Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19542


This item is only available as the following downloads:


Full Text
" ".I1

AMO LIN HUERO 1
PARA A CAPITAL E LKiAHK* ODE WAO SE PACA PORTE
t
Por tres mezes adiantados
Por seis ditos idem. #. ,
Por um auno idem......
Cada numero avulso, do mesmo da.
6000
120000
24,5000
0100
15 DE MAIO BE

PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados.........,..... 13|*500
Por nove ditos idem............, 20 Por um anno dem................. 27d Cada numero avulso, de das anteriores........... ICO
PERNAMBCO
Pr0priclra>e ir ittatioe Jigimra >t -feria & -ftlljos
TELEGRAMAS
5ESVIC0 FABTICLA SO S1AHIQ
RIO DE JANEIRO, 14 de Maio, s
3 horas e 55 minutos da tarde. (Rece-
bido s 4 horas e 45 minutos, pelo cabo
submarino).
:Va Cmara do Depntado foram
Itojt* 'econhccidot ok poderent do
conneJhelro Rodrigue* lumor, pelo
Cear.
Entrando em diwcuNwao o parecer
nobro a eleico do 13." diNlrielo de
Pcrnambuco. rail ara m o* depala-
ls Tarqninio de Souza e Loarenro
d'Albnqae rque.
Xo Senado o couMelhelro Joao
Alfredo aprenentou um requerlmen-
to pedindo Informare obre nego-
cio* de Tacaral.
Agravaram-Me os eneommodo*
do Dr. Antonio Francisco Correa
d'.trauj. O caito i|i;isi perdido.
RIO DE JANEIRO, 14 de Maio, s 6
horas e 55 minutos da tarde. (Recebido s
8 horas o 15 minutos, pela linLa terres-
tre).
Fallecen s 3 lloras da tarde o Dr.
Antonio Francisco Correa d'AmuJo.
SS37IJ3 31 HK, 2A7S
(Especial para o Diario)
LONDRES, 14 de Maio.
A Cmara do C*mmun adiou
para egunda-feira prosima a lis-
ciisso do im.L obre a refaran da
Irlanda.
MADRID, 14 d c Maio.
1 m rormidavel cyclone abaten-ne
s(are >si a cldade. alisando a morte
de ama* cem potada e rerindo mai*
de 500 pewda.
Wumerona* rasas ae demorona-
ram. e cerca de 10:000 arvoren fo-
ram deairragada.
tusa :!..7as, tal em Pcrnambuco,
14 a-i Maio r-'e 1886.
INSTRDCCiO POPDLAR
MYTHOLOGIA
(Extrahido)
DA BIBLIOTUECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(Contnuacao)
"Sptimo e a divindade mari-
lima
Neptnno fui o segundo lho de Saturao e de Cy-
loele. Pelo desthroiiamento de Saturao, perten-
eeu-lb.6 a soberana dos marea. Muid tarde, haven-
do tomado parte n'uina eonspiracao contra Jnpiter,
foi, por ordein d'este, destarrado do ceu juntamen-
te coui Apo lo. Poueo, porem, durou o exilio de
Neptun >; e em jreve o deus dos mares se vio res-
tituid honrara de tomar asiento no conselho
edwte.
K'uma dispata ri/ie sust ntou com Minerva,
digna irde aliaremos quando tra-
tarmoa d'eata densa em esp cia!, e em que se dis-
cuta qnal d >s -lous loria capas de crear uui objecto
mai- ntil,Neptaoo, oaUudo cora o seu tridente
no ci: irgir da 'erra um cavallo Fui tal-
vez em coinai'iniracao de Neptuno ter creado um
animal to til bumanidade, que os povos do
paganismo grego romn celebravam as festivida-
des j deas dos mares com jogos solemnes em que
figuaviim sobretudo corridas de cavallos e de car-
ros.
Abaixo de Jnpiter, N ptuco era o mais gradua-
do dos duses : e o seu culto por toda a parte es-
tava popularuado. Em Corintho consagravam-
ihe os jogos Isthmicos e em Roma os Consitaet.
Em seas altares immolavam-lhe cavallos e touros.
Nao eia s o imperio dos mares que Ihe perten-
cia, mas o dos rios tambera, o dos lag03, o de todas
as aguas em geral, e inclusivamente o das ilhas,
das pennsulas e mesma dos continentes na sua
parte littnraL Attribuiam ao seu influxo os tre-
mores d" terra.
Costumavam represental-o da p n'um carro em
forma de concha puxado por cavallos mannos que
o transportavam sobre o ocano. Como syinbulo
de realesa collocavam-lhe um diadema n i fronte, e
na mil > o tridente com que elle alternadamente
acalmava oa mcapellava as ondas do mar.
Neptuno teve por esposa Araphitrite, filha do
Ocano e de Doris :
" Amphitrite, formosa como as flores.
(CahoesLusiadas, VI)
(Continua.)
noel Das Cardoso e Aprigio dos Santos Rocha, e
o capitao da companhia de iufantaria da provincia
de Santa Catharina, Firmo Lopes Reg.
Fe-se merc do foro de moco fidalgo com
exercicio na casa imperial a Antonio .'os Netto
Tinoco, tilho legitimo do fallecido Dr. Jos de -
(jueira Tinoco.
Foi nomeado lente substituto da Faculdade
de Direito do Recite o bacbarel Augusto Carlos
Vaz de Oliveira.
Foi nomeado lente adjunto do 1* cadeira de
clnica medica da Faculdade de Medicina da Ba-
bia o Dr. Joao Tillemont Fontes.
Foi concedida a jubilacao que pedio o Dr.
Jos Saldanha Gama, no lugar de lente da 1* ca
deira d 1" anno do curso de scicncias physicas c
naturaes da Escola Polytechnica.
SGK&SIGm^--------------------
Ministerio da Jiistlca
Por portaras de 1 do corrente mez foram priva-
dos dos respectivos rostos, nos termos do art. 65
2 Io da le n. 602 de lt de Setembro de 1850, o
tcuente-corouel commandante do 3 batalhao da
reserva, Luiz Diniz da Silva Reis o majar aju
dante de ordens secretario geral, Irineo Jos da
Silva Santos, ambos da guarda nacional da co-
marca de Icat, na provincia do Marauhae, visto
na > terem solicitado as suas patentes dentro do
prazo marcado no art. 77 do decreto n. 722, de 25
de utubro de 1650.
Por portara de 3 do corrente, foi designado
0 estado-maior do commando superior da guarda
nacional da comarca das B rras, da provincia do
Piauhy, para a elle ser aggregado Joo Jos P-
nheiro, tenente-coronel aggregado ao estado-maior
da capital da mesma provincia.
Por decretos de 8 do corrente foi removido o
juiz de direito Joaquim Augusto Ferreira Alves,
da comarca da Franca, de 1 entrancia, para a de
Braganca, de segunda, ambas na provincia de 8.
Paulo.
Foram nomeados juizes municipaes e de or-
phos : do termo do Cachoeiro de I'apemirim, na
provincia do Espirito-Santo, o bacharel Pedro de
Uarvalho Moraes; do de Cabo-Fro, na do Rio de
Janeiro, o bacbarel Ambrosio Cavalcante de Mel
lo; do de >. Joo Baptista do Rio-Verde, na de
S. Paulo, o bacharel Manoel Leite de Camarzo ;
do de Cacapava, na mesma provincia, o bacharel
Jos Augusto de Oliveira Moura.
Foi removido o juiz municipal e de orphos, b>-
charel Torquato Tasso Coelho de Souza, dos ter-
mos de Coroat e S. Luiz (Jonzaga, na do Mar
nhao, para a de Turyass, na mesma provincia ; e
reconduzido no lugar de juiz municipal e de or-
phes do termo do Brejo (jraniie, ua da Baha, o
bacharel Joo Neporauceno Torres.
O Ministerio da Justica em aviso de 6 do
corrente mez, em soluco da consulta feita pela
Presidencia do Marauno emteltgramma de 31 de
Marco ultimo declarou-lhe :
1.' Que nos termos do aviso de 23 de Junho de
1870, constante da copia junta, os juizes munici-
paes reconduzidos sao obrigados a prestar novo
juramento.
2 Que achando-se no exrcicio de suas func-
coes aigum juiz municipal reconduzido sem t**-r
prestado juramento, deve deixar o mesmo eierccio
1 ara preencher essa fjrmalidade e assumil-o de
novo, de accordo com a doutrina do aviso n. 173,
de 26 de Marco de 1879.
O citado aviso de 1870, diz : Foi presente a
S. M. o Iinperader o olucio de 29 de Janeiro ulti-
mo, em que V. Exc consulta se vista dos arts.
138 do Cdigo Criminal e 50 do Cdigo do Pre-
cesso, os juizes municpaes removidos de uns para
cutros termos esto dispensados de prestar novo
juramento.
E o mesmo augusto senhor manda declarar a
V. Exc. que aquellas disposicoes teem applicaco
nicamente aos juizes municipaes nomeados ou re-
conduzidos, e nao aos removidos, que nao sao obri-
gados a prestar novo juramento ad instar dos jui-
zes de direito quando passam de urnas para outras
comarcas, orno determina no art. 4o da lei n. 559,
de 28 de Junho de 1850.
?ARTE 0FFIC1AI.
Ministerio do Imperio
Por portara de 27 do corrente, deciarou-se sem
cffeito a de 13 de Marco do corrente anno, pela
qual fra nomeado o Dr. Augusto Teiseira Belfort
Roxo para o lugar de membro da inspectora de
hygiene da provincia do Maranho, visto nao ter
aceitado a nomfaco, sendo nomeado para o referi-
do lugar o Dr. Urbano Ferreira da Motta.
Por carta imperial de 1 do corrente mez, foi
agraciado cora a gr-cruz effectiva da ordem da
Rosa o professor Louis Pasteni, em attenco aos
relevantes servicos prestados a homanidade.
Foi apresentado o padre Antonio Ferreira
de Paula na cadeira de conejo da cathedral da
diocese do Para.
__ Foram agraciados com o grio de official da
Ordem da Rosa o Dr. Antonio Joaquim de Cerquei-
ra Mendes.
Com o de cavalleiro da Ordem de S. Bento de
Aviz:
O capitao tenente do qusdro e capitio de fra-
gata honorario Fernando Etchebarae, oa primeiros
tenentes da armada nacional Francisco Alberto de
Castro Menczes, Felippe Femandes de Castro, Ma-
Mlnisterio da Fuzenda
Por titulo de 30 de Abril prximo passado foi
nomeado o ex-otficial de descarga da Alfandega de
Aracsj, Antonio Joaquim de (Jarvalho, para o lu-
gar de praticante da Alfandega de Santos.
Por decreto de 2 do corrente foi nomeado o
1 c scripturario do Thcseuro Nacional, bacharel
Jos Augusto Nascentes Pinto, para o lugar de
thesoureiro do mesmo Thesouro.
Por decreto de 2 do corrente foi noaeado o
ajudante do diiector geral do contencioso do The-
souro Nacional, coaselheiro bacharel 'Jos Anto-
nio de Azevedo Castro para o referido lugar de di-
rector geral do contencioso.
Por decreto de 2 do corrente foi nomeado o
Io escripturario do Thesouro Nacional Jos da Ca-
uha Valle para o lugar de contador do mesmo The-
souro.
Ministerio da Agricultura
Em 30 de Abril foi expedido o segumte aviso
ao Ministerio da Justica .
Illm. e xm. Sr. Por assira convir a segu-
ranza dos direitos dos libertos sexagenarios, aos
quaes se refere a lei n. 3,270 de 28 de Setem'iro
ultimo, rogo a V. Exc. se digoe de recommendar
aos juizes de orphaos facain constar de edites
publicados na imprensa, onde a houver, ou afilia-
dos nos lugares convenientes, as relaces dos an -
tig >s escrav. s que houverem attingido ou forera
uttingindo a idade de 60 annos, declarando nos
mesmos editaes que os referidos individuos sao li-
vres desde j, sem dependencia de nenhum titulo
ou formalidade, nos termos da mencionada lei, e
mediante as clausulas por ella estabelecidas quau-
to prestaco de servicos.
o sta providencia devora ser considerada em
vigor, at que. encerrad' o arrulamen'o dos liber-
tos, seja occasio de proceder pelo modo proscrip-
to no art. 11, 2-, 3- e 4 do rrgularaentoappro-
vado pelo decreto n. 9,517 de 14 de Novembro
prximo passado, devondo o primeiro edital con-
ter os nomes de tidog os antigos e.-cravos que
houverem attingido a idade de 60 annos, com to
das as convenientes individuaces, e rcfendo-se
to comente os posteriores editaes aos escravos
que. em cada trimestre, adquirirem direito de li-
oerdade por terem chegado aquella idade.
r*eco, outroaim, a V. Exc. se digne de fazer
saber quelles juizes que a despeza com a sibre-
dita publieacio correr por conta do ministeno a
meu cargo, devendo ser eommunieada as presi-
dencias das provincias a importancia da mesma
despeza, para que soja esta satisfeita. Deus guar-
de a V. ExcA. a Sifoa Prado .
Minisierio da Guerra
Foi transferido do 4' pura o 2- batalhao de
artilharja,o2- tenente Raymundo Fredenco Por-
deus.
Foi transferido para o 19- de infantaria o
alferes do 14' da mesma aima addido ao 10-
Thomaz dos Santos Almeida
Foram transferidos do 1- regiment de ca-
vallaria para o 4- da mesma arma o alferes Epi-
phanio Alves Pequeo e deste para aquelle o al-
feres Odoarte da Silva Mi raes e o tenente do es-
quaHro de cavallaria de Minas, Januario Jos
de Oliveira para o 2- regiment da mesma arma.
Foram mandados classificar, no 2- batalbo
de artilharia a p o 1- tenente Jos Alberto Ro-
drigues e no 15 de infantaria o tenente Miguel
Archanjo de Deas Avante.
Ministerio da Marinha
Po" portara de 29 de Abril fin lo, foi no-
meado Francisco Menezes para exercer interina-
mente em lubstituicio de Arthur Bomilcar da
Cunha, que foi dispensado, o lugar de secretario
da capitana do port> da provincia do Cear, per-
cebendo to smeute os emilumentos que por lei
lhe enmpetirom.
Foram nomeados para seguir em commisso
esp cial para Santa Catharina os 1- cirurgio dt
armada Dr. Euclides Alves Ferreira da Rocha e
o 2- Dr. Alfredo Menna Barreto de Barros Falco.
Por deersto de 8 do corrente f.i exonerado
a seu pedido, do cargo de ajudante-general da
armada, o vico-almirante Eiisiario J03 Birbisa,
sendo nomeado para substituil-o o chefe de divi
sao Joo Mendos Salgado.
Foi demittido a seu pedido, do servieo da
armada, o 2- tenente Olympio de Thompson, e do
servieo do exercito o 2" tenente de artillara Cin
cinato Cardoso Lope3 de Barro?, que 'em de in-
demnisar a escola militar do Rio-Grrande do Sul,
as desp'zas feitas conforme determina o respecti-
vo regulamento.
Foi nomeado omnandanto di divisa) de
encouraoados o chefe de divisa Luiz Mara Pi-
quet, que passar o da diviso de cruzadores ao
capitao de mar e guerra Felippe Firmino Ridri-
gues Chaves.
Governo da Provincia
Sccf&o 3.a Palacio da Presidencia de. Pcrnam-
buco, 14 de Maio de 1886.O vice-presidente da
provincia, em execuco da lei n. 1,867 de 13 do
corrente mez, resolve que, na cobranca dj3 nipos-
tos, a que o.'la se refere, sejain observadas as se-
guintes
IXSTBUCCOES
Art. Io O imposto do gyro c-*.nin rcial sobre ca-
sas de negocio deimporiaco e os direitos provin-
ciaos de exportars, bem Mimo por connexo os
impostosde 100 r3. porsacco de a3sucar e le 100
rs. por couro procedente deoitras provincias e que
tor reembarcado ser) arrecadados poh: Alfandega
desta cdade, nos tennoi da lei n. 1,S60, que os
decretou, e das que de futuro possam decretal-os
e de accordo com o aviso do Ministerio da Fazenda
de 2 de Abril do c urente anuo.
Art. 2o Aarrecadaco do imposto do gyro se
effec-tuar na mesm occasio em que tiver lugar
a cobranca dos direitos geraes, pjr maio de urna
s va especial Je despacho inteiramente idntica
s da Alfandega, as quaes se far o calculo da
importancia do imposto provincial, accrescida da
imposico de 5 % addieiouaes, calculada sobra a
quota do mesmo imposto.
Art. 3* O clenlo do imposto de gyro ser de-
clarado por escripto com assigaatura do despa-
chante e especificado em algarismo ; e o respectivo
despacho se processar na mesma occasio do pro-
cesso do despacho geral, ao qual acompanhar o
provine! il.
Art. 4o Pago o imposto provincial o thesourei-
ro da Alfandega pora no respectivo despacho a
sua verba e o passar ao escripturario encarrega-
do do lae monto dos mesmos despachos no livro
competente forne?ido pelo Thesouro Provincial,
segundo o modelo por esto dado. Os despachos de
que trata este artigo scro pelo thesoureiro nume-
rados especialmente e seguindo a ordem numrica.
Art. 5" Ao empregado, incumbido da escriptura-
co da receita provincial, compete fazer diaria-
mente entrega ao thesoureiro de todos os despachos
pagos ; os quaes, como documentos de receita en-
masados pelo mesmo thesoureiro, sero entregues
mens lmente com a renda po saldo da arreeada-
cao mensal no Thesouro Provincial, devendo nossa
occasio enviar a seceo competente um quadro
demonstrad vo da referida renda.
Art. 6o Os direitos de exportaco provinciaes so-
bre quaesquer gneros de produeco da provincia
a elles aujeitos sero cobrados pela forma presrr-
pt ido art. 2 des tas lustrucc '3 ; e no processo
da arrecadaco observar-se-ho s dsposicoes dos
arts. seguintes 3e 4. (uanlo, porem, a exporta-
cao destinar-so a portos do imperio, em que nao
ha cobranca de direitos geraes do genero sahido, o
despachante far despacho especial de exportaco
provincial, guardada a forma dos despachos geraes
de exportaco para o estrangeiro e sobro este des-
pacho se processar a cobranca dos direitos do-
vidos.
Art. 7o As racrcadorias nacionaes sujeitas a m-
postos provinciaes de gyro ou de consumo ficam
sob a vigilancia e fisclisaco da Alfandega, sen-
do recolhidas a deposito ; e deste nao podero ter
sahida antes do pagamento, na Alfandega, dos im-
postas provinciaes a que estiverem suj tos.
Art. 8o O pagamento dos impostos das merca-
dorias as coudicocs do a't. anterior, e que sao
calculado? pela pauta semanal, se processar em
notas especiaes, as quaes fr-se-ha o calculo do
imposto provincial, escripto pelo despachante por
extenso e em algarismo. Essas notas, pago o im-
posto, recebero do thesoureiro da Alfandega nu-
meraco essecial, tendo igual destino ao daquellas
de que trata o art. 5.
Art. 9 O inspectoada alfandega expedir to-
das as ordens e pnmenci s que julgar acerta-
das c de conveniencia para a ctficaz e completa
fiscalisaco o* arrecadaco dos impostos provin-
ciaes a qne estiverem sujeitas as mcrcadorias na-
cionaes de que trata o art. 7.
Art. 10. Os gneros de outras provincias que
possam confundir-se com os similares de produc-
c) desta, sujeitos a direitos, sendo obrigados a
desembarazo, tica n sob a lis ali.-aco da Alfan-
dega, que neste servieo se regular tanto quanto
for exequivel e applicavel pelas disposices do re
gulamento d- 4 de Julho de 1879 no concernente
ao mesmo servieo.
Art. 11. O producto dos impostos prpvinciaes
arrecadados ser semaoalmente recolhido ao The-
souro Provincial por meio de guias oiganisadas
pela seceo da Alfandega encarregada des se ser-
vicr>, authenticadas pelo respectivo chefe e visa-
das pelo inspector da Alfandega. Desse rr.colhi-
mento dar o thesoureiro do Thesouro Provincial
conhecimento em forma para resalva do thesourei-
ro da Alfandega.
Art. 12. Pela cobranca dos impostos de que
tratam essas instruccoes havero os empregados
da Alfandega a porcentagem de 1,5 da mesma
arrecadaco ; e a sua importancia ser n > princi -
pi de cada mez, com a respectiva folha de pa-
gamento, entregue polo Thesouro Provincial ao
thesoureiro da Alfand-ga para ser-lhe dado o con-
veniente destino, depois le rubricada a mesma fo-
lha pele inspector da Altndola.
Art. 13. Na organisaco da folha de paga-
mento de que trata o artigo antecedente, ter se-
haem vista o resumo do ponto que deve ser en-
viado pela Alfandega no 1' da til de cada mez
ao Thesouro Provincial, para que seja a porceu
tagem mensal distribuida pelos empregados iutoi-
ramente conforme a tabella A, anuexa consoli-
dac'i das leis e regulamontos da Alfandega.
Art. 14. As questes que se suscitarem na ar
recadacao dos impostos provinciaes de que cogi-
tara as presentes instrueces sero decididas palo
inspector da '. lfaudcga e com recurso para o
Thesouro Provincial e deste para a presidencia
da provincia nos tTinos da legislaco em vigor.
Art. 15. Othes)ureiro da Alfandega presta
r no Thesouro Provincial urna flanea de doz
oontos de ri, oara o qne fica-lhe desde j mar-
cado o praso de sessenta dias.
(Assignado).Ignacio Joaquim de Souza Leao.
EXPBDIENTS DO DIV 4 DE MAIO DI 1886
Actos :
'i vice-prc.idente da provincia, usando da
facuidade conferida pelo art. 7o da lei de 12 de
agosto de 1834, resolve prorogar por 20 dias a
actual scsso da Assemblea Legislativa Provin-
cial. Communieou-se Assemblea Provincial e
ao Thesouro Provincial.
O vite-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren Josepha Augusta de Castro Fon-
seca, professora da cadeira de ensino primario do
Porto de Gallinhas, e ten lo em vista a informa
cw n. 118 de 9 di abril iud, ds inspector geral
da instrueco publica, resolve conceder peticio-
naria, contar do Io do corrate, tres mezes de
licenca com ordenado, para tratar de sua saude
onde lhe convier.
O vce-presidente da provincia, attendendo
ao que reqoereu o tenente da eornpanhia de ca-
vallaria desta provincia, Jos Carneiro Maciel da
Silva, e tendo em vista a informaco do brigadei-
io commandante das armas, de honlem datada,
sob n. 23S, e o termo de nspeeco de saude a
que foi submettido, resolve eonceder-lhe licenca
por tras mezes, na firma da le, para tra'ar de sua
saude.
O vice-presidenta da provincia, tendo em
vista oque expoe o juiz commusario do municipio
do Tnuinpho. Joi) Xivier Hezerra, em officio de
23 de novembro do anno passado, do qual consta
achar se incomp itibilisido para proceder medi-
ca) de algumas posaos existentes na meia legua
de trras, onde est edificada a cidad o onde ha
igualmente casas perteneeutes parentes seue,
r mol ve nomear o juiz municipal e de orphos res-
pectivo, bacharel Francisco Jos Mera Sobrinho,
juiz comra'saario ad hoc, para substitul-o em seu
impedimento.Communieou-se ao juiz municipal
do Triumpho.
O vicepresidente da provincia, tendo em
vista o exposto pola Thesouraria de Fazenda, em
offieio de 30 de abril prximo passado, sob n. 282,
resolve, de accordo com o decreto n. 2,884, do Io
de fevereiro de 1862, abrir um crdito da imp >r-
tancia de 8853000, verbaPracas de pretdo
Ministerio da Guerra, exercicio de 188586, afim
de ter lugar o supprimento total de dinheiro ao
almoxarifado do presidio de Fernando de Nuronha
para as despCzas aeffectuarem-se com o pessoal no
mez de junho prximo vindouro. Rcraetteu-se
copia Th-'souraria de Fazenda, e communieou-
se ao director do presidio de Fernando.
O vine presidente da provincia, attendendo
ao que requererain os negod intes Braga & S, e
tendo en vista a informaco prestada pela The-
souraria do Fazeuda, em cilicio de 29 de abril
prximo passado, sob n. 276, resolve, de accordo
com a circular n. 431, de 13 de outubro de 1862,
expedida pelo Ministerio da Fazenda, ab:ir um
crdito da importancia de 5:569110) verba
Fardamentolo Miuisterio da Guerra, exercicio
vigente, afim de ter lugar o pagamento da men-
cionada importancia, proveniente de calcado que
os ditos negociantes forn^ceram ao Arsenal de
Guurra para os corpos da guarniclo d sta e de
outras provincias. Seinetteu-se copia i Thesou-
raria de Fazenda.
Offieios :
Ao commandante cas armas.Declaro a V.
Exc, para os fins convenientes e em respoita ao
seu otticio n. 216, de 21 de ab il fiado, que o Mi-
nisterio daGu;rra, em 1 docorreute, expediram-
HM o seguinte telegratnma : u Dei ordem para se
enviarera os sapatos .
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do Recife.Reeobi, e agradoco, o exemplar irn-
presso do relatorio envalo por V. Eic. com elfi -
co, a que resp;ndo, n. 518, o 1 do cjrrente
mez.
Ao presidente do Tribunal do Jury.Rogo
a V. S. que, por conveniencia do servieo publico,
se digno dispensar dos trabalbos de presente ses -
sao do Jury, os segundos oiHeiaes da Secretaria
desta Presidencia, Fraucisco Jos de Moraes e
Silva,e Francisco de Lomos Duarte Junoi.
Ao Dr juiz de direito das execujoes crimi-
naesda comarca do Recite.Transmiti a V. S.,
para que proceda a ratpeito na trma d lei, copia
do officio n. 99, de 19 de abril prximo fiodo, em
que o director do presidio de Fdruando de Noro-
nha participa terem sido all asiassinadis pelo
sentenciado Lindolpho Rolngus Captivo as sen-
tenciadas Mara Josepha daConceic) e .Marcoli-
na M ira da Couceicao, d; quem tratara oj incl u-
sos autos em original, de e-same cadavrico.
Outrosim, declaro a V. S. que fiz admittir em
um dos estabelecimentos a cargo da Santa Casa de
Misericordia do Recite a creanca a que allude o
citado offici i.
Ao administrador do theatro Santa Isabel.
Concedo esse theatro, sem a contri buigo do es-
tylo, sociedade Monte Pi dos Voluntarios da
Patria, para solemusar o anniversario da batalha
do Tuyuty, na note de 23 do corrente, sondo os
ensaios feitos as aoites de 21 e 22 e correndo por
3Ua conta as despozus inherentes.
Mutatis mutandis directora do theatro, e
communicou-se ao inspector do Thesouro Provin-
cial.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Autoriso V. S. a mandar pagar, sob responsabli-
dade desta presidencia, u ijuaatia de 1:8005000,
importancia da ajuda de custo arbitrada ao bacha-
rel Mauoel Flix Gilirana, a queui foi designada
a comarca de "ant'Auna do Parnahyba, conforme
o aviso, que lhe remeito p>r apia. expedido pelo
Ministerio da Justica. acerca do que informou
essa inspectora, em orcio de 3 deste mez, sob n.
287.
Ao mesmo.Communico a V. S para os fins
convenientes, que o promotor publico da comarca
de Taquaretinga, bacharel Vicente de Moraes Mel-
lo Jnior, no Io do corrate mez, entrou no goso
de 30 dias de licenca, concedida palo presidente
do Tribunal da Relaco, para tratar de sua saude.
__ Ao mesmoPara o fins convenientes com-
munico a V. S. que a licenca coaceiida, por por-
tara de 29 de Marco ultimo, ao bacharel Jos da
Cunha Liberato de M.ittos, promotor publico da
comarca de Panellas, devora decorrer do 1* de
Abril ultimo.
__Ao mesmo.Declaro a V. S., para 03 fins
convenientes, que do pedido de gneros de que
trata o officio n. 112, de 23 de Abril findo, dever-
se-ha excluir e tornecimento de xarquo.
Ao mesmo.Declaro a V. S. que dever
continuar, como outr'ora, o processo de pagamento
das folhas do pessoal do cscaler de saude do porto,
at que eu resolva sobre a representaeo que di-
rigi me o Dr. ch fe de polica, quanto execuco
da ordem desta presidencia de 17 de Abril fiudo.
Ao inspector do Thesouro Provincial. De-
volvo a Vmc. a inemsa petico da irmandade de
Nossa Senbora da Saude do Poco da Panella sobre
a entrega do beneficio da lotera concedida ma-
triz da alluojda i^reja, afim de qu-mande atteu-
der a supplicante, nos tt-rmos de sua informaco
d" 30 de Abril ultimo, sob n. 601.
Ao director do Arsenal de Guerra.Com re-
ferencia informaco prestada por Vmc, em offi-
cio n. 329, de 26 do Abril lindo, o Ministerio da
Guerra, em 1 do corrente, expedio-me o seguinte
tele^ramina : Dei ordem para se onviarem os
aapitos O que lhe declaro para seu conheci-
inento e governo.
Ao engenheiro chefe da Repirtico das
Obras Publicas.Approvo o contrato provisorio,
que acompanhou o officio de Vmc, de 28 de Abrii
findo, sob n. 77, celebrado nesga repartir) com
Gereino Prente de O iveira Firmo, arrematante
dos reparos da ponte sobre o rio Pirapama, no en-
genho Junqueira.Remetteu se a pia ao Thesouro
Provincial.
Ao iuiz de direito da comarca de Caruar
Transmiti a Vmc, afim de que se sirva de pr.s-
taras nformacoee que estiverem ao seu alcance, a
inclusa peticao, por copia, da irmandade de Nosa
Senhora das Dores da Casa de Cari Jade de Ca-
ru; ni
Ao -'r. Joo Cancio Bezerra, juiz commissa
ro do termo de Triumpho.Em resposta ao officio
de Vmc, de 21 de Marco ultimo, d claro-lhe que,
para concluir os trabalhos de que est incumbido,
fica-lhe marcado o praso de um anno, contado desta
data ou do dia que tiver dado comeco aos ditos
trabalhos, e em soluco s duvidas propostas no
outro seu officio de 23 de Novembro do anno pas
sado, tenho a dizer-lhe:
Io Que deve proceder a medico de todos os ter-
renos que lhe for requerida, nos termos do art. 30
do regulamento n. 1318 de 30 de Janeiro de 1854,
observando o mais que est disposto sobre as suas
attribuicoes no mesmo regulamento, no decreto n.
2105 de 13 de Fevereiro de 1853 eno aviso circu-
lar de 6 de Setembro de 1859.
2o Que os possuidoies de trras, que deixarem
de cumprir a obrigaco de a3 fazer medir no pra
so que ihes for marcado, perdeit o direito a serem
preenchidos das trras coueeJidas por teus ttulos
ou por favor da lei n. 601, nos termos do citado
regulamento n. 1318, art. 58.
3 Finalmente que, para c substituir nos seus
impedimento noraeio o juiz municipal e de orphos
d'esse termo, bacharel Francisco Jos Meira So-
brinho. I
Ao gerento da Compamhia Pcnambucma.
Providencie Vmc. para que a v.iagom deste mez ao
presidio de Fernando de Noronha tenha lugar a
8 do corrente, com escala pela baxa das Roccas,
afim de serem aos empregados do pharol all exis-
tentes prvidos de mantimentos, vencimentos e o
mais que tor preciso.Fizeram-se as devldas com
muuicacoes.
Portaras :
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco sirva-se de mandar
conceder pasaagens de la classe, que sero opportu-
namente descontadas das gratuitas a que o gover-
no tem direito, da estaco de Cinco Pontas a de
Una, ao professor publico Joo Jos Percra e sua
senhora no dia cm que se apresentarem, com direi-
to a bagagem.
O Sr. agente da Companha Braslera faca
transportar corte, por conta do Ministerio da
Guerra, no vapor Cear, o 2o cadete Cyrillo Bri-
lhante de Albuquerque que assentou praf coa
destino a um dos corpos d'aquella guarnico.
Communicou-se ao commandante das armas.
O Sr. agente da Companha Brasileira faca
transportar corte, por conta do Ministerio da
Marinha, no vapor Cear, procedente do norte, os
mai'hnistas da armada Joaquim Ferreira da Silva
e Antonio Jos de Vascoucelloe, ambos d o cruzador
Primeiro de Marro, os quaes para all segucm por
cstarem soffrendo de beribtri, tendo o primeiro
direito pasaagem a re.Communicou-se ao com
mandante do cruzador Primeiro de \lnrco
O Sr. gerente da Companha Pernambucana
mande dar passagera a r, at Natal, por conta das
gratuitas a que o governo tem direito, no vapor
que segu para os portos do norte amanb. ao Dr.
Joaquim Theodoro C. de Albuquerque.
EXPEDIENTE DO SECBETARIO
Ao engenheiro chefe da Repartico da3 Obras
Publicas.No req-erimento de Hermenegildo E.
do Reg Mouteiro, a que se refere a informaco
dessa repartico de 29 de Abril ultimo, sob n. 79,
foi proferido hoje o seguinte despacho :
" Tendo si 0 determinada a resciso por portara
da Repartico das Obras Publicas, nao tem lugar
o que requer o aunplicanto o que cotnmunio a V.
S., de ordem do Exm. Sr vice-presidente da pro-
vincia.
A' Companha Perncmbucans.S. Exc o Sr.
vice-presidente da provincia manda aecusar o re
cebimento do officio de 1 do correute em quo V. S
declara que expedir s 5 horas da tarde do dia 8
para os portos do sul at a Baha o vapor Jacnhy-
pe d'easa companhia.
A agencia de paquetes.De ordem do Exm.
Sr. vice-presidente da previncia aecuso o recebi-
mento do officio, em que V. Exc. comraunica que
o vapor Cecr, chegado dos portos do norte h jo
as 6 horas da raanh, seguir p*ra os do sul ama-
ubi s 4 da tarde.
EM ADniTAMENTO AO EXPEDIENTE DO DIA 1 Di:
MAIO DE 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, tendo em
vista a proposta do inspector do Thesouro Provin-
cij contida em offieio de 30 de Abril prximo pas-
sado sob n. 602. resolve exonerar Jos Coelho da
Si Iveira, do cargo de escrivo da Collectona do
municipio de Nazaretb, e nomear, pora substituil-
o o cidado Jos Jacintho Coelho d Silva. Com-
municou-se ao Thejouro Provincial.
Offieios :
Ao director do presidio tle Fernando i N )-
ronha.Em officio de 19 de Abril prximo findo,
n. 99, participou Vmc. ter o sentenciado Lindol-
pho Rodrigues Captivo, na occasio do servieo da
fachina astassinado as sentenciadas Mara Jose-
pha da Coneeico e Marcolina Mara da Concei-
e5o, tendo esta deixado urna filha de dou3 mezes
de idade, que Vmc. enviou paraests capital, visto
faltarem ahi oa recursos indispensaveis para a
creara o da mesma.
Era resposta, recommendo que exerca a mxima
vigilancia afim de prevenir-se a r 'produeco de
tactos semelhantes e he declaro que fiz recolber
a referida creanca uui eos estabelecimentos a
cargo da Santa (Jasa de Misericordia, ti-aiisiiiittin
do ao juiz de direito ias cx-cu.oes criminaes para
que proceda a respeito na forma da lei, os autos
dos -Simes cadavricos que aejmpaiiharam o cita
do officio.
Portaras :
Tendo o cidado Joaquim Cavalcaute de
Hollanda Albuquerque, juramentado para preen-
chimento de vaga, no lugar de 4D juiz Je paz da
parochia de S. Jos do Recife, representado con-
tra o facto de haver o cidado Joo Caroliuo do
Nsciinento assumdo o lugar de 4" juiz no corren
ta auno sob o fuudaineuio de lhe caber esse ser-
vico, por nao ter at agora, embora hoje Colloea 11
em lugar superior da l3ta, servido o cargo du-
raute um auno ua qualdade de prupriotario, decla-
ro Cmara Muu cipal do Recife para provd n-
C ar convenientemente, que tendo o referido cida-
do Joo Cnrolino do Nascimento em consequen
cia do allecimento do cidaid Aprigio Jos da
Silva, esercido na qualidade, ue proprietaria o lu-
gar de 2o juiz de paz, nao pode servir no corrente
uno como pretende, em vista do avisa n. 154 de
14 de Junho de 1864, que decidi sobre a e.-p ce
era um caso nteirameute deutico a de que se tra-
ta, occorrido na parochia de Sao Frei i'edro Gon-
catves do Kecife.
-.o cidaco Cavalcante, tamben nao cabe o
escrcicio per se achar boje collocado era 3J lugar.
Asaim, recommendo Cmara, pr cncha quanto
antes o lugar de 4 juiz de paz, no qual fra jura-
mentado o referido Oavalcaure, cumpnndo qu ,
emquanto isto nao se der, a subatituico se faca
pelos respectivos juizes de paz ezteotes, a come
jar pelo mais votado, tendo entretanto preferencia
o que. houver por tubstiuico servido por menos
tempo, conforme preEcreve o aviso n. 40 de 21 de
Fevereiro do 1838.
Tendo o juiz de paz da parochia de Santo
Antonio dn Recif", Rayniundo l'cr.-ira de Siquci-
ra r* presentado contra o facto de hav r o cidado
Antonio Bernardo Quintciro assunido o ex rcHo
do cargo de 4 juiz de paz no corrente anno, com
munico Cmara Municipal do Recife para seu
conheeiminto e devi ta execuco, que no requon-
mento respe tivo pr feri h ctio : Sendo o caso oceurnd ulii namente quanto
a poca em que peteciouario aasnmio na quali-
dade de propri''tario, o cargo de 3o juiz de paz da
ptrochia de auto Ai t mi do Recite, iuteiraraente
do t co ailudido pelo aviso n. 154 de 14 de Junho
a 1864, do qual alias nao trata o de n. 432 de 19
de Novembro de 1872, cumpre que continu em
exercicio o cidado Aut -nio Bernardo Quinteiro
em virtude do citado avbo e da decao desta pre-
sidencia de 9 de Fevereiro ultimo at que o go-
verno imperial a cuja deliberacao subasto a re-
presentaeo do supplicante decida a respeito.
EXPEDIFNTK DO DIA 5 DE MAIO DE 1886
Actos:
O vicepresidente ds provincia, tendo em
vista a proposta do inspector do Thesouro Provin-
cial, coistante do officio de 30 de Marco ultimo,
sob n. 543, resolve tornar sera cffeito a portara de
28 de Outuhro de 1885. que nomeou Manoel Ra-
mos de Albuquerque Maranho, para o carg de
escrivo da collectoria do municipio de Aguas-
Bellas, visto nao ter o meamo Maranho tirado at
hoje o respectivo titulo, e nomear para o dito car-
go, o cidado Justino Justin>ano da Gama.Com-
municou-se ao Thesouro Provincial.
O vice-presidente da provincia, attandeada
ao que requercu Adelaide Rosalina Bitteneourt
Barbosa, professora da cadeira de ensmo primario
de Maricota, resolve prorogar por 30 dias a licen-
ca ltimamente concedida peticionaria, para tra-
tar de sua sade, onde lhe canvier.
O vce-presdm:e da provincia, de conformi-
de com a proposta do Dr. chefe de polica, em of-
ficio n. 446, da hontem datado, resolve exonerar a
pedido Joo Machado Brando, do c-argo de 2*
supplente do subdelegado de Apipucos. Commu-
nicou-se ao Dr. chefe de policia.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que roquereu a tabellio e escri rio de orphos
do termo de Tacarat, Manoel Francisco Btelos,
resolve conceder-lhe 3.mezes de lie mea, para tra-
tar de sua sa Je, devendo entrar no goso da mes-
ma licenca no praso de 40 dias.
Ofic'os :
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do Recife._Declaro a V. Exc, em resposta ao sea
officio n. 549 de 3 do corrente mez, que fica ap-
provado o contrasto celebrado com Jos Francis-
co de Araujo, para servir o lugar de enfermeiro
do hospital de Alienados, em sub3titu:co de Ma-
noel Francisco Goucalvea Ourem, que por mo:vj
de molestia deixou de aceitar o referido lugar.
Ao ioap-'ctor da Theaouraria de Fazenda.
Remetto a V. S-, para aeu conhacimento e devidos
effeitoa, copia do aviso de 26 de Abril ultimo, ex-
pedido pelo Ministerio da Guerra, sobre a eonces-
so de crdito de 560*623, para pagamento dos
reparos urgentes na fortaleza do Brum.
Ao meamo.Nao podendo a pharmacia mili-
tar aatisfazer o celoso pedido de medica para o presidio de Fernando de Noronha, confor-
me declarou o brigadeiro commandante das armas,
recommendo a V. 5. providencie afim de que sa-
jara fornecdos oa citados medicamentos, por meio
de lieitaco ; devendo submetter > oportunamente
considerar > desta Presidencia, as propostas que
forera preferidas pela junta de faz-inda.
Ao director do presidio de Fernando de No-
ronha. Convm que Vmc. faca regressar para
esta capital, se j estiverem completamente cara-
dos, os preaoa Jo= Eliaa da Rocha, Jos Barbosa
da Silva e Francisco Barbosa da Silva, que pora
ahi seguiram doentes de beriberi.
Assim ficam respondidos os seas offieios ns. 35,
104 e 114. de 12, 20 e 23 de Abril prximo findo.
Ao juiz de direito de Salgueiro. Science do
que Vmc. representa em officio de 6 de Abril fia-
do, recommendo Iha que promova c active as dili-
gencias logaes para descobrimento e punico de
quem por qualquer modo houver incorrido para a
pratca do attentado de que foi victima, poueas ho-
ras depois de chegai a essa villa, o cidado Ma-
r anno da Costa Araujo Japiass.
Portaras :
O Sr. gerente da Coinpauhia Pernambueaaa
faga transportar hoja para a Parahyba, a bordo
d i vapor i'irapama, e per conta do Ministerio dos
Negocios da Justica, os crimin0303 Manoe! de
(iouveia e Joo Ignacio Vieira, cenhecido por Gal-
lo Mostr, c hera assim a duas pracas de polio* e
urna do l ihi, as quaes para all regressaio, es-
coltando os rferidoa criminosos.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucuaa
faca transportar para o presidio de Fernando da
Sioronba, por conta de Ferreira Silva & C., os ze-
neros mencionados na inclusa relacao.
Mutatis mutandis para Antonio Pinto Lapa
& Irmi m.
Mutatis mutandis para Reis & Santos.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucaaa
faca transportar para o presidio de Fernando de
Noronha, por conta de Jos Joaquim Alves & C,
os gneros mencionados na inclusa relaco.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Olficios :
Aj commandante das armas. S. Ese. o Sr.
vicepresidente da provincia manda declarar a f.
Exc, ter autorisado o Arsenal de Gu;rra a satis-
tazer o pedido que veio annexo ao seu offieio a-
243, de hoje datado.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr. vice-presidente da p.-ovncia manda
reraetter a V. S. duas ordens do Ministerio da
Guerr i, daUdas do 27 de Abril prximo passado.
Ao presidente e mais membros da directora
da Asf.ciaeio Commercial Agrcola de Peraam-
buco. S. Ex2. o Sr. vi6e- presidente .da provincia,
manda aceus.ir o ofcio sera data, hoje recebido,
no qual Vv. Sa. declarara que a assemb'a geral
d'essa associaeo tlegeti a sua nova directora pora
o anno de 18861887, 'o seguinte modo: Presi-
dente, BarJ i de N iz ireth : vio -presidente, Fran-
cisco Faustino de Brito ; thesoureiro, Carlos Lo
renco Gomos ; Io secretario, Sebasto Manoel Rj-
d.-i.".i-s Barros; 2o dito, Joaquim da Silva St-
gueiral.
EXPEDIENTE DO DIA 6 DE MAIO DE 1886
Officio :
Ao inspector da Th.souraria de Fazenda.
'.o alferes do 2J batalhao de iufantaria Gervasio
dos Santos Coelho, que vai destacar no presidio
de Fernando de Noronha, nraude V. S. aj asear
contas.
Portara :
O *>r. gerente la Companhia Pernambucana
faca traosportar ao presidio de Fernando de No-
ronha, p>r conta d> Ministerio da Gue ra, no va
por Gi/ui. o lferes do 2o batalLao da infantaria
Gervasio dos Santos Coelbo, que para alli desta-
ca, e bem assim a sua mulher O. Risa dos -autos
Coelho e seu." filhos menores, Luiz, com 4 anass,
Eli ia. com 3, Julio, eom 2, e um criado de no-
mo Quintana Mari i d i Silva Costa.
EXPEDIENTE DO SECBETARIO
Offici S :
Ao commandante das armas. S. Exc. o Sr.
vice-proridente da provincia manda delarar a V.
Exo, ter expedid as neceaaarias ordena para o
transp >rte ao presidio de Fernando de Noronha,
no vapor Giqu'., do otfi.'iol e naia possoas de que
trata o seu otfioi > n. 24% d* hoje datado.
Ao engenheiro enef-) da Repartico das
O ras Publicas O Exm. Sr. vice-presidente da
provineia ti con nteirado p -lo officio de hontem da-
tado, sob n. 85, do haver V. S. mandado lavrac
termo de rec b' oento provisorio da obra de repa-
ros da b nnba de Uaten le na estrada da Victoria,
e passar o certifica lo de pagamento a que tem di-
reito o respectivo coutractants.
DESPACHOS DA PRKSIDESCIA DO DIA 13 DE
MAIO DE 186
Antonio Ferreira Ranos. Informo
Sr. inspector dt The-soureria de Fasenda.
Antonio Jeroayina Vieira.A' vista d
nfor nacao nao ten lugar.
Maudino Emt'irgio do Souaa. Iabr
me o Sr. Dr. chefe le polica.
Gustavo Augusto Cardoso Pinto.At
Sr. Dr. chefe d* policia para fazer entre-
gar ao supplicante.
Coronel Jos Thornaz Goncalves.For-
neca-se.
JoJo Avelino Ferreira. Tendo o Dr.
juiz de direito das execusSis criminaos,


Diario de PernambueuSabbado 15 de Maio de 1886
*
sorodo que ao peticionario opportanamen
toa dar destino nSo ha que deferir.
Luiz Furtado de Oliveira Cabral. Ao
G>erno Imperial compete a nomea^ao.
Manoel das Mercs e Silra. Opportu-
asmente aera attendido.
Acacio Ferrehra de Vasconcellos. NSo
fotie por agora ser atteudido, visto que
tr de aesistir nssrs capital a formadlo
ata alpa pelos assaaeinatos praticados em
Jernando no mez de jullio do anno rido.
Secretaria dsb prswlenoia de Pornambu-
o 14 de maio de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
Itepartifo da Polica
. SeccSo 2.' N. 490. Secretaria da Po-
fcia de Pernambuco, 15 de Maio de 1886.
Elm. e Exui. Sr. Participo a V. Exo.
ame forano hont.'m recolhidos na Casa de
sJetenyao os seguintes individuos :
A' minha ordem, Ignacio Ferreira dos
Santos, Ser tim Severiano de Sooza Ma-
taa-bo, Joaquim Domingos de Lima, Ma-
soel Luiz Martina, Francisco Antonio de
Gveira e Joaquim Paulo de Sant'Anna,
quaes foram reinettidos pelo delegado
jo termo de Santo Anulo, sendo os cinco
yriroeiros como sentenciados e o ultimo co-
mo criminoso a pronunciado na comarca do
Cfcftfc
Poi tambem recolhido minha .ordem, o
jsdivMuo de nomo Alexaadra Alvos Fr-i-
?e eoniemnado pelo jury do termo deGa-
ashuns.
A' ordem do subdelegado da freguezia de
Basto Antonio, Joaquina Maa do Espiri-
te-Santo, alienada, minha disposicSo, at
qa possa ser transferida para o Asylo da
Tmnarinira; e Joaquim d>" Lima, Maxi
iskao Pereira da Cunha, Manoel Francia
manea Nascimento, Joaquim Francisco de
Sunt'Anna, Joao Pedro de Alcntara, Jo-
s Rodrigues da Silva, Jovino Netto de
Mfsdjnya, Julio Vieira, Manoel Jos de
Ottvoira, Jos Bernardo de Sant'Anna, An-
tonio S>ares da Silva e Manoel Andr Pe-
xir.\ da Silva, por dia'.urbios.
rdera do do 1* distrito de S. Jos,
isoicoel Francisco das Gbagas, por distur-
bios, minha disposigiio.
A' ordem do do Io districto da Boa-Vis
I*. ianoel Aitiuio das Chagas, por dia-
tarb.os.
Na madrugada de boje forim os ladross
so pr.-dio n. 8, sito ra da Madre de
Das, onde o estabelejido Bartholomou
Lsar->nc->, que decinrou autoridade lo jal
asda terem subtrahido.
v corda que collocaram na parte su-
perior de um predi) que se aeba em obra
. ra de Tuyuty, purteauenta ao mesmo
-bolomeu L)ureno, foi que servio aoa
bktr'-> para terem ingresso no estabeleci-
aaesio.
ibdeiegado da freguezia touoou conho-
caento do facto.
i subdelegado do Io districto de Li-
iiiro, 'oi reusettido a> juiz complente
fBeritO policial a que pneedeu contra
e* individuo de nomo Joao Estevao, como
sator do roubo feito em um ayouguo d'alli
lrimcntos praticados aa pessoa de Anto-
ak> Francisco da Cunha, facto que teve
taglT na noito de 1 do correute e sobre o
qaai j me refer na parte do dia 6.
O referido individuo, tendo se evadido na
oeeaaiao em que commetteu o crime, foi
atpetanto preso no dia seguinte pelo ins-
pector de quarteirao Manoel dos Santos
arbosa, depois de tenaz resistencia que
sspoz com urna faca de que se achava ar-
mado, nao otl*:ndendo a ninguein.
is guarde a V. Exc.illm. e Exm.
Sr. Dr. Igaacio Joaquim de Souza LeSo,
amito digno vicepresidente da provincia.
0 chote de poli-.ia, Antonio Domingos
.'o.
Thesoiiro Provincial
IOS DO DIA 14 DE MAIO DE 1886
qui o Ni i-s Ribeiro e Julio Alleluia
isa-Santos Lina. Informo o Sr. Dr. ad-
ministrador do Consulado.
Joao da Costa Ribeiro Canto. Francisco
M da Silva, Antonio Joa luim da Coneei-
Benjamin Martiniano des A'jos, Manoel
; (la Caoba e Manoel Turquato de
0 Saldaoha. Hija vista o Sr. Dr.
ssoarador fisc ii.
ni) Diniz Estalote, Francisco de
. do Segos Barros, Geuoveva Santgia
e ou'ros. Certifique se.
no Vieira da Silva e S.
0 contencioso
P.-.rirc Manoel Jos de Oliveira Reg-
; acioso se foi prestada a an-
Olivira, Joaiuim Lucillo
ueia V.'iit ja >, TbeodoroChratiosea
na de Azev lo Ramos, Dr. Laurino
:, S .'W.istiao doBirroa
>, Vianna (Lastro & '.'., Jos de Almei-
a Kab lio, Pbitea Adelinoda (^ista Doria,
1 Gonc ilves Agr, R 5zende & Tava-
e otiicioa do Dr. procurador dos fei-
Ioforme o Sr. contador.
dos Santos Porto.
paocurador dos fe>-
Algqna diarioachilenoa comparam o presidente
Santa Mara cam o dictador Guarni Blanco.
Rio da Prata
Dat -a de ambas aa capitaea atl de Maio :
Reerindo se a boatoa de terem 'aurgido difficul-
ddes com o Brasil, por causa da aomeacJo dos
commisaarioa que devem demarcar os limites do
territorio de Miasoes disputado, aaaegura a im-
prensa argentina, que carecem e fundameoto.
No dia 26 effectuou ae a primeira aesaao prepa
ratoria da Cmara do Depuladoi ao confrxeaao
nacional argentino. ,
Em Bneuoa-Ayrea foi publicad a aeguiatede-
olaracaSi: D* volta a eate paia^onde o bwiorolo
acolhimanao que ee diapens. ho nstraugeir torna
inenna doaa a ausencia da patria, julgamos chega-
do o momento de curoprir, em parte, um dever da
gratido teraninavao breve e fatal do movimento
revolucionario, dirigido peloa genaraea Castro e
Awedondo, conduzio-noa ao territorio braaileiro
com os ltimos reatos da enthusiaata columna que
deaembarcou em Guaviy. Nunca, Sr. director,
fomoa tratado8 com taata descortezia, cruel dado e
deapotiamo como o fomoa quando noa adiamos de-
baixo do poder da8 autoridades brasileira8.
N.-in respeito, nem consideracao, nem huma-
nidadd sequer Cahiraui sobre nos, como se se
tratasae de dominar um grupo de foragidea poatoa
fra da lei. Para as autoridades braaileires o
nosao carcter de rcvolujionarim orientaea, a nnsan
sifuacao de vencidos em luta franca, e o dirito de
aylo que as lea J.-iquelle paiz concedem a todos,
nao tiveram nenh'ine valor nem raureccram ne
nh im respeito. l'arecia antes qu a nosea des-
graca augmenrava os broB e o furor daquellaa
autoridades. Gomo se tratava do hnmens indefe-
sos !. suj'-itaram-nos a toda sorte de vexames
e ate nos roubaram descaradamente. Foi este o
pr warihnaato I autoridades do Brasil.
Mas no muio dnasa selva jeria nfdcial tivemos
a stista(;V) do ouvir not>ra protesto do proprio
pivo bras leiro. A solicitiide com que nos trata-
rain os habitantes da B mt' \nna a condemaa-'
co maie enrgica contra a barbnridade das auto-
ridades. Entre oa neaios protectores, naquellea
momentos naiani.lMl. figuram em prnneira linha os
-rs. (Tuilheror- LMaS, Miguel Iriondo, 8. Osono
Laprean i Rodriguea) Corralino Lupi, Victor
I, Mena [rmSos, o n >bso estimave1 corapa-
tiiota Arthnr M afta a o-> proprie'ari.s dos hoteia
Ultimo e Commercio. A totoa eatM senhorea pren
de-n>3 uun divida de gratida/que nunca pode-
remos pagar- Mis. se .to nao possivei, si;ni-
tiquemoa o m'nis pir mcio desta8 liahas o nosso
protimdo agradecimenio,
Buen is-Ayres, 27 de abril de 188G Emilio
Pranaquim Eaqu'vel. Eugenio Sanobr s.Jos
Vise-.Emilio Gndara. Prederieo L'oret.
I <-' Prez. -Flix Rebour. Mlit.m Gor.znlea
(hijo).Estebm Fer;iande?iLoeio Martines Al-
aga.Carlos L-igo.n-irsino.Artidoro P. Sel-
lan^a.
Aseasnisa urogaavaa approvaram pir accla-
maoao o pr j -cto de lei proposto pelo poder ex icu-
tivo conedend > awiiatia tod is os qne. mdis-
tinctamente, tomram parte dir-ta ou indirecta
nos ltimos acontecinvmroa politeos.
Foi approvado p-l asusini a aatava asado dis-
cutido pela eaiaara dos represent-.ntcs o proje 11
de I-i qiv antorisH o pider i-xecutivo a emittir
t i f 111 is de divid denominados Consolidados de
18S6at 8.000000, vencendo janana riz.Io de
8 / annnnes e um arairtisivao ac?umulativa de
4..'o tamben annuaes.
Interpellado na cam-ira dos represent intcs
Acercada suhstuncia do decreto do poder ejecu-
tivo que prohibia a imprenta da dar noticias
acerca dn revotneio politi-adi actuilidad o mi-
nistro do governc) deelarou que aquella diapoeielo
era de carcter transitoria e que de facto fier.i
derogada c-m a pacifiacao do paia AeSBiara
deu-s" por s-'tisfeita com a explieaeio.
Pallava se na nomeaeao d gener-il Tajea e de
Domingos Lmas para ministros da guerra e da
fazenda.
Na Repblica Oriental, a cmara dos represen-
tsataa a loptsa o projecto de lei, appr >vado pelo
senado, relativa divida consolidada para 1886,
modificando adajasMU '!e suaa maia importantes
disn'sigo'-s. O senado no mesmo dia aceitou as
modifieacoea e inmediatamente euviou a lei ao po
der ejecutivo.
1la(ln-Groio
Linos no Jornal do Commercio da corte :
De Cuyaba acaba de partir para o alto sertilo
do Rio 8. Liurenco, onde se acham as tabas da
numerosa tribu dos Coroados, urna expedicao de
41 pracaa do exercito, commandadaa pelo Alferea
Antonio Jos Doarte, do 21 de infantar'a, a quem
foram dadas paaitivas instruccoea para e8tacionar
distancia conveniente daa tabas, nao usar de
nrmas contra oa selvicolas e tratal-oa com bran-
dura e cordialidade, empreando todos os esfo.-r;os
uttrahil-os e inspirar-lhes sentimentoa de
de coufraternidade com a gente civili-
Antorao
o.
Aa ,-usto
o Sr. Dr.
Antonio Lias la Miranda. Entrege-
se pela porta.
Trujano Al ves de Mendoaca.Informe
; Sr. collector deSerinhaem.
Adelaida de Castro Rabello e S.Cer-
Sqae-se.
BiABlO DE PEaSBUCfl
RaFE, lo DE MAIO DE 1886
oficias do Pacifico. Rio da
Prata e Kul do Imperio
O paquete ingles Trent, que passou hontem para
a Europa, trouxe do sul aa seguintea noticias e as
:joe constam das rubricas Parte Oficial e Inte-
~er:
Parifico
Datas at 1G de Abril :
Em Lima e Callao oa collegioa eletoraea procla-
naram : presidente da repblica o general Cce-
la, 1.' vice-presidente Remigio Moralea Bernar-
dea, .* vice preaidente Aurelio Denegr.
De regresao Bolivia, Aniceto Arce publicou
ib mam testo contra o Chile, por ae ter recusado a
teder Tacna, deapeito de estar convencido da ne-
sossidade da sua annexaeao Bolivia.
Para repreaentar a Bolivia em Santiago do Chi-
le foi nomesdo e conhecido advogado Ferrari. A
inaieafao toi bem refeebida pela opiniao pnblica
Era voz corrente em Santiago que o almirante
ijuch, ministro do Chile em Madrid, ira oceupar
a legacao chilena em Lima, paaaando o ministro
Soara para Buenos-Ayres.
O intendente de Atacama e o governador Cba-
aaval pnblicaram um manifest, dizendo que foram
oneradoe doa cargoa que ceupavam por ae te-
jes negado a trabulhar a favor da candidatura
oficial.
para
paz e
sada.
Levou a expedicao vveres e outroa artigos para
serem diatribuidoa aoa in'iigenaa como brindea,
sendo aeompanhada por seto Coroados que vivetn
ha tempos, na eidade de Cuyab, e dous dos quaes
sab-in 1er e eserever. Estes sete indif-nas ser-
vira i como medianeiro8 e interprete, t-ndo ma-
Tiif -.-t lo, ao pirtir, a ospi-ran^a de obterem da
sua medoia^iio bous resultados.
Rio lirondo do Nnl
Datas a Io de muio :
A re'aijao, por acordaos de 16. confirmou as
s n cii<- ia d >s inisaa de dtretta do 1" e 2 distric-
tos crimin es da capital, julgando impr iced-'ntes
oa procesaos mandados instaurar pelo ju>z reito Dias da Castro Sobrinh >. contra os juiz-s de
p;iz rs. Leopoldo Masson e Ernesto dos Bsstaa
Paiva. por se haverem negado a convocar o 2"
escrnl-nio.
A Fcicracao de Porto Alegre refere o se-
guinte :
Toiz Gaertcn'T, mici ainda, cheia de vida,
honesto e pymnathico, estevo ha tempos traba-
Ihando gratnitaiBMta Beata capital no escriptoro
t>i-hnico da estrada de ferro de Porto Aleare a
Uragnayana, afiag il o!.ter um emprege comoati-
v 1 m asas habilitado s.
Tan 1 lervi l> aeo resninnajiu alguma du-
rata 4 mezes, sem que appareceis" urna s vaga,
r ti on se para a margen do Taqnary, onde em
falta de outro lugar melhor, aguardava urna var i
de f-L-oi.-t i, cargo que Ihe bavia aido prometti lo
oltimamente pelo Sr. Dr. Eugenio de Millo, em-
qa ito su.i.s aptdors nao p ideasera ser aproveta-
.Iquer outro mistar.
All paesava a existencia o desdiaoao moco
entrgi ndo-se a toda a aortede rabalhos decente,
que lhe appareciairt, quando, vagando ha poQCOt
dias. um lusar de guarda freios, offereceu-se
Gaertener para preenchel o em quanto nao lhe po-
de38e aer dado o outro que esperava.
Aceitosos seus servias, entrn f-.-n exereicioa
c, seguindo da Margem para Santa Mara no T I
no dia 7 do corrente, ao chegar o comboyo
caixa d'agua do arroio do S, inexperienf. inente
eatasdes elle o pescoco fra da plataforma do w-i-
g.li para ver ao lono da linha, eem t i ma hora
o f.'z, que bateu com a cablea de encontr co-
lumna do reservatorio, cahindo e tallec) ido im-
mediatamente.
Accresccnta o nos8o infirmante que consta lhe
ter sido dada ordem nesse mesmo dia ao mestr -
das fficinna do Tnquary para admlttil-o como fo-
guista, coincidindo, portanto, a data em que o aeu
deaejo ia ser realisado com a do desastre que Ih
occasionou a morte instantnea.
Em S. Francisco de Paula de Cima d Serra
na noite de 9 do corrente. p^las 7 1/2 horas, ten
taram assassinar o Dr. Useda Luna, disparando
doua tiros sobre a sua pessoa.
Encerraran! se a 28 do paseado as seaaoea
da as'embla provincial.
Teveaanccao a reso'ucao legislativa n. 1,659,
que autorisa o presidente da provincia a contratar' eapuchiuho Frei Germano de Anecy*
com Manoel >oares Lisboa, ou com quem maiores
vantagens offerec^r, estabelccimento do servido
de eagotos no territario urbano ia capital e nos
daa cidadea do Ro Grande e Polotas.
O contrato ser anbmettido approvafaoda as-
sen bla.
\ Ordem da Jaguarao refere o seguinte :
Em nns crticos a ra do General Osorio ea-
quina da do General Delfim, foi aaaasainado em a
noite de sabbado, o soldado do 2 regiment de
cavallaria de nome Antonio Ribeiro.
A origem do conflicto, que custou a vida a Ri-
beiro, segundo somos informados, vem do rabo de
s ia.
Dizem-uos que a roulher de nomo Mercedes vi-
vendo com urna praca do 2o regiment e sendo
esta destacada, Mercedes deixou-a pela praca do
3a batalbao de nome Candido Mathiaa.
. A referida praca do 2 sendo transferida para
o paaso do Cacique, all convidou no sabbado a Ri-
beiro para darem urna fgida at a eidade.
Accedendo eate uitimo ao convite, vieram em
procura de Mercedes e, segundo aomoa informado,
com intencea bsstia ao nomem qne com ella |
viva.
Entrando no quarto em que morava Mercedes,
tiveram troca de palavras com Candido Mathiaa
e hontem de manhi appareceu mirto Ribeiro no
pateo, com urna enorme facada na regiao abdo-
minal.
(bandido Mathiaa, sobre qnem recahem suspei-
taa da autora do crime. achi-se preao no respec-
tivo quartel e dizem-nos que o companheiro de Ri-
beiro desappareceu.
No arroio Contagem, municipio de Pelotas,
fallaeeu afogado o colono Fernando Haasa, da co-
lomada picada do Carrito.
Paa-ussat
V Mae a 30 de abril:
A noiedadade ImigraeSo de Cuntiba nomeou
nma icsmmissao, csmpoata dos Srs. Dra. EVmelino
e Lasaasani, Pernaadb Loureiro, Bendaaeski e
Hurlmanv par agesoiarem nonativoa e p.-derem
Bjudn- o estaOulecimanto dos 700 polacos qne se
esperara por toso o mez de maio. O prndente
Sr. commendadar I Ideftmao' P. Cbrreia e o 1 se-
cretario G. de Menesea puzeram 4 disposicao da
commissao 100 .
Os nucleus Santa Christina c Alice, creados por
acto da presidencia de 27 do passado, comprehen-
dem, o prmei-o 2W alqueires (82 lotea) de ptimo
terreno de mattas e agua, tendo aido adquiridos
por 7 rs., a braca quadrada, sendo sitando no mu-
nicipio de Compo Largo, distante da eidade de
Curjtyba 18 kilmetros o de Campo Largo 9 ; o
segando com 50 alqueires est em trras doadas
por Casimiro de Soasa Lobo, ao presidente da
provincia e por este entregues provincia do
Paran como propnedado inalienavel : estando
tambem no municipio do Camp Largo e ficando
ambos unidos ao de S. Jos dos Pinhaespela co-
lonia Thomaz Goelho.
innu < atliarlnn
Data at 2 de maio :
Le se no Jornal do Commercio dessa pro-
vincia :
Contina, nes'a capital, a grassar com ntcn-
aidade a febra amarella. Os casos fataes multi
plicam-se ; deram-se bitos em todos estoa tres
uHimos dias, e os casos novos sao em numero ele-
vado
Trata-ie de febre puramente amarella ou
verde, perniciosa, typhic, biliosa ou de outra
qualquer denominadlo, pouco noa devem importar
m n ,mns com que a sciencia as bsptise, desde que
os casos fataes ah estilo diariamente a attestar o
scu pi-rigoso carcter .
Segundo a mesma folha ora de eerca de 200
o nnmero dos atacados de fobre amarella, havan-
do j mais de 30 vctimas.
Minan eraos
Datas at 3 de maio :
Em S. Goncalo de Sapucihy foi jalgado pelo
jury e condemnado pena de morte Vicente Gon-
fiivs Rxlrigues, aecusad* de haver assassinado
cm 25 de setembro .11 1S83, por urna questao de
divisa de trras, Elias Tivarea da Cunha, cm
casa deste, para ond; se havia dirigido armado de
faca e de um rclho do cabo de pao pratead >.
Na tarde de 11 do pasando foi assassinado na
fregu-zia de Santa Isabel, daquellc termo, Fran-
cisco Martina, pr Belisario de tal o Antonio Ge-
neroso, sendo o facto revestido de circumstanciaa
t tea que, no diser da folha do que extrahimoa esta
noticia, faz crer que oa asaaasiBOa sito duu entes
depravados, dous scel<'radoa terrivma.
Acereaeenta a mana folha que nnqu"lia fre-
guezia, ao qoe Ih- consta, nao ex'atem autorida-
des polieiaea emposaadas, e apenas ha um inspec-
tor de quarteirao, q-ie presenciou o facto -rimi-
noso S":n qu- tomasse a menor providenci i, afm
de prender 03 nssassinos, por aer euuhado de um
destes.
Da a Folha d* Minas :
* E' peaaiau e minguada a collnita do munici-
pio de C itagunzes.
Ha fazendeiros que perdeaa 90 */'o do sno co-
Iheita e tudo ato devido enorme secca que pe
gou ltimamente entre ni.
Assim, pois, teremos caf pelo dobro do pree,o
doa an nos anteriores porque nao ha safra quasi.*
Em S Paulo de Muriah, :-.o districto I i
Samambaia ou Dores da Victoria, no dia 3 do
nassad >, es italianas .Joao Raymundo, Viccite
Raymundo e Joo Mssnks dersao tres punhaladas
n> braco esquerdo de Joa Ridrigues, tilho da um
faaendeiro do lugar. Intervieratn nalutae:a-
ram tambem fondos Jos Mineiro c Francisco
Jos Rodrigues ; este teve o pescoco varad; do
lado a lado, e aquelle levou dous golpes as cos-
tas. Os italianos sahiram victoriosos da luta e
at estilo tratando de processar os offendidos.
Ha tempos nesse mesmo lugr esfaquearam
Olympio de tal, que ficou aleijado. O assaasino
passea livremente.
Foi preso em Monte Verde, naquelle termo,
e remettido para Juiz de Fra, Antonio Jos de
Azevedo, vulgo Antonio Padeir, que ha 3 anuos
mais ou menos, commetteu un ssassinato, a-
cbando-se por isao pronunciado no art. 193, com-
binado com o art. 34 do Cdigo Criminal.
Na madrugada de 25 do passado partiram de
Sapucahy para a freguezia de Santa Isabei o de-
legad) e subdelegado da polica, afin de mauter a
ordem, que se achava all ameacada por um grupo
de deeordeiris.
Em Jaguary grassa com intcnsidade a va-
rila, tendo-se dado alguna casos lataes ; u povo
hterrorisndo abandona a eidade.
Em Juiz de Fi-a terminou o iuque-it sobre
nm asiiassinato p irnetrsdu na pessoa de Gabriel,
por S'-u senhor Alfredo Mendea Ferreira, nqiille
municipio, ha 5 ou 6 annos. Conclue se, do do
poinento das testemunhas, que d u causa a isao
ter Gabriel, na vespern, coa oesasiio em que erara
caatigid is na roca os seus parejiros, dito qu nao
apandara.
O fazeudeiro ficou com medo, e n > dia do asaaa-
sinato mandou o cscravo socar nm esteio no tar-
reiro da fazendi, e traico deu-lhe um tiro, aea-
bando de m ita i a cac-etada.
Praticado o crime, o assaasino ordeaoa a divar-
sos eseravos que cnterrassem em urna mata, cima
Jo acude a 9 a frente sua casa de morada.
Em uina carta dirigida de Diamantina para
Mantea Claros diz-s" que o estafeta da linha entre
as duas cidades, Albino de S, qu" era considera-
do com i u:n hornera de probidade, tendo-se apr-
senla Jo em uoaa caca de negocio com um r-dogio,
e julgaudo algwsaa pessoas qne foaae furtado, de-
rim-ihe a voz de prisa).
A isto, o infeliz, deixando o relogio as maoa
do negociau'.e, sabio correado, c, julgando que um
vallo existente para cima da Candade fosse raso,
tentou saltal-o, mas cabio desastradamente dentro
delle, baten Jo com a testa em uina pedrn, do que
resultou -lhe a morte instantneamente.
*;> Paulo
Datas ai 8 do Maio :
Na linh -. Sorocabana, ao passar um rom especial
no dia 26 de Abril, aconteceu estar o empregado,
Antonio Pereira de Campos, que se achava um tan-
to alcoosado e deitado sobre o leito da estrada, foi
apanh id o pela machina, que esmagou lhe a raiio
direit i, fazendo-llie diversas contuses na waOaca
D)miugoe Spataf >ra, mo^o italiano com com
mercio de iuascateaeo no Rio Claro, foi no Oa 2
entre 5 e 6 horas da manila assassinado brbara-
mente, nos arredores de Santa Cruz, por fulano
Joaquim Bento, morador naa imtncdiaccs desta
eidade.
Dau motivo aquel I crioi! urna qu.-stao de ciu-
m -s por causa Escolstica de Odveira.
Do auto de corpo de delicto, deprehende se do
que Spatafora recebeu de seu assa3sino diversas
pancadas sobre o cran'-o o urna tacada no bypo-
coudrio esqui-rdo, vivendo anda alguna minutos,,
durante os quaea pode dizer que, nao lhe sendo
deacouhecido o seu assassino, nao poda, corntudo,
ligar j nome pessoa.
Na tarde d.- aexta-feira da Paixao, refere a
Unido de Batataea, foi raubado na Franca o sabio
ver disparado tiros e de ter, como se auppe, race-
bida alguna fermentos.
Poi preao um doa individuos qna se achava
em companhia d'aquelle, e qne com elle fez frente
escolta.
Hontem mesmo foi feito o auto de corpo de
delicto no soldado offendido que se chama Joao
Jos de Carvalbo.
Do brac do soldado toi extrahida urna bala
de 4 centmetros de circunferencia, que tendo
atravessado todos os tecidns mollea, fazia aalienota
na parte posterior do mesmo.
Hontem aquella mesma hora foi iavrado man-
dado de priso contra nm individuo conhecido por
Joao Allemao, o qual achava-aeein companhia do
assaasino de Spatafora, e depois de preao conae-
guio soltar ae, amcacando com ama faca ao dele-
gado de polica.
Bio ter Inaaoim
Datas at 9 de Maio :
Alem da quo consta das rubricas Parle Official
e Interior e do que vai publicado na 8* pagina
deste Diario, pouco mais referem as folhas.
Na forma da propona da companhia cessio-
naria da linha do Natal Nova Cruz (Rio
Grande do Nortalfoi autorisado o estabelecimento
de um ponto de parada a 3 kilmetros da eidade
do Natal, devendo per cobrados, entre o referido
ponto e aquella eidade, os mesmos fretes e passa-
geus que entre o Sap e S. Joo, e o do referido
ponto pura qualqner outra estaco ou parada, os
(retes e passagens d'ahi cobrados para o Natal.
So o o titulo Converxao de apolices, lemos no
Jornal do Commercio de 4 :
Do delegado do tbesnuro em Londres, rece-
beu o Sr. ministro da tazedda um telegramma, de-
clarando que os editaes para a conversao tinbam
sido publicados cm Londres, Pars, Roma, Lisboa
e Porto nao havendo bpparecido nenhuma recla-
macao at hontem.
Em sesaao de mesa plena a directoriado Mon-
te-pi doa Servidoroa do Estado, resolveu unani-
mem"nto aceitar a convergi das apolices que
constituem o seu fundo capital e que se elevara
somma de 5 873:5003 ; resolveram tambem acei-
tar a conversao das ap lices que possnem os esta-
beleeimentos que dirigein a mesa da Santa Casa de
MiseriC'irdia, a adminiatracao da irmandade do SS.
Sacramento da Candelaria, a m-sa administrativa
da iimnndade de S. Braz, erecta no mosteiro de
S. Bento, a directora da Sociedade Philantropica
Suissa. a Caixa Econnmlc > de Camoos, a Socie-
dade Hespanhola de Beneficencia e o conselho de-
liberativo da Sociedade Portugueza de Benifiien-
cia. i
No dia 7 accrescentou a mesma folha :
Terminou ante-hontem o praso marcado pelo
decreto n. 9,581 de 17 de Abril para reclamarera
pagamento os possuidores de apolices de 6 % que
nao aceitassem a conversa).
Apresentaram-se. 15 reclamantesrepicsentan-
do b03:300. Dous destes requereram a r-itirada
das reelamaces, constando-ins que o Sr. ministro
la f iz-nda tenciona nao attendel-ns.
Existe um pedido vindo de Diamin'ion no
valor de 450 apolices pertencentes a orphaos, ha
ver.do por feletrranvna opposcilo. do juiz de or-
pha-'s daqnellsioeaiidade; inasosr. ministro nada
resolveu por ora.
Nao estando conclnidos os praS03 as provin-
cias, provavel que o Sr. ministro da fazenda es-
pare a conclusa) dcll--s para conhecer o quantum
das reclainaea">e3; mas estamos certo3 que o paga-
mento se far at ao fim do corrate sem"stre.
Aoa directores das faculdadas de direito decla-
rou o ministerio do imperio, em aviso do 1 do cor-
rate mez, que na canfomiiade da imperial reso-
uc/lo de 3 do Abril (indo, tomada de aoc ird i C un
o parecer da leosio dos negocios do imperio do
conselho de Estado, exar.do em consulta de 18 de
Deeemhro do anno passado, nao se deve proceder,
at ulterior deliberaba o, aos concursos que para o |
provimento di lugar.-s de lentes subs itutos ilas !
facilidades de direit) foram abortos nos termas das
disposicos dos estatutos de 17 de Janeiro Je 1885
cuj i execucao foi suspensa pelo decreto n. 9,522,
le novembro do mesmo anno.
Lemos no Jornal di Comm-rrio do 6 :
' Com dolorosa sorpresa para quantos o conhe-
ciam, apptrentemente cheio de vida, silo e robusto,
espalhou-se hontem a triste noti:ia do passamento
do Dr. Honorio Bicalho.
Hontem mesmo, elle havia communicado ao
seu substituto na secre'.aria da agricultura que,
por levemente indisposto, deixaria de comparecer
i repnrtico, na qualicassamira, poneos dias an-
tes, o exercicio do cargo de chefe da directora de
obras publicas.
A urna hora da tarde era cadver.
Nascido nesta eidade a 22 de Fevereiro de
1839, recebeu Honorio Ricalho o grao de enge-
nheiro civil, e, dedicando-so aos misteres da sua
prufissilo, servio durante alguns annos o impor-
tante cargo da inspector g'ral do trafegoda estra-
da de ferro de D. Pedro II, cujo exercio interrom-
peu nos annos 1870 a 1871, para tomar parte nos
trab*lhos da assembla provincial do Rio de Ja-
neiro, da qual fora eleito membro pelo 3 distr efo.
Por instancias do conselheiro Buarque de Ma-
ce lo, ent) ministro da agricultura, acoitou em
1880 o cargo de chefe da supramencionada dire-
ctora. A aptidao do Dr. Honorio Bicalho na > ti-
nha de revelarse: cstava mais do que experimen-
tado. No exercicio do seu novo cargo, deparndo-
se-lhe ensejo de roborar, por constantes provas de
saber e de laboriosidade, a bfia fama que o indica-
ra para successor de Buarque de Macedo, seu par-
ticular amigo, no elevado cargj que ambos soube-
ram honrar.
Em 1883, tratndose de dar execucSo lei
que autorisara estudos regulares para melhora-
mento da barra do Rio Grande d> Sul, o compe-
tente ministro confian ao Dr. Honorio Bicalho a
orgaia*5io e direecao dos servicos relativoa ao
importante object-o.
O inftigv-)l engenheiro, entregando-se cor-
pa e alma ingente trela, logrn em periodo cur-
to realiaar trabalhog que mereceram de Calan.I.
eminente engenheiro hollandez, conceito honrosis-
aimo.
para o littoral em busca de um porto de mar,- que
provavelmente aera o desta eidade.
Aa obraa da construccSo da estrada de ferro de
Itapemerim continuara com actividade e 08 traba-
lhoa j ae eatendem ao kilmetro 20.
Dau-ae j cmico construccao da estacJo da
villa do Cachoeiro.
No service da linha acham-se erapregados mais
de 200 trabalhadores, carecendo-se, entretanto,
anda de 300.
Jest contractado com asprncipaes casaacom
mercias do Caehoeiro o transporte da Barr, para
all de todo o material da estrada.
Os lavradoresintelligentes tem proporcionado aos
empreiteiroa da estrada todo o auxilio, nao notan-
do-ae at o presente eat-s choques de pequeos in-
teresses offendidos que surgem no comeco, em ge-
ral, das construccoes de vas terreas em nosso
paiz.
A alfandega renden no mez findo 10:125*846,
mais 880*09o que em 1885.
Babia
Datas at 12 de Maio :
Prosegua tm seus trabalhos a assembla pro-
vincial.
O presidente da provincia fora em excursao
4 eidade de Nazareth.
Lemos no Diario de Noticias de 8:
O Sr. barao de Cotegip-, actual presidente do
conselho, acaba de praticar urna accao, bem digna
de ser imitada pelos possuidores de cscravisalos
arxagessroa.
_S. Exc, nao s concedeu carta de liberdade a
25 dos seus escravisados, como tambem arbitrou-
Ihesi um salario, correspondente aos servicia, o que
queiram continuar a prestar as suas propri-da-
des agrcolas; aos que por sua dade estejam inhi-
bidos de tr.^balhnr proporcionar o nobre bar >
alimentadlo c morada.
A Exroa. Sra. D. Maria Luiza Wanderlev e o I
segurando que procurara corresponder a ella,
esforcando-se por cumprir os deveres do carga
por modo digno de si e da honrada cmara a que
todos p-rtcncem.
Nao bastara, porm, accrescentou elle, os meus
esforcos ; elles por si sos seriara vaos, -rae indie-
penaaval o vosso concurso. Ouso, portanto, sol-
cital-o, nao s le todos vos conectivamente, mas
da cada ura, para que aeja tranquilla e >.uspiciosa
para o paiz a marcha dos nossos trabalhos, no
exercicio daa nossaa attribuiijes eonstitucio-
n es. i
Quao difiurente esta linguagem, este appello
a todos e a cada um, do do Sr. Doria que, eleito
presidente da cama passada, de que fazia parte
urna minoria crescida e de grande valor, s se di-
rigi a um dos lados da casa, assegurando lhe a
mais firme e profunda dedicacao poltica
No dia I) anda deixou de haver sessao, haven-
do, porm, no dia seguate, m que foram eleitas
as commissoes que restavam, e foram apresenta-
das, pelos respectivos mini itros, as propostas de
forcas de mar e do trra.
Anda sjeitara do espediente toraou o Sr. Can-
dido de Oliveira a palavra, para ler um telegram-
na que reoanera do Cear, concebido uestes
termos : Lotera cearense, contratada Calmon
sera flanea prestada, quebrou, ni i paga premio :
brande, escndalo, clamor povo. Rogo reclamac
tribuna.Imprensa.
O Sr Candido de Oliveira, censurando o Sr. Cal-
mon, nao admira que elle tivesse confiado a ex-
traeco das loteras a um individuo sem flanea
porque aquelle administrador mandou continuar
cora exercicio na cmara municipal da Fortaleza,
um vareador que se achava processado; chama,
porm, a atteuf ao do goveru) sobre o facto e pede
providencias. *
O Sr. Belisario diz que nao se acha habilitado
Sr. Joao Mauricio Wanderlev. tambora eonfenram I P re^oader' P0"}'10. > Pli I'',tur1a. do te e"
carta de liberdade a 18 de seau SSvtaaKST fu'-'u"1 'ssmS^ '' T Tf^' V0"''
guarios, dos quacs 11 pertenciam Ti-I a .-x- 4^' ; i-mistrador como o Sr. Calmon, tivesse
Ctfllcutissiina senhora e 7 ao referido Sr. Wander
ley.
Toda esees infelizes, sobre cojas frontes a a l-
rora da redempcao veio finalmente refletir os seus
doces clarSea, em transportes de inefTavel jubilo
declararam que continuavam a servir nos enge-
nh-s, onde cstavam habituados a trabalhar.
Alagoaai
Datas at 13 de Maio:
Eaiava continuando em seus trabalhos a as:em-
bla provincia1..
INTERIOR
lido como eoaata do raesm-i telegramma.
Qnanl i a providencias, bem sabe o Sr. Candida
de OHvetra q n a I bn uiatracSo d.s loteras lo-
cal, e ;'A.-. no iind* tem com ellas.
O Sr. Portugal jnlga aem fuadament) as censu-
ras do nobre depura lo mineiro, porque fo: precisa-
mente por ter o Sr. Calmon exigido a flanea di
tbeaonruiro que deu se o fa
Em segu< a o Sr. .Mascarenhas apreseutou e
jostifion um requerimento, qie ficou ad ter pedid ) a palavra o Sr. Caminhn, sobre o enge-
nheir / U.vy, ebefe da com-nisso do a^uie de Qui-
xa l:.
No senado, onde no tem havido falta de sessao,
in hontem apreseut-i o o projecto de resposta
i falla do tlnouo, de que relator o Sr. Curreia.
Tambem alli j se travou debate de carcter poli-
I tico, de par co n a discuasSo sobre varios projee-
itigos a qu", falta de materia nova, f iram
dados para a orJem dia. I'oi o Sr. Dantas qnem
I primeiro oceupoa a tribuna, discorrend) longa-
I m-nte sobro os negocios de [Ihos, na sua p.ovin-
Resp ii leu-Ib,'
Subtrahiram-lhe os lndres, entre outros obje-
ctos, cerca de 700$ em ino -da auti.;a- de diver-
sos paizes, as quaea taziam parte de s-u rico mu-
aeu, e um chronometro precioso no valor de 1:2 )0,
que fora presente de S. M. o imperador-
Consta ao mesmo joma' que oa francanos, qu
primara por genorosos, abriram urna subscripc,-io
que se elevar a 2:0'K), .--ara ofFerecer ao sabio
capuchinho um novo ehroaoraetro.
O lempo do Rio Claro refere o seguinte :
Hontem (, s 8 horas da noite mai ou me-
nos, o delegado de polica Sr. Mariano Guimaras,
tendo desconfancae que achava-se ein urna cas*
n'ura arrabalde desta eidade, o indigitado assaasi-
no o infeliz Domingos Sptafora, qne, como no-
ticiamos foi assasaiua lo oa manb de sabbado
p tasado, para alli dirigio-ae em diligencia cem
urna escolta de seis pracas.
Como de facto, o assassino alli ae achava, e
instantes antes de aer cercada a casa, o criminoso
e comptheiros seua fizeram frente a escolta, ha
vendo troca de tnnitoa tiros.
Ficou gravemente otFendida um soldado por
um tiro que receben no hombro e braco direitoa.
O assassino conaeguio evadir-se depois de ha-
Os relatnos d ) Dr. II raorio Bicalho acerca
da barra do Rio Grande do Sal sao documentos
qu?, a juizo dos entendidos, bastanam para re-
o-immendaro autor como engenheiro niftavel, e seja
qual for o xito dos planos por elle propostos para
solucio do problema, a capacidade do engenheiro
tSrajileiro ficar para todo o sempre patente no ar-
rojo do commettimeuto na confianca que at a
derradeira hora depositou no resultado dos seus
trabalhos.
A barra do Rio Grande do Sul tem sido estu-
cada por notabilidades de fama universal.
E' summamente honroso para a engenharia
nacional ter contribuido para taes estudos com oa
valiosos subsidios que consumiram tres annos de
labor quotidiano do Dr. H mono Bicalho. A nobre
clase conta menos um ornamento, e a administra-
ra > das obras publicas do Brazil pardeu hontem
auxiliar prestantissimo.
Em testemunho de profundo pezar pelo passa-
mento do seu codega, os empregadoa da secreta-
ra da agricultura tomaram luto por 10 dias.
O club de engenharia n raeou urna commis-
to para acompanbar o sahimento e deliberou man-
dar cdlocar urna griualda sobre o seu fretro e ce-
lebrar urna missa no stimo dia do passamento.
Lemos na in-sina folha de 8 :
Falleceu hontem o idoso artista Osear Ber-
nardelli.
Depois de haver perconido cora sua familia
quasi toda a America, chegou elle a esta eidade
ha mais de 20 annos como p metro bil trino, e
pouco tempo d-pois, resolvido a fixar aqu a sua
residencia, abandonou o palco para tomar assento
a oMboatra como segando vi lino, por entender,
sem dnvi ni, que asoiio poderia prover com mais
facilidade a sua subsistencia.
Deixa nos filho3 urna pleiado de artistas, o
mais notavel dos quaes o estatuario Rodolpho
Beinarielli.
Espirito Santo
Datas at 5 de Maio:
Corai'caram no dia 26 aa obraa do novo edificio
destinado para a alfandega desta capital.
A planta e aua execucao foram c nfiadas direc-
cio do engenheiro Hermana Sehindler.
A Provincia do Espirito Santo dis o seguinte:
Sabemos que < st extracta na povoacao de
Santa Thereza a epidemia da varila.
A terrivel nolestia manifestou se agora um
pruco alera, no Baixo Tunbohy, oude dereceiar
que aejaai grande aa devastacoes da varila, visto
como a Ioeaiidade muito mais populosa, e em
geral os aeue habitantes sao pobres.
O mesmo peridico em data de 29 d a seguin-
te noticia: Foi aulorisada hontem, pela presiden-
cia da provincia, a transferencia do privilegio e
contracto daquella estrada, feita pelo Sr. commen-
dador J-o Jos dos Res Jnior Companhia de
navegacao e estrada de ferro Espirito Santo e Ca-
ravellas.
Consta -nos que a companhia vai requerer o pro-
lougamento da linha do Caehoeiro de Itapemirim
orrespoadencia do Diario de
B*eruinbuco
RIO DE JANEIRO corte 9 de Maio de
1886
c ,-... n i ca. Resp mdeu-lhc ni sessao seguinte o Sr. Co-
SmauMKy.faOado throno.-0 que, por nter- tegne, e eil(, r..pilcoa.
mxltodel!^ pretende cada um do, dia 0 r. Silveira Martios, que
mstrox.-O que se pode esperar da nova ,lc,lb,,., de chegml d-l SUil provin0f, aC)Uipa'Qna.
Cumara.-tomo HU rom.-.-,.,.-- A-I- ahmdo do ..,,-,,,,. ,, o mais o Sr. Pelo-
,;ao.do pre^dente.-Agrad.runento do Sr. ,ilrc(;u a0 genadp, e aproveitaadj O en-
Andrade F^ra.-Lolena do Cearn.- ^ u:n pr ,je;t, (, de
Observatou d> Sr. Candido de Ohveira,, engenheiroa para o aervico di marinha, e foi dado
Besarw P,rtnaal.-S Ba p ;,. t_, l8gifa> occupell.3.. e cal'or03:imente
Ira e Rw Grande, tratado no Senado d que9t5... dj Rio Grande, tratando : 1- de remo-
pdos Srs Dantas eSdr^ru MarUfU.- ,,-,,, ordenadsa peto Sr. Junqnelra, do alguna of-
NegotM, de Taimati.-Tnbakos das fic, para provnci3 do ;ort ; verda.
nomm-sxoe, de xmqmr-, -P.nyo en, que dert,s cemitenos onde ellas irs ser pasto dafe-
","fnm "s ""*?,. ?'* TS V".C bre "araUa, beriberi o o_tras molestias; 20 do
Jos Pararutquu-AUstamento de Santo proceanento havido cora es emigrados orientaea:
O leitnr ~LT"t ""l'T' a ft.ii a ^ ^ moltM C0U3a3 1 occorreram durante as
,h?JllJ r -i. 2* W,meato. da f*'* ^ eleiV''-' i *> "oto por que ha procede!, o com-
hrouo cora que foi aberta a presente aaaaio do mandante daa arosss, o marechal Deodoro. Por
novo parlamento, e ha de ter visto que esse docu fi. p ., Sr- prC8ldllt(. dj couselh(> qUl! inter.
ment nao parco om pedir providencias e tem- venha ante o seu collega da guerra, para que res-
orar medidas sobre 03 diversos ram.s da publica t!tUil S Sl|;l pr.)Vneiil 0= c,dJoa que, por espirito
administrado De todos os ministros o quo nada de partd ,. fl 1?rant( njastcmi re'ru della
pedene?.lembraodeeatra..ge.ros. Sr. Cotegip responden era poucas p davras
O da justica quer que, para melhor naneara | ao que era relativo materia do projecto, dizendo
aegnrsnca indiv.iual e a recta adm.nistraca. da qu., tainbein uXo achava .ftnidide na medida,
J iV.cn, se prosiga no estado ediseussa.ja..,..,.. :lll,, ..: tr ,lJo aU,nt;atj dl! deg 0
Idicaana O do ,m,oer.o quer : j contrar0 ao programma do governo; reservando-
elc.toral, afia, de avitar ae a re- a, qUanto ao mais para melhor occasiao, que nao
priduccao de factos criminosos, como os que ae taltari,a materiaterresposta snronrtads.
deram na ultima ele.?ao ; reorgamsacoes Jo en- I Hontem, a proposito de um telenamma do Re-
sino era seus diversos graos ; reforma na le orga- th iabliCado no Fa, apresentou o Sr. Soares
mea das cmaras mumcipaes, que torne mais ara- | Brnndao ura requerimento e discutio calorosa-
plas e independentea as suas atnonicoea e mais ,aenta Iiegc08 dt Tacarat. Responderam-lhe os
promptaasua accao nos negocioa peculiares do Srs. ministro da justiVa e Joao Alfredo. O tele-
tada da reforma judiciaria
alteraeoes ca lei
municipio. O da agricultura lembra, como me-
dida iudispensavel para a soluclo da questao de
introdueco de mmigrantes, a revisao das leis
sobre locaco de servicoa e daa trras publicas.
O da fazenda, acluuda que nem os dous lti-
mos emprestimos coutrahidos, nem a conversao
dos juros daa apolices bastam para restabelecer a
regularidade da Fazenda Publica, propia que se I uiroTe'"
cstabele^a o equilibro dos ornamentos, reduzin
do-se a despeza, e si, iato nao baatar, revendo-se
a tarifa provisoria das alfandesas, e que se to-
meiidas permanentes e effieazes
ancuuciam terem
gramma c este :
Telegrammas de Tacarat
alli havido grandes desordens.
O collector de rendas provincise3 foi assassi-
nado.
O juiz de direito reclamou do presidente da
provincia torea doexercit) para eonter os desor-
assassinos dirigidos pelo capitao Caval-
eanti.
- Toda a comarca eit em alarma e receiam-se
maiores primes.
mora rael.das permanentes e emeazes para o! A d3(.usaIoficou adlid e com lavra gr
melhoramento do mem circulante, j coraecado I Luiz Fo|,ppe prope-ae
com as ultimas operacoes de crdito, Je modo a fir- j0-.,j _\l:relo o qual
mar o nosso padrto monetario. O.s ministros da
a responder ao Sr.
expressou-se com energa,
provocan io os seus adversarios a que trouxessem
guerra e da raanuha lembram quo o ejercito e a taJa cUresa 3obre e|e d ^ d3trao
armad* carecem de reformas cousentaneaicmoa- As eomW. H, ,l,,, ,.,. ,.:.....;.
progre3sos qne ltimamente tem tido a sciencia da
guerra, notando o primeiro que o exercito precia i
ser dotado de cdigos penal o de proeesso adequa-
dos eiviliaacao di aeenlo e de narmonia com 03
principios que presidirnm a decretaeao da le do
sorteio, de d S-tenbro de 1 i 7.
Sendo estaa as nececsidades que de presente se
augurara ao gabinete como as mais reclama las
pela boa march i dos neg >e >s pblicos, de
crer que cada ura dos ministros tenha trabalho
prcp irado n> sentido indicado, para submetter ao
conhecimento do corpo legislativo. N'a i ser, pois,
por falta de materia com que esti dev.a oceupar-ae,
que a sessao actual tenha de ser estril com) aa
As cimanisadea da cmara tem continuado a
trab libar com asiiduidade, e em breve devem ter-
uiiiar os trabalh m que restara. Hontem foi vota-
da na 1 commissao a elcico do 13 districto de
Pernambuco Naturalmente j i ser ahi sabido que
j por deliberaeao unanimo foi consiJ rado aullo o
diploma do .-jr. A. de Siqu.ira, e reconhecido de-
, puf ido o Sr. Alfredo Correia.
Xio f. porque depois da votaco que elle tem de ser
Iavrado e assignado.
^ Na mesma commissao tem se tratado das e'.ei-
! oes do 2o districto do Amazonas e 3 do Piauhy
Acarea d'aquella, j tendo tido lugar o debate
eral, depois da apresentaeo da
anteriores, que nem se q.er votaran, epportuua- ^ J^VL re^^a^^ntr^SSS
m_nte e regularmente as lea aunuaea. ra ,'e,15:1o vot.eL L "J,J ^
Devo, porm. dizere o faco cora derque
jul^ir pelo comeco, nao se da< eapersr glande
cousa da nova c .mar, a meno3 que s; lhe desper-
tem estmulos que parecem auormecidos. Logo
no primeiro dia em que ella devis trabalhar isto
, no dia 4para elc nao houve gesaio por falta de numero. Dos % de-
putados reconhecidos sement 58 compareceram, o
que servio para dar verosimilhanca aos commen
tarios que no mesmo dia havia feito o Paiz, na
secijao dos Tpicos, acerca de crise e modific-a^o
ministarial e de d -saceordp entre a Cmara o o
Ministerio por cansa da eleicao da mesa, querendo
aquella que tosse o Sr. Andrado Figueira o presi-
dente, e este, que fosse o Sr. Barao de Villa da
Barra, e por isso nao haveria sessao. para se com-
porem as cousas. Nada disto, porm, era exacto ;
nunca houve duvida respeito da oleie, da presi-
dencia da Cmara. O nome do Sr. Andrade Fi-
gueira estava, por assim dizer, na consciencia de
todos; e nenhuin outro deputado reuna mtlhores
ttulos consideracao dos seus collegas, para ele-
vado aquelle importante cargo. Antes da reuniao
da Camaia j se sabia que elle que seria o seu
presidente, e u--ra o ministerio quena que outro o
fosse.
A fita da sess>, portanto, s teve por motivo:
1 a disidia que parece ser mal endmico, que,
mais ou m nos, ataca a quantos pepetr.arn n'aquella
casa; 2o a ausencia de inuitos desatados, liberna
e conservadores, que estando j r- conhecidos, tera
se deixado ficar na provincia, eertos como esto,
pelas praticas doa anuos passados, de que basta
chegarem no fim do raez para perceberem o subai-
dio integral, como se c asvessem desde o co-
meco da sessao.
Deve-ae exceptuar desse numero es presidentes
de provincias, que nao tendo anda tido successo-
res, tiveram de conaervar-se na administradlo res-
pectiva, por ordem do governo, at a ultima hora,
ato emquanto nao eativesseui funecionaudo aa
cmaras. Nesse caso esto oa Sra. Taunay, que
deve ter chegado hontem, e Lucena, que espera-
do no prximo paquete do sul.
No da 5 houve sesaao, gracas s recommanda-
coes e pedidos dos ministros, e foi eieita a mesa,
bem como a commissao de resposta talla do thro-
no. Naa a aso ter-se-hia limitado o trabalbo do
dia por nao haver mais numero, si logo em com-
meco da aesaao o Sr. Candido de Oliveira nao t
vase apreaentado um requerimento, que justifi-
cou, sobre o modo por que a assembla provincial
de Santa Catharina proceden verificaco de po-
deres dos seua membroa, creando incompatibilida-
des nao cogitadas pela lei, com o fim de excluir
tres liberaes que foram eleitos. O honrado leader
liberal bem sabe |ue a cmara dos deputados na-
da tem que ver con a questao ; mas tinha de dea-
empenhar-ae da incumbencia que lhe deu o Sr.
Mafra.
O Sr. Andrade Figueira, ao emposaar-ss da ca-
deira presidencial, agradecen, em poucas palavras,
a distineco com que acabava de aer honrado, as-
liscusso e votaoo da commis$o.
QuantK a outra, nao est o trabalho tilo adias-
O Sr. JaymeRosa apresenti-u a sua conteati-
l'je uo dcixou de produzir impregno; e o
Sr. Doria, ten i i pedid i vista, ainda sen-
tuu a su i rerntaeao.
Acredito que oenhuin d'aquelles dous o ,i i
dos, o Sr. Doria e o Sr. Jos Parauagu, est i m
bons tence
Foi tao patente e tilo demonstrada ficou a fal-
sidade da eteiejto de Barreirinhas, que nao pode
ellsdeixar de ser annull-i la. e ansullado tam-
bem ficar o diploma do segundo, que obteve 5t
votos, e o seu contendor apa ms O que resta
si se proceder a nova eleicao, ou se ser reco-
nhecido o Sr. Clarindo Chaves. O Sr. Parauaga
arge tambem de falsa a eleicao de Pariutins, e
p ireee que realmente.ahi as eousas nao correr
mu to regularmente.
Auuullado os votos desse eollegio, ser caso
para nova eleicao.
Quanto ao Sr. Doria, urna deliberaeao tomada
unnimemente pela 2* commissao quaato a Santa
S, ni 12o districto da Baha,torna mnito preca-
ria a sua causa. A' haver coherencia, e nao seudo
licito a cada commissao ter urna doutrina sua e
um modo seu de entender e executar a lei, a 1'
commissao nao pode dexar de raeonhewr a falsi-
dade das qualificacoes de Paranagu e Corren-
tes e considerar nullos 03 votos idos respectivos
eleitores, sera os quaes o Sr. Doria ficar com
vot ic" uito inferior a do seu contendor.
Eis como acerca de Santo S conehio a 2* com-
raisso :
Considerando que urna attribnico constitu-
cional desta augusta cmara verificar os poderes
dj seus mernTos, e que em muitos casos o exerci-
cio dessa attribuicao depende da apreciacao dos
alistaraentos eleitoraes, porque impossivel admit-
tirse eleicao valida sem eleitores legtimos, sem
alistameuto legal; considerando que a le ordina-
ria de 9 de Janeiro do 1881 nao poda revogar, e
muito menos implcitamente, o artigo 21 da cons-
tituir limitando a competencia da Cmara aos
alistam-utos argidos de vicios insanaveis c pro-
vados, perante a commissao de inquerito pelas
partes interesaadas; considerando que a talsidade
do alistamento de Santo S foi argida e provada
pelo deputado eleito pelo 12# districto da provin
cia da Baha; e, vista dos motivos expestos, nao
se podendo ter como existentes legalmente; nem,
por conseqnencia, como aptos para influirem as
eleicoes do respectivo districto dos eleitores da-
quelle eollegio, emquanto pelo poder legislativo
nae for tomada urna providencia a respeito do aeu
alistamento pelos meios legaes, tanto mais qoantS
foi probado o desapparecimento do proeesso origi-
nal do alistamento;
de parecer que sejam considerados nuiles
os votoa doa eleitoies da parochia de Santo S,
etc., etc., etc.; e como a nullidade deesa eleicas
nao influe no resultado total da eleicao, seja rece-
I
lialmn


Diario de PernamimcoSabbado 15 de Maio de 1886
3
da

nhecido o Dr. Jeronymo Joaquim Fernsndes
Cunha Jnior.
Este parecer, de que relator o Sr. Papos Mi-
randa t> ea afirmado pelos Srs. Costa Pereira, Coe-
lho R driguea, Juveneio de Aguiar, Pinto Lima e
Cockraiie, inda nao foi approvado pela Cmara;
mas j foi dado para a or em do dia o sel-o ha
aman ai. se/unda-feira
.>thes' de S".to S exactamente a
mesuia d t'aranagu eUorrentes, fr guezi.,
figur .ni com rais de quiaheotoa .-lei.area, por go>
qu liria e p -r u n i a Ed
bou
<|U: ti y.'i i eligid >'
A nuea difieren,; i q ie a ISbmI icio da vota
<}Lo de anto S nao alura o resu.taao da eleicio,
e ai de PanuMgoa t C srentes auuulla odip'o
ploma do Sr. Doria* B'Ca > eonsi lerttr-e* h
de\ U fcafer nova eicieao.
Venda terminado un da 5 o praso marcado
pan as uidores de ap 'lieos, qn nao aechas
sem .....veralo, reolaaianm o pegasa uto, diz ..
Jornal do C'jmmercio que s apresen! .remase 15
reei.;mant-s representando 809:30 000 Dous
destes requereram a retirada das reclnmacoes,
constand.i-.-'os que o Sr. miuiatro da fazeuda ten
ciona mi attendi 1-os.
Ex.a'e uin peoiuo vindo de Diamantina no va-
lor dr ASO apolices pertoucentea a orpbi s, hav n-
do por telegramma opp osico do juiz de Otpllloa
daquelli localidade, mas o Sr. ministro nada te>
solveu por ora.
_ Nio estando concluidos os prazos us provin
cas, provavel que o Sr. miuiatro da iazenda es
pere a conclusao delles para conhecer o quantum
das reclamacoes, mas estamos certos que o paga
ment ta fara at ao fim do correute semestre
A Vanguarda d as seguinte noticias, no seu
numero de ane-hontem .-
o Dizia-se hontem. na pruca do Commercio, que
o gover io ha de tazer novaB concesEoes e favores
ao Banco do Braz, alguna dos quaes constario
dos relatorius e propostas ao corpo legislativo. Fal-
la se que elle ser o preterido para a couverso
do toen circulante e nova emissio de notas paga-
veis ouro.
Explica p; deata munsira r. compra de avul-
tado numero de accoes, nos ltimos dias, a pr eos
elevad la.
Nao sabem s olHcalraeute nada sobre este as
aumpto.
i.' ni; ta que as loteras da corte e as da pro-
vincia vio se tomar providencias importantes p.ir
estes dias. Ainda nao temos pleno conhecimento
das alteracoi's que se > teetuarao na administra-
do, mas sabemos que tm sido objecto de delibe-
radlo.
O Sr. Nabuco acaba de entrar para a redaeeao
do Paiz, encarr-gando se d* parto relativa a cri-
tica diaria dos trabulhus do parlamento.
Para concluir :
Dar ande Villa Diogo. Esta locucao, se-
gundo o Dr. Castro L ipes, te:n orgein em utn
episodio oecorrido por occasiao da guerra p- Din
lar, quando oa franceses, inv.dindo a Hespauha
penetiaram na provincia de Burgos, que tintia por
capital a cidado do mesmo nome e com rehepdia,
entre outros, oa districtoa de Lcrma e Villa Dio-
Burgos, diz aquePe erudito investigador, ci-
dade archiepiscopal e tl.irescenti, com a sua mag-
nifica catite .ral de arebitectara gothica, meludada
couttruir pelo santo re Fernando, honrada por
ter sido o berc > do inaigi>e D. Ruy Diaz de Vi-
var, o Cid Can cai-r. ful o alvo para onde se di-
rigirn} as avalle-idas do exerette Granees.
Os hespanhrs, entrinch. irados em Gamona!,
nao poleram resistir ; e, uahindo sobie clh's o
grosso do exercifo aple inieo, tal si o terror, 0 n
lucilo e desordem entre a tropa e o povo, tal a de-
bandada, que, deix.mdj armas e bagagens, fugi-
ram para Lerina, um dos distric'os da provincia
de Burgos. E' resumidamente o que diz a histo-
ria.
Mas no meio da gerai confusao, eis que inopi-
nadamente um em cabello, d minan lo sentido
prauto, lindi senhorita, residente em Villadiego,
que a tolos perguutava com voz entr .'coitada de
solutos ;
Adonde est el mi Gil Garra* adonde,
est t
Caramba respondeu Ihe um veiho hespa
nhol, afliieto por se livrar da senhorita que o se-
gurava : que pregunta me. hace useet ; hui sin
uda, como todos los mas !
- Nj lo creio : es imposible; el capitn mas
valiente del mundo !...
i E$ lo que le digo : hni, lom las bandas
4e Lcrma
o Vo al contrario; l tom ls de tilla
ene ; v/e solo por me salvar ; si : yo me vuel-
vo Uen cierta de encontrlo en mi casa; el tom
las (bandas) di: Villadiego.
A formosa senhorita oque nao quiz foi admit-
tir que o seu valiente capitn tivesse fgido para
Lerma, m^s que as az>s do a.or tivesse voado
para Villadiego, onde illa resida,afi:n de salval-a
de qualqner perig.
Deata incidente naseen para os hespanhes a
locueloTomar las de Villadiegoquando nao
se quer dizer abertam-ntefugirOs portueue-
zes, qu> toui phrase igual emdar sgambias dar
as trancas diaseram naotomarmasdar s de
VWadjgo -com a inesuia signitie^v-io e sentido.
o E', portauto, urna i xpr.-ssao irnica um ej
ihemismo, a phrate Tomar as de Villadiogo
que se emprega quando na. s deaeja usar ,1a pa-
lavra propria, que fugir.
PERwBBC
Assembla i'ntvincial
28 SESSaO EM 1 OE MAIO OE 1886
PSaSlDBSCIA OO BZM. SE. DR. JOSB HAHOEL D8 BABBOS
WASDSULET
Ao n--io dia, feita a chamada e verificando-se
est.irem presentes os Srs li itis e Silva, C 'elho d
Muraes, Barros Wandrrl y. Barros Barreto J-
nior, Soa'es de Amorim, Joo de S, Kodrign<-s
Porto, Julio de Baos, Visconde de Tabanga,
Herculano Bandeira, Domiognes da Silva, Joo
Alvea, Juvencio Mariz, Bario de Itapissuma, r"ra-
x- des Pitanga, Sophrouio Portella, Augusto Fran-
ku, Ferreira Jacobina, Solonio de Mello e Costa
Gomes, o Sr. presidente abre a aasIo.
Compareceai depois os Srs. Gomes Prente,
Drummond Filho, Regueira Costa, Lourenco de
Sa, Andi Dias, Reg Barros, Joo de Oliveira,
Costa Ribeiro, Amaral, Bario de Caiar, Rog-
berto e Jos Mara.
Faltam : com participacio, o Sr. Antonio Correia,
e sem ella, os Srs. Rosa e Silva, Goncalves Fer
reir, Constantino de Albuquerque, Antonio Vc-
tor, Luiz de Audrada e Ferreira Velloso.
O Sr. 1* secretario ro^ede leitura do se-
guDte
BXPEDIBITE
Ua> officio do secretaaio do governo, trausmit-
tindo o balauc > da receita e despeza do exercicio
de 18>4 a 1885 e o orcamento para o de 1886 a
1887 da Cmara Municipal de Jaboato.A' coin-
missio de orcamento municipal.
Um abaixo asaignados de moradores n> dia-
tricto do i arneiro de buique, pedindo ama lotera
par.t as obras da igrej i d'alli.A' commiaso de
petieoes.
Urna petieio do Mauo-d ilraclio de Aibuquer
3ue, requerendo aotorisaQo para a Santa Casa
a M8erieordia do Recife, permutar os terrenos
que tem no eugenha Bemfica. por immoveis sitiri
dos nesta capti, oa pur apolices da divida pu-
blica geral ou provincial.A' eommissi > de legis-
lavao.
utra de Manoel de Sonza Leal, arrematante
dos imposto* da feira da Gloria de Goit, reque
r^iido um abate da 3' parte do imposto arrecada lo
o exercicio de 1884 a 1883.A" commiosao de
arciineiito municipal.
Ojtra de Jos Mara de Oliveira, requerendo
consignacao da quota de '2:1154100, que Ihe deve
a Cmara Municipal da Victoria.A' commiaso
eV orcamento municipal.
Outra do Ferreira Rodrigues & C. e Paiva Va-
lente & C, negociantes desta praca, reclamando
contra a indevida cobrauca que ae est proce-
dendo do impoto de 3 por cento sobre mercadorias
reexportadas.A' commisslo de orcamento pro-
Tincial
Outra do engeaheiro Ri-hard Ziffer de Man-
hester, requerendo iseucao de direitos prov.nciaes
e munieipaes, para urna fabrica que pretende fun-
dar nesta provincia de machinas de fiar, tecer e
estampar, e para o material, maehinismo e na
teria prima, e betn auim impetrar do gorerno im-
perial igual iseneo.A' eommiaaio de peticoes.
Outra da mesa regedora da confraria do Seohor
Bom Jess dos Martyrioa de Goyauaas, requerendo
a concesoito da terceira parte da lotera com dee-
tioo as obras de aea igreja^-A* eoamiaaao da
peticas.
Outr^ ie Antonio Pereira do Monte, requerendo
consigoHco da verba de 864000 do aluguel de sua
cafa que servio de quartcl na cidade do Cabo.A'
commissSo da orcamento paovi-icial.
E' lido, apoiado, jalgado objecto de deliberacao
e vai iir primir o aeguinte projecto :
N. 61.A As-embla Legislativa Provincia! de
^ernambuco resol ve :
Art. anteo. Fica o nresdente da provincia au
atratar eom o capitao Geminiano do
Beao Maeiei, uu com quem m Ib .res vautagens
1 fi re Dfleftaa |t qae oecessiu a s
9| i) u', pdeudo
d.spend.-r at a quautia de 10:0004000.
Kev.'gauas as disposivo-s m e mtrafo.
Sala das seosoes de 1 de llaiu de 1886Rodri-
gu-s Porto,
O *ir. Ilodrlgue* Corto^r. presidente,
t.z-ni i p da oicarneut. mu
cipal e lenao h>je o projecto publicado no jornal
da casa, no 48 depare com um oagaa >, que con-
vm s^r coi rgido.
Assim, em ugar de sessenta mil reis, como diz o
parauraplio publicado no Diario, dnve ser 100
n '. segundo ode se verifi-ja. "o original.
Uavendo conseguiitemente um engao, peco a
V. Exe. que se digue providenciar, afim de ser
prevenido dito engao.
Tenho concluido.
Contina a discus.-io do requerinunto do Sr.
Jos Mara sobre a nomeacao de prof ssores.
O Sr. timpar de Drummund Fillio
(pul* ordeui) requer o adiamento da dscussao,
visto uio so achn- na csa o autor do requen
ment,
(-'insultada a team, resolve pela afirmativa.
Entra em dscussao o requeriinento do Sr. So-
Ionio de Mello, lii.o e apoiado na acallo antecu
dente.
O Sr. Kitlouio de Helio Peo a pala-
vra.
O Sr. president lTem a palav.-a o nobre depu
tado.
O Mr. Koloniu de MelloSr. presidente,
ja nesta casa algu'in dase que tu nao sou legi-
timo depurado.
Eu, Sr. presidente, contesto isto, dizendo que a
cadeira que oceupo me toi conferida peio brioso e
ndependente eleitorado do 13" districto, que tenho
a h i ara de representar, aasim como venbo confir-
mar, br. presidente, que sou o mais humilde mem-
bro des'a Assemblca
VoaaaNao apoiado.
O Sr. Solonio de MelloPortanto, s um dever
imperioso, a cujo cumpri nento nio posso exi-
mr-me. me aria vir tribuna, afim de pedir pro-
videncias a Exe. o Sr. presnente da provincia,
sobre diversos tactos, isto sobre o proeediuient
arbitrario e iDJaato de diversos delegados Ilite-
rarios contra urna porfi de professores, contra
diversos represent .ntes d'eata elasae, hoje alo
abnidonada e desorotegida (apoiados). S o eum-
pr.ment desse aever, Sr. president., seria capaz
de torcar-me a vir tribuna, porque, Sr. presi-
dente, alm de faltarem-me as habilitacoes neces
s iras e couheciineutos precisos, o meu acanha-
inento tal, que at a voz me fallece, como V. Exe.
deve eotar notando.
M..s antes de entrar na exposicao dos factos, que
fas objecto do meu requ-riment., dirijo me ana
ii brea eollegaa de ambas as bancadas e peco-lhes
que me disueusem a sua beuevoleneii, esta bene-
volencia que nuuca souberam negar, a quoin della
tem precisado, comoeu estou precisando ueste mo-
m.-nt.
O Sr. Drummond FlhoNio diz assim o Sr. Jo-
s Maria.
O S.\ Sclonio de MelloDigo eu, e cada qual
cumpra com o sou dever.
E para que, Sr. presidente, nio se diga que vc-
nh > levantar urna aceuscio ao administrador da
provincia; para que nio se diga que o meu reque-
riaicuto tem por liin ae.-usar a este ou aquello, sem
razio de er, eu drei aos nobres deputados: que
continuem trai.qul is as saas cadeiras. porque o
meu requermento procura apenas pedir nforma-
e indair-ir se S. Exe. o
coes e indagir se S. Exe. o Sr. presidentente da disto, esperaram quo chegasse o fim do mez. No
piovincia, ja tem scieneia (lestes factos, porque eu i da 1 de Janeiro pediram os seus attestados ; oas
a acreditar, que talvcz elle uio sai-
sou o primeiro
ba deste procedimeuto dos dcUgados litterari -s
O Sr Druinir.ond FilhoMas aecusa aos dele
gados Iliterarias. *
t O Sr. Solonio de MelloO nobre deputado v
que a minba aecusarij nio injusta, que uio
iufundada.
O Sr. Regueira CostaMas contra todoa oa
delgados ?
O Sr. Solonio de MelloNio aecuso a todoa os
e legados, porque s se aecusar a quem merece,
porque nao faco aecusacio systematica.
Mas, Sr. presidente, p..ra mostrar que a nainlia
aecusacio justa, para mostrar mesmo que nao
venho declamar e nrm fenho me oceupar de um
facto insignificante, mas do actoa revoltautes pra
ticados por autoridades que nio ae compeuetram
do cuinprunento de aeus deverea.
Para mostrar anda, Sr. presidente, que minha
aecusacio ciitenosa, cu vou principiar, como 8
costuma dzer, por casa; eu von comecar pelo de-
legado de Cabrob, o Sr. tenente-coronel Jos
Soares.
Um Sr. DeputadoPeesoa muito ds'incta.
O Sr. Solomo de MelloNio contests isto. Fi-
que certo o nobre deputado, que nio hei de tirar-
lhe as quali.iades boas, porm, nio Ihe d.u o que
elle nao po-su ; preciso que V. Exe. saiba que
eu zelo a roputac.'to deste bomem, po:s elle irmio
de inou pai.
O Sr. Regueira CostaEntretanto V. Exe. j
com. ga a censurar.
O Sr. Solonio de Mello^V. Exe. ha de ver que
nao venho ceisurar, venho a :>:usar arbitrarieda-
des e h'-i de pr v.ir porqu-'o f*eo.
as coiidieoes, -u ^.elos faetos que sei, eu aecu-
saria at ni. u pr.piio pai, se i ual prucedimxiito
tivesse.
O Sr. Dnnmond Filho -V. Exe. eutao urna es-
pecie de bruto.
0 Sr. 8 Ionio de MelloPermita o nobre depu-
tado que cu me explique: se meu pai fosse con-
servador, se perteucer a urna poltica diversa
(aquella que eu ad pto, e praticar qualquer acto
menos digno contra os adversarios, eu o aecusarei.
Em poltica eu s tenho um prente : sao oa meua
correlig:ouarioa. Por conaeguinte, eu devolvo in-
tacto, ae houve malicia, o aparto que me dirigi o
no ore deputado pelo 1 diatricto.
O Sr. Drumm<-nd Filho d nm aparte.
O Sr Solonio de MelloPara mostrar que sou
justo, -r. presidente, vou, como disse, comecar por
casa.
Teudo sido nomeado delegado litterario do dia-
tricto de Cabrob o Sr. tenente-coronel Joa Soa-
reado Mello Avelins, assumindo o exercicio no da
21 de Novembro do anno passado, no dia 3 de De-
zembro, l'i das depois, sem que nesse periodo de
lempo visitasse urna t Jas aulas do seu diatricto,
sem que examinasse um s dos livros das aulas,
negou atestado de frequencia a dous professores,
smente porque eram adversarios polticos.
Eu, para isto, cffereco urna prova a mais ineon-
cnssa; ella est na instruccao publica; e V. Exe
ha de ver qne foi tio smente por motivos partida-
rios o procedimiento que teve este delegado para
com os professores. (Apartes).
Mas, dizia eu que logo no dia 3 de Dezembro,
dez dia8 depois do dia em que eate delegado ha-
via assumido o exercicio, negou attestado a dous
professores, sem que visitasse urna das auas aulas,
sem que examinasse mesmo um dos seus livros,
por conseguintc sean que soubesse o que n'essas
aulas se passava, o que praticaiam estes proles-
sores. Isto era cousa que esse delegado nao po-
da fazel-o.
O Sr. Regueira CostaPorque ?
0 Sr. Solonio de MelloPorque a le nao aajf
mine. V. Exe. compulse o regulamento de 6 de
Fevereiro, que ha-de ver a exigencia da visita dos
delegados Iliterarios e ourras obrigacoe3
Assim, pois, andou mal o Sr. delegado, porque
um empregado ni se deve levar por intormacoes
e sim pela exactido dos factos.
O Sr. PitaugaApoiado.
O -r. Solonio de Mello- Mas, os professores as-
sim perseguidos nao desanimaran), esntinuaram a
exercer o seu magisterio com tedo o zelo e ass-
duidade, suppondo que aquillo fosse um acto de
puaca r. floxio do delegado Iliterario e que elle
proenrasse mais tarde supprir essa falta em que
tinha cabido.
Mas, illosao eompleta !
Chegou o fim do mez seguinto, esses professores
pediram sena attestados e elles Ibes foram negados,
e com a cirouiostaneia de traaerem mais nm traco
negro sobre elles, que faziam distnguir-se do do
mez antecedente.
O Sr. Drummond FilhoQual era este traco
negro ?
O Sr. Solonio de MelloEu direi a V. Exe;
era mais urna infamia que aquelle delegado litte-
rario tinha atirado contra os dous protesacras de
'Cabroba liberaes.
-0 8r. Drammond KlboV. Exe nao poda ax-
risair-se asi com rekfio o delegado I
senhores, quaes torain esses attestados que o de-
legado litterario pasaou ? Attestados negativos
de nio terem stado em exercicio, mas nio esta-
rem em exercicio, Sr. presidente, em um mez que
a le t-viou dando Ibes os seus ventimentos !
(Trocam-so muitos apartes).
Os professores tem 40 ou 45 das feriados e du-
rante elles basta os protossores estarem n sede
da cadeira para receSereu! os seus vencimentos
O Sr. Ferreira Jacobina Continu, qu vai
muito beoi. Ceg o que uio qur ver.
O Sr. Visconde de TabatingaO leader conser-
vador eot no seu direito ; quer defender o seu
delegado.
O Sr. Solonio de MelloPorm, Sr. prasideata
o delegado litterario de Cabrob qae tiaha Beta-
do com as intormacoes d'estes professorea esa aeu
poder, e vendo que estes professorea havian de
sahir-se muito bem, desde que se tiuhaaa defen-
dido com mu'.a vantagem, desde que tuhaai aies-
truido as palavras da aecusacio, da primeira at
a altima, tinham eamagado eom documentos eoaa-
probtorios, desapontou e entao bradou em altas
vozes para todo o mundo saber :ae foiwca feli-
zes l ; nunca mais bao de ser telizes aqui, porque
eu nio dou attestado. Podem ser feliiee l paran-
te o conseibo litterario, mas nunca aqui, porqaa
es- reain elles o magisterio coma exercerem, eu nio
Ihea darei att"stado, porque nao quero.
O Sr. Regueira CostaV. Exe. est fazenda
urna injusticia.
O Sr Solonio de MelloOra, eu que moro em
Cabrob e conheco perfeitameule este tacto, posso
estar fasendo injustica aquelle delegado litterario ?
O Sr. Regueira Costa Porque nao ?
O Sr. Drummond FilhoO nobre deputado de-
clarou que seria capaz de aecusar at a seu pro-
pno pai!
O Sr. Solonio de Mello -Se elle o more laese, ae
tivesse o procedmento igual a este delegado de
quem me oceupo
O Sr. Drummond Filho.Nio aceusava, nio, eu
sei como sao as cousas.
O Sr. Solonio de MelloSou, com efieito, Sr.
presidente, liberal intransigente, orgulho-me de
pertencer a este partido, mas nao tenho paixio po-
ltica, nio neg a verdade para satisfazer pai-
xoes polticas e n-m pretiro direitos alheios,
O Sr. Gomes Prente En tenho noticia que o
nobre depurad: veo para aqu com votos conser-
vadores.
O -r. Prxedes Pitanga0 que tem isso? Que
Icmbran^a.
O Sr. Solonio de Melle E' mais tuna glora pa-
ra mitn e posso at dizer a V. Exe. os mimes dos
con8ervadoreo quo me bonraram com os seus votos.
Urna vea que o nobre deputado exige, uio tenho
duvida ein contar-lhe essa historia.
O -r. Drummond FilhoE' urna outra historia
que V. Exe. vai contar-nos. Oucamol a.
O Sr. Solomo de MelloForcado pelo .parte do
nobre deputado, vou contar esta historia.
Em Cabrob tive seis vodos conservadores, e
teria tido i'ove, se o Sr. tenente-coronel Jos Soa
rea nio se recusasse a entregar tres ttulos, s
para nao votar.m em mim.
Ora, o facto de eu haver obtido votos conserva
dores em Cabrob, contra a vontade do chefe, im-
porta dizer que cu tenho alguma importancia na
locali Jade de uiinha leaidencia
O Sr. Prxedes PitangaSera duvida.
Um Sr. DeputadoTem importancia l em Ca
brob?
0 Sr Solonio de Mello0 nobre deputado na-
turalmente acha isto vaidade da miuha parte, p
de ser com effeito urna vaidade, mas eu presumo
tor importancia na miuha localidade.
Um Sr. Deputado V. Exe. me pedera dizer se
o nobre deputado seu companbeiro de districto te-
ve votacio liberal ?
O Sr. Solomo de MelloEu nao sei informar,
porque l ae deram certas cousas com relacio
eleicio, certas escamotagens de votos a priso.-s de
eleitores liberaes, mas nio foi na eleicio do nobre
deputado o Sr. Gomes rente.
O Sr. Drummond FilhoFoi na 2 escrutinio,
na i foi ?
O Sr. Solonio de Mello Nio seuhor, foi em ou-
tra .
O Sr. Gomes Prente Em Salguciro, V. Exe.
teve votos conservadores.
O Sr. S Ionio de MelloEm Salgueire tive nove
votos, at o do proprio vigario e d tabelliio Ce
mentino de Albuqu- rque; tive ainda urna promes-
sa do Sr. R .mi para me dar alguna votos, mas
nao comprio a prou.essa Nem por iaso, porm, eu
deixo de ser-lhe grato pela boa voutado que teve.
O Sr. Drummond Filbo d um aparte.
O Sr. Solonio de MelloSe V. Exe. fosse oon-
servador l e eu pdense deixar de dar titules a
eleitores qae voUssem em V Exe eu fazia o mes-
mo que elle fez ; esta va no seu direito.
0 Sr. Drummond FilhoMas entao nao o cen-
sura por eate facto ?
O Sr. Solomo de MelloNio aeaaor, elle esta-
fa no sea papel.
que um carcter muito respeitavel e que est
cima des:as aecusacoes.
O Sr. Solonio de MelloEu nao venho aqui, meu
nobre colleja, faltar verdade, preciso que V. Exe.
me faca essa justic i.
O Sr. Drummond Filho d um aparte.
O Sr. Solonio de MelloV. Exe. tenha outro
proe-diraento, eu tenho este que para mim tudo,
lefender os opprimilos.
(Troca m se mu i tos apartes.)
Eu vou satisfazer ao meu collega do Jistricto,
.que pergunton-me se esses dous protei-sores sao
perineos: Esses dous prole'sores, Sr presidente,
nio sao polticos, sio liberaes somente ; o a prova
ile que nj.. podem elles ser poli, icos a seguinte :
um delles um moco filho d--st capital, que s
no mez de Abril ou de Maio l ebegou, nao po
dendo alistar-se em .Setetnbro porquo Iho tattava
um anno de residcucia ; vieram as eIei;oi-s e elle
em neuhuma dellas votou.
(Apartes )
M..s, preciso cortar_se 0 mal neia raz, pre-
ciso botal o para fra.
O oulro nao exerce direitos poltico, Bem pode
exercel-oa, p.Tque 0 8(U gexj o afasu disto, oois,
urna seuhora, mas uma senhora que tem contra
si o grande criuie de ter-se caaado com um liberal,
e contr i qu-m ae deaeja exercer vingancaa.
O Sr. Regueira CogtaDe tudo quanto V. Exe.
tem dito s aebo motivos de buvorea para os dele-
gados litterarius.
O Sr. Solomo e MelloEu chego l, o fique V.
use certo que hei de por btstante patente e claro
ease quidro triste de que V. Exe. ri-ae e zomba.
(Troeam 8e muitos apartes.)
Eu nio veaD0 aqu faltar verdade, venho ape
as dizcl-a tal qual ella custe-me o qoe cuatar.
(A .artes.)
J detzei referida a negativa dos attestados com
relacio aos mezes de Novembro e Dezembro ; mas,
Sr. presid nte, quando o Sr. delegado litterario de
Cabrob negava o segundo attestado a esses dous
professores, ji tinha encaminhado pelo correio para
esta capital uma mocstruosidade contra esses
professores, j elle tinha feto seguir para o Dr.
inspector da Instruccao Publica dtias represent i-
coes falsissmas contra esses empregados que bem
caro estao pagando suas crencas.
Uma voz' porque quera as cadeiraa psra
outras pessoas do poito.
O Sr. Solonio de MelloDiz-se at que uma Jas
-adeirm para d .lar nina mtea.
O Sr. Drummond FilhoVai ae casar com a-
gum lber 1 ?
O Si. Solonio de MelloNio, senhor, vai 3e ca-
sar com o agente do corr o qoe para all foi lti-
mamente nomeado ; ella ajustou o cnsaraento ; mas,
seguudo li dizem, como a cadeira ainda nio va-
gn est marombando.
Mea voltando desta cidade para Cabrob a rc-
presenticio que o delegado litterario tinha dado
contra estes dous professores, para iuformar, elles
prestarais as iiif.rmacoes com tanta vantagem,
como uio possivel a tolo o aecusado defenderse,
elles provaram o seu b->m cumportameut >, zelo e
assduidade, c >m documentos comprobatorios dados
por autoridad -8 e p;;ssoas mais gradas da comar-
ca, cujas assignaturas estavain reconhecidas pelo
tabelliio.
Uma Voz. E aleona sendo pais de familia.
O Sr. ^olonio de MelloEram, e alguna deram
docuraeutos contra o gosto do delegado litteririo,
perdeudo por isto at os seus lugares, com aajcee-
deu como offieial de juatici Jos Joaquim Xavier.
(Trocam-se muitos apartes).
Deixemos as reprcseuf.coes informadas ; mas
quando foi no meado de Dezembro, estes professo
res como era de costume qu indo exercia a dlo
gaeia litter.ria outro cidadao mais justo, pediram
os aeaa attestados. vist > como o mez era feriado,
mas o que fez este delegado litterario ? evolveu
as petieoes em braneo, dizendo aos professorea que
pedirs> m os attestados no fim do mez, somente
quando daria.
(Trocam-ae muitos apartes.)
Esses professores, porem, uio fiaeram cabedal
Mas, Sr. presidente, eu nao quera de modo al-
gum ser eleito mediante uma tranaaecio, como
outros tem sido, porque entao nao teria coragem
de dizer o qae estou dizeado.
O 8r. Regueira CostaPorque ?
O Sr. Solonio de MelloPorque estara mane-
tado.
Um Sr. Dep'itadoPos, eu tenho sido eleito
com votos conservadores e liberaes.
O Sr. Solonio do MelloA cousa c muito
differente ; pode haver liberdade de acedo.
Mas, como ia' dizendo, sobre o delegado de Ca-
brob : desapuntado perqu estava e-.nvreiicwo
mesmo de que estes dous professores j nio po-
diam ser duas victimas inmoladas sua paixio
partidaria, gritou em altas v .zes as ras para
que todos o ouvissem : ainda que sejam feliz-o.
eoino eu presumo, jamis eu lhas darei atta tadoi
de frequencia.
Ora, V. Exe. sabe, Sr. presidente, que nio po-
da haver mainr vmganca, porque desde qne um
proteae >r nao tem attestado do delegado literar.o,
nio pode reecber os aeus ordenados, e desdo que
nao po-ssaai receber o fruc'o do seu suor, sio duas
victimas oondemnadas forae eternamente, porque
eu j ouvi dizer ao Dr. Gaspar Drummond, que o
seu partido jamis deixaria o poder.
O Sr. Drummond FilhoEu disse que Vv. Excs.
perdessem a esperance de subirem no reinado de
D. Pedro II
0 Sr. Solonio de MelloMac, Sr. presidente, o
que fazia o delegado litterario de Cabrob, quando
tinha este procedimsnto com os dous professo-
res ?
O Sr. Gomes Parante Mas ello nao deu attes-
tado?
O Sr. Solonio de MelloDeu a dous conserva-
dores.
Um Sr. deputadoTem dado ?
0 Sr. Solonio de MelloEu nio chamo attesta-
do negativo, .testado ; porquo com elle uio pode o
profeesor receber seus vencimentos.
U:n Sr. DeputadoE V Exe. quer forc-ir o dele-
gado a dar attestado ?
O Sr. Solonio de MelloA prova do qu I ca nio
quero forcal o, que ainda nio solictei delle fa-
vor algum ; quero apeaas que elle seja justo c
cumpra o seu dever, isto o que eu quero.
Dizia eu que a proporcio que o delegado littera-
rio de Cabrob tinha esse prucedimento com estes
dous professore?, o que fazia com os outros dous
professores amigos, dous professorea contracta ios,
dous profcsiores conservadores ? Fazia o aegun
te, como fez com o professor contractado de Bu-
lm, que pedindo o attestado do mez de Janeiro e
juntou o pait. diario do frequencia de 12 alum-
nos. O que f'Z eate delegado ? Attestou que a
Era i lenaia nio era de 12 e aira de 14 alumnos.
O Sr. Regueira CostaE V. Exe. sabe como
calculada a frequencia ?
O Sr. Solonio de MelloSei, por meio de uma
proporcio. Pe eu nao soubesse discutir esta ma-
teria, nio estava *qu na tribuna, e isto se pode
verificar, podindo-se este attestado ao Dr. Jos
Honorio Bezerra de Mcnezes, procurador do pro-
fessor do Be.in.
E' l, Sr. presidente, quo ae pode verificar o fa-
vor que esto delgalo dispensa a esses dous pro-
fessores, quando uega aos outros.
(Apartes.)
Sr. presidente, pareee-me que quando fallo no
delegado de Cabrob, ncommodo aos nobre3 depu-
tados da b-inoi Ja conservadora. E preciso quo 03
nobres deputados 3aibam que eu sou incapaz d
iizer injusticH, tenham pacieucia.
O Sr. Gomes Pareute Falla apaixonada-
tnente.
O Sr. Solomo do Mello Nao ha tal, V. Exe.
dirija-se InatrneajSo Pnhlica e l encontrar oa
dous procesaos e li i .i -'-. idlfi ;a que vai da
aecusacio para a defeza.
O Sr. PresidcutePeco ao Sr deputado que re
suma o seu discurso
O Sr. Solomo de MelloSr. presidente, eu vou,
agora passar para o segando delegado, deixindo o
primeiio con sua consciencia gasta pola ferru-
gem de velhos remorsos, qu j embotaram-lbe a
mea.na consciencia.
O Sr. Presidente A hora est linda.
O Sr. Solonio de MelloEu vou sentar-we.
O Sr Rodrigues PortoJ requer uma proro-
gacao da hora para V Exe. continuar.
VozesQueremos ouvl-o.
Tem mesa, lido, apoiado e approvado o se-
guinte requerimento :
o Requeiro prorogac3o da h.'ra por 20 minutos.
Rolrigucs Porto.
Sr. Presidente Achando-se na ante-
sala uma commiaso de empregados pblicos, no-
saeio para com ella se entender os Srs. Vigario
Augusto Joio Al vas. (Para o Sr. Solomo de
Mell -.) O nobre deputado pode continuar o seu
discursa.
O Sr. Soleoio de Mello (continuando)Teoho
medo de fallar no 2 delegada Iliterario, tenho
raedo, Sr. presidente, de largar o Io delegado lit-
terario para oceupar-me do 2*, porque o 2 um
laedonho.
(Apartet).
Sr presaente, quando o delegado litterario de
Cabrob eneetou a sua tarefa, negando aos pro-
fessores os attestados de frequencia, parec.a que
j estavain justos e contratados estes delega ios
aos quaee se refere o meu requerimento, quando
ngaram esse3 attestados aquelles dous professo-
res de Cabrob, o 2 delegado que figurar no meu
requerimento e que se chama Marianno da Costa
Araujo Japiats, negara ao -professor Eduardo,
que um distincto cidadao, um Bsooo iut Migcnte
e profissional em materia de ensino publico, um
moco que tem mais de 10 anos*de pratici de e
sinar, nio iaterinamenle, mas esmo profossor con-
tratado.
O Sr. Costa RibeiroApoiado.
O Sr. Solonio de Me loMariano Japiass ne
gou-lhe os attestados e mais tarde susp.-ndeu-o do
exercicio do aeu magisterio. Achaodo, porm,
Marianno Japiass qae nao estava no seu papel,
forgieou e faUficou atistalos, com os quaes re-
presento i contra esto moco, o qul a estas h ras
ji deve estar segundo me consta, defendendo se
desea moustruosidade que se chama processo dis-
ciplinar.
Porm parece me, Sr. presidente, qua Mariano
da Cesta Araujo Japiass tendo reeeio on por ou-
tra. tendo a certeza de qu Eduardo M. de Moura
havia de defender-se plenamente, como os outros
seus collegas de Cabrob, o que fez ? Man dou
ameacar publicamente por capangaa a Eauardo,
como aeu costume fazer.
O Sr. Gaspar de Drummond FilhoEata nma
3 historia, que V. Exe. est contndo.
O Sr. Solouio de MelloEsta e a 2 com rea-
cao ao 2* delegado a ao professor da Villa de
Leopoldina ; V. Exe. est se encominodaudo
muico.
O Sr. Gaspar de Drummond Filho d um
aparte.
O Sr. SoloniD de MelloRepito, esse 2* delega-
do litterarir, entendendo que nao estava no seu
papel, reoorreu, na forma do cestum, falsidade,
isto forgieou, camo lse, attestados falsos e com
elies deu parte desse professor ao Dr. inspector
da Instruccao Publica.
Um Sr. DeputadoE' uma aecusacio grave.
O Sr. Solonio de MelloE' grave, e nem pode
deixar de ser ; mas o qae atiaoco que dipo aqui
nicamente a verdade, (apartes) verdades que j i
mais poderio ser contestadas, e uio conseguindo
botat-o para tora, recorre volencio. Vendo que
elle M defenda, manda ameaoal-o por capangas
armados, e o moco nao tendo forca para se ga-
rantir, dexa a villa e procura a casa de amigos
fra de l, onde vai aguardar o resultada do tai
processo.
Eu poderia provar ao Ilustre representante do
! districto, qua todo tem acontecido, como eu ve-
nho de dzer. Eu poderia provar quem este
Japi .ss ; mas nio posso fazer deata occasiao,
porque a materia extranha ao meu requeriioen
to. Conseguintemcnte, querendo lindar com a mi-
nha tarefa, vou pasaai p ira o Granito, la onde
. xiste o terceiro tomo de M-irianno Japiass.
0 Sr Drummoad Filho -Ha de ser maito bom
esse terceiro tomo.
O Sr. Kegueira CostaNaturalmente ha de ser
interessaute. E' um diatincto cidadao.
O Sr, Solonio de MelloV. Exe. conhece o de e-
gado litterario de Grautn V
0 Sr. Regueira CoataPois nio.
O Sr. Solouio de MelloDiga me o seu nome
O Sr. Regueira Costa Ora, V. Exe. quer fazr
sabrtatiua couHPigo? Julga-me menino de escola 1
O Sr. Solouio de M lioO del.gado chama se
Simio Geraldo, de medonha tradiocio. A tra-
dicco deste individuo, Sr. presidente, um horror
l no serta".
O Sr. Drummond FilhoCont mais esaa his-
toria.
O br. Regueira Costa Se o nobre deputado se
dedicaste s lettraa, aeria um romancista bem
aproveitavel.
0 Sr. Soloio de Mella -V. Exe. nao pode dizer
que eu estou phantasiando, porque nio tenho geito
para isto.
O Sr. Drummond Filho- E' o que V. Exe- tem
bastante.
O Sr. Solonio de MelloMas, 8r. presidente, o
delegado de Granito, Simio Geraldo, homem de
tal quilate, que o padre Manoel Antonio nio bap
tisa urna creanca com o nome de Simio, nem qne
V. Exe. Ibe d um como de r.'ia, p0r cansa do oV le
gado litterario d" G<-aoit>. que m asa pareut-.
O Sr. Regueira C.staQuem e,u. p dr.
O Sr. Solonio de Meo.') p.ire Haaaxl An-
toui de Je-nH.
Este del'-gado littra'io en'endeu quo devia la-
ser as todas om o padre, isto o-meam. que j
havia f-to com outros. Mas o padre que homem
de fa-a c faei., atM commigo: voc c .insigo
i,", ia o".' b "o. Son". o i. n.ipi- linha sua
polica, cusa ,-upp-Tor faca e t-co, p ,z a OBM
do padre debaxo de cerco durante tres dias at
que ello se rendeu
O Sr. Regueir i CostaQuando foi isto ?
O Sr. Solonio de MelloNao m- lembro da era.
O Sr. Drummond Filho lato ha uns tre anuos
pouc i mais ou menos.
O Sr. Solonio de MelloFoi aa stuayi> conser-
vadora passada.
Mas, nio podendo o padre resistir a Simio Ge-
raldo que tinha torca euperior. que dispunha a
sua vontade de toda a polica, nio teve remedio
senio render-se para nio morrur de fome e sede.
D'ahi que vem o terror do padre Manoel Antonio
pelos Simoes.
D'ahi V. Exe. tire a illacio quem este Simio
e o que ello nio estar fazendo com oa pobres pro-
fessores .
O Sr. Drummond FilhoV. Exe. est compro-
metiendo este padre.
O Sr. Solonio de MelloNao, porque um ho-
mem de carcter leal. V. Exe. gostou muito disto ?
O Sr. Regueira CostaMas de faca e ccete.
O Sr. S.Ionio de MelloEsta padre orgulha ao
era dizer que am bomem que uio tem medo de
ontro homem. Consoguntemente nao Ihe faco in-
jnstQas. Tenho ouvido elle dizer muito isto.
Um Sr. DeputadoQu-' p idro inedouho !
O Sr. Solouio do MelloSe V. Exe. da vida do
qu* estou dizendo, v casa do padre Novaes,
ra do Cabug e elle Ihe dir, o que o anno pas-
sado ouvio do padre Manoel Antonio.
O Sr. Drummond Filbo Nio duvido ; o que
digo quo V. Exe. est comprometiendo este pa-
dre.
O Sr. Solonio de Mello Nio estou compromet-
iendo, porque digo a ^erdade. Eu nao colloco
documento algum cima da palavra de um sacer-
dote, quando elle digno.
Pois, Sr. presidente, este delegado litterario en-
tendeu de s pira si, l no seu Granito, nio dar
tambom attestados aos respectivos professores.
Eu poderia lor ante esta Assembla esta carta d-,
u:n aeugo, cujo nomo nao posso revelar. E Vv.
Excs. ficariain entilo saben Jo de que eu aqu es-
tou dizendo a verdade e nada mais.
O t. Gomes PrenteSe eu po lesse tambora
ler urnas -artas que tenho na algibera, o nobre
deputado havia do ver.
O Sr. Solonio da Mello Prosoguindo as mi-
nbaa observacoeis -'r. presidente, dig) que na le
se encoutra o recurso para chegar se I citameote
ato ios os us, sein extorioes de direitos adquir
dea.
O Sr. Presidente O temp> est a terminar.
O Sr. Siloui) da Mello Ea vou concluir, por-
que eom relacio ae q i irio nada mais faco do que
opp>r o q\f. tenha dito (loa outros para elle
tamben.
Um Sr. 'eputadoE' a misma historia.
O Sr Solomo de Mell >E' a mema (listona, i.
port mto deve caber a responsabilidad.; a cate
quarto tambem.
Um Sr. DeputadoQuem o quarto ?
O Sr Silonio de MaleE' do Ex ete delega-
do litterario, quo os nobres d-putado3 pedem-me
que doeline o nome. Pensa a bancada conserva-
dora que nio conheco este delegado ? Quer tai-
res o nobre depotado ver se me apanha era on-
tr iie,a i ? Cuno se encana V. Exe. ; eu vou sa-
tiafaaei-o e tiral--o d'esta supposi^ao.
O quarto delegado que figura no meu requeri-
mento, que do Ex, aquelle mismo que no dia
14 do Janeiro prendeu aos eleitores liberaos do
Ex. para nao votarem no candidato liberal, o
Sr. Leoiel Alencar. E' um desp.ta.
O Sr. presidente -Ja paaann cinco minutos da
hora.
O Sr. Solonio de Mello -Eu peco licenca a V.
Exe. para concluir.
Leonel de Carvalho perseguinlo as professores
do Ex, nio tem por fim seuo demittil os ou re-
morel->s, oomtanto que as cadeiras de instruccao
primaria do Ex, tquom vagas. Ser isto por
patriotismo d'elle? Ser para ajudar a salvara
provincia do descalabro em que marcha 'i era
para augmentar as fontes de reuda da p ovinca ?
nao ; a prova d'isto que as cadeiras ai-da estio
eom oa professoros e elle j est tunando dinhoi-
rn premio na cidade de Crato, para pasar com
os or-lenadoa dos futuros professores. D'isto nio
tenho provea, era boato que circulava n> 13 dis-
tricto que n'esta cidade j se sabe tio bem.
Eu, Sr. presidente, poda ainda referir um facto.
mus nio devo fazel-o, porque nio pule d'isto apa-
nhai um documento. ma3 talvez o taca em outia
o -casiio.
Tendo V. Exe. me avisado pir diversas venes
que a hora estava fin a, eu termino agradeendo
a i s a V. Exe. que diapensou me tanta bondad,
soaso tambera aos mena colu-g.s qoe tiveram a
b n.-voleuew le ouv.rem esse meu iicsalliuahiado
diaenrao. (Nao apoiados).
Tenh dito
VozesMuito bem, muito bem.
A dscussao rica aJia 1* pela hora.
(Con/anua.)
---------------fiara-'----------------
BMESOAS APKESENTADAti AO ART. 2" DO PRO
JECTO N. 4-3 DE 1886, EM SESSAO DE
IIONTEM ^ORCAMENTO PROVINCIAL
N. 70. 4:000 para a conatruccao de um acu-
d- na comi.rca .le li ia-V8ta.Solonio de Mello
N 71. 4:'RX> para a conatruccao de um acu-
de no ter no do Granito.S .Ionio de Mello.
N. 72. Para ser col 1. cada onde couber : para
as obras da matriz da Boa-Vista, i:000/.Viga-
rio Augusto.
N 73. 2:000i para a construccio deum acude
no Ouricury de Cabrob.Solino de Mello.
N. 74. 4:0 O para a construccio de um acude
no termo de Leopoldina.Solonio de Mello.
N. 75. 1:000 para auxiliar a construicio de
uma casa de mercado na villa de Cabrob.Solo-
nio de Mello.
N. 7G. 1:000* para auxilio do concert da
igreja velha da viUa de Cabrob.Solanio de
Mello. .
N. 77. 1:OOOJ para a coistruccao das obras
da matriz da cidade de Pesqueira.Joao Al-
ves .
N. 78. Para ser coiloeada onde convier. Fica
o presidente da provincia autorisado v. emprestar
Santa Casa de Misericordia, a quantia de
60:0.10/ do valor d emprestimo concedido, afim
de occorrer ao pagamento :o que deve a mesma
Santa Casa, e continuar as suas nespi-zas, sendo
este deduzido dos semestres a seguir na proporcio
de 20 / do tlue Santa CasaDr. Pitanga.
N. 79. A 34 do art. 2 aecroscente-ae : in-
clusive o que se est a dever ao capitio Ismael
Clementino Bezerra, pelo fornecime ito que, por
ordem do Dr. juiz de direito da comarca de Igua
raas, fez ao destacamento da villa deste nome, e
em vista dos documentos que o m-sino Cnpito
apresen tu.-B. de Itapissuma.
N. 80. Ao 25. obras pub.icas. Em lugar
das palavras, vencimentss da tabella anterior
le n. 170, diga-se: vencimentos da tabella da le
n. 1790. O mais como est. Ratis e Silva.
N. 81. Para ser enllocada onde couber. 200/
para o expediente da casa da ordem no quartel
do corpo de polica.Sophrcaio Postale.Gomes
Pareutn.
N. 82 Augmente se na verbaillurainaco pu-
blica3.-C50/ para 50 lampeoes na cidade de Pao
d'Alho e 2:920/ para 40 ditos na cidade da Glo-
ra de Goit.Dr. Joio de S.Bario de Itapis-
suma.
N. 83. Ao 22. Em lugar de 1:100/ diga-se
2:000/.Gomes Prente.Coelho .ie Moraes.
N. 84 A decima parte da renda arrecadada
fcer applicada ao resgate da divida publica pro-
vincial.Dr. A Costa Gomes.
N. 85. Ao 12. Em logar de 466:90G/920 di-
ga se 536.906/920.Gomes Prente.Coelho ie
Moraes.
N. 86. Bibliotheca provincial. Empreg'doa na
forma c numero da tabella do 19 da le n. 1499
de 29 de Julao de 1880 e mais um servente com a
gratificaeao ae 720/, 7;230/. Expediente e asseio
da casa remonta e compra de livros, 1:500/. -Be-
go Barros.Joao de Oliveira.Visconde de Ta-
batinga. Hirculsno Bandeirs. Constantino de
Albuqueique.Sophronio Pcrtell*.Dr. AtXa
Gomes.Kcreira VellosoJulio de 'Bmajt
Joio Alvea. Barros Barros Jnior.
N. 87. Instruccao primaria. Professorea,* ale
accordo com a segcinti- tabella :
1 ,1 entrela 800/ de ordenado e 300/ eV'^sa-
tica^io.
2' entrancia 500/ de ordenado e 800/ de'syn-
tificacio
3a eirrancia 1:0005 de ordenando 409/le
gra'ific
Supo i ni las ascadeii is contrata !-is o a* eac-
turmw oOM/Wf
Alaguel do casas para escolas, loeimmti.
diurno 60:000/M
Poriiecimnnto de movis compras d.'traroa
paraos aluinos pobres 8:
N. 17. Suppriin .-- Eego Ban-s -limnx-
lano laniei-a. -Dr. Costa Gomes. Viocoade da
Tabatinga.Joio de Oliveira. Soares do Aieariae..
Luiz de AndradaRodrigue Porto. Casuta-
tino d.- Aibuquer., .Ferreira Ve.losoJulia dK
Barros.Joao Al ves. Barros Barrett > Jnior.
N. 88. Escola Normal. Professores, na focase
da tabella n. 2, aun xa ao reglamento deCde
Maio de 1873 22:773Jt2i
Empregados na forma da mesma tabella, scsi-
primida a gratificaeao do secretario, creada o la-
gar de continuo com oa meamos vencineotoeWsat
Gymnasio e reduzidos os serventes a dous enai a
gratificaeao de 720/ 700 >/0S8
Kego Birros.J"io de Oliveira.Ferreira Vet-
loso.Herculano Bandeira.Julio de Barre*.
Joio Alvea.Barros Bar eto Jnior.
N 89. Instruccao publiaaEmpregado aifac-
ma e numero da tabella n. 3 annexa ao Reg. d< -.'
de Abril de 1879, supprimindo um lugar de
nuense e um de servente, percebendo o serv
gratifieacee do 72 /, 14:920/.Reg Barrxn.
Joio de Oliveira. R idrigues Porto. Hercciaas
Bandeira. Luiz de Andrada.Visconde n: Tx-
batinga,Ferreira Velloso. -Julio ie Bairoc.
Barros Barreto Jnior.
N 90. Gymnasio ProvincialProfessoret, eaaa
os ven-Jmentos da tabella n. 2, anu;xa ao Bg- aV)
23 de Junli. de 1879, supprimidas as cadeirxs ie
allemio, italiano, seiencias natoraes e insmoE&e
primiuia, e uma das de geographia, os lagares preparadores do musen e da cadeira de sejea-xas
uatuaes, de professores de msica, deseosa a
gymaastica, devendo o professor adddo ser gr-
vido na priin-ira caieira que vagar e suppnMCJa!
as gratificacos dos professores cujas cadeiras ti-
Verem menos de 10 alumnos de frequencia 3' hifltjv.
Empregadolupprimidos os lugares de r lor, censor, medico, mordnmo a monitores, peree-
bendo o secretario os vencimentos da tabella a. 2,
annexo ao Reg. de 23 de Junbo do 1879, o psrte-
ro o ordenado de 800/ e a gratificaeao de 409/ *
os dous continuos o ordenado de 70)/ e a gr*tS-
cacao de 300, cada um, 5:200/.Rogo Barros.
Constantino de Albuquerque. Joio de Olivar,
Luiz de Audrada.Visconde d Tabat'nga.Saae-
re3 de Amorim.Rodrigues Porto.U mili de
Morase,Dr. Coat. Gomes.Julio de Bares.
Joi AlvosHerculano Bandeira.Barro: Br-
relo Jnior.
N. 91. Fica o presidente da provincia aitsc-
aado a deapender 3:000/ para deaapropnar* it
casa que serve de quartel af cidade de Jabead*.
">r. -'tanga.
N. 92. A. i 27.En lugar de 4:215/
_:'i K)J -C*lhu de M >-.. -
\ 93. A-.g2.S-Em lugar de 100:000/ diga-e*
15 i:00 N. 94 Ao41D.-pois da palavragun:
aecresceute se : sendo o numero dcstes elerzdee
14 com os vencimentos de 720/ cada um., el-vaai-
do ae a verba 10:0i0/ Coelho de Moraess
Goin s Pareute
N. 9j. Substitutivo.Substitua-se o 25 rete
seguinte :
Empregados da reparti<;ao, pereebendo o "raaei-
mentos constantes da tabella infra ; supprimidse
os lugircsde 3 engenbeiros de districu)3, de sa
th-poureiro pigador, venceudo o guardados jarfia*
pblicos 1:000/000.
Tabella
Director
Engenheiro ajudante
Conductores de 1* classe
Dito de 2"
Seeretarii
Amano-nse
Ag nte pagador
Deten ti
Porte i ro
Continuo e archivista
Coelli. de Maraes. -Gomes Parent .
N. 96. Ao 65 accreacente-se ao finali fes-
porcao que forem vagando.
KCVSTi DIARI
4:300/SSa1
3:400fJi
2:30iiK
1:6' Mitn
2:0 3M
7uo/aao
l:60U/tal
1:20(1*3
l:20DMi
1:400' t
imembla Provincievl Fnnoei.
hon'. ni. sob a presideucia do Exin. Sr. Dr. ak
Man- el de Barros Wand-rh-y, tendo compartis)
32 Srs. deputados.
Foi lida e approvada, sem debate, a acta 4a
sessilo antecedeute.
O Sr. I" secretario rjcedeu lcitura do *es>-
te exped -nte :
Un ofHcio do -r. deputado Dr. Antonio JefceM.
i los i Ribeir i eommunic-indo ter dallado de eaaa
par cer s sesso-s porque se aeba doente 4as-
teirada
Outra do secretario da assembla !<'gsia9
.o-.viiicial do Kio Orande do Norte agradecoaiaa
icmessa dos annae3 de 1885 Iuteia la.
Outro do secretario do governo da proviaeie Ae
S. Paulo- ilosannae-i iie 1885 er-mett-ndo a colleccieaaw
leis de 1885 Inteiada, indo a archu-ar as Ira.
F o A imprimir um projecto soo 83, pr.-cedie
de parecer da cooimisaao do petieoes, autor'sasai
a n. o-, nraoona do perreiro do cemit.no puWas
.ie Sauto lasara, om um v .to em sep-.rad.i iae-
feriudo a peticao de Francisco Antonio ie MeaaV
zeB, porteiro do mesm > e. miterio
Foi lido e apoiado, fi.-aaso sobre mesa, Saar
de ser opportunam-nte d.sentido nm reque imemtm
dos rs. Prxedes Pitanga e Jos Maria peivmtm
iuformacoes sobre a suppressio de trens a ra-
frrea do Recite a Caxnng
Adiou-se de novo pela hora a dscussao de ce-
querimento do Sr. Jos Maria sobre o delegada da
1 districto da capital, tendo orado os Srs. Be-
gueira Costa e Jos Maria.
Passou-se Ia parte da ordem do dia.
Adiou-se, a requerimento do Sr. Gomes Para-
te, a 2* dscusssao do projecto n. 43 deste sact
'ore i.nento provincial) s-mdo apoiadas diversas
emendas que foram a imprimir.
Passou-se 2a parte da ordem do dia.
Votou-se e foi approvado am 3* dscussao o prs-
jecto n. 53 de 1885, indo cotnm-.ssio de recae-
r >
Adiou-se pela hora a 2 dscussao do projets
n. 27 deste anno (forea policial) tendo oral* St
Javeneio Mariz.
A ordem do lia :
1 parte : continuacao da antecedente ; 2" sz-
te : continuacio da antecedente e mais 1* disees-
sao do projecto n. 38 deste anno.
irivino eleitortkt.Pela presidencia dk
provincia foi expedida a seguinte portara:
Seccao 4.*Palacio da Presidencia de Pee-
nambuco, 13 de Mara de 1886.
O v.ce presidente da provincia, tendo esa
vista o officio do 8 do correte mez, do Dr. uix de
direito do 1." districto criminal, do qual se veri-
fica qus actuilmente de 468 o numero de electo-
res da parochia de S. Fre Pedro Goncalves 4m
Recife, determina, de accordo com o art. 94 tfa
regulamento exped^o com o decreto n. 8.213 de li
de Agosto de 188r, que a mesma parochia seja
dividida em duas soceoes pela forma seguate:
1." Seccao, tendo por sede o consistorio- da
respectiva matriz, compor se ha dos ele.toras da
1. ao 9.* quarteiro. .
2' Seccao, Arsenal de Mannha, compoMie-
hs dos eleitores do 10." ao 22. quarteirio.
Assim fica aem effeito a portara de_264e
Agosto de 1881 na parte relativa reuniao das
referidos eleitores.-Ignaato Joaqaim de ^ssax.
cllecorl prs*imeilPor a> te da pre-
sidencia da provincia, de 11 do corrate, e sea-
proposta do inspector do thesouro, foram esene-
rados Francisco Antonia de Meira Lima e'/ee>
quim Candido da Veiga Figueiredo dos earges
de collector e e6crivo da oollectoria Jo i *-
cipio de Gamelleira, sendo nomeados para sabsfa-
tuil-os: Jos da Silva Maia, coma collector, e
Elpid de Carvalho Raposo cosao escrivae i
dita col lectora.
ponto* de exportarais e ale er-
roNa rubrica Parle Oficial vio inseridas aa
instruccoes para a arrecadacao pela alfandege
dos impoitos de exporUoao e gyro commereus,
nos termos da lei n. 1887, de 13 do orrssa
mez.
/


1 maya 1


Diario de PernambucoSabbado 15 de Maio de 13S6

\
Tribunal do JuryFuuecionou honteui
.te tribunal, com a presenca de numero legal de
raises de facto, sendo julgadoB 08 procseos dos
reo Cesario Jos de Sant'Anna, pronunciado no
Mt 201 do Cdigo Criminal, por haver em 2 de
Ootubro do anuo pasudo, na freguesia do Recife,
ierido Benedicto Jos Soares da Silva, e Jeuino
Ricardo Vera-Cruz, tambem pronunciado no dito
artigo, porque no da 3 do dito mes e anno ferio,
no Mercado de S. Jos, a Manoel Joaquina Pe-
reira.
O reo Cesario foi absolvido e Vera-Cru con-
detonado a 6 muses e 15 dias de prisao e multa
correspondente metade do tempo.
De ambos os reos ro defensor o advogado dos
presos pobres, Dr.' Luis Emygdio Rodrigues
Vianna.
Dr. Antonio Crrela de AranjoPelo
ttlegramma inserido na rubrica propria, tivemos a
infausta noticia do trespasso do Dr. Antonio
Francisco Corris de Araujo, tacto occorrido hon-
tem na corte, onde se acbava esse nosso amigo por
forca do mandato que lhe conferio esta provincia
de represeutal-u na cmara quatriennaria.
Esforcos scienticos, cuidados e carinbo da fa-
milia, desvellos dos amigos, tudo foi impotente
pira debellar a pneumona complicada que, ha
dias, o atirou bo leito : a molestia aggravou-sr, e
a morte ceifou a vida do esperanzoso deputado, do
homem intelligente, do espirito culto que se cha-
mava Antonio Francisco vorreia de Araujo, e que
apenas contava 40 annos incompletos !
O Dr. Antonio Correia forinou-se em siencias ju
ridicas e sociaes em 1866; e pouco depois, em
1868, foi nomeado juiz municipal de Pao d'Albo,
onde j nesse carcter, j como delegado de poli-
ca prestou relevantes servicos.
Completado o teu quadriennio, foi nomeado juiz
de direto, e logo apa ehefe de policia de Pernam-
buco, cargo em que se destinguio muito, merecen-
do do governo imperial, por esse motivo e pelos
ptimos servicos prestados, ser agraciado com o
oflicialato da Ordem da Rosa.
Como deputado provincial, tomou assento as
18, 19*, 25, e 26" legislaturas e como deputado
geral fez parte da Cmara dissolvida no anno lindo
(19* legislatura) e fasia parte da actual legislatu-
ra (2<>>
Foi nomealo presidente da provincia de Sergi-
pe, cargo de que todava nao chegou a tomar pos-
ge, pelo facto de ter cabido a situacao conserva-
dora em fins de 1877.
Era juiz de direto avulso, por Beu proprio pe-
dido.
Homem cstimavel por muitos ttulos, mas prin-
cipalmente pelo seu nobre carcter, a sua morte
abre um espaco notavel as fleras do partido
conservador, do qual era um dos conselheiros e
sempre bem aceito e oavido com attencao pela sua
prudencia e bons intuitos, nunca desmentidos.
Para a sua familia, porm, a sua morte um
crudelissimo acontecimento. Basta considerar que
elle deiza 5 flhinhos na primeira infancia, e urna
esposa para quem era elle um verdadeiro dolo.
Foi tambem para no* doloroso esse trespasso,
porque tunamos por amigo o Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, e mais de urna ves traba
Ibes seus, Iliterarios e polticos, deram lustre j
paginas a'esta folba.
Viva em paz a sua nobre alma na mansao ce-
laste, e receba a sua lustre familia as nossas
sentidas condolencias.
Thcnlro Santo AntonioA companhia
dramtica do Sr. Xisto Baha repete boje, no thea-
tro Santo Antonio, a mgica A Filha do r ou .4
Priactza Azulina, msica dos maestros Marcelino
Cteto e Roberto de Barros.
Club Carlow GomesO programma da
parte musical ao sarao de hoja no Club Carlos Go-
mes, indica os seguintes trechos : Cavatina, seena
coro do / due Fosean, pela banda do Club ;
Oran ciueto brilhaote da Vesperi Siciliani, para
piano a 4 mitos ; Romance Non vero cantado
pelo Sr. UugoGig ; Romances ns. 6 e 14 (Liede
otate Wart) pelo Sr. Tasso Jnior ; Ouvertura do
-Le Cali/ de Bagdal, para 2 pianos e 8 mos ; Can-
epoeta liapiccireUa de Salvator R aa, pela Exma.
Sra. D. Leonilla Lyra ; Caprice de concert do Er-
aani para piano ; Polka brlhante Teus lindos olhos
para piano a 4 mos.
A' parte musical seguir-se-ha a danzante, de-
pois da qual, naver bonds para Fernandes Viera
e Magdalena.
Kcunio acadmicaCommunieam-nos:
Reuuiram-se ante-hontem no predio n. 6 du
caes do Capibiribe. muitos acadmicos bahiaoos,
com o fim de tratarem sobre os festejos do dia 2
de Julho.
Foi aberta a sessao, sob a presidencii do aca-
dmico Faria Rocha, o qu-1 ezpoz o motivo de
Mmelhante reunio :
For&m apresentadas muitas propostas ; po-
jm a aceita foi a seguinte :
Fazer-se una sessao magna litterana no sa-
Jao do theatro Santa Isabel sob a presidencia do
Dr. Thoinaz Grarcez Paranhos Montenegro ; senda
tambem escolhido unnimemente para oraior of-
icial o Dr. Jos Joaquim Seabra.
Foram orneadas diversas commissoes :
Para representar a colonia a seguinte : coro-
nel Domingos Alves Matheus, Drs. Santa Rosa,
Moscoao, Pitanga, Alfredo Gaspar, Velloso, Ar-
enar Imbasaahy, pharmaceuticos Augusto Candi-
COMERCIO
Beba conunerelal de Pernam
torneo
RECIFE, 14 DE MAIO PE 18b
As tres oras da tarde
(otacoes vUiati
Lejas hypothecarias do banco de crdito real de I
Pernambuco, de juros de 7 0/"
de 100 94|000 cada urna.
do de Seixas e Jos Antonio Pinto, e mais os Srs.
commendador Castro Rebello e Adolpho Gentil.
Para a commissao de festejos os seguintes
acadmicos : Ramiro Monteiro, Caimon Sobrinho,
Cassiano Lopes, Pedreira Franca e Salvadoa
Sousa.
A commissao de convite composta dos se-
guintes acadmicos : Faria Rocha, Cassiano Lo-
pes, Caldas Brito. Manoel Lemos e Costa Pinto.
Para thesoureiro foi eleito o acadmico Ra-
miro Monteiro
Encerrando-se a sessao, o presidente marcou
nova reuuiao para a prozima segunda-feira a urna
hora da tarde.
Imprenta (lamnenseRecebemos da
corte :
O Erro do Sr. Joaquim Nabuoo, 1" opsculo Je
um Patrila, em resposta ao Io folheto do Sr. Dr.
Joaquim Nabuco.
Defeza Alberico (2) pelo Dr. Cyro de Azevedo,
relativamente a urna causa crime.
Agradecemos.
Dr. tuguiilo VaAo bordo do paquete
nacional Espirita Santo, esperado do sul amanha,
vem o Sr. Dr. Augusto Carlos Vaz de Oliveira,
ltimamente nomeado lente substituto da Facul
dade de Direto do Recite.
liinliciroO vapor lpojuca, da Ccapanhia
Pernambucana, trouzu hontem do norte para :
Thesouraria de Fazenda 3:839*000
Diversos 88 199*906
Em transitoO paquete inglez Trent le-
vnu hontem para a Europa 351 passageires. in-
clusive 26 tomados em Pernambuco.
Kmbrj'-w-E' o titulo de um folheto de
versos do Sr. Dias Barroso, que nos obsequiou
com um ezemplar d'elles, fineza que agradecemos.
Tribuna AcadmicaPublicou-se o n.
3 dtste quinzenario, propriedade de urna asso-
eiaco.
Paquete BabiaDeve tocar ainauha em
Pernambuco o paquete nacional Bahia, viudo do
norte. Seguir amanha mesmo para o sul.
DividendoA direccao do EnglishBank of
Rio de Janeiro resoiveu recommendar na reuuiao
qae vai effectuar-se em Landres no dia 31 do cor-
rente, am dividendo de 8 schillings e um bonus de
2 schiliings por accao pagaveis, livre de imposto,
no dia 1 de Junho prximo, prefasendo com o di-
videndo interino pago em Dezembro ultimo 18
schiliings por accao ou 9 *|0 sobre o capital reali-
lisado, para o anno financeiro prozimo findo.
Instituto ArcbeoloKico e Geogra-
phico Pernambncano Ante hontem
1 hora da tarde, reunio-se o Instituto em sessao
ordinaria sob a presidencia do Ezm. Sr. cocselhei-
ro Pinto Juuior, com assisteucia dos Srs. conse-
lheiro Quintino de Miranda, Drs. Luna Freir,
Cicero Peregrino, Baptista Regueira, Io secretario,
Barros Barreto, Jos Hygino, Lipes Machado, Au-
gusto Costa, Augusto Cesai e major Cordeceira, 2
secretario.
Lidas, foram approvadas as actas das sessocs
ordinaria de 29 du Abril e especial de 9 do cor-
rente .
O Sr. Dr. 1." secretario m uei jiiou o seguinte
ezpeente e offertas :
Um offic-io do Sr. cnsul da Hollanda, commu-
nicando nao poder comparecer, por incommodo de
saude, sesssao especial de 9 do crrente, para a
qual tora convidado.
Um dito do Ezm. Sr. provedor da Santa Caa
de .Misericordia, offortanto u,r. ezemplar do relato-
rio, que a present u Junta, da mesma Santa
Casa, no 1 de Julho ultimo.
Pelo consocio Dr. Amjnthas de Moura, um vo-
lume de sua (bra-Emaios econmicos e opera-
cees praticas sobre o estado financeiro do Brasil.
P-das respectivas redacces diversos joraSM
desta e de outras provincias.
Passando-se ordem do dia foram approvadas
as seguintes propostas :
1.a Propomos para socio effectivo do Instituto
ao Dr. Ignacio J mquim de Souza L<:ao.
Sala das sessois do Instituto Arch-sologieo, 13
de Maio de 1886.Baptista Kegueira.Augusto
Cesar da Cuuha.Pereira da Costa.Quiutioo d
MirandaJoio Jos Pinto Jnior.Iguacio de
Barros Barreto.Cicero Peregrino.
2a Propomos para socios honorarios os Srs.
general T. M. Netseher, P. Ph C. van den Bergh,
J. H. Hingman, residentes em Haya e o en^enheiro
J. Van Kychkvorsel, residente em Rotterdam.
Sala das sessoes do Instituto, 13 de Maio de
1885.Dr. Jos Hygino.Baptista Reueira.
Jos Domingut's Uodeeetra.Cicero Peregrino.
M. Lopes Machado.Augusto Cesar da Cunha.
3. Propomos para socio effectivo do Instituto
ao Dr. Manoel do Nnscimento Machado Poriella
Jnior,
Sala das scsses do Instituto, 13 de Maio de
1886. Baptuta Regueira. Cicero Peregrino.
Augusto Cesar.Pereira da Costa.
4 Propomos para socios effectivos do Institu-
to aos Srs. Drs. Joaquim Correia de Araujj
Ignacio de Barros Barreto Filoo u Jos Eutaqaio
Perreira Jacobina.
Sa'.a das sessoi-s do Instituto, 13 de Maio de
1886.Pereira da Costa.Augusto Cesar.Bap -
tista Kegueira.
coraclo e acceio da casa por occasiSo da sessao
especial de 9 do corrente.
Por proposta do 8r. Dr. Cicero Peregrino, foram
nomeados os Srs. Drs. Baptista Regueira e Lopes
Machado' para relaeionarem os livros da bibliothe
ca e poderse depois facer o catalogo das obras.
O Sr. major Codeceira pedio e obteve a appro
vacio da despeza feita pela mesa com a estante
para mappas.
Finalmente, o Sr. Dr. Luna Freir propoz, e foi
unnimemente approvado que.se consignasse ua
acta um voto de louvor e recenhecimento do In-
stituto, para com o consocio Dr. Jos Hygino
Duarte Pereira, pela maneira porque se houve no
bom desempenho da commissao de que estevo in-
cumbido na Hollanda
Por ultimo o Sr. presidente communicou o fal-
lecimento dos consocios conselheiro Francisco Do-
mingiies da Silva e Dr. Jos Tibarcio Pereira de
Magalhaes e o Instituto determinou que fosse lan
cado na acta um voto de pesar por esses talieci
mentos e levantou-se a sessao, designando o dia
20 do corrente para a prxima reuniao.
Comit Ijltterarlo AcadmicoFuuc-
cionou esta associacao ante-hontem, sob a presi-
dencia do Sr. J- Thiago da Fcnseca.
Lida a acta da sessao anterior foi approvada
como tambem m projecto da commissao de legis-
lftC'r-
Tomaratn ass*11'0 os 80C'03 Alcebiades Dracan
e Raymanio Perdigao. *
Depois de algumas qaestoes de ordem foram
discutidas pelos socios Carvalho, Eduardo e Vic-
torino, as thes-s da 1, 2 e 3* seccoas.
Foram sorteada 8 8fgu""e8 theses (ficando
adiadas as da 4, 5' e 6a seccoes) :
1 seccao : O individualismo exclue o carcter
social da propried^'* .....
2 seccao A refrenda e a responsaoilidade aos
actos do poder moderador trans/ormam o impera-
dor em simples chef* do rejendo poder contra o
art.98? ... .
3 seccao : Sao os concilios superiores ao papa?
Portm designados pela sorte para de preferen-
cia discutirem as referidas theses os srs. Thiago,
Jnlio Pires e Oliveira Laite.
Outrosim foi sorteado o Se. Raymundo Perd -
gao pira no m?z de Junho fazer a 2 conferencia
social.
Foi encerrada a sesao-
Foram offertados a sociedade pela rcsnectiva
rfldaccao o 2 numero do Equador e da Tribuna
Acadmica e pelos socios Thiago e Paulino alguns
livros. _
Cae do CaplbarlbeEscrevenrnos :
. Tendo ido V. S. visitar o banacao do i lub
das Regatas, estebelecido no c4f de Capibanoe,
esqueceu-se de observar o grande numero de mon-
tes da tijolos, de travs, dfl areia, de carros que-
brados e carrocas, e at um nw moderno da pe-
ra do
o mo
nem que pode ser victima de um abalroamento
desastroso.
. Parces que as depositarios chronicos dess-s
objetos, ou sao donos do caes ou paga-n caro alu-
guel por elle, porque nao tem o menor cuidado de
os remover, ao menos n>s dias de rsgata e.n que
alli se ai-intam milhares de espectadores, que nao
tem commolidade d^ g.sarem da vista dos escale-
ros. e outms at nem encontram lugar.
Se na freeoezia da Boa-Vista houvesse fiscal
tal vez ja tivesse feito remover aquelles obstacu
los ;ec.mo elle nao existe, V. 8. pola pedir a
policia que int-rvoha na remocSo desses estor
vo>, e fiq-i* certode que V. S. farum grand; ser-
vico ao publico, que pretende no domiogo estar
presente regata.
. E' bom tambera pedir ao Sr. v.-reador com-
missario da limpeza que mande remover para o
largo do H ispicio e cobrir de trra as i1"
esas que etto cobrindo grande parte da
Capibarib, pois qun j est iosupportave
cheiro qua impesta ot
Ijelles.Eff uar-se-ho :
Hoie :
Pelo aoente Vestana, s 11 horas, no armazem
Annas, de atrnaB mineraps.
Pelo aqente Brito. s 10 1/2 horas, na ra Du-
qu da Caxias n. 6. de movis, loucas. vidros. etc.
Pelo agente Silveira, is 11 horas, na ra do
Bom Jesus n. 19. da predios.
Pelo (gesta Martina, s 11 horas, na ra da Im-
peratriz n 76. do estabelccimento ahi sito.
Sagunda-faira :
Pfo aifnle Brito. s 11 horas, na roa dalmpe-
rafriz n. 3t. do eataSelaaimonlo ahi sito.
Missas runebres.Sirao celebradas:
Hoia :
A' 8 hars, em S Francisco, por alma do Dr.
F-lix d Figucira Paria ; As 8 horas, na matriz
da Boa-Vista e do enganho Tirab-AssA om Itam-
ba. por almi de D. aria da P ah% Siquelra Ca-
valcante ; s 8 hora, na mtris da Boa-Vista, por
alma do aon?-lhairo Praseisso Dowbjsups da
Silva; i 71/2 horas, na m#njb, da Bli-Vista,
or alma de Antonio DWi RWtFo ; As 7 1^4, em
S. Banto de Olinda, por alma de D. Anua Joaqui-
na Mauricio Wanderley.
IiOterla da edrtePor telegramma rocebi-
do pela Casa Feliz, sabe-se terem sido estes
os nmeros premiados da 3 parte da lotera 196,
extranida hontem, 14 de Maio :
10.141 100:000*000
888 20:100*000
IiOterla do DioA 4' parte da lotera n.
196, do novo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrabida no dia 19 do corrente.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna roa Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da lude-
ca ns. 37 e 3b.
Lotera de Macelo de SOOtOOO&ooo
A 8" parte da 12 lotaria, cujo premio grande
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extrabida
impretarivelmente no dia 18 de Maio s 11 horas
da manh.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In-
dependera ns. 37 e 39.
IiOterla da corteA 4 parte da 164 lo-
tera 'incurre, cujo pn-ino graude de 100:000*,
ser extrahda no dia de Maio.
Os bilhetes acham-se venda na Casa Feliz,
praca da Independencia ns. 37 e 39.
Tambem se acbam vendana Casa da Fortuna,
ma Primeiro de Marco n. 23.
Hatadouro Publico. Foram abatidas
uo Matadouro da Cabanga 79 rezes para o consu-
mo do dia 14 de Maio
No mesmo estabelccimento foram tambem
abatidas para o consumo do dia 15 do corrente 77
rezes
Mercado Municipal de H. Jos.O
movimento desta Mercado nos dias 14 do cr-
rente, foi o seguinte:
Entraram :
23 bois pesando 3.212 kilos.
1.195 kilos de pcixe a 20 ris
84 cargas de farinha a 200 ris
27 ditas de traers diversas a \K)
ris
15 taboleiro? a 200 ris
K suinos a 200 ris
Foram oceupados:
22 columnas a 600 ris
29 compartimentos de familia >
oOO ris
'S compartimentos de comidas a
500 ris
74 ditos de leguraes a 400 ris
17 compartimentos de suiuo a 7<>0
res
12 ditos de tressuras a 600 roa.
23 900
16800
8*100
3*000
1*600
13*200
1455JO
11*500
,29*600
2 talhos a 500 ris
5 ditos de ditos a 2*
54 talhos de carno verde al*
Deve ter sido arrecaiada neste dia
a quantia de
Debi'os dos dias 25 de Marco a 14 do
corrente, recebidos
dem at 14 do correte
Foi arrecadado liquido no da 14 do
corrente
Procos do dia:
Carne verde a 40 u 32 ) is c kilo.
Sainos a 560 p. 70) ris dem.
('ameno a 600 e 80) ris dem.
Fanulia da 32 ) a 56J ii a c 114
Milbo de 32) a 44 ) ris idcra.
Feijao de 800 a 1*200
11*900
7*800
1*000
A 10*000
&4J0U0
206*300
4S8S0
211*180
43500
206*60
A'reuerimento do Sr. Dr. Jos Hyino, foram "^ s.Tn Hra '
as suaa contase respectivos documentos remetti- ^'^ iT~mn_
dos a commissao de cutan para examinal os e dar ___T ___. ,. ,
para
o seu parecer.
Deteiminou o Instituto, que se tuandasse agra-
decer ao Sr. tenente Francisco de Paula M*fra,
os servicos que gratuitamente prestou com a de-
No vapor inglez Trent, earregaram :*
Para Antuerpia, R. de rusna & C. 212 pelle
de raposa.
Para Lisboa, M. J. Al.cs 2 caixas com 30 kilos
de doce.
No brigoe portugus Armando, earrega-
ram :
Para Lisboa, B. Oliveira & C. 191 couros sal-
gados com 2,323 kilos.
Para o interior
Pernambuco, de juros de 7 0/0, do valer I :>0 brigue ingles Haabt, earregaram :
S, Para o Rio Grande do Sul, Amori
Na hura da ools
Vende) am-se :
43 letras hypothecarias.
O, presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Can-liau C. G. Alcof jrade
REtNDIMuU'U PBLICOS
de 1886
M z da Maio
Altakdboa!> 1 a 13
dem oe 14
RecebedobiaDe 1 a 12
lux de 14
CoBSCI^DO PBOVIMCIAI. O 1 a 13
dem de 14
Bscira wutna dem de 14
2G5:86*459
22:343^79^
288; 209*251
18:562*047
718^850
19:280*897
62:137*971
2:415*038
64:553*003
10:875*695
10.1*613
10:981*308
____
DESPACHOS DE JIMPORTACAO
Vapor nacional lpojuca, entrado dos
portos do norle no dia 14 do cerrente e con-
signado Companbia Pernambucana, ma-
nifest". :
Algodao 161 saccas.
Couros salgados seceos 299.
CoarinboB 3 amarrados.
(iomraa de mandioca 12 saceos.
Pelles com cabellos 42 fardos.
Queijos 14 caixas.
Sola 695 meios ordem.
OESPACHS DE EXPhTAgO
Em 13 de Maio de 1886
Para o exterior
_ ~ ^ brigue sueco Atler, carregou :
Para Hull, c. P. de Lemos 20,0013 uohas de boi
e 5,000 poatas de bou
ir. Irma is &
C. 6 saccas com 427 1/2 kilos de algodao.
No vapor nacional Bahia, carregou :
Para o Rio de Janeiro, M. N. A. de Almeida
5,000 cocos fructa.
Na barcia Amiga da Verade, carregou :
Para 8. Miguel, J.L. dos Reia Ferreira 5,000
litros de sal.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia li
Pensanola (Aneriea) 56 dias, barca in*
gleza Ralph B. Peake, >fe 699 tonela-
das, capitao D. M. Dowgall, cquipagein
13, carga madeira de pinbo ; a Henry
Forster & C,
Haruburgo 56 dias, brigue allemao Ber-
tha, de 209 toneladas, capitao A. Frautz,
equipagem 8, carga varios gneros; a
G. H. Permann.
Buenos-Ayres e escala 13 vapor ioglez
Trent, de 1,707 toneladas, coramandan
te R. Dikinson, equipagem 92, carga
varios gneros ; a Adamson Howie & C.
Caraossim e escalas 9 dias, vapor nacio-
nal lpojuca-, de 360 toneladas, comman-
dante Antonio M. Ferreir Baptista,
equipagem 30, carga varios gneros;
Companhia Pernambucana.
Navios sahidos no mesmo dia
Southampton e escalaVapor inglez Irent,
commandante B. Dikinson, carga varios
gneros.
Barbados Lugar inglez Iron Queen, ca-
pitao RichardHarris, em lastro.
B.irDados Brigue inglez Anna Mara, ca-
pitao B. Jobnston, em lastro.
VAPORES ESPERADOS
Guahy da Bahia boje
B. Kemeny de Trieste hoje
Bahia do norte amanha
Espirito Santo do sul amanha
hnance do norte a 17
Ville de Maoei da Europa a 19
S. Franeisoo do sul a 19
Desterro de Hamburgo a 20
Para do norte a 23
Valparaso do sui a 24
Tagua da Europa a 24
Senegal do sul a 25
Cear do sul a 26
Portuaue de New-York a 28
La Plata do sal a 29
por alma de Antonio
Franciseo Lnmachi de Mello ; as 8 horas, na ma-
triz da Boa Vifta, por alma de D. Maria Salustia-
na de Amorim.
Terca-feira :
A's 8 horas, na matriz de Palmares, por alma
de Manoel di Barros W indrley : >8 8 horas, na
matriz da Boa Vista, por alma de Maria da
Conceicilo de Albuquerque Ragueira.
PassaueirwsChegadoi dos portos do sui
no vapor ingles Trent :
Raphael Jos Luis, Alvares da Silva Harp-s,
Bario de Anotban Galdeiro de Medeiros, G. Le-
geoe.
Sahidos para a Europa no mesmo vapor :
Francisco Alves, Antonio J M. Pocas, S H
Agnew, Osear Tellinger, Francisco G. M. da Fon-
seca, David J. William, Veriana Alvares. Manoel
Jos da Costa Soares, A. Jos de Miranda, Fran-
cisco da Silva, Jos de Souza Nunes Braga e sua
senh ra, J-ronyma, Luiza E. de A. Ribeiro, Se-
verDa Alvares a um filho, A. KomSo Fernandes,
Francisco P. de Magalha.-s, Antonio da C"ta Pe-
reira, Adelaide M. da Fonseca, Joaquim Ribeiro
Goma e sua senhora, Jbaquim, James Rulherford.
Ch"_- .dos dos portos do norte no vapor na-
cional Ipojuea :
Germano.1. de Araujo, Hermogeaes A. de Oli-
veira, Jo-* Victorino Riacho, Gabriel N. Aranha,
Jos-'pba Prima de Souza, Luisa Mxima Alves, 2
filhos e 3 criados, Dr. Jo.io C. R. Dantas, 1 irmS,
3 sobrinhos, 3 criados e 1 menor, Eugenio Adour,
Joao Porfirio Paiva, M. Pedro, Benedicto Ferrei-
ra Albino, Bento Moreira, Francisco A. Alves
Toixeira e sua senhora. Angelo Rozele, Domingos
Kozeii, David J. William, capitao Jos Bonifacio
Piuheiro da Cmara, Generosa da Coaceicao, Da-
niel Sarnpaio, Antonio C. de Vasconcellos, C. da
Silva Loureiro, Manoel do Reg C. Albuquerque
sua senhora, 2 filhos e 1 criada, Fclippe Jos,
Francisco G. M. da Fonseca, Daniel Aguine3, Ad-
tonio Maeelli, Julio Voishsten, vigario Augusto
F. Mor. ira da Silva, Dr. Almeida "Pernambuco, 1
filho e 1 criado.
Operaraes elrrnicas Foram pratica
das no hospital Pedro II, no dia 14 do corrente,
as seguintes :
Pelo Dr. Malaquias :
Duas i'ostbotomias pelo thermo cauterio, recla-
madas pir phymosis intiitrmatorias c cancros.
Urethrotomia interna pelo processo de Maisou-
neuve, indicada por estreitamento fibroso da ure-
thra, complicado de fstulas.
Casa i* isetencaoMovimento dos pre-
sos no dia 13 de Maio :
Existiam presos 305, entraram 22, sahiram 7,
existem 320.
A saber:
Nacionacs 291, mulberes 4, estrangeiros 10, es-
cravos sentenciados e processados 7, ditos de cor-
recvo 8.Total 302.
Arratoados 28, sendo : bons 266, oentes 16
Total 282.
Movimento da enfermara :
Tiveram b.iixa :
Srbastio Cangussire.
Themoteo, escravo de Antonio Francisco da Costa.
Lotera da provincia.Quinta-feira, 20
de Maio, se extrauir a lotera n. 54, em bene-
ficio da igreja de Nossa Senhora do Amp aro d
Olinda.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceicao dos Militares, se acharao expostas as
ornas e as espheras, arrumadas em ordem nume -
rita apreciacaodo publico.
Lotera Extraordinaria do Tpl-
ranza-0 4o e ultimo eorteio das 4 e 5 series
deala importante lotera, cojo maior premio de
150:000*000, ser extrahda a 12 de Junho prxi-
mo.
Acham-se exposto a venda os restos des bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Mareo
n. 23.
miLllUMS 4 PEl)li)Q
0 imposta sobre o salario
Nao augmentes a aJjitC'
cao aoafflicto...
(PKOVEKBIO)
Q'iaudu :i creacao de impostor nao rscahe sobre
as f .ntes da riqaeaa publica d.- um paz e alias,
provm do estado anmalo dj ineio circulante ou
do dficit ehrooteo dos ornamentos aunuos, em re
gra, quaesquer prov encas a tomar morm na
iieameute sao, raras vesos, eScaces, uu tcndein
pr judicar .ltame ite toda- as iu tostriai, manau-
eiaes das rendas; o qae, alias, nao Beeeed-s qoaa
do se di o equilibrio da* rorca* economicus. de
nutro mridade de ougmeuto on a impo-
sica> de no vos sribut>s lora das regras da scieu-
ca na tem s p ir complemento i mitnVm i do
c mtribuiutc, esbulliado de seus miuguados llave
res ; mais tambem, j mais das vezes, as pertur-
baco^s da ordem puolica.
P .rtindo destes priucipi >s t"in is que, quando
u;n pais superi. blinda em mat ra trioutaria, ca-
bivel o iinp i.ito, s.'m dimiuiiico da riqueza do
eoniribuiate, para equilibrio tiiiai:se:ro, .no im-
pulso do progresso moral e material ; de outro
modo, poiin, rcsolucio do ir jbUma depende
de aceurado e-tudo, escrupuloso e d-fiuo exame
Abstrahuido ocstas coiisideracoes g-raes, que
n is furam surgeridas nel.os detalhes do orcain<-nio
provincial para o viuouro exereicio, julgamas
qu-, attento o desequilibrio que reina no estado
financeiro da provincia, deve o curpo legislativo
ter o apo o merecido do b in senso para a conep-
cao e exeeucao de Uiedidas energiaM e salvadoras
que tenham por divisa o sentiineuto de patriotismo,
com isencio de espiritopirtidario e sen afastar-
se das reersi da eqoioade.
E se o u.osse desidertum se traduzir em reali-
dade, fieamos pela e-rt za de que se encontrar
remedio ao inveterado mal, que, apezur de tuJo
anda nao deve ser Considerado in irtal.
Isto pto, preludiemos sobro o e:npiestimo.
O empresiima dizia o nobre iseoude de
Abaet, que em ultima aiialyac s se paga por
meio do imposto, contrabido em circunstancias
ordinarias para despezas improductiva, muitas
vezes ofldei comino da miseria, deixadu s uera-
eoes vindouras ; porui legitimado, ainda p los
mais severos economistas, em circumstancias ur-
gentes.
Mas, sendo o imposto cougenito ao emprestimo
c depeudaudo de maeeria tributaria, para nu
recahir em alvitre odioso e iniquo, se faz mister
que na distribuico do onus com que se vai so-
brecarregar as diversas cl.isses tribuanlas, se
observem as severas 1-is da equidade, que o alto
criterio de que se acbam revestidos os agentes
dos poderes publie s, nao pode d;sprezar, mes
mo parque, na significativa phrase do vene-
rando Visconde, trio o imposto constitue urna di-
minuifo do direito de propriedade, que no ho-
mem Tito instinetivo como o da eouservacao : e
par i que nao venham cahir desastradamente as
pr.-visoes de Lamartine, contidas ras seguintes
inspiradas e eloquentes palavras :
Se nao provardes que nm imposto justo na-
da tereisprovado... voaso thesouro s:; endura sem
duvida de milboes, mas encher-se ha tambem com
as que xas dos pobies e com os murmurios c mal-
dicoes dos partidos.
E' principio intuitivo em materia econmica que
jamis se poae ir alem das forcas ; e elle tao
verdadeiro que o grande desprezo em que c- tem
tido os poderes pblicos treuxe-noa como mdecii
navel consequencia o atraso das fioancas ; sendo
para lamentar que, nao obstante a confisso deste
grave peccado, de que se aecusam gregos e troya-
se continuem a abrir as vlvulas do uepotis-
A diminuicao de nossos ordenados, crede o, im-
porta deixar a deseoberto as necegsidades de nos-
sas familias, e, aaseveraua-vos, nao sito as com-
modidadea do supsrfluo, sao as queconstituem cou-
dicao de vida, sb as do alimento, Bao as do pao de
cada dia.
Isso deve impressionar-vos. Deixai caminhar
essa impressSo ; ella tocar vossas ooasciencias'
c chegar at nos, porque depois disto os vossos
conceitos e as vossas leis serio por nos.,
Os Prometheus.
Pao d\lliii
Na qualidade de juiz de paz em ejerci-
cio do 1." districto d'esta freguezia, acaba
de solicitar-meo ex-pro-parocho Joao Olytn-
pio de Souza Lyra, attestado de sua con-
ducta quando regia esta mesma freguezia.
Fil o com consciencia, por que confran-
ge-8e-me o coragilo vel-o tilo atrozmente
callumniado.
Como homem particular, portou-se com
muita honradez o criterio, san haver quem
nao lhe devesse um favor ou attonjo.
Como pastor, manteve-se sempre na al-
tura de mu verdadeiro apostlo da carida-
de, trabalhador, incansavel em bom ser-
vir a freguezia, protegendo viuvas, orphaos
e desvalidos, o que forma o mais brilhante
apanagio de sua vida evanglica, onde ja-
mis o necessitado estn leu mao supplican
te que nao fosse socorrido com a a exigui-
dade dos seus recursos.
Como filho, irmio e amigo durante 13
annos deu provas inequvocas de sua bon-
dade c grandeza d'alma.
Cojoo poltico, sem exaltaglo, entriten-
do com todos rclacoes amistosas e conqui)-
tan lo sympathias.
Coir.'O hoiuem de cor, humilde, respeita-
dor, sem ter flaucias pelo cargo que o:cu-
pava.
Se o padr) Joao fosse algum arUticrata,
provilo de fortuna ou soubasse emponvna-
dar, nao seria tilo molestado om urna fre-
guezia que tanto Ih? deve, onde critican-
do smeuto ol>-iu, e onde s.n >nt-3 as roas
paixocs imperara^ como n'esta terra
que de ha muito constitu so de domina-
dos e dominadores.
Soffra com paeaoia o padre Lyra, tan-
ta injustci i-oin gtlarJao -los seos 'joiis
Borviooa prestad ><, e va pira ou le s sorte
o arrogo levan lo osia magaa c uno m a >
na, quo talvuz inelaar aqiilataado se os
seas ni'.-recim-itos <- aerviijiM lhe desato
peso divido.
O mando assiro, ?. > o usas d'eate raun-
lo qSo pdenos tugir vist como a ellas
estamos suj-tos.
A inselhaado ao padre Lyr reagoacSo
e coragem cumpro un dever de eoaapaire
e a nig .
a $ de Maio de 1886.
Andr d'Albuquerque.
Itupostos i:nva."i:ics o de gyro
e e\pi*fac Os poderos provinci es legislativo e ad-
ministrativo acham-se effost'ndate em
P'.tnhados na solu^ao dn um grand.) proble-
ma esseaeialiDeate pratico o da arreca-
daco fiscal das rendas provinciaes.
O honrado Suily, qu-s tem e-n s u favor
todas as predumpgues du entendido na
materia o que, com cavallieiro, se recom-
nien la pelos caelhores ttulos, esposando,
por condesceadencta talvez, um p^noamen-
to li.< > qu; de n i muito domina em riossi
altandega, aoonselha e sustenta, como a
nelhor das solu^o^s arrecadai;ao dos mais
ren loaos iinpostos da provincia pela altan-
dega e nao se.i mais o qu: com relacao
aos outros.
E, paroce quite con a sua propria cona-
cnncia, como se perfeita iiscalisacao em
r?partcS-JS provincia-s foss? um impossi-
vel, e a das alfa: deg .s nada deixasse a
desejar !
Di outro molo i So so pile explisar o
sonselho de mo das que deshouraram a
pr ivincia.
Sim ; porqui as m ddas aconserhadas,
alem de grandes inconvenientes, envolv a de^rada^ao de direitos autonmicos da
provincia, como se esta fosse incapaz de
cuidar dos seus interasses e at de arreca-
dar as su. proprias rondas.
Vejamos, pirm, qual o canceito em que
tida, ras altas regiues do paiz, a scali-
sa9"io das rendas geraes em nossas alfan-
degas:
serv90 publico e honradez elle nobremen-
te reconhece e confessa, nota-lhe todavia
zelo de mais na fiscalisacSo das rendas pro-
vinciaes.
Mas o que quer dizer zelo de mais, quan-
do o consalado nunca exigi de ninguem um
ceitil de mais, alm do imposto como de-
cretado ?
Acaso aconselhase a arrecadat;ao pela
lfandega por que ahi ha zelo de menos,
como affirma o Sr. conselheiro Teixeira
Jnior ?
N2o; si o probidoso Sully nao pode dei-
xar de acatar as conviccoes daquelle inte-
gro conselheiro de Estado, nao podo nem
deve attribuir ao administrador do Consu-
lado Provincial zelo de mais na observan-
cia da lei e no cumprimenio dos seus de-
veres.
Se ta notavel arguicao nao vem de S.
S., e sim dos que nao escrupulisam subtra-
hir a renda publica adverso ao adminis-
trador do Consulado, que nao se presta a
servir a dous senhores a condescendencia
e ao dever; entilo o' illustro Sully nao a
devia repetir, porque os que a fazera, de-
sejando a arrecada$3o pela Alfandega sem
segredos para elles, do a entender im-
prudentemente que contam hi com o zelo
de menos, o que nao creo.
a organisacao
contraprodu-
mo com a creacao de lugares inuteis. creacao que
visa sempre o intereese individual que nao o da
causa publica ; com a concessao de pingues auxi-
lios a companhias lyricas c dramticas ; e ainda e
piincipalmente, com a construccao de obras, bem
como pontes ; acudes, a qual, as tristes circum-
stancias qae nos opprimem. devia ser deixada ex-
clusivamente iniciativa individual, que, posta
assim a prova, dizemol-o convencido, provaria ao
paiz inteiro que ella por si s urna grande forca
e um grande elemento de progresso.
Entretanto para nada disso se tem olhado.
Quando as arcas do thesouro se achsm extenuadas,
quando a receita insultieiente para a despeza, a
claese dos cinpregados pblicos, os desprotegidos
de todos os tempos, os alcunhados vadios de penna
deiraz das orelhas, mas tambem, e s isso que
a triste realidade, os homens inutusados para
outro qualquer trabalho, porqne a sua actividade
de ordinario se ha consumido desde a juventude
no improbo e mal compensado servico publico ; os
ob reros que s recebem do qnatro em quatro e de
cinco em cinco mi zea o seu exiguo salario, devem
pagar deste mais uns tantos por ceuto. E nem ao
menos podemos reclamar ? e para que e porque ?
Kesponder-nos bao : Si nao o queris assim...
Mas, apezar disso, nos nos atrevemos a pedir-
vos, Srs. eleitos Assembla Provincial, que olheis
para a nossa classe, com prevencao menor e com
ma or justica.
O oommercio quando tributado tira do consu-
midor o yijnunaue den ao governo, fal-o o mesmo
a agricultura ; mas nos nao o podemos faser.
O eriterisoe honrado Sr. conselheiro Tei-
xeira Juuior, dirigindo-so a S. M. o Im-
perador, em sessao do conselho de estado
pleno de 7 de Agosto ae 188'i, expressa se
nos seguintes termos (textu es) :
Indica como medida effi -az e cujo re-
sultado talvez, s por si, excela muito a
importancia dos nossos d jicits permanentes
que se melliore a arrecadacao dos im-
p st is actuaes, regulando-a mais convenien-
temente, puninno sem hesitagao os func-
ci>nrios negligentes e prevaricadores
aposentando como exemplo a alfandega do
Para.
E termina o sea parecer aacraseentan-
do : t que mantinha a sua opiniao sobre a
desnecessidado de novos impostas ou de
aggravacao dos actuaes pira equilibrar o
oremento geral. o
Que tao robusta a sua conviccao
tal respeito que entenda nao haver neces-
siiltde de ne.nhuma providencia ontrosa
para os contribuintes. *
Bastaria o melhoramento da arrecada-
5S0 Hos impostos existentes, puniudo se
sem contemplacao alguma os exactores ne-
gligentes e regulando-se melhor esse ser-
vico com o intuito de tornar efficaz a sua
fscalisacao.
Si aquillo que o honrado e escrupuloso o
Sully nao ousou dizer da liscalisajao pro-
vincial disse-o o integro e observador Sr.
conselheiro Teixeira Jnior da fscalisacao
das alfandegas, sem que o possa contestar
o probidoso Sully ; como pois nos vera elle
aconselhar a arrecadacao dos nossos im-
postos pela alfandega, quando a d'esta em
nada absolutamente preferivel do con-
sulado como se evidsnciaon face dos nos
sos regulamentos provinciaes?
Nao creio que a alrandeg da niinha
provincia pretenda arrecadar impostos pro-
vinciaes, s pelo desejo de livrar-se do
importuno teatemunho de empregados pro-
vinciaes que em nada absolutamente po-
dem estorvar a regularidade do ssu expe-
diente.
Nem tao pouco qua alguem ouse qualifi-
ca de antifiscal para a receita geral, essas
testemunhas da provincia, que quando mui-
to poderao ser impertinentes.
O distincto cavalheiro a que nos referi-
mos, prodigalisando elogios e attencSes ao
administrador do consulado cajo selo pelo
Ligo
cente.
E, affirmo, fcil mostrar que tilo im-
procedente como esta, sao todas as allega-
53es adduzidas contra a fiscalisayao pro-
vincial.
Quando, porm, assim nao fossem, nc
se coinprehende, pey venia para dizei-o,
que um Ilustrado tilho desta provincia,
conhesedor do assumptos fiscaes, aconse-
Iho como nico remedio qin os seus com-
provin?ianos despojem do direitos auton-
micos o torrao natal, quando lhe era mais
tacil aconselhar meios praticos tiio obvios
quinto effi 'azes para corrigirera-se todos
os dete:tos da arrocadujai provincia] !
Podo ser qua eu mo engae, mas se
Sully 6 o cavalheiro nobre e distincto que
eu pens, nao pode deixar de reeonhecer e
conf.ssar que pelo rmnos a tscalisa5ao
proviocial do imposto do gyro fo na for-
ma do rogulamento provincial de 4 de Ju-
lho de 1K79, com pequeas raodificagSes,
3! nSo for melhor, ser pelo menos tao
boa como o melbor que se possa esperar
ia Altandega, salvo se elle nao quizer ser
sinr-ero ou se quizer coraproroetter os seus
ere Utos do hbil e distinctissimo emprega-
do de fazenda.
Y.
O Si*, a jai liante da Arsenal de
Guerra
Nos abaixo assiguados protestamos con-
tra as rancorosas e mesquinhas iraputa-
cSes que a Provincia de i 1 do corrente,
publicou contra o di^no ajudante deste Ar-
senal, 'uzeado quo o mesmo Sr. njadante
enroupava-sa a cusa los grandes retalhos
da offijina di alfaiates, que o eu theatri-
nho fura construido com madeiras do mes-
rao Arsenal e por operarios pagos p=lo Es-
ttdo, e que as ofScinas se faziam movis
pira seu uso, etc. Declaramos solemne
nenente e juraremos bo for ne^essario, qua
tudo isto no passa de urna calumnia in-
ventada por espiritos pequeninos e misa-
raveis.
Fiquem tambem sabendo esses detrac-
tores da reputajao alheia que fazemos esta
declarayao por amor da verdade e nao por
adulado.
Effeistivaraente immcnsa a pervt*rsida-
de humana, mas infinita e tamb m a Provi.
dencia Divina por salvar os que della site
victimas innocentes como o Illm. Sr. capi-
tao Traj mo Alipio de Carvalho M.-ndonca.
Arsenal de Guerra de Pernambuco, 13
de Maio de 1886.
O mestre, Jos Luciano Cabral.
Thoraaz Antonio Francisco Birreto.
O mestre, Candido Jos da Ges Telles.
O mestre, Jos Antonio Camillo.
Genuino Luiz Nunss.
Ildefonso Lucio M. do Franca.
Jos Theophilo da Silva-
O mestre, Torquato Jos Monteiro.
Flix Velois de Cantaiice,
Curso de litteratura
comparada
O Ilustrado o talentoso Dr. Tobas Bar-
retto abri, no Io andar do predio n. 50
da ra Duque de Caxias, um curso de lit-
teratura comparada, o qual funeciona as
segundas e quinta feiras s 6 horas da
tarde.
Como complemento a essa noticia, dire-
mos que o Dr. Tabias se propoa a fazer
um estudo comparativo entre as litter ras italiana, franceza e alleraa, tomando
como centro, como ponto de partida a alle-
ma, a datar deste seculo.
Para o referido curso, chamara os princi-
palmente a' *"'" "ao dos mogos que cur-
sara a nossa ada e que quizerera es-
cl>receraiud s os seus espiritos, ou-
vindo as elevadas preleccoas d'aquello que
sabe sempre conservar-se na altura de um
verdadeiro mestre.
Srs. Redactores
Pego a Vv. Ss. se dignem declarar por
seu comeituado Dihrio, que no exacto
em ponto nenhum a noticia publicada no
Rebate de hontem a mcu raspeito.
Gracas Divina Providencia e aos es-
forgos e cuidados do Ilustrado raedicD o
Illm. Sr. Dr. Ignacio Alcebiades Velloso,
estou melhor da grava molestia que me
obrigou a guardar o leito, e logo qua me
restabelecer completamente explica:-ei ao
publico a razo que determinou noticiar-se
raeu fallecimento.
Recife, 15 de Maio de 188G.
Manoel Januario de Arruda.
Despedida
Jos de Souza Nunes Braga embarcando hoje
para Europa com ana familia e nao podn io des-
pedir-so pessoalminte de todos os seus amigos,
pel preci. itacao com que resol vea sua viagem
(do que lhes pede desculpa) o faz por meio deste,
offdrecendo-lhes seu limitado pre3tia em qual-
quer parte que se ache.
N. 9. A Emulsao de Scott fortifica e
desenvolve o systema osseo e nervoso das
criancas debis e rachiticas, e nao ha nada
que possa se comparar este remedio tai
agr idavel a reconstituate para a cura das
doeness devidas a m condijao de sangue
e debidade do corpo.

~

-

r lam \


Diario de PernambncoSabbado 15 de Maio de 1886
Vebro ei
*. Cara damlraveln. O Dr. Adelino Antonio ae Luna Fi
W. 415 official da'Impvial Ordem da Rosa,
t bimms. antieamenta uto dos mem-, ____jj a. ik.1i r_j___MU;.*
O Dr. Egbert Sirams. antigamenta oto dos mem-,
broa do Collegio Medico de Philadolphia, pre-
sentemente um dos me.iic a o mtia popular em
Minnesota, oscreva a um amigo 01 Kew-Yo^fc
que as pilultfs aasucaradas de Bristol, esli pro-
duzinda inaravilhas n'aquella regiao eto casos de
febrea e sezoes, e fiebres biliosas-e ihtertnittentes.
O extracto seguinte de suas observacocs fol publi-
cado com a devida periuisslo do tal amigo, quom
lora dirigida :
Como Vme. sabe, eu sou mui poucc amigo de
remedios aimunciados e principalmente plalas ; a
maior parte dellas para nada presUm, e omitas
lo perigosas. Porui as punas asatKaradas de
Brisfol f ir mam uina-tonrosa excepcao Nao se po-
da deaejar melhor plala* para o uso de fauilias.
NSo ha, 'juu i nao mu engaao, em toda a phar-
macopcia. cousa que con ellas se possa comparar;
nem isto aiada fuio ; as qualidades antibiliosas
das pilulas as tornan um remedio positivamente
inestim ivel para a cura das febres biliosas e in-
termftteutes e sezoes, tao cammuns nesta latitude.
Eu as acb'-i de urna efikacia excellente no curati-
vo de f-bres, caleiiios e sezoes. Ellas sao tanto
tnicas como aperientes, e podem ser administra-
das com grande vautagein, naquelles casos em
que o purgativos drsticos poderiam ser altaraen
te iierigusos.
Ellas acham-so mettidas dentro de frasqunhos,
por isso a sua conservado duravel em todos os
climas.
Em todas as molestias aggravadas ou P[ov_
nientes de impureza de sanguu, a sslsaparrilha de
Bristol, deve de ser tomada conjuntamente aoa
as pilulas.
Acha-se venda em todas as pnncipaes boacas
lojas de drogas.
Agentes em Pernambuco, Henry Forstcr & C
roa do Commereio u. ).
Freiro,
com
raendador da Rtel Ordem Militar Por-
tuguesa de Nosso Senhor Jess Christo..
e juiz de dirito privativo de orphaos e
ausentes n'esta comarca do Recife, por
Sua Magestade Imperial a quem Deus
guarde, etc.
Faco saber aos que o presento edita! virem ou
daste tiverem noticia que na audiencia de 18 de
Maio do oorrente anno,.ir a praca a quem mais
der, servindo de base preco da avalacao, a casa
terrea, com sotiio interne, sob n. 37, ra do Pi-
lar, freguezia de S. Frei Pedro Goncalves do Re-
cite, em solo proprio, com 5 metros e 80 centme-
tros de largura c 19 metros d' comprimento, cor-
redor independente, duas salas, tres quartos, no
pavimento terreo, tres janellas que deitam para a
mesma ra, duas ja .ellas na sala de detraz, que
d<:tam para a ra do Pharol, dous quartos, duas
salas, e cosinha interna no soio, quintal murado
cacimba exclusiva porto com um telheiro para a
referida raa do Pharol, avaliada por 2:000000, e
vai a praca requerimento da inventariaute dos
bans da fiuada D. Genoveva dos Rei Fouseca,
par pagamento de custas.
E para constar mandei passar o presente que
ser publicado pela impronsa e affixado no lugar
do costme.
Dado e pascado nesta cidade do Recife aos 20
de Abril de 1886.
Eu, Olavo Antonio Fcrrcira, escrivSo, o fiz es-
crtver e subscrevo.
Adelino Antonio de Luna Freir.
Companhia de Edificado
Communica 10 aos Srs. accionistas, que por de-
liberaco da directora toi resolvido o recolnimen-
to da segunda prestacio, na razo de 10 por cento
do valor de cada aceito subscripta, o que dever
realiear-se no London Brasilian Bank, at o dia
10 de Maio prximo futuro.
Recite, 24 de Abril de 1886.
% O secretario,
Gustavo Anlunes.
Club de regatas per-
nambucano
3* REGATA
Ilavendo o cousclho administrativo emittido
n ivos bilhetes para ingresaos de socios, tornando
por consequencia sem nenbum valer os que fo-
ram distribuidos para a regata que noo ponda
effectuar-se no dia 2, convido os senhores socios
virem receber, nos das 14 e 15, das 7 s 9 ho-
ras da noite, na sede deste club, das mos do Sr.
thesMireiro, os bilhetes a que tiverem direito, a
00 dia da regata, 16 do correte, das do cobrador.
Secretaria do Club de Regatas Pernambucano
em 11 de Maio de 1886.-O 1 secretario,
Osear C. Monteiro.
PROGRAMMA
DA
TERCEIRA REGATA
DO
ElTAES
O Dr. Adcliuo Antonio de Luna Freir,
official da Imperial Oordem da R' sa,
commendador da Real Ordem Militar
Poriugueza de Nosso Senhor Jess
Christo e juiz de direito privativo de
rpliilos nesta comarca do Recito por
Sua Magestado Imperial o Sr. D. Pe-
tiro II a quem D< us guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital
virem ou delle noticia tiverem, que depois
da audiencia do lia 18 de Maio do cor-
rente anno rao praq.i, servindo de base
o prego dt avaliacuo dos bens seguintes :
Urna grande olaria, sita no Ambol, em
CaxaDg, tendo na frente um grande por
tao o duas janellas, seis quartos 0*0 inte-
rior, um grande forno no centro ; com qaa-
tro raios, tnedindo cincoenta e cinco me-
tros o quarenta centmetros de frente, ses-
aonta e nove metros e noventa c::utimetros
de fun lo, 6:000*000
Um terreno, na propoi^dade Ambol, ao
lado do nascente. tendo 452 metros de
frente e 200 de tundo, 4:000-5000, valor
que causa para que o da parte ah pos-
suido pelo espolio inventariado, seja d.
3:1475980.
E vio a praca os referidos bens a re-
querimento di D. Antonia Fiancisca de
Jess Carneiro, iaventariante do espolio
do finado Antonio Mara Carneiro Lelo,
para pagamento de dividas e custas do re-
ferido inventario.
E para constar, mandei passar o presen-
te, que ser publicado pela imprensa e
affixado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife,
aos 13 de Maio de 18bG.
Eu, Olavo Antonio Ferreira, escrivSj, o
fiz escrever e subscrevo.
Adelino A. de Luna Freir.
O Dr. Adelino Antonio de Luna Freir,
official da Imperial Ordem da Rosa,
commendador da real ordem militar por-
tngueza de Nosso Senhor Jess Christo
e juiz de direito privativo de orphaos,
nesta cidade do Recife, por Sua Mages-
tade Imperial o Sr. D. Pedro Segundo,
a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos qie o presente edital virem ou
delle tiverem noticia, que depois das audiencias
do dia 18 de maio do corrente anno, ir a praca
mil lie* para ser vendido a quem mais der, ser-
vinto de base o preco do abate da quinta parte
da 1 val i a cao :
Un sobrado de 1 andar, no lugar denominado
Caboc, com 10 metros de frente e 6 de tundo, 2
.sal.s de frente, 2 quartos, 4 janellas de cada lado,
menea no do norte, onde est collocao no lado
de fra urna escada de tijollo e cal, que d en-
trada para o mesmo sobrado tendo no andar ter-
reo quartos de cada lado, isto sul e norte e 1
sala no centro, 3 jauellxs e 1 porta de frente, 2
porras e 2 janellas de fundo, sobrado que si-
tuado no centro de um pequeo sitio, co-n diver-
sas arvores fructferas. 4 pequeos quartos no
fundo, servindo um deites de cosinha, em pessimo
estado, por 1:600#.
E vai a praca a requerimento de Manoel Anto-
nio Alves Mascarenhas, invuntariante do espolio
do finado Frailesco Antonio Alves Mascarenhas,
para pagamento de custas do referido inven-
tario.
E para constar mandei passar o presenta, que
ser publicado pela imprensa e affixado no lugar
da costume.
Dado e passado nesta cidade do Recite, aos 12
de maio de 1886.
Eu, Olavo Antonio Fexreioa, eserivao o fiz es-
crever e subscrevo.
Adelino Antonio O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do civel desta cidade do R-scife,
por S. M. o Imperador, a quem Deus
guarde, etc.
Faco saber ; os que o presente edital vi-<
re*n, ou delle noticia tiverem, que por
ljirte de Rosa, por fcu curador, me ftu di-
rigida a peticao seguinle :
Illin. e Exm. Sr. Dr. juiz de direito
do civel. Rosa, escrava de Patricio Jos
Tavares de Vasconcnilos, requer a V.
Exc. que se digne mandar citar com a de-
vida venia, ao seu dito senhor, para que
na primeira audiencia deste juizo venha
declarar Be ac ita a quantia pela suppli-
cante, recolhida a deposito para indemni-
sacao de sua liberdade, e caso nSo aceite
a mesma iudemnisao, nomear e appro-
var louvados que dm valor supplicante,
devendo a eitac?.o ser feita por edicto,
visto como o supplicado se acha ausente
em lugar Lacerto e nao sabido, pena de
velia. Nestes termos pede a V. Exc. de-
ferimeuto e R. Me. Recite, 20 de Abril
de 1885--O curador, A. do Souza Pinto.
E nada mais se continua em dita peticao
aqu copiada, na qual profer o despacho
de theor seguinte :
Justifique a ausencia em lugar nao sa-
bido. R.ife, 20 de Abril de 1886. -Ri-
beiro.
E rais se no continha em dito despa-
cho aqu copiado, em virtuie do qual deu
a autora a justificoslo por meio ae teste-
munhas, u tmdo subido os aut conclusao, dei o seguinte despacho:
Hei por justificada a ausencia em lugar
no sabido, especa-se o elital da cita?o
com o prazo de SO das. R;cife, 7 de Maio
de 1886. Joaquim da Costa Ribeiro. E
pelo eserivao, que este sub.creve, fiz pas-
sar o presente edital, pelo theor do qual
chamo, cito e hei por intimado a Patricio
Jos Tavares de Vaseoncelloi para, no
prazo do '0 das, comparecer ant3 .este
juizo, afim de fallar aos termos da accao
e allegar o que for a bem de scu direito,
de conformidade cora a peticao aqu trans-
cripta.
E para que chegue ao conhe cimento de
todos, mandei passar o presente edital, que
ser publicado pela imprensa c affixado no
lugar do costume.
Dado cp3sa o desta cidade do Recife,
aos 12 de Maio de 1880.
Eu, Felicissimo de Azavedo Mello, es
eserivao, o fiz escrever o subsorevi.
Joaquim da Costa Ribeiro.
Joao Rodrigues de Moura, c ipitlo commnn-
dante interino do 3- batalhao de infan-
tera e presidente do conselho de revisto
da qualificaQao da Guarda Nacional da
parochia de S. Jos, em virtude da lei,
etc.
Paco constar a quem possa nt ressar que no
en 16 do corrente, s 9 horas da manha, no con-
sistorio da igreja matriz, se reunir o conselho,
afim de proceder se a revisao da qualificaco dos
ruardas nac naC3 do servico activo e da reserva
deta arochia, de conformidade coin as instru-
ecoes n 722 de 25 de Outubro de 1850, regula-
ento n. 1,130 de 12 de Marca de 1853 e o dis-
iwato no 6 doart. Io da le n. ,d95 .de 10 de
Setembro de 1873.
E para que conste mandei passar o presente, qne
aera afiliado nos lugares do costume e publicado
neta imprensa. .,. j 1
Quartel do o immando do 3 batalhao de man-
Ua da Guarda Nacional do Recife, 8 de Maio
*1886- r, ja/
Joao Rodrigues de Moura.
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz e
direito do civel n'esta cidade do Recite e
seu termo capital da provincia de Per-
nambuco, por Sua Magestade Imperial e
Constituc'oual o Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Fac sab'T aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que nos termos do art. 1.
d Dec. n. 1695 de 15 de Set mbro de 1869, den-
tro do praao de 30 dias contados da publicaco do
presente, recebar este juizo propostas em cartas
fechadas, para arremaiacao por venda doa cscra-
vos seguintes :
Luduvina, com idade de 50 annos,
pouco mais ou menos, avaliada por 200000
Ge.- aldo, com idade de 15 annos, ava-
hado por 4505000
Emili 1, com idade 20 aunos, avalia-
da por 400*000
Porfiria, com idade de i7 annos,
doeiite da ar, com paralysia uas
peraaa, avaliada oor 200*000
Peohoradas por ezacucAo que movem Thomaz
a Ckr^ybc' & C, successores de Vianna Cbris-
(Uai tru, amito Praaciaco Antonio deOliveira,
tqpwaariaa au poder do txec.urado
tfa ato.w1'- a auathecimenlo de todos,
mandei pasear o presente que ser publicado pela
mp-ensa e axado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos 8
de Abril de 1886. Eu Pedr Tertuliano da Cu-
nha, eserivao, subscrevi.
Joaquim da Costa Ribeiro.
Edital n. 18
O administrador do Consulado Provincial faz
publico a quem interessar possa, que no periodo
de 30 diaa uteis, contados dn 15 deste mea, ser
efiectuada por esta repartieo a cobranca, livre de
multa, dos seguintes iinpostos, relativos ao se-
cundo semestre do ejercicio corrente de 1885-86.
Imposto oc repartica'i-
10 e 20 /o sobre estabelecimentos commercaes
fra e dentro da cidade.
205000 por esclavo empregado em servico me
chanico.
J 0 rs. por baralho de cartas de jogar.
12 >/. sobro consultorios mdicos e cscriptorios
de advogados e solicitadores.
Consulado Provincial de Pernambuco, 11 de
Maio de 1886.
Francisco Amynas de Carvalho Moura.
Estrada de ferro do Recife
CaxaDg
tiUo ni publico
Se rao suppninidos nos domingos e dias santi-
ficados, de 15 do corrente at segundo aviso os
trens seguintes :
Para Caranga s 10.18 da manha e 2 18 da tarde
Para Apipucos s 1045 da manha e 1.45 da tarde
U Caxang s 11.12 da manha e 3.12 da tarde
Do Apipucos a 11 45 da nanha e 2 45 da taade.
Escriptorio da companhis, 10 de Maio de 1886.
H. W. Stonchewer Bird,
Gerente._______^^__
Englis Bank of Rio de
Janeiro Limited
A direccio tcm resolvido recommendar na pro
lima reuna dos accionistas em Londres, no dia
31 do corrente mez, um dividendo de 8 shillings e
um bonus de 2 shillings por accao, pagaveis, li-
vres de imposto, no da 1 de junbj prozimo futuro,
prefazende, com o dividendo interino pago em d-
zembro prximo passado, 18 shillings por accao,
ou 9 0/0 sobre o capital realsado. para o anno
financeiro proxirac passado. Tambem recommen-
dar-se' ha transferir ao fun o de reserva 10.000,
elevando o total do mesmo fundo a 190.000, e
deixando um saldo de 5.000, ao crdito da coota
nova de lucros o perdas.
Pernambuco, 14 de Maio de 1886.
Chas. I. Relton.
Gerente interino,
Em 16 de Maio de 1886
P0ULE 2^000
CaAMElHS REUNS
Co
panhia Franceza de navega-
cao a Vapor
Lnha quinzenal entre o Havre, Idg-
uoa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
-------------------------------------- -:-
Fiea em vigor o programma da regata que devia ter lugar no dia 2 de Maio, smente com a
srguinte alteraco :
V.o
EMBAHCACUKS
Escaler
6 remos,
dem.
de
Bandeira
brazileira.
Bandeira
portugneza
Raymun-
doGil.
An tonio
S. Joaern
REMADOBES
Profissionaee.
dem. ,
DISTAS-
ca km
METROS
COR DO VESTUARIO
DA TBIPOLAVAO
1.000
Azul e branco.
I Azul e branco.
NOME DAS EM-
BABCAgOES
Dous Irmaos.
Carolina.
Para maiores detalhes leiam-se os avulsos.
A legata ser intransferivel.
Come cara s 3 horas em ponto.
Os dircctoreN de regatas.
W. LJughes.
J. Guimaraes.
A de Mello, interino.
Coma gnu
DECLARACOES
Sociedadc Recreativa Amor da
AFOOAOS
De ordem do Exm. > presidente, convido aos
Srs socios para hoje 15 do corrente, na sua sede,
se apresentarem munidos de seus cartes para o^
aoireque da esta sociodade, em regosijo ao seu
l.o aniversario.
Afogados, 14 de Maio de 1886.
O I.0 secretario,
Jos Numeriano de Sant'Anna.
Club Iiiternacional de
Regatas
Deord.m da Sr. preside. K convido aos asso-
ciados deste club pa--a comparecerem no domingo
16 do corrente, pelas 11 horas do dia, na sede do
mesmo club, paia, reunidos em asseiublca ger,.l,
tra'ar-se de negocios urgente* ao mesmo.
Beerrtaria do Club Ictirn.-.cional do R gatas,
.1 de Maio de 1886.O secretario,
P. C. Casauova.
Vj. j_j. A.
O Comit Litterario Academice no intuito de
cumprir oa estatutos que o regem far no da 16
do corrente, s 11 horas do di urna sessao lit-
teraria.
Depois de aberta a sessao pelo Exm. br. conse-
Iheiro Pinto Jnior, oceupir tribuna o nosso
collega Thiago da Fonseca, sorteiado para i
a 1 eonferancia social, desiertando sobre /. thsse:
Existe urna sciencia comprehensiva de todos os phe-
nomtnos eociaesf
Cabe em seguida a paiavra aos oradores dea
associacoes qu.; comparecerem e 4s pessoas que se
tiverem inscripto.
Em ultimo luear oceupar a tribuna o oraaor
do Comit, Jala Pina Ferreira Sobrinho.^
A commissaj previne desde logo que nao serio
adroittidaa os aggregados qu; se apresentarem
com as Ilustres familias convidadas.
Silla das sesaoes do Comit Litterario Acad-
mico, aos 13 de Maio de 1886.
A couiraissao,
J. ds Barros Netti Jnior
Julio Pires Ferreira Sobrinho.
Paulo Julio de Mello.
Arreniata malas terrestres
O administrador, cumprindo a circular da di-
rectora geral dos correios, de 12 de Abril findo,
faz publico que fica marcado o dia 15 de junho
prximo futuro para o recebimento de propostas de
particulares que, uuranto o exercicio de 1886-87,
queiram fazer por contrato o servico da condc-
ela de malas terrestres, para o uKnor da provin-
cia, partindo desta reparticao para : *
Alag i de Baixo, na distancia de 410 kilmetros,
com expedicoes nos das 4, 8, 12, 16, 20, 24 e
28, viagem de 13 dias de ida e volts, passan-
do por Bonito, Bebedouro, Altinbo, t'esqueira,
Cimbres e Olho d'Agua dos Bredos.
Brejo, 210 kilmetros, nos dias 2, 6, 10, 14, 18,
22, 26 e 30. viagem de 7 dias de ida e volta,
paasando por Vertsntes, Bou.-Jardim, Taqua-
retinga a Santa Cruz.
Itamb, 120 k'lometros,nos dias 1,4, 7, 10, 13, 16,
19, ->2, 25 e 28, viagem de 4 dias, pa sando
por Iguarass e Goyanna.
Leoooldina, 800 kilmetros, nos dias 1, 6, 11, 16,
21 e 26, viagem de 28 dias, passando por S.
Jos do Egypto, Afogados de Ingazera, Inga-
teira, Flores, Triump'ho, Villa-Bella e S. Jos
do Bello-Mjiit.;.
Nossa Senhora do O', 126 kilmetros, nos dias 1,
4, 7, 10, 13, 16,19, 22, 25 e 24 viagtn de 4
das, passando por Iguarass e Goyanna.
Ouricury. 960 kilmetros, nos dias 3, 8,13, 18,
23 e 28, viagem de 32 dias, passando por Sal-
gueiro, Granito, Ex e Jatobi do Brejo.
Petralina, 960 kilmetros, nos diaa 2, 7, 12, li,
22 e 27, viagem de 32 lias, passando por Flo-
resta, Cabrob, Boa-Vista e Jatob de Ta-
ca rafc.
S. Jos da Oorfi.i Grande, 154 kilmetros, nos dias
1, 5 9, 13,17, 21, 25 e 29, viagem de 5 dias,
passando por Ipojuca, Serinhem, Rio Formoso
e Barreiros.
S. Vicente, 213 kilmetros, nos dias 2, 6, 10, 14,
18, 2, 26 e 30, viagem de 5 dias, passando
por Alaga Secca, Allianca, Timbauba, V-
cencia e Cruangy.
Tacarat, 540 kilmetros, noi dias 4, 8,12, 16, 20,
24 e 28, viagem de 18 dias, passando por S.
Bento, Alagoiubas, Pedra e Buique.
As propostas devem 8r apresentadas at 3 ho-
ras do da marcado, em cartas fechadas, por du
plicata, com descriininacio do precia do servsj
de cada linha de correios, bastando que urna s
via seja sellada, porm ambas assignadas pelos
proponeutea e Eeus fiadores.
Correio de Pernambuco, 13 de Maio de 1886.
Affonsj do Reg Barros.
Obras Publicas
e ordem do Illm. Sr. engenheiro chefe da re-
particao das obras publicas, faco publico que no
dia 24 do co-rente, ao meio da, recebe-se nesta
secretaria propostas para a execuco dos reparos
da ponte sobre o rio SerinhSem, no engenho Pao
Sangue, oreados em 2:100<. O orcamento e mais ,
condicoes se acham dispos cao dos senhores pre-
tendentes.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas, 10 ,
de Maio de 1886.
O secretario,
Joao Joaquim de Siqueira Varejao
THEATRO
SANTO il!
8. Teus lindos olhosPolka bri-
Ihaiito para piano a 4 n.fios, pe-
lo Sr. J. Tasso Jnior e D. G.
Porto A. Napoleao.
Principiar s 8 horas.
No fm do sarao dancante haver oonds para
Magdalena e FernanJes Vieira.
MARTIMOS
Empresa Dramtica
Companhia dramtica, dirigida pua9 actor
XISTO BAHA
SABBADO Ib
DOMINGO 16TLTIMA REPRESENTAgO ,
Quinta representacao da grande mag'ca em 1
prolcgo, 3 actos e 6 quadros, toda ornada de mu-
sica, visualidades, transformares, figos, ote, etc.
A FILHA DO AR
OD
S. R. J.
ii;iiso-n <.i;\s
Rainha do D. Apolonia
Filha do ar D. Edelvira
Breas Sr. Baha
Zephro D. M. Babia
Leandro Sr. Lyra
Assucena D. Herminia
Martha D. Felismina
To Mathias Sr. Teixeira
Willis D. Lucia
Companhia Haitiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Baha
O vapor Guahy
Commandante Martina
E' esperado dos oortop ci-
ma at o dia 15 de Maio,
e regressar para os mes-
mos, depois da demora do cos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete I racta-se na agencia
7Ra do Vigario7
Domingos Alves Malhens
auenra
DanipschiUTahrls-GeselIschat
0 vapor Desterro
Ssire bimensal em 6 de juuho prximo futuro
Previno a tolos os senhores socios e convidados
que esta soire principiar as 7 horas da noite. Os
ingressos eucontram-se a' a vespera da soira
em poder do senhor thesoureiro, e os r-<-vites no
do Sr. presidente. Recommenda-se 11 a sim-
peidade nos toilettes e scie.ntica-sc j nao *o
admissireis aggregados.
Recife, 10 de Maio d 1886.
Luiz .(ruedes de Amorim,
2- secretario.
Emprentarla do nbaxlerlmento d
agaa e gnz cidad; de Olinda
DEVEDORES EM ATRAZO
Tendo a directora, em sessao de 15 do
corrente, resolvido re-eber por intermedio
de um Bollicitador todas as contas de con-
summidores d'agua e gsz em atrazo, a
contar do ann'i de 187G, resolv n'esta
data encarrega;- de tul cobranQa o Sr.
Dogo Baptista Fernandes, a quem espero
attenderao desdi- logo os mesraos devedo-
res, cortos da justica c equidade do simi-
lhant resohii;
Escriptorio do gerente '.'5 da Abril de
1886.
Antonio Pereira Simoes.
TIIEVTR
DE
VARIEDADES
Domingo, 1 de Maio
liKKEFICIO DO ACTOR
MANHONgA
Subir setna a importante comedia-drama
em 3 actus, de Rangel de Lima :
Vinganca de Miilher
Terminar i o cspectacilo a comedia em 1 acta :
J ouvi espirrar esle nariz
A'a 9 hora.
QS~)
Sylpbides, genios, camponezes de ambos os se-
xos, diabos, pbantasmas, etc., etc.
'ritmo* iios qoadro*
Prologo Entre-nuvens
1." quadro O talismn
2." dito A derrocada
3.* dito Osbeijos dodiaba
4.8 dito O cemiterio
5. dito A gruta do diaaa
6.a dito Apotbeose
25 NMEROS DE MSICA
. 1.* C'o de Sylphides.
2. Harmona, entrada de Zephiro.
3. Forte, entrada de Breas.
4. Duettino de Zephiro e Azulina.
5." Coro de Sylphides.
6.a Aria de Leandio.
7. Ensemble de Martha, Mathias e Assucena.
8. Forte na orchestra, entrada de Azulina pela
nella.
9. Harmona.
10. Coro de camponezes. .
11. Coplas de Breas e coros.
12. Canco de Mathias.
13. Tercetto, Martha, Mathias e Assucena.
14. Meloda.
15. Forte na orchestra.
16. Aria de Azulina.
17. Tercetto, Azulina, Zephiro e Breas.
18. Coro de Willis, phantasmhs, Breas, Zephi-
ro e Azulina.
19. Coro de pbantasmas.
20. Galope infernal.
21. Coplas de Leandro e Breas.
22. Forte na orchestra.
23. Coro de Camponezes.
24. Bolero e daaca por Azulina, 3oras, Zephiro,
Assucena, Leandro, Mathias e corpo de coro.
25 Harmouia final.
MA MSICA compo8icao dos distinctos maestros
RARCEL1NO CLETO E ROBERTO DE BAR-
OS.
QUARDA-ROUPA explenddo! 16 roupas com-
p.etamente novas e feitas a capricho.
f^CENARIO novo em parte.
MACHINISMOS novos feitos debaixo da direc-
cao do hbil machiuista da empreza o Sr. Cor-
de i ro.
ADERECOS pelo aderecis'a e contrsregra da
companhia o Sr. Caries d'Azevedo.
Fogos cambiantes, chuva de prata e de fogo.
MISE-EN-SCENE do actor
XINTO EMIlI.l
A orchestra est augmentada a debaixo da re-
gencia do maestro MARCELINO CLETO.
rasgos
Camarotes 10000
Cadeiras 2000
Galeras 2000
Geraes 1*000
Os espectculos sao iutransferiveis.
A's horas do costume,
Club Carlos Gomes
Programma da parle eoncertante
do sarao de lo de maio de .886
1. Idue foscariCavatina, scena
e coro, sobre motivos d'esta ope-
ra.pela ban'la do club Verd
2." Vejpri Siciliani Gran dueto
lui I lian te para piano a 4 maos,
pelas Exmas. Sras. DD. Mara
Celecna Rodrigues e Amelia
Guimaraes Cerlnele.
3. Non ver!Romance obse-
quiosamente cantado pelo lllm.
Si. H igo Ggli Titto mattei.
4. Romances ns. 6 e 14(Liede
olme Worte) para piano, peb
Sr. J 5.' Le Qalif de Bagdad uver-
tura p*a 2 pianos a 8 maos pe-
las Exnias. Sras. DD. Francis-
ca Caris, Ludovina Lobato, G.
Porto e Sr. A. Schiappa Boieldieu.
6. Salvator Roza i anconeta
Mia piccirella, cantada pela
Exma. Sra. D. Lenilla Lyra C. Gomes.
7. Ernani Caprice de concert
para p^ano pelo Sr. A. chiappa Prudent.
Esperase de HAMBURGO,
via LISBOA, at o dia 20 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann S C.
RUADOVIGARON. S
* andar
Coaipaohia Bra- ilelra de Hxwm-
s:*.co a Vapor
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante Joao Mana Pessoa
E' esperado dos portos do sul
at o dia 16 de Maio, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendaa valores
racta-se na agencia
11Ruado Commercio11
PORTOS DO SUL
0 vapor Baha
Commandante 1' tenente Aureliano Izaac
E' esperado dos portos do
norte at o dia 16 de Maio,
e depois da demora in
dispensavcl, seguir para
os portos do sul.
Recebe tambem carga pa-
ra Santos, Pelotas e Rio Grande de Sul, frete m-
dico.
Para carga, passagens, encommendas e valores,
trata-se na agencia
N. 11 RA DOCOMMEROIO-N. 11
Espera-se dos Dortoa da
sul at o dia 20 do crrante
seguindo depois da ndis-
penaavel demora para o Ha-
vre.
Os vapores desta companhia entriun no porto
ancorando em frente ae caes da praca do Commer-
co o sendo muito ncommodo o embarque dos pas-
sageirosno fundeadouro das paquetes transatln-
ticos, no Lamarao e demais devendo todos aportar
ao Havre, que o porto mais visinho de Paria,
fra de duvida que ha grande vantagem para quem
quizer ir Europa em aproveitar-se dos ditos va-
pores tanto mais quanto, a!m de seren os precos
das passagens mais mdicos, as despezas do embar-
que aqui e as de transporto do Havre a Paris, sao
muito menores do que as qne demandam as viageas
nos paquetes das outras linhas.
Conduzem medico a bordo, sao de marcha rapid-
e ofFerecem excellentes commodos e ptimo pasaaa
dio.
As passagens podero ser tomadas de antemo
Recebe carga encommendas e passageiros para
os quaes tem excellentes accommodacoes.
Steamer VI lid Macei
E' esperado da Europa at
o dia 20 de Maio, se
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
lita. Bio de Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p'los
vapores desta lnha,queiram presentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvareng pMd-
quer reclamae.ao concerneute a volumes, que po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.ani
de se poderem dar a tempo aa providencias necea-
sarias.
Expirado o referido prase a companhia nSo ae
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageiros. para
es quaes tem excellentes accomodacoes.
Angusto F. de Oliveira k L
AGESTEN
42 -RIJA DO COMMEROIO-4*
COMPl\lll.t PER^IMSICAKA
DE
.Vavceaco Coseira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Ptrahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Commandante Baptista
Segu no dia 22 de
Maio, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 21.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia PemambucaviL
n. 12 *
Pacific Sieam Navigation Company
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Valparaizo
Espera-se dos portos
do sul at o dia 24 de
Maio, seguindo [pa-
ra a Europa depois 'da
'demora do costuras.
Este paquete e os qne 'm
em diaite segnirem tocaro m
ri\mouth, o que facilitar che-
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
fHaver tambem abatimento no preco das pas-
sagens.
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a faete tracta-se com os
AGENTES
Wslson Sons & c .. Limited
N. 14 -Ruy DO COMMERCIO-N. 14
COHPAXD1E DEN MEWSAUE
RES H.1RITI9E
UNHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sul at o din 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar, Lisboa e yigo
Lembra-se i-.os senhores passageiros todas de
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar era qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas so nvnos e qne pa-
garem 4 passagens inteiras.
Por excepgao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes s se dio at e dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se com o agente
4ugnste Labille
9 RA DO COMMERCIO
.Md8lalfts& Brasil Hail S. S. C.
0 paquete Finalice
Espera-se de New-Port-
News.at o dia 17 de Maio,
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Para
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
tacho portugaez D. Eliza : para o resto da carga
que falta, tratase com Baltar Oliveira & C, ra
do Vigario n. 1, primeiro andar.
Lisboa e Porto
O brigue portuguez Armonio segu para es
portos cima: para o resto da carga que lhe falta,
tratase com os consignatarios, Jos da Silva
Loyo & Filho?.
Graiile do Sul
Segu com brevidade para o porte cima o pata-
cho nacional Maia II, prompto carregar, a tra-
tar ra do Mrquez de Olinda n.6.
LEILOES
Agente Festea
Leilao
De 8 caixas com 43 garrafoes com agua mineral
e diversas gigas com agua oe Sette
Sabbado 1 '-> do corrente
A's 11 horas
No armazem do Sr. Annes, confronte a A-
fand e,ga.
Leilao
(Em connuaco)
Sabba-io 15 de maio
De urna importante armacao de amarello, miu-
dezas, calcado, divers.s objectos de brilhantee e
guarnicoes de metal para camisas.
Na loia da ra da Imperatriz n. <6
POR INTERVENQaO DO AGENTE
lartiis
Ao correr do martello
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
N. 8. RUADOCMAiEKGlO N".8.
[andar t
Leilao
De 1 mobilia de jicartnd, com 1 sof, 2 Ma-
slos com pedras, 2 cadeiras de braco e 12 de
gnarnico, 1 guarda vestido, 1 toillet, 1 lavatorio
com pedra, 1 commoda de Jacaranda, 1 mesa elas -
tica,apparadores, 1 marquezo, 1 caminha para
menino, banquinhas, quartinheira, etagers, jarros,
espelhos, tapetes, escatradeiras, louca e eutros ob-
jectos.
Ao correr do martello
Agente Britto
Sabbado 15 do corrente
A's 10 1/2 horas
Raa Duqie de Caxiis n. 6, 1* andir
I


6
Diario de PernmniHi<>Sabbado 15 de Maio de 1886
Mm
5.
leilao
b>s* terrea Irateiia do Prin-
cipe n. l i, en terreno proprio
SABBADO 15 DO CORRKNTE
A's 11 horai
Una do Bom lesus n- t
O agente Silveira, p>r mudado e c>'m aasisten
esa do fcxm. Sr. Dr. juiz de orphos e a requeri-
mentovdo inventarente de Juo Cardoso Barreto,
levar a leilo a referida cusa. _^__^__
Leilao
Agente Brito
Da importante arma^ao e gneros de mo-
Ihados do estabeleciraento sito ra da
Imperatriz n. 34.
Q ageute cima, devidamenie, autorisado ven-
der a rcierida armscao e todos os gneros, que
<|uasi todos sao de primeira qualidade, em um ou
ais lotes, vontade dos Srs. pretendtntes.
Jb correr do martello
Garante se a casa.
Secada feira 1? do correte
A'8 11 horas em ponto
Leilo
Da bona movis, finos crystaes, porcelanas,
quadros, espelhos, electro e vinhos
\GENTC PITVTO
Ba da Sollclade n. I
0 engenheiro Ricardo de Menezes, ten do de mu-
dar de residencia para a Corte, far leilo por in-
tervengo do agente Pinto, dos movis c mais ob-
jectos existentes na casa de sua residencia a ra
da Soledade n. 84.
Constando de:
Um piano forte de Kenrihlez urna mobia de Ja-
caranda, quadros a oleo, espelhos, 1 piano forte de
II. Kirz., 1 cadeira 1 estante para msica, etta-
gers, jarros para Acres, escarradeiras, figuras, sa-
nefas e cortinados, alcatifas, forro da sala e quar
to, tapetes de sof e portas, e candieiro a gaz.
1.* afilarlo
Urna cama de Jacaranda e cpula, 1 toilet e^ 1
lavatorio e 1 lavatorio de Jacaranda, i guarnicoes
para lavatorio, 1 toilet, e 2 jarros e 1 torro de es-
teira.
*. quarto
Urna mebilia de pau crga feita a capricho
constand* de 1 cama, 1 secretaria, estante, 1 toi-
let, 2 cadeiras, 1 meza de cama e 1 cabide, 1 tir-
teiro, 2 quadros, 4 va;os e flores, 2 figuras de
porcellana. 1 guarnico para lavatorio, 2mezinbas
de fantasa c 1 linda alcatifa, forro de quarto.
:. quarto
i Cama francesa, 1 meza e catante, 1 lavatorio,
1 guarnico e 6 cadeiras, 1 cesta para compras,
2 balaii s, 1 banheiro. 4 arandellas, 2 casticaes, e
4 bolaB de cores.
Corredor
1 Candieho a gaz, 2 jarros com flores, 4 tapetes
de coco, 2 quadros, 1 resfriadeira. 1 quartinheira,
1 poita chapeos, e l forro deesteira.
tala de Jantar
1 Meza elstica, 1 guarda louca todo envidra-
cado, 1 spparador cem pedra e espelhos, G cua-
dros, 4 jarros, 1 lavatorio de parede, 1 cadeira, 1
carro para enanca, 1 rel^gio de parede, 2 candi-
ciros para kerosene, 1 dito para gaz carbnico, e
1 tapete de coco forro da sala, e vinhos.
2 Ai parelhos de porcelana para cha e jantar.
1 licoreiro, copos, clices, compoteiras, garrafas,
jarnnhcs para a meza, tacas de crystal, 1 appa-
relho para cha poro-lana branca, canecos para
caf, clices de cores e 20 globos.
1 Fogo amerieano de ferro, mezas, e trem de
cozinba.
Woto o u I. andar
1 Guarda vestido com esp- lho. 2 camas de
Jacaranda, 1 lavatorio e toilet, guarnicoes, 1 es
tan tu envidracada para livros, 1 meza para
jogo, 1 papeleide, 1 gnarda roupa de amarelle c
1 quartinheira.
*. Mala
1 Coramoda com armario, lindo sarc'uario ue
jaca rauda, 2 quadros, 2 espelhos, 1 camapsra me-
nino. 2 camas de lona e cutros objectos.
Avisto
Os referidos movis acf-.am-se em bom estado de
conservacau. O leilo principiar as 10 horas em
ponto por serem muitos os lotes.
Brevemente marcar-se-ha o dis em que de ve
ter lugar oito leilo.
Daaiiia Cavaleante e sna mnlher, senbores do
engenho Alegris,na comarca da Escada, eage-
nho que sobejamente gariante o pagamento da di-
ta divida, pruviniente de utos bypotieca.
4|oarta fera 41* do correte
A'a 11 horas
No armazem da ra do Imperador n 16
O agente Marti. nudo pelo II m. c Exm.
Sr. Dr. juii do civil, f-ir leii m sua prsenos
e a requerimento a.- D. Bernarda de Bous* Maga-
Ihese Silva, iov orar -p lio de se i fina-
do iimo coronel J Aufao de Si-uza Magnlha.'s,
da divida proveniente de urna carta de sentene;
obtida em 12 do Fevereiro de 1385, contra Jet
Sancho Beserra Cav loaste e sna mulher, senho-
res do importante entrenho Alegra, para paga
rem exacotivamenfe e p r curta preestoria execu-
tona que ja se cha passada a quantia de......
30:5205>4 de principal, juros e custas, alera de
4:577090 de juros accreseidos de Fevereiro do
anno passado at hcje.
Os Srs. pretendentes podera examinar a referi-
da carta em mo do agente.
"!-'
AVISOS DIVERSOS
Alugam-se casas a o00i> no beaeo dos Cea
lbos, junto de S. Gonculo ; a tratar na ra da Iin-
eratriz n. 56.
Faz se negocio com quem pretender comprar
a hypotheca da easa do largo do Paraizo a. 15 :
na ra Nova n. 12, leja de chapeos.
Compra-s urna pequea casa nos bairros de
Santo Antonio ou S. Jos desta cidadu ; a tratar
na ra de Santa Thereza n. 20. Tambero se ven-
de un bom sitio com casas na estrada nova de
Caxaug, muito prximo a estaco do Zuinby.
Precisa se de urna ama que engomme c com
pre : na ra do Imperador n. 43, Io andar.
Pede-se aos abaixo assignados o favor de
virem ou mandar i ra do Mrquez de Olinda n
51, a negocio que nao ignora n
Dr. Candido Emygdio Pereira Lobo.
Pedro Manoel Costa Lobo.
Francisco Raymundo Carvalho, (coramandante
Companhia Pesnambucana).
Aluga-Be urna casa na ra do Conde da Boa-
Vista n. 117 : a tratar na ra do Commcrcio nu-
mero 16.
Precisa-se
Aurora n. 81, l1
de urna cosinbeira : na ra dr.
anrar.
Urna roo,-a habilitada participa aos pais de
fatnilias que ensina portuguez, francez, arithmeti
ca e trabalhos de agulha : .. tratar no t orredor
do Bispo n. 18. ____
Precisa-se de otficiaes
na estaco de Pao d'Ailio.
de canteiro : a tratar
Precisa-se
Florentina n. 2.
de um cosiuheiro : na ra
da
Precisa-se de um caixiro qoe tenha prati
ca de molbados, de 14 lo' anuos ; a tratar no
becco do Campello n. 4-
Aluga-se a casa n. 65 ra da Palma, mui-
to fresca e com acesmmodacoes para familia : a
cntender-se na ra do barlholoineu n. 4t>,
Aluga-se o pavimento terreo, 1* andar e
soto do predio n. "5 da ra do Vizconde de AI-
buqaerque : a tratar na ra do Vigano numero
7, leja.
Precisase de ama ama para
casa de familia, prefere se es-
crava: na na do ioiovcllo o.
4tt.
Leiio
De 10 letras no valor de Rs. 3:858800,
todas legalizadas
Sega oda f eir IV do correte
as 11 lloras
17* armazem da ra do Bom Jess n. 49
(Em eontinuacol
De movis, pianos, copos, relogins de parede e
malas paraviagim,jarr>s. quadros. espelhos, sor-
tes de differenti-s qualidades. champagn, cognac
absi tbo, e agna de soda, latas com ottrag, e outros
objectot que tero vendidos nem limites.
Por loterveocao do afete
(illMIIHO
Leilo
Be um rico espelho oval dourado e gran,
de, lindos quadros, finas gravuras, jar-
ros para flores, crjstaeg, bous movis o
vinbo.
A SAPIR
Sala de vii-ita
Bm piano forte, 1 mobilia com 1 sof, 2 co iso-
ios, 1 jardineira, 4 cadeiras de brajas e ib de
guarn-co, 1 espelbo uval grande, 2 quadros
ovaes ci m vistas emmarepetola, 2 ditas Antigona
4 Esmenia. e asdip, 2 flias caridade, 1 dito o
vaticano, ldito assembla franceza, 2 almeladas,
1 tap. te de sof e 4 de ponto de carneiro, 6 lau-
cas c. m cortinadcs, 2 ettagirs, 2 jarros de ala-
bastro, 1 porta curto' s, 1 lustre de crystal com 4
bieos, 4 porta cartoes de abnstro, 2 figuras, 5
panm s de crt-chet c 1 es>t! ira para forro de sala e
qnartos.
Alcova
Orna cama, 1 toillet, 1 lavatorio, 1 cabide tudo
de taia, gosto am> ricano, 1 guarda vestido, 1
guarnico para lavatorio, 1 cpula, 1 cortinado
para cama, guarnirlo para toillet e 1 marquezo
Corredor
Um cabide, estante para chapeos de sol, 1 dito
de parede.
Gabinete
mu mesa com 2 gavetes, 1 estante para livros,
2cadenas de balanco grandes. 2 ditas menores e
2 ditas de Time.
1* quarto
Ima cmara de Jacaranda aam lastro de rame,
1 toilet, 1 lavatorio, 1 etpelho e 1 cabide.
2 quarto
1 Commoda, 1 espwlho dourado, e 1 toilet de
raogno.
Sala pe jantar
1 Meza elstica, 1 guarda lonja, 2 apparaderes
1 meza de serr con pedra, 2 quartinhas com tor
Miras, 4 p' qnenas, 1 gfcrda-comida de rame, 4
quadros com paysagens, 2 fructeiras e 1 tapete
para fono de sla e corredor.
1 ap.arulho de porcellana para jant.-.r, 1 dito
para cha, copos, caiices, compoteiras, garrafas,
porta qu> ijo, licoreira, talhwes, colheres, baode
jas, vnhos, e cognac.
Id-z:.s para cosiiiha com tampo de pedra, t em
de oeii ha e mais acre8snrios de casa de familia.
Quarta felra, de Malo
~u 1.- audar do si br*do de azul* jo da ra da
Imperatriz n. 88
(Esquina oa na do^tospicio)
Alfredo Antonio Ft-mandes, tendo de fazer
nma^jagein a Europa eom sna familia, far leilao
por rnfe- vencao do agente Pinto de movis e ais
objecin J enga de sua residencia a roa da Im-
per> tnz n 88, entraoa pela ra do Hospicio.
0 I' il o princiara as 10 lj2 horas.
1.8
ra
Preciea-se de um no Instituto Acadmico,
dj Visconde de Goyanna n 153.
Attengo
Arrenda-se o predio n. 56 ra Duque de Ca-
nas, cujo pavimento terreo proprio para esta-
belecimento coamercial e acha-se actualmente
desoccuptdo : a tratar na praca de Pedro II
outr'ora pateo do Colle^io) n. 6, 1* andar, com o
advogado Dr. Jos Vicente Meira de Vasconcel-
lof, das 10 hars da manb s 4 da tarde.
Caixeiro
Preeisa-se de um menino de 12 14 annos de
idade, com pratica de taverna e qae d fiador
sua conducta : na ra de Fernandes Vieira nu-
mero 68.
Leilo de una carta de
senlen?a rivel
Est annu ciado para 19 esse leilo, por isto
bom o segunte aviso aos pretendentes :
Primeiro, os i-xeeutudos tein relevantissimos
embargos a apresentar na occusio da execuco
O proprio coronel Jos Aa'ao. eabeudo delles,
guardn a carta de semenca e proeurou amigos
para ac<-orninOdai;o, etc.
Segundo, essa ex-cur;ao se far pelo regimem
an'ener ao decreto n. 3272. Ante- de tudo a ver-
dade
Solicitador
Jos Ferraira de raul, morador Ba comarca
de Cin brep, tendo-se j rv8"nado para aqneila
comarca, Caruar, Br-jo da Madre de Dos, S.
Bento e Encada, ofiVreee.se a quem precisar dol
servic/is inherentes sua profisso no lugar ci-
ma indicado.
ExpsloWli
Boa larga do Rosario
Bicos de cores.
Leqnes regatas.
Ditos D. Joannita.
Ricas sortes para presentes.
Fitas para fachas n. 80.
Damio Lima & O.
3
Novissimo compendio de sortes cm ver jos para
as festejadas noites de Santo Autonio, S. Jco e
S. Pedro, contendo urna escolhida collecco de
jogus de prendas r> poesas.
Preco1/000
Lvraria Universal, ra do Imperador n. 52
Precisa-se de um menino para criado
o Baro da Victoria n. 31, luja.
Engcnho
Leilo
Da sataCarta de Sentenca Cvelaa kaportan-
a de 30:520/594 e mais 4:578*090 de juros
"'i-cscidoa desd.- Fevereiro de W86 2 de
Maio do corrate anno.
Votm 3OOS*Sl
er ai eebr.dos exeaetlunueute de Jos Sancho
Arrenda-se engenhe Estivas, sito na comarca
do Cabo ; a tratar no escriptorio de Sebastio de
Barros Barreto, ra do Commercio b. 15.
Cosioheira
Precisa-se de urna que seja muito boa para casa
de duas pe^soas estrangeiras. Informa-se na ra
do Baro dr Victoria n 9, lvraria.
Engommadcira
Precisa-se com urgencia, para casa de familia,
a tratar na ra do ViaeoiiHe de Goyanna n. 207.
x\o publico
Antonio Botelho da Cmara, rendo encontrado
outro de igual nom-, desta data em diante assig
Dar se-ha Ai.toaio Botelho a Cmara Braga.
Afogados, 7 de Maio de 1886.
substituir
O quinium Labarraque um Vinho eminentemente tnico et febrfugo destinado
outras preparac;oes de quina.
O quinium Lauiraque conten codos os principios activos dos vinhos mais generosas.
O quinium Labarraque prescripto com v.inta"em aos convalcsrcntes de doencas graves, as parturientes e
a todas asj>cssas fracas ou debilitadas por urna :a.
Tomado com as venladeuas plalas de \ allet, sio rpidos elTcitos que produz nos casos de chlorose, ane-
mia, cores p.illLlas.
Em razao da efficecia d;> Quinium ^abarraque, preferhrel
torna! o em copo de licor, oofim da i e as piluLi \ de Vallo ante ^^j -. >!^
Vende-se na m*f parce das pharmacias sobe a assi -n..tura :
Fabricago e atacado : Casa L. FRERE
fe^
19, ru Jacob, Paria.
y
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das sem mitro medicamento
BAMIH 7, Boulttvar Dvnuit*. 7 ~ PA.US
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Plalas purlflcao o Sangue, corrlgem todas as desordems de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das constirocoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades
peculiares ao sexo feminiao em todas as edades. Para os meninos assim como tambera para as
ptssoas de idade avancada a sua efficacia e incontestavel.
Essis medicinas slo preparadas smenie no EiUbelecimenlo do Professo' Hollowav,
78, NEW OXFORD STEEET (antes 533, Oxford Street), LONDRES,
E Tendemse em todas u pharmacias do universo.
' Os coojpradore sao conyidados respeitosamente a eiaminar o rtulos de cada caixa e Pote se n*o teca a
direceao. 533, Oxford Sueet, sao falsificage*^
CAPSULAS
Mathey-Gaylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
--------------- ..------------
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Facilidades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Gollo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgos genito urinarios.
un Urna SJrn/;'caco detelhada acompanha cada Frasco.
Exigir os Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cie, de PARS,
que se achao em casa dos Droguistas e Pharmaceutieos.
Cura rpida e ae.rta pelo
ARSENIATOdeOURO DYNAMISAOO
do Doutor AXJDISOIV
da Chlorose. Anemia, torfu u Molestias do Systema nerroao, mama u
nuli rabelda, MoleeUaa ohronicaa dos Pulmdea, eta, te.
nulorea illtutrmcoaB medicas tm testado o poder enretlro deate medlcemute deetarun-n'o
o nmeiro e o maia enrgico dos reconstituinles.
O FRASCO I e FRANCOS (EM nUk*TQ\iW
Toio frote gve nao trouxer a Marea de fabrica retutraia e 0 *ulonatwr*^?!i*'','* 't"**n
deve oer rigorosamente recusado. ^2--^ *'**'3
Producto
L
J*WS, Pharmacia CBJUV, rom Xoebeeboaart, 8.
Deposito em Pcrnambw : FRANM M. da SILVA & Ca.
Trm mi.....t aTTH-M-M-
^<
Exigir o sallo
Frtnou.
SOLU0O C0IRRE
Exigir o sello
Frtnou,
AO CHLORriYDRO-PHOSPHATO DE CAL
O mala poderoso dos reconatltalntes adoptado por todos os Medico da Xnropa na
Froqueza oeral. Anemia, CMorosu, Tinca, Cachena, BsrrofUias, Kackitismo, Dotnau
oes ossos, Cresameito dir/lcil das cranras. Pastio. Dispepsias.
aru. COIRRE, rV-
79, m do Clurche-HJdi. Dptsiw iu prioeijiei Fhirmiu.
i
(0eneas :gervosas
RADICALMENTE CURADAS COM 0
BROSIUBETO LAROZE
e
.
XABOPE
de Cascas da
com
SEDATIVO
Laranjts amargts
BROMURETO de POTASSIO
APPROVADO l'ELA JUNTA DE HYGIEMS DO BBAZIL.
O Bromureo de Potassio de
Laroze, como todos os productos
feitos n'este estabelecimeiilo, de
urna pureza absoluta, condieao indis-
pensavel para que se obteuba elleilos
sedativos e snodynos sobre o sys-
tema nervoso.
Diseolvido noXarope Lzroze de
Cascas de laranjas amargas, est,- bro-
murelo uaiversalmeute empregado
(ex elusivamente re cei lado pelos mais
celebres mdicos de todas as facili-
dades para combater com certeza :
as :\ffeccoes nervosas do coraejao,
da vas digestivas o respiratorias,
as nevralgias, a epilepsia, o hyete-
rico, a danca de S. Goy, a insomnia
das criancas durante a dent.icao. em
urna palavra, todas as atiecedes
nervosas.
No mesmo deposito acha-se a venda os seguintcs Productos de J.-P. LAROZE
XARQPE LAROZE.
itagS&AWnCQi ANTI-NERVOSO
Contra as Oastritea, Gastralgias, Dycpepaia, Dores e Caimbras da estomago.
I cascas de ir*jas |
umarpas com
Coitra aa Atiendes escrofulosas, cancerosas, Tumores brencos, Acides de sangue.
Accidentes svpbiliticos secundarios e terciarios.
XAROPE DEPURATIVO
I0DURET0 DE POTASSIO
XAROPE FERRUGINOSOo^^^PROTOIODURETO^FEMO
jeqnassiaamargjconi |
CMlra a Anemia. Chloro-Anemia, Cores paludas, Flores brancas. Rachitlsmo.
tp*sito eta todas as bias gnguiar io guzlL
Pars, J.-P. LAROZE e O, Pharmaccuticos.
2, KUE DES LIONS-SilNT-PAUL. 2.
T3>4*&+v#(^|^fr4asJ
^
*dmltitrQtoiPAI)i2. $, toulererd Uontmtrtrt.
ORANTE GRU/LE.AOtefittlimBiuttett.iaai-
fJdiinadifesliTii.oMtraeresoBcail^MlsbaO
otalroTL-i *itccnei.coocrt*i ralolowtda bile.
B'OPITAL. Allec<;"c>das TiaxdipestivasiocoraBK-
doi do ivO.ti.-o, 'gMlao dilB.-il. iiappetaacia,
(astralr>a rt-,;;*psi.
CI.E3T7N3.AITeifeesdos rio, n'vii|ra iniai.
cit^tc..' 3daaoaraa,g ila. Ji.b.-^.,w.buninfTa.
EACTERIVE.Alie. {HWM naa, .la Nmsa.areas
eonc:j-;iesi^o.iri!i .o a..' a; e'.o al bu?.iberia.
| EXIJ-SG G
BaFafTEMCiFSOL
ft
Eu FararM/cj, m ..-* < Vithy.
a**lou ?x r*s '
Y/aazucx y ic tt U*SMM|
. m.'.i .1; -: :. "-.. rat Cr:-.
XAROPE
[B? HYPOPHOSPHiTO DE tA
Attencao
A Tiuva de Valdevino, da plvora, avisa ao
reapeitavel publico e especialmente aos eos fre-
^aezes, qae continua no mesmo ramo de negocio
lo sea finado aaarid >, para o que tem um comple-
ta aortimento de fagos, e todo tnais qoe diz rea
ti ramea te o eu ramo da negocio. Appare.'ho
tlfhoaiao369
VINHO de CATILLON
de GLYCERIKA e QUINA
0 mai> po-leroio tnico n-eonstituinta prescripto
nos cazo< d Dore!, d'aatomago. Langor, Anemia J
Diabetis, Connumpgao. i obres, i
Convaleeoenca, Rezultados dos partos, ele.l
0 mesmo lioho com fe ro. V'NHt1 FERMIGINOSO 0? [
CftTiLLN regenerador por Bteelleneta >!o sangue pobrJ*!'
J e descorado. Esto inho fai sobrar o ferro por lodosa
os estomago e nio oecasiona prisao de ventre.
\PARIS, 2. ri't SJintVmctnt de-Fi .'. Km rernambuco
Frane*M. da Si Iva eC*,cnj!.'principie* j'haniuriM.
UNICO-'VINfeOUlNAOC OF,0BTEVE.STA
AttwcSo
No Camiho Novo, defroute da professora, la-
va-se e engomma-se com rouita perfeicao ; a pes-
soas que quizerem dirijnmso CHsa n. 6o mes-
mo lugar.
E seim competencia
Na ra da Imp ratriz n 78, nova pbotograpbit,
tira se retratos porcellana 7KtX> a duis, ditos
eisaples a 6/t.OO.
,- Fmpregatlos com tnnto o '.a para curar a;
- '.. .hisica c as inolestia tobercalosas,;
/tendeante aMicanante 'ni frsvaeou quadra-'
coro o ame do douioi Uhcrclll iioiire
c*la. i
-'b a Influencia dos llyp toa al
for-i
jas torn,'.o vtr, i miorps noctumov oeaaSo,
' o dot t:te goza da usa betn estar desasado.|
t Os iiypophoephiot que levo a mnrra\
' A. ti If, i
Ii2, liflltone, Pariz, os ani-j
ios c rect -.'o1- r :D' CHDRCHH.L. ia'o" tfa .escoie.-fal
\-1e em* prop iedadts curativas.
'recti : 4 francos por fraseo em rra^r;a ,
i'endrm-st tas principan Piiar vicias.
EXPOSigXO
DE PABIS
COMTTESO
l7o
ASMA
pelo PO do
Clry
Vende-se em todas as PhomucHt,
Attengo
Por cominodo preco arreada se urna b >a baiza
de capim p- rto da cidade : a tratar com o Sr. Ma-
galbes na casa do vigia da estrada de ferro ao
bimoeiro, na encrusilhada de Belem,
------------ a---------------------
Eiigomniadeira
Precisa-se de ama eagommadeira qoe eaeeate
bem o servico : no patao do Conde d'fiu n. 30,
terceiro andar.
- .
1

ESl}

NICO

c

,/nV
y
Q

V
/
/
/
y
&
ri
>v
r
c
y
Preoarago de Productos Vegetaes
EXTINCO"DAS CASPAS
e outras Molestias Capllares.
^artinsTbastos
Pernamhwj,
Precisa se de urna ama para casa de duas pes-
sr.as ; na ra Formosa n. 2!), esquina do becco
dos.Ferreiros.
Ama
Precisa-se de urna boa cosinbeira
Mrquez de Olinda n. 6.
na ra do
AMAS
Criado
Preeisa-se de nm criado para servico domestica
de-um homem solteiro, morador cm engenho, pre-
fere-se algum que entenda de cnsinba ; a tratar
na ra co Impeador n. 81, das 1 horas s 3 da
tarde.
Leilao de urna hypotheca
Ser valida a hypo-
theca do engenho Ale-
gra, nao sendo lvi-
dos os consenhores dos
ten f nos do mesmo en-
genho, entre os quaes
existan, c existem an-
da orphaos"?
Isto quer saber:
Um que tem direilo.
Na ra de Paysaud n. 20, precisa-se de cosi-
nbeira e engummadi-ira, pga-se bem agradando.
Ama
Precisa-se de umli ama
servico de casa de familia
do Herval n. 33, 1 andar,
Areheclogic?. '
para cosinhar e mais
; na ra do Mrquez
defronte do Instituto
Asna
D. Mnria da l'onreiro de 11-
lniqaerqus* ttecocira
Domneos Theodoro Regafira Pinto de Souz,
sua mulher, filhos e genios, cmiviiiarn aos seus
parenti-s amigos ;i Hssistirem m missas que
mandam celebrar por alma de 3ii sempre lembra-
d'i filha, irina e eoahada, Mari i da Conci-icao de
Albuquerque Kegueira, na matris da lio i-Vista
s 8 horas da manha cie terca-feia 18 do crren-
te, 1" anniversario de seu pa.-sameuto ; anteci-
pando-lhes seus agradeeimentos.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar : s tratar ua ra do Ba o da Victoria n. 58,
segundo andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar e que nao
saia ruaa : tratar na ra Velha n. 75.
Ama
Precisa-se de urna para lavar e engommar
ua do Rangel n. 9. palaria.
km*
Precisa-se de urna miinr d idad* para cosi-
nhar : na ra Imperial m. 138.
Cosinbeira tapi le
Precisa n'uina luja y
dias uteis e dormir on4s
mero 13.
usiahar aomeate ass
raa Nova na-
o Io andar do sobrado
caiado e pintado : i sa
3* andar.
liga-s e
raa da Rangel n. 44,
m ast raa Direita n. 3,
Hanoel de Barro* Wandr!ey
Francisca Tranquilina Wanderley. Joo Bap-
tista Wanderli-y, Manoel da L'uuha Wanderlay
Anna C lara Wanderley, convidam a seus parentes
e pessoas de suaa relacSes p df smi finado esposa
e pai, Manoel de Barros Wanderley. oara assis-
tireii a missa que por -Ima tles'e mandam resar
na matriz de Palmares, s 8 horas da manha da
da 18 do correte, 1 anniversario do falleci-
mento. A anuut-ncia a sem>lhtute convite, aleta
de demonstrar nobresa de piedosos sentimentos,
encerrar um motivo inuito valioso para nosso rs-
conheciui'nio eternt.
an-jUi'; irUlWiBi'f 'TT~-------~
\ viso
Aluga-se barato
1 andar e nrinazcm na ruado Bom Jess n. 18,
e 2" andar e armazem na ra da Restauracao n
31 : a tratar na ra do Bom Jess n. 12,
lorio.
escrip
Aluga-se barato
O I. e 3." andar da ra do rfom Jess n. 47.
Trata se no largo de Curpo Santo n.19.1 and; r
um pequeo sitio murado, com ama ezcellente
easa, com umitas arvores fructferas, excedente
cacimba com agua encanada oara ca, com bo-
nito jardim, ra de Nunes Machado n. 1, na es-
trada de ferro de Olinda, muito perto da estaco
do Espinheiro ; no mesmo sitio tem quem o mos-
tr : a tratar na ra di Praia n. 70.
^osnheira
Precisa-se de urna, a tratar na ra da Unio
a. a.
L
O abaixo asaignado previne ..o publico de que
consenhor de tres pequeas prtes do engenho
Goit, ituado em Nazareth da Malta, por penas-
ta^ao feita em fius de 1883, com Jos t rancias
da >rlveir> Cavaleante e sua mulhi-r, e faz esto
aviso para evitar sorpresa por parte de queaa
quer que pretenda comprar algum lote de trra
do dito engenho. ou aceita!-o em hypothoca ; as-
sim como protesta propr accao de nulliaade das
vendas de alguns lotes feitos a diff, rent* s p-.-ssoas,
na impor ancia de 10 12 cont.-.
Joc Francisco de Burros Kego.
Aviso
O procurador Borges Tavora pode ser procura-
do em seu escriptorio n. 50. ra do Qneimado
onde tsteve o directorio liberal.
i Saol
Pergunta-se aoConcelh> Administrstivo desta
Contraria, se pode dar catacumba ao neto de om
irmo. como se den a poucos dias; deseja saber
um
Irmdo da Confraria.
Engenho
Cosinheiro
Precisa-se de um cosinhira : na
bit io do commendador Barroca.
Cosinheiro
Tr> spassa-se o arrendamento do engenho Santa
Rosa, na freguezia da Luz, perto da estaco de
-----------------i S. Lourenco, na via-ferrea do Limoeiro, assim
j como de Jaboato, na via frrea de Caruar.
, terreno d para safrejar-se anaualmente de doas
Magdalena,! tres mil paes e assucar. Alem de muitas var-
zeas tem mata virgem para abrr->e novo par-
------------------ j dos, mc a vapor, tendo urna machina nova, da
i muita f. rea, e mocnJas novas e grandes : quesa
1 pretendel-o dinja-se ao mesmo engenho ou raa
Precisa-s de um bom cosinheiro, que d abona do Imperador u. 79.
de sua conducta : a tratar na ra do Marques de
Oind n. 53.
Casas
1 -i
A ujara 9i> as casas n. 4 da ra do Riacbnello
e 51 da estrada do Mon eiro. cujas chaves e-to
na casa n. 84 da ra do desembargador Nunes
Machado, antiga da Soledade.
O Sr. Francisco Aires da Costa, commandaata
de un dos vapores desta compaoh'a S rogada i
vir ra do Mrquez de Olinda n. 50, afim da
concluir certo negocio que nao ignora.
Precisa-se
de ama pessoa para vender
ra Imperial n. 112.
na ra : a tratar na
L. E. Rodrigues Vianna madou seu escriptora
de ndvogacia para o 1 andar da ra larga do Ro-
sario n. 10.
3B>
-----------------------------------------------------------------sgjgg
cu
DE
Cltmaco i>a Silua
CHEGOU
afinal o pinho de Riga, de primeira qualidade, em pranchSo de 3X9, 4X9 e
3X12 de 19 at 70 palmos de comprimeuto, barrotes, taboas de forro e aasoa-
lho, ripas e eaibros para eobertas, chalets, estaos is de vias terreas, e para suli-
pas; garante-se n5o ser este pinho atacado pelo cupitn, em virtude de ser elle o
4verdadeiro piobo de Riga, umeo que a'este clima resiste ao tal bichinho. Reta-t
r,lla se barato e em por^So haver reducjJes de piejo.





Diario de PenmmbucoSabbadu 15 de Mato de 1886
Ensino cmnerctai
Diurno e nortarnu
POR FEDRO MARA ijA
KO COLLEGIO 11 DE AGOSTO E fc&&^.rAKragUft4>BS
1 scrlpturaco niereijtil
Curso essencialme tepratico detodaaas.iraneAc
Sjjes commireii.es e banearias, interiora e exte-
riores, ccnsigoaces, cambios, etc.
Arithmetif;! commerH.il
Applicada especialmente As ope^oes mmer-
ciaes e fincaras e curso completo le contae cor-
rentes com joros por canta, e ero. pirticipacoes,
emdiversas uioedas,'adorftadas pelo hito commer-
eio e os bancos.
Calif^rapbia
Cursiva, bastarda. eJooda, allemio, gothica.
Ungua franceza
Curse theorico errtico com todas as difficulda-
des da syntaxe em 90 %Ge. Supplemento dff
estudo sobre a syntaxe, hcuces familiares, idio-
tismos em 30 liyoes.
Ao coDimercio em geral
Encarrega se de escripia
atracadas. escripiuracoes de casas coiumerciaaa
e de escripias de casas pequeas ; abertur e ve-
rificacoVs de livros, balancos r inventarios, cor-
respondencia mercantil ; trabalhos de contabili-
dade e de calligrapbia, etc.
Para tratar, ra da loria i. S
Agua fle Viflago
Em quartos e meias garrafa*, vendem Paria
Sobrinhoji C, roa do Mrquez de Olinda B. 41,
DEPOSITARIOS
VENDAS
Tende ae pon oes de ferro, gradeamentOB
para cima de muro, bandeiras de ferro para por-
tas exteriores, de arcos, bandeiras de ferro para
portas interiores, de todas as qualidades, galu
nbelros de farro, carrocas para bois e eavallos,
carrinhos de mo e rodaa para carrocas, por p?e-
co commodj : nj largo do Forte n. 4, officiua de
ferreiro.
Veude se urna excellenfe taverna no larg
de Santo Amaro das Salinas, em frente para a
linha de Limoei'o, propna para qualquer princi-
piante : a tratar na mesma.
Engenho
Vende-sc por 20:000* a quinta e ultima parte
dos engeohos Amaragi d'Agua, Santa Luzia e 8.
Vicente, do ter no de Gamelleira, meia urna le-
goa distante do eugenho central de Kioeiro, bem
orno por preco commodo, um grande sitio que foi
ngenlio, no Ignaras. : a tratar na ra do Ln-
erador n. 50, terctiro andar.
Pinho
eriga
Vende-se em casa ae Alatneus Austin & C,
ra do Commercio n. 18, 1" andar, da melhor
qualidade e diversas dimensoes.
Antonio Diniz Itarnlo
Jos Diniz 'Brrelo, sua mulher e filhos man
dam c"librar missas por alma de seu presado pai,
sogr i i' a\ii. Antonio Diniz Barret >, no dia 15 do
corrate, stimo de sen passamento, na matriz da
Boa A i/2 boras da manha. Para as-
sistii-as convidam ao* seas parentes e amigos
i3S
Mara talcanlc
1. Delmira I launa de Siqueira e Augusto Cesar
de Andnde, traspaBsados de dor pela mortc pre-
matura de eua cara e nica filha e cuuhada, Ma-
ra da Penba iqueira Cavalcante, na cidade de
Itarab. n i dia 9 da c mate, pedem aos seus p-
rente a pooaoM de sua amizade ocarido^o obse-
quio de resar na matriz '. H n-Vista, s 8 horas da ma-
nha, ii i eageuho T mboaatn e em Jtamb, no dia
15 deste miz, pelo que desdeja se coufessam gra-
tos por -i caridad*.
Conoctii'iro Fraucixco Uomlu-
CUON O irinf.o, eanhaioa e sobrinhos do consrlheira
Franciscj Domiueues da Silva, mandam celebrar
algunas missas n B m- ata., no sab- i 8*000.
bado 15 do eorrent s 8 horas da manha, em
suffragio & BU i acto convidas
seus parantes e amigos d > tinado.
Pechinchas para acabar!!!
Ra Duque de Caifas n. .
Fustoes decores jara vestidos a 240 e 320 rs.
o covado.
( hitas claras e escuras, 200 e 240 rs o dito.
Sargelins diagonal de todas as cores, 240 rs.
dito.
Alpacas de seda idem idem, a 360 e 400 rs. o
dito.
Las com bolinhas, novidade, 560 e 700 rs.
dito.
Setiuetas superiores, fasenda de 600 rs., para
liquidar a 400 rs. o dito.
Damascos superiores, duas larguras, 1*600 o
dito.
Popelina branca de s<-Ja, 480 rs. o dito.
Setins macaode todas as cores, 800 rs., 1*000,
1J200 e 14400 o dit
Velluduh.is de listriiihas, novidade, 1*600
dito.
Sedas japonesa?, 4'0 rs. o dito.
Esguio para casaquiuhos do senhoras, a 4* e
4f50t1 a i>. ea
Brim.pardo fino para vestido, 500 rs. o covado.
Faites ae novos (costos, a 500 rs. o dito.
Camisas para sintieras, as mus lindas que tem
vindo, a 4*500 e 5 5.
Saias riquissimas, para todos os precos.
Cortin idos bordaoK 6J500 e 0* o par.
uaruicCes de crochet para cadeira e sof, a
D. Mariu SuluNliana do imorlm
Aniji.i i Marques de Amorim convida s< us pa-
rentes o amigos pan que se digaem aasiatir a
Bissa i tara celebrar na igreja matriz da Boa-
Vista, se .jnii.i.i-feira prxima, 17 ao corrente,
sun*rag.:ndo a alio de SU i | rasada irmit, D. Ma-
ra Salustiana de Amoriui. A missa t.r lugar s
8 horas da uianh.
D. Auna J )njtii;:a Mauricio
Orto;
D. Carlo'a Guilbermtoa de Barro? liego.
filhas e natas, e o MU fenro Barao de Calar,
mandam celebrar a isaas > m sn&Mo d'alma de
sua pregad i s^gra, nv a biaavd, ). rtiina Joa-
quina Mauriei Wandi ri y. s 7 1/4 horas da
manha de dia 15 do corrente, no mosteiro de S
Bento de Olinda. e convidam aos seus parentes e
amigos pai i asaiatireo to caridoso acto, pelo que
contees im-se desde j gratos.
Camisas francesas supenorc?, a 30$ e 3i>f.
Bramante de algjduj, o melhor que tem vindo,
1*500 o mtro.
Id-m de linho purc, 2 o dito.
Colchas de cores, frauct-zas, 1500 e 2$ urna.
Lenees de bramante muito grandes, 2* um.
Cobertas de ganga, idem idem, 3* urna.
Meias arrendadas para senhora, a 8 a duzia.
dem eruas, idem, 8$ e 12 a duzia.
dem inglczas para homem, 35500, \f e 5* a
duzia.
C'eroolas de bramante bord das, 12000 e 18*
a duzia.
Lencos de linho a o, a duzi1-..
Casemiras d^ cores, iuglezas, 1*40L e 13600 a
suas covado, o m duas larguras.
1 800, 2* e 5400 o
proprias para inferno,
Este remedio precioso tem gozado da acceita-
tao publica durante cincoenta e sete annos, conv
ecando-se a sua manufactura c venda em 1827.
Sua popularidade c venda nunca for.lo to exten-
sas como ao prcseiite; e isto, por si mtfmo,
offereci; a melhor prova da sua eficacia maravil.
bosa.
N hesitamos a dizer que nio tem deixa
em caso algum de extirpar os vermes, quer ni
oreancas quer em adukcs. que se acharao a8ic-
tos destes inirnigos da vida humana.
dcixamos de receber constantemente
attestai^es de mdicos em favor da sua eficacia
admira vel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificacoes, de
- ic deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nomc inteiro, que devia ser
dem pretas diagonaes,
covado.
Cortes de ditas decores,
a 2*500 e g*.
dem inglezas, superiores, a 4*500, 5* e 6*.
Cortes d- fustao pan colletes, lindos desenhos,
a 2*500 e 3*.
dem de gorgorito preto, a 2* para acabar.
Deposito de algodoes, tanto nacionacs como es-
trangeiros, superiores madapoloes, brins, caseni-
ras de todas 1 s qualidades, cheriotes e merinos
para luto.
Vendas em grosso, descont da praca.
Carneiro da Cunha & C.
Ouqne de Callas 39
.-!
Ba
Vende-se
o hotel do Recife, sito ra do Bom Jess n. 8,
est funecicnando e bem montado, a garantc-se a
casa : a tratar no pateo do TerQo n. 40.
Fumo do Para
Vende-se na ftibrica Vendme, em latas de 50
e 10U grammas, a 500 re. e I*ll00 a lata, espe-
cial.
.\0(M
Bonitos Iosjbsb t> faat para senhora, a 3*, C*,
8*al(f
Ditos 4a 11 jas 111, W l*50n a 2*500.
Ditas de pxpel, de WM) rs. a Ti.
Em coaiinuaeo
Cintos de couro a 1*500 e 2*.
Babados bordados largos e estreitos, a 100 rs.
a peca. /n,
Chapeos para baptisadotf de; 1*500 a 8*.
Ditos de palha para criancas de 3 a 4 annos, a
2*500.
O Pedro Antuui s & C. qurm tem para liqui-
daco.
iMMCeB.lFAHNEST9CI [''%knt (tmm>mmi(
E'oMllioiiaMlata!
A pimenta especialment.: preparada na Europa
em bonitos fraaajaintwa e que se vendem pelo di-
minuto prf 50 de 160 r3 cada um, no Largo de
S. Pedro n. 4.
Chnelo turco
Loja de calados estraRgeiros
DE
Thomaz de Carvalho A V.
Este grande esubeiecimento acaba de receber
peles done ultn-.os vapores da Europa Oralor e
filie de Pe naml/uco, um importante sortimento do
que ha de aiagntfico m calcados para eenhura-,
aomend e meninos, nao s pelo modernismo e ele-
gancia das forma, como pela eicellencia do ma-
terial, p' r frica. e su idez do traba I ho. Conscios
Me que aahirao pen nnent- satifeitos, pedimos s '
Ezmas. familias, acs i'lustras c respeitaveis cor- j
pos acadmico e e mmercial, e distincta clssse 1
artstica, a honra de urna visita ao nisao estabe-
leciment 1. As vendas sao feitas a precos os mais ;
razoav. -i-.
' 10Run do Itnro da Victoria10
l*. braoro dos ftiracen para ama-
riar a pedle
Estes pos, de urna fineza extrema, especialmen-
te preparado para af.ru,osear a pelle, sem alte-
ral-a.
A' venda, em casa do Pedro Antunes & C, ra
do Duque de Caxias n. 63.
Igualmente o bem conhecido leite de rosas para
extinguir as espinbas c pannos, os mais assombro-
sos inimigos de urna assetinada face, restituindo-
lhe a belleza antiga.
F.m ultima analyse. ser bom nao esquecer o
crme rosado para is labios !! S a Nova Espe-
ranza.
i tt\ e agrada?el
Fazer um delicado trabalhn de crochet esm os
novellos de la e seda de diversas cores, que teem
o Pedro Antunes & C.
Linhas de diversas cores, dita branca de linho
para laz- r ii i volit, inedalhro, tranca bom conhe-
cida para o mesmo.
Um bonito desenlio colorido para mesa, bonita
almofada.
Ao 6 i Ra Duque de Caxias
O lempo proprio
Boas meias de la para hooieijs e senhoras, luvas
de dita para qurm Sf'ffre da rheumat pino.
Ao 3 -Ra Duque de (alian
Ofl Oerettf. Schnappff AromatieM fie SchiecTam de T~clolpCio Woire #%o raim e%4lo nx*
de Cerada da prinaelra qualidade, ctridadocamente escothida dos melhores producios dos diitricto'
mais afamados pela qualidade do grao, como tambera do -ucto do fragrant Enebro, e sao purificados por pro
ceuo especial que expurga do espirito todas as panculas acres.
Como me ae eviur e corrigiro eflitos dcsagradaveis e muirs vexes perijosos preduzidos no estomago a
nos intestinos por aguas eatranhas, o que acontece aos viajantes e s pessoas nao aratimalariss,
OS "SCHNAPPS" AROMTICOS JE SCHIEDAM
chnm-se absolutamente DTFAI.LITEI 8; e nos casos de HTDROF8IA, PEORA, onSTRCC.
dio nos KDI8, MOLESTIA da BEXIGA, E8TBICTTJSA, DYSPKI'SIA e OEBH.I.
DAOE GEBAL sao recommendados com instancia pelos membros mais distinctos da profisso medical.
Sao preparados em garrafas de meio e de qoarto, encamotadas com o nosse do abaixo assignado em cada
garrafa e com a marca da fabrica e urna fac-simlle da sua assignatura no etiqueta ou rotulo.
ytMle*n-e em todas as Ptsssrmaaias e I njaa do Campo. Tem sitio sugeitos analyse dos
cnnoco> os mais afamado e por tiles forain dedarados ser o mais puro espirito jamis fabricado.
Tendo asasn rereficado sua purtza e mas proptiedades eortou-se amostras a dez mil mdicos, incluindo
todos os mais celebres dioicos dos Estados Unidos fim de que elle, a eapenmentasaem.
Urna circular pedindo urna rigorosa proTa e orna informacao exacta do resultado, accompanhava cada
amostra. Quatro mil dos cnicos aa issiaaate dos Estados Unidos promptamente responderam. Sua
optnio do artigo era unnimemente arorareL Tal preparaco, diziam alies, ha minto que se tazia absoluta-
mente necessana porque nemhnma confiancage poda depositar aoa productos communs do commercio, todos
maat ou menoa adulteradas e par tanto lauteis para os propositoi mdicos. A eacellencia peculiar e forca da
oleo do Enebro que um dos ingredientes prinapoes dests "8hnappa "Juntamente com o p-r-) alconol
C aTvSVOCtaSs>WO*
Esta Bebida Mediobal fabricada pelos proprletarlo em seu ssjgenhocledyititlacaoem Scbie expresaameaK para os usos medicuiae. # ,
UDOLFfiO WOLFE'S SOH & CO., 9 iBEAVEB STREET,
/ IEW-Y0E,l^ i-
Fazendas brancas
80' AO NUMERO
* raa da Iuiperatrlz == -lo
Loja dos barcUeiro
Alheiro ot C, roa da Imperatriz n. 40," ven-
dem um bonito sortimento de todas estas fasendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
a saber i
AlgodoPaca" a godozinho com 20
jardas, peliy. iprevos de 3^800,
4#, 4*500, 4*.-.',, 6J, 5<5O0 e 6|50i-
MadapoloPecas de madapolo oom 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at 12*000
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de 800
Ditas brancta ecruas, de 1* at 1*800
Creguella francesa, faienda muito encor-
pada, propria para Icdcocs, toalhas e
caroulas, vara 400 rs. e 500
Ceroulas da mesma, muito bem feitas,
a 1*200 e 1*000
Colletihos c a mesma 800
Bramante francs de algodao, muito on-
corpada, com 10 palmos de largura,
mitro 1*2
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 28UC
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J80)
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, d< 240 rs. at 400
Baptista, o que ha de mais delicado do
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratissimae, na conhecida
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodao entestado pa-
ra lenfoes
A Oo r. e ltOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
a 'lodo para lencoes de um s panno, com 9 pal-
m s de larguras 900 rs., e dito com 10 palmos a
1 i 10 o metro, assim coma dito trancado para
toalhas de misa, com 9palmos ele largura a 1*200
o i! ctro. Isto na loja de Alheiro c C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*209, 1*400, l*6(i0, l.'&OO c 2* o covado
A hf iro & C, ra da Imperatriz n. 40, veo
dem muito bons merinos pretos pelo preco acimt
dito. pechincha : na loja da esquina do bec-
co d< s Ferreiros.
spartllhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muifo bons espartilhos para senhora, pelo preco
de 5*1)00, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 31 o covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
zas, de duas L.rguras, com o- padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costumes de casemira a
30f, sendo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pechncha .- na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 321'
rs o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a IOO rs. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao com 50 pecas, sorti-
das, por 5j, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Fnstes de se.suela a 500 rs o
covado
Alheiro & C. ra da Impcratri ven-
dem um bonito sortimento de fustSes brancos pele
baratinho preco de 400 e 500 rs. o covado, assim
setinetas lisas, tendo de todas as cores a 500 rs. o
ovado ; na loja da esquina do becco dos Fer-
reiros.
A RevoluQo
0 48
a ra Duque de Caxias reduzio as vendas
a 25 0|o de menos de seu valor
Ver para crer
Setin raaco a 800 rs. o covado.
Merino de bolinhas 900 rs. o dito.
Lindas alpacas de cores 360 o dito.
Setinetas lisas 400 rs. o dito.
Ditas escossesas a 440 o dito.
Chitas finas modernas a 240 e 280 o dito.
Cretones tinos a 320, 360 e 400 rs. o dito.
Fustao branco a 400, 440 e 500 rs. o d;to
Linn branco a 500 rs. o dito.
Mariposas finas de cores a 240 o dito.
Linhos escossezes de quadrinhos a 240 rs. o dito.
Renaa da China 240 rs o dito.
-cd;i de listras 1*000 o dito.
Damasco de cores a 500 rs. o dito.
nrim pardo liso 300, 3G0, 400 e 500 rs. o dito.
Verbutinas de todas as cores a 1*000 o dito.
Ficbs a 1*, 2*, 3*. 4* e 5*000 um,
Casemira inglesa de cor a 3* e 4*(X)0 o covado.
Dita diagonal a 2* e 2*500 o dito.
Dita de cores a 1*800. 2* e 2*400 o dito.
Flanel la americana 1*200 o dito.
Toilette para baptisados a 9*000 um.
Punhos e collarinhos para si nhora a 2*000.
Espartilhos de coraca a 4, 5, 6 e 8*000 um.
Camisas bordadas de linho a 30*000 a duzia.
Camisas para senhora 30*000 a dita.
Ditas de meia a 800, liM)e 1 54(10 a dusia.
Timoi-s para peninoa a 4*000 um.
Casacos de laia 12* um.
Bramante de 3 larguras a 1*00 rs. a vara.
Dito de 4 larguras a 1*200 a vara.
Lencos c m barra a 1*200 a dusia.
L-nc s brancos a 1*800 e 25000 a dnsia.
Lenees de bramante por 1*800 um.
Cortes de casemira de cor a 3*, 3*500 e 4* um.
Toalhas felpudas a 4-5 n 6*000 a dusia.
Ditas alcocnoada? d'; 20* por 125000 a dusia.
Meias para homem de 3$, 4$, 5* e 6*000 a dusia.
Meias para senhora 3*, 4^ 5*, e 6*000 a dit:|
Colchas brancas e de cores a 1*800 urna.
Colchas bordadas a .OiOOO e 7*5 0.
Cobertas forradas a 2*800 e 2*900 urna.
Madapil' gema e pelle de ovo 6*500 a pe$a.
Redes hamburguezas a 10*00 > urna.
Brim 'raneado a 700 rs. o covado.
Cambraia de forro a 12*000 a peca.
Zefiros liso a 120 o C'vado.
Cortes de casineta a 1*000, 1*600 c 1*800 um.
Anquin: as a 2*000 urna.
I
Garrofa eboi
Vende-s urna prroca da duas rodas, propria
para boi e cavallo, e nm bonito boi muito novo a
manso : para ver e tratr ra de Pedro Affonso
n. 68, antiga ra da Praia.
Casa em Afolados
?8Vende-se urna casa na ra do Motocolomb n.
7, com 2 salas, 2 quartos, cosinha fra, quintal a
cacimba, em chao proprio : a tratar na praca da
Independencia n. 40.___________________________
Camisas nacionaes
A soe. sAoooe 8*500
32=-.- Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjnhos de linho como de algodSo, pelos
barates precos de 2*500, 3* e 4*, sendo tazenda
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortadas por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a vontade dos
freguezes : na nova loja da ra da Imperatriz n.
3.', de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
Ra da Imperatriz = 3*
DE
FERREIRA DA. SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
eitavel publico um variado sortimento de tazen-
as de tol.s as qualidades, que se vendem pa-
reos baratissimos, assim como um bom sarti
ment de roupas para hotuens, e tambem se man
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tro alfaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc
Fruclas maduras
Vende-se diariamente especiaes laranjas para
mesa, mangabas, eapotas, e outras muitas : no
largo de S. Pedro n. 4.
Cabriolct
Vende-se um em perfeito estado e por preco
commodo; tratar na ra Duque de Caxias n.7
Registro para gaz
Vende-se deus e tres candieiros na travessa da
ra de S. Joao n. 5.
Em vista dos grandes propressos da idea de que
se gloriam as nacot-3 civilisadas, o commercio
deve acompanhar esse procrease, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimento das
nacoes ; em .'ista do que annunciam
MARTINS CAPITO & C.
1 Ra cstreita do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticios, es-
colba dos quaes, os annunciantes tcem sempre
maior cuidado, para bem servir os seus numerosos
fregueses. Lombramos, pois, o proverbio :
Qurm nao experimenta, c3o sabe.
Venh m ver, pois :
Queijos, flamengo e do Minas.
Fiambres inglezes.
Chocolate fraucez Meuier.
Dito do Maranhao.
Fructos seceos, como :
Paseas, amendoas, figos, etc.
Ditas nacionaes.
Doce de todas as qualidades.
Bolachinha inglesa.
Semeates novas de hortalizas.
Especialidade em
Vinhos finos do Porto, Madeira e Sbery
Ditos da Figueira e de pasto.
Cognac de diversos autores.
Vinhos tnicos, como :
Absintho.
Vermouth, etc.
Licores de todas as qiialidhdes.
Champagne.
Cerveja de diversar marcas.
Bem assim :
Araruta fina em pacotes.
Cha verde e preto.
Dito perola.
Especialissimo matte do Paran, em p.
Ainda mais :
Ovas de peixe.
Sardinbas de Lisboa em Salmoura.
Vendem Martins Capitao & 0, ra estreita d >
Rosario n. 1.
AOS AGRICULTORES
Foruiicida capanema (verdadeiro) para extinc-
c5o completa da formiga saura. Vendem Martins
Capitao & C, ra estreita do Rosario n. 1.
32Ra da lmperairiz-33
Loja de Pereira da Silva
Neate estabelecimento vende-se aa roupas aba
xo mencionadas, que sao ba- a as.
Palitots pretos de aiagonaes e
acolchoados, sen..o tazenaas muito en-
corpadas, a forrados V*0(X
Ditos de casemira preta, de cordc muito,
bem feitos e forrados 10*00('
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*001
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadera, c forrados 12*00t
Calcas de gorgorao preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encorpada 5*50
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem feitas 6*50<
Ditas de flanella ingleza verdadeira, 3
muito bem feitas 8*001
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*0W
Ceroulas de greguellas "pra homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e 1*60-
Colletinho de greguella muito bem feitos l*(Xa
Assim como um bom dortimento de lencos dt
linho e de algodao, meias cruas c collarinhas, etc
Isto na loja aa ma da Imperatriz n. 3i
Riscados largos
a ZOO rs. o covado
Na loja da rua da Imperatriz n. 32, vendem st
riscadinhos priprios para roupas de meninos
vestidos, pelo barato prreo de 200 rs. o covade
tendo quasi largura de chita franceza, e esi."
como chitas brancas miudinbas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja ao Pereira da Silva.
FuMt6eN. Metinetaa laziBiia* a ."
rat. o covado
Na loja da rua da Imperatriz n. 32, vende-a
um grande sortimento de fustoes brancos a 50
rs. o covado, lzinbas lavradas de furta-core
fi-zenda bonita para vestidos a 500 r.-. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ar
cores, a 500 rs. covado. pechincha : na lojr
do Pereira da Silva.
III MXLI J.|. Hl.. I I
Herln preto a allt
Vende-se merinos pretos de duas larguras par
vestidos e roupas para meninos a 1*200 e l*ttV
o covado, e suoerior setim preto para enfeites s
1*500, arsim como chitas pretas, tanto lisas coate
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na nova
loja de fereira da Silva rua da Imperatriz nu-
mero 32.
AlgodoEinbo francs para leucea
a OOOria., l e 1**00
Na loja da rua da Imperatriz n. 32, vende-at
superiores algodozinhos francezes com 8, 9 e 1C
palmos de largura, proprios para lencoes de um
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1*000 c
metro, e dito trancado pa' a toalhas a 1*286, aa
sim como superior bramante de quatro largura
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na lo>
de Pereira da Silva.
para meninos
A l*. lsoo e o*
Na nova loja da rua da Imperatriz n. 32, s
vende um variado sortimento de vestuarios pro.
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci-
nita curta, feitos de brim pardo, a 4*000, ditos
de molesquim a 4*500 e ditos de gorgorao pretc,
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; na
loja do Pereira di Silva.
GRANDE

Exccllcnte casa no
Monteiro
Vende-se ou arrendase annualmente urna boa
casa com bastantes commodos para familia, tendo
agua e gaz encanados, com um bom quintal todo
murado, cem algumas arvores fructferas e com
sabida para o rio, por prego muito iazoavel : qnem
precisar dirija-so rua Duque de Caxias n. 117
que achara com quem'tratar.
Taverna
Vende-se a bem afreguezada taverna da rua
larga do Rosario n. 1, propria para principiante
por ter hens commodos ; a tratar na rua larga do
Ro.ario n. 14.
Expsito central rua larga fc
Rosario n..'8
Damiao Lima & C, nao pndendo acabar com a
grande quantidade de merendonas, resilvexua
anda urna vez convidar as Exmas. familias e a
respeitavel publico em geral, que com certeza nia-
guem perder seu teupo, fazendo urna visita
Kxpowlco Central
Pecas de bordados 'a 200, 400. 500 e 600 rs. ,
Punhos e colarinhos bordados para seakaa* s>
2000.
Ditcs ditos lisos, 1*000.
Ditos para homem, 1 *500.
Um plastrn de 2*000 por 1*500.
Invesiviis grandes por 320 rs.
Lacos para senhora por 1*500.
Macos de la para birdar, 2*800 e 3*
Luvas de seda arrendadas a 2*500.
Ditas lisas, 2*200.
Ditas de fio de Escossia, 1*0C0.
Broches para senhora (modernos) 1*600.
Um par de meias para senhora (fia de seda)
600 rs.
Dito idem liso, 400 c 500 rs.
Dito idem (fio de seda) 1J200.
Duzias de baleias a 360 rs.
Carreteis de 200 jai das a 80 rs.
Metros de arquinnas a 160 e 120 rs.
Um par de fronhas de labyrintho, 1*500.
Macos de gramp' s a H) rs.
Metros de plisss a 400 rs.
Lindos passarinhos de seda para chapeas de
senhera, de 500 rs. a 1*000.
Um pente com inscripcao para senhora, 1*.
Um leque de 16* per 9*.
Brinquedos para criancas, leques de papel, fi-
tas, bicos de linho, quadros para retratos, lencas,
tspartilhos, bicos, galoes, franjas oom vidrilbos,
eutras muitas oojectos de phantasia per prefes
sem competencia: na exposicio Central, ta
larga do Rosario n. 38. ____________^_
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escessez preferive:
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifcar
o corpo.
Vende-se a retalho nos iu lheres armazeas
Domados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADOcujo ac-
m e emblema sao registrados para todo o Brasil.
BEOWNS & C, agentes
LlicifllfcHraTM
Vende se pelos segn-lates pre-
cos de i.>iO!> at 0*000.
roa do Crespo n. I adama
Mequelina.
Cabriolel
Ve ide-se por baratissimo preco e em muito bom
estado um cabriolet de dous assentos, quatra re-
das e arreios para um cavallo ; a tratar na ce-
sheira do Candido, rua da Roda.
s*' I
IA
DAS
CORRE NO DIA 18 DE MA10
M 11 liull 1 11 1 1 1 1

O portador que possuir um vigsimo desta importan-
te lotera est habilitado a tirar 10:006$>000
Os bilhetes acham-se a' venda na Casa Feliz, praca da
Independencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 18 de Maio de 1886, sem falta.
j atBVfl i



Diario de PernambucoSabbado 15 d Maio de 1886
ASSEIBLEA GERAL
%


CMARA DS DBPUTADOS
DECIMA -SKSSaO PREPARATORIA
EM 30 DE ABRIL DE 1886.
PBESIDENCU BoSb. ANTONIO JOS HENBIQSS
Ao meio dia, achando-se presentes os
Srs. Henriques, Leitio da Cuaha, Rosa e
Silva, Jaguaribe Filho, Christiano Luz,
Affonso Celso Filho, Bario de Leopoldina,
Cockrane, AccicJy Franco, Jlo Henri-
que, Prisco, Henrique Marques, Costa.Pe -
reir, Silva Maia, Mascarenhas Americb
Freir de Carvalho, Barao de Canind,
Bento Ramos, Ribeiro da Canha, Gongal-
ves Ferreira, Luiz Freir, Elias de Alba-
querque, Ribeiro de Menezes, Jos Mar-
celiao, Correia de Araujo, Passos Miran-
da, Carlos Peixoto, Montandon, Paulino
Chaves, Seve Navarro, Ferreira Vianna,
Gomes de Castro, Luiz Moreira, Fernan-
des de Oliveira, Pedro Carneiro, Olympio
Campos, Jos Paranagu, Canto, Alcofo-
rado, Soriano, Tarquinio, Dias Carneiro,
Coelho de Campos, Juvencio de Aguiar e
Barao de Diamantino brese a sesslo.
E' lida e approvada a acta da sessao an-
tecedente.
O Sr. 1. secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE
Diversas actas eleitoraes.
A's respectivas coannissoes.
Pareceres da commissao: Reconhendo
deputado pelo 10." districto da Babia o Dr.
J. Junqueira Ayres de xVImeida e pelo 14.
da mesma provincia o Dr. Pedro Carneiro
da Silva. Vio a imprimir para entrar na
ordem dos trabalhos.
E' lido, apoiado e era discusslo appro-
vado um requerimento da 1.a commissao
de inquerito, pedindo diversas actas elei-
toraes.
ORDEM DO DA
VERIFICAClO DE PODERES
Sao approvados em todas as suas cop-
cluses os pareceres da commissoes de in-
querito, apreseatados na sessao de 28 do
correte, sendo reconbecidos deputados:
pelo 4." districto do Para, o conego Jos
Lonreuco da Costa Aguiar; pelo 1." dis
tricto da Parahyba, o Dr. Anysio Salathiel
Carneiro da Cunha ; pelo 5. do S. Paulo,
o conselheiro Manoel Antonio Duart de
Azevedo, e pelo 4. de Minas, o Dr. Se-
bastiao Gongalves da Silva Macarenhas.
O Sr. Presidente declara que achando-
se reconhedo numero legal para que pos-
sa ter lugar a abertura da Assembla Geral,
vai se officiar ao Senado, dando disso co-
nuecimento ao Governo, afim de saber se o
dia, hora e lugar, em que S. M. o Itnperdor
se dignar de receber a deputaglo que por
parte da Cmara tem de pedir ao mesmo
angusto senhor a designaglo do dia e hora
da missa do Espirito-Santo n< imperial ca-
pella e do dia e lugar da sessao imperial
de abertura, e nomeia para a referida com-
missao os Srs. Castrioto, Barao de Diaman-
tino, Barao de Canind, Duque-Estrada
Cmara, Frene de Carvalho, Elias de Al-
buquerque, Gongalves Ferreira, Cantao,
Coelho de Campos, Soriano de Souza, Dias
Carneiru, Alvaro Caminha, Carlos PeiXb'.o,
Candido de Oliveira, Fernandes >& Cunha
Filho, Coelho Rodrigues, Pinto Lima, Bu-
lhSes de Carvalho, Arairjo Pinho, Bernar-
do de Mendanca, Olympio Campos, Hcn-
rique Marques, Paseo Miranda e Masca-
renhas
D para ordem do dia 1 de Maio.^
Votaglo dos pareceres de commissoes de
inquerito ns. 78, 79 80 e 81.
Levantase a sessao s 12 3/-A.
Foram ante-hontem apresentaios rois
os seguintes pareceres:
Reconhecendo deputado pelo 9. districto
de Minas-Geraes, o Barao de Leopoldina.
Reconhecendo deputado pelo 13. dis-
tricto da mesma provincia o Dr. Olympio
Osear de Vilh'na Valladlo.
Reconhecendo deputado pelo 2. distric-
to de Goyaz o Dr. Jos Marcondcs de An-
drauc Figueira.
Reconhendo deputado pelo 4. districto
da Bahia o Dr. Pedro Muniz Barreto de
Aragao.
UNDCIMA SESSO PREPARATORIA
EM 1 DE MAIO DE 1886
PEESIDESC1A DO 8B. ANTOHIO JOS HESBIQE8
Ao meio dia achando se presentes os Srs.
Henriques, Leit&o da Cunha, Rosa e Sil-
va, Jaguariba"Filho,' Christiano da Luz,
Luia F^ire, Dia Carneiro, Coelho Cam-
pos, A. de.Siqueira.gilva, Maia, Mondon-
ga Sobrinho, Pedro/Mslnl, Aceioly Fran-
co, Coelho Rodrigiles, .Joao Penido, Barao
de Leopoldina, Montandon, Carlos Peixoto,
Jos Marcelino,'. Amiffico Gomes, Goncal-
ves Ferreira, Bento Ramos, Castrioto Mat-
toso Cmara, Olympio de. Campos, Ame-
rico Gomes, Riberro de Menezes, Costa
Pereira, Juvencio de Aguiar, Paulino Cha-
ves, Seve Navarro, Luiz Moreira, Gomes
de Castr, Barao de Guaby, Fernandes de
Oliveira', Lourengo de Albuquerque, Hen-
jique Marques, Correia de Araujo, Elias,
J^o.krane, Caminha, Ribeiro da Cunha,
Portugal, Joao Caetano, Soares, Passos de
Miranda,^ Candido de Oliveira, e Araujo
Piabo, abre-se a sessao.
E' lida e approvada a acta da sessao
antecedente.
O Sr. 1. secretario d conta do se-
guinte
EXPEDENTE
-Um ".officio do Ministerio da Agricultura,
declarando que Eusebio Jos Antunes oc-
cupa o lugar de preeidente da Companhia
Nacional de Navegaglo A' quem fez a
requisicao._.
Diploma"do Dr. Olympio Osear Valla-
dlo, deputado eleito pelo 13. districto da
provincia de Minas.
Pareceres de commissao:
Reconhendo deputado pelo 9." districto
da Bahii o Barao de Geromoabo.
O Sr. Candido de Oliveira manda mesa
o diploma do Dr. Jos Marianno Carneiro
da Cunha, deputado eleito pelo 2. distric-
to de Pernambuco, e pede qne seja pu-
blicada, para que a Cmara possa ter co-
nhecimento, a contestaglo que entregou
commissao, apresentada pelo Dr. Costa
Rodrigues, contra a eleiglo do 4. districto
do Maranhao.
ORDEM DO DI A
VERIFTCA9AO DE PODERES
Sao approvados em todas as suas con-
clusoes os pareceres das commissoes de in-
querito apreseatados na sessao de 29, sen-
do reeonhecidos deputados: pelo 9. dis-
tricto de Minas o Barao de Leopoldina ;
pelo 13. districto da mesma provincia o
Dr. Olympio Osear de Vilhena 'Valladlo;
pelo 2. de Goyaz^o Dr. Jos Maacondes
de Andrade Figueira e pelo 4 da Bahia
o Dr. Pedro Muniz Barreto de Aragao.
O Sr, Presidente diz que, havendo an-
da 44 dipiomas a examinar e devendo
amanha a cmara receber a resposta de S.
M. indicando dia e hora para a aberturada
assembla geral, convida aos Srs. deputa-
dos a se reunirem amanha mesma hora
e d para a crdem do dia 2 :
Votaglo dos pareceres de commissoos
de inquerito ns. 82, 83, 84, 85 e 86.
Levanta-se a sessao a meia hora depois
do meio dia.
do 29
03
ANGELA
POR
ZA7.2352 mmm
( Continuac.0 do n. 109 )
XXVI
Ha de fazer o favor de me dar a con-
ta das pequeas despezas que fez commi-
Oh I senhor. Isso nao tem pressa.
E* urna bagatella !
Tenha a bondade de me dar as cha-
ves.
Aqu estas.
E a porteira mostrou um mlho de cha-
ves, que estava emeima de um movel.
Esto ahi todas.
Agora, minha querida senhora, dese-
io-lhe muito boa noite.. Tenho graude
precisao de repouso o vou me deitar.
Boa noito, senhor, tenha muito boa
Bsite.
A porteira desfez-se em cumprimentos.
O italiano acompanhou-a at porta,
qual fechou chave.
Assim que se vio s deu um suspiro de
allivio.
At que erafim, murmurou ell-;, vejo
me n'uma casa decente e com urna mobilia
que posso mostrar, sem morrer de vergo
aba. Proli est encadernado de novo I E
jabera lempo De hoje em diante, tenho
a carreira aborta dian;e de miin. I Nao me
reata sanio seguil-a para chgar ao fim que
jurei attiogir I
O mais difficil est feito e nenhum obs-
tculo se pora entre esse fim e eu 1
IJepois deste pequeo monologo, o ita-
Foram aprontados na sesslo
seguintes pareceres :
Reconhecendo deputado pelo 4o districto
do Maranhao o Dr. Jlo Hunrique Vieira
da Silva.
Reconhecendo deputado pelo 5o distrac-
to da Bahia o Dr. Amerieo de Souza Go-
mes.
Reconhecendo deputado pelo 10 distric
to da Babia, sendo annullada a parochia
de Lenges, o Dr. Francisco Junqueira
Ayres de Almeida.
Reconhecendo deputado pelo 3o dis-
tricto de S. Paulo o Dr. Francisco de
Paula Rodrigues Alves.
Approvando as eleic5e3 do 3o districto
da provincia do Rio-Grande do Sul, as
quaes obteve maioria em 2o escrutinio o
Dr. Severino Ribeiro Carneiro Moateiro,
a quem foi expedido diploma, mas tendo
fallecido o candidato diplomado, propoe
que se officie ao governo para mandar
proceder a nova eleiglo no mesmo distric-
to, na forma da le,
DUODCIMA SESSAO PREPARATO
RA EM 2 DE MAIO DE 188G
PRESIDENCIA DO SR. ANTONIO JOS
HENRIQUES
Ao dia, meio achando-se presentes os Srs.
Henriqes, LeitSo da Cunha, Jaguaribe
Filho, Christiaao ssj Luz, Pacifico Masca-
renhas, Luiz Freir, Costa f -reir, Co-
ckrane, Dori, Letao da Cunha, Silva
Maia, Olympio Campos, Jlo Caetano,
Alcoforado, Bario de Guahy, Fernandos de
Oliveira, Jos Marcelino, Bario de Dia-
mantino, Passos de Miranda, Pedro Car-
neiro, Bario de Leopoldina' Jlo Henri-
que, Castrioto, Laurencio de Albuquerque,
Freir de Carvalho, Amerieo Gomes, Ri-
beiro de Menezes, Pedro Brandlo, Coe-
lho Rodrigues, Dias Carneiro, Marcondes
Figueira, Carlos Peixoto, Gongalves Fer-
reira, Pinto Lima, Bario da Villa da Bar-
r, Coelho de Campos, Canto, Candido
de Oliveira e Gomes de Castro, abre se a
sesslo.
E'-iida e approvada a acta da sesslo
antecedente.
O Sr. Io secretario d conta do se-
guinte
EXPEDIENTE
Officio do ministerio do imperio, com
municando que S. M. o imperador se dig-
na rebeber a deputaclo da cmara dos de-
putados, qua vai saber a hora, o dia e lu-
gar da missa do Espirito-Santo e abertura
da assembla geral no dia 3 1 h ira da
tarde, no paco da cidade.
Outro do presidente do Rio-Grande do
Sul remetiendo actas eleitoraes.
O diploma do Dr. Felinfo Elysio Gon-
zaga, deputado eleito pelo 4o districto das
Alagoas.
ORDEM MO DIA
VERIFICACAO DE PODERES
Foarm approvados em todas as suas
conclus5es os pareceres das commiss3es de
inquerito apresentados na sessao de 30 do
passado, e declarados deputados :, pelo 4o
districto do Maranhlo o Dr. Joao Ilanri-
que Vieira da Silxa; pelo 6o districto da
Bahia o Dr. Amerieo de Souza Gomes ;
pelo 10 districto da mesma provincia o
Dr. Luiz Francisco Junqueira Ayres de
Almeida; pelo 33 da mes-va provincia o
Dr. Pedro Carneiro da Silva; e pelo 3o
districto de S. Paulo o Dr, Francisco de
Paula Rodrigues Alves.
Foi approvado o parecer sobre a eleQlo
do # distrito do Rio-Grande do Sul, que
approvado as eleiQSes concluio que, por
ter fallecido o candidato diploma do Dr.
Severino Ribeiro, se officiaes ao gover-
no para mandar proceder a nova eleiclo
conforme a lei.
O Sr. Presidente convida a deputaglo
qua tem de ir ao pago, a cumprir a sua
mis3lo hora marcada e suspende a ses-
sao.
A' 1 1(4 da tardo continu'a a sessio ; e
voltando a deputajlo, o Sr. Castrioto, ob-
tendo a palavra, comraunica que, tendo a
deputpclo nomeada por esta cmara se di-
rigi ao paco da cidade e sendo recebida
com as formalidades do estylo, afim de
pedir a Sua Mageatade o Inperador a de-
signaclo do dia e hora da missa do Espi
rito-Santo e do dia, hora e lagar da aber-
tura da assembla geral, desempanhou o
seu de ver, e o mesmo Augusto Senhor
dignou-se de responder que a missa teria
lugar amanha, s 10 horas, na capella im-
pprial. e a sesslo imperial da abertura
1 hora da tarde, no pago do senado.
O Sr. Presidente diz que a resposta d
Sua Magestade recebida com muito es
pecial agrado, convida 03 Srs. deput*dos
para comparecerem missa do tspinto-
Santo e ao senado, s horas indicadas, e d
para ordem do dia 4 :
Eleicao da mesa e das commissoes.
Votaglo dos pareceres do commissoes
de inquerito ns. 88 e 89.
Levantou-se a sesslo 3|4 horas.
SESSAO IHPER1AL
Da abertura da I Meo da 'O le-
gislatura da aimcuibla geral
EM 3 DE MAIO DE 1886
PRESIDENCIA DO SR. CONDE DE BAEPENDY
Ao meio dia, achando-se reunidos no
pago do senado os Srs. deputados e sena-
dores, foram nomeadas as seguintes depu-
tacoes:
Para receber Sua Magestade o Impe-
rador :
liano passou revista mobilia, procurando
um movel de solidez a toda prova, para
nelle encerrar a sua fortuna.
Escolheu urna secretaria, que estava no
quarto de dormir, e na qual collocou, em
urna das gavetas, as notas do banco e os
papis.
Feito isto, Proli desembrulhou os diver-
vindos durante o dia, e arru-
nos differentes cabides e
sos pacotes,
roou o contedo
armarios.
Em seguida, poz em cima da cama urna
camisa de dormir, entregou-se a urna infi-
nidade de pormenores de toilette, estendeu-
se nos finos e macios lenges de linho, apa-
gou a vela, deixando durante instantes er-
rar a vista pelos movis elegantes, vaga-
mente Iluminados pelas ultima chammas
do foglo, depois fechou os olbos com deli-
cia, sem roceijpelo futuro, que lhe pare-
ca radiante.
O miseravel nlo tinha nem um Tcmorso,
era urna inquietacao, nem um receio.
Deixal-o-hemo3 para nos oceupar de ou-
tro personagem, entrevisto j dua3 vezes
no correr desia narraglo.
Este personagem era, nada menos do que
03car Rigault, o mscate pariziense, de
volta do frica, que se suspeitava seria-
mente, e nlo sem apparencia lgica, de ser
o assassino de Jayme Bernier.
Osear Rigault em o uaico culpado da
injusta accusaglo que pesava sobre elle. |
Essa accu8aclo resultava fatalmente das
palavras ms que inconsequentes que ha-
via pronunciado na estaglo do caminho de
ferro de Lyon, por oecasio da descoberta
do cadver, palavras repatidas textualmen-
te aos magistrados pelo inspector chefa da
estacio.
O-ivimos o pronrio Rigault contar ao cu
telleiro de Marselha que tinha ido tentar
fortuna era frica, mas que a Sra. Fortu-
na, mullit-r caprichosa como o diabo, tinha
recusado obstinadamente conoeder-lae os
seus favores, e que voltava a Pariz to po-
bre, so nao mais, do qua no momento em
que para l partir.
A sua ausencia tinha durado tres annos
e durante esses tres annos tinha perdido d#
vista os seus antigos conhecimentoa e iu-
terrompido todas as suas relacoes.
Toda familia de Osear Riga'ul, chatna-
Deputados : os Srs. Antonio Jos Hen-
riqes, Bario de Diamantino, padre Jlo
Manoel de Garvalbo, Pedro Carneiro da
Silva, Jos Eduardo Freir de Carvalho,
Amerieo de Souza Gomes, Jlo Ferreira
de Araujo Pinho, Antonio dos Pas-
sos Miranda, Tarquilio Braulio de Souza
Amaranto, Jos Soriano de Souza, Joao
Juvencio Ferreira de Aguiar, Jlo Henri*
que Vieira da Silva, Joaquim Antonio Fer-
nandes de Oliveira, Francisco Xavier Pin-
to Lima, Bario de Canind, Pedro Muniz
Barreto de Araglo, Olympio de Campos,
Antonio Francisco Correia de Araujo,
Carlos Frederico Castrioto, Christiano Ri-
beiro da Luz, Jos Fernandes da Costa
Pereira, Henriqua Marques de Hollanda
Cavslcante, Joaquim Mattoso Duque Es-
trada Cmara e Antonio Goncalves Fer-
reira.
Senadores: os Srs. Jacintho Paes de
Mendonca, Francisco Octaviano do Almei-
da Rosa, Domingos Jos Nogueira Jagua-
ribe, Francisco do Reg Barros Barreto,
Henrique Fraucisco ^de Avila, Jos Bento
da Cunha Fiqueiredo, Pedro Lelo Velloso,
LuizFelippe de Souza Lelo, Francisco de
Carvalho Soares Brandlo, Joao Lins Vieira
Cansanslo de Sinimbir, Liberato de Castro
Carreira e Joaquim Raymundo de Lamare.
Para receber S. M. a Imperatriz :
Deputados: os Srs. Antonio Candido
da Cunha Leitio, Domingos Jos Nogueira
Jaguaribe Filho, Bernardo Antonio de
Mendonca Sobrinho e Jos Luiz Coelho
Campos.
Senadores: os Srs. Visconde de Para-
nagu e Manoel Francisco Correia
Para receber SS. AA. a Princeza Im-
perial e seu augusto esposo :
Deputados: os Srs. Jos Ferreira Can
to, Lniz Accyoli Pereira Franco, Barao
da Leopoldina e Ignacio Wallace da Ga-
ma Cochrane.
Senadores: 03 Srs. Luiz Carlos da Fon-
seca e Luiz Antonio Vieira da Silva.
A' 1 hora da tarde, annunciando so a
chegada do SS. MM. Iraperiaes e de SS.
AA. a Pninceza Imperial e seu augusto
esj oso, sahiram as deputacoes a recsbel-os
aporta do edificio, o entrando S. M. o
Imperador no sallo, ahi foi recebido pelos
Srs. presidente e secretarios, os quaes,
reunidos aos membros da respectiva de-
putaclo, acompanharam o mesmo augusto
senhor at ao throno.
Logo que S. M. o Imperador tomou as-
sento o mandou assentarem-se os Srs. de-
putados e senadores, leu a falla, que j
pubieamos.
Terminando esto aco, retiraram-se SS.
MM. Iraperiaes o SS. AA a Princeza Im-
perial e seu augusto esposo, com o mesmo
ceremonial com que foram recebidos, o im-
mediatamente o Sr. presidente levantou a
sesslo.
ACTA D 4 DE MAIO DE 1886
PRESIDENCIA DO SR. ANTONIO JOS
HENRIQES
Ao meio dia acharn-se presentes 59 Srs.
deputados.
O Sr. Io secretario d conta do se-
guinte
EXPEDIENTE
Diplomas : do Dr. Jlo de Miranda Ri-
beiro Sobrinho, deputada eleito pelo 5o
districto do Rio Grande do Sul; do Dr.
Jos Ignacio do Barros Cobra Jnior, pe-
lo 18" districto do Minas ; do conego Ma-
noel Jos de Siqueira Men les, pelo 2o dis-
trieto do Para, e Dr. Guilherrae Francis-
co da Cruz, pelo 3o districto da mes na
provincia.
Um officio do ministerio da justiga, en-
viando o autographo sanecionado sobre ex-
ecug3es commerciaes. Archivado, effieian-
do pe ao senado.
Cinco do senado de ns. 207 e 103 de
1885 e 2, 3 e 4 deste anno.
Participando que o senado adoptou e vai
dirigir sancglo imperial a resoIugSo que
manda vigorar no exercicio de 1885 a.. .
1886, as leis ns. 3,229 e 3270 da 3 de
setembro de 1884. -Inteirada.
dem, idem a resoluolo que regula a
extiucglo gradual do elementj servil. In-
teirada ,
Que ao senado constou, por intermedio do
ministerio da agricultura, ter sido sancio-
nada a lei que regola a extinccglo,, do ele*
ment servil. Inteirada.
dem, idem do ministerio da iazendater
sido sancionada a lei que manda vigorar
no exercicio de 1885 e 1886 as leisns.
3,229 e 3,230 de 3 do setembro de 1885.
Inteirada.
Communicando ter Sua Magestade de-
signado o dia 3 do corrente para a abertu-
ra da Assembla Geral, a 1 hora da Urde,
no pago do senado.
Officio8 dos presidentes do Piauhy,
Parahyba e Santa Catharina, communic'an-
do terem timado posso dos respectivos car-
gos.
Offieios dos presidentes do Cear, Ser-
gipeeS. Paulo, ^azendo igual communi-
caglo.
Oficios dos presidentes do Piauhy, Cea-
r, Bahia, Alagoas, Espirito Santo, Goyaz
e Matto-Grosso, remetiendo collecglo de
leis.
Vem mesa e alo remettidas s com-
missoes de inquerito diversas actas eleito-
raes.
O Sr. Presideete declara que nlo ha
sesslo por falta do numero e d para or-
dem do dia 5 a mesma da sesslo antece-
dente c mais a votaglo do parecer n. 90.
Levantase a sesslo um quarto depois do
meio-dia.
ACTA DE 5 MAIO DE 1886
PRESIDENCIA DO SR. ANTONIO JOS
HENRMJUES
Ao meio da, achando-ao presantes 66
Srs. deputados, abre-se a sesslo.
E' lida e approvada a acta da sesslo an-
tecedente.
O Sr. Io Secretario d conta do se-
guinte
EXPEDIENTE
Officio do Dr. Aureliano Mourlo, com-
municando qu3 por doente nao tem compa-
recido.
iDploma do cons.'lheiro Manoel Alves de
Araujo, deputado eleito pelo 2o districto da
provincia do Paran.
Officio da presidencia da provincia da
Minas, communicando ter assumido o res-
pectivo cargo
do Rigolo pelo3 seus camaradas, consista
n'uma irml.
Esta irml, Sophia Rigault, tinha vinte e
dous a vinte e tres annos, admiravelmente
bonita, prodigiosamente loureira, nao tendo
a menor acglo do senso moral, obtinha
triumphos lisonjeiros nos bailes da barrei-
ra, que frequentava "com assiduidade e
cora toda a galhardia; havia langado a vir-
tude pela janella fra, levantando as qua-,
drilhas o p direito altura dos olhos do
seu vis -vis.
Ao primeiro amante que teve seguio-se
segundo, depois terceiro e depois quarto.
Estava no quinto, quando o irmao sabio
de Pariz, importando-se este o menos pos-
sivel com o procedimento da irml.
Durante a sua ausencia de tres annos
escreveu-lhe urna s vez, mas nunca rece-
beu resposta.
Aquella grande desasada anda va-
diando e nem pensa era mim, disse cornsi-
go philosophica mente Osear. Ora, adeus !
muito natural quo na sua idade pense
mais no amante do que no irmlo. E' pre-
ciso que ella se divirta !
Sophia Rigault exereia en, pelo menos
pnssava por exercer a profissSo ie bruni
deira ; mas a offi.ina nlo a via muitas ve-
zes.
Operara muito hbil, ganhava trinta ou
quarenta francos em seis dias de trabalho,
dpois desapparecia e vivia (periuitta senos
a exprsalo) ao Deas dar.
Quando o irmlo parti, Sophia morava
n'uma casinha na ra Julien Lacroix, em
B-ll'sville.
E' ahi que Osear poderia tornar" a encon-
tral-a, ou pelo menos ter noticias dola.
Se ella se mudou, pensava elle, o seu
porteiro rae indicar a nova morada. .. elle
eve saber.
R g >lo nlo se jactava de ser extrema-
mente sensivel; mas, depois de urna sepa-
radlo de tres annos, parecia-lhe agradavel
tornar a ver e abragar aquella grande des-
asada, como tinha por habito chamar a ir-
ml.
Depois, ella poderia, sem duvida, dar-
lhe noticias dos seus camaradas, borrachos
e radios como elle : gents capaz de fazer
tudo, menos o bem e que pertenee a esta
turba que fervilha na vasa de Pariz, for-
necendo numerosos recrutas ao exercito de
rufi5es, e que acaba geralraente na polica
correccional, qaando nlo no tribunal do
jury. Osear Rigault fazia, at certo pon-
to, parte dessa turba.
. O maganlo possuia urna consciencia sin-
gularmente elstica, e se estava virgem
ainJa de tribunaes, devia-o mais sua es-
perteza, do que sua honradez.
Sahindo da estaglo do caminho de ferro
de Lyon, trazendo um pequeo embrulho
que continha, segundo elle dizia, os seus
tarecos, Rigolo comegou por entrar n'uma
bodega, rosnando, por entre dentes, contra
as observagSes que lhe fez o chefe da es-
taglo, e que elle aehava altamente malcria-
das.
Beben um copo de vinho branco, comen,
msalo em p, um pedago de pao com
queijo e tomou o caminho de Belleville.
O bairro de Belleville e o de Batignolles
tinham as suas especiaea sympatbias.
Em Bdleville esperava o urna decepglo.
A irml nlo morava no sen antigo com-
modo da ra Julien-L croix e nenhum d"S
inquiliaos da casa sabia para onde ella so
tinha mimado.
O porteiro, interrogado, accrescentou, a
titulo de informagao, quo havia dous annos
que nlo se via Sophia em Belleville.
E coneluio desta maneira:
Talvez que tenha feito fortuna e mo-
re nos bairros aristo raticos. Todos os dias
acontecen cousas semelhantos s mogas
bonitas.
Osear, muito desesperado, foi rolar pelas
bodegas da ra de Pariz.
Alguna donos desses estabelecimentos
conhe^eram-o; mas, na freguezia que cer-
cava o b.tlcSo para matar o bicho, nlo vio
urna s cara conhecida.
Que diabo ser feito dos meus cama-
radas '? pergnntava, de si para si, Rigolo.
A resposta a esta perguntava era bem
simples.
Tinham havido muitos cercos da polica
ltimamente, e a maior parte dos camara-
das stavam sombra.
Outros tinham julgado mais prudente
madar de bairro.
Osear, por muito disposto que fosse i
gracejar, expermentou profunda tristcsia^
Outro do ministerio do imperio, com-
municando que deu conhociraento a diver-
sos presidentes da provincia das decisoes
da cmara, sobre eleigoes as mesmas pro- ;
vincias.
Outro do ministerio da agricultura, re-
metiendo copia da informaglo prestada pe-
la directora da estrada de ferro D. Pedro I
II, sobre ts vantagens o resaltado de um
ramal que partindo de Queluz, v aos ser-
tSes de Macacos em Minas.
Outro do mesmo, declarando quo nao
consta na secretaria, proposta algum 1 para
a desob3tru2g!o do rio da Parahyba.
o -Mr. Candido de Oliveira diz
que, tendo a falla do throno condemnado
os critues eleitoraes comraettidos pela po-
lica, corre-lhe o dcVer de perguntar ca -
niara se urna revisao da reforma eloitoral
nlo poder cohibir esses eriales.
Para servir do subsidio historia da
ultima eleicao, vai patentear as gentilezas
que acaba de pratisar a assembla pro-
vincial de Santa Catharina era materia de
verifieagao de pod"res, e quer saber o que
o governo pensa a respeito o que providen-
cias tem tomado.
O faato parece lhe tao extraordinario
que nlo compreheudo como a maioria de
urna corporaglo legUlativa tivesse a cora-
gem de excluir de seu seio a quatro libe-
raes sobo fundamento de incompatibilidades
que nlo existera conforme demonstra por
urna representagao ajompanhada de docu-
miaslo Se mqueritps, "ns. 88 e 89, reco-
fnheceodo deputados r pelo 5o districto da
Baha o Sr. Jj/' Marcellino de Souza, que
achando se, na antesala introduzido com
as formalidades do estylo, presta juramen-
to e toma assento ; e pelo 9o da mesma
provincia o Sr. Bario do Geromoabo.
O Sr. Candid.o de Oliveira (pela ordem)
pede que a emenda ao parecer n. 90 so-
bro a eleiglo do Io districto de Matto
Grosso, visto que prejudicial, seja vota-
da em primeiro lugar ; e requer votacSo
nominal para a mesma.
E' rejeitado o requerimento de votaglo
nominal.
Pasta a voto3 rojeitada a seguinte
Emenda^
Sejam annulladas as eleigoes do Io
districto de Matto-Grosso, visto ser o can-
didato eleito incompativel, por exercer o
cargo de presidente de urna companhia
de navegaglo a vapor subvencionada pelo
governo o que faz o sorvigo entre Monte-
video e Cuyab. Sala das commissoes, 2
de Maio do i 886. Lourengo de Albuquer-
que.
Slo approvadas as ccnclusSes do pare-
cer e proclamado deputado pelo i" distri-
cto de Matto Grosso o Sr. Euzebio Jos
Antuf.es.
ELEI(;Io DA MESA
Proeede-se eleiglo da mesa :
Presidente. Recebem-so 63 cdulas, tres
em branco, obtendo o Sr. Andrade Figuei-
ra 59 votos; Hcnriques 1.
O Sr. Presidenta convida o Sr. Andrade
Figueira para oceupar a cadeira.
O Sr. Presidente : Agradego cordial-
mente os suffragios cora que me devastes
a esti eminente posiglo. Procurarei cor-
-esponder a to insigne distinegao esfor-
g?ndo-rae por cumprir os doveres do car-
go, por modo digno de mim, e da honrada
cmara a qua todos pertencemos. Nao
bastara, porm os meus esforgos; ellas por
si sos seriam vaos, mas indispensavel o
vosso concurso.
Ouso, portanto, solicital-o, nlo s de to-
dos vos, collectivamente, mas de cada um
para que seja tranquilla e auspiciosa para
o paiz a marclta dos nossos trabalhos, no
exercicio das nossas attribuigoes constitu-
cionaes.
Contina a eleiglo da mesa.
Io vice-presdeute, 64 cdulas, 2 em
branco, obtendo os Srs. Gomes de Cas-
tro, 61 votos; Bario da Villa da Barra 1.
2o vice-presidente, 63 cdulas, 2 em
branco, obtendo os Srs. Bario da Villa da
Barra, 59 votos ; Portella 1.
3o vice-presdente, 64 cedidas, 4 em
branco, obten 10 os Srs. Macdowell, 52 vo-
tos ; Bario do Guahy 4 ; Duarta de Aze-
ve !o, 2 ; Henriqes e Thomaz Coelho, 1
cada um.
Io se;retario, 63 cdulas, 3 em branco;
obtendo os Srs. Coelho Rodrigues, 59 vo-
tos ; Laitao da Cunha e Araujo Pinho, 1
cada um.
2o secretario, 65 cdulas, 4 em branco ;
obtendo os Srs. Cochrane, 58 votos ; Rosa
e. Silva, Carlos Peixoto e Christiano da
Luz, 1 cada um.
meutos que a instruem e que
mesa para serem publicados no Diario
Official.
Por ultimo chama a attenga) da cmara
para um parecer da maioria da assembla
provincial de Santa Catharina, o qual nlo
assenta no direito, na razio nem na justi-
ga, para assim serem annullados 03 poderes
dos poucos liberaes que conseguiram ser
elcitos.
O Sr. Presidente convHa a prestarem
juramento os Srs. deputados (jue nlo as-
sistiram missa do Espirito Santo.
ORDEM lO DIA
VERIFICACAO DE PODERES
Sao approvados os pareceres da 2o cora-
Sontia-se s ; quasi perdido naquella
gran le cidade, onde era outr'ora to co-
ndecido, tao acompanhado e, segundo
cria, to apreciado.
Caminhando ao acaso, dirigio-se para os
lados de Menilmontant.
Ahi tambera nem urna cara amiga, nem
urna ralo estendida para apertar a sua.
Com um milblo de diabos murm#
rou o pariziense cada vez mais descorogoa-
do, dir se hia que eu part ha vinte annos,
ou, pelo menos, que o cholera passou por
aqui. Qua raio 1
Depois tomou o bond que segu pelos
boulavards exteriores e resolveu ir explo-
rar Batignolles, onde talvez fosse ma3 fe-
liz.
Na praga de Clichy apeou-se.
Outr'ora habituado a Batignolles, conhe-
cia todos os lugares onde se reuniam os
ociosos, de que elle fazia parte.
0 assomoir do Gato Vermelho era um
destes lugares.
Situado n'uma viea estreita e sombra e
ou* se ia encravar na avenida de Clichy,
o Gato Vermelho podia passar, cora sobe-
jas razSes, por uraa cloaca absolutamente
infecta.
Davam alli de comer e de beber. Ven-
diarase, a retalho, dses de carne de d-
cima cath"goria, molhos de escangalhar o
estomago, vinhos absolutamente falsifica-
dos e agurdente de ceraaes, verdadera-
mente mortfera
Logo que, do principio da avenida, vio
a tablete. Osear Rigaht disso com al^gria :
Em tres annos, rilo a deitaram a bai-
xo. E' bom signal 1
E dirigi se para a bodega
A vielU estreita, descurada pelos varre-
dores, estava atulhada de nave.
Os ptsseios, escorregadio| e abaulades,
era um verdadeiro quebra-costas.
Rigolo parou era trente da porta e con-
ternplou a tabaleta, com urna satisfaglo
que lhe illurainou o rosto.
O Gato Vermelho pareca se infinitamen-
te mais cora um raonstro fabuloso do que
com qualquor exemplar da taga felina,
jstendia-se, duas vezes maior do que o
natural, n'uma placa de folha de Flandres
de metro e meio de altura, por Um metro
de comprimento.
3o o 4o secretarios, 64 cdulas ; obten-
do os Srs. Goelho de Campos, 53 votos ;
Portugal, 50; Accioli Franco, 5 ; Jagua-
ribe Filho. 3 ; G. Ferreira, Araujo Pinho,
Carlos Peixoto, Bario de Leopol lina e
Christiano da Luz, 1 cada um.
ELEICAO DE COMMISSOES
Comraisslo do resposta falla do thro-
raanda jno.Recebem-sa 65 cdulas, 2 em bran-
co
abtendo votos os Sr3. Ferreira Vian-
na, 62; Corr6a de Araujo, 61; Rodrigo
Silva, 60 ; Caminha, 3 ; Thomaz Coelho,
Vieira da Silva, Leitio da Cunha, Jlo
Manoel e Olympio de Campos 1 cada um.
Recolhidas as listas para a eleiglo da
commissao de constituiglo e poderes veri-
fica-se nlo haver numero; e procedendo-se
a chamada reconheceu-se que se haviam
ausentado 29 Srs. deputados.
O Sr. Presidente d para ordem do
dia 6 :
Continuaglo da eleiglo da commissao e,
se houver terapo, trabalhos da commissao.
Levantase a sessao s 2 3(4 hora3.
l encon-
ou entlo o
Deixem l, urna bonita pintara 1
O que a fez era gajo 1 Slo horas da al-
mogar, accrescentou elle, devo
trar parceiros do outro terapo ;
mundo est s avessas !
E enfrou.
O estabelecimento, comquanto nlo tives-
se boa cara por fra, era grande.
Na primeira sala estavam alinhadas mui-
tas mesas pequeas e havia muita gente.
Urna lama nauseabunda enchia e3ta sa-
la onde coraiam diversas pessoas; mas, pal-
udos e esfarrapados ; outros decentemente
vestidos ; mas cujas caras diziam claramen-
te qual era o s u officio.
Ao lado dos rufies da profissao, vaga-
bundos das barreiras, de chapeo alto e blu-
sa azul ou branca, camisolas, com cinta
vermelha, raparigas de touca e sem ella,
esfarrapadas e feias.
Operarios de toda a especie, attrahdoa
pela barateza relativa da comida, mistura-
vara se com este exercito do vicio.
Um cheiro acre e de restos de comida
atacava o nariz e a garganta.
O fumo da comida misturava-se com o
fumo dos cachimbos e tornava a atmos-
phera quasi irrespiravel.
Era algumas mesas comiam depressa e
calados.
Em ou'ras riam, cantavam, fallavam al-
to e proferan! obscenidades.
Os empregados do estabelecimento, car-
regados com dses de guisados a quatro
sidos, iam e vinham, mpassiveis pelo meio
de toda aquella vozeria, capaz de transtor-
nar as cabegas as maU solidia.
Ora vamos l murmurou Rigolo, es-
bogando um sorriso, nada mudou aqui, nes-
tes tros annos. Isto anima-me.
O dono do Gato Vermelho esteva por
detrs de um grande baldo forrado de es-
tanho, collocado direita da sala o carre-
gado de garrafas, que elle tornava a enener
com o contedo das diversas vasilhas que
traziara os empregados.
Osaar Rigault approximou-so delle.
Ola pai Burluron, isto vai como de-
seja ? perguntou lhe, estendendo-lhe mo.
(Continuarse ha)


i
Typ. do Diario, roa Duque d Casias n. 42.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG399ABIU_CTUQ9B INGEST_TIME 2014-05-28T18:47:20Z PACKAGE AA00011611_19542
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES