Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19590

Full Text
AMO Lili NUMERO 12
P1HA A tAPIML 13 LUGARES OXDJE NlO SE PAA PORTE
I
I
I

Por tres mezes adiantadoc
Por seis ditos idein......
Por uia auno idoai......
Cada numero avulso, do meamo di a.
64000
120000
240OCO
,5100
SAMADO 16 DE JANEIRO BE 1886
____
PARA DEXTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes admntados......... ....
Por nove ditos idem................
Por um anno dem................
Cada numero, avulso, de das aateriores..........
13tf500
200000
270000
0100
DIARIO DE PERNAMBUGO
|)r0}>rirt>ai>e t Manotl Jtflutura jt>e Jara k Silbos
j _
TELEGRAMMAS
sssvic: mmm so siauzo
NATAL(Rio Grande do Norte) 15 de
Janeiro, s 12 horas e 55 minutos da tar-
de. (Recebido 1 hora e 55 minutos, pela
linha terrestre).
Xos tres collegiott coaltecldos al
agora leve o Dr. Tarquinio S30 vo-
tos e o Dr. Amaro Becerra .
BAHA, 15 de Janeiro, 1 hora e 30
minutos da tarde. (Recebido s 2 horas e
30 minutos, pelo cabo submarino).
Foi cleito em i. escrutinio, pelo
l.o districto. o Bario de l-uali.v (C).
PARAHYBA, 15 de Janeiro, s 11 ho-
ras e 55 minutos da manha. (Recebido
s 3 horas da tarde, pela linha terrestre).
O resaltado da votaco da capital
entes
Dr. \niiio ftalatlel ''
Dr. Manuel Carlos ""
PARAHYBA, 15 de Janeiro, 1 hora
e 40 minutos da tarde. (Recebido s 2 ho-
ras e 20 minutos da tarde, pela linba ter-
restre).
O resultado da votaco em Pilar,
Santa Dita e Pedral de Fogo foi este i
Dr. Anillo Salatiel
Dr. Hanoel Carlos 0
CEARA', 15 de Janeiro, s 2 horas e
40 minutos da tarde. fRecebido s 3 ho-
ras e 35 minutos da tarde, pelo ca.bo sub-
marno).
14 elelto em 1. escrutinio, pelo
I. di*i rielo, o Dr. Hanoel Ambrosio
Torres Portugal (C).
MARANHAO, 15 de Janeiro, s 2 ho-
ras e 50 minutos da tarde. (Recebido s
3 horas e 45 minutos, pelo cabo subma-
rino).
Telegramma do salo I. rancio do
Mil dls que rol eleilo em 1. escru-
tinio, pelo 1. districto, o Dr. Pauli-
no Rodrigues remandes Cbaves (C) t
e pelo -1. districto. o Dr. Francisco
da Silva Tai aros (C).
Palo I. districto de S. Paulo, foi
lambem eleito em 1." escrutinio, o
conselbeiro Antonio da Silva Pra
do (C)
PARTE OFFICIAL
Esta elelto em l,1
1. districto. o Dr.
Mala (C).
escrutinio, pelo
Jos da Silva
PARAHYBA, 15 de Janeiro, s 4 ho-
ras e 45 minutos da tarde. (Recebido s
7 horas e 45 minutos da noite, pela linha
terrestre).
A votaco do L.I vratui-uio foi esta t
Dr. Anillo 13
Dr. Hanoel Carlos
NATAL, 15 de Janeiro, i 6 horas e
r>5 minutos da tarde. (Recebido s 8 ho-
ras e 50 minutos da noite, pela linha ter-
restre).
Cbegaram mals colleglos do 1. dis-
trlcto. con os quaes a votaco a
segulntei
Dr. Tarquinio KBt
Dr. Amaro Beserra ase
- Do segundo districto sao conbe-
cldos os resultados dos colleglos de
Angicos e Mossor, que do o se-
gulnte :
Padre do&o Hanoel J IOO
Dr. Morelra Brando ts
Dr. Miguel Castro lo
MACEIO'-(Alagoas) 15 de Janeiro, s
7 horas da noite.(Recebido s 9 horas, pela
linha terrestre).
No 1. districto desta provincia vo
*" escrutinio os Drs. Bernardo An-
tonio de Mendonca Sobrlnbo (C) e
Tlioniaz do Bomflm Esplndola I I.
ARaCAJU' (Sergipe) 15 de Janeiro, s
6 horas e 28 minutos da tarie.
s 10 horas e 25 minutos da noite
(Recebido
Foi eleito esa 1. escrutinio, pelo
I. districto, o Dr. Luis Francisco
Freir (C),
RIO DE JANEIRO, 15 de Janeiro, s
2 horas da tarde. (Recebido s 4 horas e
10 minutos, pela linha terrestre).
Foram elellos em 1.' escrutinio
pelo Bio de Janeiro >
i. districto. Dr. Antonio Ferreira
Vi auna (C):
S. Districto, Dr. Joaquina Antonio
Fernandes d Oliveira (C) i
3." districto, Dr, Joo Evangelista
Sayo de Bulboes Carvalbo (C) ;
5. districto, conselbeiro Francisco
Belisario Suares de Sonsa (C) i
s. districto. conselbeiro Alfredo
Bodrigues Fernandes Cbaves (C) i
I." districto. Dr. Domingos de An
drade Flguelra (C).
NATAL, 15 de Janeiro, s 2 horas e
45 minutos da tarde. (Recebido s 4 ho-
rs e 30 minutos, pela linha terrestre).
O resultado de S colleglos do I.
districto e o segulnte i
Dr. Tarquinio &*
Dr. Amaro Bemerra ***
Dr. Jeronymo Baposo 1*
Faltam 4 colleglos.
PARAHYBA, 15 de Janeiro, s 3 ho-
ras e 55 minutos da tarde. (Recebido s
5 horas e 35 minutos, pela linha terres-
tre).
Em Ciurlntaem. Mamanguape e Ja
eoca foi|ee o resultado i
Dr. Anicio Salatiel 153
Br. Hanoel Carlas 111
RIO DE JANEIRO, 15 de Janeiro, s
5 horas e 55 minutos da tarde. (Recebi'
do s 7 horas da noite, pela linha terres-
Ir.).
Foi eleito em 1." escrutinio, pelo
4. districto do Bio de Janeiro, o
Br. Carlos Frederieo Castriote (C).
3837153 DA AC-NC!* SATAS
(Especial para o Diario)
LONDRES, 14 de Janeiro.
O marques de Salisbury prepara
um bill supprimlndo a vlce-realeaa
na Irlanda.
PARS, 14 de Janeiro.
O Sr. tirevj dirigi s duas Cama-
ras do Parlamaato uma^mensagem
na qnal agradece ao pas a nova pro
va fe conOanra que lbe den. reno-
vando o seu mandato de Presidente
da Bepublica.
O chele do estado convida os di-
versos grupos da malorla republi-
cana que se fundam para constl-
tulrem urna forte malorla de go-
verno.
BERLN, 14 de Janeiro.
A abertura da sesso do Parla-
mento prusslano teve lugar boje.
A mensagem real faz menco das
boas retardes exteriores e dls que
o governo tratar de apreseniar
sem demora um projecto de le con-
tra a Invaso do reino pelos pola-
cos.
GONSTANTINOPLA, 14 de Janeiro.
O governo da Porta Ottomana acei-
ta a unlo da Boumeiia com a Bul
garla, sob a condlco de ser felto
um tratado de allianca oftenslva e
defensiva entre a Turqua e o Prin-
cipe da Bulgaria.
PARS, 15 de Janeiro.
o Sr. de I*esseps partir SS do
corrate para Panam aum de exa-
minar os trabalbos esa exeeuco do
Canal Interocenico..
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
15 de Janeiro de 1886.
Governo da Proviuria
EXPEDIENTE DO DA 2 DE JANEIHO LE 188S
Actos :
O presidente da provincia, a quera foi pre-
sento, a 29 de dezembro lido, o recurso interpos-
to pelo cdadio Mpnoel Jouquin Xavier Kibciro,
da deciso pela qual o juiz de dircito da comarca
de Bezerros deuc^ou-lhc a expelijlo de novo ti-
tdlo de eleitor, sob fundamento de nao ter sido ex-
traviado ou perdido o primitivo e sim inutilisado
por acto voluntario do proprio recorreute hypo-
tbeso nao comprehendida no art. 6o do decreto
legis'ativo n. 3029 de 1831, que eiclusivament
se refere perda daqujllc titulo, por motivo in-
dependente da vontade do respectivo possuidor,
considerando :
1 Que, urna ves alistad j o eleitor nao pode ser
excluido seno nos casos previstos e pela forma
estatuida ao art. &> | Io a 8* do citado desreto
o. 3029 do 1881 e nos arta. 17 e 39 do decreto n.
8213 e art. 1 21 do decreto n. 3122 preval-
iendo fora destes restrictos casos a permanencia
do alistamento, que um dos pontos capitacs di
reforma sanccionada pelos referidos decretos.
2* Que o titulo ou diploma, expelido ao eleitor
constituio apenas o meio pratico de fazer valer o
dircito do veto reconhecido pelo ahsfamento, sen-
do a expedijao deise titula, ou diploma, conse-
quoneia necessaria dj acto jurdico, que reconhe-
ceu a existencia do mesmo decreto : (decreto n.
3029 art 6' 14).
3" Que_ a exigencia expressa no art. 6 18 do
decreto citado, quanto justificado di perda do
titulo, traduz smente o intuito de regulara ir o
exercicio do direito do voto, recoubecid) pelo alis-
tamento, evitando-se duplicataa e artificios preju-
diciaes i verdade eleitoral e de modo nenhum ea-
tende com a pe:da desse direito, i resultante de
eliminado do alistamento, fcita nos casos e pala
forma restrictamente preceituados nos sobre lites
decretos ;
4 Q.ie nao tendo o legislador comprehendido em
tacs casos o da expressa renuncia da capacidade
eleitoral por parte do cidado devidamente alis-
tado, monos se psdejulgar que fizesse depender
essa renuncia da simples inutilisajao material do
titulo, embora voluntariamente praticada pelo re-
pectivo possuiior ;
5" Que a idea de penalidade, invocada pela
deciso recorrida com referencia ao eleitor que
inutilise o seu titulo, nao poderia prevalecer,
mesmo quando nlo foese excluida pelas razoes j
expressas, attento o preceito jurdico, que nao ad-
mitte p>-esumpcao nesta materia ;
D4 provimeato ao mencionado recurso, de con-
formidade com o art 6 18 do supracitado de-
creto legislativo n. 3029 de 1881, para o fim de
ser expedido novo titulo ao recorrente, publican-
do-se a presente deciso e sendo logo devidamen-
te communicada ao juiz competente.Remetteu-
se copia ao juiz de direito da comarca de Be-
zerros
O presidente da provincia atteudendo ao que
requeren Mara C ivalcantf de Albuquerque Ro-
cha, professora da cadera de ensina primario
de Goyanna, e tendo em vista a informaco n 418
de 27 de novembro do anno passado do inspector
geral da Instrucjo Publica, resolve conceder
a peticionaria 2 mezes de licenca com ordenado
para tratar de sua saude onde lbe convier.
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em ofBcio
n 4, desta data, resolve exonerar, a pedido, An-
tonio Laurindo de Carvalbo do cargo de 1* sup-
plente de delegado do termo de Panellas e no-
mear para substituil-o Joaquim Feruaude.i da
Costa. -Communicou-se ao Dr. chsfe de polica.
Orficios :
Ao conselheire presidente do Tribunal da
Kelacao do Reeife.Transmiti a V. Exc. para
seu conhecimento e fias convenientes, aportarla
do 17 de detembro fiado, constante do impresso
aqni junto, designando a ordem pelo qual os juizes
municipaes deverito substituir os respectivos juizes
de direito.
Ao inspector do Arsenal de Marinha. De
conformidade com a autorisacio do Ministerio da
Marinha, em telegramma de 31 de dezembro fiado
mande V- Exc. admittir Irneu Manoel Dias no
lugar de machinista da serrara i vapor desse
Arsenal, ficando Ludgero Ramos Chaves no em-
prego que oceupava. -Communicon-so a Thesou-
raria de Farendi.
Ao inspector da Thesoutaria de Fazeuda.
Para os fins convenientes transmiti a V. S. em
resposta ao seu offioio n. 700 de 14 de dezembro
ultimo "!opia do telegramma do Exm. Sr. conse -
ibeiro ministro e secretario de Estado dos Nego-
cios Commercio e Obras Publicas, autorisando o
dispendij de mais 50:000/ para os servicos da
conservacSo do porto e ponte Buarque de Ma-
cedo.Communicou-se ao engenheiroencarregalo
das obras geraes.
Ao mesmo.Tra ismitto a V. S. para seu co-
nhecimento, a portara de 17 do mez findo, cons
tante do impresso aqu junto, designando a or-
dem peln qual os juizes municipaes deverSo subs-
tituir os respectivos juises de direito,
Ao inspector da Alfandega Srva-se Vine
de mandar entregar a Jacintho Dionisio Gomes do
Reg os 6400 exemplaresj das relaces remettidas
8elo Ministerio da Agricultura, Commercio e
>bras Publicas a esta presidencia destinados a
nova matricula de eseravos e arrolamento dos
sesagenarios de que trata a lei n. 327 de 28 de
setembro do anno prximo findo.
Ao inspector geral da IustruccSo Publica.
Concedo a autorsaco solicitada por Vmc para
justificar as faltas de ex rcicio escolar do proles
sor coitratado Joaquim Francisco de Miranda, a
que se refere o sea ofrhio n. 436 de 29 di Dezem-
bro findo.
Cortaras :
Ao presidente da Cmara Municipal de Ga-
ranhuns. Respondo ao officio que Vmc. me diri-
gi a 18 de Dezembro fin lo, declarando Ihe que
deve ser cobrada dos proprietarios dos barracoes,
a que se refere no seu predito officio, a taxa de-
cretada pelo artigo nico 38 da lei n. 1,862 de
31 de agosto do anno findo, visto serem improce
dentes os motivos allegados pelos mesmos propie-
tarios.
A' Cmara Municipal do Rio-Formoso.
Declaro Cmara Municipal do Rio-Formoso que
nao convm o estabelecimento de urna enfermara
de variolosos no interior deesa cidade pelos moti-
vos constantes da nforinajao junta, por copia, do
inspector da Sade Publica.
O Sr. agente da Companhia Brazileira, faca
transportar a provincia das Alagoas por conta do
Miniot. rio da Guerra no vapor Para, esperado do
norte, os soldados Antonio Francisco das Chagas,
JoSo Manoel do Nascimento e Manoel Joaquim da
dilva, que d'ahi virio escoltando um desertor.
Communicou-se ao commandante das armas.
O gr. agente da Companhia Biazileira, min-
do dar passagem a r at o orto de Belni, p ir
conta do Ministerio da Fazenda a? confeiente da
alfandega desta proviueia Antonio Jeronymo de
Oliveira que foi removido para igual cargo na do
Para bem asaim a Emilio l'essoa de O iveira fi ho
do m j&ino coufrente, menor de 15 annos de idade.
EXPEDIENTE DO S8CRETAHI)
Ao Dr. juiz do direito das execucoes crimi-
naes do Recite. Do ordem de S. Exc. o Sr.
fCuselheiro presidente da provincia trun ai .toa
. V. S. em solucao de seu officio n. 568, de 7 de
(S 'Dezembro findo, copia do de n. 12, de 24 do refe-
rido mez, no qual o director do presidio de Fer-
nando de Noronha declara o motivo porque niore-
me tteu o sentenciado Joo Al ves Frazio.
Ao mesmo.De ordem de Exc. o Sr. era-
selheir presidente da provincia, transmiti a V.
S. pira os fins convenientes, os autos do vistoria
c i ientidade de pessoa procedid-is em Fernando de
Njronha, nos cadveres d >s sentenciados Mtnoel
Carneiro de Souza e Jerony.no R-nns Coelho
Cantel.
Ao mesmo. D ordem dj S. Eie. o Sr.
conselheir) presidente di provnjia transmittj a
V. S. a r -ligio nominal, incln i por copia, doi
sonteuui idos ultima o-iite remdtti-Jos do presidio
de Fernando de Norouba.
Ao juiz substituto do districto criminildo
Reeife. De ordem de S. Exc. o Sr. eonselheiro
presidente da provincia, declaro a V. S. que, por
se a^hjr doente, nio sai ramettido para esta ca-
5tal o 8uutenciaJo Liberanno R>drguos .Micha-
0, riqu^sitado por V. S. em jlli ;io de 17 do
do mes findo.
Ao director do presidio de Fern m 1 > de No-
ronha.Oe ordem do Exm. Sr. coiisulheirs presi-
dente da provincia manda afcusar recebido o offi-
cio de 22 de Dezembro finio no qu il V. S. par-
ticipa ter u;ssa data nsjumido o cxereic'o de seu
cargo. Communicou-se a Thesouraria de Fa-
zenda.
Ao 3r. bibliotecario di Bibliotheca Naci
nal do Rio do Janeiro. Di ordem do Exm. Sr.
conselbeiro presidente da provincia, transmiti a
V. S. o officio junto em ori^ia.l com a uforma-
tes sobro o assumpto do questionaiio que acom-
panhon o officio de l do Novembro do anno fin-
do, dirigido por V. S. ao mesmo Sr. presidente.
Ao engenheiro chefe d*s Obras Publicas.
De ordem do Exm. Sr. eonselheiro presidente da
provincia, remetto a V. S. 200 passes impresjos
gratuitos da estrada de ferro do R;cifeao Casan-
ga, sendo 100 de ida e igual nimi i de volta,
afim de perem inutilis-idos no servido publico des-
sa repartidlo durante o corrente anno.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Reeife to Caxang. De ordem do Exm. Sr. con
selhoiro presidente da provincia, acenso o recebi-
ment do officio de 31 de Dezembro ultimo sob n.
69omoqualV. S. remtteu 1,530 passes im-
presso i de ida o igual numero da volta a que
obrigada 03sa companhia em v3ta do accordo ce-
lebrado com a presidencia.
HXPEDIENTB DO OA 4 DE JANEIRO DE 1886
Aetoi:
O presidente da provincia de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de pilicia em officio
n. 1,660 de 28 de Detembro findo, resolve nomear
Delphiuo Martina de Arauj e linfin > Jos Car-
doso para, na ordem de sua cjllocafao exercerem
os cargos de 2 e 3" supplentes do delegado de
Bebedouro, ficando exonerados os que actual-
mente exercem os sobredtos cargos.
O presidente da provincia do conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em officio
n 1,660 de Dezembro findo resolve minear Anto-
nio Francisco Florencio e Miguel Francisco Bar-
bosa, para na ordem de sua collocaco exercerem
os cargos de 2 e 3' supplentei do subdelegado de
Bebedouro ficando exonerados os que exercem
actualmente os supraditos cargos.Communicou-
se ao Dr. chefe de polica.
Officios :
Ao eommandante das armas. Declaro a V.
Exc. para seu eonhecimento e fins convenientes,
que o ministro da guerra, em telegramma de 31
de Dezembro findo, communicou me ter sido, por
portara da mesma data, transferido para o 15
batalhao de intantaria, o tenente Francisco Eva-
risto de Souza
" Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S. para os fins convenientes, que,
segundo participou-ms o director do Arsenal de
Guerra, em officio n. 95 de 2 do corrente, assu-
mio, em 31 de Dezembro findo o exercicio do cargo
de secretario do mesmo Arsenal, bacharel Jos
Francisco Ribeiro Machado para o qual foi no me i-
do por decreto de 12 d'aquelle mez.
Ao mesmo.Communieo a V. S. para os fins
convenientes que por aviso de 16 de Dezembro do
anno prximo passado declaroa-me o Exm. Sr. mi-
nistro da justicia haver solicitado do da fazenda a
expedicao de ordens so>re a concessio de um cr-
dito da quantia de 1:6004000 para pagamento da
ajuda de custas arbitrada ao juiz de direito ons-
tantino Jos da Silva Braga nomeado desembar-
gador da Relacao de Belm.
Ao mesmo. Declaro a V. S., em solucao ao
seu officio de 29 de Dezembro ultimo sob n. 738,
qu o en 'enhetro Alfredo Lisboa, nomeado por
portarla do Ministerio da Agricultura, Commercio
e Obras Publicas, de 7 do dito mez, psra substituir
o engenheiro Antonio Vicente do Nascimento Fei-
tosa as funecoes de director interino da reparti-
jo incumbida da conservacao dos portos e encar-
regado das obras publicas geraes, prestou jura-
mento e assumio o respectivo exercicio no dia 4 do
corrente mez.
Ao inspector do The3Juro Provincial. -Ao
Dr. chefe do polica mande Vmc. fornecer para o
uso da Guarda Cvica e nos teroios da informadlo
constante de seu officio n. 411, de 29 de Dezembro
findo as pecas de fardamento e os cintures de que
tratam os dous pedidos a que juntou por copia
Commuuicou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao director do Arsenal de Guerra.Remotto
a Vmc. para os devidos fins, o incluso termo de
abertura e exame do volume, remettido pela in-
tendencia da guerra, contendo seis cornetas.
Ao Dr. juiz de direito interino da comarca
de Peo d'Alho.Declaro a Vmc, para os devidos
effeitos e era solucao de seu officio de 30 de De-
zembro findo, que, sendo seu primo afia em se-
gundo grao o 1* supplente do juis municipal do
termo de Pao d'Alho Jos Francisco da Reg, nao
ha incompatibilidade, vista do aviso de 7 de
Novembro de 1873, entre Vmc. e o sobredito sup
pente, pidendo, portan to, este continuar no exer-
cicio das respectivas funecoes.
Portaras :
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recite ao S. Francisco mande dar passagem at
Palmares e d'ahi para Canhoti iho ao estafeta
que a este acompanna.
O ;r. superitendente da estrada de ferro do
Reeife a S. Francisco sirva-sede mandar dar
transporte amanha da estacio de Una a de Cinco
Pontas, para serem descontadas opportunamente
das gratuitas a que o governo tem direito de 1.*
classe a um efficial, e de 3.a classe a doze pra -
cas.
O Sr. encane jado do prolongamento da es-
trada de ferro do Reeife a t. Francisco, na esta-
cio de Palmares, mande dar transporte amanha
por conta da provincia da cstic;j de Catende
de Una, de 1.a classe a um official e de 3.a classe
a doze pracas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faga transportar para o presidio de Fernando de
Noronha, por conta de Jos Joaquim Alvcs St, C-
os gneros e objectos constantes da inclusa rela-
c&o.
O Sr. gerente da Companhia Pernambueana
faca transportar a bordo do vapor Giqui at a
Parahyba e por conta do Ministerio dos Negocios
da Justica ao cabo do corpo de polica Manoel
Vicente de Lima e o ajudanto do carcereiro di
capital ci'aquella provincia, Alfredo Arthur de
Almeida e Albuquerque, que a all vierain condu-
zindo o reo Jos Baroosa do L'w i afim de respon-
der a urna ordem de Habeas-Corpus, sendo de r
a passagom ao sobredio ajudante.
EXPEDIENTE D0 SECRETARIO
Ao Dr. chefe de polica.De ordem de S.
Exc. o Sr. eonselheiro presidente da provincia
communieo a V. S. que pjr falta de forco nSo
possivel fazer apresentar a V. S. a prsca do car-
po de polica para o fim indicado no officio n. 7
desta data, sendo entretanto autorisado a trans-
porte do cabo de polica e do ajudante do carce-
r :iro da provincia da Parahyb i de que tracta o
ctado officio.
Ao inspector do Thssouro Provincial.D o
dem de S. Exc. e Sr. eonselheiro presidente da
provincia cocunuaico a V. S que a 29 de Dezem-
bro ultimo f illeceu o guarda da illurainacjlo pu-
blica, Francisco dj Barros Falca> d Licerda.
Coinmuuicju-se as Obras Publicas.
Ao mesmo.De ordem de S. Exe. o Sr. con
selhoiro presidente di provincia communio a V.
S. pira os im conveuieatci qu; p>r olfijio do 1.
de Djzembr.t d) anuo p.-oxim) passado participou
o bacharel Jos Francisco Ribeiro Pessoa haver
assumi lo n'esse dia o exercicio do cirg) de ad-
junto do procurador dos Feitos da Fazenda Pro-
vincial no dijt-icto da collecOrii do Flores, para
o qual foi ultiinain 'uta nomeado.
_Ao mesmo.Di ordem de 3. Exc. o Sr. con
selheiro prndente da provincU eoiacaurjico a V.
S. para os fins convenientes que uo raquciimento
de Manoel Fernandes da Costa & C, a que se re-
fere a ioformac-lo desse Thsouro de 12 de N>
vembro ultimo, n. 3J3, foi hoje proferido o d;spv
cli i seguinte :
o Indeferido, pas que o suoplicaate foi devida-
mente ollectado, nao tendo por csse motivo, a
presidencia u;ado da autorisacio expressa na lei
n. 1531 de 1881, que a do n. 1860 do anno pissi-
do nao alterou para tornar obrigatorio o paga-
mento requerido.
Ao director do Arsenal de Guerra.Do or
dem de S. Exc. o Sr. eonselheiro presidente da
provincia m indo aecusar recebido o officio n. 95.
de 2 do corrente, era que V. S. pi ticipa ter assu-
mido o exercicio do cargo de secretario desse Ar-
senal, o bacharel Jos Francisco Ribeiro Machado
p>ra o qual fui nomeado por decreto de 12 de De-
zembro lindo.
Ao administrador do3 correios.De ordem
de S- Exc. o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. S. que o vapor aguaribe segu ama-
nha ao meio da, para o presidio de Fernando de
Noronha.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do Re-
eife ao Limoeiro.De ordem de S. Exc. o Sr. eon-
selheiro presidente da provincia communieo a V.
8. que tiveram hoje o conveniente destino os do-
cumentos que acmpanharam o seu officio de 31
de Dezembro ultimo, sob n. 742.
A Companhia Pernambueana.Do ordem de
S. Exc. o Sr. eonselheiro presidente da proviueia
fico inteirado pelo officio de V. S. de 30 de Dezem-
bro ultimo, de 20 do corrente e de hoje de serem
expelidos os vaporas Jaguaribi para o presidio
de Fernando de Noronha no dia 5 ao meio dia,
Giqui para os portos do Norte at Fortaleza
tambem a 5, S. Francisco para os porto do sul
at a Baha, no dia 8, ambos s 5 horas da tarde.
EXTERIOR
Repnblica Argentina
CORBESPOSDENCID DO JORSAL DO COMMER-
CIO DA CORTE
Buenos-Ayres, 17 de Dezembro
SommabioBuenos-Ayre 3 despovoa-seOs dous
candidatos presidencia da repblicaA fuso
Rocha, Cos'.a, Gerostia^a e IrigoyenReunido
em casa de MitreDistribuicao das pastas-
Jurez Celraau Apreciaco propra Darda
RochaLa PlataTransporte da capital Som-
bras no horizonteEl Censor e o general Sar-
mientoMontevideo e o Dr. brasileiro Serra -
R-rloxoes melanclicasVariedades. A lour
nere e as mu'herea As seuhoras francesasAs
befas senhoras fluminensesFraudes no Banco
Nacional-Nova linha de vaporesEdn, flori-
da, Polytheama e BailesFerrariAs compa-
nhias lyricasConcurrencia a FerrariEnge-
nho de urna senhora.
Nio obstante a estacio pouco propicia e a incon-
stancia do tempo, que anda nao est4 bem seguro,
Buenos-Ayres vai-se despovoando todos os das.
Quom poje gastar, va para a vizinha Montevi-
deo ou para o campo ; as casas fioam abandona-
das, os salos fechados, a vida de festas, recep-
tos, theatros, etc., acha ss suspensa momentnea-
mente, est se como na provincia, n'ura tedu que
matara o proprio Job. Fica a vida poltica, mas
esta tambem se resente um tanto da estacao e do
calor que a ranea como senbor desptico; at os
ministros e os deputados, senadores e camaristas
togem daqui o vo respirar ares mais frescos e
prover-te de novas foreas para a prxima luta das
eloices provinciaes.
Como se sab., os dous candidatos que ;<": o maior
nomero de probabilidades sao 03 Drs. Darlo Ro-
cha e Miguel Jurez e Celman ; e, sem ser nem
propheta, usm filbo de propheta, poderia apistar
desde j que o eleito ser Jurez. Talvez me en-
gaop, mas veremos se os factos im desmentem.
Urna nica probabilidad* haveria de luta tonaz, e
assim mosmo incerta, entre Jurez e oucro candi-
dato, e seria se R icha, retrando a sua candida-
tura, se juntasse aos dous partidos que sustentara
os Drs. Gorostaga (presidente da Corte Suprema)
e Irigoyen, formando um s partido que susten-
tassem outros que nao fossera usm R>cha, nem Iri-
goyen, nem Girostiaga. Ento smente a luta
poderia tomar direcelo seria, que tornar.a ditficil
o predizer quem levara paira i.
Com etfeito tallou-se n'ura a reumas em casa de
Mitre, quul assistiram o tres candidatos, e que
depois de animada diseusso foi adoptado novo no
me, que contentara s tres fraccoes: o nome em
questo sera o Dr. Eduardo Cos a, actual procu -
rador geral da nacao, homep eminente e um dos
chefes do partido Mitrist. Parece, alm disso,
se nao estou mal informado, que tambem so agita
ra a questo das futuras pastas ; e Gorostaga
ira para a vico-presidencia da repblica, Irigoyen
para o ministerio dos negocios estrangeiros e R>
cha para o do interior... mas lembra isto aquel
la historia dos catadores que venderam a pello do
urso antes de o ter morto.
O certo que, diante do nome de Costa, tea-
mos que nos inclinar, pirque difficil encontrar
personalidade miis completa da honralez. Mas,
aqu que sao ellasCosta nao seria sena o um
presidente de transacoo para "calmar momenta
neamente os partidos, hornera insigne, mas j ve
Iho, e eom a forja dis acontecimontos se donara
levar por esta ou aquella fraccao, dominar mesmo
por aquellos que o elevaram Entao feriamos a
eterna comedia do um representante suprem da
nacao, inanejaao por meio de fios escondidos, por
anbicoes nao satisfeitas; e Richi se cinformara
com figurar em segundo plano. No momento su-
premo nao tentar um derradeiro esforco p ira ven
cer? Eis o que me faz crr que a reuna > em ca-
sa de Mitre nao ter outro resultado seno o de
confundir e embrulhar cala vez mais a situac2>,
tjrnaodo-a cada vez mais difficil para a elevac)
de Jurez. Ser um bem ou ura mal para a Re
publica i E' difficil prevl o.
Jurez, cortamente, nao offerece nem ten passa-
do poltico claro e definido; nao se sabe o que se
ria cap is de fazer, posto prova ; mas tambem
certo que sen* um continuador da poltica do ac
tual presidente, o general Roca, o saber isto j
urna garanta para muitos. Asseguram nos ser
Jurez hom;m trio, do propsitos firmes e dotado
de estudos serios.
Quando se pensa que, ha s tres annos, naquel-
le mesmo lugar, onde hoje se encontram alinha
das esplendidas ras, flanqueada por palacios
simptuosos, pastavam rebanhos e aquillo tudo era
urna interaiuavel planicie inhabitada, p trece que
realmente se sonha e pergunta-se se nao loucu-
ra fazer acreditar que todo aquelle mundo de ca
sas, theatros, igrejas, palacios, bonds, carros, hi-
tis, restaurantes, c oiiadaos (passam de 30,0iX)>
foi creado pela mo do hornera no espaco de dous
annos e meio! E' realmente para se ficar mar
vilhado f Mas, justamente, toda essa maravilha
fez rae reflectir, e tirei urna consequenca que me
pareee lgica. Posso tambem engaaarme ;, mas
errare humanun esl. Se com a maior das satisfa-
coea posso inclinar-me ante o genio creador da ci-
dade La Plata, nao posso igualmente admirar o
.'UKtn poltica que, desejando construir um de-
gro para a cadeira presidencial com a fund icio
de La Plata, coraecou por ferir a susceptiblidade
da Buenss-Ayrea, tiran i i -lho a capital para trans-
portal-a para a n iva cidade.
Com a historia na mi pilonamos provtr quan-
to soffreu Baenos Ayres, quanto lutou para che-
gar ao ponto de bora estar em que hoje se acha.
Esta nobre cidade, esta Athena3 do Plata, como
como garalmente chmala, creio que nunca se
resignar a perder as suas prerogativa3, pelas
quaes tudo saerificou : e o trauspor e da capital
da provincia para La Plata, foi um golpe terrivel
que Ihe foi directamente a> coracao, e creio que
rJu:nos Ayres n5o deseja inutilsar um brajo em
favor do outra cidade nova, da qual, em summa,
nao nos parece que sinta absoluta necessidade.
A elevaco de La Plata, o seu desenvolvmento
material e comraercial, tudo sangue vivo arran-
cado a B enos-Ayos : e so se calla e deixa fazer
e porque nao v anda na nova cidade perigo so-
rio ; mas pens que combater com todas as suas
forjas a elevaco de Rocha, porque Rocha o pai
de Li Plata, o sendo elle presidente faria ver o
que se sentira capaz de faz t em seis annos de
pider a favor de sua filhi predilecta. E sejaaos
justos, Buenos-Ayres nao deixa de ter razao. E'
este o escolho ve^sladeiro, positivo, onda se despsj.
dajar a candidatura Rocha.
Nao quero dizer com sto que La Plata nao te-
nha futuro ou que este Ihe seja cortado : nao.
Buenos-Ayres ver sem desg03to o desenvolv-
mento da nova cidade : ha lugar e futuro para
todos : mas nunca deixar chegar as cousas ao
ponto de ver um dia, quando menos pensar, La
Plata capital da Repblica. E eis escripta a
grande palavra que todos tem sobre o coracao,
mao que, por amor proprio, nao pronunciara. E
intil nogal o ; basta ir um dia a La Plata e ver
a magnificencia das construeces, dos palacios
sumptu-sos para as cmaras, para o gove.-nador,
para a municipalidade, para a direccao de es olas,
pira adiviuhar aquillo tudo, ambijo de po^er
futuro. Podem desmentir-me quanto quiaerem :
o que deix) dito nao passa de meras apreciacoes
sem nenbuma importancia agora ; mas veremos
com o cminbar do tempo onde estar a razSo...
quando dentro de um auno, terminado o ports de
L i Plata, virmos 03 vapores de maior tonelagem e
os maores navios deitar ancora a um passo da
nova cidade.
Entretanto vai-se dizendo que Buenos-Ayres
ter tambem o seu porto... mas isto ainda est
por se ver ou por vir, emquanto que o de La Plata
est quasi concluido. Com Jurez, Buenos-Ayres
ter porto, dizem, e os d'aqni votaro por elle.
Tal at agora a aituajao poltica para as futn-
ras eleices ; mas nao se deve fiar muito, pois
que nao seria exquisito nem novo que no ulti-
mo momento as cousas mudi.ssem de aspecto. Ve-
remos.
Entretanto, o depreciamento do papel-moeda
o cancro qoe roe actualmente a Repblica, e se
nestes das o outro soffreu ligeira baxa, fti ver-
dadeiro fogo de palha, pois que as coasas torna-
rara a tomar o mosmo curso realmente forjado.
Quanto tempo durar ainda esta crse ?... Des-
gr cadamente ser este o maior p iao que ter de
aupportar o novo eleito, e assumpto muito serio
e muito grave.
Durante este tempo vao os jornaes esquentan-
do se cada da mais. Os orgos dos partidos Ro-
chista e Juarista chegaram aos extremos : batem-
se ferozmente pelos seus candidatos, e Deus sabe
ata onde irao se o calor tomar toda a forja, es -
quentando os cerebros j exaltados. Entre estes
fez-se notar o velho e sympathico general Sar-
miento, esse phenomeuo vivo que, aos 75 ou 7J
annos, maneja a penna com bri i juvenil. Ha al-
guna das appareceu um novo jornal seu, El Cen-
sor, que obteve ao principio ceiebridade tal que se
arranea vara os ejemplares das raaos. Mas, ai de
mim tudo passa e tambem o Censor, e hoje o
jornal do general Sarmiento, do Ilustro mestre de
escola, como elle mesmo se chama, nao produz
nem calor nem fri.
Antes de icaber com a poltica, nao posso deixar
de dizer duas palavras sobre ura boato exquisito,
contra urna asserjo por demais gratuita emittida
por um importante jornal bonarense. Na visinha
repblica do Uruguay appareeeu ultima hora
urna nova candidatura para a presidencia que
dizem, seria do agrado do general Santos; sera
esta a do Dr. Jos L idislo Serra, actual ministro
da fazenda, e que ha tres annos oceupa esse lugar.
Pois bem, o sobredito jornal publicou um artigo
furibundo contra o Dr. Serra, chamando-o de ho-
rnera absolutamente inepto e incapaz de 'dirigir a
causa publica. At aqu nada de mo, pois e se-
nhor de escrever o que Ihe parece sobre uro homem
poltico, desde o momento que os homens polticos
foram feitos de propisito para serem criticados.
Mas onde o collega nao me parece muito justo
o,ni lo levanta a maior aecusajao contra o pobre
Dr. Serra, assegurando ser ello brasileiro de nas-
cimento; e, s por este facto, caso em que venha
a ser presidente... Francamente, esta parece-me
forte! e, com cenja do sympathio jornal, crea
que olba muito atravez a lente de sua fantasa
vendo no Brasil futuras ideas de complicajes e
de anuexaj.i. Nao conhejo o Dr. Serra, nem sei
se brasileiro, mas nao creio que venha a ser ai-
gura dia presidente, pisque o presidente ser San-
tos... Mas nao m parece opportuoo despertar
ideas de complicajes impossiveis, que poderiam
engendrar desconfan ja entre dous paizes actcal-
ineute amigos.
E agora seja-me permittido abandonar o
campo arilo da poltica para fallar era cousas mais
alegres. Li em varios jornaes francezes e italia-
nos que a horrivel moda com a qual julgam as se-
nhoras de hoje tornarem-se bellas (retiro-rae
infame e anti-esthetica tournare, espantosr
cuderoule que desfigura completamente as linhav
harmomosas da inulher) principia a ser aban-
donada pelas damas. Com etfeito, em occasiao
das bodas principescas da joven de Orleans com o
principe da Dinamarca, todas as senhoras se puza-
ram de acc ir Jo para fazer desapparocer aquelle
monstruos) appendice, e toram todas ao Castello
d'Eu sem semelhante traje brbaro. Quis dis-
trahir a sua attenco com isto, porque me lerabro
que; tambera no Rio de Jaaeiro, ha alguns mezea,
a estupida moda francoza tornava fea tantas for-
raosas senhoras. Espero que estas p meas palavras
serio lidas pelas senhoras fl imiuenses; e jaque
nao podem fazer menos do que imitar as modas
francesas, iraitem tambsm desta vez as damas da
quo fal ei ha pouco e ponsem no que disse s este
rospeito urna celebre: < A .nulher ficaria deses-
perada se a natureza a tivesse feto tal qual a
moda a arranja.
Em menos de um mez deram se duas fraudes
escandalosas em prejuizo do Banco Nacional, e es-
pecialmente a ultima produzio muito barulho, tri-
tando-se de tres rapazes orientaos, um dos quaes
empregado no b..ne i, de onde subtrahio uns oto
ou dez mil naciouaos. O facto causou viva m-
pressi, porque o rapaz era nuto conbecido. O
ouiro, um tal E. C, foi preso ha tempos por um
supposto feto poltico, parece que quiz empregar
a dyuamite para r. u dver a seu modo a quest'o
poltica em Montevidi. Seu pai havia sido mi-
nistro. O tereeiro preso, um tal A. M., muito
mojo e bem conhecido pela sua vida de estrona.
Urna importantissima casa commcroial de
Lvsd.i, eom agencia martima, prop 'z ao goverao
argentino, eatabelecer urna liaba directa de va-
pores entre Lisboa e as escalas d Plata que, t ha

i




^paa^H
apiaBHBHHHi
. "
Diario de Pernainbuco-Sabbado 16 Janeiro 1886
idfl
da





6 DISTBICTO
Eteada (tres seccoes)
(176 eleitores)
Dr Heorique Marques
Dr. Samel Pontual
Dr. Nabuco
victoria
(212 eleitoree)
Dr. Henrique Marques
Di-. Samuel Poutual
Gramt
(H eleit"rus>
Dr. JawqaaiMttrqass)
ii.iJa. seisnl Dr Sacau-l Pontual '
de passai^ae**sass^B^-aeBaiesj
mala postaea europeas directamente a Buenos
Ayres sem taser escalas no Brasil, naturalmente
com menor perda de tempo. A proposU foi aco-
lhid* tavoravlmente; nem poda ser de outro
modo, visto a immeusa vantagem que trazia a Be-
publica. _
__ Poucos sao os divertmeatos que nos offerece
a cidade, se excepturonos urna companhia ita-
liana dirigida pelo valente Casali, que funeciona
no Edn Argentino e onde se pode pasear menos
mal a noite, osoatros.fl.oe se rbiasam.divertios* sm
tos pblicos e qae eu-.chaaissas lagares ejanto*
de remito da^meUseaH, uio v*l nadev'*
exelu r o jardim Florida,.onde tases -P .ge- <***- Dr. Qeea Caceante
mil reis para sstkmaeepadvar jisouTidas po
um gruw de ***>rmiU# pessiiaaawnte ames
Irados. O PolylisSssnapwaaraasuasaJa pasa oua
br.iles carnavalea-, dos-quaesd.sssa arannas.
E ii que fallo em tbealros, pasare osa mogata
para dar-Ibes noticias q" ten, relaefa tamben,
com o prximo invern ao B de Janeiro. Do em-
presario Ferrari nada se sabe por emquanto de
veidadeiramente positivo, porque se acha ainda
pendente a sua demanda com a municipalidade,
de ser exonerado do pagamento dos 800 nacionaes
por aluguel mensal do theatro Coton. Parece, en-
treunto, que tudo se arranjar, sendo Ferrari ea=
timado como ... Diz se que escripturou a Cape,
e aoa tenores Miorswiayky e Stagno, especial-
meute o primeiro, que possoe vos pheooiaenal e
bella escola. O Sr. Ricardo Nartiuex, secretario
de Ferrari, j parti para a Italia para eeriprr
nm corpo de baile e urna companhia de opereta
(fallase da de Somba).Os don empresarios
Piaoui e Raiuerilni arito sociedade e farao seria
concurrencia a Ferrari. J contrataran! a Tet-
saxxini, e diz-se que tambein Tamagno, Menotti c
Sienorett. Em summa, terenws duas boas com-
panhias lyrics, e o publico nao ter senao o em-
baraco da escolha. Assim pois tero no Kio o
D. Pedro II e o S. Pedro de Alcntara oceupados
por duvs companhias, porque os tres empresarios
niim mniti eam a nroducto aue Ihes dar a en-
costara muito com o producto que
pital do Imperio.
KEVSTA DIARIA
106
80
58
213
1
283
207
416
11
1:023
756
1
1
453
341
.42
1
1
107
106
7
276
115
71
64
31
29
826
767
49
1
1
Eleico geral.Da eleicao a que hontem
se procedeu para deputadoa Assemblea Geral
Legislativa t sultados nesU provincia:
1. DISTBICTO
Parochia de S. Fre Pedro Gonfalnu do Recife
(186 eleitores)
Dr. Nasciaseato Portella
Dr. Nabuco de Araujo
Parochia de Santo Antonio
(462 eleitores
Dr. Nabuco de Araujo
Dr. Nascimento P. rtella
Dr. Souxa Beis
Parochin de S. Josf
(496 eleitores)
Dr. as smente Portella
Dr. Nabueo de Araujo
tarochta de Afogadot
(627 eleitores)
Dr. Nascimento Portella
Dr. Nabuco de Araujo
Besnmo de toda a votacao do districto
(1:781 eleitores)
Dr. Manoel do Nascimento Machado Por-
tella (C)
Dr. Joaquina Aurelio Nabuco de Araujo (L)
Dr. Souaa Res
Em branco .
Sendo a maiorja absoluta do 891, est eleito o
Sr. Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella.
2. nisTBicro
Parochia da Boa Vitta
(838 eleitores)
Conselheiro Thocduro Machado
Dr. Jos Mariano C. da Cunha
Dr. Jos Nicoli" T. de Carvalho
Dr. Ambroai-i Machado
Em branco
Parochia da Graca
(220 eleitores)
Dr., Jos Mariano
Conselheiro Theoduo
Dr. Niolo Tolenliu-j
Parochia do Poco
(391 eleitores)
Dr. Jos Mariano
Conselheiro Theodoro
Parochia da Vmrwta
(135 eleitores)
Dr. Jos Mariano
Conselheiro Theodoro
Parochia de i. Jjourenco
(60 eleitores)
Dr. Jos Mariano
Conselheiro Theodoro
Resumo de toda a votacao do Histricto :
(1:644 <-lei toree)
Dr. Jos Mariano Cameiro da Cunha (L)
Conselheiro Theodoro Maca ido Freir Perei-
da Silva (C)
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho (C)
Dr. Ambrosio Machado (L)
Em branco
Sendo a maioria absoluta de 83, est eieito o
Sr. Dr. Jos Mariano Carneiro da Cunha.
Dizem-no8; que na seceo do Montelro, da pa-
rochia do foco, o Dr Nieo o Tolentino tevu 6
votoa; oque nao p>demos verificar, porque nao
recebemos o edital dessa seceo.
Se assim a maioria absoluta de 825 votos ;
e neste caso ainda estcleito o Dr. Jos Mariano.
Dizemnos mais que o Dr. Jos Mariano tevo
70 e nao 71 votos ua Vasaen, como reaa o edital
n'outra seceo publicado.
Ainda assim, a malaria tbsoluU ser de 825,
c fendo o Dr. Jos Mariana 825 votos, attingio o
algarism) e est eieito.
Z" DISTBICTO
Olinda
{V27 eleitores)
Dr. Antonio Correia
Dr. Silvino Cavaleante
eheribt
(83 eleitores)
Dr- Antonio Correia
Dr. Silvino Ca /aleante
Igimratiu'
(140 eleitores)
Dr. Antonio Correia
Dr. Silvino Cavaleante
Luz
(33 eleitores)
Antonio Correa
Dr. Silvino Cavaleante
Pao d'Alho
(141 eleitores)
Dr Antonio Correa
Dr. Slvino Cavaleante
Gloria do Goit
(95 eleitorts)
Dr. Autmio Correa
Dr. Silvino Cavaleante
Resumo dos collegioe conhecidos, faltando Ma-
rangnape. e Itamarac, que nao podem alterar o
resultado:
(619 eleitores)
Dr. Antonio Francisco Car rea de Araujo (C 38S
Dr. Silvino Cavaicante d'Alouquerque (L) 231
Pode-se considerar eieito o Dr. Correia de
Araujo.
4* DISTBICTO
Goyaimta
(248 eleitores)
Dr. Joaquina Tavares
Dr. Joo J. F. de Aguiar
Notta Scnhora do 0"
(64 eleitores)
Dr. Aguiar.
Dr. Joaquim Tavares
Itamb
(94 eleitores)
Dr. Aguiar
Dr. Joaquim Tavares
_ Cruangy
(44 eleitores)
Dr. Aguiar
Dr. Joaquim Tavare
Timknuita
58 eleitores)
Dr. Aguiar. 30
Dr. Joaquim Tavaree 28.
Resumo d diatricto faltando Tijucupapa e S.
Vicer.te, que nao podem altera* o resultada :
(508 eleitores)
Dr. Joio Juvencio Ferreira de Aguiar,(C) 271
Dr. JoaquiE Javares de Melle Barrete (L) 237
Pode-se considerar eieito o Dr. Jaueneie de
A guiar.
5. DISTBIGIO
lmtm
(331 eleitores)
Dr. Pedre Beltro 182
Dr. Lacarda. 14l
Km branco
Resano ds.votacsn, UUando a i' scefc
Eacada o o coUagio de-Reaeseoe :
(4 eleitores)
Dr. II nrique Marques de Hoilaada CknsV
cante Dr. Samuel dos Santos Pontu! (L)
Dr. Joaquim Nabuco (L)
Dr. Groes Cavalcaute
Jovino
Em branco
135
32
9
151
61
40
30
1
1
2
dti
396
123
9
1
1
2
Pode-se conaideratjeleito o Dr. Henriqusx- Mar
que.
7 niSTBICTO
Jaboato
(120 eleitores)
Desembargador Henrique Pereira de Lucena
Dr. Andr Cavaleante de Albuquerque
Ca6o
(226 eleitores)
Dr. Andr "avalcante
Desembargador Lucen*
Mttribeea
(69 .leitores)
Desembargador Lucena
Dr. Andr Cavaleante
375
359
90
37
51
9
78
62
11
II
87
:>i
57
38
72
u
132
94
40
32
TeTgramma que recebemos desta cllegio diz
assim : ./-, j
t Appareceram tres cdulas de mais. Contadas
as chapas ver.ficou se que existiam 69. Requer
4ue nn'vamente se verifieasse o engaso, e o presi-
,lent do coll.-gio violentamente inutihsou as res-
p ctivas cdulas Francisco Magalhae.
lpojnca
(186 eleitores)
Desembargador Lacena *J
Dr. Andr '/avalesnt- '
gerassVIasj
(130 eleitores)
Desembargador Luceaa
Dr Andr Cavaleante ^
Resumo de todo > histricto :
(731 eleitores)
Desembargador H-nrique Pereira de Luce-
Dr. Andr fSTninirt*" 3e Albuq uerque (L)
Sendo a maioria absoluta 366, est eieito o des
embargador Henrique Pereira He Luc-na.
8o nismicTo
Palmares
(2TS -leitores)
Baro de Araeigy
Dr. Aristarcho L^pes
GasieHeira
(119 eleitores)
Bario de Aracagy
Dr. Aristarch i L ipes
Agua ^reta
(216 eleitores)
Baro de Araeagy
Dr. Aristarcho Lip-s
Rarrciros
(155 eleitores)
Bario de Aracagy
Dr. Aristaruho Lopes
Em branco
Rio Formoso
('.12 eleitores)
IJaro de Aracagy
Dr. Aristarcho Lot.es
Una
(70 e'eitoras)
B iro de Araciny
Dr. Aristarcha Lipe
Resu-no de todo diatrct >:
(925 eleitores)
Baro de dracigy (Oj
Dr. Aristarcho Lopes Em branco
Sendo a maioria absoluta 468,
Bario, de- Aracagy.
9"' DISTBICTO
(nipap
(110 eleitores')
Dr. Ulysses Viauna
Dr. Jos Bernardo Aleoforado.
Canbotinho
(48 eleitores)
Dr. Aleoforado
Dr Ulysses Vianna
Panclla
(114 eleitores;
Dr. Aleoforado
Dr. Ulysses Vianna
Resumo dos eollegios de Quipap, Canbotinho e
Panfilas
(272 eleitores)
Dr. AcoforaJo (C) 151
Dr. Ulysses Vianna (L)- 221
10*! nwTBicto
Limoeiro
(232 eleitores)
Dr. Rosa e Silva 1*6
Dr. Go-loy e Vaseoneellos 6b
tirara a Ds>uinPelas noticias que cima
vo enumeradas, v s que em paste alguma hou-
ve hontem perturbaco da ordero. O pleito eleito-
ral correu calmo-e tranquillo; os eleitores soube-
ram cnmprir o *eu dever cvico, e se desempenba-
ram do mandato com bombridade e inteira liber-
dade.
D vemos, pois, estar todos satisfeitos, porque a
nossa provincia sabio sem macula da aituaco dif-
ricil e espinh'isa por que hontem passou, e debe-
mos mais render grecas- Deua pela paz com que
iius brindou.
Rodrigues c Joanna Francisca da 8ilv, appro-
vllias plenamente.
O acto, a que assistiram diversa? pessoas gra-
das da localidade, presidido pelo respectivo dele-
gado litterario, o teuente-coronel Jos Francisco
de Morses Vaseoneellos, sendo examinador ad hoc
nomeado o Dr. Joaquim Xavier de Moraes An-
d rade.
O Plebea O nosso comprovinciano, Sr.
acadmico Ribeiro da Silva, vai em breve fazer
ahir dos preios o seu novo drama em 1 prologo e
5 actos : O Pieeeu, do qual j fallamos quando
repassnntaslsi.psla ptssseira -ares.
(Xflebm nona-pus da-seu thea-ro.
nreses l lttsrtsisssls)i. Lesaos na Jor-
nal diCammmeio da corte, de -29 de I Resembr :
BsVsndessKB bsasdiausa ordena expedidas
pelaapsasssleisiBsi de8SPauto.t!0m,o fim dnaocele-
rar nsaaslgir-----isrfrr" eapfscesssi dhSksslforriaa
por eesss* do fans *ssiissipn|^ imssssssifiimoB
6 desea de qusx* utd prs^iiesieia, digna de tor-
nar-se applicavel a todas as localidades onde
aquelle servico tim. sido procrastinado, fosse
aeompanhada por outra que pusesse cobro aos
abusos notados na fixaco do preso dos libertan-
dos. Taes abusos nao se tem mostrado agora to
numerosos como outr'ora. As providencias toma-
das pelos ministerios Lafayette e Dantas foram
efficaxes para corrigir a muito as UTaliaePS ex-
ceseivas, que em algumas localidades pireciam
augmentar na proporco em que por toda a parte
diminua mais ou menos o valor ven il da merca-
doria homem. Nos ltimos mezes, tal vez como
repercussio da tabella de valores fizada pela re
cente lei de 28 d setembro, -.ivaliaces forsm n>
tadas que chegaram a attingir os precos de 1:000#.
e 1:4004. O mal nao tardar a propagar se pelo
contagio do exemplo tolerado, consentido e ap-
provado.
> FelUioente, quanto provincia do S. Paulo,
interveio providencia que sem duvida influir para
que a razoavel media, all predominante em gran-
de numero de municipios, nao seja perturbada em
outros por conchavos de avaliacoes exageradas
com que se locupletam uns, estoivandj a obra da
i-mancipaco, ao paseo que outros para ella con -
eorrem de boa vontade pela moderaco de suas
exigencias. Ainda quando o fundo de emancipa-
co nao devesse* ser zelado no seu emprego como
qualquer outn. vrba da receita, bstaria aquella
rritaute desigualdide para que todos os bons ci
didos se mostris8em intere&sados na represso de
taes abusos. Neste sentido expedio a presidencia
.le S. Paule ao inspector da Thewuraria de Fa
zenda, em 24 do corrente a seguate ordena :
Illin. Sr.--Apear das recommendacoes cons-
tantes das circulares de 28 de abril e 17 de iulho
do anuo passado, de que envi a V. S. as copias
juntas, continuam alguna ageutes fiscaes a aceitar
fireeos ixorbitantes para as arforriss que se
azem pelo fundo de emanciparan, o que tanto
mais estranhavel, qnanto taes precos corresponden!
a B&'ordo celbralo com os cenhores.
Campre, portanto, que no desempeDho das
obrgar^s impostas peloart- 37 do desreto n. 5,135
177
96
95
24
145
71
86
67
2
59
24
52
18
614
309
2
est .eieito o Sr.
56
54
34.
14
63
51
KinpreBia Teleptiosiics Bonrgard
O moviineuto desta empresa no dia 15 do correte
u ez foi de 5,226 eommunicacoes, distribuidas da
sc-guinte forma :
137
11L
35
29
66
28
29
15
Correaponderam se
De
De
De- 8
Del 9
De 10
Dei 11
Dei 12
De- 1
De' 2
De' 3
De 4
De' 5
6 ai
7
7 da manhi
8
9
10 .
11 .
12 >
1 datante
2
3 .
4 > .
5 .
6 .
104 assignantes
154
174
158
228
302
756
822
73Z
688
586
572
5.226
Bonita arco -No casa-aent) o tenente
Manoel Francisco de Sonsa e Silva com a Exma.
Sra. D. Amalia Bezerra Cavaleante, facto que
teve lugar no lia 40, ni Escada, foram liberta-
dos : pelos noivos o eser-vo Casimiro'; pelo pa-
driabo da noiva a estrava Fermina, e pelos roaos
da noiva a escrava Martinba. Todos esees escra
vos eram mocos, e obtiveram a lber dad e sem
oaus.
Bonita accao.
La TraslataNo Theatro das Variedades,
da Nova Uamburgo, canta hoja La Traviata, de
Vendi, a companhia lyrico eomico-dramatica dos
Srsi Boldriai e Millone.
Veala.de Manto ta aro eau Jabea-
tas Na igreja matriz de Santo-Amaro de J>-
boato celebra -se air.anbi a festa do respectivo
orago, havendo missa solemne s 10 horas da ma-
iih:t e Te Deum noite.
llavera diversos Colgares populares no largo da
matriz.
- A ferro-via expedir tres trena extraordinarios,
seado do Recife Jaboato is 1, 4 e 7 horas e
55"! da tarde ; c de Jaboato ao Recife s 2 horas
3" e 5 horas e 5" da tarde, e s 10 hora' da
noite.
Do *!Sao esperadas aoje do sul os vaporea
nacional Espirito Santa, em viagem para, o norte,
e babuino Marques de iCax..as, que depois de al-
guna dia*. de demora regressar Baha.
tnalvrrsarlo-Na prxima regunda-feira,
18 4o corrente mez de Janeiro, fazem 21 annos
qoeio Paraguay declarou guerra ao Brasil.
Hxames piiaaarlsT No dia 3 de De
seaabro prxima ultimo tixeram lugar na escola
publica do sexo, fessinino de Cruangy, regida pela
professora D. Mara Leopoldina de -Monra R
zende, os exames das alamnai que foram dadas
por esta- como habitadss naa materias do 1-
gve, daae o eeguinte rernstssk : Amelia Car-
sselsna Freir e Antonia Luisa da Cunha Moreira, J
de 1 de Njve-nbro de 1872 observem
mente aquellos agentes as determinaeoes ebntidas
n*s citadas circulares, para nao ser desfalcado o
referido fondo por cansa da aceitacio de precos
"xng'rados e superiores ao valor real los escravos,
frustrando se os fins hnmaoitarios da lei de 28 de
Settmbro de 1871.
Tendo esta presidencia muito vista que em
tao importante ramo do servico publico se cura-
pram fielmente as suas recomoaendaco s, procede
r coir> todo o rig r da lei eoutre os agentes que
as trausgrodirem : o que tudo decl tro a V. S. afm
de que faca constar aos funecionarios de quo se
trata.
Deua gni'de a V. S.- -Joo Alfredo Correia
d'Olioeira.
Fundadas tm sido> portanto, as nossa9 que
xas, sendo milito pira 'otar que as avaliaoBes
. I exageradiis tenham resultado de a '. :ordo celebrado
entre alguna agentes fiscaes e propri. tirios insa
caveis. Os agentes por tal modo inculpados sao
recalcitrantes, reincidm em falta pela quaJ j
toram advertidos cm 1883, e de modo severo pelo
Minist-rio da Fazenda. Parece, pois, chegada a
oocasiio de iutervir de noro o geverno geral, nao
mais cora simples recommendaco ou advertencia
mais de modo que acautele a fazenda contra pa -
gamentos ndevidos. E. preciso achar providen-
cia que jorte pos estes a bu os de manrira exem-
plur. O governo nao cinsentir que, com menos
cabo de ordene positivas, se ageitem em alguns
municiprrs negocios de tai- nacuma:
< J \ae isto se taa neerssario, recordarenus
de novo que, ha quatro para cineo annos, o Sr. Ba
rao de Cotegipe reelamou do Senado cont-a o des-
barato do fundo de emaneipaco, pondo em relevo
nao smente e abuso das avaliacoes, mas o igasbil
artificio de caaar escravos invlidos com pessoas
livres miseraveis com o fim de alcancar para
aquelle8 o primeiro grao de peefirencia na ordem
de. emaneipaco.
Factos desta natureza sao ainda inais graves
agora do que ento, porque, nc intervallo, a pro-
priedade eserava soffreu evidentemente redueco
coasideravel no seu valer. Esta seiucco nio
pode deixar de influir no preco das emancipacoes
ofBciae8, o qu-^1 deve corresponder, segundo o in-
tuito das leis, ao valor venal.
' Antropitlosjta criminal eau Vrassca
Da Revista Screotifica de* Pars de 26 de. De
zembro ultim traduiimos o seguiute :
Do conhrciraento, que se propaga cada vez
mais em Franca, dos trabarnos notaveie da escola
italiana de antropologa criminal, fondada por
tieccaria, e brilhantemente continuada pelos emi-
nentes profeasores Lombrosoe Ferri, vai es usan-
do um certo pezar nio hasec alguro easino em
Franca.
is o que nos annuncia o apparecimAito
dos ^rcAice de lanlropologic crimintlle et des
sciences penales, dirigidos pelos Sra. Laeassagne,
professor de medicina legal da Faculdade de Me-
dicina do Lyon, Garraud, professor de dirrito cri-
mina) na Faculdade de Direito da meema cidade
Contagne, chefe dos trabalbos de medicina legal.
Os novos archivos veein pois preencher urna
verdadeira lacena ; e!le3 nos provam ao metrao
lenapo qie, se dascola cuja amencia se pode
ieplorar nao lia ainda urna direcco individual,
ao m^nos seus ele ncutos existiam-j, pedindo que
fosiem unidos fazer umis corpo. O grande ser-
vico que poder prestar esta publicacio ser pois,
ntffornecer um orgio a um enaino oflicial, que
nao existe ainda; porera ajudar inuito a formado
de urna escola francesa, agrupando os seus mem-
bros dispersos, apresentando os seus trabalbos
reunidos, e fazendo convergir todos seus esforcos
para tal fim. O eusino offiiial vira a^pa-ccer de-
pois.
Sobmettcr os differentes-odigos ao registro
da sciencia e particularmente orgaasar a parte
daa cirenmstanoias pbiaioo-chimicas, das condi-
coes bio'ogicas e piliticas na geness do crime ou
forsnacio do horaem criminal ; e isto. teniendo
igualmente o traustorno e a.utopia, e com um es-
pirito de progresan insepar^vel desta ccnvicco
a saber que a evoluco calma a lenta nos pheno-
roeaos natuiaes, preside rnente s mudaucas du-
ra veis ; tal o fim que se propem os Archives de
l'atttropologie crimiaee. Felicitamos os profes-
soros de Lyon pela sua iniciativa e dceejamos o
feliz appare -iui 'uto da sua obra, cujo bom xito
nos.parece cert).
HKwin sMattstsssssssl Serio celebrarlas I
Hoje :
A's 8 horas, na matriz da Boa Vista, na oipel-
la do engenho Cabect de N-gro s 10 boras e na
igr.ja de 8. Jos da Boa Esperanza s 10 horas,
por alma de D. Tbereza da Sirva Vieira Pontual;
s 1 1|2 huas, no.Toreo, p-r alma de Antonio do
Padua da Fon se* a Ventura, s 8 horas, na ma-
triz da Boa-Vista, por almdo alferes- Apolioario
Luis de Carvalho ; s 6 1/2 horas, em S. Pedro
Mastyr, do Olinda, por alma de D. Therrza Pon-
tuak; s 8 hora, na nutrs de Santo Antonio, s
6 1/2, na S da Olinda, e s 6, no colles/io da Es-
tancia, por alma do alferes Apolmario Luis da
Carvalho ; s 7 1/2, na capella do S. Sebastio de
Canfcotinho. por alosa de D. Malina Alexandriaa
de Carvalho Franea; is i horas, na igreja da
Conceicio de Bebi-ribe, por alma de Maool Luis
da Veiga.
Segucds-feirs :
A's 7 horas, na matis da Boa-Vista, por alma
de Jos Ribeiro do Amaral.
Terca-feira :
A's 8 Horas, na igR-ja da Coueeieao-dos Milita -
xcs, -por alma do D. Hermelinda. -.Soahorioha Vie-
gasj
Lrftlrrta da vMVtasjtat*Terca-feira, 19
dejaneire, se-extrabir a lotera s.32, em b nefi-
cio da Santa Casa de Misericordia do Recife.
Ne consistorio
Coneeic&o dos Militares, se achaiio apostas as-i
amase asespaeras arrumadas-em erdem ausae
rica, a precia ci do pubsice.
Lotes-** de Maces* de
200:0004000, pelo novo plano, ser extrahida im-
pretcrivelmente no dia 19 de Janeiro.
Os bilhetes acham-se a venda na Casa Feliz
praea da Independencia ns 37 e 39.
l-olerla de SOiOOOOOO A lotera
362a serie 15, ser extrabida hoje, 16 de Janeiro.
Tambem acham-se venda na Casa da Fortuna
a ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera do salo.A 1' parta 195 do plano
novo do premio de 100:000/000 acham-se ven-
08 bilhetes Casa da Fortuna, i ra do Crespo
n. 23.
arteria do Ceara de lo 000*00
E jta lotera, cujo 'miar premio 10:0004000, pelo
novo plano, ser extrahiJaahoje, 16 de Janeiro.
Os bilhetes acg m-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro do Marco n. 23.
asMssrla do Maranlsa -A 1 parte da 1'
lotaria dessa provociaaem boficio da emancipa-
i. iTi>s sfsssiit ii Casa de MHariesadia, cujo maierpre-
misr- oOtOOOiO, 0, ser extraas* no dia 26'oW Ja-
neiro.
Acham-se exposto a venda os restos des bilhe-
tes na Casa da F tuna ra Primeiro de Marco
n. 23.
peraeo Irurglca Foi praticada no
hospital Pedro II no dia 14 do crrante, a se-
guinte :
Pelo Dr: BerandO:
Extraccao de catarata molle polo proeesso de
Wecker moi iridectomia.
Cetalterio PnailooObituario do dia 13
de Janeiro :
Feliciano Fortunati, Rio Grande do Sal, 21 an-
uos, soltero, Recite; ttano.
Vlanoel Severino, Pernambuc >, 24 annos, sol-
teiro, Boa-Vista ; anazarca.
Agoetinho, frica, S. Jos : remettido pela sub-
d legada.
Manoel Marques, Peruambuco, 23 annos, sol-
tero, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Mara Serafina da Annunciaco, Pernambuco,
30 annos, solteira, Graca; metrite puerperal.
Luis, Pernambuw, 40annos, olteirn, Santo An-
tonio ; fe ore typhica.
Isaltiaa, Pernambuco, 5 annos, Boa-Vista ; fe
bre perniciosa.
Amelia Zeferino de Freitas, Pernambuco, 17
annos, casada, Boa-Vista ; febre tvphoide.
Manoel, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista ; con-
vulses.
Mana Emil-a dos Res Gom'8, Pernambuco, 16
annos, solteira, Boa-Vista; febre typhica.
Aquilina J. P. M. de Mello, Pernambuco, 31
annos, casada, S. Joa I anemia.
Mara, Pernambuco, 11 mezes, Recife; esers
phulas.
Joio Luis de Carvalho, Pernambuco, H4 annos,
casado, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
IHDICACOES UTEIS
edleos
Cotsaultorlo luctlii-o eirurgiro do Dr,
Pedro de Atlabyde liobo Hoscoso a
ra da slorla si. 3t.
O doutor Moiicozii d consultas todos os
'ias uteis, das 7 s 10 horas da manb.3,
Este oonsuitorio oFerece a commodidit
le do poder eaJa lente ser ouvido o ex
ainado, sem ser presenciado por outr.
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreao pra
;& do CoLamorcio, onde funeciona a aa-
pecyao de sade do porto. Para qualcjuer
Testes Jous pontos poderao ser dir.'gidos
>s chamados por carta as indicadas hora.
0 Dr. Acibiadas Velloso continua a ter
consultorio, na sua antiga residencia^
ra do Bario da Victoria n. 43 1* an lr.
D consultas das 7 s 9 horas da manli.
e acole aos charnadeS a qu dquer hora
Pratica oper.vcoes.
O Dr. Alfredo Gaspar, medico opera-
dor e parteiro, restabclecido dos gnus in-
comrnodos, contina no exercicio de sua
pronssSo. Residencia ra da Imperatriz
n. 4,- 2.' andar.
Dr. Barreto Sampaio d consultas de 1
s 4horas da tarde, > ra do Br3o d
Vlcrtoetaro. 45, 2 andar, residencia rus
do Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advogado
Henrique Milet. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Encarrsga-se de questSes
as comarcas prximas as linhas frreas.
Dr. Oliveira Escorel,r2.0 promotor pu-
blico, tem seu eseriptorio de advogacia na
ra Primeiro de Marjo n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogadd -
ra do I nperador n 37.
Hudanra de consultorio
O Dr. Alrio avisa aos seus diente
que mudou o s ; consultorio para a ra do
Queimadc a. 46, 1." andar. Consultas
todos os dias das 11 s 2 horas da tarde
Drogara
Faria, Sobrinho & C, drogustas poi
attacado. Ra Mrquez-do Olinda a. 41.
Francisco Manoel da Sita & C, depo
utarofl de todus as especialidades phafma
ceuticas, tintas, droga, producto chimice
e medicamentos liomoeooati-.os, ra do Mar-
gues doOlinriau 23.
iaf tees francesa e drogara d k< '*-
quajroi FrreM. MnecesNorea
.4. de Cao s
Neste estabelecimento fundado desde
1821 encontrase os productos chlroieos
drogas, tintas, leos, pinceis, verniz-'s das
o-lhoros marcas ; todas as especialidades
pharmaceuticas dos legtimos autores, um
variado sortimento de tundas e aguas mi
neraea, os granulos- dosimetricos de Burg
grave e productos especiaos da Flora Bra
sileira. 22 ra da Cruz, Recife.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de campia
(le I Francisco 'dos Santos Ma-edo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande estabele-
ciiaento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, comprase e vende se madeiras de
to oontn Itistssj assim como sepfeparam obras
de carapira por machina e por prejos sem
competencia.
Contratos por 10 annos 155*820 annuaes.
15 124J059
. 29 . 109*345
- 25 101J906
. 30 - 970336
No escriptoro do Banco ra do Commercio n
34, dar se hd os demais esciarescimentes neces-
sarios.
Reeife, 31 de dezembro de 1885.
Pelo bsneo de ere lito Real em Pernambuco,
Os administradores
Mancel Joio de Amorim.
Joa da Silva Loyo Jnior.
Luis Ouprat.
Alheen Brasileiro
O abaixo assignado communica aos paes
de seus alumnos e ao publico, que o esta-
belecimento de instruccao primaria e se-
cundaria que sob sua direccao tunecionava
na ra da A urora, se acha tranferido para
a casa n.-53 da ra do Hospicio, onde foi
o collegio Dous do Dezembro, g qual
tendo j recommendavel pela sua excellen-
se situacao e vastas accommodacoes feita
de proposito para o fim a que tem sido
destinada, tornou se agora, depois das re-
formas e mclhoramentos por que acaba de
passar, a mais commoda e aprazivel.
Abrir se-hSo no dia 15 do corrente n/ez
os differentes cur30i regidos pelos mesmos
professores que os diiigiram no anno pro
ximo pausado.
Recife, 13 de Janeiro de 1886.
O director,
Jos Marques AcauS Ribeiro
G0LLBG10
DE
Nossa Seiora (la Pella
Roa do Baro de *. Borja n.
'M. oiitrora d Mebo
Os traba'hos deate instituto de educa^o de me-
ninas, fundarlo em 1876, comecam a 11 de Ja-
neiro.
A directora, havendo-se transferido para o pre-
dio cima dito, de ptimas condicoes para eatabe-
eimentos desta ordem, tendo longa pratica de ma-
gisterie, desde 1873 e auxiliada por habis profes
sores, espera continuar a merecer a confianca dos
Illms. Srs. interessados.
Ensiia se : primeiras letras, portugus, francez
ingles, allem.o, geograptiia, historia, msica, piano
deienho, costaras e bordados de differentes ge
eros.
Augusta Carneiro.
lintel Pctropofis.
Empalmaros, junto a oslaro do
caminho de ferro
Cora quanto a casan! tenha tirado lucro at
agora, anda assim continuar at-o fim da safra.
Pede-se aos Srs. passageiros a bondade de o visi-
tar. A mesa para todos que estiverem decente-
mente vestidos e se portaiem bem : na chegada
dos-trena ella est prorrrpta e ha tempo pois quem
sobe tem 50 minutos e qaem desee 1 hora e 5 mi-
untos.
Esta hospedar ia sendo de grande ntllidade pars
as pessoas i'i' ijam nos trens, tornase merece-
dora do apoiop ico.
S se psrmttte pedageni a familias e pessoas
honestas.
belecimento, onde se distribuem os' estatu-
tos e regiment interno
Lista dos approvsdo em Fevereiro e
Novembro de 1885, nos exames que pres-
taram na Faculdade de Direito.
Portuguez
Arthur Vieira de Mello, approvado ple-
namente.
Antonio Paulino Cavaleante de Andra-
de, idem.
Mara do Carmo de Albuquerque Neves,
idem.
Mara d'Oliveira Cavaleante, idem.
Hisbello Florentino C. de Mello, idem.
Man,el Egidio de Azevedo Silva, appro-
vado.
Antonio Pereira de Moraes, idem.
Fabricio de Arruda Wanderley, idem.
Francez
Hisbello Florentino C. de Mello, appro-
vado plenamente.
Fabricio de Arruda JFanderley, appro-
vado.
Jos Ignacio Xavier de Andrade, idem.
j-'Jos Geraldo Gongalves Guerra, idem.
Manoel Egidio de Azevedo, idem.
Antonio Paulino Cavaleante de Andra-
de, idem.
Manoel Pereira de Moraes Gysnciros,
i'era.
Inglez.
Maria de Oliveira Cavaleante, approva-
da com distinecao.
Maria do Carmo do Albuquerque Neves,
idem.
Antonio Paulino Cavaleante de Andra-
de, approvado, plenamente.
Octaviano Cordeiro Coutinho, idem.
Jos Ignacio Xavier de Andrade, appro
vado.
Latim.
\ Joaquim Gregorio Pessoa Guerra, ap-
: provado plenamente.
Joo Jos Lope de Albuquerque, ap-
provado.
Jos Ignacio Xavier de Andrade, idem.
Arithmetica
Octaviano de Arruda Coutinho, appro-
vado plenamente.
Manoel Apolioario de Almeida, appro-
vado.
Geographia
Os mesmos, arabos plenamente.
Nao mencionao-se aqui as approvajo'es
abtidas no Rio Grande do Norte.
Recife, 5 de Janeiro de 1886.
Jos dd Oliveira Cavaleante.
33Ra do Visconde de Albuquerque33
As aulas deste estabelecimento de instruccio e
aduCacSd abrir-se-ha > no dia 7 do corrente.
O diroetor,
Olintho Vctor.
Cilio. Ib. Nossa Worate
paxpvadas com distinecao e Auna Serapaina i Esta grande lotoria, cujo premio grande de
PUBLICARES A FEDIDC
lanco do Crcililii llc.il i'iii
Pornamboco
Este B inco, autorisado pete decreto n. 9457 de
11 lejulho de 1885, dar eoroeco as suas opera-
vdes no dia 3 de Janeiro de 1886.
As opeacoos fnndaineniaes do Banco sao :
Kaser emprestinioe do qonntia -nao inferior a
5:UM)i(i00 sobre hypotbeca de bens mmoveis a
longos prests com atnortisaca-j por annuidades.
Estes emprestimos sero :
Contractados por tempo nSo ir.ener de 10 annos
sobre primeira hypotheea constituida, cedida eu
subrogada.
Feitoa por metade do valor dos iramoveis ru-
Iraesoo por trer quartos d >s urbanos em lettras
hyoctheea'iaado Baaco, ao par, do valor de;....
lOOOOOleadanma ama e do juro-de 7 0|Q aoanno.
Reembolsados por mel de annuidades pagas
pelos mutuarios enrmoeia errente, divididas em
semestres.-
Os emprestsnos podem ser pagos anticipada-
mente no asdo ou em parte; em moeda corre te ou
em lelrus bypothecarias ao par," a vontade dos
da igreja de Nossa {enhetra saf mntuarros.
As annuidades eowprehendem o jaro conven-
ciaiial, a amorcwieo do capital netuado e a com
sao de 1 0[0 ao Banco.
Va-base-dos juros de 80f0 aoanno, a tabella, das
annnidades para 1 :OOOJOOO a seguinte:
Este estabelecimento de instruccao pri
maria para o sexo femenino tem a sua sede
em urna ceroforlavttT;MVBTU* na Ponte de
Uchoa n. 10.
As materias ensinadas no collegio sao as
seguintes: roligiio/ portuguaz, franees,
inglez, allemio, historia, geographia, piano,
desenho, pintura, bordados e flores.
As liguas falladas no collegio sao : a
franceza, ingleza e allema para as quaes
tem mestras que residem no collegio.
As directoras encarregaiu se segundo a
vontade dos pais par* lser exarat na -Academia.
Lista das- alumnas qus> fizeraro: exaraes
na Academia:
1832. D. Julia de Oliveira, inglez distinc
cao, francez plenamentee
D. Izabel a. Pires, idem.
1884. D. Maria Eugenia de Mattos, inglez
diatfnegao, francez idem, portuguez
i do mi.
188.-- D. Msrk -C. Montero, in^iez U
tinecao, francs -plenamente.
D. Fia via Catao Lupes, francea plena-
mente.
Directoras,
Auna CrroU.
llermina Michalis
Insfiliiton Francaise k\
Collegio Sete de Janeiro, para o
sexo .'('minino
A abaixo asa gnada, avisa aos Senhores paes de
familia, tutnres e correspondentes que a 7 de Ja-
neiro prximo, na raa do Visconde de Pelotas (an-
tiga do Aragaoj n. 1, abrir um collegio para edu-
cacao e intruc?So de meninas. Sob sua direccao
e com o auxilio de professores e professoras com-
petentemente habilitados, nelle se. enslnarSoaa
prlnWiras letras, portugus, transes, geographia,
desenho linear e de figuras, musica e piano, toda
qnRlidade de trabalhos de agnlhna o de flores.
AS condicoes para admissao sao as geralmente
adoptadas nos estabelecimentoa de igual natureza,
havendo, porm. redueco de preco.
Afianca a boa hygiene, educeo esmerada e
toda dedicar) e zelo na instruccao.
Poderse desdv j tr.atar na referida casa.
Reeife, 4 de Dezembre de 1885.
A directora,
Leopoldina de Siqueira VarejSo.
Curso de pianito
Reaberlura-
NO DIA 8 DE JANEDJO
Aulas, todos as tercas e sextns-feiras das
5 horas da tarde1 em diante
78-RA DA IMPERATRIZ-78
Itua (loBaio deU. Ilorji n. .sO
(antiga do J*cIm
0 une lectira deste collegio
T do Jaiei i
COLLEGIO
DE
Xossa-Senhoi da Um
Raa do liara da Victoria n. l;
A directora dete collegio faz sciente aos Illms.
Srs. pais de familia de que no dia 18 do corrente,
eomecarao a funecionar as aulas deste instituto, e
que continua a esperar a c.infiaaca e coadjuva-
ca de que a julgarera merecedora aquclles Srs.
estv^rcaado se e la para mais ura vez corresponder
aqnel'a confianca.
Recife, 7 de Janeiro d? 1886.
A directora.
Maru da Pa e Freitas.
L Adour.
Golli^itt Nazareno
Ria do baro de # llorja uk.
Este estabelecimento de instruccao pri-
mari.i e preparatoria acaba de transferir
se ra cidade de Nazareth para esta capital,
.ra do barao de S. Borja, ns. 38 e 40,
onde de 11 do corrente em diante franque-
ar! suas aulas ao publico mediante as
codtribuic3.es seguintes:
.Interno, por trimestre adiantado 150|JOOO
Mel pensionista de' 1.* catego-
ra, mez adiantado 35000
Ditb de 2.*, idem 250000
Ditb de 3., idem 20^000
Externo, cada aula, Meto. 50000
Para mais ampias informales, do esta-
Dr Tristo Henriques
Gmtm
Una da I nio n. 4S
consultas das 11 s 2 horas.
Chamados a qualquer hora.
T, IrsSone numero 154
C, IK ckiiiiiin
i Usinas de cobre, iatao e bronze e de
im.
Gotzcr Ufer n. 9 Berlim S. O.
ETspeefalidadc:
Ctmsthicf&(, tfo macli-
ii s ci afpftrclb^s
para fabricas de assucar, de8tilla53te e re-
linar^es cora todos os aperfecoasnentds
modrno8.
INSTALLA^A DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimento filial na Havana sob a
mebraa firma de C. lcrknann.
Caite San Ignacio n. 17.
laicos representantes
Haupt Gebru'der
EIOPE JANEWO
Para nformacSes'dijgam'ea
Polhinar C
lia ilo Gommereio 110
Conullorio inedico-eirurglca
O Dr. Esleva-" Cavaleante de Albuquerque cO-
tidaa a dar consultas medico cirurgieas, na rus
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio da is 4 '
horas da tarde. Parase demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, raa da Aurora
n. 58, 1* andan
Ns. tclephnicos : do consultorie 95 e residencia
126.
Especialidades t-^Partes, moJesthts d4:-ci**o<- -
as, d'utro e seus annexos.
------
(
BSBi


Diario de PernamtacSabbado 16 de Janeiro de i 886
3

>r
3
OCULISTA
Dr. Brrelo Mrapain, medico oculista
ex-chete c.e clnica do Dr. de Wecker, d cnsul
tu de 1 as 4 horas da tarde, na ra do Bofa-
da Victoria 46, segundo andar, excepto nos do-
mingos e das sanctificados. Residenciara dt
Riachuelo n. 17, canto da ra dos Pires.
Medico e parteiro
Dr.
D consultas das 12 s 3 na ra do Ca
bug n. 14 l. andar Residencia tempo
rana no Monteiro.
Dr.
minio
Tem o seu escriptorio a ra do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em aun residencia i ra da Sae-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e enancas.
l'ma dnenca terrlvel que affllge
uina classe numerosa
O primeiro symptoma desta enfermidade
umligeiro desarranjo do estomago ; mas se
elle descuida, o corpo inteiro desordenase
dentro de pouco tempo, sem exceptuar os
rins, o ligado, as pncreas, o, em sumrna-
todo o systema glanduloso ; e o afligido
arrastar urna existencia infeliz at que os
seus padecimentos sejam terminados pela
morte. As pessoas accommettidas por esta
molestia so engaara frequentemente sobre
a eua natureza ; nao obstante, o leitor pode
r julgar se elle se acha atacado fazendo-
se as seguintes perguntas :
Sente-se de vez em quando urna dor in
commodadora ? Ha difficuldade em respi-
rar depois da comida? Sobrevem alguma
seusacio de tristeza e languidez acompa-
nhada de somnolencia ? Os olhos tm urna
cor amarellenta? Pela raanha as gengivas
e os dentes acham-se cobertos de urna su-
bstancia espessa e viscosa, percebendo-se
simultneamente no paladar um sabor de-
sagradavel ? A lingua est saburrosa ?
Sente-se dor dos lados e das costas ? Apre-
sen ta-se alguma inchaco naregiao do lado
direito, como se o ligado tivessse crescido ?
Ha prisao de ventro ? Ha vertigein quan
do se levanta repentinamente du urna po-
sigao horizontal? As secrecSes dos rins
sao raras e muito coradas, e formara depo-
sito ? Os elementos fermentara logo depois
das refeicSes? Ha flatulencia? O cora-
lito palpita frequentemente ? possivel
bue estes symptomas nao se apresentem
todos ao mesrao tempo, ma3 afflig^ra o pa-
ciente por son turno, segundo os progres-
os desta terrivel enfermidade. So a doen-
la tiver sido de urna duracao muito pro-
ongada, manifestara se um tosse frequente
e secca, sobrevindo de pouco tempo a ex
pectoracao. Quando o mal j esteja inve-
terado, a cor da pclle t'jrna-se-ha morena e
suja, e tanto as raaos como os ps cobri-
ram se de um suor fri e viscoso. Agra-
vados os soffri raen tos do ligado e dos rins,
apresentam-se dores rheuroati -as, e o sys-
tema de tratamento ordinario nada p le
contra tao dolorosa afeccao. A origem
deste mal a Indigesta o ou Dyspepsia, c
urna pequea quantidade do verdadeiro re-
medio, tomada no principio da doenca, far
desappareeer para scinpre os symptomas
perigosos. E' por conseguinte importan-
tissirao que n desarranjo seja tratado com
promptidao e cora eficacia nos seus pri-
nieiros graos, em cuja poca possivel
obter a cura por meio de um pequeo nu-
mero de dzes do medicamento. Mas quan-
do j estej i arraiga'la enfermidade, o
verdadeiro remedio levsr 3 r tomado at
que o ultimo vestigio q i:ila tenha sido
destruido, at que o .ipp;>. .te volto, e at
que os orgaos digestivos reouperem as con-
dicoes normaes. A medicina inais efiicaz
contra tao terrrivel doenca o Xarope
Curativo de Seigel, preparacao vegetal
que vendem todos os pharmaceuticos e bo-
ticarios do mundo inteiro e os seus proprie-
tarios, A. J. Wliite, Limited, 17, Farring-
don Road, Londres, E '. Este Xarope
destroe a verdadeira cauia do mal, expul
sando-a radicalmente do systema.
Depositarios na provincia do Rio de Ja-
neiro : no Rio de Janeiro, Domingues Viei-
ra e Chia, Joo Luiz Alvez, Geo Sanville
a Chia, G. Francisco Leandro e Fonseca
e Alvos; e era Sam Siraao de Manhuassu,
Horacio de Rentus.
Depositarios na provincia de Pernambu-
co : em Pernambuco Bentecourt e Chia
J. C. Levy e Chia, Francisco M. da Silv
^
e Chia, G. Braz dos Santos e Chia, e Rou.
quarol Irmaos; em Bello Jar Jim, Manoe
de Siqueira Cavalcante Arco Verde, e Ma-
noel Cordeiro dos Santos Filho ; em Inde-
pendencia, Antonio Gomes Barboza Jr ;
em Palmares, Antonio Cardoso d'Aguiar ;
e em Tacarat Jos Lourenco da Silva. J.
C. Levy & C, ra do Barao da Victoria n.
-b
Que enfermidade esta que
uo aeonuneUe f
Como o ladiao que nos ataca noite,
ella acomraette nos s oceultas Os afli-
gidos d'esta doenga tm d6res de peito, de
lados e algumas vezes, do costas. Nao
querem fallar, e sente.n necessidade de dor-
mir. Percebe-se na bocea um sabor des-
agradavel principalmente pela manhS. Os
dentes cobrem-se de urna sepecie de mate-
ria viscosa ; e o appetite desapparece. O
paciente sent como que ura grande peso
no estomago, e, s vezes, urna sensacao
de vazio no metmo orao. Na bocea do
estomago ha muita iraqueza; e a nutri-
cio qSo produz satisfacio alguma. Os
olhos empanara se e as raaos e os ps es-
friam, e tornara-s viscosos. Algura tem-
po depois principia urna toss", secca no
cometo, e, era seguida com urna expec
toracao esverdiada. O doento queixa-se
de um cansa9o interminavel, e quando
procura dormir um pouro, nenhura allivio
sent. Logo depois, o enfermo torna-se
bervoso e irrascivel, e o seu espirito nao
n se nao tristes presagios. Elle sent
vertigons urna especie de tontura na ca-
vi-ca quando so levanta sbitamente. Ha
prisao de ventre; a pello torna se secca e
quente alternativamente ; o sangue acha-se
espesso e inerte ; a cor do branco dos olhos
amarellenta ; e a urina, quasi nenhuma
e muito corada, deixando um deposi'o no
vaso. O afligido inuitas vezes obrigado
a vomitar os alimentos que toma, e estes
vmitos deixara Ihe na bocea um gosto
urnas vezes amargo e outras vezes adoci-
cado. Este estado de cousas frequente-
mente seguido de palpitacSes do coracao.
EnfraqiKce a vista do doente, e elle pare-
ce ver nodoas diante dos olhos, sentin lo
um grande cancaco o debilidade, rustes
symptomas apparecera cada um por sua
vez. Dizera que o terco da nossa popula
cito soffre U'aquella enfermidade sob algu
ma das suas formas. Iodubitavelmente, os
mdicos sempre se enganarara sobro a na
tureza da cita la molestia. Alguns tratara m-
n'a como affeecao do figaio ; e outros como
doenc-i dos rins ; mas nenhura tratamento
conseguio crala, porque o remedio devia
ser susceptivel de obrar harmonisamente so-
bro cada ura d'aquelles orgaos, e tambera
sobre o estomago. Nos casos de Dyspepsia
(sendo este o verdadeiro nomo da enfermi-
dade) todos os eitados orgaos desordenara
se ao mesrao tempo, e precisara de urna
medicina que possa obrar sobre todos elles
simultneamente. O Xaropa Curativo de
Seigel produz na effeito mgico em esta
classe de padecimentos dando ura allivio
quasi immediato. O Medicamento vndese
por todos os Pharmaceuticos e Boticarios
do mundo inteiro, e pelos Proprietarios, A
J. White (Limited), 17, Farringdon Road,
Londres, E. C, Inglaterra.
Depositarios na Provincia do Rio de Ja-
neiro : no Rio de Janeiro, Domingues Viei-
ra & C, Joao Luiz Alvez, Geo Sanville
C, G. Francisco Leandro e Fonseca e Al-
ves, e era S. Simao de Manhuassu, Hor- io
de Reutas.
Depositarios na Provincia de Pernambu-
co : em Pernambuco, Bettencourt C,
Bartholomeo & C-, G. Braz dos Santos &
C, e Rouquayrol Irmaos ; om Bello Jar-
diru, Manoel de Siqueira Cavalcante Arco
Verde, e Manoel Cordeiro dos Santos F
lho; em Independencia, Antonio Gomes
Barbosa Jnior; era Palmares, Antonio
Cardoso d'Aguiar ; e em Tacarat, Jos
Lourenco da Silva.
OD r. Thomaz Qarcez Paranhos Montene-
gro, commendador 'da Imperial Ordem da
Roa ejuiz de direito da vara especia-
do commereio, desta cidade do Recife, cal
pital da provincia de Pernambuco, por
Sua Magestade 'Imperador a quemDexu
guarde, etc., etc.
Facrv saber ros que o presente adital virem ou
delle noticia tiverem, que se acha designado o dia
6 de Marco prozimo futuro, ao meio lia, na sala
das audiencias, para ter lugar a reuniio dos ere-
dores da massa fallida de Francisco Teixeira Bar-
bosa, afim de tratarse da verificacio dos crditos e
deliberar-se sobre a proposta de concordata (se fr
apresentada), a formar-ge o contrato de unio, no-
meando-se administradores na fonn da lei; fi-
cando certos os credores que s ser admittido
por procurador, aquelle que exhibir procurac&o i s
pecial para o acto, nao podendo ser esta conferida
a devedor do fallido; e anda de que, prevalecer
a resolucao da maioria, que de ver re. resentar
dous tercos do valor dos crditos sujeitos sos effei
tos da concordata para assim ser valida.
E para que chegue ao conhecimento de to-
dos, maudei passar o presente edital que ser
publicado pela imprensa c affizado nos lugares
do costume, de que se juntar certidio os au
tos.
Dado e passado nesta cidade do Recife, capital
da provincia d Pernambuco, aos 5 dias do mes
de Novembro de 1885.
Vicente Machado Freir Pereira da Silva. Re-
cife, 8 de Outubro de 1885.
Eu, Jos Franklin de Alencar Lima, escrivo, o
subscrevo.
Tltomat Carees Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Monte-
negro, commendador da Imperial Ordem
da Rosa, juiz de direito da vara espe-
cial do commereio desta cidade do Re-
cife, capital da provincia de Pernam-
buco, por Sua Magestade Imperial *
Constitucional o Sr. D. Pedro II a quera
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que se acha designado o
dia 3 de abril prozimo futuro, s 11 horas do dia,
na sala ias audiencias, para ter lugar a reoniao
dos credores da massa fallida de Antonio Fran-
cisco Corga afim de tratar-se do contracto de
umao e nomcacao de administradores na forma da
lei, visto ter sido o mesmo fallido coodemnado no
grao medio do art. 263 do cod. cnm. e ter de pro
seguirse na parte commcrcial da fallencia, c r-
tos os credores de que s6*seri admitlido por pro-
curador aquelle que apreseutar procurac&o espe-
cial para n neto, a qual nao poder ser confiada a
devedor do fallido e que ser havid* o credor que
nao comparecer como adserente as reiolucoes que
tomar a maioria dos que comparecerem.
E para que ebegue ao conhecimento de todos
mandei passar este que ser affizado no lugar
do costume e publicado pela aprensa de que se
juntar certidio nos autos.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nombuco, aos 3 lias do mez du Dezembro do anno
de Nosso Senhor de 1885.
Eu, Jos Franklin du Altucar Lima, o subs-
crevi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O desembargador Manoel Cl> mentino Carneiro da
Cunha, presidente da 5.* seccio eleitoral da pa-
rochia do SS. Sacramento da Boa Vista.
'Faz saber a qoem interessar possa que, na elei-
cao s qne se procedeu hoje para deputado geral
na referida seccio, obtiveram votos os seguintes
senbores :
Conselheiro Theodoro Machado Freir Perei-
ra da Silva 75
Dr. Jos Msrianno Carneiro da Cunha 44
Dr. Jos Nicol) Tolentino de Oarvalho
E para con;-tr lavrou se o presente edital que
deve ser affizads e publicado pela imprensa.
Consistorio da igreia de S. Ooncalo, 15 de Ja-
neiro de 1866.
Manoel Clementino Carneiro da Cunha.
____________Presidente da mesa eleitoral.
O Dr. Maiu-cl da Silva Reg, presidente da mesa
eleitoral da 1. seccio da freguezia da Boa-Vis
ta, que funeciona no paco da Assembla Pro-
vincial.
Faz saber a todos os snhores que na eleicao a
que se procedeu hoje no ref.-rido paco para dipu-
tados geraes, obtiveram votos os seguintes se-
nhores :
Conselheiro Theodoro Machado Freir Perei-
ra da Silva 80
Em s -parado 1
Dr. Jos Mtrianuo Carneiro da Cunha 70
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho 8
E para constar mandou o referido presidente
lavrar este edital era que comigo secretario, que
este subscreve e assignou.
Manoel da Silva Reg.
O secretario,
A. Q. Miranda Leal.
ED1TAES
C0MMERC10
ftolsa nommerclal de 'ernam
buco
Recife, 15 d janein le 18H6
As tres horas da tarde
Cotade* -finar*
Nenhuma.
P. J. Pinto,
Presidente
Candido C. L. Alcofrado
Secretario.
0KSPA0H0S m KXI'O TACAO
Em 14 de Janeiro de 1886
Para o exterior
No vapor inglez Elbe, carregou :
Para Lisboa, F. dk. Costa & C. 192 saccas com
14,547 kilos de algodo.
= Na barca portugueza Novo Silencio, carre-
gou :
Para Lisboa, B. Oliveira A C. 200 saceos com
farinba de mandioca.
No patacho porturnez Italia, carregou :
Para o Porto, Mendes Lima & 0. 223 saccas
com 20,112 kilos de algedio ; Amorim Irmaos &
C. 100 saceos com 7,500 kilos de assucar masca
vado ; D. VI. da Costa 2 garrafoes com 156 litros
de agurdente.
No vapor americano iinance, carregou :
Para New-York, H. Nuesch & C. 2,285 coari-
nbos de cabra.
Para o interior
Na escusa dinainarqueza Clara, carregou :
Para Pon o-Alegre, Vfaia eos com 22,500 kilos de assucar branco e 800 ditos
com 15.000 ditos de dito massavado.
No lugar nacional Loyo, carregoa :
Para o Rio .Grande do Sol, J. S. Loyo & Fuo
400 barrais com 42,125 kilos de assucar branco.
No Jugar norueguense 'orreo, carregou :
Para o Rio Grande do Sol, 8. G. Brito 200
sac os com 15,000 kilos de assucar branoo.
No vapor americano iinance, oarregou :
Ps/a llsrsnbao, F. A. de Asevptio I51isrcas
com 1,8)0 kilos de assucar .branco e 5 ditas cora
itaiis He lolicia
Fot jaca reparticao e de ordem do Illm. Sr. Dr.
chele de polica se conviaa aos snhores dos escra
vos abszo mencionadas afim de virem ou manda
rem reclamar a entregados mesmos escravos den-
tro do praso de 20 das que Ihes fiea marcado.
Antonio Joaquim, de Feliz Veles do Nssci-
meuto.
Jos, de Mantel Clementino Alies.
Luiz, de Joao Dias da Silva Coitinho.
Maria Arcbauja, do senhor do engenho Rocha
da Velha.
Secretaria de polieia de Pernambuco 8 de Janei-
ro de 1886.
O secretario.
Joaqun Fraucisco de Arruda
450 ditos de dito mases vado ; >. Fontelles 40 di-
tas com 1,555 ditos de dito branco e 20 ditas com
1,010 ditos de dito mascavado; S. Guimaries Se
C. 85 ditas om 9,924 ditos de dito branco e 15
ditas com 1.87o 1/2 ditos de dito mascavado.
Para o Para, T. A. de Souza 40 saceos com
3,u00 kilos de assucar branco ; Maia & Rezcnde
200 barricas com 11,177 ditos de dito ; F. de Ma-
cedo 300 ditas com 19,350 ditos de dito ; F. A.
de Azevedo 455 ditas com 32,400 ditos de dito ;
Baltsr Irmaos & C. 250 ditas com 14,123 ditos de
dito e 25 pipas com 12,000 litros de agurdente.
Na barcada Flor de Maria, carregou :
Para Mamanguspe, B. Olv. ira & ''. 500 saceos
com iariaha de mandioca.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 15
BaltBM>xe-30dias, kaiea americana Testpiar, de
372 toneladas, capitio R. Robert, equipagem
11, carga farinha de trigo; a ardem.
Rio Grande do -ul 28 dias, lugar inglez Saint
JAn, de 271 toneladas, capitio John Matheuz,
'quipagea7, cm lastro ; ordem.
Terra Nova29 dias, lugar inglez F'y, de 271
toneladas, capitio F. i;ranch, equipagem 9, car-
ga bacalho ; S Johnston Pater & C.
Rio Grande do Sul 38 dias, patacho norueguen-
se Cere, de 271 toneladas, capitio, R. Hansed,
equipagem 6, earga varios gneros ; a Paiva
Valente & C.
Rio Grande do Sul28 dias, patacho hollandes
Afiate, de 170 toneladas, eapitao A. H. Bro wyk
equipagem 7, carga farinha de mandioca ; *
Persira Carneiro & G.
Navio sonido no mesmo dia
Barbados Lugar inglez Sarah Gibton, eapitao
William Gibseo, em Itstro.
VAPORES ESPERADOS
Paran agua
Etpirito Santo
Marques de Caxiat
Armalhtpait
Araucania
Baha
La l'lata
Ville de Victoria
Cearcnte
renoque
Pernambuco
lo sol
do sul
da Babia
de Montevideo
da Europa
donarte
da Euro i* i
da Europa
de New-York
do sul
do sul
de Live jtpool
do sol
O Dr. Tnomaz Qarcez Paranhos Montene
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
eio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
Faco saber aos que o presente edital vir^m ou
d'elle notic.'a tiverem que se acha designado o dia
dezesete de Abril do anno futuro, ao meio dia, na
sala ds audiencias, para ter lugar a rruniio dos
credores da massa fallida de Rabello 9t Sobrir/ho
afim de tratar se da verificacio dos crditos, de-
liberarse sobrg a proposta do concordata (se fr
^presentada) ou formar-se contracto de uniio, no
meando-se administradores na forma da lei; fi-
cando ceitos os credores de que s ser admittido
como procurador, aquelle que ezhibir procuracio
especial pra o acto, nao podendo ser esta confe
rida a devedor dt fallido ; e ainda de que, preva-
lecer a resulucio da ataiors, que dever repre-
sentar U lis tercos do valor dos crditos, sujeitos
aos efft'itos da concordata, para assim ser va-
lida.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente editl que sera publica-
do pela imprensa e affizado no lugar do costume,
de que se juntar certidio aos autos.
Da 'o e passado nesta cidade do Recite de Per
nambuco, aos 18 dias do mez de Dezembro de
1785. Eu Jos Franklin de Al.-ncar Lima o
subferevi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Montene
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa ejuiz de direito especial do com-
mereio desta cidade do Recife e seu ter
rao, capital da provincia de Pernambu-
co, por S. M. imperial e constitucional o
Sr. D. Pedro II, a quem Deus guarde,
etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que por parte de Manoel
Ferreira Bartholo me toi dirigida a peticio do
theor segmnte:
Illm. Sr. Dr. juiz do csmmercio do Recife. Diz
Manoel Ferreira Bartholo, negociante matricula-
do desta praca, suceeesor de Manoel Al ves Ferrei-
ra & C, que ficando o finado Jos Francisco Ac.
cioli Lins a dever a este a qnantia de 17:000#000
principal de tres letras j vencidas, alm dos jo-
ros, para garanta dos quaes passra a escriptura
de hvpotheca junta, sob n. 12, e como at hoje os
herdeiros nio tenham pago, nesmo depois de esgo
tados o meics conciliatorios, qner o supplicante
concilial os a juizo, afim de fallaren) aos termos de
ama aceito ordinaria: per isio requer a V. S. que
te digne mandar citar para o aliad ido fim. e na
forma da lei aos referidos herdeiros, que sio: D.
Ignacis Francisca Accioli Lins, como meeira e tn-
toura re seu filbo Ildefonso, de 7 annos de idade;
Dr. Francisco Santiago A. Lins, Jos Francisco
A. Lins, estes residentes no termo de Serinhiem;
o major Antonio Peregrino Cavalcante d'Albu-
qnerqne, em Palmares' capitio Pedro Emiliano
da Silveira Lesra, como tutor da orphi Mana, de
9 annos de idade, e como meeiro da herdnira j
fallecids, D. Maria da Conceicio Accioli Lessa,
sendo que actualmente este est solt e reside no
engenho Algrete, em Agua Preta; Francisco Lins
Pues Barrete Jnior, casado com D. Ignacia
Francisca Barretto Lins, em Ipojuca. e Dr. Anto-
nio Clementino A. Lins, em lugar incerto e nio
sabido, documento a. 10, ezpedindo-se-precatoria
para onde forera encontrados, e cartas de edites
quante ao ultimo, em face do docamenti junto, de-
vendo ter lugar a propositura da-acoio na audien-
cia em que fr acensada a ultima citaCio, de eon-
formidade com o art. 71 do regnlamente n. 737 de
25 de Novembro de 1850; declarndose as mes
mas precatorias o dia, hora e lugar das audien-
cias desse juizo.
Outrosim requer o supplicante a nomeacio de
um curador tn Item que represente os orphios Ma-
ria e Ildefonso. Nestes termos pede a V. S. defe-
rimento. E. R. M.
Sellada legalmente com urna estampilha de 200
rs. inntilisada da forma aeguinte: Recife, 27 de
Novembro de 1885. O advogado, Francisco Itido-
ro Rodrigues da Costa.
Em cuja peticio proferi o despacho do theor se
gninte:
Distribuida como pede. Nomeio curador lide
o Dr. H. Milet. Recife, 17 de Novembro de 1885.
Montenegro.
E sendo dita peticio distribuida ao escrivo Er-
nesto Machado Freir Pereira da Silva, este, por
forca do men despacho, tiz pasear o presen
te edital, o qual e -sen theor chamo, cito e bel
por citado so herdeiro ausente Dr. Antonio Cle-
mentino A. Lins, para qne dentro do prazo de 30
dins compareca ante este juiso para e fim allega-
do na peticio transcripto.
E para qne chegue ao conhecimento de todos
msndei psssar o presente edital, que ser affizado
nos logares do costume e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 3-de Deseo bro de 1885.Subscrevo
e sssignoErante Machado Freir Pereira da
Silvia
Thomaz Garces Parantes mtmssjro.
A mesa eleitoral da 2.* seccio do 1. distric-
to de paz da parechia de Nossa Senhora da Paz
de Atogados, faz saber a quem interessar possa
aue obtiveram votos para deputados a Assembla
eral os seguintes cidadios :
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portel'.a 78
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo 33
E para constar mandou lavrar este edita 1 que
vai ser affizado na porta do edificio, e publicado
pela imprensa.
Recinto da igreja de S. Miguel da parochia de
Nossa Senhora da Paz de Afogados, 15 de Janei-
ro de 1886.
Manoel do Amparo Caj,
Presidente.
Friscillo Auspicio da Cruz Cordeiro.
Alfonso de Albuquerque Maranbao C.
Thomaz Domingues Tavares.
Mesarioii.
Adolpho Alves Falcio Tacqoes.
Mesario secretario.
A mesa e eitoral da seccio dos Remedios do
y districto de paz da parochia de Afogados, faz
saber que na eleicio a que se procedeu hoje para
depucado geral, obtiveram votos nesta seccio os
seguintes senbores :
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella 58
Dr. Joaquim Aurelio Nabuo de Araujo 49
E para constar mandou lavrar u presente edital,
que assignou afim de ser publicado pela impreusa.
Manoel da Trindade Peretti,
Presidente.
M. J. Ramos e Silva,
Secretario.
Jos Elcsbao Borges Ucha Jnior.
Vicente Ftrrer de Salles Menezes.
Antonio de Moraes Carneiro da C.
Conselheiro Theodoro Machado Freir Perei-
ra da Silva 45
E para constar mandou lavrar o presente edital
e inmediatamente affizal o na porta da igreja de
Nossa Senhora da Stde e pubiical-o pelaimpren
sa, como dispoe o art. 148 do regulamento elei-
toral.
Consistorio da igreja de Nossa Senhora da Sa-
de, 15 de Janeiio de 1886.
Eu, Paulo Jos d'Oliveira, secretario da mesa
eleitoral, o escrevi.
Joao Baptuta Pereira Lobo.
A mesa eleitoral da 6 ecciio do 2- listricto
faz saber que, na eleicio a que hoje se nroeedeu
para um deputado geral por este districto, obtive-
ram votos os seguintes Srs.:
Conselheiro Theodoro Machado Freir Perei -
ra da Silva 73
Dr. Jos Mariano Carneiro da Cunha 55
Dr. Jos Nicolao Toleutino de Carvalh 6
Para constar man lou o presidente da mesa la-
vrar o presente, faite e assignado por mim, secre-
tario, Adelino Antonio de Luna Freir Jnior.
Don.ingos Joaquim da Fonseca,
Presidente.
Adelino A. de Luna Freir Jnior,
Secretario.
Alfonso Feroandes de Castro Oliveira.
Jos Gomes Leal.
Justiniano Cavalcante Albuquerque Bello.
A mesa eleitoral da 3a seccio da parochia de
Santo Antonio faz publico que na eleicao de um
deputado geral a que se acaba de proceder no edi -
ficio da Escola Normal, obtivi rain votos os cida-
daos seguintes :
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo 84
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella 65
E para constar lavrou se o presente que ser
uffizado no lugar do costume e publicado pela im-
preusa.
3 Seccio da parochia de Santo Antonio do
lieoife, 15 de Janeiro de 1886.
Antonio Macario He Assis,
Presidente.
Francisco da Silva Miranda,
Secretario.
Manoel Clementino Ribeiro.
Vicente da Silva Leal.
Jos Nicacio da Silva.
O Dr. Manoel Francisco de Barros riego, presi-
eidente da mesa eleitoral da 2* seccio da.paro-
chia de Santo Antonio do Recife.
Faco saber que na eleicio a que se acaba de
proceder para deputado geral pelo 1<" districto de
Pernambuco obtiveram votos os seguintes :
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo 78
Dr. Manuel do Nascimento Machado Por',ella 75
Dr. Joaquim do Souza Keis 1
Urna cdula em branco.
Escola Modelo, 15 de Janeiro de 1886.
Eu, Antonio Ferreira Braga, ecretario o es-
crevi.
Maaoel Francisco de Barros Rege.
O major Jos Joaquim Antunes, juiz de
paz mais votado e presidente da mesa
eleitoral da parochia de Buberibe, em vir-
tude da lei, etc.
Faz saber aos que o presente edital virem e
quem interessar possa e delle noticia tiverem, que
o resultado da eleicio para deputade Assembla
Geral Legislativa o segrate :
Dr. Antonio Correia de Araujo 54
Dr Silvino Cavalcante de Albuquerque 29
Consistorio da igreja de Nossa Senhora da Con-
ceicio de Beberibe, 15 de Janeiro de 1886.
Jos Joaquim Antunes,
_ ___________ Presidente.
A mesa eleitoral da 1 seccio do districto
de paz da parochia de Nossa Senhora da Paz de
Afogados, faz saber a quem interessar possa, que
obtiveram votos psra deputado & Assembla Geral,
os seguintes cidadios :
Dr. Manuel do Nascimento Machado Portellu 95
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo 49
E para constar mandou passar o preseat que
ser affizado na porta do edicio e publicado pela
imprensa.
Consistorio da igrejp matriz de Nossa Senhora
da Paz de Afogados/15 do Janeiro de 1*86.
O presidente,
Archias Lindalpho da Silva Mafra.
Clodoaldo Catio Camello Pessoa.
Mesario-secretario.
Jos Luiz de Franca Caldas.
Benjamn da C. Torreo.
Joio Cbrysostomo de Albuquerque.
Mesarios.
O capitio Faustino Jos da Fcnseca, presidente
da mesa eleitoral da 2 seccio da paiochia de
8. Jos na igreja dos Martyrios, etc.
Faz saber pelo presente que tendo se procedido
hoje. nesta seccio, a eleicao para um deputado,
Assembla Gtral Legislativa, do 1 districto d-isti.
provincia, foram votados os Drs. : Manoel do Nas-
cimento Machadc Portella e Joaquim Aurelio Na-
buco de Araujo, ebtendo o primeiro 95 votos e 18
em separado, e o segundo 56 votos e 7 em sepa-
rado.
E para constar passou se o presente na forma
da lei.
Dado e pastado nesta seccio dos Martyrios, 2
da parochia de S. Jos, aos 15 dias dannez de Ja-
neiro de 1886.
Eu. Pedro Rogerio de Oliwira^Baaen, secre-
tario, sabscrevi. Pedro Rogerio de Oliveira Ba-
duen.
Faustino Jos da Fonseca.
Presidente
Pedro Rogerio de Oliveira Badnen
Secretario.
A sssBa eleitoral da 2" secaio da parochia
de Nossa Senhora da Graca faz pnblico qne na
eleicio para deputado Assembla Geral Legis-
lativa procedida hoje na mt ama seccao obtiveram
vot s os senbores :
(Conselheiro Theodjro Machado Freir Pe-
reira da Sirva 42
Bacharel Jos Marianno Carneiro da Cunha 30
Bacbarel Jos Nicolao Tolentino de Carvlho 3
Secretaria da apella de Nossa Senhora de Be -
lera, 15 de Janeiro de 1886.
Jos Francisco Rib ro Machado,
Presidente.
Antonio Augusto da Frota Menezes,
Secretan >.
Francisco Mauricio de Alm.
Antonio A. de Moraes da M. Pimentel.
Manoel Nivardo Ferreira Gomes.
Nesta terceira seccio da parochia de S. Jo-
s feita a apuracao das cdulas recebidas na for-
ma da lei, foi publicada a lista seguinte immedia-
tamente.
Obtiveram votos para deputado Assembla
Legislativa Geral os cidadios teguintes :
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo 81
Dr. Manoel do Nascimeuto Machado Portella 77
Compareceram 158 eieitores.
Consistorio da igreja de S. Jos de Riba-mar
na cilade do Recite 15 de Janeiro de 186.
Jos de Mello A. Moutemgro,
Presidente.
Antonio de Lelis e Souza P.'Utcj
Secretario.
Libanio Presidio de Carvalho.
Joio Antonio Lourenco Viraes.
Francisco de Barros Luna.
O cididio Antonio Crnico de Lira e Mello, 1* juiz
de paz, presidente da mesa eleitoral da 1 sec-
cio da parochia de ?. Jos do Recife, em virtu-
de da lei, etc.
Faz saber que nesta secgio obtiveram votos pa-
ra deputado geral os senbores :
Dr. Manoel do Nascimento M. Portella 98
Dr. Joaqnim Aurelio abuco de Arauj i 64
Em branco 1
Matriz d S. Jos, 15 do Janeiro de 1886. Ea,
Lydio Marianno de Albuquerque, secretario a es-
crevi.
Autouio Samico de Lyra e Mello,
Presidente.
Edilal n. 723
O cidadio Beruardino de Seua Pereira, juiz de
paz e presidente da mesa eleitoral do 4 dis-
tricto da parochia de Nossa Sen besa da Pas dos
Afogados.
Faz sciente aos que virem o presente, que o re-
sultado da eleicio procedida boje no consistorio
da igreja de Nossa Senhora da Boa- /iagem, para
um deputado Assembla Geral Legislativa pelo
Io districto desta provincia, foi o seguinte :
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella 45
Dr. Joaiuim Aurelio Nabucs de Araujo 1
Eu, Izidoro Marioho Cessr, secretario da mesa,
escrevi o presente.
Mesa eleitoral do 4" districto da parochia de
Nossa Senhora da Paz dos Afogados, em 15 de
Janeiro de 1886.
B*rnardino de Sena Pereira.
O tenente-coronel Francisco Gonjalves Tor-
res, presidente da mesa eleitoral da fre-
guezia da Varzea
Faco saber a todos e a quem interessar possa,
que tendo-se concluido a eleicio que se procedeu
boje para deputado Assembla Geral Legislati-
va pelo 2 districto eleitoral, obtiveram votos os
seguintes Srs. :
Dr. Jos Marianno Carneiro da Cunha 71
Conselheiro Theodoro Machado Freir Perei-
ra da Silva 64
Varzea, 15 de Janeiro de 1886.
Francisco Goncalves Torres,
Presidente.
Antonio Joaquim da Gama.
L.uriano Rodrigues da Costa.
Joaquim Francisco Ribeiro.
Aiitoui J. C- de Araujo.
Manoel Antonio Ferreira Gomes, presiden-
te da mesa eleitoral da 1' seccao da fre
gnezia de Nossa Senhora da Graca, em
virtude da lei, etc.
Fago saber a quem interessar possi, que proce-
dendo-sc boje nesta 1* seccao a ahucio para de-
putado geral, na contormidade do decreto n. 8,213,
obtiveram vot.= os Srs.:
Dr. Jos Mariano Carneiro da Cunha 77
Conselheiro Theodoro Machado Freir Perei-
ra da Silva 64
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho 4
E para constar toi este edital lavrado e affizado
nos lugares determinados pela lei e publicado pela
imprensa.
Eu, Francisco Bellarmino dos Santos Freitas,
secretario, o subscrevi.
Manoel Antonia Ferreira Gomes,
Presidente.
O coronel Joao Baptiata Pereira Lobo, juiz
de paz presidente da mesa eleitoral da
1* scelo da parochia do Poco daxPa-
nella, em virtude da lei, etc.
IFaz ssber que a listo geral dos votados para
nm deputado Assembla Geral por sato seceio,
do theor seguinte:
Dr. Jos Marianno Carneiroia Cunha 176
O capitio Jos Rufino Clisiaco da Silva, juiz de
paz presidente da mesa eleitoral da 1 seccio
da parochia de Santo Anton'o, em virtude da
lei, etc.
Faco saber os qne o presente edital virem, ou
delle noticia tiverem, qne procedendo -se a eleicio
para deputados Assembla Geral, obtiveram
votos os cidadios abtizo mencionados:
Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo 96
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella 70
Em separado 3
E para constar mandou immediatamente lavrar
o presente edital e affiml -o na porta do edificio
da Cmara Municipal c pub.icar pela imprensa.
Mesa 'le toral da parochia de Santo Antonio do
Recife, a.is 15 de Jaaciro de 1886. Eu, Raymun-
do Pereira de Siqueira' secretario da mesa eleito
rsl, o escrevi.
Jos Rufino Climaeo da Silva.
Presidente.
A mesa eleitoral da freguezia de S. Frei
Pedro Goncalves do Recife faz constar que na
eleicio procedida hoje aesta seccao, para um de
pitado Assi-mbla Geral, pelo 1 distnclo des'a
provincia, foram votados os seguiutes cidadies :
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella 106
Dr. Joaquim Aur I o Nabuco de araujo 80
Mesa eleitoral da freguezia de S. Frei Pedro
Goncalves do Recife. era 15 de Janeiro de 1886.
Joio Gom8 de Oliveira.
Presidente.
Joio Januarie Dinte de Azeveds.
secretario.
Balthazar Jos dos Reis.
Francisco Jos Jayme Galvio.
________ Caetano Jos Goncalves da Fonte.
O bacharel Eugenio de Athsyde Lobo Hoscoso
prrsiVate d 4a seecao eleitoral da freguezia
do Santissimo Sacramento da Boa-Vista.
Faco saber aoo que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem que, procadendo-se hoje
eleicio para deputado Assembla Geral, obti-
veram votos nesta Beceao os eidadaos abaizo de-
clarados :
Conselheiro Theodoro Machado Freir Pe
reir da Silva 68
Dr. Jos Marianno Carneiro da Cunha 53
Dr. Jos Niolo Tolentino da Carvalho 10
Era branco 1
E pura constar fiz o priente e lital quevai ser
publicado pela imprensa. Eu, Alfredo Moreira de
Barros Oliveira Lima, s cretario, o eserevi e as-
sign).
4* seccao eleitoral da parochia da Boa-Vista, 15
de Janeiro de i88ti.
Eugenio de Athayde Lobo Moscoso,
Presidente-
Alfredo Moreira de Barros O. Lima,
Secretario.
A mesa eleitoral da 8" seccao da parochia
da Boa-Vista faz constar que na eleicio a que
acaba de proceder-se para deputado geral foram
votados os cidadios seguintes :
Conselheiro Theodoro Machado Freir Pe-
reira da Silva 71
Em separado 1
Dr. Jos Marianno Carneiro da Cuaba 48
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho 2
Consistorio da igreja da Santa Cruz, 15 de Ja-
neiro de 1886.
Dr. Jefterson Mirabeau de Azevedo Soares,
Presidente.
LinJolpho Hisbello Correia de Araujo,
Secretan?.
Antonio Qu utino GalharJo.
Antonio Mauoel Ferreira dos Santos.
Francisco de Assis da Silva Cavalcante.
Antonio de Souza Gnimaries,
_____________________Fiscal.___________________
Elyseu Alberto Silveira, primeiro juiz de paz e
presidente da segunda seccio eleitoral da fre
guezi;. da Boa-Vista, etc., etc.
Faco saber que nesta segunda seccao obtiveram
votos para deputado Assembla Geral Legisla-
tiva os seguintes senhores :
Conselheiro Theodoro Machado Freir Pe-
reira da Silva 84
Dr. Jos Marianno Carneiro da Cunha 70
Em separado i
Dr. Jos Niolo Tolentino de Carvalho 12
Dr. Ambrosio Machado da Cunha Cavalcante 1
E para constar mandou o ju o presente em que assigna toda mesa. Eu, Vi-
cente Ferreira Nobre Pelinca, secretario, o escrevi,
O juiz de paz presidente,
Elyseu A. Silveira.
O secretario,
Vicente Ferreira Nobre Pelinca.
Jerouymo Jos Ferreira.
Adolpho Targino Accioli.
Herraino Egidio de Figueiiedo.
Temoleao P. de A. Maranhio.
Francisco Gomes Prente.
De ordem do inspector geral declaro a quem in-
teressar possa, que achise marcado o praso de 30
dias contado de hoje para a inscripcio dos indivi-
duos que pretenderem entrar em concurso para o
provimento da cadeira de lingua Ingleza do Gym-
nasio Pernambucano.
Para sciencia dos Srs. candidatos passo a trans-
crever as disposi%oes seguintes do regulamento de
6 de Fevereiro do anno passado :
Art. 76. S podein propr-se ao magisterio pu-
blico os cidadios brasilsiros com os seguintes re-
quisitos :
| 1 Maioridade legal.
2* Moralidade.
I 3o Isencio de culpa.
4o Capacidade prufessional.
Art. 77. Os requisitos do artigo antecedente de-
vem ser provados :
O do Io por certidio de baptismo.
O do | 2 po ezbibiciio de iolha corrida
O do 3 por attestado dopirocho ou dequaes-
qaer autoridades do lugar onde residir o concur-
rente.
O do J 4 por meio de exame de habilitacio.
Art. 78. Sao dispensados :
| 1 De ezhibir certidio de idadeos candida-
tos qne sio ou hajam sido funccionaiio? pblicos
o os que upres 'iitam algura titulo su diploma que
nio poderiam obrer sem a maioridade legal.
2 De aposentar folha corridaos qna ezhi-
bem attestad s de procedimento civil e moral, pas-
sados pelas Cmaras Munieipaes, autoridades ju-
diciarias e polic:aee das localidades em que hou-
verem residido nos dous ltimos annos ; os que se
achaudo no ezercicio de ere prego pubico, exhibem
attestados do respecti"o chefe.
Art. 79. Da prova de capacidade por exame de
habilitacio as materias de ensino secundario sio
dispensados :
Os que houverem sido approvados em cada urna
das disciplinas da cadeira qne se tratar de pro
ver, quer em exame prestado cm alguma institu-
co offieial da provincia ou do paiz, qner perante
commissoss anteriormente nomeadas pelo governo
geral ou provincial.
Art. 82 A preva dos requisitos do art 76 e das
excepcoes* dos srts. 78 e 79 exhibida perante o
inspector geral.
Secretaria da Instruccio Publica de Pernambu-
co, 14 de Janeiro de 1886.
O secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvo.
Secretaria da Presidencia de Per
nambiiiii, 9 de Janeiro de SO
I se 'ci.
De ordem do Exm. Sr. conse.heiro presidente
da provincia, fafu constar a qoem interessar pos-
sa, que o ministerio dos negocios dos estrangeiros,
em aviso de 10 de novembro do anno passado,
declarou que ten lo Antonio Jos Ferreira Refina-
dor e sua mulh.'r aj>pe aao da sentones proferida
em 28 de obril do metm > anno pelo juiz de direito
do civel e depeodendo a appellacao de decisio do
tribunal da relacao desta espita', nio licito ae
poder executivo intervir na questio judicial pen-
dente entre os meamos e o cnsul-do portugus,
relativamente a certos bens da beranca de Jos
Antonio Correia Jnior.
O offieial m-, jr,
Emiliano E. de Mello Tamborim.
Edital n. 722 ~~
O inspector geral da instruccio publica manda
tazer constar aos profesores de eusino primario,
Philadelpho Barroso da Silva e Philomeno Ray-
roundo Nunes d; Lima, este da cadeira de Afo-
gades de Ingazeira e aquelle da de Santa Cruz
do Brejo, que por acto da presidencia da provin-
cia de 7 do cbrente, pormittio-se-lhes permuta-
rem as cadeiras que r.'gem e se lhes marcou o
prazo de 60 dias, a contar daquella data, para
tomar posse e assumir o exercicio de suas novas
cadeiras.
Secretaria da instruccio publica de Pernambu-
co, 14 de Janeiro de 86,0 secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvio.
Edital n. 9
O capitio Francisco Borges Leal, presidente da
mesa eleitoral da seccio da Magdalena, fas saber
que na eleicao qne se procedeu hoje para depu-
tados geraes na referida seccio 2* districto da fre-
guezia de Afogados, obtiveram votos os seguintes
Srs. Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella,
95 votos, Dr. Joaquim Aurelio Nabuco de Araujo,
45 votos.
E para constar lavrou-se o presente edital que
vai afilado najporta da referida seccio e publica-
do pela imprensa.
Escola publica da Magdalena, seccio do 2
districto de Afogados 15 de Janeiro de 1886.
O jais de paz presidente,
Francisco Borges Leal.
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, f ico pu-
blico que no ma 16 do corrente se dar principio
ao pagamento dos juros das apolices de 7 0/0, re-
lativos ao semestre de julho i dezembro ultimo.
Secretaria do thesouro provincial de Pernam-
buco, em 14 de Janeiro de 1886.
Lindolpho Campello.
DECLARARES
COMPAMIIA
Locomotora pernam-
bucana
De conforaiidade com art. 5* des estatutos desta
compannia convilo aos senhores accionistas rea-
lisar em h nona prestacio de suas entradas razio
de 10 0/0 sobro capital das accoes subscriptas
Para este fim podem dirigir-se ao Sr. thesoureiro
i m seu escriptorio ras do Marques de Olinda n.
56, 1- andar.
Escriptorio da directora c a companhia Loco-
motora Pernambucana, em 12 de jaueiro\ie 86.
S. de Barros Barrete,
Director secretario.
COMPANHIA. DE SEGUROS
COXTRA FOCiO
North Brilish & lercantile
CAPITAL
tiooo.ooo de libras sterllag
A GEN TES
Vdmson Howie & C.
RA IX) COMMERCIO N. 3.


Diario de PernambucoSabbado 16 de Janeiro de 18S6

i

Gompanhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelc!da em 1855
CAPITAL 1,000:000$
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Maritiiuos..... I,HO:000$000
Terrestres, 316:0008000
44-Ra do.ommerclo-
The Iew London and II ras! lan
Bank Limited
Ra do Commercb n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N
Porto, ra dos Inglezeo.
QOMPANHIA
|MPERIA L
DE
8ECS1I10S contra FOGO
_ EST: 1803
Edificios e mercadoria*
Taxat baixat
Prompto pagamento de prejuixo
CAPITAL
fts. 16,000:000/006
Agentes
BROWNS & C.
N. Ra do Commercio N. 5
"SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenlx Per-
nambucana
Ra do Commercio n. 38
conhecimento dos interessados faz tranacrever as
seguintes disposicdes di loi de 28 de Setembro
prozimo passado :
Art. 1- 5-. Nao sero dados a matricula os
escravos maiores de 60 annos em diante, strSo
porm inscriptos em arrolamento especial para os
fins dos %% 10 a 12 do art. 3'.
7-. Serio considerados libertos os escravos
que no praso marcado nao tiverem sido dados a
matricula, e esta clausula ser exprersa e inte
gralmente declarada em editaes e nos annuncios
pela imprcnsa.
CSerlo isemptoa de prestacio de servicos os es-
cravos de 60 a 65 snnos que nao tiverem sido ar-
rolados.
8- As possoas a quem incumbe a ebrigaco
de dar a matricula escravos alheios na forma do
art. 3- do decr. n. 4,835 de 1 de Dezembro de
1871 indemnisaro aos respectivos senhores o va-
lor do escravo que, por nao ttr sido matriculado
no devido praso ficar hvre. Ao credor hypothe-
cario ou pignoraticio cabo igualmente dar a ma-
tricula escravos constituidos em carantia.
| 9- Pela inscripcao ou arrolamento de cada
escravo pagar se-ha 1 de emolumentos, cuja im-
portancia ser destinada ao fundo de emancipa-
cao depois de satisfeitas as despezas da matri-
cula.
Recebedoria, 29 de Dezembro de 1885.
Alezandre de S>uza Pereira do Carmo.
SEGAROS
CONTRA FOGO
The Liverpool 4 London 4 Glob
INSURANCE C0MP4NY
Taxa de reparticao 6:000-$000 a que se
refere o 35, art, 2 da lei 1,860
Fabrica de sabo
Roa Imperial n. 322 a 326. Antonio
de Miranda C. Branco, Ia quot.i
Dita n. 202. Bernardino Joaquim
Gomes & C, 3a dita
Roa Nova de Santa Rita n. 71. Sci-
zas & C, 4' dita
S. Miguel n. 100. Manoel dos San-
tos Araujo, 4> dita
Brum n. 5. Fonseca -lrmo & C, 4*
dito
Lujas de vender relogios somente 700/000
Largo do Rosario n. 19. Antonio
Jos da Costo Araujo, Ia quota
Ra do Cabug n. 11 C- Alezandre
Laberty, 6 dito
Mrquez de Olinda n. 24. Vctor
Grandin, 6* dito
Imperatriz n. 58 A. Hermn Wal-
ter, 1 dito
Lejas de joias somente, ou joias e relogios9:000
Roa do Cabug n. 1 B. Viuva Her-
mino Ferreira da Silva, 1* quota
Dita n. 3. nrthur & Desiderio, 2a
dito
Dita n. 3 A. Agostinho & Irmaos,
2 dita
Dito n. 5 A. Res & Cousseiro, 3
dita
Dito n. ?. Moreira & Duarte, 3 dita
Larga do Rosario n. 24. Jos Joa-
quim Goncalves de Barros & C ,
3* dito
1 de Marco n. 25. David Bedel,
3a dita
Cabug n. 4. Miguel Wolff k C, 3*
dito
Imperador n. 32. Julio Furstemberg,
& C, 3 dita
Cabug n. 2. Eugenio Goetscbel, 4'
dito
Dito n. 9. Augusto do Reg & C,
5 dito
1* de Marco n. 6. Joseph Krause, 6
dito
500000
1-0004030
1:500/000
1:500/000
1:500/000
'/000
58/332
291/668
291/668
58/332
-9:000/
310/314
465/516
465/516
620/688
620/688
Estrada de ferro doRe-
cifeCaruari
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
domingo 17 do corrente, dia em que se celebra
em Jaboato a testa de Santo Amaro, sero expe-
didos tres trena extraordinarios de ida e volta,
que tecaro em Tygipi, parti ido do Eecife 1,
4 e 7/55 da tarde, e de Jaboiiao s 2/35, 5/5 da
tarde, e 10 da noite. Para estes trens nio se far
despacho de bagagem.
Secretaria do prolngame ato da entrada de fer-
ro do Recife S. Francisco e estrada de ferro do
Recife Caruar, 15 de Janeiro de 86.
O secretario,
Manoel Juvencio de Saboya.
Escola Norma)
Matriculas
Por ordem do Dr. director, e em observancia
da disposicao do art. 74 do regiment interno de
17 de setembro de 1880, fcz-se publico a quem
interessar possa, que as matriculas estaro aber-
tas desde o dia 15 do corrente at 3 de fevereiro
prximo.
Os requer mentos para matricula no 1 anno do
curso deverao ser instruido-i com os documentos
seguintes :
1* Certido de ilade maior de 18 annos pr. % 0,
alumnos do sexo masculino e de 16 para os do fe-
minino.
2o Certificado ou titulo de approvace era eza-
me as escolas publica de instrueco primaria.
3o Folha corrida ou certido de nao haver sof-
frido condemnaco por algum dos crimes que po
dem motivar ao profssor publico a peda da ca-
de ira.
4o Attestodo de moralidade passado pelo par-e
cho su autoridi.de, quer policial quer litteraria da
freguezia em que residir o peticionario.
Os matriculando;) que nao poderem exhibir ti-
tulo legal de' exame em escola publica de ensino
primario, devero inscrever se para os exames de
idu isso, de que tiatam os arts. 75 77 do cita-
do regiment, e que comecaro no dia 25 do cor-
rente.
Para as matriculas do 2 e 3o anno basta que
as peticoes sejam documentadas com a certi lae
de approvaco n> exame do ana* precedente,
guardada a restriego do srt. 21 do j mencinalo
regiment interno
Secretaria da Escola Nnrmal de Pernambuco,
11 de Janeiro da 86. O secretario,
A. A. Gama.
Imperial socledade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaes
Por ordem do rejpeitavel irmao director, c de
accordo com os nos jos estatutos, venho pelo pre-
sente convidar a todos os irmaos que se achaxi
nos goaos de seus direitos reunirem-se em as-
aembli geral na quarta.-fe.ra 20 do corrente, s
5 horas da tarde, afim de proieder-se a eleico
dos novos funecionarios do corrente anno.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mchameos e Liberaes de Pernambuco, em 15 da
Janeiro de 1886.
Jos Castor de A. Souza,
2* secretorio.
COMCAXHIA PKB1AHBIC I*A
DE
Navegaeo Costelra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macan, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camomm
O vapor Jagnaribe
Club Concordia
Augemeine Kegel Abende
Dienstag & Freitag
Die mitglieder werden aingeladen zahlreich zu
erscheinen. Fnr Essen und Trinzen wied bes -
tens gesargt sein.
Der Hauswart.
Theatro de Variedades
620/688
620/688
620/688
931/032
931/032
1:241/376
1:551/744
k*M k M B II & & 0
C0PA^.H14-LYRIG0-C0H1C0-DR4M4TICA
DIRIGIDA PELO ARTISTA
xscrxz xwxxx,axsrE
UHVE7A BOL.HAill IA31Z ^ULO^iE,
HOJE!SatoHao, 16 e Janaro B1886--H0JE!
NICA REPRESENTAgO
Da importante e popular opera lyrica, em 4 actos, do celebre maestro commendador
Hluseppe Verdl
A TRAVIATA
PERSONAGENS
Violeta (Traviata).
Alfredo .
Germont, pai de Alfredo.
O Mrquez.....
O Bario .
Um medico .
Flora ......
Annine. .
Um criado
Sra. Springer
Sr. Ganzini
Sr. Dominici
Sr. Milone
Sr. Baracchi
Sr. Cesare
Sra. Bellegrandi
Sra. Durand
Sr. Orlandini
Banco do Brasil
Paga-se o 64 dividendo deste banco, razio
e 8/000 por accio, no eLcriptorio de Pereira
Carneiro & C-, ra do Commercio n. 6, primeiro
andar.
anta Casa de Misericordia do
Recife
Na secretoria da Santa Casa de Misericordia do
Recife arrendam-se por espaco de nm tres an-
aos, as casas abaixo declaradas :
Boa da Moeda n. 45, 240/000
dem'dem n.49 240/000
Ra do Bom Jess n. 13, 1 andar 3.0/000
IJem idem n 14, pavimento terreo e 1*
dar 600/000
dem idem n. 29, 1 andar 240/( Ol
Ra dos Burgos n. 27 216/000
Rna do Vigario n. 22, 2- andar 240/000
dem idem n. 22, 3o andar 240/000
Rna da Madre de Dens n. 10-A 200/000
Caes da Alfandega, armazem n. 1 1:600/600
Becco do Abreu n. 2, loja 48f000
Roa do Viscondc de Itaparica n. 24,
pavimento terreo, 1* e 2 andar, por 1:600/000
Ra do Coronel Suassuna n. 94, loja 150/000
Roa da Detencao n. 3 (dentro do quadro)
mei'agna 84/000
Secretoria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 15 de Janeiro de 1886.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souta
Coros de damas e cavalleiros. O vestuario completamente novo e de luso.
O scenario anlogo.
Importante aviso
A eropreza com o fim de proporcionar um divertimento ao alcance de todos os
DILETTANTI, de accordo com os proprietarios do Theatro, resolyeu praticar outras
importantes e indispensaveis reformas, e augmentar 8 camarotes baizos, diminuindo ao
mesmo tempo os precos na ordem seguinte:
Camarotes (altos) de 1. orlem. 10($000
Dito (baixos) frisa....... 8>5000
CaJeiras de 1.a classe e rarandas 2(5000
/ Ditas de 2. dita........ liJOO
Entrada geraes........ 1|J000
Yy'f *f Depolst do eupeclaculo hnverA rent para Apipucon
JUV JtZ e bondw das linha Fernandea Vlelra e AfosadON.
O* bonds no 1 arco do Palacio. Oboni da Magdalena navera quan-
do o espectculo acabar depola do horario do ultimo bouil da rompa
bla* qae paaaa aa raa Nova aa 11 e 4< minuto*.
PRINCIPIAR S 8 1/2 HORAS.
Segu no dia 20 do
corrente, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 19.
Encomraendas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
raes da Companhia Peraambn-
__________cana n. 1
TOYALlAIL STEAM PACKET
COIPANY
Vapor La Plata
E' esperado da
Europa at o dia
23 ou 24 dj cor-
rente.
Este vapor Iraz simplosiiiente
passageiros e malas e immedia-
lamente depois do desembarque
dos mesmos seguir em directura
para
Babia, Rio de Janeiro, Monte-
video e Htenos Aj res
0 paquete Neva
esperado
do sul no da 29 da
corrente, seguin lo
depois da demora
necessaria para
Lisboa e Soulhampton
Para passagens, fretes, etc., tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
SRna do Coinmereio8
< OTir \Mlli: DEM HEA(iE
lili; a nlItllIHES
IJNHA MENSAL
O pnquete
Equateur
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
sul at o dia 29 do corrente,
seguindo, depois da demora
, do costume, para Bordeauz,
tocando em
Dakar. Lisboa e vlgo
Lembra-se aos Srs. passfigeiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta agen-
cia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimcnto de 15.% f'"> favor das fa-
milias composta de 4 possoas o m nos c que pn
garem 4 passagens inteiras.
Por ezcepcao os criados de familias que loma-
rem bilhetes de pra, gosam tambem d'eete abatl-
mento.
Os vales postaos s se di*t> at e dia 27 png. s
di contado.
Para carga, passagens, encoinmendas e dmbeir
afrete: tracta-se com o agente
Auguste Labiile
' 9 RA DO COMMERCIO 9
Monte de Soccorro
Pernambuco
Lcilo de joias
de
INossor
MARTIMOS
CHARGEl RS KEIMS
t'ompanbia Franeeza de \ avega
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis
ooa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
Recebedoria de Pernambuco
Matricula de escravos
O administrador da Recebedoria em cumprimen-
to ao jj 2' do regulamcnto, que baizou com e de-
creto n. 9,517 de 14 de Novembro prozimo passa-
do, faz publico que em virtude do art. 1- do ci-
tado regulameuto, ca marcado o praso de um ha-
mo a contar de 80 de Marco de 1886 a 30 de Mar
jo de 1887 para a nova matricula e arrolamento
dos escravos existentes neste municipio devendo
ee donos e possuidores de escravos apresentarem
dentro do referido praso relajona em duplicata
tonteado o nome do escravo, nacionalidade, sazo,
fliaco; se for condecida, oceupaco ou servico em
que for empegado, idade e valor, calculado con-
forme a tabella do art. 3 do citado regulamento,
*im do numero de ordem da matricula anterior
de vendo o valor ser dado e escripto poreztenso
pelo senbor do escravo ou seu legitimo represen-
tante, nao ezcedendo o mazimo regulad > pela ida-
de do matriculando, que ser tambem eseripta por
extenso conforme a seguinte tabella :
Escravos menores de 30 annos 900*000
30 a 40 8COJ000
40 a 50 600*000
50 a 55 400*000
55 a 60 200*000
O valor das escravas ser regulado pela mesma
tabella com o abiitimeato de 25 |0 d s precos
ella estobelecidos.
Outro sim previne, que a inscripcao para a no-
va matricula ser feita a visto das relacoes que
terviro de base a matricula especial, on de aver-
baco effectuada de conformidade com a lei de 28
de Setembro de 1871, ou de certidoes da mesma
atricula ou a vista do titulo de dominio quando
OBtiver a m itriculn do escravo ; e para inteiro
E' esperado da Euro-
pa at o dia 24 de Ja-
neiro, seguindo de-
pois da indispensave)
demora para a Bm
tai, nio le Ja-
neiro nto*.
Companhia Rahlana de a i v e %
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Baha
0 yapor Maiw de Caxias
Commandante Nova
E' esperado dos domop ci-
ma ate o dia 16 do corrente,
e regressar para os mes-
mos, depois da demora do cos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a fret'j tracta-se na agencia
7iua do Vigario 7
Alves Natheus
Segu para o porto cima, o biatc S, Bartho-
lomeu, com toda brevidade, recebe carga a tratar
ra da Madre de Deus n. 8, fi ctes mdicos.
Porto por Lisboa
Segu com brevidade para us portos cima o
brigue portugus Calcida ; para o resto da carga
e passageiros, trata se com os consignatarios Jos
dava SilLoyo A Filho.____
Paralisboa
A barca Pereira Bordes seguir com brevidade
para o porto cima '. para o resto da carga frita
se com os consignatarios Siiva li Ja iw & C.
LEILOES
Leilo
movis, ritos quadros a
com cortD.iJoa, tapetes
Domingos
Boga-se aos Srs. importadores de c p los
vapores desto linha,queiram apresentor d uc 6
das a contar do da descarga das alvareng qual-
quer reclamaco concernente a volumes, que por
ventura tenham seguido para os portos do sul,afim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
arias.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabflisa por eztravioe.
Uecebe carga, encommendas e passageiros, para
os quaes tem ezcellentes aecomodacoes.
Augusto F. de Olivcira & C.
IGEXTEK
42 RIJA DO COMMERHIO -42
COHP,%r;III PEBMHB'CA.M
DE
.Vavesaco coseira por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracaj
O vapor Mandahu
Segu no dia 18 do
correute, 3 5 horas
-da tarde.
Recebe carga at o
Pmoio dia do da sabida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Purrambucana
n. 12
Paciflc Steam Navigation Companv
STRAITS OP MAGELLAN LINE
Paquete Araucania
E' esperado da Euro
pa ate o dia 17 do cor-
Tente, e seguir para o
sul depois da demora
Ido costume.
AGENTES
Wilson Sons A C.. Lmifed
U RA DO COMMERCIO N.-14
Bare ca
Vende-so urna barraca ; a tratar na ua Duque '
de Cazias Jn. 63.
Companhia Ora ileira de Wav
gaco a Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
mdant ocapitSo de fragata Pedio
H. Duarte
E' esperado dos portos do sul
at o dia 16 de Janeiro, e
seguir depois da demora in
dispcnsavel, par.i os portot
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas valores
tracta-se na agencia
46Ra do Commercio46
Lisboa e porto
Segu para os portos cima a
birca portugueza Novo Silen-
cio, r. cebe carga ; a tratar com
Baltar Olivcira 4 (J., rna do
Vigario n, 1, andar.
De importantes
oleo, 8anefa8
forro do salas, lustres de cristal, poice-
lanas, pertence8 de cosinha, bancos para
jardim, urna grande latida le ferro, uro
c3o e casa para o mesmo.
SALA DE VISITA
Urna mobilia de junco com 2 sof?, 12 cadeiras
de guarnico, 2 ditas de bracos, 2 dita* de btJanco,
2 consolos com pe ira e mesa redonda com paouo,
3 sanefas com cortinados, 4 ricos quadros a oleo,
2 etagers bordados, 1 importante relogio de pa-
rede, 1 espelbo oval, jarros, escarnieras, 2 lus-
tres de gaz e 3 tapetes grandes, forro de talas.
SALA DE JANTAlt
Urna importante mobilia de carv. llio com G ca-
deiras de guarnico, 2 ditas de braco, 1 sof, 1
rico e grande aparador, 2 etagers c n seus per-
tences, 1 meza redonda e 1 creado i,vido ; 1 im-
portante meza elstica, (obra d'arte), 1 cesta de
chefres, 1 esttnte de dito, 1 candelabro de dito
com laiitrrnas, l relogio cuco, 2 langas com res-
poateiros, 2 etagers com passar.s, 1 dito grande
com urna oouraca, figuras, quadros, 16 pecas de
deeoraca > para aparador, 8 pasearos empalhados,
louca vidros e talheres.
QUAETO DE DOEMIE
Duas camas de armacao con mosqueteiros, 1
lavatorio grande de louca, 3 cabides de parede e
1 dito redondo.
QUAETO DE VESTIB
Um gualda-roupa de armario, 1 lavatorio de ar-
mario cara pedia e pcrtcnc.s, 1 espelho, 1 porta-
toalhas e 2 quadros.
QUAETO AZUL
Urna costureira, 1 toilet do armario, 1 banca
para jogo, 2 figuras do bronze, 2 qoadros e 2 ca-
de-iras de descanco.
DISPENSA ECOZINHA
Um guarda-comidas, 1 aparador, 1 machina
para vinagre, 1 jarra c 1 grande tren de cosi-
nha.
JARDIM
Urna gokla grande de ferro, 2 bancos para jar-
dim, 1 casa pra cao, 1 bomba de repuso, 1 nnna
rio para garrafas, 1 grande lutada de ferro, um
cao, e muitos objectos.
uarta leira, 215 do corrente
A's 11 horas
Na estrada dos Afflictos chcara n. 36
Urna familia cstraugeira que se retira para Eu-
ropa far leil*) por iutervencao do agente Mar-
tina de todos os movis existentes na referida cha-
cara estrada dos Afflictos n. 36; os movis
muito s recoinmendam por serem de apurado
gosto.
A's 10 boros e 30 minutos partir do Arco, um
trem especial q le dar passagem gratis aos con-
currentes do leilo, e que parar ec todas as es-
tacoes intermediarias.
O conselho fiscal attendendo nao s ao pedido
para ser transferido, de 5 do corrente para 5 de
Fevereiro vind uro, o annunciado leilo como por
haver grande numero de cautelas em ser, e nao
convir aos interesses do estabelecimento e dos
mutuarios submettel-as venda, faz agora publico
que no referido dia 5 de Fevereiro se effectur
impreterivi Imente o leilo s 11 da manh.
Estarao ezposico tres dias diantes.
9.768 2 pu'seiras, 1 tranceln e 1 par de rosetas
de ouro.
10.030 1 annel de ouro com brilhantes.
10.032 2 bules, 1 assucareiro, 1 mantegueira, 1
leiteira, 1 salva, 1 coador, 2 colheres e 1
jarro e bacia de prata.
10.037 1 salva e 2 colheres para tirar sopa e ar-
roz, prata de lei.
10.038 2 botoes de ouro com 2 brilhantes.
10.041 1 snnel de ouro com 1 brilhante.
10.048 1 cordo e 1 cruz,turo de 16 quilates.
10.052 1 pulseira, 1 medalho e 1 par de brincos,
ouro de lei, 2 salvas, prata de lei.
10.053 1 annel de ouro com I brilhante.
10.055 15 colheres para cha, 12 ditas para sopa,
18 para creme, 3 ditas grandes, prata
baiza.
10.056 1 moda de ouro () com laco e 1 annel
pequeo.
10.057 1 pulseira, 1 par de botoes. curo de lei.
10.058 1 par de rosetas de ouro com brilhantes.
10.059 1 salva, 1 paliteiro, 2 colheres para sopa e
assucar, e 17 ditas para cba, de prcta.
10.060 1 re gio de ouro.
10.0ti9 1 par de resetas de o"ri com 2 brilhantes
1 broche, 2 pulseiras, ouro de lei, 1 cocu
prata baiza,
0.070 1 salva e 3 colheres, prata de lei.
10.087 19 colheres de prata.
10.088 1 relogio, ouro de lei.
10.091 1 corrente com sinete, para relogio, ouro
de lei.
10.092 2 anneis de ouro cora brilhantes.
10.096 1 tranceln, ouro de lei.
10.101 1 pulseira, 1 medalha, 1 volta de trance-
ln, e um relogio pequeo, ouro de lei.
10.112 1 tranceln, ouro de lei.
10.119 1 pnlseira, 1 broche e um par de rosetas,
ouro de lei.
10.128 1 par de botoes e 3 anneis, ouro de lei.
10.136 1 par de rosetas de ouro com 2 brilhantes.
10.137 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.141 1 corrente com medalha para relogio, ouro
de lei.
10.143 1 relotoo, ouro de le.
10.143 1 volta de traucel'n, 3 paies de rosetas,
2 modinhas de ouro e 1 teteia, ouro de lei.
10.146 1 cruz d?. ouro com brilhantes.
10.11 1 tariAM |t.ra Mo&io, 1 bcLe, 1 vo'ito
de traneeiin, 1 cruz, 1 annel, par de
rselas. 1 dedal e 1 relogio, ouro de lei.
10el48 1 relogio, ouro de lei..
10.152 1 crrente e medalha para relogio, ouro de
le.
10.159 1 corrente e medalha para relogio, ouro
do le.
10.182 2 botoes de ouro com brilhantes.
10.198 1 relogio, ouro de lei.
10.200 1 relogio, ouro de lei.
! 10.202 1 par de rozetas de ouro c,.m brilhantes.
, 10.207 1 pulceira e 1 trancelim, onro de lei.
i 10.218 1 trancelim, 1 medalha e 1 corrente para
I 10.467 1 pulceira. dnus trancolins, nr.a volta de
di o, mo cordio, urna medalha, tima moe-
diuha, nm par de brincos e um dedal, on-
ro de lei.
10.470 2 cruzes cravejadas de brilhantes, 3 pares
de rosetas c im ditos c seis anneis eom di-
tcp.
10.473 1 ptilceirn, ouro de lei.
10 475 2 pares de rosetas de ouro com brilhan-
tes, deus anneis com ditos, duus pulceiras
e urna corrente para relogio, ouro de lei.
10.476 1 corrale e medalht para relogio, ouro
de lei.
10.481 1 bracelete de ouro era coraes erequifi-
fVs, um eordo. quf:o prcas para cintei-
ro, um dedal, um p-.r de rosetas e duas
p ?ns de brinco, ouro baixo.
10.483 1 errrento e medalha para relojio, ouro
do lei.
10.502 2 anneis ouro de lei, um par de brincos,
ouro baizo. doze cclhres para cha, prata
ba ( 10.503 1 par de brincos e um cordo, ourc de lei.
. 10.504 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10.505 1 volta do trancelim, um broze, um par de
rosetas, dous botoes, ouro de lei, um par
de b-toes para punhos ouro baizo.
10.519 2 correntts e duas medalhss para relogio
e um relogio. ouro do le.
10.520 1 relngio pequeo, onro de lei.
10.521 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10,528 1 par de brincos de ouro e urna medalha,
ouro de lei.
10 529 1 corrente e um rel-gio, ouro de lei.
10.531 1 corrente e medalha para relogio e um
relogio, ouro de lei.
10.539 1 trancelim, urna medalha e 4 anneis, ou-
ro de le.
10.540 1 par de brincos, ouro de lei.
10.541 2 pares de rosetas de ouro com brilhantes.
10.512 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.543 1 corrente para relogio, nm broze com
peqtienrs brilhantes.
10.562 1 annel de ouro com brilhante.
10.568 1 chapa de condecoracao, ouro baizo.
10.570 2 salvas de prata de lei.
10.572 1 pulseira, urna corrente, urna moeda, um
tranceln, dous brozes, um dito para man-
ta, dona pares de brincos, dous pares de
botoes, um annel e um relogio, ouro de le.
10.574 1 trancelim de ouro de le.
10.577 1 relogio, oura de lei.
10.578 2 anneis e dous botoes de ouro cam bri-
lhantes, um fio de perolas. quatro brozes,
tree pares de brincos, um dito de ros
tas, dous anneis, duas pecas para cintei-
ro, curo de lei, um par de botoes e urna
medalha, ouro baixo, urna salva e um pa-
liteiro, prata baiza.
10.579 18 colheres para sopa, 26 ditas para cha
c urna conega de prata.
10.582 1 annel de ouro com brilhante, urna volta
de ouro cora urna medalha, ouro de lei.
10.5*4 2 casticaes e 1 paliteiro. prata de le.
10.591 1 pulseira, 1 par de rosetas, 1 peixe de
ouro.
10.604 1 salva, prata de le, 1 castiga!, prata
baiza.
10.611 1 corrente para relogio, e 1 relogio, ouro
de lei.
10.C14 1 relogio de ouro, de lei.
10.617 1 corrente e medalha, para] relogio, ouro
de lei.
10.620 1 cruz de onro com brilhantes.
10.623 2 pulseiras, ouro de lei.
10.624 3 broches, 2 pares de rosetas
ouro baizo.
10.627 1 trancelim, 2 medalhas, 1 par de brincos
e 1 broche, ouro de lei.
10.630 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
10.638 1 gargantilha, 1 pulseira, um trancelim, 1
medalha, 1 broche, ouro de lei.
10 643 1 par de brincos de onro com brilhantes e
1 broche, ouro de let,
10.648 1 par do rosetas de ouro com rubina e
brilhantes, 1 dtocnm brilhantec, 4 ann iJ
cr> d'V> ? 9 brUhantefi peguen)?, sob
papel.
10.663 16 colheres para sopa e 11 ditas para cha,
prata baiza.
10.667 1 par do brincos, 3 dito3 de rosetas, 1
broche o 1 annel, ouro de lei.
10.668 1 trancelim, 1 medalha, 1 broche e 1 par
de rosetas, ouro de lei.
10,688 1 relogio, uuro de lei.
10.702 2 casticaes e 1 assucareiro, prata de le.
10.703 3 anneis de ouro com brilhant?s e rubms,
1 volta de trancelim, 1 cruz, 2 botoes, 1
f g i cora coral, ourv de lei.
10.711 1 relogio, ouro de lei.
10.715 l corrento eom sineto e chave, para re-
logio, ouro de lei.
10.730 1 corrente para relogio, ouro de lei.
10.733 1 par de brincos, 1 fita de ouro e 1 par de
rosetas, ouro de lei, 1 broche e 1 annel
cravejado do diamantes.
10.740 1 cruz de ouro com brilhantes, e 1 salva,
prata de le.
10.744 1 par do brincos de ouro, e 1 cruz crave-
jada de brilhantes, e 1 par de botoes, ouro
de lei.
110.745 1 volta de trancelim, 1 ponteiro, 1 par de
brincos, 2 ditos de rosetas, 2 e meio pares
de botoes, 3 figas, 2 anneis, 1 embhraa de
S. Joo e 1 castor, ouro de lei.
10.752 1 relogio de ouro, para senbora.
10.753 1 assucareiro e 1 mantegueirs, prata de
lei.
10.757 1 corrente dupla com medalha, ouro e pla-
tina.
10.758 1 relogio, ouro de lei.
10.773 1 pulseira e 1 par de argolloes, e 1 relo-
gio, ourc de lei.
10.775 2 pares de brincos, ouro de lei.
10.777 2 pulseiras, 1 broche, 1 par de brincos
cravejados de brilhantes, mais 1 annel
com rubim e brilhantes.
10.781 1 broche, 1 par de rosetas e 1 cruz, ouro
de lei.
relogio, ouro de lei e 1 pulceira, ouro
baizo.
10.224 1 corrente c medalha para relogio, ouro o
platina e 1 relogio, onro de lei.
10.225 1 relogio, ouro de lei.
10.232 1 boto de ouro com biiibantes o 1 caiza
para rap, ouro de lei.
10.231 1 par de rozetas de ouro com brilhantes.
10.235 1 pulceira, 1 broche, 1 par de rozetas de
ouro contendo brilhantes, 1 pulceira, 1
broche el par de roze;as, ouro de lei.
10.245 1 pulceira, 1 broche, 1 volta de ouro com
laco, 1 medalha, 1 par de brincos, uroo
do le.
10.259 1 pulceira, ouro de lei.
10.260 1 escrivannin, prata de lei.
10.280 1 corrento < 2 medalhas para relogio e 1
annel com pequeo brilhante.
10.281 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.295 1 salva, prata de le.
10.301 1 medalha e 2 pares de rozetas, ouro de
le.
10.314 1 pulceira, i broche e 4 teteias, ouro de
lu.
10.315 1 broche, 1 pir de brincse 1 cruz, ouro
do lei, 1 volta de cordo, 1 annel e 1
ponteiro, ouro baixo.
10.323 1 correute e medalha para relogio e 2 re-
logios, ouro de lei.
I0.3i8 1 annel de ouro com pequeo brilhante.
10.352 1 pulceira, 1 trancelim, 1 par de rozetas,
1 annel de ouro c 1 annel com dia-
mante.
10.353 1 cordo (collar) ouro baizo.
10.358 1 broche, ouro de le.
10.364 1 relogio, ouro do lei.
10.365 1 pulceira, 1 par de rozetas, 1 volta de
trancelim, ourb de lei, 1 par de botoes,
ouro baizo.
10.371 1 trancelim, 1-moeda de ouro com laco e
1 relogio, ouro de lei.
10 380 1 annel de ouro com 1 brilhante.
10.332 1 corrente e medalha para relogio 2 e
anneis, ouro de lei.
10 390 1 par de brincos, 1 medalha, 1 cordo, 1
medalha incompleta e 1 laco, ouro de le.
10.394 2 anneis de ouro com brilhantes.
10.401 1 trancelim e 1 moeda de ouro com laco,
ouro de lei.
10 402 1 relog;o, ouo de lei.
10.434 1 par de rosetas de ouro com diamantes,
e urna cruz perolas.
10 438 1 volta de ouro e um annel, ouro de lei.
10.445 1 par de rosetas de ouro com dous bri-
lhantes.
10.456 1 relogio de ouro de le.
10.460 1 emblema do Espirito Santo, nm ccra-
cao em ouro ,um dedal e cinco botoes, ou-
ro de lei.
10.464 1 pulceira, um par de brincos, um dito de
rosetas e tres anneis, ouro de lei.
10.466 1 corrente e medalha para re!o o, ouro
de lei.
10.784 2 salvas, prata de le, 25 colheres, 12 gar-
fo&, 12 cabos para facas e 1 paliteiro,
prata baiza.
i 1.786 1 s Iva e 2 colheres,- prata de lei.
10.78^ 1 cruz de ouro com brilhantes, 3 pares de
roeetas com ditos, urna volta de ouro, 6
erren tes p3ra /elogies, 1 medalha, 1
corrento fino, 4 trancelias, 4 volb.s tle
dito, 1 cruz, 1 broche, 1 par de brincos e
4 relogios de ouro, ouro de lei.
10.790 1 pulseira, quebrada, ouro de le.
10.791 1 trancelim e 2 pares de brincos, ouro de
Ie.
10.799 3 cruzes de ouro com brilhantes, 2 anneis,
1 par de argolloes, 1 par de rosetas, 1
prca grande, 2 pulseiras, tudo cravejado
de diamantes cravados em prata ; 1 volta
do obro, 1 cruz, 1 fivella,4 pecas de ouro
para ciateiro, ouro de lei, fios de perolas.
10.800 1 corrente para relogio, 1 volta de trance '
lim, l cruz, 1 breche, 1 par de biincos,
ouro de le.
10.802 1 corrente e relogio, ouro de lei.
Eecife 4 de Janeiro de 1886.
Pelo gerente,
Felino D. Ferreira Coelho.
AVISOS DIVERSOS
Precisa se de um ca;xero de 12 14 annos
can pratca de molhadoa ; a tratar na Capunga
ra das Pernambucanas n. 38
Precisa-se de urna profesaura para engenho
qu; eaiba tocar piano e inais trabalhos de senbo-
ra a tratar ua ra do Impera i-* \. 79, 1 andar,
com o Buro d Kazareth.
Os abaixo assignados, curador fiscal e de-
positario da raassa fallida de Antonio Francisco
Corga, previnem aos inquelinos das casas perten-
ccnttes mesma massa, e situad a em Goyanna
que- nao pagirm aluguel algum ao procurador
constituido palo fallido, e cujos poderes eesssram
pela abertura da fallencia, devidamente publica-
da. Os mesmos inquelinos esto responsaveU
pelos alugueis que pagarem indevid mente a dito
procurador, que procedeu criminosamente rece-
bendo ditos alugue3. Eecife, 21 de dezembro de
1 >-.'.
Dr. Ferrer.
_________ Jos Fa istino Porto.
Aluga-se urna excellene casa, limpa e
assciada, com bons commodos para fa-
milia, temi a criados, galliuhdiro de ferro, grande
quintal arborsado, eom lugar rara jardim e mu-
tas outras o mmodidades, sita ra do Visconde
de Goyanna n. 167; a tratar no largo do Corpo
Santo n. 19 1 andar.
e 1 annel,
Aiuga-se o 1 andar da ra do Padre Flo-
rian > n. 69, a loja da travessa da Bomba n. 4, e
a loja da travessa do Livrsmento n. 10 ; a tratar
na ra do Apollo n. 34, 1- andar.
A!uga-8e o 2- andar da casa n. 1 do pateo
do Torco, o 3 da de n. 3 ra da Penha, o 1
da de n. 19 mesma rna, o da de n. 18 ra
Direifa, o 1" da de n. 66 mesma ua, o 1- da
de n 35 travessa de S. Jos, o 1 da de n. 34
ra estreito do Eosario ; as terreas de ns. 41
* ra do Eungel, 26 ra Duque de Caxias, 1 do
piteo do Te^o, 27 ra de Lomas Valentinas,
24 ra do Arago, e a casa de n 35 a ra da
Viraco ; a tratar na ra do Hospicio n. 3.
= Precisa-te de urna perita cosinheira para
casa de familia ; a tratar na ra da Soeaade
numero 82.
Arrendase o sitio das Jaqueiras, junto a
estaco do mesmo nome, bastante arborsado, bai-
za de capim e com grande casa de viveada : quem
pretenler dirjase ao dito, que achara com
quem tratar.
= Molas para giavatas : vendem o Pedro Aa-
tuucs & C. u. 63, ra Duque de Cazias.
Precisa se
Aurora n. 81, 1
de uma
and-ir.
cosinheira ; na ra da
Venle-se tres carros prjpros para enge-
nho, em perfito estado e por commodo preco ; a
tratar na ra do Apollo n. 30, 1 andar.
Preeisa-se de um bom c >snheiro, que d
fianza de sua conducta; cm casa de Joseph'Krau-
se & C, ra 1 de .Vareo n. G.___________________
Aluga-se a casa com sota, toda caiada o
pintada do novo, sita ra da Fundicu n. 8, em
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mrquez
Olinda p. 8, lithographia._______________
Aluga-se a casa terrea com 3 quartos, 2 sa-
las, cosinha e quintal com boa cacimba, sito ra
do Lima n. 20, em Santo Amaro ; a tratar na ra
do Mrquez de Olinda n. 8, lithographia.
Est para alugar um bom sitio todo murado
e bastante arborsado, com grande casa, sito
entrada do beeco do Padre Inglez, defronte da
estaco do Caminho Novo, parto da linha das
bonds de Fernandes Vieira, tem agua e gas ; a
tratar no oito do Corpo Santo n. 25.
-


I*
Diario de PcrnambncoSabbn o 16 de Janeiro de 1886

\

Pieciea-30 de um criado para o eervi^o de
casa, e dous meninos para venderem em tabolciro,
d-ge lanboai bolos de vindagnn ; pa roa do
Visconde do Albuquerquo (mtiga matrix da Boa
YUta) n. 3.#_______________________________
b m cnrai
Sem dicta esein modifi-
ca*; oes de eostiiines

E s
2
-Seo
|
u o
2
i
w
OD
?O
a.
t
Caixeiro
Precisa-se de om da 11 a 16 annos, que d."- fia
dor de sua conducta ; na Ponte Velba n. 41.
*h
andar
Alnga-ae o S" andar da casa ra de S. Jorge
?. 72, com bastantes commodos ; a tratar na ra
Primeiro do Marfo n. 17, loja.

a.
o
a
a
09
B
I
o
Al
Preciaa-ae de una ama para cobioha e asseio
de casa ; na ra do Viecou ie de Albuquerquo n.
24, sobrado.
CliTiMIi
Aos 4:000^000
Esp
et.. spreparados
maccnlico Eugenio \ r ?:?
de flolianda
Approvndo3 pelas jun(s de hyene da Corte,
Repblicas dj Prata e acdemu de industria de
Pariz.
Elixir de irabiribina
__ Restabol ne os dyapepticos, facilita as diges-
tocs e promove as ejeccoos diflicies.
Vinho de anana* ferruginoso c quinado
Para os chloro anmicos, debeH* a hj poemia
intertropical r constituc os bydropicos e benbe-
ricos.
Xarope d fl r de arucira e mutairiba
Muito recointni ndado im bronchite, na hemjp-
tyse e naa toases agudas oh chronicas.
Oleo de testadla ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga-
nismo, na tj sica.
Pilulas ante pi-riodieas, preparadas com a
perorina, quina c jaborandy
Cura ladinsliita as fubres intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e ta.ubem fer-
ruginoso, preparados en vinho da caj
Efficazes as inflansmneoes do figado e bnco
agudas ou ebronicas.
Vinho tnico de espitara e quina
Appiieado nai convalesoen^as das parturientes
urtico antefebril.
Deposito : Fr ncisco Manocl da Sd a & C.
llliil
Aw4:000000
DI
itua do Baro da Victoria o. 40
e casas do costnme
O abaixo assignado acaba de vender
en seua felizes bilhetes quatro quartos de
n. 976 cora a sorte 4:0000000 e quatro ditos
de n. 3,503 com a sorte de 1000000, o di-
versos premios de 320000, 16,5 o 80000
O mesmo abaixo assignado convida os
passuidores virem receber na conformi
dide do costume, sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 245.a parte das loteras i
jeaeficio da Santa Casa do Misericordia
do Recife (32*) que se extrahir terca
feira, 19 do corrento.
?recos
Inteiro 4,5000
Meio 2,5000
Quarto 10000
porco de f ooaooo
cima
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
FUNDICAO GERAL
ALLANPATERS0N8-C
N. 44--Bn i do Brum-N. 44
JUNTO A EF f A(JA0 DOS B0NDS
Tem para vender, por prec e mdicos, as seguintes ferragens ;
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSet* de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idein, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portas de fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de forja de ?, i. 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 rllegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, oassentamento de machinismo e e.iecinam nuaW
11 com perfeicSo e presteza "
Pedoni a attencao dos dignos leitores e seus numerosos freguezes, para os preco"do8 seguintes si-
ngo, os quaet sao verdadeiras pechinchas ; o igualmente a preferencia de vir primeiramente em not-
sa casa sempre que teuham de fazer suas compras, afim de se convencerem da realidade e se sort-
rem de fazendas proprias para a estaco presente, a saber :
r abalho
-vi-
Ka
para
As machinas de costura
Joao Joaqx.im da Cottn Lii/e.
16-Rua do Cabug-16
^Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes gan nudos da lotera n. 32a em beneficio
da* Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir terca 19 do corrate.
Integro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
I'KEIOS
Sendo qaantldade snperior
a 1J OtOOO
Inteiro 80500
Meio 10750
Quarto 0785
Joaquim Pires da Silva.
&
< V)
D. Ermellnda Senhorinha
viesa*
Os filbos da finada D. Ermelinda Seahorinha
Viegas, tendo de mandar resar Ihe missas no dia
19 do correte, 3o anniversari j do sea prematuro
paseamento, convidam a seus parentes e amigo
para assistitem a esse acto que dever ter lugar
na igreja de N. 3. da Conceico dos Militares,
pelas 8 horas da manba do referido dia, con fes-
sando-se desde agradecidos aos que se digna-
rem de comparecer ao mesmo acto.
t
Jone Ribelro do tmaral
Francelina Amaral e Marianna Amara), mulher
e flha de Jos Sibeiro do Amaral, convidam aos
parentes e amigos do finado, ouvlr um: misan
que mandam resar por seu repouso, na matriz da
Boa-Vista, s 7 horas da manba do dia 18 do
somata.
Isabt-1 Carolina da Veiga agradece cordial-
mente s pessoas que se prestaram a auxilial-a na
molestia e tratamento medico de sea finado ma-
rido Manoel Laiz da Veiga e acompanbaram os
restos mortaes do mesmo at o cemiterio, r igando
a todos ainda o acto de caridae, assim como aos
parentes c amigos do assistirem a missa, que pela
alma do mesmo finado ser resada na capella d
N. S. da CoaceicSo de Beberibe, no sabbado 16 do
corrente, stimo dia do seu passamento, s 1 l.o
ras da manba. _____
Alfero* Apolinnrio Lnix de
Canallio
A vinva, filhis, cuiihaios o sibrinbob agrsde-
cem do intimo d'alma todas as p.'soas que ti-
veram a bondade de aeompanhar j:c s la ultima
morada os restos m>rta<:3 da acu fallecido maiido,
pai, cunhado e to ; ag especialmente
aos moradoras de Olin '. a nos
u'timos moni1 nt js do final : i. io novo os convi-
dam para assistir.-m as mistas qce serlo celebra-
das s 8 horas da manba, na m itns da Boa-1
e 7 na de S. Pedro Martyr de Onil;, no dia 16 do
corrente, stimo dia do passameato, c
se desde ti eternamente los.
mmmmmammmBBvaammsr
D. Tbercza 'oaiual
D. liara daConcci?a) li :jtos Ramos, Mara
Jos Remos de Audrad.*. Josa 'i de An-
draie, mandam sas por alma de sua
presada ami,;a D. Therez i Pontunl, no dia 16 do
corrente, s 6 1/2 horas da mauha, na matriz de
S. Pedro M.rtyr de Oiinda ; e para este acto de
r^ligiao convidam aos scus parentes e amigos para
aasistirem ditas miasas.
m M FMTH
os 4:0004000
SUESTES 5ARAUTID05
iiia Primeiro de Marco n. 21
O abaixo assignado tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 1819 com a sorte de 100;&000,
a!m de outras sortes de 320, 160 e 80, d.
oteria (31.*), que so acabou de extrahir,
onvida aos possuidores a virem recebe.*
na couformidade do costume sem dcsconti
(gara.
Acliam-sc venda os afortanades bi-
lhetes garantidos da 245. parte das lote
ras beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (32.a), quo se extrahir
teija feira, 19 do corrente.
Presos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Bm qnantJdade malor de lOOd
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manoel Martina Finta.
Tricofero
de Barpy,
Domestic
Sao reconhecidas ser as mais ele
antes, as mais duraveis, e em todos
os sentidos
As melliores
Para prejos, e circulares com illus
trajSes de todos os estylos, dirijam-
c a
DOMESTIC SEWING MA
CfflNE & C.
HEW-KORY U. 8. A.
BAIVHOS DE MAR
Superiores eostumes de excellente fa
zenda e muito beui preparados para banhosdf
mar.
o^a'I" ?i??c?.8 de seda de tote* s*corer, a
360, 40C e 440 ris o covado!
Cachemiras com bolinhas, novidade, a 560, 600
010 ris o dito !
dem com bolinhas de veludo, a 1400 o dito.
Linons, novos desenhos, a 900 ris o dito I
Setinn maco de todas as cores, a 15, 1200 c
1400 o dito !
Gorgurinas, fazenda de 800 ris, para acabar, a
400 ris o dito !
Failes, novos gostos, a 500 ris o dito !
Setinetas francezas, a 360, 400 o 500 ris o
dito I
Cretones finissimos a 320 e 360 o dito !
Fustoes brancos bordados a 400 e 500 ris o
dito I
Merinos de duas larguras a 1 e 1200 o
dito/
Ditos setim, idem, fazenda de 1800, para liaui-
dar, a 1*200 o dito !
Ditos pretos a 1, 1*200 e 1*500 o dito!
Damascos de cores com b palmos de largura
para colzas, s 2* o dito .'
Popelinas listras de seda, a 280 e 320 ris o
eito!
Pannos para mesa, de urna e duas larguras, a
600 ris, 1*200 e 1 *500 o dito.
Bramante trancado de urna largura, a 500 ris
o metro!
Brim brauco de linho n. 6, a 1*500 a vara !
aproveitem.
Brins pardos largos a 320, 360 e 400 ris o co-
vado i
dem de cores a 320 ris o dito!
Casemiras de cares duas larguras, a 1*200 e
1*500 dito!
Dita preta, idem, a 2*200 e 2*500 o dito !
Flanella ingleza, den', a 2*000 o dito, fazenda
Ditos de casemiras inglezas a 2*800, 3*, 4* <
5/000!!
Camisas francezas sem punhos e sem collari.
nhos a 36* a duzia !
Ditas para meninos, superiores, a 36* a dita.'
Ditas de cretone, finas, a 30* e 360 a dita !
Ceroulas bordadas de bramante, a 13/ e 1\>
dita I
Meias cruas inglezas a 3j?500,4*500 e *S0O
dita *
Ditas para senboras, a 4*500 e 6* a dita !
Lencos brancos superiores, abanhados, a 2* I
o*, em lindas caixas.'
Lentes de bramante, grandes, a 2*000 !
Cobertas de ganga e cretones para cama de
sal, a 2*500.3* e 4*.
Cobertas de la a 2*000!
Redes superiores a 5*000 e 6*000.
Cambaia Victoria, com 10 jardas, a 3*20L
3*500 e 4* a peca !
Dita transparente fina, a 3*800 e 4*000.
Madapolao Boa-Vista superior, 24 jarda
6*200 a peca! '
Para as Exma noia
de 3*000!
Cortes de meia casemira eom pequeo dofeito
1*400 e2*00! '
Colzas de fustao ricas, a 10* e 120O0 !
Ditas de chrochets a 12* e 15*000!
Cortinados bordados a 7*, 10* e 12* o par!
trinaldas ricas e veos, a 10* e 15*000!
Camisas bordadas a 3*500 e 5*, sSo de 8*000
Saias, idem, a 4* e 6*000 !
Popelinas bracas a 600 e 800 ris o covado.
Setinetas idem, lavradas, a 600 e 700 r
dito !
Espartilhos finos a 4*500, 5* e 8*000 J
Guarnicoes de crochets, ricas, a 10*, para toh
e cadeiras.
Bretanhas, bramantes, esguioes finos, a 5*
peca; e muitos outros artigos, por precos se
competencia.
Para senhoras.
Para homens.
Para crianzas .
101000
8$000
5000

rn:'(r-<.r> iwz crvaeer
CACELLO
nlnd.-i fararno iium rnbrrn*
mnln cntvn**. brm routo an
cara rndlcnlmevte
a TINHA e a CASPA.
Positivamente impede
Jaeda e o erabranquecimento
a CABELLO c e ai todos os ca-
sos o torca invariavelmente
Kacio. B'il'aantc. Formoso e
Abundante
Em urohanialsdeo1[entafliint
e tem niaicr vouila que ncnluim
oatro or.'parady pata o cabello em
toC. mundo.
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segunde a fon ma
original usada pelo inventor no
I asno de 1829.
Tem duas vezes mais Fragrancia
que {ualquer outra.
Dura duas vezes mais tempe-.
E'muito mata rica de perfume a
mais suave.
E'muito mais Fina o Delicada.
Tem dpbradaforca Refrescotiva e
Tnica noBanho.
Fortalece ao Deb'le ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca e os des-,
malos. ia
E'muitissimo Superior a todas as'
outras Aguas Floridas Actual-.
________^
Recebemos ltimamente um grande sor
ti ment de diversos tecidos novos para vesti-
dos c inteiramente apropriados para a pre-
sente estadio,
LOU7RE
FRANCISCO GURGEL DO AMARAL & fi.
fila Primeiro io Marco i. 20
ESQUINA DA RA DUQUE DE CAXIAS
X telephonico 158
VENDAS EM GROSSO
Descont* da praca
CARNEIRO DA CUNHA & C.
59-RUA DO DUQUE DE CAXIAS-59
^mniA ALLBji
ALBEET0 HENSCHEL & G
" DO BARAO DA ViCTORIA-52
INSTITUTO
DE
um UMM
^guas
tnento a venda.
De80oberta Importantissima. t
Puro Oleo de Figado de Bacalhao
COM
fODURETO DE FERRO/
DE ~^_
Barclay tfc CompanhijU!
incacspcoroocaso
! tlsmo, as dooncas
c dosOssos, asn-1
do tero, etc., etc.,!
ido o seu pr j
T.rrefionda3 contornos. E'cfrta i
berta o Puro Oleo de.
lijado le Baca;i> com Eodnreto a
do Barclay Se a., New York. ^
ope de Vida1
e Benter No. 1.
BEHJRAT.VO E PGANTE.
uovo e adnuravel purificador do
gue actua sobremos intestin
o Jjado. os rinsc a pelle/
C'curalnalllvel contra a Debilidade
H'ervosa, as Dores de Cabeca, a Dys-.
pepsia as Sezoes, e contra as doen-,
casdeorigem Miasmtica ou occa-
slonadas por desordens do flgad-
ou pobreza e^mpureza do sangue
liislnicfao primaria, secundaria e recrealiva
Este collegio fundado em 193, contina a funocioDar ra de S. Francisco,
palacete n. 72, e admita alumnos internos, meio pensionistas e externos.
As materias proteasadas sao : Prime!ra* lettras, por'ugaez, latlm.
francer, inglez, rethorlca, arlthmetica gcographla, geometra,
historia, philossphla, msica, danea o deseuho.
Os professores ala habiUdos e moralis-i)..., tendo os alumnos obtido sempre
bons resultados, tanto nos exames prestados no lustituto como m Collegio das Artos.
A alimentario sil e abundante.
O rgimen interno nSo exatorio; ha horas destinadas para o estudo, Nenio
e repouso, e om caso nenhum soffrerao os alumnos pr7ac.to da alimentacSo nem dei-
x'irio de repouzar as horas exigidas pela hygienne.
O trabalho distribuido de conformidade
sico e moral de cada um.
O predio coramodo, aceiado e em geral claro e fresco, com espacosas
para aulas, refeitorio, dormitorios e recreio, mobiliadas convenientemente.
O cellegio fo nece gratis, peanas, tinta, lapis, crayons, ardosisas, livros
consultan dos alumnos int3rnos, no collegio.
Os alumnos internos tambem teom direito roupa lavada c o engommada, sem
remuneracXo alguma alm da mensalidade.
Tambem n.lo d1o joia na entrada. O enxoval dos alumnos infernos resumido.
com a idade e desenvolvimento phy-
salas
para
a i Jab.a'X0. ass!gnado tem a honra de participar ao respeitavel publico d'est
capital e do interior, que reassumio a gerencia deste grande e bem conceituado esto-
belecimento, onde j por longos annos tem oceupado o mesmo lugar.
As Exmas. familias e pessoas que desejarera hnralo com suas encommenda,
encontraro all os mais modernos e aperfeijoados trabalhos
photographica e modicidade nos precos.
concernentes a art
C. Barza,
Gerente.
TINTURARA
OTTO SCH1YEIDER
SCCESS0R
Mlliias de Albiiquerque n. 25
(AMK RA DAS FLORES)
Tinge e limpa com a raaior perfeif.to toda a qualidade de estofo, e fazendas
em pesas ou em obras, chapeos de feltro ou de palha, tira o mofo das fazendas; todo o
trabalho i'eito por meio de machinismo aperfeigoado, at hoje conhecido.
Tintura preta as terjas e sextas-feiras.
Tinta de cores e lavagem todos os dias.

a
rt
Em attencao as difficuldades com que lutara os senhores pais para educar scus
filhos, nao podendo muitos suatenUr t5o psalo encargo de 50f$000 mensal por cada
como alumno interno, alm de outras muitis despezts que occorrem, fica estabe-
un
leci la a seguinte tabella :
Alumno interno
meio-pensisnista .
ext rno de aula primaria
secundaria
(l preparatorio) .
(2 ) .
.' .' (3 ) .
Aula do msica..........
danr.,i..........
desenho ..........
N. B.Os pagamentos s&o feitos por trimestres adiantados.
As aulas comecam a funecionar a 7 de Janeiro o terminara a :5 de dezembro.
O D1BEICTOR,
II' nnino Rodrigues de Siqueira.
40000
25^000
5,5(000
50000
9^000
12:j000
50000
50000
50000
por
mez
*&.
gco^CKa-i?, A IPIBr
izaej*. ^'^.oxtj.
cla regular podi1 aoha ii-sta <
mudo om pai -ce.
M menoroa i com-
to rtnromos irratis un ox- \iaa*\oren u tl0.0
qiicm que- o pedir w ^
* B H T AWTHOlOr & CO. BW BKOADWAY, KOVA-TORK-
-mphlcof 10 winoft n.ste raraode negocio
JOSEPH KRAUSE 8: C.
Acaban! de augmentar o sen j bem conhecido
importante estabelecimento ra Io
de marco n. 6 com mais
um salao no 1 andar luxuosamenle pepar-
rado e prvido de urna exposi-
tHk tlm deprala doforto e MPdfM
dos mais afamados fabricafees do
mundo ineiro.
Convida, pois, as Exmas. familias, sens nume-
rosos amigos e freguezes a visitarem
o seu estabelecimento, afim de
apreciarem a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran!, em honra
desta provincia.
ACHA-SE ABITO DAS 1 A'S 8 DA NOITE
COIVITB
t
lliblltl


I
I
?


Dtario -c IVrn.i mi)un -- Sabbaio 16 de Janeiro de 1886
Aluga-se
s segundo andar e soto da casa na -do Amo
risa n. 66, por prr-en corifenod >, perto da alfandega:
a tratar na mesma
Aluga-se
un sitio roa daa Pernmbucanas n. 62, tendo
una grande caaa com muitas commodidades para
grande familia, a casa tem sota corrida e o sitio
trborieado ; as chave* na roa de Pedro Affonso
tuero 68.
[Quem lera ?
Onro e prala : compra se ouro, prata e
pedras preciosas, por maior preco que em outra
onalquer parte ; no 1 andar n. 22 ra larga do
Rosario, antiga dos Quartcis, das 10 horas as 2 da
tarde, das uteis.
Ra do Imperador n 15
Primeiro andar
Contina a executar os mais difBceis
figurinos recebidot de Londres, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeico de costura, em bre-
vidade, modicidade em precos
goeto.
e fino
PARA TINGIRA
Barba eos Cabellos
, tintura tinge a barba e os cabellos instan
taneamente, dando Ibes urna bonita cor preta e
aatural, inofensiva o seu uso o simples e muito
rpido ; vende se na BOT CA FRANCEZA e
DROGARA de Rouquayrol Freres, succeesores
de A. CAORS, ra do Bom Jess, antiga da Cruz,
numero 22.
Curso primario c se-
cundario
Jos Cordeiro de Souza Simoes participa aos
pas d<> seus alumnos e ao respeitavel publico, que
no dia 7 do cor ente se ath r aborto o seu esta-
bcleciuientode inatruecao na ruada Impjratriz n. 15
a continuar <-s -xercicios de sua profissao : assim
come continua a adinittir alumnos internos, meio-
ensionutaa < externos.
Asylo de Mendieidade
A aula de insfrueco primuria n'este estabele-
cimento com ca a funveionar no dia 7 do corren-
te, das 8 horas da manha s 2 da tarde.
Igualmente funecionar de dia 15 em diante a
aula dos ejros das 1 s 5 h iras da tarde, lecio-
nando se anaorwaa lettras, francez e msica.
Em ambas esttas nulas tao aduiitt dos alumnos
externos, dando-s -Ihcs gra'uitamcnte nao e o
ensin- coui" tarrbcm todos os objeetos neeessarios
(papel, penn-i, iiuta, litros de tritura, etc. etc.)
Para a matricula e infonm-edes podero dirigir
se diariamente ao indicado cstabelecisent em
Santo Anu.i .
Asylo de Mendicidad.- i m ernambnco
Janeiro de 1H86
O director,
instila Jote ir S'ui:,i Campos.
Mine. Niquelina
ti
TNICO
#
tr m.*%
%
PrenaraQ8o de Productos Vegetaes
,tin?oTas caspas
e outras Molestias Capillares.
JVIARTINS & BASTOS
Pernambuco
Inlernalo Rernambucano
Ra do H spicio n. 55
As aulas dette collegio abrem-se no dia 14 de
Janeiro.
Aula mixta particular
**.
Ra da Matriai da Boa Tlala n
primeiro andar
Maria da Conceicao de Drummond participa
aos pas de familia e correspondentes, que a sua
aula abrirse ha no dia 11 do corrente mee.
Alm das alumnas externas, admittem se pen-
sionista : quem dosejar saber as necessarias con-
difoes poiie dirigir so i dita aula, que entender-
se ba com a mesma.
Quanto as informacoes, os interessados podem
dirigirse ao conselheiro Pinto Jnior, Dr. Pe-
reira do Carmo e aos distlnctos profeseores da so-
cieuade Propagadora da Boa Vista
Consultorio medico cirurgico
Dr.-Miguel Themudo mudou seu cnsul
torio e residencia para a ra da Imperatriz
n. 14, 1. andar, oride d consultas das 12
horas s 3 da tarde e recebe chamados a
bualquer hora. Especialidades partos, fe-
bres, Byphilis e molestias do pulmSo e co-
relo.
ja
i vanado sortimeatn He (lapi 1-
irnto^ara sgk, o qn
la de mais moderno, enmega-se
-s
u
rtia Primeiro de
Junto Botina J
narco o. 19
laravHhosa
\ttenco
j.
Paco ver aos senhores e seuhoras de engenho
.je precisarem de um admi istrador babil para
>dj o servico de agricultura, que faz todo e qual
;uer neg ci, nao por ajuste physico, mas sim
yr poreentagem doa renditneatos das safras, ae-
rando a propon,o do engenho, ou por tercos.
. -rtos, quintos, oitavos e decimos, segundo a
jr.-porgio do mesmo engenho. Se o engenbo for
fabricado por escravos Umbem faz o negocio por
jervico dos escravos, um dia por semana, de 15
am 15 dias on mensalmente, conforme a escrava-
tnra do engenho : quem quizer annuncie por este
Diario, declarando o nonte do engenho oa lugar,
K o engenho movido a agua, a vapor ou ani-
llis, tndo deve declarar, advertindo que faz este
legocio por tempo nunca menos de tres annos.
Antonio Bezerra P-. ssoa e Albuquerque
Amonio de Padua da Fonsera
Ventura
O. Joanna Anta da Fenseca Ventura, seus fi-
lhos, ""titeados e g -nro, muito agradecem s pes-
soas que assistiram os ltimos suffragios fei:os ao
cadver de aeu presado filho. irmo e cunhado,
Antonio de Padna da Fonseca Veutura, e de novo
as convidam assistirem a missa de stimo dia,
que mandam celebrar por sua alma, a 7 1/2 horas
da manbi do dia 16 do correnta, na igrej* de N.
8. do Terco ; e desde j se confessam gratos por
mais essa prava de amizade.
O. Thereza da Silva Vieira
l*on(ual
Baro e Baronesa de Frecbeiras, D. Cordulina
V. da Silva Pontual, Baro e Baronesa de Pe
trotina, Jos Rodrigues Pontual e su mulber,
Francisco da Kocha Pontual e sua mnlber, Davino
doa Santos Pontual e sna mulher, Leocadio Alves
Pontuel e sua -.- ulher, bacharel Feliciano Placido
Pontual e sua mulher, Jeronvmo B. de M. Kan
gele sna mulher, D. gueda" Aventina Pontual,
bacharel Samuel dos Santos Pontual e sua mulher,
Dr. Constancio dus SautosPonluale sua mnlber d'
Mana de Jess Pontoal, Thom Joaquim de Oli-
veira e sua mnlher, Mantel Antonio dos Santos
Das esuamu her, tlhos, genros e oras deD.
Thereza da Silva Vieira PontuaJ agradecem do
rundo d alma aos parantes e amigos que tiveram
a bondade de assistir aos ltimos suflragios feitcs
a ana fallecida mai e so^ra e acompanharam feas
reatos mortaes at o cemiterio.
O meamos pedem de novo todos os parentet
e amigos seus o caridoso obsequio de assistirem s
miseas que no dia 16 do eorrente se rezar>> por
alma de sua sempre chorada mi e aogra, na ma-
trii da Boa-Vista a 8 horas da aanh na ca
pella do engenho Cabeca de Nagro, a 10 horas
da manha na igreja da povoac2o de S. Jos de
Boa Esperanca s 16 baras da maabi e na ca-
pella do engenho Aripib tambem ai 10 horas da
aanba. m
Piiho de Riga
Acaba de chegar pelo brigue Acacia um com-
pleto sortimento de prancboes de varas dimen-
coes, como tambem taboas da mesma madeira, de
ama e urna e meia pollegida de grossura ; ven-
den-se por precos mdicos em casa de Matheus
Austin 4C, i na do Commercio n. 18, ou no
caes do Apollo n. 51.
R. DE DRjflMTC.
Rea ile Bou-tas 118
(ANTIGA DA CRUZ)
Casa de commisscs
Grande e variado sortimento de amo-
ras e catlogos de prodnecoes da Alloma-
dla, Francajing'atera, Aastri, Hespanha
taha e Estado-Unidos.
N. B.Infonnajoes sobre machinismoh
friclas, ditas para e.ngenhos centraes-
)ombaa, ;tc par. r' ndios a outras m,
hmr^s e utensilios!
M udanf a de escriplorio
Ernesto & Leopoldo transferirn! seu escripto-
no gara a ra larga do Rosario (antiga doa Quar-
teis) n. 22, 1' andar.
Alflga-se
urna casa pintada de novo e com sotao interno, na
ra di Coronel Sosanos n. 199 : a tratar no lar-
go do Corpo Santo n. 4, 1 andar.
BELOGI
0 MSE DE JOTAS
V1IGUL WOLFF k C
Offereeemao respei-
' avet pblico um g-mn
de e varraxlo sortimen-
to de relo^iosdos mais
acreditados fabrican-
tes, ese acham habili-
tados a vender mais
barato do qne outro
qualquer, visto rece-
berm directamente.
Todos os relogios
vendidos n'esta casa
sao garantidos.
! Ron flo KM D. i
FRANCFORTS/MEIN
PARS r^y LONDRES
15RueaeitGhiquier_i (54AldermaiibiiryEC.
CRYSTALSnAP
SABAO
transparente cristalino
WVRIEGER
i
conhecide do mundo inteiro
como o melhor mais perfeito
de todos os sabaos de toilette.
Especialidade.
Estrados ausencias triples
de cheiros. Agua de Colonia.
\ iiiiurresi '.0/lille. Pos d'ar-
roz. romm^s. Azeites to-
das ciase:* (le j. ei fumarias finas.
Superiores qualidades.
Depssitos as principaes Ptr-
fumarias, Pharmacias Cabel-
leireiros do Brazil.
afilalhsde Progresso Vianna 1878.
Prccisa-se
de urna usa para casa da bomem soltare; em
Olinda, no Varadouro, deposito.
A BSLLZZ ETERNA U PELLI ohtiia pelo a a
PEUFUWI ARIA-ORIZA
de l LEGRAND. Fornecedor da Corte da Russia.
-----------*?
CRE1 E-ORIZA^
BOHgg0F.
NT
UU CfttUh ar.tel*
bnMqueit t PtUe
s ii-ui i
fUIJPUICll.iiMtClli
M HCIHH
memmi man an^ft Idtde]
| IVanm taatea 9 nsto ttana.)
aw uHu du rifu.
TOUTUiaHLUrltB^
ORIZA-LACT
lOQO emulsiva
BrnquiMjererrete*i pelle ]
Fu deiapparKW u aard.
ORIZA-VELOUT
Sibo pala mato do
D'O.ktVeiL.
0 mu bmt. para palle.
ess-Triza
Ptrfumu i* tsot o
rtmalhttuaa Una nona.
Adoptado, pala an>4a.
ORIZA-VELOUT
P de FlORd'ARROZ
adharenta i palla,
fwaiatiiii o tnauM
_ l s Tiituru tirfrntim '
.mOkMIimWuom^
OK.'ttftXtf**
je jir.ussaiiiHSON
Um un ico Wdro
Bca!a para m
loim' iiuimM v>
Cfcbollo" 9 4 Barba
a :n c*r oitta'
coa isti L191TIM
infc.fred^LtVia-Sl.CiBSC-''
H> intot aam dapaa
...Liculo inriii
SUiulUdo Imm.dluo
abBADchdKpellp,nv4oa.Cr1o I
4 mato.
* mam am ejil I
aa eauuiirairoa.
ORIZA-Oll., Oleo para o* Oatoelloav
OBBOOyPIAR DAS J*AJJaH'IOJt.<7<5a3 TUMEROBAfl.
Deposito principal ; 307, ra Salnt-Honor, Par*.
Qotta, Rheumatismo, Dores
SoLugo do Doutor Clin
Lauretdo da Facilidad* da He .cia da Paris. Premio Montyon.
-----------?'.>. ---------
A Verdadeira Solucao CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Afec$8es Rheumatismaes aguda e chronicas, o Rheumatismo gottoso.
as Dores articulare e musculares, e todas as vezes que necessario calmar os
soffrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solugo CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
di3 Um axpllcagio detalhada acompanha cada frasco-
Exigir a Verdadeira SolucSo de CLIN & Cie, de PARS, que se encontra em
^ caaa dos Droguistas e Pharmaceuticot. ^
P T T "^ T T T-i ^ ITT T 1*1
TBOTJETTE-PERH

"* AS Ciis po'.ie")-'-- ;:!*"> ot>nU-*'.r:A. plft corovaasT O
WECQOFS DO ESTOBAGO: GASTRITES, GASTRALGIA
OIAREAS, VOlUfOS, PESO NQ ESTOMAGO, MA D!G?S1A. ETC.. KS.
V V.MM COSO DRPOIS DA COMIDA BASTA PARA CURA?. OS C.vSO 1AIS RBMLOK
A venda as oriucipaes P&rmacias e Prcnsrisa.
rtmdo na grotto m Pan : TROVE fTE-PEBRET, ru. 2a.iU-A*tt>TK, y<^
Orna-a ttu&i Sane lo Ocverse a*ru.*a aoore os Frascui ora e--:tar ts ??miaffi<^
anos em Pornamhnco : PRAN" M da SILVA Cr*,
^Arntamate*!****^*********^** taM&SammWm**m\f<*nmruac.--- *
Cuidido com as Fal.iflcac'
AGUA de MELISSAl
dos Carmelitas
V.'-'''!?'- bnioo 8uooeeor rio'
Cnrmelitaa1
PARS, 14, Ra de l'Abbaye, 14. PARS
ICutra aApoplexta. o CholeTa, o En'oodo mar, 9 Flatos, ai Clicas. Indi- //<*,^ /J
\ usati... i robre amaxalla, rtt. Lar o sro8f.e->j no qval m ivm.tido c u> rdro. jT ^f^fl'
Deve-se exigir o letrelro braoco c prclatt on loiios os vidroa, r~~J
seja qnal f<5r o tnmnnh-">. como tarnWin a aai'nrintw -:
Depsitos em tod rioaa.
VERDADEIRA PILULAS do D" 8LAUD
Pwmtxit preparados tnrrugitum*. oce-mt mpratt'aiar-aa a ccofi. ica oe Mietiz -i \
i -i Dtammtm apoia4>>* aocumawli>a 5.i aitceatico corto ot aaa'iataw :
Sao enjprefailA* ldq o meincr auto, ta ul* e iu mus, cala m-^or par^ii ,4a sMilriin
para rrar Anemia, Coloraae (trt t'Hu). e facilitar a rormafa das raparioaa.
St ter 3ue a lnsercao desta Ptiuias nc aoio ctex /l iiaw ntm "lispcnse de to4o asstrlo
km Hniiuremo* t-n tmiea ntaofto, iKi Boararoaj .
> 3 aaoo.< unwBtuisvsl. -x.brr as auMaa tmtngmmmem, aa caldero como
tf DOUBLI
I.-wii lili 4. andamia da adltm da Ava.
StBflBMHH que o seo nomo uteja uraTsao sobre cada Plala como i trargeni
OUMPfftE DESCONFIAR DA "ITAQE8
JiUi,ntPuna.>.--Pe.lambvco: 1HV*. di!" -.f'.eiiUBii
mmmmmW^mM ^ mU\i*+Wam*a*tMm%%Wm%VmmmVm

SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
s PHulas purlflcb o Sangue, eorritfem todas as desordena de Estomago e
dos Intsstlnos.
FortaJecem a saude das constituooes delicadas, e sao "mn valor incrTel para todas as enfennidades
peculiares ao sexo fenumno em todas as edades. Para os meninos assim como tambem para- as
pessoas de idade avancada a sua efficacia e incontestaveL
Ems medicina slo preparadas 4mente no EabelecDiento do Professor Hoixowa,
78, EKW OXTOKD 8TKEET (antas 538, Oxford Btrett), tOWBBES,
E vendemie em todas as pharmacias do universo.
O. compradora, sao convidados respeitosamente a' etamiau o. rtulos de cada caiza e Poto e nao teem a
dlrecsao. S33, llxforj Stieet, sto falsilicaoe.
OPPRJSSAO
UTAMDrLuie
Tt
T
KtVRiLGiaS
tf.j y jfi\/y; a rtm ugasos me
Aspira-se a fu maca que pened uo uoito ucaiiiia o svmptoma nervoso, aclUta
a eipectoraca e favorisa as funecoes dos orgas respiratorios,
'aatsat esa asacada esa casa a-e J empic, *. ra *o-a^asuire. eos Psn-ia
. >!T3^mAf^mtjaaa>a> i rMA,ayc- M. *t VA aw tr\_____
"ff-n -" "-fr*'i"-"7f- R-H-n^wjiiyM iym ^'~a fbe rffisn %m
PILLAS DIGESTIVAS DE PANCREATINA
1 de DEFRESNE
iVwrmoceuftco de 1* Cloaae, Fornecedor dos Hoapitoes de Paria
A Pancreatina empregada nos hospitaes de Paris, o mais poderoso i
digestivo, que se conhega, visto como tem a propriedade de digerir tW
tornar assimilaveis nao smen.e a carne e os corpos gordurosos, masl
tambem o pao, o amido c as fculas.
Qualquer que seja a causa da intolerancia dos alimentos, alterarlo, oul
ausencia de sueco gstrico inflammaco, u ulceracO-is do estomago, oul
do intestino, 3 a 5 pilulas ie Panoreatina de Defresne depois da cc-i
mida, sompre alcancam os melhores resultados c slo por isso prascriptasf
pelos mdicos contra as ssguintcs affeccoes:
Gastralgias
Ulceragoes cancerosas.
Enfermidades do ligado.
Emmagrecimento.
I Falta de appetlte. { Anemia.
FMs digestoes. Diarrhea.
Vmitos. Dysenteria
Flatulencia estomacal j Gastriies. Duimayinuiitiuio.
k Somnolencia depois de comer, evomitot tue?companha a a gravidez
II PANCREATINA DEFRESNE sm frasquinlios oom a dose de 3 a 4co!he-
I radazinhas depois da comida.
|EmMM DEFRESNE, autor da Peptona, PARS, r em todu u RianEaciu
VINHO
NA EXpOoIoAO UNiVERSAi. UE 1873
CATiLLON
d OLYCEKINA e QUINA ka
O mait aorl.roio tnico reconstituate prsienpto *
| noscAtodoDoro.destomago.I^ngor.Anemia f
Olabatia, Conaaaapoao. Febro, 3
ConTalescenpa. Resultados dos partos ate ".
I .t,?^?0 rt,,b0 fra u,n- I*M f ttinfiiioso
IUTILLOR rajnerador por excalleacia do unaue pobre S
loasMarada Itunahofu tol.rar o r.rro por todo, i
ImMUnuco Mcamu prsa d. venlre,
t tainu
M.aaAlrva.Cv
traman
_CONTRAL
Dattaxoa, Ortope, Brorohltas, ^
larrlRlMl VatxeXAROPE a PASTA Wmt-f,
toral i* KATX da DILAJGRENIER me a. M
tttmam oart wrWn.ll. par Msmbro. aa
i MalMsa as Fraaov
Ba* OjNa, Marrmmt i
sa iiliam iSnailm Toaat
1 Hi
GrmnasJa Ferniikiciiio
Em S de Janeiro de .*
Pela secretaria do Gymnasiu Pernambuoino e
de ordem do Revdm. Dr. regodor, se declara aos
pas de familia e a quem interessar possn, que es-
t aberto o anno lectivo para oa alumnos d'aula
primaria, nos termos do art 185 do regiment in-
terno de 19 de Abril de 187C, npprovado pela lei
provincial n. 1.497 de 10 de Junbo do anno de
1880.
O instituto recebe alumnos em tres c&tb< gorias,
conforme se acham divididos pelo citado regimen-
t: pensioni.-taa ou internos, meio pensionistas e
externos.
Os pensionistas rexidiro uo instituto, tendo di
reito de estudar as materias preecript&s no pro-
gramn a estabelecido, a st alimentados sadia e
abundantemente, tratad s cm suas enfermidades
pelo medico da casa, ter roupa lavada e engom-
mada regularmente duas vezes pur s- mana, cabel-
leireiro sempre que tr nxessario e bauho duas
vezes por semana.
Os meio pensionistas se apresentarao no estabe-
lecimento nos dias lectivos, is horas em que a au-
la se abrir, e desde ento at ser encerrada tar-
de, sero equiparados aos internos, quanto aos es-
udos, alimentacil;> e recreo.
Os externos s tem direito s liccoes e explica-
r;5es do respectivo professor.
A penso dos internos de 400 e a dos meio
pensionistas^ de 240, paga por trimestres adian-
tados na secretaria do mesmo instituto.
Os externos, porm, nada pagarao.
0 secretario.
Ceio T Fernandes Quinlella.
CUIDADO COM
AS FALSIFICACeS
% 'jgP
fi4" '^'.
PARA
OLENCOOTOUCADOf
E O BANHO.
era continu;i;-io na ra larga do
Rosarlo n. :s *
Damio Lima & C, nao p dendo acabar o seu
grande sortimento da miidezas, em consecuencia
da cryse perqu paseamos, continam por mais al-
gum tem; o a liquilar suas mercaduras, pelo que
de novo convidam ao publico e especialmente s
xmas. familias, a quem pedem toda protec(3o.
Admir m !
Punhos e eolariohos bordados para se- /
nhors
Ditos lisos
Ditos de cores
Lavas de seda de cores
Agua florida, 7C0 re. e
Bordados de 300 rs.
Bonitoi) iacos a
Leques de 400 rs., 6Cu e
Meias para homem
Ditas idem
Ditas de cores
Um par de fruubas de lnbyrintho
Urna toalha de labyrintho 25| e
Env.sive?. rs.
Fitas, bicos. lenco-, grr.vatas e outros muitos
artigos que esto expsito.
Bi:a larga do Hoi^riu n. 38
DamiSo Lima & C.
2200
1H00
1*500
2J500
1H00
2J0
2*200
IOiO
3*00'-)
3*000
4*000
1*5 0
30*000
320
Ama
Precisa se de urna boa cosinheira
de Joods Barros n. 24.
na estrada
Ama
Precisa-se de urna ama oara comprar, cosinhar
e fazer o servico de urna casa de familia ; j tra-
tar na roa da nio n. 47.
Ama
Precisa-se de orna ama para todos os servaos
de duas pessoas ; na ra Imperial n. 200-C.
A.ma
Precisa se de urna ama para cosinhar e lavar,
para casi de pequea familia : na rHa de Fer-
nandes Vieira n. 24, taverna.
Ama
Precisase de urna ama para en^ommar : na
Capunga (antig ra da Ventura) n. 3.
Ama
Precisa-s* de urna ama para cosinhar ; na tra-
veasH dos Pires n. 5 (Geriqniti).
Ama
Precisa-se de urna ama ; na ra da Pont Ve
lha n. 77.
Ama
Precisa-re de nma ama para cuidar de urna
crianc-i ; na ra do Mrquez do Her .-al n. 28.
A tooas os uss
Purgante as Familias.
pa fcJ.C.AYffita*WLBWuk
Casa
mor.
da
para
Precisi-se alngar urna casa que 'enha bons
comir.odos, agua c gaz,e que tenha a-.utal ; nes-
ta tyjor,raphia se dir quem queir
Hasica, Diana e canto
Contina a leccionar, D Francisca de Alba -
qnerque Silva Costa, por C3 legios e easas de fa-
milia e em sua residencia, ra da Djtenoio n.
19 ; a tratar na mesma.
ProiVssora
OfFerece-se nma pr fessora para leocionar em
alguns collegios e rasas particulares as seguintes
materias : portuguez, ftvincez, msica e piano ; a
tratar na ra do Vlarquez do Herval n. 20.
Attengo
A vinvt de Mancel Joaqnim Ba (ista recom-
menda que pessoa alguina venda fiarli n "snravos
seas, pois que nao costuma comp'ar a nao a di-
nbeiro, e por issu nao se respinsabilisa por divi-
das contrahidas em seu nome. Oufro9m, para
evitar abusos, declara que fomm suH'r:ih'do uns
carines de visita de seu filho menor, que tem
igual nome de seu finad m- rido, oque tambem
nao costuma comprar fiado.
Aluga-se
! e 3- andar do sobrado i ra do Brnm n
i tratar na padaria.
Fabrica globo
'i '* i na larg.-i do Rosario 9
ManipuUcac especial com fumos escolhidoa dos
bons cigarros, exploradores, navegantes e fede-
raes. Precos rszoaveis e bonu descontos para 0
commercio de retalho.
Correias
Ama

Preciaa-ie de urna ama para todj o servico de
pouca familia ; na ra da Conceicao n. 58, Boa-
Vista._________________________________________
Amas
Precisa-se de duas amas para cosinhar e en-
gommar em casa de familia : no escriptorio deste
Diario se indicar quem precisa
Ama deleite
Precisa-se de urna ama de leite para amamen-
tar urna crianca ; trata-^e na ra do Marques do
Herval, casa n. 192.
Precisa e de urna ama que engomme com per-
feicao, para casa de familia a tratar na ra do
Bare da Victoria n. 7, 2- andar.
de sola ingles i, de I na e de borracha, de diver-
sas larguras e grossuras ; velide-se barato na
undic3 Villaca, na do bru n n. 54.
Collegio 15 deMaio
Para o sexo feninino
Corredor do Bispo n. 3
Neste collegio encina se ptrtnguez, francs,
msica, piano e todos oa tiabalhos de agnlha, bor-
dados de todas us qualidades, assim como costa-
ras ; affiancando aos pais.de familia esmero e dc-
l-'cadeza para com suas fiihas. Abre-se no dia 15.
Preoos mdicos.
Directora,
________ Auna Leite.
Aula parlieular de primeiras
letlras
Anna Theodora Simoes participa aos pais de
suas alumnas o ao respeitavel publico, que no dia
7 do corrente se achara aberra sua bmu na raa
da Imperatriz n. 15, a continuar os exereicios de
sua profisEo : assim co.no contina a admitfir
aiiiu.uas internas, meio pensioaiatn a externas.
BomempregddecapaT
Vende-st o multo bem fregnezado hotel do
Soares, raa de Hurtas n. 24 : a tratar no
Nv ^h
Ama
Precisa-se de urna ama que compre e cosinhe
com penfeicao ; a tratar na ra do Baro da Vic-
toria n. 50, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama mt-ia i losa para cosi-
nhar e mais servicos de casa de familia ; a tratar
no Inrgo da Santa Cruz n. 16.
Ama
Precisa-se de urna ama qne saiba engommar e
coser; na raa de Riachuelo n. 57. portao de
ferro.
Ama
Precisa se de una ama para cosinha e mais
algum servico ; a tratar na ra das Nymphas nu-
mero 26.
A
VISO
O abaixo assignado, no empenbo de bem liqui-
dar todos oa seus delitos, segu para o interior
da provincia em co iranca de algum as contas, e
desde j convida a todos os seus credores que
tiverem ttulos vencidos para que os aprsente ao
seu procurador e advogado o major Ignacio Leo
poldo de A. Haranho, morador neita cidade, por
quem sarao satisfeitos. Pao d'Alho, 4 de jaueiro
de 1886
Juvino Carlos de Souza.
Rap Paulo Cordeiro
Novo fornecedor, sem competencia em preco,
vende-se rus do Marques de Olinda n. 50, mer
cearia dos Srs, Braga Gomes & C, e a 1*500 a
bra.
Cosinheiro
Na roa de Paysand n. 9, se precisa de um.
Criado
Precisa i se de um criado para
mesa ; a tratar na raa do Boa Jess
O Sr. Joao Cavalcante Mauricio Wandexjej,
ho do Exm. Sr. Bario de Tracvnn&em, queira
ir ou mandar ra Duque de Caxias it. 73, cen-
iuir o negocio que nao ignora.
Collegio Nessa Senbora das
Victorias
I Hiia do Hospicio I
Este estabelecimento de instrueco, a' rir suas
aulas no da 11 de Janeiro.
As directoras,
Blanche d'Herpent Torgo'
____________________Daroneta L. V. d'Herpent.
ProYineia da Parabjba
Venda de bens e predio iaipor-
taates
Tendo o Sr. Fitch Kemp, sindico geral da mai-
sa fallida de Frederico 8ilva, outr'ora negociante
da praca de Londres, devidamente comeado e
approvado pelo sup.emo tribunal de justica da
Inglaterra, conferido a mim plenos poderes para
dispor das Dropriedades pertencentes ao dito fal-
lido n imperio do Brasil, pelo presente taco sci-
ente a quem passa interessar, que eetou prompto a
tratar da venda de qnalquer das propriedades que
constam da relacao segninte :
1 0 engenho Massangana, moente e corrente,
com todos os pertences, terras proprias, matas,
etc., sito no termo de Pedras de Pogo da provin-
cia da Parahyba, inclusive um sitio encravado na
mesma propriedade.
2- O sitio Consolacoes, conhecido por Queiro,
com trras, casa e bemfeitorias, situado no lefe-
rido termo de Pedras de Fogo.
3 O en enho Pasto Secco, na freguezia de
Santa Rita, no termo da capital da provincia,
moente e corrente, com trras proprias e todas as
auas pe-tencas.
4 Urna cas* armazenada na ra Viscon.Ie de
Itaparica da cidade da Parahyba n. 81.
5 Outra na mesma ra n. 51- D.
Os p.-etendentes podem dirigir- e mim, a*
hotel ia Europa desta cidade ou a nieu advagado
o Dr. Maximiano Jos de Inojosa Varejo, resi-
dente -rua da Matriz n. 2 desta cidade Para-
hyba, 9 de Janeiro de 1886.
___^_______Jjhn Pearce._______
Collegio de Sania Lazia
Philadelpha Erneatina de Almeida Fortes par-
ticipa aos pais de suas alomas, qne madou a sua
residencia da roa do Manaes do Herval n. 87.
comprar e servir Para a roa do Bario da Victoria n. 14, qas at
osos n. 52. 1 prinoipiaa. do di* 18 do correato ostMtiasato.


Diario de Pternamboco- Sa libado 16 de Janeiro de 1886
Este remedio precioso tem gozado da acceda-
to publica durante cincoenta e sete annos, com-
ecande-se a sua manufactura e venda em 1837.
Sua popularidade e venda nunca forao to exten-
cas como ao presente; e isto, por si memo,
oflerece a melhor prova da sua eficacia maravil-
hosa.
Nao hesitamos a diier que nio tem dcixadc
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
cranlas quer em adultos, que se acharao afilie-
tos destes inimigos da vida humana.
Nio deixamos de reoeber constantemente
Attestaces de mdicos em favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificaces, de
orte que deve o comprador ter muito cu Jado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
Feraiifiec fie B. A. FAHNESTQCK.
prepos iuferiores im de qualquer outro sys-
tema, seado mais duraveia e miia prati-
508.
Pequeas locomotivas wago
aetes espeeiaes prru fabricas, explorares
agrcolas, aterros, minas e engenhos de
ssuear.
Estabelecidas no centro de um paiz que
produz ierro e aje as raais econmicas
loondicBes, as oficinas de Verharren & de
Jager, aliu da sua situacSo em urna loca
idade onde a raSo de obra barata, ge-
sam da vantagom de ter urna organiaaoSo
seria e espacial pnr.i a i'onstrucj&o de ca-
minhos de ferro ao alcance do todos. Os
leus prejos de8a6ao) a qualquer concur-
rencia.
Para informales circunstanciadas diri-
jam-se a
Thco. Jnst
2 LARGO DO CGBPO SANTO 2.
Remett"tn se catlogos Ilustrados quem
pf dir
Pintora domestica
DI
Longman & Martiney
Tinta do todas as cores para applicaco imme-
dlatae sem mais mistura ; qualquer pessoa (cria-
do e menino) pinta com psrfeico, de grande
vantagem para o uso domestico. Com esta tinta
podem todos conservar suas habitaces em perfei-
to estado de aaseio e com pouco dispendio, ella
exposta a venda em pequeas latas com tampa,
que pode ser conservada com asseio em qualquer
guarda -louca. Vende-se na pharmacia de Her-
mes de Souza Pereira 4 C. Succeasores, ra do
Marques de Olinda n. 27.
V*!riliv*; ,!,
Own
- : -lie '.miniad*: paa
- I
\
p*i jwU *r sata* oHm
. >.t*l, tfoMu '< <- 'pfaliaadw
..Mii grrl do ;ipeno do Bra-
sil. K 'imito til na convalescen^a
.i in?m<>nU conaida-
> ni- 1- ui> individnaB
eacru :|>petite de aa
1 ar.liii.irin Um ealiee d'eatt
* 1 <. bou bife. Acha-
ca >*->oaes 1
PILLAS
rerrugino6a8
JRUBEBA'
BARTHOLOMEO & C
Phgrw. Pernambuco.
Anemia. Flore brancaa,
Curio 1
& D -Mlldades ePobreza de 1
Menstruacao,
i(
Eadcrir a aseignatura
^t^^rfM*.
CALLOS
O MELHOR E MAIS INFALLIVEL EX
TRACTOR DOS CALLOS E' A
Majnardina
porque o extral.c ccuipletmeole,8em causar a
mi 111 na dor.
K' fac ca ijiio o tem o seu effeito comprovado por attes-
tados insnspeitos e em numerosas applicaccs que
nunca fnlharam. Nao confuiidain, nem se en-
ganera com outro pvparado. So verdadeiro o
que se prepara e vcele n-t Drogara e Imperial
Phar-nacia Diniz
DE D1N1Z& LORENZO
.1 T-Prafi do General Ozoro57
Deposito em P> rnninbiico, pharmacia de
de Souza Pureira & C,
CID
Ilermes
Successores
( AM1MI0S DK KKKitO
PORTATEIS
DE
Verileara & ie Jager
DE IC It I \ t: I. I. \ s
Constrir tores do melhor material pars
caminos de ferro industriaes. Fornccedo
res dos Arsenaes e (-amichos de ferro do
estado belga, do Gonrno colonial das Id
dias Neerlandesas, etc., etc., etc., etc.
Vas frreas prtatela -desmon
taveis fixas, trilhos de ferro e de 350, por
Si do Marque? de Olinda i. 2,
O ab.xo hsi;nado, Dr. em medicina pela Fu
uI I:ide do Rio de Janein, cavalheiro da ordem
da i lirist > por Portugal, mniiet adjnnto do Hos-
piral ili ve'M'ravel Or !.m Ti i ecira do Parmo, da
caixa de 1' PfcJro V, agraciado com a medalha
hmnnnitnria por esta pia mstituieio, etc., etc.
Adi 8i.i cj> ri'in.'dio denominado MAYNAK
DIN'A. preparada pelo Sre. iniz & Ixirenzo
i na impcrinl iiro|rana ihuruiHCia I)iniz, iufal-
livcl para a rxiiaccao dog callos. Ootrosiin,
Unta qM leudo em >i euipn-gadn, colheu os me-
Ihores remiltailig a ponto de p*de-r calcar as bo-
till:ig H8 lll'.ie ju-f;H
O que alicata verdade c jora ob a f de seu
grao
Rio, 10 d- Dczpinbro de 16U5.- Dr. Francitoo
de P ula Co*ta Junv-r.
-o
o
S9
as

9

O
ere.
-i
p

O
"

p
S3
O
&
p
TU
I
p

EQEIRiQMiUPKMflaLUUDUl
JcRheumatiemo .Cancros Bobas hnpigene
e todas afi molestias qurtenhao ana ort^em
na impureza do sangue devida a syphdie
4M%
' oa&c*
^i*w j>cfu****> Uw re <>. c *i*9 wnvjyox to> *mfcrL*n* o. i*iu>tcu>* CtncX
)v*tc *en temiZadt'/a&ooptjpxi iodo .<~3!XS>^-
- &
jtaaORaTONIO^NTRAl DE PfiODUCTOSiijtOICINAC*
\ 0A FLORA BRA8ILERA a
W Ra do V(eonde do Rio Braneo
RIO DK 4AXK1KO
>
QO
ce
"3
o

06
O
w
00
a
-
7
-
ce
be
O
-
05
2
S

ce
es
x
O
V
O

un FELIZ
VOS 4:0004000
E
l
^ra^a da Independen
cia ns. 37e 39
Acharo se a venda os felixes bilheti
garantidos da 32a, parte da lotera a benefici<
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir no dia 19 do correte.
Preco
Bilhtte inteiro 4^000
Meio 2^000
Quarto 1,0000
%m poreio de looiooo pars
cima
Bilhete inteiro 3^500
Meio 1^750
Quarto 876
Antonio Augtuto do Sant Porto.
Criado
Precisa-se de um criado: no lareo do Mercado
n. 4. hotel._________
Livros escolares
A casa G. LAPORT .S C, n. 75, ra do Im-
perador acha-se sempre prvida de t idos os livros
escolases adoptados uesta provincia, bem como
dos mais artigos proprios para as escolas: os seas
seus precos sao os mais razoaveis possive!.
comiedas especiaes para os estabeleciuentos de
EDUCA^O E FABA OS SBS. PBOrESSOBES
IliPOflMIES EATIUESriSS
PARA OS SESHORES REVENDEDORES
Recommendamos aoa Srs. professores as edicoes
segnintes, que se prestam melbor do que qualquer
outra ao ensino primar i .:
ronprndlo elementar cia firam
mailea nacional por Joaquim Antonio de
Castro Nunca, revis'a por distinctn profesa >r. 1
volume encademdo.
Klementoa de Arllntnellca por Joa
quim de Castro Nunes, revistos novamento por um
professor, 1 vluine encadernadn.
Taboada Melbodtca por V. M. M., 1 vo-
lume brochado
LeituraM Melecta* para bm das escolas
pr maria, por JoSo Barbalho Uclia CavalcanU,
inspector geral da Instrucciio Publica em l'eruam-
buco, 2> edic^o, muito melhorada. e contendo um
lindo retrato de seu autor, 1 volume encadenado.
Na nesma caiaveade-se o a ritmado
K070 HEZ DE UM
Seguido de muitas importantes oracoes como:
Devoco do corayo de Mara, Officio das almas
do pnrgaUrio, Novena de Nossa Senhora da Cpn-
cei^o, Bleditacjio do Rosario, Modo de ouvir missa,
oraches para a confiaso e communbao, a noticia
HISTOSICA DA UXDALUA MILAOBOSA, A OVE*A DE NOSSA
SEMHORA DA PEBRA
DEDICADO E OFFEREaDO
A Kassa Senhora da Prnha de Per-
atabaco
Um lindo volume ntidamente impresso em Pa-
riz, 544 pagina, aeompanbade de urna gravara
colorida, e ricamente encadernado, 21000
(Abatlaaento eaa poreSo)
CoIIbboMCt
Prccisa-se
de um porteiro, um copeiro e mais um criado ; no
collegio do Instituto Acadmico, ra do Cotovello
numero 163,
COLLEGIO
DO
S.S. Corado de Jess
D. Viceutina Cesara de Mello, directora desse
ioternato, avisa pelo presente, que no dia 11 do
corrate comecarao os trabalbos do mesmo nter-
nato, sito ra Princesa Isabel n. 4. O rgimen
e o corpo docente do estabeleoimento contina a
ser o mesmo.
Collegio Amor Divino
Ba da Imperatrla n. a.
Este estabelecimento de educacao abre as au-
las no dia 11 do corrente.
Previne se aos pas de familia que tem se urna
pessoa de inteira confianca, encarregaUa de ir
buscar e levar as cranlas que seus pas quize-
rea.
A directora,
Olympia Afra de Mendonca
- Vende se urna eicellente armacao, nova, de PmaM amendo81L fig0. ^
gosto moderno, forrada e envidraoada, propria Ditas nacionaea.
para qualquer negoc.o ; a tratar na praca da In- j^ce de todas as qaaldades.
depeadenC1a ns. 24 e 2b._____________________ Bolachinha inglezl
' 8ementes novas de hortalizas
fil h'll''llh Especialidades em :
"T VilltlW Vinhos finos do Porto.
Tr a.^^ t***"1* iavernisada, pwpr cSa"de dlvlrsos autores.
aenJ n ? "* '^ d L'7ra" Vinhos tnicos como
Engonlio
' Vende-se por 20:000 a quinta parte que s
possue nos eogenbos Amarag d'Agua, Santa /a-
zia e S. Vicente, distante meia legoa das estacoes
de Qamelleira e Kibeirio, moentes e corrate. O
engeoho Amarag d'Agua tem muito boas trras,
matas, muito bem cercado, muito boas obras, e
me com agua ; os outros dous tem muito boas
trras, matas e moem a vapor : a tratar na ra do
Imperador n. 50, 3o andar.
Compra -se e paga-
se mais do que em ou-
traqoalquer parte, bem
orno
M0EDAS
de qualquer qua 1 idade.
Xa ra do Impera-
dor n. 32, lojadejoias
olio Fuersenberg
\GUEL WOLFF & G.
Participam ao res-
peitaveJ publico, que
oiitinuam torum sor-
ti ment de joias das
i mis modernas e dos
mais apurados gt>stos.
Compromettem-se
a vender mais barato
do que em outra qual-
quer parte.
u
VENDAS
Vende-se urna refinacio na ra Direita dos
A togados n. 29 : a ti atar na mesma, ou t roa do
Rosario da Boa-Vista n. 45, ou da-se soce ade
urna pessoa que entre com algum capital.
Vende-se um piauo bom ; no pateo do Ter-
co n. 18.
8 J Kua do Marquei da Herval 34
A directora do collegio Santa Cruz las sciente
ao respeitavel publico e aos pas de saas alucinas
Sue comecarao as aulas deste estabelecimento no
ia 11 do corrente. Recebe pensionistas, metas
*g nsioniutas e esternas.
Vcnde-se a feliz e moito bem situada tavir-
na em um dos melhores pontos de retalho de Fra
de Port s, ra do Occidente n. 2, d fiepte para
duas ras, Dccideote e Guarar pes, e o motivo da
venda o dono estar prestes a embarcar ; a tra-
tar ni mesms.
WHISKY
KUYAL 11LEND marca VlADO
Este excellente Whisky Escosses preferivi
ao cognac on agurdente de canna, para fortifica
o corpo.
Wnde-st a retalho nos melbores armaren* e
molhados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cujo n
me e emblema sSo registrados para todo o Braz
BROWNS 6c O, agentes
Farinha de trigo nova e
de superior qualidade
Retalha-se em lotes
vontade dos compra-
dores o carregamento
de farinha de trigo, em
saceos, cheg'ado do Rio
da Prata pelo patacho
inglez Ijibblt' ft.: tra-
tar no armazem. ra
do Commercio n. 4.
Queijos do reino
Marca JohannesPlnym
Om melhares e oa mala barafoH .>!
4000 mu
Por chxh p 19 qnpiJMS faz-sr ah:ifimento
m cusa de
Charle lIu>m Ok C-
24Ra do Commercio24
BECIFE
Absintho.
Vermoath, etc.
Licores de todas as qaaldades.
Champagne.
Cerveja de diversas marcas.
Bem assim :
Araruta fina em paeotes.
Cha verde e preto.
Dito perola.
Especialissimo mate do Paran, coi p.
Anda mais :
Formicida Capanema.
Oleo de mocoto. .
Aceite de peixe.
As cozinheiras
Leques nacionaes (abanos) para cosinha a 6 o
milheiro.
E todos os gneros concernentes a este ramo de
negocio.
Encontram-se no armazem de molhados de
Martin Captto & C.
1 BA. ESTBEITA 00 ROSARIO 1
Ao 32
Aova loju de fazendas
N. 32- Raa fla Imperatrz- N. 32
DE
Pereira da Silva
Neste novo estabelerimente encontrar o res-
peitavel publico, nm variado sortimento de fazen-
das de todas as qnalidaes que se vender por pre-
ces baratsimos, assim como um bom sortimento
de reupas para homens e tambem se mandam fa-
zer por encommendas por ter um bom mestre al-
faiate e completo sortimento de panoos fiaos, es
semiras e bros etc.
Fielms
Mobilia
Vende-se urna mobilia de Jacaranda, macica
nova, do ultimo gosto ; a tratar na rus do Amo
rm n. 66.
Cabrialetvictoria
Vende-ae um cabriolct e urna--?:tiria cu y*
feito estado : a tratar na roa Duque de Cui
numero 47.
Cofe[lerauO Qo Norte
Em vista dos grandes progressos da IDEIA de
3ue se gloriam as nacoes cvilsadas, o commercio
eve acompanhsr esse rogresso, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimenta das
nacoes ; em vista do que annnnciam
MARTINS CAPITAO & C.
1 Ra Estreita do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticios, a
escolha dos quaes, os annunciantes tm sempre o
maior cuidado, para bem servir os seus numero-
sos fregaesn. Lembramos, pois, o proverbio :
Quem nao experimenta, nao sabe
Venham ver pois :
Queijos, flamengo, suisso, etc.
Dito do sertio.
Fiambres ingleses.
Chocolate francez Menier.
Dito do Mranhao.
Fructos seceos, come :
lAOOO. 9* e 9J500
Na nova loja ra Ja Imperatrz n. 32, vende-
se bonitos fichus de tod.s as cores, s'ndodw
irais m demos que t> m vind i ; islo na loja do Pe-
reira di .Silva.
Fus! oes ese 11 lelas il) ris
covado
Na nova loja ra ds Imperatrz n. 32, vende
se um elegante sortimento de setinetsa de toda*
as cores, tendo largura de chita francesa, assia
como fustes brancos muito encornados para ves-
tidos e roupas de criaucas a 500 ris o covado, e
peciucba, na loja do Pereira da Silva.
Lzinhas lavradas a 500 ris o
covado
Na nova loja do Pereira da Silva ra da la
peratrz n. 32, vende se um bonito sortimento dat
mais lindas lzinhas lavr das que tem vindo par*
vest'dos, sendo com lnvores miudiubas e em t-.ru
cores, pelo baratissimo preyo de 500 ris o co-
vado.
Palitotsde casemira a 10.000 e
12000
Ni luja u. 32 da ra da Imperatrz, vendem-st
palitots de casemira preta de cordao sendo ferra-
'los e muito bem feitos pelo barato preco de 10/ e
12J," asim como calcas de casemiras muitc ben
feitas a 6/ e 'i^ ceroulas de bramante a 1120(
)ktinhorvadentro a 800 res cada
sreira da Silva.
a 1*600, e coletin
um. pechincha, na loja do"1
Merinos pretos al. 2 00-H600rs.
Vende-se merinos pretos para vesticfsS-e roupat
de menino a 1*200 e 1*600 o covado e supWrEH- -.
etim preto para enfeites a 1*500 assim come cai-
tas pretas, tanto lisas como com lavores brancot
de 240 at 320 ris o covado na nova loja de Pe-
reira da Silva ra da Imperatrz n. 32.
Algodosinho francez para len-
f oes a..000. I..00 c 1200
Na loja da rna da Imperatrz n. 32 vende se su-
periores algodosinhos francezes com 8, 9 e 10
palmos de largura, para lencoes de um s<5 panni
pelo barato p eco de 1* e 1*100 o metro e ditt
entrancado para toalhas com 8 palmos de largara
a 1*200, assim como bramante de quatro largura
a 1 *250 isto na loja do Pereira da Silva.
0,000:009
DAS
O* Cerebro 0ehnapp* Aromtico* Sehledan de rdolpt* Wotre ako fkhrtckoM naV. al
de Ceradm da prlmrlrm qnalldade, ciadadosameoie eKoIhida do melhara producto* do disoict
naw tKnado. pila qualidade do p*o, como tamhn do frucio do ftapan Enebro, e rio purificado por pre
caato especial que eapurga do espirito todas as partkalas acres.
CoaBS meio de evitar e comgir os effeitos desagrada veis e maltas vetes pertgosos produzidos no estomago a
nos inteslfcios por agua* estranhas, o qae acoatace aos viajantes e as pessoas nto aecumatadas, e
OS "SCHNAPPS'I AROMTICOS.DE SCHIEDAM
acham-se absolutamente DTFALI.IVFI 8; e nos casos de HTDBOP8IA, PKDKA, OnSTRTJC.
tXo nos RUIS. MOLESTIA da HKXIC.A, ESTBICTTRA, DTSPEP8IA a DEBH.I.
DADE mmat slo nniindados coa instancia pelos mambros mak diaainctosda profiaaao ~s,
Sao preparados ca farrafu de meio e da quarto, encabtotadas com o nome do abaso asif s garraia e coa a marca da fabrica e urna fac-slmile da sua assignatura no etknieu ou rotulo.
Vendem-M n toda* as Phamaelts* Lcfas do Campo. Tem sido suscites i analvse dos
rhimicoi os mais afamados e por elles tonta declarados ser o mais puro espirito jamis fabricado.
Toado asaba verencado sua pureza e toas propriedades enviou-ie amostras a dea mil mdicos, induado
toda oa asas celebres clnicos dos Estados Unidos nm de que elles a eaperneatassam.
ITma circular pedindo urna rigorosa prova e urna inforraacSo exacta do resalado, accompannava cada
"VS*-. Quatro mil dos clnicos mais emineates dos Estados Unidos prompta raen le respondern!. Sua
opinno oa artigo era unanfanemense favoraveL Talpreparacio, diriam elfes, ha muito que se fazia absonRa-
raenM nissaaiia porqae nesnhuma eosmaaca a* poda depositar aos prodflns coaanrans do'cnaaarln, todas
*** *?ec" aaaajrado por tanto inuteis para os piBBoalaoi mdicos. A exccHeneia peculiar e (brea da
ota d > Eoekr. qac um dos incndtansaa prmeip. dstV" SelnaaNM "jimaMlt cea o pnr> aloohel
^'* P**1*0 00 dscos aoavel npsrioridada sobra todos os estimulantes como diurtico, tnico
-52^^B^Medkiiial abriese* peto* praprtaarios ea m eaaafco dMa^cao Schiaa, Hclaada,
cxpre smente para os osos morlirinM. ^^ -
DOLPHO WOLFFS SON Sc'cO.,9 BEAVEE STREET,
EW-Y0*K, J7 A.
CORRE M DIA 11) DE JANEIRO
O portador que possuir um vigsimo desta importan-
te lotera est habilitado a tirar 10:006$>000
Os bilhetes acham-se a' venda na Casa Feliz, praca da
Independencia ns. 37 e 39.
Gorre no dia 19 de Janeiro de 1886, sem alta.
I wifiD

H


I

\









8
Diario de PernambucoSabbado 16 de Janeiro de 1886
LiTTRJTCll&

I




OS FILHOS
DO
BJV.3NrXa
POB
i. cfessv
225UNDAFAHT2
Os segredos de Eudes
( Continuado do n. 11 )
CAPITULO XVIII
A SEPARADO
Seguimos Mrco3 at habitaeao da
Sra. Perrine, e deixamol-o, cora o jantar
meio acabado, entregue s mais graves
reflexSes, o repassando minuciosamente
pela idea todas as minucias que acabamos
de narrar aos nossos leitores.
O relogio do mosteiro Saint Merry dan-
do oito horas, voio tirar o joven dos pen-
samentos o que estava entregue.
Recapitulemos os acontec montos do
dia, disse elle levantndose. Parece-me
que nilo foi mo. O meu primeiro acto foi
crear dons amigos poderosos na minha en-
trada cm Paris. E' verdade que matei um
fi lalgo, mas nao cobardemente, e cesa
morte faz'me honra... Vi o indio, pois
era elle que assistio ao duello debaixo do
habito do monga, estou certo disso. Entilo,
elle nao me abandona. Encontrei-me em
frente daquelle que traz o nome e o titulo
que me roubaram... Urna afluencia do
circumstaneias felizes permittem-me o ver
esta noite esse digno preboste, que tao ge-
nerosamente me salvou, e sua filha, que
devo, em troca do servigo prestado por seu
p-,i, arrancar ao perigo que corre, aman-
do um infame. Li Chesnaye ainda exis-
te !... Oh 1 logo que esteja m meu po-
der, depressa poderei fazer valer os meus
direitos e pessoa O indio tem razo: en-
tre elle o falso conde deve haver alguraa
allianga mysteriosa que saberai descobrir.
All est o segredo o dia foi bom, e a
noito apresenta-ae maravillosamente A'
manhi o indio aabar novidades, se tam
b8m tiver outras que me dar! Sinto que
Deus est caraiga e conserva-me forte. O
futuro meu emquanto a elles rcsta-lhes
a vergonha e o castigo 1
E Marcos Iancou para o espago um olhar
de desafio.
Vamos I continuou elle, Li Quiche e
d'Herbaut devera esperar-me. .. E' tera
po do oceupar me do meu vestuario.
E o barao deu coraeco sua toilette de
baile, como tinha dito.
A esta mesma hora, o Sr. de Aumoot,
eucerrado nos seus aposentos do Chatelet,
e afflicto por nao poder effeituar a captura
ds celebre bapdido, fazendo das fraejueas
forjas, dispunha-se para acojBpnar sua
esposa e sua filha Ja8-'noontro da corte
que se reuna eqj.'casa de D. Pedro da To-
ledo. /
^aTinquieta, oceultava com cuidado
a sua agitajo aos olhos das mulheres que
se oceupavam a enfeital-a, sentindo palpi-
tar com forja o sen corajaa, e mil resolu-
c3aa differentes se crusavara na sua imagi-
nacao ao approximar se a hora fatal indi-
cada na vespera polo conde de Barnac,
hora que dcvia decidir do seu destino,
pois, lerabram-se, o conde prevenira Dia-
na que era necessario fugir naquella mes-
ma noite, aob pena de ver rolar a sua ca-
beja no cadafalso, o aacrescentara que
nao evitaria a morte se ella nao ceusen-
tisse era partir cora elle.
Quanto bella Catharina, a seducto-
ra... baroneza que em casa de Joas vi-
mos, depois as ruinas do convento dos
Agostinhoa, em companhia de tres homens
aos quaes a sua existencia parecia ligada,
punha em pratica toda a destreza da se-
dcelo para ainda mais realzar a sua bel-
leza e fazer correr de zelos os galantes ca-
valleiros que a perseguiam com ternas
propostas o declarajSes incendiarias, e as
damas do invi ja vis a dos seus attractl-
vos e perfeijBes adoraveis.
Mas a esta mesma hora passava-se, nao
longe do quarto habitado pelo bario, urna
scona de carcter differente, e do impor-
tancia tal que, certamente, se o barao do
Qrandair pudesse adivinhar a existen a e
o resultado, abandonara o baile do embai-
xudor de Hospanha para correr a tomar
parte activa nos cstranhos aconteciinentos
que ahi se realisavam.
CAPITULO XIXI
A CASA DA EA VIEILLES ETLVKS
O palacio do embaixador do Hespanha,
aonde tera lugar a festa em que so %&o
encontrar os principaes personagens da
nossa historia, era situado na margem es-
querda do rio, a alguma distancia da por
ta Tournelle, nilo longe do convento dos
Bernaidinos, o perto do canal de Bievre,
alargando seus jardins at prximo da
montanha Santa Genoveva, e a s:ena de
que fallamos, a que o leitor era nossa com-
panhia vai assistir, passava-se na margem
direita, n'am desses caminhos estreitos e
sombras, taos como os deixavam abrir
cu tao as autoridades parisienses.
Este carainho, que existe, charaava-se
nesta poca, e chama se ainda hoje a ra
Vieilles-Etures Saint-Honor.
Principia va na esquina do palacio de
Soissons e terminava, atravessando a ra
dos Djus Escudos, a alguns passos dessa
caprichosa torre ligada ao antigo edificio
pela mili dos ltimos Valois, cssa Catha-
rina de Mediis de infausta memoria.
A rainha applicando-so, como sabem, s
sciencias secretas, mandara construir essa
torre a ti q de e>tudar no alto della, em
ompanhia do sou compatriota Ruggieri, o
curso dos astros em que tiuha cega i.
A ra Vieilles-Etuves-SaintHonor, era
o carainho melhor e mais curto para ir do
palacio Soissons ao do Louvre.
Pequea, insalubre, estreita, rodeada de
casas altas araeacando ruina, era ainda as-
sira considerada como urna das ras mais
aristacretaj da cidade, e gran le numero
destas casas actuaos serviram j de mora-
da a grandes senhores do dcimo stimo
secuto.
A' direita, no centro, elevava-se, em
li}05, urna especie de palacio do singular
aspecto, ou para melhor dizer, lgu-
bre.
Este palacio, tendo ao rez do-cho urna
porta estreita e baixa, apresentava dous
andares cora duas janellas em cade ura,
sobre os quaes se achava o telhado agudo,
descaindo sobro a ra.
A porta, abrindo-se, deixava ver um
pateo interior, pequeo, sombro, servindo
de coramunicacc entre o edificio de dian-
te e o situado por detraz, quo, por conse-
guinte, devia ir apoiado naa ruinas des-
se conysoto *" Xgostinhos de quo falla
Tros no fi r- mraeira parte desta obra.
Esta habit. vlo, que nao se poda ver
de nenhura ponto das prximas habitacoes,
tinha o privilegio de excitar a curiosidade
de todo o quarteiro.
Enterrada por assim dizer no moio de
altas rauralhas que a protegiam da direita
e esquerda, parecia desafiar qualquer ten-
tativa po indipcripcao.
Havia muito tempo que a casa fGra con-
struida.
Os velhos nao se recordavam de ter
visto a praca vazia aonde se elevavam as
construccSes, nao era a casa que fura col-
locada na ra Vieilles-Etuves, ao con-
trario foi a ra que, capricho de archite-
cto que dera o risco, ou por outra razilo
dcsconhecid, desembocou diante da mys-
teriosa habitado.
E' necessario declralo, n'uma poca
era que o sobrenatural toraava grande ira-
F0LHET1M
MAMAS SANDORK
POR
julio "ini
Ql'ART.t PARTE
(Continuadlo do n. 11)
II
lina experiencia do doulor
Se, por um feliz acaso, o Ferrato tives-
se chngado dous das antes a Gibraltar, se
entre o nascer e o por do sol, o Dr. Aat-
kirtt e Pedro Bathory tivessen desembar-
cado no pequeo caes, entrado pola Porta
do Mar, seguido a Main Street, passado pela
Porta da Alameda para ir aos bellos jar-
dins que sobem at raeia collina, esqua-
dra, talvez os acontecimentos consignados
nesta narrativa tvessem seguido curso mais
rpido e, sera duvda, muito diverso.
Cora effeito, a 19 de Setembro, tarde,
em um desses bancas do madeira altos, que
ha nos squares inglezes, ao abrigo de gran-
des arvores, de costas para as bateras ra
sas do porto, duas pessoas conversavam,
tendo o cuidado de nao serera ouvidas
pelos transentes: erara Sarcany e Namir.
O leitor nao ter esquecido que Sarcany
devia ter-se encontrado com Namir, na Si-
cilia, na oaeasio era que se fez a expedi-
ento Casa Ingleza, que terrainou pela mor-
te de Zirone.
Prevenida a tempo, Sarcany mudou de
plano de caropanha, do que resultou que o
doutor esperou do balde, durante os oito
dias que passou no ancoradouro de Ca-
tana.
* -
Namir, por seu lado, em virtudo das or-
dens que recebeu, sahio immediatamonte
da Sicilia, afira de voltar a Tetuan on-
de entilo resida. Foi de Tetuan que
portancia na vida positiva, tudo o que ti-
nha lugar na casa de qse acabamos di
fallar era para inspirar ao pavo urna cron-
ca supersticiosa.
Smente a opiniao publica era desarra-
soada. Occupava se e da ultima parte
da habitculo e era injusta, pois 03 dous
andares construidos para a fren13 da ra
bem mereciam attrabir a attencSo dos ob
servadores.
All tambora, eFectivamentc, se passa,-
vam coisas extraordinarias.
Diziam que um chronoraetro governava
os costumes dos habitantes da casa, tanto
esaes costumes eram regulares e nunia
varavam um nico momento.
Assim, de manh, s sote horas, inver-
n ou verilo, outorano ou primavera, a
grando porta pintada do verde e coberta
de Ierro como um cavalleiro da idade me-
dia, abra se, ou antes, entreabrase, e
deixava passar urna mulhcr de cerca docin-
coonta annos, que a fochava aps si.
Essa mulher, vestida como as criadas
da poca, trazia no braco direito um cabaz,
e ia fazer as compras sera dignar-so respon-
der urna nica vez aos graciosos adianta-
mentos das vizinhas besbilhoteiras, as
quaes cm p s portas, encostadas s ja-
nellas, suppram com proueito o. inconve-
niente de nilo exWtirera gazetas.
O padeiro, o cortador, recebiam inva-
riavelraente a visita da criada, que, depois
de concluidas as compras, entra va na ha-
bitacao a oito horas era ponto o fochava,
depois de entrar c cora precaucao, a porta
quo dava para a run.
Ao raeio dia a mesma mulher apparecia
janell,. da esqu'rda no primeiro andar,
deixava a abirta durante urna hora, depois
fechava-a e corra as grossas cortinas pn-
duradas no interior.
A's duas horas tornava a Sihir dirigin-
do-se para o interior do Paris, subindo a
ra Sant-Honor, e voltava nicamente
meia har antes do toque de recolher
A creada trojava, com os vendedores,
nicamente as palavras neceisarias para a
acquisicSo e pagamento dos gneros que
quera. Nunca deixou escapar urna pala
vra que podesso ajudar a satisfazor a cu-
riosidade pubhca.
A' tarde, na occosiao da ontrada da
criada, ouvia-se o sora de ura pequeo si-
no, que sera duvda annunciava a hora da
ccia, pois as janellas do primeiro andar
illurainavara-se cora um fraco clarito, e por
vezes qutm passava tarde e so apressava
em chegar sua morada ouvia, costeando
a casa mysteriosa, a bulha metallica dos
talheres ou o ruido dos copos.
Depois no toQue do sino a recolher, as
luzes extinguam-so o a frente da casa en-
trava na maior escuridSo.
At entilo tudo ia bem, o salva a regu-
laridade singular das sabidas o entradas da
criada, nada parecia dar lugar aos discur-
sos da vizinbanca ; mas ao chegar a noite,
dado o tal signal do recolher o adormeci-
dos toloa os habitantes do quarteirilo, as
cousas tomavam, diziam, do tempos a
tempos, um aspecto verdaderamente en-
quietador.
Todava era ianegavel que todos 03 me-
ze8, e sempre no segundo sabbado de cada
um, grandes clarSes formavam, sobre o pa-
teo, urna especie de nevoeiro brlhante quo
se va de muito longe.
Couea ainda mais estranha e que muito
dava que pensar aos observadores' do quar-
teirSo, que o tal clarSo nao era duas ve-
zes a seguir da mesma cor.
Urnas vezes um vapor vermelho, cor de
sangue, illuminava o telhado, dir-sc ia que
rebentava um grande incendio no edifi-
cio.
Algumas vezes esse vapor aprosentuva
urna cor verdo e de effeito phantastico.
Outras vezes era branco e tornava o co
paludo a ponto de combater victoriosamen-
te as sombras da noite.
Depois de branco tornava-se alaranjado,
cor de violeta, azulado, ou completamente
doirado.
Bastantes vezes as rondas, inquietas cora
parti para Gibraltar, onde Sarcany devia
cncontral-a. Elle chegou na vespera e ti-
nha de parir no dia segrate.
Namir, essa companheira selvagem de
Sarcany, era lbe delicada em corpo e al-
ma. Foi ella quera o criou nos aduares da
Tripolitania como se fra su* mili, ella nun-
ca o dcixou, era mesma quando elle
exercia a profiss3o de corretor na Regen
ca, onde relacSes secretas o ligavam aos
temiveis sectarios da Senousismo, cujos
projectos araeacavara Ankirtta, como j
diaseaos.
Namir, corapartindo os seus pensaracn-
tos, assim como os saus anos, ligada a
Sarcany, por urna especia de amor mater-
no, tinha-lhe mais affeicao do que talvez o
mesmo Zirone, seu companheiro de praze
res e de miseria. A um signal sou ella
teria commettido um crime. a ura signal
seu teria caminhado para a morte, sera
hesitar. Sarcany, pois, podia ter conaanQa
absoluta em Namir, e se a chamou a Gi-
braltar, foi porque queria fallar-lho em Car-
pena, do qual tinha agora tudo a receiar.
Essa conversa era a priraeira qua ti-
nham depois que Sarcany chegou a Gi-
braltar, devia ser a onics o foi em lingua
atabe.
Sarcany omeyou logo por urna pergunta
c recebeu urna resposta que ambos sera
duviia consideravara da maior importan
cia, porque o seu futura disso dependa.
Sava?. perguntou Sarcany.
Est era seguranja era Tetuan, res-
pondeu Namir e, a esse respeito, podes fi-
car tranquillo.
E durante a tua amencia ?
Durante a minha ausencia, a casa
est confiada a urna Julia velha, que nSo
a deixa um momento E' como urna pri-
sao cm que ninguem penetra, nem pode
penetrar. Alera disso, Sava nSo sabe que
est era Tetuan ; ella nao sabe quera eu
sou e at ignora que est em teu poder.
Tu lho fallas Berapra no casara-rato ?
Sim, Sarcany, respondeu Narair. Nilo
a dcixo deshabituarse da idea de que de-
ve str tua raul! er, e ella ha de sl-o I
E' preciso, Namir, preciso, tanto
mais que da fortuna da Toronthal, agora
pouco resta. Na verdade esse pobra Silas
nilo feliz no jogo.
NSo precisars delle, Sarcany, para
tornares a ser mais rico do que nunca
foste.
Eu sei, Narair, mas a data extrema
em que meu casamento com Sava deve ef-
aquelles claros intempestivos, corriam at
ao lugar donde elles se projectavam ; mas
apenas soava o pasao dos cavallos ou o
ruido dos soldados, o claro de sbito se
extingua e tudo entra va em completa os-
curidSo.
Os policaes da cidade, admirados, para-
vara e perguntavara se nao eram victimas
d'uma illuso.
Por veze3 voltavam para traz com aquella
desleixo quo distingua a polica d'essa
poca; outras, ao contrario, proseguiam o
seu caminho, c, guiados por qualquar bur-
guez curioso da examinar elle propro o
mysterio, iara at casa da ra Vieilles-
Etuves.
Ahi, ordinariamente, paravam novaraen-
U, pois a casa pareca o santuario da tran-
quilidado, socego o somno; depois, a rogos
das senhoras vUinhas, batiam porta.
Passados alguns instintos, a criada en-
tre-abria urna janella; c p^rguntava com
ex;lamaeJ3S de espauto o que queriam ao
seu velho senhor.
Fallavara-lhc dos sinistros claros vistos
as prximas ras, pareca nilo entender
ou saber o que diziam, e limitava-so a of-
terecer aos solalos o fianquoar-lho a en-
trada na casa.
Estes eatravara, ou pelo menos deixa-
va m entrar o sargauto era companhia do
alguns homens.
Surgento e sollados subiara, serapra
guiados pela criada qua tinha o cuidado de
fechar a porta da ra, era isto um grande
pezar para os curiosos qu) sa tinham le-
vantado da loas camas o corrido all com
precipitado.
N'uma casa convenientemente raobiliada
estava um vclbo cujas enfarrai laies pare
ciara grandes, o quo, com voz trmula,
responda s parguutas do sargento ou pu-
nha a sua inorada dispo3icllo dos solda-
dos.
Estes, convencidos quo se t!nham enga-
cado as suas busias, eximia n se a fazel-as
o desciam para o pateo.
Ahi, ainda muitis vezes, o sargento per-
gunta va o que era aquello elificio negro
qua se elevava pelo lado detraz. Por ni-
ca resposta, a criada ia oraourrar urna por-
ta mal fechada e convidava com o gasto
os soldados a continuaren] a sua busca.
O sargento o seus homens pegavam em
lanternas e earainhavam para o interior do
pequeo edificio.
Tudo parecia ahi estar em completo
bandono e ruina. As muralhas despidas
de pavimentos se elovavam do solo ao te
lhado.
Aqu e ai algumas aberturas indicavara
os dous andares que existiram n'outro tora-
po.
Na trra estavam alguns foixes de pa-
lha o n'ura canto urna mua de masquinha
apparencia dorma n'uma m cama de pa-
Iha.
as notes era que havia estas visitas;
nada se manifestava outra vez que podesse
attrabir a attencilo, mas no raaz seguinte
recomecavam.
Muitas vezes os claroes de que fallamos
eram substituidos por chuvas de faiscas
sahindo fra d'ura grando tubo que sa ele
vava para cima do telhado do edificio em
ruinas, ainda mais vezes aos fragmentos do
fogo 8uccediam compridas chammas, retro-
ceden lo se convulsivamente no ar.
Da repente o silencio era perturbado por
qualquer denotaySo assustadora, como se
d'uma vez tivesse feito urna campanha de
arcabuzeiros.
Outras vezes havia alaridos estranhos,
gritos sulvagans cnticos de alegra, rugi-
dos de animaos feroze3, choros de crian-
gas que sahiam alternativamente, lgubres,
assustadores o alegres, da casa singular.
Havia quasi vnte annos que tstes acon-
tecimentos se renovavam todos os mezas,
havia igual tempo as rondas tinham faito
mais de tiinta visitas inuteis, assim pouco
a pouco os moradores habituaram se s
cousas extraordinarias que se passavam na
ra Vieilles-Etuves, e a polica da cidade
acabara por se nSo inquietar com tudo
isso.
fectuar se, est prxima. Ora, eu preciso
do seu eonsentimento voluntario e se ella
recusar...
Hei de obrigal-a a submettei--so, res-
pondeu Namir. Sim hei de arraacar-lhe
esse eonsentimento !... Podes confiar em
mira, Sarcany l
Seria diffi-l imaginar urna physionomia
mais resoluta, mais feroz do que a da mar
roquina emquanto se exprima assim.
Bem, Namir, respondeu Sarcany.
Continua a tua vigilancia I Eu nao tarda-
re a ir ter comtigo I
Nao entra nos teus projectos sabir-
moa brevemente de Tetuan ? perguntou a
Marroquina.
Nilo, emquanto nao for obrigado a
isso, porque all ninguem conhece, nin-
guem pode conhecer Sava. Sa os aconte-
cimentos me obrigarera a fazer-ta sabir de
l, eu te avisarei em tampo.
Agora, Sarcany, diz-ine porque me
chamaste a Gibraltar, tornou Narair.
- Foi porque precisava conversar com-
tigo sobre certas cousas, quo melhor di-
zer do qua escrever.
Dize, Sarceny, e se urna ordem, se
ja ella qual for, encarrego-me de execu-
tal-a.
Eis qual agora a minha posicao,
respondeu Sarcany: A Sra. Bathory das-
appareaeu e o filho morrau! Nao tanho,
portanto, nada a receiar dessa familia I A
Sra. Toronthal est morta e Sava est cm
neu poder Por esse la lo tambera estou
tranquillo. Das outras pessoas que eonhe-
ceu ou eonhocerara os meus segredos, una,
Silas Toronthal, meu cumplice, est de-
baixo da minba influencia absoluta, a ou-
tra, Zrone, pereceu na ultima cxpadijSo
na Sicilia. Assira de todos esse3 rienhum
p Je fallar, nehum fallar.
Entilo, qua receas ? perguntou Na-
mir.
Rcceo, nicamente, a otervenjao de
dous individuas, dos quaes um segundo co-
nhece parte do meu passa lo e outro pare-
ce querer introraetter se no meu presento
raais do que me convra.
Carpena umdelles? perguntou Na-
mir.
E', responden Sarcany, o o outro
case Dr. Antkirtt, aujas relacSes com a
familia Bathory, em Ragusa sempre rae pa-
receratn suspeitas! Alera disso eu soube
por Benito, o estalajadeiro de Santa Grot-
ta, que esse personagem, que millionario,,
armou citada para Zirone, por intermedio'
Algumas pessoas diziam que essa indif
ferenca da polica so dra depois d'uma
oriera dada de mais alto que impunha o
deixar oca paz os habitantes da casa dia-
blica.
Esta ordem explicava a tranquillidade
em que estava a casa desda entilo ; demais
para o povo, aquelles motins eram occasio-
nados pelos habitantes do outro mundo ; o
sobrenatural tinha dalo razilo do inexpli-
cavel, e depressa todo o quarteirilo adrait-
tira como certa a preferencia i'eita pelos re-
probos e nigromnticos da construcjEo era
ruina para alli estabelocr :ra as suas coa-
turnas assatubls.
E.-a a explicaos? natural dos claroes,
faiscas, chammas, gritos, vociferado3, da-
tonajoes e rugidos.
Esta raanara de pensar, parta da ap-
parencia da polica, que cessara toda a ten-
tativa do bus:a havia oais da dez aanos
anteriores ao do dia em que principia esta
historia, os habitantes da casa mysteriosa
nSo trabara recabido visita alguraa.
A criada continuava na raesraa ; e as
guerras da ConfeieracXo, o cerao de Pa-
ris, as sublevago38 dos burguezes, todas
essas insurreicojs suacessivas nnalraonte,
durante longos annos desolaran a desgra-
caia cidade, Jeixarara n'ura respeitoso re-
pauso a casa cujo aspecto inspiravu ura ter-
ror supersticioso.
, nicamente noite, quando o alvoroto
era grande, quando se viam os claros, os
visinhas qus estavam dor nindo saltavara
abaixo das suas camas, o homens, nvlhe-
re* o aroangas rszavara, implorando a mi-
sericordia divina para qua os protegesse
coutra as tentaeo*}! dos espirtos mau3.
Nacessario dizar que entra todos es3is
espiritas frajos enoontravam-se alguas es-
pirtos fort-38 o a malicia publica nao so
contentiva da alimentir-se sempra no cam-
po do sobren Uural que lho dava livre pa3-
tagera.
AdmittinJo sempre a presmja das al-
mas da outro mundo, p3asavam, por vazes
nos habit intes da casa, qua erara viventes
de carne e 0330.
Saber os segre los de outrera um do-
sejo a qua sa presta quiai serapre a saeri-
ficarse 03 horaans, e a basca do ineogai-
to sem contra licta, de todas m neces-
sdades do espirito a mais urgente e de-
voradora.
Bam averiguada a presen$a do3 demo-
nios e saus amigas, j nao tinham que
preceupar-se dos acontecimonios nocturnos,
mas faltava coahecer a vifa dos habitantes
do palacio.
Sobra este ponto a coma parecia dffi:i|
de indagar, pas alli nao havia visitas e a
criada era, de todas, a boca mais sallada.
Con o tampo o paciencia, diz o prover-
bio, vera a saberse tudo.
Principiaran a circular boatos era todos
os arrodores; oppozeram so as verosimi-
lhangas ; 03 espirtos malignos, as imagioa-
jSas ousadas pazaram-se a adviohar o qua
nilo poderam saber, e depressa urna espe-
cie de londa, tornndose logo ora artigo
de t, cireulou en todo o quarteirao.
Eis era 1605 o pue conUvara a respeito
dos habitantes da casa da ra Vieilles-Etu-
ves-Saint Honor.
Mastre Eudes (tal era o nome qua com
raso ou sem ella derara ao proprietaro do
palacio), passava por um antigo procurador
da Bretanba, nascido era Rennes no come
50 do precedente seculo e que, era quasi
octogenario.
Vender o carga ainda mo5a, e viera a
Paris aonde se entregara s sciencias oc-
cultas.
Tinha ura filho, o qual servir muito
tempo Confeden^Jto debaixo das ordens
do duqua de Mercceur.
Triste, devorado por um desgosto pro-
fundo de que ignoravam a causa, mestre
Eudes eacerrara-se na casa que mandara
construir na ra Vielles Etuves Saint Ho-
nor e fizera voto de nao sair dall senb
na hora da morte.
Urna nica creatura habitava com elle,
era Marguerton, sua criada.
de um certo Pescador, que est ao seu ser-
viso. Ora, so elle o fez, foi certamente
para apoderar sa da sua pessoa, na falta
da minha, e arrancar-lhe os seus segredos.
Isso evidente, respondeu Namir.
De ves agora, mais do que nunca, descon-
fiar desse Dr. Antkirtt.
- E, at onde for possivel, preciso
estar sempre ao facto do que elle faz e so -
bretudo onde est 1
Cousa ditfi;il, Sarcany, respon leu Na-
mir, porque segundo ouvi dizer em Ragu-
sa, um dia est em urna extremidad do
Mediterrneo, no da seguinte na outra I
Sim, esse homem pareco ter o dora
da ubiquidade I exclamou Sarcany. Mas
nao se ha de dizer que eu o deixei atra-
v< ssar-so n meu jogo se n me oppo re,
ainda quando tenha de ir procralo na
sui ilha do Antkirtta, saberai...
Raalsado o casamento, respondeu Na-
mir, nao ters m s nada que receiar delle
nem de ninguem !
Sem duvida, Namir.. e at l. ...
At l estaremos prevenidos De-
pois, tereraos sempre urna vantigera :
saber onde elle est, sem que elle saiba
onde nos estamos. Fallemos, agora, em
Carpena, Sarcany ; que receas desse ho-
mem ?
Carpena sabe quaes forara as minhas
relasois con Zirone I Ha annos que elle
tem entrado em diversas expedigtfes ais
quaes eu ti ve parte e elle pode fallar...
Da accordo, mas Carpeaa est agora
no presidio de Cauta, condennado a gales
perpetuas !
E' isso que me inquieta, Namir I...
Sim, Carpena para melhorar a 8uapos5ao,
paraobtir uraa cojnrautasb, pole fazer
revelases Se nos sabemos que elle oi
deportado para Cauta, outros tamben o sa-
ben, outros o conhecera pessoalraente,
quando nilo s*ja senao esse Pescador que
tao hbilmente o eng inou om M rita. Ora,
por intermedio desse homem, o Dr. Ante
kirtt lavo ter meto de chegar a elle P
do querer coraprar-lhe os segredos a poso
do ouro Na verdade, Namir, est tito cla-
ramente indicado, que nilo sei porque elle
ainia nao o fez !
Sarcany, muito intelligente, muito pers-
picaz, tiolr.i precisamente adivinhado quaes
erara os projeetos do doutor com reoslo
ao Hespanhul, co nprehendia tu lo quanto
devia receiar.
Namir confessou que Carpena podia tor
Esta, paga pelo preco fabuloso de doze
oscudos por anuo, dovia, alm de cozinhar,
fazer os mais servaos o at arrear a mua
de que mestre Eu les se nao servia, pois
que nao sabia, raasfdo que se poderia ser-
vir.
A estes circunstanciados pormenores,
accrescentavam quo mestre Eudes era ava-
ro, o qua explicava o estado de ruina em
que daixava o edificio detraz, ruina que se-
duzira do maneira tal os agentes do infer-
no quo fizeram do edificio sua residencia
habitual.
A C3tas conje*.turas plausveis, junta-
vam-se os dctalhes de urna natureza diffe-
rente e que faziam da Eude3 um ente
parte.
O que acabamos de referir nao era re-
petido sen2o par passoas ajuizadas, a m-
nima parte doa habitantes do sitio. O
quo vamos dizar ainda, ao contrario, era
considerado como certo pela maora do3
visinhos o visinhas.
Diziam que Eudes nilo era sraente rico,
mas ainda mais, phenomenalmente rico ;
qua nao era s sabio, anda muito mais,
mgica, faiticeiro e que tinha commercio
cora o diabo.
Nlo Uvera s ura filho ; mas tres crean-
533 vendidas successivaraente por elle ao
propro Satanaz, o qual os levara uns aps
outros, para conceder mais dez anuos de
existencia ao eeu associado.
Concedera-lhe tambora, durante C3se3 dez
annos, a faculdado de fazar ouro do modo
que Eules o julgasse conveniente, mas que
acabados esses dez annos outorgados por
cada filho ontreguo (o que prefazia trinta
anno3), Eudes dar-se-hia tambera era pa-
gamento ao inimigo do genero humano,
oe quizesse ainda vver na tarra mais dez
annos.
Diziam, mas devagarinho pedindo se-
gredo, que no segundo sabbado de todos
03 mezes, s novo horas da noita, Eudes
chamava a sua criada. Esta suba. Elle
inaudava Ihe entilo trazer o seu fato ma3
rico. .
Depois de vestido com pompa, tazia
signal a Margueriton que se retirasse.
Dapoa desta partir, elle approximava-
se de um pequeo armario na prele,
abria-o com urna chavo de ouro presa a
uraa cadeia de igual metal, que lhe penda
do pesaoso e tirava um pequeo frasco
tambera de ouro.
Com esse frasco na mo, recitava urna
formula mgica e em seguida de3tapava-o.
Urna cbamraa roxa sahia do gargallo do
frasco, ia subindo, extnguindo-sa forma-
va um ruido igual ao da denotaco de urna
arma do fogo e espargia na cmara um
aroma desconhecido.
Em seguida Eudes levava o frasco aos
labios e engulia vidamente o contedo.
Fiaando immovel durante alguns segun-
dos, o velho parecia esperar o effeitos da
beberagena, depois obtido esse effeito, en-
tre-abria a janella e deixava penetrar o
ar puro na cmara.
Entilo, ao contacto do ar operava-se
urna metamorphose sbita e rara. Mestre
Eudes, o vallio, parecia nao ter trinta
annos !
J nilo tinha rugas, cabellos branco3,
raaos descarnadas, pernas nervosas, corpo
curvado, mas rosto juvenil, cabellas pre-
tos, mos fortes, pernas agais, corpo di-
reito. .
Mestre Eudes endireitava-se, caminhan-
do e murmurando palavras mysterioaas,
descia os dous andares, atravessava o pa-
teo e abria a porta da casa abandonada.
Depois de penetrar no interior, puxava
a porta para si, e ouvia-se o ruido dos fer-
rolhos, traneas e correntes de ferro, com a
1 juda das quaes a fechava por dentro.
Na mesma oocasio, isto depois de
passada urna hora que Eudes chamara a
criada, ouvia-se na ra o trote de urna
mua que parava diante da casa do velho.
(Continua).
nar-se muito perigoso na posicao em que
se achava ento.
Porque, exclamou Sarcany, nSo foi
elle em vez de Zirono que Hesapparecen
na Sicilia !
Mas, o que foi feito na Sicilia, res-
pondeu Namir framente, nao se po lera fa-
zer em Ceuta
A questo foi apresentada com clareza.
Namir, ento, explicou a Sarcany que na-
da era mais fcil do que ir de Tetuan a
Ceuta, quantas vezes quizesse. Quaudo
muito, vinte milbas separara as duas cida-
des. Ora, como os condemnados traba-
lhara as estradas e na cidade, seria muito
fcil entrar em communicaslo com Carpe-
na, que a conhecia, fazel-o erar que Sar-
cany tratava da sua evaso, dar-lhe mes-
rao um pouco de dinheiro ou alguma comi-
da melhor do que a da penitenciaria. E,
se acontecesse que um pedago de pao ou
urna fructa est vase envenenada, quem se
incommodaria com a morte de C>rpna ?
Quem procurara descobrir a causa V Ura
tratante de menos no presidio nao era cou-
sa que incommodasse muito o governador
de Ceuta I Ento Sarcany nada mais teria
que receiar do Hespanhol, nem das ten-
tativas do Dr. Antkirtt, tao interassado
em conhecer os seus segredoa.
Em su nina, dessa conversa ia resultar
isto : emquanto uns tratara 11 de preparar
a evaso d9 Carpena, outros procurariam
trnala mpossivel enviando-o prematura-
mente para esses presidios do oulra mun-
do, de onde nao se ple mais fugir I
Estando tu lo combinado, Sarcany e Na-
mir voltaram para a cilade e separaram-
se. Nessa mesma noita Sarcany sahio da
Hespanha para ir ter com Silas Toronthal ;
e no dia seguinte Namir, depois de atra-
vessar a bahia de Gibraltar, foi embarcar
em Algesiraa no paquete qua faz regular-
mente o servi'50 entre a Europ* c a fri-
ca.
Ora, justaraent-*, quando sahia lo porto,
esse paquete passou po.* ura yacht de re-
creio que cruzava na bahia do Gibraltar
antes de ir fuadear naa aguas nglezas.
Era o Ferrato. Namir que o tinha visto
em Catana, e reconheceu iramediatamenta.
O Dr. Autkirtt aqui, murmurou
olla. Sarcany tem razo, ha perigo o pe-
rgo prximo I
Algumas horas mais tarde, 1 Marroquina
deseinbarcou em Cauta. Mas, antes de
voltar a Tetuan, tomou medidas para po-
der entrar em comraunicago cora Carpe-
na. O seu plano era simples, devia sor
bem succedido, se nao lhe faltasse tempo
para executalo.
Surgi, porm, urna complcaso, com
que Namir nao contava. Carpena, em
con8equencia da intervenQo do doutor du-
rante a sua primeira visita a Ceuta, deu-se
por doente, e por pouco que o estivesse,
conseguio entrar para o hospital da peni-
tenciaria por alguns dias. Namir, pois, fi-
cou reduzida a vagar em torno do hospi-
tal sem poder vl-o. Todava, o que a
tranqullisou foi, quo so ella nao podia ver
Carpena, evidentemente o Dr. Antkirtt e
os seus agentes tambera nao o veriam.
Portanto, pensou ella, nao haveria perigo
na demora. Cora effeito, nao havia que
receiar a sua evaso, emquanto o condem-
nado nao voltasse ao seu trabalho as es-
tradas da colonia.
Namir enganou-se as suas previsSes. A
entrada de Carpena para o hospital da pe-
nitenciaria a, pelo contrario, favorecer os
projectos do doutor e muito provavelmente
contribuir para a sua realisago.
O Ferrato surgi na noite de 22 de Se-
tembro no fundo dessa bahia de Gibraltar,
frequenteraente agoutada pelos ventos de
ste e de sudoeste. Mas o yacht de vapor
s devia passar alli o dia 2-i, isto o sab-
bado. Por isso o doutor e Pedro, teado
desembarcado do manh, dirigiram-se ao
correo na Main Stroet, onde cartas os es-
per avam.
Uraa, dirigida ao doutor, por um dos
seus agentas na Sicilia, dizia que depois da
partida do Ferrato, Sarcany nao tinha re-
apparecido nem era Catana, nem em Sy-
racusa e nem em Messina.
Outra, dirigida a Pedro Bathory, por
Ponta Pescada, informa va o que ia infini-
tamente melhor o que nao lhe ficaria ne-
nhura vestigio do seu ferimento. O Dr.
Antkirtt poderia chamal-o de novo a ser-
viso, quando quizesse, em companhia de
Cabo Mitifou, qua aprsente va aos dous
03 respeitosos cumprimentes de Hercules
en repouso.
A terceira, finalmente: dirigida a Luigi,
era de Mara. Era mais do que a carta
do urna irra, era a carta de urna mi.
Sa o doutor e Pedro Bathory, trinta e
seia horas antes, tivessem do passeiar nos
jardians de Gibraltar, l toriam encontrado
Sarcany e Namir.
(Continuar-se-ha.)
~Tyi>. da Diario raa Duque de Caxiaa u. 42.
--
fjWM 1
I