Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19451


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-+A-
ANNO L. AIUHERO 197
.- 7 8

PARA A CAPITAL E LUGARKi ONDB NAO SB PAGA POBTE.
For tires mezes adiantados............... 69000
Por seis ditos idem..................129000
Por urn anno idem.................. 84*000
4M* numero avulio.................. WS0
DOMINSft 30 DE AG0ST0 DE WI4
^"^ t *^^^^^
PARA BRVTBO E FOR A RA PHOVINOfca.
Per treaa mc adiantados............. ifTM
toa idem.......... *......
For non-dribs idem $........... .
por am- asuto idem...............
PR0PRIEDADE DE iANOEL F1GJEIR0A DE FARM ft FILH0S.
Irs. Gerardo Antonio Aires 4 Filhos, no Par<; Goncalves 4 Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose* de OKyeira 4 Klho, no Cearti; Aitonio de Leniut Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Chates, no Assd; Antonio Marques da Sita, Natal ; Jose Justiao
Pereira d'Aliaeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahjba ; Antonio Jose' Gomes, na Vila d| Penha; Be'armino dos Santos Bolcio, em Santo Antlo ; Domiagoi Josd da Costa Braf*, em flaxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, noPiUrdasAl6x Alves 4 C.,na Bank} e A. Xavier Lsito 4 C. no Rio Janelfo-
EXTERIOR.
Carresnontleiacia do Diario de
Pernanibiico.
Bl ESOS-AYRES, 14 1)E AGOSTO I)E 1874.
1
U progresso 6 inGniti, e o destino da huroani-
dade 6 camiohar sempie a procnra da perfecli-
bilidade.
Cada seculo, cr-da geracao, cada epocadeixa seu
contiiigeate do esforcos e de conquistas, que viem
a ser conlinuadas pelos seculos, pelas geragoes e
pelas epocas que se 9uccedem.
Por isso a obra do progresso humano e o traba-
Ilio nao iDlerrompido da familia que se reproduz,
aperl'eigoando os herdeiros do passado o fructo
dos i |ue campriram em seu tempo a tarefa que re-
cebe*am de outros que se foram coui a velocidade
dos annos.'
A civilisacio do seculo ^m que vivemos, suas
graniiosas descobertas, .'So o fructo do aperfei-
goarrento da obra comegada em seculos anterio-
res.
0 vapor applicadoa imp"lsio, e a electricidade
applicada a transmissio da paiavra, sao sem du-
vida os dous maio es ageutes do progresso rao-
derno.
Os antigos Incas suppriam a velocidade das
comcQUQicacdes por meio de boinen.t postados de
di.-iaacia em distancia, encarregado cada urn de
corr tT com a noticia ate entregal-a ao que o 63-
perava. Era o meio mais rap:do que cntao se co
nfcmif
Os europeus empregaram dos fins do seculo pas-
sado o telegrapho composlo de bandeiras e aig-
naes, como os que se osam Das costas maritimas
para se commuuicar com os navios que se di-
visara.
0 telegrapho electrico veio, finalmente, ser a
ultima expresao da rapidez, supprimindo para sem-
pre o tempo e a distancia, esses dous iaimigos
implicaveis do homem.
0 raio, que o genio de urn americaoo arrebatou
urn dia aos eeos, e o measageiro qne, eacadeado
por urn debil ararae, conduz hoje o pensamento e
a paiavra de urn a outro extremo do mundo.
Conquista portentosa do genio humano I
Progresso maravilhoso do destino da humani-
daJ. I
As palavras que acabamos de escrever nos aal-
tarara do bico da penna por termos de nojiciar
ao3 uossos ieitores que a communicacao instanla-
nai da Republica Argeutim com todos os paizes
da America e da Earopa ja nao A n.ais uma sim-
ples esperan^a como era ha alguns annos atraz,
mas sim um facto realisado, porquo no dia 5 do
corrmte teve lugar a inauguracao official da I in ha
teleeraphica que deve ligar o Rio da Praia com o
Brasil e porlanto com o resto do mundo civiii-
3 ado.
0 acto da inauguracio realisou-so no palacio do
covtirno nacional, assist ndo a ellc o presidenie da
Republic! e seus ministros, o corpo diplomatico,
alguns senadoros e deputados e muilos fuacciona
rios civis e railitares.
0 Sr. Sarmiento, dcpois de dar leitura do tele-
gramma por elle dirigido a S. M. o Imperador do
Bra.-il, proferio um discurso de felicitacao pelo
tausto e imporlante acontecimento da aberlura do
lelegrapbo.
Zjjpois de S. Exc. oraram tambem os Srs. An-
dre Lao,as, e Jose Candida Gomes, aquelle como
emrrezario da lin-ia e esle na qualidade de dele
gad) da companhia telegrapbica Platino- Brasi
leira.
Em seguida f ram feitos moltos telegrammas
ofllciae.-, inclusive os do presidente da Republica
a lottos os chefes das nancies amiga;, dos quaes ja
chegaram as respectivas respostas, que tern sido
pub.icadas nos jornaes.
No dia 6 do c^rrente teve lugar no congres-
so argentino, a proclamagao do pre3idente e vice
presidente da Republica para o proximo periodo
constitutional.
Como era de prever o Dr. Nicolao Avellaneda foi
declarado eleito por 146 votos para o cargo de pre-
.-ideile, e o Dr. Mariano Acosia, corn igual vota-
<;ao. para o de vice presidente.
Com esta proclamacao lica completamente con-
cluida a questio eleitoral, sendo o triumpno do
Dr. avellaneda sanccionado por uma lei do con-
gre-so.
No dia 12 de outubro proximo vindonro devem
os aovos eleitos tomar pr sse dos seus cargos, cu-
jo acto suppomos que se realisara sem novidade,
emioora continuem a correr boatos de que naquel-
le dia rebentara uma revolucao feita pelo partido
mitrista.
Na semana passada tivemos de visita nesta
capital, S. A. o duque de Geneva, sobrinho do rei
de italia.
0 joven principe foi aqui muito festejado pela
colonia italiana, sendo reeebido oQicialmeote pelo
yoverno argeatino.
Julgamos que um simples official de marinba,
de prao ainda inferior, como e o duque de Genova,
nao devia ter reeebido do governo do Sr. Sarmien-
to as bonras oQlciaes que Hie foram projigali-
sadas.
Segundo nos dizem, S. A. o conde d'Eo, gene-
ral em chefe do exercito alliada na guerra do Pa-
raguav, nao teve aqui nenhuma manifestable nem
recipcao official, e no entretanto elle tinha miis
dir Jtto a estas honras, porque havia commandado
o (xercito argentino.
"3onsta-nos que neste sentido o senador Torrents
vai hoje interpellar o governo no congresso na- j
cional.
Ainda mais armamento I
Segundo annunciaram os jornaes, o governo ar-
gentino fez despachar uitimamente na alfandega
deua cidade, livres de direitos, 1,640 carabinas do
systema Remington, as quaes foram logo distri
buidas pela tropa de linha existente em Buenos-
Ay res.
Parece que, emfim, foram de3coberto9 os au-
tures do inaudito attenlado commettido no dia 20
do mez passado, em casa do Sr. Lanus, e que ago-
ra ja podemos assegurar nao ter sido o movel da-
fluelle crime uma viugan^a politica.
Depois de muitas averiguacoes feitas pela poli-
ti.i. chegou ella ao conhecimento de que, na noite
Ac attentado da rua de Venezuela, quatro indivi-
duos estrangeiros tinham procurado com empe-
ntio na Boeca do Rlachuelo uma embarcacao que
os transportasse a Colonia (estado oriental), onde
tinham necessidade de estar no dia seguinte pira
um negocio urgentissirao, e sendo contratada
a embarcacao por um pre;o elevado, seguiram
ntilla para o destino indicada.
Tendo voltado o barco dous dias depois, foram
mterrogados o patrSo e todos os tripolantes delle,
que se conservam presos, sendo guardada toda a
reserva necessaria acerca das declaracSes Teitas
Agora sabe-se que, por indicacao da policia de
Buenos Ay res, foram presos em Colonia dous dos
ditos individuos que, com permissao do governo
oiiental, vao ser conduzidos para esta cidaae, aum
d i serem processados.
0 juiz Bunge, que se acha encarregado da for-
inacap do processo, logo que soube da prisao dos
ties individuos, transportou 3e a Colonia acompa-
chado de am menino, tripclante da ernbarcagSo,
que fez revelagOes imporlantes sobre o assumpto.
Disetn que c menino recenheceu os dous indivi-
duos preso?, e que todos os indicuH fazem ere r
que elles pertencem a quadrilha de malfeitgres
que assaltou a casa do Sr. Lanus.
A policia anda a pist > dos. outros criminosos.
Na quarta-feira passada morreu subitamente
a bordo do vapor Ville del Salto, era viagem para
Montevideo, o Dr. Anatole Ramauge. distincto me-
dico francez aqui residente, o qual, segundo nos
informam, prestou na guerra do Paraguay rele-
vantes servicos ao exercito brasileiro, pelo que foi
condecorado com o grao de cavalheiro da impe-
rial ordera da Rosa.
A sua morte foi aqui muito sentida.
Desde os primeiros dias deste mez tern sido
observado pela populajao desla cidade o appareci-
mento de um grande cometa.
So sendo elle vi-ivtl das 5 as 6 horas da ma-
nha. nao liveaijs ainda a curiosidade devd-lo,
porque o frio nos inhibe de deixarmos a cam tao
cedo.
Em S. Nicolao de los Arroyos foi execulado
na semana passada o celebre criminoso Jos6 Conn,
napolitano.
Dispensem os Ieitores os tristes pormenores de
tao lugubre acontecimento.
Na Serra de Cordova, cm S. Roque, foi de3-
coberta uitimamente uma riea mina de esme-
ralda.
As pedras extrahidas foram examinadas por
professores competen'.es, que as declararam de
superior qualidade.
Com a epigrapheInvasSo de Guayama
lemos a seguinte noticia no Echo de Cordoba de
sabbado 8 do corrente :
0 chefe politico da Cruz del Eje, acaba de
dirigir um officio ao governo, participant que no
dia 26 de julho, as 8 horas da noite, uma quadri-
lha de salteadores invadio a costa de las Salinas,
extremo noroeste deste departamento, matando,
roubando e commettendo horrores que a penna
resiste a narrar.
f A quadrilha era commandada pelo bandido
Santos Guayama, que tern sua guarida em um
deserto entre as provincias de Kioja e Cata-
marca.
a Os salteadores degolaram a D. Florencio Gon-
zalez, honrado pai de familia, e feriram a um filho
deste, tendo escapado o resto da familia de ter a
mesma sorte, por haver intercedido em favor della
um dos mesmos bandidos.
Logo que as autoridades live ram conheci-
mento do facto, pozeram-se em perseguicao dos
criminosos, mas ainda nao foi possivel encon-
tra los.
Cumpre que o governo tome senas providen-
cias para que se nao reproduzam semelhantes as-
saltos. >
Patse;nos a parte commercial.
0 estado geral da pra;a de Buenos Ayres e ain-
da o mesmo, continuando as esperan^as de que
brevemente melhore, visto estar decidida a grande
questao eleitoral.
Duraote a quinzena quo acaba de findar, o mer-
cado de importagao esteve pouco activo, e a ex
portagao dos productos do paiz foi muito Mini-
tada.
0 mercado monetario que linha melhorado bas-
'.ante no Gm do mez passado, tornou-se um pouco
eritico nestes ultimos dias, por causa da subidi do
desconto do banco de luglaterra.
Q banco da provincia continiia a descontar a 8
par cento ao anno, e os outros bancos e os parti-
culars de 12 a 15 por cento.
Os cambios sobre as pragas estr.mjeiras teem
sido cotados do modo seguinte : sobre a luglater-
ra 48 3|4 e 48 7|8, sobre a Franija, Anvers e Ge-
nova de o-13 a o-17, e sobre o Rio de Janeiro
305800 por ODga de ouro.
Quanto ao assucar de Pernambuco, entraram
pelo Asmara 175 barricas e 200 meias dilas de
branco de primeira sorte, que foram vendidas a
bordo a 16 1(8 reaes fortes por arroba.
0 que exislia na praga conlinuou a ser retalha-
do a 61 e 62 ps. a arroba do braoco de primeira
sorte, 58 do de segunda e 48 da mascavado.
0 mercado deste genero fica mui Grme, havendo
grande prccura delle para o interior do paiz.
11
Do estado Oriental temos nolicias ate hontem.
No dia 5 houve inuitos festejos em Montevi-
deo por causa da aberlura da linha lelegraphica
que deve unir a Republica Oriental ao Brasil, a
Europa e aos Estados-Unidos.
Na corveta de guerra Garibaldi chegou a
Montevideo no dia 3 o joven duque de Genova,
que foi muito bein reeebido e bastante festejado.
S, A. devia embarcar hontem para continuar
sua viagem de instruccjio.
Em uma das sessoes da eomraissao perraa-
nente do congresso oriental, foram interpellados :
o ministro do interior acerca dos successos san-
grentos occorridos no departamento de Taquarem-
bo, e o ministro das relacues exteriores acerca da
recepcao official feita ao duque de Genova.
A respeito de ambas as interpellates houve
renhida discussao, declarando se a commissao sa-
tisfeita com as explicates dadas pelos respectivos
ministras.
A esquadra brasileira em Montevideo esta
agora reduzida a tres vasos de guerra, por ter o
nosso governo feito retirar para a corte alguns na-
vios que preci8avam de concertos.
A corveta Ivahy, chegada do cabo de Santa
Maria conduzio ao porlo de Montevideo o capitao
e a tripolagao do vapor Curumbd que, como noli-
ciamos na missiva antecedente, encalnou na costa
da Rocha, ficando completamente perdido.
Na semana passada foi roubadi a agenda
da companhia Sallenha de navegacao a vapor a
quantia de 10,000 pesos fortes.
0 ladrao foi u.m homem que fazia o service do
estabelecimento, e que no mesmo dia da perpetra-
do do crime fugio no vapor Camoes para o Rio
Graodo do Sul, onde loi preso quando desembar-
cou, gragas a um telegramma expedido para alii,
dando noticia do occorrido.
Ill
Do Oaraguay as ultimas datas sao de 31 ds mez
passado.
A municipalidade de Assump$4o vai fazer
calcar as ruas da cidade.
Os trabalhos ja comegaram e vao ser activados
o mais possivel.
Nas eamaras legislativas do Paraguay, foi
apresentado um projecto de lei ordenando que seja
posto em vigor o codigo civil argentino, a partir
do 1 de Janeiro de 1875, ficando assiw revogada
a lei em virtude da qual tinham sido adoptados os
codigos hespanhoes.
0 mesmo projecto autorisa o governo a fazer
redigir nm codigo de processo para o civil, o com-
mercial e o crime, assim como um regulamento de
justice que sirva de regra para os tribunaes e ou-
tns autoridades judi;iarias.
Com procedencia de Montevideo chegou uiti-
mamente a AssumpgSo D. Carlos Rojos,. commis-
sionado pelo governo paraguayo para receber no
banco de Loodres e do Rio da Prata, estabelecido
no Estado Oriental, uma quantia do ultimo em-
prestimo realisado na luglaterra, e que estava alii
depositada por coma do commissario Beuilez, hoje
preso e processado por subtraccao desses dinhei-
ros.
A primeira quantia que entrou para o thesouro
paraguayo foi de tres mil lihras esterlinas, porem,
antes de um anno devera entrar cerca de 200,000
pesos fortes, que pareee sero total da somma sub-
trabida pelo Sr. Benitez.
IV
! Das republicas do Pacifico temos noticias tele-
graphicas at6 9 do corrente.
-
.No Chile, o estado geral da politica nij offe-1 dixuL ts
rece novidade alguma.
0 coogree.-o occupa-se em diseutir tres cousas
imporlantes : -o codigo penal, a separagio da
igreja do estado, e a subveu^io as estradas de ferro
tran-adinas.
A i 1'-.i do arbitramento, como arranjo ami-
gavel, da questao pendente enire a Republica Ar-
gentina e o Cnile, foi aceita offlcialmente pelo go-
verno deste ultimo paiz, mas nao estao ainda es-
colhidos os arbitros que devem decidir a ques-
tao.
0 ministro do Chile em Hue aos-Ayres diz na no-
ta dirigida ao governo argentino, que esta aulori -
sado a aceitar qualquer arbitro que for nomeado,
mas no entretanto julga convenienle indicar que
podera ser alguma autoridade superior da Con-
federacao Suisaa on a corte suprema dos Estados-
Unidos.
Nas cidades de Valparaiso e de Santiago sen-
tiram se uitimamente novos tremores de terra.
Na capital da republica falleceram no prin-
cipio desse mez os Srs. : Manoel Balsameda, o fa-
zendeiro mais rico do Chile, e homem politico de
grande importancia, e Peyres de Lajournade, anti-
go prestidigilador e proprietario do theatro das Va-
riedades.
A'cerca dos repelidos e escandalosos crimes
que se commeltem na cidade de Santiago, lemos as
seguioles linbas no Mercurio de Valparaizo :
. Se pela repeticao dos crimes se podesse dedu-
ziro estado de civilisaijao de Santiago, teriaraos
que confessar que a capital da nossa republica se
acha tao adianlada como Londres, Paris, Nova-
York ou qualquer das grandes cidades do mun-
do. I
c NSo ha dia em que os jornaes nao noticiem
crimes atrozes, alguns delies capazes de lew o
espanio e a consternagao em todos os lugares.
< 0iofanticidio por abandono, o assassinato co-
bar Je e aleivoso, o roubo em todos os sens graos e
com todas as suas violences, sao o thema obriga-
do das gazetilbas, com a circumstancia de que
police- vezes se acompanha a narra;ao de serae-
Inantes factos com a nova da apprehensai dos de-
linquentes.
Do Peru e da Bolivia as noticias que ha sao
deslituidas de interesse.
tube esta mlte
^mmmmmmz:
( AGENCIA TELEGRAPHICA HAVAS REUTF.U. )
Paris *s. O marechal Mac-MtUion
cbegou a Paris de volSa de saa vla-
Sem it Bretanha. Kile prelende vl-
sitar o sul da Franca no proximo
setembro.
Roma *H. -O papa acaba de erde-
denar aos cathulicos de Fraaca que
se abstenham de lomar parse nas
eleicAes>
(OHHi;citi:s.
Se.U vapor in-
^oa. SJambio so-
, hancario, e SO
Stio de Janeiro
Blex LALANDE clie;
bre l.oniircs CG d
1/8 d. particular.
Bahia 99. Chegaram os vapores
amerlcano MERRIMACK e ingles POTO-
SI, e sahem a tarde para alii. Cam-
bio sobre Londres S5 9/8 d. hanca-
rio, e 'if. d. particular.
liondres *. Consolidados de
3 v., fob account, it S /-l; fundos bra-
sileiros de 5 ->/ a 101 fl/S t ditos do
Uruguay dc O % a OO l/S ditos ar-
-.MHII104 de G % a 03 1/9. A lava
do desconto na pra$a e de 3/4 por
cento. Uercatlo de care: os com-
pradores nao mostram vontade de
fazer transaccOes. Assucar masca-
vado bom de Pernambuco n. 8 a
BO/.
^lew-York 28. Cambio sobre i.on-
drcs i.Si. Ouro flOO s.S. Cafe fair
do Rio 19 1/9. Algodao mediano
UPLANDS a lG 3, 1 c.
Liverpool ZH.O mercado de al-
godao esta quieto. mas flrnie. Ven-
deram-sc 1S.OOO fardos. send*....
l.OOO da America do Sul. O faiB dc
Pernambuco a 8 3/16 d.. o dito de
Santos 8 1/8 d.. e o dito de HaceiO
8 i in. Slercado dc assucar sem
alteracao.
llamburgo *8. Vcndas limitadas
no mercado dc care. O de Santos
bom ordinario de 86 a OO.
Havre S8Mercado de care desa-
niinado.
Marsclha *8. -Cafe do Rio bom or-
dinario 05 a lOO francos.
Antuerpia *8. Venderam-se....
0,800 saccos de caf6 do Rio channel
first afloat ( canal primetro sobre
agua) a 43 francos.
para
Ktropa por Pernambuco. Cambio
netre Urndren SO baneario.
Fira SO a 1 h. da tarde. Cambio
solre Ijondres *o baneario e S6 1/8
parieialar. Cliesou tiontetn> o Btla-
teMricano MARIE BVRXETX. Vem
-iiitndo a corveta brasllefra SIC-
THEiOf.;
Havre S8. Care : venderam-se
aooaccos. sendo o do ttto a 98 e o
de Waatss a IO. Algodao : veade-
rannetdo fordos i o de Pernam-
buco a OOe o de s. Paulo de l a OS.
8eboi mncadu quieto. Chiffes de
boi. a>S t d carnelro 49 a SO. Um i
mcrSo flrmc.
liosdres )8. -Consolidados 99 3/41
fundits brwileiros lOl 3/4 i clnco
por cento rnnces 08 ~ Cafe mer-
cadofrauxoi cota-se a 80.
Anvess 98. tare: venderam-ie
6.800 unccui, a precos varlados.
Las : venderun-se l, too fardos de
Rueikos-Ayres. Couros sublndo.
Hamburgo 'H. Care frouxo, ven-
das de hoje IO.SOO saccos.
boa teadeaela. Couros flrme.
I.tabsa SO. Sahlram para o
sll ? paquetes. alleniao BAHIA
gle* MINUO.
Las.
Bra
e in-
INTERIOR.
(AGENCIA AMERICANA.)
RIO DE JANEIRO
13 DE AGOSTO BK 1871.
OntinuftD hontem no senado a discussao do pro-
jecD da forca naval.
4 Sr. ilmistro da Marinha, respondendo aos
preedentes oradores, fez o parallelo das qaalida-
desdos eanhdes Armstrong e NVithworth e do
qui a respeito estao seguindo os governos euro-
pets, acab ii Jo por dizer que ainda nao opina pela
muianca dos canhoes em uso na nossa armada.
Traou dos diques no Maranhio e dos pharoes.
Bcplieou a encommenda do eocouracado in-
depmdencia e as suas qualidades de construccao.
ilssou em seguida a fallar do rorneciraento de
car-io, em que tocon o Sr. Saraiva. Disse as ra-
zoos do augmento do pre;o, o que deu lugar ao
seg'.ndo contrato.
OSr. Zacharias observou que o Sr. ministro da
marnha e sempre infeliz nas suas explicates.
Nao s deu aatisfactorias a respeito do navio Tra-
ja no, nem a respeito do negocio de lonas, A', que
fallooo Sr. Saraiva. Quanto ao Independencia,
defeuden-se o Sr. ministro dizenJo ter elle sido
coostHiido segundo os pianos do ex-ministro da
marinSa, Sr. Affonso Celso. Nao o prendera por
essa nzao, e nem pianos e deeretos do poder exe-
cntivosnjeitam o voto national. Preciso e mais
algunu cousa. 0 certo e que o dinheiro perdido
com o desaslre do Indfpendencia nao voltara aos
cofres Jo thesouro, porque ja os seguradores alle-
gam raoes que os eximam de pagamento. Entrou
na questio do barao de Teffe. 0 que se pergun-
tou ao iv-ri.-iro foi someute se esse ofQoial abusara
ou nao com o casligo mflingido a Cirae Lima. 0
ministro fillou dos vicios deste e nas virtudes d'a-
quel.e. Pir mais miseravel que um bomem seja,
nem por til desmerece da proieecio da lei. 0
barao deleffe sera, se quizerem, uma estrella da
armada, nas e uma estrella eclipsada.
Passou a diseutir juridicamente a questao, e
perguntoii quem pagara a naijao a quantia de
1:9004000 roubada? Nio pode ser o pai da victi-
ma, pon;ue a esta absolveu o conselho supremo
militar, j assigoaram a sentenga de absolvicio ho
mens cono o duque de Caxias, Bittencourt, Ta
mandare, etc.
PergL-ntou se valera estes meuos do que o barao
de Tefft.
Concluio dizendo queoteroSr. ministro di3-
pensadc a esse offleial do conselho de guerra e um
acto muito censuravel.
A distussao fica adiada pela hora.
Na segunda parte da ordem do dia proseguio a
discussso da proposijio relaliva ao servico no
exercito e armada.
0 Sr. Candida blendes declarou que o projeclo
nao prcduzira senao males.
0 Sr. Silveira Lobo em aparte observou que
esse projecto entrega o paiz ao e3trangeiro e impas-
sibiliiao commercio nacional.
0 Sr. Candiio Mendes, continuando, disse que
e tambem o pr qecto inconstitucional : o que se
prova com os arts. 145 e 1" da conrtttuiQao, com-
binados. Examinoa os artigos ura a um, demo
rando-se naquelle que obriga a servigo o brasilei-
ro de 18 annos, sob a razao da precocidade nos
cliraas quentes. OppOz-se a isto; disse que de
1832 em dianto a sciencia nio aceita mais a in-
fluencia do clima, como principal, no organismo
animal. Leu opinioes de varios autores. Protes-
tou contra o papel reservado do parocho. E am
meio para -fazer delle am empregado publico.
IVrguntou como se entende a volunlariedade de
alisUmento nos menores de vinte annos. Nao se
conforma com o tempo de servico, por longo.
Aceitou, entretanto, o printipio, da base da popu-
lacio, como effectivo meio de uma estatistica
exacti.
Offereceu emendas declarando que, easo nao
fossem attendidas as alterac^es que indicou, vota-
ra contra o projecto, que deve ser melhorado.
Fica adiada pela hora a discussao.
Hio *0 aos 15 m. da tarde.Mer-
cado inalterado. Cbegou proce-
dente dc Pernambuco o vapor in-
glcz LALANDE. Totlcias da republica
do Peru dizem que o governo pedi-
ra ao congresso autorisacao para
reunir na cidade de Lima, capital
da republica. um congresso amerl-
cano para resolver a independen-
cia da ilha de Cuba, t'otou-se a
autorisacao pedida e a emissao de
una milhao de soils para occorrer
as despezas.
Rio so a l ta. da tarde.O Jury
acaba de condemnar Cervetto a
sale* perpetuas.
Buenos-Ayres SS.Cambio sobre
o Brasil Sl.OOO e 81.SOO cada
onca.
Hontevldeo SO.-Mercado Inalte-
rado. Descontos faeels. O dia an-
nivcrsario da independencia foi se-
lemnisado com grande pompa. O
governo apresensou ao congresso
um projecto flnanceiro para emit
tir quatro mllhdes de pesos com
garantia no augmento dos direitos
cm he?ancns e legados. Chegou o
patacho brasileiro JOVEN CORREA,
procedente de Pernambuco.
Italiiu SO& 1 b. da tarde.-Chegou
do sul o paquete amerlcano MERRI-
MACK que hoje mesma segue para
o noiie.
Bahia 99 as 3 h. e SS m. da tarde.
Xarque. ntercado flrme. Exlsten-
cia hoje. 18.393 arrobas do Rio
Grande do Sul. e 9.306 do Rio da
Prata. A do Bio Grande jendese
de 5A300 a 5A900. a do Bio da Pra-
ta de 5900 a SAOOO. Ma semana
que hoje termina venderam-se..
SO.OOO kilos das duas proceden-------------------------------
cias. Entrou o paquetu ingica PQTO- reccoes que se deparam no relatono apresentaao
linha do Paclflco. procedente I a caraara e na reposta a falls (Jo tbrono; a* 1ue
vevsavam sobre a falta de deferencia para com o
caraara, e as relativas a negocio de diversas pra-
viocias. Defendeu os presidKntes do Bio-Grande
do Sul e de Pernambuco das accusacoes que ihes
foram feitas.-
Mostrou qu-'- quando afBrmou que seu irmao na>
aceitara o emprego para q.ue for a nomeado, nao
arriscou uma assercao de que nao eslivesse coo-
vencido: baseou-se em ami carta que lhe fdra
dirigida por amigo intimo e digoo de toda a coa-
li:m;a.
Explicou como tem o governo prooadido a res-
peito das dotacSes do Sr. Duque Oe Saxe e do Sr.
D. Phelippe. Referindo se ao que ante-hontem
lhe foi perguntado pelo Sr. Goes Junior, disse que
o Sr. barao de Araguaya vai para Boma no mesmo
caracter diplomatico que tem ha seis ou oito an-
nos, afim de sub rtiluir o Sr. barao de Alhandra,
que foi removido daquella capital. 0 orador con-
ciuio o seu discurso depois do tor defendido di-
versos actos do ex-presidente da Bahia, e promet-
teado respondor opportunamente as censuras que
bio sido feitas ao governo por cousa da questao
religiosa. <-
0 Sr. Carlos Peicoto tratou das obras da estrada
de ferro 1). Pedro II, e soiire este assumpto fez di-
versas coqsiderajoes e censuras, para as quaes
cnamou a atten?ao do Sr. ministro da agricultura ;
apontou varios abusos que hio sido prati^ados pe-
la actual directoria da e.-trada, e respondeu a al-
guns topicos do discurso proferido antelionlem por
aquelle Sr. ministro.
A i scussao ficoa adiada pela bora.
1*
No senado, honlem, entrou em 3* discussao a
proposicSo sobre a escola de pharmacia era Minas-
Geraes.
0 Sr. Dias de Carvalho disse que, comquanto ti-
vesse approvado a proposipao na2' discussao, tinha,
nao obstante, algumas duvidis q le passou a ex-
pender, concluindo por apresentar emendas.
Ficon com a paiavra o Sr. presidente do coa3e
Iho.
Passou-se ao debate sobre a lei do servico no
exercito e armada.
0 Sr. Junqueira (ministro da guerra) disse que
prepunha-se respondor aos oradores que haviam
impugnado o projecto. Nio tem razao o Sr. Zi-
carias de acoimar de hypocrita ao mesmi.
0 priariro e principal pensamento da lei e o do
engajamento de voluntarios.
So na delicieacia desse meio recorrer se-ha ao
alistamento. Essa previsio ou recurso explica-se
pelas condicoes sociaes do paiz. Negou que seja
contrario a diffusao das lutes o projecto, porque
desde que estabelece a completa isenQio do3 es-
tudantes dos estabelecimentos publicos, tem com
isso prestado a devida homenagem as letras. Se
ignaf favor fosse extensivo aos estabelecimentos
particulars, daria lugar aos abusos, porque os
alumnos dos mesmos, fiudos os estudos, tratam de
obter os attestados de matricula.
Ora. pondo-se essa mocidade, lida e educada,
fora do exercito, e impossibilitar a regeneragao
deste grande desideratum. Quanto aos alumnos
das escolas primarias, esses nao serao incommoda-
dos. Tratando do debatido pooto da idade de 18
annos para os sorteados, entrou em Urga averi
guacSo sobre os autores phyiiologista*. Defendeu
se de qnerer militarisar o paiz. Interrompido por
numerosos apartes dos Srs. Zacarias, Silveira Lobo
eSaraiva, appellou para a nagio, que dira queme
patriota na questao. Tocou no ponto da admissao
dos estrangeiros, e quanto a base da populacio
para o sorteio, declarou-a muito fallivel e incom-
pleta.
Contestou as impugnacSes do Sr. Zicanas quan-
to o acaba r o projecto com os cadetes. Examina-
do quanto foi dito de cada um dos artigos da pro-
posicao, concluio lamentando a guerra contra a
mesma, tafcto mais quanto o que esta fora de toda
a duvida I avulta 6 o que ha de horroroso no ac-
tual recrutamento.
0 Sr. Saraiva negou que seja systematica ou de
partido a'opposigSo que elle e seus amigos movem
contra o projecto. Este, como reforma, e um es
carneo. -Com a sua alluviao de emendas, o que
perdeu em dureza ganhou em ridiculo. E' ura
todo compofcto de ideas que se contrariara, sendo
no fuudo o mesmo actual systeraa peiorado^
Estao a fabricar essa lei para o pobre, nao com
certeza, por exemplo, para os filhos dos senadores:
d'ahi a calma e alacridade do governo. Depois de
largas consideragoes perguntou se ao menos nao
cedera o Sr. ministro da exigencia dos 18 annos.
0 Sr. Zacarias em aparte disse qae marcasse o
Sr. ministro 20 annos e em compensagao riscasse
a lsengao dos aluainos dos estabelecimentos pu-
blicos.
0 Sr. Saraiva continuando, disse que reconhecia
um notavel 3ervigo da parte da commissao do pa
recer do projecto, e ter extinguido o castigo corpo-
ral no exercito ; mas perguntou ao Sr. ministro,
que so pecca por boodade, como tomara a si man
dar para a marinha, que tem a cliibala, o sorteado
para o exercito ?
Ao menos, e sequer em alto mar, acabe se com
esse castigo na armada.
Concluindo, disse que so por uma transaccao vo-
tara pelo projecto, e e: 1, que tnoiifique o go-
verno o art. 3 do projecto aceitando a eraenda do
Sr. Figueira de Mello; 2, que ris:jue a substitui-
gao por dinheiro e a pessoal; 3", que conceda ao
ministro da marinha recrutar para si; 4, que pro-
raova vantagens e amplas para os voluntarios.
Ficou a discussao adiada pela bora e com a pa-
iavra o Sr. ministro da guerra.
Na camara dos deputados proseguio a discus-
sao do adiamento do art. 4* da lei da reforma elei-
toral. .,
0 Sr. Martinho Campos fez longas consideracoes
acerca do systema adopudo no projecto apresen-
tado pelo Sr. ministro do imperio. A maioriii ao
paiz, a maioria da representacao nacional( lioeraes
dissidentes, e at6 mesmo muitos dos que apoiam^o
ministerio,) disse o orador, sao pela eleicao directa,,
o governo, pois, parsistindo nas suas ideas, contra-
ria flagrantemente a vontade da nacao, e, o quei e
mais, no intuito de fazer prevaleeer c. seo capn-
cho, nem hes.u em descobnr a coroa, attr.buindo^
lhe o desejo de ver converudo em lo. o ajstema
adoptado no projecto qae on se diseute. VBUH
a analysar a materia do art. 4*. o orador eensurou
o processo de qualiQcafio nelle prescript, e va-
rias outras das snas disposicSes. ..., ffti
A discussao do reqaenmento de adiamenlo foi
encerrada, sendo rejeiudo o mesmo requen-
A discussao do projecto de reforma eleitoral
ficou adiada p U hora.
Na segunda parte da ordem do dia conlinuou a
discussal do orcamento na parte relativa ao minis-
terio do imperio. :.
0 Sr. Joao Alfredo (ministro do imperio) defen-
deuse das censuras que lhe foram feitas pelo Sr-
Duque-Estrada Teixeira, em uma das sessojs pas-
sadas, quanto aos actos do presidente da provincia
do Rio de Janeiro. 0 orador explicou o estado em
que se acha a sua secretaria, estado que, com
quanto seja satisfastorio, nem por isso dispensa a
reforma daquella repartigao, afim de melhorar-se
o servigo ; mostraa quanto Ja tinha fejto e o que
ainda conta fazer em bem da instracgao publica,
quer primaria e secundaria, quer superior, e em
prol do ensine profissional.
Respondeu as con3uras feitas acerca de incor-
I SI, da linha
Na eamara dos deputados, depois da leitura do
expediente, o Sr. Bernardo de Mendonga pedio e
foi lhe concedida urgencia, por cinco minutos, para
fundamentar nm projecto seu que revoga alguns
artigos da legislapao nypoth9caria.
Este projecto foi remettido a commissao de jus-
tiga civil.
Continaoa a discussaj do art. 4' do projecto de
reforma eleitoral.
0 Sr. Joao Mendes, occupando a tribum, eensu-
rou o facto de terera desapparecido, nao so o ar-
tigo primitivo, senao tambem as emendas da com-
missao especial apresentadas de accordo com o Sr.
ministro do imperio, substituindo-os novas emendas
lidas na camara a ultima hora. 0 orador compa-
rou as disposigoes do artigo primitivo com as que
ora sao apresentadas ; fez consideragSes sobre a
eleigio por districtos e por provincias e sobre o
augmento do numero dos deputados.
Na 2' parte da ordem do dia, depois de approva-
do o or.gamento do minisierio do imperio, entrou
em discussao o orcamento dos negecios estrangei-
ros, achandose presente o respectivo ministro.
0 Sr. Ferreira Vianna fez largas consideragoes,
censurando a politica do governo nas suas teUeoes
exteriores, e quanto a diversos actos administrate
vos. 03 impostos, disse o orador,%chegarara ao
ponto de tornarera-se realraente vexatorios para o
povo ; o governo prosegue na pratica de abrir dis-
cricionariair ente creditos exlraordinarios e supple-
mental. Proseguindo, porguntou que procedi-
mento pretende ter o governo em relagao as con-
veugdes consulares, e, depois de varias outras pon-
der agoes, concluio o seu discurso occupandd -se
com as negotiates diplomalicas, eataboladas a
respeito da questao religiosa.
18
No senado, hontem, comecou a discussao da
lei de forcas de terra.
0 Sr. Zacarias disse que a proposito de nao
querer o Sr. ministro da marinha raandar a con-
selho de guerra o ba.rao de Teffe, declara que.
a!em de muitas outras razoes, seguia o SjSJSStafcsas
do ministro da guerra do gabinele de 3 de afosto,
com o processo mandado instaurar contra o ge-
neral Cadwel e outros, e qae parou.
Nao tem rzao o Sr. ministro, e como a guerra
que interrompeu aquelle processo esta Goda, per
gunta ao ministro da guerra se nao e saa ioten-
gao reviver o mesmo processo, que alien de outro-
motivos, deve. ser feito em bem da reputacio da-
quelles generacs.
Ueferindo-se ao facto de haver comprado o mi-
nistro da guerra ao visconde de Maoi por......
1,000.000s n palsrrti. Pm S ChritiovJo a eortn-
me -deveodo ser o pagamento em cinco orazos ao
juro de G 0|0, perguota a < ministro da fasenda se
pode autcrisir semelnanle operajao. As com-
prai pelo ministerio da guerra so dio lugar a
creditos exlraordinarios e supplementares ora, S
que o ministro fez foi uma operacao de credito.
que so cab pelo nosso systema a pasta da fazenda.
Quanto a re:lamacao de Molina e outros, recla-
iii ; que de sutecentos e tantos contos de reis
desceu a duzentos e cincoenta, pede o ministro <
repartigao de fazenda que os paguepela verba
dos exercici s lindos; ora, e-isto irregular, pots
que o processo dc liquidagao ou exame das conta.
compete ao tribunal do thesouro, e a proposi:o K
um aviso do proprio ac:ual presidente so conselho.
Todas essas cousas o que provam e que vai
entre nos tudo perdido: 6 como esse dispendio de
contos de reis para essa treinllia da Gloria, ni>
salas da secretaria do estraugeiros, a custa dos
cofres publicos.,
0 Sr. Ministro deEstrangeirosubsetvi em apar-
te, que a despeza foi a custa dos mioistros.
0 Sr. Zncarias : -Desti(vez (Signal affirmati-
vo do Sr. ministro de estraugeirosj. Mas das outras*
Conclue por algumas c bservajoes a respeito das
companhias de menores.
Adiad > pela bora a discossao, fica com a paia-
vra o Sr. ministro da goerra.
Passou se, na 2* parte da ordem do dia, ao pro-
jecto do lei sobre servico militar.
0 Sr. Junqueira (ministro da guerra), depois de
algumas palavras sobre a conveniencia de oao en-
trar a paixao politica nesta questao, diz que. n-na
vez que os impugnadores do projecto insistent em
que .-e deve, em vez de 18 annos, exigir a idade
de 20 annos, co.lo a capaz para o servico, vai
propor com nma eraenda, um meio lerrao, uma
iransacg.io, ou campo neutro, a idade de 19 an
nos, e por compensagao riscar se-ha a excepgio
do projecto a favor dos estudantes dos estabele-
cimentos publicos. Procedendo assim, da todas as
arrhas das boas iotengdes do governo.
0 Sr. Visconde de Sauza Franco nao aceiU
transacgao alguma.
K o projeclo fatal ao firasil. Esta como na
primeira vez que fallou. Deplora que das discus-
soes das eamaras nao tenha o paiz complete e
prompto conhecimento na Inglaterra os discar-
ds pronanciados contra o projecto teriam ja per-
corrido o paiz inteiro e formado opiniao. Entre
nos o povo nao accende-se contra o projecto, nao
por iodilTerenga, mas porque nao tem conheci-
mento delle. K' jra amalgama de todos os psin
ripios, sem que i final prevalega alguma Visa, nao
a ter exercin o Brasil, mas a ter o governo, pela
forma;io do exercito, os meios de poderio politic*.
Mtlitarisa o paiz e no enlanto. ha de toroo-io mais
fraco e incapaz de defender-se. t MUitarisa porque
ira langar mio justamente dos "cidadaos mais va-
lidos e sadics. Debilitara o paiz para a propria
defeza porque na guerra do que mais se preeisa
e de bragos e de dinheiro. Ora, a lei indo buscar
os cidadaos validos impede o augmento da popa -
lagao e d'ahi a diminuigao da riqneza. Veja-se
a Franga, cuja populagio nio cresce, e quanto a
riqueza tambem esta augments na proporcao da
liberdade, como provam os Estados-Unidos.
Nao pode progredir em riqueza o paiz, enjo
principal empenho seja tornar sollado o cidadao.
De facto, que futuro preparar para um mogo que
aos 1S> annos e arrancado da industria e das letras4
Que eapitaes confiara alguem aquelle que igual
sorte espera ?
Conclue dizendo que tal e a sua convicgao con-
tra o projecto, que nao so votara contra elle e
contra suas mesmas emendas, corao csgotara as
suas vezes di fallar.
Fica a discussao adiada.
Na camara dos Srs. deputados, depois dalri-
tura da acta do dia 13, suscitou-se sobre ella longo
e caloroso d:bate, em que. tomaram parte 03 Srs.
Martinho Campos, ministro do imperio e Silveira
Marlins.
Esgotado com este incidente o tempo marcada
para a 1' parte da ordem do dia, passou-se a 2*
parte (orgaraento do ministerio de estrangeiros),
depoisde lida e approvada a acta do dia 14.
0 Sr. Visconde de Caravellas (ministro de es-
trangeiros) respondeu ao discurso proferido pelo
Sr. Ferreira Vianna na sessao de 13 do corrente.
Disse o orador que no estado actual das cousas
nao tem o governo motivo para receiar que ve-
nham a ser perturbadas as relagoes de paz o
amizade que o imperio mantem com as potential
esirangeiras. Explicou as despezas feitas com o
augmento do material e do pessoal do exercito e
da armada
0 mraisurio, disse o orador, nao tem intervido
clandeslinamente nas lutas dos partidos na Repa-
blica Argentina,; no intuito de crear tropegos
aquelle governo, corao erroneamente se ha assoa-
lhado na Europa.
Quanto as convengoes consulares, declarou que
estavam a terminar os prazos nellas estipulados ;
que as actuaes convengoes nao eontiouanam a
vig.rar e se negociavam outras. Quanto aos actos
da admioistracao, o ministerio 7 de mareo conti-
nuara, como ate aqui, a esforgar-se, tanto qnanto
em si couber, por satisfazer as necessidades pa-
blicas. Referindo se a quesUo charaada religiosa,
disse o orador qae nella nada mais tem feito o
governo do que observar a constitaiglo do impe-
rio, a qual estabeleceu o placet do poder sobe
rano do Brasil para todos os actos emanados da
Santa Se.
0 Sr. Ferreira Vianna insistio nas arguicoes
que fizera ao ministerio tanto em relagao i sua
politica ne Rio da Prata e nas questoesde limiles
do Paraguay com a Republics Argentina, como
acerca de diversos aclos administrates. Chamou
ds novo a attengao do governo para os instantes
reclaraos da lavoura, e concluio censurando o
procedimento do mesmo governo na questao cha-
mada religiosa.
A discussSo ficou adiada.
- 19 -
No senado, hontem antes de comegados os tra-
balhos da ordera do dia, o Sr. Figueira de Mello
requereu que o governo ministrasse ao senado os
mappas relatives ao proje:to da novapioymcia, a.i
Rio de S. Francisco, e assim tambem os "***
do censo, que dizem ja feitos, da populagao das pro-
vincias da Bahia, Pernambuco e Minas, para base
de estudo daquelle projecto.
Na pirte da ordem do dia, entrou em A' dis-
cussao o projecto relativo a estrada de ferro do
Madeira e Mamor6.
0 Sr. Candido Mendes admirase de que o projec-
to apenas. ha alguns dias apresentado, esteja ja em
3'' di3cus;tSo, e assim larabem de que o governo se
tenha conservado em silencio. E o projeclo trata
nada menos do que da garantia de 7 por cento
sobre 400,0000 libras esterlinas e para, uma estra-
daquasi em sua totalidade er paiz cstrangeiro.
Peae qie o governo declare, se tem fitcahsagao
sobre a reserva da* 580,000 libras. Trata de ev
-


v
'


--------*i
Diatio 'le Pernambuco Domingo 30 do Agosto de 1874
\k\tiff <*lo porqaa dit qua < projecto icr*s
-nurrs a Rolivia.. , O >erlp decmmf=sa.i.j.i *wt 4vi)ajtfaaa|K
a tal resneii), poojuant'i '.spacirtcA qne a c.strata
., ItlnH^l^J!:^ m .,srt-,^ **> iv fegtfir pat* ir.antom WitoVllSlaW
essa garaittta^jiamcnrtcio,* Vjue vmftalvei par e Manure, ct*re a* Ann eiudas Mchoeirw, efl_
lira $alvar.'uniMifMahia4t()rotBeili4a.
O Sr. CineWa -mtftes
de esee terrfiorio a da (uelias Auas provin;ias, -.; ,t
vtfaia pelo projectj, sfl | Se n,!r*; 2s *?dreci"^Illos- ' j0 f *i0 Urunco (prendeate do do pelewjbre senador, prev&ra issode aita ler of-
conseino) ob!>er**^ue asMhriiiatowpcjIMase-Hao! frMo iwpuiinicao algum* ; o fens uite sta
no rrtalonodo iirii*i6*a|TicolMira. O projecto rmniie*asse, uao podia-a sustenu lo es atitoresWm
tern for ha eenmauieac o-fiprie do imperio com do prajecto, nam os raiaktros qua tem. aasento no
a fiehvia, com o qae.uih,raoos dons paiaes. Ajaenad-e.
Tamhera nao v exaetn que, passaada o projeJto,
fiqae definitivaraente concedtda a earantia de *'
garantia do Srasil 6 para quo se levaata o quanta
ainda nacessario da "capital para a empreia, vb-
lo terem tomato oa ipriiiieiros calcalas. Assegitra
*ao senado ^ue a deapeza a fazor sura muitocowpon-
sada nos^erviijos qae se hao de aaerir. Asseve-
a-a que a--ganifltia e se tornara effactrva, quando
sejant gastas S3 5PH.O' 0 libra-, o i-ty de*Hamea-
(e veriBcado. Croclue mostranfii as vantagcns
puliiicas e eccnojMcas do project**.
O Sn. S'lf'iiva, comqu.mtu rua queira impug-
oar o pTojeoio, -requer, eoni.udj, que va a mna
cDonsao, porque o_que -que fique Dfin dalinida a BOSS* garantia.
Apoiado o requeriraanto, lica adiada a'sua dis-
cussao.
Na'seguada parte dos trahaJhos, dfeculio se o
proje'cto do-sefvi^o no exercfeo,
0 Sr.Jumjtteira (iniuisira da guerra) eat-;de
que o Sr. wisoondrt Souia Franco auo tove racao
em tudo quantodisso. 0 projects n) militadh o
paiz. Se estateleeesse o systcina de servipo ori-
igaloria e^a bjweasse sobre a n-we-widadi d u;n
-oxercita perkoanente numero*>, eiiti>
u popoe nil altcraein mais urn ho:nem sequar
o'xercito lo'tirasil. Depjw da dcrgas exptana-
<$ei conclue-fii&ndo que paia praya do quaato e
m.io o actual sy-teina de kavar >i oflkio do presidente do E:itrito*nlo, couimuni-
tando o assa*sioato do eapatat Lwanja, recruiador
alii, no exeroisio dos seus de\ere.
uSr. VttOMds'de Svuz* Friiiict, senlin-lo n.to
pod.-r elogiar o< tsf.rci d i Sr. ministro (sa pro!
do projaotj, iasista n is nan tfrguin^fttos do pri-
meiro disi-.ur-o e avali.i as ::.;sReiUcoe3 unpu.-t is.
Esyera em Bern quo o iir ir!> nao ftra appro-
vad).
Fica adiada a di-cussa >
Na camarp. dos Srs. d>?pula!-s depiis da letto-
ra docxp'iiionte. o Sr Penira da SiWa, .pela or-
djtn, pedm argencia, d>ari um requerixeut) para o lim da ser DOMoada uma
cornruissio asixta da ienadores o dtyatadiK que,
no lotervdla ila sessao d; 187i a Ja 1878, se in
cumhi de redigir uui project") reorganlaeuda as
iraposi^d-'s gcraos e provinciMS. S-:i.l.>Jiifi on-
codida a orgau ia, o rador lendamant u o seu
requeriment), iiM-traudocomo do facto de-tef po-
ta e:n pratici a inadida nelle rec'amada reeidtara
o termo din eoadictoi qu^ sot-re impostos >p. flao
de continuo iravan lo enlre o governo geral e os
da* diversas tprovineias. i Resiitara bmrasim da
tal aiadida varda lairo e real benolicio para a la-
voura porquanto e c6m feftes e oatros aaiosia-
directos qua tgriculiora.
O i.uito ios meios direclo?, eroacio de batTCM
agri:-jias, ampruitimoa, etc., o orad.r os ^oodeua
na, e dine aater disaoato a rntar eoaira ws pro-
jfict is que nese jentido n gorerao apreKBU*a a
catnara dos Srf. deputados.
0 Sr. MniiinLa C-impos, p. la ordeai, deelafdb
apylaudir a idea capital do reqt.erimairto; mas
quauio a ;:er a commissao composla de deputadoa
<'. seiiadores, nao. Em matem de impostos a ini-
I'iativa caiic exctosivanrerta ao rama tainporano

orador qne >e infringira Wo salatar preceito cons-
titueional.
0 Sr. Pereira in Sitca, pela ordem, explieov o
sea pensamento, ouHtramlo c|ue nap te.va em-vista |bera"r"
iafringir >i prceeito onslituai mal a que alludio o
Sr. tf-.rtinho Cauipas, preeefto que ene orador Ja-
aja alias seja seiupre reHgiosiamente olHervado
Attends lo, pirem, a pouderaciSj riia pora laella
Sr. depot.i 11, a orador dividio o seu requarlnaant
en duas partes: I*, jara quo i c.tmira nornaie a
siia commissao ; 2', para qua a intervirna trahallio, nomeando a commijsao que
deve eollaborar com a do ramo temporario do ear-
po legislalivo.
OSr. Piutiuo de Stvsa di.-se que nlo via ia-
caatoaieate em ap;iruvar-sa o requerimauto com
a nadilleacda faita palo sea auur;tiutj mais
Waata o maio proposto ibe parecia o mais onJu-
ceaiapara sarem atteadilii diversos parecares so-
bre laia proviaci&es '(uj crt-atn Impostos, ijua exis-
lem na pasti da respectiva corarnissao.
A disouss.u daste requariwcMto Ikou adiada, por
ter pa.liio a palavra so'jre -eile o Sr. Ferreira
Vianoa.
0 Sr. Jo quiin Btn'o, em razSo do aao estado
de sua satde, pedio a foi-lha :oncelida dispeasa
de mambro da eatamiuio da atsambleas provin-
ciaes.
Passou.se .a 1' part* da ordsm dj dia ( conti-
nuacaida 2' di.cussaodo ^rojeao derefonua elsi-
tora I).
0 Sr. Eufeaslo Correa dissc que, nao estindo
ainda appruvaJas as emendas apresaatadas em
substituicao ao art. i, ia disculir pcimeiramente
o project) do Sr, uiiaistro do imperio antes de
>:-'.'n u-ir .; as desvantagaus da emeada apresen-
tada pela commissao. 0 orador passou a coip"a-
raras disposleods do projocto primitivo com as
eajeadas. IVefartudose ao systenii da elaicao,
di.-se o orador que os escropu'os de iafringir a
coasii!ui<;ao so se maaifastam qaando se tra'a de
rejaitar o sysiauia da eleicio Uircala, que e e pre-
fen da pela inaioria da natjao, e que mais tande on
maiseedo vira a prevalecer. Dapois de varias ou-
tras eoiiside"raQSes,cenurou a base adoptada para
o nurae^'o de deputados que djve dar cada pro
viucia, a o in > lo da eleicao do deputaJ) qae per-
deu o lugar por ter si Jo comaado ministro.
A discussao liou adiada pela hora.
I'assjuue a 2' pane da ordem do dia ( 2' dis;
eussao door;amento dj miuisterij dos estrangci-
ros ).
0 Sr. Roirigo Silta disse que se limitaria a
ehamar a attencao do Sr. ministro Jos ostrangei-
ros sobre algons negocios da reparlicao a seu car-
go. 0 orador lembrou a cainara a convenicncia
de serem recUflcados os nossos limins com a
Confederacy Argentina, porque s6 assim se re-
movera nm motivo pendeate de conflietos o de
ilescooflanca ealre ambos oj paizes.
0 nosso tratado de limites cora o l'aragaay, dis-
se o orador, foi felizmeate concluido.graga! ao ti-
ao diplomatico do seu negociador, o f Sr. barao de
Coteglpe ; mas ha ontros qae import* sejam re
solvidos quanto antes, e taes sac os tratados com a
Venezoella, Bolivia e Peru. 0 orador terminoa
mostrando a convenieneia de ser melhorado o
aosso systema de organisaoao diploitfatica.
0Sr. TM-quinio de Souzj disse line, tomarido a
palavra nesta discussao, tratara oxclasivamente da
qnestao religiosa, e aprecira o modo por que tern
o goverao.procedido nas suas rnla;5cs com a San-
ia Se. IosistiaJo nis censuras que ja por vezes
tern feito ao goverao sobre esta assumpto, o orador
reprovou otom por que o Sr. ministro dos estran-
geiros respondera ao protesto, do interauncio e
pergaatoa se o Sr. barao de Araguaya vai a Roma
negociar nma concordala com a Sinta Se. Ten-
clo-lbe o Sr. ministro feit) sigual uagitivo, prose-
fuio o orador dizeado ser para lastimar que o go-
verno amda oao 9a tivessa deeidido a adoptar
squelle modo de por teruio a am conHicto taj
f;rave, a qae tao iooaietas traz a cansciencia e o
nspirito dos lleis. 0 orador coieluio o seu dis-
torsofauado largas consideracpas sobro o placet
a paramia de )
ros, pile esta ceaaebd nos tarmos de nma aaw-
rrsacio da quil o gorerno nao se prefalecera e
rceonhecer qe d'aiii nao devam resaltar o< bewe-
ft~ios que se '.em on vista.
Qaanto a falta da fiscalisa^ao "o emprega idas
150ii,0(K) libras que esti i no Kaaca da L-mires
[Cambem um argumeato qae aao pode previrfecer,
porque o SO' cendicao das bases da cooaessao,
constantes do derreto n. 4,509,9tbe*eceiie ao
governo imperial cabe fucalisar a cpnstrncSo da
estrada e_a aerJico de seutiafego, e, partanto, tal
fiscalisacle nao pode deixar de com pre bender a do
emprego da r.aaital destlaado a esse lim.
Da raesma iorma e iutairamente imprasedeat* a
npposijao ip;a assanta na preteniida falta de esta-
las e dados relatives a projectada via-ferrea. Loa-
ge de dar-as tal lacuna, existem a este respcito os
'.-hi I is us mais completos, feitos aaquatlas regiaes
pelo eogeoaeiro Ifeller, de ordem do g'lvern-i.
Tarn presaote o relatorio destes eogeubciros, e
basta ler a elenco das malarias que content, para
var-se que os estudos sao completos al.Tkngerio
todos os.panlos que deviant ser eselareciJos.
Xem esta qacstao e nova, pois foi iaiciada em
1868 no relatorio do ministem da agricnltnra, e
desd* en'.Ao nao deixou mais de estar sob as vistas
da admioislracao.
Por todas estas razoes, vota cootra o reqneri
mento.
0 Sr. Tigneira de Mello insistio na convenien-
eia do adiameato arfin de ser a questao submet-
tiaa ao eitudo o examo das coianiissdes iadi-
cadas.
Sabe:n que existem os esfudos (Jos engenheiras
Ktller, mas se podam bastar pelo que diz respeito
a parto techniaa, b'o e, quanto a prefarencia que
e deva dar ao melhor tneio de commanica.ao
entra os pantos auo se tra'a da ligar, e quanto ao
melhor iraca'o do meio prcfarido (uma estrada
de f-rn-), o me aos dados estatisticos e sob o ponto dc vista admi-
nistrative. E, pois, nao 6 exacto que taes estudos
sejam completos.
|_ Para o orador, porora, ha qnestao mais grave, e
que cuatpre ser perfeitamente elacidada, e e se
-era lie inieresie real para o paiz fazer o sacrifi-
eio ue eapiUes tao eansideraveis para dotar com
auia estrada doferro regioes despovoadas, quasi
dase.'tas ; se niio sera da inuito maior couveuieu-
aia a vantagam empregar sommas tao elevadas
oas obras que reclama a navegacio dos rios que
bauham territorios fertilissimos e inuito povoados
daixando para mais larde o que ora procura o
projarto ot.-ter.
Nestes termos enten!e que niio se pode daixar
de apprcvar a r querimento para que sejam oavi-
das as eoinmwsoes.
A dkcossio llcou adiada pela hora, e passousa
a segunda pai-le da ordem do Bta, isto e, contiaunu
a 3" Jiseus-ao do projecto ralativo ao re<-ruta-
mento.
0 Sr. F/gueii-A de Mello respondeu a impugna-
cao faita a sua emeuda para que o fornecimento
da reerotas ao exercito e a armada seja feito pelas
proyiueias pr'ipra-cionalmecte a pupalacao livre e
aaeiooal existeute em eaaa uma dellas.
A discussio lieou etiecrrada, uao se proceden lo
a vou^ao por falta de numero lepal para dali
eensuru ill iw#-
cjinpra a an mi! / ie#a
liua, de edilidiaa eoar-
NSa eoneanla com as
::hor seuad.r. iwauto a
f8*t-4toX?eoWlo de '
Hirm*. *
SXn kwKMiH* ope-ai.ao de credito. Ft(i anM.
f>/.aiji tolas wittislros. 0 aiiauo do juroph
can a demo-a do pagamento.
Quanto a liqaidacao das reslatnacae-s de'orne-
so eo l'iro* ao i-xaratto, |mn lota iiu a* waam* ijfim{
carl i iractci da qni'ea inuiroaciu-ea;
ora, cm rt-solfe las por arhitrose aipedi'i) da*
panes beat aa4eu o gawrau. '
tead'i qiae o tttsoiiro naa -jhide apacar a auuwmia
dot ouiraiMBipstertos ; Rio cafeo an mesai alts
rap ns tarmoe da uni |4*am.-ntov o qae ei aa-
nnMar a eompe'.encia doa-miniatarfcis. 0 tltsouro
nao port eatrar a<) cxaae iuirinseco 4a ljuida-
?5o.
DesJara que as id^as do Sr. Zacarias, altodea-
do a ftosicao que lem occqpado no thesouti, po
data levaui ir um conflicto.
Sr. Sa:arias am-aparta- atauacia qae la doJ
interpellar a respeito o Sr ministro A fa-
zeada.
O Sr. Junqueira conctae produziado algimas
coasideracoes s<*re as eflRipmlhias de apreniaes
raeoares.
Adiasa a discuSsSo, ficafido com a palavrab Sr.
Zaearias.
Difcatio-se propoiic^o qae contede pen-
sSes ao major Feljc ana Teixeira de Almeia e a
outro. i
0 Sr. viseenJo de Abaetc p-jde a comraisso de
pensSes que informe a respeito da preten;iio',pois
palo'niodo com qae se vao cdWJ--dfndo taes o
r"e?
i; e aisim tambem no liae,se'*eft're a emprzas.
enteflde que o governo'tern sido rtuito georoso
o't I'snaDjador, c receia-Se de uma pWxfmabaa-
carota no 'thesonro.
0 Sr. Dias de CarvSlho, responUdado coma
membro da commissao, l< documeiitos ^ne aseve-
ram os'stSS-icos de gu#*a 1ft tyrefBaflatJie?
0 Sr. viscoade de Abaete" esta salisfaito om as
>x;'l!cacoes dadas; [mrque, se ha esbanjanento,
recahe a culpa do governo.
O Sr. ministro da guerra (em apart;) /flterrom-
pe, dizendo qua aao ha id! esbanjameato, e qne
se hoovesse complice Seria a eaiaara
O St. vfscmde de Abaete e de pa'acer Jttnqai'ira deve acirreseentar ahjijnas expicacSes
as do Sr. Dias de Carvalho ; pois qia, termhalh a
guerra em i87'J, so depois da quafo annosi; con-
fie li la a peftsr.n. Qua| a raza? dessa dimora ?
Yd os hdrisontes cO paiz'milUo es
e a disciplina da igreji eatboliea apostolica'ro
mana.
A discussao ficou adiada.
No seaado bootem o Sr.J viseonde de Abaete
apraseatoa um requerimento que, gem debate, foi
approvado, aiim de serem remettida* a commissao
de peasoes e crdenados as iofoimipJes dadas, a pe-
dido de SI Exc, pelos miaistdrios da guerra a da
oiannha, sobro a preteaiao de aposent3doria do
oiestre de esgrima das escolas miliur e de raari-
nba, Pedro Orlandlni; e tambem para serem im-
pressos go joraaJ que publica os trabalhos da casa
cinco documentos relativos a esta questao.
Na primeira parie da ordem do dia coatiuuou a
discussao do requerimunto para voitar as coramis-
tes de obras publicas e de fazenda o projecto eon-
d.-rueate a coaeessjo da garaatia do juros a es-
trada de ferro do Madeira e Mamore.
0 Sr. UUio da Canha oppoz-se a este adia-
mznto, por oao serem procedeate.J os fuadamentos
com que foi justiflaadj. Assim qtie, nao e exacto,
como susleotju o uubra senador pelo ilaraaliio,
que a astraaa em questao passe na sui maior par-
te por lerntono estrangeiro ; belo contrario, alia
nao atravessa uem uma pollegada ao
tons condicoas, como sa mostra com
.V.i camara dos deputados enlrando-se na ordem
do dia (contiuuacao da 2" discussao do art. 4 do
projecto de reforma eleitorai) a Sr. Elias da Aljbu-
querquaf-responde'ilo acs ^rocadentes oraJores
justiliaou as dMposie$eg do artigo em discussao. 0
aagnaeate da daput'aoao do Par.i, disse o orador,
ja j anno passado foi reconhecido, e ate ja da
camara foi para o senado um projecto em tal sen
lido. Ikclirou achar infundadas as censuras
faitas lelativauteute ao augmcoto da deputa^io da
carlas proviucias, que fur2in chamadas de semi-
oll'tci'iei; o mesmo augraento tera da dar se na
deputacao de outras provio;ias quo ninguem po-
dara cliamar &e~$emi-ofJiciae$. 0 orador passou
a responder ao qua fora dito a^rca da eleiQito
directa e da representacao das minorias ; os males
que alguns entendera so poderem ser remediados
por meio da eleicSo directa, serao combatidos, evi-
tando-se que o governo intervenha indebitamente
no jdeiio eleitoral; coaviim que as minorias sejam
represeutadas no parlamento, porjuinto isto esta
de accordo com o systema por que no3 rage-
mos.
0 Sr.Ignacio Marling, depois de algumas coa-
sideracoes sobre a generalidade do projecto, pas-
sou a considerar o artigo em discussao. 0 orador
disse que se a cleicio directr, a cujo systema
adhere, e inconstitucional porque limita .os direitos
dos ciiladaos, igualmeiita inconetilucioual ^o voto
iuco'mpleto que limita esses mesmos direitos. Tra-
tando do augmento da deputacao da3 provincias,
deelarou ser ad verso, om principio, a tal medida ;
as assemblers um it > numerosas nao siio as qne
mais se recommeadam pelt sabedoria de seas
actos ; o tumulte que reina no seio deltas djrante
as deliberacoes impossibilita a placida e cabal
elucidagJo dos assumpto*. 0 orador citou o exem
plo dos Estados-Uaidos, onde, a medida que cresce
a populacao, dimioue o numero dos respectivos
representantes em cada uma das duas caraaras.
Depois de varias outras considerac5es sobre o
artigo em discussao, eonclnio o orador intimaado
o miai>terio a resigaar o poder, visto faltar-lhe o;
meios do governo.
I'assaudo a segunda parte da ordem do dia, foi
approvado o orcamenio do ministerio dos estran-
goiros, e bam assim o projsclo sobre a presidencia
do jury nas comarcas especiaes.
Eatrou em discussao o orcimento do ministerio
da'raariaba.
0 Sr. liodrigo Silca diise que a despeza deste
ministerio tem aogateutado a ponto da exceder
muito a que lizemos durante a guerra com o Pa-
raguay. Entretanto o estado dos nossos vasos de
guerra e deploravel; poucos sao os qne nao se
acham irapresUveis. Lastimou o estado do aban
dono em que se acham as offlcinas do nosso arse-
nal ; com o systema de encommendar oavios na
Europa, dir-se-hia que temos em Londres o nosso
arsenal de marinha. Perguntou o orador se o
trausporte Madeira foi construido do conformida-
de cora o contrato feito ; se o Brasil tera de sof-
frer algum prejuizo cora o desastro soffrido pela
fragata Independencii no estaleiro onde fora cons-
Iruida por conta do nosso governo. Entende o
orador que conviria fossem reorganiaados os nos-
sos estabelecimentos de coostruccao naval, afim
de serem feitos aqni os navios de quo carecesse-
mos. 0 orailor concluio fazendo varias cooside-
racSes sobre o modo por que sao feitos os eonU-3-
tos de foraeciraeato sobre pharoes, proraocoes e o
aovo regulameato do arsenal de marinha da
eorte.
0 Sr. Cardoso Junior, respondeado aos diversos
topicos do disjurso do precedeote orador, den ex-
plicates a respeito do transporte Madeira, dizen-
do ter el le sido constraido de eonformidade com o
contrato feito na Europa. Approron a insisteneia
com qne o Sr. deputado por S. Paulo pada que
seja abandonado o systema de recorrere ao
estrangeiro! para a constrocpao dos vasos de que
carose a nossa armaia ; mas enmpre nao esque-
cer que o Sr. ministro da marinha pensa da
mesma maneira, e tanto qae tem buscado activar
as eoBstrnccCes no arsenal da Babia e ao de outras
provincias, havendo, outrosim, ereado tm destes
eitabeiecimentos aa' provincia de Matto Grosso a
discussao ficou adiada pela hora.
2* -
DssfyS saber,
euros.
0 Sr. Jlinqaeira (miafiaro da gaerra) diz que a
cm.'e-siofunda-se am direito plena. O |livern-i
naa ha da cerrar os cifras, nviitin-lo as-promes-
sas doterapd da gaerrn e f.ilt,tdo a jostica. .\ao
deve querer isto o Sr. viscondJ de Aasetc. A de-
m-ira'havida ahona o goveno. Existem nontes
de pedidM de favores e pensiss, que na>1aan si-
do attendidos, o que pniva : forca de rtsisfcnci.i
Ja parte do governo.
No debate da proposicaosobre isenoio'delirei-
tos para a eonstruccao d* um ehafarix Da adado
do Recife, oSr. viscoade Ve Abaele, pOndal-andjaua
n.aoe no-a a matena,perfe an Sr. mihistru|dafiiaii
da que declare quaes os principios do goveao a
respeito dessas UeocScs. Euxurga irregularilales
no molo pbrlo^ sefam ftroeftfido nestes assimp-
tos. No caso presente ve-se .-6 o reqaerimejto e
nenlium documenlo. BWMja explicac5es.|
0 Sr. viseonde do Rio-Urauco (presidente do
conselho) observa ser hoaroso para siquecSr.
viseonde de Abaete, mestre nessas materia, csse
je exalicacoes.
Como discipulo, a quern o mestre quer exjiri-
meatar, dira que o anno passado ere quo se aup-
toil uma disposicao garal para as iseoows di di-
reitos para eaiprezas particulars.
Ccuvem proseguir na caneira desses ivo-
res ?
_E'isto uma questao do principios, anh a tora
aao permitte desenvolver. No seu relatoric de-
elarou dever acabar-se coat tal pratica, em parte
ao mooas.,
A assen>b!ea geral nao tem por ora enteidldo
assim.
0 certo 6 que o Sr. viseonde de Abaete a'tibue
aos miui-tros um poJerio que oao esta d-j pa" com
a dignida le das camaras.
0 pubre cbafariz do Recife nao esta no cisj de
levauiar quesloes economicas e menos dar ltgar a
dizerse que o taesaaro esta ameacalo de'sajues e
de bau.-siuta.
A ceieuma so pode ser explicada pelo deiejo de
prejudicar resolucao tad simples.
Adiou-so a discussao.
Na camara dos deputados, depois da Ifeitara do
expedienle.,0 Sr. Paulino de Souza, fazenpo aotar
qua a sessao legislativa esta chegaodo a s^i termo,
e cum pre aproveitar os doze dias de trabalho qne
ainda restaut para adiantar a discussai da lei do
orcaraento, e converter em lei os p-ojectos que
estaa em ordem do dia, ia approvados pelo sena-
do, dapois ie varias cansidaracSes reonereu que
nao se de para ordem do dia ate o lim da sessao
actual seuao a discussao do orcamento, ex^eptaaa-
do-se unieaatente os projeetos viodos do [senado,
qua possam, approvados pela camara, suW este
auno asauccSo imperial.
0 Sr. Ministro da Justi^a impagnou este reque-
rimento, e por seu turno pedio qua fosse ele sub
mettido a votacao por partes. Quant j a almissao
da discussao do orcamento em todos os diis ut?is
que restam da presente sessao, disse que 'votava
par i^to; quanto a inclusao, na primeira par
te da ordem do dia, dos projeetos vindos da sena-
do, nao, porque assim seria afastado da oidera do
dia o projecto de reforma eleitoral, por caja dis-
cassao se empenha o governo.
0 Sr. Paulino de Souza insistio no seu Mqueri
memo, porque, nao sendo elle aceito, nadasefara
nesla sessao. Disse qne pouco aproveita a liscus-
sao de mais tres ou quatro artigos do p'ojeclo
eleitoral, e lembrou quo a trinta de junho vindou-
ro nao havera mais credito para as despezas pu-
blicas, nem autorisagao legislativa para arr;cada-
cao dos impostos, e que para votar-se o orcamento
tta camara e no senado, antes de chgarse ao res-
pectivo exercicio, nao ha mais tempo senaa 12
dias desta sessao e os dias de maio a juiho do
anno proximo.
Posto a votos o requerimento, depois de t*r fal-
'lado, contra o Sr. DeTlino Cintra, foi rejeitalo
0 Sr. Paulino de Souza deelarou entao que a
opposicao desistlria do direito de discutir hoje re-
querimentos seus, se o governo concordasse em
que entrasse hoje na 2* p rto da ordem do dia a
discussao do oroamettto.
0 requerimento apre3entado nesie senttdo foi
approvado.
No tenado hontera foi approtado-em terceira e
ultima discusslo o project/rehtivo aoservicodo
exerjito e armada.
Passando se a- tratar dd projecto de lei de forcas
de ter: v
O Sr. Janqileira (ministro da guerra), respon-
deado ao Sr. Zaearias no tocsnto a questio do eoa-
selho de guerra, que em 1855 mandou se -iastau-
rar coalra alguns offlciaes do exercito, e que ficou
parado, em virtude de um aviso ministerial da-
quelle tenipo, diz quo seu antecessor, querendo
dar solucao a qnestao, euviou os papeis ao conse-
lho supremo raiiitir, que deu parecer.
A eoosull3 foi resolvida por elle ministro deste
modo, mandaudo con'.inuar o conselho de iovesti-
j terren > emgacuo contra os oificiaes qae nao tlattam sido pro-
. i.u.u o 23' mappa I raovidos ou coad^eorados na guerra- ananto a-.*
ilfJrn2l3raph\'tdo Brasil> PoMfeado pelo conselhos de guerra", determinou que 'proseguis e
P i% J^a? a8Uadn *or u5 ler autoridada le fazer eassar ordeS* an'
Ahi se viS quo a projectada eatrada, partiado da w"
caohoeira de Sauto Antoaio, vai terroinar na ca
7 -- vuiu, >.ii KSiabiuar na ca-
cboeira de Guajara-minm, parte na proviod3 do
Aaiazonas parte na de Matto-Grosso, nlo sahmjo.
jportant), dos IiniUes do Imperio.
mrtivas.
0 ajudante general oppor atoa davida qnanto ao]
corouel Drago, po.- incumbenuias que este official
0 Sr. Teixeira da Rocka pedio argencia para
^que entrasse na primeira parte da ordem do dia de
segunda-feira o projecto relativo aos oppositores
das faealdades de tnedietna do imperio. Este pro-
jecto voltou a camara, om ratao de ter seffrido
uma eraenda no seaado : se for-discutido e vota-
do sem dilacao, ainda este anno podera ser con-
vertido em lei.
0 Sr. Paranhos pedio que este projecto entras-
se em discussao hoje, depois da primeira hora.
0 Sr. Eafrasio Correia pedio urgencia aara
que entrasse na primeira parte da ordem do dia
de hoje nm seu requerimento reclamando expli-
caeees do goverao aofcre' as eansas qne motiva
ram a demissio "de um fanecionario pnblico da
provincia do Parana.
Posto a votos o requerimento do Sr. T. da Ro-
cha, foi rejeitado.
Proseguio a diacoBsio: do art. 4* do projecto de
reforma eleitoral.
0 Sr. Carntiro&a Qanha -deelarou entrar neata
discussao com animo 'deaprevenlda e isento de
p&ix-Oespartidarias. Depois de v.-.rias eonsideraedes
sobre o direito, que assize a qnalqner depntado,
de propor o encerramento de discussoes quando'
eatanda acharem se os reapectivos assumptos suf-
ficientementa eWcidados, deelarou que, emtbese
geral, dava prefereacia -a'-eielcao directa, porque
por este .-y.-toma asseguiava se a iadependeoaia e
a permaneBela do oakpdWaHaral. Quer, porem a
"lei;ao directa com um censo tal que nella'sd
vossam intervir ae da cidas, eanscias' de'sens dirdltos.amigas da paz, e
da ordem publica. e uao as lurbas ignaras, que's6
contribuiriara para quo se inaugarase entre cos
a barbara tyrannfa do numero. No estado actual
do Brasil, nao pode dar se orefereacia ao systema
da deieao directa; a, paia, devemo-nos eontentar,
por emquanto, com o que nbs e proposto nottro-
jeclo em discussao.
0 orador proseguio eltando, aeerea dos dineren-
tes system as eleitoraes, al opjtriao de pullieislas
tanto nacionaos como estrangeiros, e a dos mais
consplcuos paflamentares brasileiros de todot os
credos politico?, e coacluio dizeado que o actnal
miuistario ainda mais brilhantemente assigaalara
a sua passagem pelo poder-se con.seguir a adop-
cao da reforma proposla, qne tendo a dar mais
permauencia a quali'icadao, mais liberdade ao vo-
.A^JMiS' pane da ordemto 'rfO^Wcamento da marinha.)
O^.jr.iiluiro GHiiHirSes, depois ila algumas
^lafNfues ceusuramlo van is actos Ila resiiecli
T*4"^,roc,.',"'"r(","'JUO ic,,re* *? fa'*" accos-
a.*TUre S. h\c. e o ex-ulliaial do- fazenda Julio
' ilidium.
O Sr. Ministro da Marinha toraou em consi
JIHV 1* cwsur'iS 'iu o Sr. liodrigo Silva e o
PjeaitJenie oradorjii^eram a diverso3 actos da sua
adiainistraeao : sen lo, porem, ja tarde (3 horas e
o mmn to-), fleclamu guardar-se para em occa-
o opportoaa satisfazor ae Sr. PinheiroGuima-
rae*. expHeatvlo o caso do ex-offljial do fazenda
Julio da Ganta.
- 23
No senado, hontem proseguio a 2' discussao do
projecto de lei de forca.
0 Sr. Zaeanias insistio Bos tres pontos capitaes
do seu pruneiro discurso : I; que foi irregular o
proiedimento do governo dispensando do conselho
ue guerra ao barao de Teffe ; 2, qae o mi0i6tro da
gaerra fez com o pagamento ao viscoade de Maua,
e pel t modo com que fez, uma operacao de credi-
to que s6 cabia como tal, ao ministerio da fazenda;
J*. quo falta a cau-a earn o que entende da compe-
encta do thesonro no examo do pagamento de
comas de exercicios dodos.
No tocante as rcclamaeSes de Molina e ontros,
nao tern rarao o mesmo min'stro era dizer
qne tinham certo caracter de internacionaes.
ao juizo arbitral que adoplou, defraudou-se a si
mesmo na declsao em ultima instaacia, que Ihe
compete em negoeios semelhantes, e que o gover-
no, como procurador que e, nestes caso>, dos in
teresses da nagao, nao e permittido traasigir como
Irasigio.
Ao coacluir pedio o motivo da demissao do Sr
Thomaz da Silva Paranhos de director do arse-
nal da Bahia, pois que continuam a correr
anomabs os negocios publicos nessa sua nro-
vilicia. r
Deram a respeito mnitos e repetidos apartes os
ar. Kernandes da Cunha, ministro da gnerra Fi-
gueira de Mello e Cruz Machado. Ficou adiada a
discussao.
0 Sr. Xunes Gon^alves pedio informacoes aeer-
ea do servieo das omprezas de navegaeao que o
governo subvenciona.
0 Sr. viseonde do Rio Bronco (presidente do
conselho) ioformou qnedasde 1872 ha am ageate
especial do governo para examinar ai|uelle servi-
qo a vistoriar devidamente os vapcres.
Pelo que succedeu ao vapor Cruzeiro do Sul, nao
s?o respoasaveis nem o minisiro da agricnltnra,
que tem sido rigoroso, nem aquclU agent*, passoa
da maior competeacia para o dasempeuh) do seu
cargo. Nao nega, entrelant i, que poiesse ter ha-
vido maior soveridade na vfstorfa daquelle vapor ;
alias razSes de forca maior e iraprevistas explieam
o desastre que soffreu.
0 Sr. Nunes Gonralces, depois do expender con
sideracoes no sentido de haver mais e-crupulo e
attencao em nogocios da importancia vital desse,
reUroa o seu requerimento, por ter ja conseguido
o fim que almejara.
Deu-se a discussao o requerimento do Sr. Sil-
veira bubo, que pedia informaeoes acerca dos im-
postos lancados pela assemhlea provincial de Per-
nambuco sobre generos de importacao estrangeira
e das provincias.
0 Sr. Sinimbu aproveitou se da occasiao para
pedir informacoes de factos aoalogos acontecidos
nas Alagdas. Pergunton ao presidente do conse-
lho se tem conhecimento de uma l*i da assembler
desta ultima provincia cstabelecendo impostos so
bre generos do importacao, e a saber, que iustntc-
cdes mandou ao seu delegado alii, e se approva o
procedimenlo do mesmo sanccionando a lei.
0 Sr. presidente do comelho deelarou concordar
com o Sr. Sinimbu na iuconstitucionalidade da
quelles impostos, dandose apenas divergencia
ealre ambos em que o Sr. Sinimbu so- olha o pre-
sente e elle nao esquece o passado. Disse que nao
se trata de facto novo; os relatorios de ministros
* de lodas at epocas hso apontado exorbitaucias
das assembleas provinclaes nesta materia Ue im-
po.-tos. Intarrompido por muitos e calorosos apar-
tes, declara qne os president*.* das provincias ou
bio de sancciinar taes leia, ou niio terao meios de
governar.
Nao e o governo competente para revoga: leis
provinclaes. 0 calor do Sr. Sinimbd nao corres-
pan leu coma natuceza da questao.
0 Sr. Sinimbu, em aparte, protestou, -pois que
ao governo corre o dever depedir a revogacao de
uma lei inconstitucional.
0 Sr. viseonde do Rio Branca tem prestado
maior attencao a este negoeio do que muita
gente.
Os impotos na provincia de Pernambuco n3o
sao novos, e niio se leve tao a mal que o actual
gabinete nao tenha podido cliamar a ordem taes
exorbiianeias, atiendando-se as novas praticas po--
liticas da epoca, como, por exemplo, as paredes.
c.mtra as quaes nao tiveram de lutar os ministe
rios dos que hoje o aggridem. fnterrompido e in-
terpellado por iunumeros apartes, o orador deela-
rou que.i.-to vein era relatorios sens, que tal esta-
do de cousas nao deve continuir. Sua oppiniao
* esta ; mas nao delxa de haver jue'm opine o con-
trario, assim por exemplo, no proprio conselho de
estado.
0 Sr. Zaearias, entrando no debate, ja qua ta-
manho foi o enthusiasm > do presidente do conse-
lho, disse qua nao pode" haver duvida quanto a in-
cohstitucionalidide de taes impostos, porque so
aquella existlrapara qaem nao saiba hr. Desafion
que o Sr. viseonde do Rio Branco traga ao senado
uma consulta do conselho de estado nntrindo du-
vida a respeito desta materia. A duvida sd polera
nascer quanto ao modo de por termo ao abuso.
Gonfessou que desde 1836 os ministros de todos os
credos tem lechado os olhos ao mal; mas-sera isto
razao pira que se aao cuide de o extirpar ?
No que se refere a Pernambuco, foi gotta que
deu para extravSsar a taca o facto de que os lu
cros desses impostos fossem destinados para o em
preg^o dado ao irmSo do Sr. ministro do imperio.
('jrandes reelamac8es de diversos Srs. senado-
res.)
_ 0 Si:'Zaearias 6 o prfmeiro a respeitar a pro-
bidade do nobre "minisiro ; mas o facto e esse, e
foi o mesmo ministro qaem chamou aquetle cargo
de ntiseravel, accreseenunto que sen irmao nao o
3ceitaria, c pelo telegrapho mandou as deVldas or-
dens. (Muitos e repetidos apartes.)
Ficou adiada a discussao e com a palavra o Sr.
Uchoa Cavalcaate.
*^? d4i9Carir; do ar?amonnrdo mioislerio da, de polfcia, praeederam k
0 Sr. OKm*.Est,.vli Te!reir'a disse que o or-
cainento da mariana, DeiH como o Ua guerra esta
em flagraatc aaatradicfio em as asseveraeues d i
^r. miaislro dfltasjna- uros. Emquantj este at'-
hrma serem as mais p .-.ticas e amistosas as nos-
sas relacijes internaciotues, os orQamentos da ma-
_ captotB do lonco, o qne
cpn.-e^uram, re^lheud.^o ao.drez military
SA.NTA CA1HAHI.NA *
Na noito de ti para is di. certeute, tinha-se
dado iiin avuliado r.iubo na casa de negoeio dos-
S/s. Wo \ioeoto Uuatto SHn. *,., em frente ao
mercado. 0 ladrao servio-se de uma verruma oa
pun, e com este instromento conseguio tirar da
rinha eda guerra apreseatam-so ao parlamem. porta,- pr*xima a arteira, um MdaeodTiaMlia*
tresandanJo a do vora. fiennis .ta w.r;^ />,> ,.i u a;,.. *< i....'.-. ^TT^T UL 1Z Polle
tresandando a polvora. Depois de varias poade-
racoes a respeito deste desaccordo, que ninguem
deixara de notar entre as asseveracoes do Sr. mi-
nistro de estrangeiros e as explicaidos com que os
seus collegas da marinha a da guerra justidcam c
tnorme augmento das despezas das respectivas re-
particoes, o orador eotrou em largas consideraowes
acerca de varios actos da administrate do 6r. mi-
nistro da marinha. Nao temos armada, os navios
apodrecem nos proprios estaleiros, mas entretanto
gastara-se rns de dinheiro com obras civis. Os
arsenaes nao estio, aequer, satisfactoriaraente
montados; constrnctores qae nos fazem honra sao
mandados a Europa, e as offlcinas ahi estao priva-
das dos seus chefes. Cumpre que o Sr. minisiro
da marinha se conveota de que ainda nos falta
muito, para nao dizer tudo, primeiro que nos pos-
samos gabar de ter uma armada: nao basta a
scieocia, importa muito e muito a pratica. 0 ora-
dor fallou tambem sobre o ensino na escola de ma-
rinha, sobre a abusiva pratica dot castigos corpo-
raes a bordo dos navios de guerra, sobre contratos,
sobre o systema de artilheria que convera ser ado-
plado na marinha, sobre o inconveniente de esta-
rem offlciaos do marinha era terra encarregados
de commissoes por espago de muitos auuos, e sobre
os destinos que estao reservados a marinha de
gnerra moderna, a qual aos louros mavorcios ja
coraeca a juntar as coroas de carvalho dasciancia,
e concluio fazendo votos porque um gabinete mais
cuidadoso do que o actual venha clevar a nossa
marinha a devMa altura, fazendo-a distinguir se
tanto nas pugnas da guerra, como nos cerla'mes
da paz, mandando finalmentea nossa bandeira tre-
molar ovante em todos os mares e em todos os
portos do moodo.
A dismssao ficou adiada pela hora.
UIARIUUEPEKNaMBUCU
RECIFE, 30 DE AGOSTO DE 1874.
Noticing do hiii .lo Iitiperie.
Amanheceu hontem em nosso porto o vapor in
glez Douro, trazealo datas : do Rio da Prata lo,
rubricas Exterior,
encontrantos nos jor-
Na camara dos deputados, depois da ieltura do
expediente, o Sr. Paulino de Souza, pela ordem,
disse qne spgue a regra parlamentar ingleza,' de
nao se devarresponler da tnbuna de uma das ca-
sas do parlamento ao que se diz na de outfa. Fazia
naquelle mo mento uma excepcan, pbrque o Sr.
presidente do conselho nao tera vindo a camara
desde qae o senado accasdu 5 dpposiijio de fazer
paredes e de eslerilisar a sessao legislativa. Disse
que esta com a'opiaiao delle orador, de nao ser
permittido aos membros do parlamento ajustarem-
se para systematicamente"ffao fazerera casa. Exa-
miaando'as acta% dos dias em que bio tem havido
sessao na camara, concluio "que e aos raitiiste-
riaes que as falhas devera Ser prjpcipalmente fm-
putadas, tefldo entrado nas pared/} muitas vezes
os tres ministros.
tinha entao no exercito, opinando era que dsviaItante, mais realidado a" ofeicao, em
ser espagado. Conveto nisso. I dencia ao doputado.
Reqaereuvque se lue tarn coa das atlas a
3ae se- refere, para moslra-las -ao Sr.- presidente
o conselho, quando vier para o anno a camara,
pois espera "qae ainda vira Como ministro. Assim
o- deseja, por ser o ministerio o melhor auxiiiar da
opposicao no piano de reerguer-se o systema
constrtutfienal/vislo qae provoca por sens erros
no espirito pnblico reaceSes'qhe aproveitam a causa
oppsicionista.
rerraiuou fazendo varias eonsideraedes sobre o
procedimsato e posi.-ao da ministerio.
0 Sr. Bernardo de Mendonca faadamentou dous
reqaerMnentos: o M pedindo ao 8r. ministro da
agricrttara teforraacoes sobre- -as prapostas 'ue
existem a respeitoda via terrea de Piranhas a Ja-
teba ;- qnal a razao por que S. fixe, 'nao eoneide*
ron-coaw ramal a-estradaedo notte da Alagoas, e
sa pretende que ftque sem effeito aquella estrada;
pedio mi* is ao mesmo Sr. ministro so- digaasse pro
mover aadopeao dos paojectos sobre tocatao de
servtcos e hypotheeas.
O %m requerimento foi para pedir ao Sr. minis-
tro dojmperio qne remeUessea camara a repre-
aentaeaodo pre-ilante e vereadores da municlpa
lidade de Maceid coatra a snspensao que Ihes foi
imaosta pelo presidente das Alagoas, por oocaaiao
da apuraglo geral para deputados provinciaes.
Estes requarimentos ficaram-adiados, por-tercm
padido'a palavra os Srs. ministro-da agrieuliura e
-TWXeirat da Rocba.
Paaaoo-se a primeira parte da ordem do-dia
(eraedda do senado a proposi*ao da amara que
regnla o tempo da autiguldado dos oppositores das
facaldades da medieiua).
QSr. Eufrasio Correa, dKubatendo a emeada,
fez vanas eonsideraedes para dem rastrar es males
que, da sua approvacao, deverao provir p.- ra o en-
-sina pnblico.
A discusslo ficou adiada pela hora.
Passou-se a 2." parte da ordem do dia (conti-1
do Rio Grande do Sol 6, de Saata Catharina \S,
do Parana 19, de Minas Getaes li, de S. Paulo 21,
do Rio de Janeiro 23, e do Espirito Santo 12 do
corrente.
Alem do que darnos sob as
Interior e Recista Diaria,
naes o que segue :
nEFUBLICAS DO PACIKICJ E DO I'RATA
Ao que diz a intonssaute missiva de nosso
correspondente era Uucnos-Ayres, temos apenas a
accresceotar o seguinte:
Publicaram as folhas de Buenos-Avres qua
o consul argentino em Liege dirigira ao'seu go-
verno um relatorio no qnal informa qae o governo
brasi.'eiro comprara n'aquella cidada em 1873
25,000 espingardas :omblaia e 2i,000 armas de
systemas aperfeicoados e quo em 1872 adquirira
tambera 15,001 Chassepots.
Em Montevideo fora recolhido a prisao Lu-
cas Bergara, que celahrisou-se pelo aadacioso
aprisionainauto do vapor argenliuo Portent.
Chegara de Montevid6o a cidade do Rio-
Grande' o engenheiro da Western ant Rrasitian
Telegroph Company, afim de ligar a communica-
cao telegraphies entre a referida cidade e a barr..,
por meio de nma linha terrestra. Gomecara-se
no dia li a colldcacSq dos pastes do ferro.
Escrevaram :e (Jualeguay :
a .Vai ha que comer.
0 departainento de Gualegnay, o mais rfab *m
fazendas e o da melhnres camp os" na provincia da
Entre-Rios, nao dispoe de urn sd animal vaccum
pa-a o seu consummo.
As rezes talhadas parao ahastecimento desta
popnlacio sao vindas do departamonto da Guale-
gjaychu. 0 mais singular 6 que os camnos nao
podem estar melhores. Entretanto, uma tal Bxt3-
nuicao at.ca os animats, qua cahem e morrem.
Quanto as ovelhas e" tal e tao grande a mor
taudade, que os hornens das estancias nao dao
vencimanto ao trabaiho de tirar o couro das que
morrem.
a E] uma epidemia como nunca vimos.
MINAS-GKRAF.S
Refere o Diario de Minis de H do corrente:
0 nosso santoe virtuoso diocesaao, o Rvm. e
Exm. Sr. conde da Conceicao, a;ha-se dasde o dia
8 do corrente met passando muito mal de saiide,
em consequencia (d^zem) 'dt grande abalo moral
que solfreu paia partlda do Exm. e Rvm. Sr. I>.
ladro Maria de LacerJa para a corte. Este, ao
ter tao fatal noticia, regressou para Marianna. o
AIO GRANDE DO SOt
Pelos jornaes da capital ve se que estava
restabelecida a tranquillidade publica em S. Leo-
peldo, porque, se ainda existe alguns sectarios da
seita Maurer, nao dao signaes de si, e estio dis-
jtersos pulas mattas. Nada mats se deve temer, e
o Dr. chefe de policia estava a regressar uara
Porto-Alegre.
Na cidade do Rio-Graud-j a caraara munici-
pal abnra as propostas para o abastecimento de
carne verde nos talhos do mercado, e fora aceita a
de Martins, Rangel & C, qua se obrigam a for-
necer esse genero de primeira necessidade nor
160 reis o kilo.
Assumira o commando do vapor de guerra
Silcetra, o capilao-tenente Jose Nolasco da Fon-
toura Pereira da Cuaha.
Fallecera em Pelotas o commendador Jose
> ieira Piraenta, que, por longos annos, exercera o
cargo de vice consul de Portugal. Tinha pres-
tado importantes servicos aessa provincia.
Naticia o Rote, de S. Leopoldo, haverem re-
eometado os trabalhos da estrada de farro e de-
ver-se encetar breveraente a eonstruccao da pon-
te" sobre o rio dos Siuos.
0 Dr. Ladislao Netto, sefuira de Pelotas para
Bage com os seus companheiros de commissao.
Constava que fOra assassinado na capital o
cidadio Polydoro Jose Falleiro, sendo o crime
attribuido a um escravu da victima.
Acbavam-se em Ibiculty (passo Silvestre) o
coronel Conrado e o major Cunha Mattos, enge-
nheiros da commissao de fottilicacio da provincia,
que alii forara cscolher o lugar para o acampa-
raento do exercito de obsetvacao, que vai ser
creado n'aquella fronteira.
Escreverara de D. Pedrito em 21 do passado:
t Disse-me um Olho do major David, qae 12
individuos haviara assaltado a casa de um fazen-
deiro raorador no 36 districto desta villa, a rott
bado tudo qae puderara levar. Os mesmos la-
drScs costumam agarrar os eseravos e emprega-
dos das estancias e 6s obrigam a tonfessar o que
ha dfgno de pilhagera nas cas.-.s, o o numero de
pessoas que as habitam.
0 alferes da polfcia seguie em perseguicao
desses amigos do alheio, porem com 10 pracas
mal montadas e peior armadas, nao se sabendo
ale agora o que tera succedido.
Neste memento acabo de saber que uma
mullier vein participar ao sargehto do destaca-
mento que algnas desses malvados haviara assal-
tado a casa de um visinho e assassinado toda a
familia, roubmdo tudo oque podiara conduzir e
destruindo o resto.
Esta desditosa familia habitava tambem no 3
districto, na costa do Ibicuhy da Armada.
O fazendeiro que foi roubado ade quofallo
no- prinaipiq desta caru, e irmao do negociante
desta praca de aome Feliclssimo Orestes.
Estes salteadores sao os mesmos quo rouba-
rara a casa de Barbiere, em Taquaremb6. Erara
entao seis, hoje ja sio doze; amaoha quantos
serao?
Haviam fallecido : no Rio-Grande o 2 es
cripturario da alfandega Joaquim de Miranda Ri-
beire, na idade de ii annos e n) Jaguarao o al-
feres Fraaciico Augusto Ferreira da Silva Perne.
Le-se no Diario de Pelotas :
Estava hontem, das 7 para as 8 horas da
noite, conversando em sua casa o Sr. Join Loth e
alguns amigos, quando appareceu o infeliz louco
Francisco Nereo, e agarrando uma faca que en-
controu sobre o balcio, ferio com ella o Sr. Loth
e o Sr. Eugenio Vanderey, fugindo apos, sera que
as pess tado e mnito msnos agarral-o.
a Nereu, ha muito que perdeu o juizo e que,
por falta de eommodos na Santa Casa, vivia encer-
rado n'um quarto em casa de sua familia; hontem
logrou fugir e a loucura lhe deu para eomraetter o
attentado quo deixamos narrado.
t 0 Sr. Loth, soffreu Ires ferimentos e o Sr.
Wanderey um; felizmente os illustres faculteti-
vos qae compareceram, Srs. Drs. Franfa Masca-
renhas, Barcellos, GamaLobo e'Aren, pensaram
as feridas e qualilic in-nas do leve.
0 Sr. delegado de policia Antouo Jos6 de
Azevedo Machado Filho, logo que teve conheci-
mento do deliclo, acompanhado pelo subdelegado
gadas e 8 ditas de" largara, por oade penetrou no
interior da casa
Fallecera o cidadao Zeferino Ignacio da Rosa,
professor da 1" cadeira de instrnecao priuiaria da'
capitid.
L6 se no Causervador de 15 :
Foram reraetlidos da provincia do Rio Grande
do Sul, para esta o tenente-coronei Palmer e mais
Ires companheiros, apresentados na fronteira d'a-
juella provincia, como revoltosos da repnblica
visinha.
rARANA
i-allecera em Paranagua o cidadao Gabriel Jose
do iNascimtnto, na idade de 81 annos.
,0 cidadao Antonio Soares Gomes abrio um
cursq nocturno de grammatica franceza na cidade
de Antonina.
A escola nocturna da Instrneeae primaria para
adultoj, iaslituida em 1'aran.igua pelo Dr. Jose 4
de Murinelly e professor Jose Cleto da Silva, tiaha
uiatriculado, em 31 de junho ultimo, 30 alumnos,
sendo empregados no comraercio 7, em servicos
domesticos 5. marceneiros i, pedreiros 4, carpin-
teiros 2, lavradores 2, barlteiro I, sapateiro 1,
charmoiro 1, tamanquciro I, funde ro 1. Sao na-
ciooaes 2'J, esfsgeiro 1; menores da 50 anuos i,
menores da 10 annos 3, meaores de 3J anu n G, e
menores de 20 annos 17.
~ Da itcraiaria da policia communicaram as
folhas da capita' :
No dia 10 do corrente, as 8 horas da manha,
no bairro do Rio dos Couros, i'regaezia de S. Uer-
nado, desta capital, o t-nente Joao Antonio de Ca-
margo recebau dous tiros, achanio-se em pensa
de vida.
0 subdelegado da fregaezia prosedeo ao res-
pectiva auto de corpo de delicto e esta fazendo o
inqueriloda lei. I.ointautore indigitido Pedro
Leandro, com quem o mesmo Caraargo tem uma
quesUo de terras.
A II do corrente Pedn Leandro no bairro
do Ri.) I'a-iceno. foi atirado pelas costas, achando-
se tambem em perigo de vida. Em vista da gra-
vidade dos factos o Or. chafe da pjiicia fez partir
hoje para a fregueziade S. Bemardo o consellieira-
delegalo da capital, acompanhado dos Drs. Car-
valiial e Fires Caldas e da for;a necessaria para o
seu servii;o.
Narrando o facto diz o Correio Paulislano quo
as balas vararao um dos bombros d> taneata Ca-
margc, o qual cahira do cavallo e ficara immovel.
Os assassmos, supponao-o iqort t, approxim iram se
dalle, a nessa occasiao onheeeu o offendido qae
um erao refendo Pedro Laaadro, hamem da maos
instinctos, e (jue dias antes perdera uma demanda
sobre lerras, que linha c m elle Camargo.
No dia II, a noite, os academicos reunidos
era grande numero e com uma banda de musicaa
frente, pcrcorreram as principaes ruas da capita",
como dam.nstracao de regosijo pelo anniversario
da creacao dos cursos juridjos do imperio.
No Rio Cl ro reabrira-sc a 27 do passad i a es-
cola aniericana, quo f.'.ra fechada por caUsa da
edid.-mia da variola, comparecenJo 46 alumnos
de ambos os s-xos. As aulas sao regidas pefas
proras-oras Mary Dascomb, Elmira Kuhl e Verlin-
da da Rama e pelos professores Manoel Antonio de
Menezes, Joao de A.'meidi Campcs e o director do
estabelecimento Rvm. Gama.
Ja nao havia alii se nio I bexiguentos, os quaes
estavam em convalesceuca no hospital fora da
povoacao.
Felizmente, porem, tinbam-se manifestalo al-
guns casos dessa epidemia em S. Pad o, freguezia
do muni 3 pio de Piracicaba.
Siifcidarase. enforaando-se, na tarde da 11
do corrente, em Campinas, Manoel Gomes da Si-
queira, vulgo Goyano, moraior a rua de S. J.re.
Attribala sa a embriaguez ou a loucura esse aclj
de desespero.
Faliecersm em Campina, Alvaro Fragaso do
ama enfermidadc que adquirira na campanha do
Paraguay, Febppe Chri.-iiano Siegrist e Otto Iluffen-
becher, piatores alleraaes; Balduino Jos6 Camargo
a uma fllha do cidadao Bento Camilla do Affiant;
em ltd, D. Escolastica Jo. qaina de Barros Veiga,
viuva do desembargador Miguel de Azevedo Vei-
ga, com a avaacada idale de 88 annos; D. Fran-
cisca Umbelina Lobo, que era dfstincla pela sua
vocacao par* a musica ; o os cidadaos Jose. Custo-
dio Barbosa, que occupara cargos de'eleijao popu-
lar, e Jose Lobo de Albertim.
Refere o ltajubu em 21 do mez findo :
. Da geada que em dias passados ca*iio sobre
diversos bairros das freguezias do nosso munici-
pio, resultou euorina prejuizo a lavoura, calcu-
laado-se em alta cifra o estrago gjral que peios
futnaes e observado, escapan lo da geada so aquel-
les que nas margens do rio sao pela natureza de-
fendidas.
0 estado da estacSo actual, o das chuvas que
ainda apparesem, promettem novas estragos na
lavoura do fumo e da caooa. Das nolicias jue
temos, podemos crer que os lavradores pcrd eram
duas tercas-partes de suas plantacoes.
_ Por emquanto 03 eafezaes do raunicipio sinda
nao hcarara offeadides.
RIO DE JANEIRO.
Por decreto de 11 do corrente :
Foi concedida a pensaode iOOi mensaes, repar-
tidamente e sem prejuizo do meio soldo que con>
pelir a viuva, a D. Maria Luiza Sampaio e aos
menores Aristides, Henrique, Genuina, Carlota,
Ermelinda, Amazih-s, Maria 0 Alice, viuva e filhos
do coronel Genuino Olym>io Sampaio, fallecido
em consequencia de ferimento racebido no tiroteio
que houve no Serro do Ferrabraz, provincia do
Rio Grande do Sol, entre os seetarios de Maurer e
as forcas legacs. Esta merce lica depedente da
.approvacao da assemblea geral.
Por cartas imperiaes de 19 do dito mez :
Foram neturalisados os subditos portuguezes Ca-
simiro Henrique Rodrigues, Joao Antonio Lopes
Pastor, Jose Maria Mendes, Jose Antonio Goncal-
ves, Manoel Joaquim de Barros e Jos6 Antonio
I-redenco da Silveira, e 0 cidadao francez Dr. Pe-
dro Fullain.
Por decretos de 19 de corrente :
Foram nomcados juizas municipaes e de cr-
phaos :
0 bacliarel Henrique
K>pke Junior, do termo
de Metropolis, ua provincia do Rio de Janeiro.
0 bacliarel Leopoldino Cabral de Mello, do ter-
ra 1 de S. Bento de Araraquara, na provincia de S.
Paulo.
0 bacliarel Antonio Antunes Ribas, do termo
de Santo Angela, na provincia de S. Pedro do Rio
Grande do sul.
0 bacharel Francisco de Souza Ribeiro Dantas,
do termo de Govauninha, na provincia do Rio-
Grande do Norte. '
Foi declarado sera effeito 0 decreto de 18 do mez
de julho liado, que nomeou 0 bacharel Jaelhtho
Febronlo Esmeraldo itari 0 Ingar de juiz munici-
pal e de orpoaos do termo de Cbique-Chique,'na
provincia da Bahia.
Foi demillido Thomaz Gomes dos Santos Pitta,
do lugar de 2* official da secretaria -de estado dos
negocios da justice, por tar abandonado 0 referido
lugar, deixando de assumir o seu exercicio' no
prazo que se Ibe marcou.
Foi, a seu pedido, retormado Antonio Jose^Per-
nandes da Barros, no posto qae exerce de coronel
eommandaate superior da guarda nactonal 'dos
municipios de'Maroim, Rrwaiio e Divina Pastora,
da provincia de Sergipe.
Foram perdcados :
Ao ria Jose Coelho de Otiveira a pena de
um mez da prisao e muita correspondente a me-
tade do tempo, imposta, cm grao de appellacJo,
Dela relacao da c6rte, por crime de injurias ver-
baes.
Ao reo Joao Antonio da Silva, guarda nacic-
nal do batalhao n. 26, da provincia de Sergipe, a
acjja da doustnezes de prisio, IraposU, em virtu-
de de sc:r.enc*31o coirselho de disciplinado dito
batalhao, por Crime de desobediencia e injurias-ao
superiar.
Marcouse : aojaiz municipal e de orphSes-do
termo de Santa Barbara, na provincia do Mmas-
Geraes, bacharel Joao Joaquim da Foaceca Altoa-
querque, a ajuda de custo do 100*000 ; e sxv Jnlz
de direito Virgilio Silvestre de Faria, a de M6|.
Concedau-se aos majores da guarda aaeronal
Joao Porciuncula Valenca a Francisco Arm %la-
ciel dwpeiisa do lapso do tempo Uecorrido paTa ao-
licitarera a apostilla das repectivas. patentes.
Por decretos de 11 do corrente :
Foi eoncedida ao bacharel Lucas Antonio Mon-
teiro da Castro a demissio quo pedio do lugar de
tbesoureiro da thasouraria de Minas-Geraes, sabs-
lituindo 0 neste lugar David MoTetzsohn.
Foi declarado.sem effeito 0 decreto pelo qual
fora noraeado para 0 referMo emprego AuRroio
Luiz de Magalhaes Mosquaira.
- Por iecreto de 12 do corrente, coneederam-
se as honras do posto le alferes do exercito ao ex-
alferes de commissao*dj 1 corpo de guardas na-
.
i

\


'

;
JjBB BS^SaiiBa^.
11I


---------------
--------

Htftt dr>Bmm*h*to 0&<%tiaw&> 30 iicA&xtol *i"-r?=;


aioaaeadj nn>*nm da MnttoIGrein.; Iimittci
Baptists leixeira, em aUen;;io aoe- bans 'ear v*>
peeaudos atareterida prevtntria durance aeawpa-
ah* do Paraguay.
For portarias :
Do 7 rr.nbeo* do eorroah* foi traosferiJ) do 2
para o Hl> batalhio de iafantBria o alferas Alberto
Soares do AzeveJo.
De II : Foi nomeada Camilla Antonio dos 8an-
toa para servir interiDamenle o lugar de ajadante
da peaajpgo da companhia de aprendlzes artiti-
cea do arsenal de guerra da provincia do Para.
ConceJsu-se transfers itte i>ara a fileir.i an alfe-
re* secret irio do 17" bitaHiao de infinteria Joa-
quim Antonio Correia de Fatia.
De 14 : F >i m.neai i Antoi.io do Araujo Ferrei-
ca Pastes para o lugar d porteiro do arsenal de
raerra da provincta do Para.
Por aviso de 17 d > correau foi privado do
respaelivo post-j, p >r n.to (er s ilicitado a patento
no.a>rao> legal, o capitao crirgiao-mor do coal-
man to superior d guarda nacional do tminicipio
da B*!aacia, na provincia do Sergipe, Or Jesuino
Pacheeo do Avila
Foi nomeade, por acto da 8 do corrente. o
capitao de mar e guerra Antonio Claudio Soid...
chef* do eslado-mn or das forcas navaes brasi-
leira* eslacionada3 no Paraguay e Mali) Grosso.
Por portarias de 22 do corrento foi nom ado
o bacharel Benjamin Franklin de Albujuerque
Lima para ajudanlo da commissao incumbida do
fiscilisar oaestudos para a ecnslruceao do estra-
das do ferro na provincia de S> Pedro do Rio-
Grande do Sul.
Por portarias de 8 e 10 do corrente :
Foi dispansado o 1 teneutti Francisco Xavier
Rolrigues Pmheiro do cargo da ajudanto do Ins-
pector do arsenal de mannhj. de Peraambuco.
Foi nomaado o 1* lenenta Jcao Jose Lisboa oura-
mandanle do monitor Ceard.
No d;a 12 do corrento rtuairam so diversos
acclonlstas do banco Nacional. representando 33,516
accoes.
Foi scclaraado presiJeute o Sr. Or. Antonio Al-
vos do Soata Carvalho, que couvidou para sa-
cretario o Sr. commeadalor Joio Baptisla Vienna
Druramoad, e para 2* o Sr. Ernesto Germack
PoStolj.
Senia apre*entidos o ralatorio da diroctoria e o
bilanco, assim conio o projeelo do reforma de es-
talulos, e do regulameuto inlet no, docidio a as
semblea qua f ossem eases docu neatos submettidos
a apreciagio da commissao da oxarae de conta
ProceJeasa em seguida a eleigao da mesma
commissao, (jua ficou comnpsta dos '"Srs; Joaquim
Pareira de Fana, Antonio Vieira da Cuoba e Do-
mingo* Jose Ferreira Uraga.
Suicidarim-se na corte: Joao da Silveira
Escobar, dando tim'golpa de navallia no pesco.' >
e o francez Foulard, professor de piano, envenau
do-se.
Procedeu-se a eleigio de urn daputado pro
vincial pelo 3' districto, sando raais votados :
Dr. Augusto Alvares da Azevedo 120 votos
Dr. Franoisco J. de Souza Lopas 89 i
Dr. J. de Sa Carvalho 51
Dr. Hormano do Couto 47
Sab a prosidencia do Sr. Dr. Almeida Bas-
W3, servindo de secretary os :>rs. Manoal Laite
Bastos a Jose Gonijslves Percira, reuniram-sa no
dia 17 do correnle os accionistas da companhia
Carris de Ferro do Maranltiio -ropresentando 2,191
accoes.
Foi dispensada a leilura do relatorio da directo-
ria, por ja se achar impresso.
Kequarauem seguida a direetorja qua fosse elei-
La uma commissao para emiltir o seu ptrocer,
nio si) sobre as eoaUe qua aprcsentara, como so
bre o projeeto de reforma da astaloios, quo sub
mettia ;i apreciaeao da assomblea g ral.
ProceJendo so a eleioio da referida commissao,
obtiveram maioria de votos os Srs. Joao Jose dos
Reis Junior, Dr. Alm:ida Baatos e Manool Leite
Baslos.
Falleceu, na cjrte, o eon^elheiro Dr. Joao
Fernandes Tavares, em avaneaila idade, natura
1'ahi, e qua foi medico da imperial camara, do Sr.
1). Pedro I. G3Z0U sempre de reputacao de meJi-
co diatincto, qpen nestapoz, qaer em Portuga"
ende oxerceu o lugar de physico. Tinha o titulo
da conselho o era condjeorado com os graos de
cavdlieiro dai orJons do Cruzeiro, Christ) e Rosa
caste imperial da commemlador das da Conoeieao
e Curisto de Portugal, e cavalheiro da de Leopol-
ds- da Belgiw. Ha poucos anno-, S. M; Fidel issi -
ma o havia honralo com o titulo da visconde de
Ponte Ferreira.
No sen tastamento le se o seguinte :
llai'ointneada que seu testanvmteiro o sua ma-
ilier ie som com atten^lo nn^ papeis LcraJos, cujo
c.inteulo li do muito segredo.
Declara que em uma medalha de ouro, pa-
qaena, existaute em eua cart-'ira, estao guardados
os c.iballos que lhe dau S. M. D. Padro I ; e de
sua vootada quo ess^s eabellos s?jan enterrados
juntimente corasigo, lovaudo a medalha pendora-
da no peilo
Depois de sua morte serao entregues a admi-
nistra^ao d> cireuio macooico dos Benadictinos
on quadro granie repreaeolmdo o Sr. D.- Pedro
1 morio no leito, e oufo pequeno, o qual contem
uma carta que Ilia foi escripta pe.o Sr. D. Pedro 1,
Sara que soja eonservado como memoria preciosa
a tio alto quao infeliz principe e como prova
da COnQaoQa i|iie o tastador mereceu daquelle mo
narcha.
Racommcnda toio o segredo da parte de seu
tt'Stamenteiro e de sua muliier para uns papeis
que torn o seguinte rotalo :?ara serem abertos
S'i depois da minlia morte.
ollandeu, tanto em sua repulacao como em sua
honra, declanindo tambem ser pobre, porque nun-
ea teva rendimeato algum desde 1838, nein por
P)rtugal nem pelo Brasil.i
0 vapor brasileiro Galgo, aahiilo de Macahe
para o Rio do Janeiro, perdeu-se nos baixos da
Armacao, na enseada dos Rugios, salvando-se a
carga e os passageiros.
Eis as uoticias coramerciaes da ultima da-
la :
Monlevilio 15. Nao houve alteraeJo alguma
no estado geral de nossa praea, apezar "do descre-
dito que a sordidez de alguns especuladores da vi-
siniia republica preteudem chamar sobre nosso
paiz.
t 0 cambio sobre Londres osc.llou de 50 3[4 a
50 7|8 d.; sobre Franca da 5,33 a 5,35, sobre
Hamburgo a 4.31 e sobre o Rio a 9J320 e 95350.
A s cotacoas rnencionadas sacaram-se 60,000;
l'rs. 780,000 e inarcos 50,000. .
a O movimento dos principaes generosfoi o se-
guinte :
Aguardente.Baixou da preco em conseqoen-
cia das entradas que luuve do Brasil. A ultima
venda foi eff jctuada a 80 J. A exiitencia e do
300 pipas.
Assucar.Teve pequena procura, mas os pre-
jes qua cotamis ultimamenta su.;tentaram-3e ur-
ines o fecliain com tendencia para alta; so, porem,
as futuras entradas forara grandes, 6 natural que
desappareca esta firrai-za. Cotamo3: Pernambu-
co, branco de 1." 2 5 63 a 2 } 70; dito do 2." de
i 5 1 -*i a > i 50 ; somenos 2 i 25, mr.scavo t I
9a a 2 6, despacftado. A existencia 6 de 3,500
volumes em uma so mao. Existem tambem 700
volumes de assucar velho de Pernambuco e Bahia
que se retalbam a i j i'l, 1 GO e 2 i.
i Carno secca.E n um mez, raais ou menos,
serao pastas em movinent) as pilnas de inverno.
Com o gran le deficit que ha esle anno, e ja tendo
onecado os pedidos, 03 xarqueadores esperara
ob .er mais 5 patacoas nas caraes para o Brasil e
4 1)2 naquellas propnas para Havana, e ne.se in-
tuito abstera so de abrir pra^os por emqlantj. Ha
bojeoffartas para carnes para ilivanaa 33 l[2 e
3i rs., sera qua se tenha faito negocio algum. Di-
zein que uma xarquaada desta capital e outra dos
rics comproraatterara suas oxisten. ias a precjs re-
servados. Conhacemos a ultima hora a venda da
aii.a carga da xarquaada de S. Francisco para Ha-
vana a 32 rls. fortes par quintal e outro da xar-
quaada de Villa Colon tambem para Havana a 33
rls. fortes.
i Furao em corda.Vendeu-sa de G t a 9 I,
de; pacha Jo conf >rme a qualidade. A estacao que
atrivessa.vuos e pouco favoravel ao consumo desta
getero, por isso seu raovimanto foi paqueao. >
ii Ilio-Graula do Sul 16. -As trausac^isforam
sobre Londres de 30,000 a 85 3ii, 35 7i8 e
26 d.: sobre Fraaca da fr. 30,000a 372 e 373 rs.
por franco e aobra o iraperio da 45.CO0 ao par
a 15 d[v.
i As oneas fleam a 30*100 a os soberanos a
9/400 e 9*350 a dinheiro.
c .S*lraj'Fa*i Cr&, 3}800 *U de-37^ a f*
uvt franco, pa^ci baaaria.. 359 a. 360. m. paUiw^
far.
Sobre Hamburgo marcos 550,900" a 4'53e-439
re por nurco retck.maaze.
c Na taxa do cambio saura Pjrtugai nao houve
alteraiia a|gunia
Os soberanos tornaram a afrouxar.sendo ne-
goeiadoa hoje peipienos lotes a9j409 4 dinheiro.
Coatiaaou a haver lirmeza aos peegew das
aaolieas geraes da 6 !* que faebaram ao* eKtra-
1103 de 1:0234 a 1:0284, eonforiha o late.
0 raercado deaccjes esteve em apathi'a... So
trans pirou a venda da peqaenos Iotas das do Banco
Industrial e Mereaatil a 76*300, e da Compaaan
de Seguros lut-gridade a 3 ,* o otij a diuheiro.
Incluindo no total das vandas de cart, pubii-
cado houtem, 7,0) sacos vendldos hojesomnani
as transaccSas da quinieni 113,100 saccos
Jeado:
Para os Eotados-Uoidoa 68,009
Para o Canal e Norle da Europa 23,900
Para o Mediterraneo 3.400
Para o Caoo da Boa Esperanja 7,800
Para varies p rtos 5,000
A existencia e de 85,000 saccos.
< Os precos na i soffreram alteracio a sao 03 se
guinies :
Lavado 63830 a 74500
a Superior fino 74150 a 74300
I-' boa 6J550 a 64700
t I.'regular 64100 a 64230
I.* ordinaria 5*400 a 54700
2-* boa 44790 a 4/850
t 2.' ordinaria 4/000 a 4/300
Da assucar flzaram-se hoje pequenas vandas
pan consumo.
Frelaram-se dous navios, sendo um para Mo-
bile Bay a ordem, cafe, a 27 s. 6 d. e 5 (. de capa,
e o outro para Valparaizo e Buenos-Avrej.. mate, a
1 1|4 rls.
A alfandega rendeu de 1 a 22 do corrento
2,520:819/024.
KSPIBITO-SANTO.
Por acto de5 do corrente e era virtnda do
aviso n. 52 do minister;.) da agricultura, com data
de 21 de julao Undo, foi Paulo Giuseppe incumbi-
do do ensino da lingua ilaliaoa aos manoras da
colonia da Santa Loopoldina, com a obrigacjio de
dar tambem li^Ses aos adultos nos domingus.
No principio do met corrente, EleuterioCam
pell) assassinara uma muliier com quein vivia, e,
seguudo coastava. esquartejara-a depois de raorla.
Dara-se e.>te crime no rauniuipio do Cachoeiro da
Itapemirim, lugar Morro-Secco, da fraguqzia do
Alegrf, para onde seguira o delegado de policia
respectivo, afim de proceder a corpo de delict) e
mais diligencias precisas.
E-crevem de Itapemirim era 13 do cor-
rente :
Hoje, as 5 boras da tarde, aqui cbogaram,
vindos da capital no vapor Ceres, o Dr. Maduroira,
juiz do dirailo da comarca e o Dr. chafe de poli-
cia, acompaohado do seu secretario e de uma-fop-
ea de 27 prams, coramandada por um alfares.
Esta Orca fai requisitada pir telagramma,
alim do por termo as sconas oscandalosas de li-
bertinagem, promovidas porduas associajSes que
existem o funccionain ha mu to tempo nas proxi-
midades desta villa.
Palas inforraa<;oes, que tauho podido obter,
colijo qua tacs associai;oas le n tido em mira os
mesmos lucro3 immoraes e oeculiarios do celebre
Ju-'-a Rosas dassa corte. Reduz-se ludo a extorquir
dinheiro dos parvos e a roalisar miseravcis sceaas
de devassi Jio. Esta nova seita ciiama-.se do3 Peat-
bat, ou cousa que o valba.
Pareco quo o governo provincial deu-lhe de-
masiada importancia, e suppoz que estavara. s a
braeo> com al-mmas sociedades liliaes da Mau-
rer.
As pragas dispfiom apenas da 12 cartuxos
cada uma, porqna o granda sortimento dellas, por
doscuido nao foi dosembarcado, e sogua no vapor
para essa corte. Folizwonto estcu persuadido de
qua nao haven necessidaie de queimar um s6
para que sejant dissolvidos taei Pembas.
BAHIA.
A mala dessa provincia foi entreguo ao vapor
Cervantes, que deve chegar hoje.
jos-
REVISTA DIARIA.
904
101
12
4
EMtaiistica postal A administracao do
correio expadio houtem malas pelo vapor inglez
D wo contendo : 4 officios com 28 portes, 5,693
cartas com 7,179 pertes, 856 jornaes com 2,625
porte3, 22 araostras com 109 portes, e 7 seguros
com 7 portes, assim divididos :
Franca.
cartas com 1,660 porte3.
jornaes com 314 ditos.
araostras com 53 dito?.
seguro; com 2 ditos.
Italia.
"5 cartas com 89 portes.
19 jornaes com 31 ditos.
1 seguro com 1 dito.
Allemanha.
163 cartas com 303 portes.
IS jornaes com 47 ditos.
3 amostras com 14 ditos.
1 seguro com 1 dito.
Hespanha.
93 cartas com 110 portes.
26 jornaes com 26 ditos.
3 seguros com 3 ditos.
Portugal.
4 ofBcios com 28.portas.
4019 cartas com 4,413 ditos.
1 amostra com 2 dito?.
508 jornaes com 1,923 ditos.
luqncrlto policiai. Pela delegacia do
termo de Agua-Preta foi remeltido ao respectivo
Dr. juiz municipal o inquerilo policiai a que se pro
cedeu contra Alexandre de tal, por crime de fari-
mentos.
Captura dc criminoso.No termo de
Floresta foi preso Alexandre Alves dos Santos, pro-
nunciado alii como iocurso nas penis do art. 218
do codigo criminal.
Dinheiro. 0 vapor inglez Douro trouxe
para :
Amorim Irmaos & C. (papal) 36:467/000
Antonio D. Caroeiro Vianna (ouro e
prata) 2:103/000
0 mesrao vapor levou de nossa praca para
Lisboa 4:000/000.
Para a Europa.Cora 9 recebidos emnosso
porto, levou o Douro 212 passageiros.
.\avii Incondiado.Arribon hontem em
nosso porto o biate americano front Howard,
que ia da New York para o Rio Grande do Sul,
alim de desemoarcar a tripolaeio da galera ame-
ricana Sierra Nevada, de 1,672 toneladas, capi-
tao W. U. Grozier, pertencente a praga de Boston,
a qual se incendiou na lat. N. 7* e 40' e long. 0,
47* 6' e 2".
A galera ia de Liverpool, d'onde sahio a 2 de
julho, para S Francisco na California, com car
regain -nil de car>'io de pedra.
0 incendio (oi descoberto no dia 8 do cor-
rente, e no dia 13 lavrava com tal iatensidade
que foi indis-pensavel que a tripolacao a abando*
nasse, passando-se para o biate, qua lbe appare-
ceu ne3sa occasiao.
Os naufragos sao 32, comprehendidos nesse au-
mero a sen hora e dous fllhos do capitao.
Missaa e memento.-Amanha, as 7 horas
do dia, celebratn se no oavento do Carrao, algu-
raas raissas e niiraento, por alma da Exma. Sra.
D. Leandra Joaquiaa de Sa Lobo, esposa do Sr.
brigadeiro Francisco Joiquira Pareira Lob?, para
cujo acto da candad) e religiao, sio convidados
todos os parentes da illustre lioala, os de sea es-
poso a 03 amigos deste.
Vapor Cervantes.Segando telegrararaa
de Maceio entro 1 h intern alii as 9 horas da ma-
aha este vapor que foi fretado pela companhia
brasileira para vir ao norte do imperio.
Santa Casa de Misericord ia.A jun-
ta administrativa celebra amanha uma sassao ex-
traordinaria para tratar de negocio urgente, a
hora do costume.
Paasngrem da Hanlulena Moradores
deste arraiiald; nos pela.m para chamar a alien-
gao da pj'icia local para um grupo de vadios que
alii andi a node Foubnndogallinhas, roupa, etc.
Potitilbuo. Foraos obssquiaoos com o 1."
nntnero do Postilhao, joraal satyrico, que 6 im-
Riode'ltneiro 2i. -6"'mereadu de cambio nao gresso na typograpuia am-rieana.
r^tAntnil altnrairan aanjinal *" _. -;'
. i-imbm iwriaUt pR-a COM ntor-
to. Inforraara-uos qua, no cemitefid jJtjnlidd,
enlre as catacumbas das irmandades da SaotUsima
Triudade e de S. Beaedicto, acham-se espalhadas
varias ossadas inteiras de diversos caiaverej.
.Bora seria que a camara m micipal mandasae
n*i lyndiear de"" facto, a da- as devid s fnovi-
48, *1m J c.. 'iouar em exposijia seme-
ujte espectacmo.
Conveneoes cons liures. 0 ministetio
negocios estrangeiros eui 18 do corrente mez
apresentou alteracao sensivel.
.( Ellaetuara a se pequonaj transaCfdeJ Sobre
Landres a IS. de pap>*t bancario e a 86 Ii8 d. par-
tieolar, ^.br- ^aa,a ?s. {)or r-;tnc0- "
t o toul das opera5ae3 em canhio, effectaadas
na quinzena Qada, incluidas liquidates de espe
cuIacSes qua deixamos hontem do mencionar, ea-
Jransacc5 reallsadas hoje fv de
gobra Loodres l.OOO.UUO a 23 3|V, 36 7|8 e : ...<
26 l|8c !6 li4d. particular. id*
dirigio o seguiuto'iawao -rawisterio da
fi&u i,;. /
a illin. e Exra. Sr.-Commun/eT a V.ifixfr. qua
Odprazo da prorogae.ii concedida pata.Tt execucao
fit* conveopoes cousulares c.;lebrail* |Klo-Oraail
efli o Pran.;a, Suissa, Italia, Haspanh* e;Portugal,
Bnina no dia 20 do corrento j. d>rtaoiOf
sa data em diaule as dnposicocs dos airudldos
acjos intaraacioaaes ser substiiuiJai pelas do do
crelo n. 835 da 8 de novombro da 1851.Tenhoa
honra de reoovar a V. Exc. os proiestos de mioha
alia estima e mui distinct* insiJeraijia-r Viscomle
de Caravellas.*
Apuranaento docenao. A4e o dia 19
do corrente, o lot,I da apuracao,feita na diruotoria
geral da estatisca, era de 8,361,311 habiuules em
todo o imperio.
. Crcacao dejulzado municipal.0
decreto n. 5,712 de 12 do corrente, creou o lugar
de juiz municipal e de orphaos no termo da Santo
Angalo, na provincia do llio Grande de Sul.
Wepsiracao de lerino 0 decreto n.
5,713 da refer id i data, separou do termo de C in
guaralaiin o da Goyanioha, na provincia do Rio
Grande do Notte, e creou nesle um Tugar de juiz
municipal e de orphaos.
Ti-Ulio*.urnanos do Recife a oiin-
da e Beberlbe. 0 dacreto n. 5,714 da 19 do
corrente, concedeu a companhia Tnilios Urbaaos
do Recife a Olinda e Beberibe autorisacao para cou-
tranir um emprestimo do 200:090/, sob o titulo de
accoes prefereneiaes. ^
tempo de laervico. Ao conselbeiro aju
daale geaeral dirigio o ministerio da guerra, em
4 desta incz, o seguinteasiso :
a Illm. e Exm, Sr.TanJo si Jo presente a S. M
o hnperador o raquerimanto em qoe.o capita) do
batalhio da infanteria, Luiz Fraaoisco de Paula
A4buqaer tempo que servio como inenor da companhia de
ariilices do arsenal de marinha da provincia da
Pernambuco, o mesmo augusto senbor houve por
beai, por sua immediata e imperial resolucao do
31 da yulho proximo findo, tomada sobre- consulta
do conselho supremo militar de 27 do dito mez,
declarar que ao supplicanlo deve ser conlado co
mo tempo .'e seritca o periodo decorrido eutre 3
do abnl- do 1860, quando perfez os 16 annos do
idade, a 30 de novombro de 1881, em qua foi das-
ligado da menclooada eompaniiia de arnicas : o
que decJaro a V. Exc. para seu conhecimento o
fibs convenientes. Deus gua'rde a V. Exc. -Joam
Jose de Oliveim Junqueira.
ensoes.-0 decreto n: 2,512, do 5 do cor-
renle ra-z, approvou a pensao maasal da 355'. con-
cedida al) Mana Francisca G)ii;.alvei, mai do all
feros do 31 corpo de voiuntarios, J'io Manoel da
Silva, mono em combato.
0 decraton. 2,513, da mesma dati, approvou as
peosoes dnrias da 400 rs., concedidas a) soldado
reformado Raymundo de Souza Nonato, e ao do 12"
batalhio ds infanteria Jose'Joaquim Torres, que,
em cjnsequancla de ferimentis recehidoi em corn-
bate, licaram impossibililados de procurar meios
da subsistencia.
CiralilicacaO aos snAstltnias dos
ooiciaes defaxenda.0 ministerio da ma-
rinha, em.17 do corrente, dirigio ao contador da
marinha o seguiute aviso :
a Conformando-me com o parecer emitliJo pelo
conselho naval em consulta n. 2,367 da 4 deste
mez, declare a V. S. para os devidos effeilos, que
ao official da armada, guarda marinha ou piloto,
encarregado na forma do rii'posto no 2" do art.
142 do decreto n. 4,543 de 30 dc julno de 1870,.
do subsiituir a bordo ao official de fazenda, devera
ser ahonada, sera prajuizo dos respactivos vonci-
men'.'-s, uma quantia igual ai|uinla parte dagrali
ficacao que competla ao substituiio. -Deus guard .
a V. S.Joaquim Del fino Htbeiro da Luz.a
lliiniiiai'iiio n memoria de doatH
bencmcrito.s.0 miuistario da gnorra race-
beu o ottlcio quo so segue :
Commis>ao da limites eatre o Brasil o o Para-
guay. As umpcao, 2i de julho de 1874. Illm. o
Exm. Sr. -Tanho a honra do participar a; V. Esc.
que, para dar cumpriinonlo ao qua dolermiaou V.
Exc. em aviso* du 30 de junho do anno passalo,
inandai prapar>r uma lapide, e apresentai a S.
Exc. o Sr. marecaal de campo commandanla da
divisao brasileira estaeionada ncsia capital a res-
pectiva oonta, raquisitando tambem alguma f-r.-a-
menia. Cumpre ina mais participar qua id dia IS
do corrente mez marcho prra as cabeceii is do
Apa para construir e inaugurar os respeciivos
marcos, e de la seguirei para a inargem asquerda
do rio Miranda, alim de erigir o monument) a
a. memoria dos Jienemeriios coronel Carlos de
do Moraes Camisiioa tanento-coroaal luveacio Mi-
uoal Cabral de Meuezes, deque trata o refarido
aviso. Deus guarde a V. Exc.-Illm. a Exm. Sr.
conselbeiro Joao Jose de Oliveira Junqueira, mi-
nistro o secretario de estado dos negocios da guer-
ra.0 coronel, Rnfino Eneas Gustavo Ga'.viio.a
3Ietnorameuto do aneoradouro de
Pajii-iMuira. -0 ministerio da agricultura, em 7
do corrente mez expadio o seguinte aviso :
i TenJo dasignado a Vmc. para proceder aos
axaines e estudos necessarios ao m :lh .rameato do
aneoradouro de Pajussara na provincia das Ala
goas;assun la'o comraunico para seu coniieoi-
raento, racomraendando-lhe a observancia das se
guintes instructs. Os irabalhos a que dari Vmc.
execuei i, cousistem priucipalmanto :
a 1.* No estudo geral da costa, onde se acham
situados o porto da Jaragua, o o aneoradouro de
Pajussara; tendo muito em vista toios pontos qua
interessem a navegacao. /
t 2.* No levanlamento da planta do porto e do
aneoradouro.
e 3 No conhecimento dos ventos reinanles; e
estado de sua iafluenciasobre o porto a aneoradou-
ro citados.
t 4. No oxame das correntes e do saa in-
fluencia.
a 5. No estado das causas que tem contribuido
para a eclusao do aneoradouro; e dos meios mais
apropriados para evita-lag ou minora-las. Nesti
ponto prestara a maior atteojao as obras de qual-
quer natureza, feitas no seio do aneoradouro ou
na costa.
f 6. No estudo das obras hydraulicas indispen-
saveis para melaorar o aneoradouro de Pajussara,
de modo a receber c abrigar os navios de maior
calado que regularmente fundeiam no porto de Ja
ragua, tendo em consideracao quer as barras do
sul e norte, quer o canal de junccao com o mesmo
porto.
t 7. No exame dos meios de abrigar dos ventos
do sul o porto de Jaragua.
8. Na preparacao dos projectos, desenhos, or-
camentos o desoripcoes das obras propostas, de-
vendo acompanhar estes ultimos trabalhos da es-
pecillcaQoes dos materiaes existentes nalocalidadc,
dos pre5os respectivos e dos salaries.
a 9.* Na reuniao de dados estatisticos do movi
menlo do porto, meacionando designadamente, alem
da media do numaro de navios do qualqier natu-
rezi que alii ancoramannualmanle, a sua t.-uela-
gem e callado.
" Para desempenho da sua 6omraissao devera
Vmc. aprasenlar-se ao presidenle da proviaoia das
Alagoas, a quem recommendo que presto a Vmc.
as informatdes e auxilio que solicitar.Deus guar-
de a Vmc JosiFernandes da Costa Pereira Ju-
nior. -Sr. engenheiro, Andreas Cernadock.
Registro geral de terras publicas.
0 ministerio da agricultura, em 11 de junho ul-
timo dirigio a presidencia de Pernambuco o se-
guinte aviso:
Illm. e Exra. Sr.Em solucao a> offlcio de
V. Exo. de 27 de marco proximo pa^sado, declaro
,que para cumprimonto do aviso de 28 de feverei-
ro do corrente anno, n. 347, sobre cuja raatena
fez V. Exc. as pondera$5es constantes do sen dito
offlcio, basta que a esle ministerio seja enviada co-
pia do registro geral das terras possuidas nesta
provincia, que deva ser organisado pala secreta
ria da presidencia, para o qual depois da extinc-
?ao da repartic4o geral das terras publlca* e das
especiaes estabelecidas nas provincias, passarao
oe livro* da que trau o art. 107 do regulamento
de 30 da Janeiro de 1834, e btra assim os encar-
gos das exlmctas reparticSes especiaes ; sendo
que a eopia de3se registro servira de base ao de
todas as terras possuidas no iraperio. Pela re-
raessa nao de todos 03 livros de registro das paro-
chias, naisomente do registro geral aeiina men
cionado, jiseveque desapparecem 03 iaconve-
nientes por V. Exc. apontados nao so quanto ao
peso dos volumes e desp -zas da raraessa. eorao
aioda em relacao as panes interessadas, as quaas
poder4o eneontrar arobivados na provincia os do-
cuments de que caregam a bem de seus direitos.
Deus guarde a V. Exc.-/os ta Pereira Junior. >
Honumento da gnerra do Para-
#traf. -Acsbanl de'sef pttblicados em tolhWo,
por dotermina?ao da camara municipal da corte,
os documeutos, juizos criiicos e orcamenn relat vos
ao mqnumento uatriolico projectado e esbocaao
pelos Srs. enganheii'os archltectos P.Cammhia a
P. B-raarl, e destmado ao campo da Acclanas**
Acbam se assira runi*os todos os elementos pa j
^l o estado desta proieclo que a pauioiisins) do
St. F. Camiah^a concebea e que, apezar d. sua,
per ver^ca emasmo do bom acottiraeni.o qaa
entrap^efe^am^- n* ** sa.leiu(|av^ na-
mmAW jajyaaCTrcaiatlMWiiM #J wJnj;espos-
tas no folheto a que nos referimos.
IVpeuwr a jneiiiuri.i dos, que liiidraivdos qpe
succumbiram e dos qua voiranm victoriosp* do
^s.d^'.iratqay; conmayorar os esforcos,
os s;irjficjo. djipovo brasil -liro e a victoria da
no*sa< ainu>, e pagar uuia diyidw sagr*da, a o
ara-.il quaieiH Jiraaajotum craditO'Mvajavei.pelai
solwitnde na solagao.. da:.eus eompimmissos, nao
padaiemorar o pagamento da uma imte desta
ordem.
t?T1?*Uo **prem miitiar.-Na ses-
saot un tx de.corfeule loram julgades os seguiu-
tes prucessos:
K*yato.-Soldadoijs: Francisco Mndas Guer
reiro, accusado do crime da insabordiaacao. econ-
demuatn em 4 n.ezes de prisao coi trabalho : foi
ref >rmda a sentenca em 6 mezes de prisao com
irabMhs; M%aoal Pereira.de Jesa* Bias, ac:usado
do crime de erabriaguez e insnburlinacao, e co-
demna fortinci'.oas : foi conlirmada a sentence; Genai
no J?"'6kdP Garva"10 Maaoel Fraacisco dos San
tos, Jose Francisco de Lima, Joao Antonio da Sil
va, Munoel Francisco das Chagas, Geaorio Jo.-e
Baptisla e Feljsberto Cordeiro dos Saulos, accusa-
do do crime de 1.* disercae simples, a condemaa
aos cada um em 6 mezes ue prisao : foram con
llrmadas as sentancas; Francisco, Jose Afciino,
Jose Machado. e Maooel Peixoto Macins^ accusa-
dos do crime de L deae^io aggravada, eciu
demoados cada um em I anno da prisao : foram
cmfirmadas as sentences; Jos6 Prancisoo d s
Santos, accusado do crime da 2; de-erpao aggra-
vada, a condamnado e. 4acuos da prisao cem
irabalno: foi oenfiriaflda a senioaca ; Teriuliaao
da cra*e'> accusado doerime da fahmeutn, a con-
damnado a 3 mezos de rigorosa prioo : foi con-
firm ula a sentenca.
Muprema tribnuai deJjustica.Na
sassao 4a 12 de corrente foi julgada a revista
conmercial a. 8,331Da acenrdias da relacio de
PernambuiM. Itecorrente, a viuva e herdeiros do
ilnado Dr. Juvescio Alves Ribeiro ; reorrida D
Feliciani Maria Oiympia. Relatoro Sr. ValdeUre,
Albuquerque e Oista Piatot revisoros. Negaram
a revisit, depois de debatida longamnnto a causa.
Na sessao da 14, o Sr. cou*elheiro Valdetaro
expoz os da revista. crime n. 2,170 (iM Maranhao).
Haccrrentes, Barau, Paiva 4 C.; recorridos. Joao
Maudes Caiandriuo, o eicravo Luiz e ajustiga.
Feita a exposicao passou os aulos ao Sr. coose-
lUeiro Albuquerque.
Camara dos deputadoa.Na sessao de
13 do corrente foi lido a remottido a commissao de
juslica civil, para dar parecer, o seguiute pro-
jeeto :
Art !. A accio hypothecaria estabelacida
pal.i art li da lei u. 1,217 de 24 de selembro do
1864 6 competente entre as partas contratantas.
seuj soccessoras e sobrogados.
Art. 2 0 privilegio- das fabrioas da assucar
e mineracao do qual trata a loi da 30 de agoslo do
IB33, sii foi revogalo pel) ^ t daJai o artigis ci-
lades en favor do cced>r hipothacario, o contimia
em seu ini.iiro vigor en relacao aos raais endures.
Art. 3.- Ficim revogadas todas as luis e dis-
posicoes em c mtrario.
Pa.o di camara dos depolalos, em 13 do
ago.-to da 187V. Bernard> de SttndOwyi. a
**eaaiti. -Na ses-fio do 13 doc-.rrento foi jus
lilieada-a s>>gainto erneuda substiiuliva dt propisi
Qao da caai.ira dos deputados sobre osfiolaa de
Pharmacia, imprassa sab n. 392 de I8v3 :
Art. l. Oi diplinns de.paarmacea'icai pis-
>i'l n palas esc this de pharmacia creadas pelas
assemblies legisiativas provinciajs aos alumoos
approvalos nas materias do cur-o ..Inrmaceulico
serao va!ido om todo o imperio, comtanto qua se
observem as segointes condieoa* :
I.' Os alumnus admitlidos a matricila dovo
rao raostr'ar-se habilitados nos mesmos prepar.it >-
rios exigidos para os alumnus dos cursos do phar
macia das ficuldades de medicina do i opario.
t 2.J Ah ibraditas esaolas devera > tar o mesmo
utim-ro do cad-iras- que os sobreditos cursos e
pessoal docote habilitaJo peranle as ditas facul-
dales.
Art. 2.' 0 governo, depois do verilijar o cum-
primonto das c tndifdas do ariig pr-ecadeute. au-
lorisara por decreto a expediyiio dos diplomas
de qua trata o mesmo arligo ; e retirara esta au-
ttrisacaj logo quo deixam do ser observadas as
dims con lie ie-.
t So for approvada esta emen la diga-se :
Os artigos I1 alii 4 da proposicao subslituam
se pelo art. 1* da erneuda.
fwtdo a mjn,,*>* dxmarcadora d-ja lia>tM>eii^v
o,_ ueperio e a r> ublica do Pa ra^uay. A coaMiiis-
sap, volta deuqi$ de.ter collocado os marcos flue
davajw awigoaiar as frooteiras demarcadas a os
mondmentos e bpidas i'omir.einoralivas da mallo-
gr;id:i expedigao de Matlo-Grosso e d-is sepulchres
do* brav-,3 Coroneis Carlos tie Moraes Camiaio e
Juvr-u-io ll.iuoel Cabial .de Mene.'es. Na eidade
.la farija furuwu se am clut patriotico com o ia-
luiio da resistir as pretencoe* do- Cliile, olferecen-
[idQ-per aua parte dinbeiro e ura batalhio de 500
vuliiutarios para a defeza da iulegridade do lerri-
tofio boliviano, ameacade pelo governo daqaelfa
republica.
Loteria do Ria do Janeiro. Rosn
mo da iisia da 118/ lolaria (522> em beneficio du
Monte Pio dos Servidores do Estado, extraliida a
14 do corrente :
N. 580.............-........
N. 4908......................
N. 477.....................
N. 2248......................
N's. 546 e 2237 -1:0004 a cada um.
Ns. 2442, 3i6i, 3834 e 5450-80J* cada um.
N's. 1733, 18.4. 1917, 2105, 2401, 2814, 2951,
2977, 3o8l e 4233-200* a cada um.
Ns. 356, 894, 1045, 1294, 1396* 1600; 1617,
2100. 2101, 2397, s398, 2663, 2928, 3229, 3251,
3955, 4171, 5642. 5800 e 5980-100* a cada um
Ns. 190, 267, 333, 560, 608, 631. 661. 677, 745,
80U 83fr. 1191, 1463, 1618, 1639, 1674, 1853,
2007, 2302, 2472, 2478. 2.535, 2608, 2628,
2987, 3011, 3100, 3142, 3275, 3324, 3406,
26oa, 3820. 3942, 4053. 4366 4377, 4546,
4731, 4737. 4834, 4892, 4917, 4919, 5226,
5285, 5t98, 5313, 5527, 5446. 5447, 5312,
5634, 3739 a 5804-40* a cada um.
Rasuiuo da lisia da 10." loleria (523.*) era
benelicio da irmandade do Sacramenlo da Cande-
laria, exlrahida a 19 do corrente :
N. 3421.....................
N. 982......................
N. 3897......................
N. 4559......................
20:000*000
10:000*000
4:000*000
2:000*000
2794,
3583,
470O-,
525>,
5575-,
Accrescente-so como art. 2 o da mesma
amenJa alili de qua voile a camara dos deputados
com a proposi>;ao.J. P. Bias de Caroalho.
tumi'ia. -L0"-sa ua Revista, da 3. Gab ie!, uo
Rio Graude do Sal :
Tern sido vislo um cometa, que apparece-no
iionsonla pela m idrngada : e caudato, a p'arece
seguir d.) sul para o-aorie. Ainla nao o vimos,
mas as iulormicoa; qie tainis sao de pessoa qua
nos merece conceto. Esperemos q-ie falle a scion-
cia ; qua os astronom is facam a apresenta';.ao ofli-
cialdo hospele do nosso firmameuto.
0 Commercial de 12 do corrente accrescenta:
c Esle cometa tambem fii visto no Rio Granda
pelo E. NE., porque vana3 pessoas nos inforniaram
lerem no visto ao amaniiecer acerca da 13 a 20
dias. o
Notieij o ftuano, da S. Paulo, da 9 :
, Ha 13 dias a esta pirle um sido vislo, por di-
versas pess.ias nesta cidade, um cometa que appa-
re se depois da3 4 horas da raaah-t. 0 sou tama-
nho, segund) nos iaforma quem vio, e raais ou
menos de um metro.
Diz tambem o Constitutional, de Campinas:
Pessoa que nos merece a maior consideracao
e credito nos aflirma ter visto, por diversas vezes
durante a semana lioJa, ura Undo cometa do lado
do oriente, cuja cauda se prolonga do Norte ao
Sul. Outras pessoas tem-uos dado iguaes infor-
inaQoes.
MepbiMtopliclcs. Raceberaos os ns. 7 e
8 deste interessaate jornal humoristico illustrado,
que sa publica na corte do imperio. Assigna so
nas livrarias de3ta cilale a 21*000 por anno e
MjOOfJ por semestre.
Vuvilio a lavonra.Do Ri) de Janeiro
recebemos, pelo Douro, um folheto, escripto pelo
Sr. A. N. Tolenlino, denominando se Auxilio a
lacoura, no qual o seu autOr apresenta ura pro-
jeeto para a solucio dessa quesla >, que elle offere-
ce aos lavradores do Brasil. Merece ser lido.
Mysierios do Rio de Janeiro.-Sob
Ilia denominacao comeQou o Sr. E. Dupont, ii-
vreiro editor no Rio de Janeiro, a publicacao de ura
interessante romance, no qual sao representados
typos muilo conhecidos no Brasil, nas diversas
classes da sociedade, nao so na presente quadra'
como nas anteriores, desde o tempo da descoberia
do imperio e de seu dominio pelos porluguezes.
0 autor, que se occulta no pseudonymo de Nac-
tostrategus, patenlcia nas cinco caderneias publi-
cadas, il.uslraQao e vastos conhecimenlos da hi-to
ria patria, a par de gosto extremado por esse ge-
nero de littoratura.
Agradacemos a remessa do exemplar.
Agenda telegraphica americana,
Telegrammas que, tendo dirigidos para o Rio de
Janeiro, nao aos foram communicados :
Madrid, 15 de agosto. 0 general Zavala
communicou hontem offlcialmente ao raiuistro da
guerra a tomada de Oteiza. Foi o general Morio
nes qnTa commandou as tronas liberaes ,que to-
rnaram parte no assallo. As forgas carlistas sob
o commando do general Mendivi compunham 3e
de 18 batalbSes. As primeiras posicSas forara le-
nazmente dafendidas e tomadas a bayoneta. Antes
de entrar na povoa^Jo teve o corpo de Uoriones de
snslentar um ataque de todos os batalhoes carlis-
tas, que, apezar de derrotados, naderam effeetuar
a retirads, deixando em poder dos vencedoBes al-
gum prsiooeiros e parte do material de guerra.
Oil* GACBTA.DE MADRID que as perdas dos
carlistas loram grandes : os liberaes liveram fora
de combate pario de 200 boraans. 0 oommandante
em chefe resolvera faierse forte em Oteiza para a
caso de ura incidenta ioesperado. OmoviuenSo
parece tar por objeotivo penetrar alem de Clo'.ura
para cortar a retirada dos cariislas. Zavala diz
apenas que a continuacio das oper55es sera em-
prehendida com a maior prwdeneia. M. seus oompanheiros foram elogiaAos. A Bolsa fe-
ohou hontem muito tnais aniraaaa. Esta tesolvido
o reconhecimeato d!> HtspanJaa, o governo exori-
raio o 38u contenl? meulo a promeU-u. corcespon
der a conflanQa jaa poteaoias estfangeiras. Att.ri-
bue-se a Casiellar oter tornado uma parte muito
directana fanfe qua acaba da .tar ese negocio.
t Vienns.^oiaagoafcj.-Proaaguam as aogocia-
{5es entre^ 0i gabinetas austriaeo e moskovila para
emprh>'..nder9in U(Ua aocau iliplomatica conjoncia
ob ra':erencia a is tratadoa com a China
'Madrid, 20 da agoslo.A cidsdo .la Urge), nos
Py'.ineos, oom uma pcfulaijio de 5.000 habitant*?,
f-.i ontregue por traiaao a s oarlnus. A mi attri-
Carlos.. -
Buenos-Ayraa, 21 de agosto as 10 ham da ma-
ndi (rolardad)).-Regreson 4 .sumpo>> o trans-
Torto de guana Rio Branco, c*.mdu?inao a sea
20:000i0(>0
10:000*000
4:0005000
2:000*000
Ns. 4055 e 46631:000* a cada um.
Ns. 39, 1157, 2o'2d e 3819-800* a cada um.
Ns. 382, 1122, 119), 2314, 3037, 3137, 3169,
3364, 3442 e 4343 -200* a cada um
Ns 564, 612, 672, 734. 1118, 1241, 1338, 1551
1912, 2762, 2840, 3116, 3629, .3797, 4244, 4333,
4714, 4891, 5339 e 5407 -100* a cada um.
Ns. 21, 240, 461, 489, 525. 591, 631, 832, 834.
890, 892, 936] 1123, 1234, I30i. 1321, 1341, 13;i3,
1574, 1783, 1901. 1989, .2020, 2033, 2059, 2185,
2269, 2363, 2376, 2598, 2660. 2701, 2764. 28.12,
2823, 2861, 2916, 3023; 3063, 336J, 3436, 3a3l,
3582, 3646, 4235, 42JO, 4463, 4477, 45 '6, 4597,
4628. 4633,.4632, 4900, 4953, 5006, 5069, 5511,
5777 e 5851 40* a cada um.
B'raleHtoa do letraM. O escrivio dos
proiestos I >-e Mariano esta de semaaa cartorio
na rua Bella, loja do sobrado n. 37.
Lotci'ia. A que se acba a venla 6 a 1I5-
a beneficio da igreja do Espinto Santo, a qual
corre no dia 5.
Caa dc dtencaj.Movimento da casa
Ja deteneao do dia 28 de agosto de 1874.
Existiam presos 343, cntraram 3, sahirara 3,
jxituera 348.
A saber :
Nacionaes 271, raulheres 7, asirangeiros 25,
wcravos 40, oscravas 5. Total 348.
Alimeutados a euata dos cofres publicos 269.
Movimento da euformaria do dia 28 de agosto
de 1874.
liveram alta :
Joso Barb .sa de Oliveira.
Joaquim Hadriqaas do Oliveira.
Antonio Felix da Silva.
Felismino J.ise Itezarra.
s'.isnaai'ii'a:-;. -V'inios do sul no vapor iu-
glez Douro
Jose A. Gomes, Antmio Copes e Joai Maabado
Seguem para a Europa :
John 6. C. Boyle. Guilherme Alvares de Moura,
Joso Gar;ia, L >jis Schnnlz, Jo.-6 Joaquim de Al-
meida, Jamas J. Quinn, II. Petersen, Francisco de
Medeiros Baposo, Bernardino de Souza Azevedo.
Sahidos para o Rio Grande do Norte no hia-
te brasileiro Flor doJardim :
Eloy C. de Souza, Tuomaz Antonio N. Monteiro,
Jo.ao Estantsiao de Oiiveira, Antonio Mesquila, Sa
muol liolshawe e Joso da Coats Pereira.
lieilOes.Amanha elfectua o agenle Dias, em
1 andar do sobrado da rua do Marquez de Olinda
n. 37, js 11 horas da manha, o leilao de duas
casas de taipa, sitas em o povoado dos Monies,
termo de Aua Pi eta.
Terca feira, 1 de ietembro, dove ter lugar,
por iuiervencij do agenle Pinto, o leilao de mo-
veis, louca, vidros ecrystaes, conforms esta annnn-
ciado, para a casa da rua da Priuceza Isabel, onde
bavera uma bandeira en:aruada com o letreiro.
Leilao hoje.
Conforme esta anntinciado, d ve continuar
no dia 15 de setembro, por interveugao do mesmo
agente Pinto, o leilao das fizendas da massa falli-
da da Pareira de Mello & C, existentes no arma-
zera do sobrado da rua do Bora Jesus n. 63.
Cemtterio publico.Obitu;.rio do dia 28
le agosto de 1874.
Guilharmini, parda, Pernambuco, 3 annos, Re-
cife ; bexigas.
Alvaro, pardo, Pernambuco, i annos, Boa-Vista;
variolas.
Lucinda, parda, Pernambuco, 2 mezes, Boa-
Vista ; convulsoes.
Luiz Alves do Carmo, pardo, NazatOtb, 27 an-
nos, soltoiro, Boa-Vista, hospital Pedro II ; tuber-
culos pulmonares.
Antonio Jacintho Razande, branco, Portugal, 60
annos, viuvo, Boa -VUta ; anazarca.
Jose Pereira da Costa, pardo, B im Jardim, 70
anuos, casado, Boa-Vista, hospital Pedro II; hy-
dropisia.
Josepba, eserava, parda, 30 annos, Boa-Visli ;
bexigas.
Cirurgiito Bernardo Pareira do Carmo, branco,
Portugal, 82 anno3, viuvo, JJoa-Visla; abcesso
abdominal.
Alfredo, branco, Pernambuco, 11 mezes, Boa-
Vista ; encepbalite.
saas funccSes tcc!esia>iieas), em rt*mfa,m> torn-
uwHiead) do proprietary- dp engeBaip.lfeweau, e
em d.-feza do bario da Jaboatao.nojvarttMa.
0 larao de Jaboaiii. cujo esptrtto onliitom*
daesa e exeoadjuctor da Hapacaea, nic foi em
Buscau apasrguar conllicioi j u, coa ^ immat
preslijio, autoris-ir. a>.mmioda a maia sert* raa-
ponsabihdade, o mais reprovado dos acaae.
Quern vai acafinar, nao tuna pane as .acto quo
reprova, quem quer a paz uic husca a guarra S a
barao da Jaboalao, foi a 18 do eorrentemez de
agoslo, no cercado do engeaba J3uwaa. a aiaulo da>
pMris*.
Nao lemos qua ver com as notirioe domaiticas,
Ievada9 ao engenho Matba, do qno trata a Mvai.
pa Ire Moora ; nam lao puoco lomarmnos a tarefa
de estjJar alheios habitoe: dlromos entreiaoto,
qne u io foram pelo proprietario. da ttmumi pira-
ds as c.H-ca do engenho db irmio tfe aabre -
rao j o Mto per uma razao mmto simples, por^t*
aquelta liomom nao mora em engenho.
0 qiw deu-se foi nao admiuir o proprietarle itr
BuscaiV, que em terras suas, nos limrtes de sew
engenho, exercesae actos de dominio um Itomen*
arrogaota e introao. Admittemee, porem, a pro-
cedeucia di defeza : por haver (b quae fateo)- o
propriotario da Buscau picado as cereaa da cerca-
do do engenho de um irmao do orileiro barao A&
Jaboatio, Sea ria que fos contra o ofTeoror t Sera esta naca-j ama reuniao-
de tribus selvagens?
LamenlamoF, qn.-, sob a responsabilldada de'
uma batina, vjesse a imprenaa o Sr. Moura, con-
trariando a verdade, narrada pelo propriotario-de<
engenho Buicaii : Piqiw, porem, o publlee sa-
bendo, que a realidade to f.icto nio aAa uaqueila-
palida defeza de um amifo olnigado.
Fechando esta U/eir i rofutasao, juntaremoa o
seguinte : 0 onleiro- harao de lalmatao autorisou
por sua presenija, aninwo por suas ualavr, eo-
thusiasraou por seus ;.-'>;-, a ioqu gressao sobre o pnuatlu do engenho Basest) : nao
foi o illustre titular aWswmw .? effeilos da arroja*
daaggressio; foi guia-la, Pn dosafiar a resislen-
cia, e iiara prova dorla verdade alii esta o seu ac-
to, indo quebrar mais long*1, quatre marcos, de
uma demarcacao, q'w e-e ha de ser considerada
em diroito legal.
Quanto ao grupo de it-isrtv'e, da que tratou o re-
verendissimo defoii or, tal #pealli nan houve;
o proprietario do Bnscaii, calmo confladooa pro-
teccao das leis, nao acriton o desafio de seus r-
lentes o.c^ressores; vast* annas mo as da justica'
sua proindade e escudo que oppde aos b<)tes de
um nuo homem.
Insliiu-t-uo publjcs em Pa-
iaelia.
Sob a epig.-aphe acima, publicou a Provincia
um arligo censurando a remo.;ao da professora do
Posqueira para Panellas, nao porqup Uve3seo que
d|zer tin relacao aos bons costumes e habllira-
j3as d;1 juella professora, mas sim por. serella ca-
sa Ja comigo.
Sohra mint, pois, foi que recauio toda a raa von-
lade o airor calumnioso do autor do referido ar-
ligo-
Attrilouirido-mo defeitos, que g*ac.asa Deus, nao
os teur,), Horn p'.dem snr por ellos apresenladas
as pro-as, chegou a dizer que occasionei a morte
da mulbei de Venaucio Ferreira da Cruz, e insi-
uuar que apunhalei u o portuguez, Antonio Cal-
das, qua felizmente nao morrou.
Em resp'Mto ao pnblico, dovo declarar qua ludo
quauto contem aquelle arligo nao passa de miso
ravel calumnia
A mulher do Venaocio Ferreira morreu dc par-
te, como alti onsta dc oma certi 'M de obitp que
tirei, o tenho era mau poder ; o em caso nenhum
pode-se-me attrniuir parlicipacao nesta infeliz suc-
cess.).
Quanto, porem, a hi>loria do portognoz^o cou-
sa ihleiramente dcsconUocida nesta villa de Panel-
las. .N.uica live com pessoa alguma lutas a pon-
to de usar do armus delezas, nom nunca couhaci
portoguea algum com o nome da Anlouio Caldas.
E' esta historia uma trisle invenyao, que so o
mais ousado cspiri'.j do -alumnia a podia inyen-
tar.
Eotrctanto, provoco o autor do artigo a quo ex-
ponlia ao pablico as cousas com franqueza, apre-
sen e as provas das suas allegacoes, e entao nis
entenderemos.
0 que posso, porem, assegurar e que nao tenho
crimes nem factos que me desdourem.
QuanJo a minha muliier, ella tem em seu favor
as suas habilitajoes e a pontualidade no cumpri-
monto ilos seus deveres.
Na> importa que os politicos desta villa andera
a peJir e a rogar ao3 pais de familias para nio
mandarem as suas lilhas para a aula de minha
mulher ; a despeito disto as alumnas vSo allluio-
do, o em pouco Dcaraa todos convoncidos de qua
do ensino publico nao e liciio fazcr arma de par-
lid).
Sobre a minha mwalidade, que ate hoje ni>
soffro nota, os factos desmentirao, espero em Deu-
03 meus detractores.
Com estas poucas linhas me satisfacn.
Villa de Panellas, 25 do agosto de 1874.
Joaquim Cordeiro dos Sanos.
Ao venerando tribunal da relacao
desta provincia-
Vai ser submettido a decisio do venerando tri-
bunal da relacao o recurso que interpSe o eollec-
tor das rendas geraes da comarca da Escada, Je
suino Archanjo do Albuquerque Piraontel, do
despacho de pronuncia do juiz daquella comarca,
considerando o como incurso no arligo 154 cotn-
binado com o art. 153 do Cod.^Crim.
D'aqui ate chegar as maos dos Exms. Srs. des-
embargadores promottemos fazer uma narracao
exacta de todo occorrido, do que deu raotivo a
esse raonstruoso processo e do movel quo actuou
no e?pirito do juiz para pronunciar o collector 1
0 caso 6 grave e Uo rude golpe soffreu a justi-
ca com semelhante pronuncia que revolt* a todo
homem de bem e de caracter sincero f
Havia ja muito que os annaes do fdro nao
regislravam Uo faia iai^uidade I
Justica, Exms. Srs. desembargador.s t Justica
pa dimes a VV. Exes.
Se nos tribuuaes superiores nao se eneontrar
correctiva aos capricuos dos juizes ktferiores, mal
estara a sociedade.
Felizmente temos. alem dessa garantia, a, nao
menos valiosa, da imprensa.
Este facto nao ficara, como muitos outros por
ahi, desaperceb do.
Havemos de fazer bem pateate a injustipa I
Havemos de clamar I
Havemos de dar a conhacer ao governo e ao
mundo toio que o empregado henesto e zeloso
cumpridor de seus deveres (a quanto a este que
o digam os seus superiores) nao tem garantia se
nao se amolda aos capricnos dos juizes de al-
deia, que se julgara verdadeiros soberanos t
Recife, 28 de agosto de 1874.
0 ami jo di juttica.
Srs redaclores.Communicon-me hoje um ami-
go, que alguem pan intrigarme e talvez conse-
guir os seus fins, tem feito consur e assoalhar
qua sou eu o autor da uns escriptoa que tem pu-
blicado a Prouiaci'a, com refereaeia a agendas e
outros.
Lembrei-me logo de certo personagem (recente)
que em outros tempos escrevia no Liberal artigos
contra si para dar lugar a defender-se e elogiar se
no Dioria di Pernambuco ; e, entlo resolvi-me a
nao conaentir que se espacile comigo e com o raeu
bumiido nome.
Uma vet por todas, doclaro -uo nunca escrevi
coosa alguma e ilz p.-bii -ar na Provincia, o, n5o
estoa Jisp .sto a (aaql-o '" to ou em oufro qual
quor jirnal sm gu" me ansigue
Ja ve o msa del.
outra mini.
Recife, 29 da .jos" 87^. _
P., mumo Fonctc*.
:to- io-. opreHs< .rptoror
O asjbi e os doudos aniotinadoM.
A reJaccao da Provincia muito tem clamado
contra a. idea da coastrucjao de um hospicio para
os loucos I
A razao diss > e muito -imples ; nio ha doudo
que vej*. com tons ollios uma casa opde se vesta
camispla aos que sofTrem dasmanchos de ca-
beca I
Ora, a mor parte dos redaclores da Proi'tncia
compoe-se de doudos, portanto nao admira o quo
elles (rolaclores) teem feito, com receio, alias bom
jus:o de ser tal asylo sua futura moradia.
0 que talvez alguera igoora e admira e como
estos infelizes provincianos fiseram pacio, quem o
promoveu e os tem dirigido em luU aberta contra
a idea I
Vamo:i disor, a cousa.e facil.
Nao ha h > i.em hoje do espiriti sao que, lonio
na Provincia os escriptos do Aprigio, nao conbeca
eslar elle d udo efunoso; sim, furioso, porquo
raaniaco sempre elle foi i;
Pois bem, eis o caso, este louco pdde, pela lei
natural, de qua os antes seraelhanles facilmente
se reunem, eneontrar outros iguaes a elle e foruiau
um conjunct.) que loi denomiaado redacgao da
Provincia I
0 Sr. da Villa Bella vendo-se sempre batido
pelos quatro ventos e apesar de ser leao, nio po-
denlo esmagar o Sr. Luceoa, que felizmente se
achava em altura onde nao. podia ser alcancado
pela paU do bicoo homem e muito coal onvia o
echo dos seus raivosos uivos, lembrcu-se eniao o
nosso homem destes pobres furiosos ua esperan;a
da ver o Sr. LjKena e saus amigos mordidos por
alguns delles.
Fez-se pois.de rogente e com o azorrague em
punho, ora os continha, ora os enfurecia ainJi
raais, conforme quadra va ao seu. piano politico do
barafundi.
Deu ao Aprigio a mis3ao sempre importante por
lbe parecer o mais forte nas dontadas pela propria
experienma que dellas teve" antes de ser re
gente.
Foi Msana (como ainda hoje e) o furioso traba-
lho dos loucos, apezar de nao passar de gritarU
e nenhurn caso fatal ter aioda appwecido, porque
o presidenle e seus amigos estando sempre em
guarda, teem se desviado. facilmente dos traicooiro;
accommottimentos.
Entretanta nao era conveniente qua isso assim
continuasse, porque algum incauto podia'ser vict:
ma destes desmiolados da Provincia.
Eis quando o Sr. Luceoa iaspirado pela com-
paixio tem a feliz idea de fan Jar um hospicio com
os coramodos prooisos que os podesse confer, me-
Ihorando ao mesmo tempo a sorte dps infelizes
reolusos da Misericordia.
Logo que foi esta idea conhecida, vio e regent
da sucia desconcerUdo todo o seu piano prevendo
a reclusao dos seus subordinados e (quem sabe)
talvez a sua.
Entao procuraodo evitar esta ultima derrota
impoz aoii doudos guerra do morte ao asylo, man
dando murder aos que para elle concorressem, aos
engeoneiros qua planeja-sem obra, aos pios, as
pedras e at6 a propria tarra, onda houvesse de ser
o edificio consiruido t
Asiim tanlaram os infelizes, e quanto menos
oouseguiam. matJ se exasaerava o regente, mane-
jaalo mil vezes sem piedade o instrnmento de
terror.
A Bbrraria dos doudos acontados, 03 nivos da
(era etnb'aveoida e o estalar do chicote ifflpie 1 j,-;
Qzaram uma orchestra infernal nesta cidade I
Efleito promgios I Todas as classe- sensa'.*
da sociedade irapressioaadas por tal scans, correm
pre^nrosis ao presidente, auxiliando com jrapor
tiOts flr.nat'vos a reallsaj-io da grande obra ae
caridade e d paz ao mesmo tsmp.
As p>dtW a maleiras a todo* os msteri
erafim (coaw por encanto), sa r uflflm o W amon*
-Cr
*
I





Diario de Feraambiou Domingo 30 de AgosM M < 18U.
* E

eam-e lud* pare* iatpedir a pro tmia constru-
ct! do edificio I
X n verdade, niogaem de corapao bem forma -
do po*era ver sem coustrangimento o espectaculo
bewi^lante desies prwkncianos fortosos, ferindo
cob foaa obscenidades a deeenciat-e a moral pa*
Mioa, aucaado a boors albeia com invenlos ca-
lu miiosos proprios ios que nio leem consciencia
de si memo I
A* viiu de tal remfcado o Sr.de Villa Bella con-
fesieoo-ae perdido e afcendonando seu posto com
re ;eio mesmo de mm desesperada cafila, correa
palrios lares aterrado-comes triamphos do
aottul presidente t
Picaram os loaeos solfos a gran e ainda con-
liauam a gritar ooMca o-asylol
Inventara tudo faaerto julnam difflculttr a em-
praza.
Procaram insular -o -povo eontra a assemblea
ttelos impostos ereades por neces.sidade publics,
daado-lhes proaeroeea cbknerieas ; e assim f.zem,
antevendo uma subvenrao dos ccfres publicos,
togo qne eeleja metkerado o- estado fioanceiro da
provincia I
A' imitocio do aawegante maniaco, qne ehieo-
teava o mar, juigndo casligal e para loe ser obe-
4iente, pintam no ieraal um poste e acoutam cs
nomes dos deputises, qne mais urde tenham fai-
vea de volar quota ao atyto, eondemnando-os a
exijeracao publica 1
Feliamente o pove ja os conhecendo reforma
tx officio laes seueacas, fundado do antigo adagio
que a palavras loncas orelhas radcas I
for eausa do orcamento embirraram com e
Mello Rego e a ualiiu quota-e quem Ihes inspira
-o odio I
Contra os Figueiroae dizem muita cousa por se
prtstar o Diario a elogios pelo ssylo ; e por se-
melhanles motives ainda .gntara contra muita
genie !
Pobres loucos 1 etianto mats a fatalidade os
persegue mais compaixao -iuspiraro I
Deus apresse a obra do asyiw I
Agora um tfeotre os doudos lembrou-se de
Joio da Sonlo, que tentou matar Luiz do Rego,
ooncitaodo para quealguem.segaindo oseuexem-
plc, aiire no presideute, porque morto este, mor-
*ri com clip a idea do asylo: I
Na verdade isso so lembra a um doudo que a
lotto custo qner se livrar da caonisola II
qualitica de assassino a Joao de Souto I Qae des-
retipeito I
La vein o Aprigio em name da historia defeu-
deodo o grande homeas : duemos Aprigio porqae
a liqguagem nac pode ser de eutro, pois o cao so
parece com seu dono.
Joao de Souto, diz a defeza, foi am heroe illus-
tre e dulincto patriota, porque maton mais de um
proximo e tentou matar Luiz do Rego I
Vejam que patriotismo damnado, so mesmo de
um doudo I
E navera ainda a vista disso quern duvide que
os bomens da Provincia eslao doudos, principal
mente o Aprigio ?t
Se existem alguns que nao soffrem de aliemcao
mental, eetao furiosos pelo despeito, qne equivale
o mesmo, e por isso nao reprovara tantas inconve-
niencias de seus correhgiooarios.
Cerlamente o despeito faz tudo I
Para estes bomens o Sr. Lucena seria um sanio,
se quizesse cbama-los ao sea seio ; e atd aposto
qne bavia de ser por denials ekgiado, se quizesse
.mitar a Luiz do Rego....
IBo e possivel que um adminislrador zeloso e
conomieo convenha a homens do ambicao des-
vairada que desconhecem o trabalho honcsto como
fonte de seus reodimentos I '
Ccmo pode ser bem visto o Sr. Lucena por
ineiaduzla de loucos, querendo fazer casa era que
talvez tenua tie mandar trancafia-los. em vez de
imitar Luiz do Rego .'!
Todos gostam da iiberdade, ate mesmo os dou-
dos de que nos occnpamos, com a diflerenca de
qne estes querem ella ao seu modo, sem regras
nem limites, desconbecendo as leis da houra e do
dever I
Para 9e fazer um elogio ao Sr. Lucena basta di-
zer que tae9 homens nao gostam delle I
Como agradar a elles uma assemblea quo de
accordo cum o presidente da provincia procura
dotar a esta com todos os melhoramentos possi-
veis, animando o desenvolvimant-j de suas for^as
natnraes, sera dar pastos a essas aves de rapina
qne tanto nos llagellaram no fatal periodo de 63 a
.68, pelo que ainda hoje se re^enlemos cofres pu-
blicos, sendo ellas a causa immediata desses im-
poHtos, de que esses Icucos teem fallado tanto fl
Pnblicaram elles uma lista dos deputados qae
votaram pela decrelaiao dos impostos.
imderam que a pntlicacao desses acmes fa-
ria desvanecer nualraer su?peita, que alguem
menos avisado podesse ter com os 9eus enibus-
tes 1
0 que havemcs de fazer com tal phalange de
heroes desmiolados, seoao pedir ao presidente que
pelo amor de Daus apreue o mais possivel a cons-
trnojao do asylo para ficarmos en paz e livres
dos encontros com esses iafehzes cujo mat pode
ser contagioso ?!
Felizmente esla eonlratado o edificio, e em bre-
ve terao principio as obras II
Agora vamos ter maiores raatinadas, porque com
esta noticia os doudos se endemoninbam I
Temos peaa do erapreiteiro, puis muito trabalho
ha de ter em impedir as travessuras que espiritos
malignos por forja hao de inventar I
Comtudo, nao desanime, que Hie ensinaremos
dons remedios; uma cruz c agua benta em quan-
tidade.
Assim mnnido, o resto depende apenas de cuida-
do, porque, segundo dizem, os dewonios vendo a
cruz correm della as leguas e ainda mais d'agua
benta I
Se, porem; el!e for incommodado por alguns que
nao tenham no corpo legiao de taes espiritos, o re-
medio ainda e mais simples : tenha sempre ao seu
lado em bom chicote, que fugirao, como fogem os
cacborros de pedradas I
C'uan:o a nos estamos sempre prevenidos I
degafcebada, e nio pcssa ser obtida a respectiva
etMrada na alfandega, para preceler a descarga,
de quaado se coota eprazo dado para a desearga
do dia santo on feriadi, on dj-dia util em qne foi
dadaa entrada na atfandega*?
ts Pode ft deixada alguma carga para 1 astro,
nio impedindo o reoebimento de nova carga ?
3: -Dado aviso -ao afretador de que o navie
pode receber a carga, respondido qne flea scie
te, pode cem ter teatado raetter carga algama ai
bordo, deelarar reeebido on annallado o afreta
lamento ?
Pede ao raeretissimo tribunal defer men to.E!
K. M.
Despacho.-Certtflqne-se.
Tribunal do commercio dePernambuco, em set
saode 4 de agosle de'1874.-A. F. Peretli.Oli*o
6ast09.-Guerra.-Sa Leitio.
OertidSo.Era cumprimeoto do despaeho retro
certitico que dos usos-e estylos commerciaes col-
Hgidos pelo raaretissimotribunal, e por elle raan-
dados observar ao districto de sna jarisdieio,eons-
tantes do livro dos assentos do mesmo meretisci
mo tribunal, nao consta os u.'os a qae se refers e
upplicante Em observaocia, porcm, da resolu-
jjao constante da acta da sessao de hoje certico
que, sendo a respeito onvida a Associacio Com-
mercial Reneficente, prestoa ella a informa^ao se-
^uinte:
E' usoe costu.ne desta praca contar-se os dias
de estadia pare a descacga dos navios da data em
qne da entrada na alfandega, salvo quando a carta
de fretamento declara terminantemente qae ieja
contada a estadia do dia da entrada no porto. Mao
havendo inconveniente para o recebiraento da car-
,ga, muito embora a bordo d navio haja algama
da que tern de descarregar, e isso sempre per-
mitlido, ijuando o navio carece de lastro, para
susler a mastreacao. Provado qae o afretador
teve sciencia de que o uavio podia receber a ear*
.ga, sem embargo da qnetinha ainda a bordo por
descarregar, e nao tendo alias, e nio tea1 audo .fa-
zer os embarques, e claro .|ue a respoasabilidade
<' somente sua, e que por isso nao pode rescindJr o
cofttrato.
Eis em reeumo o que coalem a citada informa-
cio. E para que tudo.coaste onde conven'oa, se
passou a presente nesta ecretaria do meretiesi-
mo tribunal d) commercio de Pernambucoaos 6
dias do mez de a ,'u-i j do anno do nascimento de
No93o Seahor .psus Christ* de 1874. Subsewvo
e assigno nesta dita secretaria, aos 6 de agosto de
i87i.Em fede verdade.O offlcial maior.JiaUo
Aagusto da Cunha Guimaries.
Ouso e costume que essa iafomacao denancia,
ja esta consagrado, e faz parxe da legis'acao pelo
assento que abaixo se transcreve.
Assealo Will.
Sobre a pratica e usos commerciaes da praga
da eidade do Rio Granae, da provincia de S. Pedro
do Sul.
0 tribunal do commercio da capital do imperio
raanda publicar o seguinle assento, por elle torna-
do, dos usos commerciaes da praca da eidade do
Rio Grande, da provioeia de S. Pedro do Sul.
Secretaria do tribunal do commercio da capital
do imperio, 18 de dezembro de 1865.0 secreta-
rie, Joaquim Antonio Fernandes Pinheiro.
Aos 18 dias do mez de dezembro do anno
de 1865, em sessao do tribunal do commer-
cij da capital do imperio, que se achava com-
pleto, sob a presideneia do conselbeiro desembar-
gador Joao Lopes da Silva Couto, tendo compareci-
do os deputados commerciantes abaixo assignados,
e presente o desembargador Manoel Eliziario de
Castro Menezes, fiscal do mesmo tribunal, foi uni-
nimement; assentado que, na conformidade dos
arts. 11 e 26 do regulamenlo de 25 de novembro
de 1850, n. 738, fos9em declara dos verdadeiros na
pra .-a da eidade do Rio Grande da provincia de S.
Pedro do Sul, os usos commerciaes aqni especiQ-
dos, por ter terminado o prazo de 6 mezes, mar-
cado no edital de 9 de fevereiro do corrente anno,
impresso no3 joraoes da corte, depois de empre-
gados os meos indicados no dito regulamento, e
por concorrerem em taes usos os dous requisites
exigidos no art. 25 do precitado regulamento n.
738. Pelo que o tribunal do comiercio da capi-
tal do imperio, manda publirar pela imprensa este
assento para por elle se fazer prova na referida
pracja em todos os casos que, segundo o codigo do
commercio, sio regulados pelos usos commerciaes,
e 6 m:zes depois de i-ua publicicao estabelecera
regra de direito para decisao das questoes que
para o futo.ro se suscitarem a tal respe>to, como
ordenara os arts. 218, 219 e 220 do regulamento
n. 737 e art. 12 do regulamento n. 738.
Navios e fretes.
2.Os dias de estadia serao contados do seguin-
te ao em qae o navio der sua entrada nas respec-
tivas repartiooes, e estaudo ja fundeado no logar
que lhe for designado para a duspeza ou carga.
3.Nao serao contauos nos dias de estadia os
que forem contados em mudanca de ancoradouro
ou em desembaraear o navio da alfandega-
6.A descarga sera effectuada de accordo com
os regulamentos fiscaes, por ordera do consigna-
tario e conU d > navio, se da carta de fretamento
Lou couhecimento nao conslar algura outro ajuste.
lllm. e Exm. Sr. desembargador juiz relator.
Diz Augucto Mouton que ;endo de provar os seus
emtargos oppostos ao venerando accordao de fl...
com cei tidao do meritissimo tribunal do commer-
cio, sob raformacao da pra^a, sobre os usos e
costumes da mesma, acerca do modo de contar os
dias de estadia para descarga, e sendo osse docu-
ment dependente de despaeho do tribunal, que
so fvracciona duas vezes por semana, e da infor-
maoao da praca, o que nao pode ser feito dentro
dos cioco dias, em que os embarg03 devem ser
oppostos, o que jamais se poderia conseguir por
maiores esforcos que empregasse, vem requerer a
V. EIxc. que se digne ordenar a 9na jupegao aos
antes com a susteutacSo dos mesmos erabargos,
como e de justija, visto como nio dependeu do
snpplicante a preparacao desse documento.
Pede a V. Exc. deferimento.E. R. M.
Disspacho.Diga a parte.
Recife, 11 de agostode 187i. -Almeida e Albu-
querque.
Mm. e Exm Sr. deeembargadjr juiz relator.
Devendo oembarganle juntar ao9 seus embargos
os doenmentos com que devesse prova-los, e in-
admissivel o que repuer na peticao retro, uma
vez que ja foram contestados os embargos, porque
assim ficariam os embargados irapossibilitados de
dizer a bem de seu direito sobre o documento que
se quer juntar.
Se V. Exc, porem, ordenar qne seja junto ao9
autos o documento do embargante, requeiro que
seja- me dada vista dos autos, para dizer sobre o
documento o que enlender a bem do direito de
meus constituintes.
Recife, 12 de agosto de 1874.-0 advogado, An-
gusto Carlos Vaz de Oliveira.
lllm. e Exm. Sr. desembargador juiz relator.
Replicando, diz Augusto Monton que, nao tendo
6ido contestada a razao, que antorisa a jnnccio do
documento junto aos autos, maxime nao sendo ain-
da feita a sustentacao dos embargos, e ser, portan-
to, tempo mais que opportuno para ella, militando
sobretuio a razie de ser impossivel ao sopplicante
veneer o obstacolo, e nio depender delle a obten-
cao do doenmento em tempo, e mesmo convindo o
sapplicado em ser reeebido e junto aos autos o di
to documento, com tanto qae se lhe de vista para
dizer sobre elle, ao qne o supplicante se nio op-
poe. Espera o supplicante deferimeoio. E.
Despaeho.Nio tem lngar o qne ranter.
Re;ife, 13 de agosto de 1874.-Almeida e Alba-
qnerjne.
Suave, porem poderoso.
Apezar do vigor e promptidao com que a salsa-
parrilha de Bristol lula contra as molestias as mais
peconbentas. Com tudo a sua accao 6 suave e
seus components vegetaes eminentemente curati-
vgs e fortiticantes, nao se acham desvirtnalisados
por nenhuma substancia mineral. Pode-se admi-
nistrar com toda a seguranca as crianQas e as se-
nhoras delieadas que padecem as molestias e desor-
dens physicas inherentes ao seu sexo, e acharao
que e o uoico remedio para seus padecimentos e
debilidade.
Todas as suas tendencias sao salutiferas. Abre
o appetite, fortifica o estoraago, regula o figado e
o ventre, cobre o corpo magro e extenuado com
i carne3 novas e firmes, da torn aos hervos, refres-
ca os musculos, da elasticidade ao corpo e s.ua-
visa o espirito. Basta dizerse que dentro do es-
paco de 35 annos, nunca constou que falbasse uma
so vez no curativo das enfermidades ulcerosas e
eruptiveis.
MMEBCIO.
lllm. Sr. presidente do meretissimo tribunal do
Commereio.-Diz A. Monton que, qoerendo provar
0 nso do commercio sobre o modo de contar os
dias dados a descarga nos navios a. frete, e de
qnanio comecem a contar se, vem requerer dig-
ne-e certiflca-lo, mediante informaciio da praca
nao havendo inconvenionte do segnitite : '
i." Chegando o navio ao porto em dia santo ou
Jcjiado, segnindo-se outro em qne wteja a alfan-
Revista coninaercial
Da sernana de 24 a 29 de agosto de 1874.
Cambio sobre Londres, 90 div 25 d. V d. nor
U000 banco. ^
Dito dito dito, 3 d[v 25 / d. por 1^000,
banco.
Dito dito dito, 90 d|V 26 d. 26 '/s d. por 1J000
Dito dito dito, 90 d|v 26 '/s d. por 1*000, lettras
de fora.
Dito sobre Paris 3 djv 376 377 reis o franco,
banco.
Dito sobre dito, 90 djv 372 reis o franco, banco.
Dito sobre Liverpool, pagavel em Londres 90 div
26 d. por 1*000, lettras de fora.
Dito sobre Lisboa, pagavel em Londres, 90 div
26 d por 1*000. '
Dito sobre dita,a vista 111 % de premio, banco.
Dito sobre dita, 3 d[v ill % m o/ je premio,
banco.
Dito sobre diu, 90 div 108 <>/ de premio, banco.
Dito sobre dita, 8 div HI / de premio.
Dito sobre dita, 90 d[v 106 /. de premio.
Dito sobre o Porto, pagavel em Londres 90 dtv
26 '/i d- Por 1*000. '
Dito sobre o dito, 60 d[v 106 /. de premio.
Dito sobre o dito,90 d[v 105 /. 106 % de premio.
Dito sobre o dito, 8 d|v 110 /, de premio.
Dito sobre Hamburgo, 3 d|v 465 r6is, o reich-
raark, banco.
Dito sobre Rio de Janeiro, 15 e 30 djv W
de desconto.
Desconto de lettras 9 / e 12 / ao anno.
Algodio de Maceio, mediano, 7*600 por
kilos, posto a bordo frete '/, e 5 */
Dito da Parahyba sorte, 7*525 por 15 kilos,
posto a bordo, frete de 3/4 e 5 /
Dito da dita, 1* sorte, 7*600, 7*800 e 8*000 por
13 kilos.
Atpiste. Sem chegida, cotamos a
Banha. Sem chegada, cotamos a 871 reis o
kilo.
Breu. Sem chegada, cotamoa a 15*560 a
barrica.
Batatas. Chegaram 100 caixas, 200/, e 300
gigas, vendas 4*400, 2*300/2 e 1*300 a giga
Bacalhao. Sem chegada. Em deposito 5,000
charricas, e retalha-se de S0*080 a 22*000.
Came. Chegaram 404,625 kilos. Em depo-
>sito, 75,000 arrobas, do Rio Grande de 4*800
a 5*400 po 15 kilos, e 22,000 arnbas, da do
|Rio da Praia, de 4*W a *980.
Couros seccos salgados. Chegaram 1,477 e 150
avariados, vendas 544 reis o kilo.
Cafe.- Chegaram 451 saccos, vendas 8*500
por 15 kilos, liquide.
Canela. Chegaram carxas, cotamos a 1*633
o kilo.
Cimento. Sem obegada, cotamos a 8*000 a
barrica.
Cebolas. Chegaram 2,600 ruteas, vendas a
9*000 a caixa>
Cha verde. Sem chegada, vendas 4*336 o
kilo, con forme a fnamlade.
Cerveja Bass Ihlon. Sem chegada, cotamos a
6*800 as inteiras e 7*860 as meias.
Dita Noraega. Sem chegada, cotamos a
5*700.
Cognac.- Sem chegada, de *0M a 20*000.
Farinha de trigo. Chegaram 400 barricas.
Deposito 12,905 barricas, retalha-se : '
Hungria de 28*000 a 30*000.
Trieste de 28*900 a 30*000.
Americana de 21*00 a 24*000.
Saccos, do Cbilo, 9*500.
Farinha de maidieca. Sem chegada. Deposi-
to 5,000 saccos, de 2*500 a 3*500, nominal.
Farello. Sem chegada, vendas de 4*200 a
4*600.
Fumo em rolos. Sem chegada.
Dito em latas. Sem chegada.
Dito em caixas. Sem chegada.
Dito em pacote. Sem chegada.
Dito em encapades. Sem chegada.
Nao ho u ver am veadas.
Genebra de laranja. Sem chegada, cotamos
a 7*000.
Dita coramum. Sem chegada, nominal 4*000.
D.ta de Hollanda. Sem chegada, nominal a
5*500.
Dita em botijas. fiem chegada, nominal a 340.
Dita lanterna magica. Sem chegada, nominal
a 4*500.
Dita vida eterna___Sem chegada, nominal a
6*000.
Kerosene. Sem chegada, e procurado. Em
deposito cotamos de 5*200 a 5*400.
Louca ordinaria. Sem chegada, cotamos a 380
por cento.
Dita fina. Sem chegada, cotamos a 280 por
cento.
Milho. Chegaram ISO saccos, vendas a 70 rs.
o kilo.
Manteiga ingleza era latas. Chegaram 96
caixas, cotamos' de 2*396 a 2*505 reis o kilo.
Dita ingleza em barns. Sem chegada, vendas
de 1*742 a UK," I o kilo.
Dita franceza.- Chegaram 697 barns, e 101%
vendas a 1*368 o kilo.
Massas. Sem chegada, ultimas vendas 7*500
a caixa.
Pimenta. Sem chegada, cotamos a 1 *0*o o
kilo. .
Papel de embrulho. Sem chegada, de 700 a
Phosphoros. Sem chegada, cotamos a 2*600 a
groza.
Queijos flaraengos e prato. Chegaram 352
caixas; retalha-se dos flamengos de 2*i00 a 2*ii00
o queijo, e do prato, retalha-se de 1*307 a
1*416 o kilo. mMm .
Sal. Sem chegada, vendas a 1*300 o alqueire.
Sabao inglez ordinario. Sem chegada, co-
tamos 240 reis o kilo.
Dito da terra. Vendas 330 a 370 reis o kilo.
Sardinhas. Chegaram 20 caixas, cotamos a
280 reis. i ,
Toucinho. Chegaram 273 barns, vendas de
11*000 a 12*000, por 15 kilos.
Velas stearinas. Chegaram 250 caixas, vendas
a 520 r'is o maco.
Vinagre. Chegaram 13 pipas, 2/2, e 3"/5 ven-
das de 225*000 a 235*000.
Vinho Unto da Figueira e de Lisboa Chegaram
100 pipas, 135/s 8/8 e 10/,0 ; cotamos o da Fi-
gueira de 215*000 a 230*000, e o de Lisboa,
de 200*000 a 210*000.
Dito do Estreito. Sem chegada, retalho a
210*000.
Dito francez. Sem chegada, retalho a 220*000.
Dito branco francez. Chegaram 20 pipas, 100/:,
e 100/10. Sette de conta do retalhador.
Dito do Porto. Chegaram 62 caixas, cotamos
de 9*000 a 10*000.
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, 29 de agosto
de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIAES
Algodao de la sorte 7*8i0 e 8* por 13 kilos,
hontem.
Algodao sem inspecgao 7*100 e 7*200 por 15
kilos, hontem.
Cooros seccos saigado9 544 rs. o kilo.
Cambio sobre Lisboa pagavel em Londres 90
d[v. 26 d. por 1*.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 25 7|8 d. por
1*000, banco, hontem e hoje.
Desconto de letras 12 0|0 ao anno.
d. ue Vasconceitos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
ILFANPBUA.
aendimemo do dia i a 28. .
idem do dia 29
309:216*816
18:338*545
327:535*361
V.
13
Dito sem inspeccao, de 7*100 a 7*200 por 15
kilos.
Entraram 1,213 saccas por terra e mar.
Assnear. Entraram 1,389 saccos por terra e
mar, sendo muito pouco do novo.
Cotamos aos ultimos pregoi.
Agnardente. Cotamos a 62*000 a pipa.
Arror. Sem chegada, vendas de 2*600 por 15
kilos.
Azeite doce em caixas. Sem chegada, nltimas
vendas a 10*000 a caixa.
Dito dito em barris. Sem chegada, ultimas
vendas 2*460.
Descarregam hoje 31 de agosto de 1874.
Vapor inglezCeruanfes(esperado) generos na-
cionaes para o trapiche Companhia.
Patacho italiano Sarina mercadorias para
alfandega.
Barca ingleza t'uzilier carvio ja despachado
para o caes do Apollo.,
ALTERACAO NA PAUTA DOS PRECOS DOS GBNEROS
SWEITOS A DIBEITOS DE EXPORTAglO, NA SEMANA
DE 31 DE AGOSTO A 7 DE 3ETEMBBO DE 1874.
Algodaoem rama ou la 456 rs. o kilo.
Couros-de boi seccos salgados 544 rs. o kilo.
Carvio de pedra estrangeiro, tonelada metrica
20*000.
Caro^ode algodio 20 rs. o kilo.
Crina- animal em bruto 300 rs. o kilo,
Alfandega de Pernambuco, 29 de agosto de 1874.
0 1" conferente Manoel Antonio Rodrigues
Pinheiro.
0 2 conferenteJ. B. de Castro e Silva.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 29 de
agosto de 1874.
0 inspector
Fabio A. de Carvalho Reis.
DESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 28 DB
AGOSTO DE 1874.
Para at portot do interior.
No brlgue neruegnense Adonis1 para o Rio
da Prata, carregon: Amorim Irmaos & C 30
barricas com 5,758 kilos de assucar branco.
No bngne portngnez -Novo Paquete, para o
Rio da Prata, carregon : Amorim Irmaos C. 320
barricas com 56,702 i|2 kilos de assnear branco.
No patacbo nackraal David, para o Rio da
Prata, carregon: J. F. Balthar 23 ij2 pipas com
9,600 litros de agnardente.
No patacbo naetonal Bemfica, para a ViUa do
Conde, carregon: A. J. G. de Miranda 1 barril com
96 litros de mel.
Para ot portot do exterior.
Para Macao, no hiate nacional Flor do Jar-
dim, carregon : B. Gomes 4 C. 1 barrica com 70
kilos de assnear branco e 1 dita com 60 ditos de
dito refinado : parao Natal, L. P. da Costa Quei-
roz 4 ditas com 235 ditos de dito.
Para Macao, na barcaga Rainha dos Anjos,
carregon : Costa & C. 3 barricas com 141 kilos
de assnear refinado e 10 ditas com b66 ditos de
dito branco.
Para Alagoas, na barcaca Flor da Penha,
carregon : M. M. Monteiro 1 caixa com 43 kilos
de doce.
. VOLUMES
No dia I a 28 ...
No dia 29.
rYimeira port* .
Jtgunda port* .
rreeira pent .
rtrpicht Gc*cisio .
'1AH1DOS
49,181
69
103
476
200
30,029
SBRV1CO MAJH9UK)
vnarmagas descarrnfadas no trcptofce da
alfaodeca :
No dial**.....
XodUM. .......
50
50
aUCBBBDORlA DB REN DAS LNTfcKNAS GB-
RAES DB PERNAMBUCO
.tmsiimwiro do 41a 1 a 26 ^ :|9:685*560
*o dii 29...... 641*610
40:327*170
CONSULADO PhOVWClAL
RMdtaeato do dia 1 a 98. <62:933*285
idem do dii 29...... 1:514*614
64:447*899
RECIFE DRAINAGE
RemKmeato do dia 28. 19:348*832
Idem.de dia 29...... 1:792*415
31:141*267
AGENCIAS provinciaes
Liquidos espiritnosos.
Rendimento de 1 a 27 4:389*0042
Idem do dia 28 412*290
Bacalhao, etc.
Rendimento de 1 a 27 2:360*529
Idem do dia 28 *
Generos de estiva.
Rendimento de 1 a 27 2:633*468
Idem do dia 28 116*920
Farinha de trigo, etc.
Rendimento de 1 a 27 4:715*212
111*880
3:601*332
2:360*529
2:750*408
Idem do dia 28
Rendimento de 1
Idem do dia 28
-------------5:127*092
Fumo, etc.
a 27 1:669*436
*
Vinsffrs 6tc
Rendimento de 1 a 27 2:044*990
Idem do dia 28 58*233
1:669*436
2:103*223
19:012*020
Thesouro provincial de Pernambuco, 29 de agos
to de 4874.
0 escrivao,
Joio Carneiro M. da Silva Santos.
SSSViMENTQ 00 PORTfe
Navios entrados no dia 29.
Rio de Janeiro o Bahia 5 dias, vapor inglez
Douro, de 1,725 tonelada?, commandante J.
Thwails, equipagem HO, carga differentes ge-
neros : a \damson Howio & C.
New-York 42 dias, hiate americano Frank Howard
de 148 toneladas, capitao Anderson, equipagem
7, carga carga varios generos ; ao consul. Ar-
ribou para deixar a tripolacio da galera
americana Sierra Nevada, incendiada no dia 13
do corrente. Este hiate o seu destino 6 o Rio
Grande do Sul.
Navios sahidos no mesmo dia
Rio da PrataPolaca nacional MarinAo, capitao
J. P. Monteiro, carga assucar e outros generos.
New-York Patacho inglez Nancy, capitao S. M.
Bred, carga assucar.
Sonthamptom e portos iotermediosVapor inglez
Douro, commandante Thwaits, carga a mesma
que trouxe dos portos do sul.
Assti pelo Rio Grande do NorteHiate brasileiro
Flor do Jardim, capitao Joio Francisco da Sil-
va, cargi varios generos.
DITAES.
uAPATAZIA
Rendimento do dia i
'dam de dii 29. .
DA ALFANDEGA
a 28. 14:571*52*
.... 575*340
15:147*061
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juiz de dire.to especiM do commercio,
nesta eidade do Recife de, Pernambuco,
por S. M. imperial, etc.
Pico saber pelo preseute que Jose Lu
de Mello, successor e liquidatario da extincta
lirma Mello & Oliveira por seu advogado,
me dirigio a peticao Peticao.
lllm. Sr, Dr. juiz de direito do com-
mercio.Jose Luiz de Mello, successor- li-
quidatario da extincta firma Mello & Oli-
veira, sendo-lhe Manoel Xavier Ramos da
Silveira, devedor da quantia de...........
4349190, e Duarte Jose da Silveira, de.....
503#360, e Candido Francisco de Mello
ed 253)5710 e Jose" Manoel da Silva
Barros, de 290J410, debitos todos cons-
tantes de letras que estao prestes a pres-
erver, querendo o supplicante por ueio
do competente protesto interromper a pres-
cript, vem requerer a V. S. digne-se
de mandar tomar por tertno o seu protesto,
afim de ser intimado aos supplicados, por
que estes estejam ausentes em lugar incerto
e nao sabido, requer outro sim, a V. S
dig-ne-se admittil-o a justificar a ausencia,
aQm de ser aintimajao feita por carta de edi-
tos na forma e preencbidas as formalidades
da lei. Em tempo o supplicante declara
que as letras aceitas pelo primeiro sup-
plicado e de 734?)190, e a do segundo de
1:2238360, tendo ambos dado a quan-
tia por conta.
Pede a V. S. deferimento. E. R. M.
Estava uma estampilha de duzentos reis, le-
galmente iuutilisada com a data e assigna-
tura supra.
Recife 8 de agosto de 1874.Rego Bap-
tista.
Despaeho.
Justifique-se juntande-se as letras. Re-
cife, 8 de agosto de 1874.Barros de La-
cerda.
E nada mais se continha em dita petirao
e em virtude do meu despaeho, fora feita a
distribuic,ao ao escrivao Ernesto Silva, de-
pois do que via-se o termo de protesto do
theor seguinte:
Termo de protesto.
Aos 32 de agosto de 1674, nesta eidade
do Recife, em meu cartorio, perante mim
e as testemunhas infras assignadas, compare-
ceu Jose" Luiz de Mello, successor e liquidata-
rio da extincta firma Mello & Oliveira por seu
advogado Dr. Francisco do Rego Baptista e
por este foi dito que reduzia a termo o con-
teiido de sua petigio retro que offerecia co-
mo parte da presente, e de como assim
disse protestou, e depois da lido assignou
com as indicadas testemunhas.
Eu Francisco Xavier de Souza Ramos, es-
crivSo escrevi.Francisco do Rego Bap-
tista.Joaquim Canuto de Santa Anna.
Manoel Silvino de Barros FalcSo.
Nada mais se continha em dito protesto,
depois do que o escrivSo intirino fazendo
sellar e preparar os autos m'os fez conclu-
sos e nelles dei a senten$a do theor se-
guinte :
Sentenja.
Hei por justificada a ausencia dos supplica-
dos, polo que o protesto de folhas ser-Ihes-1
ha intimado por edttaes com 30 dias de
prazo, affixados publicados como de
costume.Gustas ex-causa.
Recife 25 de agostode 1874.Sebastiao
do Rego Barros de Lacerda.
E nada mats s continha em dita sen-
teoca. 0 escriv-ao fez passar o presente pelo,
theor cbamo, cito e hei por citados aos
referidos justificados o que for a bem de seu
do qualdireito ejustiga.
Por tanto toda e qualquer pessoa, paren-
tes, amigos ou conhecidos dos referidos
jastificados Ihes poderao fazer sciente de to-
do o expendido.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei facer o presente que sera* affi-
xado nos lugares do costume e pubheado
pelos jornaes.
Dado e passado nesta eidade do Recife de
Pernambuco,aos 28 de agosto de 1874.
Eu, Francisco Xavior do Souza Ramos, es-
crivao tnterino, subs :revi.
Sebastiao do Rego Barros de La-
cerda.
0 desenrbargjdor Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel, official da imperial ordem da Rosa e juiz
de direito privativo de orphaos da eidade do
Recife do Pernambuco, e sen termo, por S. M. o
Imperador, a quem Dens guarde, etc.
Faeo saber pelo presente qae o Dr. Vicente Pe-
reira do Reg) me enderecou a peticao do theor
seguinte :
lllm. e Exm. Sr. desembargador juiz dos or-
phios.Diz o Dr. Vicente Pereira do Rego, qae
em cumprimento do primeiro respeitavel despa-
eho de V. Exe. para se proceder a inventarlo dos
bens deixados por sua sogra D. Rosa Maria Mon-
teiro de Paiva, faz-se mister justificar perante V.
Exc, que uma das lilhas e herdeiras legitimas da
mesma fallecida, de nome Maria RaGna da Paz e
Paiva se acha ausente no sertao d=sta provincia,
em lugar incerto, para o que requer a V. Exc. que
admitta a jusiilicar o deduzido, e provado quanto
baste, seja julgado porsentenca, para prodnzir os
elTeitos legaes. E assim :
Pede a V. Exc. deferimento.Espera receber
mere i.
Estava sellada com uma estampilha de 200 reis,
inuniisada da forma seguinte :
Recife, 18 de agosto de 1874.- Dr. Vicente Pe-
reira do Rego.
Na quai peticao proferi o seguinle despaeho :
Sim, e desig'no o dia 20 do corrente as II horas
da manna, em casa de minha residencia. Recife,
18 de agosto de 1874Oliveira Maciel.
Em conseqaencia do que produzio o supplicante
suas testemunhas, e subindo os aatos a minha
conctusao, nelles proferi a sentence do theor se-
guinte :
Hei por justificada a aosencia da co herdeira
D. MarU Ru6na da Paz e Paiva. e mando que a
mesma seja citada por editos de 30 dia", e custas.
Recife, 25 de agosto de 1874.Francisco de Assis
Oliveira Maciel.
Era cumprimento do qual se passou o presente,
pelo theor do qual hei por citada a dita berdeira
ausente D. Maria Rulina da Paz e Paiva, por tudo
o conteudo na peticao neste transcripta, para que
dentro de 30 dias comparer neste juizo por si ou
por seu procurador, para todos os termos do in-
ventario a que esta procedendo por falleciraento
de sua mai D. Rosa Maria Monteiro de Paiva, sob
pena de revelia.
Pelo que toda e qualquer pessoa f oder-lhe-ha
fazer sciente de todo o exp sto.
0 presente sera publicado pela imprensa e affi-
xado no lugar do costume.
Dado e passado nesta eidade do Recife de Per-
nambuco, aos 27 de agosto de 1874.
Eu, Manoel do .Nascimento Pontes, escrivao, o
subscrevi.
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
(Estava sellado com uma estamp lha de 400 rs,,
devidamente inulilisada.)
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juizde direito especial do commercio nes-
ta eidade do Recife e seu termo da capi-
tal da provincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e constitucianal o Sr. D.
Pedro II, a quem Deus guardo, etc.
Faco saber aos que o presente edital virera ou
delle noticia tiverem que pelos admimstradores da
massa fallida de Pereira de Mello S; C, me foi
apresentada a seguinte classificacao dos creditos
de dita massa :
Credores chirographarios.
JoSo d* Cunha MagalhSes, 4:325*120; Joao Fe-
lix de Mello, 15:5iO*8iO ; Manoel Joaquim EU-
beiro, 1:300*000 ; Luiz Domingos de Souza M u
tinho, 10:000*000; Augusto Tappenbek & C,
48:387*450; Bento de Barros Feijo, 2:437*130 ;
Joao Pereira Moutinho, 10:500*000; Santos Fal-
cSo & C, 410*270 ; Eduardo Alexandre Burle,
2:950*400 ; L. H. Plessman, 152*060 ; D. Maria
Gertuer, 1:879*080 ; Joao Igoacio de Hedeiros
Rego, 21:882*420 : Benjamin Fuckens, 916*530 ;
D. Gatharina de Riccj. Miranda Curio, 8:854*570 ;
Joaquim Davil Kio3ck & C, 1:460*006 ; H. N.
Kulp & Son, i:5ti*i00 ; SihOhauser & Freiss,
4:988*510; Francisco Nunes da Silva, 3:177*110;
S. A. Meyer 4 C, 12:599*730 ; Banco Commer-
cial, 5:549*820 ; Ludgero Teixtira Lopes, ..
306*951; Joaquim Antonio de Carvalho......
7.688*420; Pereira da Silva & Guimaraes, ...
6:044*910.
Credores hypothecarios.
Barao de Bemfica, 40:000*000 ; Joao Igoacio
de Medeiros Rego, 30:0(0*.
Credor de dominio.
Manoel Vidal, 233*.
Credores shirographarios nao adraittidos.
Theod Dammeyer. (ausente) segundo os livros,
21*410 ; Joao Felix de Mello. 1 lertra sacada e
endossada pelos fallidos, oSo protestada 1:737*430;
Pinto, Barbosa 4 C, iO:O0O*; Eduardo Heidelberg,
tres contas, segundo os livros, 92:473*870.
E por este edifal sao citados 03 referidos credo-
res oara no prazo de 5 dias, contados da publica-
r-ao do mesmo, dizerem sobre di'.a classificaco.
E para que chegue ao conhecimento de
tod)s, mandei passar o presente, que sera
publicado pela imprensa e aflisado nos lu-
gares do costume.
Recife, 28 de agosto Je 1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivSo, o subscrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
Ao sello 300 rs.V. S. S. ex causa.
Barros de Lacerda.
Edital n. 40.
Pela inspectoria da alfandega se faz pnblieo que
as 11 horas da man ha do dia 2 de setembro vin
douro, se hao de arrematar, livres de direitos e
sujeitas ao iraposto da capatazia, as mercadorias
abaixo declaradas, que deixaram de ser despacha-
das dentro do prazo marcado por edital n. 180, a
porta desta reparticSo.
Armazem n. 4
Marca S N 4 C ns. 20 e 222 caixas vindas no
navio alleraSo Brilhante, descarregadas em 1 de
outubro de 1873 e consignadas a Silva Neves &
C, contendo 158 kilos, peso liquido, de cartas para
jogar, no valor de 520*800.
Idem idem n. 401 dita vinda no navio hollaa-
dez Elisabeth, descarregada em 17 de novembro
de 73 e consignada aos mesmos, contendo cadarco
de algodao, nao especificados, pesando nos envoi-
torios 109 kilos, no valor de 330*633.
Idem idem ns. 39 e 402 ditas idem idem, con-
tendo 150 kilos, peso nos envoltorios, de pentes de
chifre nio especificados, nj valor de 840*.
Idem idem n. 1561 dita idem idem, contendo
o seguinte : 40 duzias de ocnlos flxos, todos de
ferro e 19 ditos de pincenez de metal, no valor de
330*400.
Idem idem n. 1571 dita idem idem, contendo
o seguinte : 10 duzias de escovas de cabello com
costas de madeira, para fato e cabeca, 3 ditas de
ditas com cabo de osso, para dentes, 1|2 dita de
ditas para calcado, no valor de 65*800.
Idem idem n. 155 -1 dita idem idem, contendo
o segninte : 6 kilos de canetas com cabos de ma-
deira, 13 kilos de ditas com cabo de osso, 7 kilos
de lapis para escrever, no valor de 161*733.
Idem idem n. 1581 dita idem idem, contendo
12 espelhos com moldnras de madeira, dowrados,
no valor de 120*.
Idem. S N 4 C n. 179-1 dita idem idem, con-
tendo o seguinte : 18 kilos de pentes de bnfalo on
chifre, nao especificados, 1 kib de dito de marfim,
no valor de 128*800.
Idem idem n. 126 1 dita idem idem, com 67
kilos de pentes de chifre, nao. espe:ificados, no va-
lor de 375*200.
Idem idem n. 127 1 dita ^dem idem, com 86
kilos de canoes de papeBo vasiot oara i
valor de 160*533. ^ '
Idem Idea n. 47 i diu idem idem, coal
49 kilos, peso nos envoltorios, de alfinetes de co-
bre, no valor de 53*200.
Idem tiiangulo K do cento n. 321-1 u idea
idem, a J. Pammyer, contendo 9 kilo* de flures de
panno, no valor de 840*.
Mem C G 4 C n. 503-1 barrica viida do Havre
no navio francez Rio Grange, desearretada em 19
de outubro de 73 e cnnsigoada a Carvalho Guima-
raes & C, contendo 98 kilos, pee* liquido legal, de
grampos de ferro, no valor de 114*333.
Idem I C M ns. 72|I2I SOcaixas vmdas no
navio holtandez Elisabeth, desearrefidas em 17
de novembro de 73 e consignadas J. J. de Car-
valho Moraes, contendo 2,183 kilos, peso liquid
legal, de vidros para vidraca, no valor de 509|3M.
Idem CGtGi. 3,691-1 Ata vmda do Havre
no navio francez Santo Andre, descarregada em i
de outubro de 73, a Carvalho Guimaries A C.
contendo o seguinle : 43 kilos de flu de soda
lisas, 120 dito* de oleados de algodao, neapfe*, 1
duzia de chapeos de sp rteria, enfeiudos. para
crianca, 30 lequesde seda com vareUa de madeira,
nio classifieados, 5,400 grammas de eacoieus de
raadrepemla, e 6 kilos de fitas de seda lisas, CO
valor de 4:275*.
All ndega de Pernambuco, 28 de agosto de
1874.
0 inspector,
_________________Fabit A.dtC. heu.
Edital n. 41.
Pela inpectoria da alfandega se tea pnbhco que
as 11 horas da manlia do dia I* de *etecnbro vio-
douro, a porto desta reparticio, se bio de arre-
matar, livres de direitcs e tajeitas ao imposto da
capatazia, as mercadorias abaixo declarada*. an-
nunciadas a leiUo por edital n. 34, e qae deixa-
ram de ser arremaUdas por farta de coacarreaca
ao valor official.
Armazem n. 2
Marca Ue contra marca M n. 211 1 caixa
vinda de Liverpool novaoor inglez Gattendi, des-
carregada em 7 de Janeiro de 187.? e eouigaada a
Lemos 4 Guerineau, contendo 105 kilns de per-
fumarias em vidros ordiuarios, no valor de 2V4*.
Idem V G e contra marca A n. 6,079 30
ditas vindas do Havre no navio francs Colig*j.
descarregadas era 15, 17 e 18 d% Janeiro de 73 e
consignadas aos mesmo-, contendo cada nma 11
garrafas com champagne, mcdindo todas liqui>>
legal 270 litros, no valor de 943*.
Alfandega de Pernambuco, 29 de ago*1o
de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carealho Reis.
liECUftACOiS.
Companhia Santa Thereza
Sao convidados os senhores accionistos, afim ii-
reunirem-e em assemblea geral, no dia 10 de M-
tembro proximo, ao meio dia. no 1* andor a ma
do Vigario n. 13, para eontinuacao dos trabalc.s
adiados na nilima sessao, inclusive a leilar* fl
apreciacin do parecer da commissio fiscal, re'%-
tivo as contas do anno proximo findo.
Recife, 29 de agosto de 1874.- 0 gerente,
Justino J. de S. Campos.
Associagao Commercial Bo
neficente
De ordem di directoria sio convidados os m-
nhores socios a se reunirem em assemblea ger. ,
no edificio da mesma associa;io, no dia I de se-
tembro proximo, a I hora da tarde, afin detra-
tar-se de uego:i. urgeute. Recife, 29 de ag
de 1871. 0 ;ecretario.
Uaaoel Gomes de Mall
i
VVISO.
Quinta-feira, 3 de setembro, as II horas. dej s
de lioda a respectiva audiencia do Dr Joaq
Correia de Oliveira Andrade, juiz subtilnt3da pr -
vedoria de capellas, tem de ser arrenutada | r
venda a quem mais der, a casa terrea n. 25, si'.a
rua de Loinas Naleniinas, avaliada por 1:600*.
Outra na rua do Visconds de Albuqujrqae, fre-
guezia da Boa-Vista n. 27, avaliada por 2:000*
pertencentes ao palrim mio de Sant'Anna do tern.,
do Cabo, e vao a praca por depiecadu do juiz prs-
vedor de capellas Jo dito termo. Escrivao, Nut:-
Ferreira.
Relacilo ils carias que dei\c-
ratn do Meg;ttir para Partu*j;al
por falta fie Iruiiiitiia.
Albioa Rosa.
Autonia Joaqiina Alves de Brito.
Antonia Maria da Cunha.
Autonia Maria de Jesus.
A. i. Gomes Netto.
Antonio Carvalho de Aini'ih Gomes.
Antonio Francisco Ferreira.
Antonio Francisco de Oliveira.
Antonio Jo?e da Crnz.
Antonio Monteiro dos Santos.
Antonio Ribeiro.
B-rnardo de Faria Siares
Carlos August? da Cunha Xery.
Domingos Jose da Costa Araujo.
D.imingos Jose Lopes de Castro Torres.
Ernesto Madeira Pinto.
Francisco Fernandes Cruz.
Francisco Martins Rodrigues da Concei'.'io.
Francisco de Paula Cruz Siqaeira.
Francisco da Silva Luna Junior.
Francisco Sailes Mendonca Silva Carvaluo
Guilherme A. Rodrigues Sette.
Justina Rosa de Souza Peixoto.
Justino Augasto de Teixeir*.
Joaquim Tneotonio Cornelio da Silva.
Joaquim Ferreira Alberto.
Joaquim Jose Gomes da Silva.
Joaquim Monteiro da Crnz.
J'taqiiim da Silva Mais.
Jcaquira Teixeira Peixoto.
Joao Jjse P. de Vasconcefbs.
Jose de Figueiredo.
Jose Ferreira de Lima.
Jose Joaquim da Silva.
Jose Maria Passos.
Jose Pereira Curado.
Jo-e Rodriguez Tcrro. j.
Jose da Silva Malta
Jose Simao dos Santos.
Margarida d'Abren.
Maria Custodia Gomes.
Maria Ferreira.
Maria Jose Mendes.
Maria Ricarda.
Maria Rosa da Xatividade Gomes Leite
Maria da Si. va Ramalho.
Mr. De la Marcel le.
Manoel Coelho.
Manoel Ferreira de Moraes (2).
Manoel Fernandes Monteiro de Freitas
Manoel Jose dos Santos.
Raymundo Fernandes.
Ricardo de Freitas Ribeiro.
Serzedello & C
Thereza B. Martins.
Thereza Martins Torres.
Themoteo Capello.
Theodoro Lagos.
Trajano Luiz de Franca.
Yictorino d'Almeida Rebello.
Correio de Pernambuco, 30 de agosto un
1874. 0 3 official encarregido da ex-
pedicfio,
______________Agnello Pernambuco.
Armazens da companhia per
nambucana.
Se*|uros contra <
A companhia pemambocaia,
iellentes e vastos armaens em sen_predii> ao
te do Mattos, offerece-os ao commercio
para deposito de generos, garantiado a maior
servacio das mercadorias deposrladas,
prompto, precos modicos, etc
a mbera recolbera, mediante previo accordo, i
clnsivamente os generos de nma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e e
sio inteiramente novos e iipnikadoe, i
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas que qnizerem unlisar-m deaUs ar-
aazens, psd;;riu uirip'-ss so eaeriNeno da ooav
panhia pernambneaaa, que Mtorie com smm*
traur.__________________________________
Recife Drainage.
Acham-se promptos para fnncekMuros
Ihos qne foram collocados no*
for




MMMMMHMB
H
^H

- >

_*

Oiario (k Pemambuoo Domingo 30 -
laradoa* 0$ grs. proprietaries so deveifo delles
rzer uso depois qae recebenim urn iartao da
compannia qae os aatorise para isso.
d Fregnezia da Boa-Vista.
Boa da-Imperatrizns. 17, 23 ' Dita do Visconde de Govanaa ns. 98, 107 e I S3.
Dita do Riachut-llo n. 18.
Dita do Curoovl Laraenha n. 4.
Dita do General Seara n. 8.
Largo da SanU Cnii a. 14.
Rua da Santa 'rnz n. 36.
Dita do Visconde de Albuquerque h. 130.
Dita do CnaJe da Bna-Visis n. I1).
DiU do Uospiclons. 21 ell
Dita da Coceeicao ns. 3 e 37.
DiU do Resario n. 31
Travessa do Palacio do Bispo n. 4.
Rua de Gervasio Pires ns. 2 e 8.
Caes de Capibaribe ns. 43 e 47.
Rna dos Coelhos n. 13.
Recifa, 29 de agosto de 1874.
0 gerente,
_________^^ J. Dowstey Junior.
unicos no seu genero
Carupanologos Escocezes
Composts da familia Sawyer
O. Clara. l. flnplila. I>. (Jraca C O.
Elian, c os Kra. Kluardu <
, Anselmo
corn assuas 160 camp ihlias da mcUl eO)
copos ile crystal.
Arremataijao de urn bom
predio
Perante o Dr. Qaintino Jose de Miranda, juiz de
tlireito da l'ivara do civel, em aadiencia do dia 4
(to mez de selerabro proximo vin louro, tern de ir a
praca para ser arrematado por qaem mais der, o
sobrado de um andar e sotao sol) n. 14, silo a rua
do Coronel Saassuna, antiga de Hortas, tendo do
lirgura 4 metros e 30 centimetre*, 17 metros e 95
centimetros de fando ; com 3 portos no pavimen-
13 terreo, com t salas, 3 quartos, cozinha externa,
quintal murado, com portio para o pateo do Car-
mo, tendo tres porias de frente, sob varandas de
ferro, com 5 quar;os, 2 salas e u.n terraco no pri-
metro andar ; tendo no sotao uaia janelfa de pei-
tcril, com 2 salas e 3 quartos, cozinha externa,
edifieado m solo foreiro ; a vi'to do estado em
3us se acha, foi avaliado por 10 000*, eujo pre-
io vai a praca a requerimento de Domlngos Jose
Ferrerra, consenhor do mesmo predio, e eomo in-
ventoriante dos bens deixados por fallecimento de
sua irraa D. Jezuina Candida da Natlvidade Fer-
reira e outros consenbores do di.o sobrado ; aBm
de isso cencordaram em dita praca.
De ordem do Rim Sr. inspector da tbesoura-
via de fazenda desU provincia se faz poblico, para
conbecimento de quern interessar, que no dia 5 de
setembro proximo vindouro, pelas 2 horas da
tarde, perante a junta da mesma thesouraria, ira
a praca para ser arrematado por quern mais van-
Ugem oiTerecer, o arrendamenio do proprio na-
cional, em Santo Amaro das Salinas, que servio
outr'ora de quartet de cavallaria.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 20 de agosto de 1874.0 2* escriptura-
io, servindo de secreurio,
Carlos J. de Sotiza Correia.
Companfcia Fidelidade
mgaroi maritimo* e terrestres
A agenda desU compannia toma seguroi ma-
rim s e terrestres, a premios razoaveis, dando
nos ukimos o solo livre, e o setimo anno gratuito
ao segurado.
Boa do Visconde de Itaparica, ;mtiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Comes,
_____________ Agente. _____
PrfetgrHiaMsa
tJ PARTE.
1/ L!nla orvnriira (p*-l.i or.-h.-.:r).
2." Andreas lluler (marcha alleinaj.
3. Phantasia Chineza.
4." Les gardes de la reine (Walzer).
2* fARTE..
(Pelo Sr. Anselmo, no sea r.opophone)
!. Cavatina da opera Barfceiro de Sevilha (Una
voce poco fa).
2 Aria n. 15 da opera Somnamlula (fulto d
sciolto.).
3.* PARTE.
(Pelos campanologo:-)
1.* A grande quadrilha (Orpheu aux Enfers).
J Miserere da opera II Trovatore. (A pedido).
4.' PARTE.
cena coiuica.
Phantasmagoria Illusiva, intitulada, 0 Bar
beiro Viajante, pelos Srs. Eduardo, Anselmo e
N. N.
AVISO
A compannia tomando na devida consideracao
o pedido de diversas distinct as familias que mo-
ram nos arrabaldes da cidade, e que nao podem
assistir a funcclo da noite por falta de conduc
;ao depois das 10 horas da noite, dara uma nni-
ca representaeao na tarde de do.ningo 30 de
agosto, as 5 e meia horas.
Ultima semana.
Havera espectaculo terca feira, eujo program-
ma sahira no mesmo dia do espectaculo.
Para o Rio de Janeiro segtie com
muita brevidade o patacho nacioonl Hele-
na : let it pa rto da carg.t prompts; 0 pra 0
resto, a tr.it-r com Atriorim,Innans &
t
Iraealy
i
it
Para ( [\ rto acini.. s;.h c. .7i brnidaJe o pa
lhabv.le ii.;i:i. r.A M.iia Amelia, rcc. n-!ruidi de
li w,'4b qie t Ki} i.ao e prcCc. Frjcchic. Th;-
::;..z dc Asrii : para carga c passnj-.ircs, truta .ee
Cuia Aiilouiu Alberto de Soaza Aguilar, a rua do
Amorim n. CO.
s*. e exrsleutes no arraazerri.da rna do Bom Jesns
n 65, node re effr.ctuara o leilSn.
OiSr. pru-nlenles umkrio examinar na ves-
pera e dia do leilao a variedade e sortimento das
niesn>a< faxendan, ahtnmas das tuaes ultiirunente
oV.'pacliada> e receutemerite liradas da alfanJfga.
Para a Bahia
prelende segnir com muita brevidade o palhabote
loven Aithur, tern par'e de seu carregamento en
gajado : para o rolo que Ihe Mia, trata fe com
o seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira Ate
vedo, rua da Bom Jesus n. 57.
LEILOES.
HiAo
AVISOS MARITIMOS.
Gompanhia amerieaDa e brasiieira
de paqnetes a vapor.
Ate odia 31 de agos-
to e esperado do sul
o vapor Merrimack,
commandante Slocam,
o qual depois da demo-
ra do costume, segni-
ra para New-York com escala pelo Para e S. Tho-
maz
Para passagens trala-se com os agentes
Henry 1'orster & C
8 Rua do Commercio 8
Paciflc Steam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMERS.
COHPANHIA
DO
BEBERIBE
Por delibera^So da administracjio desta
companhia, tomada em sessSo de 21 de a-
gosto corrente, tera lugar a 31 deste
mez, no respectivo escriptorio, & rua do
Cabuga n. 16, pelas 12 boras do dia, a ar-
re nata^ao dos chafarizes da freguezia da
Boa-Vista, e isto por espago de 10 mezes,
do l.de setembro do corrente anno a 30
de junho do anno vindoro.
A base para as propostas sera" de.........
19,5029000, preco da ultima arremata-
580, descontando-se, porem, dessa somma 0
apurado nos mezes de julho e agosto que
decorre.
As pessoas que convierem concorrer a ar-
reiiataQao, podem comparecercom seus fia-
dores ou declara^ao dos raesmos por es-
cripto, ao escriptorio da companhia, no re-
l'erido dia e bora com proposta em cartas
leehadas, declarando que 0 pagamento
ser^feito em sedulas.
Escriptorio da companbia do Beberibe,
26 de agosto de 1874.
O secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenga.
0 Dr. procurador fiscal do thesouro provin-
cial de Pemambueo declara aos devedores da
companhia Recife Drainage que em virtude da
ordem do Him. Sr. inspector, fica prorogado por
mais 15 dias, a contar da publicacao deste, 0 pra-
zo de 30 dias que Ibes foi concedido na conformi-
<3ade da (ei n. 891 art. 53, para pagarem seus
debitos procedentes de annuidade, apparelbos e
ic: .namento das casas na freguezia de Santo An-
1oi:io, certos de que se nao 0 nzerem dentro deste
jnoTo prazo, proceder se-ha a cpbran^a judieial-
iTKTte, segundo arela^ao para isso publicada no
Diarlo de Pemambueo de 2 de julho ultimo.
Secgao do contencioso do thesouro provincial de
Pemambueo, 20 de agosto de 1874.
Cypriano FenelonG. Alcoforado.
(DE 4218 TONELADAS)
Commandante A. (*. Gordon
Espera-se dospor-
tos do sul ate 0 dia 30
de agosto, e depois da
demora do costume
seguira para Lisboa,
Bordeos, e Liverpool,
para onde recebera passageiros, encommendas,
carga e dinheiro a frete.
N. B.Nao sahira antes das tres horas da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe & C
14PRACA LO COMMERCIO1 i
Risco maritimo.
Carl Peters, capitao do patacho allemSo Hen-
rietle Bwrchard, vindo de Liverpool com carga de
trithos de ferro e outras mercadorias, com destino
ao Rosario de Santa F.1, entrado neste porto com
agua aberla, precisa para occorrer as despezas do
concerto do mesmo navio, a risco maritimo, da
quantia de 14:000/, pouco mais ou menos, score
0 casco, frete e carregamento do mesmo navio.
Offertas em cartas fechadas serao recebidas no
consulado do imperio germanico, onde a carta do
fretamento pode ser -examinada pelos interessados
ate q dia 1* do mez de setembro proximo vindou-
ro, ao meio dia.
DE
duas casas de taipasitas em & rua dos F6cos,
no povoado dos Montes, termo de Agua
Preta
Segunda-feira31 do corrente
\'m It horas.
Em 0 1 andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 37.
. 0 agente Dias, competentemente antorisado le-
&ara a leilao, por mandado do Illm. Sr. Dr. juii
especial do commercio, no dia e bora acima de-
signados, as referidas casas.
Para qualquer esclarecimento a rua do Marquez
de Olinda n. 37, escriptorio do agente.
Agente Pestana
leilao j
DE
4 fardos com cominbos e 7 rolos com sal-
saparrilba, desembarcados ultimamente
SEGUNDA-FEIRA 31 DO CORRENTE
A's t fl horas em ponto
No armazem do Sr^ Annes, defronte da al-
fandega.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de 4 lardos com
comtnhos e 7 rolos com salsaparrilha. desembar-
cados ultimamente, em um ou mais lotes, a von-
tade dos Srs. cempradores.
LEILAO
HOSPITAL MILITAR DE PER-
NAMBUCO.
Contrata-se o fornecimento de genero3 alimen-
ticios para dietas e ragoes d03doentes deste hos-
pital, para 0 tempo coraplemeatar do presente tri-
mestre, .1 liudar era ;J0 de setembro, a saber :
Aletria kllogrammo.
Araruta idem.
Aim pilado idem.
Assucar retinado idem.
Batatas idt'm.
Bolachas iJem.
Bolaebinbas c Biscoutos idem.
Cha hysson idem.
Cafe moido idem.
Dito em caroco idem.
Came verde idem.
Lita secca idem.
Dita de porco idem.
Firinha de Muribeca litro.
Fsiiao preto idem.
Gallinha uma.
G oiabada, kilogrammo.
Leite, litro.
Laranja, uma.
Macarrao, kilogrammo.
Manteiga ingleza idem.
Marmellada idem.
Ovo um.
Paes de 114,762 grammos, kiktgrammos.
Sal grosso, litro.
Tapioea, kilogrammo.
Toucinbo de Lisboa idem.
Vinagre de Lisboa, litro.
Vinbo do Porto engarrafado idem.
lodos estes generos devem ser la melhor qua-
iidade que houver no mercado.
Quem quizer fazer dito fornecimento, apresente
suaii propostas em cartas fechadas, na secretaria
desta hospital, 1.0 dia 1 de setembro proximo vin-
dou::o, pelas 10 horas da manna.
Hospital rail tar de Pemambueo, 27 de
agojto de 1874.
0 escrivao iuterino,
J. Pinto de Almeida Junior.
Libras estcrlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42.
Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMER
Goreovado
(De 3,805 toneladas).
Commandante G. IV. Conlan.
Espera-se da Europa ate 0
dia 13 de setembro e seguiva
para Bahia, Rio de Janeiro,
Montevideo, Buenos Ay res,
&andy Point, Valparaiso, Ari-
ca, Islay e Callao, para onde
recebera passageiros, encommendas e dinbeiro a
frete.
N. B. Nao sahira antes das tres horas da
tarde do dia da sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe &C.
14PRACA DO COMMERCIO14______
COMPANHIA PERNAMBCCANA
DE
WavegacSo costelra a vapor.
Fernando de Noronha.
0vapor Jaguaiibe, com-
mandante Julio, segui-
ra para 0 porto acima
no dia 3 de setembro futu-
rjao meio dia.
Recebe carga ate 0 dia
2 de setembro, encommen-
das, passageiros e dinheiro a frete at6 as 11 ho-
ras do dia da sahida : escriptorio no Forte do Mat-
tos n. 12.
DE
moveias, louoa, crystaes, 2 violdes, 1 vio*
leta Yl rabeca
A saber:
Um piano forte, 1 mobilia de jacaranda, 1 dita
de anarello, com 1 sofa, 1 mesa, 2 consolos, 2 ca-
deirasde bracos, 12 de guamicao, a transparen-
tes, 5 quadros a oleo, estampas, principaes vistas
de Roma, jarros e vasos para flores, 1 relogio de
mesa, casticaes e mangas, e candieiros.
Uma cama franceza, 1 commoda grande, 2 la-
vaterios, 1 cabide, 1 espelho, 1 sofa 2 mesinhas,
e 2 descancps de pes.
Uma mesa de jantar, 1 aparador, 1 quartinbeira,
1 guarda comida, 1 sofa, 12 cadeiras de guami-
cao, 1 armario, louga para cha e jantar, vidros a
crystaes.
Dous vialoes, 1 rabeca, 1 violeta, 2 pistolas, 2
banquinhas, 1 mesa de amarello com 2 gavetas, 1
banheiro, 1 tr.boa e cavallete para engommar, 1
cscada, 1 maquina para lavar roupa, 1 balanca,
serra, serrate, 1 forno, 2 mochos, 39 saqninboe
com carvao chimico, 1 gallinheiro, Imesadepi-
nbo, 1 taxo de cobre, 1 lote de flandres, trem do
cozinha e outros aecessorios de casa de familia.
Terca-feira I de tetenibro
Na casa da rua da 1'rinceza Izabel n. 54,
em frente & ponte de Santa Izabel, onde
havera* a bandeira leilao.
0 agente Pinto, autorisado por uma familia que
mudou de residencia, levara a leilao os moveis e
mais objectos acima descriptos, existentts na casa
da rua da Princeza Izabel n. 54, esquina da rna
da Saudade, onde havera uma bandeira no bitao
da mesma casa,
0 leilao principiara as 10 1(2 bores.
Agente Pestana
LEHiO
, DA
muito atamada barcaga llosa Cruz, de pri-
meira viagem, pegando 800saccO!,ou
cinco mil arrobas
Terca-.fi ira I de setembro
* tl horas em ponto
Na porta da Associacao Commercial.
0 prepotto do agente Pesuua fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, da barcaca Rosa
Cruz, completamente dot* e suas pertencas,
prompta a navegar para qualquer porto, a qual
se acha fuodeada no caes do Ramos para os Srs.
pretendentes a poder examioar.
0 mesmo preposto avisa os Srs. pretendentes
que nao so vende a dinheiro eomo tambem a pra-
zo, a para mais informacdes na agenda de leiloes
a rna do Vigario Thenorio n. 11.
LEILAO
DOS
utensilios da padaria Ramonda, constando
de maceira de amarello, tendedeira, ca-
bide, um excellence balcSo de amarello,
carteira, tres pares de aparadores, de
amarello, um lustre de gaz de 4 bicos,
encanamento, arandelas e um registro.
ao correr do marteUo
Terca-feira 1 de setembro
pelo agente Martins.
Na casa n. 20 da rua do Visconde de Albuquer
que, antiga rua da Matrix da Boa-Vista.
________A's 11 boras do dia acima.
Agente Pestana
leilao
DE
uma caixa com 12 duzias de couro de lus-
tre, uma dita com trancelins de retroz e
26 libras de retroz preto, tudo em per-
feito estado e para fecbar contas
ao correr do marteEo
Terca-feira 1 de setembro
As' 11 horas em ponto.
No armazem de agencia de leildes da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana, fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de 1 caixa com
12 duzias de couro de lustre, 1 dita com trance-
lins de retroz, 0 26 libras de retroz preto, tudo em
perfeito estado, ao correr do martello, para fe-
char contas, em um on mais lotes, a vontade dos
Srs. compradores.
?
DAS
mercadorias, armacao, candieiro a gaz e
mais utensilios existentes no estabeleci-
mento da rua do Rosario da Roa-Vista
n. 06, pertencentes & massa fallida de
Azevedo & Coelbo
QUARTA-FEIRA 2DE SETEMBRO
as 11 horas da manha
0 agente Dias, em observancia ao respeitavel
despacho do illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, levara a leilao_ no dia e hor indicados,
as mercadorias, armacao e mais atensilios eomo
acima se menciona, os quaes fazem parte da mas-
sa fallida de Azevedo & Coelho.
O balance pode desde ja ser examinado pelos
Srs. pretendentes na rua do Marques de Olinda n.
37, andar, escriptorio do referido agente.
LEILAO
Portos do sul
THEATRO
Santo Antonio
Diiasgrandes representacoes
HOJE
A'* & t| horas da tarde
E
AS 8 1|2 HORAS DA NOITE
Dna* craajfts e varladaa reprcsea.
taBcs dos cno eelekrese
C A. l/aac,
E' esperado dos portos]
do none ate odia 2 del
setembro e seguira para
os do sul depois da de-
mora do costume.
Para carga, encommendas, valores'e passagens,
trata-se no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.\avegacao costeira a vapor.
fARAHYBA.NATAX, MACAO, MOSSORO', ARACA-
TY, CEARA, MASDAHU, ACARACU'E
GRANJA.
0 vapor Ipojuca, comman-
dante Moura, seguira para
os portos acima bo dia 3 de
setembro proximo futuro, as 5
horas da tarde. Recebe carga
ate 0 dia 4, encommendas, pas-
sageiros e dinheiro a frete at6 as 2 horas da tarde
do dia da sahida : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.
Para.
Pretende seguir para 0 indicado porto com mui-
ta brevidade a escuna portugueza Christina, por
ter parte da carga ; e para a que Ihe falta trata-
se com os consignatarios Joaquim Jose Goncaives
Beltrao & Filho, a rna do Commercio n. 8.
PARA IMAMW
A escuna Georgiana tendo engajado parte de
seu carregamento para 0 Para, recebe tambem
para 0 Maranhao, caso convenba fazer a escala
a vista do frete que apparecer: a tratar na rna do
Amorim n. 37.
DE
Um cofre de ferro, prova de fogo, 1 banco de
madeira, 1 carteira, 2m5chos, 1 banjo, 1 mesa de
amarelh, dita menor, 6 cadeiras de amarello, 1
prensa para copiar, 1 banco para saccos vasios,
2 transparentes para janellas, 1 balancinha para
cartas, 1 relogio, 2 garrafas de linta, 1 bacia,
2 sinetes para carimbar *artas, 1 livro razao, em
branco, 1 dito diario, em branco, 4 ditos de let-
tras de saques, em branco, 2 meias resmas de pa-
pel, 6 meias ditas para copiar, 2 ditas de contas
de venda, 1 maco de papel azul para embrulho,
3 regoas, 1 codigo commercial de Orlando, 24 fa-
lhetos (revolta de Maranhao)
Terga-feira 1 de setembro
as 11 tu-ras da 111 an ha
Xo nrmasem da rna do Bern Jesus
(aniiga Cruz) n. S. aadar.
Por mandado di Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio desta eidade, 0 agente Pinho
Borges fara leilao dos objectos acima menciona-
dos, pertencentes a massa fallida de Joaquim Jose
Ramos, os quaes se acham sob a guarda do depo-
sitary da mesma massa.
LEILAO
DE
uma porcao de caixas e saccos com assucar
branco, avariados d'agua salgada
Terea-feira 1 de setenahro
A's 11 horas da manha
Em o armazem do Exm. bario do Livra-
mento, juato a* guarda-moria da alfan-
dega
0 agente Dias, competentemente autorisado pelo
Sr. Adolpho Reese, capitao do navio argentino
Carlos, ultimamente arribado a este porto, em
virtude de forca maior, em viagem dd Aracajii pa-
ra 0 Canal, por ordem, levara a leilao, no dia e
bora acima indicados, para occorrer as despezas
havidas, e com a respectiva licenca do Illm. Sr.
inspector da alfandega, em presenca do Illm. Sr.
vice-consul argentino, ou de sea delegado, uma
porcao de caixas e saccos com assucar branco,
resto da carga do mesmo navio, e que se aeham
avariados e depositados no armazem n. 4, junto a
guarda-moria da alfaadega. ________
Agente Pestana
leilao
DA
armacao, generos e mais utensilios da ta-
verna denominada Novo Mundo, em
frente A rua do Vigario Thenorio n. 2
Quarta- feira 2 de set-mbro
AS 11 HORAS EM PONTO.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, da armacao,
generos e mais utensilios,.da taverna denominaia
Novo Mundo, em frente a rua do Vigario n. 2, a
qual -se aeha sortida, sendo 0 balcao todo de pedra
marmore e a armaclo envidra^ada, livre e desem -
baracada de quaiquer onus, em um ou mais lo-
tes, a vontade dos Srs. compradores.
avisos QVERSOS
ADVOGADO
B.\GBAREL JOAQUIM lil'EWES DA
SUVA HELLO.
23 Bun etreita do Rosario 23 y
prlnaelro andar. ^
lo corfo do coinmercio de Per-
nambuco.
0 abaixo assignado, morador na cidade de So-
bra!, provincia do Ceara, declara que nao tern
soeiedade commercial com pessoa alguma, por
tanto desde ja protesta contra 0 procedimento do
Sr. Antonio Bernardino de Oliveira Gondim, as-
signando lettras nesta prapa, e na do Ceara no
mez de junho proximo passado, com a firma de
Antonio Ferreira da Rocha & C, pois 0 unico ne-
Socio que tern corn aqoelia senbor 6 ter-lbe ven
ido as fazeodas existentes no seu estabelecimen
to, na importancia de 17:742^718.
Pemambueo, 26 de agosto de 1874.
Antonio Ferreira da Roeba.
MOFINA
Estd encouraqado I!!
*" mole em pedra dura
Tanio da ntt '(ue.a frra.
R.g:. seao Illm. Sr. ffnach Vieira < ^...
scrivfo n? cidade de Nazareth *F*a ^flasjb,
"vor it rir 4 -..: >; roe de (>' n. 36, a con
luif ami-.ie negncic -- ..m compru.. ;.-.. _
.'t-alisai, pela teictira chamada desuj jornal, ea.
flns de dezembro de 1871, e de[K>is pan Janeiro,
aassou a fevereiro e abril de 1872, e nada ennnrio;
t por este moUvo 6 de novo chamado para diuj
1m, pois S. S. se deve lembrar qae este regocio
le mais de ito annos, e quando u Sr. seu Siho se
tchava nesta cidade.

Preservativo da Erysipela
Descoberto pelo Bacharel
Hanoi1! dc Siqueira Cavalcanli
Tendo 0 Governo Imperial perrr.ittido ao des-
cobridor vender aquelle mediramento, 0 publico
ja 0 tern a sua disposicao.
DepoHitos uaicos.
Recife : rua do Barao da Victoria (rua Nova)
n. 40, casa do Sr. Rocha Siqueira.
Rio de Janeiro : Corte, rna do Ouvidor
n. 78.
0. Preservativo da erisypela ja e bem conheci-
do : entretanto transcreve-se para este annnncio,
do Joi-nal do Commercio do Rto, os attestados in-
fra.
Queiram os Srs. dcentes os ler, e ver por
quem es(2o elles assignados.
Declaro, por ser verdade, que padecendo de ery-
sipela, foi-me dado pelo Sr. Manoel de Siqueira
Cavalcanli nm medicamento, do qual fazendo uso
por algnns dias nunca mais ate hoje, me tornou a
accommetter essa enfermidade. Por me ser pe-
dido passei 0 presente, por mini feito e assignado-
Rio de Janeiro, 16 de juaho de 1874. Duque de
Caxias.
Attesto, que tendo empregado 0 medicamento
dymnamisado, que no? foi fornecido pelo Sr. Dr.
Manoel de Siqueira Cavalcanti para 0 tratamento
da erysipela, colhi sempre resuttados supenores
aos de todos os medicamentos conhecidos. Em tes-
temunho da verdade, e por me ser pedido, tirmo
0 presente. Rio de Janeiro, 13 de junho de 1874.
Dr. Saturnino Soares de lieirelles.
Concordo perfeitaraente com 0 parecer supra.
Dr.Joaquim Jose da Silca Pinto.
0 abaixo assignado, doutor em medicina pela
faculdade do Rio de Janeiro, cirurgiao-mor de
brigada nonorario do corpo de saude, cavalheiro
da imperial ordem de Christo, etc.
Attesta sob juramedto de seu grao, que tendo
usado de um medicamento que Ihe foi fornecido
pelo Sr. Dr. Manoel de
nominado Preservativo
sempre 0 melhor resultado possivel, de sorte nue
os doentes ate boje nao foram acorametlidos das
24-ta Eisquina 1I0 breca I.art
Participa a seus Irrgaezes e amigos que mudoa
0 seu rstabelecimento de n-l-joero para a mesma
rua n. 24, onde encotitrarao ura grande sorasi
de relogks de parede, iissfcaa ?. uma de me-
sa, dos melhores posies e qnalid&dcs, relogios do
algibeira, de todas as qualida es, pateote uissn.
de ouro e prata dourada, foleado (plaquel), rei?-
gios de onro, irglez, desriilnrto, dos ijkH
Fabricantcs, cadeia de ouro, plaque*, e prata. lun.-: *
de tods as qnalidades, tudo per preros muii
ratos.
Aluga-fe altos e baixos do sobrado da r^a
Imperial n. I, canto da travels* do Lima, HBi
armacao e mais lertencas para taverna, |* r ter
lu.'ar n.uito proprio para ul negorio : qnera j
pretender entenda-se com o proprietario, na rui
do Hospicio, stiiirado n. 35.
LIVROS A VEND!
No primeiro mdar desta tvpograpbia em
mSn do administrator, venle-se os seguin-
te livrinhos :
O aauiuto sUsiperta dialogo ir.s-
tructivo, critico, anaiuico. Itistorico e mo-
ral, etitre um matut-i e um lii>>ral por 5"0
rs. cada exemplar.
Educacdo Fuusiliarroman..-,
uma serie de leitars), 2 volumes |xir l?0'iO.
I'5nrt<
.ns, maouel rtirlomatiqoe 1
Siqueira Cavalcanli, de-| volume por 1SC0O.
,lroa. Obras de Mably- completes U
volumes por 88000.
erysipelas, que soffrum frequentemente.- Rio de| Bigtion -obra cnTpleta 4 vo!
Janeiro, i9 de junho de 187i. Dr. Jose Lino Pe-'. p0r 29000.
rtrveemi871deZ erysipelas em uma Perna,ui| Frltot-Espirit do lrrit-l volur,
a Europa, e con3iderei-me curado, vollei pouco por 15000.
depois, tive novo ataque ; tomei 0 remedio Preser-j VatclDrotl del liensS v NMBH
vativo da erysipela do Sr. Dr. Manoel de Siqueira 9.^000
Cavalcanti, e cessou a molesfia, ha mais de uni. _. 1>--------- tVnn-rri-, l'< li'i-_!
anno. Creio ser isto effeito daquelle remedio. Rio ?* B
de Janeiro, 13 de juuho de lS'*.~Bariiode Cubo-; lume I'.jOO.
Frio.
Gratis aos pobrcs.
Acaba de chegar para a casa de Gustavo, cabel-
leireiro, a rua do Marquez de Olinda n. 51, 1 an- ]
dar, um lindo sortimento de coquet de calello
bomano, de diversos feitios, de preco de 12* a
15*000.
Crescentes de cabellos compridos por 15*.
Crespos idem idem (0 par) SI.
Topetes frizados a 3$
Trancas compndas de 10,12 e lo.
Grampos frizados fduzia) if.
Diademas a Sf.
H'teSdiii^The bistorv Tom Jones.
volumes 3:>000.
Bavone los conflits2 volume;
Histoire EccliKia*l!|BeG
lumes 6--5000.
Rousscaca Melanfes -(' v.-luxes |
Rousseau I'ieces diverses-i -
mos 25000.
' a c :
Arugam-se duas casas terreas penuenas, ul-
timamente acabadas, tendo cada uma dellas 2sa-
las, 3 quartos, cozinha f6ra e mais um quarto,
popo de serventiaexclusiva, e bom quintal mura-
do, na travessa da rua do Principe, na freguezia
da Boa-Vista : a entender:se com 0 seu proprie-
tario, o Dr. Aguiar.
Prcisa-e nheira : na rua do Crespo n. 1
COE
DO
fl
I
I
Dr.

8
I
Os senhores que se acham devendo na cocheira
de Santo Amaro n. 1, queiram quanto antes virem
saldar seus debitos, sob pena de serem chamados
poresta folha.
Aluga-seo 3 andar do sobrado n. 30 da roa
da Imperatriz, com excellertes commodos, tanto
neste, eomo no sotao, onde ha de mais uma ex-
ceHente cozinha, tudo em perfeito es:ado de asseio:
a tratar na rua da Senzala-Velha, padaria n. 90.
Sr Luiz Aprigio de Oliveira Salermo, quei-
ra apparecer a rua do Rangel n 67, a negocio de
paricular interese.
a
RFADO VIGARIO N. I, I.' AM)
Reccm-chegado d3 Sursaa, o^u
quentou os L podera ser proearado a inalquer h
uiaoudn Mile para il it niapfa-
fissao.
Consnl'as das 6 as S h .
do meio dia as tSM horas I
GRATIS AOS P0BBE5.
Especiali&aAet: V.
da ;ielle e ue criaL^-.
5
3
Alfenrao
Um conto de reis, com hypotheca : na rua es-
treita do Rosario n. 45 se di>-a quem precisa.
Aluga-se
uma casa terrea no principio da Estrada Nova,
com duas salas, dous quartos, eoainba fora e um
quarto ; muito proximo dos bonds: a tratar no
mesmo lugar, primeiro sitio a direita, depois da pri-
meira bomba.
G ^ I -:: ^
Precisa-se de dim crinda que MtbJ
engommar. para uma so pessoa, e qa
sua conduct! : tratar 11 rua da Ait r 1
das 6 as 8 horas d* oaaabi e das 5 .is 7 da t
ou na rua do Honi Jesus n. .">7. o-cript-Tio. '
as i horas da tarde. ____
cortes de vestidos de
ZS5
guarnecidos de bico de MM,
trazendo livella, boisa, 1
cinto, ef., etc.: na loja do Pas-
so, rua Primeiro de Marco n. 7
Cordeiro Mm C.
Aluga-se 0 sobrado da rua do Commiro.
18, com arma;em : a tratar na rua da Cadeia 1.. -
mrro 36.
de
joias
Leilao
Nos abaixo assignados temos justo e eontra-
tado, 0 primeiro vender e 0 segundo comprar a
taverna sita a rua da Santa Cruz n. 74 ; portanto,
quem se julgar credor da mesma, queira apresen-
tar suas contas no prazo de tres dias para serem
pagas, nao ee obrigando 0 comprador por qual-
quer onus a qae a referida taverna eeteja sujeita
ate esta data.
Pemambueo, 27 de agosto de 1874.
Felisberto de Medeiros Barbosa.
Jose Marpues Salqanha.
N. 11Esquina da rua do Cabuga- -\. II
lhMll0 Este estabeleciraento continua a receber grande sortimento de joias modern*?, de onro. br-
Ibante, e mais pedras preciosas, e boas obras de prata de lei.
Condecoracoes.
n. tAH,.00^ tJHn.bante.reL*ebeu ricais,comnieD para todas as ordens ; assim come delieados lacinbos e botoes. para cavaiheiro* 0MMsiZ T-
mendadores da Bone de Srfsto. fitas finas de seda para a camuanba do "
dens, e para liquidacao de muitas joias que tem na 1 ,ia, 0 dono resolveu a
que em outra quaiquer parte, garantindo a boa qualidade do ouro e da
conta com recibo. 0 estabeleciraento eontinua aberto a noite ate as 7
11, loja de joias de Antonio Serafun da Silva.
Paraguay, todas as er-
ven ler mais barato J.
prata, por meia de nrr..
boras, na rua do Cabuga
era
DE
FAZENDAS
inglezas, francezas, suissas eallemas,
. continuagao epor liquidacSo
CONSTANDO DE :
Chitas escuras, algodoes, cobertores, mussuli-
nas, camisas de linho, ceroulas, pannos e case-
miras, pretas e de cores, bombazioas, merinos,
Srosdenaples, espartilhos, cassas de cores, organ-
ys, cambraias brancas, brins brancos e de cores,
brins pardos, Angola, peitcs para camisas, sarge-
lins, chapeos, peitos de camisa, collarinhos, cha-
les, lencos, tapetes, meias, capas de seda, veos pa-
ra casamento, cbitas de ganga, damasco de IS e
algodao, riscados para colchoes, fazendas de linho
proprias para seleiro, e muitas outras fazendas
Terca-feira .15 de setembro
.No armazem. da rna do Bom Jesns p. 63.
0 admmisiradores da massa fallida de Pereira
de Mr Ho & C, autorisados pelo Illm. Sr. Dr. juiz
de direito especial do commercio, continuarao a
dispor em leilao, por intervencao do mesmo agen-
te Pinto, as fazendas pertencentes a mesma mas-
0 Dr. Luciano Xavier de Moraes Sarmento
previae que nada deve; todavia quem se julgar
com direito, queira apresentar-se a rua da Auro-
ra n. 61, 1* andar, e comprovar sen credito, qne
sera immediatamente satisfeito.
Joao Correia de Carvalho, artista alfaiate, ten-
do-se desligado da soeiedade da casa commercial
existente i rna do Bario da Victoria n. 26, sob a
razao de Araujo, Carvalho & C, acba-se novamen-
te estabelecido na sua arte, a rua do Marques de
Olinda n. 46, 1* andar, aonde os seus numerosos
freguezes 0 encontrarao prompto psra executor
qnalqner obra tendente a sua arto, com esmero e
promptidao.
0 Sr. Paulino de Oliveira Maia tem uma en-
commenda vin la de Portugal por um passageird
do Neva : na roa do Marquez de Olinda n. if.
Mulher
Precisa-se de uma mulher para vender na rua,
line ou eierava : na roa de Pedro Affonso, ou-
tr'ora rua da Praia, n. 87 ou M.
DESCONFIAR DOS LADROES!
Os Ladrdes mais perfidts que existem saos os falsificadorcs que
usurpam a assignatura e rotulo d'honrados negociantes.
Fomecendo a maior parte das vezes um producto detestavel 0
nocivo d saude sob um envoltorio semelhante ao do inventor, Imscm
sobre este artigo um descredito nao merecido.
0sP6s purgatives de Roge, medicamento MM* pela
Academa de medicina de Paris, 6 um das productos francezes mais
frequentemente falsificado, por causa de sua comideravel venda.
Para evitar aos compradores toda
a confusao possivel, uma modificacao
acaba de ser feita nos envoltorios dos
frascos.
Considere-se, de hoje em diante, eomo
unicamente mDiunot os frascos tendo
em cada extremidade um carimbo im-
presso em QUATRO CORES, e do qual
damos aqui 0 facsimile em preto.


I



T*
QMtt 6P&th9tftoxj^ fc Paining* U) 4fc JigpijU (S*> UKAO
micvT r^v^ ^ **V Sp*?B
?T-rj Tf
Hi
1PENHOBBS
Na iravessa da raa
dasCruzes n. 2,'pri-
meiro andar, da-sfl
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Palacete
Ainda esta per alugar-se n palacete da Ilha dos
Ratos, do Qnado Custodio Jose Ahes Guimaraes,
ond3 oiorou ultimamenteoSr. Dr. Igoacio de Bar-
ro3 : a tratar na rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Cesse tado quanlo o autigo annuncib diz.
Ji qae am certo podtr assim o quiz.
Alkiicao
Antes de fazer patente as sorprendentes es-
pecialidades, conduzidas pelo ultimo vapor, com
destino directo ao mnito apreciado e frequentado
Armazem do Campos, a rna do Imperador n.
28, cumpro urn dever de gratidao agradecendo de
coracao, desde ja, a complacencia dos leitorei
quo lerem esle annuncio de principio a cabo
e utilisarem-se de saa iodicacao.
Isto posto:
Fspero ancio.-o ver eotrar no armazem. '
Quem quizer da barriga passar bem :
Alimentacao pura.
Massas finissimas para sopa, como ainda nao
veio a esta praca, atlento o apurado gosto e supe-
rioridade das substanoias primas, como se pode
cocfiar na franca e espmtanea recommendaciio
dos medicos raais afanirdos da Franca e Alle-
maulia. Hraa experiencia coovencera melhor e
por issu nao besiteis.
Escolha franca.
Creme de rir, cremc do tapioca, fkulc de pom
me terra, Hour de farinc de mais, semoule do
frorneot, iapi ica do Dresil, fleur de rir, semoule
de rir e ODtraj muitas qnalidades francezas, por-
taguezas e italianas. Aiem do qu< ha muitas ou-
tras novidade.- que Ream a disposicao dos aman-
tes do saborosq : tragam dinheiro e garanto-lhes
quc satisfarei ao mais exquisite paladar. Ver para
crer, comprar rara saber.
Em conclusao:
Direi como diria, quem dira,
Vindo todos um mam comprar:
Sao furadas I
Sim, sio velas stearina
De luz snavc e mui fina :
Cinco lioras uma dura
!- sao de boa grossura I
Note bem:
Bet mmenda-ae pariicularmente aos amautes
da boa pinga a muito s:borosa e hygienica canni-
fabricada expressamento para regalo dos es-
tomagns fines e doicdos e que se pode saborear
r-.os g les extasiado em vista deste versioho, que
sem no rolulo cada garrafa hermelicameute la-
: la :
Eis aqui a lina caooa
To baile gota brilhante :
E' pura, e chcirosa e boa,
Saboro a e palpilante.
Apparelhts para
nhos,
n.
m
ba-

0* immeiWM nenefreios obtidos na
i-ura do vari:idissiina!> moleiliu com o
emprego raei.oal da agua fria, tern fei-
to inventar apparelhos, que tornem facil
e ao mesmo tempo util a applicacao des-
ts meio as pessoas, que por qualquer
circumslancia nib podera frequenlar oe
estabelecimentos apropriad.is pra tal
fira.
A pharmacia central tern exposto a
venda os apparelhos que sao boje repu-
tados na Europa como snperiores, e que
servindo para os usoi medi os, podem M
igualmenle servir part baahos de Hm- \l
peza e de prazer, porque funccionam
com pouca agua e em pequeno aspaco.
Com (acs apparelhos pode-se tomar
banhos em duches de chuviscos, em co-
lurana ascendeale ou dascendtnle, go*
raes, ou pareiaes.
0 mesmo estabelecimento tern para
vender apparelho proprio para banhos
a vapor simples, ou com snbstancias
medicinaes, e pequenos apparelhos de
immensa pressio para os choquei locaes
por meio da agua fria
I
),
Ji>c t^on^ulves I''eri*eirta
D. Maria da Q-nreicno Vciga, Manoel Cmijal-
ves Ferreir.i fioatat Franeisca k Paula Gaufalves
Ferreira, Ft-lippo .Xery Guncalves Fi rrcira Costa e
Vitente Gorv;alves Ferreira, pelo presente agrade-
cem do iniimo de >cus cnrac9es a todos w seus
parentes e amigus que acompanharam a ultima
morada os MHlos morlaes de sea mui presado
marido e pai Je-4 'Gonjalvea Fertvira Costa, fal-
lecido era 2o do cerronte *\'i, bem como a todas
aquellas pessoas que durante seas soffriment .'S de
molestia, tantas inequivocas | rovas de considera-
c\i< Ihe manifp.-taram. De novo pedt-m e rogam
aos mesmo* parentes e amigoa, bem assim a to-
dos aqueld s qne pur csqaecimento deixaram de
ter convidados para o enterro, o caridoso obse-
qaio de ass;slirem as missas qae, pelo descanco
eteroo 'W mi zdma, teerfl 9e s*r resadas na
capella do cemitorio publico, pel as 7 boras da ma
nha, de qmrta-ififa, t de sercmbro vindouro, 7'
dia d i sau ptasaiMewtg.
l^auUra Joatinina lie M

Of K 7*K
Illm. Sr. Maooel Brasilino de Arruda
Camara queira fazer tavor de entender-
se c,om Tasso Irmaos 4 C. a negoclo de
matuo interesse, a rua do Amorim n. 37,
Signaes do negro Feliciano
Crionlo, idade 40 annos, pouco mais ou menos,
alto, corpo regular, bem preto, desdentado, barta-
do, ma I feito de pes, tendo.ura dos dedoe granges
ou ambos bastante tortos. Acha-se fugido ha 6
mezes, desta segunda fugida, e da primeira esteve
dons, annos no engenho Tombador, freguezia do
Bonito, pertencente a Francisco de tal, genro do
capiiao Cbristovao Jose" Machado, senhor do en-
genho S Cbristovao, da dita freguezia", e por eates
engenhos esta occulto, como tem estado. Veio pela
primeira vez preso pelo capiiao de carmpo JoJo
Ventora, que mora em Agua-Preta : recommen-
da-te a sua captura as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo, e leva-lo ao engenho Hinas No-
vas, freguezia de Gamelleira 0 dito negro intitu-
la se forro com o nome de Jose Felieiano.
I'ede se ao Sr. Francisco Leal de Barros,
que m rou na cidade da Estancia, provincia de
Segipe, o favcr de vir a rua do Crespo n. i6,
priaeiro andar, a uug.ciu ; faz-se isto por igno
rarse a suamoradia.
Aluga-se
as casas o. 151, sobrado na rua Impeiial; n. 13,
3 an Jar, na rua do Bom Jesus; n. loi, em Santa
Ilila, e 2 andar e sotao na rua da Aurora n. 37 :
a tratar nesta rua n. 51.
B
BTCtl
S. CARLOS
Vende-se ou arrenda-se o engenho S. Carlos, em
Ipojuca, moente e corrente, com todas as obras
em psrfeito estado de conservaeao, e maito bom
d'agua : a tratar na travessa da rua Duque de Ca-
xias n. 3, aDdar, com Gabriel Antonio de Castro
Quintaes.
CO
CO
to
B*9
Ignacio Htzerra Pessoa faz sciente ao res-
itivel pullico e com r?pecialidade ao corpo do
nunercio, que no dia 11 do corrente dissolveu a
todedade qae tinha com sou irmSi Joaquim Be-
zona Pessoa, cuja firaia gyrava sob a razao de
Sszorra & Irmaos; ficando sob ana responsabili-
dad3 o active e passivoda rxtincta !irma, como da
qaitagio que de seusceedoresobteve o referido seu
ex-socio e irmao.
Recife, 18 de ?gosto de 1871,
Ignado bezevra Pessoa.
CALISTO.
Fugio no dia 16 d.j julho proximo passsado o
escravo Calisto, tendo os signaes seguintes : esta-
tura regular, bem prtto, beicos grossos, pes foios
com marca d: cravos, ama cicatriz na costella
esquerda junto ao vasio, pouca barba n o
queixo e idade de 22 anuos. Pedese as autori-
dades e eapitaes de campo a apprehensao do re-
ferido escravo e leva lo a rua Direita n. 40, pri-
meiro andar, que serao genorosamente recompen-
sados (os ultiraos) ou ao engenho Cabruneraa,
freguezia da Escada._________________
OLINDA.
Aluga-se por festa ou por anno, na rua de S.
Pedro Apostolo ou Passo Castelbano, tres casas
terreas, com encanamento d'agua e gaz, bons com-
modos e quintaes grandes e murados, com diver-
sos arvoredos de fructo : a tratar no pateo do
Corpo Santo n. 17, 3." andar.
Pechincha.
Vende se um piano armario, com excellentes
vozes e de pouco uso : na rua larga do Rosario
n. 16, primeiro andar.
Aluga-se
sobrado de dous andares e loja, sito a rua da
Aurora n. 79, teudo agua, gaz, estnbaria, cocheira
e cozinha : a tratar nu mesma rua n. 81, segundo
andar.
Casa Caiada e Rio Tapado.
Jose" Jacomo Tasso, senhor e poss aidor, por ti-
tulos legitimos, dos sitios Casa Caia.da e Enseada
da .Mai Lucrecia, em Rio Tapado, lermo de Olin-
da, prcvinc a qcem intercssar possa que nJo fa;a
contrato algum de compra, arrendamento, per-
mat l, etc., etc. ou outro qualquer negocio.oom
terr.is dos ditos sitios, quo limilam com as do en-
genho Frajjos), porjue serao nullos taes contratos
e o annunciaute protesta por seu direito em quaes-
qner cirenmatonciaa em que se achirem os ditos
contratos, e para obviar duvidas vai desde ja
traU.r das demarcates dos referidos sitios para
tixar os seus limites.
Achando se em liquiiagao a loja da Aguia
Branca, sao convidados 03 devedores da mesma a
virem saldar seus debitos ate o fim do corrente
mez, ccrtos de que depois deste prazo serao cs
mesmos cobrados judicialraent-. Recife, 20 de
agosto de 1874.
a liubo
0 brigideiro Francisco Juaquim
Pereira Lobo, o Dr. Francisco Leo
pbidino de Gusinao Lobo (ausente),
o capitao Antonio Gracindo de
Gusmio L bo, D. Maria Franeisca
re Gusmao Lobo (ausente), D.Ma-
ria Emilia Sabino da Gusmio Lobo
(ausente), D. Senloris** VilaUaJe Gusmao Lobo
e o bacharei Jeaa Baatblta finheiro Corte Real,
marido. filhas.nmaa gnr* de D. Leandra Joa-
quina de Sa lM, ngntectm eordialmenle as pes-
, soas que fizeram o rar-idoso obsequio do acompa-
nhar a ultima morada sua esposa, mai e aogra e
> de novo rogam lhrs queiram a*si>tir as missas e
J memento que, pelo reponsp ' celebrar na igreja dos re1 giosos carmeWaadesta
cidade, no dia 31 do corrente, pel as 7 hoi as da
manha, setime dia de sen passamento, e pelo que
sa confessam eternamenlejraJoSj
m
Vinnuide l" LnurcM
A junta adminislrativa do Ho-pi
tal pcnugaec ddBeneScencia, re-
conbecida a memdria do fallecido
benemerito visedWiy de Lonrel,
znanda resar no eraioria deste bos
pital umamista de requiem por sua
alma, na seguuda-feira 31 do cor-
rente, as 7 horas da manha. Sao convidados para
este acto de rebgiao e caridadr, nio so os socids
deste hospital, como em particular os parentes e
amigos do fraado.
Hospital Podtuguez de BenefaBencia em Pernam-
buco, 26 de agos;o de 1874. f) secretario,
Luiz Do prat.
tieraidi) Uenrjpc de Win.
A i*d e ciiftfeitf ,
Kmilia Josephrna Ferreira
Mira, soas tiiba6 e gonros, v6m
pelo presente^agrfldecerem do
intimo de seus coragoes a to-
das as pessoas de sua amizade
que se dignaram acompanbar ao ,-cemitorio
publico os restos mortaes de seu presadissi-
mos semprelcmbrado esposo, pai e sogro
Geraldo Henrique de Mira,, fallecido no dia
26 do corrente ; e de novo pedem e rogam
encarecidamente as mesmas se dignem as-
sistir as missas que tem de ser celebradas
no Convento de.N. S. do carmo, na segun-
da feira 31 do corrente as 7 horas da ma-
nha, (setimo dia do seu infeliz pas=amento.)
Outrosim, nao podem deixar de agrade-
cer ao Illm. Sr. Dr. Manoel Enediuo do
Rego Valeruja, as provas d'amizade, consi-
derarao e deditacAo qiie empregou no Ira-
tamento do mesmo, na qual idade do seu
medico assistente, ernboranSo.podtsse obter
o resultado que descjava, porque oseu mal
zombou sempro de todos os recursos da
sciencia medica, que esle distincto cavalhei-
ro sa dignou dispensar no fall ti lo.
Hcceba, portanto o Illm. Sr. Dr. Valency
o nosso sincero e eterno reconhecimento, e
desculpe-nos se com esta declara$ao verda-
deira, offendemos a sua reconhecida mo-
destia.
Reeife, 27 de agosto de 1874.
S
AMA
AMA
Quem precisar alugar uma
esrrava boa cozlnhsfra, diri-
Ja-se a rua do Cre po, hole
Primeiro dw Marco, lo|a do l>aso.
Precisa-se do uma para co-
zinhar e comprar: na rua da
Concordia n. 149.
Ama de lei re
Precisa-se da uma ama de leite que seja sadia e
sen) lllho : na rua Daque de Caxias n. 91, loja do
Rival Sem Segundo.
Trecisa-se de uma ama para
iflrl. cozinhar e mais algum sevico
de casa de pequena familia : a tratar no 3.*
andar desta typographia.
Prccisa-se de uma ama para engommar e
mais algum servlro de pequena familia : no 3 an-
dar desta typogrophia se dira
I'recisa se de uma ami que
seja de meia idade, para ser-
vir a uma so pessoa : a tra-
de S. Francisco n. 31, prefere se es-
AMA
tar na rua
crara.
AMA
de Goyanna n. 129.
Preeisa se Ue uma ama pa-
ra coatuhar, para casa de fa-
milia : na rua do Visconde
Ama de leite
Quem precisar de nma ama com bom leite diri -
ja-se ao be:co de Jose Caetano n 6, 3 andar, no
Recife.
Ama
Prectaa aede otna aaia para cozinhar:
na rua do Livramento n. 28.
II-
uma letra da quantia de 3:40Pj, sacada por Gau-
deticio Lopes de Aranjo, aceita por Franclaeo Ce-
zario de Metro Junior, garanlida por Antonio Joao
Ferreira Vooteiro, e endossada pelo dito sacador e
Jose" Maria Ferreira da Cunt a, a vencer-se a 1 de
dezembro do cerrento anno. Por esta occasiao
previne-se a qvem a aahar, que ella nenhum valor
tera para si, tislo que ja se acham in eirados o
garante e endossante ; e pelo presecte se faz certo
ao sacador e ao aceitante, para qne nenhum del-
les pague dita letra se nao ao abaixo assignado :
quem p 'is a t ver achado, qaeiendo restitui la,
leve-a a rua do Marqnez deOlinda n 16, qne sera
recompeBsado. Recife," 26 de agosto de 1874.
Joaquim Olinto Rastos. _____
Rio Doce
Aluga-se uoia casa para passar se a fr la, com
todas as commodidades e por pouco dinlo- ro, com
banhos salgados e de agua doce. tendo ; (ii-posi-
eSo alguns ps de oqneiros para beben-m agua
de ccco verde, etc. Aluga-se tambem ontra casa
na ladeira do Varadjaro, em Olinda, para passar
se a festa : a tratar com o padre Baodeira.
Boa-Yiagein
Aluga-se c tambem se vende uma casa na po-
voacSo da Boa-Viagem, sila a rua da Aurora, per-
to da casa do Sr. Feliciano lose ^omes : a tratar
na rua larga d) Rosario n. 38, primeiro andar.
Attengdo
Preeisa-se de 4304000 com hypolheca :
tar na rua do Visconde de Goyanna n. 67.
a tra-
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 32, a
rua cstreita do Rosario, com co.nmodos e muito
fresco : na thesouraria das loterias.
S3Z
T,
trivfa
Jose Martins de Almeida, conhecido por Ze-
beden, empregado em casa dos Srs. Agra & C,
despedio-se da casa dos mesmos sonbores por se
ter estabelecido com carros de aluguel, a rua do
Imperador n. 17, aonde se acha i, salisfazer ao
resp;itael publico qualquer pedido, encarregau-
do-S3 de eoterros, tomando conta a Cscalisando;
sendo o fomecedorAgra &. C. Previne aos senho-
rcsifue se q-iizeiem utilisar de seu prestimo, qae
as conta3 sarao pagas dentro do prazo de oho
dia?.
Aluga-se
o primeiro andar, com grandes commodos e sotao,
do s ibralo sito a rua do Hospicio n. 63, junta-
mente a loja : a tratar na raa do Vigano n. 31
CcasHllnio oiedico-cirargico
Dfl
A. B. da Silva Maia.
Medico parteiro e operador.
Rua do Rantel aa. '*
Consultss das 8 4j 10 hcras.
Chamados a qualquer hora.
Gratis ao; pobres.
Nao se prestando o peqaeuo espaco do armazem
n. 10 A, a rua da Madre de Deos, para um abaate-
cido deposito das diversas nnrcas de fumo, qae o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
dlante aberto outro es.abelecimento sob a mesma
denominacao de
ARMAZEM DO FUMO
A' rua do Amorim n. 41
com todas as pronorcoes desejadas, e onde pode-
rSo os senhores freguez s dingir-se, certoa de qae,
como ate aqui, ach rio serapre a par da modici-
dade dosjwecos, a maior sincaridade possivel. En-
tre as differente3 marcas de fumo da Bahia e Rio
de Janeiro, qae tem sido annanciadas, acaba de
chegar nma encommenda especial, que mnito deve
convir aos senhores freguezes. Consciente o abai-
xo assignado de que neste genero de negocio n5o
esta sem competidores, fara mnito por evitar qae
tambem o< tenha com relacao ao pequeno lucro
que procurara obter da diu mercadoria.
__________Jose Domingues do Carmo e Silva.
Grande liquidacao.
de miadezas e chap6os : no novo Bazar, raa do
Marque?, de Olinda n. S3.
-- Aluga-ae o l., e 2. andares e o armazem
da rua dos Burgos n. II (Recife), esta caiado a
pintado de novo : a tratar com Jose Feliciano Na-
zareth, na rua de Pedro Alfonso n. 20, outr'ora da
Praia. Tambem aluga-se uma casa terrea no bee-
co Tapado (Recife).
Cm arnigo do fallecido Marcelin
Jo;e Lody manda dizer uma missa
pelo seu eterno repouso, sabbado
29, setimo dia do seu passamento,
no convento dc S. Francisco, pelas
8 horas da, manha, para cujo dm
convida todos os amigos e camara-
das do mesmo flnado a assislirem a esle acto de
religiao e candade.
Angcltca riuriiinn Coclbo
Antonio J. Borges, Antom'a J.
Borges, Estevao J. Coelho e Josepha
F. Coelho (aosente), Raymundo N.
Coelho,. Alexandrina S. Coelho, Jo-
vino J. Coelho, pelo presente agra-
decem cordialmente a todos os co-
racSes caridosos que se dignaram
acompanbar os restos mortaes de sua presada mai
e sogra, Angelica Florinda Coelho, ao cemiterio
publico; pedem, pois, desculpa de antecipadamen
te nao haver feito o devido agradecimento quando
annunciaram a missa fanebre do setimo dia de
seu passamento, por esqneciment9 involanlario.
1 -- i ">*,* "1-
vf.yiym
Cozinheiro para hotel
Alagase um preto para cozinheiro de hotel, o
qual por vezes ja tem occupado este lugar : a rua
do BarSo da Victoria n. 22.
0 abaixo assignado, chefe da tirma commer-
cial de Castro & Filhos, estabelecido nesta cidade,
faz sciente ao respeitavel corpo do commercio, qne
dissolveu amigavelmente a sociedade que tinha
com seus filbos Manoel de Oliveira CaBtro, Joao de
Oliveira Castro e Antonio de Oliveira Castro; fi
cando todo o activo e passivo da extincta lirma a
cargo do mesmo abaixo assignado. led, 1 de agos-
to de 1874.
Antonio Jose dfc Oliveira Castro.
Aluga-se o 2* andar do sobrado da raa do
Crespo n. 14 : a tratar no 1 andar do mesmo.
Aluga-se uma casa na rua de Lomas Valen-
tinas n. 104, defroote da sachristia do Terc.o, com
commodos para familia : a tratar na rna do Cal-
deireiro n. 36.
CHAMOS
DE
Jose Furtado de Simas.
Unico deposito em Pernambuco, a rua do Mar-
qufz de Olinda n. 13, de Bonrgard & C._______
CASA DO OURO
Aos 4:000^000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 50, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 7004 em um
bilhete inteiro de n. 3763, a sorto dc I00 em um
meio de 2248, e um meio de n. 1093 com a sorte
de 1005, atem de outras sortes meoores de 40JOO0
e 204000 da loteria que se acabou de extrahir
(114); convida aos possmdores a virem receber,
que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,qus nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mwrncs
annuncios
Acham-se a venda os mnito felizes bilhetes ga
rantidoa da 9' parte da loteria a beneficio da
igreja do Espirito Santo, qne se extrahira no dia
sabbado 3 de setembro vindouro.
Preyos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 1005JO0 para cimta.
Inteiro 3*500
Meio 1*730
Recife, 29 de agosto de 1874.
Joao Joaquim du Costa LeiU
f Trastes.
Compra se e vende-se trastes novot
e usados no armazem da rna o Im-
perador n. 48
m
mmmwMmmmm
CAP1M
Compra-se mil feixes de capim para
a tratar na raa do Crespo n. 16,1 andar.
V3WA1
Grande descoberla
Curativo das molestias do
peito pelo
\aroiie dc sulphliu de *4rb
DE
A. in:n\i:r
Este importanle medicsmento que acaba da aar
reconhecido peloa distinctos Drs Zalloni e Paraa-
chevas com) am verdadeiro especiBco eoain a
phtysica, sej-uudo provaram no* graodea noaaw
plantar : ros de casoa por elles experimenlados, eamo a* ?
Lustres e arandelas de vidro
para gaz
Na grande exposicao da rna do imperador n.
33, junto ao escripn-io da companbia do gar, ven-
dera ae os mais bonitos e modernos lustres e aran-
delas de vidxo para gaz, a-sim como tudo o mais
ri se torna necessario para es se 6 m, sendo tado
melbores fabricantes qae ha na Iaglaterra. Os
precos sao mais baratos do que em ontra qualquer
parte, e com a vantagem q.ue 6 o dono do estabe-
lecimento mandar asseniar os lustres ou arande-
las no lugar que o comprador quizer, sem qne para
iaso pague alguma cousa. Tambem se compra ou
troca se lustres e arandelas ja usadas. mas que
ostejam em estado de poder servir.
Fentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a raa Duque de Cax as n. 43
e so quem tem.
Papa
l, mamai.
Como aao lindas as bonecas de cera que dia-
mam papai, mamai. choram, andam, etc. So na
Magnolia a raa Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolae.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, re-
ceben gaiolas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros ; a ell is ante* qne se aca-
bem.
Wilson Rowe & C vendem no seu armaxsD
a rua de Commercio n. 14 :
verdadeiro panao de algodao azol amencano.
xcellente fio de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidadea
Engenho a venda
Vende-se a dinheiro on a prazo um engenhe
moente o corrente, de animaes, com pequena sa-
fra cicada, a uma legoa d stante da villa de Pal-
mares, estacao de Una, de bom terreno de varzea,
podendo safrejar 2,000 paos annuaes, com propor-
cao a ser de agua, podendo ainda ser accrescenta-
do ao ponto que se queira, com terrenos annexos
que se vendem : quem pretender, entenda se com
Joaquim Rodrigues Tavares do Mello, nesta cidade,
prara do Corpo Santo n. 17, 1 andar._________
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
Barra,"
fregulca,
e Patriclo.
A tratar corn seus proprietarios nesta cidad*
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei
relies Filbo na mesma cidade de Mamamguap<
Tasso Irmios & C.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANQA vende papel de linho
proprio para cigarros, d'e divorsas larguraa.
Coques modernos
Cintos decouro
Recebeu a Magnolia, a raa Dj^ue de Caxias n
45, e esta vendendo mais barato que era qualquer
oatra parte.
PJANO
Uma familia que se relira desta provincia, ven-
de por preco commodo am piano, qne so tem de
uso o to mezes, e e dos fabricantes Aucher Freres :
a tratar na rna do Hospicio n. 25
iiisiiio.
Fustio branco para roupa de meniuos a 500 rs.
o covado; e pechincha : na rua do Crespo n.
20, loja do Gnilherme & C.
(i>^?^A^t>SilL>t?S>S#
CASA
Alupa 83 por alguns mezes o 2* andar d-
sobrado n. 53 da rua da Imperatriz, compietamen-
teTnobilbado, a pessoa de ponca familia, preferino
do-se e=trangeira : a tratar no mesmo.
Joao de Azevedo Pereira. f stabelecldo nesta
cidade, faz pnblico quo de sea poder se desenca-
roinharam duas letra*, sendo uma da quantia de
90t j618, aceita pelo Sr. Dr. Franci-co de Paula
Cavalcnnte de Albuquerque, morador no engenho
Soledade de Porto Calvo da provincia das Alagoas,
em favor da viuva de Josd Baptista da Fonceca
Junior, pelo annunciante arrematada; e outrade
390*840, aceita por Francisco da Rocha Passos
Lins, a mesma viuva, e tambem arrematada pelo
annunciante ; cuja letra la foi de saldo tie com-!
pensacAo de contas do tinado
Mello & C, pelo qae pwvine aos ^
aceitantes nao as pague a quem as apreseftar sem \ ^!^
Candido Nines de,^a
mesmos nnbores EL,-M .
Raymunda fugio
Evadio-se da casa de sea senhor a parda Ray
munda, de cor clara, aproximando-se a braaca,
de 17 annos do idade, grossa do corpo, cabellos
cor rid os, cortados carlo, nariz e boc-:a pequenos,
desdentada na frente, bem fallante, e de servico
domestico. Decoofia se que segaisse para Santo
Antao, por ter sido a mesma escrava de Joao Cor-
reia de Queiroz Monteiro, morador no engenho
Minhocas, daciuella comarca. Protesta-se asar de
todo o rigor aa lei contra quem a houver aconta-
da, e grati&ca-se generosamente a quem a levar
on der noticia certa da mesma, na raa larga do
Rosario n. 28, loja._______________
CASA DA FORTH
AOS 4:000*000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua d*
Crespo) n. 28 e c&sas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido not seus fe-
! lice* bilhetes am meio n. 364 com 200*000, um
i mejo n. 2248 com 100*, nav meio n. 1095 eom
100*000, e outras sorte3 de 40* e 20* da lote-
ria qne se acabon de extrabir (114"), convida aos
Araga se o segnndo andar a raa
v5a n St : a fratsr n tnf.
que se raostre babiliUdo com procuracid d an-
nuncianw com pode es para pode-las rpceber,
porque se assim o fto-rem tem de paga-las Sle novo
ao annunciante, qtn- declara qB nao as tem ate
hoje iran.v'erido a nin uein, n.-m aulorisidosua
cooranea se nao ao eu procuradu-, o solteitador
Joaquim Cstilcaib it' II -in'.. Albut
I qae e Ui_i-, au. >cf^> : loiej
I dos n--a eida te e fo '*..-*?.. lie |
Duque de Ca-lni'S''--o.-ihite-'> ,r )'. 2g
do IS7
virem receber na conformidade do
, sem desconto algum.
Aen_i- ie a venda os felizes bilhetes garantido-
jda 9' parts das loterias a benefieio da igreja
no
jerque,
Inego-
Baem os
He agosto
Santo, (H5')?,qne aa extrahira
I do corrente mez vindouro.
HW$OS,
bilhete toWWv 41000
Meiobilhetp. 3JOO0
Bllheta ateiro 3*500
Meifltn_eM 1*70
MaHM _*rf> ffmun
Carros no Caxangd
No domingo, 30 do corrento, abre-se uma nova
cocheira de carros de aluguel, a qual junto a estacao da via ferrea ; para aluguel de
carros trata-se na mesma com Joao Francisco de
Souza. A qualquer bora do dia ou da noite acha-
rao carros promptos para qualquer parte.
~TlugMe
uma grande casa terrea com bastaotes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.______________________________
Aluga se o armazem do sobrado da raa D.
Maria Cesar n. 37, proprio para recolher fazen-
das por ser muito espacoso e reedilicado de novo,
ou para qualquer estabelecimento : a tratar a
rua de Domiugos Jose Martins n. 48, antiga
Sanzalla-Velha.___________________________
Para alfaiates.
0 Bazar Universal da raa do Barao da Victoria
n. 22, esta vendendo maito barato, tesouras pa-
ra alfaiate, americanas e francezas, com 50
por cento de abate; a ellas em quauto nao se
aoabam._______________________________
Grande estaboleciuiento de mo-
Ihados
DE
Zeferino Valente & C.
Este novo e Undo estabelecimento de mo-
Ihados ao areo de Santo Antonio, esquina
aonde param os trens de Apipucos, vai ser
aberto no 1. de setembro ; esperam pois os
proprietarios, que o respeitavel publico nao
s6 concorra a vUitar o grande estabeleci-
mento, como qne lbes conceda tola sua pro-
teccao, pois de sua parte se esforcar&o dm
bem servif a todos. tant<> em prejos como
qualidade dos generos, sempre com agra-
do e sincerldade.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame proprio
para arma;3o de chapeos.
Vende-se uma balanca decimal, de 1,500
kilos, em perfeito estado : no armazem a rua do
Bom Jesus n. P8, antiga da Cruz.
Las a prussiana a 160 rs. o
covado.
Na rua do Queimado n. -13. junto u
loja da Ua^nolia.
E' PECHINCHA II..
Lasinhas a prussiana, padroes ioteiramer.te no-
vos, a 100 rs. o covado. Cheguem, so o 43. Daose
amostras. _________________
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a raa Duque de Caxias
63, recebeu desta necessaria linha.
na sessao da academia de Paris de 24 de aaarao
do corrente anno, enoontra-se unicameaU no
Deposito da pbarmacia e arogaria
de
Ran ktoloMieii A C.
N. 34 Rna larga do Rofario N. tt
Vejam e admirera.
A .00 rn. aroti
0 barateiro da rua da luaperalrun. 60,
vende popsiuus pretas com Lstraa aaatti'
nadas pelo baratiasirn* preco de 500 rs o
oOTado. para ecabar.
POHAR
Vende-se pea de aapotaa
na rna do Hospicio n. 75.
de optioaa qnilidadi
ATTEN?A0
Vende-se ana coHeocao do(.AKAPl(,Kl
RO, periodico critico, satyrico, jocoso e
moral, escripto pelo fallecido padre Miguel
dd S. Lopes Lama ; a peaioa que qniaer
comprar diriji-ae ao 2.* andar desta tyjo-
grapbia, d-s maolia ate 9 boras, e das I da
tarde em diante*
VENDE-yE
am sobrado em caixao e nma casa terrea, sito
rna da Soledade ns. 1 e 4 : a tratar aa ntew
rna n. 64, das .1 is 6 da tarde.
E' baralissimo.
Attencao.
Aproveitem antes qae se acabem, popebnas de li-
nho, padroes model nos, jm> o baratisaimo pree"
de 400 rs. o covado : quem dnvidar, >errfra wer
comprar : ni raa Duqae de Caxias a. M. Iota d*
Demetrio Baatos.
Asunicas verdadeiraa
Bichas hamburguexaii qne vem a este mreao
na rna do Maraaex de ulind* r. St
Para senhoras
Como sao lindas e raodernas aa ejavatinhas \n
a Magnolia, a raa Daque de Caxias a. 45, acaba
de receber I
Aos 1000 e tantos
ehapSos de feltro e massa, para homeu3 e meni-
nos I! de 2*, 2*500, 3*, 3*500 e 4*. Chapeos
de sol para senhora e raenioas a 4* e 3*800 am,
sendo de seda. Bolsas para viagem a 3* uma I I
Sapatos para homem e menino. Cbarlote e de ca
simira a 1*800 e 2*000 um par I 1 I Na loja de
Lima Continho & C, ma do Livramento n. 30.
COMPRA*,
dll'ltt DE imiRA.
SJNo 1. andar desta typographia, das 4 hora* da
tarde em diante, se dira quem preeisa compra
nma. ,.
PfeeiSB-se comprar dons p'- <-av. >, pedreiro
iraraninaj paga ae bem : a u-i <- tWonrari*
das lotfriw, a nta Primeiro da Ma<.oo, .
Loja de fazendas
DE
Goilhernie & C.
0 antigo barateiro continua a vender por menos
do que outro qualquer, com a franqueza e sin-
ceridade ja conhecida.
Las de cores a 200 e 240 rs. o covado.
Las pretas superior, a 360 rs. o covado.
La e aeda, fazenda de 1*400 por 700 rs. o co-
vado.
Chitas de cdres a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cdres a 280 rs. o covado.
Cretones de padroes lindos e modernos a 400 e
440 rs. o covado
Baptistas de lindos padroes a 400 rs o covado.
Cambraias de cores miudas e graadas a 280 rs. o
covado.
Ditas pretas eom (lores a 200 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadaa a abertas, fazenda
mais Ana que tem vindo ao mercado, 6 fazenda
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; 6 pe-
chincha.
Cambraia transparente, fina, a 3* a peca.
Dita Victoria, flna, a 3*500 a peca.
Algodao trancado, alvo, a 440 rs. a vara.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Ditos de c6res de linho floo a 500 rs, o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardaa, a 6* e
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorao preto de seda para vestido e para collete
a 3* o covado
Toalhas grandes a 4*500 a duzia.
Colcbas grandes a 3* uma.
Lencoes de bramante a 2* am.
Cobertas de ganga, forradas, a if e 3*.
Lencos de linho, abanhados e em caixinhae a
3*500 a duzia.
Ditos de cores a 3*800 a duzia.
E ontros muitos arligospor precos baratissimoa.
So na rua do Crespo n. 20, loja das 3 portas. Dio-
te amostras.________________________ .
"SNDE-SE
a taverna sua a raa
mnito afrcpuezada :
Rosario n. 40.
-i. B-3o da YletoHa rj. %%,
at-ahr na raa, edretU do
BAZAR DAS FAffllM
Rua Duque de Caxias n.
60 A.
Ueis e Silva A Guimaraea, proprietaries, de.-
te Dcm montado esubelecirrenb', ruavidam a.
seus fregueres e co.u especialilade ao bello SBS*.
a visitarem seu e-tabele-imento, a9tn de prov*-
rem-se do qne ha de mettier no BBereade, por pre
cos mais commodos que em oatra qnalqaer part
D'entre outros arligos de apurado goato e la
ultima moda, chamam a attencao do respeitavei
publico para o qae conslantementc teem a m
da. a saber:
Lindas popelinas de corea de lino gosto.
Bornoax de la e seda com capaz, o mais nv
demo que existe.
Lavas pretas de retroz com dedos e sem i
proprias para senhoras, por preco que adaaira '
Lmdissimas capinhas de la e aeda, com aru.
oho em vclta, para senhoras e meniaas, e hara
tissimo.
Ricas tou^uinhas de s;da para meninos recec.
naseidos.
Granalinas de cures com listras de seda, a 80"
rs. o covade.
Mantas de cures para homens, excellente acau
si^ao, 6 faienda da moda, por precos ISSMISSw
Meias de cores para hoc ens e meninos.
Setim bnneo Macao, fazenda muito procorsda
e rarissima, a 2* o covado.
Corraan caaa quanlo teaaaao.
Ao Baaar das Fanailias
Bua do Daque dr Caxias a. 90 \-
4o commercio.
Vende se a prazo e a dinheiro a taverna da rn
do Rangel B. 39, propria para principiante, por tn
poucos fundos, a qual so se vende porqne sea d
no tem de retirar-se para o mato nestes 15 dia-"
Cm de trat;-r de saa saode.
OLINDA
Boa acquisi Vende-se am sobrado sito no p leo da Se, err
Olinda, edilicado em chao proprio, com grande-
accommodates para numerosa familia, reedifi
cado e pictado de novo, eom bellissima vista
mnito fresco e com quintal : a tratar no pat-.
de Pedro V. n. 6, !. andar.
Quadriliias.
A' rna do Barao da Victoria o. 17, loja de Pe-
dro .Emilio Roberto, estao a venda tres lindas qua-
drilhas para piano, a 1*000 cada exemplar.
Aproveitem
0 PARIS NAMEHI ;a, a rna Daque ae Caxu-
d. 59, primeiro andar, esta vendendo caleado n sefniates precos:
Botinas de duraque para senhora a 3JSOO reis
Ditss de dito preto a 4,000 rea.
Ditas de dito com botSes ao lado, a 4,000 rea.
Ditas gaspeadas, cano alto, para aeakora, i
5,000 re a.
Ditas de pellica, ingleza, a 1,000 reis.
Ditas de duraque bordado, para senhora, a
5,000 reis.
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 3*
Em quanto 6 tempo
aproveitem.
Grande pechincha.
Cartes de gergarsaa de
para collate a %+ e\
de sol de aeda a Hfi.
Vende-se cortes de gorgerao de aeda de cores
para collete, pelo baraussimo preco de 2* e cna
peos de sol de seda i or 8* : qnem dnMar ve
nha ver e comprar, na rua do Duque de Caxias
n. 88, loja de Demetrio Bu. ^^^__^
Vendem
Wilson, Rowe A C.
Em sea armazem i rna do Trapicke a. 14, o m
tniate:
Algodsq irnl amerieaao.
Fiode vela.
Carvao de pedra de todaa aa qnalidades
Tado mnito barato.______________________
Azeit de peixe
Ko trapiehe ttaOta% no W> esppaehaa ^eraambaas. v*o4e-' ^ ^ -^
xeemln^al#sjai|P. """" *~

\
I


^Bna"
----
Diario de fternambaoo -^DdmmgoZti de Agt^W^'Efe orwiC
Lustres, c&iifidiose
* tnipten do gaz, uada reeefeido ultima rn*nte
uma quantidade iJe luMres, candieiroj, araBdcllas,
globos etc. etc., tudo obra dcgosto e d" primeira
qualidade ; acha >ecra posicio do .'opprir a seus
frtguezes, por precos men res do quo antigamen
te. Para verwu as amastris, dirijam-M a rua do
Uaperatior n. M._________________
Wmle se iifn peqoeno ailio coin duas cai-
nhas de taipa cbertas de lelhas, tfndo uroa del-
las 8 quarto?, sala de frent>3 ejle jautar e cczinha
TffA ; e a ouira 1 quarto sala, da frente e de jan
ur, cotn 97 palmos de frente e de fnndo 460 do
Itigar ft) Amiai, perto da esUfio da Casa Araa-
rflta : a tutor na i ua ana n. tf>0.
Camis
i&as
Vendese eamisas ingtoas de linho, fazenda
muito lina a 3o<000 a dnzia : na rua do Crepo
n. JO, loja de Goilherme 4 C.
inaTsAliiHi
Qae a NOVA ESPERANCA, a rna Duque de
Caxias n. 63, bera couheerdii pelasuperioridade de
seus artigos de mod* e phailasia, acaba de reco
ber diversas eiK-ormnendas de mer adorias de sua
reparticFio, qne pela eleganci. bem mostra aptidao
e botn go-to de seus antigos correspondentes da
Europa, e por eita raiao a NOVA ESPERANCA.
a rua Duque de Caxias n. 61, convida a ma boa
e. constante freguezia e com especialidade ao aexo
antovel, a tfcitarcm na,-afhri de apreeiarem at
onde (oea o prwrnir d'arte.
A NOVA KSi'ERAiNCA ni.o qaerentrar no nu
mero dos masvantcs (verdadeiros azucrins) com
extensos anuoncios e nem pretence descrever a
immensidadc tit- ot.jeclos quo teui cxpostos a ven
da, o quo seria quasi impossivel, nias timitar se-ba
aHiencionaralgunsrtaqnelJe? de mais alta novidadc
e toma a liber ade que a visitem c.nstantonieriie, para depois que
comprarerh em outra quaiqtier parte. oao se arre-
penderem, a vista do bom c escolbido sortimento
que ha em dito estahelccimeoto, esta razao tam-
bem demon-t\i que qualquer seuhora do bom torn,
nao podera cnmplet .r a eleganeia de sou toilet
seai que de um paso a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber osseguints artigos de luxo e teteira uovida-
de :
Modernas settas para pren-ier os cabcllos
Primorosos leqltes de phantasia.
BoDitas sahidas de bailes pan seuhdras e meni-
BMi
iDteressantes gravalas para senhoras.
Elegantes facies de louqUHD.
Rons adereera de madreperola.
Delicados aderegos pretos de pufato e borracha
(gosto iiovo).
Casa t terrenos baralos m Sal
piiiti.
Antonio k>$6 Rodrignes de Sonza, na thesoara
ria das loterias a rua do Crjspo n. 6, vende sua
casa de taipa e terrenos de seus sitios no lugar
do Salgadinho : a tratar somenje com o mesmo
Grande Mquidac^lo de charu-
tos da Havana
Flor Regalia.
Iskaodro.
El ordem.
Rna do'Marqnez de Ollnda n. 18.
NA
NA
Rua da Imperatriz n. 60
TARA LIQUIDAR
Graoadlna jprctn a 500 ra. o
covado.
0 PavSo vende granadina preta e larrada
pelo barato prego de 600 rs o corado.
ALPACAS PRETAS A 5C0, 640 E 800 RS.
0 Pavao torn um grande ^sortimento de
alpacas pretas, que vendea 500, 640 e 800
rs. o covado, assim como grande sorti-
mento de cantoes, bombazinas, princezas
pretas, merin6s, e j>utras muitas fazendas
proprias para luto.
CAM6RAIA VICTORIA A 49C00, 4600,
0C0OO E 7JJ00U.
0 Pavao vende um grande sortimento de
carobraia Victoria e transpareote com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos pretos
de 4JJ00O, 49S00, 59000, 69000 e 74000
a pec,a, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 75000, e pechiocba.
CAMISAS FRANCEZAS A 2,5000, S950O.
3000 E 37500.
0 Pavao vende um bonito sortimento dt
camisas francezas com peito de algedao, 1
27000 e 29500. Ditas com peito de linho
de 39000 a 69000. Ditas bordadas muitc
fiuas de 69000 a 109000: assim come
grande sortimento de ceroulas de linbo e dt
algodao, por pretos baratos, e tambem tern
complete sortimento de ptinhos e collarinhot
tanto de littbo como de algodao, por precoi
em conta.
C0RT1NAD0S BORDADOS PARA CAMA i
JANELLAS, DE 79 ATE' 259000 0 PAR
0 Pavao vende um grande snrtimento At
cortinados bordados, proprios para cama t
janellas, pelo barato preco de 79O00,89000,
100000 ate 259000, assim como : colxai
de dnmasco de la muito Gna de 109000
129000 cada uma.
BRAMANTES A 19H00, 29000 E 29500
de fnstSo bntnws psfn
attftt 1
I
i qne si
.ranca com' bonites. ''^gpcaBfcWfW
edr, oni iigurtfo
com pequeno toq.y.'
Colehas
29500.
DiLas de UiU) de cor a 49c OU.
ambraias brancas,
dos, cone a 89000.
Cortes de cambrata
enfeites bordados, ue
68000.
Pujas de madapolao
do avaria a 4500.
Ditas de algodiosinho muito oiicorjuido,
cotn leve loijue.le avaria a 40500.
Madapolao enfatado Com 12 jnrdas em
perfeito ostido a 3^000.
Pecas de madapolao com 20 jeidas
40500.
Bnm parilo pra roupa de homem e mc-
Dittos, covado a 400 rs.
Coberlas de cbita para cama a 2A500e
300 00.
de linbo com
a 206(0.
Scgre Iq
* MeWio &t&aii>, *itMdo apenr-
troa Ug'ia jla.estacao de Rioeiiao. wtwtrte e cau
aberlas, para vestt- rente, bem dbrado, e com terrenos muito fero.a
"(te safrrjava **[% de 2.MK) paes : a tratar na rua
0.3
A' ran do Cabttfta
Os proprjelarios da PredilecU,
. I V.
no intuito
Bramante
lagura, vara
Atoalhado
a 10500.
Espitrtilhos
50000,
Crteos de easimira
A >.b0
d.
conservar 0 bom concetto qne teem merecido dc
rcspeiU\-e1 puMIco, distingumdo 0 sen ertabalecf-
mento dos mais que negociam no mano geoerc
veera soieotificar aoe seus beus (reguezes qua pre
cniram aosseus correapondenles oas diversaspax
fas d*Europa para Ihes enviarem por todos os pa
quotes os objectos de !uxo e bom gosto, qua se-
jf-m mais bem aceitos pelas tociedades elegante*
daqaelles paites, visto aproximar e o tempo it
reta, em que 0 bello aexo desta liuJa Venexa
j mats ostenta a riquera de stias toilleltes ; e co-
10 palmos de j o J recebessem pels paquete francet diverso
artigos da nftima moda, veem patentear algun>
com 8 Dalmos dn laronim \-ara enlre 5lles,(lae se torara mais recommendaveis.
com opatmosae targura,vara iesperando do ^^m^ publico 4 ^3,^^^
! concurrencia.
brancos e de cores a 40 e I Adereoos de tartaruga os mais lindos que teem
j viudo ao mercado.
AJ'iubs cta ricas oapas de madreperola e dt
i velludo, sendo diversos tamanbos e baratos dm-
a uiixla. I os
a40e 50000.
rs.
Meias de nlgudao, linas para meninas e j Aderecos compleaos de borrach*'* prrprios para
meiiinos do tcilos os t manbos, para todas Itj1". tambem se vecdem raeios aderecos muito bo-
fSidadeS' .P*10 Pre?.d(: 2?300 a du.7ia P^ ""SiSes de setim preto e de core, para oraatod.
estidos de senbora ; tambem tcm para collete
haver grande quantidade,' para acabar.
S6 na rua da Imperatriz n. 60.
Aos nervosos
A XOVA ESPERANgA acaba de receber aquel-
tes milagrosos anDeis electricos, cura infallivel dos
nervosos.
E' com as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 4ii, par-
ticipa a bello srxo que acaba de receber da Eu-
ropa, urn complelo sortimenlo de ariigos de ulti-
ma moda, e como acha desnecossario fazer 11 m
enfadouho anuuncio, por ja ser bastante crnhe-
cida, c capricbar fempre cm ter bons corresj.ou-
dentes, M;udo a or meira de mais modtrno e por preyos mui razoavcis, p*jr
isso limila-.'e a descrever soir.ente o seguinte :
Sciiaw douradas.
1 Bices de cores, tauto de seda como de guiporc.
Pavao vende bramantes para lenc6*, uqucx doorados,de madreperola, marfim.tar-
Camisas.
Camisae francezas brancas de algodao fino com
frixodendr a S^OOOuma, n duzia a 23^000;
pecbincha: na rua do Creepo n. JO, loja do Gai-
lherme & C.
E' barato.
tendo 10 palmos de largara, sendo 0 dt
algodao a 19800 e 29000 a vara, e de linh<
a 29460, 29800 e 39000 a vara: 4 pecbiD
cba.
Grande pechincha a 4$000
e 5#Q00
CORTES DECASEMIRA.
0 Pavao recebeu uma grande porcao de
cortes de casimeras de cores para calr^as, e
vende pelo barato preco de 49000 e 59000
cada corte, na rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
ESMERALDINA A 800 RS.
Vende-se um pequeno sitio perto da esta-
^ao do Salgadinho, tendo de frente 150
palmos, e de fundos mats de quatrocentos,
m uma elegante casa de taipa, acabada de
roximo e bem asseiada, tendo 2sal;s, 2
quartos e cozinba f<5ra. 0 terreno e* pro-
prio 0 bom de planta^es, tendo algumas
rvores de jruclo, agua de beber e todo cer-
eado.
Para vere mais explicates, no mesmo si-
vto a qualquerbora a ontender-se com Tris
:ao Francisco Torres, e pan tratar, na the-
wnraria das loterias, rua 1.* de Marcc
. 6.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento
das mais elegantes esmeraldinas com listras
de seda, sendo em cores e pad roes as mais
novas que tem vindo ao mercado, proprias
para vestidos, e vende pelo baratissiwo pre-
50 de 800 rs. 0 eovado, i rua da Imperatru
n. 69.
0 Pavao queima os artigos
segmntes:
Cortes de combraia branca, transparente,
eom enfeites bordados de la a 50000.
Dit s todos brancos bordados a 120000 e
159000.
Ditos muito ricos a 259000.
Bonitas lansinhas para vestidos, com lis-
tras de seda, covado a 800 rs.
Ditas ditastransparentes e de muita fan-
tasia a 500, 640 e 800 rs.
Cintos de setim de todas es cores a 59000
Punhos com gollinhas de esguiSo a 500 rs.
Sediiiliss de cores, sendo de Jistras e la-!
vradas, com toque de moid a 19000.
taruga, os?o, etc.
Saluting de bai c.
Presenter, diversos artigos propsios para pre-
sentes.
Colinhas c punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
Sapaliiihoa de setim para baptisado.
CiiniiHiiH bordadas para senhoras.
i.itsa* de seda.
Fr;iii.i.iM 111. saieas.
Adercroa de tartaruga.
voUan'oV madreperola.
PulseiraS de madreperola.
I.indiiM flores para cabe^a.
Bolsas de velludo.
IViTiimaiias dos melhores c mais afamados
fabricantcs.
Cbaneot de sol para senhoras.
Pitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quercis livrar vos destcs malditos insectos? com-
prai nma machina de matar moscas por 3*000
na Magnolia, a rua I)u iue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rna Duque dc Caxias n. 45, ven-
de 0 verdadeiro Vigor de Ajer, que impede a
cahida dos cabellos.
Sardas e panos.
So tcm sardas e panos quern quer; porque a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 4S, tem para
vender a verdadeira Cuticulcria, que faz desappa-
recer estas manchas em poucos dia..
nalitot.
Rolsas para senhoras, existe am bello sorUmen-
de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc, por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, Unto de louc*
como de cent, de- borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exnias. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as triaat.il um pouco im-
pertiaeiites por falta dc um obiecto que as en-
tri'tenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homes, vendem-se por preco comraodo.
Ccroula de linho e de algodao, de diversos pre-
'cs.
Caixinhar com musica, 0 que ha de mais lindo,
com disticos nas tampag e proprios para presen-
te
Coques os mais modernes e de diversos forma-
tes.
Chapeosparasenhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para sanhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Cz\qzs bordadas para mecinas.
Kniremeios estampados e bordados, de lindos
rt.'s^nbes.
Escovas electriiras pan denies, tem a proprie-
dade de evitar a carle dos denies.
Franjas de seda pretas e de cores, existe tun
-ande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Kit as de saria. in g-:rgprao. de setim a de ch-
>ln'e, de divcrsa? larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Fi artfneiae*. A Predllecta prima em cea-
Ctira pela Cecil applieacao das
0L1VAES
DE
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeiyoadas de todas
as conhecidas
Vendem-ae
NA
PHARMACIA E DROGARU
DE
Bartholomeu & C.
34~ Rua larga do Rosario 34
Salsa parrllha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talho : na rua larga do R sario a. 34.
VENDE-SE
ama casa na villa de Barreiros, na rua do Com
*ercio, por preco modico : a tratar com Tassr
trroios 4 C
Che^uem
" """ ^- ^
1 que e barato
Ltntfos padrdes de chttas escnras c dans a 0
ri. 0 covado Ml
Chitas Unas e mctinj de SCO, S80 e 300 r> c
covado.
Madapolao bom de '.i c 4*M0 a p*ra!
Dito francez fino, de 54,61 e ftiftiQ a pea tl
Dito eofesladu eom ISjardas "**) a twea!tt
Alg-jjio branco bom de 3i!00, 4*000. iiSBfl
e5iapeca!!M
Brim pardo trancado a 320 rs. o covadn, aito de
cor a 400 e 360 rs. 0 covado I fill
Popeliuasdaseia de l#30C, 14500 IttM q
cova-to; mnito lindas!
Las japonezas a 200, 220 e tW rs. 1 eovado!!
L-mcos de cor de 700, 800 e M a tana Wl
ltitos abanhados, brancos. de linho e aigtdaV>
de I46OO e 24500 a duiia lit!
E outras mnitas fazendas. que barr.as : na loja de Lima Coatinho & C, rua do
Livramento n. 30.
Aos uicuiiios
Salaa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Lulz de Oliveira AEe-
vedo, no sen escriptoric, a rna do Bom Jesus nu-
mern 57.
Vende-se
Ditas de dita ditas sem mofo a
2#000.
Diversas
ate* 500 rs.
uma cafa aa villa do Cabo, na rua do Conde d'Eu :
a trauma rua do Rosario da Boa-Vista n. 46.
Vende-se uma porta e uma janella de lour.-,
' com 10 e 6 pabnos de alto e 4 l|2 de largo e -for
ervar sempreum bello e grande sortimento dee- j barato.
as Cores, nao so para ecfeite dos clu'llos, como
tan;I -m pana ornalo do vestido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
os ei de diversas cores.
Gravatas de eda para horaem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversaa core?
para sennora.
l^ijas do seda de cores e brancas bordadas para
oarva.
Livros para -onvrf missa. ecm capa,* de madre-
perola, marfim, 6sw e velludo, utdo qne ha de
bom.
Peases de tartaruga e marfim para altsar os ca-
el!os ; teem tambem para tiraf caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perela, aurpaofisaa e donradoe por barato preco.
I'erfumarias. Neste artigo esia a Predilecta bem
Erovida, nao so era extractos. como em oleos e
ahlias dos melhores odores, aos mais afamados
tahrieantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray/Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a testa.
Sais bordadas para seijliora, por commodo
preco.
Sapatinhosde la e de setim bordados,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a PredilecU um bonito sorti-
mento de diversos Umanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vetumentas para, baptisado 0 que ha de melhor
gosto e os mais modernc i recebeu a PredilecU
de or arcto preco, para Bear ao alcauce
qualquer bolsa.
Nao se a atrevam con-
lestar.
0 barateiro. na rua Primeiro de Marco n. 1,
anliga do Crespo, esti liuuiJando suas tazendas,
por roencs 30 por cento do qne em outra qual-
quer parte ; e a prova diito csta no que vamos
ineneionar.
A saber :
Lawnhas burguezas, bnnitos gostos, ine;ramen-
| te novas no mercado a 140, 160, 180 e 200 rs. 0
covado. So 0 barateiro.
Panama e waiiposa a 440 e aOO rs. 0 co-
vado. Sao lindos os gostos ? muito linJos I
Cretone francez traocado, bom gosle, a 300 rs.
o covado. Aproveitem. Mandem ver amostras
Coxtes de cretone bordados a 5J. Sera possivel ?
E' que eu comprei.
Chitas boas a 240, 260 e 280 rs. So aqui no
barateiro III
Baptistas de lindos gostos a 360 e 400 rs. 0 co-
vado. A ellai, a ellas.
Que lindos go.nos em popelioas e vendemos a
14 e 1,5500 ; todoi querem 14890 e 24. Sao de
gostos novos.
Grosdenaples de cores a 900 rs., 14200 e 14400,
e pecbipcha I
Madapolao francez a 63, 7 e 74500, 0 melhor
que ha.
Cambraia trapsparente e Victoria a 34500, 44
e 54 a peca.
Brim par4o para calca a 280 e 400 rs. 0 co-
vado.
Brim Angola superior a 500 rs. 0 covado. E'
19600 8' rat competent.:.-', e mais 1 forra para janella e 2
i para porta, tudo por um preco muito em conU: J
laoginhas para vestidos, de 240ia teravo.
Vende-se um mulalo de 40 annos dc idade, tem
Esguiao de lioho e algodao a 3^500.
Dito com 40 jard^s a t8j. Que grande pechin-
cha I I
Cbales a burgueza com listra a 34500. E'
desenganar, nao ha quem rivalise.
Lencos de linho a 248OO e 34200 a dazia. Quem
tem Uuaes ?
Colcbas adamascadas a :i-5.
Meias para homem a 34500
Toalhas felpndas a 64500 a duzia. Aproveitem
antes que se acabem.
Brim branco, exposicao n. 5, a 24 a vara.
Atoalhado adamascado a 14440 a vara. Nao e
barato ?
Cbapeos de cascmira para homem a 34. Como
6 barato I
Bom sortimento dechapeos de sol de seda para
senhora a 24, 34 e 34500. So aqui I
Ditos para homem, alpaca a 34500. >
Ditos de merino, duas cores, a 44500.
Ditos de seda americana, duas cores a 04 e 114,
mas podemos garantir que sao superiores. Ve-
nham apreciar I
AI6m destes artigos, outras fazendas que temos
grande deposito, mas qae nao fazemos mencao
del la;, para nao messar nossos freguezee ; mas
qne aeliar se-hao patentes a vi:U dos comprado-
Tes.
E' 0 barateiro quem convida a uma experien-
ce !
A' rua 1. de Marc.0 n. 1.
(Antiga do Crespo)
Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
E' eoonomico.
Graxa glycerina propria para a eonservacao do
as a noras, do 2 andar da rua do Padre FloTiano boa cooducta, e carroceiro e apto para qualquer cordovlo ; Vf nde a NOVA ESPERANCA, a rua Du-
numero 69. I eerTico : a rua do Hospiclo n. 81. que de Caxias n. 63.
A NOVA ESPEIUNCA, a rua Duque de Caxiaa
n. 6J, acaba de receber um bom sortimeate.aa fi-
nas bonecas que fallam, qne riem se e ckioram ;
tambem as tem mndas e surdas ou >urda'-muda*
venham ver se nao i teriaie.
E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Bnque de Caxias a.
36, acaba de receber boa* meias da s-da proprias
paw noiva?, c os apreciaveis ramos de laraogeira
E' hoqiio
As aim ifadas bordadas de la maiis.-.las que re-
cebeu a Havm Eiiperanra, a rr DupieCe
Caxias n. 63.
Pcnleados
de nova iuvencao.
Com tun penleado desks pentea se uma aaHav-
ra em don4 minutes, e acha ?o decectrcen::
penleada para um soiree, um l.aile, assistir ca-
samento, e para ser noiva tauik-m : runde se pe-
baralissimo preco de 235 cada um, e so na ca-
rua da Imperatriz
sa do OJilon Duarte \ Irmiio,
n. 82, primeiro andar.
Sedinhas k 1$500 o cov do.
na loja do Pasv>
Veuham antes que sp acabem
rua !, de Marco n. 7 A.
Na rua Hova n. 8, loja do Lyia J, Vianna
ha novo sortimento de botinas preta*, .;< rares e
brancas, para senhoras; ditas de ataaaftferiB para
moninas c menino? ; aaaaa crmo, botinas de Mi-
li<5? a Snzer, para homem.
tva pura.
Vinho verde dc Amarante, especial
cas A C, a rui eslreita do Rosario
igreja.
vendem Po -
n. 9, jun:o a
COFlfE
Vende-se um cofre
timentos para livros :
branca.
prova de fogo, com rej ar-
a tratar ua loja da aguia
Vende-se um axceMeata piaa.j inglez, noro
e por pre^D commode: na freguezia dos Afogados.
rua Direita n. 54.
ARM/VCIO
A aguia branca, vende a arinacao de sua loja
por baratissimo preco, assim cc mo todas as mer-
cadorias existentes.
Vende-se a taverna da rua das Cinco Ponus
n. 148, com arma^ao de amarello envernisada
e com poucos fundos e commodes para famitia :
a tratar na mesma rna n 144.
"TO N. 9.
No armazem da trombeU da fama commercial,
no pateo do Carmo, vende se manteiga ingleza
flor a 14 e a 14200 a libra, e frvnccza s 800 e
760 rs. a libra ; bem como contimia a ter um
bom sortimento para qualquer ehefe de famiiia
fazer sua dispensa, quer seja da praca ou do
matt?.
Vende se um piano
vozes e de pouco uso :
n. 16, primeiro andar.
armario, cm excellentes
na rua larga do Rosaric
r
.
I *+
DOS PREMIOS DA
20.
114.
a
m. PREMS. MS. PREMS. NS.
. 8 41 279 4 467
14 . 85 45 71
15 89 75
20 99 503
21 300 7
29 1 16
48 17 23
38 .-_ 20 24
69 25 27
72 38 33
77 39 40
80 -' -45 -, 42
84 57 53
86 * 64 *,$ 56
93 ii -73 u 78
116 r 78 85
29 TO -*r- 92
30 M '83 att 95
52 8i 7
67 -r 41 608
70 94 13
83 io,j 407 _ 15
SO . <.* 9 30
97 10 8*5 36
204 11 45 40
14 16 r 46
16 - 34 - 47
26 43 49
36 44 52
41 ~ 47 "T 68
47 50 73
48 51 89
54 52 700
37 55 59 56 M 16
60 59 6* 17
64 60 U 19
lb 63 wmm 29
76 66 _ 36
PARTE DAS LOTERIAS COKCED1DAS POR LEI PROVINCIAL N. 946, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA D RECIPE, EXTRAHIDA EM 29 DE AGOSTO DE 1874.
PREMS.
4$
IO0
ir
aid)
6
4*
44
NS. PREMS. NS. PREMS.
741 *,$ 1012 U
57 4^ 13
61 16
75 30
86 43 * W
89 72 u
95 88
98 91
99 93 T
804 93 **
7 1104 4*
1.5 15 *
-28 20 H
37 21
47 28
52 30 i
53 T- 34 lM
63 --- 59 u
74 *aa 68 H
85 71 X-
88 - 73
^92 76
>*Q5 .85
900 '89 T
12 1203 4*000*
17 15 'U
.-24 - __ 36 mm
30 88
31 53 ^_^
36 58 mm*
50 Ji* 72 ^_
55 --- 76 __
67 m 80 4^
68 1 87 __
90 90 -_
97 . 1304 -w
1000 8 _
9 26 _
, 10 28 mmm
1345
56
58
63
67
80
86
91
93
1405
:l
9
10
14
.20
^1
42
54'
5
66
73
79
92
1506
H
25
27
80
32
45
48
52
67
68
69
93
97
99
1608
it?
4i

1614

22
23
25
39
51
53
54
73
80
84
88
99
1717
m
21
36
39
42
64
66
89
95
4808
..'24
25
27
33
37
49
63
64
72
85
1903
I*
12
21
- 31
_

i
3-
NS. PREMS. NS. .PREMS. NS. PREMS. SN. PREMS.iNS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
iW*Jf

44 2109
23
'I;
i -f
-
~
u
4
r
-2410
2412
13
17
25
26
29
30
38
49
51
54
64
-T.76
'86
89
92
96
<*8
2568
r!5
.rr ^i!7
B8
15
37
40
-?46

S3
^65
:A1
74
"85
91
96
i 97
98
99
-600
3
*t>4
-.

j

"78

-i--r
*!


2607
.10
31
33
34
37
40
44
45
61
79
84
89
94
95
2701
7
9
,-*8
:.
y26
33
-86
.47
,50
57
.58
9
to
^63
67
74
91
94
96
97
99
3805
7

0
41
4^
45
-
2810
18
36
45
57
61
69
70
75
88
94
96
2905
18
25
32
50
54
56
62
66
71
75
78
82
-1,3016
17
19
27
32
36
39
41
56
58
63
.76
83
89
4 3091
92
93
3100
3
15
25
28
36
47
49
59
69
70
72
73
74
80
83
99
*0j32O6
12
14
22
28
35
44
47
52
57
'60
30
71
73
78
88
97
3308
U
mm
45
45 3310
11
14
15
22
23
36
45
57
62
65
69
72
74
75
76
3405
13
15
16
18
20
26
54
56
57
71
73
88
97
98
3505
10
11
19
43
50
55

45
405
05
3560
63
65
6S
70
75
79
80
w
45 4
8

14
16
25
_ 31
_ 32
40
__ 50
m 59
45 61
_ 66
_ 70
,rm\ 3704
6
mtm
A 16
mil 18
--- 20
27
.. 33
--- -39
41
51
53
105 62
.*5 63
65
r 71
45
105
5
45
5
45
45
3781
94
95
97
99
3808
18
21
24
26
28
32
53
55
58
61
62
65
69
70
71
91
95
91
3913
15
30
34
52
54
63
66
77
78
82
,97
96
45
5
45
5
45
5
45
15
41
5
4#
_i:4000


8
3iario de Pernan^buoo Domingo 3,0 de Agosto de 1874..

ASSEMBLED fiEBAL
CAMARA DOS DEPUTADOS.
REEORMA ELEITORAL.
{ContinuagdoJ.
Como v4 a rama.'8- Cami'" XjurJan
queriao voto diioetj cin^"81"10' Por ainor
da Carta, o para formar o seu' complemen-
to. Entendeu, porem, que ndo d*.",a occu':
tar os incouveiueatts do system*, o .?uns'
que prophelisou os succe;sos de 1818'. kO
revolugao ndo teveoutra origin senao a lei I
eleitoral coin a ainJa ehvada ta:ia do eensd I
a 200 francos.
Ora, desinteressadas do pleho eleitoral
as niassas, era facd prcver um tal successo.
0 voto directo, com u censo a 200 francos,
nao deu a Franga inais de 225,300 ei'rito-
res, para 86,000,000 de pupulacd >. 0 sys-
teraa, pois, peccava por falta de base, ou
pela lraqueza della. 0 povo, sobrexcitado,
deixou-se explorer pelos partido:i cm oppo-
sigao ab governo ; o codes colligaram-se para
pediro alargamenlo do ehuorado p-do abai-
xamento do censo. 0 governo resistio ; so-
breveiu a revolugao. Nemo simples abai-
samento do censo a poleria jd en So impe-
dir.; seria, quanlo muito, am mere pallia-
tivo, cuja fores desapparecer-ia em breve
tempo. As massas querii.n o suffragio uni
vcrsal, que e s.mpre consequeqcia neces-
sana o irresstivel, da eleigdo direeta censi-
taria. (Trocam-se apartes.)
A II spanba aaffre hojo as eonsequencias
da adopgao do vjto directo censitario. A
taxa do censo foi descendo progressivamente
Ote ao suffragio universal.
A Italia aiada nao cbegeu ao suffragio
universal, mas e:-td psrto disso : o censo'
ahi jd estu reduiiJo d taxa muito baixa. j
Mescoo na Bulgica, a taxa do censo jd
estd muito reduzid*. \ Antes de fevereiro
de 1818 a sua legislagdo cleitorhl era igual'
a da Franga no tempo sabudoria do governo da Belgica consistio
dm promover, elle proprio, o abaixameuto
da taxa do censo ; e assim evitou a .reper-
oussao do movimento francez.
Ate na lua\alorn id se pede o suffragio
universal, fipezar de ser o paiz da Europa
em que o kitorado directo e mais nuraero-
so pela inferioridade da taxa do conso. Mas
- Ioglaterra nao pole servir de exemplo,
?a,
da, havia de acompanhal-o, certode qua
ninguem e superior as circumstancias; e o
facto nio deixaria de suscitar os applausos
desta augusta camara, por ser um relevante
servigo prestaio i causa publica. (Apia
dos.)
Vozes :Muito bem, muito bem.
(0 orador e* felicitado.
O Sr. AraujoiLimn (Attengdo) :
Sr. presidente, um autor notavel escrevia
no rosto de suas obras : 6 um livro de boa
fe. Se e licito comparar as grandes cousas
com as pequenas, fago applicagdo do mesmo
pensamento ao que vou dizer : sdo observa-
nces de boa fe. Heputar-me-hia feliz, se
Era que se funda semelhante partiJo. Em eleigao, a quo. ahi se procela,
nio pdde ser a minoria re^resentada.
Constituidas as juntas de. qoalificagdo e
municipal, passa o projecto a occupar-so da
substitujcao dos membros deltas.
< Nomeam-se dous substitutos, manda o
projecto.
Pergunto : a quern se refere estes dous
substitutos? A'junta de qualificagdo, seu
presidente, membros que representam elei-
tores, e supplentes T
torque alii ndo ha propnamento povo, aa,
sim? ums massa de individuos subordma-
dos a usna anstocracia rica, que e quern
paiz.
enquanto subsis-
governa o
E assim permauecera
lei da liberdade testamentana e a
E* um povo de po-
os quaes o direito
ou um scrviQO,
Com a rovo-
leis,
tirem a
sua famosa lei agraria.
bros ou de servos, para
do voto e, ou um negocio,
era beneficio da aristocracia.
lucao social para a revogacio de taes_
necossariamento 0 suffragio
\ird umbem e
universal.
Kao posso, pois, acompanhar
amigos da opposite nesse piano
para
sutTragio universal.
inclinado
Mantendo o
30CIO
votantes,
que, mesmo no parti-
divergencia quanto d taxa
systema constitucional da ele'^So, conjuro
esse gravemal.
(Trocam-se apartes,)
E, demais, osquo propugnam pela eleiQSo
direeta censitaria ainda nao acordaram na
taxa do censo. Os conservadores nao po-
dera querer a mesma taxa que os liberaes
quererao. .
Ainda ha poueos dias, ouvi a nobre oppo-
sicao liberal declarar que queria o censo
da constituiQao. Nao sei se se refena ao
censo de 2005 ou de 4009000.
0 Sr. Maktimio Campos :l'ela mm
parte referi-me ao censo dos elegiveis.
0 Sr. Jo.\o HbSdes:0 Sr. Hore
de Abreu referio-se ao censo dos
isto e, a taxa de 200J000.
Jd se ve, portanto
do liberal, ha
do censo.
0 nobre deputado por Minas C.eraes quor
o cer.so da elegibilidade ; os nobres deputa-
dos nelo Rio-Grande do Sul, ou pela menos,
um delles, quer a taxa do simples yotante.
Ora se isto e essencial nesta q lest&O, por-
uue na'o basta votar o principio, e preciso
conhecer ao mesmo tempo a taxa do censo,
o desaccordo e prejudicial, e affectard de
'jmpntenciaa aspiragao. A raaior ou a rae-
nor taxa do censo, se bem pezarraos a his-
toria da eleirao direeta consitaria em outros
paizes sera o caracteristico c jnservador ou
liberal da lei eleitoral. Nao estando de
accordo as duas fracgoes opposicionistas,
nem o podendo estar, sobre a :axa do cen-
so, nao sei para que insistir nesta materia.
0 Sr. Pereira da Silva :Ua de se chegar
a um accordo.
0 Sr. Joxo Mbndes :Mas DOS nao po-
demos adoptar o principio sem conhecer-
mos a taxa do censo,- que e o eixo do sys-
tema.
0 que significa a expressao
Qoe
de uma
accordo sobre esta taxa,..
0 Sr. Pereira da Silva
estar. iv ,
0 Sr Joao Mendes :QuandoT
0 Sr. Pereira da Silva :-Na occasiao
'0PSrD JoAo Mendes :Mas pelas decla-
tribuoa, se ve qne a este
neste ,sntido fosse jufgado.
Estd eiu discussdo o art. 2. do projecto
de reforms elefiO.ral, que trata das juntas
de qufllificasSo e municipal, do processo da
quah(iob?iOf recursos, nullidades, etc. Tu-
do isto isr* objecto de um exame rapido,
roas sincero-
EHtraudo na apreciagSo do artigo, deparo
logo corn uma disposigdo que excita meus
reparos, e o capituk* 1.*
Em Sodas as leis de uma cerla exteDsSo,
para faeikdade de sua intelb'g'incia eestu-'
do, adoptn-se nma divisao e sabclmsSoqual-
quer, parK^ titulo, capitolo, etc. Mas no
art. 1." emp^egi(-se a divisao escolbida. Ko
projecto era disea'Sao, o estylo e-outr. A
divisao empregida, o capitulo, s6 figure no
art. 2."
O Sr. Gb&ma) J-obo :A r*zdo 6 sim-
ples, porque aifteroijfcjs capitulos estdo su-
bordioados ao prioeipA e logico.
. 0 Sr. Ahauo Ijwa :O qu a logica
pedii era que t\o an. ^. se fizessr uso da
divisao adoptadi, capitolo, que pocteria ser
capitulo 1." ou unico. E' o que yejo en>
todas as leis, ct-nstituigao, codigo criminal,,
codigo do processo-criminal, lei da reforma
de 1811, lei eleitoral de l&i6, etc. Bem
po'io chamar-se este-projecto-de lei : projec-
to descabenado.
jtoodo isto de parte.fagp ue pergunta- :-
forsm aceitas as missao ?
ii Sr. GtsMio Eobo:Foram^ e o pare-
eer o declara.
O Sr. Araujo Lima*.A' virt d* decla- e cidad8os- com
ragao, prosigo em mea exame.
A' composigao de j,unta da qualificagSo
polo juiz de paz, eleitores epropwetarios,
quo erum as melhores creaturas- do impe-
rio, substiluio-se outro 6jstema. Oaquatro
membros da junta, bem.corao o presidente,
sao eleitos pelos eleitores- e suppleates,. em
voto singular, se nao estoo em eiro> e em-
quanto o nobre minislro nao declara algum.
uovo systema com que se abraee; Esta
combiuagao tem por fimproteger ae mino-
rias, damas queridas e imaginarias-* para-
cuja defeza esta esta camara cheia te cavar
Iheiros esforgados.
O Sr. Gusmao I.obo Sao dama* que-
ridas desde a lei de 1846.
O Sr. Araujo Lima.:Mas obtem-se o.
resultado desejado, a representagao- das-mU
uorias? Cumpre examinal-a-
Ou o corpo eleitoral, eleitores e supplen^
les e de uma s6 c6r politica.ou de cdres di-
versas.
Na primeira bypothese, ou seQaotodo o.
copo eleitoral de uma so opinido politica,
a eleigao de todos os membros da juata de,
qualificagao arranja-se fraternaUuente ou em
familia. ,
O Sr. Gusmao Lobo :E qual e o re-
mtdio ?
O Sr. Araujo Lima:Neste caso a mi-
noria nao tem vantagem ou represeatacao aL-
guma. E' o que se dd com a legislagdo
actual. Onde o rtelhoramento ?
Na segundaghYpothese, ou seodo eleito-
res de uma crenca politica e supplentes de
outra, teremos a representagdo da minoria,
se os supplentes d ella pertencem. Identico
resultado e obtido com a legislagdo vigeate.
Qual a vantagem da reforma 1
Assim a reforma e nulla em seus resulta-
dos E ate pode peiorar a sorle]das maio-
rias ou minorias. Comparecem mais eleito-
res T Pode a minoria ser supplantada em
sua totalidade. "
\pparecem mais supplentes 1 Pode dar-
se a derrola total da maioria. Nestas con-
digoes, pergunto : onde estd o merito da re-
forma com relagao d representagdo
norias?
O Sr. Gusmao Lobo :Mas V. txc.
esquece que maiorias que nao comparecem
sao minorias.
0 Sr. Araujo Lima : -Cumpre ndo con-
templar as cousas 'com tamanho rigonsmo.
OSr. Gusmao Lobo -.Mas se a minoria
ou maioria nao comparecem, 6 porque ndo
existem. Corao se hao de representar
que nao comparecem ?
O Sr. Araujo ima :Ha motivos funda-
dos de nao comparecimento, obstaculos, ne-
gocios, familia, doenga, etc., que naopo-
dam deixar de ser tornados em considera-
actual a minoria e
supplentes.
disposigao ? Nio "o comprehendo.
Confundio-se, parece, eleigio de mem-
bros da junta com eleigio de eleitores. Nesta
ultima eleicdo de eleitores poderia ter al-
gum cabimento a anticipagdo rel'erida, com
0 Gm de eleger-se a mesa da assemblea pa-
rochial antes do comparecimento do povo.
Mesmo porem uaste caso seria isto s >m
vantagem ; porque a haver ioteresse naelei-
gdo da mesa, as parcialidades chamariam a
postos seus adberentes, o tiroteio ua luta co-
megaria com anticipagSo de tres dias.
Isto posto, semelbante disposigao mesmo
na e'eigao de eleitores seria pueril ou sem
alcance. Qanto i junta de qnalificagdo,
viola, digo-o respeitosamente, ate* o seoso
commum. (Risadas.)
Constituida a junta, prosegue o pro-
jecto, o juiz de paz entrega um relatorio
com os papeis respectivos.
Ou nao comprehendo semelbante dispo-
sigao, ou ella e detestavel.
A lei de 19 de agosto de 1846 e sabia,
nao taoto pelo legisladnr que a fez, como
por ser copia da lei franceza que rege a
materia. O francez nao brilha pela profun-
deza e jurzo; mas seu merito e incontesta^
vel no tocaote a clareza e logica.
Segundoa lei de 184&, installada a jun-
ta, lavra-se umn- acta cireumelaDciada, ex-
pondo todas as occurrencras da eomposigdo
delta, como muHo convinha, para avaliar-
se a lagalidade ou iltegalidade de semelban-
te cooiposigao que tem tamanfav importan-
cia, relativamente *eleig,do.
Acabou-sea acta da instatSagao djunta?
E' tudo swbstituido pelo relaeerior 6-a ex-
clusiva do juiz de pas?
& Sr. IfcRACLiTO SialQk d* um aporte.
OSr-. Arahjjo Lima :Entao- lavra-se a
acta oom as declaragoes- da lei d' f84fr. A
ndo baveracta de instatlagdo de junta o
juizde-paz e o arbitro supremo da- compo-^
sigao d*'mesma junta. E isto reforma ? E
isto melhoramento? A ser assim, emelban--
te reforma- e detestavel!
Em-falla de eleitores esiipplenies, con-
tiniia o projecto, eonvocados; para a- com-
posigdo da junta, chamao8e juizes-de paz,
as qualidades de eleito'
res.
Ainda uma refiexao. Est4 eleita s-junta,
estd entregae o relatorio, qae substitue a
seta da insiallagao. E agora e-que o pro-
jecto occupou-se da composkao da junta!
Ojke violagao da logica 1.
Mas, Sr. presidente, tuAvisto-e- peior do
qpo a que existe.
Segundo a lei d* 1846, em respeito-aos
direitos da maioria ou minoria, someata se
ceavoeavam oe eleitores e sopjslentes, esti-
vessem mortos, mud ados, ete. Agon o
juiz-depaz cob*oc'os eleitorese supplen-
tes-que lhe faemonta. E' o arbitro- su-
premo da forma^ao da junta>l' Grande me-
lhoramentO' I
Segundo a lei do 1846, em falta de-elei-
lores e supptentes, cbamam-se OS oito im-
mediatos ao juiz-de paz,, e em i falta destes,
cidadaos cora-as- qualidades cfe eleitor. A.
minoria era repxesentada com os supplentes
do juiz de paz.
Agora chamara-se juizes de paz, logo
das mi-
censilaria
- Havemos de
ragoes teitas na
i espeito ainda ha divergencies
(Trocam-se apartes.)
E' para miua muito dolorcso discordari
dos meus amigos da opposigiio, quanto d
uue-tao eleitoral. A verdade e que o princi-
pio organico da eleigdolndo pode ser alterav
5o por uma lei ordiuaria : 'e portanto, nao
polemos sendo legislar sobre o modo prati-
co A nossa missao deve resumir-se em res-
taurar a verdade da eleigdo, quer no pn-
meiro, quer no segundo grdo. Nao posso,
ne:n devo concorrer para que desgamoso de-
clive do suffragio universal. (Apoiados.)
' e^ta, com effeito, a historia do systema,
nos differentes povos. Ndo fossem estas
razues de convicgao siacera, ndo hesitana,
um momento sequer, em adherir ao pro-
gramma da eleigdo direeta censitariai
Sr. presidente, a horajesta esgoUda, endo
quero queo nobre ministro do imperio at-
tnbua a mim o prejoizo da discussdo do
orgarnento; lamento, entretiinto, que b.
' E\c. ndo bouvesse querido assistir-me neste
debate, com a sua presenga, ate este mo-
jnento. Se estivesse presente, eu conside-
raudo o seu projecto, os seus discursos, e
as suas ultimas declarag5es ante esta augus-
ta camara, pedir-lhe-hia permissdo para
pcnderar-lhe a convenieacia de deixar a
pasta. Saccumbiria com o sou projecto; e
uraatal aboegacdo, podendo ezciUr no ga-
biaete sentimentos iguaes, attestaria, ndo
s6 o seu patriotismo, sendo sobretudo a sua
lenldade Dartidaria. 0 gabinete, sem duvi-
gao. Com a legislagdo actual a
mais efficazmente protegida ; porque qual-
ssagssftst sgj&pgSi
assim ; depende do numero dos presentes.
Sr. presidente, o projecto tem um vicio
capital; contempla a theoria, a abstraccao,
e nao o estade real e pratico do paiz. A
eleigdo entre n6s e uma batalha ; rompe a
fuzdariaj; cobre-se o campo de mortos e fe-
ridos ; dispoe o vencedor da eleigdo mte-
gralmente. Nestas condigoes que significa:
representagdo de minorias ?
O Sr. Gusmao Lobo rMas neste caso
ninguem tem a pretengdo de representar o
que nao existe.
O Sr. Araujo Lima .Mas entdo qual a
vantagem do projecto, no tocante d repre-
sentagdo das minorias ? A reforma labora
no falso presupposto de um systema de elei-
goes regular, de eleitores sahidos de todas
as opinioes politicas. Puro sonho. Refe-
rindo-me ao Ceard, o corpo eleitoral aqui e
alii estd d merce, em sua totalidade, da par-
cialidade vencedora. Como representar mi-
norias T
O Sr. Gusmao Lobo:Ndo ha de ser
assim quando se votar o projecto.
O Sr. Aracjo Lima : -Ha de continuar a
eleigdo no mesmo pe* de fraude e violencia,
que corrompe tudo.
A eleigdo, diz o projecto, e presidida
pelo juiz de paz, tres dias antes do designa-
do para o comego dos trabalhos.
Uma observagao primeiro que tudo. No
art. 2. tratou-se da eleigdo da junta de
qualificafdo. Agora diz-se quem preside d
junta.. E' uma infidelidaue manifesta ds
leis da logica. Grande e o poder do go-
verno que faz ate o carro andar adiante dos
bois. (Risadas.)
Mas a que vem a eleigdo da junta de qua-
lificagdo tros dids antes ? tres dias antes, ou
tres dias depois, comparecem a eleigdo os
raesmos elementos, juiz de paz, eleitores e
cidaddos com. ao- qualidades- de eleitores
Li se foi, com os. supplentes-do juiz de paz,
proteccio das- minorias I? Que vantagem
importante 1
Um Sa. Deputado : Nao da innovac&o.
O Sa. Ajaajluo Lima:Engano. Par*
peior a uwiova^do e grande, compatando-se
as disposi^oes da lei de 1846
projecto.
Em talia de eleitores- e supplentes as>
nullados^ diz o projecto> chamamrse eleito-
res e supplentes da legislature anterior
em falta. destes, juizes de paz e- cidadi-^
com qualidades de eleitor.
E' o mesmo systema de reforma, peioaan-
do a que existe.
Em falta de eleitores e supplentes, saan-
davaa legislagdo. vigente chamar 06- oito
immediatos do j;uia, e em falta destes, cida-
daos com qualidades de eleitor. Por esta
fdrma attendia se aos direitos, da .maioria e
da minoria, recorrendo-se aos'representan-
tes da maioria e minoria actual, juizes d
paz e seus immediatos.
Agora chamara-se os eleitores esupplea-
tes da legislature anterior, representaotes,
de uma maioria e minoria que 6 passada.
Equanto aos juizes de paz, salta-se pelos su-
plenlesem damno da minoria para ch*gar-se
a cidaddos com qualidades de eleitor. Oode o
respeito da maioria ou minoria? Onde
a vantagem de semelbante alteracdo ?
a Nas parochias novamente creadas, de-
terraina o projecto, recorre-se aos eleitores
e supplentes, ahi residentes.
Ate aqui, nesta bypothese, oompunha-se
a junta de qualificagdo com oito immedia
tos ao juiz de paz, representantes da maio-
ria e minoria.
Qual a raindade do systema actual?
Qual a superioridade do que e agora esta-
belecido ?
Sr. presidente, quando contemplo refor-
mas tdo profundas, afigura-se-me assistir ao
brinqaedo de crianga com bo nee as, pondo-
as era pe, encostando-as, deitando-as, for-
mando circulo, quadrado. etc.
Minha razdo ndo comprehendo a sublimi-
dade de taes melhoramentos com relacdo,
d verdade do systema representative, d pu-
reza da eleigdo 1
A junta municipal, manda o projecto,
alem do juiz municipal, compde-se de dous
vereadores eleitos de entre os vereado-
A junta municipal, seu presidente e ve-
readores f
0 projecto do Sr. ministro do imperio
parecia mais Iogico.
0 Sit. HERACtfto Graca :Ha nms
emenda sopprimindo o periodo final deste
paragrapbo.
0 SR< AiutCio LlMK :-^A eonfusao sb
siste, De quem sdo substitutes os dou-
substitutos 7
0 9r. Heraclito Gra$a :A eommissdo
manlem o que estd no projecto.
0 Sn. Araujo Lima :Udo 6 exaefo. A
commissao eraendon o projecto do governo.
Mas pondoisto de*parte, e tend'o por as-
sentado qae ninguem entende- nem o pro-
jecto do governo, nem a emenda da com-
missdo, examiDemos a- questdo de fundb-.
Ate aqui, eonstituida a junta de qnaTitf:
cagSb, ou municipal, na falta eo impedi-
menta de seus membros a mesa- noraeava
quem os substituisse.
Agora ha substitutos legaes. Tsto 6 um
mal, toma a eleigdo morosa, dlspendiosa,
impossivel,
Dd se impediment ou falta dOs r.jembros
das juHtas. Et preciso que a mesa tenba
uma esquadra de-olfieiaes de justiga- ou es-
tafetas, a pe ou a cavallo, para correr ds
villas, crdades ou freguezias- com ofBcios,
em proeara de substitutos. Quem perde
com tal raorosidade, com tamanbas iJespe-
s?
i
0 Sr.- Leandro- BezerracApoiado.
0 Sr. Araujo Eima :Ndo compareeem
os substitutos, porque ndo pedem ou= nao
querem. Que seJfaa ? E' a ei'eigdo inapo&si-
veli Jsto^ndo tem eabimento.-
0 Sr. Fereira- bos Santos-:No peo-
^eto estd'isto providenciado-
0 Sr, Araujo Lua-.: Refc-me dsman-
dos que forara aceitas, como> jd se disse.
Ealta o presidente-da juntas. Hi quatro
membros. Comose-nomea presidente no
iaapediment6 do effeetivo e do substitute ?
O'Sr. Heraclito- Graca>:Desempaia-se
pela sorte..
OSr. Abaujo Lima :No projecto-ado se
le isto.
0- Sr. Heraclito Graca. : E' a s4aples
intaigSo.
0-Sr. Araujo Lima:Simples intoicdo
M me falta. Que custaria dizel-o .'
OiSr. HERACLrro GRAgA.:Estd^suben-
tendido.
0 Sr. Heraclito Graqa dd outro aparte.
Mas ndo so ndo explica o que sejam gas-
los de producgdo, como tambem em diver-
sos artigos do sen projecto dd-se dqaelles
pue tem a renda de 200J o direito de votan-
te ; permanece a iucerteza sobre o que soU
a renda liquids.
U.n nobre deputado pelo Maranbdo disse-
nos : Asciencia ensinaoquee renda liquida. 'que ndo
Mas, accresceutou elle, quem no Brasil ndo
ganha 200* por anno? Continua a mes-' Para mostrar como estas cousas se fazem,
ma incerteza com respeito d renda liquida, vou examiner a taxa de escravos_
nao se dignando o nobre deputado explicar sabe a camara, a taxa de escravos e de I0J>,
o que a sciencia eosina, nem (ornando has- &** 6* e 49, segundo as capitaes, <**<**,
tante claro o seu aecreseentsmento, a quo Tllla. etc, a que se applica. -Referrodo-
alludi. De sua opiniao parece inferir-se que mo Ceard, ponderarei o segumtef no
renia liquida e reuda bruta e* a mesma lc. qo e" cidade, quem tem um escraro,
1 porque paga 6#, e votaote. Na villa do
I.avras, da mesma eomarca, distante dez fe-
guas, ndo e votante, porque o rmposto e de
49. (Oh !) Um escravo de 13 oo de 59 an-
nos, crianga, velho, doente, qoe ndo tem
. valor, que nee dd renda, confers, como o
nas fico em dotida, attendendo ao que o jmposto, o direito de votar I Um escravo
nob-e deputado disse : no Brasil quem ndo at{W dd o direito do voto; alii nao- da. E'
0 Sr, Araujo Lima jNingaem e sabe.
Fago mais uina nerguota : A quem apro-
veita semelhante imposto? Tem-se infor-
magOes do thesouro, das fhesourarias de
fazenda, das camaras manierpaes? Creio
Eis como se legisla f...
se
Como
cousa.
te.
0 Sr. HB**CLiro Gra$i : dd um apar-
O Sr. Araujo Lima : Ndo-o affirmov Ape-
ganrra 2009? Nem creio dever isto csesar
estranheza, quando pareoetal ser a opinido
de uvn nobre deputado p-lo Ceard.
Um nobre deputado por Pernambuco, se"
nao estou em erro, equipara a renda liqui-
ds d'renda bruta.
Citou elle em apoio de sua opinido J.
Baptists Say a quem ROssi comba%. Julgo
ndo assistir-lhe razdo.
J. Baptista Say distwigue expressamente
renda-liquids de renda bruta, quando diz
que renda liquida de um emprezario-e a que
tica, deduzidos os gastos da producQiio do
productobruto ou total.
Mas accrescenta elle: para uma nagdo
seu- producto liquido e" precisamente- a- mes-
ma cousa- que seu produeto bruto- ou to-
jal.
A razdo que elle dd e esta ; aquillo que e
aerda par* um, e ganho para outr: Es-
ta- opinido de Say, relativamente ao produc-
to national, eqoe Rossi oorobate.
Parece, pois, que e osoriptor citadonao
confunde renda bruta om reuda liqui-
ds-.
Invocou aioda o nobre deputado a opido
do- autor ssbre o systema- representsatvo.
Este escripto*,. qo e um distiiicto Ulento,
oecufa-se de muJUphcados aseumptos ;. mas
o deque se trata nao aprofundou ou deseu-
volveu coHvenientemente^
&-Sr. Heraclito Graga.:E' uma- in-
justice, do nobre deputado.
6r. Aracjo-Lima :A. prova e esta.
A.respeito da renda liquide,.em sua cvtada
obra, diz apenas algumas pooeas palavras.
Aiom de qus nao sei qpa pelos homens
da sciencia lhe hajam side- cottferidos oe f6-
ros de-eeonomista.
O Sr. Hek.--.cuto Gr,v;mij um parte.
0>Sr. Araujo Lima---isto posto^.para
renda
isto razoavel ? E' lei feita com- pceca m-
telligencia. Na-barba do tolo opreode 0
barbeiro novo. (Risadas).
Uma observagao e comparagao.
Orendeiro ou tocatario, por praro- nao
inferior a tres annos de terreuos que eultr-
ra, e votante, sa paga 209 ou mais. Se o-
prazo-for inferior a tres annos,- ember*pa-
gue 209^ou 300,-?-de renda, nao 6 votante.
Mas e votante o senbor de um escravo,
crianga on velho, qua nada vale, qae nadai
rende 1
O'proprietario de immove^ cujo valor*
tocutivo nSoseja inferior a 200^,- e votante.
So o valor loeativo e inferior a 200| ou e
de l!Mt^(J'>; nao e votante I Mas e votan-
te o stnhor da-escravo, crianga ou ve'ho-
qpe ndo tem valor, nem dd renda -alguma !'
Eis como se legisla entre nos I
0 Sr, P1esh)E.nte : Permitta o nobre
deputado que lhe deolare que jd passou a
hora de eotrarmos nasegunda pa^te da or-
demdo die.-
0 Sr. Araujo Lima :Sr. presfelente, re-
sumirei o que tenho de dizer para obedecer
a V. Exc, posto que- o projeoto seja tdo
eoofuso e desordenad. Ouvi dizer quo
ehVfdra ewiado ao Sr Naville, na Europa.
Tremi, mas eonsolei-me, porquo elle ndo
sabe nossa lingua.
Titulares,. ofiieiaes efidalgos da casa im-
perial sdo votantes.
A lei podeannexar a uma prefiasdo a pre-
sumpgdo de renda.
Honras nao estdo neste caso. Af6ra im-
oaunidade f^litica, deque se rerestea rea-.
ikza, no interesse pubiico, a igvaldade e o
(principio fundamental de nossas leis. (At
formar meu juizo acerca do que seja .------,- ,_
liquida, recowo A autoridadeque repwto in- j P>aaosJ -
contestavel; a-do um cidadao que conta t-urapr
nesta .casa numerosos disoipulos, quo ensina jtera a reB* JJj "ff*10^ 0U-"aIUD'
ecoaomia poktiea dcerca de40 anew, a de NfS ?.u_ 8rand_e/ *&+ ?*%
umsabio; fallo do Sr. V*. Autran.
O'Sr. Tarqvisio de Ssuza :E' uma au
toridade muito competence.
0>Sr. Araujo Lima tBs o que diz elle os peiores cortezdes,
sobre renda liquida em^seu Manual de Ecc
nomia Politica, publicado este anno, psg
O Sr,. Araujo-Lima:Quants. a mim
nao vejp-este caso providacciado em. lei; a
*" jp[qual s6.se refere a eleitores e supplentes,
quando falla de desempate.
Do qpe tenho.dito, v5-se o valor do pro-
jector pelo que respeita-ljunte.de qualilica-
c&o.
Manteve-se o elemaoto popular em sua
integridade aa junta de qualificagao em sua
maioria, na junta municipal. Gragas se-
jam dadas- a commissao. A representagdo
das mioocLas tica no mesmo ou em peior
pe. A estincgdo da acta de installagacs. a.
composuj_ao da junta, tudo isio peiora o que
existe. A uovidade de substitutos das juiir
tas. depois do constituidas torua a eleigdo mo-
rosa, dispendiosa, impossivel.
Passo ao processo da qualificagao.
Tres abusos doturpam nesso systema
eleitoral, a inexistencia, a idade e reu-
da.
Qualifica-se todo 3 mundo sem attengdo d
existencia, idadee renda.
Quaoto d existencia e idade, o projecto
apenas contera a providencia do augmento
dedizesdo 4." [L6.) De quatro eleva-
ram-se a oito os dizeres, ale"m da casa das
observagoes geraes.
Serd um livro, Sr. presidente, do tama-
nho.da mesa em qua V. Exc. estd.
Trabalho ioutil. Ndo e por falta de di-
zeres que se qualificam individuos inexis-
tentes; e" por falta de punigdo severa. (A-
poiados.)
E' por igual falta, que na cdrte ( diz-se)
tem votado individuos com os nomes de
Bernardo Pereira de Vascoaoellos. E* por
igual motivo que desconhecem-se votantes
(sei de vista) a pretexto do nome de Cazu-
sas; officiaes de justiga por seus juizes; ir-
mdos por seus irmaos: como se provft a ta-
manho escandalo ?
leiddade partidari
res.
Ainda uma reflexdo que se refere d lo-
gica.
Eu seria indulgente com um ministro do
imperio que fosse militar. Gosto mais de
militar bravo do que sabio. Toda a seve-
ridade e pouca com o ministro da iostrac-
gdo publica, doutor, illustrado, sabio.
Estamos tratando da junta de qualificagao.
A junta municipal estd Id muito adiante
no 8." A que vem aqui a junta munici-
pal ? A logica ndo 6 respeitada.
A questdo de fundo.
Na junta de qualificagao, como na junta
municipal, a commissdo corabateu o gover-
no, por predominar, no todo ou em parte,
o elemento popular.
0 Sr. Leandro Bezerra :Apoiado.
0 Sr. Araujo Lima :Rendo elogios &
commissdo, mas quer no systema actual,
quer no do projecto, na junta municipal
domina sempre o elemento popular. Qual
a vantagem da' reforma? Fica tudo no
mesmo pe.
Serd melhormente representda a mi-
noria, com a eleigdo de dous membros da
junta de entre os vereadores ?
Poderd isto paxecer uma verdade theori-
caraente. Na pratica e" sem valor. As mu-
Nada vejo.
Em regra exige a constituigfio a idade de
25 annos para o votante. Como pertengo d
escola ndo do direito stricto, mas da equi-
dade, nenhuma duvida teria em reduzil-a a
21 annos, que actualmente e a maioridade
legal. Facil seria eohibir este abuso com a
certiddo de idade ou justificacdo. A este res-
peito o projecto e mudo I
Vamosd renda. A constituigdo admittio
a eleigdo censitaria, ou a renda liquida em
cert a somma.
Por esta occasido cabe-me ponderer que
reputo escurada a discussdo, levantada nes-
ta camasa, relativamente a suffragio univer-
sal. A constituicdo consagrou o suffragio li-
mitado por certa renda.
Todos quereaaos manter a constituigdo
noste ponto.
Occorrem duas divergencies: ons querem
conservar a eleigdo de dous grdos, outros
ndo; uns podem interpretar a renda liquida
de um certo modo, outros de outro. Acerca
do exposto versam as duvidas : por ora limi-
to-me d renda liquida.
A qualificacio 6 a anarchia, porque nin-
guem se entende com a renda liquida. 0
que e da renda liquida ?
Segundo o Sr. ministro do imperio, a ren-
da annual de 2009 deduzidos os gastos da
2J5. a .216.: A parte do producto ou de
seu.valor, que pertenee aos que concorre-
ram pare a producgio com o seu trabalho
knmediato (emprezario e operar) ou com
o seu. capital, e o rendimento bruto. 0
que sobrar.da parte dos- primeiros, deduado
o custo da produccao do trabalho, isto e,
a mantenga propria,. a de uma mulher e de
jum.ulho, e a babilita$ao do que se despen-
deu para habiiitalro aos conhecimentos in-
dispensaveis d especie de trabalho que exe-
cutam, e o rendimento liquido.
Em uma collecgao de notaveis artigos, pu-
blicados no Recite em 1S62, a respeito da
eleigdo directs, disse o mesmo Sr. Dr. Au-
tran o seguinte : So o legislador tomar
por ponto de partida um rendimento, que
feita uma ecouomia de a /0 p6de deixar ao
cidadao uma renda liquida de 1009, p6de
estabelecer esta renda como condigao do
direito de votar.
Nestas condigoes parece nao ser funiada
a opinido daquelles que atlnbuem a renda
bruta ou ao ganho de 2009 o direito de vo-
tar, nos termos da renda liquida que a con-
stituigdo consagra.
Em todo o caso o que reputo absoluta-
mente indispensavel t>, que se fixe uma re-
gra, um criterio, que nos fagi sahir do ca-
hos em que vivemos a respeito de renda li-
quida.
E' renda liquida ou salario de 2009 ?
Neste caso o complexo de prescripgoes des-
ta lei carece de seriedade, basta dizer-se :
quem provar certa idade e votante, porque
ndo ha no Brasil quem nao ganbe 2009 an-
nuaes. (Apoiados.)
Quer-se o suffragio universal ? Inclino-
rae a crer que elle terd a dominagdo do
mundo. Acerca delle se poderd applicar o
que dizia um escriptor :
0 triumpho da liberdade e da derao-
cracia e na ordem moral o que sdo os phe-
nomenos na ordem physica ; e a agua que
corre, e a pedra que corre, e o sol que se
levanta esplendido no horisonte.
Mas haja franqueza, reforme-se a cons-
tituigdo, estabelega-se o suffragio universal,
por minba parte ndo terei duvida em acei-
ta-lo, sem isenta-lo todavia de regras que
assegurem seu bom exercicio, porque ndo|re-
conhego direito de fazer a desgraga publica.
0 estado em que nos acbamos e" o peior de
todos ; porque a par da regra, da limitagdo,
da constituigdo, estd a mentira, a confusdo, a
anarchia, em que ninguem se entende.
Estabelece o projecto algumas cathego-
rias de votantes com renda Dresurnida. Exa-
minemos o seu valor.
Falla o projecto em renda conhecida. Pa-
rece pouco feliz a expressdo. Consideram-
se como tendo renda, presume-se que teem
renda, etc., 6 o que se le a cada passo nas
leis que se referero d materia. Quem co-
nhece a renda alheia ? 7
Os filhosfamilias podem ser officiaes da
guarda nacional, valendo-se das rendas dos
pais. Pelo projecto sdo votantes os officiaes
da guarda nacional. Comprehende-os ?
E' isto aceitavel para os sectarios da lettra
da constituigdo?
ipre que 0 povo saiba. So'vota quem
ida da lei, seja ignorante 0
ou grande, duque, ete.
0 Sr. Heraclito. Graca,:A's vezas-os-
titulares nao sdo ospeiores oortezdos.
0 Sr- Araujo Lissa .:Nd sei quaes sdo-
Sei, porem, que taU
disposigdo ndo e boa.
Observarei por* fim. relativamente dear-
thegoria de votantes, qoe alem de deSsituosa,
diz respeito a uma parto minima da socie-
dade. C commum do povo fica sujeite a
incerteza, ao cahos, em. que vivemos.
Agora a.prova da renda. CommeUe-se
este ponto capital da qualificacdo ao juiz
municipal, isto e, ao-governo. Subsist* ao
menos a apreciagao da renda pela junta,
como era d'antes. Havendo contestagdo,
pertenga o aonheciraento ou justificagdo ao
juiz de direito.
0 Sr. Heraclwo GKACit pd um aparte.
N Sr. Araujo Lima:Ndo coohego le-
gislagdo de povo livre que entregue a qua-
lificagao ao governo. Quern tem a qualifi-
cagao tem a elsigdo.
0 Sr. Heroclito Graca dd um aparte.
OSr. Araujo Lima :A meu ver, eon-
servem as juntas 0 poder que tinhara ate
aqui, no que respeita d avaliagao ou provas
da renda. Havendo contestagdo, ahi estdo
direito commum, o juizo de direito. Acho
inexplicavel apredilecgdo que mostra o Sr.
ministro pelo juiz municipal que h^je quasi
nao passa de mero preparador.
0 Sr. Herclvto Grac.a :Quaes sdo os
actuaes raeios de provas ?
0 Sr. Araujo Lima JDocumentos, jus-
tificagoes julgadss perante ojuiz de direito,
6 Sr. Heraclito Graca :Ndo duvida-
ramos aceitar a idea.
0 Sr. Leandro Bezerra :Talvez 0 Sr.
ministro do imperio nao a aceite.
0 Sr. Araujo Lima ;Eis 0 que e a re-
forma, com relagao d renda ; a mesma in-
certeza, e tudo nas mios do juiz municipal,
autoridade inteiramente dependente do go-
verno 1
0 Sr. Heraclito Graca dd outro aparte.
0 Sr. Araujo Lima :S6 os ajudantes e
ara, v
votantes todos os
0 Sr. Heraclito Gra?a :Ndo apoiado.
0 Sr. Araujo Lima :Negal-o e negar a
luz do dia.
Sr. presidente, com a divisio exquisita
do projecto, em artigos, 1. ns. 1 e 2
etc. ; com a desordem e confusdo que reina
em todo elle, e que tanto contrasta com a
ordem e clareza da lei eleitoral de 18+6, te-
nho sido obrigado a alongar-me mais do
que quizera. Vou resumir 0 mais possivel
minhas observagoes, qne se referem a alte-
rag5es frivolas.
0 prazo para 0 trabalho da junta de qua-
lificagdo eleva-se de 20 a 30 dias ; para as
reclamagoes, de 5 a 10.
A importancia da junta dimiuue ; e, to-
davia, arapliam-se os prazos para seus tra-
balhos 1
Segundo a legislagdo brasileira, franceza,
ingleza, a qualiflcagdo ndo passa de tres ma-
zes ou pouco mais. Com 0 projecto actual
do' tal forma se multiplicaram as juntas,
- recursos, que ndo se
"I?! gitardo0 mePnobs dS a oito mezes.
SViTi^ "* M Product, e renda liquida.
cem soldo. Como ado
officiaes desta forga ?
Os officiaes honerarios teem a renda das
hdnras. E' esta a" renda constitucional
corn que sdo declarados votantes ?
Quem paga 6(5 de imposto 6 votante.
imposto directo ou indirecto?
E*
se a
gente
maior parte do anno a qualifies r
(Continuar-se-ha).
1
.

.
TYP DO DIAK10. -ftV* UUQUE DE UAXU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4KO3DYU6_02SBBX INGEST_TIME 2014-05-28T17:23:08Z PACKAGE AA00011611_19451
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES