem foi a redemptora
das crea turas, guiaudo-as Cama a sua sautissima
luz.
A's 10 horas da mauh, depois de ezecutadas as
cavatinas do estylo pela mencionada banda mar-
cial, entraro as tercias e em continua cao a mis-
sa, oficiando o Rvdai. padre mestre Frei Jos da
Conceicao Souza.
Executada que seja urna soberba symphonia,
subir tribuna sagrada o intelligente pregador
da capella imperial Frei Augusto da Immaculada
Conceicao Alves, que far um brilhante panegy
rico expondo as virtudes da milagrosa Senhora da
Luz.
A orchestra que constar de diversos professo-
res cargo do professor Joo Antonio de Pana
exhibir a missa denominada Natal, composico
do immortal maestro C- las, sendo os principaes
solos cantados par habis professores.
No Gloria fendero os ares diversas gyrandolas
de foguetes ao som da msica marcial, flores e lin-
dos pombinhos enfeitados.
Terminada a testa soltar se-ha anda urna sal-
va de 21 tiros.
A's 4 horas da tarde tocar a banda marcial no
adro da igreja, subindo ao ar diversos baldes, fei-
tos a capricho.
A's 5 horas ser arreado o estandarte da Pa-
droeira, com as raesmaa formalidades do hastea-
mento, sjltando-se depois urna salva de 21 tiros.
Te-Deum
O j bastant^eonhocid e eloquente pregador o
Rvd. commendador padre Manoel Moreira da Ga-
ma, ex-juiz protector da irmandade, por sua vez
n'um bem elaborado discurso, patentcar o quanto
vale a Rainha do Uoiverso quelles que com f a
Ella recorrer, segaindo-se apa o Te Dean de
nominado -Espirito-Santocomposifo do maes-
tro Colas.
Terminar a festividade com um pomposo fogo
artificial feito a capricho pelo admiravel artista
Olympio Silva.
O v-isto templo estar artsticamente adornado.
O pateo acb r-se-ha symetricamente enfei-
tado.
fim todos os actos soltar se-ho vistosos baldes
aerostticos.
A mesa regedora pede aos moradores do pateo
da igreja, que illuminem as frentes de suas casas
para maior brilhantismo da testa.
Secretaria da rmandale de Nossa S "ahora da
Luz, erecta na convento do Carme do Recife, 98
de Janeiro de 1886.
O secretario,
A. F. Moreira.
A quem se deseja curar
Pedro Nolasco de Barros, residente em Gamel-
lera, estaco da estrada do ferro ao S. Francisco,
cura, mediante um ajuste, a qualquer pesaos qae
soffra do diabtis, garantindo restabelecer o deen-
te em poucos dias, pois para isso acha-ae habili-
tado.
------------aes>-------------
Curso de pianito
Beabertura
NO DIA 8 DB aANBIKO
Aulas, todos as tercas e sextas -feras das
5 horas da tarde em disnte
78-RUA DA IMPERATRIZ-78
-~_ ---~
Banco de Crdito Real em
Pernambirco
Este Banco, autoriaado pelo decreto n. 9457 de
11 dejulho de 1885, dar comeco as suas opera-
coes no dia 2 de Janeiro de 1886.
As npeacoes fundameniaes do Banco sao :
Fazer emprestimos de quantia nao inferior a
5:000 jOO sobre hypotheca de bens :mmoveis a
longos prasns cora amortisac por annuidades.
Estes empreatimos sero :
Contrastados par tempo nao mencr de 10 annos
sobro primeira hypotheca constituida, cedida eu
subrogada.
Feitos por metade do valor dos immoveis ru-
raes ou por tres quartos d ^s urbanos em lettras
hypotbecarias do Banco, ao par, do valor de.....
100*000 cada urna urna e do juro de / OJO aianno.
Reembolsados por meio de annuidades pagas
pelos mutuarios era moeia crrente, divididas em
semestres.
Os empreslimos p^jdem ser pagos anticipada-
mente no todo ou em parte, em moeda corrente ou
em letras bypotheearas ao par, a vontade dos
mutuarios.
As snnuidades comp'ebendem ojuro conven-
cional, a amortisaco d i capital mutua io e a com
misso de 1 0|Q ao Banco.
Na base dos jaros de 80i0 ao anno,a tabella das
annuidades para 1:0004000 a seguinte:
Contratos por 10 annos 1 i54820 annua es
* 15 124J059
29 1090345
. 25 . 1010906
. 30 . 97J336
N i escriptorio do Banco .ra do Commercio n.
34, dar se-ho os deaaais ^sclarejsckaentoa necea-
sari os.
Reeife, 31 de desembroce 1885.
Pelo tonco de creto Real em Pernambuco,
Os administradores
Man^ei Joo de Amorim.
Jos da Silva Loyo Jnior.
Luis Dnprat.
CLfcE'jilO
abracar aquelle corpo
to e medio, do bajjar aquella' faces que forara de
carmn, em vez de enebriar-se na veneraco e ca-
ricias que, revelavam tanta bondade e inexcedivel
amor filial!
E a nos irtnos, que de magnas nos oprime e de-
vorara o peito !?
E aos arnigis, que de sombros pensamentos, os
preoecupamr!
Hhore querido pai, choremos irmss chorem to-
dos o% amigos: que a todos valha a santa resigna-
cao.
As lagrimas sao o lenitivo da doi, e a"resigna-
co o consolo de Deus.
Irmio Tu nao morreste; paseaste eternidade!
Descauca em paz, que at nos encontrar-moa vi-
vo sers sempre em nossos coraces.
Acoeita esta fler saudosa que, orvalhada com
sentidas lagrimas, deposita na lagea do teu tmulo
um irmo aflicto e pesaroso.
Eduardo
Programma
Da testa de Nossa Senhora da
1-nt, erecta na Igreja do oar-
sO,ao dia % de Fevereiro e
IM.
Dl.o
Ao meio dia subirlo ao ar urna salta de 21 ti-
ros e diversas gyrandolas de foguetes ao som-de
DE
Nossa Hora Ja Peala
Rua do Baro de 9. Borja n.
, outr ora do Sebo
Os tr.iba'hos deste iastituto de educacao de me-
ninas, fundado em .1876, comecam a 11 de Ja";
neiro.
A directora, havende-se transferido para o pre-
dio cima dito, de ptimas crjndiees para esta be
cimentos dest* ordeqi, -teaslo longa pratica de ma-
isterie, fieade 1873. e auxojiadapor habis profea
sores, espera contiBuar a merecer a contianua dos
lllina. 8rs. iutei'essados.
Enaia-se< primeiras letras, pjfitugjie*. fqaasaia
ingle?, a.;iemo,geQgraphia, fiistara, msica, pita o
deaenho, costaras e bordados da diferentes g-
neros.
^u^iaia Carneiro. i
Coito Ce Nossa MmMi
Casa de Saudedo Dr.
Souto-Maior
Acha-8e aberta a casa de saude do Dr.
Souto-Maior, situada rua de Payeand n.
5 (Passagem da Magdalena) com aeom-no-
daeSes para doentes de todas as classes da
sociedade.
Os Srs. facultativos da provincia encon-
trarlo uiessa modesta casa de aaude as
condijSes favoraveis para o tratamento de
qualquer molestia cirurgica ou medica o
para ahi poderlo enviar os seus doentes,
medical os, conlerenciarcom os mdicos de
sua escolba etc. conformo se acba dispos-
to no regula ment da mesma casa.
Apparelho teleptonico 398.
Conultorio medico-eirarglca
O Dr. Estevo Cavalcante de Albuquerque con-
tinua a dar consultSb medico cirurgiuas, na rua
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Paras? demais eonsalta e visi-
tas em sua residencia provisoria, rua da Aurora
o. 53, 1" andar.
Ns. telephonicos : do consaltorie 95 e residencia
126.
Especialidades Partos, molestias de cran-
las, d'utero e seus annexos.
Medico e parteird
Dr Jop Lonreiro
D consultas das 12 s 3 na rua, do Ca-
bug a. 14 1.- andar Residencia tempo-
raria no Monteiro.
OCULISTA
Dr. Brrelo Sampaio. medico ecuhst
ex-chefe de clnica do Dr. de Wecker, d consola
tas de 1 s 4 horas da tarde, na rua do Bra-
la Victoria n. 45, segundo andar, excepto nos do-
mingos e dias sanetifcados. Residenciaroa de
Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires.
Dr. Carpir Mu
ni: i ico
Tem o seu escriptorio a rua do Marques de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em aa residencia rua da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e c-raneas.
10
Dr Tristo Henriques
Costa
Boa da Unio n. 1S
consultas das 11 s 2 horas.
Chamados a qiulquar han.
Telephone MUneru i54.
C, H cliiiiaui
Usinas de cobre, iatao c bronze e de
im.
Golitzer Ufer n. 9 Berlim S. O.
Espeealidade:
Constriico nas, e apparelhos
para fabricas de assucar, Jostilla^cs* re-
fnacSes com todos os aperfecoAmentos
modernos.
INSTALLAgA DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimento filial as Havana sob a
mesma firma de C. Heckoiann.
Calle San Ignacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO TE JANEIRO
Para informales di.iij.im se a
Polbiiian &C
M do Gommereio n. 10
Dr. Ferreira ia-Silva,, oon
sultn das 9 ao meio dia. Resi
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Reoife, 5 de Marco de 1885.
!
EDITAES
Este estabelecimento de instruccSo pri-
maria para o sexo femenino tem a sua sede
em urna confortare! chcara na Ponte de
Uchoa n. 10.
As materias ensinadas no collegio sao as
seguintes: religiao, portuguez, francez,
inglea, allemao, historia, geographia, piano,
desenho, pintura, bordados e flores.
As linguas falladas no collegio sao : a
franceza, ingloza e allem3 para as quaes
tem mestras qae residem no collegio.
As directoras encarregam se segundo
vontade dos pais de preparar as alumnas
para fazer exames na Academia.
Lista das alumnaa que fizaram exames
na Academia:
lf. D. Julia de Oliveira, inglea distinc-
9&0, francez plenauentee
D. Izabel a. Pires, idm.
1884. D. Mara Eugenia de Mattos, ingles
distinecao, francez idem, portuguez
idem.
1885. D. M*ria C. Moutoiro, inglea 1 i
tinecao, franco plenamente.
D. Flavia CatSo Lopes, francez plana
: mente.
Directoras,
dmma QarroU.
Hermina MMailis.
Edital n. 9
O administrador do Consulado Provincial dan-
do cumprimeoto portara n. 467 expt dida pelo
Ilhn. Sr. Dr. inspector do Tjiesouro em 23 do cor-
rente, fas publico, para conhecmento dos proprie-
tarios das casas sitas as localidades constantes
da relacao infra, qne no espaco de 30 dias uteis
contados do 1 de Fevereiro prozimo vindouro, se-
rio arreesdadas por esta reparticSo, independente
de multa, as importancias das annuidades e mais
servicos da Recife Drainage Company, correspon-
dentes ao 1 semestre do exercicio corrente de
1B851886.
Consulado Provincial deHrVrnambuco, 26 de Ja-
neiro de 1886.
Francisco Amynthat de Carvalho.
Helara a f|ae se refere o edital
napra
Preguesia de S. Frei Pedro Goncalves do Recife
Ras i
Marques de Olind, Bom Jeaug, Alve Cabral,
Conceisio Bispo Sardinba, Torres, Thom de Son-
sa, D. Mara de Sonsa, Vlgario Tenorio, Qarreto
le Menezes, Mariz e Barros, Burgos,.Amorim,
Moeda, Tuyay, Companhia Pernambucana, Ma-
dre de Deus, Domingos Jos Martins, Mascates,
Restauraco, D. Maria Cesar, Visconde de Itapa-
rica, Farol, Areal, 8. Jorge, Vital de Olivara,
Gaurarapes e Bario do. Triumpho.
Praca s :
Charco, Assembla e Pedro I.
Travesas:
Vigario, Madre de Deus, Cssapello, Domingo
Jos Martins, Corpo Santo, Antgo Porto, 9om
Jess, Areal, Fundico, Occidente, Qiwrarapea
Praca de Pedro I.
-*


Diario de PernambucoSabbado 30 de Janeiro de 1386








Abxeu, 'Lwiro, Pindoba, Noroaha, Tapado o
Paschoal.
Largost
Alfandega, Corpo Santo e Assembla.
Caes:
Companhia, Bruno e Apollo.
Santo Antonio
Ras :
Imperador, Primeiro de Marco, Duque de Ca-
rias Cabuga, Eiaro da Victoria, Trncheiras, La-
rangeiras, lrt;a do Eosario, estreita do Kosario,
S Francisco, J rio do Reg, Hha do Carvalho, Ro-
da, Patos, Ca sbouco Velho, Santo Amaro, Ma-
thias -de Albu perqu, Paz, Paulino Cmara, Fo-
ro Livramento, Penba, Viscondo de Inhama,
Pedro Affonso, Nova da Praia, Marcilio Das, Vi-
racao, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez !o Hei val e Cadeia Nova.
Praca:
Pedro II.
Campo:
Princeza.
Caes:
Vinte e Dous de Novembro.
Travessas:
Queimado, Cruzes, Mrquez do Recife, Bella,
Quaiteis, Calabouco, Ezpostos, Martins, Flores,
Carmo, Bomba, Livramento, Arsenal, 1* da Praia,
2 da mesma, Caldereiro, S. Pedro, Viracao, Lo-
bato, Falco, Pocinho e Concordia.
Largos :
Paraizo, Carmo, Penha, S. Pedro e Practs.
Bicos :
Bella. Calabouco, Matriz, 1*. 2. e 3. da Cam
boa, Falco e 1. e 2. da Cadeia Nova.
S. Jos
Ras :
Marcilio Das, Lomas Valentinas, Coronel Suas-
suna, S. Joo, Palma, Mrquez do Herval, 24 de
Maio, Dias Cardoso, Passo da Patria, Padre No-
brega, Victoria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros,
Frei Henrique, Dique, Assumpco, Domingos
Theotonio, Padre Floriano, Christovo Cclombo,
Jardim, Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa
Cecilia, Santa Rita, Nova de Santa Rita, S. Jos,
Praia de Santa Rita, Pescadores, Jpyranga, Impe-
rial, Praia do Forte e Luiz de Mendonca.
Travessas :
Martyrioi, Pcinho, Ramos, Caldereiro, Gaz,
Matriz de S, Jos. Forte, Prata, Serigado, Copia
res, Nova de Santa Rita, S. Jos, Praia do Forte,
Peixoto e Lima.
Bceos :
Paula, Caldereiro, Gaz, Assumpco, 1.' de San
ta Rita Nova e Matriz de S. Jos.
Largos :
Forte Mercado.
B6a Vista
Ras :
Imperatriz, Conceico, Visconde de Pelotas,
Tambia, Visconde de Albuquerque, Aurora, Capi-
baribe, Ponte Velha, Conde da Boa Vista, Ria-
chuelo, Uniao, Saudade, Sete de Setembro, Hos-
picio, Camaro,' Rosario, Gervasio Pires, Atalho,
Socego, Principe, Santa Cruz, S. Goncalo, Co
lho, Hospital Pedro II, General Sera, Coronel
Lamenha, Alegra, Leo Coroado, Baro de S.
Borja, Soledade, Visconde de Goyanna e Attra
co.
Gervasio Pires. Colhos, Atalho, Barreiras, Ve-
ras, Quiabo, Joo Francisco, Mangueira, Cam-
pia e Palacio do Bispo.
Pracas :
Conde d'Eu e Santa Cruz.
Largo :
Campia.
Bcco :
Colho. '
DECLABCOES
Escola Normal
Matriculas
Por ordem do Dr. director, e em observancia
da disposico do art. 74 do regiment iuterno de
17 de setembro de 1880, taz-se publico^ a quem
interessar possa, que as matriculas estaro aber-
tas desde o dia 15 do corrente at 3 de fovereiro
prximo.
Os reauerimentos para matricula no 1* amio do
curso devero ser in3truidoi com os documentos
seguintes :
! Certido de Hade maior de 18 annos par os
alumnos do sexo raasculiao e de 16 para os do fe-
minino.
2o Certificado on titulo de approvace era exa-
me as escolas publics de instrueco primaria.
3 Folha corrida ou certido de nio haver sof-
frido condemnacio por algum dos crimes que po
dem motivar ao profssor publico a peda da ca-
deira.
4o Attestado de moralidade passado pelo par-e
cho eu autoridsde, quer policial quer litteraria da
freguezia em que residir o peticionario.
Os matriculandos que nao poderem exhibir ti-
tulo legal de exame em escola publica de ensino
primario, devero inscrever se para os exames de
ado isso, de que tiatam os arts. 75 77 do cita-
do regiment, e que comecaro no dia 25 do cor-
rente.
Para as matriculas do 2o e 3 anno basta que
as peticSes sejam documentadas cam a certido
de approvaco no exame do anno precedente,
guardada a restriejo do art 21 do j mencionado
regiment interno.
Secretaria da Escola Normal de Pernambuco
11 de Janeiro de 86.O secretario,
A. A. Gama.
COMMERCIO
Bolsa commereial de Peroain-
bnco
Recife, 28 de Janeiro de 1886
As tres horas da tarde
Cotacoes ojfifiati
Cambio sobre Para, 15 d'v. com 3;8 0/0 de des-
cont, hontem.
Cambio sobre Lisboa, 90 d/v. 190 0/0 de premio,
hontea.
P. J. Pinto,
Presidente.
Candido C. L. Alcofjrado,
Secretario.
HENWMEKTOS PBLICOS
aiez e Janeiro de 1886
ALfASMOA--De 2 28 678:128021
dem d 2? 22;553379
Rb;ibbdobiaDe 2 28
dem de 29
700;6815460
30:428*900
885/408
31:314*308
C*utjuw faovuciat-De 2 28 198:5154411
dem de 29 2:479/903
Bcin DBArnAoaD 2 28
dem de 29
260:995*314
4:8474727
702>370
5:5504097
DESPACHOS DE IMPORTACO
Vapor trances Equateur, estrado de Buenos-
Ayres e escalas, no dia 29 do corrente e consig-
nado a Augusto Labille, maniiestou:
Xarque 1,420 fardos a Pereira Carneiro & C ,
500 a Jos da Silva Loyo & FHW^V
Vapor ingles Neva, entrado de Montevideo e
escalas no dia 29 do corrente e consignado a
ndamson Howie & C, manifestou:
Xarque 413 fardos a Maia & Resende.
Hiate nacional Aurora II, entrado de Macao no
ia 28 do corrente e consignado a Carlos A. de
Araujo, manifestou:
Assucar 200 saceos."
Sal 27,000 litros a orden.
De ordem do Sr. director participo a to-
dos nossos associados que nSo tendo havido
numero suficiente para a reuniSo de as-
sembla geral afira de proceder so a elei-
cSo da directora para o corrente anno, fica
determinado que se proceda a mosma elei
580 domingo 31 do correnti mez, s 11 ho-
ras do dia, cora o numero de socios que
comparecer.
Recife, 25 de Janeiro de 1886.
Io Secretario,
Idles Jnior.
Imperial sociedade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaes
Pela seg nda vez, por ordsm do nosso irmo
director, venho convidar a todos os irmos que se
acham nos gosos de seus direitos, se reunirem
em assembla geral no domingo 31 do corrente,
s 10 borrs da manha, afim de ter lugar a eleice
dos novos funecionarios, devendo ter lugar o acto
com o numero que comparecer, visto nao se ter
reunido numero legal no dia em que mandam os
est:ltut)8.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liberaes de Pernambuco, em 26 de
Janeiro de 1886.
2* secretario, Jos Castor de A. So'ua
Companhia
DOS
triltios urbanos do Recite (Mui-
da e Beberibe
Dividendo
Esta designado o dia 18 do corrente para ser
comecado o pagamento do 22* dividendo, corres-
pondente ao semestre de junho dezembro, ra-
rao de 8 0/0, sendo este feito no escriptorio da
companhia das 9 horas ao meio di at o dia 30
do corrente, e dahi em diante s tercas e sabba-
dos, nao santificados, a iguaes horas.
Escriptorio do gerente, 16 de jane ir* de 86.
A. Pereira Simoes.
Club Carlos Cornos
Ter lugar f sarao de fevereiro em 6 do referi-
do mes. Os ingressos aos socios em dia, sero
entregues pelo Sr. thesoureiro desde o dia 2 em
diante. Recife, 26 de Janeiro de 86.
Ancusto Maia,
2- secretario.
Tliesouraria de Fazenda
De ordem do Illin. Sr. inspector, taco publico
que pela ordem do Thesouro Nacional n. 15 de 13
do corrente mez, foi concedido preciso verb
exorcicios findos, exercicio de 1885 1886, para
pagamento dos credores abano mencionados :
Luiz Antonio de Siqueira, 1882 83 1:228*500
461*835
iique
Fonseca limaos & C, dem idem
Maneel de Figueira Faria & Filhos,
ideni idem
Jos dos Santos Oliveira, idem idem
BeltrSo Costa, idem idea
Bartholomeu & C. idem idem
Jos% Joaquim de Azevedo, idem idem
Companhia Beberibe, idem idem
Ferreira Guimares & C idem idem
53*600
484,920
538*140
26*200
226*960
144|800
266*300
Majsr Jos Joaquim Co-lho, idem dem 130*000
Osuitau Liuls Marlius de Aiaujo,
dem idem 100*000
Alteres Raymundo de Almeida Sam-
pai?, idem idem 1:175*000
Gaspar Fernandes de Albuquerque
Cmara, idem idem 55*873
Felippe Benicio de Castro e Silva,
idem idem 49*503
Saiustiano Jos de Sonsa, idem idem 24*378
Manoel Figueira de Faria, idem idem 23*600
Manoel Maitins Fiuza, idem idem 570*200
Companhia de giiz 769*300
Oaetauo Cyriaco da Costa Moreira & C. 566*618
Companhia Beberibe 144*800
Empregados da Recebedoris 1:873*708
Tnesouraria de Fazenda de Pernambuco, 29 de
Janeiro de 86.O secretario,
Lnit Emydio P. da Camrra.
SEGUROS
martimos contra fogo
Companhia Phenlx icr-
nambiirana
Ra do Commercio n. "38
DESPACHOS DE EXPORTAGAO
Em 28 de Janeiro de 1886
Para o exterior
= No vapor ingles Orator, carregou :
Para Liverpool, A. Labllle 50 saccas com 3,893
kilos de algodo ; S. Brot'iers & C. 5 ditas com
327 ditos de dito.
No vapor italiano Garibaldi, carregou :
Para Liverpool, J. H. Bexwell 500 sacct s com
42,672 kilos de algodo.
= No vapor francs Equateur, carregou :
Para Pars, E. Goetschel 7 kilos de prata, 5
ditos de ouro e 1,700 pasearos seceos ; J. Krause
& C. 15 kilos de ouro e 30 ditos de prata ; A.
Reg & C. 94 kilos de ouro e 23 ditos de prata ;
M."Sber & C. 6 cusas passaros seceos ; L. G.
da Silva & Pinto 1 encapado ouro velho.
Para Bordeaux, J. Fuerstenberg 10 kilos de
ouro.
Na barca portuguesa Novo Silencio, carre-
gou :
Para o Porto, F. de Moraes 30 barris com 8,600
litros de mel.
No vapor ingles Neva, carregou :
Para Lisboa, J. M. Braga 1 barrica com fari-
as, de ssandioca.
Para o Interior
No lugar nacional Kaleb, carregou :
Para o Rio Grande do Su), P. Carneiro a C.
70 saceos com 5,25u kilos de assucar branco.
No vapor nacional Jacuhype, carregou :
Para Baha, Pereira & Silva 8 barra com 1,280
litros de mel.
Para Macei, B. Oliveira & C. 10 duzias de vas-
souras de piassava.
No vapor nacional Espirito Santo, carregou :
Para Maranho, Burle de C. 20 barricas com
2.304 kilos de assucar branco e 10 ditas com 1,257
u.iud Jj Jitu masca vado.
Para o Para, P. Carneiro 4 C. 150 barrica] coji
8,920 kilos de assucar branco ; Maia & Rezende
:'iX) ditas com 47,111 ditos de dito e 10 ditas com
671 ditos de dito refinado ; V. T. Coimbra 500 vo-
lumes com 38,825 ditos de dito branco.
Par Mans, Maia & Resende 25 barris com
,400 litros de aguhrdeot.-.
Para o CiHr, Maia & Resende 20 ditos com
1,500 kilos de de'agurdente.
= So patacho nacional Maia 2o, carregon :
Pra Maco, P. Vianna C. 1,000 saceos com
farinh de andioca.
No hiate nacional Deus te Guie, carregou :
Para o Cesr,. Baltar Irmos & C. 20 sacos
con 1,500 kilos de asauear branco.
= No hiate nacional D. Julia, carregou :
Para Aracaty, E. C. Beltro & Irmo 5 barri-
cas com 228 kilos de assucar branco.
Na barcaca Espadarle, carregou :
Para Parahyba, M. M. Duro 500 saceos com
farinha de mandioca.
Theatro de Variedades
NA
H O k*M A K B H A #
COMPANHIALYRICOCOMICODRiMATICA
DIRIGIDA PELO ARTISTA
X/CXX2; mxDoairsne
SKtiaQo, 30 flo Janeiro fle 1886
TELA, PRIMEIRA VEZ N'ESTA EPOCHA
' Subir scen: a OPERA CMICA em 3 actos, msica do
maestro 0iTK.nB.1c :
A BELLA HELENA
COMPAXUIA
PB1
DE
(.-VAMBI'CAKA
,PtRSONAGKNS
Helena, rainha de Spnrta Springcr
Paride filho do rei Priano Bollegrandi
Ofeste, filho do rei Agamenn Durand
Euclides, dama de companhia
de Helena Fioravanzo
J>na Olympia
Partenope Da Silva
Agamenn Rei dos Reis Doiuinici
Menelo, rei de Sparta
Calcante, grande auguro de
Jove
Achillf, rei de Tiotida
Ajacc, 1. r i do Salamino
Ajace, 2. rei dos Lorieno*
Filomeno, criado de Cabante
Milone
Repossi
( omoletti
Orlandini
Friiz.
Tirelli
Mulim
Euclitide, ferreiro
Guardas, escravos, povo, pagens
A necao pasia-se em Sparta no 1. e 2." acto e no 3." em Nauplia duranto a
estacSo de banhos.
WT V*> Depols do eupectaculo han-ru Irem para Aplpucus
J/V J. e bondw das llnnait Fernandes Vielra e ifogado.
Osi bonda no largo do Palacio. O bon : da Magdalena O bavera qaan
do o eapectaculo acabar depolM do horario do uiti.no bond da compa
bia. que passa na ra Mota asj II e f niinutos.
Dio se transfere o espectculo anda mesmo que chova
principiara' s 8 1/2 horas.
compa^iiiu di:"i:*sac;e
mem maritihes
Parahyba,
0 vapor
MavegacSo costelra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Natal, MacAu, Mossor, Ara-
caty e Cear
Ipojuca
Segu no dia 6 de
Fevereiro, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 5.
Encommpndas pasaagens e dinheiros a frete at
a 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Peraamfeu-
cana n. 19
lliiiTiiea
Vende-no urna barraca ;
de Cazias u. 63.
a tratar na ra Duque
Hanta Casa de Misericordia d<
Recife
Na secretaria da Santa Osa de Misericordia do
Recife arrendam-se por eapaco de um tres an-
nos, as casas abaizo declaradas :
Ra da Moeda n. 45, 240*000
dem -dem n. 49 240*000
Ra do Bom Jess n. 13, 1- andar 3(0*000
I em idem n 14, pavimento terreo e 1*
andar 600*000
dem idem n. 29, 1 andar 240*( 0C
Ra dos Burgos n. 27 216*000
Ra do Vigario n. 22, 2- andar 240*000
dem idem n. 22, 3 andar 240*000
Ra da Madre de Dens n. 10-A 200*000
Caes da Alfandega, armazem n. 1 1:600*600
Becco do Abreu n. 2, loja 48f000
Ra do Visconde de Itaparica n. 24,
pavimento terreo, 1* e 2o andar, por 1:600*000
Ra do Coronel Suassuna n. 94, loja 150*000
Ra da Detencio n. 3 (dentro do quadro)
mei'agua 84*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite. 15 de Janeiro de 1886.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza
MARTIMOS
Pacific Sleam taigation Companj
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Valparaizo
Eapera-se dos portos
do sul at o dia 1 de
fevereiro, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em diante seguirem tocaro em
Plvinouth, o que facilitar che-
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
Haver tambem abatimento no preco das pas-
Para carga, pasaagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com os
AGENTES
14 RA DO COMMERCION. 14
wilson Sons dt C, Limited
Porto e Lisboa
Segu com brevidade para os portos cima o
brigue por uguez Tito ; psra o resto da carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Jos
da Silva Loro 4 Filho.
Na barcaca Cacique, carregou :
Para Guaraps, Julio & Ir nao 100 saceos oom
farinha de mandioca.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 29
Buenos- Ayres e escalas10 dias, vapor francez
Equateur, de 2,497 toneladas, commandante L.
Lecointre, equipagem 126, carga varios gene-
ros ; a Auguste Labille & C.
Buenos-Ayres e escalas11 1/2 dias, vapor in-
glcz Neva, de 1,774 toneladas, commandante
W. ttillies, equipagem 96, carga varios gene-
ros ; a Adamson Howie & C.
Rio de Janeiro6 dias 1/2, vapor trances Jean
Baptiste Say, de 197 toneladas, command.nte
A. Mayon, eqnipagem 14, em lastro ; a W. W.
Robilliard ie O.
Navios sahidos no mesmo dia
Southampton por escalas Vapor ioglez Neva,
commandante W. GIIkb, carga varios gneros.
Bordeaux por escalasVapor franec Equateur,
commandante L. Lecointre, carga varios gne-
ros.
Liverpool Vapor italiano Cfutseppe Garibaldi,
commandante Guiaeppe Vassolla, carga varios
gneros.
S.Lasaro (Franca)Vapor francez Jean Baptis
te Say, commandanfe Maj on, em lastro.
Porto e LisboaPatacho portuguez Italia, capi
to Joa da Costa Guia, carga varios gneros.
R'o Grande do NorteHiate narional Bom Jess
dos Navegante/-, capitao Clcmentino Jos do
Macelo, carga varios gneros.
VAPORES ESPERADOS
IJNHA MENSAL
0 paquete Orenoque
Commandante Nortemard
Espera-se da Eu-
ropa uc dia 5 de
Fevereiro, seguin-
do depois da de-
jmora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Ro de Janeiro e Honte-
tevldo
Lembra-se os eenhores passageiros de todo
as classea que ha lugares reservados para esta
agencia, que pjJein tomar eai qualquer tdinpo.
Previne se aos eenhores recebedores de merca-
dorias que s ae attender as reclamacoes por fal-
tas nos rolumes que forem rec-)nh3cdas na occa-
siao da descajga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
afrete tracta-se com o agen'e
. Auguste Labille
9 RA DO COMMERCIO 9
COIP.4\HU PKH^lW!ll.>t
DE
XavegacSo coste! i por vapor
PORTOS DO SOL
Tamandar e I- o Formoso
O vapor Mandahu
Segu no di:i 3C do
correnta, pila inadru
paila. Kecobe car-
at n dia 29 pas-
[.. %. 4 ho -
Ira < rt:i tnrc Jeese dia
ESCRIPTOHIU
Ao Cae* da Companhia Prrajnbaea/na
n. 12
Companhia Brallelii de Sari-
gaco a vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Manos
Commandante 1- tenente Guilherme Wad-
dington
E' esperado dos
portos do norte
dia 2 vie Fe-
v i i iro, e depoit
c,i demora india
penaavel, seguiri
para os portas di
sul.
Recebe tam -
bem carga para Santos, Pelotas e Rio Grande d(
Sul, frete mdico.
Para carga, passagens, encommendas e valores
tracta-se na agencia
N. 46 RA DO COMME OIO N 4
'^*mkL:.
United Slalcs i Brasil Wail S. S. C.
O vapor A.dvance
Fevereiro
Maranhense
Valparaso
Manos
Marinho Visconde
Delamber
Advance
Orenoqt
jfl'ar
Tamar
Espirito Santo
Actor
pernambuco
Ville de Cear
Mondego
Cear
Desterro
Tagus
Senegal
Baha
de New-York
do sul
do norte
da Baha
de Liverpool
de New-Port-News a
da Europa
do sul
da Europa
do norte
de Liverpool
do norte
da Europa
do sul
do sul
de Hamburgo
da Europa
do sul
do sul
1
1
2
4
5
B
5
6
a 10
a 12
a 12
a 13
a 13
14
16
20
24
26
26
Espera-se deNew
Port News, at o
dia 5 de feveroi-
ro, oqual seguir
depois da demora
nc.'cssaria para
Baha e Rio de Tanelro
Pura carga, passagens, encommeni-is e dinbeiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Benrj Forster & C.
N. 8. RUADOCOMioERGlO N.8
1. andar
CHARGE11RS REI US
Companhia Franceza de navega
ci a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis
Doa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
stemer Vill? de Cear
E' esperado da Euro-
pa at > dia 9 de Fe -
vereiro, seguindo de-
pois da indispensavel
demora para a Ba-
bia, lo de Ja
nelro e ti ato*.
Roga-sc aos Srs. importadores de carga p 'los
vapores desta linha,qneiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng
quer reclamaco concernente a volumes, que poi
ventura tenham seguido para os portos do suLafim
de se poderem dar a tempo as providencias neces
sari as.
Expirado o referido prase a companhia nio se
responsabilisa por extravio*.
Recebe carga, encommendas e passageiros, para
os quaet tem exceentes accomodacoes.
Augusto F. de Oliveira &C.
AOENTEi
42 -RA DO COMMERCIO-42
Para Lisboa
A barca Pereira Tlorges seguir com brevidade
para op.irto cima para o resto da carga trita
e com os conHiguatarios Si va GluimarSes & C
Leilo
De predios e terrenos
f JO agente Brito competentemente autorisado le-
var a leilo os seguintes :
Urna casa terrea com soto e sitio arborisado
na estrada de Jeo de Barros defronte da estaco
do Principe, 1 terreno ao lado cem 90 palmos de
frente c ajicerces para 3 cosas, 1 terreno no fundo
cum 4 mei'aguas que rendem 36 com sahida para
o Becco da Pombal, 2 casas terreas ra do Ria-
chuelo ns. 50 e 52 que rendem 34, tudo solo
propris.
Quarti-feira 3 de fevereiro
A's 11 horas
Na ra do Imperador n. 24
de
**ortn por Lisboa
egue cem brevidade para os portos cima o
brigue portuguez Calcida ; par.-t o reato da carga
e passageiros, trata se cip. os consignitarios Jos
dava SilLiy Ji Filho. ____
Cear
Segu com brevi lade para o porto cima o
hiate 'Deas te Guarde, recebe carga a fretes mo-
diejs ; a tratar na roa di Madre de Deus n. 8,
u no caos do Loyo, a bordo. ^^_^____
Royallai Sleam Packel
Company
Reducgo de passagens
Bilhetes especiacs of
ferecendo facilidades
aos senhores viajantes
para visitar a cxposi-
00 colonial co Lon-
dres, de 1886.
Ida e volta de Per-
nambuco a Southamp-
ton, primeira classe,
com o prazo de 6 me-
zs libras sterlnas 36,
15, 0.
LEILiO
De 1 casa terrea com sotao e sitio murado e
arborisado, na estrada de Jola do Barras, defron-
te da eatafSo-do Principe, 1 terreno aojlado com 90
palios de [reato, 1 terr.no no fundo com 4 meias
gu is que rendan 88f, 2 cusas terreas roa do
Bia huelo ns. 60e 52 que rendem 'i, 1 sobrado
nu pateo do Ter?) n. 156 Jefrouto da matriz de
S. Jo:, 1 casi terrea A roa do rjjlabaaeo n. 6.
x Agente Brillo
Sexta feira, 99 do corrate
A's 11 horas
Ba do Imperador n. 24
2. leilo
Da
aribaca e bons gneros do estabele-
eiment) si o ra d'.ipoo n. 33
O agente Brito competentemente, autorisado
vender em leilio a referida armacao, e gneros
em um ou mais lotc, :i vontade do3 Srs. preten-
dentes.
Sabbado. 30 do corrente
A's 10 1/2 hora_____________
LEILO
DE MIUDEZAS
Cok- atando de :
90 giosa) de botoes de metil, b-aneis e dourados
264 pulseiras, 185 duzias de pentes de regasso'
41 duzias de botoes aapomp*dour para vestidos
22 ditas de pulseias dem, 144 ditas de cora-'
cues de aljfar, 82 duzias de voltas de contas,-
15 duzias de escoletas com bizouro, 181 duzias
de par es de brincos encarnados, porcelana, 48
duzias de dito, 2% duzias de meios aderemos en-
carnados, 109 duzias de pares de bnnc;s celli-
loid de diversos palrdes, 53 inilbeiros de enve-
lopes, 221 duzias do guaraicus de celliloid, 48
duzias de rost.s de aljfar, 89 chapeos para
senhora, 250 c nas de papel amiz.ide dourado,
250 duzias de pares de brincos douralo, fino.
Km continnaco
Diversos movis, qu-idios, jarros, espelhos e urna
batanea decimal
Sabbado 3O do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Mrquez ele Olinda
n. 18
POR INTERVENQO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
De 1 mobilia de Jacaranda, massico, com tampo
de pedra a Luiz XV, 1 piano, diversas mesas
redondas e quadradas com tampos de pedra, 1
pirmide de pedra com urna rica fructeira de
alabastro, 1 secretaria, 1 relogio grande de pa-
rede. 1 mesa elstica com 3 taboas, 1 grande
tanque de ferro para deposito d'agua, 2 espe-
lhos, 1 aparador grande de amarello, 4 etagers,
6 quadios, 3 pares de jarros, camas francesas,
uisiquoaoM, cabidos, bancas, lanternas, lancas,
vidris e muitss outros objectos que estaro pa
tentes no ato do leilo.
Segando-feira. de fevereiro
A's li horas
No Hotel Universo sito ra do Comraer
ci n. 2
O agente Gusmo far leilo dos objeet-s aci
ma mencionados, os quaes sero vendidos sem li-
mites, e em seguida aluga-ae o mesmo predio.
Monte de Soccorro
Pernambuco
Leilo de joias
O coneelho fiscal attendendo nao s ao pedido
para ser transferido,, de 5 do corrente para 5 de
Fevereiro viuJ uro, o annunciado leilo como por
baver giai; '- namero de cautelas em ser, e nao
convir aos interesaos do estabelecimento e dos
mutuarios submettel-as venda, faz agora publico
que no referido dia 5 de Fevereiro se efftctur
mpretcrivilmente o leilo s 11 da maub.
Estaro exposicao tres dias diantes.
9.768 i pu'seiras, 1 tranceln e 1 par de rosetas
de .um.
10.033 1 annel de ouro com btiltiantes.
10.082 2 hales, 1 assucareir>, 1 mantegueira, 1
leiteira, 1 salv'i, 1 coador, 2 colheres e 1
jarro e bacia do prata.
10.037 1 salva e 2 colheres para tirar sopa e ar-
roz, prata de U i.
10.038 2 botoes de ouro com 2 brilhaotes.
10.041 1 annel de ouro com 1 brilhaute.
10.048 1 cordo e 1 cruz, ouro de 16 quilates.
10.052 1 pulseira, 1 medalho e 1 par de brincos,
ouro de lei, 2 salvas, prata de lei.
10.053 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.055 15 colheres para cha, 12 ditas para sopa
18 para creme, 3 ditas grandes, prata
baiza.
10.0J6 1 moda de ouro (*) comlacoe 1 aune
pequeo.
10.057 1 pulseira, 1 par de botoes, ouro de lei.
10.' 58 1 par de rosetas de ouro com brilhaotes.
10.059 1 salva, 1 paliteiro, 2 colheres para sopa e
assucar, e 17 ditas para cha, de pr&ta.
10.060 1 rebgio de ouro.
10.0o9 1 par de rosetas de o"ro com 2 brilhantes,
1 broche, 2 pulseiras, ouro de lei, 1 cocu
prata baiza,
0.070 1 salva e 3 colheres, prata de lei.
10.087 19 colheres de prata.
10.088 1 relogio, ouro de lei.
10.091 1 corrente com finete, para relogio, ouro
de lei.
10.092 2 anneis de ouro com brilhantes.
10.096 1 tranceln, ouro de lei.
10.101 1 pulseira, 1 roedalha, 1 volta de trance-
ln, e um relogio pequeo, ouro de lei.
10.112 1 tranceln, ouro de lei.
10.119 1 pulseira, 1 broche e um par de rosetas,
ouro de lei.
10.128 1 par de botoes e 3 anneis, ouro de lei.
10.136 1 par de rosetas de ouro com 2 brilhantes.
!rt.!37 1 annel de ouro cem 1 brilhante.
10.1-11 1 corrente com meda'.ha para relogio, ouro
d lei
lll 143 1 relotcio, ouro do le.
10.143 1 volta de tranceln, 3 pajes de rosetas,
2 inodinhas de ouro e 1 teteia, ouro i e lei.
10.146 1 cruz d? ouro com brilhantes.
11 i i 1 i:flri-t4t j;.ri r<.o,o, l bi-jcLe, i votta
de tranceln, 1 cruz, 1 annel, 1 par de
rosetas. 1 dedal o 1 relogo,;ouro de lei.
10e!48 1 relogio, ouro de lei..
10.152 1 corrente e mcdalbft para relogio, ouro de
lei.
10.159 1 crrante e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.182 2 botoes de ouro com brilhiutes.
10.198 1 relogio, ouro de lei.
10.200 1 relogio, ouro de lei.
10.202 1 par de rozelas de ouro oom brilhantes.
10.207 1 pulceira e 1 traucelim, ouro de lei.
10.218 1 trancelim, 1 medalha e 1 corrente para
10.467 1 pulceira, dous trancelins, urna volta de
dito, um cordo, urna medalha, urna moe-
dinha, um par de brincos e um dedal, on-
ro de lei.
i 10.470 2 cruzes cravejadas de brilhantes, 3 pares
de rosetas cjm ditos e seis anneis com di-
tos.
10.473 1 pulceira, ouro de lei.
10 475 2 pares de rosetas de ouro co
tes, dous anneis com ditos, duas pulceiras
e urna corrente para relogio, ouro de lei.
10.476 1 corrente e medalhs para relogio, ouro
de lei.
10.481 1 bracelete de ouro com coraes erequifi-
fes, um cordo, quatro pecas para cintei-
ro, um dedal, um par de rosetas e duas
pecas de brinco, ouro baizo.
10.483 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei. ,j
10.502 2 anneis curo de lei,.ttm/par de brinc
ouro baizo. dozc colheres para cha, pra
baiza.
10.503 1 par de brincos e um cordo, oure de lei.
10.504 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10.505 1 volta de trancelim, um broze, nm par de
rosetas, dous botoes, ouro de lei, um par
de b-stoes para punhos, ouro baizo.
10.519 2 contentes e duas medalhas para relogio
ejuin relogio, ouro de lei.
1 relogio pequeo, ouro de lei.
1 corrente para relogio, ouro de lei.
1 par de briucos de ouro e urna medalha
ouro de lei.
10 529 1 corrente e um relogio, ouro de lei.
10.531 1 corrente e medalha para relogio e um
relogio, ouro de lei.
10.539 1 trancelim, urna medalha e 4 anneis, ou-
ro de le.
1 par de brincod, ouro de le .
2 pares de rosetas de ouro com brilhantes.
1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.543 1 corrente para relogio, um broze com
pequeacs brilhantes.
1 annel de ouro com brilhante.
1 chapa de condecorac), ouro baizo.
10.520
10.521
10.528
10.540
10.541
10.542
10.562
10.568
Leilo
De urna ezcellente armacao de amarello, envidra-
Sada, balco, duas machinas para cortar sola,
uas empanadas, canteiros, registro, encana-
mento e candieiros de gas.
Quarla feira 5 de Fevereiro
A's 11 horas
O agente Gusmo, competentemente autorisado
tari leilo da armacao e mais objectos existentes
na loja n. 21 da ra do Livramonto.
10.570 2 salvas de prata de lei.
10.572 1 pnlseira, urna corrente, urna moeda, um
tranceln, dous broxes, um dito para man-
ta, dois pares de brincos, dous pares de
boto ?, um annel e um relogio, ouro de lei.
10.574 1. trancelim de ouro de lei.
10.577 1 relogio, ouro de lei.
10.578 2 anneis e dous botoes de ouro com bri-
lhantes, um fio de perolas, quatro brozes,
tres pares de brincos, um dito de rose-
tas, dous anneis, duas pecas para cintei-
ro, ouro de lei, um par de botoes e urna
medalha, ouro baizo, urna salva e um pa-
liteiro, prata baiza.
10.579 18 colheres para sopa, 26 ditas para cha
c urna conega de prata.
10.582 1 annel de ouro com brilhante, urna volta
de ouro com urna medalba, ouro de lei.
10.584 2 casticaes c 1 paliteiro, prata de le.
10.591 1 pulseira, l par de rosetas, 1 peixe de
ouro.
10.604 1 salva, prata de lei, 1 castical, prata
baiza.
10.611 1 corrente para relogio, e 1 relogio, ouro
de lei.
10.C14 1 relogio de ouro, de lei.
10.617 1 corrente e medalha, para relogio, ouro
de lei. .,.
10.620 1 cruz de ouro com brilhanies.
10.623 2 pulseiras, ouro de le.
10.624 3 broches, 2 pares de rosetas e 1 annel,
ouro baizo.
10.627 1 trancelim, 2 medalhas, 1 par de brincos
e 1 broche, ouro de lei.
10.630 1 corrente e medalha para relogio, outo
de lei.
10.638 1 gargantilha, 1 pulseira, um trancelim, 1
medalhs, 1 broche, ouro de lei.
10 643 1 par de brincos de ouro com brilhantes e
1 broche, uro de le.
10.648 1 par de rosetas de ouro com rubios e
brilhantes, 1 d'tocom brilhantes, 4 ann?i|
era ditos c 9 biilbautes pequeos, son
papel.
10.663 16 colheres para sopa e 11 ditas para ch i,
prata baiza.
X
i
"* i
-i

3


1-
Diario de PernambacoSabbado 30 de Janeiro de 1886

10.752
10.753
10.758
10.773
10.259
10.260
10.280
10.667 1 per de brincos, 3 ditos de rosetas, 1
broche e 1 annel, ouro de le.
10.668 1 tranceln), 1 medalha, 1 broche e 1 par
de rosetas, ouro de Iti.
10,688 1 relogio, uuro de lei.
10.702 2 caslicaes e 1 assucareiro, prata de lei.
10.703 3 annsis de ouro com brilhantes e rubina.
1 volta de traneelim, 1 erur, 2 botoes, 1
figa com coral, ourv de lei.
10.711 1 relogio, ouro.d.: lei.
10.715 1 corrento com sinete e chave, para re-
o, ouro de lei.
10.730 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10.733 1 par de brincos. 1 fita de, ouro e 1 psr de
roaetiis, ouro de lei, 1 broche e 1 annel
ei-..vejado de diamantee.
10.740 1 cruz de ouro com brbantes, e 1 salva,
prata de lei.
10.744 1 par de brincos d ouro, e 1 cruz Mare-
jada de brhautcs, c 1 par de botoes, ouro
de lei."
10.745 1 volta de traneelim, 1 ponteiro, 1 par de
brincos, 2 ditos de rosetas, 2 e meio pares
de botoes, 3 figas, 2 anneis, 1 emblema de
S. Joo c 1 castor, ouro de lei.
jio di' ouro, para senhora.
ro e 1 manti'gueirj, prata de
lei.
10.757 1 crrante dupla com medallw.ouro e pla-
tina.
1 relogio, ouro de lei.
1 pulseira e 1 par de argollos, e 1 relo-
gio, ouro de lei.
10.775 2 paros de brincos, onro de lei.
10.777 2 pulseiras, 1 broche, 1' par de brincos
cruvejados de brilhantes, mais 1 annel
com rubim e brilhantes.
10.781 1 broche, 1 par de rosetas e 1 cruz, ouro
de lei.
relogio, ouro de lei e 1 pulceira, ouro
baiu.
10.224 1 corrente e medalha para relogio, ouro e
platina e 1 relogi-a, ouro de le.
10.225 1 rel"gio, ouro de lei.
10.232 1 bot.lo de ouro com brilhantes o 1 caixa
pava ri'.p, ouro de lei.
10.234 1 par de rosetas de ouro com brilhantes.
10.235 1 pulceira, 1 broche, 1 par de rozetas de
ouro contendo bnlh.tutes, 1 paleein, o
brocha e 1 par de rozejas, ouro de lei.
10.245 1 pule-ira. 1 broche, 1 volta de ouro com
lac 1 medalha, 1 par de brincos, uroo
de le.
1 palceira, ouro de lei.
I escnvaiuiii, prala de lei.
leorrenie o 2 inedalhas para relogio e 1
annel com pequeo brilhante.
10.284 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.295 1 salva, prata de lei.
10.301 1 mcialh i e 2 pares de rozetas, ouro di
lei.
10.314 1 pu'cira 1 broche e 4 t-.-teias, ouro de
lei.
10.315 1 broche, 1 pir de briucos e 1 cruz, our.o
de lei, 1 volra de cordao, 1 annel e 1
ponteiro, ouro b ixo.
10-323 1 corrente e roe! ilha para relogij e 2 re-
logios, ouro de lei.
10.358 1 annel de ouro com pequeo brilhante.
10.352 1 pulceira, 1 traneelim, 1 par de rozetas,
1 annel de o iro el annel com dia-
mante.
10.353 1 cordao (collar) ouro baixe.
10.358 1 broche, ouro do le.
10.364 1 tc' gio, euro do lei.
10.368 1 pu! eir, 1 par de roz'tas, 1 volta de
traneelim, ouro de lei, 1 par de botoes,
onro baixo.
10.374 1 taanc .iin, 1 orada de ouro com laco e
1 relogio. ouro de lei.
1 ann:l de ouro com 1 brilhante.
1 corrente e medalha para relojio 2 e
anneis, ouro de lei.
10.390 1 par de brincos, 1 medalha, 1 cordao,
medalha incompleta e 1 laco, ouro de lei.
10.394 2 anneis de ouro com brilhantes.
10.401 1 traneelim e 1 moeda de ouro com laco,
ouro de lei.
10.402 1 relog;o, onro de lei.
10.434 1 par de rosetas de ou'o com diamantes,
e urna cruz perolas.
1 volta de onro e um annel, ouro de ei.
1 par de rosetas de ouro com dous bri-
lhantes.
1 relogio de ouro de lei.
1 emblema do Espirito Santo, um cora
cao em ouro ,um dedal e oineo botSes, ou-
ro de lei.
10.464 1 pulceira, um par de brincos, um aito ue
rosetas e tres anneis, onro de lei.
10.466 1 corrente e medalha para re'.o o, ouro
de lei.
10.784 2 salvas, prata de lei, 25 colherts, 12 gsr
tos, 12 cabos para facas e 1 paliteiro,
prata baixa.
10.786 1 s Iva e 2 colheres, prata de le.
10.789 1 cruz de ouro com brilhantes, 3 pares de
rosetas com ditos, urna volta de ouro, 6
correntes para relogios, 1 medalha, 1
corrento fino, 4 traacelias, 4 vsltss le
dito, 1 cruz, 1 broche, 1 par de brincos e
*" 4 relogios de oro o, ouro de lei.
10.790 1 pulseira, quebrada, ouro de le.
10 791 1 traneelim e 2 pares de brincos, ouro de
lei.
10.799 3 cruzes de ouro com brilhante, 2 anneis,
1 par de argolloes, 1 par de rosetas, 1
peca grande, 2 pulseiras, tudo cravejado
de diamantes cravados em prata ; 1 volta
de ouro, 1 cruz, 1 fivella,4 pecas de ouro
para cioteiro, ouro de lei, fioe de perolas.
10.800 1 corrente para relogio, 1 volta de tranee-
lim, 1 cruz, 1 breche, 1 par de brincos,
ouro de lei.
JO.802 1 corrente e relogio, ouro de lei.
Becife 4 de Janeiro de 1886.
Pelo gerente,
Felino D. Ferreira Coelhr.
Est para alugar um bom sitio todo murado
e bastante arborisado, com grande casa, sito
entrada do becco do Padre Inglez, difronte da
estacao do Caminho Novo, perto da linha das
bonds de Fernandes Vieira, tem agua e gas ; a
tratar no oitJ" do Corpo Santo n. 2o.
Eara engenho
os de senho
Precisa-te de urna professora
qu saiba tocar piano e mai
ra a tratar ua ra do Impera?' a. 79, 1- andar,
com o Buro de 'arareth.
Aluga-se o 2- andar da casa n. 1 do pateo
do Terco, o 3' da de n. 8 ra da Penha, o 1
da de n. 19 raesma ra, o 1' da de n. 18 ra
Direita, o 1 da de n. 66 a roeana ra, o 1 da
de n 35 travessa de 8. Jos, o 1 da de n. 34
ra estreita do Rosario ; as terreas de ns. 41
i ra do Rmg-I, 26 ra Duque de Carias. 1 do
j do Terco, 27 ra do Lomas Valentinas,
Sf4 ra do Arag'o, e a e.sa de n 35 A ra da
Viradlo ; a 'ratar na ra do Hospicio n. 3.
Aluga-se a casa com sota, toda caiada e
pintada de novo, sita a ra da Fundida n. 8, em
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mrquez de
Olinda u. 8, lithographia.
Aluga-se o ar.-nazem da ra do Mrquez de
Olinda n. 18 ; a tratar com Par nte Viauua &
Companhia
Aluga-se canas a 84U0-1, no becco dos Coe
Ibos, junto de S. Gencalo : a tratar na ra da Im
peratrii n. 56.
Precisa-se de urna cosinhi ira ; na rua da
Imperatriz a. 35, 2- indar.
= Os hachareis Antonio Justino de Soma e
Pedro Affcnso de Mello mudaram o seu escripto-
rio para a rua Duque de Caxias n. 54, 1 andar
onle continuara a exercer a sua proBsso de ad-
vogados.
Roga-se peasoa que achou no trem de
Olinda, de 4 1)2 horas da tarde, em um dos as-
tenia 8 de segunda classe, um diario do governo
na estacao chefe da rua da Aurora, ao bilbeteiro,
de Portug I, pode entrgalo no mesmo consulado
ou mndalo para Bebcribe, taverna de Jacintho
L'ibao, que ser r; compensado.
Na rua larga do Rosario n. 38, Io an lar,
ainda se precisa de urna ama.
= Offerece-se urna inulher de mcia idade, para
ama de hornea solteiro ; i tratar na rua do Padre
Floriano n. 36.
Precisa-se de urna ama de meia dado, para
casa de h imein solteiro ; na praca do Cunde d'E'i
n. 21, loja de louca de barro.
Precisa-se de um eaixeiro de 12 14 anuos,
com pratica de taverna : na rua do Visconde de
Goyanna n. 72.
ESTRADA DE FERRO DO RHCIFE AO S. FRANCISCO
AVXSO
FESTA DO CABO
DOMINGO 31 DO CORRENTE
AU'in ito tren* ordinario de paamagelron haver o scsnlnie trem
lo exeurwo entre ai NtarAew de Cinco-Ponan e Cabo
Trem de excnrso
Volia (noite)
12 Cabo (partida) . 9.30
12.l Ilha . . 9.45
12.20 Prazeres . cr. 5
12.30 Ba-Viagem n . 10.15
12.50 Affogados . 10.30
1. Cinco-Pontas (chegada) . . 10.40
Ida (tarde)
Cinco-Pontaa (partida) .
Affogados
Ba-Viagem
Prazeres >
Ca' o (chegada).
Preeo da paagen no trem de excuraao (inrluwivc a taxa do foverno)
Cinco Ponas Cabo, ida e volta
1.a classe 20..OO 2.a classe 10900 3.* classe 10300
O trem de excursao tomar passageiros as estacSes intermediarias os quaes
pagaro os precos das passagens dos trens ordinarios.
O trem de volta noite conduzir tambem os pasageiros dos trens ordina
rios, que d'elle se quizerem utilizar.
a bilhete3 emittidos para o trem de excursao nao servora para os trens or-
FUPICAO GERAL
ALIAN l'ATEHSON & C
N. 44-Rr i do Brum--N. 44
JUNTO A EF fA(JA0 DOS BONDS
Tem para vender, por pre< mdicos, as seguintes ferragena :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacoe.E de diversos tamauhos.
Rodas de espora, idom, idem
Ditas angulares, idom, ide.n.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito rundido, de lindoa modelos
Portas de fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de paadora
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de coneertos, e assentamento de maobinismo e exec&iam qaalqa*
rabalho com perfeicao e presteza
linarios.
Cabo 27 de Janeiro
1886.
Welh Hood.
Superintendente
10.380
10.382
10 438
10.445
10.456
10.460
AVISOS DIVERSOS
Precisa-se a ugar urna c sa espacosa, com
agua e gaz ; na rua da Imperatriz n. 35, segundo
andar. ____
__ Os abaixo asaignados, curador fiscal
ngnau
fallid
e de-
positario da massa fallida de Antonio Francisco
Corga, previnem aos inquetinos das casas perten-
centtes mesma massa, e situad s em Goyanna
que nao pagrem aluguel algum ao procurador
constituido pelo fallido, e cujos poderes cessaram
pela abertura da fallencia, devidamente publica-
da. Os mesmos inqnelinos estio responsave
pelos alugueis que pagarem indevid >mente a dito
procurador, que procedeu criminosanifiRte rece-
beodo ditos alugueis. Recife, 21 de dezeuibro de
1885.
Dr. Ferrer.
Jos Fa istino Porto.
Urna pessoa habilitada offerece-se para caixen
de algum engenh> perto da cidade, e tambem pr
poe.-sc a ensinar primeiras letras a menin
qu-m precisar pode deixar carta fechada nesta
typographia com as iniciaes, T. V. P.
, = Vende-sc urna casa de ^jolo e cal e um a!i-
cerce para duas cas3s, abaix da segunda ladei-
ra de Apipucos ; a t*atar na rua da Concordia
n. 161.
Offerecr-jc para ama de casa de pouea fa-
milia urna mu'her de idade ; no be:co do Bernar-
do n. 51.
Aiugi-sn a loja do sobrado n. 187 rua do
Coronel Suassuna, com 5 quartos, 2 salas, cosinba
lora e quintal, por pref) razoavel ; a tratar na
rua larga do Rnsario n. 44.
Farinlia de trigo nova e de
superior qualidade
Retalha-se em lotes
vontade do compra-
dores o carregamen*
de farinha de tri^o em
saceos cheg*ado do Rio
da Prata pelo paque-
te ing-lez Libbie H.
a tratar no armazem,
rua do Commercio
t
^msm aii^
O proprietarios do muito

MSEIJ DE JOI \S
sito a rja do Cabug n. 4, coramunicim ao respeitarel PUBLI'.O que receberam um
grande sortiraento de joias las mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam-
ben relogios do todas ns qualiJades. Avisan tambem que continuam a receber por
todos os vapores vindos da Europa, objectos novos o vendem por muito menos que om
outra qualquer parte,
MIGfi WOLFP & C.
N. 4RUA DO CABUG----N. 4
Compra-se ouro e prata velhu.

Ama
Ama
'ALBERTO HENSCHEL & G
52-RUA DO B.VRAO I) \ VICTORIA-52
O abaxo assignado tem a honra de participar ao respeitavel publico d'esta
capital o do interior, que reassumio a gerencia d'este grande e bem conceituado esta-
beheiment, onde j por longos annos tem oceupado o mesmo lugar.
As Exmas. familias e pessoas que desejarem hnralo com suas encommenda*
encontrado all os mais modernos e aperfeijoados trabalhos concernentes a arfe
photographica e modicidade nos precos.
Precisa-se de urna ama para eosinhar e que
durma em casa do emprego; na ru. da Conceicjlo
n. 4, 1 andar.
n
.4.
Declarado em lempo
Os abaixo assignados previnem as corpocommer-
cial e a quem mais interessar p issa, que nao des -
contem urna letra de dous contos de ris, aceita
por Lyra & Brita e garantida por D.'odato Mon-
teiro & C, a yenecr-se em Maio do corrente anno.
O motivo desta prevencao que a garanta foi
dada sob certas condices, que alias at boje nao
fo-am cumpridas, e que, portanto, autirisa os
abaixo assignados a levantar qu-stao na occasiSo
do pagamento, pois que el es nao est) diepostos a
fazer sacrificios por amor de quem tao fcilmente
se esquece do promettido.
Itecife, 27 de Janeiro de 1885.
DtoAato Monteiro & C.
Pontos derhelorica e [iliilosopliia
De accordo com o ultimo programma official,
t ai venda a Livraria Econmica rua Primei-
ro de Marco n. 2.
A> commercio
Os abaixo assignados participam ao publica e
especialmente ao corpo commercial que neata data
dissolveram amigavelmente a ssciedade que tinham
no hotel sito ao beco do Caj n. 10 retirando-se o
socio Oliveira pago e satisteito de seu capital fi-
cando o ativo e passivo da cisa a cargo socio
Souza.
Recife. 30 de Janeiro 1886.
Serafiai Marques da Silveira.
Manoel Oomingues de Souza
250^000
Vende-se por 250 tedos os utensilios necessa
nos para urna padaria, inclusive um bom cylindro 60 c 80.
SAO AS SKGUINTES PARA, ACABAR
S9-Rua Duque de Caxias-59
Toaile de nice, lindas cores, lfl, 13400 o co-
vado.
Oamac de seda borcada a lf o dito.
Sedas bordadas, finas, a 18j0 e 21 o dito.
Setim Maeo de todas as cores, a 1 e 14G0 o
dito.
Dito dito preto, a 1S200, 1*50i e 25 o dito.
Cachemiras para vestidos, a 13 e 1*400 o dito.
Grorgurinas matizadas de todas as cores, a 400
c 500 rs. o dito
Setinetas Uvradas o lisas de todas aa cores, a
00e 560 rs. o dito.
Faile com lindas cores, a 460 e 640 rs. o dito.
Mirins pretos a 13, 13200, 13400 e 23 o dito.
La de quadrinhos, ores lindas, a 700 rs. o dito.
Dita de todas as cores, a 400 e 56') rs. o dito.
Popelinas de seda a 300 e 320 rs. o dito.
A'paCis lisas, finas, a 360 e 460 rs. o dito.
Fusilo de cores para menino, a 320 e WO rs. o
dito.
Casemiras pretos a 23 e 23200 o dito.
Ditas de cores a 13500 e 23 o dito.
Ditjs ditas finas, inglezte, a 33500 e 43 o dito.
Cortes de casemiras com toque de mofo, a 23800
e 33400.
Ditos de dito perfeitoe, finas, a 6*500, 73500 e .
103-
Damasco de l eoai 8 palmos de largura, a 23
o covado.
Dito de algodao a OoO rs. o dito.
Dito branco bordado a 13500 o metro.
Atoalhado de linho fino, a 13 o dito.
Cortes de cazeneta a 13400, 13800 e 2*.
Fechs de pellucia, 63 e 7S um.
Ditos arrendados, a 23500, 33500 e 43500.
Ditos de seda, lindas cores, a 33 e 33500.
Chales de casemira, a 33500. 53500 e 73.
Ditos de algodo.a 13, e 13800.
Colchas de cores a 13500 e 23
Ditas portuguezas (muito grandee) a 123 c 143-'
Ditas de crochet a 103, 12 e 153.
Capellas com veo (para noivas) a 103 e 163.
Enxovaes para batizado, a 103 e 143-
Camisas para senhora, a 33500 e 53-
Saias idem idem, bordadas, a 43 e 53500.
Toalhas de laberntho ricas (para baptizado) a
[~}P cusa-se de urna boa c smheira e engomma-
deira ; na rua da Uniao u. 47.
Grande corlimento
de peno* c molida* para mcccom e
UquIdON
Veode-se por preco razoavel ; na !oja dj Sju-
zi, rua do Bario da Victoria n. 61.
i!CASA DE BANHOS
americano, tudo em perfeito estado de conserva-
do ; a tratar na rua da Imperatriz n. 14f loja.
Cosinheira
Precis .-se de urna ama par., eosinhar, que teja
limpa no seu trabalho e que faca mais alguns ser-
vicos de casa ; a tratar ni rua do Visconde de
Pelotas n. 14.
Na rua -strelto sario n. 10, tem para
vender mobiiia de joarand e de pao--aaga por
precos co modos, assim como diversas pec avulsas._____________
:= Arrenda s^ 'res bailas de capim e urna ola
ra, sitas em Apipucos ; a tratar na rua da Con-
cordia n. 101._____________________________
""^TMarcolin > de Souza Travassos declara que
deixou de ser eeu eaixeiro desde 9 do corrente
Alfredo de Carvalhar Pacheco, e pede que n5o
paguem esntas a elle. Recife, 26 de Janeiro de
1886. ____
__Precisa-se de uir.a ama para e^nbar, para
casa de pouea jainili* ; na rua do Bario da Vie-
toria n. 57._______________________
~^-" Alugn-si urna cata cato sota, na Cruz das
Almas, frente d^ sitio do fallecido Tasso, par.
lia pequt-ua ; a U-.*tor na rua Pruncu
Marco n. 2 .. loja d>jais._______________________
__ Precisa-se de um menino com pratica de t*-
viina ; trata-se na rua do Caldeireirj n. 39, ta'
yerna.________ ___________________________
Precisa-! de daa* mulheres de idade, que
teuhamboui comportonrento, pa:a fazerem com-
panhia a duas eenhoras casadas, dando se tude
que precisaren! ; a tratar na rua dos Quarteis nu-
in<'ro 6._______
-^Aluga-se urna escrava ptima para todo o
ervico domestice de casa de familia ; a tratar na
rua do RisAhuetfo, casa n. 31.
D. Poanna Evangelista loares
Raposo
Joao Soares Raposo, Frnncisco de Paula Soares
de Mello, Alpheo coares Raposo, Vescia Raposo
de Araiijo, Mara Thereza Amado Raposo, ausente,
J is Afionso de Araujc e mais os rmaoj e cunba-
dos da fallecida, agradece r\ a todas os pessoas que
acompanharam a ultima mora la os restos martaes
de sua presada esposa, filha, mSi, sogra irmi e
cunhada; e as convUam a assistir as missas que
pilo eterno rep.uso de sua alma serao resudas,
s'gunia-feira, 1 de Fevereiro, na igreja do Am-
paro em Olinda, As 6 1/2 horas e na matriz da
I! 11-Vista no Recife, s 8 horas da manhil_______
f
Manoel Ja dos Sanio
O directordo Asylo de Meadieidade manda resar
i ma missa pela alma de Monoel Jos dos Santos,
x-mordomo do mesmo eetobelccimento, no dia Io
de fevereiro, pelas 8 b ras da manh, na capella
do Asylo. ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
Crotones para vestidos, lindos padroes, a 280,
360 e 440 re. o covado.
Chitas claras, finas, a 240 e 280 rs. o dito.
Ditas escuras a 240 e 320 rs. o dito.
Baptistas largas, cores lindat, a 200 e 240 rs. o
dito.
Liuh )s eseccez largos, a 240 e 280 rs. o dito.
Ditos ditos a 160 e 200 rs. o dito.
Fustao branco a 440 e 560 ri. o di o.
Babxdos bordados a 13. 13500 e 23500 a peca.
Bi im pardo lona, a 321' e 400 rs. o an
Moleskim de cores a 500 e 560 rs. o dito.
Meias para senhora. a 43, 53500 c 73 duzia.
Ditas para hornera, a 43, 63 e 83 a dita.
Esguio muito fino de 123, por 43, 43500 e 53
a peca, tem 10 varas; que pechincha!
A' roa Duque de Casia* n. SO
CfflsirnflaMaK.
Fazendas linas e mudas
t t, Rua do (nliiit B
J Bastos *Jfc C
(TELEPHONE 359)
Avisam as Esmas. fami'ias que receberam de
Pars:
Lindissimos cortes para vestidos com tecidos da
mais i alpitante novidaJe como sejam: Etomvne
om berdado a retroz, se!.: crna bordada a capri-
cho, Cachemirecom enfeit-'s b' rdados a fil.
Modv. 1886
Valentionne en ecorce d'arbre.
Primoroia escolha om vestidos toca 20 metros de
la ligeira, tecido ainda aZ> conliecido aqu.
Cores e desenbos novissimas n..s seguintes fa-
zendas de seda, 14 e algodao. Etamine, Surab, Se-
liua, Pail.les, Lian. Toile d'alsace, Cachemires.
Explendido sortiinento
Em leques, luvas, espartilhos, lacos, lavalires,
meias, lences e muitos outros artigos qu se ven-
dem por precos sein competencia.
F.rites de setlneta a &OO rs, o M
covado
Alheiro & C. rua da Imperatriz n. 40, ven-
lem um bonito sortmiento de fustoes braneos pelo
baratinho preQo de 400 e 500 rt. o covado, assim
tetinetos lisas, tendo de todas as cores a 500 rs. o
covado ; na loja da esquina do becco dos Fer-
reiros.
COM rJCHAS
80 PATEO DO CARMO 26
Este grande ottabelectmeato situado no cen-
tro dista cidade, conttm 18 quartos, 10 desti-
nadoa para honuns. 1 paia sti.horas, 2 para
boa le chuva e 2 para as duchas. Este es-
i '?.}< lai as vantngens que
jar, com o grande melhoramen-
proprietario acaba de fazer, collo-
... a vapor para facilitcr os
a e uid-cinaes; os appr.relLos
o I. ,. lento pelo systema hv-
. : 10 sao as duchas vei
i circular, systnica eEe
o de tratnmento que
. an abalo particular do systerna
'as chronicas, porin Br-
en throno, porfjue tem
ir doentes abandoi
ios os meios therapeu-
' txan olnelhoramento di i duchas j
los pelos Snrs.
B ) tm acl males.
: i -nrosamen-
. *e observados, le am-
para o i;ii-.' tem ama divisaos
is regular nos quartos destinado* aos ba-
; Oftcrece ama gerantia ao receio mais
te.
; P .--. Drs. em medicina o obbe-
DOSSO estbelecimento com
; US se informarem de seu estado
"i :usim recommendal-o a seus doen-
1 desta arte a dar-lhe um
nto que o torna til em todos os
I" lianbos estar aberta nos das
.s 10 da rloite e nos san
Ja Liiunb s 4 da tarde.

T&belL? dos Pretjoa
I
VINH0 de CATILL0N
do OLYCERINA e QUINA
0 mais poderoso tnico leeonstituinte proscripto
no caos deDoresd'estomago, Langor, Anemia
Diabetis, ConsumpcSo, Fobros,
Convalesoenca. Rezaltados dos partos, etc.
0 memo rindo com ferro. VINHC FERRUGINOSO 01
C1TILL0N regenerador por eicellenci do sangne pebre
e descorido. Este rinlio fa tolerar o ferro por todo
" estomago e nao oecasiona prisio de rentre,
> 13. rua Ulnl-Vmcwtilt-Piul. Km fvnimbuott
rrsac U. da Sllrae C;>asaaummrbrm
NICO VINO QUINAOO OUF. OBIEVE f 51A
a
Barza,
Gerente.
C B rw w m TT K
JOSEPH RRAUSE a *
Acabam de augmentar o seo j bem conhecido
importante estabelecimento rua Io
de marj'o n. 6 com mais
um salo no i andar luxuosamenle pepar- Jft
rado e prvido de urna exposi- ^
fl# k abras de prata do Forte e eleeti^pliie O
dos mais afamados fabritttt.f do g
mundo inteiro. ^
Comida, pois, as Exilias, familias, seus nume- ^
rosos amigos e freguezes a \isilarem u
o seu estabelecimento, ani de j
apreciaren) a grandeza e bom gosto com que J
nao obstante a grande ^
despeza, o adornaram, em honra R
desta provincia.
AGHA-SB ABERTO DAS. A'S 8 DA NOITE
^ "V T
TINTURARA
SCCBSSOR
IMlhias de Albuquerque n. 25
| WTIliAim DAS FLORES)
Tinge e limpa coro a rnaior perfe9So toda a qualidade de estofo, e fazdodaa
em pecas ou ero obras, chapeos de feltro ou de palha, tira o mofo das faaeudas; todo o
trabalho eito por meio de machinismo aperfeijoado, at hoje conhecido.
Tintura preta as terjas e sextas-feiras.
Tinta de cores e lavagem todos os das.


ia machinas de costura
Domeslic
S3o reconhecidas
antes, as mah
sentidos
*er as mais
crTia-vo8, e em
el___
tof
smelhores
precos, e
ch*c
de todos os
da
Is
Paca
tragSes
ae a
DOMESTU; SEWING
CfflNE & C.
HBW iOBT C. 8. A.
aras com Hu
'tylos, dirijaTs-
MA

UHVEL








Utarift ile ltanHM*biit*i-- Aluga-se barato
> 1.' e 2.* srdnr trnvnasa do Campello n. 1
armasen e o !* andar da na do Bom JeU
._
0 1.a andar da tsarasea do-teme n. 10.
1 loja da roa do Calabouco n. 4.
A casa da rus da Palma n. 11.
casa da roa de Lomas Valentina n. 7.
A casa da ra da Ponte Tena n, 39.
A eaaa da Baixa Verde n. 1 B Capunga
A tratar no Largo do Corpo Santo n. 19,1* nn-
Alugt
ase
sacando andix da rua da Imperatrii n. 24 ; a
matar na Agencia Progressiva, praca de D. Pedro
H n. 78._____________________________
~~ luga-se
o nrimeiro andar do predio n. 30 a ra Duque de
Carias, e as casas terreas na ra do Coronel Suas
sana na. 51 e 551 ; a tratar na ra Duque de Ca-
sias (anga das Cnuet) n. 30, 2- andar, on na
pndana._________________________
tluga-se
i segundo andar da ra da Imperan-i s n. 24 ; a
tratar na agencia progressiva, praca de D. Pe-
dro II n. 73.
Aluga-
i-se
o e 3- andar do sobrado ra do Brum n; 26.
a tratar na padaria.________________^^___^
Ama
Precisa-se de orna para todo servico de casa de
pouca familia, tratar no pateo da Santa Croa
n. 20.
Ama
Precisa-se de orna ama para engommar e cos-
nhar, para urna senbo.a so : na ra da Boda nu-
mero 38. ____.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba lavar en-
gommar ; na roa do Viseonde de Ooyanns nume-
ro 139.
Precisa-se de nota ama para todos os servicos
de duas pessoas ; na rua lajperial n. 200-C._____
Precisa-se de urna ama para engommar : na
Capunga (antig ra da Ventara) n. 3._________
Vina
Precisa-se de urna ama qne saiba engommar e
coser na. raa de Riachuelo n. 57, portao de
ferro.
Ama
No largo do Corpo Santo n. 19, 2' andar, pre-
isa-se de ama ama boa cosinheira, que durma em
casa e d pessoa que abone sua conducta.
Ama
Precisa-se de urna perteita cosinbeira para casa
de pequea familia no Monteiro ; a tratar na ra
da Cabug n. 14, 1 andar, de meio dia s 3 da
tarde.__________________________________________
Ana
Precisa-se de urna ama para andar com urna
menina ; na ra do Imperador n. 17, 2- andar.
Precisa-se de urna ama para coainhar e com
Srar, para casa de familia : na ra do Viaconde
e Gcyanna n. 139._____________________________
Precisa-se de urna par counba, pom que
durma em casa; a tratar ra do Marque de
O inda n. 6.
Amas
Precisa-se de urna ama para engommar somen-
te o outra para servicos internos de casa de fa-
milia ;'tratar na ra dj Br m n. 68.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar e com-
prar ; na ra do Bom Jess n. 53.
Ama
Precisa-se no 1 andar do sobrado n. 55 da ra
do Bangel de urna ama para comprar e cosinbar.
Cheg'aram
para a ra estreita do Rosario n. 2 os verdaderos
3ueiio"s do fabricante Lameng, que se esto ren-
endo a 8000 cada un.______________________
Carrosa alta
Compra se urna on duas rodas avulsas, e que es-
tejam em bom estado de segnranca ; na raa Nova
numero 13.
Escolado! pobres
O professor particular, abaizo aasi nado, abri
em sen collegio ra da Matriz da Boa-Vista n.
34, um curso primario gratuito para 25 menino:
pobres e desvalidos, fornecendo aos alumnos li-
Tros e vais utensilios ncceysarios ao ensino. Acha-
re, porlanto, aberta as matriculas para as crian-
cas orphas desvalidas, que quizerem frequentar o
_^aci:vo curse. Ra da-Matriz Ja Boa-Vista
auroero 34.
JaJio Soares de Azevedo.
Borracha para limas
Recusa um Rodrigues de Faria A C, eteenj
para **nd*r. em seu armazem a ra de Mara e
Barros n. 11, esquina da ra do Amorim.
TOXICO
Prenarago de Productos Vegetaes
. tin?oTas caspas
e outras Molestias Capillares.
Jvl ARTI NSTBASTOS
I*et'mimhneo
R. DE MU SIM k t
BU 10 Bll-JBU L18
(ANTIGA DA CBZ)
Casa de commisses
Grande e variado sortimento *le amos
rae e catlogos de prodceles da Alleni.
iba, Franca, Inglatera, Austria, Hespanha
taba e Estado-Unidos.
N. B.Informacoes sobre machinismot
gricolas, ditas para engenhos contraes
x>mbas, etc para incendios a outras m
hias e utensilios
Collegio Parthenon
Este collegio acba-se aberto rua-Velha n. 40,
e reeeb,a umnos ijtemos, semi-internos e exter-
nos.O -director,
(iridio Al ve Manaia.
O Sr. Joao Cavalcante Mauricio Wanderley,
ilho do Exm. Sr. Bario de Traeunhaem, quein.
'ir ou mandar ra Duque de Caxias a. 73, con
i uir o negocio quena* ignora.
Criado
Precisa-se de um criado ; no largo do Mercado
numero 4.__________________________________
tluga-se barato
As cazinhas ns. 4, 6, 8, 10 e 16 do beeco da ra
da Palma.
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro com pratica de mo-
lhados ; na ra de D. Mara Cesar n. 9.
"Diario de Pernambuco"
1. de jan o i ro (I osle
anno
Compra-se no arma-
zem de molhados ra
da Ponte-Velha n. 54.
Ao publico
Urna senhora habilitada se offerece leccionar
primeiras lettras e trabalhos de agulha em colle-
gios ou em casas particulares ; qaem de seus
prestimos piecisar, pode dirigir se ra do Co-
ronel Suassuna n. 72.
Tasa no Enea ment
Aluga-se urna casa nerto da estacao de Pirna-
meirim, nova, -tem 1 qnartos, 2 al s, eosinba
tora ; a cbav para ver. a t a veros, do Sr. Adria-
no no mesmo lugar, elle indicar com qaem se
deve tratar, o aluguel barato.
Caixeiro
Precisase de um menino com pratica ou sem
ella ; na na do Arago n. 17. __________
fosinheiro
Precisa-se de um o> sinbeiro ; a tratar na ra
de Paysand n. 19 (Passagem da Magdalena), ou
roa do Commercio n. 44.
Cosinheira
Precisa-se de urna essiuheira que engtame
bem e ensaboe, e que nao durma (ora, para casa
de pouc familia ; na praca do Conde d'Eu n. 30,
terceiro andar
Cosinheiro
Ns roa do Vicario n. 17, se precisa de um co
sinheiro-
(asa na Torre ^
Alugn-se uma casa na ra do Rio, cm bens
coaantud' > bastante fresca ; a.tratar ama lar-
gt du lio. ario n. 34, pbarmacia.
Profissora
Offerece-se uma nr feasora para leccionar
algum collegio e casas particulares as seguii
santeras : partugue, fraapea, mnsica e piano
tratar na roa do Marques do Herval n. 90.
Casa para mor; da
Precisa-se alngar uma casa que tenba bous
commodos, agua e gaz, e que tenba quintal ; nes-
ta typof;raphia se dir quem queir .
Escola part'cnlar
De InsrHccSo primarla para o
sexo _asculino
34 BMA DA MATBZ DA BOA VI8UA 34
O abaixo assignado participa ao Ilustrado pu-
blico desta capital, que abri sua escola particular
de instruccao primaria para o sexo masculino,
ra da Matriz da Boa-Vista n. 34, onde esmerada-
mente se dedica ao ensinu de seus alumnos.
O grao da escola consta: 1er, escrever e contar,
desenno linear, historia patria e noces de francs.
Garante um rpido adiantamento em seus alum-
nos, pelo seu systema de ensino, o qual uma pa-
ciencia Ilimitada, um amor inviolavel e uma es-
merada dedicacao ao ensino, fasendo com que os
seus decipulos abracem e amem de coracao as le-
tras, ros livros, e ao estudo, guiando-os no cami-
nho da intelligencia, da honra e da digaidade,
afim de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religio, e da lei, c um verdadeiro
cidado brasileiro.
Espera, pois, merecer a confianca c a protecco
do dlstincto povo pernambucano, e em particular
tem f robusta em todos os pais e tutores de me
nios que queiram aproveitar um rpido adianta-
mento de seos filhos e tutelados.
Comquante ouaada seja esta tentativa, todava
espera que os seus incansavek esorcos, e os seus
puros desejos, sejam coroados com a feliz appro-
vaco de todos os filhos do Impe.-io da Santa Cruz.
Mecsalictale2XXKX) pgos adiantados, no acto
da matricula.
Horariodas 9 acras da manh is 2 da tarde.
Recebe meninos internos e meis-pensionistas por
mensalidades razoaveis e lecciona por casas parti-
culares a ambos os sexos.
Julio Soares de Azevedo
34 BCA DA MATRIZ DA BOA VI8TA 34
Luvas
Fabrica se por medidas, em 2 horas, perfeicao
precos mdicos, elegancia, material de superior
qualidade : ra do Cabug n. 7, 1 andar.
Leonor Porto
Ra do Imperador n. 4L&
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
figurinos recebidos de Londres, Paria,
Lisboa e Rio de Jansiro.
Prima em perfeicao de costura, em bre-
vidade, modicidade eoi precos e fino
gosto.
Ensino injstico
OAnreas-M uma profeeaor, para ensinar em
enana, partienlares, primeiras lettras, francez, fio-
rea de panno, msica, principio de msica e
piada : a tratar no Caminho Novo n. 128. Mesmo
t'ra da cida4a> ana arrabaldes, por preco mdico.
2011000
s__
en
Destino; na Bon-Viet* ; a de ?. F no
(wrat par 16 ; a de n. 3x nn-tnwewk do
Jos, por 12* ; a* cbnve aehaai se
para ver, e trata se na ra da Gua n. 62,
A BSLLiZ ETERNA U PZLLl sM_ t*o roa ii
PERFUMARA-ORIZA
LEGRAND. Fornecedor da Corte da flussia.
ORIZA-LACT
L0(0UULSIV
BraaqasUtrefrMesa Bll*
fatawafissssosrasnwisii
DRIZ^VBLWT
Sabio pal* r*o*H* lio
>n. ItVtIL.
ota sana ptl le.
ess-Triza
Parfumeidi'.soiot
nmilhttz,aitn* non*.
AdapUJo >a mHi
ORIZA-VELOUT
MldaFLORd'A'KOZ
tdherent* i paila.
Pwiiit. o lilil ORIZA-Ola., Oleo j>etx-a
Deposito principal .' 307. rua Batnt-Honor. Parly
Gotta, Bheumatismo, Dores
SoLugo do Doutor Clin
Liurttdo da Facilidad de Medicina de Pars. Premio Montyon.
A Verdadeira Solugo CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As AHeccoes Rheumatismaes agudas e chronicas, o Rheumatismo gottoso,
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessario calmar os
soflrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solacio CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
K23 Um explicago detalhada acompanha oada frasco.
Exigir a Verdadeira Solacio de CLIN ft Cic, de PARS, que se encontr em
_ casa dos Droguistas e Pharmaeeuticot._____ _
>nasmjwsjnnsvtJ,"*'++*+***>* wiannwaigi*
X>_gr _t _-tl"Vo _t
THOETTE-PERRET
as 'Am^AXA (Pepsina vegetal)
35& OS mnis poderosos digestivos coahecido; at agora, para couumc *st '
APFECQCFS DO EST0S1GO: GASTRITES, fifSTRAL6lfc?. I
USABAS, GMliS, PSQ NO ESTOMAGO, l\k OlSIflaj. cTCf H& |

nv Oi'ni tooo dbpois da comida asta para^uraji 05 csos s unttc-H
i venda as orinciptei Phannaoias e Drofiarias.
fenOs m tntto em Par :TROUEtTE-PEBRUT, ra. lal-Anteiae,
Ot>a>m eaugf Sene S* etrem* granan sobre os Frasco* pira evitar as 8*1ilflae>f*ifO
. <-(.irios cui Pernamhnco : FRAN" M. dn S'IiVA t O*.
n_a^sv<**hftJWMM>*M*M>sVV**>s_n liaii**i*li00*tk*a*^*yit*m

Cuidado com as Fslslflc
AGUA de MELISSAl
dos Carmelitas
BO
Unioo Sucoeesor dos Carmelita |
Rua de l'Abbaye, 14, PARS
PABI3, 14, us no iAij, *"
I Contri a Apoplexla, o Oholera, o Enjoo do mar, os ITato, as Clica, Indl-
itlin. t Febre amarell, ett. Lar o proapeco no qutl ra amoMdo cadi tidro.
Deve-se exigir o letrelro brinco e preto. em lodos os vldros,
seja qual fOr o tamanno, ciimo trnbem a assignatmv:
Deposllos em todas aa Pharmacias das America.
I JUM.i.iitlLS>gs__r_____ntinnn_s_nasna_s_nj
f YEROADEIRAS PILULAS do D 8LAU0
m P*mcu* preparados ferruginoso* podem anmntntar-M i confu jc* as Mea
I J Jsaarnt apoiaoe em documento* to aatbeacot corto os aagriflina ;
1 esoprecada* cm o melhor cilto. ha mais de 40 annoa, pala malor parte dos MniMoea.
m (CminiOUas). e faclilUr a rermaeAf ios raprteos.
r Piluia nc noTo C.tdex franttj OM dispense de todo nssaio.
cltaoao. do Bt' OWIW -
iSSnn^^neassc nana Siiclnn.oaeiie,rennne ana Jlliifnl
C>- DOUBLt
It^ima Ac'lamia da mw Ktrh.
t wlettersTaflo sobre oada Ulula oosao trarseui
DKSOONFIAH DAS *TilTAQd_l
tiMIS, ra PtjuM. t."Pei .ambeco: FR- di i'- f, t iai M
_ w
SAUDE PARA TODOS.
P_l L U LAS HOLLOWAYl
As Pltulas purtpco o Sangue, corrlgem todas as desordena de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das constitucoes delicadas, e sao d'um valor incrivel pa todas as enfermidades
peculiares ao sexo feminimo em todas as edades. Para os meninos assim como tambem para as
pessoas de idade avancada a sua efficacia e inconteataveL
bu medicina alo preparad jmente no Estabeiocimento do ProCntor Hoixoway,
78, NEW OXFORD STREET (antas S33, Oxford Strest), L0HDRKS,
E venderase em todas as pharmacias do universo.
' Os comprador*, sao convidados respeitoHunente m examinar os rotulo* de cada calxa e Pote se nao teem a
direccao, 533, Oxford Street, sao rlsificaooes.
OPPRESSAO
Toan
CATUlBO-Enni
ASTHMA
NEURALGIAS
rict cifiAfies espic
ytuuia uorvouo, lci. i
Aspira-e a fumaba que penetra 110 ueiio acaiaia o syniutoiiia
expecloracao e favorisa as funecoes dos orgaSs respiratorias.
' !< c*m amam *U> S. Esri*:. 1SS>, rus >-Luwe, eoa Parts
a^/eeiUrtM$meww*m*amoai rJtJ,MC- atm '.VVA. a* C-. _^J
Murara e criado
Precisa-se de urna coetureira e de um criado,
nao devendo ter este mais de 15 16 annos de
i lade ; a tratar na rua da Saudade n. 16.
Precisa-se
de un socio para uaia casa de molhados, que te-
nba habilitacao necessari e que entre com algum
capital ; trata-se no largo do Mercado n 11.
Quem tem ?
Onrs e prala : compra se ouro, prata e
oedras preciosas, po- muior preco aue em outra
la quer parte ; no 1 mu I ir n. 22 a rua larga do
Rosario, aiitiya do Qnafteia, dns 10 horas s 2 da
'.arde, das uteis.
IPILLAS DIGESTIVAS DE PANCREATINAI
de .
Pharmooeutioo de ia Ciaste, Fornecedor dos Hospitaes de Pars
A Pancreatina empregada nos hospitaes de Paris, o mais poderoso]
I digestivo, que se conhega, yisto como tem a propriedade de digerir ei
Itornar assimilaveis nao smerue a carne e os corpas gordurosos, masj
Itambem o po, o amido e as fculas.
Qualquer que seja a causa da intolerancia dos-aliir.entos, alteracao, oul
'ausencia de sueco gstrico, inflammacao, ou ulceracoes do estomago, oul
ido in'estino, 3 a 5 pilulas le Pancreatina de Defresne depois da co-i
I mida, sempre alcancam os melhores resultados e sao por eso prescriptasj
[pelos mdicos contra as ssguintes affeccoes:
Gastralgias.
Ulceracoes cancerosas.
Enfermidades do ligado.
Emmagre cimento.
iFalta de appetite. Anemia.
_s digestoes. Diarrhea.
Vmitos. Dysenteria.
Flatulencia estomacal | Gastrites.
i Somnolencia depois le comer, e vomitou luescompanhain a gravidez
IFANCREATINA DEFRESNE ;m frasqulnlios ;om a dse de 3 a 4co!
radazinhas depois da comida.
|Em cm de DEFRLSNE, autor da Peptona, PARS, t em todas u Fbicb'
ADIflNlSTRACiO
PAB1X. fenla vara
PABTtUiaS DIOESTITaa
Viohy com os Saet exCranido*
de gosto agrada vel e a sua ~
ira a A lia e as Digesta '
BaM MUIOS. Un rolo para mu ..i.no. para as pessoas que nao
Pare, tvttar ea taUtaciti axtffir em todos as productos
MAROA. X> OOMF Z>_ -V-ICMTir
, H Pradoelo ym* .rhio-M ._,. d. HMHISMEWDT I ltljil,
I JUZtB K0ICHLIN, 35. ro di Cre.
Eite remedio precioso tem gozado da acceita-
eSo publica durante cincoenta e sete annos, coni-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forao tao een-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
offerece a melhor prova da sua efficacia maravil-
hosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem deixado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
cranlas quer em adukos, que se acharo aflic-
tos destes kmigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestasOes de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsifica$6es, de
tone que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
yei_fiipteB.A,FA_NEST9CI
CONTRA
A TOS SE;
JaVIES
1 ni- lepainicnte auctonsado
Si-lo icoverno de Portugal, e approva-
n pelo ronselho de saude do mesmo
p;ii?. d"pois di* eridenciada a suaeffi-
raeia era repetidas observacoes nos
')n*;i! ,,> ofiriaes.
i'.:,'. i-.-.i ant aivimpanhado d8
" s dos
boa, reeo-
tihceioas pelos consoles do Brasil
Tricofero
de Barry,
Snrantc-'vc que
.z creccr o
OABELLO
ainda meninn i a- rabeen*
mnfa calvn, bem como a*
cara radtcalineate
aTli.HAe a CASPA.
Positivamente imaede 1
aeda e o embranqnecimento
d CABELLO e em todos os ca-
sos o torna invariavelmente
Kacio, Bnlhante, Formoso t
Abundaata
Em uohmildeoItentBnoi
e tero maJor venda que neobum
outr" ori'paradw para o cabello em
to. 3iundo.
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segundo a formula
original usada pelo inventor no
anno e 1829.
Tem duna vezes mais Fragrancia
que tiualqucr outra.
Dura duas vezes mais tempo.
E'muito mata rica de perfume e
mais suave.
E'muito mais Fina e Delicada.
Tem dobrada forca Refrescativa e
Tnica no Banho.
Fortalece ao Deb le ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca e os des-'
malos. i
E'muitissimo Superior a todas as
outras .Aguaj F
mente a venda.
"loridas Actual
i
De8coberta Importantissima.;
Puro Oleo de Figado de Bacalhao
COM
IODURETO DE FERRO,
Barclay Companliiru
Cora radioalmente e comBegnrancao? peores caaos
de Phthipica, Escrofalas, Rheamatlemo, as doen^a
da Etpinha Dorsal, dos Qnadria e dos Ossos, a m-:
flammaeoMdo Figado. do Bacocdo tero, ttc.ete.,'
e rceUtue ao corpo enfrauneckio fatigado o seu prl-
mtivo vigor c arredondado do contornos. E' certa-1
mente ama grande deacoberta o Paro Oleo da
Finado da Bacalhao com lednreto de
Frro-dc Barclay Je Ca., Wew Yorfc. ^
Xarope de Vida1
de Reuter No. 1.
DEPURATIVO E PURGANTE,
Este novo e admiravel purificador^de^
sangue acta sobre os intestinos
o ligado, os rins e a pelle. [
E'curainfallivel contra a Debllldade
Nervosa, as Doras de Cabeie. a Dys-.
pepsia as Sezoes, e oontra as doen-
oas de orlgem Miasmtica ou occa-
slonadas por deaordens do figado
ou pobreza e Impureza do singue.;.
PILULAS
JURUBEBA
BARTHOLOMEOtC
Phtrm. Pirntmbuco
l Curio as Saaoas, e todas as Tab
lntermlstantas.
IS ANNOS DE SUCCESSO I
.BJacisrir a. anigrta.t\u>
Mudaoc}a
Corris A C. Sueoessores mudaram seu esorip-
torio para a raa do Bom Jesns n, 14.
IIEG
^PILULAS5
Ferruginosas
/JRBEBAX
41 DI 1
BARTHOLOMEO
Pharm. Pernambi
ac
Curio
]
Debilidad
Anemia, Flore brancas
Menstruac&o,
t Pobresa de can enei
t Eacigir a. assig-natu.ratJ
yjmdvrt***2ij
FRANCFORTS/MEIN
PARS r7v LONDRES
15RuedeiIchiquierj ^54AidermaiiiuryEC.
transparerite cristalino
conhecido do mundo inteiro
como o melhor mais porfeito
de tocios os silbaos de toilette.
Especialidatlo-
Estractos essencias triples
decheiros. Aguado Colonia.
Vinagres de toilette. I's d'ar-
roz. PommadJ. Azeites to-
das clasesdepcrftnr.nria finas.
Superiores qualidades.
Depobiio: nas principies Per-
fumarias, Pharmacas Cabel-
leireiros da Srazil-
i
Madalha de
lia 187a
K
Sem dieta esem inodifi-
candes de eostumes
o
o
d B
2 o
6
r c
2
S
03 O

O "
'E _
o "O
I
u
o
H
A
s
5'
v
Cu
V

a
g
3 8?
a
B
a
I
5
'_
Especii'-s prrrados han-
maceutiio ognio r :.. s
de Hollanda
Approvodos peina jyuab ii y. ene da Corte,
Repblicas do Prit e ae*dcu;.. ,'.c udut'iia de
Pariz.
Elxir (H: (i>l>liVillft
Restabelece os iiy..)epticoB, facilita as diges-
toes e promove as njno|3cB diffieiea.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os ohlofO-anvmicoa, d.-b.-l'a a b> :)->emia
intertropical, rtcoustitue os hydropicos o'benbe-
ricos.
Xarope de flor <><: arueirs e mutamba
Muito recopioyndiid/) iv> bnananite, na hemop-
Sse e as toases agudas vu chronicas.
leo de testudus ferrugio&o ca6,as de
Laranjas ,*jisi:irgs
E' o primeiro. rpnradr da.frsqueaa d- orga-
nismo, na fysica.
Pilulas ante perioi.:;.3, preparadas cora a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente s febres i mittentes e pernieiofas,
Vinho de jurubeba simples e ta.nbcm fer-
ruginust-, pre-parados eoi viho d>. caj
Efficazes as inflau agudas ou chronicas.
Vinbo tnico de capilaria c apipa
Appiicado as coeva leso-ovas das paatQHsntnj
urtico antefebril.
Deposito : Francisco Manoei da Silva de C.
tan m l: (fu
ajc uxUirmMfejBt_
jh^ de u_e.nsMM
a
tTii idat
&***>' 'aipervo ;fo 8r,
rmi.i.. iitil '.r, i-onvalescenca da
.. naoata -mwrts
ravetmen .,. lor\as aos individass
d.l;iiiUii. excita o appetite .le um
modo nr.-Kir-Iinario. Via clice d'-ts
vinho, FHHvsrata me Iwm bife. Aesa-
- a aasuia iia >-. caes pharm rw
PASTILHAS
ANGELIM &MENTRUZ

ce

a
E>*V
crss
s
ae
0 Raandia man cffrcu *
Stfurt) que ** tem dtteaterto ate
hoja pin Hpt/lir ai Lombrlgis.


Diario de PternambHco^-Sablittdo 30 de Janeiro de 1886

/


Sabio C-.
Sabio upen >r
Oleo
P .r.ada.
Cosmtico
rilhanti
Perfore
0*a r.
A^-rna <- t-ii-tf.
. pra dtata
I p.'.s
i Cid Crean

Depc-ts *a PwhBuris
t
Manoel .inionlo Moars da Fonieca
D. Coam* Maris da Fonseca, seas filhos e goa-
roa, agrn.locem cordialmeote a todas as pessoas
que se dignaram acompanhar os restos mortaes de
seu presado esposo, pai e sogro Manoel Antonio
Soares da Fenseca, e de novo os convidam para
assistir as missas do trigsimo dia que por sua
alma mandam celebrar s 8 horas da manha do
dia 30 do eorrcnte, na matriz de Nosaa Senhera
da Conc-ico no Bonito e na igreja do Espirito
Santo, (Test cidade, mesma hora ; por este acto
de religiao d'esde j se confessam sumisamente
agradecidos
Manoel lose dos Mantos
Pastoura Tbe< doriea dos Santos e sems filhos,
Manotl Jos dos Santos. Antonio Seraphim dos San
tos, Joao dos Santos, Antonia do* Ssntos, Pastou-
ra T. dos Santos, Aquilina A. dos Santos, Mana
P. dos Santos, Julia dos Santos Chacn, Elvira
des Santos Souxa e seus georos Joaquim Manan-
no de Souaa, Jos Chacn, seu cunhado (ausente)
cunhadas e seus parentcs, agradecem cordealmen-
te a todas as pessoas que acompanharam os restos
mortaes de seu sempre lembrado e estimado espo
so, pai, sogro e cunhado,. e de novo os convidam
para assitir.-m s missas que mandan-, rezar na
matriz i! > Corpo Santo, segunda feira. Io de Feve
reiro, s i c 1 2 horas da manha; pelo que ante-
cipam sua etmia gratidao.
D. Tbereza Ciinralveii de eo
lieipilo
Caetano da Silva Azevedj. seu irmo e irms
mandam celebrar missas no ceavento do Carmo,
s 8 hor>s da manha do dia 30 do corrente,
pelo r. |i uso eterno de tua sempre lembrada miii,
D. Tn re?a Goncalves de Jess Aievedo ; e coc-
vidain ;.os parate! a amigos para assistirem a
esse acto religioso anteeiouido o cimentos.
sp

Clarlnda Diansanlinu de Araujo
Romero
Joio Firmino Correr de Araujo, sua mtrlhT
Ignez iaioantiua Correia de Araujo, seu genro
Sylvio Romero, seus filaos, genro e noia, Fran-
cisco Altino Correia de Araujo, Philomeno Getu-
lio Vrreia Je Araujo, Lindolpbo Hisbello Correia
de Araujo, Alfredo Cirrcia de Araujo, Ignez Da
mantiiia de Araujo Homero, Berulde Romero, Eu-
genia Torreo Correia,de> Araujo, pais, esposo, ir-
naos e euihadoa-da finada, mandam resax missas
do stimo dia, na matriz da Boa-Vista, s 8biraa
da manha do da 1 do evareiro prximo futuro,
pelo descanso ete.uo d>; sua sempre chorsda filha,
espoBa, irma e cunhada, Cl rinda Diamantina de
Araujo Romero, para cu jo fim convidam ao seus
parentcs e aos si-us amigos, assegurando Ihes a
SHa eterna gratidao. ^^^^^
Sii2\;..... .'-"*"
cmoiiiiii
\os 4:000$00
biiite twxm
Ra do Bario da Victoria n. 4o
e casas do costante
O abaixo assignado acaba de vender
m seus feliaea bilhetes quatro quartos de
n 1298 cora a sorte 4:000|$GO e di Tersos
premios de 320000, 16*000 o 8*000.
O mesmo abaixo assignado convida os
Soasuidorea 4 virem reeeber na conformi-
ade do costume, sem descont alguta.
Ackam-ae venda, os felizes bilhetss
garantidos da 7. parte das loteras^ a
seaeficio. da matriz de Rio Formozo (35)
que se extrakir quinta-feira, 4 de Feve-
reiro.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
Quarto 10000
En por cao de 1004000 par
cima
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto *875
Joao Joaquim da Coitm Leiie.
m\ fin
40S 4:0001000
4:0009000
BIL.HETE* lft%*HDO
^raQa da independen
cia ns. 37e 39
O abaixo aaaignado vendeu entro os seus
t'jlizes bilhetea garantidos da 34a lotera
i sorte de 100* em 4 quartos n. 1384
Jm de outraa omitas Je 32*, 16* e 8*.
Convida oa poaauidores a virem recebe:
sem descont algum.
Achara ae a venda oa feiiees bilhetes
garantidos da 35a, parte da lotcria a benefic
da matriz do Rio Formoso, que se extra-
hr ao Hia 4de Fevereiro.
il
Bilhete
Meio
Quarto
i porcao
Preco*
inteiro
4*0OU
2*000
1*000
de 1005000 pai"
cima
Blete inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto 875
utonio Auijuut. '-" Pjrto
Aviso
Achando-se j impreasaa as poesas que deixou
0 finado Luiz Carlos de Araujo Pereira Palma,
1 ogo aos genhores assignantes desea obra o faver
de mandarem procurar en minha residencia,
ra de Motocolomb n. 26 (Afogados os exempla
res que ihes pertencem; ou deem suas ordens
para lh'os remetter pelo correio.
Padre Pedrosa.
Antonio Albino Unurali nona
Jos Marcelino a Rosa (K.uienM), pai do fal-
lecido Antonio Albinu Ttli" 8"> manda
resar urna missa port sua ilma na igreja da prdem
terceira de S. Francia -, 110 dia 3 de feverewo, s
S horas da manh, 1- anniversario de seu passa-
mento ; pai a este fim convida para assistir,os eeus
parent'.s c :unigo% pelo quo se confessa summa-
mente a^n-decidos. ____________
Cosinhero
Precisa-se de um cosinheiro de boa conducta ;
na ra Duque de Calas n. 86.
Ao commcrcio
Os abaixo assignados, pelo presente, declaran
que nestadata dissolveram aniigavclmente aso
ciedade eommercial comtnsnditaria que tiiiham no
estabelecimento de molbados sito ra do Vis-
conde de Inhama d. 69, retirando-se e socio Vas-
conccllos paga e satisfeito de seu capital e lucros,
e a viuva do socio corcandita-io, fallecido, res-
ponsavel pelo activo e passivo da mesma socieda-
de. Recife, 19 de Janeiro de 86.
Antonio Candido de Vasconeeilos.
Francena da Silva Aimeida.
Mine. Miquelina
Compra -se e paga-
se mais do que em ou-
traqnalquer parte, bem
como
M0EDAS
de qualquer qaalidade.
Na ra do Impera-
dor n. 32, lojadejoias
ulio Faerstcnberg-
Tintara Inflim
PARA TINGIRA
Barba eos Cabellos
tintura lin^e a barba t os cabellos instan-
aneamente, dando Ihes una bonita crpi>t>i
satural, inofensiva o s< u uso simples e muito
apido ; vende-se na BOT CA FRANCEZA e
DROGARA de Rouquayrol Freres, successores
i" A. CAORS, ra do tfom Jess, antiga da Cruz,
i u mero 22.
Para advocado
Aluga-se a sala da frente do 1 andar da casa
ra Duque de Caxiaa n. 61 ; a tratar na mesma.
Vende-se
doce de caj seco ; na ra de S. Jos n. 16.
11-
Correias
de sola ingle*, de I na e de barraeka, de diTer-
as larguras e grossuras ; vende-se barato na
nndicao Villacs, ra do Bruna n. 54.
t mmwi seiims, o
la As w 10.01), encarrega-se
so
Una Ir0meiro de Marco n. 19
Junio Itotiua MaravfOhosa
mm
-
Vende-se um t\ iam uto de fazer farinba ; a
tratar no Arraial, sitio u capito Vianna.
Tamhas
Vendem ae em barra e em quartolas, e mais
baratas do que em ou'ra qualquer parte ; na ra
de Pedro Alfonso ns. 5 e 11.
Vende-se
a taverna do pateo da Santa Cruz n. 12, boa lo-
calidade ; a tratar na mesma
Vende-se
por b iratisaimo preco 3 1/2 duzias de carrinhos
de mo, o mais bein aperfeicoado e forte, como nao
ha em part^- algoa a, o qo s avista pode justifi-
car o que c ilit> ; pira ver t ratar na ra do
Sol, armazens ns. 7 e 13.
Pogoebomba
Vende-s^ um fogao de ferro, econmico, prsprio
para casa de familia, e urna bomba de repuxo,
tudo em bom estado ; a tratar ne larga do Mer-
cado n. 6.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Eseesaex preferrve
ao cognac ou agurdente de canna, para fortificn-
o corpo.
Vendeae a retalho nos melheres armazens c
nolhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo n
me e emblema sao registrados para todo o Braai
BROWNS & C, agentes
Taverna
Cautelas do Monte de Soccorco
Compram-se na ra estreita do Rosario n. 2.
Cosinheiro ou eosinheira
Pre-isa so de um bom cosinhein ou urna
cosinheira.; a tratar u_ ra io Ajki.Io n 30,
andar, das 10 horas da manh s 4 da tarde.
Casas para alugar-se
Aluga-se um sitio na Torre, coui b -a casa para
morada, muitaa fructeiras, baixa p;ira capim, e a
casa terrea da ra do Coronel Suassuoa n. 240,
com bons commodos ; a tratar na ra l'rimeiro de
Marco n. 17, 1- andar.
ilMfllillTIi
AosiOOOSOIIO
bilsztes mmw*
na Primein ;lf flarfn n. 25
O abaixo asaiguaiu teudo vendido nos
aeua afortunados bilhetes garantido 4
quartos n. 3514 com a sorte de 1009000,
alm de outrae sortea de 320, 1(55 a 80, d.
oteria (34.*), que so acabou de extrahir
convida aos possuidores a virem recebe:
na couformidade do costume sem descont
algum.
Acham-se venda oa afqrtunadoB bi-
lhetes garantidos da 7." parte das loteras
beneficio da matriz de Rio Formozo
(35.a), que s- -^trahir quinta feira, 4 da
Fevereiro.
PRESOS
Inteiro 4(5000
Meio 2^000
Quarto 1,$000
Km qnantldade maior de too A
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manod Martim Finta.
linii dias
Mendonra Primo & C.
Vendem por precos sem
coanpeteaeia
Las escocesas, padroe> modernos a 400 reis o
covado.
Ditas mescladas e lavradas a 500 reis o dito.
Velbutinas de todas as cores, lisas e lavradas a
14200 o dit>.
Fusti's brancos com lindos desenhos a 400 e
500 reis o dito.
Lencoes de bramante a 1<800.
Callarinhos modernos para homens a 500 reis.
Setir.s de todas as cores, por presos baratsi-
mos.
Merinos pretos e de cores para \ istido.
Mantilhas r-retas.
Fichs do diversas qualidades.
Cortes de cass:mira para senhora, bordadoa de
seda, atnalhado-, espartilhms, tapetes avelludados,
panos d-' crochet, punh s para bomem e senhor,
.- do todas as qnaliiades para homem e ee
nhura e eulros muitos artigos de moda.
Roa llupne de C avias n. H'i
os 4:0001000
s
*/
Joo Ferrclra
Manoel Perraiza, Thsjreu Emilia de Jess Fer
reir e Isabel Alejandrina Ferreira, filhos c hora
de Joao Ferreira, fallecido em Portugal, tendo de
mandar resar algumas missas por alma deseu
presado pai e sogro, p las G horas da manh de
segund.i-ieira I de fevereiro, trigsimo dia de
seu passamento, na igrejn de N. 8. do Terco, con-
vidam aos parentes a amigos para assistirem a
este acto de caridade ; pelo que desde j se con-
fessam agradecidos. ____
em fontinuaro na ra larga do
Rosarlo n. 3
Dnmiao Lima & C, vio p dendo ac&t .1 o u
grande sortimento de miudesas, em canse juenia
da cryse perqu passamos, continam por mais al-
gum tenr.o a liquidar suas mercaduras, pelo que
de novo convidam ao publico e especialmente
Sxmas. familias, a quem pedem toda proteceo.
Admirm !
Punho. e colarinbos bordados para sc-
nhoras 280O
Ditos lisos 15t?00
Ditos de ceres 1oO0
Lavaa de seda de corea 24500
Agua florida, 7(0 rf. e l^OO
Bordados ? 300 rs. #000
Bonitos lacos a 0 2/^00
Leques de 400 rs., 6C'< e U0C0
Meias para homem 300..
Ditas idem 3000
Ditas de cores '.M "'
Um par de fronhas de liibyrintho 145 0
Urna toalha de labyrintho 25J e 304000
Enrcsiveis, rs. 30
Fitas, bicos, lencos, gravatas e outros muitos
artigos que estao exposicao.
Boa larga do Bonn ro n. 38
Darnio Lima & C.
AO
8Ra da Imperan-I3t
hoja de Pereira da Silva
Kottfc estabeeciuicnr vende-se as roup.s abai
zo mencionadas, que s baratissimas
Palitots pretoa de gorgoro diagonaea e
acolchoados, sendo fazeudas muito en-
corpadas, e forrados 74000
Ditos de casemira preta, de cordo, muito
bem feitos e forrados 104000
Ditos de dita, fazenda muito melhor 124000
Ditos de flaneliaazul, s u.lo ingleza ver-
dadeira, e forrados 12000
Caifas de gorgoro preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encornada 54500
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem feitas 64500
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas 84000
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 24, 24500 e 34000
(Vioulas de greguellas .para homens,
i-endo muito l>em foitas a 14200 e 1 lt)Q0
Colk-tinhus de greguella muito bem feitos 14000
Assim como um bom sortimento de_ lencos de
linho e de algodo, meias cruas e collarinhs, etc.
Isto na loja aa ra da Imperatriz n. 32
Riscados largos
a 200 ri. o covado
Na loja da roa da Imperatriz n. 32, vendem ae
riscadlnhos proprios para roupns de meninos e
vestidos, pilo barato prcc/> de 200 rs. o covado,
tendo quasi largura de chita franceza, e assm
como phiUB naneas miudinhas, a 200 rs. o cova
do,3e ditas es curas a 240 rs., pichincha : na
lojjio Pereira da Silva.
FonleM. MeOnelant e lilaba* a 50O
r*. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-se i
um grande sortimento de fustoes brancos a 500 '
rs. o covado, lzinhas lavradas de turta-cores, j
fezenda bonita para vestidos a 500 re o covad.-,
e setinctas lisas muito largas, tendo de todas as
cores, a 500 rs. covado. pechincha : na loj
do Pereira da Silva.
Merino* preloN a 1&SOO laOOO
Vende-se merinos pr. t s lie duas Urguras para
vestidos e roupas para meninos a 14200 e 14600
o covado, e snnerior setim preto para enfeites a
14500. a-sim con o chitas pr. txs, tautt lisas como
de lavoures bramos, de 240 a'6 320 rs.; na nova
loja de f ereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
Igodozlnlio francez para lence
a soo i-... 1* e ltOO
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-se
superiores algodozinhos francezes com 8, 9 e 10
palmos de largura, proprios para lences de um
s panno, pelo barato preco de 900 ra. e 14000 o
metro, e dito trancado pa a toalhas.a 14280, as
sim como superior bramante de quatro larguras
para lencoes, a 140U o metro, barato ; na loja
u Pereira da Silva.
Roupa para meninos
A *$. ASO e S
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, se
vende um variado sortimento de vestaarios pro-
prios para meninos, sendo de palitoeinho e calci-
nita curta, feitos de brim pardo, a 44000, ditos
de u^icc^uim a 4500 e unos de gorgoro prjto,
emitando casemira, a 64, sao muito baratos ; na
loia do Pereira di Silv,a.
MERINOS PRETOS
A 14200, 14400, 14600, 14 800 e 2 o covado
Alheiro C, ra da Imperatriz 11. 40, ven-
d-m muito bons merinos matos pelo preco cima
dito. E' pechincha : na loja da esq.ina do bec-
co dos Ferreiros.
EspartlOhos
A 5JO0O
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
de 54000, assim cerno um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do beeco dos Ferreiros.
Vende- se a melhor taverna da estrada nova de
Agua-Fria, propria para principiante, tem poucoa
fundo* e commodos para familia ; a tratar aa
meama n. 7.
Fabrica globo
S Roa larga do Rosarlo tS
Manipulacao especial com fumos escolhidoe dos
bons cigarros, exploradores, navegantes e fede-
raos. Precos razoaveis e bons deacontos para o
commercio de retalho.
PecHncbas
Na loja das lisias azues
Ra Duque de Caxias n. 61
Benda da China fazenda branca, aberta,
para vestidos a 240 rs.
Lequen a Juanita, representando algn*
actos da linda opereta a 14000.
L.N eblnezas com fios de seda, com qua-
drinhos e lindas ccres a 330 rs.
Crelonea franc*ze*, miudinhoa, a 240 rs.
Cnilaa (sita novidade) fabricadas em S. Pau-
lo, corea finas e seguras a 240 rs.
Meriaa infestados, de todas as corea, a
800 rs.
Leen bramo muito finos a 24000 a
ansia
Cobertores encarnados com pequeo
deleito a 34000.
Tool ha aa-oiclioHda a 24800 a dusia.
Damanco de l intestado, para coberta e
reposteiros a 14200 o covado.
Hela* de urna s cor, para senhoraa e meni-
nas a 500 rs.
Ra Duque de Callas n. O
Loja das lis'ras azues
Grande liquidavao
de pliMM*
17 Ra do Barao da Victoria 17
Exposteo untversal_____
Cabriole! e victoria
Vende-se um cabriolet e urna victoria em pai
feito estado : a tratar na roa Duque de Caxii
numero 47.
Em vista dos grandes progressos da IDEIA de
quo se gloriam aa naces civiliaadas, o commercio
deve acompanhar esse rogresso, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimento das
nac-oes ; em vista do que annuftciam
MART1NS CAPITAO & C
1 Ra Estreita do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticios, a
escolha dos quaes, os annunciantes tm sempre o
maior cuidado, para bem servir os seus numero-
sos freguez- s. I.embramos, pois, o proverbio :
Quem nao experimenta, uo sabe
Venham ver pois :
Queijos, flamengo, suisao, etc.
Dito do aertao.
Fiambres inglezea.
Chocolate francez Menier.
Dito do M&ranhao.
Fruetos seceos, come :
Pasoas, ameudoas, figos, etc.
Ditas nacionaes.
Doce de todas as qualidades.
Bolachinha ingleza.
Sementes novas de hortalicas
Especialidades em:
Vinhos finos do Porto.
Ditos da Figueira.
Cognac de diversos autores.
Vinhos tnicos como:
Absinthe.
Vermouth, etc.
Licores de todas as qualidades.
Champagne.
Cerveja de diversas marcas.
Rpm aucim
Araruta fina em pacotes.
Cha verde e preto.
Dito perola.
Especialissimo mate do Paran, em po.
Anda mais :
Formieida Capauema.
Oleo de mocot.
Aseite de peixe.
As cozinheiras
Leques nacionaes (abanos) para cozinha ai i
milheiro.
E todo* os gneros concernentes a este ramo di
negocio.
Encontram-se no armazem de molhados de
Martina Capllao & C.
1RA. E8TBEITA DO ROSARIO1

j

16-Rua do Cabug-16
Acham-se venda os ve turosos bHhe
tes gar. ntidos da lotera n. 35a em beneficio
da matriz do Rio Formeso que se extrahi-
r na quinta feira 4 de fevereiro.
correte.
Precos
Integro 45000
Meio 2,5000
Quarto 1^000
*enrio quantOdade superior
a 1 :040
Inteiro 35500
Meio 10750
Quarto 785
Joaquim Pires da S uva
l)r. Fortunato Barroca
O ccromendador Antonio Valentina da Silva
Barroca, sua mulber e filhos, agradecendo cor-
dialmente aos parentes e r.migoa que se dignaram
assistir aos suffiragioa celebrados por alma de seu
muito caro filho e irmao, Dr. Fortunato Barroca,
de novo os convidam para assistirem a missa do
trigsimo dia, na matriz da Boa-Vista, spibado
30 do corrente, s 8 horas da minha ; p lo que
reno 'ana seus agraduciroentia.
Francisca Casemira da Cruz
M fuulta
Joanna daNatividade Cruz Mesquita e Luiz
da Cruz Mesquita agradecem cordialmeote to-
dos os amigos que se dignaram acompanhir ao ce-
miterio mblico os restos mortaes de sua presada
tilha e irm, e de nov 1 a* convidam para rssisti-
rem as missas de stimo dia, que mandam cele
orar na igreja da Madre de Deus, s 8 horas da
manha.de dia 1 de foveratro, e por mais este acto
de religiao se confessam desde j eternamente
ratos
tosen" Ai Ion i Harquen de
Cantllba
Um amigo e prente do fina lo conego Antonio
Marques de Castilha, convida os amigos e paren-
tes do mesmo para ouvirem ama missa que em
sufrragio de sua aln a, manda resar na matriz de
Santo Antonio, s 8 horas da manha de sabbado,
30 do corrente

DAS
Os abaixo assignados, tendo adoptado e regis-
trado a marca industrial como do desenho 1 cima
ve corformid :de com aa preseripces das lea em
sigor declaran) ao publico e particularmente aos
teus numerosos freguezes, que d'ora em diante
odos os productos que ehirem de saa botica le-
varlo a dita marca como garanta de sua origem
e legitima precedencia.
Thoifl Augusto da Silva Villar
Este senhor veio a Pernambuco votar, mas nao
se lembrou de fazer entrega dos movis que ae
acha de posse desde que d'aqui desappareceu e
como tem da proceder eaoratinio, e pravavel
que venha outra ve* votar b se desta vez nSo fizer
entrega contar-se-haao publico o que fez oom re-
laco a este negocio.
tap Paolo Cordeiro
Novo fornecedor, sem ompetencia em preco,
vende-ae ra do Mrquez de Olinda n. 50, mer
eearia dos Srs, Braga Gomes & C, e a 1*500 a
libra. -
CORRE M DIA DE FEVEREIRO
O portador que possuir um vigsimo desta importan-
te lotera est habilitado a tirar 10:006$)Q00
Os bilhetes acham-se a venda na Casa Feliz, praea da
Independencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 3 de Fevereiro de 1886, sem falta.
u


WJMLJL"'1' iij i_l
Diario de PcriiawbucoSabba o 30 de Janeiro de 1886
L!TTRATlu"
OS FILHOS
DO
PO
g. CAPEH3
TSRC2IRA PAETS
O Bai'i de Grandalr
( Continuadlo do n. 21)
CAPITULO m
CAMALEAO
Giraud seguio-o cora os olhos e depoia
voltou-se para Ricardo, o qual, em razio
da distancia, nao poda ouvir uma s pa-
lavra do dialogo anterior; porque em ra
zao do barullo que faziam as pessoas que
chegavam, havia um burburinho continuo,
e alm d'isto o barao e Giraud tinham fal-
lado em voz baixa.
Entretanto, a scena que se passou, in
trigara muito o velho sargento do prebos-
tado de Pars, mas era raposa muito fina
para mostrar desejos de querer saber o
que a motivara.
A sua presenga tinha sido til a Giraud,
porque o livrar.\ da impertinencia da mul-
tidio.
Ri ardo e os policas que elle comman
dava tinham imposto respeito aos lacaios
mal intencionados, e o barulho suscitado
contra Giraud e que fora iuterrompido
pela chegada do preboste de Pars, pare
cia ter terminado com grande pena dos
mais turbulentos.
O polica de Rouen e o sargento de Pa-
ria tinham-se reunido, cxaininavam com
attengao os que cbegavain, trocando de
tempos a tempos algumas observagSes in
significantes.
no! se moho I Mas fioa-lbc a ma- virgen, cuja clardade viva e dourada inun-
tar; o que nilo s-i se o fato que lhe'_dava o brilhante senhor.
d bm ou se a sua perfeigao
que faz brilhar o fato.
- Ora essa! disse o outro muito satis-
feito.
Mas espere 1 replicou Giraud como
quem se recordava de alguma cousa. Nao
pertence aquella bella senhora que veio ha
pouoo de liteira.
Que bella senhora ?
- Ora bem me entende! A que trazia
bellas plumas escarate cm um gorro de
velludo preto e a qual o senhor de Bassom-
piere offereceu o brago.
- Ah! sim, respondeu o lacaio,
E' de casa da tal senhora, nao as-
sim ?
- E'.
Caspit! E' uma fortuna ter seiue-
Ihante ama 1
O lacaio nbanou a cabega, de uma raa-
neira que nao signifijava nada, e por um
movimento que podia ser interpretado
vontade do interrogador.
A cara avrraclhada do lacaio, e que
n3o nflectia s.ratiraento algum, denotava
completa f lta de intellgencia.
.Mis orno se chama sua ama? per-
guntou Giraud.
A miuh.. ama? repiti o lacaio.
Sim.
Mas para que me faz essa pergunta ?
Meu Deus I porque qu-> quero sa-
ber ?
Mas que lhe importa ?
E' simples curiosidade.
Acaso querer visital a ? respondeu o
cri >do com sorriso estpido.
Talvez.
Entilo quet que lhe diga como se cha-
ma.
Obsequeia-me'muito, camarada.
E' a baroneza Catharina de Santa
Mara 1
Sim.
E mora ?
Ao p do pilado de N>vers, ao lado
lo convento.
Ubrigado.
Agora, disse o lacaio com o iiiesmo
riso estupido, agora que est bem informa-
do, re quizer entrar no numero dos seus
mais do que apre
Entao, Sr. embaxador, pr-rguntou o nhara de certo iniontestavel diroito; mas a
via instantes que se lhe juntara um g .-intea individuo, que elles nao conocan,, sentar.se-
mas que tambem nao procurou entrar em i Qae ^e inp0rta 0 nome e a morada
intiinidade com elles. I a senhora ? disse Ricardo a Giraud.
Era um homem baixo de cara estpida I E' negocio meu, respmdeu socca-
e olhos espantados apezar de muito aber- \ mente 0 polica de Rouen.
tos, pareca absorvido pela ^nteplacalo. o guapo! disse de
dos trajes, qao desfilavaui' P ^ ^ repente 0 ,,,0 de* libr branca e cor de
tinha chegado para Ricardo e para, F m
e s se
Giraud porque estes oceupavam na pn
meira fileira dous lugares para verano.
Trajava el'gante libr, branca e cor de
rosa, toda semeada de prata; eram as,
cores da seuhora disfarcada em cigana a |
quem Bassompiere com tanta galantera
tinha offerecido a mao e cuja vista tinha
produzido em Giraud singular e viva im-
pressao.
Com effeito, este criado era um daquel
les que acompanhavam a liteira da se-
nhora.
Ricardo nao prestou mnima attengao
prxima presenga do lacaio, mas a po
licia de Rouen nao dexara de o mirar
desde que o vira ao p de si.
Fazeado meia vol' esbarrou com a far
da de lacaio.
OU l ok' rliue elle sorrindo com
amabilidade, pego desculpa, camarada.
Estive quasi a amarrotar as suas soberbas
.: rosa, designaado com a mao un cavalleiro
que ia entrar no pateo.
Giraud fez um movimento sacudido,
ar estu-
passamanerias.
O lacaio olhou para ella com
pido.
Nao me faz mal, respondeu com voz
arrastada.
- Irra I contiuuou Giraud ;
ment. Nao tinha reparado,
est mais bem vestido do que os fidalgos
do meu paiz !
i Que cores tao bonitas I
O lacaio impertigou-se com manifesta
alegra.
Acha?. .. disse elle com um sornso
muito estupido.
mas Ricardo ficou impassivel.
O re?encheg-ido era o conde de B*r-
nac.
Montado no magnifico cavallo de Hes-
panha, e.n que fallamos na primeira parte
d'esta narrado, o mancebo fiel aos seus
hbitos de luxo e de elegancia, tinha vesti-
do um fato de phantasia, ao qual era dif-
ficil dar um nome preciso, porque nao per-
tencia a tempo ou era alguma, mas que
exceda em riqueza quanto se possa ima-
ginar. ,
O costuuie que pelo corte se aproxima-
va dos fatos da edade miia, era feito de
tola de ouro e de velludo preto entrenza-
dos, as costuras eram guarnecidas por pe-
rolas finas e por pedrarias brilhantes.
Penda lhe do hombro esquordo um mo-
Iho de parolas e de diamantes, e o punho
na espada era feito de um s pedaco de
bello coral do Ad tico.
Um chapeo branco ornado Cum plumas
escarlates, e sapatos de velludo da mesma
que farda- C5r M plumas completa vam o fato singu-
Saiba que I lar e notavel.
FOLHETIM
MATHIAS SANDORF
POR
julio nnz
(|ll\it PARTE
(Continuaclo do n. 22)
HA aperto de mfto Partiremos para Tetuan, esta noite
mesmo, Pedro! disse o dontor.
Nessa poca, a estrada de ferro nao ia
directamente de Tunis fronteira de Mar-
reos. Por isso, afim de chegar a Tetuan
com a roaior bre vidade possivel, o que po-
diam fazer de raelhar 9a embarcar e/n
um dos navios velozes da flotilha de Ante-
ki'rtta.
Antes de meia noite o Elctrico 2 sarpou
e seguio pelo mar das Syrtas.
A bordo s iam o doator, Pedro, Luigi,
Ponta Pescada e Cabo Matifo?. Pedro
ora conhecido Sarcany. Os outros nSo.
Quando chegassem a Tetuan veriam o que
deviara fazer. Conviria antes eaipregar o
ardil do que a forca ? Isso dependera da
posicao l-Sercauy, nessa cidade, absolu
tamente marroquina, da sua installago em
casa de Namir, do pessoal de que elle punha. Antes de tulo, era preciso chegar
a Tetuan 1
Do mar dos Syrtas fronteira de Mar-
rocos contam-se cerca de dous mil e qui-
nientos kilmetros, ou quasi trezentos e
cincoenta milhas martimas. O a, o Elc-
trico 2, a toda a forca, podia fazer urnas
vinte milhas por hora.
Quantos trios de vas frreas nao tem
essa velocidade! Portanto, a ease longo
foso de ac, que nao oflerecia nenhuma re-
sistencia ao vento, qae passava atravs das
Assim vestido, o conde de Bernac tinba
um porte tao gracioso, montara com tanta
elegancia o foruioso, cavallo, retrocia o bi-
gote com tanta graga, que os lacaios, ven
do-o apparecer, ficaram maravilhados.
Seis pagens, tres direita, e tres es-
querda, levavam enormes velas de cera
Assim, nao smente se deram pressa em
lhe abrir cauinho, mas at resoaram de
toda a parte murmurios de admiragao.
O conde de Bernae apeiou-se e tomou
da mao de um dos pagens uma mascara
que este lhe apresentou.
A mascara era de velludo, mas em lu
gar de ser prota, conforme a moda, era
escarate.
No momento em que entrava no pateo o
brilhante cavalleiro e era notado pelo in-
terlocutor de Giraud, este metteu-se por en-
tre um crupo de lacaios, e depois de fazer
um hbil rodeio, ganhou a porta do vest-
bulo aonde desappareoeu no meio dos la-
caios e criados que se agglomeravam
porta, de maneira que, quando,o senhor de
Bernac se apeiou s estavam ao p d'elle
Ricardo e o lacaio da libr branca e cor de
rosa.
O velho sargento poz se a esfregar o
olho direito, como se so lhe bouvense in
troduzido algum argueiro.
O senhor de Bernac rodou graciosamen
te sobre os calcanhares, levou a mao es
querda guarda da espada e ce ai a direita
pz a mascara.
Ah murmurou elle; ainda Giraud?
O maroto vai se tornando incommodo.
E leveu ao bigode a mao que segurara
o punho da espada.
Todos estes movimentos, alias muito na-
turaos, foram feitos andando, e o conde
ainda alisava o bigode, quando poz o p
no primeiro degro da aseada.
O lacaio da libr cor de rosa e branca,
aproveitando o lugar que Giraud deixara,
achou-se ao lado de Ricardo.
Alerta, Camaleao I disse o velho sar-
gento quasi sem mecher os beicos.
Percebo, murmurou o acto sem se
mover e com a mesma expressao de, estu-
pidez que pareca ser nelle natural.
Tambem eu I ajuntou Ricardo.
E apertou convulsivamente o punho da
sua pesada espada.
Depois, aproveitando a'nbos a chegada
de uma carruagem escoltada por numeroso
squito, e a confuso por ella causada en-
tre a criadagem, o lacaio da baroneza foi-
se affstando para o lado do edificio, e o
velho sargento do prebostado dirgio-se
para a porta da ra.
IV -
O BAILE
As salas do embaixador de Hespanba
passavam, com razito, pelas mais vastas e
mais elegantes de Pars.
Nao era por luxo que D. Pedro as tinha
ornado assim, mas para humilhar em to-
das as cousas os francezes, que elle detcs-
tava, e estabelecer i supremaca da sua
nago.
Havia tempos que a Hespanha estava
mal com a Franga.
As guerras da Confeder gao sustentadas
am grande porte pelo crdito do re de
Hespanha, que tinha enviado soccorros de
dinheiro e de gente aos adversarios do
Bearnez, tinham tornado inimigas a Ma-
gestade Catholica e a Magestade Christia-
nissma, mas inimigos irreconsiliaveis, e
desconfiados um do outro.
Seria pois difiicil ao rei de Hespanha
em taes circumatancias, fazer melhor esco-
lha de embaixador, porque D. Pedro, ap-
pellidado o Soberbo, segundo o carcter
da verdadeira nobreza hespanbola, era or-
gulhoso e grave, e sompre tinha promptas
respostas e magnificas.
Foi*elle que repondeu a Henrique IV,
uma vez que este monarcha lhe disse mui-
to encolerisado, que montara a cavallo e
que depressa o veriam em Madrid.
Senhor, o rei Francisco l esteve.
A Iluda por esta forma derrota de Pa-
va e ao captiveiro do monarcha francez.
Em outra occasao Henrique IV com o
sea espirito gaseo desforrou se inuito
bem.
Era no Louvre ; o rei mostrava a nova
galera, que acabava de construir.
rei, que lhe parece ?
O Esourial outra cousa, respondeu
D. Pedro.
Creio, replicou, mas no fim della nao
ha como succede com a ininha galera,
uira cidade de Pars ?
J se v que com o seu genio orgulhoso,
e com o desejo que tinlia de esrnagar com
suraptuoso fausto as peas jas que recebia,
D. Pedro de TsIeJo nada tinha otnittido
para tornar esplendida a festa qae offere-
cia corte e a que devia asaistir a princi-
pal nobreza franc.za.
A primeira sala em que sc< entrava era
forrada de cacarnado a muito resplande-
cente de luzes.
A segunda de branco e ouro, continha a
orchestra : os msicos nao eram vistos pi-
las pessoas que dansavam, porque por
diante da tribuna cahia uma cortina de
gaze cheia de estrellas de ouro.
Aos cantos da sala, grinaldas de flores
subiam at ao tacto, por onde se estc.i-
diam descreyendo uma iafinidade de capri-
chosos arabescos, enrolando se nes lustres
e ros porta-candelabros rnettidos na pa-
red e.
As duas salas eram vastas bem areja-
das e passava-ss de uma para a outra por
uma porta com roposteiro do velludo es-
carate.
Anda havia tres sala3 um pouco m di
pequeas, urna cor de rosa e ouro,
outra azul o preta e a ultima cheia de es-
pelaos, luxo que entilo so considerava phan-
tastico.
Em toda a parte, sobre as portas, as
esculpturas do tecto, nos ornatos das pa-
redes via-se o leao de Castella, e brilha-
vam as cores das Hespanhas.
No momento, em que o cande de Ber-
nac entrou na primeira sala estava a fasta
na maior animagao.
O aspecto que apresentava um baile da-
quella poca, estava longe de parecer com
o que ofFerecem as reuniSes dos nossos
dias, e os pares dansantes do 8'culo VIV
difficilmente farao idea do que eram no se-
cuto XVII os bailes e as dansas.
No tempo dos ltimos Valois e no dos
primeiro8 Bourbons a dansa dividia-se era
duas categoras muito differentes : as dan-
sas francezas e as dansas estrangeiras;
ondas, que nao se incoramoiava com o
rolo do mar, bastavam ncoenta horas
para chegar ao seu destino.
No dia seguinte, antes de amanbecer, o
Elctrico 2, tinha dobrado o cabo Bon.
Desse ponto em diante, depois de atraves-
sar o golfo de Tunis, bsstaram lhe algu-
mas horas para perder de vista a ponta de
Bizerte, Calle, Bone, o Cabo do Ferro, cuja
raassa inetallica, segundo dizera, afifecta a
agulba da} bussolas, a costa de Algeria,
Stara, Bouge, Dellys, Alger, Cherchell,
Mostaganem, Oran, Nemours, depois as
praas do Rf, a ponta de Mellila, que, co-
mo Ceuta, hespanhola, o cabo Tres For-
cas, a partir do qual o continente arredon-
dare at o cabo Negro ; todo ease pano-
rama do littoral do continente africano des-
enrolou-se nos dias 20 e 21 de Novembro,
sem nenhum outro incidente.
Nunca a machina, movida pela corrente
de seus accumuladores, funecionou tSo
bem,
Se o Elctrico foi visto, urnas vozes ao
longo da costa, outras ao largo dos golfos,
que atravessava de cabo a cabo, os phnro
leiros doveriam crer no apparecimento de
um navio phenomenal ou talvez de um ce-
tceo de uma forga extraordinaria, que ne-
nhum vapor poderia alcangar na superficie
das aguas do Mediterrneo.
Pelas oito horas da noite o Dr. Ante
kirtt, Pedro, Luigi, Ponta Pescada e Ca-
bo Matif;u desembarcaran! na foz do pe-
queo rio de Tetuan, no qual fundeoa a sua
veloz embarcagao. A cera passos da mar-
gera, em urna especie de caravansra, acha-
rara muas e um guia rabe, que offereceu
se para leval-os cidade, distante, quando
muito, quatro railbas.
O prego pedido foi aceito sem discusso
e elles prtiram inmediatamente.
Nes-a part do Rif, os europeus nada tm
que recetar da populagao indgena, nem
mesmo dos nmadas que percorrem o paiz,
comquanto a trra seja pouco habit ida e
quasi inculta.
A estra la atravessa uma planicie semea-
da de arbustos fracos, estrada feita antes
a casco de cavalga luras do que pela mao
do homem.
De um lado, o rio, do margens lodosas,
o .e se ouve o coaxar dos sapos, com al-
guna barcos de p sja fuicados no rio ou
puxados para o aecco.
Do outro lado, direita, um perfil de
collioas, que vao ligarse s montanhas do
ful.
A noite estava magnifica. A la inun-
dava de luz todo o campo. Reverberada
pelo espelho do rio, tornava um poucc in-
certe o desenho das alturas no horizonte
do norte.
Ao louge al veja va a cidade de Tetuan,
mancha brilhante as brumas do fundo.
O rabe tocava a sua tropilha a bom
passo.
Duas ou tres vezes foi preciso parar em
postos isolados, cuja janella langava una
luz amarellada. Entao sabiam ura ou dous
Marroquinos, trazendo uma lanterna baga,
e conferenciavam com o guia. Depois de
trocarem algumas palavras punham-se de
novo a caminho.
Nem o doutor, nem os companheiros
fallavam. Absortos nos seus pensamentos
eixavam iras muas, h:i\>ituadas a esse ca-
minho juncadodepedraseerabaragado pelas
raizes que ellas evitavam com p firme.
Entretanto, o mais forto desses animaos s
vezes ficava atrs. Nem por isso deviam
estimal-o menos; quo carregava Cabo
Matifou.
O que induzio Ponta Pescada a fazer
esta reflexao :
Talvez fosse melhor que Cabo Mati-
fou carregasse a mua do que a mua a Ca-
bo Matifou.
Pelas nove horas o meia o Arabo parou
ante urna grande par de branca, por cima
da qual havia torrees e araeia que defen-
dem a cidade por esse lado. Na parede
havia uma porta baixa, enfeitada com ara-
bescos moda marroquina. Por cima, por
numerosas canhoneiras sahiam as boceo
do canhSes, semelhantes a grandes jacars
adormecidos ao luar.
A porta estava fechada. Foi preciso par-
lamentar, para fazel-a abrir, com dinheiro
na mao.
Depois passaram todos por urnas ras
sinuosas, ostreitas, a maior parte abobada-
da, com outras portas, que foram successi-
vamente absrtas pelo mesmo processo.
Afinal, ura qoarto de hora depois, o dou-
tor e os seus companheiros chegaram a
uma cstalagem, uma fonda, a nica do lu
gar, pertoncente a uma j udia o servida por
uma rapariga zarolba.
A falta de conforto dessa fonda, cujos
quartos modestos estavam dispostos em
torno de um pateo interior, expliea se pelos
raros estrangsiro) que se aventuram a ir a
Tetuan. All nao ha senao um nico re-
presentante das potencias europeas, o cn-
sul hespanhol, perdido no meio de uma po-
umas inteiramente nacionaes e pertencen
tes ao paiz ; as outras levadas de Italia o
da Hespanha.
Entre as primeiras figurava a branle,
dansa que consista no movimento simul-
taneo de muitas pessoas, que, de maos da-
das, formavara um circulo dansando e can-
tando. Esta dansa tornou-se actualmente
monopolio das criangas.
A branle-gai (roda alegre) que se dansa-
va corao a primeira, com a differenga" que
toda a pessoa que dansava devia t?r cons-
tantemente um p no ar.
A branle des sabots (roda dos sapatos),
em que se batia com o p,
Fnalmente, a bourre, dansa originaria
do Auvergne, como sabido, o que intro-
duzida na corte pela rainha Margarida do
Valois filha de Catharina de M-dici o
primeira raulhcr de Henrique IV, esteve.
muito em voga at ao reinado de Luiz
vm.
Emquanto s dansas estrangeiras em
uso no prindpo do secuto dezesete, cita-
remos a chacojine, levada de Italia.
A Oaillarde, originaria de Roma que
se dansava a tres tirapos, ora passeiando,
ora saltando, ora andan lo ao cumprimento
da sala, ora atravessando-a.
A Pavana, dansa hespanhola, e quo ti-
ra va o seu nome da figura que os dansan-
tes faziara andando em roda olhando una
para os outros, maneira dos pavSes. O
cavalheiro, para executar esta roda, serva-
se de capa e de espada. E' de certo, por
aluzao a vaidade ridicula desta attitude
que se fez o verbo pivonear se. A pavana
e a bourre eram as duas dansas favoritas
da rainha Margarida a dansarina por ex
c elle acia e em que ella brilhava.
de D. Pedro, as diversas ro-
pavana, na sua qualidade de compatriota
do senhor embaixador, obtinha todas as
honras da festa.
Quando entrou o Sr. de Bernac Jispu-
nham-se os musios a .fix-cutar urna pava-
na e a rnultdao aperta'va-sa forraandj cir
culo em redor dos pares, levando uns, cri-
ticando outros e fazondo succeder rpida-
mente a censura ao elogio e a adrairagao
ao escarnio.
O coade s?guin.to a parte exterior desta
rola viva, que cercara a sala da dansa,
.hegou segunda sala.
All corao na primeira, a dansa fazia fu-
rjr segundo a exprosstj italiana.
A dansa, corao dissemos, apenas corae-
gava.
Logo que entrou o s:nhor de Bernac viu
no fundo da sala o preboste do Pars, a se
nhora de Aumont e a linda Diana.
Dirigndo-se aonde elles estavam, o con-
de fez profunda corteza mXi da bonita
nyrapha, cu")primentou amigivelmcnte o
senhor de Aumont, cuja fronte ainda esta-
va mais carrega la do que na vespera o
offerecendo a mito donzella :
Por favor, disse elle designaudo os
espectadores, nao prive esta gente do pra-
zer de a admirar, e faga-me a honra do
aceitar a minha raao.
Depois baxando-se para Diana cora um
movimento muito natural:
Talvez nao tenha, ajuntou em voz
baixa, outra occasiao de lhe tallar.
A mejina de Aumont, que ao principio
parecer hesitar, levantou-se trmula e pal-
pitante.
Cora ura gosto febril poz os delgados
dedos na mao que lhe oftWecia o seu ca-
valheiro, e este atravessando por entre os
espectadores appareceu com o seu par no
circulo reservado para os que dansavam.
Diana tinha o rosto coberto cora masca
ra de velludo preto; o conde tinba masca-
ra de velludo escarate, nao podiam por-
tanto ser re-ionhociJos.
Mas vendo a magnificencia do trajo do
mancebo, a elegancia da sua nyrapha, os
que o acaso talvea se comprazia em tornar
rivaes, entre o carcter dos cavalheiros que
alguns dos espectadores julgaram que era
uma surpreza preparada pelo embaixador.
A pavana, comegou ou antas torneu a
comegar, porque o duque Guiso e o de An-
gouleme, interessados arabos pelo que aca-
ra de se passar deram ordena aos msicos
para tornarem a comegar iraportando-se
piuco com a coutrariodade que isto podia
causar s outras pessoas que dansavam.
Bernac 3 Diana fizeram os primeins pas-
sos com tanta ligeiresa, que s o respeito
pode fazer cora que nao rebentassem logo
estroudosos murmurios do admiragao.
Depois seguiu-se a rez do egypcio e da
cigana.
Sem duvida excitados pelos elogios da-
dos ao par riral, estes arangaram de cabe
ga alta, repetiram as figuras, mas deram
sua maneira de dansar ura carcter intei-
ramente opposto.
A cigana currando o delicado corpo, ar-
queando os bragos, e langaudo chammas
pelos buracos da mascara, pareca ter a-
prendido com as bailaderas da India os
transportes da sua dansa enebriante. e
C3m as andaluzas o fogo das suas paixSes,
quando ellas langam a mantilha ao rento
para obedecerem s leis lascivas do fan-
dango nacional.
No baile
das, a bourre a
chaconne, a gaillarde ti-
pulagao de alguna mil habitantes, em que
predomina o elemento indgena.
O Dr. Antkirtt resisti ao desejo que
tinha de perguntar onde era a casa de Na-
mir e l ir immediatamente. Conrinha
proceder com a maior prudencia. Arreba-
tar Sara podia apresentar difiiculdades se-
rias as condigSes em que ella doria ach.ir-
se. Todas as razSes pro e contra tinham
tinham sido examinadas seriamente. Tal-
vez hou'esse possibilidade de rsgate a
menina por ura prego, qualqusr que ello
fosse.
Mas era preciso que o doutor e Pedro
eritassem ser conhecidoa, especialmente
por Sarcany, que talvoz estiressera em Te-
tuan. Em seu poder, Sara seria para o
futuro uma garanta de que elle nao abri-
ra mao fcilmente.
Ora, all nao estavam em um desses pa-
zes ci vi Usados da Europa, onde a justiga e
a polica poderiam intervir utilmente. Nes
sa torra de escravos como provar que Sa-
ra nao era propriedade legitima da Mar-
roquina ? Como prorar que ella era filha
do conde Sandorf, a nilo sor com a carta
da Sra. Toronthal e a confiss) do ban-
quero.
As casas das cidades arabos sao cuida-
dosamente fechadas e pouco accessirois !
Nao se penetra nellas fcilmente. Mesmo
a interrengilo do cadi, corra o risco de ser
iuefficaz, anda quando fosse obtida.
Resolveu, pois, que, primeramente, e de
modo a afastar toda a djsconfianga, a casa
de Namir seria mais objecto da mais minu-
ciosa espionagem.
Logo pela manha, Ponta Pescada sabi-
na em busca de informagao com Luigi,
que, tendo morado muito tempo nessa ilha
cosmopolita de Malta, tinha aprendido u n
pouco de rabe.
Os dous procuraran! saber em quo ra
morava essa Namir, cujo nome devia ser
conhecido. Depois saberiam que fazer.
Entretanto, o Elctrico 2 tinha-se occul-
tado em uma das pequeas enseadas do
littoral, entrada do rio d Tetuan, onde
devia estar prompto a partir ao primeiro
signal.
Essa noite, cujas horas pireceram tao
long s ao doutor e a Pedro Bathory, pasja
rara elles na fonda. Quanto a Ponta Pesga-
da e a Cabo Matifou, esses, se algum di
dosojaram dormir em colchSes cheios de
cacos de louga, ficaram satisfeitos.
No dia seguate, Luigi e Ponta Pescada
enligaran por ir ao bazar, ao qual j
______VARIEDADES______
loa
(a. alcedo maeeocos)
Que fazos risonba, mirando esses mares
Suspensa nos aras, vagando nos cos ?...
Quera s, que raysterio ? revela o segredo,
Revela que cedo, se s filha de Deus I
Rodrigues Proen$a.
Astro luzente da noite
Que diragas na amplidu!
Eu gosto de ver-te, oh la,
Portento da Creajao !
i'fluia parte da populagao de Tetuan. Pon-
ta Pescada conhecia Namir, que tinha en-
contrado rinte rezes as ras de^Ragusa,
quando l estere por conta do Sarcany. Era,
pois, possivel que a encontrasse ; mas como
ella nao o conhecia, nao havia nenhum in-
conveniente. Ncsse caso s teria que se-
guil-a.
O principal bazar de Tetuan uma rou
niao de telhoiros, alpendres, casebres ba-
xos, estreitos, srdidos. Alguns pannos de
diversas cores, estendidos em cordas, o res-
guarda contra os ardores do sol. Por toda
a p a'te, lojas escuras, onde se rendem fa-
zendas de seda bordadas, passamanaria de
:rcs riras, chinellos, burnus, louga, joias,
collares, pulseiras, anneis, objectos de co-
bre, lustres, brazeros para queimar perfu-
mes, lanternas, em uma palavra, tu Jo quan-
to se encontra, geraluiente, as lojas es-
peciaos das grandes cidades da Europa.
J l havia rauita gente. Aproreita-
vam a fresca da manha. Mooras vela las
at os olhos, Judias de rosto descoberto;
Arabos, Kabylas, Marroquinos, ara de um
lado para outro, bem como certo numero
de estrangeiros. A presanga de Luigi
Fcrrato e de Ponta Pescada, portanto nao
attrahia a attengao.
Durante uma hor os dous procuraram,
nessa chusma rae3clada, encontrar Namir.
Foi de blde. A Marroquina nao appare-
ceu, nem Sarcany.
Luigi, entao, uterrogou alguns desses
pequeos semi-ns, productos hybridos de
todas as ragas africanas, cuja mistura ope
raso desde Rif at os limites do Sahara o
que formigam njs bazares marroquinos.
Os primeiros a quera se dirigi, nao po-
deram responder s suas perguntas. Afi-
nal, um delles, um kabyla de seus doze
annos, com cara de garoto de Pariz, disse
que sabia onde morara a Marroquina e of-
fereceu-se mediante algumas moodas de co
bre, para ensinal a aos dous Europous.
A :eita a oferta, inetterara-se pelas ras
estreitas que irradiam para as fortificagfcs
da cidade. Em dez minutos, chegaram a
um bairro quasi deserto, cujas casas bai-
xas e esparsas, nao tnhara nenhuraa ja-
nella para o exterior.
Durante es o tempo, o doutor e Podro
esperavam com impaciencia febril a volta
de Luigi e Ponta Pescada. Vinte vezes es
tiveram para sabir e irern olles mesoao fa-
zer pesquizas. Mas, arabos eram conhe
cidos de Sarcany e da Marroquina. Te-
riam arriscado tudo no caso de um encon*
as minhas horas soturnas
De maguas rijas, fataes
Em que miuh'alma sombra
Em prantdios se desfaz...
Nessas horas de agona
Em que de dores sou roo.
S em ti vejo consol,
Tu s o llivio meu.
Que de perfejg3es se notan
No teu rosto circular I
Quanto s bdla, oh! bella La,
Por estes cos a vagar !
Quando o sol desappareca
Dos alcantis atravez
E as trevas luz pre:edem.
Tu raias cora lucidez.
Desatas btandos r. flexos
Por sobre as ondas do mar,
A's vezes rairoso, trbido,
A'u vezes a dormitar.
Oh La I como saudosa
Te mostras no ail do co 1
Quera nao te admira, olbaudo-te,
Como te admiro eu ?
Quem, se nao Deus, poderia
Formar-te tao genial?
Quem brilho tamanho deu-te ?
Quem deu-te equilibrio tal ?
E te ano, La de prata,
Ama- te o meu corag&o !
A luz que esparges paluda,
NSo tere os meus olhos, nao !
Mysteriosa divina!
Pudera eu sempre te rer,
Que assim nao fra tao triste,
Que assim trera prazer.
Quando tu de nos te ausentas,
Oh indisirel primor 1
O mundo em trevas sepultase,
E' um cahos negro de horror.
Ao passo qne quando surges
No horisonte a deslumhrar,
Esposa do sol I poesa
Tem a noite de luar.
Tu que has sido decantada
No instrumento de Darid,
Oh La acolhe essas trovas
Que o cantor consagra a ti !
3 de Outubro de 1885.
Olympio Bonald.
Triste vcrilinic
Muitas rezes, meu Deus, fico descrente
Do que seja nobreza neste mundo I
E ante o estado vil da humanidade
Sinto n'alraa um pezar grande, profundo
Parece que o progresso vai fazendo
Com que seja banda a sa verdade
Dos contractos mais santos e subidos
Desta inmensa e tao varia sociedade!
Predomina o poder da fidalguia
Ostentando os brazoes ao mundo inteiro !
Inda ha forga maior, mais corrompida,
A forga que se impSe pelo dinheiro !..,
Alga o col, ousada e atrevida -,
A mais crassa e supina ignorancia !
Onde menos saber.,. mais presumpgao,
Oade mais corrupgao.. mais petulancia 1
Ante estado de tanto descalabro
Se horrorisaquem tem algum pudor !
Ao silencio, porm, se impSe de certo
Pois remedio nao ha p'ra tanto horror.
E' este o triste tira da humanidade
Que vive sem as luzes da instruegao I
DifFundir pelo povoo pao do espirito
E' salvar da ruinaesta nagao !
A. Junios
^"^
alarma. Ficaram,
vivo desassocego.
tro que teria dado o
pois, presos do mais
Eram nove horas quando Luigi e Ponta
Pescada voltaram para a fonda.
A tristeza do seu rosto indicara que eram
portadores de ms noticias.
Cora effeito, Sarcany e Namir, acompa-
nhados do uma menina que ninguem co-
nhecia, tinham sahido de Tetuan, haria
cinco semanas,'entregando a casa guar-
da de una relha.
O doutor e Pedro nao esperaram este
ultimo golpe ; ficaram aterrados.
Entretanto, ossa partida muito ex-
plicavel I obserrou Luigi, Sarcany devia
esperar que Silas Toronthal, por ringanga
ou por outro qualquer motivo rerelasse o
seu esconderijo.
Emquanto tratava de perseguir os trai-
dores, o Dr. Antkirtt nun^a perdeu a es-
peranga de realisar a sua obra. Mas ago-
ra era a filha que cumpria arrancar das
maos de Sarcany e j nao tinha a mesma
confianga '
Elle e Pedro concordaram em ir imme-
diatamente casa de Namir. Talvez l
cncontrassem alguma cousa mais do uma
recordagao de Sava 1 Talrez, tambem, a
relha judia, a quem estava entregue a ca-
sa, podusss dar lhes, ou antes vender lh.'s,
in.licagoes uteis s suas pesquizas.
Luigi para l os levou.
O doutor que fallara rabe como se ti-
vesse nascido no deserto, deu-se por amigo
de Sarcany. Apenas pasaava por Tetuai,
dizia elle, teria estimado muito encontral-o,
e pedio para visitar a sua casa.
A velha, a principio, oppoz alguma difi-
culdade ; mas um punhado de sequins te-
ve o effeito de tornal-a mais obsequiosa.
E nao hesitou em responder s perguntas
que o doutor lhe f ;z, apparentando o mais
vivo nteresse pelo patrao da velha.
A menina que a Marroquina leveu devia
casar com Sarcany. I330 estara resolrido
de tonga data; e, muito prorarelmente, o
casamento teria s resolv lo era Tetuan, se
a partida nao se tiresse precipitado. Essa
menina, desde que chegou, isto haria
cerca de tres m zes, nu ca sabio de casa.
Dizam que ella era de origen rabe, mas
a judia suppunba que deria ser europea.
Todavia, pomas vezes a tinha visto, a nao
ser durante a ausencia da Marroquina ;
nada mais podia informar.
{Continuar-sc-ha.)
Typ. do Diario ra Du^ue ie.Caxias a. ,42,