Diario de Pernambuco

ii.'v
Casas
Alnga -se em Fofade Poms, na rua do filar,
a casa n. 18, e nia do Pharot n. 34 : a tratar na
rua da Cadeia n. 3, no Recife.
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modiiica e suavisa a dor,
Alii via a irritaeSo,
Desenvolvo e]entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o systema
desaloje d'uma maneira prompts e rapida
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melbores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim
testiOcam serem exactas e verdadeiras -estas
relacdes an a logic as, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hcspanbola, as quaes foram curadas com
PEITORAL DE ANACAHUITA 1
Deve-se nota'r qae este rtrnedio se acha
intciramente isento de venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquelles
que sSo dados sob a forma de opio, e acUil
do h^drocianico, formam a base da maior
parte dt)S *XaT0pes, com os qaaes tSo fa-
cilmente se engana a crcdulidade do pu-
blico. A composicSo de anacahuita peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafada
em frascos da medida de cerca de meio
quartilbo cada um, e como a d6se que se
tomae* so d'uma colber pequena, basta
geralmetrte a applicaoSo d'um ou dous fraa-
tos para a effectuacSo de qualqu^* cura.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Frosters d C, agentos.
w
9P
JIISK ElilA^ DE 191OITR % &
17Largo do Mercado Publico17
(Antiga ribeira de fe. Jese,)
Acaba de ser aberta e acha-se a disposicao do respeitavel publico esta nova phar-
macia e drogaria, completamente provida do indispensavel a um estatielecimento etsa na-
tureza, sera excep^ao de prodoctos chimicos e m>: Jicamentos preparados no estran-
trangeiro, tudo novo e o melhor possivel.
As receitas dos Srs. medicos serao sempre despachadas com a mais seria atteocao,
j1. e sempre sob as vistas do pharmaeentico qne compde i nossa firma social. i
As pessoas que se dignarem de honrar o nosso (atbelecimento com a sua conflan- I
ca, podera eslar cerlas de qne serao conseienciosamente servidas, nao so relativamente ao
qne pedirem, como tambem a modicidade dos precos.
ft$ its- vok-. isi\ 'Mi, x& i*
55
CoDStructor e alioador de pianos
Kua do Imperador-
55
Dloj-ot A Iler7 f jmiiirn r^irec hirdar
tyX-dllUOlJui officina da casa Alphonse Rlondel.
Tem a honra de declarar ao respeitavd publico desta cidade, que tem abert..
sua casa de concertos e afinacoes de pianos, qualquer que seja o c.lado do instrument
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melbo-
res fabricantes de Paris, como Erard Pleyel, Henri Ilerz e Alphonse Blondei! todos
os pianos sahidos da casa Dhibaut sao garantidos
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.

PHOTOGRAPHIA
IMPERIAL
LOPES &C.
ESTABELECIMENTO DE PRIMEIRA ORDEM
Rua do Barao da Victoria n. 14, sobrado
(ANTIGA RUA NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposicao
do-
RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melhores cordigoej dearte, e aberto i
concurrencia publica, este estabelecimento, o primeiro, sem duvida,
desta provincia, no qual se liram retratos pelos melhorcs e mais
modernos sjstemas, empregando-se somente material de primeira
qualidade, e garantindo-se
Semelhanca, nitidez e duracao.
Trabalha-se todos os dias uteis e de guarda, desde as 10 horas
da manha as quatro da tarde, nSo prejudicando o tempo de chuva
ou nublado a perfeicSo dos retratos.
Faz-se toda a qualidade de copies, augmentando-as ou dimiatiin-
do-as.
mm
Uma duzia de retratos de uma s6 pessoa, em cartdes para al-
bum.
Para os retratos esmaltados, colloridos, grupos.'e augmentados ha
uma tabella de pregos.
Tiram-se retratos at tamanho natural-
DE NOITE
r*
y&VMRUXOs
"nftuuu
ouPf ivuo
VAUOUELIM
' *er*c*iMfe^|laS suAtt-
ica^ dos nffSpuaes de y&ns, (Juc o Xaropa
ti Wttntoo 4* diMincto e. Slostke proiW-or
.am* 6 4aprga4o own Mecesso sempre igittl
pai#ciM*t
lSrLHtH*3'HS UnUNf MTTOflES M MM
tonTiecidas pelo nome de
1R0NCHITES 1GUD1S 00 CHROKICAS
IMfiuxos, Tosses robalites, Extinccio da vox.
A*Afl6A,)l!eusoaWelHriaTot**W'.e'im
preoNK) medicamenlo para tsMMQMOue w'%la, am
saoWrmma'faMar mmi<>. Rat, PlaxmCi
vaBquelin-deslauwkrs, tu* mrf, m -

^AROPt
6oDRGIBERr
Medico em ckaf WmtfML de S.
ACCAO PeaBWBA 4 WF ALU VEL
. uM comyieta tor> du
MOLESTIAS DE PELLS ANTIGAS
varJ* ao.

t HE1ELMS k QOALQrtK OCTIIO TUTAMMIf
kw jaaPtpio <
renitu dts naaerotu Mji
Pri, dej.ondw*. etc., ett., &>_*** Ufmum i
m
ftlMfiMk tMit*
Paiijjjr1, w .
P*f9to vn <*w w P%imk<
1
i


!
-fJtfoVtokUftu&f s*
ira fraF^aA^Mft
8 1
"
vj a!la at v. <,jp
st> el*i.
Nv.anoMn a rna de Banta- Ril n. 37,.cer
pBW-qe tuapca eaxutps, -)bt# wlho, feiro jvelho
batido i fos. qjufrf^ o.ttuhaa de boi.
rlW'V.l W.Oki! m-.V. *a?i>j aj-limi t\. VUio-;*1
Ayer.
>i


Para a renovacSo do ca-
bello, restituicae do sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural,
O Vigor do Cabeuo 6* uma prep-aracSo ao
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
conservar o cabeTlo. Por meio do seu uso o
cabello fugo, grisalho, e enfraquecido, dentro de
pouco tempo revolve & cor dhe lhe 6 natural e
primitiva, e adquire o brilno e a frescura do
cabello di juventude; o cabello rate se torna
deneo e c, calvicie tnuitas vezes, posto quo nao
em todos os caaoe e neut ralizada.
Nao biv nada que pjde reformar o cabello
depois don folliculos estarem destruidoa, e as
glandes c; jisadas e idas, mais se ainda restarem
algums podem ser salvadas e utilizadas pela
applicacao do Vigor. Libre de esaas substancias
dejeterias que tornam mrdtas preparacoes de este
genero tarn nocivas e detractivas ao cabello, o
Vigor somente lhe e beneficial. Em ve de
sujar o cjibello e o fazer pegajoso, o censerva
limpo e forte, embellizando o, impedindo a queda
e o tornar-se ruco, e por consequinte previne a
calvicie.
Para um> da toilette nao ba nada mais & dose-
jar ; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
manebar mesmo o mais alvo I01190 de cambraia;
perdura no cabello, lhe da nm lustre luxurioso,
e um perfjme muito agradavel.
Para reformar a cor da barba, 6 neoessario
mais tempo de que com o cabello, porem se pode
appressar o effeito, envolvendo a barba de" noite
com um lenco molbado no Vigor.
PREPAEADO FOB
Dr. J. C. AYER & CA., Lowell, Mass*
Estados TTnidos,
ChimtcoB 1'rnrliccB e AnalyticOB,
VENDE SB OJa
t r-
~-
Vr:NDA$.
=3J
1~!
ale"

Grande pecbincha.
Cartes de gorgorfio de scda
para colfete a 2# e chapeos
de sol de seda a &>.
Vende-se cortes de gorgarao de seda de coi es
para collele, pelo baratissimo preco de 2^ e eha-
peos de sol de seda 1 or 8 j : quern duvidar ve-
nha ver e comprar, na rua do Duque de Caxias
Q. 88, loja de Demetrio Bastes. ____________
Wilson Howe & C. vendem ao seu armasD
a run de Commercio n. ii :
verdadeiro panno de algodao azal amencaao.
Excellente flo de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade}
Agua de Vkhy
ffante Rhe-CcteliDs-jliopHar
Se vende a 25itS0OO a caixa de*50 garrafas.
___________NA RUA DO SOL X 15.___________
Vende se um pequeno silio com duas casi-
nhas de taipa, cobertas de telha, tendo nma dellas
1 quartos, sala da frente e de iantar, e cozmba
fora ; e a outra 1 quarto, sala da (rente e de jan-
tar, torn 97 palraos de frenta e de fundo 460, no
lugar do Arraial, perto da esiajao da Casa Ama-
relJa : a trttar naraa da Pain a d- 00.
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Em sea armaxem a rua do Trapicbe n. 14, 0
guinte:
AlgodSo ami americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tudo muito barato.
tea mHagrosos anoeid electric*, ftura UT!hUv4i dJ togimaeeaa^D.idetetelttr, laoenla e eata \ ^ ^1*Z ^U applicacao das
MTimbs. jiipmnf rente, bem obrado, e com. ierwoos rouito feroaa VflPJliAV til VAfS

A M;ignolia, a rua Duque de C ixias n. 13, par-.
;icit>a a bello s.exo. que acsba de receber da Ed-
ropa, um complelo S'riimei)to de anigos de 11 Hi -
ma mod*, e d>hT> acha desueceraarfo faaer om
enfadontHj .' rente, bem obrado, e coat, lerrcaos rauito feroaa %
~T Sa>ftr!afreJava 11ais.de 4500 tae8 : a u"lr n* Tai V
aVEocanlamento n. I
i>----------- ". .r. ---------------------------rr- \
ap km % imwm bmtis 0 Sal
KIHWAA
DE
tettms kmUs ho Sal
gaotulbr.
Antonio Jose Bodrigaes de Sooia, na tbesoura-
t:
find
por ja aer ba.'tanu* eoobe- rP* ^J8 luterias a rua do Crespo n. 6, vende sua j
"a de taipa e lerrcnos de seus fitios no tagar
Salgadinho : a traiar somente com 0 mesmo.
rida, e capricliar sempre em ier bons corre.^on-, Qas* de taipa e lerrcnos de seus fitios no tagar
denies, .-endo a. pr meira, (me aoresenla, 0 qne ba
de mais rtii'derno e por pretjos mul ramnveis, pop ^ t\* r* nnr\ r%'r%
*raj2-<*-1= ft BOM SARER-SE
Uicoa 4e coresi taato dese(Ja coj de guipure,, Qne a NOVA ESPERA.NCA, a rua Duque de
Letsiiett douwdos, de ujadreperola, marGm.tar- TJaxiasn. 03, bem cqn^ecida pela superioridade de
taruga, osso, etc. ,8us artigos de moda e'pnantasia, acabd de recc-
Miihidnat de bare. ber diversas cncoromendas de mer adorias de 5oa
Prcttcntca. diveraoa arttfec propiwe para pre* reparticJo, que pela elegandi bem mostra aptidao
sentes. ,, ojnoW bom go to de seus autigos correspjndenlei da
cutiiiiiiaa e pynlios. Europa, e por eata razao a NOVA ESPERANCA,
tin mini para missa, com capa de madreperola, ^tua Dua,ue de Caxias n. 63, convida a aua boa
tartaruga, marflm, velludo, etc.
Sapniinli*B de setim para haptisado.
Cnmiisaiibordadaj para aenhoras.
jLia de seda. .
KiaujuH mosaics?.
dercroa de tartaroga.
voitaw de madreperola.-^doa 0 .6;>ni't
I'ulneiraw de maiireperoia.
I.t d Bolttas de relluJo.
t'orfamarlas dos raelhc res e mais afamado9
fabrrrantes.
Ciaapeeti de sol para senboras.
tit an de velludo de ludas as cores e larguras.
Quereis livrar vos destes maldiios insectosf com-
prai uma machina de mater gjoacas por 3*000
na Magnolia, a rua Dujuc de Caxias n. 45.
Calvice.
Vende se Da rua do Commercio n. 4, cerveja
Neruega, marca M L :_
BiUer Augustura.
Rum de Jamaica.
ADV0GADO
BAGBABEL J0AQL1H 6UE?(1S DA
SUVA MELtft.
, S3 Kim oHtrt-ila do Kosariu 93
, iiriiuciro aiidai1.
fe^liTVjJ *
'
Sabonete vegetal pre-
svvativo do conta-
gio venereo.
A descoberla de um meio preservative
da infec.-ao syphilitica tern occupado a
attenfiio de muitos medicos notaveis
desde tipoca mui reinota, a Uto movidos,
sera duvida pelo desejo de pouparem a
humanidade as funestas consequenci^s
do conlacto e absorpcao de um pus tao
ualeficu.
0 Dr. Antonio Ferreira Moutinho, dis-
tincto medico na cidade do Porto, e ho-
mem abastado, qie com o mais desia-
teressado empenlio se enlregou por
longos annos ao estudo e ensaios para at-
tiagir um tao louvavel quao humanitario
desideratum, julga ter descoberto subs-
tancias vegctaes, que reunidas em for-
ma de sabonete, prodnzem com eOicacia
e de uma maneira infallivel o pretendi-
do_ effeito.
Sua coavicgao 6 tal, em vista de nu
merosa- experieneins feites no hospital
da cida Je do P,>no, e do bom resultado
que o publico tern obtido do uso de tal
preparacio, que elle ollerece o preroio de
um con to de reis fortes, ( como se 16 no
prnal Atfuatidade do Porto de t de
maio deste anno ) a qiiem tne provar a
iinarofi<:uidade de sou invento.
\ Por -autorisacao do Dr Moutioho, o
) uaico depo;ito de seus sabonetes para
. esta proviocia e para todas as provin-
) cias do none, e a Pharmacia Central, e
para obstara iual iuer fraudeserao con-
siderados (alsiticados todos os sabonetes
que nao levarem o ro'.ulo deste estabele-
eimento.
1'hrmacia Central
34 Rua do linperador 38
VENDE-SE
a armacSo com caixilhos, invernisada, da loja a
rua Direita h. 83, por metade de seu valor : a fa)-
lamas Cihco Pontas n. 31.
Onadrillias.
A' rua do Dariio da Victoria n. 17, loja de Pe-
dro Emilio Roberto, estao a venda Ires lindas qua-
driihas para piano, a 1*000 cada exemplar.
A Magnolia, a rua Duque do Caxias n. 43, ven-
de o verdadeiro Vigor de Ajer, que impede
cabida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quem qoer; porque a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadeira Cuticuleria, que faz desappa-
recer estas manclias em poncos dia.______^_^_
c constante freguezia e com especlalidade ao seio
amavel, a visitarem na, aim de apreciarera ate
onde toea o pritnor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer ei.lrar no nu-
mero dos massautea (verdadeiro^ azucrin?) com
extensos annuncios e nem pretends dewrever a
immensidade de objectos que tem exposlos a ven-
da, o que seria quasi impossivel, mas liraitar-se-ha
a mencionar alguna daquelles de mais alta novidade
e toma a liber jade de aconselhar ao bello sexo,
que a vi-item constaotemente, para depois que
comprarem em omra qualqner parte rao se arre-
pendei em, a viata do ban e escolhidu soriirnento
que ha em dilo estabelecimenlo, e>ta razao tam-
bem demonstra cuie qualquer senhora do bom torn,
nao podera comptetar a elegancia de sen toilet
sem qne d6umpasseio a NOVA ESPERANCA, a
ma Duque de Caxias n. 03, a qual acaba de rece-
ber os seguint s artigos de iuxc e iuioira novida-
de :
Modernas settas para prender os cabcllos
Primorosos leqnes it phantasia.
Bonitas sabidas de balles para, seuhuras e meoi-
nas.
Inleressaates gravatas para senboras.
Elegantes faclias de touquim.
Bon* adere^os de madreperola.
Dohcadus aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto novuj.
GOMMi ELAST1CA
mais modernas e aperfeiroaJas de todas
as conbecidas
Vendem-sc
NA *
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34 .
Pmparado r"^
Lai.man d acmd
p.tra thisi-aca
loda a qn. de dooii^as, quer
seja na garganta,
peitit om b'f'-s.
F.iprcssamenta
scolhido>dosme-
1 h ores fi gados dot
quans m Mtrafce
o oleo no banco
da Terra Nova
purulradoctiim:-
cr'mcnte,e sua*
Taluaveisprtipri-
edades conaerva-
4m c*m lodo o
cuidaJo.emtodo
nfraj-cosegaran-
tepcrfertamen-
te puro.
Este oleo tm
sido submettidd
a oroexame mui-
to severe pf!o
chimico de mail
talento, do go-
vorno.heapsnhol
em Cuba e W
pronunciado 7 r
elle a contor
D'lOMNA
que elle ttru
(
(
Eseravo.
m
(jlinila
Aluga-se por festa ou vende-ae por pre^o ra
zoavel 0 palacete contiguo a igreja do Bomfim,
em Olinda, n. i, com mobilia eompleta ou sem
clla, jardim, arvoredos de fructo, cacimba abnn
iante, casa de banhos, e commodos para grande
lamilia ; e sim mais duas casas na mesma rua
dens. 8 e '.2, e oatra na ladrira da Misericordia
n. 1. Alem destes predios, aluga-se somente por
lesta ou annualmenie, 0 sobrado n 36, e as casas
de n3. 31. 32 e 39, a rua de Pernandes Vieira,
outr'ora Mathias Perreira, aque|b3 com gaz e agua
do encanamaato, uma pequena mobilia, e grande
quintal mur id j, bastante arejado, e estas as?eiadas
e com bastantes commodos, e pouco distant" do
litoral: a tratar na rua do Bijpo Coulinho, outr'o-
ra rua Nova, sobrado da esquina n. 18, ou no
mesmo palacete.

TO D01JT0R WII.L1AH K0RTH
Para restituir ^ro(*res*' vatiu-nte aovcabellos
A SUA COR PRIMITIVA
:'jiP"Aiir.r.T:TuiRtw pou'COS ni*c a os case l los
A SUA COR PRIMITIVA
Bom eiito iiifaHivcl rtcscc o lottroite ao prelo
SopcrlorMadc ):i(cnltc5t.ivel; Cnipiego inoffrnio.
PfRri'MARIA ORItSTAt, 3, nif Dnfirc, PARIS
Pf Vende-se um mulato de 40 annos de idade, tem
boa conducta, e carroceiro e aplo para qualquer
servico : a rua do Hospicio n. 8t.___________"
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os aeguiates:
Barra,
I"r*guic*i,
e Patricio.
A tratar com seus proprietarios nesta cidada
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei
relies Filho na mesma cidade de Mamamguapi
Tasso IrmSos & C
Engenho k venda
Vende-se a dinbeiro ou a prazo nm engenho
moente e corrente, de aniroaes. com pequena sa-
fra creada, a uma legoa d stante da villa de Pal-
mares, estacao de Una, de bom terreno de varzea,
podendo safrejar 2,000 paea annuaes, com propor-
cao a ser de agua, podendo ainda ser accrescenta-
do ao pooto que se queira, com terrenos annexos
que se vendem : quem pretender, entenda se eom
Joaqnim Rodrigues Tavares do Mello, nesta cidade,
praqa do Corpo Santo n. 17, andar.
Grande liquida^ao de charu-
tos da Havana
Flor Regalia.
Iskandro.
El ordem.
Rua do Marguez de Olinda n. IS.___________
Pentes girafe.
Pentes grrafe, proprios para senhora, ( ultima
moda): a Magnolia a rna Du^ue de Cax'as n. 45
e so quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera que etaa-
mam papai, mamai, ehoram, andam, etc So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolae.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros a ell is antes que se aca-
bem.
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
n. 63, receben desta neeessaria linha.____________
Salsa-parrilha do Pard
Tem para vender Antonio Laiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, .a rua do Bom Jesus nu-
mero 57.________,______________________________
Grande descoberta
Curativo das molestias do
peito pelo
larope de. sulphito de soda
A. BiOIlXKT
Este iroportante medicimento que acaba de ser
reconhecido pelos distinctcs Drs Zalloni e Paras-
chevas como um verdadeiro especi6co contra a
phtysica, segundo provaram nos grandes nume
ros de casos por elles experimentadg.s como se ve
na aessao da aeademia de Paris de 24 de marco
do corrente anno, encontra-se unicamente no
Deposito da iharmacia e drogaria
de
Barlboleiucu A' C.
N. 3i Rua larga do Rosario N. 3i
romi
Vende-se pes de sapotas
na rua do Hospicio n. 75.
de optima qualidade
Econowia!
Na rua do Queimado n. 43
Junto & loja da Magnolia.
Aproveitem que so e barato!
Lazinhas de linho, podrSes muito lindos a 200
rs. o covado.
Lazinhas de qaadros a moda escoceza, largura
de chita a 240 r*. o covado.
Metins de quadrcs pretos a brn.-o p 320 ra^. o
covado.
Metins de listras e flores rmadas a 280 rs. o co-
?ado.
Clutas escaras a 160 ra. o covado.
Cambraia Victoria fina a 3 a peca.
Chales chioezes com listras a 2jS.
Sd na loja do Guerra A Fernandas.
Dao-se amostras.
PREDILECIA
A' rua do Cabu^a n. f A.
Os proprietarios da Predilecta, no intuito da
conservar o bom cooceito -que teem merecido do
respeitavel publico, distinguiudo o seu estabeleci-
mento doc mais que negociam no mesmo generc
veem scienlificar aos seus bons fregueres que pre-
teniram aos seus eorrespondentes nas diversas par-
cas d'Europa para Ihes enviarem por todos os pa-
qneles os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantos
daquelles paiies, vis to aproximar se o tempo de
festa, em que o bello sexo desta linda Veueza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja reoebessem pelo paquele francez divers o
artigos da ultima moda, veem patentear algun.-
d^ire elles que se tornam mais recummendaveis,
adPmndo do respeitavel publico a costumada
coneurrenoia,
Adezeeos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo o mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e da
velludo, sendo dirersos tamanhos e baratos pra-
08
Adereeos completos de borracba proprios para
luto, tambem se vendem meios adereeos muito bo-
nitos.
BotSes de setim preto e de core* para ornato da
estidos de senhora ; tambem tem para collele
nalitot.
Boisas para senboras, exisle um bello sortimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tauto de louca
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mo8 a aitencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por (alta de nm ob|ecto que as en-
tretenham.
Camiaas de linho li&as e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulaa de linho e de algodao, de diveraos pre-
Aitencao
Vende-se uma armacao para taverua, na fre-
guezia de S. Jose, e em boa rua, garanlindo-se a
cbave : a tratar na rua Imperial n. 70.
Grande liijiiiilacao de
VERIIADEIRO
RACAHODT dos ARABES
&b DELAHGREHIER, db Paris.
Cbt todu u MolmUu do Zktomagp do*
latcttiaoi, roUbelc* 05 CaiTtlcteentti, for-
tAw as CfUncu e u pessou dellcadM doentet
de Anemis, Ckloro$e, etc., for ou proprie-
6Mm ihwMchicti um pruervativo con-
[ Ira Febre amarella. Tjphoide ou
Um, elc. (Ciw((I cotra mx/aiii/ica-
fi"). Depoaltoa nu pharmaclaa acredlta-
I a do BraaH.
COMPRAS.
mmm liteira.
No i." andar desla typograpnia, das & noraa d*
tarde em jiante, se dira qaem precisa comprar
nma.
Na loja da Rosa Branca
rua da Imperatriz n. 56.
0 novo proprietary deste estabelecimento tendo
resolvido nquidar todas as fazendas existentes no
mesmo estabelecimente, pelo barato preco, convida
a todos os fregueze* para que aproveitem a occaiiao
de virem sortir-se nesta liquidafao.______________
Camisas.
Camisas francezas brancas de algolao fino com
frizo de c6r a 2a000 uma, em duzia a 23/000 ;
6 pecbincha: na rua do Crespo n. 20, loja do Gui-
Iherme & C.
Fustfio.
Fostio branco para roupa de meninos a 600 r?.
o covado; e pechincha : na rua do Crespo n.
20, loja do GuUherme 4 C_____________________
Vende-se
um mulato de 21 annos de idade, excellente co-
peiro e eozmbeiro, de boa conaucta : a tratar na
rna do Marquez de Olinda n. 66, i andar.________
PrWtsa-i5 comprar iom escravos, padreiro
tarapina, paga-ie best: a tratar "na (pesouraria
das loterias, a rua Priraeiro de Marco n. 6.
E baraiissimo.
Attencao.
Aproveitem antes qua se acabem, popelinas de li-
nho, padr5es moderno?, polo taratiswmo precp
de WO rs. o covado : quem dnvidar, venha ver e
compraf : na rua Duque de Caxias o. Demetrio Bastoj.
Compra se e vende-sa teastasnovoa
e usados no arauzem da rua o Im- ^^
porador n. 48 (ilk


.
Boa acquisiqao
Vende-se am sobrado sito no pateo da Se, em
Olinda, ediGcado em chad proprio, com grandes.
accommodacoes para numerosa familia, reediQ-
cado e pintado de novo, com bellifsima vista,
muito fresco com quintal : a tratar no pateo
de Pedro II a. 6, {.* andar.
Vende se nma excellente escrava, idade de
37 annos ; a tratar na rua do Viaconde de Goyan-
na n. 67.
Cbarulos da llahia
do fabricante Gustavo Alberto Sohmorbuscb, das
seguiutes marcas :
Aristocbatas.
RlACHUELOS.
PERl'LOS.
Conchas.
Pioifeicao.
DlSHABKS.
Traducos.
GoLONDRrNOS.
Vende-se por precps resumidos na rua do Mar-
qnez de Olinda n. 18 armazem.________________
Na rua Nova n. 8, loja do Lyra & Viauna
ha novo sonimento de botina3 pretas, de cores e
brancas, para senhoras; ditas de phantaiia para
meninas e meninos ; assim como, botinas de Mi-
lies e Suzer, para homem.______ j_______
IIJIJI
No Barateiro!
A' rua 1. de Marco n. 1.
(Antigu do Crespo)
Confronte ao arco de Santo Antonio.
Os proprietarios deste estabelecimento, resol-
vendo fazer acquisicao de novas fazendas, por isso
fazem uma liquidacao por baratos precos da ja
existentes, para com maior presteza liquida-las.
A saber :
Lazinhas escocezas de goslos mnito lindos e in-
teirameute no'vos a 1*0, 160 e 200 rs. o covado !
Ditas com listras de seda, lindos padroe*, a 300
rs. S.'i anii I
Aleassianas com lindos desenhos e cores fixa?,
a UK) rs. Como sao lindas.
Baptistas com barras maiisa^as, bonitos gostos,
a SCO e 400 r. Que padrocs lindop.
l^iitas escuras e claras a 240, 260 e 280 rs., e
percales muito Unas a 300 rs. So o barateiro !
Matins de gostos novos, ainda nao vistos, a 280
e 300 r.-. Hand tin ver as amostras I
Cretoncs cscurps e claros a 300, 400 e 410 rs.
E'baratd.
Cambraia tapada e transparente a 3*300 e 4a.
com 8 i|2 varas. K' pechincha, o barateiro quei-
m<,nao vende.
Cortes de cretone bordados a S|50O. Somente
para arabar I
Ch les de casemira c:-m listras a 3j5C0. Pelo
preco e baratissimo.
Bramanle de linho de duas larguras a 1JI0O a'
"vara E* exactn.
Br'm trancado pardo a 280 e 400 rs., c de co-'
res (Angola) a 500 rs. o covado. So aqai por es I
te preco.
Grande soitimento de chapeos de seda, merino
e alpaca, para homens e senticra?, para homem
a 3*500 e 4*500, e de seda superiores a 9a, I
(duas cores), para senhora (alpaca) a 2*400 e de
seda a ii00 e 34- K' ou nao barato ? e.
Grande porcao de camisas francezas de linho a '
324, 40* e 44*. Sao modernas.
Madapolao fino a 5* c 5*500 o francez a 6*. | pleumente desarramada" dovem tornar
E' pechincha !
Algodao Babia com 24 varas a 4*000 e 5*000 a
peca.
Atnalhado para mesa, com bonitos desenhos, a
1*500 a vara.
Lencos brancos de linho a 3*500 e de cores a
3* a duzia.
Toalbas de linho alcochcadas a 4*500 e felpu-
das a 6*500 a duzia.
Colchas adamascadas a 3*000. So o barateiro I
Meias para homem a 3*500 a duzia ? Sim I No
baraieiro compra-se per pouco dinheiro.
Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Loja de fazendas
MAIOK PORCAO
do jjjuii outro qualquer oleo,
'xarrinado
IODISO E L'MPOOFRSALVAKOR.
Em lads o oleo de figauo de Laralhao, e r.t-
quclle no qual contem a maior porcio desta
i invaluavel propriedade, e ouuico meio j%ra
I curar todas as GAROANTA, PE1TO, BOFES, UGADO,
I Phtysica, bronchistes, asthma, cathanbo,
tosse, resfriaoientos, etr.
' I'ns poucos frascos da carncs aoaaoito
jmagro que seja, rlarea a vista, e M vigor
I a todo o corpo. Nenhuin outro aitigo co-
nhecido na niedkina ou sciencia, q*a tp.uto
nutimento aosy!ema e inrommodando quasi
! nada o estomago.
' As pessoas cuja organisacio tem sido des-
truida pelas aiTci-c^es das
KSCROFELAS Oil RBEUMAT1SM0
e todas aquella?, cuja digestao se acha cora-
0 OLEO DE F1GADO DE BACALH
LASMAS Para a boa conserva^i
VOSSOCA BELLO
9
DE
Gu.llieri.iC & C.
0 antigo barateiro continua a vender por meaos
do que outro qualquer, com a franqueza e siu-
ceridade ja conhecida.
Las de cGres a 2C0 e 240 rs. o covado.
Las pretas superior, a 360 rs. o covado.
La e seda, fazenda de 1*400 por 700 rs. o co-
vado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cures a 280 rs. o covado.
Crelones de padroes lindos e medernos a 400 e
440 rs. o covado
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. o covado.
Cambraias de cores miudas e graudas a 280 rs. o
covado.
Ditas pretas com flores a 200 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas s abertas, fazenda
mais Boa que tem vindo ao mercado, e fazenda
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; e pe-
cbincha.
Entfemeios eetampadoa e bordados, de undo* 9mb'^a.Kan?JParel-eji^ J3**,1'^"
deseahos Dlla Victoria, tina, a 3*oOO a peca.
Escova's electricas para denies, tem proprle-1*****{,**** SaS^VS^
dade de evitar a carie dos denies LBnm branco de linho a 1*400 a vara.
%JS^iff%&^S%im. existe am IDilos de cfires do linho, fino a 500js o^-ado
g-andesortimento de divercas larguras e barato j Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6* e
7* a peca.
Algodao T,largo e
l, eg.
Caixiobaa com musica, o que pa de mais lindo,
com distiooa nas lampas proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos |orraa-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam nm sortimento
da ultima moda. Unto para senhora, como para
meninas,
Oapellas simples e com veo para noivas.
/TV^'tiP-
**\.
p
Cal^as bordadas para meninas.
Vende-se um complete etirso da preparato
nos : quem precisar dirija-se a rua do Viseonde
dePelotas p. 4, 2' andar.__________________
Na rua da Imperatriz n. 47, 2' andar, ven-
de se um casal de escravos, com uma cria tie 14
mezes de idade, e um negro de 18 aonos de idade,
proprio para todo servico.
YENDE-SE
uma casa na villa de Barreiro*, na rna do Com
zercio, por preco modieo: a tratar com Taaac
'rmaos k C____________________
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel ae linho
proprio para cigarros, de diversas largurai.
SOO^OOO
Venle se um terreno em Belem, com 230 pal
bds de fente para uma das estradas ulumamente.
abertas ao eitio denominado Campo Alegre, que
loi retalhado ; esse terreno tem o fundo nesgado,
e divide com terras perteneentes a berdeiroe de
Paulino da Silva Mindello : o pretendente dirija0
e sa caia de Baubos do Recife.
--------------^*---------------1---------------------------------------- i "
Cinlos de eouro
Amaral, Nauuco & C. recebtram um complete
aoru'mento de cintos de couro preto, com flvellas
e enfeites de metal branco, dourado e oxidado,
para senhoras e meninas ; eSo dos mais naoder-
nos que tem vindo ao mercado : vende-se no Ba-
,ar Victoria a rna ao Barao da V::tqria a. 2.
calcps mm
Praca da lulc|tcnacu< ia
IS e 15.
Loja do Arantes.
Botinas de duraque, de coro preto, cango
alto e laco, para senhoras
Ditas de dilo, idem idem, para meninas
Ditas de dito, bordadas, para senhora
Botinas gaspeadas, de verniz, idem idem
a 2,006 e
Ditas de pellica, canno alto, a Luiz XV
idem idem
Sapatos de duraque de cor, idem idem
Sapatos de couro amarello, indem Idem
Chiquitos 6 sapatos de couro de iustro
com sal to, para meninas
praco.
Pitas de saria- de gcigutao, de setim e de cba-
m^int.e, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurJo mnito lindas.
Fi- rut ariificiaes. A Fredileeta prima em con-
orvar sempre am bello e grande sortimento des-
as notes, nao so para enfeite dos cbc-llos, como
tambem para ornate de vesiido de noivas.
Ctaloes de algodao, de IS e de seda, brancos, pre-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos da cambraia a de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
ooiva.
Livros para onvir missa, com capas de madre-
oerola, marfim, 6&so e velludo, tudo que ba ds
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Dm belie sortimente de madre-
perola, marnm, osso e duurados por barato preco.
Pejrlumariaa. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao so em extractos, como em oleoe
banhas dos melhores oderes, dos mais afamados
fabrieantes, Uubin, Piver, Sociedade Hjgienic*,
Coudray, Goanel e Rimel; sao indispeniaveis para
a (esta. v .
Saias bordadas para senhora, por commodo
Pfeeo,
Sapalinhos de ia e de setim bordados ,para bap-
tiitAin
Tapetes. Becebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, unto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptisado o que ba de melhor
gosto e os mais modern srecebeu a PredilecU
de or arato preco, para near ao alcance
qualquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
Aproveitem
0 PARIS N'AMERICA. a rua Duque de Caxias
n. 59, primeiro anlar, esta vendendo ealcado pelos
seguinies precos: -
Botinas dc duraque para senhora a 3,o00 reis.
Dilas de dilo preto a 4,000 rail. ^
DUas de dito com bplSes ao Jado, a 4,000 rtis.
Ditas gaspeauas, cano alto, para septwra, a
5,000 reis.
Ditas de peluca, ingleaa, a 4,000 reis.
Ditas de duraque b or dado, para ieauora, a
'Ditas de daraque, de cores/para menifas, a H-
Em quanto e tempo -
superior, a 5* a peca
Gorgorio preto de seda para vestido e para collete
a 3* o cevado
Toalbas grandes a 4*500 a duzia. ^
Colcbas grandes a 3* uma.
Lenc6es de bramante a 2* um.
Cobertas de ganga, forradas, a 2* e 3/.
Lencos de linho, abanhados e em caixinbas a
3*500 a duzia.
Ditos de c6res a 3*500 a duzia.
E outros muitos artigos por precos baratissimos.
So na rua do Crepo n. 20, loja das 3 portas. Dao-
se amostras. ......_____________________.
com flores, padroes inteira'
5,000
4,660
5,000
3,000
8,006]
3,000
ym
JjOOO
Para o febrieo de ehapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame proprio
para annaclo de chap'eoj.
HA/VU
Grande H0\idade.
Reis e Silva & Guiroaraes, proprieUrios deste
bem moaudo estabelecimento de fazendas finas,
site a rua Duque de Caxias n. 60 A, esquina da
estreita do Rosario, avisam a seus freguezes, e
espeeialmeote ao bello sexo, que tem eoostante-
mente 4 venda por precos commodos, o seguinte
sortimento:
Sedas pretas, gros3enaple3 e gorgoroes.
Grauadinas de diversas cores.
Popelinas de seda e linho.
Lindisaimas alpacas
mente novos.
Baptistas com'listras de crochet com flores soltas.
Ricas saias bordadas para senhora.
Las de diversos padroes.
Organdis de uma so cor, arrendaaos.
Ditos pretos com listrat. __
Bellas cambraias branca e com listras assatinadas.
JUquissimos chales para senhora.
Cambraia transparente muito nna.
Dita Victoria, idem.
Optimoa manteietes pretos com enfeites para ae-
Atoalhados de linho e algodSo, proprios para
roapas.
luquissimos cortinados para cama.
Colehas adamascadas para dita.
Alem de um grande e variado *orumento oe
madapoloes, metins de cores, cretenes,_ bapustas,
nerearinas, chitas de differentes padroes, cassas,
bus branco e pardo, casemira, camisas para ho-
mens e senhoras, panno fino, callannhos, punnos,
aravatas, lencos, meias para homens, seanras e
meninos, chapeos para homens e senboras, tape-
te, etc. etc.
Corram a pechincha 1
Bon e barato I
So no Bazar das Familias.
Rua Duque de Caxisa n. 60 A.

Elle (i urn preventivo seguro e certo i :il;a
a calvice.
Elle da e restaura forra e sanuladc d \". Hj
cabeca.
Elle de prompto faz cessar a qucda prema-
tura dos cabeiles.
File d< grande riqueza de lustre a-sca-
bellos.
Elle doma e faz preservar os cabeilus, om
qualquer forma ou posi^ao que se Jr.se-
je, n'um cstado formoso, liso e macio.
Elle fai crcsccr e>s cabellos bastoi e com^ri-
os.u
Elle conserva a pelle eo casco da aabap
limpo e livre de toda a esj)ecic ds cispa.
Elle previne os cabellos de se tornar. m bran-
cos.
Elle conserva a cabeca n'um estado de frcs-
cura refrigerante e agradavel.
Elle nao e demasiadamente olet-so, gordu-
rento ou pegadicp.
Elle n5o deixa o meuor cheiro dtis.'
vel.
Elle e o melhor artigo para os cabellos im
criancas.
Elle e o melbor e o mais aprasivt! artigo
para a boa conservecSo e arranjo dm >.a-
bel'.os das senhoras.
Elle e o uuico artigo proprio p^ra o peotea-
do dos cabellos e barbas dos wfcuree.
NESHUM TOUCADOR DE SENHORA ^S
P0DEC0NS1DERAR COMO COM-
PLETOSEMO
TOMCO ORIENTAL
o qual preserva, limpa, fortifica e afonr.f-s-a
O CABELLO.
Acha-se d venda nos estabelecimentos dri
H. Forster & C, agentes. E em todas as
principaes loja de perfumari>-s ? botiras.
Sedinhas a 1^500 o cov. do.
Yecham antes que se acabem : na loja do Ta*:
a rua !- de Marco n. 7 A.________________
E' barato.
mm.
aproyeitem.
A*uuicas Yeidadeiias
Bichas bsmburfuatas fM vem a este marcado
na ma do Ma Ma-tAind* n,. 1________
Te^e-se para engento.-
ura bom mulato da 43 annos, com habilidades :
na rga da imperatria'n. w. -f-
Tl ', iiiMri' '" y 'iii'iiw:--------1
vrant para boivos.
Uma mobilia de jacaranda a Luiz XV, feita em
Paris, com gosto e elefnwia : a venda bo arBa-
zem n. Kdatravessa do Corpo Santo. \.-j.Nv> : na rua larga do Rosario J-
Veade-se um bonito bol manso (oabano), um
carro m bom esttdo e um encerado tambem em
bom estado, pela quautia acima, e barato : a ver
etratar na cocheira da Lopom.tora PeraamDu-
cana, a rua Nova de Santa Ritans. 55 e o9, das j
horas da tarde em diante. -r
Salsa parrflha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
Yeude-se um pequeno sHio perto da estt-
aio do Salgadinho, tendo de (route 150
palmos, e de fundos mats de quatrocentos,
som uma elegante casa de taipa, acaba Ja de
aroxirno e bem asseiada, teodo 4 sal s, t
quartos e cozinha I6ra. O tcrveno e pro-
prio o bom de planta$des, tendo algumas
.rvores de iructo, agua de beber e todo cer-
sado.
Para ver e mais explicaoSes, no mesmo s;-
tio a qualquer hora a entender-se com Tris-
tio Francisco Torres, e para tratar, na the-
jooraria dasloterias, rua 1.* de Marjo
a. 6. _____.
VENUE-?K ,
coqueiros ja boiw
se a rua estreiu
quem o vende.
lo Rosario n. 4 >, <\
*'
Para oasa de f;...ii^*-'
Vende-se uma mnlatinhadi! !v **, ,"
mncamba, sem vion ueu. def- ii -, ?'
engommar, lavar, coaadur, f
etc., e tambem peuteia p.r'tilm.-
senhoras, e so se nxV \m pr> n-_
e acoDipanhada dp*Uin fir d
muito e abundairt* leita t a -r.t i
rao u* S. Borja n. JO, .Uga ra*
oii.
.. l.-l
(I : ..!:: -.v
e v.
1 J*-

.
i



]
V


**
8
Oiario de Pernambuoo Quarta feira 19 de Agoftto de- 1874.
ASSEMBLEA GEBAL
/
CAHARA DOS DEPUTADOS.
REFORMA ELEITORAL.
(Continual o).
Ja e tumpo do fazer nos a nossa Iraiisic&o.
A grand; propriedadw territorial estd sub-
temtoria
dividida e frecciooadn pela lei das succes-
sors ; hcje a riqueza movel, as industries,
o comraorcio e as beHas letres, bem ao con-
trario do que succedia a ) tempo em que con-
seguirnos; a nossa emicDtpngio politica, des-
envoi vem-se e crescem ; a sao titulos que
entao nio existiam de mconteatavel capa
cidade politica.
Nio parece, pois, que n6s, ospropugna-
dores da substitute das institutes do
suffragio quasi universal indiretto pelo re-
gimen directo, pretendemos esbulhar o povo
de sea direito politico de votar. Esta sup-
posto direito traz em si mesmo a prova im-
phoite da iucapacidade de quern so o exerce
por intermediaries, e e na reelidade uma
ucc3o, como depois mostr a re i.
Feitas estas considera$6e9, mediteraos so-
bre o alcance do projeclo de reforms elec-
toral quanto a" pennanencie da qualifi-
cegio.
Sr. presidente, o que observo no projeclo
talrespeito videncias, as disposigoes sio complicadas,
de caracter casuitieo, miudas ?s precaucoes
r.ara o fun de tolber-sea frauie, mas todas
illusorias ; porque emquanlo se mantiver o
suffragio quasi universal, os resultados scrio
os mesmos ou peiores, invenlem embera as
leis quantos expedienles frageis Ibes pare-
cer. (Apoiados.)
Antes de tudo vejo que o processo da
qualiticacao sera tao trabalboso quo consu-
med em cada um dos annos do al stamento
biennal cerca de trezentos dias. Parece me
que esta demonstrag&o pode fazer-se ma-
themalic&raeute. Ora, sem os estimulos
que s6 o espirito pubheo pode Jar, acredito
i|ue os eiiodios votantes na sua quasi totn-
lidade n.io acompenhario o process) da
qualitieagao ; e scm que o (Iscalisem.'me-
Jhur garantia que a dos recursos que n6s
sabemos para o que servem e o que valem,
supponho que nao havera efficacia em com-
binagio alguma que tenba por objecto a ma-
uutengao do stalu juo.
Pretende-se ter dado cunba do per-
manencia us qualificagoes, conferindo-se
aos votantes titulos que se dizem inaliena-
yeis, intransferiveis eque so annullar-se-huo
com a psrda da capacidade politica.
Mas, Sr. presidente, por mais que se re-
pitam os avisos, os annuncios e se commi-
noro multas e penas aos votantes para irem
receber os seus titulos de qualificagio, eu
antevejo que dous obstaculos insuperaveis
Mo de burlar as combinacOes imaginadas
para a ti iehdade e seriedade do processo.
0 1. ee falta daquelle espirito publico
de que jd fallei ; e a ausencia de civismo e
de educagao das massas ignaras ; e a indif-
ferenca com que os votantes, espalbados
pelo interior do paiz, eonsiderarao o seu
titulo de qualificagao, que nao os garante
de violencias, e que sera para elles, objecto
de menus valia que uma simples escusa de
recrutamento que lbes desse o seu subde-
legado de parocbia. (Apoiados.j
0 2." resulta das distancias, da falta de
meios de communigao. Parocbias, na sua
mur parte extensas, algumas com dezenas
de leguas, todas mal poroadas, sem meios
de communicagao, taes sao as condicoes da
divisao administrativa e politica do paiz. E
como poier-se-ha conseguir de votantes de
todas estss parochias que venbam pessuro-
sos receber os seus titulos dequalificacao
permancn'.e nos prazos designados ? (A-
poiados)
Ainda que fossemos omnipotentes, nao
poderiamos deccetar que a indifferenga do
votan.e Be convertesse em estimulo pela cau
sa publica ; o sem esta conversao, o seu ti-
tulo de qualificagao permanente serd uma
verdadeira burls.
0 Sr. Martinho Campos :Apoiado ; e
o miuistro bem o sabe, tanto que inventa
penas de queningu'tn havia cogitado.
0 Sr. Theodoro da Silva :Sr. presi-
dente, bem se diz que nada e novo debaixo
do sol. 0 projecto tern uma creacSo que
ccbei curiosa ; e a das turmas eleitoraes....
0 Sr. Martinho Campos :Apoiado.
0 Sr. Theodobo da Silva :.... nova
specie de centurias romanas.
E' verdade que o meu nobre amigo, de-
patado pelo 3." districto do Rio de Janei-
ro,' ja teve occasiao de avisar-nos de que a
politica romana vai-se introduzindo nos
nossos costumes. Creio que S. Exc. alludia
d politica de Tarquinio ; mas eu naquella
occasiao suppuz que S. Exc. estava sob a
iufluencia imaginosa de uma preoccupagio
sem fundamento, pois tinha para mim que
no solo brasileiro nao medram papoulas.
Como quer que seja, a verdade eque o
estudo das leis romanas sobre eleigoes nio
deixa (la ser triste. 0 observador admira,
como diz um escriptor, a severidade impo-
lente do legislador, desde os bons tempos da
republica nos quaes recommendava-se aos
candidates que por amor da propria digni-
dade pessoal nao cabalassem nos lugares
pubheos, ate os de Cezar, que no campo de
Marte fazia pagar aos votantes o prego de
..eus votos, e de Pompuo, autor e subversor
de sues proprias leis, que elle violava con-
tra os seus adversarios.
Pois tal o ja a degenera^ao de nossos cos-
lumes politicos que necessitemos introduzir
o uso das centuarias romanas em forma de
turmas eleitoraes ?1 E' certo que as cen
tuarias em principio foram meio de organi-
sa^ao imlitar ; porera com o correr dos tem-
pos e con a corrup^io dos costumes politi-
cos, passaram a ser meio de orgonisacao
civil e eleitoral. Foi o modo porque vea-
cia so a plebe nos comicios ; as nossas tur-
mas, arregimentando o voto, s6 differirio
dellas no numero, pois compor-se-ha cada
- uma de 25 votantes, e no predominio da
turba Je votantes dependentes sobre os to-
xantes capazes.
0 que vao ser entre nos as taes turmas
olei'oraes t Inscrevem-se os votantes a ra-
zao Je 2j para elegerem um eleitor ; a prio-
ridsde na inscripcao da" direito a cada tur
ma para desde logo serem sparados os seas
too*. Aquella preferencia, quo naemis-
sio dos votes, quer na sua apuracao imme-
diate, 6 t-ffeito da prioridade na inscripcAo
como j.i disse, e estA garantida pelo projec-
to. Esta* visto que as mesas parocbiaes ou
os eh -fei do partido dorninante u.n^ locali-
dade.', farSo logo inscrover por turmas os
; aintes ; so depois delles serao ins-
cripi... os adversarios, se o forem ; mas os
homeiis honestos quasi nunca inscrever-se-
hio, pela razlo muito simples de que, iso-
lados no meio da turba rnulta, nlo terio
cam quern eotrar em combinacoes.) (A-
poiados.)
Oca, Sr. ^esidenie,.tWf{W$Q o que
sto k Us tBrmas^eltdrioMffMl i ca-
mara comprehtnder que ellas scrvir5o so-
bretudo par* a reguWinsacio da capanga-
jrcm'eleftora!. (Apoiados.) C^ra ellas, S.
presidenle, fortalecer-se-bao as oligarchies
eloitoraes das localidades pela discipline e
immediala flscalisagao dos votos do seus
clieutes. (Apoiados.) Com ellas a priori
dade na iascripcjo des amigos oxcluirii das
urnas aos adversarios, pela inercia ou pela
lentidao dos procossos eleitoraes, mva por-
ta pela qual.introduzir-se-ha uma especie
nova do fraude ate agora desconheoida.
(Apoiados.) Com ellas, isolados os votan-
tes, e vencidos pelo cansaco da longa espe-
r, aio exhaunr-se-bao em despezas fora
dos lugares de suas resident ias e retirar-sc-
bao abstendo-se de voter, do que resultara"
o augmento das ja numerosas abstencoes.
(Apoiados.)
fc o que mais admira, Sr. presidente, e
que semelbante invencao original tenba oc
corrido quando se cuida de dar represen-
tar;ao as minorias, principio cuja realisacao
presuppOe a sinceridade da elei^ao, e 6* in-
compativel com a discipline do voto I
0 Sn. Martinho Campos : Apoiado ;
parece que o minislerio consultou aigum de
seus capangas eleitoraes dos arsenaes e re-
partii;ao de obras publicas.
0 Sr. Theodoro da Silva : Sei, Sr.
presidente, que ha urn prof undo vicio nas
nos as instituicoes eleitoraes, ou antes, nas
iustituicoas eleitoraes de quasi todo o mun-
do, eu o confesso. E' o vicio resultante da
preponderant das maiorias com exclusao
das minorias, assim reduzidas a silencio.
Estc mal, porcm, 6* mais facil de veridcar-se
que dostruir, como jd dissa alguem.
Comprehendo bem que as maiorias deve
caber a decisao dos negocios, e que as mi-
norias, muitas vezes numerosissimas, quasi
iguaes as maiorias, nao e justo nem poli-
tico que se recuse a representa<;ao propor-
cional de suas forgas. Esle principio, ra-
tional em theoria, nao pode ser contestado;
e mesmo seducmr ; mas attenda V. Exc
e a camera que elle continue a ser objecto
de estudo dos publicistas, permanece na
ordem do dia e nao teve ainda solucao por
falta do criterio seguro eJHdiciosoqua o ap-
plique.
Eu bem sei que a decisao deve competir
as maiorias ; as minorias obedecera ; o con-
trario seria a anarcbia nos corpos collecti-
ves, legislatives, ou judiciaes ; comtudo,
quando se trata de deliberacao, o caso e^
outro, e deve prevalecer o principio luui
noso e fecundo de dar-se repreienUcao as
minorias. Mas nao basta proclama-lo, pois
sem que baja proporcionalidade na repre-
senta<;ao, a consequencia pode ser a aniqui-
lai;ao das maiorias por meios artiiiciaes. A
proporcionalidade 6 tudo, mas na propor-
cionalidade esta* a difQculdade da solucao.
Neste ponto, diz Borely, em vez de uma
resposta, ba vinte, ba cem ; os discursos
succedem-se aos discursos ; as brochures ds
brochuras ; e a questao sempre mal resol-
vida, permanece como um enigma. (A-
poiados.)
Ha duas escolas, Sr. presidente, que pre-
tendem, por meios oppostos, resolver o pro-
blema.
A racionalista procura a proporcionalida-
de, e suppOe te-lo consegoido por uma sim-
ples operacdo de regra de tres, dividindo o
numero dos eleitores pelo de deputados, e,
sendo o resultado o quociente eleitoral suf-
liciente. A escola empirica despreza a pro-
porcionalidade, fazendo o exito da eleicSo
dependente da preponderancia do numero, o
maior obstaculo para resultados proporcio-
naes. Em outros termos: uma aceita o
principio novo em toda a sua plenitude ; a
outra aceita-o por meio de compromisso e
transacc&o de consequencias artiiiciaes.
Nao bouve besitacao : o projecto que se
discute adoptou um dos metbodos da escola
empiricao da pluralidade simples.
Fez taboa raza nos districtos eleitoraes,
rsstaurou a unidade de um s6 districto porj
provincia e conferio ao eleitor um s6 voto
para deputado.
Neste momento consinta V. Exc, Sr. pre-
sidente, que, abslendome da palavra, eu
a de" ao chefe da propaganda da represen-
tarao das minorias, ao presidente da asso-
cia^ao reformista de Genebra, ao Sr. Na-
ville.
Examinando o projecto do reforma elei-
toral, aquelle publicista manifesta-se em ter-
mos taes, que julgo prestar servi^o a* came-
ra dos Srs. deputados dando-lhes conheci-
mento da sua opiniao.
Diz elle :
0 projecto do governo, tal como foi
proposto, encerra um grave perigo, porque
arrisca fazer passar o poder politico a uma
reuniao de minorias, que de tal arte pode-
r& obter um maior numero de represen-
tantes do que de facto obtera a maioria ab-
solute dos eleitores. E' manifesto, por ex-
emplo, que, se, 10,000 eleitores concen-
tram os seus votos sobre um bomem popu-
larissimo, ao passo que 5,000 dividem os
seus por dous candidates, os 10,000 terSo
um so deputado e os 5,000 terao dous I

eleicdes ao imprevisto, ao acaso (apoiados);
porque os regimens eleitoraes uao servem en-.
para estabelece-lo ou taaote-lo; mas para Nao podemes espantar-nos que de tudo
deremalie>es verdadeirs*. A' quern se i?te rwultaisc uma reac^do violeBta con-
compraza com aquellos soce.)rro! mutuos, itra a accao 8a libordaJe que RJra violentis-
somento offereco o eoutraste da< scenas siaii.
muito coubecidas que succedem issceuasj I"o^ bein. Si. prosiJeiite, a France, ap6>
Mao e indispensavel, sem duvida, pro-
curar, em matcria eleitoral, uma exactidao
mathematica minuciosa ; mas o systems de
pluralidade simples arrisca deixar epperecer
o deseccordo do perlamento eleito e de ne-
cAo, em um sentido contrario ao do syste-
rna actual, arrobateodo o poder A maioria
real.
E' uma volte das cousas deste mundo
em favor das minorias ; mas nao e uma
volta perfeita e completa. Este systems (da
pluralidade simples) trate as minorias, ate*
agora opprimidas de um modo altamente
cavalbeiresco ; mas sendo inteiramente des-
conbecidos dos partidos politicos os senti-
mentos da cavallaria, e de esperar que, fa-
vorecendo exageradamente as minorias, em
vez de limitar-se a fazer-lhes justiga, provo-
queuma reacc&o violenta, e aue, sobretudo
o defeito de um processo escotbido para rea-
lisar um principio excellente nao arraste a
ruina desse mesmo principio e uao restaure
o abuso das. maiorias eleitoraes. -NSo 6
isto uma previsSo certa ; e, porem, o co-
nbecimento claro de uma probabilidade te
merosa que conv^m afastar e uao ter por
adversaria.
Probabilidade temerosa... o Sr. Neville
tern razao ; pordm, nao obstante o respeito
aue tenbo pels sua opiniio, eddilurei ds suas
observances algumas minbas proprias. SAO
simples e do facil comprehensao.
0 Uiumpho cavalbeirespo das minorias,
assignalado pelo Sr. Maville, nio diz tudo ;
o certo e que vamos entregar o exito das
e como copaaquetjcia jdisto, porqun o acaso
i am dissolveote dos partidos, sd predomi-
nard a iolueoda inteira a exeiuMtrio go-
verns. (Apoiaios.;
Senbores, supponba-se a projectada re-
forms em oiecucAo. Nos priraeiros tempos
de pureza de sua eaecucAo, quando a rdi-
leza dos rabulas de aldeia, quando as auda-
cias das olygarchias locaes, ainda nlo te-
nham bem aprinaorado os artificios e as
fraudes, pergunto sebaveri directorto-de
partido em alguma provincia e sobre tudo
nas grandes provincias, que posse com {>re-
visao regular a drftributta M 4>tot 4) cada
perodbia da mesnsa prMntM 2 (Apo4os.)
As inlluencias loeaes bao de dirigir-se
pelas exigencias ^la occesiao, peles occur-
rencias imprevislas no momento di disputa
eleitoral, e isto por uma razao muito sim-
ples, pelo instiocto do salve-se quern pu~
der.
As combiaac/ies dos directorios centras
nem tudo poderio prever para cada ponto
das provincias, nem serao fielmente cum-
pridas.
Quantas eventuslidades nao cogitadas po-
dem oeoorrer ? Antes de tudo ha a possi-
bilidade de que a maioria se divide para
crear uma minoria ficticie que supplante a
min ris, real ; ou o risco do erro nos cal-
culus da maioria, distribuindo os seus votos
por maior numero de candidatos que aquel-
le que realmente podera apresentar, do que
resultara* que venba a ter minoria na repre-
sentacao, quando as suas proprias forces4he
asseguravam maioria. Serd isto porventora
a representagao fiel e proporcionada de to-
dos os interesses e opiniOes politicas ? NSo,
porque o successo nao dependera mais da
force reel dos partidos, porem de sua babi-
lidade no emprego daquelles meios artiii-
ciaes : causera grandissima perturbagSo po-
litica ; serd uma calamidade, porque nem
essegurs triumpbo ds maiorias, nem repre-
sentac,ao &s minorias ; e a urna heard sen-
do am cofre de sorprezes e o predominio
do acaso desarticulard os partidos. (Apoia-
dos.)
Mas, figurando hypotbese contrarie, sup-
ponha V. Exc. que sao passados osprimei-
ros tempos aureos da execugao da lei. Acre-
dita \. Exc. que os directorios dos partidos
em cade provinrie, amestredos pela expo-
riencia, conseguirao impor a todas as loca-
lided'as, as mais proximes como as mais
remotas, as combinaQdes que fizerem, que
Gzerem nas capitaes ? Imagina V. Exc. que
a disciplina ferrea, assim imposta, serd fiel-
mente obedecida ; que nao havers' acciden-
tes fortuitos, nem resistencias ; e que de
longe mover-se-hao todes as pedras do jogo
eleitoral e bel prazer dos comites centraes,
mas com segurange, como n6s pods^jps mo-
ver as pedras do jogo de gamio ?
Seje ; mas conceda-me V. Exc. que isso
somente seria possivel, se a disciplina dos
partidos fosse tao ferrea, teo severs, tao ina-
balavel (meis do que o pede a personalida-
de dos partidos que de certo nio se regem
pela exagerecAo da obediencia passive) que
tal discipline scebesse com a liberdade do
voto. (Apoiados.)
0 que vejo claro e reputo certo, como
consequencia do projecto, passada a inno-
cencie de sua primeire execucAo, ou mes-
mo logo, e que, tentando dar representa-
cao ds miROrias, s6 conseguiremos construir
uma verdadeira Babel, em que fallar-se-hSo
todas as linguas, mas s6 intelligiveis pelo
governo. (Apoiedos.) Da espbera central
em que reside, ou por seus delegados nss
provincias, so elle serd o grande regulador
da eleic&o nas parochies. Pare tanto nio
terio terras os directorios politicos, sd pur
si e desamparados do apoio official. (A-
poiados.)
Se o principio da representac.3o das mino-
rias pudesse desde jd ser aceito pelo paiz
(mas note V. Exc que por ora nao o tern
sido senao como ensaio por dous paizes da
Europa, e Dinemarca, s6mente para a com-
posicAo de parte de uma de suas camaras, e
a Inglaterra em poucos'districtos eleitoraes,
sendo ahi os resultados contrarios eo que se
desejava, tanto que jd se tentou revogar o
b'dl do voto incompleto); se, dizia eu, aquel-
le principio pudesse ser jd convertido em
lei, parece-me que para ndo serem os seus
effeitos perturbados ou aggravados pelos
vicios, fraudes e violencias do regimen
eleitoral de dous grdos, serie indispensavel
que primeiro supprimissemos a roldane inu-
til, mas perigosa do concurso da turba-mul
ta de votantes incapazes, substituindo o
suffragio quasi universal pela eleicdo direc-
te. 0 que he que esperar de corpos eloi-
toraes restrictos, feitps pelo interesse de
poucos individuos, corpos eleitoraes ephe-
meros, pois s6 duram em quanto nio se
concluem aseleicOes dos representantes da
nagao ?
S6 com eleitores mais numerosos e per-
manentes, mais independentes e por isso
mesmo mais capazes, poder-se-ha restituir a
sinceridade e verdade que faltam ds eleicdes.
S6 depois de conseguido este desideratum e
que talvez se deve tenter a experience de
representar^So das minorias. Sem prepa-
rarmos o solo e* trabalho perdido fazer novas
constructs, embora de boa apparencia.
Mas, St. presidente, a eleicdo directa le-
ventou os clemores que ouvimos ao nobre
Sr. ministro do imperio, por causa, sobre-
tudo, das consequencias do esbulho dos di-
reitos do povo.
Ndo querq, Sr. presidente, discutir a dou-
trina, que me parece perigosissima, de que
o direito de voto politico nasce e morre com
o homem, tern por titulo a sua personali-
dede, e e um direito natural ; reputo esta
doutrina, que id nem estd na moda, como
proveniente de.revolncio franceza. Hoje
nao ba paiz adiantado e que se reja por ins-
tituicoes liberaes, como a Inglaterra, a Bel-
gice, os Estados-Unidos, que aceite seme-
lhente doutrina de origem revolucionaria.
A theoria sA e" outra. A capaeidede poli-
tica n&o e a lei quern a ere a, 6 certo ; com
tudo, Qxando as condicoes que apresup-
pde, como as da capecidede civil, reco*
nhece-as ambas, e confere direitos politicos
e civis aos cidadios capazes. A cspecidade
politica n&o 6 mais importante que a capa-
cidade civil, salva as differences de suas na-
turezaj diversas. Quantos direitos e de-
veres s&o'inherentes d ultima ?
Pois, assim como as leis a regulam, a
capecidede politica pode alargar-se ou res-
tringir-se pela accAo das leis, conforme o
estado de ediantamento da sociedade e sua
civilisacdo. Nao haverd pois esbulho se o
direito eleitoral for restringido.
Ouvi hontem.com admiracao a theoria de
que o direito politico dos votantes deve-lhes
sec mantido, porque conoorre para a com-
inunb&o, para a confraternidade de interes-
ses, de proteccdo e de dependencia recipro-
cos entre patronos e clientes, do que resul-
ta mutua estima entre os bomons inffueTT
tes nas eluio^es e a classe iguara, dosfivo-
rocidos de fortune e subsorrieote '
J/roteslo contra este inveulo doj-tbileu,
comtruir, faicinou-sepoT'novifJarles espeew-i
sss ; proscreveu todos os titaios, cereroonjaf
e phrases do antigo systems ; e foi pedi{)i*
c)es dc exp^rieocla aos escriptos dos tbeorf-
VotES
0 9r
Fallou
do tropelias, de perseguigojs e de rejruta- a irCoweto
"* '" '.--!.-..- -.... i- ..u _.-... Qjg^ro do imperio).
dente, o nobre chefe
a
reeuto contra os votasnes desobedientes. '*i\as alternative que tern ti.lc, ainda na\>
(Apoiados.) conse^uio lixaT-s". lias vias normaes do pro
Agora perguutarei aos sustentadores das gresso tranquilly e seguro ; a Franca iinda
liberdades e direitos popul&res, que direito nao pMe consoidar as suas liber Jades po-
politico 6 aquelle qua n&oe eflicez, que so liticas.
se exerce por intermediaries sem mandelo, Na sua ebuli.;ae intermilteute, precipitaso
eque por isso mesmo implir.a 0 reconheci- de uma extremidade a outra, ora procurando
mento da incapacidade politica de quern o na anarcbia um rofugio contra o' despotis-
possue ? (Apoiados ) I mo, ora impellida para o despotismo contra
Que esforc/) bistorico tem-se feite no in- a anarcbia.
tuito de prejudicar a adopcio do regimen 1 Eis eo que se deve attribuir a instabilida-
eleitoral directo II jde das instituicoes da France, e nio ao re-
Disse um dos maii notaveis talenlos des- gimeu eleitoral directo que ella teve duranle
ta camara, o nobre deputado pelo Oara, ma;.s de trinta an es. (Apoiados )
a eleii;ao directa ne Inglaterra tern dado pes-j Porem, visto que se attribue aquella ins-
si mos I'ructos de corrup>;ao e venaliJade. Na.tabihdade d essc regimen, lembrarci d ca-
Franca, o nobre ministro do imperio attri- mate que desde 1870 sle os ultimos tem-
buio a instabilidade das iasiituicdes ao re- pos, um dos periodos mais tranquillos, mais
gimen eleitoral directo que aili bouve ou- prosperos, de grande liberdade politica e de
tr'ora. Na Belgics, na liberrimo e felicis- merecida considerarao no cstrangeiro, foi o
sima Belgice, e sua prosporidade e o goto da mooarcbia de julbo, cujas iustituicOes
tranquillo de sujs liberdades sao dovidos eleitoraes eram directas.
somente d sebedoria do fallecido rei Leo-
poldo, como disee-o o nobre deputado pelo
Ceard.
0 Sr. Martinho Campos : E ella con-
tinua da mesma maneira depois do falleci-
mento do rei.
0 Sr. Theodoro da Silva : Bem sei o
que con /em fazer em cerlas occasioes quan-
do se pretende impression sr o animo dos
ouvintes ; enfeixe-se uma serie de abuses
commeltidos durante seculos, e de um jac-
to atiram-sc todos reuuidos d atlenr.io do
auditorie. (Apoiados.)
S. Exc. o nobre deputado pelo Ceard,
percorrendo a Inglaterra desde os tempos
dos Stuarts, raca infeiicissima de reis, pois
nem sequer aprenderam na adversidade,
ate os annos quo correm de publica feliai-
dade para aquelle paiz, apresentou muitos e
veriados exemplos de corrupgao e venali-
dede eleitorel ; sao tao exactos que eu me
proponho a auxiliar eo nobre deputado.
Quer meis exemplos, mais factos ? eu
Ih'os trago. S. Exc. sabe que a eleicao de
Sir Walter, no reioado de Carlos II, custou
ao infeliz candidato 20,000 e custou pou-
co ; lord Spencer gastou 70,000 r na sua
eleigaopor Northampton, e gastou pouco;
mais tarde com a eloigao pelo condado de
York despenderam-se 150,000 e assim
consumio-se n'uma disputa eleitorel urns
somma superior d de grandes fortunes no
Bresil.
Sao conhecidos os nababos da India, e
hoje no Brasil tambem os ba, porque com
emprezas industriaes vao-se improvisando
fortunas. Pois bem, os nababos da Indie
regressavam para a velba Inglaterra com
riqueza? accumuledas, e ahi, comprando
burgos, commercio que se fazia d luz do
dia, entravam pere a cese dos communs,
com o fim^de edquirirem importancia po-
litica. A compra de burgos e os nibabos
da India foram meios de consolidac,3o do
poder pessoal de Jorge III, eis o que diz a
bistoria.
N'uma do suas cartas memoraveis pela
originalidede do estylo e da franqueza, ere
o proprio Jorge HI quern aconselhava d
lord North, seu primeiro ministro, que para
assegurar o exito da eleicAo do duque de
.Northumberland empregesse algumas pill**
las de ouro.
Finalmente e exacto que bouve burgos,
como o de Bute, por exemplo, onde um
unico eleitor comparecendo d urna, mass6,
sem outro algum eleitor, feita a chamada
dos eleitores ausenles votou em si mesmo,
foi eleito por unanimidade e tomou assento
na casa do communs.
Em tudo isto ha exactidao historica ; nao
era preciso que o nobre deputado o disses-
se; mas o que provam estes e outros fac-
tos ?
Provam que o regimen eleitoral na In-
glaterra, ate 1832, posto que na forma ex-
trinseca fosse accidentalineute directo, na
sua substancia, essencia ou indole nao o
era.
V. Exc. sabe melhor que eu, como se
compuuba e distribuia o eleitorado inglez ;
hevia falta de igualiaie, ou injustissimas e
repugnanles desigualdades na sua sua dis-
tribuigao, ale'm de ser muitissimo diminuto
o numero de eleitores.
Portos e cidades florescentes, como Bir-
mingham, Manchester, etc., nao tinham
um so eleitor; roas burgos que, quando
prosperos, haviara adquerido suas conces-
sdes de direitos eleitoraes, tendo apodreci-
do com o correr dos tempos, continuavem
a ser ropfesentados no parlemento, possuin-
do alids s6 padras, em vez de eleito-
res.
Em algons condados o direito do suffra-
gio por privilegios, era outros por usos lo-
eaes, e em toda a parte havia avereza no
numero de eleitores, pois milhoes de ho-
mens ilcavam excluidos do eleitorado.
Tudo isto prestava-se d corru )c,5o, bem
se ve"; mas V. Exc. comprehends que o mal
nio provinha da fdrraa directe de eleicdo,
e sim de defeituosissima composicdo e dis-
tribui^lo do eleitorado ; por que o deside
ratum, a essencia, a indole, o tim por que
se requer o regimen eleitoral directo e a
distribuicAe igual de todas as capaeidades,
eliminados sdmente os incapazes, para que
todos os cidaddos idoneos intervenham no
governo do estado. (Apoiados.)
Quanto d instabilidade das instituicoes na
Frange, por mim fallard Macaulay autoride-
de maior de toda a excepc&o.
A France, hevie perdido a memoria de
sua monarchia limitada do tempo de idade
media.
A vontade do rei era que fazia as leis e
ievantava os impostos sobre toda a popula-
eAo, sem ser contestado o seu direito.
Seu throno apoiava-se em grande exer-
cito permanente.
Sua administraC&o nio podia ser censura-
da, mesmo nos termos os mais bran-
dos.
Nio restaya mais instituicio alguma que
outr'ora garantire os subditos contra os ex-
cessos da tyrannia.
Os grandes conselhos que haviam contido
o poder real, enferrujaram-se e cahirem era
desuso.
Nestas condigdes surgio a tremenda revo-
lugio franceza.
0 odio immenso da nacao inteira contre
o governo, que eborreefcra em segredo ate
entio, fez a sue erupcio.
Impaciente de demolir e incapaz de re-
i
Quanto d Belgica, esse paiz ceracterisado
pelo seu bom senso pratico, mesmo no tem-
po que fazia parte do reino dos Paizes Bai-
xos com a Hollande, jd gozave de certes
tranquezas representatives supariores ds que
tinha tido a Franga antes de f789.
A historia nos diz mais que, quando em
1830, a Belgica fez a sua independencia,
constituio um :egimen de liberdade meis
seguro e melber regulado do que o da pro-
pria monarchia franceza de julbo.
Ora, Sr. presidente, como attribuir so
mentu d sabedoria de Leopoldo, que nem
se quer collaborou para a independencia da
Belgica, por que s6 depois de effectuede e
que t'ji cbsm do para occupar o seu thro-
no como attribuir-se-lbe exclusivamente o
liberalismo e felicidade de que geze equelle
povo?
Enlre tanto desfeitos todos os obstaculos
erguido contra a reforma eleitoral direc-
ts, eis que surgem os escrupulos prove-
nieutes de sua supposta inconstitucionali-
dede.
Ouvindo alguns nobres deputados encare-
cer estes seus escrupulos, mas com ares de
quem favorece, de quern se incline para a
adopga) do regimen eleitoral directo, lem-
bro-me de que e recurso dialectico muito
conhecido, quando, por exemplo, ha ebu-
sos petentes, o nio coutestsr-se a sua exis-
tencie e reconbecer-se em principio a con-
veniencia de reformal-os, ficando com tndo
adiada a reforma pare o futuro mais oppor-
tune
Esta especie do impugnagao me parece
ser menos da razio que da vontade. Os
taticos parlementares conhecem-na sob a
denominacio de sophisma dilatorio. (Apoia-
dos. j
Mas aquelles que assim pensam, so obser-
vo que se hoje e" cedo para lazer-se a refor-
ms, amanha ou depois talvez seja tarde.
(Apoiados.)
Nio me alargo desenvolvendo esta pro-
Lposicio qaeenuncio a medo...
Por hoje observarei que quasi todas as
reformas realisadas neste paiz, foram argui-
das do peccado original de inconstituciona-
lidede.
Assim, nao obstante aquella arguigao,
declarou-se a maioridade do imperador an-
tes do tempo fixado pela constituicAo.
As prages de pret, em massa, for a in pri-
vadas do direito de votar, eja nao se clama
contra o abuso constitucional.
Os circulos, e depois os districtos eleito-
raes, passseram a ser as circunscripaces nas
quaes votassem os eleitores, que alids pela
constituiceo deverao ser eleitores de pro-
vincias.
Agora mesmo, no proprio projecto em
discussao, pretende-se privar a magistratu-
ra dogozo do seu direito politico do elegi-
bilidade. Pois, importando as incompati-
bilidades incontestavel festricgao ao direito
politico de representagio, vos qae por isso
nio impugnais o projecto e pelo contrario o
adoptais, com que coberencia repellis a e-
leir-ao directa pelo fundamento de que ella

?
!

restringe direitos politicos ? (Apoiados.)
Tudo isto dd-me o direito de continuar
na crenga de que o obstaculo por escrupu-
los de inconstitucionalidade provem menos
da razao que da vontade. (Apoiados e nio
apoiados.)
Senhores, tenbo para mim, e pego a Deus
que me nao engane, qae sejam quaes forem
os estorvos que se oppuzerem d adopgio da
reforma eleitoral directa, ella estd trium-
phante e ha de ser a lei do Estado em me-
nos tempo do que talvez se supponha.
Quando, Sr. presidente, uma idea, pro-
vindo corno remedio para o notorio falsee-
mento do sy sterna represented vo, apodera-se
das classes medias, eleva-se ds classes su
periores, e chega a penetrar nas regides offi-
ciaes, nio e possivel detel-a ne sua marcha
e desenvolvimento. (Apoiados.)
Escrupulos constitucionees 1 Pois, se-
nbores, se os ba, reformeraos a constitui-
gio ; eu por rainha parte nio o julgo pre
ciso, mas se os vossos escrupulos sio ina-
balavois, entio usat do direito que a pro
pria constituigao vos concede ; abri a val-
vule de segurange que elle propria eslebe-
leceu para prevenir explosoes. (Apoiados.)
Nao foi 'debaldo, Sr. presidente, que a
constituigio autorisou a sua revisSo pelos
transmftes que prescreveu. A providancia
nio foi de simples oraato e syraetria. Bera
pelo contrario e" e consegragio do grande
principio de soberania nacional, ,immanen
te, nio obstante a delegagio de saus pode-
res ordinarios ds instituicoes existentes.
Se a reforma eleitoral directa e inconsti-
tucional, proponde a reforma da constitui-
gio no que respeita ao direito politico do
voto. (Apoiados.)
Nio sei porque o meu nobre e estimado
amigo o Sr. Gomes de Castro, besita em fa-
zel-o. S. Exc. exagera a sua modestia ; te-
nba consciencia da sua propria forge que a
tem, de seu prestigio e de sua autoridade
moral, pois niuguem o tem msior. Se S.
Exc. propuzer a reforms da constituigio
para o fim indicado, n6s lbe darernos os
nossos votos.
0 Sr. Gomes de Castro :Jd fago muito
alliangando-lhe o meu apoio. E pode crcr
que o meu escrupulo vem da razdo e nio
da vontade, como V. Exc. disse.
0 Sr. Theodoro da Silva :Nada mais,
Sr. presidente, tenbo que dizer. Fallei com
franqueza e sinceridade; Se commetti algu-
ma inconveniencia.... (Nao apoiados.)
I^odorotda Silva : ...-*ase o
qw paw. e S^ft. ff* fmpe-
netre-se da sua responsebilidade para com
o paiz y eu creio que ella procederd com
iienjao e liberdade de asJiWlo, com o pa-
triolisao quoi'pYaciso paVa a ae^eneraga^
do srysteme representative. (Muito bem :
muito bem.;
(Oorador efelicitado.) ^ 1
d eMivekrax (m:-
(Silencio) :Sr. presi- ,'
da dissideocia fez-nos
promessa solemne e espontenea de que a
opposigio receberia o projecto da reforma
eleitoral com animo largo e isento, conside-
rando esta questio, nio como de partido,
nio de amigos ou adversarios do governo,
mas uma qaestio que interesse a toda
oac>o.
0 nobre chefe da dissideocia censurou
que o governo, em Vez de proceder do mes-
mo modo, reunisse os seus amigos e quizes-
se arrancar I lies votos contrarios is sues con-
vicgoes.
Sinhores, as raiuhes palavras, quendo li-
ve e bonra de apresentar o projecto de re- '
forma eleitoral no die 30 de abril de 1873,
protostam contra a intengio que o nobre de-
putado attribuio ao governo.
Preciso record a r d camera que, segundo
eu disse naquella occasiio, nio dei ao pro-
jecto a forme e o caracter de proposte do
poder executive, para que os amigos do go-
verno tivessem maior liberdade de aprecia-
gio. (Apjiados.)
Mais do que isto, Sr. presidente : entre-
gendo o projecto d consideragao deste eu-
gusta camera, eu disse que esperava con
tiedamenu de suas luzes e patri tismo que
ella o exam in aria com a mais solicits atton -
gio, para fazer as co'recgoes de que o tra- -
balho pudesse precisar, e effectivamente pre-
cisava.
0 Sr. Martinho Campos :Apoiado.
0 Sr. Ministro dj Imperio ;0 meu
procedimento perante e com-n ssio especial
encarregada de estudar o projecto confirma
a intengio de que acabo de fallar. (Ouve-
se um apoiado.) A nobre- coramissao em
seu parecer deu testemunho de que eu, dia
por dia, no espago de quasi dous mezes, dis-*
cuti o projecto e aceitei, sempre que ere
conyencido, e algumes vezes condescenden-
do com opinioes que nio prejudicavam os
pontos capitees da reforma, muitas emen-
das que estio impresses e sujeitas eo juizo
de camera.
A proprio reuniio e que o nobre chefe
da dissideocia alludio, nio teve o fim i_
que S. Exc. lhe emprestou, porem ou-
tro muito diverso, muito nobre, muito dig-
no do governo e dos sraig)s qne se reuni-
ram (Muitos apoiados.,
-Vis querismos ouvir as opinioes, queria-
mos que da discussao em familia, por as-
sim dizer, resultasse ume convicgAo geral
para todos os amigos ; mas nio pedimos
votos, nem fizemos pressao (apoiados), e
disto podem dar testemunho quantos Id es-
tiverem. (Apoiedos e apartes.)
0 meu silencio, que tem sido tao censu-
relo pelos orsdores de opposigio, e ainda
uma prova de minha sinceridade, e tem as
explicates que da rei.
A camara comprehende que era questoes
do governo e assumptos sobre os quaes ba
opiniio feita, deliberacio tomada e irrevo-
gevel, sobre a qual nio se pode trensigir,
deve o ministro ser o primeiro s romper o
debate e dizer eos amigos como entende e
precise que seja msnifestado o seu voto
(apoiados) : mas em uma questao que in-
teressa a todos, cm qne o governo quer an-
tes illustrar-se pelas opinioes esclarecides de
todos os lsdos de camara ; em que se deve
deixar aos proprios amigos toda a liberdade
possivel, para qae o projecto epresentado se
tome melhor que ser posse : em uua ques-
tao deste ordem, Sr. presidente, todos com-
prehendem que o procedimento de um mi-
nistro que sinceremeute tivesse proferido ss
palavras que recordei, nio podia ser diffe-
rente do que eu tive ; isto e, eu devia pri-
meiremente ouvir todes as opinioes livre-
mente manifestadas e afinal ver quaes eram
as objecgoes que o governo devia aceitar
como procedentes, com que opinides devia
transigir e sobre quaes outras fazer empe-
nho e nao coder. (Apoiados.)
0 Sr. Gusmao Lobo :Fez assim o Sr.
visconde de Muritibi na reforma judiciaria.
0 Sr. Ministro do Imperio :Digo isto,
Sr. presidente, nio porque queire justificar-
me de uma censura que nunca me julguei
obrigado a repellir, e que consiste em di-
zer-se que abandono c tribune e deixo d re-
velia es causas que interessam ao governo.
Contra essa oensura protests o procedi-
mento que tenbo tido, protests o facto cons-
tant de nunca ter deixado de vir a tribuna
defender os meus ectos ou cumprir o meu
dever. (Muitos apoiado^).
Nio tenho necessidede de defender-me ;
mas observarei que, sa reconhecendo-ma t
fraquissimo oredor, (nio apoiados), e te- t
menlo sempre desagrader d camere quan-
do tomo a palevre, evito fazer grendes dis-
cursos, e cooperer dest'srte pere que se es-
terilise a presente sessio; com este proce-
dimento obedego e um dever de conscien-
ce, que me faz der e outros os primeiros
lugares ne discussio, e tambem a um dever,. _
do meu cargo, que me impelle a aproveiter
o tempo, que seria mal empregado e perdi-
do, se eu me prestasse a tomar parte, sem-
pre e largamente, opportune e inopportana-
mente, em todos os debates que fossem
aqui levantados e repetidos. (Aioiados).
0 que admira-me e que mais insistam
neste censura, e procurem dar-lhe mais pu- _.
blicidade aquelles qae, sendo distinctos ora-
dores e parlementares antigbs, raostram-se
avaros de seus immensos dotes oratorios,
poupam-se ds lutas da tribuna, deixem-se
hear na retaguarda, como generaes pruden-
tes, e mandam que outros combatam na
frente e se exponbara.
A camara sabe quaes os deveres que am
leader na Inglaterra preenche; o leader alii
bate-se diariamente, s6be a tribuna muitas
vezes na mesma sessio para fezer pequenos
discursos como a eloquencia ingleza admit-
te, ou para fazer discursos longos, mas que
nio sio ecedemicos, como algumas vezes
ouvimos aqui. (Apoiados).
E' porque tem de desen vol ver a meior ac-
tividade e dasempenher deveres difficilimos,
que ds meis distinetas quelidedes de espiri-
to, ao grande vigor da intelligencia exige-se
o leader reuna saude robusta, como

''


1
I
t
que
con lie.ao indispensavel, sem a qual bem se
ve que nio poderia discutir todos os dies,
diri.jir os seas amigos no parlemento, reser-
var para si o ultimo discurso nas questdes
importantes, e cumprir todas as outras va-
riadissiraes obrigacOas qoe lhe rfertence.
{Gnnttnuar-mJia.)
*
/s


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19441


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. MJHERO 187
^731 x h CI -eii
K
PAHA A CAPITAL IB LtWMm*
For ires nuze? adiautac'ps
!%. SP4GA PORTE!
Por seisditiw ilt.m.
Por am anno idem. .
flade naratiro evulso .
-
*.....* %......
~ ....... ........

11/ : -.1
129000
34*000
9330
H
duuMn^l. o.1 v
tfJARTA FEIRA M DE AGOSTO DE 1874
For sew dito* idem
Fa **>& J!m :j_
HffAWITiAIFOI* PA PMYlftCIA
**#
.

' 'Ml
Tot seis ditos idem.....4 .
srra..........
7M

>
__ n ; ,______
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIC0EIR0A DE FARIA A FILH0S
buui
*
Jim
Gei*rdo Antonio Ahead Filho*, no Par*; Conceives d Pinto, no Maranhio; Joaqaim Josd de OUreira Filho, no Ceardj Antonio de Lean* Braga, no Arscatj ; Joiu Maria Jalio Chsvos, no Assd; Antonio Marquee da Silva, .Natal
Perwra d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auaencio Monleiro da Franca, M Parahyba ; Antonio Joe* Gomes, M fHa da Penka 5 Be'armino doa Santos Bulcio, em Santo Antlo ; Domingos Jose" da CoaU Briga, em Haxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar,em Gojanna ; Jolo Antonio Machaeo, noPilar das AlagOas; Aires d C.,na Bahia ; A. Xavier Leite A C no Rio Janeiro-
JoseJ

^
rasisuccai roruLAs
i;ieauenioa de nlaysica
LIVRO PRIMEIRO
CAPITULO IV
iTRAVIDADE, PESO, RALAKCAS
(Continuacao) '
Vertical. norisontal.Da-se 0 nome de
tsrtical a inha recta que segue os corpos quao-
ds cahem, isto 6, a direecio, segundo a qual obra
3 gravidade.
Esta linha, prolongada, dirigese sempre e apro-
ximadamentc para 0 centf 0 da terra.
U'ahi resulta, tendo-so em vista a grande ais-
tancia que vai da superficie ao centro da terra,
que, para pottos deasa superllcie mui proximos
um do oulro, pode-se admitlir que as veriicaes
sao parallels ; mas que esta* se atastam tanto
mats desse parallelismo quanto mais dislanciados
$ao os ponlos tornados em eousideracio.
Em qualquer ponto da superficie do globo um
homem de pe tem 0 corpo coLocado no senlido da
vertical. Ora, como ja vimos acima quo a direc-
Iugar, 0 mesmo se conclue acurea da posicao dos
oabitantes dos dilTorentes paizes do globo ; e, sen-
do este espherico, segue se que, era doos poDtoj
diametralinenle oppostos, os lumen* se eonser-
\am de cabeca para abaixo um era relacSa aoou-
tio, a d'atai se deriva 0 nome que se lhes da de
antipodas (oppostos pelos pes).
Uraa liuha recta ou uma superficie plana cha'
mam-se horisontaes, quaudo sao perpendiculare
a vertical.
A superficie das aguas tranquillas e sempre e
perfeittmente horizontal.
Qaando iratarmos do nicel, veremos de que mo-
do se pode conhecer quaudo uma lioha ou uma
superficie sao horisontaes.
I'm mo. Men umo.O prumo 6 um peque-
no instrumento que serve para deterrainar a ver-
tical, e consiste em um cylind-o de chumbo, sus-
penso a um fio, que se suOenia com a mao.
Obedecendo a acgao da gravidade, este eyliadro
arrasta 0 lio a collocar-se na direccao dessa forca,
iJa sorte que, quando fica em equilibrio, da logo
0 signal de que 0 60 esta exactamente na direccao
da vertical.
Para reconhecer, por meio do prumo, ;e um ob
jecto qualquer, uma parede por exeraplo, esta bem
vertical, junta-se ao apparelbn unia pequeaa eha-
pa quadraJa de metal, cujo lado 6 igual ao dia-
. metro do cylindro de chumbo, e em cujo centro ha
um uequeiio furo pelo qual passa 0 fio do prumo.
Seguraodo com uma das lr.aus a cbapa e com
a outra 0 So, appliua-se um dos lados da mesma
thapa a parede e doixa-se o Jo mexer-se seguin-
do os movimentos do peso de cumbo, atis Gear em
repouso. (feats iostante, S3 0 peso ou c>lindro do
prumo applica-se exactameute sobre a parede, e
claro que esta esta vertical ; se pdrem, uao toca
na parede, indica isto que esla pende para diante,
ao passo (|ne o eontrark> auccede se 0 cylindro
rasa ainda a mesma parede qiando desta se stas-
is a cbapa acima. *
Pcmo a jomma das attraccoes parciaes qob a terra exer-
ce sobre cada uma das mileculas du mesmo
corpo.
U'ahi se conclue que 0 peso dos corp
ereseer na razao Je suas mssas ; isto e, ;
eiies contem duas, tres, qualn vezes inaii in uo-
ria, devem pesar duas, tres, quatro vezes mais,
como etfec'.ivaraente tern Iugar.
Convem nao conlun Jir 0 pew com a gravidade,
e para isto basta attentier a que esta nao e senao
;-,i, aD ^asso que aquellJ > '':
effeito
(to queda dos corpos.
PASTE OFHCIAL
Governo da provlnela.
EXPEDIENTS DO DIA 28 DE MARCO DB 1871.
1' sectfio.
O.peso, como vcromos logo mais, e apreciado
is balan^as, entretanto (|ue a gravidado e medi-
da por meio do pendulo.
Centro de (fravi-iaiic. Acabamos de
ver que todas as altracQoes '>yciaes que a terra
ex^rce sobre cad.i uma I uilas de um cor-
po, equivalent a uma smi^a forca, que e o peso do
inesmo enrpo.
Damon=tra-se em mechaniua que, sendo dado
nm corpo de forma qaalqaer, essa forca nnica,
osse peso, se acha invariavelmente applicado ao
raesmo ponto do corpo, qualquer que seja a posi-
i'io em qu? este a aene coilocado.
E' a essa pou'. :o*svel, sobre o qual obra con3-
tautemente a r tie Jas atqSes da gravidade,
cm todas as pos'n;3ss que pode tomar um corpo
que se da o nomfl de centro de gravidade.
A deter nioarao gcral do centro de gravidade de
am corpo 6 do dorainio da geomelria ; mas em
imntos essoa, sua posicao pole ser achada imme-
diatamen'e. Por exemplo : em uma linha mate-
rial, recta e homogenea, e evidente que o centro
de gnvji aie esta no me.o ; que n'um circulo e
n'Qiui espbeva, esla no centro ; e que em um
quadradu ou n'um parai.elogrammo qualquer, esta
no ponto naei
DoiiM'Hiiiiat'ao experiuacutal do
centro de gratidude. P6de-so delermi-
oar o centro de gravidade dos corpos por meio de
experiencias ; para, o qae, quando os respectivos
pews nao sao considaravei?, suspende-se-os sue-
'.rsiviimente por dous p3ntoi a um cordao.
Qaando, depois de suspenso, qualquer corpo to-
ma sua posicao de equilibrio, o tea centro de gra-
vidade acha-se necessariamente abaixo do ponto
de suspensaa, e por cons3i|uncia sobre o prolon-
gameoto do cordao vertical jue o susiem.
>e, pois.em duas posi;Ses diversas, prolonga-se
as liahas verticaes de suspeusao, estas se cortam,
e u ponto de intersec^lo 6 o centro de gravida
de procuraJo, por isso que, ramo vimc3, devendo
erne eatar em ambas as iuh; s, so p6de ser o pon
11 de cruzamento destas.
Em rela^ao a corpos delgados e pianos, como
1'jiiius de cartao e folhasi de Flandres, pode-se ain-
da determiuar a posi;a3 do centre do gravidade,
equilibrando os em duas posieoes diversas sobre
uma areua horizontal, como por exemplo na bor-
da de ur.ia mesa, para o que faz-se a lamina es-
corregar de um lado ou de outro ate que entre a
oscillar sem tombar.
Nestes casos o centro de gravidade esta na li-
nha de contacto do corpo com a aresta; e, repe-
tindo a operacao, delerminn-se uma seguoda li-
nht de contacto, cuja inteniecclo com a primeira
flrma o ponto em que se acha o centro de gravi-
dade ou pdo menos aqtielle que como tal pode ser
tornado aproximadamenle, visto como o verdadei-
ro centro de gravidade fica um pouco abaixo da-
quelle, no interior do corpo 3 a Igual distancia das
laces do mesmo corpo. /
Se o corpo tem espessupa mais cons, deravel, de-
ve-se pr^curar tres pos^oes de equilibrio, e o cen-
tro de gravidade acbar -e-ha, nestes casos, no pon-
to de commum inteisecyio ios tres pianos tirades
verticalnente pelas arenas ou linhas de contacto
no iostante do equilibrio.
(Contimarseha).
Offl:io :
Ao Exm. brigaJeiro commandante das arraas.
Devolve V. Exc. os papeis juntos relativamente
ao fornecimento de dietas a s doentes e racoes
dos empregados do hospital militar no trimestre
de abril a junho pmximo vindouro, afim de que
se eotenda com os pro, onentes Beltrao Oliveira
& C. para qaedeclarem-9i sujeitam-te a redoecao
iudicada peia thesouraria de fazenda na tabella in-
clusa.
Ao mesmo. Sobr'esteja V. Exc. na remessa
para a edrte do recrutaCalixto Corrta Gomes.
Ao director do arsenal de guerra.Com a
deliberacao, que nesta data tomei, de mandar abrir
um credito 60:000^000 para occorrer as despezas
da rubrica tarsenaes de guerra do corrente exer-
cicio, fica providenciado no sentido da sna re-
clamaQio contida em offieio de 2G do.corrente, sob
n. 599.
Ao commandante do presidio de Fernando de
Noronha.
Recomraendo a V. S. que desse presidio nao en-
vie para esta capital sentenciado algom sem que
seja requisitado pelas autoridades competent? <.
Ao rae^mo.Verificando a thesouraria de fa-
zenda pela confrontacao dos objectos constantes do
pedido feito pelo cooselho econoraico desse presi-
dio, era 9 do corrente, com o d'aquelles que para
ahi forara remeltidos em oovembro e Janeiro nl-
tiraos, haver excesso na requisicao dos que vao
descriptos narelacao junta por copia, determinei
nesta data que fosse o mencionado pedido satistei-
to, fazindo-se nolle as reduccoes apontadas na
dila relacao ; o que declaro a V. S. para sea co-
nhecimento.
2.' secqUo.
Actos:
0 presidente da provincia, attendendo a pro
posta do tenente coronet commandante do batalhao
de infantana, o. 12, da guarda nacional do munici-
pio de Goianna, a informacao do respectivo com-
mandante superior, de 13 do corrente, resolve, de
conforraidade com o disposto no art. 48 da lei n.
602, de 19 de setembro de 1850, nomear para o
referido batalhao os offlciaes seguintes :
Estade maior.Tenente cirurgiio,o guarda
Epifanio Jose da Silva.
1.' companhia Aiferes, o guarda Jose Joaquim
Gomes de Souza e Augusto Frederico Vai Co-
rado.
3.* companhia.Aiferes, o guarda Jose Nunet
Sobreiro.
5.* companhia.Capita", o tenente da 7*, Manoel
Barbosa Cordeiro ; o aiferes da 3*, Elias Jose de
Mello.
6." companhia. Tenente o aiferes da 1% Ben-
venuto Pinheiro de Mendonja ; aiferes, o guarda
Antonio de Deus Bezerra.
7.' companhia.Tenente, o aiferes da !, Fran-
ciseo Guedes doEspirito Santo.
8* cosipanhia.Tenente, o aiferes aggregado,
Lydio Mariano d'Albuquerque ; aiferes o guarda
PhUadelpho Barbatbo Ferreira de Mello.
0 presidente da provincia-, attendendo apro-
posta do tenente coronel commandante do bata-
lhao de infanteria, n. 13, da guarda nacional do
municipm de (C-oianna, e a inf jrmocjao de 10 do
corrente, do respectivo commandante superior, re-
solve, de cenformidade com o disposto no art. 48
da lei n. 60s, de 19 de setembro de 1850, nomear
para o dilo batalhao os offlciaes segaintes :
1.* companhia.Tenente o aiferes da 7% Jos6
Pereira d'Albuquerque ; alteres, o guarda Ilde-
fonso d'Albuquerque Mello.
6.* companhia.Tenente, o aiferes da 1", Joao
Antonio Rodrigues Souza.
7." companhia.Aiferes, o guarda Joaquim Go-
mes de Mello Resenie.
8. companhia.Tenente, o aiferes da mesma,
Herculano Bezerra de Menezes; aiferes, o guarda
I.rjrenco de Barros Passos.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que representou o Dr. chefe de policia em offieio
de 26 do corrente, sob n. 429, determina que fi
quo sem effeito a nomeacao de Pedro Marinho Fal-
cao para n cargo de 1* sapplente do delegado de
pobci- do termodo Ouncury.
0 presidente da provincia, a vista da communi-
cacao do Dr. juiz de direito especial do commercio
desta eidade, resolve nomear Francisco Henti-
que de Souza Ramos para exercer o cargo de es-
crivao d'aquelle juizo durante o impedimento do
re? jecti vo serventuario, tenente connel Ernesto
Ma:hado Freire Pereira da Silva.
0 presidente da provincia, a vista daproposta
do Dr. chefe de policia em offloio de 26 do cor
rente,sob n. 430, resolve exonerar, a sea pedido, o
3 supplente do delegado de policia no termo
d'Ulinaa, cidadSo Joaquim Lopes de Almeida.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Tertuliano Carneiro da Cunha e Al-
buquerque, capitao da 7* companhia do 8* bata-
lhao de infantaria da guarda nacional d'este mu-
nicipio, iraasferido para o servigo de reserva por
portaria do 1* de julno de 1871, resolveu dispen-
sal-o do lapso de tempo em quo ha incorrido,
afim de poder apostillar a respectiva patents.
0 presidente da provincia, a vista da pro-
posta do Dr. chefe de policia, do 24 do corrente,
sob n. 424, resolve fexonerar o aiferes Laurentino
Felix d'Oliveira Lima do cargo de delegado de po-
licia do term o de Ouricaty.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a prosposta do Dr. chefe de policia, de 24 do
corrente, sob n. 424, resolve nomear o aiferes
Laurentino Felix d'61iveira Lima para o cargo de
delegado de policia de Salgueiro.
0 presidents da provincia, a vista da propos-
ta do Dr. chefe de policia, de 24 do corrente, sob
n. 424, resolve exonerar o tenente Manoel Cae-
tano Vieira da Paz do cargo de delegado do ter
mo do Salgueiro.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia, de 24 do
corrente, sob u. 424, resolve nomear o tenente
Manoel Caetano Vieira da Pai para o cargo de
delegado de policia do termo de Oaricury.
Offlcios :
Ao Exm. conselheiro presidente da relacao.
Incluso remetto por copia a V. Exc. o parecer
do Sr. desembardor procurador da coroa, sobera-
nia e fazenda provincial, de 15 de setembro pro-
ximo findo, a retpeito do processo do cabo Lau-
rentino Lopes da Silva e soldado Joao Jose da
Silva, ambos do corpo de policia, e condemoados
por senienca do tribunal do jury de Tacaratu pelo
crime de faga de preso>, afim de que V. Exe. se
digne de mandar informar >m que estado te acha
aappellacao d'aquella sentenea, interposta para
esse tribunal pelas mencionadas pracas.
Ao commandante superior da guards'na-
cional de Nazareth.Nao constando da secretana
desta presidencia que se ache vago o poste de
tenente da 6* companhia do batalhao n. 18 d'esse
commando superior; nao estando igualmen.e
vago o post) de aiferes da 5* companhia do mes-
mo batalhao, pelo facto de ser capitao honorario
do exercito Alfonso d'Hollanda Albuquerque Ma-
ranhao, que occapa referido post?, devulvo a
V. S. sua proposta, afim de que] fa^a as devidas
alterar;5es..
Ao mesmo.Informando V. S., em sen offl
cio de 26 de novembro ultimo, com o exposto pelo
major commandante interino do batalhio n. 18,
sob o seu command) superior, que o tenente da
6' companhia do referido batalhao, Pedro Fran-
cisco d'O.iveira Mello, risida hoje no munieipio
d'Olinda, devotvo a peticao Vn que o dito tenente
pede guia de passag^m para este munieipio, afim
de justificar o seu domicilio.
Ao commandante superior interino de Ca-
rnard.e S. Bento.Emresposta ao oAoro |de V.
S., de 3 do corrente, consaliando sobre si deve
convocar os conselhos de revista, 30 dias depois
da renniao dos conselhos de qualificacao da guarda
nacional, ou na 3" dominga do mez de jrraho, le-
nlio a dizer-lhe que pode convocar os mesmos
conselhos 45 dias depois de haverem mnccionado
os de qualificacao. I
Ao juiz de direito da omarea de Oaricury.
=>Respondendo o oOJcio de Vine, de 3 do corren -
te, em que consults esta presidencia, slim de sa-
ber si pode funccionar com o bacharel Manoel
Rollm de Aleocar, juiz municipal d'esse termo, e
primo de Vac. por sfBnidade, tenlio a dizer-lhe
que, tendo sido cassada a nomeacao do mesmo
juiz municipal, nao pode elle funccionar, e assim
desapparece o motivo de>ua consulta.
ao juiz municipal e de orpbaos do termo do
Bonito. Informe Vine, com urgencia, a res-
peito do espancamento da pessoa de Joao Luiz
Alfonso Ferreira, declarando t.mbein si foram
processados os delinqueates presos em Qagrante.
Ao promotor publico da comarca de Villa
Bella. Proceda V. S. immedialamente, nos ter-
mos da lei,.contra o coronel Manoel Jacome Bezer-
ra de Carvaiho e o Dr. Jose do Patrociaio Pereira
da Silva, pelo facto de se haverem opposto a pri-
sao de Manoel Roberto de Alencar, conforms ao
Dr. chefe de policia participou o 1* suppiente do
delegado do termo da Boa-Vista no otllcio incluso,
que por copia lbe remetto.
Ao commandante do corpo de policia. -
Pode Vmc. engajar no corpo sob o sea commando
o paisano Emilio Francisco Santiago, conforme
solicita em sea offieio de 26 do corrente, sob
n. 145.
3.' uccao.
Actos :
O presidente da provincia, attendendo ao que
ponderou o director do arsenal de guerra e ia-
t'oruiou o inspector da thesouraria de fazenda era
offlcios de 26 e 27 do corrente, sob ns. 599 e 60,
resolve, nos termos do decreto n. 2,884 de 1 de
fevereiro de 1862. abrir sob sua responsabilidade
am credito supplementar a verba arsenaes
do minuterio da guerra, na importance de.....
60:000/000, aiim de occorrer no actual exercicio
as despezas a faxer-se por coata daquella ru-
brica.
0 presidente da provincia resolve nomear
o bacharel Cicero Anatolio Vieira do Brasil para
exercer interinamente o Iugar de fiscal da cullec-
toria do mnnicipio da Eseada, durante o impe-
dimento do effectivo fiscal da mesma olleetoria.
Offlcios :
> Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Reeommendo a V. S. qae com urgencia satisfaga,
na parte que diz respeito a essa reparticao, o que
exige o aviso do ministerio do imperio, de 25 de
setembro ultimo, que por copia remeiti com offieio
de 8 de outubro para, esse um.
Ao mesmo. Trausmitto a V. S., para sea
conheciraento e davidos fias, copia da portaria de
hoje, pela qual reeolvi abrir nm credito supple-
mentar a robrica arsenaes do ministerio da
guerra, na importancia de 60:000^000, afim de
occorrer as despezas a fazer-se no actual exerci-
cio por conta da mesma rubrica.
Ao mesmo. Communico a V. S. que, se-
gundo declarou-me o Exm. presidente da provin-
cia da Parahyba em offieio de 23, fora autorisaia
a thesouraria daquella provincia a mandar pagar
os vencimentos, relativos a este mez e ao de aaril
vindouro, de um tenente, um aiferes e vinte cinco
pracas pertencenles ao 2 batalhao de infantaria
que para alii foram a requisicao daquella presi-
dencia e seguiram para o alto serlao.
Ao mesmo. Para os fins convenienles
communico.a V. S. que em li do corrente reas-
sumio o exercicio do cargo do juiz municipal e de
orpbaos do termo de Garanhuns o bacharel Ma-
noel Lopes da CnnhaMaciel. conforme participou
em offlcio da mesma data.
" Ao mesmo. Para os fins convenienles
coramunico a V. S. qae em 18 do conente assu-
| raio o exercicio do cargo de promotor publico da
comarca de Villa Bella o bacharel Jose de Barros
Franco, conforme participoa em offlcio" daquella
data.
Ao mesmo. Tendo nesta data relevado a
Joaquim Ferreira da Cunha da multa que lbe foi
imposta pelo collector do munieipio de Villa
Bella por nao ter dado a matricula no praso le-
gal o ventre livre de suas escravas, a que so re
fere o offieio dessa thesouraria, de 26 do corrente,
sob n. 53, serie G, assim o declaro a V. S para
seu conhecimento e fins convenienles.
Ao mesmo. Tendo nesta data relevado
Joao Baptista de Moraes da multa que lhe foi im-
posta pel) collector do munieipio do Cabo,por in-
fraccio do regulamento n. 4,835 do 1* de dezem-
bro de 1871, a que se refere a informacao dessa
thesouraria, de 27 do corrente, sob n. 64, serie G,
assim o deciaro a V. S. para seu oonheciment) e
fins coaveuientes,
Ao mesmo. Responio ao seu offlcio de
houiein datado, sob n. 62, serie G, dizendo-lhe que
mande satisfazer, feitas as redaccdes constantes da
relacao annexa ao citado offlcio, o pedido feito

pelo conselho economico do presidm de Fernando
de -N.i.'u'ti, e que trausmitli a V. S. em 14 deste
mez,
Ao mesmo. Attendendo ao que requere-
ram os agentes recenseadores da fregaezia de
i'anellas, Jose Matheos Guimaraes, Peregrino e
Souza Magalhaes e Honorato Jose Soares Liberal,
autoriso v, S- a mandar pagar a carjs um delles
a quantia de 25/, nos terffio3 do art. 9 4 do reg.
de 30 de dezembro de 1871.
Ao inspector da thesouraria provincial,
A' vista do incluso certificado da reparticao das
obras publicas, mande Vmc. pagar ao arrema-
(ante dos reparos da ponte de Goianna, Jose Ma-
ihias da Fonseea, a quantia de 945/747 corres-
[londente a 1* prestacao a qae tem elle direito,
eiu virtude da condicao 3' do sea c jntracto.
Ao mesmo. Providencie Vmc. de modo a
ser effectuada a compra das bemfeitorias existen-
tes nos terrenos destinados para o passeio publico
desta eidade, nos termos do aeordo feito pela
commissao eocarregada por esla presidencia para
desapropriacao das mesmas bemfeitorias.
4.' secrao.
Acto :
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do director geral interino d
instruccao publica em offlcio de 26 do corrente,
aob n. 103, resolve nomear o capitao Raymundo
Cyriaco de Csrvalho para reger interinamente a
cadeira de instruccao primana da villa de Gra-
nite.
Ao Exm. director da faculdade de direito.
Digne se V. Exc. de informar sobre o requeri-
mento junto, do bedel dessa faculdade Francisco
Luiz Viraes, pedindo tres mezes de licenea, com
vencimentos para tratar de sua satlde fora da
provincia.
Ao director da ioslruccao publica. Per
despacho de hoje indeferi o requerimeuto em
que o professor, ultimamente removido para a
cadeira da Lapa de Itamb, Francisco, da Silva
Mjranda, pedia tret mei&s de liceuca : cumpriodo
qae Vmc. o faca entrar no exercicio de ma nova
cadeira Hentro do praso que lhe foi marcado.
"'P'io provedor da santa casa de misericordia.
Queira Vmc. expedir suas ordens alim de que
sejant recebidos no hospicio de alienados os sen-
teneluos senuintes : Silvino Gomei de Oliveira,
Guitherme Esch, Antonio Jose, Maria Pereira Lo-
pes e Sabino, escrsvo, to Jos os quaes soffrem de
alieoscio mental, o devem alii ser eonservados,
conforme soticita o Dr. chefe de policia em offlcio
de 26 do corrente, sob n. 43).
Ao eoramissario vaceinador provincial.
Remetia Vmc. a seeretaria desta presidencia alguns
t'ufiweapillares com lympha vaccinica para serein
fornecidos ao subdelegado do 2* districto de Ma-
rangusp;, segundo solicita o Dr. chefe de policia
em offieio de honteru, sob n. 435.
Ao eommendador Victor Meirelles de Lima
Correspoadendo ao generoso pensamento que
dictou o offlcio de V. S, de 26 do corrente. reli-
tivamente aos tres vethos e arruinados quadros
repretentando as batalhas de Tabocas e dos Gua-
rarapes (! e 2) e pertencenles a eamara munici
pal da eidade de Olmda, tenho a dizer-lhe que, em
vista de informacao da mesma eamara, nesta data
autorisel-a a entregar a V. S. os referidos qua
dros, mediante a primeira das eondicdes offered-
das em teu referido offlcio.Pode, portanto, V. S.
ir on mandar recebe-los daquella corporaeao.
Portaria :
A' eamara municipal da eidade de Olinda.
Em vista da informacao prestada pela eamara mu-
nicipal da cidale de Olinda era offlcio de nontem,
relativamente aos tres quadros bastante arruina-
dos representando as batalhas de Tabocas e dos
Gnararapes (1* e 2*,) e pertencenles a mesma ea-
mara, autoriso-a a entrega-los ao eommendador
Victor Moirelles de Lima, sob condicao de mais
tarde serem restituidos perfcitamente retocados,
segundo sb offereceu o referido eommendador era
offlcio de 26 do corrente.
A'atcfeo.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicasInforme Vmc. si havera mait eeonomia
em fazer-se por administracao os reparos da co
berta do Gyranasio Provincial, aproveitando-se o
servico dos detentes como servsotes.srigiados con-
venientemente, on si por arrematacao.
Ao superintendenle da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.Declaro a Vmc. para seu
conheciraento que flea de nenhum effeito o passe
concedido a alguns empregados da reparticao das
obras publicas por conta da provincia e ate segun-
da erdem, o qual existe nessa estrada de ferro.
Portaria :
Os senhores agentes da companhia brasileira
de navegaoao a vapor mandem dar passagem para
a cdrte, por coats do ministerio da guerra, no va-
por Bahia, ao soldado recrnta Luiz Gonzaga Mo-
reira.
RXPSMBNTE DO SET.RKTARH).
t" secc-uo.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc. que nesta data concedea ao
recrutaCalixto Correa Gomos o praso de oito dias
para prcvar isencao legal.
Ao mesmoS. Exc. o Sr. presidente da
provincia, tendo expedido as neeessarias ordens
pjra ser concertado pelo arsenal de guerra o relo-
gio da secretana desse commando das armas ; as-
sim o manda declarar a V. Exc. em resposta ao
seu offlcio de hontem datado, sob n. 253.
Ao commandante do presidio de Fernando de
Noronha.S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda accusar o recebtmento do offlcio de V. S.,
de 21 do corrente, sob n. 19, communicando lazer
seguir para esta capital n'aquella data os senten-
ciados Silvino Guimaraes de Oliveira, Guilherme
Esch e Sabino, escravo.
8." seccao.
Ofucio?:
Ao Dr. chefe de policia.S. Ex. o Sr. presi-
dente da provincia mania remetter a V S. os in-
clusos titulos de nomeacao dos delegados de poli-
cia para 03 termos de Ouricury e Salgueiro.
Ao mesmo.S. Exc. oSr. presidente da pro-
vincia manda remetter a V. S. a guia inclusa do
sentenciado de iustica Manoel Francisco dos Santos,
0 qual foi psr V. S. requisitado em offlcio de 9 de
fevereiro proximo findo, sob n. 187.
Ao mesmo.S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar o recebimento do offlcio de
V. S. de 26 do corrente, sob n. 432, e scientificar-
Ihe que nesta data sb deram as providencias por
V. S. solicitadas no mesmo offlcio.
Ao commandant) superior de Goianna.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda remetter
a V. S. a nota inclusa dos offlciaes nomeados por
portaria desta data para 0 batalhao n. 13 da guar-
da nacional desse munieipio, de conformidade com
a respectiva proposta e informacao de Vi S., de 10
do corrente.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro
vincia manda transmtttir a V. S. a nota inclusa
dos offlciaes nomeados por portaria de hoje para
0 batalhio de infantaria n. 12 da guarda nacional
desse munieipio, de eonformidade com a respecti
va proposta e informacao de V. S. em offlcio de 1
do correnle.
Ao juiz de direito da 1* vara desta capital.
S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia manda re-
metter a V. S. as 5 goias inclusas de 4 sentencia-
dos de justica e 1 militar, todas requisitadas por
V. S.; e declarar que deixaram de vir as 8 pri
raeiras constantes "da respectiva relacao, que
acompanhou 0 offlcio de V. S., de 3 do corrente, por
ter parte delles vindo para esta capital, e oarte
Jallocido, conforme commanioju 0 c mmandante
do presidio de Fernando de Noronha era offlcio de
de zl do corrente, sob n. 18,
Ao juiz de direito especial do commercio.
S. Exc. 0 Sr, presidente da provincia manda ac-
cusar 0 recebimento do ofGcb de V. S, de 26 do
corrente, e scientificar-lhe que por portaria desta
data foi nomeado Francisco Xavier de Souza Bar
rot para exercer 0 cargo do 2* escrivao desse juizo
durante 0 impedimento do respectivo serventuario,
0 tenente-coronel Ernesto Machado Freire Pereira
da Silva.
Ao juix de direito interino de Palmares.S.
Exe. 0 Sr. presidente da provincia manda accusar
0 recebimento do offlcio de V. S., de 25 do corren-
te, communicando ter eocerradona mesma data a
1' sessao do jury desse termo.
Ao bacharel Manoel Lopes da Cunha Maeiel,
juiz municipal e de orpbaos do termo de Gara-
nhuns. S: Exc. 0 Sr. presidente da provincia
manda accusar 0 recebimebto do offlcio de V. S.,
de 14 do corrente, communicando haver reassu-
mido na mesma data 0 exercicio do cargo de juiz
municipal e orphaoe desse termo.
Ao promotor publico de Villa-BellaS. Exc.
0 Sr. presidente da provincia manda accosar 0 re
cebimento do offlcio de V. 8., de 13 do corrente,
communicando haver n'aquella data assumido 0
exercicio do cargo de prometor publico dessa co
marca.
4.' seccao.
Offlcio :
Ao secretario da assembtea provincial.
N. 49.De ordem ds S. Exe. 0 Sr. presidente da
provincia, remetto a V. S. para os fins coaveuien-
tes 40 exemplares impressos do relator"- -
m? -no Exm. Sr. apresentou ,
publjcas em 10 de jap*'- c or
'
OKSPACIIOS DA PBBSIDE.IGIA, DO DIA 17 DB AGOSTO DB
1874.
Argemiro Snares da Silva. Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Alexandrine Ludoviaa Dnarte Antunes.Infor-
me o Sr. proved jr da Santa Casa de Misericor-
dta.
Antonio Gandolf.Nio pode ter Iugar a qae re-
qner, por ter sido indeferido sua peticao de
graca.
Abaixo assigoados, rnoradores na comarca de
(tambe.Ao Dr. chefe de policia.
Joaquim Dias Martins.Informe o Sr. Dr. chefe
de policia.
Joao Salvino de Souza Peixe.Ao Sr. general
commandante das armas para deferir ao suppli-
cante como aihar de justica.
Joaqnina Maria do Amaral. Eueaminho-se.
Merenciana Tavares de Andrade.Informe o Sr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Rosa Maria da Pariiieaclo.Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Sergio Clementino de Sju:o-Maior c Albuquer-
queEncaminhese.
Reparticao da policia.
!.' seccao__Secretana de policia de Pernambuco,
18 de agosto de 1874.
N. 1015.Illm. e Exm. Sr.Harticipo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a casa de detencao
os seguintes individuos :
A' minha ordem, Joao Felix Fernandes e Fran-
cisco Antonio Camello, vindos do termo de Carua-
ru, como sentenciados, i disposicao do Dr. jniz do
direito das exeeucSes; Manoel Caodido de Souza,
como pronunciado em crime de morte, na provin-
cia da Parahyba, Aonunciada, escrava de Ma-
noel de Barros Barretio, a requerimento do se*
nhor.
A' ordem do Dr. juiz do commercio, Joao Mar-
tins de Amorim e Julio Pires Ferreira, como pro-
nunciados no art. 263 do Cod. Crim.
A' ordem do Dr. juiz substituto do 4* districto
criminal, Alfredo Uelpeche, por crime de ferimen-
los graves.
A ordem do Dr. delegado da capital, Joao Ma-
noel dos Santos, por disturbios.
A' ordem do subdelegado da Varzea, Thenorio,
escravo de Antonio Carneiro de Lacerda, a reque-
rimento do senhor.
Em dias do mez de julho findo, na fazenda
Manicoba, do termo da FloresU, Felippe Benicio
de Moura tentou assasaiaar a Raymunda, escrava.
0 delinquente evadio-se e contra elle procedeu o
subdelegado o eorapetente inquerito, que teve logo
o devido destino.
Deus guarde a V. ExcElm. e Exm. Sr. eom-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidents da provincia -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
&immm&mm&
(agekcia TELEGRAPIIIC.A HAVAS-RBUTER. )
a: i. Kit oia i:H iiivm.V.
Paris it lie ftgosto.-Uin nonuimr-
tista foi elelSo por (alvadua por
granite maioria.
MECO\HE4INi:VTW ISO HOIKHVI
lE GIPA!Ht.
Vienna (Anstria) It. -O ^-overao
aiislriiu-o recoillieceu fornanlnaente
o governo de Iletipanlaa.
COMMEBCIAES.
Rio de Janeiro IS.-Camliio sobre
Londres til d. bancarii*. e .irjminal
particular.
Bahia is.-Camiiio itosSre Loadres
if, ii. banvariu. e SB 11 d. parti-
cular.
Londren 17 de asoatu. -Consolida-
dos de 3 :i 93, fundoti brasileirog
de 5" a lOl 1J. iliton do IrtiRuay
de O "/* dito ..r-HiiiOH de fi '/.
a 91. A taxa Uo^.lescunto conferva-
sea3 5/t> Borcculo. O merratlo de
care tem melhorado a proenru. mas
sens nlterariko nun preros. o do
Rio bom, sobre mar, a 13
NewVOrti fS. -Oe preeos sem alte-
racao.
Liverpool IS. O mercado de alfto-
dao esta quieto, eos preeos inalte-
rados. Venderaa-sc laoje 1S.OOO
fardos. sendo SOO da America do
tsnl. Os de Pernansbnco e de Santos
/'.i;/; a h i 1 <> dito de Maccio a
.l/8 a. O assuear amerieano liom
de L-j-siiunbuco a *0/9, owascava
du purgado dito a *l/3, o dito regu-
lar dc siaeeiO a SO/9.
Uavre 1*.O mercado de caf^ des-
animado, e os preeos nominal-*. O
ileposito elcva-se a 1*0.000 saccos
Preeos do algodaO sent alteraeao.
Aiiiueriiia IV. O mercado safts)
fiinecionou por cansa do rcriado.
(AGKMCU AMERICANA.)
Paris l.-Obonapartistalir. o%vis
foi elelto deputado pelo deparia-
mento de Calvados, obtendo ae.3
votos contra 3 i.ifi t que alcaneou o
candidato republicano.
Bncnos-Ayres 15. Crandc ban
quete dado ao nowo presidente "~
republica. o S'^ ^veilaoeda. pelos
uCIuengdo seu partldo.
Montevideo 13. Camblo sobre
Londres SO */. sobre Paris e Vntti
erpi.'t S33 e 536 reis. sobre Rio de
Janeiro #300 a 9A3SO. Deseonto
3/a /.
Rio de Janeiro 18.-Camblo sobre
I.ondres SO bancario. 96 1/8 parti
cular. ambos Irmes, mas o particu-
lar pouco procurado.
Liverpool *.O mercado de aliso-
dao contiaua calmo. Auiamealou-
sc eonsideravclmente o depositor Os
preeos continuant inalterados. O
assuear esta flrme, tambem sem al-
teraeao de preeos.
Havre 1*.Cafei mercado calmo.
Yeuderam-se SOO saccos. Algodao i
sent alteraeao. Veaderam-se OOO
saccas. sendo o de Pernansbnco a
99 e o de Santos a 9S.. I mercado calmo e flrme.
Llsboa 18. -A Austria reconbeeeu
o governo da llespanba.
Bahia lS.-Kntrou do norte o pa-
quete PARANA,' ne boje mesmo se-
gue para o snl.
Bahia IS. -Camblo sobre Londres
*6 bancario e ZO 1/a particular.
EXTERIOR.
-.
llEEfKl
Bespankw. _.
CARTA PS) D. QlRfv u AFF0SSO.
, v>\ Mea '^iro Anonso.-t)pusculos e iornaet teem
das obi as ,ieito conh*-; suC,cieDtoraonte & Hes'p'anha os meus
J sentimentos lie uomem e de rei. Comtudo, ceaen
' do so geral desejo cuja expressao rjae enega
-

do
todos os pontos da Penissula, esrrevo-te esla
cam, na qual me nao dirijo unicameole ao fcrnsso
querido, mas a todos os hespanhes, que tasakesa
si > meus irmaos.
Nai. posso, mea cbaro Alfonso apreseotar-sae a
Hespanha como um preteodente a coroa ; creio.
e devo crer, que uma lei inviotavel me coilocou ja
sobre a froote o diadema real. Nasci com um di-
reito que, no momenlo dado, me impoe am tagra-
do dever; e men mais ardente desejo saacciooar
este direito com o amor pelo men povo, e meu
dever salvar o meu pa i ou morrer por elle depois
de lhe haver eonugrado todos os Bens peasamea
tos, toiias as minbas forcis.
Dii)r que atpiro ser rei de Hespaaha sem ser
rei de nm partido seria nma banalidade : qae ho-
mem digno de reinar, qaeria aceitar um? posicao
ul ? Sena rebaixar se e eeseer da alia e serena
regiao onde babita a magestade soberana e ondc
se nao devera escutar os inleresses pesaoaes. Qoe-
rendo ser rei de todos os hespanhoea sao recuso
aquelles mesmos que se dizem meus inimigos.
Chamo os, comeundo pelos- que parecem mai-
afastados, com afficto em nome da patria. Se nao
necessito de todos para aubir ao throao de men*
antepassado:, e-me todavia necessario o concur*-,
de lodos para fundar em solidos allcerees o gover-
no do estado, e dar a minha llespanba com uma
paz feeunda a verdadeira liberdade.
Qaando raedito no caminho a percorrer para
chegar ao meu flm, tremo da magnitude do traba
Iho. Apezar dos meus ardente* desejos de o em
prehender, e da Urine vontade de hem o dingir.
uao dissimulo enorraes dilBculdades aue em abso-
lute srriam invenciveis sem os conselhos dos ve
teraoos das nossas lutas nacionaes, sem o anxili.
do paii, reunindo era saas coctes as forces vitaes,
lodo o sea poder conservador. Auxiliado por Cor-
tes assim consliluidas, dolarei a nacao .com uma
lei fundamental, que espero sera detinitiva e ver-
dadei ramente hespaohula como ja o disse na mi-
nha cirta aos soberauos da Europa.
Juntos estudamos a historia moderna, medita
mos nas grandes catastrophes qae coast Uiem si
multaaeamente a licao dos reis e o exemplo das
naroes ; juntos perscrutamos a insole de cada se-
cnlo, saas obras, seas fegitimos inleresses, ;ua-
naturaes inspiracdes. A antiga Hespanna exigia
giganiescas reformas, na modems Ilespaoha nota-
mos giganteacas metamorpboses. Mailo se ha des-
truido, pouco se tem reformado. Huitas insUtuicoes
se hao extinguido, tem qae seja possivel que al
guraas dellas reaascam. Teem pretendido crear
outras que morrem antes de virem a lux Tudo se
tem emprebendido, falta fazer qnasi tudo. E ae-
cessario metier maos a uma obra grandiose de re-
construccao social e politica, edificar neste paiz
desmembrado, sobre bases cuja solidez seja eon-
Qrmada pelos seculos, um ediacio soberbo no qaal
terao Iugar deslmado todas as opiniues razoaaei> -
todos os interesses legilimos.
Pode-se dizer que a Hespanna teat fome e ede
de ju-tica; qae sisnte a necessidsde urgeele. ira-
periosa, d'ura governo circumspecto, digno, ener-
Sico, ) sobre tudo justiceiro ; qae aspira com ar-
or ao imperio incoatroverso da lei, a qual lodo:
se sujeitem, grandes e pequenos.
A Hespanna nio lolera que se dssconneca ou
que s) ullraje a memoria de seas maiores ; pos-
suindo a verdade catholics, igualmeule sabe que
para oumprir sua missao divina, deve deixar livre
a igreja.
Nio olvidando de nenlium modo que o seeulo
XIX ti bem differeote do secalo XVI, a Hespanha
esta nsolvida a conservar a > transe a amdade ca-
tholica, egide de nossas leis, das nessas glorias,
laeo abeocoado qae liga todos os bespaoboes.
Muitos actos funestos se teem reproduzido em
Hespanha a favor das epocas da revolucAo ; esses
acto?, porera, esi io cobertet por eoavenio* que 1 )r-
coso i respeitar.
0 povo hespanhol, iosUuido por uma doiorosa
experiencia, exige a verdade em tudo, e qaer que
o seu rei seja verdadeiramente rei e u;-o a sombre
de um rei ; que nas cdrtes prevalecain a ordem-
e a piz; que estas curies sejam a reuniiu de mac
datar.os inJepeudentes e incurrnptiveis dus ;
e nao assembleas tumultuarias, estenis, de depu-
tados funccionarios ou de depaUdos soiicitadn-
res, divididos em maioria servil e em miaona sedi-
ciosa.
0 povo nespanhel ama e amou sempre a de*
ceniralisacao. 0 espirito revolucionario pretende
icaakr as pro vine jas vascoogadas a) resto da
l!,'-u)iiha ; o lim a que me propoubo e ao c n-
irario. que o paiz inteiro goze de um regimeu
iot'TLO aoalogo ao que tem feito florescer estas
felizes e nobres proviocias, sem que delle se
abuse.
A idea fixa, o meu desejo conslaate e de dar a
minh a querida Hespanba essa liberdade que ella
conhece apenas de nome, apezar das deelamacoes
dos que a illudem, essa liberdade Glha do Evan-
gelho, que nio e o libtrnlismo Ulho ds reforms
essa liberdade, liualmente, que reune as leu jo-
tas e eonformes ao direito natural e a moral di-
vina.
Hoe, filhos de reis, teams sprendido que o povo
nao pertence aos principes, mas que os princip
uascera para o povo, que a gloria de am rei deve
cons stir em ser o pai aos indigeotet, e o spoio dos
fraecs, ser o homem mais hoorado do seu paiz.
como e o primeiro de entre os nobres.
OU'erecese aetualmente em Hespanha uma quet-
tao gravissima, e a das flnances. Recuase alerrado
ante o deficit do thesuro hespanhol, qoe todas a..
forcas productivas do paiz nao bastam para ex tin-
guir. Parece imminent? a baeca rota : .;-
B:',Ur uuicauieile um rei legitiroo, goia.t. .
ararvouude indexive. e .e^^jyJ^J
iio nacnie Ureta. e A pa>. "~ mfrfai-^v '
S'SKm pooiC^nte, J^SftEg".
e pelo rei, nue defers reecraa.-c? neanqoe, e
Enfermo. 0 rei, sendo o pfiaMiro s dar tie fTinntr
exemplo tudo fseilitari sapprimir ratsbterns.
empregos, redazir o namero dst drrjsees provin-
ciaes, animar a agriculture e proteger a inilu.-tria
activando o commercio.
Salvar a fortana e o credito publico de Hespa-
nha 6 uma empreza gigaatesca para s qtul todos
devom noncorrer, o governo e o paiz. E in-
dispensavel qae emqaanto se fstem prodigio?as
economias, todos nos mostremes boss lu-spanho**.
danlo o mais alto aprero aos prodados raeageaa*.
e nao importando senao os objectos atais.
Em uma nacao qoe ( hoje uma poiaacii, estava
amortecida a industris, force e principal nqoesa
do paiz ; o thesouro estava exhausto eon
pobrecido. A casa real adoptoa um
faci mente se propagou o de se aio
com manufaturas do paiz. Raaaimea-se jtoape
mente a industria, e as Bnancas m levseaaeato coat
a prosperidade publica.
Creio descriminar o verdadeiroee tslei m err
las theonas moderns?, e psieue eat_a ap
plicar a Hespanha a liberi^itjfammfao que
repugna a Franca e qoe os ^J^." !i
adrmttem. E* preciso ao ee^eflM fw em
cazmente a industria nartoaal: JMpsw P>
Drcteccao, deve ?er esla a nossa diTssa.
Creiornesmo aitingir ate que ponte torn rasa..
as classespopulares que apparentemenie ttmos ler
eivsrsar. Sei o (j-ic ha espeelal e legitimo nas
3uas aspira:5es, nas suas theorlat, que longe **
serem invents molernas, ?4o astie ^,
que rer*>parecem em ooulrinas
naui o !'j> ...-** epocas. Se enp-
. ^.i.maDJ. lite toberaao, tod*-'-
uma Terdade que a virtude o *
cine! distinccaVi v-
MU- -tt sao a prru-
-.ue o mendigo lam e mtsm >
.....' 1ae tem o opnlento de ser respsttedo; is
i
; '.


*
mm m mm aq-ti men /t>u&ri0 de Pcmambuc<>
*t=UTnu
SevttfaSx-f^tr Jr oRllreivoe- cowo pata-
n. SearMH|s instituted :s oao rtastarc. para
a lei 3e
proleger <^ftlfiie o fraco, e mister crear oniras.
A jusligai|5'Sj|ripala: a todoi e garantir lidos os
direitos. Urn goverao deve ptfncipalments vein*
obre as classes prototaTias, lomar raed das de
riaaj
MA
os lo po-
;iai ctara
till '...nomia politi
11 ira qae a (; It
virem do sea J
yd, qae rccebei
e superior, os
- U ,' V- I 1 ) "S ..* ^ --------------------------. ^ ^ .
nsunida a viiiiiii diguidades do
Era generos
iin u foi.juin
p.
EB'.igl
a fra*._
reJBioa | pre ccohecer pr i$w qic it
diSparsi 4ii.se tftta. das som- indo
acspaaha, '*TerIugao
1? p*^^oe| tl rma
suas espei-
sta verdiVtiae _
iras em qne procaram envoive-a. fiecoo
as roassas qne roouarchia cWristd pod* fizerem
seu favor o que cunca liieram trezontos despotas
leerimwandcsi reciprocamente n'uma assemblca
liKOUltuosa. KSs partidos on s seus chefes aspi-
ram i* honr.ts, as riquezas, ao poder, emqawrto
cue um 'reichrlstao nao aecessita para ser felic
inais-do que a prosperidade do sea povo, e o amor
desms suba.tos. jrU^-ah .,..
Penetrndas d'estas ideas, tinges sentimentos,
sead Galas iradigoes da auiiga c gioriosa moaar
chia hespaohola, crei -ser slmcltaneaftneate urn
-toaruetn da minha epoca, um homera do progresso.
Gomprebetido perfeitameute s. immensa respon-
abilrtluue qua assumo accitando o-restabelpctmen-
t (ki cousas em llMparrw-; porcn se sahimos.
viewnosos distas die:ilda l<, s>ra gran le a nos-i
ta-gtorts. Auima me a inl.ua espernn;s de que
<:om o luxilio de Dews levare-ncs a cabn tao jrah-
de obra; com o de q:e a posttMtftid- dira qae'fui
urn torn rei. e o povo hwpatrtWI u n grande po-vo.
Tu, meu irmao, ijre <* a rentira tie servir
A a bandeir.i dt hmmrtal Pi) l\. ;>-"le Ihe, ao
nc>o rei ejprrildsf, para a )He -vi sua bencau aposwHra.
flue te guarde L'em. Te irmao affei^Jo,
1 Ccrtot.
am de pedra. na exipa e ntne MoCffba&Klfcrt*-'
meiiij poc lueio de afoa destttda. j, ,t, ,
Teada a agua dVtilada, como 6 gerp.lmentt sa-
b*idj rsfclos hdm^ns da'sc?e>wra, am grtmdFTyfler
"Jis^iTvenle, o*Or.ooTe, s\erde prowderW-o^e
ca^io da lyihotricia no doente da bestfa, man
'f|Aj|da hora^e meia
eaKmeiMfcsaltad
n| 1 TolflMflorMMMo bo
veram o Dr. laore a
to a* doaata dos rinv
utai eafermo teem exMida
ue wjulfam' procedeiWl da
crecoet fan oa affn^jim,
s iaoi gradualmeate limi-
nti i
rtas anKo Tu
diaeelaeio das
N
m.
REVISTA DIARIA.
Jury do Recife. Conipareccado henlem
34 june* d.; facto apenas. foram sorteades man
i\, gue sao os Srs. seguintes :
Jose fereifa de Miranda Gunha.
Dr. igattid AJcebiades Vtllozo.
Jose vital de Xegreiros.
Tlieodomirol^nacio da Silva.
Igaaclo IJirbozade Freilas.
(Jenjainim Krsetlo Pcreira da Silva.
-"" Jose Joaipiim Pereira de Oliveira.
Andre Fcrreira de Almeida.
Dr. Silvio ^Tanjuiuio Villas Boas.
Manuel Kuaciu de Arruda.
J se Cani.llodo Reg > Barros.
TheotonU' de Albuquerque Silva.
Dr. Adul; ho de Siqueira Cavakante.
A uin Recebemos on.!, d? 2 tri-
mesUe desie periodico caricato e agradecemos a
offerta.
AdminiKia-n^ao I 4)orturia da directoria geral dos correios, foi no-
inoaJo Ludgero de Matios Pereira Duira, para o
lugar de agente do correio na poToajao de s.
Luurcn;o da Slatta.
Festlvldadc rcliailnwi. Amanhi, as 5
Ijoras da tarde, comeca na igreja da Gloria, que
:erve de m'airiz da fregnezia di boa-Vi preparacao para a consagr?.cao dessa'freguezia ao
Safrado Cora:ao de Jesus, jm tnduo com ben>;ao
uo saotissUriO Sacramento.
. Xo domitgo, as 7 horas da inanha, fcavera uma
jin a suleir.ue, para a cotnmunhao geral, depois
da uual fiesta o Santissimo espoaf-J em Laos-pe-
ieone ate a Jicra do aetfl d.a conagra';;;o. N> in-
tervallo da missa ao acto, cantar se-bao hyrnnos,
acompanliaitos pelo harmonico.
Ti'ntittiiw do morte.- Na fatenda Ma-
nifoba, do termo de Flbiestt, Pelippe Rfnicio de
Moura, em dias do ;nez de julho, tenloo assasjinar
a Kavmuuda, escrava, poudo-se em foga depois
de perpctrado o crime.
Pansaiai'-Kio. D Creador, vicuma de padecii:eni03 chromcos, o Sr.
comraendador Jo-6 Kraocisco Pereira da Silva,
abistado proprietarij da cumaica de Jaboatao. 0
nuado era mecn^'ro imporlanio do paitido conser-
vador, eleitor de parochia, e homem de trato ante-
no. Fez-lhuasJionras militares uma for?a do 2"
batalhfn de in:ante i.a de I nha.
Camara dos depntados. Em nosa
oitava pagina damos hoje comedo ao primeiro
discursn prouuociado, na camara dos deputados,
pelo Bxm. Sr. couselbeiro Joio Alfredo CorrSa
de Oliveir.:, rsiBistro do imperio, por occasiao da
discussao da proposta de reforma elei:oral, no qua!
S. Esc, expoado o pensamento do govenio acerca
da proposta, rtsponde is accusagoes que foram
feitaspelos prccedentes oradjres. Hecomiuenda-
mos asua le,tura.
Vapor l^ilande.. Procedente de Liver-
pool por Lisboa, chegou hontera pela maaha o
vapor inglez Lalande.
Nada adiaa'.ou e'le ern noticias, por ter sahido
le Lisboa (res dias anus do liattkia, que ante-
Jioatein esteve era nosso porto.
Nao vieiam por elle, eamo suppuohamos, as
missivas de nosso corr?spoadente de LisbOa. Tal-
vez, por engano da eslacio postal aesse paiz,
leabam id j para osul do imperio.
!?<- iwia da asNociacao dn *uar-
daa livi'OM. Racebemos e agradeeeutos o n.
7 desta Heiista, que e publica na cOrte do im-
perio. Contera ese nuinero : Vlabilidades pu-
blicas: Acta da sersao de 2 de deeembro d
18J.J; Breves considerables sobre o selto dos li
vros eommerciaes; Terraoj da sciencia e defini-
?5es da Econoraia Politica; A estrada de ferro de
Pedro II; Cornmercio.
ln-luuio Arbe*loa;io. Deve reunir-
se amanha em sessao ordiuaria, no lugar e hora
do costume.
Banco Conanaercial.No dia 20 do cor-
rente 'quinta feira) deve reunir.-ie a as9embfea
geral dos accionistas dette banco, afi'm de proce-
der-se-a leitura do relatorio annuo e do parecer
da commissao de cootas.
Interesaante deseberla.Os opera-
rios que trabalhara -ao caminho de ferro de Anih
liigi, na Suissa, daecobricanx uma casa, coberta
pelasoevea de Rossbers, desde o principio deste se-
ulo.O interior aao eetavadesooronado; por outros
termos, o ujcto coaservava-e em boot estad >.
Pole, por.'mto, peaetrar-se .no interior. Os res-
tos huraanoa que alii e encaairarara e;tavara re-
dozidos a-6queleto& > um dos quartos encon-
irou-se am pequeno barril, facas, garfos e collie-
fes. Sobie, uma mesa a;iia.v;>-te uma pasta, mas
oa papeis one contioiia e.-am illegiveis. Em eom-
pen-a^ao eiicon raram-se ienQos de pescoco per-
ieltamente conservados; aiuda se distinguiam
bem os deseohos das (lores que 06 ornavam.
AS esiiineardas de rejaetlcao. As
primeiras teotativas de rnelfeoramenio dasarmas
de peqaeno calibre, e de carregu- pela culaira,
/oram feitas darante a gaerra civil da America
pela cavallaru fejieral, a qaal in munida de pis-
tolas de repeticao de Spenser, que podiara dispa-
rar dons e tete time, carregadaa por uma s6 vez.
Foi provaveloaeqte algum incanveuienle que
nellas ia enconlrou, que conteve ropeus na. appktacau da mesma idea, a means
qua teuii coasidarea melralhadora como am
desenvoivimenio da es^iagarda de repe.tii.uo.
0 govacao suisso, porem, teado reeonbeeido a
neeessidade de arrrur ea 1870 as soas milicias.
de as pr no rxelhor p; de igoaldade cooa os
exercitos vkinhos, adopt.'ti as eapiagardae de re
petigao de Mr. Vettero, i quaes tiaiiam am de-
poaito para aaze cartaehac. 1'ma grandc parte
dos seus Latalhoes estio actualmente providos
oa recrclu recebem-nae a.ara a ioa primeica
iaslruc^ao nos e^ercicios de fuiilaria. Das expe-
riencias rocentes, xesulu que ae Ibei devera fazer
alguns melhoramcntos; mas o principio da re-
peticao mantem-ae comfletaneaie.
A Ratta tambem tei este aaao experiencfas
deasas aapiogardas, e para ease 6m foi armado
com a espiagarda VeUeri |am grande numero de
iwns atiradoras do differ Faaae., Noticias rsctbidas de Constaniinopla
>que coniioua a toine & desolar o imperio
ottonuno.
0 goveino oceupa-se g"aveacte com este hor-
rivel Oagello.
A proTiucia onde ella nab se faz senlir e vas-
ttsima ; at cidades e aldeias acham-se separadas
por dialansias enormes, as vias de commonicacao
iiip difflceis ou nao existem ; e quantos eaforfo?
govemo emprega nao obitira a qae perejam a
xoingoa he mens e aniaues.
Abrirarx -8 subscripcSoa pubiicM para com o
prodacto clellas se expedrreav viveres. 0 suItSo
sobjcreveu com cinco mi lib "as esterkna",
Expeiienrla laaiorlnt. Dir dm
jdWaf^Tfew.yoT^ (me n'am hospital militar
,4 Pbilade.paia estao ryiWitys d"U? 4oen,ie,
effeclT'ramente o Dr. Moore eosair pur
senelhantemeijo resnltado ape deseja, presta
um grande servtQo a boraanidade. 0 tratam
simplictesimo-j deve pore* ser raathodi
prolongado.
Wiw df am walarader. -0 -feae'ai
Chanzi, governador da Algeria, acaba de infor-
mal- oiUcialmente o ministro da guerra de Franca,
da morte do corajoso explorador da Africa cen-
tral o Sr. ftoorneau Onperd. que fai-ronbado e
depots assassinado pelos transfugas de Ghaamba.,,
a nrn dia de marcha de Ghadames, na estrada
ue Pn,t- i a Urn^l-
Segundo todas as appareocias, es'e erime Wi
prrparado pela trai?io de um dos guias do nife-
tiz viajaote, chamado NacertJen-el-TahaT, e com-
mettido a 17 ou IS de aaril ultimo.
0 assassmo foi praso e entregue ao govefaa-
dor de f.hadames, para ter remettido ao consul
de Franga.
Esta triste noticia fei tambem levada ao co-
nhecmento da sociedade geographic!.
Por noticias de Tripoli, o companheiro de Dor-
nean, o Sr. Jonbert, fora ignalmenta norto.
CalieraN poKlas a pieeo. 0 prefeito
de Palermo, em vi9ta dos continuos assaltos dos
uandidos, na Sicilia, jolgoa qae o methor meio de
se desemharacar dos salwadorei era por a preco
as suas cabeoas. for es-e motivo acaba de pu-
blicar o segumte bando :
Toda a pessoa qae livrar a Sicilia das segnia-
tes handidcs. reoabera as recompensaa abaixo
designadas:
VincBnso Caprero, de Seiacca, 4:500*000.
Vineeozo- Rocea, de San Haoro. 4:.>005000.
o Gliiacchio di Pasqnale. d'Alia, 4:5600*000
Angelo Rinaldi, dito Raimondo,de San Mau-
ro, 4:r.O0*CO0.
Antonio Leoni, de Viotiniglia, 1:5JO000.
Antonio Lombardi, de GraUeri, i:8005000.
Lourenzo Lamptasi, dito Re, de Meozzonia,
360*000.
a Salvalor Vet:orino, dito Farace.de Uezioniso,
360*000.
Giuseppe Lomonte, dito Dodici Tredici, de
Mezzoniso, 36()SOOO.
Oh ravallas. Fizerara se em Franca ex-
periencias curiosas, para iverificar quanto pode
resistir a vida do* cavallos com a falta de viveres.
0 resuiiado destes trabaltoos, dirigidos por ho-
ineat compeenles, foi o soguintc :
I'm cavallo pode viver 23 dias alimentando-se
apeuas com agua.
Resiste 17 dias a mais rigorosa abstmencia
Vive apenas cinco dias, dando-lhe alimentos
solidos, e pnvando o de buber agua.
Resulta destes factos quanto e indispensavel a
aiua no regimen alimentar dos cavallos. Depois
de 3 dias ue absalula pri>a;so deste liquido, um
cavallo cbega a bebor 50 kilogrammas de agua
em 3 minutos.
Fizeram-se tambem oniras experiencias, qua
demon*tram que o exerckrio e o trabalb t logo de-
pois da comida facilitam rauito a digestao.
Ilospital I'edro II.0 movimento deste
estabelccimento, de 10 ao dia 10 de agosto foi o se-
gninte :
Existiam 382, entraram 52, sauirara 40, falle-
ceram 8, existem 387, sendo :
Homens 2i3 e mulheres 139.
Adverlencia.
Foram visitadas as enfennarias nestes fllas :
As 7, 7, 7, 7 1(2, 7, 7, 7, peo Dr. Uarhos ; as
12 i|2, 12, 12, 1, 12 1|2, pelo Dr. Sarmento ; as
12, II, 10, 9, 10 1|4, 11 i2, pelo Dr. Malaquias ;
as 9. 9, 8 I [4, 9, 9, 10, 9, pelo Dr. Murillo Vianna.
Fallecidos.
Anna Maria da CooceicSo ; tubercalos;pnlmonares.
Leopoldina Maria da Conceicao ; bexigas.
Apolonio ; bexigas.
Antonia ; velhice.
Archanja Maria de Jesus ; bexig'S confluenles.
Milermina Germaria Maria; taberculos pulmo-
nares.
Joaquina; tuberculos pulmonares.
Maria da Laz ; bexigas.
L-iiao.Ilojc, elleclua o agente Marlins, as
11 noras, o leilao de uma taverna .i rua Direita n.
45, em lotes a v ntade dos compradores.
Tambem no armazem da Feira Economica,
a rua estreita do Rosario o. 45, havera hoje leilao.
EiOtcria A qae se acha a venda 6 a 113",
a beneficio da matriz de Cabrobo, a qual corre no
dia 22.
Loteria do nio de Janeiro. Por
telegramma receoido hontem, deve ahi correr hoje
a 523* loteria.
Casa de detenerto.Movimento da casa
de detencao do dia 17 ae agosto de 1874.
Existiam presos 350, entraram 10, saluram II,
existem 349.
A saber :
Nacionaes 273, mulheres 7, estrangeiros 22,
cravos 43, escravas 4. Total 319.
Alimentados a custa dos cofres publicos 168.
Movimento da enfermaria no dia 17 de agosto
de 1874.
Teve biixa :
Antonio Felix da Silva, rheumatismo.
Tiveram alta :
Jose Cilisto de Mello.
Francisco do Rosario R-anco.
Manoel Francisco dos Santo?.
Mauoel.Arnancio I.eite Cabral.
Ccmitcrio pahlleo.Obitaario do dia 17
de agosto de 1874.
Antonio Jose, pardo, S. Paolo, 55 annos, viavo,
Santo Antonio, casa de detencao ; alienacao.
Belmiro, pardo, Pernambneo, 1 anno, Boa-Vis-
ta ; hepatite.
Marianna Maria da Coneeicto, endigestao. (Foi
mandada pela policia.)
Lull Joio Masale, branco, Italia, 28 annos, ca-
sado, Boa-Vista, hospital Pedro II ; febre bi-
liosa.
Antonia Maria da Coneeicio, branea, Pernam-
buco, 30 annos, solteira, Boa-Vi6t3, hospital Pe-
dro JI ; febre intermiltente.
Manoel Felippe Bezerra, preto, Pernambneo, 28
annos, solteiro, Boa-Vista, bospilal I'edro II : tu-
berculos pulmonares.
Maximiano, escravo, preto. Pernambneo, 32 an-
no?, solteiro, Boa-Vista ; variolas.
Cosme, escravo, preto, Pemaaibueo, 10 annos,
Afogadcs: pneumonia.
Lncinda, e?crava, preta, Peraambaco, 38 annos,
soileiro, Boa-vi*ta ; tnbereuioe pulmonares.
Maria Josepba da Conceicao, pajda, Pernambu
co. 1C annos, solteira, Boa-Vista : entente aguda.
Ciberliaa, escrava, parda, 7 annos, Graca ; be-
xigas.
Joao <'4rdpro de
desmbarid,.r Ac
barf atoras Soaca
pntcedeute.
IJeOararihuns.
MaufWLopeaV
gador P>mi
bargdftrei
cedente.
"Mflfc
feira 19 de Agosto th wmm j iwt
Thorma; J x-* da Silva a outre*.
dfeot Srs. des:'inharg\dores Alnwda Alt
XcPrTin^-" ImnvoceVnte.
'DiPGbyWw.a. Hefiorreole o juixo,
Francisco Dias do Attt<|uerqae. Relator o
desembargador Almeida Albuquerque. Sorleados
os Srs. deaenibarga^
raes.- Bafrocede
D> J^ipith.^B>rrdHHo paiio,
rito Jfcto. Rela
Jn ofer
Guir
co Antonio Ca-
Sariliagb:
ao. appoilada
Vi-
_ ncia:
a goa-Vi*ta. .AppaUaate o -inizo. appeilado
Eagenio Hndrigues de^Sonza. A novo jury.
De Pao rerr*.- A'ppellante o jromolor,
appe'.lado Francisco Moreira de Carvaflro. fm-
proeaaenM >yttS jjnj b OafMir*A t^V*
De Traipii Appellanto o jui/.o, appeilado
Aprigio Aleixo de Albuquerajde; Nio tomaram
conriecimento da appellacao.
AppaliaVoe* eomnjeroiaaa*.
Do Recife. Appellante Dr. Jesuipo_ Augusto
dos Santos Metro, apperlado a mass* faUida de
Fernado- Sieppla. Uespresaran os eaibargos. <
Do Reeif*. New"London Brasilian Bank Li-
mited, appeilado Henry William Slep|le.. Con-
lirmada a seutenca.
Do Recife. Appellante Barao de Bemfua, ap-
pellados Je#in>rao Dolsuc e outroi Ifeceberaoi
os embarg js.
Appellaedes civeis.
Do Catol6 do Rocba. Appellante Antonio
Jose Pereira N'obre, appeilado Manoel do Nasci-
mento Andrade. Coaurinada a seatepQa.
Do !(..>'.!'e. Appellanto Joaquim Salvador de
Siqueira Gavalcante, appeilado Salvador de Siquei-
ra Gavalcanle.Despresados os embargo .
Do Recife. Appellante Francisco Cameiro
laoateira, appellados os hordeiros de Joao da Sil-
va Faria. Despresados os embargos.
Do Aearacii. Appellante Jose Gomes da Sil-
va, aopeilados a africana Floriada a seas Slhos.
Despresados os embargos.
FASSACKSS.
Do Sr. desembargador Silva Guimariies ao Sr.
desembargador Reis e Silvaj; _
Appellaijoes Crimes.
Da VictoriaAppellante o juizo, appeilado Jose
de Barros Gonda.
DeOuricury.-Appellante o juizo, appellados
Floreocio e Clemenle, escravos.
Conflicto de jurisdicao entre os juizes de direito
e municipal de Naaarelh.
Appellacao civel.
Do Recife.Appellante a preta Margarida, ap-
peilado tieraardmo de Senna Ferrei.-a Leite.
Do Sr. desembargador Reii e Silva ao Sr. des-
embargador Aimeila Albuquerque :
Appellacao crime.
De Cabacei.M-. Appellante o juizo, appeilado
jm
Caruari. Appellante
r apootKada a justica.
> Sr. desembargador !,o
Aialaya. Appellante M
jUBt.^a. **'*
Appella^oes civeis.
Ao Sr. desembargador Silva Guimariies :
o- oimmrramm AoMtmu ai-
b. appelladjMan'Modnanaa Teixaira.
lesembargador Lowenco Santiago :,
Rio.-Appel ate AMpnio da Costa no-
jiada D. Anna L de Sou<:a Gon<;alves.
lesembargador Reis e Silva :
|r.Appellante Antonio Maenad j dfSil-
^dos Gerrnaao e Vioencia, por sea cu-
.-Appelante Manoel da Silva Pontes,
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque
8 ^viiaMf03
cursor. "
.pe(lante o
Joaquim Columbrino, escravo.
Apnallacao commercial.
Ao 5t leseinbafgador.Motta :
Appellantes A^am=on Howie \ C, appeilado
Antonio V. ^ Suva Barroca
D'Are^a.Appellante Manoel Joaquim de Car-
valho, appeilado Antonio Gomes de Andrade.
Appellacao commercial.
Ao Sr. de-emMrgador Accioti:
Appellante D. Maria Candida Gonjalves, appei-
lado+rancisee Antonio Pereira.
Do Recife.Appellante Jose Joaquim Gomes do
Abrau, appeilado Dr. Antero Manoel de M. Fur-
Udo.. q .
Ao Sr. desembargador Doraingues Silva :
Do Recife.Appellante D. Calharina de Serpa
Braulao.appeliaio Jose da Cunha Soares Gui-
marles.
De Tacaratii.-Appellante o juizo, appeilado
Martioho, por seu curador.
Ao Sr. desembargador Souza Lcao :
Da Victoria.Appellante o juizo, appeilado An
looio, par seu curador.
Eacerrou-&e a sessao a t hora.
CHROMCA JFDfffASU.
TRIBl \ Vf, D.% REI. VC iO
ftESSAO E 18 DE AGOSTO OE 1874.
PRB6IDENGIA DO EXlt, SR. COXSELHWRO
GAtTASO SANTIAGO. .
S&Mlari* Dr. ViifUio Cocllw.
As 10 boras da manhl, presentes os 8 embargadores Silva CaimarSe", Lonrenco Santia-
go, Reis e Silva, Afcnefda Albnquerqne, Motta,
proco/ador da coroa. Ac^ioli, Domingues Silva,
bouzi Leao, Glfreira Maeiel, eo Dr. jniz de direi-
to Camello Pessoa, por impedimento dos 8.
desembargadcree, abrio-se a sessao.
Em seguida o 0r. secretarlo proeedea ao sor-
teio do3 aggravos ii peticSo para julgaroento ea-
5L io. Aggravante Barao de Guararapes, ag-
gravado Francisco Carneiro Rodrignes Campello.
Foram sorteados 'adjnnetos oe Srs. duembar-
gadoreg Motta, e Domingues Silva, no impedimen-
to do Sr ikserabargador Soaza LeSo.
N. 40. AggravantefJoie Dias Carneiro de AI-
bnqaerrrfle -Mtroi, ajginaidn o Bario.de Naza-
reth Adjunetoa sorwidns os Srs desambargado-
res Acciofi, a Almeida Albuquerque.
mLOAMsirrot.
IU'ueaa- corpus.
Paciente Alfredo Braga.-Negou-se a ordem.
Recarso de fal.'sncia
Fscorrente o juizo especial do .cornmercio. re-
corridas Thornaz Fernandes da Cunha & C Rela-
tor 0 Sr. desembargador Almeida e Albuquerque.
Sorteauoa 01 Srs. desembargadores Ajcioli, e
Reis e Sllra. Jnlgou-se improeedente.
Recursos cfimes.
P Petrolic^*: ^ecorreai? q juizo, recorrida
es Antonio Rodrigues
appellada a justi;a.
Revista civel.
Recorrenle Francelina, pir sea curador, reeor-
rido Antonio Francisco do Couto.
Apoeliacao civel.
Appellante Bellarmino Alves de Arocha, appei-
lado o afrieano Manoel, por seu curador.
Do St. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Appellacao crime.
De Alagoas Appellante o jui Dourenco Barboza de Oliveira e outros
De Patos.Appellante o juizo, appeilado Fran-
cisco Ferreira da Silva.
nppellacao civel.
Do Recife.Appellante o juizo e o barao de
Goyanna, appeilado Jose Rolrigues Gosrae.
Do Craso. -Appellante Francisco Ferreira de
Mello, appeilado Jose Dias Gu'maraes.
Ao Sr. desembargador Motta :
Appellacao civel.
Do Recife.Appellante Domingos Jose Marques,
hoje feus herdeiros, appellada Cecilia, por seu
curador. ,
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Appellacao civel. .
Dj Porto Calvo. -Aopellaute Jose de Oliveira
Lima, appellaios Joao Ferreira de Carvalho e ou-
tros.
DoSr. desembargador Almeida ATbuquorrme ao
Sr. desembargador Moua :
Appellacao civel.
Do Recife.Appellantes Tasso & frmSo, appei-
lado Joao Vasco Cabral.
Ao Sr. desembargador Acdotl :
Appellacao crime.
Da Aialaya.Appellantes Minos"! Lucio Correia
e outro, appeilado o juizo.
De Patos.Appellante o jaizo, appeilado Er-
nesto Jjse Ferreira.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Accioli :
Af.pellajSo civel.
De Maceiu.Appellante Jose Pereira de An-
drade, appeilado Floriano Vieira Delgado da Cos-
ta Perdigao.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues Silva :
Appellacoes civeis.
Do Recife.Appellante D. Annunciada Camilla
Alves da Silva, appellados Azevedo Irmao & C.
Do Sr. desembargador Domingues Silva ao Sr.
desembargador Souza Leio :
Appellarao civel.
Do Reeife.Appellantes Luiz Francisco de Al-
buqderque Mello e outros, appellados herdeiros
do padie Pedro Fernandes de Albuquerque.
Appellacoes eommerciaes.
Do Recife.Appellantes Jose Joaquim da Cu-
nha & C, appellada D. Libania, viuva de Joaquim
de Albuquerque Mello ; appellantes viuva e her-
deiros de Miguel Archanjo de Figueiredo, appeila-
do o administrador da massa fallida de Manoel do
Amparo Cajii.
Appellacoes crimes.
Da Asserablea.Appellante o jaizo, appeilado
Sebastiio Pinheiro da Cunba.
De Campina Graad.'.Appellante o juizo, ap-
peilado Aleixo, escravo.
Do Sr. desembargador Souza Leio ao Sr. des-
embargador Silva Guimariies :
Appellacao crime.
Appellante Henrique Guedes de Souza, appellada
a justica ; appellante Maria Josepba da Concei-
cao, appellada a justica.
Appellacao civel.
Appellantes Rego A Silva, emliquidaeao, appei-
lado Antonio de Hoilanda Gavalcante.
Embargos remeltidos.
Do juizo de direito do Recife.Embargante Jose
Joaquim Pereira, embargado Antonio de Souza
Dihgencia crime.
Ao Sr. desembargador proraotor da justica :
Do Cabo. Appellante Francisco das Ghagas
Monte, appellada a justica.
Dihgencia civel.
Ao Sr. desembargador procaradcr da coroa :
Do Recife.Appellante o reeolhimento dc Nos6a
Senhora da Conceicao de Olinda, appeilado Jose
Dalivo dos Passos Bastes.
Ao Sr. desembargdor procurador da coroa <
fazenda nacional e ao promoter do jnizo.
Appellante bacharel Lniz Rodrignes Villares,
appellada a Santa Casa de Mi.-cricordia e outros.
DlSTRIBUICoES.
Recurso de fallencia.
Ao Sr. desembargador Aceioli:
r Do Recife.Recorrente o jaizo especial do com
mercio, recomdo Julio Pires Ferreira.
Recurso crime.
Ao Sr. desembargador Souza Lea i:
De Campina. Recorrente o j uizo, recorrido
Alexaadrino Cavalcante de Albuquerque e cutro.
Appellacoes crime/.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
De Porlo Calvo.-Appellante Jose AWes da Silva,
appellada a jastica. ,
Ao Sr. desembargador Reis e Silva:
Do Graniio.Appellante o jaizo, appeilado Jose
Vicente Pereira da Silva.
Ao Sr. desembargador Almeida AiL'unnerque :
Do Recife.Appellante o desembargatftr presi-
den te do jury, appeilado Manoel Antonio da Silva.
Ao Sr. desembargador Accioli.
De Santa Luzia.Appellante o promoter, ap-
pellada Joanna Maria de Jesus.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva:
Do l'ilar.AppeBaota o juizo, appeilado Manoel
Gomes da Silva:
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
De Ouricarv.Appellante Pirmino A. da Silva
Ramos, appellada a jastica.
Ao Sr, desembargador Silva Guiraaraes: J
Tribunal do commercio.
ACTA DA SESSAO DE 17 DE AGOiTO DB
1874.
lBBSn>KHC!A DO EXM. Srt. C01WELHE1RO A.TSBLMC
ITIASCISCO PERETTI.
A's ff>horas da manha, presentes osSrs.de-
putado* secretario Olinto Bastos, Lopes Macha-
do e Alves Guerra, e o Sr. supplente Sa Leitao,
S. Exc. o Sr. consdheiro presidente abrio a
sessae.k
Lidi, foi depois approvada a acia da se?ao pre-
cedeute.
KXPED1ENTB.
omcios:
Offlcio do secretarfo do tribunal do commercio
do Maranhao, remettendo a relajao dos coramer-
ciante3 matriculados darante o semeslre de Janei-
ro a jonho do corrente anno.Remetten-se para
o archivo.
Offlcio do secretario do tribunal do commercio
da Bahia, accasando a reeepeao do offlcio deste
frlbnn.l, de 3 do corrente.0 tribunal inteirado,
mandou arehivar dito cfBdo.
Offlcio do presidente e secretario da jnnta dos
correiores, remettendo o" boletim das cota<;oes ofB-
ciaes da semana de It a 11 do corrente. Man-
dou-se arehivar.
Pistribniram-se os seguintes livros .
Diario do Leal 4 IrmSo, dito copiador de Jose
Joaquim Marques.
DESPACROS.
Requerimentos :
De Bernardino Machado CoeMho, para dar-se-
Ihe por certidlo o theor da nomeacao de seu cai-
xeiro Firraino Idremo de Franca Goncalves.IW-
se me,
De Lehman Freres, requerendo que se certimrae
estar oa nio reglstrada a ncmeai;ao de sen cai-
xeiro Victorino Lniz Innocencio Poggi.Como re-
qnerem.
De Lerrmatrn Frere & C, solieitando eertidao da
nomeacSo de seus caixeiros Augus'.o Fernindodo
Rego 'e Viriato de Meudonca Pinto.Passe-se a
eertidao requerida.
De Gongalo Jose Affonso, pedindo por eertidao
o theor da pstic*o de qneixa de Manoel Jose Mar-
tins das Neves e do processo qae se Ihe seguio.
Na forma requerlda.
De Moreira & Duarte, apresenUndo a registro a
nomeacao de seus caixeiros.Registre se.
De Manse! Ferreira Pinto, sabmeltendo a re-
gistro a nomeacao de seus caixeiros Joao Ferreira
Pinto e Joio Luiz de Franca Lessa.Sejam regis-
tradas as nomeacSes juntas.
De Monhard Mettler A C, tmettdo a registro a
nomeagSo de Joao Baptista da Silva Guimaraes.
Registre-sef, depois de reconhecida a firma da no-
meajSo. '
De Joao Card&so Rabell \ sajeitaado a registro
a nomeacao de sea caixeiro Manoel Fernandes de
Carvalho. Deferido.
De Camello Mello & C, apresentando para re-
gistrar-se o sea contrato social junlo.Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
De Jose Joaquim da Cunha e Guilherme Jose de
Souza, offerecendo a registro o sen distrato social.
Assignados os dous exemplares jantis do dis-
trato pelas testemnnhas de qae tratam, va a pre-
sente pstiQao com vista ao Sr. desembargador
fiscal.
Nada mais havendo a despachar, S. Exc. o Sr
conselheiro presidente encerrou a sessao as 11
horas e meia.
Oot> & Simd>s, como infractores do art. 42, ca-
fe falsifieado, em 8jO03.
Os liesmos, como'infractofes do arL 190,'poi*
usarera de pesos ntrbalaaca; em-5^000.
Antonio Moreira. Rew. ci'ino infract ir do art.
43, da mesma lei, falta de aceio em sua taverna,
em 4J0OO.
0 rnesnjjrcThp infMirVo ark hi, da mesma
lei, pur eder vinho falsificado, em H?C00.
Franalaco Josd de Campos Pamplona, como in-
fractor do art. 42, por vender cafe falsificado em
sua [>;td*u. em 8^)0.
0 maao, por falta de aceio em dito estabeleci-
mentd, como irifractor do art. 43, em iaOOO.
Joao |fanci-co Borges, como iofractor dp art.
42, p'-.r reader em seu e3tabelecimento bolacbas
em esiadVle corm.cao, em 8J000.
Joao Bapusta Alves da Silva, coma iafr-ctor
do art. 42, por venier caf6 fal.-ificado, em 8^000.
Joaquim Dornelles Camara, como infract ir do
art. l')%, por usar de pesos falsificados em sua ta-
verna, em 30*000.
Coelho 4. Granja. como infractores do art. 42,
cafe falsificado, em 8*000.
Os mesmos, como infractores do ail. 43, casa
suja, em 4*000.
Jose Gomes Alves, como infractor do art. 42, ca-
fe falsificado, em 85000.
0 mesmo, como infractor do art. 43, casa suja,
em 4*000.
Josis Teixeira Dias, como infractor do art. 191,
por a'.ravessar generos no raercado, em 30*000.
Pedro Francisco do Nascimento Gouvei3, como
infractor do art. 10 >, em JUJ0.
An;onio Felix Pereira Junior, como infractor do
art. 41, em 44000.Ao orocurador.
Do memo, participando que entregou ao procu-
rador desta camara a quanlu de 4$080, quanto
pode cobrar do impoeto de 60 rs. sobre pe de
coqueiro ; e que igualmente entregou o livro de
talao, e relacio respectiva.Iateirada.
Do fiscal da freguezia da Boa-Vista, participan-
do que apprehendeu diversas joias e objectos de
fazenda em poder do italiano Caetano Silvestre,
Sue os vendia sem licenca da camara, c na forma
o regnlamento de 7 de outubro de 1873, fez de-
positar taes objecto:, e communion o occorrido
ao administrador do consulado provincial.Iatei-
rada.
Do fiscal da fregnezia dos Afogados, parti a-
panlo que moltou na quantia de 60*000 a Jose
da Conceicao de Oliveira Figueiredo, por estar
conslruiudo sem licenca duas casinbas e um ianco
de muro no lugar do Barro. Ao procurador.
Do administrador do matadouro do Pocp, fa-
zendo de novo pedido de provideocias a bem do
servico do mesmo matadouro. -A* commissao do
matadouro.
A commissao que tem de organhar posturas re-
guladoras da editicacio, foi nomeada e composla
do reodo seguiole :
Dr. Pedro de Alhayde Lobo Moscoso, inspeclor
da sj.iide publica, vereador Jose da Silva Loyo Ju-
nior, director das obras publicas, Victor Fournie,
architecto Frmcisco Jose Raposo, engenheiro da
camara Joao Luiz Victor Lieulhier.
A camara aulorisou ao procurador a vender a
grade de ferro. que servio na sala do jury.
A camara ordeuou que o fiscal da fregnezia da
Boa-Vista, Jeronymo Jose Ferreira, se dirija a fre
guezia da Varzea, atim de veriOcar o estado dos
esta'aelecimentos.
Foi apresentado o requerithento seguinte: ((Cons-
Undo que o caes do caual de Riachuelo, confron-
te a casa do fallecido desembargador Rocha Bas-
tos, foi derribado com as grandes enchentes, ar-
ruinando a eeferiJa casa, proponho que se offlcie
ao Exin. Sr. presidente, pedindo provideucias para
que seja concertada aquelia pane do caes.
i Pago da camara municipal do Recife, o de
agosto de 1871.Loyo Junior.Approvado.
I'd ram despachadas as pelicoes seguintes :
De Agra A G., Antonio Marques da Silva, Anlo
nio Jacintho Paes de Mendour;a, Aureliaho Lniz
Alves, Alexandra Gilbert, coalraria da ordem 3"
do Carraoy Antonio Jose Braga, Bertfb de Freitas
Guimariies, Bernardino Jose Goncalves dos San-
tos, Camillo Lins Chaves, Carneiro & C, Custodio
Carclino de Siuza, Eiesbao Joaquim Dias, Emilia
Firmina da Rosa, Fiimo Carneiro da Cunha,
Francisco da Silva Boa-Vista, Francisco Ribeiro
Pinto Guimaraes, Jose Ignacio de Araujo Pereira,
Julia Seraflna da Costa, Joaquim Lopes da Costa
Maia, Jose da Conceicao Olivtira, Joao Jacintho de
Medeiros, Joao Jose da Silva, Lourenco Alves de
Souza, Manoel Jose Danlas, Maneel Elias de Sa,
Teixeira Chaves & C.
Nada mais havendo, o Sr. presidente levantou
a sessao as 2 horas da tarde.
Eu, Francisco Augusto da Costa, secretario, a
escrevi.
Ihecloro iladmdo Freire Pereira da Silva, pro-
pre*idenle. Jose di Silva Loyo Junior.Bellnr-
minodo Reno Barros. Joio da Cttnha Soares Gui-
maraes.Dr. Pedro de Alhayde Lobo Moscoso.
CAMARA BIUNIC1PAL.
SESSAO EXTRAORDINARY EM o DE AGOSTO
DE 1874.
PnESlOENCIA DO SR.- REOO E ALBUQUERQUE.
Ao meio db, presente9 os Srs. Gameiro, Cesa-
rio de Mello, Theodoro Silva, Loyo Junior, Cu-
nha Guimaries e Dr. Moscoso, abrio-se a sessSo.
Depois de lida e approvada a acta da antece-
dents leu-se o seguinte
EXPEDIE.NTE I
Ofrkio9:
Do Exm. presidente da proviacia, autorisando a
camara a desapropriar uma pequena casa em
frente do mercado publico de S. Jose, pertencente
aos herdeiros de Joao de Rrito Correia e os terre-
nos necessarioss pertencente a Antonio Ferreira Ra-
mos, para prolongamento da rua da Conceiaao ate
o Pombal.Ao advogado.
Do mesmo, transmittindo copia do officio, que o
engenheiro nscal da companhia Recife Drainage
Ihe dirigio, relativamente ao asseio das latriuas
publicas da cilada.Aos fiscaes.
Do Dr. chefe de policia, fazendo considerarjao
acerca de uma sociedade em conta de parlicipa-
gao, que se organisou nesta oidade para a venda
da carne verde, e mostrando a conveniencia de
uma poslura que prohiba a colligacao de merca-
dores destinados a afastar a concurrencia, e ele
var arbitrariamente os generos de primeira neces
sidade.A' commissao de posturas.
Do juiz substitulo da l vara civel desta cidade,
participando ter entrado no dia I* do corrente no
ozo de tres mezes de licenca, que Ihe foi concedi
o pelo Exm. presidente da provincia. Iutei
rada.
Do supplente do iuiz substitute da 1* vara civel
e do 2 districto criminal de3ta cidade, Dr. Custo
dio Manoel da Silva Guimaraes Junior, eommuni
cando achar-se no exercicio deste cargo.Intei
rada.
Do medico desta camera, Dr. Joao Maria Seve,
participando ler assnmido o exercicio de seu car
go.Inteirada.
Do administrador do cmiterio publico, remet-
tendo o mappa obituario dos dez ullimos anaos de
1864 a 1873.A' quern pedio.
Do mesmo, remettendo a rela0o dos eadaveres
depositados na capella do cemiterio, durante a se
mana proxima fioda; assim como o numero da
brandSei e velas arrecadadas. Ao procura
dor.
Do contador, participando que da verba desli-
nada para as despezas do expediente e impres
goes, apenas existe um sal Jo de 102*210, o qual
nao chega para satisfazer as despezas ate o fim de
setembro vwdouro.Peca-se antorisacSo ao Exm.
presidente da provincia para despender-se ate ;
quantia de 300#.
Do fiscal da fregeazia de S. Fr. Pedro Goncal
ves, remetteado a relacio das multas impostas per
aquelia fiscalisacao, do dia 29 de julho a 5 do cor-
rente :
Domingos Rodrignes Giftello, art. 43, casa snja,
multado em 4*000.
Rofino SezanoGOes Miranda, art. i, gaz, mul
tado em 10#000.
Correia A Abrantes, art, 43, casa wja, muludo
em iJ003.
Franct"o P'o Lecote, art. 43, idem idem, em
4*000.Ao procurador.
r)o fiscal da T.-eguezia de S. JosS, -remettendo
uma relacao em dupuPata dos indivirJuc5 nmltados
por aquelia fiscalisacao, (Jo dia 21 do prosIrtiO Pas"
sado ate 5 do corrente r
PARTE POLITICA
IMHTIUO C RECTFE, 19 DE AGOSTO DE 1874.
siippi-egsao dc cacleiraH de ins-
truccao prisnaria. S
A Provincia de 18 do corrente. tomando por
assumpto do seu segundo ar'.igo de fun Jo a sup-
pressao de algamas cadeiras de instrucgao prima-
ria feiu pelo Exm. Sr. Dr. Lucena em virlude da
lei, nao desperdicou a occasiao para o derrama-
mento do sua bills sobre o mesmo Exm. Sr. que,
podemos afurmar, foi injustamente censnrado.
luscreve se o artigo da Provincia, a que nos re-
ferimos, do seguinte modo: A instrucgao pubU-
ea dtacada pelo Sr. Lucena.
Essa epigrapbe diz bem qual a accusacao que
envolve o artigo a que serve de titalo.
Nao trata a Provincia nem mais, nem menos, do
que de mostrar que o Exm. Sr. Dr. Lucena alaca
a inslruccao publica, essa mesma instrucgao publi-
ca qui de S. Exc. tem merecido tantos cuidados e
altengoes.
A' conta do assumpu que faz as despeaas do
artigo, sio lancadas muilas outras accusacoes se-
digas e banaes, um cento de vezes repetidas e o j-
tras tan las ja re fu tad as, pulverisadas mesmo.
Diz o articulista provinciano : A administra-
cao actual... por uma serie de factos se ha reve-
lado balda de moralidade, de sciencia e de justi-
ca... b
Esse laconico e ao mesmo tempo vastissimo ca-
pitulo de accusacoes tem sido victoriosamente
cor ibaiido de nossa parte por meio da mais minu-
ciosa discussao.
Temos descido por maitissimas vezes ao eitudo
dos factos e a sua analyse, conseguindo sempre
que tal temos feilo levar a conviccao ao proprio es-
pirilo dos accusadores do quanto e desarrazoada
a accasacao feita systemalicamente ao actual ad
miuistrador.
Os factos tem sempre servido para corroborar o
que bavemos afurmado sobre os beneficios e servi-
ces, que tern prestado a esta provinc a em sua sa-
lutar admiaistracio o Exm. Sr. Dr. Lucena.
Kmfim, dos actos da adminisira;ao, ainda mes-
mo daquelles que tem sido mais violenta e des-
coromunalmente atacados, e-tao a transparcoer
probidade, illustracao e reclidao do digno magistra-
J j a qnem foram em tao boa hora confiados os des-
linos desta provincia.
laamoralidade, ignerancia e iojustica, pelo con-
tra.rio, tem sempre revelaJo os adversaries de S.
Exc, esses odientos provincianot, que em uma
opposigao desastrada lem-se tornado o alvo da
exeeragao, qaando nao do desprezo e escarneo pu-
blicos.
Ditas estas poucas palavras, que nao rauito en-
tendem com a resposta que nos propozemos dar
aos provincianos, passemos adianle.
A nova accusagao da Provincia ao Exm. Sr. Dr.
Lucena e assim formulada :a Queremos fallar
da suppressao de algumas cadeiras de instraccao
primaria, suppressao que importa um verdadelro
auque a instrucgao, caja diffusao Uo iutetramente
interessa ao progresso a adiautamento dasta pro-
vincia e do paiz inleiro.
As cadeiras supprimidas por S. Exc, a qae se
refere o articulista provinciano, sao as seguinlas.
alem de outras que prefazem o numero de 21 ao
todo :de Olho d'Agua dos Bredos, de Mandacaia,
de Serra Branca, de Tabocai, de Tacaite, de S.
Jose de Araripe, de Sanharo. de Assurema, de Ca-
rahybaa e de Gravahi de Jaouru.
A lei n. 1,143 de 6 de julho paseado. permitle
ao presidente da provincia suppnmir aquellaa ca-
deiras, cuja frequencia (or inferior a if aluranos.
Porunlo a questao no caso verlente reduz-so a
saber se as cadeiras, qae foram supprimidas pelo
Exm. Sr. Dr. Lucena, it achavam ou nao nas eon-
dicoes da leu
Se assim acontejia, incontestavel 6 a Iegalidade
do acto de S. Exc, que per elle nio pode ser ac-
euMdo de aueutar contra a instrucgao publica
lira juumente o que se dava. 0 Exm. Sr. Dr.
Lucena inforraado pela mspectoria da instrucgao
publica de qae W certo numero de cadeiras de
Jinn* i "'-------------------"
msiruciao primaiia nao linha a frequencia exigida
por l-i uira poder cdntlhuar a fun -cioiiar, pres-
Urtdo di; servicos que c >m sua creagao se teve
em vi cadeiras, coaservaad* alias outras em identical
coudicoes.
Aos" dados, que Ihe foram fornecidos pela in*
pHloria Ja Matfucgao pabuca, vieram-se juutar
outras n.formacoes, que Ibe Jjoaam mioisiradas das
localiJaces por pessoas liledignas acerca de mais
algamas cadeiras nio comprabenJidas p >r aquelia
inspect i.-ia, ealre aa qae se a*avam nas eondicocs
da lei c tada. K .,
Foran tambem deatas, supprimidas algumas por
S. Exc
Onde ssti, pois, o arLitrio e a prepotenc a, quo
disse a Provincia rtfestirem 0 acto do illustrado
adiiiinisirador?
A Provincia, se raaleria t':vesse em tal caso para
censurar ao Exm. Sr. Dr. Lu:ena, MM por nao
haver elle sapprimido todas as cadeiras, qae esla-
vam nas condigoes de se-lo.
Agora devemos accresceotar que S. Exc, ao
passo que supprimio algumas cadeiras que por sua
pequenissima frequencia quasi nenbum servijo
prestavarn a instrucgao, sendo a somma dos saeri-
lirios le t'js muitj superior a dos resuiiado* col hi-
dos, por outro laio creava outras cadeirasi em lo-
cah Jades de erescida populagao escolar, que recla-
mavam tao imnortante beneficii.
A creagao de todas essa* cadeiras foi publicada
tambem uesle Diario; mas os pruanctanos nao
tiveram olhoi para vela e le la, como viram e le-
ram a 'ippressio das que apontaram.
No entretaato um semelhante nndo de proceder
so ;i/niMea qam dos actos do Exm. Sr. Dr Lucena
assiste sempre o verdaderro pairiotjsmo, o patrio-
lisnio critenoso e illustrado, (|ue nao sacrifica _a
quaesffnet razoas menos procedentes a prornocao
de um melhuramento real, de um bem estar incon-
testavel para o-oovo.
Nao baveria procediraente menos acertado e mais
digno ds censura do que o daquelle que deixasse
de crear escolas publicas nos lugares em que a po-
pulagao erescida e necessitada de instrucgao as
reciama, para conserva las em outros onde a es-
cassez da populagao, na contmgencia das sans con-
dicoos llnanceiras da provincia, as torna dispen-
saveis.
E foi esse procedimento, que nao quiz ter o
Exm. Sr. Dr. Lucena a quern esta provincia taoto
deve e aiada mais, muilo mais deveria se os pro-
vincianos protestassem toma-lo por modeloquan-
do Ibe chegasse a vez do poder.
Se assim acontecesse, u-ria a provincia desde
ja a cerleza de ler, qaando pissaste tuacav, administradores, que pela sua illu-tragao,
jusiica e moralidade bem a dirigissem na scuda
govern ativa.
Anus de terminar este, devemos dizera Provincia
que o acto de S. Exc, por ella censnrado e que
asseulou nos motivos que foram expostos, nio dei-
xara de ser devidamente desfeito, se por ventura
taes provas forem produzidas que tirem a limpo
que as informagoes sobre que se baseou o mesmo
acto, foram menos exactas.
Juslifiqua se convenieniemente com dados reaes
que tiaiiam algumas das cadeiras supprimidas ao
tempo da suppressao frequencia superior a 12
almnnos e S. Exc. restabeiecera rssas cadeiras.
Ainda ha am remedio para o mal que diz a
Procit,cia ler provindo da aliudida suppressao do
cadeiras, e esse remedio esta na propria lei da re-
forma da instrucgao pualica ou melhormente no
negularnenlo dessa lei, que os provincianos ainda
nio conliecem. ?
Querein-js lallar da inslallagio de cadeiras por
particulares, a quern a lei prcmette nma subven-
gao e algumas outras vantages importantes.
Se, pois, as cadeiras supprimidas sao suscepti-
ve;s da Ireqneacia de que falla a Provincia. devein
apparecer particulares que se disponham a crear
nas respecliv.s locaiidades escolas primarias intei-
ramente identicas nos servico3 que dellas se devem
esperar, as exlinctas.
Sera es*e um facto necessario, mfallivel em face
da lei roforraadorada ihstrucgao publica, uma vez
que nio seja uma fkcuj a frequencia, de que fal-
la a Provincia. .
Para terminar este vamos dar nma ligeira ex-
plica jiff.
Refere se ella ao numero de alumnos, que cons-
la do relatorio do inspector geral da instrucgao
publica que freimentava as escolas supprimidas.
0 argumento da Provincia neste ponlo, direraos
explicandonos, e sem valor, n5o so porque e bem
provavel que assenlasse o raencionado relatorio,
apresentado em Janeiro passado, sobre dados
poiico exactos, como tambem porqne 6 hoje o
mesmo inspector que aflirma a presidencia serem
de frequeneia inferior a 12 alumdfcs as mesraas ca-
deiras, a que ja bavia attribuido frequencia su-
perior.
A Provincia nao ignora o quanto sao deiecti-
veis e TaUiveis em geral as inionoagSes sobre tol
assumpto ministradas.
Temos, pois, que oExm. Sr. Dr. Lucena, suppri-
mindo de accordo com a lei divers is eadeiras eru
n* de %k, tem aclualmcnte creado out'as em n. de
13, numero em que ainda nao fez pinto S. Exc.
E temos ainda mais que aquellas cadeiras eram
estabelecidas era locaiidades como Afogados de Ia-
gazeira, povoado insigpificante, contend) apenas
duas dnzias de casas, no qaal entretanto haviam
duas cadeiras do sexo feminino, eque eslas foram
fundadas em lugares de grande populagao, de ba
muito reclamando o melhoramento so agora rea-
lisado.
0 qne diri depois disto a Provincia f
nelle

4
W,
Para que nao conlinnem na espera os guerri-
Iheiros da Provincia, vamos por ao akance deseus
fracut'05 o seu canard a. 3oG.
Os da espera que apontem para> 1" folua, ultimo
artigo da columna 4", e darao com o que trans-
creveram Ja Reforma da Curie, que pertenceao seu
alkorao.
f De Pernambuco, dizia a Reforma, chega nos
veja-se bem) o seguinte ttteoramma :
Ataqae entre o poi-o e a fropa na estaclo da
estrada de ferro de Game'.leira. Partio para la o
chefs de policia e mais tropa.
A Reforma fez entao sua salsicha :
Pergunta-se se esta em guerra.
Chama mentecapto ao presidente.
E linalisa que a tropa eipingardeava o povo >.
Pela nossa pane notamos :
A innocente especulajio de se dar a provin;ia
confiagrada em Gamelleira.
A iuvasao da verdade, que se fazia.
E a rercwidade dessa gento I
Agora os da espera nos pedem, que lhes niDS-
treraos a cmtaf...
Segarameote os da espera se enfrascarum de
mais pelo sereno I...
Qnemdisse que tinheis telegraphado, foi: a Rt-
forma e foi a Reforma e foi a Provincia n. dob.
E se nao fostes vos, qnem o teria sido T
Ataso, homens da espera, querereis sustenur a
voisos beocias, que esse telegramma, a que allude
a Reforma, nio foi vosso ? Era o que faltava
Teriamos sido nos, que propositalmente
assim mentimos despejadamente f
Averigaadas as comasManoel Coco one esta
processado,-a frente de uma meia duzu de ca-
pangas, que por esie telegramma cremos ser de
vosso lado, atacou-a goarda da cadeia, qne era
nma tropa de Ires homens, porque, segundo nes-
sas pregaeSes e doutrinas, entendeu, como patrio-
ta e liberal, ser muilo desaforo, que um parente
desse gnarda I
Tiimadas da sorpreza morreram duas pracas, ii-
ca ferido gravemente o sabdelegado e uma pessCa
do povo, que correu em auxilio da autiridade e
esse sarrabulho temperado ao gosto do dkectorio,
6 para vos invertido era vosso telegramma, no
qual se diz qua o conflicto 6 entre povo e tropa,
concluindo a lteforma que o poro era o espingar-
deado, qnando pelo contrario era Manoel Coco e
sea bando,que aesassinava a antoridude e as
pragas I
Admira, que menlindo assim e assim tendo tele-
gravhado, ainda venbam os homes da espera pro-
vocar-nos.
Justificaram o sarrabulho que prega* e ainda
qaerem esprener o seu coco para lazer esopados
emespera I
Deas nos &6 paoiencia para aturar esses Manes-
Cocos da Provincia I ^.
Quando dara Deos juizo a esses Manes Coca tao
cynkos e ruins ?
Fortes cocos, consumes descocos II
Moiiaa.
Tulo 6eioverte, as innOYarjSei formi-
garx.
Palavras^ e alem dellas nada, a nio ser
as desaslTAdas pratenjOas absoMstas de
meiti duzia de velbos corrorapidos e de me-
moes preteociosos e estultos, qua consti-
tuera hoje (1867) a dor official do paiz.
Os homens de consciencia devem ter por -
sea primeiro empenho acautelar o povo
contra 33 trai^Ses oratorias, contra as arma-



rtB


Dkud de PcrnambupoA7
,
t-
I*
d*s de palavr^ r,9lp ^ os Lorn.
ram 6 niuMs dDtpaa.
Os snrttnlkaneos, os Ml.eatiorAY d bolsa municipal
edA/vitJaaopaizapreseiltam a pistols, ft 'U-* *?P'a 1
Marco Antonio nao lalriga. i
K tuito so povo prffa nwHwr sanil-o.
So a publicidade de todas as roisorias po-
de cuw as n-jssas cbag.is.
Quem tal dissera, Pernambuco, patria de
Nones' Machado !
0 paiz, quo vd cuvindo a discussao das
inauditas mi*erias e cobardias policiaes, e
jukue. .
\ menlira u levada Aaua ultima poteu
(il..... F ..
Que riam e t'olguem os Glhos degeiiera-
dos desta terra : o dia uncle cbegar......
Marco Antonio depoe a ponna fetigado de
indiguaclo e de despreso, par* que a poli-
:ia nao o roande esbordoar.
., 38$ X. n 7
Marco Antonio, m o Dr. Apru/to Juslinta-
no da Silva Guimarites .' //....
ijuIJjJb a luge dafuu m arWu, pen wTSairf
d> jniz
aes
o a
trtfM animosidade
de sanidade.pvr r sido.sictima
de artiinanhas quaudo so proceileu ao corpo do de-
licto, a poa(o'de escapar-Ilie o iaqaajenlodoji pe-
ritos, ei3 qae o juiz da direito .jjrororapan ein
ameagas da calcada da <;aa de sua resideneia, do
modo tip insorito qae os t bilantes desta 1

tendo S. S. aaouaciado a sua retirada,
enilapd*
(que razio esiiveram penhoradaj.sejundo dizem
-111, 1 ilMPPi-J
, aiada se conserva J Fanciso Alae* G>atialio.
jgojso ape pode dizer
omittiadu do iadicar a granJe quautia, pola qua
e^iveram esses^vehicalj^ porque estlveram tao-
toj tempo prettm***}
- jllesolvam
e devom, co
lares a fazer o quo podem
e que penhorou as carropas, re-
atlonitos corriam de tropol pelas ruas para ver 63- ,-cerram aos tribuaaes. qae esit Ktai ile coairalo
peciacolo tao revoltante, nl5To~contra mim e aquel- cllebrado a InterveucAo e autoriaapao d*; todas as
le distiucto e prestiBioso etdafl), conn contra o es- panes interessadae,aemoqoetoipon-se defeituoso,
crivao que havia passado mandado de prisao, escol- e >vera S. S de qae pao e Wto a eanoa-
ta e todos qne haviarn cooperado para aaiieUas | Essa comaahia Recife Drainagc,% eugragada :
prisoes, dizeudo que todos iam ser processados e ale sem conMaiiaMto iHMM|MH*tB ptopneu-
qae e o oarcereirj recolheaae as muUwe.i seria rios, se julga aatorisada para fazer_ depositqs
seas carvCus de terre
e oftfaarilas desses
satitfafom qoe tlar,
03 Srs.: Tito, Ar-
jUBL|i\CQtS a f>E018C
0 autor da advertencia necessaria do Diaritde
J'ernambHco, de hoje 18 do corrente, uio respon-
ilou eoini dovia, se 6 booiora *cieniico ou proQs-
siortal, nem eomo exigia a pub.ieac.Jo, em respos-
ta a aeu ariigo, pelo que o X o julga leigo na ma-
i Tia, coocluiodo que tudi is-o nao passara de
names, despeito e espeeulapao.
Ci-ca-ca, eniao os Srs Trousseau ePidoux,
morreram antes da descuberta da panacea ingleza T
Kntao o aco e uma deacobertii recente f Entao
senhor da advertencia, nao seja mao, digamos al-
i;uaia eoosa a respeilo : diga-nos o qae sera 833e
metal obamado aco, quem o desjobrio e quaodo t
Eotao, Gnmault foi proceaado ? por calamnia
^m......ha calumnia !..... ha ciume3 I.....
ha despeito !.....
Ja disse : charlatao e o pmiissional, que sem
previo eoaheciinento, lanija n>3 dessas panaceas,
e perlinaz e iujistenle sacrilica os doentes, como
observamos ha poucos dias. uni caso fatal, e ou-
tros muilos de que temos conhc.cimento.
So o autor da adverteneia qo.izer dignar se res-
ponder devidamente aos pontos culminanle* da
qtiestao scieotifica, a?a e assigae, que Ihe respon-
.ieremoi devidaraeote ; o main e perder tempo,
dar dinheiro as typograpbia3 e ganho aos eipecu-
! adores.
Recife, 18 de agoslo de 1874.
Ilrctilicacito.
A nova mckina da Procincia, conlem inexacti-
loes na li-ta dos deputados qae votaram a favor e
contra o imp wto do bacalhae. Pira auxiliar aquel-
le jornal, fazeraos a necessaria correc^ao.
Votaram a favor.
Os Srs.:
Tolentino de CarvalUo.
Antonio Paulino.
Souza Leite.
Oliveira Audrade.
Tiburcio.
Travasso de Arruda.
Mellj Rego.
Amaral.
Goncalves Ferrei a.
Gomes Parente.
Pinto Pessoa.
Dario.
Later da.
Goes Cavalcanle.
Vie ra de Mello.
Flgueiroa.
Joio Barbalho.
Soares.
Votaram centra.
Os Srs.:
Ratis.
IxbOa Cavalcanle.
Novaes.
' Maaoel d > Rego,
Alipio Costa.
Domingos Pinto.
. Portella.
Cunha Cavaleanf.
Gatpar.
Garr?.MaratteS-
Arruda.
Nao eompareceram a aebtSo
ooncio, Peretti e Carnboim.
Villa Bella, 97 de julho deis:i.
Srs. redaclores.Em sua conceituada folba de
:*9 de junho proximo passaclo, li em uma das co-
umnasum artigo, em que seu autor procnrava
:oncitar contra o meu coraportamento nesta co-
marca a odiosidade e prevengao pobli^as !
Mas, felizraente, nao obstaute estar aqui ha mui-
::opouco tempo, tenho proeurado e sabido al6 bo-
je conter os impetos do eoracao ou amoldal-os a3
iregras do meu derer, distinguindoe reconbecendo
os desvarios d'uns e as obras meritorias de outro,
de modo qua tenho conquistado o apoio, estinaa,
3 cou3ideracio de todas as pessoas cordatas da co-
raar.'a.
Nao re^pondi logo aqaelle pretencioso artigo por-
que quando o li estava no termo do Triumpho,
. mde tinha ido assislir a sessao do jury, que, in-
felizmente, sendo accommetiido de ora ataque de
erysipela que desde tenra idade soffro, nao me foi
possivel apresentar-me no primeiro dia dc sessao,
conseguindo comparecernos mats; demorando-me
ainda naqueile termo alguns dias depois da sessao
par nao rae achar em estado de raoatar a cavallo.
Agora quo aqui chego, nSo posso e nem devo
i;onsentir que o meu nome seja laneado ao publico
ladeado de factos cuja verdade, cyoicamante, pro-
3ura-se deturpar. -
Principiei minha vida publica ha poucos dias ; e
multo a prezo ; por isso venho abrir esparto em
sua folha com e3las linhas para restabelecer a ver^
dade, que nunca 6 tarde para resplaadecer.
No dia 4 de juoho proximo passado foram pre-
las em flagrante umas mulheres como autoras de
ferimentos feitos na pessoa do soldado Manoel An-
tonio do Nascimeuto, embaracaudo a ditas prisoes
um desordeiro qae aqui m:ra de nome Jose Guer-
ra, conbecido por Jose Marinbeiro ; o qae imme-
iiatamente foi communicado pelo sargeuto ao juiz
ie direfto Francisco Luiz Correia de Andrade, que
mandou fazer effectivas as prisoes.
It; ;olhida;- as mulberes por forja da ordem do
iaiz de direito, deixou estede mandar lavraro res-
lectivo auto de lUgrancia, como Ihe impunha o S
'.!' do art. i i do decreto n, '2,033 de 20 do setem-
bro de 1871, nao so porque tinha sido elie quem
mandou fazer effectivas as prisoes, como porque
aao havia aa occasiao dem.ro da villa nenhuma
las outras autoridades exigilaa no artigo e para-
:jrapho citados.
Procedendo se ao corpo de delicto foram consi-
derados ferimentos leves pelo3 peritos, capitao Ma-
aoel Francisco de Paula e Virgolino Epaminoadas
de Sa, qae dias depois disseram meperante muitas
pessoas tinham considerado taes ferimentos le-
ves porque nao haviarn prestado juramento, mas
que os ferimentos eram graves.
No dia 9 do mesmo mez, Jose Marinheiro, que
inal sabe assignaro nome, scudo inspirado, conhe-
iwu que a auienaia'daquelta formalidade legalan-
i:o de Ilagraaciadava direito as criminosas a re-
quererem habeas-corpus, e eatao propalou qae no
;;er aoltas e que ia reqaerer pell promessa qae ti-
nha do juiz io direito, como o disse ao distiiuctd
:idadao Francisco Gomes de An Irade e a maitos
outros.
De felto, amanhecendo o dia da vmganca, foram
aanauaiadas as glorias da victor.a por uma badala-
da em um sino da cadeia, como e de costume
quaodo enira ou sahe preso da cadeia, e minutos
d.epoi3 postas as eriminosas em liberdadeitexcedeu-
do assim o juiz o qnanto podia raceiar a previden-
cia da populaeao viila-belleiise I I
0 que devia fazer ea oomo pronotor pubico an-
u procedimeato lo acinloso. a eonOssio, publica
dos peritos e o plrigo de mirte em que se acha-
va o infeliz soldado f
Nao requeri exame de aanidade logo que os pe-
vdoi ftzeram a^aella confissfiO, nao so porque nao
'fisf/erava quo o juiz fosse H8 cail em conceder
lmeai*6orp*i em nm easo Wlo' grave, como porque
o earactw qiie apreseaUvam os ferimentos, a eu
lraco ver, aao cooseatia um eztne completo, e oap
Me podia pot consequent medir com preclsio. a
;iatureza e-gravidide dos ferimentos.
NesSe'dta, porem, em one maltieres pie^ara-
vam e3capar a rapwaalo Mial eque o caracter
ilos ferhnent03 podia hem fielmenta a annunciat
H est>4o e a gaUMza atUot, i*\m\ o exame de
preso e-processada tambem.
Vendo-se o iuiz municipal em horrivel collisio,
pois de umlado a partinaeia dos erivaes e nlo
quererem passar pot taria para serem recolhidas ra municipal.
as criminosas, de outro a declara$ao formal do Va S. %^
carcereiro que nio as reeolhia; e veado tambsm (em cami^fao,.*
a indignacao am qae estava o juiz de direito ma-
nifestada por estrepitosas e ameacadoras palavraa
que faziam-se ouvir em toda rua, dirigio se a sua
casa, e inal entrava, vio-se obrigado a relirar-se,
repellmdo os termos descomedidos e virulentos com
que fora recebido. ^^
Logo depois o integwrimo e illastre advogado o
Sr. Aao*o Attiao de Souza Laile, fazando ver ao
juiz a iucouveniencia de semelhante procedimento,
maudou este ehamar o juiz manteipl, e ttearesi-
da e Qeagmatieamoate insistlo aiada pela liberda-
de das criminosas. Resist ndo a taes instaocias o
juiz municipal, foranvlhe otrarecilas certas cos-
cessdes eem reiribuicao exigida a tao desejana li-
berdade que foi satisteita.
Do exposto, clara e torminantemente se depre
hende que as prisoes foram feilas era tlagranto a
ordem dojuis de direito, e que por uma omissao
sua, nao tor mandado lavrar o respeclivo auto de
flagrancia, nao podia conceder habeas corpus;
mas dando mesmo de baralo, qae nio teaha sido
em flagrante, o que e inadmissivel ante o depoi-
mento das testemunhas da formacao da culpa, de-
via o exame de sanidade produzir todos os seas
etTeitos: a prisSo das mulheres.
0 5 i* do art. 13 do decreto a. 2,033 de 20 de
setembro de 1871, eiige, para ter lagar a prisao
antes da fjrmajao da calpa, certos requisitos, e
um destes e a prora doiumental de qae resullem
vehementes indicios contra o criminoso.
Ora, tendo se ja dado principio a instaura^ao do
processo ; astando as criminosas ja ha dias presas;
de
nao pertencem,
em que nio tarn
flsMos-da oama-
e pole encontrar do
ganado qne no Rio de
_io enconlnfi qtlem arranje os negocios
dessa compaohi^, fatendotallar este, floe Ihe diri-
gio as pergMiMtWtcrave aatas linhas, e esta dis-
posto a escrever oatras, e dlzar muita ceusa, que
nao convem que sejara sabidas. Ate ver nao e
tarde.
\ Vm-proprietario.
IS
mm. Srs. redactores.-Ttogo t Vv. St: e espe-
cial favor de inserir no aeu acredilado Diario, a
publicai;ao junta, pelo qne Ihes froara grato o
De Vv. Ss. assigoante
Mcmotl Ftrreira ie Oliveira.
Fallaria os roais sagrados deveree, se nao viesse
do alto da imprensa agradecer ao lllm. Sr. sun4e-
legado do Recife, o Sr. Antonio Francisco das Ne-
ves e ao digao inspector o St. Jose Pedro dos Santos
Nevee, os relovantes servieos a mim presudos no
dia 15 do corrente.
Tendo mdo victiraad'um roubo praticado pelo
pardo Mart nho Leaudro Pereira, d'am taboleiro
com fazendas que conduzia dos Afogados para mi-
nha casa, aa Urde de 14 do corrente, fui no dia
15 de manna em casa do Sr. aubdelagado, partici
par-lhe o occorrido ; tendo a felicidade de encon-
trar alii o Sr. -inspector Jose Pedro dps Santos Ne-
ves, depois de ouvir-me, e sem olhar a immensa
chuva que entJo cahia, immediatamente se pOz no
alcanca dc ladrao, conseguindo prendel o momen-
tos depois. A' energia empregada por este senhor
e>elo Sr. subdelegado, devo eu o nlo ter sido
niais prejudicaito, pois que das mercadorias, na im-
nenhuma duvida exhuindo sobre auturia do crime,! poruncia de 300000, apenas houve um desfalque
o conseguindo serem ellas soltas; e do exame de
sanidade verificantfo-se ser o crime inalBangavel,
eomo dizer-se que a vista do decreto e artigo ci-
tado, nao podlam ser ellas presas ?
E teria eu, requtsitando tal prisao^embaragad j
legalmeme a ordem de habeas-corpus 1 0 art. 187
do codigo ciirainal liz :
a Tomar a prender pela mesma causa a pessda'
que fiver silo solta par effeiio d'uma ordem de ha-
beas-corpus, pas>ada competentamenle. Penas,
etc.
Ora, se a causa que dea lugar a prisao das cri-
minosas, foi suppostos ferimentos leves e a da no-
va prisao ferimentos graves, como dizer-se que e
manifesto sophisma, o sustentar que 6 prohibido
somente pelo ariigo 187 do codigo criminal pren-
der pela mesma causa ?
Para que desligurar-se o verdadeiro sentido da
lei, adulterando as claraso pensamento do legisla-
dor, qae tao precisamente expressou a sua von-
tade T
Quando verba sunl elara, non adniiltlitHr
mentis interpretatio.
Nio seria borrivel, nio seria mesmo uma ini-jui-
dade fazer depender o grande ieleresse que tern a
sociedade da deter o braco dos sctlerados de sub-
lilezas taes 1
Dimiii, o legislador permittindo aos juizes a fa
culdale da conceder habeas-corpus, restriogio esta
faculdade, determinando os casos em que 3lla ti-
nha lugar, como bem se ve no artigo 353 e seus
paragraphos do codigo do processo criminal.
E' preciso ter obiilerado em si todas as ideas
consentaneas com a boa razao, para naoa char re-
pugnante a opiniao em contrario.
Do docuraeato abaixo traoscripto, \6 se a verda-
de exuberautemente provada pela sciencia do
facto.
0 mais aguardo-me para se de novo for provo-
cado.
Jose de Barros Franco.
snnnlpnfA
Ue Barros
om
lllm. Sr. juiz municipal orimeiro
exi>reipin Hl _Q.fcmatJi i
Franco, preclsa a bem de sea direito que V. S.
atteste o seguiute :
I.' Se foi certo e sabido que os peritos nomea-
dos para o corpo de delicto a que se procedeu so-
bre os graves lerimentos feitos na pessoa do solda-
do Nasciinento, por umas mulheres, nSo presta-
ram juramento.
2.* Se tendo-se veriCcado do exame de sanida-
de ferimentos graves, e sendo as criminosas a re-
quisicao desta promotoria presas, porque nio fo-
ram recolhidas.
3.* Se depois da prisao V. S, a chamado do Sr.
Atlico Leite, indo a casa do juiz de direito dizer-lhe
que tal comportament) era antes o cumprimento
de nossos deveres, que proposito de molesta-lo, foi
de novo V. S. amea^ado com processo, de modo
tal, que foi necessario retirar-se,repellindo-o.
4. Se depeis foi V. S. chamado pelo juiz de di-
reito, que instantemente pedio pela liberdade da3
criminosas, promettendo que, se V. S. Gzesse tal
favor, que elle nao levaria o facto ao conhecimen-
to do Exm. presidente.
Para o que requer a V. S. e pede deferiraento.
\ ilia-Bella, 25 de julho de 1874.
0 bacbarel Jose de Barros Franco.
Attesto quanto ao primeiro, que sim : que os
peritos nao prestaram juramento por esquecimen-
to de minha parte, e consideraram os feriraeutos
leves, declarando depois que eram graves.
Quanto ao segundo, que nao foram recolhidas,
porque o juiz de direito chamando o carcereiro e o
cabo da guarda, ordenou-Ihes qae nao reeolhessem
as mulheres, sob pena de serem presos e proces-
sados.
Quanto ao terceiro, qae vendo o Sr. Attico a
desmoralisacao de qae estava eu prestes a ser
vlctima, convidou-me para ir a casa do dito juiz,
o que fiz, sendo recebido com gritos e ameagas de
modo que retireime, repellindo tal comporta-
mento.
Quanto ao quarto, qae, chamado pelo juiz, que
eotio com toda calma e instancia pedio pela liber-
dade das criminosas, e disseme qua se fossem
soltas as mulheres que nio commnnicaria ao Exm.
presidente, ao que accedi, por temer o funesto re-
sultado a que poderia chegar um tal estado de
cousas.
Villa-Beila, 23 de julho de 1874.
Sebastiiio Jose de Magalhaes Lopita.
de 78*000, sabendo-se aonde paravam por cora-
municacao feita aquella autoridade pelo o Sr. An-
tonio Alvos Barbosa.
A autoridades como 03 Srs. Antonio Francisco
das Neves c Jose Pedro dos Santos Neves, nio pre-
cisa fazer-Ihes elogio, potque estes consistera nos
seus actos. Recebam, pola, os referidos senhores
eor. Antonio Alves -Bafbosa, os raeus sinceros
agTadeeimentos e orelam que jatoais me tiaesatao
desapercebidos os seus services.
Recife, 16 de agosto de 1874.
Manoel Ferreira dt Oliveira.
L.T.
rjiy CD* Parfameur 4 Paris.
I 1 fcJft w Savon au uc de laltue.
,Ynn< uhuitu peitoral.
A academia medica de Beflim teve perfeitamen -
te razio em seu jodiciosi julgamento em prOnun-
ciar o suoco da balsamiea anacahuita mexicana
como um 'especinco positivo e infallivel para todas
as irritacoes ou inBammapSes de garganta e dos
vasos bronchios.
Nio ha nenhum easo de rouquidSo, tosse, catar-
rho, escoriaQao da garganta ou irrilacao do: bron-
chios que possa resistir as suas adrairaveis quali-
dades anli irritantee.
Etla restitue a voz guando pordida ou enfraque-
cida pelas affeccdes eu sensapots de asperesa no
palato; fazcessara expectoracao sangoinae im-
pede a accumula?ao de mucosidades nos orgaos
da re>pira?ao que parlem dos pulmoes.
Inteiramenle differente na sua composicio de
todos os mais peitoraes manufaclurados de fructas
adstriogentes, cascas, raizes, etc., o mesmo nap,
conlem nenhum acido prussico, epio ou outros
quae3quer iagredientes venenosos.
an.
|Ripas da canba"0 a Jorge J. Tasaov
pW MX> aiqueves aoaeoosignalarioa.
iros t u'arftea
[ Wiikey 1 bnrri
fflMP
entradc Joe
imado a romp*
eosteira p9r *i
COMMERCiO.
jL,nlA uu& i/Uftnr,TOhP.s
Praea do Recife, 18 de agosto
de ISM.
AS 3 HORAS DA TARDE.
cotacSks officiaes
Couros scccos satgados, do norte, 5ii rs. o
kilo.
Ditos ditos dilos 534 rs. o kilos, hontera.
Gambio sobre Londrcs a 90 d|v. 25 7f8 d. por
1/000, banco, hontem e hoje.
Cambio sobre o Porto a 90 d|v. 103 OjO de pre-
mio.
it. de Vasconceilos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
Ao
Cio-
ALFANi>yc\.
,eaaiinento Jo dia 1 a 17.
'atuj do dia 18.....
Sr. nimmcndnitor Antonio
mfs NettO*
Para que S. S. responda as minhas perguntas
de hontem, nao e preciso saber meu nome, que
nada tern com a cousa : basta que saiba qae sou
tao graduado quanto S. S., que tenho am titalo
caderoko, que S. S. nio pdde exhibir, titulo que
me permitte fallarcom certa autoridade em ques-
toes scientificas, e possuo diversos predios nesta
cidade. Assim, pois, deixe-se de farofas.
Para se dizer que os apparelhos da companhia
Recife Drainage, nao funccionam convenientemen-
te, nio basta mais do qua ver-se, para _saber-se
qne sio extremamente incommodos, nao basta
mais do que sentir-se, e para demonstrar-se que
devem aggravar o estado sanitario e vfr a ser cau-
sa do desenvolvimento de epidemias, nlo basta
mais do que ter se conhecimsntos de hygiene, que
6 no que nio pode faflar S. S., que apenas pode
occupar-se dos ihter'esses peenniarios dessa com-
panhia, porque nio tem titulo algum, que o auto
rise a unto.
Responda, pois, S. S as perguntas, que sao mais
importantes do que Ihe parecem, e se deise de
evasivas ne3ta terra, em que ja Oca de juizosus
penso, nem acredita nesse triste recurso. Para
que a companhia Recife Drainage, cesse de fonc-
cionar, nao basta mate do qae a tnaaoarana pro-
vincial eesse de exercer as fancc3es 4e agente co-
brador dessa companhia; e, para que ella se veja
em serios embaracos, sem que nada possa oppor.
nao basta mais do que que a camara muawipaJ,
que e competent'? para is to, a viaU da let da 1."
de outabro de 1828, se compeaetre de seas deveres,
e faja examinar a infec^ao que results do pessimn
funocioaamento desses apparelhos, aMeadendo^se
as queixas de todos os particnlares sen* excepcao^
principiando pelo palacio da preaideocia, e faza-
do cessar isto, que e causa aa- iaaaAubridade pa-
blica; procedendo do me;mo atodo qae ella pode
fazer a respeito de todo e qoaloaeF estabelecimen-
263:488*774
16:628/807
280.117*581
Descarregara hoje 19 de agosto de 1874.
Vapor inglez Lalanie (atracado) mercadorias
para alfandega e vinho para deposito no
trapiche Barbosa.
Patacho italiano Sarina Tnercadorias para al-
fandega.
Barca ingleza Fuzilier machlnismo para o
rapiche ConceigiOj.para despachar.
Patacho nacionalNancy -fariaha ja despachada
para o cies do Apollo.
Barca poriuguezaTrimnpfcomercadorias e vi-
nho para alfaBdega, e vinho para deposito
nos trapiches Cunha e Barbosa.
Vapor nacional Cururipe generos nacionaes
para o trapiclre da companhia peruam-
bucana.
Barca ingleza Dora ferro ja despachado para
o caes do Apollo.
DESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 17 DE
AGOSTO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No patacho portuguez Vanda, para Lisbia
carregou : L. J. S. Guknaries92 saccos com 6,900
kilos de assucar mascavado.
No brigue inglez Victoria, para oHavre, car-
regou : E. A. Burle 4 C. 493 couros salgalos com
5,916 kilos.
Na barca franceza Mauricien, para o Havre,
carregou : H. & Labille 1,000 couros salgados com
12,000 kilos."
Na e3cuna.allema ^ruio, para o Rio da Pra
ta, carregou : Amorim Irraaps 4 C. 290 barrieas
com 30,283 kilos de assucar branco e 50 ditas
com 8,321 oitos de dito mascavado.
Na"barca nacional Marinho V, paa o Rio da
Prata, carregou: A. Loyo 6 pipas com 28,800 li
tros de aguardiente.
Pora os portos do interior.
Para Porto Alegre, na brigue nacional S.
Manoel, carregou : Oliveira Filhos k C. 66 barri-
eas com 7,619 kilos de assucar brauco 130 ditas
com 18,384 ditos de dito mascavado.
Para Maranhio, no vapor nacional Bahia,
carregou : J. G. do Bastos 10 harrioaa eom 813 l2
kilos de assuear hranco ; 1.1. CarvaHio 4 C. 20
sacco3 com 1,500 ditos de dito.
Para o Aracaty, no hiata Urastleiro Graaosa^
carregou : Costa 4 C. 15 barrieas eom 813 li2i
kilos de assucar branco e 28 ditas com 1,825 i[8:
ditos de dito reuaado.
Para Mossoro, na barcaga Fhr do Rio, car
regou I J. C Fi?ueira 10> pipas com 4,800 litroe de
aguardente ; A. Oliveira & C 1 barril com 4o
ditos de dita, 2 barrieas 116 kilos do assucar bran-
co e 2 ditas com 116 ditos de dito refinado :. para
Macao, B. J. Pereira 4 Irmio I volume com 80
ditos de doce.
Para Camaragibe, na bareaea Plot do Paf,
carregou : A. L. Taixeira I volume com 14 kilos
de doce e 1 barrica com 65 ditos de assucar reli-
nado ; P. de A. Moreira 1 dita com 43 ditos de
dito.
Par.a Manunguape, na barcaja Prudent**
carregofa : J- J- Pereira 1 volume coin 30 kflos de
auacav reBnadfl.
Iauportacao.
Hiate nacional or do Imdm, entrado d*> Ara-
tT rjae seja oa se torne causa da iisalubaidada pa- [e'aty em 17 do corrente e consigaado a loao Je
b|io de 6U nj^ticipip. f da Cwha Lages, manifcstou :
Vapor inglez Laiande, enlralo dos norU)3 da
Enropa era 18 do corrente e consigoado a Sano-
drs Brothers ft C, flsnnifesion':
Carga de Lisboa.
Arpwie to barrieas a Plo'Moreira iC, 5
Francisco Allemao Barbosa. Agua medicinal 1
caixa a Francisco Manoel da Silva AC, la Fer-
reira Maia 4 C. "
Batatas 295 meias eaixas e 230 ditas inteiraa a
Silva Gulmaraes 4 C, 20O|2' a Joao Martins de
Barros 4 Filhos, 100 a Magalhaes & Irraao, 50|2 a
Costa, Cunha 4 G, 40|J a Leao Roeha & C, 100
a Lima & Silva, 200|2 a E. ft. Ratello, 0it a
ManoM Fernanoes da Costa & C, 10(2 a Fran
Cisco Allemao Barbosa, lOOrJ a Behrao & Filho,
30|2 a Jorge J. Taaao, 40 a Monleiro Junior Pemandes, 50 a Francisco J.- da S. Gulmaraes, 25
a Man el B ilibelro;
Cal 50 barrieas a J. P. da Fonceca. Cera em aru-
mo 7 barrieas a Oliveira Filho AC, 7 a T. de A.
Jonceca 4Saecessores, 2 a Silva Gultuaraes* C,
t a J. T. Carreiro & C "Dita em velas 43 .eaixas a
Silva Guimaraes A C, 30 eaixas a f. de A. Fon-
ceca & Successors, 32 a C. J. da Silva. Cebolas
175 eaixas a SiWa Guimaraes 4 C, 200 a Joao
lartins de uarros & Filhos, 50 a Lima 4 Silva,
50 a Domingos J. Ferreira Cnrz, 25 a Francisco
Jose da Silva Guimaraes 20 a Moot-iro Junior &
Fernandes. Conservas 12 eaixas a Beltrao 4 Fi-
lho, 31 a Oliveira Filoos & C. Cylindros de
metal 1 carxa a beltrao & Filho. Chinello 2 eai-
xas a A. Patva Ferreira, 2 a Porto & Basic*, 1 a.
Mendes Lobo 4 C. C-.stos de. vime 1 volumes a
Joaquim Lopes Machado. Capsulas 1 caixa a
ordem.
Drogas 1 caixa a Francisco Manoel da Silva 4
C, 1 a Manoel A. Barbosa Freitas, 50 a Lima 4
Silva.
Livros I caixa a Walfredo & Souza, 1 a Da
Lailhacar & C, 1 a Silva Cardoso & Pessoa.
Manna 1 caixa a Francisco Manoel da Silva
C. Mostarda 1 sacco a Antonio Jose Leite
astos. Magaes 37 eaixas a Silva Gaimaraes &
C, aa Francisco Allemao Barbosa. 2 a Manoel
Pereira Leaios, 25 a Monteiro Junior 4 Fernandes,
12 a Antonio Jose Leite Baslo, 20 a Francisco
Guedes ie Aranjo.
Objectos de madeira 1 caixa a Francisco Ma-
noel da Silva &
Plantas 7 volumes a Francisco Manoel da
Silva 4 C. Passas 3 eaixas a Fraucisco Allemao
Barbosa. 50 e 48 meias ditas a Silva Gaima-
raes & C.
Rape 8 eaixas a Thomaz de A. Fonceca & Suj-
eessores.
Sementes medkinaes 2 barriea3 a Francisco
Manoel da Silva & C.
TouciohoSO barris a Silva Guimaraes 4 C^ 50
a Jorge i. Tasso, 100 a E. R. Rabello 4 C, 20 a J.
Fernandes Lima & C, 30 a Pinto Moreira 4 C, 20
a Magalhaes 4 irmio.
Uvas 3 eaixas a Antonio Jose Leite Bastos, 2 a
Manoel J. Ferreira A C.
Velas stearinas 2u0 eaixas a Silva Guimaraes A
C. Vinagre 2"> pipas e 6i barris de qumto a Bel-
trao & Filho, ISoitas e 73 dilos a Silva Gaimaraes
& C. Vinho 14 pipas e 25 barris de quinto a
Oliveira, Filhos & C, 36 dilos e 80 ditos a Silva
Guimaries 4 C, t8 e 49 a Souza Bastjs A C, 19
e 5 a Paulino Jose da Co3ta Amorim & C, 20 eai-
xas a Keller, 2 barris de quinto a Jose G. Guima-
ries, I a Antonio M. Mohteiro, 2 ditos de oitavo a
Joaquim Antonio de Araujo.
Carga de Liverpool.
Arroz 100 saccos a Magalhaes & Irmao, 125 a
Jorge J. Tasso, 250 a ordem, 50 a Lima & Silva,
50 a Antonio Francisco Corga, 25 a Beltrao A Fi-
lho. Aco 1 cunhete a Cardoso A Irmao, 1 a S.
P. Jobusun & C, 50 a Moreira Halliday & C. As-
sucar 2 barrieas aos consignatarios. Arcos de
ferro 321 feixes a Samuel P. Johnston A C. Amos-
tras 39 volumes a diversos.
Barns de ferro gavalnisado 307 a S. P. Johns
ton AC. '.
Canela 10 eaixas a P. Jose da Costa Amorim &
C. Cachimbos I caixa a Moraes & C. Cevada
grelada 10 barrieas a ordem. Cha 10 meias eaixas
a Fernandes da Costa & C, 40 ditas a B. Jos<5 da
Costa Amorim & C, 2i a ordem, 20 a Leao Ro
cha A C. Corrente de ferro 1 a S-.P. Johnston \
cT pk.piA, 7 :, i->o ^nrisiiaoi i\ ^., a
Otto Bohres, 1 a Rodrigues Irmio & C, 6 a Phipps
Brothers & C. Couros 1 caixa a Sabino Joae de
Almeida. Chocolate 1 caixa a J. F. de Paula Ra-
mos. CalQado I caixa a Joaquim Pereira Aran
tes, 1 a Mendes Lobo A G, 1 a Lyra & Vianna.
Came em conserva 4 eaixas a S. P. Johnston.
Cutilaria 1 caixa a Faria Irraaos, 1 a Vianna Cas-
tro & C, 3 barrieas a S. P. Johnst n 4 C. Cerve-
ja 50 barrieas a P. Jose da Costa Amorim & C,
100 a Jos6 Antonio Pinto, 50 a Fernandes da Cos
ta A C., 8 a Simpson A C.
Estopa 10 fardos a Gonealvc3 & Irmao, 1 a Ma-
chado 4 Pereira, ID a Phipps Brothers & C, 20 a
B Thomson & C. Estanho em barras 1 barrica
a J. A. Pereira A C. Enxofre 6 barris a Joaquim
A. de Araujo & C.
Ferragens I volame a Pereira Simoes 4 C, 3
a ordem, 21 a Parente Vianna & C, 3 a Antonio
de Araujo A C, 3 a llawkes & C, 7 a Vianna Cas-
tro & C, 122 a S. P. Johnston & C, 2 a Jose da
Rosha e Silva, 3 a Faria Irmaos, 2 a Otto Buhres,
1 a Von Schsten 4 G Foltias de zin:o 1 caixa s
Johnston Pater & C, ditas de cobre 7 feixes j
S. P. Johnston A C. Fio 5 fardos a Moreira Hal
liday & C Fundos de cobre 7 feixes a S. P. Jo-
hnston & C.
Genebra 25 eaixas a Francisco G. de Araujo.
Comma laca 2 eaixas a Moreira Haliday & C
Impressos 1 caixa a De Lailhacar & L. Ins-
trumentos de cirurgia 1 caixa ao Dr. R. Vianna.
Linha 16 eaixas a Faria Irmaos. Lona 1 fardo
a Adamson Howie & C Louea 11 gigas a J. A.
Pereira 4 C, *' -
Meias 1 caixa a Johnston Pater 4 C Mer-
cadorias'.dtversas 1 caixa a Pereira SimSes & C,
l'a Papouta & C, 1 a Faria Irmios, 4 a Cle-
?'erne de Faria Tavares. Maqainismo 2 ca>xas
a J. Baptista de Oliveira, 6-volumes a Adamson
Howie &C, 3K volumes e pegas a S. P. Johns-
ton & C. Medieamentos 4 volumes a P. Maurer
& C, 2 a ordem, 5 a tyra 4 Vianna, 3 a J. F.
da Costa, 1 a A Agnate Caots. Manteiga 70 bar-
ris a P. J. da Cesta Amorim "St C, 20 a Souza
Bastos & C, 50 aos censigaatarios, 2o a Rabs
Schraettau 4 '., 55 a ordem, 20a Pinto Morei-
ra&C, !2aLeio Rocha- 4 C, 25 a Cardoso
Monteiro & C, 23 jarroa a Mills Latham 4 C.,
9 eaixas'a Jorge J. Taaso, 8 a Leao Rocha & ^
10 a Beltrao & Filho, 2.1 a Magalhaes 4 Irmio,
6 a Lima & Silva, 8 a Jose M. da Rosa & Filho,
7 a Ferreira & Velloso, 6- a Costa, Cunha &C,
16 a Lebre 4 lleis, 26 a Autonio Ferreira de Car-
valho, 10 a Moreira ttalliday & C, 15 a Beltrao
A Filho, 6 a Pinto Moreira & C, 44 a ordem-
Oojectos de lilhographia I alxa a Francisco H.
Carls. Ditos de esciiptorio 1 caixa ao New Lon-
don Brasilian Bank, l;aS. P. Johnston & ?*, 1
a Walfredo 4 Scuza, 1 a Parente Viauna &.L.
Ditos para telegrapho 1 caixa ao sapermteadente
da Western and B. Telegraph & C Ditos para
vapor 301 pegas a corapaolHa pernamJKicana.
Oleado 2 eaixas a J. A. Pereira 4 C.
Preg03 1 barrica a Johnston Pater & G- l a
ordem. Pennas de ago 1 caixa a ordem. Papel
1 caixa a Loyo & Filho, 2 a Walfredo \ Souza.
Presunlo 3 eaixas a B. Thonson & C...*M'
Jose Goncalves Pereira,* a Beltrio 4v Filho, 3!
a. Jose Correa Baaga. Dito e toucmha- 5. eaixas
a Braga Son & C. Plmenta 80 siecoa a. PiciJ
Moreira & C, 20 a Silva Gaimaraes kC, 30- a
E. Jose da Molta.
Queijos 20 eaixas a ordem,
Sanguesugas 1 caixa, a Domingos Manoel Mar;
tins, 1 a ordem. Sal reQnalo 50 oaixas a Jose
Correia Braga. v*m
Tecidos diversos 04 volumes a ordem, 16 a, Aaam-
son Howie A C, 3 a Moreira Halliday & C, lo a
a GoncalwsIrma & a, 58 a Oltato, JarAm & C..
3 a Phips Brothers & C, 8 a Penna Jan*or L,
10 a Monteiro Gxegorio & C, 34 a Lniz. A. Siquei-
ra, ia\ a Cramer Fray A C, HI a B, Thonsou 4
a, 2 a Carneiro 4 Nogueira, 1 a Moaoel 4 Maesi
trail, ti a Jose L. (Jonjalves Ferreira A t,., Jb *
Alco&rado Vieira 4 C, 17 a Rodrigues, Irmao a
C, la Piuto da Silva 4 Gascio, 8 a Moonard
Mettler 4 C, 3 a Braga Sou 4 C, 158 a Keller
AC, la Pereira Simoes A C, 38 a E. A. Burle
& (1, 82 a Simpson A C., 16 a Machado A Pe-
reira 10 a Johnston Pater 4 C. Tinta 1 bainca a
Jase da S. .Loyo 4 Filho. T.jplos 10 aarHoast
oxdam. Toucmha 1 carxa a M. J- fi- *****
Tintas 10 barrieas a E. Jos6 da Motta, 3 a r.
Jotiston &C, 30 a Mills Latham A C.
' Velas atearuia! 10Q eaixas a Fraadscn Gtkedes
Vaper nacirwf
do fuljna mesiiia di
iieriiam bucana de
mawiftswu .***tnm
Assucar 40saccos aMifued Jose Alves.
Barrieas vasus 100 ao mesmo.
FatiAbade raaudioca 10 saccos -a J. M. da Ca*z.
LI 2 saccas a Owning>s |,tfa8. Torres.
uAPATAZIA DA ALFANHEtlA
itadiiinienlo (k. dia I a 17. fr.oiiWiQ
\4*m do dia 19 ....
322JJU4
9:04i#494
IT^B..Jorge Jac-oma Tasso", W a-
N.ff. lUMa Jos* d* CMIa Aw^,
nm soafado de 3 andares por
N. 8. flHKWAIVes Gawra; nm subra-
do de 3 andares nor"
fit. Joaqnvr* Lop# Maeftado, nm
sobi ado de 3 andares por
N. *f. Vieente o> Pailla flTrverra Vil-
las Boas, am so*rado de 9 Hmda-
re por
fr. 29. Francisco Ro*gfce das Pas-
ses' oatros, nm seofadb de 2 an-
daKt-aor
Barreto de Mtennes.
W. f. .totonio Jose Soares, uffl o-
bratio oV 3 andares por
VOLUMES SAH1D09
No iS 1 a 17 .
m m II
ttiananrataa
lagnnda poru.....
rrcsira peru
Titpicba Coaoi^ao .
16,781
V^.v>

tOi
276
314
122
17,595
tJBhVlGO MAMT1MO
ijvarenga* deacarregadas' no trapiche da
f alfanaeaa :
No dia-I a 17......
So dia 18. .... <
10 trapieb* Goncevcio -
*
*
3-
23-
itBCEBCDORLA DB REND AS INf FRNAS GE
RAES DB PKRNAMBDCc
ieadimento dndia la.*7. 24:553*369
n do dia 18...... 1-.28V400
2*887*769
GONSIILADO PROVINCIAL
ftendimento do dia 1 a 17. 41:703*519
'dem do dia-18..... 8858t)9
RECIFE DRAINAGE
Rendiraento do dia 17. .
Idem do dia 18......
4!:689*358-
9:926*793
1:335*250
11:262*043
l:iOO|
i:mm
!:2,oeo
3-WO.OWf
*WO,000
1:900,000
1:136^,.
i.-e>,oof
Altem;des- feilas no lancamenlo* da decirna nrba-
na da fregrjezia dos Afogados, nr/exercicio d*
1874 a 8?5, pelo lancador feidbrt)-Theodnlo dc^
Mat:o Ferrefra.
Tira-vessa de M mbd!
N. 11. Igracio Jb-e da Laz, uma'
casa terrea. arrendada por 0B\OO^
N. 13. 0 mesmo, uma casa terrea ait
reodada por SOfiOO
N. 15. 0 mesmo, nma casa terr'
arrendada por SbflOn
X 17. 0 msmo> nma casa terrea ai"
rendada por 09,090
N. 19. 0 mesmo, uma casa terrea
frrcndada por 99*009
Bbm- Jesas.
II. 4. Benjamim TerreSo, nm telhei
ro ava'iado por
R. 37 Sabino Brunodb'Rosario, nma
casa terrea arrendada' por
uraa casa terrea
!f. 39. 0 mesmo,
arrendada por
It. M. 0 mesmo, uma cas-a terrea
arrendada por
3. 43. 0 meeuto, uma cas-a terrea
arrendada por
N. Hb mesmo, ama easa- terrea
arrei dada por
N. 4>7. O mesmo, uma casa^ cerrea
arrendada por
N. 44 0- mesmo,
arrendada por
N. 54 O mesmo,
arrendada por
N. 33;. O1 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 55: <) mesii.o, ama casa terrea
arrendada por
N. 57. 0 mesmo,
arrendada por
umi casa- terrea
uma casa* terrea
uma casa :arrea
300,98'>
9i,989
84,000
81,00"
0V.OO9
84JJ69
84,000
' 84,000
84,00!
84,05t^
84,000
84,000'
AGENCIA.S PROVIKCIAES
Liquidos espirituosos.
Renclimenio de 1 a 14
Idem do dia 17
2:9424018
360*679
Rendimento de 1
Idem do dia 17
Bacalhao, etc.
a 14 2:171*009
140*080
Generos de estiva.
Rendimento de 1 a 14 933*912
Idem do dia 17 56*978
Fumo, etc.
Rendimento da 1 a 14 130*405
Idem do dia 17 19*776
Farinha de trigo, etc.
Rendimento dc 1 a 14 1:078*116
Idem do dia 17 356*400
3:302*695
8:311*089
990*890
270*181
---------------1:434*516
Vinagre, etc.
Kendimento de 1 a 14 1:180*132
Idem do dia 17 16*964
---------------1:197*096
9:506*467
Thesouro provincial de Pernambuco, 18 de agos-
to de 4874.
0 escnvao,
Joio Carneiro M. da Silva Santos.
MViMENTO 00 PORTG.
Navios enlrados no dia 18.
Aracaju e portos inlermedios7 dias, vapor bra-
sileiro Cururipe, de 222 toneladas, commandan-
Santos, equipagem 17, carga assucar e outros
gpni>ma i .rui i> ".unijucana.
Liverpool por Lisboa -24 dias do primeiro porto,
16 do segundo, vapor inglez Lalande, de 688 to-
neladas, commandante 0. Williams, equipagem
27, carga dilferentes generos; a Saunders Bro-
thers a a
Navios sahiJos no mesmo dia. _
Barcelona -Polaca hespanhola Wjginia, capitao I.
Sensat, carga algodao.
Mossoro-Lugre inglez Nellie, capitio E. W. Core,
em (astro de areia.
Portos do. sulVapor brasileiro S Salvador, com-
mandants Beltrao, earga varios generos.
S. Miguel.
N. 6. Coriohmo Velloso da Siivaira,
uma casa serrea por !ll,0C9
N. 18. Antonio Dias Carrof,a, awa
casa terrea por 192,009
N. 70. Firmtco Firmo de Azevedo,
nma casa terrea por 144.009
N. 68. Joao Barbosa Maciel, um ca-
brado 336,00t
N. 78. Joio Pedro Rodrigues, uma
casa terreaarrendada por 141,000
N. 108: Luiz Ferreira do Almeida,
uma casa terrea arrendada por 120,000
X. 12S. Jose Buarque Lisboa, uma-
casa terrea arrendada por 96,008
X. I4t Jose Maria Goncalves Gui-
maries, uma casa terrea avaliada-
por 144,009
X. 164. Guilherme Francisco da Sil-
va, uma casa terrea por 120,009
X. 166. Valdevino Ribeiro da Silva
uma casa terrea por 120,000
X. 17Ci Francisco Ignacio da Crui
Moll 1, uma casa terrea por 60,000
.N. I78S 0 mesmo, uma casa terrea
por 00,000
X. 7. Manoel Bernardino Alves, uma
casa terrea por 108.C09
X. 9. Omesoi.), uma casa terrea
por 144,009
X. 11. Padre Pedro Gomes Torres 1
de Albuquerque, nma casa terrea
por li,0C9
N. 35. Francisca Olindiua de Si-
queira, uma casa terrea por 1440CO
X. 39 Viava. de Thome Pereira
Lagos, ama casa terrea por 300,009
X. 43. Anna Rita do Sacramento,
uma casa terrea por 96.0CO
X. 49. Guilherme A. Rodrigues Selte,
uma casa terrea por 96,000
X. 51. Herdeiros de Maria Joaquina
da Annuaoiacao, uoa caa terrea
p, ^ OC.CCH
X. 53. Viuva da Thome Pereira La-
gos, uma casa terrea por r 120,000
X, 37. A mesraa, uma casa terrea
por 120,000
Direita.
N 3. Ernesto A^Leopoldo, uma casa
terrea com jolao por 700,(09
!. seccao do consalado provincial ds1 Pernam-
buco, 1 i de agosto de 1874.
0 chefe,
EtSunrdo Auguslo de Qtrveira.
EOITAES.
Consulado provincial
Para sciencia dos coutribuintes do impo3to da
decima urbane e os effeitos legaes, em seguida pu-
blicam-se as alleracoes verilicadas at lancameato
do mesmo imposto no corrente anno fihanceiro de
1874 a 1873) rlcando aberto 0 prazo de 30 dias,
nos termOs do art. 38 do regnlamento de 6-de
abril do corrente anno, as reclamafoes que por
ventura possam ter a faaer os interessados.
Alteracoes verilicadas no lancamenlo da decima
urbana na freguezia de S. Fr. Pedro Goncalves
do Recife, pelo langador Felinto^do Rego Barros
Pessoa, no oorrente anno de 187475.
- Rua do Commercio.
N. 2j Dr. Pedro Bezerra Pereira de
Araujo Beltrao, um sobrado de 3
andares e loja por
X. 8-. Annunciada CamiHa Alves da
Silva, um.sobrado de 3 ?idares
e loja por
X. 10. A mesma, um dito de 3 anda-
res e loja por
X. 48- A mesma, um dito de 4 anda-
res e loja por
X. 20. Lifts Jose da Costa Amonm,
um dito de 2 andares e loja por
X, 24. Mosteke de Sl Bento, uma
casa terrea por
N-. 26. O mesmo, um sobrado de 3
andares a loja por.
N. 48* Americo de Sa e Albuquer-
que, um sobrado de3 andares e lo-
ja por
N. i Elias Baptista. da Silva, nm so-
bmdo de ua andar e loja arren-
dado por ,
N. 9 0 mesmo, um sobrado de um
andar e loja arrendado por
N, il. 0 mesmo, um sobrado de i.
andar e loja por
N. 13. Hospital Bortaguex, um sobr>
do de 1 andar e loja.arrendado por
N. 15. 0 mesmo, um sobrado de li
andar e loja par
N. 17. 0 mesmo, um sobrado da 2:
andares e loja por
Largo do Corpo Santo.
N. 3. Luiz Jose da Costa Amorim, um
sobrado de um andar 0 loja por
X. 5. 0 mesmo, um sobrado de- I
andar e loja por .,
N. 7. 0. mesmo, nm sobraoo de i
andar e loja por
N. it Luiz Jose da CosU Amonm,
aa sobrado de 2 andaras e loja
nor
Travessa do- Vlffano.
N* i. Bartholomeu Lourenco, um
sobrado de 2 andares por
ternes.
N. 16. Capella dos Praieraft de Gua-
rarapes, am sobrado. da 3 anda-
res por
Thome da Souza.
N. 4. Mosteiro de S. Bento, um so-
brado de 2 andares por
Becco do Abreu.
N. 4. Aadrt3 do Araujo Ferreira e
outros, nm sobrado de 3 andares
(mela aeu) por
Vigario Ttaeaorie.
N. 2. Barao de Bemuca outros,
uret sobrado de 1 andar e loja por
N. 4, Francisco de Paula Correa de
Araujo, um sokfadu d 3 anda-
3:630,000
2:800.000
2:S00",030
2:000,000
1309,000
600,000
iSioo.ooo
21000,000
3:600,000
3:600,000
3:600,000
3:600,000
3:600,000
6.600,000
1:000,000
1:000,000
i.000^100
4:150,000
000,000
900,000
0 Dr. Sebestiao do Rego Barros do Lacerda,
juizde direito especial do coraoercio nes-
ta cidade dp Recife e seu terrao da capi-
tal da provincial de Pernambaeo,: por
S. M. imperial e eonstitucional 0 Sr. B.
Pedro 11, a queen Deus guarde, etc.
Faco saber aos que 0 presente edital virera ou
delle noticia tiverem qo pelos curadores fiscaes da
massas faliida de Albino Martins da SHva Borges.
me foi aprssentada a seguiute dassificaqao dos
creditosde dita mass* Credor chirographarios
Joio Martins de Barros Filhos &. C, 88150:),
Serra Chuqoire & C, 577*220. Perraz A Pereira.
546*020, Jose Raymuodo de Mello, 40b*270, Do-
mineo" Francisco Ramalho, 365*190, Molia Ju-
nior & a, 298-*630, Joao F. Cordeiro &C, 210*820
Monteiro Rocha & C, 138*030, Magalbies & Ir-
mao 131*400, Silva Pinto ?erreira & C, 74*/20.
Credores privilegiado Jose fcaymuado de M"i-
10,215*120.
E por este edital sao citados os reuaridos creuc- -
res para dentro do prazo de cincodias,contadcs da
publicacao do mesmo, dizerem sobre a dita tfaaet-
ficarao dos credilos. .
K para que cbegue ao eonheetraento de
todos. mandei passar 0 prasente, que sera
publicado pela imprensa e- afliudo nos lu-
garos do-costume.
Recife* 14, de agosto dfr t8T4.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Basci-
mentOy escrivao, 0 subscievi.
Sebaslidodo Rego Ean-osde Lacerda.
Ao sello- 400 rs.V. S. S. ox causa.
Barras- de Lacerda.______________________
Pela mordomia do Gymnasio Provincial se
convida a concurrencia do contrato da lavagem
e eoaommagem da roupa do servfeo do mesm>
esiaieieoimento e do uso dos edncaados, sendo :
Lavada e esgommada.
Camisas.
Galcas.
J;iquetas.
Colietes. '
Lavada e jassada a ferro.
Lencos.
LenQ6es.
Cobertas.
Fronhas.
Ceroulas,
Toalhas de rostD.
Gnardanapos.
Toalhas de mesa adamascadas.
Lavada somente.
Meias.
Toalhas di mesa Qommuns do servico do re-
feitorio. \
Toalhas do servijo da cozinha.
Camisolas de dormir dos a'""0*,,,,,.,. .
nao ba-
8Q0,C0 a
680,000
3:000,000
18 do
A roupa sera entregue
lecimento nas segundas e quintas-fiiras,
vendo demora por mais da 8 dias.
Gymnasio Provincial de Pernambuco,
agosto del874 ,___
6 0 mordomo,
Antonio Correia Gomes de Almeida.
0 lllm. Sr. insetetor do thesouro
manda fazer publico, one em
provincial
cumprtmento da
ordem do Exri'Sr/pfeshlente da provincia, de 13
do presente mez, vai a pm? neranta & junta^aa
fazanda do mesmo thesouro, para ser ""?"
a qhem por menos *ze no. dia A1 da 3etembro
proximo fooro, a ofcrid* poate do Moe, sobre 0


-*
-
f
Js-



- i *-
ftornanbooo Quart*
feira 19 de AtS&o1 of iW
' 'i
Tio Tapaera, bo f laoeo da m*Ui v_Vtrie,
*da em l
=
orcada em LI***, Muua da* osaajg&es, sae
com eats irio publieada*.
JUpessoasquesaBiiBBOBWaBi twUtfrwrt-
clo, cetBfareeam na iala das mmSm da rearida
junta, bo dia aeiuaa iidtsado, M meio dia, mm-
peteafeonaie habilttadas.
E para eonstar, m loaadea tsUiou o preseBle
pelo Diario it Jto-aoHfcsce.
0 secretario,
Miguol Affonse Ferroira.
Chasat&i espeeiaes fara a arremata<;ao dos repa-
rot 4* ponte de Mo**, sobre o rio Tapacura, bo
1* lan< o da estraa.i da Victoria a -GraveO.
!
0* MBiros neoessiinos a ponle de Maes, serao
executados de oooformidaAe com as prescripcoes
do orcameQto, no valor de l:485f.
0 arremassnta dara cosaeco as obras no praxo
de am mas e as eoBclawa so de qoalro, contados
da data da irremaucao.
a.*
O peganienio seta feito em Ires prestaQoes
iguaes, e aa proporcie do servico ev.ecuiado.
Para tudo o raais que nio esuver especificado
dm ontcntes clausalits, se observara o que deter
miaa o regulameato de 24 de fevereiio do corrao
teann*.
Repariicio daa ottras publicas, t de junhode
1874. Victor Fonruie, engenheiro ;hefe. Goo-
forme<> official maior, Luu Salasar Hoscoso da
Veiga Ptssoa.GonlormeM. A. Ferreira.
MVAS-REDT1R
!%1 Raa lo Cbsbusbh iJUMII
A agenda Havat-Reuter tem tionra de
participar ao publico que se eeha prompts
a fazer a transmissio de tetegraramas parti-
culares para a Europa, de hoje em diante.
Para raaiores eselarecimentos conbeci-
meato da tabella de pre$os devem da inte-
ressadcs dirigir-se i ageooia, rua do Com-
mercio n. 17 esquina da ipraea do Corpo
Santo.
Edital n. 30.
Pela inspectoria da alfandega se hi publico que
nio tendo sido despachada a mercndoria abatx
dedarads^ dentro do praio marcado por editsia.
167, se ha de arrenatar, Kvre-de direitos e sujeKa
ao imposlo da capalazia, as II boras da manbi de
dia 19 do correme, a porta desta reparticSo.
Armazem n. *i
Marca Johnston Pater A C. a. 5J2 1 carxinha
vinda de Southampton do vapor iaglez Neva, de*-
carregada em 2* de noembro do anno proximo
passaao, e cunsignada a Jonn'ton Paler & C, com
10 kilos de obras impressas avalsas, no valor de
14*000.
Alfandega de Pemambueo, 11 do ago9to
dei87i.
0 inspector,
Fcbie A.deC. Reis
CoDipanhia Fideiiiiade
eguroa maritiaaa* c tcrrrm
A agencia desta eompaahia toma segnrot ma-
ritlmos e terrestres, a premios razoaveit, daado
os nltimoso solo livre, e o-settao aano gratuito
ao segnrado.
ua do Vuconde de Iuparica, antiga do Appolo
n. 51.
Feliciano Jose Gomes,
Agente.
SobfO O OKKW BARK OF
LOWPBH, O HtlHMM AMD aWBH.^lr IAMB,
limited, e Tarias casas do 1." dasae.
Wmnm. Sobre os banajeiros focld
A C, MAECCAKD ANDR& dc M. U.4CQUC,
Ummknrgm. Sofcre 8rt. joho
SCBU BACK A FILHH8.
Ua^aMi. Sobre os Srs. rorBa,
SANTOS 4 VIANNA, e SBBASTIAO JOSfe XA
fcBRBU.
Patia. Sobre o banco m&o bo prto
0 St. JOAQCIat PINTO BAfOIWBCA-
Par4. Sobre o banco commkrcia-
oe psaa, e es Srs. fbancwco oaitbercio ba
costa d riLiios. --'
Maranha*. Sobre o St. fosire*-
BBWA DA SILVA JUNIOR.
Bah la. Sobre osSrs. ma*mnbos A c.
Hi* de Jaamtfai. -Sobre o banco
INODSTRIAL' E MERCANfn., BANCO NAfJ\ONAL e
BANQUE BRASII.IENNE FBANCA r&E.
BespiUl miliUr de Pertabaco, 16 de
BfBBlo de 1834.
Oescrhris) ioteriBO,
Pinto de Afmcid*



Edital n. 31
Pela inspectoria da aifandega aa faa publico,
que nio tendo sido despacbado dentro do prazo
marcado por edital n. 6, am bole de madeira para
quatro nuno?, em mao estado, perteucenle a Ma-
noel de Abreu Porto, avaliado por IK)*, se ha de
arrematar o referido bole as 11 aoras da manba
do dia 1!) do correote, na guarda-moria.
Ali'ardega de Pemambueo, 14 de agosto
de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis.
Faco saber que por sentenca do Exm. Sr
desembargador sabstitato reeiproco da provedoria,
de 4 do correnle, foi declarado liberto o preto Jose
Antonio, qne se acha prese na casa de detengao
corao escravo de Joio Felix, na acc,ao proposta
pelo procurador do* presos pobres, em favor do
mesmo prtto, escrivao Gaiaaaraes, e que sera pos-
to em Liberdade logo que se findarem os dez dias
para patsar em julgado a veneranda sentenca. |
De ordem do Illm. Sr. inspector da the.-ouraria
de fazenda, convido as pessoas abaixo designadas,
que se aeham na posse de terrenos de marinha,
a ro> Imperial desta cidade, para que no prazo
de 30 dias contadoa da data deste, venbam exhi*
bir seus tilulos perante a mesma ihe-ouraria,
sob pena de proceder se judicialmente contra os
mesmos nos termos do aviso n. 308 de 12 de ju-
nta) de 1841.
Secrelaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambaco, 8 de agosto de 1874.
0 V escripturano, servindo de secretario,
Carlos Joao de Souza Correia.
Relapio daa pessoas a qus se refere a declarajao
suppra.
Antonio Moreira Reis.
Manoel Patrao do Nascimento.
Joao Jose Barroso.
Herdeiros de Vicente Thomaz dos Santos.
Jo<6 Lopes Dias.
Coronel Agostinho Bezerra da Silva Cavalcanle-
Herdeiros de Jose Hygino de Miranda.
Antonio Moreira R'is.
Herdeiros de Amaro Antonio de Farias.
Francisco Jos6 Martins da Co.'U.
Manoel da Silva Moreira.
Lourenco Ribeiro da Cunha Oliveira.
Felicidade de tal e 9eus ftlhos Manoel Francisco
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de I.acer-
da, juiz de direito especial do commer-
cio, nesta cidado do Recife de Pemam-
bueo, por S. M. Imperial, elc.
Faco saber aos que o presents edital vi-
rem e delle noticia tiverem, que no dia 20
de agosto do corrente anno, se ba de ar-
rematar por venda a quein mais der em
praca publica deste juizo, depois da respec
liva audiencia, o seguinte :
Cera libras de linba de novello a mil e
quinbentos reis, urn espelho com moldura
dourada por oito mil reis, corn duzias de
cordas para violas a cento e sessenta reis,
cincoenta libras de grampos a trezentos reis,
quaren.a covados de volatile amarello a du-
zentos reis, sessenta e dous ditos dito bran-
co a duzentos reis, -quinze grozas de botoes
pretos jiara calga a duzeutos reis, dez libras
de corclao para vestidos a mil e quinbentos
reis, quatro caixas com cem carriteis de
retroz, cada umu a qutro mil reis, vinte
cinco iluzias de peaks para ahsar a rail e
oiiocentos reis, dez pecas de bobodiobo a
cinco mil reis, treze leques a dous mil e
quinhentos reis, quatro grozas de lapes para
carapina a dous mil e quinbentos reis, cin-
coenta B quatro pegas de fita de velludo es-
treita dc cores#a trezentos^reis, nove esparti-
lhos a quatro mil reis, noventa e seis pegas
de fita para cos a trezentos reis, oito grozas
de lapes a dous mil e quinbentos reis, cinco
duzias de collarinbos a cinco mil reis, cinco
grozas de botoes de crystal para colletes a
mil c seisceutos reis, vinte seis macos de tran
cas de caracol, de cores a trezentos reis, duas
duzias Je sapatinnos de la para meninos a
dous mil e quinbentos re"is, tres pecas de
bico preto de seda a seis mil reis, quatro
ditas de dito branco a seis mil niis, tres du-
zias de sspelhos de caixa de diversos tama-
nhos a dous mil reis, quatro pares de boti-
nas francezas para seuhoras a cinco mil re'is,
dez milheiros de ilboses a quatro cantos
reis, sete pares de botinas para meninas a
quatro mil reis, dez duzias de caixas de
raiz para rape a dous mil e quinbentos rdis,
quarenta duzias de botoes de seda para ves-
tidos a mil seiscentos re'is. Penhorados
por execugao de Vaz Junior & C, contra
Pinheiro t&Cbaves. E nao bavendo Lsoca-
dor, que cubra o preco da avaliagao, a arre-
matagac serd feita pelo preco da adjudica-
c3o, na forma da lei. E para que cbegue
ao cor.t eciraento de todos, ma dei passar o
presents, que sera publicado pela imprensa
e aflixado no lugar do costume. Recife, 4
de agosto de 7874. Eu, Manoel Maria
Rodrigies do Nascimento, escrivao, o sub-
sere vi.
Recite, 7 de agosto de 1874.
Sebastiao do Rego Rarros de Lacerda.
""MCUBSWil"'
Nao tendo sido effectuada a arrematacao no
dia 12 do corrente, do predio da rua do Amorim
a. 19, que tern de ser demolido, ficou transferida
para o dia 19 do anJ.inte mez.
Paco da camara municipal do Re.ife, 17
de agos;o de 1874.
. Tlisodoro M. F. Pereira da Silva,
Pro-presidente.
Francisco Augusto da Costa,
Secretario.
Juizo de orphiioa
0 Exm. Sr. desembargador jnir de orphJos re-
cebe propostas na audiencia do dia 24 do corrente
para a atTematacao da escrava izidra, preta, i Jade
26 annos, avaiiada por 800A, perlencente aos bens
do flnado Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro.
Juizo da provedoria
Por ordem do lllra. Sr. Dr. juiz snbstitnto da
provedoria de capellas e residuos, e a reqnerimenlo
de Jose da Costa Bispo, inventariante dos bens dei-
xados por sua finada mulber D. Rosa Maria Fran-
cisca, vao a praca as dividas activas constantes da
descripciu) feita no respectivo inventario, no dia 20
do corrente, depois da audiencia do mesmo juizo.
Os pretsndenles encontrarao em poder do porteiro
dos auditorios a relacio dos devedores e auas
quantiaa
Recife 17 de agosto de 1874.
0 escrivao intt rino,
Joao Tiburcio da Silva Guimaraes.
Consul,ado de Franca.
SICCESSAODE ED. TERPIN
Faz-se saber qua a adjadicacio
1.* do fundo de commercio de navios,
2.* do fundo do grind* e bello hotel &\ Europa,
fiea traiisfenda pan aeguuda-feira 24 de agosto
da 1874, a uma bora da tar le, em a cbancellana do
/onsalad}, ondese tiara lnformac/tos e condi^oea
-fta yendi.
Tavares.
Tisset Freres.
Jose Pinto de Magilhaes lilho.
AVISO
Paga-se o 41. dividendo das accdesdo
Banco do Brasii, inscript8S na caixa filial
desta provincia, na razao de 89000 por ac-
c&o: & rua do Vigario n. 1.
BANCO GOHMEUCliL
DE
0 banco paga o terceiro dividendo, na
razao de' 7 por % ao anno, ou 2$100
por accao, relativo ao semestre findo em 30
de junbo de 1874.
Banco do Minho.
Joaquim Jos6 Goncalvcs Beitrao 6j Filho sacam
por todos os vapores sobre :
Anadia.
Aguida.
Avciro.
Ueja.
Cbaves.
Elvas.
Amarante.
Guimaraes.
Covilba.
Melgaco.
Porialegre.
Arcos de val de vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte-do UnA.
Povoa de Lanhosa.
Evora.
Fafe.
Guards.
Leiria.
Lisbea.
Barcellos.
Coimbra.
Mirandella.
Penaflel.
Monsao.
Ovar.
Portn.
SWtS a.
Regoa.
Vizeo.
Figueira.
Lamcgo.
Bstarrej*.
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Portinalo. Villa-Nova de Famalicao.
Villa do Conde.
N as ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
COffiPANHIA~ALLIANCA
seguros maritimos e terres-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0009000.
Toms seguro de mercadorias e dinheiro
ico maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim come
contra fogo sobre predios, generos e fa
rondas.
Agente : Joaqoim Jose Goncalves Beltrio.
rua do Commercio.n. 5, l'andar.
Capital,
fundo
NORTHERN.
de reserve.
20,000:0003001
8,000:000900r
Agentes,
Mills Latham 4 C.
RUA DA CRUZ K. 38.
SEGUROS
MARITIMOS '
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
aesta praca, toma seguros maritimos sobre
aaTios e seus carregamentos e contra fogc
em edificios, mercadorias e mobilias: na
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SEGUROS
Maritimos e contra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERaO N. 84.
AogusloF. doiiveira iC.
A casa commercial e bancaria de Augusto
j d'Oliveira dC, a" rua do Commercio us
49, encarrega-se de execuclo de ordens
para embarque de prodoctos e de todos o-
mais negocios de commissie, quer commer-
ciaes, quer bancarios. I i a
Deconta lettras, e toma dinheiro a pre-
mio, compra cambiaes, e saca i vista e
jazo, a vontade do tomador, sobre as se-
guintes pra^as estrangeiras e nacionaes:
ut
Seguro ctfttra-fogs
CHE UVERPOOL LOHBOS 4 GLO
INSURANCE COIPANT
SAUNDERS"BROTHERS4 C.
11Ohm Santor-tl
.
Banco Commercial de Braga.
Jorge Tasso.
Sa*.a qualquer quantia a prazo ou a vista sobre
ste banco ou suas ageocias em todas as cidades
e villas de Portngal e Hhas adjacenses, e Hespanha,
na cidade Madrid. Cadix, Vtgo e Barcellona.
37Rua do Amorim37
INSTTUTO ARCHEQLQG-CfJ E E0-
GBAPHICO peouhbu
Havera* sessSo ordinaria quinta-feira, 26
do corrente agosto, pelas 11 horas da ma-
aba.
ORDEM DO DUi.
1.* Qaestoes adiadas.
2. Trabalhos e pareceres de commis-
sfles.
3." Palestra lilteraria.
Secretaria do Instituto, 17 de agosto de
1874.
Jose Soares d'Azevedo.
____________Secretario perpetuo.
Ba nco Commercial de Per
nambuco.
A directoria do Banco Commercial de Pernam-
buco, convida os Srs. accionistas a reunir-se era
assembl6a geral, no dia 20 do corrente, ao meio
dia, na casa do banco, a rua do Vigario n. 1, pa
ra serem apresentados o relatario eJ>alaneo rela-
tives ao anno social findo em 30 de junho proximo
passado.
Recife, 3 de agosto 1S74.
Os directores.
JoSo da Silva Regadas,
Antonio Jos6 Leal Reis.
Francisco Ferreira Baltar.
ADM1NISTBACAO DOS CORRE10S DE PER-
NAMBUCO, 17 DE AGOSTO EE 1874
Relagao da correspondencia regislrada (stm valor)
recebida de diversas procedencias ali esta data,
e que nao tern sido enlregue por ignorar-se as
residencias dos destinatarios.
Vigario Antonio Joaquim Soares, Antonio da
Silva Brito, Allod Antonio, Antonio Jose Borges da
Costa, Antonio Soares Pacheco, Affonso Moreira
Temporal, Asblin Wilson, Antonio da Costa Rego
Lima, Alexandre de Souza Pereira do Carmc, Ba-
zilio Gomes Pereira Rodrignes (2), Cypriano Anto-
nio Rodrigues, Carlos Magno da Silva, Clarismundo
u....... a..,o.. .Francisco Manoel de Arani".
Francisco Martns de Araujo, rrancisco uciavio
Ramos, Fernando da Silva Msndes, Florencio Izi-
doro Leal & C., Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Ismael Rodrigues Vieira, John G. Gamble, Jos6
Manoel de Araujo, Joao da Cunha Lages, Jose An
tonio de Souza, Joaquim de Oliveira e Souza, Joao
Antonio Lourenco Viraes, Joaquim Rodrigues dos
Colias, Jeronymo Jose1 Tavares, Lonrenco Jose de
Figueiredo, Luiz Carlos de Magalbaes Breves, Ma
noel Carpinteiro, Manoal Migner, Manoel Maniz
Falcao, Manoel Pedro da Silva, Manoel da Costa
ttoreira, Theophilo Modesto Soares.
0 official, encarregado do regislro,
Josi Candido de Barros,
CIRCO EQUESTRE
HO '
CiNPO DAS PRWCEZAS
GDHPANHU BRrSH.E1RA
DIRECTOR
Antonio Carlos do Carmo.
Quinta-feira 20 do corrente.
llespedida.
tJltimo espectaculo em beneficio do diitiocto ar
iiu pernambucano e primeira eqnihbristo
do imperio, Joio Tertntiano, qne fara difflceis e
arriseados trabalhos, Unto delicados como de
grande forea.
Trabalha toda companhia qne, fara eaforcos pa-
ra bem desempenbar e deixar todos os convidados
satisfeitos.
0 beneficiado tendo de reiirar-se para a pro-
vincia do Rio-Grande do Norte, aonde reside ac-
tualmentp, aproveita a occasiao para despedirse e
agradecer a seas patricios e numerosos amigos, e
ao mesmo tempo offerecer o sea pequeno presti-
mo.
A's 9 horas em ponto.
(Se o tempo permiitir)
Grande scena eqnestre 0 beroe de eagador
5.' no tempo do cerco do Porto. ^.^ o desconhe-
cido. S.* trabalho na serra do Pllar. 3.* o cbefe
de pe?a. 4. official em grande parada. 5.* o he-
roe alTecto as dnas nacSes, quadro da liberdade,
juramento da cirta constitacional, triompno com-
plgto, o grito de viva Portngal Hvre I
THMRII
Santo Antonio
Quinta-feira 20 do correnle
Primeiro espectaculo da companhia dos
muito celebres
Canapanologos Ksrcocezes
.Coraposta da familia Sawyer.
D. Clara, n. Sophia, D. firaca e i>
-Ellsa, e os Srs. Ednardo e
Ansclino
com as suas 160 campainhas de metal e 60
copos de crystal.
Depois qne 03 professores da orchestra execu
tarem uma linda ouvertura, a familia Sawyer fara
a sua entrada para executar o seguinte
Programma.
!. PARTE.
Pelos campanologos.
1. A marcba da opera Norma.
i* A linda walsa I! Bacio.
3.* D'aquelle pira da opera El Trovador.
*.' FARTE.
Pel a Sr. Anselmo no seu Copophone de GO co-
pas acompanhado pela orche.-tra.
l. A linda walsa Indiana.
2. O Tango do Alli-Baba.
3.' PARTE.
Pelos campanologos.
1. A Faceira Polka.
2." The Last rose of Lummer and Engilz Howi
nine.
" Kj. ii,..... O..UUI urasaeiro.
Principiara as 8 horas.
Pacific Stem HavigalioB Go^puy
ROYAL MAIL STEAMERS.
POTOSI
(DE 4Mt TONELADAS)
Commandante A. G. Gordon
Espera-se dos por-
to* do sul ate o dia 30
de agosto, e depois da
demon to costnme
segnira para Lisboa,
Bordeos, e Liverpool,
para onde recebera pasaageiros, encommendai,
carga e dinheiro a frete.
. B.Nao sahira ante* das tres boras da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Howe A C
4PRACA DO COMMERCIO-1.
dapedra, ditas de amarello. ditas de mogio, *
dafaia, ditts *i jnneo, ditai anerieanas, pi a""
dearmario e ditos de mesa, dot melhorw faferi-
eantea que existam, BBarda-roopu, gaaMa-loB-
caa, eamas francezas para casal e selteiro, cadei-
rai avnlfas de todas as qnalidades, consoles, apa-
radores, manuexaa, marqaeioes, eommodas rntel-
ras e meias ditas, secretarias da aaoareMo, Mm os
jaearanda, carteiras, 1 rice santuario de jacaran-
da, com ricas iniagens, tudo obra do Porto, 1 rica
secretaria de mogno, copos novos avulsos, e mni-
los ontros artigos qne se lorna enfadonho mencio-
na-los, os qnaes serao vendidos ao eorrer do mar-
tello e para fecbamento de diversas facturas de
diversos donos. 0 mesmo preposto convida todos
os sens amigos e freguezes para concorrereBi aa
leilao, pois nio ba llroite de pre^o algrjm.
Feira Semanal
Pelo thesouro provincial de Pemambueo se
faz publico, para quem interessar possa, que foi
transferida para o dia 27 do corrente mez a arre-
matacao de 8 0|0 sobre o capim consumido na ci
dade do Recifa, orcada em 2:319iS2S0.
Secretaria do thesouro provincial de Pernam
bnco, 17 de agosto de 1874.0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Quinta-feira, 20 do corrente mez, a requeri
mento do Dr. inventariante e testamenteiro dos
bens deixados pelo finado Dr. Antonio da Assump-
cao Cabral. tern de ser arrematada por venda, em
praca publica do juizo da provedoria da cidade de
Olinda, a casa terrea n. II, sita na mesma cidade,
a rua Vinte Sete de Janeiro, oulr'ora Paco Caste-
Ibano, a qual tem 58 palmos de comprimento e 29
l|2 de largura, porta e janella na (rente, porta e
janella no oitao, 2 salas, sendo a de detraz assoa-
lbada, sob a qual existe uma loja, 4 quartos, eo-
zinba mterna, quintal murado, com 160 palmos
de extensao, cacimba, um terreno ao lado do nor-
te, com portao, perlencente ao dito espolio, e ava-
iiada cm 2:500*.
0 procurador,
Masario de Luna Frire.
Capitania do Porto de Per-
nambuco, 14 de agosto
de 1874.
Pot esta capitania se faz publico, para conheci-
mento dos Srs. capitaes de navios e proprietaries
das alvarengas e candas empregadas no tralico
da carga e descarga, qne somente poderao pas
sar as mesmas embareacoes pelo arco central da
ponte Sete de Setembro ; sendo espiadas pelas
duas boias collocadas aqnem e alam de dito arco.
0 secretario,
____________Decio de Aquino Fonceca.
HOSPltAL MILITAR DE PERNAMBUC(f
Contrata-se o forneeimento de geaeros alimen-
licios para o complements do trimestre de julbo a
setembro do correnle anno, a saber :
Aletria, kilogramme
Araruta, idem.
Arrozpilado, idem.
Assucar refinado, idem.
Batatas, idem.
Bolacbas, idem.
Bolachinha de araruta, idem.
Biicoutos, idem.
Cba bysson, idem.
Cafe moido, idem.
Dito em caroco, idem.
Carne verde, idem.
Dita secca, idem.
Dita de porco, idem.
Doce de goiaba, idem.
Maearrae, idem.
lianteiga ingleza, idem.
Marmellada, idem.
Pao, idem.
Tapioca, idem.
Toucinbo de Lisboa, idem.
Farinba de liuribeca, litro.
Feijao preto eu mnlatinho, idem.
Sal grosso, idem.
Vinagre, idem.
Vinho da Porto engarrafado, idem.
Leite, idem.
Laranja, uma.
Ovo, um.
Gallinha, uma
Tados estes geueros devem ser da melhor qua-
lidade que houver no mercado: quem quizer
fazer dito forneeimento, apresente sua proposta
em carta fechada, na secretaria deste hospital, no
dia 20 do corrente, pelas 10 horas do dia, aconv
panhada das respecuvas amostras.
visos
Libras esterlinas.

Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42._______
Palhabote Joven Arthur*
Vende se e-te navio prompto de um tudo para
navegar, e feito de madeiras do Brasii, esta anco-
rado no quadro da descarga : os pretendentes po-
derao examinar, e para tratar com Antonio Luiz
1e Oliveira Azevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
PROeRESSO MARITIMO nO PORTO
Empreza portaense de nnvegacao a
vapor entre Portagal e o Brasii
0 VAPOR
CommandanteContente
E' esperado hoje de Portugal e segnira para a
Babia e Rio de Janeiro depois de pouca demora
dentro do porto.
Passagens e fretes de cargas, encommendas e
valores, tratam-se com os
AGENTES
E. II. Rabello fc C.
17Rua do Commercio -17
Entrada pelo largodo Pelourinho
Companhia de navegaelto a va-
por bahlana. limitada
Maceid, Penedo, Aracajii e Babia.
E' esperado dos porto?
do sul ate o dia 22 de
agosto o vapor Marquez de
Caxias, o qual seguira pa-
ra os portos acima no dia
seguinte as 5 horas da
tarde.
Recebe-se carga, passageiros e dinheiro a frete
Agente N
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
57Rua doBom Jesus57
(OHPAMIIV lilt IHII I III \
DE
IVAVEGACAOA VAPOR
Portos do sol
Commandante Carlos Gomes
E' esperade dos portos
do norte aid o dia 23 do
corrente e seguira para
os do sul depois da de-
_______________mora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio.
7-RUA 00 VIGARIO-7
Pereira Vianna di C
ABiCliTY
Para o porto acima sahe com brevidade o pa
Ibabote nacional Maria Amelia, reconstrnido de
novo, do qnal e capitao e pratico Francisco Tho
max de Assis : para carga e passageiros, trata-se
com Antonio Alberto de Souza Aguiar, a rua do
Amorim n. 60.
Risco maritimo
Adolpho Reeze, capitao do patacho argentino
Carlos, 1* classe bloyds altetnio, recentemente che-
gado a este porto com agaa aberta, carregado de
assucar do Aracajii, com destino para o Canal para
receber ordens, precisa tomar a quantia de cerca
de 12:0001 a risco maritimo sobre a carga, casco
e frete do dito navio para oc orrer as despesas
bavidas com concertos, etc. Os pretendentes estao
convidados a mandarem suas propostas em cartas
fecbadas.no consulado da Repnblica Argentina aes-
ta cidade, ate ao meio dia do dia 19 do corrente.
Recife, 14 de agosto de 1874.
(iitHt.iniN rii \i*
COMPANHIA FRUSCEZA DE NAVE-
GACAO A VAPOR
LINHA MENSAL ENTRE 0
Havre, Lisboa, i'ernambuco, Rio de Janei-
ro, Santos (somente na volta), Montevi-
deo, Buenos-Ayres, (com baldeagao para
o Rosario).
STEAMER
VUAJ& a SANTOS
Commandante Lefevre.
-t. *. E' esperado da Eu-
ropa ate 24 do cor-
rente, seguindo de-
pois da indispensavel
demora para os por-
tos ds sul de sua es-
eala ate o Rio da Praia.
Para fretes, encommendas e passageiros, trata-
se com
08 COWSIGrtATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA A C-
vaRua do CommercioEntrada pela rns
do Torres.
Para a Bahia
pretende seguir com muita brevidade o palhabote
Jove* Arthur, tem par'e de seu carregamento en-
gajado : para o resto que lhe filla, trata-se com
o seu consigaatario Antonio Luiz de.Oliveira Aze-
vedo, rua do Bora Jesus n. 57.
Para.
Pretende seguir para o indieado porto com mui-
ta brevidade a escuna portugneza Christina, por
ter parte da carga ; e para a que lhe falta trata-
se com os consignatarios Joaquim Jose Goncalves
Beitrao & Filho, a roa do Commercio n. 5.
Bahia
Para este porto segue em poueos dias o hiate
Dous de Julho, por ter alguma carga ^ngajada,
para o re3to qne lhe falta trata se com os consig-
natarios Joaquim Jose Goncalves Beitrao & Filho,
a rua do Commercio n. 5.
PARA' E MARA1A0
A escuna Georgiana tendo engajado parte de
seu carregamento para o Para, recebe tambem
para o Maranhao, caso convenha fazer a escala
a vista do frete qne apparecer: a tratar na rua do
Amorim n. 37.
COMPANHL4. PERNAMBUCANA
DE
tfavegucao costelra a vapor.
4RAHYBA,NATAL, MACAO, M0SS0R0*, ARACA-
TT, CEARA E ACARACU'.
0 vapor Giquia, comman-
dante Martins, segnira para
os portos acima no dia 21 do
corrente as 5 horas da tarde.
Reeebe carga ate" o dia 20,
encommendas, passageiros e
dinheiro a frete ate as 2 horas do dia da sabi-
ia : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
wim
Agente Pestana
LEILAO
DE
miuJezas, perfnmarias para fechar contas,
e ao eorrer do martello.
HOJE
QUARTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
As' 11 horas em ponto.
No armazem da rua do Vigario Thenorio
n. 11.
0 preposto do agente Pestana, recebendo or-
dens positivas de seus donos para liquidar diver-
sas mindezas e outros artigos, fara especialmente
leilao, no dia acima mencicnado, tudo ao eorrer
do martello, sem limites. Chama a attencSo dos
Srs. logistas para as pechinchas desse dia, visto
que vale a pena aproveitar-se esta quadra, que
alias nao e vulgar, em lotes, a vontade dos Srs.
corapradore3.
QUARTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
fell horas em ponto.
No armaiem de agencia de leilfies da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
DE
arma$So, generos e pertencas da taverns
da rua de Marcilio Dias n. 45, antiga rua
Direita
HOJE
QUARTA-FEIRA 19 DO CORREiSTE
0 agente Martins fara leilao dos generos, arma-
cao e pertencas da taverni acima, em lotes, a von-
tade dos compradores.
A'S 11 HORAS DA MANHA
Feira Economica
Rua do Rosario estreita n. 45
Hoje
QUARTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
pelo agente Martins.
Um piano de jaearanda, joins de ouro, roiude-
zas, conservas, lavatorios, com pertencas, mesas de
diversas qnalidades, aparadores, espelnos, caixa
de rausica, camas franceras de jaearanda, cadei-
ras, ditas de balango, jardineiras, conversadeiras,
carteiras, eonsolos, marquezas, maqninas para
costura, venezlanas, candelabro e arandelas de vi-
dro, e multos outros artigos de moveis, erystaes,
vidre e louca, que estarao a vista dos concurren-
A'S 11 HORAS DA MANHA. .
Agente Pestana
Grande
e iniportaiite leilao
DE
moveis, lougas, vidros, crysties, ouro, nra-
ta e brirhantes, ao eorrer do martello e
para fechar contas
QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
as tl horas em ponto.
No armazem de-agencia de leiloes da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos se-
gaintes:
Mobilias de jaearanda, a Luiz X?, com tampos
mobilias, pianos, camas fran-
cezas, aparadores, relogios
de parede, de cima de me-
sa e algibeira, mesas para
jantar, espelhos dourados,
quadros dourados, guarda
loui^a, carteiras para es-
criptorio, miudezas, ob-
jectos de ouro e brilhante,
eommodas de jaearanda
e amarello, 1 cofre de fer-
ro, prova de fogo, quarti-
nheiras, mesas de pedra,
com pes de ferro, erystaes,
sofds avulsos, fiteiros para
loja, livros de litteratura,
muitos trastes avulsos, e
immensos artigos douso
domestico, que serao ven-
didos
ao eorrer do marteUo
Qmntafeira 20 do corrente
A's 11 horas
NA
FEIRA SEMANAL
I6--Rua doliuperador10
ARMAZEM.
pelo agente Martins.
SJ
I'E
uma casa terrea na villa da Escada, term*
de Santo Antao desta provincia, sita a
run do Compra Fiado (outc'ora da Barra),
propria para qualquer estabelecimento
QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
as'll h>ras da manha
ao eorrer do martello
0 agente Pin ho Borges, competenfemente inta-
risado, venders em leilao a snpradita casa, no
seu escriptorio, a roa do Bom Jesus d. 53, primei-
ro andar, onde desde ji os Srs. pretendentes po-
dem rever as informac/les e esclarecimentos.
LEILAO
DE
tres casas terreas na villa do Cabo, A rua
do Marquez do Herval (outr'ora do Rosa-
rio), ns. 3, 5 c7, com as seguintes corn-
modidades : a I*, 2 salas, 2 quarto*, 1
cozinha for*, 1 SaKta o 1 quarto ; a i*,
2 salas, 1.quarto e 1 terraro, e a 3% i
salas, 2 quartos e 1 cozinha
QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
V* 11 1|3 horas.
AO CORRER DO MARTELLO
0 agente Pinho Borges, autorisado, vendera em
leilao as referidas casa?, no seu escriptorio, a rua
do Bom Jesus c. o3, primeiro andar.
^Qualquer eselarecimento o mesmo agente pode
dar. As casas sao de pedia e cal.__________
Agente Dias
Scgundo leilao
DE
2 sitios coin casas, na Ponte d'Uchoa, per-
tencentes aos herdeiros do fallecido .1.
Carroll.
QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE.
as 11 horas da manha
No sobrado da rua do Marquez de Olinda
n. 37, primeiro andar.
0 agente Dias, competentemente autorisado, leva-
ra a leilao no dia, hora e lugar acima designadot
os dous sitios abaixo mencionados.
Primeiro sitio.
Com nm boa casa terrea e sotao em terreno
proprio, de pedra e cal, com grandes accommoda-
tes para qualquer familia, a saber : 3 salas e 6
quartos no andar terreo, 3 salas e S grandes quar-
tos no sotio, copiar na frenie e no lado, cacimba
fora, quartos para criados, cacimba, tanque, co-
cheira grande e estribaria r mnitos outros com-
modos; o sitio e imporlantissimo, nio so porque
tem nma grande baixa de capim, como pelas man
tas arvores fructiferas e quasi todas dando fractoe,
a saber : 30 pei de sapotis, cerca de 400 ditos de
laranjas, das melhores qualidades, lantotie nmbigo
como da China, alguns pes de fructa pao, mais
de SOO pes de cafe, 30 coqueiros, muitas goiabei-
ras, bananeiras, jambeiros e outras arvores, qae
para mencionar-se tornar-3e-hia enfadonho. Esta
sitio esta em eonlicdes de offerecer grandes van-
tagens a quem ]ueira tel-o sob a inspeccao de nm>
feiter cuidados: e expor a venda tjdos os seas
productos, inclusive flores e planlas.
. Segnndo sitio.
Fica contiguo ao primeiro, com uma boa casa
terrea com 3 salas, 4 quartos, um copiar, e se pa-
rados cosinha, despensa, am quarto para criado,
estribaria, cocheira, banneiro, tendo alem dhso
agua e gaz encanados.
Estas duas propriedades e ontra que fica visinha
possuem cenfrcnte aos sitios am terreno com por-
tao qne deita para o rio Capibaribe, de modo que
facilita a crnducclo por meio de embarques eta
canoas, etc., elc.
Os Sri. pretendentes podem desde ja examina-
rem os sobrediios sitios, e para qualquer iaforma-
cio podem dirigir-se ao escriptorio do sobredito
leiloeiro, a rua do Marquez de Olinda n. 37, f
andar, oude tera lugar o referido leilio. ^^^^
Agente Dias
leilao
DE
um terreno twin tflicerces para duas casas,
na rua d'Auroie, em Santo Amaro, fi-
cando com a segunda frente para a rua
denominada Lembranc* do Gomes, e qua
fica proximo ao estaleiro
QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTJJ
A B11 bora..
Em o 1 andar do sobrado da roa ao Marquez
de Olinda n. 37.
-.
u


,
i .
/



*
\
Diario ddPbttAtemioo -^' Quirt* ton. 19 de AgostaiW 1074.
P"*."1"*? C**MP 33 palraos de frente cada oma
e 1 SO da fando, tendo o raesroo a extensao de 350
palmo, e achi-'emuudo.
Leilao
Um piano, 1 ntjbiha jc jacruiJi, c.mtsafa,
I jarJiiifirx, t cor-solo*, i csd'.-irAs de brse/l c 12
de guaruH'Acs i escrivaoia, I lavatoiw, t mesa
de jogo, t espolhos dourado?, 1 dHo grande, oval,
4 lancas para :ortinados.
Um lavatoric de jacarands, com lampo de pe-
dra, 1 girarda vestidos, 1 cama franceza, i mar-
quoza, I marq&ezao, 9solas, i cama delona, gran-
de, 1 presepio u muitos outros move is.
Scxta-fira *i. do correnle.
0 agenlePinlo tendo de enlregar as chaves do
armazem da raa do Bom Jesus n. 10 (que Ibe foi
emprestado por dias), levara a leilao, ao correr do
martello, os mcveis e mais objecios ezistentes no
mesmo armazem, sendo que a entrega sera effec
lu;,da findo o icto da arreroatacio.
0 leiliiO principiara as iO l\t boras.
.mail
is precisas para lym nesi
prinurio scicnliCca ..o respc-ilavel pubiico, e par
iyj|r^etitj &u
i, (-ndo o&baa a> *iuii':.4i i|iie Ton :n Ci-n-
jru cnidad4 c as instiiii'4 na? material
i1i .ctprito, c todos (' irali.ho? de agu
\ mediar-tu um particular aju^e ; eiisina musica
vocal, piano e i1i*s< n"o a crcon :
da Sani* Ou?. n. ?*.' .
a iralar no patry
A pessoa quo ?.'lu^ou
uma casa a l?hittes Adelino
da Costa Doria, po ie man-
dar buscar as chaves da mes-
ma, que se acham na secre-
taria de policia.

Leilao
DE
20 dozias da chapeos enfeitjdos -para seuho-
ras.
20 ditasJQe ditos para meninas.
10 ditasde bonets.
SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
*s IO 1| haras
Por intervene^ do agente Pinto
No armazen da rua do Bom Jesus a. 20.
leilao
DE
bolinas para senhoras e sepatos de la para
tomens 6 senhoras (com avaria d'agua
silgada)
SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
As It boras
Por intervengao do agente Pinto
Jta armazera da rua do Bom Jesus n. SO.
leilao
.
MOFINA
Esta encourac,ado 11!
Aarua mole em pe Tauto da ate que a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. lgnacio Vieira de Me II
acrivao na eidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Cazias n. 30, 4 con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
reaiisar, peia letceira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depots pan Janeiro,
passou alfevereiro e abril de 1872, e nada cumprfo;
por este motSvo e de novo ehamado para dito
9m, pois 8. S. se deve lembrar que esie negocio
de mais de oito annos, e quaado o Sr. aea ulho w
achava nesta eidade.______________
Aluga-se o l., e 2.* aidares e o armazem
da ma dos Burgos n. It (Recife), esta caiado e
pintado de novo : a iralar com Jose Feliciano Na-
zareth, na rua de Pedro AfTonso n. 20, outr'ora da
Praia. Tambem aluga-se uma casa terrea no bee
co Tapado (Recife).
do nm
\
,
1MB
C'ririro similes A C.
Ae.scam d rccihi r pelo tannr Mcndozn :
Wqiiis5;;aos -flBrUjWe t"Tgar) de seda !ios
C'-m li*:ras ai'tiamaiouaSkM --
Diuj* dc Until* {K*ra vesiidos, contendo cada cor
te, o nee; i-ario para eu enfeile, corao seja :
ranjas. Irancas, I oioe?, livellas, etc.
Riquissirmw chapeos para senbora, ultima modi
rua Primeiro da Marco n. 7 A.
Uma familia que se retlra desta provincia, ven-
de por pre^o cummody um piano, que so tern de
uso otto mezes, eeflos fabricantes AucherPreres :
a tratar na rua de Hospicio n. It.
E1 economico. '
Graxa glycerina propria para a conservacao do
cordovao; v.nde a NOVA ESPERANQA, a rua Du-
qne de Caxias n. 63.____________________^
Aluga se o !. e 2.* andares do sobrado.
sito a rua de Lomas Valentinas n, 86, con bas-
tantes commodos. cada um para grande familia
tendo o mesmo sobrado quintal e portao que da
sabida para a rua de Hortas ; bem como o segun-
o|| andar do sobrado n. 85, sito a rua de Marci-
p Dias : qnem pretende-los dirijase a rua Not*
on. 17, que achara com qnem tratar.

DE
umti caixa marca A J A, n. 2,469, contendo
6 grandes quadras dourados e esculptu-
rados para cspelhos
SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
as 11 horas da maiiha
No armazeRi da rua do Oom Jesus n. 20.
0 agente Pinto fara leilao, por aulorisacao do
Sr. consul de Franca, em preseuca de seu chao -
cellar, e por coma e risco de quern pertenyr, de
uma caixa marca A J A, n. 2,49, contendo 6 gran-
des Ihos, avariada a bordo do vapor francez VMe do
Rio tie Janeiro. 0 leilao sera eirectuado no dia e
iiora acima designados, no armazem da raa do
Bom Jesus n. 20.
Grande leilao
DE
ssndo tuna a Luis
marmore, 1 toilette
duas mobilias dejacaranda,
X V, com tampos de pedra
d' jacaranda, 1 cama franceza de dito, 1 guar
da-roupade aaoarello, 1 mesa elastica, 1 toilette J
dd mogno, I guarda-lou^a, 1 grande aparador
dt mogno, 1 estante envidragada, i espelho oval
para cima desofa, 1 apparelho de louca para
jantar, 1 dito para almo^o, crystaes, 2 espelhes
entalbados, ohjectos de electro-plate, quadros
com flnas gravur^s, taoetes, 1 despertador, com
lamparina, candieiros a gaz, laaternas, 1 relogio
de parede, e immensos artigos do uso domes-
tico.
SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
As II horas em ponto
No ;gundo andar da rua do Imperader,
por cima ao arrcazetn ae louga^ \m\o
de Ouro.)
0 agente Martins, per ordem de uma pessea que
se rntira para a Suropa, v<-ndera em leilao, no dia,
bora e lugar acima, nao so os objectos acima
meni;inonados, como outros muitos que esiarao
pateates aoexame dos concurrentes.
Agente Pestana
Leilao
DA
arma SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
as It horas em ponto
Na rua do Bitpo Sirdinha n. 11, antiga rua do
Encantamento
0 preposto do agente Pestaua fara leilao, por
conti e risco de quem pertencer, da armacao, gaz
e utonsiiios, em um ou mais loies, a vontade dos
Srs. compradoreii; garaute-se as chaves da.refe-
rida casa.
EXTRACTODECARNE
DO
Dr. Ibaluba.
Muito novo
CHEGADO RECENTEMENTE
L-nico deposito a Pharmacia Americana, de
Ferreira Maia & C, rua do Duque de Caxias na-
mero 57.
ftVISQS DfgjSQS
0 Sr. Lima Penante,
emprezario do theatro Phe-
nix Dramatico, queira vir
ou mandar a esta typogra-
phia a negocie de seu inte-
retise.____________________
CASAMWIA.
AOS 4:000^000.
KHHETES GARA1MIB0S.
A'tita Primeiro de Mar go (outr'ora rua de
Crespo) n. 23 e catat do costume.
0 abaixo assignadq, tendo vendido nos seus fe-
liaes bilhetes um raeio n. 2006 com i 0004, um
inteiro d. 2102 com 1001, um inteiro n. 1120
com 100*000 e outras sortes de 40/ e 20 da
loterlaqoe se acabou de extrahir (112'), convida
aos possuidores a virem receber na conformida-
de do costume, sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilaeies garantidos
da 3' pane das loteriaa a beneflcio da matrix de
Cflbrobd (US'), que se extrabiri no sabbadn, 22
- jrrente mez.
PRECOS;
Bilheie inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
PORgio de 1009000 para cdu.
Bilhete inteiro 3/B00
Meiobiifaete 1*750
Mangel Martins Fiuxa.
o 3 .inlar do sabrado da rua do Vigario n. 5,
com boos commodos para familia, e esta limpo :'
a tratar no armazem da travessa do Corpo Santo
AUeneio
Ungam-se diversas easinbas, na tra- W
m> "essa de Pay-'SaDdii, junto do sitio do
X lallecido Dr. Firmo : a tratar na rua do X
M inunbii n. 211. It
aK**-ai*** mmmmm
0 Comtmercio Livre.
Pe-iodieo deatinado a combater as ideas do
Conuaercio a RtUilko. Reaacca., rua estreita do
Rosario a. 38, ante. Sahra a luz no dia 20
Collection of British Authors.
Taucenitz edition for 1 *200 each volume.
Popular Library
Rua Nova n. 9,
Pfeservalivo da Eryapela
Descoberto pelo Bacharel
Manoct de Siqueira a\alcanli
Tendo o governo impererial permittido ao des-
cobridor vender aquelle* medi?amento, o pubiico
j4 o tem a sua disposicao.
DrpoMito*; nnico*
Recite : rua do Barao da Victoria (rua Nova)
n. 40, casa do Ss. ltocm -Siqueira.
Rio ae Janeiro : Corte, rua do Ouviaor
n. 78.
0 Preservativo da erisypela ja-e bem conheei-
do : entretauto, traascreve-se para este annuncio,
do Jornal do Commercio do Rio, s attestados in-
fra.
Queiram os Srs. dosotes ot ior, e vsr por
quem estao ciM assignados.
Declaro.por ser verdade, que padtcendo da ery-
sipela, foi-me dado pelo Sr. Macoel de Sitjueira
Cavaicanti um medicamento, do <)ual fasendo uso
por alguns dias nunca mais ate hoie. me tarnnu a
lomwnuit.r un ar^.n.;,i.ao. Por me ser pe-
dido passei o presonte, por mim feito e assignado-
Rio de Janeiro, 16 de, juaho de tS7i. Duque de
Caxias.
Attesto, que tendo erapregade o medicamento
dyinnamisado, que bos foi fomeciJo pelo St. Dr.
Manoel de Siqueira Cavaicanti para o tratameoto
da erysipela, colbi sempre resuttados supenores
aos de-todos os medrcamentosconhecidos.Em tes-
terauuho da verdade; e por me ser pedido, flrmo
o present. Rio de Janeiro, 13 de jonho de 1874.
Dr. Saturnino Soares'de Meirelles.
Concordo perfeitamente com o parecer-sapra.
Dr.Joaquim Jon' 4a Silva Piaio.
O abaixo assignado, duutor em medicina peia
faculdade do Rio de Janeiro, cirurgiao-mor de
brig-da honorario do corpo de satide, cavalheiro
da iniperial ordem de Christo>etc.
Atlesta sob juramedlo de seu grao, que tendo
usado de um medicamento que the foi fornecido
pelo Sr. Dr. Manoel de Siqueira Cavaicanti, de-
nominado Perservativo da erysipela tirou
sempre o melhor reaultado possivel, de sorte que
os doeBtes ate hoje nao foram acommettido3 das
erysipelas, qne soffriam frequenlomente. Rio de
Janeiro, 19-de junho de 1874. Dr. Jose Lino Pe-
reira Junior.
Tive era 1871 dez erysipelas em uma perna, iai
a Europa, e considerei-me curado, voltei pouco
depois, tive novo ataque ; tomei o lemedio Perser-
vativo da erysipela do Sr. Dr. Hanoi de Siqueira
Cavaicanti, e ccssou a molesfia, ha mais de um
anno. Creio ser isto effeito daqueHe remedio. Rio
de Janeiro, 13 de junho de 1874.Barao de Cobo-
Frio.
Gratis aos pobres.
Atten^ao.
0 abaixo assignado, autorisado pelo Exm. Sr.
desembargad jr juiz de orphaos e pelos outros'con
senhores, aluga os dous anaares do sobrado n. 40
da rua da Imperatriz, obrigando-se o arrendatario
a fazer concertos.___________________________
Francisco Ferreira M. Ribeiro.
Aluga-se o 2 andar com sotao da casa da
praca do Conde d'Eu n. 21, o qual tem 3 salas e 9
quartos: a tratar com Jos6 Henrique da Silva
Goimaraes, na Soledade n. 27, a qoalquer hora.
Aluga-se uma casa terrea na rua do Hospi-
cio-n. 68, de aluguel mental 20* : a (ratar na rua
n., !
24-ta do Harqnez de Ollnda-24
l-squlna do bee co Largo
Participa a sens freguezes e amigos que muaou
o seu estabeteefmento de relojoeiro para a mesma
raa n. 24, ode enconirarSo um grande sortimento
do relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dt
T.lgibeira, de lodas as qualidades, patente suisso,
de ouro e praa dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro. ingles, descuberto, dos melhores
fabricantes,cadeia de ouro, plaquet e prata, Innetas
detod as qualidades, tudopor precos muito ba-
ratos.
A ma Qnem precbac da (Sna para engom
fXIua mar e coiinltar, dlrija a rua de Horus
aumero 8. .
AMA
Offerece se uma ama para
Invar e engommar : no Ca-
mlnho Novo u. 103.
Ama de>leite.
i i rlsa coin alniiidauie M:,i iu rua do Harao da Viep>
|ia n. ii. > tftfcir.
-r
Ama de It i.e
Precisa-se dt uma ama de kite que seja sadia e
sem fHho : na toa Duque de Caxias n. 91, lojado
Rival Sem Segundn.
Prectsa se de uma ama para cozinhar e mais
algum servic.0 de casa de peqaena familia *. a tra-
Ur no 3.' andar desta typographia.
Ama
Precisase de uma ama p.ra
cozinhar para casa de familia :
a rua do Visconde de Goyanna
n. 129.
A \f 4 rtecisa-se de uma ama para com-
prar e cozinhar para casa de poosa fa-
maa : a tratar na rua do Imperador n. 55.
Arna Precisa-se de uma para cozinhar e com-
n.xua. prjlr j raa dl coocordia n. 10.
Offerece-se uma senhora para lavar e en-
gommar, por baralo preco : a traiar na rua da
Partea n. 128. _____________________
Precisa te de uma ama para cozinhar e com
prar : na travessa do Corpo Santo n 28.
ILON DUABTE k IRMAO
jflBELLEIREIROS

HI A
DA
IMPERATRIZ
N. 83
ANDAR.
Amfl Precisase de uma para todo o servi$o
QU interne de uma casa de pequena familia:
na roa Direita n. 127, 2* andar.
A HAT A C1 Precisa-se da duas ama*. uma
\ wI \ X para engommar e outra para co
fU.rXnLkJ sinbar, prefere-se escrata : na rua
de Marcilio Dias n. 137, 2* andar.
Xrnry Precitt-se de uma cozinheira para casa
xvina ^e ponca familia, paga-se bem: a tratar
na rua do Hospicio n. 46, casa terrea, de bolas
atnarellas.
Precisa-se de uma ama para cozinhar :
rua da Penha n. 23.2.* andar.
m Precisa-se de uma ama para
cozinhar e mais algum sevino
de casa de pequena familia : a tratar no 3.*
andar desta typographia.
Precisa-se de uma ama pa-
ra servico de uma so pessoa :
a tratar na rua de S. Fran-
cisco n. 31, preferindo-se escrava. _______
AMA
Ama
Ama
A' rua do Uarquez de Olinda n. 57,
precisa-se alugar uma ama que saiba co-
zinhar, para casa de homem solteiro.__________
Precisa se de uma ama para cozinhar
e engommar : na rua do Commercio n
22, armazem._______________________________
Ami) Precisa-se de uma que saiba lavar, en-
*""'* gommar e cozinhar, para casa de um
mopo solteiro : na ma de Pedro Affonso, antiga rua
da Praia n. 38.
AMA
da Moedala
'andar.
Precisa-se de uma ama para lavar e engom
mar, para casa de familia : na rua -da Santa Cruz
n. 64. -^
Aluga-se o 1* andar e sotao do sobrado n.
34 da-rua das Trincbeiras, com bastantes commo-
dos para familia creseida : a tratar na rua de San-
ta Cecilio n. 18, esquina.
O abaixo assignado
vend* a sua tavern a sila a rua da Santa Cruz n.
74, livre e desembaracada, com pequenos fundos,
e bom local de esquina : a tratar na mesma.
Felisberlo do Medeiros Barbosa.
Aluga-se altos e baixos do sobrado da raa
Imperial b. 1, canto da travessa do Lima, tendo
armacao e mais pertencas para ta-verna, por ser
lugar muito proprio para tal negocio : quem o
pretender entenda-se com o proprietario, na rua
do Hospicio, sobrado n. 3"5.
Sitios m Arraial
Aiugam-se dons sitios no Arraial, proximo a es-
ta?5o da Casa Amarelia, ladeira das Mudas, por
cima do caes da machambomba, um com 8 quar-
tos, 2 salas, xerracjo, casa de banho, e bastantes
fructeiras ; e o outro-com 5 quartos, 2 salss, ter-
raco e casa de banho ; distante da estscSo um
minuto : a tratar na rua do Crespo n. 16, an-
dar, OU no mflsmn !" pm Mr :i. .'h-ivps no
aeuarn na taverna. *-u'lvos '"
L andar
Aluga-se o primeiro andar da rua do Padre Flo-
riano : a tratar na rua do Rosario n. 22, loja do
calcado.
Aluga-se
o sobra3o de dous andares e loja, sito a rua da
Aurora n. 79, tendo agua, gas, estnbaria, cocheira
s coiinha : a tratar nu mesma rua n. 81, segundo
andar.
Aos
hieninos
A NOVA ESPERANfA, a rua Duque de Caxias
u. 63, acaba de receber um bom sortimento de fi-
nas bonecas que'fallam, que riem-se e choram ;
tambem as tera mudas e surdas ou surdas mudas
venJaam ver se nao a verde.de.
A1TENCA0
Acaba de chegar para a casa de Gustavo, cabel-
lerreiro, a rua do Marquez de Olinda n. 51, an-
dar, um lindo sortimento de coques de cabello
humaao, de diversos feitios, de preco de 12iS a
15*090.
Crescentes de cabellos cempridos por 15*.
Crespos idem idem (o par) 5*.
Topetes frizados a 3*.
Trangas comprtdas de 10,18 e 15J.
Grampos frizados (dozia) 4*.
Diademas a 5*.
Precisa-se de uma ama para cozinhar:
na fabrica a vapor de cigarros, a rua
larga do Rosario n. 21._______________________
Precisase de uma ama pa'ra engommar e
mais algum servico de pequena familia : no 3 an-
dar desta typogrophia se dira.
Acabam de reformar o sen estabelecimenio, collocndo-o nas melhores con-
dittoes possiveis de bem servir ao pubiico desta illustre capital, e Is Exmas. Sras. n'a-
qafllo que for tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se eabelleiras tanto para bomens como para senhoras, tupete, chignon,
coqnes modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
molares, flores, bouquets e todo e qoalquer trabalho imaginavel em cabello.
0 estabelecimenio acha-se provide do que ba de melhor dos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as siias encommendas e flgu-
rinos de modas, e por isso node vender 20 / menos que outro qualqucr, garantindo
perfeir^So no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como f6ra ; vende-se cabellos em
pofcio e a retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
_^_-----------------------------------------------------------------------_,--------------------------------- -^-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1-------------------
Cabelleireiro francez
Rua do Marquez de Olinda n. 51
1." AiNDAR.
e
Pedro Routier, official de cabelleireiro e perente da casa de Gustavp Hervelin, cabel-
leireiro francez; tem a honra de prevenir as Exms. f is. familias que araba de fa/era ac-
quisicao de um perito oflicial vindo ha pouco de Paris, o qual esta bebililado a desem-
penhar qualqcer encommenda de sua arte, e se acba 6 disposic.ao das pessoas que de seu
prestimo se queiram utiliser. Outro sim scientifita que em sou esteb< lecimento encon-
trarao sempre a Monitor dos cabelleireiros, onde se arbam descriptos e desenhados todos
os penteados modernos, para soirte, casamentos, bailes etc.
Finalmente previne is mesmas excellentissimas senhoras, que rercbeu pm completo
sortimento de coques, cachepaines, band6s, crescentes, etc., e vende tudo pelcs precos
abaixo mencionados:
de 15?J, 10$
12.5 153
90|
Coque de cabello
Trancas de dito
Cachepaine de dito
Crescentes de dito

153,
105,
153,
m,
a 50,5000.
a 20,50( 0.
a 30^000.
a 503000.
Iambem cpcontrarao um completo sortimento recebido ha pouco, de cabellos de todas
as cores e compnmento.
51.Rua do Marquez de OlindaH. 51.
Precisa-se
de uma ama para comprar e cozinhar para casa
de pequena familia : a tratar na rua do Duque
de Caxias n. 64, loja._______________________
Cozinheira,
Quem pre:iiar de uma exceilente cozinheira
por aluguel, dirija-se a rua do Hospicio n. 77, !
portao, depois do edificio da facaldade.
GRAIULOS AHTIIOWAES
0.
dr. PAPILLAUD
1N patlMdio cotn at a^MliM do ear*-
S*,jM<*m,corarr*o, eoqueltKhe, (Mm, tc
8BANU1.0S ANTIMONIAia FEnBUOI-
nobos eontn mtmim, thloron, mmmar-
rhttu netralgw, nervon, moltHiat tino-
8BANUL0S ANTIMONIAES rfHKUl-
nervtotat, das tui 4itMtrru.
Pbaroneia E MODflHBR m SaajM, (Cfcv
DsMfito ,m Pernambwx!
MAORER, akarmcMtk*.
RBOORD;
LIVROS A YENDA.
No primeiro andar desta typographia em
mSo do administrador, vende-se os seguin-
te livrinhos:
O matuto Esperto dialogo tns-
tractivo, oritico, ana'ytico, historico e mo-
ral, entre um raatuto e um liberal por 500
rs. cada exemplar.
Edncacto Familiarromance, e
uma serie de leitura, 2 volumes por 1^000.
Martens, mauuel diplomatique1
volume por 19000.
Obra* de Mablycompletas 12
volumes por 89000.
Bignonobra complete4 volumes
por 23000.
FritotEspirit do Droit1 volume
por 13000.
VatelDroit des Gens2 'volumes por
23000.
F. Borges EconomiaPolitica1 vo-
lume 13500.
FieldingThe history Tom|Jones2
volumes 30000.
Bavoue-Des conflits2 volumes 30.
Histttire Ecclesiastiqiie 6 vo-
lumes 63000.
Bouiseau-MelangesG volumes 33.
Rousseau Pie'ces diverses 4 volu-
mes 23000.
CoUegio de Sant'Anna
Este estabelecimento acha-se aberto na rua de
Vigario Thenorio n. 21, 2 e 3 andares, sob a dl-
recQlo de D. Anna Candida de Luna Freire, na-
bilitada perante a directoria geral da instruccio
publica. Os ramos de ensino serao : instruccio
primaria. portugnex, francez, geographia, piano,
dan;a, desenho e todos os trabalhos de agulha.
Promette-se aos pais de familias todo o cuidado no
tralamento e educacao das alumnas confiadas as
mesmo collegio.________________________
| 7~r Pris-se de uma ama quo aeja
I rrecisa-se ae uma ama quo s
nheira : na roa do Crespo a. 7
boa cozi-
Bons pianos.
Chegados de novo.
Veade-se.
Troca-se.
K aluga-se.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOBILIAS
de vime e de to.
Venae-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de bracps, e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova u. 7.
PerfiimaTias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
diviaa, uorida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmetieos, muitos artigo delicados em perfnma-
ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne,.tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artig*s de difierentes gostos e
pitantaziue.
Espelhes, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinbas,
canivetes, caixinkas da costura, albuns, quadros,
e caixinbae para retratos, bolsinbas de velludo,
dita.de cooro, e cestinbas parabracosde meninas,
chicotes, hengalas, eculo, pencinee, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha dc
madreperofa, tapete para Ianteraas, malas, "bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esteriooo-
pos, lanternas magieas,cogmoramas, jogos da gloria,
de datnas, de bagatella, quadros com parsagens
globos de papel para HluminacSes, macninas de
fazer cafe", espanadores de palhas, realejos de veto,
accordaos, carrinhos, e bergos para criancas,
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que ee pode desejar de to
dos os brinquedos fabrieados em differntes partes
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a precos mais resumidos que e possisel: no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova a. 7.
Calcado francez
A9U
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jacturas de botinai
de bczerro, de cordavao, de pelica. de duraque
com biqueira, de bezerro com botSes, e eom ilbo-
zs a 90000 (a escolher) por ter vindo grande
quaniidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao arsazem do Vapor Francez, a rua do BarSo dc
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentei
lisa*, enieitadas e bordadas.
SAPATINH08 de pbantasia com saito, brancos,
pretos e de cdres differentes, bordadoi,
SAPATOS de tapetee, eharlot, castor e de tranoa-
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portugueaes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapatdes, de bezerro,de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleio e a Guilherme, perntr.-
meias perneiras para bomens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a raa do Barao
da Victoria n. 7.
ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
Copeiro ou criado
Para nnse mister offerece-se um rapaz portu-
guez, sufiBoiootcoicuie oamiitado : na rua do fUn-
gel n. 1, taverna.
"ffi
lus<- Bernardo Alvet* de Almelila
A mesa regedora da derocao de
N. S. do Rosario da igreja da Ma-
dre de Deos manda resar uma mis-
sa sextafeira, 21 do corrente, pel is
6 horas da manha, 7 dia do fallo-
cimento de seu presado irmao e
ex-mordorao Jose Bernardo Alves
de Almeida ; e para assistirem a este ado, con-
vida a todos os seus membros e aos amigos do ii
nado.


KARRIGAS
Cease tudo quanto o antigo annuncio diz.
Ja que um ccrto poder assim o quiz.
Antes de fazer patente as sorprendentes es-
I pecialidades, conduzidas pelo ultimo vapor, com
Max.roinoda Silva Gusrnao Anna. l>. da Costa.j estino direct0 ao muit0 a^reciado e fre(,uentado
Gusmao Elizeu Maximrao da Silya Gusmao be-;_Armazem do Campos, a rua do Imperador n.
nno Maximino da Silva uusrcao, genro, filha e 28 cumpro urn devef de gratidio agradecendo it,
i corar^ao, dc^de ja, a complacencia dos Icitores
netos do flnado FraDCisco Mathias Pereira da Cos-
ta convidam os parentes e amigos do fmalo, para que lerem esleJ annuncio de principio a cabo
253&J? USWi i3 _ann,7ei!ari?'- ou': e utilisarerase de sua indicacao.
Istoposto:
E?pero ancioso ver entrar no -
virem algumas missas, as 8 boras da manha, na
igreja do convento do Carmo.por enjo acto de cari-
dade se confes-am gratos.
Jose Francisco rereira da Suva, lgnacio Fran-
ciseo Pereira da Silva, Dr. Jose Ladislao Pereira
da Silva (ausente), Miguel Germano Pereira de
Bastos, Francisco de Paula Souza Leao, Isabel
Francisca Pereira da Silva Souza Leao, Francisca
Candida Pereira da Silva, Maria das Dores Pereira
de Bastose Francisco Antonio Pereira da Silva,
agradecem cordialmeote as pes3oas que se digna-
ram assistir os nltimos suffragios no cemiterio
pubiico, de seu sempre lembrado pai, sogro, avo e
irmao, commendador Jose Francisco Pereira da
Silva ; e de novo as convidam para assistirem a
uma missa que mandam celebrar no dia 25 do
corrente, peias 8 horas da manha, na igreja do
convento do Carmo desta eidade, ".' dia do seu
enterramento, pelo que se confessam gralos por
ease acto de humanidade.
Angelica Florinda Coelbo.
Antonio Jacintho Borges, Antonia Josephipa Bor-
ges, Estevao Jose Coelho, Josepna Florinda Coelho,
Haymundo Nonato Coelho, Jovioo Jose Coelho, Ale-
xandria Silvina Coelho, compungidos da mais
acerba dor, mandam rezar uma missa pelo repou-
80 eterno de sua presada mai a sogra D. Angelica
Florinda Coelbo, havendo lugar sex'.a-feira 21 do
corrente, setimo dia do seu fallecimento. as 7 horas
da manha, na igreja de Nossa Senbora da Paz em
Afogados, convidam, pois, a todos os parentes e ami-
Sos (|iie qoizerem compareeer a este acto de cari-
ade.
lgnacio Bezerra Pessoa faz sciente ao res-
peitavel pubiico e com especialidade ao corpo do
commercio, que no dia 11 do corrente dissoiveu a
sociedade que tinha com seu irmao Joaquim Be-
zerra Pessoa, cuja Crrna gyrava sob a razao do
Bezerra 4 Irmaos; flcando sob sua responsabili-
dade o activo e passivo da extincta tirma, como da
quitagao que de seus ceedores obteve o referido seu
ex-socio e irmao.
Recife, 18 de agosto de 1874.
__________ lgnacio Bezerra Pessoa.
DR. KING.
Vaccioara de brar^o a bra 50 no seu con-
sultorio rua do Bom Jesus n. 15, quinta-
feira 20 do corrente ao meio dia ; WO00
cada pessoa, excepto os que psgam annual-
men te.
Aluga-se a casa n. 9, na travessa de S. Jose,
com & quartos, cotlnna fdra : a tratar na raa do
Crespo, casa n. i* *. ^
Sr. Dorinha, esses dous galSes que Vmc. traz
no punho importa um roysterio, 6 bom que Vmc.
te jusiifique, pois os enteados do Felix desejam
saber.
Aluga-se uma escrava qne faz todo servico
de casa : na ma do Imperador n. 50, terceiro an-
dar.
Lustres, candieiros e
arandelias.
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamente
uma qnamidade de lustres, candieiros, arandelias,
globos etc. etc., tndo obra de gosto e de primeira
qualidade; acha seem posicao de snppnr a seus
fregnezes, por precos men ,res do que antigamen-
te. Para verem as amottras, (Irijam-sa a raa do
Imperador n. 31. *__________^^
Precisa-se de nm preta para 0 servico dia-
rio de uma padaria: na roa da Reitauracio n. 6i,
outr'ora Qufa,
armazem.
Quem quizer da-barriga passar bem :
Alimentacao pura.
Massas finissimas para supa, como ainda nao
veio a esta praca, atlento 0 apurado gosto e na
rioridade das substancias primas, como se Bow
confiar na franca e espontanea recomm-ndacao
dos medicos mais afamados da Franca \i|e-
raanha. Uma experiencia convencera me., ir e
por isso nao hesiteis.
Escolha franca.
Creme de rir, cremc de tapioca, frcule de pom-
.me terra, fleur de farine de mais, semoule de
froment, tapioca do Bresil, fleur de rir, semoule
de rir e ontras muitas qualidades francezas, por-
tuguezas e italianas. Alem do que ba muitas ou-
tras novidades que fleam a disposicjio dos aman-
tes do saboros.o : tragam dinheiro e garanto-lhos
que satisfarei ao mais exquisito paladar. Ver para
crer, comprar para saber.
Em conclusao:
Direi como diria, quem dira,
Vindo todos um maco comprar:
Sao furadas |
Sim, sao velas stearina
De luz suave e mui fina :
Cinco boras nma dura
E sao de boa grossora 1
Note bem:
Becommenda-se particularmente aos amantes
da boa pinga a muito saborosa e hygienica eanni-
nha, fabricada expressamente para regalo dos es-
tomagos finos e delicados e que se pode saborear
aos goles extasiado em visu deste versinho, que
tem tno rotulo cada garrafa hermelicaraente la-
crada :
Eis aqui a fina canna
Do baiie gota brilhante :
E' pura, 6 cheirosa'e boa,
Saboro-a e palpitante.
CO
00
CASA
Aluga-se 0 segundo andar a raa Daqtre de Ca-
xias n. 54 : a tratar na loja.___________________
Aluga-se 0 armazem do sobrado da rua de
p. Maria G;sar n. 37, proprio para recolher faaea-
das por sei muito espacoso e reedificado de novo,
ou para qcalquer estabelecimento : a tratar aa
ma de Domingos Jose Martina 0. 48. antiga Sen-
zala Velha.
\
'



DiisMUBkima&nob-Mwta ^^^obBtitofrlWiiT&iC

Alnga?e a to'|n|7.,4 ma de-S. Jfrip.e-
soifiol w, n rua He l^udi.
i;ir terreo rasa n M fli
sobrado com soltioi *. 31'n rua lie Lutfus \ta|eif-
tina>, e o amlai" ter/eo casa a 41 ht rua Jo
nanj*el, proprio para qualqu r "estabeleciraWto .
a tratar n. 2. andar desta ultima
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
mciro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Bougie I
k Trone
wiee t
Empreza do gaz
A empreza do gai tera a honra de annunciar ao
publico que recebeu nltimamenle urn esplendido
sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cujas amostras jstao do escriptorio
a rua do lirperador n. 31, e serio vendidos aos
sens freguezes pelo preco mais razoavel possivel.
Palacete
Aioda esta por alugar-se o palacete da Jlha dos
Rat as, do linado Custodio Jose Alves Guimaries,
oade morou ult,maraente o Sr. Or. Ignacio de Bar-
ros : a tratar na ma Primeira de Marco n. 7 A.
Alugara-'J duas casas terreas ns. 13 e 15
na cidade do Olinda : na rua do Paco Caste'.hano
esCIuvo FUGIDO.
0 ahaixo .r.'ignado, negocante na cidade do
Ilio Pormoso, lendo comprado a Manoel Vicente
da Cosla Pereira, am mnlato de noie Joao, com
idade de 20 aoDOS, que fugio do poder do mesmo
em tantos de marco do e rrente, tcndo o com-
prado em 19 (I junho ultimo., dizendo o mesmo
Sr. Costa Pereira, qoe lhe disseram eslar no en-
genho, Pereirirha da fregaezia de Agna Preta, por
ter no ditu etgenho um cscrayo por nome Bsne-
dicto, irmSo do mesmo escravo, aconleceu que en
o mandando vor, foi exactode ertar la, mas qnan-
do elle o venJeu ja nao exis.ia mais, dizendc-9e
quo tinha ido em um rancho de ciganos d? no-
mo Simfi", iniitulado per forro, para as bandas du
Porto Calvo, lendo os signaes seguintes : e.-tatura
baixa, eambeta dos pes, eicatrit na testa, cortado
nas eostas, nao ten Inrba nenhuma ; tor isso pe-
de as autoridadea poiiciaes ou sapitaes de campo
logo que lenbam sciencia o apprehrndam e entre-
guem aos Srs. Cunba Irmaos & C, na cidade do
Recife ou em i Rio Pormoso ao sea senhor, qne
teiao a gratiliracao de cem mil reis.
Rio Pormoso. 11 de agosto do 1874.
Domingos de Castro Gnimaraes.
'

No beceo da rua Formosa n. II, casa ao peao I it
depoaito da,oao e acougue, lava-.se jj engpnypa sg
liOJA JttO PAVAO
com perfei'.-a-), e uinbeui w friza Aor
pieoo.
Ou a vela palentc. perforada
Dcvia ser usada por t >dos
Um experiinento basia para prov.r
que para
Limpeia, augmento de luz economia e
appareneia elegante
excede muit > qualquer cousa desta sorte
qoe ate hoje se apresentoa
ao publico. [
Os tres canaet na vela servem para : I
I.* evitar que o pavio derrete mau stea- \
rina one consuma.
2 lmpossibilitar o gotejar.
3. salvar vestidos, tapetes, mobilias e
candieiros de serem estragados.
4.* evitar fuma^a qae costumam fazer
quasi todas as outras velas e por con-
sequencia,
8.* angmentar a brilbantez da cbamma.
6.' coDtrabalan^ar a inlluencia de cor-
rentes de ares em recebendo em seme-
Ibantes casos a stearina superabundante- '
mente dissolvida e nao consnmida.
7* regular o proeeaso da qneimadura M
de maneira que a stearina iuteira fiaue J
consnmida completamenle, por^m pra-
ticalmeute.
Sirvase comparar e julgar.
l.'mco deposito em Pernambuco, no ar- .
mazem do Campos, a ma do Imperador /m
n. 28. (
AGUAS MINERAES KATURAES
DE
Vifhy-Cnssel
Preferlvels An de viciiy-Vlcliy
por serem as unicas que conservam todas as snas
propriedades depois de transportadas.
Fonte S. Marie, 6 a mais efficaz na anemia, na
alburoinaria, na chlorosis, no empobrecimento do
sangue, e nas febres intermillentes. Os resollados
obtidos nas diabetes sio muit3 aotaveis.
Fbnle Elisabeth, n5o se alters nunca e i a mail
rica das aguas de Vichy em bicarbimato de soda
em magnesia e recommendada pelos aenbores me-
dicos pela sua eCQcacia nos engorgiumentos do
figado, do baQO, nas affeccSes do estomago, dos
rina, da bexiga, nas areias e na gotta.
EX1JASE
o nome da fontc na capsnla
Vende-se em caixas e a retalho, no unico de-
posito
PHARMACIA AMERICANA
I)B
Ferrcira Mala dToiupanhia
57 RUA DUQUE DE CAXIAS-87
Alugavse
o predio da rna do Barao Ac. &. Borja n. 28, antigi
da rna do Sebo, com ooaamodos para graode fa-
tnilia, contendo agua e gas encanados, e apparelho
de limpeza, grande quintal bin planiado, com
portao qne deita para a rua do Atalho : para ver
a chave na mesma rua, casa n. 18, e para tratar,
en Olinda, ladeira da S6 n. 6.
6
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQUIDAR
Ciranadlna preta a 600 ra.
envade.
0 PavSo rende granadina preta e iatrada
pelo baratu preco de 500 rs o covado.
- Narua daConcordia n. 155 engomma se e ALPACAS PRETAS A 600, 640 E 800 RS.
ara-se por preco rasoavel e pronUdao.________i o Pavio tern um grande sortimento de
Mrwliatn frflnw7!i Alpacas pretas, que endea 500, 640 e 800
M?ai8la, 1n Mademotselle Eugenia Lecomte avisa a suaa _._,_ j .Aac Knmhrin nrinrftzas
antigas fregaezss e ao -publico em geral, qua aent0 de C"0^. Dombazinas, pnncezas
abrio novamente seu estabelecimeak) de casa de pretas, mennOs, e outras muit
costuras 4 rua da Cruz do Recife n. 16, primeiro proprias para luto.
andar, pelo aue espera eoatlnaar a merecer a CAMBRAIA VICTORIA
concurrencia das pessoas que precisarem de tens
serviooa
49500,
Consullof io medico-cirurgico S
A. B. da-Silva Maia.
Medico parteiro e operndor.
Boa do Onngel n. 54
Consultas das 8 ai 4.0 horas.
Cnamados a qualquer hora.
Gratis aos polres.

Engenho
CRIADO.
Alu^a se por alguns mezes o 2' andar d-
sobrado n. 53 da rua da Imperatriz, completamen-
lemobilhado, a pessoa de pouca familia, preferino
dose e>trange:ra : a tratar no mesmo
L Alnga .-e uma loja a rua Jo Barao da Viclo-
ria il. i\. a qual se faz arrendamento a vontade
do prtlendente : a tratar na loja junto, n. 22
Com asseio e promptidao
Em nma casa de familia pr.^para-se comida para
foia, e o, inda-se levar as casas das pessoas qne
qnizerem mandar fazer : Irata-se no 2 andar da
rna do Cabnga n. 10.
Hon ira, Baptista & C. teem a honra de scien-
t, icar ao respeitavel publico que abriram no pri-
rfeiro andar do sobrado a rua larga do Rosario n.
i;, u::i silfio do cabelleireiro, sob a dirtccao do
habil artista Carneiro, bem conhecido do public)
pela boa xecncao de seu trabalho. No mesmo
estabelccimento acha-se montada uma grande offl-
ciua Je po-licjs, dirigida por um artista insigne
pela perfeicao de suas obras, que sao em tudo
i^u.'.os as melhorcs que vem da Europa. Adl-
v -' deste estabelecimento e a modicidade de pre
co e pontualidade na liel execugao do qualquer
pcdi'Jo, por mais difficil que seja, para cu:o flm
acha sc excellentemcnte provido dos artefacts ne-
cessarios. j
% C aasultorio medico %
(vf DO Q
ffi l>r. Hurillo. &
M RUA DO VIGARIO N. 1, 2." ANDAR. W
W Recem-chegado da Europa, onde fre- G*
Q quenton os hospitaes de Paris e Londres, C
f*} podera ser procurado a qualquer hora do fu
*u dia ou da noite para objecto de sua pro-
i^, Coiisultas das 6 as 8 hDras da manha" e
)jlt-. do ineio dia as duas horas da tarde.
iGRATIS AOS POBBES.
Especiatidades: Molestias de seohoras,
da pelie e d9 crianca.
Ao comniercio.
Os abaixo assienados participarn ao respeitavel
corpo do comraercio de PeraambQco que nesla
data tem organisado uma sneiedade mercantil. a
qual gyrara sjb a razao de Primo Pacheco Borges
4 Filho. Parahyba, de agosto de 1874.
Primo Pacheco Borges.
Manoel Pacheco Borges.
Aluga-se um moleque para criado, bom
copeiro: a tratar na roa i.# de Marco, loja
n. 18.
Apparel,lio.s para ba-
nhos,
Os immenscs beneficios obtidos na
cura de variadissimas molestias com o
emprego racaonal da agua fria, tem fei-
to inventar apparelhos, que tornem facil
e ao mesmo tempo util a applicacio des-
t? meio as pessoas, que por qualquer
circumstancia nao podem frequentar os
i-'tabelecimentos apropriados para tal
inn.
A pharmacia central tem exposto a
venda os apparelhos que sao hoje repu-
tados na Europa como superiores, e que
servindo para os usos medi os, podem
ignalmente servir part banhos de lim-
peza e do prazer, porqne funccionam
cem pouca agua e em pequeno espaco.
Com taes apparelhos pode-se tomar
banhos em dUCIieS Ue UiuYioooc, em co-
lumna ascendente ou descendente, ga-
raes, ou parciaes.
0 mesmo estabelecimento tem para
vender apparelho proprio para banhos
a vapor simples, ou com substancias
medicinaes, e pequenos apparejhos de
immensa pressao para os choques locaes
) por meio da agua fria.

SK

'SO, CLARO E TRIGOEfflO
IF CHEERIER
Camlbiro d.: L iiOo de Honra, Official do
mi ffidu e Couimendadordaordem d"J*a-
bel a Cathalicu.
Oeleo ii< Ciievrler deve o sou aroma
a suhtancias balsamicas que ainda aug-
ments as suas propriedades therapeuti-
casao mesmo ti'mpo cmeotornao agrada-
vel ao tomar e.
O Renhor Chevrier completou a sua
descuberU .'is=o".ianiloo Jodureto 'leferro
ao sou o!co de fijiailo de IJacalhau. Este
oloi1o llgaclo ".c haralhau friTujjiuo-
o pflssuc todas as pronrtedades do oleo
c de fprro. o de faciffflgestao e nunca
cars- pritfB do vpntre.
To ln a e^tphridades medtcas o pre-
rprem as outras preparacJjes ferrugino-
sas. Conveni em todos os casOs m qne
SP.emprr^ao fprrp : TUlca pulmonar,
ltronchilr>i H irhlMamo, F-scrofuUs,
Kmpis-t-iiH. ;>, Ithrnntlair.o Ojo-
p.|>....i.ii'4> r-lACRnrim deatoiwda*
Frafji'-rxa ,. onstltuifao.
BTPOsiTO.-grt winr Pharm. CHEVRIER
Fcnibourg Mont-martre.
M armecfaachSogeoVuiHo
k F.i i im \, ^xcellentes iirepara-
ces tunKaa, -Ob gralWuoa 4e Bismtrth
'-ompostos hAAi-m. ta 4iarrheaa, dysen-
i^nas. iiore nc "stomago, etc.
Arrenda-se o engenho Telha, do termo de Seri-
Dbiem, moenie corrente, safrujando para mais
de 2,000 paes de assuear, com todas as obras no-
vas, cora-tnuito bom cercado, muito bom d'agua e
com inuitas comm^didades. Vende-se igualmente
uma safra de 600 paes aproximados : quern o pre-
tender, dirija-se ao engenho Pontal, do mesmo
termo, on na rua do Vigario d. 3, 2" andar, es-
criptorio de Manoel Alves Ferreira & C
Aluga-se
o 4 andar e sotao da casa n. 34, sita a rua das
Trincheiras, com commodos para familia, em bom
estado e por preco commodo : a tratar na rua
de Santa Cecilia n. 13, casa da esquina.________
Precisa-se de u na ama para lavar e engora-
mar em casa de familia : na rna da Santa Cruz
n. 46.
Sfc^
CASA DO OURO
Aos 4:0005000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 50, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
muito felizes bilhetes a sorte de 700i em um
bilhete inteiro de n. 1162 e um meio ce n. 2509
com a sorts de 200;, alem dc outras sortes me-
nores de 40*000 e 20*000 daloteria que se acabou
de extrahir (112); convida aos possuidores a vi-
rem receber, que prompUmente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesmc s
annuncics
Acham-se i venda os muito felizes bilhetes ga-
-autidns da "> parte da loteria a beneficio da
matriz de Cabroho, que se extrahira no dia sabba-
do 22 do corrente mez.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De lOO-OOO para cima.
Inteiro 3*600
Meio 1*750
Recife, 14 de agosto de 1874.
lodo Joaaum da Costa Ltitt
200^000
Fugio do armazem do sal o escravo de nome
Agostinho, preto, descorado, corpo grosso e forte,
ligura bonita, anda de vagar e usa de alpercales,
abre um pouco os pes e tem nm dente na freuie
principiando a apodreeer ; foi escravo de Francis
co de Assis, do Pombal, provincia da Parahyba ;
chegou a esta cidade no dia 3 de agosto o fugio no
dia 6, levando carnisa de algodao braneo e calca
de brim de cor com listras ; consta gue paswa
no Caxanga e tomou a estrada do sertao : pede se
a todas as antoridades poiiciaes e capitaes de
caropo on qualquer pessoa particular a captura
do mesmo, e leva-lo a rna do Marquez de Olinda
n. SI, loja, qua serao recompensados com a gratifi-
cacao sopra.________________________________
Traspassa-se a cbave do sobrado de^um an-
dar e sotao, sito a rua de Santo Amaro n. 8 : a
tratar no mesmo, de manha ate 10 horas, e de
tarde das 3 as 5 horas.
Aluga-se nm segundo andar na rna Nova n.
63, o qual se acha mobiliado, a rapaz solteiro on
familia peqnena, que de bom trato : a fallar na
mesma rua n. 61, primeiro andar.
Nao se prestando o pequeno espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas imrcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
dlante aberto outro es abelecimento sob a mesma
denominacao de
ARMAZEM DO FUMO
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
rao os senhores freguezt-s dingir-se, certos de que,
como ate aqui, ach rao sempre a par da modici-
dade dos pre^os, a maior sinceridade possivel. En-
ire as differentes raarcas de fumo da Bahia e Rio
de Janeiro, que tem sido annnnciadas, acaba de
chegar uma encommeada especial, que muito deve
conviraos senhores freguezes. Consciente o abai
xo assignado de qne neste genero de negocio nao
esta sem competidores, fara muito por evitar que
tambem 03 tenha com relacao ao pequeno lucro
qne procurara obter da dita mercadona.
Jose Domingnes do Carmo e Silva.
Pede-se ao Sr. Jose Paulino da Silva, mora-
dor no Campo-Verde, que dirija-se a rua do Li-
vramento n. 37, aGm de entenderse com o Fer-
reira Junior.
Escravo fugido.
Fugio o escravo Vicente, do engenho S. Vicen-
te, no termo de Serinhaem, com os signaes se-
guintes: cor preta, alto e bom corpo, idade 30
annos pouco mais on menos, tem pannos no pes
coco ate o queixo, queixo fino, signal de um ta-
Iho no pe, tocando na unha do dedo do meio ate
o meio do pe, tem falta de dentes e 6 bastante ladi -
no, tocador de viola e eantador de modasja nma vez
foi preso nos Afogadss ; roga-se portanto as auto-
ridades poiiciaes e aos Srs. capitaes de campo, a
sua apprehensao, e o levarsin ao engenho acima
mencionadoa entregar a sen senhor, on nesta praca
aos Srs. Rodrignes Almeida & C, a rua estreita
dp Rosario n. 47, que serae gratiQcados com a
qnantia de cem mil reis.
Him. Sr. Mauoel Brasilino de Arruda
Camara queira fazer favor de entender-
se com Tasso Irmaos 4 C. a negocio de
mutuo interesse, a rua do Amorim n. 37.
Signaes do negro Feliciano
Ctlonlo, idade 40 annos, pouco mais ou menos,
alto, corpo regular, bem prelo, desfcntado, barba-
do, mal feito de p6s, tendo^um dos dedos grandes
ou ambos bastante torios. Acha-se fugido ha 6
mezes, desta segunda fugida, e da primeira esteve
dons aimos no engenho Tombador, fregaeila do
Bonito, pertencente a Francisco de tal, genro do
capitao Christovao Jose Machado, senhor do en-
genho S. Christovao, da dita freguezia, e por estes
engenhos esta occulto, como tem estado. Veio pela
primeira vez preso pelo capitao de rampo JoSo
Ventura, que raora em Agua-Preta : recommen-
da-se a sua captura as antoridades poiiciaes e ca-
pitaes de campo, e leva-lo ao engenho Mirias-No-
vas, freguezia de Gaaelleira. 0 dito negro intitu-
la-se forro com o nome de Jose Feliciano.
Aluga-se dous pretos para criados, sendo
nm de 40 annos e outro de 15, ambos de boa
conducta : a tratar na rua do Barao da Victoria
n. at._______________________________
Ainga-se o 2 andar Mo sobrado n. 53 da rua
da Imperatriz, completamenle mobiliado, a pes-
soa de pouca familia: a tratar no mesmo.
O Monte Lima
tem um complete sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para officiaes, canulilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, eharlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e donradas, para criado,
etc.; assim como um completo sortimento de
ranjas, gal Jo falso para ornamento, cordao de li
com borla para qnadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
preco que em outra qualqner parte : na praca da
Independencia n. 17, jnnto a loja do Sr. Arantes.
A 49000,
03000 E 79090.
0 PavSo vendo um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparent com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7(000
a pe^a, assim como, djtas de salpico bran-
eo, a 75000, e pechincha.
CAM1SAS FRANCEZAS A 2,5000, 19500
3JS000-K 39500.
0 Pavao vende um bonito sortimento dt
camisas francezas com peito de algudao, i
23000 e 2J500. Ditas com peito de linhc
de 39000 a 69000. Ditas bordadas muito
unas de 69900 a 109600: assim como
grande sortimento de ceroulas de linbo e dt
Blgod$o por pregos baratos, e.tambem tern
complete sortimento de punbos e cQllarinhoi
tanto dp ljabo como de algodio, por preco*
em coma.
CORTINADOS BORDADOS PARA CAMA \
JANELLAS, BE 79 ATE' 269000 0 PAR
0 PavSo venae um grande sortimento dt
cortinados bordados, proprios para cama t
janellas, pelo barato preco de 79000,83000.
10^000 ate 259000, assim como : colza*
de damasco.de U muito fina de 103000
1230OO cada uma.
iBRAMANTES A 1800, 29000 E -23500
0 Pavao vende bramantes para '-ic^es,
tendo 10 palmos do largura, send> o fa
algodao a 19800 e 29000 a vara, e de linh<
a 39400, 19800 e 39000 a vara: e pechin
cha.
Grande pechincha a 4$000
e 5*000
CORTES DECASEMIRA.
0 PavSo recebeu uma grande porgSo de
corles de casimeras de cores para cairns, e
vende pelo barato pre<;o de 49000 e 59000
cada corte, na rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da "Silva.
ESMERALD1NA A 800 RS.
0 PavSo recebeu um bonito sortimento
das mais elegantes esmeraldinas com listras
de seda, sendo em cores e. pad roes as mais
novas que tem vindo ao mercado, proprias
para vestidos, e vende pelo baratissimo pre-
co de 800 rs. 0 coyado, a rua da Imperatriz
a. 60.
6 Pavao queima os artigos
seguintes:
Cortes de combraia branca, transparente,
com enfeites bordados de IS a 5000.
Dit s todos brancos bordados a 135000 e
159000.
n:. mnUn !; o#Ooo.
Bonitas laosinhas para vestidos, com lis-
tras de seda, covado a 800 rs.
Ditas ditas transparentes e de muita fan-
tasia a 500, 640 e 800 rs.
Cintos desetim de todas es cores a 53000
Punhos com gollintias d.jesguiSo a 500 rs.
Sedinhas de cores, sendo de listras e la-
vradas, com toque de mofo a 19000.
Ditas de dita ditas sem mofo a 19600 a
29000.
Diversas lansinhas para vestidos, de 240
ate" 500 rs.
Colchas de fustao braucas para cama t
29500.
Ditas de dito de c6r a 49C00.
Cambraias brancas, abertas, para vesti-
dos, corte a 89000.
Cortes de cambraia branca com bonites
enfeites bordados, de c6r, com figurino a
69000.
Pecasde madapolSo com pequeno toque
de avaria a 4#5O0.
Ditas de algodaosinho muito encorpado,
com leve toque de avaria a 40500.
MadapolSo enfestado com 12 jardas em
perfeUo estsdo a 35000.
Pecas de madapolSo com 20 jardas a
40500.
Brim pardo psra roupa de horaem e me-
ninos, covado a 400 rs.
Cobertas de cbita para cama a 20500 e
30000.
Bramante de linho com 10 palmos de
lagura, vara a 206CO.
Atoalhado com 8 palmos de largura, vara
a 10500.
Espartilbos brancos e de cores a 40 e
50000,
Crteos de casimira a 40 e 50000.

RUA DO BRDH N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenho e outros agricultores, e compradores de mi
chinismo 0 favor de fazer uma visits a seu estabelecimento, para verem 0 novo sortimen
to completo que abi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidio ; 0 que com a ins-
truccSo pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUOAR DE SU V FU5DICAO
VapOreS e rodaS d'agUa dos mais modernos systemas e em Uroanbos eo-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietarios e para deacaro^ar
algodao.
MoendaS de Canna do todos os tamanbos, as melbores que aqui existem.
XvOQaS QntaaaS para animaes, aguae vapoc.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
JjlaCniniSniOS para mandioca e algodao, e para serrar madeira. Iser roovidos a ma<
L>OmoaS de patente, garantidas........ (ou animaes.
XOQaS as maCnmaS e pecas do que se costuma precisar.
r az C[UalO[Uer COnceiXO de machinismo, a pre^o mui resumido.
OrmaS ue ienO tem as melhores e mais baralas. existentes no mercado.
hinCOninienaaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer macbinismo A vontade dos
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por iiitermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade pode lhes prestar auxilio.
AraQOS ameriCanOS e instrumentos agric las.
. RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
-
mmm9&w9 mmm&m


PH4RMACU N0RM4L
DE
Precisa se de um portuafuez para feitor de
engenho : a tratar no primeiro sobrado passando
a ponte grande da Magdaiena
Ha para alugarum bom sitio na Boa Via gem :
trata-se na Capnnga, rua da Ventura n. 21, ou
na rna Nova n. 43.
Pede se ao sr. Francisco Leal de Barros,
oe moron na eidade da Estaocia, proviaoia de
eyipe, o favor de vir a rua do Crespo n. 16,
primeiro andar, a negocio ; faz-se isto por igno
rar-se a soamoradia.
Casa Caiada e Rio Tapado.
Ios6 Jaeomo Tasso, senbor e jpossaidor, por ti-
tulos legitimos, dos sitios Casa Caiada e Enseada
da Mai Lucrecia, em Rio Tapado, termo de Olin-
da, previne a quem interessar possa qoe n&o fa;a
cootrato algum de conipra, arrendamento, per-
muta, etc., etc. ou ontro qualquer negocio, com
terras dos ditos sitios, que limitam com as do en-
genho Fragoso, porqne serao nallos taes contratos
e o annuhciante protesta por seu direito em quaes-
quer circumstancias em que se acharera os ditos
contratos, e para obviar duvidas vai desde ja
tratar das demarcagoes dos referidos sitios para
fitar os sens limites.
FEII3BAL11 mCASUIIA!
0 enjeiflio Mmas Novas, precisa fle nm feitor
oiWgBM, moco e easado : a tratar com Leal &
Irmao, a rua do Marquez de Olinda n. W.
i:x;k>iio
S. CARLOS
Vende-ae an arren Ipojuca. moente e corrente, com todas as obras
tm psrreito estado de conservacSo, e mnito bom
d'agua : a iratar na travessa da raa Duque de Ca-
iias n. 1,1' andar, torn Gabriel Aitonio de Castro
QolnUes,
ij'i i
Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXJHO2QVH_26L6J0 INGEST_TIME 2014-05-28T17:32:25Z PACKAGE AA00011611_19441
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES