Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19444


This item is only available as the following downloads:


Full Text
HHHm

ANNO L MJMEM 190
r78I 31/ t' ffij
>
i

(
1
V
PABA A CAPITAL E LUC ARES 9\DK Nl SBPAfiA P*VB
Por tres meses idiaoUdos. w,
-it*ii, Cada numero avulso
Por scis ditos idem.....-.......... 1SJ000
For urn anno idem..................I4#000



93*0
mrimmrn : MBBADO 22 DE AGOSTO DE 1874
44*
PABA DBNTM E FOR A DA I'ROVIftCIA.
tret mews adiaotaoos...............
seta oitoa idem................
note ditos idea ....
Por am anno idem.................
T/ftt
otsm
root*

PROPRIEDADE DE MANOEL F1GUEIR0A DE FARIA FILHOS.
rwnA
ft frs. Gerardo Antonio Ahead Filhof.no Pari; Ooaeal-fee d Pinto, no Maranhlo; Joaqnim Joae de Oliveira A Filho, no Ceari; Antonio de Lamua Braga, no Aracatj z Joio Maria Julio Chavea, no Aaan; Antonio Marque* da Silva, Natal ; Joed Juatino
Pereira Almeida, em Hamangoape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahjba ; Antonio Joed Gomea, na Villa da Penha; Be'armino doa Santoa Bulclo, em Santo Antio ; Domingoa Joed da Costa Braga, em Haxarethx
Antonio Ferreira de Aguiar,.em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar daa Alagoai; lives A C.,na Bahia; e A. Xavier Leite d C. no Rio Janeiro- v
ISSIBUCCaO POPULAR
Elements* de pliyaica
UVRO PRIME1H0
CAP1TULO IV
GlIAVIllXDE, PESO. BAI.ANfJAS
(C ontinnacao)
a*aian<;uM. Da se o nome de balancas aos
apparelujs ssttiuadas a later couhecer o peso dos
-corpos.
Taes apparelhos, quc sao de continuo emprega-
i.ji no commercio, nas manufacturas c nos libo-
ratorios dos physicoa e dos cbymicos, tern formas
variadas e aspectos diversos. denlre as quaes se
-Jestaca a da balanca cominum, que se eocontra
:i if balcdes das lojas.
Esta balanja (a com aura) se compoe de uraa
barra metalica, denominada pel, que nio c mais
do que uma alavanca do primeiro geaero. Este
Bel e atravessado no centro por urn eixo triangu-
lar em forma de prisma, de aco temperado, deoo-
ninado faca, e que, sendo saliente de am e outro
lado do iiei, se apoia pelas extremidades sobre
dous poutaletes, collocados no alto de uma colum-
oa de cobra ou de latao. Os pontaletes sao fabri-
cadjs de aco temperado e bem polido, afim de t r-
nar mais doco o attrito, quando a bilanca oscilla.
Nos extremoa do Gel suspen ie se, por meio de col-
t betes e de cordeis ou correnle?, dous pratos ou
rmckas, delinados a recebcrum osobjectos que
se quer pesar,e o outro a unidade ou multiples
e sub-multiplos das unidades de peso. Finalmen-
w, no centro, e ua pane superior do fiel, acha-se
uma longa agnlba metalica, que oscilla com o Gel,
movendo-se diante de um quadrante graduado,
cujo meio corresponde exactameute a pesiijao ho-
risontal do Gel.
Quando se quer determinar, com a balanca, o
peso de um corpo, collocase o em uma das con-
chas da balanca, e na outra deita-se os pesos, ale
que o equilibrio se faca, isto e, ate que o Gel Gque
iiorisontal, e a ponta da agolua corresponda ao
centro do quadrante graduado.
Nessa posicao, o peso do corpo e representado
pelo numero de grammas oa seas multiple? collo-
eadas na outra concha, comtanto que a balanca
seja perfeila, isto e, comunto que satisfaga as se-
guintes condic-oes :
Cutlir*eM a que dewem satisfaxer
.h balancas. -1.' A balauca deve ser preci-
sa, isto e, deve dar rigorosamenle o peso dos cor-
pos. 2.' Deve ser sensivel, isio e, o sea fiel deve
inclioar-se para o lado era cuja concha se deitar
um peso, ainda que este seja insignificante.
Condtrues de precisao : 1.' Os dous braQOS do
/iel, isto e, as distancias que vao do centro do pel
as extremidades devem ser rigorosamenle iguaes.
Cora effe'to I para que os pesos, collocados em
uma concba a* balanca, sejam iguaes em valor
a peso do corpo collocado na outra concba, e in
Jispensavel que os brajos do fiel sejam iguaes, e
isto porqne, como ja vimos quando tratamos da
tbeoria da alavanca, para que a potencia (o eorpo
o pesar) e a resistencta (os pesos em grammas) se
fa;am e iDihbrio isto e, sejam iguaes entre ?i, e
nt'eessario e indispensavel que os bra^e3 da ala-
vanca tambem sejam iguaes.
2.* Estando vazias as conchas, a balanca deve
por si mesma totnar a posicao de equilibrio, isto
e, o Gel deve conservar-se horisontal; do contra-
rio, para restabelecer o equilibrio seria mister pe-
sos desiguaes nas duas conchas
3.' 0 centro de gravidade do fiel deve achar-se
ubaixo dos ponlos de apoio.isto e, abaixo da ares-
ta da faca ; do contrano ou a balanca semundif-
rente ou doida. IndifTerente se o centro d4 gra-
vidade coincidisse com a aresta ou gurae da faca,
por isso que a accao da gravidade seria destruida
e a balaoca nie oscillaria ; doida, se o centro de
gravidade eslivesse acima da referida aresta, por
isso que a balanca so poderia toinar o eslado do
equilibrio instavel. Porianto, e necessario iue o
centro de gravidade esteja abaixo dos ponlos de
apoio, isto e, abaixo da aresta da faca, para que,
obrando o peso do fiel conslantemente no senlido
de colloca-lo ua posicao horisontal logo que ello
d-ssta se afaste, possa a balanca oscillar regular-
menle.
Condicues de sensibilidade.l.' 0 centra de gra-
ttdade fiel deve hcltar-se mitito pcrlo da faca, para
que, quando o liel inebnarse, seu peso, obraudo so-
bre um pequeno braco de alavanca, opponha pou-
ca resistencia a inclinacao.
2." 0 pel deve ser leve, afim de que o attrito da
laca sobre os pontos de apoio seja muito peque
bo, e e sabido que esse altrito c lanto mtnor
qu'anlo menor e a pressao do fiel, isto e, o sea
peso.
3.' Finalmente.0 pel deve ser bast ante com-
pndo, atim do que a balanca seja tanto mais sen
sivel quanto mais longas forcm os bra50 da ala
vanca em cujas extremidades actaam os pesos,
cuja difference, neste caso, obra sobre um maior
brae J. ,
(Continuar-seha).
Ao director do arsenal de gnerra. Em cum-
primenlo ao aviso do ministerio da guerra, de 14
d> cbrrentrf, mande V. S. fornecer a companhia
de cavallaria desta provincia o fardamento con-
stante da inclusa nota, organisada no repartieJodo
quartel mestre general em dan do 13 deste mex.
Ao mesmo. Tendo nesta data submettido
ao conhecimento do Exm. ST. ministro da guerra
a mat'iria do seu offlcie de 26 do corrente, sob n.
601 ; as-Min o declaro a V. S. em resposta ao ci-
tado offlcio.
2.* seccdo.
Actos :
O presidente da proviucla, allendendo ao
qae rejnereu Jose Antonio Alves Maciel, tenente
da 3* companhia do batalbion. 46 da guarda m-
cional do inunicipio d'agua Preta, e a informacao
de 19 do corrente, do commandantc superior dos
municipios do Brejo e Cimbres, resolve, de confor-
midade com o disposto no art. 45 do decreto n.
1,130 de 12 de marjo de 1850, mandar que
aquelle tenente se de guia de passagem para 6 2*
dos referidos municipios, onde se acba re;idindo.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Hsrtnino Delfino do Naicimento. Li-
ma, escrivao privative do jury e 1* labelliao do
termo de Limoeiro, resolve conceder-lhe trinta
dias de.licenca para tratar de sua sad le onde Ibe
carrier.
OfBcios :
Ao Dr. chefe de policia.Respondendo ao offl-
cio de V. S., de 19 do conente, sob n.|393, commuai-
cando que o sentenciado Francisco Nery dos
Santos deixoa de seguir para o presidio de Fer-
nando de Noranba, recommendo a V. 5. expeqa
suas ordens afim de qae o mesmo sentenciado si-
ga para aquelle presidio na primeira opportuni-
dade.
Ao mesmo. Queira V. S. informar Com or-
gencia, para satisfazer o que solicits a assemblea
provincial, qual o n. do escravos exportados d'esta
provmcia em cada um dos annos, de 1860 ate
1873 inclusive.
Ao mesmo.Afim de qae V. S. tome em de-
vida considera^io, incluso remetto-lhe por copia o
offkio qne em '28 do corrente dirigio-me o juiz
de;direilo interino^da eomarca de Tacaratd, relativo
ao homicidio prepetrado na pessoa de Maria de
tal, residente no termo de Floresta.
Ao commandinte superior de Palmares.
Para os fins convenientes commanico a V. S. qae,
por portaria d'hoje datada, resolvi mandar qae ao
tenente da 3' companhia do batalhao 46 da guar-
da nacional do municipio d'Agna Preta, Jose An-
tonio AWss Maciel, se di guia de passagem, de era-
formidade com o disposto no art. 45 do decreto n.
1,130 de 12 de maroo de 1850, para o municipio
do Brejo da Hadre de Deus, onde se acba resi-
dindo.
Ao commandante superior do Bom Conselho,
Garanhans e Bnique.Devolvo a V. S. os prets
qne vieram annexos ao seu offlcio de 8 do corren-
te, sob u. 20, afim de serem convenientemente re-
formados, porquanto nelles nao se acham discri-
minadas as pracas que escoltaram criminosos, e
as que conduziram reerutas para esta capital.
Ao juiz de direito da 1" vara criminal desta
ci lade. Atim de cumprir 0 aviso do ministerio
da jostija, de 14 *> corrente, remetta-me V. 8.
com urgencia informaeSes circanstanciadas a re -
peito do processo instaarado contra Jacob Koch,
Joio Evangelista de Castro a ouires pelo crime de
fabrico de moeda falsa.
Ao juiz de direito da comarca de Ouricury.
Re?pondendo ao offlcio de Vrac, de 9 do corrente,
sob n. 28, em que devolve devidamente informada
a denuncia que fora dada por Juvenal Antonio de
Castro e Silva contra o bacharel Manoel Rolim de
Alencar, tenho a dizer-lhe que havendo o governo
imperial cass>doa nomea^ao do mesmo bacharel,
para o cargo de juiz municipal e de orphaos desse
termo, nada niai?, Iia que providenciar a respeito
da mesma denuncia.
Ao juiz de direito interino da comarca de Ta-
c.iralii.Fico sciente do conteiido de seu offlcio
de 18 d j corrente, comrannicando-me o facto de
haver sido apunhalada em sua propria casa, na
fazenda Angico, do termo de Floresta, Maria de
tal, que falleceu em consequencia dos ferimentos
que soffrera, e recommendo Iho todo erapenho e
solicitude na punicao dos autores desse crime, do
qae dar me-ha conhecimento.
Ao promoter publico da comarca de Tacara-
tt'i. Afim de que Vine, proceda sera demora nos
termos da lei. remetto-lhe incluso por opia o offl-
cio quo em 18 do corrente, dirigio-me o juiz de
direito interino dessa comarca relativj ao homi-
cidio peroetrado na pessoa de Maria de tal, resi-
dente no termo de Floresta ; dando me sciencia do
resultado.
3." secciio.
Ofijcios :
2 raezes de vencimentos a 1 official e de soldo a i
PAETE OFFICIAL
pracas ; ao de Goita 2 mexes de veneimentos a I
official e de sold i a S pracas ; ao do Triumpho 3
mezes de vencimentos a 1 official e de soldo a IS
pracas.
*. secqdo.
Offlcios :
Ao Exm. director geral da estilistica, con iheiro Manoel Francisco Correa.-Satisfazendo ao
que soliciton V. Exc. em offlcio de It de novembr*
ultimo, sob n. 2909, devolvo campeteotemente
cheios os quadros qae vieram em brance, relativoalLo
iiuinbui-Kct mi-rrado de ra-1 a lavoura tambem reconhece
fe rruu\u, on preeos declinando.' real o sea maior embarace.
O de Hantos bum oridiaarto de SI
9S. e.o rexular a 85.
Havre SO. -Atsodao bom urdinn-
rlo de Sorocaba a 95 franeas. O
aercado de cafe sena alterarao.
Seiko coado de biti. do Rlo da Prata,
a I03, dim dilo de earnelro. Idem,
a iob.
Rlo de Janeiro tl.-Camblo sobre
na falta de credito
0 ministerio ja ini
Governo da provlncia.
KXPEDI?NrK DO DIA 30 DE MABQO DF. 1874.
1." secciio
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas
Tendo sido autorisado pelo aviso do minirterio da
guerra, |de 14 do corrente, o fornecimento a com-
panhia de cavallaria do fardamento conslante da
BOta junta por copia, orgaaisada na repartigao do
qaartel-mestre general ; assim o commnnico a
V. Exc. era resposta ao seu offlcio dingido aquella
reparlicao na data de 26 de fevereiro ultimo, sob
a. 7.
Ao mesrao.-Daclarandome'o Exm. Sr. minis-
try da gaerra em aviso de 13 do s corrente haver
naquella data providenciado no senlido de ser re-
niettido para esta capital o individuo de nome Jose
Lopes Fernandes.o qual, vindo de S. Paolo como
desertor do batalhao de infantaria, confessou
ser escravo do Bario de Nazareth, atim de ser en-
tregue a seu senhor, uma vez queljastifique sua
propriedade, e indemnise as despesas feitas com
o dito escravo daqaella para esta provincia ; assim
t commanico a V. Exc. para seu conhecimento e
flireccao.
Ao mesmo.Sirva V. Exc. de fazer cnegar
as maos do soldado do 9" batalhao de infantaria
a inclusa copia da informacao prestada pela presi-
fleucia da provincia do Rio de Janeiro, relativa-
taente ao assumpto do requerlmento da mesma
praca, qae jnnto devolvo para lambem ser-lhe en
tregue. .
Ao inspector do arsenal de mannna..on-
alando de communicacao da secretaria de estado
dos negocios da marinha, de 18 do corrente, que
na mesma data se concedeu a V. S. seis raezes de
licenca para tratar de sens interesses onde Ihe con-
vier, percebeado a raeUde do respectivo soldo;
?.3STm lh'o declaro para sea conhecimento.
Ao mesmo.Recommendo a V. S. qae d
as suas ordens para que toda a carga, vinda da
<-^rte ou de qaalquer das provincia?, com destmo
ao arsenal do guerra desta, nos vapores da com-
panhia brasileirade navegaeao, seja desembarca-
da lo go qne lho constar a soa chegada por aviso
a) commandante do vapor que a trouxer.
Ao inspector da the>ouraria de fazenda
Fica relevado da multa em que ineorreu Francis-
co Cavalcante de Lacerda, por nao ter dado a ma-
tricula no prase legal a ingenua Dina, filha de sua
escrava Marcolina, de que fall a V. S. era offlcio de
28 do corrente, sob n. 68. serie G.
Ao mesmo.Tendo relevado da multa era que
ineorreu Jose Cavalcante de Lacerda pelo facto de
nao ter raatriculado opportunamente o ingenuo
Dino, lilbo dc sua escrava Luiza ; assim o declaro
a V. S. para seu cenheciraento e em solucao a
sua informacao de 28 do corrente, sob n. 67, se-
rie G
Ao mesmo.Constando de comraunicacio da
secretaria de estado dos negocios da marinha, de
18 do corrente, que Daqaella data feram concedi
dos ao capitao de fragata Francisco Romano Step
pie da Silva, inspector do arsenal de marinha desta
provincia, 6 mezes de licenca para tratar de seu*
interesses onde Ihe convier, percebendo a metade
do respectivo soldo ; assim o declaro a V. S. para
os fins convenientes.
Ao mesmo.Inforroe V. S com a urgencia
possivel, para aatisfazer-se o que solicila a assem-
blea provincial, qual o producto do imposto pes-
soal em cada uma das freguezias da provincia,
com declaracao ao numero das casas em habita-
rao, e do valor locativo geral sobre que foi calcu-
lado o dilo imposto em cada freguezia.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para os de-
vidos fias a inclasa portaria de.Joao Baptista Go-
mes Penna, agente nomeado para o correio da
villa do Cabo, desta provin:ia.
Ao mesmo. -Para os fins convenientes re
melto a V. S. o titulo de nomeac2o de Joaquim Pe-
reira da Silva para a serventia vltalicia dos offl-
cios de partidor e distribuidor do termo de Agua
Preta.
Ao mesmo.-Para os fins convenientes remet-
to a V. S. o titulo de noraeacao de Joaquim Mar-
qu?s da Porciuncnla para a serventia vitalicia dos
offlcios de partidor e contador do termo d? Agua
Preta. ...
Ao inspector da thesourana provincial.
Conf rrae sohcita o commandante do corpo de po-
licia em offlcio de 26 do corrente, sob n. 142, re-
commendo a .Vmc. qae providencie no sentido de
serem abonados por adiantamento os vencimentos
e soldos dos destacaraentos seguintes : ao de Bom
Conselho 3 meie3 de soldo a 13 pracas; ao de Ma-
xoto 3 mezes de vencimentos a 1 official e de soldo
a 23 prajas ; ao de Buiqae 3 mezes de soldo a 17
pracas; ao de S. Bento 3 meaes de soldo a 7 pra-
cas ; ao de Terra Nova 2 mezes de soldo a 7 pra-
cas ; ao da Victoria 2 mezes de vencimentos a 1
official e de soldo a 12 pragas ; ao de Capoeiras 2
raezes de veaciraentos a 1 yofflcial e de soldo a 6
pracas; ao de Pimeateiras 2 mezes de vencimentos
a 1 official e de soldo a 10 pracas; ao de Vicencia
a estatistica da iustruccae elementar pubtica e
particular desta provincia, os quaes so agora lo-
ram fornecidoa pela directoria da in?tru.-cao pu-
blica.
Ao Exm. presidente da provincia do Espi
rito Santo.Recebi os dons exemplares da collec-
Jlo das leis e resolaeSes da assemblea legislatiya
essa provincia, promnlgadas na sessao ordinaria
do anno preterite, os quaes V. Exc. se dignoa re-
met ter-me com offlcio de 13 do corrente, sob
n.16.
Ao Exm. presidente da provincia de Matto-
GroMO.Fica archivado na secretaria desta presi-
dencia o exemplar irapresso do regimento interno
das escolas publicas de instruccao priraaria dessa
provincia, approvado por V. Exc. em 15 de de-
zerabro ultimo, e remetlido com offlcio circular de
17 de fevereiro, sob n. 17.
Ao mesmo.Accuse recebides 03 dous exem-
plares impressos dos actos promulgados na sessao
do anno passado pela assemblea leg'slativa dessa
provincia, qae feram remettidoi por V. Exc, com
offlcio circular de 3 de fevereiro ultimo, sob n. 14.
Portaria:
A' Illma. camara municipal do Recife.Res-
pondendo ao que diz a Illma. camara municipal
do Recife em offlcio de 23 do corrente, sob n. 22,
a respeito do estado em que Ream as raas da Pal-
ma, Concordia e Bario do Triumpho, por occa-
siio das cauvas torrenciaes, e lembrando, como
raedida argente e unica, fazer-se quanto antes o
calcamento daquellas mas e os respective? canes
de esgoto, tenho a diier que nio pode agora effec-
taar-se a primeira parte dessa medida, visto estar
o calcamento da cidade suspenso por era em vir
tade da lei; mas autoriso a mesma Illma. camara
a mandar fazer os canos de esgoto, nas proper
cdes de am trabalho ligeiro e provisorio.
SMecc&a.
Offlcio :
Ao engenheire chefe da reparticio das obras
publicas.Em resposta ao sea offlcio de 27 do
corrente, sob n. 78. flea Vmc. aatorisado a des-
pender a qaanlia de 30OJ00O com os repares ur-
gentes de que precisam a barreira do rio Jaboatao
e parte da estradi, arruinadas pela enchente da-
aaeUe rio; segunde solicila em sea citado of-
eio.
EXPKD1BNTE DO S80RETABIO.
I.* seccdo.
Offlcio* :
Ao juiz da direito da 1' vara criminal.Sua
Exc o Sr. presidente da provincia mandaseientifi-
car a V. S. qae o sentenciado Francisco Nery dos
Santos deixoa de seguir para o presidio de Fer-
nando de Noronha, conforme participou 0 Dr.
chefe de policia em sea offlcie de 19 do corrente,
sob n. 393, e qae nesta mesma data recommenda-
Ihe a expedica > de ordens afim de qae o referido
sentenciado siga para aquelle presidio na 1' op-
portunidade.
Ao juiz dos feitos da fazenda.Saa Exc o
Sr. presidente da provincia raanda remetter a V.
S. a inclusa precatoria rogaloria, devidamente cura-
prida, a qual foi expedida a reqaeriraento de V.
S. para as jasticas da cidade de Gaimaraes, pro-
vincia do Minho, n ; reino de Portugal.
Ao commandante do corpo de policia.De
ordem de Saa Exc. o Sr. presidente da provincia,
cumraunico a V. S. que nesta data se providen-
ciou no sentido de serem abonados pela thesoura-
ria provincial os vencimentos e soldos dos offlciaes
e pracas destacadas nas localidades ind cadas em
seu offlcio de 26 de marco ultimo, sob n. 142.
4.' sccr/lo.
Offlcios :
Ao 1* secret .rio da assemblea provincial.
N. 50.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, remetto a V. S. para serem apresentados
a assemblea provincial, o relatorio em que a ca-
mara municipal da cidade de Olinda expSe o esta-
do actual do respectivo municipio, o or^amento da
receila e despeza para o fuluro exercicio de 1874
a 1875, e as contas de despezas da mesraa ca-
mara, collecciooadas em massos trimestraes, a
cottar de outubro de 1872 a setembn do anno
passado.
Ao mesmo.N. 51.Camprindo ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, reraelto a V.
S- para serem entregacs a apreciacao da assem-
blea provincial, as contas de despeza da camara
municipal da villa do Cabo, relativas ao exercicio
de 1872 a 1873, e o orcamento da receita e despe
za da referida camara para o exercicio de 1874 a
1875, enderecado3 ao mesmo Exm. Sr. com offlcio
de 26 do correnle, sob n. 420, qae tambem vat em
original.
Ao direct it geral da instruccao publica.
Cemraunico a V. S. qae por portaria de 28 do cor-
rente S. Exc o Sr. presidente da provincia no-
mtou o capitao Raymundo Cyriaco de Carvalho
para reger interinamente a cadeira de Granite,
conforme a proposta de V. S. em offlcio de 26 do
correnle, sob n. 103.
5.* seccao.
Offlcio :
Ao administrador dos correios. De ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia, communlco a
V. S. para sen conhecimento qne nesta data foi
remeltida a thesouraria de fazenda a portaria que
nomeia Joio Bapt'sta Gomes Penna agente dos cor-
reios da villa do Cabo.
nil res M d. ban curio, e *S I H d.
particular.
(Por etigano bavido na traosmissao do
teltgramma, foi hontem dada a taxa do
carnbio sobre Loud res, na prara do Rio
de Janeiro, a 2G 1/i d. bancario, quando
era ella de 26 d.)
Rabla ti. (ambio sobre Londres
*u d. bancario e SB 1 i d. particu-
lar.
(ACEN'CtA AMERICANA.)
Buenos-Ayres if. Corre qne fa-
rio proiavelmrnto parte do pri-
meiro miniMtorio do novo presiden-
te Avellaueda os setruintes estadls-
(as t Saturnino fiaspier. na pasta
do Interior i Bernardo irijjoj -n, na
da Instruccao e cultos t e Cionsales.
na da fasensa.
Bio de Janeiro 91 ao meio dla.
ahlrant boje paru Pernambuco a
barra hespanhola FILOiiESA e o lu-
arrc tainbem bespanhol TMOTEO 111.
vo em lastro. Mercado lnalte-
rado.
Para 91 aos SO m. da carde.
Mereado iaalterado. Nabirana o pa-
tacbu portu^ues MICHAELENSE e a
barra anterieana MAGGIE ABBOTT.
Cbegoua barra portuiurm JOAQUINA
FORMOSA, procedente de Llsboa por
Cabo verdc.
I.in-rpiiol *o. O mercado dos r-
eras do Brasil nao soffreu al-
terarao ent preen. O alj^odao te ve
baa prorura. Cauras do Bio firaade
do **ul venderana-se O.ooo de boi e
l.ooo de vacca a h 1/4.
liOBdren so. V taxa do iesconto
esta a 3 I,'. Censulidados 9* 3 *.
cinco por cento frances 9H a/s.
Babia M as h. da tarde. Can-
bias sabre Londres 3d bancario e
1 ,'S particular, sabre Paris 300.
.
INTERIOR.
( AGENCIA TELEGRAPHICA HAVAS REUTER. )
Londres 30. o reconhecimento
otucial do governo de Hespanha pe-
lo governo Ingles ainda se demu-
rara.
COHHERIIIK)).
Londres 30 de agosto.O baneo
de Inglaterra redusto a taxa do
desconto a 3 1/3 par cento. A taxa.
porem. do mercado passim a ser de
3 it per cento. Censolldados de
3 /. roa account, a 3, fnnrto ; brasl-
lelros de 3 */ >/* ditos do
Uruguay de */ a OS, ditos argentl-
nos de 6 % a mercado de cafe
esta quieto. e os preeos mais frou-
xos. O do Bla bom, sobrb mar, a */
Assucar mascavado bom do Per-
nambuco n. 8 a 18/.
New-York SO.Preeos sem altera-
cao.
Liverpool SO.No mereado de al-
godao ba naals proenra. qae e satis-
felta com promptldao. Venderam
se lu.ooo fardos, sendo 3,33 da
America do Hui. O fair de Pernana-
buco e de Nantos a S 1/4. e o de
aaaceio a 3 1/3. Os preeos do assu
car sem alteracao.
RIO DE JA\i:iKO
SENADO.
Na sessao de 10 do corrente, o Sr. Silveira
da Motta mandoa a mesa o sejninte reqaerimenio:
* Reqaeiro qae se pe^a ao governo aa seguin-
tes lnformaroe?, pelo ministerio da fazenda :
t 1.' Porqae razao o governo elevou a taxa do
juro do3 bilhetes do thesoaro.
l*Se as necessidades do thesoaro exigem aia
da a continna^ao dessa taxa tao vexatoria ao com-
mercio e a todas as industrias.
3.* Se depositos aunuaes da calxa econo-
mica lem tido applicacao ao resgale do papel -
moeda.
4." Se g joro que o governo paga por esses
dejositos 6 ainda inferior ao juro dos bilhetes do
thesoaro.Stlveira da Motta.
0 Sr. viscondo do Rio Branco, presidente do
conselho, diz quo pode-se prejtar desdejaasin
fonnacoes peJidas. A lei de 17 de julho de 1871,
relative a eslrada de ferro D. Pedro II, destinou
dos dous ultimos erapreitimos, um levantado den-
Iro do imperio, e o outro na prac,* de Londres, a
quantia de 2O,0OO:('O0* para o resto da t." seccao
e o prolongamenlo da dita estrada. Emquanto
nao foi necessaria toda essa omma para aquellas
obras, nao devendo o thesoaro conserva-la dor-
mente nos seas cofres, maxirae tendo uraa divida
fluctuanli consideravel, reduzio esta que chegou
descer ate dei mil conto?, continaanlo a ser feiti
aqaella despeza por incio de supprimentos de um
exercicio a outro. As obras progrediram e tor-
nou-se urgente completar a emissao do3 vinle rail
contos. .... '..
Accresse que em mato e junho devia o tnesou-
ro habililar-se para a despeza de 7,000:0003 com
o jurj da divida interna fundada. Por outro lado
dava-se a circatnstancia da paralysacao do com-
mercio de cafe e pelo adiamento de despachos de
iinporlacao, que esperavam a nova tarifa vigoran-
te em julho passado. ... ....
Fo', pois, necessario elevar a emissao de bilhe
tes e, portanto, as suas taxas, porque as antenores
de ie i i|2 adoptadas para reduzir a emissao e
mesmo a de 5 0|0 nao eraui tfflcazes. Esta ope-
raeao poderia causar algum reeeio, mas nao dam-
no real a pra^a, porqae so attrahio ao thesoaro
12,000:000/1. Qae o dinheiro abandava esla pro
vado pelas circumslancias muito favoraveis do
mercado monetarlo da pra^a, eujos bancos ja re-
daziram as taxas de seus depositos e descontos.
O que o nobre senador altribue a operacao do
thesouro, foi o phenomeno natural dos mezes de
maio e junho, raezes de escassez relativa, porque
todas as sociedades preparara-se parao pagamen-
to de sens dividendos.
Houve, alem disso, a cri3e do cafe, ja cessaaa.
Se nao causoa darauos, meoos tera esse effeito da-
qui em diante, porqae a emissao de bilhetes do
thesoaro paroa e nio tenciona o governo eleva-la,
mas reduzi-la opportunamente.
Concorda em que convem, visto a raudansa aas
c rcumstincias e satisfeitas as necessidades ar
gentes do thesoaro, nao manter a taxa de o U|U
qae alias corresponde ao prazo de 12 metes, sen
do de 3 e 5 !i2 oi correspondentes a 4 e 6 mezes.
Se esse juro tnaxirao como disse o nobre senaoor
correspoude a 6 l|i porque o paga, como se
adiantado, em compen?agao os bancos
aos seas mutuario.% r^tiradas a prazos
offerecem
mais cur-
clou am meio que Ihe parecea efQeaz e mais
prompto. Assim como a camara e o seoado Iha
deram raiao contra o nobre senator no projecto
relativo a> Banco do Brasil, de effeitos beneOcos,
assira ere qae a inicialiva do governo podera me-
recer a approvacao da assemblea geral, com as
emendas proprias da sua sabedoria.
Tendo ainda pedido a palavra o Sr. Zaearias, fi-
cou a materia adiada.
Proseguindo a 3 discusjio da proposigio rela-
tiva a obrigacio do servico noexe-cito e armada,
sao lidas, apoiadas epostas em discussao conjunc
(amente as seguintes emendas :
o O n. 4 do I.* do art. 1." seja substitaido
assim :
O que servir de araparo c alimenlar a irml
hinesta, solteira ou viuva, qae viver em saa com-
panhia, oa o qae alimenlar e edacar orphaos seas
irralos raenores do 18 annos.
a 2.* O a. 2 do 2.* do art. i. seja sabstituido
assim :
< O qae ja tiver irmio em eflectivo servico do
exercito oa armada; ou aquelle cujo irraao haja
fillecido era combate, oa era conse mencia de le-
z5es ou desastres provenieales do serviQo, on qae
se teaba inutilisado nas mesmas condicdes. Esta
isencao aproveita a um em cad i dous irmaos.
t 3.* O resto do referido n. 2 ao 2 seja trans-
ferido para o flm da I.' parte do u. 1 do 1.* do
art. 1." -Jagaartbe.
Na sessao de II, o Sr. Sinimbii justiticou o
seguinte projecto, que iicou sobre a nusa para en-
trar na ordem los trabalhos :
A assemblea geral resolve :
Art. l. Pica o governo autorisado para fazer
as despezas que forcm necessarias com a cons -
truccao de uma via f -rrea, para effeito de ligar os
pontos navegiveis do baixo e alto S. Francisco, a
comecar do Porto de Piranhas e terminar no de
Jataba, segando os estudos feitos pelo engenheiro
Carlos Krauss.
Art. 2. Igaal autorisacSo Ihe e concedi Ja pa-
ra fazer as obras precisas no leilo do rio, desde o
ponto terminal dessa via ferrea at6 a parte supe-
rior da cachoeira do Sobradinho, de modo qu'. fi-
que franca e uao interrompida nesses pontos a na-
vegaeao do mesmo rio.
i 1. As obras de que t rat am os arts. 1* e 2*
poderio ser executadas directamente pelo governo
oa por com pan hi as, orgauisadas dentro ou fora do
imperio, uma vez que o casto deltas, ou capital
garantlndo nao exceda de 6,500:0001000.
a 2.* Se ambas ou qualquer deltas for em-
prehendida por meio de companhia, a esta se fario
applioaveis, naquillo em que o possam ser, as con-
cessoes e cliusulas, que se contem na.' leis n. 641
de 26 de juaho de 1852 e n. 2,450 de 24 de setera-
bro de 1873.C. de Smimbi.
Passoa se a discussao do projecto de fop;a na-
val.
O Sr. Saraiva entende que mat procede o mi-
nistro da marinha nao retirando-se do ministerio.
Tratando do eneoaraca-lo Inieptndencia, dis?e
que foi piano do nobre ministro a feitura de um
enconraeado tao grande como o maicr do raundo.
Com o dinheiro gasto, teriamos tres ou qoatro va-
sos. Fallou dos armamentos e do pr>"co do carvao.
Por am contrato tinha-se o carva* a ill por to-
nelada ; na previsao de uma guerra imaginaria
comprou o nobre ministro 6,000 toneladat de uraa
so vez e a quasi 100< cada uma.
Pedio o orador que se evacueo Paraguay. Ob-
servou queo encarregalo de negocios em Londres
pelo emprestimo qne fez ao conde d'Aquila devia
ser demittido ou responsabilisado. Nada te fez.
0 barao de Teffe devia responder a um conselho de
guerra, e o ministro julgoa dever dispensalo.
Adiada pela nora a discussao, pas)u-se a 2* par-
te da ordem do dia, proseguindo o debate sobre a
proposii;ao relativa ao servico do exercito e ar-
mada.
0 Sr. Zacharias disse que o projecto e hypocri-
ta ; pareee querer um exercito de voluntarios, mas
os minislros teem dito que u isto uma Utopia. A
base do projecto e o sorteio dos alistados. Tern
outro defeitoo projecto : ser complctameutd con-
trario a diffusao das lutes, porque estabelece um
moaopolio em favor dos eslabelecimentos scientili
Cos do governo Acabara assim com os estabcle-
cimeutos parliculares. 0 projectd 6 uraa burla,
porque admitte a conlribuicao por dinheiro. Quem
sera afinal o soldado f 0 bandido ou o pobre. 0
projecto e um desar, pois o que deve ter era vista
e moitrar as forcas do Brasil pan exercito, no entaoto quero alistamonlo dos eslran-
geiros. 0 Sr. presidente do conselho eoganou-se
qu ndo disse que assim era na Belgica. 0 orador
leu a lei desse paiz. E' tambem uma transaccao o
projecto, p lis que os senadores mineiros nao admit
tern a base da popalacao > idea do Sr. Mariti
ba, e o governo passa pelas forijas caudinas aban-
donand: aquella base. Pergunta porque pretende
o projecto acabar com os cadete*. Na Prussia
onde a lei militar e da maior eqaidade, conservam-
se nao obstante os cadetes. Nao ere no sorteio,
porque nao crt$ aa innocencia do sorteio, e porque
e manifesta a nossa decadencia. Vota contra o
projecto.
tos e capitalisam os juros de seas depositos de 6
em 6 mezes. Mas ja disse que a em ssao nio pro
gride e sera reduzida logo que o thesouro obtenha
por outro meio os fundos de que carecera para as
despezas extraordinarias ultimamonte lecretadas e
que alo mantera tambem a taxa de 6 0|0.
Quanto ao resgate do papel moe la nao havia
lei antes do anno passado que d6sse essa applica
cao aos depositos da eaixa economica da corte; toi
a lei do orcamento desse anno, ora em vigor, que
deu autorisacio para esse fira ao governo. A ta-
xa dos juros de3es depositos foi elerada a 6 0,0,
como couvioUa, elevado o jaro dos bilhetes, que
Ibe serve de regra. A aniissao de bilhetes do the-
souro nao prova qae os saldos annunciados sejam
imaginarios. Foram reduzidos pelos augmentos
de despezas sobrfviudas, mas aquelle facto nio
eoDlesta a saa existeacia, porque o saldo de um
exercicio nao 6 todo recolfcido de3de o principio
do anno financeiro seguinte; o seu emprogo de-
pende de liquidacao e de que as sobras das dilte-
rentes caixas, sejam remettidas a do thesouro.
Concorda na idea do resgate do papel raoeda, pe-
lo raenos ate eerta somma. 0 saldo liquidado nao
podia ter essa applicacao, porque esiava sojeiio as
previsSes do exercicio seguinte. Pelo que respcita
CAMARA DOS' DEPUTADOS.
Na sessao de 10 do corrente, o Sr. Diogo de
Vasconcellos, depois de algumas observances, apre-
sentou diversas representacdes de freguezias da
proviucias de Minas sobre a queslao religiosa, as
quaes foram remettidas a commissio .de cjnstitui-
qio e poderes.
Em seguida approvou a camara sem debate as
tres redaccoes que publicamos ante-hontem, e o
parecor da commisiao de pideres julgando valida
a eleicao primaria feita a 10 de maio deste anno
na freguezia de S. Caetano de Odivellas. da pro-
vincia do Para.
Eatrando na ordem do dia, occupout ?e a cama-
ra com a conlinuacio da 2* discussao do art. 3*
di reforma eleiloral, com as emendas apoiadas.
Oraram os Srs. Alves dos Sautos e Heraclito
Graga.
Encerrada esta discussao, a requerlmento do Sr.
Carneiro da Caaba, foi approvado o dito art. 3.*
com as emendas impressas que acompanham o
projecto e mais as seguintes :
a Supprima-se o n. 1 do 7, coordenando se
os outroj ndmeros.
a Substilua-se o n. 11 do mesmo paragrapho pelo
seguinte : Dirigir os trabalhos da mesa.
Ao 8* e a emenda respectiva da commissio,
substilua se o seguinte :
chamada dos votantes, cada um dos quaes depo-
sitary na urna uma cedula fechada por todos os
lados, contendo Untos nomes de cidadaos elegiveis
quaatos corresponderem aoi dous tercos dos elei-
tores que a parochia deve dar.
Se o numero de eleitores da parochia exceder
o multiplo de 3, nas cednlas o votanle addiciona-
ra a fraccao aos dous terco3.
t Supprim3m-3e os %% 9' e 10.
a Sub.-tituam-se no 11 as palavras-iealouma
turma de votantes- pelas seguintes dos cidadaos
qualiflcados de urn quarteirao. H. Graca.A.
]. Iknriques.Bandeira de Mello.
Por ultimo continuoa a discussao do orcamento,
na parte relativa 4 despeza do ministerio da jus-
tica. Oraram os Srs. J. de Alencar e Agesilao, n-
cando a discussao adiada pela bora.
Mendooca, o projecto apresentado com o i
te pa recer :
i A comraissao de jnstica civil, exaniinando u
projecto n. 159 de 1869, em qae regula-se ocos
trato de loeaeao de servicos feitos por aacionae*.
como ja esta regulado para o dos estraageiros pela
lei de 11 de outubro do 1837, e attendendo qne
este projecto estabelece garaotias reciprocal e con -
snlta os legitimos interesses assim do locador com>
do locatano, e da estabilidade a prertaeao de ser
vicos no ioteresse publico, e attend* A omt neee-
sidade que e geralmente reconhecida e tarn a gran
de vantagera de favorecer eaes eontratos com a
isencao do recrutamento para carlo namer > de
locaaeres : e de parecer qne o sobredito projec-
to entre em discussao.
Observa, porem, qae assim adespedida do lo-
cador, como a rescisao do con'xato, qae sao permit
lidas no projecto, devem correr em processo sum
mario perante o juiz de paz, cuja jurisdiecao ex
cepcional para o caso de que se trata e dicUda por
motivos de interesse publico, que sio obvios e qu>
a determiaaram na citada la de 11 de outubro dc
1837, e foi manlida assim na lei de 3 de daaembro
de 1841, qne restringio as altri uijoes dos joixes d>
paz, como na lei de 20 de set-mbro da 1872, -
convenienle qae sabsista sem embargo da jansdic
;ao coiiliada aos jaizes de direito para julgament.
das causas ciyeis e criroinaes, afim de qae same -
lhantes causas sejam jalgadas promptamente nu-
lugares em que se lizerern os cootratos, sem qne
se haja de recbrrer aos jaites de direito, que resi-
dent nas cabecas das comanas, sendo sufficients
garanlia a appeilacao ex-oOicio das deeisdes do-
jaizes de paz para os mesmos juizes de direito.
a No?tes termos a commissao entende qae deve
enlrar na ordem dos trabalhos desta augusta ca-
mara o projecto abaixo transcripto.
a Sila das commissOes, em 10 de agosto da 1874.
J. B. G. Alcoforado. T.de Alencar Araripe.
A assemblea geral resolve :
c Art l. Ao contrato de locajio de servico
feito por naciunaes e applicavei a pesa ite prisAo
simples do 5 a 20 dias, quando o locador o nio J
cumprir. A pena se repetira lantas vezes quanu
forem as faltas do locador.
Art. t.* A pena sera imposts pelo juiz de paz
do domicilio do locatario, mediante processo sum
mario, e com appellacio ex offlcio para o juiz de di-
reito da comarca.
a Art. 3. 0 contrato sera feito em preset^* do
juiz de paz do domicilio de qualquer dos contra-
(antes. A- paries conlratanles, duas testemunha-
e o jaii de paz assignarao o instrument do con
trato, sob pena de nullidade.
a Art 4.* Contra o locatario procedera o locador
por via executiva na falta de pagaroento de salario.
exhibindo o instrumento do contrato.
i Art. 5.* Os raenores de 21 annos serao assisu-
dos de seas pais, tutores ou curadores, na celebra-
cao dos conlratos ; e a obrigacao destes resultanta
nao excedera ao tempo da maioridade.
a Art. 6. O locatario, no caso de despe did* do
locador antes de findo o prazo do contrato, sem
justa causa, pagara ao mesmo locador o salario d
resto do tempo.
e Art. 7* E' justi causa para deapadida:
!. Doenea prolongada, qae impossibilite o lo-
cador de continaar a prcstar o servico ajnstado.
t 2.* Conderanacao do locador a prisao, on ou-
tra qualquer pena que o in hit a de prestar servi-
co ;
c 3.* Kmbriaguez habitual do locador ;
4. Injuna feita pelo locador aseguranca, hon-
ra ou fazenda do locatario, sua mulher, filhos, ou
pessoa de sua familia ;
a 5.* Imperieia do locador para o servico ajus-
tado.
Art. 8. Podera o locador rescindir o contrato
t l. Fallando o locatario ao camprimento da.*
condicoes estipuladas no contrato;
a 2.* Se o locatono lizer algum ferimento na
pessoa do locador, ou o injnriar na sua honra e oa
de sua mulher, filhos, ou pessoa de sua familia .
3.* Exigindo o loeatario do locador servico-
nao comprenandidos no contrato.
Art. 9.* Os presideotes de provincia, a rcque
rimento do proprietari > dos estabelecimenlos rn
raes, tend* em consideracao a importancia destes.
designara d'enlre os locadores aie o numero de 10.
que licarao isent :s do recrumento durante o tem-
po do contrato.
Art. 10. Ficarao tambem isentos do recruta-
mento os individuos que se coulralarem como
eriados para o servico domestico.
Camara dos denutados, 7 de agosto de 1869.
T. Alencar Araripe. M. J. Mendunca Costello
Branca.M. Cusado Armijo Lima.
Na sessao de II, entrando em disca*io o
art. 4. da reforma eleitoral. o Sr. Igoario Martins
depois de censurar o encerramento do art. 3.*, qae
qualificou de precipitado e violento, passou a fa-
zer consideraeoe' tendentes a demonstrar as con
tradicco a proposta do governo.
Nao sabe o que ha de discutir no arl. 4.*. por-
que tendo o Sr. ministro do imperio declarado qne
abaudonva a idea do voto-uninominal contida na-
quelle artigo, ve* ser posto hoje em discussao o mes-
mo artigo de3acompanhado de emendas qae o mo-
difiquem. Entrelanto o orador lera o qne dtspOe
o art. 4., interrogando a commissao a respeito de
cada uraa dsssas disposicAes. Feitas diversas per
guntas ao respectivo relator, concluio requerendn
o adiamento da discussao at6 que fossem apresen-
tadas as emendas da commissao.
Acerca deste requerimento snscitou-e um de
bale para saber se se elle conslituia questao de or-
dem. Depois de fallarem os Srs. presidente e Mar-
linho de Campos, decidio o Sr. presidente, a vista
do regimento, que nao se dava uma queslao de or-"
dem. .,
0 Sr. ministro do imperio fez diversas conside-
racoes no intuito de justifiear o procedimento do
governo e da maioria. Qaanto as emendas, diz
que eilas serao apresentadas opportunamente .
quanto ao encerramento, ninguem de cert) contem-
tara a maioria o direito de encerrar discussoes
sempre que jilgar a materia sufflc^enteraenteelu
cidada. 0 adiamento proposto nao tem razao d
ser, porque, alera das eraendas qne serao opportu-
namente apresentadas, o art. 4. contem assumpto
para discussao iramediata.
A discussao do requerimento do Sr. Ignacio
Martins flcou adiada pela bora.
Entrando em discussao o orcamento na part-t
relativa ao ministerio da juslica, foi approvado <*
encerramento da mesma discussao.
Posto a votos o artigo da proposta do orcamenlo
foi approvado cam as eraendas apresentadas.
Continuoa a discussao do orcamento do imperio.
0 Sr. ministro daagricultura respondeu as per
guntas que Ibe foram feitas pelos Srs. Rxha Ltao
e Carlos Peixoto acerca das obras da i." seccao da
estrada de ferro D. Pedro H. indicando o estado
era que ellas se acham e fazendo diversas conside
racoes acerca do prolongamenlo dessa via de com
municacio. Disse que as duas direccoes lembra
das para esse prolongamenlo s5o objecto de aca-
raio eslado afim de tomar-se uraa resolucio icer-
tada. Referindose a fazenda normal fandada nas
proxiraidades da Barra Mansa, manifestou a espe-
ranca do que ella po:sa sesvir de modelo e faiore-
ca o deienvolvimento da immigracao.
0 Sr. Goes Junior disse que desejava ser tnlor-
mado pelo Sr. ministro do imperm sobre o "o0 na
de exaclo no rumor que corre d 'BVdr Diur bra-

vemente para Roma b Sr. "ujjjo de Araguaya, to-
Foi" dlsTenr^deTmnressao para ser dado para 'carregaito de negociar oom a Sanla Sd a solucao
ordem do dia, a pefid) do Sr, Bernardo de" da queslao religiosa, Pergunlou o qae havia de

asmani


IW1 ffl, 0T2O.ll <>.!/mflKario de Peraarabuo^ Sablmdo 22 de Agosto de 1874
real a
irspeKe de uma wnveneaai is^MaruViMiaAte past^tayn, oriajnaM *n
tu a irMMM' o f\swn& de quarenteoas iVsignu o Pilcomayo com'i ii

'_,
<\
'i
j
lendente a ntlttW
adoplado M
gravemente
aforflw reg
ca do lazare
Vsifiiw. de qu
do Rio da Praia cque 1*0
to nossas'rolicoei ojm
algufnas Coostdcracdes Acer-
serrate, na Rahia,.e cbamoja
atten^ao do governo para varias medidas que im-
l>orta sejam urgentemenifl adonUdas on auxilio .
da Uvoura d.quella ^vtiflb. <}jHruio> aiuvy- O sHrecl^ri ntusen da Bueaos-Ayres
rando aiguns lopico* <1 a discur-a c-m q*e o Sr. via segair dsPr<> < poueos
Cruz Maehado e (plica* os sens as*'' ouinjnrosl-
denle da Baliia, e'eompsron a a4n.:nisH"o 4'
tne;;o Sr. Cruz MacaW com ado Sr. Vrfioi
Lisbua, a-:tual presk^Mfc-
A disrussao licon aBteua eta liora.
Foram lidos os dUmategiiWtin pnjectos, o prl-
niein d..s qo:uts foi iwnetciao a connvissao m ne
yiK-ios ecelesiittlt-JS e <> sejnndo foi a ftnnfi-
mir : ^L^^
a Artigo mho, Fica prohibida a nomeacan npJ
^acerdotes e.-trarvgerros para os Cargos de viga
rios eacummendados a de coadjsetures ; revota-
das as di'poni^Sea em COBlrario. Pay da camara
it ibynniiTi. m 1* -tf"-1- 1871. JBujia-
yjp Correa. *
Acomrats-ae c rag raise f .Una*'-em sessiwMe* de jult.o do cor-
rente ana >. cenjedeudo up.a grat Ii :acft j mOusa!
e extra >rdiuarir ao* juara* 4a direno o iminio.i-
paes d.is eomareas e terns-is dos serVies da pro-
vincia de fioyai, e atterdendo ;s reifies valiosas
eam uua u utasmo Sr. deputado f-KHdimeniou.
projecW, ftBrparerfi *pv; seji swunifititti a itis-
n!*;W.
Sjla da< eom.T>i-H)f.j, ftn 10 d agnsM d- tff7'.
II. ril Omkn Verreva. A. S. C-irueint (hi '.'
*A(t.
A fts^enaMei-gera' rug.>lve :
a Art K* Oi jftizes do driiito di" cor.arcas
de Pal*, Rio P-nana, Ca akiiit-, Port->-Imperial
e *:-Vi9t*, d provioeia do :ioyaz, b jainw nu
nicip:i-s d tilleaoao mBs:il jfxtra ordimri i. tpies d; ."iOi e
aq f IKi de ItKlfi.
Art. t' Sa 1 reogada?- as JUposii;'>< cai <;on-
Uario. Sala ia< scssoei, ciq !i ite j.iiii^ de 1874.
EiCrngiwHe Ttiunay.
iAUiUO IJKPKttWAMrtiJlit'
RECIFE, 22 DE AGOSTO DE 1871.
1WOtl<*J's do -*ul lo it-prrlo.
Amanhfiteu hoMera em noaso porio o *apor in
ftez Ijilmiz. ii .-.I' nd daias : de Ma: .0 Grosso ii
4 jmMio (to lli'i d Prata fl, do Rio Grande do Sul
. d.i Parana V. de~f airta Caltifcrina 7. de S. Paulo
II. do H10 de Janeiro l'i (e per via da Rahia lo).
Mi Baliia aw t'l do roi nmte.
Bib ii qua coWiete.u.* d* joenres e irtis :
MMrn <;r.9So.
Forani pronnneiad.u, coim. inriiniadns m -
MHlBMu do tcnente eorcn--l I.:Mirindo Kivi-r da
Silva. m scgumtes reos: Franr;-c.> de S oza Gas
atom*, JdM de Snuza Canavarp-s e J miario,
eseravo do iMHBBMti) conniel. sendu o priineiro,
ONBb aul r. BtM penas do ail. I9i do codigo cii-
inui il. e os d ills uiiioios (Ma eninplico^ nas do
me-: 1 alligo i-i.utunaU > (..in M ariig^s 33 o 34;
do titado ciiigi.
FllT..-rara na ciidinl o vigario do llosario.
Rvd Anlooto Ferretra M---ni!o*, e 110 Diamanio u
eidaofio (;.in-lap.Iino I'aes ila Cosla.
MefCre o 'Liberal :
No d:a-37 do correnle -.^jiilho) fi i tiinddcidt
jwr B> Bm, Rmii. para bordo it vap.ir LroC'idio,
aliin do sci" loi'ada para 0 forle de Coimbra, a ioia-
ge .|Otl!'- fortft
t Hi 10 aireos S. Bee. 'Bvm. fni recelie-la bo
pori.i c hi 0 eorai-ao forido de dor 0 batiliado
eta l.tgrmus- a,> inpanliado por 1101a !nnllila:>
ijue cuiiia i:.nsdoii.'i'i iis dhttSUBU da pioWn-
cia I
a A -Vtvgon do Cam;o foi tirada e eondiicidn de
Coiralira para esla eidide <|audo 0 forli leve de
rendi-r-so ao ininugo, -apos dnus dias d- liei'.i>"o
OMSkate.'liecnii'iraida hoja ai;oella praja do gner-
ra pelo distiBClu major BlrMNiMta Nuiihs CuiiHa,
pedio este a tra eapella.
A froc!aao donlia 27 fui a inais soleranee
onsorrida que leinos *I(UNl Caleula fe 0 seqwto
*n mais de-quairo rail pc^^oaa de todas as clas-
se dede os primeiros iUBc eondnsia-a iaiagfin debaixo do pallio, carregada
pjr Mh >'..:: 1 .- dos qoe assistlraifi ao coiubale
de Coimbra, qae traziam pendeoles as respec-li-
v tueclalttes. A meio aa>iiiho do p-..iio love Ui-
gur 0 eiKMBTO da procigjfto de S. Guocalo, do 2
districln, e seguira ami;ai ats 0 porlo de ein-
barque.
S Sxe. P.v:ii. enluareou etilao em um e caler
coavenienieniente proparado, aoompanhado pdlo
Sr. 1: :i.-... Kirauda R-jiso dirigio-se para benlo
dp va(ior Lcocmlia, ondo 66lava preparadu tun
deeeute altar. Alguu;as stnlioras e cavalheiros
acutupaniiariiin aid alii a pa im 11.1 Jo Cuiiabra.
Q vapor e.uva unbandeirado em arco, e 0 sen
.(iHiiii.indar.'ie, 0 Sr. Iloaveir.ura da M Ila, recebtu
m;us iUaalret bospedes da maaeira a mais obse-
quio^a.
Para lofar mais bella-e imperlante a proefe-
-ao, 0 director do arsenal do guerra, 0 Sr. capitao
auli.i Bocboa, fez caustrtir dous lindos areoa
formaado ilina fjrmosa alair.eda do intervallo dw
raesoios. 0 ceet da mariaba e os lugares proxi.
fnos estiveran ap.uhados de povo alti ijuasi desap-
parecer 0 vanor. Houvc gu;:rda de hunraesalva
de arlilhetiati
PALlFIIIt.
As ultimas dolas do Pac.ifico conlieeidas em
Buenos -A) res. -<>raint: Valparaiso 11 de jo-iho,
Lima 1 do. jiili'.o c La-Pa; Su de junho. As
ooticias niio teem ioteresse. 0 eongre-so bolivia-
no fora convocado'para 5 do eorreute. Preocca-
pava a aiteneao cublicaa questao de limitcs com 0
Chile.
I'ARAGI AY.
rioiicia &j'Ir:buna qoe ca csniara dos re
presenunies da Assumpcio Xura aprcsentado ma
projeotodisponlo qae do !. de Janeiro de 1875 em
liani vigore oa republica 0 codigo civil argen-
tine
mO DA PBATA.
Nas capitaes das duas republicas pkti&as
houve grandes Ajmonstrai;des do regosijo por uc
eaaiao de inaugurar-se a linba ::' LT.iplii -a do Dr.
Bottioi, ijje pue Bc-ntevideo -601 coamaaiCd'^o
immeJiata com oliiG Grande do. Sul. Exi>tiudo
ja, como se sabe, soa:muuicacio teligraphica en
ire Buenos-Ayres e Montevideo, 2 linha terretre
do Dr. BoUioi, indo eocontrar o oalio transatlaa-
tieo no Rio uraade, tn'-: as reputtlicas Argeoliaa e
Oriental com 0 reslodc muiido eiviiisado.
Na prowneiade Cerdoba, alga mas povoacoes
tinliam sido ^ssaltadu .por am-carlo Guayama,
ijae, a frente cara diversos asassinato e roaba^,spalhando em
torno de si o tarror.
Ao congresso argeotiao foram r.preseolada
au bases de 11:11 accordo para fuiidar-se em Bue-
nos-Ayrea um ba^co hypottecario om 0 Mpiu!
de quinze milboes de pesos fortes, 3m accOa
de cem pesos, subscrevendo 0 governo quinze
roil actdea pagaveis em fundos puiJlicoa do iuro
ule 6 %.
Suspecderam seas pagamantos na eapital ar-
gentioa a ca*a liepanhri|a de Baiz Vega ,.& C, e
tuna casa allema, ainbss de importacSo.
Foram levados a dar esie pasgo em rowsaqui-n-
r.ia da quebra de nma caa de Londres eaa que
mantinBam acBvas.relacfies commerciaes.
no dia 6 0 congresso reunilo em Baenos
Ayres proclamou presideute da Republica-Aren-
fcina 0 Dr. Nicqtko Avellaneda e viee-pireiden-
le Dr. Aeosta, e!eit03 por uma maioria de j!21
wotos.
0 general Mitre e o Dr. Torrent obtireram para
Aquelles cargas 78 vatos.
A' noite vanas bandas de moaitapercarreraaias.
xaas de Boenoc-Ayres, letieitaaao os fonecionarias!
eleitos.
No dia 5 ebegara a Baenoa- Awes 0 jrincipe
Thomr.z, daque de Geuova, qae joi recoaido ao
desembarcar pelo ministro e eonsul italianoa, de-
patacdes de eidadaos da meama naeionalidade e
grande coneurso de povo.
0 presidents Sarmiento den-lbe um Banquete a
diplomatico, os Dri. Avellaneda e AcoMa e varios
altos fiincrtionarios.
No dia 8 sablo 0 principe de Buenos -Ayres,
onde I he foram dadas maitas d<.nionstra^)-s
de e slim a e coniiideracao, e seguk para Men
tevideo.
Coaktava qoe 0 Chile resoWera aojeitar a
^rbitramenio a sua qaeaiao do limitss na Pata-
gonia com a Republica-Argentina e qae propu-
zera para araiiros u alias autoridadei. da Confa-
deracav Suissa ou o tribunal supremo iM Estados-
Uoidos.
signU u Pi 1 limite,
republicas.
-*Ein' RirtnoyAyres a xr^do'rejeit'rffasjW
meaedes -de juitas propoatos aelo-gowm*
cfnvidoua kgislalura.a oj(eb;ar .um ses^Aq
creta para chegar-se a "um accordo s.bre essas
DemeacBea.
de
via seguir JHJWn He potiaos dias B im vasft
de gverra park I^Ugcnia, ac;mpartado par
numecaao pewo*?, aBn da prowler a -xpio
races irieuttftcws nos rios Santa Cruz e Galle
gos, #0 fosse possivtl, cBegar ate a Teira. Be
Fig*.
- O depatado l!ust*mante,wa seeeau. da cem-
rnistSo permaiente a 3 do tTenle, aprese*ara
nia mat*.) para que fossa Torwidalo o ml-
oUiro dos negftcioa aeoaapareeer aeraale a.com
nmsao, alim do dar cxpficavoes sobi-e as hja-
ras (cltas ao duqua- d Geuova, pra (^ue se
.-oubesM) qual o raraoter diplumaiice ^ua linha
0 pn;ioe junto do ge^efflo oriental, ca 9# taes
dadMMMa^ai dirigiam-se exciuj>iva5i:iiie a sua
real petsoa.
As forcas publicas xistenles na capital linham
se eonservado duraate algons dias aquarielladas
ao diMin oa jonaacs qoe timos qual 0 nioiivo
il-.'.-'.a medida.
(Jrgamsaraia-M taras aomiuistdes para col
ligir fuudos deslinados a levanlar um inonuiuento
a memoria do general (-araballo.
MIO-GRAND/, poseE.
ir Confirm* *e-a nolieTa telfgrapBiea de h**r
sido preso e,n Peioias Eduardo Palmer, eliefe do
grupo qi:e ai-.eava alliciando genie naquclla pro
viucia para iuvadir a republica vizinha. Eilciua-
ram a prisao 0 capitao Jyse Teixeira Hci- e 0 dele
gado dc poltoia repectivo.
A ease ripito diz 0 Commercial:
Pelo de-legado de policia foi el c hontcm minu
CHisamcnto iDterr.gado sobro o loubo com me aqui
chegou de Rontevideo e em virludo do qual tii pre-
sii ; e dolar>ia quo no doming 1 2 do correale,
lendj cbflgado aquella cidade 0 Sr. Duque de Ge-
nova, salno procipjtadameuUi da casa dos Sirs. D.
Carlos y .Nabilarlo e D.AugUi>tj la Pier, agenles da
coiuuanhia sardenha de vayores, dos quaee era
eriadb de cmfianya, para ir ver o dSseiobarque
daquelle personagem, mas como piinviuiasse,, a
chover, vollou a casa, aflm dc'iomar um ciiajiea dy
sol.
Abi cbegaio, notou que 0 cofre e^Uva'.-yeua
coai a pe-rta encortada, e alinudo via selo p*oous
com diiiheiro, e eulao, quasi sem salier 0 i|Ba^ar
na, laue.iu mao dalles e tot para 0 sou qua no, on-
de rcconhfceu que um dos 0 cotes, o mais yolu-
nio.-o, fit era formado de nioedapapel, e para nao
Hie tt-rvir do esiorvo, visto coma uao liuba valor
uo Uigar p?ra onde pretendia dirigir se, 0 qnei
iii en;ra-so uo .-t-u dilo quarto.
: yue desso roubo so licou com os seis volumes
que aqui Hie foram lomaios e depositadoa ua al-
l'auileg,-e qae uao. tave cump ice al|um.
< One, depois de ter perpeirado esse roul'o c
itan esUndo em ca-a os seus patrocs, feciaou as
,)!ortase *a dirigio GoRl as eliaves para bordo do
paqnele, nude lomou passngem para 0 Brazil ; e
'iue Hualuienle, veudo qae estas cbavog podiam
:uifir>Kielle:lo, as Line >U ao mar em SOd vngein
daqueiit- para esle porlo.
t*#Vtoi MMSMts I'creeptivtt e salienie do ^ue da rerdad
j.iW^'%rl*lf^'
( rilftu iLl'
Mkignatvra.a
*e parecia ir declinan
crndescer. Mr.-iam
RtttrtttsaeiMi.iff'Bi.i 0 uo lacareto, oude
uetoito.
B'fpiiudo-.-o a uma fabrica de tejidos os
> RinBrania, dit 0 Ai
* A librica, apa?ar dos sacrmci ,9
iritelliaeDMMfue J-iaaada um t>\
Atal Qfd^Uoi in ntadi a caprkh
lnije uiacluaa* d<> itilTeiertiaa inoflfcs.
ao re'i*eBw misfcr.
Im* casa com as aecuranii#icoes pr
fcii cristruida, e.n lugar adequate,
ina, deSfavolvciido-.-e ao inq ulstipo
quajlidadasde brauos, Ja tio ten I
cellentes cobertores de baeia do diiferentes qua
lUacUs, cujo tecido 0001 ceilezi superior ao
ju.p^arSfjs dasia cr lt-i nos e inaortado de
' P***J|"*- ** ... ^ oa pr .viucia de Poroanibuc
. Nap e so a boa qualidade fabnl que pqde re^. Coelho Cintra.
commendar a creac^o deum tao importante'esta- Passaram se tilulos
do
luto da v.-.ra commercial,
coiinrca de "' ij^aj 1 in p
oado ao rAi r.lementir'Sftfty de Afevo"
da iieua de i anno. 4>QQ%$Mk* d* pri-
ll trabaltio e mulla correslNM^ae a melailu
tempo, impost* por crime de lenmenlos graves,
em virtude de decisio do jury do termo do Joazei-
1 da Ba"
e o Sr. bni iia n>ua
t-xiraordpafio flKst
asil em
handra
d^|aMkMfril|Mae4re iMUtgrnl aecNafiki de o-
**U JUI J UU ICI 11
bjbodeflC
dBaaio H,
ink, d^Bubi
, r-uoviJo para
*facto de ser preso a bordo, passon-so-lh-^
revii.i e encontron-se Hie juino ao corpo duas pe-
outiias maletas que pesavam hada meflos do qne
0 BbfA-i, com as quaes viajou daquelle para esle
pott) 1 Contipha cada uma deilas tres pacotes,
sndo ciHCo coin diversos enderecos t com a de-
ciancao, em cadi am, da qoautia que Comthha,
moiiiaiido 0 t'lial a 7,"8i peios, ouro e papol ; e
o nUiiiio, com 0 endereco roto e sem dedaracAn
algllllla.
Ajau deslas qaantias, trazia mais 7Q pesos em
papel e LMiia pequena carleira coin 5 our^as em
ouro" uma moeda de 2(1/.
i'or acto pnsideucial dc lo fi>ra convocada
a a^simbloa provincial para 0 dia { do niar^o de
1870', d&v.-iid) so pTC-Ceder a eleieao dos respecti-
voj iiiembroi no dia 23 do agosto.
Tornavam--e cala vcz mais frequences os
roub.s na cidade do Rio Grande, seudo afgnim
delles leitos de modo a nao deixarem cenbuus
vesligios de arrombaraemos.
L'tfft'arte tuuuaranj a Antonio da Costa Sifreira
certa de i:(X)U e ao letloeiro torn Francn'co de
Oliveira cerca de 2:uuO, estaudo ambas as quan-
lias deutro de cofres de term.
Os galunos lenlaram iguaiuiente enlrar ao ar-
maaem do leilociro JosU Maria Pereiu Bai>ios, u
que uao couseguiram por bavtr-se quebrado a
ciiuve falsa uo acto de abrirem a pwia.
Em IVIoias dera-ie lambem um roubo impor-
laule, que e a>siai narrado pulo J/rttaldu Commer-
cio :
Na noile de 10 do p.vsad.i. os ladrous servin
do-se de gazuas, abriram um quarto do hotel da
America, silo na rua de S. MigucL, onde resiiia
Juaquim Aulonio de Oliveira, que leado liquidado
ha luuilo t-mpo sua casa de uegocio e apurado
um.-. boa fortnna, negocia actualineiite em dur^con-
los do ldras u daudo diabeiro a promio.
Os taduitnovis, depois de aonrem com gazua
a porla do quarto e um bahu, apoderaram-se de
uma pequena caixa com documentos no valor
aproxiuado de 100:000;, e deixaraiu oulra caixa,
conlendo avoltada soiuma em oii'.::is, libras eslerli-
nas e moeda papel.
t Repondo tu 0 no seu autigo estado, sem dei-
xarem o meuor vesligio de violencia, retiraram-se
nci lumes. Reconliecendo, por haviam eDganado, roubaudo documentos c 11 vez
de dinheiro, resolveram restitui-los, mas de um
modo interessanle.
< Eis 0 que fireram :
I'm individuo embucado e com um lenco
amarrado no rosio entregou no hotel do Univi-rso
uma caria, que Uisse ter vmdo do Rio Grande e
ijue era diriyidaa um cavalheiro que esti moran
do no referido hotel. Esse cavalh iro abrio a car-
ta e compreheudeado que laes docuraeatos val.o-
sos niio Ihe podiaui ser diiigidos sepaa por enga-
Qo, foi apreseota los ao major Anlonio io e de
Azercdo Machado Filho, delegado de .policia, a
quern coulou 0 modo por queos havia recebido.
A auloridade foi fer com Joaquim Antonio
de Oliveira, 0 qual .-> depois de ouvjr a narracao
d'* facto foi que vetilicou que havia sido vicliina
deumroubo. Proscguem as averigua^oes poli-
ciaes, porem ?te agora nada se lem conseguido
saber.
0 tbesoureiro da alfaudega do Rio Grande
recusara.receber cedelas do diversos valorc, por
e Arag
do 1: 17 e
Dr. Pe
patha 11
yjelo seu
Pelo ministerio da justi.-a
8.P
e4i it segQHo par
do Gouv-'ia,
lo e gertl-
tivd. '
vii. desla niagmiuiina iirovuicia a.iJea do.Exip. Sr,
Dr. Lucena, e one deve at6 < bun vxito de seu
iniiic.i a>-a/. I hiv.*iii. coibiuelliineiilo.
O hosjiiem de alivnatfo*, pjdiJsc dizer, psis, e
uiua qu lii reaUJale. ...
Eis agora o que promettemos ;
0 hospicio de aliemdos sera edificado no si-
deuoraiuada-TlMariiielra-na estrada dos Af-
ictis, 1.' 11a posieao qae n > lugar iudiear o eoge-
iheiro encanag ido Ja du ec;4o da obra.
a A parla do h ispicio .1 coostrmr-se ciuita da
|:asa da adminitrai;ao, de atelade dos io\n pavi-
'noes, de-iiiiados para a moraaa do-t loaeos, e de
m oulro, eollocado eatrc estesdous pavilhdes pa
a a cozin&i e mais depeaieoeias.
s pavilboes flea
ra no mesmo alinharaenio dafachada posterior da
aasa da adminialracao, e entre el lea nvdiara u:u
espaco do 46"*,00 para jardim de recr-io dos lou-
.. habTFTtando ao cargo de
beleeimenio eniraate. Oqn*m6e^iuit<>id ,niz da direim os bactfteii Jaanivmo America Ra-
cuncorrer para-sctr Wtatrtanww 1 ^n<^>efim'lT To** dh Cautara, e Jos? lgrj*e Fernandes Barro*
a vaulageni ollerecida pela maior c immodidade Foram marcadas :
de pngos nos arllgds que tenham de enlrar e.n Ao juiz municipal e de orphaos do termo do
coappeiencia com os.produiiios pelas febricas ei- Tnumptio, b.cli.rjl i^aauim- Manoel Vieira de
trangeiras. Mello, a ajT
A camara- municipal de Porio-Alegre re
ylveu oar a rua da Figueira 0 nome do Coroner sario, hacKarel Joaquim Jose G ones, a de 100J.
C-inceJexanl e 3 mozas do bceuja cjui ordooa- j cos, que uaa pode'rem audar p-lo sitio
paojuiz da coniar.a dtlGarBB.r Os pavttnbM le io a tfrma quairangular, e
mmfmrn OWlwrV Afa rnn delles tera 30",0) de frenie e ."50~00 Jde
fundo.^ ,_^___
No centre destos pavilboes havera um saguao
^JW\ 111 I 111 *Jk
Chegara de llunburgo o lugar allemao
Fieihit com 173 cofonos.
K.\periiuenlava-se 0 carvao de S. J^ronynja
ffas'lo-ofnotiv^ da eslrada de S. Leopold) c id-
ram saUsfaclorios os resul'.ados coftjld s.
' Dcsenvolvfindo 0 mesmo calor quo o combos;
ifvel ingfez, -'gasta mais 13 Bi.0 do que estoDOf
cadsa da ciu?a e re.-.duos que deuca, purlin c
I.'l-s vezes mais bar at 1.
Eslatidd acabados os: trabaltios do gazoOie-
Iro e assenUimenlo de uibus, deulro de um inez
cum.'caia a ser iil'umlhala a capital a gaz ear-
6obico. '
Falleceram : em liage Jose Maria Caslanneifo,
que era htn do- mars antigds nio'r.i lures daquella
enrad*; -ei* Peletas Firmiuo J >>rt ilichad.., ci-
doJao gei almeine estimate, D. Felicidade Magda
If pa Skleia, espusa de Roberto Jose Villela, daj
xaiido na urphaii iale unie lilbinfios, u Joaquim
Alves, Tories Guiiuaraes, sneioda flrma Oliveira
c? G'iimar,ii>.< ; no Rio Graffito o jraMre I. H'tne-
r*ti, Wc-rtfarfn do- PSvo* SovM,-efNrflhrTleitodop
tivo, e coulava (ii auoos de idade.
pxaxnc
Achava se em Par.magui 0 Sr capitao tenente
Francisco J-ise de FrVitas, que vi assentar 0
pitaTotete no forte da barrai dese piaia. a
A presidtucta da pro mcia r<-solv.!U lu.iudar
abeuar a cada um du- colaaos pulaoo* e irlaiWa-
z..-s in ti ire* do 10 awios, estebelvdwi'ia cwtanw
AOnmchfi. agralilicayjo de 20 a liiulo de aiuu-
l.u para seu pniiK'iio esiatieleciiuniilo, A Ul ra*
lieiio-aecrescenta 0 Dt+cHoca lie Dtnembro 0 .y-
guiute :
K s.bidoqii'- es.-es iuiuiigiantes vieram es-
poiiiatieaiiieaU para esta proviucia, aeadd diasrt-
ouidus lorreuos de palriunmio da iiiuuicip:iiitli Je,
-mis no racio desla cidade.
Nao teudo, p iriaut 1, u govern-) despendidt.
com elles quanlia alguma, era de jutiea quo Ihws
losre coacedido aquelle ausilio, coia o qual po-
dt rao couiprar nieusilios u sauieutes para as pro-
ximas plania^ues.n
Pur iuu'i.iuv.i luJivi lual preienJia-se levar a
elleito a illinuinacao public* da otdadende Aulo
niua, cujos Morado&s coiitrUiuiraiu para esse
l.ieltiorainento, na proporclo dc seus hiyoros,
oado aiMiiiada*. uese iiduilo ptla cauuia inu-
nicipal. a ,,
Lo-sc uo nnuicionado P'izenoce de Dezewbru .
< Em ceusoqueucia das uliuuas >'.huvas lorrcu-
:...es crcsceu de Ul forma o rio Titiag.y |uo clie-
g.iu a estenJer-se ateui de sen foUopruuilivj.
Uma cjiuo 1, que do al leameuta do l'aranapa-
iieina -e dingio para o de a. Pedro de Aloaiura.
uao podaudo veneer a luipt-Uiosulade. da* a^o^s,
r.*. soovorrid* por oulra dotl* aUe inpulq, e am
has forum i.iiaiadas par sua correuW/a, p>-rden-
la-.-e todu o cariegaineuio daqueila >. :alvan.lu-
ea nado as iriii Hao;s.
Diz a mesma* fofha : a Acaba de ser d-j.-caberta umt'Tica mina de
carvao do p-.-dra na trvgueaa do-'Eiipim, a 32 le-
gua3 m-t-inte desta capital 0 Sr. capitao Er-
nest > Kilii.isBirouxe algauias aiaosiras daquelle
mineral, que mostra quanto ii excellente.i
0 Comma cio do I'tirmtd rwfere :
L'ui das filhof do ar. Maapei Jose Alves leve
Mello.'a ajudaae custb'de foflg.
jjlf Ao )*a municipal e.de orpiaes dj termo do Ro-
sario, bacb'arel Joaquim Jose G ones, a de I00J.
resuukjdo* ira^alh s da assemble* Karat
aj publicados sob a rubnea Interior.
Eis as noticiaa cotnuierci-ies das ultimas da-
estarem dilaceradas uu com falta de algum peda-
50, e assna procedera.-segundo de de uma ordera da thesouraria de fazenda, que
loe devolvara quanlia ftupenor a 4O0#, composla
de celulas, mais ou mecus, nas condicoes das re-
Jefcadaa.
Tuda a imprensa proaonciera-selcontra essa re-
jeijao, 0 o Jl.u Graniemte, orgao oflleial, proteston
contra etla nos seguintes term s :
m O papel moeda d on grande ma) para pain,
mas reconhececios que e iudispensavel nas aotuaes
circuHistancias. Intoleravel, porem, se torna 0
procedimento do thesouro e dos sens prepesto-,
^wando recusam notas boas, que 0 povo reeeben
eaes fateis preJej:os. E' o qae ainda houlem se:
dcu:
a Umnegociante recebea bo correi) festacao
ptiLlica) u:na notado l#, das iiue eslao em circa-
iacio.
Esta aota, collaja sobre papal, lioba apoaas
aina pequeua falta do lado dsqaecdo,sein que pre-
judicasse 0 nuinero, a sene ou a assiguatura.
Mandando a alfandega comprar ,ellos, recusou
essa repaiticao a ceduia, sob pretexto de f.uur
aquelle pedaciobo !
Du;n-nos que aswm aconleee porque #c
Ihesoureiro da ttesouraria de fazenaa foram re-
cusadai pelo tbesouro mutt as ceduia s dilaceradas.
Ignoramos se assi.n e, mas 0 qae e icetto e que
0 Estado que emitio moeda-papel, naa tern 0 di-
reito derecusar nutis boas, por estarem em mao
stad).
Como era natural, logo que se divulgcu e>te
facto, comecou o comiiKrcio aaSo querer rece-
ber era pagaraenlo nentuima aota que nas esii-
veste perfeita.
Pauco tempo, porem durou esse estado de coa-
sas, que podia ter originado contJctus, por ha-
ver 0 inspector da alfandega expedido ordens ao
referido Ihesoureiro para aceitar as cedulas que
eslivessem nas condicoes das garautiJas peli de-
ereto de il de dezemtiro de 1855.
Fora apprenendida na rjlla do Trlampho
uma nota fa!-a do valor de U, 5* eatampa, serie
22', raai era tio mat feita qoe facilmente se co-
nhecia a sua (aisidade.
a A aota em qoestao (diz 0 Mcrcantil de Porto-
Alegre) e maior no comprimento e menor na lar-
gura ; mas sombreadog do que a verdadeira oa
emblemas que contem, seuSo tambem a coroa
imperial mais amoriecidaY no desenho do qne
Parece iue lambem lerao de ser decididas por I aquella.
larbiirof as queitfos enlre os governos argentino' Odisticovalor rrcbbido e ijaalmenle mais
a bondade do foruecer nos u.u. pedaeo de carvao
de pedra, par ulle eiicontrado quasi a superdcie
da lerra par occasiao de mand.ir lavra-la, na fa-
zenda do Buqueira, prop.-iedade do dito Sr. Alv\-.-,
(i Bern quo a exploracad de tao rico mineral
e.-leja llvez superior as forgas di Sr Alves, pois
que iiiuguem descoubece anecessidade deemprego
de meias J.ue requerein dispendios avultados ;
uao obsta, comtuJa, a quo se procure a jazida
di-Ue miner: I, sem 0 q le toda a idea de utilisa la
conveuientemente toma-se, por assim di/.er, nulla.
0 Sr. Ajvs uao deve, porlanlo, abanJonar
essa emnre/.a que Ihe podera ser de iuio.ensa
vaulagein, ja que a existuncia do mineral denun-
cia se a liar da terra A amostra acha se no as-
criptorio desla follia.n
SANTA CATHARIXA.
Le-se no Despertodor :
0 Dr. chefe de policia da provincia acaba de
descobnr que no municipio de a Miguel jazia em
poder de Manoel Joaquim de Carvalho, em injusto
captiveiro, uin crioula de nome Autouio. Na oc-
casiao em que se trajava de vender este para
fora da proincia, 0 Sr. Dr. chefe Je policia veri
licou a exaciidao do facto criminoso, que se pas-
sou do modo seguinte :
t Joaquim Antonio Godinho e sua mulher Um-
neliaa Roza, passaram carta de liberdade a sua
escrava Rita ; annos depois, qnando Roza ja era
falleeida, e Rita que habiiava em companhia de
seus liberladores, havia dado a luz 0 crioulo An-
lonio. Godinho rasga a carta de liberdade de
Rila, e passa-lhe outra com data que nao alcan
casse 0 nascimento do sea filho, com 0 fun de
reduzir este a captiveiro 1 Mai sabia 0 crirai
noso que dia viria em qua a tramoia seria dos-
coberta, e 0 pobre, in.uslamenle captivo, reslituido
a liberda'Je.n
Falleceram : na cidade da Laguna, 0 promotor
publico da comaica Domiugos Cuslodio de Souza,
u na capital D. Anna Candida Maguo Duarlo Sil-
va, esposa do cidadao Francisco Duarte Silva Ju-
nior.
s. PAULO.
Inaugurara-se uma pane da linha ferrea so-
rocabana.
Diz 0 Tiete que achava-se cm expoaigao na-
quella cidade, em casa do Revra. padre Almeida,
um fossil enconlrad no bairro das Pederneiras,
que ha toda a presumpeao de ser de cobra cas-
cavel.
Nessa regiao tem-se encontrado ja diversos aii-
maes petrilicados, como doas Ugartos, qua foram
remeUidoa.para o< hstados Unidos, e um peixe cas-
cudo, que nao sabomos onde para.
Agora foi encoutrada uma parte daqueila ser-
pente, da lado da cauda. Ve se perftiUmeute as;
escamas da pclle.
BiO D8 JANSirtO.
Por degpacbo de 12 do corrente foi elevado
a visconde com as benras de gr-.ndeza o barao de
Araguaya.
F.j-am noceados cavalheiros da ordem de S.
Bento de Aviz, 0 cirurgiao uior de brigada gradua-
do do corpo de saude do exercito, Dr. Anlonio Ma-
uoel de Medeirss, e o capeliio capitao do corpo
eaelesiasuco do exercito, padre J.ao Diniz da
Silva.
rrn Por decrelo de 12 :
Foi, a sau pedido, aposentado 0 jaiz dedireito da
comarca de Jiliejs, aa proviacia da Bahia, Anto-
nio Gomes Villaca, com 0 ordenado proporcionai
ao tempo de seriico, aa forma do art. 29 10 da
lei n. 2,033 do 20 de setembro de 1871, e com as
honras de deaemoargador.
Foram removidos :
0 juiz do direilo Virgllio Silvestia de Paria, da
comare>de Jacobina, de 1* enlraneia, para a de
Ilheds, de 2', ambas na p*roTiflcia da Bahia.
0 juiz de direilo Antonio Joee de Castro Lima,
a seu pedido, da comarca de Carinfraafta para a
de Jacobina, ambas de H entrancia. na mesma
provincia*.
0 jaiz municipal e de orphaos Ootavio Affocso de
Media, a seu pedido, dos lerraos renrtdos do Cas-
cavei e Aquiraz, na provinell do Ceara, para 0 de
Ilapemirim, na provincia do Espirito Saato.
Foram nomeados :
0 bacbaral lose Marciano de Campos, jait de
direilo da comarca de Cartnhanha, na provincia da
Bahia.
Obacbsral Bento Ceciliano dos Santos Ramo>,
jaiz de direilo da comarca do Bom Conseibo, na
provincia de Pernambnco.
0 bacitarel Augusto Carlos de Mello- d'Evaistre,'
.las
Buenos A ares, 4 de pagamentos, aununciados nestes ultimas .lias e
ouiras ooticias espalhadas para produzir effeito
causaram grande sensacao no mercado.
Sao, tntrttanto, iufuudadas taes nuticias c Jnl-
gamos acertado que se nao jfl credilo a boatos tio
somente forj^idos para aurdir effeito era especula-
cjjas arrojadSs. 0 desconto fica a 10 por cento
para bom papel.
Montevideo, 5. Sacarain se hoje pequcnas
somtiias em camblo sohre L.-nlres a 50 7/8 e 61
d. ; sohre Paris a fi.3i ; sotire Aiituerpia a 5,36,
e sobre 0 Rio a 9;30U e ffitJSO,por libra est'rlfna.
:0. mercados do pruduclos lem estado pouco anl-
mados. a
a Rip Grande do Sul, "50 nwalo de cam
;bio feclta lime sobre L mdres a 25 Ijid. papel
baucarij, 23 3/1 e 23 779 d particular; sabre
Franca a 3"3 rs. bnocario, 361 e 363.rs. partieu-
Iar; sabre na'mbQrg"i'a '16S rs. b (Rttrrid, 4(15 rs.
particular, e sobre o.Rioao par, a vi-ia.
Os saberanos fleam de 9^i00a 9^33d e as on
^as a d'-iiiOO a dinheiro.
Uaiiios em seguida nma tab? Ila compar.itiva
c'a :; .*i.111 ..-.< do gado na America do all
Delia se verilica tnorme differenca par.a menus
11a jaf a Jeste anno, cotnparada com a dos tres au
leriores.
Rio Grsnie.
Montevideo.
HMD Ayre-.
L'r jg.e Pnia.
1 '
187
390.00J
mum
2S5.OO0
6)0,000
187 (
601,000
22D,(M),)
aO-'.,(M0
8J6,oOO
I87i( .
.373.000
208,000
88u,0O0
1871
490,000
236,000
37o,0O0
7*:J,(KK
l,M3.0iK) 2,1.12.000 1,980,000 l,8U,000
e Rio de Janeiro 14. Cambio snhre Londre?
a "0 ri|v. a 26 d. bamferio.
AecoesBanco rural e hypatheMrio a 283/ ;
companhia de navegaeao braafoira a 172*.
Frtites- Etlndos Ifnidei' (oorte) 22 s. 6 d.. 23
a.. 27 .-. G J. e o i0 ; Esiados Unidos (s il) 80 sJ
27 j..d, 3 >. e-B r9.
G-iiieros Assticar miseavinlio de Campos
vendid) durante a si-mana aos precis de 2*Oid.
2^111 e 15170.
BUllA.
A assemble:! provioeia! -proseguia em seus
trabalhos.
Falleceram : na oapilal, 0 negociante Auta
nio Rodrigu>"s Nofiireira ; e em lnii imhupe, oad-
vogado Ladislan Febronio Ksmeraldo.
De I a Ii do rarren e, arreeailoii-9i>. do im-
poslo de 2004 por-cada escravo deafiaabado para
fjfa da provincia, a quanlia de IBdMMPI que cor
respende a 33 weravo* IHp4fttlMI)M ; f,i^ l
! Leinos no Con cio da Itahia :
t 0 eonseHMModramalico cestaraa no dia 14
do corrente 0 16- auuiversarii* da sua fuudacao
com lodo 0 brilhanlismo.
Aberta a sessaa as 11 haras do dia dppors de
se acharcm.pres.-rites S. Etc. o Sr. Dr. prcsfdeifte
da provincia, o's S^'s, Dr. director gTal dos e>ta-
dos, comoienJa'dor Bernardino Jose Surges, in.-pe;
tor Ja alfaudega, e outros disttnetos cavalheiros
eonvi Ja Jos pelo couservatori a, prftWrplaram 05 tra-
balios pela leilura do relatorio, flrtda a qual fo
ram lambem tiJos diversos ufHc'ps de socicJades
lilterarias, e deparilcalares, qie felicitanlt oenn
servat irio pelo seu snniversario, pediam deschlpa
de n.lo cjinpare ;ei em pessoalmunte.
a Felicitaram ainda 0 couservalorio a sociedade
hencficente Italians, pelo seu orador, 0 Sr. Silio
Booaueia, e 0 Sr. Dr. Garcez e;n sea proprio no-
:.' e, sertJo 0 orador nomeado para agradecer, 0
so io Sr. Dr. Ruy Barbosa, que apressouse em
fazel-o.
a 0 nudilorio numeroso qne ?e achava no salao
ricamente preparado, dava mostras de satisfacao
assisiindo a uma fesla tao brilhante.
Uma banda militar tocava nos intervallos es-
colhidas pegai e no li.n do cala discurso.
o Acabados e.-tes, suspendeu-se a seasao por
momentos, para prosoguir se nos trabalhos de olei-
eli geral.
Completou-se a festa do conservatory com
um apparatoso e muilo ontforri lo espectaculo no
theatro S. Joio, e offerecido pelo sea emprezario
Sr. Vicente Ponies de Oliveira.
Cavalheiro distincto e verdadeiro amigo da
arte, 0 Sr. Vicente rendeu um preito de hnmena-
gem ao coaservaiorio offerecendo em honra ao
mesmo no dia aaniversario da sua fundagao, um
espectaculo em grande gala, ornando 0 theatro
todo de cortinados e (lores, e fazendo representar
a bella comedia-drama RecordacBrs da mo
cidade e. a espirituosissima comelia Uma expe-
rience. '
a 0 conservatory correspondendo em fineza ao
Sr. Vicente P. ntes offereceu-lhe am rico bouqiitl
preso a uma vistosa llta de ;e Ja azul com a ins-
cripcSo seguinte em caracteres donrados : 0 con-
seroatorio d'-amatico a Vicente Ponies de Oli-
veira.
' 0 Sr. Hermenegildo da Silva Senna, socio
lambem do conservatorlo, inspiranio-se no acto
da entrega do bouquet, feita no palco par nma
eomuiissao, ii qual 0 Sr. Vicente agradeceu viva-
mente eommovido, reclDn ama iaspiraia poesla
que arrancoa muitos applausos.
A eleicio geral deu o seguinte resilltado :
.( Presidents. Dr. Frolerico Marlnho de A-
ranjo.
-i vice-presideote.Dr. Ray Birbjsa.
. %e dilo. -Pompilio Hanoel de Ca-tro.
J 1' secrelano.Bellarmino Barrctto.
2- ilito. -Joao Augusto Neiva.
Thesoure"iro.Silio Baccanera.
,', Bibllothecario.Raymunlo Barroso de Sauza.
Critiijs.Domingos Guedes Cabral eB. Bar-
retto. "
WiSSMfM
REVISTA DIARIA.
Ilospicio do aiienadoM. Cbamamos a
alteucio dos njssos icilores para a minuciosa des
erip^ao qae vamos-dar da pane desse importantis-
silno ediflWo, que vai principrtr dentro em peace
a ser enecutaila.
A' essa descripjio seguem-se as claasulaa do
contrato, que aete ser aa1goad6,pfc ser levada a
eleito a obra. q j ,
Vai, pois, toda a provincia ver coaverter-se den-
tro da algum tempo em explendida realidada a
abencoada idea do Exm. St. Dr. LuceiH, que, ins-
pirado pelo verdadeiro pairiotis:uo. naa duvidou
abalan^ir-se a empreaa tao alta e subliraada, sem
desanimar diante das diCDculdades qae a ordem
natural das oousas de*ia sugerir Ihe ao espirilo,
nem estreraecor e reeuar na presenca des sarcas
moa e taiptoperias iaqualilicaveis de alguns
invejosus. K, por beui da- proviucia de Per
oamboco, que diiamosa^guus. Sim, os inve-
josos, que procurarara par tropecus a idea tio
gD*rosa e graode, qual a de fuadar um verdadei-
ro hospicio de alienados, qae teve o Exm. St. Dr.
i Laeena, inapiraodoua em seus boadosos e huma-
Ditariossonumeutos, sio,npetiaiag, esses inveju-
soa foram poucos.
Afogsndo esses tracos negros, ao r^ntrario, vi-
mos a*rraiaar-se na tola de am peawmenlo gran
dioso a p*riotico a antes de tudo isso loiraeasa
meate cariiai; vo, as tiuias elaras 0 slaves aj pu-
blica beneficencia, bfilnante ra-anifestacao dfsse ta modo :
divino senlimento, a que se chama candade. Jn'o a
ou pequeno pateo cam 9m,00 sobre 30"',00, deuina-
do para passeio dos loucos mais agitados.
EsWs pavilboes serao de dous pavimsutos, me-
nus no espaco era que tem de ser collocados os
loucos iunosos, o qual sera de nm paviuenlo so-
m nte, conforme vai indicado nos deseubos respec-
twos. ;. ,
0 nivef do edificio i'nara 2-,00 acima do nivel
do solo.
a A entrai 1 de calk um dospavilhoei seri por
uma port* collocada uo cenlro do lado qae da pa-
ra 0 paieo; que fica entre os iaesmos pavilhoes.
u Em freule a esta port* havera uma escajana
de pedra de la-boa
v A divisio interior sera a seguinte:
No lugar da porla de eutrada havera ama fi-
lo.a, que servirade vestibulo. Nestc lugar have-
ra tres p arias, sen Jo a do fun lo para dar c-immu
uica.^to para 0 saguao e as duas outras para os
corredore-.
a Junto a parade exterior e do lado do pateo In
vera um corfedor em tola a exlen-io do pavilhao
linire este corredor e o saguao havera seis qnar-
1 .j, senda ires de cada lado do vestibulo, destinadus
paia us loucos (uriosos.
Na freule principal do eJili :io havera um cor
red-jr juutoao saguao e era coiumuiiieacao com o
corredur lateral ; outre esU c rredor c a parede
da frente havera lauiaoui uo exlremo da direiu
uma iala para os loucus que forem pasta.- em pe-
qucnos grupos, e finalmenle em scguida a esta sala
luve.ra ties quartos deSlilladoS para os emprega-
dos da vigilaucia.
0 lado esquerdo do paviliiao sera diviiido do
modo seguinte :
ii Do lad 1 do saguao havera u n corroJor qae
'im uuuic.ua o da fnato cjn o roslanle do mes-
mo el'uicio. Enlre este corredor 0 a parede ex-
terior havera no nxtr-mo da frente um grande sa-
l;w desiinado" aos lou-aos que viveroiu em commu-
nidada 0111 segui la se collocara a esca la para o
segundo paviuientj ; ju-.to a esta escada se collo-
ca?ao as l.itriuas, e liualmeute uo cxtreiao, qae fi
e ca parte posterior do edilicio, havera urn grande
'naiiio denomiuado -sala de irabalho dos huccs.
A parte posterior sera destiuada a um grande
salij para refeitorio.
a Em frente a escada para 0 seguado pavimen-
lo, bavera uma porla para 0 saguao com uma es
cadade pedra raulaliaha.
a 0 setfuudo paviuiento stra dividido pela mes-
ma maaeira quo 0 priraeiro, com uma dillerenca
SMine.uie ua parte Jesiinada aos loucos furiosos, pur
ser ela parte de um so pavimenlo.
a 0 pavilu\a de-'au-id 1 para cuzuilii e suas
dependencias tera 3ii -,oo do frenie e I0,r.o0 de
lunda e sera de um pavimento.
.- Este paviliiao sera ligaJo a as dous outra-.
por uma galeria coberta, teudo cada uma 6,n,20
de comprimeato e 2,"'iO do largura.
1 A divisao deste pitviUiaY) aora do modo se-
guinte :
No c-niro havera uma sala para co2inha.
I lesia aala parlirao dous correJores, um de cada
lado paraCammnnicwoao ; de cada laic deste cor-
redor havera uma saieta par* dependencias da
cosmha. ,
E-le pavilhao iicara tambem 2,u,00 acima
do nivel do terreuo, e sera assoalnado de tabuas
ue amarello, teudo no lugir da coziuha um ladri-
llu die Hjollos proprios, assontados em cimeulo
sobre o assoalho.
Os outras paviltiaes serao assoalhados em
ambas os pavimeulos com laboada de louro de
priuieira qualidade. As traves dt-sles soalhos de-
\erao ser eulfocadas a 0"',70 de distancia, con-
lades dos ceutros das mesmas traves.
O 1 eitiado sera do systema de tesoarai, e
com qualro aguas, caa.cauda-su esl.s lesouras de
f run que nq 10 u eom 4"',00 de uma a outra
no maxiiio.
As agua3 dotelnilo correrao tun canos ho-
risontaes, folios a ciuiento sobre as paredes, de
veuda l-.-r a inchnacai nooess lia, alim de se fa-
cility a eorreute das raesinas.
Destos canos partaio outros veriicaes inter
oados nas paredes para daiem esgolo as aguas.
A oid -in da arclutectura da oruamemac.ao do
edificio sera a dorica.
1 A 1 ase do edilicio, isto e, 0 pavimento que
lica eulie o nivel do solo do edificio sera ladrilba-
do e desiinado para armazens.
t Nas paredes extenores deste pavimento have-
ra oculos leclnlis por grades de ferro para veu-
lilacao.
Todo 0 exterior do edifi;io sera fingido com
cal branca. Nos extremos do edili;io bavera pi-
lastras, sendo as do priraeiro pavimento a imita-
cao de gran le- pedras sobrepostas, e as do segua-
do da ordem dorica.
'..r laaJa 0 segundo pavimento havera um
entabiaui>-iiia geral, sobre 0 qual se fara um acro-
terio de U",50 de allura.
As jaoellas e portas do primeiro pavimento
serao de arcadas e terao 1,50 de largura e 3, 10
de altora ate as empostas.
As janellas do seguado pavimento serao de
forma quadrangular, e ornadas de cormjas, como
vai indicado no respeclivo desenho.
t Cada uma destas janellas terao 1",30 de largu-
ra e 3',60 de altura, seudo l',00 de altura para
0 peitoril.
< A casa di adrainistra^ao sera edificada de
modo que a fachada posterior ii iue no mesmo ali-
nharaenio da fachada principal dos pavilhoes des-
linados para a habuac.it) dos alieaados.
Este edilicio tera tambem a forma quadran-
gular com 3lm,00 de frente e I2",0D de fundo, e
sera ignalmente de dons pavimentos.
0 uivel do edificio Iicara 2"',0J acima do nivel
do solo.
t Na frente do edificio e na altura do primeiro
pavimento havera um terraco do cempr memo da
frente do edificio e com 3-00 de laigura. Este ter-
raco sera assoalhado com taboas de costadinho de
amarello de priraeira qualidade, e sobre elle sera
collocado um ladrilho de t'jolos apropriados e as-
sentados em argamassa de cem en to.
t As traves deste soalho ticarao a 0m,60 de dis-
tancia contados dos centres das mesmas.
Nocentro da frente do terraco havera uma
escadaTia de pedra de Lisboa parradar ingresso ao
edificio.
Em torno do terraco havera ama varanda de
ferro. .
t A parte do edificio que fica eOtre 0 nivel do
solo e 0 primeiro pavimento sera destiuada para
armazens oa dependencias do edificio, e sera coa-
venientemente ladrilhada com tijolo assentado so-
bre urgamassa de cal.
a Nas paredes exteriores deste pavimento bavera
ocalos fecbados por grales de ferro, qae servirfio
para dar vcniilacSo.
A divisao do interior do edificio sera a seguinte
no pavimente terreo:
No lugar da porla de entrada havera uma sala,
3ue serviri de vestibulo. Do centro de cada -not
os lados desta sala parlira um corredor, 0 qual
iicara no eixo do edilicio.
Do lado direito desta sala e entre 0 corredor
e a parede da frente havera uma sala destinada ao
pjrteiro doostabelelimento. Em seguida a esta sala
havera uma oulra para secretarla e archivo.
t Do mesmo lado do vestibulo, porem do lado
opposto ao corredor, havera nma sala, e em se-
guida duas outras, devendo duas destas servir para
Pharmacia.
< Do lado esquerdo do vestibulo, n entre 0 cor-
redor e a parede da frente bavera uma salctn, 0
em eontinuacio uma sala destinada para conferee-
clas dos rrwdicos e exame de alieaados que tiverem
ingresso no edMJeto.
a Junto a esla ultima sala bavera ainda outra.
t No espafo'que flea entre 0 corredor e a pare-
de do fundo do edificio Iicara a escada para 0 pri-
meiro andar.
1 No corredor em seguimenlo a escada ticarao
as latrinas.
t 0 sagundo pavimento sera dividido do segnin-1
d quilr 1 annas, e eoTii^cir d-uilro
a contar dt assignalura do coo-
emtmddkisfHISIo tla*ra>uo ttto >, qu* serrjrae d
^a de vtxiiM'datliuisfi.r du.s!ab#|eeiuient .
tl* Do ladu eqm^-dp h,.ria oulra sala que sera
dc janlar. Ao iada desta" Iicara naia salela des-
linala- piara cn{id:'Mnev &Mit sabsa e do lado
pusleriur bear* a-*ioba, a^ualfera um quarto
para 0 cosinheiro.
Do lado opposto a sala de vi-ii.i havera sois
quariiM para ,iucBSordacae da famslra do director
do eslabelecimaeto.
E-les daus pavimeatoa serao aasnalhados com
laboado<> .ouro da ^riinesra qualida le. As traves
ilei'.e* sa.ilhos devorao sit Callocadas a 0-,7O
de disiancia, coaladoi dos ceutros das mesmas
irav?s.
Todo 0 pavimesRu lofTeo ara forrado corn
taboas de louro. 0 primeiro andar, porem, sera
forrado na sala dt visitas, na da janlar, na de
espera e em doas quartos.
Eatabelecer-se ha uma canalisacao geral para
esgosto das lalrinas da casa da administrarao e
dos outros pavilhoes de que se co:npde o edifi-
cio.
t De cada um dos lados da porla de entrada
havera uma pilaslra.
!< Na altura do 1' andar e coroaudo estas pi-
laslra- bavera um pequena portao : sobre os ex-
tremos deste poriao havera duas pilasttas. -m
Eaire a primeira e segunda janellas imme-
diaias a porla de eat iada havera uma pilaslra em
cada um dos pavimentos.
Nos exlreinos do edilicio h ivera tambem pi-
lasiras ein auib is os pavimentos.
As pilasiras do priiu-ira pavimento se:aj t
iraitacao seguu lo da .ir lem dorica.
;..raim:-> 0 sagsmdo |iavi*nf.U havsjoa am
eui.il.I na n:-) w-.r-i, -uuie, 1 .: hivera \it& grande
frontao n* parte central do edilicio, e no lugar
torrespotrtom'e as quatn? pila'tras Sobre o res to
d 1 eutablamenl) se fara um ..ci uteri a coin 0-,30 de
allura.
Os maloriies serSi de priiooira sorte e das
qualidade-1 idic.iJas uaavalut-i* das obr*s. To-
das as obras serao cxecutaJas de cotif rmidade
com as regas d'arlo
e direcijio ira fornecend> todos as J.; .li.es qua
forem precUoa.
Ksta importanta obra aOsMi de r contra-
tada corn o Sr. major J iso Caetano J Medeiros,
send 1 sea Radar o Exm. Sr. bsra-j do bfovasswsMB,
sob as cl usalas seguinte' :
!. 0 contr,.lau!i: cau-truira a IMTtO da edt'.i-
cio Jo asylo de alieuados, de MMOrdu cim a plau-
la e orQamento apnrovados nesta data, pela quan-
lia de 4I0.0)9J000.
a 2.* 0 coiitrat.mte devera conelnir a referida
obra no pr.vo
le t-es mezes,'
irato.
t 3.' 0 cmiratanle obriga-se a fazer qualquer
obra uao prevhu no oroameoto, ma* qa* *e|a ne-
ees.-aria pan s^tirane* da ed.licio, inlepenleato-
biente de iialquer indemnisieao por e-se mo-
nvo.
4." 0 coniralaflte racob-ra, loo qn > omecar
as obras, a qua lia de cem cantos de rdft em di-
nheiro, e 0 restante em n)ve preaiavMi aaouaes,
sen Jo as oila primeiras de Irint 1 e cine > contjs de
res cada nun, a a uliima d-i if iota eonlOi oV rms,
uaga a ppimtira no ullim > ii dczembra de 1875 e
as demais no frn de ca.la anno.
i 3.' 0 coutralante obriga se a receber par eon-
ta das prest!ic.oes que Ihe hr.iverem de ser pag.is
e pelo pceco do orgainento tolas 01 materiaes que
poderem ser applicados a obra e forem para este
lim olforecidos a Santa Ci*a.
6.* A obra sera feila rob a fWalisacio da re-
partifja-) das obras publicas e da Santa Casa de
llisericordia.
< 7.' 0 contra'.ante prestirs fianca idonea.
r8." 0 coutratante fica sngeko as ran lias e obri-
gacoes impxHras pelj regihmeni-i da repirticio
das obras paWcaS, pelo nao cumprimeato das
Clansotas do pre.-ente contrato.
t 9.* 0 presidente da provincia concedera ao
cantratante pcrrnisiSj para c?llocaf irMnoa io
cacs do Porio do Capim para 1 estacao da nstnda
de ferro d> Recife a Caxariga, aPra de condnzir os
matenaes, devendo 0 mcsm-i coniratame reiirar
os trilhn, lego que Mr concluila a obra conirala-
da.Henrique Pereira] de hirenn,
Jury d( Recife Co:nparccen1o hontem
39 juizes de facto, procedeuse ao sorteio do con-
selho de sentenca.
Foi suhmottido a jnlgamento 0 r6o Manoel Cle-
menie do Nascimento, pronanciado no art. 203 d j
codigo criminal; e leve por advogado 0 Dr. L. E.
RoJrigues Vianua. Em virtude de deci>ao do jury,
foi julgada perempia a acgio, e posto 0 rdo em li-
berdade.
lNmte tlaKii\-ViMta.Achsndo-se pro'B-
ptaa ponf? provisoria enlre os bairros de Sam->
Antonio e B.ii-Virta, stra hoje aherta ao tranwfj
pubiico, licanJo im nedia'amente iJlerce.iiaJa a
pas'agem pela ponte velha.
Hiirqarz dc Cavlas. F.-!-> vapor da
companhia tahiana sahe hoje a tarde para a Ba-
liia pelas rscalas do costume.
Vapar C^eihsatz. Este vapor da linha de
Liverpool, ttudo chegaJo hontem da Bahia, soguio
a tarde para Lfverpooi, recebendi em nosso porto
deo'.ro de oito boras 1,663 saccas e 31 fardoa
com algodlo, pesando 130,411 kilos.
(ompanbiii peruambnoaoa. Em
consequencia da excessiva baixa da mare, qne col-
locou 0 Giquid em posieao de nao poder saMr do
ancoradouro, dcixou de seguir hontem para 09
porlos do norte, conforme se a:ha anaun-aado,
sendo transferida a viagem para hoje as 5 haras
da tarde.
Infelizmcnte nio e essa a priuieira vez qne isso
acontece; muitas outras vezes nos annos anterio-
res teem deixado de seguir os vapores a sen desk-
no por igual mstivo visto a pouca profundidade
existente no respeclivo aucoraiouro junto ao caes.
Vesta da I'enlia.-Ni dia 6 de setembro
deve ser celebrada, com todo o esplenJor, a festa
de Nossa Scnhora da Penha, na igreja dos missio-
narios capoc.hiuhos, comecando as novenas res-
pectivas no dia 28 do corrente as 3 boras e meia
da tarde.
Capungti.- Moradorei deste arrabalde noa
peJe.n para recom.mendar a policia' respectiva am
grupo de ladroes, que alii apparece todas as noiies.
Wuciedndc Propagadora da Ins-
irurrao I'liblica.Am.iuha deve haver ses-
sio do*c^nselho director da parochia de S. Jose,
as horas e no lugar do c i-tume.
Dignot de insitacao. A loja maconica
existente na cidade de Goyanna, em 4 do corrente
install .a aulas de latim, Irana-z e geometria, e 7
dias depois, em 11 desle mesmo no z. uma biblio-
ibaca, com gabinete de leitura, contando aquel a
ja 220 obras em 400 volumes. Sen Jo, como e de
suppor, grauiita a frequencia em qualnoer ama
dessas instiiuicSes, 0 comm-itimenio cisilisadar da
nia;-uiaria do Goyanna e digno de ser sncundado.
tti-ciiHiacan .Na uoiicia qua hontem de-
mos sobre a eleieao d'assemblea geral do Banco
Commercial, reclilliamos a volacao que obteve 0
presidente da meun Sr. Jose Jeronymo Monteiro,
eleito por 81 votes e nao por 131, c nforme dii-
tesnoi.
selheiro ajudaale general do exercito dingio 0 mi-
nisterio da guerra, em IB de julbo, 0 seguialfl
aviso :
a IHm e Exm. Sr.Tend j em vista 0 qua V.
Exc ponderoa em o seu oflBcio n. 8,722 de 23 do
corrente, relativameate ao grande numero de offl-
ciaes e piacas de pre! que se acham addidos aos
diffcrentes corpds do exercito, declaro a V. Exc,
para seu conhecimeito e fins convenient, qae
os referidos jfii-.-iaes e pracas de vein se recolber
aos re-pecivos corpos, e qae as pracas adli-
das que nao toohara corpos deiignados, bem como
as qae se acham aggregadas as campanhias de
guarnica i, devein ser eoviadas para esta corle,
aim de serem disiriburdas pelos corpos que nio
estiverem compleios, sendo permillido as pracas
qua desejare.n pormanecer com) effeclivas nos
corpos a que estiverem addidas, dirigir aesse sen-
tido suas petic.oes ao governo imperial, aguardan-
do, eniretant j, a solac.ao nos lugares era qne se
aeharem, o que V. Exe. fara constaren ordam do
dia. Ueus guarde a V. Exe./odo Joti dt Olivei-
ra Junqueira.
Oh maiirisiKH. -As folhas do Bio-Grande
continuam a publicar exiensos arligos, cbeios de
minaciosas lnformacoes, quer sobre as extravagan-
cias da intitulada religiio dos muckers, quer so-
bre as reunioes qae havia era casa da prophetisa
Jacobina, ecuer sobro alula ultunamenla empe-
nhada.
Enlre elies ha um do Bio-Groadeiue, qae e
qae mais luz derraraa sobre 0 assumpto principal,
dando a conhecer qual foi a verdadeira causa da
crea;ao do miui ismoo desenhando os typos de Joio
Jorge Klein, oabeca da todo 0 movimente.e de seas
oriacipaes msiramaaUs Maurer e Jacobina.
Por essa artigo, daprebende-se qae, se a deno-
e mais tarde Chris-
-r
\.

minada prophetisa a principio,
j to, nao era talvez senao uma mulher ignorante e
escada ha-wri trraa la de espera. No j faoatisada, sou marido prestara-se por eapeeula-
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


II I I _
*m-
-a*K:sewaato Bel-Hiram 'a***a*^s:pBpis
*. BWIiajda^amajmaaa e Indian* nw iiw^eBrierrl
_^reEumoihilmni
  • tao nao* s ftfe,
    rir valmgw/iecmilatta? i r \ alr^ttfi^D ^1 abalai
    * SSiiJi^3*'*** Pr pmm'&WeMiMSkftttrri >* IfMftte** Wconi
    seraieanxrhboriaBBa hunattoe os s-ua estu i Is 4
    , .Baa*B'l .sectaries, que nio ucuavarn dtante de
    >oeoajitaiaec!o, qwe saeriiieatam hmlllas inlci-*
    a* para, riogar-s* le ug rl.j seus nUiUWu.
    1 Hiso que exiracwmos do quo diz o Rio Gmn-
    Joao Jofgaa-'feaofe em homem de 40 annos,
    mail ou ,iiiuo.<, de paysionomia paiibul.tr e ar hy-
    . poerita. Uia a barba todi ftiU e veste com ceria
    deceacja, preferiudo roupa pr.ua. Nao obttante
    havar aid j expulso do cargo da pastor, guardava
    aiiH"k a* "PP31,001^^ BXiemai do offieio, e procu--
    1*Wlar ama certa dlgnidade cm sem mo-
    do s.
    ,_t Joao Jorge Klein Mra edacado na Al'.emaoha
    a ura semioario de professores publicos, e cremos
    PJlrn-.i PB, urn homem de alg :rta instrue'
    cao ; qtie lea muito, escreve bera (era allemao) e
    tern feita. estudos ^gronomicos de alpam valor,
    provam maitos artigos quo em outras epocas pu-
    tolicou sol) fiia assignatura rmjornal allemao da
    ' a^pljaj a no Bole, Wrinotrvos qde sio ignoradds, abandohou a
    carreira do m iBister lo e a sua patrirt.
    Era 1854 chegoa J Jo Jorgo Klein aqnella
    pravincia, onde sou nome devia ad quirir tao triste
    celebriiaiie. roeprando a coraraunidade evange-
    lica do Padre^terno, um pastor, Klein, com a hy
    J*e*alIeoSe!?*i: -*>AftMu. &*toni\m*}i>!froM&
    geiajwonnadw-aos ^ai
    *er Hies lodo oil qne podem.
    unidade de ttw, pantos do
    V m i .
    adversaria b*^*^lj(j
    risu^-e'tfftidir' sefta de Dletcgenj jfcr^iWim; jj wjigjia, ^^.q#f t>e*a^ jpi
    our cjucB-iusflci
    djftiaiinifrpaBUiM:e-*>o mesmo collegia 4-ate, if4
    suisbb.
    A.-Fe4*Hns i.qoe a id t de S. Exc aqueltes!
    lugares foi J profio resultad i para a'paaa-tran-
    quillidade potto*, v que energicas provijitoeras
    serao tomailaa-para^ue nao lenhamos de ae rre-
    tar com o flageMo do lei-rivel a ferttt faaaliaiBo m
    lignso (|iie ieui aeta^Udo o povo du .. bopoldo,
    aonde o r.ynnmo e inaia inStinc'te? ae ^is'especula-
    dore.<, tirando partiao da efedulidade do povo ig-
    noraote da roca, levaram-no a iomniBlter os inai?
    airozes a tenladoa.
    as ifu wasn'i
    Tein enf^regado* toda'a vTgiiinc?a na rroarw. Q
    governo allemao esta deiiniii^tr^eMe> raajVido al
    eJds fezTraogpirot,
    sentaflUa rfa f,
    i rj ifitiie^j ^
    ona, proiSaia eijergicainend'coutt'a
    0(Nn
    pocrisiaqtie o distingue, soube captarlhe a bene*
    **MMMp6 el*Ho pasfcir, assmilio o cargo qne exer
    en djpMaH) inao, sendo repuiadu bom pfgadoi*.
    > Fui alii quo elle casou com u.iia uioca da faiuilia,
    Meulz, inna de Jacobina Slanrcr.
    a Com o aniar do tempo o mao genio do njvo
    pastor eoiuacou a nnuifestar-so. Nao so mtriga
    i va os meuibroa de sua coraraunidade uns com os
    . outros como tambem chamava contra si muilas
    - iuiiniiades com os seas escriptos, que, de envoita
    pre insinnacoes uessoaes odioiissimas. Drevo deo
    Klein molivos para que sobreviessera as mais s6-
    rias desintelligencias na communidade, e fomenton
    intrigas com tao rara habilidade, que, em vez da
    antiga harmonia, comecou a reinar am^iordis-
    cordia na flojescente colonia do Padre Eterno.
    t Klein foi nessa epoea causa de innumeros
    processos, desavencas e prejoiios, e tao odiado se
    tornou, que afmal foi demetiido do cargo de pas
    tor esubstttuido pelo vclho pastor Dorter, homem
    cbSo e taoaesto, que falleceu ha cerca de 2 me-
    zes.
    Tanto bastou para qua Klein despeitado e ge
    ralmeule malquist' se retirase para sua casa,
    cade Cjinecou a cuidar na lavoura, escrevendo de
    vea em quando artigos para alguma das duas fo-
    I'his aHeraaes. 0 Ueutsdti Zelung publicou re-
    visias soora assuraptos de interesse geral, despre
    sando oraros dec. 1871, porem, publicou por engano essa fulha um
    artlgo de Klein fjdntfo por cpigrapnea proprie-
    dude e nm rouby e contendo theonas verjadeira-
    mcnt'i communiMas), quo oa"asoa rnuita indigna-
    \ao Dos aliemaes.
    De entio em diante o Deutsche Zeitung fe-
    ehrra-lhe as suas colonmss. Cotitinuou Klein a
    collaborar para o Bete, dj S. Leopoldo, por6m, so
    afe a orcasiao em qne >e soube quaes eram auas
    rela.-oes com a genie de Maurer, qae ille tontou
    defender nos seas escripto* !
    Foi csie homera perigoso qas conceneu o pla-
    w da nova soita e o poz em acclo com infernal
    habilidade, guiado sem duvida pelo desejo de ex-
    plflrar em sea pravcito a estupidez dos fanaticos e
    de vingar-so do tojys quaiitos o haviam desfrtnido
    dT cargo de pastor.
    " 0 terrrvel intrigante eseofhen para instru-
    men'os o s^u cou cunhadj Joao Jorge Maurer c a
    oiulher desle Jacolnna MeuU, e para melhor enco
    brir os sous ioteBtos, Sogio durante alguos annos
    viver em ioinnzadc catilal som ellos, sen Jo entre-
    tanto (como boje se sabe) seu guia e inspirador
    occulto.
    Joao Jorge Maurer, homem quasi analpliabe-
    to, (', dutado de mujta vivacidade natural e grande
    bypocrisia, e to n ahysionomia svmpathica e ma-
    neira- agradaveis. Nasceu na colonia de S. Leo-
    p^T'ldo. ondeuiada existem muitos raembros do sua
    iamilia, emigrada para esla provincia em 1827.
    -a Maurer conta talvjz 3i annos, e quem com
    'elle faila, naoo considera perigoso como realmente
    c. Faila desembaracadamente fsomenteo allemao,
    pnrem sabe portugnez embora flnja ignoral-o) 8
    inostra-sc humilde peranta a auloridade. E' de
    estatura mediana, cabello e birba louros, olhos
    azues e voz insinuante.
    Maarer, d'u a folha citada, casou com Jacobi-
    ci 5Ieutz, moea de uma familia respeitavel, mas
    que professa uma -seita religiosa exlraordiuaria-
    raente fanatica. SegunJo tias i Herruhuler (seita
    muito psrecida coin a dos Quakers), segundo ou-
    tro3 Meuraonita. Seja qua,iuer dellas ou outra, e
    tabido que a familia Meuiz pertence a uma dessas
    seitas que impoem os nkartyrios do corpo desde os
    mais verdes aunos, o que taz com que nao poucas
    vezes se tornem as mulhcres hystericaa e os ho-
    mens sombrios e fanaticos
    Jacobiaa Meulz, exlenuada na idade critica
    por loogas orates feitasda joeldos ecom a imagi-
    nac3o exaltada pela constante leitura da Biblia a
    mormente do Apocalypse, (icou soffrendo de ata-
    ques hy-tericos, somho, lethargico, etc.
    I Isto por um laio servi i a Klein para realisar
    o seu piano die vinganea e a Maurer para viver
    sem rnuito trabalho, como ira 0 seu maior desejo
    e bem o prova o seguinte facto : no comedo da
    guerra do Paraguay, fazendo Maurer parte do
    tontingente da guarda nacional da S. Leopoldo,
    destaiado na capital, resolveu especular com a
    creiulidade pnbllca, e para feso mandou buscar
    ;ua mulli-'r e annunciou n)s jornaes que ella rae-
    dianto 55000 por oessoa, prophetisava o futaro. E
    pode bem ser qae fosse isso que dosptrtassc no
    espirito do ex-pastor Klein a idea de servir-se des-
    tss seus parentes para realisar os seus criminosos
    intontos.
    Voltandlo a colonia, comegou Maurer a viver a
    ciista dos credulos, applicando remedios que, dizia,
    eram ensinados por Deus a sua scrva Jacobina
    dos momentos de maior luciiez
    A geate ignorant' acrelitava em tudo e assira
    se foi formando a pouco e pouco a seita religiosa,
    stndo certo que Klein, exploranio o estado anor-
    real de Jacojina, infiuio sotre as posteriores ma-
    nifestoes predtv'des, e feiom que aRnal a sen-
    sualidade dorainasse todos os outros sentimeotos,
    e a pantag imia ou commanidado de raulheres
    fossa aconselnada em 18*2, no ilia do Espirito-San-
    to, pela prophetisa.
    Uauriatns em sama Catliarliia.
    Sob a epigraphe Seita norc, l(5se o seguinte no
    Conservator, de 28 de julbo :
    Informa-nos pessoa de eonsideracao, que on-
    vie a outra nao meno3 con:eitaada da cidade de
    S. Jos, que em Theresopolis e Santa Isabel (colo-
    Dias emancioadas) dnsenvolve-se uma nova seita,
    aob os auspicios e direccao de um padre protes-
    tante.
    A' semelbaoga da de ilaurer, a principio os
    filiados devem ser dotados da maior resignaca^, a
    ponto deouvirem todo3 os improperios sem/pro-
    nunciarem palavra. J
    c TJm outru preceito da nova religiao 6 qae um
    tiliado qae tsnha de pas3ar um rio, acompanhado,
    o nao podera fazer sem qae se lavem muiuamen-
    te os pes.
    cr Emiier:o ou certos dias da sem^na reunera-
    ss em uma casa, a noita ; accende o padre uma
    vela, e emquanto esta du a faz elle a leitura e ex-
    plicacao dos paalmos de Saloraao.
    Extincia a'ultima cbamma. diz o padre : ago-
    ra p dem f;uer o que quizjrem.
    A mesma pess>a informa-nss que um moco
    robasto, trabalhador e de bom eomportamento, de
    tal modo se irapressionou com as novas doutrinas,
    gue resolveu passar desta para melhor, raettendo
    uma bala na eabeca.
    i A' vista do que se tern dado no Rio Grande
    do Sut. e attendendo as amea(;.s. que o padre pro-
    *jti.ote dirigo aos que nao o a4iorapanham e aos
    liliadoa, no sebtido de nao abaidenarem a seita,
    julfamos que sria de tuda a coavenioncia ama
    syndicancia sabre a veracidade ou inexactidio dos-
    tes' rc4ns.'
    a O Dr. chafe du poiicia partio para aquellas
    oolonias logo qne recebeu comniuuicagao de taes
    factos.
    c EISo que dizo nesper'.ador,ie 4 do corrente,
    noticiando o seu regresso :
    create as l boras -I., tar le Je Thereaonolis e
    Saflfa Isabel, auji)^ fora pn,ceder a averlgua55es
    Seer*k'da:nr* seita que esta sendo pregM* pelo
    paatnr evanj;iico Di'tegin Flnarf, que palas e-
    flajtos acs babtuates d^pielles lagans, qae pre
    seaciam a mesraa hi tr :ba jue levarara a pnaci-
    'toosseclarl.iaJ VJauref, de AUapaaaa
    *'^aoastak*,Utafea ca os ad ptos 4) DitM-
    Slorlo n borilo. Falleceu no dia \\ da
    lUlhb em M S6' S. e Idlig, Kt> 40' O., o cs^tlri
    D. Jose Manoef de Souea, do brigue portugnez
    OH iota, em viigeuv do Rio da Janeiro para o liio
    Grande.
    0 piloto tomon a dirctvao do navio ate o seu
    dastiao.
    Coineta. -0 Trlegrupho Maritime, de 4 de
    julho, diz ter recebido do obsemtdrio argemino
    de Cordova a seguinte commuaicacao, datida de
    28 de julli j :
    0 eorjieta qae V. vio I o deToggia, observido
    na Europa desde 19 do ab il. Aqui apresenta-sei
    de segunda grandeza com Isnga cauda.
    Asceinao recta Aproximacio 7 abflis e 49,
    minulos. Declinajao 45 4. ConsteUaaSo de-Pup-
    Pig-
    Ha muilas nurebs do espajo e Dio e facil ob^
    serva-lo <
    0 Graphic, folha ingleza diz que Jtom e|IO
    ami d* 4,C0 mllhas de diameffo e saa can-
    da 6 de cerca de 4 nullifies de milhas de exten-
    sao
    Morte du csronel trnuins. [.'-so no
    Rio Grandense :
    < E'menos exacto qae o bravo c ronel Ge-
    nnlno fosse ferido em sua barrac"a como aq'ui
    constou.
    Qaando os primeiros t ros dos tkuckern, em-
    boscado3 no paredao de Ferrabraz, aiarmaram
    acampameato, sahio o coronel em companhia do
    seu ajudante e de am eorneta para averiguar se a
    ataque era feitoas suas av?n|adas da gaarda na-
    tional.
    Quanda *se retirava desse reaonheciraento re-
    cebeu o tiro ; entao disie ao seu genro e ajudan-
    te : -Estou ferido. E encostandb'Se ao braco des-
    te, indicou-lhe uma casa mais proxima onde ha-
    viam stdo recolhidas as raulheres presas e alguns
    feridos, dizendo: -'tamos poraqui.
    Foi a ultima palstraque proferio o bravo of-
    ficial, que dabi e;n diaifie Comegou a perder os
    sentidos, esvaindo se em sangue, porque a bala
    cortaraa arteria acima da earva doioelho.
    Pica assim restabeleeida a veriade sobre o
    ferimento e a morte desse brioso official, que foi
    uma das mais legitimas glorias do exercito brasi-
    leiro
    Sera aasirn t Esereveram de llaenbar-
    gerberg aos jornaes de Porto Alegre :
    a Uma moja, quo havia chsgado da Allemanha,
    cstava n'uma das pieadas da colonia, em easa de
    uns velhos parentes (gTereeeu se-lbe occasiao
    do obter am emp.-ego de criada no Cahy e ella o
    aceitou. La foi ella pedida em casamonto e quan-
    do estava para realisal-o, lerabrouse do bom aco-
    Ihiraento que Ihe tinhorn feito os seas velhos pa-
    rentes e eatao apressoose a escfever-lhes, parti
    c'pandolhes ocasamanto e convidaudo-os a assis-
    tir a elle.
    t A earta nao chegou logo ao sea destino ;
    muito pelo contrario caminhou de mao em mao
    a ninharia de ."i annos.
    Os bons velhos, sem reparar a data ficaram
    muito satisfeitos com a noticia do casamento e
    querende bem a moija, entenderam que deviam
    honrar as bodas com a sua presence. Uma mu
    linha tiahara elles, outra emprestoa um visinho e
    la so puzeram em carffinho para o Cahy.
    f Chegados a casa inJicada encoalraram a sin
    posta noiva...desmamando o lercelro hlbo.
    E' realmente curioso o caso, mas diz o iafor-
    mante que nam por isso os velhinhos lliaram
    menos contenles com a boa sorte da moca.
    Que mulherMinha! Noticia o tier-
    cantil de I'orto Alegre, em 2 do corrente:
    Ji nao e sotnente a orrenlina Maurilla que
    se vesta de noite, de homem para fazer disturbios.
    Pareeo qua a moda vai pegando.
    Assim, ante-hontem, pelas 11 horas da noita
    sahia pelas immediacies da chacara do Sr. Jose,
    Innocencio Pereira, na praia de Bellas, um vullo
    com um sacco de laranja as ccslas. A patrulna
    qne por alii passava, entendcu que aquella bora
    nao era a mais propria para se comer fructas, e
    indo reconheeer o vulto, vio qae era a pardi Joa-
    quina Maria, em trajos de homem e de cartola.
    Prendel-a foi cousa muito diflkil, porque
    Joaquiaa Maria como uma verdadeira heroina, re-
    sistio denodadamente a mais de 20 horaens, inclu-
    sive escravos do Sr. JOf6 lunocencio, e por & vendo-se exhausta de forijas atirou se ao rio, onde
    se pole conseguir a sua pnsao.
    Seriam 3 boras da noite quan ;o foi ella reco
    Ihida a muito custo ao xadrez do corpo poli-
    cal.
    Assenablea provincial de Uinas.
    Segundo noticia o I'harol, de Juiz de Fora, de 6
    do corrente, em consequencia da epidemia de
    bexigas quo esta grassando na capital, fora adiada
    aabertura da assemblea para o dia de outu
    bro.
    O < (inlli< i > de .Vivoar. 0 Dr. Am-
    pilophio B. Freire de Carvalho fornecen ao Cor-
    reio di Bahia a earta qae em seguida publica-
    mos, e que da minuciosa noticia do conflicto de
    Alvear, do qual os leitores tiveran, em tempo, co-
    nhecimento por telegramraas e pelos extractos
    feitos de jornaes do sul:
    t Itaqui, 3 de julho de 1871. Meu charo e
    presadissimo irmao. E' ainda impressionado
    pelo mais doloro30 acontecimento, que faco-lhe
    estas linhas, com o fim de participar-lhe que,
    apezar da ferido, e cobarderaenle assaltado por
    a3sassinos, acho me quasi livre de periso.
    < Effectivamente tendo ido no dia 18 do trans-
    acto a povoagSo argentina Alvear, que nos fioa
    fronteira, afun de ver uraa senhora doonte, sujeita
    ao men tratamento, de volta da povoagao ao
    porto, fui atacado por um grupo de assassinos,
    capitaneados pelos italianos Guido Benati e Vicenti
    Logati, d us bandidos, que no Itaqui intitulavam-
    se medicos, commetjendo as mais violenias extor-
    sdes e roubo mais escandaloso. Estes individuos
    apostropharam-nos (a raim e a um bolicario da
    divisao naval, qua me acorapanhara) tratando-nos
    da macacos e aiacando foguetas : em seguida ag-
    grediram-me Ires destas bandidos, convidaado-me
    para um duello e projectando-se immediatamente
    armados de rewolver, adagae espingardas de caga
    sobre mini. Lutei com o qua se apresentou era
    frente, danlo-lhe chici tadas na face, ate que Vi-
    cente Logati agarrando com as duas maos a arma
    de cara que trazia, descarregou-me violento golpe
    no ouvido esquerdo, que arramessou me por
    terra. Levanlei-me incontinent!, ainda qne alor-
    doado pela pancada, e continuei a vibrar-lhe
    golpes de chicote na face (unica arma que eu
    trazia) o que fez este bandido ir se reiirando de
    minha presenca, ate qne atracou-se comigo Bena-
    ti, perdendo eu nesta occasiao o cbicote que era
    punhava. Esmurrei o men adversario com toda
    forga de meu pulso, quebrando-lhe oculos, denies,
    etc. ; e como esse fosse perdendo terreno, Logati,
    descarregou-me pelas costas dous graades golpes
    de adaga, cuja ponta ferio-me ni> fronte, o dando
    alguns passos airaz, carregoa e engatilhou a es-
    pingarda, que ter-me hia raaiado se nesta occasiao
    nao interviesse um barqueiro, que conteve Logati,
    e Baptista Canepa, italiane, que separou-me do
    theatro da luta, afastando delle os meus aggres-
    sores.
    a tenho as daas feridas em via de cicalrisacao,
    e u na fractura do maxilar superior, que um pouoo
    meencommoia, sera entretanto privar de raovi-
    raeotos a articulacio tempora maxilar.
    Bogo-lhe o obsejuio de transmittir esta noti-
    cia aos meus filhos e a todos os nossos parentes,
    a quem uao escrevo particularraente, por acnar-
    me ainda mailo nervoso e diieot?.
    a Ad"us, men char" irmao abraca o tea etc.
    -Pamphilo Pr$ire de Caroaiho.
    Agcnoia lelegraphica americana.
    Telegramraas publlcado* pelo Globo, no Rio de
    Jaaei'o, e que nao nos foram commaoicados pela
    agencia americaoa:
    v Madrid, 10 da agosto is 9 horas da manha.
    GnmeC/tram as op.-racoes para a ven 1a dos cou-
    pon". Pmco rrsu|tado se^em ohtido 0 ministro
    Camar.iio imuni-tie algumas rnorliiica.oea nos i,e
    postos. Pi y Wargal sahio de Madrid. Espera e
    a boa vonladt> do ounoi > apo-.t..lico posaa kiflair
    na corte do Vatieaao de am modo favora*l a
    Hespanha A ^ki inniium o proxtrao raco-
    ubecimeoto do aciu^l giveroopor taialro potaa-
    cias. Umraaiu-nte a guaroi^ao de Bilbao Ten
    feito sortidas, com 0 a > de lpallir os carlistas
    das viwabaogas da praea. Sdbra o aaereito de
    Zavala da se apeaas, qua prep*ra para raalwar
    Kan
    to e.-rta medHa. Assim 0 tet comstar detflbifiJ-
    dor da Allemanha ao rnlhi*n% dw negoc'Hfts-
    fraogRtros, nmj por sda parfe Marilfesten-os trmts
    owajos da Franca no mesmo sentido. 0 governo
    ingler, segaoiJo bm correspondente de LonaYW,
    esu au.tiirHado a sbtundar. oa esfjrc/> dos doua
    goverhes, desde rjue til paiSo nao >ssuma o ca-
    racier e umt iuierveitrilo 'ilirecta, cinglodo sd
    simpWsrHenta ao reenhlrneoto drj actual govy-
    no de Madrid. i>ae eaman a negocio pode con-
    s derar-se eoino devendo iar kme a favofavel so
    luaio. Aeaba da* ser publieada a eaneordata mo-
    nutaria f-i-a entre ae governos da Franca, Italia,
    Dinamarca e Suissa. Annuaciam de Pioraaea o
    proximo congTesso de alguns sobaraaos doe pe
    queoos Estados da Europa.
    As desordeas da liomanna terminaram ; o pre
    50 do pao foi reduzido ; 0 goverao italiaeo resol
    vea a compra de fariana por coata do estado. taz-
    se qae 0 rei da Greoja vein a Italia. >
    Lisboa, io de agosto, as 12 boras da manha.
    Aqoi chegou idonsenbor da Saoguin nova uanclo
    apostolico qua vem substWuir laonsennor Orgdia.
    A nolicia dos'ta mddansa foi recebida com pouca
    sympaihia pela pojipJacao. As noiicias de Ilespa
    otia purecem inaicar'.qpa brevemente se dara re-
    nhida luta entre earliitas e.republicanos. Nas car
    canias de Bilbau tern se coocentrado multas fac-
    goes earlistas. A guarni^ao da praj* vai ser au-
    meniada. >
    Miscefanea. 0 miaisjiro da guerra em
    Londres acaba de dar inslraccoes ao babil aereo-
    nauta Coxwell, para empreheader uma aseeasao
    cujo ponto de partida -soTa ojjgazolntro do arse-
    nal real de Woolwich,* afim defazer diversas ex-
    perieacias relativas ao efnprego dos aereostatos
    durante a guerra. 0 Sr. CoxweH sWvir-se lia pela
    priraeira vrz de um apparelho desimado a dirigir
    os haloes, pr meio do vento, como se difijfem os
    navios. no mar, Com 0 aaxilio das telas. Esta
    qnestao capital, sob 0 ponto de visla estfafejico,
    excita vivamenle a interesse de toda a IngUterra.
    0 Sr. Coxwell deve ser acoMrpanbado hi ua
    ascensio par* divcrsos officiaes.
    Annuncia-se 0 casamento de Julio Favre,
    com a dirertora de um hospicio evangelico de
    Versallfes. A n'oiya e alsaciana, acba-so alii re-
    fugiada ee filha ds pastor de Wisserobourg.
    Aeaba de morrer em Franca, um dos ultimos
    sobreviventes da velha guarda. Chamava-se Bal-
    let e tinha 8G annos de idade Tomou parte nas
    expedigoes do impennna Prussia, Hespanha, Aus-
    tria, Italia e Russia e '01 coadeoorado no campo
    de batalha, pela propria mao de Napoleao I.
    II uve ha pouoo ama explosao n'uma mina
    de Wigan (Inglalerra) da qual resoltob ficaram
    morlos 15 epsrarios, na matbT parte easados e
    cbef-s dc farailia. AJem desles hoave maitos fe-
    ridos. Sao ainda desconbcidas as eausas da
    explosao.
    * O mornwatsmo acal>a de receber om golpa
    fatal pela adopfio na eamara dos representantes
    dos E?tados Unidos do nil reliti -o aoS assumplos
    de L'lab. Este bill exclue os mormons polygamos
    do jury e de toJas as administragdes eivis. A po-
    lygania era eonSiderada eorao um erirae, mas nan
    havia einguem qua quizssse condemnar os accasa-
    dos desse delicto, e tanto assira que 0 jury dc
    I'tah era composlo de mormons. Por motivo, pois,
    desse bill os mormons ticam desjmjados da maior
    parte dos seus direitos de eidadaos.
    Nos Estades-Uaidos hoave lambem grandes
    tempestades, que causaram prejuizos inealculaveis,
    principalraente a lavoura.
    A Correspondencia sandinavia noticia que
    as autoridades prussianas do Schleswig prohibi
    ram aos mercadorcs de pannos 0 venderem os que
    tivessera as cores diaamarquezas. A policia en-
    trou em todas as lojas.onde csiavara para amostra
    estofos venneJlios 0 brancos. Os mercadores di-
    rigiram, por este tuotivo, um prolesto ao governo.
    Falleceu monsenhor Bonamie, arcetdspo da
    Chalcedonia e anligo arcebispo' do Smyrna. Ti-
    nha 76 annos de idade.
    Gasta-se em Ioglaterra cerca dc nma tone-
    lada de gelo p>r noite para refrescar a eamara
    dos ominuns, segundo ura novo processo de vea-
    tilacao. Este sysieraa consisle em fazer passar o
    ar por um moulio de gelo, 0 qae faz resfriar e-se
    ar antes de penetrar na sala. E' uma despeza da
    cerci de 90&000 por sersana (raocla portugneza.)
    0 grande calor deste anno tem produzido
    nos mares boreaes um descoalbo subito da golo,
    das mais consideraveis. 0 Atlantico e-ta presea-
    temeflte cheio de banjos enorraes e os gelos fkic-
    tuam em grandes dimensoes com grande receio
    dos commandanles de navios. Um capiiao che-
    gado recentemente do csbo Breton, diz que encon-
    trara uma dessas massas, a qual nao media menos
    de quatro milhas de extensao por duas de largura,
    com uma altura media de 400 pes acima do
    mar.
    Hoave ba dias uma grande explosao em uma
    mina de carvao da pcdra.eai Herin, do que resul-
    tou morrerem grande numero de operarios.
    0 ministro dos cultos, do imperador Gui-
    Iherme, escolheu a peqaena communa de Grajs-
    dorff (Hanovre), para nella ensaiar a lei que da a
    populajaoo direito de elegero parocho da resprc-
    tiva freguezia. 0 ensaio, pordm, gorou-se. 0
    sub-prefeito convocaraos habitantes de Grassdorff,
    para procederem a essa eleigao, porem elles de-
    clararam unanimemente que se recusavam a
    applicar ama lal lei, por que so 0 bispo 6 que tem
    0 direito da fazer essas nomeagoes.
    * 0 valor do ouro da Australia e da Nova Ze-
    landia, importado no Reino Unido, elevou-se em
    maio ultimo a 393,192 libras sterlinas, contra
    355,768 em maio de 1873 e contra 302,502 no
    mesmo mez de 1872. Nos cinco mezes que termi-
    naram em 31 de maio do corrente anno, 0 valor
    total da imporucao foi de 2,176,879 libras contra
    4,119,022 no periodo corresJpondente de 1873 e
    2,616,359 em 1872. Por estes numoro3 so ve" que
    a iraportacao tem duainui-lo este anno considera-
    velmente. Os mineiros que teem regressado de
    Palmer Queensland dao noticias desfavoravei-
    acerca do rendimento do ouro n'aquellas imrae-
    diagoes. Em Ballarat (Victoria) 0 ouro de allu-
    viao e ja raro. Em Ballarai-Eaest algumas minas
    sao aiuda proluctivas e serao estas, na opiniio do
    Times, que conservarao a antiga repulacao d'a-
    quelle districto aurifero.
    Dacidi lamenle os estudis do cmiinho de
    ferro submariuo de Calais vao s.er comecados.
    Pan reunir os quatro mUliSes neaessarios para os
    estudos, foi offerecido um pela companhia dos ca
    rainhos de ferro do Norte da Franca, outro pelas
    companhias de Londres e Dover, 0 Sr. Hotschilds
    fa:Uitari 0,W0 francos, a mnaicipalidade 50,000,
    Say, Chevalier e Levallier *5,000 cada ufio, eapa
    rando-se conapietar brevemento o resto da somma.
    0 projecto, como e sabido, consisle em depositar
    um immeaso tubo deierro apoiado em ambas as
    margens. A ampreza nao eolicitara subvtncao
    do Estado nem reclamara a propriedade por mais
    de 30 annos. 0 orcamento para eslas obras esta
    calculado em 200. railhoes
    Organisa-se em Paris, uma exposigao de
    modas, a qual se aorira am oatahro proximo.
    . As damas nobres de Westphalia, processa-
    das em Burgsteiuturt por terera mandado uma
    mensagem tie pezames ao bi*po de Mansler era
    consequencia da sua condemnacao, compareceram
    no dia 20 d jnlho, perante 0 respectivo tribunal,
    sendo todas condemnadas a ma'tas, que variant de
    200 a 100 thalers. As- accusadas foram pa a 0
    tribunal nas suas carruageas e acompanhadas de
    seus maridos e pais. Uma multidao imraensa en
    chia a sala das an liencias e estava postada nas
    immediacies d, tribunal, porem, e.n attitude
    paaittoa.
    Dizem de Dasseldorf, que Bo mesmo dia em
    Sue tinha Ingar a tentiva do assassinate contra
    isma'k, o-fllho do grande chaflcetler batia-seia
    pislola nas immediacies da cidade, co n um cfa-
    cial de iiilaaieria chain .do Zirk >w. 0 duallo vd-
    rificou-sr as 6 horas da manha e a dez passes dia-
    distancia. Daviam disparar se tres halas, p'ireni,
    a priraeira, 0 ofticul cabiaftrido ao venire. TfaW-
    portado 'loliospitar miiftar, raorreu ddas liot^s
    depda. c -a
    Falleceu am Paris, na Idade de 107 annos, a
    viuva Mouy, moradora na raa do Area da Tnum
    poo. Deixoa nad*.made fle Mtedu e aove rlihos
    e naios. Coafearaoa ata moirar, todw as
    facaldada*.
    ^.T.&lf? h* dlata LiTarpooJ*. o-navio jh$
    rtailWa, cam am carfagalMavx da KW maca
    cos. Ora, 0 mais njracada d 0 motivo qae den 30
    iia*e mwm>'h'mihAf'or^hf dorf
    Wflairnaai.raAIaaj^aze. *> v*mmo*ctm?
    Wmacasos. Alinal nao houve remedfo e4o
    5?Sttll0r.4,,l0.i'l9l)r6l(, ie,n liiveraoof, aqueft
    ,rDaVdHoiida!le'iea&*ilc.as.
    1 *teVl dv HIo dV .lam-Ira -R,,.u-
    aaa-da hsta d, 72 loiana (SH.^ em brtaeocio do
    iflieUajaaiOiMio do estado sauita*io, extrahida a 10
    <1>. correfrte:
    N. 7419 *vfl,v ',000.
    ._, ii?"................... -IIU *OTO-
    * ...................... m(mim
    N-*0I5..................... 4:tXM)aOO<)
    2**Hfc-- ..............- 2l:000|0(Xl
    CSlSSP eJs & .'<**'*i cada um.
    * 3WJ, I8W, 22!.-358i -8D>j a eaih nm.
    " 'S21 7m' *** **. "'->. ** *. ***
    priraeira or
    ...^* *9. B4, &&..WS, 1749, 1984. JIO, 33lf
    Iti." '* 2l),ft- **' 3Jiij 3701, 4272 Sir
    IL' E3i' 583Sa 5dW-lOi a cada um
    54. 968. 379. 520, MO, 700. 819, S*
    *J*J. J. 1409, 14, t5*, I384, 16W,
    K>50,
    9V),
    mr,
    2i:ttH
    & &' 40ll)' i,0(). 4*B. *. 456? 4*f9i
    gg. M. 4868, 5021, *'*, *I78, 3M>, 6461.
    o700, mm al8 e 3984 -4(^ a oada um,
    Loteria da Ilalthk -esutao da 6' lotb-
    na era bbnelicio do c'dlegid de Nossa Senhora da
    Sallelte, extraltida a 14 do g- 3^...................... 3: *50...................... 8OOI000
    % if...................... 5OO4OOO
    322....................... JJoJoO)
    Ns. 3109. 1346 e lifiO -lOfrf a cida trrh.
    . N*. 9M, 310, 25; tl,'22591 e 5U-404 a
    cad a um.
    to. 31, 1721, 1339. 1033, 967, 673, 1305, 572,
    334 e 720-204 a cad um.
    Na. 2830, 2246, 339, 813, 2494, 2896, 966, 790,
    1001, 3247, 2630, 98f>, 2893. 2967, 355, 977, *i4,
    1671, 1615 a 908 -10J cada ura.
    PataMaajeiros. -Salndos para Europa no va-
    por ingles Leibniz :
    J. VV. Graf e H. Ledebour.
    Iiefifto. Hoje, oageote Manias, veadera na
    rua Direi'.a n. 83, uma ana;ao eavidracida.
    lioteria A que se acoa a venia 6 a 113',
    a benelicio da raatriz de Cabrob6; a qual corre
    hoje.
    Casa de detrnguit.-Moviraento da casa
    ia detenvao do dia 20 de agosto de 1874.
    Existiara presos 349. entraram 4, saW J,
    existem 3o&
    A saber :
    Naeionaes 277, mulheres 7, ostrangeiros 23,
    aicravos 4l,escravas 4. Total 351.
    Alimenlados a cusla dos cofres publicos 277.
    Ceml*crlpublin>.Obituario do dia 20
    da agosto do 1874.
    T-'rancisca, paql.i, Pernambuco, 1 inno, Boa-
    Vista ; convulses.
    Bosalina Laurentina Barbosa da Silva, branca,
    35 annos, casada, Boa- Visla ; convulsoes.
    Eustaquio Rodrigues, preto, Pernambuco, 54
    annos, eaaado, Boa-Vista ; tetam.
    Maria da Laz, par da, Pernambuco, 26 annos,
    solteira, Boa-Vista, hospital Pedro II; bexigae.
    Joanna-Sabina do E nambuoo, 24 annos, solteira, Boa-Vista, hospital'
    Pedro II; tuberculos pulmonares.
    Izidora Maria da Cooceigio, parda, Pernambu-
    co, 50 annos, viuva, Boa-Vista, hospital Pedro IF ;.
    bexigas.
    Josepha, preto, Pernambuco, 70 annos, solteira,
    Boa-Vista, hospital Pedro II ; diarrhea.
    Francjsca Thereza de Oliveira, bratica, Pernam-
    buco, 31 annos, solteira-, Graca ; tuberculos pul-
    mon.res.
    Simao Rodrigues, pardo, Pernambuco, 30 an-
    nos, eaaado, Boa-Vista, hospilal Pedro 11 ; va-
    riolas. *
    Joanna, escrava.'iptaen, 50 annos. soltejfa, Boa-
    Visla ; coDgastao ptfltnonar.
    Joao, escravo, pret Africa, 60 annos, solteira,
    Saot 1 Aotonio ; dt lirfo treraens.
    Francisco de Paula Ohavos, pardo, Pernambu-
    co, 45 annos, csado, S. J s6 ; byaTopericardiie.
    laiJWNIf .1 iiiMlMlL
    SES5AO ESPECIAL DE 20DE AGOSt'O'DE 1874.
    PRES1DENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIKO
    CAETANO SANTIAGO.
    Sewetario Dr. Virgilio Coellu).
    As 10 horas da mauha, presentes os Srs. des-
    embarga^ores Almeida Albuquorque, Motla, Ac-
    cioii c Domingaes Silva, abrio-se a sess&o.
    Em seguida jolgaram se os aggravos cujos ad-
    juuetos foram sorteados na sessao ordinana ulti-
    ma.
    N. 45. Ag^ravante 0 barao de Guararapes,
    aggravaJo Francisco Garneiro Rodrigues Gampel-
    lo. AdjunchM sorteados os Srs. desembargadoros
    Motta e Domingues Silva.
    Deu-so provimento ao aigravo, porque alem das
    razSes expendidas pelo aggravante que sao pro-
    eedenles, ha epecialmen:e a ditos havldo appella-
    cio inierposta porainbaj as paries liiigantes, corno
    so ve dos autos, e por isso essa senlenca nio pode
    ser des-le ja em uma das paries.
    N. 46.Aggravantes Joao Dias Carneiro de Al-
    buquerque e outros, aggravado 0 barao da Na-
    zareth. Adjunctos sort-ados os Srs. desembargs-
    dores Acciuh e Almeida Albuquerque. Negaram
    provimento.
    Ao meio dia levantou se a sessao.
    ,.f' parte-
    !o (hi'gAs lDlegr,'ifmWte pelos
    j'com mais ou ,rMW0s'demon, e
    uca perda, e Por am,, depoirVte IS
    riponsabilldade Je toww'coowiga
    J os. o prtftrtio nao sera grande eirrjrtjijjw a ra
    KTlaaaormni, qfie mailo des^amssJnV se elere
    Fari ganmir 0 direito d* Usmco sobfe fllfRr-
    s.)S Jtesponsavels por alguaiaa dessas letras ven
    cidas-rtproteata-ias, livemus de prop6r setc acrtes
    judieiaes que se aebam era ju to.
    As i'etegoeS com os cdrrespoodeoJe* #0 Banc.?,
    tanto no unpeno comb.no estrangeirft/Joram man
    tidas com Ma a tegularidade.
    Tendo 0Him Sr.eonwieadaJor Manoet da Silva
    santos, prosiuente dfesta direcloria, no ra-neco do
    Banco, regressado de saa riagem a Europa. em
    occasiao quo ox director frainiseo Fer'reir* Eajjaa1
    pad 0 exonera;ao de sen cargo, foi convi&do 0
    Sr. Santos a coatinaar no- ererciclo das funmr5es
    qua kao dignamente deaampenhara; po.ein'eao
    viriade de razoes Taliosas qua apresentara, del^on
    por emquanto de anouir aos nosso* dejesos. pelo
    qus 0 director Baitar accede* em continUar ao
    relendo en:argo.
    Tarminaado assim c-que noa emnpre dizer-vos-,.
    sobre as occurencias bavidas no segundo anno so-
    cial desie esiabelecimeoto, passamos as vossas
    nsdos o balanco das operagoss effecfoadas ata 30
    de junbo ultimo, bem como 0 do semestre anterior
    feehado e;n 3l de dezemhro do anuo passado,acorn-
    paiihados das respeclivas oontas def\ieru$ eper-
    *a*,~T*"!rando qua em ambos os semestres se
    procedeu>a aniorlisagao da contas dfc moveis e
    dospezas-de installaaao coia aporcentagem de 5 %
    e augmerujao (undo de reserva com a de 6 /..
    que tic* em 11:600a, maior seria so os lucros
    permitiis*en, fazaado-sa em 30'de dezembro pro-
    ximo paasado um aivideodo de 72:000| ou 2*t00
    por accao; e>em3) de jonbo ultimo o de 83:0 03
    ou 24100 per ac;ao : term? medlo 7" !?*/. ao
    anno.
    Pela falta de segiro emprego de capiiaes resol-
    veu esta directoria nio tonar por euiiiuanto di-
    nheiro a juros-por lelras, euja conta sa acba ex-
    iiucla, e mesma era conta correnla soper.uitlio 0
    reeolhiinento a>passoas que ja lionara-quantias de-
    posiladas, visto earao semelbaote operacAo se tot-
    uava, pelo esiado> normal da praga, em pura per-
    da do jnros para o Banco, como et^cti van-ante
    saccedeu. A varba dedesjiezas geraestoroeu-
    se nesse anno maie elevada, por havar tetado sem
    alagador 0 armazem do caes da companhia per-
    narabueana, que corre por conia deste Baneo, por
    ser a elle annexo, como vMes ; por haver-se ele
    vado o ordenado do erapragado, que serviodo de
    cobrador inleriuo, passouia elfeclivo, e pela ae
    quisicao de ura esenpturario para preeuclrer a
    vaga deixada pelo eobrador.
    Fizeram-se neste anno 2J transferencias, sendo
    11 por 645 acgoes de registro do Rio da Janeiro,
    e9por 375 acfSes desta praga, ficando alii 761
    acciouistas por 19,661 accoes e_aqui 140 accionis
    tas por 10,335 ditas, em virtude de 335 acgoes s>
    rem flliininadasdaqueUe registro e averbadas no
    desn cidade, camo fecultao art. 19 dos nossos es
    tatuios. "fk
    As principaes contaf do Banco tiveram 0 9e-
    Coiiuscorremejppr
    Omtas coftettrjimpRs
    LrtrsS pot diriliclrtw a Jaro*
    DpjMffftios da director*
    CaiicfJw j **
    Utriietidos
    UessOiilos
    Diversas contas
    Locroe e perdas
    vis.
    < .-
    B
    i:;!:ti
    W5:i
    &
    rM:WlS90
    7*B4|D
    '6,7W3wie
    ttHtimrfRktxi M co.ita be lt'cwte rfeaa\s-,at
    M be mr.Ktomo t: t&ft:
    Debito.
    Desperas geraes -sal*) it*mf8&7
    DMas'de irWalla gao SO/q sobre r*.
    #. num. xatm
    [HoyK\>, 5 0|y sobre rs..0:612*352 :)30fif:
    FundS> db reserva-. rypJofaolJre rs.
    72.-fX)#000- S3WJ00O
    Reniaoracio a-ilrectnr 7.'StK)ef>.
    Dlvidendoa, 2* de 24O0 por aerfo ; W0lW'"r>
    Diversas tfratas -?aiaos fWN200
    Saldo par>o segunta semesfs* 42! Cyfdltb:
    1\tlo desta ccHa, menos 0 pagt'-
    mento da re.traneraci<> a alrw-
    tofia, rs, 10*W94io6r); retitiv*
    ao anno passaaV
    DssCTntos-resa'*
    lado desta con-
    ta rs. 14J:4rc*T'
    Redteieonto Jos ti-
    lal-ss que passara
    pa^a 0 semestre
    segxriatft 4r:102fW2-
    Diversas contas.Luar em opera-
    g5es verificadas ne?'/ semestre
    l02:9502Mlrt-
    i:!Jr)J866
    S; E. &\0
    7S:251*7>
    *40te
    102:950/i79;!
    C"guarda Irrros,
    Francisco Muquim rVrctra Pmto.
    BAI.A.Ngo DMNCO i:OMMi:iOAL DR PCTft..aBTXI,
    30 DKJCMI7T-E 1874.
    AcliT*
    Acciouistas
    Bclalorio do Banco- Commercial' de
    Peraambuco, rclalivouu anno Un-
    do em :to le Jumbo de is;i,
    Srs. accionistas do Banco Commercial de Per-
    nambuco. SatisNzenio 0 preceito que 003 impSe
    0 12 do art. 39 dos estatutos que re gem este es-
    tabelecimento, cuja direccao nos foi conflada, ca-
    be-nos 0 dever da apresentar-vos 0 relatorio das
    operac5e3 effectuadas no anno social frado em 3ft
    de iunho proximo passado.
    Nao pode 0 seu desenolvlmenlo corresponder
    aos vossos desejos, nem aos nossos esforoos, por-
    qae 0 precario estado em qoe se acha esta praga,
    ba quasi um anno, nao 0 permittio.
    As successivas suspensoes da pagament03. as
    concordatas infructiferas, as fallencias judiciaes,
    qae sao ordinariaraenle onerosas as massas e de
    demorada liquidagao, os abatimentos excessivos e
    concessoes, qae com razSo ou sem ella, sao ex-igi-
    das, tudo ha feito com qae a coalianga commer-
    cial tenna quasi desapparecido desta praga.
    Nesta estado, pois, quando tem sido geral 0 ef-
    feito da crise, nao era possivel qne 0 Banco Com-
    mercial de Pernambuco podesse atravessa-la in-
    colume e frnir ainda satisfactorios resultados.
    Para oio vir a soffrer em relagao a esphera de
    snas traasacgoes, que seriara ampliadas em situ i-
    gao normal, atlento os recursos da que dispoe,
    vio se a directoria forgada a proceder com a raai3
    escrupulo^a prudencia era todos os ramos de ope-
    ragoos bancarias, maxima na admissao dos litulos
    a aescontos, embora IncmTesse no desagrado de
    maitos, alguns dos qaaes, a serem saiisfeitos, ta-
    riara ja dado graves prejulcos e outros mais tarde.
    Entretanto, compenetrando se esta directoria do
    fim especial para 0 qual os illustres incorporado-
    res deste Banco tanto se esforgaram em inslalla-
    lo, reconhecende elles (e era tempos normaes) a
    necessidade de nm estabelecimonto nacional, que
    podesse satisfazer as precisoes desta praga, fez
    quanto esteve a sen aloaace, e permanece na mes-
    ma dieposifio, para roinorar as contingencias do
    commercio desta cidade, proourandocomtudo con-
    ciliar easa aaxilio com a prudeote seguranga dos
    interessM do Banco.
    E de Itelto, nao seado poucos- os servigos presla-
    dos a praea, corao team recunbecido possoas im-
    pareiaes, maito peior seria a crise se os comroer-
    ciaates nao tivessem mais este recarso.
    Ja tddes, portanto, que, com a faila de litulos
    era condig5es de poderem ser negociados era um
    Banco qne zela os sens capitaes e os que Ihe sao
    connadu", teve de soffrer coasideravel dimiuuigao
    a conta "dos -MSCotfros, pnacipal verba de into-
    resse do Banco, e assun nao pode 0 lucro liquido
    permiittr um dividendo maior dc 8 (Ve ao anno,
    uo semestre passado a de 7 / no que findou agora.
    A director ia lave em vis us, sobreludo, 0 esta Jo
    dacarteira doD-.aco, cu.ia somma. por letras das-
    e ntadas, esta reduzida a 1,130:1*64353, fazendo
    assim u-na diilere.uca da 350:87i4'*2i para 0 Sal
    do mm qae foi aberta.esta conta, do comego do
    segundo semestre dasle anno I
    Esses liiulo-, dasi-oatados sempre a quem do U-
    rnite do cre-liu arbitra lo a oada um da seas co
    ohrigados, tiveram enlrada neste estabelectmi-ato
    quande seus rospousaveis azavam de ioteira 00a
    guinte moviaJenlo :K
    C<*aa.
    Saldo do anno proxima passado
    Entrado no 1 semeslra
    Sahido no semestre
    Saldo no 1 semestre
    Entrado no 2 semestre
    Sahido no i scmeslre
    Saldo no 2 semetlre
    Letras desevntadas.
    Saldo do anno proximo passado
    Descontadas no 1 semestre
    Cobradas no semestre
    Saldo no I' semestre
    Descontadas no 2 semes'Fe
    42G-8I2,6!'.'!
    3,728:6iO*8i
    .4,155:453 103
    3,8s3.997il7i
    261:455:0i9
    3,173:01O"177
    3,434:466:106
    3,014:565 845
    419:900 2ll
    1.524:285 209
    2,858:579:660
    4,382:864;959
    2,392:793-982
    1,990070977
    1,555:522-731
    0 u mador Ja rafaodo oavio tioba recebiflti uau er-
    tvobradas no 2 semeslro
    Saldo no f semestre
    Letras c. receber.
    Sal Jo do ami. 1 proximo passado
    A ordeal do Banco no 1* semestre
    Recebidas no 1 semestre
    Saldo no 1 semestre
    A ordem do Ranco no 2* semestre
    Recebidas no 2'seraestro
    Saldo no 2 semestre
    Letras caiKienadm.
    Saldo do anno proximo passado
    Sacadas no semestre
    Recebidas uo 1* semesire
    Saldo no 1" semestre
    Sacadas no 2 semestre
    Recebidas no 2' semestre
    Saldo do 2* semestre
    3.545:593-708
    2,415:397rl55
    1,130:196 J533
    89:546-770
    86:265 939
    175:812.-715
    174:6*1^715
    1:171:000
    122:253:289
    123:424-289
    74 730-767
    Lelras descontadas
    Letras cauciosadas
    Lelras a receber
    Va ores depesjtados
    Despeias de icaiallacao
    Moveis
    Diversas contas
    Caixa
    i,2GO*W4r**,
    1,130:196155 '
    7i454l3*<
    48:6934512
    65.394690
    5:5f*#930
    6:05?857
    743:274478fi
    4l9:90fJi6t
    6.626:4844957
    por diiiheiros a
    Pdisiro.
    Capital
    Puudo de reserve
    Contas correotes.
    juros
    Contas correntes simples
    Depositos da dire^fcria
    Caucoes
    Dividendos
    Oescoalos
    Diversas contas
    Lucros e perdas
    Ufa
    6:000:000100<
    12:60T40*7
    124:4694770
    8r:37#l50
    24:000400"
    13:480ilS<'
    n8 934400O
    25:l43i36'.'
    1:4784*78
    f:4789W
    >,6W:48i495-
    B8M0K3TB&gAO DA dCfflX DS LCCBOS S
    30 d ru.NHo dk 1874
    Matt.
    Daapezas gcracs, saldo
    Dfspcns de inslallsran 5[0 sobre
    rs :;:8I!*805"
    Moveis, 5 |, sobre rs 6:38i97->
    Fnudo de reserva, 5 [ sobre rs.
    63: 00.(00
    I-teiiiuiieragio a directoria
    Dividendos, 3 de 2|loD por acgao
    Diversas contas
    Sa'do para o segainis eaaMaVi
    Creiito.
    Saldo do semestre passado
    Descontos: Resultado
    desta conta 113:536 333
    Redesccato dos litu-
    los que passam pa-
    ra 0 seguinte se
    mestre 23.143 369
    Diversas contas : Lucros em opera-
    goes verificada3 neste semestre
    S. E.40.
    i'Ui>As, r.w
    10:894 am
    atrsvs
    3>148
    3:780.001'
    7:500 MXH..
    1 .000*000
    :999s ,2*
    1:47860(.
    37:20I-.'.M
    1214
    8-*-:j92.-'6^
    8t4*7il
    97:2I
    48:693 522
    14:500-(100
    76:508^726
    91:008-726
    78:154:338
    12.854s388
    34:350.000
    47:204*388
    39 750 000
    7:454-388
    Contas correntes-por dinlMtoa juros.
    Saldo do anno passado 162:393 430
    Entrado no 1" semestre 143:685 ;-280
    Sahida no semestre
    306.078 710
    173:906 580
    ^a Ido no 1" semestre 13 i: 172 130
    Entrado no 2 semestre 206:801 850
    Sahido no 2* semestre
    Saldo no 2* semestre
    338:973 98i)
    214:504 210
    184:469*770
    Contas correntes simples.
    Saldo do ann 1 proximo passada &. 1306000
    Entrado no 1 semestre 149:7324700
    0 tuarda-Iivros,
    Fmmobco J"a<.miiv Prrkira P.m-m.
    Srs. accionistas.A euininissio liscal d 1 Bar..-
    Commercial de Pernambuco. em cumpriment
    do que seus estatutos (Qa preceilaam, vem dar vc
    conta de sua missio.
    Verilicando os titalos em uatlatra, e 0 saldo air
    caixa, encontrou :ado de coiiforrpi.tade c in
    balaugo geral dc mesmo banco, enja e.-Tiptara-
    cau esta feita com asseio e regnl ridadr, c assim
    de paroeer qua srjsm apfimvadas i< c tadas pela directoria, relativas ao periodo qua t"r
    minou a 30 de janho nllimo, con-iderado scgan
    do anno bancario ; bem como 0 dividends da...
    24100 por ac;Jo, qua, addicionadc-sao do i* stmes
    tre,(2.400) prefez a quanlia de 4 -50: 0 que irapr.r-
    ta 0 premio de 7 Ii2 0|o ao anno, que julga a cor-.
    missao ser bastmie raz.avel para um esiabele-
    mento que se pode diier, esta 00 coiik1 ede su..-
    operagaes.
    Como se v* do relatorio da illuMre director
    exisia (m lettras protesiadas a quw:ua de...
    126:148:889. Masse atlender-sr ao estado d-
    favoravel ,,de-ta praga, e o auii ibo qjeo baac <
    tem prestado ao commercio, na cri-o rjoe este va:
    atravessando. aquella cifra, ao aotafldar da coir-
    missao, na po le ser considerada exorbitante. corn-
    parada com as operagoes havidas 3 quando
    nraito para notar qua todas as letras :eem di\.
    sos responsasaveil, e bem poacas serao aquella-
    que acarretarao prejaizo.
    Entendo a coramissao que se H om Bale d
    louvor a illustre directoria, pelo aa!a a prudn \
    com qua sobe dirigir os negocios do Banco <
    mercial de Peraaovaaco, e pelos esforg-is qne te .
    sabido empregar para odaseovoviiaealo de su.-
    transaceoes.
    Recife, 21 de jo mo de 1874.
    Rjrnardino Cntrntdt tar Joao Quirine de A/uiliif.
    Sahido no 1 semestre
    Saldo no 1 semestre
    Entrado no 2* semestre
    Sabido no 2s semestre-
    Saldo no 2* semestre
    15?:S824700
    53:823J00U
    105:0)9*700
    225:533^430
    330:5934130
    249:035^980
    81:557*150
    Nao nos referimos as dema:s- contas, porque
    pooco vos pode ioteressar. Cumpre-nos asseverar-
    *os 0 nosso maior pe3ar por vos nao poler exhi-
    bir ura relatorio lisongeiro ; porem, confiaraoa qae
    melhorando 0 estado da praga, reslabeleceodo se
    a confianga e arapliando sa a esphera das op ra-
    goes bancarias, como almejaraos, podereroos pro-
    pore ionar-vos resultados satisfastorios.
    Os emprega los cumpriram seus deveres com de-
    dicagao.
    Banco Commarcial de Pernambuco, 6 de iolho
    de 1874.
    Qs direcures,
    Joao. da Silva Regadns.
    Antonio Jose Leal Rris.
    Premcisco Ferrtira Baitar.
    BALA.Nfp DO B^N'CO CCamuBGIAr. DE rBRjEAMBUCO,
    EM 31 DE aW.MBRJ DB 1873.
    Aetito.
    Aeeionistss
    l.ptns descontadas
    Letras caueionaias
    Letras a recober
    Valores depo-Ualos
    Desp.'ias de in.-iallaejb
    Moveis
    Divetsaj ooalaa
    Caiw
    4,20>.OOOJOOO
    l,l:07Od'7
    li:854<388
    1:171*000
    40:8112*700
    5:8114305
    t 281*735
    a*4tW3dp24
    --}*a ,
    undo de reaerv*
    Pusttti.
    iv

    ^eiiCACOES; A PE01PP.
    Ictia de "%oaaa Seaha>ra da
    PenlMk.
    No dia 6 do proximo naez dc aaaaokre-
    celebrar-se-ha com solemnidada a fcslt /J,t
    dita Senhora na sua igreja, sonio dita fes'.o
    pracedidada novenado costume, que oonac -
    cara uo dia 28 do corrente, iiali hora-
    oa tarde.
    O prefoilo do hospicio do >' i55a S
    nhora da Penha confia, como sempre na
    generosidade, sinceridade e dev.ir,ao do re
    ligioso povo pernarabucano, e espera que
    n8o duixard de dar a esroola qua poier ao
    religioso da Penha qua Ih'a pedirpara essa
    tao louvarel epiedoso fim, e o que sob^jar
    da festa seri escrupulosamento etnprcgadc
    nas obras, quo gragas a Deus, sempre pro-
    gridecn.
    Noa I'Uiias doa ra>o.
    0 c;ibello aaha ceJo, se 6 que nao se consem
    com g-ande cnidado.
    Uma friccio suave e freqaenta com a e*cova.
    torna se mui necessario para sea aWnvaltimea-
    to vign roso; porem reaoer-ae ainda mais atf ana
    >nsa. __ fj
    0 craneo torna sa sceo, e precis* de faffl
    vigor. 0 melh r vigorador qua aa aam tavaatado,
    jo- r.Hiico Oriental, o qaal alo aMiiaial-
    mente se assemelha com as secrsgaos aos rasos
    cpilares nnidos a cotioula, a aaaiata a arodnzir
    uma colheita abundante de catenas lindos e laz -
    di.is. Os bigde, baroaa a aaiasu ralai toraam-
    sa bastas a vigorosas sob eu esumolaata adhHa.
    Minlstrrto aloas

    i. 13a.-BIO D I \ km as, Asa
    0 vtscoade do Rto Uraaeo, prasiien*-< 4a
    tal d-j ta'eaoaro naciooal, coamoaica ao Sr.


    3iww do
    i-c
    *
    &*fcdo a Ago^oeHa -.
    .
    pector da thesouraria de fazenda Aa prervincia da
    Peruambuco que teado sido pieswfce a ete tri-
    baaal o recurso, que acompanboa o tea offlcio a.
    887 da 10 de marco proximo tado, ioterposlo
    por Manoel da ftta Paria & a, di. decisao pela
    anal a mesma thssouraria ceafl -mou a da alfan-
    dega qae julgara precedes** a appreuensio de,
    dais caixas conMndo drogas, por elles submetti Jasi
    a daasosho; o dito tribunal :
    Considerando qua nio ficou provado qne as
    mercadorias aacootradas por deouncia J > abridor,
    ilepois da conference das dins caixas em qae
    viaham acoadicioaadas, estivessem Tundos Talso* oa dobrado repartiraeato de qaal-
    ijaer modo ocenlto, ao* termos do art 557 do re-
    tjalamento de 19 de setembro de 1860, conStando
    upenas das pecan do proeesso aae em cada uraa
    deltas axistia outra meoor, qua nao f6ra oonfe-
    vida-;
    Coasiderando qua ewe (aoto nao depoe contra
    a boa fe dos recorrentes, item e" prova de fraude,
    desde quo flea cxpllcada ssftisfactoriaraeate com
    as carts* por ellos dirigidas uo principle do anno
    corrunte, ae sea eorrespeadetite na Enropa, na-
    qoal lbe Tecomeada qae as mer cadi rias mais su-
    jeitas a avrias ou contiflas em frascos mais fra-
    geis. 'lhes fossem rentetlidas melhor acondicio-
    nadas;
    Coasiderando que a maior parte Eas mercado-
    rias eacootradaa nas caixas nenxres pagavam
    taxas insignificarites, e todas elias eram da mesma
    natareu das morctdorias conlidas na* caixas
    maiorea ;
    Coasiderando qn^ os recorreiUes, bem loage de
    pretenderem defraudar os direitos da fasenda na-
    tional, prooederum com probidade e sobraoceria
    repellindo a proposta que lhes fieera o abridor de
    f-asilitar, mediaote nma gratiQc&cao, a sahida das
    caixas em qaestao, sem o necossario exame, que
    oo dia anterior havia sido dado por acabado ;
    Considerando qae so depois dussa repnlsa o
    -abridor, contrariado era saas vi'tas crimiuosas,
    ",'ora denanciar a facto da exi^tancia das duas cai-
    xas menores dentro das duas maiores ;
    Considerando que, havendo os recorrentes na
    nota do despacbo declarado ignorarem o cooteddo,
    cumpria ao conferente sujeitar as alludidas caixas
    a am exame minucioso, e nao perfunctorio como
    praticou, aao assistindo a abertura do primeiro
    volume, com que o facto se den, louvando-se tao
    somente nas declaracSes do abridor ;
    Coasiderando qae a casa commercial dos recor-
    rentes gozou serapre do credito de honrada e de
    procediraenio illibado, reconhecido pelos proprios
    empregados da alfandega ;
    Considerando, finalmenle.que.segundo informou
    a tnisouraria, as raercadjrias contidas nas caixas
    menores teriam sido vistas e conferiias, se a con-
    i'erencia fosse feita, ao meaos, com a altencSo
    ordinaria e commum :
    Kesolveu, dandj proviinento'ao recurso, jalgar
    improcedente a apprehensao; fic.ando, portanto,
    09 recurrent-^ obrigados unicamente ao pagamento
    dos direitos simples e a mulla de urn e meio por
    eento. Visconde do Rio Bianco. .
    Deaearregam hoja M as agosto 187%.
    Barca taglesa tuzilier machrshmo pan 0
    trapiche Concel$lo, para iespacnar.
    Vapor Jeglex Lalande (atraeado) mercadorlas
    para' alfandega e macMnismo para o tra
    piche Conceicao, para despaehar.
    Bare* ingleu Don nwrcadortas para alfaa-
    dega.
    Barca portagaexaJVttmoaomercadorias para
    o trapiche Cdoceicao, para despachar.
    Patacho nacionalNancyfarinha ja despachada
    para o aes do Apollo.
    Patacho italiaap Harina vinho para deposito
    no trapiche Canba.
    A verdade.
    OESPACHOS DB EXPORTACAO NO DIA SO I)b
    AOSTO DE 1874.
    Para os porto$ do exterior.'
    No brigne portnguex Triumpho, para a Por-
    to, carregoa: Oliveira Filhos 4 C. 4.&00 poatas
    de boi "60 couros espichadoa com 4S0 kilos.
    No psftjcbo aacional David, para o Rio da
    Prata, cwregoa: J. F. Balthar 40 pipas com 19,200
    litros de aguardente.
    No'brlgue neraeguense Adorns, para o Rio
    da Praia, carregoa : Amorira Irraios & C. 550
    barricas com 30,162 kilos de assacar raascavado.
    Na escan* allemi Anna, para o Rio da Pra-
    ia, carregoa : Amorim Irmios 4 C 285 barricas
    com .32,951 kilos de assucar braoco.
    Na barca nacional Marinko V, para o Rio da
    Prata, carregoa: A. Loyo 10 pipas com 4,800 li-
    tros de aguardente.
    No vapor inglea Leibnitz, para Liverpool,
    carregoa : J. J. G, Beltrao & Filho 74 saceas com
    6,306 kilos de algodio ; S. Brothers & C. 1,306
    ditas com 103,372 ditos de dilo.
    Para os portos do interior.
    Para o Cearaj no vapor nacional Gwuia,
    carregoa: P. Alves 1C. 15 barricas com 976 kilos
    de assucar refinado ; J. F. Santos Bastos SO ditas
    com 1,178 1|2 ditos de dito ; Costa 4 C. 10 ditas
    com 625 ditos de dito e 95 volames com 7,009
    ditos de dito branco ; J. J da Rosa 10 barricas
    com 656 ditos de dito refinado ; S. Jnnqueira &
    C 1 barril com 96 litros de alcool : para o Natal,
    J J. G. Beltrao & Filho 2 barrieaa com 138 kilos
    de assacar redaado : para o Acaracii, L. G. da
    Silva & Pinto 4 barrieas com 4*7 kilos de assucar
    branco ; T. E. da Costa 1 volume com 129 ditos
    de dito mascavado ; J. J- de C. Moraes 1 pipa com
    480 litros de aguardente.
    Para Mossoro, na barcaca FZor do Rio, car-
    regou : A M. da Silva 6 pipas com 2,880 litros de
    aguardente : para Macao, M. A. Senna 4 barricas
    com 182 kilos de assucar refinado e 2 ditas com
    238 ditos de dito branco. .
    Para o Rio de-^aneiro, no navio naciensl
    Hellena, carregoa : L. J. S. Goimaraes 202 saccos
    com 15,150 kilos de assucar bran.-o.
    Para o Rio de Janeiro, no vapor nacional
    Paid, carregoa : J. F. B. de Mello 10,200 cocos
    (fracta).
    uaPATAZIA DA ALFANDEGA
    *endimento do dia 1 a 20. l0:03*l87
    d.m do dia 21...... 6641970
    ReciCa, )9 de julho Braoco. Nada mais constava de diU peii-
    9*o, aqai inserts, na qaai 4 o aegainte dea-
    p acno%
    Sim.Recife, 1 de Julho de 1874.
    P. Pessoa. Ea oooaequencia do ^e a
    autora D. Anna Fetkarda deSouza a Silva,
    produzio sua justifieag&o acerca da aiKenoia
    do reo, e subindo osautos a conclutio sella-
    dos e prepados, proferi a sentence do taeor
    seguinte :
    Em vista dos depoimento das temunaas de
    folbas quatorze e folbas dezesseis, hei por
    bem justiQcada a aawncia do re^ Manoel
    Antonio do Pego, e mando que seja itado
    por carts de edictos para o fin* declarado
    em a peticfio a folhas doze, e custas. Re-
    cife, 15 de julho de 1874. Pedro Camello
    Pessoa. E por force desta sentence, o es-
    crivao competente Guilherme Augusta de A-
    thayde, fez passar o presente com o prazo
    da 30 dtas, afim de que por elte seja citado
    o referido reo por todo o conteudo da peti-
    9S0 neste transcripts, sob pena de revelia,
    na forma da lei: pelo qae, toils e quslquer
    pessoa poder-lbe-ha fazer sciente de todo o
    exposto.
    Dado e passado nesta cidade do Recife,
    aos 20 de julho de 1874.Eii, Guilherme
    Augusto deAthayde, escrivao, o subscrevi.
    Pedro Camello Pessoa.
    qtw 1*1710 tfonrado,
    Principe
    cioml, m Santo Am arc 'das Salinas,
    ootr'ora dequartel decfvallaria.
    Secreuria da theaooraria de fazenda de Per-
    nanftuco, SO de agosto de 1874.-0 2* escriptura-
    **, servlndo de aeoretarlo,
    Carlos J. de Soaxa Correia.
    Opitania 3o Porto do Per-
    nambuco, 14 de agosto
    de 1874.
    Por esta capitaaia u fas publico, para conheci-
    mento doa Srs. capitae* de navios e proprietaries
    das alvarengas e canoas empregadas no traiico
    da carga e descarga, qne somente poderao pas-
    sar as mesmas em barca cfles pelo arco central da
    Sonte Sete de Setembro ; sendo espiadas pelas
    oas boias collocadas aqaem e alem de dito arco.
    0 secretario,
    Decio de Aquino Fonceca.
    soldado
    Ednardo
    Marqoez da Torre
    Stenbo, official
    Jnii supremo
    Um official da ronda
    Mathilde (regente)
    Gabrina
    Um hassaro
    Um fidalgo
    Sr. Angnsto Cesar.
    Sr. Emiliano.
    Sr. Plavio.
    Sr. Mariabo.
    St. Joaqaim Carvalho.
    Sr. Pooies Junior. '
    D. Leopoldina.
    D. Isabel.
    Sr. Jos* Lemos.
    Sr. Lima.
    ADHINISTRACAO
    , NAIIBUCO,
    Lendo na Procincia; que o Sr. Dr. Caraeiro
    Monteiro pagou para serem di^tribuidos gratis
    400 numeros do Cnnmercio a Retalho, declara a
    redac(jao deste periodico que o Sr. Di\ Carneiro
    Monteiro nao '.eve parle na distribuicao dos 400
    exemplares, nem nun:*a gastou um vintem com a
    empreza.
    A distribuicao gratis de 400 exemplares, foi
    resolucSo da redarrao, a dm d. fazer conhecer ao
    povo as vantagens da propaganda.
    Recife, 21 de 3gosto de 1874.
    A reiaccao do Conmercio a Retalho.
    9 regetlor interino do < vraaa-
    iio e o professor do itagicz do
    anesiuo instituto.
    Diz o artigo 118: Na cadtira de lingua ingle-
    za ensina o professor primeiro a PBAT10A, depots
    ficuldades de construccSo, de prosodia e de lexi-
    -COGRAPHIA. PELO ST6TUU TKESCniTO SO ART. ANTE-
    CEDENTE, PAnA 0 EKSIKO DE LINGUA FRANCEZA.
    Diz o art. 1(7: .Ya cadetra de lingua franceza,
    e o curso dicidido em duas parks ; na primeiro
    ensina o professor a versao dos em prosa e verso, a ojmposiq.Io en (ranc.cz
    aos dirersos eslylos, a OONTSBMQPo pratica cor-
    rect a. A'a segunda ecepSe os principles theoriros
    da lingua, e applica os pela analyse a novas
    composicoes.
    Combinados os dous artigos supracitados, se
    evideneia, a nao ser um topeira, um estupido ate
    a bestiaiidade, ouum caviloso que o professor de
    inglez do Gymnasio e por let obrigado a ensinar
    em sua cadeira nao so a versao de inglez para
    portuguez, como a grammatics ingleza o escre-
    ve as palavras inglezas (lexicographia) ; acorapo-
    sifio do pcrtuguez para o inglez, e a fa liar esta
    lingua ( phatica db caVEB3.4cio ).
    Ora, o profesor Je ingle' duranle a minha rcge-
    doria nao ensin irregulares, nem a syntaxe ; c nunca ensinou du-
    rante os 24 annos quo tern de exercicio escrever
    as palavras inglezas, composiyio do portugnex pa-
    ra inglez nem tao polco a fali.ar esta lingua ;
    mesmo por qoe o pofessor de inglez com toda a sua
    sapiencia multiforme redonda e quadrada, nao fal
    LA 0 INGLEZ.
    Indiqne o professor de inglez, dos seus 2,000
    diacipulos 2 que fallem o inglez tendo apren-
    dido com elle. Qual ?i Nem um sera capaz.
    Se assim e, furcoso e confessar que o profes-
    sor de inglez e inepto para o.magisterio da ca-
    dera de ingbz dr- Gymna-io; e porquo bunca
    cumprio com os deveres de semelhante cargo,
    mesmo naquillo para o que esia habiiiiado qual-
    quer estudante do curso juridico conhecimento
    de grammatica da lingua ingleza o que nao
    pode ser negado por todos os esiudantes qae tern
    esludado aquella lingua no Gymnasio, obriga a
    verdade dos faclos que se afilrme que ha sido
    0 professor de inglez unicamente relaxalo no
    cumprimento de seus deveres.
    (Conlinua)
    0 regedor interino,
    Dr. Carneiro Monteiro.
    (Pii-lsffo preventiva)
    ERRATA
    Em nosso terceiro artigo, segunda columna, 5
    periodo, ll'linha, leia-senada poderd, em lu-
    gar denao podera; no quarto artigo, primeira
    columna, 1 periodo, leia-se resultem, em vez
    de- resulte; segunda columna, 6* periodo, no fi-
    nal- quanto ella, em lngar dequanto esta ; 12
    periodo, 7* linhaduas, em lugar desaas; 16*
    linha- com essa theoria nao so se, em vez de com
    essa tbeoria nao se.
    Doctor in Absentia
    Os professores em artes, letras e sciencias, mem-
    bros de clero e magistrados ; todo o medico, ci-
    rargiao, denlista e artist i, que desejam obter o
    tilulo e diploma de doutor, on bacharel honorario,
    podem dirigir se a Medicos, rua do Rei, 46, em
    Jersey (Inglaterra) o qual lhes dara gratuilamen-
    te todas e quaesquer informacdes sobre a Uni-
    versidade.
    COMMEKCIC.
    JUNTA DOS CORRETORES
    Praca do Recife, 91 de agosto
    de 1874.
    AS 3 HORAS DA TARDE.
    COTACOES OFIICIABS
    Algodio do sertao l sorts 8*000 por 13 kilos.
    Algodio de sorte 7*880 por 15 kilos.
    Algodao de Goyanna sem inspeccao 6^900 por
    15 kilos, hontem.
    Algodao kilos posto a bordo a frete de 3|4 e 5
    OiO.
    Dito de dita dila 7*580 por 15 kilos posto a
    bordo a frela de Iil6 e 5 0u3.
    Couros seccos salgados 534 rs. o kilo, hontem.
    Cambio sobre Londres a 90 div. 26 d. por
    lM0.
    Dito sobroaito a 90 div. 26 Ii8 por 1*000.
    bonrm.
    Desconlo de letras is M ao anno, hontem e
    hoja
    a. ae Vasconceilos
    , Preeidenle.
    A P. de Lemos,
    Secretario.
    ;f-
    ALFANDSyj.
    Readlmento lo dia 1 a SO. .
    Man do dU 11. .
    317:1451842
    17:761*379
    344:970*221
    10:768*157
    VOLUMES SAH1DOS
    No dia 1 a 20.....
    Mo dia 21
    !>rimeira poria.....
    segonda porta.....
    Terceira porta.....
    Ttvpicha Ccncsicao .
    21,082
    66
    118
    259
    1,302
    22,827
    SERV1CO MARITIMO
    \l>*rengas descarregadas no trapicbe da
    aifandega :
    No dia 1 a 20.....
    No dia 21.......
    to trapicbe Conceicao
    O lllm. Sr. inspector do thesoaro provincial
    manda fazer publico, qae em cumprimento da
    ordem do Exm. Sr. presidente da provlncia, de 13
    do presente mez, vai a praca perante a junta da
    fazenda do mesmo thesoaro, para ser arrematada
    a quern por meoos tizer, no dia 3 de setembro
    proximo fataro, a obra da ponte de Moe, sobre o
    rio Tapacura, no lanQo da estrada da Victoria,
    orcada em 1:485*, debaixo das condicoes, qae
    com este vao pablicadas.
    As pessoas qae se propozerem a esta arremata-
    }io, coraparecara na sala das sess5es da referida
    junta, no dia acima indicado, ao meio dia, com-
    petenfemente babilitadas.
    E para constar, se mandoa pablicar o presente
    pelo Diario de Pernambuco.
    0 secretary,
    Miguel Affonso Ferreira.
    Claasulas especiaes para a arrematacao dos repa-
    ros da ponte de Moes, sobre o rio Tapacnra, no
    1 laoco da estrada da Victoria a Gravata.
    I.'
    Os reparos necessanos a ponte de Moes, serio
    executados de contormidade com as prescripcoes
    do orcametto, no valor de 1:485*.
    0 arrematante dara comeco as obras no prazo
    de um mez e as conclaira no de quatro, contados
    da data da arrematacao.
    3."
    0 pagamento sera feito em tres prestacoes
    iguaes, e na proporcao do servigo executado.
    4."
    Para tudo o mais que nJo estiver especificado
    nas presentes claasulas, se observant o que deter-
    mina o regulamento de 24 de fevereiro do corren-
    te anno. ,
    Reparticio das obras publicas, 2 de junno de
    1874 Victor Fonrnie, engenheiro chefe. Con-
    forme0 official maior, Luiz Salasar Moscoso da
    Veiga Pbssoa.ConformeM. A. Ferreira.______
    DOS CORRE10S DB PER-
    20 DE AGOSTO DB 1874.
    rr*piui
    Recebem se propostas era carta fechada ate o
    dia 24 do corrente met, para compra de Jornaes e
    ontros impressos cabidos em refugo, existentes
    nesta administraclo.
    0 adrainistrador,
    ____________-Affonso do Rego Barros.
    0 Dr. procarador fiscal do thesoaro provin-
    cial de Pernambuco declara aos devedores da
    companhia Recife Drainage qae em virtude da
    ordem do lllm. Sr. inspector, fica prorogado por
    mais 15 dias, a contar da pablicacao deste, o pra-
    zo de 30 dias qae lhes foi concedido na conformi-
    dade da lei n. 891 art. 53, para pagarem sens
    debitos procedentes de annuidade, apparelhos e
    eoc namento das easas na fregaezia de Santo An-
    tonio, certos de qne se nio o fizerem dentro deste
    novo prazo, proceder-se-ha a eobranca jadieial-
    mente, seguodo a relacio para isso publicada no
    Diario de Pernambuco de 2 de julho nltimo.
    Seccio do conte cioso do thesoaro provincial de
    Pernambuco, 20 de agosto de 1874.
    Cypriano Fenelon G. Alcoforado.
    Offlciaes, fidalgos, soldados e povo.
    DenominarAo do* no ton
    |. Uoj por onlro.
    2, A maldicio.
    3. A eleva^io.
    Terminara o espeetaculo com a comedia em 1 acto:
    De noite todos os gatos sao
    pardos.
    Personagens
    Leao Valente
    Eliza, saa mulber
    Yentura, empregado publico
    lacintho de Sa Patto
    Ettanislao
    Pulcheria, sua sobrioha
    mez ; recebe carga a frete a pasiaaeim
    Ur na rua do Vtgario n. 33, oa cos
    bordo, no enes Bario do Limaneate,
    Luiz Rocba A C, junta a gaardamoria.
    Macei
    30
    1
    2
    33
    RECEBEDORIA DE RENDAS LNTERNAS GE-
    RAES DE PF.RNAMBUCC-
    iandimenlo do dia 1 a 20 .' 24:918*383
    dem do dia 21...... 1:258*212
    26:170*395
    Sr. Angnsto.
    D. Leopoldina.
    Sr. Marmho.
    Sr. Penante.
    Sr. Flavio.
    D. Isabel.
    Principiara as 5 l|t boras
    AVISOS MAR8TIM0S,
    Libras cslerlinas.
    Vendem Augusto F. d'Oli-
    veira & C.
    Rua do Commercio n. 41.
    COM PANHLA PERNAMBUCARA
    DB
    eestclra
    alas, Penedo e Araeaja'.
    0 vapor Cmmipt,
    commanaaata Saatc*,
    segnirapara oa por-
    tos acima ao dia 31
    do correate as % feffao
    datarde.
    Recebe cu-ga ate o dia 29 do correate, ancoBi-
    mendas, dinheiro a frete e passagens, ate as 2 bo-
    ras da Urde do dia da sahida : saeriptorio
    no Forte d.; Mattos n. 11
    LEILOES.
    UEClABACOEi.
    Jiiizo de orpbAos
    0 Exm. Sr. desembargador juiz de orphSos re-
    cebe propostas na audiencia do dia 24 do corrente
    para a arrematacao da escrava Izidra, preta, idade
    26 annos, avaiiada por 800*, pertencente aos bens
    do flnado Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro.
    GONSL'LADO PROVINCIAL
    (tendimento do dia I a 20.
    Mem do dia 21
    RECIFE DRAINAGE
    Rendiraento do dia 20.
    Idem do dia 21. ... .
    47:044*935
    2:674*033
    19:718*988
    13:664*370
    2:429*222
    16:093*592
    AGENCIAS PROVINCIAES
    Liquidos espintuosos.^
    Rendimento de 1 a 19
    Idom do dia 20
    3:834*279
    13*157
    Rendimento de 1
    Idem do dia 20
    Bacalhao, etc.
    a 19 2:360*529
    *
    Generos
    Rendimento de 1 a 19
    Idem do dia 20
    de estiva.
    1:575*230
    76*032
    Rendimento de 1
    Idem do dia 20
    Fumo,
    a 19
    etc.
    270*181
    92*700
    Farinha de trigo, etc.
    Rendimento de 1 a 19 2:117*028
    Idem do dia 20 142*560
    Vinagre, etc.
    Rendimento de 1 a 19 1:197*096
    Idem do dia 20 307*327
    3:847*436
    2:360*529
    1:651*262
    362*881
    2:259*588
    1:504*423
    11:986*119
    Thesouro provincial de Pernambuco, 21 de agos-
    to de 4874.
    0 escrivao,
    Joio Carneiro M. da Silva Santos.
    ^QWMENTO 00 PORTO.
    Navio entrado no dia 11.
    Rio da Prata pelo o Rio de Janeiro e Bahia12
    dias do primeiro porto-1 1)2 do ultimo, vapor
    inglez Leibntz, de 1,455 toneladas, commandan-
    ts Harby, equipagem 49, carga varios ganeros ;
    a Saunders Brothers 4 C.
    Navios sahidos no mesmo dia.
    BarcelonaBriBue hespanhol Pepito, capitao Ser-
    rallack, carga algodao.
    LiverpoolVapor inglez Leibntz, commandants
    Harby, carga a mesma qae trouxe dos portos do
    sul, e algodao que recebeu neste porlo.
    EDITAES.
    0 Dr. Pedro Camello Pessoa, juiz de direi-
    to do civel da segunda vara nesta cidade
    do Recife e sea terrno, capital da provin-
    cia de Pernambuco, por S. M. I. e cons-
    titutional o Sr. D. Pedro II, etc.
    Fac.0 saber pelo presente que D. Anna
    Felizarda de Souza e Silva, por seu aJvoga-
    do me enderec,ou a petiQio do theor se-
    guinte:
    lllm. Sr. Dr. juiz de direito da segunda
    vara civel.Diz D. Anna Felizarda de Sou-
    za e Silva, nesta cidade por seu bastante
    procurador, que pela certidaj do official,
    no raandado incluso, consta achar-se o seu
    inquilino e devedor Manoel Antonio Pego,
    ausente e em lugar incerto ; nestas condi-
    cdes digne-se V. S. admittir a justificagao
    da ansencia e intimacSo do mandado por
    meio de edictos com o prazo da lei, corren-
    do depois a acyio executive in tent ad a com
    am carador ad (item, que V. S. dignar-se-
    ha nomear, caso nao compareja o supplica-
    do, ou outrem por elle, e por effeito da in-
    timagao edital; pena de revelia e nomeac,ae
    pedida. Pede deferimento e espera rece-
    ber merce. Estava sellada com uma es-
    ta mpil ha de duzentos reis e inutilisada com
    seguinte data e assigna'.uri:
    Consulado de Franca
    SUCCESSAO DE ED. TURPIN
    Faz se saber que a adjudicacio
    1." do fundo de commercio de navios,
    2.* do fundo do grande e bello hotel cU Europa,
    aca transfenda para segunda-feira 24 de agosto
    de 1874, a uma hora da tarde, em a chancellaria do
    consulado, ondese dara informacSes e condicoes
    la venda.
    A.' Gl.*. doSupiw Arch.-, do
    Un..
    I.o.j. ConcilinciCo
    De ord.-. da Aug.-. e Sob.-. Loj.\ Cap.-. Ccncilia-
    cao convido a todos os RResp.-. Hr.-. a compare-
    cerem no domingo, 23 do corrente, pelas 10 horas
    da manha, no recinto da mesma Loj.\ a rua de
    Marcilio Dias n. 31, para tomarem parte nas
    Eleic/. de Off.-, e DDig.\ qae tem de servir no
    anno Mac.-, de 5875 a 5876.
    0 secret.', adj.-.
    Marat.
    Obras militares
    A 29 do corrente, ao meio dia, tera lugar na
    reparticio das obras publicas a arrematacio das
    obras e concertos necessarios nos qaarteis das
    Cinco Pontas e dos operarios do arienal de guerra.
    orca-las as do 1" em 145*530, e as do 2* em
    146*120, como consta dos respectivos orcamentos
    qua se achara na referida reparticao : es concur
    rentes apresentem no referido dia suas propostas
    em carta fecbada. Pernambuco, 19 de agosto de
    t874.
    0 engenheiro das obras militares,
    ________ Chrysolito F. de Castro Chaves.
    De ordem do lllm. Sr. inspector da thesouraria
    de fazenda, convido as pessoas abaixo designadas,
    qae se acham na posse de terrenos de marinha,
    a rua Imperial desta cidade, para qne no prazo
    de 30 dias contados da data deste, venbam ezhi-
    bir sens tilakts perante a mesma thesouraria,
    sob pena de proceder se jadicialmente contra os
    mesmos nos termos do'aviso n. 308 de 12 de ja-
    nho de 1841.
    Secmtaria da thesouraria de fazenda de Per-
    nambuco, 8 de agosto de 1874.
    0 2.' escripturano, servindo de secretario,
    Carlos Joao de Sonza Correia.
    Relacao das pessoas a que se refere a declaracao
    optra.
    Antonio Moreira Reis.
    Manoel Patrao do Nasclmento.
    Joao Jose Barroso.
    Herdeiros de Vicente Thomaz dos Santos.
    Jore Lopes Dias.
    Coronel Agostinho Bezerra da Silva Cavalcanle.
    Herdeiros de Jose Hygino de Miranda.
    Antonio Moreira Rtis.
    Herdeiros de Amaro Antonio de Farias.
    Francisco Jose Marlins da Costa.
    Manoel da Silva Moreira.
    Lourenco Ribeiro da Canba Oliveira.
    Felicidade de tal e seus filhos Manoel Francisco
    Tavares.
    Tisset Freres.
    Jose Pinto de Magalhaes filho. __________
    Os empreiteiros da nova ponte da Bua,-Vista,
    levam ao conhecimento do publico desta cidade,
    que se acha, desde hoje, aberto o transito pela
    ponte provisoria, e interceptada a passagera pela
    velha ponte da Boa-Vista, de conformidade com as
    ordens da rcpartiQao das obras publicas desta pro
    vincia.
    Recife, 22 de agosto de 1874._____________
    Palhabote Joven Arthur*
    Vende se e-te navio prompto de am tado para
    navegar, e feito de madeiras do Brasil, esta anco-
    rado no qaadro da descarga : os pretendentes po-
    derao exammar, e para tratar com Antonio Luiz
    de Oliveira Azevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
    Real companhia de paqncles in-
    glezes a vapor.
    Ate o dia 26 do cor-
    rente espera-se da
    Enropa o vapor in-
    Slez Neva, comman
    ante West, o qual
    depois da demora do
    costume segaira para Buenos-Ay res, tocando nos
    portos da Bahia, Rio de Janeiro e Montsvideo.
    No dia 28 do corrente espera-se dos portos do
    sul o vapor inglez Douro, commandante Thwailes,
    o qual depois da demora do costume, seguira para
    Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
    Lisboa.
    Para passagens, fretes, etc., trata-se na agencia,
    rua do Commercio n. 40.
    IMLM
    DE
    moveis, louca, vidros, pianos de armario,
    ditos de mesa, cbapeos do Cbile, ditos de
    feltro t diversas miudezas.
    HOJE
    SABRADO 22 DO CORRENTE
    is 12 horas em ponto
    \o uiniam da rua d Beaaa Jc-
    siia d. 8 (asatig* Crau).
    0 agente Dias fara leilao, p.r conta e riseo da
    quem perLencer, de mobilias de jacaranda com
    tampos de pedra, ditas de amarello, camas de di-
    to, dita de mogno, marqoezoes, marqaeus, sofas,
    mesas redondas, cadeiras de balance-, I saataari >
    de jacaranda, guards luuc*, guarda-rnnpa, ma
    elastica, quadros, candieiros a gaz, randelabros, I
    prensa para copiar, carteiras, coinmnd*s e muiK
    outros objeclos que estarao patentes
    ledao.
    ao acto do
    COMPANHIA BRASIL.EIR.%
    DE
    VAVEGACAOAVAPOR
    Portosdo aui^
    Sociedade Recreativa Ju-
    ventude.
    De ordem do Sr. vice-presidente, convido aos
    Srs. socios ase reuniremna sala denassas sessoes,
    domingo 23 do mez corrente, as 7 horas da ma-
    nha, para, em assemblea geral extraordinary pro-
    ceder-se a eleicao do presidente por nao ter
    aceitado esta coaomissao, por motiyos attendiveis,
    o socio, qae fora escolhido em sessao de 9 do cor-
    rente. Lembro aos senbores socios para o que
    dispoe o 2. do art. 20 dos estatutos.
    Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude..
    20 de agosto de 1874.
    Orestes Monteiro,
    1. secretario.
    AGENCIA.
    HAV1S-REUTER
    N1 Rua do Commercio! i
    A agencia Havas-Reuter tem a honra de
    participar ao publico que se acha prompta
    a fazer a transmissao de telegrammas parti-
    culares para a Europa, de hoje em diante.
    Para maiores esclarecimentos e conheci-
    mento da tabella de precos devem os inte-
    ressades dirigir-se a agencia, rua do Com-
    mercio n. 17 esquina da prafa do Corpo
    LSanto.
    Companhia Fidelidade
    seguros marltiuios e terrestres
    A agencia desta companhia toma seguros ma-
    ritime s e terrestres, a premios razoaveis, dando
    nos ultimos o solo livre, e o setimo anno gratuito
    ao segarado.
    Rua do Visconde de Itaparica, anliga do Appolo
    n. 51.
    Feliciano Jose Gomes,
    Agente._______
    ~ADMiNISTRAivAO DOTCORREIOS DB PER-
    NAMBUCO, 22 DE AGOSTO DE 1874
    Halaa a oxpedir-ao
    Em consequencia de terem sido transferidas as
    sahidas dos vapores nacionaes Marquez de Caxias
    e Giquid, esta administracao expede malas para a
    Bahia, Sergipe, Penedo, Jaragua, MaceiO, Parahy-
    ba, Natal, Ceara, Assu', Mossoro, Aracaty e Aca-
    racn', hoje 22.
    Recebem-se jornaes, impressos de qualquer na-
    tureza, e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
    cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 Ifl,
    pagando porte duplo. <
    Affonso do Rego Barros,
    Admiaistrador.
    Luso-Brasileira
    Assembles geral
    De ordem do Exm. Sr. presidente convoco os
    senhores socios a reunirem-se na sede da nossa
    sociedade, no dia 25 do mez andanu, pelas 6 1|2
    horas da tarde, afim de se proceder a eleicao do
    vice-director, visto que, o votado para este cargo
    optou pelo de conselheiro.
    Secretaria do conselho fiscal da sociedade bene-
    ficente Luso-Brasileira, 22 de agosto de 1874.
    Andre M. Pinheiro,
    ! secretario.
    Santo Antonio
    Hoje
    Babbado Z9 e domingo 23
    de agosto
    Duasgrandes representacoes
    pelos celebres
    Campanologos lOscocezes
    unicos no seu genero
    Principiara as 8 horas.
    Estes celebres artistas tiveram a honra de se
    rem chamados perante a rainha Victoria, impera-
    dor dos francezes, da Ausrria, da Russia e de to-
    das as Russia?, rei de Portugal e altimamente na
    quinta de S. M. o Sr. D- Pedro II, imperador do
    Brasil.
    AVISO
    A companhia previne ao illastrado
    tendo de seguir brevemente para os
    dos, dara poucas representac5es.
    publico, que
    Estados-Uni-
    Concerto instrumental
    DA RANDA DE
    MUSICAALLEMA
    COMPOSTA DE 1* PESSOAS
    E
    Amanha
    A'a 1 lit horas da noite,
    NA
    Fabrica de cerveja
    A' rua do Bar So de S. Borja n. 35.
    Preco de entrada para cada pessoa 1*000.
    De ordem do lllm. Sr: inspector da thesou-
    raria de fazenda desta provincla se faz publico
    para conhecimento de quem interessar, que no dia
    28 do corrente mez, pelas 2 horas da tarde, pe-
    rante a junta da mesma thesouraria, serio postos
    em basta pnbUca para sorem arrematados por
    qaem mais der, seis armarios jolgados inserviveis
    a esta reparticio. ...
    Secreuria da thesonrana de fazenda de Per-
    nambuco, 20 de agosto de 1874. O 2 escriptu-
    rario, servlndo de secretario,
    Carles J. de Souza Correia.
    __De ordem do lllm. Sr. inspector da tbetonra-
    ria de fazenda desta provlncia se faz publico, para
    conhecimento de qaem interessar, qae no dia o de
    setembro proximo vindouro, pelas 2 horas da
    tarde, perante a juota da mesma tbesonraria, ira
    a praca para ser arrematado por quem mais van-
    ragem offerecer, o arreDdamento do ptoprio na-
    Assflciacio dramatici.
    Domingo 23 do corrente.
    A's ft i|* boras da tarde
    1.' representacio
    do apparatoso drama em 3 actos :
    GABRINA
    OU A
    Coroa ducal de Parma.
    Personagens.
    Itamiro III Sr. Laeerda,
    Condwtavel Sr. Penante,
    Commandante Carlos Gomes
    E' esperado dos portos
    do norte ate o dia 23 do
    corrente e seguira para
    os do sul depois da de-
    mora do costume.
    Para carga, encommendas, valores e passagens,
    trata-se no escriptorio.
    7-RUA DO VIGARIO-7
    _____Pereira Vianna & C.___________
    ARACtTY
    Para o porlo acima sane com brevidade o pa-
    lhabote nacional Maria Amelia, reconstruido de
    novo, do qual 6 capitao e pratico Francisco Tho
    maz de Assis : para carga e passageiros, trata-se
    com Antonio Alberto de Souza Aguiar, a rua do
    Amorim n. 60.
    Risco maritimo
    Adolpho Reeze, capitao do patacho argentino
    Carlos, 1* classe hloyds alleraao, recentemente che-
    gado a este porlo com agna aberia, carregado de
    assucar do Aracajvi, com destino para o Canal para
    receber ordens, precisa lomar a quan'.ia de cerca
    de 12:000* a risco maritimo sobre a carga, casco
    e frete do dito navio para o* orrer as despeaas
    havidas com concertos, etc. Os pretendentes estao
    convidados a mandarem suas propostas em cartas
    fechadas.no consulado da Republica Argentina nes-
    ta cidade, ate ao meio dia do dia 2i Jo corrente.
    Recife, 14 de agosto de 18"4. _____
    Agente Dias
    LEILAO
    DE
    uma optima barcaca, denominada Fere ##
    go, cuja carga e de 500 a GOO saccos de
    assucar
    Hoje
    Sabbado 22 do corrente
    A's 11 horas da manlia
    No sobrailo da rua do Mar |uex de Olinda n. 37,
    primeiro and; r.
    0 agente Dias, competeotemente antorisado, le-
    vara a leilao, no dia e hora acima designados a
    referida barcaca, a qual torna.se recommeadavf i
    por deraandar pou:a agua e tropria parao ?a-
    nal de Goyanna.
    Esta barcaca nao ha dous annos fez am grande
    fabrico, pelo que ag. ra apenas torna-se preio
    um pequ^no concerto em recorre-la, faltandolhe
    tambem os mastros, por nao se acharem em bem
    estado, c am ootro pao imsua maesirarao.
    Os Srs. pretcnlentes podem desde ja examina-
    la, pjis a:ha se fandeada em Santo Amaro, no e-
    taleiro do Sr. Saraiva, de quem poderao obtfcr
    qualqner informario deqae precisarem. e para
    qualquer outro esclarecimento a rua do Marqaei
    d Olinda n. 37, escriptorio do agente, ende tera
    lugar o relerido leilio.
    LEILAO
    Uma &rmacao envernisada e envidracada,
    propria para'qualquer estabel^cimento.
    Hoje
    A'S H HORAS DA MANHA.
    Na rua Direita n. H'.\.
    Garane-se a casa ao comprador
    peln agente Marlins.
    Pacific Steam Navigation taipanj
    ROYAL MAIL STEAMERS.
    (DE 4218 TONELADAS)
    Commandante A. G. Gordon
    Espera-se dos per
    tos do sul ate o dia 30
    de agosto, e depois da
    demora do costume
    seguira para Lisboa,
    Bordeos, e Liverpool,
    para onde recebera passageiros, encommendas,
    carga e dinheiro a frete.
    N. B.Nao sahira antes das tres boras da tar
    de do dia da sua cnegada.
    AGENTES
    Wilson Rowe A C
    14PRACA DO COMMERCIO1 ___
    CUARGEIRS RKlIAIS
    COMPANHIA FRiNCEZA DE NAVE-
    GACAOA VAPOR
    LINHA MENSAL ENTRE 0
    Havre, Lisboa, i'ernambuco, Rio de Janei-
    ro, Santos (somente na volta), Montevi-
    deo, Buenos-Ayres, (com baldeaelo para
    o Rosario).
    STEAMER
    VILLE BH SANTOS
    Commandante aLefevre.
    E' esperado da Eu-
    ropa ale 24 do cor-
    rente, segnindo de-
    pois da indispensavel
    demora para M por-
    tos do snl de sua es-
    cala at6 o Rio da Prata.
    Para fretes, encommendas e passageins, trata-
    se com
    OS CONSIGNATARIOS
    AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C-
    43Rua do CommercioEntrada pela rn*
    eto Torres.
    Para a Bahia
    pretende seguir com muita brevidade o palhabote
    Joven Arthur, tem .parte de sen carregamento en-
    gajado : para o resto qae lbe fjlta, trata se com
    o sea consignatario Antonio Luiz de Oliveira Aze-
    vedo, rua do Bom Jesus n. 57.
    Para.
    Pretende seguir para o indicado porto com mni-
    ta brevidade a escuna portugaeza Christina, por
    ter parte da carga ; e para a qne Ihe falta trata-
    se com os consignatarios Joaqmm Jose Goncalves
    Beltrao & Filho, a ma do Commercio n. S.______
    Leilao
    DE
    l.'ma barcaca denominada Fere Fo 30O a GOO saccos de assucar
    pelo age te Dias
    A's .'I horai da manha.
    Em o !. andar do aebraoo da rua d* Mar\
    de Olinca n. 27. _________
    Grande leilao
    sendo uma a Lu^
    marmnrf. 1 toile:!^
    DE
    duas mobilias de jacaraiida,
    XV, com tampos do pedra
    de jacarand-", 1 cama fr. ncoza de dito. 1 gnar-
    daroupad- amarello, 1 mesa ela de megno, I guarda- ouca, 1 grande aparadcr
    de nvgn ', 1 eslante envidracada, I espelho oval
    para cima de sofa, I a part I ho de kuca pan
    jantar, I dilo para tlmo^o, crystacs, 2 e-'pelbcs
    enlalhados, objevtos de electro plate, quadr
    com I'mas gravur-s, tao+tes, 1 despertador, com
    Iamparina, candieiros a gaz, lanternas, I retog-i
    de p-'rele, e immensos artigos do uso doaes-
    tico.
    Segunda-feira 24 docorrente
    As II horas em ponto
    No segundo andar da rua do Imperador,
    por cima do armezem de louca, ;Prato
    de Ouro.)
    0 agente Uartins, por ordem de nma pessoa que
    se retira para a Europa, v. nlera em leilao, no dia,
    hora e lugar acima, nao so os objectos acima
    mencinonados, como outros muitos qae estarao
    patentee ao exame dos concurrentes^_______
    Agente Dias
    leilao
    DE
    V caix-.s com 400 latas das afamadas bula-
    > hinlias de Lisboa, d agua e'sal
    SEGUNDA-FEIRA 24 DO CORRENTE
    as 11 horas da manha
    Era o trapiche denorainado Companhia
    0 ase ate Dias, compe'entemente aulcrisado, le-
    vara a leilao, no dia e hora acima designados, 4
    caixas com 400 bolachinhas de Lhboa.
    Agente Dias
    LEILAO
    50 barricas
    DE
    com cat de Lisboa
    da
    at*
    PARA E MARAM
    A escnna Georgiana tendo engajado parte de
    seu carregamento para o Para, recebe tambem
    para o Maranhao, caso conveoba fazer a escala
    a vista do frete qne apparecer: a tratar na rna do
    Amorim n. 37.
    Natal
    Vai sahir ate o dia 28 do corrente o hiate Flor
    do Jardim, recebe carga a frete : a tratar na rna
    do Vigario n. 33, on a bordo com o mestre, no
    caes Barao do Livramento, armazem de Luiz Ro-
    cha & C, junto a goarlamoria.___________
    Macao e Mossor6
    Vai Sabir para os portos acima a barcaca Dous
    Amigos, forrada de cobra, ate o Um do corrente
    Segunda-feira 4
    as 11 horas da manha
    Em o trapicbe deaominado Companhia
    0 ageote Dias, compelenteroenteautonsaoj, ir
    ra a leilio no dia e bora acima dnsignaoaa, SO
    barricas com cal de Lisboa.
    IMhM
    DA
    metade do sobrado de 2 andaree, iotao e 1
    grande armazem, sito i rua da Praia n.
    35, hoje Pedro Affonso, com as seguinte*
    commodidades:
    Primmro andar.Grande sala forrada, aktsta
    1 quart), ao corredor 1 quarto, sala da jaatar, S
    quartos, Iwisaii e cozinha f6ra.
    Segaada sadar. 1 sala, t ak*va a t Ma,
    no corredor I qnarto, ;ala pan jaatar, | saarto*
    =
    .


    n

    Oiario d*Peraambuoo Saooado 22 de Agosto de 1874.
    4 quartos (
    i parse Bar, I graiate-qaln.
    * grandle Mrtaco ; sotiio, S saties,
    coamhaCorn iaaellas ;
    M g* ie taihciro
    Terca-folra 85 ilo wrreite
    4'S II HORAS DA MANHA
    >'o escr pturk) a rua primeiro smlar
    0 ager to Pinho lUritos, aiilnrhado, endera em
    leilao a referida tiitUde do s.brado acitna men
    cionado, por c.nia o risen da quem pertencer.
    0* Srs. preteadentes [> -Jem 4Kle ja ncmninar,
    e qaalqucr esclarenrn;utu o mesmo agente acna-
    * tiabilitido a dar.
    0 snesme agente far sciento que o sobrado esla
    em boa cooservacao e bem ediflcado, tern liada
    vista e esti aitaado em uma rua mui commercial.
    JSTOFINA
    LEIIiO
    DE
    uma cast terrea na villa da Escada, termo
    de Santo Antao destc province, sita i
    rua do Compra Fiado (outr'ora da Barra),
    propria para qualquer eslabelecimento
    Terca-feira 5 do eorreate
    A's 11 horas damanha
    ao correr do marteUo
    0 agents Pinho Borges, competentemente auto-
    risado, vendera em leilao a sapradita casa, no
    ?eu escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 53, primei-
    ro andar, onde desde ji os Srs. pretendentes po-
    derao rever as informacges e eselarecimentos.
    LEILAO
    DE
    tres casas terreas na villa do Cabo, a rua
    do Marquez do Herval (outr'ora do Rosa-
    rio), ns. 3, 5 e 7, com as seguintes com-
    modidades : a 1*, 2 salas, 2 quartos, 1
    cozinha fdra, 1 saldta e 1 quarto ; a 2\
    2 salas, 1 quarto e I terraco, e a 3*, 2
    salas, 2 quartos e 1 cozinha &
    TERQA-FEIRA 25 DO CORRENTE
    A* It 1|* horas.
    ao correr do marteUo
    0 agente Pinfio Borges, antorisado, vendera em
    leilao as referidas casas, no seu escriptorio, a ma
    do Bom Jesns n. 53, primeiro andar.
    Qualquer esclareciraento o mesmo agente pode
    dar. As casas sao de pedta e cal.
    Esta
    **!!
    aVISOS PVEBSOS
    ADVOGADO
    BiGHAREL JOAQLIM GUENNES DA
    SILVA HELLO.
    S3 Rua estreita do Itosario S3
    primeiro atadar.
    Attencjio
    Ausentou-se no dia I de agosto do corrente
    anno, do engenho Pnmaty, coraarca de Palmares,
    o escravo Dominges, cabra, idade de 19 annos,
    altura regular, ponca barba, falta de urn dente na
    (rente, bem parecido, foi vestido com calga de al-
    godao azul e camisa de riscado, alem disto levou
    ronpa de brim, paletot de alpaca e chap6o do
    Chile.________________
    0 Commercio Livrc.
    Periodico destinado a combater as ideas do
    Commercio a Retalho. Redacc/o, rua estreita do
    Rosario n. 38, 2.' andar. Sahira a luz no dia 20
    do corrente.
    encoiiragado !!
    A^iut iiiiiie em |M-itra I unto iIh itte (|iie a fura.
    Ri^a-se ao llltn. Sr. Ignacio Vieira de
    .*crjvau na cuUJe de Nazareiti favor de vir a ru Duque de Caxi*a q. :, a cod-
    emit aquelle neg.ciu que S. S. m comprutneoen a
    realgar, pcla urceira charoada ohsW) j>rr.al, u
    Bns de derembtu de 1871. e Oums para Janeiro,
    passon a fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
    por este motivo 6 de novo cbamado para dito
    9m, pois S. S. se deve lembrar quo este negocio
    de mais de oito annos, e qnando o Sr. sen fllho m
    tchava nesta cidade.
    Attend ?
    W Alngam-se diversas casinhas, na tra-
    jfK vessa de Pay-Sandii, junto do sitio do
    ^ falleeido Dr. Firmo : a tratar na rna do
    J9t Tambia n. 25.
    0000-0000* 0000
    Preservative da Erysipela
    D escoberto pelo Bacharel
    Manoel de Siqueira Cavalcanli
    Tendo o governo impereal permittido ao des-
    cobridor vender aqnelle mediramento, o pablico
    ja o tern a sna disposicao.
    riepoNiton nnlcoi.
    Recife : rua do Barao da Victoria (rua Nova)
    n. 40, casa do Sr. Rocna Siqueira.
    Bio de Janeiro : COrte, rna do Oavidor
    n. 78.
    0 Preservative da erisypela ja e bem conheci-
    o : entretanto tranicrevese para esteannancio,
    do Jornal do Commercio do Rio, os attestados in-
    fra.
    Qneiram os Srs. doenies os ler, e ver por
    qnem esrio files assignados.
    Declaro, por ser verdade, qne padecendo de ery-
    sipela, foi-me dado pelo Sr. afanoel de Siqueira
    Cavalcanti am medicamento, do qual fazenflo nso
    por algnns dias nunca mais. ate hoje, me tornou a
    accomnietter essa enfermidade. Po* me ser pe-
    dido passei o pre-ente, por mim feito e a^signado-
    Rio de Janeiro, 16 de jnaho de i87i. Duque de
    Caxiat.
    Attesto, qae tendo empregado o medicamento
    dymnamisado, qae nos foi forneciJo pelo Sr. Dr.
    Hanoel de Siqueira Cavalcanti para o tratamento
    da erysipela, colhi sempre resuttados supenores
    aos de todos os medicamentos conhecidos. Em tes-

    ^ IMA

    Precisa-se de m paraco-
    linhar e comprar: na rna da
    Oncord'a n. Ii9.
    A ma de \e\te.
    Pr^ciaa sede uma
    rpm abondanie Icite
    na n. 45. ? andar.
    ama de
    : na rua
    leite, sendn sadia e
    do Barao da Vfcto
    Ama de lei e
    Pr>ri-a *c d nma ama d I- ite que seja sadia
    -ut !i;h.i : u >a Duque de fokta n. 91, l.qa do
    Hival Seiu Segundo.
    Precisa se de uma ama para cuzinhar e mnis
    aigom servico de casa de peqnena familia : a Ira-
    lar no 3. n lar dttu typographia._______
    A Precisa ae de uma ama p.ra
    f\ 1 f| *)k coiinhar para casa de familia :
    L -slJIXCI a rna do Visconde de Goyanna
    ________ B. 129.
    ODILON DUARTE & IRMAO
    oftBELLEIREIfOS
    PremiadoG nsi exposiffio il
    1872
    RlA
    DA
    :-jftQ^/M*-
    AMA
    Precisa-se de uma ama para com-
    prar e cozinbar para easa de pouca fa-
    : a tratar na rna do Imperador n. 55.
    Ama Prcisa-ae de uma para cczinhar e com-
    prar ; a roa da Coaeordia n. 10.
    24-fioa do Marquez de Olinda -24
    Esqnlna do brcro Largo
    Parricipa a sens fn>gnezes e amigos que mndon
    o sen estabelecimento de relojoe>ro para a mesma
    rua n. 24, onde encontrarao nm grande sortimento
    de relogios de parede, americanos, e cima de me
    sa, dos melhores gostos e qnalidades, relogios dt
    aigibeira, de todas as qnahda-les, patente snisso,
    ae onro e prau dourada, foleado (plaqnet), relo-
    gios de onro. ingles, descuberto, dos melhores
    rabricantes, cadeia de onro, plaquet e prata, Iunetas
    de tod?s as qnalidades, tudo por precis muito ba-
    ratos.
    Aluga-e altos e baixos do sobrado da rna
    Imperial n. I, canto da travessa do Lima, tendo
    armacao e mais pertencas para taverna, por ser
    lugar nuito proprio para tal negocio : quem o
    pretender entenda-se com o proprietary, na rua
    do Hosplcjo, sohrado n. 35.
    LIVROS A VENDA.
    No primeiro andar desta typograpbia em
    m5o do administrador, vende-se os seguin-
    te Iivrinhos :
    O naatuto l^sjperto dialogo ins-
    tructive, critico, analjtico, historico e mo-
    ral, entre um matuto e um liberal por 500
    rs. cada exemplar.
    EdiicacSo Familiarromance, e
    temunbo da verdade, e por~meTerv^edIdo,,firmo uma ser'e <*e 'eitura, 2 volumes por 19000.
    o presene. Rio de Janeiro, 13 de junho de 1874.1 Martens, manuel diplomatique1
    Dr. Salurnino Soares de Meirelles. \ volume por 1S000.
    Concordo perfeitamente com o parecer supra, i ak^. -i~ Vi i .^
    Dr.-Joa?m Jott da S,lva Pinto I ibr Mably-completas 12
    0 abaixo assignado, doutor em raedicina pela v0'umes por 8!f000.
    facnldade do Rio de Janeiro, cirurgiao-mor de Bignonobra completa 4 volumes
    brigada honorario do corpo de saiide, cavalheiro por 2S000.
    Ollerece-se uma senhora para lavar e
    gommar, por barato preco :
    Palma n. 128.
    en-
    a tra'ar na rna da
    Precisa e de nma ama para coainhar e com-
    prar : na travessa do Corpo Santo n 25.
    Precisa-se de doas amai, nma
    para engommar e outra para co
    zinhar, prefere-se escrava : na rua
    de Marciho Dias n. 137, 2* andar.
    Ama ^ Prai'a-se de uma cozlnheira para casa
    " de ponca familia, paga-e bem : a tratar
    na rna do Hospiclo n. 46, casa terrea, de bolas
    amarellai.
    AMAS
    MPERATRIZ
    N. 82
    fl.' ANDAR.

    clS9~
    8ise
    (^%i
    It LA
    A
    1MPERATRTZ
    N. 82
    I." ANDAR.
    AMA
    leiro.
    Precisa-se de nma ama qne
    saiba cozinbar : na roa Nova
    n. 6, em casa de bo mem sol-
    Precisa-se de uma ama para cozinbar
    rua da Penba n. 23. andar.
    AMA
    Preciss-se de uma ama para
    cozinbar e mais algum sevi(0
    de casa de pequeoa familia : a tratar no 3.*
    andar desta typograpbia.
    Ama Preclsa-se de nma ama
    jrv.Lua, e eng0mmar na rua j0
    22, armazem.
    Acabam de reformer o sen estabelecimento, collotendo-o nas melhores con-
    dic^oea possiveis de bem servir ao publico derta illustre rapiui, e is Kxmas. Sras. n'a-
    quillo que fOr tendente a* arte de cabelleireiro.
    Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo pare svnboras, tupete, chignon,
    eoqnes mode'rnissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos -m cabt-Ilos, quadros tu-
    mulares, (lores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaglnavel m rabello.
    0 estabelecimento acba-se provido do que ha de nelhor nos mercados estran-
    geiros, recebe directamente por todos os vepores da Europa, as uas encommendas e 6gu-
    rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
    perfei^Io no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
    Penteam seohoras, tanto no estabelecimento como fdra ; vende-se cabellos j
    porcXo e a retalho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabelleireiro.
    ESSENGIA
    CONCENTRADA
    DE
    B
    ara cozinhar
    mmercio n
    AJJla na fabrica a vapor
    larga do Rotario n. 21.
    Precisa-se de uma ama para cozinbar
    de cigarros,
    a rna
    da imperial ordem de Christo, etc.
    Attesta sob juramedto de sen. grao, que tendo '
    nsado de um medicamento qne lhe foi fornecido
    pelo Sr. Dr. Manoel de Siqueira Cavalcanti, de- i
    nominado Preservalivo da erysipela tiroa
    sempre o melhor resultado possivel, de sorte que (
    os doentes ate hoje nSo foram acommettidns da9
    erysipelas, que soffriam frequentemente.- Rio de
    Janeiro, 19 de junho de 187't. Dr. Jose Lino Pe-
    FritotEspirit do Droit1 volume
    por 15000.
    VatelDroit des Gens-2 volumes por
    25>000.
    F. BorgesEconomia Pcditica1 vo-
    lume lzSOO.
    FieldingThe history Tom Jones2
    h a Junior. volumes 36000.
    Tiveem 1871 dez erysipelas em uma perna, fui Kv-_np<: r^nnflitc 9 ,ftilimoc lit
    a Europa, e considerei-me curado, voltei pouco ? V iV con 11 its2 volumes d#.
    depois, live novo ataque ; tnmei o remedio Preser-' Histoire I'.foh'sia*li<|ueG vo-
    vativo da erysipela do Sr. Dr. Manoel de Siqueira lumes 65000.
    Aluga-se o segundo andar do sobrado n.
    30, da rua da Imperatriz.
    1. andar
    Aluga-se o primeiro andar da rna do Padre Flo
    riano : a tratar na rua do Rosario n. 22, loja de
    calcado.
    Caixeiro
    Precisa se de um caixeiro que seja naci anal: na
    rua do Imperador n. 18.
    Attencao.
    0 abaixo assignado, autorisado pelo Exm. Sr.
    Jesembargador joiz de orphaos e pelos outros con
    senhores, aluga os dous an lares do sobrado n. 40
    da rua da Imperatriz, obrigandc-se o arrendatario
    a fazer concertos.
    ____________Francisco Ferreira M. Ribeiro.
    Precisa se de uma pessoa paia distribuir o
    Commercio a Retalho : na rua do Imperador nu-
    mero 12.
    Alngam-se duas casas terreas pequenas, ul-
    timameute acabadas, tendo cada uma deltas 2 sa-
    las, 3 quartos, cozinha fora e mais um quarto,
    poco de serventia exclusiva, e bom quintal raura-
    do, na travessa da rua do Principe, na fregnezia
    da Boa-Vista- a entenderrse com o seu proprie-
    tario, o Dr. Aguiar.
    Aluga-se o 2* andar do sobrado a rua Pri-
    meiro de Marco n. 14 : a tratar no r* andar do
    mesmo.
    Jordilo
    Fica para o dia 10 de oulubro, a contar desse
    dia, o que estava marcado para o dia 16 de agos-
    to, acontardessedia.________________________
    AtlencOo.
    A' rua de S. Francisco, casa terrea n. 18, abrio-
    se um hotel denonominadodo Paraizono qual
    se encontrara comidas com asseio e promptidao,
    bem como recebe se assignantes mensaes, por
    preQO commodo.
    Ao Sr, subdelegado de San-
    to Antonio
    Pede-se encarecidamente ao mesmo senhor qae
    dc providencias sobre meia dazia de mulberes
    vadias gue moram na rua do Coronet Suassuna,
    visto nao poder familia alguma cbegar na porta
    por causa de tao escandalosa immofalidade qne as
    mesmas praticam pnblicamente, sem respeitarem
    alguem. 0 qne muito admira e como se aluga
    uma casa, e da-se carta de fianqa a gente de tal
    ordem, qne snrgio da rna do Cisco, sendo algnrca
    dellas escravas ; pots se esta vendo a cada instan-
    ce apparecer algumas graves consequencias.
    ______________Algnns moradores visinhos.____
    0 abaixo assignado avisa ao respeilavel cor-
    po do commercio e ao pablico, que Manoel Gon-
    calves Caseiro deixou de ser sen caixeiro desde o
    sen cargo de negocio tendente a casa do abaixo
    assignado.
    Jos6 Maria Goncalves Vieira Gnimaraes.
    I feixeiro
    Precisa se de um menino para praticar em ne-
    gocio de taverna, brasileiro e prefere-se do matto :
    a tratar na roa Imperial n. 283. ____
    Na fregnezia dos Afogados, travessa do Mo-
    tocolombo, aluga-se um sitio com bastantes arvo-
    redos de frncto : a tratar na rna Direita da mes-
    ma fregnezia d. 54.
    -----------------------------1
    cortes de veslidos de
    ;
    <%^>

    fnarnecldos de Weo tie linho,
    trazetido fivella, bolsa, feoiSea,
    unto, ste., etc : na Iota do Pas-
    a0'/0* Pr"neiro *r*0 D. 7
    Cordciro SinHes I ,
    Cavalcanti, e cessoa a molesfia, ha mais de um
    anno. Creio ser isto effeito daquelle remedio. Rio
    de Janeiro, 13 de junho de 1874.- Barao de Cabo-
    Frio.
    Gratis aos pobres.
    Aos Hieniiios
    A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
    n. 63, acaba de receber um bom sortimente de fi-
    nas bonecas que fallam, que riem-se e choratn ;
    tambem astern mudas e surdas ou surdas mudas
    venham ver se nao e verdade.
    ATTENdO
    Acaba de cbegar para a casa de Gu?tavo, cabel-
    leireiro, a rua do Marquez de Olinda n. 51, 1* an-
    dar, um Undo sortimento de c-iques de cabello
    humano, de diversos feitios, de preco de 12 a
    loiOOO.
    Crescentes de cabellos cempridos por 15^.
    Crespos idem.idem (o par) of.
    Topetes fnzado3 a M.
    Trancas compridas de 10, 12 e 15$.
    6rampos frizados (duzia) ifi.
    Diadema3 a Sx.
    Rousseau -Melanges 6 volumes 3$.
    Rousseau Pieees diverses-i volu-
    mes 2000.
    Precisa-se de uma ama que seja boa cozl-
    nheira : na rua do Crespo n. 7
    Gonsultorio medico %
    Precisa-se de nma ama para engommar e
    mais algum servico de peqnena familia : no 3 an-
    dar desta typogropbia se aira.
    AMA
    Precisa-se de ama ama pa-
    ra cozinhar : a roa do Livra-
    mento n. 8, loja.
    AMA
    andar.
    Precisa-se de ama ama para cozi-
    nhar e engommar para uma pessoa :
    na rna do Imperador n. 73, primeiro
    Ama de leite
    leite, sende sadia :
    Precisa-se de uma ama de
    na Cambda do Carmo n. 6.
    Precisa-se de nma ama para casa de uma
    peqnena familia : a rua dos Guararapes n. 94.
    1
    I

    DO
    Dr. Ifurillo.
    RUA DO VIGARIO N. 1, 2. ANDAR.
    Recent-chegado da Europa, onde fre-
    quentou os hospitaos de Paris e Londres,
    Sodera ser proenrado a qualquer hora do
    la ou da noite para objecto de sua pro-
    fissao.
    - Consultas das 6 as 8 horas da manhl e
    do meio dia as duas horas da tarde.
    GRATIS AOS PORBE3.
    Especialidades : Moiestias de senhoras,
    da pelte e de crianca.
    g
    fo'S
    i
    i
    CBIAD%
    Preeisa-se de uma criada que saiba cozinhar e
    engommar, para uma so pessoa, e que dt? fiador a
    Aluga-s o 2 andar do sobrado da rua Iin-1 sua cjnducta : a tratar na rua da Aurora n. 85,
    perial n. 128, com muito bons commodos, limpo, e das 6;is 8 horas da manha edas 5 as 7 da tarde,
    por preco muito razoavel: a tratar na rua do Im-! ou na rua do Bom Jesus n. 57, escriptorio, das 9
    perador n. 83, lc andar. as i horas da tarde.
    AGUA DE CHIN0L1NA
    PARA TINGIR I\STANTANEAHE1\TE OS CABELLOS
    PREPARADA POR
    BARTHOLOMEW & C.
    Pliarntaceuticos da Casa Real de S. II. F. El-Rei de Portugal :
    preiaaiados em diversas exposi^Ses com o priuieiro preniio de
    sua classe.
    Uoico composto, coja base principal sao principios vegetaes, que pode por isso ser
    usado por tempo indefinido sem o menor receio de alter8Co de saiide. Esta agua admi-
    ravel da" aos cabellos, em poucos minutos, uma cor e brilho natural, desde o castanho
    ate* o negro, e ao contrario de todas as tinturas conhecidas, tern um aroma agradabilissi-
    mo, que facilita o seu uso a"s senhoras, ainda as mais difficeis. Affiancam-se os sens re-
    sultadose effeitos inofl'ensivos, quer a appIica^So seja limitada a barb8, quer comprehen-
    ds os cabellos da cabega.
    IHI'OSIIO GEB.1L
    Pharmacia e drogaria
    34Rua larga do Rozario34
    PERNAMBUCO
    proprirtnrio e prcparmJorV I
    HOGG
    pruprias pan moiestias
    duzido pelo hydrogeneo,
    (escorrimentoi, fluxoe-brancoa,
    inalteravel, para molestiaj
    % chlorotica e para as afteicoes
    XA ROPE PASTA mm BERTH.
    i por na rscoohecida efflcicfi
    DX
    CODEWA
    contra a trip
    Medicamento ioscripto no Codigo racial fr,
    catarrho pulmortar,, bronchite, tisica todas irrila'cOes do peito.
    cbm de BEKTHE, 94, rum des SiclM e em fimm u pkunnaelaa Eslraa tlra.
    Ter cautela com as imitacoes fraudulotat.
    raa ancacia conira a fnaor,
    Seaeala eaa l*arla,
    CONSTIPACOES e M0LEST1AS do PEITO
    XAROPE "T" BRIANT
    PARIS, Pharmacia BRIANT, 150, ma de Rivoli, PARIS.
    As Celebridades medicaa de Paris recommendiio ha mais de 80 annoi o ZAHOPI
    BRIAirf como o medicamento peitoral o gotto mais agradavel e a efficacia maitcerta.
    Depoeito em Pernambuco, A. REGOP

    Bods pianos.
    Cbegados de novo.
    Veiide-se.
    Troca-se.
    e aluga-se.
    No armazem do vapor francos, a rna do Barao
    da Victoria, outr'ora Nova a 7.
    MOBILIAS
    de vime e de faia.
    Vende-se muiio em conta ; cadeiras avulsas, de
    balanco, de bracra e de dobrar : no armazem do
    vapor Irancez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
    ra Nova n. 7.
    Perfumarias.
    Finos extractos, banbas, oleos, opiata e pos den-
    triflee, agna de (lor de laranja, agua de toilete
    divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
    crosmeticos, muitos arligo delicados em perfnma-
    ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
    nhas sortidas e garrafas de diflerentes tamannos
    d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
    dos bem conhecidos fabricantes Piver e Condray,
    No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
    da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
    Quinquilnarias.
    irtigos de disTerentea gostos c
    phantazias.
    Espelhos, leques, Invas, joias d'ouro, tesourinhas,
    canivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
    e caixinhas para retratos, bolsinbas de velludo,
    diia.de couro, e cestinhas para bracks de meninas,
    chicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
    charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
    madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsas
    de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
    pos, lanternas magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
    de damas, de bagatella, quadros com paisagens
    globos de papel para illuminates, macninas de
    fazer cafe, espanadores depalbas, realejos de veio,
    accordaos, carrinhos, e bercos para crianQas, e
    ontras muitas qninquiiharias.
    Brinquedos para meninos.
    A maior variedade qne se p6de desejar de- to
    dos os brinquedos fabricados em diffemtes partej
    da Europa, para entretimentos das criancas, tndo
    a pre;os mais resumidos que 6 possivel: no ar-
    mazem do Vapor Francez, rua do Barlo da Vic-
    toria outr'ora Nova n. 7.
    Calcado francez
    Botinas para homem
    Acabam de chegar grandes jacturas de botina;
    de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqne
    com biqueira, de bezerro com botdes, e com ilho-
    zes a 9^000 (a escolher) por ter vindo grande
    quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
    ao armazem do Vapor Francez, a rna do Barao d
    Victoria (ontr'ora Nova) n. 7.
    Para senhora.
    BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentes
    lisas, enleitadas e bofdadas.
    SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
    pretos e de cores diflerentes, bordados,
    SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
    Para meninas.
    BOTINAS pretas, brancas e decflres diflerentes,
    lisas, enfeitadas e bordadas.
    ABOTINADOS de diversas qnalidades.
    SAPATOS de tranca Portugueses.
    Para meninos.
    BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
    ABOTINADOS esapatdes, de bezerro.de deversas
    qualidadee.
    SAPATOS de tranca.
    Botas de montaria.
    Botas a NapoleSo e a Guilherme, perksfr^.
    meias perneiras para homens, e meias perneira
    para meninos.
    No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
    da Victoria a. 7.____________________________
    E booito
    As almofadas bordadas de la malisadas qne re-
    cebtu a Nfwa Esperanca, a roa Duqoe de
    Caxias n. S3.
    ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUI
    Tratamento pnramente vegetal verdadeiro puriflcador do sangne. sem mercurio.
    A Essencla de Caroba e um remedio h. je reconiiccido enmo um podernso dopura-
    tivo e especial para cura de todas as moiestias que teem a sua (rieero na impureza do san"u-'
    como sejam : as moiestias Syphiliticas, Boubaticas k Esi:bofilosas, Kiikdmatismo, EavasBms D\a-
    :, Ulceras, EbupcSes, etc btc
    THOS,
    Os prodigiosos efTeitos qne tem produzi'o a EMSciacia d Caroba, por I- da pane
    onde ella tem sido aproptiadamente experitertada, a lem feito ad< i iar como um des medicamen-
    tos mais segnros e mais energicos para a cura de todas as moiestias de njiureza nypbillti a a
    boubatica.
    A cada frasco acompanha uma inslrucao para a maneira de nar.
    Pomada anli-darlrosa
    Contra as affec^oes cutaneas, darthros, ccmichoos, etc., etc.
    tugnenlo de imk\
    Para cura das boubas, ulceras, chagas antigas, etc.. etc.
    UNICAMENTE PREPAItADO I'OIJ
    RODQOAYROL IRIAuS, SUCGES^OBE
    Bolie| Francoza
    22 Rua do Bom Jesus
    ANTIGA RUA DA CRUZ )

    s
    22
    ESCRIPTORIO
    a rua da Companbia Pernam-
    bucana n. 2.
    ISIAt AO PRINCIPAL.
    a rua Nov.i de Santa Rita
    ns. 35 a 39.
    Aluga-se o segundo indar.da
    do Marques do Oiiuda n. 4
    sem da mesma.
    casa dt rna
    a .tratar. no arma-
    Alogaie o sobrado da rna do Commercio n.
    fc8, com armazem : a tratar na rua da Cadeia nu-
    mrro36.
    Sitio no Arxaial.
    Alaga-se nm sitio diatante da etttcao da Cats
    Amarella, am toinnto, tendo a casa os segaintea
    tmmodos: % salas, 8 qrtos. cozinha fdra. ter-
    raco, caeittba fiji Wa baaho : a trafcr na
    rna do Craspo D. 16, primeiro andar, ou no mes-1
    ao lugar,, para ver, a chave aclu-se na Ukferna. >
    Esta empreza de transporte de mercadon'as, inaugura o tralego dc suas linbas do
    dia 10 de agosto do corrente anno.
    Servico da Estacito das Cine d Ponta> parn o Recife.
    A empreza encarrega-se da entrega das cartas vir.das i"!a cstrada tit ferro aos seus
    freguezes, de tirar e eutregar-lhes ate as 8 horas dj manbi, as amostras do assucar
    chegado na vespera, pagar d vista do conhecimento o respectivo frete e fazer conJuzir o
    assucar eos outros generos com a maior prompt.dao para 0 annazem dos compradores
    ou recebedores.
    0prepo do transports comprehendidos os services acima menciontd^, a cargo.,
    descarga, e arrumacdo no armazem e :
    Por sacco do assuoar................ 120 reis.
    Por fardo de algodao................ 1G0 reis,
    Ancoras ou barris d razao de......... 2S0OO reisapipa.
    As cargas destinadas aos engenhos e remettidas pelos freguezes da empreza serdo
    iransportadas gratuilamente para a estagdo das Cinco Pontas, eserdo recebidas nno aj
    onde ixistirem ostrilhos, mas em qualquer ponto dos bcArrot do ISccife e Santo in-
    tonio.
    Servico do Forte do Hattos para as ruas m Ape Ilo e Brain.
    A empreza encarrega-se de receber com o seu pessoal os assucares o mais gener;=
    dos trapiches ou do caes, com direc^ao aos armazens das ruas do Appolio e Iir.m e
    qnaesquer outras do bairro do Recife na proximidade de suas linhas.
    0 preco de transporte comprehendida atarga e descarga e arrumacdo no
    zem e :
    Por sacco de assucar................. 80 reis.
    Por fardo de algodao................. 100 reis.
    Por ancoras ou barris d raz3o de........ i3(j0 r&s por pipa.
    Recife, I de 8gosto de 1874.
    41 Rua do Imperador 41
    0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o Cm de
    conservar os creditos de unico neste genero, tem reformado e melhorado completamecte
    o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provinctas do norte e in-
    terior desta, garantindo perfeic&o em todas as prep*rac,oes, aceio e medicidade nos pretos,
    compativel com este genero de drogas.
    Cbegou a grande remessa que Gzemos de pharmacia homeopalhica de J.
    Epss & C, de Londres, composta de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock ie
    Rhus, de Buvonia, de Arnica e de pos especiaes para dentes.
    Tem a disposicao dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure -
    dlco do povo, ja em 3.a cJigao.
    Tem carteiras de globulos e untnras de 12 medicamentos atd 120, i escolha do com-
    prador.
    Plumeria, para mordedura de cobras.
    Seracena (
    \Para bexigas como preservative
    Vaccina {
    China crnzeiro, para intermittentes.
    Schynus, para anginas.
    Calendula, para queimaduras.
    Tarantula, para paralysia.
    Tintara mli d'amica, para contusdes, cor-
    tes, etc.
    k CHEGAREM
    Chocolate homeopathico.
    Cafe* homeopathico.
    Elor d'araruta.
    P6s para dentes, inglezes.
    Jeric6, para rheumatismo.
    Malta mattaou jaboti, para tosses.
    Espirito
    ra.
    de Haheroman ou de campU-
    Opodeldock d'Arnica.
    DftodeRhus |
    >para rhematismo.
    Dito de Bryonia j
    Acha-e constantemonte i testa do estabeleciraente e inspeccionando todas as pre-
    aaraooes o Sr. Dr. Jeeuino Augusto dos Santos Mell
    Cactac grande floras, pora pneumonias t
    moiestias do coracdo.
    CQHBDLTOMO HOMEOPATHICO


    "'"'"
    r-


    V-
    Di^IdaiFemejntoud, 8M**m 22 feiAgffto & lfiiiJKi
    AlnpafP a ra*a n 70. 4 run de S. Wo, o
    sobrado ciim foil", n, 17, a rna de Lumw \atea-
    tinas, e o SnAar lefrto na raa n 41 da raa do
    nang"!, propri* paw a iraiar n. 2 andar do>la ultima casa.
    PENHORES
    Natravessa darua
    dasCruzes n. 2, pri-
    meiro andar, da-se
    dinheiro sobre pe-
    nhores deouro,pra-
    ta e brilhanteq, seja
    qual for a quantia.
    Na mesraa casa
    compra-se os mes-
    mos metaesepedras.
    Palacete
    Ainda esta por alngar-se o palacete da Ilha dos
    Ratos, do finado Custodio Jose" Alves Guimaries,
    oade moron uttimamente o Sr. Or. Ignacio de Bar-
    ros : a tratar na rua Primeira de Marco n. 7 A.
    ~~ Alugram-se daas casas terreas ns. 13 e 15
    na cidade r> Olinda : na rna do Paco Casteihano
    ESCRAVO FUGiDO.
    0 ahaixo assignado, negoeianle na cidade do
    Rio Form^so, tendo eomprado a Manoel Vicente
    aa Costa Perrira, nm mulato de nome Joao, com
    idade de 20 annos, em tantos de marco do crrente, tendo o com-
    prado em 19 d junho ultimo, dizendo 0 mesmo
    Sr. Costa Peroira, que lhe disseram estar no en-
    genho, Pereirinha da frpguczia de Agua Prela, por
    ter no d*to engenho urn escravo por nome Bene-
    dicto, irmio do mesmo cssravo, aconteceu que en
    o ma'ndando ver, f,ii exactoda e.-tar la, mas qnan-
    do die o vendeu ja nao eiistia mais, dizendc-se
    qne tinha ido em urn rancho de ciganos de no-
    me Siniao, intitnlado per forro, para as bandas do
    Porto Calvo, tendo os signaos seguintes : estaiura
    baixa, ramheta dos pe, cw-atriz na testa, cortado
    nas eostas, nio ten barba nenhuma ; por isso pe"~-
    de as autoridades policiaes ou eapitaes de campo
    logo que tenham sciencia o apprehendam e entre-
    gnem aos Srs. Conns Irmaos A; C, na cidade do
    Recife on em o Rio Formoso ao seu senhor, que
    lerao a gratificscao de cem mil reis.
    Rio Formoso, II Dofflingoa de Castro Guimaracs.
    | Bougie perfedionnee
    1 ilii Trone
    On a vela patenlc perforada
    Devia ser usada por t )dos
    Urn experimento bas'.a para prov;r
    que para
    Limpeza, augmento de luz economia e
    apparencia elegante
    excede muit qualquer cousa desta sorte
    que ate hoje se apresentou
    ao pablico. I
    fiEftI3
    Os tres oanaes ha vela servem para : /
    !. evitar que o pavio dwrete mais tea- \
    rina que consuma.
    t* impossibilitar o gotejar.
    3.* salvar vestidos, tapets, mobilias e
    candieircs de serem estragados.
    i. evitar fumaca qae costamam faxer .,
    quasi lodas as ouiras velas e por can- J
    sequencia,
    B. aogmentar a brilhantet da chamma. I
    6.* conlrabalancar a influencia de cor- V
    rentes de ares em recetoendo orn seme-
    lhantes ca>os a stearina snperabundante-
    mente dissolvida e nao eonsnmida.
    7 regular o procesw da qneiraadara
    de maneira qae a stearina inteira iique
    eonsnmida completamenle, porem pra-
    ticalmente.
    Sirva-se comparar e julgar.
    Unico deposito em Pernambnco, no ar-
    mazem do Campos, a rna do Imperador
    n. J8.

    -9 i
    Consullflrb me iticu-ciniTgico 51
    UK %
    A. B. da Silva Maia. jjfc
    Medico parteiro e operadi-r. fL \
    itua do naiiK*i ~* P. |
    Coosultas das 8 is 10 boras.
    Cbamados a quai-iner hor*.
    Gratis aos pobres.
    PUNDICAO DO
    RUA DO BRIM N.
    (Passando o chafariz)
    52
    liOJTA BHIPAVAO
    NA
    Rua da Imperatriz n. 60
    PARA LIQLIDAR
    Oranatllna preta a ftOO m.
    n n r *** PEDEM AOS senhores de engenho e ontros agricultores, e compradores dem-
    0 Pavto reode granadma preta e lavrada hiaismo favor de fazer uma visiu Kxx estabelecimento, para rerem note sortmeo

    to complete que abi tem ; sendo tudo superior cm qualidade e fortidao ; 0 que com a in?
    iiTeiCCH>^SC?^^Q*50O0SS!>oiSf P*3'0 t,ars*" Pro* do 600 re covado.
    _ Precisa P*4a nma ama nara lavar e engom-; ALPACAS PRtTAS A 509, 640 E 800 "J*' truccao pessoal pode-se verificar.
    mar era casa de farailia : "ua da Santa Cruz 0 PavAo tern urn grande sort.mento de *- KESpECfAL ATTENCAO AO NLMERO E LICAR DE SU4 FUHDKAO
    n.46._____________________p (alpacas pretas, que veudea 5i)0, 640 e 800' ,,
    n. ifiS^pfunata-si'e rs. o covado, assim como grande sorti- j V ftpOrCS G TOClaS Q aglia dos mais modernos systcmas e era Umanhos con-
    merto 4e cantfies, borobazinas, princezas venientes para as dirersss circumstanciai dos senhores propnetarios e para descarooar
    pretas, merin6s, e outras muitas fazendas j ^jg^ d3o.
    IVarua da Coucordia
    lava-se por prcco tazoa-tel e ^ronildao".
    AGUAS
    MINERAES
    DE
    NATURAES
    Alufa M por al,!uus mezos'o 2 andar d-
    sobradn n. M da rna da l-nperalriz, completamen
    temobilbado, a pessoa de pouca familia, preferiho
    do-se estrangeira : a tratar no mesmo
    Vidiy-Cnssel
    aV
    de
    lr*forlvels as Vichy-Vichy
    por serem as unicas que conservam todas as anas
    propriedades depois de transportadas.
    Fonte S. Marie, e a mais efflcaz na anemia, na
    albuminaria, na chlorosis, no empobrecimento do
    sangue, e nas febres intermittente3.' Os resultados
    obtidos nas diabetes sio muitj aotaveis.
    Ftmle Elisabeth, nao se altera nnnca e e a mais
    rica dan agnts de Vichy em bicarbonate de tbda
    em magnesia e recoromendada pelos senhores me-
    dicos pela sua efficacia nos engorgitamentos 8o
    figado, do bap>, nas ailecooes do estomago, do
    rins, da bexiga, nas areias e na gotta.
    EXIMSE
    o nome da fontc na oapnula
    Vende-se em caixas e a retalho, no unico de-
    posito
    PHARMACIA AMERICANA
    M
    I''mt'ira Maia A Companliia
    57 RUA DUQUE DE CAXIAS-87
    Nao se prestamdo o pequeno espaco do armazem
    U. tO A, artiaila'Madre de Deos, piri nm a baste-
    cido deposito das diversas mireas de fumo, qae o
    *bio assignado almejava ter, artia se dianteaberto oatro *s a/telacmiento sob a raesma
    denominacao de
    ARMAZEM DO FL'MO
    A' rua do Amorim n. 41
    com todas as pioi>oTcAs ddsejadas, e onde poie-
    To os senhores freguez sJlnglr-se,. certos de que,
    Como ate aqui, ar.h rao sompre a par da raodici-
    dade dosiffacos, a inaior sincaridade possivel. En-
    ire as drnerentes marcas de fumo 3a Bahia e Rio
    de Janeiro, qua-tern ido anmiBciadas, acaba de
    chegar nma encommenda especial, i|ne muitoJdeve
    conviraos senbores fregoezes. Conseieote o abai-
    xo assignado de qua tiefte 'genero de npgocio nlo
    esta sem competidores, fara_ muito por evitar qua
    tarabem w tenba com retacao fco -peqneno lucro
    qae proenrara obter da diu mercadoria.
    tori fiominirnes do Carmo e Silva.
    CRIABO.
    Aluga-se um molequc para criado, bora
    copeiro: atratnr na rua 1. de Marco, loja
    d. 18.
    -i- 'Pede-'se ao Sr. Jose Paulino da Sffva, mota-
    8or no Gatapo-Vwde, quo ar*ij-e a rua do Li-
    Vramento n. 37, fltim de eutender se com o Far-
    reira Junior. _____^_______.
    A1aga-"se o f andar do sobrado n. o3 da rua
    Ba Imperatriz, completameole mobiliado, a pes-
    soa de pefnea familia: a tratar no mesmo.
    O Monte Lima
    tem am omp1eto sortrmSBrto de galao e franja de
    euro e'pra'a. veVdadeiro, de todas bs targoras,
    abotoaduras dourads para otflcises, ('amffih'bs e
    enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
    tedo e quakjaer fardamenW), como seja : bonets,
    talins, pastas, espadas, draponas, ^harlateiras, tan-
    das, abotoatJoras teas e douradas, para ertado,
    etc.; assim cOrdo nm cotnpleto sortimento de
    ranjas, galao falso para ornamerito, cotdso de
    Com b6rra para quadros e eSpelhos (conforme o
    gosto da encommenda) luJo por muito menos
    preco que em outra qaklquer partc : na praja da
    Independencia n. 17, .rotito a loja'do Sr. Aranles.
    1 proprias para luto.
    CAMBRA1A VICTORIA A 49C00, 450O,
    05000 E 7JS000.
    0 PavSo vende am grande sortimento de
    cambraia Victoria e transparente com
    8 1/2 Turas cad a peca, polos ba ratos precps
    de 43000, 43500, W000, 6*000 e 7*000
    a peca, assim como, ditas de salpico bran-
    co, a 7({to00, 6 pechincha.
    A*1SAS FRANCEZAS A 2*000, 500.
    33000 E 33500.
    0 Pavao vende urn bontto sortimento d*
    camisas franceaas com peito de algdflo,
    29000 e 2JJ500. Ditas com peito de linbo
    de 33000 a 63000. Ditas bordadas muito
    finas de 63000 a 103000: assim como
    grande sortimento de ceroulas de lioho e de
    algodio, por precos baratos, e tanabem tern
    eompleto sortimento de panhos e collarinhoi
    tanto de linho como de algodao, por precos
    em conta. ....,
    CORTINADOS BORDADOS PARA CAMA f
    JANELLAS, DE 73 ATE" 253000 0 PAR
    0 Pavio vonde um grande sortimento dr
    cortinados bordados, proprios para cama t
    ianellas, pelo barato prego de 73000,83000,
    10#00 ate- 253000, assim como : colxai
    de damasco de 18 muito fina de 103000
    1?3000 cada uma.
    BR AM ANTES A 13800, 23000 F. 23500
    0 Pav3o vende bramantes para 1-icdes.
    tendo 10 palmos de largnra, semi'- o dt
    algodao a 13800 e 23000 a vara, e do linh.
    a 23i00, 23800 e 33000 a vara: e pechito
    cba.
    Moendas de canna
    Rodas dentadas
    de todos o tawanhos, as mettioTps que aqai etfstem.
    rp
    A
    DAS
    BARKKAS
    Ce Ja que um certo poder assim o quir.
    AlleiiCAo
    Antes >ie fa2er patcnte as sorprendtnles es-
    pe;:a!ida les, eondazidas pelo ultrmo vapor, com
    destino dirrcto ao muito apreciado e frcquentado
    Armazem do Campos, a rua do Imperador n.
    2*, enmpro nm dever de gratidao agradecendo de
    eora^ao, de-de ja, a cnmplacencia dos leitores
    qne lerrm estd annuncio de principio a cabo
    e utilUarem-se de sua indica{3o.
    Isto posto:
    Repere anciose ver enlrar no armazem.
    Quern qitizer da barriga passar bem :
    Alimentacao pura.
    Hassas finis?imis para supa, como ainda nao
    veio a esta nraca, aitento o apurado gosto e snpe-
    rioridade dis substancias prirnas, como se pode
    confiar na franca e esporitanea recommendafao
    do3 medicos mais afamados da Franca e Alle-
    manha. Uma experiencia ronvencera melhor e
    ( r isso nan hcsiteis.
    Escolha franca.
    (.reme de rir, creme do tapioca, fictile dc pom-
    me terra, Dear de farine de mais, seraoule de
    froment, tapi tea do Bresil, flenr dc rir, semoule
    de rir e ontras muitas qualidades francezas, por-
    tugiiezas e italianas. Alem do que ha muitas ou-
    tras novidades que fleam a disposieao dos aman-
    tes do saboroso : tragam dinheiro e garanto-lhcs
    quo satisfarei ao mais exqui?ito paladar. Ver para
    crer, comprar para saber.
    Em conclusao:
    Direi como diria, quem dira,
    \inio todos um maco comprar :
    Sao furadas!
    Sim, sao velas stearina
    De luz saave e mui fins :
    Cinco boras uma dura
    E sao de boa gros?ura !
    Note bem:
    Recommcnda-se particularaiente aos amantes
    da boa pinga a muito saborosa e hygienica canni-
    nhn. fabneada espressamente para regalo dos es-
    tomagos finos e de'ictdos e quo se pode saborear
    aos goles extasiado em vista deste versinho, que
    lem no rotulo cada garrafa l-.ermeticamente la-
    crada :
    Eis aqui a fina canna
    Do baile gota brilhanto :
    E' pura, 6 cheirosa e boa,
    Saboro.a e palpitante.
    mm
    Apparelhos para ba-
    nhos,
    Os immensos beneficios obtidos na
    cura de variadissimas molestias ccm o
    emorego raen nal da agua fria, tem fei-
    to inventar apparelhos, que tornem facil /
    e ao fne-mo tempo util a applicacio des- \
    te meio as pessoas, que por qualquer
    circumstancia nao podem frequentar os
    e?ialjL'lecimentos aproptiadns para tal
    fim.
    A pharmacia central tem oxposto a
    venda os apparelhus que sao hoje repu-
    tados na Europa como superiores, e que
    servindo para os usos mediv-os, podem
    igualmentc servir par banhos de lim-
    peza e de prazer, porque funccionara
    com p'uca agua e em pequeno espago.
    Com taes apparelhos podo-se tomar
    banhos em duches de chuviscos, em co-
    lurnna ascendente ou descendente, ge-
    raes, ou parciaes.
    O mesmo estabelecrmento tem para
    vender apparelho proprio para banhos
    a vapor simples, ou com substancias
    medicinaes, e peqnenos apparelhos de
    immensa pressao para os choques locaes
    1 por meio da agua fria.
    fctf^i
    200^000
    Fugio do armazem do sal o escravo de nome
    Agostinho, preto, descorado, corpo grosso e forte,
    figura bonita, anda de vagar e usa de alpercales,
    abre um pouco os pes e tem um dente na frente
    principiando a apodreccr; foi escravo de Francis-
    co de Assis, do Pombal, provincia da Parahyba ;
    ch^gou a esta cidade no dia 3 de agosto o fugio no
    dia 6, levando camisa de algodao branco e calca
    de brim de cor com lUtras ; consla que pas no Caxanga e tomou a estrada do sertao : pede se
    a todas a3 autoridades policiaes e capitaes de
    catrpo ou qualquer pessoa particular a captura
    do mesmo, e leva-lo a rua^do Marquez de Olinda
    n. 51, loja, que serao recompensados com a gratifi-
    cacao supra._________________
    Precisa se de um portuguez para feitor de
    engenho : a tratar no ptimeiro sobrado passando
    a ponte grandda Magdaiena
    Ha para alugar um bom sltio na Boa ViagCm:
    trata-se na Capungn, rua da Ventura n. 21, ou
    na rua Ni va n. 43. _________
    para animacs. agua e vapor.
    Taixas de ferro fun'dMo, batidoe dcobre.
    Alambiques e fundos de alambiquea.
    JJMiClliniSITIOS para raandioca e algb^ao, e para serrar madeira. I ser movidos a mao
    "R/MYiKaa IP01 a*1u' 'Por-
    DUiii'Jd.b de patente, garantidas........ loa animacs.
    lOCiaS as macninaS 0 p^S3 d0 que se costuma precisar.
    r aZ C[UalqUer COnceTtO de macbinismo, a prer;9 mui rcsumi lo.
    r OrmaS de terrO tem as melhores e mais baratas HinCOmmendaS. Incurabe-se de mandar vir qualquer macbinismo a vontade do*
    elientes, lembrando-lbes a vantaejem de fazerem as compras por intermedio de pessoa
    enttndida, e que em qualquer necessidade p6de Ihes prestar auailio.
    Arados americanos e instromentos agnc u%.
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O CHAFARIZ
    I
    w*
    "5**
    PHARMACIA NORMAL
    m
    WJ
    ^iESSi
    Marfltra, -apllsta A C. teem a -hflnra tificat ao respeitavel public qne ahriraih no pri-
    meirt) aTidar do sobTa^o a rua larga doflosatio n.
    S4, am salao dc cabelleireiro, sob a direccilo do
    habil artista Carneiro, bem conhecido do public i
    pela boa exeeneao de seu trabalho. No mesmo
    estabelecimento acha se montada uma grande offl-
    cina de postiQos, dirigida por nm artista insigne
    pela perfeicao de suas obras, que sao em tudo
    iguaes as melhores que vem da Europa. A dl -
    visa deste estabelecimento e a modicidade de pre
    co e pontualidade na fiol execu$ao de qnalquer
    pedido, por mais dilbcil que seja. para cu!o fim
    acha se excellentemente provido dos artefacts ne-
    cersarios.
    CHARUTOS
    DE
    Jose Furtado de Simas.
    Unico deposito em Pernambuco, a rua do Mar-
    quez de Olinda n. 15, de Bourgard A C._________
    Cozinfieiro,
    Par;, casa de poquena familii, precisa-se
    um bom cozinheiro de conducta : no caes
    Aoollo n. 71.
    do
    do
    CO
    00
    '
    t?o
    " Traspas^a-se a chave flo sobrado de, um an-
    dar e sotao, sito a rua de Santo Amaro n. 8 : a
    tratar no mesmo, de manha ate 10 horas, e de
    tarde das 3 as 5 horas.
    Illm. Sr. Manoel Brasilino de Arruda W
    Camara queira fazer lavor de entender- J**
    se com Tasso Irmaos 4 C. a negocio de ge,
    muluo interesse, a rua do Amorim n. 37. gj,
    Signaes do negro Feliciano
    Crioulo, idade 40 annos, pouco mais go. menos,
    alto, corpo regular, bem preto, desdentado, barba-
    do, mal teito de p6s, tendo .um dos dedos grandes
    ou ambos bastante tonos. Acha-se fugido ba 6
    mezes, desta segunda fugida, e da primeira esteve
    dous annos no engenho Tombador, fregaezla do
    Bonito, pertencente a Francisco de tal, genro do
    capitSo Christovao Jose Machado, senhor do'en-
    genho S. Christovao, da dita freguezia, e por estes
    engenhos esta occulto, como tem estado. Veio pela
    primeira vez preso pelo capitao de campo Joao
    Ventura, que raora era Agua-Preta : recommen
    da-se a sua captura as autoridades policiaes e ca-
    pitals de campo, e leva-lo ao engenno Minas No-
    vas, freguezia de Gamelleira 0 dito negro intitu-
    la-se forro com o nome de Jos6 Feliciano.
    Achando-se em Hquidaeao a loja da aguia
    branca, sio convida ios os devedores da mesma a
    virem saldar seus debitos ate o !im do corrente
    mez, certos do que depois deste prazo serao os
    mesmos cobrados jodieialmente.
    Recife, 20 de agosto de 1871.
    Ignacio Hezerra Pessoa faz sciente ao res-
    peitavel publico e com espi cialidade ao corpo do
    eommercio, que no dia 11 do corrente dissolveu a
    sociedado que tinha com seu irraSo Joaquira Be-
    zerra Pessoa, cuja firma gyrava sob a razao de
    Bezerra & Irrraos; ficando sob sua responsabili-
    dade o activo e passivo da extineta firma, como da
    qoilacao que de sensceedoresobleve o referido sea
    ex-socio e irmao.
    Recife, 18 tie agosto de 1871.
    Ignacio B'zerra Pessoa.
    Aluga-se
    Pede se ao Sr. Franeisco Leal de Barros,
    qne m.rou na cidade da E>tancia, provincia de
    Sevipe, o favor de vir a rua do Crespo n. 16,
    prin.eiro andar, a neg cio ; faz-se isto por igno
    rar-se a sua moradia.
    Lustres, candieirose
    CALISTO.
    Fugio no dia 16 de julho proximo passsado o
    escravo Calisto, tendo os signaes seguintes : esta-
    tura regular, bem preto, beicos grossos, p6s feios
    com marca di cravos, uma cicatriz na costella
    esquerda junto ao vasio, pouca barba n o
    queixo e idade de 22 annos. Pede-se as autori-
    dades e capitaes de campo a apprehensao do re-
    ferido escravo e leva-lo a rna Direita n. 40, pri-
    meiro andar, que serSo generosamente recompen-
    sados (os ultimos) ou ao engenho Cabrunema,
    freguezia da Escada. .________^_^^__
    Hiilel Central
    DE
    Hcrcolano de Ilaltaoia Caealcante
    Na villa de Pao d'Alho acha-se aberto nm hotel,
    qae offerece todas as commodidades para as pes-
    soas que passarem, e por preco mais commodo do
    que era qualquer outra parte.
    No mesmo hotel tem quartos para senhoras, ex-
    cellentemente preparados com cornmodos para
    crianeas, coi>promettendo se o dono a servir bem
    com zelo, assaio- e promplidao.
    Todos os passageiros enconirarao aempre boa e
    asseada refeicao dorinte as horas do descango e
    do repouso.
    Ha no mesmo hotel excellente coxeira para ca-
    valios, carros, sendo aquelles bemtratados e estes
    recolhidos, tudo por pre^o mais commodo do que
    em outra qualquer parte, e cada cavallo a 500 rs.
    por dia e 500 rs. por noite.
    Espera-se que haja concorrencia.
    Grande pechincha a 4^000
    e 5#000
    CORTES DECASKMIRA.
    0 Pavffo recebcu uma grande porcSo de
    cortes de casimeras de cores para caiijas, e^
    vende pelo barato preco de 4^000 e 59000
    cada corte, na rua da Imperatriz n. GO, loja
    dc Felix Pereira da Silva.
    ESMERALD1NA A 800 RS.
    0 Pav3o recebeu um bonito sortimento
    das mais t-legantes esmeraldinas com listras
    de seda, sendo era cores e padrSes as mais
    novas que tem vindo ao mercado, proprias
    para vestidos, e vende pelo baratissimo pre-
    co dc 800 rs. o covado, A rua da Imperatriz
    n. 60.
    6 Pavao queima os artigos
    seguintes:
    Cortes de combraia branca, transparente,
    com enfeites bordados de la a 5#000.
    Dit s todos brancos bordados a 120000 e
    159000.
    Ititos muito ricos a 259000.
    Bonitas lansinbas para vestidos, com lis-
    tras de seda, covado a 800 rs.
    Ditas ditas transparentes e de muita fan-
    tasia a 500, 610 e 800 rs.
    Cintos de setim de todas es cores a 5U000
    Panhos com goliinbas de esguiSo a 500 rs.
    Sediuhas de cores, sendo de listras e la-
    vradas, com toque de mofo a 19000.
    Ditas de dita ditas scm mofo a 19600 8
    29000.
    Diversas lansinbas para vestidos, de 240
    attS 500 rs.
    Colchas de fustao brancas para cama a
    29500.
    Ditas de dito de cfir a 49C00.
    Cambraias brancas, abertas, para vesti-
    dos, corte a 89000.
    Corles de cambraia branca com bonitos
    enfeites bordados, de cOr, com figurino a
    69000.
    Pecas de madapolao com pequeno toque
    de avana a 45500.
    Ditas de algodaosinho muito encorpado,
    com leve toque de avaria a 40500.
    Madapolao enfestado com 12 jardas em
    perfeito estado a 3000.
    Pe^as de madapolao com 20 jardas a
    40500.
    Brim pardo para roupa de homem e me-
    ninos, covado a 400 rs.
    Cobertas de cbita para cama a 20500 e
    30000.
    Bramante de linho com 10 palmos de
    lagura, vara a 206CO.
    Atoalhado com 8 palmos de largura, vSra
    a 10500.
    Espartilbos brancos e de cores a 40 e
    50000,
    Crteos de casimira a 40 e 50000.
    I,E ~
    JOSE! ElilAS HE MOIRI & C #
    17Largo do Mercado Publico17
    (Aiitiga ribeira de S. Jomc.)
    Acaba de ser aberta e acha-se a disposicao do respeitavel pnblieo esta nova phar-
    macia e drogaria, completamente provida do fnaispensavel a um estabelecimento dessa na-
    tureza, sem excepcao de prodnetos cbimieos e medicaraantos preparados no estran-
    trangeiro, tudo As receitas dos Srs. medicos serao sempre drspaehadas com a mais seria attencao,
    e sempre sob as vistas do pharmaeetrtieo qne compSe a nessa firma social.
    As pessoas qae se dignarem de bonrar o nosso esatbelecimeato com a sua confian-
    ca, podem estar certas de qae serao conscienoiosamente servidas, nao ?6 rentivamente ao
    qne pedirem, como tambem a modicidade dos prap*.
    55
    o sobrado de dous andares e loja, sito & rua da
    Aurora n. 79, tendo agua, gat, estribaria, cocheira
    e cozinha : a jralar n* mesma rua n. 81, segundo
    andar.
    A empreza do gaz, tendo recebido altimamente
    ama quantidade de lustres, candieires, arandellas,
    globos etc. etc., tudo oora de gosto e tij primeira
    qualidade ; acha se em posiclo de rupprir a seus
    freguezia, por precos men res do que antigamen
    te. Para verem as amostras, dirijam-se a rna do
    Imperador n. 31.
    Aluj
    _ga-se
    as caas n. 1S1, sobrado na rua fmperial; n. 13,.
    3 aniar, na rua d. Bom Jeus; n. i"l, em Santa
    Bita, e f andar e sotao na rua da Aurora n. 37 :
    a tratar nesta rua OS'.
    S. CARLOS
    FEUDAL ES AUACAHUIIA!
    Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
    ditos soQriinentos ao doente,
    Calma, modifies e suavisa a dor,
    Alii via a irritacAo,
    Desenvolvo ejentendimento,
    Fortifica o corpo
    e faz com que o systema
    desaloje d'uma maneira prompta e rapid*
    J~;nAilsen,ons.e dacas? do 8eus 9enbore8> n! ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
    dia 19 do corrente, a preU Bernarda, nacio An- ,. __. ~,j;j_ j r ,.. tn
    gob, de 60 annos de idade, pooco mais ou menos | melbores votos em medicina da Europa, (os
    Z bem conhecids, principaimente no bairro do, eutps dos collegtos de medicina de Berltm
    Recife, pof ter sido escrava do fallecldo coronet testificam serem exactas e vcrdadeiras egtas
    Francisco Mamede de Almeida, e ullimamente do reiaCoes analoaicas, e alem disso a expe-
    S^^K I^SSr w^TS fargoTo rienS de milLres de pessoas d. America
    Corpo Santo, que sera recompensado. i Hespanhola. as quaes foram curadas com
    I PF.1TOBAI DE ANACAHUITA!
    Dove-sf, notar quo oste rcmedio se acba
    \nteirmentt' isi.-uto do veunnos, tanto mine
    Conslrnclor e afiia4or de pfeiws
    55Rua do Imperador
    Ex-afinodor das antigas e afamada^ casas Pleyel if Iferz, e antigo direc lorda-
    officina da casa Alphonse Blondel.
    Tem a bonra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem abcr'
    sua casa de concertos e afinacdes de pianos, qualquer que seja o c.tado do mstran.ent
    A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento d<- pianos dos melho-
    res fabricantes de Paris, como Erard Pleyel, ffmri Hvrx e Alphonse Mr,ndel, tod. *
    os pianos sahidos da casa Dhibaut sio garautidos.
    Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
    FUMMCAO DE FERRO
    k' rna do Barfto do Triumpho (m do Braia) bs. 100 a MM
    CARDOSO 4 IRMAO
    AVISAM aos senhores de engenhos c outrcs agricultores e ao publico em gcrai q
    sontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e macbina s no
    cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais modernas e melhor obra qne tem M
    jo mercado.
    VaporeS de for^a de 4, 6, 8e 10 cavallos, os melhores qne tem vtndo ao mewl,
    UaiQeiraS de sobresalente para vaporcs.
    jlOeilQaS lllteiraS e meias moendas, obra como nnnca aqai veio.
    TaixaS ;fundidaS e batidas, dos melhores fabricates.
    tlOdaS Q aglia com cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
    tvOdaS QentauaS de todos os tamanhos e qualidades.
    Rel0gi0S e apitOS para vapores.
    DOIQDaS de ferro, de repucho.
    AjadOS de diversas qualidades.
    PormaS para aSSUCar,grandes e {wqaenas.
    VarandaS de ferro ftindido, francezas de diversos e bonitos gostaa.
    E OgOeS IranCezeS para leoha e carvio, obra superior.
    DitOS ditOS para gaz.
    Jarros de ferro fundido para ardim.
    P6s de ferro
    Machina
    Valvulas
    UOrreiaS lDglezaS para macbinismo.
    Bail COS e SOtaS COm tiras de madeira, para jar dim.
    Ooiieertoa concertam com promptidao qualquer obra on machina, pan o qne le
    sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
    RneOTTlTtiendaS man(Jara v"r Pr encommenda da Europa, qualquer machmisnv;
    para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londr**
    i com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assenu
    titas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
    RuadoBarao do Triumpho (raa do Brum) ns. 100 a 104
    FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.


    para
    para mesa e banco,
    para gelar agua.
    para bomba e banheiro.
    X llxar
    Casa Caiada e Rio Tapado.
    Jose Jaeonn Tasso, senhor e pitssaidor, por ti-
    tnlos legiiiinoj dos siting Caa Caiada e Enseada
    da Mai Lacrmaa, em Rio Tapado, termo de Olin-
    da, pwviw a |oana inte.ressar pos-,-i que nio faca
    coDtratn aUniii le 'oora, arrendamento, per
    mnta, pf. ". n "iitro qua'rjiiHr oefocio, com
    terras do- >< iiio?, |e,nh r di e i-eri'i nullv taes contrates Vendn-ne on arrenia-se o engetih.i s CUtloS, bto
    a^r; .r i i oor u direitoam qB'es- iMuva, ntoatta a *urw*t'p, com todas as obras
    ftr *i> 'i,,!ureni os ditos -m p-rfcito estado da euanervaeao, a mukalao
    coptr i, vj-lt-j vai desde ia 'd'agua : a traur na travessa rja raa Huque de Ca-
    oas dos re ridos silkn pate! ttas o '<. 1* andar, com (VUfrisl AutooJo da Castro
    s. QuiWfete.
    YELOUTINE
    8 UMA KSPECIB 1
    P03 de FLOR dc ARROZ
    Eepcilnientepreprdoecom bismuth
    " te ri
    oi ooosegninte
    mna tocao aaadavel

    es, como vegctaes, cinquauto que algunb
    lefles ultimos, e particularmente aquelles
    qw> sSi fTadossob a forma de opto, e aci-
    ln h^droiianico, forruam a base da maior
    parfc dbs Garottes, com os quags tSo fa-
    ilrBeit* sa eilflr.ua a rredt|liBaife do pu
    llit*. A i-oinppsiciQ ral *cha-nMin8a e ftrit>saiBeble eYtgafrafada
    ora jfrasco* >\t ntai4a quaftilha cada. um,ecamo a d6se quo sei
    torrta e* So'allma cmbftr pequena, basta
    ^eriimeute A appl!<*(,6 d'utn Ou dous fras-
    cosjaflr t^rRfHrWir^rj a qbatqilef ctfi'a.
    Xiha-se a veuda em todas as boticas.
    H. frrjgfefsoTt., SgSBtgS.
    Cabelleireiro francez
    Rua do Marmiez de Olinda n. 51
    !. ANDAR.
    Pedro Routier, oflioial de cabelleireiro e gerente da casa de Gostave tiervelin, cabei-
    Wrei|o franeez; tem a bpnra dopreVellfir is Exms. Srs. famiiias que acaba de iaaer a ac-
    quisicAo de um pawto oflieial vin*o b|'pouco de Paris, o qual esta habirrtad a deaea-
    pennar qualqi.er eucou tueuda de raa Mie, e se acha a disposir;io das pessoas que deseo
    prestimo se queiram utilisar. O'ulro sim scieptifira que em sen eBiabetecimeiilo encon
    trarao sempre a Monitor dos coMimreiros, onde se acbam descriptos e desenhados todos
    os penteados modernos, para aoiaisi casamentos, bailes etc.
    Fiafilmeote prevfoe is WsmJaTeicellentissimas senboras, que tweben um complete
    sortimento dacoauu*, oacbAp*ines,and69, creac)te8 &., Taode-tuao pt4t precos
    abaiio mencionados:
    Coque 4b eab*Mo ie If*, iOj I
    Traooas da dita Wt, J ?W
    Cachepaine de djtp mfi< *V
    Crescpntes de dito fc ij3!^* ,
    farabam ercontrarao um cofivletjjsortiraento recebido J P*0^* m *
    as cores e comprimeuto,, a&.Pb!
    K. 51.Rua do Marquex da OlindaIt. 5i.
    /


    '^' -'"'----------------------

    \
    '
    do Gabello
    Diario Me Fethambuee. ~ Sahbado 22 a^^M^^i^lPW^
    DO

    Dr. .dyer.
    . Para a i enovac5o do ca-
    be!lo, nisti"uicao de sua cor
    e vital idade primitiva e nat-
    ural.
    O Visor do Cabhixo 4 uma preparaca ao
    tnesmo tempo agradavel, aaudavaTe, effica* para
    conservar o cabello. Por meio do seu uso o
    cabello ruco, grisalho, e enfraquecido, dcntro da
    poaco tempo revolve a cor que The e* natural e
    primitiva, e adqnire o brimo e a frescura do
    eabelbj da juventude; o cabello ralo se torna
    denga e a calvicie muitas vezes, poeto que nao
    em todos os cases e neutralizada.
    Nia ha nada qua pode reformar q cabello
    lepois dos folliculo* estarem destruidos, e as
    glandes cansadas e idas, mais se ainda restarem
    algiMas podem ser salvadas e utiliradas pela
    applicacao do Vigor. Libre de essas substancias
    deleterias que tornam muitas preparacoes de esto
    genero tarn nocivas e destructives ao cabello, o
    Vigor 8dmente lhe e beneficial Em vez de
    strjar o cabello e o fazer pegajoso, o censerva
    limpo e forte, embellisando o, impedmdo a queda
    e o tornai-se ruco, e por conscquinte previne a
    calvicie.
    Para uso da toilette nao ha nada mais a dese-
    jar; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
    manehar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
    perdura no cabello, lhe da um lustre lusurioso,
    e um perfume muito agradavel.
    Para reformar a cor da barba, 6 necessario
    mais tempo de que com o cabello, porem se pode
    appresssr o effeito, envolvendp a barba de noite
    com. um lenco molhado no Vigor.
    PREPARADO Pom
    Dr. J. C. ATER & CA^ Lowell, Mass.,
    Estados TJnidos,
    Chimicol lr VENDE SE JPOR
    Sabonete vegetal pre-
    servative do conta-
    gio venereo.
    A de.-ei berta de urn meio preservativo
    da infec;ao syphilitica tern occupado a
    aitenvao de muiios medicos notaveis
    desdeepeca mui reinola, a i.-to movidos,
    sera du.vida pelo desejo de pouparera a
    humanidade as lunestas consequencias
    du contacto e absorpcio de ura pus tao
    malefico.
    0 Dr. Antonio Ferreira Mouiiufao, dis-
    tincto medico na cidade do Porto, e ho- '
    room abastado, qae com o mais desio-
    teres*ado empeufco se cntregou por
    longo* Moos ao estudo e ensaios para at-
    tingir um tao louv.-ivi.-l quao humanitario
    desideratum, julga ter descoberlo subs-
    tauens vegetaes, que rennidas em fur-
    ma de sabonete, produzem com emcacia
    e de uma inaneira infatlivel o pretendi-
    do enVito.
    Sua eonvicgao e tal, em vista de nu
    merosas experiencias feitas no hospit.l
    da cidade do Porln, e do bom resultado
    que o public tern obtido do uso de lal
    preparacao, que elle offerece o premio de
    um conn ds reis fortes, ( como se le no !
    jornal ActuUidude do Porto do 2 de
    maio deste anno.) a qaem lhe pruvar a
    improfieuid.-ide de seu invento.
    Por aatorisacao do Dr Moulinho, o
    unico deposito de sem sabonetes para
    esia provincia e para todas as provin-
    cias do norle, e a Pharmacia Central, e
    para obstar a luabraer fraude sarSo eon-
    siderados falsitieados todos os sabonetes
    que nao levarem o rolulo deste estabele-
    cimenlo.
    Phrmaeia Central
    33 -flua do linperador 38
    *t
    \
    Ml
    --
    s\le. s*WDd^r>*t a rua Uuque de Ca
    Mjljt *. k : a Uatax u* wja.
    C0MP/is
    DE LITEIR.I
    No I." andar desta typographia, das i horaj da
    tarde era diante, f dira quern precia comprar
    4
    re o
    Aes'jieEvosas Gt 'E2L
    A .NOVA ESI'KHAXC,\ ac.ba # reebet u*l-! VtuMmtiMmi** A-Ai
    s imJagnosos anncis elucificos, cura iqfaliivei dn uma tejjo.-4*fij#, dft tt^e.ra >,***?* cat.
    rente, Mm obfado, e com terrenes murto feroia
    nervosus..
    E' com as scohoras.
    ]
    -:-!
    c immm
    uma.
    A VINO
    Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro
    >:arapina, paga-se bem : a tratar oa thefouraria
    las lotenas, a rua Primeiro de Marco n. 6.
    rastes.

    Compra se e vende-se trastesnovos
    e usados no armaxeui da rua o lin-
    perador n. 48
    A Magnolia, a rua Duque de Caxras n. 15, par-
    tioipa a beMe sexo que aeaha de retvfcer 4a Bu-
    ropa, um eomplclo sortimenlo dtartigos de ulii-
    ma WO.'a, e Ci'UW acha ilesiiece^&aiio faier u
    enfadool.o anuuncio. p..r ja m b.^t^ote e..nh*- ria das lotenas a nialo Cre^po n 7, vende"su*a
    eiaa, ecaprichar sempre em ter bons correopon- c*si de laipa e lerrenos de sens silios no lucar
    a prineira qua aprenenta o que ha do Salg^dinao : a tratar somente eom
    . Ajupnio Jos* Itodrigqes de Souaa, na tbesoura-
    p^la facil applicant) das
    S0NDAS0L1VAES
    BE
    : GOMMA EHST1CA
    As mats moderdSs e aperfci^oaJas de todas
    as couhecidas
    VendeiB-se
    ah do
    DE
    RB1ST0L
    denies.
    de ma is tnnderuo e por pre^os mui raaoaveij, p.,r
    a dercrever sumtnte o scguiute
    lugar
    o mesmo

    No arnsazem a rua de Santa Rita n. 37, coin-
    prase trapes enxuios, cobre velho, ferro velho
    batido (ssos, chifres e unbas de boi.
    CAPIM
    Compra-se mil feixes de capim pera plantar
    a tratar na rua do Crtspe n. 16, l "andar.
    1TJ*BAS.
    fi BOM SARfiR-SE
    Que^ NOVA ESPEIUNCA. a rua Duque de
    Caxias a. 63, bem conheci-la pela superioridade de
    seus arHgos de moda e phantwia, acaba de reco.
    artiew nronrio^ ran nre- wa8 encowmendas da nr adorias de sua
    ^ropnos para pre- repartKja, que pel* #Jegaiwi, t,m rnosira aplidao
    e bom^p lo de seus antigos corresp. ndentes da
    Europa, e por esia razao a NOVA ESPERANCA,
    a ma Ouque de Caxias n. 63, coavida a sua boa
    e constoate (reguezia e com especialidade ao sexo
    amavel, a vi.-uarcm na, aGu oe apreciarera ate
    onju tgea o prircor d'arte.
    A NOVA ESPERANgA nao querenlrar no nu-
    mero dos massantes (verdadeiro* azucrin?) com
    extensosananucioe e mm pretende descrevar a
    immensidde.de objectos quo lem expostos a. vea-
    da, o que^eria quasi irnpossivel, raas liroilar se ba
    a mencionar alguns daquelles de mais alia novidade
    e toma a liber ade de aconselhar ao bello sexo,
    que a vi>item conalanleneiite, para depots que
    comprartm em ouira qualquer paite l4o se arrer
    peodergiOi a vista do bom e e.-colbjdo sortimeBto
    quoba cm d'ty estabelecimento, e.ta razao tam-
    bem dememsta qua qoalquer senhc-ra do bom torn,
    nao podera complU a elegaucia da sea toilet
    sem que d6 um passeio a NOVA E.SI'ERANCA, a
    rua Uuque da Caxia n. 63. a qual acaba de rice
    her osseguint sartigos deluxo e inleira novida
    de :
    iv-o liimta-sc
    SeHan douradas.
    Ilifuf* de cdres, fan-to. de soda conio de gnipnro.
    ''* dourados, de madreaarcla, inarlkn, tar-
    taruga, os>o, etc.
    *iilii Prcaentet). diversos
    sentes.
    Cioltnlias e punhos.
    u">u*i para missa, com capa de madreperob,
    larldruga, inarlim, vtlludo, etc.
    Snpnlinlioa de setim para'baptisado.
    4'iimiHaM bordadas para senhoras.
    lAgun, de seda.
    iranjim mosaicas.
    Adcrc4*s de tartaruga.
    VoIIuh de madreperola.
    IfilselrnK de madreperola.
    Llndaa Mores para eabeoa.
    BalHaa de velluJo.
    IVrfuuiaiias dos tneiuores e mais afamados
    fabricantes.
    (Eiain'ox df. sol para senhoras.
    i'iitiH de velludo de ludas as cores e largur^s.
    Moscas. '
    Quereis livrar vos destes roalditos insectos? com,-
    prai uma tmchina de malar moscas por 3*000
    na Magnolia, a rua Du jue de Caxias n. 45.
    NA
    PHARMACIA K DROGARIA
    DE
    Bartholomeu & C.
    3'*-- Rua larga do Kosario -- 34
    i
    No Barateiro
    i
    Grande pechiucha.
    Cortes de gorgorAo de seda
    pnra collcte a '& e chap^os
    de sol de seda a j.
    Vende-se curies de gorgarao de seda de cores
    para n.llete, pelo baratissiroo preco de 2* e eba-
    peos de sol de seda i or 8# : quem duvidar ve-
    ni)i>er e comprar, na rua do Duque de Caxias
    a. 88, loja de Dernetrio Bustos.
    E' economico.
    Graxa glycerina propria para a conservacao do
    cordovao; v. nde a NOVA ESPERANCA, a rua Du-
    que de Caxias n. 63.
    Calvice.
    A Magnolia, a'rua Duque de Caxias n. 45, ven_- SJ*SMS2R! '?"''."-* eafceHo$
    de overdadeiro Vigor de Aver, que impede a' Pr.m.rujos levies re puanlasia.
    cahida dos cabello-. ,Bomtaj tahidas de bailes parx tenhuras e meni-
    SardaS e DailOS. I InterewairleS gravatas para seuhoras.
    Sotem sardas e panes queoi quer; porque a Kleanl fa,-has de touquim
    Magnolia, a rua DUl|ue de Caxias n. S km para u"s a,d,,re"* a* ?****#* ,
    vender a verdadeira Cuticnleria, que fax desa .pa- I>eHcadH.adeii-i,a pretos de puUo e borracha
    rua 1. de Marc.0 n. 1.
    (Antiga do Crespo)
    Confroute ao arco de Santo Antonio.
    Os proprielarios deste esUbelecimetjto, resol-
    vendo fazer acquisigfto de novas fozendas, por isso
    fazem uma liqoidaeao por baratos precos da ja
    exittenles, para com inaior presteza liquida-las.
    A_saber :
    Liuinbas escocezas de gostos mnito lindos e in
    teirameme notos a 140, 160 e 200 rs. o eovado I
    Ditas com lislras de seda, lindos padrdes, a 300
    rs. So aqui I
    Ateassiunas com lindos desenhos e cores lixas
    ?. 400 rs. Como sao I'ndas.
    Uaptistas com barras maiisaias, bonitos gostos,
    a 360 e 4t-0 rs. Que padroes lindos.
    Cbiias escura^ o tiaras a 240, 260 e 280 rs., e
    A '.', I) < < -:i A InriUirn I
    recer oslas manciias em poucos di.'i*.
    Vendem
    Wilson, Rowe & O.
    Em seu armazem a rua do Trapiche n. 14, o u
    guinte :
    Algodao azul americano.
    Fio de vela.
    Carvao de pedra de todas as qualidades.
    Tudo rauito barato.
    Vende-se na rua doCommercio n. 4. cerveia
    Noruega, marca M L :
    Bitter Augustura.
    Rum de Jamaica.
    Quadriihas.
    A' rua do Barao da Victoria n. 17, loja de Pe-
    dro Emilio Roberto, estao a venda tres lindas qua-
    drilhas para piano, a U0OO cada exemplar.
    Salsa-panilha do Para
    Tein para vender Antonio Luiz do Oliveira Aze-
    vedo, no seu escriptorio, a raa do Rom Jesus nu-
    mero 37.
    Grande descoberU
    Curativo das molestias do
    peito pelo
    Xaropc de sulpliito de soda
    DE
    .1. Hl':Kt\KT
    Este importante niedic.imento que acaba de ser
    reconhectdo pelos distinctns Drs Zalloni e Paras-
    chevas como um verdadeiro aspn ifico contra a
    phtysica, seguudo provaram nos grandes nuine
    ros de casos por tiles exuerimentados, como se \6
    na Bessao da acaJemia de Paris de 24 de marro
    do corrente anno, enecntr.i-se unicamente uo
    Deposito da i barmacia e drogaria
    de
    llnriuoloincu & C
    y. 34 Rua larga do Rusario N. 34
    (gosto upvujL..
    JV- raa do Cabujra n. 1 A.
    Os pr^prWstariirf da Predilecta, uo intuito d*
    conservar q Jpom cuiceito que teem merecido do
    respeitavel pphlico, distinguindo o seu estabeleci-
    mento dps mais que negociam no mesmo generc
    veera siseatltfear ays seus bons freguetes que pra-
    vemrain aosseus eorneipondentes nas diversaspar-
    cas d'EuTQpa para Ihes enviarem por todos os pa-
    quetes os o^ectos de luxo e bom gosto, que se-'a.
    jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes (dlia8 c2*"h paia se,'h'jra (^I'aca) a
    daquelles paiaes, *reh> aproximar se o tempo de |Pe?? a f*"00 H E ?u "f" haratn
    festa. em ana o bello seso desta. limla vVp*,. L^"^ Pur.tao de camisas francezas
    percales muito (mas a 3iO rs. 6 o barateiro I
    Metins de gostos novos, ainda nao vistos, a 280
    : e 300 r>. Mandtm ver as amostras !
    I Crelunes eseuros e claros a 300, 400 e 440 rs.
    E'barato.
    | Cambraia tapada e transparente a 3#50O e 4*.
    epip. 8 J|2 varas. E' peclnncha, o barateiro quei-
    iii', nao veude
    Cortes de cretoue bordados a S450O. Somente
    para aeabar I
    Ch les de casemira asm listras a 3JS5C0. Pelo
    preco e baratissimo.
    Brauiante de linho de dnas larguras a l#M0 a
    vara I E' exact'.
    Br m traiicado pardo a 280 e 400 rs., e de co-
    res (Angola) a 30(> rs. o eovado. So aqui por w
    te ureco.
    Grande Kitimento de chapeVs de seda, merino
    e alpaca, para homens e senHoras, par* homem
    i a 3*500 e 4i50>', o do seda superiores a 96,
    para stnhora (alpaca) a 2^400 e de
    ? e.
    de linho a
    32*, 405 e 44*. Sio moderoas.
    Madapo!ao fine a 5J e 5i>00 e francez a 6J.
    E pechincha
    Algodao Rabia com 24 varas a 4jOGO e 5*000 a
    Escravo.
    !
    j
    i
    EXTRACTOMGARNE
    IX)
    Ilr. Uialuita.
    \i u i t o n o v o
    CHEGADQ RECENTEMENTE
    L'nico deposito a Pharmacia Ameriiana, de
    Ferreira Maia i C, rua do Duquo de Caxias nu-
    raero 57.
    E' com as noivas
    A NOVA ESPERANT. \, rua Duque de Caxias n.
    to, acaba de receber boa- meias ds seda proprias
    pera noivas, e os apreciaveia ramos de larangeira
    Aluga-se o I.; e 2 andares a o armazem
    da rua dos Burgos n. It (Recife), e.-ta caiadu e
    pintado de novo : a tratar com Jose Feliciano Na-
    zareth, na rua de Pedro Alfonso n. M, outr'ora da
    Praia. Tambem aluga-se uma easa ;errea no bee'
    'o Tapado (Recife).
    Attencao
    Andres Glantz, relojoeiro, por incommodo de
    jaiide retira se p.ira Europa, por isso vjnde o seu
    estabelecimento de relojoaria, a rua do Bom Jesus
    n. 39, com arma^o envidraeaila, propria para
    qualquer negocio
    Alnga se o armaze.n do sobrado da rua de
    I) Maria Cesar n. 37, proprii para recolher latent
    das por ser muito espacoso e reedilteado de novo,
    ou para qualquer estabelecimento : a tratar na
    rua de Domin4os Jose Martins n. 48, auliga Sen-
    zala Velha.
    Aloga-se o primeiro e aegundo andares do
    sobrado sito a made Lomas Yaleotinas n. 86,
    com bastantes cemmodos, cada um, para grande
    familia, tendo o mesmo sobrado quintal e portso
    qua da sahida pan a rua de Horla;: na rua No-
    ,va n. 17.
    Aviso.
    A visa se que as aucoes entre aniges, de um
    optima piano, aUioele com 3 brilhatiies e outros
    objectos, corre como titrtHi silo nabanciada, eom
    a loteria 112, e para o pagameato, na rua- Im-
    perial n. 109.
    Vende-se ura mnlato de 40 annos de idade, tem
    boa conducta, e carroceiro e apto para qualquer
    servico : a rua do Ho9picio n. 81.
    Engenhos em Mamam-
    guape.
    Vende-9e os seguintes:
    Barra,
    Preguica,
    e PatricU.
    A tratar com seus proprielarios nesta cidad
    e para informacSes com Joaquim Pinto de Mei
    relies Filbo na mesma cidade de Mamamgoapi
    __________________Tasso Irmaos A C.
    Engenho a venda
    Vende-fe a dinhciro ou a prazo um engenho
    moente e corrente, de animaes, com pequena sa-
    fra creada, a uma legoa d stante da villa de Pal-
    mares, estacao de Una, de bom terreno de varzea,
    podendo safrejar 2,000 paes annuaes, com propor-
    c3o a ser de agoa, podendo ainda ser accrescenta-
    do ao ponto que se queira, com terrenos annexos
    que se vendem : quem pretender, entenda se com
    Joaqoim Rodrigues Tavares do Mollo, nesta cidade,
    pra(;a do Corpo Santo n. 17, 1 acdar.
    Grande liquidacao de charu-
    tos da Havana
    Flor Regalia.
    Iskaodro.
    El ordem.
    Roa do Marquez de Olinda n. 18. ________
    Pentes girafe.
    Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
    moda) : a Magnolia a rna Duque de Cax'as n. 45
    e so qaem tem.
    Papai, mamai.
    Como sao lindas as bonecas de cera que cha-
    mam papai, mamai. choram, andaro, etc. So na
    Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
    Gaiolas, gaiolas.
    A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
    cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
    proprias parapassaroa ; a ell is anks que se-aca-
    bem._________________________
    Para eoncertar meias
    A NOVA ESPERANQA, a rua Duque de Caxias
    n. 63, reeebeo desta necessaria linha.
    Vende-se pes de sapotas de optima qualidade
    na rua do lli.spicio n. 75.
    Na rua do Queimado n. 43
    Junto loja da Magnolia.
    Aprovi'ilfin que s6 e baratol
    LiuBhu de linho, podroes muito lindos a 200
    rs. o eovado.
    Lazinbas de quadros a moda esccceza, largura
    de cbita a 210 rs. o eovado.
    Metins de quadrc s pretos e brancos e 326 rs. o
    eovado.
    Metins de li>tras e (lores miudas a 38g rs. o eo-
    vado.
    Chilas e>cura3 a '60 rs. o eovado.
    Cambraia Victoria fina a 3J, a pe^a.
    Chafes chicezes com listras a tk
    So na loja do uerra a Fernandes.
    Dao-se amoslras.
    Cliarnlos da Baliia
    do fabneante Gn?tavo Alberto Schtnorbusch.-das
    seguintes marca* :
    Aristocp.atas.
    RlACIIUELOS.
    Pfiniii-os.
    Conchas.
    Prrfeiqao.
    BlSMAFKS.
    Traiiucos.
    golondrixo;
    Vende-se por precos resumidos na rua do Mar-
    quez de Olinda n. 18, armazem.
    Na rua Nova n. 8, loja do Lyra & Vianoa
    ha novo sortimento de botinas pretaB, de e*res e
    brancas, para senhoras; ditas de pbantasia para
    meninas e meninos ; assira como, botiuaa de Mi-
    lies e Suzer, para homem.
    oiaie osmuia. a ciqueza de suas toilletl^s ; e co-
    mo ja recebpssem pela paquete francez diverso
    ariigos da ultima moda, veera patentaar alguns
    d'entre elles que se tornam mais recr.mraendaveis,
    esperanda do respeitavel pubiieo a costumada pe?'" ... ....
    coucuweqciA. 7 Amalhado para mesa, com bonitos deseuhos, a
    Aderitcoa $e tartaruga os mais lindos que teem I ,*** a \ara- .... .,...A j ,
    vindo ao mercado. Lencos brancos de linho a 3*o00 e de cores a
    Albuns eom ficas ca pas de madreperola e da r3*~.a d,uzia: u 1 u a ,,
    vellado, sendc, diverso? tamanaos e baratos pre-1 dJoaJla|0Jea''gjo alcochoadas a 4*oC0 e felpu-
    Aderecos eoracletos de borracha proprios para | i^,chas amacadas a.3*000 So 0 barateiro !
    luto, tambem se vendem meios aderecos maito bo- I- Me,a8 par* hometu a Um .d"u. ? s,in
    nit0j "^ j barateiro compra-se per pouco dinl eiro.
    il RA OS CASOS MAIS HKStSI'KKAIKis
    A SAPSAPARRILHA DE BRISTOL [mk
    fica a massa do sangue, expelle para f6r
    todas as materias e fezes viciosas e impiirw,
    regula todas as secrer;6es, it vitaMadt
    energia a todos os orgaos fi rli for^a e *k
    gor ao syslema afun de poder mclhor rem-
    tira todos os ataques da enferniidade. P
    pois este um remedio corutitueitmal. Elb
    nunca distroe afim do poder curar ; porem
    constantcrnente assiste a na tureen. I'ortaMo
    em todas as doenras constilnciomtcs e en to>
    dot as molestias locaes dependent* dum es-
    iado vicioso e imperfeito do system* em ge-
    ral, achar-se-ha que a Salsaparmlha M
    Bristol e um remedio seguro e eHicassii-
    mo, possuindo inestimaveis e incoiitestaveu
    vrtudes.
    As curas milagrosas de
    'scrofula*.
    llcrrai.
    Chajjaa anl i-aw
    ENFERM1DADES STfUII.lJ/CAS
    KRYSII'ELAS,
    HHKUMATISMO,
    NEVRALGIAS,
    ESCOKBLTO,
    ETC., ETC., ETC.,
    que tem grangeado .; dado o alto renome
    Salsaparrilha de Bristol
    por tolas as partes do nnivcrso, sao tao se.
    mentc devidas &
    UNICA LtGlTIMA I MUGIMfc
    SalsaparriUia de Bristol
    ___________PHARMACIA r.EXTHAT.
    Triumpho da
    liEDICA!
    I No
    CKIADA
    Prc-i'isa !e de nma senh'ora de mela idade para
    easa dc homem jolteiro1, qa* ina conducta snjh
    farantila : a tratar n rna de tfortaa.--96, dais
    as 9 dainanha e dae 4 til 6 boras da tade.
    Preecisase de am rapa* para catregar nib
    fileiro, pelas ruas, tem casa.e comer : a infor
    mar a rua do Imperador n. 8.
    ---------------------- '11 ai,i -------1........>
    Cera pieta
    para sapaieiros e ewrearaes, .**do- de mperidr
    i]aaNdade, na rba do Yigario Tbenorio n. iii : na
    iravessa da rua das Cruises a. 4, loja de eajcadoi.
    0 abaixe- assignado fax scieme ao publico,
    queachase livre e desembaracida sua casa sila
    no largo de Santo Amaro das Salinas n. 0, a ijual
    achava-se hypo<^ccadr io $r. iete Antonio dos
    Passos, licaodo 0 mesmo senhor pago e satisfeijo
    do valor da dita hypolheca nesta data. Rooh'e, 30
    de agosto de 187?. ,.
    ____________Antbnlb tojj tiibi* Caftaitto.
    Gasa
    Vende-se eu aluga-se nu easa eom coromodos
    e maito propria para pasear a festa, na ilha do
    Monteiro : os pretendentes.pojem dirigir se a
    ruado Nogueira n. 42, Recife.
    Camisas.
    Camisas francezas brancas de algodao flno con
    friao de cor a 2*000 uma, era duzia a 234000;
    e pechincha : na rua do Csespo n. 20, loja do Gui-
    Iherme A C.
    Atten^ao
    Liquidacao com 80 por
    cento.
    A aguia branea tendo necessidade de liquidar
    sua loja ate' o fim do corrente mex, vends as
    raereadorias existenfes eom o abatimento de *0
    por cento e vende tambem a sua armagao enver-
    nisada e envidracada.
    Altcn?ao.
    Vetrde-se 1! rhela-aguas, na ma Luiz de Men-
    donca, outr'ora Nwceute : a trattT aa rua Vital
    de Negreiros n. 143 ; assim como, duas escravas,
    uma de maior idado e oulra]de menor, pecas e
    peritas.esta iilha de Nazareth do Para e ajuella
    ba1iian'^.
    Na rua da Imperatriz n. 47, 2* andar, ven-
    de se um casal de escravos, com nma cria tie 14
    mezes de idade, e um negro de 18 annos de idade,
    proprio para todo servico.
    VENDE-SE
    ama casa na villa de Barreiros, na rua de Cod
    tercio, por preco modko: a tratar eom Taut
    ruiaos A C
    Aos cigarrenros
    A NOVA ESPERANCA vende papel *e
    proprio para ciganros, d'e diversas iarguras.
    linho
    300^000
    Gepeiro ou criado
    Para esse mister ofTerece-se nm rapaz portu .
    faez, sufflcieatemeate babilitado : na rua do Ran | Vinho de BoTdeavu.
    gel d. 1, taverna. .rja^io ^ j^ de ^^ u ^11^.
    Las 4 prussiana a 160 rs. o
    eovado.
    Na ma d ttuelmado n. 43. j unto a
    loja da Naerriolla.
    E5 PECHINCHA II...
    Lasinhas A prussiana, padroes inteiramenle no-
    voa, a 160 ra. o eovado. Chagaem, so o 43. Dao-se
    amostras.
    i.' .1. i hii_______ ,
    Wilson Rowe & C. vendem no seu armaMD
    a rua de Commercio n. 14 :
    verdadeiro panno de algodao aJtttl ameneano.
    Exceilente 8o devela.
    Cognac de 1* qualidade
    Venie se um terreno em Be lem, com 28# pal-
    mos de [rente para uma das ostradas ultimatnente
    abertas no sitlo denominado Campo Alegre, que
    fbi retalhado ; esse terreno tern e fende nesfwdo,
    e divide com terras pertcnceaCBS a berdeiroe de
    1'aulino da Silva Mindello : a prelendenle dsrijar'
    e sa cata de Bauhos do Recife.
    Luiz Gcacalves da Silva. 4 Piolo tem para
    vender os seguintes vinhos:
    Beaone.
    Volnay
    Goramard.
    Chamherti:*.
    No sea escriptorio a rua do Marquez de Olinda
    Onmero 39. '
    Coques moderaos
    Cintos decouTO
    Recebeu a Magnolia, a ma Da^tie de CmUs n.
    43, e esta vendendo mais barato que era qualqinr
    outra pane. '
    Botfies de setim preto e de coces para oraato de
    eslidus de ser>bora ; uuibeni tem para coliete
    ralitoL
    Bolsas para" senhoras, existe nm bello sortiraen-
    de seda, de palha, de chagrin, etc j etc., por
    harato preoo.
    Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lougt
    como de cera, de borracha -e de mast-a ; chama-
    mos a attenyao das Exmas. Sras. para este artigo,
    pois as vezes tomam-se as criancaa um ponco imr
    pertinestes por (alia de an objecto que as an-
    tretenoam.
    Camisas de linho lisas e com peitos bordados,
    (ara homem, vehdenjise por preco coramodo.
    CeronJai de linho e de algodao, de diversos pre-1
    it. j
    Caixmbas com muwca, o que ba de mais Undo,
    .oiu dLstiuos nas tampas e proprios para presen-
    te
    Coques os mais moderaos e de diversos for ma-
    ms.
    Chapeos para senhora. Receboram um sortimento
    da ultima moda, tanto para senhora, como para
    meninas.
    Oapellas simples e com veo para noivas.
    Galcas bordadas para meninas.
    Entremeios estampadas e bordados, de lindoi
    4e*inho3.
    Ssoovas eleutricas para dentes, tem a proprie-
    dade de evitar a carie do? dentes.
    Pranjas de seda pretas a de cores, existe nm
    c-^nde sortimento de divercas larguras e barato
    uieo.
    Fitas de saria.. d grgurao. de setim a de cba-
    mplo'e, de diversas larguras e bonitas cores.
    Fachas de gorguraorruito lindas.
    Ftn- artiiieiaes. A Predilecta pcima em con-
    ervar sempre um bello e grande sortimenlo des-
    as flores, nao so para enfeite dos cJjellos, como
    tambem para ornato do vestido de noivas.
    GalOes de algodao, de la e de seda, braneos, pre-
    os ei de diversas cores.
    Gravatas de seda para homem e senhoras.
    Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
    para seonora.
    Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
    naiva.
    Livros para ouvir aiissa, com capas de madre-
    perola, marnm, Os'o e velludo, tudo que na ds
    bom.
    Pentes de tartaruga e mar fim para alisar os ca-
    bello? ; teem tambem para tirar caseas.
    Port bouquet Um belts sortiineato de raadre-
    peiola, mainm, osso e dourados por barato preco.
    Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
    provida, nao so em extractos, como era oleos
    banhas dos melhores odores, dos mais afamados
    fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
    Condray, Gosnel e Rimel; aao indispensaveis para
    a (esta.
    Saias bordadas para senhora, por eommodo
    preco.
    Sapatmboe de la e da setkn bordados,para has
    Usados,
    Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
    mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
    mo para entrada de salas. .
    Vestimentaa para, kaptisado o que ka de melhor
    gosto e os mais moderno i recebeu a Predilecta
    de or axuo prejo, para near ao alcance
    qualquer bolsa.
    Rua do Cabugd n. 1
    Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
    Loja de lazeiidas
    DE
    Guillieruie k G.
    0 antigo barateiro continua a vender por meuos
    do que ouiro qualquer, com a franqueza e sin-
    ceridade ja conhecida.
    L5s de cores a 2C0 e 240 rs. o eovado.
    Las pretas superior, a 3G0 rs. o eovado.
    L3, e seda, fazenda de 1/400 por 700 rs. o eo-
    vado.
    Chitas de cores a 240 e 280 rs o eovado.
    Metins de cores a 280 rs. o eovado.
    Crelones de padroes lindos e moderaos a 400 e
    440 rs. o eovado
    Baptistas de lindos padroes a 400 rs o eovado.
    Cambraias de cores miudas e graudas a 280 rs. o
    eovado.
    Em tempos modonios .ncnlmm mento ope uromaior rnrolurfio no n. do da
    curar aiiteriormetile em voga itt qnn a
    peitorvl u \mmm s
    TANTO >0 TUATAM1.NTO
    DA
    Tosse, Crupo,
    Asthma, Thisica,
    Uouquidao, llesfriarneiilo*.
    Drontliites,
    Tosse Convulse,
    Dores de Peito,
    E.\pudurai.ao de Sangue.
    Como em toda a grande mm da enfeiiiu-
    dades da Cargauf a, do I'cita e do*
    Orgaos da i-e*piru<-Mo, que tant.
    atormeatam e fazem soffrer a humanidade.
    A maueira antiga de eurar consistia geral-
    mente na applicacao do vesicatorios, San-
    grias sarjar ou applicar exteriormente un-
    guentos fortissimos compostos de substan-
    . cias vesicantcs, afun de pro Ditas pretas com (lores a 200 r3. o eovado.
    Cambraias brarcas, bordadas a abertas, fazenda cujos diiferentes modos de curar, nao Uziam
    mais flna que tem vindo ao mercado, e fazenda senao enfraquecer e diminuir as forces do
    de 2/00O o metro, por 1/000 a vara ; e pe-
    chincha.
    Cambraia transparente, flna, a 3/ a peca.
    Dita Victoria, lina, a 3<5'00 a pega.
    Algodao trancado, alvo, a 440 rs. a vara.
    Brim branco de linho a 1/400 a vara.
    Ditos de cores de linho lino a 300 rs. 0 eovado.
    Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6/ e
    7/ a peca.
    Algodas T, largo e superior, a 5/ a peca
    Gorgorae preto de seda para vesudo e para colleto
    a 3/ 0 cevado
    Toalhas giandes a 4/o00 a duzia.
    Colcbas grande.- a 3/ uma.
    Lenc6cs de bramante a 2/ um.
    Cobertas de ganga, forradas, a 2/ e 3/.
    Lencos de linho, ?banhados e em caixinhas a
    3/500-a duzia.
    Ditos de cores a 3/500 a duzia.
    E outros muitos artigospor precos baratissimo*.
    So na rua do Crespo n. 20, loja das 3 portas. Dao-
    se amostras.____________________
    Salsa parrilha ,
    Muito nova e grossa. ^
    Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
    talbo : na rua larga do R -sario n. 34.
    pobre doento, contribuindo por esta forma
    d'uma inaneira mais facil e certa para a eo>
    fermidade a destrui^ao inivitavel de sua
    victima I Ouam differente e pois o effeito
    admi ravel do
    Sedinhas d 1#500 o cov, do.
    Venham anles que se acabem : na It ja d Passe
    a rua !. de Marro n. A.
    E barato.
    para senhoras
    Como sao lindas e modernts as gravatinfaoi que
    a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43 acaba
    de receber I
    Aproveitem
    O PARIS N'AMERICA, A ru* Duque de Caxias
    n. 0, petneir* andar, esta vendendo calcado pelo*
    seniintea pregos:
    Botmas de duraque para senhoTa a 9.580 relsj
    Dirts dedi to preto- a 4,000 reis.
    DHin.de dtte com- kot6o ao lade, a 4.000 seu.
    Ditas gaspeada* cao alto, para senhora, a
    3,000 re s.
    Ditas de pelllca, fnglfeM, a 4,006 reis.
    Ditas de dnraaae boreedo, tera senhora, a
    [4JJ0OO rtli.
    Ditas da duragoa, de cores, para meninas, a 3/,
    Em quanto e tempo
    aproveitem.
    ihiili.......m 1 iiii.i.,"i.
    Para o fabrico de chapebs
    A NOVA ESPERANCA recebeu 0 arame proprio
    para armacao de chapeos.__________________
    Fusliio.
    Foetio branco para ronpa de meninos a 500 rs.
    0 eovado; 0 pechincha: na rna do Crespo n.
    20, bja do Guilherme A C.____________________
    Agua de Ytchy
    llaule Rive-Colestins-hopilal
    Se vende a 2535000 a caixa de SO garrafas.
    NA RUA DO SOL i.
    Vende-se um pequeno silio perto da ;ao do Salgadtnbo, tendo de frente 150
    palmos, e de fuudos mats de fottrocooloc,
    Mm nma elegante casa de taipa, acabada de
    aroximo e bem asseiada, tendo Ssal s, 9
    luartos e coziulia f6ra. O terreno e pro-
    jrio 0 bom de plantacdes, tendo alguuas
    irvores de sructo, agua de bebcr e todo cer-
    rado.
    Para vr e mais eiplicaooes, no mesmo si-
    10 a qualquer bora a entender-se com Tris-
    tao Francisco Torres, e para tratar, na the-
    touraria das loterias, rua 1.* de Marco
    . 6.
    VENDE-SE
    PIANO
    Dma faanha que se retfra desta provinela, ton-' -
    de por preco eommodo nm piano, one so tem de
    nso o:to mezes, eedos fabricantes AucherFierei:
    a tratar na rua d Haipicio n. 25
    Vende-se uma balanga decimal, de 1,500
    kilos, em perfeito estado : no armazem a rua do
    Bom Jesus a. 68, antiga da Cruz.
    'f '9,
    1 unicas verdadeiras
    na rua do Maronet de01radaw. 8t
    rn------1 ftv
    Darau
    lssitno.
    AttenQao.

    AaroveUea anles que se acabem, popeknasde li-
    nho, padroes raodainas, selo baratissimo pre go
    de 400 rs.o cova) : qqem duvldar^tenlia Ver
    comprar: na rmi Duque de Caxfaa n. 88, loja de
    Demetrio Bastos. .
    Vende-se am pequeno silio eom duas casi-
    nbas de taipa, cobertas de telha, tendo uma dellas
    2 quartos, sala da (rente edeiantar, e cozraha
    Idra,; e a ouira 1 quarto, sala da frente e de jan-
    tar, com 97 palmos de frente e de fundo 460, no
    In gar do Arraial, perto da estacao da Casa A ma-
    re Ba : a tratar nrua da Paloia 100.
    30 palmos de terra, na Torre, com 400 palmos de
    fundo, era cm dos melhores lugares por ser ao
    mais povoado daqoelie Ingar, eom alguns pea de
    coqueiros ja hotando : quem 0 pret. nder, dirija-
    sr a rua estreita do Rosario n. 45, que se dira
    quem 0 vende.
    E' pechincha
    Vende se nma mulaia de meii idade, sahendo
    lavar, engommar e eozinhar perfeiiamente beta :
    quem qnizer, dirija se a rua D reita a. 32, loja de
    calcadus.__________________________
    Vende-se a casa terrea da rua de Santa Ce-
    cilia n 21 : a traur nas Cioco Pontas n. 31______
    Vende-se uma rica cama de jacaranda com
    colchao, tudo uovo, propria para noivos : no Cor-
    redor do Bispo n. 73. Na mesma easa precisa ae
    de nma mulber de idade qae entenda de cosiafea
    e engnmnado, que queira fazer companhia a oisa
    seahora, paga-.e alguma cousa : a tratar a qual-
    quer bora.
    ' Admtal3tf;Joi PARIZ, JV. boulevard Usotmarln.
    SRlNDC-tRlLLE. AffecfSei lymphaticu, dotrcai
    Sas *ias rtlge*tivai. obalnsc^Oefl Jo figado do bftfo,
    1 obstrocfOea vhoeracs, concrnOcs calcalMM d bile.
    HB'ITl. AffereSei du rl dlntliM, lucom-
    I mosu do ettoaago, d)(etto dlOeil, Ictpptuncl*,
    I ^utmlcU, dy;pepl.
    CtlESTINS. AffeccOci dos rin, d beslg*, uolu,
    [ ctnanfOes dM ourinas, got*, dinbetef, albomlnorU.
    NUTeaiVEAfftccOe* dot riu, d> bnlaa, TCla,
    I ooncrtvO'.-a das ourinas, gola, d.abetes, albaminorls.
    EXIGA-SB
    0 ROME da FUENTE ba CAP80LA
    Am FqqIos de Vichy, aclina nomeadas, achlo-se :
    Em Penamiuco, HARISdlHBt s UIIUI.I,!"
    da ComiaMrclo. .
    carroc*
    Vende-se nma carroca para eavallo, com muito
    ponco uso, da-ae maito em conu : no cae do
    Apollo n. 71.__________
    OLINDA
    B6a acquisicao
    Veade-se um sobrado silo ao p-teo da Se, em
    Olinda, edilieado em chao proprio, com graadae
    1 accommoda^oes para namerosa ramilis. niaH
    'eado e pictado de novo, com belli-sima vita,
    1 muito fresco e com daibtal : a tratar no paieo
    de Pedro II a. 6, .* andar.___________________
    Vende ae oata excellent escrava, idade 4*
    27 annos : a tratar na raa do Viaeonde de Goyao-
    na d. 67.
    '


    -_ -. -,--
    8
    3iario de Pemambuoo Sabbado 22 de Agosto de 1874.
    T
    ASSEMBLED GEML
    CAMAR.4 DOS DEPUUDOS.
    REFORMA ELEITOKAL.
    (Continuagdo).
    Nestas condigoes a dissulugdo da camara
    dos deputados e o unico meio segurodi fi-
    zer prevalecor a p ilitica que uo momerito
    ncais couvier, sera o ontraste, sem o crito
    rio da representagdo, do qual necessita a
    cflroa para verrlin.tr o estado da opiniao,
    quo o mandalo da nova camara deveria
    eiprimir.
    E' bom possivol, Sr. presidente, devo mes-
    bjo acreditar, que a dtvcrgeneia neste ponto
    com o nobre dcputado pelo Gears' provem
    de coasiderar ello a qu stdo uo torreno.de
    facto, e eu no dos principios constitucio-
    naes.
    Aqui sustentamos am bos, nao lia muito
    tempo, que ndo e a confianga da cordi quo
    de'.ermina a da camara nos agentes respon-
    saveis do poder executivo, mas qua e o voto
    de;ta casa que reconiraenua os hoinms po-
    liticos d cotifianca do chefe do Estade c del-
    la os exautora. Faziamol o eiu nome do
    partidoconservadorquo sejulgava com o di-
    reito de ndo quarer a respousabilidade do
    governo sem vr noil'.' os represent tntes ge-
    nuinos e sincoros de suas ideas e aspiragoes
    politicas.
    Na> me posso esquecer, erecordo-o em
    honra do nobre deputado, que foi com seu
    valiosissirao auxilio que a 21 de maio de
    1872 aqui as-entamos o marco miliario, don-
    de partimos para uma longa e penosa Jorna-
    da, na qual c Hitinuarofnos ate chegarmos
    a realidade do systema representativo no
    Brasil, foi com o coucurso do nobre depu-
    tado qua neste banco desfra!dou-so a ban-
    deira da regencragdo parlameDtar, saudada
    por ambos os partidos reaes em que se divi-
    de a nagao, acompanhada pelas sympatbias
    de quanto ba de mais elevado e generoso
    na geragdo actual edcuja somhra ha de aco-
    lhir-so essa geragdo era Qor, quo dosponta
    uo horisonte da patna, e e a mais grata e a
    mais segura do nossas esperangas. (Apoia-
    dos ; muito bem.)
    luteiramente invertid'S ascondigdescons-
    titucionaes da forma de gove no, os dous
    poderes activos tero-se desvitundo na re-
    ciproca influencia que um sobre outro ex-
    erce.
    K3o e a camara dos deputados, ramo mais
    influentc do poder legislativo. que faz trans-
    parecer do governo o pensamento publico
    nella substanciado ; o ministerio nao dirige
    0 andamento dos trabalbos parlam-mtares
    como o guia da opiniao, a qua deveria o
    ser e da qual seria a expre.sao genuina e
    verdadeira. Fazcodo elle as eleigoes no seo-
    tilo que lhe convcm, e a camara quo ex-
    prime a opiniao predominante no governo,
    aie tudo pode entre nOs, e tudo podera na
    constanc:a do actual systema eleitoral.
    Ha mais de 200 ann.s o p.dra Antonio
    Vieira dizia estas palavr,is que jd uma vez
    aquirepeti : Neste piiz s6 ha um enten-
    dimento, urn interesse, uma vontade, um
    poder e este e de quern governa.-
    A influencia official tornou-se em toda a
    eitensao do imperio a forga irresistivel,
    A cuja acgdo sujeita-se o paiz inteiro, que
    em um momento muda de aspecto, expri-
    mindo sempre a opiniao do governo, apoei-
    se este n'um ou n'outro partido.
    A ordem polilica e sempre uniforme no
    sentido do governo, offerecendo essa uni-
    formidade o maior coitraste com os mil
    jiccidentes da ordem material.
    Este paiz cujo solo offerece ao observadora
    cesigualdadedas plauiciesedos declivesmais
    variados at) a elevagao das grandes monta-
    rhas, de cujo seio rebentam as aguas vivas
    de nossos gigantescos rios, este paiz, em
    cuja natureza physica reinam a vida e a ani-
    iaagdn, que fazam a grandeza da terra vir-
    gem na America, na ordem politica s6 deixa
    ier, como ja* aqui se disse, notnaio do vas-
    1a planicie uma unicacollina no seio daim-
    mobilidade, um unico motor que unico a tu-
    do p6de imprimir o movimento, no rneio
    do silencio uma unica voz com quo todos
    li'm de fazor cfiroo governo, contra a von-
    l.ade do qual ninguem querera" mais lutar
    isela improflcuidade dos esforijos que tiver
    do desp"nder.
    Precaria como 6 ontre n6s a influencia
    (tleitoral, formando-so o eleitorado a" mer
    ce do giverno pelos vicios o defeitos do
    systema indirccto, tcremos sempre aqui a
    expresslo'da vontade do gorerttenIoa tes officiaes.e legem ofliciaes, para nos coll-
    Apoia
    ver.lade *da representicSo oacionaL
    dos, muito bem.)
    I'orturbad* assim em sua origem a Mjpre-
    se:)U;ao, a fdrCji impulsora deata camara
    aniquila-se. por maior (sforcoque facjm os
    homens politic js para assegurir a influen-
    cia que lhe cab no regimen represents-
    ti'vd.
    Esta v'crJade esta na consciencia de to-
    dos e e por isso que tantas vozes clamam
    pela decreta^So da eloigSo directs, que
    phamando a actiridade pjlitica as classes
    hojo abafadas no processo eleitoral, poie-
    r.-i dar vida A reprosenta(lo politica neste
    recinto.
    0 nobre ministro do imperio observou
    que a aspiracjlo pela eiei;io directa 6" recen-
    le uos nossos pai lidos politicos.
    I)d feito, Sr. presidente, esta idea tern
    caminhado com mais rapidea do que eu
    proprio suppuz quando cm 1870 apresen
    tei-a aqui consignada em um projecto, cu-
    jo piano era a tranii;ao do systoma indirec-
    to por o directo pela combtnagio de um e
    de outro.
    O.Sr. F. Belizaiuo : Esta mesma ad-
    ministracip fez a ide.i caminhar.
    0 Sr. Paulino ue Sooza : Diz b;m o
    nobre depatalo. Ninguem concorreu mais
    para a aceitacdo da eleigio directa do queo
    gabinete 7 de mm;o : fel-o, porem, sem o
    uierito da iatunr.a.i, sem consciencia do que
    fazia, como o Bourgeois Bentilkome de
    Moliera, sem sabel-o, fallaraem prosa mais
    de i-0 anuos.
    Foi o gabiuete actual que, levando ao ul-
    timo ponto o falseamento do regimem cons-
    litucional, inoitou o espirito publico no in-
    teresse do sua rogeuerac/io e assim accele-
    rou o movimento da opiniao a favor daelei-
    i;3o directa.
    Adoptei em 1870 no meu projecto um
    piano de transi^ao, por que entao era arris-
    cado proper, sem levantar opposigio de
    muitos homens politicos habituados ao sys-
    tema actual, a idea systeraatica, pura e
    simples, da eleigao directa, nao que na dou-
    trina o na praiica n5o o reconhecesse como
    o meio mais conlucente a verdade da re-
    pres-ao politica.
    Os Sns. Mimistro do Imperio eGusmao
    Lobo dao apartes.
    0 Sr. Paulino de* Souza:Sabia, nem
    podia ignorar, o qne se passava do paiz
    diante de todos n6s.
    A historia e uma grande mestra, mais
    abalisado e, porem, o criterio que nos da* a
    experiencia.
    Foi a vista do que preseaciei em diversas
    elei^oes, a cujo processo assisti, e do que
    consta das acUs e documentos que aqui exa-
    minei, relativos a*s eleigfies de muitas pro-
    vincias, foi principalraente a vista do que
    aconlece depois das diss)lugoes da camara
    dos deputados, que ma convenci da neces-
    -i lade indeclinavel de alterar-se profunda-
    mente o nosso systema eleitoral.
    Keceei, pore'm, nao ter chegado aiada o
    momeato de abandonarmos totalmente o
    systema indirecto; procurava tactear a opi-
    niao, a vcr se era j4 possivel a adopgSO
    completa do outro systema sem raoscla dos'
    eleitorcs indirectos, e em todo o caso pro-
    movia desde logo a transifio, como decla-
    rei mais de uma vez na tribuna, e nao
    me recordo se mesmo em documentos offi-
    ciaes.
    0 Sr. Ministro do Imperio :N5o co-
    nheco.
    0 Sr. Paulino de Souza :Eis como me
    exprimi, quando fundamentei aqui este pro-
    jecto :
    Cnegaria francamonte 4 elei^So directa
    censitaria sem rnescla, se nSo julgasse de-
    ver respeitar o voto dos que hoje o tem.
    Fago intervir directamente na representacSo
    os que por sua posigSo, etc., e que terSo
    jure proprio, assento nos collegios eleito-
    raes ao lado dos eleitores que, sem estas
    condicoes, forem eleitos pelas assemblers pa-
    rochiaes.
    Esse systema de eleigao mixta n5o ^odia
    deixar de ser transitorio, faltavam-lhe nos
    fundamentos da doutrina as condiijdes de
    permanencia.
    0 seu unico merito era operar, sem pro-
    vocar m dor discussao, a passagem de um
    para o outro systema eleitoral.
    As cathegorias de eleitores legaes e per-
    manentes que nelle se creavam, eram desti-
    nadas a contrabalangar, se nao dominar os
    eleitores mudaveis que as assemblers paro-
    chiaes, influeociadas na maior parte do im-
    perio pela prepotencia e corrupcSo dos agen-
    gios volarom am quern o governo maoda,
    guarJadaaasforraalidadesexternas da lei.
    Blelhortrfa se muito pela intervenfio des-
    ses eleit jTjs in lepeu lentes e originarios da
    re";n, o noou pensamento. 0# votantes
    concorrem as assembleas parochiaes so
    celebrarem asas>eunides, mas para esoolher
    dentre os elogiveis para o eleitorado os cida-
    dios qae eier^am as funccoes de eleitor.
    capacid.de legal, o estadode eousas que ou Desde que todos os elegiveis para o eleito
    quart) a quero remoter : alargara-se o cir- rado, todos aquelles em quera a ooostitui-
    ' pela admisslo cio reconbece capacidade para serem elei-
    culo do eleitorado existonte
    dos eleitores permanentes.
    tores o sao effectivamento. nao
    1 grdo
    tem raz3o
    que res-
    _ Podia haver mais rigor nas condicCes exi- de continuar a elei;do do
    gidas, por que e~a am elemento noro no triogia o numero dos eleitores,"deixando f6ra
    eleitorado ecouservavam-seosantigoselpito- do quadro as capacidades reconhecidas pela
    res, filhos das assembleas primaries.
    Deslequea idea de eleii;ao directa pura
    e simples, marchando com velocidade aioda
    maior do que eu esperara, foi aceita por
    ambos os partidos, uio poderia eu, sem pre-
    judicar ranha propria intengio, Qcar no
    piano de transigSo, quando a opiniao esU
    ja* do pofite a que me encao inhava.
    Supprimindo se os eleitores do I* grdo,
    nio e possivel, sem estreitar muito o circu*
    lo do eleitorad >, mantor os requisitos en-
    tao exigiveis para os eleitores directos e per-
    maneptes que com aquelles teriam de con-
    correr.
    As condigoes da capacidade eleitoral on
    eleigSo directa devem assentar em bases
    mais geraes, de modo que nem uma classe
    possa ser excluida, desde que o tndividuo a
    ella pertencente ten ha para o esercicio do
    voto a requerida aptidlo legal.
    0 Sr. Ministro t>i Imperio : Quaes sao
    as condigoes ? Sera bom que V. Esc. diga.
    0 Sr Paulino de Souza :Vouj satisfa
    zer o uobre ministro.
    A coostituicao quando trata dos elettores,
    estabelece as "condigoes de capacidade,
    mediante as quaes s3o escolhidos os elegi-
    veis para o eleitorado pelos votant 'Sy isto
    define os requisitos para ser eleitor. Do
    quadro dos elegiveis e-que sahem os eleito-
    res, mediante a desigoacjk> dos votantes pri-
    marios : todos os elegiveis poderiam ter as-
    sento dos collegios eleitorae* para elegevem
    os deputados, senadores e membros das as-
    sembleas parochiaes, se o rjumero dos elei-
    tores do 2. grdo fosse assds extenso para- a-
    brangel-os. Uoje e necessario para isto o
    intermedio do voto primario, que se torna
    uma superlluidade, desde que forem eleito-
    res pela lei todos aquelles que pela const*-
    tuigio sa) repotados com a capacidade pre*
    cisa para siV.-o e cada am dos quaes pode
    sel-o actualmeute. Aceito portanto para
    eleitores directos todos os cidadSos quo a-
    constituigao julgou no caso de poderem e
    leger os deputados e senadores
    0 Sr. Martinho C.vmpos :Apoiado.
    0 Sr. Paulino dk Souza :Aos requisi-
    tos da constituigao eu accresceotaria um
    unico, cuja plausibilidade dispenso-me de
    demoostrar,saber ler e escrerer- Nao
    posso admittir como apto para o voto e in-
    fluiado por elle na organisagSo do poder
    politico individuos que nao teem OS primek-
    ros rudimentos da instrucgao primarta.
    Sendo eleitores todos os elegiveis para o
    eleitorado, alargado o circulo deste demcxlo
    a comprenhender no cxercicio do voto se-
    cundario todos os que Um a capacidade com-
    titucional desapparece a necessidade de e-
    leigSo primaria, que perde a razao de ser.
    0 Sr. Mar tin no Campos :Apoiado.
    0 Sr. Ministro do Imperio :Quer dizer
    que o povo, que actualmeote vota, nao vo-
    tard.
    0 Sr. Paulino de Souza :0 povo no
    qual se comprebendem os que tem a capa-
    cidade constitutional para eleger os depu-
    tados e senadores, nao vota hoje sendo em
    alguns poucos elegiveis para desempeuha-
    rem as funccoes de eleitor. Segundo o
    piano por mim adoptado votam logo uo re-
    presentanto da nagao todos os quo a consti
    tuigSo julga no caso de poder fazel-o, viodo
    assim a intervir na eleigdo de modo efficaz
    uma grande massa dd cidadaos que, tendo
    as condigoes de eleitor, ndo concorrem hoje
    aos collegios, por depeoder o exercicio do
    eleitorado, nao da capacidade determioada
    pela constituigSo, mas de um diploma con-
    ferido pelas tropelias da eleigao primaria.
    C irao pois dizer o nobre ministro, que,
    aioda nesta parte como em tudo, repetio os
    argumontos do nobre deputado pelo Ceara*,
    como aflirmar que apertamos o circulo do
    eleitorado, n6s que o alargamos ate" os li-
    mites das capacidades da constituigSo ?
    0 Sr. Ministro do Imperio : 0 que d6s
    dizemos e que V. Exc. quer excluir quem
    actualmeote vota do direito de votar Das as-
    sembleas parochiaes.
    0 Sr. Paulino de Souza :Jaconsiderei
    o aparte do nobre ministro ; repelirei, po-
    mesma constituigao 0 voto primario G:a
    sem objecto, por sere.m effe:tivamente elei-
    toros todos os que a constituigSo dcclarou
    no caso de sel-o. Nao posso ser mais'claro.
    OSa. Ministro do Imperio:0 cidadao
    ft '-a inhibido de intervir nos negocios pu-
    blicos, por isso que doixa de votar nas as-
    sembleas parochiaes.
    0 Sr. Mauti.iho Campos :E' o caso
    de dizer ao nobre ministroprocurador,
    nSo m enganas, tambem procuras para ti.
    (Kisadas.)
    (Ha outros apartes.)
    0 Sr. Paulino de Souza :Senhoros,
    sejamus fraucos e fallemos com sin;erid.ide,
    vas sem eneobrir-mos com declamagoes a
    verdade dos factos. 0 supposto direito do
    voto primario e illusorio, e nenliom valor
    politico tem na realidade das eousas. To-
    dos nos sabemos o que sao as-eleigchs paro-
    chiaes neste pwiz.
    S*o os proprios sustentadores da eleigao
    indirecta que eompromettem o principio
    fundamental com quo a querera jusliliear.
    O grande arguiaeuto a favc-t da eleigao
    de dous grdos e ao terem os votantes a
    aptidao necessaria para elegerenv por si os
    representantes da oa^do. nomeiam pois os
    eleitores que a tem. Tem-a, porem, s6 os-
    eleitores que sahem das assembleas paro-
    chiaes. NSo:'tema tod)s os elegiveis
    pjra o eleitorado, aos-quaes a constituigdo-
    reconhecendo a capacidade, a lei deva con-
    ferir o direito de concorrer para a eleigao
    dos deputados e senadores.
    Se a capacidade origina so, como quereis,
    da eleigao primaria, e os votantes pri-parios
    nSo votam! para deputados e senadores por
    serem incapazes de conhecer quem desem-
    penhe bem> as fumgoes legislaiivas, temos
    o mandate de eleitorado conferido pelos in-
    capazes, isto-6, a capacidade do eleitor re-
    sultando da incapacidade dos votantes.
    (Apoiados. muito bem.)
    0 visconde de Jequitinhonha, citando no
    senadoem t8xS5 a muito* conhecida e repe-
    tida maxima de lord Brougham aquclle
    que e capaz de nomear os eleitores deve
    tambem suppor-se capaz de nomear os re-
    presentantes da nagSo, accrescentava (nao
    me recordo das palavras, reproduzi) o pen-
    samento) cjue o votanto nao sabendo o que
    do voto secuodario faria o eleitor, ndo coq-
    corre para a eleigao do represenkante da
    nagao, desigxia individuos, ndo praiica um
    acto dete?minado pelo pensamento politico
    de ter este ou aquelle representante- nasca-
    maras e portauto nao inllue nD eaodo de
    governir-se o paiz.
    Pormvnha parte digo maisou a votante j
    ndo | digdes pela constituigao estabeleci las para
    por se ad.nitlir o cidadao a escolha dos repre-
    seutantcs no poder legislativo, antes quero
    dar d capacidade dean id a e tirmada a ef-
    fect! vidade q-ie hoje nao tem.
    Ndo me recuso, pjrem, a este ponto do
    debate e dalle tratarei, posto que rapida-
    mente, em resposla ao nobre minislr j e aos
    que vieram com.essa excepedo.
    De toJos que na tribuna ou na imprensa
    se occuparam com esta questdo, quem mais
    satisfacloriamente se desempenhou da tarefa
    ioi o general Abrou e Lima em um trabalho
    geralmente conhecido.
    Partio o distincto escriptor Pernambuca-
    no deste principio, que reputo verdadeiro :
    no que respeita a eleigoes so ba de fun-
    damental na constituigSo uma cousa, a elei-
    gao, isto e, os deputados, os senadores, e
    os membros das assembleas provinciaes, os
    vereadores, osjuizes de paz sao tolos de
    eleigdo popular; eis o queo constituciooal.
    Se esta eleigao, que a coustituigdo quer
    que se faga com verdade, ha de ser directa
    ou indirecta, por suffragio universal ou cen-
    sitaria por proviocias, por circulos ou por
    districts, com ou sem incompatibilidades
    e* o modo pratico porque ella se tem de rea-
    lisar, o qne a mesma constituigao deixou ao
    legislador ordinario, quando no art. 97
    disse : Uma lei regulameutar marcard o
    modo pratico das eleigoes.
    O modo pratico nSo consiste, nem pode
    cousistir, dizia o escrtptor citaJo, nas so-
    lemnidades esternas dos ados eleitoraes,
    como formagj das n.esas, dosiga>agao do
    dia e bova para recebimeato das eedulas,
    na coolagem e apuragdo, etc.
    As prescripgoes legaes relativas a estes
    actos sao no interesse de receber-se o voto,
    de evitarem-se as sorprezas e as fraudos. O
    modo pratico das- eleigoes consiste na rea-
    lisagao deMas pelo methodo que se adoptar,
    o qual pode ser directo ou indirecto, e com
    as clausulas que o legislador tiver estatuido
    taes como o ceuso, a elegibilidade, etc.
    Os del'ensores do actual systema de elei-
    goes queren* que as disposigo^s regu la men-
    tares da constituigao prevalegam sobre o prin-
    cipio capital eleigdo em toda a sua ver-
    dade e sinceridade : os propugnadoros da
    eleigdo directa emponham-se antes de tudo
    pela verdade da representagdo, acreditando
    que o legislador constiiucional afio poderia
    ler em mente sacrificar ds disposigoes re-
    gulameutares q/ie deixara ao- legislador or-
    dinario o principio fundamental de ser a-
    representagdo nacional expressao genuina-
    do pensamento publico.
    Esta ultima opiniao, tem por si a autori-
    dode da assemble? geral legislativa, unica
    competente para pronunciar-se sobre a cons-
    titucionalidade- das leis. (Apoiados.)
    Foi a camara dos deputados, foi o sena-
    do, foi o poder moderador pela sancgao
    dadads leis eleitoraes de lS'ili, do 185&e
    1800, quem Grmou a- intelligencia de nao
    serem constitucionae* no sentido do art.
    478 da constituigao as disposigoes regula-
    mentares sobre eleigoes coniidas em diver-
    sos artigos da mesma constituigao.
    Se a deerctagao de um systema eleitoral
    sabe quern o eleitor vai nomear represeu-
    tante da nagSo, e nesse presuppceto confe-
    re-lhe o mandato, ou confere o raandato do grande principio constituckmai da represen-
    garantidor dependesse da reforma da cons-
    tituigao, eu por minus parte, para salvar o
    eleitorado sem saber a quem o eleitor esco-
    lherd. No primeiro caso ti inutil o segun-
    do grdo da eleigao, porque o votante, po-
    dendo nomear por si deputado ou senador,
    nSo ha motivo para priva-lo de o fazer por
    si (apoiados), dando-se-lbe um intermedia-
    rio que pode ser "infiel: no segundo caso,
    se elle nao tem consciencia do que vai fazer
    o eleitor, sua interveogdo e inutil e illuso
    ria, porque ndo concorre para a represeu-
    tagao politica que e facto exclusivo da opi-
    niSo e da vontade do eleitor. (Apoiados.)
    existird o elo politico entre o representante
    da nagao e o eleitor, mas nao vai elle ate
    o votante, pois v6s raesmos o julgais sem
    a aptidao para conhecer quem estd no caso
    de desempenhar o encargo legislativo; e nes-
    ta incapacidade fundais o vosso systema de
    eleigdo indirecta.
    Forraando o quadro dos eleitores directos
    conforme a capacidade constitucional dos
    elegiveis para o eleitorado actual, desappa-
    rece o argumento de inconstitucionalidade,
    invocado pelos defensores da eleigdo indi-
    recta..
    0 Sr. Gusmao Lobo :Ndo apoiado.
    0 Sr. F. Belisario e outros senuores :
    Apoiado.
    0 Sr. Paulino de Souza : .... contra
    o voto directo, vista) que nao altero as con-
    FOLHETIM
    Ca:mSQS!AB!Q.BErSSVA3K8UC0
    ARTES : I.ETTBA8.
    SABBAD), 22 DE AGOSTO DE 1874.
    Se tem havido semana rica de aconteci-
    mentos, rnina inexhaurivel onde habil fo-
    ihetinista possa, como de alvissimo fragmen-
    to de carrara um Canova iospirado, fazer
    surgir priraorosos artefactos,e a que hoje
    deve soltar o ultimo arranco ao som da
    derradeira badalada da meia noite, essa
    hora poetica ou sinistra, mysteriosa ou sem
    ygniricagdo alguma, conforme a educ?gdo e
    o temperamento de quem a classsificar.
    De facto, se por liberdade de computagSo,
    estendermo la ate sabbado ultimo, vemos
    que nella a esperangosa artista Rosa Ma-
    nhonga fez beneficio com um drama francez
    ^ertido para nosso idioma por um mogo de
    (6'ros de habil intcrpretador dos segredos
    dos idiomas alludidos.
    t'-i nesta sencana que os campanologos
    escossezes deramseu primeiro espectaculo ;
    ain la nella estreou o discipulo querido do
    finado Hermann, nao o delicado prestidigi-
    tador quo estevo em nosso pniz por vezes,
    pois esse ninda vive, e provavelmente nunca
    vio o Sr. Lopez, mas um outro Hermann,
    descendente do velho Goethe ; e o menino
    Joao Baptista enthusiasm a seus admirado-
    resta.-rbemem sen benefieio no ci'rco eques-
    tre, e D nato Mbina bailaram d caracter,
    e bouvc mosqnilis por cordas...
    Ro mundo industrial todos lem.os a no-
    ticia denm util invento brasileiro, os phos-
    ph aros do precaug5o com ou sera chain ma
    ' do laborioso pernambucano o Sr. Cyriaco
    ft. dos Santos e Silva...
    A imprensa deu d tuz nm vaudeville do
    Sr. Dr. Feliciano Prazeres...
    Ate a poHHca c?*"^2 prcstou Urr" "^u-
    1'i'j nte con -> recoi .'cimon'o da H pa-
    r.laa Topubli'-ans por diversas potencias, a
    carta verdadciramente hespanhola de D.
    Carlos, o novo John Lackland,'a fuga de
    Bazaine e sua chegada d Prussia.
    Foi semana farta, mas eu nio posso
    aproveitar-me de tudo e nem quero tornar
    meus folhetins chronicos, ndo quero
    abdicar de minha liberdade de tratar s6 do
    que me couvera.
    Sendo, pelo programma ha quinze dias
    publicado, as artes e lettras o pharol que me
    guiard em minha arriscada viagem vou
    occupar-me ainda exclusivamente da aria.
    0 Jornal do Recife annuncidra a chega-
    da de uan piator hespanhol, e o Sr. D. An-
    selmo Gutierres Orcajada por sua vez an-
    nunciou uma exposig&o de quadrosseus e
    antigos.
    Ndo podia deixar de ir admirar o que de
    bello o nosso hospede trouxe ds terras do
    Cruzeiro.
    E fui cheio de jubilo d casa n. 75 do
    Caes 25 de Novembro, pois a noticia da
    vinda do artista deixava-me cemprehender
    que um desses taleatos, que muitis vezes,
    nestes ultimos tempos, tem atravessado 0
    Atlantico em demands de nossa patria, ti-
    nha plautado sua tenda de peregrino em
    busca de assumpto novo para seu amestrado
    pincel.
    Depois eu vejo vantagem na demora, aia-
    da que rapida, de um homem de merito
    artistico ou scientiflco.
    Os homens notsveis, como as embarca-
    goes qoe navogam em noite formosa do es-
    tio, deixam u n rastro de luz em sua passa-
    gem.
    Eu acredito que, para nossos amadores,
    um bom pintor, que aqui arma o cavtlete,
    ha de fazer produzir fructos.
    Arte aqui pouco protfgida, gragas & pho-
    tfgr phi-<, no pgpel pintado, A facilidade de
    corr.-spondencia com o estrangeiro, onde
    tudo ni'n.camos buscar, ate" o sinete com
    as simples iniciaes, quando temos insigne
    gravudor, melbor do que muitos de Euro-
    pa, c > padre Francisco Jodo de Azevedo
    -a piii'ura entre nos restringe-se ao retoqne
    dos ala:jdo3 de tinla de cor que por aui
    j, ^.a por paredes da sacristias, o ds ban-
    deir'S '!' fastjs ddiarraiaL
    F6ri disto nossos- pintores, que so tem a
    natural prapensdo por sipois nem en-
    sino do' dosonho eacontram, se nio forem
    h:~*frr46ra do bergo natalencaroam es-
    tagdo politica, para dar d camara dos depu-
    tados por meio da eleigdo livre e da inde-
    pendent parlamentar, a influencia qua lhe
    cabe pela constituigao no jogo de nossas
    instituigoes, ndo hesitaria, senbores, ante os
    pontos e virgulas da constituigao, ante dis-
    posigoes puramente regulamentares. Antes
    deltas est&o os grandes principios, sobre que
    asseuta a nossa f6rma de governo. (Apoia-
    dos ; muito bem).
    Essa reforma ndo e, porem, procisa, como
    espero demonstrar, fundado na autoridade
    a, permitta-se-me a expressao, na jurispru-
    dencia da assemblea geral legislativa.
    Aquelles que a reputam indispensavel, fun-
    da m-se uo art. 178 da constituigao, o qual
    deline como constitucional so o que diz
    respeito aos limites e attribuigoes dos pode-
    res po'iticos e aos direitos politicos e inJi-
    viduaes do cidaddo brasileiro. Tudo o que
    nao e" constitucional p6de ser alterado, se-
    gundo o mesmo art. 178, som poderes es-
    peciaes, pelas legislaturas ordinarias. Di-
    zendo que o voto e direito politico do cida-
    ddo, concluem qua s6 uma assemblea cons-{
    tituintte p6de alterar-lhe as condigoes.
    Senhores, na inlerpretagao das leis cum-
    pre, antes de tudo, investigar o sentido que
    o legislador ligou aos termos de que se ser-
    vio para revelar seu pensamento. Precisa-
    do o valor jaridico dos termos empregadng,
    eomprabeode-ge bam a iatengdo das dSsfa-
    sigoes que por elles se quiz enunciar.
    Em sua larmooologia o legislader consti-
    tucional Bio abraogeu o voto du eleicdes
    entre OS direitos politicos do aJdaiilo braaai-
    leiro, o que se prova com varioa textos da
    constituigao, entre os quaes d ositmatimo
    o do art. 91 : Tem voto DtsUs eteicdes
    primaries os cidadaos brasileiro* que ettdo
    no gozo de seus direitos politicos. Os
    direitos politicos sao cousa diversa do
    voto, pois no gozo delles se faz consistir
    uma condigao in lispensavel e primeira de
    admissao ao suffragio.
    E nio foi somente a nossa constituigio
    que assim deixou de coutemplar o voto
    eleitoral entre os direitos politicos, porem
    as que conbego de diversos paizes a aaas
    quaes, aioda reoentemente percorrendo-as,
    verifiquei serem nesta parte as dispoeigtes
    analogas d do Brasil, com excepgio uaiea-
    mente das constituigoes francezas da 1793 a
    1795. Em todas alias os direitos politico*
    sdo aquelles que resultam da oacionalidade,
    reconhecidos a todos os individuos que fa
    zem parte da sociedade politica sem condi-
    goes de capacidade o sem restricgio alguma
    Todas essas constituigoes, como a nossa.
    considoraram o voto, como elle na realidade
    e, um elemento de organisagao politica.
    0 nobre ministro do imperio, repetiodo o
    que dissera o honrado representante da pro
    vincia do CearA, considerou o voto ias elei-
    goes como direito natural. Se o veto elei-
    toral fosso direito natural, origioario por-
    tanlo da natureza humana, a mnguem po-
    deria ser negado o seu exercicio, pois qua o
    direito natural e" ioherente ao ser raeional e
    livre, devendo portauto os boorados mem-
    bros, para serem logicos, reconhace-lo em
    todos, na sociedade, sem clausulas nem
    condigoes, inclusive nas mulheres, apezar
    da excepgdo de pirracentas, com qua o no-
    bre deputado pelo Ceard veto eootra alias,
    qualificagio que jd despertou em minha
    presenga mais de uma reclamagio, sem que.
    porem, partissem de pessoas dequelle seso.
    Sendo o voto direito natural, todos o
    teem, e teado-o devem ser admittidos aexer-
    cita-lo. Desde que se o sujeita a condigoes
    de conveniencia fixadas pelo legislador, des
    tas condigoes e que resulta sua existaoeia
    pratica, sendo, ate que ellas sa deem, um
    direito sem vida, sem realidade social, por
    tanto um direito que e para quem o tem o
    mesmo que uio te lo. Foi, porem, o nobre
    deputado quem declarou que o exercicio e
    uma faculdade ioherente ao direito, sem o
    que d&o e direito, mas uma mer a ficgao.
    Os direitos naturaes nascem com o bo
    mem e perduram sempre ; os direitos on
    ginarios da lei positiva e que tem no temp*
    uma epoca de comeco para sua existeocia.
    que p6de ser a realisagao de um facto, de
    uma clausula, quer positiva, quer resoluti-
    va. So depois que o facto se realise ou a
    condigao da clausula se affirma ou resolve.
    e que o direito deixa de ser uma espectau
    va e apparece com a faculdade ioherente do
    exercbio em todos os seus etTeitos a vigor,
    adquirindo corpo ua vida social.
    tatuotas piedosas, e pintam letreiros, alguns
    com perfeigio admiravel, contribuindo para
    isso o habito de nossos negociantes julgarem
    indispensavel adorno um bombastico titulo
    sobre as portas de entrada.
    Se esse genero de exercicio chega a pro-
    duzir artistes que pintem letras como as que
    se ve" oa frente da casa n: 95 da rua
    Duque de Caxias, onde toda a industria
    de Birmingham se ve bem imitada, forraan-
    do o nome do proprietario e o oumero ci-
    tadod nada mais pdde attingir.
    E' no estudo conscioncioso do desenho,
    da perspective linear e aerea e-do claro-es-
    curo, da aoathomia, oa c6pia de excellen-
    tes modelos, e vendo trabalhar um bom ar-
    tista que se p6de adquirir o conhecimento
    da arte de Raphael.
    Por isso foi com alegria que soube da
    chegada do compatriota de Zurbarao, a
    cheio de esperaaca que peoetrei em seu pro-
    visorio atelter.
    Minha satisfag&o docresceunao encontrei
    tanto quanto esperava ; nem o local foi bem
    escolhido.
    Salio onde funccionou uma offi :ina typo-
    graphica de grande movimento, conservan-
    do nas paredes os inevitaveis signaes dos
    carinhos do rdlo, nio tem bastante aceio,
    nio tem a luz sulli:iente para fazer sobre-
    sahir as bellezas de muitos dos quadros de
    I valor que o Sr. Orcajada possue, originaes
    ou copies da antigos autores.
    0 homem que tarn vis to uma penacotheca
    sabe que principalmepte depeode do ponto
    fior onde peoetra a luz o realce dos traba-
    hos de pintura por melhor que seja o
    quadro exposto em lugar escuro, parte de
    suas bellezas ficam despercebidas.
    Nio ha photogcapho ambulaate que des-
    deuhe isso. J""
    Sei que o Sr. D. Anselmo teociona pouco
    deraorar se, mas ainda assim, por sua pro-
    pria conveniencia paraetHaM-'que deveria
    ter exposto,auas pintuaais/lem local mais
    apropriado. '**'
    Muitas pessoas visita-lo-hiam, e mais de
    uma senbora que os descooheco, que jdmais
    os ird admirar onde estao, teria in flu ido
    com sejl pai ou esposo frata obte-los e to-
    dos sabem que ce que'Jomkie e veul Dieu le
    veut aussi. |
    Aquelles, para quem o voto 6* direito ne
    tural, nio podem suggerir-lhe restriccoes de
    capacidade consistentes nesta ou uaqueUa
    condigio determioada pela conveniencia po-
    litica : reconbecendo o direito, tarn de as-
    segurar-lbe o exercicio. Se admittem con
    digdes, deltas Gca dependente o direito para
    sua realisagao, e como a lei e qua merca
    essas coodigdes e dd existeocia real ao di-
    reito, bio de chegar ao meu principio, e
    vein a ser que em materia eleitoral o voto
    creagdo da lei positiva, e portanto nio c di-
    reito natural.
    0 Sr. Ministro do Imperio dd um aparte
    0 Sr. Paulino de Souza :Contesto a
    pioposigao do nobre ministro. 0 direito
    de ser candidato d senatoria nio tem, como
    S. Exc. diz, todo o cidadio brasileiro, mas
    aquelles cidadaos brasileiros que i idade de
    40 annos reunirem a reads exigida pel*
    constituigio e os mais requisitos de capaci
    dade por ella dQaidos.
    (CoM/inuar-*c-/wi.;
    Talvez que mesmo um ou outro fosse
    comprado para algum ediGcio publico, e
    aqui ficando nossos artistas ficariam com
    outras fontes de belleza para retempera-
    rem-se do mal que lhes tem feito quadros
    do jaez da capella-mor da Madre de Deus,
    em que nem pelo desenho, nem pelo colo-
    rido se recommendam.
    E nio soria muito difficil casa mais ade-
    quada d esse fim.
    Entre outros de autores para mim, pro-
    fano na arte, desconhecidos, vi dous Espa-
    nholetos, um o Martyrio de S. Bartholo-
    meu, magnifica pintura que, conforme os
    Jfauaua de Viardot, sd Madrid, no Museu,
    Florenga, no palacio Pitti, o Louvre e Ber-
    lin*, oa Peoacotheca, possuem, ea Escada
    de Jacob, pelo Sr. Orcajada, attribuida d
    Bassano, de quem aponta mais cinco ou
    seis bons trabalbos.
    Ha os Esponsacs de Santa Calharina,
    sem nome, talvez seja cdpia de Corregio,
    que tratou desse assumpto, assim como
    Murillo, Dominiquino e Mignard.
    Ha dous quadros soberbos representando
    dous palacios de opulenta architecture, no
    atrio de um dos quaes um gropo aquece-se
    d crepitante chamma de uma fbgueira. 0
    proprietario diz quo sio de Salvador Rosa,
    mas o estylo sereoo e gracioso em que fo-
    ram elles concebidos parece protester con-
    tra a'attribuida paternidade e da-los antes
    como creagio do apreciado pintor de archi-
    tectura Giovanni Panini.
    Ha tambem outro primor resumido em
    um quadrozinbo de scena de interior, pin-
    tado no genero pelos- italianos chamado
    gilazzo, isto 6*, por camadas de pastas suc-
    cess i vas produzindo o mesmo effeito que a
    scenographia. E' assignado por Ercazena.
    Repreaenta uma velha sentada tranquil-
    laniente em nma pequena e modesta sala,
    1 ouvindo a leitura feita por uma aborrecida
    1 menina.
    Ha vida, ha um naturalismo intelligente,
    [ha uma eloqueocia admiravel naquelle pal-
    Del, para mim de maior valor que muitas
    grandes telas cobertas de tin tas e preten-
    g6es.
    Ha um retrato de um velho salteador, que
    Velasquez nio recusaria assignar como de
    seu vnridico e miuueioso pincel ; ha um
    busto do mesmo pintor, um quadrozinbo
    moderno onde se ve um veodedor de limo-
    nadas encostado d uma immensa columna,
    d'ondese descorlina um ceo de pureza anda-
    luza, dous meninos do estylo dos de Mu-
    rillo, uns amores pintados no genero grisa-
    Iho, isto ti, especietde pintura monochrome
    imitando um baixo relevo em marmore, etc.
    Alem desses trabalhos alheios, alguns no
    peior estado de conservagdo imaginavel, ha
    uns seis ou oito originaes do Sr. D. Ansel-
    mo.
    D'entre elles a Divina Pastora, onde o
    talento do pintor encontrou-se s6mente em
    um manto de velludo vermelho, verdadei-
    ramente digno de altengao, um manto i
    Veronezo, mas onde ha sd esse manto ; uma
    lourada ; uns quadros de flores e fructos, e
    miscelanea,formam os rcelhores quadros
    do Sr. Orcajada.
    Segue-se em segunda classe um Passeio
    correccional do ladrdo, como era uso nas
    terras de Hespanha no dominio ante-consti-
    tucional, e umas bailarinas.
    Estudando-se as telas do Sr. Orcajada
    I conhece-se que elle preoccupa-se mais com
    o colorido que com o desenho, com as leis
    da perspectiva e com o claro-escuro.
    Sua escola e absolutamenle opposta d
    realists.
    Factlmente compreheDde-se que seus pin-
    ceis pouco se lhe alo em representar uma
    figura ou episodio ultra-idealista, assim em
    sua Divina Pastora ve-se o contra-senso de
    uma pastora coberta com um rico man-
    to de rainha, tendo por corda um cha-
    peo d Gabriela e por vassallos cordeiros.
    Suas figuras sio deslituidas de vivacidade,
    nellas harudeza de movimentos efalta ab-
    solute de- jogo muscular.
    Os animaes siojde forma desconhecida :
    o touro inveslindo sobre o capinha parece
    uni hippotamo copornoigero, que escorrega
    cem um piano inclinado ; o cio do Passeio
    orreccional 6 tambem de raga desconhecida,
    os soldados parecem mumias animadas por
    um meio extraordinario e novo, tio desna-
    turaes sio os gestos, tanto automatismo ba
    nos movimentos.
    Nessa caricatura do seculo passado, po-
    rem, apezar dos defeitos apontados, ha duas
    ou ires figuras que a salvam do limbo, que,
    a nio serem ellas, merecia ; sio uma cigaua
    chore sa, magra e maltrapilba, parente ou
    amante do ladrio, e dous garotos, que
    acompanbam o sequito, dous rapazitos ins-
    pirados em Murillo, dous primores de na-
    turalidade e viveza, que Id vao apupando o
    infeliz montado em um horrivel jumeoto
    As flores sio bem piotadas; e do que o
    Sr. Orcajada prima ; se o claro escuro foss-
    empregado mais cODScieaciosamenla, diria
    mos um novo Huysum.
    0 quadrojque mais attrahio minha atteti-
    gio foio retrato do Sr. Jose de Vase once!
    los, que li vi.
    0 retrato e parecido, ainda que o retrata-
    do seja representado mais encanacido que
    realmente e.
    Di Her en to dos de Victor Meirelles, que,
    como os de Corregio, na phrase de Viardot,
    nio esperam que se os procure, vem aotes
    ao nosso encontro, o retrato de Sr. Vasoon
    cellos tem uma impossibiUdade sonambu-
    lica.
    0 colorido e brilhante, mas a carnagio
    tem um nio sei qua da falta da vida, da
    limphatisrao.
    As sombras as vezes pareceram-me sem
    a transicgdo harmonica que as meias tin
    tas sabem dar.
    ' Vendo-se aquelle retrato, ignora-se que e
    o de um joroalista, o de um pensador, pob
    nelle nio se le o trabalho do espirito, atra
    vez dos musculos do rosto.
    Quanto d mim o retrato deve perpetual
    o homem physico e 0 homem moral, sem
    necessidade de ser examinado com auxilio
    da sciencia de Spuzzheim, a neste sentido,
    sem duvida, foi que Baudelaire die, que
    sd coroprehendia o bom retrato quaodo elle
    era uma biographia dramatisada.
    ^^
    Resumindo.
    0 atelier do Sr. Orcajada, merece ser vis-
    to, oelle ha quadros que devem ficar do
    salio do Santa Isabel, oa Escola Normal e
    no Gymnasio Provincial, pelo meooe.
    Alii ha riqueza qua nem sei como a Eu-
    ropa deixou sahir.
    R. M S. Paio.


    -
    TYF DO DtAitiO. -WJA DUJO UK UULUj


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID E2L1K1DM1_QNQM72 INGEST_TIME 2014-05-28T18:44:14Z PACKAGE AA00011611_19444
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES