Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19434


This item is only available as the following downloads:


Full Text
,!|*- *
IBH^BH "
% -
"-
ANNO L. NIMERO 189
*?8I jI. vuL ob Of ?>'; -! ;. '\ ;

*AA A CAPITAL K LIW1BBI tIM ** E PAOA1FOMTE.
For tres mazes adiantadot................ MKM*
Por seis ditos idem...... ,.......... i*W>00
Porunnooidiai.................. 14*000
Cri* numero tvuUo................. #320
SEGINIM FEIM 10 MLAGOSTO DE 1874_
V
-. PABA Ui;\TBO B FOR A DA
for tres mates adiantados. .... ^1
for seis ditos idem .
Por note ditos idem
VIWCIA.
. '"# ........


DIARIO DE

---------
PROPRIEDADE DE mAMOEL FlCUEflOA DE FARJA A FILHOS.
1
it in. Gerardo Antonio AJve* A Pilhoa, no Pari; Goncadvea d Pinto, no Maranhio; Joaqaim Jose" de Oliveira d Filho, no Geari; Antonio de Lemua Braga, no Aracaty ; Joio Mria Julio Chaves, no Assd; Antonio Marqnea da Silva, Natal ; Jose* Justino
Pereira i'Almeida, em Mamangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Joad Gomes, na Vita da Penha; Be'armino dos Santo* Bolcio, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, emflaxarethx
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alaf das; Aires d C.,na Bahia; 6 A. Xavier Leite d C. no Rio Janeiro'
aaroga pofulas
Elenaentos di- playslca
LIVR0 PRIME1R0
CAP1I 1 1.0 III
NOQSKS 80BM OS M0VIMENTOS E S0NH AS FOltfjAS E
SEL'S RFPBITOS.
(C ontinuaeao)
Hcllda. das furrim em kilouram-
moN, dyiimomere.-A forca desenvolvi-
da por um notor para puxar ou impellir um cor-
po, raede-se ou avaiia-se pelo numero de kilogram -
mos necessarios para prodnzir a mesma traccio ou
pressao ; de 9orta quc, dis-se que uma forga e de
quarenta on cineoenta kilogrammos, quando ella
pode ser substitaida pela accao de um peso de
quarenta on ciocoenla kilogrammos.
0 numero de kilogrammos que representa assim
& intensidads das forcas, e deterroinado por meio
do dgnamometro, que 6 um instrumento eonstrui-
do sob variadas formas, mas cujo fim e sempre o
meimo, isto e. e sempre determiaar qual o peso
que pode substituir uina dada forca, produzindo
identicos effiitos.
Desses inslrumentos o mais simples consiste era
uma lamina de aco lemperado, curvada em forma
de v, isto e, tendo dous ramos, como as pernas de
um compasHO aberlo. A' extro.nidade de cada um
desses ramr-s ou pernas acha-so preso um arco de
circulo, feilo de ferro e susceptivel de ser gradua-
do, e outro lira cada detses areos de circulo pas-
sa livremente n'uma fenda existente no ramo ou
perna da lamina de aco opposta aquella a que se
acha preso. Nas extremidades livres dos areos de
circulo se acham, em um, um gancho ou colchete,
e no oulro um arco de ferro em forma de annel.
Paragraduar o instrumento, procede-se da se-
guinte forma : suspende-se-o peloannd a urn pon-
lo fixo, e, no gancho ou colchete da extremidade
livre do outro arco de circulo, vai-se sueeessiva-
mente collocando pesos de I, i, 3, t, 5.... kilo-
grammos. A perna da lamina de aco, correspon-
dente ao arco. de circulo que tern o annel n'nm
extreme, lie a fixa, ao passo que a outra psrna, a
que corresponds b gancho ou colchete do outro
arco de cir<-ulO/*baixa-se cada vez raais, a medi-
da q-i-* augioentao valor do peso collocado no dito
gancho. A cada um dos pesos de 1, 2, 3, 4,5...
kilogrammes corresponde nma certa posicJo da
perna movel da lamina de aco, e esta marca so-
bre o arcoiixo uu iraeo, que, com a ponla de um
estillete, se grava no ferro do arco, mscrevendo-
se scbre elle o numero de kilogrammos que con
tem o peso, e assim lica graduado o instrumento.
Para ap;>.ica-lo a medir forgas, para apreciar por
exemplo o esforco necessario a arrastar um fardo,
prende-se c instrumento ao tardo por roeio do col-
chete ou gancho, e puxa-se o mesmo fardo com o
auxilio do annel do instrumento,_ ate que elle co-
BMOe a mover-se. Ne-ta occa^iao a perna corres-
pondente ao gancho toma um movimento de fie-
xiio, e maria no arco graduado o peso era kilo-
grammos, capaz de produzir o mesmo movimento.
As balan;as tao geralmente conhesidas^ e com
e:pecialida(ie as balan^as romanas, nao sao mais
do que dynamometros.
Uma vez medidas as forjas cm kilogrammos,
convenciouou se em represents suas intensidades
por meio das proprias linhas que representam suas
direccoes.
Para eesfl fim, pois, e a partir do ponto de ap
pliiacao de uma for^a, toma-se e raarca-se nessa
I inha ura <:omprimento .tal que cwHenha tantas
vetes a unidade linear, quantos kilogrammos con-
tem a inteusidade dessa forca.
Ordinariamente toma-sc para unidade linear, re-
presentativa de um kilogrammo, o decimetro ou
deciuia parte de um metro ; de sorte que, tracada
a linha que representa s direceSo de uma forca,
e sabido que osta 6 equivalent' ou pode ser subj-
tituidapor um peso de oito kilogrammos por exem-
plo, marca-se nessa linha o comprimento de ul-
. tenta centimetros, a partir do ponto de applicacao
da forca, e assim chega-so de um modo palpavel
a represeniar nio so a dlreceio, mas tambem a
iutensidade da forca em qnestao.
I'nrcim resultanles e forca* com-
lonents.Quando um corpo e solicitado por
uma unica forca, e evidente que, se elle nao eu-
contra nenhum embaraijo, segue a direceSo dessa
forQa ; mas, se ese corpo e solicitado ao mesmo
tempo per forces de direcco;s differenfs, assim
nio acontsoe, e forcosamente ha de elle seguir
uma dire.'cJo que nao c de certo nenhuma das
das forcas actuantes.
Por exemplo : quando dous homens, collocados
nas margens de um rio ou canal, puxam um
bote ou canoa por meio de cordas amarradas ao
mesmo bote ou canoa, claro e, e se verifica pra-
iicamente, que o bote ou canoa naa segue nenhu-
ma das direccoes, segundo as quae? puxam os ho-
mens, porem sim uma direc^ao intermeJiaria,
ivancando como se fosse solicitado por uma unica
forca que o puxasse nessa direccio.
A' essa for^a, unica que se pode assim conce-
ber, e que produz o mesmo elTeip que as forcas
' de traccao dos dous homens, da-se o nome de
rtsultante das suas forcas, e estas, em relajao a
r?3ultante, sao chamadas components.
(Conunuar-se-ha).
I delegado do termo de Gamclleira,
PARTE OFFICIAL
Governo da pi*o%'lncia.
sxPBonwTi do dia 21 he uaaco 1874.
1.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
nias.Fica. approvado o contn 'to cons tante da co-
pa que veio annexa ao seu ofllcio de hontem da-
tado, sob n. 231, celebrado com o pharmaeentico
civil Carlos Luiz de Magalhaes para servir de coad-
j ivante da pharmaeia do hospital militar era lugar
d botieario Braz Harcelino do Sacramento, cujo
c mtracto, para a prestagao de igual servico, fbi res-
cindido a sea pelido.
Ao inspector do arsenal de marinha.A' re-
questais do Exm. brigadeiro commandante da9
armas em afflcio desu data, sob n. 238, mande V.
S. collocar o novo raastro para a ban leira do forte
de Pau Aroarello, devendo os encarregados desse
S'Tucp levar coniigo o respectivo apparelho.
Ao director do arsenal de guerra.Nao tendo a
companhia de cavallaria caixa de eeonomias licitas
e nao dispendo portanto de meios para fazer con-
dazir a esse arsenal, onde devem ser deposiudos os
cbjeetos que esUvam a seu cargo e foram dados
em consumo, fica V. S. autorisado a raandar fazer
essa conducf.So, como se tem pratieado em identi-
cas circumstancias, e e solicitado pelo Exm. briga-
deiro commandante das armas em offlcio de hon-
tem datado, sob n. 234.
Ao conselho de compras do arsenal de guer-
ra.Promova o conselho de eompras do arsenal
de guerra a acquisicao de 20 colchoes consumes
do pedido junto, com distino a enfermaria dos
aprendites, artifices do mesmo arsenal.
,r 2.' seccSc:
Actos:
0 pr isidente da provinci i, em vista da propos-
ta do Dr. chefe de policia, eu sea offlcio de 20 do
corrente, sob n. 403, resolve exenerar o bachard
Francisco Manoel Wanderley Lins, do cargo de
como fora soli
cilado pelo mesmo bacharel.
0 presidents da provincia, de conformidade
com a propnsla do Dr. chefe de poiicio, em son
offlcio de 20 do corrente, sob n. 403, resolve no-
mear para o cargo de delegado do termo do Ga-
melleira o actual 1* supplente, Manoel Gomes de
Barros e Silva.
0 presidents da provincia, era vista da pro
posta do Dr. chefe de policia. de 20 do corrente,
sub n. 402, resolve exonerar o tenente-eoronel Ma
thias Ferreira ds Mello do cargo de delegado de
policia do termo do Bonit), como fora solicitado
pelo mesrao tenente-eoronel.
G presidents da provincia resolve, de confor-
midade com a proposta do Dr. chefe de policia. de
20 do corrente, sob n. 402, nomear o tenente Odi-
lon Austricliano Brayner para o cargo de delegado
d; policia do termo do Bonito.
0 presidents da provincia, atlendendo ao que
requereu o escrivao privativo do juis especial do
coramercio Ernesto Machado Freire Pereira da
Silva, resolve conceder-lhe 8 mezes de licenca,
afjm de ir ao Rio de Janeiro tratar de negoeio de
sea particular inleresse.
0 presidente da provincia resolve de confor-
midade com o art. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de
marco de 1853, mandar aggregar ao 9' bataihSo de
infautaria da guarda nacional do municipio de
Olinda o capitao Jose Joaqaim da Costa e Silva.
Offlcios :
Ao Dr. chefo de policia.Informs V. S., se
dentre os presos conduzidos de Aguas Bellas para
esta capital, pela escolta do que tratam os prets
juntos vierara recrutas e dasertores.
Ao commaadante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Para sea cunhecimento e fins con
venientss comraanlco a V. S., que por portaria
desta data mando, qae ao guarda do 2* corpo de
reserva deste municipio, Jose Alfredo de Garvalho
Junior, se de" a guia de passagem, de que trata o
art. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de marco de
1853 para o municipio de Olinda, onde esta resi-
dindo. i
3.' tecc&o.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fasenda.De-
volvendo as seis inclusas propostas para os con-
certos a fazer-se na casa da reeebedoria desta
provincia, a que se refere o offlcio de V. S. de 20
do corrente, sob n 986, serie F, declaro que ap-
provo o ado dessa thesouraria, acceitando por st>r
mais vantajosa, a proposta de Francisco Augusto
Pereira da Costa.Outro sim, commanico a V. S.
para seu conhecimento que a fiscalisacao dessa
obra cooApete ao ongenheiro encarregado das
obras geraes.
Ad mesmo.Mande V. S. pagar ao Dr. Bento
Jose da Costa a quantia de 118*800, constants do
pret junto em dnplicata, proveniente dos vend
mentos do de.-iacamento da cidade de Naaaretb,
relativos ao tempo decorrido de 1 a 9 deste mez,
data em que foi dissolvido o mesmo destaca-
mento.
Ao mesrao.A' vista das relacoes, folhas e
prets juntos mande V. S. pagir a qaem se mostrar
competentemente autorisado os veucimentos do
destacaraento da villa do Brejo, relativos ao mez
de fevereiro ultimo, conformo solicitoa o respe-
ctivo commandante superior em offlcio de 12 do
corrente.
Ao mesmo.Para os lins convenientes, com
munico a V. S., que em 11 do corrente o bacharel
Jose Elisio de Carvalho Couto reassnmio o exer-
cicio do cargo de juiz municipal e de orphaos do
termo de S. Bento, como coosta de seu offlcio d'a-
quella data.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
munico a V. S. quo em o 1 de fevereiro proximo
lindo foi dissolvido o destacamento de guardas m-
ciouaes existeute em Aguas Bellas, segundo parti-
cipou-me o commandante interino do batalhao n.
31 da mesma guarda nacional em offlcio d'aquel-
la data.
Ao mesmo.Transmitto a V. S. para os fins
convenientes, a inclusa copia do -contractu, one
nesta data approvei, celebrado pelo Exm. brigadei-
ro commandante das armas com o pharmaceutico
civil Carlos Luiz de Magalhaes, para servir de
coadjuvante da botica do hospital militar, era
substituicao a Braz Marcelino do Sacramento, cujo
contracto para a prestacao de igual servico foi, a
seu pedido rescindiJo, deveado 0 novo contracto
servir ate que pelo ministerio da guerra seja de-
signado para aquelle lugar um pharmaceutico do
corpo de saude.
Ao inspector da thesouraria provincialPara
os fins jonvenientes communico a V. S. que em
20 do corrente o director geral interino da instruc
cao publica multouna quantia de 20/1000 o pro
fessor da l cadeira de Santo Antonio desta cidade
Manoel Antonio Ferreira Braga, devendo elle re-
colher a multa ao cofre dessa reparlicio no praso
de 15 dia?, sob pena de promover-se a cobranca
executivamente.
Ao mesmo.A' vista da folha e pret juntos
em duplicata, mande V. S. pagar ao coraraerciante
Braga Gomes & C, conforme solicitou o comman-
dante superior da guarda nacional do municipio
de Bom Conselho em offlcio de 23 de fevereiro,ul-
tirao, sob n. 17, a quantia de 469*600, provenien-
te dos vencimentos da forca que a 18 do mesmo
mez partiod'alli para esta capital conduzindo 5 cri-
minosos de justif a.
' Ao mesmo.Mande V. S. pagar a quera se
mostrar competentemente autorisado a importancia
constants do pret junto em duplicata, proveniente
dos vencimentos do destacamento da villa de Igua-
ra.-sii, relativos ao mez de fevereiro ultimo, confor-
me solicitou o respectivo commandante superior
em ofllcio de 10 do corrente.
4.' seccao.
Act.i :
0 presidente da provincia de accordo com a
proposta da diredoria geral da instruccSo public*
de 19 do corrente, n. 96, resolve nomear o cidadao
Celestino Pereira Guedes Alcoforado para reger
interinameate a cadeia da povoacao de Manda-
caia.
Offlcios :
Ao Director geral de inslruccao publica.
Fico certo de haver Vine, multadu na quantia de
20*000, o professor da 1* cadeira de Instruccao
priraaria da freguezia de Santo Antonio- desta ci-
dade, Manoel Antonio Ferreira Braga, pelos raoti-
vos constants da portaria, que por copia me re-
raetteu em offlcio de 20 do corrente, sob n. 97.
Nesta data communique! a thesouraria provincial
para os fins competentes.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Em vista desua informacao de 20 do eorrente, sob
n. 789, nesta data deferi o requerimento de Se-
bistiana Maria de Jesus pedindo a admissao de
suas duas filhas, Jovina e Anna, no collegio das
orphas, podendo Vine, mandar inscrevel-as no
quadro respectivo a fim de serem recolhidai quan-
do hoover vaga, para o que remetto asj certiddes
de idade das referidas orpbas.
Ao mesmo. -Approvo a resolnc,Jo da junta
administrative dessa Santa Casa, attendendo ao pe-
dido de Jose Vicente Godinho, a respeito do edu-
cando de nome.Henrique; e autoriso-o a entre-
gal-o ao referido Godinho, do modo e nos ter-
mos de seu offlciQ de 20 do corrente, sob n. 787.
Ao coromissario vaccinador provincial.Re-
metta Vmc. a seeretaria desta presidencia algumas
laminas de pas vaccinico para serem enviadas ao
subdelegado do 1* dislricto de Belem, onde reina a
variola, seguado me communicou o Dr. chefe de
policia em offlcio de 19 do-corrente, sob n. 398.
Ao presidente da caraara municipal.-Em
respr.su ao seu offlcio de 7 do corrente, commu- \los6 Augusto de Araujo, pedindo que se considere '

nicando-me grassarem nesse municipio febres de
raao earader, achando se a populapao balda de re-
cursos medicos, remetto Hie uma carteiracontcn-
do 24 frascoa de tintaras homeopalicas, a fim de
terera ahi a devida applicacao.
Portaria:
A Il!ra. camara municipal do Recife.Auto-
riso a Illm. camara municipal do Recife a dispen-
der a quantia de.oito centos rail reis corn a com-
pra da pequena casa na rua de Antonio Hsnriqae,
n. 22, para ser demolida, licando a-sim aquella
rua conforme a planta da.eidade.
Tenho respondido o offlcio da mesma Illm. ca-
mara de 18 do correote, sob n. 20.
5.' seccao.
Offlcios :
Ao desembargador juiz de orphSos desta ca^j
pilal. Em resposta ao offlcio de V. S., datado de
18 do corrente, no qual pede a esta presidencia
expeca ordem para que esse juizo tenha sciencia
da divisao da quota preceituada pelo art. 26 do
regularmento n. 5,135, de 13 de novetnbrode 1872,
declaro- Ihe que deixo de satisfazer essa requisicao
por naoter ainda o governo imperial feilo a dis-
tribuicao annual do fundo de emanicipacao con-
forme o art. 25 do citado regularaento.
Sera essa distnbnicao, esta presidencia nao po-
de dar cumprimento ao preceito to art 26 do
mesmo regulamento, o qual prescreve qae os pre-
sidentes de provincia reunam a quota distribui-
da e as quanlias destinadas pelas assembleas pro-
vinciaes e por particulars a emmcipacao nas res-
pectivas provincias, sem designacao de localidade,
e dividam o total pelos municipios e fregaezias,
na proporcao da populacao escrava.
Ao engenheiro lose Tibarcio Pereira de Ma-
galhaes.Transmitto a Vmc. a inclusa quantia de
132*000 para satisfazer as despesas com o pro-
jectado assentamento da primeira pedra de alienadoS no sitio de Santa Anna, constants* da
relacao que veio junta ao seu offlcio datado de 25
de fevereiro ultimo, sob n. 55
Ao engenheiro neearregado das obras publi-
cas geraes. Tendo aesta data declarado ao inspe-
ctor da thesouraria de fasenda que a fiscalisacao
das obras a fazer-se na casa da reeebedoria desta
provincia compete a Vmc. ; assim Ih'o commani-
co para sea conhecimento.
Portaria :
Os Srs. ageotes da companhia brasileira de
navegacao a vapor, mandem dar passagem para
a provincia do Para, com destino a do Amazonas,
por eonta do ministerio do guerra, no vapor Cru-
zeiro do Sul, esperado do snl, as seis pracas
consumes da inclusa relacao nominal, as quaes
vao reanir-se ao 3." batalhao de artilharia ape.
Relacao a que se refere a portaria supra.
Soldados Claudino Mauricio Correia de Araujo,
Francisco Cvrillo Mendes, Honorato Francisco
AJvee. Ambrosio da Silva, Jorge 4* Almeida, Joa-
qaim Jose da Silva.
EXPKDIENTB DO SBCRETARIO.
1-' seccao.
Offlcios:
Ao brigadeiro commandante das armas.
SuaExc. o Sr. presidente da provincia tendo pro-
videnciado no sentido de serem transportados a
provincia do Para com destino a do Amazonas no
vapor Cruzeiro do Sul, as seis praxis menciona-
das na relacao annexa ao seu. offlcio de 20 do
corrente, sob n. 236 ; assim o manda communi-
car a V. Exc. para sua direccio.
Ao mesmo.Sua Exc, o Sr. presidente da
provincia, tendo antorisado o inspector do arsenal
de marinha a mandar collocar o novo mastro
para bandeira do forte do Pao Amarello, derter-
raina-me que assim o communique a V. Exc. em
resposta ao seu offlcio desta data, sob n. 238.
Ao mesmo.0 Exra. Sr. presidente da pro-
vincia manda, declarar a V. Exc, em resposta
aj sea offlcio desta data, sob n. 237, que vai soli-
citar do minislro da guerra o fornecimento dos
inslrumentos cirugkos mais necessario ao hospital
militar constante3 da relacao annexa era duplica-
ta ao citado oulcio.
Ao mesmo.-Sua Exc, o Sr. presiden'.e da
provincia, manda declarar a V- Exc. em resposta
ao seu offlcio de hontem, sobjo. 234, que fica
providenciado no sentido de ser feiti pelo arsenal
de guerra a conducio do quartel da companhia
de cavallaria para alii, os objectos pertencentes a
mesma e que foram dados em consumo.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.-Sua Exc, o Sr.
presidente da provincia, manda reraetter a V. S.
os titulos inclusos de noraea?ao de autoridades po-
lieiaes para o termo de Gamelleira, de conform! )
dade com a proposta de V. S., em data de 10 de
fevereiro proximo lindo.
Ao commandante superior. d'olinda e Igua-
rassii.Sua Exc, o Sr. presidente da provincia,
manda declarar a V. S-, que n'esta data se expe-
dio ordem a thesouraria provincial no sentido de
ser pago. a quern se mostrar habilitado, a impor-
tancia constante dos prets, que vieram annexos ao
offlcio d'esse commando superior de 10 do cor-
rente.
Commandante superior de Nazareth.De or-
dem de S. Exc, o Sr. presidente da provincia, de-
claro a V. S., que n'esta data se mandou pagar
pela thesouraria de fazenda ao Dr. Bento Jose da
Costa a quantia del 180300 consume dos prets,
que vieram annexos ao offlcio d'esse commando
superior de 11 do corrente.
Ao commandante superior do Brejo.De
ordem do Exm. presidente da provincia, commu-
nico a V. S, que n'esta data se mandou pagar
pela thesouraria de fazenda, a qaem se mostrar
habilitado, a importancia consume dos prets, que
vieram juntos ao offlcio desse commando superior
de 12 do corrente.
Ao commandante superior de Garanhuns.
Sua Exc, o Sr. presidente da provincia, manda
communicar a V. S., que n'esta data se expedio
ordem, a thesouraria provincial, no sentido de
ser pago aos comraerciantes Braga Gomes & C,
conforme solicitou esse commando superior, era
offlcio de 23 de ferelro ultimo, a importan-
cia dos vencimentos da forca, que veio de Pa-
pacaca para esta capital conduzindo crirainosos de
{natiea.
Ao juiz municipal do termo de S. Bento, ba-
charel Jose E isio de Carvalho Couto.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda accasar o re
cebiraenlo do offlcio de-V. S. de 11 do corrente,
communieando haver nessa data reassamido o
exercicio do sea cargo.
Ao Sr. Francisco Vaz Cavalcante. 2.* sup-
plente Jo juiz municipal do termo de Buiqae.0
Exra. Sr. presidente da provincia manda accusar o
recebimento do offlcio de V. S. de 5 do corrente,
communieando que por nao se ter dado facto al-
gum criminoso em sea distrido, deixa por isto de
remetter o mappa, de que traU a circular desta
presidencia, de 3 de dezerabro proximo find}.
Ao Sr. major Miguel Bernardo Quinteiro.0
Exm: Sr. presidente da prjvincia, mandi accusar
o recebimento do offlcio de V. S., de 15 do corren
te, communieando que na mesma data conclaio-se
a primeira reuniao do conselho de qualificacao da
guarda nacional da fregnezia de S. Jo3e desU ci-
dade. cujos trabalhos tiverara principle no i.* des-
te mez.
4.' seccSo.
Offlcios :
Ao 1." secretario da assemblea provincial
N. 31.De ordem de S. Exc o Sr. presidente da
provincia, remetto a S. para ser submeltido a
apreciacao da assemblea provincial, copia do re-
querimento que ao mesmo Exra. Sr. apresentoa

caduco o contracto feito com o Barao dj Livra-
mento, para o calcamento di cidade, e qae se abra
nova eoncurjaaeia. para o qae offerece desde ji o
abate*de Ifl^oreBBM,"podendo ser que na licit*-
cic anior abate venha a dar-se.
Ao mesmo.N. 32. De ordem de S. Exc o
Sr. presidente da provincia, remetto a V. S. para
serem apresenudos a assemblea provincial, o or-
omentj da receita e despeza da camara municipal
da villa da Boa Vista, relativos ao corrente anno ;
e am projecto de posturas da mssraa camara, con-
stando de 24 artigos.
Ao director geral da instruccaD publicaPor
acto de hoje, S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, em vista da proposta de V. S., de 19 do cor-
rente, sob n.96, resolvea nomear o cidadao Celes-
tino Pereira Guedes Alcoforado, para reger interi-
natnenWi a cadeira de ManJacai.n. o que communi
co a V. S. para seu conhecimento.
Ao mesmo.Communi jo a V. S. que S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, eonforraando se com
a sua proposta de 19 do corrente, sob n. 94, resol-
veu por acio de hontem reraovsr o professor da
villa de Cimbres, Jose Belisario Marmho Falcao,
para a cadeira de Santo Araaro Is Serinhaem.
OESPACHOS DA 1'HESIDKNCIA, DO DIA I DE AGOSTO DE
1874.
Tenente-eoronel Antonio Francisco de Souza Ma-
galnaas.Forneca se.
Aftunso de Paula de Albuquerque Maranhio.
Encaminhe-se.
Alexandre Migoo Peixolo de Alencar.Sim.
Christovao Antonio Marques de Amorim. In-
forms o Sr. inspector do arsenal de marinha.
Padre Francisco Virissimo Bandeira. Entre-
gue-se.
Firmino Jose dos Santos. Roncedo o prazo de
15 dias.
Joai BaptisU da Rocha Raixa Lins, -Informs o
Sr. commandante superior da guarda nacional do
municipio do Rio Formoso. %
Luiza Maria da Conceigao. -Indeferido.
Luiz de Franca. Concedo 15 dlas.
Manoel Jse do Araujo & CInforme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Manoel Martins Gomes de Araujo.Ao advogado
dos pre:os pobres para altender como de direito
'dr.
Bacharel Miguel dos Anjos Barros. Encami-
nhe-se.
Manoel Gomes Silverio. Deferido com offlcio
desU data, dirigido ao thesouro provincial.
Riimao I'opulo de Andrade Lirai.Indeferido.
Teixeira Chaves & G-Con:edo a permissao re-
qaerida, sob a condicao dos supplicantes deraoli
rem o inuro, logo aue lhes for determinado.
Frei Vea.ncio Maria de Farrara.Encaminhe-
se. ,
Watson & Smith. Informe o Sr. engenheiro
chefe da reparii.-ao das obras publicas.
Commando da armas.
QUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS J.
DE PERNAMBUCO, EM 8 DE AGOSTO DE
1874.
Ordem do dia n. 840.
0 brigadeiro commandante das armas faz sa-
ber a guarnicao para os fins convenientes, que o
Sr. padre Juvencio Veri3simo dos Anjos, nomeado
capellao tenente da reparticao ecclesiastic! do
exercito, por decreto de 8 de julho ultimo, prestou
nesta data o.respectivo juramento.
Em quanto a reparticao a que pertencs lhe nao
designar lugar. determina que passe a exercec inte-
rinamenle as funccoes do seu ministerio no arsenal
de marinha desta cidade,
0 mesmo brigadeiro faz saber igualmente, que
hontem se apresent vram no quartel general, vmdo
da corte, com o fim de fruir nesta provincia 40 dns
licenca que obteve do ministerio da guerra, o Sr.
major graduado do 18 batalhao de infantaria Jose
do Rego Barros, e vindo da Bahia o Sr. tenente
Joao Evangelisla Leal, que foi trahsferido para o
9> baUlhao da mesma arm'a.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
Lins. _
Conrormc0 major Jose Bonifacio dos Santos
Uergulhao, ajudante de ordens encarregado do
detalhe.
Reparticao da policia.
t seccao.Seeretaria de policia de Pernambuco,
8 de agosto de 1874.
N. 977 Illm. e Exm. Sr.-Participo a V. Exc.
que hontem foram recolhidos a edsa de detiDcSo
os individuos seguintes:
A' minha ordem, Benedicto, escravo de Antonio
de Carvalho Paes de Andrade, por andar fugido ;
Vicente Espinheiro e Manoel Raymundo dos San-
tos, como sentenciados, a disposicao do Dr. juiz
de direito das executes, o pnmeiro vindo da pro-
vincia da Bahia e o segundo do termo de
Goyanna. ..
A' ordem do Dr. delegado da capital, Sebastiao
Rodrigues Coelho Maia, por disturbios.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Vi-
cente Lopes de Oliveira, Olympio da Costa Mon-
teiro e Manoel Joaquim Nogucira, por distur-
bios.
A' nove e meia horas do dia de hontem tentou
suicidar-se dando um golpe no estomogo, o preto
Jose, escravo de Alve3 de Brito & C, negociantes
a rua do Livramento n. 12, da fregueria de Santo
Antonio. Da vistoria e mais diiigencias que a tal
respeito procedeu o respectivo subdelegado, veri
ficou se que 6 referido escravo praticou semelhan-
te acto por soffrer de alienacio" mental.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. cora-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia -0 chefe de policia, Anto
nio Francisco Correia de Araujo.
(AGENCIA AMERICANA.]
Purl* S O governo frame* r*n-
trahlo um i-iupn-tlniu eon* o Bun-
co de Franca para cobrir o DEFICIT
da oreamehlo.
Liverpool t.-ilgoiiiio do Mara-
nhuu 3 1 a 19 1/5. de *. Paulo *
1/9 a i *. da Parahlba 1/9 a
9/8 i vomlas race!*. Cafe de Nuntoh
90. e do Ceara nn Cacao da Ba-
ma m mil. Assucar da Bahia IO
a 19 1/9.
JLondres 8.-ConitolldadoH 99 1/-Ii
fun (Ios brasllelros lOl 1/9 i cinco
por cento rrancex 99 9/8. cafe 83,
vendas facets.
Antuerpia. -O mcrcado de cafe
iiiiiiinua llrmr. Venderana-se 1550
saceos. aendo 539 do Braall. a pre-
en de SIO de Santos.
' Rio Grande do Nul Nallio nojc
para Pernambucu o palhabote bra-
sileiro ROSITA carregado de xar-
qae.
Rio de Janeiro 8. Stercado Inal-
terado.
Hurst 8 as 9 h. e 90 m. da manhn.
- Chegou bontem a nolle o paquete
a merIran o Ml-:lilt IMA CK. procedente de
\.-\% York. por 8. Thomas, e segue
hoje its 4 horas da tarde para os
portos do sal.
Para 8.Mercado inallerado.
COHHKRCIAKN.
Loadres *. Consolldados 99 9/8
clneo por cento braslleiros IOI 1/9.
seis pot-cento do L'rnjrnay si. seix
por cento Arf entlno 89 1/9. A Ulti-
ma lava do deseonto e de 4 por
cento.
Liverpool "5.-0 mercado de ala;o-
dao esta quleto. Venderam-se hoje
flS.OOO fariios. sendo floo da Ame-
rica do Sul. O depoMito leva-se a
9H.OOO fardos. O de Pernambuco
FAIR a 8 1/4 d., e o de. Santos Idem a
8 3/1 d.
New-York lambio sobre i.on-
Mres 1-8* 1/9. OurotlO. Cafe do
Bio de Janeiro FAIR 90. Algodao
medlano UPLANDS 19 1/8 c.
Hambarfo 9 .cafe de Santos bom
-ordinario (GOOD-ORDINARY) de 81
a 89.
Loudres 9.O mercado de cafe es-
ta Ornaei mas menos activo. O do
Bio bom. ena vlataaa. AMaeai1
mascavado bom de Pernambuco n.
8 18/.
New-York 8. Cambio sobre i.on-
dres 1.88. Ouro HO 1/9. Cafe FAIR
.i.i Rio 90. Algodao mediano UPLANDS
7 Ms.
Liverpool 8.Mercado dc algodao
lirme. Yesderam-se lS.OOO fardos.
sendo 800 da America de Sul. O
de Pernambuco FAIR^m 8 li-l. e o de
Santos idem 8 3|S d.
I.orulres 8.Mercado de algedao
quieto. Yenderam-se 9.000 rardos.
de Santos por ./ -l'.'')/i/.V,l de 80 1|9 a
8lqualidade boa FINE ORDINARY.
Havre 8. Deposito do cafe......
19 3,000 fardos.
Paris 8. -Agita-se de novo a ques-
tao do embaixador para s Ksta-
ilos I niclos.
Berlina 8.Seis bispos acabam de
ser condemnados por dcsobedlen-
cia ;is lets do paiz.
Paris 9. O governo vai tomar a
inicialiva para o reconhecimento
da rebublica liespanhola.
Bio de Janeiro 9O bispo dO Para
foi hoje re co a hi do a fortaleza la
ilha dsts Cobras, para cumprir a
pena si que foi condemnado. A prin*
ecza imperial esta restabclccida.
( AGENCIA TELEGRAPHICA HAVAS-REUTER. ]
PABLAHENTO INIfiliEZ.
IiOndres A noite.-O parlamen-
to inglen foi hoje prorosado. A men
sagcut da ralnha declara que o go-
verno tem bastante energla para
sustentar relac&es amlstosas com
as potenclas estrangeira*. manter
os tratados. revel-os. livremente,
aceeitar ou recusar as dellbera-
c6es que. sendo tomadas pelo con-
gresso Internaelonal de Bruxelias,
na sua presente reuniao. lhe forem
communlcadas. no sentido de meios
a empregar para restabelecer a
ordem em Respanha.e flnalmente
abster-se de inter vir nas pen den-
Clas estranhas.
RKC'O^HKCIMKSTO BO OYE B-
NO HESPANHOL.
Paris 8. O marecltal Mac-Mahon
esta em %'ersailles com o dm de
responder a Castellar que alii o es-
pera para ohter o reconhecimento
do governo de Hespanna.

Hani .-Bas folhas amerlcanas,
trazidas pelCMEnnZlMCA'. eonstao sc
guinte:
Teve lugar em Paterson uma grando re
vista do exercito republicano, & qual assis-
tio o presidente Grant, Houveram muitos
discursos o entre os oradores sobresahio o
Sr. Robertson, membro do congresso.
llouve um desencarrilhamento no trem
da estrada de ferro entre Boston e New-
York,
A cidade de Chicago acaba outra vez de
ser victimada por urn grande incendio, que
devorou-lbe quinze quadras com 1700 ca-
sas.
Chegou & Portsmouth o ponto extremo
do quinto cabo telegraphico submarino,
que liga a America do Norte & Europa.
Na ilhadeCubacontiniia ainsurreicfio. Os
patriotas cubanos, apezar da perseguigao te-
naz e despotica de que sao victimas, prose-
guem resolutos, defendeado a santa causa
da emancipacao politics da sua patria. Ti-
nham apparecido guerrilhas nas visinhan-
cas da Trindade. 0 capitao general, go-
vernador da ilba, fixou o typo do ouro em
140 para pagamento das conlribuicoes mu-
nicipaes, e telegraphou para o governo de
Madrid, afim de que approvasse o novo im
posto de 3 8/0 sobre os capitaes, que foi ap-
provado. Em virtude do decreto de que
acima falldmos, que Gxou o typo para
o metal cunhado, focharam alguns cambis-
tas as suas casas, e os bancos descontam i
titulos commerciaes pagando tres partes em
notas da emissSo do novo decreto del 1/2
por cento de contribui^So extraordinaria
sobre qualquer producto liquido de proprie-
dade.
No Mexico havia socego, segundo noti
cias recebidas do PaciQco.
Terminaram as operagdes de guerra do
Japao na Bahia Formosa, ficando a China
obrigada a pagar as despezas da guerra.
Londres 9.Consolidado3 9 3/8. Fun-
dos brasileiros 101 1/i. Cinco por cento
francez 98 3/4.
Havre 9.Venderara-se 400 saceos com
cafe, sendo o do Rio a 100 francos e o de
Santos a 106. Venderam-se igualmente
1,000 saccas com algodao, sendo 600 de
procedencia brasileira, o de Pernambuco a
99 e o de S. Paulo de 94 a 95. Deposito
157,000 saccas, das quaes 9,000 doBrasil
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 1C DE AGOSTO DE 1874. .
Motlciaa do sul do imperio.
Chegou hontem o vapor francez Rio Grand*, tra-
zendo dalas : do Rio da Praia 26 de julho, do Rio
de Janeiro 4 e da Bahia 7 do corrente. Alem do
que damos sod a robrica Recista Diaria, encon-
tramos uui jornaes o que segue :
BIO DA PBATA.
A tentativa de assassioato contra o negociante
Lanas, de que os neuot leitores ja teem notieia,
levuu ao extremo a indignacao do povo de Bueoos-
Ayres, victima indefeza dos assassinos que, na
(rouxidao das autoridades ou na ineflScacia das
leis encontraram impuoidade. A imprensa come-
('m a reclamar providencias contra nma situacio,
cujo paradeiro nao se pedia prever ; o corpo com-
mercial propoz que se tiiesse uma grande reuniao
popular, em que se dehberasse sobre os meios de
dar a populacao de Buenos-Ayres garanlia de vila
e de propriedade.
E' incontestavel que a extraordinaria excita^io
politica por que ultimamente tem pasiado a povo
argentine, e principalmenle a populacao da capital
couiribuio polerjsamente para esse estado anor-
mai. Encerra-se nesles faclos uma licao.
Ainda nao cessara a excitacao de que fallamos. i
A imprensa mitrista aconselhva que nio se en-
tregassem as actas das eleifoes para presidente da
republica, a que se procedeu nas provincias de
Bueuos-Ayres, S. Juan e Santiago, onde venceram
sem comestacao os amigos do general Mitre. Por
ouiro lade os amigos de Avellaneda e Alsina ins-
la vain com o ongresso para que fizesse a apura-
cao das elei;uas quanto antes.
A camara dos deputados no estado oriental dis-
cntia as inoJitiea.oes propostas a lei do empresti-
mo.
Era tambem alii mnito precaria a seguran;a in-
dividual e reproduziam se co ji temerosas frequen-
cia os attentados.
Fiira Apresentada ao congresso uma proposta
para construcfio de uma linha telegraphiea entre
Buenos-Ayres e Martins Garcia.
N'uma missiva de Buenos-Ayres lemos o seguin-
te :
c 0 Sr. Anacarsis Lanus negociante muito rico,
e membro muito influente do partido do general
Mitre, mora n'uma sumptaosa casa, na esquiua de
duas mas, no quarleiras mais populoso da cidade.
Um porno largo da entrada para a casa ao en -
trar encontra-se logo as entradas principaes e o
quarto do porteiro em seguida ha um pateo e no
(undo uma escada de servijo que conduz a eozi-
nha, e ha um outro pateo em cuja extrimidade se
acba a sala de jantar.
Nesta ulUma esurt o 3r. Lanos com us seus
fillios e um sobrinho tomando cafe. Eram seis e
meia, pouco mais ou menos, quando um dos filhos
vendo sahir de um quarto interior dous homens
desconhecidos, avisou loge o Sr. Lanus; armou-
se este de uiua bengalla e o filho de um revrolver,
e dirigiram se para os desconhecidos que os rece-
herarn com dous tiros de trabuco, errand j feliz-
meote o alvo. 0 Sr. Lanus, porem, nio perdenda
a serenidade de animo, perseguio com a saa ben-
galla os dous intrusos, que fugiram pela escada
principal, e o joven Lanus descarregou tres vezes
o seu rewolver, que negou duas vezes fogo.
Ao pe da escada foram recebidos por outros
dous bandidos que descarregaram outros dous ti-
ros de trabuco sobre elles, sem o ferir tambem. ,
Na rua um quinto individuo descarregando a sua
arma, ferio na cabe;a um moQo da visinban^a que
linha accudido. Em seguida fugiram os cinco
bandidos, perseguidos por a'gum tempo pelos fi-
lhos de l.auur, sem qu: um agente de policia vies-
e embargarlhes os pa=sos. Ao voltarem para
casa os Srs. Lanus sem emprehenderem como os
baudidos tiuham podido penetrar em casa sem ser
presentidos pelo porteiro e os demais criados, acha-
ram logo a ui-ie decifranao do enygma. 0 portei-
ro e um moco deestribaria erttvaa amarrados e
amordaQados; scguindo os Srs. Lanus pelos pateos
e subindo a escada de servigo, viram na parede de
dous em dous metros os ves;igios dc uma mao eo-
sanguentada.
i No alto da escada uma lagja de sangue de-
nunciava a consummacao de um crime ; am rego
de sangue .-ahu do soales-close ; abriram a porta
e recuaram cbeios de horror I Eslava alii o cozi-
nheiro da casa com sete puabaladas e a cabe^a
quasi separada do corpo.
t Eis aqui o que se tinha passado. 0 porteiro
achava-se seniado perto do seu quartinho e quasi
adormecido, quando se lhe apresenlou um homem
vestido decenteraente e perguntou lhe se o seu
amo eslava em casa; o porteiro disse que estava
jantando, e o homem retirou-se, mas pouco depois
tot nou a voltar com quatro outros, que rodearam
o porteiro, impuzeram-lhe silencio, araeacaado-o,
alaram lhe as maos e os pes, e amordacaram-o.
Em seguida dous subiram a escada principal, um
ficou no quarto do porteiro e os outros dous entra-
ram pelos pateos. N'um delles encontrou 6.moco
da estribaria, que tambem amarraram e amor da-
raram, subindo depots a escada do servico.
No alto desta encontraram outro criado que
tambem principiavam a amarrar; nesse momsnto
sobreveio o cozinheiro que arrojou sobre elles e
pagou com a vida o seu valor e dedicacao I Sete
punhaladas deram-lhe os assassinos e depois de-
gollaram-o e atiraram-o no soales-choseL Duran-
te tempo os outros deus, que subiram a escada
principal tinbam sido descobertos; os seus cum-
pliees ouvindo os tiros julgaram qne o Sr. Lanns
tinba sido morto, e fugiram, salvando-se assim mi-
lagrosamente o aggredido, que teria sem duvida
succumbido se se visse entre dous fogos.
Com a raptffe do raio correu a terrivel noti-
eia pela cidade imeira, enchendo todos de herror o
de indignacao.
Qual tmba sido o lim deste attentado t 0 de
roubar a casa do bomem rico ? Nio podia ser esse
porque nao faltava na Ja nos quartos em qae os
dous bandidos tinhaai permanecido durante alguin
tempo. A luta politica, qua durante tanto tempo
tern agitado todos os partidos, fez logo suspeitar
que era ao contrario daquelle a que pertence o
Sr. Lanus, que se devia attribuir a autoria do cri-
me barbaro. Diz-se que os assassinos tinham sa-
hido da galleria do congresso, para consular a
sua obra nefanda, apoiaado-se todos para isso na
circumstancia de que na fuga, tinham tornado a
direccao do congresso e desapparecido. Como
e natural os orgaos do Sr. Dr. Avellaneda repelli-
rara com indignicao semelhante ecusacao, bus
cando uma explicacao do crime na circumstancia
de ter recebido o Sr. Lanus uma carta anonyms
na qual era amercado da morte se nao entregasse
quinze mil patacdes.
A policia que nao apparecea senio muito de-
pois do attentado,devendo notar-se qae ooites
antes sempre tinham estado na esquina da casa
quatro soldados de policia,descnvolveu depois
muita aciividale ; poendeu varies individuos, eu-
conirando em poder de um delles uma (aca com
mancbas frescas de sangue; mas aenhum dos pre-
sos, cjnfrontalo com o Sr. Lanas e os criados se-
parecem com os do attentado.
0 Sr. Lanas orTerecea um premio de ceo m I
pesos a qaem aaxiliar a capturar um do;, crimi-
nosos.
Fallecdra o general Caraballo, que tomou pir
tc importante nas lutas political da republica.
, Fora expedido um decreto em data de *3 d > pas -
-

V\


.
<
*.



" ~w
>*
>tM-3fljBfeii,n. mini inmj.
Pernambuco gbguiita feira 10 de Agosto de 1874 ^.
... i ^t^mt MllMlfTTT -------------__________._______________^_^__
(^,
*
I
iado, desermtailBdO qae ?e aFra emTj!g_ qg_agosi)_ TitiftOWoi i\ agncuiV.ri. omm^rcio e obras pq- Vlc-tllo, prcgoauf dc, pJC0 da Panel'a : .
do anno proXi.no fulurn, t,a ca, itdtWHr*##*ri.:# 4flTITH
c/iu de i)ra(ti4liV9tr'co!as e ind
btJMIfe DE Un!;iuo.
t) senado-nCfflLJ do corre'nie, approv-su cm
lerceira disca'^WJrojceio coaoadende Urn aneo
ile liceuca arJIIMCfic de- carwlhe lues de Au-
drade, com dons tercos dos venC m.entos.
Tendo sMo approvadosjior essa_c*nura <-'m '-."
ce.ra discassao os
jnry o sobre t. metr
nao o Bzeram iw
a camara dos dep
N Camara
d corren'.a, apre
guinla resmerime
sc.rvac.ocs do Sr. in
rado a padido (
Re |ueiro
Vernopelo niir
,doau
,ue~
irfWWf
e!" ftS-M-M'1*-" *"**< di agnean.:,ra. ommorc
[;M',ftar4^flificAj(i mem A daws
cstriaes, % 1 -^'or.dmoio^de Jl dpjulfio :
t-'oi noon ado 2 rirurpia > rt.i corpo
exerSilo o do&tor'em hie-ifciaa' IV-lra
Almeida Santos.
Foi iraasfesidopara,o oomrnandu da (Si halt
lhao do infinlaria o lenente coroncl do 13*da nies-
ma arma Domingo* Alves Barreto Leite.
Passoa a aggravado a arnaa a quo orrtcnee o
yofessora da Citnceican 0
:o a presidencia do
e Aft dos aiuranos r,ue
devJJ. I'.tam rcmetiidoa
no dia primeiro
drigo Silva o se
de algumas ob-
icaitura, foi ruti-
.tM4J|li.V |ijM*>brW;btaulma Ayres.
jV uido il". | ^^i-unl *c Kirerro. Pr,
T.ibt'iro dc, preuCencIa ''.j'jyuvinoia. do 5 da c<
nfmeados paflPsctvirem iuieriujiuei..,
Caniiio aJer'fgueircdu o lugar de escrivao,
nymo Serrelra Codno, o de fiel do almoxarifado
lRTiirma:; >es ao go-
fcoteira sobre :
4.' Se esta (iaio o prazo pata se dar comers
-a coBstruccae de docas no porto de Santos.
2. Se nc easo alHrmaliva, pieiendc o goverao
conceder nova prorogac;ao desse praao.
i- Em t 4% wgaOa dn \8S\.Rodf/go Silca.
Fuird.imcnt.nl depois a Sr. Fl .rencio de A'jpen
a segainte remierimenlo, qae (lioa adiudo, 'feito antes ilgjraas ceBsidera^jes o Sr. mini-tro
da jui?a, e south rcje.tvla a jrgeacia pedida
ptlo aotor do reqaeRtueuto para qae sua discus-
sIio pro.-egyisse :
Re^u-jiro [uese pec,a. a> govrno pot inter-
medto '.j iBinbtra do iinpeno :
t 1." Cjpia io avis-., do tiK'stv.' -.ivnisterio, ex-
pedtttQ n:n II da tnmt proximo jass-t'Bi a pre-!den--j
ria traurilinariam^ate a retp^ciwn j^- mtifca !eg-l.tu-
vajjura TOlar o o-(j.iin-nij, presideccia, dasigiiui I. i* par* se proc^dec a
fl.'ifio e pttt?d'H pr.w9wie>.
Q>'Si* i$i *cu*. il^isicto d; rtiies de pac a
qua se pr-icwtra Tia !re,:vr;.,i da "Estreltai w. re-
is-rtii prov-meia d-j Hki-ir:ilo do Sal, da efltcio
da prcsidencia que as kct>paobf e dos que diri-
gicaru'tinmeiro ;uii Ac f>nz d^'Taqaary, a respctU)
uaqueiU elei^ao, cm datii de-37 di levereiro e 18
4l[h u:n de a^.o de 167'. FtormciO de
Aim?* a
iu .".,HiiiJa teadd oblido urpt*a;ia per Jez mi-
n:aas, v Sr. Theodurs dn Sika cnvioJ a mesa, de
putt de algjiDasckjervaroes. uui rorjiieriinento da
.'.ssociarat Cjc.mercia! buneficeato dj Pernain'a-
Cd, pe I in J.i ;t ryv*g*pAo la lei daquella provio
ota de de jaulw deste anlio.
Oceupua-ae dopoi? a wruara com -a djscussao
uniou do prf-;eL't-j i;ue concede au <;retario da
provincia do S Paulo, Jiao Carlos da Sil*a Telles,
sua aposei)Udna c na u urdepaiJ qee Iha cum-
pelfr.
Orou o Sr. ICartiabo Campos, ficaada a disous-
saj adiS la.
Por uiliitM <:-inlinno < a 2." diseu?sao dj orej-
caeiuo il i ntur.sLi-rin i! i itnperio.
Oiaram us Srj.'Il ictta Lt-a >, Pereira d. Pilva e
T.ir.jaimn do St>ri'.o. A disoussao fieoa adiaOa
peia l.i la.
Foi a| resfcalada a seguinte eraetfda :
AciToscente se wn on 3 i, depois das pa!a-
vras-L,CfU d; arti-s u ofllcios -as seg-jintes : t-,
E;.v'a Normal oreada nesia Cbfte por infciativa
particular e c lo nao cxistir eslab-.leciuicn!o igiial eread-i por
!, ln;o:)'*,iK)() -elvand4-se a wil.a a 20 WAM.
^ < Em I d agost >! 1-374. Ucmctiti Gra&i,=*
CiiH&idoSliuia.Perciia Franc-j.J. A Climes.
Hockh'LeSa -'Setfr.aCmtra.
t-nente do l rft-'imeftto do cavaM.-.na
Jertco RaJrigoe* detSRvoira Vereza. dc conform
dade com a Tmrr diata e imperial resoluc-So de
\c julho d". Wc, t^mada sybre consulta do c-jiise-
Iho spTctti<> mitar.
Foram concelidas as honr^o posto de 2 ci-
rurgiao do corpo de sadde do eitr.rcito, na forma
da imniediaia e imperial rcsoltipio de22 do refe-
riJo TC7 de jollio ultimo, tomada sobre consulte
do tjaaselho sffpremo militar, ao doulir em ine-
ifcina Antonio Manocl Alves do Reg), em atten
^aoacs huos servic.es que pnastou na carapanha
do Paraguay, durante a pideoiia do oholeft-mor-
bus. ^
Foi reformado com osespectivo soldo por inteico,
cm vista do que dispoe o 3* do piano qnv baixou
com o decreto do 11 de dezemhro de ISlo, o sol-
dado do 7" batalbio de infantaria, Joan Alexandre
Itif tista, vi*a uao s eontar mais de 36 amtos de
sorvico, eoooo tambem por achar-se incucaz de
t.r pot
' eorprti
meow
mmsti i owsa
os paJoc- nte dc tat]
|tado.qu)acp.n(nniafl*Mu.UBiibli.|PBlrMiiA,Ktrsa fore* pablica Ho ataq.re
n.itrad.,s por cav^nroaajfoda ;rova leyado.a^nltimosxcondnios tot #ndiciasa<. r pr cus caraotews -
Sf. duquc dc C^XiBS)
do arsenal de giu-rra.
I ;na.H munli iyal 4 Hoelfc-Peta numero deontros
geir.i Fre- presideacia da prflvincja foi expedido o segainte
ccntinuar no mesmo servii-o, em coasequ.-acia de durcm liquidus em barn* ou aacoras, qua(qer
M_ji dias i e 1 nao liouve sessao.
Nj dia :il tie joliw, as G i/2 boras da tar.l', f.ii
o Sr: 0. H-ginio I'n.it-j reecbido por S. M. o fm-
peraior, ou pac ^ cidid'*, em audien-.ia pablica
de aprcsenta$Su, e eutreg'iiao mcsmi angustt se-
nior a raria que < acredifa na qualidade de en-
viad. cxtraordiaario e ministro plenijotenciario
do Piragaay, proann:ian9d 3seguinte disearso:
Teniio aaievada h.nra de dep isitar sias iiiai;
- de V. M. Inpi.-ri.il a c.irla de-cfeiipi*jiela qual o
cidadau *ice;Bretdcnle da reJablicaai Paraguay,
m cxercioio do polcr <:xecutivo Ja na.;.ao, dign u
se acreditar-me no car.icter de envi .do extraordiaa-
rio e ministro plenipotcncia io em mi&ao especial
junto ao g.c-erno de V. Mage.-tade.
Os Ft-ntimenioi amlgavcis i|ue animam o f>-
3rao do Paraguay em r^la^lo io imperjo do Bra-
wl, nio sao e^ranhos a Vossa Magestadc ; e mi-
nh^s palavras oao iuJerao dar ina > f..rcj a no
area expressves da minha credencial, betn como
as demoastrajoes do meu governo.
Pela mialia parte procurarei ser o fid inter-
pret d.is iKteutoos d-i meu governo, e merecer a
ftenev. leacia e oonfunca de V. Uagestade, f.uen-
do, eutrtlani.', vjtus pela prosperidado do imperio
do Bra.-i! e do aagu-to raonarcha.
S, il. o Impeiador rs ondeu :
Agradeco m.iito a men gr^nde e bom amigo o
prestdeate da npublica do Paraguay esta nova
prova de yiia afleicao ; e confio, Sr. ministro, que
vossa mKsao coacorrera para estreilar cada vez
mais os viu.-n'os quo t.io lealmente unem nossas
patrias.
Por decreto dc 23, foram removidos :
0 jui.'. de dirt it) Joio Francisco Daarte, da co-
mar.-a de Analia, de I.* entrancla, na provincia
das Alagoas, para a dd Caruarii, de 2' entrancia
ni provincia de Pernambuen.
U iv.il d : Jireito CoMolioo Barboxa Cordeiro,
da eotaarca da Imperatrii, de 1.* entrancia, na
Drovia.-ia do C:.ira, para a de Iiapiracurii, de 2.'
iitraHfia, ua provioeia da Baliia.
Cuiz iii;ini-.ipil e de orphaos Agostinlio Maxi-
mo Nogucira Penido, a seu pedido, do termo de
Lavras para o da Konceicao, ambos da provincia
de Minas- Ojuiz municipal e de orphaos Antonio Maximo
Nogueira Peaido, do termi da Caoceicjio para
tie Lavras, ambos na provincia de Minas Geraes.
Foram uomeaJcs :
0 liachiarel Antonio Francisco da Costa Ramos,
para o lagar de juiz de direito da eomarca da
imperatriz, na provincia do Ceara ; ficando sem
cfleno a sua nomeacao anterior para a eomarca
da BDperat.'ir, na provincia das Aalgoas.
0 bacbarel Jo.5 Francisco de Araujo lima,
- para o lugar de jniz de direito da eomarca da
Impratriz, iia prooincia das Alagoas.
O bacharel lo&a Tavares de M.db Cavalean'e,
par^ o lugar dejuiz municipal ede orphaos do
temo do Pinned, aa provincia da Parahyba.
Antonio Pereira Catilma da Silva, para o lagar
de secretario da relaelo de Cuyaba.
Maaoel Teixeira Coelho, para o Ingar de escrip
turario, servindo ne secretano, da policia, d?. pro
vincia de Matto-Grossi,
Foi declarado sem effeito o decreto de 25 de
abril deste anno, que nomeoa o bacharel Antero
Fernandes Carvalbo de Oliveira, para o jlugar de
juiz municipal ede orphaos do termo de Cabo-
Frio, no provincia do Rio de Janeiro, por nao ter
aceitada a nomeacao.
Foi a sea pedido, exonerado Antonio Pereira
Gatilina da Silva, do lugar de e9criptarario, ser-
vindo de secretario, da poli^la de Matto Grosso.
Flz-sa merce da serventia vitalicia d .s odicios
para que foi provisoriamente nomeado pelo res-
paaftm presidente :
A' Vicente Licino da Costa Campello, do offiiio
de soiieitador de capellas e residnos, de defunlos
e anscntes do termo da capital de Pernambuco.
Foi eommutada, em prisio peruMua com traba-
Iho, a peua de morte imposta a^^scrava Maria
Ifaymnnda, em virtude de decisao do jnry da villa
da Batalha, na proviacia do Piauby, por crime de
homicidio.
Nao foi agraeiado oreo Miguel Angelo Marques,
condemn id. em 1 de sctembro de 1873 a pen a de
6 aano9 tie pr4sao comtrabalhn, era virtnde di de-
cisao do jur-y da capital da provincia do Para, por
crime de homicidio, commettido a 21 de julho de
1872.
Por despacho de 31 de julho, foram nomeados :
OrtLiH de &. Bfntode Aviz.Cavalleiros.0 ca
pHao de rear e gnerra, Arthur Silveira da Motta,
o capi.ao I*cirorgiao do corpo de saude do exer-
cito, Dr. Juw Caadido da Silva M^rici e o japitao
do lm batalbao de ;.rtitheria, Honorio Jose Teixeira.
Order* da Rota. Commendador. G teneate-
coronel da guarda national da proviacia de S. Pe-
dro do Rio Grande do Sul, Joaqnim Gomes de Car-
valbo, era attencao aos relevaates servicos preeta-
dos na guerra do Paraguay.
Cavalleiros. Camilla Siivino de Carvaiho, da
provincia de Minas Geraes, peloa relevantas servi-
cos prestados ao euado, e em relajao a guerra do
Paraguay ; e AdolpUe Vaillant.
Fora n naturalisados subditos porlugaezes Dr.
danoel Joaquim da Gama, Francisco ManoeJ dos
baatos, Joapiim Antonio Maia, Joaqaiai Goaeaives
iJastos Mouteiro, Mc.aoal Jose de Azevedo a Silva e
Jlemigi-j Jose' Halaqoias ; o subdito austrtaco Dr.
Carlos riertelend e <: allemao Jorge Carm.
Por portaria cie 29 de julho, concaderam se
tinco meie* de licenca a Maaoel Pereira Kois, en-
genheiro ao lervico da commissao da carta geral
do imperio.
Por decreta dti Qi de julho, fai exonerado a
feu ped do Nona Aivtn Pereira e Sonza, do car.
4trimentos recebidos era coi.bate.
P r portarias do 25 do duo mez de julho 'ft-!
cam nomeados :
Mumno? pensionistas de pharrnacia militar da proviacia da Italia, Rodolulio Marcos
Theophilo e Xorterto da Silva Ferrax Junior.
Jjapiim Marian, Pinto Bezerr'a, para o |ltwrar
de porteiro d; arsenl de g-.ierra da mesma pro-
vincia.
Foi exonerado do commando t'a fortaleM dos
I'.aiones, na provincia de Santn-Tatharina, o affe
res reforrnado do exercito Joao Leite ltibeiro de
Salles ; e n nneado para sirtwtitai-lo b capitSo,
tambem rifjrmado, Josi FraSClsco da Si'.'a'Gui-
raaraes.
Conceiie-.-se a Luiz Pereira de Luna V!asco a
!emis.-a que pe lio aa lugar de amauuense d hos-
nit.il iiiHitar provisorio do An-'araiiy, *eo*Ub n nnea-
do para snbstitui Io PoJro Evar.geiista de )grfi-
ros S ivao I, iDalO.
Maui usj Hear sem effeito a portaria de 11 de
jnoho proximo pa-sad >, eouledendd troc eiRre
si de corpos aos tf-neotes G-: i>io ServaU Alves dc
Araajo e Joiio Kvangclista Leal, este do 16 e
aquelle do 9 batalliio .le infantaria.
Foi transferido do 17* para o 7 batalliio Ca
dita arrfia o teneate Melanio dos Reis Pereira do
I. ago.
rte 28 : Foi transfer lio do 3" para n 2' batalbao
de artilheria a pe o Ic teneate H&a-Jel Apngio d-;
S.uza Guimaraes.
Ik' 20 : ConccJeram-sa ao praticante do impe-
rial ebservatori) astronomico Manoet Pereira dos
lie.",--, cincc- mezes >!e liceni.-a. sem vpr.ctmeDt^s, pa-
ra ir a provincia do Hio Gr.-m-l; do Mii.
De i do correnteinez : Fti nMn-a-lo o capibi>
refurinado do exercilo Enzehio Goings de Argolln
Fcrrao j-'ara o lugar ik' direct'-r da cnlonia militar
Casecos, na provincia do Hio Granle do Sul.
PassousetilttJ> habilitan-le o bacharel Jose
Antonio Gomes, ao cargo do juiz de direito.
A alfaudega reu'Jea Je I a 3 do corrente...
:i7r^'ioi!M7.
Ims as noticias commerciaes :
0 roergado usleye |x.co activo e opresentou
means tiruiPza do que nestes uiunus dias. ECfec
luaram-se tran^ac.oes menos que reeulares sobre
Lao Ires a 2"> 3|i d. papel nancario, 2*! I3|I6 e 23"
"18 d^ paitrcuur, e sot^re Puns a 3"0 is. |>or
franco.
Kegociou-sc uui iote regular de sobo.raoos a
'Jiiitl, a dinh'-iro.
As applies geraes de Co,0 .oolinuarani a raos
lrar-e linnes aos prc dinheiro. Das d.i eraprestimo nacimal do I8f>8
foram n-gociadas lOOa i:0i7j, a iliulieiro.
Nada se fez no lueroado de ac^oes.
a As veaoas de^ca'e fjrarn insignilicantes, e as
de assucar />< punas, para consumo.
u .\ao se elfecl iou I'relamento algdm.
i-:-Piii:To SASTO.
Ka Moritiba segundo r-fere a Ordmt da Ca-
choeua, u ii grupo de indiv.dms. aruiados da ca-
cetes, panliacs e f.icoes a^jgre-liram n'nma dis
ru:is priDoip:.?, da Arraial, 0 eidadiio Pedro Ki-
beiro Sa.npaio, naocousiguiu.lo a>sassiaa-lo gra-
<;as ao soecorro que Ihe prestaram diversas pessoa's
que logo acudiram.
No mesmo lagar tambem o cidadio Eutropio de
tjisiro Lima escapara dc ser morlo por Manoel
Pereira, que Ihe desfecliara urn tiro de rewol-
ver.
IA se no Kspirito-Sanlense de 25 do passado :
No priicipio deste mez, segundo nma carta
que '.emos do Cachoeiro Itapcmirin, na fazooda do
Deserto Feliz, um neto do major Povoa, de noiae
-Mm el Ribeiro da Silva Povoa, voitaodo da roi;a
e vendo saliir do matto um lagarta em freale ao
cavallo em i|ue vinlia mmtaJo, quiz mata-b, e ao
tirar do bolso da calc-a um rewjlver que irazia,
mas qae se achava cr.n a bocca para cima, este
disparou, empregando-se o tiro pur baixo da cos-
tell a falsa em dtreccao ao esophagi, pcrfurando-
Ihe os puinioes.
0 infeliz falleceu no fim do. quatro dias, se
guudj nos consia. Era um b llo moeo, que na
via cursado preparatorios, e linlia abandoaado ssuo
estudos em razao de alguns sodrimeutos byjisi-
COS.
BA1IIA
A assemblea provin;ial proseguia em seus
trabalbos.
Foi nomeado proraotor publico da eomarca de
he to
4." sccolo. Palacio da [*esidencia de Per-
ambuco, am $ da agosto de lOTfc-0 preMfcute
a proviucia, scb proposla da iltushissi ua caaiara
municipal Aa Recife, couatante do olflcio a. di, de
19 de julbo proximo liado, rtsolTe, de conformi-
dade com alrt. 2* da lei de 23 de outubra de
18il, ajipiwrar provisoriaaaeute e raaadar i|oe se
exocule e o'serveo regulaiiieuto a postaras abai-
xo traaaorlpto :
i Icf.o> os anuazuos, depositos, casas de' aego
io estabeieeimento daindustria de qualquer ua-
tureza qae sejam, Axes, volantes ou ambuMnte!,
uiide se eompru euigross.o ou a retalhu mcrcado-
rias ou g-ncros solidos ou liqaidos, que scja ne-
cessario pe-ar oa ntedir ; tidor os iadividu
A'euderem pelas ruas fazenda3 ou mercadorfis'de
qualquer cjualidada, nao exceptuando leite, Jpel,
rno e os uijliuctos uieJfeoa uo Hu de-Ja-
neiro, Dr. Jos* Lins Pereira Junior e Dr. Joaquim
Jose da SilvaiVinto, deixjndo a margen um sem
'.otvtl-S. f-vWiujevaaitaio b Dr. Danlts e outro olllcial ;
ro by.** morreu tfi sofdaJo e outios recebufam' fernnen-
us ja pul
lo
irar
(sdo
de importaa-
Iquer a neeei-
i-utivoda erf?
que ^eja a especie do coaliueote oa conteudo, o
<|u se servu ein de reguas, qualquer qae aaja o
laniaohc du materia, cotao sejam os carapinas, pe-
iiMf*, e'anteos, veiMledorrs dd gi'deiras qtiaes-
quer uuiros que dclLis se utilisarem por eflfUade
sua pR.flssa'j, ofQcio ou industria :
u Sao obrigados aier pesos ou medidas aferila^
segundo u systema melrico decimal, decretado pe-
la lei n. t,i.57 do 26 de junho de id*2rc iu-vue
<;5es qu'e Paixaram com j aecretj n. o,U8J de 18
de setembr de 1872.
< A af. ricaj dos pesos e medidas sera feita pela
camara municipal ou por empregados seus, com-
missionados ueste servfeo, pela qual cobrara sse-
!_T-.i.-i.tt taxas :
Art. 1.* Pur cada niedida de raelro ou regua
que tefllia diius metros 'de'eomprimento do us mil
reis, por cada metro ou frace>u de metro que ex-
ccder mil teis.
Art. 2.* Por cada kilograrama de' pesos cem
res, e por peso men or ieis.- .
Ail. 3. Por cada balacc^ que supportar.ate o
peso de qainheutas grjniinas mil reis ; dita que
su^iporiar atii J,atento* kilogrammas dous mil reis;
Jitaijue supportar ale trezentos kilogrammas ciu-
co mil reis ; dita que supertax mais de trezeatos
kilogrammas dez mil r^5is. >
* -Art. 4' Por cada vuzilba que ter/ir p*ra. nie-
dida de seccos. oa Lquidos, ate a capacidade de
d.ms litres com ieis; por cada dous litros ouTfac-
jao ipie excedei man cem reis.
1.* Neahuu! estabeieeimento iixo ou ambu-
laote podera deixar de ter pela menos cinco medi-
das, deiJe a de dous litros ate a de meio deci-
liiro.
| 2.*, As lave.rn.is e armazens de. generos ali-
meuticios sa"o okMiarJos a ter tantos ternos, o^afn-.
las forem as unajulades de iiquidos quo estiverem
a venda.
Art. 3." As ancpras ou barrisque forera em-
pregadps na venda ou coudjucfio de Iiquidos' de
qual paer qualidade, pagarao quinhentos rclJ' ca-
da um e nao Beam sajeitos. a revisdo.
Art. 6.* As estagoes publicas, das e-tradas de
lerro, o matadouro e o nursajo ou outro qual-
quer esiabelecipaealo municipal, estao sojeitos a
Abrantes o bacharel Mauoel Jeronymo Goncalves.
Nos nltimo3 dias reinoa na capital e seus
irredores, inclusive o mar, forte temporal.
A nova admiojstracao da sociedade imperial
Monte Pio dos Artistas licou assim organisada :
Presideute-Mathias Tavarjs dja Gama.
Vice-presidenteJose J)rge"Luc-as Pinto.
! secretario-Manoel Jose Soares.
2cdito-Ezcquiel Epiphaoio de Cirvarbo.
Recebedor-Esmerio de Oliveira llrandao.
Archivista Manool da Nalivilade Moutinho.
Visitadores-Balbino Francisco dos Anjos e Ro-
berto Jose Correia.
Ferminou, na faculdade do medina, o con
curso para provimento da cadeira de pathologia
externa.
Instruct-fto pulillca. Por portaria da
.--------presideneia da provincia, de 6 do corfbite, foi
ote cliefo desecc*a da secretarla de est.tdo dosjereada uma cadeira do sexo feminino em Pedra,
REVISTA DIARIA.
Camilla iinpeaial.Sobre o estado de S.
A. Imperial a Sra. D. Isabel foram pubheados os
seguintes boletins : '
A3 mtlhoras de S. A. a princeza imperial pro-
gridem rapiJamente. Foi -a noite de hoatein Iran-
quilla ; samno reparador por cinco a seis horas ;
ligeira transpiracao geral pela madrogada, Duran
te todo o diaconservou-se S. A. em estado satisfac-
terio ; e neste momenlo (10 horas da noite) esta cal-
ma, sem o menor sollrimento, e prestes a conci-
liar o somao. E.udo gerifl optimo. Bora appeti
te. Traumatismo dos orgaos muito favoravelmen-
te modificado. Comecam a dissipar-se quaesquer
appregensSes sobre o estado de Sua A.teza. Pa-
lacio Isabel, 1 de agosto de 1874. -Dr. Franciscj
Ferreirade Abreu.
As melhoras de Sua Alteza a Priacez Impe-
rial progndem rapiJamente. Tendo passado tran-
quularaenle a ultima noite em somno reparador,
couservou-se durante todo o dia, o ate esta hora
(10 da noite) em condicoes mui lisongeiras. Esta
da geral optimo. Traumatismo dos organs em via
dacara. Teraos por isso a satistaci) de annua-
ciar que se di3sipam quaesquer apprehensoes so
br o estado de Sua Alte/a : e nao tardaremos
provavelmenle a declarar a princeza em plena
convalescent. Palacio Isabel, 2 de agosto de
1874, as 10 boras da noite.Bamo de Santa ha-
bel.Dr. Francisco Ferreira de Abreu.
a Sua Alteza a Prineeza Imperial acha-se em-
fim, graca* a Providencia, em coodicoes' inteir*
mente salisfactorias, nab so emquanto ao estado
geral, mas tambem em relaeao ao estado local, fi-
caado o seu organismo, qae apeoas reclama ainda
algucs poquenos cuidados, em condifoe* normaes.
Desdeesie raomento declaramos Sua Alteza lm-!
deaial em plena convaleseenca, pelo qua nos eon-
gratula/nos com o paiz, nada restando dos sens
soffrimentos, alera da dolorosa reraiai.'eeneia da
morte de felo, accideoie alias auaunciado om tem-
po, antes de qualqaer intervencao cirurgica, e que
felizmente nada teria polido acautelar. Suspende-
raos am consequeacia a publicacao de aossog bole-
lelios. Palacio Isabel, 3 da agosto de 1874. Ba-
rao de Santa Isabel. Dr, Fratitisco Ferreira de
A breu.
aferieaol
a /trt. 7.,_Todas as medidas e pesos aferilos es-
tiio sujeitos a /-cvisao, pela quaj sera nobraJa me-
lade das iaxas ieteruunadas nos artigos antfece
denies.
Arl. 8. A afaricao effectuar-se-ha durante
03 mezes de outu'bro a dezembro e a tevisao de
abril a jnnho.'
' A'C ''' A falta de aft-ri-.-ao ou revisao sera
punida Com as mulias detenrtfnadas nas instruc-
pdes que(baix-ra n com o decreto' n. 3.089, de 18
de setembro de 1872 e exaradas nas posturas abai-
xu tratoc(i,da5 :
Art 1u E' prohibido o nso de pesos e medi-
das que nao sejam os do systema afetrico decirrlal,
decretado ua*lei ds 26 de junho de 1862 e ins-
trucc/Vs qu haixaram-com o dscreto de 18 de
setembro de 1872. Os infractures seran punidos
pela priuicira vez com prisao por cinco a dez dias
on nitilta de dez a vinte mil reis, e nas reinciden-
cias c in dez a quinze dias de prisao ou mulia de
viaie a triuta inn reis.
Art. 2 Na mesma pena iocorren aquelles
que usarem do> pesos ou medidas do systema deci-
mal para venderem pelas denominaci5es antigas.'
Art. 3." Os apparelhos actual mente emprega-
dos para a ilinminacao por meio do gar. serao con-
servados com lauio que uos reciboi se mdique a
quantidade do consumo, na uuidade antiga e na do
^ystema metrico.
Art. 4* Os ajiparellms ou iostrumeatos, como
os areomelros, alcojlinetros ou outros empregados
para dclermiuar a quauti Jade de malarias, que
c.iu.-t.!iiriu o valor do produclo ticara sujeitos a
a'terifao
Ait. o." Fica prohibido o uso de pesos ou
medidas que nio estiverem aferidos, ou cujjs ca-
rinbosou maicas sejam falsas ou alleradas. Os
iufraclores serio puuidos no primeiro caso com'
dez dias da prisio e quarenta mil reis de multa, e
no segundo caso com quinze dias de prisao e cin-
coenta mil reis de multa, na conformidade do art.
;: da lei de 26 de junho de 1862. Nas reinciieu-
cias serao dobradas as penas. ^
t A camara municipal podera commissionar
empregodos para aferir pesos e medidas nos esta-
belecimeatos, pagando-se vinte e cinco por cento
Dais do imposto da aferir^io, e nomeara uraa com-
missao de seu seio para inspecciooar esse- ser-
ViQO.
Ficara revogadas as disp isii.-fles em contra-
rio Henrique Pereira de Lucen'a. o
(jiasa^'iaiaa ilt-st.i diocese.-Como
fora convocada pela Uniuo de 8 do corrente, effec-
tnou-sa hontem na igreja da Gloria, pelas 5 horas
da manha, a reuniao das pessoas concorrentes a
ida, em romaria, a cidada de Oiinda, aiim de ahi
assistirem, na igreja cathedral, asolemnidade da
consagragao de nossa diocese ao Santissimo Cora-
cAo de Jesus.
Em numero de 5,00 a 600 pessoas, depois de ce-
lebrada uma raissa naquella igreja, dasfilou o gru-
po romeiro a seu desliuo entoando canlicos S3gra-
dos, e teado a sua (rente arvorado um pendao re-
presentativo da idea que o animava.
No ponlo cc niinante aos limites dos dislrictos da
Boa-Vista e Santo Araaro, dispersou-se a parte cu-
riosa da multidao.
PAMHaiueato. -Em 29 do mez proximo fin-
do, falleceu o Dr. Francisco de ArauJ9 Barros, juiz
de direito da cidade de Areia, na provincia da Pa-
rahyba.
Filbo desta provincia, onde se bacbarelou em
sciencias sociaes e juridicas, seguio a carreira da
magistratura, onde bem se houve nos cargos de
juiz municipal desta capital, e de direito em diver-
sas comarcas.
Cora assento, por vezes, na asserablea legislativa
desta provincia a na camara teraporaria, revelou
intelligencia e dotes oratorios,. que Ihe valeram a
considera^ao, qua gozava.
Politico railitante, ao morrer achava-se a istado
sob a bandeira liberaL
Vtini*.isaiioM. Hontem completou 29
annos de iJaJo S. A. o Sr. duque de Saxe.
Amaoha cjmplelaau se 47 aattta qua foram.
creados os cursos daac*euciai juridioaj .e sociaes
nas provincias da Pernambuco e S. Panlo.
E' esse dia tambem o do anniversario da adhe-
sid a independencia do imperio do Brasil pela pro-
viucia do Para.
Telcgrapho Terrestre do Interior.
Comeca boje a funccionar. a iinba telegraphica
do Pilar das Alagoas para a cidade,d9 S. Miguel,
custando os tolegramraas os raouno"? precos que
para Miccio ou Pilar.
Bociuii<-aio.~Oj Srs. Alves de BriUo & C,
declaraiu-nos por carta dauda-de 8. do corrente!
uaj puiisucer-lhes, mas sim ao capitao Antonio'
Francisco d'Assu l'eieira, 'morador. no termo de
Pauolla, e aciualmeuie hospede dos mesiuos, o es-
cravo Juse, que teatara suicidar-se, e cujo facto
iioticianjos^m Jiesso numero desie dia. Permit-
lam S. S. qae Jhes lembremos, que tal esclareci-
meiito denam tel-o preslado oppprlunamentti a
lulioia.
Preservalivo da cryMipeia.,Recom-
mendamos a leitura de nossos agsignantes a publi-
cacao qua, na seccao copipeteota desta ZJiai-w, faz
boje o Sr. bacharel Manoel de Siquewa Cavalcan
te, annunciando que, pelo governo imperial, foi-
Iha autorisa-Ja a vend! do peeservativo da erysi-
pelt inedicamanto especiBco, por elle deseoberto,
a custa.das mais acuradas investigaijoes no-louva-
vel proposilo de ser util aos sens aemeibaates.
0 preservative da ei-ysepela estacoroade dos ma-
Ihore* successos, e nao e muito qae digamos, que
aotualmenta o esta jnsdicameqlo a unico a qae de-
em moral bastaulcs a
saria .onfiaaca uos effe
sipela.
Applaudindo a victoria dos esforcos do Sr. ba-
charel Siqueir* Gavalcanie, temos-l *e trlbutado a
considcra5o de que ( digno todo aquelle que con-
segue, miaorar de qualouer modo que seia os ma-
les que aUtfOem a hunmnidade.
Kxanaeai prrparatoi'ios para a es-
roia de mHriniia0 lOiaisteriu da mari-
nha, em 24 de julho, expedio o seguinte aviso ao
direclgr da escola de niarinha :
A lei n. 2,066 de 30 da setembro de 1871, na
generalidade em que e a disposicao especial do ait. 17 da regulamento
desse externato, ficando, portanto, evidentemonto
revogado esse niesmo artigo, a exlensiva ao exter
natoa doutrina do aviso que em 13 de marco do
corrente anno foi expedido pelo aviso do minista-
rio do imperio a directoria da escola central.
Neste presupposto, teado ouvido o canselho naval,
e dehberando a respeito do requerimento doou-
vinta do primeiro auno da escoui de marioha Jose
Nuues Uelfort 'juimaraes previuo a V. S. de que
deve ser cousiJerado ralido paTajis devidos effeitos
de admissao a matricula o exame do geographia
piest.do par ; juelle alumno peranle a directoria
da instruc^ao publica nesla corte. 0 qae a V. S.
commuuico com refereacia ao seu ollicio n. 26
do 17 de junho proximo lindo. Deus guarde a
V. H.Joaquim Oelftno Ribe.fj da Luz.
a'arifa. a inspectoria da alfandega da cor-
te foi dingida a seguinte portaria :
Ministerio dos negocios da fazeoda.-Rio de
Jaueiro, 29 do julho de 1874.Declaro a V.S. em
resposta ao .seu ollicio n. 43z de 2J do mez cor
rente, que a ajleracao feiu pelo decreto n. 3,6.80
de 27 de junho proximo fradu, no ait. 163 da la-
rifa publicada com o de n. 5,380 de 31 de marr^o
oliira >, refere so unicamente as taxas e nao a ra-
zio dos direitos a que esta sujeito o mesmo arti-
go ; virlo que, teudo-se conservado esies, uao era
possivel attribuir ao cha valor oSlcial qae elle nao
tern. Vi\condedo Rio Bianco.
luiucoes iiihei'i'iiii-N ao cargo de
nromotor.0 ministerio da jusuVa, em 31 de
julho, dirigm o seguiute aviso ao presidente da
pro.viucia do IVio GranJp do Norle :
i lllra. e Exm. Sr,Teodo o promo or publico
da eo.nuca de Mossoro suscilado duvidas om
rcferencia aos art-. 22.9 e 236 do reguiameuto n.
120 de 31 dejeiro du 1842, e 22 g f 42 S 7." e
44 do UeiMMtia- 4,8.24 de 22 de novemuro de
1871, V. Eflc|> decidio pelo modo seguinte :
Que ftpfjMHO de nio poder o juiz de direito
comparewira alguin dos termos da comar:a,
para presidir a juuia revisora da li.-ta dos jura-
dos, nao inhibe o promotor de ir tomar parle uos
trabalhcs da mesma junta, como um de seus mera-
bios ; neiu da obrigagao do promotor de acompa-
nhar ao juiz de direito, se ip.fere.qpe sdmenle eat
couipanlua deste possa tile .-abir do termo ie sua
resideucia, para o deseiupen^diW funccoes inhe-
roates ao cargo : deveudo, porem, no caso de im-
pedimento, ser subsiit'-ado o pro:qolur pelo seu
adjunto, coiifonne dispoa.o arj. il: do citado de-
creto de 22 de ooyemb/o do 1871
t Qae seado a compeicacia materia strili juris,
nao e licito eslender, ao supplenle do juiz raani-
ipal uo exercicio da jurisdic(;ao plena a faculda-
de qae o art. 44, ulpnia parte do citado. decreto
conlere ao propno juiz elleclivo, de declarar ao
promoto', quan-.lo liie trauiraiUir o inquorilo po-
liciai, quo requeira ao ro.'peclivo supplenle, aliia
de encamgar-so da inslruc;4o do proce^-so.
(iue. nao d^pertde de inquertw. a ubrigajao
do promotor de 'deauueiar e promover a accao
crimiual quaado o lea estiver pre-.i e o tenha si-
do era Ragraote deliclo, a vista do art 22, pri-
uicira parto do citado decrolo, porq.iu na prisio
do delidqueuie commelleudo o crime oa fagiudo
perse^qulo pelo clamor public^ tern o promotor
motivos suflleaies para basear a deauncia e olTere-
ce la no prazo de cinco dias, presciudiado do in-
querito que em toJo devera ser feita.
Foram appruvadas estas decisties de V. Exc,,
juuUS por copia ao seu ollicio n. 89 de 14 de mar-
{o ultimo, coaviudo, porcin, qaanio asegunda, ex--
eeptuar o caso de.impediment.) legitlmi do sup-
pleute do juiz municipal no exercicio da juris-
diccao plena ;. e accrescenlar a ultima decisao
que tambem qao depend* de iaquerilo a denuncia
do promotor, quando o crime for notorio, como se
deduz uos arts. 22, 2.* parte, e 40 do c.talo de-
creto n. 4*824 de 22 de uovembro de 1871.Deus
guards a V. Exc. Manuel Anlonio Dturle de
Izcvelo.
Sectariog de Haiarcr. -A .Y<;cmo publi-
cou os seguiuies lelegraminas :
Porto-A'egre, 31 de iulho.Foram o? colonos
que relrocederain, e delles saoos rnorlos e fen-
dos. A forca nao alacou. Os seiiciosos conser-'
varam-:e occullos. Consia que dous dalles mor-
reraiu.
Porlo-Alegre 31 de julho. Voltou hoje para
Jaguarao o 3. balalbao. De S. Leopoldo nada de
importante. Reunem-se os colonos contratados.
Os sediciosos nao sahiram do seu es-coudrijo.
a Porto Alegre, 1 do agosto.Hoje apreseuta-
rara-se ao chefe de policia cinco sectarios Jo Man-
rer. Consta que fizeram de ;!aracois que garan-
lem o fim desla luta. Jacobina Maurer esta no
matto proximo a casa com 12 dos seus adeptos,
Ageneia Vclegrapliica America-
na.Damos em seguida di versos telegrammas
que esta agencia reraetteu para o Rio de Janeiro,
e dos quaes nio (ivemos conhecimento.
Rio Grande do Sul 1 de agoslo, as 9 boras da
manha.0 paquete nacional Corumbd pordeuse
em Maldo'nada. Os passageiros saharam-se.
a A's 3 horas da tarde.0 paquete nacional
Corumbd, da companbia nacional de navegaoao a
vapor, coramandado pelo capitao-ieuente Jose Ma-
ximiano de Mello e Alvim, tendo a 11 or do o
praiico Carvalbo, perdeuse totalmente na madru-
gada de 23, na praia Rocba, devido a cerracao
qae fazia e as fortes correntes de agua. Salva
ram-se todos os passageiros e tripolanles.
a Londres as 10 horas a io minutes da manha.
Conlinua hoje a discussio na imprensa com re-
ferencia ao negocio da llespanha. Diz sj : -a
governo frapcez declarou que enlraria em qual-
quer acoordo para reconhecer a llespanha, se tal
resolucao fosse loroada pelas outras potencias. 0
casco da fragata brasileira Independencia, soffreu
alguraas avarias na operacao de ante-hontem.
Parte da couraca precisa ser roparada. 0 navio
vai passar por um exame. Falla se em uma con-
ferencia dos embaixadores estrangeiros. Sobre a
esquadra allema coatinda a correr que se dirige
a llespanha.
c Londres as 4 boras e 10 miautos da tarde.
Em resultado do exame a que se procedeu na fra-
gata encouracada Independenci reconheceu-se
que as avarias sao muito mais serias do que se
supponha. 0 navio, tendo pegado na carreira,
adornou, alem de ficar cum toda a couraca de urn
lado abalada, soflreu muito no fundo. Julga-se
que nao soffrera concerto. 0 capitao de mar e
guerra Joao Mendcs Silgado, enearreg.ido pelo
governo brasileiro de aeompanba r a construccao
da Independencia, exige dos construclores a del
execucao do contrato. A fragata estava segura
contra risco de lancamento. Os conslrnctores
promeltera cumprir o contrato e precuram descul-
par o sinislro com a razao de ser o navio de pro
porcoes extraordinarias. >
a Paris,!' de agosto, is 9 horas e 13 minutos da
manha. Na sessao da assemble* contiauou hon-
tem a discussao .dos projectos constilucionaes. A
maioria, rejeitando o project.) de dissolucao, aceita
a escolha de uma commissao de 23 membros para
funccionar duranre as ferias. Anuuncia-.-e uma
interpellagao sobre o reconbecimento da llespanha.
A esposa da D. Carlos passoa a fronteira. Dorre
garay nega o fu:ilaraento dos oGQciaes allemaes. >
c Madrid, 1 de agosto, as 11 horas da manha
Parece qua d sobre Mpnte Mura que sa dirige o
movimento do exercito. A guarniQio de Bilbao fez
um reconhecimento ate Arbolanche para repellir
os carlistas, que se avisinhavam da praca. S.egui-
rtm mais reforeos para o norte. Prirao de Rivera
vai tomar a commando do 3 corpo. Conlinua o
desanimo na bolsa. >
c Pais 2 de agasto, as 9 horas da manha.De-
pois de rejeitada a proposta de dissolucao, a as-
semblea, tendo consellado o governo, aeeiton e vo-
tou o adiamenlo aid 3D de novembro. Foi rejeja-
da uma proposta para ser levantado o. estado de
sltio de Paris. A' commissao permanente que tern
de funccionar durante as ferias ssra confiada a
coatinua?So dos trabalhos sobre a organisacao dos
ultimos projectos oonstitucionaes. 0 arcablspo dc
Paris faz publicar uma pastoral, na qual e acre-
mente censurado o governo italiano. 0 governo
francez nao approva o procedimento de monte-
nbor Guibert.
tos leWJs. Mofreratn a-tanaiica-Jacobin* e mats
dnas mulheres. 0 Dr. chefe de policia esleve nas
proximidades do/FerrabrcZ, na occasiap do ata
que ^m
I.ondrea,.3de agosto, as 10 horas/e 40 minu-
tos da maoSi. Segondo a opiniao dos peritos, o
casco da fragata Independencia polejajgar se per
dido. Dizedl|tie, tendo soffrido grandafavvarias em
toda a parta inferior, ;6 procedeotose a uma
coajdeta r^Ura^So podera o navio flcar em con-
dicoes de segoranea, e em lal c.i:o julgam prefeii-
vol a sua reeonstruccSo. Parece qayvai proce-
der-se a novo exame por conta da nmpanhia dc
seguros. Os conslrnctores mostram-te dispostos a
cumpnrem o seu contrato, aceitando a opiniao
dos peritos. Ja daclararam quo a fragata sera ro
conMruida, se Hear demonslrado que nao poJe sof-
frer uma reparacao satisfatoria. A perdi para
elles nao e tot^l, as cooracas e nma- parte do ca-
vername podem aproveitar se. 0 lacto deu aqui
lugar aversoes curiosas. Por noticias de Franca,
sabe-se que a assemhlca da Versailles approvou a
convencao postal com o Brasil. Dizem de Bru-
xellas qua no sul da Europa se tern contratado
immigrantes com destino a ptovincia do Espirito
Santo.
Paris, 3- de agosto, as 9 horas e 10 rainutos
da roanba.-Dii-se que a maioria da assemblea
aceilou o adi.mento, mediante a declaracio do go
verno, de que se opporia do um modo' energico
conlra qualquer tenutiva de restauracao por par
te dos bonaparlistas. Farara excluidos os mem-
bros deste partido de f3zer parte da commissao
permanente, que licou composta do 16 monarchis
las e 9 republicanos. A assemblea approvoa a
tonvencao postal com o governo desse imperio.
A commisjao do orcamento declarou que cmse-
"(.uira entrar "em um accordo com o Banco do Fran-
ca sobre a proposta da reduccio de 30 oti'hSei de
francos. A imprensa censura' o governo na quev
tao da pastoral dj arcebispa de Paris. Neste do
cumento monsenhor Guibert accusa o governo ila-
liino de proteger as manltestacSes que tiveram lu-
gar em Roma contra a Santa Se. As folbas cle-
ric iea defendom a conducta do prelado.
Madrid, 3 de agosto, as 11 horas e 30 minutos.
A bolsa esleve mais animada no sabbalo a tar-
de e parece continuar Hoje. Telegrammas dc Lon-
dres dizem que a opiniao al i era favoravel ao re-
conhecimento da Hespanha e contra o procedi-
mento dos carlistas. Provem lalvez daqui a.ani-
inaci). 0 governo apoia a attitude do ministro
C unachQ.: para augmentar a receita i.ai ve ou-
tro recurso senao os impostos. Do norte nada do
importaucia. Castellar e Zorilla accordaram nas
bases de uma uniai repoblicana conservadora.
Ilartzfeld volta a Madrid. Os navies das estacoes
navaes e.-trangeirasdirigem-se para o norte.
t a's 4 horas da tarde.Hoje continuou a ani-
macao n< bolsa, Um telegramma reecbido de Pa
ris assegara que os govarnos da Franca e da Alle-
manha foram consultados sobre a opporiunidade
de reconhecer a Hespanaa e se uostraram favo
raveisailea. Outro telegramma falla do accor-
do cttabetecido entre os governos do ires grandes
potencias para o mesmo fim. Provavelmenle a
Ingliterra, a Allaraanha o a Franca. Espera se
amanha o presidenta Serrano, para assistir ao con
selho de tninistros, Neste ponto as versoes sao va-
nas.
Conselho supremo militar.Ni ses
sao do 1* do corrente foram julgados os seguintes
processos :
Exercito.Soldados, Jqao Ferreira do Nascim-n-
lo, accusalo dps crimes de fenmeotos e homicidio,
condemnado a morte ; foi conlirmada a sadlabfa ;
Maaoel Ignacio.accusado deerinM de desercio em
tempo de guerra, e condemnaJo a morte ; foi re-
for'uuda a sea!en;a em dous anaos de trabalhos
publicos : Jos6 Ramos de Sant'Aaaa, Pedro Ale-
xandrino Diis, Bernardo da Costa Forte, Jose Lo-
pes Ribeiro, Antonio Pereira da Silva, Joao Marce-
liuo de Oli?eira, Mtnoel Uermrio de Vasconcellosv
Franciscj Jose Manuel, Joi) RjJrigues Ferreira e
Wenceslao da Silva, aecusalosdo crime de la-de-
sercSo simples e condomnados, cada um a 6 me-
zes de prisao ; foram conlirmadas as sentoncas :
Manool Antonio Pedro, Antonio Estevao de Mello,
Francisco Pinlo da Costa Lima, Jo:6 Pedro "la
Silva e Jese Louren^o da Silva, accusados da cri-
me de 1* desercao aggravala, e condemnados, ca
la um em um anno de prisao ; foram conlirmadas
as sentences ; Jo^ Lopes dos Santos e Manoel
Prinsilivo dos Santos, accusados do crime de 2'
desercao simples a condemnados cada um em 2
annos de trabalhos publicos; foram conlirmadas
as sentences : Manocl Zacharias de Oliveira, accu
sado do cn.ne de 2' desercao aggravada, e con-
demnado a 4 annos de prisao com irabalho ; foi
conlirmada a sentenca.
Armada.Grumete Pedro Manoel da Lima, ac-
cusado do crime de iosuburdinaeao e condemnado
a um anno de prisao com irabalho ; foi ^forma-
daa senlen?a em dous annos de pri-ao com Ira
balho : grumete Manoel Felippe Santiago ; accu-
sado do crime de 4" desercao simples o cm lemn.i-
do em um anno de prisao ; foi conlirmada a sen
teuea : imperial marinheiro Joao Antonio de M >
raes, accusado do crime de 3 desercao simples
e condemnado a um auno de prisao ; foi confir-
mada a seatenca.
Piedade filialLe-se na Gazeta de Cam-
pinas, Je 30 de julbo :
Innocencia. escrava de D. Anna do Amaral,
apos loogos trabalhos, codseguio junlar a quantia
de 800*000.
a Reuaido este fracto de en or mes fadigas, talvez,
a de inliadas boras de paciencia, a boa creatura
tratou nio da sua liber Jade, porem de obter a de
sua rnai Polyeena, o que conseguio pela dita quan-
tia.
Kleici'to do Cabo.Na camara dos d pu-
tadds foi lido e manclalo impri.air para entrar
em discussao o seguinte parecer:
c A' commisssao de con-tituijao e poderes foi
present-; a anlhenlica das actas da elei^ao prima-
ria a que se procedeu em 18 de agosto de 1872,
na parochia do Cabo, pertencente ao 3 districto
eleitoral da province* de Pernambuco, e tendo ve-
riflcado que o processq eleitoral correu regular-
mente, e sem reclamacao alguma, e de pareci-r
que esta elei^aoseja approvada, e reconnecidos
os poderes dos respeetivos eleitores.
a Sela das commissSes da camara dos deputa-
dos, em 1 de agosto de 1774. Freitas Henriques.
Horla Burbosa. a
Supremo Tribunal de JuNtira. -Na
sessao do 1 de corrente foi julgadaa
Revista civei P. 8,487. De accordaos da relacao
do Maranhao. -Recorrentes, Theodora e seus lilhos,
p.r seu curador ; recorndo, Firmrao Jose de Son-
za. Jnizes, relator o Sr. conselheiro Couto e revi-
sores, os Srs. Costa Pinto e barao de Mont'serrat.
Nio toraaram conhecimento da revista por ter sido
manifestada fora do tempo legal; vencendo a pre-
liminar do conselheiro relator.
Armada nacional.Em 25 de julho ex-
pedio o ministerio da niarinha :
Portaria nomeando o capitao de mar e guerra,
Manoel Luiz Pereira da Cunha para commandar a
divisao naval do Rio Grande do Sul.
Idem nomeando o capitao-tenente Arnaldo Leo-
poldo Murinelly para commandar interinamente o
encouracado Colombo.
Iiem concedendo ao I* tenente Jo-e Victor de
Lamarea exonera^i) que solicitou do commando
do vapor Silveira.
Idem nomeando o capitao tenente Jose Volasco
da Fouteura Pereira da Cunha para commandar o
vapor Silveira.
Hiitpo do I'aru. -Segundo noticia o Diario
do Rio de Janeiro, no dia 3 do corrente seguio
para a fortaleza da llha daj Cobras o Exm. e Rvm
Sr. bispo do Para, afira de ahl cumprir a pena de
4 annos de prisao simples.
Kmpresa Loeomotora Pernambu-
cana.Enceta hoje esta empreza o servico de
transporte de carga na cidada do Recife.
Itinheir*.0 vapor Para levou de nossa
praca para a do Caar.a 11:933*130.
0 vapor Rio Grande trouxe para Joaquim
Jose Gongalvei Beltrao & Filho 11:000*.
Para a Europa.Com 10 recebidos em
nosso ports levou o vapor francez Ida Grande 222
passageiros.
Bnaino pubtico. Darnos hoje em nossa
oitava pagina o projecto, apreseniado na camara
dos deputados pelo Exm. Sr. minis'ro do imperio
neorganisando o ensino priraario e secundario.
Rocomraendamos a sua leitura.
Reforma eleitoral.Na sessao da cama-
ra ^os deputados de 30 de julho, foram apresenta-
das as -seguintes emenda- :
t 0 artigo segundo do projecto 6 sens paragra-
phoa primeiro, segundo e terceiro, com as emen-
das respectivas da commissao, substituam-se pelas
seguiates:
ArL 2: As juntas parochiaes serao eleitas pe-
los eleitores da parochia, votanlo elles om duas
ceiulas fechadas, contendo cada uma dons aomes,
com o rotulo : para raesarios-para supplentes.
**l,s PflJPV'0' scriio decia-
,< piui is ; os 'Uiatro mais vota-
mrs uiti sribMitdfd|. Imme.LaU-
iMfce*.j* tm-Jtt* elegera. |
radffl inc.
das pfa;
meni* depois imiw
rqai'iria d volo^ a'prosiamie e iras s biliiulo*,
votaudo em duaa culuias fe:aadM,ODntendo a pn-
nleira um so aorae, com o roiuio : para presi-
deute ; e a segunda trcs nomes, com o rolula :
paraguh ,:"-''i- -^"mm*
0 president, BiesartiM e sou subsiiiutos de-
verlo ter os requisitos axigidos para eleitor.
t Esu eleicJio sera presidida-felo juiz de paz
mais Vutado ties dias antes do A-ignado para o
comeco dos trabalhos da qualiltaafln, lavrindo- uma acta, na cmfoi midade do art. Io da lei de 19
de ag sto de 1846, e mais dispjakSes em vigor.
C.onvidadosos eleitos e coHBluida a juu'.i, o
juiz de paz entregara ao respeetrvo president o
resultado dos trabalhos preparatories, acompa-
nhado das listas parciats de uitr:ctos, e dos mais
documeutos e esclarecimentos ordenados por lei.
Nao havendo tres eleiiores pelo menos, oa no
aclo da convecacao, ou no aclo da organisacao da
juula, por morte, ausencia f!'ra da proviucia, mu-
danca ou nao compareclmenio, o juiz~aVpaz c5rJB-
pletara aquelle numero convo.-aado ou coovidando
supplentes de eleibres em numero suflicien.e. Na
falla ie supplenles,serao con^ocados oa convidaOoe
para semelhaute (lm os juizes de paz e seus itnme-
diatos cm votos ; na falla de uns e outros, cidadaos
com as qnalidates de eleiio., e todos promiseja-
mente farlo a eUi^ao. De igual modo se prece-
de ra nas parochias, cajo numero dc eleitore; if
inferior a ires.
5 I." Se a parochia nao liver eleitores oa -i.p-
plentes por ler sid > annullaJ.t a elcicao dos da le-
gisiatoaa corrente, an por uao s haver effe?iua-
do a elei'.ao, ou por nao estar approvada pei.> p.-
der competeate, serao couvocidos os da leg'siatu-
ra anterior. Na falu absoluta deste*, o jniz de paz
reo rrera .i lists Jos voudos para juizes de .z
do qualriennio corrente ; e em sua falu raeoi ri r*
a tres cidadaos com as qualidade* de eleibr. Na
parochias novaiueute creadas serao conv..cad m
eleitores ou supplentes qus ahi miiirasa d;J- a
d^ta do proviiiseotu eaoootco, com o eosaptaa Mo
indispensavei at6 perfazer o numero de ires, s^
aquelles na i at'.iagirem este numero.
2.' Para vtnlie.tr e apurar os irabaihw das
juuias parochiaes, consiituir-sd ha ua sede de ca-
da municipio nma junta municipal, comput/a do
juiz municipal ou sub>titut. do juiz da direito, co-
mo pre.-iJente, e de dous membros eleit s jieios
vereaJores Ja camara, em ceJuias, conten Jo um
so no.-ne. No mesmo acto e do mesmo aadoae-
rao eleitos dous sab.-tilutos. 0 pre*idcate da jun-
ta municipal, nos muuic piaa que nao sao haaao*,
e o supplenle respeenvo do juiz muuicipal. Nos
muui ipios de que Iran a segunda parte d-> ait.
34 da lei ie 19 de agosto de 1846, a junta ana -
eipal sera organisada cu.uo ahi se JispOe.
S3" No impedimenta a* falta do preniJ. nie da
juula parochial e -ubslitutus, os mesarios clegero
Jcutra si um para presilecle. No iiiipedim
ou i.illa de qaalqii'-r dos iii!jari)s e s-^us sub^ii i-
t'.s, a mesa se compleiara na forma do an 17 Jo
decret> n. 1811 Na faiia ou impedinento da !o-
dts os mesarios e seat sub-tituto', se observ.ra a
J saosto no art. 4 do decreto u. 2,021.
O mesmo se pr.licara para supprir a fa
membros e suhslitutos eieitos das juntas u.ur:: i-
paes.
No 8' supprimase as palavras : e
duos.
_ 27 n. 3 substilua se a emenda da cmimis-
sao pela seguinte : supprimam-.-e as palavras : e
proprietarios.U. Gra-; J. Henrique*.
RevisUa. Ilcccbemos o 6* numero da que
publica a AxsociacAo dos Guarda-livros do Rio de
Janeiro. Conlinua dcsperlando o inasuio in.e-
resse.
Propa^udora da iuxirurcao. Prc-
ducto dos billictes passados para o ci.n:eri j de 4
de julho a benclicio do eonirlho director dessa as-
seciacAo, na pikrocliia do Poijo da Panella
Treuspoite
Dr. Manoel do Nascimento Machado
Porlella
Dr. Arminio Coriolano Tavares dos
Santos
Coronel Coriolano Velio o da Sil-
veira
Dr. JoSo Barbair.o Ucboa Cavalcante
Dr. Alvaro Uchi-a Cavalcan(e
Dr. Joao 1 i.aiz Ribeiro iia Cunha
Vicente Ferreira da Poreiuiicula
Capilao Antonio da Itocha A. Lins
Major Antonio Jose Alves de Bri'o
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
Auioaiu Domingus Pinto
Dr. Anionio Waliuvio Pinto Bandeira
Accioli de Vascmcellos
Dr. Claudia) de Araujo Guira;raes
Franc sco Gurgel do Amaral
Francisco Iguacio de Oliveira
Capitao Galdino Antonio Alves Fer-
reira
Juiio Furstemberg
Jovino Baudeira
Cainnendador Jose Pedro da Sil.-a
focd Mendei de Freilas
Jose Nogueira da Souza
Jose Francisco Cai ne ro
Manoel Jose Alfonso
Manoel da Azevedo AndraJe
Marcolino Jose Pupe
Nuiua i'ompilio
Pedro M. Maury
Capifao Jose Francisco Lavra
Antonio Jose Rodrigues de Souza
Dr. Antonio Hirculano Bandeira de
Mello Fiiho
Antonio Francisco Pereira de Carva-
lbo
Capilao Jose Antao de SuUia Maga-
luaes
Bernardo Carneiro Mouteiro
Alfonso Rodrigues da Siiva
Dr. Francisco de Paula Penna
Narciso Jo^e Mouteiro
Jose Antonio de Souza Baslos
Decio Augusto Rodrigues da Silva
HyDpolito Jose Rooerio
Henrique de Sa Lei tao
Joaquim Fehp>e da Costa
Joao Pereirajjua Cunba
Tenente coronel Decio de Aquino
Fonceca
Cypriano Jose Velloso Vianna
Maaoel Maranhao Maronhao
Tabelliao Luiz da Costa Porto Car-
reiro 10*060
Manoel Mart ns Fiuza I0*HM)
R. C Ballerbee 10*000
1:203*000-
MtfM
IO40M
10*IA")
3*11>)
;.*ow>
i:oo
3*U0O
3*00)
5iOo.J
6*000
3*W0
3*000
5*000
5*000
5*i-Oi)
:.*ou>
5*000
iioou
:.*t;oO
35000
50M
5*v00
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
3*C00
5*000
3*0 JO
3*000
5*000
5*OoO
5*Oli9
5*000
5*000
5*000
5*000
5*(O0
5*000
5*000
5*000
5*000
5*000
1:531*0,0
Imprensa.Receberaos o primeiro numero
do periodico rehgioso denominadoCaridade- a-
ja distribuicao ao publico c gratuita.
Senado.Recebemos e agradecomos a oiTer-
ta de um exemplar do disenrso pronunciado no
senado, por occasiao da discussao do voto de gra-
mas, pelo distincto estadista o Sr. J. J. Teixeira Ju-
nior, na sessao de 23 de junho ultimo.
Gaseta Juridiea.A- livrarias desta ci-
dade acaba de chegar o n. 80 desta revissa, que se
publica no Rio da Janeiro, contendo artigos sobre :
successao in capita; adjudieacao, sira, terrenos dia-
manlinos, hypotheca de heran^a, testameolo, acfio
de manuteuoao, ludo em vista da leg.slacao civil;
recursos em materia commercial; e jurisoroden-
cia portugueza e franceza.
imaN novai Hauiass. Segundo refere a
Hespanha Calhulica, esta em vias de resalver-e a
canonisa^ao do mais duas novas sanlas haspaabo-
las; a da veneravel Anna Maria Taigi, falleeida em
Roma em 1837, e quo predis-e a elevacao de Pio
IK ao pontificado, quando este era simples raissio-
nario uo Chill'!, tondo principiado ja o process... da
beaiilicacSo em 1862 ; a outra e da veneravel Eli-
sabeth Canori, que falleceu em 1825. 0 pcelados
a cujo exame foram submettidos estas processos
de bealilieicao, prestaram juramenio solemne no
dias 4 e 5 de julho, perante o cardeal Patfizzi, vi-
gano de Pio IX e prefeito da Sagrada Googrega-
rao dos Ritos, pelo qual juramenio se obrigam a
guardar, sob pena deexcimmnnhao, laiee semen-
Ua, o maior segredo sobre os pregressos das caa-
sas e seas resullados preparatories uas caagrega-
coes dehnHivas.
Uma crianea assassina.Perante ..in
dos tribunaes de Londres comparecea a semaaa
passada um rapazilo de dez annos de idade e tao
alto qaemal.chegavacom a cabeca a barra do
tribunal. Este innocente era accusado de ler mor*
to com um tiro de rewolver uma cnada de nome
Angelina Hoy, a qual contava vinte e dons aaaos.
0 jury, teodo ie esperar pelos resullados de um
inquerito encetado ja, deterrainoa qae os parentea
dojoven assassino prestassern uraa lianca de 100
libras sterlinas, obrigando-se a apresentar no tri-
bunal o acmsado, no dia em que tivasis de ser
julgado defioitrramente.
PomT Ha poucos dias, um Jornal madnleno
publieava, em uma carta de Park, as seguintes
linhas:
1
r

"
\
:
v




t
I WIHOR EXEMPLAR ENGONTRMO
]
^r



X-

z::
zs-rr
M r-,.^m^>^ &
risienses. .-. """" "* -m^-^^r
* l^j4r!?RU*Jtt itlrs rapaa lavrador,
19f fnUs Mtf idate, i |tiJrn&fo# HMcHaWs
irS ffofrrspondfkci.. .
mi; no>camjoj^jfcfttf'j!jg1iro nior
pa,
or
fi
t Ha pouc.s dias a.esta aar.c a ealus 6 lao
extrs.urdinarii>. quo Pariso wonrlau cm Mt So
nogal.
0 aipham araolLsM cotro <*ra ;. oa umtji-
cipaes vtem se cadatslia tartpainr a arraocar sej-
nluras e cavalheiro*, cows tacdta se oravaui no
asphalto. A {junta foge di trwatoos, vai patsolar m<7rdjpi poi aAciAo JfjW -jMs^W
nosjardinspcblicos. GMM|iJn aiSi^leffSdp, perl
Cm jornal de Malaga, apiovettaodo se das joelho.
phrases anteriores, diz-eom rouila graca : Nos Una do mez seguinte, e quando ja mal se
Nsda ffim de extraordraario o ape eonta o lembrava 4qnlle incidenta estraoho foi aceorrl-
corresjJitnde,nH: franxez, em Malaga aeontsaou -rrfenidtf da hydrophobia, depois de alguns diae de
hai*liin|ein ijae uma nmilii ir.gleza se dirigio a tristeza e falta de appetite invenciveb Nao fallen
esHfibwistlhmTO de ferro, e rendo uirs arrrfgos ao diagnostic nera um so dos syniptoaas que os
que 03 esperavanj, forarn para a r.oapedaria. Ho nine do caminho | o reverdeciraento da peqnena escohacio ou feri-
encoiiiraram um pequeuo lag.i de gordura, restas. memo, causato pela m >rdedara. "
de nma mala, itma fechadora sera ehave e a pan-1 Tosladsjio o aifofau par* um ffiflBeno hospi-
Uira deuiaa bengala, isto e, toda a familia so ha tal qua entii bavia no povo, e stijfiUo com .uma
via dorrettrdo s dJuza, incluiado as roapas o os objeelos que os Carral
rapidamenle em intensidade e em frequ.','lc'*'.^ .
uliimoe o mais
linda a primeiri
sujeilo a vigilai
aiii
erenfermo a.7les
_ da Alrnaguor e do Pezo Rubfo para que
viajantes levavim. t deiieui o seu parecor ; a confirraado o diagoostico,
Daa amigos que ficaram estupefactos aateaquel- comecou a empregar se no paciente o extrato de, 5484, 56:}3, 3803 a 3317 -lOOj a cada um.
e espectacuM, falleceraia dous no mesmo tostante noz vomila em turma do pilulas, Ja dose* altat e ^Ns. 15i, 199. 221, 255, 283, 419, 393, 610, 696,
a qaaira mais urdo. rir\_ |repetida, buscando no princiuto da medioacao,
nnnUtMrne nao appareeeo^ por alii nenhum fubatituira a indicacao qua se nao encontrava em
muuioipaj,dos,Jue arraocavam as senhoras a ca- nenhum principio da scienefa.
?alnetroi-to tirpJiaHn de Paris e lodos morreram, Os ataques foram cedendo pouco e pouco, nao
Estrada de ferro do Recife d Olinda e Beberibe.
MOVlHENtO IXV (AIXA EM UESUMO DA C0MPA5RIA DOS TRILHOS URSANOS DO RECIF* A OMfJDA
E BE8EMBE, RELATIVAMENTE AO MEZ DR JLLHO DE 1874.
Entrada.
m
ftiwmtt.-rDfilete3.
Magnataras
Carga e iasiro
Exdrejsos
Tciiegfamtiras
hestituido pefa reeeWedoria, por deoiraa additional.
i Jetidamente paga
Materiaes Te'ndides, iriteiramontc iuutilisadi>s
Multas iniposta a eaipregados
Daposlto dos pm'pregados
Saldo do moz antecedente
8:130^360
l:70*O00
534*070
10*600
C5000
12*720
705000
74499
9.970*430
90*2(9
2335000
10:313*649
4:222*129
14:337*778
Ordenados e ferias :
Movimento
Es!ac3e's
Carpa e lastro
Conservaeao da linha
t'.nnserN'aoao ds trem
Administracao :
tirectoriaGcrcnte
Kiro
Escriptcrio
Sahida.
1:804*422
11460*263
754*330
583*623
829J
100*000
58*332
280*000
Pago por conta dos mezes anteriores
Diversas despezas Materiacs, azeite, estopa, objec-
tospara oescrintorio, alugael de estagoes, con-
sumo de gaz e outras despeza?
Pagajnento de depositos a emprepados
Obra nova.Pag) por saldo ao empreiteiro .da cs-
tanao do Pires
Said i quo passa para o mez segnlnle
438*332
830*000
2:069*944
5:870*492
2:919*944
285*080
150*000
9:2255430
3:312*342
14:537*77*8
licandfrsi
hospital da Miaericotdia da cvrle, eztrahida a 1 do
coiroue-:
1.3...................... rrmum
[RTf Sao,; Sri. di Pfoviiicta, o c,?Yoqtfef A p':?.
fW'jaccta'e's'-Jlie para as ftimrDoc5j 'anarcUie'aj.-
A fedacgai plovinciand pop e.laou poi" .71
Mtj, tffle nicrTifft*ieflrirMftrr, rBaJMfftf'iaconaes-iDe para aa-ftwrnocft
s d.)_pnmeiro. V7TT*!' 9 *M*i*4#V*t<*iofitt&>, !"' *>la- fl pfcro quer o irahalho l aoquiho e Wre tfo
nao se julgar ?? r*^**fe *radectr. um pc.-o livre, e voa offereieis-lhe a coDgesUo es-
qua fjEfMfr*-^ Mff f" **gy* q,09 Pa'"ra red-iopD nao foi posta+pasmodicas das faceSw.
&f^* 'c"* Inutilutenti', MM eom.j .jue| iteM^pierres caricatos, naj sacrifiearieis pelo
6tM ac*Aii atli nao f\i empregrido, o que eria povo o tn:is Jigeiro de vosso* commodos, e vindes
por Ddas as razoes absurdo, no seatido, si asuim
no podemis
imprensa aprigina
iT
N. 5798....................01..T 10:000*000
N-:2i7..................... 4:OMO*000
N- "37...................... 2:000*000
Ns. 211 e 2671 -i:00QJ a cada um.
Ns. 1237, 1421, iOui e 2.ji7-83a* a cada nm.
Ns 77, 2Si, 421, 716, 294Q, 3330, 4262, 4321
4923 e 3343 .10t* a cada um.
Ns, 51. 4iC, ,633, 873. 1379, 19)9. 2104, 2202,
2317, 3018, 3492, 3G73. 3732, 4692, 4783, 5183,
2048,
2863,
3603,
4506,
S064,
5393,
tin
Ewrfpterlo da compnnliia de trilhos urbanos, 7 de a go; to do 1874.
0 thesoureiro,
Luiz Jcse Pinto da Costa.
De.tpeia cm o eonsmnn o aonservarao do material f flio e rodanle
mesmn no ine/. tlejnllio do is*i.
Adraini tracSo. --Directoria 100*000
F6ro 58*332
Escriptorio 280*050 438*332
Expediente
Diversas despezas
Trafego:
Movimento.Pe-soal
Diversas despezas
SubH6cacao
Corabostivel
Estacoes.Pessoal
. Diversas despezas
Carga e lastro.Pessoal
Subrifica(So
Gofflbostiyer
Conservafoes :
Linha permanente.Pessoal
Material
Trem ndante Pessoal
Diversas despezas
Material
Bseriptorio dacompanhia, 7 deagosto de 1874.
^y. JO guarda-livros.
*~^ Joao Carlos AugusIo de Figueiredo.
ftl'4nO da roeoila da oompanliia dos trillion urbanog do nccife a oiin-
da e Beberibc, relativa ao mez dcjulho.de m? I. eomparada
ram a dc isual moz de is;:i.
1:804*422 1120*828 187*933 1:956*370 1:4605263 453*748 32*900 892*825 4:069^533 1:914*011 1:003*287 1:364*057
734*330 31*907 219*030 6:988/851
383*62:; 657*765 1:241*390 1:805*436
829*800 232*890 T'7433646 f.3:046*82fi
11:399*734
813. 1128, 1150, 1203, 1386, 1883. 2011,
2097, 2230, 2i80, 2292, 2319, 2567, 2597,
2914, 2983, 3292, 3334, 3334. 1461, 3392,
3870, 3909, 5051, 4089, 4277, 4327, 4385,
4574, 4626, 4775, 4830, 4988, 8020, 5060,
5112, 5L3Q, 5161. 5173, 5220, 5263, 5310,
524, 5834 e 5933-40* a cada um.
Por telegramma recebido antehootem, cons-
la qua a 521.* corre hole.
Loteria da Baliia. Resumo da lista da
2* luteria, em beoeficio da Aiatriz da rua do. Paco,
extrahida a 5 do. corrente :
N. 2498...................... 5:000*000
N. 840...................... 800*000
N. 691...................... 500*000
N. 2807...................... 200 *00)
Ns. 2911. 3036 e 2316 -100* a cada um.
s. 1810, 1347,1243, 2123, 1694 e 1386 -40* a
cada nm.
Ns. 416, 420, 3193, 3214, 661 609, 2267, 1154,
21416 6 1733-20* a cada um.
Ns. 2622, 301, 2630, 2796, 20, 1833, 19, 2890,
8041, 454, 212, 2632, 1943, 35, 2399, 2250, 1779,
2310, 3326 e 2182-10* a cada am.
Proiestog dc letras. O escrivao dog
proteslos, Jose Mariano, esta de semana : carlo-
rio na rua Bell-, loja do sobrado.n. 37.
Eioteria A que se acha a venda e a 112",
a beoeficio da Santa Casa de Miserieordia do Re-
cife, a qual corre no dia 14.
Casa dc detenf uo.Movimento da caaa
ie detencao do dia 7 de agosto de 1874.'
Existiam prcsos 817, entraram 7, sahiram 8,
exislem 346.
A saber :
Naeionaes 270, muih.eres 7, esirangeiros 22,
sscravos 43,'escravas 2. Total 346.
Aliinentados a ensta dos cofres pnblicos 267.
Movimento da enferraaria no dia 7 de aiosto de
1874.
Tiveram baixa :
Mancel Francisco dos Santos.
Jose Francisco dos Anjos.
Tiveram alta :
Francisco d; s Chagas do Monte.
Manoel Joaquim de Siqueira.
Armina Maria da Conceicao.
PasftagreirosChegados dos poitos do sul
no vapor francez Rio Grande :
Antonio Ferreira da Silva, Ernesto Rodrigues
Chaves e Rodrigo Godofredo.
Sahidos para o Aracaty no hiate Leonila di
Cruz :
Armiro Candido Ramos, Fr. Joao de S. Caetano
Gomes e Jos.6 Joaquim Amancio.
Cemiieriopubltco. Obituario do dia 7
de agosto de 1874.
Umbelina Severiana da Trindede Paz, parda,
Pernambuco, 52 annos, casada, P050 ; hype-
trophia.
Felippa, parda, Pernambuco, 2 annos, Recife ;
bexlgas.
Maria, preta, Pernambuco, S. Jose ; ao nascer.
Bernardo, escravo, preto, Africa, 40 annos,
viuvo. Boa-Vista ; variolas.
Josepha Maria da Conceicao, branca, Pernam-
buco, casada, Boa-Vista ; elephantiases.
Rosa Ignacia de Lima, preta, 50 aano?, Graca !
congestao cerebral.
r an iriig.-i^jt
exi^riinir, pawiro, que tem o Herbo
totnnr.
Aceita quar dizer reeebe mediante exame e ap-
pro vacio, tornando por ataim dizer seu 0 que so
Ihe da e fi objoeto *da acehanao. Por exemplo,
quando u6s dizemos qu# aceilamoa tal proposlcao
ob tal prinoiow, signittmmos ao mesino t^nipo
que toruamps nosa essa prop>jsieao oa earn prin-
cipio, como si nos mesmo a tirjssemos proferido
OB 0 tivessomos emitlido.
E' 0 qa*H$o adm tie dnvidaa. Portanto, aquella
phrase ta reiaccSo aceilao impirta o mesmo que
dizor a redaccao f^a ma a coilabortir.Ao, que e
o objective do verbo aceilar u\ declaVacao tlus
provincianos.
Esta, pois, fora de quesUo que a proclamacao
iocondiaria estampada na Provincia de 6 do cor-
rente, sob a rnbriza CollaborarAo, e de inteira
responsabilidade da redacjao do masrao jorn.l,
asBim como 0 sio todas as mais, quo sob a mesma
epigraphe tem sahido, pois nao e a de que nos
oecuppamos a primeira, segunlo ji ficou dilo.
'E que lastima qua estejam agora os orgaos de
uto partido, que se attrinuera a missao de diri-
giresse partido, a pregar a revolac4o, a coaciur
0 povo a attentar conloa a ordera, por mera,espe-
culatao politiea, por mero daaejo da pescar nas
aguas turvas da anarchia.
E' isso infame, si 6 tpie tem qnalificacao.
E ocredite 0 povo em 'scmslhantes no:n por amor do suas mesjuinlias ambifSw vivem a
etopurra-Io para um abysmo em que ja se teria
1ia muito precfpitatlo, se nao fossse 0 sou bom
gQnso, crilerio e experiencia das cousas e das
pessoas I
Nao, 0 povo nao dara ouvidos, como ate agora
nao tem dado, a semelhantes cspeculadores sem
alma, que nio trepidam em sacriflsar tudo, eom
tanto qua encham as medidas do seu ei on lobri-
gUem a possibilidade de faze-k).
Havjamns esquecido a promessa que em princi-
pio deste fizemos de mosfrar qua os artigos poli-
ticos das publtcacoes solicitadus da Provincia, sio
da penna dos redactores da mesma.
Para curaprinnos essa promessa, pois que ainda
estamos em tempo, b.sta-nos chamar a atlencao
de nossos leitores para'o VII arligo inlitulado-t 0
Dr. Aprigio Guimarues iBserldo nas pubiica-
ro:s solicdadas da Provincia de 5 do corrente, no
qual sc acbam as segninics palavras: Eogana-
se ; eotre 0 Dr. Aprigio e 0 Sr. Lucena, entre nos
e a olumna, existira sempre 0 abysmo, etc.
Era vista desta passagem qnem nao ve debaixo
da assigaatura Um do povo um do* dos re-
dactores'pror.'ncinnw T
E' escu^ado em lal caso disseflar para conveq-
cer.
A.conviccao geraseda simples leitura da pas-
sagem por nos iraascripia, na qual 0 escriptor
provmciano tnhio se (atalraenw.
Pois, nao se esta vendo que esse Um do povo
a uio ser um do3 proprios provincianos ( que
dormitou), nao estabeleceria ^qoelle laco tao intimo
entre si e a redac^-ao da Provincia, marcando dis-
tincgao por occaaiao de fallar de si onlre essa re-
daccao e a desta c litmna ? .'
Para que mais dareza ?
Facamos poiSo ; portiuanto 0 nosso intuito f ii
provar a responsabiiidade da redac^ao provincia-
na pela proclamacao exarada na Provincia de 6
do corrente sob a rubrica Coilaboracao > e
por outros ariigosstl) a mesma rubrica publicados
naquella f^llia 0 isto ja se acha exuberauletut-nte-
provado.
e fd-
de rosto cobcrto fallar am levaniamentos po^ula-
res, em javolucio.
SupponJj que travava su a lula horrenda, a que
eonvidais 0 povo, e que eutre'elle Uave:JjijjQaiay.Car
lotaCorday: quern daria noiicia dos^XJ^JafJ pro-
vineianos 1
Senhores da Provincia, a vossa linguagem
mentida e pervcrsa.
A sombra des cidadaos, ao prestigio de cuj
recorreis, volla-vos as r.ostas envergonhada
sa trisle especulacao. Eiles, Gamarao, lleuriques
Dias, Pedro Ivo, Caneca, Tiradeotes, Nunes Ma-
chado e Roma, esliveram sempre com os sens. Do-
mes a passois a frente dos movimentos.
Nao eram os anonymos da Provincia
A vossa linguagem 6 femenlida e per versa.
Ai do povo, se a ouvisse. '
Hulina
Preliro 0 govemo dos francos conserva-
dores ao rcinado (losses ambiciosos, os libe-
raesf... que sentem-se iippuros para sacri-
ficar no-altar da liberdad*, e anlam especu-
lando em norne da deusa I
18GG.
Marco Antonio /..
lua inimiga, fllhoin
* bffloso, tn Id r
iiiO^SOtS k PHIfDK
Provincia tfeSanlaCalharina.
nmi politica
AXXOS TELEGRAM-MAS CARGA EXPRES-SOS ASS1GNA-TL'RAS BILHETES TOTAL
1373 1874 1 6*000 555*455 534*070 10*000 1 1:320*000 1:270*000 9:823*400 8:130*360 11:698*855 9:970*130
* 1*383 * 50*000 1:693*040 1:728*425
Different Idem a U a a favor de ivor de 1874 1873......... ........ 1 : 744*423 16*000
Escriptcrio da companhia, em 7 de agosto de 1874.
0 guarda livros, Joao Carlos Augusto de Figueiredo.
T.4B*LLADOREXpjMENTODA ALFANDEGA DE PERNAMBUCO DO MEZ DE JULHO DE 1874
nA,'--0vvV,P,,,i^/1N-O{GElR0> COMPARADO COM 0 DE IGUAES MEZES DOS
Importarao
Direitos de consumo.....................
Dito de augmento de 40 %, 34 /., e 28 0/u.
Dito de dito de 30 /., 23 0/q e 21 0/o.......
Dito de dito de 33 %....................
Ditos addicionaes de 5 %...............
Expediente de 8 '/ dos generos livres de di-
reitos de consumo...................
Arnvizeuagem.........................
1S14
Despacho maritimo
Ancoragem.
Exportacao
Direitos de 15 <% do pao brasil.......
Ditos de 9 % de exportacao........
Ditos de 2 1/2 "L idem..............
Ditos de 1 1/2 % do ooro em barra.
Ditos de 1 % dos diamantes.........
Expediente das capatazias..........
Interior
Iteada da typographia nacional.-...........
{pniporcional por verba......
fixo.....................".
adhesivo..................
Emoiamentos ..........................
Imposto de transmissao de propriedade, a sa-
ber : de 8 */ da venda de embarcagao...
Dito de 1 / da arrematacJo de bens moveis.
r Sxtraordinaria
aeeeita eventual......,..................


Dffotilos
Osfies de diversas origeos.......,...-.
)izimos da provincia das AlagSas..........
)ito da Ttrovlnei*. da Parahvba......,.....
XuW-wmati flo.Kle Grande dc. Norte.
<>eibtj^ip8rti a casa de caridade.......
1873
468:683*625
178:975*899
4:010*163
513*822
1:995*690
1:422*136
113*722
2:317*888
87:782*133

55*000
16*000
3325000
434*290
1:218*805

748.075/173
8:712*576
2:992*779
489:3725312
130:294*260
2:129*203
94:919*082
1:230*054
194*211
3:198*000
110:156*676
1872
5*000
80*840
475*000
15*360
6035000
1:6085432
Alfandegade Pernambaco, (5 da agolto'de 1874.
fcrrtodo alMfe
Jost GoncahescU Uedeiros.,
836:8815480
31:1731157
6:5005904
1:803*960
739:780*528- 876:3615501
612:995*124
162:788*981
4:244*739
105:160*417
1:408*880
587*323
5:103*230
189:232*001
24.5240
110*000.
1:050*209
785*020
644*800
25890
2:254*518
1:078:391*083
6:331*862
8.9465438
1945230
2:1585346
=
1,096:02
1596*
O 3 escrlptumfo,
Francitco Lopet Carditm.
PA3CTIDO 'CO.ltSERV.lDim
fRECIFE, 10 DE AGOSTO DE 1874.
Nao cancamos de accn-ar os provincianos como
conselbeiros de desordens, amantes das assuadas
e, 0 qua ti mais, pregalores, propagandistas da
revolucao e da anarchia.
E na verdade os escriptores provincianos ja
tomaram ate a toada dos agUadores da pra?a pu-
biica, de maneira a nao 0 poderem esconder em
seus artigos, ainda os de mais affeclada moda-
racao.
Bern mostra isto 0 movel que os dirige, a sua
constante preoccupacao.
E 0 que impcrtam esses protests fallazes e
desacreditados de amor e fldelidade a mona-chia,
as institui;3es e a ordem, nellas representada, com
que se sahem os provincianos de olympiada em
olympiada, si e-tao as suas propeusfies, as suas
conslantes pahvras a mostrar 0 valor que elles
podem ter ? I
E' por conseguinte banal de mais a escapatoria
que aCode sempre aos provincianos, quando se-
riamente accusados de prcgarem a desordem, a
confusao, 0 cahos social.
Quando provaraos as nossas asseveracoes, dc-
cumentando-as com os artigos de fundo da Pro-
vincia, cuja responsabilidade ja declarou a re-
dac;ao_ da mesma pertencer-lbe, abandona essa
redaccao a parte editorial em que se acastellava,
para ir-se refugiar nas publicarDes solicitadas,
d'onde entende poder langar sem responsabilidade
as suas bombas inceodiarias.
Emoora a distincQao feita pela illustre redaccao
seja por demais capciosa e seja patente a todos,
que os escriptores que fazem parte desta sao os
mesmos que dirigem as publica^oes solicitadas
de cor politico, coma ja 0 mo.-traremos de passa-
gem; queremos todavia aceilar a declaracao dos
provincianes e suppo los inteiraraente. desligados
da responsabilidade d'aquellas publicacdes.
Mas ainda assim, temos 0 direito de sustentar
que conlinuam os provincianos sob a responsabi-
lidade propria e do partido, cuja direccao se ar-
rogam, a pregar 0 molim, a revolucao, com todo
0 vigor, com todas as for^as, de que sao capa-
zes: sem que nos possara procedentemente con-
testar.
Acreditamos que os provincianos nao se aper-
cebem do que fazem, tal fi a insensatez que os
caracterisa; mas nera por isso e menos real a
responsabiiidade pelas revolucionarias proclama-
coes que tem sldo nltimamente publicadas na
Provincia, das quaes apontarenios a que se lii em
seu numero de 6 do correste.
Na parte dessa folha, denominadacollabo-
RACjAo*, cum 0 enderec/) aos pbrnambucamos
esta dado um terrivel grito de guerra, con;i-
tando 0 povo a pegar em armas, a fazer a revo-
lucao, na apparencia por causa do imposto in-
slgnificante sobre 0 bacalhao, na realidade, porem,
por especulagao politica. ignobil, que sfi anda a
cata de um raeio, de qualquer especie que seja,
de crear embarac/)s ao actual governo, a actual
situacSo.
E-se grito de guerra, que tem sido precedido
de outros, fi dado em nome e Sob a responsabi
lidade da redaocao da Provincia, em BOme e sob
a responsabilidade consegaintemente do partido
liberal e do respective directorio, a ser verdade
que um e outro sejam por aquella representados
na imprensa. Nio no-lo poderao conteslar os
procinciano*.
A parta da Pravmcia intitulada coLLABoaAgAiaJ>
nao esta naa.meamas condicjSes daparte da,mes-
ma folha, que se iusanve apublicacoes seticita-
aas, unica cujos artigos nao gravam de respon-
sabilidade os provimianu, segando a declaracao
que flzwam e a que ji nos referimos.
Assim, pois, os artigos publicados sob a rubrica
tCoUaboracSo' obrigam os provincianos, ou me-.
Ibcf a redaocao provtneUfna e por esta ao diracto
rio a a todo 0 partido liberal.
B' 0 caso de dizr-se eom aquella redaccao :
a responsabilidade de taes artigos e omnirmda t
oliectiva, sendotodoo-forum um por Wot
E ass-m suaaa|i, sao porque nos 0 qaeframoe
caprichosaraenteJ sem. funtlamento para isso;,
mas sim poraue 9$ pioprios provincianos foram
os primeiros a fater soa> a responsaMidade
A proclamacao.
Vamos fazer. urn breve reparo' ao arligo pnbliea-
d) ua Provincia de 6 do corrente, sob a epigra-
pheAo povo pernambucanopara qne nao se
pense que ainda desta vez pegam as bixas.
Nao queremos entrarno peusameiito occulto que
d ctou ao articulista essa linguagem fogosa e sub-
versiva, com que fere combate contra os seus ad-
versaries pOllUcos : saa estrategias de pepuena po-
litica daquelles, que se gervem do nome do povo
para darein assalto a faiia de pit) da-16, no intuito
de apossarem-se della, caso lhcs chegae as mujs,
voltando as costas ao mesmo povo.
Mas temos 0 direito de pergun'ar-vos, senhores
da Provincia :
Em nome de que principios coneitaes 0 povo aos
desalinos da pra>;a pubiica '
Quereis a guerra civil, a anarchia, a c nfusap !
Acouselliacs os liorrores di luta de irmao con-
tra irin&o I
Assignalaes os horisontes negros do deseonhe-
cido I
Apontais o abysmo ao povo, ficando vos na3
bordas a rir-vos da crelulidade popular I
Se nao 6 isto, porque 0 articulista, ou antes a
redaccao da Provincial, nao subscreveu com sens
noa.es proprios aquella arligo de collaborate,
para que 0 povo saiba quaes serao os generaes' no
passo arriscado e sempre desastroso de nosso con-
vite t
Ainda assim, poder-sehia dizer :
Tambem no dia 14 de maio preparasteis a pita-
la envenenada, dizendoque era a vez de 0 braco
obrare no dia seguinte atiraveis aos qualro ven-
tos da publicidade um protest} contra 0 braco que
a vosso mandado obrou !.....
Ah 1 senhores, deixai viver no remanso da paz
0 povo, para quem reservais unicamente os ester-
tores e desgracas de vossas nefandas,suggestues...
Vos ficareis recoStados em macios coxius, sabo-
reando a futnaga dj Havana; e 0 homem do po-
vo?___
Quereis victimas no altar da patria ?
Porque e para que ?
Sao peruainbucanos degenerados este povo, por-
que nao acode ao vosso tenebroso appello 1
Apresentai ao menos 0 banqueire da revoluQao,
se nau tendes as vistas no saque, essa mancha in -
delevel (los movimentos popnlares.
Tende a iiorabridade de exhibirvos com os vos-
sos nomes e pessoas na vanguarda do nr.vimento,
para que 0 povo saiba a quem devera os benepcios
que dolte resultarem.
0 povo conlK-ce que e uma nova cilada que
lhe armam : fallais hoje em meetings eleitoraes,
como em 14 de maio fallateis na felicitaca'o ao
Dr. Farias.
Fallaes boje em revolucao, para amanba rene-
gardes as suas tristes consequents, que irao pe-
sar sobre 0 povo.
Ah 1 Srs. da Provincia, ja qns pronunciaes a
linguagem devastadora da luta fratricida ; ja que
desteis 0 grito de guerra, ja que Qzesleis a vossa
proclamacao incendiaria, dizei ao menos ao povo
quem sois.
0 povo qierconhecer-vos nominalmente. Assim
vos irapoe a honra de araatos de revolucao.
Se vos escondeis sob 0 anymo, e que os vossos
conselhos nao sao jusios, nio tfiem nobreza ; fi que
induzis 0 poro ao crime, a perdicau I
E a mulher, os filhos, 0 lar, a patria '
E os deveres de eidadao, 0 passado glorioso, as
instituicrjes juradas f
E a paz em-qae vivemos, os bens que agora go-
samos, 0 brilhante futoro qne nos espera 7
Todo aconselbaes ao povo que arrisque, e nao un-
gis 0 vosso conselho com 0 oleo sagrado da vosso
prtstigio nominal.
0 facto citado da iodependencia dos Estados-Cnl-
dos nao tem applicacao aosdesatinosqueensinuaes
ao povo.
Nao foi 0 diminuto imposto, a qne alludis, que
gereu 0 patriotico levantamento de uma colonia,
cuja iudepeniencia entrou em elaboragao desde
que da metropole emigrou graude parte da nobre-
it. a Am de respirar 0 ar livre e balsanco da
AmMjea.
Nao. Os Estados-Unidos Qzeram-se iadependen-
tes pela forca natural das cousas. A seiva que os
aliraeotou no patriotico enpenho, (oi a mesma que
levoa 0 Brash a proclamar a sua independencia
no memoravel 7 de setembro.
Nao cempareis 0 grandioso avanco de um povo
para a sua iodependencia com a vergonhosa e de-
vastadora.etnboscada da.guerra civil.
Alii foi um rasgo de patriolsmo, sempre nobre
e sublime nos factos da hiaioria,
Aqul seria um attaulaflo, sempre deploravel e
rapuguanle na meraoria das chronicas popnla-
res.
A dtuotra fina e delicaia dos heroes norte e sul
mmic<9io$, n5o patece com a mao fria e gros-
seira do faccioso e oonapirador contra a ordem pu-
biica*
O laachaa'cl llaiiocl Godorrcdo
do Alcucnstro AuSrati. ao 1111-
bllco
Por dignidade e brio, que nao sei se tera 0 cor-
respondente desta provincia para a Reforwut, ve-
ulie ainda uma vez a imprensa.
Li a missiva de 16 do corrcnle e nao sei 0 qne
mais admire : a turpeza do escnpto, ou___o des-
plante do escriptur.
Diz Buffon, que 0 estglo e 0 homem ;-c se e i-to
uma verdade, como firmemente 0 creio, nao resta
a menor duvida: 0 men aggressor, e correspon-
dente da Reforma, e um miseravcl arrieiro, que,
quando passa, espadaneja lama em quanlos an-
dam.
Nao mc dou, pois, por offendido : ainda mesmo
que algum insensate, na febre da parveice. tenths
?e uma olTensa centra a minha pessoa, que rea!-
mente, (passe 0 vitupcrio) 6 era tudj m;iie distinc-
la da nos vis eakvuniadores : procurarii imitar
Wan Dike, que dizia, que, quanuo 0 prociiravam
offender, elevava sua alma tanto, ,\m jaiuaii lb,*
tocaria a offeasa.
Portanto, nie re.-pondo ao correspomknte, aeBld
c^-m 0 solerane despreso, que merece a sua des
conhcci la pessoa, so digna de irrisao.
Todavia, para que ninguem se deixe illudir, con-
vem tjue, quanto a mim, diga alguraa cousa, se
bam que nau seja nova.
Quando,-pi>r amor a verdade, hei tornado sa-
lien'.e 0 tiao adniinistrativo, a prudencia politica,
probidade, lirmoza de caracter do coronel Masca
renhas, que mui acerladamente dirige os destuv s
desta provincia, inteliz por contar no numero de
seus hahitantes 0 correspondente da Reforma : nao
tenho feito senae jnstica aesse digne EspintoSan-
tense, cuja tepuiacao jamais sera diibala por mer-
cenarios epposicionist'is.
Nao tenho necessidadede faze-le para gran,ear-
lhe a amisade c conquistar accumula^ees de em-
pregos, Como tem succedido com outros secretaries
do guveroo. -
A' instancias de amiges aceitei a designa;ao de
lente de r!:elorica e poetica no Athencu Previueial,
uoico emprego que acenmulo, e que cederei tie
bom grade a oulrem, mais habililalo que eu. N.io
precise, pois, de accumulates para vivir com a
decenCia, ^probidade e indepeadencia, que nao
tem, nem tal vez jamais tera, 0 escrevinhader da
Reforma.
Escrevo, nao para ostentar conhecimenlo, nera
para tirir fores de habil escriptor, mas somente
para zurzir os catamoiadorcs e desraentir 03 ?(is-
carados da situacao, que irnpanemenle aggridera
a tolos os que com elles naocorrem parelhas.
E canto, para nao chorar de oomiEiseraeio, por
qoera nao sc sabe orezar, e nera prezar aos ou-
tros.
Quanto as desenchabidas censuras, que 0 pifie
corresponjente da Reform* pretende fazer a pre-
sidencia, sao ellas tao destituidas do fundamento,
que nao tem respost3, e nem a merecem : sao cou
sas de peiitiiiueiros : Deus se corapaieca del-
les...
Victoria, 27 de julha de 1874.
Jlanoel Godofredo de Alencastro Aiitran.
(Do Espirito Santensc).
_ Essa
8 *. o.
cado netse poale-, mw >reP0S,tu'W eipccob-
cao e'de na.edades. ,,.
E' tua inimiga sa Mha piestiv ,W..BbJ> 5t>
povo.
Pois uaia fdha qoenai* late a Prorineif, **&*
ria admitiir am dai coluama uma twrdf -:'-
selvagens como essa de mostra Aorigio ?
Le as descompostaras da Procnem, pofv, pari
a amaldii;eares pur uma vea.
Xaquellas deseompostaraa bala-se asatdi. mme-
peculando com 0 sangae e as Ugrisaas oi>n-
lares.
Se uma vez por aeaso, a 22 da ju ho, a rdaea
da PjvDincia appareceo retralaodo se, eoa pi-M .
do bom lenso a dos brios do oova da Pern*mbac>>.
luJibriado 0 infamado por ease Aprigio nas cluo
moas a artigos antecedente-. nao le ittadas, tllh.
do povo....
Vfi no mesmo numero de 2! uma reprtieio !-
-eravel da omiuosa insinuacio d^ ass^tsiaaW aa
qnella carU ditada por alguns aiserareis raaures
da revisito fruslada.
E ve agora o que sa esta patsaad > 1
O club popular desespera com as iraifdss 4
diremorio, essa club a quem os prorimciamt lafm
illudide um milhao de veacs, eom a mira not lavn
res da popularidade. <
Cidadaos populares dao pela cousa...
As tolhas twdai da lerra uccopam-te com r>
assumplu...
0 Jornil d) Recife tem, para 0 mesmo assumpt".
um arligo especial, em qua sao JtuarJbdos o>
b-ins principios a os direitos do povo___
E ella a Provincia, nau deu ate' h jje uma pala-
vra de sua redaccio, nao interfario na qoesta".
pursue se tem a mira nas vanUgens da irairlo !
E ella, a Provincia. nao intervera na qnestao.
e re*be ^s propinas e recompensas carabruiuaes.
povo, as multas que pagas, para imprimir essa
Provincia d<> partido liberal, que zomba de ti, que
tnsulu como sa fat nos mercados, quo apregoa
doutriuas de pcrdicao e deshonra para 0 pobr-
povo !
Asora qu 5 t ida a verdade e-la dita sobra <
vergo.ilio:.. pasiiuim da rua da Camboa do Canax>,
Qquain tojoa sauaudo, perqua pouco nos denwra
raos com eile.
Proscguir. m >i na tarefa : e fechando
linhas rep?tireraos:
: Povo I e-.-a Provincia c lua inimiga '
Mas
I* do
Informados hoje do bom exito que vai
presidindo as d-ligencias tao sabiamente
empregados pelo muito digno e laborioso
Dr. delegado de polieia, auxiliados pelos
seus agentes, no intuito de serem conlic-
cidos os autores do robo praticado na loja
de faz^ndas dos fallidos Francisco Guima-
raes tk C, a rua do Duque de Caxias, da-
mos parabens e louvamos. a todas essas au-
loridades pelo zelo e actividade com que so
houveram ; e, nuirimos a conviccao de que
S. S., sempre solicito no desemponbo das
fuuecoes que Hie sao inhorentes, nao deixa-
ra de proseguir com mais empenho ainda,
alim de conseguir um resultado esplendido.
Alguns credores.
Sapato de borracha. *
Insulto, inepcia, escarneo, eis a redaccao des-
bragada da Provincia.
Has de ter noticia, povo de Pernambuco.
A insultuosa Provincia, sob 0 regimen do Sr.
Aprigio. appareceu como indecente encherto em
uma das typographias do Recife.
De3de mnito se le essa serie de aranzeis, sob 0
titule A Provincia, orgao do partido liberal.
Que partido liberal fi esse, que escreve na Pro-
vincia.
Nao houve.nma reuniao, nao Konwe nm pro-
gran:ma, nada...
Em um bora dia appareceu a Provincia, essa
verruga, que tem existido atfi-agora com 0 mesmo
nome.
Todos, porem, sabera que a parte mais sa do
partido liberal nao esta corn 0 Sr. Aprigio, nem
toma a responsabilidade da nojenta Provincia.
Que partido, pois, 6 esse ?
0 que, porfim, mais nos import! fi 0 so-
guin'e :
Quem paga as despezas dos taes aranzeis .'
Custa caro aquillo ; nao ha noticia de bolsa, de
subscripcao, de collecia, de cousa algnma para
occorrer aquella despeza.
Sabes quem' paga, povo ?
Nao fi 6 Sr. Aprigio, nao sSo aquelles provin-
cianos escriptores, nao fi 0 directorio para des-
composturas, nao ha assignantes.
Quem paga, fis tu. Sahe por certo 0 dinheiro
dos cofres da drainage ou de algurna verba even-
tual da iaaovacio ilornay, da engasopaeao do
povo.
Quem ja vio um tartufo e meia dnzia de bedai-
nos arvorarem-se em partido '
Qaem ja vio um tugh, capitaneando um grnpo
dos
artigos, de que tratamos e 0 fizeram do modo mair Nnnca emocSea generosas da-am povo pebv
positivo e termtnante possivel. sua in4~
A prova mais solemne e irrefragavel desta nossa
formal asj*ra?ao esta nas segyintes palavras
eseriptas no,alto da primeira pagina da Proninoia
6*o'nume*o deUoptBOv:ca fjo*cgAO aoeita!
e agradece a collaboi^ao. '
Preeisaraq per ventura de fommentario seme-
lhantes palavras, de si tao claras e significali-
vas t Quem 0 fllra ?
icla se podirao de boa ffi comparar
com a anarchia daspracas, combatendo as insti-
5>ii^e*-Jtsra*aa, sob as qiaes temos vislo 0 isso
Brasilosmiahar.
Seaobaes qurdeveaudaf maisupressado, -nio
e revol^andoraipb da astnda que poderemos cha-
gar a terra da promissao. -1
0 vosso Eden-t enfaoador como as miragens do
deserto.
fazendo as despeza por certo com a dinheiro da
Drainage, isto 6, corn 0 dinheiro do poto ?
Eis a redaccao desbragada da Provincia.
Eoquedizem aquelles escreviohaderes com-
prados com 0 dinheiro do povo ?
Quando dizemo3 que roabaram 0 povo e pro-
varaos, elles respondem soi3 nn3 infames I
Quando dizemos que os encargos da patota
Drainage recahein sobre 0 pobre povo, que ficou
escabriado, elle3 dizem quanto mais cambron-
nea. mais baraios 03 alugueis.
Quando laraentamos a tua sorts, pobre povo,
elles dizem qne tu es 0 povo mais drainajado
do mnndo.
Sempra iMolto 1
Sempre inepcia I
Sempre escanwo I
Attende, povo de Pernambuco : elles compro-
metteram 0 teu bacalhao, a tua came secea e a
tua.tigela, e augmentarara aj despezas com -a
inn>va?ao Morttqy, para quetenljas desenho at
estradas, e descomp2em com 0 tea-dinheirq a
.cojumna govetnisu do Diario de Ptmambuto,
para quo tenhas... detraCUires,
--------------------1 -ii *r
Video arligo editorial da Pjovinrja de 30 de
julno proximo passado, n. 355.
Srs. rediiclrres. Leudo a Provincia do
corrente, e departndo com o arligo 0 profassor
de in^lez do gympaaio provincial e 0 regeler do
mesmo, etctraiei do Ifi-lo.
M.is, qnal nao foi minha sarpreza ao cbegar
n'um periodo, no qual se acham eitas palavras
t< E como nio ha de scr a-sim ic sendo expressa-
menle probibido pcle regulamenlo a re-iden:ia de
farnilias lientro de gymnasio, oregedor intcriL"
jnlgt-ae autonsado a levar para alji a juj mother,
dauJo iugar a qne os rap.uos de 16 a 17 e W n^
noi fa;.joi a raaaeata bMaaveoiaalas commentarws"
pois que a scultora doreged.r com o cabeil>
solto3 percorre 0 est ibelecimento peoelrando as-
sim atfi nas aulas duranle as boras do exercicio -
chegando-se de mtnsinha por traz dos professores.
batendo-lhes nas costas, dizenao com serabUote ri-
souho : Eu tambem quero aprender, m tambem
quero aprender, eu tambem quero aprender. cem>
acenteceu com 0 grave e circumspecte Sr. J i.tquim
Bernardo da Mendonca
Ah I iiavera quem creia na veracilade dc seme-
lhantes cousas !
Qual a pessoa, qne lhe assome as faces nm cei-
til de dignidade, quo do credito a tal d claracao !
Despeitado 0 tal professor de ingle', nio p.Jeo-
do fegir a arguicin d.'s factos, laafa-aa sobre a fi-
milia io p-gedor !
Qaem tao negramente pro Bade ?
E' utn individui que tem o de.-fagameulo d: J
clarar qua e mwalisado, illustrado, de hem e ca-
tholico f
E-se inliviJu>, qual serpente ftsMMtt que en-
ros-a-se no caminli) para morder a quem pasta.
eutenduu entromeiter n'uma discussao a digna, a
vestal senhora do nosso amigo Dr Carneiro fit-
teiro !
E'sc cio hyJrophobico, tapes qne laoeaad
haba sobre a invulneravel scuhera do regedor, po-
dia ceiitainina la 1
Para que nao pos-as, 6 ciscavel, macular a nia-
guem, maxitm ami senhira protitypo das tetth
ras casadas, basta tua vida, teus actos, teu jesui-
tismo !
Porqne nao ferramasle a taca de tua pteaaha
:onira 0 botaetn t Ah festebuscar uma sta
que e 0 raedello vivo da houeslidade !
Km senti meu a mao ao lan.ar no pajiel atjatUt trecho I
. Nao pede um ceracae selfror prof and 1 s StBtera
emocio, por qnalquer mao a~l\ qaan Jo t 0 lap >
sitarie la maldade, da bjrpjorisrt, d> fanatisaM !
Tremer a mao da hyura porqae fere ao innj-
ceate E' impassive! ; porque inervada ait cri-
mes, so destenle os ded'is p-ra victimar !
So toca no aacrario da familia ura ente ja per-
dido, um suieito sem conscisneia. um h irnem sem
moral, um desventurado e se'.vagem tjnt :. i
familia, que pao sabe 0 que 6 puder, 0 qoa ti uai
senhora llon^sla!
Em taes condi>; babuja-la, e atir^r ao balcao da publ.culad-; aa>
tiras !
Um doulor que se latalea de litt-.rato, moraH-a-
do, cathoiico interpeire das profacias dta Bsaa-
geih"s para defender-sc do Jastas acensacu ; r
falta de cumprinn-nto de daretta, ser preciso in-
volverlinfameraente ODome deuraa season, taat-
ravrl a ted'is os resp-ites !
Qual sera 0 pai de familia. 0 esposo, 0 irm".
que presa a honra de suas inina*, que, lodos, ni 1
detestem aqiclie que com tau sacrilega ooaaa la-
ear no santuano da famiba !
Quem e que ao ler 0 trecho que acitna Dtjisai -
nao exclamara : Ah tamanha ousadia, BO 0 lit
go para retiibar as faces da vibora que a tanto **
atreven I
Crava, 6 ramsiro I 0 paalnl da maledicoaei 1.
j 1 calumnia, da infamia, no corar^o d 1 I:
com quem discutes; mas nuaca contra uma at
nbora que nada tem com tuas tcrpez;s, com Ins
lutas !
E's litterato, para a infamia! E's morali-:! 1,
para a immiralidade E's cathoiico, para ferir- .
vestal E's prophets, para uentires contra a h.n-
ra de uma senhora honestissima !
Nao fis litterato, porqae 0 litterato nio i ura
ente sem pudor.
Nao fis nioralisado, porque a moral repeli- pea-
lumnia I
Nao es cathoiico, porque nao pule 0 cathel
mo autorisar fraudes e 0 sensuahsmo !
Nio fis propheta, porque o prophela nio meate *
Sabio nao fis, porque 0 Fim dot Seculot e u
plagio vergonhosa, como haveraos mostrar cabal a
exuberanteraente.
Hadede.-moronar.se 0 castello do pedantism >
A victims da hbiiinagem.
(Do Commercio a Retalko.)
Ao publico.
Preaer%ativo da eryaipela.
Pelo vapor Par.i, que chegou hontem dos portcs
do Sul, recebi a copia da portaria do governs io
perial concedendo-me licenca para expor a \vn i 1
0 medicameato por mim descoberto, e denomina-
do Jjjreservativo da Erysipela.
Com aquelle acto de toda j istica remoUerav-mn
igualmente attestados firmados pelo venerando
duqtfe de Caxias, e os Exms. Srs. eonselheiro ba-
rao de Cabo Frio, Drs. Meirelles, Silva Pinto, e Jc-
sfi Lino Pereira Junior. y
Mais que sa'.isfeiio por ver uma descoberta mi-
nba protegiJa por nomens que gozam do maior
conceito, tanto pclas alias posicoes sociaes. em que
se acham cellocidis, como por seu caracter, u-
lento e illustracjb.; (destes Srs. os tres ultimo*
sao medicos, e dos mais afamados da eJrte); apres-
so-me em publicar os meocionados attestados cha-
mando para elles toda a attencao dos qua soflreni
de erysipela.
Recife, 8 de agosta de 1874.
Manoel de Siqueira Cavalcante
ATTEST ADO 3.
!
Declaro, por ser verdade. que padecondo do try-
sipelas, foi-me dado, pelo Sr. Maaotl ds Siqueira
Cavalcanti Junior, um medkaoaeolo aotjsud laaen-
do use, p;r alguns dias, nunca naus, as* asft, mt
tomqu a accommetter essa enfermidade. For m--
ser pedide passei 0 presents, por mim feito e at-
signado. Rio de Janeiro, 16 de junbo de 187*.
Puque de Caxias.
*.'
Q abaixo atsignado, doutor em med*a wla. (*-
eaidasTe do Rio de Janeiro,. cirnrtiao-nwr do bn-
gida honorario do corpo do aaado, cavalleifo da
\


m?
aperial ordain d Christo, eic.; attesta, sob jar*
mealo di mu trio, que tendo usado de um .
camento, que loi-Ihe fornecido pelo Sr. aiedi-
STiaeira Cmleaati Junior, denonii-- -sinoel de
vafiYo da Erisipela urou $*' aado Preser-
sullada ikmmwI. de sorte .uipre o melhor re-
al o fbrana aeeommetli'* 4oe os doente*, art hoje,
triam froqaaoJtjpr .a0S d,s erysipelas, qtie sof-
to de 1I74 .oale. Rio de Janeiro, 19 de ju-
. Dr Jose Lino Pereira Junior.
a.
Attetito qu tesdo emprcgado o roedicameolo, que
nos foi fornecido, pelo Sr. Manoel de Siqaeira Ca-
valeaoti Junior, para o tntamento da eryipela,
colhi sumpre resultados superiors ao de lodos os
moaicaoMstos conhecides.
Em leetemanno da Verdade, e por me ser pedi-
do, firmo o presente. Rio de Janeiro, 13 de ju-
nto de 1874. Dr. Sato.ro i no Scares Meirelles.
Ceneordo perfeiuraente com o parecer suppra.
Dr. Joi.qaim Jose da Silva Pinto.
4
Tive era 1871 dei erysipelas em ama perna, tui
a Europa, e considered me carado, voilei e poaco
depois tive novos alaques. Tomei entio o remedio
Pres jTati\o da Erysipela do Sr. Manoel de
Siqaeira CavalcauU Junior e cessou a molestia ha
inais de am anno.
Creio ser islo effeito daqoelle medicamento.
Rio de Janeiro, 13 de jnnbo de 1874. 0 conse-
iueiro bario do Cabo Frio.
(Todis estaa flrnaas estio reconhecidas pelos ta-
Lelliaeu da corle.)
Malsaparrilha de Bristol
Trinta annos de triampbantes resultaJos t6m
outorgado a este anttseptico vegetal nma reputacao
incoronensuravelmente superior a todos quantos
M conuecem para a cura das escrofulas e de todas
as mais classes de enfermidades aleerosas e erup
liveis
Os nedieos os mais acreditados e experientes,
os periodistas e os escriptores de medicina, sao
testemunhas vivas de sua efScacia quasi rnaravi-
lhosa. Tern salvado e continua a salvar as vidas e
os me nbros de milbares de pessoas. Ella art o dia
de hoje nunca foi administra la em vio, Hem art
mesmo nesses casos reputalos como desesperados
oa incuraveh. E' o unico remedio para as escro-
fulas, erysipellas, herpes, chagas nas pernas, ab-
cessos, cancros, luraoros, enfermldades syphiliti-
cas e mercoriaes, e toda a casta de crupcoes en-
jaueas.
***
RSCffB DRAINAGE
Rendimento do 4a 7 3:731*384
Idem do dia 8...... 761*737
COMMERCIO.
JUNTA DOS CORRETORES
Pn$a do Recife, 8 tie agosto
de 1874.
AS 3 HORAS DA TARDE.
- cotacBes officiars
Algodio de Macao e Moisoro 84000 por 15 kilos,
bontem.
.\lgodao de 1" sorte 7/300 por 15 kilos.
jamb.o sobre Londrcs a 90 d|v. 26 d. por if,
bontem.
Dito sobre dito a 90 d[v. 25 5{8 d. por 1/000, do
banco, bontem e hoje.
Cambio sobre Paris a 3 d|v. 380 rs. o franco,
do banco.
Cambio soore Hamburgo a 3 d|v. 470 rs. por
R. M., do banco.
Cambio sobre Lisboa e Porto a 90 d|v. 107, e
e do banco 108 0|0 de premio.
3ambio sobre o Rio de Janeiro a 15 djv. ao par.
hontem.
Ei.Jde Vasconceilos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
ALFAWEOA
Resdimento do di* 1 a 7 .
dam do dii 8.....
114:426/337
16:193/028
130:619/363
Descarregam hoje 10 de agosto de 1874.
Barca ingleza Fuzilier mercadorias para al-
facdega.
Brigue portuguez A'oto Paquete mereado-
ria; para o trapiehe Conceicao.
Brigue norueguense Adonis farinln de trigo
j.i despachada para o cacs do Apollo.
iLTEPACAO NA FAUTA. DOS PREgOS DOS CENEROS
SUJ2ITOS A DIREITOS DE EXPORTACAO, NA 8EKAJM
DE 10 a 13 DE AGOSTO DE 1874.
Algodaoem rama ou la 460 rs. o kilo.
Assucarmascavado 80 rs. o kilo.
Assucar-bianco 132 rs. o kilo.
Courcs-ae boi seccos salgados 533 r*. o kilo.
CarrSo de pedra estraneeiro, tonelada metrica
10.6000.
Carocode algodao 20 rs. o kiio.
Crina-animal era bruto 300 rs. o kilo,
Alfandegade Pernambuio, 8de agosto de 1871.
0 1" c.nfcrenteJoaqnim Aurelio Waaderley.
0 1* conferentej. Rib; ro da Cunh.a.
Approvo. Albndega de Pernambuco, 8 da
agosto de 1874.
0 inspector
Fabio A. dcCarmlho Reis.'
DESPACHO.S PE EXPORTACAO NO DIA 7 DE
AGOSTO DE 1874.
Para os vortos do exterior.
No vapor trancez iii'o Grande, para Bor-
deaux, carregou: J. Malheiro 3 barricas com 36
ibacf.chis. /
No brigue inglez Victoria, para o Havre, car-
rfegou : E. A. Burle & C. 368 saccas com 30,619
ll2 kilos de algodao.
Na barca ingleza Petchedee, para Liverpool,
carregou : A. V. da Silveira 234 saccos com 17,350
Kilos de assucar mascavado.
No patacho portuguez Vand carregou : gados com 6:900 kilos; S. Guimaraes & C. 160
barris com 19,880 litros de mel.
No palacbo hespanhol Pclago, para o Rio da
Prata, carregou : A. Loyo 90 cascos com 33,120
.i'.rcs de aguardente.
No navio allemao Volan'.c, para o Rio da
Prata, carregou : Araorim lrm3o9 .i C. 1,044 bar-
ricas com 114,531 kilos de assucar branco e 100
ditas com 11,992 ditos de dito raascavado.
Na barca nacional Marindo V, para o Rio da
Prata, carregou: A. Loyo 25 pipas com 12,000
htros de aguardente e 600 barricas com 66,747
kilos de assucar branco.
Para os vortos do interior.
Para o Maranhao, no vapor nacional Para,
earregou : J. J. Goncalves Bellrao 4 Filho 45 bar-
ricas com 1,638 1)2 Kilos de assucar branco.
Para o Aracaty, no hiate nacional Deus te
Guie, carregou: Costa & C. 6 barricas com 324
kilos de assucar branco e 6 ditas com 544 ditos de
dito iefinado.
Import aciio.
Polaca beipanbola Antonita, entrada de Buenos-
Ayres, e consignada a J. J. Goncalves Bellrao & Fi-
iho manifest ou :
Xarque 237,880 kilos a ordera.
. ^PATAZIA DA ALFANDEGA
aend.mentc do dia 1 a 7 2.969/81
itm do dia 8...... 829/026
4:493/121
AGENCIAS PROVINCIAES
L
to de
Idem do dia 7
Liduidos espiritaosos.
Rendimento de 1 a 6
92l/i99
5911820
Baealbao, etc.
Rendimento de 1 a 6 495/139
Idem do dia 7 82/338
1
Generos de estiva.
Rendimento de 1 a 6 2t6/092
Idem do dia 7 36/692
Fnmo, etc.
Rendimento de 1 a 6 41/200
Idem do dia 7 17/510
Farinha de Irigo, etc.
Rendimento de 1 a 6 402/108
Idem do dia 7 /
Viuagre, etc.
Rendimento de 1 a 6 /
Idem do dia 7 77/172
:3I3/319
577/497
262/784
58/710
402/108
77/172
3:499/027
VOLUMES SAHlliOS
No dia 1 a 7 '.
No dia 8
Cnmeira port* ......
Sagouda porta.....
Terctiira porta .....
Titpicha CcncaiCyio .
4,720
24
141
275
402
5,562
SERVICO MARITMO
A:varen.ras descarreaadas no trapicfce da
alfasdega :
No dia 1 a 7 ..... 6
No dia 8.......
Mo trapicbs Coscaicio 2
~8
ABCBBEDORIA DR RENDAi) INTERNAS GE-
1-iAES DE PEBNAMBOCO
fttntiiaaeato do dia 1 a 7 8:771/137
Uw 4e dill 8...... 878/688
~9:649/795
GONSULADO PROVINCUL
RandiMMO do dia 1 a 7 12:019/968
itm do Oil 8 ..... 4:050/172
16:970/104
2:881/590
Thesonro provincial de Pernambuco, 8 de agos-
to de 4874.
0 escrivao,
Joio Carneiro M. da Silva Santos.
Revista eommercial
Da sernana de 3 a 8 de agosto de 1874.
Cambio sobre Londres, 90 djv 25 /t d. 25 3/s
d. por 1/000, banco.
Dito dito dito, 90 djv 26 d. 25 % d. 25 "/, d.
por 1/000.
Dito dito dito, 3 div 25 ){ d. por 1/000, banco.
Dito sobre Paris, 90 d|v 370 e 371 reis o franco.
Dito dito dito, 90 d[v 374 reis o franco, banco.
Dito dito dito, 3 d|v 379 reis o franco.
Dito dito dito, 380 reis o franco, banco.
Dito sobre Lisboa, pagavel em Londres, 90 d|v
26 d. por 1/000.
Dito sobre o Porto, 90 djv 106 por cento e 107
por cento, de premio. -
Dito sobre dito, 90 djv 108 por cento e 109 por
cento de premio, banco.
Dito sobre M. Imp. 3 d[v 470 reis o reich-mark,
banco.
Dito sobre o Rio de Janeiro, 10 djv ao par.
Dito sobre dito, 15 d|v, ao par.
Dito sobre Babia, 3 d[v, ao par.
Dito dito 13 d]v ao par.
Desconto de lettras 5 % 8 /. 9 / 10 */ *l '/
e 12 por cento ao anno.
Algodio de Mossoro serte, 8/000 por 15 kilos.
Dito de Macao, 1* sorte 8/000 por 15 kilos.
Dito do Aracajii, sera inspeccjio, 7/100 por 15
kilos.
Dito 1' sorte 7/400, 7/600, 7/800, por 15 kilos.
Entraram 413 saccos por por terra e mar.
Assuear someno, 2/300 por 15 kilos.
Dito Canal, 1/200 por IS kilos.
Entraram 1,471 saccas por terra e mar.
Aguardente. 58/000 nominal.
Aguaraz. Sana chegada, cotamos de 697 a
871 reis o kilo.
Arroz. Sem chegada, cotamos de 2/630 por
15 kilos.
Azeite dose. Sem chegada, cotamos a 2/460.
Alpisto. Sem chegada, cotamos 4/500 nomi-
nal.
Banha. Sem chegada, cataraos Liverpool 874
reis o kilo. Baltimore, de 827 a 871 reis o kilo.
Breu. Sem chegada, cotamos 15/300 per
barrica de 320 libras.
Batatas. Sera chegada, cotamos 3/500 por
caixa.
Baealbao. Sem cbegada. Deposito 5,000 bar-
ricas, retalha-se de 16/000 a 17/000.
Couros seccos salgados. Sem cliegada, cotamos
a 538 reis o kilo.
Ditos verdes.Sem chegada, cotamos a 320 reis
o kilo.
Carce.- Chegaram 718,932 kilos.
Em deposito, 90,000 arrobas, do Rio Grande,
de 3/800 a 4/600, especial 4/900 ; e 30,000 ar-
rcbas, da do Rio da Prata, de 43000 a 4/700.
Cafe. Sem chegada. cotamos de 8/00O a 8/500
por 15 kilos.
Canela. Sem chegada, cotamos a 1/63-3 o kilo,
nominal.
Cimento. Sem chegada, S^OOO a barriea, no-
minal.
Cebolas. Chegaram 3,600 resteas, e 30 caixas,
cotamos a 12/OCo a caixa.
Cha. Chegaram 7 caixas, conforme a quali-
dade.
Cerveja Bass liner?. Chegaram 150 barricas,
cotamos de 7/000 a 83OOO.
Dita Noruega. Vcndas de 6/000 as inteiras e
7/000 as meias.
Cognac.-Sem chegada, de 8/000 a*20/000, con-
forme a qualidade.
Farinha de trigo. Sem
17,427 barricas, e retalha-se :
Hungria de 30/000 a 32/000.
Trieste de 27/000 a 29/000.
Americana de 20/000 a 25/000.
Saccos, do Cbil*, 9/000 a 10/000.
Farinha de mandioca. Chegaram 2,838 saccos,
63,000 litros. Depositi 8,000 saccos ; de 3/000 a
4/000 nominalA
Farello. SsmVchegada, a 4/600 por sacco.
Fumo em rolosi Sem chegada, cotamos de
12/000 a 13/000.1
Dito em latas.-^ Chegaram 122, cotamos de
12/500 a 13/C00.
Dito em pacote. Chegou 1, cotamos de 12/
a 15/000.
Dito em encapados. Sem chegada, cotamos de
12/000 a 13/000.
Genebra de laranja. Sem chegada, cotamos a
7/000.
Dita commura. Sem chegada, cotamos 4/000.
Dta de Hollanda. Sem chegada, cotamos a
3/500.
Dita em botijas. Sora-chegada, cotamos a 330.
Dita lanterna magica. Sera chegada, cotamos
a 6/000.
Dita vida eterna. Sem chegada, cotamo3 a
4/500. ,
Kerosene. Sem chegada, cotamos de 3/000 a
5/200, pequeno deposito.
Louc,a ordinaria. Sem chegada, vendas a 380
por cento.
Dita fina. Sera chegada, sera vendas, cotamos
nominal a 280 por cento.
Milho. Sem chegada,cotamos a 83reis 0 kilo.
Manteiga ingleza em latas. Sem chegada, ven-
da, a 2/614 0 kilo.
Dita ingleza em barns. Chegaram 105 barris
e 75/i, cotamos a 1/960 0 kilo.
' Dita franceza. Vendas a 1/568 0 kilo.
Pimenta. Sem chegada, 1/045, nominal.
Papel de erabrulho. Sem chegada, de 900 a
1/100 a resma.
Phosphoros. Sem chegada, a 2/600 a groza.
Queijos flamengos e pratp. Chegaram 246
caixas ; retalha-se dos flamengos de 2/400 a 2/500
0 queijo, e do prato, retalha-se a 1/307 0 kilo.
Sal. Sem chegada, cotamos de 1/200 a 1/400
0 alqneire.
Sabao inglez ordinario. Sem cbegada, a 240
reis 0 kilo.
Dito da terra. De 330 a 360 reis 0 kilo.
Sardinhas. Sem cbegada, a 280 reis, a lata
de X-
Toucinho. Sem chegada, cotamos a 12/500,
por 15 kilos.
Velas stearinas. Sem chegada, venda a 510
reis 0 maeo.
Vinagre. Sem chegada, cotamos 0 superior de
Lisboa de 130/000 a 135/000.
Vinbo Unto da Figueira e de Lisboa Cbegaram
33 pipas e 185 barris de quinto, 52 barris de de-
cimo e 3 barris de quarto ; cotamos de 220/000 a
235/000, e 0 de Lisboa, cotamos de 205/000 a
215/000.
Dito do Eetreito. Sem chegada, cotamos de
2001000 a 220/000.
Dito do Porto. Cbegaram 235 caixas, cotamos
de 9/000 a 9/500 por caixa.
EDITAEST
0 Deaembargador Francisco de Amis Oliveira Ma-
ciel, official da imperial ordem da Rosa, cava-
lheiro da de Christo, jnii prrritivo de orphios e
anaentes da cldade do Reelfe e sea termo, por
8. M. 0 Imperador, que Dens guarde, etc.
Faco saber aos qoe este rirem, que 0 baeharel
Francisco Pereira Martins Ribeiro, inventariaote
doa bens que fiearam por fslleeimento- de sea ir-
mio Leopoldo Ptrrelra Martina Ribeiro, requeren-
do-me para vender em basta publica, com 0 abate
chega3a. Deposito
da quinta parte,Tiito eotno na prinaeira praca nio
houve lancador, a ascrava Ixiora, preta. crioola,
de 26 annos de idada, com algumas babilitacdas, e
que pertencendo ao eapoiio do invenUriado, foi
avaliada por 1:0004. e com 0 abate da reaoectiva
5* parte, ficou a meneionada eacrau eon 0 Talor
de 800/000.
E, pois, qoe annuindo 4 semelbante pretancio,
pelo presente e firmado bo que dispde 0 decreto
n. 1698 a 1869, eonvido a todos qtunto quairam
lancar sobre a preciuda etsrava, apresenurem
suas propostas am eartas feehadaa competente-
mente estampilbtdas, nas salas das andieneias das
autoridades judiciaes da 1' insiancia, no praxo de
20 dias, a contar de hoje.
Oa pretendeotes querendo, poderao ver a pre-
dita ascrava, na casa da residencia do inventa-
riante a rna da Iraperatriz, no 2* andar do sobra-
do n. 86.
E para constar mandei passar 0 preseute, que
sera afflxado nos lugares do costume e publicado
pela imprensa.
Dado e passado sob men signal e sello ou valba
sem sello ex-causa, nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 20 de julbo de 1874. ,
En, Floriano Correia de Brio, escrivao, 0 llz
escrever e subscrevi.
_________Francisco it Assis Olioeira Micisl.
0 Dr. Sebastiio do Rego Barros de Laterda,
juiz de direito especial do commercio nes-
ta cidade do Recife e seu termo da capi-
tal da prorincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e constitucidnal o Sr. D.
Pedro II, a quern Deus guarde, etc.
Faco saber aos que 0 presente edital virem e
delle nolicia t-.verem que pelos administradores da
massa fallida de Joie Narciso da Silva & C me
foi apresentada a seguiate class;ficacio de aredi-
tos da dita massa :
Rela;ao dos credores cblrographarios admittidos
ao passivo da massa fallida de Jose Narciso da
Silva & C. :Motta Junior & C. por conta de li-
vros assignados pelos fallidos 3:506/770. Anto-
nio Jo6 Silva do Brasil 1:469/620. Carlos Alves
Barbosa, 379/840. Antonio Martins Leile & C.
710/150. Jo.-e Doraingos do Catme e Silva 93/.
Ferraz 4 Pereira 741/280. Faria & Filho-----
753/730.
Relacao dos credores que apresentaram eontas,
mas que nao foram admittidas, por nio se acha-
rem ellas assignadas pelos fallidos : Manoel Jose
Tinoco de Souza 178/880. Moreira Moniciro &
C. 126/980. Tasso Irmios & C 1:013/915. Joao
Ferreira dos Santos Junior 250/000. Jose Adol-
pho de Oliveira Lima 484/000. Francisco Gue-
des de Araujo 209/760. Souza Bastos & C. 72/.
Seixas & Almeida 50/000. Meuron & C. 50/000.
E por-este edital sao citados os referidos credo-
res para dentro do praso de 5 dias contados da
publicacio do presente dizerem sobre a dita clas-
sificariio.
E para que cbegue ao conhecimento de
todos, mandei passar 0 presente, que sera"
publicado pela imprensa e afflxado nos lu-
gares do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, 3 de agosto de 1874.
Recife, 3 de agosto do 1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao, 0 subscrevi.
Sebastido do Rego Barros de Lacerda.
Ao sello 300 rs.V. S. S. ex causa.
Barros de Lacerda.
' BBSW 11 I
I
THEATRO
AVISO
Paga-se 0 41." dividendo das acc,desdo
Banco do Brasil, inscriptas na caixa filial
desta provincia, na razao de P?000 por ac-
<;3o: a rua do Vigario n. i.
Ctriiipanhia Piienix Pernauibu-
cana.
De conformidade com os arts. 18 e 19 dos esta-
tutos, vendera-se dez accoes de n. 1,311 a 1,310
da compauhia de seguros maritimos e terrestres
Phenix Pernanibuiana. Os pretendentC3 sao con-
vidados a apres-ntarem as suas propi3!as em car
ta fechada ale 0 dia 14 do corrente, por interrae-
dio do corrctor Pedro Jose Pinto.
Companhia Phenix Pernambucana, 3 de agosto
de 1874.
Os directores,
Luiz Dnprat.
Joao Jose Rodrigues Mendes.
Antonio Gomes Miranda Leal.
Massa fallida
DE
Amorim, Fragoso, Santos
&0,
$ dividendo de 1,95 por cento.
Paga-se 0 ultimo dividendo as quintas-feiras,
das-11 horas da roanha a 1 da tarde, no eacripto-
rio da rua do Vigario n. 13, andar.
OsSrs. credores queiram vir logo receber, pois
lem de ser recolhidas ao deposito pub'ico as quan-
tias que nao forem procuradas ate 0 dia 15 de
agosto proximo.
AGENCIA.
BAVAS-REDTER
\1? Rna.do (.'oinmcrcio-\ 19
A agencia Havas-Reuter tem a honra de
participar ao publico1 que se acha prorapta
a fazcr a transmissao de telegrammas parti-
culares para a Europa, de hoje em diante.
Para maiores osclarecimentos e conheci-
mento da tabella de pregos devem os inte
ressades dirigir-se a agencia, rua do Com-
mercio n. 17 esquina da praja do Corpo
Santo.
Consulat de France a Ber-
nambuco
A vendre par adjudication volontaire en la
cbancellerie du Consulat de France a Pernambu-
co le londi 17 aont 1874 aux onze heures du
matin.
1.* Le foods de commeree de fournitures de
navires.
2.* Le fonds du grand & bel hotel de l'Earope.
Ces deux fonds explotie's par feu Eduard Turpin
sont situes an Recife, ns. 12 e 24, rue du Com-
merce, snr le, qnai en face du debarcadere.
Sadresser pour renseigments au consulat de
France a Pernambuco.____________________
Sociedade Recreativa Ju-
ventude
Em vista do que dispde 0 ait. 19 dos estatutos,
eonvido os Srs. socios a se reunirem, domingo
9 do corrente as 3 1|2 boras da tarde, em assem-
bler geral ordinaria, afim de onvirem a leitura
do relatorio annual desta presidencia, parecer da
commissio de eontas e de procederem a eleicio
da nova directoria.
Oulro siro, chamo a attencao dos Srs. socios
para 0 2.* do art 20 dos estatutos.
Secretaria da Sociedade Recreativa Jnventade,
5 de julho de 1874.
Vnlpiano Raptista,
___________________1." seeretario.
A arremaucio em hasta publica da casa
terrea, proprio nacional, sita i rna do Paco Caste-
Ibano, na cidade de Olinda, annnnciada para 0 dia
6 do corrente, foi transferida para 0 dia 12 deste
mez, 0 que se declara para conhecimento de qaem
interessar.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, % de agosto de 1874. 0 2* escripta-
rario, servindo de secretario,
Carlos J. de Souza Correia.
Companhia Fidelidade
seguroa maritimos e terrestres
A agenda desta companhia toma seguroi ma-
ritlm s e terrestres, a premios razoaveu, dando
nos nltimos 0 s4k> livre, e 0 setimo anno gratuito
ao segurado.
Feliciano Jose Gomes,
Agent*.
Aviso preventive).
1.' representaclo
QU1NTA-FEIRA 13 DO CORRERIX
Con a raaior brevidade.
Recem-chegados a esta cidade, o: artistas
Sr. Donato
Cc;.elebre bailarino de earacter e reputacao europea
Sr. Lopez
destincto prestidigidor, unico diicipulo e suc-
cessor do nnado Herman, e a Sra. Albina, baila-
riu-a iialtana, teem a honra de annunciar a 0 il-
Initrado publico desta eidade, duas uoicas repre-
sentaqoes, compostas de prestidigitacao, pbysica
moderna e baile de earacter.
0 programma das funccpe* serao distribuidoe
com anttcedencia.
Transerevemes do Jornal Esperanca, de Cor
nentes, de data de 30 de abril do corrente anno
a segumte :
0 preslidigitador D. Manoel l/,pez mostron sua
habilidade na magica repre-entacao de domingo
Muitos que teem visto trabalhar n famoso Her-
mans, nio vacilam em afflrmar qoe Lopez e mais
sorprendente em suas proesas que aquelle. 0
publico apreciou no Ultimo domingo estas mara
vilhas.
THEATRO .
Santo Antonio
Campanologos escocezes
composta da familia Sawer, com as suas 160
cam pan hin has de metal e 60 copos de
crystal.
Deixou hontem de ter lugar 0 primeiro
espectaculo annunciado, em virtude da mo-
lestia de que foi accomettida uma das atri-
zes. Logo que se ache ella restabelecida
sera annunciado 0 primeiro espectaculo.
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio enlrado no dia 8
Ruenos-Ayres14 dias, polaca hespanhola Anto
nita, de lb'0 loneladas, capitao Juan Ferre, equi
pagem 10, carga 257,880 kilos decarne;a
Bellrao & Filho.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do Boris Vapor nacional Para, coraman-
dante If tenente Car.'os Antonio Gomes, carga
differentes generos.
Rio Grande do Sul Vapor nacional Itapuam,
comraandante Alexander Dewar, era lastro.
Rio da Prata Sumaca hespanhola Venturita, ca
pitao Gabriel Maristany, carga assucar e agnar
dente.
Porto-Patacho portuguez Santa Maria de Belem,
capitao J. F. dos Reis, carga assucar e outros
generos. \
AracatyHiate nacional Leonilia da Cruz, capi
tio Manoel C. da Costa, carga varios generos.
Navios tentrados no dia 9.
Rio de Janeiro e Babia 6 dias, vapor francez
Rio Grande, de 1,539 toneladas, commandante
Delabarre, equipagem 99, carga differentes ge-
neros ; a Harismendy & Labille.
Terra Nova34 dias, lugar inglez Harriet, de 247
tonelada?, capitao George Hill, equipagem- 10,
carga 3,310 barricas com baealbao ; a Saunders
Brothers & C,
Navio sahido no mesmo dia.
Bordeaux e portos intermedios Vapor francez
J{i'o Grande, commandante Delabarre, carga a
mesma que trouxe dos portos do sul.
Palhabote Jo ven Arthur
Vende-se e te navio prompto de um tudo para
navegar, e feito de madeiras do Brasil, esta anco-
rado no quadro da descarga : os pretendente3 po-
derao examinar, e para tratar com Antonio Luiz
le Oliveira Azcvedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
ABACITI
Para 0 porto acima sahe com brevidade 0 pa-
lhabote nacienal Maria Amelia, reconstruido de
novo, do qual e capitao e-pratico Francisco Tho-
maz de Assis : para carga e passageiros, trata-se
com Antonio Alberto de Souza Aguiar, a rua do
Amorim n. 60.
Pretende seguir para 0 indicado porto eora inui-
ta brevidade a escuna portugueza Christina, por
ter parte da carga ; e para a que lhe falta trata-
se com os consignatarios Joaquim Jose Goncalves
Bcltrao & Filho, a rua do Commercio n. 5.
Bal
11a
Para este porto segue em poucos dias 0 hiate
Dvm de Julho, por ter alguma carga engajada,
para 0 resto que lhe falta trata-se com os consig-
natarios Joaquim Jose" Goncalves Bellrao & Filho,
a rua do Commercio n. 5.
PARA E MARAIAO
A escuna Georgiana- tendo engajado parte de
seu carregamento para 0 Para, recebe tambem
para 0 Maranhao, caso convenha fazer a escala
a vista do frete que apparecer: a tratar na rna do
Amorim n. 37.
COMPANHIA PERNAMBIJCANA
DE
rVavegacHo costelra a vapor.
Macei6, escalas, Penedo e Aracaju'.
0 vapor Jaguaribe,
commandante Jnlio,
seguirapara os por-
tos acima no dia 14
do corrente as 5 horas
da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 13 do corrente, encom
mendas, dinheiro a frete e passagens, ate as 2 ho-
ras da tarde do dia da sahiaa : iscriptorio
no Forte do Mattos n. H.__________________
PARALW
j.0 aptacho portuguez Vanda, capitao Pedro A.
P. de Barros, vai sahir breve, e recebe ainda al-
guma carga : trata se com Silva Guimaraes & C.
argo do Corpo Santo n. 6, 2 andar.
Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMERS.
(De 3,829 toneladas).
Commandante G. N. Comlam.
Espera se da Enropa ate 0
dia 16 de agosto e seguira
Sara Babia, Rio de Janeiro,
lontevideo, Buenos A y r e s,
Valparaiso, Arica, Islay e Cal -
lio, para onde recebe fa pas-
saseiros, encommendas e dinheiro a frete.
N. B.Nao sahirao antes das trea horas da
tarde.
OS AGENTES
Wilson Ro we A C
14RUA DO COMMERCIOit
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 41.
COMPANHIA BRASDLEIRA
DE
NAVEGACAOAVAPOB
r*rtodosal
Commandante Interino Qnadroa
E' esperade doe portos
do norte ate 0 dia 14 do
corrente e seguira para
oa do sul depois da de-
mora do costume.
Porto* do norte
Co 1
andante tnterlno a. lssaae.
feBaKf^ E' esperado dos portos do sul
/_3 2^ al6 od | guira para os do norte depois
""J^* da deraora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio.
7-RUA DO VIGARIO -7
____ Pereira Vianna & C.___________
LEILOES.
LEIlAO
de fazendas inglezas, francezas, snissas e
allemis
Em continuaq&o
Constando de : casemiras pretas e de cores, em
cortes e em pecas, pannos linos, brilbantina
branca, chitas, algodoes, cobertores, cbales, len-
cos, gravatas, merinos, bombazinas, cambraias, es-
partiihos, meias, collarinbos, bramantes, grosde-
naples, popelinas, tapeles, cbales, capas de seda,
brins brancos e de cores, ehapeos de differentes
qualidades, ehapeos de sol, camisas para homens
e meninos, peitos para camisas, sargelim, atoa-
Ihado, veos para casamentos, chitas de ganga ada
mascada, damasco e muitas outras fazendas.
Qiaarta-felra 19 de aaosto
RUA DO BOM JESUS N. 63.
Os administradores da massa falli.li de Pereira
de Mello & C, farao leilao, por antorisacio do
111m. Sr. Dr. juiz especial do commercio, e por in-
tervencao do agente Pinto, de um variado sorti-
mento de fazendas inglezas, francezas, snissas e
allemis, existentes no arraazem da rua do Bom
Jesus n. 63, onde se effectnara 0 leilao.
Em continuaqao
vender-se-ha tambem differentes volumes com
camisas francezas, popelinas, chitas ej cobertores
ultimamente despachados.,
0 leilao principiara as 10 hora emeia
LEILAO
DE
um predio de2 andares e so-
tao, em chao proprio
com as commodidades seguintes:
Primeiro andar, 2 salas, 1 alcova e 1 qnarto.se-
gundo andar, z salas, I alciiva e 1 quarto, so-
tao, 1 saia, 1 pequeno quarto, com janella parao
oitao, cozinha e pavimento terreo, silo a traves-
sa do Carmo n. 161, hoje bec'0 d> Sarapatel.
TERQA-FE1RA, 11DOCORRESTE
A's 11 horas damanha
No escriptorio A rua do Bom Jesus n. 53,
primeiro andar
0.0 correr do martello
O agenle Pinho Borgcs, autorisado, vendera em
leilao 0 referido predio. por canta e risco de quem
pertencer.
Todo 0 predio rende annualmente 432Or.O, e
qualquer esclareciraento 0 mesmo agente pdo dar.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examinar
0 referido predio.
Affente Festana
Leilao
DE
80 ancoretas com azeitonas e 30 caixas com
mac3s, viadas altimameota pela vapor
Erimanthe.
SEGUNDA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's 11 horas em potato
No armazem do Sr. Annos, defronte da al-
fandega.
0 preposto do agente Pestana* fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de 80 ancoretas
Com azeitonas e 30 caixas com macas, desembar-
cadas ullimamente, vindas pelo vapor Enmant'.e,
em um ou mais lotes, a vontade dos eompradoraa.
. Agente Pestana
LEILAO
DE
110 canastras com alhos e 6 pe<;as de cabo
de linho, chegados ultimamente
Terca-feira It do corrente
us 11 horas ena ponto
0 preposto do agente Pestana, fara leilio por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos aci-
ma mencionados, em um ou mais lotes, a vontade
dos Srs. compradores-
LEILAO
DE
11 saccas de algodao, marcaletreiro
TERCA-FEIRA 11 DO CORRENTE
Na prenca do Sr. Sa LeiUo, no Forte do Mattos.
0 agente Martins fara leilao, por conta e risco
de quam pertencer, de 11 saccas de algodao, mar-
caletreiro, vindas de S. Miguel de Campos na
barcaca Carolina.
A's 11 horas do dia acima.
DAS
fazendas, armacto e moveis da massa falli-
da de Azevedo & C, loja da Rosa Bran-
ca, a rua da Imperatriz n. 56
QUARTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
0 agente Martins levara a leilao, pela segunda
vez, por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, a armacao, fazendas e moveis da loja
da Rosa Branca, a rna da Imperatriz n. 56, per-
tencente. a massa .fallida de Azevedo k C.: os pre-
tendentes podem examinar 0 balanco que se acha
em poder do referido agente.
A'S 11 HORAS EM PONTO.
Agente Bias
LEILAO
4 ditas com panellas aatanhadai.
5 ditas com cbaieiras do lerro esunhadas.
1 caixa com feixes pedraaea.
|1 dita eon fcrrameou para aitea odfcioa.
t dita com chami m vMro.
1 diu eon globos Isptdados.
15 latas com lintas preparadas.
60 panellas de ferro.
30 duziaa de pas do. (erro.
15 caixas com cerveja preta. _______
Feira bemanal
pianos(mobilias, aparadores,
guards roupa, mesas para
jantar, commodas, camas
francezas, espelhos dou-
1 rados,quadrosdiversos,ca-
deiras de balanco, guarda
lougas, carteiras para es-
criptorio, balancas, diver-
sasmiudezas, jarros para
flores, objectos de ouro e
brilhante, marquezas, me-
sas, palitos de dentes,
consoloSjSecretarias, guar-
da vestidos, cadeiras tde
abrir, 1 mobiiia dejunco,
fiteiros para lojas, cabi-
des, mesas de pedra mar-
more, com pes de ferro e
outros muitos artigos que
serao vendidos a tr6co do
barato, por conta dedivcr-
sos
QUINTA-FEIRA 13 DO CORRESTF.
as 11 horas da inanha
NA
, FEIRA 8El\1ANzVL
16Rua do Imperador10
ARMAZEM.
pelo agente Martins.
-------------------------------------------------------- ---'
Leilao
x DE
uma armarSj euvidra^ada, 2 lulcoes, 1 -,-.
cretaria, 1 armagao de louro, 2 balangas,
frascos e outros accessorios de arma^Hc
de botica.
SEXTA-FEIRA 1 i DO CORRENTE
A's f 1 horas.
Por iiitervencao do agente Pinto
' .\o armazem do sobrado da ma do Bern I
n. 2i.
Leilao
DE
pesos de ferro de 1, 2, 3, 4, 10 lo e b
kilogramme?, tax.is de banha, facas -
marujos, papel aimago, lizo e pruta !
ootrawuiudezaa e ferragen?.
SEXTA-PEIRA I i DO CORRENTE
Am lO f | horas
No arniaz;:.! da rua do Bun Jam n. it.
I'or interveng3o do agente l'inlo
Em eontwnaclo vnndera o mesmo acen'i-. 11
los de tranca o botiau para s ' LEILAO
DE
diversas mercadorias avariadas a bordo do
patacho allemao HenriiUe Burchard ul-
timamente arribado a este porto.
Quarta-feira 12 do corrente
A'S 11 HORAS DA MANHA.
OSes do Apollo, armazem alfandegado do
Eim. barao do Livramento.
0 agente Dias competentemente autorisado pelo
lllro. sr. Carl Peters, capitao do dito patacho, e
com assistancia do Illm. Sr. consul allemao e de
um empregado da alfandega desta cidade, levara
a leilao por conta e risco de qnem pertencer no
dia, hora e lugar acima declaradoa, as mercado-
rias abaixo mencionadas, e que faziam parte da
carga do dito patacho, ultimamente arribado a este
porto, em virtude de forca maior.
A SABER:
06 gigos com louca branca e pintada.
i barricas com copos tfe viaro.
S ditas com ditos de dito.
1 barrica com fechaduras.
DE
2 sitioscoin casa?, m Poota d'Ucaoa, j. -
iencentes fcos bcrdeiroa do UmwM
Carroll.
SEGL.NDA-FtillA 17 1)0 CORRENT
as ll horas da manha
No sobrado da raa do Marquez de 0:.
n. 37, primeiro andar.
0 agente Dias competentemente autorisado lava-
ra a leilao no dia, bora e logar acima design
os dous silioa abaixo mencionalus.
Pr.meirositio.
Com um boa :J^a lorrca e sotao em MR
proprio, dc f.edra e cal, com gracdes acomn
joes para qaalqrer familia, a saber : 3 sallas t ''
quartos no andar lerreo, 3 salas e 2 grasdes tos no sotao, copiar r.a .'rente e no lado, caoo I a
fora, quartos para criados, cacimba, t; n ju>>.
cbeira grande e estribaria r muitcs outros eom-
modo-; o sitio i importantissinio, nio so porque
tem, uma grande bam de capim. como pel s m..
tai arvores fructiferas e qua a saber : 30 pe* de sapotis, cerra de 400 ditos 4<
laranja j, das melbores qualidados, tantode umbig)
como da China, alguns pes de frncta pao, u.-^-
de 5C0 pes de cafe, 30 coqoeiros, mnitas goiat-
ras, bananeiras jambciros e outras arvores, o
para raencionar-se tornar-sehia enfadonho. bit
sitio esta em conlicoes de offerecer grandes van-
tagens a quem qaeira lel-o sob a inspeccao de um
feit r cuidadoso e expOr a venda todos o& a3
productos, inclusive flores e plantas.
Se gundo sitio.
Fica contiguo ao primeiro. com nma boa casa
lerrea com 3 salas, 4 quartos, um copiar. e se^a-
rados cosinha, despenpa, um quarto para criado,
estribaria, cocbeira, banneiro, tendo alf-m d:*.
agua e gaz encanados.
Estas duas propricdades e ontra que fica visinr.a
possnem c nfronle aos sitios nm terreno com per-
tao que deita para o rio Capibaribe, de modo qit
facilita a conducoao por meio de embargoes -
canoas, etc, etc.
Os Sr*. pretendentes podem desde ja examu..t -
rem os sobreditos sitios e para qualquer informa-
cao podem dirigir-se ao escriptorio do sobrei.u
leiloeiro, a rua do Marquez de Olinda n. 3", *
andar, onde ter a lugar o referido leilao.
AVISOS DVERSOS
1 \M 1 Precisa se de uma ama para cc.i-
\ \ i \ Prar e C0linDjr P*r* c*** de pou:s>
fXlTl/T. familia : a tratar
dor n. 55.
ratar na rua do Impera-
EKADEItt.4f\0
GAMMQGRAPHiA COMMERCIAL
DE
II. 37Rua Duque de Gra-N. 17*
Neste estabelecimento aoca4eraa se
com toda presteza, nitidex a perfeicio,
dosde o mais simples aid oa mais pri
morosos trabalhos de setime e vetmdo.
Pauta-se e risca-se papel pan livros
, em branco, unto para o eommereM, como
) pra reparticoes publicas, numera-ae, H-
vros, executa-se tudo quaato e relatrro 4
gammographia.
Miranda dc Irmto, musidot de boas
j machinas, bons artistas e exeaUeatea ma
teriaes, jolgam-ae tawTnaoaa para asrflr
i satisfactoriamente as peesou qtw fuiae-
1 rem trabalhos tio perfeitoa como oa que
vem do estrangeiro.
,..'
/

i


Diario de Pernambuco Segiinda feira 10 de Agosto de 1874.
',
Preen a-se de um feitor qne tenha pratiea pan
um sitio fora da cidade : a tratar na rua do Han
r?i n. :i7.
0 Sr capilao Manoel oe Car>ala<> I'im de
Andradu Gouvim, tenh* a hmdade de appar'-er
na ma lo Barao da Victoria, arraaaem de mobilia
n. 57.
Imagcm
Treca-se uma irnagero Jj Menino Deus, por
nma de S. Miguel : a tratar na rua do Visconde
de Albuquerque n. 14. _______________
Precisa-se de utn pequeno de lo a 12
annos, livre ou escravo, para service domes-
tico, paga-se bem ; traur na rua Duque de
Caxias : n. 97, loja da Verdade.
Reuniao popular!
Hygiene e ecoaoinia
Quereis passar algumas horas satisfeito 1
Quereis conservar a forca dos orgies digestivos ?
Quereis espuecer os peripetias da vida t
Qnereis river engolfado no praxer 1
Quereis prevenir muitas enterinidades ?
enereis gozar os effeitos da boa economia ?
uereis ter appetites e facil digesUo ?
Quereis, fmalmente, ser feliz e ditoso 1
Attendei aos meios:
Vinde incontinente ao rnuito eonhecido e pre-
conisado armazem do Campos i ma do Ira-
pjrador n. 28, onde encontrareis todos os agentes
(som ser de leilao) neeessarios para conseguirdes
os gozos qne vos offerecem as afflrmativas, qne,
indispensaveimente exigem as oito pergnntas predi-
Us, isto e, encontrareis os generos ma is finos e
gostosoa qne por ventnra tenham alimementado
oh estomagos mais suseeptives e delicados, encon-
trareis os vinhos mais pnres quo teem exportado
oj paizes mais vinbateiros do mundo e qne faxem
espanoar a mais impertinente tristeza, deixando,
com certeza, iaraixado o germen da ajegria, qne,
inundando de perfumes o oceanA da alma a
iniagina;ao exercera, poderosartjente, prodigiosa
_spiraclo sobre todas as cabecas a"qne tenha fei-
tc> a sua asceosio ; encontrareis os acepipes mais
; nwHndrosos, de cbeiro activo e embriagador ;
encontrareis, em summa, iguarias deleitosas, pe-
uscos deHciosos e tndo o qne ha de mais pro-
vocador -{depois da mulher) e qne vos pode sua-
vemento transportar ao paraizo da gastronomia,
f.uendo vos gozar a mais real das felicidades
da vida humana, a boa mesa
- Visto como:
N. 28Com o eraporio das tripasN. 28.
N. 28-Recheiado de iguariasN. 28.
N. 28 Se pode dos embucados-N. 28.
N. 28 Repetir as picardias IN. 28.
Rua do Imperador
Mesmo porque:
E' patente e apregoado por todos os medicos de
'mais celebridade que os boas alimentos sao es-
senctalmeDte neeessarios para a boa co_ervacio
da saude e uma das bases mais poderosas para
assegurar o com pie to desenvolvimento das fa-
mldadcs physicas e moraes da creatnra; e
com effcito, se assim nao e, respondam-nos qual
a causji porqne em cada oanto que paramos des-
cobrimos uma quantidade enorme de criancas ra
chitieas e infesadas, de mocas debeis e de uma
conslraccao franzina, de rapazes macilentos e sem
vigor e finalmente de toda a mais bicharia, dig-
aa por certo de melhor sorte, verdadeiros typos
do desfallecimento e que nos deixa pbysiologica
mente conhecer os effeitos mephiticos da ma ali
3nta5ao, de que irreflectilamente fazem uso :
SUencio proTuudo Confirmacao absolutal
Verdades puras:
. Quern negar ja ousou dos paios a fama,
Dos presunlos os sab^res requintado 1
E do vinbo o poder que leva a cama
Vida ao enfermo e forca aos esfalfados !
Alm do que:
E' um facto conscieuciossmente provado e que
so podera ser contestado por algum hypocrita ira-
been, de que ninguem esta tao habilitado a ven-
eer bom e barato como o Campos, o que e de
fecil intuicio, attendendo se a que o sen lim i
.i'azer com que todos venham comprar em seu ar-
mazem, para o que nao se acha, felizmente, stfb
o jugo do egoismo e nem tSo pouco e alimenta-
do pela aiEbic4o do ouro e sim pelo desejo
de bem servir aos seus Treguezes, dispensando a
odos agrado e sinceridade.
Embora que:
P.uja, raja os invejosos,
Fallem, pulem, saltern, berrem :
Nao poderao, desditosos,
Competir, nao, mais esperem^.
n-
Exma. Marquera do Rectfc
Francisco Lins Paes Barreto con-
vida aos- sens pareotes e amigos
para assiitirem a missa, annivcr^a-
rio do passamentn de sua mii a
Marqurza do HfCif^, na ifzreja d<
P&raizo, i- 7 floras da mar.lia,
unla f-ira, 10 do corrente,
rtitf liifirit
PENHOHES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Direito contra o direito ou o
estado sobre tudo.
Esta obra pnblicada no Rio de Janeiro ultima-
meate pelo Exm. Sr. bispo do Para, acha se a
venda na livraria Univer.-al, rua do Imperador n.
54, pelo diminnto pre^o de if- _________
Alnga-se por alguns mezes o 2* andar d-
sobrado n. 53 da rua da Imperatriz, completameo-
te mobilhado, a pessoa de pouca familia, preferino
dose estrangeira : a tratar no mesrao.
Precisa se de uma ama para cozinbar e mais
algum servico de casa de peqnena familia : a tra-
tar no 3." andar desu typographia.________
CASA
Alaga se o !. eH.# andarea do sobrado
sitoa rua de Comas Valeutioas n, 86, con has-
tantes eommodos, cada um para graude fauiilia,
tendo o tncsmo tobrado quintal e p nao quo d.\
sahida pra r a de noiras ; bem roii.o ffiuu-
d' andar d > k Lrailo n 83, situ i rua da Marci
lio Uias : quewi prcleodc luj dirija se i rua Sur
n 17, qne acliara i^in mifm tratr. ^^^^^
Aluga-M um pequnii MUo, edificaihi l
novo, no i'i(jar -la Tamariueira :, a tratwr n* iu
do Ciinmer<-ii> n. 9, I* andar.
Furlo.
A pessoa que tiver compraio o l. tomo
de Pcreira e Sousa, Primeiras Unhas
sobre oProcesso Civil, querendo restituilo
a seu legitimo dono. tt-uha a boodade do
dirigir-se a rua do Imperador n. 20, d'on-
de foi furtadb por um moleque. Promet-
te-se satisfazer o prego da compra, e grati-
ficar ao portador. _
EICiKMO
S. CARLOS
Vende-se on arrenda-se o engenho S. Carlos, em
Ipoinca, moente e corrente, com todas as obras
em psrfeito estado de conservaeio, e rnuito bom
d'agua : a tratar na travessa da rna Duque de Ca-
xias n. 3, i andar, com Gabriel Antonio de Castro
Qnintaes._______________________________
Villa de Palmares.
As* Sras. Carroll participant aos Sra, pais de fa-
milia, que abriram um collegio francez para o
sexo feminino na villa de Palmares, onde recebe-
rao aluinnas internas e externas. Ensinar-se-ba
alem do francez, portnguez, inglez, arithmetica,
geograpbia, historia, musiea, bordados, etc. Tarn-
bem se propoem a receber alnmnas das 3 as 6
boras da tarde, por metade do preco : para tra-
tar na mesma villa, no pateo da Feira.
Alnga-se a loja com armacio para taverna, ;a
prompta, na rua Direita n. 36, e tern fundo que
pode servir para moradia ; a chave para ver esta
defronte na loja de tamancos n. 29, e trala-se na
rua da Cadeh, no Recife, d. 3.
i^iS!SSiSamiQQfiSSMS^ f
Consultorio medico
DO
Dr. Murillo.
RUA DO VIGARIO N. 1, 2.' ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre-
quentou os bospitaes de Paris e Londres, >g
podera ser procurado a qualquer hora do Q
dia ou da noite para objecto de sua pro- Q
fissao.
Consultas das 6 as 8 horas da manhJ e
do meio dia as duas boras da tarde.
fGRATIS AOS POCBES. 'ft
Especialidades : Moiestias de senhoras, m,
da pelle e de crianca. > O,
Hotel de Afogados.
0 proprietario traspassao por venda, pu arren-
da o : a tratar no mesmo hotel com o proprietario,
ou com A. L. Silva Mafra, na rua larga do Rosario
n. 12, 2. andar, das 10 da manha as 3 horas da
tarde.________________________
Precisa-se de uma ama para casade famil.a'
para lavar e eDgommar : na rua da Santa Cruz
p. 64.__________________________________
Ataga-se -$
o 2 andar do sobrado sito a ruaj'da Praia n. 53 :
a tratar no andar terreo do meyto.___________
Casa de saude de Santo
Amaro.
Joao da Silva Ramos, proprietario da
casa de saiide, tendo regressado da En-
roDa, reassumio a administracao, e o
servico medico do me>mo estabelecimen-
to, e espera que o pubheo continue a
depositar a confianca, que sempre depo-
sitou em vista de sen zelo e interesse pe-
los doentes alii recolbidos.
Alnga-se
o gobraift iv dons andares e h>ja, sito a rna da
Aurora n. 79, tendo agna, gw, esinbarin, cocbeira
e cotinha : a tratar n> ineMiia rua u. 81, segundo
andar.________________________________
CM ADO
Alupa-> n.r. mniatci |>*ra cnajo c Ixim fupwro:
a tratar na rua ibt Cri"|-> U. I'', prilB'iM audar
mmmrn i mm bus molestias pBoraMtinis on impubezd on
' SHOE
I'KI.O
Aos iiit'iiiiios
A NOVA ESPEIIANQA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba do receber uiu bum sortimeuta de D-
nas booecas qne 'fallam, que riem se e choram ;
tambem as tern mudas e surdas ou burdas mudas
venham ver e nio a verdade.

ARROBEDEPTJR.VTIVO DES LSAPAR!tILHA, CA-
ROB\ E VELAME
I'HKi'AUAlK) l' BARTHOLOMEU & L

Pliari_aceiitic Pretniadosem dicersas exposigues cum o premio
1
Esta encouracado !! I
Agua mole em petlra dura
iranto da ate que a fura.
Rega-se ao Illm. Sr. lgnacio Vieira de Meli
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
.luir s.queile negocio que S. S. ee comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jorsal, em
finsde dezembro de 187), e depois para Janeiro,
passou a feyereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por estd motivo e de novo chamado para dito
pa, pots S. S. se deve lembrar que este negocio
ce mais de oito annos, e quando o Sr. seu tllbo se
.chava nesta eidade.
Kecolhimento dMJindo.
A regente deste pio e3tabeleclmento, autorisada
pela inspectoria geral da instruccao publica, m
virtude da lei n. 1,143 de 10 de juntie- do corren-
te anoo, pretende no dia 17 deste mez abrir uma
aula particular gratuita de instruccao primaria
para o sexo femieino. Os senhores pais de fami-
lia que quzerem matricular suas filhas poderao
tratar das nove horas da manha, dos dias uteis
ate meio dia, a contar desta data.
Glinda.. i. de agosto le 1874.
Francisca Theodora de S. Jose.
Alugase o primeiro anJar da rua da Impe-
ratriz n. 22 : a tratar na rua de Hortas n. 10G.
' Alnga-se o 1.*, e 2." andares e o armazem
da ruji dos Burgos n. 11 (Recife), esta caiado e
pintado de novo : a tratar com Jose Feliciano Na-
zareth, na rua de Pedro Alfonso n. 20, outr'ora da
Praia. Tambem alnga-se uma casa terrea no bec-
co Tapado (Recife).
Pede-se
ao Sr. Francisco Manoel de Souza Leao para vir
a rua do Livramento n. 16, a negocio de seu in-
'.eresse._________________________________
Aluga-se um segundo andar, na rua Nova
n. 63, o qual se acha mobihado, a rapaz solteiro,
on familia pequena, que d-- bom trato : a fallar
ua mesma rua a. 61, 1.* andar.
O Monte Lima
tern um complete sortimento de galao e franja de
ouro o prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras dooradas para offlciaes, canutilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
:.odo e qualquer fardamento, como seja : nonets,
_lins. pastas, espadas, dragonas, cbarlateiras, ban-
^das, abotoaduras lisas o douradas, para criado,
etc.; assim como um complete sortimento de
.'ranjas, gal ao falso para crnamento, cordao de la
cam borla para qnadros e espelbos (conforme o
gosto da enconunenda) tudo por rnuito menos
:>reco que em outra qualquer parte : na praca da
Independent n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Vende-se o estabelecimento sito a rua de Vidal
de Negreiros, outr'ora Cwco-Pontas n. 148, de ac-
cordo com os credores do Sr. Joao da Silva San-
tos ; a saber : uma armacao nova, de amarello,
eBvidracad?, com todas as "suas perten^as, pesos e
medidas', com pouios fundos a vontade da pessoa
que quizer estabelecer-se em um bom local, ja pe-
la casa ser mnito alreguezada,' e alem do que oc-
ccpa o estabelecimento tem commodo para fami-
lia : a tratar na mesma que acharao com quem
fazer negocio._________________________
Casa Caiada e Rio Tapado.
Jose Jacomo Tasso, senhor e possuidor, por ti-
tolos legitimos, dos sitios Casa Caiada e Enseada
da Mai Lucrecia, era Rio Tapado, termo de Olin-
da, previne a quem interessar possa que dSo fac.a
contrato algnm de compra, arrendamento, per-
muta, etc., etc. ou oulro qualquer negocio, com
terras dos ditos sitios, que limitara com as do en
genho Fragoso, porqne serao nullos taescontratos
e o annuncianteprotesta por seu direito em qu*es-
quer circum3tancias era que se acharem os ditos
contratos, e para obviar duvidas vai desde ja
tratar das demarcacoes dos referidos sitios para
fixar os seus limiles.
Joao da Silva Ramos, medico pela Uni-
versidade de Coimbra, mudou sua resi-
dencia para a rua do Imperador n. 38, por
cima da botica Central, e ahi da consul- (
tas diariamente das 10 horas da manha y
ate o meio dia.
Encarrega-se do tratamento de qual-
quer doente, dentro ou fora da cidade.
GAB1NETE VACCIN1CO.
Na mesma caw ha excellente piis vac-
cinico, recebido mensalmente da Euro-
pa; vaccinaas quartas-feiras e sabbados,
das to da manha ao meio dia
Vi -Rua do Marquez de Olinda* _4
Esqnlna do beeco Largo
Participa a seus fregnezes e amigos qne mudou
o seu estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos raelhores gostos e qnalidades, relogios dt
algibeira, de todas as qnalidades, patente suisso,
de onro e prata donrada, foleado (plaquet), relo-
!;ios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
abricantes, cadeia de onro, plaqnet e prata, luuetas
de ted?s as qnalidades, tudo por precjos muito ba-
ratos.
LOJA DO PASSO
Cordeiro
DE
Simoes
iC.
Para Copeiro
Otferece-se um rapaz portuguez chsgado
ha pouco, e que tem as habilitates neces-
sarias: a tratar na rua do Rangel 1 ,u
(venda).
Ha para alugar um bom sitio na Boa- Viagem:
trata-se na Capunga, rua
na rua Nuva n. 43.
da Ventura n. 21, ou
Bougie perfeetionnee
dn Tronc
!
'i
Aluga se a casa n 79, & rna de S. Joao, o
sobrado com sotao, n. 27, a rua de LomasTfalen-
tinas, e o andar terreo da casa n 41 da rna do
aangel, proprio para qualquer estabelecimento :
a tratar n. 2." andar desta ultima casa.
Hotel de Apipucos.
0 proprietario do hotel de Apipncos. avi-
sa a quem interessar possa que, o annuncia-
para ser vendido ou. arrendado, nSo 6 o
delle, mas sim um dos Afogados.
No dia 21 do corrente, fugio um caozi-
nho da ra$a Kingcharles, com os signaes se-
guintes : preto e cdr de cafe) por baixo da
cabe$a, p^s e peito, pello lustroso, fino e
comprido, orelhas muito grandes, e muito
manso, e acodo pelo Dome de Millord ;
quem o encontrar ou o tiver recolhido, ter_
a bondade de o raandar ao caes do Capiba-
ride (ponte relba) casa entre ns. 6,0 8, onde
Bera" gratificado._________
No IHario de boje veio o Sr. Antonio da Costa
Teixeiia com um aununcio, e como tal publicacao
.me prejudica, reeiamo contra tal venda, qne foi
l'eita eta men prejuizo, eem tempo, per ante o tri-
bunal (ompttente, liqudarei men direito, ficando
desta sorte de sobre aviso o comprador de tal ar-
nufcXo. Recife, 8 de agosto de 1874.
Jose Lou AlvesVilella.
Preetsa-se de nma ama qne seja boa cozi-
Uheira : na roa do Crespo n. 7.
? Governante.
Precisa-se de uma seuhora de idade, de
bons costumes e sem familia, para cuida
do governo de uma casa e de duas rcrian
(as de 5 a seis annos, prefere-se uma se-
nhora ingleza ou franceza ; quem estiver
neste csso deixe carta fe\ada na typographia
de^te Diario, com as iniciaes A. Z.
- Traspassa-se a renda de um bom en-
genho ainda novo, cercado de mattas, com
todas as obras, e em perfeito estado de moer-
se ; distando da estacSo da via ferrea ape-
nas duas leguas, com bons caminhos, e
bem assim vende-se a safra do mesmo com
todos os animaes vacum, cavallar e ove-
lhum, o motivo particularmento se dira ao
pretendente : a tratar na rua do Duque de
Caxias, loja n. 60. A.___________________
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite qne seja sadia e
sem filho : na rua Duque de Caxias n. 91, loja do
Rival Sem Segnndo.
Or a vela patente pei forada
Devia ser usada por todos
Um txperimento basta para provtr
que para
Lirapcza, angraento de luz economia e
apparencia elegante
excede muit> qualquer cuusa desta sorte
que ate hoje se -apresentou
ao pnblico.
Os tres canaes na vela servem para : g
1.' evitar que o pavic derrete mais stea- \
rina que consuma.
2 impossibilitar o gotejar.
3. salvar vestidos, tapetes, mobilias e
candieiros de serem estragados.
4. evitar furoaca que coslumam fazer
quasi todas as outras velas e por con- J
sequencia,
o. augmentar a brilhantez da chamma.
6.* contrabalancar a intluencia de cor- ^|
Tentes de ares em recebendo em 9eme-
Ihantes caios a stearina 9uperabundante-
mente dissolvida e nao consuraida.
7 regular o proccsso da queimadura
dc maceira que a stearina iateira flaue
consuraida completamente, porera pra-
ticalmente.
Sirva-se coraparar e julgar.
Unico deposito em Pernambuco, no ar-
mazem do Caaipos, a rua do Imperador
n. 28.
.-is
Modista.
A ex-modista da Chapelarie des Dames, parti-
cipa ao respeitavel publieo e com especialidade
as Exmas Sras. que ja conhecem o son taabalho,
que se acha trabalhando em sua casa a rua do
Barao da Victoria n. 23,-primeiro andar, onde es-
pera a pruteccao das mesmas Sras. prometlendo
boni-go*to era vestidos, ebapeos e costumes para
meninos.
Alugam-se Unas casas terreas ns. 13 e 15
na edade de Olinda : na rua do Pago Castelhano
Fugio no dia 5 de agosto do corrente anno
da casa de sua senhora, moradora na rua de Joio
Fernandes Vieira, antiga rua de Mathias Ferrei-
ra, a soa escrava Lniza, de idade de 18 annos,
crionla, com os signaes seguintes : c6r preta,
baixa, gords, tem os peitos grandes, os pes apa
lhetados, poucas mareas de bexigas, feianchona,
tem os denies alvos, levou vesticfo de chita nova,
escnra e de listras, chales de merino amarello
velbo, e nma trouxa com roupa, na cabe;a ;
conduzio eomsigo nma erionlinba forra, idade de
12 annos, de nome Felismina, e bem conhecida
nesta cidade: qnem as pegar, leve-as a casa de
sua senhora e tutora da menor em a dita casa,
que sera gratificado, pu no Recife em o escripto
rio dos Srs. Leal Irmao.
Olinda, 6 de agosto de 1874. <
Joaquina Hercnlana de Gusmao Seve.
1. andar
Aluga-se o primeiro andar da rna do Padre Flo-
riano: a tratar na rua do Rosario n. 22, loja de
calcado.
Aos artistas dramaticos
Sao convidados todos os artistas dramaticos a se
rennirera amanha 11 do corrente, as 11 horas da
manha, no theatro de Santo Antonio, afim de se
tratar da organisacio de nm contrato legal, para
garantia de trabalho por algum tempo. A idea 6
pnramente scclal, e esta reuniao tem por fim esta-
belecer as bases.
Aluga-se o sobraJo de om andar e sutao n.
27, A rna de Lomas Valentinas, e o andar terreo
da casa n. 41 rna do Rangel, proprio para qual-
3ner estabelecimento: a entender-se no 2* andar
a ultima casa.
- Pelo thesouro provincial de Pernambuco se
faz publieo, que foi transferida para o dia 13 do
corrente me?, a arreraatacao do imposto de 8 0)0
sobre o eapim consumido na cidade do Recife, or-
cado em 2:3194280.
Secretaria do thesouro provincial de Pernam-
buco, 8 de agosto de 1874.
0 secretario,
_____________ Miguel Aflbnso Ferreira.
- Precisa-se de uma ama que ent nda de cos"
turas, e com eapaeidade para tomar conta de nma
ca>a de bomem solteiro : a tratar na rna do Pa-
dre Floriano n. 69, 2* andar.________________
Para casa de homem solteiro precisa-se de
uma ama qne satha bem cozinbar e comprar : a
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de gorgurao de seda lisos e
com listras arhamalotadas.
Ditos de linbo para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, botoes, fivellas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda
rna Primeiro de Marco n. 7 A.
Bods pianos.
Chegados de novo.
Yende-ise. *
Troca-se.
E atiigrt-i-o.
No armazem do vapor francez, a rua do Bario
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOBILIAS
de vime e de fain.
Yendc-se muito em conta ; cadeiras avulsas, do
balanco, de bracks e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfimiarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
tritlce, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arror, sabonetes,
crosmsticos, muitos artigo delicados em perfnma-
ria para presentes em frascos' de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
<_'ti09 de differentes gostos c
phantazias.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas,
canivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinbas de velludo,
dita de couro, e cestinhas para bragos de meninas,
chicotes, bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, tapete para Ianternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, Ianternas magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de daraas, de bagatella, quadros com paisagens
globos de papel para illumina(5es, machinas de
fazer cafo, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, e bercos para criancas, e
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes parte.-
da Europa, para entretimentos das criangas, tndo
a precos mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcado francez
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes lacturas de botinas
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqne
com biqueira, de bezerro com botoes, e com ilho-
zes a 96000 (a escolher) por ter vindo grande
qnantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflsrentei
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
Jretos e de cores differentes, bordados,
e tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para nienlnas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranga portnguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapatoes, de bezerro, de deversas
^ alidades,
tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Gnilherme, pei-air..
meias perneiras para bomens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Na rua velha de Santa Rita n. 57, precisa-s-
tlngar uma preta para vender com taboieiro.
Hci de l'rtux-
tle sua dune.
A saiide e um bem inapreciavel, cuja importancia e valor so osti rescrvado ao enfer-
mo avalial-o. E' incontestavel quo o homem neste mundo e constantemenle, e por todoa
os lados atacado por uma iuQuidade de agentes morbi tas e determinadas circumstrancias, a alterar o rpgular excrcicio das func^des organicas,
resultando desse desiquilibrio o que se denominamoleslia.
A moleslia nSo e" mais do que a desvirtua$ao do as investigac ijio dos bumores geraes, consequencia da acc&o maligns desses mesinos agenUs* !*-
dos introduzidos no organismo pelo acto da respira^io, pela via digestiva, peloii ntaclo
immediate), etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilha da bumaniJadi", e como & f6r d* duv-
da que esse terrivel Proteo da medicina e uma molestia heredilaria, ella tem sido obr-
vada em todas as ideas, e debaixo de todas as suas formas tio variadas, enfraqoi*ceodo
constituicfies robustas, produzindo mutilates e co-tando ainda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economia esses principios deleterios, c purificar a massa gerel dos bu-
mores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os depurativoa
figuram em primeiro lugar para preencher essc desiderato.
E' de preferencia no reino vegetal que a sciencia aconsclha que devemos procurer as
substancias proprias e depurar o organismo, elimiiiaiido os principles novicps a awl*
pelo augmento das secrecies naturaes ; e -que possam ao mesmo tempo neutralisar a vdeu
syphilitico, ainda quando este virus ja" tem feito erupcio no exterior debaixo de suas mul-
tiplicadas formas. Os grandes e incomparaveis depurativeis vegetaes conseguem
muitas vezes prevenir os estragos da sypmlis, quando por venture se acha eHa ain-
da no estado de incubar;ao; isto 6, sem seter manifestado sob formas fxfernas; bene
ficio incomparavel, tanto mais porqne neste estado os individuos ignoram completamen-
te se estao contaminados por esse terrivel iniiuigu.
Felizmente para n6s o recurso prompto e sem igual para combaler virus tio M_f
rio encontramos em abundancia em nosso uberrimo solo, nessa riquez^ invjavel de es-
pocies devegetaes, muitos dos quaes ainda tao pouco umhecidos e esmdaloscom p*r
o dizemos. -
Nos mereceu a preferencia na grande vaciedade de plant* de dep-rativos que pos-
suimos, as tres plantas bem conhecidas no no.;so paiz ;a OrobaJacaramfa p^cra
de Sprengel, da familia das Bigoniceas ;-o Velame croton campestre, deS t. ltd ; da ta-
milia das Euphorbiaceas;e a Salsaparrilha -Smilax syphilitica de Runtte, da Umilia
das Asparagineas.
Extrahindo s6raente destes tres importante vegetaes os principios medicamPiitoscj
pelos processos mais aperfeiijoads da sciencia modcrna, cnseguiaios reunil-os in um
comp(Sto agradavel e de facil applicagao, cujas propriodades para a enra da granoe serie
das molestias syphiliticas e todas as que proveem da iropurcza do sangue, nossos < studos
e repetidas experiencias nos couvenceram serem incomparavtis, as que se lem ob'aa-'
comemprego, nas differentes formulas conhecidas, dos prinupios de cada um daquel.
vegetaes de per si. Nao precisarnos descrever tao importantes plantas, HOT mmm
suas virtudes; ellas e seus bons ullcitos mimeutosos ja sao bem conhecidos, fM>
nosso paiz, quer na Europa, onde abalisados boUowM e disti.ictos medic -s se !
las occupado, e mesmo ostes exporimentado com optimos resultaJos no M__r
muitos pedecimentos.
0 nosso Arrobe iqmaUw de Salsaparrilha, Caroba e *" "'
agradavel, a sua ac?o e suave e benigna e de nenhuma forma prodsi mow
camentosas, como acontece geralmente a todesos compostn* era que ...;.
mineraes como mercurio, o iodureto de potassio, etc., cujo uso ;r i-'>-
para receiar, principjlmente por que Irazem grande oliera(;ao aj Hague, ra
estado muitas vezes hydropisias, quasi sempre funestas.
Sendo as molestias, como acima disseraos, devid.s asnltera'oes oos
robe Deputativo de Salsaparrilha Caroba c Velame pode so.r emp-ga i-^i o ... -
na syphilis, erisypelas, rheumatismo, b6bas, gOta, dores sciaticas J^*gJV^
gonorrheas chronicas, molestias da pelle, etc., e em gcral em t ^k^j2S
5ue se tenha em vista a purificar.ao do systema sangumeo ; Po.s
experiencias tem feito ver, qne elle 'Vna,sPensa^Ln0^.vSo .avissim' s
f
es
us
rx-l
i del-
jit-.' :
f\ :.ahcr
jltando .
e nos menos graves a
con
[Kit
cura e a OMaqwn if n
dc prir. :j .;
Os soffrimentos e prolongar a" existencia
seu uso convenientemente prolongado.
Assim, pois, nutrimos a convicgao de que o ltt_*0f j_wo preparado justl: :.
cabalmente as nossas asseverates, porque sendo meuu.' ,|_,,nt0 purj^.^.p
vegetaes, nossas experiencias ale hoje tem confirmai.o ?^9 milidide.
DKPO^ITOCLRAL
34.Rua Larga do T_|08ario.--S4
__________________ra _s!. tfBuco:
ODILON DUARTE.& IRMAO"
I aBELLfci 10S
RUA
ca
Premiados na exposicao de 1872
KdPERATRIZ
N. 82
It." ANDAR.!
RUA
IMPERAJRII
N. 8?.
t. ATOAR.
Acabam de reformer o sou estabelecimento, collocanJo-o nas __Qores c_-
diccSes possiveis de bem servir ao publieo desta illusire capita!, e is Exmas. 9ns.
quillo que for tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabe'.leiras tanto para bomens como parn senhoras, tupete, cli;.
coques modernissimos, trangas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadr
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cahollo.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados .sir. ..-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas <
rmos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outre qualquer, gara:.
perfeicao no trabalho, agrado, sincendsde e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabel:
porr^ao e a retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.

ESSENCE
CONCENTRADil
Aluga-se
o predio da rna da Ponte Velha c. 75, com eom-
modos para familia, contendo agua e gaz encana-
dos, com apparelno de limpeza, quintal bem plan-
udo, com portao que delta para a rua da Alegria:
para ver no memo, e tratar com o Sr. Diogo Es-
teves Viaana, i> rna do Bario de S. Borja, antiga
'UoSebo, casa em obru.
Mo armazem 4 rna de Santa Rita n. 37, com-
Pr*;M traps enxutos, cobre velho, ferro velho
tratar na roe do Padre Floriaoo o. 69,3* andar, I batido, cmos, chifres e ubas da boi.
ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriQcador do sangue. sem mercurio.
A Esscnrla de Caroba e um remedio boje reconhecido como om poderoso drpura-
tivo e especial para cura de todas as molestias que teem a sua origera na impureza do sangue,
como sejam : as molestias Syphiliticas, Bocbaticas e Escrokulosas, Rhkchatismo, Emplxgeks, Da-
tbos, Ulceras, ErupcSes, etc. etc.
Os prodigiosos effeitos que tem produzido a Essencia de Caroba, por toda parte
onde ella tem sido apropriadamente experimenUda, a tem feito adoptar como nm dos medk-amen-
tos mais seguros e mais energieos para a cura de todas as molestias de natureza syphilitica >
bonbatica.
A cada fraseo acompanha nma instrnc;ao para a maneira de osar.
Pomada anti-dsfrtrosa
Contra as affec&oes cutaneas, darthros, comichoes, etc., etc.
Inguenlo de Caroba
Para cura das boubas, ulceras, cbagas antigas, etc. etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
ROOQUAYROL IRHAtiS, SDCCESSORES
Botica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
( ANTIGA RUA DA CRUZ )



6
Oitoxio dc FeraammiGfr
-r'I
Segunda feira
10 ie Agosto do 1674:
HW-.m>.
Mi^r-aiin- nil
3tflH
FUNDICAO DE FERRO
*>
A' roa io Barflo do Jriouptio (rua do Brunt) bs. Mfti 104
CARDOSO IRMAO
AVISVM aos senhoros de engenh^s e outros agricahoros e ao publico em geral qae
eontinuam a receber de Inglaterra, Franga e America, todas as ferragens e machinas ne-
cessarias aos estsbelecimentos agricolas, as mais modemas e melbor obra qae tern vindo
ao mercado
V apOreS de force de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores qae tem vmdo ao merado
UaiuGiraS ,^e sobresalente para vapores.
MOenaaS ltlteiraS e meras moendas, obra como nonca aqni veio.
laiXaS jundldas e batidas, dos melbores fabricantes.
RodaS d'agua com cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Relogios e apitos para yapores.
BombaS de ferro, de repncho.
AradOS de diversas qaalidades.
Formas para assucar,grandes e pequenas.
Tarandas de ferro fundido, fPaDceias de diver** e bonitos gostes.
r0o0eS IiancezeS p2ra lenha e carvio, obra superior.
Ditos ditos
& eoDSfiilario iHeilico-eirnrgico % j^a
Preeisa-se denma am* papa dmsrpe-
quena familia estrifagdttt, prefers se es-
a rua dn Imperador n. 79. 2. andar.

para gaz.
Jarros de ferro fundido
para ardim.
para mesa e banco.
Pes de ferro
Macnina para geiar agua-
V aiVUiaS para bomba e banheiro.
Correiaa inglezas para machinismo.
UanCOS e SOiaS com tiras de madeira, para jardim.
ConeertOS Cljncertm com promptidSo qnalquer obra on machina, para o que teem
sua labrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOrniliendaS man^am 'ir Pr encommenda da Europa, qualquer maeninismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
* com am dos rnelbores engenheiros de Inglaterra; incumbem-se de mandar assentar
macbuias, e sc responsabilisnm pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Trmmpho (rua do Bram) ns. 100 a 104
FUND1QAO DE CARDOSO d IRMAO.
Cabelleireiro francez
Rua do Marquez de Olinda n. 51
i. andar!
Tedro Routier, official de cabclleireiro e gerente da casa de Gustave llcrvelin, cabel-
Icireir.'i francez; tern a hcnra de prevonir ds Exros. Srs. families qoe acaba de fazera ac-
quisicao de um pcrito official vindo ba pouco de Taris, o qual esta" bsbilitado a desem-
I i.;.: qualqi or cncorr.mcnda do sua arte, e se eeha i disposigao das pessoas que deseu
in sc queiram utiliscr. Outro sim scientifica que cui seu estabclc-cimento encon-
I.;:." i-; : a Monitor dos cabeUe'ireiros, ondeseacbam descriptos e desenhados todos
os ; 111 :'< modernos, para soires, casamentos, bailes etc.
I | i vine a*s nusmas excellentissimes scnLoras, que recebeu um complete
lode coques, cacbepaines, bcndds, crescentes, etc., e vende tudo pelos precos
raencionados:
Coquo de cabello- de 152, 20,5 a 50?$000.
Tranps de dito 10?, 126 15? a 20;>0C0.
Cacbepaine de dito 15?, 206 a 300000.
Crescentes de dito 20-5, a 50*5000.
' ,' !',( ii.rarSo um completo sortimento recebido ba pouco, de cabellos de todas
mprimelito.
N. 51.Rua do Marquez 6p OlindaN. 51.
ABECHINOLINA
\ TlXfJR IXSTAXTANEAHEKTE OS CABELLOS
PREPARADA POR
BMTHQLGMEQ & C.
Pharmaceutieos da Vasn EScal dc S. If. F. El Itei do Portugal ;
preuiSadoa cia diversas oxpasicOes cou#o/ primciro premio de
sua c!asse. ', *
L'uico composto, cuja base principal sao principios vegetaes, que p6de por isso ser
, >r tempo indeGnido son o menor ree'eio de alteracao de saiide. Esta ague admi-
ravel da aos cabellos, em poucos minutos, uma cOr e brilbo natural, desde o castanho
''' (legro, e ao contrario dc todas as tinturas conhecidas, tem um aroma agradabilissi-
.. que facilita oseu uso ds senhoras, ainda as mais difficeis. A(fwiram-se os seus re-
'>; r ffeitos inoffensivos, quer a applicacSo seja limitada a barbs, quer corcprehen-
: .: s da cabeca.
DFiPO^ITO CiKRAL
Pharmacia e drogaria
34Rua larga do Rozario34 .
PEKNAMBLCO
Sir
iiM iS
TREPARADO POR
BARTHOLOMEO & C,
Phannacenlicos da casa real de S. M. F. elrei de Porlngal
Premiados em diversas exposicoes com o primeiro pre-
mio de sua classe.
O xarove vegital americano, garantido pobamentb vegetal, nao contem era sua composijao
um so ai imo Je < pia, e sim somente succos de plantas indigenas, cujas propriedades beneDcas na
cura das molostiasque pertencem aos orgaos da respira?ao, tem sido observadas por longo tempo pe-
lo medicos mais distinclos que oreiommendam e prescrevem todos os dias no tratamento das brou-
cbites, Unto ai'ndas oomo chronicas, asihma, tosses rebeldes, escarro3 de saogue, tbisica no primeiro
graoecoatra asirrita;oes nervosas.
DEP0SIT0 GERAL
34 = Rua larga do Rosario =
PERNAMBUCO.
34
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a honra de annonciar ao
p'blico qae recebeu ultimamente am esplendido
sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cujas amostras estao no escriptorio
a rua do Imperador n. 31, e serio vendidos aoi
seus fregoezes pelo prepo mais razoavel posaiveL
Engenho
Vendo-se o engenho S. Pedro, situado na pro-
rincia de Alagoas, comarca do Porto Cairo, a
menos de uma legoa distante do porto de mar, do
Gamella, tem oxcellentes terras, matas, e lafreja
regularmente 2,000 paes : a tratar na rua do Ti-
ganon. 3.
AGUAS MiiSERAES NATURAES
DE
Vichy-Cosset
Palacete
Ainda esta por ialonr-w o palacete da Uha dos
Ratos, do linado Cnslodio Jos6 AItm Glmaraes,
oade moron ultimamente o Sr. Dr. IgQacio de Bar-
r03 : a tratar na r84 Primeiro de Marco n. 7 A,
> Precisase de um rapaz ae it a li anaos
de idade para aprenier a botar papel iu machi.
na, de dia qaera: tiver e quizer pode se dlrlgir a
esta typographia das 8 kosas do dia as, i horai
da tarde___________. .' w
Precisi-se de uma ami pan m-friflHif : ga
rua da Penna n. 23p.iL* andar. -
Preferiveis as de vicu.v-Vichy
por serem as nnicas que conservam todas as suas
propriedades depois de transportadas.
Fonte S. Marie, 6 a mail efflcaz na anemia, na
albuminaria, na chlorosis, no empobrecimento do
sangue, e nas febres intermittent^. 0s resultados
obtidos nas diabetes s5o mniti Eotaveis.
Fonte Elisabeth, n5o se altera nunca eta mais
rica das aguas de Vichy em bicarbonate de soda,
em magnesia e recommendada pelos senhores me-
dicos pela sua efflcacia nos engorgitamentos do
figado, do baco, nas affeccoes do estomago, dos
rins, da bexiga, nas areias e na gotta.
EXIJA-SE
o no me da fonte na oapsula
Vende-se em caixas e a retalho, no onico de
posito
PHARMACIA AMERICANA
Dl
Ferrelra Mala (tCampanhia
S7-RUADUQUE Vt ^AXtAS-lB7
m
m
*
*
DE ^ 'i
A. B. da Silva Maia. 9
Medico parteiro e operador. Wt
Butt do Bang'l n. 64 JX
Consultas das 8 ii 10 horas. Cf
Chamados a qualquer bora. Q
Gratis aos pobres. Q
CONSULTORlff |
5 MEWCO-aRURGICO
2 DO g
K Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoao ]
m PARTEIBO E OPERADOR J?
f|ltua do VHronilc do Alt>uqaer-jBr
qne n. SO. *
ESPECTAL1DADE
Nolestlasi de aennoras <
nentMoi.
Consnhas das 7 4s 10 boras da ma- ^
9t nba, todos os dias. Wt
mk Das 6 as 8 da noite, nas segnndas, quar- jft
X tas e sextaa-feiras. S
W< Os doontesqne mandarem os seus cha- 9t
mL mados por escripto at 10 horas da ma- sk
nha serao visitados em snas casas.
GHADO.
Precisa-ae de um criado qoe entenda de Jardim
e para todo servico domesiico : trata-se oa rua
do Imperador n. 60.________________________'
Escravo fugido.
I'ugio ba mais de um anno do engenho Jaguari-
be o escraro de nome Lonrenco, preto, corpo re-
gular e forte, figura bonita, e liiha do Urabii, um
pouco abaixo do Buique; loi escraro de Antonio
de Araujo, que o Tenden a Bastos Tbenorio de
Ara-ujo Cava cante, morador em Barreira, da co-
mareade Buique e Tendido nesta cfclade por Al-
cebudes de Siqueira : este escravo-consta que
e amasiado no lugar oode se acha. Pede-se, por-
tanto, as antoridades policiaes, capilaes de campo
e mesno a qnalquer particular a sua eaptura, e
que levaodo-o a roa' Nova n. 8, s;ra g3nerosa-
mente recommpensad.
Precisa se de uma
para casa de familia
de de Goyanna n 129.
Miia para cozinhar
: a rua do Viscon-
Cozinheira.
Precifa-se de uma perita, para casa de du?s
pessoas : trata-se na rua do Imperador n. 69, so-
hrado.
Precisase de uma ama de.leite,
filho melhor sera:-naTaa da Gloria
e se for sem
n. 80.
Ama de leite
seja moca e sadia :
i Precisa-se de uma, que
' na thesonraria das loterias.
Aluga-se um grande sobrado de am andar
com sotea, moderno, tem 13 grandes quartos e um
gabinete, esta muito limpo, a ponto de nao preci-
sar fazerdespezas, tem os commodos da ?ida, que
6 agua encanada para eozinha, banheiro, eano de
esgoto, eacanamento de gas com todos os eompc-
tentes candieiros, tendo no todo 15 bicos para gaz :
quem pretender, dirija-se a rua nova de Santa
Rita n. 57. O predio e- no centro da ckladc e o
alnguel nao 6 caro._______________
No pateo da Matriz de Santo Antonio d. 6
tem ama para cozinhar a engommar, e tarabera
para andar com ciianjas, que se alugam a-preco
commodo._______________________________
Fugio no dia 31 de jnlho a escrava Migda-
lena, idade de 30 annos, baixa, grossa, tend uma
perna muito inchada de erysipela, conduzindo
uma filba de 12 annos, de cor fula; roga-se as
autoridades policiaes e aos capitaes de campo, ou
a qualquer pessoa, a captara de anbas, e eatre-
ga-las a rua do Imperador n. 50, que serao gra
liflcados.
Saques
Cunha IrmSos & fi, rua da Madre de Dens n.
34, sacaro sobre o Porto, a- prazo e i. vista._____
Casade eampo.
Aluga-se um siiio perlo da estagao da Ca?a For-
te, com banho do rio Capiuanbe dentro do sitio,
com duas casas, cocheira e estribaria, quartos
para criados, pasto para vaccas, baixa de capim,
com alguns alvoredos de fructo : a tratar na rua
do Rangcl n. 37.__________________________
Pede-se ao Sr. Jos6 [-"aulino da Silva, mora-
dor no Campo-Vt-.rde, que dirija-se a rua do Li-
vramento n. 37, aGm de enlenderse com o F^r-
reira Junior.
Na rua da Concordia n. 155 engomraa se e
ava-se por preco ra*oavel e prontldao._______
Aluga-se
uma boa casa com excallentes commodos,. a rua
do Coronel Suassuna n. 169 : a tratar na mesma
rua n. 171.
I'recisa se de uma ama de boa
conducta, para casa de rr.o$os
solleiro*, para servico inter
no, nao importa ser velha ou moca : a tratar na
rua do Rangel, arniazem do G.illo Branco n. 3.
Precisa-se de uma ama para
cozinhar e mais algum sevifjo
de casa de pequena familia : a tratar no 3.
andar desta typographia.
Ama A'rua do Marquez de Olinda o. 57,
Iyiix xinbar, para casa de nomeni solteiro.
AMAs
no, nao imp
rua do Rang
AMA
AVISO
Partieipamos a quem interessar possa, qne em
data de boje flea extincta a nossa Srma, sendo o
Sr. Hermann Ledeboor encarregado daliquidacao.
Pernambnco, 6 de agosto de (874.
Rabe ScbateUaa & C.
roa
Ama dp leite
Precisa-se de nma ama de leite, sem filho
Duque ds Caxias n. 54, loja.
Casa.
Atega-se o segundo andar, a rua Duqu dc Ca-
xias a. 54 : a tratar na loja.
N. 255,000.
O S?. Joao Rodrigues Cordeiro. caixeiro dos
Srs. Ferreira & >fstheu, e rogulo a vir a rna
Bel/a n. 38.
Ohapelerie des dames
Os proprietarios da chapelem des d.imei ?re-
vinem aos seus freguezes que nnnca Itveram mo-
dista neste estabelecimento, e aim simples oostn-
reiras, e que todo3 os trabalho* "te ehapi'-w e ou-
tros artigos de phantazla semprt? Siram e *! feilos
obre as inelruccoes do artists Sebiapp'-, maiio
eonhecido nesta provincia.
f.we\ba8 mkm
ALDGA-S

O sobrado deam andar eso!6a. c> Iwbs comrcc-
dos-para familia, ua rua Direita ni 8'* : a traSjr
aa mesma casa
g Altenci>
Alugarr-se diversas casinhaj^ na Ira- Xs
vessa du Pay Sandi'i, junto do sitio do
^^ falleeido Dr. Fi'mo
X* Tambia n. 25.
a tratar na roa do
m
Manuel Jose Fernandas Burros
. Felippe de Figueiroa Fa-
rio, sua mulber D. Harcio-
nilla Barros de Figueiroa.
Faria e seu euabaao Ma-
noel Jose Fernandas Bar-
ros, geuro e fHhos do fmado
Slace^l Fernandss Barros, mandam eelebrar mis-
sas per alma do-mesmo flnado, amanha 11 do cor-
rente, 2." anniversario do sen pasiameuto, no con-
vciito de S. Francisco, pelas 7 boras do dia ; para
esse acto de religiao, corividam a )s seus parentes e
amigos, e os amigos do referido finado. Recife, ID
de agosto de 1874.
Modista franceza.
Mademoiselle Eugenia Lecomte av'sa a suas
antigas fregaezas e ao publico em geral, que
abrio novamente seu estabelecimento de casa de
costuras a rua da Croz do Recife n. 26, primeiro
andar, pelo que espera conlinuar a merecer a
concurrencia das pessoas que precisarem de seus
servifos.
AtleiiCuO.
Eser^vo.

i
Precisa-se alugar um escravo para o servico
de uma casa de commercio : na rua do Marquez
Ae Olodaj^W.
No pateo do Tor^o n. 59, da-se bolos para ven-
der, pagando-se 100 rs. por vendagem, r precisa-
se alugar uma escrava boa quitandeira.________
LIVIM DE LHTIIEA
DO -
Dr. Abilio Cesar Borges
Adoptados pelo governo imperial para as es-
colas da c&rte, e por quasi todos os goternos pro-
vinciaes.
E mais as seguintes obra? do mesrao autor :
Grammatica portngnaza elementar.
Grammatica franceza elementar.
Melbodo de Aim para o ensiao pratico do fran-
cez.
Discursos sobre educacio.
Unico deposito em Pernambnco.
____________Livraria franceza.____________
Aluga-se altos e baixos do sobrado da rua
Imperial n. 1, canto da travessa do Lima, tendo
armacao e mais pertencas para taverna, por ser
lugar muito proprio para tal negocio : quem o
pretender entnda-se com o proprietario, na rua
do Hospicio, sobrado n. 35.
Aluga-se
o armazem e St andar eem sotio, tendo bastantes
commodos, e pintado : a tratar na rua do Viga-
rio n. 31.
Uma familia que se relira desta provincia, ven-
de por preco commodo um piano, que so tem de
uso oilo mezes, e 6 dos fabricantes Aucher Freres:
a tratar na rna de Hospicio n. Vi.________
E' economico.
Graxa glycerina propria para a conservacao do
cordovao; rende a NOVA ESPERANCA, a rna Du-
que de Caxias n. 63._______________________
LIYROS A YENDA.
No primairo andar desta typographia em
mio do administrador, vende-se os seguin-
te hvrinhos:
O niatuto Espcrto-dialogo ins-
tructive, critico, analytico, bistorico, e mo
ral, entre am raatto enm liberal por 500
rs. cada exemplar.
Edacacflo Familiarromance, 0
e uma serie de leituras, 2 volumes por ....
imo.
CASA DAJ F0BT11
AOS 4:000#000.
B1LHETES GARANTIITOS.
.1 rua Primeiro de Marco (ouir'ora rua d:
Crespo) n. S3 e casas do costume.
O abaixo assignado, tends vendido nos sens fe-
lizes bilhetes dons meios n. 1257 com 4 O005, um
meio d. 68'J com 700i, um meio n. t\SZ com
2005, urn meio n. 2201 com ICOi, um inteiro n.
1980 ooin 100s e outras sortes de 40^ e 20/da
loteriaque se acabou dt> extrahij (111'), convida
aos pos-uidores a virem receber na couformida-
de do costume, sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da 19' parte da3 loterias a benelicio da Sanla Casa
de Misericordia do Recife (M2), que se extrahi-
ra sexta-feira, li do corrente maz.
PREgos,
Bilheto Inteiro 4*000
Ueiobilheto 2/000
Wf PORglODE 100#O00?ARA C1MA.
Bilhete inteiro 3f 500
Meio bilhete U730
Manosl Martins Fiuza.
"CASA DO OURO
Aos 4:000^000
Bilhetes garantidos
Rua do Bardo da Victoria (outr'ora Nsva
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 200/ em um
meio bilhete de n. 2183 e um meio ce n. 2201 com
a soru de 100J, alem de outras sortes menores de
40/000 e 20/000 da loteria que se acabou de
extrahir HI ; convida aos possuidores a virem
receber, que promptamente serao pages.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeitj
vol publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes.que nao doixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mejmc s
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
rantid03 da 19' parte da loteria a beneflcio da
Santa Casa da Misericordia, que se extrahira no
dia li do corrente mez.
Pre?os
Inteiro 4/000
Meio 2/000
De 1009000 para eima.
Inteiro 3/500
Meio 1/750
Recife, 7 de junho de 1874.
Joao Joaquim Cotta da Leitt
IiOJTA JM PAVAO
NA
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQWDAR
Granadioa preta a 500 rs. a
eovado.
0 Pavlo vende graDadina preta e lavrada
pelo barato preco de 500 rs. o eovado.
ALPACAS PRETA9 A 500, 640 E 800 RS.
0 Pavao tem um grande ^sortimento de
alpacas pretas, que veDdea 500, 640 e 800
rs. o eovado, assim como grande sorti-
mento de cantoes, bombazinas, prioceias
pretas, merin6s, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
CAMBRAIA VICTORIA A 4*000, 4**0
09000 E 7*000.
0 PavSo vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos bsratos precos
d^-49000, 4JJ5O0, 59000, 6JS000 e 7*000
a pie^a, assim como, ditas de savpico bran-
oo, a 7)$0O0, e pechincha.
CAM1SAS FRANCEZAS A 2^1000, W500
390OOE 3500.
0 PavJo vende on boniiu sortkaento dt
csmisas francezas corn peito de alfssdio, i
29000 e -2J500. Ditas com peito de linhc
de 39000 a 69000. Dhas bordadaa muitt
finn-s de 69000 a 109000: assim conu
grande sortimento de ceroulas de lioba e dt
algodSo, por precos baratos, e tambera ten.
completo sortimento de ponbos e collanaho*
tanto de linbo como de algodao, por precoi
em conte.
CORTINADOS BORDAD0S PARA CAMA r
JANELEAS, DE 79 ATE' 239000 0 PAR
0 PavSo vende um grande sortimento dt
cortinados bordados,' proprios para cam**
janellas, pekvberato prego db 79000,89000,
10,5000 atd ^9000, assim como : colxai
de dmasco de la muito fine de 109008
! 29000 cada-uma.
BRAMANTES A 19800, 29000 E 29508
0 Pavao vende bramantes- para lencdes;
tendo 10 pahnos de largura, sendo o d
algodao a 19800 e 29000 a vara, e de link
a 1^9*00, 29800e 39000 a w: 6 pechin
cha.
Grande peehincha a 4^000
e 5#000
CORTES DE CASEMtRA.
O Pavao recebeu uma grande porcao de
cortes de casimeras de cores para cakjas, e
vende pelo barato preco de 496C0 e 59000
cada eorte, na run da Imperatriz d. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
ESMSRALMHA A 800 RS.
(y P&vao recebeu um bonito sortimentc
das mais tlegantes esmeraldinas com listras
de seda, sendo em cores e padroes as mais
novas que tem vir.do ao mercado, proprias
para vestidos, e vende pelo bafatissimo pre-
co dp. 800 rs. o eovado, i rua da Imperatriz
n. 69.
6 Pavao queima os artigos
seauintes:
Cortes de combraia bTanca, transparente,
com eofeites bordados de la a 54*000.
Dit s todos brancos bordados a 125000 e
169000.
Ditos muito ricos^ a 259000.
Boriitas lansinbas para vestidos,-com lis-
tras de seda, eovado a 800 rs.
Ditas ditas transparentes e do muita fan-
tasia a 500, (i'.O e 80G rs.
Cintos de selim Punhos com go'.Unbas d> csguiao a 500 rs.
S-dmbas de cores, sendo de listras e la -
vradns, com toque de mofo a 19000.
Ditas de dita ditas sem mofo a 19600 &
29000.
Diversas lansinbas para vestidos, de 240
ate* 500.rs.
Colchas de fustiio brancaspara cama a
29500.
Ditas de dito de c6r a 49(00.
'"ambraias brancas, abertas, para vesti-
dos, corte a 89000.
Cortes de cambraia branca com bonitos
enfeites bordados, de cOr, com figurino a
69000.
Pe^as de raaJapolao com pequeno toque
de avana a 4;$500.
Ditas de algodaosinho muito encorpado,
com leve toque deavaria a 45>500.
Madapolao enfestado com 12 jardas em
perfeito estado a 3-5000.
Pecas de madapolSo com 20 jardas a
44500.
ggBrim pardo para roupa de homem e me-
ninos, eovado a 400 rs.
Cobertas de cbita para cama a 2500 e
30000. *
Bramante ds linbo com 10 palcaos de
lagura, vara a 26G0..
Atoalhado com 8 palmos de largura, vara
a 10500.
Espartilhos brancos e de cores a 4(5 e
5^000,
Crteos de casimira a 40 e 50000.
Vende-so a pad'iria>da-nr IrapcrYa*/ JOi
montada coin os awl bores i^fescilim, bem afre-
guezada, tanto para ^m^a ccryty pan o irmo.
por ti-r o proprietario de rclirar-se pir* o mate *
tratar de sua sadde a tratar na mesrts'padafra.
Vinho verde
em barris de 5*, de superior qnahdade : veadetn
Cunha lrmaos & C, raa da Madre de Deos n. M.
AUenfAi)
Vende-se nma armacao para laveraa, na
gueiia de S. Juse, e em boa rua, garantindu
cbave : a tratar na rna Imperial n. 70._________
Vende-se um sitio na tnvessa de S. Miguel,
antigo becco do Maxixe, com 408 palmos da [ren-
te e pert) de 300 de fundo : quem pretender, di-
rija-se a laverna nova na wquina da mesma tra-
vessa, qne aehara com gnaw tratar.
Vende-se nma boa can na villa do Cabo,
rna do Vapor ; a tratar na praca do Guide d*En
n. 6, 1* andar.
AVISO
Nao se prestandb o peqaeno e?pae do armazen
. 10 A, a rna da Madre de Deos, para rrm abiste-
eido deposito das diversas mareas de ftmo, qne o
abaixo assignado alme)ava ter, aeha-se d'ora ea
d&nte aberto outro es abeleclmento sob a mesma
deaominacao de
ARMAZSM DO FUMO
A' rua do Amorim n. 41
com das as proporc3e desejadas, e onde pode-
rtoos senhores freguez'sdfngir-se, certos d* qne.
como a# aqni, acb dade dbs pregos, a maior siscsridade possive": En
ire as dffFerentes mareas de fnmo da Bahia e Rkt
de Janeiro, qne tem sirlo aenrmdadas, aca^a de
chegar nma encommenda especial, qne muito dare
convir acs senhores fregoezes. Consdente o abai-
xo assignado de que neste genero de negocio na>
esta sem eompetidores, fara muito por evitar qn^
tambem Oi tenha com rdar^So ao peqneno luwc>
qne proenrara obter da dita oercadoria.
^ Jose Domingnes de Canno e Silva.
Precja se alugar uma preta de meia EEB
e qne tenba-habihtajoes para vender na rua : a
tratar na rua Direita n 3, segjndo andar.
Com asseio e promptidao
Em nma can de familia prepsra-so romida par-
fora, e mandn-se- levar as casas das pessoas qne
quizerem mandar faaer : trata-s* no 2" andar d
rua do Cabsgan. 16.
Altencilo
t do Sr,
pdasbaratj
sa Foat4
slCorreai
jGeiawaes^'^

Attengao
i eiro anjlar d'esta tjpograpbia em
mao do administrador, vendem-se as se-
guintes obras encadernadas;
Martens, mauuel diplomatique 1
volume por 29000 res."
Obras de Mably completa 12
volumes por 129000 reis.
Blgaon-obra completa4 volumes
por 49000 re"is.
FrltotEspirit do Droit1 volume
por 29000 reis.
Ao comnrereio.
Joao Joaquim Pimentel Pereira faz sciente ao
putlieo e com especialidade ao corpo do commer-
elo, qne nesta data den sociedade ao Sr. Jose Joa-
quim Samarcos no sen estabelecimento de molha-
dos e seccas, aito a rua nova de Santa Rita n. 5,
sendo a I'rma social de Pimentel A Samarcos, os
quaes fleam a cargo do activo e passivo. Recife,
7 de agosto'de 1874.
Joio Joaquim, Pimeatel Pereira,
Jose Joaqnim 6amaros.______
Ei R. flabello 4 C rntidaram o sea e^-
friptorio para a oasa da rda do Commercio,
n. 17, 1.* andar, Udo do mar, entrada1
pfllo largo do Pelourinbo.
O ADTOfiADO
Affimso de Alhoquerqne Mello
incumbe-se de promover ccbrangas amigavel
ou judicialmente, assim cdmo de outros negedos
eoneernentes a sua profissao, nos lngares proxi-
mos a linha ferrea, e nos outros termos proximos
a esta eidade ; para enjo anxilio tem o annun-
ciante solicitadores habilitados e probos, respon-
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
do que lhe for confiado.
Mediante modico bonorario aeode aos chmados
para diligencias on consultas fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacSes ante
o tribunal da relacao. Pode ser proenrado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
tprna do Duque de Caxias n.37. _______
Villa de Palmares.
Luduvina Augusta Xavier da Maia, professora
articular, provisionada pela instruccao pnblica
a provincia nas materias do primeiro grao do
sexo leminino, avisa ao respeitavel publico, e com
especialidade aos pais de familia, qne no dia 1.'
de maio do corrente anno abrio anla na villa de
Palmares, onde alem das materias estatuidas por
lei, se prop5e a ensinar com perfeicCo eosinra
cha, marcar, Jabyrintho, bordar, trabalbos de la,
crochet, missanga, flores de papel, panno, canu-
tilho e massa/A mesma professora prometle mui-
to esmerar-se pelo bom desempem18 de sen ma-
Pede-se ao portader de quem bolon o aviso,
para mandar bnscar a roupa na Passagem da
Magdalena, o qne venha mono ver pessoal
mente, para liqaidar roopa com roupa.
Antonio Jose da Silva Pereira.
Sitios no Arrant!
Alogam-se dous sitios no Arraial, proximo a es
'aqio da Ca^a Amarella, ladeira das Mudas, por
ciina do caes da machambumba, urn eem 8 quar-
tos, 2 salas, terraco, casa de banho, e baslante-
frncteiras ; o o outro com 5 quarto.-, S salas, ter-
iaco e casa de banho ; distante da estacao um
minuto : a tratar na rua do Crespo n. 16, 1* an-
dar, on no mesmo lugar; para ver, as cbaves n
acharo na taverna.
AfTEHGAO
Acaba de chegar para a casa de Gustave, cabel
"sireiro, a rua do Marqaea de Olinda n. 51, an-
dar, um lindo sortimento de coques de cabell'
hnmano, de divsrsos fcitios, dc prro de 12* r.
15*000.
Crescentes de cabell s esmpridos por 13jt.
Crespts idem idem (o par) 5/.
Topetes fnzades (o par) 3i.
Trunks compridas de 10, 12 e loi.
firampos frizados (duzia) 1*.
Diademas a 5^.
Cozinbeira.
Aluga-;e nma e.vrava hoa cozinhsira e engou-
Teadeira : a iratar na raa de Marcilio Dias nume-
ro 129.
A quem interessar. o abaixo a>signado de-
clara que vendeu a sua armacao sita a rna nova
de Santa Rita n. 1 : quem tiver alguns titnlos
apresente se no prazo de tres dias, a contar desta
data, se nao perdera todo o direito e aecio. Recif-.
5 de agosto de 1874.
An8oio da Cosla Teixeira.
Allenc&o
Pede-se encarrecidamente ao Sr. Joaquim Rar-
bosa de Oliveim a comparecer a raa do Oarai dt-
S. Rorja n. i'i, padaria, a negocic de particu...
inleressp.
Attencfio
Gratilica se a quem achou um grampo de our'
perto da estacao do Maoguinho, e qae o entregrjf
na Baixa Verde n. 12.
Ama Pr>"'?ase de uma ama para cozinhar
-n-iiit* e ecgommar : na rua do Commercio n
22, armazem.
Na rua larga do Rosario n. 21, loja de cal-
cados, precisa-se de uma ama que saiba cozinb.a
e cojiprar.
COMPRAS.
AVISO
Precisa-se comprar dous escravos, pedreirj
carapina, paga-se bem : a tratar na thesonrar-.-i
das loter.'as, a rna Primeiro ce Marco n. 6.
Trastes.
Comp*ra se e vende-se trastssnovos
a nsados no armaaam da rua o Im-
perador n. 48 <
V^NDAS.
CALvADOS BAIAT0S
Prara da Independenrla ns. II.
IS e IK.
Loja do Arantes.
Botinas de dnraque, de coro preio, canno
alto e laco, para senhoras
Ditas de dito, idem idem, para meninss
Ditas de dito, bordadas, -para senhora
Botinas gaspeada?, deverniz, idem idem
a 3,000 e _______
Ditas de pellica, canno alto, a Lua XV
idem idem
Sapatos de dnraque de cOr, idem idem
Sapatos de cooro amarelto, tndem idem
Chiquitos sapatos &de coaro de lustro
com salto, paia meoinaa____________
5,000
4,000
5,000
2,000
5,000
3,0*0
5,000
1000
gisteno
CoUeqio de Sard'Anna
Este estabelecimanto acha-se aberto na rua da
Vigario Thenorio n. 21, 2 e 3 andares, sob a di>
reccao de D. Anna Candida de Luna Freire, ha*
bi'itada perants a directoria geral da instruccio
pnbUca. Os ramos de ensino seiio : inatttcclo
Srimaria, portuguez, francez, teographia, piano,
anca, desenho e todos os trabalbos de aged ha.
PromeUe-se aos pais de familias todo o cnidadono
tratamento e educacio das alumnas confiadas ao
mesmo collegio.
Bacalhao de INoruega.
Acaba de chegar um pejueno lote de caixas
deste deseiado bacalhao : no caes da alfndefa.
armazem de Tasso lrmaos A C
Cabriolet e cavalte
Vende-se nm cabriolet de 4 rodas *j-
em perfeito estado, com cavallo e arretos, por
commodo preco : a tratar sa raa do Crespo n. 16,
1^ andar.____________
Vende-se a taverna sit* no becco do EapT-
noeiro, fregnezia de N. S. da Graca, com poo-
coa fundos : a tratar na mesma com Pairo *
Hora Saitiago. __________________^
VENDE-SE
uma casa na vflla de Mmkrs, na rua do Go-
iereio, por preeo aodiea: a tratar coa Tim
lrmaos 4 C
\
.
P


Rift *

1

'
?
rf

MENDES GUIMARAES
fazendas iinas
Rua. Primeiro de Marco n. 1 A
DE
Gordeiro Simoes & C.
S' esia uma das cases one hojo pode com pri-
cazia oflerecer aos setts ireguezes um variadissi-
osortimento de fazondas Anas para grande toi-
et:e, a bem as-im para uso ordinario de todas at
classes, e por precos vantajosos, das quaes faz am
eqneno resamo.
Mandain fazsndas as casas dos pretendentes,
uara o que tern pessoal necessario, e dio amostras
oeiiauie penhor.
Cprte* de sec.a de lindas cores.
Srosdeuaples de todas as cores.
Horgnrao branco, lizd, de listras, preto, eic.
Setim Macao, preto e de cores.
: ,' V'eiludo pretc.
Grwiadine do seda, preta e4de cores.
Popelinas de lindos padr5es.
FikJ de seda, branco e preto.
Kicas Lasquiaas de seda.
f.uacos de merind de cores, la, etc.
iJantas brasileiras.
Cortes com ennbraia branca com lindos borda-
Hicas eapellas e manias para noivas.
P.iquissiino sortimento de las com listras de
itda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas, lizas bordadas.
Nanzuques de lindos padrSes.
'Baptistas, padroes deiicados.
Percalira* da quadros, pretos e brancos, listras,
nc, etc*
Brinskle linho de cor, proprins nara vestidos,
:om.'barra e listras.
Rices cortes de vestido de linbo. e eites da
eesma cor. ultima mod?
Ditos de cambraia de ceres.
Fnstao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e ai-
lodao.
Sortimento de lavas da verdadeira fabriea de
cvin, par*> bomens e senhoras.
'estua*' oara meninu*.
ffcios para baptiiado.
r>poti para siio.
SVaitias e guardanapos adamascados i& o de
ruara mesa.
Colcr.as de li.
Cortinados bordart' .
Grande sortimento de camisas de liaho, lizas e
rdadas, para homens.
deias de cores para homens, meninos e meni-
.
Oitas escoceza*.
Oomnisto sorfiaieeto de chapeos de sol para ho- \ receoeu Pe'o nliimo vapor um grande sortimento
oe^i a seiinoras. dosjeguinies artigos de novidade :
Mer;co de pdres para
Dito preto, trancado
DA BOA-VISTA
Rua da Imperatriz n. 72
oma legoa da eia{4Q de llizjcirio, moente e cm
| rente, item obrado, e com terrenos muito feroia
quo safrejava mais de 2,500 pies : a tratar na rna
do bacaniamemo n. 8.
lio-te omafcafft-lerreana rua de Horta,
vmm*
[RMAOS
hoja Coronel Su^ssuna, com 4 quarto?, e eoromo-
due, cacimba e bjia quintal, com sahida para a
rna de Santa Thereaa: irataaee na mesma
sobrade n. 48.
Acabam de fazer um grande abatimenlo nos proros de suas f..zen las atten-
dendo a grande falta que ha boje dq tfinhciro,'* por isso crejd que o prego cionado agradara* ao respeit vei publico.
CHAPEOS DE S OL DE SEDA A 4*000. I CROCIIES A 1*500.
Vende-se cha"3 dos de sol de seda para se- Ven:le-se croche's pnra cadtiras a 1^500
jnhorase menin s a 4*. ditos Jo alpaca fi-icada um.
nos com 12 astes a 49, ditos de -nerind dej LAZINHAS A 200 REIS.
duas coresa 5*, ditosde seda inra ho.Len| VenJe se lazintias para vestido a 200,
a C*, ditos inglezes com 12 aslcs a 8* e 9*.! 320, 400, e 500 rs. o covado.
BRIM P ARDO A 400 is. ALPACAS DE CORES A 500 REIS.
Veudc-se brim pardo escuro a 400 rs;. o| V'eode se alpacas de cores a 500, 640, 2
covado, dipt de cores com quadrinhos a 800 rs. o covado.
500 rs. o ca vado j GRANDE SORTIMENTO DE TAPETES A 4*.
CASEMIRA A 5JJ. Vende se grande sortimento detapetes para
todosos tamanhos a 4*, 4*500, 5*, e 6*
ca.Ja um.
Engenho Segre ?o cra d,s cslrciluaidilo d'ureda
>* ? .* miu, dIalando apenr- ^ ^ ^^fr, das
S0ND&S 0LIVAES
DE
. GOMMA ELAST1CA
As mats modernas e aperfei^oadas de todas
as conbeciJus
Vendem-sc
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
RURTlfiENTO
M K D I G IN A
rua,
;QS e (errenns haratos no 8al
gadiubo.
Antonu Jose Rodrijraes de Sooia, na thesoura
na das lotenas a rua do Crespo n. 6, vende sus
casa de taipa e "
^o Salg?dinho :
terrenos de seas sitios no lugai
a tratar somente com o mesmo
E5 barato
Tranqas de cabello
hnmano, natural, com um n elro do comprimento
a IBJ cada uma : sd na rna. da lmperatrn n. 8
case de Odilon Dnarle Irraio.
A 5*.
Vende-se cortes de casemira de cores para
calga a 5*, e 6*, ditos de dita preta para
calga a 4*, 5*. 6*. e 7*.
BRIM DE ANGOLA A 2* 0 CORTE.
Vende-3e cortes de brim de Angola para
calga a 2*, dito muito finos a 3*.
ABERTURAS PARA CAMISAS A 200 REIS
Vende-se oberturas para camisas a 200 rs,
ditas mais finas a 400 e 500 rs. ditas de
esguiaoa 1*, ditas bordadas a 2*.
CH1TAS A 240.
Vende-se chitas para vestidos a 240, 280 \e
e 320 rs. o covado, tern escuras e clarss.
MADAPOLAO A 3*.
Vende-se pe^as de mad.-polao enfestado a
3*, ditas de dito inglez a 45500. 5 ditas de dito francez fino a 73, 75j00, 8*'
9*000.
E' BOM SAREK-SE
| Que a NOVA ESPERANCA. a rua Duqae de
rRlNHF aiiTi\ii.'\Tn np nniiP pfita :Ca,,M-- 63^bem ennhecida pelasuperioridade de
OKANL-L SORTIMEMO DE ROLPA FEITA seus artigos de moda e phantasia, acaba de reco-
NACluNAL. j her diversas eneororaendas de mer adorias de sua
Calcas de riscado oara traba'ho a 15000 rePa,twao. que pela eleganci-. bem mostra apiidao
-,?/. r k e bom go to de seus antigos corresprndentes da
\, .. Europa, e per etta razao a NOVA ESPERANCA,
L-ilgas de brim pardo a 1S>900,23, 2ffa00. a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
Calc/s de brim de Angola de cores a 2*'e constante freguezia e com espeeialidade ao fexo
i> 3* jamavei, a visitarem na, aflm da apreciarem ate
Calgas de casernira de cores a 5*500, 6* "nde|oc_a_opriLDor_d'arte.
E' barato.
7*.
Calais de casemira preta a 3*500, 5*500
.73
Palitots de riscado a t*.
Paletots de alpaca de cores a 2*.
Paletots de a paca preta a 3*, 3*500, 4*
5*.
vestidos.
e f'i'.D de verao.
">iha,,o ds aho e algodio para to
A.toai'iail.i pardo.
Oamasco de la.
Brins de liuho, branco de cOres e preto.
Setim de lindas cores com listras.
Obales de merino de cores e pretos,
Ditos de casemira.
Oitos de seda preta e de cores.
Ditos de touquiui.
>ami>as de chita para homens.
Ditas de flanella.
rereulas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso-
L,eojos bardadds e de labjrintho.
'Jok-has.de crochet.
Tarlatana de tolas as cores.
Kicos cortes de vestidos de tarlatana boidados
ara cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Ueias de seda para senhoras e meninas.
ftieas facbaa de seda e la para senhoras.
fti'-o sortimento de Jeqaes de madreperolas s
jss o.
Damasco de seda.
Casemira preta e de cores.
Chitas, madapolao panno fino preto e azul, col-
arinhos, punhos deiiuho e algodao, gravatas, lu-
ras de no de Escossia, lapeles de todos os tama-
ahos, bolsas de viagem, peitos bordados para ho-
ji-.-ns, tenets de linho branco e de cures, toalhas,
(uardanauox. etc.. etc.
Vendem
Wilson, Rowe & 0.
Em seu armazeni a rua do Trapiche n.. 14, o s*
F'jiate :
Algodao azul ame'icsno.
Fio de vela.
Carvao do pedra de todas as qualidades.
Tado muito' barato.
Iva ptira.
Vinhe verde e de Amarante, especial, vendem
f'dcas 4 C. : a rua streita do Rosario n. 9, junto
a igreja.
rUlffflCftO
V'enda-se urn terreno em Agua-Fria, com 60
palmos de frente e 350 de fundo, tendo duas fren-
tes, uma para a rua do Cacundo e outra para a
rua das Mocas, proprio para rdifioar, cujo terreno
tern arvoredos : a tratar na rua da Santa Cruz
numero 7.
Vende se na rua doComuiercio n. 4, cerveja,
Neruega, marca M L :
Bitter Augustura.
Rum de Jamaica.
VENDE-SE
a armacSo com caixilhos, invernisada, da loja a
rua Direita n. 83, por raetade de sea valor : a fal-
lariias Cinco Pontas n. 31.
Alia novidade de Paris
0 Bazar da Moda a rua Nova
n. 50
Cnap6os e chapelinas para senhora, das melho-
res moditlas.
Grampos e selas dourados, para cabeca de se-
nhora, alta novidade.
Ditos de tartaruga em formato de flnres e lafos.
Um lindo e variado sortimento de tlores artifi-
ciaes.
Coques de tranca muito bonitos.
Lacos para pescoco de senhora, com ponta bor-
dada a rnaliz.
Li|nes grandes com baretos pretos e prateados
ultimo gosto de Paris.
Foulard vensene, fazenda de la e seda, aberta,
para vestido*.
Capas de malha para sahida de theatro, cousa
de gosto.
Casaquinhos de malha para crianca, de 1 a 6
annon.
Lindissimos vestidos feitos para spnhora, tanto
de li como de linho ; assira como fachas de seda
e muitos outros artigos que estao a venda no
mesrao estabelecimento.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o ararae proprio
para armagSo de chapeos.
Escravo.
Vende-se um mulalo de 40 annos de idade, tern
boa conducta, 6 carroceiro e apto para qualquer
servico : a rua do Hospicio n. 81.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes:
I'pcgiiloa,
e Patriclo.
A tratar com seus proprietarios nesta cidadt
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei
relies Filho na mesma cidade de Mamamguap>
Tasso Irmios A C
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de receber aquel-
les milagrosos anucis ciectricos, cura infallivel.doj
nervosos.
E' com as senhoras
&
A NOVA ESPERANQA nao quer entrar no nu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrin?) com
extensos aonuncios e nem pretende descrever a
immensidadc de objectos que lem expostos a ven-
da, o queseria quasi irapossivel, mas lirailarse ha
a mencionar aJguns daquelles de mai; alta novidade
e toma a libenade de aconsellur ao bello sexo,
que a visitem constanlemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte Bin se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sonimeato
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demon;t a que qualquer senhora do bom torn,
nao podura complete a elegancia de seu toilet
sem que de~ um passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duqtie de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguint s artigos de Iuxo e inteira novida-
de :
Modernas setias para prender os cabellos
Primorosos leques <"e phantasia.
Bonius sahiJas de bailes pan senhoras e meni-
nas.
A Magnolia, a rua Dique
ticipa a i bello sexo que acaua ae receoer aa a i Ete anl(
ropa, um completo sortimento de artigos de ulti- ^^ rtereC0B de madreprrola.
ma moJa, e como acha desnecessano fazer um r
le de Caxias n. 45, par- iDtere?santes gravatas para.senhoras
acaba do receber da So- Elegantes fachas do touqnim.
Vende-se um pequeno silio perto da esta-
jau do Salgadiubo, tendo de frente 150
jalmos, e de fundos mais de quatrocentos,
torn uma elegante casa de taipa, acabada de
Koximo e bem asseiada, tendo 2sal s, 3
{uartos e cozinha fdra. 0 terreno e pro-
>rto o bom de plantacj5es, tendo algumas
irvores de sructo, agua de beber e tcdo cer-
.ado.
Para ver e mais explicates, no mesmo st-
uo a qualquer hora a entender-se com Tris-
t*o Francisco Torres, e para tratar, na tbe-
touraria das loterias, rua 1.* de Marco
i. 6.
E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Duque de Csxias n.
36, acaba de receber boa< meias d3 seda proprias
pera noivas, e os apreciaveisramos de larangeira
A. lcja das 6 portas
Conliniia a ter um completo sortimento de fa-
rendas, que pela qua'idade e preen rarece imp s-
sivel, um completo sortimento de chita, para 840,
280, 300 e 320 rs. o covado, grana linas de listra a
200 rs. o covado, dilas com listras e palminhas a
240 rs. o covado, chita para coberta a 240 rs. o
covado, chapeos de sol de seda com duas arma-
coes a 8,5000, ditos de suJa para cabeca, fa?enda
muito fiua, da 12^000 por 7*000, babadinbos e en-
tre-meios bordados, com diversas ceres, a 400 rs. a
peca, redes de fio macahiba muito proprias para
sitio, pelo dirainuto preco de 'HO',,0, cmnhraias de
cores miudinhas a 240 rs. o covado ; na loja das 6
portas em frente do Livramento.
As uiiicas verdadeiras
Richas hamburgueza3 qne vem a estemerc^do
na ra* do Marauez de ul:nda n. 51
l'repara'io
Lanman A 'i
pot
VENDE-SE
um terreno no Arraial, com 120 palmos de fren
e 140 de fundo, com uma boa cacimba : no ca
da Comoanhia Pernambucana n. 26.
Quadrilhas.
A' rua do Darao da Victoria n 17, loja de Pe-
dro EmJio Ruberto, estao a venda tres lindas qua-
clrilhas para piano, a tfOOO cada exemplar.
Engenho d venda
Vende-se a dinheiro ou a prazo um engenho
moente e corrente, de animaes. com pequena ?a-
fra cieada, a uma legoa d slante da villa de Pal-
mares, estaoao de Una, de bom terreno de varze,
podendo safxejar 2,000 paes aunuaes, com propor-
Sao a ser de agua, podendo ainda ser accrescenta-
o ao ponto que se queira, eom terrenos annexos
que se vendem : qnem pretender, entenda se com
Joaquim Rodrigues Tavares do Mello, nesta cidade,
praca do Corpo Santo n. 17, 1 an Jar.
Grande liquidaqao de charu-
tos da Havana
Flor Regalia.
Iskandro.
El ordem.
Rna do Marquez de Olinda n. 1Q.
enfadonhu anuuncio> por ja ser bastante eonhe-
cida, e caprichar sempre em terbons correspon-
denies, sendo a pr.meira .que apresenta o que ha
de mais moderno e por precos mui razoaveis, par
isso limita-se a descrever sumente o seguinte :
Si'iian douradas.
Bi<-os de cores, tanto de soda como de guipure.
Lcqucs dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osro, etc.
saiiidaH de bai e.
Vt >< itu-s. diversos artigos prcprios para pre-
sents
GolinbaM c punhos.
Manual para mis>a, com capa de madreperola,
tartaruga, uiarfim, velludo, etc.
SapntinhoH de setim para baptisado.
< umi*a* bordadas para senhoras.
i.iiins de seda.
i raiijitK inosaicas.
.tdcrecoH de tartaruga.
Vol(a de madreperola.
PuliseiraK de madreperola.
L.tndas tlores para cabe;a.
Bui sum de velludo.
Pcrfuiuarius dos meihores e mais afamados
rabricanfes.
ciinix'UM de sol para senhoras.
kiiuN de velludo ue todas as cores e largor.s.
Moscas.
Quereis livrar vos destes malditos insectos? com-
prai uma niichina de raatar moscas por 3^000
na Magnolia, a rua Du iue de Caxias n. 4'i.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ven-
de o verdadeiro Vigor de Aver, que impede a
cahida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quern quer; porque a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadeira Cuticuleria, que faz desappa-
recer estas mancbas em poucos dias.
Grande liquidacao de charu-
tos de Havana.
Flor Regslia.
Iskandro.
El ordem..
Rua do Marquez de Olinda n. 18.
Vende-se uma mobilia brauca cum as seguin-
tes pecas um sofa, duas cadeiras de bracos.duas de
balanyo, doze de cuarnicao, e um par de consohs
com pedra por 310*000 rs.. a qual e nova, e se
vende por ete prego para liquidar, a rua do Barao
da Victoria b. it. _________
Grande pcchiiioha.
Cortes de gorgorffo de seda
para collete a 9& e chapeos
de sol de seda a Hfi.
Vende-se cortes de gorgerao de seda de coies
para cullete, pelo baratissimo prego de if e cha-
peos de sol de seda | or Bg : quem duvidar ve-
nha v-r e comprar, na rna do Duque de Caxias
n. 88, loja du Denvilrio Bastos.
Vende-se um pemeno silio com duas casi-
nhas de taipa, cobertas de telha, tendo uma dellas
2 quartos, nata di frente e dejantar, e cozinha
ora ; e a oa-.ra 1 quarto, sala da frente e de jan-
ar, com 97 palmos de fiente e de fundo 460, no
Jugar do Arraial, perto da estacSo da Casa Ama-
rel|a: a tratar na ma aa Palma n. 100. _______
WN?on Ro^e & C. vendem no seu armano
made Commertio n. li :
verdadeiro panno de algodao azul amaiieaao
ExceUente Ho de vela.
Cognac de 1* quaudade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de f'edra de todas as qualidades
Ciiilus de cowo
Amaral, Nabueo & C. reeeberam um completo
sortimento le cintos de couro preto, com Dvellas
e enfeaes de metal branco, dourado e oxidaflo,
para senno'as e neninas : sao dos mais moder-
nos qce tem vindo ao mereado : vende-se no Ba
tar Victoria a rua do Barao da Victoria n. 2.
Popelinas a 1$200
i*ide"8e 'inaai; Popelinas de linho e seda a
dSrsm^0,-0' 5nPe,iOTe cores de baptistes
dos gobtos nais modernos, com figuriuos, a IS*
n 5J g08, Pr,' rua *a1'M de Cax'38
Na rua Nova n. 8, loja do Lyra & Vianna
ha novo sortimento de botinas pretas, de cores e
brancas, para senhoras; dilas de phantasia para
meninas e meninos ; assim como, botinas de Mi-
lies e Suzer, para homem.
Tambem vendem barato para acabar, sapatos
Je tranca, francezes, para homem; ditos de ca-
semira, idem.
Botinas de cordovao e bezerro pollak, para ho-
mem.
Cofre de ferro. barato.
Vende-se um cofre de ferro do fabricante Mil-
ner, a prova de fogo, quasi novo, por precp com-
modo : a tratar na rua do Marquez de Olinda n.
0, l.-andar._________________________
Para particulares.
Vendem Cunha irmaos &. C, rua da Madre de
Deus n. 34, vinho Figneira de superior qnalida-
de, em barris de 5.* e de decimo, garantindo a
qualidade.
Vende-se a madeira de uma grande jaqneira :
na thesourana das loterias.
Vende-se uma mobifia branca com as seguintes
!iecas: 1 sofa, $ cadeiras de braeos, 2 de ba-
anco, 12 de guaraicao e 1 par de consolos com
pedrs, por 350*000, a qual e nova > se vende
por este preco para liquidar : a rua do Barao da
Victoria n. 22. ________
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda).- a Magnolia a rua Duqae de Cax'as n. 45>
e so quem tem.
Papai^ mamai.
Como sao linfla* aa bonecSs de cera nae-'ebk-'
mam papai, mamli, cboram, andam, etc. So na
Magnolia a rua^Duqae de Caxias d. 45.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, \ rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de aratne de lindissimos modelos,
proprias para passaros ; a ellu ant4s que se aca-
bem.
Para concertar meias
A NOVAESPERANgA, a rua Duque de Caxias
n. t>3, recebeu c"esta necessaria linha.
Salsa-parrilha do Par&
Tem psra vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus nu-
mero 57.
Grande descoberla
Curativo das molestias do
peito pelo
Xaropc de sulpkito de soda
DE
A. R.ltM T
Este importante memcamento que acaba de ser
reconhecido pelos distinctos Dra Zalloni e Paras-
chevas como um verdadeiro especiOco contra a
phtysica, tegnndo provaram nos grandes nume-
ros de casos por elles experimentados, como se v6
na sessao da academia de Paris de 24 de marco
do corrente anno, eneontra-se unicamente no
Deposito da iharmacia e drogaria
de
Itai llioloiii) II A C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 34
POM
Deiicados adereccs pretos de
(gosto novo).
pufalo e borracha
No Baraleiro
PREDILEC1A
A' rusi do Cabuga a. 1 A.
Os proprietarios da Predilecta, no intuito da
eonservar o bom conceito que teem merecido do
respeitavel publico, distingnindo o sen estabeieci-
DDonlo dos mais que negooiam no mesmo generc
veuhi scientificar: aos seas bons freguezesque pre-
veuiram aos seus correspondentes nas diversaa par-
cas d'Europa para Ihes enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de lnxo e bom gosto, que se-
jant mais bem aceitos pelas sooiedades elegantes
daquelles paiies, vislo aproximar-se o tempo de
(esla, era que o hello sexo desta linda Venexa
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessera pele paqnete francez diverse
irtisjos da ultima moda, veem patentear alguns
J'entre elles que se tornam mais reeommendaveis,
esperando do respeitavel publico a eostumada
concurrencia.
Adero^s do t\rtArupa oo mais lindofl- qrra toerc
vindo ao mereado.
Albuns com ricas capas de madreperola e de
velludo, sen Jo diversos tamanhos e uaralos pre-
os
Aderecos completos de borracha proprios para' p-J^*1?01
Into, Umbem se vendem meioe aderecos muito bo-1.*" J*araJ- ...
Ml0f. v j Cambraia tapada e transparente a 3*o00 e 4*.
Sties de seum, preto ede core* para ornate de-J 5m_|J|8.J"a3, E' Pechincla> o barateiro quei-
estidos de senhora ; tambem tem para coUete
A' rua 1. de Marco n. 1.
(Antiga do Crespo)
Confronte ao arco do Santo Antonio.
Os proprietarios desle estabelecimento, resol-
vendo fazer acquisicio de novas fazendas, por isso
fazem uma liquidacao por baralos precos da ja
exiitenles, para com maior presteza liquida-las.
A saber :
Lazinhas escocezas de gostos mnito lindos e in-
teiramente novos a 140, 160 e 200 rs. o covado !
Ditas com listras de seda; lindos padroes, a 300
rs. S6 aqui 1
Alcassianas com lindos desenhos e cores flxas,
a 400 rs. Como sao lindas.
Baptistas com barras maiisaias, bonitos gostos,
a 360 e 400 rs. Que padroes lindos.
Cbitas escuras e claras a 240, 260 e 280 rs., e
percales muito Qnas a 3U0 rs. So o barateiro I
Metiii3 de gostos novos, ainda nao vistos, a 280
e 300 r>. Mandem ver as amostras !
Cretones escuros e claros a 300, 400 e 440 rs.
nalitot
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc, por
barato ,'jreco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louc*
como do cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um poaco im-
pertiaentee por falta.de um objecto que as-en-
tretentum.
mi, nao vende.
Cortes de cretone
para acabar I
Clules de casemira ccm listras
prego e baratissimo.
Bramante de linho de duas larguras a
vara I E' exacto.
Brim trancado pardo a 280 e 400 rs., e de co-
res (Angola) a 500 rs. o covado. So aqui por es
te preco.
Grande soitiraento de chapeos de seda, merino
para Cuaaca
toda a qnalidad*
dc UdMsju, juer
soji, na gart;anta,
peito ou Lo'fos.
Kxpressamente
escolhiilodosme-
Ihoresfigadosdos
qnnr-s M extrahts
o oloo no banco
da Terra ^ovt
purilicadochimi-
calnientc, e suas
valnaveispropri-
edarles-MuBf Va>
das <-(iiu tolo 0
cuidado, em todj
o fiasco sega ran-
tcperfoitamr'L-
to p'iro.
Kste olf.i tem
sido suhrr'.-f.ido
auni fxameir.ui-
tfi scvero, palo
ctiiur.o de mais
laleoto, do go-
verno *< t\ oi
em Cuhe e foi
pronuueiado po/
elle a coiner
MAIOR I'ORaO D'fOI'I.NA
io que outro qualquer olco, quo el! t.-m
-xaniinado
IOIIINO E IMPODFRSATVAPO!;.
Em todo o olco de figado lie baraflafo, a ".8-
quelleno qual contciii a maior por;3o i alt
invalnavel proptiedade, e o unicy m.\o pAra
curar todas as dieiiras dc
GAKGANTA, PEITO, BOFF.S, FtGADO.
Phtysica, bronclii?t"s, astlHua, calharrao,
tosse, rosfriuuH-iitos, etc
Uns poucos frascos da carnes ae muito
magro que soja, clarAa a vista, e di (ifat
a todo o corpo. N.nhum ovtro artigo >
nbecido na modicina ou iriwria. da laito
nutimento aosystema a inKimincilanJoquasi
oada o estcmagfi.
As pessoas cuja orgattisagao torn aidn ;-
truida pelas affec^oes das
feSCROPTJLAS OU RHEUMlTrSMO
e todas aquellas, cuja digestio so w
pletamer4e desamiijada, devem Um
OOLEO DERGADO DE 15.VCAI.llA;
_________________LANMAN di KK.MP
Para a boa conservacao
YOSSOCA BELLO
bordados a 5/500. Somente
3/500. Pelo
1/100 a
Camisas de linho lisas e com neitos bordado* e ''PSS' ![ "wmens e senhoras, para homem
para homem, vendenvse por preco commedo. ,*-3*81 9 e 4/o00, e de seda supenores a 9f
seda a 2/dOO e 3/. E' ou nao barato ? 6.
Ceroulas do linho ede algodao, de diversos pre-' Vende-se pes.de sapotas de optima qualidade
na rna do II spicio n. 75.
Economia!
Na rua do Queimado n. 43
Junto a loja da Magnolia*."
Aproveitem que s6 6 baTato!
Lazinhas de linho, pedrdes muito lindos a 200
rs. o covado.
Lazinhas de quadros a moda
de chita a 240 rs. o covado.
Metins de quadros pretos e brancos
covado.
Metins de listraste Bores miudas a 280 rs. o co-
vado.
Chitas escuras a 160 rs. o covado.
Cambraia Victoria fina a 3/ a peca.
Chales chinezes com listras a it.
So na loja do i-nerra 4 Fernandes.
Dao-se amostras.
escoceza, larguia
e 320 rs. o
Cliaiiilos da Biihiit
do fabricante Gustavo Alberto Schmorbnsch, das
seguintes mareas:
AaiSTOCHATAS.
BlACIIUELOS.
I-SRULOS.
.Conchas.
Prrfbicao.
BlSMAUS.
Trabucos.
,. golondrinos.
\ endese por precos resumidos na rua do Mar-
quez de Ohnda n. is, armazem.
1,08.
Caixinhas com rausica, o que ha de mais lindo,
con) -diaticos nas tampas e proprios para presen-
te
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tes.
Chapeos para senhora. Receherani um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Oanellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas. .
Kntremeios estampados e bordados, de lindoi
desenhos.
Escovas electricas para denies, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Pranjas de- seda. pretaaede cores, existe tun
g-ande sortiiueato de diverjas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de g-rrgnrao, de setim e de eba-
lne, de diversM larguras e boaitas cores.
Fachis de gorgurao muito lindas.
Pi. Tt+i arliticiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento,des-
as flores, nao s6 para enfeite dos cbellos, como.
tambem para ornato de vestido de noivas.
(aides de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
03 ei de diversas; cores. .
Gravatas de seda pars* homem e senhoras.
La^os de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Li gas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros paca ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, 6s-o e velludo, tudo que ha da
bom.
Penh* de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem' tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, dsso e dourados por barato preco.
Perfc marias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao so em extractos, como em oleot e
banhas dos meihores odores, dos mais afamado*
fabricanies, Lonbin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel; sao indispensaveis para
a festa.
I Salas bordadas pare I senhora, po* commodo
preco..
Sapauahos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Receaen a Prediletta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto' para sofa co-
mo para entrada de sates.'
Veslimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno s recebeu a PredilecU
de or ar:.to preco, para Bear ao alcance
qualqnor bolsa.
j Rtia, d6 Cabttgd rx.-1
Aproveitem
0 PARIS N'AMERICA, a rnai Doqaa de Caxiaa
b. 59, primeiro andar, esta vendendo calcado pelos
seguintes precos:
Botinas de daraque para tenhor* a 3.500 fels.
Ditas de dito preto a 4,000 rite.
Ditas de dito eom botoes aolado, a 4,000 reis.
Ditas gaspeadas, cano alto, para senhora, a
5,000 ro>8.
Ditas de'pelHca, ingleia, a 4,000 riis.
D'ias' 5,000 reis.
Ditas de duraqae, de cores, para meninas, a 31.
Em quanto 6 tempo
aproveitem.
Grande porcao de camisas francezas de linho a
32|, 40/ e 444. Sao modernas.
Madapolao fino a 5/ e 3/300 e francez a 6/.
E' pechincba !
Algodio Bahia com 24 varas a 4/000 e 5/000 a
peca.
Atoalhado para mesa, com bonitos desenhos, a
1/500 a vara.
Lencos brancos de linho a 3/500 e de cores a
3/ a duzia.
Toalhas de linho alcochoadas a 4/500 e felpu-
das a 6/500 a duzia.
Colchas adamascadas a 3/000. So o barateiro f
Meias para homem a 3/300 a duzia ? Sim I No
barateiro compra-se per pouco dinheiro.
Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Loja tie fazendas
DE
Guillierine & G.
0 antigo barateiro conliniia a vender por meaos
do que outro qualquer, com a franqueza e sin-
ceridade ja conbecida.
Las de cores a 2C0 e 240 rs. o covado.
Las pretas superior, a 360 rs. o covado.
La e seda, fazenda de 1/400 por 700 rs. o co-
vado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores a 280 rs. o covado.
Cretones de padroes lindos e modernos a 400 e
440 rs. o covado.
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. o covado.
Cambraias de cores miudas e graudas a 280 rs. o
covado.
Ditas pretas com flores a 200 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas a aberta?, fazenda
mais Una que tem vindo ao mereado, e fazenda
de 2/000 o metro, por 1/000 a vara; e pe-
chincha.
Cambraia transparente, fina, a 3/ a peca.
Dita Victoria, nna, a 3/500 a peca.
Algodao trancado, alvo, a 440 rs. a vara.
Brim branco de linho a 1/400 a vara.
Ditos de cores de linho fino a 500 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6/ e
7/ a peca.
Algodae T, largo e superior, a 5/ a peca.
Gorgorlo preto de seda para vestido e para collete
a 3/ o cevado
Toalhas grandes a 4/500 a duzia.
Colchas grandes a 3/ nma.
Lencoes de bramante a 2/ am.
Cobertas de ganga, forradas, a 2/ e 3/.
Lencos de linho, abanbados e em caixinhas a
3/500 a duzia.
Ditos de cores 3/500 a duzia.
E ontros muitos artigos por ^precos karatiasimo*.
So na rua do Crespo n. 20, loja das 3 portas. Dao-
se amostras.
Espelhos.
Amaral, Nabueo & C, vendem espelhos ovaes,
quadrados e redondos, proprios para sala, quar-
toe e toillete, toucadores de columna e com gaveta,
com moldura donrada, de Jacaranda e de metal:
nr Bazar Victoria, a rua do Bario da Victoria
n. I
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANgA vende papel de
proprio para clgarros, de diversas larguras,
linho
Elle e um preventivo seguro eoarto ..Ira
a calvice.
Elle da" e restanra forra e snni L f i-!' >
cabeca.
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
ture dos calielles.
FUedd grande riqueza do lustre a.->s ca-
bellos.
Elle doma e faz preservar os caboii >.-:, ,m
qualquer forma ou posic.ao quo n dce>
je, n'um cstado formoso, lisn o macio.
Elle faz cresccr os cabellos bast s c c.'.r.pri-
os.u
Elle conserve a pelle eo casco 4awjto|i
limpo e livre de toda aespviie dt- MM
Elle previne os cabellos de se torasMB beasv
cos.
Elle conserve a caboc^t n'um estnilo de fr^e-
cura refrigerante e agrada\cl.
Elle nao e demasiadamente oleoso, gorin-
rento ou pegadir^o.
Elle nao deixa o meuor cbeiro d- .-.igra*i*
vel.
Elle d o melhor artigo para os hWIh daa
criancas.
Elle d o melhor e o mais aprasivel artigj
para a boa conservacSo c arranjo dos fe-
bellos das senhoras.
Elle e o unico artigo proprio para o pc
do dos cabellos e barbas dos BMtsfNfc
NENUUM TOUCADOR DE SENllOilA Si
PODECONSIDEUAR COMO COM-
PLETO SEM 0
T0MC0. ORIENTAL
o qual preserve, limpa, forlifice c a f.. !,.--
O CABEIJ.O.
Acha-se A venda nos eslabi:leri:r. nto de
H. Forster & C, agentes. E em todas w
principaes loja de perfumarias e boticas.
fam se :ric;i::i-l
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao iloo-:t,
Calma, modifica e suavisa a dor.
Alii via e irritac*o,
Desenvolvo e^entendimento,
Fortilic a o corpo
e faz com que osjsu-ma
desaloje d'uma mahcira pntnipta e rapid*
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
meihores votos em medicina da Europa, (oe
entes dos collegios de medicina de Berlim
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relacoes analogices, e alem disso a expe-
riencia de milbares de pessoas da America
Hespanhola, as quaessforam cura-Ias com
PEITORAL DE A.NACAHL1TA '
Deve-se notar que este rcmedio se acha
inteiramente isento de venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, emquanto que elgunt
destes uluraos, e partkularmente eqoellea
que s3o dados sob a forma de opio, e act-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte dos Xaropes, com os quaes tio fa-
cilmente se engana a credulidade do pu-
blico. A composicio'de anacabuita peito-
ral acha-se linda A curiosainente engarrafada
em frascos da medida de cere* de meio
quartilho cada um, e como a dose que ae
toma 6 sd d'uma colher pequena, basta
geralmeute i applicaeeo d'um qu dous fras-
cos para a effectuacao de qualquer cura.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Frosters &.C., agentes.
SeoUnhaB. & 1^500 o cov;.do.
Venham antes que se acabem: na loja do Passe
a ua i.* de Marco n. 7 A.





P^VBBB
DUrio de Pemambiwo Segunda, feira 10 de Agosto de 1874.
**



ASSEMBLE! GERAL
CAMARA DOS SRS. DEPUTADOS.
REFOKMA DO ENSINO PDBLICO.
Na sessio de 30 dd julho tbi li lo pelo
mioistro do imprio, ceorgamsan.lo o ensi-
no primario asecundario. 0 qual foi a com-
missdo de instrucgdo publica :
c A assembled geral resolvo :
Art. I.0 Fica o governo autorisado a
re do municipio da cdrte, bam como i promo-
ter e a jxiliar o desenvolv.meiito da instruc-
gao publica nas provincias, observaudo as
seguintes disposigdos:
t.* 0 ensino particular no munici-
pio da cdrto poderd ser exercido sera depen-
dencis de titulo ou prova de capaci lade
proGssional; serdo, porem, obrigados os di
rec tores o professores de estabelecimentos de
instrucgdo primaria o secundaria ou espe-
cial, de qualquer grdo ou deno ninacao que
sejra, a mostrarera-se livres deculpa, Gcan
do Sije tos d inspecgio para o lira de so ve
rif.car que preenchem as precisas condicoes
de mor.ilidade a hygiene, e a prestarem to
das as informagdes que the forem exigidas
pelas autoridndes competentes, as quaes te-
rdo o direito de oxaminar taes estab.lcci-
ntsnto? em qualquer o.casiao.
Acs professores a quem falt-ir a pri-
meifl das ditas ondigdes, sera" vedado o
ensino, e aos directores no mesmo caso a
continuagao de seus estabelecimentos.
Os directores, em cujos ostabolecimen-
to- fa t?r a segunda condigdo, serao adver-
tidos. e se nao a satisfazerem, dentro do pra-
20 qua Ihes Mr marcado, nao poderdo con-
tinuar a to-los.
Finalmenle, os que recusarem dar as
informagdes, ficarao sujeitos a* multa de
809 a 200J, 9 em caso do reluctaucia, a
fecharemseus estabelecimentos.
2. 0 ensino primario elementar no
municipio da corte serd obrigjtorio para to-
dos os individuos de 7 a li annos; se-loha
taubem para os de 14 a 18, que ainda o nao
tenham recebido, noslugaresdo mesmo mu-
nicipio em que houver escolas de adultos.
1. A falta de observancia des'a dispo-
sigio por parte dos pais e tutores, e de to-
das as pessoas que tiverem a seu servigo ou
em sua companhia meninos pobres, .sujei-
ta-os a multis, variaveis de 203 a 1005,
segunlo as^circumstancias, tendo se em at-
tengdo a distancia entre o domicilo de cada
urn e a escola publica ou escola particular
subsidiada, mais proxima dentro do raio de
1 1|2 a 2 kilometros.
A multa, a qual serd imposta quando
os meninos, depois di conpletaram oito an-
ncs, tendo desenvolvimento sufliciente, o
salvo motivo de molestia, ainla Dao houve-
rem coraegado a aprender, serd dobrada
na reincidencia, veriftcada de seis em seis
mozs; e o rospectivo processo se fard ex-
oflicio, do mesmo modo que se pratica nos
crimes policiaes, sebre representagdo do
inspector litierario.
a Se, reiterada a multa par quatro ve-
zes, continuar a falta de cumprimento da
lei, o iuspector litterario respectivo repre-
sented contra os pais negligentes ao juiz do
orphios da comarca ; o qual depois de ou-
vi-los, poderd ordenar que dentro do pra-
zo, Danes maior do 60 dias, sejam os me-
ninos entregues a um estabelecimento om
que recebam educagdo correspondente aos
recursos da fan ilia : e se findo o prazo,
nio tiver sido executada a deeisao do juiz,
este a fard cumprir pelos meios legaes a seu
FOLHETIM
MARCELLA
OU
I! Wm l)\ FELIG1DADE
POR
^aclior -MagOch.
(TRAD. BA REVISTA DOS DOUS MUND0S.)
IV
(Contiiiuagao do n. 178.)
Ao regressarmos d cabana, pela janella
aberta, vimosMarcella sentada junto d mesa,
oiide ijedra o maauscripto, embebida na
leitura, e seguindo as linhas com o dedo.
Alexandre chamou-a pelo nome ; e a ra-
piirijja, estremecendo, repellio o manus-
cripto, e pouco depois appareceu d porta
da casa.
E entdo ? Nao es de opiuiao que o
dc ve-r.os ler juntos ?
Ella, sem ousar Gta-lo, respondeu, quasi
a balbuciar :
Se o senhor quer ter ainda paciencia
comig'i .. nao sei o qae tenho ha algum tem-
po... sintd... E entrou a chorar.
Alguns dias depois, como que estava
prestes uma tempestade. 0 ceo trajava um
a;:ul s^mbrio o triste ; as andorinhas, nao
se aoirnando d acoitar os espagos, como que
visavnm a terra, e nonhum passarinho ou-
sava girgear entre a folhagem immovel.
0< ceifadores tinham todos regressado,
recei'SDs da borasca ; s6mente Marcella
oenso-vava-se no campo. De longe devisa-
Ta-se seu lecco vermelho leTantar-se e abai-
x.r-.-e por ontre o trigo como uma papoula
egitada pelabrisa.
0 cuude sahio para ir busca-la ; mas en-
tretant') cahiram os primeiros chouviscos pe-
ssdarnente, sem que elles regressassem.
Tenha a bondade de ir'ver o que ha,
senhor ; disse-me a velha camponeza, que
ficou a olhar, era pe, no pateo, abrigando
o.; ollicis com a mao.
A'r-vessei o pomar ; e, ao chegar d ex-
tr?ma, vi que Marcella e o conde estavarn
enp'.nhados u'uma conversa animada, quasi
T(h an ?nte.
Mi-rcella, com a cabega coberta como
seu Isneo vermelho cdr defogo, parecia va-
s.men'.e nma bohemia ou um demonio.
Ton-lo na mo direita uma fouce erguida,
en qimto que, com a outra estendida, pa-
rocia i.v>elliT o conde, como que advertia e
ame*ci o eu ami80 1ue- V^mo, force-
jiiva por sorrir.
Nuoca eu. o vira Wo commovido ; e, por
isso, sp-essai os passos para chegar a elles.
Marcella, recuando sempro, achou-se por
iim de encontro d cerca ; e, como quer
que Alexandre lentasse segura-la, descarre-
goo-l1-^ a foice sobre o craneo.
c igue jorrou em borbotOes ; mas,
n'um abrit e fechar de olhos, Alexandre
jirrar cou-lhe das maos a (nice e langou-a
fora ; e^. Umando-a nos btagos, d despeito
alcance impondo aos pai recalcitrante* as
penas da cos bedieocia, podendo tainborn
exclui-los do usofructo dos bens dos filhos,
de cuji educarSo assimse houverem deecui-
dado. As despezas da educagio serio cobra-
das executivameate, e das decisdes do juiz
baverd reeurso para a relagao do districto.
As pessoas que tiverem a seu sorvigo
ou em sua companhia meniins pobres, eque
Dig tratarem do ensino destes, imposta a
multa por duas vezes, sendo aggravada na
segunda, sem que, dentro dos tres raezes
quo se seguirem, obedegam ao preceito da
lei, odit) inspector os tirard para entroga-
los a outra, ou po-los em estabelecimentos
publicos ou particulares adoquados.
A respeito dos tutores comprehendi-
dos no mesmo caso, ao juiz de orphlos in-
curabe providenciar ex-o/jicio ou d requi-
sigSo do inspect >r littorario.
II. Os pais e mais pessaas acima re-
feridas tem 0 direito de ensinar ou mandar
ensinaros meninos em casa ou em estabe-
lecimoatos particulares; mas no Gm de ca-
da anno deverSo submette-los a exame pe-
rante a inspector littorario rospectivo.
III. Sordo motivos de escusa a inha-
bilidade physi;a ou moral o a indigencia ;
est*, porera, so poierd ser allegada em re-
Ugdo a individuos de 7 a li annos de ida-
de, omquanto nao receberem o vestuario
indispensavel que e governo Ihes dard, as-
sim como os objectos necessarios ao estudo,
pelos meios de que dispuzer.
IV. Nos lugares relirados das escolas
publicas. nas freguezias ruraes, e em que
haja professores particulares, poie o gover-
no contratar com esses, me li ante gratifica-
gao razoivel, o ensino dos meninos pobres
da vizinhanga. E quando em lugares serae-
Uiaiit-s houverem meninos que frequentem
a escola, e jd teaham o preciso adiantaraen-
to, podem esses ser autarisados pelo profes-
sor respectivo para ensinar os vizinhos, sen-
do pira tal Gtn dispensados da freqaencia
duas ou tres vezes por somana ; ueste caso,
traraode tres em tres mezes d presenga do
professor, para oxamina-los, os que com el-
les aprenderem, ou se for mais convenien-
te, o professor ird examina-los fdra da es-
cola ; e os alumnos desta que receberem
tal encargo, se bem o desera pen harem, re-
ceberao premios en livros ou em di-
nheiro.
V. Os donos, directores ou gerentes
das fabricas e oflicina existentes, e que se
fundarera, cuidarao em que recebam o en-
sino primario elementar os seus operarios
menores de 18 annos, que ainda o nao ti-
verem, sob pena de multa de 50$ a 100)$,
e com obrigagao de submette-los a exame-
no Gm do cada anno peraute o inspector lit-
terrio do districto.
VI. Nas ofiicinas do estado enasobras
publicas serdo sempre preferidos os indivi-
duos a que ndo faltar a instrucgSo pri-
maria.
f VII. Em igualdade de circumstancias,
no recrutamtnto para o sorvigo do exercito
e da armada, serao escolhidos os analpha-
betos ; o a estes se dard o ensino primario.
VIII. Nenhum individuo, dos que fre-
qucntarem as escolas publicas, serd dispen-
sado do ensino, ate aos li annos de idade,
sem mostrar-sd habilitado em exame, pelo
menos, de leitura corrente. de escripta, das
quatro operagoes arithmeticas e de princi-
pios de moral; se ate aos li annos nao es-
tiver habilitado, passara para as escolas de
adultos, ondo as houver ; e os alumnos
dastas escolas, assim como aquelles a quem
se refore o n. II, serdo sugeitos a igual con-
dicao ate aos 18 annos.
dos esforgos que ella fazia para repeli-lo com
as mdos e com o joelho, suspendeu-a, estrei-
tou-a ao peito, banhando-a com o seu san-
gue generoso.
Na maahd do dia subsequente o conde
desceu mais tarde do que costumava descer,
ao jardim, onde d esse tempo almogavamos.
Tinha uma atadura na cabega, mas nem
parecia pallido, nem fatigado, embora ti-
vesse perdido muito sangue, estando pelo
contrario do bom humor.
0 que suppoes que farei, agora ? per-
guntou-rae ello om torn alegre e com um
sorriso zombeteiro.
Que deixards de atormentar d essa
pobre menina.
Essa pobre menina, como a qualiGcas,
eu vqu desposar, meu amigo.
N'esse mesmo dia, d tardinha, depois da
Ave-Maria, todos estavamos sentados ao pe"
da cabana, em Zolobad, como se cousaal-
guraa se tivesse passado ; e, entretanto, para
dous honestos pore"m apaixonados cora-
goes, um abysmo devia existir entre a ves-
per a c esse dia.
Marcella estava pallida, e nao tirava do
chao os olhos sempre huraidos.
0 conde, sentado ao pe" d'ella, lia-lhe o
ultimo acto do Fausto, a tragica aventura
da loura Margarida.
Todos comprehenderam a allusao, sem
oxcepgdo do velho caraponio, que, com o
queixo apoiado ds mdos calosas, deixava
patente na expressao do semblante o real
desgosto que Ihe torturava a alma.
E entdo o que pensas ? perguntou o
conde, logo que concluio a leitura, e depon-
do o manuscripto sobre os joelhos de Mar-
cella.
0 que penso t respondeu a raoga sem
erguer os olhos. E que lhe importa o que
penso ?
Importa-me muito sabe-lo.
Como quer o senhor que eu, uma po-
bre menina....
Eu te rogo, dize-me o que pensas.
Erguendo-se nobremente e langando-lhe
um olhar Grme, quasi altivoj e com uma
voz vibrante e dorida, ella disse :
Pois bem, seja assim ; vou dizer-lha
o que penso : esse Fausto, quee tdo
illustrado e & quem nada parece satisfazer,
parece-me um grande tdlo, e o seu compor-
tamento para com a pobre Margarida e" o
deum miseravel... Ah 1 nao ria, nio;eu
comprehendo.... Elle era um bomem que
almejava ser um]dos reis da terra, um semi-
deus; e.entretanto, de que modo patente ou o
seu poderTesmagando uma desventuradacrea-
tura, uma alma fragil... Talvez eu me ex-
plique mal...
Basta, disse o conde, jd te compre-
bendi, e era isto o que eu queria ; mas nio
te encolerises como se eu fosse esse Fausto.
7 Nao sei se o senhor e* um Fausto como
o outro, replicou Marcella friamente ; mas
o que posso assegurar e que ndo serei eu a
Margarida que vd langar se-lhe nos bragos.
Dias depois passeiavamos em silencio,
sob as velbas e frondosas arvores do par-
que, respirando o ar puro o tepido da ma-
nhd, e admirando o modo como o sol dou-
rava as folhas do artoredo e as hervas, ape-
c Sobre os mesmos pontos do ensino
versardo os exames antes mencionados. ,
a IX. As multas de que trata este para-
grapho serdo applicadas d instrucgdo pri-
maria.
3." A instracgao primaria no munici
pio da cdrte serd dividida em primaria ele-
mentar e primaria superior ; o governo for-
naulard os respectivos programraas, poden-
do incluir no das escolas da 2." especie as
materias do ensino das da !. especie.
Nas escolas era que se der a instrucgdo
primaria super.or poderdo ser admittidos a-
lumnos maiores de li annos.
$ i. Fuudar-se-hdo no municipio da
cdrte escolas para adultos, nas quaes serdo
addaitlidos individuos de mais de 13 annos,
contratando-se para o ensino professores
particulares idbneos, ou CJocedendo-se uma
gratidca^do aos professores publicos que se
propuzerem a este servigo e o governo jul-
gar no caso de bem o desempenhar.
a. Estas escolas serio diurnas e nocturnas,
e as boras das respectivas ligdes determina-
das de modo que se attendant ds condigdes
de trabalbo dos individuos que as frequen-
tarem.
5.* Crear-se-hio nos municipios das
provincias do imperio escolas professionaes,
era quo se ensinardo as sciencias e suas ap-
plicagoes que mais convierem ds artes e in-
dustrias doraioantes ou que devam ser crea-
das e desenvolvidas.
Os pianos de estudos destas escolas se-
rdo organisados de modo que os alumnos,
que o quizerera, possam, no Gm do curso,
ir completer seus estudos nos estabelecimen-
tos de que trata o 12, HI, sendo Ihes le-
vados em conta os exames das disci pi i nas
que jd tiverem aprendido.
6. Para manter taes escolas serd
fundada uma caixa, conGada d respectiva
municipalidado, o cuja renda serd consti-
tuida:
a I Comacontribuigdo de 19 a !>.->, a que
Gcam sujeitas, annualmente, e conforme
suas posses, todas as pessoas que viverem
de seu trabalho ou de suas rendas.
II. Com donativos particulares.
III. Com quaesquer outros beneGcios
geraes e provinciaes que sejam concedidos
para o mesmo Gm.
IV. Com uma porcentagem sobre o
producto dos impostos geraes, que serd fixa-
da annualmente na lei doorgamento, nio
excedendo essa porcentagem de 30:0009
era cada municipio.
7. Quando o producto da caixa da
escola de um municipio ndo for sufliciente
para a manteaga da dita escola, poderdo
reunir-se dous ou tres municipios e estabe-
lecer uma s6 escola, no ponto que fdr jul-
gado mais conveniente ; e neste caso, se
ainda o producto dos rendimentos reunidos
ndo for sufliciente, mas chegar pelo menos
a 2/3 da despeza precisa, o governo. poderd
dar, como subsidio, o que faltar.
8 Cada escola proGssional de muni-
cipio Gcdrd sob a Gscalisagio de um conse-
lho administrativo, o qual serd formado :
de um mombro eleito em cada parocbia
pelos cidaddos qualiGcados, on de dous,
quando o municipio tiver uma so parocbia,
de dous membros eleitos pela camara mu-
nicipal, um dos quaes serd medico, onde o
bouver; do director da escola, e de um
inspector, o aual serd nomeado pela presi-
dencia da provincia e presidird o conselho.
< Quando a escola pertencer a dous ou
tres municipios serd dispensada a eleigio
por parochia; cada camara elegera dous
membros, e a camara mais proxima, ou em
igualdade pouco mais ou menos de distan-
cia, dquella cujo municipio produzir maior
nas agitadas pelo brando sopro da brisa,
quando ambos coraprehendemos quo mister
era que fallassemos.
Rompi, pois, o silencio, dizeudo ao meu
amigo :
Esgotou-se-me a licenga, e por con-
sequencia vou deixar te e partir dentro em
bVeve. Entretanto ndo quizera dizer-te
adeussem Gear tranquillo sobre o teu fu-
furo.Estas decidido a desposar Marcella ?
Sim, rospondeu-me ello gravemento.
-7- Ndo te arreceias do que poderd dizer
tua familia ?
Meu amigo, replicou o conde, com o
coragao transbordando de paixdo, n*o pos-
so mais viver sem ella. Tadavia ndo me
supponhas cego, ndo ; minba resolugao estd
de accordo com a razdo. Sobre o casamento
tenho iddas que a experiencia da vida e a
reGexao forliGcam e conGrmam d cada ins-
tan te.
0 fundamento, o prin;ipio da uniaodos
sexos 6", sem cousa que duvida faga, o amor
physico, o ardente desejo que nos fere como
0 raio. Entretanto a necessidade de uma
allianga duravel, de uma allianga que sub-
sists pelo menos ate" o complemento da
criagdo e educagdo dos Glhos, gera e man-
tem a necessidade de um accordo intimo
das almas.
Se, pois, a satisfagdo dos sentidos e" a
condigdo primordial, e direi mesmo que
augmenta com o contraste physicor-a har-
monia moral e igualraente necessaria d fe-
licidade dos esposos.
Alem disso convem collocar acima de tu-
do o trabalho em commum.
0 casamento e, sem duvida, a mais an-
uga, mais pura e melhor forma de associa-
gdo hUmana, nem creio que outra possa
existir que a sobrepuje. Por outro lado a
divisao do trabclho & um ensinainento da
natureza.
Ndo quero dizer cam isto que cada am
trabalhe por sua conta, de sen lado, sc\
isoladamento, ndo -r o qne e indispensavel e
que a mulher nos auxilie, que tome inte-
resse pelas nossas eecupagoes, eque, nos
labores da vida, tome a parte que a nature-
za reservou-lhe.
Quanto mais ousado fdr o homem na con-
cepgdo, tanto mais cuidadosa e pratica
deve ser a mulher na execugdo ; e toda a
vez que aquelle apresenta a idea, o piano,
a composigdo, esta deve incumbir-se dos
detalhes.
E' somente a associagdo no trabalho que
poderd produzir a igualdade dos direitos no
casamento, da mesma forma que no estado
e na sociedade.
A actual inferioridade da mulher e ape-
nas o resultado da educagdo que ella rece-
be. Eduque-se-a como uma creatura
livre, consinta-s'e que ella tome uma parte
activa na vida real e seria ; e certamente
a mulher saberd tornar-se igual ao homera,
1 seu amigo, e seu associado.
Assim, pois, carecendo eu de um asso-
ciado, de um socio que, no celeiro ou nos
1 carapos, esteja sempre era sua casa e obre
1 como senhor, procuro-o entre os campo-
'nezes, caso-rae com uma filha de campo-
nezes.
renda, elegerd o medico, ou outra pessoa
emf alta deste.
0 governo deterrainard as attribuigoes
destol conselho, que na pjrte eloctiva se re-
novtiri de 4 em i annos, sem prejuizo do
direito de reeleigao.
t $ 9.* 0 director do cada escola proGs-
sional de municipio serd de nomeagdo da
presidencia da provincia; poderd ser um
dos professores : e, alem de outras obriga-
gdes que lhe incumbirem, terd a de orgaui-
sar annualmente o orgamento da despeza da
respectiva escola, para apresental-o ao con-
selho administrativo, o qual resolverd, sub
mettendo o seu acto d rcisdo da camara,
ou das respectivas camaras quando a escola
pertencer a mais de um municipio.
No caso de desaccflrJo, htverd reeurso
para a presidencia da provincia.
| 10. Os professores das escolas pro-
Gssionaes de municipio serdo nomeados pe-
las presidencias das provincias, mediante
coocurso que se fard nas capitaes ; e p>de-
rao ser coutratados para o ensino nacionaes
ou estrangoiros habilitados.
II. Serdo creadas no municipio da
cdrte duas escolas normaes, uma para cada
sexo, nas quaes se preparardo professores
para o ensino piimario.
a I. Estas escolas serao estabelecidas era
ediGcios adaptados ao programraa de seus
estudos e excrcicios praticos ; o qual com-
prehended as disciplinas que se professa-
rem nas escolas priraarias e a pedagogia
theorica e pratica.
II. A cada uma das escolas normaes
serao annexas uma ou mais escolas prati-
cas.
. III. As duas escolas normaes terdo um
so director, o qual serd nomeado por de-
creto.
IV. Os professores serao nomeados por
decreto e mediante concurso ; asprimeiras
nomearoes poderdo ser feitas indepondente-
mente deste, e d falta de nacionaes, o gover-
no poderd contratar professores estrangeiros
reconhecidamente habilitados para o en-
sino normal.
V. Os alumnos das escolas normaes,
que tiverem sido appprovados com distinc-
gdo em todas as materias poderdo ser no-
meados professores sem concurso ; e os
que, habilitados pelas ditas escolas, entra-
rem em concurso, serdo preferidos em igual-
dade de circumstancias aos que nao tiverem
a mesma habilitagdo.
12. 0 governo poderd :
T. Fundar no municipio da cdrte es-
colas mixtas, e perraittir nas que existera
para o sexo feminino a admissao de alum-
nos do sexo masculino ate* a idade de 10
annos.
II. Instituir escolas de trabalho para o
sexo feminino.
III. Auxiliar qs estabelecimentos par-
ticulares de instrucgdo gratuita primaria e
proGssional do mesmo municipio que se
mostrarem dignos deste favor, sendo prefe-
ridos os que se propozerem a manter cursos
nocturnos para adultos, e Gcando os res-
pectivos directores sujeitos para com o ins-
pector da instrucgdo ds raesmas obrigagdes
dos professores publicos.
a IV. Conceder aos estabelecimentos de
instrucgdo secundaria, mantidos pelas pro-
vincias, e que seguirem o piano do estudo
do imperial collegio de Pedro II, as raes-
mas vantagens de que goza esto ; e concor-
rer para osdaquellas provincias, cujos meios
ndo bastom para toda despeza precisa, com
um subsidio limitado d terga parte desta,
Gcando uns e outros sob a inspecgao do go-
verno, o qual retirard tanto o subsidio como
as vantagens concedidas, quando nio
preencberem os Gns de sua iustituigdo.
V. Coneoder OS favores que julgar con-
Ten iente* aos estabelecimentos em que se
ensinarem todos os preparatorios exigidos
para a matricula nos cursos superiores.
< VI. Detenninar, com as clausulas que
julgw iudispensaveis, que sejam admittidos
a exames no imperial collegio de Pedro II,
e nos qui' semclhantemente se fundarem nas
proviucias, todos osque o requererem ; e
que se expegdo os respectivos diplomas d-
quelles que forem approvados em todas as
materias do curso do bacharelado nos ditos
collegios, e tiverem mais de 15 annos de
idade, pagando oscandidatos pelos exames
e diplomas as taxas que se fixarem.
VII. Extinguir os actuaes cursos de
preparatorios annexos dsfaculdades de di-
reito, dando doslino conveniente aos profes-
sores quo existirem : os quaes continuario
a ensinar nas mesraas faculdades, emquauto
outro destino ndo tiverem.
VIII. Fundar e auxiliar em qualquer
ponto do imperio bibliothecas populares.
< IX. Encarregar pessoas idoneas e pro-
fessores de visitarera os estabelecimentos de
instrucgdo primaria, secuudaria e especial
de nagoes ostrangeiras.
13. A secretaria da instrucgdo prima-
ria e secundaria do municipio da cdrte, alem
do inspector geral e do secretario, terd dous
olliciaes, dous amanuenses, um porteiro,
u .* continuo e um correio. 0 inspector
dard com approvagdo do governo a organi-
sagdo conveniente.
li. 0 mesmo municipio's^ri divi-
dido om districtos litterarios, quantos se-
jam necessarios para uma assidua fiscalisa-
gao ; e os inspectores do districto serdo re-
aiunerados.
15. 0 conselho dirct )r da instruc
gdo primaria e secundaria deste municipio
serd composto dos reitores do imperial col-
legio de Polro II, dos inspectores littera-
rios, de um professor publico e um parti-
cular, sendo um destes de instrucgdo prima-
ria e o o outro de secundaria, de dous cida-
ddos habilitados, e do inspector geral, que
sera o presidente.
Os dous professores o os dous cidaddos
nomeados p3ra fazarem parte do conselho
director, poderdo ser renovados do 2 em 2
annos.
16. 0 governo pord em vigor, logo
que julgar conveniente, a tabella annexa de
vencimentos ; Gxard os que nio estiverem
nella especificados, e expedird o regula-
mento necessario para a execugdo das pre-
sentes disposigdos.
Art. 2.* Ficem revogadas as disposigdos
em contrario.
Pago da camara dos deputados, 23 de
julho de 187i.Jodo Alfredo Correia de
Otiveira.
REFORMA ELEITORAL.
Mas, onde a conformidade de gostos e
de opinioes, qoe, segundo pensas, e a con-
digdo sine qua non, da felicidade conjugal?
Ndo escolhi Marcella somente porque
amo-a, posto que isto seja o essencial, res-
pondeu o conde ; nem tdo pouco G-lo por
que ella fosse bella e nio tenha rival entre
as debeis mogas da nossa aristocracia, ndo ;
o que mais me seduzio n'ella toi a sua can-
didez.Dirds talvez que ella nada sabe ;
mas, respondereis : tanto melhor, porque
serei seu mestre. E Gca certo de que ella
nao illudird as minhas csperangas, porque
tem dotes admiraveis, e eu tempo bastante
diante de raira para adornar-lhe o espirito e
illustra-la.
Mas, n'esse entretanto ?
Entretanto, respondeu o meu amigo,
pondo-me a mdo amigavelmente sobre o
hombro; entretanto ella saberd comprehen-
der-me, vistocomo prssue esse raro talento
do coragao que revela ds rauiheres aquillo
que o espirito mais subtil em vdo se esforga
por attingir.
A' tardinha o conde foi d Zolobad com a
intengio de declarar-se.
Quando regressou, estava tdo alegre e sa-
tisfeito quo ndo duvidei do bom resultado
do seu passo ; e, pois, perguntei-lhe :
Fallaste-'.he ?
Fallei, respondeu-me elle descalgsndo
as luvas vagarosamente.
E entdo ?
Ella recusou-me, disse-me sorrindo.
Pois isso e possivel T 1
E' tal como >te digo. Eis como a
eousa se passou. Estavamos sentados no
banco de pao ; os meninos bebiam o seu
leilo costumeiro, de sociedade com as co-
bras, e o resto da familia ainda estava' au-
sente, nas occupagdes campestres. Toroei
da mdo de Marcella e disse-lhe :
Amo-te ; queres ser minha mulher ?
Ella corou ate a raiz dos cabellos, levao-
tou-se, e balbucion :
Em que pensa o senhor ?... Eu e o
senhor I...
Dize antes que nio me amas, e se ao
menos franca, confessando-o.
Quem lhe disse isso ? replicou ella ;
mas o que o senhor quer ndo e possivel...
E olbou-me com um olhar cuja expres-
sao nio te posso dizer ;... depois entrou
precipitadameute, o ou morttei d cavallo e
fugt i galope.
E estas assim calmo ?
Porque nio, se sei que ella ama-me ?
Quem t'o disse ?
A voz mysteriosa que falla dentro em
nds. Bem sei que todos nio a ouvem ; mas
eu Go-mo sempre n'ella, e nunca live occa-
siiio de arrepender me disto.
Nds tinhamos passado uma grande parte
do dia a cagar narcejas nos pantanos de
Grokhovo, e estavamos fatigados ; pelo que,
dissi-me o conde:
E' tempo de nos recolhermos.E des-
carregando para o ar a carabina, deitou-a ao
hombro e charaou o seu galgo ihglez.
Irei entretanto d Zolobad fazer as mi-
nhas despedidas, disse eu ao cabo de alguns
instantes.
Entio, 6 se>io ? Tu nos deixas ?
(Continuagdo).
No meio, pordm, desae desmoronamento
subsistia ainda um principio de resistencia ;
era o espirito de provincialisrao, era a co-
hesdo das deputagoes, raantida por chefes
tradicionaes, com quem o governo era obri-
gado a partilhar a inlluencia do poder e em
quem muitas vezes encontrava serio obsta-
culo.
0 que aconteceu ^ Attribuiram ao espi-
rito de provincialismo todos os males que
abatiam nosso governo parlamentar, assim
como hoje os imputam d eleigio indirecta.
As camaras unaniraes, as difflculdades da
organisagdo e manutengdo dos ministerios, a
influencia sempre crescente do governo nas
urnas, tudo foi langado 4 eoarta do elwuntp
provincial I
Erro funesto, senhores I 0 mal nio esta-
va no element* provincial, mas na ceotrali-
sagio fatal quo jungia o paiz i caaga official,
e prendia todas as povoagdes do imperio i
cdrte, por nma rede de deulbes iattgnifi-
cantes pela nomeagio do parocho e do es-
crivio, pela approvagdo do juiz de paz c dos
ve read ores. (Apoia dos geraes).
Vozes :Muito bem I
0 Sr. J. de Alescar :0 Marquez de
Parand, imbuido pelas falsas ideas do sea
tempo, empenhou-se em qoebrar o espirito
provincial, realisando o seu ompenho em
185ST, apezar da opposigio vigorosa de dons
chefes proeminentes do partido cometia-
dor, Euzebio de Queiroz e Marquez deOlin-
da, e apezar da grande reluctancia que en-
con trou nest a casa.
Quebrou-se com effeito o ele-nento pro-
viuciai, que hoje talvez nio subsista, e as-
sim mesmo enfraquecido, senio na provin-
cia de Pernambuco por circumsUoeias es-
peciaes. Mas uma legislatura bastou aos
autores desta reforma para reconbeeerem
que elles haviam despedagado, nio o obsta
culo do governo parlamentar, e sim a soli
dariedado dos partidos, que sao os freios do
poder. (Apoiados.)
0 Sr. Mautiniio Campos :Nio apoiado.
0 Sit. Ei-.NAi'io Dkiiio :Os factos o pro
varam.
0 Sr. J. de Alexcar i Na) era a inte-
gridade dos partidos, nio era a cobesio das
provincias que se devia romper, mas esta
funesla absorpgdo do paiz pelo poder. (Mai-
tos apoiados.)
Desstm vida ds localidades, emancipas-
sein as populagdes interiores da sujeigio im-
placavel d corte, e no proprio sei) da pro-
vincia haviam de apparecer pontos de re-
sistencia, obstaculos que impodissera a una-
nimidade (Apoiados )
Quizoram desassombrar as opposigoes nas
provincias, da fjrga irresistivel com que as
esmagava a cohesio do partido dominante,
e o que Gzeram foi aniquilar a uuica bar-
reira que ainda encontrava a expansio do
poder permanente. (Apoiados.'
Vozes :Isto e verdade.
0 Sr. J. de Alencar:Aos partidos sub-
stituiram os grupos.
0 Sr. MaKtinho Campos :Tudo isso e
effeito e nao causa.
0 Sr. J. de Alencar :Em 180J quize-
ram reparar o erro, mas, alem do nio voi-
tarem ao regimen provincial, jd nio exis-
tiara os chefes tradicionaes cercados do en-
tbusiasrao de uma idea Instorica e servidos
pelo respeito e prestigio de um nome popu-
lar. Jd entio os chefes eram iodicados
pelo governo. (Apoiados.)
0 Sr. Eunapio DEiRd :Muito bem I V.
Exc. estd dizendo a verdade.
0 Sr. Martinho Campos : EsU repetin-
do os factos, que sao exactos, mas a apre
ciagio v. que nio o <.'-.
0 Sr. J. de Alencar i 0 que domina o
ultimo periodo da nossa bistoria e incontes-
tavelmente a perturbagio no regimen dos
partidos.
Ha, senhores, e natural, hi na bistoria
dos partidos momentos de crise. em que
pela deslocagio das ideas certos homens sio
impellidos para o campo adverse
0 Sr. El.n a pio Deiro :Foi o que acon-
teceu d lnglaterra.
0 Sr. J. de Alencar :A lnglaterra
com effeito nos apresenta exemplos. Em
1823, o partido wigh recebia em seu seio
Canning, Huskisson e Palmerston ; mas tar-
de recebeu Reberlo Peel, Ciladstonee Syd-
ney Herbert. (Conlmuar-se-ha .
E' preciso que eu partaamanhi.
Neste caso, vamos ; acompanhar-te-
hoi.
Encontraraos a mesa a familia : era a
hora do jantar. 0 velho Tchornochenko
levantou-se para ir buscar-nos um banco,
e convidou-nos a tomar parte na refeigao.
Que bello I disse o conde ; creio que
isto sao pirogui (1) ; foi Marcella quem as
preparou ?
Sem duvida, respondeu a tia Hania ;
gostas d'ellas, meu fllho ?
Gos'.o ; mas para comer com creme
agro, respondeu o conde.
A indifferenga de que elle dava mostras
ferio evidenteraente a pobre Marcella, que
levantou-se da mesa, e foisentar-se no ban-
co do fogdo, no recanto mais escuro,
Terds o creme, disse a velha ama.
Liska vai busca-lo depressa.
A menina Lisa deu um pulo, e voltou
trazendo uma grande tigella.
Agora come, meu Glho, disse Hania.
Ndo precisas dizer-m'o duas vezes.
Estou de pe desdo cinco horas da manhd,
tenho uma fome devoradora, e sempre fui
apaixonado pelas pirogui.
Elle collocou-se d mesa sem ceremonia,
o entrou a comer com appetite. Quando
acabou, o velho Nikita limpou com cuida-
do a colher, e tomou a palavra :
Dizem, senhor conde, que mandasteis
bus:ar d'essas novas machinasque semeam
e debulham o trigo por si mesmas ; 6 ver-
dade isso ?
Quereis ve-las ?
Muito obrigado, respondeu o velho
camponez. Para que ve-las? Ndo confio
em nenbuma d'essas invengoes modernas,
nem nos ceminhos de ferro, nem nos tele-
graphos, nem tdo pouco n'essas macbinas...
Dizem, entretanto, senbor conde, que traba-
Ihais para que tenhamos cam in aos de ferro,
eque,isto sem duvida nio e exacto,
tratais de arar os vossos campos com o va-
por em vez de bois ; pois isto e possivel ?
Muito possivel.
E, caso seja possivel, continuou o
velhusco suspirando, ni) serio um peccado
semelhantes invengdes ?Ndo vos zangueis,
entretanto, senbor conde, nem me queirais
mal por isso ; mas i nds. os camponezes,
tudo isso parece-nos contrario d religiio ;
e dizem ainda h senhor conde, que fazeis
tudo isto porque nio acreditais em Dens, e
porque nio acreditais que o bomem tem
uma alma immortal, porera sim semelhante
d do cavallo ou do cio I T
Vou responder-vos, meu amigo, disse
o conde, e da melhor forma qoe me for
possivel. Crer e ter como verdadeiro aquillo
que nunca se veriGcou ; e geralmente cada
um acredita no que deseja e quer.
Ou entio no que Deus lhe revelou,
interrompeu o camponez.
Revelou-se-nos Elle, directamente ?
Nio.
Logo : acreditais como verdadeiro o
que os outros homens dao como tendo sido
revelado. Nio direi que sois mal avisado;
mas, no que mo diz respeito, quero, pre-
(I) Guizado nacional especie da almnadegas
de fariuua de trigo negro, rdche'atas can queijo .
ciso saber.
De que vos serve vossa religiio T Ampa-
ra-vos, anima-vos na vida miseravel, fortifi-
ca-vos no trabalbo, ensina-vos a amar o
proximo e a desprezar a morte ; mas o q'ue
dirieis se a minha philosophia me ensinasse
a mesma cousa, se me pregasse a mesma
doutrina ? O que dirieis se ella me ensi-
nasse d nio corrar em busca do prazer. d
cata de uma fragil e fugitiva felicidade, po-
rem sim a supportar em silencio, pacieote-
raente, e ate com alegria, a sorte immutavel
que me foi legada, a praticar o bem sem
descanso, e a agilar-me, trabalhar, e auxi-
liar o proximo com todas as minhas fbrgas ?
Eis a razio porque, raeus amigos, o bo-
mem ndo tem o direito de parar, e e sem-
pre obrigado a caminhar para a frente, es-
forgando-se por dominar a natureza ; e, e
por isso que nos veies a construir carai-
nhos de ferro, a assentar telegrapbos, e a
montar machinas, afim de approximar os
homens uqs dos outros e de fazer cabir as
barreiras que separam os povos, afim de
que o homera seja libertado da tyrannia
dos eleraentos, da servidio e da roiseria, de
modo a tornar-lbe a vida mais doce, a sor-
te mais clemente, e o seu estado melhor e
mais nobre...
Por consequencia, se, d tal propisito.
algum peccado existe, sois vds que n'elle
incorreis quando vos revoltais contra os
caminhos de ferro e as macbinas, que, em
vez deserem por vds amaldigoadas, deve
riam ser antes abengoadas, como o fructo da
intelligencia, que 6 obra de Deus, i quem
devereis render gragas quando a primeira
locomotiva atravessar este vale.
0 conde entbusiasmdra-se pouco d pou-
co, e o fogo de suas palavras em certo modo
reflectia-se em todos os semblantes.
A ama beijou-o na testa, logo que elle aca-
bou de fallar, e Marcella durante a locugio
nio pdde despregar d'elle os seus grandes e
luminosos olhos.
0 velho camponez, obstinado, sorria-se
tranquillamente ; e, apenas o conde termi-
nou, disse-lhe com intelligente bonhomia :
Senhor conde, sois mais religioso do
que pretendeis confessar.
A' estas palavras, Marcella nio pdde mais
conter as lagrimas, e sahio da sala precipi-
tadamente. Nds virao-la sahir sorprendi
dos, e o velho Nikita, cossando a cabega,
murmuron :
0 que terd minha filha ? I
0 conde levantou-se, ends despedimo
nos dos nossos bons amigos, e sahimos.
Era noite completa. Gritei: Marcella !
Ninguem respondeu.Marcella I repeti.
eu parto amanhi, e qnizera dizer-lhe adeus,
__ Espere um pouco I respondeu ella
com a voz entrecortada de solugos, e como
se fallasse do jardim.
0 conde afaslou se com o seu cio. Mar-
cella approximou-se de mim, e esteodeo-me
a mdo. sem fallar.
Para que chora T disse-lhe eu. Elle
ama-a. Faga-o feliz. 0 destino do melhor
dos homens esta nas suas raios.
Ella desviou-se, e nada respondeu.
fContinunr te-ki).
TYP. DO DIAKfO. -HL'A DUgL'K DK
)

1
I I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1RW18M93_87MPUJ INGEST_TIME 2014-05-28T18:34:23Z PACKAGE AA00011611_19434
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES