Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19426


This item is only available as the following downloads:


Full Text


*> _____________________
illO LI1T -- HDIBBfl m________ ^ QOUHEIBA'31 BE HAIO 1
PAR A CAPITAL E LUGARES OXDE WJLO E FA<|* PORTE t| fe PARA DLMRO E PORA DA PROVINCIA
Por ares mezes adiantadoa..............v ,o Por '"ne* adlantadoa..............
Por aeia ditos idea................. otoan > Por n0V8 dt0B dem................
Por um anuo dem................. JlOn ^Q9w&' Por um "nno idem................
Cada numero avulao, do mesmo dia........- Pluo Cada numero avulso, de das anteriores ..... ... ....
DIARIO DE P1RNAMBUG0
Prtfprietofrt ttt Mmod Jt^ueira de aria 4 Jtlljo*
135O0
200000
270000
#100
Oa Srs .4mede Prlnce A C
de Parla. So o s nossas agentes
exclusivos de annunelos e pu-
Mlcacdes na Franca e Infla"
ierra


TELEGRAMHAS
SERWCO PJPCIIiJIS DO DIARIO
RIO DE JANEIRO, 30 de Maio, s 4
horas e 35 minutas da tarde (pela linba
terrestre).
Na Cmara dos Oeputados foi bontem
reconhecido deputado pelo 14. districto da
Babia, o Dr. Elpidio de Mesqu ta.
Em sessSo de hoje a Cmara approvou
em 2.* iscussSo o projecto de fixagSo dea
forjas de trra.
WP Di AGENCIA HUVIS
Servigo directa
. MILAO, 30 de Maio, pela manha.
A convalescensa de S. M. o Imperador
do Brazil segu um curso normal e regu-
lar.
As forjas de S. M. principiara a vol-
Ur.
PARS, 30 de Maio.
de ministros
discurso que
O presidente do conselbo
do gabinete blgaro, n'um
pronunciou na Cmara dos Depntadoa, de-
olarou que o governo aconselhava aos ne-
gociantes que nao tomassem parte na ex
posijao universal da Paria de 1889, sob
pretexto de que a Franja nao ple garan-
tir a ordem e a segranos.
Em consequencia d'esta declarajao tra-
vou-se urna renhiJa polmica entre os jor-
nala franceuea e austracos, a qual esta
cauaanio ama certa emogau nos dous pa-
ses.
LONDRES, 30 de Maio, tarde.
Kas corridas do Derby d'Epsom, quem
ganhou foi o cavallo ingles Ayrahire.
PARS, 30 de Maio, Urde.
Negociares acabam de ser entaboladas
entre os governos franoez e austraco a
respeito da deslaracSo do presidente do
cni-:lho de ministros da Hungra, relativa-
mente a ezpoBcSo de Pars em 1889. <
Agencia Havas, filial em Pernambuoo,
30 de Maio de 1888.
diam de racas que professavam outros caitos, por
que antes do christianismo exstiram e ealtivaram-
se religioas diversas ? .
Entretanto eorria tio iatenso o odio contra chria-
tias novos, excitado as massas popularos par um
clero fantico e ignorante, que mal se instalara o
Santo fficio da Iuqoscio, e j choviam denun-
cias anonymas, partidas de toda a parte. Nio fo-
ram bastante oa carcerea pblicos para receberem
o numero dos presos. Abriram-se edificios para
servirem de ergastulos. Tomaramse os subter-
rneos dos mosteiros e casas canventuaes para se
depositaren) igualmente nellas infelizes perseguei-
do.
Este era arrancado familia, iiberdade para se
enterrar as mismorras, pirque se dixia nio ja-
juar certos das, comer carne em outros, temperar
a comida cam aceite e nSo cam toncinbo, vestir
roupa lavada aos sabbados, trabalhar aos domin-
gos, limpar candieiros, nao saborear porco ; aquel
le, porque je denunciava ter faltado urna oa mais
veses missa confiseao, ao sermii; uns, porque
nSo guardavsm ar contricto nos actos da igreja,
porque nio repetiam perfeitsmente urna oracio ou
passagem do cathecisooc, porque proferiam propo
sicoes menos ortbodozas ; outros por terem em
casa livros prohibidos pelo indez expurgatorio,
que logo ao estabelecer-se fittnau e publicoa a in-
qoisicio, encaregada da censura de tudo quinto
se poda ler ou imprimir ; nem mesmi escapavam
os auspeitos de entreterem relaces com heregea
nacionaes ou estrangeiroa .'
Nao tardava o castigo, a fim de que as alma-
dos justos se nSo contaminassem com o contacto e
os procesaos se iastauravam e promovan., sem que
se podesse e acensado defender e saber mesmo s
veses a natnreza da culpa que se lbe imputava,
porque se Ihe nao dava conbecimento nem das de-
nuncias, nem dos depoimentos, nem dos nomes dos
sens aecneadores e nem dos das teatemunhas que
o nodoavam !
Em Lisboa, nem o edificio das eaealas geraes,
nem os pacos dos eatans e estabelecimentos pbli-
cos escaparam de ser convertidos em carcerea.
No Porto, em Coimbra, em Evora, em Visen, em
Thomar, em Lamego, repreaentaram-se scenaa
horrorosas e sanguinarias contra os snspeitos de
heresia. Ultrajavam se-lhes as familias, insnlta-
vam-se-lbea as mnlheres e filhas ronbavam-se
Ibes as casas, flagellavam-se, eabordoavam-ae com
atrocidade os presos antes mesmo de recolhidos aos
carceres, e a plebe desenfreada e frentica applan-
dia ao espectculo da intolerancia e perversio mo-
ral dos espirites !
Em toda a parte penetravam os espas ; nobres,
clero, negociantes, capitalistas, domsticos, obrei-
ros, todos se filiavam como familiares do Santo
Officio e commettiam as amores barbarias, Inven-
tavam as mais escandalosas falsidades, forjavam
as mais incriveis invencoes para com estes servi-
dos atrozes e seto infernal escaparem elles proprios
suspeits de heresia !- Filhos ao pas, parantes e
amigos aos amigos e parentes, maridos s mnlhe-
res, se denunciavam uns eooa a esperanca de pas
sarem por chistaos orthadoxos, outros arraatados
por fanatismo ; estes por desafeicoes, aquellea por
peita e cerrupcio !
(Continua)
PARTE OFHCIAL
mwm POPOLaB
UCIOVALIDADS. LIH&A E
LIZISSAI7SA
DB
PORTIGU E BRAZIL
PELO
Conselheiro Joao Manoel Pereira da Silva
VII
(Continvacao)
Em quinto nm s tribunal, collocado em Sevi
lha, funcaionava em Hespanha, dividio-se, entre -
tanto, o territorio portugus em cinco eircumscrip-
csb, Lisboa, Evora, Coimbra, r"orto e Goa, subor-
dinadas ao inquisidor geral. O fanatismo se es -
tendeu com tanta torca no pas, que de por si fra-
dee oleados assumiram, de nioto propno, em pe-
queas localidades, funecoes da inquisicio ; e em
vea de cohibir os excessos de jnlgamento e execu-
(3o de sentencia sanguinarias que elles arbitraria
e espontneamente, sem previas autorisacoes come-
caram a patricar, pelo contrario applaudio como
prova de telo religioso o cardeal i). Henriqoe,
ao receber as noticias do que se passava !
Nio havia em Portugal propriamente herejes,
coutra os quaes pareca o tribunal instituido, a
fim de no sangae dos condemnados se firmar a pu-
reza e nnidade da f e da religio. Us jadens
que ce nao coaverteram tinbam abandonado o pan,
e 08 moaros qne se nao preatnram igualmente ao
baptismo haviam sido tambem expeltidoa. Appa
rentemente, portanto, catholicos eram todos os ha-
bitantes do reino.
Mas cumpriam exactamente todas as suas obri-
ft 5es externas ? Qaardavam intactos todo* oa
ogmaa ? Acreditavam em (ndo quanto a .Santa
Madre Igreja mandara cir? Executavam em
ccnaciencia todas as suas determinaco e precin-
tos ?
Snscitavam duvidas a respeito os jadeas cenver
tidoe, que se cbaamvam chistaos novos. N2o ha-
viam sido coagidos a baptisar-ae ? Nao p.diam
apparentar toaos os exteriores de verdadeiroe
crentes e entretanto conservar na memoria, no pei
tt', na consciencia, ssu antigo caito a religio de
atina maiores ?
Conjecturava-ae assim geralmente, e sem dnvi-
da qne a reapeito de muic* convertidos acertava
a anpposico. Mas qosm traba o direito de pere-
cxnur o mtimo da consciencia, adivinhar-lhe o
penaamento oecnlto, qoaodo se apreaentavam em
publico tio boni ehnstos, e quando todos proee-
-overuo da Provincia
uasrAonos da rsasiDOHi.iA i/u da 00 di
MAIO DB 1888
Alfredo QanettInforme o 3r. eneenheiro fis-
cal da eatrada de ferro de Reeife ao Limoeiro.
Apollinario de S Miranda.Indeferido visto
nao dispdr esta Preaideneia de paasagem.
A Bedaccio da Bepublica.Certifique-se, qus-
rendo a sapplicante.
Bernardino de Arrnda Senna Filho.Sim, pa-
gando as eomedonaa.
Eugenia Mara Vieira de Mello.Concedo.
Frederico Colombiano da Silva QnimarSes.
Eneaminhe-ae, pagando no correin o devido porte.
Manoel Marcelino Boque de Macedo.Informe
o Sr Dr. jais de direito do 2- districto criminal
da comarca do Recife.
Lourenco, liberto.Informe o Sr. Dr. jais de
direito do 2 districto criminal da comarca do Re-
cife.
Manoel Francisco de Sonsa.Informe com ur-
gencia o Sr. Dr. juia de direito do 2 districto
criminal do Recife.
Vicente Ferreira de M'ndonca.Iadefeiido.
Vctor Jayme Gomes da Silva. Deferido eom
o officio deita data ao director do presidio de Fer-
nando de Naronhi.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 30 de Maio de 1888.
O porteiro,
F. Chacn.
Partieipou-me o delegado do termo de Gara-
nhuna, que no dia 26 do andante, em ama taverna
prxima a feira, o individuo de nome Antonio Se-
rafim Pereira* dea um emparro em Antonio Lo -
pea de Carvalho, resaltandi sabir aquella com urna
luchacao no p direito qne foi jnlgada grave se-
gundo declaron o Dr. Miguel Carneiro Villa-Nova
qae proceden a vistoria, e este com uto ferimento
na cabeoa, qae foi julgado .leve conforme declaron
o mesmo dontor.
O offensur foi preso em flagrante, e proceden se
acerca do facto nos termos da lei.
__ O delegado de Garanbuns, por officio de 28
d'eate mez, pirticipou-me qae constando-ihe que
Luisa Lourenca de Mello, moradora no lugar Man-
dab d'aquelle termo, coatlnnava a ter em seu po-
der privadas de Iiberdade as suas ex escravas, fes
ir a sna presenca as mesmas ex-escravas e provi-
dencio'.! de modo a qae ellas cntrassem no pleno
goso de seos direitos.
O delegado do Gravat trouxe ao meo conhc
cimento que foram tomadas providencias sobre os
desacatos qae soffreu o engenheiro Netto, pelos
forneesdorea dos dormentt s, tendo sido presos em
flagrante oadeeordeiros Manoel Tavares de Soazs,
Francisco Tavares de Soasa, Jos Brasilano de
Lacerda e Francisco Pereira de Lima, contra os
quaes abris-se o competente inquerfto qae j teve
o conveniente destino.
Cominanicoa me o delegado do termo de
Bom Conseibo, que no dia 24 de Abril nltimo, no
lugar Pacas, d'aquelle termo, o individuo Manoel
Ferreira do Macedo assassinou com um tiro a Jlo
Vicente Ferreira.
O criminoso logrou evadir-se em seguida.
Procedeo-se a respeito nos termos da lei.
No dia 13 do corrente o individuo de nome
Manoel Estevo dirigio-se casa de residencia
de Francisco Jos das Chagas, por alcanha Xico
Breu, e ferio-o mortalmenje com ama facada, pon-
do-se em faga loga em seguida.
Abrio-se o competente inquerto, e diligencia-ae
a sua captura.
Ainda no dia 17 do corrente, pelas 4 1/2 da
tarde, foi capturado Seraphim Tbeophilo de Barros,
indiciado em crime de furto de cavailjs, o qual,
no acto de priso tentn assasslnar ao cabo de
polica Manoel Beaerra de Moora.
Abrio-se o competente inquerito sobre o facto.
Pelo delegado da Gloria de Goit foi man
dado recolher respectiva cadeia a individuo de
nome Manoel Tereira Firmino, como autor da morte
de Cietano de tal, no logar Lianca do termo de
Nazaretb, a cojo delegado acabo de dar aeiencia.
Deus guarde a V. Eso.IIIm. e Exm.
Sr. desembargador Joaquim Jos de
Oliveira Andrade, muito digno presidente
da provincia.O chefe de polica, Francis-
co Domingues Ribeiro Vianna.
Repartlco da Polica
2 aecefio. N. 478.Secretaria da Po-
lica de Pernambnco, em 30 de Maio de
1888. -Illra. e Exm. Sr.Participo a V.
Exc, que foram bontem recolhidos Casa
de DetencSo os seguintas individuos :
A' ordem do subdelegado 1 districto de S. Jo-
s, Jos Bento da Veiga Pesaos, por disturbios.
A' ordem do de Atogados, Pelisberto Moreira
Chagas, por embriaguea e disturbios.
Communicou-me o Dr. delegado do 2" districto
districto do capital, qne na tarde de 26 do corren-
te, cerca de 4 horas, no lagar Lamaro, do 1 dis-
tricto do Poco da Panella, Manoel de tal, conbe-
cido por P de Bronse, apoz orna altercaco que
teve com JoSo Jos Hermano, deu-lhe ama cace-
tada no rosto, ferindo-o levemente.
Na madrugada de hontara, tentaran), por exar
cicio de arrombami-nto, penetrar -m casa de Joa-
quim Jos de Sant'Anna Costa, na travesa da
Casa Porta, o que noconseguiram, por terem sido
presentindos pelo mesmo Saut'Aana, e orna mulher
qne com elle vive.
Aos gritos desoeoorro destes, aecudiram diver -
sos visinbos entre os quaes a prac-i de polica do
respectivo destacamento, Miguel Francisco Ferrei-
ra, que ao aproximar-ie quaai vctima de um
nm tiro qne pretenden desfechar-lbe Sant'Anna.
Ignora se ae Sant'Anna assim procedendo o fes
de m t; mas o facto de achar-se ,elle j cercado
de divera.s visiahis, e ter-se apresmuda aqunla
praca devidamente fardada, bem com o modo in-
conveniente porq te recebem na manh d o da se -
gninte o co amante do destacamento, demonstra, si
nio a a vontade, apr vanelo, bem que iufuodada
contra o me6mi.< deatacaments nutre.
Acere* destes tactos, que ebegaram aoseu conbe-
cimento por couomuuicaco qne lha foi ta:ta, p lo
respectivo subdelegado, proceden se nos termos da
lei.
Partieipon-me o delegado da Gloria do Goit
qne no dia 21 do crreme no lagar Queimadas, 2"
districto d'aquelle termo, os individuos Antonio de
Araojo, Manoel Cbocio e Joo Ferreira, traicoai-
rameute espaucaram a Manoel do Cont, logranda
evadirem se logo apoa o crime.
O snbdetegado respectivo tomen coohecimento
do facto, tus proceder a vistoria e abri o compe
tente inquerito, qne j teve o conveniente des-
tino.
No dia 19 desr mea, cm trras do engenho Ja-
fruarv do districto de Serinhem fji uc^utrado
morto oa sua prupria casa o liberto Aulimu.
O dategaiio do termo tumou coubeciinento do
facto fea proceder a vistoria declarando os peritos
ter dado cansa a morte na ataque cerebral.
Thesoure Provincial
DESPACHOS DO DIA 30 DE MAIO DE
1888
Sebastiao Cvrillo Gomes Penna. Indeferido,
por qnanto nos termas do 1 art. 28 do decreto
n. 5,581 de 28 de Marco de 1844 facultado na
transmissao effectuada por via judicial, como no
caso ocenrrente, o pagamento do imposto respec-
tivo no logar onde lavrar-se o acto.
Manoel Jsa Qomes, Alfredo Ribeiro da Cnnha,
Azevedo Irmo 4 C. e vinva de Francisco Antonio
de Albnqnerque Mello.Deferido, ficando rree-
pono.Tti o supplcante pelo debito anterior do es
tabelecimento n. 15 roa do Visconde de Inha
mas, n. 1 rna do Viscondo de Pelotas, n. 16
roa do Bario da Victoria e n. 26 ra Nova da
Praia por nio ter aaccedido no mesmo estabeleci
ment.
Jos Luis.Diferido, ficando isenta de coutri-
buicio da decima a casa n. 33 a travessa de Ger-
vasio Pires por achar-se as condiedea da lei n.
1,544 no correte exercicio e nos posteriores em
quanto persistirem as condicoes da mesma lei; o
que animalmente provar perante a Recebedoria
Provincial.
Contas da procuradora dos feitos e do corpo
de polica.Approvadas.
Companhia do Beberibe.Deferido, a vista da
clausula 26 do contracto de 17 de Janeiro de 1881;
por qoanto das informaces da Recebedoria Pro-
vincial resulta que as casas em qaestio, estiooc-
cnpadas por pessoal exclusivamente da companhia,
de residencia obligada noa referidos pontos por
interesse do serv co que ella explora.
Medeiroa & C, Migue! Tolentino Pires Faico
e officio do Dr. chefe de polica. Informe o Sr.
contador.
Firmino R. de Moraes da Mesqaita Pimenttl.
Certifique se.
Francisco dos Santos Neves.Informe o Sr. pa-
gador.
Sonsa BarVoza & CInforme o coutencioso.
Manoel Pendido F. Peres, Carlos Jos Diss da
Silva, Juventina Amelia C. de Oliveira, Liberata
Mara da Conceico, Silvestre Antonio de Soota,
Tranquilino da Cruz Ribeiro, Vicencia Alves de
Abren Mello, Manoel Cesioo de Albuqoerqoe Ma-
ranhio, Claudina Mara da Conceico, Bal bina
Ferreira da Rosa Leal, Jos de Mondonga Mauri-
tv, Antonio de Menezea Cyaneiro Baudeira de
Mello, Jos Barboza da Cunha Moreira, Mana Fir-
mina da Cnnha Alcotorado, Mara Janaaria da
Conceico Guimaraes, Bellarmino Guedee Aleo-
forado e Mara Digna de Albuquerque Maranbio.
Ecripture-ae a divida.
Joaquim Alves Barboza. Informe o Sr. col-
lector oa Gleria de Goit, providenciando desde
logo para darse a certidio requerida.
38:697*343
40:383*973
40-831*818
39:5tO|14l
50:023*401
'141:600*617
159:068*095
154:087*282
117:403*697
124:387*173
REVISTA DIARIA
Sua Mageatad o Imperador Sao
animadoras as noticias, que bontem nos forain
transmittidas acerca do estado de saudo de Sua
Magostado o Imperador.
A Agencia Havas, que nao tem poupado desposas
a6m de conservar o servico directo que tem inan-
tido com toda regnlaridade e segnranca em Milao
para fornecer-noa noticias da saude imperial, re-
ceben hootem o telegramma, qae na respectiva
si-ccio vai publicado.
Por esse telegramma verio os leitores que Sua
Magestade o Imperador entran em convaleecenfa
e qae eata segne um curso normal e regular e que
piiucipiam a voltar-lhe as torcas.
Deve animar nos e a todos os brasileiros a doce
esperanca de que pcsaivel ainda o reaabel.ci-
mento da preciosa cande de Sua Magestade o Im-
perador.
Nio precisamos significar c immenso jubilo, qne
tio M>a nova nos inspira.
Aulondade policial Por portara da
praoidenuia da pruviucia, de 29 do corrente e pro
pasta do Or. .-bele de polica, de 28, fui exonera
do, a pedido, Jo > Hermano de Pina, do cargo de/
ublrlea-ado de polica do districto da Vanea.
Licenca Foram concedidos dous meses de
ticeuva a. Oauhaiel Manoel Para Baireto Pereira
dos Santos, juia mnnieipal e de orphaoa do termo
de C br b
Faiiecimento Com a idade de 47 annos
alieceu bom- id aa 6 horas d> mauhi, sepultaudo
se s 4 da tard--, o eneenheiro Juio Beaerra de
Mello, natural deata provincia.
Baeharet em aciencias pbysicas e mathematicaa
e engenheiro pela antiga Escola Central, occopou
nesta provincia varios cargos na Repirticlo das
Obras Publicas, na do Melhorarneuto do Porto e,
desde 1876, no prolongamiento da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco e estrada de Caruiru,
tendo para o prolongamiento entrado como ajudan
te de 2* classe, tornando-se merece Jor das* pro-
mocoes que alcangou, a sjudante de 1* clasae,
ch-fe de seeco, primeiro engenheiro e, ltima-
mente, chefe do trafego.
O Dr. Bezerra de Mello era altamente intelli-
gente e bastante instruido. O que, porm, mais
o recotnmendava era o seu carcter purissimo e
illibado, o qual pl-o sobraneeiro a todas as pro-
vas a qae o submetteu a adversa sorte que nanea
o abandonen.
Deixa viuva e 5 filhos, legando Ibes um nome
immacuiado, anica recompeasi qae teve dos lon-
gos -r.o'S de servico que deu patria que o pode
apont-.r como typo do cidado prestante e servi-
dor h uradissimo.
A viuva e familia do Ilustre finado as nossas
sinceras condolencias.
Hendimentoa publicoaAs seguintes
estt.cO-s arrecadaram em Maio :
Alfandega :
De 1888 823:880*116
De 187 766:187*277
De 1886 670:648*448
De 1885 673:752*773
De 1884 985:371*476
Recebedoria Geral:
De 1888
De 1887
De 1886
De 1885
De 1881
Heoebedoria Provincial
De 1888
De 1887
De 1886
De 1885
Ee 1881
; Caita de OetencaoDeo-se principio este
n 2 obra de reparos do raio norte da Casa de De-
teuclo, a qual est sendo execotada administrati-
vamente cargo da Reparticio das Obras Pabli
cas, sob a immediata direccio do engenheiro da
provincia Antonio do Reg Netto.
Foi urna acertada deliberafio.
BecltmscoCommnnicaram-nos hoatem
que os caes 22 de Novmbro e Ramos e^tao infec-
cionados pelos montea de lixo em putrefaccio,
de qae se desprndela miasmas que muito incoas-
modam aos moradores d'alli.
Reclamam providencias.
Prado Pernambucano-Hoje realisa se
nesse prado a 17* corrida para a qual estio ins-
criptos os segnintes animaes :
Priineiro pareoConaolacio800 metros, ani-
maos que ainda nao tenham ganhopremios 200*
ao 1, 50* ao 2* e o 3 livra a entrada.
CsrrerioJ parte, Pegaso, Micoim, Cara Do
ra, Petropolis, Lucifer, Rtame, Masanza, Sendo,
Cupin e Stbii. Palpite Sibir.
Segando pareoDr. Goncalves Pinto2500 me
tros, animaes da provinciapremios 250* ao Ia e
60* ao 2.
CorreroPirata, Talismn e Ingazeira. Pal-
pite Talismn.
Tereeiro pareo-Peres Campello1,450 metros,
animaes de meio sanguepremios 400J ae 1", 100*
ao 2 e o 3 livra a entrada.
CnrreroMaestro, Muico, Africana e Ipojnca.
-aipue Africana.
Qaarto pareo Prado Pernambucano 1,609
metros, animaes di qoalqoer pazpremios 500*
ao 1, 125* ao 2 o o 3" livra a entrada.
Correrlo Ipojuea, Castiglioni e Dac. Palpita
uc
Quinto pareo-Animacio850 metros, animaes
da provinciapremios 250* ao 1, 50* ao 2 e e
3" livra a entrada.
Correrio Tempestado, Cariry, Federalista,
Falsea, Pisa Florea, Bliasard, D. Quizte, Perden,
rso e Jassana. Palpite Cariry.
Sexto pareoCapitio J. J. da Rocha 1,200
metros, animaes -e menos de meio sangue pre-
mios 300* ao I, 75* ao 2 e o 3 livra a entrada.
CorrerioRecife, Galatba, Fgaro e Satn.
Palpite Galatba.
Stimo pareo Abolico1,000 metros, animaes
da provinciapremios 250* ao 1, 60* ao 2 e o
3 livra a entrada.
CorrerioNoruega, Cndor e Tupy. Palpite
Noruega.
Tentativa de suicidio Hontem na tre-
guezia de Afogados, districto do Peres, tentn
suicidar-se cem um golpe de navalba o Sr. Emi-
liano Ignacio de Moura. A autondade comp-
leme tomou conbecimento do facto e fel-o condasir
para o hospital Pedro II, onde entrou para ser
pensado. Do exame mlico se verificoo ser o fe
rmenlo leve.
Pe de BronxeA's 4 hora: da tarde, de 26
do corrente, no lagar Lamario, do 1 diatricto do
Poco da Panella, Manoel de tal, conbecido por P
de Bronse, aps orna altercaoo que teve com Joia
Jos Hermano, descarregoa-lbe ama cacetada no
rosto, farindo-o levemente.
Tentativa de arrombamento Na
madrugada de ante-hootem tentaram penetrar em
casa de Joaqaim Jos de Sant'Anna Costa, na
travessa da Casa Forte, arrombando a porta, o
que nio conseguirn! por terem sido presentidos
os que por esse modo pretendiam visitar aquella
casa.
Aaaaaatnalo Ao Dr. ch&fe de polica com-
municon o delegado do termo de Bom Conselho,
Jue no dia 24 > Abril, no lagar Pacas, Manoel
erreira de Macedo, assassinoo com um tiro a
Joio Vicente Ferreira, e en seguida evadio-se.
A mesma autoridade proceden s diligencias
legaes.
EmbarqueSeguio no vapor lagoas para
a provincia do Para o Dr. Antonio de Oliveira
Cardoio Gmmaries, afim de aasumir o exercicio
de chefe de polica d'aqnella provincia, para o
qual foi nomeado.
Aa sen embarque comparecen o Exm. Sr. des-
embargador presidente da provincia e diversos
amigos.
Que cenba boa viagem e seja feliz em sua nova
commissio eia os nossos desejoa.
Poco da PanellaPedem-nos para noti
ciar que deixam d- realisar se hoje nessa fregue-
zia os festejos projectados.
Faculdade de iMrello Termina ama-
nbi a arguteio daa theses entre os candidatos ao
concurso que se est procedendo na Faculdado de
Oirei'o, caoenlo argir em nltimo lugar ao Dr. Ea-
cor-1
Segunda-feira, 4 di Juoho ter lagar a prova
escripia.
O EaqaelrteDeste romance nacional, de
que autor o Sr. Dr. Carneiro Vilella, recbenme
buntem os fascculos ns. 5 e 6.
Agradecemos. ,. .
liante.na BJasjIcaD ste peridico livre
e hum..r:iii:o aistrtbui -se hout-m o n. 224.
Juisu de pas de doa-Por aer boje
da tamincdu heou tranafenda a auaitmia deesa
juiso pr amanbi, no lugar e hora do costme.
fhralru de Oiinda A sociedade dra-
mtica M.ip ,uiene Oiindeuse realisa ne sabbado
de Junho o sed espettaculo meuaal levando a
oc^ua u drama em 4 actosVampiros sociaes,e
a comediaGuerra aa noulh-res.
Htvera trem dep .is do espectculo.
eaerros-Em 22 do corrate escreveu o
noS3u eurrespuud''Utt : .
F..i lido com ludvscriptivBl eniba.iasmo o bo-
Ittxm do coneeiluado Diario de Ptrnambuco, men-
eag-tru do faustoso totegramma que uotioiou a
pr..u.ulg.vio d urea le que libert-O a eaorava-
lura no imperio do Brasil,
A's 6 horas da manhi do da 17, recebido o bo-
letim pelo Dr. Joaqaim Manoel Vieira de Mello,
digno promotor publico da comarca, fez elle sabir
ao ar girndolas de foguel s, transmittindo im-
mediatamente a importante noticia aos habitan-
tes da cidade, que, ufanos de contentamento, fise-
ram tambem por sua vez atroar por maltas horas
umkem numero de girndolas de foguetes ao ale
gre repicar dos sinos das igrejas ; manifestando
assim o povo bezerrense o seu grande enthusias-
mo pela extinecio. completa do elemento escravo
no Brazil.
A' hoite, como que de improviso, o povo reu-
nio-se em grande massa no sali da sociedade
Recreio Uaio e tendo a frente a banda de musi -
ca marcial dirigida pelo maestro Lois Bezerra de
Franca e Silva, sahio em passeiata pelas roas da
cidade, ergoeodo-se, ao som dos bymnos e ao
troar dos fognetes, calorosos vivas a Princesa
Imperial Regente, ao patritico ministerio 10 de
Marf, ao nclito pernambucano e presidente do
gabinete dos ministros, conselheiro Joo Alfredo
Corroa de Oliveira e a todos os paladinos da abo-
lico do elemento servil.
Na Cmara Municipal que achava-se de portas
abertas e Iluminada externa e internamente, en-
trn a multidio que compunba a passeiata, e ahi,
depois de repetidos vivas erguidos pelo capitio
Manoel Joaquim Xavier Ribeiro e o camarista
tenente Manoel Joaquim de Mndonca, foram eje-
cutadas algumae lindas pecas do repertorio da
msica marcial. Ao retirar-se o povo do paco
municipal orou o Dr. Joaquim Manoel Vieira de
Mello, congratulando Be com o povo bezerrense,
com o psiz e com os poderes pblicos pela feliz
realisacao dessa generosa aspiracio nacional qne
se traduzio na urea lei n. 3,353 de 13 de Maio
de 1888, dando, ao concluir, vivas que foram cor -
respondidas com applausos.
Em acto continuo amaltiaao perconeu deliran-
te diversas rnas da cidade, fazendo-ae ouvir ain-
da por multas veses o Dr. Vieira de Mello e o
capitio Xavier Ribeiro, tendo fallado nma ves em
nome do commercio o cidadio Apolomo E. B e
Silva, sendo todas os oradores ruidosamente ap-
plaudidos pelo pavo.
Maitos edificios particulares e os publicas, es-
tiveram Iluminados a gioroo.
A multiio sempre compacta dorante a pas-
seiata, qae perdaroa por maitas horas apezar da
chova qae caba, foi victoriada por todas as ras
da cidade, at que se dissolveo na melhor ordem
perts de meia noite.
No dia 20 os festejos subiram de esplendor ; os
libertos, tendo previamente adornado com palmei-
ras e arcos encimados de flammolas e de florea
as principoes ras da cidade, sahiram, pelas 3
horas da tarde, em animadissima passeiata, enn-
duz'.ndo um estandarte cam o dstico Viva a Li-
berdadea retrato da Serensima Princesa la-
bel e os de Joaqaim Nabaco e Jos Mariano, e,
precedidos da sua legendaria msica depipha-
nos, caixa e sabumbapercorreram todas as rnas
da cidade, parando parta das autoridades e
daquellas pessoas que sempre se manifestaram
precursoras da grande cansa da abolicio, dando
vivas a que eram correspondidos.
Ao cahir da noite, ainda urna vez o povo da
primeira passeiata, entilo reunido em maior nu-
mero na casa da maestro Franca e Silv sshira
eom a mnsica marcial e precedida do grupo dos
libertos a pereorrer diversas ras da cidade, er-
guendo-ae estrondosos vivas ao som da msica
e dos foguetes, que ininterrumpidamente subiam
ao ar.
Durante a passeiata, qae terminan s 2 Horas
da madrugada, a maltidio parava porta das
autoridades e dos abolicionistas mais salientes do
lugar e com animados vivas e allocuces felicita-
va-os.
Por toda parte foram lembrados os nomes da
Serenissima Princesa Imperial Regente, dos con-
selheiros Joio Alfredo, Dantas, dos Drs. Joaquim
Nabaco, Jos Mariano e de ootros muitoa bata-
Ihadores da grande cansa da abolicio, e onvidos
com delirio inuitos e eluqaentes discursos dos Srs.
Drs. Vieira de Mello, Regoeira Coata e Faria
Salles e dos cidadios capitio M. J. Xavier Ribei
ro, tenentes Maneel Joaquim de Mndonca e Jos
Marinbo de Hollanda Faico e de outros mnitos
que fasiam parte da passeiata, recitando o Dr.
Vieira de Mello e Apolomo Silva duas lindas poe-
ta redempcio dos captivos.
A passeiata, apesar da continua chuva que ca
hia, conservou se sempre compacta e delirante de
enthusasmo, at que ae dissolveu sem o menor in-
cidente a lamentar-se.
lalob de Tacaratu' Em 20 do cor-
rente escrevem nos :
i No correio que d'aqoi sahio 17 do corrente,
lbe disse que fichamos tido um telegramuia, dan-
do-nos noticia de que no dia 13, tinha sido pro-
mulgada a lei que extingui a escraviiio no nosso
pais, disse-lhe que tal noticia tinha sido recebida
por todos aqu com immeoso jubilo e qae estavam
snbindo ao ar mnitos fognetes, pareca nm frene
sim, gregos e traannos, lberaes e conservado-
es estavam unidos em nm e pensamento em
mostrar grande contentamento, queimoa-se fogo
toda o da e at o dia 18 pela madrugada.
A noite houve illuminacio e ama imponente
passeiata concorrende todos com a mnsica qne
aqui ha afrente e os Drs. Juia de direito, juiz
municipal, promotor publico mais todas as pes-
soas gradas.
O Dr. jais municipal falln ao povo em um
eloquente discurso, mostrou o quanto devia ser
apreciado acto e as vantagens que delle advi-
nham. _
Recolhendo-ae a passeiata a casa do Vi. juiz
de direito, eate por sua vez tambem falln em elo-
quentes phrazes, levantando vivas a Princesa Im
Serial, ao Imperador, ao Senado, a Cmara doe
Deputados, ao conselheiro Joio Alfredo e seus
dgaos companheiros de ministerio e a todos que
cooperaram naqnella lei.
Em seguida teve lugar nm baile na casa do
mesmo Dr. jais de direito, dancou-se at as 3
horas da madrugada do dia e noite e na occasio
do cha, rep tiram-se brindes e vivas a todos
qoantos cooperaram na urea lei, brindou se no-
vamente ao Exm. ccnselheiro Joo Alfredo, Dr.
Alfredo ,'orreia, Dr. Miguel Peraambuco e todos
os depntadoa pernambocanos qoe para tio sob'i
me fim cuncorreram
O juis de direito Dr. Jos Mana da Rocha Car-
valho, o juiz municipal Dr. Join Paes Brrelo
Lina, o promotor Dr. Jos de S Cavalcante de
Albuquerque e a Exma. senhora deste, foram in-
cansae.a em obsequiarem a todos os convivas.
Foi asim que este lagar festejoo fio agr.da-
vel noticia, e quem nao .n.roa prf. o-baile d.n-
loa toda a noite ao som da viola e ao estampido
d0UeaBariano-Aaianha (31) encerrar-se
bao n igiej* de Nossa enhor da Penha os pa-
josos exercicius do saute Mez Mariano. HaveiS
is 8 horas do dia, "mista solemoe, cantada sor-
ebestr-, e a tarde, s 6 horas, sermo, ladaloba e
ben^io do Santissimo Sacrameuto.
Hergipe e Alaaoaa- Das capitaes destas
prov...*.= r,ceb.mosbnt.n.folhs, '*n*Bd-
T. de M .oet a 29 e as de Aracju a 20 do mes
que boje trruiiua. ,
N.da occ rrera de importante em AlagSas.
_ Por acto ae 19 do preaid- nte de tirrglpe, em
virtudo do di.post. no ari. 6 da resoluco pro-
siuci.l n. 1,326 d- 17 do corrate, t..i numeado o
l.nte da SMOM normal, Dr. Oyntho R .driKu.-B
Damas, par exereer o Cargo de director da mes-
u escoi-, ..parado uor aquella le. do director
jceral do i Quino publico.
Ao meamo trmpo batx-a S- Exc o Sr. pre.iden-
te um ouiro mulo, dando instrucces para execo-
cio da citada iel.
Assomio o exercicio do cargo de ajudante de
ordena da presidencia o Sr. Dr. Joio d'Avila Fran-
ca, 2* tenante de aitilharia.
Fallecen na cidade de Larangeiras, onde
fora a pesseio, o Sr. Jos Das Braga, pertencen-
te companhia do Maleira.
Era natural desta provincia e filho do Sr. Joa-
quim Dias Braga.
anglica*Escrevem-nos:
a A noticia da extincio da escravatara foi aqat
festejada.
Conservou se durante o dia as ras embandera-
das ; salvas de 30 em 30 minutos, e a tarde cerca
de mil pessoas com a nossa msica a frente per-
corremos todo povoado.
Fallaram enthnsiaaticamente sobre o assumpto
da tests, os Srs. professor Jos Felicio da Canha,
os alteres Manoel Bernardo Vieira de Mello, Ma-
noel Clementino B. Menezea e o honrado nego-
ciante de IVicencia, capitio Elyaio Tavares de
Mndonca Pagas. Sendo todas calorosamente
applaadidos.
A noi.e ilumino a-se a pavoacaa ergaendo-sa
diversos vivas, dentro elles a Sua Alteza Imperial
Begente, ao conselheiro Joio Alfredo, a Joaqun)
Nabaco, a Sua Magestade Imperador, ao gabinete
10 de Marco, sendo todos correspondidos eom O
bymno nacional.
Escola nocturnaDe Igoarass escre-
vem-nos, em data de 29 do corrente mes, o nosso
correspondente, dizendo as que, sob a direccio
dos prestrnosos cidadios Jos Francisco de Ar-
ruda Fraga e collector provincial Joio Baptista
Bezerra do Mello, comecoa a fanecionar na ves-
pera d'aquelle dia orna aula nocturna para os des-
protegidos da fortuna, isto para aquelies que,
por falta de meios, nio podem comprar os objee-
tos naceseanoa para a frequeneia da diurna, sus-
tentada pelos cofres publicas.
J crescido o numero de alunaos, all eserip-
tos, e ha raioes para acreditar se qae em breve
ser muito maior.
E' digno de louvor o acto d'aquelles cavalbeiros
e na dirigimos Ihes nossas saudac5>s, fasendo
votos para qae os seas esforcos sejam coroados de
felis xito.
Vapores e navios mercantes E' sa-
bido qoe qoanto mais o numero dos navios de vela
diminae, tanto mais o numero dos navios a vapar
augmenta. Mas o que nio ae conhece exactamente,
o estado comparativo actual das embarcaeas de
todas as nacoes martimas.
Sem penetrar n'uma estatistica massadra e fri-
vola, percorramos com rapidez as cifras instructi-
vos com relacio marinha mercante.
Em 1881, a marinha mercante do globo inteiro
compunba-se de 49,000 navios vela, em quanto
qne actualmente o nnmara se acba redusido a
11,000.
Em sentido inverso o numero dos navios a vapor
de 6,800 qae era em 1881, elevase hoje a 8,700.
Isto mais oa meaos 2.0 jO vapores, um terco a
mais, construidos no curto espaca de 6 annos.
- S a Inglaterra poe em marcha neg ocanos
mais da metade do total geral dos navios a vapor,
isto 4,900 sobre 8,700.
Depois da Iaglaterra, sio por ordem numrica
d'importaocia a AMemanha com 542 vapores, a
Franca, 413 a America do Norte402, a Soecia 367,
a Hespanha 341, etc.
Os navios vela ingleses sio igualmente os
mais numerosos, porm a proporcao acha-se. re-
ducida a um terco do total : 14,000 sobre 41,000.
Claaaificam-se em seguida : a America septen-
trional, 5,903 nayjoe -r a Noruega 3,663 ; a Italia
1,703 ; a Russia 2,118: a Allemanha 2,137 ; a
Frao(a 2,048. Depois de no outros a cifra cabe a
2,900 (Soecia) a 2,400 (Qespaoha), etc.
Nio temos os dados neceesarios para indicarmos
as marinhas mercantes de Portugal e do Braail.
De Portagal colhemos no Almanack commer*
cbI de Lisboa do anna corrente qae a praca de
Lisboa possoia 33 navios a vapor e 80 navios
vela.
E'conveniente nio se perder de vista: 1. a
itnacio geogrsphica das nacoes, conhecida de nos-
sos leitores; 2. a questio de tonelagem.
Com efTeito, os dados exactos que fornecemoa
aqui referem-se a embarcacSes d'oma lotacio m-
nima, para os vaporea, 100 toneladas ; para os na-
vios vela, 50 toneladas.
Algamas nacoes, ontr'ora reputadas em atraso
sio estas que, em nossos das, teem em circolacio
mais vaporee do qoe navios vela. Por exemplo a
China, que s tem 4 navios vela mercantes da
lotacio cima indicada, conta 27 vapores ; o Ja-
pao, forzosamente mais rico em marinha, fas nave-
gar 133 vapores e 110 navios vela.
Zanzbar possne j 8 vapores, mas nenhom navio
vela. Estas sio excepces, por quanto os paizes
longiquos, como as nacoes europeas, transportan
as mercadorias de preferencia vela do que em
vapor.
Algamas mesmo, como o Egypto por exemplo,
nio tem um t vapor, diz urna tolba.
Quando tivermus dito que a Persia, a Repblica
do Equador, e San Domingos, e tem, cada nma,
um navio a vapor e que a marinha mercante de
Jerusalem, o de Tahiti e a da Repblica da Hon-
duras nio possuem, ceda urna, senio om navio
sela teremos concluido noasa explorsco das ma-
rinhas mercantes do nniverso, exeepcio como
cima diseemoB dos dous paizes martimos que vi-
Bitamoa Brasil e Portugal por nos faltarem os do-
cumentos precisos, documentos estes que espersmoa
receber breve, mas j tarde para este artigo.
O tratado franco ItaltaooSuppde-se
que por eatea das o novo tratado franco italiano
ser assignado sobre as novas bases offerecidoa
pela Italia. .
Urna correspondencia de Modena dirigida ao
jornal italiano a Tribuna diz que em consequencia
da denuaciaco do tratado de commercio entre a
Franca e Italia, a exporUcio italiana diminnio
de dnas tercas partes, em quanto qne aexportacio
francesa foi apenas reduzda de metade.
A razio d'esta diferenca consiste em que a Ita-
lia exporta t materias primas, em qoanto qoe a
Franca exporta os artigog de luxo que eaocooBUm-
midus p la clasae dos ricos que preere supportar
um augmento de direitos do que renunciar a seus
hbitos. *.. '
os caes de guerraO servico dos caes
de guerra ao qual u general Logerot tinha im-
posto certaa resfriccS^B vai ser, pelo contrario,
eeteodido a varia divisoes do exercito trances.
Em consequencia dos relatnos "taado
cellenca dos resoltado, obt.dos, o 65- de linha
rm Nimea, e miro, regtmentos de infantera dos
15'' 16" e 18 divites serao prvidos cam estes
tntli.gentes qoadrupedes caj) ensino ser con-
fiado a am cfrioial e a nm grapa de sargentos e
soldados.
Tiveram logar expernciaa curiosas soccessi-
vaineuio na 9- dtvtsio p.ra ae comparar os varios
meios de erreap^ndeuca a empregar em caso de
guerra.
Estas
n'nma distancia ai6-..
pr-c.sa para pere.rr.l-a uu. minuto o ci dous
La o velcipedMa exercido 3 minutos 20
segundos' o cavad de ***">**!* "*%? '
mf: o eaiallo de tr.pa ao tro* 4 minutos. Ke-
ialta que depoi. do p.mbo o ci o ma.a rpido
dos correio* de *" rra.
Sio estha exper.eucias que fieram reconstitoir,
com todos os melhorarneuto.., o ser vico dos cies de
8TbrdrPlil>la -Urna interesante com-
moai.'*' J" "r te,U Ac,dem'a d
oeienci.s por U P- Cb.uVeau.
R' auesto d bydropbobta. E' sabido que esta
se in .cuta com mu.ta UcUade nos herbvoros.
Em tr.nta carueiroa m-rdUos por un cao damna-
do, bem raro qne asoape ou .
as perm.ttiram constatar que
ulia de t.OOU metros, o p mho

