Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19348


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AiVVO L. JVIIUEKO 109
-
I

*>
Ir.
>
f
PAR* A\ CAPITAL E LLOAI
* or tres mazes adiauudos. .
Por seisditos idem. .......
iPorum anno idem........ ,;
-Cada numero avulso % .
NDB VAO SB PAGA FORTE.
09000
.....,m .. 12J00
... i*.l % 949000
V--J j J320
b .j
I

TERCA FEIRA 28 DE JULHO DE 1874
PABA DE.ITBO E FORA DA PROVl.\ClA.
Por tres mezes-adiantadoa................ pTM
Por seis ditos idem.................. ISp&tO
Por now ditos idem................. %0*U0
Pot am anno idem................. 379000
u


PR0PRIEDADE DE MANOEL FICUEIRGA DE FARIA FILH0S.


a **. Gerardo Antonio Alresd Filhoa, no Pari; GoncaUee d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Ceari; laajmio de Leiuu. Braga, no Aracatj { Joio Maria Julio Chares, no Assd; Antonio Marques da SUra, Natal ; Jose" Justiao
ereira d'Almeida, em Mamangaape ; Carlos Auiencio Monteiro da Franca, aa Parahvba ; Antonio Jose" Gomes, na VJl4 Penha; Be'araino dos Santos Bnlcio, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, em rUxareth j
^^^ Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoas ; lltea 4C.,m Bahia; e A. Xavier Lehe d C. no Rio Janeiro-
PAKTE OFFICIAL
gero d> Rego Mouteiro, Jo6 das Dores Barata, I Coocederam-se ao tenente do corpo da eslado-
Joso Ferreifa Viega'i*, Jose Keliciano Castilho, An- maior de i' classe Guiiher/nede Barros e VaSeoo-
tonio Marques Samarem, Virgilij Franco da Silva, cellos, as honras dopislo de capitao, em attencao
lliiiislt-iio do imperio.
Pel* secrelaria de sstado dis negocios do impe
no se rat publico que/quando Sua Altcza Impe-
rial a Sra. Prioeeia D. Isabel estiver proxima a
dar a Wi 0 principe on prineeta, en}o ftascimmto
st espora, serai lambda* tres gyraudolas, uma do
palacio de resMenoia da mesma serenissima se-
niiora e de seu augusto osposo, ootra do oateiro
d Gloria, e a terceira do morro do Castello, para
que sirvara de signal is ,pksoas que ja foram
convidadas para comSarecer e issignar 0 auto da
dito nascimentn.
VeriScado 0 folij saceesso, sera eile anmiaciaJo
por tres gyaandolas lancadai do morro d j Casielto
*3 a angasta pessoa recein-nascila for principe, e
for duas se for princeza.
Por denacho de 8 do corrente :
Fezse meree do foro de lidalgo cavallieiro da
<;... Ponun numeados:
OtBcial da ordem da Bosa o Dr. S. Jaceoud,
ciJadao francez.
Secretario da orovincia das Alagoas 0 baeharel
Jose da Cuatu Teixeira, titan Jo sam eflfeito a no-
u:ea;ao do baeharel Dario Cavalcante do Rego
Albuquerque.
Foi concedida a pensao de I20i meimes, sem
prejuizo do meio soldo qae percebe, a D. K ml w
Augusta da Fonseca Freitas, viuva do bngadeiru
Francisco Gomes de Freitas, fallecido em conse-
quencia de ferimentos reeebidos em corahate.
Em data do do eorrente, foram sanccio-
mdos e pnblicados corao leis os seguintes de
cretos:
Decreto u. 2,503, approvando as segniates pen-
siies eon:edidas : de \tl mensaes a D. Belmira
Caroliaa de Oliveira, viuva do teneate ajadaate
Izidoro Paulo de Oliveira, failecido em campanha ;
do 424 repaxtidamente, a 0. America Toarinho de
P nbo e D. Josina Tourinho de Pinho, irmas do
teneate Dunral Candido Tourinho de Pinho, morto
en combate ; de 364 a D. Antooia Augusta
do Nascimento Franca, viuva do alferes l.im Mar
ques da Franca, failecido em campanha; a D.
J.'mbdina Nanes da Silva Rocha, mii do alferes
David Ferreira da Rocha. morto em combate ; e
a D. Leooidia Jacinta Garcia, viuva do alferes
(' '.iieiano RoJrigues Garcia, failecido em eampa-
n ii; e de Hi, sen prejuizo do meio soldo, a D.
Maria Carolina Neves dos Santos, viuva do alferes
C trios Peroira dos Santos, morto em combate.
Ministerio dajusiicta.
Por decretos de 11 do corrente :
Foi nomeado 0 baeharel Jose Xavier de Toledo
para 0 lugar de juiz de direito da eomarca do Rio
V.-rde, na provincia da Goyaz.
Foi removido, a seu peJido, 0 juiz municipal e
de orphiio* Bellarm'no Pereira de Oliveira, do
termo de Monta Alegre para os deSintarem e
Franca, todos na provin;ia do Para.
Foram nomoados juizes municlpaes e de or-
phaos:
0 lu'iuivl Mmoel Jose de Oliveira Miranda, do
tci .ii .> ile ->l jiu Alegre na provincia do Para.
0 baeharel Joaquim Joie Gome.-, do termo do
Rosario do Calete, na provincia de Sergipe.
0 ba-hirel Manoel Antonio da Fonceca Mello,
do termo deLenc63=, na provincia da Bahia.
Fid, a seu pedido. reformado no posto de major
o capitao do batalhio de iafaataria n. 11 da guar-
da nacional da provincia do Maraahao, Antonio
Thotim Freitas do Reis.
Fezse m^rce" da servenlia vilalicia do oflbio de
i> labelliao do publico, Judicial e notas do termo
da capital da provincia de S. Paulo ao tenente
houorario da exerciu Elias de Oliveira Machado,
noneado pelo respeCavd presidente para servir
pri'Vis iriimente, na forma da lei.
Foi perdoado ao re Pedro Antonh de Lima,
0 rj;to da pena de 2'J aunos b quatro mezes de
priiao simple-, imposta em virtnie de decisao do
Jury do termo da V'arzea Grande, na provincia do
faranhao, por crime de homicidio.
En II do corrente fit expedido ao preiidante
de i'eraarabuco 0 seguinte aviso :
1 Illm e Bsm Sr. Levei a preseoca de S. M.
0 luperador 0 jIBim n. i9, de 28 de "marco do
anno passaJo, 3 papeis juntos, em que V. Exc.
sc.'icitou providen^ias sobre 0 facto de se tjr
organisalo na capita! dessa provincia uma socie-
dade, intitulada em conu de participa?io, para a
ven la de carne verde, que por seu alto preco e
ma qualidade provoson gT.il clamor : parecendo
a V. Exc. que til soiiedade e anonyma, segundo
us clausulas do respectivo contrato, e que este f )i
individamente registrado no tribunal do commer-
cio. porque sem antorisacao do governo nao podia
ella estabelecer-se, a vista do disposto no art.
393 do codigo commercial. E 0 mesmo augusto
geohor, conformando-se p ir immediala resolucao
do 18 de abril ultimo com 0 parecer da s:'Ccao de
juslica do Mnselho de estado, mania declarar a
V. Exc. que sendo 0 lira daquella socielade 0
moaopolio da carne verde, a providencia neste
casi depende da camara municipal, a quem 0
chefe de poticia devera representar sobre a con-
veniencia de uma postura, de accordo com 0 art.
60 g 8 da lei de 1 de outubro de 1828, que pro
nib(: as colligacdLM de merca lores destinados a
afastar a coucurrencia, e elevar arbitrariamente
cs generos de primeira nece?sldade. Deus guar-
de a V. Exc Manoel Antonio Daarte de Aze-
redo.
Nao luram agraciados os reos:
Alexandre Ferreira Lima, condemnado em 27
de outubro de 1871, a pena de prisao perpetua
con"i trabalno, em virtude de decisao do jury do
terao de S. Bernardo das Russas, na provincia do
Ceara, por crime do homicidio, coromettido a 3 de
dezembro de 1870.
Manoel Joaquim Ferreira, condemnado era 28
de noVembro de 1868 a pena ds 12 annoi de
prisio com trabalho, em virtude de decraio do
luri do termo de Vianna, na provincia do Mara-
nhio, por crime de insurreicao, commettido a 8
de julho de 1867.
Antonio Gandolfl, condemnado em 17 de putu-
bro de 1870 a pena de 4 atmos e 6 mezes de pri-
sao com trabalho, em virtude de sentenca do juii
de chreito da 2* vara da cidade do Recife, na pro
viocia de Pernambuco, por cr.me de bancarola
fraudulenta.
Miiiisterio da fazenda.
Por titulos de 14 do corrente, foram nomeados
para a thesourariad) Ceara :
3" escripturarios : Francisco da* Chagas Souzs
Pimo e os praticanies Raymundo Nonato Lopes
de Menezes e Francisco Fontinelle de Bizerril.
Praticanies: Franciso Perdigao de Oliveira e
Manoel Francisco da Silva.
Por titulos de 13 do eorreale, foram noraeados
pralicantes da theeouraria de Minas-Geraes, Do
rain 3:0s Fernandas Monteiro e Antonio. Carlos de
Assis Mayrink. >m
Miniisferio da gut rra.
Por decrelus de 8 do corente :
Foram proaovidos, de confurmidade com 0 de-
crelo n. 5679 de 27 de junho ultimo :
A capellaes tenen.es do corpo ecclesiaslico do
ecercito os capellaes alferes padre Theodolino An-
tonio da Silvetra Ramos, conego honorario Antonio .
Aufusto de Andrade e Silva, padres Braulio Lad- noar no servieo.
Pedro Luiz da Rcsa, Teteraaco de Souza Velhoj
Jo6 Pinheiro Lotio, Joao de Armjo Alves Mari-
nho, Alexandre Jose de Menezes, Domingos Auto
nio Hypolito Jayme, Bento Pereira do R;go, Anto-
nio Vicente da Cruz. Manoel R idrigues Beruardes
de Oliveira e Jose Dias Correia de Moura, conego
honorario Francisco de Paula da It jcha Nunao,
padre Joao da Costa Pereira e conego honorario
Fortuntto Jose de Souza.
Foram nomeados, de conformidade com 0 art.
2' do decreto n. 2,679 de 27 de junho ultimo :
Capellaes-lenenles do dito corpo os padres Joao
Cancio Verissimo dos Anjos e Juvencio Verissimo
dos Anjos.
Por decretos de igaal data foram nomeados:
Fiscal do 4' batalhao de artilheria a pe o te-
nente-coronel graduado do corpo de estado-maior
da mesma anna Bencdlcto Mariano de Campos.
U.rector da fabrica da polvora da Eslrella o
ajudante da mesma fabrica major do corpo de en
genheiros Pbiladelpho Augusto Ferreira Lima ;
senlo por portana da mesma data nomeado para
subslituil 0 no lugar de ajudante 0 capitao do
corpo de estado maior de artilheria Esievao Joa
quim de Oliveira Santos.
Alferes alumno do exercito 0 alumno da escola
militar 2* saigento do batalhao de enganheiros
Job Moreira de Magalhaes, visto estar compreben-
dido nas dis.'osicoes do art. 169 do regulamento
approvado pelo decreto n. 3,083 de 28 de abril de
1863, pelo qual estud >a.
Foram transferidos:
Para o corpo de estado-maior de artilheria 0
major do 4* batalhao da mesma arma a pe Felicio
Paes Ribeiro.
Para 0 corpo de estado-maior ds 2' classe 0 ca-
pitao aggregado a arma de cavallaria, Joaquim
Sabino Pires Salgado, na forma do art. 2* do decre-
to n. 3,522 do 1* de outubro de 1865.
Passou a aggregado a arma a que pertence 0
capitao do 3* oat.lbao de infanteria Joao Pires
Gomes, de conformidade com a imraediata e im-
perial resolucao de 2 de jntbo de 1870, tomada
sobre consulta do conselho supremo militar.
Foi reformado, em virtule da immediata e im-
perial res ilucao do 1 do corrente, tomada sobre
consulta do conselho supremo militar, e 1as dis-
posicoes do 3* do art. 2 da lei n. 260 do 1* de
djzembro de 18U, 0 2* tenente do 3 regimento
de artilheria a cavallo Joao Vi Jal Pereira da Sil-
va, visto acbar se concludentemente provada a
sua ma conducta habitual deiloida segundo 0 art.
166 do codigo penal.
Foram concedidas:
As honras do posto de capellao mor do exercito,
ao missionario apostolic > da ordem dos capuchi-
nh03, frei Fidelis de Avola, em alteucao aos rele-
vantes servi;os prestados na guerra do Paraguay.
As de capellao capitao do corpo ecclesiaslico,
de conformidada com as immedlatas e impenaea
resolu(5es do 1* do corrente, tomadas sobre con-
sulias do conselho supremo militar, ao ex-capellao
capitao, conego honorario, Joaquim Lopes R)dri-
gues, em attencao aos bons servicos que prestou
na campanha do Paraguay.
As de alferes do exercit>, de conformidade com
as ditas resolucdes, ao ex-alferes de commissao,
ajudaute do 1 corpo da volualarios da patria da
provincia do Matto-Grosso, Manoel Lino da Silva;
ao ex 2* cadete sargento ajudante de voluntarios
da patria, da dila provincia, Antonio Joao de
Souza; e ao 2' sargento reformado do exercito,
Manoel Jose de Barros Rangel. todos em attenca <
aos bons servicos que prestaram na cauipauha do
Paraguay.
Foram igualmente Concedidas, de conformidade
com immediata resolueao de 5 de abril de 1873,
tomada sobre consulta do conselho supremo mi-
litar, e das dispoMcoes do decreto n. o,158 de 4 de
dezembro do anno anteceJente, em attencao aos 1
bons servigos que prestaram na campanha do,
Paraguay, as honras dos seguintes postos mili-
tares:
De major, ao ex-major graduado, l-aolficial da
inlendeucia Jo exercito. em opcra^rios, Frederico
Augusto de Menezes Lara.
De tenente, ao ex-lenenia graduado escriptu-
rario da sec;ao de guerra junto a reparlicio 6s-
cal da marintia em Montevideo, Carlos Augusto de
Oliveira e ao ex-tenaite graduado, 3* official da
reparticao fiscal junto ao l- corpo do exercito em
operacoes, Joao Pires Farinha Filho.
De alferes, ao ex alferes graduado, amanuense
da reparticao de fazeuda em Montevideo, Jose
Joaquim da Silva Santiago.
Por portanas de 2 e 10 do corrente foram
transferidos:
Do 7 para 0 13* batalhao de infanteria, 0 alfe
res Alfonso Augusto da Silva Pago.
Do la para 19 batalhao da mesma arm, 0
alferes Francisco Pereira de Mesquita; e deste
para aquelle 0 alferes Joao Barboza Nogueira
Rosas, por troca.
Par portana de 6 do corrente foi approvada
a nomeacao do alferes do 9 batalhao de infanteria,
Joaquim Jorge de Mello Filho, para ajulante do
mesmo batalhao.
Por aviso de 9 do corrente foram nomeados
os capitaes de estado-maior de 1* classe, Jose
Francisco Coelho e Eduardo Jose Barboza para
servirem como aijuntos a directoria do laboratorio
do Cimpinho, aflm deadquirirem pratica do fabri-
co dos differentes artificios de guerra, confeccao
do cartuchame metalhco, especlalmente 0 de
Comblain, 0 conhecimento das macninas proprias,
para fabricatao desse cartuchame, e modo de
montal-a.
aos boos servieo* qua pre.-tm na campaaha do
Paraguay. '
Foram concedidas ao ex-tesjenle graduado, 3*
official da reparticao de fazenda do Rio da Praia,
Antonio Martins da Ko: in, as honras do posto de
tenente do exercito, de conformidade com a imme-
diata e imperial resoluQao de S de abril do anno
passado, tomada sobre consulta do conselho su-
premo militar, e das di-posic5es do decreto n.olo'8
de 4 de dezembro do anno antecedente.
Por portanas de 11 do eorreale form nomea-
dos :
Felippe Liberate do Oliveira, para 0 lugar de
mestr? demusica da companhia de aprendues ar-
tillces do arsenal de guerra da provincia de Matto-
Grosso.
Arno Alexandre Gauland, para servir em com-
mis.-ao 0 lugar da mestre de esgrina, de espada e
de baioneta do curso de cavallaria e infanteria da
provincia do Rio Grande do Sul.
Foi transferido do 3* para 4) 4' bat >lhao de ar
tilheria a pe, 0 2' tenente Lourenco Jostiniano
Pinto.
De 13 yfoi nomeado recrntador na provin-
cia do Ceara/0 major reformado do exercito, Luiz
Xavier Turres.
Foi exonerado 0 capitao honorario Antonio Mo-
reira da Cnnha Guimaraas, do lugar de pedagogo
da companhia de aprendizes artifices do arsenal
de guerra da proviocia da Bahia, sendo por por-
buqj.lt sentenca pronuoeiada pelo supremo tri-t Pernambuco. contra 0 ado do diocesano de Olin-
buu 1, condemnanlo 0 Rvj. bispo do Para, e pas-, da, por haver publicado bullas sem beneplacitos.
sar uraa'-formosa descalgaleira aos velhos ma- I a Sala das sessoes, 1't dejulho de 1874. Dio-
gist ados, qua elle reputa in
0 poi, dessas iaterpeilacdas, outras virao, que j Passaodo a ordesn do dia, a camara approvou^em
versando sobre assumo'." reser'ado, oa quas- uma so diacussao, a pedido do Sr. Martinho de
nao
tao entente no exterior, terao discussio) forcada,
e as imlie perdera 0 temp>, que detera'ser'con-
sagi ,do aos assumplos administrative e reforma
eleit c>L que pendem de solui;ao da camara. A
se.-s 0 k>rnar-se-ha esleril; nao se podera sequer
fate passar a lei do oiTamantc, e depois dir-se-
ha : 0 gabioele raada lei, e- iaeplo, nao pode cod
tin j r a frente d negocin*.
Ojqu-", porem, aJmiro 6 que, o quo estao cre-
andi taes preceJdnies e asaim viciando as boas
prat :as do syslema represeniativo, aspirem 0 po-
der nao receiem que as anuaa fue acabam de
inve tar sejam empregadas contra elles !
Di 1 intrpellacoes havidas, a qua despertou
maior interesse foi a relativa ao Sr. conde de
Aqui a, porque cheirava a escandalo ; e 0 que e
de ttotar e que foi 0 prcprio principe quem se
enca regou de di vulgar 0 facto, dando Ihe publi-
cidai a em lolheto dscripto era franeez, em que se
queiiava do procedimento d > Sr barao de Pe-
que exigio delle pagamento da quantia de
uedo;
16 ail libras, que lha haviam -ido eniprestadas
para, poopar-lhe u:n grande vexame, talvez de ir
a cadeia.
Quem fez 0 enprestimo nao foi aquelle bario,
mas aim 0 Sr. Pereira de AnJrade, encarregado
da negocios interioamente, que deixou-sa levar
laria da mesma data nomeado para ir servir no 3* -pelas instancias do principe, pelo interesse que
batalhao de artilheria a pe.
Concedeu-se transferencia para a fileira ao al-
feres ajudaute do 16' batalhao de infanteria, Pan-
lino Liborio de Faria Pinho.
He lo : foram nomeados: o brigadeirogra-
duado do corpo de estado-maior de 2' classe, Do
mingos Joss da Costa Pereira, para 0 lugar de
presidente do conselho de comprxs do arsenal de
guerra da provincia de Matto-Grosso.
0 capitao roformado d 1 exercito, Fernando Fer-
reira do Abreu, paaa o lugar da director da colo
nia militar de Jatahy, na provincia do Parana.
De 16 : concederam-se : ao I4 cirnrgiao re-
formado do corpo de sande do exercito, Dr. Ma-
noel Enedino do Rego Valenca, 6 raez-s de licen-
ca para ir a Euro pa
Em & do corrente mez expedio-se 0 seguiota
aviso :
a Em solueao ao offlcio de 13 de maio ultimo,
com que Vmc. apresent >u-me 0 que Ihe dirigio 0
commaodante do batalhao de engenbeiros, rati-
vamente a restituicao que Urn de fazer os alura-
nos da escola militar das gratificacoes de volunta-
rios aogajados, por nio terem urn anno de praca,
decjaro a Vmc. para seu conhecimento e fins con
venientes, que os descontos nos veoeimentos dos
referidos alumoos para a dita restituicao devem sey
realisados pela 5* pane dos respectivos soldos, e
que as quautias a indemnisar pelos alumoos, quo
antes e depo>s da matncula perceberam gralinca-
(des de voluntarios e engajados^4cjn oompre-
hender nao s6 0 tempo em que estao na escola
estudando cono tambem 0 aaterior, se nao sar-
viram elTectivante nas fiieiras por um anno antes
da raspectiva matncula, como 6 clarameate ex-
presso no art. 107 V ultiiuk parte, parton:am ao
batalhao de engenheires ou a oulro qualquer cor-
po. Deus giiarJe a Vine. -Jodo Jose de Oliveira
Junqutira.Sr. Domingos Jose Alvares da Fouce-
3a.
INTERIOR.
Por decreto de 15 d 1 corrente foi nomeado pro
lessor da 2* cadeira do 1 anno do curso de ca
valiaria e infanteria da provincia do Rio Grande
do Sul, 0 adjunto do mesmo curso, capi ao baeha-
rel Man >el Gorreia da Sihvira Neito.
Foi promovido, na forma do art. 31 do regula-
mento approvado pelo decreto n. 771 da 31 da
mar;o tie 1831, a capitao da 1* companhia do 19'
batalhao de infanteria, conlando antiguidade de
21 de marco do corrente anno, 0 tenente do 20"
da mesma arma Domingos Manoel Ribeiro.
Foi transferido para 0 corpo de estado-maior
de 2' classe, de conformidade com o art 26 do
regulamento approvado pelo decreto n. 772 de 31
de marco de 1831, 0 brigadeiro graduado com-
maodante do 20* batalhao de infanteria Domingos
Jose da Costa Pereira.
Concedeu-se transferencia para 0 referido cor-
po do estado-maior de i' classe, na forma do eita-
do art. 26 do regulamento approvado pelo decreto
n 772 de 31 de raarco de 1831, ao major do 18*
batalhio de infanteria Antonio Jose Baptista Ca
macho,
Foram transferido- :
Para a 5" bateria do I' balaltvio de artilheria a
pe 0 capitao do 2' da mesma arma Beuto JoseFer
nandes Junior
Para a 3' companhia do 14* batalhao tie iuiaa-
tena 0 capitao do 18* da referida arma Jose Mar-
colino de Andrade Vasconcellos.
Concedeu-se reforma, de conformidade com 0
1' do art. 9* da lei n. 648 de 18 de agosto de
1852, ao major aggregado a arma de cavallaria
Wenceslao Jose de Oliveira, visio sourer molestia
incuravel que 0 torna incapaz de continuar no
servieo.
Em Tista da parte do supracitado paragra-
pho, ao tenente do corpo de estado-maior de 2'
classe Felippe de Araujo Simpaio, visto sourer de
molestia incuravel que 0 torna incapaz de couli-
Carrespoudeacia .do Oiario de
Peruasubiaco.
C.OUTK 14 PK JULHO DE 1874.
Nenhum facto e.-peoial leu )S n.i politic > diguo
de niengao, o qua e escusado, talvez, dize lo,
visto que, o que debom e mais interessante appa-
rece, e logo transmiltido pelo cabo submarino.
Assim e, que se por aqui alguma occurrencia
exlraordmaria se tivesse dado, ja ahi a saberiam.
Nio deixa isto de causar gran la desconsolo aos
correspoodentes joroalislicos, que estavam na posse
def>rne;er aos leitores noticias por atacado,e
agora vem-sa quasi lancados fora dj raercado por
quem faz o negocio a retalho, muito a goslo dos
freguezes, que diariamente sao servidos coma
porcao precisa para satisfazer a curiosidade por
i'k horas. A grande provisao de noticias, pois,
torna-se assim uma inutilidade, e era breve as
cartas noticiosas serao banidas dos jornaes, por
faltar quem se queira dar ao trabalho de \i las
Para que perder tempo em tragar de uma assen-
tada um rosario de acontecimentos adubados com
apreeiacdes e narrativas mas ou indigestas, se pode
se chegar ao conhecimento de todos elles gradu-
almenle, por doses simples, porem continuadas r
Engolindo cala grao de milho por sua vez, en
cue a galliuha o papo.
Sal va a redacgao, pode dizer-se que", o publico,
quaudochegam os vaperes ja esta de papo
cheio, nao tem perdido nada.
Todavia fallarlhe-hej do que vai pelas camaras,
visto que o muito qua- nellas se diz, nio pode ser
facilmente fornecido em ddses minimus.
No senado, depois que foi app.ovado em 2' dis
cossao o projecto de lei do recrutamgnto, eom as
emendas da respecliva commissao, tem se iratado
de negocios de pouca importaacia. 0 qae mais
tem occupado a attencao dos velhos legist .dores,
tem siJj o contrato da demoliQao dos inorros do
Castello e Santo Antonio.
As leis annnas de forcas de mar e terra, que ja
podiam alii estar, ainda nao sabirant da camara
dos deputados. A primeira pends de 3* discus-
sao; a seguola so passou em 2' diseussao, e
achando se compraheudida na ordem do dia para
3', nao teve ainla occasiao ds ser discutida, e
somente o sera depois de approvada a do mar.
Os debates sobre ambas tem sido tao largos, qae
o proprio cheje da dissidencia o confessou bonlem
em plena sessio. Isto me faz desconfiir qae se
tem discutido de mais.
(ioaodo a opposicao nao se queixa diariamente
contra os em-.erros, como faxia no tempo dos pro-
gressistas, Gcode mini para cniu, pensando que
se tem peidido tempo ; pnacipalinedte quando a
opposicao, nao satisreila ja com o recurso das pa-
redes, de qae lanca mao sem pre que pode, iaven-
iou agora oulro meio de fazer perder tempo e es
terilisar a sessio, as interpellates.
Por qualquer motivo, sob qualquer pretexto, ar-
ranja-se umainterpelltcao. Ja tivemos quatro:
uma do Sr. Silveira Martins sobre terrenes de
manuha dUpulados pela camara municipal de
Porio-Alegre, oatra do Sr. Ferreira Vianna sobre
a mistao Fenedo, outra do 5r. Dujue Estrad. so-
bre a questio religiosa, e finalraente a quarts do
mesmo Sr. Silveira Martins relativa ao erapres-
limo ieiio pelo mioisiro brasileiro-em Loudres ao
Sr. conJe de Aqutla.
Alera destas existem ainda tres subre a mesa,
duas das quaes ja eitao com dia e hora para se-
rem discutidas : do Sr.Deiro.aoSr. ministro
de estrangeiros, que deve realisar-sa hoje, relativa
ao conflicto occorrido com a nossa esqaadrilha no
alto Uruguay, em frenle a povoacao Alvear ; 2*
do Sr. Thomaz Coelho ao Sr. ministro da fazenda
sobre a applieacio dos saldos dos dous ultimos
exercicios; 3* do Sr. Diogo de Vasconcellos ao Sr.
ministro do imperio ainda sobre a questio reli-
giosa. Quer o illnstre depuUlo por Minas, se-
gundo tem declarado aos amigos, analysar na tri-
nio podia deixar de inspirar-lhe a nossa princeza,
digua de to da a attencao, como diase o proprio Sr.
Silveira Martins, nao so pelas suas virludes, como
pela sua infelicidade domeslica. Ale.n disto in-
tervelo parlicularraente no case o Sr. duque de
Saldaoha. embaixador portuguez, dizendo que se-
ria um i grande vergonba deixar o consorte da
princeza brasileira na posicio em qae se achava,
qae o governo brasileiro quando o soubesse
ncriamuit) incoramodado. Cedeu o Sr. Andra-
de e ordenon ao nosso banqueiro a entrega dis
li mil libras, compromoliendo-se o conJe a pa-
ga-las.
Chegando a Lmdres o Sr. Penedo, e informado
do occorrido, que achoa irrega ar, como de facto
era, reclamou o pagamento, e chegou ate a levar
0 negocio parante os inbunaes, porque havia am
prsdio, e outros credores se apreseulavam. Ea-
lendea o msgistrado, qne o empreslimo era de
caraeur particalar, feito pelo comraendador An-
drade, que nio havia dado poderes ao Sr. Pane do
para o haver Por isso decahio a aecao.
0 Sr. Silveira Martins, dosculpando o procedi-
meatol d Sr. Andrade, pelos raotivos que expot,
achou ealrelanto, que o governo obrava .]._._.a
nao ti"-lo maodado responsabilitar.
0 Sr. Rio Branco expoz com franque'.a tudo
quanto occorreu ; conlestou cert as allegacoes do
principe, e concluio dizendu, que nio reputava a
quantia pedida, e que a sentenca do juiz fundou-
se parada com a apre^entaca > do mesmo documenlo.
Alerr. disto ha outros mcios de liquidar-se a
divida
Por hoje paro aqui.
.
RIO Oil: .1 tMllltl
12 DK JULHO DS 1874.
Na camara dos depulados, hontem, fundamentou
o Sr. Martinho Campos os dous seguintes requari-
mentos, sendo o primeiro approvad >, depois de al-
gumas observacoes do Sr. ministro do imperio :-
Requereraos : l. que com urgencia se solici-
te do ministers da fazenda mformacOes das medi-
das por elle adoptadas conforms a recomraenda-
Qao d:.-ta camara, afim de cessar o vexame abu-
sivo de pagar direitos de exportacao para o c )fre
da province'do Rio d: Janeiro, no consulado da
cdrte, o oal'e de origem de oulras proviucias, que
por este porto se exporta.
2." Qae pdo mesmo ministeno se peca infer-
macao do motivo ppr que se coutinda a negar con-
ferencia as guias de cafe mineiro, da das pela rece-
bedoria da Gamelleira, conlinuando por isso este
sujeito a direitos da exporlacio inlevidos, por cul-
pa, mas em proveito illegilimo da admioistracio
da provincia do Rio de Janeiro.Marttnuo Cam
pos.Iynacio ilattins. -Jose Calmon. Camilla de
Figueire4o.-+Barros Cobra.Evangtlisla de Ara-
jo.Pereira,Sqtitos Diogo de Vasconcellos.Car-
los Peixolo.Horla Barbosa.
Requeiro que pelo ministerio do imperio e da
Freitas, depois de algumas observacoes do Sr.
Araujo Goes Junior, o projecto n. 3J deste anno,
que concede as vmvas DD. Cleiia Pirec Valenca
Guimaries e Elisa Araalia da Silva Nery as p-u-
sdes mensaes de 60JI e 841 re reuiunerafao de servicos prestados na guerra do
Paraguay por seus Gnados maridos, coojunclamen-
te com a seguiote emenda :
i< Offere;o como emendas ao projecto n. 33 de
1874, os do us. 29, 30, 31, 32 48 e 49 deste anno
sobre pensues.MartinAo de Freitas.*
Continuou depois a 1' diseussao do projecto do
anno passado, que allera a actual legislacao elei
toral do impeno.
Orou 0 Sr. Florencio de Abreu, ficando a dis-
cussao adiada.
Por ultimo occupou-se a camara com a diseus-
sao da interpellacao do Sr. Eunapio Deiro ao Sr.
ministro dos negocios estrangeiros, apresentada
na sessio de 3 do corrente.
Oraram os Srs. Eunapio Deiro, miaistro dos
negocios estrangeiros e Duque-Estrada Teixeira,
loudo a camara rejeitado um requerimento de pro-
rogac.l 1 de bora, proposto pelo ultimo orador.
A diseussao ficou adiada pela bora.
0 Sr. presidente declarou, hontem, que a diseus-
sao da interpellacao do Sr. Coelho de Almeida ao
Sr. ministro da fazenda tera lugar segunda-feira,
20 do corrente.
Foi julgado, hontem, na camara, objecto de de-
liberacio, e remellido a commistlo respecliva 0
seguinte projecto :
A assembles geral resolve :
a Art 1.* As reforma* dos officiaes do exercito
e da armada nacional se regularao pelas disposi
coes seguintes :
1.* Ao official qae con tar menos de 25 annos
de servieo, quando incapaz am consequencia de
molestia, defeito physico ou moral, sera concedida
a reforma com 0 veudroeato correspondents a
tantas vigesimis quintas partes do soldo da patente
que liver, quantos os annos de service que prestou
a 2." 0 official com 23 annos de service, e com
firehenJido na disposicao anteeedente, obtera a re-
orma eom 0 soldo da patente em que estiver.
3.* 0 official com mais de 30 annos de servi-
cos, requerendo reforma, a obtera independemen-
te de qualquer exigencia e eom a graduacio do
posto immediato.
< 4.* 0 official de mais de 35 a 40 annos de
servicos, podera reformar-se ea reforma cedida no posto immediato, eom a gradna^ao do
que se Ihe seguir.
a 5.* 0 official qae tiver mais de 45 annos de
servicos, e for graduado, obtera a reforma com
dous postos de ai-cesso, percebeodo, porem, 0 sol-
do do posto em que for graduado.
t 6. 0 official que, ao reformar-se, contar mais
de 23 annos de servieo, tera como soldo para a
sua r.-unni 0 que Ihe competir pela patente do
posto elfeciivo em qae se reforraar, e rain tantas
vigesimas quintas partes di accrescimo quantos os
annos de servieo contar alem dos 25, nao podendo,
porer, 0 mesmo accrescimo exceder ao valor do
meio soldo.
Art. 2. Em tempo de guerra podera 0 gover-
no recusar a reforma ao official que a requerer,
except em caso de molestia, corapetenteinente
provada, que 0 impossibililc do servieo.
Art. 3.* 0 terape da servieo ellectivo de campa-
nha sera contado pelo dobro, para a reforma, aos
officiaes e pra^as do exercito e armada ; sendo es-
se teoipo conlado somente ale aos primeiros 25 an-
nos.
Art. i. As pensoes de meio soldo as viuvas
esposas ou mies, as lilhas e lilhos menores dos
officiaes do exercito e armada, de que traia a lei
de 6 de novembro de 1827, serao conferidas
de accordo com os vencimenlos de que trata 0 art.
1, ticando revogada a exespcao feita pela ultima
parte do art. 1 da citada lei de G de novembro de
de 1827.
Ar. 5.* 0 official da armada imperial que ti-
emenda de prorogacao. para inicial a como sua
propnsicao, e adoptal a ou rejeilal a afinal t
c 2* Convem que este on oulro meio seja fixadu
como regra de regimento interno para maauteocio
4aquella prerogativa da camara dot depoladoa T
Pace da camara dos depntadt>s, 10 de jultv.
de I87V. 3Vo Silva.
Depois 0 Sr. Araujo Goes Junior justific m osa-
guinie requerimento, que foi approvado sem de-
bate :
Requeiro que se peca ao governo copia d is
ioqueritos sobre 0 estado da lavoara, feitos em di-
versas provmcias, a os acompanhara. Em 18 de julho de 1874.
Araujo Goes Junior. >
0 Sr. Ctrlos Peix to, tendo obtido urgencia, fua-
dameutoa tambem o seguinte re.raerimento, qae
licou adiado por ter sobre elle pedido a palavra n
Sr. ministio da agricultura, tendo a camara rejei-
tado 0 oedido feito pelo Sr. Diogo de Vasconcettoe
para que este requerimento entrasse na 1* partr
da ordem do dia de segunda feira.
a Requeiro que se peca ao Sr. ministro da agri-
cultura commcrcio e obras public s informacdes
sobre 0 tempo cm que os erapreurios da linha do
centre da estrada de ferro D. Pedro II se obnga-
ram a dar promptas as secedes a sea cargo; a
bein assim sobre a quantia despendida com a con- -
truccao da mesma linha.
a Sala das sessoes, 18 de julho da 1874. Car-
los Pfixoto.
Por ultimo occopou-se a camara com a cooli-
nuacao da discassao do requerimeato do Sr. Sil-
veira Martins, apresentado na sessao de 14 do cor-
rente, pedindo esclareeimeotos acerea dos ados
criminosos que lem praticado aa provincia 4s S.
Pedro do Sul os sectaries de Maurer, a pedido de
urgencia proposto pelo Sr. Florencia de Abren.
Oraram os Srs. ministro da jostiea a Silveira
Martins, Ikando a diseussao adiada pela hora.
Logo no principio da sessio tambim a camara
approvou bontsm sem debate 0 seguinte reqaeri-
inento :
c Reqaeiro qae por copia sejam fornecidos a es -
ta camara >>ela aatoridade eempetenle : os do-
cumentos relstivos a demissio dada a Julio Augus-
to da Silva Garaa do lugar d- oSeial extraaame-
rario do corpo de fazenda da armada; 2* 0 proeett-
so a que por crime de desercio respondeu e*
cidadio; 3* 0 offlcio com qae, por S. Exe. 0 Sr
chefe de policia, foi elle mandado apresentar preao
ao quartel do corpo de imperiaes marinheiros ;
4* os assentamentos qae nesse corpo tem.
Pago da camara dos Srs. deputados. 16 de ja
Iho de 1874. Dr. Pinheiro Guimtraes.
Tomou hontem assento na camara 0 Sr. J*s>
Alves dos Santos, depolado eleKo pelo 3* district'
da provincia de S. Paulo.
(AGtNCU UAVAS KKUTCR,.
justiea seja remetlida a esta camara copia aulhen-
tica da correspondence do ex-oresidente da Ba-
hia, 0 Sr. Cruz Machado, sobre as occurrencias,
assuadas e mantfestacoes populares alii bavidas na
capital e na assemblea provincial all, 16 a 17 de
abril do corrente anno, a;ompanhada das partici-
pates que as autoridades policiaos e mili-.are? ha-
jam feilo dos mesmos acontecimentos. Martinho
Campos.
Vencida a urgencia, a pidido do Sr. Araujo
Goes Junior, para que entrasse immeJialamente
em diseussao 0 2 requerimento, orara n os Srs.
Cruz Machado e Araujo Goes Junior.
A camara rejeitou em seguida 0 requerimento
verbal do Sr. iguacio Martins, para a prorogacao
da sessao por mais raeia hoi a.
A diseussao licou adiada.
- 14
Hontam, na camara dos deputados, logo que foi
aberta a sessio, houve ami questio de ordem em
qae toauram parte os Srs. Silveira Marlins. Pauli-
no de Souza, ministro da justiea e Pereira da
Silva.
Passando a ordem do dia, approvoa a camara 0
parecer da commissao de eonstitoieao e pjderes,
julgando validas as eleicoes primarias feitas a 18
de agosto de 1872, nas parochias de Araruna e
Santa Luzia de Sabugy, da provincia da Para-
hyba.
Oceupou-se depois com a continuaQao da 1*
discussan do projecto que altera a actual legisla-
cao eleiroral no imperio.
Orou 0 Sr. J. de Alencar, ficando a discassao
adiada.
Por ultimo coutinuou a 3' diseussao do projec-
to que tixa a fores naval para 1873 a 1876.
Orou 0 Sr. Diogo Yelho. A discassao licou tam-
bem adiada.
15 *"*<>"
Na camara dos deputados hontem, 0 Sr. Carlos
Paixolo, depois de algumas observacoes, envioa a
mesa uma representacao de nabilantes da cidade
de Uba sobre a questao religiosa ; foi remetlida a
commissio respecliva.
Em segaida, tenlo obtido urgencia, 0 Sr. Silvei-
ra Martinsj fundamentou 0 seguinte requerimen-
to, cuja diseussao ficou adiada por ter pedido a
pal.ivra 0 Sr ministro da justiga, seado rejeitado
um requerimeato verbal d> Sr. Araujo Goes Ja
nior para que &)mecasse logo a mesma diseussao
Requeiro qua se peca ao governo in( rmicocs
sobre 0 numero de as>a teem praticado na provincia do Rio Grande do
Sal os sectari >s de Maurer, e quaes as providen
cias tomadas pelo governo para evitar maiores
males.
t Em 14 de julbo de 1874.Silveira Martins.B
O Sr. Diogo Vasconcellos mandou a mesa a se-
guinte interpellaclo, para cuja diseussao nao fo-
ram designados cKa e h.ra :
Requeiro que se marque, na forma do regi-
mento, dia e hora aoSr. ministro do imperio para
0 interpellar sobre 0 destine que teve 0 rscarso a
corda, imterposto pelo procarador da coroa em
ver contribuiio ou c^ntribuir por 30 annos para
0 monte-pio, sera eonsiderado remido da contri-
buigao.
Paco da camara dos deputados, 14 de julho
de 1874 F. J. Cardoso J amor.Escragnolle Tau-
nay.F. L. de Mello Rego. -Dr. F. Carlos da Luz.
T. P. de Bitlencmrt Cotrim.
16 -
A camara dos deputados hontem, depois de orar
0 Sr. Balbino da Cunha, encerrou, a pedido do Sr.
Gusmao Lobo, a 3" discussal do projecto n. 18 A,
deste anao, que lixa a forga naval do imperio para
1875 a 1876.
O preieclo foi adoptado e remettido a commis-
sao de redaccao, sendo rejeitada a emenda do Sr.
liiitencourt Coirim ao art. 3, apreseuiado na ses-
sio de 30 do mez findo.
Continuou depois a 1" diseussao do projecto de
1873, que altera a actual legislacao eleitora!
Orou 0 Sr. ministro do imperio, ficando a dis-
eussao adiada.
Passando a 2* parte da ordem do dia, occupou
se a camara com a '> discassao do projecto n. 10 A,
do corrente anno, que fixa a forca de terra pars
1875 a 1876.
O.aram 03 Srs. Pinheiro Guimaries e ministro
da guerra.
A diseussao ficou ainda adiada pela hora.
17
Depois de orar 0 Sr. Theodore da Silva, foi en-
cerrada hontem na camara dos deputados, a reque-
rimento do Sr. Agesilao, a 1* diseussao do projec-
to do anno passado, que altera a actual legislacSo
eleitoral do Imperio, sendo 0 mesmo projecto ap
provado para passar a 2' diseussao.
Em seguida, a camara approvou tambem um re-
querimento verbal do Sr. Cardoso Junior, para qae
aquelle projecto fosse dado para a 1* parte da or-
dem do dia seguinte.
Continuou depois a 3* diseussao do projecto des-
te anno, que lixa as forcas de terra para 1875 a
1876. ,
Oroa 0 Sr. Silveira Martins, ficando a diseussao
adiada pela bora
Foi apresentado 0 seguinte substitutivo ao 1*
do art. 2 da emenda approvada em 2* diseussao ;
a Fiea 0 governo autorisado a crear nma com-
panhia de aprendizes militares em cada uma das
provincias, onde nao ha arsenaes da guerra, com
0 Dm de preparar soldados e inferiores para a ar-
ma de infanteria. Esta creacio sera feita gradusl-
mente, nao se podendo fundar em cada anno mais
de duas companhias.
a Sala das sessdes da camara, 16 de julho de
1374. F. J. Cardoso Junior.-Mello Regt.Es-
cragnolle Taunay.
-19
Na camara dos deputados, 0 Sr. Theodora da
Silva fundamentou hontem a seguiule iudicacao,
que fi.i remetlida a commissao de constituicAo e
poderes :
< Nao compelindo ao senado a iniciativa sobre
impostos, prerogativa so da camara dos ilepulaJos,
indico que a commissao de cunstituicio e poderes,
attendendo as disposicioes dos arts. 15 s 10, 36, |
11, 171 e 172 da constitaicao, d parecer sobre os
seguintes pontos:
1 Se, por meio de emenda a projecto de or-
camento para oxercicio determinadq, 0 senado re-
solver que 0 ore,amento vigore no exerciclo seguin-
te, dave a camara dos deputados, no intuito de re-
salvar a sua prerogativa, separar do projecto
m-uv.'llu-. *. O ron^rcHMo. rru-
nldo pur luiciatlva Ho isaperador
da itiixMia. para lixur an rt-gran da
lei iiilt-in nioiiiiI a obm>riur-iip no
tempo de guerra, fea iij<' a ins pri
aielra iesao no palario do minis
lerio don nesoclun extraaf;eiroM.
Foi elelto preMldenie do ronxrriiso
o conde Joanial. Am dellberat
da aiittemnlea Hraram HerretaN.
Madrid S3. Fiscram-Me muila<
prisoeM em Barcelona em membra*
dan TamiliaH nobreat c do rlero. ait
quaeN c allribue KUMlentaresa
ni>\ imenlii rarllsta. EMMai* pri
6<- forum <>i-iii-iiati)i pelo gover-
no como rrpi'i'.aiia<4 as e&eeurden
(citas pelos < ai li~ia-.
laondreK 'ii a nuiic. I ma nnmm 11
couHideravel de ou.n foi retirada
hoje do banco de Inglaterra eom
deslino a Irama. ConxolidadoM
&t .1 s Ko mercado do cafe os pre-
t'os eg tao lirmeM.
jiverponl Zi.O mercado de al-
Kiuiiii) coniiniia a suslenlar e. An
vendait efTectuadait hoje compre-
liendem K.OOO r.ii-ilo-.. do* quaex
1.9SO da Anteriea do Mul-noN pre-
ros de Pernaauburo FAIR H 1/1 d..
siantoH idem s 1/ltt.
(AGENCIA AMhKK.A.NA.
Havre 15. Venderam-oe 3.000
Niici'os com cafe, sendo 1.000 de
procedenrla braaileira. a 9tt e o
do Bio. e lot; t- 109 o de Waaatest 1
deponito IOO.OOO xarciiH. seado >>5
mil do Brail. Algodao %enderam-
e eoo saccas t colamon o de Soro
caba a 94 e o de Pernasnbuco a 99
nominal.
Rio de Janeiro Hal h. da (arde.
Ca 111 hio sobre Londres 95 5,'H e *."
3 1 bancario flrnaiMislmo. Chesron
de Pernambuco a barca lnsrlesa TA-
U8MAS.
Bahia t> is II h. e IS m. da ma-
nna Chesara in o BOX St: e DOURO t
amboi Hahlram a turtle, este para
o Rio e aquelle para Pernambuco
Para 9* aa 9 h. da tarde. Che-
srou de Liverpool por l.lsbit o va-
por inriez AMBROZE. Assaaahs sake
para Liverpool por Llsboa o vapor
ingles LILIAN. Cassblo sobre l.oa-
dres 95 3 1 bancario e particular.
tSeneros Inalteravels. sake hoje
para New-York o navio ARMIE, eom
eiacoenta mil kilos de berracha-
DURIOUE PERNAMBUCO
RECIFE, 28 DE JULHO DE 1871
IVotieiaa do sal do imperis
Amanheceu nontem em nosso porto o vapor J*o-
rand, tratendo daus : do Rio da Prata It, ds Mi-
nas Geraes 15, do Rio Grande 6, do Parana 5, de
S. Paolo 16, do Rio de Janeiro tO, da Bahia 111
das Alagoas 29 do eorreale.
Alem. do que damos sob as robricas Pa cial, Interior, Rerista Diaria, Dtp toman a e r*-
riedade, encontram s nos jornaes 0 qne stiffoa :
HATTO GBOSSO.
Palleceu em viagem para Popone, 0 cem-
mendador Luis da Costa Ribeiro, depulado pro-
vincial.
BIO BA PSIATA.
A revelucao que se diiia dever rebeolar em
Buenos- Ayres, nao deixou de causar susto a po-
pulaf.ao daquella capital e despertar a attencao
das autoridades.
Os menabros do governo e 0 chefe de poticia
conservaram se durante a mite de 9 em suas re-
particoes ; a tropa esteve aquartelada e torna
ram-se todas as providencias para salfoear 4s
promplo qualquer movimento. Ja sabemos qne
se fiieram aigamas pnsoes.
No dia IS devia proceder-se a apnracao da
eleicao de presidente e vice-presidente da Repu
blica Argrntina ; mas ate II tao peqaens era o
a numero das act as recebidas das provincias prin-
S


J
<
.4


-r-r--
.781 U.LOiLuU
H%
eipalmente (JaqadlsT'Otrte-.TrRnrphararn m *i-f tr A'-ro'tei* qne n* (fins dem* sobre
tristas quepareeia iadisaeaiivel alnr-o a au- iniua de carvii do oe.lra,.
racio. wts na a acercscenur o scfiri
Continuava ifsfirffl- de thema
feira 28 de Julho de

.era I .mhy,
em nes.-u
pa'X af coir-
versucdes era BaeiWaViWres a aunuaoiada iwasao
Centre Riot, ehei^ttido le adesignav Fedecacion
no o ponte onda ella aaeffectaara ou de,via effec-
tual--se.
~ A esterespeito public rao iv"acionai, quo o
goveraador e a Ommnmcara logo pacaf aeaos-Ayres, e que
quo c presiaerite SarmieA temava as medidas
convenientes par* puntr a* pertuobad ires da or-
dem publics
A Preitsa dii qae os cafcecas do movimento sao
Verei, do deparlamente de La I'az, Pico Carooel
e ouiros que militarara sob as ordens de Lepez
Jordan em 1873.
O Dr. TejeJor, aoniraciam a* fulhas de Rue-
nos-.iyres, ira brevnente aeorte, tritar da ques
tao de liraites entre o Brazil, a ltepublt'ca Argen-
tina j e Paraguay, segundo bases ja aceitas pelos
inter essados.
finham j ehegado a capital as canlion?ira-s
areeiUiflai Parana e Uruguay.
WTIeeerae general Mathias Zapiola, C3tnpa-
nhelro de San-Martin.
Oil o Teienrfpho Marilimo do 1i i 2 que dentro
de tres jeminii estara o Rio da Frata em com-
muniiaeau instantimea com o coniraerite europeu
e aracricano.
A caraara de senadores em Montevideo appro
vara am projecto autorisanda o pader exeeiuivo
.. Eoiicitar fit Santa Se a creacio de nrn bispad
bo Estado Oriental. Era, pore\n, pouco provavel
jue o prejecto encon'.rasse approvarao na cainara
dee representantes.
Ac.iase em Montevideo o ftioiswo rhilena Blesi
Gaua.
A 'omroissaa de fazenda da camara dos reare-
sentaated no Estado Oriental apreseatara j a o seu
i'areisr, que cjoclue prla rejeiQio do contrato
de e nprestinio eelebrada em Londres ad fcferen
duoi.
Ma.idara-se proceder a nova eleipSo do e lle-
pio eleitoral que awn de votar para senador pelo
departauiento da Culonia.
MINAS-GKR1ES.
Nolicia o Diario de Minus, desta data, que pro
*imc do districto da Madre de Deus, termo de S
Join d'filR*t, eacontrendo-se o fazendeiro Mareia-
n> Te xeire. alii resident", com seu irmaa Joao
Gualbjrto Teiieira, que era l." supplente do sub-
lelegsdo tie policia, travou se entre os dons ques-
tio por eaasa de uraa cerca que (iira riesmancha-
da. >ubindo ao auge da irritacio, Narciano dis-
paroo urn tiro de rew^lver sobre o u mao, esten-
dend'O morto.
RIO GRANDE DO SIX.
A variola ia tomando caracter epideniico em Pe-
lotas.
Andava cada vez mais obrealtada a povoacao
labori ua da cul mia do S. Leopold') com os con-
tiouis e liarbar attentades uommettidos pelos
ftoatisata adeploe de Maurer
()- :.iletnie-t residentes em Peljtis dirigiram a
pre>i>l'-ncia di pforineia o >cguiute abaixo nM-
n.'nl'i, m 29 do passado:
.. Oi abaixo a;signad>s, allemiies, piofun lamon
t> indigHtdos pelos crimes de tio eslupida quao
nialvat.1 seita do fanatico Maurer, aypellidado
doutur wilatrcso, assessorerdo pelo, por tantos ti
lulos, reprlioe infatne ex padre proteatante Klein,
ambus quica occu'tamente amparados pelo proprio
dtb'gado de policia de S. Leopoldo, que, coma sa
hem.", e amigo e parente muito ehrgado de um e
de outro; liorroris tdos pelo sangue que ja tern
mJ ) vt!rtiio por esses vampiros de nova especie;
certos que m>i< aioda ha le oorrer, se nao Uou-
ver paradeiro radical a ados de scivageria e be*-
lialidade, que dolurosamente euverg^nham a alias
tao :u rint*ada e reii^iosa r#ca gennanica.; per-
-uadidjs que quauJ i os ruedicaruentos nao co-
ram, cura Qiferro, e quanio o fctrq nao cura, cura
0 fui:.) nau Mi res. i a^aniente peJem, como en-
oare:i lamenie pnpluv^in a V. Exc, haja (mr-bem
man Jar proceier, .-e precao fur com ferw e fopo,
esem a muinna cantemplajj.), nem miseriiordia,
contra os fanaticos selvagens da seita Maurer,
Kl-in .'v C ; V. E\c. reeenera as bengios de to-
d'.s al emaes de auiuu probo e honesto, resideates
aesta provincia.
S'giiem se'Jo asri^naturas.
Fug o da cade i do Alegrete o alferes da guardo
zucioual Candida Carlos de Araujo, pronuaciada
par crime de morte, que tinba de ser jnlgado pelo
juizo de dir-itoda comaica.
0 Dr. Pedro Bernar.les Primavera. inspector ge-
ral dar miuas da provinJia, regrifsara de uma via-
gem, tiindo visitado e examinado as minas de La-
vras e Ca^apava, as jazidas mmeralifera? de S. Ga-
briel, as carboaif^ras do Arroio dos Ilat,os e as ne-
* dreira- de mar da Encruzifhada, cjnrorme' Ihe tara
mcumiido p3lo govern) provincia'.
ItefiTindo -ea esta inspecj'ao, diz o Rio Gran-
dtnse :
u As rnfornracoes que no foram verbalmente
fornec das pelo iUu-trado minetalpgo, conH'rmam
tudo quant se dizia sobre a extrhordinaria rique-
za das jazidas rnetalliOr'as de Lavras e '^acapara.
li ourc alii se acha em magnillca farmarlo secun-
daria, tendo o diarito o caracter preJominante nas
pedras. Ila oora em quartzo diaritj e ate mesino
em {.Tiiiiito.
0 ehagl imerata quo forma o fundo da lagfla
N ii-,V' s iDrrnr.'Jo aurifern, e a pronria area con-
itiz our* eS po em regular quantidade. Mas a
^aior fortuna da~ initaas de Lavras nio esta nisso
-ia sun. n.i extraordinaria riqueia de chumbii
. hi prata de 2 "|. t 3 "|) e de cobre. que excede
i-.id) quaii'o ate hoje se l:in visto no BrasH.
A mina qne outr'ora. fvii parti ulannenle r?x-
plorada p^r Miguel Me-a, cantem no mesmo paeo :
ouro, cliumbo, pfala e cobre. E' uma riiiu'eza
nunca vista, e se h juver regulares metos de trans
porte, prodazira o irahatho das minas He Larrts e
. Cart;'iva r'Milt.do-fali'ibsos. Para que iso se
consign, devea respecltva caiupaaliia profdeB^'ir
no seu'tido de estabeleeer cuipmunica'^Ao'a vapor
com os mercados qhe Ihe estivere'm mais a
geito.
V. n S. ilabriel ha carvao e ha ouro em terre-
no alluvial; nao ha, poreu), prata, e muito menos
platiu.:, iamo alguem se persuadira : toda ? lor-
macao e\absolutameite eoutrarla ;i pLitiua.
a Oi trabalhos das inas de 5. Jeronyiuo pro-
gridem agorasalisfactoriamente, eo carv3oencon-
trado vcentemente em um veeiro mais a oes'.e e
do qu;ilidade muito superior ao qne esta sen'do la-
vrado eos pojos aniig>s. Confirma-se assim a o;ii
niao, >|ue sempre rnaoirestamos, que o carvao do
Arroio Jos Ratos. mell.orara a inedida que se de&-
cobrir outras 'camadas mais profundas, ou colluca-
das eoi direc.-ao mais conveniente.
As pedreiras da Cncruziluada foram ach^das
em optima esta la pelo inspector das minas da pro
vincia A pedra (; superior, e nao si ha marmo-
res de optuaa quaiidaJe, mas tambern (e isto e
talvez de summa importancia para a compannia
pedrat para lithographia, como melhor-e) nao exis
tem em qualjuer parte do universa.
Campre aiuJa nolar tjue o Dr. B.Taardes Pri-
mavera achou as machinas tadas prompus a fuDC-
eionar, e as 'qcalificou de optimas eo, sua especia-
iidale.
Q janto .'ao resto da formacio geolegica do
munxipfoda Eiicruzilbada, suteuta o ii;u>trado
mineralogo que jieve haver cbujubo : 'a poato e os
conce-?i)narios de sua luinerayio achareacno.
Reft re o Ariiifc de 4 :
o Itenasce a du'vida s,obre a valor pjir qu do-
vem sit o^tiraadaais maedas ooJiviacS e;u eircu-
la^ao.
* H lutern, na aaacad >, ninguem as quiz reee-
ber p ir mais de 600 is. A pra^a do comtnerei),
era sua ultima reuaiio de 28 de maio, lr.es den tor-
so por 700 rs., ou antes ueliheron quo por e-=ss
valor tivesse circulacjio. Os praprietarios de ta-
IhOs, D) aeread porem, a isso se nao qu^rem su'
jeitar; e a verdade ii qut amguein o>p6 a mu'Iir de opiniao.
Ditenj. eues: as boliviuias abuadam, e os
criadores, aquelles de qu;in dependemos, aegam-
se a re :ebel as por 700 rs.
S. PAIXO.
Augmeolava, de inlensidade a variola na cidade
de Sanlos. Qasr a presidencia" da provincia. quer
as autoridadts Jocae- davaoi providencias ab'm
de miuorarem os sofTrimeDtos da classe menos
abastaca. As eirfermarias tinharu nao pejueno
nurai-ro de bexigueulo's.
A receita e despeza da estrada de /erro de San
los a Jundiahy. no mez de abtil, foi a segninle
^'H2^'3^'*890' <**peza 76:906*870, saldo
13Z:02',I j0i>).
Esta ultima quantii, reunida a de 688:5Jitf7-?M),
renda liqoida de Janeiro, feereiro e marco, perfaz
a som-.;a d 87l:.471*770, que vein a sera *aldo
aos quairo pritnairpinjjezesdo corrente anna
tZu2F*'Ull dsPf Ua e*"ada de ferro de
Jundiahy a Campinss, no mez de mai> proximj
hndo, conform* as contas da linha, dad os'seguin-
iV-Xwi'iSi108 c ,r,eCi:!',a 3 :336i380. despeza....
21.288*084. Saldo liquida 3:847*545. iai SmtiSSA"' Tolal nw eiBM'raa-
e,
poder algema^^B.-tras carvan (itie aa'epl.
niao dos eaieadidn 6 da melnor qu.iUli V, da
mina fl'je^sta.desUnala a seruma,fonte d.e rj-
queza daquelle innnicipio.
' 9"Sr.'L. M. Saylasky, qrte segirio para a
[.corte a 5, levou algarhas amostras para apreseu
Ulas ao gi,verso. Mas a descouerU uao para
abi da mesma mina extrahio se kerosaoo de
exceJIente qua'iJade,a avallar se pela amastraque
tetaos, comfruanta ainda nao (RHiflcado. Sao
d#cobertas lio iraportantea para o fulura da prQ-
Vttacia, que dispeasam quatquer romincntano.
Coosiaca que haveri.i orevemente na capital
uma reaniao de saeerdoles de toda a diocese,
afhn de deliberar.-se qual a att'tude, que conviaha
tomar Ra actnal questao utafBoicoreligiosa.
Achava-e 3e nova na pretincia o Sr. Brulms
umjfss e- ncessionarios do privilegio para a nave-
g Qao dos rios Piracicaba e Tiete ate a colonia da
Avantiandava, que iSra a Enropa busear o'lnate
rial preciso para a dita provincia.
F/ira preso no dia 30 do passado, em Tatuby, o
famigeraJ.) racinora Salvador GregoTlo.
llcferin lu-se a -este malvado, diz o YpMema
d7 :
a Por scntenga de 16 de dezerahn do anno
passado foi ell* conJemnado a gales perpetua
pelo jury de llapetininga, tendose evadido da
caa de correC';ao da capital, onde estava a
cumprir a pena, juntamente com um ilaliano de
name Janine, isto ha um mez, mais ou rnenos; os
dous gales evadides apartararn se ao lugar deno-
rainada Estiva, proximo ao Aiarabary; Gregorio
veio a Taluhy, e estando a provocar desordeOs,
arinah de uma faca, a patrnlha prendeno, de-
pois de tenaz resistencia, por parte do mesmo, qne
ferio ii uma das pracas nos dedos e a outra no
flaneo; recolh do a cadeia, d iclaron seu nome.
Este malvado, que se acha tioie nesta eiiftde,
na cadeia, onsta ter sldo autor de Jiversas tnor-
tos: acredita-se scr elle o asasino de um italiano,
cujo cadaver foi eneonlrado no Alambary; de
um seu patrao ; de um Seuproprla til ho, aa qual
pegou por uma das pernas e esmagou-lhe o era-
neo e.ntra uma pedra I
a E' revoltante o cynismo com qne esse desgra-
cade ri fere alguns factas de sua vida s^lpicada
de sangue.
Diz elle qne esta ancioso de seguir para a
capital, por ser a fugt das gales mui facil, e pro-
mette voltar logo
Le*-se na mesma folha :
a Escrevem-nos da Casa-Branca, e.u dpta de
27, o seguinte :
Honiem quasi ficon arrasada esta cidade, por
ter desabado sabre ella nm forte tuf.io, qne Ca-
meroon pelas I hores da tarde, mais ou meips,
durandode25 a 30 ruiuutos, e acompanhado de
una forti-sima cauva do pedras, send < do tama-
nho de ovos de potnba, para mais.
Os rstrasros produzidos foram consideraveis ;
muitas casas derrocadas e outras arruiaadas qaa-
si totalmcnte ; a cadeia ficoa sera sorVenti* ;
desabeu a t-rre da igreja do cemiterio, causando
muito< e graves prejuizos.
c Nao tnave mortes, mais varias pessoas flea-
ram contusas.
Somos levados a crer ral mais 10 minutos, muitas teriam sido as vicli-
raas.i
Coinmunrcaram de Campo Bella que as jesuitas
haviam negado a!li sepuitura ao cadaVer de ima
pobre mullier, p >r ter fal'eciio na casa de um ho-
mera com quem nao era ca^ida t
MO DE JANEIRO
TeiiJo silo approy.clai as elei^oes Je
Minas Geraes, l">i Jeclirado senador poressa
provincia e tomou assento o commendador
Antonio Can 'Ho da Cruz Michado.
.Na sessao dessa cainara, de 15 do
corrente, u Sr. Cunha e Figneredo justifibf
e ma Ida a mesn oseguinte substitutivo que
e HJo-i approv.ido e posto conjuactarneiite
em discu.-3o :
a Art. l. lv autorisado o governo a dis-
pensar nos estatutos das faculdades do im-
perio, rnandando :
3l l. Admittir a fazer acto o alumno
que, por motivo de forga maior, bem justi-
tica.lo, o. nao tenha podido prestar ou ma-
tricul.ii-se no devido tempo, uma vez que
no primetro f-aso tenba provado e no segun-
do possa provar o anno lectivo.
2 Admittir aas 15 anuos completos, o
alumno que, ale^n de provar boa couducta,
teuba obttdo em todos ns prcparatoriosap-
provagao plena ou conseguido tres distinc
goes.
2. O prazo para valorem o.s exames
preparatorios lies elovado a 0 annos; send >
applicavel esta .!ispas'i;8o aos alumnos quo,
at.tes de pro.nulgada a preseiHe resului}:io,
hajam feito todos os seus exames dentro Jo
dito prazo de (* annos.
Art 3. Os alumnos anno estiverem frequentan lo as faculdades
na qualidadu de ouvintes, haven Jo jd fe,ito
todos os exames preparatorios, ombora es
tejam alguns destes pre^criptos, poderaoser
admittidos a faz;r acto das matenas do 1.
anno, comtanto quo provem a freipjencia
dos estatulos.
Art. 4." l-'icam revogadas as disposigdes
em contrario.Cunha FigimeMo
Na scssau de 18 o Sr. Candldo Men les
justifica u inauda u mesa o segainto reque-
rioietito :
Kequeiro que se peram ao governo as
seguintos informago?s :
l.'.Que uumero de process^ se tern in-
tentado nas dioceses deUlinda, Para e Ma
rianna accclesiasticos por causa de assu'np-
tos que intoressam & igreja, des;de o anno
de 1872 ate" o presente. *
2." Se em algum destes processos foi
condemnado o reo ds' penas do art. 196 do
codigo criminal, em 1/ou em2.* instancia,
e, sendo possivel copia verbo ad verbuui das
respectivas sentenijas. T
3 Os nomes dos oulros reos* coniem-
nados em outras' penas, coin deClara5 delictos praticados.e as ultimas decisoe.s-
Mendes 4e Almeida.
E' apo;ado e posto em discusao, 6 qual
a palavra o
emuiutaau, iIbii tmavia w mclbores n o-J namo* ^mjiwgulila a carta que aca*a"!e nas 'ser
sins quali la !es tiautica* e
extra irdioaria V de
laarc ia
,oes.
Hsui, paitaiito, provada, com aopioifl
doe prods iouaes, a excellencia do itivento
do Sr. Trajano.
>'o dia. 18 a nouto rtsalisou-se, no
C.-issino I'iuirniiense, um espletitlido baile
em regosijo pda itawpura?4o do se/vi(;o le
legraphico com a Europa.
BAlltA.
No ilia l.i do corrente ci'lebraram-se,
aa atbedral, exoquias sokmnes pelo fmalo
f0^)ispo coade de S. Salvador.
Ka Hecefra Manoel An tunes Pimentel,
adminislrador aposeiitado do correio, com
GO aunos do idade.
-pd I a 21 do corrente foram exporta-
dos 103 cscravos, que pagaram* 20:6009
de imposlo.
Arribaram: a galcra ingleza Solent,
que ia de Londres, com agua aberta ; o
patacho inglez .ikbar, que ia de Greenock
para Campana, por dosarvorado ; e a pobv
ca italiana Favor Ua, quo ia do Buenos
Ay res para (jueen Stftwtf, cord'agwa aberta.
Nos ultimos dias reinara nas costas
da provincia temporal desftito, com vento
rijo, cliuvas abundajites, e cerrajao.
Em liapagipe fest'-jou-se com solemniT
dade o dia 2 do julbo.
D. Ignez M"i(rta de Oliveira Lage .liber*
tara gratiiitimeDte class suas escravas. e 0.
(iuiiiienuina Rodriguej Cresceute libertara
em testamento a 7 escravos seus,
ALAGOAS.
Nada occoreu digno de menjao. -
a suaI J"BiJ Pp' 3r _repi*..-ntaiite da agenda anaencina ac'-ihi*>, ,. !) Ulireira, nesta provincia. ,.AUcuaiIh ei- condemnado a i anaas de n.-ivi-i ca.n I
P
RBVISTA DURIA.
iiiiiiieciu> iiiblicia.--'Por pdrtaria
presidency da provjneia, de 21 do correh'e, .Jp-
rara removid"S os seguinfes profeisores : da ea-
deira da Sirihard para a de Pesqueira, Ruliuo
Epiphaoio Rodrigues, licand) a'Ssim sera edeilo o
acta de 20 da,corrente, que o uouieira'para a de
Buique ; da de Pesqueira para a de Ouricury, Va-
leriauo Bezer.ra Cavalcaate de Albuquerque ; da
de Cimbres para a 'de Lagda dos Galas, Urtila
Cesarina de Andrade Luna ; da Je O.'ha d'Agua
das Bredos ,iara a da Villa de Cimbres, Felippa.
Fiiripes de Farja Mella,
Por portaria da mesma data foram suppri-
mida-', de accordo cam o (art. 21 9a lei n. 1,U3
tie 8 de junho ileste anno, as cadeiras do sexo
niasculino de Leopoldioa, C.ipim, Caraboa de Pao
d'AIha ; e a do sexo feminine de S. Jo^e de In-
gazsira.
Cuurd.i local.- Poi portaria da presiden-
p* da. provincia, de 2i dO'COrreat-', f)i nomeado
sargente da guarda local de Barreiros Franciseo
Autania Lopes.
Par piiriaria da mesma data, fai con.ide-
rada sera e^eile a ndmeafcJkTde Joaqaim Mijuel
do .Vmaral para a cargo de sargento da gilaTda
'-ic^l do muhic pio de Santo Antlo, por nio a ter sna ler.ura.
aciitado.
' for portaria da mesma da'a, foi nomeado
para o cargo de sargento da guarda local de
Santo Antao, o da de Barreiros lose Marinbo de
Hallanda Kalcao.
Autoridaiio pollrial. Por portaria da
'pre*idehcia' da provincia, de 2i do carrente, foi
nomeado 0 tenente Sfaaoel Aprigio de Muraes,
para o crfrgo' de 2* supplente do delegado de po-
licia do termo de Garaelleira.
testalps qii9 apresentoa. jJro"Maaoel
pC> a 'JU, inaaifcstainos ;ue n*j nos anima. "-en-
tiaKime algum hi^iil m,..jm *ginV,'pfiW ^iib a
au-;-,ia.i'.s segundo uos?;k foffas, em eA-lppare-
ciraento. vT
Els-a cam :
Recife, J7 de jalho de 1874.Srs. radactores
do Diai io 4e Pernainbur-i Na sua Moid* DianaA.
de hoje, V- Sj. aoiiciando a insersio qul fizeraaj
dostelefrasnmai recebidas d'agencia ILjms alefl-
ter, diswn due taes lespachas sac da. summa im
portaiicia.jlque io Hies foram commonicados
pela Agenate Americana.
v Sein eittrar aa apreciacao da qualiflcafio que
Vv. it. deram aas sMencionadol ti'tegramraas, cam
pre-ie, entreUcRo, como reprasi-atante d'Ageaaia
Amaricana, impMiiar a desfavoravd idea qua das
oWaaas palaviasde Vv. Ss.se pode iaferir para o
servico da empreza, que me honrou com sna era
func.a.
Aioda nao ha nm mi-t, como Vv. Ss. sabem
perfertarneote, que fucccima a Agi-ncia America-
na, e seria loucura querer compar.ro seu servico
eoffl o de Outras emprezas" anlfgas e Completameti-
le ejtabelecidas e:n toda.s as'partes do mundo ; e,
por tank), qaatulo ain4a'osfeos igentes vio eai
camiahOtPor dizer assiiB, me.parpce jnjusta qual
duer ftetfsura', queselhe possa lartr por semelhan-
le mfttjvo ; alerc de que, lilha da inissa paiz, dos
esfarrjos louvaveis de algnn! 1>ras1leiros, ^Ue pro-
cu;atncmn o ettabelecimewo della mais a gloria da
sua patria, do qne lunrOs' du'vidosissimos, a nova
emprewJem o diretlo dtEncflnttar _na_iilustrada
imprensa.do Brasil am apojo lisongeiro, sem com
rodo elmbiif*r em tiada os Inte'reVes de'outras
quaesqner estrangel'ras do mesmo geilero 'rfue, em
boa hora, Tennara estaW^cer-se' era abssa terra.
a Tenho plettt conviccllo'dequS* Agetcia Ame-
ricana' Telegrajihica Gomes de Oliveira ha de cor-
re-['on.ler a espectativa pfeliJlca, e oeOupar a devi-
da pdsi'.'Sa a qde se dirige.
' Espero do cavalheirismo de Vv. Ss., a insersiO
desfas Imhas na;sflcc5oda sna Recista Diaria.
Sou com toda a cohsideracSo' de Vv. Ss. crdado*
obrigado. 'Jos?Si Vaseotttxilos.
Wi-mrraoit.-Rm fins Jo mez proximo Cndo,
uma menor de nome Martha ferio com unv tiro' a
seu proprio pn\, Manoel Aotonio, que vcio a falle-
eer poucos diai depois. Este lamentavel facto
deu se no terrto do OuricofV.
A criapca es.Ia presa, e o inquent) prodnzido
pela occurreridia, teve logo o conveniente des -
da tino.
.iianuininsiMi. -Manoel Maciel, escravo do
major Virginio Barbosa da $ilVa, senhor do enge
nho'Sacambt'i, foi cohsMeiailo'litierto e mandado
Siassar a respecliva Mrta' por senteuca do Dr.
Qiz de drreito da cotnarca do Cabo, datada de 23
do orrente. W o 'segd'nweseravo do major Vir--'
ginio. qne mediante peculio proprio, obtem ju-
diciajmen c' a Irberd.-tne.
ArrlTiada. -No'dumfngo arriboa, com agua
aberta, a barca ipgfeza Hampton Court, qqe daqu1
sahira a 23 do corrente, eom.*ura carregamento de
6,000 ficcos com assucar para New York.
ftf cl)frta"4e Commmiitlla. -Em todas as
quimis-feihis de Cada semana paga se, na ma do
Vigarta Tncudrld'n. t3, o oifavo e ultimo dividendo
da'Tfnaid.ac4o d^ massa fallida de Am rfr.i, Frago-
so.-Sairas.i G:
Pbott-cetio a lavoura. Sab a rubrica
publicaoes a pedido, damos boje a minacidsa sar-
rativa da reuniad' havida aa capital da Bahia, para'
represeiitar a> governo imperial contra 6 projeetb,
por elle' apreseatado as camiras antorisando a
ereajfia de bancos ruraes e hypothecahos em
dtveftas provincias do imperio. U'ecommehdamos
R* inniia brntalldade I Amanhece-
"ram kate_-hontem cortadaS pelo meio, alghmas.das
arvores iieqnen'as que a earaara municipal man-
dan ullimaraente plantar ii rua do Impefador.
Urge que se providencie no senrtdO de.repri-
mir-se tao brutal procedimento.
P(ai*r taespmihal.' Acha-se edtr* txy,
chfgafoda Europa ultimaraente, o Sr. D. Anselmo
Guttierres- Oreajada. O Sr. Orojaaa, pretenletlda
naar ahatesidencla na BrasW,1 procura.canheiier
iUim-f>io. Hontem das 5 e meia para as Las >u-.s priM-ipaei provincias, Pernambuco e Ba-
ficou aJiadapjr haver pedido
Sr. Vieira da Silva.
/jz o Diario de S. Paul) j
.Nessa cimara procedia-sel 3.' discussao
do projecto sobre o servico do exercito
A commissao respecliva dera parecer favo-
rayc-I no projecto sobre a ereaijio da pro-
viucia di S. Fraucisco.
<( Por decreto de 15 do corrente foi no-
meado 2* .cirurgiao do corpo de s'aiide da
armada o Dr. Manoel Ludgero de Oliveira
Campos.
1'or ontro d croto da mesma d ;la foi
reformado, cjm salJo por in'teiro, o i;npe-
fial marinheiro do t* classe Antonio Jose
\*V>s SarAds.
For tjtnlos tambem de 15, foram no
m?ad.)S ofliciaes da 4* classe do corpo de
faztuda A^'ostiiiiio da Silva Louzada, Au-
gusto SoareS da Silva Torres, Joao Segis-
fredo Tupinamhd, JoSo Carlos dos Reis,
Luiz Antonio Pinto do Miranda e Joao -Ar-
thur de Sail s Duarte.
Volltfra ao porto do Rio de Janeiro,
depois d<; 59 dias de viageru do experien-
cias, a eorv.uj Trajano, trazendo a seu
bordo a t^Ommi'-sSo encarregada de dingir
as mesmas expiriericias, e compista dos
Srs. chefe do divisao barao de Ivinhuima,
capitao i'.o mar e guepra Silv.ira di Motta,
capitao d; fragaH Jolo Anlonio .11 res N>
gusira e ;apita>li.>ri;iile Sslianha da (la-
ma.
Segundo somos informados, a Trajano
apanh u dous fo^'pampeiros, senclp urn
naida para Montevideo e outro na voii*!.
6 horas da tarde, uma -praca da corveta Micthe-
rohy appareceu na rua Duqne de Caxias em cm
pleto estado de embriaguez, pretendendo recrutar
a um pardinho qne alii se achava. Tendo algn-
mas pesspas da pova Ihe obsefvado a illeealidaJe
de seu acto, nao se deu elle por conveniiido, e
procurava conluzir o intitulado recruta para
bordo,' quando o mesino se Ihe escapou. Attri-
buindo elle a evasao a uma pessoa das presentes,
procurou prendel-a; mas, apparecendo na oCca-
iio diversas pracas de policia, e sugmentandti-se
o ajontamento, foi dada a ordem de prisad ao
imperial inari-.heiro, e, quand) ia sendo levado
para o quartel de policia, chegou um dos ollciaes
de bordo com alguns outrcs imperaes raarraheiros
e canduziaui-no comsiga.
Tudu isto, parein, coma e costume "entre nas,
iiiin se passou tao tranquillaraente como o narra-
mns; bouve carreiras, vozcrlas e imprudencias
de parte a parte.
Apezar disso, gragas a D us, nao ha o que la-
inentar.
ApraveitanJo a opportunidade, pediraos ao Sr.
commandanle providencias no sentido de se nao
repelir s'emelhant^ scena.
Anniici-fiiiriiis.-Conipleta a:nanha 28 an
nos de idade S. A. I. a Sra. prmceza D. Isabel; enn-
dessa d'Eu.
Por esse motivo, e mais por ser esse o dia do
li" annivjr.-erio do seu juramento como herdelra
do throno de Brasil, estarSo embandeirados os aa-
vios de gucrra e as estacdes publicas, danl > a
corveta Nictherohy e a fortaleza do Brura a salva
do estyllo
Hugicoa anaaiilantes. So vapor Para
mi chegou honTem do sul do imperio Uma banda
de musica alleml, composta de 12 pessoas.
Mclhoramcnlo lc portos.Os enge-
nheiros que hontem noliciamos terem chegado da
Europa, a bordo do vapor Vouro, farmara parte
da eommissa) que, sob as ordens da di*tincto en-
genheira especialista de obras hydraulicas Mr.
IIarvk>lu\v, coin quem o mioisterio da agricul-
ture contratou o estUdo de projects de melhor. -
mentos dos portos de Pernambuco, Ceara, Mara
nbia e IMo uranile do Sul.
Iliiiii<-iro.O vapor Parana trouxe para
JaSo Pedra de Mella 16:468*000
Barao de Nazareth 15:000*00 i
Joairaim Nicolao Ferreira 13:2003000
Joao Vellose Soares 8:000*00(1
Jose Cordeiro do Rego Pontes 3:556*780
Juse Rtdrigues de Sauza 400*000
0 vapor Pirapama trouxe para :
Luiz Goncalves da Silva & Pinto 3:tl5*UO
Gunha Irmads & C. 2:930*000
Jase Luiz G. Ferreira 4 G. 2:448*100
Carneiro & Nogueira 1:961*000
Braga, Gomes 4 G. 1:605*000
Soares, Leile & C. 1:600*000
Arruda 4 Irm*o 1:501*0.0
Bento de Freitas Guimaraes 1:500*000
Severino Irmaa & C. s 1:350*000
Fej-nandes ^ Irmao 778*i:}0
Amarijn Im los 4 G. 700*(XXi
Antonio de Aloura Rolira 684*000
Alfredo Garcia & Irmao 500*000
JoseDuarte das Neves 500*0 iO
afonleiro & Correia 440*000
Dr. Cl.m lino de Araujo Guimaraes 288*000
Antonio Moreira di Silva 267*970
Julia fjdsar Paes Barreto 265*000
Beltraa & Filho 211*000
Fernando Gomes da Silva 202*000
Dr. Jaaa da Silva Ramos 200*000
0 vapor Dantas trouxe para :
Aatonio de Maura Rolim 2-.4)!)0:000
Jose Rodrigues de Sauza 800*1)00
Manoel da Silva F.iria & C. 5002000
Aplirodizio Vidigal 100*00a
riieiiimciia vegetal. -Pessoa qua leu a
notieia que hontem demos, oxtrahida do Pais.gon
cue tit alii, nos c unmunica qa<; no' domlngo (26
io corrente) f<>i colhido n'mii Sitio da Passagum
la ila.il.ilfna. um cacba com '408 bananas ma-
gis, divSdida a cacho em duas partes, tendo at
fructas da parte superior, isto e, a proxima aa
troaca, cerca de 4 pollegadas de comprimeBto e
as ouoas cerca de tres. "
ti*uaiiiamiiiio. Ni pavaadode Beberi-
ba, Valeriam Antonio ae Mello e?pahcou barbara
meiite a Isabel A. Maria de Jesu em 25 do corren-
te. A autoridade respectiva tomou conhecimento
da fact), e proaedeu a respeito, como e de lei.
CoHfliciu o reriinentos. Parocct-
casiao de diligeiHiar-8, no.sitio'" denr/mldo Qaei
mada', do terrao de Bn (j)nsellro, auaptara dos
criraioosas de farta de caval.os, Jos6 de Mello dos
Sanlos o Antonio Poba, oppozeram cstcs jeria re
sfstencia, motivando asslra am eoaflieto, de que'J
sahiram feridos doaa joldados da torqi dfligicia/i-
te c o primeiro daquelles criminosos, que foi pre-, -
so, ao passo que o outro evadio-se. 0 respective !ci1ime ue primeira desercaa shnptts, e 0 ndemnad.o
subdelegado houve-se na coQjnnctara de conformi-1 a i i?iezes de prisad, visto ter-se apresentada v0]ua-
daafe torn a lei. ltariamD'.nte dentro dos 3 mezes; for reformada a
dns Rei,
Una#5. e
ido a 2 ana.ts da 11.-i- i co.li irjaalli j fl
c.uilirmada a seritencj. Gaiiajraie EzeqaJel Lopes
da Conceit o, accused > do Crime da iHsutiardln.i-
i;ao e ferimeiita, e condeinnada a) carrhiho perpa-
tuo ; foi esta senteuca reformada em 2 annos de
prisao com trabalho; Joaquim Nicolao Lapes, ac-
cusado do crime de desobediencia, e condemnado a
trabalhar cas fortiria';5es pe!o lempo de I m-z ^
foi coufirmada a seQenca; Trajano Jose Marueiro,
ferimeui'i a eonleranado a 1
- aceusade do crime
anno de rigorosay,
roada em 4 annas"
cisco'Jas6 de SaBt",
tfieor da sentenca conlemaatoria :
j N. lflfi,*Jais((s e M^iuuas esics a-.t-- d- de-
nuncia dada, pur uadtio Ju governo, pat* UMMt-
Iheira pruaiatar da ju^Uca contra u iei iwv aispu
J abservadas toJas a> farmuUj suaatanciaes da pro-
cess, que a lei praaerare, tanlo para a formarao
da culpa, com) para o julgaaiunti da caasa, que
compete a este tribunal, visto o que dispoe a lei
Ue is de agOrto de 1881:
aii aJenli) que as bullas dos suraosospootili-
ces, x: auaiuugauda entre outras saeietades secre-
kao
fai esta senteuca refar- las a ma^anana, nao liveram 0 bessaptoriia regio
lia, antes' He' dirigir se ;i cart".
Cantta-nos que se faz acompahhar de muitos
trabalhos seus de subido merito artistic >, as quaes
export a vista do publico e a veada, logo que'ob-
tivet.Ideal apropriado. I'ropoe-se tambem a' re-
tratar as pessoas que quizsrem obsejuia-lo du-
ranta o tempo que do.norar-se aqui.
Vapore* Daman e Pirapama. Nada
adiantaram estes vapores em notiCias.
Krcnns do mar.-Lemos no Jornal da
Bahia :
a Quando o Others se dirigia para o nos^o par-
lo, a cerca de60 milhas, as 3 horas da madru-
gada, vindo Com todo o paano e toda fOvca de'va-
u*r, partia ao melo um novio, que desapparecen
imraediaiamente, nao se podando mesmo conhecer
se era um brigue ou um patachn, tao escura era
a unite e tio rapida foi a submersao.
O Olbers deitou um escaler ao mar, mas fo-
ram iofruciitori>6 lodos os esfarcas.
eerra^ao, o mar encapellada e o*. venta rija. o
Olbers vinha exlraordirnrrra, aprovei^ando se de lade o vento
Jue Ihe em fayoravelv De repent^ as 3 da ma-
rugada, viram snrglr uma iuzlnha pelaTproa, e
desconliando que fasse alg'um havio, proCurarara
desviar o paquete da directs* que levsva. Na
aberta descrip a por este movimeoio, viram appa-
recer outra lux vrmelha, e logo seatiram o cho-
que do um abalro)raento, correndo por ambos os
lados a- duas partes de um uavio a abjsioar-se
com cxtrtma rapldez.
0 escaler que o Oibers lancou a) mar nada
encont!rou, sera duvidi porque na carreira elle trazia ja' tinha deixa-lo muito alraz o lugar do
sinistro, v 0 escaler nao puie attiugi-lo eontra o
vento e as ondas, tendo eonsegniBo com graode
perigo alcincar de nova a paquete.
0 coilimandaiilc fei as declaraijoas cam o seu
protosta no cbnsblaJa inglez nesta cidade.
i'licaomehi). -0 Sr. capitia Garaca, de
Balunie, comraunicau o seguinte fattto ao Cei-
rense :
i A nossa escrava Rosa deu a lo,z, na nnite de
21 para 23 do passado, a dnas criancas do sexo fe
minino; oma nasceu a meia hoite e a outra ao
araanhecer ; aquella perfeitauente branca e esta,
preta, e mais pequena Ao t]Uo a outra. Esiao
ambas vivas e bem nntridas.
Companliia lrailoira de iiaquc-
tes.Na ultima trimestre det abril a junha sa-
hiram do porto da Fortaleza, Uws vapares da com
panhia brasileira 467 passageiros, sen lo : para
Marafthao 13, Para 41, Natal 3. Parahyba 3, Per-
nambuco Se^Maceid 11, Bio de Janeiro 318.
Dinheiro remettiio o'aqui na mesmo periodo
150:358*545. a saber : Para Maranhao 1:400*,
Bail 62OJ500J, Pernambuco 143:782*543, liahia
4:115*340, Hm de Janeiro 6:440j580:
fon*.'lha aaprenio mllitar. -Nasses-
s5es de II, !9'%ri8Tilo*itente foram julgadas os
seguintes iirocsWoS : v
Exercito.Capkies Antonio Nagueira Pinto e
Jaaquim de f-astanheda Pimentel, cabo lose Pedra
Mafinha, eaQspe^ada'LIno db Sacremehto Guima-
raes, accusados d orime de ha*ePemlsespancado a
dous paisanos; o cdh'elho do guerra julgou-sfe ia*
competente para b julgwnento;*3 rex; foi refor-
mada a saafesea *) ttc-a^lho d^ 'gaerra, pela qual
jaJgqu-se iw^|Wfcnf*'par*o}*l|*'mtiii:) dos reoi,
jristo coln*,n'dwlir*-s#, e"n!re 6s fact"S que Ihe slo
attnbdi'Msalguas que nSo podem deixar' de ser
cansideradns inilita'es, devem por esses eriiries ser
imliiarmente'pracessadaS, e para quo as-im'se'pre-
ceJa, mandara que valie a processo ao eonselho de
guerra. Teaeote J ao Kt-at'da 8il7a Junior e 1
sargento Francisco lotc Radrigaes, accusados do
crime de sa terem ferido recipraca aunt-', e teud>
sido nelo cooselho de guerra absulviJo a tenente
Joii Braz. e eoBdemnado o i sargento Rodrigues
a qriatro mezes de rignrosa prisao, foi reformada a
sentco^a para cau lemnarcm o tenente Jaaa Uraa
da Silva Juni .r em tre* mezes de priae era uma
fortaleza, c a 1 sargeato Francisco Ja-e Rodrigues,
em um anno de prlsiio com tiabalho. Cabo Tho-
me Ribeiro. aowado do crime de desobediencia, e
cjo'iamnado a I mez da prMo ; f i coufirmada a
sentenf4o. Sal dados I Candida Ferreira Birbasa,
aeeusail i do crime de rerisiencia e ameaca,-e cm-
demaad) a t*f arcabusalo; tii refcrm.ida a sentea
ca em 10 aona* de prisao eon tratiallia. Jar-ini0
PereiraPiato. aecusada do crime da ftrirasnto, e
eafldemuado a 3 mezes de prisao ; fai canfirraada
a s-ntedca.- *>>ae iflodrtgues daaiSautos, acedsada
do crime-*?fuga de pre-os e cond' mflado a_l mez
d prisfto -;t. aadfirmada a selitadca. Isidore Jase
Severino das-itwes, loao-Lrntrenco Corr^a de Ma-
ceda e Jjaquim...Pd(ra,.'aceU'ados do crime de
primeira deserriao Wmples, ft condemnatlas a (5 MtV
ze9 de prisao catla'um ; foram eonnrmada* as jeu
teneas. Generoso Annes da Kouseca, acensada d)
prisio om traba'.h'oijFran-
__na. acciuado do crimftle fe-
rimealo, e condenaalo a ser Jrcabaaada; foi esta
setea'ea reformada em 1 auno de prisao com tra-
balho ; Manoel do Nasciaiento Sobral, Jose Ignacio
dos Santos, e Manoel F, rreira Lima, accusados do
crime de I* deser<;ao simples, e condemnados cada
um, a 6 mezes de prisio; foram conlirmadas as
seutencas; Claudiao Jase de Saul'Anna, accusado
do crime de l" desercao simples, e condemnados a
2 mezes de prisao, par se ter aprescntaJo volnnti-
riamente dentro dos 2 metes; fai confirraadi_a
sentenQa: Nicolao Gomes de Oliveira, accusado do
crime de 1* desercao simples, e condemnado a 4
mezes de prisao, per se ter apresentade volunlaria-
mente passados os 3 mezes ; fai conQrmada a sen-
tenca : Pedro Rodrigues Dantas, Miguel Francisco
dos Reis, eBeinvindo Jase Feireira, accusados da
crime de 1" desercio aggravada e condemnados
cada um, a 12 meaes de prisao ; faram coulirma-
das as sentencas; Bernardo dos Sanlos Lessa. ac-
cusado do crime de 1" desercao aggravada, e coo-
demnado.a_4.mezes de prisio, por sc ter apresen-
tado valnntariamcnte dentro dos 3 mezes; foi con
Armada a sentenca ; JoSo Francisco Segundo e
Gregorio Littfenco de Freitas, accusados da crime
de 2' desercao aggravada, e conderona los cada um,
a 4 annos de trabalhos publicos; foram conlirma
das as sentencas; Antonio Jose dos Santos, Manoel
Wenceslan da Fonseca e Herculano do R^go Fa-
rias, accusados do crime de 2* desercio simples, e
condemnados cada Um, cm 2 an.103 de trabalhos
pnbticos; foram coofirmadas as sentencas ; Ma-
noel Pedro Pasehoal, accusado do crime de 3J des
ercSo simples, e condemnado a 6 annos de tra
balhos publicos; foi coufirmada a sentenca : Ma-
noel daSilya, do Crime de ferimenta e condemnado
ao corrinho perpetuo, foi ref irmada a sentenca em
I anno de prisao com trabalho ; Feliciano Jos6 djs
Santos e Manoel Freire de Aodraije, accusados do
crime de have;em sahlja da quariel sem liceoca
e reslstirem a prisao, sendo condemaado o reo Ma-
noel Freire.de Aniraie a soffrer 53 pancadas de
prancha e a traballiar nas fortiGcacSes por 6 me-
zes; e o reo Fellciapo Jose das Santos absolvido ;
foi reformada esta sentenca, para imporem ao reo
Manoel Freire de Andrade a pena de 2 mezes de
prisao, eao reo Fe iciano Jo-e das Santos, a de 1
mez ; Aqtonio Benedicto Lope-, RomaalJa Antonio
d )s Santos, Flbriano Luiz das Sautos, Francisco
Bernardo de Oliveira, Fraacisca Manoel de Lima,
Jose Fifes, Antonio Jose Francisco, Joao Jose de
Salles, B'erilo Joaquim Maria, Joao Marques G)di
rihn, Bernardo Antonio Correa, Domingos de O.i-
veira, Plicido' Alves Barbosa e Maxiraiano Jose dos
Santos, acCusSdos do crime de la desergao simples
e sehtenciados cada um,a 6 mezes de prisao; fa
ram capfirmvdas as 'senteojis,- Francisco Xavier
do Espirita SaOto, accusada do crime de 1" deser
cao simples, e seotenciado a 2 mezes de pri-
sao ; fai. canfirtnada a sentenQa ; Aatoaio Ma-
noel, Tristao "Ofas da3 Reis e Pedro Luiz da Silva,
accusadbs do crime de 1" deserjao aggravada, e
condemnados a 12 mezes de prisio ; foram confir
maJas as sentencas ; Theodora Bispn de Souza e
Antonio Martins Montetto, accusatos da crime de 1"
deser'.-ao aggravada. e c mJemhadas a 1 mezes de
prisio ; foi co'nftrmada a sentenca : Pedro Aotbniu
dos Santos e Ja$o Baptista da Cruz, accusados do
crime de 2" desergao simples, e condemnados cada
nm, a 2 annos de rraliarnot publicas ; foram coa-
Tirmaoas a,s sentencas ; Franciscc Ahres da Silva e
Gil Francisco de Souza, acc'a'saijps do crim? d 2*
desercao aggravaaa, e condemnados cada um, a 4
annos de prisio torn trabalh); faram confiTmadas
as senten.as.
Armada. Bafalhio naval Soldados loaqnim'
Cardoso da Silva Junior, accusaio do crime de 2*
desercio simples e condemnado em 1 anno de pri
sao com trabalho ; fat cunfirmada a sentenQa ; Cm-
bdind Ferreira Lima, accusado da crime" de se
gunda desercao simples, e condemn ido a 2 annas
de prisio cam trabalho; foi confirmada a sen
ten^a.
i-iHia tie jni<.ci de dircito, Tendo o
gaveftio' imperial exigilo do supremo tribunal de
justica Uma lista, contendo cs nomes das juizes
de direito mais *n!ig)s, caofohne a ultima rcvisao,
para poder preencher, na forma da lei, duas va-
gas de des-mbargadores, remetteu o mesmo tri-
bunal a seguinte relaelo dos 16r juizes de direito
mais antigos :
1.* Dr.-Antonio Henriques de Miranda.
2." J.iao Salome Qdeiroga.
3.* Francisco Bodrigues Seite.
4." Joao da Costa Lima e Castro.
5" Fellpp3 Alves de Carralhc
0." Antonio Games VillaQa.
7. Daniel Luiz Rosa.
8." Virginio Henri jucs Costa.
9." Domingos Ribeiro Falha.
10. Antdnio Augusta da SH*a.
11. Antonio Agnell i Ribeiro.
12.'Alexandre Pinto L>b3o:
13. Luiz Barbosa Acciali de Brit a.
14. Antinio Jose Alfonso Guimaraes.
15. Victorian do Rego Tascano Barreto.
*6. Ovidio Fernandts Trigo de Ltfjreiro.
Maculdadede mpdioina da corse. -
0 rasultado de exames realisadas nesta facullaJe
foram 03 segolntes
Dia 9 (deniUtas) : Eauardo Gastal, approvada
plenamerile ; Paulo Pedro do Alcantara Sequeir.i,
appTovado'simplesraeii!'.
Via 11 (exame tlftorico de pharmacia) : Anto-
nio da Costa Morass, approvada simplesment'1.
Dia 13 (exanw'pratico de pharmacia): Anto
nio da Costa Moraes, approvado siraplesmente.
raises (medicos twtra.ngiirnsl: f'r. Guilherme
Ellis, approvado pleuanientc ; Dr. German) Mel
chert, apuroyado simplesmente.
Cal>6lrauHatlantico. S. M. o Impera
dor recebeu o seguinte telegrarama do grao sultao
Abdul-Aziz:
i Constantinopla,9 dejulho.A. S. M. o Impe
rador do Brasil.Reeebi o telegramina que V. M.
Imperial teve a boodade de dirigir-me por occa-
siao de iniu?urar-se a Itnha telegraphica entre o
seu imperio e a Europa, onsiderahdo-rne rauiio
feliz por poder assoclarme'de mod) tao direclo
aos sentimentos m.nif.'-i.-i las |Mr V. M. Imperial,
e recantiecendo com V.M. Imperial os resjltados
que nio podem deixar de decarrer de um tio po-
derosa e rapi lo meio do communica ;.To para o des-
envulvimento das relaQoes. Interaacionaes e conso-
lidacao dos vincWbs deamlzade' (\M ni's nnem.
(lau-me pressa era exprimir a V. M. Imperial as
mitihas mais vivas congratulates.Abdul-Aziz.
Prole admiravel. Diz um j rnal de Por-
to-Alegre:
Um amiga ministrou-nos a noticia da admire--
ve doscendeucia de uma senhora re*idente entre
.o Jacuhy e Jacuhyzinho, municipio do Pas:o;
.-'undo, c nos allirma _t.- ella, apnar da suaavan-
caJa ilade, ainda adti-se forte, caminha, falla e
tem ossentidos em sou eitado normal. Eis a des-
criNad :
c Gdrtrudes Maria.>.da > Gonceicaa tem 6 iilhos
64 n-;to, 2,'Ji bisnetas e 58 taiartnetos. Alem
destos lam um iillio com mais 10 netos. Das d
Ihos dos lat irinetos-oaa se fez relacao, por ja niio
ser possivel. ,.'
ISgeola polyteelnijca. Foi conferida a
grao de bacharei em sciencias mr.henuticas e
pliysicas an capitao de artilberia Benjamin Fraa
klm de Albuquerque Lima.
Gonflrao ..tlvcar. Damos em nossa oitara
pagina as notas diplomatics trocaias s )"ire e.-ie
assumpto.
Sei'tai'iiiM de Maurer. -Tambera pa' li-
eatnos em noSsa oilava pagina diversas aponta-
raeotos e infarmacSes sabre esses fanilicos.
Supremo tribunal do Jncitfra.Na
ses3ia' de 11 do corrente foram jolgadas as revis^J
las civeis
H. 8,466.-Recife.R Manoel Joaquim Baptis
ta, R. Francisco GonQalves Neita. Nio cop^a-
ceu-se da revista para caber o valor da causa ma
alcada da relaQid.
N.'8;517.-Recite.?.. Flavio Ferreira Catao.
R. Manoel AtvesVianna. Nao cooheueu-sej.pela
mesma raaio.
.1. 8,506.Cabr-R. J-se Martin Pantes.'-R.
Maria Adi-lina do Espirito Santa. Negou-at* re
vista. *
Na sessao de la foram distribuida? as revistas
civeis :
N. 8,532.Pernambuco.RR. a viuva e herdji-
,-os do Dr. Jeronymo Alves Ribeiro dos Santos.
H. Feliciana Maria Olympia.Ao 3r. VatdeUra
a
K na in marchia portugaeza de queer a parte iaiegran-
te u Brasil; e que, tornando se indepwden'.e este
paiz, e juranda a aua censtituicao politica, e:U, ao
art. 102, g 14, prescrave, sem resinccio, que uma
das principals a'.tribuicoes do poder execulivo e
cauceier ou negar o beneplactto aos decrelos dos
caucilios e lelras apostoKeas e quaesquer outras
constitutes ecclesiaslicas, que nao se oppuzereia
a caaslitui<;aj do iraperio, attribuicao que jamas
fare execida cam relacao a bullas poaiirJcus
condemuatorias da sacie-ale raa^mica ; att-nJeu-
do que, dtpais da prauiuigac^o ox lei: as uuU.se>
veras contra essa socieJade, o cadigo crimiaal do
imperio, revaganlo-as, ponnilie a sua exi-:-.. -. t
nos lermos dos ana. 2U2, 2-s.i e 284, de sarle : :-r
a ella nao se oppde embaraca alguut de i^urci*
assim e-piritu.il, camo temporal; aileadeuda qne,
luaiilo uao -e dessem as luativa* que lieu a ex-
pres.-adas, os quaes serum lenniuaiiies paia BM
se levaut.irein davidas s dire a capacidale qu- la i
qualquer individuo, seja ou naa mai; u, u-.- Uter
parte das iiuiaodades, caufrarias c urdcus lercet-
ras, uraa vez que tenha us raijuuilua exigidus uua
coaipramissas ; seu Jo ell is de oalai eta mixt i, par
dependerein da coucursa, taulp do poder e*p:rua.l
corao da temporal, sulllccale idra, para que um
delles nao di-cretasse a expulsao de <|ua!u,ucr JV.
seus membros, sem 0 assentimento da outro, q-i
lossera por ambas observadas a regras precrJpU9
nos eitatutos oucamprumissos da respicii>* a.so-
ciacS) religia-a, o no e cuufur.ne ta que diSpoe *
lei de 22 de s* tembro do 1828, art. 2.', (11, e_a
resoluQa) du consulta de 1-5 de Janeiro Je '.-':
at endendo que a accusado, uao se fundaud em
disp ;sicaa alguraa dos cornpromissos, ordeuou
diversas iraiaudades, coa'ririas e or Jens lexcwrs
que expelli^sem de eu grcmio os a?saCiadu? que
fjssem majans, nio reilectiuda qua este-, qu.nda
onheridos, teem aiuda a preleccao das leis, e que
a elle faltava jurisJic(ao e autoridade para aisim,
proceder, visto como as bullas ou lelraa apoaUli-
cas que fulmioaram ate o preseote cum exo
munhi i maior a maconaria nunca Uveratu a bOM-
v i.icita real uu imperial; allendeodo que as s bre-
ilitas associaQaes religiosas, neganJ) se a cumprir
as ordens da prdad >, para se caufarmarem ...a
as disp);i,oes das ea upra.uissos, que sera vioiai;io
das leis uaa padiara ser alteradvri, senaj eu rua
l^tra, iuJalnUvclmcuU em -ea espirito, ..a u
cancursj da poder temjjral, fi'iain par .s-a arbi-
irjriam.'iili: puaiias ca u a paaa de inlurdict, |Ue
tauto as devia morlilicar em sua cuuscisucia, isea-
ta de culpa; atu-ndenJa qua ua alluacjaa desaaa
rahsaJa a que Dcarani elus rcduziias. pur nao
inspirarem uuis coulianua, neiu gazar'iii dec.-U-
bilidaJe coma corpjraQaes regular.uente ariiaaisa-
das, era isso a mesma que tubibir-lhes de tveettt
bcneficialaso.n adeixi de l.-gado; de cauiraii i e n
Bidpresliraos e lirmareui ouiro: coulratjs para re-
paras, acabamento e coasarvacao das inalnzes e
capellaSj acquisicio de parameutus e objecUs de
ilscor^cao e oniros, tadus meijs maleriae> de faci-
lil r e mauler a celebrajao da culio e o causegui-
meuto Jos Gns espirituaes.aspiracao tao natural de
populates siacerameute reiigiosas, a que lud j se
rran.-tornau cam resalucoes incnas beta peu^-:*s e
caprichosas; alleadenda que outros veaefandco
bispbs da imperia, virtuasus, dicreias e i.Ia-ira-
d)s Oao teem prjvacada ytla mesmo maliva, a qne
revela ua improcuJencja, canllictos eom o estado,
ameaca lores da ordem social e publica tranquiili-
dade. procedendo, porem, em cautrario a accusa-
do, de cujas recoiiiiecidas luzes era de esperar <;ae
o contivesseiu em seu ardeale aelo, nio o na^el-
linda a ianrer se era uma carreira deplarav-.!
attendendo que o accu-ado, arrajinda clara e uu-
rJifeslamanie jurisdic^ia e pader temporal, era isso
suttkieule para se fazer etleciiva a sua repaosaoi-
lidade ; quanta mais que, us udo de uotoria via-
leucia na exercicia do pader espiritual, Impox a
pena de iulerdicto sem ouvir as iupposios desjpi-
dientes, sem forma ou figure do juizo, posters-a-
do os principias de direito natural, patria e Cano-
nico, Centura esta que importa, nio reform^ de
suas decisiies legaes, mas a repressio de excesses
c arbifaielades pralicadas contra cidadaas bra-
sileiros, sob pretextos religiosos ; atteodend; jae,
tnlerpoado as associagSes rel giosasdpprimidas re-
carso a caroa, de canfarmiJade com o doere.) n.
I,!'ll de 28 de man,o de 1857, e obtendo ^rovi-
mento, naa foi este cnmpndo pelo accusado, nao
tamo por ser iaapplicavt-i aascasoscontrownidos,
rsas sobretulo por nio reonbecor elle a leev.imi-
dade da iostitultio, nem a uo banepladta, c >m i
se a tanto se poJesse arrojar um cidadao brasil* i
ro no exercicio de sea emprego ; atleodeodo, linai-
mente, que a desobediencia do reo nao pode ser
classilicada no art. 128 da odigo criminal, que se
refere a sirapks eipregadas publicas, mas id art.
96, que pune a que, p>r qaaiqaer maneira, tcil at
a desobediencia obstar ou impeiir o offeito das de-
ternunac9*> dos poderes moderador e eaecuiic",
que forem caiifonnes a constituicio e as leis, como
se demoasirou que o erara; partauta, pel is ; n -
cedentes fundaraeutas o a mais que das aut is c i3; -
ta, havenda a rca D. Antania de Maced) C ista,
Rev. bispo da fare, como iacursa na lajacfio pe-
nal da art. 4 aanos de prisao cam trebalha, grao n ed;a do
citadj ariigo, e bera assiiunas costaa. Rio. i de
jul!io de 1874.Brito, presidente. ftmrts. "la-
tar sem veto.Costa Pinto. Coito. Ltao. /.' tr3c
de Moiiserrut.Cerqaeira.Barbosa, votei
absulvicao.Mariani, votei pela pena do art 129
d) cadiga criminal.- Afjiiqiien/iu, valei pela p na
da desooedieacia.
ArrcmatarucH ttroviuciacH. -N i dia
6 ao carrente vao a praQa, perante a junta do the-
soura provincial: os rcparus do empedrameut da,
estrada da Victoria, oreados em 3:245^000 ; e os
8 /* sobre o capira deplanta cansuinido na cidade
do Recife, avaliad em 2:310i280.
Ilodam.Lemos no Jornal do Commenh, de
Lisbaa, a seguinte descripQao das ultimas inotlas
de i'aris :
A nava maneira de fazer as saias dos vestidos
mais compridos ou de cauda, e considerada pelos
chronistas de modas, como debute evident dos
vestidos de uma so peca, que nao lardara a dppa-
recer.
0 novo feitio das vestidos nao demanda guar-
nicdes, c exigc saja lisa e sem lalhos; mas tal mo-
delo so se deve seguir coin fazendas ncas, por
causa da sua^simplicidadc elcgaute.
Eis pauca mais ou menus carao ncsse genera
tra java uma forraosa meaiu.i; ma Ja que, memo
eni Paris,ainda esta muila pou:a vulgarisad.i: a
vcslido de fiya car de liar de alecrira clara linha
os pannos da sail, dos lidos e adiaale, estreilos,
enviesados e monladas ialeirameate a citato ; a
largura, partanl j, achava-se assim t >da para trax,
formaaao uraa iriplice prega cam a superllcie su-
perior de um palino, indo alargando ale ires pal-
mos para a extreraidade inferior.
Segundo uuviraos dizer a uma eleganie, a
prega iriplice absorve tres paunos da saia a .60
celitimctros de largura ; a prega do meio e a pi-
(liri-iio, as dos lados.tern 40 ua exiremidade in-
ferior.
0 corpo. da veslida do faya azul formava uma
especie de just uu corps ou cearaca em bico
pela freale desceudo meia paimo abaixo da cul-
ture, que, segundo a ultima mada, lorna alra
v>z a ser couiiriJa, couio em 1840 ; alraz tinha
uma pequeua aba, toda em pre gas ; e das man-
g.vs justas e de canhia sahia um punho curta de
valem-ianas; g ilia a jlcdicis, decate em bico, c tira
dp vaieucianas.
0 ehapea, das chamados loque Henri III, do
palha da Panama, Ootava tnfciiado com Lulard
oar de cinza, d3 daus tons ditferentes, e o lac > er*
atravessado por um punhal de aj;q_com embutidos
de oaro, que podia servir Ue aniia,^ffv.a^iva du
iudu posterior da aba revira'da Skhia grtciosame ti uma aba de perdiz.
< As senhoras acha.n bastante conMotfoi e ele-
gaBles para passear nos'jardins publieb^ a no
campo, os novqs cBaprj)S do esparto qne u*am
agora nas passatemp is nacturnds dos Cam." is Ely
sens em I'aris; sao muito agradateis. durante os
gran !-s calares p-'r s ia c\tie;aa'Hgeirexa ; e mu
o prei;o e baratissima, as seahoris nao Ihes i.na-jr-
a pn-lps.sobre a relva, oiiamarron-los ; enfeitam-
se 5iiii^esmrfnte-com'Wm\-afJ8o-ile|ftjlA lorc.ida,
e coin um ramalheie em forma da aaeia grrrflili
faita de algas marinhas, urzeKTaJt: forra sj. de
musoelna, pon*)-se-lh* ^n#*elisa pt* deotro.
As qtjJlidades deste chape\> Ifailpraciaveii -para as
senhwas Inglezai/Wancrta*, 'alrw^rHAlj,'' "
sui=-a, sao inteframeat* e-m valor*para as p-fta-

\
iV 8,546.-Peraambuco.R. a bai'aneza de ia-lguezas que reeeiam oompMin- tier asaa d*gQidade
ragua fl- Martaia Frois Je MendoBea.-Ao St.'] seatando>se na relva, ou mastranlo nm pe.N Aiad.
C Pinto : ;'ni :ftel'anws mufto perto da idade toologica da mnlbe.
Processo: do bispo do Par.-^5i3:'U* Mb.'t leneo poiida. *,s camadas "*o4

I MELHOR EXEMPLAR ENCONTRAN I
J


^*P-PP*BP
" J.l'JI
i Hi' I !
*% 4e^PeratoiDiK : QJerga feira^ 28 de Jtflho de 1$54
*
podem-a* deaorainar ttom'o at stratificaedes geolo-
gical*.*
uaiiakia Belterlfce. 0* ra
pa4rto .aceioaistas sao de nevo ceafinados a
so reunirem no dia 29 do corrente, pela* 12
horas da man hi, no osiwiptori.} da conipanhia,
a raa dj Cabuga n. 10, a ft in da detiberafcae
sobre as contas do anno liuaaceiro. A reuuiao
sa etfeciuara com o numero de acoionietas quo
comparccer.
Ri'visi;! commercial. Por tor sahi
do com alguaa erros essenciaes a parle commer-
cial da praca do Recife, repetimol a hoje Cuin as:
devil.;- correcgoes.
Lotcrln do Rio tie .laneiro. I\esa-
rac (ia iisia da "8." loteria (517.') em bcncfieio da
casa de correccao, extrahiJa a 13 do corrente ;
N. 691.................... 20:0)0*000
N. 2*89...................... 10:000*000
N. 2128...................... i:000J00O
N. 2766........,... .......... 2:000*000
Ns. 1471 e2838-l:0OO* a cada um.
"Ns. 300, 1756, 3513 r 5583 -800* a cada um.
Ns. 136. 172, 1171. 1450, 2046, 2517, 4038,
4365, 5166 e 5988 -0i)* a-eada am.
%i. 221, 301. 666, 725, 872j 1180, 1720,
2777, 2927, 3 '52,' 3899, 4093, 4429, 4789,
5081, 5144, 6257 e 5937^-10)* a caia am.
Ns. 8, 131, 262, 383, 440. 474. 5*8, 586
708, 73i, 853 918, 951, 1046, 1118, 1346,
1511, 1607, 1661, 16.74, 1850, 1863. I960,
2409, 2411, 2747, 3037, 3121^34.08, 3451,
3678, 1*75.1,; 3799, 30li7, tffcfly 4p3. 4339,
4587, 4615, 4,747, 4934; 448lfJ83, 5343,
2310,
48J7,
, 607.
101,
2030,
3503,
4582,
-"-", w*vf !*, ;>.j7*,
3371), 5f5.12, 5723, 3732, 5748/3777, 3-107, 3870,
3892 e 5957 -40* a cada um
Hwurae da tista ^18.* lotaria (803.*) em
beaelitfio do bospicio At I*edro" II, extrabida a 17
>h) eorreme :
N: 3563...................... 2>:00)*006
N, 847^,,................... 10:OOiU0OO
N. 1170..............,..; .... 4:000JOOO
ft. 2833..................... 2:000*000
.Vs. 1850 o 4041 -1.-000* a cada ura.
N*. 1814,,83bo, 1913 e 2518-800* a cada um.
Ns. 1313, 2688, 28W> Sat, 333.', 4382, 4448,
5152, 5770 3980-200* a cada um.
Ns. 72, 881, 1028, 1236, 12J, 1G81. 2016, 2248,
2333, 2367, 2414, 2978, 3038, W26, 3436, 4277,
'i283, 4428, 4939 eflSSS -lOft* a cada um.
Ns. 106, 138, 226, 239, 353, 439, 497, 522, 539,
592, 648, 929, 1031, 1288, 1327, 1473, 1361, 1636,
16(8, 16*1, 17i2, 1976, 20o0, 208i, 2108. 2202,
2J75, 2317, 2434, 4439, 2444, 2744, 2908, 3173,
320), 3291, 341)1, 3161, 3639, 37, 3765, 3845,
4138, 4312, 4322. 4473, 4636, 4657, 4814, 4846,
4833, 5033, 5082, 3239, 5379, oii, 3667, 5834,
3876 e 59.8-40* a cada um.
VrJlot'M. -II ije, effect da o agentc Dias, em o
irapiche denomiualo loinpanlua, o de 250
saecos de farinba de mandiica e 6 caixas com
presuntos Westphaliaj as 11 hiras da manha.
Conforme esta anriiinciado na seccao com-
petente, deve ter ln&ar, por iatervencao do aaente
Pinto, n<) dia 3 de- agoslo, praxiino, o leilao de
moveis, lougas c crystaes, exislenles no 1* andar
do sohrado "a rua estreita do Rosario n. 41.
Tambem uo dia 0 do agosto proximo, o
niesmo agente wndera as niiudeza*, calcados e
eoapeos, bens quo fazeni panada massa fallida de
Pereica de Mello & C, existen es uo annazem da
rua do Bum Jesus n. 63.
Na quar.ta-feira, 12 do mtz proximo viodou--
TO, haven tambem o segundo leilao de fazendas
frau:ezas, suissas.e allemaes, exislenles no armi
zem da rua do Bom-Jesus u. 63.
tgljoteria A que se acha a venda e a 110.',
a beoencfo do patnmonio dos orphaos, a qual cor-
re no dia 1. de agosto.
Passngciros.Vindos da Granja e portos
mt :i modios no vapor brasiloiro Pirapaini :
Jose Felix da Silva, coronel Guilherrae F. de
Azeyedo, Jose F. do iJarmo Nascimenf, Francisco
d) Carmo Pinto Ferreira, Henrique Juse de M'lora,
Imo C. Gomes, A. Candida R imos, Casimiro ?.
N g;i- ira. Jose F. CoeMho de Albuquerque, Joao
tVtavio Visira, Jose Joaquim de Mello Cahu, Jose
V'ieira L'ina, Bensdicto Xavier do Souza, Dr. Fa-
il i Ali-xandrino Reis e Silva. D. Joaquina M. de
Jesns, Dr. Lycurgo de A. Nascimenlo e 1 criado,
loao Ferreira de Lima, Dr. Manoel Thomaz B.
Pr< ir OconciO K. Sampaij, bidro Ferr.eira Maia,
Ricardo t'ereira de Santa Anna, D. Maria das No
v>- T.ivare-, um filho ineoir e doua criados, Luiz
Ma-tins Araujo, Jose Rodrigaes P. da Conceicao
Caliado, Odilan A. S. Lins e uma escrava com tnes
-. I)r. Jose A. de L, sua sonhora, uma criaJ-a
u::i filho, Jose G. de Amorim, Manoel Goncalves
r.i'.'.ir-'s de Amorim, Antinio J. de S. Silva, B>yo-
Qaiotiliaho Qraogeiro, Victorino J. llaposo,
T I da S. Mello, Dr. Manoel Nunes da Costa,
E ; C. da Souza, Joviuu G. P. Barreto, sua senho-
ra e u na criada, Migual P. de A. Tavares e (res
mi: ;, D. Rosa da Silva Brandao, Dr. Joao Maria
Save a um criado, Peliciaoo Pereirade Lyra Tava-
r--. l-'aliricio Gomes Pedrosa, Jose Duarte das
S Tavares, Ignaci.i Jose Ribeiro, Gustavo
; i:. i F. Alves, Felix Gjmes Araripe, Joaquim
'i-.'iii; Ar.iripo, Luiz Tavares da Camara, Manoel
lei is de S CamaraB 13 escravos com filhos a
;nlreg ir.
Vindos dos portos do sul no vapor nacional
P rr aid :
T-.amte J aj T. d.i Saoapaio, J. Lopes, Dr. Jose
A. da F. Costa, P. 6 di Rocha, T. do N Ferrei-
ra. J iao A. da Silva e sua familia, P. F. Souto
Ma r, R iberto P. de Magalhaes, um filho e uma
la, C. II. Soares, H. P. de Souza, A. P. de
A.vv.-i), A. da Silva E. C. Anuda, Maria Wal,
P. V. da CoOMicSo e um filho, A. Z. da F. Cofilho,
S. S. Leite. J. F. da Silva, J. J. A. CosU, M. A.
\gaiar, ilariadas Dorcs, uma musica allema com-
P sta de doze pessoas, uma ex-praja e ura es-
ravo.
Seguein para o none :
>-.'v.Ti:.o J Alve-, D. F. E. Plnlieiro, M. B. de
A i'uqiierque Junio-, tenente F. A. de Sampaio,
V. Cascaes lilh i e sua familia, Dr. P. Dias
Thod.irfci Tavares dot M*o, brawa. Perpara-
tnco,,2< anaos, solteira, Htcifcr.t Brjylpffla."
iBfiUNita JlliiilAWA.
PKESIDKNCU DO EXU. SB. CO.XStLlIKiKO
CAETAJIO SAJjriAQO.
Secretario Di. Virgdio Coe'.ho.
As dez horas, presentes os Srs., desembargado.-
res Reis e Silva, Motta, Aeeioli e Soaza LeSo, foi
aberta a sessio.
Em seguila o Sr. presidaub'. passou a (ater o
relalonu dos aggravos quo, fofam julga(o,s por
elle, e os, adjuotos'sorleaIDs na,sesao anfehor.
N. 31. Aggravates Gosla IrmaT),,& C, a'ggra-
vad is Meades 6t Carralho; juizes sorteados os
Srs. des-mbargadurm Accioli, e Motta. Nagou-se
proviinento ao aggravo.
V. 32. Aggravaute Candido Alberto Sodre da
Molta, aggiuvad) o juizo do commerclb; juiies
sorteados os Srs. desemb rg id res Souza Lei i, e
M'dta. Negou-^e proviiueuto.
N 33. -t Aggravante Lino J*cque_ da Silra, ag-
grayado Joanuim Albino de Gusmjio; juizes sor-
teados os Srs.'dosembargadoros Aeoiofi, e Reis e
Silva.Negou-sa provimsoto ao aggravo.
Gncerrou-se a sessio a uma bora a ura quarto
da larde.
a mafcria. no* esclarecer e mef^ar,
PUSLICACOES A PEBIOO.
-TT^T-r-77T!-----!---------FTf!---------1-------------'.'\ -------f
.ILL HO
DO COMXERCIO.
itvin \ ji i)i:
RECN1\0 NA PRAg.\
Corao honUm promettemos, vamos dar a noficia
circumstanciada da reuniao havida .ante-houteni
no saltoda praca do commercio.
A' nma hora da tarde. seiiiojja numeroso o con-
curs j da cidadaos, o Sr. Augu*la Silveslra de
30 aa-
Pedro II; apo-
Boa-
Dr.
Garnoiw. R. F. Cardoso, S. A. de Moura, major P,
P. Ribeiro, tenente Aristides A. C. Pires, tenente
''' B. d'O. Almeida, maj^r F. P. de Albuquer
:-. E lose Mtr'allv, Manoel da Paixao, J. da S.
Yeiwlra F., J. A. de A. Maehado, A. A. Garaia,
Man i^l Casta-iheira, duas praeas do exercito e 4
rscravos a entregar.
Sihidos para o sul no vapor inglez Douro :
Ant into P. da Silva Couto, Dr. Monoel do R. U.
Souza Lea>, e Antonio Macnado.
Crnaiterlo publico. Obituario do dia 23
. id de t*7i :
At.. r:io S.mtiago, preto, I'ernimbuco, 6 annos,
itea-Vista, hospital Pelro II ; variolas.
i-o FFaneiseodos Santos, pardo, Pernambuco,
Ifi .n:;'*, siiteir>, Boa-Vista, hospital Pairo II;
variola^.
!'ra:icis-co das Chagas, pardj, Pernambuco, 22
iu solteiro, Bja-Vista, hospital Pedro II; ar
lolile.
uei,i:i:i Domingas, parJa, Pernambuco,
nos, *;l;eira, Boa-Vista, hospital '
plexia.
lolnna, parda, Ternambucj, 13 mezes
>i-t ; cotivulsSes.
- Waajjl, preto, Pernambuco, 16 mezes, Recife :
rar.jlas hemorrhegicas.
Taisiano'Fbiaci^co de Oliveira Araaral, branco,
l'ern;.:.ii>Qco,9-aiirs, Santo Antonio; esmagado
pa o ;rem' da vit ferrea.
H .a Teixaira lie Vasconcelles, branca, Parahv-
ba, IS aanos, solteira, Grar;a ; phtysica pulmo-
nar
1.1 :rinda, parda.Peraarabuco, 3 mezes, Boa Vjs-
u ; dvjrrhea
^irSoia Maria da Conceigia. preta, Per^ambu-
- W -*
Hartiolomeu, branco, Pern^Bbuco, 1 anno,Boa-
V'llta ; texigas.
i^vpnana, e-crava, preta, Peraaiicuco, li ap-:
bm. solteira, S Jose ; uydropisja.
Manoel liocha do C^rmo, prMo. Pernambuco,
43 arm w, ci.sado, Iloa-Vnta ; hospital Padro II
variolas hemorrtiagicas.
' I 0 oarnulo t|ua a)ea morto, Pernambuco,
Boa-visti ; ho'pital Pedro II.
Joao Antonio do CarvjJho, pardo, Rio Granie
do Sul, ^3 anaos, viuvo, Boa-Vista, bospita
dro I! djarrhea.
Anr-iafi, Maria da Concoiqao, ^parda, Pemambu-
co, 35 annos, viuva, Boa-Vista, hospital Pedro II;
ISsTrTenlerile chronjfo
Loarenca
nimbi
Pedro II; abcesso ha perna.
, AnoA braaca, Poraambuco, 8 mezas, Saato A-
^.tcniu ; cvinvulsfjea.
Frajcisca Maria da Concaicao, parda, l?afaaf-
nn '^1 irvmni visa* 2 I.\ia nhli-cini nulmi.
Faria, iniciador da idea d'aquelTa 'reuniao, prppoj
e foi acefto para presidll ao presidente da -jun^a
diroctora da Associaoao Coamere'ial, r> Sr. Joaquim
Elysio Pareira Mar in In, que tarabam prapoz e fo-
ram aceitos pr,ra faztrtin parte da mesa os Srs.
visconle de Sergimirira e harao de S. T.aiago, ra-
presentando a lavoura, Augusta ,Silvestr'j de F>-
ria e commendador J ise Lopes da Silva Lima,
represeataodo o commercio servindo esta nlii-
mo de secretaria
O Si'. Joaouim Elvsio ( presidente), usaodp.da
palavra declara que, se bem qhe a AssociacAO
Commercial nio foss a antara do convite para a
reuniao, oomtudo a.-eitava e auplaudia a idea,
cangada como ella estava da-raclaraar, sempre
en lialde, por muilas vezes. dosgovernoidobaiz
raedidas tenlentes a melhorar o esOtilrj'm nvqu.-
ra e do commercio da provincia.
A reuniao convocada 4iaka>mm rim lagilimo ;
I apoiajus) a iuoajreiro vef pvopagar no.paiz a
idea, dos meetings, pelos quaes tira so'a.ppp.u|acio
da especie de mdoleoxia em que parece tnijo.e
todos jazerern. ( 4-ahdF>s. )
Se se consegoir qua os reclamos. do commer-
cio o da lavoura, qs ethos darpuniao chegaem ao
AJvenw geral, ler-se ha conseguido^lguiiia cousa.
Qjan.dO- o govern) e sifrdo' as.v"oza*s'4da opi-
niao, indoTentS'na satisfacao das-necessMades pu-
lilicas. tem os cidjadaos > direilo do stvgm iti'ar
asse g)verni, (. poiad.' ) da reclaraar, da p'otes-
tar, como.naqde^lB.occa3iao> se,Brocuravl fazer.
Depois de varias consideray5es nesse' snntido,
cinclue, pedindi ao aator oh atttores' da idea da
reuniao que dissosen] aquillo que julgassom con-
veniente par* esclr*ccr o rrnitivo da reuniao.
Entao o Sr. Augusto-Silvestre de Faria leu a ex-
posigao, com a propost.a, que a acompanha :
t Senhores0 inals humilde 9 obsouro dentre
vos se anima a pedir a palavra paw ler algumas
consideracoes eui relagao ac coramefojo e a la-
voura de nossa provincia.
N'lo e de hoje que se valiciha.qjfutufo desastro-
so qua nos agaardi, sem qua providencias algu
mas nos teuham. alliviado desta pesadello ; 0 mal
se aggravava 0 nesse estado de causas tratou se
ie dirigir uma representacao ao corpo legislativo
na sessao passada.
Esta representacio esteve na? maos do mini?:
tro presidente do cbnseUio eelle. pedfo que a nsoi
apre,senlassem n'aquella sessao, pois tinha mu tas
malerias a U'atar, p. rein qua a toraaria em consi-
deracao e na sessao sc-guiiite 3e occuparia do as-
sumpto, que reclamava a lavoura das provincias
do norte.
Siesta mesma sessao, porem, ja no fim delal se
fez passar nas camaras fa voces ao banco do Br-a-
sil sab a conJi;a) da prestar auxilio a fioresceaie
lavoura da duas provincias do sul, com exclusao
de todas as outras; foi nessa occasiao que 0 dis-
tiacto senalor Sr. Silveira da Motta, qiie nao e
bahiano, poro 0 que e brasileiro, despresando pre-
conceitos d e bairrismo e doido da injustica gue
se praticava, advogm oa sossos interesses e m)s-
trou com dados e cifras irrespondiveis a enormi-
dad; djs favores que se coDsedian ao banco do
Brasil, em rol^^ao :.) qua d:lle alcancava 0 go-
verno para a lavoura dessas duas provincias, so-(-da credito scu,
gnindo-o' 0 nosso digno comprovinciano conse-
Iheiro S.iraiva, que, confuadindo 0 ministro, pro-
metteu este esteader os favores a todas as pro-
viocias dizenl) qua aqoillo craapenas ura ensaio.
Antes di abertura da sessao esto anno, foram
expadidos avisos aos presideo'es das provincias
para nomearbm eommissdea de inquerilo que ex-
pozessem t)das as necessidades 1% lavoura de
cada. iocalidade, os vexames qua sotfriam, que ju
rospagavara, quauto daviam, emfiin com tantami
nuciosidade que eu, que fiz parte de uma das com-
missoss, apazar da incredulidada de meus colle-
gas, disse : agora craio que 0 govern? val toraar
em Boasideracio esta magna questao de interrosse
geral.
As commissSes se nomearam, e todos se pre3'a-
ram com a melhjr boa vontade a auxiliara earn-
missio central presidida pelo nobre barao de Co-
tegioe, intere-sado na dupla qualidade de lavra
dor e senador pela Bahia ; nelle pois se depositaram
todas as nossae esperancas. e, honra Ihe seja feita,
trabalhon aqui com a rrielhor boa vontade, afim
de apresenlar um trabalho perfeito, que infeliz-
meiile nao foi pablicado, talvez por falta de tem-
pi, seado tudo remattido para 0 Rio.
Acabamos pois de ler nosjornaes desta cidade,
com geral surpreza e iudignaclo, 0 projecto do
governo para auxiliar a lavoura do iraperio.e li-
vral-a dacrise em que se acha. Este projecto se
roduz ao seguinte:
a Que 0 governo garantira 2 0/0 ao anno aos
bancos que se propozerem a fazer emprestimos a
lavoura, juro de 6 0,0 e prazo do 20 annos com
araortisatoes de 3 0/d do capital primilivo.
Els aqui seniiores, o grande sacrificio a aue se
pfopoe 0 g A.erno para amparar a lavoura do im-
perio do Brasil, sacrificio de 1,200:009* aonuaes.
Quem conhece Ode 0 juro em nossa praca re-
gula de 8 0/0 a 12 0/0 on, termo medio, 10 0/0,
para leitras eorBmereiaes a prazos curtos, vai em-
prestar a lavoura a 8 0.0 a prazos longos ? Nao e
isto escarnecer das provinpias e zombar de nossa
paciencia a tab gasta com tantos desmanjlos ?
Os bancos de credit! territorial tem por"fim sa-
tisfazerem urgerite e clamorosa necessidade de
nossa industria agricola.sobre a qual pesam toios
os onus do Estado : e tempo de ser ella soccorri-
da no transe desesperaJo
rem aofcre
gniar. *
' Sob re a proposta Iida rompeu entao a diacuisS^.
: OtSiu GSBUrHRo D\ntas apolaode-se conif a
euaiio, a que cooipareca como simoles eidadio ;
com sua pra-epca nao tova outro Dm senao 0 de
- i*oalar. aaui paixoes partidaria?, sua sdtieaao ao
poasaraaato louvavel de.quem prraroeou saateihan
to reuniao.
Paia sua parto d*;lara que sabram Ihe dasejos
Ja dar qnalquar auxilio para que alguma cousa
de uul sa faea no intaresse da obter idos poderes
geraes as prawdeacias, qua, vai para alguns ao-
nos, iucessantemante tem sido pedidas, a a qua tem
direito a lavoura desta provincia. (Apoiados.i
Nao julga necassario entrar na discussio da eri-
ae qua se alravessa, a qna, a semalhanc.i de uma
pesie, assola 0 paiz, astanca as fontes de riquet',
acaqha.o passo dq pfograsso e do eograndec,iinento
do paiz. paralyja tadiTcoiiimettimenio otil, poa em
perturoaeSa 0 interagse da sociedade a ameaca do
raorlo proxiraa a iadusiria que e a fonts tinica de
nossa riqueza, e.eisa, iaJuiiria e a lavoura ; da
qual depaala lodo 0 aos^b pfa^rasso, pois nio so-
mis um poyo mauiifacVureiro, esira da lavoura ti
ramos todoa os recursos. (Apoiados.)
Acha qua a idea da reoniao foi muito bam ins-
pirada : todas daveni nella Wiijir parte, expor suas
ideas, aura de se obterem as meilidas aiie,v.de na
muito foram e. sao reclaraadas pela impreasa, pela
triboba laglslativa, por lodW os'orgios Be publj1
cidade, da opiniio, pdr uidos e por tado.
. .N40 poo> deixar duffer una obs-ervacao, a e
WWWtf- temo^, tim,,mittwterio esoeciaimeote
incambirlo dos neg^cus.da lavoura e do commer-
cio,' com ifhia iecFetaria1 bem montida, um pes*)Sf
laMt, etc.; e e de extranhar que as medidas
uUimameola l*nd48 para a lavoura viewcm por
,um ministr:'9, din*ar,enj,a. -0 d fazenda, s/ja 0 mi-
nistro da fazenda quein apresi-ntassa ao p'arlairien'
to a'prT)6sra; dr'que'se fern cofihecirnento. '
Recnnheae, pir ib, que .V uma verdale o qua
dizia uai,illustra cidalao. parlaawatar,amesjrado,
< patriota, 0. senador Mpatezuraa,: temos tldo
minis^os do tie^buro, mis flap do fiaancas.
Nio sabe como 6 que' 0 rriiriisiorio aa fazenda,
qua deva rciebr e, guardar as rendas qua pro-
vieraiu.do commercio a d lavoura para dar Hies
a applica;au vutada plo poder. legislativo, e quem
vein propor meif^as que julga conjucentes ao
bem osfar do me'rno'cornmaruia e d lavoura. o
qiie ifiuelgavelmeBre orapeta, deve de pTefarencia
caber, ao ministerio da agricultura.
Faita esta o.bsarvajio, prqsague que e precise
levar aos pileres geraes 0 braao de desg.>sto que
desperton aqui a proposta iheracaz c illdsbfia do
niaq a prsmover esses meetings (apeiados), em qae
essas respeitaveis classes facam ouvir sua voj,
qsein de.seus direios.
, '..Nenhdm povo qua nilo o.)naeca seus direitos ej
WeveraseslA n\ altdra de sua musao sbbsfSoa1 e:.
\mo. E' prcciso promovar as revoln^ries padlicas,
para e/itar as. rayolugoes armada*.
Nos pajzes mais adia'atados, ni laglatarra p >r
exemplo. .a opiniab publica, quando urge 0 bem
oonvnlm, indiea ao governo as reformat, fax mais
impde-n'as: Ulas alii sao feitas debaixo para
eima 0 nao de.ciaia para baixo. (Muito bem.) Alii
a.yorda^ir^raioaa e'aopiniio publica.
J As grab, las 'refy'riiias da liber Jade edo cornmer-
foram principalmente sromovilas pel) vigoroso
impulse que Ibo.deu a cpiniao publica.
N.0 P3vo eofre. n(is, iairabsm, e qua reside a so-
berania, 6 elle gne,m. esioihe' seus representantes,
sua formate'gyverno, quem perp^tua1 as institui-
coes ou aSilrarlsforma ; a por isso que a cousti-
tuioao declare que todos os poueres sao dalagajio
Ja uacao.
0 quo hoje obseva ha ie produzir bancficol.i
ftuxo as nossas necessidid :s, eatre as quaes avul-
ta actualmente a de sal var se a avoura, soccor
rendo-a os poderes publicos por raaios que Iho
deem credito e fawlitem a obten$ao de capiues
pir juros modicos e a prazos longos. As evolu^bes
coramerciaes sao rapidas e promptas, da celcrida-
Je nas lransacc5es tira 0 commercio as suas vanta-
geos; n lavoura, ponem, 0 caso e,'differente, a
sua accao, e leota, porque ella prepara a terra, Ian-
qi a semento, esp.era que frucufijue, golha, fabri-
ca; e vande, e tuflo isto exrge tempo. (Apoiados)
J Itacorda o orador qae ei"n "f867, oecupaado en-
tao urn lugar nos cooaelhos da coroa, como minis-
tro da agricultura, inaluio no relatorio que apre-
sentou' aoxorpo legislativo um trabalho sobrc ere-"
dito real, e depcis formulou um projecto a respeito,
a que fot discntido aa seeretaria de estado, reuni-
dos cs Uabcrahy, S. Vicente, Nabuco, Torras-Ho-
mem, Oliada, Souza Franc), Jequitiuaouha e Sa-
pucahy, que nao foram adversos a idea.
Das disenssoas hividas entio nas conferencia-,
a qua pnsidio 0 orador,-das sacooes do irapario,
fazenda e justica do con'selho da ostada, davam ter
fiendo resumos na secretaria, trabalho de que foi
encarregado 0 di ector Manoel'da Cunha Galvao,
hoje fallecido.
Desda entao tinha 0 orador em vista a creajao
Je bancos territoriaes para a lavoura, que precisa
de estabelocimentos adequados as
suas necessidades, ao seu viver, as suas operaco^s
exclu3ivamnte.
Naquella epoca propunha nm banco geral na
capital do i.nperio, com succursaes nas provincias;
mas hoje, em que as circumstancias sao outras,
apps sete annos de trausformasijas e de abatiraent)
na lavoura, que se tem visto, e qua todos saheni,
julga isso p iuco ; entao nio havia a lei de 28 de
setembro sobre a extinca^o do elemento serviL e
quo tirou os bracks a lavoura, se n substitu -los ;
os jnros nao lnviam attingido a alta da hoje; a
propftedade nio estava atnda tao depreciala ; 0
mal nao ss afigurava tao calamitoso. H)je eutende
que as provincias, conlorme seus recurs, tem
direito a um banco territorial, com emissao limita-
da as respectivas circqmscripcoes. (Apoiados.)
Parece Ihe que esta providencia. tomada com as
devidas cauttlas e segurancas, sera mais efficaz e
benefica, n4o offerecendo perigos, corao aalgans
se antolha.
Se 0 governo entenle, comi deve. qae a ruina
da lavoura e a ruina do paiz, e q ie se a deve evi-
tar a custa de sacrificios heroicos e pnmptos;
nao pode_ deixar de atteuder ao que for deliberad)
na reuniao a qua assiste 0 orador, e de eonvencer-
so de que improficua e a proposta da garantia dos
2 0|0 a'Hicionaes, de que se tern notic.a
E' absolulamente improficua essa medlda, pois
nao ha capiiaes nossos nem estrangeiros que achem
vantagem nos 2 0(0 addicionaes. (Apoiados)
Nura paiz, como 0 bosso, em que as apolices
vencera juro de 6 0)o, e na praca a laxa. de des-
conto e de 10 a 12 0|o, quaes os capffaes Macionaes
que qaererao transigir, perspicazes eamo 8Jb, com
a lavodra, contando simplesmente cot.welines-
qcinho auxilio, garaniido pelo esiad*-t! .^Pela
mesma razao os capitaes..estrangeiros, que.nao.
visarn so 0 agio, mas" a gaYantia, nao vira) ca,
(Apoiados.) -p"
Desta reuniao, diz, deveaihlr algnma cousa de
util e proveitosa ao rim qua adeierniyi \s
Cooveni formular uma raprasaalacao 'ao guver-
no,< na qual se faca sentir que a proposta do mi-
nistro da fazenda foi 'mal recebida pelo commer-
cio a pela Ijvoara, qua a consideram inaxequtVel;
propoudo-se ao mesrao temp) o qua jujgar-se mais
acortado e exaquivel namtuito dereauimw a la-
tro pdhtb, 0 'oMmbn^tra que a .auunip"add exitfc
I
eon^rosa,, aMm.de,.iojusta,' A dedadrdte,' lavohn.
de cannaS' tRy txijii esta longe" da' do cafe, que
alem de nao (er 0 cijaa/.aa, .iSbYfeapio, esta esta
hoje florescerite como bopca. Para ella 0 Banco'
do Brasil caluulou soa'reoda liqnida media em 6
0|0. exigindo por jasoa anfluidade de 12 r>or qua atlnal flood em H 0|r>, por serera os
etopresfimos realisados sobre. metade do valpf do
inimovel rural : como pois exlgir-se razoivelmen-
tedaquella a mesma Snnfjldade de 11 m.? 0
absurdo e evidente. A lavoara de canuaa da por
forca menbs ; e aioda calcqlando suarenda liqui-
da era 5 0|Q, a annuidade nJb p de ser superior a
0 0(0, aendO 6 0(0 de juro a 3 0|o de amortisagao
sobre 0 capital primilivo. (Apartes afBrma.iv03" do
Dr. Leao Velloso.)
Tudo que nao for isto e a'em de injusto, supe-
rior as f .rcas da industria' sacharina, a qua luta
hoje .com mais diOlenldades no paiz.
PassandO 0 rlrador a outro pon'tp. dii qua os
verdade_ir0s typos' dos bahcos da" credito hypoihe-
cario nao adiniitim a juac^ao/das duas carteiras ;
systema que, afem dos ioconvenientes. quo tem, e
Pvnjjqso A carteira commercial visando locros
melhores e mais rapidos pela naiureia dqs arapre-
jgos, pole sacrjfiear a carteiralhypolhecaria A fis-
^cilisaclo da pn'posta para sapar 0.mal, alem de
imponuua, q djspemjipsa e mni .ddBcil.
0 Banco do Bra"sil^ a quenj 0 ministro so pro-
curoi linitar, "foi de stia origem banco com:nerciaJ,
Qoe pela Pir'fa das circumstancias cbnverteuse
em hypofhtfeario em tima parle de seq capital.
APPI'^P.AdQPtou.este systema que pode, ^epete
'ar orador; trater graves iacooveni^otes.
. 0<,vijrd94ajc^s1'typ>a."'Sao de uma creacao ex-
cla'ivamahte rTypot .ecaria.
Pas,sando a "Itiriia narte da proposta, appiaude
a idea d orador dos bancos por circumsrripcao
ppi prM
tJ" este systema omelhor0 da i^aidada em
uma certa area territorial; 6 0 monop'olio regio-
nal da.qixe flla L. Lavargue, notavel escriptor,
regimen qOe acautela todos os perigos da liberda-
d> aem'os IncSttvarflanps nollveis da ceoj/alisa-
[ Nada de centralisacao, ja 0 paiz vive tao ma-
nietado com ella; qde e uma cala|nidade querer
central isar-se os capiiaes,
0 orador apynta o doloroso exeraplo da accc-
leradisslma liqmdaclo da Caixa Filial dia Banco
do Bra-il nesta praca, com grave detrimauto para
os rateress"S daabeile eslabeleci neuto de credi-
to, e dos devedores; Els ura dos fructos da fatal
centralisa^ao. Neste ponlo a proposta mercce seu
apoio.
0 orador, reoiou,tandose a coasideracoes ge-
raes, dii'que q'prob.lSrn'a de credit) territorial e
assas difllcif;'mas assim tem sid >' para todos os
paizes da cu ta Europa' quo tem adoplado tao ur-
gbnte melhoramenf). Em pat ta algqma taijr'ran-
drosa idfia foi nma realidade so pela simples" ini-
ciatva individual, ao conlrarin, ella so se realisou
coiri grandes esfor'50's e sacrificios pecuaiarios do
estado.. (Apoiados) -
Menciona a primeira instituicao na Silesia, (AJ-
lemanha) 0 banco do credito territorial de Franca
cread > pelo decreto de 1832.
0 Sr. Conselheiro Dantas:A Belgica.
0.oradpr: -A Belgica e outras. tod s com for-
tes subvcncCc3 do esladp. (Apiados.)
Ainda quando a Franca Iibertbu os escravos de
suas colonias, 0 governo cuidau logo de promover
a!li bancos agricolas, com sacrificios pecuniarios.
Coma se pr.etende, pois, resolver este magno
problo,ma eiilre 116s com 0 ridiculo subsidio de
1,200. cootos annuaes sobre 6 '.OO'VOdW.OOO reis ?
(At)oiaflos) j
(i prador diz que leve de.emillir sua opiniao a
convite da commissao central de inquerito. no-
meadi pelo governo, e entao apmtou os dous
meios para sohicXo do problema : 0 da garantia
de ju tas adrlermidadas condiejOes.
Nio deseob're, meJiante as necessarias c^nte-
las, pjrigo atgnm ho ultimo meio indicadp, como
ja foi dito up sanado 0 annopassado; mas se 0
ministro nio tam a necessaria coragem ou au'o-
ridade para arro3tar contra 6s preconceilos da
escoU do seu parlido, qu.e condemnou perprtua-
raente a emissao no paiz, edla'ii bracando 0 ou-
tro meio da garantia d> juro; seja'sinaero e fran-
co ; applique 0 remain) d,a rjjyjo' a ser eQlc3z.
(Apoiados.)
Colloque-se na allura da crise ; nao traga uma
emba^adella com 0 tilulo de beuecio a lavoura;
deaajte com energia os oordo-as da bolja do estado
e busque cexcar os capiiaes das necessarias ga-
rantias e lucros.
Da ouJro modo absolulamente nao teremos cre-
dito territorial; e sim mais um doloroso adiamen-
to para 0 infeliz commercio e lavoura do norte,
queestao agonisantes Aqui coneliie.
(Muito bem Muito bem I)
0 Sr. Joaoi'im Ely'sd esta no proposito de var
33 se cqnsegue agora aquillo quo de balde tem
sido solicitado. 0 ramedio que se propoe e 0 uni-
co carraz de alcanpar 0 qua se desaja.
Ja fez parte da uma commissao, da de iuque-
ritO_aobre a iavoura, de que foi presidente 0 Sr.
barao de Cotegipe, que superabuudou nas ideas
agora apre;ent3das. Apezar dislo, nada se alcan-
5hi : piis beoi, aceilando fe 0 que se propoe,
0 que convem e eleger uma commissao que diga
francaraente ao gorerno 03 males soffrilos e os
remedios peJidos. E ja que 0 governo e surdo,
e mister nij mais supplicar, que de promessas
vive-se ha muilos aaoos.
0 orador declara qufi nao e politico, mas'a bra-
sileiro ; nS) depende, podose dlzer, do hem estar
da lavoura, e antes, pot um lucro moiaeotaneo, os
males dellao podessem favorecer; mas lam pena
de vercahirtaodesastradaai3nte a lavoura da pro-
vincia.
A commissio que se eleger vai investida de um
pensamento resoluto dizer ao governo 0 que
pensa, obter 0 que julga necessario; oa 0 governo
accedera, ou sofirera as coneequencias d .s circum-
stancias desesperadas em que foram laacados o
commercio e a lavoura. (Apoiados.) Aceita a
idea ds bancos territoriaes, e vio 0 progresso que
deram elles a Republica Argentina.
0 Sa. Ma.noel Pixto Novaes propoe, em addita-
mento a proposta_do Sr. conselheiro Dantas, que
se nomeiem commissoes para obterem as assigna-
turas dos lavradores quo nao poderam compare-
ccr a reuniao.
0
via representocao.ao'iover-
aa que este deVesWo-ilvitrc
Eio coocJoafw
nb e 4 eatt'ara; acba q*je
tornado (apbjalos), porqoa desta forma safUfara as
exfgencjas dos que eOlenoem qua nio sG 0 execu-
tivo, como d poder reglsfalivo deVerh ler cotheei
raento das reelamacoes saltidas desta respsiiavel
reumSo. (\fo5to bcm.> *
0_Sr. Ls.u/VEJXns\>,s?ra pider alentar a pre-,
teu.ao da dernmar mals'hu sobre a questao, ja
muito debatida s elueidada'; sabendo de mais t.da
a assembles onde"esta 0 mal e qual 0 remedio ;
e3tava disposto a nao toraar parle na discussio,
mas a |std fre obrtfuu por alguus apartes que deu
ao Sr. Dr. Tlocha.
Bstando com a palavra, feliciu-se a si como
brasileiro, amante de seu paiz, cujo progresso
riio pode vir senao das boas praUeas da liberdade
,mdit03 apoiados), pelo espectacuio que tein ante
setis olhos com iquella reuniao, cujo espirito de
energica e vivax viriiidade na susteuiagio dos di-
reitos de duas respeitaveis classes da paiz se ir
rompeu das palavras dos precedenles bradores.
Fica, asjim( deaonstrado que e3te povo nao e uma
manada de carnciros, que sc deixa tosquiar, man-
so e pacifico. (Apoiados.)
Entende que um paiz nao tern e nao pode ter
senao 0 governo que mercce (inuitos apoiados);
e folga de ter ouvido esta pensamento, que e uma
verdede, enunciado pelo hourado nrasklenie da
reuniSo. "
Como pode pretender ter 0 gbverrao Jnsio e ae-
livo na promogao dp bem, um povo qua aaeihou-
ver em si toda'i energia, actividade e elbcacia
em fazer valer seus dire'las, conjpenetrado do seu
valor moral de que os governos se fizeram para
os povos, para r"cggl-os e felicital-os, e nio que cs
povos sejam matana iherte naS maos dos gover-
nos* (Muilos apoiados)
Esta reuniao, e 0 espirito livre a independente
de $ue a ve animada e uma. semente lancadana
terra, que nao pode deixar da germinar, crescer
e dar fructos. (Muito bem.)
0 que sSo, 0 que valera nos destiaos de um po-
vo livre as reunirJes dil-o a grande e livre Ingla-
lerra, onde grandes quest(3es se agitara nos inee
lings, cuja influ?ncia tio poderosamenie actua so
jj?.j'tw^ f^lnsf
9***,
bre 0 governo (apoiados);" pois que na Ingialerra
0 governo entende q^ua -
em que a tem lanjado I voura e 0 commercio, fbntS? 'da riqueza pSolioj.ftBtiai'
alem de ontras causas os irapostos de exportacao,j abalimento, d* \timtfKS: biri queWVaa.M iW*
-arenca Maria die A Ibuauerque, preta, Per
!)u:o, Ufcanris, tojtaife, .Boa-Vista, hospita'
pois 0 governo, nio satisfeito com 30 a 40 0/0 que
cobra da taxa de ssus.productos, investe ainda,
sobre ella com mais 12 a 13 0/0 na sua sahida
para os portos consumidores.
Estes impostos hoje sao intoleravais e tern side
motivo para diversos artigo- nos jornaes estraa-
gCiros, qae se admirom como e que no Brasil se
lem a impolltlca de taxar os proiuctos da propria
industria, para ireui.cqruorrer nos mercados con-
sura-dores corijos rwtass que 03 exportara livres.
Alem de tudo, aponfai-me qual a bbra impor-
taote qae na provincia'tem siflo feita a ensla dos
eofres geraes, qual a esti*adi 'qae ligue 0 seu cen-
tro ao littoraf? onde se'Vui consumido estas de-
zenas de mifharas d? conjoi, de re s que se tam
arrancado a lavdara s6 c'orh; 'direitos de exporta-
. 510, deixanl) a afinal redu?i'da''a3itac5o doforo-.
P-* sa em que seacfia ? .
0 nosio sertao esta pobre^ as nossas proprfeda-
des agricolas aracacadas de-proxima ruina e ugsjso
commercio paralysado, tjrdo se restringe ; e as
classes operarias por fim' terlo de supportar as
maiore; prlvac5es por falta dd trabalho.
A' ebftlfnuajao 'deste -'estado de cousas pode
prodnzlr alteracl). na ordem publica, e isto no
deve deixar.de d5er-pb"corlac.|o de todo brawa^o
amante de-sen pair e dos estrangeiros (Joe w
ndr.Ti vIvim'tarflYeftcoes. ertizif, pois
. 'ttM* Sd^Bpi7viva, S. Jose'; .pfiiyiic*"-#;, %^^rmi^vaT^a^^ii^''li^
nar. ..;.... -..Tj ; 3jb42KT.nO{T^;iIPPey'0fTB''* assim,
a CoaeeieSo Peuha, brvptr.Ui- pjCJag^ m.*vpane 6 hiSirvr) da'pfas'
eaJtftjVfJposrfTta^Di^aifa i ,JTcbre .jjrntcMsa.' nfl^jf'eiltAJo'qd^eve ser npmead
i; a, branca, Peraambuco, 1 mezes, Recife.; w?1b de.p^soksTabiHtadw qua irate
k^^rruetfTtaiep,lte. )f..A, m de,dir(ilf^a'%r^ehlae> astani
'^rjja iflel^u;ib'rrii}aJai 'ab%roJecto dj
Sr*6 '
rjr^f^mn"^F'^l' Pe!*-irT,bu?.0'l4-*,'.#^'|
*^^Sf^i^' br*?Cd> r^M#4
io; eypaslno,
k. ObAYu.GJljs declara que esta acosturaado
a nao cfer no giverno',' que nao attende aos recla-
mos da opiniao, e surdo as vozes do povo (apoia-
dos) ; entende ue se deve coonjr no patriolisrao
da deputacao baiiiana (nao apoiados) ; e pois pen
sa qne a representaclo seja dlrigida ao poder le-
gislative, confiando, como conila, no patriotismo e
illustracao dos deputados e senadores baliiaqos.
(A paries.)
0 Si>. Dr. Bocha pondera que a questio que se
agita e summameate grave ; que 0 governo tem
curado dos males da lavoura, e que ccm a pro-
posta do ministro da fazenda deu 0 que na occa
siao podia dar.
Nefse seulidp faz'aivertas consiJcraeSes, entan-
d>ndo .due se deve acejtar 0 qde promette 0 go-
vern*, ijrjjB nao pode Jar^no estado de abatimedto
em q\i^e acliam 0 comrSercfo e a lavoura, e nas
circumstancias do paiz, outras providencias man
talvez da morte, quai>m bfeve'Ilhes aguirdaj se a
tempo nio viarain medida3 saivadoras. (Ape4dos,
muito bem)
Termina pois offerecendo neste sentido ama pro-
posta. .
0 Dn. Goxqalo Bulcao camecoo dealariaodo qae
appiaudia de eoragao o acontaciraeaV) do dia, nao
sopor ser elle uma rniaouagamaji direito de red-'
niao, corao porque alii tia 0 cangTacamento e3Drjn-
taneo de' duas industrias Irrbls, culos mleres3e3
Unto ae IJgam. (Apetedos.)
Quando leu a propo*)? do governo
. ainda noi re
latori9 do njunsterto da fazenda, ficou desde Joga
dup'amente sorprehendido : primo. pela sua corqi |T_'.4."pr'
pleta ioefflacia, attenta a p*.sii*3o dos capitieC >iap
nadunaes a e-trangolros, xecando, pr nio ebm? 1^41
prohender qua prqMena. tio sorio podosaa sec '
resolyido com um tao ridioolo a,milio -aual a (jah
2 0|o de juro aidicional
Examioando logo a proposta do poder ex-Aativo '
alem 4o iubsuneial d.rfeito da ln,xeqaibflida|e.
aponta outros tambem importprKas ; ,, ,
Oda inexequibUidade.resu,Jta,da pesicao t<*.4ii "
pitaes naconaes e estringeiros ; as pnmejros'iihi- "SrVeliFVi
to escas-os, e hividr}s*',lae srultadoi facrbs'; qa no^> ame vu,
segundos nio podendo seimmobilisarni iMpeS r%, *MW
-. Co*?tHeiRo Da.ntas 5 foreado mais uma
f'ez a toraar jiattenjao da ilkistre assemblea pelas
considerfcik-* feitas palo Sr. Dr. liocha, que diri-
gio-se especiaiineiit.'. a ella orador.
Convem flrmar uia, ponW. A rauQ^o actual nao
lem por fim estudar os males it lavoura e do
commercio, dar solucaiJ aos comphjibs problemjas
qne se suscilam em semelhante assompto; mjas
srafeTHWaTTOfite fepresentarconrTa a pro?03la do
wa^'CsAjfezap^a.-ciue foi jnlgada infeliz.
*W* nWawihiBuMada que o orador a qua se re-
' "fere eiiaeiguu ua crear^So do; bancos*; prrra a
fuadacBpgda.glffyjto raai ja se fez uma lei hvpo-
vX)Iavo Goes e uraa porta que
ie o governo,.que eolap jam^
dos, sobre a auastao.
jsoffre q aia.1,6 quyjaj mejbpr jfla
|^u< o dir;iti, e aijapi^_deie
claiaaotb ao' poJ.-r sxe^iti^o^
taijio a camva^l/j^orjna
l da c^jnraissaOj^ieJw dfcr
obler.jse Ua o qfeg-gMesau
reuniao nao coaseguTr '^9^J}v
spli-yiar, {av-4*>b*Maaiun HtTos p
sari* st
garaat a ij*ra a soiacap |9rpa-keGB' dntkesnuro, ? erda-aitti^.Tpaal a,
deBfc-WMfSaWattfl? o-sei-AL
cireanm eoaiihi! *b^jot^sataws.
- g vernar n.io e resistir,
e segnir a orJiniao.
Este pensarabnro ainda ho'e foi ciiado no Dia-
rio dii Buhia.; $ distingue elle os governos d craticos das monarchias de direito da divino.
Somosatria monarchia de direito divina ? N.o :
sria planta que de modo nenhum se radicaria na
America; somos uma monarchia ba-eada na de
mocracia; e como tal habilitada a fazer este paiz
livre e feliz, como sao a Ingialerra, a Belgica, a
Hollanda e a Italia moderna. (Apoiados).
Uma voz : Mas nesses paizes o povo escolhe
seus representantes. (Muitos apoiados).
0 Sr. Leao Velloso : Se somos uma monar1-
chia deniocratica, governar deve ser acompanriar
a opiniao e nao resUtir-Ihe; c mo agora mesmb
est.i fazeudo o governo obstinate contra nma
idea que 6 uma as'pirarSo nacional. (E=trondosos
apojados).
Uma voz :E' porque quer continnar a fazer os
deputados e senadores. (Muitos apoiados).
0 Sr. Leao Velloso, entrando r.a apiecia-ao das
consideracoes do Sr. Dr. Bocha, comegara por
dizer-lhe que, nio vendo no parlamento verdadei-
ros representantes da nacao, ere lanto nelles como
no governo, ou nio ere em nenhum; razao por
que se appiaude de ver duas classes no respeita-
veis despertarem para fazer velar sens direitos,
nao pedir, mas exigir, na phrase energica do illus-
ire presidente da reun ao.
Uma voz :Sempre foi o governo quem desi
goou deputados e senadores. (Apoiados).
0 Sr. Leao Velloso uao coniesta ; antes o con-
fessa, como no senado ja confessou o eminen'.e es-
tadnta, que c uma gloria bahiana, o Sr. senador
Nabuco, quando disse que nos fizemos, vbs fazeis e
elles farao. (Apoiados; muito bem).
_E' para que nao sc continue a fazer; para que
nao o possa fazer nenhum dos partidos que se trata
de reformar o systema.
Uma voz :Venha a eleicid direcla, que o com-
mercio quer escolher os seus representantes.
Apoiados).
0 Sr. faeao Velloso applaule-se de ouvir esta
manifestacio em prol da cleicao directa; pois tem
profunda e inabalavel a conviccio de que a face
politica do paiz mudara no dia em que eleitores
jure proprio, capazes e independents escolhe-
reni os representantes da naeao. (Muilos apoia-
dos).
E para nao acreditar no parlamento, desde que
o governo nio Ihe deixar que pense por si ; tem
dous factos a citar: sabem os que Ihe ouvem que
ja uma representacao foi aqui pnmovida e assi-
gnada por grande numero da lavradores e nego-
ciantes, qua assentaram da dirigir-se ao poder Ie
gislativo expondo as criticas circumstancias da
industria e Ihe pedindo remedio. Que fim levou
a representacao? Encarregou se della um dos
depulados da provincia : mas chegando a corta,
sem duviJi, reconheu-sa annullado peia orani-
potencia governativa ; e nio tevecoragem de sub-
metter a representacao a respecliva camara, e foi
ella convenida em papel de embruino. (Apoiadjs.
E vetdade).
0 outro facto e esle : o banco mercamil teve a
idea de pedir ao poder legislativo direito da emis-
sao; e para este rim o sea activo e iaborioso pre-
sidente foi elle proprio ao liio de Janeiro, e sub-
nielteu a camara temporaria o pedido do banco ;
foi o papel disiribuido ao visconde da Man4, via-
tor da com oissio de fazenda ; sabem todos quaes
as ideas economicas deste illustre brasileiro, que
?5o muito livres (apoiados); pois bem, n'uma con-
ferencia deile como presidente do banco m er-
caniil, a este declarou o Sr. visconde da Maua
que sen parecer era pelo deferimento da peticio,
se a e^te nao se rppozesse o governo. 0 Sr. Pinto
Moreira procurou ter uma conferencia com o Sr.
ministro da fazenda, que perempotoriamente se
enuncioa coutri a emissao, di?endo que a praca
da Bahia levantasse o cambio acima do par, que
logo o ouro jorraria (Risos).
Deu a permissao deemittir letiras bvpothecarias,
que valem lanto quanto nada (apoiados); desde
que o mal esta na falta de capiiaes, que se immo-
bilisem nos emprestimos'a lavoura,emprestimos
todos de natureza diversa dos comraerciaes.
(Apoiados.)
Mas rafava tratar da quostio : o Sr. Dr. Bocha
entende que o governo ja deu o que podia dar :
isto e, o seu projecto, mesquinho, lacanho, e inef-
ficaz, como todos pensam que realroenie o e.
(Apoiad is.)
0 orador nio duvida que assim seja, mas nem
por isso deixa de pensar que convem insistir pe-
rante o governo, eneherem-se os soffredores de
raiao. (duitos apoiados.)
Entende, pois, qne se deve representir ao go-
verno e ao parlamento no ?entido da indicacaodo
promotor da reuniio, e do seu especial aniigo o
Sr. conselheiro Dantas. (Apoiados.)
Pede licenga ao Sr. Dr. Bocha para discordar
de suas consideracoes, alia- mnito elevadas, mas
qne Ihe pareceram inopportunas. (Apoiados.)
Pen3a que o \ ssompto nao pode ser eacarado
do pont) de vista em que os collocou o Sr. Dr.
Bocha ; porquanw esta bam eonhecido e limitado
o motivo desia renniio, que nio teve por fim tra-
tar do nosso regimen agricola, dos meios de reor-
ganisal-o (apoiailos); mas somente de criticar o
remedio aaoptado pelo governo contra om mal ja
reconheeido por elle proprio, que nao pode ser
carado com o seu projecto. (Muitos apoiados.)
0 illustre Sr. Dr. Bocha entende que, sendo
muito complexa a questao agricola. nao pode ser
resolvida senao meditadamente, e mediante vaitas
providancias, qae o governo nio pode tomar
puma sessio legislative.
ebrisofdirfa cdui isto o orador se tratasse se de
reorganisar a, jod.ustria agricora desde sua base,
bohndo na probT^adc territorial, nas relagoes de
proprietario de terra com fi htvrador propriamente
dito, e com os trabalhadores, o qqe envolve quos-
trjes sociaes, poltftcas e economicas.
Mas, n.ao o dissoijue sfeirata, seftSo de tevan-
ta'r da cova ar^manbatrto qae agonisa. (Mujtos
apoiados.) *" u-' ri'ITi-
Nio e agricultor, ma^ pode se] o anrtrjha,-, e
Q^ha de lavrador, o pouco qvu^ de.ve. Jierdar de
j'pais esta na lavoura ; Vjoos 0
lavradoras;^t^ji, PTtanto
iOjoirmn e outros inteljamer40,rfpei; il3?a&!l^
^Woposfa uue nTo!he.s Offerece' a-Beces, 3R-*" S **
<*Fp-ye'rac, li'tfSverno.serra,
dor crer, se nao esnrdb'as ne^
fcpcthle-frf
Isppaie-^tfai
quer o ofa
adee publicas,
aeogwib^ti
I
dactoraa de assucar o I
em quarto lugar".
Uraa voz : -Jlsta em ultimo iugar.
0 Sr. Uao Vejloso. -.-Esta caUocado de modo
que sua exdosab aV* mercados fcatostlo podera
lattcar perturbaeoa. 0 asauaaf da Bahia nao
pode sustenlar compeleacia no* mercados por sua
ma quah Ji.de, a esta nao pde ar melhraaa sem
que os nroduciores aejam aihviados da prasaao sob
que vivein a ofrer. (Ap.iadas).
Nao tem favoracimeuiu d^.^overuo ; nao tem
estrauas; os bracw aaeaseaan ; pre^o do go
nero desce, e os juios de tu\u dobitua- acbeni.
(Apoiados).
E c uma iadusiria am laos condicdea a que se
ouera com 15 a 20 por oenio d direitos da expor-
tacao I
' admiravel a /fteiiin-Mi do governo do Bra-
sil ; e nao ba estrangairo qua nio a admire,
veudo que elie o primairo a eanbaracar a aln.l.i
de seus productos, ixando-os tao pesad in -m.-
na expona(). i Apoiados, mailo bemj.
Mas que quer Ja o actual intaiNro da ft
zanda disse na parUmooto que o.iapoato flahiria
uos consumidores I .
Uma voz :Reaimaulo qua saMori* '.
A verdade, no en lanto e *e o- imwoato e dea-
contado no valor do pruduoto; emra mu na ctuto
da produccao, carraia-o o produatar. (Mniios
apoiados). t ,. ".""ir.
Como ha de viver nma lavoura que ve sou*
productos depreciadot no> mercados, baratean-
do-se dia a dia, de modo qua sans baixo* #recos
quasi nio uobrem as despeus a> praduc-aa 1
(Sensacio, muitos poido)
Em tao instes condicoes pode-t UMar de re
conhecer que esia morla a iavotua, c i.* con-
demnadj a coatiaaar a pagar jnros de 12 por
cento aos banoes commerciim t (Muitos- apuia-
do>), j
Attenda se a nrcumslaacia qua ja Ui referida.
por sew parUcurar amigb Sr. Balca no saa ex-
cellente discurso : qua os compotenies caicolam
o lucro liquid.) da lavoura do cafe em 6 nar cen-
to e a lorescerj* laVoun* lo*>*^'da'iliVrexig
a immohilisacio de capiiaes, neeessar a a lavoura
.da_canna. (%poii*jo) '<
Oaf lucro lii'uido* dara o assucar '
vozes : Nem 3 por cento.
0' Sr. Laaj Velloso : Alii esti qua failam o-
homens cdmpetenies. e e esta mesma industria
que esia obrigala a juros de 12 por cento !'
Dizem, entretanto : modem da industria E'
isto facil de dizer a quem nio ve a reaiidade das
cousas": e os valiosissimos capitaes qub oS pro-
prieiarios tem immobilisados era suas ftbrlcas f
E os terrenos sio proprios para outras cui:oras 1
E emquafUo nao elfectua a mudan^a como alten-
der a seus compromissos ?
O Sr. Dr. Jeronym) Sodre :E" a unica xpro-
priada ao nosso clima.
0 Sr. ( Bocha : E os bancos territoraes ma
darao a face das cousas ?
D Sr. Leao Velloso .Sem duvida : alliviarao
a iadusiria de que se trata da pressao dos luros
altos, e a lubiliiaraj a^sim allivida a entrw em
nova phase de melhorament .s.
0 Sr. Bocba :E os bancos ierriloriaes mu.U-
rio a face das cousas ?
0 Sr. Leao Velloso :-Sem duvida: alliviarao
a iodustria de que se trata danressaa dos juro?
alfectos, e a haWlitarao assiNP'Wiviada a entrar
em nova phase de melboramerrtos.
Portanl', a questao e Je aciualidaie, ede sal-
var a lavoura da crise que agourerita ; dd nao
deixa-la agonisar (l-Mron .osos apoiados.)
Entende que'se deve represenlar ao governo e
ao corpo legislativo, nomeando aaia cmnimstio de
Ires senaJores desta provincia e ires deputados,
encarregados de promover o deferinienlo dss re-
premardes. (Apoiados) ...... .
Com o nosso systema de eleicao nao ha laeoen-
tre os inandautes e mandatarios ; estabelecam-n'o
as I isses aqui repr.'sentadas por esle modo : in-
cumbiudp aos senadores c deputados escolhidos
de exprimir aos altos poderes do estado o pensa
meato desta renniio, reseivando no^ a.4iritode
tomar-lhes coma 'o moda como dosempenhareoi
seu mandato (Muitos apoiados.)
Cre que e^la delii.erag.io na da produzir algum
resullalo : o anno passado, quando se disculia
o favor ao Banco d) Bra-il, o espirito pubtieodes-
pertou, gragas a iuiciativa do illnstro membro da
asrociacao, promotor desta reuniio, peTo qne me-
reca louvores (muito npqiado-t;. sua iuiciativa au-
xiliada pela imprensa acord.u o commercio e a
lavoura de sua indifferenn ; e a isto talvez so de-
va o que tem feito o governo.
todavia, indiea qne nao ppdo
clamores da opiniao.
No senado faUaram, alem do ilustre Sr. Sarai"
va, n eminente estadista o Sr. Nabuco, qua pro-
ferio um monumental diseurab, no qual enunciou
um grande piano tm pro! Ja redimicao da lavoura
brasiieira.
Belova naoj esquecer: a lavoura 6 o nervo d
estado, ou a sua vacca leiteira : sem ella como ha
de o governo tor dinheiro -para fazer a gu- rra e
mauter a paz, pagar sen .vasto fnnccionalismo
e a magietratura ; e em cirra tie tudo augment3r
os sobsidios dos depulados e senadores ? (Apoia-
dos ; muito bem.)
Compenetrera-se as duas classes lavoura
commercio que entre si cumpl-tam se; compene-
trem-se do que valem e podem na potitiea do paiz.
saibam fazir valer seus direitos, e n.io luia eu
tao receio de que o governo se abstiue em ne-
gar Hies aquilloa que tem direito. (Muitos e vivos
apoiados.)
Desejariamo3 que o governo aqui estivasse pre-
sente ; e visse de que espirito se acha an irada
esta reunia;, que nao e de poiilicos miliu.ntes
(apoiados); e de lavradores e negocianies qne na^
podem ser tax^dos do e-p^cular com a politica ;
mas que perleucem a duas classes que podetn im-
per o respeito a seu direilo, porque sa> as clas-
ses producioras do paiz (Estrondosos apoiado;.)
0 telegraplio transiLitira ate o centro de d
vida governtiva o espirito desta reuniao ; a la
vcrao os que nos governcm que nao e sem m
vo que lhes bradamos : Caceant COMUlet '
lMuito bem '. muito bem )
Oci'uparam ainda a attenciio da casa. em bfev -
dUcursos, os Srs. Dr. Garcia Pires, Gon^aloEs-
pinbeira e Coronel aiattjs Luceca, todos ace r
iles na urgencia das medidas peajrasias ua rouai -...
e em ultimo lugar o presidenle da reuniao, c;ij
discurso rosumimos, em seguida :
0 Sn. Joaqi'i.m Elysio diz que parecia Hie qae o
Sr. Dr. Ilocha queria agradar ao govern.). 1'. i
que tem var com isto. 0 fact., e que a proposta d.
ministro da fazenda nao satisfez a ninguem, e cui-
da se agora de reclamar con'ra tiia. Nio e um
movimeato a mao armada quo sa promove, nia-
usase do direito de protestar paciflcamente con-
Ira o que baa respeito da lavoura e do coinmerc!;.
Se o governo deixar morrer aqoillo de quo vive
o paiz, este nao pagara imposios. Deve-se resis-
tir pacilica, mas energi^amente. E'por isso qua
entende que deve haver escropulosa escolha -
merabros da commissao de que trattam as prc-
poslas -epreseutadas.
Quer tambem "que a commissao reclame contra
o imposto de exportacao do assucar, que esta en
po?i'c5o inferior a d;s outros me re ad s de igui;
genero no estrangeiro.
Atteuda a assemblea a que da escolha da eo.v.-
missao depende o resullado proveitoso da Deuia
a que o orador preside.
Encerrada a discussao, sao lidas as seguinte*
p-opostas :
' Qae so represents.ao govern^.
" 1 contra a inelficacia da proposta.
" 2 que se indiqua a ordem de medidas quo, m
entendar desta assemblea, podem ser nteis a I.
voura des.a provincial faze.ido seBlir qae ser..
t-'das incorapletas sem a cre^ao de vn banc
territorial provincial" com emissao. S. R.-Banc*l
Dantas.
" Additamento.- Qne as reoreseutaives 90jam
levndas a prssenca do g verno e*o poder legis-
la'.ivo por n-na commissio ae tres senadores a
tres rjtepilladds edcarregad.)s- do promover seu
que e nada ; mas.
desprezar de todo os
i ur
ledlatas riga"c8e%';' para-rilo*tre
rjj|sar-so por ejjfr^ e jsonhecer o seu
tlefere^te it "fSvbufa W%sif6a?,"
cipal da p^vincia^ ea. Hara^os rjof 'caas'as ^rpp^rac si)
(Apoiad
Foi a
,QJB
f-pro
laiores em-
e3peciai3.
'*-. nbnaa
'-U v* i|ae neatnqiara
%t govaruo *o.^ieio,*re
iprifi: governo qu6ja recontre';
ta estado dessa lavpura, como a.jnsta do
do Sr. ministro d^raienuV'i-
'rfl0j!>. *$***
deste
-. que diz o governo v
aeudq URN u*x8ri^
i d3iWiMJJStftoW!^,-'
mutea^(HWflWhye.-as
i ras &omt*m*imiftw
P> WT damn#oi8|.<
Baleva atlender que na escala
andameWp/S. R LeiovVelloso
Propdnho qu'por esta asse.uWea seja org.v
nisada rfma asswiacSo ccm o fi*B da fazar repr--
sentar o commercio e a lavonta Wucfipo >gis-
laHvt?, pugnandopor seas'miefesses S. R.-Go^n-
calo Espit\heua.
" Em seguida sSo eljas votadas, wan>s ado Sr
Goacalo Efpirrheira, sobrt 'a qu 1 'se-'wolvea.
deliberar em outra occa3ia.
Fcfam tomadas \-Wias ^etrberae*..*, entre .-,-
qnaes a notreagab fl.Y' |bSrte owmnsio par.*
executar o tme resolvsu a assauiblfea :
f5^'selrreirx)(aooet fflfte' W 9ia Ihwas
Joa,juim Elisip, Pereira Marinho. -U
Visffinua^e *r#iMrirfih t: i:
-
1 Bario dl .
*. Ja*? aoto -
Lise Lppes da Siiva Liia.
Br. Gooftlb^J*^:
AH

:
a
4
.01*3
m P^ProlMa0oerParN?v3S^
.
MEIHOR EXEMPLAR rJCaalRADO |


*w
a.l im m

Diario de Perna^buoq.rr- ^a feira 28 do Jutf* de 1874,
<-,
^

) Pereira Epii
Aorelio Pereira Espinheira.
' Commeodador Manoel Joaquim Alves.
' Frantz Denis.

O *egulador da menstruaqao.
Concorrer para a maior volgarisacio de ura me-
dieamento do grand* ntihdade, para os qua sof-
t'rem, iS dever de todos, e principalmente. de quem
Penundo assim vamos expor in facto, eujo co-
nhecimento, servindo de provein para muitos, de-
ve aogmentar" eooeeito, qae ja (em o medica-
wento Regotader da menstruicao descobertu.
l&elo Sr. Dr. Manoel de- Slqueirs. Cavalcante.
Tendo mioha mulher, not u timos dias do mez
de junta proximo Undo dado a lut urai crianca,
He(s dias ihpois apresentou se com suppressao do
Crto, febse, trio, dAres na cabeca, no olho direito,
tes eontraecSes no* mnseulos da perna do mes-
ino Jado. Vendo a doente naquelle estado, qne
ine pareeea grave, par causa d;, suppressao, lem
bret-me do refortdo medicament?, de qae ha mot-
to, ja estava pre*enklo : fiz a dissolncio e admi-
nistrei-a, eteonde as respectivas instruccSes.
Em resuTtado no dia seguinte amanhecea a
doente com o parto, eorren 10 regularmente, e dos
ontros symplomas, aeMindo apetms os da perna e
do olho : lettas coadicdes, snppondo-se curada,
levaatmvee logs para entdar don trabalhos da 'ca-
sa : per is to, ou nao sei porque, deu-se ontra vez
a supiwessao com os mesmos symptomas I Eo-
tio de eJBVo recorri as medicamentoo, e com ti-
raanha. felicidaie, qae obtive identieos resultados,
icando a doente restabelecida em poucos dias.
Admirado dos ben? linos, e proraptos effeitos de
urn twdieamento, qae alem ee saa efJBcacia, e de
lacil 080, pubheo o facto para e 8m exposto, e fi-
< persuadJdo, que o Rejrolador da menstruacJo
para aa mufheres. qae soffrera suppressao de
parto, uma garantia de suas existences.
Tbearuna, 27 de julho de <874.
. Elizeo R. de Freitas.
Collegio de Santo Amaro, a
rua do Hospicio n. 10.
Tendo renanciado em novembro de 1872 o ca-
nonical) da cathedral de Olinda e a cadeira de
liistoria,.que ea regia no seminario, e dedicado-
me ba mais de oito annos a educacao da mocida-
*ie, resolvi comprar o collegio de Santo Amaro. do
jual fico sendo director e responsavel por todo o
ictivo e paasivo do mesrao collegio a contar so-
mente do dia 1 de jalho do corrents anno em
iliante; porque pelos negocios anteriores a esta
data o anico responsavel e o meu aatecessor. Te-
nhopois a satisfacao de onerecerI'aos senhores
)ais de famiiias urn estabelecimento em tado con-
reniente a educacao de sea; filhos ; pois alem de
haver meslre* dos melhores para todos os prepa-
ratories exigidos para a matricula no eurso jari-
clico, os ba tambero para musica e Ungaa france-
2a fallada e escripla, accrescendo qne desejo arden-
lemenie empregar todos os esforcos, que me fo-
em possiveis para o bora tratamento, zelo e soli-
citude na educacao dos collegiaes.
Recife, 21 de jalho de 187i.
Padre Augusto Adolpho Soares de Kuseioetter.
Qoailro laistorico
Acba-sa a venda em to las as livnrias,
lclo diminuto prego de 500 rs. a importante
ocuriosa gravura da actualidade 0 Sonho
Doiurado de Pio IX, eflaracido pela redac-
^ao do Mosquito ao eminente escriptor Gan-
(;anelli.
vapor, mamfestou :
Algodao 39 saccas a 1. F. Perdigio, 35 a J. C.
Paes Barreto, 30 a Santos Maia i C, 5 .J. P.
Pinto Magalhaes, 128 a Gailherme P. de Azeve-
do, 189 a ordem, 60 a Andrade & Mello, 196
a Perdigio Oliveira 4 C, 51) a Clemente F.
Tavares & C, 10 a A. C de Vasconcellos, 69
a Lulz Antonio de Siqaeira.
Coaros salgados 235 a Fernandes & C, 126 a
J. B. de Oliveira, 300 a Luiz Jos6 Pinto 4 C, 76
a Julio C. P. Barreto. 30 a Silva 4 Alves. Oitos
seccos 135 a Oliveira, Filhoi 4 C. Corinhos cur-
lidos 28 macos a ordem, 12 a Sa Leitio 4 Irmao.
Carne 88 garajaos a Cunha, Irmaos & C, 9 a or-
dem, 4 a Bernardo Jose Pereira <^ IrmJo, 9 a Al-
fredo P. Barbosa, 3 a Alheiro, Oliveira & C, 4 a
A.M. daSilra. CeYa de carnauba 37 saccos a
Gom s de Mattos 4 Irmaos, 2 a Canha, Irmaos 4
C. Cafe 12 saccos a Joviniauo Manta. Canos i
a J. P. Moutinbo.
Fumo 5 encapados a Rellrao 4 Filbo.
Miudos de boi 1 garajaa a Canha, Irmaos &
Penna de ema 1 pacote a Gomes de Haltos
Irm&os.
Sebo 1 garajao a ordem, 1 a Cunha, IrmSo 4
C. Sola 1.018 raeios a Moraes 4 Irmao, 295 ditos
a Gomes de Mattos Irmao, 103 a J. Kamos & Ma-.
chado.
Velas de oera de carnaiiba 29 caixas a A. da
Costa Bamoft.
DESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 25 Df-
JULHO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vepor inglez Student, para Liverpool,
carregoa : B. Son 4 C. 500 saccas com 37,469 1(2
kilos de algodao ; S. Brothers 4 d 22 ditas com
1,684 ditos dedito.
Na barca portugueza S. Maria, para Lisboa,
carregoa : A Loyo 6 cotiros espicbados com 42
kilos e 190 ditos aalgados com 2,280 ditos.
No patacho bespanhol Venturita, para o Rio
da Praia, carregoa : P. Carneiro & C 800 barri-
cas com 82,039 kilos de assucar branco.
ram ot portot do interior.
Para o Rio de Janeir >. no Vapor nacional
Ceard, carregoa : L. J. Marques de Araujo 109
saccos com 8,17"i kilos de assucar branco ; J. J.
Ferreira 30 barricas com 2,150 ditos de carvao
animal.
Para o Para, no navio poringnez .Vichaelense,
carregoa : J. C. Gonc.alves 30 barriqainhas com
2,263 kilos de assucar branco.
Para o Aracaty, no biate nacional Deos te
Guarde, carregou : F. A. Couiinho 1 barrica com
61 kilos de assucar refioado.
CAPATAZIA DA ALFANDBGA
Randimento dr. dia 1 a 25. 17:043*853
'dem do dia 27...... 4202i0
conform* a qaalidade.
Carvao de pedra. Cbeganm 635 toneladas,
ainda sem pre^o.
Farinha de trigo. Sem chegaia, em deposito
13,021 barricas, retalha-se:
Huogrla de 304000 a 32*000.
Trieste de 28*000 a 30*000.
Americana de 21*000 > 24*008.
Saccos, do CbiK a 9*500.
Farinha de mandioca. Chegaram 100 saccos,
em deposito, 1,000 saccos; nio censta vendas.
Farella Cbegaram 100 saccos, cotamos a
4*600.
Fumo em rolos. Sem ctagada, vendas de
10*000 a 11*000.
Dito emlatas. Sem chegada, vendas de 12J
a 13*000.
Dito em pacotes. Sem chegada, vendas de j
EDITAES.
De ordem do Him. Sr. inspector da theson
raria de fazenda desta provincia ae' fax poblicc
para connecimento de quem interessar que no
dia 29 de jalho proximo futuro, pelas i boras da
urde, sera posu em hasu pabiica peraate a jun-
ta da mesrna thesouraria, para ser arrematada por
, quem mais lanco offerecer a casa terrea. sita a
rua do Paep Caslelhano, na cidade de Oiioda, pro-
, pno nacional e bem assim o terreno que the fica
adjaeente, o que tudo foi avaliado por dous conlos
de reis.
* Secretaria da thesouraria de fazecda de Per-
. nambuco 30 de junho de 1874.
0 2.* escriptnrario, servindo de secretario.
10*000 a 11*000.
!
Carloi Joio de Sonu Correia.
Genebra de laranja. Sem chegada, nominal 0 Dr. Sebastiao do Reeo Barros de Lacerda.
a 7*000.
Dita eommum. Sen chegada, nominal 4*000.
Dita de Hollanda.- Sem chegada, vendas a
5*500.
Dita em botijas. Sem chegada, nominal
330 reis.
Kerosene. Sem chegada, ultimas vendas a
5*000.
Loaca ordinaria. Chegaram 177
nal 380 por cento.
Milho. Sem chegada, vendas 83 reis o kilo.
Manteiga ingleza em latas Chegaram 5 cai-
xas, vendas 2*396, 2*505 e 2*614 o kilo.
Dita ineleza. Chegaram 302 barns, vendas,
2*004 a 2*287 o kilo.
Dita franceza. Chegaram 860 barris e 1,244/j.
vendas 1*524 a 1*590 o kilo.
Pimenta. Chegaram 60 saccos, vendas 1*045
o kilo.
Papel de erabrulbo. Sem chegada, vendas
a 1*100 a resma.
17:464*093
VOLUMES SAH1DOS
.No dia 1 a 25.....
No dia 27
^rimeira poria......
Jegunda porta.....
Terceira porta.....
Trvpicba Ccncai^ao .
32,761
48
74
443
609
33,995
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, 97 de jullio
de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
C0TAC5eS 0FF1CIAES
jJgod5o dosertSo l'sorte 7*800 por 13 kilos,
sabbado.
Algodao do Rio Grande do Norto em iospecvao
7#(00 por 13 kiles, sabbado.
Cambio sobre Londresa 30 div. 2o l|2 e 23 5|8
d. por 1*000, do banco, sabbado.
J)ito snhredito a 90 d|v. 25 5|8 d. por 1*000,
do banco.
Dito sobre dilo a 90 d|v. 23 7|8 por IJ0O0,
sabbado.
Dito Si.>bre dito a 90 d|v. 25 7j8 por 1*000, le-
tras de fora.
Cambio sobre Paris a 3 div. 380 rs. o franco,
do banco,
(^mbio sobre o Porto a 3 djv. 114 0,0 de pre-
rnio. sabbado.
(^mbio sdbra Lisboa a 60 d|v. liO 0|0 de pre-
mio, sabbado.
Dito sobre dito a 3 J|v. 113 0|0 de premio.
Cambio sobre Lisboa e Porto a 90 drv. 110 0,0
de premio, do banco.
Into sobre dito a I d[v. li-'l 0,0 de premio.
do banco.
Cambio. sobre a Bahia a 10 Art. I|i 0|0 de
desconto.
iiesconto de lelras 12 OiO ao anno, sabbado.
B. de Vasconcellos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
SERV1CO MARITIMO
ii>ar6ngas descarregadas no trapicte da
alfandega :
So dia 1 a 23..... 38
No dia 27....... 4
So trapicbe Concei^ao .
42
RKCEBEDORiA DE P.ENDAS INTFRNAS GE-
RAES DE PKRNAMBUC-
juu de direito especial do commercio
neata cidade do Recife de I'eruambiico,
por S. M. imperial, etc.
Fago saderaosque o presente edital vi-
rem e della nolicia Uveretn que, por psrte
do bacbarel Amaro Joaquim Fooceca de
gigas, nomi- Albuquerque, roe foi dirigida a petigio se-
guinte:
Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio.0 bacbarel Amaro Joaquim
Ponceea de Albuquerque, 'sendo credor do
Dr. Alcino Bnptista Monteiro, por uma le-
tra da quaotia de cento e viute mil reis,
sacada a 14 de novembro de 1868, com o
prazo de Mil mezes, acunteceu nio ter sido
paga ate hoje, pelo que o supplicante re-
quer a V. S. que se digne mandar tomar
iendimento do dia 1 a 23
Jem do dia 27. .
41:646*179
2:148*302
43:794*481
O-'iSSOLADO PftOV'.NCfAL.
Besdiaento do dia i a 23
Idem To dii 27
121:781*731
7:769*464
129:551*195
AGENCIAS ROVIXCIAE3
Liquidos esnirltuosos.
Randimento de 6 a 24 G:3792S
Idivu do dia 23 230*676
Bacalhao, etc.
Rendimen'o de 6 a 21 1:416*646
I ism do dia 23 532838
Geaeros de estiva.
Rendi:ncnlo de 6 a 2i 7:6'i9*IS9
Id'-m do dia 23 61*076
Rendimento de
Idem do dia 23
Fumo, etc.
6 a 24 1:594*961
282*838
7:0685004
4765304
7:710*265
1:877*802
a groMPhrOS*~ Sem chegada- vendas a U60 a por lermo seu protesto, para ioterromper a
Queij'os flamengos e prato Chegaram 393 cai- prescript da referida letra, visto achar-se
xas; retalha-se dos flamengos de 2*400 a 2*500 o a completer o prazo de cinco annos da data
queijo, e do prato, retalha-se a 1*307 o kilo. de seu vencimento; sendo o protesto inti-
da?,alcoUmCXa,m3*^ ^VtSnVSjS^ d* "Sfrfe qU8 eStnd em lu8af
Sabao inglez ordinario. Sem chegada, a 240 ">?erto e nio sabido, quer o mesmo sup-
reis o kilo. plicante proceder a* respectiva justificacSo
Dito da terra. De 340 a 380 rs o kilo. afim de iulgada por sentenca, se passem os
3?rt Ghegarara K caiXM nominal editaes para tal fire. Pede a V. S. deferi-
Toucinho. Chegaram 272 barris e 20/,, co- ment0 e recebera" merce. Recife, 6 de fe-
tamos de 12*500 a 13*000. vereiro de 1874. Hermenegildo Eduardo
Velas stearinas.- Chegaram 200 caixas, ven- do Rego Monteiro. Estava sellado com uma
V&ZaSfa** de sexto, ^'T^2^iV^^1tT*A*'
mos de 130*000 a 135*000, boas marcaa. tilisada na torma da lei, na qual del o des-
Vinhotintoda Figueira e de Lisboa.Chegaram pacho seguinte :
63 pipas e 140 barris de qninto e 93 barris, de 6 Distribuida, iustiflquei, iuntando procu-
1-SanS' S.fh* FTeira a6 *iSS2 *- Recife. 41 e fevereiro de 1874.-
133*000, eo de Lisboa, coumo. de 205*000 a B,vrros de Lice^,. Em virtude deste des-
Dito do Estreito. Sem chegada, cetamos a pacho fOra a peticSo distribuida ao es-
200**000. crivao deste juizo.Manoel Maria Rodri-
JafclZuA? -9fc0*i^ Chegaram 223 pipas,' gues do Nascimento, o qua.l Im lavrar o
900 barris de quinto e 450 de cinco, cotamos de .,_- j .,,. ':,
223*000 a 245*000 a pipa. ,termo de protesto seguinte :
Dito do Porto.Chegaram 19 caixas, cotamos 1 Termo de protesto.Aos 11 de fevereiro
a 10*000 por caixa. \ do 1874, na cidade do Recife, em meu car-
iiSf B^iette;7r MCheg"am 40 pipas; 20 in"' tori. appareceu o supplicante por seu bas-
teiras e200 sortidas; amia sem preco j P j ii -t
___ v jtante procurador o solicitador Hermenegil-
Revista commercial. do Edardo do Rego Monteiro, e disse pe-
Circutar de w. H. Offensandt. rante mini e as ^temunbas infra assigna
thieste, 3 oe julho de 1874. das Precos das farinhas de Pest (Hungr/a) e de SUa ^f^ re,r0' ^ual offereci couo
Trieste, por barrica, posto a borJo aquisem des- Par.te do presente que lica sendo e de como
pezas nem commiss5es algumas para os comprado- assim o disse e protestou, lavrei este termo
ressalvo o frete ej5 seguro maritiroo. no qual depois de lido, se firrnou com as
(A mraha comrassao e paga pelos vendedores, e dit8S testeraunhas. Eu, Secundino Heliodo-
dou sempre facturas originaes).
0/1
Est. 47/3
0/1
49/
00,0
47/3
0/1
Louisa........ 47/8
Arpad..........
Panonia.........
Moinho de Trieste.
Fontana.......,
Economo........
Coacordia.......
Buda-Pest......
Victoria........
C CC
45/4 43/7
A B
47/ 45/3
00/0/1 0/1
46/6 45/9
SSSF
43/6
47/
47/6
n. 0 46/6 SSSF 42/6
n. 0 43/6 1 40/6
0/1 AAAA SS>F SSSF
E
qqq ro da Cunha, escrevente juramentado, o es-
41/6 crevi. Eu, Manoel Maria Rodrigues do
C I Nascimento, e?crivao o subscrevi.Her-
S4S3S^ menegildo Eduardo do Rego Monteiro, Ar-
40/6 senio Antonio Cunha Carneiro Miranda,
jCaetano Carvalho Rapozo. E tendo o sup-
j plicante produzido suas testemuohas que
jura ram achar se o supplicado ausente em
| lugnr incerto e nao sabido, sellados e pre-
parados os autos, me fez o escrivao conclu-
sos, nelles dei a sentenca seguinte :
Hei por justificada a ausencia do supplica-
ser-lhe-
A mioha ultima reriata do mereado de^fariohas do Pef cl"8 P"Jesto de folhas
era datada em 3 de junho. ha intimado por editaes com trinta dias de
As vendas no mez passado foram de duas car-! prazo, aflixados e publicados. Custas ex-
;a, sendo uma Fontana e a outra Mo nho a vapor causa# Recife> 2 de julho \do 1874.Se-
a precos tfm pouco mais altos dos cotaios agora-
ha noias 600 barricas de diversas marcas para os
portos do norte, como tambera dizem terse con-
ir i! i l,i- 3 cargas sortidas aos precos antigos e
altos para Pemambuco e Bahia. Diversos navios
foram fretados a chegar, porein ainda n3o consta
a venda dos respeciivos carregamento?. Os precos
bastiSo do Rego Barros de Lacerda. Por
forca desta minha sentenca o escrivao fez
passar o presente edital, pelo qual chamo,
cito, e hei por iniimado o dito supplicado
para que coraparega neste juizo dentro do
lAeflGimecto
acre do dil
Al-FA-NDFCA.
So dia 1 a 25. '. .
27......
594 502*218
23.8623855
618:365*073
Oescarregam hoje 28 de junho de 1874.
Vapor nacional Ptrapima generos naeionaes
para o tnpiche da corapanhia pernam-
bucana.
j3arca ingleza Fuzilier vanos generos para
alfandega.
Brigue inglez Victoria varios gen ros para
o trapiche Conceioao, para despachar.
Brigue nortuguez Voador do Mondego pedra
de cantaria para o trapiche ConeeifSo,
para confer ir.
Barca inglezaCreterioncarvao ja despachado
para o caes do Apollo.
Barca franceza Maurwienvinho para deposito
ho trapiche Barbosa.
Hiate nacionalGraciosa generor. naeionaes para
o arma7em do A villa.
Importscfto.
Vapor nacional Dantas, entrado dos portos do
sul em 26 do correnle e consignado a Antonio L.
O. Azevedo, manifestoa :
Charatos 10 c.ixas a Domingas da Cos'.a Fer-
reira. Couros salgados 80 a Francisco G. Torres.
' Lugre ingiez SelUe, entrado de Trieste era 27
do correnle e consignado a Phipps Brothers, & C,
manifestoa :
Farinha de trigo 3,350 barricas aos coosignata
rios. -
Vapor nacional Parana, entrado dos portos do
sul na mesma data e consignado a Pereira Vian-
na & C, manifestoa :
Arroz 1 barrica ao Dr. Julio Guimaraes.
Cigarros 5 barricas a ordem. Cafe 1'barrica ao
mesmo, 7 saccos a Manoel Gomes da Cruz.
Feijao 1 barrica ao Dr. Julio Guimaraes. Fu-
mo 272 latas a Beltrao & Filho, 10 caixas aos
consignatarios, 43 pacotes, 2 caixas e 2 encapa-
dos a Bonrgard 4 C, 10 pacotes, 21 latas o 1 caixa
a J. Domingues do Carrao e Silva, 4 encapados a
Domingos Alves Matbeas, 25 meias latas a Antonio
L. 0. Azevedo, 44 encapados a J. M. Pereira.
Ferradura 2 barricas a Teixeira Chavee A C
Imagens 3 caixas a H. da Coju Soares.
Papel 1 caixa a Walfredo, & Soaza, 1 ao ins-
pector da alfandega de Pernarabaco.
Rape' Paolo Cordeiro 8 caixas aos eonsignata-
rios.
Seda 1 caixa a Moohard Mettler di C
Tinta l barrica a J. Ferreira da Silva.
Hiate nacional Graciosa, entrado do Macao na
mesma data e consignado a Borlholotneu Louren-
co, manifestoa :
Acbas de lenha de mangue 2,000 a F. Pereira
*a Costa. ^^
Esteira de palha do carnauba 36 moihos a
Coeme Joe dot Sanies Callado, 16 a F. A. Couti-
nho.
Sola 139 mate a Pareote Vianna ft c, 144 a
GonVs do MaMoB bmioa.
Toros de mangae lfiOO a F- Pereira da Costa
Vapor laeienal Pirapma, entrado dos porto*
do norto na mesma data o consifuado a compa-
jnbi Pernambocana de navegajio eos^ira por
21:127*175
Thesoaro provincial de Pernambaco, 27 de ju-
lho de 4874.
0 escrivao,
JoSo Carneiro M. da Silva Santos.
Revista commercial
Da sernana de 20 a 25 de julho de 1874.
Cambio sobre Londres, 90 d|v 23 :,/s d. 23 '/?
d. 25 V4 d. 25 ;/9 d. por 1*000.
Dito dito dito, 90 d|v 25 /a d- P<>r 1*000,
banco.
Dito dito dito, 3 d|v 23 % d. por 1*000, banco.
Dito sobre Paris, 3 d|v J80 reiso franco, banco.
Dito sobre Lisboa, 3 d[v 114 por cento de pre-
mio, banco.
Dito sobre dita, 8 d[v 112 por cento de premio.
Dito sobre dita, 60 d|v 110 por cento de premio.
Dito sobre dita, 90 d[v 108 por cento de pre-
mio.
Desconto de lettras 9 e 12 por cento, ao anno.
Algodio de Maceio, i sorte, 8*600 por 15 kilos,
posto a bordo, frete de :/ e 5 por cento.
Dito de dito, mediano, 7*800 por 15 kilos.d
Dito da Parahyba, l'sorte, de 7*750 a 7*800,
por 15 kilos, posto a bordo, frete de 3A e 5 /*
Dito do sertao, 1' sorte, de 7*800 a 7*900, por
15 kilos.
Dito do dito, l sorte, de 7*600 a 7*800, por 15
kiios.
Dito de Goyanna, sera inspeccao, 65900, por
15 kilos; enfaram 406 saccos por mar e por terra.
Assucar branco, 2*700, por 15 kiios.
Dito someoos, 2*550, por 15 kilos.
Dito Canal, 1*300, por 15 kiios.
Dito bruto, bom, de 1*800 a 1*850, por 15
kilos.
Dito mascavado purgado, 1*900 por 15 kilos,
entraram 2,842 saccos por terra e mar.
Aguardente.68#00 nominal
Aguaraz. Sem chegada, retalha-se de 697 a
871 reis o kilo.
Arroz. Chegaram 1,125 saccos, vendas de
2*650 a 2*700, por 15 kilos.
Azeite doce. Sem chegada, vendas a 2*460, o
galao.
Alpiste. Chegaram 20/2 barricas, sem vendas,
a 4*500, nominal, por 15 kilos.
Banna. Sem chegada, vendas 806 rs. o kilo.
Breu. Sem chegada, vendas 15*500 por 320
reis a libra.
Batatas. Chegaram 20 caixas e l,553/2, vendas
3*200 a 3*500 a caixa.
Bacalhao. Chegaram 2,950 barricas, deposito
8,000 barricas, ultimas vendas 14*, a retalho 15*
a 16|,
Carne. Chegaram 816,064 kilos.
Em deposito, 92,600 arrobas, do Rio Grande,
de 3*400 a 4*500, por 15 kilos, e 31,000 arrcbas,
da da Bio da Praia, de 4*000 a 4*400, por 15
kilos.
Cooros seccos salgados. Chegaram 695 conros
vendas 634 reiso kilo.
Cafe. Sem chegada e sem vendas, nominal de
8*000 a 8*500 por 15 kilos.
Canela.- Chegaram 20 caixas, nominal a 1*633
okilo.
Cimento.- Chegaram 600 barricas, nominal a
8*000.
Cebolas. Chegaram 1K0 caixas e 32/,. de 11*
a 12*000 a caixa.
Cba. Chegaram 43 eaixas e 87/,, cotamos de
3*484 a 4*662 o kilo, confcrme a qualidade.
Cerveja Bass Ihiers. Chegaram 30 caixas e
479 barricas, morainal do 7*000 a 8*000.
Diu Noroega.- Nomiial do 4*000 a 7*000.
Cognac.-Sem chegaia, nomioal, 8* a 20*090/4
-em vista do tempo bellissimolem baixad'o bas- dito prazo, flfim de allegar o que for de jus-
tante, priocipalmente para as qualidades da Hun-' tija. E para quo cbeguo ao conhecimento
gria, e se as, esperancas d'ama safra grande se de todos, mandei passar o presente que
rcalisarem, devem ainda baixar muito os precos !_x -wi:j_ ~j. :._. .m i ..
das farinr.as de Pest posto a bordo era Hamburgo. ferd Pbl cado pela imprensa e atlixado nos
Sahiram cerca da 3/6 d. a 4/ est. (1*500) por bar- lugares do costume. Recife, 11 de julho
rica mais card ; isto e porem quasi compensado de1874. Eu, Manoel Maria Rodrigues do
pelos fretes que sao mais baratos de la, do quo, Nascim, nto, escrivao o subscrevi.
Xero%Ba?adio.lnna,mencionadona minha Recite, 11 de julho de 1874.
ullima revisit, foi fretado a 62/6 d. e /. Rio Sebastiao do Hcgo Barros ae Lacerda.
Grande, e logodepois o patacho allemao August]______________________________^______
para o Rio de Janeiro a 57/6 e 5 /. Pelo lugre 0 Dr. Joaquim Correia de de Oliveira An-
uruguayo Colonia engajou ?e 1,500 barricas a
62/6 e 5 |0 Santa Catbarina e Rip Grande, e hon-
tem fretou-se o brigue inglez Primers of Vfales
para Bahia a ordens a G0| e 5[.. Os seguintes na-
vis foram fretados a ch?gar : o Glimpse para
Pernambuco a 0. a5o|e3*|0; o Schoiv para o.
Rio de Janeiro e Santos a 57i6 d. e 60| e 5 \,; o
Gazelle para Pernambuco a 52|6 e 5 i. e o Carrie
rit do juizo da provedoria da'comarca do
Recife, para neste juizo ser vendida, era
hasta publics, no prazo legal, a casa terrea
n. It, sits a* rua Vinte e Sete de Janeiro
(outr'ora Paco Castelhano), freguezia de S.
Pedro Martyr desta cidade, a qual tem 29
palmos e meio de largura, 50 e meio de
comprimento, uma porta e duas janellas de
frente, porta e janella no oitao, duas salas,
sendo a de detraz assqalhada, quatro quar-
tos, cozinba inttrna, quintal murado de 100
palmos de extensSo, cacimba, e urn terreno
ao lado do norte, com portao, tendo sob a
sala de detraz uma loja, avaliada a referida
casa em 2:500.-jl. E havendo posto em dita
carta precatona o meucumpra-seman-
dei passar o presente edital, que sera* afllxa-
do no lugar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Olinda,
aos 21 dias do mez de julho do lfc74.
E eo, bacharel Francisco Lins Caldas, es-
crivao, o subscrevi. Del/ino Augusto Ca-
valcante de Albuquerque.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
da,. juiz de direito especial do commer-
cio, desta cidade do Reeifede Pernambu-
co, por S. M. imperial, que Deus guar-
de, etc.
Pago saber pelo prssente que, Goncalves,
Irmao & C, successores e liquidatarios da
extincta firma Goncalves Para* & C, por
seu advogado, me dirigiram a peticao do
theor seguinte:
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Gon-
calves, Irmao & C, successores e liquidata-
rios da extinctt firma, Goncalves, Para" &
C, qae sendo-lbes Jose Pereira da Silva e
Serafim Pereira da Silva, devedores da
quantia de um.conto e sete centos mil reis
por duas letras vencidas, que estao a pres
crevor, e desejando os supplicantes por meio
do competente protesto, interromper a pres
cripjao, vem requerer a V. S., digne-se
manlar tomar por teYmo e protesto, qua fa-
zem, afim deser intimado aossupplicados, o
como os mesmos supplicados se achem au-
sentes era lugar incerto e nao sabido, reque-
rera os supplicantes a* V. S., digne-se marcar
dia e horajpara serem inqueridas testemu-
nhas, quo provem a ausencia, segumdo-se
cartas de editose osdemais termos necessa-
ries. Pedem a V. Sdeforimento.e recebera"
merce. Estava uma estampilha de duzentos
reis inutilisada Recife, 14 dejulhode 1874.
Dr. Nascimento Portella.Despacbo.
Distribuida, como requerem. As letras
estao juntas.Falta a procuracflo, a justi-
ficajaO sera" quando os supplicantes quize-
rom. Recife, 14 de julho de 1874. Bar-
ros de Lacerda. E narfa mais se continha
em dita peticao e despacbo aqui fielmente
copiados, e por forca do mesmo fdra feita a
distribui^ao aoescrivSo deste juizo Ernesto
Silva, veudo se logo depois o protesto do
tebor seguinte :
Termo de protesto.Aos 16 dejulhode
1874, nesta cidade do Recife, em meu car-
torio, peranto mim e as testcmuuhas infra
abaixo assignadas, compareceram os sup-
plicantes Gom;alves, Irmao AC., por seu
procurator Joaquim Jose* de Abreu, e por
este foi dito que veduzia a termo o conteii-
do da petigao retro, que offerecia como parte
da presente, e de como assim o disse, protes-
tou, e depois de lido, assignou com as indi-
cadas testemunhas. Eu, Francisco Xavier
de Sonza Ramos, escrivao interino, o escre-
vi.Joaquim Jo;e de Abreu.Francisco
Joaquim Pereira.Jolo Melchiades For-
tunato. E nada mais se conlmha em
dito termo de protesto, depois do que os
supplicantes produziram suas testemunhas,
que depozeram convenienteraente acerca da
ausencia dos supplicados, e o escrivao fa-
zendo sellar e prepsrar os autos, m'os f^z
cor.clusos, e nelles dei a sentenca do theor
seguiute :
Sentenca. Hei por justificada a ausencia
des supplicados, devndo portanto ger-lbes
intimado o protesto de folhas, por editaes
com trinta dias de prazo, allisados e publi-
cados nos jornaes. Custas ex-causa. Recife,
S&idejulbo de 1874.Sebastiao do R"go
Barros do Lacerda. E nada mais se continba
em dita sentenca, e por forca do mesmo, o
respectivo escrivao interino, fez passar o
presente, pelo theor do qoal chamo, cito,
e hei por citado aos referidos justificados,
para que dentro do prazo de trinta di8S,
comparecam nes'e juizo, allegando e pro-
vando o que f tica, sob pena de revelia.
Portanto, toda e qualquer pessoa, paren-
tes, amigos ou conhecidos dos referidos jus-
=
Idem J M n. 1(27 27 gigai vindaa de Liverpool
no brigue inglez Eduard Herbert, cescarregadas
em 28 de agosto de 73 e coniignada* a ordem,
contendo apparelbos de louca n. V pesando 6,156
kilos, no valor de 2:298|240.
Idem diamante M J T S aero unmero 10 dibs
vindu de Liverpool na barca ipgleza Jane Maria,
descarregadas em 10 de dezembro de 73 e eonsig-
nadaa a ordem, com apparelbos de louca n. 2,
pesando liquido legal 2,712 kiios, do valor de
1:016*213.
Alfandega de Pernambuco,. 24 de julbo
de 1874.
0 inspector,
Fabio A.deC. Reis
OECURACOES.
De ordem do Illm. Sr. inspector do thesou
ro de fazenda desta provincra se faz publico
que perante ajnnla da me ma, iri a nraca, pplas
2 horas da tarde do dia Jy do corrente net, o
arrendamento por um anno, do coovento de N. S.
do Carmo do Olinda, podei do uesde ja- os preten-
deutes examinar o referido convent-".
Secretaria do thesouro de fazenda de Pernam-
buco, 16 de julho de 1874.
0 2* escripturario, servindo de secretario,
_____________Carlos J. de Sonza Carteia,
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
Nao se tendo reunido numero legal dos
Srs accionistas desta compaohia, convidados
ptra a assemblea geral do dia 6 do corren-
te mez, sao de novo convidados a reuni-
rera se no nia 29 deste mez, pelas 12 bo-
ras da manha, no es'.riptr rio de suas sessoos
rua do Cabugi n. 16, afim de deliberar-se
sobre as contas do anno financeiro desta
corapanh'a, e approver o orcamento vin-
douro, devendo nesta ace sido ser lido
relatorio do Sr. d rector, mostrando o es:a
do r*a companhia no anno findo em 30 d-3
abril ultimo ; prevenindo-se aos Srs accio-
nistas, que, de conformidade com o art. / ;
dos essatutos, a reunido tera" cffectividaae
com o nu nero dos Srs accionistas que a
ella comparecerem.
Escriptorio da companhia do BeheriV.
20 de julho de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
Aarrematacao do arrendamento da casa ter-
rea n. 55, proprio nacional, sita a rua de S. Rento
da cidade de Olinda annunciada para o dia 25 do
corrente, foi transferida para o dia 5 do futuro
mez de agosto, o que sc declara para conhecimen-
to de quem interessar.
Secretaiia do thesouro de fazenda de Pernam-
buco, 27 de julho de 1874. 0 2* escripturarn,
servindo de secretario,
Carlos J de Sonza Correia.
Associac&o commercial bencfi-
cenle.
De conformilade com os estatutos sio convida-
dos os senhores sucios a se reunirem em assem-
blea geral, no edificio da mesmi associacio, no da
3 de agosto proximo, ao meio dia. Recife, 27 d>-
julho de 1874.-0 seerelario,
D C Ramos.
VVISO.
Paga-se o 41. dividend* das a<\
Banco do Brasil, inscriptas na cai\a' filial
desta provincia, na razao de 89000 por
ac^an-. a" rua do Vigarin n. 1.
Recife, 27 de julho de 1, 74.
{Antonio J. Leai llu*.
drade, juiz substituto do Dr. juiz de di-
reito provedor do capellas e risiduos,
nesta cidade do Recife, capital de Per-
nambuco e seu termo, por S. M. impe-
rial, a quem Deus guarde, etc.
Fa co saber que no dia 30 do corrente,
jm Peloi vapores via de Liverpool em conhecimentos praca os seguintes bens: 2 tercas partes no
do norte
10 |, tL_.
serpago aqui, senio a primagem e de 20'|.ets. I pello n. 2, tendo de comprimento 38 pal-
As sahidas desfe'porto para todo o Orasil era di-1 mos e de largura \Q, cada andar com uma
rs'iw^rQ77K03hraezes da a 'sala, um quarto, cozinha interna e andar
Janeiro 8,775 barricas contra 9,570 do anno i j i ."-. j c
terreo, servindo de deposito de ferragens.
, vapuies via ae wverpooi em connecimemos pra^a os seguintes Dons : 2 tercas partes no
lr,enl[.Ur^,eInl'nr.ca'ie .inD,fK ,03.p2"05 sobradinhode dous andares, sito nafregue-
irte a 60i e 10 0, e para Pernambuco a 8oi e c ,, ,. i ..
tudo por tonelada ingleza, o frete devenio;z,a de s- hr- Pedro (.oncalves, rua do Com-
passado.
Fevereiro 5,953 contra 5,623 idem idem.
Marco 12,989 contra 10,913 idem idem.
Abril 6,388 contra 17.642 idem idem.
Maio 13,303 contra 22,544 idem idem.
Jnnho 4,410 contra 18,795 idem idem.
Somma 51,818 contra 85,087 idem idem.
Ao preco de 47| est. para os ns. 0(1 jnntos, sahla
a barrica posto a bordo no laraarao de Pernambu-
co, com o frete de 55 e 5 *|, e cambio de 25 d. so-
bre Londres a 254000.
SEGUROS
Marilimos e conlra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pemambticana.
RUA, DO COMMERCIO N. 84.
MOViMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 27.
Rio de Janeiro e portos interleaves 6 dias, vapor
brasileiro Parana, de 850 toneladas, comtnn-
dante Quadros Jnnior, eqnipagem 56, carga
differentes generos ; a Pereira vianna 4 C.
Grania e portos intermedios- 9 dias, vapor nacio-
nal Pirapama, de 312 tooeladas, commandante
Silva, equipagem 26, carga dtlfcrenies gene-
ros ; a companhia pernamboeaoa.
Triestre 58 dias, lugre inglez NeHit, de 288 U-
neladas, eapitao E. W. Cove, equipageat 10, car-
ga 3,381 barricas com farinha de trigo, a or-
Assii psla Parahyba10 dias, seaSo do ultimo
ports 2 -biate nacional Gracma, de 83 tooe-
ladas, capitiO Sibeira, equipagem 6, carga to-
ros de mangoe e outros generos; a Bartholo-
meu Lonrenco,
Navios sahidas no mesmo dia.
Portos do snlVapor brasileiro Ceard, comroan-
dante Aleoforado, carga varios generos.
S. Tbo naz biate ingles Sourtsr* Home, capiUo
Thomas, em lastro de area.
Rio Grande do Sul Brine brasileiro Prinotta,
capitio Sabino T. dos Santos, carga aaiocar e
ootros fenrros.
sendo entaipado o fundo do Sobrado e es-
tando 0m mao estado, avaliado em 5:0009
Uma casa terrea de pedra e cal, no lugar do
Barro, freguezia dos Afogados, com tres ja,
neltas de frente, porta de madeira ao lado-
tendo duas salas, dous quartos, cozinba,
quarto junto e despensa, com 26 palmos de
largura a 58 de comprimento, terreno fo->
reiro, medindo 690 palmos de comprimen-
mento e 59 de largura o dito terreno, e a-
valiada a mesma casa era sua totalidade em
3:0009, de cujo valor sera" deduzida a quan-
tia de 8599023. Um terreno foreiro com
690 palmos de comprimento e 193 de lar-
gura, no mesmo lugar e na mesma fregue-
zia, tendo nelle duas cases de taipa, ambes
em mao estado, tendo elles 44 palmos de
comprimento e 24 de largura ; uma das
casas tem duas salas e um quarto e porta e
janella no fundo ; a ontra casa em csixio
com uma porta e janella na frente, tudo
avaliado em 1:0009, cujos bnos sao per-
tencentes ao inventario do Dr. Antonio da
Assumpcao Cabral, e vio a praca a reque-
rimento do testamenteiro e inventariante do
mesmo finado; procedendo-se qoanto ao
mais na forma da lei. 0 presente sera* pu-
blicado pela imprensa e affixado nos lugares
do costume. Recife, 7 dejulhode 1874.
Eu, Domingos Nunes Ferreira, escrivao,
o subscrevi.
Declaro que ditos bens vio a* praca com
e abate da 5.* parte, em virtude do despa-
cbo do Dr. provedor, do dia de hoje, 24
do corrente. Escrivao, Domingos Nunes
Ferreira.
de todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei fazer o presente edital, que
sera" aflixado nos lugares do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Reciie de
Pernambuco, aos 23 de julho de 1874. Eu,
Francisco Xavier de Souza Ramos, e-criv3o
interino, subscrevi.
Sebastiuo do Rego Barros de Lacerda.
Edital n. 19.
O'Dr. Delfino Augusto Cavalcante do Albu-
"querque, official da ordem da Rosa, juiz
de direito e provedor de capellas e resi-
duos da comarca de Olinda, por S. M. o
Imperador, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber que a requerimento do Dr.
Jose Antonio de Figneiredo, testamenteiro e
inventariante do finado Dr. Antonio d'As-
sumpcao Cabral, foi expedida carta precato-
Pela inspectoria da alfandega se faz publico que
as 11 horas da manha do dia 30 do correnle se ha
de arrematar, livre de direitos e sujeita ao imposto
da capatazia, a porta do trapiche Conceigao, as
mercadorias abaixo declaradas, annunciadas a con-
sumo por edital n. 180, que deixaram de ser des-
pachadas dentro do prazo marcado.
Trapiche Conceicao.
Marca A J A C sem numero 1 caixa vinda do
Porto na barca portugueia Amelia & Henrique,
descarregada em 24 de marcp de 71, ignora-se a
consignacao, com 7 lilros de vinho secco, no valor
de 4/900.
Idem S S sem numero10 barris vindos de Ham
burgo no brigue allemao Miranda, de carregados
era 30 de abril de 1873 e consignados a Moreira,
Monteiro & C, com vinho secco, medindo liquido
legal 180 litros, no Valor de 336/400.
Idem M sem numero 50 caixas idem idem,
com vinho secco, medindo liquido legal 400 litros,
no valor de 280*.
Idem D 0 ns. 2,244 e 2,246 2 barricas vindas
de Lisboa na barca portugueza Vencedora, descar-
regadas em 30 de julho de 73 e eoosignadas a
Salman frere, com ceraem grnmo, pesando liqui-
do legal 640 kilos, no valor de 896*.
lem T A Ponce^a & S sem numero 1 caixa
vinda no vapor pertoguez Julio Diniz, descarre-
gada ea 23 de agosto de 73 e consignada a Tho-
maz de Aquino Fonceca, com 89 chapeos de palha
ordinaria, simples, bo valor de 124/600.
Idem circolo J J C M no centra sem nuraero-50
eaixas vindas no brigue sueeo Oiaus, descarrega-
das em 10 de setembro de 73 e eoosignadas a or-
dem, com vidros em chapas para vidraca, branco,
liso, pesando 215 kilos, no valor de 00/166.
Idem S J sem nnmero-15 gigas vindas de Ham-
burgo no navio hamburguez Eliza, descarregadas
em 18 idem, a Moreira, Monteiro & C, com 160
litros de cidra em meias garrafas, no valor de
131*200.
Idem J L M di C sent numero 1 pacote vindo
de Liverpool bo patacho ingles Impulse, desearre-
gado em 5 de novembro de 73 e eooaifaado a
Henry Forster & C, com 7 kilos de arrebltes de
cobra e suas ligas, ao valor de 11*433.
Idem F V P sem numero t arado vindo de S.
Miguel Da barca portugneza Arabella, desearre
gado em5 de novembro de 1873,4 Pnacisco Vie!
ra Pacheeo, no valor de 1/000.
I ompanlii;! Fiiklidailc
M*suros rnai'itiiuos c tcrrewtrcv
V agenda desta companhia toma aarei a-
riiira s e terrestres, a praam rwaewn, dm I.
nos ultimos o solo livre, e o estWso annj gr?.: ..:
ao segurado.
Feliciano Jose Gomes, '
Agente.
)hm h\\\k
Amorim, Fragoso. Santos
&C.
S (llvitlcndo Paga-se o ultimo dividendo as quinias_!eir*.
das II horas d.i manha a 1 da tarde, no esTir: -
rio da rua do Vigario n. 13, andar.
Os Srs. credores qneiram vir logo rcreber, p -
tem de ser recolhidas ao deposito pub tea as quaa-
tias que nao forem proenradas ale o dia 1
agosto proximo.
Pelo thesouro provincial se faz piibii-.-. a
quem interessar possa, que foram transferida<
para o dia 6 de agosto proximo vindoaro as arr-.'-
matacoes da obra dos r- paras de rmpedramen:^
na estrada da Viclona, e os 8 ()|0 sobre o capim
de planta consumido nesta cidade : a primeira t-
ri l.i em 3:245/, e a segunda em !:3l9*28ii.
Secretaria do thesooro provincial do Pernarr.r:
:o, 2" de juiho dc 1874.
0 secretario,
Miguel Afli'Dso Ferreira.
AUM1NISTKA AO DOS CORREIOS D& PER-
.NAMBUCO. 28 UE JULHO DE 1874.
HaiaN a expedlr-ae
Pelo vapor nacional Parana, esta admmis:r-.
e.xpede malas para os ponos do no'te, b"je 28.
Recebem-se jornaes, imprestt- e cartas a regis-
trar ate 2 horas da urde, cartas orJinarias at 3
horas, e estas a'e 3 l|2 com porte duplo.
0 administrador,
Affonso do Rego Barros.
aVISOS MA81THK0S.
CH.4RGEIR RKIIN18
COMPANHIA FRINCEZA PE NiYK-
GACAO A VAPOR
LISHA MENSAL KXTRK 0
Havre, Lisboa, Cornambuco, Uio de Janei-
ro, Santos [somente na voMa), Montevi-
deo, Buenos-Ayres, (com baldea^So psra
> o Rosario).
STEAMER
VILLE DE RIO DE JANEIRO
(ommaMlssii- A. Flessry
E' Esperado do snl
ate 2 de agosto p*oxi-
mo futuro, segundo
depois da iBdipeaxii
vei d ora para a
Havre com escala p- r
Lisboa..
Para fretes, encommendas e passageiros, trata-
se com
os coiaicifaTaaioe
AUGUSTO P. D'OUVEIltA ft C
42Roa do CommercioEntrada pela re
do Torres.
Bahia
Para ette porto segae ea poccos dias o mim
Dous de Julho, por ter aJgaeaa carga ea]
para o resto qae lhe falta tma-se eeea ee i
natarifs Joaquim Jose Gol(Uves Bekrio ft PHbo,
a rna do Commercio a. 5.
Palhabote Joven Arthur*
Vende se e*te navio prompto de um tado pan
aavegar, 6 feito de madeiras do Brasil, *a aatco-
rado no quadra da desearga : os preteaftsalts pp-
derao examinar, e para Iraur com Aatoaio La
4e Oliveira Azevedo, a rua do Bom Jeaai a. 47,

-
/


\
J


^rrr
rw-'jgyjr
w
IHHHSi
Diario de fernattbiifco '< Teroa feira 28 de Julho de 1874.
\^B
'
COMPAHHIA PKVNAMBUCANA
DB -
Wvega$So cost eira a vapor.
PARAHTBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', 1RACJ.-
TT, CPARA, MANtunU, acaracu' E f.KANJA.
0 vapor Pirapnmu, com -
mandaute Silv, seguira par.
us [tortos acima do dia 7 de
ago-ti as B boras da tarde.
Recebe carga *te o dia C,
enw>mmnJas, pas.s*geiros e
dinheiro frete ale as I horas do dia da sahh-
da : escriptorio uu Fork; do Maitus n, li.________
Pacific Steam Navigation Compan)
ROYAL MAIL STEAMERS.
(De 3.829 tontladas).
CofuMkaittliiMtri G. > Conlan.
Espera so da Europa ate o
dia, 16 de agosto e seguira
Sara Bahia, Rio do Janeiro,
Iontevideo, Buenos A y res,
Valparaiso, Arica, Islay c Cal-
lao, para onde recebe-a pai-
sageiros, encomwendas e dinheiro a rcete.
N. B.N5o sahirao antes das ires boras da
tar*.
OS AGESTES
Wilson Bom A C
ttRUA DO COMMERao14
Aescuna Georgians ten do engajado parte de
sen carregamento para o Para, recebe tambem
para o Maranhao, case conveoha faier a escala
a vista do frete que appareeer: a tratar na raa do
Amorim n. 37.
n. 53,
No escriptorio i rua do Bom Jesus
primeiro andar.
O agents Pinho Borges, em cnmprimento do
mandarin do Illm.' 8r. Dr. joij do diroito especial
do commercio, levara de ncta a leilao Is r. f >ri-
das diviJas, servimio de U'no a uftfli do 510,008
reis, qnc foi ohtida no primeiro ItiSdo.
Acjmta Dias
LEILAO
DE
cerca de 250 saccos com farinba do man-
dioca com alguma avaria
Hoje
as 10 1|2 horas da man hit
>> (rapicne denomluado da Com-
panhla.
0 agente Dias, competeotemente autorisadn,
venderaj por conta e risco de quern pertencer, no
dia e hora acima designado, cerca de 230 ssccos
com farint-.a de manaioca, com alguma avaria,
vindos ultima men te de Santa Catbarina.
?
Fira em optima posicSo, pois apanlp tola a
pracado Cdnde d'Eo, e rende an>Almdhte.....
: 440,000 rs.
Os Srs. prrtendenti'S p:ira nnalnqer ejdareci-
menio pn.lem dirigir se ao estfrpl -rio ffrf agoiite,
onde teia logs: o refer! io leilao.
Em coi!iinuar"ij o me*rau agent vcinleii, p conn e risco de qiicm pjrt.ncif, typidts J>ia
COS hrillmilj'.
I
leal conpanliia de paqietes in-
gfezes a vapor.
No dia 39 do con-erne espera-se dos portos do
sol 0 vapor inglei Boynt, commandante F. Reeks,
o qnal decors da femora do -costume, seguira para
Southampton,-tocando nos-portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, fretes, etc., trata-se na agenda,
rua de Commsrcio n. 40.
Padfc Steam Navigation Conwanj
ROYAL HAIL STEAMER
Colopaxi
(BE Wf7 T6NALEDAS)
Commandante Bax.
Espera-se dos por-
tos do sal ate o dia 2
de agosto, e-depois da
demora do costume
seguira para Liver-
pool, tocando em Lis-
boa e Bor-deos, para onde recebora -pessageiros,
encommendas, carga e dinheiro a frete.
N. B.Nao sahira -cntes das (res boras da tar-
de do diadasua cbegada.
AGENTES
IVIIswh Howe A C
14PRACA-DO COMMERaO14
Para.
Feira Economica
Rua do Rosario estreita n. 45
QUARTA-FEIRA 2*J DO GORRENTE
Pel* mgemie Martins.
De diversos artigos que estarao a exposi^ao dos
<5oncnrrentes, assia com 3 cabras, boas leiteiras
is II horas da manha.
LEILAO
DC
moveis, loocas, vidros, pianos do crmario
mesa, ohapeos do Chile, ditos -de felt to,
dtversas miuilezas, e 1 importante machi-
na para moer tirrta, com trescylindros
QUARTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
as tl haras eaa poirto
Mo wmn/cm^a rua do aom 4wu
n. US O agente Dias far-a leilao, poronra e-risco de
qoem partencer, 4t mobilias de jacaranda, com
tampos de pedra, ditas de aonarello, nas mesmas
coodii.-oes, gaarda-roupas, guard* vestidos, guar-
da-Iouca, camas francezas de mogno e amarello,
caaF4meeoeg, marquezas, cadeiras avulsas, ditas
de balaur.o, ditas de bracos, quadros a' oleo, me-
sas elasticas, 1 prensa para coptar cartas, bercos,
corteiMs, e mtartos oatros objettos quo estarao pa-
tentes ao acto do leilao.
LEILAO
Pretends seguir para o indicado porto com mui-
ta brevtdade a esnca portugueza Christina, por
ter parte da carga ; e para a que Ihe falla trata-
se com os consignatarios Joaqtiim Jose Goncalves
Beltrao & Filho, a roa do Commercio n. 5.
Rio Grande do Sul
0 brigae nacional Sahy sahira para o porto aci-
ma, e recebe a carga precisa para alastrar : tra-
ta-se com Pereira Vianna & C, a rua do Vigario
nnmero 1.________________
Libras eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'OIi-
veira &C.
Rua do Commercio n. 42.
COMl'A^aiA PERNAMBUCANA
DE
\aveKacue costeira a vapor.
Maci6. escalas, Penedo e Aracaju'.
DG
raiudezas, cal^ados, perfumarias, bapeos,
livrosem branco e pa pel de oopiar
CONSTASBO DE:
espartilhos, raeias para bomens e senharas, oleos,
balancas para libras sterlinas, carteiras, botoes,
linbas, fitas, estojos, eKtractos de differences
qualidades, botinas j>ara senhoraa, sapatos de
tranca e tapete, elastico de algodao e de .'eda,
colcbetea, cordoes, copiadores de cartas, caixas
pajias para pentes, ciQtcs para senboras, cha-
peos de maitas e differentes qualidades, sapatos
de tranca (bons) borzeguins para senhoras, gra-
vatas e muitos outros artigos.
yuimJa-leirK (i de agosto
Na rua do Bom Jesus a. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, usando da autorisagao do Illm. Sr.
Dr. ju'z epecial do commercio, levarae a leilao, por
intervene*) do agente de leiloes F. I. Pinto, diffe-
rentes miudecas, chapeos e caI<;ados, que fazern
parte da referida massa, e existentes ao armazem
da rua do Bom lsn n .fi.1, onde se effectuara o
leilao.
Principiara as 10 Ii2 horas.
!%fo dia 9 de agosto
pelo agente Martins.
No armazem da run do Barao ds Victoria,
junto ao Bazar Universal do Carneiro
Vianna
CONSTANDO DE :
cadeiras de guarnicio, ditas de bracos, ditas de
viagem, espilhos, ternos de bandejas, camas de
' ferro. machines de costura?, caixas de musica,
estojos para viagem, facas finas, garfos de metal,
e urn iufinidado de objectos de gosto, que se-
ra.) vendidos ao correrjdo martelloj para liqui-
dar facluras.
Principiara as 11 boras.
Leilao
it
A coufi-ii ria d-j Campos, slia a rua do Impera
dorn 5v nnici estaln-lenrncut) deste gener r.es-
la niovincia, pniporciutia aos habiiajiles della as
maiore? vaulayens
'O Uir:n
E .senrio V(y:im
qiii/T tn "o <|iiant') rtq
ell
nu-
ll.-ra
DE
moveis, louca e crystaes
SENDO:
Um piano forte. 1 mobilia de jacaranda, com I
sofa, 1 jardioetra, 2 consolos, 2 cadeiras de bra-
cos e 12 de goarnieao, I serpentina, 4 caaticaes
cemi inangas, ^ jarros para flores.
Uma mesa de advogado, 1 secretaria com se-
gredo, 1 estaote para livrns, 1 rrwcho, 1 burn pe-
quena, prova do fogo, 1 banco para a mesma e 1
oarro para meuino.
lima cana franceza de pao setim, 1 dita (ma-
deira prota), 2 camas de faia para meninos, 1 ber-
co de balaustres, 1 guarda- vestido, 1 toilette grao-
de e bonfto e I machiaa de costara.
Uma mesa elaetica, 1 guarda-louca, 2 aparado-
res, com Hordes e pedra mar more, I quartinbei-
ra, 12eadeiras, 1 sofa, 1 cadeira americana, I di-
ta de*alanco, louca, vidros crystaes e outros
objeotes de casa de Tami-Ka, existentes no primei-
ro andar do sobrado da rna estreiu do Ro.-ario
n. 4l.
Terca>fefra ft 4e agosto
O agente Pinto, 4egalmente antorisado, levara a
leiilo cs moveis e mais objectos acima deseriptos,
existentes no primeiro andar do sobrado da rna es-
treita do Rosario n. 41.
______ Principiara as 10 llO horas.
LEIL AO
^e fazendas'irtglezas, Irancezas, snissas e
allemas
Em continua Constando d\i: casemiras pretas e de cores, em
cortes e em pecas, pannos linos, brilbantina
branca, chitas, algodOes, cobertores, cbales, len-
cos, gravatas, merinos, bombazinas, cambraias, es-
partilhos, meias, collarinhos, braraantes, grosde-
naples, pope"linas, tapeies, chales, capas de seda,
brins brancos e de cores, chap^os de differentes
qualidades, chapeos de sol, camisas para bomens
e meninos, peitos para camisas, sargelim, atoa-
Hiado, veos para easamentos, chitas de ganga ada
mascada, dama*co e muitas outras fazendas.
Quarta-feira 19 de agosto
RUA DO BOM JESUS H. 63.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, farao leilao, por autorisagao do
dim. Sr. Dr. juiz especial do commercio, e por in-
tervened do agento Pinto, de um variado sorti-
mento de fazendas inglezas, francezas, suissas e
allemas, existentes no armazem da rua do Bom
Jesus n. 63, onde se effectuara o leilao.
Era continuaejio
vender-se-ha tambem differentes volumes com
amisas francezas, popclinas, chitas ej cobertores
dtimamente despachados.,
0 leilao principiara as 10 horas erneia
seguira para os por-
tos acima no dia 3t
do corrente as 3 bora*
da tarde.
Recebe carga ate o dia 30 do corrente, encom-
mendas, dinheiro a frete e passagens, at6 as 2 bo-
ras da tarde do dia da sahida : sscriptorio
no Forte do Mattos n. 12.__________________
Hio de Janeiro
Sj najtathia
Para este palhabote portnguez, ja esta.ccntra-
lada parte d sua carga a frete ao referido porto.
Para o resto trata-se com Amorim Irmios 4 C.
Feira Semanal
.'a i
^>
n
n*-
%i}^
DE
LEILOES.
Ageole Pestana
ISZLSsS; P^nos de 3 cordas, quasi no-
vos, mesas elasticas, qua-
dros dourados, carteiras
para escriptorio, jarros pa-
ra plantas, espelhos gran-
dee, com molduras doura-
das, guardas louca, relo-
jgios de parede, de algibei-
ra e de cima de mesa, 1
mobilia de amarello, cana-
rios do imperio, bons can-
tadores, objectos de ouro
DE
6 caixoes marca J M S. com 418 meias cai-.
xae com charutos Exposi^ao. de M. M.
Sanapaio, e 264 meias ditas Liricos, vin-
dos da Bahia no paquete nacional Ceard
* *?!*** e
As lfl horas eiu ponto.
^o armazem de agencia de leiloes da roa
do Vigario Tbenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
ionta e risco de quem pertencer, dos charutos aci-
ma mencionados, os quaes serao vendidos em lo-
ws, a vontade dos Srs. compradores.
TERCA-FEIRA 28 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto.-
Vo armazem de agencia de leiloes da rua do
Vigario Tbenorio n. 11.
LEILAO
DOS
/jarros com arreios e cavallos da coxeira
da rua do Imperador n. 23
pelo agente Martins
A'sil horas.
Agente Pestana
mesas de pedra, compesbresidencia.
j n Vendo em
Companhia
EDiriEMBR. 04 PROVINCIA OE
J IVrnaiiiliueo.
v >* si--. oadMH riptores da dila
Coiuiutnbia.
Vtmbo levar ao conhecimento dos Srs. gubscrip-
tores e do publico em geral que apezar da ue-
cessidade cue esta proyineia tem de ver funccio-
nar sua utilitaria companhia de edificagoes, cujo9
benelicios e vantagens de toda especie sao incon-
testaveis, e serao sempro acima dos de toda e
qual'juer outra empreza, ninguem deixa de o re-
conlreear.
Toda via ;,\i esta data o mini-terio da agricultu-
ra, commercio e obras publicas ainda nao man-
dou a presiJencia desta provincia o decreto au-
torisando a compaahia eduicadora desta provin-
cia a dar comeco a suas operates.
Espero que o decreto chegara breve acompa-
nbado de loiios os papeis e documentos q e man-
dei em agosto de 1873 por intermedio da mesma
JirS.S ) .
cuss.i;
Um casamento
I'm haptisado
I'ma parpda
Um cha para visitas
Um lunch
Um lauto jantar
>'ao tem mais do que ir on mandar a con-
feitaria do Campos, rua do
Imperador n. 24
Alii taabem se encarregam de bouquets, flores
e folhas para ca.- a men to : assim como, de doces
de todas as qualidades para embarqttes, e tem
sempre preparados fiambres inteiros e a retalbo,
pasteis de diversas qualidades, empadas de cama-
roes e de came.
De ludo que alii se vende, garantese a boa
qualidade, limpexa e promptidio.
Enfeitam-se fismbres, bolos, paes-de-16 e ban-
deijas, tudo por precos razoaveis.
Alii alegra-se a vista e satisfaz-se as exigencias
do paladar.
S6 na confeitaria do Campos
Declaracjao.
Nao se enlende com o Sr. Dr. Epaminondas de
Souza Gouveia, o annHncio que (oi publicado nes-
te Piano, no dia 20 do corrente mez.__________
Casade campo.
Alnga-se um siiio perto da estagio da Casa For-
te, com banho do rio Caplbanbe dentro do sitio,
com duas casas, cocheira e eitribaria, quartos
para criados, pasto para vaccas, baixa de capim,
com alguns alvoredos de fructo : a tratar na rua
do Rangel n. 37. __________________
CASA DA FORTIIM.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARAMTIDOS.
A rua Primeiro de Margo (outr'ora rua dt
Crespo) n. 25 e casas do costume.
Acham-se a venda oa felizes bilhetes garantidos
da 16' parte das loteriaa a beneficio do patrimonio
dos orphaos <110*), que se extrahira no sabbado
I do mez viadouro.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
KM PORgAO DE 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*600
Meio bilhete 1*760
Manoel Martins Fiuza.
i;\gi:\iio
S. CARLOS
Vende-se on arrenda-se o engenho S. Carlos, em
ipoiuca, moente e corrente, com todas as obras
em'psrfeito estado de conservacao, e mnito bom
d'agua : a tratar na travessa da rua Duque de Ca-
xias n. 3, 1" andar, com Gabriel Antonio de Castro
Quintaes.
i
(
de ferro, secretaria s, co-1
')
em fias de maio que ja se tinham pas.
f-sado 9 mezes, sem nada receber da corte, resol-
.i-me a levar esta occurencia a consideracao de
Leilao
DE
presuntos de Westphalia
HOJE
as 10 1(2 boras em ponto.
!{Em continoacao ao leilao de farlnha, o agente
ias vendera, por conta e risco de qnem perten-
ear, 6 caixas com 90 presuntos dos afamados de
Westphalia._________________________________
Segundo leilao
DAS
divide* activas, na importancia de.......
9:241*791, da massa fallida de Farias d
Lessa
a? U bora? da manhS
n j j ,. *i-me a levar esta occurencia a consideracao oe
piaaOr Oe CartaS, quartl- IS. Exc. o Sr. presidente, pedilhe cm 4 de junho
1 i i i proximo passado qae se dignasse dar as provi-
nneiras, cabides, lavato- *mim. qaejoigasae mau
rios, m^eiros envidracados,
propfios para qualquer
estabelecimento, 1 banco
de marcineiro, com ferra-
imenta, 1 lote de ferros pa-
;ra sitio, vidros. louca,
.gcande quantidade de
trastes avulscs e innume-
ros artigos do uso domes-
tic, que serao vendidos
por conta de diversos, a
trdco dobarato
FEIRA SEMANAL
Id-Rua dolmperador-16
ARMAZEM.
Ouinla-feira 30 do corrente
as 11 horas
pelo agente Martins.
convementes.
Voltei a secretaria do governo em 17 do mes-
mo mez, e soube que o Exm. Sr. commendador
Henrique Pereira de Lucena linha dado uma no-
ra prova do interesse que toma e do desejo que
tem de ver funccionar esta importantissima em-
preza o mais breve possivel.
Eis o resumo das inforraacoes que me foram
dadas :
o Em 18 de junbo de 1874; S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia dirigio a S. Exc. o Sr. mi-
nistro da agricultura um offleio pedindo solnclo
di peticao que Ihe foi dirigida em 21 de agosto
de 1873, sob n. 77, relativa a approvagSo dos
e.-rUtutos da companhia de ediQcacdes da provin-
cia de Pernamuuco, da qual F. M. Duprat e en-
corpora dor. >
Recife, 20 de julho de 1874.
_________________ F M. Duprat.
Casa de saiide de Santo
Amaro.
Joao da Silva Ramos, proprietary da
casa de saude, tendo regressado da Eu-
ropa, reassumio a administra^Io, e o
servico medico do mesino estabelrcimen-
tos, e espera que o publico continne a
depositar a confianca, que sempre depo-
silou em vista de seu zelo e interesse
pelos doentes alii recolhidos.
icao da Silva Ramos, medico pela Uni-
versidade o'e Coimbra, de volta de sua
viagem a Europa, continiia no exercicio
de sua proiissao, prestando-se a tratar
de qualquer doente dentro ou fora da ci-
dade, e dando consultas diariamente das
10 as 12 horas da manha em -eu escrip-
torio na rua do Imperador n. 67.
Joao da Silva Ramos, devendo receber
mensalmente da Europa, vaccina de su-
perior qualidade, prestase a ir vaccinar
qualquer pessoa em sea domicilio ou em
seu gabinete na rua do Imperador n. 67,
nas quartas-feiras e sabbados das 10 as
12 horas da manha.
>"o dia 21 do corrente, fugio um caozi-
nho da raa Kingcbarles, com ossignaes se-
guintes : preto e cflr de cafe por baixo da
cabeca, pe"s e peito, pello lustroso, fiuo e
compiido, orelhas muito grandes, e muito
manso, e acodc pelo nome de Millord;
quem o encontrar ou o tiver recolbido, tera
a bondade de o mandar ao caes do Capiba-
ride (ponte velha) casa entre ns. 6^0 8, onde
sera gralificado.
Precya fe
J'):i <'i>z:::i;!r
jieqiUiiut t'rtini
do-se escrava
Capibaribe n. 40.
Aos
lima a ma
c;isa ile
i>referiu-
a
na riia do
!!fllinftS
A NOVA ESi'Ell >>:.\, | rua BMN r~a\ U
n. 6-1. acha du rrcrbrr i M n fOfMMMi de I";-
nas bom c i- !:" 'Uilan1. i\\x ri'in w i ch ran ;
taiiilicm as Met iiinda- mt&At oa :ar v.'iili.iin ver re n-i 'nl-ite.
Klitfti'i !-;i:'i<
|-:.:i
rii i: ri
:
i
Nao se prestando o pequeno espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, pan um a baste-
cido deposito das diversas msreas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, aclia-so d'ura em
dlante aberto outro es abelecimento sob a mesma
denomioacao de
ARMAZEM DO FUMO
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
rlo os senhores freguez s dingir-te, certos de que,
como ate aqui, achirao sempre a par da modici-
dade doeiprecos, a maior sinceridade possivel. En-
tre as differentes marcas de fumo da Bahia e Rio
de Janeiro, que tem sido annunciadas, acaba de
chegar uma enoommenda especial, que muito deve
ccnvir aos senhores fregoezes. Conscieote o abai
xo assignado de qne nesle genero de negocio nao
esta sem eompetidores, fara muito por evitar que
tambem os tenba com relacao ao pequeno lucro
que proenrara obter da dita mercadoria.
Jose Domingues do Carrao e Silva.
mi "i .- i Mi :!
t aiji.iiN iii..ii-.-.j-
jir-. l-m idilus o-
la, hasfaDle pro*!

- r. -; :..- -.,...
.-.i ('' l-.-h- ll r | l
r*UUm* nfutar, Mi I i.t oi-
i!en|.. aii'jami >la pSMO l.r- -
-t.>, c lur lll r.i romp-adn a IUihmI TravasM l.annho. r awita
achar *e eiu S. Vicente, fregufiia de. Itami.e : ro-
ga-se a todas as antuiidades era|ila queiram apprehender dito escravo e leva-:< a rua
da Madre de De* n. 3, l* andar. das 9 a \ MfM
da larJe, ou a raa de S. Goocal. n. 29, sobradi
ao lado da igreja, qne serao gratiflcados._______
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, dd-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
I ^M H9i
Villa de Falmares.
As Sras. Carroll participam aos Srs. pais de fa
milia, que abriram um collegio francez para o
sexo feminino na villa de Palmares, onde recebe-
rao alumnas internas e externas. Ensinar-se-ba
alera do francez, porluguez, inglez, arithmetica,
geographia, historia, musica, bordados, etc. Tam-
bem se propdem a receber alumnas das 3 as 6
horas da tarde, por metade do preco : para tra-
tar na mesma villa, no pateo da Feira.
Palacete
Ainda esta por alugar-se o palacete da Una djs
Ratos, do finado Custodio Jose Alves Guimaraes,
oade morou ultimamente o Sr. Dr. Ignacio de Bar-
ros : a tratar na rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Carta.
Livramento n. 26 existe uma carta
ser entregue ao Sr. Rodrigo
Na rua do
:om urgencia para
Goncalves Bastos.
24-Rna do \hwmn de (Hilda -2
Ksquinn do brcco Lar^u
Participa a sens frrgneze? e auiigus que a idoa
o seu estabelecimcnto de relojoe ro psra a m?>Dia
rua n. 24, onde encontrarao um grande rortiileuto
de relogios de parede, americanos, e cima oe M-
sa, dos melbores gostos e qualidades, rei-^p. k
algibeira, de todas as quaiida- es, patent'.- su.--.-o,
de ouro e prata donrada, foleado (plaquel),
gios de onro. inglez, descuberto, dos *4kstes
fabricanles, cadeia de ouro, pla^uet e praU. in-ri.:
detod?s as qualidades, tudo per precos Die:: :*
ratos.

LNA DO PASSO
DE
Ordeiro Simoes I ('.
Acabara do receber pelo vapor Undo ff
Riquissimos ccrtes de g rjurio de >. ^.'
com listras achamalotada.-.
Ditos de iiuho pan ve.-tiJr.s. eoali nil
te, o necissaiio para aeu rnfeite, a
franjas, tranjas, l.o.Ce.', fivatias, etc.
Riquissimos chapeos para atwora, j-^a...
rua Primeiro de Marco n. 7 A.
1 r
MB
'VOZ, I

I s
Consultorio mdm
DO
Dr. ISurillo.
RUA DA CRUZ N. 26, ANDAR.
t Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objeclo de sua pro-
iissao.
Consultas das 6 horas d.i manna" as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECIAL1DADES.
Molestias de senhoras, da pelie e de
crianca.
I
I
1
i
Periumariat
Finos extractos, Lanhas, oieoa, c
trilicc, agna de flor de larania,
divina, llorida, lavande, pos de :
crosmeticos, mui'.os artigo ialiei
ria para preseotcs era fraseoi de
nhas sorbdaa c- garralaa de di- a _iCj
d'agua dc Cologne, tudo de p: *; \n ,
dos hem eoahecidos tabrieaatM I r ,
Xo annasem du Taper Praat* jt j rai
da Victoria, ou^t; ra I\ov.k n. 7.
Qumc;u.:lb.niu.s.
Arilgos dv. MRraHMj 9**tt
|fiirntnifv,
Espelhos,
i act
b

* -

Aluga-se
o predio da rua da Ponte-Velha n. 73, com com-
modos para familia, contendo agua e gaz encana-
dos, com apparelho de limpeza, quintal bem plan-
tado, com portao qae deita para a-rua da Alegria :
para ver no mesmo, e tratar com o Sr. Diogo Es-
teves Vianna, a rua do Barao de S. Borja, antiga
do Sebo, casa em obras.
Obras ineditas e colleccio-
nadas do finado vigario
Francisco Ferreira Bar-
reto.
Os editores desta importantissima obra, avisam
aos senhores, que aioda nao a assignaram, que o
facam ate o dia 15 de agosto, o mais tardar, c-
quando se acha prompto o primeiro volume ; de-
pois desta dala em diante nao se recebera mais
assignatura. Assigna-se em todas as livrarias e
na typographia dos abaixo assignados na razao de
5/, os dons volumes, depois leata data em diante
sera de 8* ; a assignatura sera paga a entreaa
do l. volume.
Carlos EduardD Muhlert & C.
Editores.
r.l.A "-". fern.*, c.r.
mad.-eperola, tapete para lanternas, m-,;a
de viagens, reaestanfta para Jaaelias, ,
pos, fanternas mapicaj
Jecmas.de bagatella quadros com ,.
Kiobos de papel para illui maebi
fazer rale, capanadores de
acwdaos,carruioos, e I
outras muitas quinquilhar,'.:-'. "' '
Brinquedos pani meuii
A maior variedade qu- se poia desi-iar I
\

toria "utr'ora Nova
No pateo da Matriz de Santo Antonio n. 6
tem amas para cozinhar e engommar, e tambem
para andar com criancas, que se alugam a preco
commodo.
Agente Dias
LEILAO
Aluga-se o !., e 2. andares e o armazem
da raa dos Burgos n. 11 (Recife), esta caiado e
pintado de novo : a tratar com JosA Feliciano Na-
zareth, na rua de Pedro Alfonso n. 20, outr'ora da
Praia. Tambem aluga-se uma casa terrea no bec-
co Tapado (Recife). ____________
0 abaixo assignado faz sciente que em 23 do
corrente lbe foi ofTerecida nma vacca por pessoa
desconbecida, a como o abaixo assignado descon-
tiasse, comprou com eoodieao de pagar no dia 28
do corrente ; se alguem se jnlgar seu dono appa-
rega na rna do Coude da Boa-Vista n. 63. dando
os signaes e pagando as despezas, Ihe sera entre-
gue, no prazo de tres dias a contar desta data.
Recife 24 de julho de 1874.
Joaqnim Jaeintho de A.
i
Escrava.
Precisa-se alugar uma para tratar de meninos
e mais servicos de uma casa de familia: a tratar
na rua do Marquez de Olinda n. 35.
Aluga-se
a caia terrea sita na rna de Paysandu, com agua
potavel: a tratar na rna do vigario n. 31.
predio
a rua
I).
de dous andares e sotao,
do Visconde de Pek-tas
um bom
stluado
n. 1.
Sexia feiraa 31 do corrente
AS 11 BORAS DA MANHA
No sobrado da rua do Marquez de Olinda n. 37,
primeiro andsr.
0 agente Dias, competntemente auiorisado, le-
?ara a leilao, no dia e hora acima indicados, o so-
fcrado de 2 andares e soUo, com oa commodos se-
fuintes: primeiro andar, 2 salas e 5 quartos, se-
nndo andar com os mesmoa qa$ o primeiro, e
quartos.

_ andar _
sotao com 1 sala
a 4
0 advogado
Adolpho Burgos mudou o sen escrip-
torio para a rua das Trincheiras n. 48, f.
aadar, onde reside.
AO < 0 abaixo assignado deelara ao publico e espe-
cialroente ao corpo da commercio, que comprou a
Luiz Moreira Rels 4 C a taverna sita a rua das
Carror^ag n. 1, livre e des-mbaraeada de qaalquer
transaccao que baja. Recife, tl de julho de 1874.
._______Manoel Miranda de Souza Junior
Aluga-se
Aluga-se por menos do qne estava, o arma-
zem da rua Duque de Caxias n. 36 : a tratar com
Jose Henrique da Silva Guimarae?, na Soledade
n.27. _______ ___J_______
7- 0 abaixo assignado, em resposta ao aonuncio
ultimo de sea irmao e ex-socio Manoel da Costa
Teixeira, lembra o primeiro annuncio, assignado
por ambos e publicado no Diario de 23 do corrente,
em que deelara o socio Manoel flcar com o activo e
passivo da sociedade, e o abaixo assignado desone
do de toda e qualqner respoosabilidade. Deelara
mais o abaixo assignado,que aimportancia de5O0<
da letra saeada por Jose Luiz Alves Vileila entrou
no ajuste Qnal de] contas, sendo, como fo1, aceita e
garantida antes de tal ajuste, e estando portanto
comprehendida na desoaeracao estipulada; con
vindo accrescentar que semelnante letra nao e di-
vida particular do abaixo assignado, e sim divida
comrahida no interesse da dissolucao da sociedade,
e de combinacio entre ambas os ;oeios ; unto
assim qne, sendo anterior aqnelle primeiro annun-
cio, nio se (ez resalva alguma sobre ella, que nao
era desconbecida a quem a garantio, sendo ao con
trario puhlicada a desoneracao de loda e qnalquer
responsabilidade. Recife, 25 de joibo de 1871.
_ ________Antonio da Cosu Teixeira.
Antonio Jose Caspar de Arevedo e Francisco
Anastacio Pirea Loureiro, com refloacaj de assu-
car e cafe raoido, na villa de Palmares, lugar de
Una, avisam ao rwpeitavel public* a ao corpo do
commercio, que sempre aebarao fornecimento des-
tea generos a venda. por precos razoaveis.
CASA DO OURO
Aos 4:000$00O
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Mova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
uuito felizes bilhetes a sorte de 4:000* em um
bilhete iateiro de n. 467, e um dito de n. 1,715
com a sorte de 700*, e nm meio de n 3,827 com
a sorte de 100*, alem de outras sortes menores de
40*000 e 20*000 da loteria que se acabou de
extrahir (109') ; convida aos possuidores a virem
receber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeit*
vel publico para vir ao seu estabelerimento com-
prar os mnito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesmes
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
'antidos da 16" parte da loteria a beneficio do
patrimonio dos orphaos, que se extrahira no dia
1* do mez de agosto.
Preco*
Inteiro 4*000
Meio 2*000
Be 1005000 para cima.
Inteiro 3*300
Meio 1*750
Recife, 25 de junho de 1874.
Joao JoaqumCottaLeiU.vp
Galfiifiti francez
A 9$
Botinas para homen:
Acabam de chezar grandis jactnras d !..4-r,.j.-.
defcezerro.de cordavdo, de peiica. de djrar
com biqoeira, de bezerro com boi6>, e h
zes a 9?><}00 (a eseolher) por ter vinlo
quantidade por conta e ordrm do Mr
ao armazem do Vapor FraMPZ, a rua
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Ii'ne
nd
es,
-dt
Fara senhora.
.
tr.
BOTINAS pretas, brancas e de ceres.
iisas, tnleitada* c bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, I
pretos e de cores dilferentes,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e d-.
Para naeninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores difleret.es,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de iranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS do bezerro, lustre e de cordaio,
A BOTINADOS e sapatOes, de bezerro, de deversa'
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botts a Napoleao e a Guiiherme, pen. .
meias perneiras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rna do Barao
da Victoria n. 7.
GasiV
o sobrado de dous andares e loja, silo a rua da
Aurora n. 79, tendo agua, gaz, estribaria, cocheira
e cozinha : a tratar na mesma rna n. 81, segundo
andar.
Ahiga se a c sa n. 148, no Caminha Novo, per-
to aa estacso do caminbo de ferro, na Soledade,
com moitos commodos a bom quintal, com mui-
a^,?!l?lk,, *lncu>- A ebaTe esta Jnto n
eaaa n. 183 para ver e tratar no Recife, rna da
Negocio da costa da mina
Uma pequena taverna com poncos fundos e bem
locaiisada, propria para principiant.. garantindo-
se 10*000 mensaes de aloguel da casa : quem
qnizer, va a tjpographia da Provincia, que la tera
iuformacfa}.
Os herdeiros do finado Antonio Francisco
Martins de Miranda, tendo de proceder a inventa-
rlo dos bens do dito finado, avisam a quem quer
qne seja sen credor, se apres^nte no prazo de tres
dias, sob pena de nao sr sttendido
E' economico.
Graxa glycerina propria para a conservaca do
cordovao; v, nde a NOVA ESPERANCA, a rua Da-
que de Caxias n. 63.
Feilor.
Escravo fugido.
Desde 8 do corrente mez de iulho qne esta fu-
gido do engenho Sapucaia de Beberibe, o escravo
Luiz, pardo, cabetlos de cabocio, corpo regular,
esta nm ponco palido por ter aeabado de se tratar
de nma bronchites : recommenda-se a sua cap-
tnra.
Preciia-se de um feitor que tenba pratkra para
nm sum fora da cidade : a tratar aa rna do Raa-
gel n. 37._______^^
Precisa se de uma crionla para tratar de uau
crianca : a rua da Concordu n. 10,
Nao ha mais cakllos
brancos.
u TiXTUIUU JAPONEZa.
So e unica approTada peUs eadeaaiag da
sciencias, reconbecida s pertor a toda qt
tem apparecido ate* hoje. Depoato pritci-
ptl 4 roa da Cadeia do Recifc, koje Mav
truex de Olinia, n. 51, 1.' andar, eat
todas as boticas e casas da
reros.


'"IV .
w


.^aiiri(te;5te6namttttccL Xpctfi feka 2fi de Jiilno .dt* le74
FUNDICAO DE FERRO
4* ran do BarSo do Triompho (m do Brnra) ns. 100 a 104
. CARDOSO & IEMAO
AVL>\M aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral que
flttitmuani a receber de Inglalerra, Franca e America, todas as ferragens e machina s ne-
;io mercado
aDOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os rcelhores que tem undo ao merado
ldeiras de
J&
Tapores.
srsos e bonitos gostss.
sobresalente para
kloendaS intelraS e moias moendas, obra come nanc. aqui reio.
FaiXaS fUDdldaS e batidas, dos melhores fabricates.
Rodas d'agua com cubaje de ferr0) fortes e bem acabadas
OOdaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Relogios e apitos para vapores.
tfoinbas de ferro> de repucho.
AraUOS de diversas qualidades.
Formas para as8ucar,grandes epequenas.
\ arandas deferro fundido, franceias de dire
i^OgOeS francezeS para lepha e carvao, obra superior.
Ditos ditos p8ra gaz.
Jarros de ferro fundido par8
I es de ferro para mesa e banco
Machina paragelar agoa.
\ aiVUlaS para bomba e banheiro.
Oorreias ioglezas
HanCOS e SOfaS com tiras de madeira, para jardim.
OoncertOS concert"" com promptidio qnalqner obra on machina, para o que toe*
sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
iSnCOmmendaS m*udam vir por enciommenda da Europa, qualquer machinisroo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
com am dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar asaentai
Irtu machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
tiuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
F U N D I C A O DE CARDOSO A IRMAO.
ardim.
para machinismo.
Cabelleireiro francez
" Rua do Marquez de Olinda n. 51
1. ANDAR.
!'" \t) Ruutier, ofllcial de cabelleireiro o gerente da casa de Gustave Hervefcu, cabel-
leireiro francez; turn a hcnra de prevenir a"s Exms. Sr?. familias que araba de fazera ac-
.r,o de urn peiito official viudo ha pouco de Paris, o qual esta" hpbilitado a desem-
peanar qualqier encortmenda de sua arte, e se acha a" disposigao das pessoas jue deseu
"->,jt queiram utilisar Outro sim scientifira qi:e em seu estabelecimento encon-
mpre a Jlcniior uos cabelleireiros, ondeseacbam descriptos e desenhados todos
.-' eadcs modernos, para so its, casa il en ios, bailcs .etc.
i .ui la nle preiine a? mtsmas excellentissinr.as scnboras, que rccbeu um eompleto
:. i :i decoques, cadiepaines, band6s, rrescentes, etc., e vende tudo pelus pre^os
;* 0 n ncionados :
Coque de cabello de 15?, i0(> a 506000.
: iicas de dito lit, 12^. 15? a 200( 0.
lachepaine dedito 15?, 20 a 30000.
Crescvntes dp dito 20, a 50?000.
b : contrarSo tm compl.tosortimento rectbido ha pcuco, de cabellos de todas
i'..- i! eornprimenlo.
N. 51. Rua do Marquez de OlindaN. 51.
Rfeuu^'po|rilr!
Hygiene e ecMomia
Quereis passar algumas horas -athfeito t
Quereis conservar a for:a dos orgies diges tiros ?
Quereis espuecer os peripecias da vida ?
Quereis viver engolfado no prazer ?
Quereis prevenir muitas enf r;i-idades ?
Quereis gozar os efteitos da boa ecunomia ?
Quereis ler appetites e facil digeslao ?
Quereis, final meote, ser feliz c ditoso ?
Attendei aos meios:
Vinde incontinente ao muito coohecido e pre-
conisado armarem do Campos a rua do Im-
perador n 28, onde encontrareis todos os agentes
(sem ser de ieilao) necessai ios para consegnirdes
os gozos que vos' offeracem as afflrmativas, qae,
indipensaelmeote exigem as oiu>pergunias predi-
tas, isto e, eivjonlrareis os gencros mais linos e
gostosos qnu por ventura lenham alixnemeDtado
os esiomagos raais susceptives e delicados, encon-
trareis os vinh'os mais pur.;s quo teem exporlado
oe paizes mais vinbateiros do mundo e que faiem
etpaneai a com certeza; inraizado o gerraen da ajegria, que,
iauudando de perfumes o ucer.no Ja alma a
imaginaclo cxercera, poderosamente, prodigjosa
uaspirac^o sobre'todas as catiecas a qpe tephaifer-
to a sua ascebs&o ; imcutitrareis os a^pjpes mais
melindrosos, de cheiro activo e cnibrlagador;
encontrareis, em summa, iguarias del-itos.-.p, pe-
tiscos deliciosos e. tudo o que ha de reals pro-
vooader (*epbis. dajmu'lber) & qpe vq% ppde sua-
vemeute trausportar ao paraiza da.gastconomia,'
fazendo-vos gozar a mais real das felicididei
da vida humana, a boa^mesa -
Vist^como:
IN. S8-Go 0 ena'puffo das tripasN. 28.
,. N. 28 Recheiado de iguariasN. 28,
N. 28SaiwiWdrfs etaOa^tOoi -. 28.
. 28 Qepetir as fljeardias I -N; 28,
Ho* do Imptrador
Mesmo porque;
E' patente e> apregoado por lodo* oj medicos de]
mais ceiebridade que os bonsaiiowotos sae es-
senciatmente necesjarios para a la eonservagao
da saude e uxa das bases mais pciorosas para
afsegufar a rpmplsh) desenvolvimeoto das fa-
cukJaaes- phrsicas e moraes da creatura ; e
com effeito, ef assim nio e, respoodam-nos qual
a causa jbfqne' em ead canto que paramos des-
cobriraos uai.i yuantkiade enwme de ertancas ra-
chilieas e mfesa&at, de tno^as debris e de urna
construccao franzinn, drrapaies maaltntos e sem
rigor e findlmeDte de toda a mais bieharia, dig-
Da por cerro de melhor sorte, verdadf'iros typos
do desfalleeimento e que*He8 d^ixa pbyswlogica-
raente coiAecer os effeilomephHieos d*'a ali-
|men(acao, de que irreflyetMAmenw faaeta uso ?
Sileucio profundo Coufiraacao absolna^
Verdades puras:
Quem negar ja ousou Jos pMos a fama,
&ds- presuntos os sabores rejuintado V
E do vinh.-i i> poder que-leva a cama
Vida ao eafermo e fores aos e.-falt'ad- f
A16m do que:
E' um facto ornscieaciosannente provade- c qne
st> poderi ser contestado por aigott hypocTitt'iiB-
iiecil, de que niBftiem esta ;ao habiluado a ven-
der bom e barato como o Campos, o qae e de
faeil intuicio, aftendendo se y que o seu !im e
fazer com que todos venham comprar em sea ar-
maiem, para o qne Dao se acha, felizmente, sob
o jugo do egoisroo e nem tao pocro e alimezua-
do pel a ambicSo do ouro e sim pelo desejo
de bem servir aos sous freguews, dispens&ndo a
todos agrado e sioceridade.
Embora c^ie:
Ruja, ruja os inv^josos,
FaHem, pu4em, saltern, berrem :
Nac- Doderao, desdttosos,
Competir, nao, mais esperfezi*- -

JHIN0LINA
II
J\ TI.\T.FR.r\STAXTAl\TEAMEi\TE OS CABELLOS
PREPARADA POP
BARTHOLOME0 ^ t
a :raiaccuiicos da Ca.ta Real dc S. II. IT. ISI Rci do Portugal ;
ps-^ralados esa -25versa** exposioves coiu o primciro premio de
sua classc.
i c imposto, cuja base principal sao principles vegetaes, que p6de por isso ser
por tempo indefinido se/n o menor reccio de alteracao de saude. Esta agua admi-
. -,C5 cabellos, am poucos minutos, uma c6r c brilho natural, desde o castanho
'gro, e so contrario de to lt>s as litituras conLecidas, ten) um aroma agradabilissi-
Bi ijij-. facilita oseu usj ds senboras, ainda 8S m.iis dilliceis. .1 /Jianram-se os sens re-
"H'js inoffensitos, quer a npplicarao seja limitada a barbs, quer comprehen-
. -. os i -Hi da cabega.
BJKPOSITO <-t it VI.
Vicente fu gio
Na noite de 13 para 14 de marco do corrente
anno fugio o mulato Vicente, escravo, de 20 annos '
de idade, bonita ligura, barba e estatura regular,!
levando veslida e em um sacco roupa de algodao
branco e alguma mais fina, pertenceDle a um cai-
xeiro da casa doDde fugio ; e natural da fregue-
zia de Sant'Anna do Mattos, diz ser livre, casado,
e ter sido criado em companhia da madrinha D.
Anna Loiza da Luz, de quem. alias, foi escravo :
roga-se, pnrtanto, aos Srs. capitaes de campo
e auloridades policiaes a apprebensao do dito es-
A ma
A ma Precka te do uma, para cozinbw : na
x^uia rna ,j0 imperador n. 63, 3.' andar., Pa-
ga-ss bem.
Precisa se de uma ama, pre-'
ferindo-se escrava, que saiba
cozinbar : a tratar na rua do
_______________Cabnga n. 3, 2 andar.________
Na ruavelha de Santa Rita n. 57, prcca-3
alugar uma preta para vender com taboleiro.
Tornou a fugir
Do Dr. V. C. C. Albuquerque ausentou-se desde
o dia 10 de julho do corrente anno o preto Bene
dicto, de 23 annos de idade, e bastante ladino, falta
Signaes do negro Feli-
ciano
Olneira Baptista, que serao generosamente grati- frente, pes.frios, e com uma cicalrz grande nor
, cima de cada um pe, proveniente de talhos de
raachado ; nasceu no engenbo Bujary, de Goyan-
0. v m. v/i na, onde tem mai e pareutes, tendo paasado ao Sr.
Luiz Cavalcante de Albuquerque, m&rador na
mesma cidade, e deste ao'Exm. Sr. Barao de Na-
erioulo, idade, 10 annos pouct) mais ou menos, zareth, tendo a primeira vez que fugio eilailo no
alto, corpo regular, bem preto, desdentado, bar- engenho Pangaua, de i-:oyanna. Pede-se atjdrfs
bado, m I feito de. pe<, tendo um dos dedos gran-, as autoridades e eapilies de campo,que o psgaud),
de, ou mbos bastanfe tortos. Aclra-se fugido levem-i a rua Direita a 40, ao Sr. Bolisarib de
ha sels mezes desla segunda fugido, e da primeira Souza Bandeira, on no engenho Furna, de Santp
estevc dous annos bo engenho Tambador, fregue- j Amaro Jaboalau, qae serao generosamente grati-
zia do Bouito, pertenr.ente a Francisco du tal, flc.ido<.
genro do capitao (1'Jrnc Macbado,senbor do enge-
nho S. Chfistotao,'- da dita freguezia e por e-tes
engenhos esta oeculto como tem estado. Vcio pelo
primeira vez preso pelo capitao de campo loao
Ventura, que mora em Agua-Preta ; recommen- j
da-se a sua captura a-s antcridades policiaea e
capitaes de campo e leva lb no engenho Miaas-1
Novas, freguezia'de Gaeneira ; o dito negro io-! an!areHa,""a""r?avB33fc dVrTM. MfktfftaSr'
tftula-se forro, com o norae e> Jose Felicia no.
DO tl.
Escravo fugido
Fogi'o no dia 12 de jolho do corrente anno, do
engenho Itapessoea, o escravo Jose Cambinda, com
os signaes seguintes : preto, Made 72 anoot, pou-
co mais on menos, bastante forte, estatara baixa,
grosso do corpo, cabellos brancos, levoa calca de
algodao azul de listra branca, camija braaca de
algodao, ehapeo de pallia ; cootla qne totaoa a
direccao da Malta on Ignaratsd. ProtesU-M con-
tra quem o fiver oeenlto pelos prejnnos, e recom
menda se as autoridades e capitaes de eampo
apprehensio do mesmo escravo, remetleBdo-o ao
mesmo epgcnnx), qne serao grauficadoa._________
Gasa Caiada e Rio Tapado.
Jose Jacomo T^sso, senhor e poMuidor, por li
tuiws It'gitimos, dos sitios Osa Caiada e EBseada
da Mai Lncrecia, em Rio Tapado, termo de Ofia-
da, prerine a quem interessar possa qne nio ff*
contralo algum de compra, arrendamento, per
muta, ew., etc. ou oufro quaiqner Mgocio, com
terras d* ditos sitios, qpe iioMtani com aa do en-
genho Fragojn, por jne serao otdlos us madrato?
e o annuneiaDie protetta par aandirnilownn-.es
qotr cireontstuncias em qoe se acbarem os ditos
contratot, e para obvlar dnridas vai doade ja
tratar das demarcacSes dos referidOs skids para
fixar c sens Eirojtas.
Aliiga !o :p andar do sn^adb n. 32 da ma
estreita do Rosario : a tratar na foja do mesmo.
Recebe-seencommendas de fogo do ar, para
l dentro e fora da provinch : no armazem da bola
0 INEXTLMGiUVEL
^^-^
Florida
Pharmacia e drogaria
H4Rua larga do Ilozario-
34
PKRXAMBUCO
PREPARADO POR
BARTHOLOMEO k C.
PtoiaceBUcas da casa real de S. )l F. Am k Porliigal
Premiados era diversas exposieoes cum o primeiro pre-
mio ie sua classe.
arope vegetal americano, g-irantido pobamentb vegetal, nao contem era sua composicao
lmsrj ttomo le pio,e sim -iiiicnte saeeos de plantas indigenas, cujas propriedades beneflcas na
.'-i.i das nole-tias j ate licos mais dislinclos qoe o D.-onraendam e prescreve n udos os dias no tratamento das brou-
di ) apudas c irao abrooieas, as:h;iia, loasts rebeld:?, escarros Jo sangue, ttisiea no primeiro
Ira 1 >irrilac6ea nervosas.

:
DEP0SIT0 GERAL
34 = Rualarga do Rosario = 34
PERNAMBUC0.
Empreza do gaz
.. i. do gaz tem a houra de aanunciar ao
ae raeeoea nltimatnente um csplendido
aorUmenio de lustres de vidro, candieiros, aran-
i : is I. -, cujas arnoaras eslao no escriptorio
aria Jo liflpefadbr n. 31, e serao vendidos aos
sacs freguezos peiopreco mais razoavel possivel.
AlbUDS para retratos
A NOVA ESPERANCV acaba. ae receber um
linlo sort ;:iento de alhur.s para retratos, os mais
elegantes qa9 teem viado-n esta rcercado. tenio-
t>- ic dlter^bs fermanhas 3 preros; a glles antes que
se jicatcm.
ede-se
a pi!3.-oa que por engano levou um chapeo de sol
na nolte de.21, da rua de Marcilio Dias, cujo cha-
peo ter.i 0 h y.av. Aik>!pho Aniunes, queira ter a
bon lade du eatr^galo a rua estreita do Rosario
n. 60.
Alugau-se daas casas terreas 'ns. 13 e.13,
aa tida-ie de Oiiada.: na rua do Pago Casteihanc
}Iyita attencao
i- (f.ii.vii ,1: 'U duas chavestnbas em uma argola,
aei -a raW Vobsequi de leva-las a rua do Vis-
c--nde de Tnhattma n 50, sobrad'), cjue muito se
ajradecera. '
ACLAS MISERAES NATURAES
DE
Vichyfjisset
Freferiveis as de Vtciiy-Vlciiy
por serem as unicas que eonservam todas as suas
propriedades depois de transporUdas.
Fonte S. Marie, e a mais efficaz na anemia; na
albuminaria, na chlorosis, no empobrecimento do
sangui1, e nas febres intermittentes. Os resultados
obtidos nas diabete.s s3o muito notaveis.
Fonte Elisabeth, nao se altera nunca tea mais
rica das aguas de Vichy em bicarbonate de soda
em magnesia e recom mendada pelos senhores me-
dicos pela sua ef&cacia nos engorgitamentos do
fjgado, do baco, nas affeccoes do estomago, dot
rins, da beziga, nas areias e na gotta.
EXIJA-SE
o nome da fonte na capnula
Vende-se em caixas e a retalho, no unico de-
posito
PHARMACIA AMERICANA
M
Ferreira Uaia A Couipctnhia
57-RUADU(JUE DE fcAXiAS-57
A ceWrfe agna
DE
MUI&llAn LVYH:U-.
Uma pura distillarao das mais rartd> fib-
res dos tropicos. Contem, para assim ui-
zer, quasi 0 odor odorifero das floras- do
tropico da America, e sua fragancia e quas
tuexhausta ainda mesmo por continuada
d/aporacao e difTusao. N'este respeito &
t.icomparavel a qualquyr outro perfume
qne ha de venda para :
UESMAIOS, ATAQUES KERVOSOS-, DOR
DE CABKCA, DEBILIDADE E
HYSTERIC0S.
E um certo e ligeiro allivio. Com o bom
)n, tem conservado sua influeocia para
cima de vitite e cinco atuios sobre todos os
perfumes, nas Indias OcciJentaes, Cuba,
Mexico, America Central, e do Sul e nos
com toda a conlianca 0 recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riquoza de odor e permanencia, nao
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EYTOLAS,
QUEIMADL'RAS- DO SOL,
SARDAS E BOKBLLHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna um?
excelleote mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cor clara a complbi-
cao nublada, sendo applicada depois dt
barbear, evita a irritacao que geralmentt
occorre, assim como tambem garganteando-
^e, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
Ibora a condi(;ao des dentes e gengivas.
Como ha muitas imitates, as quaes ql
possuem nouhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e contar s6mente 0
0 faraoso perfume 0 cosrnetico do sul da
America, chum
AfeU FLORIDA
DE
Hl'BRAV A LAliH i\.
Se achn a" vewia em todos odrogu
pnrfumari d.i mnda.
A Consullorio medico-cirnrgico jg
A. B. da Silva Maia. S
Medico parteiro e operador. r,
Itua iS& Rangel 11. S-I X
G* Consultas das 8 a; 10 hnvas.
V Chamados a qualqucr hora.
Q Gratis aos pobres.
% CONSBLTORIO
I MEDICO-eiRURGICA)
gfc Dir. Pedro d'Athavde L>Mos& no
PARTEIRO E OPEHADOIi
jp^nn l Vlaconde tie AI l>m-i <>-.-
-te que 11. 39. *k
ESPECIALIDADE
Dfeleatlas de-sentaoras Vt
mei(in.M. t
Consultas das 7 as 10 horas da m> g
nha. todos os dias. &t
Dae 6 as 8 da noite, nas segundas, quar^ ^>
tas e sextas-feiras. K
0 doentesque mandarem os seus cha- fm
mactos [vor escripto at 10 horas da ma- *
nha serao visitados em- suas casas. C
0
m
1
i
*
CRIAIX).
*
Precisa^se de um criadof que entenda de jr.rdim
e para iodo servico doinestieo : trata-se na rua
do Imperador n. C9.
Manoel Jose Monteiro Torres
Keller 4 C administradorcs da massa (allida
de Manoel Jose Monteiro Torres, pedem aos Srs.
credores da mesma massa, nne dentro de oito
dias, a contar de 27 do corrente' julho, Ihes apre
sentemos seus titulos para serem conferidos e ad-
mittidos ao passivo da falleneia.
Para casa de familia precisa-?e de uma se-
nhora do men idade, que saiba cortar e coser qual-
quer vestido com perfeicao, e qne de flador a sua
conducta : a tratar na rua de S. Goncalo n. 29,
obrado ao lado da igi eja.
j Attencao
Na rua estrsita do Rosario a. 35, prepara-se
bandejas com tods gosto par* casamentes e bai-
lee, pelo barato preeode 205 e l",i. bandejasar-
madas com bolos linos, qaa farem mcita vista e
satt^faz a seus donos ; na mesma casa faz-se bou-
quets para noivos, com fita bordada a onro, dan
do-se os cravos, 5 eado a enconmenda fcita V
diiS- antes e faz-se mais barato do qne em outra
qualqner parte ; enfeita-se velas.para baptisados,
com toda perfeicao ; faz-ss linds* bouquets de
cera para oilertu*, por muito barato preco ; e bou-
quets de rotas, cravos,duIias, saudadese qualquer
!flor que seus donos qusiram, com fitas bordadas
a ouro ; bouquets para enfeitar boto-, |or todo
I pre;' 1 : tudo na rua eatreRa do RosarK> n. 35,
! sobrado- de um andar.
Para santuario&
A NOVA ESPERANC.A recebeu pequena quanti-
dade de bemitos vaporisadores proprios para incen-
saroratortws ou sanctuarios.
LIVROS AGENDA.
No prira^iro and^r desta typographra em
mao do administrator, vende-se os segain-
te livrinbos :
II tuatnto Ksipcrto dialogo ins-
tructivo, crilico, analytico, historico, e mo
ral, cutre um matuto e ua liberal por .'00'
rs. cada exemplar.
EIiicctEo Familiarromance, 0
euma serie tie leituras, 2 volumes por ....
IgOOO._____________
Dous armazens para alugar.
Traspassam-se os do pateo do Paraizo as: 10 e
12 : a tratar nos mesmos.
= Abertura delapention
bourgoise, 1 de agosto, riaa
da Cruz n. 26, 1" andar.
Quem se julgar credor de Estevao da- Costa
Machado por antonomazia Estevio de S-. Bento,
uiorador na fazenda de S. Bento, termo de C'uite,
provincia da Parahyha, appareca-na rna de Hor
ta? n. 86. sobr.ido.-
Escrato.
Esta eucouia^ado 11!
Afna mole c-m perira dura
Tato du ill*- que a fura.
Roga-ae an Il!m. Sr. Ignacto Vieira de Mall
eacrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Capias n. 36, a con-
lnir aqnelio negocio que S. S. se comprometteu a
raaii-ar, pela terceira chamada deste jornal, em
dm i' dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passes (tfevereirb e abril de 1672, e nada cumprio;
i por este motivo e de novo charoado para dko
1m, pois 8. 8. se deve lembrar que este negocio
le mais de eito annos, e quando o Sr. seu ulho i*
ichava nesta eidade.
Precisa-se alugar um escravo para o service
de umi casa de conunercie : na rua do. Harftiez.
de Olinda a 35.
Engenho
Vende-se o engenli > S. Pedro, sttuado na pro-
viocia de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
menos de uma Tegoa dUtante do porto de mar do
.Gamella, tea wce.lsctae terraa, mala*, e. aa/reja
r^gularmente 2/00 naes : a tratar na rua do Yi-
gario n. 31.___________
an*ri(l
lAliMta-ee o prinJeiro aSlnr'tla tm d94mpe-
Iratrir m'ii : a tratar na ma de-Hortas n.'lW.
FR4^EZEN
Vinli'v- "iSi- qiiiiiino H Dr. LccniKi'.
Este vinho preparado com optinio vinliu dt
Malaga e o melhor de t,dos os tonicos reconsti
tuintas na convalescenca das inoleslias graves, e
se recomraenda para a eura dos padecimenlos
do estomago e intestinos, febres de toda a espe-
eie, com o caracter intermitteute.
Vinho \nro|i(> de laclo i>li<>s;x'ia;>
de- cal do Dr. Leconte-Recommeu-
dado pelos medicos como o melhor age'nle re-
ennstituinte para favoreeer a nutricSo, a for-
;na;;i' i dos ossos nas- criancas e enriquecer o
saniiue.
Vlnbo do Uuldo e elixir .da racsma
ulanta prepnnado por Frinaaull.
As folhis do buldo sao enipregadas no Chile
como remedio dornestico; mnfto efflcaz, para a
cura dos padecimenlos do ligado, de que e o
antidoio, como o quinino o das febres.
viniio o elixir-dc cat-no da Solivla,
ilo Cirlmault.Tonico fortificante, diges-
tive e reparador das forcas rxnaiwtdaa.
vtnlio de tpiiiia terruginoso- de Ciri-
mault.-l-reparado com vinho de Malaga e
pyrophosphato de ferro e soda, constitue um
precioso aeent therapeutico para a cura da
Chloiou, dos padecimenlos do estomago, po-
brtza de saugne.chlorose e as diversas mole s-
tias .tas seniioras.
Xorope iliM'hlorul liydratado lo Dr.
Leconte. Os medieos h aconselham com
suecesso ciintra a gota, as apha!gi;-.s, vertigens,
bfstona insomnia, epilepsia, nevralgias, tosse
astbmatk-a, coqueluche, etc.
Creme de biMimillio die Curimault.
Contra a? gaslrites, diarrheas, gastralgias, dy-
senteria.
Xarope de bromnreto de potassa de
CirimauK. Anti nervoso c applicado com
optimo resultado no tratamento da gola e rbeu-
matismo.
liaga da India de Grimault. -Cura ins-
lantemente as cnxaqueras, dcres de cabe?a,
nevralgias edvarrheas.
Ferro de Ciirard. Protoxoto de ferro. O
melhor de todos os preparados de ferro para o
tratamento das molestias que reclamam este
agente therapeutico.
Pasdlhasde niannita de brimaull.
Empregam se como laxativas e purgativas
contra os catarrh js mucosos, falta de appetite,
catarrho pulmouar.
oico de liKado de bacalbaO. ferru.
Iiibono. de ta-iuiauil. V. um medica-
mento de uma efflcacia censtante cnnlra a
ehlorose, pallidas eores, anemia, phtysica, todas
a? molestias dos po!m5; s, lymphatismo, es
crofulas, etc.
l* rerro mangnnieo de Burin du
Buison. Agradavel ao tomar-se, dotado
de propriedade oigestivas raui activas, e o re-
medio por excellencia, na leuchorrea, anemia
gastralgi^, etc.
Pa si iih a de lactnto de ferro de Bu-
rin du HniMHon. Digestivas e optima?
no tratamento das menstrua^oes difflceis, (lores
brancas e todas as aHeccoes nervosas do tubo
digestivo.
Clj conina Slcliel. Lioimento muito su-
perior aos cerotos, pomadas e uoguentos para a
cura das ulceras e feridas de toda a especie.
tajisulns de ipiol de Grimault.
Sao recoramendadas pelos medicos 03ra recu-
lansar a menstruacao, prevenir as c'olicas, dissi-
par as dores dos rias e ainda para as febres
inttennitentes rebeldes.
PilniftN de pod*ptty1lna de fcri-
oinilt. Para a cura de todas as molestias'
do flgado, para eombater as prisoes de veotre
rebeldes, etc
EP0SID
PHARMACIA $ DROGARIA
Biirllioloiuen k C.
*** M'A LAUOA DO ROSARIO
zmpui:
Procisa-se com^rar ious escravos, pedraiK
laraniaa, paga e Lam : a.tratar na tnwoi
ens loterias, a rna Primeiro de Marco a. 6.
CHtMBO
Compra-se cobre, lauo- e chnmbo velbo e
amaznda ball amarella, a tnvassa da rna dc
Imperador.
ViNDAS.
Aos nerTosos
A .NOVA.ESJ'ERA.XCv acaba.de receber aqne.
les milagrosos anneis electrioos, cura infallivel 'i
nervosos.-
Para o fabrico de
A NOVA ESPEftANCA
para armacSo dc chap'eos.
os
opri'
Para concertar raeias
A NOVA-iSPERANCA, a rna ttoqoe da Cas*a-
n. C'J, recc?iea f"esta necessaria linha.
Allenf^j
Vende-se am terreno em Agua-Fria, cuir. 6n
palmos de fretrtee 350 de lundn. tend > duas fren-
tes, uma para a rna do Coaundo e outra para a
rua das Mocoe, prOprie p..ra ididoar, cujo terreno
tem arvoredos : a tratar na rua da Santa Cruz
numero 7.
Grande liquidaqao de charu-
tos de Havana.
Fkr Rigalia.
Iskandro
SI ordwn.
Rua do Marqaez de Ohnda n. !8.
- Alega-se
o annaz'in o ';' anldr Com sila), tiil) baatnates
conamudos, e pintado : a tratar na rua do Viga-
rio n. 31.
aixcirc.
Precisa-se >Ie um Cj tn ; r '.: ;a >. v :: la
tar no C es S2 Je Snverobro u 38
a tra-
V 4)>000
Farinha n> mandinca de sup3rior qualidade.
com 12 caia cada sac.eo, pel^ haratopreco \i
o sacco : s rua do Imperad r n *!, vnda d
AzovoJo : a eMa .-intes que se oaobn. '
Allcnifio
Ha para aiugarum bun siiio-na Boa Viajem:
trata-se na Caoanga, rna da Venlnra d. 21, ou
na ma N" vaa. 4:i.
A!uga-se nm pequim sitin, edinando de
novo, no lugar da Tamarlneira : a tratsr aa rua
Jo Commereio n. 0. l* andar.
Cozinh'.ira.
Precisa-se de uma perita. para casa de dn?s
pessoas : trata-se na rua do Imperador n. 69, so-
brado.
Aos Srs. de engenho.
Um moQO portuguez offerece-se para machinis
ta ; assim como para assentar qualquer machina
a vapor : a tratar na rua do Imperador n. 48, ar-
mazem.
Parts, 36, Rna- Vtyienae, 1>
SiHOil MEMCIS SNCIII
nis r.*rT.*i\n>ko\ des sbioars, t3 Amcfon
f.iTlTP^S. It tLTBKCOCS DO SAMOE.
~~130,000 caras das impin-
sarna, comixoes, acrt-
tniKxia, e allercoes vi-
\ciosas do sangue, vi-
rus, e uiici.i. o. s do iangue. [Xarope vegetal
sem merculio). Bepurmlim Teiciiei
BAMie.-i aiEBAES tomao-se dous por
lemana, seguindo o tractamemo Dcpuralivo: i
empregailn nns mesmas molestias.
I Bate Xarope Ciiracto da
Terro de CHABLE, cura
iraraiidiaiaineme qual-
[quer pur gar ao rela-
e debilidade.
Veade-sa uma vietorio, pinuidn novo, com qm par de arreioa, mhm praarit
viagens : i;ueiu fmwmts, dirija aa a. rua do ba|
rador n. 1":
Grande- lk|uiclacao de charu-
ios da Havana
Flor Reaalfb
Isknn'lr >.
El ordi:.
Rna dc M.-.rquez dn Qlimia .:. !-
Para emgenho
Vend;--; OS) hom eseiafv, pardo. de M tno
foi carreiro e mestre de assucar : a rua ca I
ratriz n. 28.
Todhas de linhoaoOOrs.
Vende-se loalhas de I ubo |ala MM infpt pac
de 500 rs. cada uma, e melade de >. a
aro veisem, que estio seacibando na m I
que do Caxias n. 88, loja de RmnKliu I
Vende se na rua do Comiuer-'io n i. etrv<
Nornega, Baron M L :
Bitter Augustura.
Rum de Jamaica.
>'a rua du Cahkireiro n. 31, vende-se ga,"-
las muio bem feitas, para loiw os BHoaao,
0EPURAT1F
in -SA'iVG
"PLUS DE
COPAHU
xaiao.
BUlheres. Esta iujeccao benigna empregass*
torn o Xarope de Cttraeto de ferro.
ni-m orrolaan- PmiMida Hue as enra ems dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas ajfecfoes eutaneas i comixoes.
PILWLAS VEGETAES DEPURATIVAS
do s- chbie, eada fresco vrai aecompabada
it um follieto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
I Cora cowrrJkM, lue
coqueluchti, irritacOes
nervetat tmt i ><*-
chtos e todat as dotnem
I de peilo; twaU ao doDta
D.-. tmaawa >JParts. r. unease, na.
Deuosito hot ca Franceza
22 Rna da Cruz 22
Vende-se a taverua sita a rua da P.nte Ye
Ihc n. I, bem afreguezada, e o motivo da venda s*
diraao caoipralor : quem a pretender dirija-s-
msera a.
Vend^-sc uma jurte dositii Paripe,
IU a de Ramaraca : quem pretender, dirij:- .
ran larga do Hoserio n. BO, laverna
Attencao
Seni reserra de prejo vend -s a tavaraa U
rua hin ii.i n. 15, tirnbem ?e vende sd a oral
que se presta para qna'^ner ra-n de negooio,*e
motivo da venda I por seu tan retirar se para
fora da provincia : trata-se na mesmo.
Vende-se um bonita escrava, cria de caja.
com h.ibilidades. de 18 annos de idade. para fora
da terra ou engenho ; que n pretender, d'nja-sa
a rua da laipe;atnz n. 6, loja de lo Jfa.
Sirop du
D: FORGET
E\r\i)tR\\cin
Loja do Arantes
Prara ita lii!l-p-nil>n. i ssa, II.
13 i- 15.
Rotinas para.ho?.ier.s a 6J e '$.
Ditas de pellica preta para spchora^ a ."
Ditas de dita doura 3a, ranc ait i a Si.
Ditas ga-piadas de pellicad urada, cno at,. 494
Ditas de duraqie d- cor, com lafo a Bi e
Ditas de dito preto idem a if.
Di'.as gaspiadas, cano baixo a 21 c Si.
Dilas de cirespara crUncas, com alto a \i
Sapstos de cores para seuboras a 3*
Ditos de conro idem a 21.
DF.
Miranda ^ lnnjlo
;N. 37-*Rua Duque dt Caxias N. 37IJJ
Ni'.-te estal i'lecimento encaderna-se
com toda presteza, nitidez a perfeicao,
desde 0 mais simples ate os mais pri-
morosos trabalho? de setime e velludo.
Panta-se e riscase papel para- livros
em branco, tanto para 0 commercio, coma
1 psra reparti^oes pubticas, numera-se, li;
vros, cxecuta-se tuao quanto ereiativo a
gammographia.
\ Mirsnfla & Irmio,1 munidos de boas
; machinas. bons artistas e excellent** ma-
fc teriaes, julgam-sehabilaados para servir
satisfactoriamente as peseoas que qniee-
rem trabalho? tio perfeitoi.como os qne'1
vem do estrangeiro.
\
Gabriolot e oavallo
Vende se um cabriolet de 4 rodas t t assent- a,
em perfeito e;ud), com cavallo e arreins, p.>r
commodo preco : a tratar na rua la Crespo a !?,
1 andar.
!
Vendtxe.
Bods pianos.
Oliegados de novo.
Trora-ae.
* is I wn*st"S*a>
Na aimazem do vapor francez, a rua do tatio
MOBILIAS
At Time de fera.
Vende se muito em conla : cadeira* avnlaas, d-
balance de bracos 4/fjfca*r no armasam do
vapor franc*:, a rua dn Raran da Vietorta, outr'o-
ra Nova n 7. .....
i
.


\\


Di2ri6-d&-Peffiftffib&et> Iferga feira 28 de Jullio de 1*74.
*
'
tazend^s iinas
BAMTMO DA BOA-VISiA
Rita Primeiro de Marco a. 7 A
DE
Coideiro Simdes K eita una das casas que hoje pode com pri-
caiia offerecer *o seus freguezes ura variadissi-
n csorimento de fazendas finas para grande Wi-
ette, e bera assim para uso ordinario. de U)daa as
tlasses, e por prejos vantajosos, das quaes faz am
sequeno resdraO.
Maaclam fazendas as casaa dos pretendeutes,
jara o jue tern pessoal neeessario, e dao amostras.
oedian.e penhor.
Cortes ae seda: de finds? cores.
'Jrosdenaples de todas as core*.
?orgario branco, lizo, de listras, prelo, etc
s..-uiii Macao, preto e de cores.
Grosilenaples preto.
> elrndo preto.
Granndine de seda, preta cjde c6res.
P.pelinas de lindos padrSes.
Filo de seda, branco e preto.
*icas basquinas de seda.
"isacos de merino de cores, la, etc
dant.is brasileirms.
Cortes com arabraia braeca com ttctos borda-
Kicas c.ipellas e manias para no.vas.
Hiquissimo gortimenio de las cosa listras dn
tcda,
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brcas, lizas tfcordadas.
Nanzuques de lindos padroes.
!laptiMas,padroes dencados.
PeresliPa* d quadros, pretos e francos, ussms,
tic, etc.
Brins de kaho de cor, pranrie oara vesttdos,
com barra e listras.
Ricoa cones de vestido de linbo. r ees da
ce.-ma .'<' Ditos de cam! raia de ceres.
Fustio de lindas cores.
Saias bordadas w.ra senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de liaho e aj-
(odan.
Sortir.iento deluvas da verdadeira fabrica de
i-vio, pii- bomens e senhoras.
A^tua-1 para menim*
rtiio* para baptiiado.
..r:a|:!" para quo.
T.'amas r guardauapos adamac2dos de n de
r^iara mesa.
Colchas de la.
Cortii;ados bordarf'*.
Grand* sortimento de camisas de linbo, lizas b
nrdada<, para homens.
ileias de cores para homens, meninos e meni-
.
Uitas escocezas.
OomneU) ao.-itmePU' dt chapeos de sol para ho--
ecs e seancras.
Meriaj de Aftea para vestidos.
r>:to preto, trancado e Mo de-verao.
* Atoanado pardo..
Oamasco de 13.
Brias de linho, branco de cores o preto.
>eiim de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos.
Dims de casemira.
Dito3 de seda prf-ta e de cSres.
Ditos de touquim.
Camisas de chita para homens.
Ditas de flanella.
Cerenias de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso--
Leneos bordados e de labyrintho.
Colchas de crochet.
Tariaana de todas as cores,
fticos cortes de vestidos de tarlatana bordados-
*ra cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Hicas fachas deseda e la para senhoras.
Rico iortimento de leques de madreperolas >
5SS o.
Danusco de seda.
Caaemfra preta ede cores.
Chita;!, mailapolao panno fino preto e azul, col-
arinWt puuhos delinbo e algodao, gravatas, lu-
as de fio dc liwmsja, 'apetes de todos os tama-
ahos. bolsaa Ue viagem, ya& feordados para ho-
mens, lerj^js de linho branco e o.^ ip^g, toalhas,
tuardanapos. etc.. etc.
Kua da Imperatriz n.
DE

\ 9
;C
NA
MENDES GUIMARAES vfc IHM.VOS
! Acf.barn de fazer um gratide abaiimcnio dos pr
Jtlendp a grande falla que ha hoje de dinliciro,'t por isso
I cionado agradard ao respeit^vel publico.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 455000.
Vende-se chapeos de sol de seda para se-
nhow.s e meninas a i$, ditos de alpaca. Fi-
nos com 12 astes a 41*, ditos tie merin6 de
daas cores a 5J), ditos dc seda part horcem
a 625, ditos inglezes com 12 aMcs o 8JS e 98.
BRIM PARDO A 400 rs.
Vende-se brim pardo escurc a 400 rs. o
coTado, dito de cores com quadnnhus a
500 rs. o covado
CORTES DE C\SEMIRA A 35.
LOJiOPilAO
DiA
Rua d& Imperatriz--n. 6>0
PARA IIQLIDAR
fciaiiadiiiH |>retu a 500 ra.
covado.
0 PavSo yende granadina pfeta e lavrada
^os arsuaV l&rtm "alter WjSAl^iiVSi" filoTsSo RS
creio qrn o preco que vai. men-. ALA*P5 rRtTAS A 500, 640 E 800 RS.
n r j ; O Pb*8o tem um grande sortimento de
r.ROnil'S V trSOO 'alpacas pretas, que rendea 500, 640 e 80C
VenJe-se'cruci.es'para cadtiras a 10500." covado, assim como grande sorti-
cada um mento de cantSes, bombazinas, prmcezas
, i.
i
Laziuhas
a 200 rs. o covado.
So ua-Hia do Queimadan. 43, junto i
da -Magnolia.
Cbeguem, veuham a ellns II...
Lizinhas de quadrinhos a moda escoceia pa-
droes muito cbiques, propria para vestidos de se-
nhoras e meninas. pelo dimiauto preco de 200 rs.
o covsdo.
So e 43, loja de Guerra & Pernandes.
Dao-se amostras com penhor.
4>000.
LAZLNHASA200RE1S.
Vcnde se lazinhas para vestido a 200,
320, 400, e 500 is. o covsdo.
ALPACAS DE CORES A 500 RE1S.
Vende se tdpacas de cores a 500, 640, J
800 rs. o covado.
GRANDE SORTIMENTO DE TAPETES A 45-
Vende-se grande sortimento de tapetes para
GRANDS SORff MENTO DE ROLPA FECTA
NAC10NAL.
Calcas de rtscado para traba.ho al^OOO
e 19400.
Ca^ss de*rim pardo 1?900, 2, 2&500.
Vende-se cortes de casemira de cores para, todos os tamanhos a' 45)1,
calca a 5JJ, e 6$, ditos de dita preta para'carta um.
calca a 4JP, 5$, 63, e 7J.
BRIM DE ANGOLA A 29 0 CORTE.
Vende-se cortes de ferim de Angola-para
calca n 29, dfto muito tlnos a 39.
! ABERTlrRAS PAP.A CAMISAS A 200 REIS
l Vnde-se aberturas para camisas a 200 rs,
ditas rnffts finas a 400 e 500 rs. (Jitas de
esgoiaoafiS, ditas *jordads 29-
CHITAS A 240,
Vende-se chitas para vestidos a MO, 280
e B20 rs. o covado, tem esocras -o okras.
MAOAPOLAOA 39.
lVende-se pecas de madwolSo en^estado a j
59, ditas de dite inglez a 49300. &6, e 69,!
ditas de dito frrcicez fino ~!J, WaOO, 8' j
H9008. '
49300, 59,e 69
mento
pretas, merin6s, e outras muitas fazendas
propriaf para luto.
CAWBRAIATICTORIA A 49C00, 49500,
(fcopfl E 79000.
0 PaySo vende \im grande sortimento de
rambraia Victoria' e trarrsparente com
8 1/2 varas cade peca, pelos baratos precos
de 49000, 4950U, 59000, 69000e77000
a peca, assim'como, 'ditas de salpico bran-
co, a 7*000, 4 pecbincha.
CAMISAS FRkHCEiAS A 2ij000, S9500.
"{fiWWE 3ff800.
0 Pa"f*o vefide utn bonito sortimento dt
camisas francezas com peito de algedao, i
2*000 e 29500. 'Ditas com pnto de linhc
Bitas bordadas
de S9000 a y}O00. DWas bordadas muitt
Calcas de brim de Angola deeores a 29|fiBas de 90l>0 a 109000: assim comi
35. Igmnde sortxtnento de cwoulas de linbo e dt
Calcas de casemira de cores a 59500,69 (godfio, por precos baratos, e taibem tern
ie79.
Calgas de casemrra preta a 39*00, 59500
.7
Palttrts de risca^o a 15.
Paletots de alpaca de core9 a 29.
Paletots de a pace preta a 3?, 39">00, 55

I,
PREDILECIA
,V rua do ta*us* ii 1 A.
0s proprietarios da Predilecta, xo intuito 4*
tonservar o respeitavel pnblico, distin^uindo oasu estabeteci-
".mento dos mais que Wfociam no mesmo geneTO .~'JeS~ ZJodo* a pr.melra qee apresenta o que ha
^eera scientificar aos sees bons frtgueies que pre- > j-----.. :-----^,^i. ~-
E com as seahoras,
A. Magnolia, a-raa Djjjua deCaxias n. 4'ii, par-
ticipa a bello sexs que aciba de receber ropa, um comp+e^J.S5nrmento de artigos da ulti-
ma moda, etfadonoo aflttencio, por >a -ser bastanlc -onhe-
cida, e capriciiitr serapre em ter bons correspon-
veniramaosseus corresfiondentes nas diversas par-
71s d"Eo.repp. para Ihes^oviarem par todos os pa- -
quetes os objectos de tuxo e here gosto, que se-
1 jam mats bem aceitasfpelas soeie^ades elegantes
daquelles psiies, viste aproximar-*e 0 tempo de
I testa, em r,ce 0 beHo sexo deste linda \ eceza
i mais ostecta a riquea de snastcillettes ; eeoJl
T mo ja recebessem pels paquete francez diverso : I
artigos da 'ultima raodt, veem pctentear algans |
d'entre-eMee que se ton-am mais recommendaveis,
i esperando do respcitevel publico a costuaiada
f coccurreeea.
1! Adere^3S de taruraja os maisiindos que teen
irindo ao ercado.
Albnas c rn ricas cipas de maireperola e 4*
de mais moderrrs e por precos mui razoaveis, por
itt liratu-se -a iescrever soraente 0 seguinio :
Senas duuradas.
Iticus Liequett dourados, de nadreperola, laoriiin, tar-
larupa, aeo, etc.
Saliiaan de uai e.
lros-ij*, diversos artigos propiiec para pre-
sentes.
Ciolinlaas e punhos.
Manual para missa, com capa de mcdrepereter
tartarnga, marfim, veltado, etc.
Sa|iaiiih>- de setim para bapltsads.
< auiinn* bordadas paHt-stnhoras.
Lisa* de seda.
Franjaw mosaicas.
VENDE-SE
um terrenono Arraial, com 120 palmos de fren
e 140 de (undo, com unia boa cacimba : no ca
da Companhia Pernambucana n. 26.__________
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Em sen armacem a rua do Trapiche n. 14, 0 *
guinte:
Algodlo azul americano.
Fio de vela.
Carvio de pedra de todas as qualidadei.
Tudo muito barato.________________________
VENDE-SE
am* cata na villa de Barreiros, na rua do Com
lercio, por preco modico : a tratar com Tas
lrma-5 A C
Colchas defasiao muito frandes r^ra cam,
. pelo diminuto pre^o de 43 : a loia los areos, d*
loj* Gorgel do Amaral 4 C, a rua Primeiro de Marco,
anliga do Crcspo n. SO A.______________
j Engenhos em Mamam-
guape.
I Vende-se os seguintes:
I Barra,
I'rt-guicH,
e l*uricfo.
A tratar com seus proprietari it ni'-fa eiJadt
e para informafoes com Joaquim Pinto 1; v*
relies Filho na mesma cidade <2c EamaiBjraap<
Tasso lrma Wilson Howe & L. vendem cu acu aiujji*
rua de Commercio n. !i :
verdadeiro panno de algodao arul amejiciTi-
Excellente fio de vela.
Cognac de 1* quaiidade
Vinho de Bordeaux.
Carvio de Pedra de todas as quaiidade*
Quemeo vigilante da ec<
9

oompleto sortimento de punhos e colterinhoi
tanto delinbo como de algodao, por preco
em conffia.
CORTINA DOS BGROADOS TARA CAM A fc
JAKLLAS, DE'W ATE' 2S500O OPAR
0 Pavao vende u;n grande swtimento dt
curtkados bordados, proprros para canw t
jenetLHs. pelo twrrto preco deflHl00,830O0,
10j5Q00 at^ 259000, assim como : cohai
(*e -flamasco de If muito &M He 109000
1STX100 r-ada'Utna.
BRAMANTES A 19800, SS9000 E 29500
O Pavao -vende bramwntes para lenc6es
tendo 10 pplmos de langura, sendo 0 d>
algodao a *9800 e 25000 a vara, e de fob<
* 29400, 99H00'e 39000 a vara: e" pecbro
cba.
Grande p^hiacha a 4^000
e y$w
CORTES DEASEM'A,
0 Vay&c recebeu uma grande porcSo de
cortes deoasiineFas de coces_ para caljafi,
vende pels ljarato preso dft $9000. e 55OO0
cada cx>rte, ha rua, da Imperatr* ri.'OO, k>]a
de Felii'J'ereira da^Sih'a. .
ESMERALDfSA A S00 RS.
E' com as noivas
A NOVA BSPEftANQA, rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber boa< mcia9 de seda proprias
para noivas, e os apreciaveis ramos de larangeira
Engenho Segredo
Vende-so o engenho Segredo, distando apenr-
siua legoa da estacio de Ribeirio, moente e can
rcntej bem obrado, e com terrenos muito ferota
quo safrejava mais de 2,500 paes: a tratar na rua
do Eocantamento n. 5. _______^
Grande liquid qko de cha-
rutos
do fetnicaote Gustavo Alberto Sehnorbosck, da
Batfia,.das seguintes niaicas:
Aristocratas.
Biactmellos.
Peroias.
Jok Club.
nchas.
i'erfeitjao.
Principe Bismaiks.
Trabucos.
'Golondrinos.
Veadem so na rua do Harquez de Olinda n. 18,
armaaeai.________^________________
tasa e teneuos baralos no Sal
gadiiiho.
Ansonio Jose Rodrigues de Souza, na thesoura-
Tia das loterias a rua'do Crespo n. 6, vende sua
casa de taipa e terrenos de seas sitios no lngar
do~Saigadinho : a tratar somente com o mesmo
t) velludo, secdo diverges umanbes e baratos pre-, x$ti^iamta in taruracn.
jl os ... Voliai* de'taadreperola.
: Adereeae completos -de borrjwfcn propno* para Pul-eiraK je maireperola.
H luto, tamtera se ven*ea meios aderegos murto be- LlIldas tlores para cabe^.
nitos.
BoiHadt de v-'lluJo.
BotSes de setim pro e de cdrac para ornateid.; ruftnmlHil dos owlhores euMK afamado| L 6it
aetiAna iLc curhnn -tamhem tarn nara iviitAtn i ^"- u"-
0 Pav*o recebeu um bonito sortimentc
das mais bgantes eameraldtnas com listras
de seda, sendo em cores e padrdes as mats
novas qce tem viude ao meroadd, proprias
para-yestidos, e vetnle nelo bsratissimbipre-
J co de-^ rs. o covftd'o, & rue da Imperatrii
fabrk-autes.
CbafcM dc sol para eeahoias.
Pilau de velted de todas as cores e Jargur^s.
Moacas.
E'barato,
Vende-se um pequeno silio perto da esla-
{ao do SaJgadinbo, tendo de frente 150
palmo:>, e de fundos rnais de quatrocentos,
com una elegante casa de taipa, acabada de
eroiim t e bem nssoiada, tendo 2sal s, 2
qaartcs e cozinha f6ra. 0 terreno e pro-
orio n bom de plantaedes, tendo alsumas
*rvoros de 'ructo, agua de beber e t'jdo cer-
sado.
Pan ver e mais explioacoes, no mesmo si-
uo a qualquer bora a entender-se com^Tris-
sao Francisco Torres, e para tratar, na the-
fjuraria d. . 6. ___________________:______________
Engenho ^b venda
Vende-se a dinheiro ou a prazo um engenho
nioenti e corrente, de animae. com ppqnena sa-
fra creada, a uma legoa d stante da villa de Pal-
mares, estaeie de Una, oe bom terreno de vane9,
podenio safrejar 2,000 piles aaQuaf^ com propor-
eio a ser de agua, podendo ainda ser accresceata-
do ao pent" jue se queira^ com terrenos annexos
que se vendem : quern pretender, entenda se eom
Joaqu m It.-drigues Tavares do Mollo, nesta cidade,
praga do Cor^ti Saut n. t7, faedar.__________
Asunicas verdadeiras
Bicbns namburfuer..-v.i te raer.-aoo
na Mir do Staranei i'b olinda n. 51_________
Vigor do Cabello
estidos de sechora; tambem tem para coilete
fl palitot
?! Bolsas para senhc-ra, existe ac bello sortiaacB-
j de seda.de palha,de chagrin), -etc., etc., pur
I barato preeo.
Bonecasde todos es tamanhoa, Uoto de tonjof QuerewMvrw-vos destesmaldilo*t?ctosf cop*-;
| como de <*ra, de bomtha e de aiissa ; chama-1 v UUMl milchioi de j^^ moscas #f or 3*000-:
I mos a atteajao das Eimas. Sras. para este arUgc. Magsoiia,i rua Duiue de Caxias c. 45.
' pois as veeee tornam-ee as cnancas am pouco im-j P l *
A Magaolia^a rua Doque de Gasias o. 45, vee-,
o vefdadeiro V'gr *te Aver, impede a:
cahida das cabKo.
Swsrlus eipanos.
So tem sardas e panos queru quer, porque*
16 !P&vao segmntee;
r pertinentes -.yor falta do nm obtecto que as ec-|
tretenharo.
Camisas de linho lss e com fiettos bordadoc' ^
para borBem; vendem-se por preco esmmodo.
c.....h,in linho &de algodao,de diversos are-
gos.
Caixinhas earn mustca, o que ha de mais lindc.
i1 com disticos oas tarapas e proprioflipara presea-
i -Coques os *cais modercos e de dtversos (orma-
J*03.
Chapeos par-?, j-enhora. fiaceberam um sortimento
!, da ultima moda, tanto para senhora,-<>omo Par3
!: SMninas.
|j Canellas siiojtles e com -veo para ooivag.
Calcas bordadas para wsninas.
1 -En'-remeios eiUmpados e bordados, de undo*
d*.gn^os.
IMagnoha, a ruaiDnque de Caxias
vender a verdadeira Cuticuler
jecer esus manehas em poucos
Ao Barateiro
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacap do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitive e nat-
'' ural.
O Vigor do Cabello e* uma preparacSo ao
bk-s'bo tempo agradavel, sattdavel e efBcaz para-
con* ervar o cabello. Por meio do eeu nso o
cabello ruco, grisalho, e enfraquccido, dentro do
pouio temjo revolve a cor que lhe e natural e
pririitiva, e adquire o brilho e a frescura do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
den50 e a ealvicie muita* veze/i, posto que nao
em todos os oasos e neutralizada.
jrao ha nada que pode reformar o cabello
depsis cb>s folliculos estarem destruidos, e as
glandes cansadas e idas, mais se ainda restarem
algiwns podem ser salvadas e utilkadae pela
app.icac3o do Vigor. Libre de egsas snbstancias
deleterias (jue tornm muitas preparaooes dfe este
gonero tarn ootivas e destructive ao cabello, o
Vigor somenie lhe o beneficial. Em vez do
sujar o cabello a o fezer pegajoso, o conaerva
limjw e forte, einbellizando o, impedindo a queda.
e o tornar-se ru9Q, e por consequinte ptevine a
cah'icie.
I'ara uso da toilette nao ha nada mais a dese-
jar; nao contendo oleo nexn tintura, n5o pode
maiiehar nieitmo o mais alvo Jenuo de cambraia;
perdura no cab.'llo,'lhe da um lustre luxurioeo,
e um perfume muito agradavel.
I'ara reformar a cor da barba, 6 necessario
maio tempo de que com o cabello, poiem be pode
appressar o effeito, envolvendo a barba de uoite
cea um lenco anolbado no Vigor.
PBEPABACO FOB
I>ir. J. C. AYER & CA., Lowell, Mass*
Kstados TTnidoe,
, Chlmlcoi 1-ractteos e AnatytUott
._____ VBNDE SE POR ,
f Egcovas cteclirisas para d.mtes, tem atproprie-
I dado de evitar a carle dos 3ntes.
Fracas de *eda pretas e de core*, eaate um
BTande eortimento de diver$a3 iarguras e barato \
preco.
Fitas de saria. A p-rrgurar. de setim e da cna-
l'eu de diverts Iarguras e booitas cofos.
faehas de gorgutio muito lindas.
F: rw> artificiaes. A Predileela prima em -030-
ervar sampre um bo'Jo e grande sortimento.des-
as flo! es, xao so para enfeite dos chellcs, coeo
taaLem para ornato dc vestido de noivas.
Ca!5es de algodao, de ii e de aoda, brancospF-
os eide diversas cores.
Gravatas de seda pan homem e senhoras.
Laeos de cambraia e 4e seda de diversas core*
para aunnora.
Ligzi de seda de cores e i>rancas iordadas para
turn.
Livroa para aovir missa, eom capts de madre-
perola, marhm, 6so e velludo, tudo que ha it
bom.
Pentes de tartarvga e marli;.. para aksar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar easpas.
Port botiqnet. Ura bello sortimento de madre-
| perola, marfifli, 6sso e donrados por barato preco.
Permmarias. Neste artigo esta a PredUeeta bem
provida, nao so em 6xtractos, como em oleos e
tanhas dos raelhores. odores, dos mais afamados
fibri'cantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica.
Csadray, Gosnel e Pknel ; sao indispensaveis pars
a (esta.
6uas bordadas para senbora, por commode
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
n'sados.
Tapeies. Beceben a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamauhos, unto para sofa co
mo para entrada de salas.
Vestimeatas para, baptisado o que ha de melbo?
gosto e os mais moderoo t recebeu a Predilecta
de or arc to preco, para Gear ao alcance
jualquer bolsa.
Rua do Cabug4n. 1
A' rua 1* de Blanco a. 1.
Confronte ao.arco de Santo Antouio.
K-iao vendendo (azendas por menos 36 0[0 do
qua em ouua qualqcer parte, ,i*ara o que pede
um pouco deattencao 1
Madapolao francez. fazenda -superior, -vende-
j.- a Hi a peca e 3Su rs. a vara.
Chapeos de sol de sea, para seoiiora, a 3, de
cores, fazenda de 6/.;.a elles.
Hi ,s de alpaca, para bomens, de 12 hastoas a
3^300. Superior qaalidade.
Ditos de meriafl, com duas cores a 4*300. 4sto
.sun .' veuder barato.
Chapeos de sol de seda,-ioglezes, a 1.^000.
Dit.* de cabo de marfizi, o melhor que tem
vindo ao mercado a 126 a AS&. Veaham elles.
Grande sortimento de camisas francez?, de 3%t
a 40j. Superior quaiidade.
Esguiao de linho e algodao a ii-
Chapeo* de casemira para kemem a Zi>.
Cortes de crctoac bordados & 6x. Sempre cus-
Vm 10S.
Cambraia Victoria, lioa, a 3JSO0, eom 8 1<2 va
ras e transpacente it.
Lsja de AgGstinho Ferreira da Silva Leal A C.
Cura dos estreitamenlo d'urelra
pela facil applicacao das
SONOAS OLIVAES
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conbecidas
Vcndeinse
NA
PHARMACIA E DROGARIA .
DE
Bartholomeu & C.
.'{- Rua larga do Kosario 34
Cortvte de combreia branca, transparente,
com eciffctes bordados de la -a 5$O0O.
Uit s.todos braneos b-rdados a 12#O0 e
IiiiG&nttiito ricos a 25&Q00.
Bpnit^B lansipbaS'ip^ra \testidos, cow lis-
Ditas ditas transparentes e de mutta fan-
'nJa,umpua.fi*sia a BOO, 640 e.Ofi ts.
ia, que faz desappa- j Cintos de setim de-tudas es cores a 58O00
's dia-___________ Punhos-com gollinbas de esgqiao a 300 rs.
' Sediobas de cores, sendo de listras e la-
>vradas,.com toque de-mofo a 45000.
Ditas de dita ditae-som mofo a 19600 9
25JOOO.
Divorsas lansinba$,para vea'uios, de 240
at*'- 500 rs.
Colcbas de fuslao lirancas para eama a
Ditas de (Jilo de c6r .; iJJCOO.
auibraias.brancas, febertas, para vesti-
dos, -cone a teOOO.
Contes de cambraia Itranca com bonitos
enfeitas bordados, de cor, com figurine i
6$00&.
Pecas de madapolao com pequeno toque
de avarn a 4^500.
Ditas de algodaosinho muito encorpado,
com leve toque de avaria a 4^500.
Madapollo enfestado com 12 jardas em
perfeito estedo a 3^000.
Pecas de madapolao com 20 jardas a
415L0.
Brim pardo para roupa de homem e me
ninoSj covado a 400 rs.
Ccbertas de chita para cama a 2($4O0 e
3^000.
Bramante de linbo com 10 palmos de
lagura, vara a 2(56(0.
Atoalhado com S palmos de largura, vara
a 1(5500.
Esparlitoos branccs e de cores a 4(5 e
5*000,
Cortes ,de casimira a 4(5 e 5(5000.
EOP.ARATFIRO'.
A' rua 1." de Marco n. i.
Grande sortimunti deoasemiras e e.-caras tiaras,
fazenda stiMfior iioOO o covaJ^ ; t du- qu.i oi
3*000.
Brin-! para calca de cores e pardo a 280, *j>
500 rs. o covado. So aqui por ttte prec-
Cli tas em grande quautidade a 240 e it) r>. o
covado
Metins a 240 e 280 rs Superior.
Percales a 300 rs. o covado. So aqui a.. *
raleiro.
Baplistas matisadas com barra a 300 e 4 o covado.
Alcassianas, fazenda dc phantasia com bon.t ?
desenhAs a 400 rs. I
Crt nes escnros a :t00 e 320 rs.
Larinhas escoceias a 180 rs. o covado. Socaea-
te para ac bar.
Madapoloes para todos os prfcM.
edas de corts, verde, encarur-da e de oo^ra*
cores a 1*000,1*200 e 15300.
Chales de casemira oni listras e 35500 t i J
e barato? e !
Bramante de licbo a 15100 rs. a vara
Iarguras I
Botinas para senhora. a 45.
Confronie ao arco ie Saut) Ant-ui, I ja 1c
Agostinho Ferreira da Silva Leal & C._________
Loja de lazeiidii>
DE
E' barato
Trangas de cabello
humano, natural, com um n etro de comprimealo
a 435 cada uma : so na rua da Imperatriz n. 8
>ces de Odilon Duarte Irmao.
ni
43
barato
Trancas de cabellos humanos, naturaes, nao
digo que tenham nm metro de comprimento, sao
soTfrivelmeptc cumpridas, pelo preco de 12*000 :
so na rua do Marquez de Olinda n. 51, 1* snoar,
casa de G.ustave, cabelleiniro.
Coque crefpo natural, d6 J05, 125 a 15,5000
I'm par de crespo natural, compridos a 55000
Um tupet frizado por 3*000
Uma Uuzia de grampos frizados por 4*C00
Coquet, moderni'mo, de \0S, por t!0*000
Diademas, modi rnifrno, de"cabello!1. por 5*000
Cres--emes de cabello, de 305, 35* a 40*000
So na rua do Marquez de Olinda n. 51, i* andar,
em casa dc Gostave, cabelleireiro. ______
Especial idade
Vinho particular, puro e ge-
nuine
Aeaba de chegar ao mercado alguns barris dp
vinho do Alto Douro, especial e UBicamente pre
parado do extracto da uva e isento de qualquer
confesjao, sendo muito mais brando que o da Fl
gueira, o qua agraaa ao paladar e preferivel a fodos os on-
tros vinho? de pasto.
Acha-se a venda nos armazens de JoSo Jose" Ro-
drigues Mender Souza Pasto $ C. e Fernandas da
Cosu & C.
Aproveitem
0 PARIS N'AMEBCA, a rua Duque de Caxias
n. 59, primeiro andar, esta vendendo calcado-pelos
segninf s precos:
Botinas do duraque para senbora a3.50Dreis.
Ditas de dito proto a 4,000 r&s.
Ditas de dito com bdtCes ao lado, a 4,000 re"is.
Ditas gas'peadas, cano alto, para senbora,'a
5,000 r6 3
Ditas de pellica, ingleca, a 4,000 reis.
Ditas de duraque bordado, para senhora, a
5,000 re^is. ^m
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 35.
Em quanto 6 tempo i
aproveitem.
BacMlliao de iNoruega.
Acaba de chegar um pequeno lote de eaixaf
desle desejad-i bicalhao : no caes da alfa&dpga.
arma>era de Tas Vendem se dous silios na Ponte de Uchoa. que
foram do Qnado Joao Carroll: a tratar n'um dos
mesmos sitios n. 10, ou na rua do VigariD n. 19,
1* andar, successors de Thoroaz de Aquino.
Salsa-parrilba do Pard
Tem para vender Antonio Luiz de Oiiveira Aze-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus nu-
mero 57.
Attendam k Nova Eepe-
rajicja
a rua Duque de Caxias n. 63, que alc-m do bom
sortimento. que ja tinha de artigos de moda e
phantasia, acaba de receber mais o seguinte :
Verdadeiro oleorthabo para a barba.
Brilhantina para os cabellos.
Boas uavalhas de puro aco.
Rnissimas tesijuras para unbas e costara.
Lan-'pa'rinas ecdhomicas.
Eitojos 'para'trttamento das unhas>.
Ahndorea'de hivas; osio!e madeira.
Lindos medal hoes de tnadreperola com caco-
leta.
Bons rentes de tartarnga,para regaco.
Sospenwrioi-de 'seda", aJgodSo;'"para caloa de
bomens e meninas.
Gominodas ligas jisas e seda para meias. ..
Toucas de cr.gclie't pay cnar/jas.
Bolsas1 pa^a'sialar-se.
Finas es'porijis fara baaUos.
Chocolate brasileiro
FA6R1CAD0 NO JfARA^HlO .
Das seguintes thdrcd's:
Flor de chocolate.
Chocolate de baunima.
Dito ds canelia.
Dita coramum, Cno.
Dito homeopathicb.
Dito do araruta.
Dito de musgo.
Dito c"e ferro.
Chocolate verraifugo.
Vendem pelo pre^o da fabrica, Joie Tavares
Carreiro 4 q, a rua Direita n. 14.
.Vende-se pee de sapo'tas de optima quaiidade
narua doH:spiclon:7iJ.'
EM
liquidagao
E para acaliar
\a rua do Qucliinailo n
Junto a loja da Magnolia.
' pcchinclia !
Cortes de organdis de listras, proprios para ves-
tidos, a 2*.
Pe.as de cambraia transparente. fina, a 3*.
Dita de dita Upada a 35 e 35500.
Grande sortimento de lazinhas padroes modernos
a HO rs. o covado.
Metins de co:es a 280 rs. o covado.
Cbitas de cores a 2i0 e 280 rs. o covado.
Madapolao com toque a 3*',00 e 45 a peca.
Dito francez fino, com 20 varas. a 55 a peca.
Biiia.pardo tran;ado a 320 e 400 rs. o covado.
Brim de linho alcochoado fiuo a 2/500 a vara.
La com listras de seda a 400 rs. o covado.
Chegueiu no barateiro da rua
Jo 4|ucimmlo u 43.
E'BOM SABEK-SE
Que a NOVA ESPERA.NQ.A, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
seus artigo3 de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de mer adorias de sua
reparti'.'S-), que pela eleganci I bem moslra aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondents da
Eoropa, e por etta razao a NQV'A ESPERANgA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e conslante freguezia e com especialidade ao sexo
ama-vel, a visitarera na, aOm de apreciarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERA.NQA nao quer eotrar no nu-
mero dos massanles (verdadeiros azucrins) com
extensos annuncios e nem pretende descrever a
immensidade de objectos que tem expostos a ven-
da, o queseria quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alia novidade
e totna a liber;ade de aconselhar ao bello sexo,
que a ftHfem cunstantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parts cao se arre-
penderem, a visia do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completer a elegancia de seu toilet
sem que de um passeio a NOVA ESPERANt^A, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguinl.s artigos de iuxo e inteira novida-
de :
Modernas settas para premier os cabellos
Primorosos leques ie phantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras e meni-
nas.
Inleressantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aaetegos pretos de puialo e borracba
(gosto novo).
A 1^ cada um.
Chapeos de palha a imita^ao de Chile. Em por-
cao se faz difference cm preco : na rua do Barao
da Victoria n. 44.
Para senhoras.
E' ChGgado o mais Undo e variado sortimento
de chapeos e chapelinas de palba o seda, tanto
pretas como de cores, sendo o que pode haver de
mais elegante.
Quern desejar ve las dirija-se 4 rua de Barao
da Victoria n. 44.
(iuilhormc k C.
0 antigo barateiro continiia a vender ;.,: .. .
do que outro qualquer, com a fMLqu :i
ceridade )a conhecida.
Las de cores a 2t0 e 240 rs. o covado.
Las pretas superior, a 360 rs. o confer
L5 e seda, fazenda de I$iU) pi.r WO rs. i -o-
vado.
Chitas de cort-s a 240 e 280 rs o covado.
Metins de cores a 280 rs. o covado.
Cretones de padrOet lindos e modernM a
440 rs. o covado
Baptistas de lindos padroes a 400 rs o co\
Cambraias de core; iniudas e graudaa a 28*
covado.
Dilas pretas com (lores a 200 rs. o cmad i.
Canjbraias brancs, Lu'd mais flna que tem vindo ao mccado, e >...
de 2*000 o metro, por liOOO a var.. .
cbincha.
I Cambraia transparente. tiua, a 35 a I
Dita Victoria, l.na, a 3*50 a peca.
Algodao trancado, alvo, a 440 r?\ a vara.
Brim branco deiir.h'. a l400 var;:.
Ditos de cures de liobo Ado .' Madapolao francez verJudciro, 24 jardas, a >} <
7* a peca.
Algodao T, largo t superior, a 3* a pec,a
j Gorgorlo preto de seda para vestUc para c ....."
a 35 o cevado
I Toalhas grande* a 4*300 a dazia.
Colchas gran.ii.'.- a 3* uma.
Lencoes de bramante a 25 um.
Cobertas de ganga, furradas, a ?* e 35.
Lencos de linho, abanhados e em cai'.in
35500 a duzia.
Ditos de Cures a 3*500 a duzia
E ouiros muitos artigos por precos baratiasiaMS.
So na rua do Crespo n. 20, loja das 3 ports*. Uio
se amostras.
VENDE-SE
a armacSo com caixilhus, inarni.-au.'., da I ja *
rua Direita n. 83, por metade de >eu nJor a Cal-
larnas Ciueo Pontas n. 31.
Oiiadrilhas.
A' rua do Barao
dro Em bo Robert",
drilhas para piano.
da Victoria n 1". ;> de Pe
eslio a vmil.i tn Itolat qna-
a 1*000 eada'exempUr.
A. loja das 6 portas
ContinUa a ter um complelo MMllaK
zendas, que pela qua'idade e prec i paieri imp -
sivel, nm complelo sortimento de !iiia,
280, 300 e 320 rs. o covado, granaJina? u. ,.
200 rs. o covado, dilas com li*tr; = e palminbas
240 rs. o covado, chiia paracobriI; tlO :
covado, chapeos de sol de soda c. -i dua> at
?oes a 8*000, ditos de seJa para eal-:, h.
muito Una, de 12*(n)0 por 7*000, bbdMl
tre-meios bordados, com diversas M,ia 400
peca, redes de fio marahiba muito proprias para
sitio, pelo diminulo pre^o de 33000, ra: '
cores miudinhas a 240 ra. o covado ; L-.
portas em freule do Livramento.
Nao iiiltarao ilores
A NOVA ESPER.ANCA tern em seu jardim as
mais vicosas e lindas fluie- desde o mais singelo
botao de rosa ale o mais elegaate ramo de flor de
Farangeira.
Velas de eera
A aeredrtada fabrica de velas de cera >Ja ma do
Bom Jesus, outr'ora da Cruz n. 60, para commp-
didade deseus freguezes, acaba de abrir uma
outra na rua do Bario dsr Victoria n. 63, aonde
achario um completo sortimento de todos os ob-
jectos tendentes a esta ar'.e, todo do melhor gosto
e quaiidade, e por precos commodoa.__________'
E bonito
As almofadas bordadas de la matisadas que re-
cebeu a \'ovo Esperanca, a rua Duque de
Caxias n. 63.
Espelhos.
Amaral, Nubuco & C, vendem ci
quadrados e redondos, proprios para aala, |ou
tos e toillete, toucadores de.columna e con gaveta,
com moldura donrada, de jacarau la e d' metal ;
nr Bazar Victoria, a rua do B.iiao da Vic
n. 3.
AON. 9
No progresso do paleo do Crnio, vende-f--
manteiga'tlor a 1*200 a libra, ftCUM a 800 rs
a libta, bem c->mo torn um completo snrtiMMo
de molhados, para qualquer chef.- de Lmilia fa-
zer sua despensa que encontrara pi e n:ais con:-
modo do que em outra qualquer p.irie.
Sedinhas d 1^500 o covado.
Veuham antes que se acaheni: a* ii-Ja ia Paaao
a ua 1.* de Marco n. 7 A.
cigarreiros
Aos
A NOVA ESPERANCA vende papi:
proprio para cigarros, de diversas larc
de
s.
our..
Manuaes para rais>as
de muitas qaalidades e precos, rece'eu-i"s a NOVA
ESPERANCA, a rua Duque de Caxias r 63.
AlleMfSo.
Vende-se o estabelecimento silo a rua de Vidai
de Negreiros, oufr'ora Cmco Punta- n. i i 8, de uc-
cordo com os.creMores do Sr. Joao da S-iiva San-
tos ; a saber uma f*macIo nova, de amsrello.
envidravad eom iodas as suas pert, ncss, pesos e
medidas, com poucos fundos a voul:.Je da pesioa
que qaizer estabelecer se em ura bom local, ja pe-
la casa ser mito afreguezada, e atfin do que >;-
copa o estabelecimento tern commndo para fami-
lia : a tratar na mesma que achsrio coul quern
faser pegpeio. ..
Eswo.

Vende-se um mulato de 40 aanos de idade, tem
boa conducta, e carroceiro e apto para quaJqaer
service ; a nu do Hospido n. M,


8
Diwio do Pernambttoa Terga feira 28 de Julho de 18T4.
DIPLOMACY
Ministerie rlos cgtrangeiroa
CONGL1CTO AI.VKAR.
Officio do vice-consul do Brasil ao juts d?
Alvear.Vice-consulado d) Brasil. Alvear
junho, 19 de 1879.-Ao Sr. jiiiz pedaneo
de Alvear D. Joao Cyrilo Leiva. 0 abiixo
assignado teve conhecimento de que hontem
as 4 ou 5 boras da tarde, no porto de em-
barque deste porto foi atacido e feriJo p>r
ura corpo de individuos o Sp. Dr. Pamphi
lo Manoel Freire de Cirvaiho, pertence.ite
d armada imperial d;> Brasil, surta no por-
to da villa de Itaqui. Rogo a-i Sr. juiz se
digne fuformar-me, corn a bDvidado possi-
vel, do succosso, com as declaragoes devi-
das, para os lins a quo haja lugar. Deus
guajde ao Sr. juiz.-Santiago Barreiro,
vice-consul.
Officio do commandante da flotilha do-
iltn Uruguay, ao vice-cous-d do Brasil
Commando da divisao naval no Alto-Uru-
guay. Bordo da canhoneira a vapor Li'
mego, em Itaqui, 19 dejunho da 187V.
Illm. Sr. Tendo sido atacado por urn
grupo de assassinos, o primeiro cirurgiao
desta forga Dr. Pauphilo Manoel Freiro de
C. quando hoaiem embarcava' no porlo
de Ahcar para recolher-so ao seu nivio, f,r
zendo Ihe ferimentos e contusoes no rosto e
cebega, pouco faltando para o matarem, e
como e de suppflr quo timanho attentado
eSteja jd puniJopela autoriJade local, peco
*. S. qua me infurme com toda a urgencla
quaes as providencias que tom dado a esse
respeito, nao s6a citada autoridade, como
o viw-consuladoa seu cargo. Deus guar-
de a V. S.lilai. Sr. Sautiag> B.rr.iro,
tow consul jo Brasil no Alvear.-A\tomS-
lao Przewdowski, capitio-tenente comman-
dante.
Offi-io do vice-consul do Brasil do com-
inandante da /toMAYa.Vice-consulado do
Brasil. Alvear, 20 de junho de 1874.
Illm. Sr.Tenho a lionra de accuiar rece-
bido olfieio que teve a bam dirigir-me V.
S.. data lo de 1!) do corrente mez, versando
sobre o attentado commettidr. por um gru-
pc de assassinos contra a pessua do dignis-
suno primeiro cirurgiao da divisao naval
rente mez.Deus guardea T. S.Illm.Sr.
Santiago Barreiro, vice-consul do Brasil no
Xlve&r. Estanistdo Prezioodteski, capitao
tenente commandante.
Officio do vice-consul ao commandante da
colonia de S. Leopoldo, demora a antiga
fazonda do Padre-Eterno, hqje colonisida
por parti,>ulares, atsim como as terras, ou-
tr'ora devolutas, que lhe erara contiguasese
esten lorn A margem direita do rio doe Sinos,
flotilhaVice-consulado do Bras.l._Alve- em diieccao i Serra. E' uma regieodein-
ar *1 de junho del874.-Illm.-Sr.-R-.- crivel uberdade, mas moutanhosa e aiuda
cebi sua respeitavel nota com a presente data coberta de espessas mattas, cujas arvores
t.cando loteirado do seu cc-uteudo, inclusive secular.* servem de abrigo animaes faro-
copta do officio. para o juiz desta localida- zes, e sao aiod
de, o qua! foi entregue ds duas horas da tar- por errantes tribus de indigeoas. Ao norl
de, lendo-rae respondido verbalmente que das quit
annos em sua fortificagao, tern tornado uma
posigdo que, apezar de nSo ser inaccessivel,
custard muito sangue, conio o prova o prin-
Cipio, que trouxe a morte de 5 e graves fe-
rimentos a 34 soldados.
Por nao se saber hem a situagao da
quadrilha, as tropas adiantaram-se muito
em sua marcha, penetrando em u
Dando parto das providencias tomadas
contra os adeptos de Maurer, diz o Jornal
do Commercio, de PelOtas :
Fallemosem providencias : estas devem
apparecer rapidas e promptas, convindo que
as autoridadesde nossa cidade estejam preca-
vidas, pois consta-nos que um dos adeptos
de Maurer esteve nesta cidado e depois em
S. Lourengo, oude aliciou colon s,
que
que das quatro colonias, que demoram nos fun-
amai.ha lospondcna V. S. sobre seu con- dos do Campo-Bxn (que i uma das mais ri-
iu,." i x- r. ... casregiOjsdacoloniadeS.LeopoUo1.es-
Deu5 guarde a V. S.-Illm. Sr. Estanislao tio as terras do Sapirang., quoajivia a
irzewodowsk., d.gn.ss.mo chefe de divisfio fazenda do Padre-Etemo X
oa*idAl!p Uruguay -Santiago Barreiro, A paysagem que offerece A vista do via-
_map:ca-
da, on le i a rite foram cobertas de uma tre-
^.?2."r4? VZeS' 1visitadfsfe?nda cbuv de b..las, sera poJerem desco-|seg1Ji-am"com el'lfe para a capital, prova-
brirninguem 0 fogo fo. vivamente res- velmente para defenJerem aviJadjn.vo
ftoodedo, comtudo nao sesab
vice-consul
ninguem. 0 fogo foi vivamente res-|
Jrdo, comtudo nao sesaba se com al-
gum resultado, pois, como j,i dissemos, ndo
sodescobrio ninguem; os bandidos faziim-
nm -v jante a bella colonia do Padre-Eterno 6 das
Y''^'?.., }mt de ilvear a<> commandan- mais linlas e pacificas.
Alii, ondeoutr'ora
velho Leao (razio por
chamam o Padro-Eterno
le dj flotilha. Juizado pedaneo da sec^ao fOra a fazenda do
de Alvear, 22 do junho de 1874. que os allemaes .
ao sr. capitlo-tenont8 commandante da ain'a hoj-j Leonerhoh, com. jeus extensos
amsao naval do Alt) Uruguay. D. Estanis- cannaviaei. tixistem hoje BO Ou mais habi-
lao irzewodowski -Accuso o recobim^nto tagOos de colonos, com suas grandes planta-
ua sua nota, datada de hontem. e cumpro cdes. lm.nensas searas estendem-se porto
com o dever de respondor. .dos os lados; verd.s potreiios, planladosdo
i a ex.0.rd|Of,fI|queixa-se V. S. de que gramma, fornecem pasto a bonito gado e
aft.de odia 18 do corrente ate hontem nao gordos cavallos ; braaeM casas destacara-se
dosseestojuizado providencias para infer- por toda a parte sobre verde' ranQte de
ar-se do. que oecorwra ontre os Srs. Drs. j relva e entre oudulanies pl.nta^oes. Mui-
lamphilo Manoel rre.re de Carvalho, Gui jtas casas de neg .cio dao prova do progresso
Tomo a libaf? do lugar e de sua grande producglo. E' um
do Berrati e Vicente Logato.
dads de observar a V. S. quediuejsjiclooiafcgre e boon disposto povo que alii se domi-
w 8 ^' 1V,GZ Pr e3lar mal inform^ ciiiou, procurando no diario cnbalno os re-
No dia 19 receb. uma nota do Sr. vice-loprsoada.v^a. Aos domingos raunia-se,
consul do impeno do Brasil. aqui residente, |na modeata jgreii do lugar, a popOlacao em
pedindo-me que o m for masse do facto e tr*jo3 domiugueiros, a render gracas ao
das suas circnmstancias, para os fins con-, Elerno por todos os beireficios, que torna-
Dr. Pamphilo Manoel Freire de Carvalho,
quando embarcava neste porto no dia 18
deste mez, para recolher se ao seu navio,
faeendo-lhe graves ferimentos e contusoes
no nsto e na cabec^ ; a respeito direi'a V.
S. que hontem ds 9 horas da manha officiei
d jiuton Jade local, pedindo me iaformasse
quaes as providenoias que tinha dado a es-
se respeito ; e, nao havendo recebido res-
pona ateessa bora, 10 da manha, commu-
nico V. S. para sua melhor intalligencia ;
neste momento dirijome ao juiz de paz do
departa-nento da Gruz, requerendo sua jus-
tic, ao que faco referencia. Deus guarde
a V. S.Illm. Sr. Kstanisldo Przewodowski
digmssimo chefe da divisda naval do Alto-
Uruguay. Santiago Barreiro, vice-con-
sul.
Officio do commandante da flotilha ao
juiz de Alvear. Commando da divisao na-
val do Alto-Uruguay.Bordo da canhouei-
ra a vapor Lamego, era Itaqui, 21 de ju-
nho do 187i.-Sr. juiz. No dia 18 do
corrente mez, o medico desta forca, primei-
ro ciBorgiaq, Dr. Pamphilo Manoel Freire
de Carvalho, revestido com sous uniformes
rail tares, foi atacado no porto de Alvear,
en tie 4 "> horas da tarde, por um grupo
de mdmduos armados, figurando d testa
Lin lo D.rrati e Vicente Logato. Sem ar-
mas para sua defeza nao foi possivel o Dr.
Pamphilo evitar os ferimentos e contusOes
que ihe fizeram os aggressores, e s6 a um
provirlei: ial milagre deve o ter consoguido
esea ir .oca vida e recolher-se a seu navio.
complttameate banbado em sangue.
!So 'iia li) ollif.iei ao vice-consulbrasiloiro
er^. Alvear, pedindo que me informasso com
toda t urgencia quaes as providencias que
linha tornado, nao s6 a autoridade local,
co > o vice-consulado a seu cargo; mandei
um ollicial tambem tomar algumas infor-
macOes no citado povoado : osse oflieial,
al5m de c i.Qrmar as uoticias que eu jd sa-
bia. disse mo rnais que falldra com o 8r.
juiz do lugar, e este dera razSo aos aggres-
sores.
Hontem '20, tive resposta do msu ofti-
cio ao vice-consul ; diz'a elle que havia
mais do 24 horas que offieiara ao Sr. juiz,
pedindo-lho informasso quaes as providen-
cias qu dera sobre o facto occorrilo, mis
lhe enviara a menor
que 0 Sr. juiz nao
resposta.
A' tarde de hontem esteve commigo o Sr.
vici-consnl, e declarou-me mais, ter pro-
cur.-d o Sr. juiz, antes de embarcar para
bordo e nao ter encontrado, dizendo-se-lhe
que sahira para sua chacara, e ignoravam
quando voltaria.
Cnsta a crer, Sr. juiz, que tudo o que ve-
nho' de expor se tenha dado em frento ao
povoado brari'.-iratie Daqui, em cujo porto
est&o aucprados t#'\"asos de guerra da mes-
rna na.;ao ; o ainda mais, que hontem d tar-
da, quTenta e oito horas depois de ter si-
do atacado o Dr. Pamphilo, os dous aggrres-
SOres cstivessem passeiando sobre a barran-
ca do porto de Alvear, ostentando a impu-
nidode que a autoridade argentina lhes ga-
rante para seus crimes. Ate" a bora em que
eserevo, 11 da manha, nao me consta que
tenha sido tomada a menor providencia so-
bre esse grave acentecimento. Iiludia se
certamente o Sr. juiz, julgando que a forga
hriiileiracstacionada no Alto-Uruguay, veio
:, ;ta fronteira fazer o ridiculo papel de
moda espectadora dos insultos feitos aos
brasileiros. A' vista da grave offensa, da
ne I'luma consideracjao e respeito que aca-
bam de dar se, com a tentativa de assassina-
te, ferimentos e contusOes que soffreu o Dr.
Pamphilo no porto de Alvear, sem que a au-
toridade argentina de a menor providencia,
vc-nliJ roclamar do Sr. juiz que me sejam
eutrogues sem perda de tempo, a bordo
desta c nhoneira, os dous principaes crimi-
nosos C.uido Berati e Vicente Logato. Para
ev.tar iautois delongas, declaro ao Sr. juiz
que amanhd, 22 do corrente mez, ao meio
dia, nan tendj sido entregues os citados cri-
nioosos, a forca do meu commando repellird
nelos meios de que dispOe tao inqualificavel
insulto atirado i soberania e digoidade do
Brasil. .-Deus guarde a V. S.Sr. Jo8o Cy-
rillo Leiva, juiz de Alvear.Eslamsldo Pr-
seioodjwski, capitao-tenente commandante.
Officio do commandante da flotilha do
vix-consul do Brasil.Commando da divi-
sao naval do Alto-Uruguay, bordo da ca-
nhoeira a vapor Lamego.Itaqui, 21 de
j unbo de 1874.Illm. Sr.Para sciencia
de V. S., remetto-lhe a inclusa cOpia do
meu officio ao juiz de Alvear, relativamente
ao grave acontecimento do dia 18 do cor
vementes. Immediatamenle fiz vir d minba
presenca os Srs. Berrati e Logato, e os in-
terroguei, bem como ds testemunbas presen-
ciaes. I'm esquecimento, ou antes um des-
cuido do escrevente do juizado, fee com que
eu ndo r*pondesse ao Sr. vice-consul senao
hoje.
Era-me impossivel tomar outra delibera-
tfo em rela^ao ao oceorrido, visto que, nfio
se tendo apresentado a parle que se dissera
molestada e d vista dos depoimentos das
testemunbas, eu nao po iia prooeder de ou-
tro modo.
Agora diz-me V. 9. quo os suppostos crimi-
nosos estflo i.npunes.
Para estabelecer a criminalidade no grdo
indicado pelo Sr. corumwndente, dnecessario
e imprescindivel que este juizado amplie a
autoacdo, forme um surnmario eoe osob-
metta d autoridade superior, de- accor-
do com as leis vigentes- ncsta pr&vmcia
de Corrientes e em tod* a Repubtica Ar-
gentina. Como, porem, o facto teve- fegaa
neste territorio e oste juizado- ndo possue
outros dados, alom dos quo- eonstam por in-
formacoes, espero que V. S: se sirvir* reli-
rar o seu ultimatum, porque sdmente os
grandes crimioosos e individhos perigosos
para a sociedade podem ser extraditedos,
quando se de a fuga do- delinquente-para
paiz estrangeiro e isto, tondo-s previamen-
te preenchido as formalidades prescriptase
g rantidas pela ttdos tratados- direite-das
gentes.
Alem destas explicar;0es, enja exacfiidlo
o Sr. commandante apreciard- devidamente,
accresse tambem a carcumstancia de quo es-
te juizado e apenas um autiliar, que nio
p6 Je resolver por si oma questao d qua I o
Sr. commmaudante dd urn oaracter injema-
cional. Deus guards a V. S-. muitos annos.
JuanC. Leiva.
Officio do commindanie- da flotilha ao
juiz de Aloiar.-mCommando da divisao na-
val do Alto-Uruguay bordo da conhoneira a
vapor Lamego, em,'Itaqui;. 22'de junho de
1874.Sr. juiz.i .' vista da representa$ao
auoacaba de fazer- me o corpo do commer-
cio do Alvear e, considenando que grande
oumero de familias ndo deve estir sujeito
ao resultado de car irichos infundados doSr.
juiz, movidos por individuos que, sem oc-
cupacio talvcz em seu paiz, vem perturbar
o socego de povoj goes pacificas e laborio-
sas, e especialmer ite a harmonia existente
entre nacoes amig as ; considerando que com
a pequena demor istracao feita hoje pela for-
(ja do meu comru ando fica lavrado um so-
lemne protesto ao insuito atirado ao meu
paiz, declaro ao Sr. juiz que ficam suspen-
sasasordens da das d t'orga naval em rela-
qko ao attentado contra o Dr. Pamphilo, ate
que as autorir lades suporiores, a quem ja
dei conhecinw nto do oceorrido, mo orde-
nem o contrario. Deus guardc-a V. S,
Illm. Sr. D. Joao Cyrillo Leiva, juiz peda-
neo do Alvear.Estanislao Pnzeivodoicski,
capitSo-tenente commandante.
Officio do juiz de Alvar ao comman-
dante da flotilha. Juizada pedaneo, Al-
vear, 23 de juoho de 1874___Ao Sr. com-
mandante da divisao naval do imperio do
Brasil no Alto Uruguay, capitao-touentc D.
Estanisldo Praewodowski.
Cumpro o dever de accusar o recebi-
monto danota do Sr. commandante, datada
de hontem, communicaodo-me que resol-
vera suspender as ordens dad;s d iov.a na-
val do seu commando, ate receber instruc-
gdes de seus superiores, a quem deu conta do
oceorrido. Em resposta tenho a declarer
ao Sr. commandante, que levei ao conheci-
mento do meu governo a sua supracitada
nota, bem como o que hontem occorreu e
o que anteriormente se passou. Deus guarde
ao Sr. commandante muitos annos.Jean
C. Leiva.
( Seguem-se as notas trooadas entre o Sr.
Barao de Araguaya, nosso rainistro pleui-
potenoiario e o Sr. Dr. D. Carlos Tejedor,
ministro das relates exteriores da republi-
ca, as quaes jd foram publicadas na nossa
correspondence de Buenos-Ayres inserta no
Jornal de 15 corrente,)
vam livre e descuidosi a sua existencia ; e &
noite, nas casas denegocio*, moviam-so ale-
gres pares nas evolugoes 6a danga, ao som
da musica.
E 6 nesse lugar que, na noite de 25 do
passado, uma borda de selvogens fanaticos
semeou a desolagao, assassinou homens,
mulheres e crianr;as, e ateou as ehammas
do inceodio nas habitagoes de laboriosos
colonos.
A noToeste da fazenda esteudenv-se as
terras do Sapyranga com1 suas extensa'*- mat-
tas ; a leste divisa-se negra linha das-mat-
tas- marginaes do rio Smos (Itapnby), e ao
norte, finafnvente, eleva ao azulado civ o
seu negro cimo, o grande morro do Ferra-
brat, que se encosta direetamente ao matto
virgem, que com extensos- pinhees vai do1
Mundo-Novo atd Nova Metropolis- a os can>-
pos deCima da Serra, porque as terras de-
matto ao ndrte' do Ferrabraz, destinadas
pela commissdo especial do governo-para in-
tegragues-dos prazos colonnes de eertas li-
nhas prejjjdicadas ne med^do, coutinuam
ainda ineulkas, por ser a sua situacao mui
solitaria e exposta aos-ataques-dos bugres.
* Confessamos que quando em< 1969- es-
tivemos a primeira vxn no Padre-Etemo,
causou-nos-uma espaete de confrangknento
de coracao- aquella negra massa montanhosa
e coberta de espessas- mattas, que tio singu-
larmente costrastav* com as densamente po-
roadas a bem cultivadas terras da antiga-fa-
zenda do finado Eeao. Naoe que-se li-
gassem logabres tradi^pes ao- lugar; muito
pel&ontrario, nio tinha o Ferrabraz ainda
historia suar aopasso> que na hoje taoiiegre
fazooda do Padre-Eterno, naostrava-se ao
visitante ocemiterio emque repousavana os
restos mortaes da grande escravatora de
Lea; que era uma noite foi sorprendida
pelos indigensas, e toda ella massacrada.
t Cincoeata annoo-depois davia reprodu-
zir-se no mesmo lugar outra carnifieina,
muito mais cruel e revestida de circumstan-
cias mui diversas...
Naquel-la occasiao, porem, nada sabia-
mos da trista sorte queaguardava tdo paci-
fies e laborinsa populagdo. 0 que nos im-
pressiondra na occasiao era somente o con-
treste daquetla negra montanba, coberta de
soaulares e inaccessiveis mattas, como ale-
gra valle ds Padre-Eterno.
E razio tivemos para coutemplar aquel-
la medonha montanha, com seus ndo menos
salvagens a-rrabaldes, com um certo terror.
Era aili o covil era que entao se pre-
parava a horrivel tragedia,. que d'ahi a an-
nos devia fazer estremecer de horror a pro-
vincia, reproduztndo as scenas da media
idado e dando Lugubre nomeada ao morro
do Ferrabraz e suas adjacencias.
Recostado sobre a matta virgem qua
VARIEDADE
cobre as fraldas da Sorra-Gera-1, desde as
nascentes do Jacuhy ate os campos de S.
Francisco de Paula, d o Ferrabraz o maior
morro daquelLa regiao, e esta. como quo pre-
parado pela propria natureza para servir de
covil a bandidos e salteadozes.
i< Ha apenas duas picadas que ddo acces-
so ds immodiagOes do morro, onde deiaora a
casa de Maurer, que fiaiest* nomeada ad-
quirio, e onde furaega hoje o sangue de 40
bravos, quojogaram a vida na defeza dos
colonos do Padre-Eterno e Campo-Bom.
Uma das picadas e por onde penetrou
a forga ; a outra, affirmara-nos, conduz
por detraz da casa do Maurer ao matto da
Serra.
A sudoeste fica a linha do Ve,rao ; a
oeste a linha Grande, com seus resolutos
habitantes ; a leste a chamada linha da Bi-
ca, a qual ndo saberaos se 6 babitada ; a
nordeste finalmente acham-se o travessio e
a linha do Herval, que entestam com a
parte superior da linha dos Dous IrmSos e
findam com a matta virgem. Ha diversas
estradas que conduzem ao Padre-Eterno.
a A mais frequentada deltas e a da Pie-
dade, que, atravessando o Campo-Bom, vai
ter d antiga fazenda ; outras estradas esta-
helecera communicac&o entre esta e a linha
dos Dous Irraaos, que por sua vez comma-
nica com Nova Petropolis, linha do Cafe,
Quarenta e Oito e Bom-Jardim.
a 0 porto da colonia do Padre-Eterno e o
Sasso da Cruz, no rio dos Sinos, nas imrae-
iag6e5 do qual demoram as terras (particu-
lares) de Jodo Sehn, um dos mais fanaticos
adeptos de Maurer e autor da tentativa de
morte ha mezes feita na pessoa do inspec-
tor de quarteirao Jacob Leon.
Jodo Sebn construio uma grande casa
de sobrado.'ie pedra da rocha, cujas enlra-
Sectarios de Maurer.
As folbas do Rio-Grande, trazem rainu-
ciosas iuformacdes sobre os graves attenta-
dos ultimamente praticados na colonia de S.
Leopoldo.
Para melhor comprebensao dos factos, co-
mec,amos transcrevendo o seguinte artigo do das sao bem resguardadas, formando ella o
Rio-Grandense: I extremo ponto estrategico dos insurgentes,
ds espantosos crimes de uma malta de para o sul.
fanaticos c malfeitores, que ultimamente tem 0 passo da Cruz e* importaute para- as
causado assombro e espanto d populacio da oporagOes contra os sediciosos, porque ate
provincia, e causa-los-hfio tambem em todo.alli podem subir pequenos vapores de S.
o mundo civilisado, onde repercutird a tris Leopoldo e desembarcar tropas e artilharia
te fama desses vandalos, sao dignos de Este passo foi occupado pelas forgas do go
mais detida aprecia$4o, .porque a' historia
moderns ndo lerabra facto identico
Isolado como se achs o tacto in histo-
ria dos tempos modernos, e elle sera duvida
alguma diguo da mais pronunciada attengdo.'grande gravidade, e custa-nos a
a Vejamos em primeiro logar o tbeatro isto se acabe em breve,
dos successes i a Idste -da capella da Pieda-j < Tpmos de nos haver com uma quadri-
dc e da Linha Grande [Dous Irmdos), na ex- lha ben* organisada, a qual, trabalhando
verno e e a chave da posigao.
Passemos agora aos attentados.
Refere o Bole :
As noticias do tlieatro da guerra sio de
crer que
sp itetar'por um'assobio ao que scgu
uma descarga. Uma das pegas -arrcbentou
depois de puueos tiros, ferindo"alguns ca-
vallos que tinham sido emprostad js por ha-
bitantes desta cidade. A forga militar, em
vista dist), retirou-se para Campo-Bom,
onde espera mais reforgos.
t Alguns dos membros da quadrilha
t^m sido apanhados, uns com as armas na
ndo, otitros em suas casas. Entre elles
acbain-so algumas mulheres, quo mane-
javam a arma tdo bem como os homens,
eque mesmo.depois de presss cornbitiam.
Pela madrugada do domingo houve
um encontro entre um bando da gente de
Maurer ;e uma guarda postada n'uma
pont, na picada Hortencb. A guarda
compuiiha-9e de hibilautesdo mesmo lugar,
resultai/lo d>> combate uma morte de cada
lad>. 0. faciuoras depois dist) embren'ia-
ram-se no malo, nao sondo possivel perse-
glif-os
A,quadri ha naj estd toda unida, ou
posaue caminbos e meios para em caso de
necessidade reunir-se ; sua forga oo ferra-
braz naporta em 6P a 80 homens. Alem
desta forga, grupos defies infestam a colonia
em toda* as direcgo^s, entregando as eham-
mas tudoo que encoDtram.
Dous lndilos, raoradores em Eambur-
ger-Berg, entregara-ra-se, porque recusando
enmprir q mandado de Maurerincen-
djrer llamburger-Bei-gjpreferiram ficar
prisioneiros a- morrer.
A quadrilha jdjureu incendiar tambem
nossa cidade, e e preoiso- por isso rauita
cauteia I Porem ainda nio lhes foi Koito
a exeaugao do attentado; pois todos est&o
em armas e o servigo fja<-sfl com a maior
regulrriJade. Seas cousae-durarem muito,
em breve o commercio e os- negocios fica-
rao interceptadoe-, e teremos de lutar corn
as privagoes.
Mme: Hoffioeister morreu'de aeus feri-
mentos e foi enterrada domingo. Seu as-
sassino e- um mafvado quo ella earregou
muitas vezes-aos bracos quando criaf^a 1
Anora dessa velha, a joven esposa de
KhristmaiKi-, que trazia nos- bragos duas
criangas, ao passo quo entre lagrimas pedia
qoe lhe poupassem vida e a de seus6lhos,
um dos monstros, o mesmo Pedro Barth,
ao'principio'briucaiKJo com a pistola-e de-
pots desorevendo com-ella ura circulo,. dis-
p*rou-a, i::do a bala- varar a int'eliz t
Nao sstisfeito cob* isso, o cruel assassi-
ncdispara ainda dous- tiros, qu:e foram'ferir
as pobres eriancas, uaaa no peito e outra no
brjgo esquerdo!
Um poaeo mais :t interior do Campo-
Bom, e pela-mesma bora, foi atacado por
uma malta desses raalleitores o caottao
Dreyer (beia> conhecidu pelos servigos-que
prestou na guerra contra o Paraguay}^que,
refugiando-se para traz de uma grossa ar-
voia, se resgnardou por leago tempo dos
ataqaes de seus aggressores, logrando es-
ea per se, recebendo apenas am bago de
churabo na testa.
Dreyer declaroa que coaW> fadas o
individuos de quo se- opmpuah* a malta de
seus persegnidores.
Mais alem, no. Sapyranga, e ainda d
masma hora, incendiaram (consta que com
foguetes a Qongrev*. que Gouduzem. com-
sigo), a casa do negoeiaitte Jacob Schmitt ;
este, no moment) que abria a porta, rece-
beu tres tiros mortaes.
A mulher e tres filuos pequenos de
Schmitt fugiram d'entre- as ehammas para
um capao e conseguiram salvar-se em casa
de Henrique Schmitt, irmao da victima.
Hoje, pela mjuha, encontrou-se ojinfe-
liz Jacob Schmitt, ainda.com a'gui'.isignaes
de vida,. estendido sobre a soleira de sua
casa. Poucos moraenlos ^depois falleceu
elle em uma casa proxima, para onde fora
conduzido.
Um pouco mais adiante do- tbeatro des
prophota.
Aueroscenta a mosma em data de I
Na noite de ante hontem tentaraiu in-
cendiar a casa de negocio da rua dos An-
dradas, esquina da praga da Alfandegi, ia-
troddzindo por baixo da porta uma massa
de enxofre e outras malarias inflammaveis.
A poder de muitos esforgo pdde o dono
da casa conseguir imptdir o deseavolvi-
mento do fogo.
Consta-nos que o m:smo facto se deu
em outros lugares da cidado, e que hontem
foi preso um iudividuo, que confessou ser
autor do crime e ter muitos complices com
ointento de iocenliarem outras casai.
0 Sr. dolegado Bormann. ao.ter co-
nbecimento daquella occurrcncia, provideu-
ciou convenientemente.
Fdra damiUido o subdelegado do l.djs-
tricto da cidade de S. Leopoldo, Francisco
Keliniz. sondo nomeado era- seu lugir o 1."
supplento, Antonio Guuther Hnhnfleisch.
ASSEMBLEA GEBAL
9EHAD0.
DISCVKSO PR0WJ;*CUDO SO ULTIlfO' MA DA
DtSCUSSAO DA RESPOSTA A K*LLA DO
TllftO.NO.
(Contiitoa^ao)
0 Sp. Mt.NDE* de Al-wbioa I Referiia'-se a
irmandades, que nao eram ecclesiastieasv
0 SR. VlSCONDC DE SOVZA FllAiNCO-r^-E
eu digo qwe o que fez foi' sujeitar touasas
irmandades e conLVarias em tudo ds aatori-
dadesjudieiarias e admiimtrativas, deisaii-
do ao bispo a- unic* autoris-igao de appro-
ver os estatPtos na pane religaosa.
Basta ler a lei para reconbecer que a au-
torisagdo para funccionaremreife5ao desaus
officiaes, administragao de seus- bens, tudo-
(icon sob a fescalisagdc do poder administra-
tivo e judicbrio, como depois esplisoo o-l
decreto das correcgoes (2: de outubro de
1B54).
0' nobro senaioi, interrompendo-mev
cortoo'O fio & minba dernonstra^So.
i O'bispo do Bard ousorrestrragir a liber- jjprestado aoponaifice roraano nio "os dispen-
'dade da imprensa, prohibindo a publicagaojseva daobediencia constltuigdo egoarerno
nio tuveis de exercer vossas ordens senio
por tres mezes, por seis, por um anno, de
sorte que a ordem que impri.ne caracter,
que poo o sacardote igual ao bispo, fica sus-
pense interrompida, nio querendo elles
ver que assim desacreditam o caracter sacer-
dotal.
A razao, porem, que os levou a essas
praticas abusivas e apoderar-se corapleta-
mente do clero, de forma a fazer seu inslru-
raento na invasio do poder temporal. \
poiados).
0 nobre senador disse : Tanlo isso nio
e exacto que, se os bispos quizessem cbamar
a si 0 clero, oXratariam antes com brandu-
ra. > Abi e ^ue esti o si-gredo. Elles
querom o poder de lhe fazer o mal, e tendo
o de lhe fazer o bem, julgam-se mais aegu-
ros com a esperauga dos favores ou com o
receio do abandono ou dos interdictoe do
que com a gralidao. Os bispos, que assim
procedem, sabem |ui sxueriencia propria a
fraqueza do sentiments da gratidio.
Em Pernambuco dou se este facto escau-
daloso. Quando o prtsiJenle da provincia
consultou os paroclus sibre o procedimento
quo leriara, o declararam quasi tolos iraine-
diatamente que obedeceriam ao bispo, u
houve que peJio. tempo para pensar : tanlc
bastou para que fosse iogo suapenso I
0 Sk. Silveika Loan :-Conao sabe que
foi por isso, se foi ct-infurmala conscien-
lia .' E' temeridade.
0 Sr. VitcoNDE de Set'za k.wa>:~- So
porque pedio tempo |i*r pensarr para for-
mar juizo seguro, para obrar com reflexio,
foi logo suspeneo. Excmplo a to Jbs que,
quando o bispo diz sim, ousem jwaser em
dizer nao. Devem recouhocer-se cosao ma-
chiuas automaticaa erante o bispo eebede-
cer-llies sem pensar no que fazem.
U Sh. Silveira Lovo :Neimum general
dissolve as Qleiras para dar batalba
0 Sr. Visconde cgSovza Frwco : -R" e
que estoo dizendo; elles udo entendera que
assim desbastam as suas fileiras e teem cui-
dado em- as ndo desbasUr, porque jd-come-
garam a bolalha contra a soberaaia da na-
gao e seu gsverno.
Tratei de alguns de seus actos, que me-
lhor poderia enumerar,. se nio fossera as in
torrupgies-;. aamos ver as suas ptiavras.
Quaes- teen sido as palavras e escnptos do
episcoa>ado ?' Obedecer pnmoiro a Deus e
depois aos hoaaens, isto j, desobe'ecer ao
goveniOj contra o sou jpramento, porque
os bispos sabiata que pelaa leis do paiz pas-
se vam a- ser funccionarios-publicos ; sabiam
'qua lhes eradeterrainado- qae o jurameato
-
de certos jornaes. Dirao que elle nao o fez,
porque so prokibio a leitura. Bfasprohibir
dp-ler e prohibir a communicagae do pensa-
raentoeea communica^aodo pensameuto,
a-qual eonsiste na publica^io en* leitura.
que a eonstituigao garante.
Uma eousa esta tao ligada com a outra,
qaaprohibir quo se leia-,.e probibir qua sa
pubbqaa, e prc-hibir a co-minunicagao do
pensamento pela imprenea.
0Sk ViEiRAjAvSiLVA.rFoi imitagao do
que se fez na Belgica. Nem ao rnanos tem
o direito da inveafio.
0Sa. Viscoriae- de Secza Frasco: Ja
que o nobre senador me falla da Belgica.
do seu paiz. Elles o sabiam e neir. todos
cumprom ; e teve algum-ou alguns odes-
embarago de dizer: Jure* com reserva
mental-. ? Quat e o homem que se iulga
babilitsdo para perjurar dizenJo -. jurei a
Pedro quo faria isto e quando o estiva ju-
rando ou promettendo, eu djzia ao raeu-co-
ragao :: qua ndo oumpriria o lodo ou parte
do juramento? Um particular ficaria-des-
honraiio (Apoiados).
0 Sa. MENDcaaE Almeidp:Ondadis-
seram isto T
Um i*. Senador :Em oftcio ao miais-
tro do imperio.
0 S;. Viscox&K de Souza Fra.nco:Es-
leinbrarei o qua se ten: passado naquelle,; tao faiendo mais-do que isto; o bisp do
paiz.. Tambeiana Baigtca se coraegou po pard, sujeito a julgamento por desobedieacia
ta ultima sceaa do sangue, e-ainda pela
mesma hora, foi incendiada a. casa de ne-
gocio de Felippe Kleg ; poucos instantos
depois era ella apenas um raontdode cinafis.
F. Kleg e saa tamilia, que se salvaram fu-
gindo para o mato, chegaram esta manha a
S. Leopoldo, e relataraia-nos esta triste
occurrencia.
A casa de Henrique Schmitt, que Bib-
le nessas proximidades, foi tres vezes assal-
tada pelos assassinos, que nada consegui-
ram, visto terera sido todas as vezes recha-
gados por 18 homens bem armados que nol-
le se acham. Os boatos que sobre esta easa
circulam sdo falsos, gragas a Deus.
a Distante uma legua da casa de Schmitt,
a fralda dos morros e bem junto ao covil
destes monstros, achara-se duas casas de
irmdos de Maurer, que n3o o apoiam em
sua sangrenta senda, sendo muito provavel
que tambem fossem incendiadas. Sobre a
sorte destas duas familias nade se sabe por
ora.
Cre-se, e isto quasi com certeza, que
a casa de Ccelzer, situada junto ao Morro
Pellado, tambem deve estar redozida a
cinzas.
Em todas as'picadas os sinos tocam
constantemente rebate, e 4,000 homens das
colonies, estao dispostos a defender-se.
a Pela voz publics 6 apontado como
principal autor de todas essas barbaridades
o ex-pastor Klein, que ahi jd se acha preso.
Acham-se presos na cadeia de S. Leo-
poldo dous espides, e um deltas, que tem
cerca de 16 annos de i lade, declarou posi-
tivamente que ndo faria revelagio alguraa ;
que podiam fazer de seu corpo o que qui-
zessem, mas que o espirito voltaria d casa
de Jacobina Maurer. Esse belto rapagio
disse, na occasiio de ser preso, na casa de
Robins in, e d vista de duas meninas que
alii se acha vam, que era casado com uma
dellas sob palavra.
Chegaram d esta cidade, remettidas
pelo ebronel Genuino, a mulher e uma filha
de Klein.
Hontem de manhd chegaram tambem
doMuolo-Novo de Santa Maria, presos e
conduzidos por Jorge Wanlaner, Jacob Co-
ber e Pedro Hird, e do Morro Pellado, con-
duzidos pelo tenente Pedro de Vargas, Pe-
dro Conrat, Fado Schefiler e um filho deste
Todos esses individuos sdo pertehcen-
tes d seita de Maurer.
entender que se podia sop tatholito romano
e liberal:
O'Sa. SiLVtifcA Lofto.:.E ndo se p6de?
O-Sr. Viscokde de Souza Franoo :.Esteuj
entendido quo nao se pade ser Dhnntl
uioiUto, como o quer a attual curia roma-
ua, porque ella determina.no SbLSabus qua
o catholico-apostolico-romano dosobedega a
soberania nackmal, a-boraane os progresso*
do seculo e as liberdades modernas.
O-Sr. Silv1ra Load:.E' o decreto da
dissolugao do partido liberal neste paiz.
OSu. VttaORPE or, Souza la^Asco :O
nobre senador cntenie que e a decretagao
da. dissolugao do partido liberal. Eu digo
quo a minba convicuao- e outra; a minue
convicgao i que o> partidos se estao dissol-
vendo por si mesmo e se reconstruiudc com
vaDtagem. para o liberal.
Nao poiem ser liberaes aquelles qae__eiw
tendem que a primeira voz nos negocios- pu-
blicos nao e a da nacao; ndo podem ser
aquelles que com. o nome de liberaos mos-
tram-se retrogcados ou ulbamontanos. Os
que entendem que os brasileiros devem su-
jeitar-se em tudo a uma autoridade extern i
e reconbecer uessa autoridade o direito de
decidir sobre todos os nossos negocios pu-
blicos, cuja classificagao admittem que seja
ella quem o faga, ndo sao libe?aes. Assim.
iria ella classificando njgocios espirituaes os
que sao evidentemente temporaes, e neste
andar cbamaria tudo a si, convertendo o
Brasil em povo dependente.
Na Belgica estd hoje recoahecido que nin-
guem pdde ser catholicorapostolico-romano,
obedtente ao Vaticano e d infallibilidade do
pontifice, sem que abandone as ideas libe-
raas, a soberania da nagao e os progressos
raodernos, que estao condemnados pela cu-
ria romana.
As encyclicas de Pio IX e o Syllabus re-
pro vam os progressos raodernos, e nos eu-
viraos aqui mesmo que sdo invento infernal
as estradas de ferro, porque levara as ideas
impias aos extremos dos sor-.oes do nosso
paiz.
0 bispo do Pard comegpu por probibir a
publicagio de jornaes e passou-se depois a
embaragar os enterramentos. Nao consen-
tio o de Pernambuco que se enterrassi no
cemiterio o cadaver de uma pessoa, que ate
a hora da morte, se tiuha outras ideas, ndo
abjurdra o catholicismo. 0 corpo deAbreu
e Lima (o general das massas) liberal, ndo
pdde obler sepultura, e para que seus ossos
descangassem em paz foi preciso que em um
cemiterio protestante se lhe dessem repouso.
A caridade que lbes negarara os seus, live-
ram para com seu eadaver inoffensivos sec -
tarios de culto diverso I
Eu tive occasido de sustentar que nao ti-
nha havido motivos para essa descaridade,
que ndo so tinha seguido o processo orde-
nado pela igreja para se lhe negar sepultura
e que as praticas antigfs- estavam derogadas
pela lei do 1 de outubro de 1828, que tor-
nou -municipaes os cemiteri js. Nunca hou-
ve decisdo ate hoje quo eu saiba.
Passaram depois a nomear parochos pro-
visorios. E, cousa notavel I ao mesmo
tempo que 6 nas ordens sacerdotaes quo fir-
mam sua supremacia, ao mesmo tempo que
nos primeiros seculos da igreja o presbytero
era igual ao bispo, e em materia de ordens
sacras todos sdo iguaes, hoje essa mesma or-
dem sacerdotal ndo imprime mais caracter
por si mesma. Erabora a receba, ndo fica
o padre autorisado para exerce la ; estd de-
pen lento da vontade do bispo, que lhe diz :
d decica do poder judiciario, por nb**ar c
imped:*- efleito da aete""'"**80 do poder
executive e por .Joouaediencia as leis ecousli-
tuigao, aeaba depublicar pela imprensa uma
<>Uia, om que declara expressamente que
nao ha direito eonstituido 1 Todo o di-
reito i .mstituido, diz o bispo do Para, estd
sujeito ao direito divluo. A lei nio deve ser
obedecida, quando qualquer individuo en-
tsnder em sua consciencia que ella ofieude
a lei dlvina. Nao ha por consequencia
nem cJiislitiiigfto, ne n lei ifcbrigatoria no im-
perio do Brasil '
0 Sa. Mendes de Almeida:De certo.
0 Sa. Viscoxne de Socza Fra>co :<
bispo do Para absolve da obediencia dauto-
nda-1) a t ulos os in lividaos aconselha-os
a quo nao obedegam ds leis, qaando elle
bispo, que se diz interprete da lei divina,
d..'elara que tafelei e artigo da coustituigao e
contrario a lei de Deus. As leis do imperio
nao teem forga senao tanto quanto os bispos
qopiram. 0 quo tem valor e a hi divina...
0 Sr. ME.NaES de Almeida:Esta es-
cripto.
0 Sr. Visconde de Souza Faaaoa: ...
qual estes bispos entendem e ensTnam. 0
nobre senador diz em a parte que estt es
crip to ; eu respon lerei depois a este aparte
Ate hoje nos entendiamos que uma lei,
pelo facto de estar promulgada pelo po dec
competent,;, deve ser obedecida ; que sao
preferiveis leis iraperfeitas, d nenhuraa lei:
porque as leis quando defeiluosas, e muitas
o sao, porque o mundo marcha, a sciencia
se apvifeigoa, os conhecimentos se desenvol-
vem parte daquillo que paroce hoje ver-
dade, d'aqui a cem annos o nao sera. No
entretanto aquillo que existe decretido por
lei deve ser obedecida, porque o suppoe o
melhor o poder que dicta as leis.
Desde que o logislador enten Je que o que
decreta autorisado pela uagio e o que ooo-
vem aos interesses da mesma nagdo, o de-
creta In deve ser obedecido, mesmo porque
uma das fontes, em que o buscou o legisU-
dor, foi na natureza das cousas, na qual
Deus imprimio a lei divina, conhoci la me-
lhor, por lei natural, nome que o bispo do
Pard substituio para fazer crer, que hi uma
vontade de Deus revelada ou que todos os
dias se lhe revela e autorisa os bispos para
se opporam ds leis do estado. Se tal fosse
exacto, a soberania da nagao deixaria de
existir, (o que ndo pdde admittir quem seja
liberal) o papa e os bispos governariam o
Brasil e teriamos governo theocratico, go-
verno sacerdotal. E, pois, ate um crime
contra a constituigdo proclamar que nio ha
direito constituido obrigatorio.
0 Sr. Mendes de Almeida : Em face
das leis divinas, de certo.
0 Sr. Visconde de Souza Franco : -I
quem e o juiz do antagonismo entre a lei
do estado e a lei divina ? Quem o for sard
o primeiro poder, o unico poder do paiz :
e aiuda dizem que ndo pretendem governar,
elles que dizem que as leis nio teem forga
contra a sua vontade, que dio como lei di-
vina 1
Vamos d questio i o bispo do Pari, ape-
nas com a mudanga de um terrao, crea uma
tbeoria que nio e somente sua, mas que
teve a coragem de procl imar como ninguem
proclamou em circumstancias iguaes. N6s
sabiamos que as leis humanas devem-se
fundar nas leis naturaes, na natureza das
cousas.
[Continuar-se-hd].
NYP. 'JO D'AWO. RUA DUQUE L>E CAXia*
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFCSS9WK5_D7I34V INGEST_TIME 2014-05-19T18:33:15Z PACKAGE AA00011611_19348
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES