Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19600

Full Text
ANNO Lili NUMERO 22
PIRA A CAPITAL. E Ll CiAlUKW ONDE JKAO SE PACA PORTE
Por tres mezas adiantadoE
Por seis ditos idem......
Por uin anno dem......
Cada numero avulso, do mesmo o i...
60000
120000
240000
.5100
QINTA--FBRA 28 DE JANEIRO DE 1886
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados......... ..... 130500
Por nove ditos idem................. 200000
Por um anno dem................. ^^j?
Cada numero avulso, de das anteriores........... 0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Pxofxtotot fc* JRatuel J\%nevcoa be Jara Jlljos

TELEGRAMAS
WW
I
iU A&-HCI4 SIV-S
(Especial para o Diario)
LONDRES, 27 ie Janeiro.
A' deapetto da oppowlco felta pele
ministerio, a Cmara dos Comniun.
por 3* 9 votos contra SCO. adoptou
ama emeada. em prO don nuriruliu-
res. ao b.ll relativo a Irlaada. apre-
entadu pelo gfovern.
K" provavel que. em consequen -
cia desie voto, o gabinete aprese n-
leil.1 a Raina Victoria o seo
pedido de demissao conectiva.
MADRID, 27 de Janeiro.
O Duque de Sevilba Col eliminado
dos quailros do exercito e condem-
uado S annos de prisao. por ter
Ido um dos principar* Instigado-
res de uoia d* ultimas tentativas
de sublevaco militar.
RIO DE JANEIRO, 27 de Janeiro.
Fallecen
rkcnnn.
no Cblle Viccuna Un
Agencia Havas, hlial
27 de Janei 3 ce 1886
em Pernambueo,
III. A companhia organizar* o apreaentar _
approvaco do Ministerio dos Negocios da Agri-
cultura, Commercio e Obras Publicas, por inter-
medio das presidencias das provincias do Amazo-
nas e do Para as tabellas dos precos das Passa-
gens e dos fretes das cargas, devendo tazer ama
tabella para sabida dos ros e outra para a des-
eada.
Palacio do Rio de Janeiro, 26 de Dezembro de
1885 Antonio da Silva Prado.
.Ministerio da fustica
Por decreto de 16 do corrente :
Foi removido, a pedido, o jniz de direito Vicen-
te Candido Perreira Tourinho, da comarca de
Ithos, de 2* entrancia, na p'ovincia da Baha,
para a de Propri, de igual entrancia, em Ser-
gipe.
Foi designada a comarca de lbeos, de 2a en-
trancia, na Baha, para nella ter ezercicio o juiz
de direito Majoel do Nascimento Teixeir.
Por decretos de 16 do corrente foram nomca-
doi juizes municipaes de orphos para os ter-
mos de:
Ilhos e Olvenca, na Babia, o bacbarel Alfredo
Cesar Cabuss;
Macap e Mosago, no Para, o bacharel Alfon-
so Viriato de Medeiros;
Barras, no Piauhy, o bacharel Manoel Rufino
Jorge de Souza;
Santa Victoria do Palmar, nc Rio Grande do
Sul, o bacharel Jos Climaco do Espirito Santo ;
Laga Vermelha, na raesma provincia, o bacbarel
Joaquim Francisco Villela do Reg; Vaccaria, na
mesma provincia, o bacharel Joaqiim de Mello
Rocha Jnior.
Foi recondnzido no lugar de juiz municipal e
de orphos do termo do Goyanna, na provincia de
Pernambuco, o bacharel Honorio Hermeto Correia
de Brito.
Por portara de 16 do corrente foi declarado
sem effeito o decreto de 11 de Abril de 1885, que
nomeou o bacharel Francisco Rufino do Reis Li-
ma para o lugar de juiz municipal e de orpboa do
termo de Barras, no Piauhy, visto nao ter entra-
do em exercicio dentro do prazo legal.
INSTRUCCO POPULAR
Geographia geral
Kxtrahido
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(Con/iaaaffao)
E 1 K O P A
TURQUA DA EUROPA
BEOIOES E H QAREb MOtAVElS *.
OMBLiA Andrinopla, 140:000 habitantes 2 o-
dade do imp:rio ; capital antes de Constantinopla.
Salnica 7C:000 habitantes, commercio activo. ,
AL.SAXLA Jantea, 40:000 habiUntes. Sculari,
20:000 habitantes. OcArt'a, sobre os lagos dos
meamos nomes.
bosnia (oceupada pelos austracos) Bosna berat
oa Serajevoi 50t000 habitantes, praca forte.
hezeoovina (occupadapalos austracos)Mottar
e Trtbinho, centros da recente insurreico dos
christaos contra os tarcos.
Bulgaria (com administracoaut*nom)Sophia
50:000 habitantes. Silistria 20.000 habitantes
heroica defezi contra os rusos em 1854 Varna,
18:000 habitantes ; A Turqua tambem possue
na Europa a importante ilha de Canda (antiga
Creta), cuja capital tem 15:000 habitantes.
As possessoes da Turqua sao : na Asia, a Ana-
tolia. as bacas do Tigre e do Euphrates, a Syria
e a soberauia de algun3 estados da Arabia;na
frica, a soberana do Egypto, com as suas depen-
dencias, do pachalikado de Trpoli e do beylkado
de Timii.
ROUMANIA
154:000 kilonetros quadrados.5.000:000 habi-
tantes.32 habitantes por kilmetro quadrado.
A Valachia e a Moldavia foram em 1829, pelo tra-
tado de Andrin ipla, collocados sob a proteceo da
R Mtia E n 1836 o trata lo de Pars deu-lhes ama
administradlo autnoma sob a suzerania da Tur-
qua, q-i'il pagav.im um tributo. Em 1861 reu-
nramoe, ora o uoine de Riununia, sob o gover-
no e un ineaino priucipe ou liospodar. Em 1877
a Roumania ailiou-se coma RusaU contra a Tur-
qua e tornan so ind'-peiidente. O Danubio Umita
a Valachia ao sul, o Pruth limita a Moldavia a
leste. O solo fert'uissimo.
Capital da Moldavia, Juisy. 8 1:000 habitantes ;
capital da. Valachia, Bukhareit, 140:00' habi-
tantes.
SERVIA
44:000 kilmetros quadrados.1 300:000 habi-
tantes. 29 habitantes por kilmetro quardrado.
O pr ncipado da Servia tem ao norte a Austria, a
leste a Roumania e a Bulgaria, ao sul da Rume'.ia
e a oeste a Bosnia.
At 1876 a Servia era um Estado tributario da
Turqua : tornon-se porm indcpin lente por oc
easio das victorias da Russfa contra os turcos. O
clima temperado, e o solo frtil, mas mal agri-
cnltado. O governo monarchico constitucional
hereditario ; a relgio s schismatica grega.
Capital, Belgrado, 30:000 habitantes urna das
pracas mais bem fortificadas da Europa.
(Continua.)
mete orricm
Actos do Poder i:vetuliro
DECRETO N. 9540de 26 de dezembbo
de 1885
Usando da sutorisacao concedida pelo n. 2,
4o do art. 1* do decreto do poder legislativo n.
3271 do 28 de Setembro de 188'>, Hei por bem in
novar, eob as clausulas que com este baizam, os
contratos approvados pelos decreto ns. 3898 d
22 de Junho de 1867 e 2949 de 21 de Janho de
1880.
Antonio da Silva Prado, do meu conselho, mi-
nistro e secretario de Estado dos Negocios da
Agricultura. Commercio e Obras Publicas, assm
o tenha entendido e taca executar. Paiac:o do
Rio de Janeiro, em 16 de Derembro de 1885, 64
da Independencia e do Imperio.
Com a rubrica de Sca Maoestade o Impebadob,
Antonio da Silva Prado.
Ministerio da Fazenda
Por decretos de 9 do corrente:
Foram nomeados : para o lagar de procurador
fiscal da Thesouraria do Fazenda da provincia do
Piauhy, o bacharel Polydoro Cesar Burlamaqui, e
para o de thesoureiro da mesma Thesouraria Ly
sandro Francisco Nogaeira;
E foram demittidos: do primeiro dos referidos
logares o bacharel Augusto Coliu da Silva Rios,
e do segundo Jos Joaquim Avelino.
Ministerio da Agricultura
Por portaras de 11 do crrete foi exonerado o
engenhero Jos Francisco da Foneeca Galvo do
logar de chefe de seccao do servico das obras de
conservaco do pjro de Pernambuco, e nomes do
para sabstitoil-o o eugenheiro Jos da Silva Ri-
oeiro.
Foram expedidos os seguintes avisos :
_Minsteri) dos Negocios da Agricultura, Com-
mercio e Obras Publicas. Gabinete.Rio de Ja-
neiro, 13 de Janeiro de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Independentemente de quaes-
quer outras iaformacocs que nos prazos fizados
haja V. Exc. de prestar, ceres dos varios servi-
rorganisados em virtude di lti n. 2040 de 28
Setembro de 1871, recommendo lhe que, com a
maior brevidade possivel, faca chegar a esta se-
cretaria de estado urna relaeao que mostr o nu-
mero dos escravos alforradoa em cada municipio
por canta do fundo de emancipado, com declara-
cao da despeza effectuada em cada circumscrip
9o, seja com alforr as, seja com arbitramento,
cuates, etc.
10 ve a mesma relaeao ser organisada com duas
divisoes ; urna destinada ao numero de escravos,
outra a despeza; nao sendo ni cessai io discriminar
os escravos alforriados por cada quota, era a des-
peza paga daquella que estiver por pagar.
Em observaco geral ser indicada a totaldade
da quantia proveniente dos peculios com que os
i-scravos houvercm concorrido para a sua liberda-
de as diversas applicacoes do alladido fundo.
Deus guarde o V. ExcAntonio da Sitva Prado
Sr. presidente da provincia de. .
Ministerio dos Negocios da Agricultura, Com-
mercio e Obras Publicas Gabinete.Rio de Ja-
neiro, 14 de Janeiro 1886.
Illm. e Exm. Sr.Sem embargo de outras infor-
maces que conforme as ordens em vigor, deva
easa presidencia prestar relativamente a diversos
servicos deste ministerio durante o anno prximo
passado, cont que vossa Eic. se servir de infor-
mar-me com a possivel brevidade, quanto as ferro-
vias e ferros carris de traccao animada
I. Qual a extenfo kilomtrica daquelles e des-
tes em trafego, em construcclo oa em estudos, com
discrimnacao de seus caracteres tecninicas, mat -
rial, rondante etc.
II. Qual o uovimeuto dos pissageiros e de car-
gas durante o ultimo anno proporcionatmente aos
anterlbres, receita c despeza garantida e outros
favores, despesa effectuada, co-n aquellas e com
estas;
III. Noticia abreviada do rgimen e das sondic-
coes dos contractos, legislayao, condiccods geraes
das directrize* dai linhos e ramaes, territorio a
que servem, naturesa das produccoes que neste
pre lomina, etc.
O governo imperial confia que estas como outras
iiiformacdris que V. Exc. julgar convenientes a es-
clarecimento do assumpto chegarao a esta secreta-
ria da estado em tempo de servire.a de base ao re-
lator! o que tenho de apresentar assembla ge-
ral na Ia seccao da 20* legislatura.
Deus guarde a V. Exc Antn o da Silva Prado
Sr. presidente da provincia de...
i% 14 batalhao, a maj:r graduado: O capillo Es-
tevo Jos Ferraz.
15 batalhao, a major: O major gra la lo Baii-
lio Magno da Silva Jnior, por antiguidade.
16 batalhao, a capitao: O tenente Francisco
Miguel de Souza, para a 8* compana>a, por auti-
guidade.
19 batalhaoA capito : o tenente Amaro de
S juza Franco, para a 3a companhia, por estudos.
A tenentds da arma os alferes: Manoel Joaquim
Domingos Moreira, por antieudade; Braz O lo
rico Al ves Teixeir, idem ; Jlo Deocleciauo Ki-
beiro, idem ; Tito Pedro de Escobar, por otu
dos ; Joo Barbosa Pereira Espindola, dem.
A alferes da arma : particular 2" sargento Joa-
quim Elesbao dos Reis, 1 sargento Arthur Nep -
tuno de Boulevard, 2' cadete Joo Carlos Gallnr-
do, Io sargento Chrispim Guedes Ferreira, 2o sar-
gento M moel Machado de Souza P nto, sargento
ajudante Joo Alfreio Barbosa Lima, 2 cadete
Raymundo de Aaorim Figueira, 2o sargento Gra
cilian o Al ves da.Trindade, 1 caddte Raymundo
Magno da Silva, 1 sargento Guilhermo Marquen
de Souza Soares, 2 cadete Jos Rodrigues das
Nevei, 1 sargento Alberto Galdiuo de Almeida
Castro, 1 sargento Caetano Brue de Bastos, Io
sargento Tito Hermillo da Silva Machado, 2" ca-
dete 1 sargento Olavo de Velasco Molina Berqu,
2" cadete 2" sargento Felij.pe Antonio da Fonse-
ca Galvo, 1 cadete 1 sargento Joaquim de Al-
buquerque Bello, 2 cadete 2" sargento Manoei do
Nascimento Coelho, 2" cadete sargento ajudante
Joo Machado Lemos, 1" cadete 1 sargento Joo
de Santa Cruz Faria de Albuquerque, 2" cadete
Lenidas Epamnondas de Carvalho e -Uva, 2 ca-
dete Affonso Grey Marques de Souza, 2" cadete
2* sargento Messias Ludgero de Oliveira Valla-
dlo, Io cadete 2 sargento ama Pompilio Bran-
da >, 2" cadete Joo de Souza Martins, 1" cadete
2 sargento Theodorico Goncalves Grumares, 2"
cadete Olympio Saturnino Alves, sargento aju-
dante Antonio Pacifico Alves, 2" cadete 2o sar-
gento Segisnando Rodrigues da Silva.
Por decretos da mesma data :
Foram tranferidos :
Para a 5a companhia do 3 batalhao de infan-
tera, o apito do 11 Manoel Feliciano Pereira
dss Santos e para a 7 companhia do 7" batalhao,
o capito do 16 Pedro de Alcntara Fonseca.
Para a 2a classe do exercito, ficando aggrega-
do6 s armas a que pertencem, de conformidade
com a immediata e imperial resoluco de l de
Abril de 1871, o capito do 18" batalhao de inten-
tara Pedro Abrelino de Oliv ira e o alferes do 3"
regiment de cavallara Arthur de Lemos, visto
terem sidojulgados incapazes do servido do mesmo
exercito.
Foi nomeado alteres-alumno, de conformidade
com o disposto no art. 180 do regulamento appro-
vado pelo decreto n. 9,251, de 26 de Julho de 1884,
o alumno da Escola Militar da urovincia do Rio
Grande do Sul, 1* cadete Trsto Alves Barrete
Le te.
Foram transferidos : o tenente Bibiano Jos
Teixeir Ras, do 9 para o 5 batalhao de infan-
taria e deste para aqoelle corpo o tenente Frede
rico Lisboa Maia, o 2 tenente Garibaldino de
Araujo Correia, do 1" regiment de artilbaria para
o 3 batalhao da mesma arma e deste batalhao
para aquelle regiment o 2 tenente Antonio Car-
los Brando.
Foram transferidos, o tenente Jos Mara
Ferreira, do Io corpo de cavallara para o 1 re
gimento da mesma arma, e o tenente Raymundo
Antonio Fernandas de Miranda, deste para aquel-
le ; o alferes Vicente Franco, do 3* para o 7o ba-
talhao de intentara, e deste para aquelle o alferes
Antonio Joaquim Coelho dos Santos.
Ministerio da Marinha
Por portara de 7 do corrente foi nomeado An-
tonio Xavier para exorcer o logar de patro mor
da capitana do porto da provincia das Alagoas.
Foi exonerado, em 12 do corrente, Damas-
ceno Carnelio Naooleao Borges do lugar de es-
crevente da oficina de calafates do Arsenal de
Marinha da Corte e nomeado Marcelino Ricardo
da Matta para substituil-o.
Na mesma data concedeu-se a Joaquim Lacas
Corroa a exoneraco, que pedir, do emprego de
ajudante do porteiro do Arsenal do Para.
de
CLAUSULAS A QB SE BBFEBE O DFCBBTO 5,
DESTA DATA
9540
a
Ministerio da Ciuerra
Por decreto de 9 do corrente, toi reformado, de
accordo com a Ia parte do Io do art. 9 da le n.
648 de 18 de agosto de 1852, o alferes aggregado
arma do infantera Manoel Fi mino je Souza, visto
ter sido, em nova inspeceo Ue saude, a que foi
submetlido, julgado incapaz para continuar no
servico do exercito.
Por decreto de 4 do corrente foram promovidos
as diversas armas do exercito os sfficiaes infe-
riores e cadetes abaixoa mencionados:
Artilheria
A segundos teuentes da arma, os alferes-alum-
uas : Feliciano Benjamn de Souza Aguiar,Edua--
Uo Arthur Scrates, Eduardo Goncalves Ribeiro,
Alexandre Jos Barbosa Lima, Guilberine FiUto
Ferreira de Abren e o Ia cadete Joo Baptiata do
Reg Barros Cavalcanti de Albuquerque Jnior.
Cavallara
1* corpo, a capitao: O capito graduado Inno-
ceacio Gom.'s de O.veira, para a 2' companhia,
por autiguidade.
A tcuente U.t arma: O tenente graduado Fran -
cisco de Paula Alencastro, por autiguidade.
A alferes da armaos segundos sargentos: JesSa
lomo Agostoho dos Reis, Jos Florencio de Car-
valho, sargento quarttl-inestre Braz Antonio da
Silva Funseca e o segnudo cadete segando sargen-
to Eduardo de Oliveiru Lima.
Infaat ra
5 Batalhao, a capito : O tenente Carlos Mara
da Silva Telles, para a 4a companhia, por antigui
dade.
8 Batalhao, a capito: O tenente Affonso Fir-
mo Pereira dj Mello, pira a 7* companhio. por an
tiguidade.
11 Batalhao. a capito: O tenente Joaquim de
Governo Ja Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 26
JANEIRO DE 1886
Aquelino Cesar de Mello Barretto.~Requeira a
Thesouraria de Fazenda, juntando os documentos
a que se refere e a caderneta em qne se acha es
criptnrado o pecul o do sentenciado Araenio Ce-
sar de Mello Barretto.
Aureliano Augusto de Vasconcellos. Remet-
tido ao Sr. inspector geral da Instrucco Publica,
para attender ao peticionario, se este quizer man
ter o curso gratuitamente, ms termos do art. 41,
nico do regulamento.
Beinardino de Oliveira Coragem.Sim, me-
diante recibo.
Capito Francisco Bellarmno dos Santos Frei-
tas Dirija-se ao commandante superior da guar-
da nacional da comarca do Recife a quem hoje
expeco as necessarias ordens no sentido de que
trata a presente petico.
Fieldem Brothers.Deferido com o officio des-
ta date ao Thesouro Provincial.
Ignacio Francisco de Barros Leite. Sim, dei-
xando pesaba paga a sua custa e a contento do
delegado ltterario que o substtua.
Joanna Carolina de Arauio Figueire lo. -Re-
mettido ao Sr. inspecte geral da Instrucco Pu
blica para attender a pelcioria nos termos do art.
41 nico do regulamento.
Jos da Silva Ramos.Iotorme o Sr. inspector
da Thesouraria de Fazenda.
Joo Rufino da Fonseca.Sim, com as restric
cues feitas na relaeao annexa a portara desla
data.
Lourenco Justiniano da Richi Ferr.iira. A'
vista da informaco da provedora da Santa Casa
di Misericordia nao pode a presidencia deferir nos
termos requeridos pelo supolicant-, qua com a
mesma presidencia so entender a respeito do meio
possivel para seu mais prompto julgamento.
Manoel Jas da Silva.Informe o Sr. director
do presidio de Fernando de Noronha.
Valentina dos Prazeres Correia da Luz.Pro-
ve o sopplicante nao existir parentesco por consa
guinidade ou affinidade em grao prohibido.
Secretaria da presidencia, de Pernambu-
co, em 27 de Janeiro de 1886.
O porteiro,
Ijeopoldino C. Ferreira da Silva.
vtndoa do termo de Gavat, o primeiro
como sentenciado o os domis como pro-
nunciados em crimo do furto do luvallos.
A' ordem do subdelegado do Io diatri-
eto da Boa-Vista, Luiz Francisco do Oli-
veira, por disturbios.
Pelo subdelegado do districto da
Varzea foram apprehendidas e remettida
a esta reparticao nove facas de ponta,
dous comps?os, urna pistola e um fura
dor.
QDeas guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. conselheiro Jos Fcraandes da Costa
Pereira Jnior, inuito digno presidente da
provincia. O .chefe de poli a, -Antonio
Domingos Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DA 27 DE JANEIRO DE 1886
Mara Iza ii-l de Albuquerque Maranhao. Re-
gistre e facam-se as devidas notas.
Francisco Avila de Mendonca.Entregue-so o
depoaiti.
Faria Sobrnho 4 C. Joo Francisco de Torres
Bandeira.Haja a vista o Sr. Dr. procurador As-
ea1.
Irmandade do SS. de Jaboatao. Ao Consulado
para attender.
Victorino Domingues Alvea Maia, Lourenco
Gueies Alcoforado e Manoel Monteiro Borges
Uchoa.Informe o Sr. contador.
Manoel Florencio da Paz Cunha. Na tabella re-
mettida pela rep trtico da Instrucco publica nao
foi distribuid.* quota para aluguel de casa e expe
diente da escola de Floresta no exercicio de 1884
a 1885, segundo informa a C ntadoria; e por isso
nao pode ser attendido o supplicante.
---------------=>&-------------------
Cmara Municipal
DESPACHOS DO DA 25 DO CORRENTE
Pelo Sr. Cussy do Reg, commissorio de
edificares
Amorim limaos & C, pedindo liceuca para man-
dar tomar goteiras nis casas ns. 89, 91, 93. 425 a
135 a ra do Geivasio Pires, 1 a 29 travessa do
PalaciodoBispo, 5, 6, 2l,23e 70 ra da Soladade,
estrada de 4 e 22 do Progresso, 32, 94, 48, 52, 25,
12 e 4 Joo Fernandes Vieira,5 travessa da mes-
ma estrada, 48 ra de Santa Cruz, 24 C, 24 D, 60,
63, 62, 64, 66 e 88 a do Conde da Boa Viste, 13
de Bario de S. Borja, 44, 64. 103 e 105 a do Vis-
conde de Goyanna, 55, 57 e 67 a da Visconde de
Albuquerque, 6 e 40 da Conceieo, 11 e 22
pi-aca do Conde d'Eu, 10, 13, 20, 41 e 86 ra da
Imperatriz, 2 a 22 a do Hospicio, 12 73 a da Ponte
Velhs, 16 a 22 ao becco do Veras, 29 do Vis-
conde de Pelotas, 11 e 13 dos Coelhos, 12 A, 28
e 30 ao Caes do Capibaribc, 53 e 133 l da Au
rora, 11 ra"-Capito Autouio de Lima, 35, 37 e
39 a da Princeza Isabel, 4 a 16 da Saudade, 3 a
15 e. 67 a da Unio, 24 a 36 do Riachuello e 39
dbPayssand, todas na freguezia da Boa-Viste.
Como pedem, dando sciencia ao fiscal.
Os meamos para o mesmo com referencia as ca-
sas de ns. 8 a Ilha do Carvalho, 23, 58 e 64 ra
de S. Francisco, 4 e 6 travessa da ra Bella, 54
roa da Roda, 11 e 43 ra do Duque de Caxias,
10, 18 e 20 a do Visconde de Iuhama, 16 u 40
das Trincbeiras. 22, 64, 107 e 109 da Palma,
68 do Coronel Suassuna, 59 a 61 do Mrquez
do Herval, 61, 63 e 87 de Marcilio Das, 12, 14,
19, 23, 25,80 35, 40, 58 e 61 do Baro da Vic-
toria, 47, 49, e 62 de Pedro Affonso, 34 ra
Nova da Praia, 32 da Imperador, 8 do 1 de
Mar jo, 36 Larga do Rosario, 14 das Laran-
geiras, 6 ao Io becco da Camoda, 6 e 30 de Ma-
thias de Albuquerque, todas na freguezia de Santo
Antonio.dem.
Jeronymo de Sonsa Rolin, replicando satisfaz a
exigencia de despacho anterior declarando que
cooforma-se com o parecer do engenhero sobre a
licenca requerida com referencia a obra que pre-
tende mandar fazer em sua casa u. 4 ra do
Visconde de Iahama. -Concedo licenca na forma
do parecer do engenhero e replica, pagos os di-
reitos.
Joaquim Pacheco da Silva, pedindo liceuca para
mandar rever a coberte de seu predio n. 30 ra
do Coronel Suassuna, substituindo telhas, bem
como tomar algumas fendas. Na forma requerida
dando sciencia ao fiscal.
Dr. Jos Vicente Metra de Vasconcellos, tutor
da menor Mana Penna, para mandar retelhar a
casa n. 14 ra do Visconde de Albuquerque,
pertencente a dita menor. dem.
Vctor Neesen, para o mesmo fim, com referen-
cia ao armasem n. 9 ao Largo do Mercado.
dem.
Secretaria da Cmara Municipal do Re-
cife, 26 de Janeiro do 1386.
Servindo de porteiro,
A. F. da Silveira Carvalho.
DIARIO DE PERNAMBUCO
I. Os contratos celebrados em virtule das cou-
eessoes feitas pelos decretos ns. 8898 de 22 de Ju-
a'-o de 1867 e 6826 de 29 de Dezembro de 1877,
ficam prorogados por mais cinco annis.
II. A subvenco que pelo servico de navegaco
estabelecide pelos precitados contratos percebe a
Amaaon St-tam Navigation Company limited, sof- I Carvalho Solme Pereira, para a 8* companhia,
trer desde j a redueco de 10 %. por estados.
Renarlnao da Polica
Seccao 2.a N. 83.Sectaria de Po-
lica de Pernambuco, 27 de Janeiro d
1886. -Illm. e Exm. Sr. Participo a V.
Exc. que foram hontem recolhidos a (Jasa
de Detencao os seguintos individuos :
A' minha ordem, JoSo Beato do Couto,
re uettid) pelo cominandail 3 das armas
como criminoso de mor te na provincia das
Alagoas; Joaquim Francisco Grangeiro,
romettido pelo delegado do termo de Ga-
ruar, como alienado, afira de ter destino
para o asylo da Tamarineira ; Jos Miguel
Florencio, vindo do termo do Brejo como
sentenciado; Cassimiro Francisco de Arau-
jo, Argelino Francisco de Araujo, Antonio
Pereira da Silva e Joao Ferreir da Motta,
RE JIFE 28 DE JANEIRO DE 1S86
noticias do Pacifico, Rio da Pra
la e sul do imperio
O paquote nacional Pernambuco, entrado hon-
tem do sul, trouxe as seguintes noticias e as que
constelo da rubrica Parle Oficial :
Pacifico
Datas dejornaes at 27 dedezenbro e telegra-
phicas at 11 de Janeiro :
A cmara dos deputaios do Chile reuni se, n
da 4 do corrente em sesso extraordinaria, par po-
dida dos depatados da maioria.
Os da opposcao oceuparam tola a sesso com
questo.'s incdentees, provocand) desordena que o
presidente da cmara nao pole conter.
Diz um telegramma de Valparaso, datado de
7 :
Frustraram-se as negociacoes da maioria com
a minora do congresso para acabar com o conflicto
poltico, que tanto tem excitado o piiz.
A miaoria exige a prorogacao das sessoes do
congresso at abril.
Todas as tropas esto em ara is.
O manifest do presidente causou desagrada
vel impresso.
A impjsico official para a candidatura preii-
dencal repellida geralmente.
J sabemos, por telegramma expedido di San- tiravam
tiago a 11, que afinal a cmara dos deputados, vo-
tou a g'neralidade das leis orea nentarias, ficanao
assim resolvida a crise qitf se suscitara eutre o
poder legislativo e exe^ut vo.
Rio da P.-n a
Ditas de Buenos-Ayre at 7 e de Montevidej
at 9 de Janeiro :
Na R-publici Argentina toi definitivamente
adoptado pelas cmaras o projecto de le e orca-
men;o para 1886.
O senado discuta em seso secreta e tratado
prelimina- de Misad.-s. O de Buenos-Ayres La
Nacin publicou o seguate telegramma que lhe
expedo, no dia 4, o seu corre ipondente em Mon-
tevideo :
O ev-nsul da repblica em Bag dirigi um te-
legramma ao general Sautos perguntande-lhe que
fundamento linhain os boatos de revolta na fron-
te ra. rantos resciondeu : Recebi o seu tele-
gramma perguntando -me a verdado dos boatos de
revoluco nea'.a repblica, propalados ahi. Aqui
est tudo completamente tranquillo desde um
extremo da repblica at o outro, e ncm sus
peita sequer de que possam alterar-se a paz e a
ordem.
governo argentino maudou desarmar 4 bom-
bardeiras e 1 transporte de guerra.
II uve em Montevideo urna] reunio da ira-
prensa independente para protestar, como effecti-
vamente proteatou contra a priso dos joma-
lista? de que que jdemjs nolica. Os dttido3,
depois de interrogilo3, foram postes em liber-
dade.
Kiu iiraode do Sul
Datas at 8 de Janeiro :
O presidente da provincia prorogou o oicamento
vigente smente para o semestre de Janeiro a ju-
nho do corrente anno.
O Commercial de 5 do corrente d a seguinte
noticia :
Achando-se fgido o preto Leandro, cscravo
do Sr. Baro de Corrientes, veio expressamente
de Pelotas o Sr. Alexandre Pinto de Souza, ca-
pito do matto, incumbido de procJer sua cap-
tura.
Constondo-lhe que o aludido preto se achava
ante-hontem em urna hospedara, junto ao mer-
cado, para alli se dirigi e como effectivamente
o encontrasse, tratou psr meio da torca, subja-
gal-o.
O preto furtou-se o mais que pode as vio-
lencias de que era obj oto no intento de evadir-
se, e como finalmente reconhecesse a impossi-
bilidadi: de o fazer recorreu ao peior dos expe -
dientes :
Servio-se de urna faca com que achava-se ar-
mi do corpo do seu perseguidor. Os ferimentoa foram
todos elles extremamente graves, sendo pergoao o
estado do offendido.
O reo preso em flagrante, foi inmediatamente
recolbido cadeia.
Em Pelotas no dia 4, s 6 h>ras da tarde,
passava pela ra General Osorio, o italiano Jos
Pulha, sapateiro, quando ao chegar casa de
Custodio Pereira, uin filho deste, de nome Jos
Pereira, dirigio-lhe as seguintes phrases : fora
o bobo, que va de bonet.
O italiano volte-se e pergunti se aquelle in
sulco lhe era dirigido; Jos responde lhe pela
afirmativa e dirige-The mais algumas ; alavras in-
juriosas.
Jos Pulha, agarra-o por um braco e Jos Pe-
reira, fazendo uso da faca com qne esteva armado
e occuite, di lhe duas tacadas, sendo urna no baixo
ventre e outra no peito.
O aggressor, vendo sua victima banhada em
sangue, fugio, oeeultande-se em casa de seu
Pelo exame medico se deprehende que os feri-
mentos sao graves, poucas espers,ncas havendo de
talvar-se o offendido.
O aggressor tem 16 annos mais ou menos de
idade, e at a hora em que escrevemos, anda nao
foi eneontrado, apezar das diligencias empregadas
pela polica.
A alfandega da Porto Alegre rendeu no mez de
dezembro 182:397/113.
No dia 7 assumiram o cargo de inspector da
alfandega da cidade do Rio Grande o Sr. Bernar-
do Savaget e de Porto Alegre o Sr. Antonio Ma-
cahyba.
Na Cachoeira foi preso e recolbido cadeia
Gabriel Gomes de Escobar, indigitado como um
dos asaasainos do colono Estevam Cbaure.
Esse individuo j est ncurso no art. 205 do
do cdigo criminal, comonutor de ferimentos gra-
ves, praticados na pessoa de um seu cunhado.
O capito interino da escuna ingleza Eastwiod
W. Grant, entrado no da 4, declarou que se sui-
cidara em viagem, enforcando-se, James Sober-
ton, respectivo capito do referido navio.
Paran
Datas at 12 de Janeiro :
O Sr. presidente da provincia foi visitar o n-
cleo Santa Gabrella e verificar o estado dos tr-
bateos, que, com effeito, encontrou adiantados.
Percorreu grande parte do novo estabe'.ecimento
a p, deu algumas ordens sobre a feitura da es-
trada central que se est abrindo e mandn apres-
sar a construeco das casas provisorias. Varios
immigrantes escolheram j os scus lotes e com
toda a actividade e alegra esto ajudando a
promptificaco das habitaces. O ncleo apr-
sente pontos lindos e muito cortado d'aguas.
S. Exc. o Sr. presidente recommendau que se der-
mbassem menos madeias psssiveis.
O preside ote da provincia visitou em com-
panhia do commandante e offioiaes da corveta
austraca Albatroz o ncleo Riviere.
Para o novo ncleo Santa Gabrella segui-
ram 118 emigrantes.
Falleceu na cidale da Lipa o fazendeiro capi-
to Antonio Ferreira Maciel.
Santa Camarina
Datas at 12 de Janeiro :
Nada do as folhas digno de nota.
Mina* Cieraea
Dastas at 17 de Janeiro :
Em S. GoncaU de Sapucahy, ua noite de 28
para 29 do passado, o escra ro Ccsaro, um dos as -
sassinos do intelis Ignacio, entrando na easa de
urna mulher, deu-lhe varias tacadas, dizendo-lhe
que assim proceda por haver sido por ella denun-
ciado autordade
Sahindo depois Cesarte com promessa de voltar
dah a pouco com outra pessoa, a victim, descon-
fiando de que o assassino protendesac acabar de
matel-a, consegaio abrir urna das portas do fuo-
do da casa e per ella fugio para a casa de um dos
visinhos, onde foi reeolhids, apreaent indo-se no
dia seguinte autoridade.
Mas esta, por insuficiencia de forca publica,
cuj i augmento em vo o subdelegado tem recla-
mado do Sr. ch.fe do polica, v se na impossibi
lidade de destruir a quadrilha de salteadores ca-
pitaneada por fuo Apolioario nos arredores da-
quella cidade.
No dia 1 de Janeiro, em Santa Rita, sendo
Raymundo do Nascimento sggredido por Antonio
demandes, em urna das ras desta freguezia, f
ra preso pelo inspector Manoel Caudido da Silva
Jnior. Nesse acto foi, nao s o referido inspec-
tor como os guardas que acompanhavam o preso,
aggredidoj por Pedro Moreira e Candido Jacin-
tho, que armados de faca consegniram tomar o
preso do poder da justica. Em seguid, chegan-
d> o subdelegado acompanhado de al turnas pes-
soas, conseguio nao s a priso de Antonio Fer
nandes, como d i Pedro Moreira, que j se tinham
rearado.
sendo os presos recolhidos cadeia, alte noite
foi a guarda toreada or urnas triuta pessoas, que
consegu ram por sua vez tirar os presos, tendo
utn dos sediciosos disparado um tiro quando se re-
s presos, afim de amedrontar a polica.
Pedro Moreira a terceira vez que tira preses
do pid.-r da justica publiea, sem ter tido menor
correc^o.
Os hibtentes da freguezia esto sobresaltados
com semlhante attentado.
Est detido na cade a de Pouso-Alto o ma-
cliiuata Jobu, qae occasionou o desastre na es-
trada de ferro Atinas and Rio no dia 17 do pas-
sado. .
Foram presos em Ouro Preto o criminoso
Movss Sabino de Souza, pronunciado no t-urvel-
lo, "t em Carangola o desertor Pedro Elias de Re-
zende, que eitava empregado no ramal do Alto
Di Jaguai, escreveram Gaxeta de Ubera
ba em data de 2 doeonente communcando que a
31 di passado verificon-se a reabertura do rio
Barreirinho e que ji havia tomado posse do lugar
de administrador da recebedoria do mesmo porto o
Sr. Ernesto de Paula Vi :ira.
Acerescente o mesmo correspondente que o Sr.
Pereira Cassiaao ontinaava a oppor-se a que se
fizesse o commercio por aquelle porto, qae elle
ameacava lancar bombas de dynamyt sobie as
balsas que tinham de servir para o transporte
que das antes haviam sido disparadas dous tira
de encontr a urna janella da casa do administra
dor, e que receiavam-se grandes deagracas i vol-
ta de Pereira Cassiano que esta va ausente para
S. Paulo e Rio de Janeiro.
Pereira Cassiano quer que o transito contines:
tazer se pelo Jaguara.
Achava-se alli o delegido de polica do tenso
com urna forca de S. Paule.
Diz o Correio do Norte que no districto ie
Contendas, ha poucos das, Antonio Grosso, taav
bem conhecido por por Quebralinha, no que tai-
ta j erimiuoso nesta cidade, assassinoa a facadas
seu proprio sogro, Carlos de tal, qae foi sepultado
no arraial da lioa-Vista ; nao so tendo procedido
a corpo de delicto, nem a diligencia alguma, por
falte de autoridades em um e outro districto.
Em S. Sebastio da Boa-Vista, Lage de Ma
liah, toi agarrado o desordeno Jos Anastaaa
Pimeuts, que armado de um revolver e faca,pr-
vocava e ameacava todos que encontrava oa ra
Cercado pela escolta do inspector Felippe Eduar-
do, disparou certeiro tiro sobre o guarda Luis de
Mtraes, matando-o inmediatamente.
Na noite de 2 do corrente, no districto do Car-
rapicho, termo de Queluz, foi assassinado )oo
Auaclete com um tiro de garrucha.
A victima achava-se porta de sua casa esc
companhia de urna filha meuor que tambem fui
terida.
N. Paulo
Datas at 19 de Janeiro :
Escrevem de Belm do Descalvado ao Gar-
rete de Campias :
O Sr. Silvcriauo Pedroso, fazendeiro deatt
municipio, reuni no dia 1 toda a sua escravatara
e explicou-lhe a nova le e seu regulamento; e
separando os escrav.s maiores de 60 aanos decla-
rou lh"s que os considerara desobrigados do sw-
vico no fim de tres annos, e de dous, se eltes ae
comportas8cin exemplarmente. Urna escrava da
57 annos foi avisada de que era livre, conteras
le ordena para os de 60 annos.
O Sr. Pedroso tallou em seguida aos seus si-
era vos, dos emissarios de revolta que ltimamente
tinham percorrido algumas fazendas e das andi-
das de preveneo que o governo se vio obrigads a
adoptar, afim de garantir ,a ordem publica ; fex_
lhes notar que tanto elle como a sua familia fce
mutos annos viviam entre elles sim um seat-
pregado livre, e confiados nicamente na jasga
com que sempre os trataram.
Os escravos, commoyi ios, declararan] qae
estavam promptos a mjrrerem onde morresse as
seus sniores
O Si. Luciano Teixeir Nogueira, fazeada
ro em Monte-Mr, declarou aos seas escrava
maiores de 65 annez que estavam livres. T/>4or
resolveram continuar a trabalhar na faze..da.
Do Rio-Claro communicaram ao Diario de
Campias em data de 10, que Luciano de tal,
morador no bairro do Morro Grande, daqai
municipio, ao recolher-se casa s 8 horas
noite, desfechoa um tiro em sua mulher Jo
Mara de Jess e outro em Jos Rodrigues,
segundo este fugir, pois apenas foi ferido no in
bro, c morrend > aquella instantneamente, se*
offendda na bise dothorax, dolado direito,**
nivel da liuha marllar.
Luciano acha-se preso na propra casa, devaa-
do ser recolbido brevemente cadeia daquella ci-
dade, para o que j seguio dalli a escolta qae d-
ver conduzl-o.
Refere o Commercio do Amparo que, na oa
8, pelas 4 horas da tard-.-, aps um calor insuptr-
tevel, desabou sobre a cidade urna enorme porcac
de podras, acompanhada de ventana e relaogw-
gos mudouhos que durou 15 minutos.
L-jc no Diario de Campias de 13:
Cimmunicam-nos que o Sr. Dr. Martinbak
Silva Prado ordenou ao sen filho o Sr. Dr. Mart
nho Prado Jnior que declarasse inteiramente li-
vres todos os seus escravos di 65 annos, em um-
mero de 17 ; quo desistisse dos servicia que se-
viam prestar os de 60, em numero de 14, deveada
trabalhar somente at o fim da eolheit* 13 *.
mesma idade, tres de 48 annos, um de 57, ni de
50, dq de 41, e sendo concedida liberdado aMe-
diata a dous de 48 e 38 annos.
a Estas declaraces foram feitas em preseaca
do todos os escravos declarando-se a cada uia.de
per si o seu valor, de conformidade com a le, na-
den lo liberter-se desde que exbibissem quas&ia
determinada pela mesma lei.
Todos declararam desejar permanecer na fa-
zenda, sendo ajustado salario aos validos e dis-
tribuido servico aos escravos que o requisita***
com o fim de adquirirem recursos para libertar-sa.
Mutos declararam possuir peculio approxinsxde
das avaliacoes, podendo completal-o at o fin de
anno.
Alun destas libertacoes, durante o anns de
1884 o Sr. Dr. Martinho Prado concedeu
12. .
Refere a Gazeta de Capivary :
Ha cerca de anno e meio fallou-se que ha
urna grande cobra Sucury as proximidades da
engenho do conselheiro Gavio neste raunieipt*.
O boato cessou at o presente em que de novo me
come? a fallar, com todos os visos de verdaic,
na tal cobra que se diz tem sido vista, j por se
zes no ro, em freate s casas de sitio da Sra. 9.
Escolstica de Campos, a bem pouea distancia dt
cidade.
Dzem mais que monstruosa, pois tem usan-
tes metros de comprimento e ha sido vista mesa*
atravessando a linha frrea do ramal que asmU
prximo ao rio; e o certo que ha pescadores noa
suidos de medo e foi um destes, disseram nos, qae
vio o monatro nagua, mais quieto e inoffenaivo.
A 12 do corrente deu-se um lamentavel de-
sastre em um rancho situado margem d Rio
Pardo, o qual foi assim relatado pelo Correio it
Campia :
Ante-hontem, s 3 horas da tarde, d.u-seaat
grande desastre em um rancho situado marge*
do Rio Pardo.
O tropeiro Francisco de tal, sorpreheudid) a*
tstrada por urna grande trovoada e forte ventana
um verdadeiro furaco, recolheu-se ao rancho a-
ludido para abrigar-se da chuva, onde j eatavasr
para o mesmo fim o tenente Benedicto de Carr*-
Iho e alferes Joaquim Antonio de Jess, ofSciae*
do corpo de permanentes, os quaes recolbiara ca-
pital.
. Desencadeando-se a tempestade com irom !
tena ouvio-se um estalido enorme e logo depntt
abata sobre o raueho urna grande arvore.
. O pobre' tropeiro apanhado pela cabec', v.
morto instaneamente.
Quanto aos oficiaos, apenas o Sr. alferes IV
sus toi tocado por um ramo da mema arvo:e ipn-
o deitou por trra, sem lhe causar maior mal.
Os militares testemunhas deste snisiro ra're
garam ao barqueiro do rio os animaes e valore
encontrados era poder do morto e deram conhees-
mento do facto ao delegado de polica do Ribeiri*
Preto.
Noticia a Nova Phase, do Bananal:
Na fazenda do Resgate deu-.e na dia isa
corrente, um desaetre t,ue produzo a morte do a-
genoo Virgilio.
Este, com outros companheiros, pastorejavac
gado da fazenda e para abrigar-se da ebuva |ir*-
carou um alto barranco qae, desaban'o-sc, **.-
tou o instantneamente.
O subdelegado, alferes Valente, acomprakiS-
do seu escrivo e peritos, procederam ao rcspeeav
exame e mais diligencias.
Realisaram-se, no da 14, ao meio-lia, *
S Cathedral, as solemnes exequias que a coto***


t



Diario te Pernainhaco^uinta-feira 28 ? Janeiro 1886

I


I


53 Isabel, t s a causa desta crime, porque
forte a primeira que juraste f deleite qne ma-
maste, como tua sobrinba nao amara mais nin
guem, e por tua causa f >i que ella me trahio ;
agora ponsa bem, se s culpada ou nao ?
Lembra-te do domingo depois do carnaval,
o que disseste, e Uso eu guardei em meu coracio,
por isso que tenho soffrido tantas dores e tantas
lagrimas tenho derramado, e para ou mais tarde
do Y^ii i, sanst mi pao encerrar em p.aixio Pin meo paito eefiear
qasadro da peaoiamsaie da. dando por taa causa, prefer antes cazer-uaB* eu-
tnir de Ico, e-cam uto aoaus, dama, para
oortogueza da capital mandou celebrar por alma
oe S. M. El-rei D. Fernando II.
Ret.lisou-ae, a 10 do crrante, a primeira via-
gem de experiencia do vapor Bruhna na Compa-
nbia de Navegaeio Pluvial Paulista, o qual, par-
tinds do porto da eidade de Piracicaba, seguio at
o lugar denominado Ondas.
O resultado da experiencia ioi satisfatorio.
_ 0 Dr. Pedro Americo entrou em accordo de-
finitivo com a o
tiiecucao do gea
independencia ivimpeesn.
_ No lia lOnsrorwn*, uaaponM do Odram
batahy, distante da Presueabadegaa-a-nieiaiMloao.
Curuca ferio graneiinmi, com don faca*, a*
Joao Francisco do Naaeiaoento, e, em senaida,
evadio-sc.
Proced ju se o asrto do carpo de dolida e a-amt :-
ridade prosegue ni desass diaigenaia*.
Noticia o Corroo de Computa da 17 ter des-
apparecido da fasenda de Manoel de Siqueira
Freir, municipio do Ai paro, um moco, que era
all professor. O facto se deu do dia 2 para 3 do
correte, aaveudo indicio? de crime. Consta que
o feitor e mais alguns eacravos daquella fasenda
podem ds.r informacoes sobre o occorrido.
Dii o Typographo, que no da 15, peta ora
nha, appnreceu a pequea distancia da barra, em
Santos, urna enorme balis.
No pavilhio dos constraotore da exposrcio re-
gional de Campias foi exposto pelo Sr. Jos Au-
gusto Quirino, filho do Sr. Dr Quirino dos Santos,
um apparelho elctrico, de sua invencio, o que in-
titulou Maquina electro medical.
As folhas da capital a deacrevem con rauitos
gabos.
No dia 17, s 6 e 1/2 horas da tarde, na ca
pital,'fai upanhado pelo bond da compsnhia da es-
trada de ferro de Santo Amaro, o menor Armando,
de 13 annos de i da Je, e tilo desastradamente qne
ficou com o crneo smigalhado.
Refere o Correio Paulistano que o Sr. baro
de Almeic.a Lima, rendmdo no municipio de Ca-
pivary, abri, na sua prepriedade rural, urna es-
cola diuraa para os ingenuos e outra nocturna
destinada aos adultos.
A escola funeciona em edificio apropriado e es-
pacialmenta construido para esse fim, tendo sido
inauguradas as aulas a 4 do corrente.
Nos seus estabelecimentos agrcolas, sitos no
municipio do Tiet, mantm tambem os Srs Anto-
nio Manoel Alves e Manoel Alves de Aimeida Lima
escolas nocturnas para ingenuos ha mais de tres
annos, tendo obtido os melhores resultados que po-
der-se hia esperar.
Rio de Jnnelro
Datas at 2(i de Janeiro : ..
Os resultados finaes dos districtos conhecidos
na eleicao geral, de 15, foram estes :
1.
Dr. Antonio Ferreira Vianna Quintiao Bocayuva Dr. Joao Baptista Pereira E ontros menos votados. 2. : Dr. Joaqun Antonio Fernan- 1006 457 207 Em lep. 6 4
Em tep.
des de 0 iveira Henrique Alves de Carvalho Dr. Ubaldino do Amaral Fon-toura Dr. Acacio Polycarpo Ferreira de Aguiar E outros menos votados. 3.: 607 287 62 58 3 4
367
341
106
72
Em sep.
I
2
3
2
869
Gl
14
468
136
864
501
794
729
614
15
5
567
240
158
694
503
617
15
505
4%
Dr. Joao Evangelista Sayo
de Bulhoes Carvalho
Dr. Adolpho Bezerra de Me-
nezos
Jos do Patrocinio
Francisco Ignacio Ferreira
E toutres ra-nos votids.
4. :
Dr. Carlos Castrioto
Dr. Luiz Carlos Fr-'s da Cruz
Conselheiro Saldanha Marinho
5. :
Conselheiro Francisco Bdisario
Antonio Costa
6* :
Conselheiro Thomaz Jos C de Aimeida
Commendadc-r Malvino da Silva Res
7. :
Dr. Alberto Bezamat
Dr. Liurindo Pitta
8. :
Conselheiro Alfredo Chaves
Qointino Bocayuva
Dr. Frederico Reg
9. :
Conselheiro Joo Manoel P. da Silva
Dr. Martinho Campos Filho
Dr. Viriato de Medeiros
10." :
Dr. Manoel Peixoto de L. Werneek
Leopoldo Teixeira Lurte
11. :
Dr. Domingos de Aadrade Figueira
Dr. Alfredo Whstely
15!':
Dr. Antonio Candido da C. Leitio (eleito)
Dr. Joaqun; Jos Je s>. oi^-ve '..n^
__ Lemos no Jornat do Cormiercio d> 12 :
H-nt m, s 9 horas da manha, na estalsgem
n. 187 B. da ra do Visconde de Sapucahy, deu-se
jma lamentavel cena de sangue.
Em um dos aposentos dessa estalagem reside,
em companhia de seus tos,- urna nuca de 14 an-
nos de idade, de nome Francisca Mara da-Con-
eeioo, a qual fra pedida em casamento por um
111090 de nome Joaquim Ribeiro Guimares, de 23
annos de idade, qne tambem reside all e em-
pregado.
ltimamente, notando Gruimaries que Fran-
cisca j nio o tratava do meaino modo, ficou mu-i-
to desgestoso e resilv-ra mudar sj, indo entilo ps-
sar alguin tempo em Petropolia, para ver so se
esquecia d'ella : e ao regresso para esta cidaie
empre^ou-se em ubi padaria em Botafogo.
Na* podendo, porm, varrer da 'maginaco a
magem d'aquella quem dedicara os seus affeotos,
e sabendo que Francisca mostrava desejos de unir-
se a outro, jurou vingar-se, e para isso pe-
dio aos tos de Francisca urna ultima entrevista,
a ^ual fji marcada para hontem, as 9 horas da
manh.
A' hora dada apreseutou-se Ooimaraes na
estalagem e mal havia -trocado algnmas palavraa
com Francisca, tirn da algibeira um revolver de
seis tiros e apontou-o para a mofa, a qual cheia
de terror, refuiriou-se em um quarto, illeza anda
porque o primeiro tiro na parti ; mas Guima-
ries, que estava como allucinado, correu em aua
persegui^o e desfechou-lhe quatro tiros, cahindo
ento a desditsa moca lavada em sangue.
n Gjimares sentou-se n'nma cama, e dispa-
rou contra si os dous ltimos tiros.
Acudiram ao lugar varias nesaoas do povo
e vizinlua e o Sr. Goncalves, subdelegado da fre-
gueza do Espirito Santo, que abri logo inquerito
sobre o facto.
Poueo depois compareceu o Dr. Guarni,
3." delegado de polica, acompanhado de sau es-
crivao.
Nos bolsos de Guimares foi encontrada urna
longa carta dirigida polica com a epigraphe
Aisatsinato e suicidio, e cujo theor o segaint i
Vou por termo existencia e em assaasinar
Francisca Mara da Conceicao, por falsidade qae
conheci a urna jura, feta por ambos aos 3 das do
mez de Abril de 1885, e nao querendo en supper-
tar a cruel falsidade, taco por termo existeueia
da mulher que jurel amar at morrer, e em se-
guida faco terminar os meus tristes dias, por nao
haver neste mando leis que severamente se ve-
nham punir ; porm, sou obrigado a declarar que
deixo nisto a culpa ao) parantes "dessa infeliz, e
sendo imperdoavel a>s parentes d'ella que os re
morsas os obrigain a pedir a Duua perdo : mas eu
para nao perdoar punbo em pratica o que deixo
declarado. Nessa hora do enlace fatal. Sou de
V. Exc. criado e obrigadoJoaqnim Dia Ribeiro
ChUmarde. Rio, 27 de Dezembro de 1885. Adens,
meu pai e mi nha mai, men irmao e minha irm,
adeus, amigos, para nunca mais.
No meaino papel, cstavam escripias margena
as seguintes linhas :
Facam saber a minha familia, na roa de S.
Joio n. 26, em Botafogo, o que me levon a com-
metter tao horrendo crime.
No dorso da carta lia semais o seguinte :
Este fatal dia, que deixo para aeran san
lembrado, nlo est anda pensado, porm ser o
mais breve possivel, e ser feito pela seguinte
forma : 1 irei Cldade Nova um dia pela ma-
nhi, levando como-minha serte um revolver de
seis tiros ; 2.*, quando encontrar com qaem devoy
por devida lei, era confinnacao da jura trahida.i
levar-lbe-bei ao peite e disparar-lhe-hei dous ou
tres tiros, e em seguida acabare! commigo.
Agora de xo m pequeo transe que e dere*
ser Udo pela ta dessa infeliz.
18.
i O thaatro do cmn na ama do Viaeosid' da
tiapucahjr n 18? B, oatalagem.
O Dr. Thaaaz Coelho, qsja comparecen {a-out-
psaments no lagar da trisas- -ocenarencia eaamw-J
ni i oa dona feridua e vanttaa qne FranciaaoHre*- ci
abeu quatro taas de revolver, sendo une- ni faca
lateral esquerda da repito oceipita.froo* 1,1.con
fractura de obsos ; outro no terco superior, e face
externa do braco direito ; outro no ante-braco
direito ; outro no ante-braco esquerdo, terc> su-
perior e face posterior } e outro supeificial obt>
a face dorsal do pollegar esquerdo. O peu estado
muito grave.
Guimares foiferido por domrtireet un mv
face diraita o outro sobre a regia) praeoidial,
este afresentando a abertura de entrada j unto
ao mamelo e a abertura de sabida, qutro cent-
metros aeiioa. O seu estado grave.
< Francisca ficou em tratamento em casa de
a na p irentes. Guircarlea toi recolbido ao hoapi
tal da Misericordia.
Kpirito-Sitiito
Datas at 9. de Janeiro :
No dia 26 do mes prximo findo, no diatricto de
Maogarahy, Ignacio Luiz Pinheiro, armado de um
faci, tentn oonira a vida da subdelegado de po-
lica do meaino districto Joio Ovidio Furtado de
Maadonca, nio tendo conseguido o seu intento por
terera intervindo as pracas de polica all desta
cadas e o paisano Thiago Soares do Espirito-San-
to, o qual sahio da luta gravemente terido. O de -"
linquente foi preso cm flagrante e aeha-se reco-
Ihido cadeia da capital, a diapiaicao do Dr. juiz
municipal.
Seguiram para Santa Cruz convenientemente
escoltados Eras Jos de Souza e o eacravos Ma-
noel, Joio e Januaro que vio responder pelosas
aaasinatos do Limoeiro.
Tinham chegado capital, no. dia 8, de volta
da inauguraco dos tr ibalhoa da estrada de ferro
de Itapemrim, o presidente da provincia e as pea-
soas que com elle tinham ido.
Rali Ir
Datas at 23 de Janeiro :
Confirmam-se os nossos telegrammas sobre as
eleicoes dos dez primeiros districtos da provincia.
Infelizmente nio corrern) calmos em toda par-
te as eleicoes.
Lemos na Ordem Em Santo Intouio de Arguun. nio qoizeram
os 4 membros da m^si eleitoral, ltimamente dar
assentoao quinto merabro, o Sr. Porpbirio Das
de Oliveira, que para tomar o sen lagar baria em
tempo se apresentado.
0 digno cidadio, espoliado asaim no seu di-
reito, passou a ler um protesto, que pedio fosse in-
serido na acta respectiva.
Nio quizeram porm, consentl-e os liberaes
presentes, que compareceram noeollegio eleitoral
amados de ca vinotes e facoes, dando asaim ver-
gonboso teiti'inunho J-i seus mos instinctos.
E como insistisse o Sr. Porphiro no seu pro-
posito, o famigerado criminoso Joao Isidoro, tra-
zido de proposito para garantir as -liberdades...
liberaes, disparou um tiro sobre o subdelegado da
freguezia, o nosso amigo Sr. Manoel Dias de Oli-
veira, a qu"m talvez attribuissem a energa da
attitude, usoumiJa pelo mesario seu filbo.
Gracaa intei venci de um amigo d> Sr.
Manoel Dia*, O' pr jectil deariou-ae do aWo.
Mas, procurando Virissimo de tal realisar a
priao do assasaiao, este, como n'outro lugar di-
zemos, den-lhe taan ha e tio certeira facada, que
o prostrou 1 >g) morto.
" Comprehence se o que deu-e cntio, o que se
d sempre. Houve urna confusic terrivel. Todos
fugmm, de modo que nio se poude maro faier a
eleicio .
Em 17 escreveram dos Lsnoes Ga\eta da
Baha :
E' sob a mais cruel impressio que Ihe escre
vemos, afim de que tornando publico o estado de
agitaeao em que eat esta loi-alidade, pjsaa o go-
verno tomar as precisas providencias.
Desde que aqui chegou, a 3 do corrente, o Dr.
Aristidea Spinola, q-ie esta-cidade vive em com-
pleto desacocego, em virtude dos planos precon
cbidos pelo candidato liberal, que nio comVce
obstculos anti aaua pretencio, como ja demons-
trou as eleicoes de 1881 e 1884, quando candida-
to pelo 18 districto.
No dia 14, na organisacio da mesa eleitoral,
os liberaes sob immediata inspiracio do Dr. Aria-
tides Spinola, qae se acbava presente, exeluiram
os conservadores que*tinham -direito de razer par-
te da mesa, pois tendo alli fallecido o segundo
juiz de paz, estando aasente o primeiro supplentc.
e imnn.f-ii'l." a i >' j ?i'nu1: r rercr-itp -upi c<
tes por serem tambem supplentes do jai munici-
pal, deviam chamar oa inmediatos em votos, co
roe. determina lei, e cjhj frsp-.*ni este? eouser-
vadorese quera a todo o transe o Sr. Spinola t. r
mesa unnime, calcarain a lei, nio idmittirain
fiscaliaae-l i nem conaa algnma, e com eerc de
duzeu'-'ia catin^Ao -ki'iu* 'o diiCrai^i ua cahU da
cmara para fu-mar a tal mesa- excloiado os c m
servidores.
O inajor Deraldo apreaen*.ou um enrgico pro
testo; edisaeque haviain os eonservadorej dere
querer a certidio da acta p ira irlo acontecer co -
mu no Porto de Santa Mara.
0 vigario desta'infeliz freiaezia, padre Joio
Antonio da Suva* eaec. a a bana o a secular,
distribu > cartuchos com osea pangas qne se acham
em casa do tenente-coronel Pelisavrto, capitii
Adalberto e major Aliierto.
Estavam as conaas n'easw lamentavel estado,
querendo o Sr. Spinola ter forca urna meza ana*
nme e urna acta a sua dispnsicio ; quando no dia
15, vindo o tenente"coronel 'FVliaberto, padre Joio
Antonio e o Dr. Aristides Spinola para conclu
rem a tragedia com que pretendan] fazer o Sr.
Spinola deputado, 03 conservadores fizeram-n'es
r*t-poii8:arei3 pelas deagracas que hiuvessem, pois
que se apresentavam e queran certidio da aeta ;
o si aqnelles queran a lei e a paz, firessem a el.-i-
cio com a devida regularidade, porque elles con-
servad re i estavam dispostos a defender os seus
direitoa.
Finou-se aate-hontem com a eJade de 61 an-
nos, e aps longo e martirisante pidecimenti, nos-
so presado amigo o eonselli-reiro Dr. Luiz Alva-
res dos Santos, profeasor de materia medica e
therapeutica da Faculdale d-sta provincia, e de
botnica o zoologa do Lyceu Provincial, no qual
tambem leccionflu as cadeiraa de gngo e pirtu-
guez, c inspect r da Saude Publici.
Era o conselheiro Luiz Alvares um talento
superior e variadamente culto, e possuia um co-
nioie bondoso, qae o faaia esposar as eass ge-
neroaaa e oasaMfistavaaas ooracoas de quera o eo-
nheoia os-dotaannoraaa*
> diruLMii eaasjas qsjarexeraau, preaSou oa>|
inaBezvnaauitaaRrvic'js au pniz.
i Hsaitadaaaxcimpaaasa do Paraguar, cuja me-
dalhnapssaiaa. Reapaaentan o Bsacil mi-eapoai-
. > de Obrdava (lispsaaliaa.. Argentina; e na de
WicrsaanMuatas
' asnaBemanBBcjBV> d asaussefnjnss conde ?o-
rou-o o governo imperial conr a dignifaria da Or-
dem da Rosa, distinguindo o tambem o governo
austraco com o grao d cavalleiro de um das mais
elevadas oidens honorficas d'aquelle paiz.
Em mais de ama legislatura oceupou com
datnecio o cargo de deputado Assemblea desta
provincia, aar cuja.trinaaa fea- viaaaai anana-.paaW-
va de orador eloquente e enthusiastica.
A imprensa teve tambem n'elle um campis
dedicado e valente. Estas columnas elle as hon
rou innmeras vezes durante largo periodo, pres-
tando-nos a sua valiosa collaboracio apenas por
amor da causa que def 'ndsmos, a do partido con-
servador, a que por convieji> pertencia
" A sua memoria rendemos a homenagein do
agradecimento e da saudade.
Sepultou-se honiem tarde no cemiterio da
Camp> Santo, sendo o fnebre cortejo acoinpanha
do por grande nura :ro de amigos e affeicoadoa, e
prestando se as honras fnebres a que tinha direi-
to o illuatre finado. *
Alagaa
Datas uf 26 de Janeiro :
Lemoo no Diario da Manh de 23 :
Por telegramma recibido hontem de Penedi
noticiara-nos, que estava alli laando grand" in-
cendio nos armazens de deposito de alfoJI* no
Consulado, e que j tinham se queimado mais de
mil saccas de algodia, que nio estio no seguro.
Dizem nos nia que o incendio ameacava o pre-
dio era que funeciona o Alfaudega, e o da casa da
guarda. />
A mesaM foi ha acreacentou 26:
No dia 24 recebeu S. Exc. os dous seguintes
telegrammas;
Estacio de Macei, 23 de Janeiro de 1886.
Procedente de Penedo.Ao Exm. presidente da
provincia.Iucendio extinctj, pode se dizer, c
nao puas.ii predios viz'.nhos felizmente. Velui ti-
da noite com os meus empregados, parte 1
no pavimento terreo Alfandega, sempre prompti-
dio, e parte no predio incendiado auxiliando ex-
tinecio, delegado e pracas s-'mpre no servic i la
extincfio incendio desde hontem pela maiilni;
administrador Consulado tambem com grande p."s
soal. Com ellas me entend logo que rec'bi -t-de-
gramma V. Exc. Dinheiro e oaixa Alfandega
acautelados.O inspsetor da Altaadega, Joao lia
poto Pinto.
Estacdo de Macei, 23 de Janeiro da 1886.
Procedente de Penedo.Ao Exm. presidente da
provincia. -Incendio quasi extineto. Consulado e
Alfandega-nada soflreram e sem liseo. Papis,
mereadorias em seguranca p-los r. spectivoa che-
fes. Tudo sem mais risco.Promotor publico.
Em vista d'isto e da resoluci) dos conserva-
dores, de impeiirem a escamotagem do Sr. Aristi-
dcs -piuola, os liberaes nio foram a casa da cma-
ra, do crer que para fabricaren urna acta em
casa do Sr. Folisberto.
O que vale que a differenca do Dr. Jun
queira Ayres sobre o seu competidor ha de ser tal,
como se espera, que a talsificacio nio ha de apro-
veitar ao Bastn bahiano.
Esta eidade est infestada de capangas da
casa do Sr. coronel Felisberto tem partido descar-
gas, a srdem publica profundara rata ulterada, qui-
zeram saquear as casas coicmerciaes, o que foi
obstado pela forca pablioa, quj. apezar de poueo
numerosa tem velado pela seguranca da popula-
ci, portando-se com toda a raoderacio, tanto que,
a despeitodas provocacea, d'ella anda nio parti
a mnima offensa aos desatinados amigos do fu-
rioso candidato.
O nico responsavel por tudo isto o Sr.
Anstid.-a Spinola, autor dos horrores de Macahu
bas e Urub que j foi deputado duas vezes con
violencias e abasos audacioaos, que avezou-ae
afalaificar actas que tem excitado os liberaes des-
ta trra, dizendo o partido liberal sobe pelas urnas
e que elle em maio ser ministro do conselheiro
Dantas, o qual tem d-a organizar gabinete, e qa i
o Zaina defuncto e esta sem districto. Vejam
s a fibra da ingratidio Vcste moco, que nio tre-
pida ante os maiores horrores s para ser depn -
tado.
Elle repel ido por todo o districto e o resul-
tarlo da eleicio o dir.
Os liberaes teem dado descargas, de uina das
quaes j resuttaram ama morte e ferrmentos em
pessoas do nosso lado; cues estio nos pontos es-
tratgicos da eidade, e a forca publica, com o pe-
queo numero de pracas, nio poder resistir aos
turbulentos.
O terror gera'; astarnilias retiraram-se,
og gneros alimenticios sebem de preco, e si nio
rorem dadas as providencias precisas, hwver urna
hecatombe n'esta infeliz eidade.
E' mister qoe se tomem sertas providencias,
do contraro serio lamentaveis as consequencias
da treslotxeada ambicio do Sr. Dr. Aristides Spi-
nola, que nio escolhe meios para manter-se no
emprego de deputado assembla geral.
Falleceram o major Gurfit Eloy Pessea da
Silva, secretarlo do comm^rtdo das arma, e o con-
selheiro Dr. Laiz Alvares do Santos.
A' cerca deste escreveo a Ocueta da Baha :
HtViSTA DIARIA
St-iiimsl diatricto eleitoralReuni-
se hontem, no Paco da Assembla Provincial, a
junta apur idoura do 2 districto eleitoral des-a
provincia, sendo presidida pelo Sr. Dr. Thomaz
Garces Paranhos Montenegro, juiz de direito do
3 districto crirainxl.
Estiveratn presentes os seguintes presidentes Je
mesas eleitoraes : desemoargador Maaoel C.enwu-
tino Carneiro da Cunhu, Dr. Maaoel da,Silva Regn
Dr. Eugenio de Athayde Lobo Hoscoso, Elisio Al
berto Siveira, Dr. Jos Francisco Ribeiro Machado,
coronel Joo Baptista Pereira Lobo, Baria d
Cabr, tenente coronel Franoisco Goncalves T r-
res, Dr. Jeferson Mirabaau de Azevedo Soares,
tenante-coronel Francisco Joaquim de Sonsa e
Domingoa Joaquim da Fonseca, faltando o Sr. Ma-
noel Au onio r-erreir* Gomes, presidente da 1*
seoedo da prochia da Graca.
A junta comocou os saos trabalhoi s 10 horas
da inanlia, sommando aos votos dos divecscencandi
datos por eata forma :
Di. Jos Mariano Carneiro da Cuaba (524 a 2
separados.
Conselheiro Tbeodoro Machado Freir Pereira
da Silva 765 e 2 separados.
Dr. Nicolao Tolentino do'Carvalho 55.
Dr. Ambrosio Machad* da Cunhu Javaloanu) 1.
Calculad* a ra lioria abaoluta, que se achou se.-
de 825 vetas, propoz o Sr Dr. Montenegro a de-
liberacio da junta se deviam ou nio lersommados
'a outros toraads era separado pelaa mecas eleito-
raea.
Travou so discussio em que totnaram parte os
Sr*. d-semba'gador Manoe! Ciemeotiac, Dr. Jtt-
torsxn Miraajeao o o Dr. Montenegro, doalarandc
oa demais o seu modo de pensar; depois do que,
procedendo-se a votacio, por 7 votos contra 5, toi
resolv'do que nio tnssem somatados aos caaditadoe
oa votos que cada uot obtiveraiu em separado.
A vista disto, mandou a junta que se procedes-
se 2* eicrotinio entre os Srs. Dr. Jos Mariano
Carneiro da Cunha e conselheiro Tbeodoto Macha-
do Freir Pereira da Silva, designando o da 16
de fevereiro vindouro para ter logar case 2 escru-
tinio.
0 Sr. Dr. Joe Mariano protestou contra a deci-
so da junta, e cada um dos membros da junta jua-
trfieou o seu voto.
Oa trabadlos da junta ficaram concluidos as 3
horas da tarde.
Eflfectivamente a Sra. Bellegrandi tem revelado
aptidio para o palco.
A parodia em 5 quadros e 1 prologo, intitulada
Wi baile de mascara, do repertorio do Sr. Mi
lone, foi bem desempenhada e cheia de episo
dios espirituosos.
DinheiroO paquete Pernambiieo trouxe do
sul para :
Manoel Martina Fiuza 2:000/000
Augusto Octaviano de Souza 1:100*000
F-raaaiaeo Goncalves Torras l:000i000
Eugenio Gcetchel 500*000
3. diatricto HeMoralFoi designado
diaa4- de Fevereiro paoxiuo para ter lagar,- pela
jauta apura I ira do 5 disntitto, a aaenacaV dos
votos da eleicio de 15 do crreme para um. dspu-
tad geral.
antea i tro da* ariatsnmde A compa-
iihiaaq/ie est trabalnsndo iv> ITieatro das. Vaiie-
I asna da Nova 11 imbaago, dAissje, en eapaeeaeulo,
o drama em 5 actos e 6 quadrosOa Mysterios da
Inquiticdo ou a V0Ua de D. Sebastio, rei de Por-
tugal.
drnalo dos ProfeanoreM Prinaarioa
Eata sociedade procedeu no dia 27 do eorrente a e-
lecio da comelho que deve dirigil-a no corrente
aewnysendo'O' rassniuaij- nsgainwi
Presidente, Chriitovao de Birlos Gome? Parto.
Vice-presideute, Francisce Carlos da Silva Fra-
goso.
1 Secretario, Antonio Candido Ferreira.
29 Secretario, Jos Luiz da Franca Torres.
Orador, Manoel Pereira da Silva.
Toezoureiro, Vicente de Moraes e Mello.
Conselhairos.Augusto Jos Mauricio Wander-
ley, Cyrillo Augusto da. Silva Siatiago e Herme-
lino Elyseu da Silva Canaca.
Em seguida a assembla sanecionou os ttulos
de socios benemritos aos consocios Augusto Jos
Mauricio Wanderley, Francia jo Carlos da Silva
Fragoso e Cynh Augusto da Silva Santiago ea
casa commercial G. Laporte 4c C. e cooferio .um
vota de louvor ao ex presidente profeasor Aqgusto
Wanderley e ao thesoureiro profeasor Moraes
Mello.
Fallecinaeiito-No Caldeireiro, freguezia
'lo Poco la Panella, faileceu, no dia 23 do corren-
te, Manoel Dorangues liibciro da Silva, a j'.'-go
nogociante naquello lugar.
DeiiD'i livres .las nicas escravas que posaaia
ap zar da extrema pobreaa que o roieava.
Revisita do Obaervalorio Acaba de
chegarnoa da corte o 1 numero de urna utilissi-
ma publicacio mensa!, sob o ti talo cima, do Im-
perial Obse vutoro do Rio de Janeiro.
O aummario o seguinte :
Ao leitor.Carta de CamUo Flsnainarion.A
variacio magntica secular no Rio de Janeiro.
O cometa de 1866 eas estrellas cadentes do 14 de
NovembroTelegrammas.Revistas das publi-
caces.Aspecto do e> para o mez de Fevereiro.
14'sumo meteorolgico do mez de Dosembro de
1885 Noticias varias.
D*>IM a*Maa>inatoa O actor dos barba
roa aasaaainatos coimnettidoa, no lagar Macacoa,
do districto policial de S. Lourenco da Miita, em
duas pobres mulberes, na noite de 24 pira 25 do
corrente, facto de que demos noticia no Diario de
26, foi h mtero recolhido Casa de Dtencio para
onde veo escoltado d'aquella districto, eude foi
preso no dia 25 pela mtnbi.
Chama-so e3ac criminoso Scbastiio Ferreira
de Lima, conheciio poi Sebastio Torres; e as
suas victimas chnmavam-se Antonia Francisca lo
Rosarioa amante e Angela Francisca do Ro-
sario, irma d'aquella. Esta foi aseassinada cora
urna facada na regiio do coracio, o aquella com
duas facada i, na mesuaa regiio.
O criminoso estar- disposicio do Dr. juiz de
direito do 5. districto criminal.
Vapor Keva,-Este vapor satn hontem a
tarde da Baha, c deve chegar a nosso porto a 29.
Anual BellaEra 19 Jo carsaaB mar
veu-no8 o nosso correapon lente o seguinte :
l'o motivos iudepenlente da nossa vontade
temos deixado de dar noticias desta villa, o que
tajemos boje aur iveitaudo o-correio de hoja.
A tranqtiiilidade que reina era toda a co-
marca urna prova sogura da ordem que em todo
o impero mantm a actual direcciodo imperio.
< Nio queremos com isto faser estylo mas
sinzplesments dizer a 'crdade H->j pode aqu o
sertanejo entregar se desassombradamente ao tra-
bal ho, oerto de que sao-ibes garantidas a proprie-
dade e seguranca individual.
Oijroubjacontinuados e -aa desordena de cada
da tomadas, se assim aos podemos exprimir, en-
dmicas no dominio da situacio passada, feliz-
mente desapparecerara com ella. Cada fazendei-
ro j nio precisa actualmente sustentar por conta
propria. u-ea polica privada afim de sa garantir
contra os ataques de urna polica immoral diri-
gida-por autoridades corrompida* e ineptas.
Continuamos a saffrer anda as conaequenoias
da eacacez de invern durante os tras ultimo* '
annos.
As feiraa sao poueo concorridas e
Cesar Martins, F. N. Crpole, Evaristo fescravo),
12 pracas e 10 preaos, Henry L. Clerc, Dr. Gui-
Iherme M. Vianna, Bernardo S Leito e sua se
nhora, E. di Cose, Ph V. Uzeda, Alfredo S. Ra-
pozo, Jos C-da Costa, Tburcio Fiebig, Marca
relli Giovanni, Antonio P. C. da Silva, Dr. Ro-
drigues F. de Moraes, Antonio A. Cavalcante, An-
tonio B. Pimentel, G. Borstelman, Alfonso de Oli-
veira, Lourenca de Miranda e urna criada, Elisa
Guimares, Eugenio de Magalhaes, Dr. Firmino
A. Souza Vianna, Lino Ganganelli, Manoel de A.
Guimares, Francisco X. da Fonseca, Odilon das
Virgens Liosa, Joaquim R. da Silva, Pedro M. e
sua senhora, Esmsnia dos Santos e urna filha, Ma-
ra Rocha, Ezidia Torres, Tito Lino, Pedro Mas-
saran, Jos Pires, Jeronymo Silveira, Antonio do
Valle, Cosme Jos da Costa.
Casa o** lleteario-Movimento dos pre-
sos no dia 26 de Janeiro :
Existiam preaoa 829, entraram 9, aakssain 8,
exiatem 320.
A saber:
Nacionaes 298, mulheres 4, estrangeiros 5, es
cravos sentenciados e processados 13, ditos de cor-
reccio 10.Tothl 330.
Arracoados 278, sendo : bbns 267, doentes 12
Toaai 27.
Nio houve alteracio na enfermara.
L.oi<'ria da provincia Hoje, 28 de
Janeiro, se extraliir a. lotera n. 34, em benefi-
cio da Santa Casa de Misericordia do Recife.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Concecio dos Militares, se aubaro expostas as
urnas c as espheras arrumadas em ordem nura-'
rica, aprecineo do publico.
Lotera de Harei de OOiOOO*309
A 13" parte da 11* lotera, cujo premio grande
de-2OO:OOO*OO0, pelo novo plano, serextrahida
impreteveimanave no da 3 de Fevereiro, s 11
horas.
Os blbetes acham-se a venda na Casa Feliz
praca da Independencia ns 37 e 39.
Lotera do Mo A 2" parts 195 do plano
novo do premio de 100:0003000, ser extrada im-
preterivelraente no dia 30 do corrente.
Oa bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Mercado Municipal de s. don. q
raovimento desee Merca io no dia 27 de corrente,
foi o seguinte:
Entraram :
28 bois pesando 3.788 kilos.
888 kilos de peixe a 20 ris
14 taboleiros a 200 ris
72 cargas de farinha a 200 ria
12 ditas de fructas diversas 4 300
ris
12 Suinos a 200 ris
Foram occupado8:
19 columnas a 600 ris
44 talhos de carno verde a 1JOOO
20 ditos de ditos a 2i
42 compartimento* de taiinhs e co-
midas a 500 ris
68 ditos do I-'gumes a 400 ris
17 compartimentos de suiuo a 700
ris 11*91
14 ditos de treasuras a 600 ris 8*400
17*760
2*8 14*400
OltOO
24O0
11*400
44*00.1
40*000
21*000
27*200
Deve ter sido arrecalada neste dia a
qnantia de
Precos do dia:.
Carne verde a 320 e 560 lis o kilo.
Suinos a 649 e 560 ris idem.
Carneiro a 1 e 600 ris idem.
Faraha de 320 a 560 ris a-cnia
Milho de 360 a 240 ris dem.
Fejo de 640 a 1*200 ris idem.
103*860
INDICARES DTEIS
Medicoit
Conaaltorio nsedico cirur;-ico do Mr.
Pedro de Attabyde Lobo Momo/o a
ra la .loria n. 89.
O doutor Moscozo d consultas todos os
as irteis, das 7 s 10 horas da manha,
Sste consultorio olferece a ejmuaodida
ie de poder cada deente ser uwvido e ex-
mnado, em ser presenciado por outr;
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moacozo encontrado no torreo p-ra
ca; do Coi.iiaercio, onde funeciona a ns-
ecco de sade do porto. Para qualquer
'ests Joas pontos podetJo ser dirigidos
oa chan,io8 por carta as indicadas horas
O Dr. Acibiades Vllvs contioaa- a ter
consultorio, na sua antiga sidencia,
ra do Barao da Victoria 45 Io andar.
D consultas das 7 9 horas da manha
Fazenda Provincial-Por portara da
presidencia da provincia de 26 de Janeiro cor-
rente foi nomeade, sob propoata do .inspector do
Th-'souro, o cidadio Caristovo de Hollaada C-
vale niti para exercer o cargo de ajudante do pro-
curador dos feit>s da fasenda provincial, no dis-
tricto da collectoria de Seriuhaem.
Foi expedido o seguinte officio :
3 S'eef*> "alacio da Presidencia Je Pernam-
buco, em 23 de Janeiro dt 8SS.^= Ao sea officio de
19 de Dezembro prximo' fin da, a que a*onjpaohou
a exposicao feta pelo procurador fiscal da fazen-
da provinci -I relativamente ao prooesso das fian
cas a qae estSo obrigados os responsaveis para
com a ntesma fazenda, cube-me responder decla-
rando que taes fiaacas, quando vera ameohre ian-
moveis, nao dispensara a eapecialisacao exigida
pelo art. 3 10 da lei n. 1237 de 24 Setembro de
1864 para que prevaleca contra terceiros hypo-
theca legal da fazentia publica geral, provincial e
municipal.
A lei provincial n. 994 de 13 d eJunhode 1871
nao pode ser entendida no sentido de se dispensar
aquella essencial formalidade, sem a qual deixaria
de haver o direito de prelaco e portante a garan-
ta da fianca, que % mesma lei, looge de nullificar,
procurou manter em sua plenitude.
E ainda quado a pratica tivesse adoptado
interpretaco mais conaentanea com a effectivida-
de das flaneas a bem da fazenda provincial, jul-
gando referir-se a citada dispoiicito hypotheea
convencional para o fim de tor tai-a applicavel aos
casos de responsabilidade para com a mesma fa-
zenda, s deveria e deve prevaleoer actualmente o
preceito do art. 3 g 5 e 10 da citada lei geral n.
1237 de 24 de Setembro de 1864, visto o art 269
do regulamento de 2 de Ju'ho de 1879, expedido
pela presidencia em virtude de autorsaco expres-
sa na lei provincial n. 1354 de 6 de Marco do mes-
rao anno.
Cumpre, portento, Vmc. providencie com ur-
gencia e mxima actividade para que se effectue
o proeesso de especialisacao hypothecaria em re-
ferencia aos responsaveis quo posteriormente ao
dito regulamento nao satisfizeram easa obrigucao,
enviando me sem peada de tempo a relacao dos
que se acharem em taes condices e informando
me acerca dos prasoa que rasoavelmente Ihes de-
v ira ser ma cados para se mostraren devidamente
habilitados nos termos da referida lei n. 1237 de
1864, Deus Guarde a Vmc. (asaignado) Jo Fer
nandes da Costa Pereira Jnior. Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
Companhia Ivrlro remiro dranatl
caAnte hontem realisou se ns tbeatro das Va-
riedades um variada espectculo, do qual t dos-
empenharam vantajosameute os artistas que se
exhib ram;
Na chistosa comedia em 1 aeto, denominada
Romea e Julieta, sem fallar do Sr. Milone, qoe j
aseas eoahecido do publico pernambucano pelo
sea talento artistict, sobretudo no genero cmico
merecen louvofe* a 8 na Bellegrandi pelo modo
correcto porque se ti rou de sea papel.
oa gneros e acole ao3 chainades a quilquer hora
de primefraraeces^idade, nicos qtio anda appa- i Pratica operacSea.
Dr. Miguel Tkemudo raudou seu cnsul-
rceme asaim meamo exiguamente, cala vez mais
sjsnsVMMn>
' No-entretanto tem havido ltimamente alga-
mis chavas ; to poucas, porm, que apenas do
para fazer brotar alguma rama refrigerio do gado
enfraqoeuido e quasi a extingni-se pela falta de
pastagwin. Se nao tivermos invern no anno vi -
gente, nao ha para quem appellar mais, p lis a
providencia divina est perdendo o sea crdito
dclU, pela decepeo porque tea feito paaaur em
suas ere icss aos sertanejos. Para estabelecer a
f ebranlie s ha um meio prompto : mandar-nos
o raaia breve poesi re ais chuvas desejatras.
.So dia 29 do raes fiad) aqui chegon com sua
senh ira o Dr. Joio Alfredo de Modeiroa, juiz mu-
nicipal intimara-nte ii lineado : S. S. foi hospeda-
do pelo coronel Constantino de Albuqtrerqn, pres-
timos chefe do partido conservador nesta omarca
em cuja casa foi o Dr. juiz municipal visitado pe-
laa pessoas mais gradas desta villa.
S. S. prestou juramento no dia 30 e assumie o
excrcieio do logar de juiz de direito visto acbar-se
dertcenc* o Dr. Eudoxio de Brito.
No dia 4 visito a cadeia acompanhado do te-
nente cornraaadsnte do destacamento e do dele-
gado do polica, retirndose satiafeito do aceioe
boa ordem qae nella neontrou, ateado entre-
tanto a falta de seguranca que offerece o edificio.
Ver i to ir ira -se s 30 do paseado e a 15 do
corrente as nleieoes para deputado provinciaes e
geraes correado o pleito eleitoral sem a mnima
alteracao da ordem. Pica assim demo istmio qae
as rasgas havidas atrasadamente em occasies
idnticas erara revocadas nao pela barbaria dos
naturaes desta trra tiao injustamente acoimada
de bulhetUamas sim por asjueltes meamos que
nestajdeveram z< lar pelo cumprimento da lei.
Os liberaes abstiveram se de vetar nao com-
parecendo as eleicoes. Igual procedimento tive-
ram os de Bom Conselho.
Pretende retirar-se at o fim do andan'e mez
o nosso vigario padre Jos Teixeira de Mello, fi-
cando por este motivo acephala esta freguezia,
aio la que os negocios de immediata dependencia
do parocho possam ser resolvidos pelo da fregue-
zia mais prxima desta, a de Sant'Anna. E' de
suppsr que S. Exc. o Sr. bispo diocesano trato de
prever com brevidade eata falte.
[Effectuar-se-hao :
Hoje :
Pelo agente Brito, s 10 1/2 hora?, ua rut de S.
Jorge n. 40, de bois, carrocas, etc.
Pelo agente Ousmao, s 11 horas, na rna do
Mrquez de Olinda n. 18, de movis e mais ob-
jectos.
\'elo agente Modetto Baptista, rna do Bom
Jess n. 19, de movis diversos e mais objectos.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, no trapiche
Barbosa, de saceos com farinha de mandioca.
Amanh :
l'eo agente Brito, s 11 horas, na ra do Im-
perador n. 24, de predios e terrenos.
Peto agente Pestaa, s 11 horas, na rna do Vi-
gario Tenorio n. 12, de predios.
Sabbado :
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, ra do
Apollo n. 33, do estabelecimento ahi sito.
Mla fnebreSerao celebradas :
Hoje :
A's 7 1/2 horas, as matriaes da Boa-Vista e
de Palmares, por alma de Francisco de AssiS
Castro e Silva.
AmanhS :
A's 6 horas, na} Santa Craz, por alma de Fran-
cisco das Cbagas Goncalves ; s 7 1/2 horas,- na
matriz da Boa-Vista, por alma de Francisco
Assis Castro e Silva.
,Sabbado:
A's 8 horas no Espirito Santo, e na Conceicao
do Bonito per alma de Manoal Antonio Soares da
Fonseca.
PaaaatelroaChegados dos portas do sul
no vapor nacional Espirito San'o :
Pedro Bormann, Miguel de P. Machado, T. Mi
(iaimares, Jote Gr. Netto, Antonio de Soasa Bb
telho, Jos de Oliveira, Ricardo F. dos Santos,
torio e residencia para a ra da Imperatriz
n. 14, 1. andar, o ndo d consultas das 12
horas s 3 da tarde e rce'oe chamados a
hualquer hora. Especialidadespartos, fe
brea, syphilis e molestias do pulmao e co-
ra ciao.
Dr. Brrelo Sampaio d consultas de 1
s 4 horas da tarde, ra do Barao da
Victoria n. 45, 2 andar, residencia ra
do Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Henrique Milet. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Errearrega-se de questas
as comarcas prximas as linhas frreas.
Dr. Ferrer, ra do Imperador n. 79,
1. andar.
Dr. Oliveira Escorel, 2. promotor pu-
blico, tem seu es-'riptorio de advogacii na
rus Primeiro de Margo n. 2.
Jos Banieira de Mello advogado -
ra do Imperador n 37.
Mndanca de conaaltorio
O Dr. Alrio avisa aos seus clieates
que mudou isj consultorio para a ra do
Queimadc .i. 46, 1. andar. Consultas
lodos os das das 11 s 2 horas da tarde
l ro arara
Paria, Sobrinko < C., drogustas poi
attacado. Ra Mrquez do Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva <& C, depo
sitarios de todos as especialidades pharma
ceticas, tintas, drogas, productos chimice
e medicamentos homoeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
toxica francesa e drogara de Roa.
Uiayrol Prre*. *iacee*9orea
A. de Cao w
Neste estabelecimento fundado dtsde
1821 encontra-se os productos chlmicoa
drogas, tintas, leos, pinceis, verniz-'s das
melhores marcas ; todas as especialidades
pharmaceuticas dos legtimos autores, um
variado sortiment de fundas e aguas mi-
noraos, os granulos dosimetricos de Burg
grave e productos especiaes da Flora Bra-
sileira. 22 ra da Cruz, Recife.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de campia
i Francisco dos Santos Maoedo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as quahdades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparara obras
de carapira por machina e por precos sem
competencia.
anBnnanannnnnBassB**BnB*Bannnnai
Di'se o articulista qae havia na corte tem em-
prego um engenbeiro Pires Ferreira que o Sr. con-
selheiro tomou para genra ; e como era preciso
dar-lhe um dote, disso encarregou-se o deiabutado
conselheiro Antonio Prado restabeleoendo um
lugar eztinct) ha maia de um anno, para dal-o
que'de genro cora o ordenado de 4004 mensaes !
Nada mais injusto e inexacto; como vamos
mostrar.
O engenheiro Pires Ferreira, oriundo da fami-
lia que em Pernambuco ainda conserva este sobre-
nome, um hbil engenbeiro civil, formado nos
Estados Unidos, que aps haver visitado a Europa
e all praticado, Toltou sua patria, rico de saber
e experiencia, e foi logo empregado na construc-
cio da estrada de ferro Pedro II, como conductor;
sendj depois promovido a ajudante, com o orde-
nado da 50;*.; lugar que ezercia quando por eco-
noma, paralvaadas ou reduzidaa as obras, foram,
na situacao liberal, dispensados alguns engenhei-
ros e especialmente conservadores.
Na ascencao do partida conservador, muito an-
tes de ser genro de tio Ilustre sogro, teve acuel-
le nosso amigo promessa de reintegrarlo opportu-
namente, isto, quando as obras tivessem mais an-
damento.
Passados, porm, 4 mezes, achando-e ainda
vago o lagar de director dos teiegraphos da via-
ferreaPedro, II que est sendo interinamente ejer-
cido polo chefe do trafego, resolveu o Exm. minis-
tro fazer cessar este accumulaco, nomeando um
director effectivo, com reduccao de seus venci-
mentos para 400 mensaes, que era poueo mais ou
menos a quantia qne o interino accumulava, em
vez de 700/ que na situacao liberal percebia o
respectivo fanecionario.
^ Nao exacto que o lugar fosse extineto ; mas
tao smente subordinado directora geral dos te-
iegraphos, que por certo carece de pessoa que
commande a legio de telegraphiatas d'aquella es-
trada o suas raraificacocs e conbeca de perto a ap-
tide e servicos de cada um, etc., etc.
Q osmio craaco de lugares annesos, partee-
nos um- sonho da articulista. T
Igual injustica faz o meslo articulista aos fi-
ltros do Exm. e-^nselheiro.
) actual secretario da Presidencia,, nao se for-
mou cora escala pe > Rio Grande do Norte: nun-
ca alli foi.
O Sr. coaseiheiro CosUiPereira chamando o ou
aceitando-o para lugar de tanta importancia e
eonfianca, porque j conhecia e apreciava suas
trabilttaooes, e careca, para inaugorare consolidar
a situacao conservadora, de pessoa que bem co-
nhecesse os chefes e influentes do partido as lo-
lucalidades do interior, bem como da forca ou fra-
3uez* do partido adverso, se nao por si, pelos de -
icados amigos de seu honrado pai.
Md seria elle se em vez de merec -r a eonfian-
ca-de s^us-superiores e correligronarios>a'mereces-
de- advczsarios !
Outro filho, candidato deputaco gera'. usa de
seu direito, t-rnbora mais joven e menos Ilustrado
de qa* tente* outros. S. tem ou mo tnreeimen-
to, o eleiturad > acab -. de.diz.T.
Podemos, porm, asseverar que seu nobre e hon- _
rado pai, por excesso de modestia- e susceptibilida
de, nao recommendou sua candidatura, como pra-
ticou com tantos amigos.
Nada mais natural do qua um chefe recommen-
dar, para oa mais importantes lugares da admi-
niatracaa publica, aos correligionarios de saa eon-
fianca, e cujo proceder possa garantir. E nin-
guem, d i certo, nos merece mais eonfianca do que
oa amigos e parentes com qaem vivemos em inti -
midade, e cujos vicios e virtudes conhecemos e
apreciamos.
Nao obstante, ignorar por ventura o articulis-
ta que um irmo do Exm. ..conselheiro Joo Alfre-
do, s por condescendencia aceitau a candidatura
de 1884. assim como que recusou a actual?
Qnem asaim procede nao merece censuras, mas
sim honras.
Por estes e outros motivos concluimos esta res-
posta, muito seriamente, com a niesmas palavras
do articulista.
Viva a familia do conselheiro Joo Alfredo !
Um amigo.
4 Districto
a maiona
meu con-
nio per-
comarca
a primeira ed^S das
j roe refer, limadas
Maciel Pinheiro,
o di "no
pdbiocoes a pedido
Un dote
Sob esta eoigraphe'aippareceu na Provincia de
hontem, um artigo aecusando ao Exm. r. conse-
lheiro Joo Alfredo de haver datado seu genro e
filhoa com diversas sinecuras.
O nome de to distincto e respeitevel pernam-
bucano, qoe honra nio s provincia natal como
ao Brasil inteiro, est tio cima destas mesqui
nhas censuras, que be n podamos Tlespresal-as ;
mas-para qiMr nao sejam acreditadas pelos liberaes
de mais bisa f, cumpre-noi mostrar como *io in-
fundadas e inexactas.
m
Com certeza a cmara de Timbauba
est merecendo particular attencd e todas
as honras da m vontade d'aquelles que
n5o levaram a bem a miaba candidatura
6 muito menos a minha eleicao.
Entretanto, foi bem diminuta
de votos que alli obtive sobre o
tender I
E' que os raeui adversarios
doam ao digno eleitorado dessa
a eoragern com que desta vez se libertou
de un jugo psado que o comprima, e o
desassombro com que nao cedeu aos ter-
rores e ameaeos qus outr'cra ropedia^i
sua livre mam testado as urnas.
E por isso oue, ao passo que elle
to castigado peles adversarios, (.u .repito
todos os dias, as manifestac3es sinceras
ds meu reoonhecimento: -honra m digno
e ndapendoiite eleitoind-o da couiareaoa iii
Timbauba I
Sim, honra a esse eleitorado A dirai
uta tndoria qu>5 o partido conservador
obtevo agora em Timbauba degr.ude
eloquencia para quemt:m noticia da aimus-
phera de terrjr e de cotnpresso sob a
qual eHe viveu at bem poueo tempo.
A Provincia publica hoje, como j ha-
via publicado outra em sua edicSo de 19
do corrente m^z, urna "irta em que for-
migam aucusacSe* contri ; ei nrn
de Timbauba.
N'aquella veio
aecusajoes, a que
mais tarde pelo Sr. Dr.
nesta e principalmente aecusado o !
vigario Augusto Cabral de Vasconcellos.
Entro as pliantasias de que a primeira
vera reehiada figura urna que msu de-
ver n5o deixar passar sem reparo o sem
protesto-; refiro-rae irapatas^o toita ao
meu amigo, o Sr. capito Luiz Gomes Cor-
reia de Oliveira, que chamado pelo infor-
ma ite da Provincia um certo Lxdtt da
Passagem de haver mandado de seu en-
genho em Nossa Senhora do O' gente pa-
ra engrossar um bando que o raesmo in-
formante diz ter pritioado tropelas em
Timbauba, por occasio da manifestacSo de
regosijo pelo venciraento daeleijSo.
Nio escrevo pora o 4o districte, onde
bem e vantajosamente conhecido o capitSo
Luiz Gomes Correia de Oliveira; ao pu-
blico desta eidade, que o nao conheco de
perto, que mo cumpre asseverar que esse
distnbto cavatbeirc, de fina' ednca5lo, de
trato ameno e delicado, que geralmente
presado e respeitado na iocalidade em que
reside, e qu > sabe pela fidalguia de seus
modos captivar a quem urna vez trenspoz
as portas de sua casa hospitaleira, que esse
distincto eavalheiro, digo, incapaz do
proce Mine oto reprovado qne lhe attribuio o
informante da Provincia.
Do mesmo modo crreme o dever de
arredar do sobre a reputajXo do digno vi-
gario do Timbanba as accusacSes que lhe
foram assa:adas.
O padre Augusto Cabral de Vasconocl-
los longe de ser um energmeno poltico,
como pretende o correspondente do orgSo
liberal, ao contrario, um sacerdote que
sabe cumprir escrupulosamente os deveres
de seu santo ministerio, um elemento d<;
ordem em sua freguezia, exrce sobre os
seus parochianos a mais pacifica e benfi-
ca influencia, e dahi que lhe- provm a
merecida o incontestavel popularidad"; de
que se cerca, quando tem opportunid'ade
manifestar suas preferencias pelo partido


Diario de PernanbaeuHuinto-fcira 28 de Janeiro de 1886
3
r
canaervnclor, do que se Ihe nio pode faaer
uro crime.
Provera a Deus qa todos aquelles que
UB diversas comarcas da provincia axer-
cem urna paroella de autoridade, della fi
zessem t?.o bom aso con o vigario de
Trrobaba.
Na i oncluirei sera referir-me ca
lurnia que o informante da Provincia ati-
ra sobre o digno secretario da presidencia,
o meu presado amigo Dr. Pedro Francis
eos Correia, de Oliveira. Nem se duvide,
pelo facto de referir-ule a este nome em
ultimo lugar, que elle ocoupa um dos pri-
meiros em meu corajSo.
Nao foi calculado o meu encontr com o
Dr Pddro Corr.ia, na viagem que ambos
zemos por Timbab \; encontramo-aos em
Goyanna, onde eu estava tratando de mi
nha eleicJo a onde elle f5ra visitar paren-
tes que nao va ha longo tempo ; e porque
elle tinha de pro.-urar alguna desses pa-
rantes que reaidiam no interior da comar-
ca o ruis comarcas visinbas, e eu tinha de
percorrer o districto que me elegeu, viaja-
mos juntos,
Estivemos efectivamente em casa do
digno vigario da Tunbaba; mas esses
plano a que se refero o correspondente
do orglo liberal sao pura fantasa.
Na pretend nunca violencias e fraudes
em minha eleigao, o pacifico vigario Au
gusto Cabral de Vasconcellos n2o as acei-
tara em caso ncnbu.n, o meu amigo Dr.
Pedro Correia ainda muito mogo e
bastante brioso e honesto para estar cor-
rompido e impregnado de odio poltico a
ponto de ser portador dellas e aconse-
lhal a,.
Herieiro de un nome Ilustre, de um
politieo que nunca soube exercer vingancas,
nem perseguir adversarios, revelando des-
de j umitas das virtudes que sao o maior
ejogio de seu Ilustre pai, o Dr. Pedro Cor-
reia, nem seria capaz de prestar-se a ser
cabo de eleicao de quem quer que fosse,
nem aconselbaria nunca, anda mesmo por
int -resse da causa de um amigo, planos
torpes e violentos.
iV (Jonbeco a repuguaacia que este ami-
go te:u a defezas es. usadas, quando lbe as-
sacam accusacSos e injurias, porque se for
talece sufii feotemente na consciencia de
que sabe cumprir o seu dever e na justica
que lbe fazem os amigos e homens bones
tos ; mas nao pude deixar de, cumprindo
um dever, erguer o protesto que cima
fica feito.
Espeeialmeute sobre este assurapto nao
voltarei mais iraprensa ; sobre a cabeca
do meu presado amigo Dr, Pe 1ro Correia
passam, sem atngil-a, essas accusacSes e
calumnias phantisi las por um mesquinho
espirito de partido.
Recite, 27 de Janeiro de 1886.
J. Juvencio Ferreira de Aguiar.
A.o eleitorado do 1
districto
De posso do diploma de representante
do Io districto Asserobla Provincial,
agradeco ao eleitorado, que elegeo me a
prova de confianca, com que dignou-se de
honrar rae.
Aceitera, pois, os senhores eleitores do
Io districto e bem assim os amigos, quo
prestaran adheso minha candidatura e
contribuirn) para que ella triumphaaae,
os protestos de meu sincero reconheci-
mentc.
Na quasi irapossibilidade de significar
pessoalraente todos quinto honrarara-me
com o seu apoio,
como cumpria me,
Ao eleMo i 8' districto
Constando-me que se tem asseverado, proposita! -
mate, nao poder ser eu votado para diputado pro-
vincial no prozimo 2 escrutinio, visto oceupar o
cargo de leute de trances no curso aanaao Facul
dade de Direito do Recife, previno aos dignos elei-
tores do8* diatrieto de que falsa a existencia de
tal iucoinpatibilidade.
O art. 11 da lei 3029 de 9 de Janeiro de 1881,
enumerando os diversos funceionarios que n > po
dem ser votados para senador e depurado geral e
provincial, menciona os inspectores ou directores
de instruecao publica e ot lentes e directores de
faculdades ou oatros estabeleeimentos de instrue-
cao superior
Basta 1er esta disposico da lei para avaliar da
seriedade de minha apregoada inconpatibilidade.
Soi lente do Collegio de Artes, ou carao annezo
Faculdadede Direito estabelecimento de instruecao
SECUNDARIA e nao SUPERIOR. A boaf de
quem espalha tal noticia mauifesta-se ainda nos
reguintes casos: funecionou no biennio ultimo, na
Assembla Provincial de Pirnambuco, como depu-
tado do 10 districto, o Ilustrado Sr. Dr. Adelino
Pilho, lente do curso aunexo, sem que a sua eleicao
fosse argida por liberaes ou conservadores.
Em 1881 foi eleito deputado geral o fallecido.Dr.
Seraphico, de saudosa memoria, lente de geogra
pbia e historia, no mesno curso, e ninguem o ac-
cussou de incompativel.
No caso de ser eu eleito, aebur-me-hei compre-
beudido na disposico d> art. 12 da dita lei : nao
exercerei o cargo do lente durante todo o periodo
da legislatura.
Podem pois estar tranquillos os dignos eleitores
do 8 distincto, que me quizeram honrar com seu
votu.
Recife, 16 de Janeiro de 1886.
Joao de Olivara.
O coronel Decio de \quine Foneeea, mtfdou-sa
para ra do Riachuelo n. 47.
i quem se d*seja curar
Pedro Nolasco de Barros, residente em Gamel-
leira, estagio da estrada do ferro ao S. Francisco,
cura, mediante um ajuste, a qualquer pessoa que
soffra do diabtis, garantindo reataeelecer o dien-
te em pones* das, pois. para isso acha-se habili-
tado.
Corso de pianito
Reabertura
WO DA 8 DE JANEIRO
Aulas, todos as tercas e seztas-feiras das
5 horas da tarde em diante
78-RUA DA IMPERATRIZ-78
lo Sr.
ia
*--
Agradecimento
O reconhecimento de que me acho poesuido,
para com o Sr. Dr. Cerqueira Leit, obriga-me
urna manifestaca publica.
Accommettida minha mulher de grave incom-
modo, tive de procurar, na ausencia dos diatinc-
tos amigos, que clinicam em nossa casa, os seus
servicos mdicos, e dedicacao, com que se houve,
devo a convalecenca, em que ela acaba de en
trar, apoz 73 dias do mais aecurade tratamento,
se n que Ihe adviesse, pelo menos, deformidade
que era de receiar pela natureza do incommodo.
Nao menos reconbecido coofeasando-me aos dis-
tinetoa Dra. Adrio, Coelho Le te, Malaquinsc Rai-
mundo Bandeira, convidados por aquelle assis-
tente para conferencias e auxilio do tratamento,
todos agradeco quanto me dispensaran ; e, satis-
fazendo a urna divida da coraco, em que acom-
pauham-me dez filhos, asseguro-lbesque terei sem-
pre por bem vinda a occasio de ser-lhes pres-
tavel.
Recife, 26 de Janeiro de 1886.
Manoel Joaquim de Silveira.
Vereador e t'ommissa
rio de polica
Levamos ao conhecimeuto de V. S., que na
Varzea, por oocaao da fasta de S. Sebastio
havero tres bstequins, e nao consta ter ne-
nhum delles liceuua da C>mara e sim do Sr. fis-
cal. Pergunta-se, ello est aiitorisada a fazer es-
ti.s gracas oom prejuizo do cofre municipal ?
Gonultorio medico-eirurglco
O Dr. Estevao Cavalcante de Albaquerque con-
tinua a dar consulta medico cirurgicas, na rus
do Bom Jess n. 20, Io andar, de meio dia s 4
boras da tarde. Paras? demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
Ns. telephonicos : do consultorie 95 e residencia
126.
Especialidades Partos, molestias de crean
cas, d'utero e seus annexos.
Medico e parteiro
Br. Jniiii Mb
D consultas das 12 s 3 na ra do Ca-
bug n. 14 1.' andar Residencia tempo-
raria no Monteiro.
OCULISTA
Dr. Bstrrelo Kampiln, medico oculist
ez-chefe de clinica do Dr. de Wecker, d eonsula
tas de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Bara
da Victoria n. 45, segundo andar, excepto nos do-
mingos e dias sanctificados. Residenciara de
Riachuelo n. 17, canto da ra dos Pires.
28 de Janeiro de 1886
l'ma saudade
Sobre a campa de meu sempre lembrado to Joa-
quim Jos de Se i xas, nc
p assamento.
2 anu versar io de seu
este meu sentimento,
fa;o e pela imprensa
pedindo-lhes que relovem-roe a falta.
Recife, 25 db jmeiro de 1886.
Gaspar de Drumntond Filho.
Rio Grao.de do \orle
1 DI8TBICTO
Rtsidtado da elexcao de 15 de Janeiro
NatalDr. Tarquioio 132
Dr. Amaro 54
S. Jos-Dr. Tarqaiaio 80
Dr. Amaro 36
PaparyDr. Tarquinio 56
Dr. Amaro 11
Gtoyanuinba Dr. Tarquinio 94
Dr. Amaro 37
Oanguaretama Dr. Amaro 66
Dr. Tarquinio 52
Nova-CruzDr. Amaro 47
Dr. Tarquinio 41
Santa RitaDr. Tarquinio 15
Dr. Amaro 13
Arz Dr. Tarquinio 26
Dr. Amaro xl
MacahybaDr. Amaro 58
Dr. Tarquinio 21
Oear-AIirimDr. Tarquinio 50
Dr. Amaro 42
ToarosDr. Tarquinio 26
Dr. Amaro 12
Maco Dr. Amaro 51
Dr. Tarquinio 43
Resultado final :
Dr. Tarquiais B. de Souza Amarstho(C) 636
Dr. Amaro Bezerra C. da Cunha (Li 445
Banco de Crdito Real em
Pernambuco
Este Banco, antorisado pelo decreto n. 9457 de
11 dejkdbo de 1885, dar comeco as mum opera-
coes no da 2 de Janeiro de 1886.
As opeacoes fndameniaes o Banco sao :
Fazer emprestimos de quanta nao inferior a
5:MX)U0 sobre hypotheca de baos nomovew
longos piases com *orUsaa>* por nnwnrtadag.
Estes emprestimos serao : i
trastadas por tempo nao rneatr de 10-annos
sobro primeira hypotheca constituida, cedida ou
subrogada.
Feitos por metade de-valor dos immoveis ru-
raesou por trez quaitos djs urbanos em lettras
hypcth.'oarian do Banco, o par, do valor W.....
OO^UOO cad* ama urna e do juro de 7 0*0 aoaono.
Reembolsados por mel de annuidades pagas
pelos mutuarios ara mueia cerrente, divididas em
semestres.
Os saprestimos podem ser pagos anticipada
mente no todo ou em parte, em moeda corren te ou
em letras bypotaecariaa ao par, a vsutade dos
mutuarios.
As.nnnuidades comp'eheodem o juro conven-
cional, a amortisseao do cafiul muWado e a com
misso de 1 % ao Bateo.
Na base das juros de 80)0 ao aano,a taballa das
annuidades para 1:000J09 a *esinte:
155*820 aoiuia es
\$2& :
101#906
JTfMK
DE
Xossa Senil, da Paz
Ra do Bario da Victoria n. io
A directora dest collegio faz sciente aos Illms.
Srs. pas de familia de que no dia 18 do corrente,
comecarao a iunecionar as aulas deste instituto, e
que continua a esperar a confianza e coadjuva-
9A0 de que a julgarem merecedora aquelles Srs.
estorcaedo-se e'la para mais urna vez corresponder
aquel'a confianza.
Recife, 7 de Janeiro de 1886.
A directora,
Marta da Paz Freitat.
COLLEtUO
DE
Dr.
n t:ii o
TVm o seu escriptorio a ra do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e enancas.
Ra do Uiiro de 9. Horjja n.
. outr'ora do ebo
Os trsba'hos deste instituto-de edueacao de me-
ninas, fondado em 1&7B, eomcoam 11 de Ja-
neiro.
A director*,irado-se transferido para o pre-
dio cima dko, de.o^timaa .condicoes para estabe-
cimentos desta-ordem^tend > longa pratica de ma-
gisterie, desde 1873, e auxiliada por habis profes
sores, espera -contsooar a merecer a confianca dos
Illms. Srs. intereasados.
Ensina-se : primeiras letras, portugus, francez
inglez, ariemo,geograpbia, historia, msica, piano
dejenho, costuras e bordados de differentes g-
neros.
Augusta Cama.ro.
CasadeSaudc do Dr.
Sonto- Maior
Acha-se aberta a caaa de saude do Dr.
Souto-Maior, situada ra de Paysand n.
6 (Pasaagem da Magdalena) com acommo-
dac3es para doentes de todas as classes da
Bociedade.
Os Srs. facultativos da provincia encon-
trarSo nieasa modesta casa de saude as
condicoes favoraveis para o tratamento de
qualquer molestia cirurgica ou medica e
para ahi pdenlo enviar os seos doentes,
medical os, conferenciarcom os mdicos de
sua escolha etc. conformo se acba dispos-
to no regulamento da mesma casa.
Apparelho telephonico 398.
6
Con'ratos por 1*0 aaans
. 15
* 90
5
> 80
Nu escriptorio do Banco ra do Cmnreio n.
34, dar se-bao os demais *selarescimentos neceo-
sari OB.
Reeife, 31 de d^zvabroslia lo>5.
Pelo bsneo de crdito Real em Pernambuco,
Os adm ini*tradores
Manoel Joao de Amorm.
Jos da-Sil Layo Jasis.
Lsjiz
Este estabelecimanto de instrueefio pri
mariaj)ra o sexofemtswno tem a sua sede
em urna- eoufartare clsoasa na iPonto de
cboa n. 10.
As materias esMnadas no oollegio sZo as
aeguintes: religto, portuguex, francs,
inglez, allemao, historia, geographia, piano,
desenho, pintara, boedadoe e flores.
As linguas falladas no collegio s&o : a
francesa, inglesa e alleml para as quaea
tem mestras que residem no collegio.
Aa directoras) encarrsgan se segundo
vontade doa pais de preparar as alumnos
para fazer xsines na Academia.
Lista das alumnas que fizeram exames
na Academia:
1P82. D. Julia de Olreira, ingles dirtinc-
cao, francez plenamentoe 'I^4HHb
D. Isabel A. Pires, idem.
1884. D. Mara Eugenia de Mattos, inglez
distinccSo, francez idem, .portuguez
idem.
US. D. Muta C. Monteiro, ingles! di ,
tinaclo, francez pleaamente.
D. Fia vi Catio Lopes, francs plena-
mente.
Directoras,
Asma Carrott.
Jrmima Mieialit
PSJ
Dr Tristo Heitriques
Costa
Boa da I nio n. 15
consultas daa 11 s 2 horas.
Chamados a qualquer har.
Telephone numero 154.
C, H ckmann
Usinas de cobre, (atao e bronze e de
im.
Golitzer Ufer n. 9. Berlim S. O.
Espeefalidade:
Construfo ilc machi-
nas esparcidos
para fabricas de assucar, destillagSes e re
tina^Ses com todo os aperfe90amentos
moderna-
INSTALLAgAO DE:
!Engenhos de assucar completos
Estabelecimonto filial na Havana sob
mesma firma de C. Heckmann.
Calle San Ignacio n. 17.
tnicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informacSes dj.un se a
Pollunan &t
M io Gommeroio 1.10
Barreiros
Medico
O Dr. Costa Barros, medico operador e partei-
ro, receateioeate estabelcesde em Barreiros, oCs-
reel os servicos de sua profisso nao s aos habi-
tantes deste municipio, como aos de Rio Formoso,
Oamelleira, Agua Preta, Palmares e Maragogy.
Trafassas:
Viifario, Madre d.i Deus, CampeMo, Domingos
Jos Marlius, Corpo danto, Antigo Porto, Bom
Jess, Arsaj, Fundico, Ocaidente, fiasrarapes e
Praca de fBto L
Rceos W
Ab eu, ^rgo, Pindoba, Noronha, Tapado e.
aschoal. i
Largos t
Alfandoga, Corpo Santo e Assembla.
Ca-s:
Companni, ttrum e Apollo.
Santo Antonio
Kuas i
Imperader, Primeiro de Marco, Duque de Ca-
sias, Cabuf Barao da Victoria, Trncheiras, La-
raneeiras," larga do Rosario, eslruita do Rosario,
B. Fianoiseo, Joto do.Bego, I'ba doCarvalho, Ro-
da, Patos, Calalwtco Velho, Santo Amaro, Ma-
thias de Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Po-
go, Livramento, Penha, Viscondo de Inhama,
Pedro Affonso, Neva da Praia, Marcilio Dias, Vi-
rac", Ljrnaa Valentinas, Coronel Suassuua, San-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez o Herval e Cadeia Nova.
Praca:
Pedro IL
Campo:
Princesa.
Caes:
Vinte e Dous de Novembro.
Traessas:
Queimado, Orases, Mrquez do Recife, Bella,
Quarteis, Calabonco, Expostos, Martins, Flores,
Carmo, Bomba, Livramento, Arsenal, 1' da Praia,
2 da megma, Caldereiro, S. Pedro, ViracSo, Lo-
bato, Falcjo, Pocinho t Concordia.
Largos :
Paraizo, Carmo, Penha, S. Pedro e Pract.
Be-eos :
Bella. Calabouo, Matriz, l.s. 2. e 3. da Cam-
ba, Falco e 1. e 2." da Cadeia Nova.
8. Jos
Ras :
Marcilio Das, Lomas Valentinas, Coronel Suas-
suna, S. Joo, Palma, Marques do Herval, 24 de
Maio, Dias Cardoso, Posso da Patria, Padre No-
brega, Victoria,.Cadoia Nova, Vidal de Negreiros,
Frei Ueuriqae, Dique, Assumpco, Domingos
Theotonio, Padre Floriano, Christovo Cclombo,
Jardim, Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa
Cecilia, Santa Rita, Nova de Santa Rita, S. Jos,
Praia de Santa Rita. Pescadores, Ipyxauga, Impe-
rial, Praia do Forte e Luiz de Meudonca.
Travessas :
Martyrios, Pcioho, Ramos, Caldereiro, Gaz,
Matriz de S, Jos, Forte, Prata.'Serigado, Copia-
res, Nova de Santa Rita, S. Jos, Praia do Forte,
Peizoto e Lima.
Bccos :
Paula, Caldereiro, Gaz, Assurapcao, 1.a de San-
ta Rita Nova e Matriz de S. J -s.
Largos :
Forte Meceado.
lia-Vista
Ras :
Imperatriz, Conceicao, Visconde de Pelotas,
Tambi, Visconde de Albuquerque, Aurora, Capi-
baribe, P-mte Velha, Conde da Boa Vista, Ria-
chuelo, Uniao, Saudade, Sete de Setembro, Hos-
picio, Camaro, Rosario, Gervasio Pires, Atalho,
Socego, Principe, Santa Cruz, S. Goncab, Co
)ho, Hospital Pedro II, Gener.l Sera, Coronel
Lamenha, Alegra, Leo Coreado, Barao de Si
Borja, Soledade, Viseonde de Goyanua e Attra-
c5o.
Travessas :
Gervasio Pires, Colbos, Atalho, Barreiras, Ve-
ras, Quiabo, Joao Francisco, Mangueira, Cam-
pia e Palacio do Bispo.
Prscas :
Conde d'Eu e Santa Cruz.
Largo :
Campia.
Be eco :
Colho.
Edilal n. m
O insprctor geral da instruecao publica manda
pelo presente convidar 03 alumnos mestres da
esccla normal, Andr Aveliuo de Sonsa Landis-
e Jos Mauricio de Aleacar, para comparecem
rem nesta r-particao no dia 28 do correte, ao
meio dia, afim de di rem informbcocs sobre o facto
occorrido na mesma escola de erem encontrados
os pontos de exames da lingua naeional em poder
da alumoa Mara Francisca de Barros.
Secretaria da Instruecao Publica de Pernambu-
co, 26 de Janeiro de 1886.
O secretario,
Pergenlino S. de Araujo Galvao
ODr. Tomas Gar ez paranhos Monte, mezes
juizde direito, presidente da junta apura-
dora daeleigSo do segundo districto des-
ta provincia.
Faco saber a quem enteressar possa que na apu-
raco d >s votos resultantes de todas as authenticaa
remettidas pelas mesas parochiaes do referida dis-
tricto, foi o segninte resultado da apuracao : Dr.
Jos Mariano Carneiro da Cunha, 824 e 2 em
separado: Oooselbeiro Theodoro Machado Freir
Pereira daeslva, 7bo e 2 em separado ; Dr. Jet
Nicolau Tolentino de Carvalho, 55 e Dr. Ambrosio.
Machado da Cunha Cavalcanti,!.
Do que para constar mandou lavrar o presente
que ser affixado no lugar do costume e publicado
pela imprensa.'
P co da Ass robla Provincial aos 27 de Janeiro
de 1886.
Eu Eugenio de Athayde Lobo Moscoso,s ecreta-
rio a subecrevl.
Thoraaz Garcez Paranhos Montenegro.
40 Fahi Bino Jnior.
41 Fernando Pedro das Naves.
42 Fraaoisso Dias da Costa.
43- Galdmo de Barros.
44 Hirmita de Barros Pimentel.
4T> Horacio d'Aquino Gaspar.
46 .loao Athemogenes de Barros Luna.
47 Joao Alvares Pereira Lyra Jnior.
48 Joo Augusto Ferreira Lima.
49 Joo Hiina Rodrigues.
60 Joao de Macedo Franca.
51 Joo Olympio Theodoro da 8ilva.
52 Joaquim Suues Ferreira Coimbra.
53 Joaquim da Silva Rocha.
54 Jeaquim Silverio Carneiro Beserra Caval-
cante.
55 Jos Antonio d'Almeida Pernambuco.
56 Jos Martins Fiuza.
57 Jos Nicolao Regueira da Costa.
f>8 Jos Saboya d'Albnquerque.
59 Jos Victoriano Damingues Al ves Mais.
60 Landelino de Luna Fr-ife Jnior.
61 Leopolde Pires Ferreira.
62 Manoel da Costa Ribeiro.
63 Manoel Joaquim Baptista.
64 Manoel Marques Carneiro LeSo.
65 Manoel dos Passos Marques d'Oliveira.
66 Manoel Ribeiro dos Santos.
67 Pedro Alexandnno Machado Jnior.
68 Pedro Jos Pinto Jnior.
69 Pedro Paulo dos Santos.
70 ?ompilio de Castro Lima e Almeida.
71 Rodolpbo Jovino de Sant'Anna.
72 Rjmo Philomeno Veras.
73 Salvador Celso le Albuquerque.
74 S-'zino Barbosa do Valle.
75 Theodoro Braga de Freitas Barbosa.
76 Valdevino Demetrio da Rocha Wandsrley.
77 Vicente da Silva Porto.
78 Victorino do Reg Toscano Barreti Netto.
Rbetorica
1 Luiz Antonio Cavalcante de Albuquerque, 9
exames.
Manoel Alves da Silva Freir, 8 ditos.
Aprigio de Miranda Castro, 4 ditos.
Francisco Athayde Mnrtius Ribeiro, 4 ditos.
Joo Jos Lopes de Albuquerque, 4 ditos.
Alfredo Fiocko Pinto, 3 ditos.
Antonio Gregorio Gonv-ilves 3 ditos.
8 Autonio. Leonardo Rodrigues, 3 ditos.
9 Arthor Coelho Le'nos de Oliveira, 3 ditos.
10 Reinaldo Rodrigues de Sjuza, 3 ditos.
11 Alberto Vaz de Oliveira Lima, 3 ditos.
12 Antonio Heurique Cardim, 3 ditos.
13 Antonio Ignacio do Reg Medeiros Netto, 3
ditos.
14 Ascanio de Alcntara dos Guimares Peixo-
to, 3 ditos.
45 Clemente Ferreira da Silva, 3 ditos.
46 I) unicio do Reg Rangel, 3 ditos.
47 Elpidio Rodrigues de Souza, 3 ditos.
48 Ernesto de Lemos Duarte, 3 ditos.
49 Fabricio de Arruda Wanderley, 3 ditos.
50 Genuino Amazonas de Figueirede, 3 ditos.
51 Heurique Jorge Ferreira Lopes, 3 ditos.
52 Hisbello Florentino Correia de Mello, 3 ditos.
53 Joo Climaco Pinto Moreira, 3 ditos.
54 Miguel Jos da Motta Jnior, 3 ditos.
55 Prescillo Aurispicio da Cruz Cordeiro, 3 ditos.
56 Alfredo Alves da Silva Freir, 1 dito.
57 Alexandre de Albuquerque Pessoa, 1 dito.
58 Antonio Cavalcante de Albuquerque, 1 dito.
59 Antonio Lius Caldas, 1 dito.
60 Beiisario Pernambuco, 1 dito.
61 Francisco Joaquim de Souza Filho, 1 dito.
62 Francisco Thomaj Marinho Jnior, 1 dito.
63 Jes dos Anjos Cesar Burlamaqui, 1 dito.
64 Luiz Francisco de Paula Cavalcante de Al-
buquerque, 1 dito.
65 Ayres de Albuquerque Gama.
66 Abilio Clemeatiuo Beserra.
67 Adolpho da Almeida Guimares.
68 Ad.lpbo Jos da Costa.
69 Adolpho Marques da Silva.
70 Alberto Borges Pereira.
71 Alberto Cavalcante de Albuquerque Wan-
derley.
72 Alberto Falco.
73 Alfre io Amorun .Fialbo.
74 Alfredo Ernesto Vaz de Oliveira.
196 Maaoel Apolinario de Almeida.
197 Manoel Bssito Ooelha.
198 Manoel Bezerra de Gouveia.
199 Manoel Caldas Barato Netto.
200 Manoel C.ndido de Albuquerque.
201 Manoel Carpioteiro Peres.
202 Manoel Deocleuio de Souza Bandeira.
203 Marcos Espindio Zloccwick.
204 MaueeLde Freitas Guimares.
205 Maneel Marquen Carneiro Lco.
206 Manoel Nunca do Valle.
207 Maneel da. Paixao Vieia.
208 Manoel Paulino Cavalcante de Albuquerque.
209 Manoel Ribeiro dos Santos.
210 Manuel Siuitko de Castro Lobo.
211 Manoel de Souza Galvao Filho.
212 Man- I Turiauo dos Res Campello.
213 Odilon Augusto Ribeiro.
214 Odn de Gusmo Carvalho.
215 Octaviano Cordeiro Coutinho.
216 Paulino Falco Duarte de Azevedo.
217 Pedro Alexandrino de Mello.
218 Pedro Gaudiano de Ratis e Silva Netto.
219 Pedro Ive de Campos.
220 Pedro Jos Pinto Jnior.
2l Pedro dos Santos Dias.
222 Pedro Soares da Moraes e Mello-Avehnj.
223 Rodolpho Pereira Brando.
224 Salador Ribeiro de Albuquerque.
225 Severo Champane de Parias Castro.
226 Sergio Teixeira Lins de Barros Lorto.
227 So.id mi Attico Leite.
228 Theodoro Braga de Freitas Barbosa.
229 Theodoro Jos da Silva Braga.
230 Victorino do Reg Toscano Barreto Netto.
231 Victorino Duarte Pereira Lima.
232 Virgilio Bacellar Caneca.
234 Virgilio Gracilian da Cunha Cavalcante.
235 Virgilio Goncilves Torres.
236 Virgilio do Reg Motta.
237 Virgilio Jos da Silva Braga.
238 Heraclio Rabel lo da Silva.
Geographia
Joo de Carvalho Soares Brando,"6 exames.
EDITAES
Bdital n. 72 i
O inspector geral da instruecao publica manda
fazer constar aos profeesor. s de ensino primario
Izidoro Marn'io Cesar e M atoe I Antonio de Al-
buquerque Machado, este da 3* cadeira da fre-
guezia de Santo Antonio e aquelle da de 8. Jos
do Manguinho, que por aeto da presideaeia da
provincia de 19 do corrate, permittio-se-Ihes per
mutarem as cadeirs que regem, e se ihesmarcou
o prazo de 30 dias, a contar daque.'la data, para
tomar posse e .assumir o exeroicio de suas novas
osdeiras.
Secretaria da ioetraecSo pnMiea de Pernam-
buco 21 de Janeiro de 18H6.
0 secretario,
Pergenlino S de Araujo Gal-vio.
Edi La I n. 9
O administrader do Consolado Prerincial dan-
do cumprimento portara n. 467 exptdida pelo
IIIm. Sr. Dr. inspector do Thesouro em 23 do tor-
rente, tai publico, para conhecimento dos proprie-
tanos das casas sitas as localidades constantes
da relacao mira, que no espaco de 30 dias atis
contados do 1 de Fevereiro prximo vindouro, se-
rio arrecadadas por esta repartico, independente
de multa, as importancias das annuidades e mais
servicos da Recife Drainage Company, correspon-
dentes ao 1" semestre do ezercieio corrente de
18851886.
Gonsulado Provincial de Pernambuco, 26 de Ja-
neiro de 1886.
Francisco Amt/nuu de Carvalho.
Rete*?** ejue se refere e eelllal
O Dr. Tboioaz Garcez Paranhos Montene-
gro, juiz de direito presidente da junta
apuradora do 2a districto eleitorai, etc.
Faz saber que tendo a maioria da junta apura-
dor* reaolvkio que na eleico que teve lugar a 15
do oorrente jaez, nenhum dos eidadaos votados
obteve maioria absoluta de voto, e resoiveu mar-
ear o dia 19 de Fevereiro para se proceder 4 2o
escrutinio, no qual smente podem ser votado o
Dr. Jos Mariano Carneiro da Cunha e o conae- 129 Francisco da Paula Oliveira Lima,
lheiro Theodoro Machado Freir Pereira da
Silva.
O presente ser affixado no lugar do costume e
publicado pela imprensa.
Recife, 27 de Janeiro de 1886.
Tkomaz Garcez Paranha*. Montenegro.
Frtguexia de S. Frei Ptdro Goncalves do Recife
Ruasr
Marque de Olind. Boas Jasas, Alves Cebral,
Conceicao, Bispo Sardinaa, Terrea, Thom de Son-
sa, D. Mara de Souza, Vigario Tenorio, Barreto
de Menezes, Mariz e Barros, Burgos, Amorm,
atoeda, Tnyuty, Companbia Peraambucana, Ma-
dre de Deu*, Domingos Jos Martins, Mascates,
Restauraco, D. Mara Casar, Visconde de Itapa-
rca, Farol, AreaL S. Jorge, Vital de Oliveira,
Gsursrapes e Bario do Triumabo.
Prscas :
Charco, AssembUa e Pedro I.
Facu I dade de Direito
De ordem do Exm. Sr. oooselheiro director inte-
rino taco publicar astlistas nominaes do eatudan-
tes inscriptos para os ezames de scieucias que de:
vero comecar no dia 1. do mez vindouro as 9 ho-
ras da manba no edificio da Facnldade.
Secretara.da Faculdade de Direito do Recife,
26 de Janeiro de 1866.
O secretario,
Joti Honorio Beserra de Jetaras.
Geometra
1 Antonio Miguel Nogueira de Souza.
2 Diogo Soares Cabra! de Mello.
3 Zeferino Goncalves Agr.
4 Antonio Henrique de Almeida Jnior.
5 Augusto Hygino de Miranda Jnior.
6 Jos Curio.
7 Oswaldo linchado Freir Pereira da 8lva.
8 Paulo Julho de Mello.
9 Tito Hygino de Miranda.
10 Arthur Lydio Rabello da Silva.
11 Joo Reg de Faris.
12 Antonio Goncalves Carneiro Meira.
12 Jeronymo Emiliano de Miranda Jnior.
13 Francisco Paes Barreto Lamenha Lins.
14 Arthur Goncalves Viela Torres.
15 Carlos Lopes Fernaudes.
16 Pedro do Reg Barros Cavalcante.
17 Theodorico d'Oliveira.
18 Antonio^ Francia jo d'Albnquerque Cavalcante.
19 Joao Paulino Marques Jnior.
20 Ayres de Albuquerque Gama Filho.
21 Alfredo da Silva Layo.
22 Affonso Jos de Oliveira Sobrinho.
23 Alfredo Tcito da Rocha Pag.
24 Aadt Dias Pinheiro.
25 Antonio Cordeiro Fontana de Medeiros.
26 Antonio Franklin Freir Gameiro.
27 Antonio Marques da Costa Ribeiro.
28 Autonio Pires Galvao.
29 Autonio Vital d'Ovaira.
30 Antonio Vctor de S Barreto Filho.
31 Armando d'Oliveira.
32 Arthur Eugeniano Dantas Barroca.
33 Augusto Cordeiro Fenseca de Medeiros.
34 Auguste Octavieno de Boas Jnior.
35 Betnardino Jos AlvasMaia.
36 Bisnor d'Oliveira.
37 Dionisio Goncalves Mai.
38 Edeardo de Aqniao Fpnseea.
39 Esssuiiel Franco de 8 Jsswor.
75 Alfredo de Miranda Castro.
76 Alfredo Odilon Duarte.
77 Alexandre Fe I icio de Lemos.
78 Alexandre Thom iz Pereira da Silva.
79 Alvaro Lima.
80 Auadeu de Oliveira Ceimbra.
81 Andr Dias Pinheiro.
82 Antonio Athayde Martina Ribeiro.
83 Antonio Candido de Viveiroa Pinto.
81 Antonio Cordeir > Fonaeca de Medeiros.
85 Antonio Domingues Codeceira.
86 Antonio Flavio Pssoa Guerra.
87 Antonio Goncalves Lages de Mello.
88 Antonio .'ovino da Fonseca Filho.
89 Antonio Maaoel di Guiara Sampaio.
100 Antonio Martiniano Veras.
101 Antonio Nunes de Oliveira Barros.
102 Arnardo Moreira Bastos.
103 Arthur Bellagard Freir Mariz.
104 Arhur Carlos Mereira.
106 Airhor de Miranda Castro.
106 Arthur Vieira de Mello.
107 Augutto Aristbeu de Souza Ribeiro.
Its8 Aejsasto Cordeiro Fonseca de Medesros.
109 Avgusto do S e Albuquerque.
110' liento Aineco Cavalcante Sobrinho.
111 Bento Eleuterk de Sonsa rastro.
116 Beuremito Prxedes de Oliveira Filho.
113 Carlos Nones Ferreira Coiabra.
114 Christovo Uchoa.
115 Carlos da Veiga. Pessoa.
116 Teclao Carneiro Lins de Albuquerque.
117 Demetrio Joaquim Rodrigues.
i 18 Domingos de Azeredo Coutinho.
119 Edmundo Pedro Casco.
120 Elisio Alberto Silveira Sobrinho.
121 Erasmo Vieira de Macedo.
122 Ernesto' Miiano da Silveira Leas.
123 Ernesto Santos.
124 Eugenio Augusto Alves Mergulhao.
125 Flaviano Martins Vianna.
186 Francisco Augusto da Fonseca e Silva Jnior.
127 Francisco Augusto Freir de Atbuqoerqae.
128 Fraseisoo Machado Dias.
(30 Francisco de Paula Vieira.
131 Francisco da Rocha Salgado.
132 Geneeio de Figueiroa Fana.
{33 Guilherme Dantas Bastos.
134 Gustavo Krause.
135 Hehodoro Fernandes Barros.
136 Henrique Botelho de Oreira.
137 Henrique Cavalcante de Albuquerque.
138 Henrique Cesar PessosiLiao.
139 Henrique Ernesto Swenson.
140 Herculano Lins Caldas.
144 Hermmo -Aprigio Ferreira Costa.
142 Ignacio Dias Pontual.
143 IiliJio da,Silva Ci>rreia de Olivis.
144.Ismael Marques da Silva.
145 Jeronymo da Rocha Pag.
|46 Joo Alvares-Pereira Lyra Jnior.
147 Joo Buarque Barbosa Lima.
148 Joo Cancio da Costa Prazeres.
49 Joo Ferreira da Costa Lima.
1)50 Joaquim Gregorio Pessoa Guerra.
151 Joaquim Guedes Correia Gondim.
U52 Joo Maximiano da Costa Silva.
1&3 Joo Pessoa de Albuquerque.
154 Joaquim Feiieio Antanes de Almeida e Cas-
tro.
155 Joaquim Ferreira Pinto.
166 Joaquim Igaacio Ribeiro.
157 Joaquim Mari abo de Araujo.
158 Joaquim Martins da Costa Ribeiro.
169 Joaquim Siiveno Carneiro Beserra Caval-
cante.
160 Joaquim Vctor Jurema.
161 Jos Antonio Pinto.
162 Jos Bonifacio Pessoa de Mello.
163 Jos Candido Lins de Barros.
164 Jos Fiorlindo do Naseimento Liosa.
166 Joe Guedes Correia Gondim.
166 Jos Hygino de Miran ia.
167 Jos Ignacio Xavier de Andrade.
168 Jos Joaquim Borges Uchoa Sobrinho.
166 Joe Leoncio de Franca Caldas.
180 Jos Lias Gonealves Ferris.
181 Jos Nicolao Regueira Costa,
Rueorioa
182 Jos de Paiva Vianna.
183 Jos Saboya de Albuquerque.
184 Jos da Silva Loyo Netto.
185 Jos Vieira Carneiro Lisa Mello.
186 Julio Machado Guimares.
187 Juvencie-Crle Mara.
188'Leooei Angosto de Castro Brando.
189 Luis Augasto Ferris Lonas.
1K> Luis de Franca Alsasqaerqee e Sirva.
1)1 Lela de Paula Lopes Janier.
IM Leiz Odilon de Olivara.
193 Luis J. segado Accoli.
114 Mi aisle daailva Coalbe.
3.96 aassd de Almeida Ceelbo.
2 Elpidio Barbalho Uchoa Cavalcante, 5 ditos.
3 Jeronymo Emiliano de Miranda Castro, 5 Si-
tos.
4 Joo Pego de Faria, 5 ditos.
5 Affonso G ncalves Feo reir ''astro, 4 ditos.
6 Francisca I'aes Barreto Lamenha Lins, 4
ditos.
7 Joo Jos Lopss de Albuquerque, 4 ditos.
8 Joaquim Jos de Faria Noves Sobrinho, 4
ditos.
9 Jos Ignacio Xavier de Andrade, 4 ditos.
10 Aprigio de Miranda l astro, 3 ditos.
11 Arthur Goncalves Villela Torres, 3 ditos.
12 Carlos Lopes Fernandes, 3 ditos.
13 Cornelio Augusto Serrano de Gouveia Filho,
3 ditos.
14 Deoeleciano Augusta Lobo, 3 ditos.
15 Guilherme Antonio Guinarss, 3 ditos.
16 Joo Vasco Cabral Netto, 3 ditos.
17 Jos Glicerio de Souza Gduveia, 3 ditos.
18 Jos Guedes Correia Gondim, 3 ditos.
19 Clemente Ferreira da Silva, 2 ditos.
20 Jos Pedro Faria Neves, 2 ditos.
21 Octaviano Cordeiro Coutinho, 2 ditos.
22 Pedro do Reg Barros Cavalcante, 3 ditos.
23 Joo Ferreira Monteiro, 1 dito.
24 Jos dos Anjos Cesar Burlamaque, 1 dito.
25 Pedro de Assis Rocha, 1 dito.
26 Ayres de Albuquerque Gama.
27 Adolpho de Almeida Guimares.
28 Adolpho Pereira de Mendonca.
29 Alberto Cavalcante de Albuquerque Wander-
ley.
30 Alvaro Antonio Cavalcante de Albuquerque.
31 Andr Dias Pinheiro.
32 Anclases Accioli.
33 Antonio F'.avio Pessoa Guerra.
34 Antonio Francisco Rgueira Pinto de Souza.
35 Autonio Francisco de Magalhes Silva.
36 Antonio Goncalves Casco.
37 Antonio Goncalves Lages de Mello.
38 Antonio Marques da Costa Ribeiro.
39 Antonio Martiniano Veras.
40 Apolonio Peres Cavalcante da Gama.
41 Arconcio Cambom de Mendonca Vasjoncel-
los.
42 Archimedes de Oliveira Souza.
43 Arthur Barreto da Rocha Lins.
44 Antouio Phantino da Silva Soares.
45 Bernardino Jos Alves Maia.
46 Bernardo da Cmara Guimares.
47 Braz Carneiro Leo.
48 Carlos Paes de Oliveira.
49 Carlos Nunes Ferreira Coimbra.'
50 Cosme Damio de Aibuqueique Maranhao.
51 Demetrio da Costa Reg Monteiro.
52 Demoathenes Urbauo Figueiredo de Mello.
53 Edmundo Pedro Casco.
54 Elias dos Santos Azevedo e Silva.
55 Eudoro Soares de Azevedo.
56 Erasmo Vieii-a de Macedo.
57 Estacio de Albuquerque Coimbra.
58 Francisco de Assis Cavalcante de S.
59 Francisco Augusto Carneiro Leo.
60 Francisco Gomes Prente Filho.
61 Fraucsco de Paula Goncalves Casco.
62 Francisco de Paula Vieira.
63 Francisco da Rocha Salgado.
64 Gustavo Krause.
65 Hermogenes Scrates Ta vares de Vasconcellos
66 Ildefonso Rodrigues Villares.
67 Joo de Aquino Ribeiro.
68 Joo Ah' mogenes de Barros Lona.
69 Joo Chacn.
70 Joo Ferreira da Costa Lima.
71 Joo Guilherme da Rocha Pedregulho.
72 Joo Joaquim Correia de Oliveira.
73 Joo Jos de Figueiredo.
74 Joo Lopes Moreira Lima do Naseimento.
75 Joo olympio Theodoro da Silva.
76 Joo Paulino Marques Jnior.
77 Joo Baptista da Silva Vaz.
7 Joaquim Gonca.ves Casco.
79 Joaquim Gregorio Pessoa Guerra.
80 Joaquim Ignacio Ribeiro.
81 Joaquim Monteiro Guedes Gondim.
82 Joaquim de Siqaeira Arruda Falco.
83 Joaquim de Souza Leo.
84 Joaquim Vctor Jurema.
85 Jos Banitacio Pessoa de Mello.
86 Jos Carlos Marinho.
87 Jos Correi.. de Amorm.
88 Jos Fierlindo do Naseimento Lima.
89 Jos Francisco Bittencourt Jnior.
;90 Jos Gaspar Loyo.
191 J jt de Ges Cavaleante.
92 Jos Hygino de Miranda.
93 Jos Ignacio de Andrade Lima.
:9i Jos Luiz de Franca Chagas.
195 Joa de Miranda Costa.
:96 Jos Nicolao Tolentino de Carvalho.
97 Jos da Cilva Loyo.
98 Jos Thoraaz de Oliveira.
'.99 Jos Wenceslao Rigueira Pinto de Sonsa.
taOO Laurino Gomes de Moraes Vasconcellos.
'MI Leopoldo Pires Ferreira.
102 Luiz Jos da Silva.
103 Luiz Pessoa de Mello.
104 Manoel Antonio do Naseimento P. Jnior.
105 Manoel Antonio dos Santos Dias.
LU6 Manoel de Castro e Silaa.
U17 Maneel Clementino Carneiro da Cunha.
108 Manoel Correia Pessoa de Mello.
11'!) Manoel.de Freitas Guimares.
110 Manoel Ignacio do Sacramento.
111 Manoel Moraes da Silva.
112 Miguel Antonio Ribeiro.
113 Miguel Archanjo Fernandes Pimenta.
114 Miguel Cysneiro de Abren.
115 Odilon Augusto Ribeiro.
116 Odom de Gusmo Carvalho.
117 Ovio Ferreira.
118 Pedro Alexandrino Machado Jnior.
119 Pedro dos Santos Das.
120 Roben Hygino de Miranda.
121 Tbomaz Evaristo Pessoa de Mello.
122 Tbomaz Joaquim de Barros Gibton.
123 Theodoro Jos da Silva Braga.
124 Vicente de Paula Osario de Mello.
125 Vital Brando Cavalcasste
126 Virgilio Gracikano da Cunha- Cavalcante.
H7 Virgilio Goncalves Torres.
128 Hermeto de Sonsa Leo.
Historia
.Jos da Sil va OostacNeto, 8 exasnes.
2 Augusto Hygino de Miranda Jnior, 7 tutos;.
3 Jos Curio, 7 ditos.
4 Tito Hygino do Miranda, 7 dito..
6 Arthur Lydio RtWlo da-Suva, &ditos.
6 Carlea Moreira Res, 6 ditos.
7 Joo de, Car val bo Soares Brandie, 6 ditos.
8 Walfrido Bastos de Oliveira, 6 ditos-
9 Felippe de Barros Wanderley, 5 ditos.
10 Jeronymo Emiliano de -Miranda Castre Janier,
5 ditos.
11 Joo Thom de Saboya e Silva, 5 ditos.
12 Carlos Alberto Machado, 4 ditas.
18 Theodorico de Oliveira, 4 ditos.
14 Aprigio de Miranda Castro, 3 dito.


t


Diario de PernambucoQuinta-fcira 28 de Janeiro de 1CC6

16 Arthur Goncalves ViUela Torre, 3 ditoa.
XS Deocleciano Augusto Lobo, 3 dito*.
17 Joo Vasco Cabral Netto, 3 ditos.
IB Miguel Jos Eibeiro, 3 dito*.
19 Antonio Ignacio do Bego Medeiros Netto, 2
50 Jos Francisco do Reg Rangel Sobrinho, 2
ditos.
51 Fausto Fren-e de Carvalho Figueiredo, 1 dito.
82 Joo Guilheime da Rocha Pedregulho, 1 dito.
13 Affonso Jos de Oliveira Sobrinho.
24 Alfredo Mameliano de Castro Quintaes.
26 Alfredo Osorio de Cerqueira.
26 Alfredo da !r>ilva Loyo.
27 Amaro de Mesquita Wanderley.
28 Anchises Accioli.
29 Antonio Francisco ie Magalhes e Silva.
30 Antonio Marques da Costa Ribeiro.
33 Antonio Maitiniano Veras.
32 Antonio Pinto Gal vio.
33 Antonio Vid or de S Barrete Filho.
34 Armando de Oliveira.^
36 Arthur Barbalho Ucha Cavalcante.
36 Augusto Octaviano de Souza Jnior.
37 Bernardino Jos Alves, Maia.
38 Edmundo Pedro Caaco.
39 Demosthenei. Urbano Figneiredo de Mello.
40 Dionisio Grorcalveu Maia.
41 Eduardo de Aquino Fonseca.
43 Elpidio Barbalho Ucha Cavalcante.
43 Ezequiel Fn.neo de S Jnior.
44 Francisco ds. Rocha Salgado.
46 Gustavo Krause.
46 Horacio d'Aquino Gaspar.
47 Joo Alvares Pereira Lyra Jnior.
48 Joo Olympio Theodoro da Silva.
49 Joo de Oliveira L'.ite.
50 Joao Thom Alves Guimares.
61 Joaquim Guedes Correia Gondim Filho.
52 Joaquim Nunes Ferreira Coimbra.
53 Jos Antonio de Almeida Pernambuco.
54 Jos Bonifacio do Amaral e Mella.
55 Jos Gaspar Loyo.
56 Jos Saboya de Albnquerque.
57 Jos da Silva Loyo Neto.
58 Manotl Apolnanode Orneida.
59 Manoel Barbosa de Freitas Cordeiro.
60 Manoel Joaquim Baptista.
61 Odibn Augusto Ribeiro.
62 Pedro Joaquim de Sonsa Peres.
63 Sebastio Lins Wanderley.
64 Thom Joaquim de Barros Gibson.
65 Vicente da Silva Porto.
66 Zenobio Marques Lins.
67 Luir Cavalcante Lacerda de Almeida.
68 Joaquim Jos de Pinho Goncalves.
Algebra
1 Joaquim Thiago Lopes da Fonseca, acadmico
2 Pedro Ignacio Themudo Lessa. 10 exames.
3 Jos Ferreira Muniz, 10 ditos.
4 Antonio Miguel Nogueira de Souza, 9 ditos.
5 Zeferino Goncalves Agfa, 9 ditos.
6 Francisco Machado Teixeira Cavalcante Filho,
5 ditos.
7 Theodorico de Oliveira, 4 ditos.
8 Arthur Goncalves Villela, 3 ditos.
9 Joo Paulino Marques Jnior.
10 Alfredo Albino da Silva Leal.
11 Armando de Oliveira.
12 Joo Olympio Theodoro da Silva.
13 Joaquim Nunes Ferreira Coimbra
14 Jos Antonio de Almeida Pernambuco.
15 Jos Martina Fiuza
16 Manoel Barbosa de Freitas Cordeiro.
17 Manoel da Costa Ribeiro.
18 Sebastio Lins Wanderle).
13 Theodoro Braga de Freitas Barbosa.
*!!* E5S" Theatro de Variedades
DECURiqOES
anta Casa de Misericordia df
Reclfe
Xa secretaria da Santa Gis de Misericordia de
Ktcife arrendam-se por espaco de um tres an
aot, as casas abaixo declaradas :
Ka da Moeda n. 45, 240*000
Uea-dem n.49 2404000
Kw do Bom Jess n. 13, 1- andar 3 01000
I .' idem n 14, pavimento terreo e 1*
,ndar 600*000
idem u. 29, 1- andar 240*< (X
i dos Burgos n. 27 216*000
i do Vigario n. 22, 2- andar 2404000
Mm idem n. 22, 3* andar 240*000
Kn da Madre de Deus n. 10-A 200*000
Cbes da Alfandega, armazem n. 1 1:600*600
Beceo do Abreu n. 2. loja 48f000
ftms. do Viscondo de Itaparica n. 24,
l de Janeiro de 1886
Pela secretaria do Gymnaaio Pernambicano se
declara aos Srs. pais de fsnilia, e a quem maia
ineressar possa, que a abertura solemne do curso
scientifieo e litterario ter lugar no dia 3 de feve-
reiro prximo vindouro, e desde j se achs aberta
a inscripeo da tna ricula para aquelles que pre-
tenderem estu lar as eguintes disciplinas :
Lingua nacional.
Dita latini.
Di:a franceza.
Dita ingleza.
Dita allem e italiana
Geographia antiga e rao lerna.
Historia sagrada antiga e moierna.
Geometra.
Arithmetica.
Philosophia.
Rhetorica e potica.
Historia e corographia do Brasil.
Scicncias natura' s.
Deseaba.
Gymnastica.
Msica.
O corpo docente do instituto e c imposto de 19
professores, oceupaudo-se cada um delles soine nte
com a materia ensinada em sua respectiva ca-
de ira.
O instituto aceita alumnos em tres c-i hegorias,
enforme se achara dividido*, pensionistas ou in-
ternos, meio-j ensionistas e. externos.
Os pensionistis residirio no iustituto, tendo
direito de estucar as materias de que se compoe o
curso, ensilladas, segundo o programma estabele
cido : a ser alimentados sadia e abundantemente,
tratados em suas enfermidades pelo medico do
instituto, fornec?ndo-lhe tambem este medicamen-
to, a ter roupa lavada e engommada regularmente
duas vezes por semana, banho, etc ; tudo isto
pela medica quan'ia de 400* por mino.
Os mvio-pensionistas se uprest-utarao no esta-
beleraento nos das lectivos, hora em que as
aulas se abrirem e desde euto at serem encerr-
las tarde, sao equiparados aos internos, tendo
como estes es meamos direitos quanto ao eatudo,
alimentaco e retreio, isto pe i mdica quantia de
de 240*000.
Os externos a tm direito s licoes e explica-
cues das materias ensinadas no curso, quaesquer
que ellas sejam, pagando apenas no acto da ma-
tricula a taza igual a que pagam os alumnos no
collegio das artes.
Os alumnos internos devero apresentar o en-
xoval preacripto no regiment interior e ter cor-
respondente na capital, para com promptido sa-
tiafaier as p.'nsoes e outra qualquer despesa de
que ti ver elle neceasidad \
As peuaoes aerdo pagas na sacretaria do insti-
tuto, por trimestres adiantados.
O secretario,
Celso Tertuliano Quintella.
C0IPAIHYIIC0-C0BCa-*lllI4TKA
DIRIGIDA PELO ARTISTA
MPUE.Z\ ttM AHUM E L.Z MiLO^E,
HOJB l-Qointa-fera, 28 fle Janeiro fie 1886--HUB!
<-n %mi: i;nri:i'n(i ro dramtico
PE La SEGUNDA VEZ A PEDIDO GERAL
Subir a scena o espectaculoso drama em 5 actos e 6 quadros quo tanto entliu-
liasmon o publico quando foi levado scena pela primeira vez no Theatro Santa Isabel:
Os Mysterios da Inquisico
OB i VOLTA DE D. SEBiSTl W DE PORTUGAL
CORO INTERNO DA OPERA-FAVORITA.
Tom i parte toda a C-nnpanliia.
DISTRIBUICAO DOS QUADROS
l.A casa misteriosa. Os exploradores.O desconhecido. Partida de D.
Sebastiito para frica. O rapto. 2 Os dous volhos amigos.- Torquemada e Phe-
lippo II.A volja de D. Jos, da guerra. Desafio. 3.O claustro. -A Volta do
I, Sobastiito. A taberna do condemnado. Sancho bebado. A prisao do t.irrr,
4.A caruara ardente. D. Sebastio o Phelippe II. O tonel n-ystsrioso. Tortura.
O pa e filho.- A morte do D. Sebastio. 5 A conjuracao. O mendigo. -A
conspirarlo.- O acto de f.A derrota da nquisicao.-A vinganca do povo e A
JUSTigA DE DEUS.
INDBMNISADORA
Gompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda em 1*55
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 18N4
Martimos..... 1,110:0008000
Terrestres,. 3.6:000$000
44 lina do Commereio
MARTIMOS
Est em
OFFEMRAC :
JLVXSO
ensato a grai-de opereta em 3 actos, msica de
A BELLE HLLENE
violento terreo, 1* e 2 andar, por
Kai
1:600*000
150*000
i do Coronel Suassuna n. 94, loja
da Detenco n. 3 (dentro do quadro)
aei'agua 84*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Mmie, 15 de jaa:iro de 1886.
O eseriv3o,
Pedro Rodrigue de Soma
COMMERCIO
dsa eommerclal de
bnco
Pernam
Recite, 27 de Janeiro de 1886
As tros boras da tarde
Cotace oj/iciae
"labio sobre Par, 30 d v. com 5,8 0/0 de des-
cont.
9r Bobre dito, 60 d/v coaa 1 1/4 0/0 de des-
cont.
Sfe sobie dito, 90 d/v. com 1 3/4 OO de descont,
{habi sobre Londres, 90 d/v. 17 15/16 d. por
l*0i C, do banco.
Oto sobre dito, W d/v. 17 7/8 d. por 1*000, do
banco, hentem.
imbio sobre Lisboa, pagavel em Londres, 90 d/v.
18 1/16 d. por 1*.
Cambio sobre Lisboa, avista, 194 0/0 de premio,
di, banco, hontea.
Ckmbio sobre o Poito, 60 d/v. 190 0/0 de premio.
P. J. Pinto,
Presidente.
Candido C. L. Alcoforado,
Secretario.

Companhia
DOS
trullos nrbanes do Recite Olin-
da e Beberibe
Dividendo
Lsta designado o dia 18 do corrente para ser
comecado o pagamento do 2* dividendo, corres-
pondente ao semestre de junho dezembro, ra-
ijo de 8 0/0, sendo este feito no escrptorio da
companhia das 9 horas ao meio dia at o dia 30
do corrente, e dahi em diante s tercas e sabba-
ilos, nao santificados, a iguaes horas.
Escrptorio do gerente, 16 de janeir* de 86.
A. Pereira Simos.
Imperial sociedade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaes
Pela segunda vez, por ord:m do nosso irmao
director, venho convidar a todos os irmos qne se
acham nos gosos de seus direitos, se reunirem
em astembla geral no domingo 31 do corrente,
s 10 horra da manh, afim de ter lugar a eleice
dos novos fuoccionarios, devendo ter lugar o acto
com o numero que comparecer, visto nao se ter
reunido numero legal no dia era que mandam os
estatutos.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liberaes de Pernambuco, em 26 de
Janeiro de 1886.
2 secretario. Jote Castor de A. Souza.
lENDIMEiNTOS
Mes de Janeiro
tutAXixaiDe 2 26
-dem de 27
Fumo 4 volumes a Rodrigue de Faria
& C, 4 a Paiva Valente A C.
Fazendas 1 fardo ordera. 2 a D. J.
A. GuimarSes, 1 a J. B, Tellee, 1 a Gon-
calves Irmao & C.
Mercadorias diversas 26 volumes Ca
pitania, 8 a Borstelmann & C, 10 or
dem, 1 ao Estacionaria.
QPanno de Algodao 10 fardos a Silveira
& C, 25 a L. A. Siqueira.
Sola 1 amarrado a Mondes & Oliveira.
Tinta 1 barrica a Medeiros & C.
Vinho 4 pipas e 60 barrs ordera, 40
e 10 caizas a Fernandos & Irmao, 1 caixa
a J. N. da Silva Carvalho.
Xarque 509 fardos a Baltar Oliveira
A C, 506 a Araorim Irmao & C.
Carga da Babia
Azeite 5 ponches a Pereira Carneiro
&C.
Charutos 2 caix3es a Rodrigues de Fa-
ria & C, 3 ordem.
Chapeos 3 caixoes a A. P. Carneiro.
Fio de algodao 20 saceos ordem.
Fumo 10 fardos a Joao Francisco Leite.
Panno de algodao 10 fardos ordem, 5
a L. A. Siqueira, 5 a Goncalves Irmao
& C, 10 a Agostinho Santos & C, 20 a
Ferreira & Irmao, 20 a Mschado & Pe-
17:261jl46 reir, 25 a Andradc Lopes & C.
PUBLICO!
de 1886
630:801*785
Vestuario novo c deslumbrante.
ISCeiiM Srtf
Brasil, Limited
O gerente geral desta Companhia, con-
vida aos senhores agricultores e propieta-
rios eutabelecidos a raargem da estrada de
ferro do Recife a S. Francisco que quize-
rem vender cannas para serem muidas as
fabricas centraos do Cabo, Escada, Cuy-
ambuca e Bom Gosto a apresentarem suas
propostas neste escript* rio, ra do Oom-
mercio, ou por intermedio dos gerentes das
respectivas fabricas.
A Companhia receber as cannas as
estacSas da via frrea de S. Francisco e
as transportar para a fabrica central mais
prxima mediante o acordo qtre se osta-
belecer.
Os proponentes deverao mencionar a
quantidade que desejarn forneccr durante
a safra actual c diariamente uas estacoes
quo lhe ficarem mais prximas, devendo,
outro sir, declararen que se sujeitam as
condicSes, quanto a entiega de caneas, es-
tipuladas no coatracto firmado enlro os dif-
ferentes agricultores ; isto : t entregar
as cannas em estado de serem moidas o
despidas das partes nSo productiva de as-
sucar. >
Udmnl Caanor.
Gerente geral.
ADMINISTRACaO DO* C'^nEOS DE PER-
V............... "> r>F ." '
i ., ,-... .,.....,
por.- ; ..-j iiuiic, v;a j. a'^miuistracao recebe Ui-
pre os e objtetce registrar al 2 horas da tar-
de, caitas ordinarias at 4 horas, ou 4 1/2 com
por : duplo
O administrador,
Affonso do Seg Barros.
PRINCIPIARA AS 8 1/2 HORAS.
Escola Normal
Matriculas
Por ordem do Dr. director, e em observancia
da disposico do art. 74 do regiment interno de
17 de setembro de 1880, fuz-se publico a quem
interessar possa, que m matriculas pstarilo sber-
tas desde o dia lo do corrate at 3 du fuvereiro
prximo.
Os requermentos para matricula uj 1* anuo do
curso deverao ser instruido) com os documentos
seguintes :
1' Certidao de i lade raaior de 18 aonos par. os
alumnos do sexo masculino e de 16 para os do fe-
minino.
2o Certificado ou titulo de approvace era exa-
me as escolas publica de instrueyao primaria.
3 Folha corrida ou certidao de nao haver sof-
frido condemnacao por algum dos crimes qup po
dem motivar ao profas.r publico a peda da ci-
deira.
4 AMestaJo de moralidad-* pa^s^do pell par-o
cho eu auto-id, de, quer pjlici.il quer litteraria du
ireruezia em que residir o p tieiooario.
Os matriculando-i que nSo Mderein exhibir ti-
tulo legal de exame em < ola publica de eniino
primario, deverao inscrev r se para oj eiamas de
ido issao, de que tiatam im arla. 75 77 do cita-
do regiment, e qne core panto uo dia 3 do cor-
rente.
Para as matrculas do 2o e 3 anno basta que
as peticoes sejam documentadas com a certiu'ao
de approvaco no examc do anno precedente,
guardada a restricto do trt. 21 do j mencionado
regiment interno.
Secretaria da Escola N >rmal de Pernambuco
11 de Janeiro de 86.O secretario,
A. A. Gama.
T'n
1 n.
jtacKBBDoaiaDe
'1 id de 91
26
648:067J931
25:5694220
2:983/860
C&solaoi "BovuniiLDe 2 26
Ileind.: 27
-uira DRAimoaDe 2 26
'de-n de 27
8:563*080
19l:289i511
5:499687
196:789*198
4:582/102
219*845
4:801/947
DESPACHOS DE IMPORTAQAO
Vapor nacional Espirito Santo, entrad)
dos portos do sul no dia27 do corrente e
consignado a Bernardino Pontual, mani-
festou :
Carga do Rio de Janeiro
Cerveja 6 barricas a F. B. de An irado.
Caf, 182 sacios a Augusto Figueiredo
d C, 105 a Joaquim Duarte SimSes &C,
134 a Ferreira Carneiro & C, 105 a Justo
Teixeira & C, 50 a Antonio Jos Soares
& C, 55 a Mendes Lima <& C, 55 a Al-
berto Rodrigues Branco, 40 a Ferreira Ro-
drigues & C., 51 a Domingos Cruz 64 a Pereira do Carvalho C, 25 i or-
iem.
Chapeos 2 caizas a Adolpho d FerrZo,
I ordem.
Drogas 2 voluiaea orlero.
DESPACHOS DE EXPOKTACAO
Em 26 de Janeiro de 1886
Har o exterior
= No vapor uglez Orator, carregou :
Para Liverpool, Paul Stuhlm:-na 200 sacets
com 18,318 kilos de algodao ; U. Stolzenboch 28
barricas com 21,000 kilos de borracha.
No vapor italiano Garibaldi, carregou :
P-ra Liverpool, J. H. Boxwell 84 saccas com
5,190 kilos de algodao.
No lugar americano MatcoUe, carregou :
JPara New-York, H. Purster & C. 860 saceos
com 64,500 kilos de assucar mascavado.
Na barca norueguense Bellona, carregou :
Para New-York, J. H. Boxwe 1 600 saceos com
45,00. kilos de assocar mascavado.
Na barca portugueza Pereira Borges, carre
gou :
Para L'aboa, Amorru Irmos Se. C. 100 sacas
com 7,500 kilos de assucar masca vade ; S. Qui
maraes & O. 74 couros salgados com 888 kilos.
No brigue portuguez Tito, carregou :
Para o Porto, A. C. da Silva 200 saceos com
tarinha de mandioca.
Para o interior
No lugar nacional Kaleb, carregou :
Para Porto -Al- gre, P. Carn iro & C. 200 sac
eos com 15,00u kilos de assucar branco e 100 ditos
din 7,560 ditos de dito mascavado.
No vapor nacional Espirito Santo, carregou :
Para Mano3, Amorim Irmos & C. 50 barricas
com 3,141 kilos de assucar branco ; H. Burle &
C. 40 ditas com 1,792 ditos de dito ; Baltar Ir
mos Si C. 7.1 ditas com 4,075 ditos de dito e 55
bar i com 5 220 litros de agurdente ; F. A do
As--vedo 25 ditos com 2,400 ditos de dito e 65
ba:. icas com 3,800 kilos de assucar branco.
Para o Para, J. B. de Carvalho 10 barricas cora
945 kilos de assucar branco ; P. A. de Axevedo
415 ditas com 26,500 ditos de dito ; Raltar Irmos
& C. 25 pipas com 12,000 litros de agurdente ;
V. da Silveira 200 volumes con 12,596 kilos de
assucar branco e 300 ditos com 13,110 ditos de
dito mascavado ; Am:rin Irmos & C. 45 barri-
cas com 3,375 ditos de dito branco ; F. de Mace
do 400 ditas com 24,355 ditos de dito.
No biate nacional Deus te Guarde, carregou :
Paia o Cear, B. Oliveira & C. 10 barricas com
960 kilos de sel o.
No hiate nacional Apody, carregou :
Para Mossor, E. C. Beltro d; Irmo 26 vol-
me.- com 1,292 kilos de assucar branco ; 8. No-
gueira & C. 40 saceos com milho.
= No hiate nacional Adelina, carregou :
Par Maco M. Amorim 1,500 saceos com fari-
nha de mandioca.
No hiate nacional B. Jess, carregou ?
Para Maco, M. Amorim 1,500 saceos com fa-
rinha de mandioca.
= Na barcaca S. Luit, carregou :
Para Macahyba, A. B. Correia 3 caitas prepa-
rados de jurubeba.
No cter Qeriquity, carregou :
Para o Natal, M. Amorim 500 saceos com fari-
nha de mandioca.
Na barcaca GratidSo, carregou :
Para Villa d Pcnba, Rcis & Santos 200 saceos
com (arinha de mandioca.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 27
Rio de Janeiro e esealas 6 1/2 dias, vapor bru-
zilciro Espirito Santo, de 1999 toneladas, com
mandante Joo Mara Pessoa, equipagem 60, car-
ga varios gneros ; a Bernardino Pontual.
Terra Nova-27 dias lugar ingles BclU ofthe
Esee, de 232 toneladas, caoito Bduard Dingle, I
epuipagem 28, carga bacalho; a Yohnston r*ater
&C.
Rio de Janeiro 15 diaspatacho americano
Agnez Barton, de 377 toneladas, capito H. B.
rnythz, equipagem 8, em lastro ; a Henry Fors-
terC.
Novios sahidos no mesmo dia
New Yorklugar americano Arthur C-Wade,
capito H. R. Shcrman, carga aisucar.
Barbadosbarca ingltza Jane Fairlei, capito
S. Thomaz, en la tro.
New Yorklugar inglez Wandrton, capito L.
Hatild, carga assucar.
Pelotas lg r noruegmnsa CAance, capito
P. G. Pedersen, carga assucar.
VAPORES ESPERADOS
niTI".
i,-------Uw
j ios Artistas Me-
_ j
Do ordem do Sr. director participo ato-
dos nossos associados quo nao tendo havido
numero sufficicnto para a reuniao de as-
sembla geral afim de proceder so a elei-
c2o da directora para o corrente anno, fica
determinado que se proceda a mesma elei-
cSo domingo 31 do corrent; niez, s 11 ho-
ras do dia, com o numero de socios que
comparecer.
Recife, 25 de Janeiro de 1886.
Io Secn-tario,
Telles Jnior.
SEGUROS
FOGO
The Liverpool & h iidon & Gloi
INSIRRAME C0.MPAU
(onpwuii: ikm missu.i:
KlliM MARITIHES
LINIIA MENSAL
O paquete
Equateur
Commandante Lccointre
E' esperado dos portos do
su I al o di.-: 29 il> crrante,
seguindo, depois a demora
a; do costum**, para Borcleaux,
focando i ni
Dakar. sJsboa e Vigo
I>einlira-(; aos Srs. pasaagoirOS de todas as
cjasses que ha I os para esta agen-
cia, que podem temar em qualquer tempo.
Fas-80 abilimento de 15% "ir. favor daa fa-
milias composta de 1 pi seo is to m iioj e i'.;e p i
garem 4 psstagens inteiras.
Porexcepco os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosain tambem d'este abat-
ment.
Os vales postaes 60 se do at e dia 27 pages
da contado.
0 paquete Orenoque
Commandante Mortemard
Espera-se da Eu-
ropa no dia 5 de
Fevereiro, seguin-
do depois da de-
mora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Rio de Janeiro c Monte-
tevldo
Li'inbra-se fos senhores passageiros de todus
as classes q*M ha lugares resrvalos para esta
agencia, que podem tomar eai qualquer tempo.
Previne se aos senhores recebedores de merca-
dorias que s seatteader as recl.-imxces por fal-
tas nos rolumes qne forein roconhacidas na occa-
sio da descajga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete tracta-se com o agente
: I 'ff'TC?*! I l!l'*l(\
.luguslc LiIUiiiO
9 RA DO COMMERCIO-9
mtdSlate84tosi!lIS.8..
O vapor Vdvanee
Espera-se de New
Port News, at o
^ dia 5 de fevervi-
"^ ro, o qual seguir
depois da demora
necessara para
Baha e Rio de lanelro
Pira carga, passagens, eneom-n-ndas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
N. 8. RUADOCOMMtRClO N. 8
/. andar
COHEWYIII* PKHtM!Ht< XA
DE
EVavegaeao Costelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaj, e Babia
0 vapor Jacuhype
Commandante Costa
COMP.I\Ult l'KU\tHlHCA\i
DE
Wivegaco costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Tamandar e Rio Formse
O vapor Giqui
Segu no dis 30 do
corrente, s 6 horas
da manh.
Recebe carga at o
_ 'dia 29.
Encommendas, passagens e dinheiro a frete at
s 3 horas da tarde da vespera da partida
ESCRPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucat
n. 12
na
R0YALHAIL8TEAS PACKET
COMPANY
0 paquete Neva
E esperado
do sul no da 29 do
corrente, seguin lo
depois da demora
necessara para
Lisboa e Southanipon
V.ra pMs.iagens, frefe;, etc., tracta-se cornos
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
8Rna do C'oranprIo3
CilARfiELRS REW
Coiapaahia Franceza de Slavega-
co a Vapor
Liuha quinzenal entre o Havre, Lis
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro o
Santos
stemer Ville de Cear
E' esperado da Euro-
pa at o dia 9 de Fe-
vereiro, seguindo de-
pois da indispensavel
demora para a na-
ta ia. Rio le -Ja-
neiro S uto*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pioa
vapores desa linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng > ivia!-
quer reclamarlo concernente a volumes, qud por
ventuia tenham seguido para os portos do sul,afim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nSo se
responsabilisa por extravos.
Kecebe carga, encommendas e passagoiros, para
os quaes tem excellentes accomodacoes.
Augusto F. de Oliveira & 0.
AGEXTEM
42 RA DO COMMERCIO -42
Barcaca
Vmde-tM uma kareaca ;
de Caxias n. 63.
a tratar na ra Duque
Maranltense de New-York boje
Delambre de Liverpool hojo
Neva do sul amanha
Equateur do sul amanh
Fevereiro
Valparaso do sul a 1
Manos do norto a 2
Marinho Visconde da Bahia a 4
Advanee de New-Port-News a 5
Orenoque da Europa a 5
Para do sul a 6
Tamar da Europa a 10
Espirito Santo do norte a 19
Pernambuco do norte a 13
Ville de Cear da Europa a 13
Mondego do sul a U
Cear do sul a 16
Desterro de Ilamburgo a 20
Tagus da Europa a 24
Bahia do sul a 26
London and Brasitian Bank
Limited
Ra do Commercb n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, roa dos Capel! -tas u 75 N
Porto, ra dos Ingleses.
SEGUROS"
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenlx Per-
nambueana
Ra do Commercio n. -38
C0M1IA DE SEGUIOS
COVTH.t FOGO
\ortb Brilish k Mercantile
CAPITAL
*:000.000 de libras sterlinas
A O EN TES
Admsoii Howie & .
RA DO COMMERCIO N.
Segu no dia 28 do
corrente, as 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 27.
Encommendas passagens e dinheros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRPTORIO
cae da Companhia Peraamba-
cana n. 12
Para Lisboa
A barca Pereira Borges seguir com brevidade
para o porto cima oara o resto da carga trata-
e com os consignatario" n va iituimares & C.
orto por Lisboa
Segu cem brevidade para os portos cima o
brigue portuguez Calcida ; para o resto da carga
e passageims, trata se com os consignatarios Jos
dava SilLiyo & Filho.
Ce
ara
to.
.

rOMPANHlA
Jmperial
Companhia Bra- ileira de 3Tavc-
gaco a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Manos
Commandante 1- tenente Guilherme Wad-
dington
E' esperado dos
portos do norte
at o dia 2 de Fe-
vereiro, e depois
da demora indis-
pensavel, seguir
s para os portos do
lpBt' sul.
Recebe tam -
bem carga para Pantos, Pelotas e Rio Grande d<
Sul, frete mdico.
Para carga, passasrens, encommendas e valores
tracta-se na agencia
N. 46 RA DO COMMERCIO N. ig
Pacific Steaoi 3ia vigat ion Conipanj
STRAITS OP MAGELLAN UNE
Paquete Valparaizo
Espera-se dos portos
do sul at o dia 1 de
fevereiro, seguindo pa-
ra a Europa depois da
"emora do costume.
Segu com brevidade para o porto cima o
hiate Dcus te Guarde, recebe carga a fretes m-
dicos ; a tratar na ra da Madre de Deus n. 8,
u no caes do Loyo, a bordo.
Boyal Nail Steara Packel
Compauy
Reducido de passagens
Bilhetes especiaes of-
ferecendo facilidades
aos senhores viajantes
para visitar a expsi-
to colonial em Lon-
dres, de 1886.
Ida e volta de Per-
nambuco a Soiithamp-
ton, primeira classe,
com o prazo de 6 me-
zes libras sterlinas 36,
15, 0.
SEGUROS contra FOCiO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Tazas baixas
Prompto pagamento de prejuitot
CAPITAL
Rs. 16,000:000/000
Agentes
BROWNS & C.
i N. Ra do Commercio N. 5
Este paqnele e os que dora
eni liante segnirem tocaro em
Phnioulh, o qne facilitar che-
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
Haver tambem abatimento no preco das pas-
sagens.
Para carga, passagens e encommendas e dinhei -
ro a frete trncta-se com os
AGENTES
14 RUADO COMMERCION. -14
Wilson Sons & c. Umitfed
Porto e Lisboa
Segu com brevidade para os portos cima o
brigue por uguez Tito para o resto da carga e
passageiros, trata-se com os consignatarios Jos
dg Suva Loyo & Filho.
IE1L0ES
Hoje, 28, das 10 a 1 hora da tarde effetua o
agente Pinto a entrega dos salvados vandidos
em leilao de hontem.
A' 1 hora da tarde serio vendido dous botes,
6 caixas com licor, 24 caixa s com machinas de
costura, 138 ditas com milho no caes da Compa-
nhia Pernambucana.
Leilao
Ds dous botes, sendo um sal va-vida, sal-
vados da barca americana Hannah W.
Dudley
Em coni inuaco
HOJE, 28, A' 1 HORA DA TARDE
Agente Pinto
Em frente ao armazem n. 18 da Compa-
nhia Pernambucana
Ainda em continuando
6 caixas com licor de pepsina.
18 dites com machinas-de coatura, de mo.
ditas com ditas de p.
138 ditas com milho em latas.
Agente Pestaa
Leilao
De 170 saceos com farmha de mandioca
tilinta feir. S Jo corrente
As 11 horas em ponto
No trapiche do Sr, Barbosa
r


Diario de Peraaiubucutyuiitafeira 28 de Janeiro de 1886
LEILAO
De urna mobilia de Jacaranda, com encost de
palhinba, 2 ditas da dito, 1 aita de janeo, cadeiras
avulsas, guarda-roupa, teiros, carteiraa, marque-
zoca, camas, aparadores, mesas, grades para es-
criptor->, quartinheiras, lustre de bronze, qua-
dros, reJogioe para cima de mesa, jarros, lanter-
nas, cai.diciros e registro de gas, chapeos para se-
nhora, botoes, espelhos, machina de pregaear,
raoiobo, tapete, cofre, brinzSo e outrou muitos ar-
tigos.
tilinta reir t8 do correnle
A's 11 horas
Armuzem da na do Hoih Jess
u. i
Por intervencao do agente
_____Moiesto Balista_____
Leildo
De 1 mobilia de Jacaranda massieo a Luiz XV
com lampo de pe ir i < completa, 1 dita de dita,
1 dita de mogno, 2 pianos, 2 gaardaa-vestidos,
camas francesas, marquezoes largos e estreitos,
camas para menino, apparadores, espelhos, jar-
ros, cationes, 22 duzias de collerinhos de linho,
pe^as il relogios de parede cstractos
o imiii s nutras movis avulsos.
4|ui ila eii*;j. 'i do corrate
As 11 horas
No arm.izaiu da ra do Mrquez de Olimla
n. 18
POR lNTERVENgA.0 1)0 AGFNTE
(insumo
Leilo
Pelo Agente Brito
O agente cima, a mandada do Exm. Sr. ir.
juisde dii'i'ito e ausentes ca requerimento dolllin.
Sr- Dr. ecrtulvr de ausente*, levar a leilao o es-
polio de D. ni' 1 Maranao, constaule do seguin-
te:
2 Bois m>ns mob'liai: de parede, 1 mar-
qiezao, 1 marqneza, 1 mesa para jantar, 1 guarda
lonca, 1 oabide, 2 lavatorio. 1 mesa para cosi-
nba, 2 lanteraat, 2 figuras, 3 jarros, 1 ppete, 1
cama de ferro, 1 b ilui de couro, 3 candieiros para
kerosene. 2 lampe'""'-". 7 pirrafoes vasios, G saceos
com tarello, 1 violas 1 tina, louca pira jantar, 3
baldes de landres e outros objectos 'nimios, tudo
ao correr do martello.
4|niata fera. '& do corrate
A* O l|5 horas
Kua deS. Jorge n. 40
= Os hachareis Antonio Justino de Souia e
Pedro Alfonso de Mello mndaram o sen escripto-
rio para a ra Duque de Casias n. 54, Io andar
onde continuam a exercer a sua prorJssSo de ad-
vogados.
Koga-se peasoa que achou no trem de
Olinda, de 4 \2 boma da tarde, em um dos as-
eciili s de segunda classe, um diario do governo
na estacao chi fe da ruada Aurora, ao bilheteiro,
de Portug I, pode entrgalo no niesmo consulado
ou mndalo para Beberibe, taverna de Jacintho
Lobao, que ser recompensado.
Na ra larga do Rosario n. 38, 1 andar,
anda se precisa de urna ama.
= Offerec-se urna mulher de meia idade, para
ama de home n solteiro : a tratar na ra do Padre
Floriano n. 3G.
Precisa-se de uh ama de meia idade, para
casa de bimcm solteiro ; na praca do Cunde d'Eu
n. 21, loja de louca de barro.
=j Os bilhetes de u-n ca vallo e una carioca,
i ora a ultima de Janeiro te 06 ficam transferidos
para a ultima lotera da provincia do m-z de fe-
vereiro prximo vindouro ; os possuidons dos bi-
lhetes que nao pagarem antes da extraccao, nao
te ai direitoao premio.
Precisa-se de um eaixeiro de 12 14 asnos,
com pratica de taverna ; na ra do Visconde de
Goyanna n. 72.
Precisa-se de um eaixeiro na ra de Mariz c
Barro casa n. 44 para taveraa, que tenha 13 a 14
snnesde idade, e com pratica de vender.
Offerecc-f o para ama de casa de pouca fa-
milia urna mu'.ber de idade ; no ue :co do Bernar-
do n. 51.
Alugt-sc a loja do sobrado n. 187 ra do
Coronel Suassuna, com 5 quartos. 2 salas, cosinba
(ora e quintal, por preci razoavcl ; a tratar na
na larga do Rosario n. 44.
== Marcoliii) de Souza Travassos declara que
deixou de ser reu eaixeiro desde 9 do corrente
Alfredo de Carvalhar Pacheco, e pede que nao
paguem ontas a elle. Recife, 26 de Janeiro de
mi.
Precisa-se de urna ama para cosinhar,
casa de pouca jamilia ; na ra do Bario da
toria n. 67.
de
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S. FRANCISCO
AVISO
FESTA DO CABO
DOMINGO 31 DO CORRENTE
ii.-in (reno ordinario-, de pasMagelroa haver o aeguinte trem
i'\ruraa entre a* ftlacOeM de Cinco l'oniiis e Cabo
GEHAL
Trem de excursilo
Ida (tarde)
Cinco-Pontas (partida)
Affogados
Boa-Viagem
Prazeres
Ilha
Ca1 o (chegada).
12
12.10
12.20
12.30
12.50
1.
Cabo
Ilha
Prazeres
Boa-Viagem
A ffogados
Cinco Pontas (chegada)
%"oHa (noite)
(partida)
9.30
9.45
10. 5
10.15
10.30
10.40
na,
LEILO
De lea-a terrea com sotilo e sitio murado c
arborisado. na estrada de Joo de Barros, defron-
te da estaeiodo Principe, 1 terreno aojlado com 90
palmos de (rente, 1 terreno no fundo com 4 mcias
aguas que renden. S6f, 2 casas terreas ra do
Ria .huelo as 50 e 52 que rendem 31$, 1 sobrado
no pateo do Terco n. 156 defronto ea matriz de
S. Jos, 1 casa terrea ra do Calabjuej u. 6..
Agente Brilto
Sexta-felra, do corrente
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 24
Agente Pestaa
fmb le
Bomemprego de capital
Seila feira do corrente
A'S 11 HORAS
No armazem da ra do Vigario Thenorio
n. 12
O agente Pestaa competentemente ^ autorisado
lsvar a le :3o os predios abaixo mencionados, os
quaes achain-se em perteito estado couservacao e
com calcadas de peoras de Lisboa tornando so re-
commendaveis pelos bons rendiment', o serem
vendidos livres e desembaracados de todos e qual-
quer onus.
Casa terrea sita a ra de Santa Thereza n. 19,
rendendo 222*000 annual.
Urna tu dita n. 21, rendendo 222000, urna
dita dita n 27, rendendo 222*000, urna dita dita
n. 40 rendendo 390*000.
Cujas canas tem bsm quintal e cacimba com
excellente agua.
Casas terreas sita a ra de Lombas Valentinas
ou'trora Aguas Verdes n. 4 rendendo 2700000 u.
7 rendendo 240*0u0, e n. 10 rendendo 24000O.
Casas tetraes sita ra da Palma n. 7 renden-
do 24OQQ0jd i ta dita n. 9 duas meias aguas ren-
dendo 144006\idem idem n. 11 rendendo 265J.
Casa terrea sita a roa do Calabout) Velho n.
6, rendendo 240*000.
Todas e.itas oasas se tornam recommendaveu
pelo seu bem estado de conservacio e uielhor ien-
d i ment.
Aluga-sc urna casa com sotea, na Crus das
Almas, frente de sitio do fallecido Tasso, par<
familia pequea ; a tratar na ra Primciro rV
Marco n. 2 >, loja dajoias.
Farinha de trigo nova e de
superior qualidade
Retalha-se em lotes
vontade do compra-
dores o carreg-amen*o
de farinha de trig*o em
saceos cheg*ado do Rio
da Prata pelo paque-
te ing-lez Ubbie H.
sl tratar no armazem,
ra do Commercio
Prero das passafen* no trem de excuro (incluMlve a taxa do governo)
Cinco Ponas Cabo, ida e volta
1.a claSse 2 O trem de excurso tomar passageiros as estajSes intermediarias os quaes
pagarao os presos das passagens dos trens ordinarios.
O trem de volta noite conduzir tambero os passageiros dos trens ordina-
rios, que d'elle se quizerem utilizar.
Os bilhetes einittidos para o trem de excursio n3o servom pira os trens or-
dinarios.
Cabo 27 de Janeiro de 1886.
Wells Hood.
_________________________ ______________ -^'pe-intendente
\s machinas de c stura
A1LA3 IV\TERS0N ir C
N. 44--Ri? i do Brum-N. 44
JUNTO A ES A^AO DOS BOiYDS
Tem para vender, por prc< mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldearlas.
CrivafSet de diversos tamanhi^
Rodas de espora, idem, idem
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portas de fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamcnto para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, S e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollcgadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, a ae tan hiaismo < bxec*^ qaalqua
r abalho com perfeiyo e presteza

floinesic
igantes, as mai
i tirios
..i- -
1 as wais ele-
ML e em todoi
d C^T?S*Sf^?m?.MC^' ?f".te*" O Cdolpfco wolfc rto labneMoantb 4
ae i tia da primalra qualidade, cuidadosamente ~^nih^i. a ik_______j__. iZ7irT
pel- -
\i 9ue
* fiomjjro. floto, doa-gidaveis muitas veo, perigosos produjidos no olomago
ntc c&colhida dos^mclhores producios d districto
los por pro
-*- ^m.'~rr. "-----t~,r~ ?~~--~ vuiuuuj*iiitiin: ummi ui5 memores productos d(
2Z?ZZ?V Pel" quahdade do pao, como Umbcm do fruclo do apante Enebro, e saopurificad
cea especal que expurga do espirito todas as partculas acres.
Como meio de evitar e comgir os efleitos desagradaveis e muii
s intesnnos por aguas eatranhas, o que acontece aos viajantes e as pessoas ni~a'limaladas7
OS "SCHNAPPS". AROMTICOS JE SCHIEDAM
DASE GEBAL sio recommendados com instancu pelos membros mais distinctos da profissao medical.
Una circular pedindo urna rigorosa prova e urna Infom
Quatro mil dos clnicos mais eminentes das Esi
exacta do resultado, accompannava cada
los Unidos promptamente resnondunni Sua
is iuci!ires
!>r de fo.is ob '.-tylos,
dirijaro
DOMESTI-: SKWING MA
HIWE & C.
"'O- To: V V. S. A.
n.
4.
2. leilao
Da armaySo e bons gneros do estabele-
cimento sito ra d'Apollo n. 33
O agente Brito competentemente autorisado
venderft era leilSo a referida armacio, e gneros
em um ou mais lotea, a vontade do* irs. preten-
dentes.
ahitado. 30 do corrente
A's 10 1/2 hora
AVISOS DIVERSOS
Precisase de urna professora para engenho
rju saiba tocar piano e mais trabalh j de senho
ra a tratar ua rna do Imperai'" % <'J, 1 andar,
com o Bhi'So de Kaiareth^_______ _
__ Os .baixo assignados, curador fiscal e de-
positario ila maesa fallida de Antonio Francisco
Corga, priivinem aos inquelinos das csas perten-
centtPs meama maesa, e situad s eui oyanna
que nao pagjem aluguel algum ao procurador
eouatituido pelo fallido, e cajos poden cess-.ram
pela abertura da fallencia, devidamenti; publica
da. 03 meemos inquelinos estilo responsave
pelos alaguis que pagarem indevid ente a dito
procurador, que proceden criminosamente reee-
bendo ditos alugueia. Becife, 21 dedezesnbro de
l885- r. ^
Dr. Ferrer.
Jos Fa istino Porto.
__ Esf i para alugar um bom sitio todo murado
e bastante arborisado. coai grande casa, sito
entrada Jo becco do Padre Inglez, difronte da
estacao do Caminbo Novo, perto da linba das
bonds d< Fi-mandes Vieiri. tem ngua e gas ; a
tratar no oi- lo Corpo Santo n. 25.
__ Aluga-se o 2- andar da casa n. 1 do pateo
do Terco, o 3- da de n. 3 ra da Penba, o I"
da de n. l:J a mesma ma, o 1- da de n. 18 ra
Direita, -' ^a ^e n" ^ meijiu ua, o 1
de n 35 travessa de S- Jote, o 1- da de n. 31
rua cs'n-iU do Rosario ; as terreas de ns. 41
i ra do BHDgd, '6 ra Duque de Caxias. I do
pateo do Terco, 27 roa de Loons Valentinas.
24 ra do AragJo, e a ca do n 3o ra da
Viracao : a Tatar na ra do Hospicio n. 3<.
__ Aliga-se a casa com sota, toda cafada e
pintada de novo, sita ra da Fundicil'i n. 8, coi
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mrquez i e
Olinda n. 8, lithographia. ______
AK.ga-se o ariuazem da ra do Mrquez de
Olinda n. 18 ; a tratar com Par nte Vianna &
Companhia
Aluga-se casas a 84U0H, no beeco dos Coe
hos, junto de 8. Goncalo : a tratar na ra da Im
peratriz n. 56.
Prjcisa-e a.ufar urna e sa espaoosa, com
agua e faz ; na ra da Imperatriz n. 35, segundo
andar.
FRANCFDRTS/MElN
PARS ^7> LONDRES
15Rueaeitci;quBrj /HAIdermaiiburvEC.
conhecids do mundo inteiro
como o melhor rosis pcrfoto
de todos os sabaos de toilette.
Especialidade.
Kstractos essenciaf triples
de. ebeiros. Agua de Colunia.
V inn^resd^tcilottc. Pos d'ar-
roz. Pommadas. Azcitcs to-
das clases de perfumaras finas.
Superiores quaiidades.
Depsitos nao prirxipaes Per-
lunarias, Pharmacias Cabel-
leireiros do Brazil.
Precisa-se de um criado
numero 4.
Criado
no largo do Mercado i
frande liquidacaO
de pllaa
17 Roa 'lo Baraa da Victoria 17
Exposieo universal -
'-r
i:: ":: \!
1
opiniao do ^g era^antoemenWfa'vori^^TJ^r^X responderam.
4rsa^p,^c^'neS^I^^^mOTra"h0d^1^^^^
D0LPH0 WOLTE'S SON &*C0., 9 BEAVEE STREET,
HEW-YOEX.y A.
&
^OftAPHIA AllBM
Oculista
Dr. Fcrreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Re-ife, 5 do Marco de 18S5.
Caixeiro
Pechinchas
>a leja das lisias azues
Ra Duque A Caxias n. 61
Beit*a da China, fazenda branca, berta,
para vestidos a 240 rs.
Leqaea & Joanlla. representando a'guns
actos da linda opeita a ) OOU.
I.ii cblot'BaR com fios de seda, com qua-
drinhos e lindas cores a 330 rs.
Cretone francezes, miudinhos. a 240 ra.
Chitas (alta novidade) fabricadas em S. Pau-
lo, cores finas e seguras a 240 rs.
Merino* infestados, de todas as cores, a
800 rs.
LcneoN branroN tnuito finos a 2/000 a
duzia.
(obertorpN encarnado com pequeo
deleito a 3/000.
Toalhntt arolcboadas a 21800 a duzia.
Daaasco de la intestado, para coberta e
reposteiro a 1/2O0 o covao.
Meias de urna s cor, para senboras e meni-
nas a 500 rs.
Rna Ruque de Caxias n. 1
Loja das lia ras azues
Club Litterario Cie-
gues Jnior
Rene-se hoje, 28, s 4 e meia horas da tarde,
em sessao ordinaria, o Club Diegues Jnior, fun-
dado entre os alumnos do Instituto Derenove de
Abril.
-< ^.nte w utt hb
.. yuiiU - ..... >an*nt '"plinidw
. io lf.; re do Bra-
. ...:-j til na conalesceoea im
i doeoeas; augmenta ransida-
:ii- t forras un indirida!
......m*jU i- ..-.-cute de oat
Ai.'juriimario. Um clice d'etfe)
.... mi.muU um bom bife. Aeha-
^c>oae!> i
Precisa se de um eaixeiro om pratica de mo
Ihados ; na ra de D. Mara Cesar n. 9.
-i
Amas
Precisa-se de urna ama para engommar somen-
te ii outra para servidos internos de tasa de fa-
milia ; a tratir na ra d) Bnm n. 68.
Ama
Precisa-se le mu urna para cosinbar
prar ; na ra 'I > i na .lesna n. 53.
e com-
Ama
Precisa-se de urna cosinheira ; na ra da
Imperat.-is a. 35, 2* andar.
Trecisa-Ei: id 1* ni 11- do sobrado B. f> da ra
do Kaugelde um.i mu para bu aprar e rraiahar
Taverna
Vende ee a melhor taveraa da e.straJa uova de
Agua-Pria, propria pura principiante, tem poucos
fundos e eoimo 3 para f.imii ; 8 tratar na
mi 'ama n. 7.
Che^arain
itroita do Rosario n. 2 os
bricante L-imeng, que s(
X) cala um.
Carrosa alta
Compra se urna cu duas rodas avulsas, e que es-
tejam nn b< m estado do seguranca ; na ra Nova
numero 13._________________
Ensino mystico
Offercee-ae urna professora para ensnar cm
casas partieplares, primeiras Ictiras, francs, llo-
res de pinno, msica, principios de msica e
oia.io ; a tratar no Caminho-Novo n. 128. Mesmo
fra da cidade, as arr.b.ildes, por preco modiej.
para a ra estroita do Rosario n. 2 os verJadeiros
Sueijos do fabricante Limeng, que se esto ven-
endo a 34000 cala um.
20#000
Aluga-se a casa n B da ra do Kiachuello
(antiga do Destino) na Boa-Vista ; a de n. F no
mesaio correr, por 16/ ; a de n. 32 na traversa do
Preitas, em 8. Jos, por 12/ ; as chaves acham se
junto para ver, e trata se na ra da Guia n. 62,
B>eife.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1/400, 1/600, 11800 e 2 o covado
Alhero & C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
detn muto bons merinos pretos pelo preco cima
dito. pechincha : na loja da esquina do bec-
co dos Perreiros.
spartilhos
A 5g000
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons spartilhos para scnhora, pelo preco
de 5/000, sssim como um sortimeuto de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
As cazinbas
da Palma.
A loga-se barato
ns. 4, 6, 8, 10 e 16 do becco da ra
;Y>)
Hanoel Jos dos Sauos
Pastoura The< drica dos Santos e seus filhos,
Mauo-.l Jos dos Santos, Jos Seraphim dos San
tos, Jo5o dos Santos, Antonia dos Santos, Pastou-
ra T. d.s Santos, Aquilina A. dos Santos, Mara
P. dos Santos, Julia dos Santos Chacn, Elvira
des Santos Souza e sena genros Joaquim Marian-
no de Souza, Jos Chacn, scu cun.hado (aueente)
clinhadas e seus prenles, agradecem cordealmon-
te a todas as pessoas que acompanharam os r'-stoj
mortaes de seu sempre lenibrado e estimado esp
so, pai, sogro e cunhado, c de novo os convidum
para assitir.'tn s missas que mandaui rtzar na
matriz do Corpo Shui, segunda-feira. Io de Peve-
eiro, As 7 e 12 horas da inanha ; pelo que an'e-
ripam ma et'roa gratidilo._________________^^^
i-Ma^BaaaaaaaaaaaMaBVVBBaVaVVVVaaaaaaaaa'
possoal do prolongamento la istrada du
ferro do Recife ao S. Francisco e estrada de ferro
doRecife Caruani, mt.nd.i celebrar missas na
matriz da Boa Vista, no dia 29 do corrente, s 7
1|2 horas da inanbS, pelo de canso eterno de seu
companheiro Francisco de Assis Castro e Sva
stimo dii do fallecimento. Convida os prenles
e amigoj do finado para assistirem a esse acto de
relirilo e cawdade.
Este i purUnte isinb -I.; im- i.to de rc-iojoaiia,
fundado em 1860, est funecionando 8g(ra ra
larga do Koaario n. 9.
O seu pr<->pri?iain>, l.i o rcgalamea-
to dos relogies do arsenal de niaiiaha, dii compa-
uliia dos tr.lhos urbunos do Recife Olinda e Be-
beiibe, da do Recio Caxang/, na estrada de
ferro de Caruu da c-jmpniliia ferro-carril de
pTnambuco, da ataiciafaa eomaiereial b.n^ficen-
te b da estrada de ferro do Limociro, cercado de
ir.telligcntes c habe s auxiliares, o-ncerta e fa-
brica qualquer pev.i jara relogios de algibeira,
de parede, de tories de igreja, chronimetros ma-
rtimos (dandoa marcha), caizaa de msica, ap
pirelhos elctricos telephjnicos.
Contina a ezercer a sua profissao com zelo e
interesas de que sempre deu pn>vas no respei-
tav el publico e aos seus collegus, e vende forne-
cimento de qualquer qualidade.
m frente de seu estabelecinn uto se acba col
locado um relogio, cajos mostradores tambem po-
derao ser vistos pelos passageiros da ferro-carril,
tendosemprealIOHA MEDIA DESTA CIDADE,
detcrmiadns pelas suaa ooterva^ocs astronorai-
aas. Ra lirga do Rosario n 9.
Antonio Jos da dista Araujo.
A Vnteaa Ven-dtuteira*
6U&AS DEPUTIYAS rDDOBiOAS do IF 6IBE1T
Conitaium o melaor e o aun ayradaTal, actro econooMa
lodo* o dflaaraliTo* conheci4o&___
cuarsus nnaooHriAK (o ara oXaroaa) Auiintluru tm tintt mtrntn ffrt
1 Wtmft Hile, am lint* anrl, 40 torno frtncv.
AL.BEET0 HE1NSCHEL & C.
:-2-l.l'.a DO BARIO l)\ VICT0R14-42
O aba>xo assignado tem a honra de participar ao r-speitavel publico d'esta
capital e do interior, que reassumio a gerencia d'este grande e bern conceituado esta-
beleci ment, onde j por longos annos tem oceupado o mesmo lugar.
As Exmas. familias e pessoas que desejarera hnralo cora snas encommendaa
encontrarSo all os mais modernos o aperfeijoados trabalhos concernentea a art
photographica e modicidado nos precos.
C. jBarza,
Gerente.
mit
JOSEPH KRAUSE a* D.
Acabam de augmentar o sen j bem conhecido
importante estabeleeimento ra i
de marf o n. 6 com mais
am sahlo no Io andar Inxnosamente popar
rado e prvido de orna exposi*
IfcM &r*s de prata fe Porto tfcl^i
dos mais afamados fabricjwtes de
mnndo inteiro.
Convida, pois, as Exmas. familias, sens nnme- 1
rosos amibos e, frepezes a visitaren) %I
o sen estabeleeimento, alim de
apreciarem a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran), em honra
desta provincia.
ACHA-SE ABERTO DAS 1 A'S 8 DA IDUS
COW VITE
^
4
sr
TINTURARA
OTTO SCHWEIDER

SCCESSOR
Mlliias de Albuquerque n. 2S
(ARTIGARLA DAS FLORES)
Tinge e limpa com a raaior perfeicSo toda a qualidade de estofo, e fazendai
em peca ou em obras, chapeos de feltro ou de palha, tira o mofo das faaendas; todo o
trabalho eito por meio de machinismo aperfeicoado, at hoje conhecido.
Tintura preta as ter9as e sextas-feiras.
Tinta de cores e lavagem todos os das.









Diario de Pcrnambuco((ninta-feira 28 de Janeiro de 1886
Aluga-se
8- e 3- anda!' do sobrado roa do Brum
Alip-setihirilo
9 1.' e 2.* andar & travessa do Caro pe lo n. 1
O armazem e o 1." andar da ra do Bom Jesui
a. 47.
O 1.a andar di travesea do Carme n. 10.
A loja da roa do Calabouoo n. 4.
A casa da ron da Palma n. 11.
a. casa da ra de Lomas Valentina n. 7.
A casa da ruii da Ponte Velba n, 22.
A easa da Ba xa Verde n. 1 B Capunga
A tratar no Largo do Corpo Santo n. 19,1* an-
dar.
Aluga-se
e segundo andar da ra da Imperatriz n. 24 ; a
testar na Agencia Progresaba, praca de D. Pedro
Ha. 73.
Aluga-se
o primeiro andar do predio n. 30 ra Duque de
Caxias, e as casas terreas na ra do Coronel Suas
ana n. 51 e 5i! ; a tratar na ra Duque de Ca-
xias (antiga da.; Cruzes) n. 30, 2- andar, ou na
sedara.
t\luga-se
segundo andar da ra da Imperatriz n. 24 ; a
tratar na agencia pro, ressiva, praca de D. Pe
dro II n. 73.
MIGUEl. WOLFF & C
Participan! ao res
peitavel publico, que
continala ter un sor-
limento de joias das
mais modernas e don
mais apurados g-ostos.
Comproinetkiui-se
a vender mais barato
do que em outra qual-
quer parte. ^
n Pahnfr i j
Preoaraco de Productos Vegetaes
extin$oTas caspas
e outras Molestias Capillares.
JV1ARTI NS~&~BASTOS
Periuimhneo
R. DE IHU SI\A k C.
Rea do Bom-Jssns i. 18
(ANTIGA DA CRUZ)
Casa de commissocs
Grande e variado sortimento de amos-
cae e catlogos de prodceles da Allem;
Uta, frailea, Inglatera, Austria, Heepanh.
^alia, e Estadofyr^s.
t. B. Informacoes sobre machinismob
friclas, ditas p^ra etjgenhoa centraes-
lombas, etc cara imWdaa, a, .nutras m,
ninas e utensilios
Casa na Torre
Aluga-se urna casa na ra do Rio, cm bons
commodos e bastante fresca ; a tratar na roa lar-
ga do Rosario n. 34, pharmacU.
ProfVssora
Offerece-se urna pr fessora para leccionar em
alguna collegios e casas particulares as seguintes
Beateras : portuguez, francs, msica e piano ; a
tratar na ra do Marques do Herval n. 20.
Precisa-se de urna ama para todos os servicos
de doas pessoas ; na ra Imperial n. 200-C.
Precisa-se de urna ama para engommar : na
Capunga (antiga ra da Ventura; n. 3.
Ama
Precisa-se de uina ama qne saiba engommar e
coser; na raa de Riachuelo n. 57, portao de
ferro.
Y
Ama
No largo do Ccrpo Santo n. 19, 2 andar, pre-
isa-se de urna ama boa coeinheira, que durma em
casa e d pessoa que abone sua conducta.
Ama
Precisa-se de una perteita coainheira para casa
de pequea familia no Monteiro ; a tratar na ra
da C'abug n. 14, 1 andar, de meio dia as 3 da
tarde.
Aura
Precisa-se de urna ama para andar com urna
enina ; na na do Imperador n. 17, 2- andar.
.%ML-%
Precisa-se de urna ama para cosinbar com-
prar, para casa de familia : na ra do Visconde
de (oyanna n. 139.
Precisa-se de urna para cozinha, porm que
durma em casa; a tratar ra do Mrquez de
Olinda n. 6_________________
Ama
Precisa-se d; urna ama para cosinha na ra
do Visconde de Albuquerque n. 24, sobrado.
Vende-se
doce de caj s'cco ; na ra de S. Jos n. 16.
Engommadeira
Precisa-se de urna engommadeira que tome
conts da roupa de urna pequea familia, parir la
Tar e engommar em sua casa, por ajuste mensal ;
a tratar no pateo do Carmo n. 18, 2- andar.
Compra-se e paga-
se mais do que em ou-
tra qualquer parte, bem
como
MOEDAS
de qualquer qiytUd^de.
Xa ra do Impcra*
dor il32. toja d* joias
ulio Fuerslenkyg
Caixeir*
Precisa-se de um menino com pratica on sem
ila ; na roa do Aiago n. 17.
rosiuheiro j
Precisase de um cjinheiro a tratar na rus
de Paysand n. 19 (Passagem da Magdalena), ou
ra do Commercio n. 44.
WGUEL WOlFf & C.
Offerec'^m ao respei-
tavel pub co um gran -
de e variad sortimen-
to de relogiosdos mais
acreditados fabrican-
tes, ese acham habili-
tados a vender mais
barato do que outro
qualquer, visto rec-
berm directamente.
Todos os relogios
."endidos nesta casa
sao garantidos.
Ra h Catm i. k
"Diario de Peniamtaco"
de de Janeiro deste
ilHIIO
Compra-se no arma-
zem de moldados ra
da Ponte-Velha n. 54.
Ao publico
Urna senbora habilitada se offerece leccionar
prmeiras Iettras e trabalhos de agulha em colle-
gios ou em casas particulares ; quem de seus
prestimos precisar, pode dirigirse roa do Co-
ronel Suassana n. 72.
Casa para orada
Precisare alugar unja casa que tenha bons
commodos. agua e gaz, e que tenha jUiDtal ; nes-
ta typorraphia se dir quem queir .-
Escola par aar
De iiisriicoo primaria para o
sexo masculino
34 BA DA matbz da boa visca 34
O abaizo aasignado participa ao Ilustrado pu-
blico desta capital, que abri sua escola particular
de inatruccao primaria para o sexo masculino,
ra da Matriz da Boa-Vista n. 34, onde esmerada-
mente se dedica ao ensinu de seus alumnos.
O grao da escola consta: 1er, eacrever e contar,
desenlio linear, historia patria e nocoes de trances.
Garante um rpido adiantamento em seus alum-
nos, pelo seu systema de ensino, o qual urna pa-
ciencia Ilimitada, um amor involavel e urna es-
merada dedicaco ao ensino, fasendo com que os
seus decipulos abracem e amem de coracao as le-
tras, nos livros, e ao estudo, guiando-os no cami-
nho da inteligencia, da honra e da dignidade,
afim de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religiilo, e da le, e um verdadeiro
cidado brasileiro.
Espera, pois, merecer a confianca e a proteccao
do distincto povo pernambucanc, e em particilar
tem f robusta em todos os pais e tutores de me-
ninos que queiram aproveitar um rpido adianta-
mento de seus filhos e tutelados.
Comquanto ousada aeja esta tentativa, todavia
espera que os seus incansaveis egorcos, e os seus
puros desejos, sejam coroadoa com a feliz appro-
vacao de todos os filhos do Impe.-io da -Santa Cruz.
Mensalidade24000 psgos adiantados, no acto
da matricula.
Horariodas 9 horas da manb as 2 da tarde.
Recebe meninos internos e meia-pensioniatas por
mensalidtdes razoaveis e lecciona por casas parti-
culares a ambos os sexos.
aullo loares 4e A/o vedo
34-BlA PA MATBZ DA BOAVI8TA-34
Luvas
x'kbrica se uur medidas, em 2 horas, perfeicao
presos moqjcos, elegancia, material de superior
qualidade : ra do Cabqgi n. 7, 1 andar.
Leonor Porto
Ba do imperador n. 44
Primeiro andar
Contina a ejecutar os mais difficeis
figurinos receidos de Londres, Paria,
Lisboa e Rio de Janeiro.
' ) Prima em perfeicao de costosa, sm bre-
(( vidade, modicidade em pcecos e fino
COLLARES ftOTEE
Hsstro-Maenstaoss
Dea "t Jaras majan J daoUfl" ssatn o
ooirvi7i,aKS
I MU MCaUttl WTa>l MI UUIUS
'osCOLLAREi OTIM.awhsaKai ka asis
dem axuMO, aio os aioM que prr 4o
I realmeau a* crtwaOM das- CON V U C $*S
'ajuimmMo av> aman Umpo UmiicJo,
--------------------- Para evita aa Fnla|flin|ln m llti|ln, cana-* m. i.
""
w*^.l_!';
a v*r*
. tortea o* J^sta-vlatfa, gsbaltalretri
* Pr-uio* i *o Bztrangedro
, Pertonaiata
I^Jfc.CiJ. 6. liuA 4fl la P<* O, S
BRONCHITCS, TOSSES, Catarros Pulmonares,
DEFLUXOS, Molestias do Peito, TSICA, Asmas
CUBA RPIDA 8 CERTA PILAS
Gottas Ljvoniennes!
13
TROUU Ji'T:E-IP__3jI:2E2.:3T
CMM CBBOtOTh M /-,,,. iCATXo -U MUMMOA e fASAMO de TOLO
Este preparado, iuallivel para curar radicalmente todas as Molestias) das Vas
respiratorias, recommsndado pelas Notabilidades medicas como o nico efflcas
o unioo madiciTiento que alem de nao fatigar o estomago, o fortifica, rtconstitue e despsrta
o tpfMtif : duas gottaa pela manhi e i tarde baatam para triumphar dos casos mais rebeldes. ',
DEVE-SE EXIGIR O SELLO DE GARANTA DO OOVERMO rRAMCE*
Depasito principal: TROUETTE-PERRET, 165, ni Saiit-Aitoiie, PABIS
Em i avawaawfeetM ; Francisco m. da silva & cu, e as pr.ndpaes Pharmaciaa.
Exigir o sello
Frtnoei.
S0LUCA0 C0IRRE
AO CHLORriYDRO-PHOSPHATO DE CAL
Exigir o sallo
Frantti.
O mais paaao do reooaatttalntea adoptaao por todos os Medios da Europa !_
rrmquet* eral. Anemia, CMorosu, risica, Cacheata, SscrofUiat, SaehUitmo, borneas
tos ossos, Crescimenlo diftlc das crianzas, Pasito, Dyspepsias.
ririM^OIRREJ1!" ,29, ni\U Ckerche-lidi. Bsswius tu pruciuii Psamamat.
O*" LAROZE "O
ao
LAROZE
Xarope ie Casca de Laranja amarga
IODURETO de POTASSIO
APPROVADO PELA JUNTA DB HYOIEN DO BRAZtt
Todo o mundo conhece as proprieda-
des do Iodureto de potassio. Os mais
distinclos mdicos da Faculdade de medi-
cina de Pars, e principalmente os Srs
Dres Ricord, blanche, Thoussrau.
NftLATON, PlORRY, ROGBR, ObliuerO OS
melhores resultados no tratamento das
atfecodes escrophulosas, lymphati-
caa. oancrosas, tuberculosas, nos da
carie dos ossos, doa tumores bran-
cos, da papeira ou bocio, das mo-
lestias obronicas da. palle, da^^rura
do tangue, dos accidentes oecunda-
rioa e terciarios da syphilis, etc.
Este agente poderoso administrado em
soluco com agua, tem por inconveniente
o irritar a mucosa do estomago e deter-
minar accessos gaslralgicos.
Em vista (Pisto, os mdicos cima men-
cionados, oscomerao por excipiente d'este
faino-o remedio, o xarope de casca
de laranja amarga de Laroze, o qual,
por sua a-cao tnica sobre os orgos do
apparelho digestivo, facilita a absorpcao
de iodureto de potassio, previne qual-
quer irritacao e permitte qne se continu
o tratamento sem temor de nenhum
accidente at completo restabeleclmento.
Jfoe masmos depsitos aohfto-se os seguintes productos de J.-P. T^arore:
XftflOK imU2Z2*TNICO, ANTI-NERVOSO
Coatra w Gaatrltos, Oastrala'. Dypepsia, Doro e Ctlmhra d tomago.
XAROPE SEDATIVO.a^i.^4'BR0MURET0 DE POTASSIO
Contra Epilepsia. Hyaterloo, Dansa de 8. Guy, Inaomnla das Criancas durante a daiKioflo.
XAROPE FERRUGINOSO e;Sal,PROTO-IODURETOd.FERRO
Caaln a Anemia, Chtoro-Anamla. Cores paludas, Flores brancas, Rachitlamo.
gtpotiU m tedas u bou oguiu de gniil
Parle, J.-P. LAROZE e C1*, Pharmaceuticoa
. RU OS UONS SAINT-PAUL, 2
mmi i M'tyaxan

A PEPT0NA
#iaaai m
Baaa*>aedo*lMBGdaPrl.'OMA
prafirido par SOM& de Fans, uiu
medicamentoqae moito cantriaua (ara U-
llar at fu neceas lo estomago, a raf alaria* a
2'*5f*> Of.J.eiB Je .'aTvracsr a aattnea
Sinnumere a eipeeatia feila< palos
t- jatamsijoa sdicos e Parit utroi
faies dsmcnslrara* aefnAaeiadoVUfHO
DE PEPTONA DBFRESlTfl, na im-
i ajaatbilidide em que eatarr^M de "-produiJr <
todas as seas cartas, liimtaaae-iaos a apre-
senlsr uui a arU dirigida 90 S&r Defrasr.
. par aoi facaliativo, cujo uoaae a a fama af*
,be*a conherktoa pelo mundo laiaal
Ms o > lalaet ao 3ak Debasae:
enlii, a le Mafco de 18*
( leato foato da Iba amilanar a aa-
'.israeio qec uve com mi Paateaa, paHa
teas resltadofi qae co ella alcaneaao*
< Moa graves em q-ue a taaho en pregado.
Semore quando uve de bata uaa aasa-
ssafe canaadA, doeote ou eom vas difet-
tes. a aaa preparacac allvvioa o
1 jwu, -aeran raa a-lhe aa funecoea iHseall
vas, ^ ataMaa atnlberes iduaas, oatrc
inicas ( menino raeniucoa asTsas a
* aucV ae a\ da Paatona. Por issv, i tu
considero coa um verdadeiro devar e re 4
com mendai-o. os meas oestes n'mr) (rende'.
numero de ca^
Tcisnopratieado com medico(nUeada-
rssle ee annoa de 1811 a 1800, pirioio sea
trae a aec^aidade de diferir os alioteaios,
, Lr.niediatament aonsaaudos ere menos m-
o.-iosa lo que boje; entao ar conatittaiede*
e.-ain saais vigorosas, asagalnea. eaei-gicas
> delato 4'um robaste appetna. favon radas
frer ama fraude akunda-jrii da suecas aaa>
(Mea* ',*i arovoeava a prompta tranafok'aaa-
eak. doa aaMr.entos saais refractarios.
: Hoja, porm. i que os estmagos deeili-
Uloa eareeem de eacrgia, 6 nnnvaraata.
Ucear meo de todas ar substancie! reja h-
dKUsn a digestao, oosno, ajar ntmt&i, ae
aa PaacraAioa.
t O preoelto de bjgiane saais impelais,
l.orm msis deapresa/e 6 esta : Gatar
mudo para rmoornr ntuit*. E este e ae-
greo 4a aude, e dorante muite tempr ot
-i- c>t"' -A)t. objecto; alm d'iasn, 1 umba ai>
"Tu cib de medico na Repai tifio de BeneA-
cencia (Testa cidade. em oue os tacrefuloaoe
e Ivmpha tieoc sbundam fora de aaedieU me
permtese tasar muttu febles tpplicacea
de seus eiceifentes productos. *
aclia-se o deposito de to vah<-*o asadl-
cemento sm Pharmaciaa e Orofaria; Teeaa
cidade E' ^reMO cuidar eto recoi*iece-e
e aie iceitsr as imitaoSea. axiginlo oaS
vimub oaaramiif1 ;
GRAGEAS
d'Extreiffls Depuratyasj
m lowMsro d$ MTttm
do Ooutor O UCOUX de P0ITIEAS
Regenerar o sangre depnrando-p. thser
desapperece? oe vesugioa que ordinaria-
mente delzam as Koir*Ua* iiiigng(iaag B;
paralyaar a acoso do av*reurlo, se tlver
sido empregado, eipelll!.ao-o da economa,
aio oa principase effeitos d'eate precioso
depurativo que as JMeadiaM et/jaSmj.
tiiuo, o tomplor>ento de todo tratamento
de *Jerrif*nto*. iiarve para nieservar doe
Ae*4ts**vset aee*MvJa*'Veoj t miarlo*,
que cura se exlstlreni.- r-iui-regam-se estas
Grageas com vantagem nos JthrttmaSio-
ae a. MoUttUsodt PmlloiEot rofUloomt
DBPOB1TOS OKBAitki :
3a AEIS, 209,ra .tala.
Em 'rVraeB anea 1
'BA TT- l:. da SILVA. O"
iaie>0aTWeri
J
P91- STiAS
g__
Ama, Catarro
OTTKusV. 0TJa.
OM1 O /BkVAMO DOS
(Qranulos Animoniaes!
r PAFiLLAUB
ktasn* anemtl O iaiwila i sMaoMat fst.
aajainsB /U Jaita aa Biiim BmTL
geie-w t*t~r aocre cada fraseo os nocs* >
x, icousNiaa es l. tiillavs
(V'f lt0USNIR, m* aAIJM (ru-).
eSiOBlTOb AS fF-y^OUSa PHARM.iClA.S.
roneZed
QLU)
outra as
lu: Tost*
eom-t/li O iis,Constiba(6tst
filil" 1
, me nror.o', 22, -. em PJian
Eite remedio precioso tem gozado da acceita-
eSo publica durante cincoenta e sete sumos, eom-
ecando-se a sua manufactura e venda em 18*7.
Sua popularidade e venda nunca forlo to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
offerece a melhor prova da sua efficacia maravll-
hosa.
No hesitamos a dizer que nao tem deitado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em adultos, que se acharo amio
tos destes kiimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaofies de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificaces, de
son que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
Ventfu([OieB.lFAHNESTOCK.
Cautelas do Monte de Soccorro
Compram-se na ra estreita do Rosario n. 2.
Cosinheiro ou cos.nl.eira
Pre:isa se de um bom cosinheiro ou urna
coainheira ; a tratar nu ra do Apollo n. 80,
andar, das 10 horas da manha s i da tarde.
Casas para alugar-se^
Aluga-se um sitio na Torre, com boa casa para
morada, muitas fructeiras, baiza para capim, e a
casa terrea da ra do Coronel Suassuna n. 240,
com bons commodos ; a tratar na ra Primeiro de
Marco n. 17, 1- andar.
Os abaixo assignados, tendo adoptado e regis-
trado a marca industrial como do desenlio i-cima
ve coL'formidade com as prescripcoes das leia em
igor declaram ao publico e particularmente aos
tena numerosos fregueses, qie d'ora em diante
odos os froductos qce abirem de sua botica le-
vanto a alta marea como garanta de sua ori)
0 legitima procedencia.
Rouquay. t.l Freres
origem
Perfumi


roa c;
iTplllll >.i_'c : I
Ole.1
Pomada 1 t 1
Cosmtico
Bri'.:!.-.,. 14 (
Por.
TINGIR A
Barba eos Cabellos
tintura lin.'e a barba e os cabelles instan-
aneamento, rlaod > Ibes ama bonita cor preta e
natural, inofensiva o seu uso c simples e muito
rpido; vinde-ae na BOT CA FRANCEZA e
DROGARA de Rouquajrol Freres, successores
ie A. CAORS, roa do Bom Jess, antiga di Cruz,
mmero 22.
Para ad yogado
Aluga-se a sala da frente do 1 andar da casa
ra Duque de Caxias n. 61 ; a 'rutar Da mesma.
t
Manuel inionlo toare da Fonseca
D. Cosma Maris da Fonseca, sena filhos e gen-
roe, agTadecem cordialmeote a tedas as pessoas
que se dignaram acompanhar os restos mortaes de
seu presado esposo, pai e sogro Manoel Antonio
Soares da Fonseca, e de novo os convidam para
asaiatir s missas do trigsimo dia que por sua
alma mandam celebrar as 8 horas da manha do
dia 30 do corrente, na matriz de Nossa Senbera
da Conceico no Bonito e na igreja do Espirito-
Santo, d'esta cidade, mesma hora ; por este acto
de religio d'esde j se confessam soturnamente
n grade^dos
f
Francisco das Cbagas <.oncaln-a
Mara da Conceico Goucalves, Antonio R. de
Alcntara, J0S0 G. de Medeiros, Joio A. Paes de
Vasconcelos, Manoel Lopes Ribeiro, Francisco
A. de Oliveira, mi e companheiros de finado,
mandam resar urna mise na igreja da Santa Cruz
no dia 29 do correute, s 6 horas da manhi, s-
timo dia do sen paasamento, e para este fim con-
vidam aos seno carentes e amigos assistiremn'as,
eonfesaande -sw dpsde j extremamente gratos.
>'

*w
y r

xY
Thom Augusto da Silva Villar
E8te senhor veio a Pernambuco votar, mas nao
se lembrou de fazer entrega dos movis que se
acha de posse deade que d'aqui desappareceu e
como tem da proceder 2* escrutinio, provavel
que venha outra vez votar e ae desta vez nao fizer
entrega contar-se-ha ao publico o que fez com re-
laco a este negocio.
-^~
Tricofero
de Barry,
*ai|?
Mi
'//AlUaVi"
!:nrnnrp-P tiup
wx creaKer o
CABELLO
alada niesnio i a-t raberas
mala calva*, beui couio (jnft
cura radicalmente
a TlriHA e a CASPA.
Positivamente impede s
ueda e o erabranqaecimentff
o CABELLO c era todos os ca-
sos o torna invariavelmentt
Hacio, B-ilhante, I'ormoso r
Abundante
Era usoh&m&lsdcottenuannoi
6 tero malor vemla qim nrnhuir
ont'- nrcpnnd'j para o cabello clt
too__amado. 4
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segundo a formula
original usada pelo inventor ao
I auno de 1829.
Tem duas vezes mais Fragrancia
que qualquer outra.
Dura duas vezes mais tempo.
E'muite mais rica de perfume 0
mais suave.
E'muito mais Fina o Delicada.
Tem dobrada_forca Refrescativa e
Tnica no Banho.
Fortalece ao Deb'le ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca e os des-
maios. ;
E'rrvuitissimo Superior a todas as
outras Aguas Floridas Actual-
mente a venda.
J
De8coberta Importantissima.
Puro Oleo de Figario de Bacalhao
COM
IODURETO DE FERRO/
DE
Barclay & Gompanhii t
Cnra radicalmente e com seguran^aos peores casos
de Phthlafca, Escrofulue, RheurnatisnaJ, as doenou
da K-iinhn >irsa], dos Qtiadrid e dosOseox, asn-'
.iammayovs do Fisr.ido. do Bacp e do Utro, tic., etc.,*
e reati tue no corpiVnfraunecio e fatigado o sea pri-,
j-.ntivo visor e arredondado os contornos. E' certa-
mente uina exaude defcoberla o Paro Oleo da
filiado de Ifacalliao com Iodureto aVej
Ferrode Barclay te Ca., Tiwv York. -^
Xarope de Vida-
de Reuter No. 1.
DEPURATIVO E PURGANTE.
Este novo e admiravel purificador'do
sangue acta sobre os intestinos
o ligado, os rinsVa pelle.T
E*cu ra i nfal 11 vel contra a Debilidad*.
Nervosa, as Dores de Ca beoe, a Dys-,
pepsia as Sezoes, e contra as doen-1
cas de origem Miasmtica ou occar,
alonadas por desorden do flgado
ou pobreza s imnureie do sangue."f
CAMIMIOS BE PEKiiO
PftBTATEIS
DE
&
Francisco de Aasls Castro e
Silva
D. Lucma Xavier da Fonseca Castro e seus fi-
lhos, Manoel do Nascimento Ferreira Castro, Joo
FBcundo de Castro Meneses, Domingos Jos de
Castro e Silva, Etelvira de Castro Feraaira e sua
filha, Josephina Leopoldina de Castro, Joo Fe-
liz Pereira e ana esposa, Siasplicio Foaseca e ana
esposa, agradecem eordialmente todas as pes-
soas que acompanbaram at a ultima morada os
restos mortaes de seu seinpre chorado esposo, pai,
icmo e cunbado, e de novo as cwsidam para as
aistirem as missas que mandam resar uas matri-
zes na Boa- Vista desta cidade e da cidade de Pe-
mares, quinta fera 28 do corrate, s 7 lj2 horas
da manh, pelo que antecipam saa eterna gra-
i i: i k i \ i; i. i, v x
Constru torea do rnulhor material para
caminhos de tWro iaduatriaes. Fornecedo-
res dos Arsenaes e caiuiuhos de ferro do
estado belga, do Goveroo colonial das In-
dias Neerlandesas, etc., etc., etc., etc.
Vas frreas portatis -desmon-
tareis fixas, trilhos de ferro e de ac, por
procos inferiores aa de qualquer outro aya-
tama, sendo maia duraveis e miis prat-
<508.
Pequeas lacomotivas wago-
uetes especiaes prra fabricas, explorarle
agrcolas, aterros, minas e engeahos de
ausucar.
Estabelecidas no centro de utn paiz que
produz ferro e ac as mais econmicas
loondijSes, as oficinas de Verharren & dt
Jager, alin da sua situayao em uina loca-
idade onde a mao do obra barata, go-
sam da vantagnm de ter una organiaaclo
seria e especial para a construcaao de oa-
minhos de ferro ao alcance do todos. O
seus presos desafiam a qualquer concur-
rencia.
Para intormacijes circumstanciadaa diri-
jam-se a
Theo. elUSt
2 LABQO DO COBPO SANTO 2.
Remettem se catlogos Ilustrados quena
pedir.
CONTRA
A TOSSE
JOTAES
l n'm kcsimenia auctorisado
pelo gov-i,:, J Pyrlu^iL e ajinroTa-
oo p i de saude do matras
I- pmi de etidanciada aanasB-
em repetidas obsen-acoss nos
ii.i.-piUe uBiciaes.
Caiirf rrasi:o esU icompanhado se
um Hiifip \-r, ooai as observacoea doe
(i iiiciiy^ jueilicos de Liiho*, reeo-
uiK^das pi04 Qjalulas o rsa
^


Diario de Prnambuco quinta-feira 28 de Janeiro de 1*86
Cusinheira
Precita-se de urna cob iheira que engomm.
bem e iiihhdop, e que nio durma fra, para casa
de pouc familia ; na placa do Conde d'Ea n. 30,
tercsiro andar
Attenco
Pede-se no Sr. subdelegado da freguesia da
Boa-Vista que lance toas vistas- pan oa abusos
que e dio no la'ge do Geriquiti, prineiplmente
as noitea de aabbado para domingo, tendo una
casa de bebidas espirituosas fas com que se d
todos os ubusos escandalosos, a ponto de andar-se
com armas prohibidas em panno dorante toda a
noite, com serenatas de toques, isto escndalo
no meio de urna cidade, qne incommoda toda a
visinhama os taes dssordeiros do socego ; portante
pede-se providencias a qnem competir.
O amigo do sooego.
Cosinheiro
Na ra do Vicario n. 17, so precisa de um co
sinbeiro.
Mine. IHiquelioa
Recee constantementeda Earora
u variado sortnto de ciape 1-
s cMpuospard sin, o une
, encarrega-sa
f!
Rna Prlmelro de Mareen. IV
Junto :'i Botina Maravilhosa
w
!
(
-

Rap Paulo Cordeire
Novo forneoedor, sem competencia em preco,
veade-se ra do Mrquez de Olinda n. 50, mer
cearia dos Srs, Braga Gomes & C, e a 1^500 a
libra._____________________________________
Sem competencia
Farioba de milbo, propria para papas, bolos,
pao e cuscus, di' para ang, maesa de mandioca
uito bem preparada para bolos e papas, vnde-
se por preco ruzoavel ; na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 3.
GosMaraoao ao Norte
Em vista dos gmnd-s progressos da IDEIA de
3ne se glorim as nacoes civilisadas, o commercio
eve acuui|.anhar esse rogresso, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimento das
nacoes ; em vista do que annunciam
MARTINS CAPITO 4C.
1 Ra Eetreita do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticios, a
escolha dos quaes, os annunciantes tm sempre o
tnaior cuidado, para bem servir os seas numero-
sos fregueses. Lembramos, pois, o proverbio :
Quem n Jo experimenta, nao sabe
Vanbam ver pois:
Queijos, flamengo, suisso, etc.
Dito do serto.
Fiambres ingleses.
Chocolate francs Menier.
Dito do Maranh&o.
Fructos seceos, como :
Paisas, amendoas, figos, etc.
Ditas nacionaes.
Doce de todas as qaslidades.
Bolachinha inglesa.
Semen tes novas de hortalicas
Especialidades em :
Vinhos finos do Porto.
Ditos da Figueira.
Cognac de diversos autores.
Vinhos tnicos como :
Absinths.
Vermonth, etc.
Licores de todas as qualidades.
Champagne.
Cerveja de diversas marcas.
Bem assim :
Ararnta fina em pacotes.
Cha verde e preto.
Dito perola.
Espeeialissimo mato do Paran, em p.
Ainda mais :
Formicida Capanema.
Oleo de mocot.
Azeite de peixe.
As cozinheiras
Leques nacionaes (abanos) para cosinha a t> c
milheiro.
E todos os gneros eoncernentes a este ramo t
negocio.
Encontram-se no armasem de molhados de
Quem (en ?
Onr e prala : compra se ouro, prata e
pedras preciosas, por maior preco qne em outra
qualquer parte ; no 1 andar n. 'Si a ra larga du
Kosario, antiga dos Quarteis, das 10 horas as 2 da
tarde, dina uteis.
Mr. 4h
0 8r. Jomo Caval'ante Mauricio Wanderley.
libo do Eiui. Sr. Bario de Tracanhem, qncir.
'ir on man I ir ra Duque de Cusas 7d, con
luir o negueio que ;;io ignora.
Collegio **arthenon
Este collegio acha-sc aberto ra Velha n. 40,
e reeebe a nmns i.iternos, semi-internos e exter-
nos.O director,
Ovidio Alves Mauaiu.
Mudanza
Correia & C. Snccessores mudaram seu escrip-
torio para a ra do Bom Jess a. 14.
Trausfereflola
A rita que tinha de con-er com a ultima lote-
ra de Janeiro, foi tranferida para a sexta lotera
de fevereiro do corrente anno.
Escola los pobres
O professor particular, abaixo assi nado, abri
em seu collegio ra da Matriz da Boa Asta n.
34, um curso primario gratuito para 2i menino:
pobres e desvalidos, fornecendo aos alumnos li-
vrose mais utensilios necesarios aoensino. Acha-
sc, porlnoto, abena as [matriculas para as crian-
cas orphis desvalidas, que quizerem frequentar o
;;.3civo curse. Ra da Matriz da Boa-Vista
numero 34.
Julio Soares de Azevedo.
Borracha para limas
Receberam Rodrigues de Faria ft C, e teem
Cl Tender em seu armasem ra de Maris e
ros n. 11, esquina da ra do Amorim.
^asa no Encamento
Aluga-sc urna casa perto da estacao de Ptrna-
ineiria, nova, tem i quartos, 2 sal s, cosinha
lora ; a chave para ver. na taverna do Sr. Adria-
no no mesmo lugar, elle indicar.! com qnem se
deve tratar, o alugoel barato.
Costnreira 1 criado
Precisa-se de urna costureira e de um criado,
nao devendo ter este mais de 15 16 annos de
ilade ~, a tratar na rna da Saudade n. 16.
Precisa-se
de um socio para una casa de milhados, que te-
nha habilitadlo necessaria e qne entre com algum
capital; trata-se no largo do Mercado n. 41.
arliiin uptlito & C.
1 RA E8TBEITA DO B08ABIO 1
Liquidado
em eontlnoaeo na ra larga do
Rosarlo i. 3n
Damiao Lima & C nao p .deudo acabar o seu
grande sortimento de miudezas, em consecuencia
da cryse perqu passamos, continan) por mais al-
gum tem-o a liquidar snas mrrcadorias, pelo que
de novo convidara ao publico e especialmente
Exmas. familias, a quem pedem toda proteccao.
Admirem !
Punhos e colarinhos bordados para sc-
nberas 2*200
Ditos lisos 1*800
Ditos de cores 1*500
Lavas de seda de cores 2*500
Agua flrida. 700 rr. e 1*800
Bordados -e 300 rs. A 2*000
Bonito tacos a 2*200
Leques de.400 rs., 6C> e 1*000
Me jas para hornera 3*00*)
Ditas idem 3*000
Ditas Ce cores 4*000
Um par le fronhas de 1 byiintho 1J51 0
Urna toalha de lahyintno 25J e 30*000
Env. sivcis, rs. 320
Fitas, Meo*, lenco-, gr> vatas a outros muitos
:ir;ig08 que t'stao ixp"8'co.
U a I rs I* Homar. n. 3S
Damiio Lima & C.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excelii'iite Whisky Escooses pretern
ao cognac ou agurdente de cauua, para fortifie-
o corpo.
Vendc-se a retalho no melhores annazens c
ol hados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo n.
me e emblema sSo registrados para todo o Braz
BBOWNS & C, agentes
i abai
7*000
10*000
12*000
VENDAS
Tainhas
Vendem se em barris e em quartolas, e mais
baratas do que em ou'ra qualquer parte ; na ra
de Pedro Alfonso ns. 5 e 11.
Itoih (lias
Mcndonca Primo & C.
Vendem por preco* sem
competencia
Las escocesas, padrees modernos a 400 reis o
covado.
Ditas mescladas e lavradas a 500 reis o dito.
Velbutinas de todas as cores, lisas e lavradas a
1*200 o dt>.
Fustes brancos com lindos desenhos a 400 e
500 reis o dito.
Lencoes de bramante a 1 *800.
Callarinhos modernos para homens a 500 reis.
Betins de todas as cores, por precos baratsi-
mos. .
Merinos pretos e de cores para \ istido.
Mantilbas pretas.
Ficbs do diversas qualidades.
Cortes de cassamira para ssnhora, bordados de
seda, atoalbado', espartilhos, tapetes avelludados,
panos de. crochet, punhos para homem e senhor,
meias de todas as qnalidades para homem e se
nhora e enti-os muitos aitigos de moda.'
Rna Pnpoe de Caxla u. >
1*600
1*000
Kottpa para meninos
A a*. 1*500 e 4
Na nova loja da ra da lmperatriz n. 32, so
vende um variado sortimento de vestiarios pro-
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci-
nha curta, jeitos de brim pardo, a 4*000, ditos
de molesquim a 4*500 e ditos de gorgorito prato,
emitando cssemira, a 6*, sao multo baratos ; na
loja do Perira di Silva.
Fabrica globo
*H Rna larga do Rosario- t&
Manipulacao especial com fumos escolnidos dos
bons cigarros, exploradores, navegantes e fede-
raos. Precos rssoaveia e bons descontos para o
commercio de retalho.
Roanas pan dbbos
ao
3? Kua da Imperairlz 3
Loja de Pereira da silva
Neto estabelecimento vende-se as ronps
xo mencionadas, que sao baratissimas.
Palitots pretos de gorgorao diagonaes e
acolchoados, sendo fuzendaa muito en-
corpadas, e forrados
Ditos decasemira pretn, de eordo, muito
bem feitos e torrados
Ditos de dita, fasenda muito inelhor
Ditos de flanella azul, sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 12*000
Calcas de gorgorao preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encornada 5*500
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem feitas GfSOO
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e ^^
mnito bem feitas 8*000
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*. 2*500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Colletinhos de greguella muito bem feitos
As9im como um bom sortimento de lencos de
linho e de algodao, meias cruas c collarinhas, etc.
Isto na loja aa ra da lmperatriz n. 32
Riscados largos
u tOO rsj. o rovado
Na loja da ra da Imper-.triz n. 32, vendem se
riscadinhos proprios para roupas de meninos e
vestidos, pelo barato proco de 200 rs. o covado,
tendo qoasi largara de chita francesa, e assim
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o cova
do, e ditas escuras a 240 rs., pechincha : na
loja o Pereira da Silva.
Pastees, Mettneta e lftsiniia a SOO
r. o covado
Na loja da rna da lmperatriz n. 32, vende-se
um grande sortimento de fnstoes brancos a 500
rs. o covado, laziuhas lavradas de furta-cores,
fi-zenda bonita para vestidos a 500 rs. o covado,
e setioetas lisas mnito largas, tendo de todas as
coks, a 500 rs. covado. peehincha : na loj*
do Pereira da Silva.
Merino* preto* a lftCOO e 1*00
Vende-se merinos pretos de duas lrrura* para
vestidos c roupas para meninos a 1 *200 e 1*600
o covado, e snoerior setim preto para enfoites a
1*500, afsim como chitas pretas, tanto lisas como
de lavonres bramos, de 240 ae 320 rs. ; na nova
loja de Pereira da Silva ra da Imperatrii nu-
mero 32.
AI odio I oh o rrassoes para lencea
m OOr., i* e I SOO
Na loja da ra da lmperatriz n. 32, vende-se
superiores algodaozinhos francezes com 8, 9 e 10
palmos de largura, proprios para lencea de um
s panno, pelo barato preco de 900 rs e 1*000 o
metro, e dito trancado pa- a toalhas a 1 *280, as
sim como superior bramante de quatro larguras
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na loja
do Pereira da Silva. ^^^^^
Fogaoe bomba
Vende-s*- um fogio de ferro, econmico, prsprio
para casa de familia, e urna bomba da rapuxo,
tudo em bom estado
cado n. 6.
a tratar ns largs do Mer-
\o ii. 17
Na rna de Hortas n. 17, vende se a verdadeira
carne e HnguivS do sertio, e alnga-se com muitos
commodos e froaa cata terrea ra da S. Gon
calln. 26.



DAS
CORRE M DA 5 DE FEVEREIRO
O portador que possuir um vigsimo desta importan-
te lotera est habilitado a tirar 10:006j>000
Os bilhetes acham-se a' venda na Casa Feliz,
Independencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 3 de Fevereiro de 1886, sem falta.
praca
da
I

LOTE
DO

EXTRACTO 0UAR1MEIRA,
DE FEVEREIRO
O portador que possuir dous vigsimos desta importante
lotera est habilitado a tirar25:ooo$>ooo.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da Fortuna ra
CORRE A 3 BE EEW.RER01E 1886. SEM FALTA.
isi fiiTcisiinmi
ios 4:0008000
VOS 4:000^000
les 4:000^000
S1LBSTES 5MIID05
loa Primeiro de Mar$o n. S
O abaixo aasignado tendo vendido nos .
seos afortunados bilhetes garantidofa 4
quartos n. 1643 com a sorte de 1:0009000,
alm de outraa sortea de 324, 16)5 e S, :
lotera (33.a), que ae acabou de extrabir
convida aos poBsuidoresa. virem receber j
na conformidade do costume 9em descont* I
algura.
Acham-se venda os afortunados bi-
lhetes garantidoa da 46. parte das ble
rias beneficio da Santa Casa de Misen que se extrahira no dia 28 do corrente.
cordia do Recife (34.a), que se extrahira
quinta-feira, do corrente.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 25000
Quarto 1(J000
Km tldade maJor de loo
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto 875
Manoel Mar*ins Finia.
E
i:000$000
IL.UETJB*) 4R%WTIOO
*ra^a da independen
cia ns. 37e 39
Acham-se a venda os feliaes bilhetes
garantidos da 34a, parte da lotera a beneficii
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
bjhatet
tems
Preco*
Bhete inteiro 4*000.
Meio 2*000
Quarto 1*000
a porcio de 1OO0OOO par
eiMa
Bhete inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto 875
Antonio Augusto do* San- Porto.

Ba do Baro da Victoria n- a
e casas do costume
Acham-se a venda os felices
garantidos da 46. parte das lote1
ie. infici da Santa Casa de Misericordia
do Recife (34) que se extrahiri sexta feira,
29 do corrente.
Precos
Inteiro 4*600
Meio 2*000
Quarto 1*000
porco de iS*OSO para
ciaia
Intoiro 3*500
Meio 1*750
Quarte *875
Joio Joamuin da Cotia Ltite.
\os4:000S00O
H;
Correias
de sola ingles i, de 1 m e de borracha, de drer-
sas larguras e grooauras ; vende-se barato na
undivao Villsca, na do Brum n. 54.
16-B.ua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da lotera n. 34 em beneficio
la Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahira no quinta feira 28 do
corrente.
ECOS
Integro 4*000
Meio 2*000
Quarto 1*000
Sendo quantidade superior
a t OrOOO
Inteiro 3*500
Meio 15750
Quarto 785
Joaquim Pira da Silva
Cabriole! e victoria
Vende-se um cabriolet e trina victoria <
feito estado : a tratar na ra Duque de
numero 47.


8
Diario de PemambacoQuinta--f eir 2$ de Janeiro de 1886

I
f



MTfcRATbM
OS FILHOS
DO
POR
s. capes::
TBRCEXRA ?AET3
Bario de randalr
( Continuando do n. 20)
CAPITULO I
A RA DOS IXGLEZES
Era evidente que para manejar fi com
un brago semolhante arma, ara uecessario
possuir forja muscular punco coramum.
Entretanto os murmurios dos lacaios
tornavam-se Bm provocag3o directa.
Tros ou quatro dos mais intrpido! ja-
se tinham approxinado do iropassivel fi
guro ; mas as feigSes accentuadas deste, a
expressao severa do seu rosto, a sua longa
harba grsalha, os bigodes retorcidos, as
espessas sobranoelbas, os raios que langa
vam os seus olhos, intimidaran! os provo-
cadores.
Olhando com firmeza para os que se ap-
proximavam delle, o desconhecido fez-lhes
abaixar a olhos.
A inultidio conhecia que este hoinem
nio poderia resistir sua furia ; mas tam
bem via que o primeiro que se aventurase
teria que haver-se com um adversario te-
mivel.
Entretanto os que estavam na ultima
fileira do pateo, e os que obstruam a ra,
sentindo o pongo diante dellea, coraega-
vara a gritar I Fora! e empurravam os
outros.
O homem da espada comprida, vend-
se muito apartado, levou a ralo guarda za ^ figura a cavallo.
da espadn, e estendendo-a horisontalmen- muito cvl c galanteador,
te, oppoz r,o lacaios a sua extremidade Cada ura dos tres senhores levava disfar-
aroeagadora; alguna ficaram at maguad is ce difirante (sbese que o baile dado pelo
a claridade resplandeca dian
te do palacio do embaixador.
A multidao oontida pelo respeito, que
inspirava este nomo Ilustre, esqueceu a
disputa comegada, o'deu lugar ao cortejo
que avangava.
Quatro lacaios com as armas e cores de
Lorona, appare :cram logo, acompanhados
por tres criados, que levavam archotes, e
seguidos por doze. pegeos.
Os cavallos dos leaio3 pateavam com
insolencia sem se importarem com as pes-
noas, que pizavam ; os criados ssecudiam
es archotes, tanto para os avivaren!, como
p.iri f.zercm saltar faiscas, que araeaga
v.iin qunimar a multidao; os pageos, de
porte descarnado, com as raios na cintu
rainhavam a tres e tres, abrindo ca-
minho ao seu Dobre seohor.
Aos criados do duque de Guiso juota-
vam-se criados que usavam outras cores.
CAPITULO II
O HOMEM DO ESPADAO
O senhor de Quise, filho d'esse Henri-
que, do gilvaz, assassinado em Blois por
ordem do rei de Franca, era entilo um per-
feito cavalheiro de trinta e seis annos.
Depois de se ter submettido a Henrquo
IV, que combatera outr'ora, fora nomeado
governador di P.ovenga, e oceupava um
dos mais elevados cargos da corte.
A' sua direita e sua esquerda cavalga-
vara os seus dous amigos, os senhores do
Angouleme e do Bassompiere.
duque do Angouleme, bastardo de
Carlos IX e filho do S4a-ia Tonchet, tinha
menos dous annos do que o duque de Gui-
se, e era afamado pelo seu genio vagabun
d >, e pela su i m conducta, que algumas
v zes o levara s aceces mais despresi-
ve.
Eraquanto ao senhor de Bassompiere,
era um manceb de vinto o seis annos,
muito mil futo, apesar da reputagio da
galantera que deixou, e dos seus trium-
phos aflamados pelos chronistas da poca,
e da physionomia, que lhe attribuem em
muitos livros.
Tinha um tanto de grosseiro, e n5o era
muito bem feito, diz um dos seus contem-
porneos, razio porque dancava mal e fa-
Entretanto era
reza do fato desenhava toda a graga e i rupcSo, c ausada pela chegada de urna car- Da parte do Sr. preboste. E hao de
isba! rtS n (l n nAMitSl ..*. i .m nMnnnrl A .. v* n >!..... u.lt.!.. >_A a 1L_ _. C__________.______*
perfeicSo do corpo.
Bassompiere que tornara atraz, avancou
vivamente, e ostendendo a mSo osquerda
para suster a senhora, collocou-a a direito
mais abaixo, para ella por o pesinho e sal-
tar assim da liteira.
c Urna sua creada, Sr. barao, disse a
graciosa creatura, aceitando o seccorro que
Bassompiere lhe offerecia.
Estendendo a perna rolicae fina, que a'
saia deixa-a a descoborto, poz "o p na
mSo do gentil-horaem.
Sendo esta p calgado cora esmero, e
esta perna digna da propria Diana, o no
mem do espadio fez um movimento saceu-
dido, o urna pallidez mortal lhe accoairaet-
teu de repente o rosto.
A cigana estava longe d'ella para lhe po-
der ouvir a voz; mas cosrendo como um
passaro ella chegou rpidamente junto do
desconhecido.
A cigana estroraeceu, ficou por ura mo-
mento como paralysada, depois os seus
olhos soltaraiu aiscas atravez dos buracos
da mascara, e tornando a pegar na raao de
Bassompiere que largara, subid rpida-
mente a espada.
. Joanna 1 murmurou o homem do
espadan, no momento em que a baroneza
desapparecia.
E moveu-so, como para penetrar na re-
sidencia aristocrtica.
Mas a onda dos creados do duque de
Guise, que tinha parado para dar passa-
gem a liteira, oppoz-se ao movimento do
desconhecido.
Que loucura murmurou este reassu
mindo o seu sanguo fri. Nio ple ser
ella, Joanna feita senhora da alta socie-
dade Joanna curaprimentad pelo Sr. de
Bassompiere! Varaos I sou pateta I ...
Mas aquello p to poqueno... aquella
perna to bem torneada... o olhar que
outr'ora rae tornava louco... Sim, era
ella !
Depois de um curto silencio, replicou :
N5a impossivel I enganei-me ; foi
com este movimento.
Um deu ura grito.
Tome cautella disse o outro.
Fez-me doer! ajuntou o terceiro.
Que passaro de mo agouro este !
berrou outro.
Fra cora o tratante gritou a mul-
tidao.
O horneas ameaQ<.do voltou se lentamen
te, levantando Ja caboca e acariciando a
barba com a mo direita.
Pelo sangue de Christo disse elle
com voz forte e expressSo de escarneo.
E' cororaigo que fallara, mem bon9 ami-
gos ?
Responderam-lhes com grandes berros.
Vo para o diabo l ajuntou elle. Dei-
xomnie em paz. Acaso fago eu alTronta a
alguera ?
embaixador era de mascaras.)
CLegando porta do vestbulo, apeia-
ram se e entregaram os cavallos a>s escu-
demos, que se adiantaram respetosamente.
J os senhores de Gaise e de Angoule
me se dispunhan a subir a estada, quando
o senhor do Bassompiere, que os seguia,
se voltou vivamente.
Oh! exclamou ella, eis a nossa
bella baroneza, se nEo me engao, pois sito
aquellas as suas cores I
Bassompiere designava urna liteira, que,
rodeiada do lacaios, entrava n'aquella mo-
mento no pateo.
A liteira, de forma elegante, e com mag-
niticbs pinturas, enoerrava urai mulher
mascarada, e foi pirar precisamente de-
fronte do sitio onde o homem do espado
que readquirira a sui irapaasibilidade de
- Quasi me ferio co.n o senhor seu es-1 p08 qUe a )Uitidao deixara de se oceupar
peto I disse um daquelles em que tinha to- [ d'elle se conservara direito e calado, exa-
re
oado a bainha da catana.
Assim foi preciso para os fazr
cuar.
E se nos nSo quizessemos r
EntSo e porque gostavam ie ser lar
dilhados cora o senhor meu espeto.
Entilo o maroto nSo nos insulta!
NSo faz escarnso de nos?
Fora 1 fora! berraram de todas as
minando com minuciosa attencio cada um
dos convidados de D. Pedro, que noces-
sanamente tinha n de passar por diante
d'elle.
A mulher, em que acabamos de fallar,
usava o elegante e gracios) trajo das ci-
ganas de Italia.
Siiote curto encarnado, cheio de listas
partes. I pretas, corpete de velludo bordado a prata;
O homem da espa la voltara-se de todo : \ oto de> se la com franjas do ouro ; gorro
a multidSo era aineacacoral de velludo preto guarnecido com pennas
- Lugar ao Sr. duque do Guise bra- escarlates; meias de seda branca e sapa
dou de repente urna voz sonora ; ao raes- tos da setira da cor da saia.
mo tempo que grande bulia de cavallos se Assim vestida, a senhora pirecia eocan
ouvia para o la lo da ra do Noyers, e que tadora debaixo da mascara, porque a ligei-
illusao
Talvez fosse o sou primeiro intento o en-
tregar-so a novas rn%x8es, quando os gri-
tos da lacaiada, recoraecando com mais
forga, augraeutada como estava a multidSo
pela chegada dos criados dos senhores de
Guise, d'Angouleme e de Bassompiere, o
obrigam a voltar-se.
- Fra o tratanto I Fra I gritava a la-
caiada, tornando ao ponto em que tinham
sido interrompidos pela chegada dos tres
senhores.
O homem do espado, encolheu os lio li-
bros diante d'esta manifestaclo ruidosa, e
deu um passo para tomar o lugar quo ti-
nha deixado.
Mas a multidSo exaltada nio lh'o per
mittio as injurias, as ameacas, as invecti-
vas de todos os gneros cahiram entao co-
mo saraiva sobro a victima araeacada p?b
despeito publico.
At se levantou ameacadora uraa mZo...
O desconheeido que empallideceu ap-
paricito da cigana, fez-se vermelho de co-
lera.
Escapou-se lhe dos labios urna praga
terrivel:
Sangue de Christo 1 exclamou elle
puchando do espadfto, cuja folha descre-
yendo aemi-circulo fez um vacmo em rodor
delta, querein, para me deixarem em so-
cego, que eu corte as orelhas aos mais
imprudentes Pelo sangue de Christo 1
tornera cautella! a minha espada bastan-
te comprida para espetar os tres primeiros,
como tres perus em um espeto! Ora, ra-
mos, quem lhe quer apalpar a ponta ?
O atrevimento, a enorgia, a firmeza do
desconhecido, juntos exhibicao da com-
prida espada, improssionaram acriadagem.
O mais atrevidos e os mais valente3
rocuaram ; mas como fossem empurrados
ruagem precedida por alguas policas com
com as armas da cidade.
Lugar ao Sr. preboste de Paris bar-
ravam de todos os lados.
E as fileiras tornaram a abrir se, fez-se,
silencio, e o homem amoscado pelo furor
popular, tornou a tomar o seu lugar, era-
bainhando a espada.
A carruage n rodou con diffi:uliade na
estreita ra, e parou porta do palacio
O senhor do Aumont foi o primeiro que
so apeou.
O carcter grave de magistrado nao lhe
permittiu mascarar se, lovava o seu trajo
de ceremonia e a longa capa aberta fluc-
tuante em redor da opa de vellu lo preto.
A senhora d'Aumont, em trajo de corto,
seguia marido; Diana foi a ultima que
se apeiou.
A menina ia vestida de nympha, segun-
do o costume da poca e maneira sin-
gular cora que pretendiara reconstituir en-
tao os costuraes fabulosos.
Mas por mais singular e extravagante
que fosso aquello fato, ficava a matar aquel
la qu '. o u?ava.
A inai e a filha estavara ambas masca-
radas assim como to las as senhoras, que
t all as tinham precedido.
Quanto aos homens, alguns estavara com
tatos de costuraes, mas quasi todos s pu-
nhain a mascara, quando se apeiavam,
como tinhara feito os senhores de Guise,
d'Angoulome e de Bassompiere.
Apeiando se da carruagem o senhor de
Aumont vio o homem da espada, e fez-lhe
um signal com a cabeja, a que o outro
correspondeu encolhenlo os hombros.
O preboste abafou um suspiro.
Ricardo V murmurou elle.
O chefe da escolta, que nSo era outro
senhao o velho sargento que acompanhava
ua vespera o preboste, na sua inspeccao
feira de S. Germano, adiantou-se com todo
o respeito.
O Sr. d'Aumout deu-lbe algumas ordena
em voz baixa, e depois voltou-ae para a
mulher e para a filha.
Diana pareca soffrer urna extrema com-
mocao.
Que tera, minha filha? perguntou a
senhora d'Aumont.
Nao nada, minha mai, balbaciou
Diana; foi um affrontaraento, masjpas-
80U.
Pensava a pobre menina em quo ia ver
o conde de Bernac e quo se i?, decidir o
seu destino e do hornera que amava.
O Sr. d'Aumont dea o braco a sua mu
lher, e Diana seguio os coitcndo a agita-
gao, que a fazia estremecer.
A carruagem e os policiaes aftastaram-
ra n-se lentamente, e Ricardo abandonan-
do os seus soldados, foi ter com o homem
do espadao.
Est bem I raeatre Giraud, meu que
rido collega, disse elle co n voz um pouco
fanhosa, est na primeira fileira dos curio-
sos I
O ex-policia do prebostado de Rouen fez
um gesto affinativo.
ontregar-lhe o que for necessario.
Est bem. Logo que chegar o Sr.
de Bernae, nunca mais o deixo.
De corto.
E Ricardo, o s rgento do prebostado de
Paris ajuntou interiormente olhando d-i re-
vez para o seu interlocutor :
Sim, podes vigial-o vontade, pois
agora estas tu debaixo da minha vigilan-
cia.
Atrz da carroagem do senhor de Au
raont tinham chegado duis liteiras, que lar-
garam no vestbulo duas elegantes danca-
rinaa acompanhadas pelos seu3 cavalheiros
serventes.
Neste momento, tro; senhores vestidoe
cora magnificencia, mas cora o roato des-
coberto, e montados em soberbos cavallos,
atravessaram a multidao com a indifferen-
ca de grandes senhores, a quem pouco de
"pizar de criadagem.
Estes tres senhores erara o cavalheiro de
La Guiche, o marquez de Herbaut o seu
novo amigo d'aquella mesma raanha, o va
lente e intrpido Marcos de Grandair.
CAPITULO III
GAJIALEAO
Do Guiche grandes senhores polacos, com os mesmo3
uniformes que tinha dado a ambos o pai
do marquez, quando acompanhou Polonia
o duque de Anjou, depois Henrique III,
na poca da sua realeza fugitiva.
Eraquanto o bar3o do Grandair, era dit-
ficil, por n3o dizer impossivel, conhecer a
forma e a cOr do seu disfarce, porque ia
envolvido em ura manto de cor escura,
que o cobria desde o pescoco at aos ps.
Urna das pontis do manto lancada sobre o
hombro, dava o traje o a apparencia de
urna toga do senador romano.
Levavam todos na raao as mascaras de
velludo preto.
De Guiche e de Herbaut saltarain ligei-
r.iinente o:n torra.
O barao fez o mesmo movimento, mas
ficou preso por urna das dobras do manto
seguro no arcao da sella.
Marcos ficou de maneira que nao se po-
da voltar sem rasgar o fato.
Um criado correu para o desembarazar,
mas Giraud que estava ao lado do manee
bo, condoido do embaraco em que o via,
desfez o lago formado pelo acaso, antes que
o lacaio o podes se conseguir.
Obrigado, meu valente I disse o ba-
rao sorrindn se para aquelle quo o auxi-
liava.
- Sou muito feliz por o servir, meu
fidalgo, respondeu o polica de Rouen.
As luzen do palacio e o clarao dos ar-
chotes da vam em cheio sobre Giraud.
A sua physionomia caracterstica apre-
scatava-se francamente aos olharas do ba-
rao.
tar que o vi usar valorosamente da es-
pada.
Pareceume entilo, disse o bario de
Grandair, que nio era a primeira vez que
o via, e que, sem poder precisar o tempo
e a oceusiao, julgo queja me fez ura-bom
servijo. Ser isto tambera vordade?
Sua senhora engana-se, provavel-
te; entretanto nao o posso affirmar, por
que o seu trajo de ve desfigural o muito.
Com efeito, ou por capricho, ou para
completar o disfarce, que usava debaixo do
manto, o barSo tinha coberto a cabega com
urna especie de capuz semilhante ao de
um frade a que poda substituir a mascana
qsjn tinbi na raao.
Chamo-me o bario de Grandair,
ajuntou o mancebo.
Giraud inclnju separa agradecer a hon-
ra que o gentilhomera lhe fazia, mas ao
mesmo tempo o seu gesto e o seu ro3to ex-
priraiam a ignorancia, em que o deixavam
as palavrasdo seu interlocutor.
- Entio nio rae conhece? difse ainda
o barao. .
Nio tenho es3a honra, meu gentilho-
mem.
E' singular I... era, todava, capaz
de jurar que j o vi e lhe falle I Final-
mente. de certo mo engao.
Giraud inclnou-se era signal de appro-
vagao.
Mas, como se chama?
Giraud.
Giraud ?
Sim, meu fidalgo.
Giraud !. repetio Marcos vivama-
i! e8tremecendo.
FOLHETIH
E ess i carta ?. esa carta ?...
Nao coasegui achal-a, Sr. Pedro, res-
ira pondeu o velho, e, quer a Sra. Bathory a
perlessc ou destruase, quer alguera lh'a
\l A Tlr A ^1 Q 4 lVftflR!^ 'o386) eu nunca soube o que continua.
LU/l.11 lilO kJ/lIlIiULll; Hara ah um mysterio. O doutor, que
tinha ouvido essa narragao sem dizerj urna
palavra, nSo sabia como explicar esse pas-
so da Sra. Bathory.
Que motivo imperioso poda tl-a con-
duzido a esse palacete do Stradone, do
qual tudo devia afastal-a, e por que, saben-
do do desapparecimento de Hilas Torontha'
POR
julio nni
QIART.1 PARTE
(ContinuacSo do n. 21)
VI
A appariio
Mas, perguntou o doutor, foi a mor-
te do filho que fez a Sra. Bathory perder a
razio ?
Nio, senhor, no, respondeu Borik
E eis o que contou :
lundo,
tinha ella sentido commogio tS.o violenta
que a enlouquecesse ?
O relbo servidor concluio a sua narra-
gao era poucos minutos. Tendo consegui-
do oceultar o estado da Sra. Bathory, tra-
tou de realisar os poucos recursos que lhe
rostavara. A loucura calma e branda da
infeliz viuva permittio que elle tudo fizesse
sem despertar nenhuma desconfianga. Elle
s quera urna cousa : sahir de Ragusa, re-
fugiar-se em qualquer parte, comtanto que
fosse longe dessa cidade maldita.
Poucos das depois, conaeguio embarcar
! com a Sra. Bathory em um dos paquetes
A Sra. Bathory, ficando s no mundo, | ^a( fazai 0 gervigo do lttoral mediterra-
quiz sahir de Ragusa e foi morar na villa! neo e chegou a Tunis ou antes a Goulette.
de Vinticinello onde ainda tinha alguns pa- j,'0 an quo re80lVeu ficar.
Ktitao, no fundo desse casebre aban lo-
rentes. Durante esse tempo t -ataria de
vender o pouco que possuia na sua mo
desta casa, pois nio pretenda continuar a
morar nella.
S-'is semanas, depois, acompanhada de
Borik, voltou a Ragusa para concluir os
seus negocios, c quando chegou ra Mt-
rinella, achou urna carta que tinha sido
posta na caixa da casa.
Lida essa carta, como se a sua leitura ti-
vesso prodazdo o primeiro abalo ni sua
razio, a Sr*. Bathory dou um grito, cor-
reu para a ra, desceu pelo Stradone, atra-
vessou-o e foi bater porta do palacete
Toronthal, oue foi logo aberta.
- Do pelacete Toronthal ? exclamou Pe-
ro.
Sim I responden Borik, e quando con
segal alcangal a, a 8ra. B.thory j nio meo
conheceu Estava...
Mas, por que foi minha mii ao pala
cete Toronthal !.. Sim, por que repetio
Pedro, que olbava pera o velho servidor
omj se este nio estivesse em estado de
comprehendel-o.
Ella quera, sem duvida, fallar a.
Sr. Toronthal, respondeu Borik, e, ha vi
oitedias, o Sr. Toronthal tinha sahido do
palacete com a filha, eem que se soubesse
para onde tinha do-
nado, entregou se completamente aos cuida-
dos que exiga o estado mental da Sra.
Bathory, que pirecia ter perdido a pala
vra ao mesmo tempo que a razio. Mas
os seus recursos erara tto mingoados, que
estava vendo muito prximo o momento
em que os dous ticariam reduzidos ulti-
ma miseria.
Foi nestaa uondigSe que o velio servi-
dor lerabrou-se do Dr. Antkirtt, do nte-
resse que senapre inspirou-lhe a familia de
Estevao Bithory. Borik, porm, nao sa-
bia qual era a sua residencia habitual. Eu-
ire mt) (sjrjveulh essa carta, que con-
tinua um app*ello desesperado o confiou-a
ao cuidado da Providencia. Ora, parece
que a Providencia desempenha bem o seu
servigo postal, porque a carta chegou ao
seu destino 1
O que entao restava- fazer era oridente.
A Sra. Bithory, sem oppor a menor resis-
tencia, foi l-vida para o carro, onde tomou
lugar, com o filho, Borik e Maria, que nao
devia mais deixal a ; e, emquanto o oarro
ia pe estrada de Geulette, o doutor e
Luigi voltaram a p pela praia.
Urna hora depois estavam todos a bordo
do yacht de vap>r, que levantou ancora e
logo dobrou o cabo Bon. O Ferrato foi
pelos de detraz viam se obrigados a tornar
para o alcance da espada ameagadora.
J se puchavam as espadas, a batalha
ia comegar, quando teve lugar nova nter
procurar os phar-a d: Pantclliria. Dous
dias depois, ao amanhecer, surgia no porto
de Antkirtta.
A Sra. B ithory desembarcou immediata-
mente, e foi installada em um quarto do
Stadthaus era Artenak e Maria deixou sua
casa para ir morar com ella.
Que nova causa de desgosto para Pedro
Bathory! Sua mii privada da razio, lou
ea, em circumstancias que sem duvida iam
ficar inexplicaveis I E ainda, se a causa
dessa loucura fosse conhecida, talvez se
podesse provocar alguraa reacg3o salutar !
Mas nao se sabia nada, nio se podia saber
nada 1
E' preciso crala 1.. Sim!... E'
preciso I disse de si para si o dontor, que
dedicou-se inteiramente a essa tarefa.
Tarefa difficil, entretanto, porque a Sra.
Bathory continuou a ficar completamente
inconsciente dos seus actos, e nenhuma
lembranga do passado lhe vinba mente.
Nao seria caso de em pregar o doutor essa
torga de suggestao, que possuia em tilo ti-
to grao e de que j tinha dado provas tao
incontestaveis, para modificar o estado men-
tal da Sra. Bathory ? Nao poderia elle por
influencia magntica restituir se a razio e
lh'a conservar at que se produzisse a re
aegio ?
Pedro Bathory instava com o doutor pa-
ra que tentassa, mesmo o impossivel, para
curar sua mii.
Nio, respondeu o doutor, assim nada
conseguirla nos. Os alienados sio justamen-
te as pessoas mais refractarias a esse gene
ro de suggJ8t3es. Para sentir essa influen-
cia, Pedro, seria preciso que tua mii ainda
tivesse urna vontade pessoal, qual eu po
desse substituir a minha. laso, repito, a<*o-
ra nio produziria nella algum eff-to.
Nio!... nio quero admittir isso, tor-
nou Pedro,- que n3o quera convencer se.
Nio posso admittir que minha m nunca
mais conhe ;a_seu filho, o filho que ella jul
ga morto !...
Sim !... que ella julgamorto! respon-
deu o doutor. Alas .. talvez so ella acredi-
tasse que ests viro... ou se, levada ao teu
tmulo... ella to risse apparecer. ..
O doutor afagou essa idea. Por que nio
influira na Sra. Bathory esse abalo moral,
provocado em condigie* favoraveis ?
Hei de ten tal o I exclamou elle.
E quando expcou em que experiencia
baseava a esparanga de curar sua mii, Pe
dro cabio nos bragos do doutor.
A partir desse dia a enscenacio que po-
dia produzir o bem resultado dessa tentati
va foi objecto de todos os cuidados. Ia-se
O que ha de novo? murmurou Ri-
card ao ouvido do homem do espadao.
Nada!
Entao, de La Cbesnaye...
Nio ha noticias delle.
E o conde de Bernac ?
Ainda nio chegou.
- Est corto disso ?
Estou.
Ricardo deu um suspiro de satsfagio-
Receiava que j c estivesse.
'O Sr. preboste mandou arranjar o
disfarce como se ajustou? perguntou Gi-
raud sem responder a o sargento.
Sim, est arranjado.
E aonde o hei de achar ?
Debaixo do vestbulo, direita; nio
v daqui a porta?
Vejo perfeitamente.
Pois bem, chegado o momento entra
e diz pessoa que encontrar na cmara :
procurar fazor reviver na Sra. Bathory os
effeito8 das recordagSss apagadas pelo seu
estado actual, e uso em circumstaucias tao
commoventes que podeasem produzir umi
reaegio no sou espirito.
O doutor, pois, dirigi se a Borik e a Pon-
ta Pescada, afira de se reconstituir com bas-
tante exactidio, a disposicio docemitero de
Ragusa o a forma do monumento funerario
que servia de tmulo familia Bathory
Ora, na cemiterio da ilha, a urna raillia
de distancia de Artenak, era uraa raoita de
arvores, lia via urna pequea capella, que ti-
nha alguma semelhanga com a de Ragusa.
Bastou fazer-lhe algumas alteragoes para
tornaros dous monumentos mais semclhan
tes. Na parede do fundo collocou se urna
lage de raarmore preto, com o nome de Es-
tevao Bathory e a data da sua morte : 1867.
A 13 de Novembro pareceuter chegado
o-moraento de principiar as experiencias
preparatorias, aira de despertar a razio da
Sra. Bathory e por urna gradagio quasi
insensivel.
Pelas seto horas da tarde, Maria acom-
panhada de Borik, tomou o brago da viu
ra ; e, depois de fazel-a sahir do Stadthaus,
levou-a at o cemiterio. Alli, porta da
capellinha, a Sra. Bathory ficou inerte e
muda, como sempre estava, comquanto
luz de uraa lampada, que brilhava no inte-
rior, ella podesse 1er o nome de Estovio
Bathory gravado na lage de marraore. Hou-
ve apenas no seu olhar urna especie de el i-
rao que se apagou logo, quando Maria e o
velho ajoelharara se no degro da porta.
Uraa hora depois, a Sra. Bathory estava
de volta no Stadthaus o cora ella todos
aqu 'lies quo de perto ou de longe a tinhara
acompanhado nessa primeira experiencia.
No dia imraeiiatn e nos seguintes repeti-
rn! se as tentativas, que nio deram ne
ohum resultado. Pedro 03 tinha acompa-
nhado com emogio pungente e coraegava a
fierder a esperanga, comquanto > dout>r
ae repetirse qu o tempo devia ser o seu
nielhrr auxiliar. Por isso nao quera faa>r
a ultima experiencia senio quando a Sra.
Bathory parocesse sufli ci ateniente prepa-
rada para sentir toda a sua violencia.
Todava, a cada visita ao cemiterio, urna
certa mudanga, quo n8o podiam deixar de
r.conhecer, produzia-se no estado mental
da Sra. Bathory, que tinha fioado um pou
co atraz, approxiraou-se lentamente, poz a
mi na grade de ferro, olbot para apir
de do fundo, Iluminada pela lampada, e
retirou-so pre dpitadamente.
Maria, voltando para junto della, ouvio-a
murmurar repetidas vezes um nome.
Este examinou-o primeiramente com um
rpido golpe de vista, depois este golpe
de vista tornou se mais profundo o curio-
so, e acabou por se fixar sobre o apaixo-
do da bella Joanna com uraa exprassSo sin-
gular.
Marcos recuou um passo e paasou a mi
pela testa.
Acabara de reconhocer o individuo quo
vira n'aquclla mesma raanha no Prado dos
Clrigos, e, como j fizera pela inanhi,
dir 3e hia que procurava concentrar 03 seus
pensamentos e evocar a sua memoria.
Depois fez ura gesto, como para obri-
gar as suas ideas a tomarem outras di-
re cgao .
Entretranto, quando ia affastar-se, vol-
tou-se para o polica, o qual observava
cora curiosidade os tryes dos senhores de
Guiche e de Herbaut.
Estava esta manhi no Prado dos
Clrigos ? disse o bar3o drigindo se^ a Gi-
raud.
E' rerdade, meu fidalgo, e devoajun-
te
Vamos, barao, quo diabo o demora T
gritou de Guiche.
Vera, meu querido, ajuntou o mar-
quez d'Herbaut, que j\ tinha subido al-
guns degros da escada e que, aasim como
o seu compapheiro. julgava que era se-
guido pelo bar3o de Grandair.
Eu vqu, senhores I Respondeu o
barao, dexando a polica, do qual se des-
pedio familiarmente cora um gesto.
O barao metteu-se no vestbulo.
Giraud I repetio elle pela terceira
vez emquanto pela contragio dos sobr'o-
lhos e pelas ruga3 da to3ta se via qual era
o trabatho que se operava no seu cere-
bro.
De repente, o maocebo parou soltando
urna exclamagio surda.
Evidentemente, julgou ter encontrado o
que procurava depois de alguns instantes
com tenaz preseveranga.
Tornando rpidamente atraz, agarrn
com violencia no brago do polica, espan-
tado por esta volta sbita e por este gesto
impetuoso.
r Nio habitou na Picarda, no tempo
do sua mocidade ? perguntou o barita com
voz desabrida.
E' possivel, respondeu.
Em um castello.. perto d'Amiens.
Assim disso o polica cada vez
mais admirado, Atando o seu interlocutor.
Estava ao servigo.. de um senhor
nobre ?
havia muito tempo,
Bathorv entreabr-
Era a primeira vez,
que os labios da Sra.
rara se para fallar !....
Esse nome nao era o do filho, nio era
o de Pedro
Era o nome de Sava I
Se ha quem comprehenda o que devia
sentir Pedro Bathoey, quem poder descre-
ver o que se passou na alma do doutor
com essa cocagio tao inesperada de Sava
Toronthal ? Nio fez nenhuma observagao :
entretanto nio deixou perceber o que tinha
sentido.
Em outra tarde repetio-se a experiencia.
Dessa vez, a Sra. Bathory, como levada
por mi invisivel, foi ajoelhar-se porta
da capella. Curvou a cabega, deu um sus-
piro, urna lagrima caho-lhe dos olboa. Mas
nessa noite nenhum nome sahio-lhe dos la-
bios, e acredtarara que ella tinha esqueci-
do o de Sava.
A Sra. Bathory voltando para o Stad-
thaus, mostrou-se tomada de uraa agltagao
nervosa a queja nio estava habituada.
Essa calma, qn'e at entio tinha sido o ca
racteristico do seu estado mental, cedeu a
urna exaltagio singular. Evidentemente,
havia nesse cerebro um trabalho de Vital-
dade, que era de natureza a dar multa es-
peranga.
Com effeito, a noite foi para ella pertur-
bada e de inquietagio ; varias vezes deixou
escapar palavras vagas, que Miria mal po-
de apanhar : ella sonhava. Se sonhava, era
porque a razio coraegava a voltar-lhe, era
porque seria curada, se a razio continuasse
a velar.
O doutor re3olvou fazer no dia segainto
nova tentativa, cercando-a de uraa ensce-
nagao que devia causar-lhe irapressao, e
ainda mais violenta.
Durante todo esse da 18 a Sra, Batho-
ry esteve sob o imperio de urna superex-
citagao mental. Maria ficou muito mpres-
sionada, e Pedro, que estava quasi sempre
ao lada da mai, sentio um presentimento
felz.
Cuegou a noite, noite escura, sera ura so-
pro de ar, depois de um da quente nessa
lattitude baixa de Antkirtta.
A Sra. Bathory, acompanhada de Maria
e de Borik, sabio do Stadthaus pelas oilo
horas e meia. O doutor seguia um pouco
atrs com Luigi e Ponta Pescada.
Toda a pequea colonia esperava ftncio-
samente o effeito que talvez ae produziase.
Alguns fachos accesos debaixo das arvores
projectavam urna luz fulliginosa as pro-
ximidades da capella. Ao longe, com in-
tervallos regulares, o sino da igreja de Ar-
tenak dobrava por finados.
Para que me faz taes perguntaa 1
disse desabridamente Giraud.
O bar3o olhou por um momento para
elle e depois accrescentou :
Se o deseja saber, v manhii roa
de Hoque tin, aonde mora a Sra. Par rico,
e pergunte por mim, l o esperarei. Pa-
rece-me que temos qu9 conversar.
Giraud fulminou o mancebo com o olhar
e respondeu lentamente :
Parece me que sou da sua opiniao.
Entao, at manbi.
At manhi, meu fidalgo.
O barao entrn no palacio e deu se
pressa em se reunir cora os amigos, que o
esperavam.
(Contina)
S Pedro Bathory faltava a esse cortejo,
que caminhava lentamente. Mas, se se ti-
nha adiantado, era para apparecer soraente
no desfecho dessa experiencia suprema.
Seriam nove horas, quando a Sra. Ba-
thory chegou ao cemiterio. De repente,
largju o brago de Maria Ferrato e cami-
nhou para a capellinha.
Deixaram que fizesse o que quizesse sob
o imperio do novo sentiraento que pareca
domnala.
No meio do um profundo silencio, inter-
rompido apenas pelo dobre do sino, a Sra.
Bathory parou e ficou immovel. Depois,
ajoelhou se no primeiro degro da cepella,
curvou a cobega e ouviram-a chorar.
Nesse momento abrise lentamente o
portao da capella.
Pedro appareceu, coberto por um len-
gol branco, como se sahisse de um turn-
lo...
Meu filho !.. meu filho I... excla-
mou a Sra. Bathory, que estendeu os bra-
gos e cabio sem sentidos.
Pouco importava isso. As recordagoes e
o pensamento tinham renascido A m
tinha-se revelado Tinha reconhecido o fi-
lho 1
Os cuidados do doutor nao tardaram a
reanimal a, e quando ella vottou a si, quan-
doo os seus olhos encontraram os do fi-
lho :
Viro 1... meu Pedro... Viro !....
exclamou ella.
Sim 1 vivo, minha mai, vivo para te
amar...
E tambera para amar a ella !
Ella ?
Ella!. .. Sava !. ..
Sava Toronthal ? exclamou o dou-
tor.
Nio!... Sava Sandorf !
E a Sra. Bathory, tirando do bolso una
carta amorratada, que continha as ultimas
linhas escripias pela Sra. Toronthal, mori-
bunda, entregou-a ao doutor.
Essas linhas nio deixavam nenhuma
duvida sobre o nascimento de Sava!....
Sava era a menina que tinh>. sido arreba-
tada do castello de Artenak I... Sava era
filha do conde Mathias Sandorf.
FM DA QUARTA PARTE.

Jl
(
'
J
(Continuar-seha.)
Typ. do Diario ra Duque de Caxias a. 42.
rtSfc