aMamMananMH


tf
Multo de fernambiifloQninta-feira 31 de Maie te 1888
M. Chauvean, verificando os trabalhos (
Cartier, fu ioaportaotai eapariaaeiBt aa oarnei-
ro mordidos desta forma. Praticou nelles nuca-
lacoei cama viras rbico proveniente do cao qoe
Ot tinha mordido e couseguio salval o a todos.
Um nmigo da ptna 3ir Charlea a-.ket.
O fundador daa caixie ocouomicaa poataea, proeno
tor de melhoramentOB nota vea naa sociedades atni
gaveis (matosa), oa seguros, aa caitas aconoeni-
cas ordinarias, etc., um dos presidentes h'nonfi-
coa da AssociacSi universal peemaaente do con-
greBSO das inttituicoea de provideoei,. I da
aer nomeado vice-governattor da provaa oe
York, onde ateen e reaide.
E' tabre ludo um fonecio hooonfica, que di
um alta influencia ferida a horneas eminentea por aaa patelo aocial
e teut servioos publiooe.
Of ministroa que goervrnam actaalaatnte em ln-
rlaterra quiteram dar preas* forma um t.ste-
munbo de estima aa recompensas off reeidas pre
sedentemente a Sir Charles Sikes, pelo ministerio
Gladstone que o baurou com o titulo do Kmgfit,
e pelo p)V, cuja su bscripc) nacional den nena
rica dotaeo, neatinada generosamente pelo dona-
tario a promover e favorecer ettudos e obras uteis
s instituieos de educacio e de previdencia po
polares.
Asesar de aua idade av.ncada (setenta ann;s),
Sir Charles -nkas aoDUoeiou um inteucio de at-
tisttr, em Paria, em 1889, terceira aeaaao quin-
quenal do ongresso uuiveraal das inttituioes de
previdencia, como o fea Da sesaJo precdante,
onde (diz elle em seu discurso unnimemente
spplaadido) tinha desojado, antes de raorrer, vir
assentar-se eutre oa mais Ilustres promotores dat
instituicoea populares. >
Por esta occasio, congratulamo-ms em dsr
conhecimenta a nussoa leitores que actualcente
passam de tres mil os documentos, lelatorios cs-
tatticas, meenoriaes, recebidos ni secretaria ge
gral das instituicoea de previdencia ('i8, ru de
Babyoae)', pira a seguada exposico decennal
das iotiiuiv'Sea da previdencia, qua tara lugar
em Paria em 1889, so meamo teinpj que o con-
greiio.
atireeioria aat ouras ae eonaerva
cao do porto de PeraambacoRe-
.cife 29 do Maio de 888.
Boletim mftecrolc'ico
PharauWWltico entroo t 9 1|2 e taho < 4 ho
Ajudante do pharmaceutlco entren t 7 3(4 o
sabio s 4 horaa. ,
molerla do Para-A 6> p irte da 18 lote-
relo ivo plano, cuj) premio grande de....
segunda-fera, 4 de
29
35 an-
Horae
6 m
9
12
3 i.
6
- 9 o
I i
23"-0
949
27'3
27" -3
250-3
Barmetro
0
76137
762-89
762n.5tt
761*36
761*31
TensSo
do vap;r
19,96
20,93
?l,01
2D.02
2U.77
3
"O
'i
t3
na, .
60:0094000, ser eatrahida,
Jnnbo. _%. ....
Cetmlterto PualieoObituario do da
do corrate:
Aut jni Mana da Jess, Peraambueo,
nos. toltrita, Boa-Vista ; vmitos.
Um fi-to, Pernaaabnco, Boa-Vista.
Manrique, Pernaaabnco, Boa-Vista ; atreptit.
m fw, Pernambnco, S Jato; inviabiiidate.
Mara, Francisca da Concaico, Pernaaabaea, 16
onos, lolwira, Raeifa ; tubrculos.
Maaael, Perosuibuoj, 4 mezes, Santo Aatoaio ;
eclampaia.
Mara, Pernambnco, 16 annot, tolteira, Recife ;
tubercoiose.
Juanna Frauc'uea da Jess, Pernambnco, 40
anuo.', solteira, S. Jos ; tuberculose.
Polyc .rp i Ramot de Jess, Pernambuo, 67 au-
nos, casado, Recife; leso do coracSo.
rhilomna, Parabyba, 20 annos, tolteira, Boa-
Vibta ; tubrculos pulmoiares.
Lniz, Pernambnco, 12 da, Boa- Viata ; inte-
rite.
Florida, Peraambueo, 5 meiei, S. Jote ; atrep-
tia.
96
88
77
73
89
Teinparaturu maxiina,27*,J
Dita minian22*,70.
Kvaporacio em 24 horasao sol: 3,3 ; som-
bra : 1>,5.
Cauva18,-1.
Direc^Ju do vento: SE de meia noite at 1
hora e minutos da mnaha; NSat2 boraa e
45 miautos ; ENE at 2 horaa e 58 minutos ; EiE
at 6 hiraa a 00 uvnutja da manh ; SE com in-
ipcoes de SSB o ESE at m ia uoite.
naria dflaaate 1 hora U madrugada.
jdia da ve i'u 2 Q,5t por aegoaij.
media: '.70.
Boletim do porto
4 J
fi i
p M.
3 M.
P. M.
t. M.
Dia
29 de Mua
30 de Maio
714 damanha
146 da tarde
7-49
2 6 da maubi
Alta;a
2,-50
0,-49
2,-28
0,m79
IND1CACQES HTEla
O Or. Barres taimarles
Pie ser procurarlo no esoriptorio da re-
dafiyo d'ette Diario, ra Duqua de
Uaxba u. 42, 2.a and r.
O Dr. Met tam o aeu asoriptorio
dvocacia, na rua Duque de CiJS,
a. 50, 1. andar.
Mdicos
Dr. Barreta Sampaio cocaultaa de
maio -Un a 3 horas no 1. andar da oaaa
i rua '"> Baraoda Viejtona, n. 51. Reai-
ioncia rua Seta de Setembre n. 34, en-
trada pela rua da Saudade n. 25.
Dr. Joaquim Loureiro medioo e parteiro
Consultorio na rua do Cabug n. 14, 1
*ndar, de 12 a 2 da tarde j residencia no
Monteiro.
O Dr. Alvares Ouimardes ehegado da
eSrte, dedica se medicina ero gcral, e
om especialidade s molestias do coracao,
pulmSes, ligado, esto-uago e intestinos, e
tambern s eonvulses e outras molestias
das erianejas. Reaide praya Conde d'Eu,
n. 29, 1. andar, e tora consultorio rua
do Bom-Je&us, n. 45, onde diariamente d
jonsultaa do maio-dia s 3 horaa da tarde,
aceitando chamado em qualquer desses lu-
gares. Telephcne n. 381.
O Dr. Matheus Voz, medico, mudou a
sua residencia para a rua dos Pires n.
M A, onle poder ser pro jurado para o
xeruicio da sua prossao. D consulta de
11 hor.>3 da m^nhS s 2 da tarde na rua
do Bario da Victoria n. 32, Io andar.
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio rua Duque de Cxus n. 74, 'las 12
s 2 horas da tarde, e desta hora em dian
te em aua residencia rua da Santa Cruz
10. Especialidadesmolestias de so-
At glorias do municipio devem, poit, ter remem-
bradas ao lado das glorias da patria.
Urna face do monumento dere apostar aaa pos-
teros o dia 12 de Maio e ensinar-Utes que um ps
vo, aiuda mesmo modesto e pobre, taba elevar-se
a altara dos grandes commettimantos, quando
tem o c rac3o aberto as grandes ideas. A oatra
Cate deve oxpr aot raiot do sol da gloria o dia
13 de Maio, como o ponto mait culminante dat re-
g das da historia do povo braaileiro.
Para que um tal monumento traima exacta-
mente este accordo de sentimeutos e de ideas de
todos os hab tintes do municipio de Olinda, faa-se
precioque todos para elle contribuam.
No gssophilacio dat subacripces populares
licito e cada ao deitar a tua contribualo por me-
nof querella seja.
Eaaaa p qoeoaa parcellaa de una, reunidas aos
contingentes mais avultados de outros, dio em re
aultado a reataoio de um pensamanto oa de ama
idea, qne canta entre as teas melhorea titulos da
nobreaa a cooperacSo de todos para a ana reali-
taoo.
Qucm pader contribuir com dinheiro, que con-
tribu. Qaem nao puder, qne contriba com o
aeu trabalho. Um vale bem o outro.
O monumento aasim constituido ter mais urna
alti significarloa de qnanto vaiem os esforcos
combinados de urna poplatelo patritica para um
fim commum.
Para que tu do se faca do rneibor modo, lembra-
mos que se deve eoofiar a urna commiss&o de pea-
toas idneas a execucio do monumento, pelo que
se deverk elegar para tal fim urna outra commis-
so, que em vista dus reouraoa reunidos em poder
da coenmissa executiva, j ootneada, oa de seu
tbesoureiro, e as torcas desses meamos recursos,
contrete e fiscalise a execucao do monumento em
quesea'), depois de approvado o teu plano pelos
promotoret da idea.
Parabcna A Olinda!
Recite, 28 do Maio de 1888.
J.V.M. V.
O Sr. loatiu.in
III
Xabaco
Le' J#.litecuai-so-no:
Amsnb :
Pelo agente Pinto, as 11 horas, rua de Mar-
cilio Uias n. 52, de ama cana com rio para tapi
tetra, e dividas.
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, roa do
Iraperaor n. 22. de predios.
Pelo agente Gusma, t 11 horas, na rua do
Marques do Oliadan. 48, de vid ros, pipis, pbos-
phoron e muitoa outros objectos.
Sabbado :
Peh ageate Martina, s il horas, na rua Es
treita do Bosario "n. 27, da movis, loucas c vi-
dros.
Pal agente Burlamaqm, s 11 horas, na rua do
Commeroio n. 14, de predio.
Pe) agente Pestaa, k, 11 horas, na rua do Im
p:r dor n. 49. da arma<;ao da estabe'ecimento
sito estrada do Bit)) nu Arraial.
Peio agente Brito, s 11 horas, rua do Iaa-
gel n. 48, de um i b...do.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, rua do Im-
perador u. 48, da armacaoe utensilios exittentos
ao eatabikciuiLUtj k rua Larga do K.sario e
predios.
toan fnebres-Serio eelebr-das :
Aininlii:
A's 8 horas, no convento de S. Francisco, pela
alma ie J C a io de Sonsa Oastro ; s 7 ho-
ras, na ign ja d* S^nta (rus, por a'ma de O. Rosa
Maria da Jusqs Metid rica; s 8 horas na matriz
de Saato totoaio, uor alma de JIan.. b*t Hairnl ; 4i7 1/2 horas, na igrrja de
Sania R*te du Castta, por alma de Francisca II j
sala ele Ol v I" f.uiversano); a 8 horaa, n
Gonven'o do Carosa, por alma, de D. Ibfll Maria
de Soua.
Sabbado:
A's 7 b raa, na aatrit da villa de Quipap,
pela tlni do l>. Isabel Maria de Sonta.
eguuda-fc'ra :
A'a 7 l/ hors, na matrit da Bda-Vista, por
alma ilo e m andador Joo Thom da Silva.
PaftwatrelroMbegados do sal no vsp
brasil'i'r. Juoahypt:
Dr. Wl G >uf de S4, Maooel Jos de Mello,
Frsn reto Cerqueira, Dr. Ernesto E. d
Sveii, Vicente Jos da Cunba, Hjpp^i
Costa Bisros, Antonio Augusto Perira, Valentm
Alves Praeiro, su* senh^ra e i fiihoa, Fraa
Leitc e b"a sthora, Maooel Santoalua e aua fie
rrhora I). AtrtOaia Ferreira Meudono* o 1 fiba
targMit) Antonio Alvts e Armio Francisca d=
Souai.
iu'ido pira Lt/arpool no vapor iaglea Au-
ihor :
Beerge Whita. '
Oti-racoe* eirarglcaaFuram pratica-
das ao hoapitat Pedro 11, no dia 30 do Maio, bs
segnitites:
Pelo Dr. Ponnal:
Talha periueal pela pr.'ccssa de Nelaton, recla-
mada p r onlcula vesical.
Pos'.ho-omi palo tberma cauterio indicada por
ribimoais e raneros.
Pelo Dr. M -.qnias:
Extirpaco da uji k'sDo da face posterior u aa-
perinr do ao e braeo esquerdo.
. Csaoa a ueeeocaa.viovnaanto dos pt -
tos da Caaa de Oetenoio do Recite no dia 29 de
Maio Je 8S8:
ixi- i 3J8 ; entrar im 2 ; taniram 24 : exi&.
tem*28i.
A miber.
Naa'.nas 270 ; malheree 7 ailraageirn 9
Tot .1286.
Anaco-'i o 256.
Bonn 247.
Doaniiid 9.
Total256.
Movimeuto da enfermara :
Tev ita :
Ant>n i F-Hx do NatcisMnto.
Tevrt bixa :
Jote Vicente d i Freitat.
Form va Ud n os preaos dette estaoelaoimea-
to por 58 peas -'as, sendo 23 borneas e 35 ntulhe -
res.
H >n>pttai Pedro O movimeato do dia
29 da idarvo, dette estabetecimenta, foi o seguio
te: '
Entraram 17
n-'biram 6
Fallecern 1
Enatom 5M .
Foram viaitadaa as respectiva! enfermaras pe-
as Drt. :
Cunero, s 10 1(2 hars,
Barros Sobrioho, as 7.
Bacardo, s 11.
Mtrtaqiiat, s 8 3(4.
Pontual, t 9 1(2.
Esteva* Cavaitaut, s 91(2.
a.
ahoras e orianjas. Telephone n. 326.
occaliaia
Dr Ferreira, com pratica nos prineipaes
bospitaes e clinicas de Pars e Londres,
d consultas todos os dias das 9 horas ao
meio-dia. Consultorio e residencia a rua
Larga do Rosario n. 20.
Drogara
Francisco Monoei da Silva & C, deposi
tarios de todas as especialidades pharma
jeuticas, tintas, drogas, productos
Na secf&o livre da Provincia vero um qne so as-
signa Lord..., valente e triumphanto advogado
do Sr. J. Nabuco, contra os ataques ^truenos e
pervertidos do estupido Sr. Uijases Vianna a quem
attribue nma apreciaco do discurso com que o
eminente oralor recebara o ministerio 10 de Marco.
A cauta que defenele o llustre Lord to sim-
ples e fcil, que despeasaria um peito tao robusto,
urna pruna to perteita para esmagar o articulista
do Jornal e mostrar o Sr. Nabuco tal qua I se ma-
nitestoa na har em que, santindo-ae elevado a
maior grandes*, se levautava na cmara trtum-
pbador na obra da abiliclo.
Foi nessa hora que o Sr. Joaquim Nabuco pro-
clamou a dictadura da r -publica, ou do re que
tem sido sempre necessaria a este povo e o ser
por muito teatpo, ou a monaicbia absoluta, da re
da direito divino, do tbrun) que Ihe deu a Provi-
dencia, pan. beneficia de nosso povo, (melhor dira
de sea p
Ora o Jo. nal nao aecusau o Sr. Nabuco p:r ter
iotas opiniea e externar estes onc.itos ; s ex-
tranbou de oa ter visto pela primeira ves no emi*
nento representante da naci braaileira pelo par-
tido liberal desta cidado.
Nao se exprimi uestes termos o Jornal; mas
o que se comprehsode de eeus reparos, e nunca
urna aecusacao contra o Sr. Nabuco por aninbar
to cccultam^nte estes sentimaatos e ideas, para
drfl-os agora ao publica, qujndo se lbe |r>recej
dono dette povo que o levouao cipitolio eda quem
j nao depende.
O Jornal nao falla assim, j disse, iato tradc-
elo miaba, tradusinda tambem os sentimentosqu)
d'antes uuuca e e agora, na grande bora de seu
triumpba externa o beio pernambucano.
E nomo defendeu o llustre Lord da Provincia
o grande triumphador que souba tanto se esforcar
pela librtacio da rasa africana e condamna anj
outros que tomos sempre cidados, escravidao do
re ab.-ielito, do direito divino, com defealeu-o o
illuairii Lord a sea eminente cliente ?
Foi como faria qualquer advogado vulgar a quea
upenaalbe nao faltasso bom senso.
Para esta causa nao eram necessaros ot talen-
tos da que d proras o Ilustre patrono.
Confessou a que uso pidia negar, o que fra
proferido, externado pelo alto cliente, et manebat
scriptum e justificou-o.
' Nd chimi- *e,a <*|J 8ea c''ente) e8te Povo 1ae n^ tem te'uo
' politieo nem espirito publico s pode ser gaverna-
nstantea e reiteradas reclamaces para serem con-
certadas as referidas conatrucodet.
Inftlitmeate nao foram fecundados os esforcot
dette commandante, qaa apetar de incanaavel na
deseropenho de seas de veres, apenas obteve 5:000*
para ot concertos, quando muito maior era o dis-
pendio a fater-se, segundo o orcamento d Dr. en-
genbeiro.
Agora est ameacanda ruina imminente a casa
da commando e em cajo pavimento terrea acham-ae
as enamores prieoes.
A despczi ser mais erescda, mas seja ella
qual for, urgentiesimo que S. Exc providencie,
indo antes ver o que all ha.
^^^ Um que vio.
Conip. nhia de EdiOcaco
ni
N'tsta capital, como em qmasi todaa aa das de-
mait provincias do impe-io, as coostruccoes sao
feitas a semelhanca das edificadas ha bons 200 an-
nos; verdade que os prmeiros idificadores sa-
tisfaaiam as neceaaidades do seu tempo, quando
(nao como boje), a populocao era exigua, e os terre-
nos conquistados ao maro aos rios nao permitiiam
qua se deixasaem mas largas ; o qn seria n'aqneHa
poca desperdijar o qoe com suprem esforjo se
ia conquistando dia a dia.
Continuar a construir do mesmo modo, ato ,
sem arte, sem os preceitos e bellet.s das coas-
trucoes modernas, sem os confortas indiapensa
veis vida, que se resumem apenaa em ar e luz ;
seria urna verdadeira anomala.
Alevantar o bom gosto publico, seiviado por
assim dizer de escala afastando-se da rotina e do
emperramento : eis a verdadeira e lugitim i poai-
oio da Companhia da edificacd.
E' assim que ella, se os sena esf rea fotern se-
cundados do tuxilio dos que podem conseguir
alargar e alinhar as tortuosas ras do bairro do
Recife, abrir largas avenid a, p r ex mplo dnaa
que partindo da praca do Commorcio, termine n
Campo das Pnnaezas e outra na raa Primeira do
Marco.
Parecer tilvet arrojada a idea que aqu doixa
mos consignada; no entanto devemos declarar
que na nosss, e sim de um diatiucto e iufati-
gavel servidor do pas a quem rendemos preito de
admiracao pelo sea talento, vueiidao e largueza de
vistas.
Poder ser arrojada, mas impraticivel n3o.
Tornar em realidade o que alguns se augu-
rar cbimera, depende nicamente, como diasemos
cima, do concurso do qne podem.
Auxiliar a companhia nease emprehendimonto
garantir O aeu prop;io capital, cuncorrer para que
muitos artistas e operarios obtenbam tr.-balh >
constante, pira tormar-se um grupo de artistas
educados como os europeus, e tornar realisavel o
desejo nico des menos favorecidos ia enga a lora
fortuna, a acquisioo de urna cnaiuhs pelo pro-
cesso de pagamento par amortisaoao mens&l.
Continuaremos.
t7m acoioniila.
jos e medicamentos homeopticos, rua do do ^ dictadora, embra se revolee um* oa ou
Marques d< Olinda n. 23.
Serrara m. P"
Serrara a vapor e o/jicinas de carapina
fe Francisco dos Santos Maoedo, caes do
Capibarbo n. 23. este grande eaUb-Ui
tinento, o primeiro da provincia nesto ga-
aero, compra-se e vende-se nsadeir-e
e todas at> quaiidades, serra-se made
ie conta alhsia, asm como se preparatu-
ibras de carapina por machinas o por pre
ot em competencia Pernambuao.
Urosrarta
tra vez para cahir nella de nv, o H vem ot
txpmplM da !'ruV-j, ae NapoleSo etc.
O nosso re, proaegue n Lord, que nSo Jeito re
por alguna obra meritoria, mas parque berdou o
tbroio de teu p-i D. J.So VI e o outro de seu pai
D. Pdro, o tbrona qna lha deu a Providencia pa-
ra beneficio da noaio povoaem representacao,
sem vo:, -.em aspiraca meam)..., e nosso re nao
demana da soberana da pavo, mat de devina he-
ranea da deviua Providencia.
Nao ba, poia, n ste terreno maisquestS) entre a
Provincia e o Jornal do Becife.
Resenem-se, pois, nestaa synthetes as opinioa
profestadas actualmente pelo grande orador per-
nambucano
Faria Sobrinho & C, droguista pui mQ ^3 brMIeir9 incspi, da algaai ^^
atacado, rua do Mrquez de Uiiada n. 41. nrte> !# da liberdade-como tem sido at
boje e tem de sal-o por muito tempo.
fi^LiaCOeS 4 PEDIDO
O moaumento ;i'>oli<'o em
Olinda
Felu c p.triotica foi a idea do perpetaar-se
em Olala, por tceio de um m nuoaento, o faustoso
acantcuimento da abol.ci) da escravidao no Bra-
sil.
Facto tio gl-rosa o fecundo em beneficios de
toda a ordem, coma o que acaba de ser c. na i gra-
do na laminosa 1 -iu. 3,353 de 13 do cadente mez de
Maio, d ve. ser tranamittido posteridade por to
dos os medos.
Aa festaspjpularea e3o par sua n furcia transi-
torias. A palavrj fallada como o rpido metej-
ro brba e paasa 3 Itvra eacripti jirge-sa ao espirito das qae esta-
Jum a littoraiura, a legislacao e a historia de um
; sa-is e oa miuum.ut qu-; em o que nao lern, a sabias e a ignorantes,
ia>aiir!o au meamo tempo aos olbaa e intelli
9 gianics conquistas do espirito humino,
que i ua iiuom outraa tan'.as estribas d'oiiro da
grande i-p .pe'. da buajanidade, que se chama ci
viluafio.
Os muiiumentos sao de eerto entre todas os po
v .um dos mci^s mais eliqu-nt-s de glorificar os
es fetos e oa grandes h.meos, que brilham
na historia dassea povoa.
A podra e o bronte, mAerialisaudo a grandes*
desses aeoniecimeDt.ot e o genio desees homena,
t-m contribuido imme isam -ote, e contrbuiro
sempre, p>ira a gloria das umo;s e para o progres-
so da l.euii'iiiade.
A libe.naco do Brasil u n deases tactos, que
lermortalisam um povo e de que tuda a humaui
dada se ufana
E' ju.to, portanto, qae era todos os gran !
p<-qu americano ae lavante tuna pyramide ou um obeiis-
eo, um re. triumpbtl .u um ea'atua. para com-
mt-mitrar a nearjjdo dd patria brazileira.
Para os i do o.n m .uumeatu
eom esae fim mais do que um acto de patriotas
mo, tambera um tettemunho de amor ao muni-
cipio.
O municipio de Olinda na campanha do abol
ciuuiam i salvou os bros deata heroica provincia
de Pernanibuco, perqu fui elle o noic > em teda a
provincia, que no grande dia p6 le dapr coma of-
feren ano altar da patria a completa lib-r'acSo
de su territorio, conquistada por seus pruprios
etferoos.
Oliuda, como que te recordando de aeu heroico
nasa-do, eu agora ptenissima prova de que n'al-
ma d- seus habitantes vibra anda com todas as.viocia, que ti licito te tem mostrado pelos in
A re 1 tt ( ta. todi a parte ?) coma a notsa,
nao dimana dd sber ma i > povo, m is vem da Pro-
vi Jcucia que den to rei o tbrono para baneficio do
povo (sem representaco, sem vot, sem aspirado
mesm)...) a partanto o poder do re de direito
divina.
Mas, apesar de toda a harmona de pecsamoo-
to entre a Provincia c o Jcrnai, n> obataute os
r*noret na linguagem della, rica ou se levanta
nma questo, a aa o
Q'iem prof soa estas opiniS.'?, pode-se Jiser li-
beral ?
Poda-se dizer uv-sm i cantervador, cojo partido
se proclama mais liberal que o lib>rnl ?
Bats opiri5'3 aaa de antig corcuudismo que s
pTtenee 4 historia. Sao do rei sem tramooiho,
Sajo povo, ueap-z da liberlade,caunlna, s
d ve aer tratado a p^nt.-pea, cmBO os antigoa se-
nhores de eacra/os diaiam delles qnenegro s
deve ser tratado a pao e pao.
Cnn (tf-.iito, um pova que de ha muitoe anda
por aaaito tompo a polo ergovernado pela dicta-
uuia do re da direro divino, nm pova cantina
qjte e6 pode ser trtalo a p.nta pa pe is fidal^os
do rei de difeitodiviao, como era o povo
fraatina o o de todo o mana eccide.atal antes da
.evolucio dajiieiie povo.
Batretanto vom o Sr. Jo-quim Nabuco, at hon-
totn eminente u.eiobr i do partido liberal, vem re-
surgir de b-b as Tiiiuaa da Bastilha estas ideas,
npej >* so sepu'tarara com o cadver
de Henrique V, euv.lro nsdoars de aeus arm'-
nnoa, dis seus mane s salpc'dos da fl.r do lyri),
e as cfferce o eminente orador, todo p>saoido de
saue: ii;ai, i.thira Bol^mno do triompho
d- :j'nro throno 'a serer.iasima
priaeza iicperi .1, q-i em mea- s. com ama lagrima
de uiji, f i do imperio ama pairia um paia
que seu pai nao plul zir em 47 anua ;
p irque nao era nacional o aeu poder pesaoal, como
o da prineeza.
Agora urna pergaota :
Estes ae ,!i:i: i*m aninhados pelo
Sr. Nabuco, e a agora dalia luz, quando e
Masa forte e teubor dacaaalha que o elevou, ou
coavi-rteu-;-1 a ellea depoia qae chegoa ao pino da
gloria ?
E S. Exc. que snbet:nto a historia, e trat d 1-
la iioprc to beiljj a proposito, n i se lembra
que do Capitolio a Bocha Tarbea s mddeia um
pastoT
Recife, 28 de maio de 1888
Affonto de Albuquerque Mello.
Fortaleza do Brum
Ao honrado deaembmgitdor, presideate dt pro-
Gloria do floit
NSo passo deixar de. lavrar um protesto ao
prembulo da iniasiva inserta em urna das colum-
nas do Jornal do Rtaife de 26 do corrate, com a
epigrapne cima.
Acaba va, uo dia 14 do correute dos trabalbos
do jury, que eutao presidia, quando ouvi feud
ares urna girndola de foguotes, e, indagan ia j
motiva, soube que acabava de ser afaccionada a
lci que aboli a tecravido no tola brazileiro !
A viata, do grauJe aontccimeuto, qua enebeu
a todos do praser, convide ao Dr. Manuel de Ma-
raes Albuquerque, promotor publico em exeie
Dr. Jcs Bezerra Cavtlcante, capital Luz Fe-
lippe Cavalcanto de Albuquerque e outros amigas
para irmos, em commisslo, a casa do vigaria Joo
da Cista B sorra da Car val bo para all deliberar
mos o meio de manifestar ao honrado presidente
do conselho o couselheiro Joo Alfreda o nosso ju
bilo e do partido conservador dcata localidad?,
pelo grande acontecimento que acabava de rcali-
sar-se.
D pois de ter fallado o orador da commiasSo
Dr. Jos Becerra, expando o sea fim, ast ntamoa
tm telegrapbar ao Exin Sr. Dr. Felippe Figueira
representante do 3. cirouo, pcdiuuo qae osse fiel
interprete da commisso conservadora desta loca-
lidade junto ao honrado presidente do conselho.
Sendo bem aceita a idea pe > mesmo vigario e
aaaentado o que cima fica dito, foi pelo vigario
offerecida um copa d'agua, trocaodo-se varios
brindes ao Ministerio que tevo a gloria de esma-
gar a bydra que entre na cbamava ae escra-
L prpuota da t^iumouio ocgao para S Crtd.
J v o publico que o partido conservador desta
p-tr'icula da provincia qae so hoara de ter orno
chefe. ao llustre presidente do cooselho, nSo poda
ser indiferente a um facto que ser a pagina mais
brlhante da oossa historia e pnnoipalmeute re ali-
sado no governa d'aquelle que, para gloria do
Brasil e especialmente de Peruambuca se chama
Joo Alfredo Correia de Oliveira!
Gloria do Goit, 27 de Maio de 1888.
Jos Cometi Lcit&o Rangel.
W\
espedida
=-9
Da partida para a proviacia da Para, ca-npre-
me o restricto dever de fazer pela imprensa as
minhas aaudosas e cordeaea despedidas aos briosos
habitantes da comarca de Itarab, onde exerci du-
rante o espaco de nove meses o cargo de jais de
direito, e fai sempre acolhido e considerado por
todos os meas jarisdiccionados.
Sinto profundamente que par falta de tempo
nao tivease podido ir despedir-me de cada um de
per si, mas offereco all ou em outra qualquer
parte, em qae a tarte me depare, os meas serv-
eos aqasilfl povo de quem levo as mait gratas
recordacSea.
Torno igualmente extensivas as miabas despe-
didas e prestabidada a aqu-llaa pessoat daa vi-
sinbas comarcas de Pedrat da Fogo e Ooyanna,
com as quaes ekrerive boas relacoat de amgate.
Tambem me dispejo de todos os meas bons ami-
gos desta cidade.
Recife, 29 de Maio de 1888.
Antonio de Olivtira Cardoso Guimardes,
---------------a*---------------,J
Prado -Pornambueano
Pede se ac respeitavfl publico que seja con-
descendente pira com os encarregadoa da ven-
da e do pagamento das poules naqdelle Prado,
pois, de neuhuma s^rto, concorrem elles para
qualquer bandalbeira que all se possa realizar.
A justiga.
Pastelaria Argemiro
Raa da Impcratriz a. 51 A
Nt sta casa ha todoa os dias grande variedad
de asando, r.cbciados, massas u doces fiaos para
lunchs, a qualquer har do dia ou da noite.
As sextas-feiras la vatap e carur fritos com
a maior perfeicaa e asaeio, moda da Babia.
Preparam-se almocos e jantares pira casas de
familia, bem como baoquetes e cha para par-
tidas. O proprietario incumbo se tambem de co-
lubar em qualquer cusa que tenha de dar Ban-
quete, reuoiio, etc.
O cabello das frmicas mulberes orientaos tem
fama em toda a redondeza do globo por sua belle-
za, fl xibilidade, profasio, bruno e perfume, e to-
das estas quatidades podtm obter-ae fcilmente
com o uso constante do afamado Tnico Oriental
para o cab lio, a maia exquisita das prep;;r,eoes
do toucador para o augmento, couservaea, suavi-
dade, limpeza e embeilecimunto da cabello. S a
calvicie da semlidade resiste sua poderosa
aeco.
Muita allenca*
Previne-se ao pu-
blico que nao fac,a ne-
gocio algum com os
animaes Morena, Ay-
mor, Ipojuca Zefiro e
Africana, cujo dominio
est sujeito a urna con-
di^o resolutiva, sen-
do, por isso nullo qual-
| quer contracto com os
pre ditos animaes.
mas f reas o amor da liberdade e o enthoaiatuio
pelaa grand l ideas.
& velba cidade parecen remocar ao ver procla-
Ld em um dia a libertaelo do s .lo da comarca,
de qae sede, e no da seguate a libertaco do
Braail inteiro.
Bot tos os seas habitantes toroou te saliente
a alegra, de que te achavam pottuidot pelo ad-
vento da liberdade.
Pensamos qne o moaamento, qae te va eriair
na poetiaa cidade, deve ter por fim commemorar
nao tmente a data da abolico da escravidao no
Brasil, mat tambem a da redesapoao do respecti-
vo municipio.
81 13 de Maio nma data muito cara ao cora-
cao dos olindnaiet, e?sao brasileos, 13 de Maio
nao o menos aot seus corteos dt saasuotpet.
ten asea pblicos desea provineia, vamos denaocur
para que tas na devida cooaideratao o estado
laatimavel em que te auham at CDoatruccca da
fortalesa do Brum.
Por mais que digamos, ficaremot qa-m da ver-
dade e por isso pe moa a S. Exc. que se digne de
tater urna vitita aquella fortalesa para de tiUu
apreciar e providenciar.
Ser conveniente fazer-se acompaohar do intel-
ligente e leal Dr. eugeab-iro das obras militares,
Gregorio Tbaumaturgo de Aaeveda, que cuidadoso
e trabalbador, como est muito a par do estado
da fortaleza por tel-a j examinado por oceasio
da organittr o orcamento dot respectivos oonter-
tot.
Desde 1876, o noaj ir Justino Bodriguss da Sil-
veira, eommtadante da fortalesa, esforcouse por
Mossa Senhora do Mon-
te em Olinda
Eatando-se encarnando a sacrosanta e
miraculosa iusgeo da Senhora do Monte
em sua ermida, est desigaaio o dia 3 de
Junho prximo futuro para se dar a beoc3o
solemce a veneranda imagaio, pelas 5 ho-
ras do oahir do tarde daquelle dia, caso
uo uhova, aps urna ladainha com msica,
offerecida e execntada pelos maestros des
ta cidade; em anguila desprender-se-hSo
alguas areostatoa o em conclusa-), todos os
devotos poderao os rular os sagrados ps
da Kaioba das Virgens.
No dia seguate lia ver palas 6 horas da
manbS urna misan resada no aitar da mes-
ma Excelsa Senhora em ajeo de gragas
sendo auplicado u fructo especial pela in-
teoyo dos devotos que para esea bencSo
oonoorrerem
O acto ser assim : Preparar-se-ha ua
thronosinho para oollocar imagem da
mais carinhosa das mis, e ao terminar a
benc3o, tobar a banda de msica do 14
batalho, emquaato u na salva dar sigaal
da bengo, para o mesmo tempo repica-
rem-se todos os brooaes das igrejas visi-
nbas.
Convida-sa aos fiis devotos da Senho-
ra para assistirein a esto acto, como vas-
aalagetn tributada a to boa e desvelada
mi: bom seria que algum denoto offer-
tasse um vea e u solemnidade, visto qu, a Senhora s or-
nada de anno en auno !
Desde j a p as ia qua b; empenhou nes-
ta magnnima empresa, ante ip* de sua
parte, sincera gratido pela liberalidade
que tem en toeitr ido no religiosa poro des-
ta legendaria cidade.
Nao foi des omitido o bom conceito que
foreuou da pieda le e religiosa devotjo para
com aqu"lla que, nomear-ihe o nome, fas
vibrar o coray&o p-lo estremecido amor que
de .oaro a mi do fitbo de D-us.
Olinda, 26 de Maio de 1888.
Um devoto
Despedida
O abaixo .asignado embarcando boje
para Portugal e nao lbe sendo possivel des-
pedir-so de todas as pessoas do aua a misa-
do pessoalmente, o faz por este meio pa-
dindo deeculpa.
Declara que na gerencia de seas nego-
cios durante sua curta ausencia deixa pro-
euraco ao Sr Manoel Jorge dos Santos
a D. Justina Dias da Rucha.
Cabo, 27 de Maio de 1885.
Jos Antonio Pereira de Honra.
A quera solre da arynge
O Sr. Ja2o Custodio de Andraie J-
nior, fazandeiro em Santa Victoria, (Rio
Grande do Sul), havia j mezes que aoffria
ae ama forte e insomnioJativa roaquido.
fTsou varios inedioamentoa sem proveito, e
finalmente oPeitor.-.l da Cambar rea-
lizou a cura, conforme sa deprebende da
declaraco seguate:
9 Eu abaixo essigoado declaro, para
bem de tolos, que, tenlo estado doeute,
por niais de tres rcrz^s, de urna forte rou-
cfui'io, e depois do ter usado muitos reme
dios, sem o menor resultado favoravcl, tive
a feliz lembranca de reoorrer ao conhecido
pc'tr.-l boujceapatbiso de caobar, do
Sr. J. Alves de Souza Soares, de Pelotas,
e cm pouerja dias urna cura radical se ope-
rou em mim.
a Outrosim declaro e atiesto, qua todas
as pessoas a quem tenbo acoaselhado o uso
de tito b.nefijo medicamento, sao cor .or
des em decantal-o e tambem cm acnsa-
lbar sua reaeita.
a. Santa Victoria, 29 de Novembro de
1876
<7ooo Custodio de Andrada Jnior.
Amor maternal
A'S MAIS DE FAMILIA
Acabamos de 1er na importante joma
quo v a luz da pabliddado na capital do
Imperio t O Paiz > a seguiote publicagao,
que, sem mais commentarios, qui trans-
crevemos :
t Dizia Napoleo I que, educaodo-se
a mulhcr preparava aer o futuro. >
t E de facto.
f A malher o principal motor do des-
ea volvimento humano. QuaaW mais vir-
tuosa e Ilustrada for, melhores e maia
bem educados sero oa bomens.
A mi a aentinella vigilante qae
vela a vida preciosa da crifnga, aoompa-
nbanda a, desde os primeiros vagidos at
o momento cm que, feito homem, trana-
pSe os humbraes da vida,real.
t E quantoa dosgostos, e que torturas
angustiosas, os de urna mi que v sea
Albo ainda pequeoino, sem ter cxpreasSes
para dizer o que sent o, todavia, gercon-
ado, oborando sob a influencia de um in-
co.umodo que, muitas vezes, sabido a
tempo, poderia ser debellado 'i
< Quem se records dettas 6tu.9 criticas, to communs ao viver de uau
mai, nao poder deixar de curvar so rea-
peitoaamente ante a mulher a personifi-
cando do devotamento, da abneg.-co a dos
rnuis puros e grandiosos aentimentos que
se sninham no corayo hurai.no
E como reflexo desae muito respeito
que temos per ella, dirigimo-nos pgora s
mis de familia, s delicadas educadoras
da futura geraco
i Mais do que as pessoas adultas, as
crianas esto sujeitas as tosses, dc-fluxos,
constipares e outras affecyoes congneres,
j pela aua dbil coenpleiclo e delicada
organiar^lo, j pela sua curta idade que
nao lhes' permiti o esquivaren!-se do .um
golpe d'ar, por exempla, ou d'outro qual-
quer descuido.
Todos sabein o quo acontece neste
caso.
A crianca, um dia, deita-se com a
voz pauco alterada e urna tossesinha ia-
sigtiificanto que, aos proprios pas, paasa
desspercebida; depois, no dia spguinte,
j aquelles pequeos indicios aggravam-
ae, vem-lhe urna fcbricolasiaba, iuflamaia-
ge lhe a garg&nta e dahi urna angina oa
garrotilho, um momento.
t Chsma se o medico, quando, s vezes,
j nao ha mais remedio^ para a doenja, e
aquella innocente crian-inba, esperanca
faguira de ama familia inteira, desappa-
re c rep'ntinatuerite dcixando oa pais im-
merses na mais acerba dor. -.
Oh 1 mis, para quem escrevemos,
lembrai-vos que a Providencia nunca deixa
de soccorrer quem a ella confia
a E essa pres2encia omnipotente, neste
caso, maniesta-se noPeitoral de Camba-
r remedio excellente, quo milagroso
para aa molestias do peito, germinadas, a
maior parte das vezes, na crianga por om
descuido da oatureza dos que deixamos
apontados.
Comprai, pois, o -Peitoral do Cao>
bar-e tereis prevenido a eventualidade
terrivel de vos verdes privados de vossos
filhos
t Aquello remedio ser mais um auxi-
liar do nosso devotamento, do vosso amor
maternal.
Heitor.
Podemos assegurar (3}
Infelizmente bem commum, na corte e
nesta provincia, urna molastia terrivel, co-
nbecida pelos nomes de tsica, consump-
co, doenga do peito, etc
Nao pretendemos affirmar que o Peito-
ral de Cambar, descoberta do Sr. Soares,
de Pelotas, cura todas as tisicas, porque
at hoje tem sido impossivel curar este
m ilestia, quando chegada ao ultimo perio-
do ; porta, podemos assegurar que todos
os doentes que usarem do Peitoral de Cam-
bar, no primeiro e segundo periodo, logo
acharao, com toda a certeza*, grande all
vio e depois a sua cura com aleta, por meio
de um tratamento prolongado e persis-
tente.
c Peitoral de Cambar nao limita a sua
a -920 beriefi ;a s doengas do peito : cura
tambem muitos defluxos, bronchites e tos-
sos qu3, as rnais daa vezes, quando des-
prezadas sao a causa das aoV-cScs pulmo-
nares.
Este poderoso remedio acb'a-se venda
om casa dos agentes e depositnos geraes,
os Srs. Francisco Manoel" da Silva & C,
roa do il.rqu z de Olinda n. 23, e
2^500 o frasco, 130DOO meia duzia e
244000 a duzia.
A Nova Tork
New York* Life Iumian/w Company.
Companhia Mutua de Seguros de Vida e Mon-
to-po dos Ettd. a-Uuidos da America,
Fondada em 181543 annos de prosperidade !
Uuica Companhia de Seguros de Vida estran-
geira aatorisada a fuaccionar no Imperio do Bra-
sil.
Capital cerca de ceno e setenta e cinco mil contot
derie
Renda annual cerca de qvarenta mil cantos de
ris.
Deposito na corte no Tbesouro Nacional.
Denlos cantos de ris.
alais de du.entos mil cantos de iris pagos a vi-
vts e orpboa e proprietario de apolices dasde sua
fundacSo.
Crea de seiscentoe cont de ris pagos no Bra-
sil a herdeiros de segurados em cerca de 5 annot.
Mediante urna pequea somma annualmente (o
premia na idade de 35 annos custa cerca de 404
por anno por cada cont de ru segurad) pode cada
um constituir immediatamente mu capital para sua
familia no caso de morte ou para si proprio ae che-
ga ao prazo escolhido.
Para prospectos e informacoes com o Sr. Theo-
doro Christiansen orrespondente representante da
Cun aubia em Pernambnco oa com Julio Quima-
raes agente viagante da Companbia, de paasagem
por esta capital, que pode ser encontrado no es-
criptorio d'aquelle senhor.

MEDICO HOMEOPATHA
Dr. BaHhazar da Silveira
Eapeciali dadesfebres, molestias das
crianzas, dos orgos respiratorios e das
genhoras.
Presta-te a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos At chamadas devem ser dirig*
dos pbarmacia do Dr. Sabino, rua da
BarSo da Victoria n. 43, onde te indicar
sua residencia.
1
i
8:
Eduardo Gadault
DO
Di*. Alfrciio Gaspar
EapeeialdadePartos, molestias de senhorat
e creancat.
BeaideaeiaRua da Imperatrit n. 18 primeir
andar.
Telepbone a). SS6
Dr. Ka F rreira
Medico e parteiro, com pratica em varios nos-
pitaes da Europa as especialidades de molestias
de taaaortt e da pella, d contultaa aa raa da
Cadeia n. 53 1.* andar, de 1 a 3 horas da tarde
e reaide na rua do Conde da Uoa-Vitta n. 24 I.
Telephone n. 412
Retratista
Ateller, roa BarAo da Victo-
ria u. 11. Io andar
siix
ra.
Incnmbe-se da execucao de todos 09
trabalbos concernentes sua arte, as-
sim como leccixna em deaenhos e pintu-
*
i
Leoanr Prto
Raa lo imperador
1 andar
Contina a executar os mais difBettj
ficunuui receidos de Londres, Pars,
Lisboa e &o de Janeiro.
Prima em perfeioio de cotturat, tm
brevidade, modieidade em precoa e fino
gosto.
. '
<
!
(I



I-
fifiario de rffnwBbmMQpinta-feira 31 Slaio de 1888
Dr. Mello Gomes
MEDICO PARTEIRO OPERADOR
24_Eo Lrg do Rosario24
(Enquia, por cima do Annel de Ouro)
Oadepie ser procuiado qualquer hora do
da e da noite.
SJBPECIALID4DES : Pebres, molestias ;de
senhorae e dos pulmo;a, syphilu, cora e opera-
res de estreitamentos e BofFrisieutoa da uretra.
Acode a chamados para lora da capital.
TELE PHOSE 374
frederko Chaves Jnior I
HOM(EOPATHA.
39^Rua do Barbh da Victoria=39\,
PRIMEIRO ANDAR )
k
Oculista
Dr.Harreto Sampaio, medico ocu-
lista, enrhcfe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 roa do Barao da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias santificados.
Residencia ra Setc de Setembro n.
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
IGA*SSU'
Dr. Paes Barreta
PROMOTOR PUBLICO
Adyogado
HOMEOPATHIA
DE
CATELAM FKERES
GLBULOS, TINTKAS, CABTEISASjETC.
Vende se na botica francesa
22= BOA DA CBPZ==22
Dr. Coelho Leite
Participa a aeus clientes e amigos que
ten seu consultorio na ra Duque de Ca-
xii.8 n. 57 Io andar, onde ser encontrado
de 12 s 3 da tarde todos os dias e
resido provisoriamente na ra do Hospit?.
Portugus n. 1 i.
copiada, aa qoal dei o daspaaao do theor se-
Diatrbaida. Coma pedem. O eserivo dasigas
dia.
Recie 29 de Maio de 1888.-Montenegro.
E mais se nao eonviuha em drto despacho aqu
copiado, em virtode do qual fra a paite*) mftr
sentada ao distribuidor do juno, que a distripuio
ao escrivao Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva, que lavrou o termo de protesto dj theor se-
gIIAos 29 de Maio de 1888, em meo cartorio, ptr-
ante mim comparjeeram os supplieantes por seu
procurador Antonio Machdo Dias, e por este foi
dito que redusia a termo o protesto constante di
oeticao retro, que offerecia como parte deste
quei assigna.-Ernesto Muchdo freir Pereira da
Silva.-Antonio Machado Dias-A-tomo Barbosa
Cordeiro.Carlos de Albuquerque P-reira de Uli-
E mais se nao continha em dito termo do pro-
testo aqu fielmente copiado.
E tendo os supplieaotea produaido suas teate-
munhas que depoaeram convenientemente acerca
do allegado na petioo neste transcripta, o respe-
ctivo escrivao, sellando e preparando os autos,
n'os tea eonclueos, no quees profer a aentenca
do theor seguate :
Vistos. Procede a josiificacao. Fapa-se a mti-
macae por editaea, na forma pedida. Costas ex-
ea osa. _
Recife, 30 de Maio de 1888. Thomaa (Jarees
Paranhos Montenegro.
E mais se nSo ontinha em dita sentenca aqu
copiada, por Batea da qaal o escrivao respectivo
fea passar o presente edital, palo qual e ten theor
chamo, cito e hei por intimados os jaetifioades au-
sentes Joaqnim Tavarea Pinheiro e Bellarmino
Antonio Soares da Fonseca, para que com pare-
cam ante este jaiio dentro do praso de 30 das,
coatados da publiclo deste, .fiai de allegarem o
que fr a bem de eeus direitoa e jastica.
E para que chegui ao conheeimento da todos,
mandei passar o presente ediul, que ser publi
cado pela imprena-i, e ontro de igual tbeor luta-
do nos lugares do costum, do qua se juntar
tidao aos respectivos autos para consttr.
Dado e passado nesta cidade do Beeife, capital
da proviucia de Pcroambaco, aoa 30 das do mes
de Maio do anno do nascimento de Noaso Seahor
Jess Christo de 1838. _
Subserevo e assignoErnesto Machado Freir
Pereira da Silva.
Thomat GareesParanhos Montenegro.
Contraria de S. Jos 'Agona
Erecta no convenio do Carmo
De ordem do irmao provedor, convido oa noasos
oarisBimoa irmaos meaarios a comparecerem hoje
s 8 horas do dia, no consistorio desta confiara,
afim de ouvirem a misaa votiva, e darem poase
aos novos funecionaroa para o anno de 1888
1889.
Secretaria da contraria de S. Jos d'Agonia, 31
de Maio de 1888.-0 secretario,
M-rcos F. de Paula Res.
arana
2. SfccaV) Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco, em 29 de Maio de 1688 ''or rsta secre-
taria se faz puollcj de conformidade cein o dis
psto no art. 157 do r gnlsniento annezc ao decreto
n. 9420 de 28 de Abril de 1885, o edital abis o
transcripto pondo < m concurso coin e praso de 30
dias es tffiei s de 1. B 9.* tab lli" do termo d
Pedra.Pedro Francisco tyrreia de Oliveira.
O Dr. Paulo (Jai tao de Albuquerqu-1, juis moni
cipal dos term s reunidos de Buique e Pedra
em virtode da lei, etc. etc.
F::r saber aoa que o presente edital vircm e
d'elle noticia t.verem e a quem intereasar p 3uo i.cbando-ae iin concurso os offici.s de justic/i
o termo de Pedra, criad', pela lei n. {542 de 30
de Mi.io de 1881, <:a quaes na au. ncia de lei es-
pecial sobre sua crcaco e divisan em face do de-
creto de 30 de J.meiro de 1834, qu regula a ma-
teria sao is d>' 1 e 2 tubelii&o do publico, judi-
cial e notas, servindo o 1 de escrivaj de orphioa
e cap'''as e rea:dus, o o 2." de caerivSo daa co-
CUjo c lvida ao3 prcteudi-ntea aoa res-
pective offi.-ioe a apreeentarem seua rpquerimfn-
toa no praso de 30-diae, como dis;o o art. I." do
decreto n. 3322 da 14 de Jn'ha do anno passado,
combinado Ciro o art. 11 do decreto n. 817 d>' 30
de Ag< ato d 1851. o srt. 70 do deertto n. 9344 do
D.z.'Oibto de 1844
Ootrosito fas mais i-aber tembem aos pie' n-
den'e que cus eqneri reatos dovem vr instrui-
dos c exime de sufficieocia de conformdade
oom c disi cato no decreto n. 8276 de 15 de Outu-
bro de 1881 c mata formalidades exigidas no
art. 14 do citado decreto n. 817 de 30 do Agesto
de 1851.
E pur; que ebeguo ao conbsciin^nto de todos
ntandci ^ass;ii o presente, qne aer offixado no lu-
gar mais publico d'esae termo e d'olle se extrahira
copia para ser rcm:-ttida ao Exm. Sr. presidente
da provincia para o fim indicado no art. 157 do
decreto n 9120, de 28 da Abril de 1885, eom de-
claracao do dia da affix^ao e publicacao do pre-
sente edital, o que ser certificado pelo porteiro
doa auditcnos como determina o art. 153 do citaao
decreto dv. 28 de Abril de 1885.
Dado e paseado n'esta vil a da Pedra aos 5 das
de mex de Maio de 1888.
Eu, Jcao de Moura Cavalcante, escrivao inte-
rino, o escr.vi Paulo Cattano de Albuquerq'te.
E nada mais se continha cu dito edital cima
copiado do proprio original ao qoal me reporto e
don f.
Eu, Jo de Moura Cavalcante, escrivao inte-
rino o escrevi.
Cctico mais que pelo porteiro d^s auditorios me
foi entregue a certido de affixaeao do edital re-
tro, a qoal do theor aeguinte :
Manoel Joaquim Portadinho, official de jastica e
porteiro dos auditorios de Pedra, em virtode da
lei, etc.
Certifico que sffixei na parta da Cmara Muni-
cipal d'esta villa, boje o edital convidando aoi
pretenden ti a a da Pedra de qn trata o mesmo edital.
O referido verdade e dou f.
Vi:li da Pedra, 5 de Maio de 1888.O porteiro
interino, Manoel Joaquim Portadinho
E nada mia *e continha em dita certido acim-i
transcripta do proprio origin il io qoal me repoito
O d u f, c crevi r i -igno. En, Joo de Monra
Cavalcante, esacrivao interino o esercvi e eEt c n
form?.O escrivao interino, Jcao de Moura Ca-
valcante. _________
ODr. Tliomaz Oarcez Paranhos Montenegro,
commendudor da Imperial Ordem da Rosa,
\uiz de direito especial do commercio desta
cidd do Recife, capital da provincia de
Pernambuco, por Sua Magestade Impe-
rial e Constitucional, o Sr. D. Pedro II,
a quem Deus guarde, etc.
Fbe;o t'.ber ,.os que, o presente edital virem oa
'elle n'ticia tiverem, qne p r parte de Ernesto &
Le poldo me foi digida a pe'icao do theor se-
guir.
Illm o Ei ti Sr.Ernesto ac L^-poido aao ere
dores de J aquim Tavares finhcir da qaantia de
3:00000, .pnucipal de urna lettra.de trra do
gee I endo, vencida em 31 de Maio de
1883 ; e de Bellarmmo Ant nio Soares Ja Fonse-
qui.nti i de '2:436*000, importancia de ama
lettra de teira de aeu aceite, ambas do saque e
enti Txvares Piubciro e do de Jos
;
E eja a apprx>inar-ge o praa > fatal
par p<; o d>.s meam'ii lttraa, veem es
pea int-rrupcio de dita
- m a V. Exc. se digne man-
dar '. iitiuoadoj oa
r.rn-ce em lu-
ga, o qne req
igualm -nte a V t dl, e nora
fim de t'T lug?r ifrenolo.
Pedem a V Lie. deter^ K. M.
Recite, 99 Dias.
Estava sellada legalonate.
E mail se ni cootinba en dita peticao. qi
2a Seoylo. -Secretaria da Presidencia de
Pernambuco em 25 de Maio de 1883.
Por esta secretaria se faz publico de con-
formidade com o disposto no art. 157 do
rcgulamento annexo ao decreto n. 9120 de
28 de Abril de 1885, o edital pondo em con-
curso com o pruso de 30 dias os offi -ios
de partidor e distribuidor do tormo de Na-
zaretb
Peiro Francisco Correia de Oliveira
O Dr. Manoel Cabral de Mello, juiz mu-
nicipal e de orpb.5.08 da comarca do Na-
zareth, provincia de P-rnambu;o, par
Sus Magestade Imperial, a quem Deus
Guarde etc.
Faz sab'' aos que o presente eJital vi-
rem cu d'elle noticia tiverem e a quem
interess^r posa, que de conformidade com
o srt. 1* do decreto n. 3322, de 14 de
Julbo de 1887, fija marcado o praso de
30 dias, a cootr.r de boje para o segundo
concurso do provimento dos offijios de par-
tidor e distribuidor desta comarca, vago
pe:, desistencia que fez o respectivo ser
ventuario Carlos B-rromeu Coelho da Sil
v.i ; que aos pretendentea dos referidos
o AL i 8, cumpre ^presentar seus requin-
tos dentro do prazo a ima indicado,
cafarme dispo.: o i.rt. Io do decreto aci
ma citado, eom binado com o >tt. 7o do
decreto 9344 dt 15 e Dz.-mbro de 1884.
Faz ainda saber aos pretar.d'ntes que
seus rcqucriiaentos devora ser instruidos
com exame de suffi ioncis, conforme dis
p5a o decreto n. 2876 de 15 de utubro
de 1831. pira qm liegas ao con'
ment de todos icniei passar o pro />t
quo ser affixudo nu porta da casa da cu-
rsara municipal dcsti comer a, o delle as
extrabir a coa potente copia p-ra ser re-
rnettido a oportunamente ao II!m. Exm.
Sr. Dczembargidor Prosi lente da pro-
vi -i;i para o fim indicado no art. 157 do
decreto n. 9420, de 8 de Abril de 1885;
com declarado do dia e bora da oflisa<;o
e pnblicigao do presente edial, o que ser
certificado p lo porteiro d~s tuditorios co-
mo dctern.ina o art. 153 do referido de
creto n. 9420 de 28 de Abtil de 1885.
D retb aos 12 de M.io de 1888.
Eu Affonsa de Hollanda de Albuquerque
MaranbSo. Escrivao o es revi.Manoel
Cabral de Mello.
Certifico quf pelo porteiro, dos culiti-
ros me foi entregue a certido seguinta :
Certi.'O que boje s 11 horas do dia affi
xei na porta da casa da amara municipal
desta cidade urn edital chamando concur-
rentes aos cffi ios de partidor e distribui-
dor deste juizo. O referido verdade e
dou f.
Nazaretb, 12 de 1888 O porteiro dos
auditores Manoel Francisso da.Bocha.
Era o que ee continha em dita certido
a que me reporto e dou f
Nazaretb, 12 de Mio da 1888. Nada
mais se continha em ditos autos ao qual me
reporto e dou f. Est conforme. Eu Af-
faoso de Hollanda de Albuquerque Mara-
oho, escrivao de orphaos o subscrevi.
Nesta eiUclo e na secco da pagadoria, paga-
se amanhi assegointes folhas, sement ellas :
Presidencia.
Faeuldade de direito.
Relaoto.
Theaourariai
Eiercito.
Pagad ira da Tbeaouraria deFasenda, 1 de Ju-
nho de1888. -O escrivao
HeliodoroC. de Oliveira Coragem.
De ordem do lllm. Sr. Or. inspector, faco
publico qne no Jia 1 de Jnnho prximo vindour<,
ir de novo a pra?a, de accordo com as bases ap-
provadas pelo Ex-n. Sr. desembargador presidente
da provincia e com o abata de 10 0(0, o pedagio
das barreiras aba xo declaradas, sendo a arrema
tac2o relativa ao espaoj a correr do 1* de Julbo
prximo futuro ao ultimo de Oeaembro de 1891.
Oatroaim, os preoos infra sao correspondentes a
un annoe dellea JA foram deduzidoa os 10 0,8 de
que cima se trata, e oa conenrrentea devem se
habilitar licitaoao.
C-.xaog4 2:8101700
Qiqai 5:245/200
Magdalena 3:600/000
Ponte dos Carvalhos 476/1U0
Morenoa 1:476*900
8. Joio 1:620/900
Jaboatio 2:692i-500
Engenho Cousseiro 900/000
Secretaria do Thesooro Provincial de Pernam -
baco, 30 de Maio de 1888.-0 oficial,
Lindolpbo Campello.
Tfiesouraria de Fazenda
DtLARAGOES
Irtuandade de Xossa enhura
do Boiu Parto, em Ollada
De ordem da mesa regedora levo aoconheci-
ment de todos os nossos irmi-s que realiaoo-se
no dia 13 do corrente, a festa da Excelsa Senhora
de Bem Parte, cem a pompa do estylo
Oatrosim, qae acham se pagas todas ns despeina
eitas com a referida fetta ; e se alg-.em tem di-
reito a ser indemnieado deqnalquer quantia tenha
a bendade de se apresentar ao dip^o tbesourf iro
desta irmandade, o Sr. Manoel N'.acmouto de
Jesa, qae ser immediatamente salisfeito.
Olinda, 26 do Maio de 1888.
O escrivao.
Jo&o Antonio Fausto de Agujar.
Fabaica de flaco e te-
cidos de Pernambudo
Sao convidados os Srs. accicnst.is da nova
emisao a entran m, no dia 1* de Jolho prximo,
eom a presacio de 15 % das quantias qu i sub-
screveram.
Pagamento no Banco Internacional do Brasil,
roa do Commercio n. 40.
Recife, 1 de Junbo de 1888.
O secretario da direecao,
Jos Joo de Amorim
"i^RITSOCIE DA DE ~
DOS
Artistas echanicos e Liberis
De ordem do irtrao director, convido a todos 05
irmioa qae se reunireno-se em nosaa sede sexta feira 1 de Jo
nbo, pelas G horas da tarde, afim a)e ter lagar a
asaembla geral do corrente mez, qpe deix u de
funecioaar no da mareado por f*lta de nnmero,
de vendo esta ter logar com o numero que eooipa-
twa*.
Secretaria da Imperiai Sociedade doa Artistas
Mechanieoa e Libera s de Pernambuco, em 30 de
MtAo de 1883.O 1' secretario,
Psterniaao Borroso.
De ordem do Ilm. Sr. inspector faco publico
que, no da 2 de Junbo prximo vindouro, perante
a sesaao da junta dV'sta Theeouraria, sero abor-
tas as propostas que, at essa dia, s 11 horas da
manh, forem apreaentadxa em cartas fechadaa
afim de ser contractado o fornecimento da artigo,
infra mencionados, para os reparos a faaer na
fortaleza dos Remedios do presidio de Fernando
de Norunha:
Os proponentes deverao raser em suas propos
tas a diclaracSo de.que fie a sujeitos despesa
de transporte dos mesmos artigos at a respecti-
va entrega no referido presidio.
Telbas convexas de 0,57 de comprimento
e 0,1 de corda media 3.500
Caibros de madeira dea 611,5 e 0n,09 150
Hipas de 2,5 e 0,05 -duzia 50
Travetas de 4,8X 0.I4X 0,14 15
Travs de 9 0, 2X 0,2 10
Taboas de aonrwlo de 5 5X 0.44M 0,03 6
Dobradicis de 0,t 8X 0,065 18
Ferrolh -s de 0,22 2
Ferro I hos de 0,11 6
Dobladlas rcforcadaB 4
Pregoa npaea 2.000
Pregus cuibrues 1 500
Pregoa goitacs 100
Parafuso8 para dobradiess e ferrolhoa de
1 e 1/2 pollegadaa 300
Parafuzos para o porta o, de 2 pollegadas 50
di prcta (bectolitro) 30
Cal "bronca (hectolitro) 5
Cimento (barrica) 5
_Eia 30 de Maio de 1888.
O aeeretario,
Dr. Antoni) Jas de SanfAnna.
Faeuidade de Direito
De ordem da Exm. Sr. c j'iselbijiro director in-
terinoedu conformidade com o aviso n. 587, de
18 de Fevar.ir> do corrente anno, faco publico
que esr esr- concurso, com o praso de 4 meses, a
contir da data deste, a cadeira de geograpbia o
historia do carao ae preparatorios annexo a esta
FucnMadc, que ss aoha vaga, pelo que o quo se
quizerpm ;n erevir pra o mearco, devero se
apretutur, desde ja, com doenmentoa que pro-
vem :
1* sna qnalidado de eldadSo br .zileiro;
2 m..rlidad leiril ;
3 moralidade attatada p los respectivos pa-
rochos a foib. corrida nos lugares onde bouverem
isidi o dos ltimos cnco-anuos ;
4a caracidade pr^fissional, a qual piova-ae ex-
hibiodo o candidato algum soj aaguints docu-
mentos :
Titulo de capici Jad; na mat>ria em concurso,
conferido i1j cousetbo director da instrueflo pri-
maria e secundaria 00 municipio da corte, titule
de prof.saor tamoem na materia em concurso, con-
cedido uelo goverco imperial, diploma de bacbarel
ou de diutor as faruldades oo imperio ou aca-
demias 'utruage.ras, ou de bac are em letras.
As peasoas notavuis por sea talento oa reco-
nhi'cila a tic hibi'f idss poicrao ser diBpensadiS
da prova de capacidad^ pelo governo e as que nao
poderem probar ou obtivercm dispensa pasraro
por un exame antea do serem admittidas ins-
cripta!, tudo de conformidade com o capitulo 4
do regulamento de 5 de Maio Ce 1856.
E para constar man dou o mesmo Sr.conselbeiro
director interino, affizar este edital, que aera pu-
blicado nesta provincia, na corte e naa provin-
cias mais p:oiiu aa
Secretaria da Facaldade de Direito do Recife,
30 de Maio de 1888.
O aeeretario,
Jos Honorio Bezerra de ..leneze s,
Matriz de Santo Antonio
Venerare!1 Irmandade do SS.
Sacramento
Tcndo de cetebrar-se no da 31 do corrente, em
nossaigreja, a scleirnissimafi'Sta de.Corpns-Christi
noeao augusto padroeiro, pelo presente, e de con-
formidade com as diapcaicoea do compromisao con-
vido aoa irmacs, desta veoeravel irmandade, a
comparecerem em noaso consistorio, as 6 horas da
tarde de hoje, afim de aasitirem as vesperaa, e
amanha as 10 horaa do dia e 6 da tarde para festa
e Te-Deum.
Consistorio da irmandade do SS. Sacramento,
3o de Maio de 1888.
O escrivSo,
J.s Dias A Quintal.
Dearlem do Sr. Dr. inspector geral, faco
saber s,s sexhores profesaores pblicos, alumnos
das escolas primarias e normal desta capital, qae
Ih foi dirigido por 8. Exc. o 8r. presidente da
piovincia o sgninte offijio :
Palacio da presidencia de Pernambuco, em 25
de Maio de 1888. 4' seceo. Teoho a Batiera
cao de commamcar aVo". para os fios convenien-
tes, qae recebi do Exm. Sr. presidente do conselho
de ministros o seguinte telegramma :
Em nome da Augusta Princesa Imperial Re
o gente, agrade^o as lelieitavoes dirigidas pelo
director geral da instruc^o publica, professo-
res, alumnoa da escola primaria e normal dessa
' provincia.
Deus guarde a Vmc. Joaquim Jos de Oliveira
Andrade, Sr. inspector geral da instruccao pu-
blica.
Secretaria da Iastraccao Publica, 29 de Maio
de 1888.O secretario,
Pergeatino 8. de Arauj: Gal vio.
Estrada d ferro do
Rocife ao S. Francisco
W1SO
Pelo presenta sao coov'dados os senhores accio-
niatas de_-ta compinhia a vuem receber na eata-
oio das Cinco Pontaa o 49 dividendo relativo ao
aetneatre findo em SI ds Deaesab, do aaao prxi-
mo paseado.
Escriptorio da superintendencia no Cabo, 19 de
Maio d" 1888.O topennteodente,
Wella Hood,
PRADO PE
Progranoma da 13' corrida
QUE SE EFFEGTAR
Domingo, 3 deJunlio
A's 41 oras da manh em ponto
Xomea
Idaden
Pelln
Natarstilda-
den
Peno
Cor da vesllmenla
Propiiclarlon
1. PareoConaolarao-800 metrosAnimees di provincia que ainda nao tenham ganho. Premios : 200J ao 1, o0 ao 2. e o
3* livra a entrada
Petropolis.....
Pendanga.....
Atheu.........
Urao.........
Slvalos......
Cadeaoi.......
Aranha.......
annoa
Tordilho...... 56
Castanb)...... < 56
56
c 54
c 54
c 56
Baio.......... 54
Aznl, branco e rosa.........
Branco e violeta...........
Lyrio e branco.............
Encarnado e branco .......
Branco, azul e listado.......
Branco, encanarlo e azul...
Encarnado e bi anco........
Alvaro Ferrsa.
M. C. 8. R.
A. F. Cabral.
M. G. de Carvalho.
J. L. Freitas.
H. G.
B. A.
2.* PareoCassiiSo di. J. da Sorba. 1453 metroa. Animaos de menos de meio aaagoe.
3 livra a entrada
Premios : 300J ao 1., 75# ao 2. e o
Fgaro'........| 5
Galathea......I 5
Recife........ 4
annoa.
Chita.........| Rio Grande do Sul 154 kils.
Buailbo......I 156
Uastaobo......Rio de Janeiro... 156'
i Aznlj branco e rosa.........
[Escarate e ouro...........
Verde o ouro..............
J M.
Coodelaria Alanca.
S. P.
3.g Pareo-Claudio Ilubcnx- 350 metros.Auimaes da provincia qae ainda nao tenham ganho nesta distancia.
i-, bt% ao 2- e o 3 livra a entrada
Premios: 200* ao
Atheu ..
Cndor..
Cadeaux
Zamby ..
Casianho.
Baio.....
Susso ...

-\rnambuco.
56 kilos.
56
56
56
Lyriu e branco..........
Branco e azul..........
Branco, encarnado e asa)
Ver Je e branco.........
F. Cabral.
Jos Cavalcante.
H. G.
M. de Cirvalho.
4.* PareoB. Challne 1000 metros Animi-ec da provincia qne ainda nao tenham gauho nesfa distancia. Premios : 200/
ao 1*, 50/ lo 2* e o 3 livra a entrada
1 Petropolis.
fs:......
L'.'seira.. .
Bliszard ..
Elo......
aonos.


<

Tordilho...
Basao.....
Castauho.

Pernambuco

56 kils.
54
56 .
56
56 <
Azui, branco o rosa...... .
Grenat...................
Aznl....................
ncarnr/io e branco........
Atol e branco.............
Alvaro Forras.
L. L.
C"ul.-1'iria Firmez.
VI. M.
Jos Cavalcante.
5 PareoDr. Soozs aei 1100 m-jtros. Auimaes da provincia.
Pernambuco..
Pi-cmios : 250 ao 1*. 60/ ao 2' e o 3' livra a entrada
Faisca......
rapy.........
Noruega.....
Ocila........
Jondor.. .
anuos. Oveiro
Baio...
Z i.io......
Castanho..
Bai........
54 kilos.
">4
60
60 .
54
Azul, branco e ros*.........
Branco, azul e encarnado ...
Verde e ouro ..............
Grenat e ouro..............
Azul e braiico.............
Alvaro Ferras.
F. C. K.zonde.
V'cente F. 8. Menezea.
AugsBto F. de Oliveirs.
Joe C-tvalsanti.
6/ Pareo.Segunda turmaConaolarao.
-800 aietros. Animaos da provincia,
entrada
Premios : 200.J ao 1; 50/ ao 2o e o 3 livra a
Speraosa .....
(lancho Hanca .
ttigoleta ..,
Javali.......
Toupeira......
Mouio........
Rusa i........
Alaaao----
Baio..........
Kusso.........
Sodado .......
AlazSo........
Pernambuco

56 kiis.
M .
54
54
56
56
Verde e branco.....
Branoo e azul ...
Grenat...........
Encarnado........
Verde ............
Verde e amarello...
A. F.
VI. C. de Albuquerque1.
I. F. B. T.
O. D.
Albino Santal.
Antonio Barbosa.
OBSERVAgOES
Pede-se aos Srs. proprietarios Jos animaes inscriptos no primairo pareo o especial favor de lel-os
no eiisilhamento s 10 horas da manha no dia da corrida.
Os bilhetesacham-se venda nos lugares do costume, at a vespera da corrida, e no diada corrida
em mao dos conductores dos bonds e no Prado
Os Srs. proprietarios dos cavallos inscriptos podem procurar os seus cart5es de ingresso e de seus
criados e jokeys, no Prado, at s 6 horas da tarde do dia 2.
S serao receidos os forfaits at o dia s 6 horas da tarde.
Recife,
30 de Maio de 1888.
O GEREHTE,
Marcolino Rodrigues da Costa Jnior.
PROJEGTO DE INSCRIPGAO
Para a 19," corrida que se realizar
Domingo, 10 de Junlio de 1888
1. pareo Consolaclo800 metros. Animas da provincia que ainda ni0
tenham ganho. Premios : 200*000 oo primeiro, 500000 ao segundo e o terceirO
livra a entrada. ... ,_ .
2. pareoPeres Campillo 1.600 metros, Animaes do parz at meio san-
gue. Premios: 400*000 ao primeiro, 100*000 ao segundo e o tereeiro livra *
eDtrfl \ pareo-Prado Pernambacano-1.600 metros. Animaes de qualquer paii.
Premios 500*000 ao primeiro, 1250O0 ao segando e o tereeiro livra a entrada.
4. pareo -AnimacSo -850 metros. Anioiae. da Provincia que amia nSo
tenham ganho n'eeta dietanTia. Premios 200*000 ao pnme.ro, 50*000 ao segundo
e o tereeiro livra a entrada ,
5. pareo Oaoitao J J. da Rocha-1.000 metros. Animaes de menos de
meio sangue. Premios: 3000000 ao primeiro, 750000 ao segando e o tereeiro livra
6.' pareoDr. Souza Reis-1.200 metros. Aoimaes da provincia. Premios :
2500000 ao primeiro, 6000j ao seguoJo e o terwirj livra a entrada.
OBSE'VAQES
As entradas sao de 10 por oeoto sobrero v-lor dos premios.
NenhUm pareo se realizar aero que se ius>-rava.n e corram pele menoB tora
animaes de proprietarios diferentes. ,
A insoripcao encerrr-se ha no dia 5 de Junbo, s 5 horas da tarde, no i*raao.
Recife, 30 de Maio de 1888.
O GERENTE,
M PR4D0
Estrada de ferro do Rehilo
Caxang
Trem extraordinario oa qninta-feira 31 do cor-
rente, partindo do Recife a 11.5 da manh e do
Zumby aa 11.25 da manha e 6.10 da tarde.
Thesouraria de Fa-
zenda
Deordim do Illm. Sr. inspector, faco publico
que, aehandn-ae desde heje em concurrencia a
ven'da de 148 aaecoa contendo 13,000 cocos da
prodnecao da liba de Fernando, os quaia se acham
depositados em um armairm d Compsnhia Per-
nambucaoa, receber se bao propost.s nesta the-
eouraria, em ctrtaa fech das, at o dia 2 de Ju-
nbo prximo, em caja sesean da jnnta ser reali-
asda a dita venda a mem maior preco cfTerecer.
Tnesonrsria de Faaenda de Pernambuco, 29 de
Mario de 1S88.O secretario,
Dr. Antonio Jos do Sant Anna.
Afandega de Pernaibuco
O Exm. Sr. Dr. inspector, em face do art 169
ua ce isolidacao da leis aa alfandegaa e mesas
e rendas, determina a toioa os senhores despa-
chantes e caixeiri's-despMi-bantes, que no praso
impr>rog-.vel de 15 das a-jam reformadss as suas
fianea, s^b pena, se o njofirerem, de serem efi
minados do r.-apectivo qaadro
Tercena a celo da Aif^ndega de Pernambuco,
29 de Maude '888. O chefe,
Domingos Jo*quim da Fonaeca.
S. K J.
sociedade Recreativa Jaento.de
Sarao bimejt-al < m 10 de Jonho
Onvites para este aaro, todos ns dias n* **
cretaria de;- sueti dde ; ingresaos em mao d"
th. sonrviro. H4 aao admisaiv ia aggrfa*a,i'.
8-cr*Ur.a da Sociedade Recreativa Juventuae,
22 de M.io de 1888. O II fff'^.t,

Manoe! Joaqun. Bapti.to.


Diario de Pernambuco---ftointa-feira 31 de Maio de 1888
Companhia de
Edificado
das accoes de
Pa
Aoa 8ri. accionistas pomui
uno. abaixo declaradas, communieo ni ter-
ninou baje o segundo praso para o recolfomento
da ultima prestado, e que lhesfica marcado novo
raso de 30 das que terminar a 9-de Juoho vin-
Souro pura o recolbimento da alludida prestacao
mediante o Juro de 20 por cento, conforme deter
mina o artigo 8o dea estatutoe.
1.78S a 1.795-1.861 a 1.865-1.796 a 1.805-
1.186 a 1.1951.856 al .860.
Recito, 9 de Maio de 1888.
Ricardo de Meneaos,
Gerente-
Sutil Mi Pintora ColoEisa
Sin ____________
lid
De ordem do Exm. Sr. visconde da Silva Loyo,
preaidente da commiaaio promotora da colonisavo
desta provincia, convida a todaa aquellas peasoas
qne ae inscreveram como socios desta sociedade,
o favor de comparecerem no dia 1 de junho pr-
ximo, i 1 J>ora da tarde, no palacio da presiden-
cia, afim de pprovar-se o respectivo estatutos.
Recifu, 25 de Mb de 1888.
O secretario,
Barao da Soledade.________
Coipanhia de Beberibe
. Convida-se aos senhores accionistas virem re-
ceber o dividendo n..... do semestre terminado em
30 do mes prozimo passado, na rasao de 5*000
por aeco, ou 10 0|0, cojo pagamento ser faito
diariamente, daa 11 horas da manba s 2 da tar-
de, at fim do correte mea, e ao depois aos
sabbados somente, porm aa mesmas horas.
Recife, 14 de Maio de 1888.
Joe Eustaquio Ferreira Jaeobina.
Director secretario.
Companhia Santa Thereza
Emprezariadoabastaoimento de luz e agua
da cidade da Olinda
13 DIVIDENDO
De ordem da directora communico aos Sra. ac-
cionistas, que o Sr. tbeeooreiro, commendador
Fr-ncisco Ribeiro Pinto Guimares, pagar em
aeu eacriptorio ra do Barao doTriumpho, o 17
dividendo da compaBbia, que teito araio de
60/0 ao anno, que para iaao ser abi encontrado
tcdoa os das uteis, das 12 horas da manh as 3
da tarde.
Escriptorio do gerente, 11 de Maio de 1888.
O gereate,
Antonio Pereirg Simoes.
Rccebedoria Provin-
cial
O administrador da Rccebedoria Provincial, na
forma do regulamento de 28 de Maio do anno pas-
eado tas publico, para conhecimento dos respecti-
vos contribuintee, que durante trinta dias ueis,
contados do 1- de Junho prozimo, sero arree ida
dos per esta repartoslo, livres de multa, os impoa -
tos abaixo mencionados, decretados pela le n.
1884 e relativo ae 1- semestre do exercicio de
Recebt doria Provincial de Pernambuco, 24 de
Maio de 1888.O administrador,
Francisco A de Car val bo Moura.
Impostas a que se refe-e o t di tal aupra
Decima urbana.
25 0(0 sobre a renla dos bens de raiz perten-
centes corporales de ma morta.
20 0(0 sobre o valor locativo dos predios onde
ae exercerem nesta cidade quaeaquer industrias
oo profissdes.
10 0|0 sobre as casas de commercio, industrias
ou prosf oes fra di cidade ou em seus arrabal-
des.
12 0)0 sobre eacriptorio de advogado, solicita-
dor, cartorio e consultorio medico.
200*000 por pessoa que empregar capitaes em
descont de letras.
1:000*000 por casa de'garaatia de bi'.hetes de
loteras.
2*500 por tonelada de alvarenga ou canoa.
80 rs. por litro de agurdente ou alcool, quer
puro, quer transformado em licor, que fer retalha-
do em qualquer parte da provincia.
5*, 10* e 20* por estaboleclmento commercial
ou industrial do imposto spplieado companhia
de bombeiroa.
3 0(0 multiplicados por 10 sobre estabelecimen-
tos commerciaes a retalbo.
decretarla da instraec&o
Mica
PRAZO-60 DUS
Contractos de cadeiras
De ordem do 8r. Dr. inspector geral da Instruc-
cio publica, e em oumprimento a determinaoao de
S. Ezc. o Sr. preaidente da provincia de 16 de
corren, se fas publico que fica marcado o praso
de 60 diaa a contar desta data, a quem uteresaar
possa para contactar as cadeiras de Belm, em
Granito, e mizta da Barra de Jangada, devendo
as pretendentes apresentarem suss peticoas ins-
truidas na forma das instruccoea de 24 de Maio do
anno paasado cerno abaizo se declara.
Art. 3. Consideram-se habilitada para o coa-
I Os titulados pela Escola Normal Oficiare
pela. Sociedade; Propagadora da Instrucco Pu
blicc. ., .
II. Os que, mediante exame de capacidade re
to nos termos das dispoaieoes vigentes, tiverem ob-
tido diploma de babilitacao.
III. Os que provarem baver exercido o magis-
terio publico com reconbecida habilitaco
IV. Os qae provarem exercer ou ter ezercido o
magisterio particular as mesmas condicoes.
V. Os que, n5o se achando as condicoes men-
cionadas nos ns. I a IV, tiverem, todava, notoria
aptidao para o magisterio.
Art 4.' Os individuos mencionados no artigo
antecedente terao preferencia na ordem em que se
acham enumerados para as cadeiras que requere
rem, por modo que smente se admittiro os da
segunda classe, quando nao houver pretendentes
da primeira e aasim por diante.
8 l.o Em igualdade de condicoes qnanto ao ti-
tulo ou diploma, preferir o candidato que i tiver
ezercido o magisterio. 4
2.* Em igualdade de condicoes, quanto ao ex
ercicio do magisterio, preferir o que tiver antes
servido por outro meio qua nao seja o contracto
ou por interinidade.
3.' Em igualdade de condicois quanto ao meio
anterior de pro vi ment, preferir o candidato, que
tiver mas lempo de servico.
Art. 5. Quanto aoa que foram contractadoi em
virtude da lei de 8 de Juoho de 1874 e do regula
ment de 7 de Abril de 1879, fica-Ibes mantida a
preferencia estatuida pela lei n. 1,766, art. 9, se-
gunda parte.
Art. 6. Os que pretenderem o provimento por
contracto, devero, dentro do praso de que trata o
art 2 requerel-o ao inspector geral da Instrucco
Publica, exhibindo certido de idade, folha corri-
da e attestados de moralidade.
SSo dispensados de apresentar f Iba corrida os
que ixhibirem attestados du procedimento civil e
moral, paasados pelas Cmaras Muuicipaes, auto-
ridades judiciarias e policiaes das localidades em
que houveiem residido nos dous ltimos anuos; os
que, se achando no exercicio de emprego publico,
ezhibirem attestados do respectivo chefe ; e aa
educandas do Collegio de Orphs e Casa de Ex
postos.
1." Os.que requererera as condicois do art.
3. d. III, se tiverem exercido o magisterio a tjtu
lo interino, devero provar baverem, assim, ensi-
nado por mais de tres annos, com proveito para os
alumnos.
O meio desta prova consiste na exhibicSo do ti-
tulo de nomeacSo confirmada ou feita pela inspec
tor geral; de certido do exercicio, extrahida dos
assentamentos da Secretaria da Instrueeao Publi
ca e de attestado do delegado Iliterario quanto ao
aproveitamento dos alumnos.
2.* Qaando os pretendentes forem ou tiverem
sido professores de ensino particular (art. 3
n.- IV) devero faser prova por meio de certido
extrahida dos assentamentos e mappas constantes
da Secretaria da Iustrucco Publica, de torera en
einado aa materias de instrucco primaria por
mais cinco annos, e attestado do delegado littcra-
rio e dos paes dos aluu.no), quanto ao aproveita-
mento do enaino.
Art 7. A petico para o contracto deve canter
a declaracao e fiaco, idade, estado e profiaso
anterior do requerente e escripia pelo proprio pu
nho deste, sendo a letra e firmt reconhecidas por
official publico.
O contracto s poder ser assignado por procu-
rador, si fr provada a impossibilidade do compa-
recimiento pessoal do contractante.
Secretaria da Instrucco Publica, 24 de Maio de
1883.
, O secretario,
Pergentino Saraiva de Araujo GalvCo
Hospital jPortngaex de
Beneficencia
ASSEMBLEA GERAL
De ordem do Illm. Sr. provedor, convido os se-
nhores socios a reuoirem-se em assembla geral
na sede sooul, no domingo 3 de Junho, ia 11 ho-
ras da manh, afim de toma rem conhecimento do
relatorio da junta administrativa de 1887, leitura
do parecer da commisso de exame de con tas, elei-
co de mentaros dt junta de 1888 que recusaram
o seu cargo e posse dita nota.
Secretaria do Hospital Portugus de Beneficen-
cia em Pernambuco, 29 de Maio de 1888.
Feliciano de A adrede Gomes,
1- secretario.
Thesonraria de Fazenda
De ordem do Illm. Sr. inspector, faoo publico
que at o dia 7 de Juoho prximo vindouro, s 11
boras da manh, receber-se-bo propostas em
cartas fechadas, que sero abertaa na sesso da
junta desta thesouraria, nesse mesmo dia, afim de
contractar se a exeeuco da base sobre que deve
repousar o guindaste a vapor que tem de ser as-
sentado na altandega.
Os propooentes podrro se dirigir secretaria
desta thesouraria, afim de, previameate, examina-
ren a respectiva planta e consulterem o orcamen-
to confeccionado pela rep&rtico das obras publi-
cas geraea.
Thesouraria de Fasenda de Pernamuco, 28 de
Maio de 1888.O secretario,
De. Antonia Jos de Sant'Anno.
Bslsa eoui ucreiul
POTAJES OFFFC1AK8 DA JUNTA DOS COE-
RECTOKES
Reot/e, 30 de Maio de 1883
Accoes da companhia do Beberibe, do valor de
100* a 160*000 cada urna.
Cambio sobre o Rio Grande do Sul, 90 d|V. com
1 3(4 OA) de descanto.
Cambio sobre Porto-Alegre, 90 div. com 1 3|4 O/o
de descont.
Cambio sobre Pelotas, 90 d[v. com 1 3(4 OjO de
descont.
Cambio sobre faris vista 395 rs. o franco, do
banco, hontem.
Ka hora da bolsa
Venderam-se :
7 accoes da Companhia do Beberibe.
26 ditas dem.
37 ditas dem.
o presidente,
Augusto Pinto de Lemos.
O aecretario,
Pedro Jas Pinte.
Movitueato bancaro
BBOIVB, 30 OB MAIO DB 1888
PfiAQA DO RECIPE
Os bauios abriram anda hoja com a taza cffi
cial de 2\ d. sobre Landres, saccando, porm, a
24 1/8.
Nada consten em papel particular.
PRAQA DO RIO DE JANEIRO
Manteve-se a mesma taxa de hontem, 24 1/4 d.
As tabellas expestas aqu foram estas :
Do Lobdoii Basa :
Santa casa de misericordia do
Recife
Na secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, arren a se p r espaeo de um tres annos
a casa n. 8 Passagem da Magdalena.
vtascavado purgado 1*40J a 1*500
< bruto.... 1*160 a 1*200
tame ... *800 a 1*000
NotaNao ha cotaco para os assucarea baixos
a hmidos.
CoIhc&o de algod&o
BU 30 DB MAIO DB 1888
Nao houve tranaaccoea, cotando-se nominal de
1* sorte do sert&o a 6*6'J0.
Entradas de assuear e algodao
MES DB MAIO
ASSCAR
Entradas
EMPREZA DO (iAZ
Pede-se aos Senho-
res consummidores ^ue
queiram (azer qualquer
comunicacao ou recla-
maco, seja esta eita no
escriplorio desta empre-
za na do mperador n
i9, oude tambemsere-,1^
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrad jr.es
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando or pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
fias Car.valho.
Todos os recibos
desta empieza devero
ser passado em taloes
carimbados e firmados
pelo gerente sem o que
nao tero valor alg-u.a.
George Windsor,
Gerente
Companhia de Edificado
Assembla geral extraordinaria
De ordem da directora e parque por falta de
sufficiente numero de accionistas nao realisou-se
hontem a assembla geral extraordinaria convo-
cada para o dia 23 do corrente mes, de novo a
convoco para o dia 7 de Junho prximo futuro
devendo esta segunda reunio effectuar-se na
hora e no local e para os meamos fias j annun-
ciados.
Outrosim, chamo a attenco dos 8ri. accionistas
para o g 4 do art. 15 da lei n. 8150, de 4 de No-
vembro de 1882, que rege as sociedades anonyaas,
o qual determina que no caso de tratar se de
augmento do capital s pode a assembla ser vali-
damente constituida se acharem-se representados
n'ella, pelo menos dous tercos do capital social.
Recife, 24 de Maio de 1888.
_________________Ricardo Menetes, Gerente.
BANGO INTEIACIOM
DO
BRASIL
Cap al 0,000:0004
dem reallsado l,ooo:ooo
A caixa filial d'esto Banco funeciona ra do
CorLmercio n. 40, sacca, vista ou a praso, con-
tra os seguintes correspondentes no eetrangeir :
! Banco Inicrnaclonal
do Brasil,
London oSce
lsoi ft Coaaly
( Banking Company 1..'*
PABIS.........(Broqae deParlsdde^
Ramburgo..
Berlim..........'
Bremente........I
Crankfurt s/ Main i
Antuerpia.......,
liorna......
geno va. ...
aples.........'
Vlilo e mais 340 i
cidades de .Ita '
lia........
Vladrid......
Barcelona ...
Cadis.......
Malaga. ...
Tarragons. .
Valenci e outraej
cidade; -a Hes-'
panba t iihas'
Canarias
Companhia de Seguros
i&tUMt &t Stjsijft*'
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 1-Hua do Besa Jeu-V 9
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos segnros a nica companhia neata
praca que concede aos Srs. segurados isempco de
pagamento de premio em cada stimo anno, o que
equivale ao descont annual de cerca de 15 por
cento em favor dos segurados.
IXDEMNISADORA
ftmpttt le
' ( Pays-Bas.
Deutsche Bank.
Baaquo d'Anvers
Banca Genrale e suae
eger-cUs.
Banco Hypctecario de
Espaa c tUr.s sgrn-
eiaa.
-t
Banco de Paxtog
suas ugeac'aa.
Ri
e mais ci
dadea de Por-a
tugal e ilhas... J
Buenos- Ayres... .)
Montevideo......
Nova York......
Compra saques obre qualquer
rio e do estrangero.
Recebe dnheiio em conta corrente de movi
ment com jurosra lazo de 2% ao anno e por le
ras a prazo a oros esnvencionudos.
O gereatoWilliam M. Webeits
English Bank of the
ver Plato, Li nited.
G. Amsink & C.
pratf-i do impe
martimos e terrestres
Eslabelecida era 1885
CAPITAL 1,000:
SINISTROS PAGOS
At SI de Dexerabr* de f 884
Martimos..... I,M0:000S000
Terrestres..... 316:0001000
44Ra do Coumercio 4 i
Cumpanijia te Seguro*
CQXTTR SOSa
NOBTHEBN
de Londres e Aberdeea
Posicao financeira (Dezembro de 1885)
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accuraulados 3.134,343
Recelta annual:
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vi^aa 101,000
De juros j2(000
O AUSTfc
* John H. Boxweli.
i&rcacaa...... i
Animaes ..... 1
Via-ferrea de Caruar 1
7ia-ferrea de 8. Francijco 1
Via-ferrea de Limoeiro 1
Dias
4 28
30
3l
24
26
endrea .
Psxis. .
(Ulia. .
flamburg:
Pertigal
Sew-Yk
SOdJv
24
395
OO iKIBttHAOlOBAJ. I
Loadree. .
Pars. ...
Italia.....
Hamburgo .
Uaboa e Porto .
Principaes cidades
gal.....
Sew-York ,
491
221
SOdJv
34
395
de Porto-
"Oc Eiousb Bau :
Loriaren.......
Pmns. .....
ttalia. .......
flamburgo ......
Lisboa e Porto.....
Pri&cipues Cidades de Portu-
gal........
Qaa do Acores ....
Oka da Madeira ....
Hew-Yjrk .....
491
321
90 div
24
39o
491
221
vista
23 3/4
398
398
495
2^3
2*100
viita
23 3/4
398
398
495
223
328
2/100
vista
23 3/4
398
898
495
223
228
231
228
2/100
Cotacao de sanear
BM 30 OB MAIO DB 1888
A Aisowaco Commtrowl Agrcola, r*strau os
amos abaixo, pagos ao agricultor, por 15 kilos :
Turbina pulverisado. 2*000 a 24100
Bmbco 8.* superior 2*200 a 2*400
3.a boa ... 2*000 a 2*200
8. regalar 1*600 a 1*900
taeooi
1*500 a 1*600
Somms.
AI.GODO
Entradas Dias
tarcacas......1 4 28
Vapores......1 30
Animaes......1 30
Via-ferrea de Caruar 1 4 30
Via-tenea de S. Francisco 1 4 21
Via-ferrea de Limoeiro 1 26
Sommu. .
Sacc-as
22.659
1.672
4.674
44 263
1.481
74.749
Saccas
3.071
883
7.636
810
2.102
3.056
17.558
Vapor despachado
Vap. nac. Alagoas, para :
Ceari : 30 fardos de zarque e 3 caizas com cal
cado nacional.
Maranbo : 20 fdoe de zarque.
Para: 805/2 barricas, 25/3, 810/1 c 3S engra-
dados com assuear brancj, 1.000 calzas com sa-
bo, 1J saccas com farinha de mandioca, 55 pi-
pas e 200 harria de 5 com agurdente, 3 caizas
com doce e 1 csiza com calcada nacional.
M i' ios : 35/2 barricas e 25/4 com assuear bran-
co, 115 barris de 5o cem agurdenle, 4 caizas com
doce e 4 barricas com bolacha.
Carreg. diversos.
Va vio despachado
Lg. ing. Orinoco, pira :
Ncw-Yjtk: 7.200 saceos com assuear masca-
vado.
Carreg. Loy> & Filho.
Pauta da Altandega
SBJfAHA DB 28 DB MAIO A 2 DE JVNRO 03 1888
(Vide o D.ario,e 27 de'Miio
Navios a carga
Barca ncruegoensc Carie Rlanch, pira Bltico.
Pntaehj portugus Eli/ia, para Lisboa.
Patacho nacional D. Zalmira, para Porto Alegre.
Vapor ingles Fiaxnan, para Liverpool.
Navios A descarga
Barca nacional Mariaumnha, zarque.
Barca norueguense Strauts, carvo.
Barca norueguense J. B. D., carvo.
Brigue dinamarqus Anne Marie, zarque.
Escuna nacional Carolina, zarque.
Escuna norueguense Sverdrup, zarque.
Lugar n rueguensc Harald, gorduras.
Patacho naeionai Pelotens^, zarque.
Patacho hollindez Margarethe, zarque.
'..tacho norueguense Cera, zarque.
Patacho dinamarqus Thor, zarque.
Patacho allemo Pollaz, faeello.
InportacSo
Vapor amerieano Advance, entrado de New York
e encala em 29 do corrente e coasignado'a Henry
Forster k C, manifestou :
Amostras 2 relames a d versos.
Bren 25 barricas a Joaquim Ferreira de Car va-
Iho & C 20 a Viaaoa Castra & C.
Bombas 2 caizes a Miranda e Souza.
litnba 25 birria a Guimares Rocha & C, 50 a
Cjsta & Medeir js, 50 a Domingos Crus & C 50 a
Fernandes da Costa & C, 50 a Paiva Valeote &
C, 25 a Carlas Alves Bulbos, 50 a Joo Feraan-
I des de Almeida, 25 a Araujo Castro 4 G 25 a S.
' Marques & C, 20 a Autonh Jas Soares ce C, 54
aos consignatarios, 12 caizis a Guedes de Araujo
ft Filbo.
Calcado 1 caza a Mansel de B. Cavalcante.
Charutos 1 caixa aos consignatarios.
Candieiros 8 volumes a Vianna Castro & C 7
a W. Halliday & C.
Ditos e pertences 22 volumes a Bernsrdmo D
Campos e C.
Cutlaria 5 cairas 4 ordem.
Cerveja 6 barricas a Domingos Alves Mathcus.
Drogas 26 vuluioes 4 ordem, 5 a Faria S-brii-ho
& C-, 101 a Francisco Mainel da Silva & C.
Electro pate 1 caiza a Augusto Rugo s C
Fumo 2 caizis a Miranda 4 Sousa.
Fogos da China 15 amarrados a Costa Lima
&C.
Ferragens 1 volume a Companhia Peraambucs-
na, l a Albino Silva 4 C, 5 s Ferreira Gaima
raes 4c C.
Farinha de trigo 985 barricas a. rios, 500 a Lopes Irmos & C 75 a Souza Basto
Amorim & C-
Dta de centeio 20 saceos a II. Nuesoh 4 C.
Graza 2 volumes a Gcncal .es Rosa & Fernn
des, 1 a A. Raphael & C-, 1 a Antonio J. Soares
& C.
Kerosene 100 caizas a Paiva Valente & G-, 50
a Francisca Manee! da Silva & C.
Mercadorias diversas 1 volume a Guimares
Cerdoso & C, 6 a Ferroira &. Irmo. 2 a Miranda
4 Sansa, 2 a J. Krause A C, 6 a Francisco Ma-
noel da Silva 4 C, 1 a Conrado Wachsmao, 6 4
ordem, 3 a Silva Fernandes 4 C, la Luis Anto-
nio Sequeira, 3 aoa consignatarios, 1 a Vianna
Castro & C,
Machinas
Ferreira Guimares & C.
Maizeua 49 caizas a Esnaty Rodrigues de C,
100 a Joo Fernandes de Almeida, 50 a Paiva
Valente 4 C, 50 a Augusto Figueiredo & C, 50
a Araujo Castro 4 C 50 a Joaquim Ferreira de
Carvalho 4 C, 60 Goncalres Rosa de Fernan-
des, 20 a Costa 4 Me leiros, 50 a Guedes de Arau-
jo 4 Filho.
Pas do ferro 8 feizes a Miran la & Souza,
Papel 1 caiza a Conrado Wachsmin.
Perfumara 12 caizas a Prente Vianna & G.,
12 a Antonio Duarte Carneiro Vianna.
Sabo medicinal 5 caizas a Guimares Cardse
AC.
Tinta 25 barricas a Antonio Duaite Carneiro
Vianna.
Toucmho 15 barris a Costa 4 'Mederos, 10 a
Araujo Castro 4 C, 10 a Joaquim Folippe *
Aguiar, 15 a Silva Marques & G 15 a Antonio
Joe Soares A C, 30 a Joaquim Ferreira de Car-
valho 4 C, 12 a Guedes de Araujo k Filho.
Tecidos diversos 6 volumes 4 ordem, 5 a Ma-
chado & Pereira, 7 a Luiz Antonio Sequeira 3 a
Narciso M.ia 4 C.
Velocpedos 1 caizo a Conrado VY'echsm&n.
Vidros 46 volumes a Ferreira Guimares, 9 a
Joe Aranjo Viga ac C. t a Deodato Tomes
4C.
Vinbo 20 barris a Ferreira Gnimares 4 C
Hiato nacional Apody, entrado de Mos-
sor, em igual data e consignado a Anto-
nio da Silva Ca upos manifestou :
Sal 280 elquaires ordem.
Hiate nacional D. Julia, entrado de Ma-
co, em igual data e consignado a B. Loa-
GOUIIU FOGO
TIIHI & Lito k
INSURANCE caMPAur
BlaekbuM, \ecdliaia & C,
Ra do Comtnercio ti. 3_______
London & Brasilian Bank
Fogo
Seguros coitra
ESTi 1803
Edificios e mercaduras
Tainas baixas
Prompto pagamento de prejuizos
CAPITAL
Rs. 10,OO:OOtdO8
as tima
aaenrna <
N. o-RA DO COMMElCIO-N.
i BIT3M0;
' Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre r.s c-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Oapellistas n. 75. No
Porto, ra dos Ioglezes.
MARTIMOS COSTRi FOGO
t'onipanhis Phcalx Per-
nambucana
RUADOCUMHERa X. 26, 1 ANDAR
12 a Arthur & Desiderio.
para descarofsr algouo 0 caizas a
rerio, manifestou
Sal 51:200 litros ordem.
Vapor nacional Jacuhypz, entrado dos
portos do sul, em 30 do corrente e consig-
nado a Companhia Pernambucanx, mani-
festou :
Arroz de casca 700 sancos ordem.
Coaros seceos salgados, 226 a Silva
Guimares & C. 120 orJetn.
Ferrsgens e miulezas a Joaquim da
Silva Carneiro.
La de caona 25 saceos a II Nuescb & C.
Mdho 1:800 sacos a Job de S LeitSo
300 a Ferreira Rodrigues & C.
Pelles de cabr.i 53 f>rdos ordem, 48
a H. Luodgren & C.
Panno de algodj 20 fardos a Luiz An-
tonio Sequeira, 5 a Ferrara & Irmo.
Pedras de amolLr 200 ordom, 100 a
Ferreira Guimares & 100 a Preir-
Carneiro & C.
Sulla 731 uieios a H. Nuescb & C,
30 ardeu-.
Tamaccos 2 fardos a Maii & Rezende,
10 ordem.
Exprtai9
Bucira, 23 ou maio va 1S83
tara o exzertor
__ No vapor ingles Author, carregaram :
Pura Liverpool, J. Pater 4 G. '201 saccas com
12,060 kilos de algodo.
i-ara o interior
__ Novsporamaic*no Advance, carregaram:
Para Babia, J. C de Mateos & C 40 saOCOS eom
2,400 kilos de cera de carna'oa.
__ Ho vapor nacional Alagoas, carregaram:
Para Par4, M. Borges 4 G. 3 volomes com 180
kilos de assuear refiuado ; H. Olivetra 100 saceos
com farinha de m ndices. -
Na bircaca Triumphanle, carregaram :
Para Natal, Oliveira & C. 3 barricas eom 180
kilos de tssuca refinado.
No hiate nacional Neptuno, carregaram :
P.ra MotB.'i, J. N. da Silva 1 oarriea com 60
kilos de assuear mascavado ; M&rtins, Vi.zas 4
C. 2 barricas com 188 kilos de assuear refinad i, 1
sacco com 75 ditos de dito branca e 62 caizas com
434 litros de gencbta.
COSMXUI IVi.AJiVCl'i.l
DE
Vavega$iio coselr.i por vapor
PORTOS DO NORT
'carahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara
city e Cear
vapor Jag-uaribe
Commandane .Mont-.-irj

Segu nc dia 5 .ie
Juib ', as 6 hor .5
da tarde. Becebe
arga at- o dia 4
ncommendas passagens e dinheiros a frete at
As 3 horas da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Cjospankia Per>-tambuca.lna
n. 12
Unied SUfes i Brasil I. 8. & C.
O paquete Finance
Espera-se de New-Port-News,
at o dia 13 Je Junho o qua!
sognir4 cepois da demora ne-
^eaaaria para
Baha, Hlo de Janeiro e Santo
Para carga, passagens, o eneommendas tracta-
te com os
. AGENTES
O vapor Advance
E' esperado dos portos de sol
at o dia 14 de Junho depois
da demora necessaris seguir
para
Miirantio, Para, Barbados,
Thomaz e New-York
Para carga, passagens.e-icmiiondus -odnheir}
frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry hrster k G.
i 8 RA DO COMMERCIO N. 8
1 anda
i:9MaFAMUIES OB HBHSAbB-
REES HAH1TIME
LINHA MENSAL
O paquete Congo
Commandanto Lecointre
E' esperado da Europa no dia 3
de Jnnho e seguir depois da
demora necees* ria para
Baha, Rio de Janeiro, Bcicuos
Ayres e Montevideo
Lernbra-ge aos senhores passageiros de todas
48 classes que ha lugares reservados para esta
*g ucia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se aos senhores recebedores de merca-
lorias que s su attender a recluinacoes por fal-
tas nos voluinea que forem reconhecidas na occa-
jio da descarga, nssim como devero dentro de
48 hiras a contar do dia da descarga das alvaren-
gas fi'.zciim qua'.qutr reulamaQo concernentes a
volumes que poverntura tenb.im seguido para os
portos do sul, nfim de poderse dar a tempo as
providencias necessarias.
Pa>isarga,p i fre'.c : tractc-W com o
AOENTE
Inguste Labifle
9 RA DO- COMMERCIO-9
ftOVIL MIL STEA& PACKET
crapARv
O paquete Tamar
Espera-se da Europa at o
dia 8 de Juoho, seguindo
depois da demsra do costume
para
Kahi?, Rio de Janeiro, flonte
Tldo e Bueno-Ayres
0 paquete Elbe
esperado do
aul ni dia 10 de
Junto e seguir
depois da demora
necessaria para
Vicente, iLlsboa, vlgo e Son
thampton
H.
ReducgSo de passagens
Ida Ida t volta
A Scnthatnptca 1 classe Z 28 42
A' Lisboa 1 classe i 20 30
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens, trefes, etc., tracta-se bcJS os
AGENTES
mos &C.
BOM JESS N. 3
Amorim
N. 3 RA DO
r
Pelo vap. nac
Pai4
Diuht-o
EXPEDIDO
Alsgcas, para:
7.000*000
Bevdlmentos publicas
Max DB MAJO
Ai)'andega
Senda itera!
Do dia 1 a 29
Ma de 30
Jtenda p/oviuGial
o dia 1 a 29
dem de ,30
82*880*116
823:880/116
Hecebedora pruvincisil
Do dia la 29 33:83148
dem ce 30 1:660/442
Reolfe Drainaite
De dia 1 a 29 6:270*257
dem dt 80 40*094
3j:494*9';0
6:310*351
Mercado Municipal de S.
O movunento deste Mercado no dia 29
foi o seguinte:
Entraram :
32 bois pesando 4,178 kilos sendo de Olivci-
ra Castro & C, 23 de 1*, e 9 de parti-
culares.
125 kilos de peize a 20 ris
51 cargas de farinha a 200 rii
21 ditas de frueas diveress a
30!) rs.
16 taboleiroa a 200 ris
1 ? sainos a 200 ris
!8 matutos esm legumes a 200
ris
Poram occups.dos :
?7 colnmiws a 600 ris
1 eacriptorio
22 compartiuieatos de farinha a
500 ris.
27 ditos de comida a 500 ris
83 ditos de legnmes a 400 ris
18 ditos le suinos a 7C0 ris
10 ditos e tressuraE a 600 ris
10 talhoi a 11
1 dito a 1*
A Oliveira Castre A C.:
Jos
de Maio
2*500
10*2J0
6*?00
3*2(!0
2*400
2*600
3j0
11*000
13*500
33*200
12*600
6*000
20*QtXi
1*00 J
J. B. D........... Wilaon Sons t G.
Loyalist.......... J. H. Boxweli.
Margaretb........ Baltar Oliveira & C.
N orsemann........ Companhia Telegrapbica.
Pollus............ Hermann Lundgrin & C.
Sverdrup.......... Maia & Rerende.
Strsuss........... A' ordem.
Sergipe........... A'ordem.
Scholar......_..... 8. L. Johnston.
Thor............ J. da S. Carneiro.
Victoria.......... Amorim Irmaos & C.
V. do Mootserrate.. L yo & Filbo.
Zirita............ Hermann Lundgrin & C.
O signal indica ter a embarcacSo sahide.
Vapores entrar
ME2 DE JUNS.0
Sul........... Argentina......... 2
Bul........... Arlindo............ 2
Europa....... Uagellan..........
Europa....... Congo............. 3"
Norte......... Espirito Santo..... 4
Europa....... Ville-de San Nicols 6
Sul........... Pernambuco.......
Europa...... Tomar............
54 talhc-8 a 1*
51*(XX;
195*030
5:600*200
5:i95.2.U
103.325/590
2.780/157
106:1054747
Se man total
929:985/863
Segunda seccaa da Alfandega, 30 de Maio
de 1888.
O thesoureiroFlorencio Domingues.
O chefe da seccSo Cicero B. de Mello.
Rccebedoria cersl
Do dia 1 a 29 86:650*231
dem de 30 2:047*112
36;697*3*3
S'.'ndimento dos dias 1 4 28 do cer-
rento
Foi arrecadado liquido at coja .
Precos do dia :
Carne verdd de 210 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sumos de frJ a 64 ) rk idam.
rarinha de 240 a 82) ris a cuia.
Milho do 320 a 40J ris idea
: de 640 a 1*600 ris idem.
Matad y aro Publico
Foram abatidas no Matadoaro da Cabanga 10 [
reses para o consumo do dia do hoje.
Sendo: 71 reaes perteaceates a Oliveira Cas.: o
& C, e 30 a diversos.
fcltnbaraacSe* surtas no porto
em 30 de Malo
xVACIONAES
5AVI0S CONSIOKIABIOS
Carolina.......... Amorim Irmos < C.
Oiqui4............ Companhia Pernambucana.
Ipojuca........... Companhia Pernambucana.
Juveoal..... ..... A. P. Maia.
Jaguaaibe......... Companhia Pernambacana.
Jacuhjpe......... Companhia Pernambucana
Marianninha....... Uaitar Oliveira & C.
PeLtense......... Baltar Oliveira & C.
ESTBANQE1RA8
1UVI08 COH8IONATABIOS
* Abel............ Companhia do Beberibe
Anne Marie....... Maia & Rosende.
Autbor......... Johnston Pater & C.
Carte Blanche..... Borstelmann Se C.
Crea ............ Pereira Carneiro 4 C.
D. Zulmira........ Maia & Bezende.
Elysa............. Amorim Irmaos & C.
Harald............ Pereira Carneiro & C.
macos............ J. H. Boxweli 4 C.
Iugor.....,...... H, Nuesch4C.
Sul .". ....... Elbe
Su!.....____ Vi/le de Atacei___
Norte......... Maranhdo.........
Norte......... Finance...........
Sul........... Advance.
Europa
Sul....
Sul....
Europa
Norte..
Sul....
Europa......
10
11
13
13
14
16
17
Ville de PernamOuoo
Para.............
Equaleur.......... 19
Trent............. 23
Alagoas........... 23
Nile.............. 24
Vie de Baha..... 26
Sul........... Espirito Santo.
Hamburgo .
Valparaso ..
Buenos Ayres
Sul........
Norte......
Santos e esc.
Norte.......
Bueuos Ayres
Vapores sabir
HEZ DE JU>H0
. Argentina......... 3
. Maqellan.......... 3
Cnqo............. 3
Espirito Santo..... 5
Jaguaribe......'... 5
Ville de-San-Nicols 7
Pernambuco....... 8
Tamar............ 9
Sul......... Jacuhype
S clhatnpton.
Havree esc..
Sul.....,...
Noite.-......
Sul..... ...
Sentos e ese.
Norte.......
Bordea ...
Buenos-Ayres
Sul.........
Southampto.
Santos e esc.
4 i h.
4s 12 h.
s 12 h.
s 5 h.
s 5 b.
s 2 h.
s 5 h.
4 1 b.
as 5 k.
Elbe."........... 10 s 11 h.
Ville de Macei..... 12 s 9 h.
Maranhdo........ 13 s 5 h.
Advance........... 14 s 4 h.
Finance........... 14 s 4 h.
Ville de Pernambuco. 17 a 3k.
Para............. 1S 4s 5 h.
Equateur.......... 19 s 12 h.
Trent............. 23 sl2h.
Alagoas i.......... 24 s 5 h.
Nille............. 24sllh.
ViiedeBohia..... 27 s 3 h.
Norte...... Espirito Santo..... 28 s 5 h.
novimento do porto
Navios etitrados no dia 30 ^_
Sergipe e escala5 dias, vapor nacional Jacu-
hype, d: s8 toneladas, commandante JoaquB
Jos Esteves Jnior, equipagem 32; carga va-
rios gneros; a CompanhU Pernambucana.
Himburgo59 diss, patacho dinamarqus Iugor,
de 153 toneladas, capitao H. Jenien, equip-
is, carga varios gneros; a H. Nuesch & C.
Navios sahidos no mesmo dia
We6t IadiesSarc norueguense Abel, capitao
E. Danielsen ; em lastro.
LiverpoolVapor ingles Author, commandante
J, veretb; carga varios geneos,

LbbI
^J



J
i
Diario de Pernambco^ulnta-leira 31 de Maio de 1888

I-
ff-f
B
S.S
5b!,
9-S
S s
S82
o
ET
3-
0 M
1
-2
a t
< o
i-
g"S
"
si
1
H
2
5 8
II
If
1
r
s
o
Q
s
a.
a
B
I

S'
a.
ai
c
n

00
? B
5.
s-
8
?
>
4
o.
re
5
-
o'
Q.
a>


o.
-.
3

B
"S
o
3
f
5
?
s
O-
a
5
ce
B.
s
s
s
a
a,
a
c
a


Directamente
para Euro-
pa do Rio
da PraU.
o.
a
>
o-

s
>
2
C
o
3
o.
o
o
A
S
B.
(O
s-
>
o-
'?
1
B%>
t_8
B o. ;>
_rrs
5 _>
o _, X
o." >
S'"8 ~
Sgr
^5 >
2 = s
ifl
5 ?
*
2 o
_
g.
,5*8
-2 "
B *
n
taj
P*t cho nacional Sergipe
Sabir* em poncoa dina para Aracaj, para onde
noK.. /roa tratn-se com Pereira Carneiro &
recebo carira ; trata-ae com
C, roa do Commercio o. 6, J
andar.
Rio Grande do Sul
0 lugar nacional Juvenal seguir com toda brc-
vidade para o port cima ; sobre carga, trata-ae
ra do M-rquez de Olinda n. 4.
OS w Mi te
a. A a. a n. s o. a
c a er SS IB 2 >
_ Ce
S.S
5- 5.
f
o
?=>
!'2
CHAKGEURS Ktl US
Ctompaahla Franee-a de Navega-
cao a Vapor
Linha quinaenal entre o Hpvre, Lis-
boa, Pemambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
0 nw Villa li Sai Nicols
Coiu mandante Heniy
Eapcra-sa da Europa no dia
6 di Juubo e aeguindo de-
poia da demora neceaaaria
para \
J aeiro e Santos \
Roga-se aoa Sra. imprtidares de carga pelo
vaporea deaia liuba, queiratn apresentar aa dentro
de 6 diaa a coutar do da d^ocirg das alvarengas
qua'quer re^ainncS] concera-!ut! a volumea, que
porvectura tenbam seguido para os partos do sul
afim de a" pidorem dar temp) as providencias,
necesasriaa.
Expirada o referida praio a companhia nao se
responsab'&a por ntravioa.
Para cara, paasagens, eneomm:ndas e dinhei-
ro frete trata-ae com o
AGENTE
Aligaste Labille
9 -RA D9 COMMERGIO-9
Baliia,
Vapores nacionaes
EMPREZA NORTE E SUL
Rio de Janeiro, Santos, Rio
Grande do Sul e Pelotas
0 vapor irlindo
Espera-ae bo dia
5 de JUNHO
dos partos cima
e seguir depoi-
| la demora do eos-
turne para es mea-
mos portos cima indicados.
Recebe carga, enccmmendas e pasaageiroa para
os meamos portos : a tratar coa
PEREIR.A CANEIRO & C.
N. 6.-RUA DO' COMMERCIO -N. 6
1- andar
Pacific Steam flavigalioniompany
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Magellan
E' esperado da
Europa at o dia
3 de Junbo, e se-
guir depois da
demora do costu-
me para Valparaso com escala por
Baha, Rio de Janeiro e Monte
Tldo
Para carga, paasageiros, encommendas e inhdei-
ro a frete, trata-se com os
AGENTES
Wllson Sons de V., Limited
N. 14 -RA DO COMMERCIO -N. 14
COMPANHIA
PEBNAUUCsNa
DE
PaTe&acao Costeiraoor Tapor
PORTOSDO SUL
Xacei, Fenedo Aracaj e Bahia,
0 vapor Jacuhype
Ck)mmandante Esteves
Segu no dia 9 de
Junbo as 5 horas da
-manb.
Recebe carga at o
"dia 8.
Encosamendas, paasagens e dinheiros frete at
is 3 horas da tarde do dia 9.
ESCRIPTORIO
Ao Caet'la Companhia Pvrnambucana
n. 12
Comp&ciiia Braslleira de Xave
ga^o Vapor
PORTOS DO SUL
Vapor Espirito-Santo
Commandante o i tenente Carlos An-
tonio Gomes
E' esperado dos portos do nor-
te at o dia 4 de Junho e de-
rpsia da demora indispensavel,
'seguir para os portos do sal.
em tambera carga para Santos, Santa Ca
tharina, Pelotas, Porto -Alegre e Rio Grande do
Sal, frete mdico.
As encommendas e serao recebidas na agen-
cia at 1 h ira da tardo do dia da sabida.
Para carga, passsgans, encommendas e valores
tratase na agencia
PRAA DO CORPO SANTO N- 9
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Francisco Antonio de
Almeida
' esperado dos portos do sul at
o dia 1 de Junbo, e seguir
depois da demora indispensavoL
j>ara os portos do norte at Ma-
*nos.
As eueommeodas sao recebidas na agencia at
1 hora da tarde do dia da sahida.
Para, carga, pasaagesu eneommesHJan e valores
ttucta-sena agencia
PBACA DO C50RPO 8ANTON. 9
Terca tara 5 de Juoho, deve tor lugar o le-
li-) de bous movis, cryataes e mais objoctos exis-
tentes no 1. andar do sobrado da ra do Impera-
tris n. 53^______________________________________
agente Burlamaqui
Leilo
de 3 boas casas terreas
SEXTA-FEIRA 1 DE JUNHO
A'i li hora
No armazem ra do Imperador n. 22
Enpull* do finad Sanoel de Pontea
osssea
O agente aeima, por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juis de direito da provedons, ven-
der em leiio as seguiutes casas ; '
Casa terrea n. 12 k, ra da Cadeia Nova, fro-
gu'zia de 8. Jote
dem n. 2, ra de S. Joo, fregusia do S.
Jos.
dem n. i2, ra de Frei Henrique, freguesia
de S. Jos.
Os Srs. preteodentes podem examinar as referi-
das casas. _______^^
Leilo
Em continuado
'. De globos, anglica de 10 linhts, eaixas com
papel pautado, caixas com phosphoros, varas dou-
rada para quadro, chpeos de sol, lindos jarros,
cndiriros pra gas k?r03'ne,1galbeteiras, compo-
teiras, garrafas, copos, ealicas, caixa com sortes,-l
cadeira com molas e rodas para doente, cuohetfs
cora aeo, dito com s-Ua de es'.anbo, peles de mar-
roquim, movis, Icoca para lmofo e jaotar, vinhos,
cognac e muitoi outros artigoa.
Sexta-fe?ra de Junho
A's 11 horaa
No armazem da ra Margue de Oiinda
n. 48
PORINTERVENgAu DO AGENTE
Gusmo
l eilo
sapateiro, pardo e
De ama caixa com fia p*ra
da cores com toque de avaria.
Sexta-feira 1 de Junbo
Agente Pinto
Na ra Marque de Olmda n.
62
Agente Britto
LeiluO
De urna boa armaco com todo3 oa utensilios,
pipas para depsitos e mais objeetos existentes na
mesma casa ra das Flores n. 3.
Sexta feira 1 de Juiho
A'S 10 HORAS DA TARDE
Agente Burlamaqui
Leilo
De um sobrado de 4 andares, n. 1, roa de D.
Hara de Sonsa, no Recife, e movis do finado
Jos Meud.es do Freitas.
A'j 11 horas em ponto
Sabbado 2 de Junho
Nu sobrado ra do Commercio n. 14, onde resi-
di o finado
O sg^nte acinvi, por mando e assistencia do
Exm. br. Dr. juis ce rcito da provedoris, ven
der em leilSou-n sobr-.d > do 4 andares ra D
Mara de Souza n. 1, e diversos movis, loncas e
vJros, u Jia mobili een:p!eta de Jacaranda, com
Lr/ipos de pdr-t, guarts-louca, guarda vestido
com espeifao, mesas, commoda, 1 cofre de ferro,
lou^a, vidroa e moito outros artigoa que eotarao
a vista dos Hrs. licilf.ntfp.
Agente Pestaa
Definitivo leilo
Da importante casa terrea com sotes, em terreno
proprio, sitio com arvores fructferas, excelieute
agua, jardim ao lado, com commodoa para nu-
merosa familia, muito proprio para qualquer es-
tabeleeimento, aito a Estrada do Giqui, que
vai para JaboatSo ns. 81 e 81 A, pertencente ao
inventario de D. Francisca Romana M reir da
Oosta,
Sabbado, 9 de Junho
As 12 horas em ponto
No armazem ra do Imperador n. 49
O agente Pestaa, por mandado do Exm.Sr.
Dr. juia de orphioa e ausentes, vender no dia e
hora cima mencionados a importante casa, ser-
vindo de base a oflerta de 2:0004
Na mesma occasio vender o mesmo agente
um excellente boi com urna irnpjrtante carroca de'
duss rodas.
Agente Britto
Leilo
DE
4. quarto
Um marquezao, 1 guarda vestido, l eabide, 1
marquera e 1 lavatorio.
Sala de jaotar
Um guarda-louca de amarello, 1 mesa elastisa
de 4 taboas, 3 aparadores, 4 bonitos quadros de
passarof, moldura preta, 12 cadeiras de junco, 1
felugio de parede, 2 jarros japoneses, 1 encerado
para mesa, looca, garrafas, copos, callees, decei-
ras, talherer, colberrs, paliteiro de prata e faquei-
ros, 1 salva de prats, 3 cadeiras altas para meni-
nos, 1 porta-floree de vidro e 2 jarros.
Cosinha
2 mesas de pinno e trera da cosinha e 1 bomba
de Japy.
Terra feira. 5 de Juoho
A's 11 horas
Na ra do Dr. Joaquim Nabuco n. 14
(Capnnga)
O agente Modesto* BaptisU far leilSo do que
cima se declara, autorisado pelo Sr. Augusto (ion-
calves |Fi mandes, por ter-so retirada para a Eu-
ropa sua familia.
O bond da haba de Fernandes Vieira que partir
da eitacSo a 101/2 horas dar passagem gratis
aos concorrentes ao leilo.
Leilo
De bons movis, faos crystes electro-
plates, qnadroa, jarros, nm espelho gran-
de dourado e outros muitos objeetos de
casa de familia.
TERQA FEIRA 5 DE JUNHO
Agente Pinto
No primeiro. andar do sobrado da ra da Impera-
tris n. 53
Leilo
De 1 csixs e 1 sacco com roupa de uso perten
cente ao expolio do subdito russo Henrick H^nri
Rsen. tripolaute que foi da barca norueguense
Ael isto por autorisaeso do Sr. rioo-consul da
Ruasia.
Sexta feira, 1 de Junho
A's 11 horas
agente Pinto
No armazem da Ra Mrquez de Oiinda
n. 52
Por occasio do leilo de dividas, casas movis e
mais objecios existentes no mesmo rmaseos
Leilo
das dividas da massa fallida de Caetano
Ramos & C, na importancia de
7G:820#, constantes do mandado existente
em poder do mesmo agente
No armazem da ra Mrquez de Oiinda
n. 52
MlSfelr, 1 de Junlio
A's 11 horas
O agente Pinto levar a leilo j pela segunda
ves as dividas activas da massa fallida de Caeta-
no Ramos & C, na importancia de 76:8204000,
isto por mandado do Exm. Sr. Dr. juis de direito
especial do commercio em virtude do requerimen-
to dos administradores da referida massa.
Leilo
das dividas da massa fallida de Jos Joa-
quim Pereira do Mendonga, na
importancia de 53:258(5>083.
Bem como :
Urna casa terraa em S. Beato e outra menor na
mesma villa, recebidas por 3004 do devedor Ja-
cintho do A mural.
Urna mela agua no Caminho do Ceg em Gara-
nhons no vsbr de 204000.
Sexta-jeira, 1 de Junho
A's 11 horas
O apate Pinto levar novamente a leilo por
despacho do Exm. Sr. Dr. juis de direito especial
do ccmmercro, as dividas aeima mencionadas,
bem como as casas pertencentes mesma massa.
A's 11 horas
Na ra do Mrquez de Oiinda n. 52
Leilo
De movis, lou^a e vidros
Constando de urna mobilia de Jacaranda com
tampo de pedra, ylanternas, jarros, esesrradeiras,
1 guarda vestidos, 1 cima francesa, 2 marque-
zoes, 1 toilett, lavatorio, eabide de columna, 1
mesa de jaotar, aparadores, 1 aof, 12 cadeiras de
junco, 2 consolos, louc de jaotar, dita de almoco,
garrafas, copos, clices, compoteiras, talheres e
outros muitos movis.
Sabbado 2 de Junho
No sobrado da ra Estreita do Rosario
n. 27
O agente Martins far leilo por conta de urna
familia qoe ee retira para o een'ro da provincia,
dos movis e mais objeetos cima, os quaes foram
transportados para o referido sobrado, e sero
vendidos ao correr do m rtello.
Agente Pestaa
Leilo
Das casas terreas sitas as Barreiras de Caxang,
em solo forero, ptrtencentes a Estevo Jos
Ferreira, urna dita sita na Estrada do Arraial
n. 23, pertencente a Qainiiliaao Jos de Amo
andares sito a ra
Salvador da Silva
nm e um sobiado de dous
Tuyuty n. 1, pertencente
Braga.
Sabbado, 2 de Junho
A's 11 horaa em ponto
No armazem ra do Imperador a. 49
O agente Pestaa autorisado, por mandado do
Exm. Sr. Dr. juia substituto dos feitos da fasenda,
vender em leilo os predios cima mencionados,
quem mais der para psgamento da faienda.
Um sobrado do nm andar e soto, moderas,
ra de Hortas n. 106, em solo proprio, rende
504000, com grande quintal, com porto para a
roa do Caldcreiro.
Urna caea terrea sita ra de Lomas Valenti
as n. 72, servindotde base a ultima off-rta.
Sa'jbado 'i de Junho
A's 10 1|2 horas
Ra Rangel n. 48
Leilo defitivo
Da casa terrea sita ra de D. Maria Ce-
sar n. 4, onde se acha montada urna
boa refinado, aervindo de base a oflerta
de 2:000,5000.
Sabbado, 2 dn Junho
A'S 12 HORAS EM PONTO
\o armazem ra do Impera-
dor n. 49
O agente Pestaa, autorisado por mandado e
assistencia do Exm. Sr. Dr. juia da provedoria
de residuos e capellas e a requerioento da irman-
dade de N^ssa Senhora do Rosario do Recife.
vender a quem mais der a icferida casa, que
pela sua boa localisajao chama a attcneaa des
Srs. pretendentee.
Em con'inuseSo vender o mesmo agente di-
versos movis, loucas, vidres e pianos.
Agente Pestaa
Leilo
Da armacaa envidragada e enveroisada-
existente no estabelecimento sito a estra-
da do Brejo, no Arraial, sob a guarda
do Sr. Joaquim Jos de Almeida.
SABBADO, 2 de JUNHO
A' li Hura eui puuiu
No armazem da ra do Imperador n. 49
O agente Pestaa autorisado pelo Exm. Sr'
Dr. j uii substituto dos feitos da fasenda, vender
a quem mais der a aroiaco cima mencionada,
para pagamento de castas da fasenda.
Agente Pestaa
Leilo
Da armacao de amarello envidracada, balea o
com tampo de pedra, pesos, medidas, 4 pipas ar-
queadas de ferro para deposito e seis barrs pe-
queos, existentes no estabelecimento roa Larga
do Rosario, sob a guarda de Casco & C, Suc-
cessores de Custodio de Azeveda & G.
SEGUNDAFEIRA 4 DE JUNHO
A's 11 hora
No armazem ra do Impera
dor n. 49
O agente Pestaa autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juis substituto dos feitos da fasen-
da, vender a quem mais der os objeetos cima
mencionados, para pagamento a faienda.
Leilo
De 2 casas terreas com sota ns. 153 e 155 sitas
a rna do Condejdat Boa-Vista, antiga do Camiobo
Novo, rendendo 604000 meosaes cada urna, em
cbo proprio.
Do so Tado sito a ra da Roda.n. 44,'rendendo
5004OC0 annuaes.
Terca lera, & de Julho
A's 11 horas
No armazem da ra Mrquez de Oiinda
n. 48
O agente GuemS, autorisado, far leilo dos
predios cima mencionados, podendo serem
minado pelos Srs. compradores.
exa-
De bons movis, 1 piano novo de Pleyel, es-
petaos, louja, vidros, cristaes, electro-
pate e pi\ta.
A' SABER:
Sala de visita
Um piano novo do afamado fabricante Pleyel,
cadeira e capa para o mesmo, 1 bonita mobilia d
junco preto, com 1 f, 2 comilos com pedra, 2
cadeiras de braco, 2 ditas de balance e 12 de guar-
nico, 2 ricos espelhos ovaes, deurados, 4 quadros
grandes moldura dourada, 4 ectagers, 4 jarros, 7
sanefas e 7 pares de .cortinados, 1 alcatifa, 1 ta-
pete grande e 7 pequeos, 1 quadro com um navio,
2 escarradeiras, 1 jardineira, 4 jarros com p de
madeira, 1 porta-cartSes de bronse e cristal, 2 ca-
chorros de bronse, 1 rico porta-earloes de electro-
pate e cristal, 3 jardineiras com flores artificiaos,
2 jarros grandes, 1 candieiro para kerosene, de
cristal e 2 descancadores de ps.
Gabinete
Um sof e 2 cadeiras de vime, 2 contlos de jun-
co com pedras, 4 pares de vasos de vidro para
Aires, 6 cadeiras de junco preto, 1 perta-chapas
de junco, 1 mesa quadrads, 4 quadros, 2 almufa-
das bordadas, 1 costureira, 1 mesinba, 1 estante,
1 barmonium, 1 taboa para gamo.
Quarto do gabinete
Ua marquexo, 1 commoda, 1 eabide de columna,
1 dito de parede, 1 lavatorio de amarello, 1 espe-
lho oval, 1 retrato, 1 reservado de lonca, 1 porta-
aguas servidas e 2 jtrros
l. quarto
Urna bonita cama de Jacaranda, cpula, cortina
dos e eolebo, 1 bidet com pedra, 1 eabide de pa-
rede e 1 mesinha de esma.
2.* quarto
Um guarda-vestido de amarello, l toilet de ja-
caranda, 1 commoda, 2 jarros, vasos para toilet, 1
eabide e 1 reposteiro de seda.
3.* quarto
Um mrqueao, 1 cama para menino, 1 berco, 1
eabide, 1 toilet pequeo de amarello e 1 com-
moda.
Daa faaendas, armaco e 1 cofre prova de
fogo, d* loja de fazendas da rna do Li-
vramenso n. 14, aervindo de base a of-
ferta obtida.
QUARTA-FEIRA 6 DS JUNHO
As 11 horas em ponto
Agente Pinto
Na referida loja.
Agente Stcpple
Ao commercio
Havendo os Srs. Figaeiredo & C, estabelecidos
ao largo do Paraso n. 18, transferido o sen esta
belecimento de mol hades para a ra da Florentina
n. 34, no qual adoptaram a firma de VIEIRA & C,
tasemos sciente a quem ioteressar possa que nao
somos psrtes componeates e nam to pouco nada
temos que ver com o dito estabelecimento.
Recife, 30 de Maio de 1888.
Vieira 4 Silva
Manoel Jos Vieira & C
Obras Publicas
Estindo iotransita-
veis as ras da Moda
e Amorim, pedem os
moradores a caridade
de ser concertado o
calamento.
Costureira
Na ra de S. Bom Jess das Creoulas n. 21, 3*
sndar, se efl' rece nma eenbora para coser em casa
de modistas oa un casa de familia, tanto cose na
machina como corta por figurino.
Crand marche aux llambeaux
Na loja da A guia Negra, roa Bario da Via-
tona n. 11, exiate^om grande sortimento de ba-
ldes de papel para illuminaco ; e-iplendido o
sortimeoto em ccres e qualidades, c vende-as por
preco mdico.
CosiHheira lel "
Precisa se de urna boa cosinheira para cas* de
urna familia nos Aflictos ; a tratar na ra Nova
numero 13..
Pra??
Importante
De engenbos, carros, carrocas, sitio de coqueiros
burros, vaccas e firmas de f rro
ttuarta-felra de Junho
O leilo ser effectoado em frente a cmara, na
comarca de Oiinda
A'S 12 1/2 HORAS EM PONTO
O agente cima per mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juis de direito de orpbos de Oiinda,
requerimento do Dr. Jos Vicente Meira de Vas
concellos, inventariante dos bens do finado coro
Del Joo de S Cavaleante de Albuquerque, levar
a leilo os seguintes :
Urna parte no engenho Itapirema do Meio, co-
marca de Goyanna.
O engenho Tu n, a vapor moente e corrente, os
sitios Tabaro, Gaogassary, Saboeiro e parte da
propriedade Fedreira, na comarci do Pitimb, na
Parahyba.
Engenho 3. Miguel, a vapor moente e corrente,
distillaco alambique de cebre o suas trras.
Engenho Sonsa, ass mattas denominadas Pi-
tanga.
O grande sitio Acab ua praia do Goagir.
Outro dito denominado Acab, ao naacente do
referido Macei, Metade do pequeo sitio Olbo d'Agua.
Urna parte do cngenbo Tabatinga. Todos estes
eogeuhos est > situad:a na comarca de Pitimb,
na Parahyba, 250 formas de ferro, 7 carros para
conduco de cannas, 2 carrocas, 1 carro americano,
t victoria, 9 burros e diversas vaccas. .
Os Srs. pretendentcs desde jpodero examinar
os referidos engeohes e sitios.
A agente cima seguir no trem de meio dia
para Oiinda. afim do ettectuar o leilo oeste dia.
Francisca Rozalla de ovelra
(1 anniversaro)
Adalberto Bellarmino da Silva, rms, cuohado
sobrinhos e netos, convidara as pessoas de sua
amizade para aesistir a urna missa que mandam
celebrar pela alma de sua mi, sogra e av, Fran-
cisca Rosala de Oliveira, na igreja de Santa Rita
de Cassia no dia 1* de Junho, s 7 1/2 horas da
manb (1* anni versarlo); por cujo acto de cari -
dada e religi i se confeasam desde j agradecidos.
osa Mara de Jess Menilonra
Joo Francisco de Mendonca, Rita Mara de
Mendonca Figueiredo, Jos Francisco de Figuei-
redo e seos filhos, Manoel Bernardino Alves e seus
filhos, filhos, genros e netos de Rosa Maria de
Jess Mendongs, agradecer do intimo d'alma a
todos os parentes e pessoas de sua amizade que se
dignaram acompanhar ao cemiterio publico os
rstos mortaea da dita finada ; e de novo os con -
vidam paraassistir algnmas missas que mandam
celebrar pelas 7 horas da maoh do dia 2 de Ju-
nhc, na greja da Santa Crns, por cujo acto se
confessam eummament<> agradecidos.
No dia 2 de Junho prximo' futuro, depois da
audiencia do Exm. Sr. Dr. juis de direito docivel,
escrivSo Burgos, iro praca por venda as casas
ns. 32 e 32-A, ra de 8 Francisco de Paula, no
Caxang, freguezia da Vanea, avallada, a i1
por 17040C0 e a 2 po: 2004000, penhoradas por
Francisco Joo de Barros Jnior, na execuoo que
move contra Ricardo Carneiro de Vaseonoellos e
sua ntulber ; sendo que dita prsea deixou de ser
realisada no dia 21 de Abril prximo paseado, para
uando foi annunciada, e por deapacbo do referido
Ir. juis do cvel, devtr ser efiectuada no men-
cionado dia 2 de Junho prximo.
Cosinheira, criado e
criada
Precisa se de um criado, de nma ama para co-
sinha e servico domestico e que nao dorma fra ;
e de urna mocinha para fazer companhia a orna
seobcra, entendendo nm pouco de costura e aju-
dando-a no arranjo da casa ; na ra larga do Ro-
sario n. 24, 1- andar.
Sitio
Aluga-se na praca de Pedro II, 1- andar, um
excellente sitio na estrada do Encanamento,
poucos minutos da estaco de Parnameirim, com
boa casa de morada, que tem muitos commodos e
agua encanada ; a tratar com o Dr. Jos V. Mei-
ra de Vsscaocellos, das 11 horas do dia s 3 da
tarde.
Boa cosinheira
Precisase de urna boa cosinheira, preferindo-se
idosa ; na ra da Uniao n. 55, por trac do Gym-
nasio.
Mocnda
Por 2504000 vende-se urna moenda com 20 poi-
legadasde panadura, e um rodete com 8 palmos
de dimetro -, na rna larga do Rosario n- 11.
Caixeiro
Precisa-se de nm menino para caxeiro, que
tanha 12 annos e dconbecimentoa sua conducta;
a tratar na ra da Roda n. 11.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se a 1 ja da casa n. 46, rna da,Roda
com aima$o, emuito propria para fabrica de cha-
rutos eu cigarros, ou outro qualquer negocio,
amito bem localisada e j afreguesada ; a tritar
na ra do Cabug n. 16, loja. ____________
- Aluga-se o 1* andar do predio n. 88 ra
da Imperatris (esquina do Hospicio) com bons
commodos para familia, com agua e gas ; a tratar
na loja.
Aluga-se casas a 84000 no becco dos Coc-
aos, junto de S. Goncallo : a tratar na rta di
mperatrii n. 76.
Aluga-se o sobrado n. 46 ra da Roda,
com bons commodos e muito fresco ; a tratar na
rna do Cabug n. 16, loja.
Aluga-se a casa terrea ra de S. Francis-
co n. 27 ; tratar no becco das Carvalbas n. 1.
Aluga-se o 1 andar do sobrado n. 12 rna
das Larangeiras.
Precisa-se de arrendar um grande sitio que
tenba os seguintes commodos: caa de vivenda,
baixa de capim, quartos para criados, cochera,
perto da cidade : quem tiver deixe em carta fe-
chada no archi-armssem do Paulino, na ruado brar segunda-feira 4 de Junho, stimo da do paa-
foa Candido de Soma Castro
O Monta Pi Popular Pernambucano convida
aos parentes e amigos do seu finado consocio Jos
Candido de Seusa Castro, para assistirem a urna
miesa que por sua alma manda resar na igreja do
convento de S. Francisco, no dia 1* de Junho
prximo, s 8 horas da manb, trigsimo do seu
fallecimento ; desde j o mesmo Monte Pi agra-
dece a todas as pessoas que a este acto de reli
gio compareocroi.
1 secretario,
II!
A crianca felpuda!
Urna tamili ade pobres sertanejos possuindo em
seu seio urna crianca de 3 mezes de idade total-
mente felpuda, um phenomeno do seclo XIX,
pe em exposico nos das 30, 31 e 1 de Junho das
9 horas da manb ao meio dia, e das 2 da tarde s
9 horas da noite, ra de Joo do Reg andiga ra
da Florentina n. 24, junto ao Caf Pery, pela m-
dica quantia de 500 res.
Das 30, 31 e 1 de Junho
ENTRADA 500 RS.
Cosinheira
O 1-
Henrique Almeida.
teninieorlador Joo Thom da
Silva
O padre Dr. Jwsnymo Tbom da Silva, Dr.
Jos Thom da Silva (ausente), Antonio Thom
da Silva (ausente), tenente-coronel Joo Evange-
lista da Frota (ausente), Domingos Deocleciano
de Albuquerque (ausente), D. Argentina Araripe
Silva, Dr. Antonio Augusto Cardoso de Castro,
D. Maria Thom Cardoso de Castre, Dr. Manoel
de Alencar Guimares, D. Cecilia Thom de
Alencar Guimares, profundamente penalisados
pelo fallecimento de sen saudoBo pai, sogro e
av, o corcmendador Joo Thom da Sil-
va, na cidade de Sobral, provincia do Cear,
convidam seus pareates e amigos para assistirem
as missa i que por al mi do mesmo mandam cele-
Imperador n. 28 com aa ioiciaes A. Jr
PrecUa se de um socio com pequeo capital
para urna taverna j bem afreguesada e em boa
localidade nesta cidade ; quem pretender dito ne-
gocio deixe carta nesta typographia com as ini-
eiaes J. B ____________________^^^^__
Precisa-se de um cosinheira : na Ponte de
I smente, s 7 1|2 borss da manha, na matriz da
Boa-Vista, e desde j se confessam summamente
agradecidos por este acto de religio e caridade.
Ucha, sitio de Luiz
em frente a cstacao.
de Moraea Gomes Ferreira,
Precisase
casa de familia
brado.
de urna ama para cosinhar em
na ra da Imperatriz n. 10, so-
Precisa-Be de urna perfeita cosinheira e de
ama criada para servieos de urna casa de familia
na ra do Cabug n. 9.______________________
Precisa-se
na ra
de urna ama para cosinhar
do Rangel n. 3T', taverna. ________ _____
Precisa se de urna cosinheira ; na ra da
Matriz da Boa-Vista n. 9._________________
Precisa-se de urna ama para cosinhar; na
padaria da rna larga do Rosario n. 16.
Lava-se e engomma se com perfeico ; ra
Augusta n, 211.
Roga-se de novo aos senhores estudantes que
venham saldar oa seus dbitos com a casa n. 16
. ra do Imperador, para evitar a chamada pes-
oal.
Na rna do Mrquez do Herval n. 173,
cis-se de ama para casa de familia.
pre-
Compra se sement de carrapato ; na fabri-
ca de leos vegetaes. ra da Aurora n. 161.
Ama de engommado e criado;
na ma ^o Sebo n. 16.
precisa-ee
Vende-se duas casas na ra do Calabouco
ns. 19 e 21 ; a tratar no Pombal n. 11, taverna.
Arrenda-se o engenho Pertilidade na comar-
ca de Palmares, moente e corrente, com mutos
bons terrenos e proporcoes para safrejsr de 1,500
a 2,000 pies annuaes : a tratar no engenho Barra
do Dia, estaco de Agua Preta.
A abaxo sssignado, tendo de continuar a
servir ao een ox-senhor Dr. Paes Barreto, e assim
todos es cutros, vem pedir a sua filba Maria, que
sem motivo ausentou-se ha tres annos, que venha
para mmha companhia, ou diga onde est, afim
de fazer eom que volte para receber do uosso pro-
tector o mesmo qae nos fez. 15 de Maio de 1888.
_________Ensebio Paes Barreto.
Eu abaixo essignado comprei a taverna sita
rna de S Gonoale n. 27, pertencente ao Sr. Joo
Lasalvia, livre e desembaraeada ; se porm hou-
ver algum credor, queira apresentar-se no piazo
de oito das, a contar da presente data. Recife,
29deM.iodel885.
Francisco de Paula Durant,
D. Isabel Hara de onza
Pedro Cordeiro de Sonsa, Isacio Matheus de
Almeida, Prudencio de Oliveira Pinejtel, Manoel
de Medeiros Gomes (ausente), Jos de Oliveira
Pimentel (ausente), Prudencio de Oliveira Pimen-
tel Filho, Belmra Augusta de Ameida, Graciada
de Oliveira Pimentel, Belmira Augusta de Olivei-
ra Pimentel e Julia Amelia da Motta Medeiros,
filhos, genros e netos de D. Isabel Mana de Son-
sa, fallecida na cidade de Palmares, no da 26 do
corrente, profundamente gratos quelles qoe se
dignaram aoompanhar a ultima morada os seus
restos mortaes, de novo convidam para assistirem
as missas, que pelo seu repouso eterno, sero re-
sedas, no da Io de Junho prximo, pelas 7 horas
da manb, as matrizes desta cidade e da villa de
Qapap, antecipando seu agradecimento aos qui
se dignaren! comparecer a mais esse
gio e csridade,
Palmares. 28 de Maio de 1888.
acto de rli-
Hanoel H. Barbosa de Miranda
Leoolla Barbosa de Miranda, Jos Ildet.neo
Barbosa de Miranda o Maria Carmelina Barbosa
de Miranda, agradecem do intimo d auna aoj dis-
tinctoe cavallleros que so dignaram acompanhar
ao Cemiterio Publico, os restos inanimados de seu
desditoso filho e irmo Manoel H. Barbosa de Mi-
randa, e de novo os convidam bem como aos seus
prenles e amigos, psra aaeistirem a misa^ que
lo repouso eterno de su'alma >!nd8n,.r.exarnn?
matriz de Santo Antonio, pelas 8 horas da manha
do dia 2 de Junho prximo vindouro, pelo que se
confessam desde j a?radeeidos
n. Isabel naria de
Maria Amelia de Sonsa Costa, Guilherme Jorge
da Motta, Joaquim Jorge da Motta, Ju .o Gomes
(ausente) profundamente sentidos ">?
ment e sua presada mi e av convidan, as
pessoas de sua smisade para assistirem >
que por sua alma mandam rez.r s 8 horas da
manb, no convento do Carmo, no da 1'"
nho, pelo que desde j se confessam muito agra-
decidos.
Precisa-se de urna cosinheira que entenda bem
do officio, para nm engenho em Serinhem; a tra-
tar na ra do Bom Jess n. 4, escriptorio.________
Est sopprda a falta
Locao de glicenn* e violeta para eonservaco
dos cabellos. Agradavel preparaco Borel para
evitar a queda dos cabellos. Finos sabonetas de
alface para amajiar a cotia. O bem conhecido
loilo uutculailitico f.r evit, oo oDpiabnD o pan
nos. O agradabilisiimo extrato Guerlain e muitos
outros perfnmes e aguas de toilete, que receberam
e pedem a preferencia Pedro Antuncs & C., roa
Duque de Caxias h. 63.
Por 22$00O
Aluga-se a casa n. 26 ra de S. Joo, com
bons commodos, bom quintal, cacimba ; a tratar
na ra Duque de Caxias n. 85, loja.
Perdeu-se
na noite de 22 para 23, ao entrar-se para o
tbeatro Santa Isabel, urna pulseira de ouro,
sendo lisa, so mente em cima tem urna flor com
nma pequea pedra verde ; quera achon e qnizer
restituil-a dirija se rna estreita do Rosario,
casa de Pocas Mendes n. 9, que ser recompen-
sado.
A o commercio
Rento & C, proprietarioa da luja do Bom Mar-
ch, scientifieam aos seus fregueses que o Sr.
Joo Dativo Macicl Caldas, deixou nesta data
de ser seu empregado. Recife, 28 de Maio de
1888.
f%J? todaiasftorasqne ^ ^ olegam fragancia 9
FRANGIPANNI
Opoponax P sidium
Carissima -o- Coradla
Tndt-se em lodtu
ai Perfumaras
* Drogaras
5>d 8tre"
|St
S IfHl
sfffl
Ao commercio
Rodrigues de Faria & O. psrticipam ao com-
mercio e com especialidade aos seua fregoezes,
que o Sr. Manoel Jos de Azevedo deixou de ser
seu empregado, e foi substituido desde hoje pelo
8r. Custodio Jos de Aguiar, que como tal o
nico encarregado dos recebimentos dos dbitos
pertencentes referida firma^ Recite, 28 de Maio
de 1888._______________________________________
Pao tcnteio
Melle & Biso* avisam ao respeitavel publico
que todas as tercas e sextas ieirai teem este sa-
boroso pSe ; ra larga do Rosario n. 40.
Saeta Casa
Arrendase o sitio n. 1, no Parnameirim. com
casa de vivenda. O sitio extenso e muito arbo-
risado ; a tratar na secietara da Santa Casa.
Arrenda-se .':
oa secretaria da santa casa o sobrado n. 24 ra
do Imperador :
1* andar e soto 6004000
Loja 4004000
DO ENOASdo ESTOMAGO
DlOESTOBS DIFFIOKIS
Dispepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda do Appetite, Vmitos, Diarrhea,
Debilidad das Crianzas
cuan seouri a Rpida pelo
ELIXIR 6REZ
TNICO-DIGESTIVO
eom Quina, Coca t Pep****
Adoptado em todos os Hospitaes
MEDALHAS AS EXPOSlfES
kl4WS,r.UBrijre,34,et-s-P-rft-
l__a___af__n_a__


6
Otarte ite *eriianHc-qiiintS^cira 31 de Maio de 1888
,j
Agencia
Aloran-so ama*, criada o copeiroa na. roa de
Pedro Affjnio n. 37,1- andar.
Sement de empato
Compra-at> s.mente de oarrapato ; na ron do
Hoapieio n. 79.________________________________
4 qnarto, eo-
palmif de lar-
Vende seuua eaaa coa 2 aalai,
sinaa e un terreno ao lado cam 80 m
Sira, aitaada a raa do Imperador em Jaboatio,
liando acabar de limpar a frente e faier algn
melhcrameutos para tcrnal-a habitavel, o que nio
acedera de 000/000; a tratar na eaaa n. 7* da
mesaa rus.
VERMIFUGE COLME
CHOCOLATE oom SANTONINA
UTAUIYE1, un Btltrilr u .0HBU6S
bu vernuflta-n rwaanmu mm (/>
M4 sar irnbFil nmW(li iaM
Exiiir i utimtur
Paril.P" CflT-t'AAtS. rahmaka.FaAP'IUiSl.TA A1
Cosinhetra
Precisa-se de ama eoaiaheira
Tramento n. 38, 2- andar.
na raa do Li
llaga-s barato
Boa do Marques de Olinda o. 48, 3* andar.
Boa do Viaconde de Itapariea n. 43 2. andar.
Ha Viaoonde de Itapariea n. 43, armasen.
Boa da Bom Jeaua n. 47, 8.* andar,
rmta-aena raa do Coumaeroio a. &,>. 1*
ea jriptorie de Hilva Guinsarisa A C.
Aluga-se
O 9a n. 66 e o 1> de n. 18 i roa de Marcilio Diaa.
O terreo n. 27 e o 8- do n 3 roa da Penha.
A eaaa n-l traveeea da Hora.
dem 28 a ru de Nanee Machado, no Espinheiro,
cm bona cotnniodos.
A tratar na roa da Hoapieio, numero 33.
AlugU'
se
atfaeguintes caaaa : a da raa do Lima n. 30,
grande eaaa, cobo agua, gai e apparelho ; a tra-
tar na Ivtographia de J. E. Poroeli, A raa Mar-
qaea de Olinda n. 8.
Alagase
A oaea n. 10 na roa da Fundico, Santo-Amaro
da Salina; tratar na lytographia de J. E.
Pnroell, roa do Marque* de Olinda n. 8.________
Aluga-se baraU
O sobrado n. 67 roa do Bartholorneu, com bai-
tantea accommodacoca para familia ; trata-se na
roa larga do Rosario n. 34, paarntacia.__________
# rJ
Ama
Frofessora
Urna enh :ra competentemente habilitada, com
pratica de 10 annos de profissao, cfferec -se pura
cionar por casas particulares e collegios na ci-
ado cu sean arrabaldes, a segaintes materias :
orf ages, francs, italiano, geographia, piano e
abalbos de agulba, medianta eitipulac.j rssoa-
Bl ; a tratar na ruu Visconde de Govaena n. 69,
ou roa do Livramento n. 5, loja da borbeietu.
Precisa se de urna ama para eosinhar em casa
do punca familia; na ra do Vigario n. 3, segan-
do andar.
Ama
Preciaa-ae de nma ama
servicos de casa de familia
n. 3 da ra do Vigario.
para cosinbar e mais
; no 3' andar da casa
Precisa-se de urna ama
cara de pequea familia ;
n. 24, 2- andar.
para engemmar, para
na raa do Livramento,
Ama
Precisa-se de nma ama para casa de homem sol-
teiro ; na raa da Florentina n. 2.
Ama
Precisa-se de ama ama para cosinbar ; na raa
do CamarSo a. 3,-Boa Vista.
Precisa se de ama ama
de Pedro Afionio n. 9.
para cosinha ; na raa
Semcntes de carrapato
Compra se em grandes e pequeas qnantidades;
na dmgaria da Francisco M. ca Silva & C, rita
Mrquez de Olinda n. 23.
Precian-se de urna criada para eogommado liao
e ootros servicos de casa : na raa Daqae de Ca-
xiaa n. 44, Jojade fasendas.
8AMST
Na ra de 8anta Thereaa n. 20, precisa-se de
ama ama que entenOa de cosinba e obrigue- se a
dormir em casa.
rrecisn-se de ao a ama de me i a idade, que seja
boa cosinbeira, para ca srrviejs de um casal aem
filhos ; na ra Vidal de Negreiros n. 134.
Ama de leite
Precisa se de ama ama deleite; na raa larga
do Rosario n. 38.
lua e criado
Precisa-se de ama ama que seja boa cosinbeira,
e de um criado de 14 16 t.noo ; a tratar na ra
do Crespo n. 10, loja.
5
B
I
O
l
I
I

a
3 T5
o

i
- a 2.
* i
a ai o
h
OBI
B 2. o
L
5
> _
o-o
o o-
B 5-2.
2 >
<
m
ts _
ii-
O
0 PEIT0RAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
As cnfcrnnitnJcs mais do, irosas e falaes da gar-
ganta e dos ]-.ulmSei, ordinariamente deaenvolTem-
ee, tendp por principio bases pequeas, cujoa
resultados nao sao dimeis de ourar se prompta-
loeote se tralao com o remedio conveniente. Forem
o progresao pode ser engaoso e^i demora fatal.
Os Iieflfrladog e as Toase d&o reciprocamente o
resultado de Laringitis, AMliiua, liroiivhitis,
AffeocSo Pnlmeiir e a Tlsk-n.
Todas as famillai que tom criaoas derem ter
0 Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
en oua jtara o usar era cario perda de um ho da. pode cin muitos casos eccarre-
tnr seras couseqacucias. Por tanto tifio se deve
perder tempo precioso, experimentando remedios
de eficacia duvidosa, cinquanto que a enfermi-
dade se apodera do systema e se arraipi profunda-
mente, entao que se neceesita tomar neese instante,
o remedio mais certo e activo em sen effeito, e este
remedio sern duvida alguma o Pe-tora i. i>k
Ckjucja do Dk. A yes.
PRErABADO PELO
DB, J. C. AYER e CA.,
Lowell, Mass., E. 17. A.
V renda as prinoipaes pharmaciaa e drogariw,-
'Ifcenet&tiopeli Inspectora Geni
deEyglmd Imperio doBrazll.
CX3
tro
Vinlio e licor de janipabo
Na fabrica de licores ra Baro do Triumpho
(antiga do Brom) n 75, vende-ae superiores vi-
nbos e licores de janipabo por menos preco que
em outra qualquer parte. Alli encontrar-se-ba
aempre completo aortimento de licores e outras
bebidas bem preparadas, por preco o mais commo-
di possivel.
Telepbone n. 6S
Papagayo
N0V1SSIM0 LIVK0
5~araro^
SORTES
A LYKAMA FRANOEZA
0--I.ua Primeiro de Marco-9
Partioipa^aoB seus fregaezes e ao publico amante das. venturosas noites de
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. Prfljffl
e o mais ^imprtante livro de sortes, qr~
que est a sabir do prelo o mais lind
at faoje se tem pablicado, intitulado
Na tarde de 28 de Maio fogio da praca do Con-
de dEu n. SO, 3 andar, um papagaio peqorn),
maito fallador, chamando os nomes das pesseas
da casa, levava presa ao p direito unta corrente
de ferro ; quem o pegou, qnerendo restitoil o, pde
annunciar ou mandar lvalo aquella casa que
a J*% ebecen a seguoda remessa das
agua alcalina mlsserae* sje Hon-
darlB en Pontevedra, ua Ileitpa-
nlia
ESPECIALIDADES
para molestias do estomago, taes como di -pep
sia gastralgia, catharro chronico do eatjmago,
ulceras simples-
Molestias dos intestinos, taes cerno : enfarta-
mento do figado, ictericia, calculo buhares, diar-
rba ebronica, etc., etc.
Molestias das vias urinarias, taes como : dias-
teses ricas, catharro vesical, diabetes sac.nna,
albuminuria e gotta.
as anemias, cblorosis, psoriasis, prunigoa e
dore artriticas e outras umitas molestias.
As aguas alcalinas de Mondatiz DH.cem de ro
chas craniicas na ti mperatura de 180 ceuiigr..-
ces, bo oi.., luroju^c ue ebeiro parecido um
pooco aos de ovos cosidos, sab^r lcali ao, produ-
aindo nm ligeiro sabor picante na occesifio de to-
mar-se. Eiles sj classificadas no numero das
alcalinas o bi-carbonatadas de soda.
Estas aguas acbam se venda no estabekci-
mento do 8r. Antonio AfLnso SimSos, sito i ra
Visconde de Q yanna n. 1 (quatro cantos), em
Boa-Vista.
Proesso da Sanssiua Tr"
fcnens
D.'testamoa os artigos bombsticos com
que Diariamente se en<-bem os jornaes desta
capital, annunciando como eapecialidade o
que nunca paasou de mediocridade. Somos
positivos, e como taes s timbramos em
nSo engaar aos que nos dispensam a sua
amizade e auxilio.
Achbarros de receber nova remessa'do
ja afamado e especial vinbo
Maduro
O consumo extraordinario que este vinbo
tem tido faa-nos acreditar ser este o nico
que fica aubatituindo esees outros que por
abi denominara--Bairrada, Figueira, Car-
cavellos, etc., etc Duas summidades me-
dicas d'esta capital, recomroendam aos seus
amigos o uso quotidiano d'este vinbo, como
mais salutar eoonomia bumuna por nSo
ter as composico'"s de tantos outros, qua
arruinam a sbe da bumanidade, trazendo
como coDeequ ncias os borrores a urna po-
pulacho que se definha a olbos vistos.
Recebemos tEiribem o
Xarope-Zed
(Os C0DEINA T0LU)
O Xarope Sed emprega-se^ contra, as
Irrilafdts do "Pcito, Tosse dos Tsicos, Tosst
convulsa [Coqueluche), "Bronchites,ConstipafSa,
Catarrhos t Insomnios persistentes.
rAUS, 31, rae Drouot, s m raABaASUf
Sapatos prova de fre
nicos proprios para este clima e para pessoaa
deentts, pois evitam oa resfriamintcs, 1000 o
par ; na roa da Imperatria n. 80.
Cautelas do Monte de
Soccorro
Compra-ee eautelaa de qualqner joia ou brilban-
tes, paga-se bem ; na praca da Independencia n.
22, loja de reloj oeiro.
VENDAS
Carvao a 400 rs. a
barrica
Vndese por esfe resumido preco carvo de
bea qualidade ; na padaria de Mello & Biset.
rna larga do Rosario n. 40.
Venda de sitio
Vende-se ou permuta-se por predio nesta cidadi
um bom sitio osa boa casa, muitas fructeiraa
ezcellente banbo do rio, boa agua de cacimba
extenao de terreno para baixa de capim, todi
murad ona frente, cem portSo e gradeamento, con
caminho de ferro e estacao junto ao dito sitia ni
Porto da Madeira, conhecido pelo sitio da Jo&
Selleiro, junto ao Dr Ernesto de Aquino Fonae
ca ; quem pretender dirija-se praca da Inde
pendencia n 40, di>s 11 horas as K da tarde.
AtteiiQo
Vende-se cadeiras auatriacao (janeo) do acre-
ditado fabricante Tbonet, a 6fi0.)0 a duzia ; no
armazem da ra' do B..in Jess n. 49.
DAY& MARTIN
ForatcMort* i Sua Hajttfde 1 Riiihi dt Intllttrri,
oo Enrcito dt Htrinbt briUnniu.
GRAIXA BR.Lrr.HTE LIQUIDA
GRAIXA.mPASTaUNCTUOSA
OLEO para ABEEI0S
l lud o gui i necessir lo pin i mmuUntio da cosri
SM todas asfrmis.
UBPOSITO GKRAL EM LONDRES :
97, Bigh Holborn, 97
la Fnnaam: TtUtP M. Da SUVA a P*.
A' raa Bnqne de Caxlaa n. 1
linbo bordados com lis tras oa
muito larga e de lindas odres a
Requeijo
que alm de ter urna linda collecs&o de sortes cujoa assumptos sao:
1.a
2.
Se cara-dura
Se canivete-bulanca. ou caivete em
3.o Se bonito.
4. Se estimado.
5. Se fabulista.
6." O que ser no futuro.
Contera mais em a sua segunda p.irte o seguinte :
Charadas, log.igripbos, epigrammas, enigmas, anecdot
7. O que sonhar.
8. Com quem casar.
9. Sa visJ8r.
10. Se ser patriota.
11. Se tem alguma lambugem.
Se se livrar da mSo-oceulta.
12.
as, anexins, pensamentos,
Borles madrigaes, problemas, co,nbraar,53s numricas, aoagrammas, sphorismos indios
adinnhaciJes, fbulas, ,,>gos de .ociedade, canc0nettas cmicas, oontos amorosos, versos
ama importante boiarrada e outras muitas cousbb mais.
o CARADURA? D."16*% t8nd0 DB 0*Pa lind'meate Mtographada o retrato
A mesaia casa tem venda outros ioteresssntes livros d
O futuro revelado
A sybilia moderna .
A brueba do Catuc
E a faca .
sortes
600
,5500
4400
4500
Ra Io de Narco n. 6.
. .^f1* lP*n ao *speitavel publico que, tendo augmentado asa
antabewcju'cnto de JOLAS com mais nma 5c$2o, no pavimento terreo,
Mm especiuliciades em artigos de ELECTRO-PLATE, convidsm as
Axmaii. familiae e seus numerosos freguezes para visitar seu cstabele-
amento, onde enrontrarSo um riquissimo sortiraanto de joiaa de oa
prata, perolas. brilhantos e outras pedras preoiosas, e reloeios de
prata o nikel.
uro,
Os senhores irm2es de confr.%riaa e ir.'iandadcs
que tiverem de acompanbar esta importante pro-
cissSo encontrarSo sap.ios e botinas apropriadas
para fivella, e por precoa muita raaosveis ; na roa
Duque de Caxiaa n. 109. %
Fabrico de assucar
Marblnlsmo do* a! rlcanio* Dunca
Siewarl O V. He CMangow
onstruccSo da mais moderna e aperfeiooada e
de grande duracao.
Moeoda com preasao hidrulica de Stewart que
d a melbor expresso conhecida at boje.
Caldeiras cem economisador, eapecialidade de
tes fabricantes.
Fornalhaa para queituar o baguco verde em d-
reitura da moenda.
Oa apparelhoa de Vacuo e Triplo aSo de syste-
ma moderno como; ambem as turbinas ou cen-
trifugo.
Ornamentos e mais informacSea em casa de
Browns & C.
Roa do Commercio n. 5,1 aDdar
na c iTioograpoja arapr
FABRICA
De livros ue enrrlptaroco
Premiaaa naa exposic5.;s do 1882 e 1885
Mhnoel j. de Miranda
EncadernacSo, paotacSo e especialidades
em eurtor-s de visita.
39RA DUQUE DE CAXIAS39
Telepbone194
era latas, de procedencia de cngenbos cujos
propriet: rios aprichaai em bem trabalbar
n> ste artigo, afm do terem a prirnazia so-
bre tantos outros similares, cuja composi-
5S0 6 duvidosa.
Em outros artigos como :
SEMENTES DE HORTaLICA
E FLORES, LINGAS SECCAS DO
RIO GRANDE E
OBJECTOS DE VIME
para isto tao paveo temos competidor. A
nossa casa aspaciasta e is pessoas que
disto se queir. > eerttficar pdem cempa-
rec*r, couj u quo uiuil uob 10urar2o.
A par de ama infinidude de artigos de
prioeira ordem, que se acbam em exposi-
cao, accresce a amenidade do trato com
que timbrarlos tratar to os es que nos hon-
rara com sua prcaenj, junto a modicidade
de precos sem riv; 1.
Estrella do Rosarlo n. 9,
ju&ato igreja
as Mentes J0.
Vndese ou permuta-se por casas, ainda mes-
mo pequeas, em qualquer das fregaeiias desta
capital, mitadc ds sitio e casa n. 8 da Magdalena,
passand-i a ponte graud cuja eaaa tem ca seguin-
tea commodos : 2 salas, 1 g- bnete, 2 alcovas, 3
qoartos e glande cotiuh i n> pavimento temo :
soto eora 2 saldes, sendo 1 com 4 janellas de fren-
te para o rio, gabinete e quurto, e fora tem quar-
to com banheiro d'agua encaad e 2 quartos
grandes, pequeo ti rreno arboriaado, a beira do
Capibaribe, com caes, todo murado, tendo a frente
a lioha des bonde ; a tratar a qualquer hora do
da com o proprietario m Din-ita 'n. 45, so-
brado.
Sabo transparente
DE
Cleavei
HEDILDAS 1851, 1853, 1855, 1862, 1867,
1875.
o De prata, Pars, 1878
Di' ouro, L n res, le84-
Vnid oo naa principies lojas de miudesas.
Guimaries & Pe man
Agentes.
AtteiiQo
so obras seguintes, todas era bom
Serpa Piats,
O miCRBIO
Blennorrhugia
6 radicalmente aniquilado pelo emprego da
IN JECOO CADET
DEPOSITO GBBAL:
PASXB, Boulevard Denaln, 7, PABXS
Vi a Noticia que erre de embru'ho a cada
ridro da Injecfdo Ctulet.
sastitM ca Mu ti principan rharnaciai U Brtd.
Os
tigos que eoebem directamente por todos os vapw aSo
Srt^njg* auu" & especialistss e abricantta da Europa
e 0bi..rlrdredrl"r0M t '^ ^ *ch*tl0 Um &*** vaiiodade
Nem em relsok. pmeo, sssn qualidade, os objoctoa aoims
enwonados, encontrarJo cowsurrencia n'esta praca.
Ao Coelho!...
Novo estabelocitnento de fazen*
das finas e novas
B6 Raa da Imperavsrlas SO
A ^oji do Coelho acaba de franquear suas por-
fHS ao distintiBsimo pablico desta capital. Coa-
fiando na benevolencia de pnhlico, eapecialmeute
na das Exorne, familias, o Coelho, para conquistar
prot. ccao e concurrencia, nao adoptar o systema
em voga, de falsos reclsmcs. Esaa c nquista elle
espvra fasel a com elementos raaia efficases : li-
ur8 noa negocios, sortimento caprichos e vsria-
do. Em artigos de fantasa e fasndas da melbor
qualidadi', frzoCielho a sua especialidade.
Ao Coelho, pos....
Telepbone n. 489
mm
0 Anjo do Futuro
E o livro do sortes para aa noites festivas de
Santo Antonio, S. Jij e S. Pedro, mais mederno
e mais apropriad > que teta npparecido neste ge-
nero. Vende se em tjdaa as livrari.is
edictora ra BarSo da Victoria n. 7
Llvrarla Incnalrlal
e na casa
^fvuitfV
ESPECIALIDADE
I KIRSCH des VOSGESj
Exijase a m.irc Zjoh PERNJET
Cada '; i? est cima
obposito o-KjiA-z.:
: LonPERNET.em A '.llril>r.t(Fran.a) I
VniaMOHoa i Gbarlcs PLTJYM A C \
Aus sapateiros
Irm competidor
F6rmas para calcados, o ma>s lindo gosto, cera
de rubro e escalas, fita para botas, macEinas para
iMu
Aos comruf rclantes
T -mancos a 3^4 70WU0 o cento.
B no basar do Livramento n. 19
Bernardino da Costa Maia & C.
Vende-se
estado :
Como Atravessei a frica, pjr
10^000, 2 vulunies, eneadernado.
A Igreja e o Esiado, p. r Qanganelli, 4 volumes,
por 15i 00, euchdcruado.
O PasUr c a Ovi-lha, obra rara, 1 vjlume, por
10*000.
No eeeripterio etts Disrio- se dir qusm
vende.
Para o Mez Marianoo
Jarrinbos bordados a mls-
saHga?, desenhando rosas, pro-
prios para santuarios, oratorios
e decorado de thronos para o
exerclcio do Mez de Hara, a
($200, i^SOO, 2S000e 3&000,
o par, assim como vasos pro-
prios para toilette e enelte de
sala.
Um saldo de 600 pegas de bordados de
muito boa qualidade, cambraia Victoria
proprios para cosacos de senhora, vestidos
de meninas, calcas e saias, com 4 e 5 de-
dos de largura, a 10400, a pega.
dem com 4 e 5 dedos de largura, e nma
cbave, a 1)5500, a pega j todos com 3 1/2
metros garantidos.
Grande sortimento de rendas
Bieo braneo, de liuho, a 10500, 2000,
2^1500 e 30000, a peca.
dem de cores, a 20, 20500 e 30OCO,
a pega cora 10 varas cada urna.I
Pulceires, gaaruic8 s, aneis, brincos e
alfnetes para grvala, tudo.de plaque ame
ricano, garante o dour-do.
J cheghrao os espolhoscsra dura
Ka
IT MAIS BMO
Na Loja das Lite kims
naque de Caxisti
Telepone 211
Vende fa sendas finas por todo preco e da dea
cont a quem comprar de 20* para cima. Aa
Ezmas. familias nao devem comprar em otrora
loja sem primeiro verou mandar buscar asamos
tras que se do sem penhor.
Fazendas de novidade
Teciilo quadros, fazenda
800 rs.
Sellm de Macu, preto e de todas as con*
liao oa de listas a 800, 900 e 1*000.
Velludo preto de seda bordado ou com liste
de setim a 4 JOCO.
Mirtilo mfeatado preto e de todas as cores
700, 800 e 14000.
Blawnlne de core e com listas cor de crea
a 500 rs.
Eagulao pardo infestado paravestidosaMQ
e 400 rs.
Linn bordado, ama s cor 240 rs.
Velludinno preto e de todas as cores coa
contas a 1J800.
Renda hespanhola com bicco, preta on branct
pe seda.
Csssas Nansac padrdes miudinbos a 280 rs.
Crochet braneo e de cor, desenhos lindo*
para cortinados a 1JU00.
Cirlnaliiaa com ricos veos de Blood a 8V
104 e12O0.
Las de quadros, paJroes novos a 320, 360 t
400 rs.
i ru dos Alpes fazenda de listas assetiaadc
a 300 rs.
Sellnetas lavradas de lindas cores a 240 rs.
Funlao braneo a 320, 360, 400 e 500 rs. qua-
lidade superior.
Fazendas diversas
Bramante de 4 larguras a 700 e 1J0OO su-
perior qualidade.
Madapuiao americano Listas atues com i
e meio palmos de largura a 6500 com 20 rara
garantidas.
Alsodo americano muito Urge e superior
para leoces a 5500 a peca, mais estreito a 3J508
4*000.
Cbltaa e cretones oscuros, claros e miada-
nbosa 200 c 240 is.
Cassas indianas de corea a 160, 200 e 24C
res.
Liuho* lisos e de quadrinhos a 100, 120,16-.
e 200 rs.
Urina pardo para roupa de meoinos a 300 i
320 is.
Caaiueas escuras iaiitacSa do casemiras a
500 rs.
Baeta azul encornada para roupa de baaho e
700 e 800 rs.
Itn de-quadrinhos, padrSes novos, a 30^).
360 e 400 rs.
Creps de lindas cores a 500 rs.
Leucos brancos e de corea a 360, 1/200
I JocO a duzia.
Toalbas felpudas e aicoxoadas a 3J500 5J e
6*000.a duzia.
Molas de.cores, braness e croas para seo-
ras, bomens e moninca desde 2*803 at 600f
melbor qualidade.
Enrhovaes para buptisados completes s
100 12*000.
Cortinados bardados para cama ou janeHe
a 6J e 7S00.
Panno du Costa, de quadros ou listas a 1*300
o cavado.
Sioalhado lavrado, lindos desenhos a ItVX
e 1*500.
Cunr dnnapos a 2*000 a duzia.
Especialidades
Lavas de seda oa peiiea a 2*000 e 2*500.
Isleos brancos c-r de creme, n matizado*
2*000, 2*500 i 3*000 a peca com 11 metros.
Cuma lapidadas pura eofeite da vestidos prs
tas e de todae as cores a 500 e 800 rs.
Bordados, buhados e enrr<>m truntparentes a 300 rs. a peca com 3 metros.
Esiearlllnos cotraca e americanos a 8*56
4*, 5* e 6*> 00.
Oran de quintidade de cuitas em "Ctalboe qa
vende se por qualquer preco.
wia de retrates amone
Pintados a oleo com rica moldura e cordBet
por 25*000 ; estao e^pcatos alguos retratos pa'--
o publico e as Exmas. familias verem o quant-
sao lindos e baratos e fcil a qualquer pessoa tat
um em sua sala de visita.
Para encomuieudar bastante mandar
um pequeo retrato em carto de visita, nc un
porta que seja sntigo, dizendo a cor;dos olhos e :
cabello ehega um lindo retrato dse ado.
Agrnoia de artigos americaucs e carimbos d*
borracha
Na Loj'a das Listras Azues
Jos Augusto Dias
Linria, mismito o tfpoera-
Una do Imperador numero 11
Livros de Jurisprudencia, din i tora,
meia e religio, Ivros par;> primaria
;a, livros am braneo pra escriptora-
. ;mmcrciel. tinta_ para copiar e para eacrever.
da diversas cori>s, artigos para eEcriptorio e d
sos objectos deg sto e phants ;-, papis pintades
para forro de salas, quartos, restauranu,
Encaderna-ae com pr. stesa e srguraaca, mares-
te com nitidez cartoea de visita e imprime-ee com
perfeicao qualquer trubalho typographico.
P.fCos modrees -
ua do Imperador a. Y a
Florida
Ra DUQUE DE CAXIAS N. 103
T ola de impressao
Vende se superior tinta de 'rrpretsia em latas
de 1, 5 e 10 libras, ru Bario da Victoria nu-
mero 7.
VENDE-SE
a acreditada rtfiuaeao da ra Coronel Suassuna
n. 7 ; a tratar na raa eatreita do Rosario nume-
ra 17.
XAROPEdeCARACOESI
X>E IbXXTRE:
Ha mais de oincoenta anno ue ortico a medicina, {
I) jmala encontr! remedio majl eWcaz que o caracul
fcontra as irritacOes do pelto.
D" ClliTIES, ti tontpellier.
Este Xarope, de saDor excellente. de urna]
'poderosa eriicacta contra as Irritaf/fea dal
|-'i/i-; \veheltlc, Catarrho At/tuloou Cltrnico.\
Plunajcli MORE, Post-Salnt-Esprit (Frasca)
A. Oazagne, Genro e Successor.
nambuco : FRAN" M. da SILVA *: C-.
Fitas abolicionistas
TaTcrna
Vende se a taverou da ra Imperial n. 183, eom
p-ueos fundes, ptvnrM para prineistaste ; a tra-
tar na mesma ru n. 58 A, 'averna.
"VENBE-SE
a importante tsveroa da ra da Gloria n. 54 ; a
tratar com o proprietario.
Grande variedade, receberamPedrs Antones &
C, n. 63 ra Duque de Casias.
]Vo rezar quem Dio quizer
Mann-es para visea, venden Pedro Antunes t
C. a 2*100; rna D.>quc de Casias n. 63.
Oliveira Campos e fi.
Ba do Crespo n. 31
Beceboram pelo ultinoo tapar sortimento cora
ileto de capas de caarmiri, merino, g./rgurio e
da, paraaeohora, o que b.4 de mais novo, a pre-
co raaoavel; reeeberam mais seda preta e gorgu
rlo," dem por preoo baratissimo.
f 0 melhor denttricio
i
empregada oom a
Odontalina
PAST* OEKTMIA, VEROaQEIRO CAHMIM DA B0CCA
I PARS: HermelQ, 24, roa d'Englsa


1".%s? I




-
V
Diario de Pernarobncoquinto-fcira 31 de Maio de 1888
DE
o?xa:E^.EsoDPOx^xs
FRUCTASEM CALDA
DIOSO JOS BA SILVA A .
Cucas senles en Pernambuco
JOS' JQAQUIM ALVES Se C.
- 69fiUA BABSO DA YIGTORIA-69
E acba se venda nos prBcipsea "estabeleeimentos do molbados desta capital
Ver para crer
E' incontestavelmente de saperior qualidade, podendo competir com vantagena
com roercadoria idntica viuda 1o estrangeiro, e oa precios sao resumidos.
O tamanho daa latas de marmellada 1, 1/2 e 1/4 de kilo e as qualidades do
doce ero calda sSo aa seguintes :
Abacaxy Laranja
Marmelb Gj*
Pecgo Pera
Guiaba Banena
May Coco
Manga _______^___
1BRCA JMW
Esta importante fabrica lera sempre h venda:
GXG-AHHOS
PHnaveras, papel seda, fumo picado Demcratas, papel sed3, fumo drenado
Selectos i i B B Captri.1 B B B
Operas i t > a Cubanos, plha, B 1
Uuiveraats s B B Rio novo b B > B
Populares i t B B Gnyaa b B B B
Goyaz B B fumo deefiado Daniel b > B B
Daniel B 1 B Coemop; litas, papel se i a B B
Rio novo B B B Diioa, papel tabaco B B
Othomancs V ' B Ditos p'.iha B *
Euji.^8 caiKaa, -; 9, fabricados especialmente na Babia para
esta F. bi
DPXJXWXOS
Desfiados e picados, de diversaB marcae, em latas de 5 e 7 kilos.
osudas
i e ricino u-dianal, em garra.
. i ricino medicinal, em 1 t-s de 1 e 5 galSes.
DIVERSOS
p -pe. ia! e aa cbimb f, put.i.'. s e um gran'!" sortrr.ento do nrtigos para fufantes.
TYPOOEAPHA-
A na ais bem mi ni ; covincia, erm um peasoal artstico prra as c
5896 a obr 8 roais (ffio > is e por ptecoa s.m competencia, ootil gran lo nitidez e
xecu-
luxo
IflSPONIT*
49-RUA MRQUEZ Dai OLINDA49
( ANTIGA DA CADEIA )
Tclcphoae a. SOO
FIIBKIC V
79RA VISCONDE DE CAMARAGIBE 79
(ANT1CM DO HOSPICIO)
Telephonc n.
Todas as cncoramendas e corresp. ndencia devem ser dirigidas ou eo Deposito
oa a mesma Fabrica a
Roa Yscode de Caiaaragibe n. 79
*
OleodeFigadodeBacalhau
do I>r JOTJCOXJ3K
lodo-Ferruginoso de Quina e Cosca de Laranja amarga
ii mu-------------
liste medicamento fcil de tomar, nao provoca nauseas,
le de cheiro agradavel. Pela sua composicao, possue todas as
qualidades que lhe pennittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCES do PEITO
a BRONCHITE, os CATARRHOS, a TYSICA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua aeco multplice^
I segura, da economa para os doentes, os mdicos receitam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
OEPOSrro oeral =
PARS, 209, ra Saint-Derris, 209, PARS
TENDEM-SE Eli TODAS AS PRINCIPAES PIIARHACIA8 DO LMVKR-0
DESCONF
AR DAS FALSIFICAQ&ES E I M I TA C O I
FORMULA
V
ARGELINO JOS DOS SANTOS ANMtADE
A.pprovada pela Inspectora Geral
da Hjgiene Publica do Rio de Janeiro em
20deJulhode 18S7
Este depurativo de grande cfficacia as molestias sypbililicas e iropn-
iexa do sangue. Para maior garanta da eficacia desle medicamento, publicou-
te grande numero de attosUtlos de alguns Srs. mdicos residentes nesta
provincia e de muitos caralbeiraa que teem feito uso deste depurativo, em nu-
mero superior a 300; ootando-se 50 pessoas que se curarain da terrivel beribe-
ri com este poderoso depurativo.
0 uso deste Elixir muito recommendado no tratamento geral as mo-
lestias das senhorase a pro va est no bom resultado que ttem obtido aquellas
das Exm". Senhoras que del le tem usado. %
mona d xjsjk.Da
Ug adultos tomaro quatro colheres das de sopa pela manhu e quatro
Doiie. As creancas de 1 a 5 annos tomaro urna colher pla manda e outra
1 noite, e os de 5 a i i annos tomaro duas colheres pela manh e duas noite.
Devero tomar banhos, trio ou memrela manh e noite. Kesguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs. Francisco Manool da >ilva
A C, ra do Mrquez de Uliuda n. 3 e phaimacia Oriental ra Estreita do
Rosario n. 3.
fZ
Em casa de todos os Periumlstas e Cabelletreiros
da Franga e do Extrangeiro
stelo;
-Ja di (Frdr PRBfARADO COM BISULTHO
Perfumista
I>^JBISf Ba d.e la. Faiiac, 9, PASIS
0PPRES5A0 1^*%IM HEl'RaLGIftS
CiTiasae-EirLui r*y-^l^yT^
Hm Uiif.j L>C
loma uen-oao, beQlla
Asplra-se a fumaba que penetra no licito acaiina o symptoma
a expectoracad e fTorisa as nincroes dos orgaOs respiratorios.
Vm*i eta atarao etu can de J KftPtc, 11. rM *Mi^i
Capoiito aa Pernambuoo : FRANco m, ^a SILVA O^
A rcsnrretyo do cabello e a morte di caspa
PELO
PELO
ARCHI-EXTRACTO
A qa?dS alimenta o huloo o.apiar, urna molestia que pode ser completamente combatida por
meio do Archi-fi2xtrete, rescrbhicao da cabello.
Est prepirugao tem urna acgSo touioa e restauradora sobra o tecido celular
aub-ontaneo, de extr^ordinuria effieacia para a oouaervacSo do cabello, ao qual fornece
o mesmo tecido, tonificado nov >s e mais abundantes el cuentos de vida.
E nSo smente o Arehl Extracto d vigor a assim ff-uta a conservadlo
do cabello, como o rpstaura e renov qu-ndo tnrn cabido, impediuJo a atropina ae
bulbo oapillar, tal a sua efficacia em tonificar o tecido celular.
A CALVICIE
A calvicie, pois, pode s^r de boje em diante o luxo dos excntricos, que quei-
ram chamar sobre si a sttencZo publica e tornarem-8T os notave'.s do seu turepo, mas
j nao um mal sem remedio, do que se possa alguero queixar com rasao. Os cal
vos pdem final triumpkir de todas as intrigas da mocidade o perder inteiratnente
o receio de descobrirem se.
A. CASPA
OooB a appHcBco do %robI-Kits'acto, a caspa, esse mal que tauto morti-
fica e comorre directamente par., a queda do cabello, desappcrecer em pouuo das,
para nao mais vol'ar.
O bello sexo, oh I ess9 tem agora o meio fcil de obter com abundancia o mois
gracias dos s-us ornarmntos -ura:i basta a longa cabelleirapropria 1
A hereditariedade e' lo exacta como a nialhemdliea!
O mojo que ostenta urna tarta e opulenta cabelleira, cujos anneis, insultare
cruelmente a n-veia i!os faltos de challo, na^o. estar iscnto do mesmo mal, se descende
de pai calvo: qu< atiio de t napa ; tora brevemente na aelvo tambein, ver es^a tao
linda cabelleira ir deaapparecendo 1-ntaai ute, deixaudo ver o principi da calva no
^Ito da < b". i ou na sraades tuteadas dos cantos. E o que fuzor ? Usar em tempo
do Areta Extracto, parque eile o nico preserv:itiv>> da calvicie
0 modo :e usar "cmpanha o frasco
'"',o,lrt i > m aa MceZu, Fia TrUmlra li llarso i, 9
PREQODE CADAFRAS O .... 2^000 ,
//*&>
VINHO DEFRESNE
TOHI-HUTRITIVO
COM
PEPTONA
O f'inho~~de Peptona Defremne o raals prealpso dos tnicos, contem a
fibra muscular, o ferro hematlco e o plusphato de cal dl'earne de vacca, o nico
reconstltulntc natural e completo. *
Este Delicioso rinho, que desperta o appetlte, restltue as forcas ao esto-
mago e memora a dlgestao, como recoustltulnte lncomparavel. qu 6. por laso que
enuerra o elemento plstico dos msculos que suata a consumpeao. colore o
sansue dyscraslado pela anemia, previae os desvos da columna vertebral.
Guando Defresne resolveo o grande problema de digerir, fOra do crpo humano,
a carne de vacca e de a transformar, com o auxilio da Pancreatlua, em um liquido
alimenticio, a peptona, os professores da Escola de Medicina e os mdicos da
Mariona e dos Hospitaes de Pars, so apressaram em experimentar este pre-
cioso nutrltlTO nos doentes e convalesccntes e o resultado fol a adopoo ofletai
da Peotona Defresne em todos os Hospitaes Clvis e Militares. _
oriiiAo ae Peptona Defresne lmpde-se em todos os casos de affeccoes
das vas digestivas e de enfermidadosde forma deprimente, agudas ou chronicas,
como as dyspepsias, ulceras do estomago, etc., e no marasmo, chlorose. diaoete,
cachexia, tsica pulmonar, etc. Devem esal-o egualmente as pessoas de constituicio
dbil, as crlancas cuja saude posta em risco pelo cresclmento rpido, as maens
cuio vigor compromettido pelo traballio do aleltamento.
Emm o Finito de Peptona Defresne cenvem em todos os casos em fjuo
lmpresclndivel restabelecer, maater e augmentar as forcas, quer estelamos
doentes, convalescentes ou sios. .... ,_.K
OSfRMlEo prlmelropreparador do Tinhode Peptona.Culdado tomsilmiiaeoes.
A Vujo : Em todu u maU acrtdltada
__, pbamiaatMdF*BA c
^mm^ i9 Eitrangtiro. ^ r"^
RA DOCASBLE
PHOTOGfAPfflA E PINTURA
1. premias e medalha de curo na Expo
si?ao de Berm de 1886.
Medalha de prata, Expsito Univer-
sal de Anvers, 1885.
1. premio, Exposipo Artstica Indus-
trial, Rio de Janeiro, 1882.
Diploma de Progresso e Mrito em di-
versas exposicoes.
Photographias artsticas em todos os
gneros, o melh >r que se pode produzir, re-
tratos a oleo, prepos razoaveis.
Grande collecpo de molduras e varia-
do sortimento de passepar-touts.
fminii (ir
ns
PICHINCHAS!!
SJto os segu ate a atigoa por menos de 40 % de seu valor, cujos precos aJmim,
que em seguida appresentamos.
A saber:
Batistas e nanaacs, de cores firmes, a 160 e 200 rs., o covado.
Merinos lisos, urna largura, todas as cores, a 200 rs., o dito.
dem idem de duas larguras, la para, a 500 rs., o dito.
Setinetas modernas, padr5*a de phantasia, a 240, 280 e 320 rs., o dito,
Z-firos de quadriohoa, bastante largo, a 200 e 240 rs., o dito.
Bros de cores para roupa do crianc^, a 320 e 360 rs., o dito.
Brim pardo loua, superior, a 320 e 360 rs., o dito,
dem de linhu de cores, padio ovos, a 800 rs., o dito.
Casimiras diagonal, preta, a 1^800 e 2^200,. o dito.
dem de cora para costumea, a 2^500 e 28( 0, o dito,
Cheviots, auperior, preto e aaul, a 3|J000, o dito.
Penaos de edrea para mes, a 1^400 e 10700, o dito.
Atoalbados de algodSo, duas larguras, lisos e bordados, a 10200, O metro.
Bramante de algodSo de quatro larguras, a 800, 1(J000 e 1#00 o dito.
dem de lioho puro dem, a 1800, o dito.
Guardanapos de linho, a 20500, 30500 e 60000, a duza
Lencos de algodao e linho a 10800, 20000 e 3,5000, a dita.
Meias inglesas para homeos e senhoras, a 30000, 40000 e 50000.
Camisas de crotones finas, francesas, a 240000, a dusia.
dem brancas, inglesas, a 360000, a dita
Serculas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000, a dita.
Coberfas de g*nga, torradas, a 20500 e 30000, urna.
Lences de bramante para cama de casal, a 20GOO, um.
Tapetes avelludadoa, grandes, para quartos e salas, a 8#000 e 160000, na.
Cortinados ricamente bordados, a 70500, 80000 e 100000, o par.
Cambraias bordadas para bercos e camas, a SOO rs., o metro.
Fusio branco bordado, a 320 o 400 rs., o covado.
Madapolao americano, superior, a 600O> 24 jardas.
AlgodSo tr para toalhas, a 30000, 30.')OO e 40000, a peca.
Fiuhs de 12, modernos, a 20000, 20500 e 30000, um.
Enxovaes para raamenitos
Grinaldas e veos pnra as Exroas. nr,ias,a 90000 e 100000.
Damascos e setins branca, a 900, 10000 e Lg200.
Espartilhos, loques e luvas para todos rs presos.
Saias bordaoas a preg,;B sem competencia.
Toalhas de labyrintho, riqusimas, a 300000.
D psito de fazendas para os Srs. fazendeiros.
As vendas ca, grosso teem o descont da praca.
59roa Dnque de Cax'as 5
Loja de
Pereira & Magalhes
SUCCESSORES
de
sro da Gnnlia & C.
-
5
MEDICAMENTOS
*
3

as
rs
ce
os
a

5
JUHUBSBA
PREPARADOS E ESTLDADOS
POR
Barlhotomeu & C. Successores
P\R\ USO INTERNO
PREPARADOS SIMPLES
Xaropo de Inritbeba, vnho de Inrubeba, pilulas de
urubeba, extracto de f uriibeb:), tintura do lurubeba:
PREPARADOS COMPOSTOS
Vinho de Jfuruheba, com iodureto de potassio, vnho fer-
ruginoso de diis-nbeha, sarope ferruginoso de f nrubeba, pilulas
ferruginosas ie dlurubeba.
PAH\ AjSO EXTERNO


es


N U B I A N K U B I" A N N U B JaJL_W
NUBM
N O B I A N
GRAXA LIQUIDA IMPERMEAVEL\
EUPBEQA'SE BEM EBOOVAS
O ntkgnieo LUSTRO d'aatt ffrazal
conservase dorante tuna semana,
seja qual fr o tempo.
BALMORAL GLOSS Gomma Imims elstica para as Bollinas das Senboras.\
AI-PI.IOA.-aE 6F.M ESOO-VAS
PASTA UNCTUOSA, am caixas de olba de andrea, tal quaij
a entregue ao Exercito Inglez.
THI NUBIAN MtNurl COMriL.4, t, HOUtlMf, LOHMII .O.
Agentes gene* m PERNAMBUCO :
Qulmari.8 A Per man.
N U B I A N
ce
as
ce
I
Oleo de larabeba, pomada de urubeba, emplasto de
funibeba. o?
nicos preparados de Jiiruheba approvados peh Academia de Medicina,
autorisados pela Junta Geral de Hygiene Public, da c-6rte e recommeodados peloi
mdicos contra as molestias do estomago, perda de appet te, digestes difficeis, dyspep<
sias, rheumahsmo agudo ou chronico, e to is as molestias do ftgado, do bago, ns
diarrha chronica, na hidropesa, as molestias de origens syphiliticas, etc., ote.
:o:
25 annos de aceitado
ATTESTAM A EFFICACU 'ESSES PREPARADOS
:o:
CUIDADO COM AS FALSIFICAQES
Elixir a asnlgnanra-BAR7H0L0MEU& C. SUCCESSORES
DEPOSITO GEK\L
Em sua pharin cfa e drogara i
RA LAKGA DO ROSARIO X 34
CRAB-APPLE BLOSSOMS.
(Florea de Macelra Silvestre).
DEBAIXO do nome de Crab-Apple Bloaaoma" (Florea de
Maceira Silvestre), a Crown Perflmerv Companv est agora venden-
do um dos perfumes mals fragrants e deliciosa que aW aoje ae.tem
produzido. A excellencla uniforme de todos os artigos, que trazem
comsigo o nome d' esta bem conhecida firma, nSo requer commento
u aqni, rteto que o noaaoe leltores e.to bem ao Jacto do seu
ilrito excepcional Nio obstante isto cabe; cfe?2Sl-
cio para o tacto de que o perfume Crab-Apple Bloaaoma
mores de Maceira Silvestre) totalmente diverso a qualquer dos per-
fumes communs, e que de sbito nos tra memoria todos osuaves e
deleitosos ambientes do campo.Extracto do jornal JXi.\ft Pxclonal.
SCPERIOR entre os perfumes da moda d'esta estajio o chamado
"Crab-Apple Bloaaoma" (Flores de Maceira silvestre), um per-
fume delicaX dequaUdad* e fragrancia a mais sbi pela Crown Perfuhery Compnt, 177, New Bond Street, a quaj
em varias epochas tem .Ustllado e presentado ao^publico algn doj
perfumes mais eacolhidos e mals favorecidos.-Extracto do jomai
" Court JoumaU"
THE CROWN PERFUMERY CO.,
NEW BOITD STBEET, I.OHPB,ES.
177,
U.-l u ^
,lo elu "t
i Juol.
PEITORAL DE CAMBARA
Este poderoso e importante medicamento, vende-se em casa
dos uniros agentes e depositarios geraes nesla provincia
FUAWCISCO MANOL DA SILVA & C.
droguistas, k ra do Mrquez de Olinda, n. 23; aos precos e
2#500 o frasco, 13^000 l|2 duzia e 24$000 a duzia.
" "" coi as falsifica*! Cuidado com asiraltnn8on'
Bichas vM raburgo
V...d-eeeui p-queo-.s e Krai.d.s poroSeS 5 M
ra da Madre de Dtub n. 36 A. _
WllSKf
Royal Blend marra VIADO
Este *.-ell. ote Whisky Esi-ocei pre-
fer.vel ao cognac ou gurdente de cae,
para tortifi' ar o corno-
Vende-ae a retalho nos melhores arm-
zens de mulhados
Pede Hayal Blend maro yiat
cujo nome e emblema sao registrados part
todo Brasil. _
BROWNS C, agentes.



8
Diario de Peroambueo--Qunta--fetra 31 de Maio de 1888
ote
LlTTERATUfi

llllma Yerba
Na longa estrada do viver que loro,
Tenho deixado toda esta minh alma ;
Ora n'um casto e soismador enlevo,
Em que buscara da ventura a palma;
Ora em martyrioB, crucantea -dores,
Dores eternas, males mil damuinhos...
B' qu eu eoDhava s piaar em flores,
Nao ma lembrando que ha na roaa espinaos.
Tenbo aoffrido tanto !.. Me parece
Que j transborda do martyrio o calix,
E o Boffrimento mais e mais lecresoe,
E nada tenho que me finde os malea.
De meu passado restam s destrogos
Pobres destrozos de meus das idos,
Qual cemite/io aonde um monte de osaos
Nos traz menta os entes mais queridos.
O meu presente... luta braco a braco
Do desebpero contra a f e a crenga...
A alma va. .. sobe para o espago...
Prende se o corpo trra em luta immensa
O meu futurotrra, sombra, nada,
Problema escuro, eterna noite... espbinge
Que nSo se curva dr amargorada,
E que jamis a miaba vista attioge!
E a fronte curvo e sinto ir me paasando
Perante os olbos urna outra vida ;
E dentro em mim ea vou amortalbando
Minh"alma n'uina ddr indefinida I
Horta mih'almaa la* que em mim se ateia,
Se apagar... Bem sioto a vida forte
Ir se fiodando ; o passam-me na dea
O eterno somno, o eterno termo, a morte !
ans jbilos eternos de candara
e urna illusSo ardente,
to cbeia de praser a de ventura
que nos recreia a mente
oom dulgor.
Maio6.
Lauba da Foxseca,
A primavera
Comega a primavera '... a trra inteira
de gala e poesa,
em rosada manbS, luz primeira
que no co irradia
mu gentil,
innunda-se de amor e de ternura
e exulta de ledice,
voz do rouxinol saudosa e pora,
pe jada de meiguice
e icsontil.
O borisonta mais bello, o sol mais quente,
a brisa mais serena,
os astros fu'gem mais, e mais olente
a candida assucena
que no val'
ligeira medra entSo : e a molle re va
muito mais vigoaa,
o prado mais lbente, e a rude selva
muito mais umbrosa
e invial.
A lympha do ribeiro mais brilhante,
mais dooe e mais fluente,
o mimoso pomar mais verdejante,
e o rosal mais florete,
multicor,
a veiga, a encosta e o monte mais ornados
de cactus purpurinos,
ornar, a noite e odia mais doirados,
mais pulchros e divinos,
um primor.
E todo riso e festa, amor e sonbos
e flores e perfumes,
una contOB matinaes, lindos, risonhos,
ana radosos lumes
sem psllor,
F0LHET1M
TESTAMENTO VEBMELHO
POR
XAVIbiR DE MONTEPIN
SK(.l\l)i PARTE
A CACADA OaS MEDALHAS
(ContnuagSe do n. 122)
11
Sem que disso t vase oonscieneia, o seu
peito algou-se e um solugo escapou-so-lhe
da garganta.
Arrancado repentinamente da sua medi-
tado, Paulo ergueu a cabega e vio seu
pai, que lhe estendia os bracos e cujo ros-
to aonava-se banbado de lagrimas.
Lavantou-se de um salto, correa para
elle e deitou-lhe os bracos em volta do pea-
coco.
Durante alguna segundos n&o se ouvio
outro ruido senSo o euBSarro das aguas e
os aoiugoa bafados do pai e do filho.
Paulo foi o primeiro a recuperar o aan-
gue fro.
Adivinbara que o pai ia interrogal-o so-
bre o desgoato que o atormentara e que-
ra conservar-se calmo, estar alegre, occul-
tar o seu segredo, e desviar as suspeitas
daquelle que, mais do que ninguem no
mundo, tinba o direito de tomar-lhe con
tas.
Ah mea querido pai, exclamou
elle, cobrindo de beijoa as f.ces de Riy-
mando, se Bobeases quanto estou satisfeito
por ver-te !...
E eu, meu querido filho, ainb-me ao
menino tempo feliz e afllicto, replicou Fro-
mental, olbando para o filbo com profunda
tristeza.
Aftlieto 1 indtgou Paulo. Por que ?
Porque ests peior. Nao me enga-
nei ao 1er a carta de Magdalena ; o meu
inst.incto paternal nSo me illudio.
Magdalena eacreveu-ta ?
Esorevea-me, o'era eaae o seu dever.l
Recife-1888.
Galdino
de Babeos.
Tita nueva!..
Bem baja a nova bemdcta
Bem baja o dia viril
Em que se declara extincta
A escravidSo no Brasil '
E' livre o cerro das mattas,
O despechar das caacataa,
Livre o co, tola a ampliiSo !
Cbegamoa boje com vida
A' patria entao promettida
A' trra da PromissSo !
Eram de mais tantos annos
Tanto soffrer -Prometheu!
Tantos suppli;ios e engaos,
E tantas brumas no cj '
Fez se a luta aoa quatro ventos
E depois de mil tormentos
Rola a Bastilha no chao !
E' -quando a le nociva
E os tyrannos bradam j viva I
O povo braveja nao I
Vele que quadro sublime !
Brilham sorrisos flux '
Cabio a noite do crime !
Surgi a aurora da luz t
Como que o co abysmado
L o decreto doirado
Que os negros los quebrou
Vertendo as bagas dos prantos,
Juntas as notas dos cantos
Hymnos que o Eterno vibrou '
E o mar convulso se alteia
Como querendo se alar '
SansSorebenta a cadeia
E vem a praia be jar I
Elle que outr'ora chora va
Quando o seu dorso sangra va
Da vil mercanca o batel.
Sorri com rivos jocundos
Fazendo cvos profundoB
Como um fogoso corcel 1
J pode ao esposo adorado
A linda esposa aorrir '
Pode o amante idolatrado
A bella virgem cingir !
E as fraveasas crianoinhas
Estas ligeiras corcinbaa
Que viviam sem ter pas,
J tm carinhos maternos
Zeloa de amor paternos
ConaolagSo aoa aeus ais !
IrmSos, bemdicto o sudario
Qae o nosso pranto enchugou !
Bemdicta a mSo do operario
Que as gargalbeiras quebrou !
Preso ao circulo do Dante
Soffrendo a affronta infamante
Sentistes, fortes, a dSr ;
Mas Deus ouvio vossos brados
E eis os ferros quebrados
Eia a ventura e o amor ;
Agora vosso o-estendal
Da trra da Santa Cruz
Que soja vosso o pbanal
Dos argonautas da luz !
J que tendea nova vida,
Vinde comnosco p'ra lida
Batalhar pela NagBo !
Vinde comnosco ao combate
Toca o clarimo rebate
Ao gritoFedeka^'ao I
13 de Maio de 1888.
Ovidio Filho.
A pobre malber qae te estima extremosa-
mente, ficou mpressionada, como ea tam-
bem estou, com a mudanza qae ao operou
em ti. Esorevea-me, mas sem ouaar dizer-
me toda a verdade; quera deixar-me juiz
da extenaSo da molestia. E essa molestia
grave, a julgar pelos symptomaa que a
acompaobam, Paulo, meu querido filho, o
que tena ?
NSo tenbo nada, meu pai, responden
o mancebo com firmeza. Tu e Magdalena
inquitalo se sem motivo.
Raymundo deu de hombros.
Sem motivo 1 repetio elle.
Sem duvida-..
Ezploa-me entSo qual o motivo
por que o tea rosto est mais magro, as
tuas focas mais encovadas, a tua cor mais
paluda do que ba oito das. .. Ha ama se-
mana para c, teas olhos perder o bri-
lbo qae anda Ihea restava. Soffres, mea
filho ?
Paulo procuroa sorrir.
Nao, mea pai, disse elle, nSo soffro.
NSo te acredito. Procuras engaar-
me para me tranquilliaar, mas a tua phy-
aionomia descuente as tuas palavras.
Nease caso, a mnba physionomia
que mente, purque nSo tenbo soffrimento
algum pbysico, affirmo-te.
Soffrimento algum pbysico, tal vez.
S' um soffrimento moral, entSo ?
Paulo sentio o coragSo pulsar-lhe com
violencia, e a emogSo constrango-lhe a
garganta.
Comtudo balbuoiou :
Que soffrimento moral poderia ea
ter ? Qae cousa falta minha felicidade ?
Sei l 1 Talvoz, apezar da immenai-
dade do mea affecto, eu nSo aoja perspi-
caz para comprehender os teus penaamen-
tos, para adivinhar as toas necessidades,
oa teus deaejos.
Meu querido pai, nao digaa iaao e
nSo creas em somelhane cousa I protea-
tou Paulo.. Nada tena que adivinhar, nem
prever. Tenho tudo quanto pasejo ; fazes
por mim tudo quanto polea.
A voz do mancebo, ao pronunciar estas
palavras, tinha ama expresaSo que commo-
veu Raymundo profundamente.
Paulo, nSo s franco para commigo !
disse elle encarando filamente o filho.
Eu. .. mea pai ?,.. balbuciou Paulo.
Sim ; tena um segredo que me oe-
cuitas, ama ddr que nao me' qoerea con-
fiar.
Um ligeiro calafrio correa pela epider-
me de Paulo, quo sen to w o sea segredo
prestes a eacapar-lhe.
Pois bem, mea pai, diese elle imme-
diatamente, j que queree saber tudo, aim,
ARCHEOLOGU
Instituto Arcbeologico Cieegra
phlco Pernambucaao
Sesso solemne do 26^anniversario em 27
de Janeiro de 1888
( Conclusa"o )
DO ORADOS DO C0N8ELH0 DIRECTOR DA
SOClEDADB PROPAGADORA DA INSTRUC-
glo PUBLICA DA PAROCHIA DO POCO DA
PANELLA E DE ORANDO PARTE DA M0CI-
DADE ACADMICA
Meus senbores.
Poucas palavras, muito pouoas, mesmo.
E' a primeira vez que' ocsupo a tribuna
do Instituto Archeologioo e Geographico
Pernambuoano. NSo que me faltassem
desejos, anceios, impetos de enthusiasmo
para occupal-a aobretudo em occasiSea em
qae, como esta, se commemora mais um
anoiversario da restauragSo pernambuca
na e da installagSo do Instituto ; ao con-
trario sobejavam-me. Mas que, acostu-
rnado a ver esta tribuna ocupada por ora-
dores de primeira plaina superior minha,
eu nSo me animava a deslustrar cata festa
exclusivamente brasileira,' essencialmente
pernambucana intercalando as miabas vo-
zes sem oadencia, as minhas phraaes sem
nexo, sem concateaago, no conjunoto har-
monioso de vozes que daqui partiam como
vordadeiros epinicios n'us deslumbramen-
toa de palavra. Romp boje o natural ac-
nhamento em ohediencia ao meatre que
all vejo sentado a presidir esta sessao e a
qaem estou acostumado a respeitar, nSo
s como mestre, mas anda e principal-
mente como um cidadSo digno a todos os
respeitos das bomenagens da patria agr
decida. Mestre : ea vos admiro. E a razSo
muito simpleB. Vos nSo sois simpiesmen-
te o lente da Faculdade de Direito acas-
tellado no sabio e precioso monumento de
legacSo que nos deixaram oa R. a guiar a
mocidade no oaminho aacroaanto da scien-
cia e do direito. Maia do qae iaao, vos
sois o cidadSo qae maia tem irabalhado
em prol da instrucgSo nesta provincia.
Quando nSo eati vase patente o muito que
tendea feto em prol do Instituto Aarcheo-
logico e Qeogropbico Pernambacano, desta
associacSo eminentemente patriotioa, bas-
tara lembrar este enorme commettimento
da iniciativa individual de minha provin-
cia cujos servicos valiosisBimos tem sido
por vezes oficialmente conhecidos a So-
ciedade Propagadora da InstrucQSo Publi-
ca, a cujo gremio utano-me de pertencer e
da qual va bos a vida e o alent.
FoBse o vosso bello ezemplo seguido
peloB nossos patricios e poder se bia dizer
do nosso paiz o que Emile Laveleya diese
dos Estados-Unidos na sua Instruction du
peuple : < quando se grita, ignorancia,
cada cidadSo corre como se se gritasie ao
fogo.
Meus senbores.Fazam boje 26 anuos
que urna pleiade de bomens resolutos e in-
timamente patriotas aasentaram em solidas
bases ama associagSo mmorredors, gigan-
tes 3a, admiravel. E' o que nos diz a histo-
ria do Instituto Arcbeologico e Geogra-
phico Pernambacano. Escelheram aquellas
cidadSos o dia 27 de Janeiro, exactamen-
te aquelle qae lembra a entrada no Recite,
victoriosa de pequeo exercito pernambuoa-
no forte, aguerrido, enorme na grandeza
d'alma que o distingua, anido e domnalo
de urna mesma ideaa de resgatar de una
especie de captiveiro toda essa populagfto
que gema oppressSo de um jugo estrun
geiro. Dominava-o o sentimento da patria,
dominava-o o espirito religioso. E foi gran-
de como grandes eram os sena idaes, os
seus corego'es, as euas almas e foi immenao
como a propria immensidade. Que espec-
tculo alegre, festivo, nSo era esae qae
nos offerecia a populagSo pernambucana
n'um rejuveneacimento infantil, n'una ar
remedos de crianga 11
verdade, soffro, mas de tedio, nicamen-
te de t lio.
De tedio T
Sem duvida I S aqui com Magda-
lena, tenho horas de melancola sem oau
sa, tristezas vagas. Tudo isao ridioulo,
bem sei. Qaizera triamphar dessas fra-
quezas. Procuro, luto, sou vencido. De-
ve isao ser attribuido minha constituigSo
dbil, ao meu temperamento nervoso. Mas
nSo possuo segredo algum, meu pai, nSo
tenho a menor ddr ocoulta.
Por que essa obstinarlo no myate-
rio ? perguntou a si proprio Raymundo,
incrdulo. O que me oceultar elle ?
Olba, esta vendo, continuou Paulo,
j estou mais animado, mais alegre... E'
que o tedio acaba de deaapparecer... pa-
reoe-me que a tu visita era me necessa-
ria... Ella faz-me voltar a vida I....
Vais paaaar o dia commigo, nSo verda
de, papai ?...
Vou, meu filho.... o mea mais ar-
dente desejo era paaaar aqui moitOB diaa,
mas iaao impossivel..
NSo terminaste anda os teus traba-
lhos?
NSo.... e talvez gastem-me muito
mais tempo do que eu jul^ava. obriga-
do a fazer muitas viagens ao interior..
Entretanto, quera qae foeses paaaar al-
guna das em Pariz...
-- Em Pariz ? repetio Paulo aterrado
pela idea de afastar-se do Pe jUeno Castel-
lo, onde esperava tornar a ver um dia a
Fada dos Salgueiros. Qaerea que ea aban-
done O campo ? ..
Sim, temporariamente.. Desejava
ter-te a mea lado para oceupar-me de ti
inuessantemente. para combater os teus
momentos de melancola.,. as tuas triste-
zas ...
Aoabas de dizer-me que s obrigado
a fazer frequentes viagens.
Sem duvida... Mas ama vez que te
aborreoes aqui...
Parece-me que bavia de aborrecer
me anda mais em Pariz... quando nSo
oativesaea ao p de mim ..
Terias ao menos o recurso de ir visi-
tar aa pessoaa que conhecemos. Reataras
as tuas assiduas relaces oom Fabio de
Chati-lux. .. Tomaras parte as suas dia-
traog&Vs.n. nos seus prazeres..
NSo. nSo... papai | Prefiro fioar
aqui. .
Entretanto, a solidSo...
A BobdSo sgrada-me mais do qae o
tumulto de Pariz...
lato pelo menos singular... pensou
Raymundo: elle nSo quer sahir de Cr-
teil, onde avasssla-o um tedia mortal. ..
Ea sei que nSo falta por abi quem cen-l
rfl n Ata m\n au.IL._____ i* a .
res
Es-
sure o dia que eacolheram os fundado
deste Instituto para a sua installasSo. ]
sea que Bsim penaam sustontam, affirmam
que o Brasil hollandez aeria hoja muito
mais feliz se vase continuado em poder
dos bata'os.
NSo estou longe do acredtalo Mas o
que nSo padeoe duvida, o que certa,
que nenhum periodo bietorao tem Pernam-
buco mais glorioso que o da guerra hollan-
dza. Ess-s 30 annos de lucU sSo o pa-
drSo mais glorioso desta provincia.
Com o 27 de Janeiro Pernambuco fun-
dava urna nacionalidade a parte na uacio-
nalidade braBera por que a nacionalida-
de o complexo de diversas crcumstan
cas e 3ondic8es como sejam a linga, rli-
gilj, etc., e. mais que tudo iaao, a nacio-
nalidade sao aa tradicSes. Mais tarde re-
conhecer-se-ha isao quando produzfrern ef-
feto as propagandas separatistas, oa pelo
menos quando este paiz for federalisado ;
reconhecer-ae-ha, entlo, qae desde 27 de
Janeiro de 1654 Pernambuco vive urna
vida propria e autnoma na unidade d'al-
ma quo caracterisa um povo de tradigSaB
gloriosas.
Seis de Margo do 1817 urna estrella
de primeira grandes no horisonte annu-
vado de nossa patria, um brilhante engas-
tado na corSa de glorias de nossa provin-
cia. Mas nem a repblica eminentemente
democrtica e grandemente boa de 1817 ;
nem a FederacSo do Equador esse enor-
me protesto cvico do LeSo do Norte con-
tra o escarneo atirado as facas da sobera-
na nacional pelo primeiro imperador;
num nenhum outro movmento, nem ne-
nhum outro pronuncia ment ple isolada-
mente dar a medida do civismo, da barei-
cidade, da constancia nos soffrimentos da
persaveranga no ideial almejado, qualida-
des que elevam sobremaneira o noaso po-
vo, como a reatauragSo Pernambucana.
Nenhama lucta t;m mais episodios inef-
f a veis.
E' Mara Cesar impondo a Vieira a res-
tauragSo de Pornambuco. E' Mara de
Souza enviando os seus filaos para a guer-
ra com um herosmo s igualado polas an-
tigs malberes de Sparta. SSo as hero-
nas de Tejucupapo fornecendo nos o mais
bello incitamento. E' a emigracSo pernam-
bucana, esae abandono da patria eaoravi-
aada, das fortunas, das propriedades por
cerca de 8,000 familias pernambucanas,
essa retirada mais cbeia de perigos, de pe-
ripecias, de bailesas do que a que nos re-
vela Xenefonte.
E' o espectculo harmonioso que nos of-
farece essa populagSo tSo heterognea ten-
do um s pensamento, constitaindb urna s
alma e celebrisando ao lado de Nogreiros
e Vieira o negro Henrique Diaa e o indio
Felppe Camaro.
Para mim, pois, nenhum dia mais pro-
prio para esta festa annua do Instituto Ar-
cbeologico e Graograpbioo Pernambuoano
que o da de hoje.
Agora que vou terminar, aenhores do
Instituto Arcbeologico e Gaographioo Per-
nambuoano, caba-me felicitar voaaem nome
do cooselho director da Propaganda do
Pogo da Panella, em nome do corpo acad-
mico qae tenbo a honra de pertencer, e em
nome da mocidade, deaa mocidade que
sonta 80 impulsionada por todas as ideas
grandiosas, que fazem o apanagio dos po-
vos lvres. Eu vos falioito.
Disse.
Galdino Loreto.
DISCURSO DO ORADOR DO COKSELHO DI-
RECTOR DA SOClEDADE PROPAGADORA DA
IXSTRCCglO PUBLICA DA BOA-VISTA.
Exmas. Sras. Meas Senbores.
Senhores do Instituto A.'cheologico.
Urna eacola phlosopbca boje muito em
voga explica pela influencia dos motivos as
^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^
Por que ? Ora, decididamente elle occulta-
me algama cousa...
Bam pensado, meu pai, continuou
Paulo, eatarei aqui melhor com Magdalena
do que em Pariz, quasi sempre sem ti....
Aqui ao menos gozo do ar livre e do bom
sol... Seria, alen dsso, urna pena nSo
aproveitar os bellos dial do campo e ia
encafuar-me no nosso sombro commodo...
Reflecte um pouco, mea querido pai, e
has de ver que tenho razSo...
Farei, meu querido filho, e dexar-ta-
hei fazer todo quanto for do teu agrado,
redarguio Raymando. Entretanto fiz um
projecto, que se ha de realizar, mesmo que
te contrare am poaco.
Qual esse projecto, papai ?
Quero consultar um medico a respei-
to do tea estado de eade.
Consultar am medico ?
Sim, am medico muito hbil, maito
entendido, um especialista americano, que
acaba de chegar a Pariz, onde abre am
consultorio, e de quem j se diz maito
bem... Estivo com elle e fallei-lbe a tea
respeito.
EntSo, mea pai, julgaa-me decidida-
mente doente ?
Doente, de certo que nSo, meu que-
rido Paulo, mas a tua 8aude delicada,
cono tu proprio a confessas, e deves achar
muito natural qae ec procure os me3 de
fortalecel-a e de dar toa conBtituigSo o
vigor que lhe falta ; do oontrario nSo seria
um bom pai.
E'b o mais perfeito dos pais e o me-
lhor dos homeoB exclamou Paulo enla-
gando com os bragos o pesoogo de Ray-
mundo. Estou prompto a obedecer-te em
tudo, a ir comtigo casa do tal doator
americano. ,
E seguirs o que elle determinar ?
Seguirei.
Submetter-te-has ao rgimen que elle
presare ver ?
Submetterme-hei.
Tomars o remedios que elle recei-
tar ?
Com todo o gosto Quanto mais nSo
fusse para sat6fazer-te.
Ah I mea querido filbo, qae prazer
mo das !...
Segundo me disseste, em Pariz que
mora eaae medico ?
E'.
Pois bem, nSo ha inconveniente al-
gum que ea v daqui s suas consultas,
sa elle julgar neceasario ver-me varias vo-
sea.
Promettea-me que ir ?
Jaro-te.
Sesse caso, esta tarde, depois do jan-
tar, partiremos juntos para Pariz. Iremos
determinagSes da ventado. Segando ella,
portanto, algum motivo deve existir qae
justifique neate momento a minha presen-
ga nesta tribuna, e de facto exista senho-
res.
E que en venho dar cumprimento ao
duplo mandato de qae em m hora me in-
vestiram ama sooiedade qae se esforga,
como a vossa, na diffusSo das Iuzes ben-
ficas da inBtrucgSo, e oe meus companbei-
ros de trabalh.s no arduo e terrivel apos
tolado do magisterio.
Sa foi m a escoma como creio, grande
ser sam duvida a vossa benevolencia para
a qual appello, como nico meio de salva-
gSo que me reata.
Noa velhos dramaa tk-kspereanos, como
uestas paginas de fogo da Illiada e da
OJyssa, onde tresvaaava o divino cgo
os diluvios de luz que lhe sobravam no ce-
rebro e lhe faltavam nos olhos, nSo raro
os espectros dos mortos, callada da noite,
hora tectrica dos mysteros, vem deixan
do inane a sombra jaiida, tomar o seu la-
gar entre oa vivos, lambrar-lhes as pro-
mesaaa esquecdaa, amtalos vinganga-
ou punir algum crime monstruoso qu8 a
justiga humana nSo fulminara anda .
Pois bem, aenhores do Instituto Archeo-
logioo e Gaographico, hoje, nesta hora em
que solemniaaes a mais gloriosa data desta
provincia que nos foi bergo, data qua syntbe-
tsa a luta herclea de ama geragSo de ti-
tana, contra as tropas aguerridas da soba-
rana dos mares, no seoulo XVII, data qua
por asim dizer, a ultima estrophe de ama
epopa de bravuras, como nunca as conha-
cera a historia, a mastra da vida, na pbra-
ao do grande orador romano, parece-me
(illuaSo ou realidade ?) qua a augusta pha-
lange das sombras dos hroes das Tabocas
e Guararapes, novos Termopilas no solo
americano, descobertos a meio, os largos
p itos, onda sSo tantas as chagas, que nSo
dado contal as, e das quaes fizeram, co
mo os Toradas, o principal titulo da sua
nobresa, descobertos, repito, os largos pei-
tos onde se mostra a bu a grandesa Ilimi-
tada do coragSo pernambucano plainam
ueste momento por sobre nos e erguendo-
pesadas dextras que despendiam os raios
na batalha e saatentavam na paz, Atlas
incangaveis, o abalado edificio do nossa fu-
turo, deixam cahr sobre nossas frontes o
santo orvalho de urna bengSo luminosa, e
isto porque, a despeito das duvidas dos in
oredulos, a despeito desse vento mau que so
pra do sul e pretende crestar as nossas
glorias, como dizia o chorado mestre Apri
gio GuimarSes, prematuramente roubado
a nossa constellagSo litteraria, reconhecem
qua nSo desmerecemos anda do nosso glo-
rioso passado, que a attitude pacifica desse
povo que eatremecem nSo a morta dos
sentimentos patriticos de que foram o
mais acabado examplo, mas apenas o re
poaso :
A guisa di lion, quando se posa!
(Como dizia o Dante)
Sim, meas aenhores, ea nSo posso acre-
ditar n'esBa degeneragSo rpida de am povo.
De grupo de leSes'nSo podem naacer byenas
nem caos. De ama pleiade de hroes
nSo pode provir multidSo de covardes.
A mais podre e profunda calmara reina
nesse momento na nosaa athmosphera so-
cial, apenas agitada pela qaestSo abolicio-
nista, e pelos pequeos interseas da poli-
ticagem, omquanto as vagas esfloram as
praias com os castos beijos de suas espu-
mas.
Dexai, porem, que a lerribilis-Dea do
poeta venha perturbar com o sea hlito
ardente a bonangosa lympba ; dexai que
a tempestado rbente e estruja de novo, e
a onda pernambucana, segundo a bellisai-
ma magem do Dr. Martina Jnior, talen-
to de quem direi, como dizia Rousseau de
Voltaire, eque se nSo lhe admiro tudo,
para trnalo mais digno de minha admira-
gao e a onda pernambucana, indmita e
fromento, subir... subir ..subir tan-
to qua varrer desaa trra fatigada de g'o-
ra, para servir-me aqui da ama expregaaa
de Stael, aa ultimas velleidadea de predo-
minio de quem quer qae seja.
E ai daquelles, aenhores, ai daquelles
qua tiverem de affrontar Iba o primeiro em-
bate
Senhorea, eu pod e devia talvez alar-
gar me par mais tempo sobre o assampto
que esfrolei apenas ; poda passar em re-
vista o nosao passado tSo rico de louroa,
que podemos dizer, sem receba de contea-
tafioaa que a hiatori. de Pernambuco a
historia do Brasil; poda sim, mas nSo
quero abusar por mais Wpo de ama be-
nevolencia de que tSo indigno me reoonhe-
go. Vou concluir.
Senhores do Instituto Archeologioo. O
conselho director da Soaedado Propagado-
ra da IcstrUigSo Publica na parochia da
B a Vista e o corpo docente da Escola Nor-
mal a cargo da meema sociolade, profun-
damente reconbecidos a vos3a gneros a fi-
nesa brada-vos neste momento pela voz nc-
vel e obscura do humilde mogo qua ora
vos enderaga a palavra.
Olhai a senda da gloria
Rasga-se ampia a voseos pea ;
Galaxia feita da estrellas,
Ponte feita de laureis;
Na velba tbaogonia
E' por elle qae sabia
Do Olympo o supremo rei I
Sub como o bando errante
Vim clamar- vos nesse intante
Athlatas, away &way !
Francisco Alcedo da Silva MarrocoS'
VARIEDADES
Anagramiiias
AO MINISTERIO LIBERTADOR
JoSo A ffredo Correia de Oliveira
Antonio Ferr Ta Viaona
JoB Fer Zaodes da Costa Pereira
Thomas Jos Qoelho de Almeida
Rodrigo August O da Silva
Antonio da 8i Ca Prado
Luis Ado 530 Vieira da Silva
'Jos Fernando as da Costa Pereira
J0S0 Alfredo Cor rei > de Oliveira
Rodrigo Aa Qusto da Silva
Antonio Fenei f\ Vianna
Antonio da Silv> Prado
Thomas Jos Coelho ga Almeida
Lub Antoni q Vieira da Silva
A' s; nsai u
O tribunal civil do Sana, em Paris, aca-
ba de pronunciar a separagSo do conde e
da condessa de X.... um bailo minage que
dea muito que fallar de ai, sobretodo a
condessa, que fez ba pouco tempo ama
viagem longinqua com um joven principe
do ama casa soberana.
Apezar d'isso, a separagSo foi pronun-
ciada em favor da mulber. Parece qae foi
por lhe ter escripto o marido que a deixa-
va em liberdade de fazer o qae qaizease,
que os juizes se decidiram em seu favor.
Facecias
Duas hespanholadas:
Tenho os movimentos tSo rpidos, di-
zia um andaluz, que, antes de abrir a n-
valha, j tenbo dado a tacada.
Pois, ea, mea caro, aoa o contrario,
dizia am catalSo, pacho da navalha, refle-
xiono, empunho a arma para nSo me pre-
cipitar, e nSo don a faoada senSo depois
de me terem tirado a navalba.
ambos amanhS de manbS casa do don-
tor, e el e te indicar os diaa em qae de-
vers voltar ao sea consultorio.
Nesses diaa aerei pontual. Maa re-
ceiavas entao que a idea de ver um medi-
co me cauaaase terror e que eu tvesse re-
pugnancia em aatisfazer-te ?
- Raceiava ser forgado a uaar da mi-
nha autoridade para obrigar-te a ir.
Vs que estava dispostoa submissSo.
Decididamente a tu visita fez-me bem.
Vamos almogar, sioto appette.
ni
Affirmando que se senta com appetite,
Paulo contiouava a mentir, mas nSo quera
afligir o pai, deixando-lhe ver a que ponto
o Boffrimento moral influir funestamente
sobre o pbysico.
Receiava tambem provocar aovas par-
guntas e estorgava-se per pare.er alegre.
Raymundo era muito perspicaz para dei-
xar se Iludir com essa alegra ficticia.
Paulo nao o poda convencer da sua sin-
oeridade.
O pobre pai tinha a convicgSo completa
qae seu filbo occultava-lhe urna ddr rayate
riosa, que lbe minava silenciosamente a
saude.
Aocrescentemos qae esperava chegar,
maia cedo ou mais tarde, a penetrar o mys-
terio.
Passou se o dia rpidamente, sem o me-
nor choque entra o pai e o filho.
Magdalena sentia-ee feliz.
Paracia-lbe estar de novo na pooa em
que nanhama nuvem obscureca o co da
familia que ella oonsiderava como sua.
Raymando commanicou-ihe o sea projec-
to da lavar Paulo casa de um medico,
projacto que ella naj podia deixar de ap-
provar inteiramente.
A' noitnha, aoompanhou, quasi com ale-
gra, os queridos amos, eatagSo, e sepa-
roa se dell.-s, dizendo ao mogo :
At amanhS, Sr. Paulo hei de pre-
parar Iba um bom jantar.
Fiomental e o filho entraram bastante
tarda em Pjriz, na casa da ilha S. Luiz,
onde o mancebo oceupava um qusrto ind-
pendente do aposento do pai, aposento de
que puBsuia comtado ama chave.
Urna vez s, Paulo tornou a oahir fatal-
mente as preoueupagoes do coatume.
Deitou se, e seu sorano foi povoado de
senhos terriveia.
Es8es sonboa inostravam-lbe mal distinc-
to no meio das trevas da noite, o Pequeo
Castalio', oceulto aob aa velbas arvores
que o oeroavaiD.
Da repente ama luz brilhante surgi no
m<-io das trevas.
Um formidavel inoendio aoabava de ma-
nifestar-ae ; linguaa de fogo envolviam a
casa de campo transformada em enorme
brazeiro.
Tudo deaabava, e sob a abobada forma-
da pelas chammas debata se urna alvaaom-
bra.
Essa sombra era Martha, prestes a mor-
rar no mais terrivel dos supplicoa, o cuja
voz o chamava, sem qua fosse possvel ir
soccorrel-a.
Paulo despertava entSo em sobresalto,
banbado de suorea frios, opptimido, tr-
mulo.
Adormeoendo novamente, o Pequeo
Castalio reapparecia-lhe aob aspecto com-
pletamente, mas nSo manos lgubre.
NSo era mais o fogo; desta vee era o
sangue.
Ae,'paredea achavam-ae cobertas de man-
chas vermelhas, como os muros de am ma-
tadouro, e por urna das janellaa da caaa
snistra, Martha tentava iugir, veatindo ama
saa branca coberta de sangue, ma* tor-
nava a cahr expirante, e Paulo tornava a
despertar, alagado novamente em suores
frioa e torturado pela mesma oppressSo.
Toda aquella longa noite foi para elle
um verdadeiro martyrio ; s ao romper
tornou-se-lhe poasivel, durante urna ou duas
horas, dormir um pouco.
Raymando, assim que se separou do fi-
lho, foi fachar-sa no sea quarto e agrade-
cea a Deas.
Santimantos complexos causavam-lhe esse
reconhe^imento.
Apezar da sua convicgSo de que o dese-
jo de Paulo de nSo aa afastar de Port-Cr-
teil, tinha relagSo eom o segredo de qae
auspeitava, sentase satisfeito com a reao-
lugSo do mancebo de nSo sahir tSo cedo do
campo.
Pelo menos assim nSo poderia o filho re-
parar as continaasa sabidas nocturnas do
pai, eatranbal-as, commental as.
Quando elle voltaasa para Pariz, a sua
stu:g*.) j nSo aeria a mesma j pelo me-
nos assim tinha o direito da julgar.
FromeDtal adorava o filho.
NSo tenho no mundo senSo ella a quem
amar, concentrara em Pauio todas as suae
esperangaa, toda a sua vida.
A mudanga repentina qua notou no as-
pecto do fraco adolescente causava-lha um
terror indiaivel.
A's vezas julgava ver sea filbo morto,
eateodido em um atauie, sobre o qaal co-
veiros atrava.n moniSes de trra.
Em v3o ovocott o somno ; elle nSo lhe
acudi.
(Continuar-se-ha)
Typ. do Diario raa Duque de Caxiaa n. 42.
'
aaiHHBjBjj


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET6G2DGN5_FSCJLD INGEST_TIME 2014-05-28T15:44:26Z PACKAGE AA00011611_19426
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES