Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19347


This item is only available as the following downloads:


Full Text
!\i\0 L. KUHERO 168
>J
>l
'.
"
i,

A&

*.
,
(
\
PARA A CAPITAL B LUQ1RB \DK VlO PAGA PORTE.
.For tree mazes adiiutados...............* J 69000
for swaitx* idem......... ..... tagOOO
tforumanooioam................. %h9000
t^d4 nuraero arulso......i.......... 3320
-.
-.
SECTMA FEIRA 27 BE JBLBO MI 1874
PARA DB.1iTBKVRA M
tor tree mezes adiautados. ........
Por Mis ditot idem....... .
for Bota ditto idem..........
For am anno idem...........
1*11 A

PflOPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA ft FILHOS.
ts *r. Gerardo Antonio Ahead Filhoa.no Pari; Gon$alTe 4 Pinto, no Marlnhio; Joaqaim Jose" de Oliyeira d Filho, no Ceara*;
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na Vi
Antonio Ferreira de Agtiiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no PUar das
io de Lemus Braga, no Aracaty ; Joio Maria Julio Chaves, no Assd; Antonio Marques da Silva, Natal ; Jose* Justiao
Penha; Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Doraingos Jose* da Costa Braga, emBaxareth)
; Alves A C.na Bahii; e A. Xavier Leite d C. no Rio Janeiro-
1B5ISUCCAQ PDPULA8
MWmOs DE PHYSJCl
I.iiro primciro
CAPIFULO I
XOCuES PRRIJlilNABES
(Coulinuacao)
Es:ia forca atiraetiva, denominada atlraccuo mole-
cular, nao e a unica, porem, qua actaa nos ato-
raos moleeulas dos corpos, vi3to como umas e
oulras obedecem aiada a outra forca repulsiva que
tern 30' causa o calor E de feilo a expsriencia
most :a que, todas as xziei que se aquece um cor-
po, c seu volume augment!, o que iudica que as
resptdivas moleculas se aftstararn. e que pelo
.^ntrario, quando se oraafria, o volume diminue,
o que prova que as raoleculas se aproximaram
umas das outras.
Assim, pois, em resumo, todos os corpo? sio for-
madoa por partes extremaraenta pe.juenas, que
nio se tocam, mas que sao maniidas a distancias
innoitaraente nequenaa uraas das outras por effei-
to da accao combinada dos dous priucipios oppos-
tos um atraetivo o outro repulsivo.
Coaseguiotemente, tanto no mundo physico co
mo no moral, tant) na materia bruta como nos se-
res sensiveis, tudo se resume em attraccao e repul
sio, em aproximacao e afastamenlo, out sympathia
e anupathia. E nio e senio desses djus princi-
pios--attraccao e repulsao senopre em luta, ora
vencjdoros, ora venciJos, que resultam os tres es-
tados dos corpos do que vamos tratar.
Diversos estados dos corpos.Quando compara-
mos uos aos outros os diversos corpos que exis-
tem na natureza, observamos que elles apresen-
tam :araeteres taes qne nos permittem dividi-los
em tres classes beni oistinctas: em solidos, liqui-
dos a gazes.
Is Da-se o nome de solidos aos corpos que pos-
suem uma certa durezi e conservam por si mes-
mos a forma que Ibes e propria e natural ou que
Ihes ;oi dada pela arle. Neste caao estao as ma-
deiras, as pedras e os metaes, pelo menos nas con-
dicSes ordinarias de temperatura.
Nestes corpos a attracclo molecular e geral-
mente muito grande, e nio e outra a razao pela
qual 9elhes encontra resistencia quando queremos
dividi-los em partes^ou inodiQear-lhes asformas.
2. Da-se o nome de liquidos aos c.irposque nao
apresentam nenhuma dureza nero poasuem formas
proprias, mas que tomam a< fdnnas dos vasos em
que se conteem. T es sao a agua, o viuho, o oleo,
o Ifeile e outros semelhantes.
.\estes corpos a atiraccio molecular achi-se
sensivelmente em eqailibrio com a for^a repulsi-
va, o que e demonstrado, nao so pela facilidade
com que suas moleculas se movem umas sobre as
outras, mas tirabem pela pouca resistencia que
oppoem a itqgiersao de outros corpos.
3. Da se o nome de gazes oa de fluidos aeri-
formes, pela analogia jue teem eom o ar, aos cor-
pos extremamente subtis e loves, taes como o oxi-
genio, o hydrogen'o, o azdto, o aciJo carbjnico, o
* cbloro o outros. seuJj o ar em qu? vivemos uma
mistura de oxigenio e de azoto.
Salvo um pequeno numero de gar.es colo-idos,
todo: em geral sao invisiveis, razao porque um va-
so de vidro cheio de ar parece-njs estar vazio.
Nos gazes a for^-a repulsiva sobrepuja a atlrac-
^Jo molecular, de onde resufta que estes corpos
tendem sempre a augmeutar de volume, proprie-
daie deque tratarenns sob os nomes do forca
elattioa, leiuao e expansibilidade dot gazes.
Muitos corpos podein passar alt;rnativamente
por esses tres estados ; e neste caso se acha a
a^ua, que sob um frio intenso, e solida, na tern-
pera'aira ordiaariae liquida, e qnindo aqueci-
da, tran^foraia-ic em um fluid) aeriforme deno-
rciasio vapor, o qual e complelamente analogo ao3
Faz03- ...
PLenomenos, suas causas ; fluidot uapondera-
ieii.3Si linguaRem commura e usual, ciiama-se
phoDomeno tudo o que apresenta alguma cuusa
de rxtr,aordinario. Em physica, p:rem, todo e
qualquer efT^ito quo se produz na materia e um
phen-otmao : um corpo qua cahe, a agua a ferver,
um sino a tocar, nossa imagera a refleclir-se no
espelho, uma vela accesa, um tiro disparado, a
vibrijao de qualquer som, a acca > de uma ala-
van'ia, sao outros tanto? phenomenos.
Enbora a grande variedade io- phenomenos
pby:icos, todos se prendem a um peyueno nume-
ro de causas ou agentes physicos, que sao : as for-
ras rnoleculares, a pravidadel o cahr. a luz, o mag-
net i mo e a electrtcidade.
Para explicar os phenomenos que dependera do
calcr, da luz, do magnetismo e da electricidade,
adoptou-se a bypothese de fluidos inQnitivamente
- jiiaij subtis do que 03 gazes e complelamente ira-
palpaveis e invisiveis, e a esses fluidos deu-se o
: nome de fluidos incoerctoeit, como para significar
que nem se os pode conter nem comprimir em
teahurn vaso fechado, como p^deoi se-lo os flui-
do3 aeriformes; e deu-se Hies ainda o nome de
;">uihs imponderaveis, para indjcar que essas raa-
lerias subtis nao pesam, q1i que pe'o menos, seu
peso, se ellas o tern, nao 6 apreciavel nas balan-
as mais sensiveis. Disto Se tem um exemplo
n'uma moeda de prata que tem sempre o mesmo
peso, quer esleja na temperatura ordinaria, ou
seja fria, quer seja aquecida, ainda mesmo ate a
mais elevada temperatura.
urante a'gum tempo admitlio-se um fluido es-
pec.al para a luz, outro para.o calor, dous para a
electricidade e dous para o magnetismo.
Quando Ampere, chymico francez, mostrou que
0 magnetismo e a electricidade podiam ser attri-
buidos a mesma causa, a mesma origem, a hypo-
tbese do3 dons fluidos magrieticos foi abando
nada. ...
Depois, ob3ervando-se que exMua a maior ana-
logia entre os phenomenos da luz e do calar, ad-
mitiio-se para exp'.ica-los um unico fluido o
ether. ,
Hoje, Dnalmente, 03 mais eminentes sabios sao
d > opiniio que, nao s6 a luz e o calor, mas tam-
ter^i a electricidade e o magnetismo, todos tem por
causa o eltaer.
V.m bypothese de um unico fluido, que por
8uis vibrac5es-e sua maior ou menor aceumula-
eic nos corpos, 6 a Causa unica do todos os phe-
nomenos physicos, prevalece, pois, ha alguns an-
aos, e delta nos occuparemos quando tratarmos
Btiicessivaraente do calor da luz e da electricidade.
.'Hvisoes da physica.Us conformidade com as
c-iisideracSes queprecedem, v6-se, pois, qoeoes-
tudo da physica eomprehende cineo grandes divi-
s<5 59 : 1* proprieties geraes dos corpos solidos,
liquidos e gazosos ; 2" accustica, romprehendendo
c i-studo do som e das vibrac5es dos corpos elas-
ticps ; 3" color ; 4' luz'; 5' tmgwtismo e etectri
, ridade.
?MTE OmCIAL
Governo da provlucia.
KXI'EDIENTE DD Dl\ 13 DE N AFX.O 1874.
I.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiroTommandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de providenciar para que sejam
er.tregues ao soldado do 9 batal'iao de infanteria.
Minoel Virginio da Gama, as inclasas informaQ5e3
piestadas pela presidencia do Maranhao, em satis-
I facao ao quo pedio a referida pra^a no requeri-
! mento que junto devolvo para tambem ser-lhe en-
f'.regue.
ao mesmo. Para que se possa resolver a
cerca da nomeacaj do pharmaceutico civil Carlos
Luiz de Magalhaos, como pede elle no iacluso re-
querimento aanexo ao ofli:ii de V. Exc. de 11 do
corrente, sob n. 197, para servir interiaameote um
dos lugares de phirmaceutico do hospital militar,
em substiluieao do b)ticario Uraz Marcelino do Sa-
cramento que f que V. Exc. iuforrae quanlos enfermos existem na-
quelle hospital, e se na provincia nao existe phar-
maceutico militar que possa ser ali empregado.
Ao mesmo Constando do offlcio do Exm.
presidente da provincia da Parahyba de 4 d > cor-
rente, sob n. 1,190, que o 2' cirurgiai Dr. Joao
Cancio Nune- de Mattos removido para esta pro-
vincia, deixa por ora de seguir a seu destiuo por
ter saliido com a comp^nliia de infanteria ligeira
d'aquella, em diligencia ao alto sertao; as -nn o
communico a V. Exc. para sua iutelligencia.
Ao mesmi.A excep^io do recruta Bernar-
dino Jos5 de Sanl'Anna, que tex requerimento
pendente de decisao, pode V. Exc. remetter para a
corte os demais mencionados na relacao ansexa
ao seu offlcio desta data, sob n; 103 Aos agentes
da companhia brasileira de navega;ao a vapor, se
expedem as necessarias orden? para mandar trans-
portar ditoi recrutasa seu destino no vapor Pa-
rand.
Ao director do arsenal de guerra.-Em sa-
tisfafio ao que solkila o Exm. Sr. presidente da
Parahyba em efllcio de 6 do corrente, sob n. 1,227,
mande V. S. fornecer ao deposito de arligos belli
cos d'aquella provincia 10.000 capsulas fulrai-
n antes.
2.' seccao.
Actos:
0 presidente da provincia, attendeudo ao que
requereu o bacharel Candido Alves Machado, juiz
municipal dotermodo Exu, resolve conceder-lhe 3
mezes de licenco, a contar do dia 27 de Janeiro ul-
timo, com os respectivos vencimentos, na forma
da lei, para tratar de sua saude. -
0 presidente da provincia attendendo ao que
requereu o alferes Cesario de Souza Leao r.djuuto
do proraotor publico da comarca do Ouricury, no
termo de Exd, resolve conceder-lhe 3 mezes de
licenca, a contar do dia 27 de Janeiro ultimo.
0 presidente da provincia, c;n vista da pro-
posta do Dr. chefe de policia do 10 do corrente,
sob n. 331. resolve exonerar loao Cavaleante d'AI-
querque do cargo de 2J supplente do deleg&do do
termo de Bom Comelho, bera como do de sabdele-
gado do i* districto do mesmo nome.
0 presidente da provincia de conformidade
com a proposta de Dr. chefe de polieia de 10 do
corrente, sob n. 351, resolve nomear os cidadaos
Manoel CavakaOte de Albuquerque 2 supplente
do delegado do termo do Bom Conselho, e Tertu-
liano Tnenorio Villa Nova subdelegado do 1 dis-
tricto do mesmo termo.
Offlcios :
Ao Dr. chefe da policia. Em resposta ao
offlcio de 12 do corrente, sob n. 339, em que V. S.
remette em original, o offlcio do subdelegado da
freguezia de Muribeca e traz ao men conhscimeu-
to o grau de intensidade, com que grassa a variola
naqnella freguezia, teoho a dizer-lhe que nosta daa
requisitei do Dr. inspector da saude puoiica uma
carteira h mmpathica para ser enviada aquella an-
toridade, a quern mandei dar pela thesouraria de
fizenda a quantia de 2004000 para soccorro dos
variolosos indigentes.Queira V. S recommendar
ao subdelegado de Muribeca, que lbe cumpre fazer
um apello ao3 sentimentos humauitarios dos cida-
daos abastados da Ijcalidade, pois u para admirar,
que em uma freguezia lao lie*, e as portas da ca-
pital, se deixe morrera fome, como diz elle, 03 in-
felizes indigentes atacados da cpidemia.
Ao mesmo.Em cumprimento ao aviso circu-
lar do mioisterio da justica da 28 de fovereiro pro
ximo passado, e para os fins conveniente? remelto,
por capia a V. S. o decreto n. 5,556 de 20 do re-
ferido mez regulando as flamjas dos thesoureiros
das secretarias de policia.
Ao commandante superior de Pau d'Alho.
Nao constando do archivo da secretaria desta pro-
vincia, que o alferes Josd de Moura Carvalho fosse
reformalo, e que o capitao Amorbo Carneiro da
Cunha Albujuerque abandonasse o respectivo pos-
to, incluso devolvo a proposta, que acompanhou o
seu offlcio de 22 de fevereiro proximo passado,
afim de vir ella com todos cs e3clarecimentos ne-
cessarios.
Ae juizde direilo interino da comarca de Ga-
ranhus.Proponha Vmc. pessoa idoneapara exer-
cero cargo de supplente de juiz municipal do ter-
mo de Garanhnns, como solicita em seu offlcio de
7 de fevereiro proximo passado.
Ao promotor publico de Villa Bella.De con-
formidade com as inslruccQes de G de abril de 1871
promova Vmc. a comaetente accao contra o capi-
tao Francisco Manoel de Magalhaes, pelo facto de
haver tornado do poder de uma esolta o recruta
Jose Alvcs- de Barros, e bem assim proceda na
mesma conformidade contra a dita escolta.Pro-
mova igualmente a responsabilidade do carcereiro
da cadeia dessa villa, suspeito de complicidade no
mesmo crime, seguado consta da participacao do
delegado desse termo, que por copia lhe remetto,
dando me Vmc. sciencia de resultado.
Ao command? nte do corpo de policia.Em
resposta a seu offlcio de 10 de corrente, sob n. 117,
em que solicita o pagamento da quantia de 77&000
despendiJa pelo alferes desse corpo Marcolino da
Costa Rapozo com o interramento de 3 pracas dos
tacadas na villa do Limoeiro, tenho a dizer lbe, que
antes de autorisar semelhante pagamento deve
Vmc. fazer juntar a conta do respectivo pa-
roeho.
8' seccao.
Offlcios:
Ao Inspector da thesouraria de fazenda.Em
cumprimento ao aviw circular do mintsterio da
justica de 28 de fevereiro proximo passado e para
os fins convenientes, remetto por copia a V. S. o
decreto n. 5,556 de 20 do referido mez regulando
as fiances das thesouraria? das secretarlas de po-
licia.
Ao mesmo.Approvo neata data a deli bera
eao tomada pelo delegado do termo de Tacaratii
de mandar fazer uma guarita por 20*000, pant
abrigar a sentinella da respectiva cadeia; assim o
communico a V. S. para os fins convenientes.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para os devi-
doa fins duas ordens expcdidas em 4 do corrente
pelo tbesonro nacional e mintsterio da guerra, bem
como dous offlcios que a essa thesouraria sSo diri-
dos pela directoria geral das rendas publicass e e-
cretario da estado do* negoc'os da fazenda.
Ao mesmi.Para os (Ins convenientes commu-
nico a V. S., que a 9 do corrente asiumlo o cargo
de juiz municipal do termo de Gamelleira o res-
pectivo supplente Francisco Manoel Wanderley
Lins Junior.
Ao mesmo.Para oa fins convenientes com-
munico a V. S., que a 20 de Janeiro ultimo assu-
mio o exerc.cio das funccoes de promotor publico
interino da comarca da Escada, por nomeaclo do
respectivo juiz de direito, o cidaaao Manoel Anto-
nio da Fonseca e Mello.
Ao mesmo.Tendo a 3 do corrente assumido o
bacharel Joaquim Ferreira Chaves Jnnior o exer-
cieio das funccdes de adjunto do promotor publi-
co de Palmares, e sendo designado pelo respectivo
juiz de direito para substituir ao promotor effecti-
vo, assim o comrdunico a V. S. para os fins con-
venientes.
Ao mesmo.[nformando e engenheiro encarre-
gulo das obras pnblicas geraes de-qoe, 6 por enga-1 Exm.-Jf. presidente da provincia manda acens
no offlciou a V. S. para qae pagasse a Antonio Paes o receKmentu do offlcio de V. S. ds 28 de feve
secgao.
de Lacerda a imporlancia do*~trabalbo* de expio
racao do caes da rua da Aurora, executados por
Manoel Henrique Pereira da Silva ; assim o de-
elaro para os tins convenieates e solvo assim a du
vidacontida em seu offl:io de 27 da fevereiro ulti-
mo, sob o. 797, seria F.
Ao mesmo.Manle V. S. dar pelo credit) res-
pectivo, ao subdelegado da freguezia de Muribeca,
a quantia de 200J )3 para soccorro dos iniigen-
le* atacados das variolas que gcassam com intest-
dade n'aquella freguezia.
Ao mesmo. Mm-le V. S. pagar ao alfere3 Anto-
nio Celeatino da Fonseca, couforme solicita o Dr.
chefe de policia em offlcio de 6 do corrente, sob
n. 328, a quantia de 541669, proveniente do alu-
gucl da casa em que, no termo de Cimbres, servio de
quartet ao respectivo desla^amento, duraate o tem-
pi decorrido de 2 de margo do aano proximo a
31 de Janeiro ultimo, segundo se ve da conta jun-
ta em duplicata.
Ao inspector da thesouraria provincial.At-
tendendo ao que requereu o engenheiro Jojo 'IV
burcio Pereira de Magalhaes ex-chefe da reparti-
?ao das obrai public3, autoriso Vmc. a pagar-
Ihe os respoctivos vencimenlos ate 25 de fevereiro
ultimo, data esta da sua exoneracao d'aquella corpo.
Ao mesmo.De accordo com a sua infor-
maelo de 5 do corrente, sob n. tl8, e no) termos
das instrujeSes de 13 da setembro do anno pas-
sado, autoriso Vmc a mandar pagar pela colled)-
ria do municipio de Bom-Conselho o fornecimento
dos presos pobres da respectiva cadeia.
Ao mesmo.Conforms solicita o commandante
do corpo de policia em offlcio de 10 do c -rrente,
sob n. 110, mande Vmc. abooar 4 mezes de soldo
por adiantamento a quatro pracas d'aqnelle corpo,
que por ordem d'esta prsiedencia vao reforcar o
destaeamento de Ponta de Pedra, a contar de 11
deste mez ao fim do de abril vindouro.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar ao alfe e;
Antonio Celestino da Fonseca, conforms solicita o
Dr. chefe de polica em offlcio de 6 deste mez, sob
n. 328, a quantia de 51S000, proveniente do alu-
guel da casa que serve de cadeia no termo de
Cimbres, durante o tempo decorrido de 2 de mar
co do anno passado a de 31 de Janeiro ultimo,
como se ve da conta junta em duplicata.
Ao mesmo.Conforme solicitou o Dr. chefe
de policia em offlcio de 6 do corrente, sob n. 330 re-
coramendo a Vmc. que mande pagaraThoraar Mo-
reira de Carvalho, a quantia de 16*000, constanie
do incluso re :ibo, proveniente do aluguel da casa
que no districto de Maranguape servio dequartel
ao respectivo destaeamento durante os mezes de Ja-
neiro e /evereiro deste anno.
Ao mesmo.Para os fins convenientes, re-
metto-a Vmc copia do termo do contract) celebra
do entre a repartigao das obras publicise Rerai-
gio Kneip para construccao da balaustrada de
jacaranda, destinada ao recioto da assemblea le
gislativa provincial.
4.
Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia do Amazo-
nas.Accuso recebidoa os dou3 examplares im
pressos do navo regulamento, reformando a ins
truccAo publica de*s. BroviaeU, i'* v.kjc.
se dignou ae remetlerme com offlcio deT2 de fe-
vereiro ultimo.
Ao Dr. inspector da saude publica. Remt-
ta V. S., com urgencia a secretaria desta presiden
da 6 coat endereijo ao subdelegado de Muribeca,
uma carteira homeopatliica para o tratamento da
variola, e as competentes iastruccoes para a appli
cacao dos remedios.
l'ortarias :
A' Illraa. camara municipal do Recife: -In-
formando a reparticao das obras publica, em offl-
cio de hontem, sob n. 63, que ja se acba concern-
do o cano geral de esgnto, a rua do Riachuelo,
assim o declaro a essa Illraa. caraara municipal do
Itecife para seu conhecimento e em resposta a sua
represenlacao datada de 4 do corrente, sob n 10.
A camara municipal da villa d Panellas.
Attendendo ao quo cxpoe a camara municipal em
offlcio de 24 de fevereiro ultimo, autoriso o a rc-
ger-se provisoriamente pelas leis municipaes da
camara de Caruaru, ate que seja approvado pela
assembles provincial o seu codigo de posturas.
5.'.secgdo.
Portarias:
Os Srs agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar passagem para a
corte, por c;nta do minlsterio da gnerra, no vapor
cnegad) do norte, ao capitao honorario Felippe
Jose da Exaltapao Maniva, que vai recolher-se ao
corpo de invalid s da patria, a qie pertence.,
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar passagem de pri-
meira classe para a corte, por conta do ministerio
da marinha, no vapor Parana, ao 2 tenente da
armada Alfredo Silverio ij> Souza, que segue ads-
posicao do quartel-general respectivo, e bera as-
sim transporte a proa a um criado do mesmo offi-
cial.
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar passagem para a
corte por conta do rainistorio da guerra, no vapor
Parana, ao 2 cadete Joao Vivieno Botelho, que
assentou praca voluntariamente com destine a um
dos corpos eslacionados na provincia de S. Pedro
do Sul.
Os Srs agente3 da companhia brasileira de
navegacao a vapor facam transportar a curie, por
conta do ministerio da guerra, no vapor Parana,
os soldados recrutas, Antonio Francisco do Nasci-
mento, Antonio Gomes de Lima, Joao Ignacio de
Amorira. Joao Alves da Costa e Manoel Thomaz da
Silva.
EXPEDIENTE DO SECBBTARIO.
1.' seccao.
Offlcio:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. -Sua Exc. o Sr. presidente da provincia man
da declarar a V. Exc. em resposta ao seu offlcio
desta data, sob n- 203, que flea provideaciado no
sentido de ser transportado a corte no vapor Pa
rand o 2s cadete Joao Viviano Botelho.
Ao commandante da divisio naval do 2- dis-
tricto. S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc. em resposta ao sea offlcio
de hontem datado, sob n. 305, que fleam expedidas
as convenientes ordens no sentido de ser transpor-
tado a corte no vapor Pard o S* -tenente Alfredo
Silvino de Souza, o bem assim o seu criado.
2.' seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da proviicia manda declarar a V. S., que
nesta data se expele ordem a reparticao compe
tente no sentido de ser paga a Thomaz Moreira de
Carvalho a imporlancia de 1640JO consume do
recibo que vem junto ao offlcio de V. S., de 6 do
corrente, sob n. 330.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. S., que neata data
se providencia no sentido de ser paga ao alferes
Antonio Celestino da Fonceca a quantia de......
1095336, constants das contas annexas ao offlcio
de V. S., de 6 do corrente, sob n. 318.
Ao me3mcr.De ordem de S. Exc o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. S. em res-
posta ao seu offlcio de 30 de Janeiro ultimo, sob n.
143, que nesta data se autorisou a thesouraria
provincial a mandar pagar pela collectoria de
Bom Conselho, o tardamento dos presos pobres da
respectiva cadeia.
Ao juiz de direilo interino do BonHo. 0
reiro oRimo, participaodo ter naquella data no-
raeado 0 cidaiao Manoel Severo Pereira Lima es-
crivaowterino do jury e execufoes crirainaes do
termo to liezerrns.
Ao fcacharel Joaquim Ferreira Chaves Junior,
adJonM'do promotor publico de Palm-ires. -0
Exm, Sr. presidente da provincia manda accusar
o recebimnnto do offlcio de V. S., de 3 do corren-
te, cownamcando ter naquella data assumido o
exerctate do cargo doadjnnWdo promotor publi-
co dessa Comarca, e que foi designado para sub-
stituir aquella autoridade pelo respectivo juiz de
direito. '
Ao proraotor pnblico interino di Escada,
Manoel Antonio da Fonceca Mello.0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda accusar o reeebi-
mento d offl:io de V. S., de 31 de Janeiro ulti-
mo, particupan lo ter a 20 daquello mez entrado
no exercieio interino do cargo de promotor publi-
co dessa comarca.
Ao t' supplente do juiz municipal du Gamel-
leira,0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
accu3r o rccebimento do offlcio de V. S., de 9 do
corrente, participando ter na |uella data assumido
o exercieio do cargo de juie municipal desse
termo.
Ao comraanlunte do corpo de policia.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
communico a V. S., em resposta ao seu offlcio de
10 do corrente, sob n 119, que nesta data se nnn-
dou abooar per adiantamonto 2 mezes-de soldo as
4 pracas desse corpo, que vao reforcar o destaca-
monto de Pontas de Pedras, a contar de 11 deste
merao Boa do abril vindouro.
5." 'tecciio.
Offlcios:
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
pnblicas. S. Exc. o Sr. presideute da provincia
manda declarar a V. S. que foi recebido o seu
offlcio de hontem datado, sob n. 65, em qne infor-
inanio sobre outro da Illma. camara municipal do
Recife communica ja se achar coacertado o cano
geral de esgoto a rua do Kiachnelo.
Ao meaTmo.0 Exm Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que recebeu seu
offlcio de hontem datado, sob n. 63, com o qual
essa reparticao remetleu copia do termo do con-
tract feito com Remigio Kneip para construccSo
de uma balaustrada destinada ao -e rint-o da assem-
blea legislativa provincial.
Ao engenheiro enearregado das obras ge-
raes. S. Exc. o Sr. presidente da provincia man
da declarar recehilo o offlcio de V. S., de 10 do
cdrrenle, sob n. 13, em que menciona o engano
havido na requisicAo feita a thesouraria de fa-
zenda sobre pagamento dos trabalbos de explora-
cao no caes da rua da Aurora.
Aos agentes da companhia brasileira de na-
vegacao a vapor.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a Vs. Sa. que recebeu o seu
offlcio desta data, em que participant que o vapor
nacional.Parana, tendo ehegado hojo dos portos do
norte,'seguira para os portos do sul amanhli as 5
horas di tarle.
dbspaohos oa prksidkncia, do dia 24 de jl'lho
de 1874. ___ .
*:!> -zjitonu Bento de Oliveira.-Scja rece-
bida deiiiilivainenle a mora inuamie-se passar o
certificado competente.
Apolonia Maria -Sim.
Benedicto Marques VieiraInforme o Sr. ins-
pector da instruccao public.).
Companhia Perro Carril de Pern?mbuco.0
supplicante pode retirar as madeiras de que trata,
com assistencia do engenheiro do 1 districto.
Francisco Mariano de Araujo Limaloforme o
Sr. general commandante das armas.
Firmino Eraristo Ribeiro Varejao E' incom-
pativel o exercieio simultaneo das fanccoes de so-
licitador de causas com as do cargo do escrivao
de collectoria provincial ; ficando, porem. salvo
ao supplica'ite optar pelo que mais lhe convenha.
Guilhermioa Francisca de A-aujo Lins.Infor-
me o Sr. inspector da inslruccJo publica.
Padre Juvencio Verissimo dos Anjos.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquim Cordeiro CoeMho Cintra.-Sim, na for-
ma da lei.
Padre Jose Francisco de Souza Barbosa.Apre-
sente o supplicante a sua provisao na secretaria
desta presidencia, para os devidos tins.
Marcelino Santiago de Vasconcellos Leitio de
Albuquerque.Encaminhe-se.
Rosalioa Maria da Conceif^ao.Indeferido.
Teixeira Chaves & CSim.
acalMk de expeiktr o>r4lons a csquu-
dra allcma. i|o cominanitu tlo vice-
nlnairnte UfuK. de ttegutr tname
dia la menle para o norle da Ueiipa-
nha.
Liverpool %& o mercado do al-
K<> -f)h da vesp.era auslentaram-se. Am
vendas tataes de hoje elevarama-ise
a i2,ooo fardoM. Algodao FA in de
Pernambnco H 11 d.. dico dito de
lanioi H I in. Durante a seaaana
as vendaa do algodao da America
do Sul elcvarani-sc a Z.znt fardos.
Londres S3. Consolidados de 9
O/o 9t 1/ti funilo* braxileiroM de
S O/o ioi i O/o do Uruicnay U
Iti ( O/o argeutino 9t 1/C.
Camiuaudo superior.
QL'ARTEL DO COMMANDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 23 DE
JULI10 DE 1874.
Ordem do dia n. 152.
Para sciencia dos corpos sob seu commando,
manda o Sr. commandante superior fazer publico,
queS. Exc. oSr. commmdador preaidente daprb-
vincia, por portarias de lido corrente mez, de
signou o 1 batalhao de intantaria para a elles b-
carera aggregados nao so o Sr. tenente da 5" com-
panhia do 1- batalhao da mesma arma, da capital
do Amazonas, Eduardo Frederico Banks, como
tambem o Sr. alferes da 5' conpanhia do bata-
lhao n. 19, aggregado ao de n. 18, do municipio
de Nazareth, desta provincia, Honorato Ferreira
Xaxier.
Que por outra portaria da 29 de abril proximo
flndo, o mesmo Exm. Sr. concedeu guia de passa
gem para o municipio do llarreiros, onde fixou
sua residencia, ao Sr. tenente-coronel aggregado
ao 8 batalhao de infan'aria, Antonio Francisco
Paw de Mello Barreto.
Que era 10 deste mez passou a comrnandar in-
terinaraente o 1 batalhio de infantana o Sr. ca-
pitio Josufi Materno de Azevedo Santos.
Rodolpho Joao Barata de Almeida.
Coronel chefe interino do estadomaior.
(AGEXCIA AMERICANA.)
I.isliot SS An IO li. e a? m. da
mnnha.-Festejou-se hontem can
grande enthnslasmo a cnlrada do
exercito liberal nesta eapital a 1
de Jnlho de I *::. Uouve Te-
Doum, A qne assistio loda a dre.
e parada. formando sete mil ho-
mens eon cincoenta boccas de logo.
Foi geral o regosiJo>. Chearou hojo
o pitqucte rrances MBSDOSA, proce-
dente do Hi i da Praia pelo Brasil.
Londres 93. -Consolldndoa S9 Z :
fundos brasllelrqs IOI t elnro por
cento Franceses OS 1/H t cafe Ht a
]V>m-York. -Algodiio 1.
Havre. -Venderam-se 5,00>0 sac-
fas com care, sendo 3,too de pro-
cedencla brasileira. o do Rio a VS.
e o de Santos a IO81 tende a me
Ihorar. Algodao venileram-se SOO
fardAs. o de Morocaba a 91. e o
de .Pernambuco a !?:. Vai melho-
rnntlo.
Versailles.O projecto Perier. pa-
ra a proclamacao dellaitiva da re-
publica, foi rejeitado, como ja an-
nunciamos. por 39 1 votos contra
333. Oepois desta votacao, SOO de-
putados propozeram de no vo a dls-
solncao da assemblea. o que foi
outra vex regeltado. Van ser dls-
cutidas as leis constituctonnes. e.
dcpixis d'ellas feitas. comecarao as
ferias.
Londres C5. Consolidados t
S/S : fundos brasileiros IOI t clnco
por cento francexes 97 r s. Cafe
H* a 83 urme,
\cn-lork 91. Algodiio 19, good
Orst W,l 1.
Rio de Janeiro 95 as IO h. e S3
m. da manna. Chcgou hontem o
brigue nacional ISABEL (de Pernam-
buco). Pretou-se o lugre allcmao
1UI.IANO para Ir a Pernambuco car-
rear algodao para Liverpool a
*r >-- *-t .. .,.^j ^ --,'ia
Bio S3' as h. e m. da larde. -
Cambio sobre Londres S3 r> Or-
mlssimo em todos os bnncos t par-
ticular nao ha transaccoes t di-
nbeiro somente de 95 9/8 para ci-
ma. Dizem que o banco allemao
dera S3 3/1 sommit grande. Cltegou
hontem o vapor (francez) SENEGAL,
procedente da Europa.
tio SO as 11 h. da mnnha. -Mahio
o paquctc americano ONTARIO, para
os portos do norte.
Bahia 25 its h. e IO m. da tarde.
O P AII AS A' segulo sempre hontem
a noute. depois de uma vistoria
feita a rcclamacao dos passagciros.
a qual julgou u vapor capaz de pro-
seguir a viagem. Foi panico cau-
sado pelo que succcdeu ao CRUZEIRO
DO SUL. Cambio sobre Londres 95
3/1 bancario, 95 3/1 a SB particular.
Para S3 a 1 h. da tarde. CotarScs
inalteraeis.
i i i '"
(AGENCIA HAVAS REUtER).
Madrid S3 de Jnlho. Entabola-
rana-se negoclaeftes entre os Srs.
Castellar e Zorrilha para realisar-
ae uma fusao de sens partidos e
para eonseguir-se o estabelecimen-
to de limit republlca conservadora.
Londres IS. Na sessao de hon-
tem da camara dos lords, o con-
de Bussell lnterpellon o gover-
no sobre as Intencoes do gabl-
nete logles relallvamente A Bespa-
nha. Lord Derby, mintstro dos ne-
gocios estrangelros, rcspondendo a
interpellac&o de lord Russell, dis-
e qne o governo Inglez. apesar das
sjmpailiiuH qne nntre pelo governo
de Madrid, niio Jnlga opportnno o
reconheclmento desse governo de
presente. accrescentanilo que esse
reconheelnaento a\6 pode ter lugar
quando honver o accordo collectivo
das grandes potenclaa.
Berllna 5 Em consequencla da
execucao de um subdito allemao,
llerr Schmidt, polos carllstas, o go-
verno do Imperador Cuilherme,
DURlo'-UEPERttAMBUOO
RECIFE 27 DE JLLII ) DE 1871.
Moticias da Europa.
Sabbado, as duas horas da tarde, fundeou no la-
mam o vapor inglez Douro, trazendo datas de Lis-
b6a ate 13 do corrente. Eis o que colhemes de
jornaes e cartas :
FRANQA.
A corabinaQao dos Srs. Daru, Lacombe e de
Ventavou, merabros da sub-coramissao foraoada
no seio da commissao des Trinta, consistia em
junta ao presidente da republica, uma camara de
depuiados e uma camara alia, qne teria de pro-
ver, conjunclamente com esta ultima, as necessi-
dades que poderiam trazer uma vagatura eventual
do poder executivo. 0 presidente exerceria so o
direito de dissolver a camara dos deputados.
0 artigo primeiro desta proposta teve uma dis-
cussao e uma votacio importanle ; por isso que
conGrmarara a aflinnacao da republica, pelo me-
nos provisoria. Foi rejeitada uma contra propos-
ta da extrema direita, tendente a fazer desappare-
cer a qua'ifi:ag2o de presidente da republica.
0 Sr. LuceiaBrun, regressando de Gex, ondeac-
tualmente se acha o condp de Cbambord,- tronxe
o consentimento deste principe a combinacao Ven-
tavou ; que em realidade nao seria mais do que a
manutencao do statu quo com todos os seus peri-
gos e todas as suas incertezas para o futuro.
Oa bonapartislas concordant com acombimcao,
e havia espcrangas de congrasar os eleraentos fluc-
tuantes do centro direito a resignarem se igual-
mente.
A commissao constitutional adoptou os arts.
2 e 3' do projecto da sub-commissJs, um dos quaes
estabelece a responsabilidade ministerial e o ou-
tro 'onsagra o prinnpiodas duas camaras. 0 mo-
do da cemposicao da camara alta foi adiado.
Oconde deChambord pnblicou o segninte
manifesto :
t Francezes.Tendes pedido a salvacao da nos-
sa patria a solucSes temporarlas, e pareceis estar
a ponto de voa langardes em novos acasos.
c Cada uma das revolucdes.desde ha oitentaan
not, foi uma demonstracao notavel do tempsra-
mento notavelmente monarchico do paiz.
A Franca tem necessidade da realeza. 0 men
nasciraento rez-me vosso rei.
u'Faltaria ao mais sagrado dos men sdeveres, se,
neste mbmento solemne, nao tentasse um supremo
esforco para destruir a barreira dos preconceitos
que ainda me separara de v6s.
Conheco todas as accusa;5es feitas contra a
minha politica, contra a minha attitude, as minhas
palavras e os meus actos
Nao seja o raeu sileacio que sirva de pretexto
a incessantes terminacdes. Se o tenho guardado
ha rauitos mezea, 6 porque nio queria tornar mais
dilBcil a missJo do illustre soldado, cuia espada
vos protege.
Mas hoje, em presenca de tamos erros accu-
mulaaos, de tantas mentiras e3palhadas, de tanta
! gente d? bera engansda, nio me 4 permittiao o
Isilencio. A hones unpde-me' um eaetgico pro
testo.
a Declarando*. bo mez de oulubro ulliao, auo
estava prompto a renovar comvoso a cadeia do-
nossos destinos, a levanlar o ediftcio abalado da
nossa grandeaa nacional, com o coatcano de to-
das as dedicates sinceras sem dislinc^o de po
sicolo, de origem ou de part id o.
Affirmando que nio retratava an nada aa de
ciaracues sem cesaar runovadas ka irinta annos em
ducu,mentM ofQciaaa a^iirUcaW<>, qne n4am por
todas as roaos.
t Contava com a intelligeocia proverbial da b
sa rap. e com a clareza da nossa lingua.
< Cnegou a comprehender-se que eu colloaava
o poder real acima das lets, e qne eu sonhannX-
sei em qne combinagoe? governamentaes bascadas
no arbitrio e no absoluto.
a Xao, a monarchta chrisla e franceta, e, na itu
propria essencia, uma mouarchie modarada, quo
nao le.n culhido nada dos governos de aventura
que promettem a idade de ouro. e qae conduieoi
aos abysmos,
K-t.-i monarchia moderada oomporla a exis-
tenciade duas camara-, sendo uma nomeada pel
soberano, era cathegorias deU>rminadas, e a oatra
pela nacao, segundo o modo de tuffragio reguladn
pela lei.
a Ondo encontrareij aqui lugar para o arbi-
trio T
a No dia em que, vos e eu, poderrao-, face a
face, tralar juntos dos intereises da Franca, sabe-
reit como a uniao do povo e do rei permittio a
menarcbia franceza, mallograr, dnraale Unto* se-
ualos, os calculus daquelles que nio lntam contra
o rei senao para dominar o povo.
i Nio e verdade dizer-se que a minha politica
- sU em desaccordo com as aspirafdes do paiz.
< Quero um poder rep.uador e forte a Fran-
ca nao deixa de o querer como eu.
0 seu interese a conduz a isso, o o sen in?
tincto o reclama.
Proearam-se alliancas serias e. duradouras .
lodos comprehendem que so a monarchia tradic-
cional no las pode dar.
a Quero encontrar no? representanles da naci
anxiliares vigilantes, para o exame das questue?
que lhe forera submettidas; mas nio quero dessa?
lutas estereis do parlara-nto, d onde o toberaao
sahe rauitis vezes imp i.enle e fraco ; e se regiolc
a formula de importacao estrangeira, qne repudu
todas as nossas tradiccoes nacionae? ; com o
o sen rei que reina e nao governa, ainda asaio
me sinto era coramonidade perfata com os dese
jos da imraensa maioria, quo se nio impoe sa-
da a essas flcc&es, e qne esta fatigada daaaw
mentiras.
a Faancezes I Estou prompto hoje, como esta-
va hontem.
A casa de France esla seriamente e lealmenle
reconciliada*.
c Ligai-vos e confiemos del la
t Trefuas as nossas divisoes, para nio nensar-
mos senao nos males da patria I Nao tem ell j.
soffrido bastanle ? Nao 6 tempo de he darmos.
com a sua realeza secular, a prospendade, a se-
guranca, a digni Jade, a grandeia e todo esse cor
tejo de liberdades profuodas que nuoca alcaaea-
riius ff.ttl ella. __
A OUia Clabuilus, iu.-, ',Au u aualTiu do DcO.-.
poderemos consnmmx-la.
Peze cada um na sua consciencia, as respon-
sabilidades do presente, e pense na severidade 4a
historia. 2dejulho de 187i.-Henrique.'
E?te manifesto e considerado como a abdicaca-o
ultima do pretendente, e de certo, d-pois desta no-
va demonstracao da sua incompatibilidade den on
ra, com o governo da nacao pela nacio, nao t de
presumir, nem adniissivel que os p.vlamentario-
do centro direito conservem ainda a menor illusi-
sobre a pos?ibilidade dc restabelecer a roonar
chla.
Alem disso os termos deste manifesto sio nota-
veis em parecer uma i.murio de algum dos nu-
raerosos docuraentos que Napoleio III dirigio ao
povo fraoce;. Os debates parlamentares sao ahi
qualificados, tal como o fatia Napoleao. comolata<
estereis e uuioa-pente boas para perturbar a trai-
quillidade publica.
A commissao de iniciativa parlamentar ouvki
os Srs. Rockafoucauld, llocheito e Carayon La-
tour sobre a proposta de restabeleciracnto mo-
narchico.
A commissao devia emitlir brevemente o sea
parecer, qua se julga ser tendente a nao lotnar a
proposta em cons'deracao.
A discutsao da inlerpellacio Lebrun, sobre
a suspensao do jornal Union, estava marcada para
o dia 7. 0 ministerio obteve o adiamento para o
dia 8, para haver tempo de se fazerem as eombi-
nagdes necessarias para resolver ou prevenir a
crise.
No dia 8 comecou a interpellacao do Sr. Lacien
le Brun, membro da extrema direita, e atacon o
ministerio por ter suspendido o jornal a Union,
por haver esta publicado o manifesto do eonde de
Cbambord.
0 Sr. Lebrun fez a leitura pnblira do manifesto
realista do eonde de Cnambord, que foi acolhid
por applausos repetidos da extrema direita. Em
seguida censurou o ministerio por ter suspendid<>
o jornal J7j'on.
0 ministro do interior declara qae o debate
nao 6 sobre a liberdade de impreosa, mas nnica-
mente de saber se a assemblea querura contradi-
zer-se e annullar a lei quo deu poderes a
Mac Mahon. Ajuntou que a assemblea nio pole
nem deve fazer, e pede-lhe que attcnte antes de
emiltir o seii voto.
A direita realista apresenta uma mocao de eai-
sora expres.-a nesles termos .
a A assemblea nacional, faliando ao debate a
lei de SO de aovembro, e lamentando as medidas
lomadas pelo ministerio, passa a ordem do dia.
Esta mocao foi rejeitada por 379 votos contra
80; a esquerda absteve-se de volar.
0 governo aceitou a ordem do dia do depntaeV*
Paris, que diz que a assemblea resolviia a
sustc-niar energicamente os poderes confendos
< por sete annos ao rnaremal Mae-Mabeo, coo*
a preaidente da republica, e reserraaw o axaav
c das leis constitucionaes, passa a ordem do dia.
Esta mocao fei tambem rejeitada por 968 voto*
contra 330.
Em seguida a assemblea approvon a or Jem
do dia pura $ simples por 339 votos ceatra 315
Lsvantou-se depois a sessao.
0 ministerio offereceu a sua demissio, ma?
Mac-Mahon recusa se a aceila-la.
Mac-Mahon, na sessio de 9 dirigio umamawa-
gem 9 assemblea, em qne records que os sea.*
poderes sao irrevogaveis, que quando o elevaram
ao poder o pozeram acima de toda a discussao
Aecrescenta que a assemblea se nio deve aparta
do que propoz, pois que ao delegar a sua sobera-
nia nao pode voltar atraz. Pede a assemble! qn*
organise os poderes qne lhe condou, terminaodo
por dizer que esta resolvido a faze los respenar.
A leitura da mensagem caasou profunaa sen-
sacao.
0 Sr. Raoul Doral, deputado booapartista, apre-
sentou uma proposta pedindo a dissolucio da as-
semblea, e pedio que a sua proposta fo-se dtcla-
rali urgente.
A camara rejeitou a urgencia.
Apresentando-se uma interpellacao qua per-
guntava a Mac Mahon, se recusava a assemblea o
direito de determinar o caracter constitutional da
lei de novembro, o vice-presidente do conselao
propoz o sea adiamento, qne foi approvado.

.

-
vi
' %


aaaajaajaaaB
-..r
K81 M Offlft 39 Ti ttfflSH Pf^"^ ^niambaeo Scgunda. feira 27 de Julho do 137-4 HUI i|K^U }/ >//#
^rr
Na assemble
terctira deliterac
vo a<> elcilora Jo r
lou faier annulla
annos a roaioriJa
naciiB'd tem
o |ir.4
A
O geaer'al LJiy*cf ten*-
ue iftiha lixaJj wn 24
' paea, mas a cam<4 jymgou reconsjilerar sobre 9
voto por 303 votot coatr.i 19V.
Foratn apreaentaaas duas emenlas, do Sr. Hi-
cal Daprat e do St. Marc Mtnfcg, p|M*^l|ir
contra as mutilates d> air.iR(a, universal, pra-
postis pela commi-sao. As emeriti f >ram dotea>-
didas com talento pelos was a u tores'.
Aparar disso a as.-enflWa rejiltta par *S V-
lo% contra 331 a emend*** Sr Beiwat. teiideata
a reduzir a urn anno ilibcio do dou>icil give I para acquisicao d>> dfcrto eleitoral.
0 domicilio foi fixado Milieus aao>.
0 Dailg Sews paWica olLciae importaate* de
Roma. .. .
O santo padre, recebendeas antigas aut ndades
pontiticias, falloa-lnes l.wgameute, fehertanao-as-
pela saa Sdelidade. AdinJo as ultimas demons-
t rac oea^dauj.:---------------- -,.--------,,
c Sei que vos acsaaam de provoear rtomon^ra
i-Ses, e que ate" mesmo preoarais uma para ama-
nha E e.-tes bostos sao feitas correr para per-
snadir ao mundo, tM nos uedraiaaa a a|itac*o
das ruas. As nossa^ demdnstracoe* aao se podem
laser renio nas igrejas, os-aossos uieios saj as
onriu.
Di*-se qae o ftnto padre erifraquece de aia
para dia. A jjessoas que 0 rodeiam e que ate
agora agaviin on'essa lo. .MuKos rep*escrrtanies estrangeiros
teem Informatlo nelte'aratNh <)s s^a< governo*.
No dia'dafesla de S. I'edro hoiive grands ce-
remaaia religiosa ns Igrej.-i 11 ie the e deiHeada. O
capitttlo da eatttedra! conre se a ordem
serin gafanttda no cm.i de tr eefebrar a fesiivr-
dadi. 0 gOVflroo Italian) respdadeo afflnnativa-
menus!
Grande numero de tn-rebros do partid>c!eri-
Ml. do sr.eerJotes e" t- fra h siiie a* solemoi-
dade*, fern eootar effi mirftares con-orreram por nan >-i bl e pT te*'<;lo. A
policia italiana mauteve a'urdew ate DnaK
E' desJitai fit ile fun rsmento d 6iM> de tr
3 Allemanha pedilo :i Italia que se unis-e a ella
n'una allian^a afltieioricat:
(J mitiisiro kfldtnad cxpoi rliraraente ao Sr.
V.>:on!i Vonostn que S rea;>eUo A\ igrej-* era ioteir*iMiM6 JilT-rente >la
lit Italia.
G espirHo fanatieo dos catholic* allem.ies exi-
ge qae sejam inttilns com grand-: li:" ana, 0 que
u*i j e rtei;e*sario na Italii.
A Allemanlu tern manife.-'tado mulas cecaio"s
a s;.a almirac'n pelo conportimento prule.tee
uiolerador da (ta la.
IMi.HNOA.
E.-la 0 MMsterio holland^i em eriM ; os minis
tros enviaram suas iemissQes ao rei, que. seguoM
se julga, nao aceitara: e diz->e que a cri-i; MM
resulvida pel* dissolaeao da camara. --
O Sr. Kransen vsn de I'ait; prinunciou^e no
seniido da dis^olucao, e a sua opiuiao e de gtMde
peso na dtvi'tio dos negocios; por outr.i ladi a
meisagem em qae 0 niiiiisterio podia sua Jemis-
?ao era fon&Ma en n:\o haver na camara uma
:iia oria safflcwole. A opjosic.io deseja a dio
lu^'.io ; acha 0 nvmento opportuno a is seas de-
s;guios, e cunta explurar a fuesMo de Atchia e a
q ie?tac financeira.
I.\f.l.AT?.nRA.
C Sr. Hut; ieteBvvlteu na camara dos communs
1 sua prop >sla rdativa a I land a. AJmiite os es-
tin; is qae tern sido fates p ta Ingiotei ra paw sa-
ti-Lier ii ri.'iarna^jjf la rlanii, cunliie uotMig-
oando que es?es csforjos nao tern sido cur'iad.xde
bom exito, e que o nao serao em |innto a IngUter
ra reeuiar a lrlanJa a verdaieira liberdade que e
ta) chara ao puvo irtandaz.
A .roposti Foi en-Tgi^I'.uanie cimbaliJa pel'
advogado geral da Irtanb, Mr. Hall, que iusislio
esp'!;ialraeate nas culliso.'s qua se dariam iaeviu
veimenta entre os dous ptrlarn'.ato-, subru ti-Jas
as qaaMdea coinriirciaes, tin.iiiccii as e polkieas,
i:o!i-oes que aballariam todo 0 .-y t-;iiu subre (|ue
repousam 0 podor 0 a prosperiJadi da Qra Bre|a-
tt;^ e cujos reaatMdbs nao seriam m^nosfuu-sto
para a Iriauda, do que para a Iogl trra.
Cnijninfclld Smith, propt'i uma eineuda cou-
eebida nestes termos:
E' prejudicial a pro periJa-lo mateiial eperi-
f g'isx para a pai e ind;pendencia da nacao ir-
c landosa fazer mudancis no .'jove.no parlam-in
t tir; mulanga* (|ue pod.riam conduzir a una
J:- cilu.'.Vo da utnio legi^laliva da Ora-Hrcta-
a t.nha e* da iilanda. >
0 givernoinglez concedeu loda a latitude a
debates, mas dpoi< 0 Sr. Disraeli 0 nbateu a pro-
posta c".-no inopp irluua, e declarou quo a graadc
cristi e^la mais proxima do que se ipjga. e que
lie.^e uia (iHve.Tcmr u unvn ifurjey nAi-i-
A proposta do Sr. Butt, ( i rejeiuda por loo vo
tos <:ontra 61.
Lord Derby expoz na camara dos lords as
vistas do governo inglez sobre 0 proximo coogfes
so Je Bruxt-llas.
A loglaterra aeeitoa condicionilmente 0 convi-
te. A missao do delegado bri".anuic 1 limilar-se ba
ao de um simples nlator; nlo teia os poleres
d'um plenipotenciirio ; nao podera compromeltor
o s:u govern), se 0 congre?so vo'-ar conclusJes
bbrigaloriis Aletn disso o gabiaete ingl z nao
eafiara 6 represe'nlante senao depots de ter rece
lii i, a segmanca de que 0 congress^ se nao occu-
para de tliscutir as leis internacionr.es que regu-
lar!) as rela<;oes dos bellige'antes, as. o,)eraco js tui
iitaies e a guerra marilima.
Pelo que se vfl a Ingh'.erra nio toma a sc:io a
idea humanitaria do conjresso.
D?pois do voto do parlaaoento inglez, e J03 par-
lamnlos da Itali* c da Suecia, e to senado de
Wiihington, encontrou melhor acolhimento u 1 a
pro|>osta para organisar as arbitragens Ihtenncio
naes.
Lord Derby prometleu a camara i.lta, submetter-
Ihe proximamente a orrespoaden:ia trocala a
projjosit) do projeclado congresso.
0 embaixad'ir da Allemanha, em Londre^, fez
sabii ao lord-mayor de Ryde, que breveinente
chegariam aquelle porto 6 principe Imperial da
Allexanha, c a princeza Victoria.
A imperatriz a'Aaslria vai residir na ilha de
Wighk, nos mezes de agosto esetembro, em Bent-
nor com 0 norao de coudessa de Hohemmbs.
Lord Hamilton, respondendo .ao Sr. Balfourd,
disse que se havia coocluido um .ratado entre 0
governo das India? e 0 de S'am, re as que ainda
nao tinha sido ralificado.
Lord cnanceller apre3entou um bill interrs-
sance para 0 commercio, sobre os bills of sale, o
I'm bill of sale e urn acto pelo qua! uma pessoa
aliena em favor de um credor real ou na, as mo-
biliis, machinas, ferramentas, etc. Gracas ao bill
of sale um negociante estrangeiro pode ser vicli-
ma de velhacarias consideraveis, porque no ultimo
moroento, n3o lhe pagando 0 sea devedor, 0 ere
dor nio tern a que recorrer, Bern qae executar,
por isso que 0 penhor pertencera, em conseqaea-
cia de am bill of sale, ao compadre em nome de
quern foi assignado. Entre as questoes que de-
vem ser disjutidas, a dos privilegios destes ados
de venda, 6 um dos mais graves.
ALLEMAXHA.
0 estado de saiide do principe de Bismark nao
se t'm agfravado. como dizia a Deutsche Beichs
Corresponieuz ; vai mesmo melhor, a ponto de
poder dar segnimen'.o ao seu projei:to de viagem a
Baviera.
Caegon no dia 1. a Berlira,e devia partir no
dia 9 para as aguas de Kis-igun. Depots de ter
tomido os banhos necessarios, 0 priacipe regressa-
ra r. Varzin, e bio se occupara de uegocios de es
tadc antes do nutono oa lalva an;es do lim do
anno-. 0 cnidado da sua saiide i:ni)oo-lho a maior
atteocao.
Na camara dos deputados da Baviera houve
nirii. nova lota entre os membros da opposicao cle-
rical e 0 mfnistro dos caltos. 0 campeao deste
partido, 0 Sr Joerg, Untoa refalar 0 dlscurso pro-
n tonHntjlji liilf m amiiimM'm^g'^ltrtJT1tt^i'Myi------" ':''" c**-T"*i) Cotri' Je Ro-viMli^.
ctq deleiwlrtr favoravel jjeti taamfOT W TS^T *>.** "*^?5 s">riejjad* rec.^:n mm d^CKCyi a quei m i
a^ras^n-sft a dar to -Ku imni-rt*r.a prnvfjl-i* -ft*, qu > ih-ito 1 (r-< >narl* ejn cai>ili. *-x
bhea dn saa ci!ili3;a,.o dirig*'. J*e. v.ma 'arta de, vt U. AfuAathA a xin'i seordrtrio I. gove.-H ,
folicitcoe. Ao fwsmp teaipeeve.;i a(>suc,\o|p *, licaadw fcfidj*. "foils voluutari >s c a,g
licada d enviar a madarae tate um wgantesce
ramal&ele 'de UVes'proeedeates" das'estSfas YeaeJ.
A Ciwirtfoniencia yrttincirtl de Berhm, pa-
guardas.
Cor
nanerado pelo ?r. Ltrti, na se?s5o de fj e e qae Hgoifuatfvos, da bem a conhecerque 0
mui'as passagens. cbeias de mordente ironia, pa
recen ter particularmente irritado os p-triotas.
O ministro dos cult js, na sua replica, demoastrou
3ne a tolera'acia excessiva do governo a respelto
as usarpajoe* clericaes ale 18TO, creou 0 con-
flicto actual, a 0 governo, disse 0 ministro, deve
desejar qae reiae a concordia entre 0 cat*do e a
igre.a; mas sea igreja, em lugar de secontentar
com a espada espintual, reclarua tambem a espada
temijoral, 0 eetado tem 0 dever da se servir des-
te u timo para sfta defeza legitm a.
Eicerrou-se a discassao geral do orgamento dos
cultos, mas a luta reajvar se-hx a cada passo na
discussao dos artigos.
0 pa'riUo clerical ria Baviera nSo se pdde eon-
solar da derrota que Uve na sua luta contra 0 mi-
jiisterio. epiesoecial contra ominLiro da instruc-
0 procedimento do rei Luiz, para com 0 gabi-
nete, tem aggravaflo 0 descontentacnento do3 ad
versjirioi do governo. EfTectivamente depois da
sessao do dia 86 de junbo, emqae estes'contavam
wm 9 fjoeda do gabiqele, e em que 0 /jr. Lqtj
ate, suit o-Uui j de Ua**i** 4e /m, wu ariigj 8i
eiaso quo parece iadicar a^^tencia de teatativas
df apruximca 1 da parte da hurarchia catftdUea, e
d |i,irie do gov,.-rno de=ej 4c er fermiMiu 0
ctnilicta politico rellfiada
Enireunlo 0 o-gao iciuisterial dedart ajaa a paz
se dave faier no tertlH. da* lei?, e que 0 UispHdo
.lave renunciar e- coMocar aa tolo da soberanii do
cstii+i, uma s iberaaia estrang-.-ira. que ada tem
da common coma eonsoieacta religiosa, 0 a ver-
datkira missSo da igreja.
lomprehende-se bem que, quando a qnftfio
eaJa assim proposti, os bispoSjque quufiam diclar
as suas condi;ods, nao se decidirant a aceitar para
e simplesmente as do g iveraxi. Por iaso, 0 seu or-
gio principal, 0 Germinia diz-se autarisado agora
a JelTarar qae em FuTda se D3o tratoa de raorlo
algum de propostas de paz, e que os bispoi nao
aban lonaram a mais pequena parcella dos princi-
cipk's q,ue elles par tantas veiw tem proela-
mado.
0 consellio federal alleraao, aBtes de se sepa-
rar.'nomeou 03 memfiros da com.~iss;ta parlamen-
tar encarregada da revisao do project do codigo
civil, em virtnde de uma decisao anterior.
0 conselho federal teve o cuidado de nao fazer
exclusivrsrao em favor da Prussia.
Cliamoa a estis func^oes juriscoBsttltos de Bade,
de Sxp, de Wnrtemherg e da 1'rus-fa.
O prcsiJen'e da cominissao seia de-ignaJo pelo
chinceller do irnperio.
ADSTRO-HL'.VGBIA.
Abrto-se no- l de jallfo a conferencia tnterna
ei'tial sanitaria.
0 Sr. \ndrassy, n) discurso de abertora irtlica
0 li.n da'conferenm, fat voios pelo bom resul-
lad'i da sua tarefa e aegura qu) o govefno
estava dispd-to a prestarl^ie o seu apoio.
0 barao G igern foi eleilo presidents Depots
da adr.p^ao do regnfamento da ordem das discus-
sCes, 0 professor Sigmnnd indlcoa a ordem das
questSes a traiar p>la ci nferencia.
A Gazita de Vienna consagrou am artigo a con-
fereiicia sanitaria ; diz que s-e n\> tr.it 1 de siip-
primir as quarentems, ma#de refonnar o syste-
mi pjr meio da uma caawayao internacionai,
; 1 1 ; 1 .1 se abandonarain todas as prescriptoes
innteis, e que embaracatn a circularao.
As disposiciJas que -a" julgarem necessarian se-
rao redigidas em um codigo, que 03 govcrnos so
ernpenliarSo e.u olnorvar.
Alem disso propor-se-ha crcar uma reparticao
in'.crnacioual que sera enearregido de formular,
no seutido das rcsolucues da coafereacia, regula-
mentui unifjines, destinados a combater vicio-
riosa oeute a invasao das eoidemi.13.
Seiuelluhte resultado, diz o Jornild? Vienna,
so pdla -cr censeguido p'lis esforcos reuuidos &>'
todos es goveruos e seria para dusejar que U 11
sentimentu de humaniJade m-pirasse coaPrea-
cia, r. liaesse exiioir da- sua> d"lib.ra<;ooi toios
os escrupuloj d> pmca i:n;>ortaiicia. a
BDSSIA.
k' P.ll Mali Gazelle annunciia pri-ao de am
suiidilo rusbO pelo Emir de Kashgir, que recijafado
uma vingan;a fa parte d.t Ila-tia, fez coacen
tear dez ir.il hoaiens na fronluira.
I'arece que is habitant;* de Kashgir conside-
ram como ineyilave'l uma guerra coin a-Kus-ia.
Caflas do rm Amour, publicadas pela G;i3X
la de ilusuv dap tamlicin couiq possive) uma
guerra entre a Bussia e a Chiira.
No 1* de abril ultimo, o governo chioez re
cu.-ou se a rectiiicar 0 tratadido commercio pro-
ufstb p-.Ia Bussja. e deu ordens as aul>ridaies
chiiiezaj para estorvar por ioJos os ineioj possivoia
j cjinufercio russj com a China.
skiivia.
AeaBS d-; ser acrolitad i, 111 qualiJade de agfill-
te politico da iervia, junto ao governo austro-
iiungaro, o Sr. Zukitsch ; tem iustru'^oes para
uegociar era 0 conJe de Andrassy umaj:on\'eu-
cao moJificmdo as antigas capituiagojs relativas
ao nrocesso judiciario relativo aos estraugeiros
re.-identcs ha Servia.
Sahe-.-e que a S-rvia ja contratou outras con
venjoe3 deste gederd co n 0 mejmo governo, sem
qae a I'orta Oltomaua, tenha acludo quo lhe
objectar.
Entictiuto como a Portt teve neites nltlmos
tempos a desKsfVada insptfJjai de confe'slar aos
estados tribiitirios 0 diroit) Je concluir Vat.iJo.-
com as poteflcfas earopea?; Jir,-itb <\\e estcs
esta-los sempre exerceram ate aqui e que as
putenci.is contratautes, especialmeule a Russia e
Austria, -anccionarani ciilocanla suas acjg'na'.d-
ru 11 "- h-nv.-i -*o-t.\.- iratftj...., r. i. ^^orr>ptq **
misjao do Sr. Zakitsch, Rrvantisse ainla oppo-i-
cao em Constantinopla.
A Turquia faria melhor, c:n vez da resusc'tir
prerogativas excessivas de utna suierania, que na
realidade, niio teve ndnca oatro valor alem do de
um protectorado e 0 da percepcio de am tribato
annual.
Em lugar de embaracsr os estadis tributarios,
cujo concurso e tai prcciosi, para as sua3 fiaan
cai sobrecarregadas, ingerindo-se em qucstoos
vitaes, enjos interesses sao tao diff'Tentes dos
seus, a Turquia devia empregar todos os seus
esforr^os na regene^acao interior e desenvolviinen
to dos seus recarsos.
HKSPANIIA.
Sobre este paiz es reve nosso correspondente
de Lisboa :
t 5.io cada vez mais explicativas as revelac5es
sobre o desastre das forcas liberaes na memoravel
aeglo de 27 do passado.
Eis 0 que se It! na Ordcn, jornal de Mai id, a
cstc respeHd:
P-irece que crescerara de tal modo as illusoes
o(fen>ivas com as alegros noticias que Ihes comma-
nicavam os sens correspondeates no norte, que,
persualido3 de que seria um facto consumraado a
acelamar^ao de D. AfTmso, mal Estella fosse toma
da, tratarara de nomear um conselho de rcgencia
e de fonnar ministerio, 0 qae e mais ainda. 0
conselho de ngencia havia de ser presidido pelo
Sr Moreno, arcebispo de Vafladolid, e formaria
pa te deste 0 Sr. Salaverria entre ontras pes-
s as. 0 Sr. Caaovas guardava para si a pre-
sidencia do conselho de uiinistros e matidava cha-
mar a tola pressa um illustre correligtonario su
que an Java em excursao pelas frescas praias da
Galliza.
Neste estado se aehava a conspirafio offeasi-
va, 0 Sr. Saraverria vai para Paris e sabe da pro-
pria bocca de D. Isabel que tinha ja dado as or-
dens necessarias para qae lhe tivessem promptas
as equipagens, qae a ex magestade nio pre cin-
dia da satisfacao de voltar para 0 palacio da prac
do Oriente com 0 caracter que tmha quando de
la sahio ; qae so em Madrid trataria, se assim 0
julKasse convaniente, da abdica'cao a qae se obri
gava ; mas qae la, inpirar-se hia do procedimen-
to qae em caso identlco, tinham adoptado os sens
dignis'imos aotecessores Carhs IV e Fernando
VII. Qaer dizer, ate la usarta da todas as prero
gativas da cordi.
^ t Venlo isto 0 Sr. Salaverria, e quo 0 Sr. D.
Carlos Marfori gozava da inteira conftanca da sua
rainha, retiroa-s,e para m'editar nataralmente so-
bre 0 risco que corria 0 quiahao qne lhe estava
destmado na regencia, e talvez tambem sobre a
tidelidade com que se goardavam a tradic5e3 de
lamilta na ra;a bourbonlca.
t Quiz a fatalidade qae Eeteila n5o fosse toma-
da, e a acclamac3o do principe ttcoa reduzida
ao qae era na realidade : aos bons desejos do
quatro optimistas, e a viagem de D. Izabel, a um
pafseio a Bladam. >
Ora, esla ane docta da Orden, combinada com
o telegramma dos j roaes inglezes, de qua lbes
dei conta oa raiuha ultima, com a Jemissao d
general Martinez Campo^, e a nomea^ao do ge
n'eral Moriones, a com outros indicies nao menos
0 correspon
dente estava bem informado e qae nio disse se
nao a A'erdade.
a Uma carta de Terucl, de '> do corrento, refere
nos segnintes termos 0 alaqiie dado peloa cariislas
aquella cidade:
Teru-1 vio-sa muit) exposla a cair em pbder
dos cariisUs; e passoa em poucos dias por duas
sorpre;as.
Em 26 de junho ultimo, a faccao coramandada
por D. Affonso ohegou a meii legua das nossas
muralhas; em 3 da corrente, a noite, nao s6 che
garam os carlistas a cidade, mas occaparam algu-
man das snas casas, sem qne ningaem desse por
tal.
Porste motivo, a maioria a dos liberaes esla
to assastada.
c A's dez meia da noite do dia 3, di.seram as
tentinellas terem ouviJo dois tiros seguidos, que e
0 signal do aarigo com qae avisam os vigias exte-
rioras.
< Antes quese tocasse a gsneral aeadimos todos
aos nbssos poat)S.
Um forte destacamento da guar4a civil piarcqou
eu i\ b ito de qne oscarlastas tiuham occa-
pado varias casas n> panto indichdo, atndiM os
mais curr.iraiB disiacaattfltis iU vuluuUrins a t
(orcal-tis.
0 sit/" -h una lo Corral de Roquillo, 0 aint > mais
iraco da cidade, forma um friaafulo es-^eno, ofcja
base, sabre a e^trada da Al *}*, se acha foriiliea-
da com u:n tanco de miralhi ; os outras Udis
triangulo s.lo firnaados por disu !.nh dec
coastruidas sobre as an igas murallias.
Oa carlistas aiabam rotopaf trea parteso la4?o
de niarzlha indicado, e entraado por eile oecupa'
ram as casas dadire;ta.
Os gdardas clvis e voluntartos occaparam as e*-
sas da esquerds, proximas a igreja de S. Mirtinho,
diriglaJo 0 fogo contra oa earli-tis, qae cjntinu*
ramaatraado par uma aberia da muralha exterior,
pcrmiuindo a luar qae so vissem perfeitamente.
a As f3asas occapaias petos carlistas eramo ponto
que tinoara escolud > para a lefesa os voluntacios
veterauos; de modoqaa oa primeiros que chegarjrts
foram apnsksaados.
a 3obroos guardas civlse rolantarios eahia nma
chuva de balas, sem que ninguem soubesses de on
de vinhara; des;.)brin loo pjr Bm, dirigiram o*w-
go uns sbre a muralha exterior, e outros aobre
as eras que os carlistas ofteupavara.
Os veteranos occuparam a casa mais proxima e
o baiuarteda Daiio, fazendo fjgo"sobre a ponle de
Pierrad, aoroada passaram a JesfHada muiios caf
llslas
0 fogo era imponente.aterralor e durou duas
horas.
Entretanto a maior parte da fa;.;3o, qua nlguns
fazem subir'a 5.000 horn as, oc^upou 10J0 o ar
ntbalde, postandose duas companhias n'uma easa
immediata a muralna, e proxima do ponto on Je me
aehava.
a A's Ile meia tornon-se geral 0 fogo na linha
comprehenlidi desde a bateria dat Uatao at6 ao
castaHbde Ambeles.
a Os qaatro canhoesda milicia collocararo-se nos
ponto* mais avancados.
A's doze os carlistas do arrabalde, alemdo fogo
iut'nMssimo de fuzilana que faziara, dispiraram
tres tir i' d-'artilharia com uma pec> da montanha
que levavaia.
a Nasia inomento eincocarlistisatravessaram ra
pidamenle 0 espac arrabalde c a muralha, e I.m-varam lhe duas esea-
das.
a Da tone Lombardera fizeram os voluntariue
outros ires tiros de peca contra as casas do arra-
Oalde.
a En're as duas e tres da manha do dia i, 0
fogo diminuio ba.-tante, excepto na ponte do San
Miguel, onde cootinuou com a mesma yivacidade
ate deixar isoladis os carlistas enlrincheirados
aind 1 nas casas, e cujo naraero se calcala qae se-
ria ciacoenta.
A's duas e m;ia comesiram a arder algum
casas do arrabal Ie, e co.no daqaelie la Jo 0 fogo
dos carlistas fosse mui diminuto j.i, supcozemos
que rotiravam, -mesmo antes d amiahecer, e as
sim suc.-ed.u.
A's cinco da manha f )i aberta uma das por-
las que d.io sahida pira 0 arrabalde, e comecou-
se a Ie antar os mortos e feridos, tarefa em que
os socios da crnz vennelha foram ajuJalos por
alguns voluntaries. -
i A conducca) d'-unrtis e f.-ridas, e dos prisio-
nei os i'eitos nas casas do arrabalde darou todo
0 dia.
1 A compaahia deb):nbeiros voluntarios sahi)
dicilade, para r.estaurar 0 silio das rnur;lias
furado pelos carlistas e sutr>car 0 incen lio qae
ameajava reduzir a dnzas lotoo arrabal ie.
0 habit intes trataram Lgi do mular para
aqji a* suas mobilias e g ulos, uperacao qaj ainda
co tinna hoje. Em resumo, os carlistas deixa-
ram aqui aptoximaJaimmto 2>M) prijioueitos, in
cluindJ dous capities, dez smalieruos e quinv:
sargeatos ; tiveram muitos feridis quo firan re
colliidos ao hospital de s.iagna, e bastautes mir
tos, enire elles um maj'V.
As nissas perils qu; julgavamis fosscm
luaiores, coosislem em 13 feridos, guardas civis e
voluntarios, e 10 mortos, inciain loo cipltao Eul-I
u S-be so ao certo que o*carlis as levaram 40
ferilos D)s que hontem diram entrada no hos-
pital, in irreram ja li.
Hoje aprcsentarunse dous carlistas aue di
ze:n ser priiioii^irosda colamia Nouvilas. Parece
que a fadcio vinha capitaaeida p>r Marco, Mi-
drazo e Villalain.
Os carlistas eram 6,003 e os guardas civis
qae luWa na ci-1 de nao passavam de ISO. Se
um ) foisem os vol.intarios, os carlistas eatariam
noje ae posse ae ama das tres cidade* mais impor-
tantes do Aij. Oo pmoi lepuuiieauos trraro
partiJo para reclamar a orgaaisacao 0 arma-
mento da milicia nacional.
Ti-ruel acha-se a coborto de um nivo golpa
Je mSo, porqua cVgaram 'p ci lade numerosas
fore.as commandaJas pelos brigadeiros Delatret
Iriarte.
0 emmandante militarde Aragao participa
quo de.seilaram da fajjao Marco mais de 20'J ho-
mens, depois da derrota que soffreu em Terucl,
no dia quo chegou aTerael uma brigada.
t Em Aragao tetn havida numorosas desercSes
carli?tas.
a Publicoa-se a memoria do camiaho de fe.rro
de Pamplona, c segundo nella se Ie, os carlistas
em 1873 queimaram 19 esta^oes e 49 casas ;
destruiram 9 poates, 400 kilometros d3 Co tele-
graphic) e muitos wagons, e assasinaram varios
empregados, que cumpriam 0 seu dever.
0 Correio de Day >ana confirm.! a desastrosa
morte que coube aos prisioneiros feitos pelos car-
listas em Abarzuza : 182 dos que julgaram im-
plicados nos incendios e excessos de todo 0 genero
que occorrerara cm algumas ahl-ias daquellcs
sitios, foram condemnados a morte por um cm
selho de guerra. A execucao devia verificar se
a 30 de junho, as 6 horas da manha, mas chegou
uma ordem de D. Carlos commutando a pena de
morte na immediata a 9 decimos dos sentenciados.
< No nuuero dos fpzilados (que sobe a it)
contam se ufBciaes prisioneiros, assim como 0 ca
pitao de artilheria prussiana Smith, qae, segundo
afllnna um correspondence de Estella, estava en-
carregado de mandar para a imprensa allema al-
guns pormanores sobre as operacoes militares do
norte, mas que eraeousa averiguada qae aoquartel
general earlista tinha 0 titulo de official de arti-
lheria, e quando foi aprisionado por uma avan
eada earlista em Villatuerla, fazia 0 papel de es-
piao. Accrescenta 0 correspondente que 0 tal
Sm-th, antes de soffrer a pena, olTarecera 60 pe;a>
Krupp por seu resgate, compromettondo se a en-
trega las em breve prazo e a dirigir propriamente
0 fogo dessas baterias. Naose tendo aecedido a
este pedido, Smith peJio para se converter a
religiao calholica, escreveu> sua familia, e mo-
mentos deoois de receber os ultimos sacramentos,
cahio por terra mt-rlo.
t Diz-se que Tristany foi demittido por D. At
fonso, e que Savails, descontente com a nomeagao
de Luarraga, ia entiar em Fr-nca.
c D'uma folha earlista que alcancei, extracts a
ordem do dia do general I). Antouio Dorregaray,
depoii da victoria de %J de junho :
a Ordem do dia.Estella 28 de junho.
Voluntarios: Ha doze dias me dirigi a vos,
para vos later conhacer os projectos dot aossos ini-
migos, a dizer-vos as esperanca^ que tiuha de obter
uma victoria decisiva. ____
Os republican is, commandados pelo mais dls-
tineto de seus generaes, 0 mareehal D. Maaoel Ga
tierrez de la Concha, tinaam reualdo um exercito
de 5J.0C0 homeus, 80 pecas a 2,300 cavallos,
isto e, todos os elbmentos drspoBivers da iacao.
a Nao cstaado segurosdo tciuopbo, anezar des;
tes podeios.s eleimento.^Ialgararnaiterrarnos.en-^.
tregando ao roubo e ao ip'ceadio as. povoajoe's por
onde passavam;. ffesfrulalo S cojheit'ai; malrra-
taudo as. mulboresr, as crianQas e 03 yerhrjs.e, "cofho
se isto Jura ainda pouco. espaJharido entre*' rf*S
calumnias infame^.
Has esje e'xercftp de. JacettdJatlpJ rtcebcu de
Deus 0 cajtigp, qpe" jnere.cia pelo sa hbrrivel
precedimento. -
.VoIuntarlM, ajt ff^h* ybs Tiroulettido que des-
trairjejs esteox^rcfto da" revoratjSo vistes 0 re-
sultad 1: 0 seu general em chefe, Cbucna, morto,
peraas consideraveis em t6das as classes do exer-
cito, que $e rebtdU'em dlspersao.
a.dstephblicSmQs' aooanciaram-nos os crimes
quo tepciojiayaiii comraelter na sua matrtra sobre
Estella, e coJirireteTani-O', eomo vm bando de
rnalfe1tore5;.a|6.a atwsa primeira llnha de defeza.
Oscojigps cjvjf'e/mllttaT estabelecem penas para
taes crime j, e Jf.mbul 0 aiftssa causa exigern que
nao flqaem impdaes1; epromeTtovos que nao ft-
car^o. pqis.vpu sapafettef a ijra conselbii de gaer
ra ds crjmlnojo*:
Todbs vos cumprlstM 0 vosso daver coaTirM
coragem qjie vos cofloca oa aftara da nosta att'lga
HespaOtia; el rei, ijijsgri seirnor, fos reCoiUpenra-
ra, cooq mereceis.
Agradaf4voi, em sen real norae, a "*}W* jaatavel cjamffiViainciitu aesU batalha,lodp n"rn*"ij
i 1 vo* aJxira.
Vol jnlaajfc.! nio si|aecai as flthBTBids t\
OxHuAtJ^wjtif nossus Iiuihibus -er&'e vu?, urinci-i
*iiuo'iie ia> dias anterim-es u>i ultimu, aTaqae.jl
izriflfraos elles qae os vossos generaas fJtu abai-i
don r-vos e trahir-vos: aoubestes despresa-las.
Coutimui sttiapre a fazer mssmo, porque, aco%-.
t;.a o qiaa aroataoer, os vossas generasa combat -
iSrseipi# ao aasao laia, e Bun-a abauJonario
os sea* eluron taluaurios. Assim vo lo jro.
Vosso amtgo e general.A afanid Dorregaray. a
1 A Gaerli do dia 10 publicou decretos no-
raeaolo juntas de beneficencia-particular nas pro-
vineias d'Alicante, Avila, Baleares, Cadiz, Cordo-
va, Haelva, Iluesci, Lerida, OvieJo, Sevilha, e
Teruel; fazendo extensivo a marinha e a infanteria
de marinha 0 decrtto de 9 de maio attimo com
referencia a sapJM*ssai da peseta a mais e da
alioiu de 2'i centesiraos de peseta diarios ; auto-
risaado-o ministro da raariaoa a fazer acquisigao
dos objactos necessarios para 0 complete apras-
tamento das fragatas courafadas Numancia, Sara-
gor.a e Vieloria.
c Clloa dirigio umacirciiiar aos representantes
daHespanha no eaaf|eiro prolestand con ra as
indigaas falsidadeS publicadas por Dorregaray
n'uin memorandum qua dirigio as iiacdes estraa-
geiras, na qaal sib calumniados os soldados repu-
b'ieanos, e em jae declara qua fara guerra sem
dar quartel.
Na ultima substitaicao entraram no exercito
liberal 49,031 homens, remindo se 3,743.
A gaaraicao da Santander foi reforcada.
Den-sy alii ha dias grando alarma c alguma agita-
cao por ter orrido 0 boato de que uma forca de
1,2)0 infantes e 100 cavallos carlistas ia atacar
aquella :idade. Tomaram-se varias providencias
militares e 0 ataque niio se realisoa.
F-i dissolvida a mili:ia is Amadeu para ser
Mv meate orgaaisada. Os voluntarios entregaram
as annas sem opposi;aO e a Iran (uillidade e alii
completa.
< Na provincia de Ciudad Real nlo ha nenhum
earlista em armas.
A iasurreicio dos rifenhos em Ceata tem di-
minuido bastante de gravidade.
Um telegramma de Oviedo publicado na Ga-
ceta, diz qua f'i batida a faccao Faes em Ilio Ssc-
co ; um tnorto e um ferido prisioneiro^ D) Bur-
get sabe-se que foi dispersa a faccao Ruperto
Blanco, queperdeu 10 cavallos c m mantimentos.
a Da panicipacao ollicial acerca das ultimas
operajojs militares em 0 norte resulta que falta-
r,i 11 inunifues e racoes as tropas, soil'ren Jo estas
aill.ctivas e dilliceis marchas. As perdas decla-
ra lai no dito document) sao au todo 1,342 ho-
mens, nos quaes se incluem 16 olliciaes mortos,
73 feridos e 18 conlusos. As cooclusoas do gene
ral Echaguc sao,as seguiates :
c Assume a rasponsabilidade do movimen'.o re-
trograde, necessario desde o m mento em qae se
foimara a BMVueao de qua nao acharia exito
sem novo ata .ue que polesse intentarse no dia
seguinte sobro as posi^oes de Eat J!a.
a Para chagar a adquiri-U, pesaram no raeu
aniaio, impellindo-me a vallar as posieoes de par-
tida, circumstauelai ties 0:110 a falla de pr.qec
lis de artilharia quo se exhauriram, e do muui
ffes de infanteria, e terem-llcado aliiuns batalhoes
com returnido numero de chafes olliciaes e pra
cas pelas numerosas baixas havidas durante a
luta, e ter exportado 0 CQinboio 10,003 ra.oos em
vez das 39,000 que se neccssitavam com urgen-
cia, e principalmente a coosidera^ao de qae 0 con
tina.r aa |u:lhs nosicSes, era crear ao futuro ge-
neral em cnefe e ao governo to las as difQculda-
des de uma situacao mi itar for^ada.
a Zivalla continila em Tafalla, oecupa lo nos
preparatives de nova bataitu. 0 exercito recebeu
13 tutallioes de soldados velhos.
Em cousejuencia da nova attitude qua se
atlribue aos carlistas biscainhos. tem-se activado
as obras de fortificacdas dos arredores de Bilbao,
Forcas carlisUts sitaadas em Coliudrcs ccrta-
ram 0 lelegrapho eatre Santona e Loredo.
Trat)a-se a'uni dos ultimos coaseibis de mi-
uistro: do regulamsnto da abOliljSo da escravatu-
ra em IVrto Bico.
A baixa dos valores hespanhois preoccupa
muit) os circulos fluanceiros. 0
PORTUGAL.
0 resultiilo conhecido das e!eir;oes era
0 seguintd :
Ciroulo GoListas.Dr. Joaquim Jose
Alves, Got.
Circulo, 66Idem.Antonio Augusto
Per.ira de Miranda.
Ctrjulo 67Idem.Antonio JaJ de
St-i xaa. S
Ctrculo 60Idem.'juiluerme ulnti-
no Lopes de Mace lo.
Circulo 70 Mifra Franeisoa Costa.
71 Botrile n. Padro Augusto
73 .Urmia.EJuarlo Tava-
74Setubal.Antonio Maria Ar-
L-ao.
Circulo
Franco.
Circuit
res.
Circulo
robos.
Circulo 1 Vianna do Castello.Alfredo
Falgueirss da Rocha Peixolo. -
Circulo 2MoncAo.Placido An'onio de
Abreii.
Circulo 3Ponte de Lima.Manoel Ben-
to da Rocha Peixoto.
Circulo 4Valence.Luiz de Freitas
Branco.
Circulo 5 Arcos.Visconde de Azaraji-
nha.
Circulo GBraga.Thomaz Ribeiro.
Circulo 7Villa Verde.Alvos Passos.
Circulo 8Barcellos.Jeronyato Pimtn-
tel.
Circulo 9Fimalicao.Miguel Maxi-
mo.
Circulo 10*Poyoa de Lanhoso.Gui-
Iherme d'Abreu.
Circulo 11Fafe.Visconledo Moreira
de Rei.
Circolo 12 GuiraarSes. Vasco
Circulo 13Porto Plidi >.
Circulo 14Porto.Francisco Pinto Bes-
sa.
Circulo 15 Amarante.Adriano de Sam
paio.
Circulo 16Penafiel.Vieira da Mot-
ta.
. Circulo 17Felgueiras Julio de Vilhe-
na.
Circulo 18Paredes.Jo:e Guilherme
Pacheco.
Circulo 19Santos Thyrso.Jose Joa-
quim de Figuoreido Faria.
Circulo 20Gondomar."Barao de Fer-
reira dos Santos.
Circulo 21Villa Nova de Gaya. An-
selmo Bra-amcanyp.
Circulo 2SVilla Rail.Agostinho da
Rocha.
Cirduto 24Peso ek Regon.Loureoxjo
de Cbrvalbo.
CirculO 25 Al j5. Vrsconde de Ribeira
jVde AIij6.
Circulo 20'Vallade Panos.A. J. Avtla.
Circulo ST^-Brfganca. Thorns?. Ribei-
ro.
1 ;: Cifculo 28Macedo de Cavalleiros.
Marcal Pacheco.
Circulo 29 -Mirandella.Visconde d'Ar-
flaga.
Circtflo 30MoneoTTO.Manuel d'As-
Urapgao.
Circulo 31 Aveiro.Jose Dias Forrei-
M.
Circulo 33Estarreja.Jose" da Costa e
i|fa.
! Circulo 3iFeira.Pires de Lima.
Circulo35Arouca.Diogo Forjaz.
Circulo 37'Penacora^augnsto Godi*
ffho.
Circolo 38Arganil.Francisco Vanzel-
4er.
Circulo 39Coimbra.Joaquim Goncal-
yw Mafriede.
^WlrJ|^s*llr>--Jo *,m-oti ,tos -liroirrw de
tuii Idgera^ *fl) "li^ii-i^oHi, (.tr. r.'gimeH das leis do Uuit-lagum do* EstaJos-
lliriii<, taxlos-os imvmm ni<*rieau->9, quando
clicgani a um |Mrt< dos Estades-Unidos,
tem tpepagar aireitos de tonelagem, cm
quanta u> navios bclga; nao tem nada que
pa gar ; eoomocOfB a maior parte das ou-
tras [i:>tencias, ha n clauauta do serein equi-
{taradas, mi nagik) mais faroreeidB todas
as outras potencias torn 0 dircito a sert-m
igualmenlo eousideradas, em detrioceu: j do
commercio nacional.
0 presidento vai suJbmeRer a"scama-
ras 0 ndvo currency-bill.
Tend) o Sr. Jones, senatkr por Nevada,
pedido ao presidento Grant para lhe expdr
por escripto as suas ideas sobre a queslSo
lioanceira, este dirigio-lhc um memoran-
dum muito exten'O que foi logo publicado
pelos jornaes, e que chamou a attenrao pu-
blicn e excitou applausos unanimes.
0 presidente general Grant depois Je tei
rcnovado neste documento os seus anterio-
res argurneutos cm favor do prompto RtMh
belecimento da circulac.io melallica, m lira
que df sejava um bill que derugasse a ki do
legal-lender, e entrasso em vigor no 1* Je
ga-TViies Mexia..
tir ulo 41CjaVinhe.le.-j-Augusia ttar-
aoi. [ *
Circulo 42 -FigUilra. Luu Je Lancas-
tre.
Crculo 43Sinfaes.Ricari) de Mello
Gouvei.i.
(jrcub 4 V--*Limego. Vntonio CarJoso
Avelino.
Circulo 46Moimenta'da Beira. Visxm-
de de Guedea Teixeira.
Qrculo 47Mangualdc.Francisco d'Al-
buquerque.
Circulo 48Car regal.Fortunato das
!fetw.
Circulo 50S. Pedro do Sui.Jose Cor-
r&a de Oliveira.,
"ircolo 51Vizeu.Luiz de Campos.
Gi*uli 53Guarda.Antonio Telles de
Vasconcellos.
Circulo 53Sabugal.Boavida.
Circulo 54-Pinhel.Neves Carneiro.
Circulo 55 Trancoso.Alberto Ozorio
de Vasconcellos.
Circulo 57Castello Branco.Antonio
Cardoso Avelino.
Circulo 58 Cerl3.Jo5o Ribeiro dos
Santos.
Cisculo 59Covilha..Manual Pinheiro
Chagas.
Circulo 60Eundao.Souza Lobo.
Circulo 61CalJas.Auguslp Zeferino
Rodrigues. I
Circulo 62 Leiria.Ig3 j Maria de Ma-
galhaes.
Circulo 63 Pomba .Antonio Jose Tei-
xeira.
Circu'o 75Torres Novas. Anlonio Ro-
drigues Sampaio.
Circulo 76 Thomar. Visconde do Villa
Nova da Rainha,
Circulo 77Abrantes.D. Migtel Perei
ra Coutinho.
Circulo 78 -Santarem.Palm-s.
Ctcu1o80 Portalegre.J. Daptista Klcr
ck.
Circulo 81 Elvas. Empale.
Circulo 82 Aviz Augusto da Mello
Gouveia.
Circulo 8'JEvoraJoso Maria dos Sau-
t03.
Circulo 84 Estrerooz.FalcSo da l'oa-
ceca
Circulo 80RedonJo. Luiz de Souza
Faria e Mello.
Circulo 80 Beja.Jaime Perdigao.
Circulo 87Moura.Limpreia.
Circulo 90Faro Luiz Bivar.
Circulo 91SilverBarros e Cunha.
A corveta Barlfiolomcu Dias volt >u
de Tanger, trazendo a noticia de ter a in-
surrekjao dos africanos tornado menorcs
proporcoes.
Tendo sido absolvido, foi posto em li
bcrdale 0 con le de Magalhaes
Falleceraiu : em Lisb a, 0 medico
Dr. Abel Marii Jordan, e 0 negociante Jose
de Brit-).
F i aceita pelo Papa a renuncia do
bispo de Gda, e nomeadus para esse car-
go 0 ib Fuuchal, e para este 0 Dr. Napoles.
Chegaram a Lisboa : a 8, v?par fran-
coz Vilte de Santos, de Pernambuco, vapor
inglez Draganza, do Maranhao, a 9, barca
portugueza Amazonas, do Para ; a 10, es
cuna tlita Aguia, de Pernambuco, patacho
dito Oi, do Aracajft.
Chogaram ao porlo : a 9, brigue por-
tuguez Florinda, do Pernambuco
Sahiram de Lisboa : a 10, vapor in-
glez Ambroze, para 0 Pard, Maranhao eCea-
A 5 de agosto deve sahir de Lisboa
para 0 nosso porto o vapor inglez Gallicia,
da linha do Pacifico.
A 24 do corrente devem ter partido de
Lisbda : vapor francez Erimanthe, para
Pernambuco; vapor inglez Lisboaense, para
0 Pard,, Maranhao 6 Ceard.
Por
.\oticiit*i l:i America.
via do Lisbioa tecebemos as seguin-
tes
ESTABOS USIDOS.
Diz 0 Herald que 0 Sr. Grant pedio de
um modo peremptorio d Hespanha uma in-
domnisagao pela execucao dos prisioneiros
do Virginius, e perdas e damnos para as
families. Os pedidos sao semelhantes aos
de Inglaterra.
0 presidente Grant, nomeou 0 gene-
ral Benjamin & Bristow, do Kentucky, se-
cretario da thesouraria, om substituit;3o do
Sr. Richardson que foi nomeado ju'u da
court of claims.
0 senado ratificou a primeira nomeagSo
por unanimiiade, c a segunda por uma
pequena maioria.
A escolha do Sr. Bristow e geralmente ap-
provada pela imprensa e pela opinido pu-
blica. 0 Sr. Bristow jd foi neral, dos Estados Unidos ; e um homem
honesto, e profundo jurists : e se nao torn
reputagdocomofinanceiro, tem reconhecida-
mente todas as qualidades para bem desem-
p;nbar 0 seu cargo.
A camera adoptou um bill relativo a
Utah, afim de darum golpe mestre no mor-
monismo. 0 bill tem por fim excluir os
mormons polygamos dos jurys e da admi-
nistratjdo da justica civil e criminal em todo
o territorio de Utah. Ate agora tem sido
impossivel obter, contra os accusados de
pofygamia, um unico veredicto, por isso
que osjurados, quedeveriam pronunciar,
eram exclusivainente compo^lbs do poly-
gamos.
O eslatuto contra a pluralidade das espo-
sas Gcou sempre em estado de lettra morta.
Ora, o bill qae n camara approvou por uma
maioria de 155 votos contra 59, 6 um re-
medio^trevido applicado atrevidamente a
um grando mal.
0 bill desposa virtualmente 0 mormon de
tnurtos^dos seas principaes dtreitos de cida-
dio. Os tribtiaaes ie probate corapaslos de
juizes mormons, e investidos pela lei lerri-
torialdo diraitu de jurisdiccio em materia
dei testamentos, de tutella e de divorcio ;
serdo em grande parte despojados dos seus
privilegios em favor dos tribunaes dos dis-
trictos, cujos juizes sdo nonaeados pela au-
toridade federal.
Julgaae quB 0 senado approvard 0 bill,
e que 0 presidente deseja assigna-lo.
A unica esperanQa que ficaria 80s mor-
mons intran6igentes seria de recorrer ao tri-
bunal supremo dos Estados-Unidos por causa
de inconstilucionalidade da lei.
Foi proposio d camara um bill pedindoa
denunciagfio 110s prazos legaes do tratado
de 17 de julho de 1858, entro os Estados-
Unidos e a Belgica.
O.relatorio explica que nos termoa desse
tratado os vasos de vapor dos dous paizes
em estado de navegacdo regular entre os Es
tadoS'Unidos e a Belgica sdo isentos n'ura e
julho ileverja estar retirado da circul.n;do no mer
de julho de 1870. 0 presidente pensa que
cstas modi las [loderiain sor tomadas :a
prpjuizo algum para 0 commercio, por m-io
da liberdade dos buncos, quo Hie: nan vria
conccdida senao com a condijdo de que 0
minimum das uotas fosse de 10 dollar?.
0 general acredila que so se nao Imsseai
emittido green-backs {legd-tender notes) de
valor inferior a esta somina, o ouro arautda-
lo nao teria sido retira lo da circulagao.
I^ualquer quo s'ja 0 valor do piano do
general Grant, ft-se qne os inflntionistus
nao te.n quo esperar eomposicdo alguma da
sua parte.
Alim de pro ver a esta relirada do pa pel-
moeda em 1876, 0 presidente admitte que
ria indispeusav 1 autorisar a emissao dc
bons do llvsouro, pagavcis e:u ouro, v,n-
cendo jnros que co:n:nanlissem a piri lade
com 0 ouro ; bons, qua ndo seriam emitli-
los senao a medida das necessidades creadas
para csta rede-npr;ao do papil-moeda.
O prcsidt-nle fez um grande acto. l>u-
rante os annos do sua adtninistragao.
nada tea taodignodo vencedor de Vicks-burg
do que o memorandum ^or ellc dirigi io aj
senador Johnsoor.
Quec 1 s pagame;itos\ cm metal, e MM
nada. 0 seu tnanifes o inaugura a campa-
nha contra 0 papel-rcoeda : declara qje
combaterd o inimigo sobre a linha da circu-
la'jdo meUllica, ainda que tenha tie se ?-n-
prcgar ncssa luta ale 0 li.n da sua vida pre-
si lencial.
Caliio rm 9 dejnnliri uma vioieMa
tempestadc sobre os EstvJos-Unidns. As lo-
cal.dades rnais dainnificadss foram liica,
Syracusa, Troy e Tampico lllinoi- S6
om Ulica catisou a morte a 27 pessoas.
Partio eui 8 0 vapor dos Estados I ni-
bs Swalara, levando os astrouomos c pho-
tographos eticarregados' da obseivai.fi > do
traiiiito de Venus. O Swalara tem que to-
car em llobart Town, Terra de Van Diemt-n,
kerguelen Island, Crozat I.-land e Chalan
Island.
Tan to Valeria duas vi'gens d roda lo
mundo.
Os indios accommelteram Caitlfio Ccn-
cho (Texas) e roubsram ate os cavallos do
esqua Irao de cavallaria alii estacionado.
Fundeou a 8 em Porthsncouth N--v
Hampshire, 0 vapor Faraday, qae es'.ov?
lancaudo 0 o cabo teb graphico.
0 niate Exile, que tinha carregaJo
uma porgaodenitro-glycerino, foi pelos ar,
no Lago Superior, pela explosdo deste ge-
nero. Morreram as oito pessoas que esta-
vam a bordo.
Vao ser continuaJas as obras da gran-
do ponte entre Ni^w-York e Brookl.n, cjhi
que ja se tern gasto a fabulosa somma Je
94,486,153 32, coFrespondente a.....
8,O75:0755J976 de nossa moeda.
Foi nomeado ministro dos Estados-
Unidos na Allemanha 0 Sr. Bancroft Davis,
em substituiruo ao eminente historiador
George Bancroft, exonerado a seu pedido.
0 presidente Grant e os altos funr >-
narios da Uniao foram passar a esta^ao cal-
mosa em Cape-May
Foi publicada a convencio postal ce-
leb rada entre os Estados-Unidos e a Franca.
No dia 14 chgou a New-York, pr cc-
dento de Liverpool, 0 Sr. JelTerson D.ni<,
que foi presidente dos Estados do Sul na
guerra dascisao. No mesmo dia partio pira
sua residencia no Tennessee.
Continue a propaganda das mulhercs
contra as bebidas acoolicas. A tenac; lade
dos prnpagandistas tem jd occasionado lutno-
sas scenes do sangue. N'uma convened'-1
celebrada em Springfield 'Ohio) reuniram-
se 325 damas, delegadas das 167 Ligasda
temperance.
' Inaugurou-sa hedia (8 0 noro nitre-
postopera 0 recobimento e armazenagem das
mercadorias na alfendega de New-York.
E' um vasto edilicb de cinco andaaes,
medindo 228 pes de facbada sobre I.aigl.t
street, 177 pes sobre Washington street, 63
sobre West street e 06 sobre Hubert street.
Em 18 d noite sentio-se um tremor de
terra em Salt Lake City Utah) que durou
cerca de 30 segundos.
A camara dos represontantes votou a
somma de 9300 (540-SOOO) para a corapra
de um relog'O dado por Washington a La-
fayette e que, depois do vicissitudes qee
seria interessante conhecer, estiva "Tjltima-
mente em poder de um agiota que empresta
sobre penhores em Louisville.
No dia 19 desabm uma vioienlassima
tempestade sobre Gjspe (Quebec), que dea-
truio cerca de com barcos de pesca em Zer-
ce. Calcula-se os pr.-juizos em (512,000
MEXICO
0 governo n solveu abolir os direito^ de
cxportacdo sobre a moeda es espeeie, assim
como abjlir os imposes do mesmo genero
lancados sobre as mercadorias tfantportaJas
de um estado para outro. Os direi:os ata
alfandega foram modiUcados n'um aentido
liberal.
0 Congresso-do Estado de Tau nalipas
restabeleceu a pena capital para assassinios
e outros critaos.
Em Jacobo foram quermadas Tivas
duas pessoas I 0 seguinte documento offi-
cial, dirigido por Ignacio Caslilho, alcaide
de Jocobo, ao cidaddo prefeito do disiric-
to em Concordia dd toda authencidade
este acto de fanetismo btutal.
! In'ormo a vossr prefeitnra que esta tar-
de ordenei t prisdo de Jose K. Bemlla e
Diega Luge, como feiliceiros, que haseis
mezes enfeiticarara 0 cidadio Silfestrft Za-


>
I
: '
1
'i



-
'. \


/ I
\


-----------------------------


cha&r- rt^iAnjrvE^iiyHh
nfttrffe 9&TakM<#tefo&^ +^&a*wikm iNfo

\
\
K,


artiuho P-ir-'j a e.wosf^Ao interrtftforw! teve fnilj&f
Ms, um tete de beber'frts oopds" de Concluip-se' um recen^a-memo qne in*
BJtento coiisideravel na pojluJsV
* S
abaixo alsig'nafld, "fh'ii^nado" coino toil a
populacfto da atdera -contra OS f'-ilteeifoj,
m piesos os queimados
ao lti ;Ng4r lioje ds 10
Indepenfencia e Liborda-
ord
horas da noite.
Ae't *
Oi desi|r*ca autoridades supsrhres da Republica manda-
ramporsua vez prender o a'caide a Jocobo,
oprtfrito da CenCordin o ojuizrjtffrifeuna
sup-rior do dfctrieto, quo rdenaram e
deixaram perpetrar semelhante barharidaie,
e instanraram-lhss p-ocessos.
CUBA -^
Contiuiia a insurreie,ao.
A colonia passa por urr.a criso monetaria,
IuqSo. 0 goyernador general decretou que
parte dos pagametitos fossom feitos en me-
Ulico, da quo rosultou o descredito d
moela fiduciaria, ra sem valor al^um, o
a necessidade do emprego de medic'as seve-
ras para qae os capitalistas nao tirassem da
circulagao o nuinenjfrio que possuem.
0 governo enittio um emprestimo for-
$ado de 5,000,000, ao premio de 8%.
Os jornaes da Havana exhortam a popula-
3o a sshir de sua lettaargia e a fazer algu-
ma oousa para salvar'a illia da ruiua linan,
coira antes quo j^ seja tarde.
Foram pres.'s m Bahia de Giguey
tres chefes insurg-sntes, cliamados Betan-
court, Jimenez e llojas, qae linham ido de
New-York.
Quatro insiugentes quo faziam parte
dos bandos de Camoganuis e depuzeram
suas annas nas linbas hespanholas de la
Trocha Jueara, affirroam que fdra deposto o
inarquez da Santa L-icia do cargo de pre
sidente da Itepublica cubdna, e eleito para
substituil o o general Maximo Gomez.
Annuncia o brigadeiro genewl Espon-
de que fez um passeio militar com quatro
batalboes. de la" Trocha Moran a Jucdra,
sem haver enconlrado rebeldes.
O capitao general Concha visitou Mar-
tatizas e Cardenas.
No dia 21 a noite foram convocados
para uma conferencia no palacio do capitao
general todos os coroneis do exercito regu-
lar e toJjs os olficiaos generaes dos volun-
tarios. Iguora-se os fins e resultad s da
conference-
So dia 22 formou-se uma enorme
trombi d'agua no porto do Havana, que
causou prejuizos coosideraveis. vForam para
o lundo a barca russa Jenny ea'lgumas em-
bareacdes miudns. Nao houve psrdas de
vid35. Os navios de guerra demoliram a
tromba abrinlo fogo sobre ella.
ii.uti.
As ultimas noticias do Haiti annunciam
que a Republica esta" tranquilla. As nu-
\ vens ameaQadorai que entenebreciam o fir-
xuiamento politico esvaecera l-sb como o
orvalho aos rais do sol, e uma concordia
dignada idade doouro reina em Port-au-
Priaca
A nssemblei nacional reuhio-so em 10 de
junho e elegeu presidente.da Republica o
2-maral Dominguez.
Qditro commissa-ios haitianos feram
;i S. Domingos para celebrar um tratado do
paz o amizade entre as duas Republicas.
# JAMAYCA.
rassa com intensidade a variola*na Ja-
laayca. A populacuo agricola u a que mais
sollVecOD a epideraia. 0 terror e tal que
! cam abandonados os variolosos nos C3m-
j os, e ahi s5o devorados pelos animaes car-
livoros porque nao ha quern tenha a cari-
dde de enterrsl-os.
AMERICA CENTRAL.
0 comec.0 ^le mez de junho foi ass;gna-
Jado por violentissimas tempestades em
toda a costa do I'acitico.
0 presidente Barrias, da Guatemala man-
dou passar pelas armas o commandante
G onzalez, por desobedienc:a ds leis milita-
res do paiz no caso do Sr. Mageo, vice-cjn-
s:il britannico, que ,o roesmo commandante
man lara acoitar. gpepois de ter o Estado
pig.:. 10,000* pelos aQoites que levou o tal
vice-consul, e dep>is do espingardeamento
do tal commandante, reina um excellenle
aioordo entre o mesmo vice-consul e o go-
Tcrno da Guatemala.
0 presidente Gonzalez, S.. Salvador, vai
manJar construir uma mva fortaleza e uma
nova alfandega em Concordia. S. Salvador,
prepara-se para apresentar-se dignamente
na exposicao chilena.
0 ex-presidente Arrias, de Honduras, foi
emfim posto em liborJadef Fixaram Ni-
. carugua para lugar de sua residencia. D.
l'oticiano Leiva foi eleito presidente cons-
titutional de Honduras, e o Congresso de-
clarou que elle hem mereceu da patria.
Da Columbia nao ha noticias politicas de
-imeresse. Os habitantes do isthmo es'.ao
unicamenteoccupados com a agricultura e
com os meios de construir um aqueducto
para abastecer de agua a cidade de Panama".
Houve uma tentativa de revolujao em
Coita Rica. Todos os que neili tiveram
parle foram desterrados para a ilba dos
Cocoj, comviveres para seis mezes.
PERU'.
Uma corr:sp-)niencia de Lima annuadla
qiu o comm-;rci) do Perii resente-se das
fallencias successivas c!e dous dos princi-
pals negocinntes de Lima, DD, Julian Za-
raconiegui e Juan de L'garle. 0 primeiro
goziva detanta conrianca que tinha'em de-
pos to sommas que se elevam a 2,500,000
sof''s, que estSo perdidos para os sens pro-
prietaries.
Os pagadires do exercito foram atacados
na ostrada de ferro de Oroya, a 35 milhss
de Lima, por alguns baniidos mascarados,
e deixados por mortos.
0 czar da Russia aceitou o encargo de
arbitro nas diffimldades exietentes entre o
Peru e o JapJo a proposito da apprehan-
sao do navio do coolies Maria da buz.
0 duque de Genova chegau a Calhio na
iragata italiana Garibaldi. Indo a Lima,
f)i I ospedado no palacio do presidente da
Republica.
GOYAJWA I.XGLEZA.
RebiBirtou a 23 de maio um violeaHssimo
inceidio em DemerJra. 0 fogo destruio
os eatabelecimentos commerciaes dos Srs.
Ramsay, HiU & C., Iwing Maw.rthQr d C
e M. F. Camacbo, assim como um grande
deposito de mercadorias. Os pr^ju'uos
slo- calculados en 1,000,000 (arca de
10,000,000*000 de nosso maeda), nlas
esta Jnorme spmmi estd cofeejta pelo se-
ca u'o ang-tieiUo
raoda colonl.a. **** nffl-a-
1U1AS DE SANDWICH.
0 Commercial Adoerlimr d'Uonolulu an-
Q.uncia a nolneajSo dos Srs. Nabaema, para
irtinislro das Ananias, Green, do inter***
interino djs hegocios estrangeiros, e Sttn-
tey, para altdrney general. Laments-SB g9-
ralraente que os Srs ttirtewell e Wedtaaan
se tenham retfraifb-do gabtaete.
Em Honolulu tambem se inaugurou uma
cruza da datemperanga, e comjtanto ardor,
que a assembled nacional rejeitou um pw-
jecto que institufa a livre venda de licOrea.
Da;c3pita> uomn Bo*w owMBponieofe e?a rtfalfc 2i ie eormi*#*Male, afiste hci:i ter lo
.*">.* '->' oonlftaAjo-HacftirM Ef*L- 1iaiiellh>.-^> ttmi Ctara iron**
^4aiA*bMeira48'IWIIo,VRjma*#^nhli*o da I Krauze 4C
coaaarcaate G^auar4lam,Ixmt^a&W lfefs*( mm !rfe-|5 cub'. -..*
da o bacwrel Sa>;e filWi oonw*fio Liu muojcipal A. Hyvemat '" "*
p teripo da Duroantin^ na pfovidSIa de ffatto- Damingns Ferreiia Sfafa
p^- .'., >>'"|ra Jose GoBcaivtf? B*fir) &
t Foram capturados pelo subdelegid* de pftlieia Piho '
do diatrkto ti Santa Cruz, Jp*4 Craneigoo da Bo- *J*e B^dri-rues de Sooia
Cft*^ e ^a a actaaj recolhidoa a caiieia des ca jLuis Bamos da Sitra
2:1831 MO
1.100*000
1:327*000
JoVj
\lieias tin norte do iattperlo.
Amanheceu hoatam em nosso porto o vpor
brasdeiro Ceard, trazendo datas : do Para 18, Ma-
ranhJo 10, Ceara it, Bio Graade 23, e Parahyba
25 do corrente.
AM.VZJNAS
Seguira para Jaburii, a fazer exploracSes geo-
logicas, o Dr. J. Barbosa RoJrigues.
Antonio B. de Soaia e dons fl!ho9 raptaram
nraa escrr.va de 15 a 20 aonos de idale, que e*la-
va do siiio iarana-rairy-de-ckn, de sea seBaor,
aoanhando ca-ao. 0 senhor da eaerava mandou-a
buscir quatro dias depols j)or am ftlho sea acom-
panhado de.quatro teatemanbas.
Foi assassinado bo atto Tapajoz, districto de
ftaituba, lugar Mambaaliy, em sua propria caB*. o
commerciante brasileiro. natural de Cuyaba, Ma-
noel Querino Paes, por dous iadios de nomes
Fraaciico Apihaca e Portasio de tal, a mandado da
tapuya Antonia, concubina do infelia Paei.
Manoel Q lerino Paes tintia de costume estar
f'tra de caaa ale muito tarde da noiio conversaado
com os seus fregaezes, e no dia em que foi assa;-
cinado, ao recolher-se foi-lbe disparada por Fran-
cisco Apihaca a espingarda que Ihe fora dada pelo
Portasio, carregada com bala
0 as n'mna horla, d'onde com seguranci fez pontaria,
danlo tao certeiro tiro, que prolaz'io a morto Ins-
tantanea do infeliz Paes.
Antonia f ii quern man Ion commetter o crime, e
Poriasio forneceu a arm i, p >Uora e bala.
Foram todos preso3 era fligrante delicto e re-
mettidos a autoridaie judiciacia, de Santarem, on-
de corre o respoctivo processo.
Francisco Apihaca, o assassino, o ainda muito
oven, quando muiti ten 23 annos.
Querino Paes era solteiro, mas deixou alguns
Slhos menores quo legitimou.
As exploracSes altimamente feitas pelos fre-
guezes dos Srs. Corroia & Irnao, proprieUrios e
oegociantes em Santarem e alt> Tapajoz, derara
era resultado terera enconlrado em seu iraniMo,
entre a sec-.-ao encachoeirala do rio Tapajoz, inter
minaveis campinas proprias para a criaeao de
gado, com pastagens baixas e frescjs, tanto de in-
verho com) de verao, semelhantes as do Bio Gran-
de do Sul.
0 resultado favjravel da exploraeio, animando
o espuito eraprehendedor daqoelles negociantes
h inrados e laboriosos, fe'. com que mandassem ja
vir de Cuyaba o gado necessario para fundarem
uma fazenda de criajio, que espsram em breve
vela montada e corresponlendo em lucros a sna
espectativ.
A descoberta da; grandes campinas do alto Ta-
pajoz, Guru-u. S Manoel c outros aflluentes do
rio Tapajoz, vira taivez do*periar em todos que
visara o futun, o desejo de fundarem fanndas de
gado, uma das granles fontos da ritjueza publica
e particular.
Kw faltarao emprehen iedores cremo3, porque
o embaraco do transito no espaco encacboeirailo
do no pode ser facilra nte removido, abrindo-se
uma eslrada de rodagem ou uma via ferrea a par-
tir de Santarem ou de Itaituba a salvsr esse pe-
qua.no obstaculo, que pode impadir o transporte do
gado do Araazonas, para fundarem as f3zendas nas
extensas campinas do Tapajoi.
Alem de^te raelhoramento de incalculaveis van-
tagens commerciaes, accresce a circum.-tancia de
licarem ligadas e e.n cammumcaca) as duas im-
portantes prorincias de Cuyaba c do Para.
A carestia da came verde nesta provincia, de-
vida ao monopolio e a espenulacto por falta de
gado saffl;ien!e para a aliraentacao publica, tem
feito partir do corpo legislativo provincial medidas
Je modo a remediar o mal, mal que nao cessa,
apesar mesmo das crescidas subvenocs dadas
pela provincia a emprezarios iofleis ao seu con
trato; mas que, levada a effeito a abertura das
ejtradas de que fa'.faiftos, povoadas de gado es?as
ferteis c interminaveis campinas que ficam de
permeio entre o Para e Matto Grosso, teremos co
an com a abuaian'.-ia do gado em a nossa pro
tal, os fe.os Joao Bezerra da Costa' Lima e foao
arbosa tlma, aqnelle crimmosO de morte no
termo do Mar, da Parahvba, e eate na Cntz do
Espii-Uo.S'rnto des a provia'.ia.
No lugar Sagy, do lerraa de Canguaretarrta,
seguudo consta, o raenor Miguel Senegundes de
Mattos, no dia 3J de jaliho nttliro, desf cbafa ea-
sualmente nm Hro em Emilia Maria do* Praze-
re?, taoabera raenor, produzinio-lhe apenas loves
lerimenloa.
A autoridade policial procedeu as necessarias
ailligencias sobre o facto, remettendo tudo a auto-
ridade judiciana do termo.
Pelo sabdelegado de poticia deS. Jose foi cap-
turado e mo doaertor do exercito o individuo de
nome Miguel Arcbanjo da Silva, o qual se acha a
disposicio do Exm. presidente da provincia para
ter o conveaiente destino.
No dia 13 do corroote teve lugar o acto so-
lemae da abertura da acerablea provincial, lendo
o Exm. Sr. presidente ura lumiposo relatorio em
que inteirou circumstancladamfeilte a rtesma as-
sembWa do estado e necessidades da provincia.
A it ae procelou a eleifie da mesa d. eom-
m'ssoe*, sendo eleitos l
Preiidenle-Dr. Goraes da Silva.
Vlce-presidetite Dr. Chavas.
1* seeretario Dr. Avelino.
a 2' dfto-Dr. Saldanha.
CoinmissOas :
Cinstituicio e poleresDr. Joao de Albu-
querque, BjniTacio e Dr. Jeronymo Cimara.
Fazenda e oreament) Bonifacio, Raphael e
Braz.
EsUtisticaSoulo, Santos Fiiho e Joaquim
Guilherme.
Agricultura, commercio, Industria e artes
f:500li00
4911000
37|i000
:ii.?J000
271*920
vincia.
p.\aA.
Pela presilenca da provincia foram manda-
das vender apolic-s provinciacs no valor do
t20:0003.
Falleeeu em Aaajar Gsrenaldo Antonio da
Silva, afogado no rio Mococoes.
Chegarado3 Estados-Unidas oDr. Hildebran
do Barjona do Miranda, formado em chimica ana
lytica na universidade ae L igh, a custa dos cofres
provinciaes do Para.
Nos cofres da camara municipal de Belem
lin, a 30 de junho, um saldo de 28:3oi*326 em
dinheiro.
Espera se em agosto o professor C. F. Hart,
da universidade de Cornell, em Ithaca, para fazer
exploracoes geologicas no Brasil.
Depois de la o vapor peruano Pastaza con-
seguio safir do lugar onde encalhu, e ja se acha-
va no porto de Belem.
Para presidente do banco commercial do
Para, em subslituigao do Dr. Thiago Pinto, que
seguio para Europa, foi eleito o Sr. Bento Bebello
de Andrade.
0 presidente da provincia voltou de Obidos.
MA.RA.NH.V0.
Foi sanccionada e publicada a lei provincial
n. 1,061 autorisando o coatrato de illuminacao a
gaz da cidade de Caxia3.
Pelo gromio conservador foram apreseuta-
dos como candidatos aos cargo3 vagos de deputa-
dos provinciaes do 2 districto, os Srs coronel Mar-
colino Jose Brandao e Antonio Erailiano de Al
meida Braga.
F^ram libertos gratuitamente por seus se-
nhores : os escravos Delphina, Baymundo e Ma-
ria, pelo coronel Antonio Carneiro da Silva Olivei-
ra ; Marciano, Virginio, Dionisio, Manoel, Porflno,
Gcnealo, Anna, Joiepha, Marcelina e Amancia, por
D. Vicencia Bosa da Costa Alves.
0 cambio regulava sobre Londres 23 i[8 d.
A alfandega rendeu de 1 a 17 de corrente
116:833*776.
matt.
Foram sanccionadas e pablicadas leis provin-
ciaes elevando a cathegoria de villa a povoacao de
I inpiry ; e autorisaaJj o presidente da provin-
cia a coatratar umaestrada de ferro que partin-
do da cidade de Amaranthe, va terminar em Oei-
ras^ com ramal para Valenca.
A' este respeito lemos na Opiniao Constrcaao-
ra :
Na seccao competente deste jornal vai publi
cada a lei da asserablea legislativa provincial au-
torisando o president! da provincia a contratar a
construeQao de uma via-ferrea, que partindo da
cidade do Amaranthe va terminar na de Oeiras com
um ramal para Valenca.
Para isto garante a provincia um privilegio
por 80 anno3, e mais juro3 de 7 por cento sobre
o capital de 7,000 conto9 necessarios a realisaeao
da empreza, tornando dependente3entre outras
condijocs do contrato -os e3tudos e piano da via
ferrea no prazo de 2 annos e o comeco das obras
e sua conclusao no de olto. b
Fallecea em Piracuruca, omajor Joio Da-
masceno Fontanelle.
crara'.
Luiz Manoel, Chaves e Pinto Castro.
Iostrucjio pablicaChares, Avelino e Ra-
phael.
Justica civil e criminal Torreao Lodolpho e
Amorim Garcia.
Negocios ecclesiasticosAvelino, Saldanha e
Hermenegildo.
a Camaras municipaes H;rmeaegildo, Pinto
Castro e Souto.
Budaccao de leisCosrae Tinoco, Joaquim
Guilherme e Lodolpho. .
floje prostoa juramento e assomio o exerci-
cio das respectivas fuuecges o.rhefede policia.des-
ta provincia, Dr. Luiz Ignacio de Mell Barreto.i
PARAHVBA.
Em 23 escreve nosso correapondenta da ca
pital :
A' falta de raateria importante, delxamos de
escrever-lhes pelo ultimo paquete ; e agora mes-
mo pouco teremos a referir.
0 inverno, que nos parecia ir carainhanlo
para o sen oceaso bo mez passado, tem sido nc-te
por demais rigoroso, nao tendo uivido, taivez, um
so dia em que nao tenha chuvido.
" Segunio informacSes, que temes recebido,
ja vai elle cansando algam mal a lavonra.
" Continua inactivo e de3animaJo o commercio
desta Gapital, sendo causa principal o baixo preco
dos generos.
* 0 deposito de algodao taivez nao se elove
hoje a 1,096 saccas ; e, com as ultimas noticias,
pouco ha aulndo ao mercado.
" Para Liverpool despaiharara, o brigne fran-
cez Uerthe, manifestanlo 800 saccas de algodao
com 72 007 kilos, e a barca Fidclile da me;ma na-
cao 1.200 saccas com 106,636 kilos.
" Permitto no3 fdizer-lhes aqui, que de nossa
parte flcamos bastante satisfeitos com a resolucao
tornada pela digaa assembl6a provincial dahi, que
prohibio a existencia de nossas agendas fiscaes
nessacidade e em outro qualquer ponto da pro-
vincia, por entendermo3 ter sido e3se acto em
graade proveito da Parahyba, qae vai ter occa-
siao de exercer com maior rigor a fiscalisicio dos
direitos que Ihe pertencjra.
" Estamos inteiramentc convened>s de que
com essa providencia, ahi toraada, so teremos a
ganhar e na-la a perder.
,; E pudera dizer outro tanto a provincia de
Pernambuco ?
" E' o que desejamoJ ver.
" Sentimo-nos apenas, era toda essa magna
queslao, pelo lado e modo do esbulh-1 que se nos
fez, sendo DO, alem de irraaos, visinhos com
quem temos sempre vivido na mais perfeita har-
monia, mantend > e animando ao mesmo tempo o
seu commercio, d; quem somos um grande con
sumidor, e nao menos abastecedor com os nossos
productos; e por nenhuma outra razio.
" Cremo3 que desta vez se realisara o velho
proverbio :
" Hi males que vein por ben.
" 0 Dnperlador, orgao do partido liberal da
provincia, esta era guerra intestina !
" Com o lira de guerrear a todo o transe a ad-
rainistragao calma e reflectiJa do Exm. Sr. Dr.
Silvino, nao duvilou esbanialhar o seu partido
meio a meio, qualificando umi faccao aimuito
dislinclos, ou verd-jdeiros liberals, e outra de
ndo distinctos, e sao estes os que apoiam a admi-
nistrac'to de S Exc.
"Para que se nao duvide do que avancaraos,
aqui tramcrevemo3 as suas propnas palavras, li
radas do n. 876, sob a epigrapheMozaico :
" E' impofsivel que haja em nosso partido al-
" gum desgos'.oso da nossa posicio na imprensa,
' e que presto apoio ao Sr. Silvino ; mas esse naj
" sera por certo dos muito distinctos; os verda-
" deiro3 liberacs, que sAo os umcos distinctos, es
" tes e3tes estao c mnosco : nao polem se-
" quer tor benevoloncia para a actual adminis
" traQao.
' A estas palavras do Despertador respondeu o
Publicadir por um modo pereraptorio ; dizendo
que apezar de ser liberal e liberal sem reside-
cao, nao podia deixir de honrar a S. Exc. polos
actos de energia que tem praticado, e que na saa
longa carreira de escriptor e politico, embora nao
distinclo, nunca se deixou araordacar, ate.
" Os rapazes do Despertador, perderam a cabe-
ca. Jana; insultam e calumniam somente ao
Exm. presidente da provincia; fazem.o mesnn
aos seus, que os nao acompanham nessa tarefa
ingloria .
" Avante, meus rapazes I
Barrh ilomeu & C.
E. A. Burle 4 C.
CorapiMiuia ilru rut lien Sejfue hofe,
n v*Pr Ce!"-d, para a olpMat da Bahia, a compa-
mrta dramattea da dlreccao do Sr. Vicente I'ontes
de-Oliveira, composta de 45 pessoas, a uoal vai
tratmlbar no thatro 8. Join.
i.'M'iucamcnto So districto de Pjntas
ae Pedras, do termo de Goyanaa, Joaquim Felicia-
no de Fragas, espancou gravemente, no dia 15
do corrente, a Francisco Vleira de Soou, ovadia-
do seem seguida. A autoridade focal procedeu
segundo manda a lei em taes casos, dando lojo
demno ao respectivo inqueffto.
">ili(.iani.-,i (u de porios No vapor
uouro, vieram hootem os engenheirbs Gamble,
Murray, Graham, e Dobsons, e diversas pessoas
anxiliares, encarregados de proeeder a estuios
para nielbQramento dos porios do norte do impe-
no, a eome^ar do nosso.
AS^nrl1* Uvas-Reater. -Sob a rubri-
ci-Telegrammis-damoshoje osprimeiros despa-
ctios telegraphies expedidos pela antiga e awedi-
tadaagencia Havas-Reuler quepromove o eslabe-
lecimsnto d uma ageocia filial nesta provinjia, e
oore a qual ja dfssemos algamas palavras em uma
de nossas mvistas passadas Como verivos lei-
tores as noticias de que tratam os telegrammas sao de
summa importancia, e nao nos foram comrauni
cadas pela agencia amerieana.
Mnlucu Acaba de saWr 4 luz o n. ii deste
jornal humoristfeo.
Para o sul do Imperio.Com 3 rece-
biJos em nOsso por.o levoa o Douro 177 passa-
geiros.
cur da variola.Sobre e te assumpto
lemos n'um jornal de Lisboa :
t Em tempo diz o Progressist a de Coirobra, fal a
mos do bom resultado que alguns medicos alle-
mies haviam tirado da applica;lo do snlfato de
quinino a cura das bexigas. H .je factos ofliciaes
occorridos entre nos, veera em abono da elDeacia
deste remfdio.
0 Sr. Dr. Albano Mendes de Abreu, medico
do partido do Oliveira do Hospital, participou ao
governo civil deste districto o bora resultado que
auferio da applicacjio daquelle especiftco, n'uma
epidemia de variola que com grande intensi lad i se
desanvolveu em Penslva u'Alva.
Conta elle que, applieado aos individuos que se
achavam com os primeiros symptomas, em poucas
horas rcad|uiriram o seu habitual estado ae
saade.
Q lando os atacados se achavam ja na grande
forga do se/undo periodo, a applicacao daquelle
meio '.herapeutico fez com que a variola, na forma
confluente, se coovertesse em pustulas variolicas
discn'tas
e 0 snlfato de quinino foi applicado em limona
da sulfurica dissolvido na razao de oito grammas
por quinhentas grammas de hqnilo, e dado as co-
Iheres de ?ipa, de duas em duas horas, aos aiul-
to, e, as creangas em collierea de clia : aprovei-
tandu toda a occasiao sem distinccao de period)
nem decaractec^jlando se o caso de escapar un
doente ja nas agonias da morte.
Agenda telograpuica anacricana.
A agencia no Para rec^beu 03 seguintes tele-
grammas, alem dos que temos publicado :
Bio de Janeiro 13. Consta quo foi subst tui-
nio Joaquim Ttixeirs, bah '& " Gomes L-joreiro e4 es^'raros eMivgsr.
Seguem pa/a o sul no laearatr vipor-r
JijIioL P. de agoiar, M ieooota-Antanio C. I
de Carvalh <, Iziaoto da SiUa Girac, A. Migue.,
Antoufo" C. de Alrredo, 7reratai pariariii!ia,
Francisco Frosino C. Domlngnes, Amelia E. M da
Cunha, cadele Palricio dVJJ CarvaHn. Amtonio
-Vaner de Lima, soldado Manoel Tnomaz de- An
Ofae. Dr. Antonio da Souia Martins c 59 eaeravos
a entr?gar.
Ciegados dos porto* do sul no vapor brasileiro
Dantas :
Jese Jo.iqtiin da Font* Gaimaraes, Sen'.o J. de
Medeiros, Fraderieo Pierre, Cherabino Bandeira,
Manoel M de Almeida, Justino M. de Sa Ramos,
Francisco Looes, Antonio Perreira Porto Agosti-
nho Heoity, John CooeHy. saa tllha-e i fiihj rae-
Dor, e 1 escraro a eutregar.
Cemlterio paMleo. -Obituario do dia 21
de julho de 1874 :
Manoel, patdo, Pernambaco, 2 annos, Boa Vis
ta; anazarca.
FranciSca Barbosa de Vaseoncellos, branca Per-
oambucoj 50 annos, casada, Boa-Visia ; gastro en-
terocolifcr
Joio Henriqnes, branco, Bi) de Janeiro, 26 an-
nos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II ; tuber-
culos pulmonares.
Sophia Catharina Maria da Coneeigao, preta,
Pernambuo, 3i annos, casada, Baa-Vista, hospi-
tal Pedro II; enteriie cbroniea.
Maria, parda, Pernambuco, 15 dias, Bja-Vista;
heraorrhagia umbilical.
Verissimo, parde, Pernambaco, 20 mezes, S
Jose; variol s.
Ludgero, braaco, Pernambuco, 1 anno, Graca ;
gastro eMerite.
Tnereza Maria de Jesns, parda, Pernambuco, 19
anncs, solteira; Santo Antonio ; phtysica pulaw-
oar.

0 Herald
AUSTRALIA,
de Sidney aanuneia qae dis-
solve j-sb a legitotara colonial jem conse-
guir resolver-se sobr^ o projecto relativo &
instnegio publica.
-- Palleceu too Ico, o Dr. Antonjo Pidto Barbosa
Cardim, medico.
A direetoria da so;iedade Uii3o Commercial
Benoficente, do Aracaty, ficou assim oomposta :
I residente.Coramendador Jose flaymundo de
Carvalbo,
Vice-presidenle.G. Jaeob BrnBictiWBiler.
1? seoretario.-TJr. 'Betpvmdo Gufgel do Atila-
ral.
2. secretajio.-Capltto Antonio Francisco Pi-
nheiro.
IlnesoiKeiro^-Capitw Coriolano Fra^eisco Ra.
mos.
Coronal Siivestre Ftrreira Gwninha, oapilJo Ma-
aoei Francisco da Cunha, Ciemente Astudilo y
Bussoasie Dr. Mignel Joaquim de Almeida e Cas-
tro.
t'ERNAHJOft
REVISTA DIARIA.
insu-iK-.ao publica. Por portaria da
presidencia da provincia, de 23 do corrente, foi
removila a professora Liliosa Silveira de Oliveira
e Silva, da cadeira de Qulpapa para a da villa de
S. Bento.
Collcctoria provincial. Por portaria
da presidencia da provincia, de 23 do corrente,
foi considerada sem effeito a de 7 do mesmo mez,
nomeando NapnleSo da Costa Moreira para o la-
gar de collector provincial do municipio de Taca-
ratti, por n^o o ter aceitado ; e nomeado para
tal cargo o collector das rendas geraes do mesmo
municipio, Gabriel Rodrigues Lima.
Governo do bispado..Por provisoes de
25 do corrente, fbram nomeado3 vigarws encom-
mendadps: da fregueiia de S. Goncalo do Ama-
rantho, od Rio Grande do"Norte, pelo tempo de
um anno, o padre Joao Alipio da Cunha ; e da
rregaezi3 dos Afo'gados, por ter deixado de a reger
o padre Joaquim Jose de Faria, o Bvd. Idalioo
Fernandea de Souxa, vigario da Graca ; accumu-
laQlo qne se dara at6 que se apresenta o sa"cerd)te
de.sigoado para reger esta ultima freguezia.
Ksma^nmvnto.-Otrem da via ferrea do
Recife a Laxanga, snnia da estacao do Area as 9
horas e meia da. manha de 23 do corrente, e ao
cliegar ao Campo das Princezas, no ponto frontei-
ro ao portio do quartel de fcavallaria, esmagou
completamente um raenino, o qaal, verificon 9e
dopois, chamar-se Taciano Francisco de Oliveira
Amaral, ter 9 annos de idade, ser livre bran-
co e filho do Sr. Francisco Sancho Ribeiro ao
Amaral.
Dae investigagSes procedidis pela policia, che-
goa-se a evidanoia de qae somente irreflexoes da
criaaca molivacam o desaatre de que foi ella vic-
ttma ; edeu-seasslm : viohaomenino em um dos
wagons ; ao chegar ao Campo das Princezas, des-
ceu para o estribo do mesmo, aQm desalWr e ahi
conservou-8a, a aipera, nataralmen^a do ponto
desejado, ate qua, antes desse, o quer qae fosse
,fe lp cahir e de tal modo que foi ter aos trilbtos.
onije encontrou a toOrte.
do o presidente da provincia do Para.
Rio 16.-Foram publicados os decreUs ns.
2,497, creanlo era Chaves um ollogio eleitoral,
com oito -L'lellorcs ; e 2,449 determinando que a
parochia de S. Sebistiio da Boa-Vista, fique per-
tencendo ao r.ollegio eleitoral de Cameta ; a de
Anajas, ao cjllegio de Breves, e a de Beja, ao col-
legiide fgarape miry.
BJieuoincno egcial.Lemos- no Paiz,
do Maranhao :
Mostrava-se hontem (13) nacasa do Sr. Albi-
no Marlins Ferreira um cache com ccrca do 40J
bananas, que sahio do meio de uma bana^ira, de
um quintal desta cHade.
AnuivorsariO.-Amanba e o dia aaniver
sario da pro.-lamacao da iniependencia na provin-
cia do Maranhao e na republica do Peru, no anoo
de 1821.
Conapanhia do Beberibe. Os res-
pectivos accionistas sao de novj confidado3 a
se reunirem no dia 29 do corrente, pelas 12
horas da manlia. no e3cripto/io da companhia,
a rua- do Cabuga n. 16, afim de deliberar-se
sobre as contas do anno linanceiro. A reuiao
se elfectuara com o numero de accionnta? que
comparecer.
Pi'oclamns. Foram hontem lidos os seguin-
tes, na igreja de Nossa Senhora do Bo;ario, que
serve actualmente de malriz da freguezia de San-
to Antonio.
1.' denunciacao.
Manoel Bispo do Lima, com Galdina Maria da
Siiva.
i Joio Ricardo Monteiro, com Ilalina Maria da
Conceicao.
Epiphanio da. Bocha Wanderley, com Maria
Francisca Correa.
Joao Professor dos Santos, com Joanna Gualber-
ta de Mello.
Bacharel Joaquim Guedes Moreno Alcoforado
com Autocia Joaquiua de Sant'Anna.
2.' cienuuciaQao.
Jose CorrOa de Sant'Ann3, com Maria Thereza
de Mello.
Marcelino de Souza Pinto, com Maria Thereza
de Mello.
Manoel JoSo Dantas, com Bellarraina Maria do
-Nasciraento.
JosS Moreira da Silva Pacheco, com Cordolin a
de Albuquerque Lacerda.
Joao Carlos Caval.-anle de Albu juerque, com
Antunes Ferreira.
3.' denuncia$ao.
Jos6 Pinheiro da Silva.com Maria Francisca Al-
ves Guimaiaes.
Jose Mariano de Barros Cavalcante, com Fran-
cisca Augusta de Albuquerque Ribeiro.
Francisco Merandolino da Silva, com Anna Jo-
nas da Rocha Barros.
Joaquim Codlho Nelto, com Justina de Jesus Pe
reira
com Felismiaa
Jcao Baptista dos Santos Telle
Dias Correia.
Antonio Augusto de Souza Martins, com. Jose-
pha Oliveira Castro.
Joaquim Antonio de Carvalho, com Luzia da Sil
"va Aboim.
Francelino Francisco da Mello, com Lucinda
Mi lb urges de Sales Abreu.
I.oiiuo. lloje effectda o agente Dias o leilao
de ura engenho em Gamelleira, em sua agencia a
rua do Marquez de Olnda n. 37, 1" andar.
joteria do Bio de Janeiro. Segundo
telegramma da corte, deve hoje ser alii extrahida
a 519." loteria.
lioterta- A qne se acha a venda 6 a 110/,
a benedcio do patrimonio dos orphSos, a qual cor-
re no dia 1. de agosto..
Casa de detencao.Movimento da casa
de detencao do dia 24 de julho de 1874.
Existiam presos 337, entraram 2, sabiram 6,
existem 333.
A saber :
Nacionaes 256, mnlheres 7, estrangeiros 22,
escravos 44, escravas 4. Total 333.
Alimenlados a custa d03 cofres publicos 259.
Mdvimento da enfermaria iro dia 24 de julho de
1874.
Tieraoa bahta :
Joao Vkepie Ferreira dos Santos, angina.
Arraini^ Mafia da Conceicao, amenorrhea.
Teve alia:
Antonio Peixoto- de Mello.
"nriaaiteiro**. Chegados da Earopa no va-
por inglez Douro :
Vicente Pereira, Jose.Joaquim, Antonio F. Pin-
to, Antonio P. Gomes, Joaquim D. Aimar, JoSo T.
Cordeifo, Luiz A. Machado, Aniceto Augusto, Ma-
noel J. Dias, Ju36 P. S. Mattos, Jose J. Goncalves
p*"03! Carlos SchmeKeau, George J. F.. Jefferson
J. Grahan, A. Jkiarto'Dobson, A. BemjamiuM>-.
raes, Roberto Kernaby, William Jones, Roberto
Grflico, Antonio B. V. de Carvalho, James G. Gam-
ble, Luiz-de S. Corga, Frameiaco L. fie Carvalho,
Bento L. da S. Juau e Jqse Mameiro- <
yiqdos dosportos do norte no vapar nacto-
nal Ceard
Mathilde Senhorinha do Espirito Santo, parda
Pernambuco, 4') annos, solteira, S. Jose; tuber-
cubs pulmonares.
Tribunal do commercio.
ACTA DA SESSAO DE 23 DE JULHO DE
1874.
MUSIDBNCIA DO KXM. Sl\. CO.VSELHEinO A.NSKLM.
KBANCISCO PERETTI.
A's 10 horas da manha, preseutes os Srs. de-
putados seeretario Olinto Bastos, Alves Guorra e
o Sr. supplente Sa Leitao, faltando par inauvo
justo o Sr. depu'.ado Lopes Machado. S. Exc. o Sr.
conselheiro presidente abrio a sessao.
Lida, foi depois approvada a acta da sessao pre-
cedente.
EXPEDIESTE.
Offlcio do con3ervador do commercio do Ma-
ce:6, reme tendo a carta de registr j do hliite ua-
cional Esmeralda. 0 tribunal inteirado, resol-
veu que se remettesse a secretaria para os lias
convenientes.
Distribuiram-se os seguintes livros :
Copiador de Cunaa Irmaos & C, dito do Do
mingos Joaquim Ferreira Cruz, dito de Banhilo-
meu & C.
DESPACHOS.
Bequcrimentos :
De Moreira Irmlo, pedindo baixa em a nomei-
caa de seu ex-caixeiro Antonio Vicente Mechiles,
o qual falleeeu. Na forma re-juerida.
De Manoel Joaquim da Silva Leao, solicitaalo
enjrega da pctic&o e escriptura a ella junta, visto
nao ter silo admiltida a registro.;%.omo pede.
Oe_ Braga & C<< para certilicar-se Ihos a no-
mea;ao de seu caixeiro Igna:io Joaquim da Silva
Braga.Certiliquese.
De Da Lailhacar & C, requerendo que se certi-
fi jue a nomeacao, de seus caixeiros.Como re-
qoerem.
De Joio Ferreira Rimos, para dar-se Ihe por
certidiio a nomeacao de seu^ caixeiros Joaquim
Ramos Ferreira e Caetano Ferreira lUmos. Do se
a cerlidao requerida.
De Jose da Costa Bispo, impelrando cerlidao di
nomeacao de Manoel Jo36 Soares GuimarSes.De-
ferido.
De Joio Facundo de Castro Mjnezes, tambem
requerendo certidiio da nomeacao de seu caixoira
Cosrae DamiaoFelippe da Silva.Sim.
De Domingos Alves Matheus, pedindo quo se Ihe
d<5 por certidao o nome dos seus caixeiros.Pas
se-se a eertidao re-iueriJa,
De Rodoipho F. Neves, igualmente para maii-
dar-se sertiueara nomeacao Je Manoel Jose Perei
ra Caldas.De se a cerlidao pedida.
De Cordeiro Simijes & C, solicitanlo certidio
da nomeacao de seu caixeiro Antonio Leite Perei-
ra Basto3. Passe se do que consur
Do barao de Bcmlica, para certilicar se-lhe se
acba-se ou nao regislrada a nomeacao de Jose de
Oliveira Castro. Certifique-se.
De Moreira Halliday & C, pedindo igualmente
que se certilique as nomear-o03 dos seus caixeiros
Passe-se a certidao requerida. Por ser impedi
dido o Sr. Olinto Bastos, funccionou o Sr. Alves
Guerra como seeretario ad hoc.
De Jose Teixeira Leite Bastos, trazendo p ra re-
gistrars a no-ueacio junta, de seus caixeiros.
Regisire-se.
De Domingos da Costa Monteiro, submettendj a
regislro o Incluso documento.Prcceda-se ao re-
gistro pedido.
De Jos6 da Costa Bi.p>, apresentando a regislro
a nomeacao de seu caixeiros.Faca se o regislro
pedido.
De Francisto Jose dos Passos Guimaraes, sniei-
tando a regislro o incluso documento. De
ferido.
De Satyro Serafim da Silva, pedindo eliminaeao
da nomeacao de Manuel dos Santos Pres'ello, e
regislro da nomeacao que apresenta. Bcgistre-se
a nomeacao junta, fazendo-se as annolacoes pre-
cisas quaoto ao3 caixeiros dispensados.
De Domingos Jose Avila e Jeronymo de Souza
Rolim, requerendo que se proceia ao regislro do
seu distrato social annexo.Vista ao Sr. desem-
bargador fiscal.
Informacae da secretaria, cobriado a peticio da
firma Sa & Pinto, e ministrada em cumprimento
do despacho de 20 do corrente.Vista ao Sr. de3-
embargador fiscal.
COMO PABECER FISCAL
De Man.jel Luiz da Silva e Joaquim Ribeiro da
Silva, rcginro do seu distraio social junto.Regis-
tre se. bos termos d> decreto n. 4,394.
De Jjjio de Aranj I Cesar e Francisco Horoncio
de Araujo Lima, registro do seu contrato social.
Seja regislrada na forma da lei.
De Eduardo Marlins e Isidoro Alves Cadabide,
registro do.seu contrate annexeNa forma re-
querida.
Do barao de Santa Cruz e Luiz Leopcldo dos
Guimaraes, registro do contrato da firma Bartho
lomeu & C.-Sim.
De Pedro Erailio Robert e Domingos da Fonceca
Suzano, registro do seu contrato, ja se achando
sati.-feito o parecer fiscal.Como requerem.
De Silva Cavalcante & C, registro do seu con-
irato, ja se achando satisfeito o parecer fiscal.
Como requerem.
Nada mais havendo a despachar, S. Exc. o Sr.
conselfceiro presidente encerrou a sessao ao meia
do dia.
-pie tain o*.dl.v liiai wrnM** m Hmhtci*.
que p'jvo e libeidait tm paaauw maos am provi*cionos, que coia eHas artmiem
cono>uistar o totSo dr ouro He anas iBiwjgiiliii p
mvrrafas amblcoesT
Oil f sim. Poio c liberiade mo para ot proem
oaaaat corao a soialoi mini-tro do Senhur. mas eacdoJe am iaimigo d>
humaoidade.
Ycstidos-dejraroe o*Mxrd cianos passar por dt>siuteres>ad >s a kanieot soi-
dados da graod-? uaw abotAI; an rairitdto mm
nao sao mais do one ruins coouialeatri de am
egoismo cobarde e etteril.
Mas ( que o povo ja as vai oakeeeado! K
como nao, se a modo de* petojar, tao daaiaaaa aa-
tre os soldados do patriotksnii. qne alks aao sir.
os u*abe a cada nomeoto f
Os especaladores sempre se descobrem. Dea~
nao quer que eMe chegawoi so fhn de teas tor-
Iuosm camiahos com os dcanj-is da aroaaaridaaV
publica e as ovacoes da viaurU, f ae ad pod-m
ganhar os legionarios p irwUs, as sotdautos q ,m
balalham pelas gloria* de sea paiz.
Os pravinciam*, bcra se td, ni-a marrhjra ,i
' onqui-i i do futuro da patria, nio irruawUm os
monies Pelioms sobre as Quitu para galgar>>m <
ceo das graodezas sociaas: pelo conlram leoum
o assalto do poder com o meio de enehcr as aaa-
didas do seu eu, accumulam os torrSet de sua ou
vontade. de seu odio, da-diffuraaci), da tas)a la <
dos convicios, para dartn oaa mmpmrrit mm sea
adversaries que torn a veiloidade de (acer aero,
que engr .n-lece e aobilila o paiz.
E nesse fercet opus de am a oprwiri) inquli
ficavcl occupa gran le espa$o adaWiisttaeii l >
Ex n. Sr. Dr. Lacena e todis as comas desu lerra.
que os ptocimiami daaajaa var trausioriaada
em quartel da anarchia e da desor leoi
Mais ja vai longa digress^. S*> arca)s a>
vista as palavras do dn<*mi$tn, que dsuuutos traos
criptas.
Po s se supporao os prooincitnot dsverss jas-
tificados com as raaoe>, oae exatbiraai, aalo si-
lencio bem sigaifica'ivo, que fuardaraia par occa
silo da disenssao d i iraposto do batalhao, c mso
ch^raara ? I
Taes razues nio passam de uma embfmdtlli ao
povo, que ja vt: melh >r as ceusas do qoa pen
sam os corajosos proeinciauos.
Nio ac:a-.irans o* procineiana* de baverea
guard ado na trilmna uleacio sokra as iaaposlos
novamente creados. Porlaots e desarooosil .da e
banal a razao de nao ter o partid > liberal nm s<>
represealaole na asscinbl^a provincial.
A segunda razao dos pr-rinnianos, eoasiste em
nao terem tido noticia da di>cussio; I* aar ni<
baverem frequentado a assembtea aar falta de
c imin ididade ; 2' por so agora eslaran seado pu-
blicados os discursos dos deputados sobre o as-
sumpto.
E' improcedeute a allegacio protmciana de
uio lerera tido noticia ra crea^ao dos impostos
hoje tfirpemente combatidos.
Se e verdade que nao foram ao tempo da dis-
caisao publicados os discursos dos depatados, nio
e igualmente qne deixas-e de ser publicado dia-
riamente o movimento da a-mliiea, do qual rons-
lavaui todos o< projects apresenlados, tolas a-
emendas offerecldas na discussao do mesmo.-.
send i para notar que estas nio eram tomadas em
cousiderai;ao antes do impressas nesli IHario.
E quererii) lirabem de-culpar-se os prociitru-
nos, dizendo que nao iiara esses miwimeMos di-
trabalhos da assemblea ? E' bem po.-sivel, pots
que teem curagera para mais.
Dizem os procincumm qae a sala da assenrilca
pelas suas pequenas |>roporcoes nao Ihcs permit!11
ir apreciar cs frpulad^s piovineiues.
Sim para ajmciarem os depttiados p'Ormcic-
e assistirem bem intencionado-, a disco-si* do*
mais PaportaauM nego-iis da provincia. julgaram
os p'liiincianus ac.i'ilula a sala da asseuibV-a .
mas nao julgaram-na Mim. >|uauJo sc lembraram
de inindar uma em'iaixid: d p-md j a ;>erlurb.H
os trabalftas da mesma assemb!t;a. Ah! prn-
vincianos !
Mas ago.a suppoubamos Qciiikadi a sala da
assamblea, demol a per falta de ci.innodidades.
Tudo bio seja wrJade.
Pois bem, povo de Pernambuco. a'.tenJe.
Os proiiiicianos, esses homens devotalos pel
leu bem estar, que se dizem os ataielas de Uu
porrir, que se iQculcam de Argot, tenlo sempr..-
ciucoeuia oilios abertos para vr >>s i-ju i2f*a<*
les, corfessam do alto da iin,>ien>a qae deixaram
de ir aassemblea para se inteirarem do que pre-
lendiam fazer de li esses que elles clumam /*
irilheirot.....sa.es p)rqne, p>ovo de Peroam-
uu'.u ?.. .porque a mIj iu mcunibicn t d> poi-ipaeiiao \amcammoiiltmn para se assisiir ra-
polreado a uma*discusrai-..
Mais pudor, lenhorei provmcianos !
Nao vades que ha conlradigao nos terws !
Aqui dizeis que pelo povo tudo fozeis, .j u e
lais pro.iiptos a derraiuar por elle o vosso tug i
acola escreveis que deixastes os qnadnlhciro* ron
bar a bo.'sa do povo, por.jiie a f.mi iocommadida-
des da sala d.i assemblea vos imped-o de H ir '
Que e>peculad ires sera bnos f !
Povo da Pernambuco, acorda e cao consent'
que semelhantes e-peculadores so apatrin'i in
com t-"a nome para deslustrar esta terra, contra a
qml elles empregam toias as suas fo^as. Atta-
de, povo de Pernambaco.
Nio ve*s. povo de Pernambuco, oi pjlotiqueiro.
prociacianot dizerem que nio tiveram meios d-
saber da apresentacao da lei dos imposto n r
e de sua uscusslo consa esta da mais alta im-
portant ;^ara a provincia e para li ?
Pois ben agora ..' a onvi.-im folha, que lii's
serve do orgao e ve que na> Ihcs faltam meios de
saber que o presidente da provincia, o Exm. Sr
Dr. Lucena, po; em discussloo relatorio do arrrn
te dt f'ibrka de p irdo ; qne estendeu se come um
villiio no concerto &> arsenal de minnhi mi ;>
senca de duzentas senkorat,qnfi nff> ajoelhu-
na festa do hospital Pedro II.
Estas vendo, povo de Pernambu-o E saber
tudo isto, qne nio se publica ratfasaaUM n-:.
por qualquer outro medo temos pntimximm
meios; mas nio os teem para saber do qu.* mui-
to e muito le iuteressa.
Sabes o que isto qaer dizer, povo de Pernan;
buco ?
Nao precisamos dizer-le. E' qie de ti nil ca
ram os pretoret provinctanos; mas enram sim c i
satisfacao de seus odios contra a pessoa do pres
denle, a quem nao podem pardoar o estorvo con-
tan'e de suas nefandas machina^oes.
Eis o que sao os prmincUum diante de ti, p v
de Pernambuco. ,
Assim o seu I'beralismo e assm contin'
a ser.
PARTE POLITICA
, *l!!i*8"VOao *ofrivelmente ettrangulado, foi
^^P11 e doP8i,a* en> S. PraDCisco. z^^
V*P* Prana.- Iqfgrm.am nos qae este 1E. P. de Fi
Aifgusto Baamest, Jbsqarm J.IRamos. iUsdlf-ide
Ssntfa, Affomo J. Panto, Vicaifle F.iiHfaiov Caeta-
no Siivestre, Alberto Carapagoa, vokwtario Jo
llif 1& Q'Saia p-^ SSva, Artuox Dollas,
__iza!">. isabel
do, prior Fr. A'berto de S., Anto-
jttrlo fj-bra Costa,'Pedro \
L. -Ferreira, Franefcco de. 'L f
wo Junior, Prafflftiaea J( PARTIDO 1 (r\St:it\ VIHHl
BEaFE, 27 DE JDLHO DE 1874.
Quanta species
Tal e a epigraphe, sob a qual prelende a redac
cao da Provincia, em o nnmero de hon-em dessa
folba, justificar o sea absotuto sileocio sobre oim
posto do bacalhao por occasiao de tua disenssao
na asserablea provincial.
Com o mesmo cynismo com qae falseam todos os
dias 03 escriptores provinctanos os verdadeiros
e legitimos interesses do povo, apresentam-ee agora
com prelencoes a embacar os ingsnuos por mei
de uma escapatoria ridicnla am toda a aceepca
do termo.
Assim dizem elles, com nma desfaeatez so digna
da quem, sob a capa de promover o bem publico,
milita pelos propnos arranjos, o seguiute :
_ 0 publico saba, porera, q,ue o partido liberal
nao tem um representaute aaquer na assamblea
provincial: a acensacio nao tem fundameato.
< Q publico sahe qne os deputados provinciaes
metiidos em nma sala acanhada da casa fronteira
a palacio, nao podem ser apreciados por especta-
dores no que dizetn e no qjle fazem, por falta de
eommoiiMdtS'pin esse fim no edilicio, c os dia-.
ciii-sos to agora vao sendo pnbiicados.
Quem, ao ler semelkante exppUQU aao se indignara pelo escarneo, 0'^ at'iram assim
os provincianos a face deste "ovolque tao vilmen-
teinjuriam? r
Hypocritas, hypoc^ca mil vwes hypoexitas sao
esses redactoTes to^Provtncia, qua ftrlmloando
tudo e a todM, quo se oppSem a sens encobertoe
loconfeiiaTeis designios, dinm fazel-o em nome
*a StBenJadis e do povo.
E 1W estao dizendo aquellas palavras e on{ras.
lloflim
Prefiro o governo dos francos conserve-
dores ao reinado dc-ses ambiciosos, os 11be-
raes!... que sen'eftvse impuros para sacn
Qcar no altar da liberdade, e an Jam especu
lando em nome da deusa I
1866.
Marco Antonio!t..
rmiCACOES A PED
Instituto
Metlico
citno
IVrmaubn-
PARA CONHEGIMLMO" OOS I.VTKllESSADOs.
Acham-se iuscriptos nos devidos sarmos
vinte e scte meiicos e pharmaceuticos a-
baixo declared js, todos residentes nesta ca-
pital, com o fim de estabelecerera uma so-
ciedade medica quo cure dos interesses civis,
moraes e scientilicos do sua classe ; e coma
sejam bem sabi-las as- vanlagens das asso-
ciates e todas as proSssoes a tenbam. e
justo que a medica nio fique na retaguarde
do progresso, e caraiube a avante, como
sempre o fez.
Como os so cios installadores tenha gra-
des vantagens concedidas pelos estatutos.
s9o convidados aquelies queaiuda se na
inscreverarn e desejarem prestar a saaoUsose
se sste servi^o de animacao, honra e digui
dade, a faz^rem-no quao'voaolea, pois o"-
estd breve a terminar o
para esse indulto.
Os ifit*1"" i
...ssados podem ornparecr m
a das sessoes & rua Duque de Caxia>
n. 18, segundo andar ; todos os dias utei>
das {0 is 3 boras da tarde. onde serio
francamenie ^racebidoa e aHendtdos.
Medicos inscriplos.
Doutores ;
^razo concedidc
tor



Dijrio 40 Bersgmtaoft r- S^g^n4ft
*.lexandreo* Souza Pereira -io-Gm-mo.
?Cosine de M Pereira.
t'.aetarxj -Xvrier Pereira de ftrito.
Estevao Cavcilcante de Albuquerque.
Joao Marie Seve.
A ugusto >T rajano de HoHaoda Chacon.
Jesui no Augusto dos Santos Metto.
fuamoo da Cunba Beltrao de Araujo>Pe-
reira.
Mnrilio Mendes Vianna.
Kavmoodo Mendes Vianna.
Ignacio JMcebiades Velloeo.
-lacinibo Silvano Santa Rosa.
linairio'Cezar Coutinho.
Affonso Arthur Cysneiro de Albuquerque.
.Francisco Borges de Barros.
1'raxedes Gomes de Souaa fitanga.
.1080 Raymundo Pereira da Silva.
Adriao Luiz Pereira da Sika.
I.uciauo Xavier de Moraes Sarmento.
.lose do Miranda Curio.
Silvio Tarquinio Villas Boas.
Malaquias Antonio G-on$a4-ves.
Pharmaceuticos :
.Manoel Alves Barboza.
Uanaazio Rouquayrul.
Manoel Thomaz Pereira do Rego.
Joaquim Rodrigues das Cotias.
lose Comes Monteiro.
VeaaeaMM miacraes.
Na pratica da mediciaa empregam-se toAos os
venenosactivoe, e todos elles eocuriam irremissi-
velraeele a vida. A salsaparruaa jle Bristol, e
realmente aroa das poucas preparacoes medioinaes
c ne se podem considerar come 'Mm remedio pura-
ioente-vegetal. Nao contem un so grio quo seja
cle mercario, arsenico, estrichiaa, brouies,-fodoe,
nem neabuma outra substaoaa venenosa que
seja. _E de mais e um antidolo contra os tnesmos
e cura as eafermidades produzidas por elles mes
cios. O roelhor que estes sabera lazer e matar
t.ma enfermidade, substituindo-a por outra,; porera
a salsaparrilha de Bristol, obra de azcordo com a
iiatureza e nao contra ella, destrwindo para sem-
Iire com osmi effeito neuiralisador, as causas das
loolestias uloerosas, concerosas ruptiveis, regu-
lando 0 figado e 0 estomago, daado (urea e -vigor
iio venire, limpando 0 systema de todos os ele-
inentes inorbosoe, restabelecendo 0 vigor corpareo e
jielasUeidade mental, e rebustecendo cada orgao
'lebililado.
Tanlo as oriancas como as senhoras as mais
ilelicadas a podem tomar sera susto algum. E'
* ancera-da vida, dos fracos.
rim A C, 47 a J>Braga.
Rotogioa 1 caixa a Hy vernal & G. Reapa, 1 cai-
xa aJ. G.GaeiMe.
Sadaa 1 caixa a Keller & C
Tinturas 1 caixa a G. 0. Martins. Tecidos di-
vertoa 75 volu*s a Keller 4 C, 79 a Cramer
Frey AC.,*)* ordem, I a Carneiro & Nogueira,
3 a Braga S. &*C. 9 a Mills Latban i C, 15 1 Al-
coforado, Vieira A C, 2 aos consigoalarios, 8 a
Magalhaes &Rangel, 1 a Monteiro liregono & C.
Vinho 1 barril a Henry Oetti, 3 caixas a Keller
&C.
Vapor nacional Ceard, estrado dt>s porto do
norte em 16 do correote, e consigaado a Pereira
Vianna & C,'manifestou :
Carga do Para.
Espingardas 2 caixas a Carneiro 4i Nogueira.
Salsaparrilna 70 rolos a Beltrio Filbo, SO a
Francisco Maaoel da Silva.
Carga do Maranhio.
Coqnes 1 caixa a Roche & C.
DESPACHOS DK EXPORTACAO MO D1A 24 Ufc
JULUO DE 1874.
Para os por tot do exterior.
No patacho porluguez Fortuma, para Liver-
pool, carreeu : E. J. da Motta 157 saceas com
11,103 kilos de algodao ; J. Paler A G 58 ditas
com 4,935 ditos de duo.
No patacho hespanbol Vtnturila, para 0 Rio
da Prata, carregou : P. Carneiro & C 250 barri-
caa c.'iin-29,il kites de assucar branco e 100 di-
tas com 12;4W5 ditos de dito mascavado.
.No navio allemio Levant, para 0 Rio da Pra-
ia, carregou : J. J. Goncalves Beltrio A Filho 30
barris com 2,880 litros de aguardente.
Nopatacho nacional Joven Correta, para 0
Rio da Prata, carregou : A. F. Baltbar Sobrinho
340 barricas com 42,620 kilos de assucar branco;
J. F. Balihar-967 ditas com 110,513 1|2 ditos de
dito e l20pipas com 57,600 lilros de aguardente.
Na barca pnrtugueza S'. Maria, para Lisboa,
carregou : J. J. G. Beltrao A Filho 413couros sal-
gados com 1,356 kilos ; Araorim Irmaos A C. 52
ditos com ifii ditos.
Para ot portct do intertor.
Para 0 Para, no navio ponugnez Michaelease,
carregou : A. F. de Almeida 4 pipas com 1,920
litros de aguardente ; C. L Gomes Maia 200 bar-
riquinhas com 11,873 1|2 kilos deaesucar branco ;
J. C. Goncalves 100 ditas com 3,-497 ditos de dito.
Para 0 Rio de Janeiro, no hiate portuguez
Sympatliia, carregou : Amorim Irmios A C. 200
saccos com 15,000 kilos de assucar branc \
Para Wossord, no hiate naciona) A. dos An-
jos, carregou : A. Oliveira & C .4 barricas com
360 kilos de assucar branco.
COMMERCE
JUNTA DOS CORRETORES
Pracn tlo Recife, 2. de julbe
de 1S94.
AS 3 flORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIAES
iligodlo de Gayanna sera inspeccao 6900 por
15 kilos, hontem.
.Assucar mascavado purgado 1^900 por 15
kilos, hontem.
Assucar bruto bora 1 *750 por 15 kilos, hontem.
Cambio sobre Loadrcs a 90 dry. 25 3|8 e do
banco 25 Id d. por 1*000, hontem.
Dito sobre dito a 90 d[v. 25 5(8 e 25 7|8 d. por
15000, hoje.
iiesconto de letras 9 0|0 ao anno.
a. de Vasconceilos
Presidenle.
A P. de Lemos, -
Secretario.
4LFANPF.GA.
headimento -Jo di* 1 a 24.
tam do dia 25. .

566:78U175
27:721*043
594:502*218
Descarregam hoj 27 de jonbo de 1874.
>'apor inglez Douro niercadorias, bagagens
e aroostras para aliandega.
iJarca ingleza Fazilier mercadorias para al-
iandega.
Barca francfza 7fnlln* mproadorias Dara
aliandega.
Barea francezaJ/auWb'(nvinho para deposito
no trapiche Barbosa.
i'rigae portuguez Voador do Mondego pedra
de cantaria para 0 trapiche ConceicSo,
para despachar.
Barca inglezaCreterion-a.r\*o ja despachado
para 0 caes do Apollo.
Patacho allernaoHewietie Bun-hardmercado-
rias para deposito no trapiche Barao do
Livramento.
4LTEHAQAO NA PAUTA DOS PRE<;OS DOS GENEROS
SUJEITOS A DIRE1TOS DE EXPOR7AQAO, NA SEMANA
DE 27 DE JL'LBO A I DE AGOSOO DE 1874.
Algodaoem rarna ou la 468 rs. o kilo.
Assucarbranco 175 rs. o kilo.
Assucar mascavado 96 rs. o kilo.
Couros-de boi seccos salgados 534 rs. o kilo.
CarvSo de pedra estrangeiro, tonelada metrica
205000. \
Carocode algodao 20 rs. o kilo.
Crina- animal em bruto 300 rs. o kilo.
Alfardega de Pernarabuco, 25 de julho de 1874.
0 lconferente-J.Ribsroda Cunh.a.
0 2 conferenteBazilio Baptista Furtado.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 25 de
julho de 1874.
0 inspector
Fabio A. de Carvalho Reis.
Importaetlo.
Lugre francez Maredeen, entrado de Cardiff em
24 do corrente e consigcado a Wilson Rowe & C,
manifestou :
Carvio de pedra 462 toneladas. Coke 61 tonela-
das aos consignatarios.
Barca ingleza Lavinia, entrada de Terra Nova
cm 25 do corrente e consignada a Saunders Bro-
kers & C, manifestou:
Bacalhao 2,950 barricas aos consignatarios.
Barca franceza Mauricien, entrada de Cette na
mesma data e consignada a Harismendy & Labille,
manifestou:
2. Cimento 600 barricas.
' Sal 180 toneladas.
Vinho branco 225 pipas, 900 barris de quinto,
450 ditos de decimo aos consignatarios.
Vapor inglez Douro, entrado dos portos da Eu-
ropa na mesma data e consignado a Adamson
Howie & C, manifestou :
Carga de Lisboa.
Fazeudas de algodao 1 caixa a Vaz & Leal,"
Mac2s 30 caixas a Francisco G. de Araujo, 25 a
Lima & Silva, 15 a Jose Fernandes Lima A C, 11
a LeSo Rocha A C, 10 a Antonio Ferreira de Car-
valho, 5 a L Jose da S. Guimaraes.
Carga de Southampton.
Aroostras e outros artigos 22 volumes k ordem.
Brinquedos 1 caixa a G. 0. do C. Martins.
Calcado 2 caixas a Manoel Maestrali & C, 1 a
ordem. Carrinho para creanca 1 a Amorim Ir-
mao & C. Camisas 1 caixa a Monteiro Gregorio
St C. Cba 13 caixas a Tbomaz de Aquino Fonce-
ca & Successores. Cacbimbos 1 caixa a ordem.
Collarinhos 1 caixa a Rodrigues Irmao & Guima-
raes. Chapeos 3 caixas a Cramer Frey & C. Cha-
rutos 2 caixas a ordem.
Drogas 6 volumes-a Ferreira Maia AC, la F.
Linden.
Jornaes 1 caixa a De Lailhacar & C. Joias 1
:aixa a A. Hyvernat A C.
Loaca 1 barrica aos consignatarios, 1 a Lindston
1 obilliard & C. Livros 1 caixa aoi consignatarios,
1 a Walfredo A Souza, ditos e cartas 1 caixa a V.
Fournie, ditos iumo e cigarros 1 caixa a De Lai-
hacar & c., ditos e medalhas 1 caixa a Fr. Venan-
:io Maria Ferrara.
Manteiga 50 tarns a Saunders Brotbers A C,
i'6 a Thomaz de Aquino Fonceca & Successores.
mercadorias diversas 2 caixas ;t Mendes, Lobo &
Z., fa Angusto P. de Oliveira Si G, 1 a J. A. Pe-
reira & C, t 2 ordem. Maabina para fazer gelo
I a Roubaek Cahmk. ,
Panel de impressao S aiio? a j. M. dos S.
.fcguiar.
Queiios 38 caixas a Beltrao A Filho, 5 a ordem,
17 a Lima & Silva, 45 a Antonio Ferreira de Car-
valho, 6 a J. J. Alves & C, 32a J. M. da Rosa &
Filho, 20 a Souza Bastos & C, 10 a Ferreira &
Velloor, 35 a D. J. Ferreira Craz. 40 a P. Jose da
CoaU Amorim 4 C, 16 a L. Jose da Costa Amo-
CAPATAZIA DA ALFANDB6A Aandimento do dia 1 a 24. .. 16:681*551 'dm do dia 25 ..... 362x302 17:043/853
VOLCME8 SAH1D03 No dia 25 3egunda poru..... rrtpichf. Ccnceicao . 31,314 404 162 402 479 32,761
SERV1CO MARIT1MO 4j>*rengas descarregadas no trapiche da aL'asdega : No dia 1 a 24..... 38
No dia 25. .
Vo trapicba Gonceicio
38
SEGSBEDORLA DE RENDAS LNTi RNAS GE-
RAES DE PKRNAMBOO
^dndiiasnto do dia 1 a 24 40:141*099
dam do dia 25. .... 1:5051080
Cerveja Baas, Ihlew. Cbegaraen 30 caixas,
e 479 barricas, ootniaal de 7*000 a 8*000.
Dita Noruega.- Nominal de<6*000 a 7*000.
Cognac. Sem chegada, nominal, a 20*000, con
forme a qualidade.
Far inn a de trigo. Sem chtgada, e retaihouse
aos precos seguintes :
Hungria de 30*000 a 32*000.
Trieste de 28*000 a 30*000.
Americana de 21*000 a 24*000.
Saccos, do Cbik a **. .
Em deposito 13,021 tarrieas.
Far in ha de mandioca. Chegaram 100 saccos,
nio consta veadaa.
Em deposito, 1,000 saccos.
Farello. Chegaram 100 saccos, a 4*500.
Futno em rolos. Sem chegada, vendas de
10*000 a 11*000.
Dito em latas. Sem chegada, vendas de 12*
a 13*000.
Dito em pacotes. Sem chegada, vendas de
10*000 a 11*000.
Geoebra do laranja. Sem chegada, nominal
a 7*000.
Dita com mum. Sem chegada, nominal 4*000.
Dita de Hollanda. Sem chegada, vendas a
5*500.
Dita em botijas. Sem chegada, 330 reis a
botija, nominal.
Kerosene. Sera chegada, ultima venda a
5*000.
Louca ordinaria. Chegaram 177 gigas, nomi-
nal 380 por cento.
Milho. Sem chegada, a 83 reis o kilo.
Manteiga ingleza em latas. Sem chegada, de
2*390, 2*505 e 2*614 o kilo.
Dita ingleza e franceza. Chegaram 1,180 bar-
ris e 1,244/2 j da ingleza de 2*004 a 2*287 o
kilo, e da franceza de 1*590 a 1*287 o kilo.
Pimenta. Chegaram GO saccos, vendas 1*013
o kilo.
Papel de embrulho. Sem chegada, vendas
a 1*100 a resnia.
Phosphoros. Sem chegada, vendas a 2*600 a
a groza.
Queijos flamengos e prato Chegaram 42 cai-
xas; relalha-se dos flamengos de 2*400 a 2*500 o
qoeijo, e do prato a 1*307 o kilo.
Sal. Chegaram 400 alqueires, de 13*000 a
14*000 o alqueire.
Sabao ingles ordinario. Sem chegada, a 8
reis o kilo.
Dito da terra. De 340 a 380 reis.
SardiDhas. Chegaram 25 caixas, nominal a
380 reis.
Toucinho. Chegaram 272 barris e 20', ven-
das de 13*000 a 13*500 por 15 kilos.
Velas stearinas. Chegaram 200 caixas, ven-
das a 810 reis o maeo.
Vinagre. Chegaram 6 barris de sextos, cota-
mos de 130*000 a 135*000, boas marcas.
Vinbo tinto da Figueira e de Lisboa.Chegaram
63 pipas e 140 barns de quinto e 93 barri>, sen-
do : 40 de C almudes, 40 de 2 e 13 de 3, e cota-
mos o de Figueira de 220*000 a 235*000, e o de
Lisboa, de 205*000 a 215*600 a pipa.
Dito do Estreito. Sem chegada, cotamos a
20053000 a pipa.
Vinho branco de Lisboa.-Sem chegada, cotamos
de 225*000 a 215*000 a pipa.
Dito do Porto. Chegaram 17 caixas, cotamos
a 10*000 a caixa de duzia.
Dito do Sette. Chegaram 400 pipas; 200 in-
teiras e 200 sortidas; ainla para vender.
SEGUEOS
Maritinios e conlra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambueana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
41:616*179
CONSULADO PROVINCIAL,
Reniimento do dia 1 a
Ideai do dia 25 ,
24.
117:960*687
3:821*044
121:781*731
AGENCIAS ROVINC1AES
Liquidos espiritnosos.
Rendimento de 6 a 23 6:646*983
Idem do dia 24 190*945
Bacalhao, etc.
Rendimento de 6 a 23 4 357*179
IJem do dia 21 59*167
Generos de estiva.
Rendimento de 6 a 23 7:361*969
Idem do dia 24
Rendimento de 6
Idem do dia 24
287*220
Fumo, etc.
a 23
1:583*316
1*618
6:837*928
4:416*616
7:619*189
1:591*061
20:498*727
Thesouro provincial
lho de 4874.
de Pernambuco, 25 de ju-
0 escrivao,
Joao Carneiro M. da Silva Santos.
Kevistn commercial
Da semana de 20 a 25 de julho de 1874.
Carabio sobre Londres, 90 div 23 5/s d. 25 y2
d. 25 3/4 d. 25 v d. por 1*000, banco.
Dito dito dito, 90 d[v 25 '/, d. por 1*000,
banco.
Dito dito dito, 3 djv 25 X d. por 1*000, banco.
Dito sobre Paris, 3 d|v 380 reis o franco, banco.
Dito sob,re Lisboa, 3 d|v 114 por cento de pre-
mio, banco.
Dito sobre dita, 8 drv 112 por cento de premio.
Diio sobre dita, 60 d[v 110 por cento de premio.
Dito sobre dita, 90 d(v 108 por cento de pre-
mio.
Descontos de lettras 9 por cento, ao anno.
Assuear branco, 2*700, por 15 kilos.
Dito sumenos, 2*550, por 15 kilos.
Dito Canal, 1*200, por 15 kilos.
Dito bruto, bom, de 1*800 a 1*850, por 15
kilos.
Entraram por terra e mar 2,842 saccos.
Algodao, de Maceio, l- sorte, 8*600, por 15
kilos, posto a bordo, frete de Vs e 5 por cento.
Entraram por mar e por terra, 2,842 saceas.
Algodao de Maceio, 1* sorte, 8*600 por 15 kilos,
posto a bordo, frete de 7s e 5 por cento.
Dito de dito, mediano, 7*800 por 15 kilos.
Dito da Parahyba, 1' sorte, de 7*800 a 7*750.
por 15 kilos, posto a bordo, frete de *A e 5
Dito do sertao, sorte, de 7*800 a 7*900, por
15 kilos.
Dito do dito, 1' sorte, de 7*600 a 7*800, por 15
kilos:
Dito de Goyanna, sem inspeccao, 6J900, por
15 kilos.
Entraram por mar e por terra 406 saccos.
Aguardente. Chegaram 2 barris de dous al-
mudes, 58*000.
Aguaraz. Sem chegada, retalha-se de 697 a
871 reis o kilo.
Arroz. Chegaram 1,125 saccos, vendas de
3*650 a 2*700, por 15 kilos.
Azeite doce. Sem chegada, a 2*460, e gallo.
Alpiste. Chegaram 20/i barricas, sem vendas,
nominal a 4*500, por 15 kilos.
Banna. Sem chegada, vendas 1*590 o kilo.
Breu. Sem chegada, vendas 15*500 por bar-
rica e 320 reis a libra.
Batatas. Chegaram 20 caixas e l,555/2 caixas,
de 3*200 a 3*500 a caixa.
Bacalhao. Chegaram 2,950 barricas, vendas a
14*000 e retalha-se de 15*000 a 16*060.
Em deposito 8,000 barricas.
Carne. Chegaram 816,064 kilos.
Em deposito, 92,600 arrobas, do Rio Grande,
de 3*600 a 4*500, por 15 kilos, e 31,000 arrobas,
da do Rio da Prata, de 4*000 a 4*400, por 15
kilos.
Couros seccos salgados. Chegaram 695 couros
bons e 60 avariados, a 534 reis o kilo.
Cafe. Sem chegada e sem vendas, nominal de
8*000 a 8*800 por 15 kilos. '
Canela. Chegaram SO caixas, nominal a 1*633
o kilo.
Cimento. Sem chegada, nominal a 8*000 a
barrica..
CebolaV- Chegaram 150 caixas e 32/,, de 11*
a 12*000 a caixa.
Cha. Chegaram 50 caixas e 87/,, eonforme a
qualidade.
crivio, o subacrevi. Del/i*o Augusta Co-
vaicank de Albuquerque, ^^^^^^
0 Dr. Joaquim Correia de de Oliveira An-
drade, juiz substitute) do Dr. juiz de di-
reito provedor de oapellas e risiduot,
nesta cidade do Recife, capital de Per-
nambuco e sea termo, por S. M. impe-
rial, a quetn Deus guarde, etc.
Fac/) saber quo no dia 30 do corrente,
finda a audiencia deste juizo, se levarao i
praca os aeguintes bens: 2 tercas partes do
sobradiobo de doua andares, sito na fregue-
zia de S. Fr. Pedro Goncalves, rua do Com-
pel lo n. 2, tendo de comprimento 38 pal-
mos e de largura 19, cada andar com uma
sala, um quarto, cozinha interne e andar
terreo, servindo de deposito de ferragens,
sendo entaipado o fundo do sobrado e es-
tando em mdo cstado, avaliado em 5:0009.
Uma casa terrea de pedra o cal, no lugar do
Burro, freguezia dos Afogados, com tres ja,
nellas de frente, porta de madeira ao lado-
tendo duas salas, dous quartos, cozinba,
quarto junto e despensa, com 26 palmos de
largura e 58 de comprimento, terrene fo-
reiro, medindo 690 palmos de comprimen-
inento e 59 de largura o dito terreno, e a-
valiada a mesma casa era sua totalidade em
3:000#, de cujo valor serd deduzida a quan-
tia de 559J>023. Um terreno fbreiro com
690 palmos de comprimento e 193 de lar-
gura, no mesmo lugar o na mesma fregue-
zia, tendo nelle duas casas de taipa, ambas
em mdo estado, tendo ellas 44 palmos de
comprimento e 24 de largura ; uma das
casas tem duas salas e um quarto e porta e
janella no fundo ; a outra casa em caixau
com uma porta e janella na frente, tudo
avaliado em 1:0005, cujos bncs s3o per-
tencentes ao iuventario do Dr. Antonio da
Assumpcao Cabral, e vfio 4 praga a reque-
rimento do testamenteiro e inventariante do
mesmo finado ; procedendo-se quanto ao
mais na' forma da lei. 0 presente serd pu-
blicado pela imprensa e aflixado nos lugares
do costume. Recife, 7 de julho de 1874.
Eu, Doraingos Nunes Ferreira, escrivao,
o subscrevi.
Declare que ditos bens vao & praga. com
o abate da 5.* parte, em virtude do despa-
cbo do Dr. provedor, do dia de hoje, 2'
do corrente.
Ferreira.
Barros de Lacerda. E nadt mail se continha
em dita sentence, e por force do mesmo, o
respectivo escrivio interino, fez passer o
presente, pelo theor do qual cbamo, cilo,
e bei por citado aos referidos justificados,
para que dentro do prazo de trinta dias,
compareQam nes'e juizo, allegando e prp-
vando o que for a bem de seu direito e jus-
tig a, sob pena de revelia.
Portanto, toda e qaalquer pessoa, paren-
tes, amigos ou conhecidos dos referidos jus-
UQcados ausentes, poder-Ihe-ba fazer scicnte
de todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei fazer o presente edital, que
seri aflixado nos lugares do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Reciie de
Pernambuco, aos 23 de julho de 1874. Eu,
Francisco Xavier de Souza Ramos, e;crivao
interino, subscrevi.
Sebastido do llego Barros de Lacerda.
OECLABACOES.
De ordem do Illm. Sr. inspector do tbesou
ro de fazenda desla provincia se fax publico,
que pcrante a junta da me-ma, ira a praca, pelas
2 boras da tarde do dia 29 do corrente mez, o
arrendamento por um anno, do convent j de N. S.
do Carmo de Olinda, podeudo desde ja os preten-
dente3 examinar o referido convents.
Secretaria do thesouro de fazenda de Pernam-
buco, 16 de julho de 1874.
0 2* escripturario, servindo de secretario,
Carlos J. de Souza Carreia,
Rio Grande do Sul
0 brigue nacional SaAy aahira para o porto aci-
ma, e recebe a carga precis* para alastrar : tra-
U-se com Pereira vianna & C, a rua do Viganc
nnmero 1.
Libras eslerlioas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio o. 41.
Caiaapanlalaa ale aavegaeAe va-
por halilaaaa, liaaaitada
.Macei6, Penedo, Aracajii e Bahia.
E esperado doa portos
do sol alt o dia 25 do
corrente o vapor Dautai,
o qual sabiri para os por-
tos acima no dia seguic-
te ao da M
Recebe-se carga, passageiros e dinheiro a frrte
AgeuM
Antoaio Luiz de Oliveira Azevedo.
7-RuadoRom Jesus-57
MGV1MENT0 DO PORTO.
Navios enirados no dia 25.
Southampton e portos intermedios 16 dias, va-
por inglez Douro, de 1,783 toneladas, comman-
dante Thwait, equipagem 101, carga fazendas
e outros generos ; a Adamson Howie & C.
Cette 48 dias, barca franceza Maunciem, de 386
toneladae, capitao Marin, e juipagem 14, carga
vinho e outros generos; a Haresraendy & La
bille.
Terra-Nova 43 dias, barca ingleza Lavinia, de
251 toneladas, capitao Davis, equipagem 12, car
ga 2,730 barricas com bacalhao ; a Sannders
Brothers Si C Seguio para os portos do sul.
Pensacola 95 dias, barca ingleza Venture, de
330 toneladas, capitao William Meorns, equipa-
gen, 10, carga madeira ; a ordem. Veio re-
frescar e seguio para Nontsvideo.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do Sul Vapor inglez Douro, comman-
dante Thwaits, carga parte da que trouxe da
Europa.
Navios entrados no dia 26.
Para e portos intermedios 7 dias e 17 horas,
vapor nacional Ceard, de 1,999 toneladas, com-
mandante Alcoforado, equipagem 62, carga
differentes generos; a Pereira Vianna & C.
Bahia e escala 9 dias, do primeiro e 15 boras
do segundo, vapor nacional Dantas, de 671 to-
neladas, commandante Anselmo Pires, equipa-
gem 25, carga varios generos; a A. L. de 0.
Azevedo & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Montevideo Patacho nacional Joven Correia, ca-
pitao Manoel Correia dos Santos, carga assucar,
aguardente e outros genercs.
Para Patacho portuguez Mithaelense, capitao
Miguel do 0', carga aguardente, assucar e ou-
tros generos.
ObservacSo
Arribou com agua aberta a barca ingleza Hamp-
ton Court, que tinha sahido para New-York no
dia 23, com um carregamonto de 6,000 saccos
com assucar.
Escrivao, Domingos Nunes
EDiTAES.
De ordem do Illm. Sr. inspector da tbesou
raria de fazenda desta provincia se faz pnblicc
para conhecimento de quern interessar que no
dia 29 de julho proximo futuro, pelas 2 horas da
tarde, sera posta em basta pubiica perante a Jun-
ta da mesma tbesouraria, para ser arrematada por
quem mais lanco offerecer a casa terrea sita a
rua do Paco Castelhano, na cidade de Olinda, pro-
pno nacional e bem assim o terreno que the fica
idjacente, o que tudo foi avaliado por dous contos
de reis.
Secretaria da tbesouraria de fazenda de Per-
nambuco. 30 de junho de 1874.
0 2.' escripturario, servindo de secretario,
Carlos Joao de Souza Correia.
0 Dr. Dellino Augusto Cavalcante de Albu-
querque, official da ordem da Rosa, juiz
de direito e provedor de capellas e resi-
duos da comarca de Olinda, por S. M. o
Imperador, a quem Deus guarde, etc.
Fa co saber que a requerimento do Dr.
Jose Antonio de Figueiredo, testamenteiro e
inventariante do finado Dr. Antonio d As-
sumpcao Cabral, foi expedida carta precato-
ria do juizo da provedoria da comarca do
Recife, para neste juizo ser vendida, em
basta pubiica, no prazo legal, a casa terrea
n. 11, sita d rua Vinte e Sete de Janeiro
(outr'ora Paco Castelhano), freguezia de S.
Pedro Martyr desta cidade, a qual tem 29
palmos e meio de largura, 50 e meio de
comprimento, uma porta e duas janellas de
frente, porta e janella no oitao, duas salas,
sendo a de detraz assoalhada, qnatro quar-
tos, cozinba interna, quintal murado de 100
palmos de extensio, cacimba, e um terreno
ao lado do norte, com portio, Jtendo sob a
sala de detraz uma loja, avaliada a referida
casa em 2:5000. E ha vend o posto em dita
carta precatoria o meucumpra-seman-
dei passar o presente edital, que serd aflixa-
do no lugar do costume e publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Olinda,
aos 21 dias do mez de julho de 1*74.
E en, becbarel Francisco Lins Caldas, es-
0 dtsembargador Francisco de Assis Oliveira
Maciel, official do imperial ordem da Ro-
sa e juiz de direito privativo de orpbaos
da cidade do Recife de Pernambuco e seu
termo, por S. M. o Imperador, a quem
Dcos guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem, que no dia 27 do corrente
ira a praca de venda, pelo tempo de tres annos, e
pelo preco annual de 1:850*, por quanto jaesteve
arrendado, que servira de base para a arremata-
cao, a casa de sobrado de um andar e sotao, sita a
rua da Imperairiz n. 46, da qual e consenhor An
tonio Henriques Rodrigues, a requerimento de
quem se procede o dito arrendamento, obrigado o
arrematante a fazer as obras de que precisa o dito
sobrado, arbitradas em 600*, que serao levados em
conta nos alugueis, e constantes da vistoria a que
se proeedeu, e suo ellas : retelhamenlo, reparo no
assoalbo e reboco no sotao ; no 1 andar 2 caxi-
Ihos na janella da frente, aros e vidros, reparar o
assoallio no corredor e sala de comida; no andar
terreo e quartos exteriores precisa ser picada a
parede direila e rebocada, todo o pavimento pre
cisa de ladnlho e na parte qua da para o qnintal
nos quartos exteriores precisa ser retalhada a me a
agua e reparar se oladrilho e reboco ; no telbeiro
precisa-se reparar o telhado e parte do rebico,
no quintal precisa-se de em parte reboca-lo.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que sera publicado pela
mprensa e alllxado nos lugares do costume.
Dado e passido nesta cidade do Reciie de Per-
nambuco, aos 9 de julho de 1874.
Eu, Manoel do Nasciraento Ponies., escrivao,
subscrevi,
Francisco de Assis Oliveira Maciel.
Recife, 4 de julho de 187i.-0 escrivao, Manoel
do Nascimento Poates.
Ao sello de300 rs. Valha sem sell) ex-causa.
Oliveira Maciel.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do commer-
cio, desta cidade do Recife de Pernambu-
co, por S. M. imperial, que Deus guar-
de, etc.
Faco saber pelo prssenle que, Goncalves,
Irmao & C, successores e liquidatarios da
extincta firma Conceives Pard & C, por
seu advogado, me dirigiram a peticdo do
theor seguinte:
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Gon-
calves, Irmdo & C., successores e liquidata-
rios da extincta firma, Goncalves, Pard &
C., que sendo-lbes Jose Pereira da Silva e
Seratim Pereira da Silva, devedores da
quantia de um conto e sete centos mil reis
por duas letras vencidas, que estao a pres-
erver, e desejando os supplicantes por meio
do competente protesto, interromper a pres-
cripcao, vem requerer a V. S., digne-se
man Jar tomar por termo e protesto, que fa-
zem, afim deser intimado aossupplicados, e
como os mesmos supplicados se achem au-
sentes em lugar incerto e nao sabido, reque-
rem os supplicantes & V. S., digne-se raarcar
dia c horajpara serem inqueridas testemu-
nbas, que provem a ausencia, seguindo-se
cartas de editos e os demais tor mos necessa-
ries. Pedem a V. Sdeferimento.e receberd
merce. Estava uma estampilha de duzentos
reis inutilisada Recife, 14 de julho de 1874.
Dr. Nascimento Portella.Despacho.
Distribuida, como requerem. As letras
estao juntas.Falta a procuracao, a justi-
licaceo serd quando os supplicantes quize-
rem. Recife, 14 de julho de 1874.Bar-
ros de Lacerda. E nada mais se continha
em dita peticao e despacho aqui fielmente
copiados, e por forga do mesmo f6ra feita a
distribuicSo ao escrivao deste juizo Ernesto
Silva, vendo se logo depois o protesto do
tebor seguinte -.
Termo de protesto.Aos 16 de julho de
1874, nesta cidade do Recife, em meu car-
torio, perante mim e as testemuubas infra
abaixo assignadas, compareceram os sup-
plicantes Goncalves, Irmao & C, por seu
procurador Joaquim Jose de Abreu, e por
este foi dito que reduzia a termo o conteii-
do da peticao retro, que offerecia como parte
da presente, e de como assim o disse, protes-
tou, e depois de lido, assignou com as indi-
cadas testemunhas. Eu, Francisco Xavier
de Sonza Ramos, escrivio interino, o escre-
vi.Joaquim [Joti de Abreu.Francisco
Joaquim Peroira.Joao Melchiades For-
tunato. E nada mais se continha em
dito termo de protesto, depois do que os
supplicantes produziram suas testemunhas,
que depozeram convenientemente acerca da
ausencia dos supplicados, e o escrivao fa-
zendo sellar e preparar os autos, m'os fez
conclusos, e nelles dei a sentence do theor
seguinte:
Sentence.Hei por justificada a ausencia
des supplicados, devndo portanto eer-lbes
intimado o protesto de folhas, por oditaes
com trinta dias de prazo, affixados e publi-
cados nos jornaes. Custas ex-causa, Recife,
21 de julho de 1874.Sebastiao do Rego
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
PAKA'
A escuaa Georgiana seguf nesles dias (Mra
porto acima, e recebe carga a frete : a tratar com
Tasso Inni u & C
< OMl'V^II \BR41LKIK\
DE
t\AVEGACAOA VAPOR
Portos do norte
Nao se tendo reunido numero legal dos
Srs accionistas desta companhia. convidados
p^ra a assembles geral do dia 6 do corren-
te mez, sao de novo convidados a reuni-
rera se no nia 29 deste mez, pelas 12 ho-
ras da manlia, no es'np'.i rio de suas sessoes
rua do Cabugd n. 16, afim de deliberr-se
sobre as contas do anno financeiro desta
companhia, e approver o orr;amento vin-
douro, devendo nesta occ sido ser lido o
relatorio do Sr. d rector, mostrando o estn-
do Ha companhia no anno findo em 30 de
abrii ultimo ; prevenindo-se aos Srs accio-
nistas, que, de conformidade com o art. 23
dos essatutos, a reunido terd effectividade
com o numero dos Srs accionistas que a
ella comparecerem.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
20 de julho de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
No dia 27 do corrente mez, depois da au-
diencia do Exm. Sr. desembargador juiz de or-
phaos que tera lugar ao meio dia na sala das au-
diencias, vai A. praca uma morada de casa terrea
e sotao, com terreno proprio, deoominado Ilha
dos Ratos, no lugar do Monteiro, freguezia do
P6co da Panella, cuja casa e sitio vai a praca a
requerimento da inventariante dos bens deixados
por morte de Francisco Geraido Moreira Tempo-
ral, para pagamento dos credores, servindo de
base a avaliacao de 5:000*.
Juizo de orphaos
Foi transferida para o dia 27 do corrente, de-
pois da audiencia do Exm. Sr. desembargador juiz
de orphaos, ao meio dia, a arrematacSo da casa
terrea n. 2 da rua de S. Gongalo, avaliada por
2:000*, pertencente ao finado Leopoldo Ferreira
Martins Ribeiro.
Massa fallida
DE
Amorim, Fragoso, Santos
&C.
8 dividendo do 1,9a por cento.
Paga-se o ultimo dividendo as quintas-feiras,
das 11 horas da manha a 1 da tarde, no escripto-
rio da rua do Vigario n. 13,1* andar.
Os Srs. credores queiram vir logo receber, pois
tem deser recolhidas ao deposito pub'ico as quan-
tias que nao forem procuradas ate o dia lo de
agosto proximo.
Pelo thesouro provincial so faz publico a
quem interessar possa, aue foram transferidas
para o dia 6 de agoto proximo vindouro as arre-
mata(oes da obra dos r.paro- do empedramente
na estrada da Victoria, e os 8 OjO sobre o capim
de planta consumido nesta cidade : a primeira or-
cada em 3:2i5i, e a segunda em 2:319*280:
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
:o, 23 de julho de 1874.
0 secretario,
___Miguel Alfonso Ferreira.
ADMIMSTRAgAO D05 CbRREIOS~DR~PER~
NAMBUCO, 27 DE JULHO DE 1874.
Halas a expedlr-ee
Pelo vapor nacional Ceard, esta administracao
expede malas para os portos do sul, hoje 27.
Recebem-se jornaes, impresso? e cartas a regis-
trar ate 2 horas da tarde, cartas ordinarias at>; 3
horas, e estasatS 3 l|2 com porte dnplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15' grammas ou fraccao da 15 gram-
mas, e estes a de 40 rs. por 40 grammas ou frac-
cao de 40 grammas, na progressSo estabelecida
nas tabellasC e Dannexas as instructs do 1
de dezembro de 1866.
0 admmistrador,
- Affonso do Rego Barros.
K' esperado Jos portos do sol
ale o dia ST do corrente e tcgu-
ra para os do norte depois de
deniora do coiume.
Recebera so encommendas, valorcs e pastap- r
trala-se no ecriptorio.
7-RUA 00 VIGARIO 7
Pereira Vianna & C
_ COMPANHIA PERNAMBICAHA
DE
\ave5nca0 costelra a vapor.
Maceid, escalas, Penedo e Aracaju'.
0 vapor Strut,ft,
commandante Sin;--*
seguira para os r-
tos acima no di< .1
do corrente as o b : -
da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 30 do corrente, enurfn-
mendas, dinheiro a fre-* e passagens, ate as 2 b< -
ras da tarde do dia da sahida : ascrip'r*
no Forte do Miitos n. 12.
Bal
11a
Para este porto segue em poucos dias 0 hiate
Dous de Jullio, por ter alguma carja aaga|a4a,
para 0 resto que Ihe falta trata se com cs ccn-.f-
natarics Joaquim Josd Goncalves Beltrao & F
a rua d) Commercio n. 5.
PARA
E
A escuna Georgiana tendo engajado part dt
seu carregamento para 0 Para, recebe tambem
para 0 Marauhao, caso convenha fazer a CMail
a vista do frete que apparecer: a iratar na ru. 1.
Amorim n. 37.
Rio de Janeiro
Synipathla
Para este palhabote portuguez, ja esta ccmra-
tada parte de sua carga a frete ao referido pcrto.
Para 0 resto trata se com Amorim Irmios A C
LEILOE
DO
engenho S. Matheus, sito na
freguezia deGamelleira
AVISO? MABfTtMOS.
Palhabote Joven Arthur
Vende se e-te navio prompto de um tudo para
navegar, e feito de madeiras do Brasil, esta anco-
rado no quadro da descarga : os pretendentes po-
derao examinar, e para tratar com Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo, a rua do Bom Jesus n. St.
Real ooiiipanhia de paquetes in-
glezes a vapor.
No dia 29 do corrente espera-se dos portos do
snl 0 vapor inglez Boyne, commandante F. Beeks,
0 qual depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, fretes, etc., trata-se na agenda,
rua do Commercio n. 40.
Pacific Steam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMER
Cotopaxi
(DE 4027 TONALEDAS)
Commandante Bax.
Espera-se dos por*
tos do sul ate 0 dia 2
de aco9to, e depois da
deniora do costume
seguira para Liver-
pool, tocando em Lis-
boa e Bordeos, para onda recebera passageiros,
encommendas, carga e dinheiro a frete.
N. B.Nao sahira antes das tres boras da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wllsen Rowe A C
14PRACA DO COMMERCIO -14
Para.
Pretende segnir para 0 iniieade porto com mui-
ta brevidade a escuna portugueia Christina, por
ter parte da carga ; e pan a que lbe falta trata-
se com os consignatariot Joatjuim Jose Goncalves
Beltrao & Filho, a ma do Commercio n. 5.
As 11 horas da manha
No sobrado da rua do Marquez de 0:
n. 37, primeiro andar.
0 agente Dias veadcra, no dia ehora aeimade-
signados, a requcriiiienio do Dr. curador do later-
dicto D. Nar^izo Vidal. 0 engenho S. Maiheos,
moente e corrente, com todos os seus edi;i aos,
casas de lavradores, macbinas, cen ados, logra-
douros e matas, 0 qual limita-se pelo nascec.e
com os eogenhos Viraciii) e S. Boaventura, pelo
pocnte com terras de Duas Barros, pelo norte
com terras dos engenhos S. Vicente e Amaragy de
agua, e pelo sul com terras de Bom Successo a
Gamelleira.
Para qualquer esclarecimento podem desde ja
os Srs. pretendentes dirigirem-se aj escriptorio do
referido agente, em poder de quem se acha i
competentes documentos, que doderao exrmxa-
los._______________________
Agente Pestaiia
leilao
DE
23 caixas com massa de farinha .Mazeur.a,
de primeira qualidade
SEGUiNDA-FEIRA 27 DO CORRENTE
as tl horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandrga.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 23 caixas
com massa dc farinha Mazenna, de primeira qua-
lidade.
SEGUNDA-FEIRA 27 DO CORRENTE
AS 11 HORAS EM PONTO.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega
Agente Pestana
DE
6 caixoes marca J M S, com 418 meias cai-
xas com charutos Exposigeo. de M. M.
Sampaio, e 261 meias ditas Liricos, vin-
dos da Bahia no paquete nacional CezrU
TERCA-FE1RA 28 DO CORRENTE
As' II horas em ponto
No armazem de agenda de leiloes da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, dos charutos aci-
ma mencionados, os quaes serio vendidos em 10-
tes, a vontade dos Srs. compradores.
TERCA-FEIRA 28 DO CORRENTE
aVi tt horaa era ponto.
No armazem de agenda de leiloes da rua Jo
Vigario Thenorio n. 11^________
Segundo leilao
DAS
dividas actives, na imporUocia de.......
9:2419791, da massa fallida de Farias A
Lease
Terca-feira t do cerreate
as 11 horas da manha
No escriptorio i ma do Bom Jeans n. 53,
primeiro andar
0 agente Pinho Borgea, eat raaaariateato do
maedado do Ilia. Sr. Dr. rait de dtretto eapecul
do commercio, levara de aove a Mlio as releri-
das divides, servindo de base a oOarta oe S4O.000
reis, que foi obtida no primeiro leilao.
(


'


4


*
flt*riQ o

carros com arreios c cava.lljs da coxcira
da rua do frnpcmlor n. 23
aflfcA-FF.lRA-28 DO CORRENTE
lo agente Martins
V* ft horn*.
te Pestana
pek
>
>
Agentt
oJt
y^
<\
\
DE
presuntos de Westphalia
Tcrea-feira 9H ill corrente
is 10 l\i horas em ponto.
m Em eontinuacao so leilao de farinha, o agente
Dias vender!, por conta e risco de qoem perten-
cer, 6 caixas com 90 presuntos dos afamados' de
Westphalia._______________



Agente Dias
LEILAO
DE
cerca de 250 saccos com farinha de man-
dioca com algum.i avaria
Tercn-felra 9H dlo otnreiite
is 10 1|2 boras da man ha
No trapit-ue ilcnomiuaau tla. torn-
panliia
0' agente Dias, competent smente autorisado,
vendera, por conU e risco de quem pertencer, no
dia e hora acima designs Jo, cerca de 250 saccos
com farinha de mandioca, com algama avaria,
vindos nltimamente de SanU Catharina._______
esa
Feira Economic*
Rua do Rosario estreita n. 45
QUARTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
Pelo agente Martins.
1 De diversos artigos quo estarao a exposicao dos
concurrentes, assim com 3 cabras, boas leiteiras
(bicbo).
ds 11 horas da manha.
LEILAO
DE
moveis, louQas, vidros, pianos de armario e
mesa, chapeos do Chile, ditos de feltro,
diversas miudezas, e limportante raachi-
na para raoer tinta, com tres cylindros
QUARTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto
>o ai'iuazcm da rua do Bom Jei-ua
n. AS (antiga Cruz).
0 agente Dias fara leilao, por conta e risco de
juem pertencer, de mobilias de jacaranda, com
iampos de pedra, ditas de amarello, nas mesmas
condijSes, guarda-roupas, gnarda vestidos, guar-
da-louca, camas francezas de mogno e amarello,
marquezoes, marquezas, cadeiras avulsas, ditas
de balanco, ditas do bracos, quadros a oleo, me-
sas elasticas, \ prensa para copiar cartas, bereos,
carteiras, e muitos outros objectos qne estarao pa-
tentes ao acto do leilao.
Illra. Sr. Dr. juis especial do commercio, e por in-
terven$5o do agente Pinto, de um variado sorti-
mento #e (aunlas tnglezas, francezas, snissas e
allemai, existentes no armazem da rua do Bom
lesus n. 63. enfit ? Tlfrrtnara o leilao.
Em eontinuacao
vender -f-h* lauiftem d !Trenl- v.lume* com
cimisa* fruiiCfzas, pttMlina*, chilis e coberiure*
ultimament* desparhaflos.,
0 leilao principiara as 10. hora- erneia
mso^pvthsus
Companhia
EDiriCUOIn DA PROVINCIA OE
Pernambuco.
Aoa Sra. mabserlptores da d|a
Companhia.
Venho levar ao conhecimento dos Srs. subscrip-
tores e do publico em geral que apeiar da ue-
cessidada que esta provincia tem de ver fanccio-
nar sua utiliiaiia companhia de edificaeSes, cujos
beneficios e vantagens de loda especie sao incon-
testaveis, e serao sempre acima dos de toda e
qualqaer ouira empreza, ninguem deixa de o re-
conhecer.
Todavia ate esta data o mini terio da agricultu-
ra, commercio e obras publicas ainda nao man-
don a presidencia deita provincia o decreto au-
torisando a eompaohia edificadora desta provin-
cia a dar comeco a snas operacoes.
Espero que o decreto cbegara breve acompa-
nbado de todas os papeis e docuinentos qoe man-
dei em agosto de 1873 por intermedio da mesma
presidencia.
Vendo em tins de maio que ja se tinhara pas-
sado 9 mezes, sem nada receber da cdrle, resol-
vi-me a levar esta occurencia a consideracao de
S. Exc. o Sr. presideate, pedi-lhe era 4 de junho
proximo passado que se dignasse dar as provi-
deneias que julgasse mais convenientes.
Volte! a secretarla do governo em 17 do mes-
mo mez, e soube qne o Exm. Sr. commendador
Henrique Pereira de Lucena tinha dado uraa no-
fa prova do interesse que toma e do desejo que
tem de ver funccionar esta importantissima em-
preza o mais breve possivel.
Eis o resumo das informacoes que, me foram
dadas :
a Em 15 de junho de 187 i, S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia dirigio a S. Exc. o Sr. rai-
nistro da agricultura um officio pedindo solucao
da peticio que lhe foi dirigida em 21 de agosto
de 1873, sob n. 77, relativa a approvacao dos
estatutos da companhia de ediQcacoes da provin-
cia de Pernambuco, da qual F. M. Dupral e en-
corporador.*
Recife, 20 de iullio de 1874.
F. M. Duprat.
oomingos .Soe da Costa
0 bacharel Jose Domingos da Costa, no dia 27
do corrente, as 8 horas da manha, manda resar
missas pela alma de seu finado pai, Domingos iose
da Costa, na igreja de S. rrancisco, e convida aos
seus amigos e aos do mesmo lioado.
PUNDICAO DO BOWMAN
ROA BO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho e ootros agricultorcs, a compradorea de ma-
ihinismo o favor de fazeruma visita a seu estabelccimenlo, para verem o novo sortimen-
to complelo que abi tem ; sendo tudo superior era qualidade c fortidSo ; o que com a ms-
truccSo pessoal podo-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NLMERO E LUGAR DE SUA FUNDIQAO
VapOreS e rodas d aglia dos mais modemos systemas e em tamanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries e para descaro^ar
alg- dao.
M-OendaS de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
RodaS dentadaS para animaes, agua e vapor.
Taixas de ferro ftmdido, batidoe decobre.
Alambiques e fundos de alajaWques.
MaCnmiSITJOS para mandioca e algodfio, e para serrar madaira. Iser movidos a mao
Rom ha q ) por agua, vapor,
uuwuaa de pttente, garantidas........ \ou ammaes.
lOClaS as mac 111 naS e pe^as de que se costuma precisar.
Faz qitalquer COncertO de machinismo, a pre$o mui resumido.
OrmaS de ierrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
-ODCOniniendaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo & vontade dos
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade p6de lbes prestar auxilio.
Arad0S americanOS e instrumentos agric.las.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
ODILON DUARTE & IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na^exposicao de 1872
Precisa so do uma ama
:u. coziiihar em casa pequcna famllia, ])rcfcrin-
do-se escrava : na rua do
Capibaribe n. 40.
t
:."S incmnos
Aluga-se um pc.jumo titij, edilicado de
novo, no lugar da Tamarineira : a trater na rna
do Commercio n. 9, 1* andar.
AVISO.
N5o se preslando o peaneno espaco do armazem
n. 10 A, a rua da Madre ae Deu, pan um abaste-
cido deposito das diversas mareas de fumo, que o
ab; ixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
dlante aberto outro es abelecimento sob a mesma
denorainacao de
ARMAZEM DO FUMO
. A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporc5es desejadas, e onde pode-
rlo os senhores freguez I dingir-se, eertos de que,
como ate aqui, acharao sempre a par da modici-
dade dos precos, a maior sinceridade possivel. En-
tre as differentes raarcas de fumo da Bahia e Rio
de Janeiro, qne tem sido annnneiadas, aeaba de
chegar uma encommenda especial, que mui to deve
convir aos senhores freguezes. Consciecte o abai-
xo assignado de qne neste genero de negocio nao
esta sem compelidores, fara muito por evitar qne
tambem o* tenha com relacao ao pequeno lacro
que procurara obter da dita mercadoria.
Jose* Domingues do Carmo e Silva.
RUA
LEILAO
DE
miudezas, cal^ados, perfumarias, chapeos,
livfos em branco e papal de copiar
CONSTANDO DE :
p-partilhos, meias para homens e senhoras, oleos,
balancas para libras sterlinas, carteiras, botSes,
iinhas, litas, estojos, exlractos de differentes
qualidades, botinas para senhoras, sapatos de
trauma e tapete, elastico de algodao e de :eda,
oolchetes, cordoes, copiadores de cartas, caixas
pajias para pentes, ciotos para senhoras, cha-
peos de rauitas e differentes qualidades, sapatos
de tranja (bons) borzeguins para senhoras, gra-
vatas e muitos oulros artigos.
Quinta-feira de agosto
Na rua do Bom Jesus n. 03.
Os administradores da missa fallida de Pereira
de Mello & C, usando da autorisaijao do film. Sr.
Dr. jU'Z epecial do commercio, levarao a leilao, por
inten-encio do agente de lei Idea F. I. Pinto, diffe-
rentes miudezas, chapeos e calf ados, qne fazem
parte da referida massa, e existentes no armazem
da rua do Born Jesus n. 63, onde se effectuara o
leilao.
Principiara as 10 1|2 horr.s.
Agente Bias
LEILAO
\uionio iu Silva Ciuimaraes.
Jose Joaquim da Silva Guimaraes
e seus filhos, Joao Tibnrcio da Silva
Guimaiaes e Maria Magdalena da
Silva Guiaaraes e seus filhos, agra-
. decem do intimo d'alma a todos
aquelles que acompanharam os restos
mortaes de seu presado pai e avo, e
de novo os convidam e a todos os seus parentes e
amigos para assistirem as missas do setimo dia,
que terao lugar no dia 28 do corrente pelas 7 ho-
ras da manha, no recolhimento da Gloria, na
igreja de S. Jose do Manguinho e convento de N.
S. do Carmo._____ .^.
Alferes Hanoel do Kagcimcnto
Costa Lima.
Os offlciaes do 2." batalbao de infantaria, tendo
de suffragar a alma de seu presado companheiro
0 alferes Manoel do Xascimento Costa Lima, no
dia 27 do corrente, pelas 7 horas da manha, na
igreja do Carmo, rogara encarecidamente o compa-
recimento dos parentes e amigos daquelle finado
e de seus corapanheiro3 d'armas do 9." batalhao,
deposito de recrutas, companhia de cavallaria e
dos corpos especiaes, pelo que lhes hypothecam
desde ja sincera gratidaO;___________________
CASA DA FORTIA.
AOS 4:0a0^000.
BILHETES GARANTIDOS.
A rua Primeiro de Margo (oulr'ora rua di
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes ga^antido^
ix 16" parte dasloterias a beneflcio do patrimonio
das orphaos (110"), que se extrahira no sabbado,
1 do mez vindouro.
PRECOS,
Biihete inteiro i^OOO
Keiobilhete' 2/000
KM PCRCAODE 1009000 MRA CIMA.
Biihete inteiro 3*500
Meio biihete 1/750
Manoel Martins Fiuza.
M to
IMPERATRIZgfce &
EN.|833
[l. ANDAR.]

I I U -M- '_.
^jS?fc?jf*^vx'
RUA
DA
IMPERATR1Z
H. 82
1." ANDAR.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, dd-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
A NOVA FSPElUXCA.a rua Duqne de Caxiat
n. 03, aena nas boaecw que Mlam, que riem se e choraTi ;
tambem asiuc! muuas c rurdas ou urda mud..
renham ww n" J xeriule.
UuliiMi fu^iti
KlB Bin /\" 'in l i-v ftVflrn.1 ll:fi i'i?rriii.
acima. I'lii'u i > >'^llov ;n.i.r.!. ; jj;:.'e fa .,'
H.^i- b.i in. if-. '' i'i'. r..!n-ii esTkaiabea,
eal^:li", >'*'' tWalMirfUr, um ui.tj ma-
gr-. ifiiiiodos o< I'cnlef, e aicijado da perna direi-
ta, Ksimie p:u.-i.-la, e f*r ludu iiuaa ob:be ;
foi comp.*ali a Uaiw.fl 'I'iva-su Larinho, e consta
achar se eui S. Vicente, freguezia de ItaroM : ro-
ga se a todas as autoridadc* r capiliea de campo
queiram apprebenoVr dito cscravo e leva-lo A rua
da Madre de Deoa n. 5, 1' asdar. das 9 as 4 lioraa
da laraVon a rua de S. G meat* n. 29, sobradt
ao lado da igreja, qne er.v pratificados._______
^Z^SsriX'
loja do nm
So elln!
Acabam de reformat o sett estabelecimento, collocando-ornas^melhores con-
dkcoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e As Exmas. Sras. n'a-
quillo que f6r tendente A arte de cabelleireiro. jMMatm.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tranc.as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho tmagmayel em cabello
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
rmos ae modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantwdo
perfeicao no trabalbo, agrado, sinceridade e pre$o razoavel.
Penteam senhoras, Unto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
DOrc5o e a retalho e todos os utensilios pertencentes A arte de cabelleireiro.

PHARMACIA NORMAL
DE
JO^E Elil AS BE HOUR A & C
17Largo do Mercado Publico17
(Antiga ribeira de S. Jose.)
Acaba de ser aberta e acha-se a disposicao do respeitavel publico esta nova phar-
macia e drogaria, completamente provida do indispensavel a um estabelecimento dessa na-
.____ -i^ ...., Ao r.rnrtm>tna >>himii>na a mp.ili>ampnlna nrpnaradns no estran-
um bom .predio de dous andares e sotao,
situado a" rua do Visconde de Pelotas
n. l.
Sevta-reira 31 do corrente
A'S 11 HORAS DA MANBA
Nosobrado da rua do Marqnez de Olinda n. 37,
primeiro andar.
0 agente Dias, cempetentemente autorisado, le
vara a leilao, no dia e hora acima indicados, o so
brado de 2 andares e sotao, com os commodos se
gnintes: primeiro andar, 2 salas e 5 quartos, se
gundo andar com os mesmos que o primeiro, e
sotao com 1 sala a 4 quartos.
Fica em optima posicao, pois apanha toda a
praca de Conde d'Eu, e rende annnalmente ...
1:440/000 PS.
Os Sr. pretendentes para qualqner csdareci-
mento podein dirigir-se ao escriptorio do agente,
onde lera Ingar o referido leilao.
\ Em eontinuacao o mesmo agente vendera, por
conta e riseo de quem pertencer, algnmas joias
. com brilhantes.
IMLM
Ho dia 9 de agosto
pelo agente Martins.
\No armazem da rua do Barao da Victoria,
junto ao Bazar Universal do Carneiro
Vianna
CONSTANDO DE i
cadeiras de guarnicao, ditas de bracos, ditas de
viagera, espelhos, ternos de bandejas, camas de
ferro, machinas de costuras, caixas de musica,
estojos para viagem, facas finas, garfos de metal,
e um iofinidade de objectos de gosio, qne se-
rao v*ndidos ao correr|do martelloj para liqui-
dar factaxas.
________\ Principiara as 11 hora?.
leilIo
de fazendas inglezas, francezas, snissas e
allemSs
Em continuaqao
Constando de: casemirai pretas e de cores, em
cones e em pecas, pannos finos, brilhantina
branca, chilas, algodoes, cobertores, chales, len-
cos, gravatas, merinos, bora bazinas, cambraias, es-
partflhoa, meias, collarinhos, bramantes, grosde-
naples, popalinas, tapeies, chales, capas de seda,
brins brancoe e de core*, ebapeos de differentes
qualidades, chapeos de sol, camisas para homens
e meninos, peitos para enmisas, sargelira, atoa-
Ihado, v*m para easamentos, chitas de ganga ada-
matcada, damasco emuitas outras fazendas.
t)uarta-feira 18 de acosto
RUA DO BOM JESUS N. 63.
Os administradores da massa fallida'de Pereira
de Hello C, farSo leilao, por auiorisacso do

Aluga-se
o sobrado de dous andares e loja, sito a rua da
Aurora n. 79, tendo agua, gar, estnbaria, cocheira
e coimba : a tratar na mesma rua n. 81, segundo
andar.
No dia 21 do corrente, fugio um caozi-
nho da raga Kingcharles, com os sigcaes se-
guintes i preto e cor de cafe por baixo da
cabe^a, pe's e peito, pello lustroso, lino e
comprido, orelhas muito grandes, e muito
manso, e acodo pelo nome de Millord;
quem o encontrar ou o tiver recolbido, teri
a boadade de o maadar ao caes d Capiba-
ride (pOBte velha) casa entre ns. 6]e 8, onde
seri gratificado.____________.
Aluga-se
o predio da rua da Ponte-Velha n. 73, com com
modos para familia, contendo agua e gaz encana-
dos, com apparelho de limpeza, quintal bem plan-
tado, com pertao qne delta para a rua da Alegria :
para ver no mesmo, e tratar com o Sr. Oiogo Es-
teves Vianna, a rna do Barao do S. Borja, antiga
do Sebo, casa em obras.
No paleo da Matrii de Santo Antonio n. 6
tem amas para cozinhar e engommar, e tambem
para andar com criancas, que se alugam a preco
commodo.
Declara^ao.
Nos abaixo assignado?, estabelecidos com ar-
mazem de fazendas a rna da Imperatriz n 40, sob
a firma de Manoel Burlamaqae & C, declaramos
ao respeitavel publico, e com especialidade ao dis-
tincto corpo do commercio, que nesta data dissol-
vemos amigavelmente a sociedade que no referido
armazem iinbamos, retirando-se o socio Jose* Alves
Machado (iuimaraes pago e satisfeito, e licando
todo o activo e passivo a cargo do socio Manoel
do Nascimento Cesar Burlamaqne, qne contimia
no mesmo armazem sob a mencionada fir ma.
Recife, 17 de jnlbo de 1874.
Manoel do Nascimento Cesar Bularmaque.
lose Alves Macbado Guimaraes.
m;
turcza,'sem excepcao de productos chimicos e
trangeiro, tudo novo e o melhor possivel.
medicamentos preparados no estran
As receitas dos Sr. medicos serao sempre despachadas com a mais seria attencao,
e sempre sob as vistas do pharmaceutico que comd8e a nossa firma social.
As pessoas que se dignarem de honrar o nosso esatbelecimento com a sua connan-
ca, podem estar certas de que serao conseienciosamente servidas, nao so relativamente ao
que pedirem, como tambem a modicidade dos precos.
A ** # 8 mmmmmmmmm
ISSENCIA CONCENTRADA
DE
A Chapelaria Imperial e a unica que tem os
commodos e verdadeiros chapeos de copa molle
e aba dura : na Chapelaria imperial, a raa Pr.-
meire de Marco n. 6.
Villa de Kalmares.
As Sras. Carroll participam aos Srs. pais de fa
milia, que abriram um collegio francez para o
sexo feminino na villa de Palmares, onde recede-
rao alumnas internas e externas. Ensinar-sc-ha
alem do francez, portuguez, iuglez, arithmetica,
geographia,historia, musica, bordados, etc. Tam-
bem se propoem a receber alumnas das 3 as 6
horas da tarde, por metade do preco : para tra-
tar na mesma villa, no pateo da Feira.________
Palacete
.. i___. uuu. A,. hk *bc di\"ina, florida, lavaiiJc, pis !e arroz, sal-
Ainda esta por alugar-se o palacete aauhajWB smelicos> 2,mos rlodelicados em perfnm--
Itatos, do finado Custodio Jose Alves Guimaraes,
onde morou ultimamente o Sr. Dr. Ignacio de Kar-
ros : a tratar na rna Primeirs de Marco n. 7 A.
Carta.
Na rua do Livramento n. 26 existe uma carta
:om urgencia para ser entregue ao Sr. Rodrigo
Goncalves Bastos.
Coosultorio medico 'A
DO
Dr. llurillo.
RUA DA CRUZ N. 26, % ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite -para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 horas da manha as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESfECI ALIDADES.
Molestias de senhoras, da pelle e de
crianca.
&
ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro purificador do saogue. sem mercuric.
A Eggencia de Caroba e um remedio hoje reconhecido como um poderoso depura-
livo e especial para cura de todas as molestias que teem a sua origem na impureza do- sangue,
como sejam : as molestias Syphiuticas, Boobaticas e Escrofulosas, Rhbumatismo, Empingens, Dab-
TR06, ULCERAS, ErUPCOES, ETC. ETC J\
Os prodigiosos effeitos que tem produzido a Essencia de Caroba, nor toda parte
onde ella tem sido apropriadamente eftperimentada, a tem feito adoptar como um dos medicamen-
tos mais seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natuxeza sypbilitica e
boubatica. ,
A cada frasco acompanba uma initraccjw para a maneira de usar.
Pomada mli-dai'trosa
Para cura das boubaa, ulceras, chagas antigas, etc., etc.
Contra as affeccoes cutaneas, darthroe, comicboes, etc., etc.
Inguento de Caroba
ulceras, chagas antigas, etc.. etc.
NICAMENTE PREPARADO POR
RODQDAYROL IRMAUS, SUGGESSORES
Botica Franceza
22 tir Rua do Bom Jesus 22
( ANTIGA RUA DA CRUZ )
i f
Obras ineditas e colleccio-
nadas do finado vigario
Francisco Ferreira Bar-
reto.
Os editores desta important-sima obra, avisam
aos senhores, que ainda nao a assignaram, que o
facam ate" o dia 15 de agosto, o mais tardar, e
quando se acha prorapto o primeiro volume; de-
pots desta data em diante nao se recebera mais
assignatura. Assignase em todas as livranas e
na typographia dos abaixo assignados na raiao de
5/, os dons volumes, depois desta data em dnnte
sera de %i ; a assignatura sera paga a entrega
do 1.* volume. _
Carlos Eduardo Muhlert & C.
Editores.
24-liua do Marquez de OiiBoa-2-i
Eisquiiia do beeco Lurfo
Participa a seus fuguezrs e ;.migcs quv n.udta
o seu estabelecimento de relojoe ro para a ine-n.a
rua n. 24, ocde enccntrario i.m grande scrtimento
de relogiGS de parede, smcricaoos, e cima de me-
sa, dos melhores gostes e qua!idad algibeira, de todas as qualida> es, patent* latoi,
de ouro e praia doi:rada, fcleado 'plaqnrt), rHo-
gios de onro. inglez, descuberto, dos milborea
fabricantes, cadeia de < um. plaquet e prat*, innctus
de tod?s as qualidades, tudo por i.reccs muito ta-
ratos.
mm
irdeiro Siiiitjes k C.
Acabam do receber polo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de gorgurio de ^eda :.
com listras achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, c-ntrndo caJa tr-
ie, o necessario [ ara seu enfeite, como aeja :
franjas, trancas, l otdet, frveUaa, t-tc.
Riquissimos chapios para seLbora, ultima a.o*i
rua Primeiro de Marco n. 7 A.______________
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos lertea e *1 elegantes modellc?, dos tna: r^tavci' e ii
nhecidos fabricantes; enmo pjam : Alph' D
donel, Henry Hen e Pleyel Woiif i C. : ao V
Francez, ariia do Baiao da Victoria, outrV; a
va n. 7. a precos muito cemmedos.
Perixunarias.
Finos extract-"'?, baahaa, oleo?. opiata e p d b-
trilicc, agua de llor de laranja, agna de t
Escrava.
Precisa-se alogar uma para tratar de meninos
e mais services de uma casa de familia: a tratar
na rua do Marquez de Olinda n. 35. _____
Desappareceu no dia 20 de junho aeste anno
o menino Joao da Cruz Ferreira, mener de 11 an-
nos, cara bexigosa, e trajava camisa branca e cal-
ca de riscado : quem o encontrar ou delle souber
notiGias, roga-se o faca saber no becco das Barrel-
ras n. 9, Boa-Vista. ________
Aluga-se
a casa terrea liu na rua de Paysandu, com agua
potavel: a tratar na rua do Vigario n. 31.______
Aluga-se por menos do que estava, o arma-
zem da rua Duque de Caxias a. 36 : a tratar com
Jose Henrique da Silva Guimaraes, na Soledade
n. 27*
IWiTu.ii^^jn^jMfii
I
Lindas tarlatanas de cores, de assento branco e preto com salpi-
cos, pan vestidos, pelo baratissimo preoo de 240 reis o covado, na
loja das columnas, de Antonio Correia de Vasooacellos, na rua do
Crespo n. 13,
CASA DO OURO
Aos 4:000^000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 4:000/ em um
biihete inteiro de n. 467, a um dito de n. 1,715.
com a sorte de 700#, e um .meio de n. 3,827 com
a sorte de 100*. alem de outras sories menores de
40*000 e 201000 da loteria que se acabou de
extrahir (109-); convida aos possnlo^3 a vu"em
receber, que promptamenle serao pagos
0 mesmo abaixo assignado convida ao resneit*
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os mmto felizes bilhetes.que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mejmcs
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
'anndos da 16* parte da leteria a beneflcio do
patnmemo dos orphaos, que se extratira no dia
i- do mez de agosto.
Pre$o
Inteiro 4*000
_^ Meio 2*000
De 1OO90OO para elaaaa.
Inteiro 3*600
,. Meio 1*750
Recife, 25 de junho de 1874..
crosmeticos, muitos ariigo dclicados em aedaaaa-
ria para presentcs em francos de extract"?, c^.ixi- '
nhas sortidas e garrafas do differentes laaunb i
1'agua Je Cologne,'.i'l."> do prkneira
dos bem conhecidos fabrici.ntos I'iv'-r a <
No armazem o"o Vapor Frarccz, a rua dki Bai
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilliarias.
Artigos de siilTcrcntes gcaic* e
phatztazias.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, lesourio
canivetes, caixinha? de cosiura, albuns, qoaar -,
e caixinhas para retratos, boisinhas d>; veltado,
dita de couro, e cestinhas.para brae d' i
chicote?, bengalas, oculo, poncincr, punt' "5 para
charutos b cigarros, escovas, paMaa. earteinoha de
madreperola, tapete para lantcrnas, BMias,
de viagens, venesiana's para janellas, ester; '
pos, lantern.is magica?,eosmorama?: jogc
de damas, de bagatella, quadros com p
globos de papcl para ilhirainar;6es, aaenieas de
Tazer cafe, espanadores depalhas, reaiejoa do vein,
accordaos, carrinhos, e bereos para ciian\;a3, 0
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qu? se pode descjar d.>
dos os brinquedos fabricado* em diffcrnte. ;
da Europa, para entretimentos das criancE;, tudo
a precos mais resuoiidos que e possivel : no_ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da \ ;C-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calfiido francez
A9U
Botinas para homem
Acabam de chegar grandes jacturas do /.isas
de bezerro, de cordavao, de pelica. de ioraaae
com biqueira, de bezerro ccm bctoes, e com iiho-
zes a 90000 (a cscolher) |ior ter vindo grande
quantidade por conU e ordem do fabricaate?:
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barfo d
Victoria (ouU-'ora Nova) n. 7.
Para seahora.-
BOTINAS pretas, brancas e de cores, dineientes
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, Lrr.ncos,
pretos e de cores differentes, bordad.-'s:
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranoa.
Para menlnas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portugueaea.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordage,
ABOTINADOS e sapatdes, de bezerro, de de\-ersis
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Gnilherme, paat-
- oerneiras para homens, e meias perneira
meias' !,m. -
para Mas. *> Vapor Francez, a rua do Barao
No armazem
da Victoria n. 7. ""
E' econo^
Graxa glyceriaa prcpria para a .
cordovao; vrnde aNOVA ESPERA.Ng,
que de Caxias n. 63.
nuco.
ooervac3 -o
- a rua Da-
JoHo JoaqumCottaUiU.v
Nao ha mais cabellos
brancos.
TINTURARJA J1NKZL
So e unica approyada pelas aooamua da
sciencias, reconnecida s perior a toda qne
_ tem apparecido atd hoje. Deposito princa-
u.Ij O9^6^6""0! d0 finado Antonio Francisco pal i rua da Cadeia do Recife, hole Mar-
Martins de Miranda, tendo de proceder a inventa- 21. A ftislu \<\ \^,,m^^m
rio dos bens do dito flnado, avisam a quem querl^?1 de t*1""*** "' Vf,
one seja sen credor, se apresente no prazo de tres I toau as boUcas e casaj M caMUei-
dias, sob pena de nao ser attaodido. 'reros.
Negocio da costa da mina
Umapequena taverna compoucos fundos e bem
loclteada, propiia para principiante, garantindo-
se 10*000 mensaes do alaguel da casa : quem
qnjzer, va 4 typographia da Provincia, que la tert
InformacSei.


*. w
TW
*-
<2 6
*WNai& ae*P*;^bfec#^ -jSeMttdH tara 24"fe4%h* FUNDICAO BE FERRO
4' res do Bar.b do Triuwplio (rua dofiram) ns. MOa 104
, CARDOSO & IRMAO
cnminlm1!1 80SKenl!.0r? d,e eu8entos e outl agricultores e ao publico em geral an.
e r,CeKbo1I e SfifS: ^ran5a e America' todas as ferra?es e cb 8 ne-
eessanas aos estabelecimentos agncolas, as mais modemas.e melhor obra
ao mercado.
qua tem vindo
6, 8 e 10 cayallos, os melhores que tern vindo ao merado
?apores.
Vapores de forca de 4,
UaldeiraS de sobresalente para
Moenda^ inteiras e meias moendas, obracomonuacaaqoi.
TaiXaS ifundldaS e b,tid.s, dos melbores fabrican.es.
ttodas d agua cora cabajede ferro> fortes e hm acAadM
Rodas dentadas dlJ todos os tamanhos
Relogios e apitos
Bombas
M>A
Arados
bonituj gostos.
para
para mosa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banhoiro.
para mscbinismo.
ardim.
e qualidades.
para vapores.
de ferro, de repucho.
de diversas qualidades.
Formas para assucar,grandes BjptqwatUm
Varandas de ferro fundido, francezas dediT6rsos
FogOeS franceZGS para lei*. carvio, obra superior
Ditos ditos p,ra gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
-Machina
Valvulas
Oorreiaa inglezas
Bancose sofas cora
concertos ******* com promptidao qualquer obra on machine, para o one teen
sua fabnca bem montada, com grande e bom pessoal.
BillCOmmendaS mdam Pr encomraenda da Europa, qualqner maehinismo
. -rtm a iu para q?e.se )rrospondem com nma respeitavel casa de Londres
;^,1rf-d0Sme!h0reSeng^he,rosd,e In^rra; incumben!-se de mandar mSZ
gas niacfcinas, e sc rcsponsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Km do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Cabelleireiro francez
Rua do Marquez de Olinda n. 51
i. ANDAR.
Pedro Routier, oflicial de cabelleireiro e gerente da casa de Gustave Hervelin, cabel-
eire:ro fraDcez; tern a henra de prevenir ds Exms. frs. familias que acaba do fazera ac-
qusisao de um pento official Miido La pouco de Taris, o qual estd habililado a desem-
penliar qualqi er encon menda de sua arte, e se acba d disposicao das pessoas que deseu
presnrno fe queiram^tiliser. Outro sim scientifica que em seu estabelecimento eneon-
tiaraos..rr;.!e a Mcjutor dos cafjelkirciros, ondeseacham descriptos e desenbados todos
ospenteaocs modemos, para sort's, casamentos, bailes etc.
Tmalroeiile previne as mesmas excellentissimas senboras, que rerebeu um complete
?Zl~?J?!S!?, cachP8,nps. Centos, crescentes, etc., e vende tudo pelos precos
A-IMflMM.
Estd encouracado !! 1
Agua mole eia perira dura
Tanto da ate que a fara.
Roga-se ao Illro. Sr Ignacio Vieira da Hn
ascrtvao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rna Duque de Caxias n. 3fl, a con-
cloir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, era
8ns de derembro de 1871, e depois para Janeiro.
passoa rfeverairo e abril de f87J,e nada enrnprio; I
por este moUvo e de novo cnamado para dito J
flm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mils de eito annos, e qnando o Sr. seu
achava nesta cidade.
de uma ajna para eoaommar
rio Samp n. *S.
na
i e(sa-se Ce vina auu para casa
deiu(8 solteiro : ua rua de Pedro
Anorn'o, antiga da Praia, n. 38.
AMA
Offerece-se uma de boa con-
do eta para andar com meni-
no, levando em sua compa-
nnia utn fllbo de idade 4e 4 annos ; quern preci-
far dinja se a Torre, quarto sitio a esquerda, de-
pots da ponte.
Na ruavfiha de Santa Rita n. 57, precua-s
alngar uma preta para vender core laboleiro.
Tornou a fugir
Do Dr. V. C. C. Albuquerque ausenton-se desde
0 w o dia 10 de juIbduo corrente anno o preta Bene
dicto, de J5 annoa de idade, 6 bastante ladirro, falla
" manea, cantador de moda, d bom carapina, Tsta-
(tnra alia, e^paflaiido e um pouco corcovado, bar-
, hado, tendo i testa peqnena, falu de denies M
| frente, pes fcios, e oom nma cicatr-z frande pr
a de cada um pe, proveDiente de talhos de
no eng.;nho Bujary, de Goyin-
egoa flistante do Dorto de'mar dr IV"'1""!? ,c!" "'.'" e, P3^?188. >*o passado ao Sr.
tem oxcellentes terras ma^ I XB Luu uy'"nte de Albuquerque, morador na
arreja meama Culz&e, e deste ao Exn*. St. Barao de Na-
'" zareth, tendo a primeira vez qne fugio estado no
engenho Pangana, de -loyauna. Fede-se a tjdas
as autoridades e capitaes de caiapo^uo o pegand),
levem^ a rua Direitato.40, ao Sr. Belisario de
Souza Bandeira, ou no engenho Puraa, de Santo
Amaro Jaboatao, que serlo generoearaente grati-
flcados.
Engenho
mtto, de uma Tegoa dlstan.e do norto d Tmlr' ffn I f^.Mfe. j*ff.~l '
Gamella,
regularmente 2.CO0 ple3
gario n. 31.
matas, e safre
a tratar na rua do
Vicente fugio
.l4'^!848 j3, Pa.* de marco do eorr.ente
anuo ftigio o mulato V.cente, escravo, de 20 annos
de idade, bqnita figura, barba e emtora regular,
levando veslida e em um sacco reupa de araodao
branco e alguma mais na, pertencente a nrncai-
xeiro da casadonde:fugio; e naural da freMe-
zia de Sant Anna do Mattos, dlz ser livre, casado,
e ter sido cnado em compaBbia da madrinba D.
Anna Lniza da Luz, de quern, alias, foi escravo :
"**>, poilaalo, aos Srs. ea#itaes de campe
e autondades policiaes a apprelensao do dito e^
cvo, e entrega! o na cidade do Recife, rua dc
?22 J1' a10, ,ao ;Sr ^JwBiMoreira Reis, ou
na cidade do Assd ao Sr. Torqaato Augusto de
fieadoa* P 3' qUe Sera* enerOTa*nee "
htS^umJ'Te'chit Je am raP" Portnguez, com
habilltafao e que da fiador a saa-conUucta : diri-
ja-se a travessa do Livramento d-. K). aobra'do.
Signaes do negro- Feli~
ciano
crioulo, idade, 40 atnaos pouco mais os menos.
alto, corpo regular, bem preto, desdewado, bar-
oado, mil feJto de pft, tendo am dos dedos gran-
de, ou ambos bastante tortos. Aoha-se fugido
ha seis mezes desta segunda fugido, e da primeira
esteve dous aanos no engenho Tarabador, fregue-
zia do Bonito, pertencente a Francisco de tal
genro do capitao C. lost Maehado,senbor do enge-
nho S. Christtfvao, da dita fregueaia- e por etes
engenhos esta occulto como tern estado. Veio pelo
primeira vez preso pelo capitao de campo Joaa
Ventura, que mora em Agua-Preta; recommen-
da-se a sua captura as autoridades poiieiaes e
capitaes de carapo e leva lo no engenho Mieas-
Novas, freguezia de Gamelleira ; o dito neg.o in-
tilula-se forro, com o nome de Jose Felieiano
Alugase o andar do sobradb da rna do
prec/i
do Bom Jesus n. 3!, andar.
Apollo n. 33, ppr pre{d cojnniodo : a fratar na rua
81X0 meniiorados:
Co que de cabello de ibt, 20& a 50C00.
Xraogas de dito i(o, J2d 15? a 20^000.
(Jichepaine de dito 15?, 20,5 a 30^000.
Crcscntis de dito v. 20#, a 50?O0O.
ra i contrarSo um completosortimcnto recebido ha pouco, de cabellos de todas
' res e comprimenlo.
N. 5J.Ru8 do Marquez de OlindaN. 51.
Massa fallida de Joaquim
Jos6 Gomes de Souza.
Os administradores desta massa. novamente
convidam aos respectivos credore3, para no wazo
de oilo dias, apresentarem sens titnlos afim de
serem classificados e dizerem acerca da venda em
teiiao dos debitos a referida massa. Rua do Im-
perador n. 39, 1.* andar.
Recebe-ste eneommendas de logo do ar, para
dentro e f6ra da provftreia : no armazem da bola
amarella, a travessa da rna do Imperador.
Attengao
Ra roa estrsita do Ro.arh> d. 3o, prepara'se
bsndejas com todc gosto para casamentm e bai-
les, pelo barato pr?ga de 20iJ e IS j, bandejas ar-
madas com bolo? linos, que faaern muita vist* e
sati.-ftiz a seus dooos-; na mesma casa hz-se bou-
auets-para noivos, cam fiia bordada aouro, dan
do-se os cravos, s eado a oMomaasnda feiia b
dias antes e faz-se mais bantu do tjue em outra
qualqoer parte ; enferta-se vela* para babiisadea;
cotn loda perfeicao ; faz-se Kjco'os Ixii j^ets de
cera para offertas, porranito baTato pn^a h bou-
quets de-rosa, cravos.dnalias, saodadese -;jilqner
(lor que seu? donos queiram, c^.m fitas I" rjadas-
a ouro ; bouquets para enfeitar !>oli>-, pi r tolo
preco : Uido na rua eslreita d Rowk< n. 3j.
sobrad* de um andar.
0 Viceate, antigo fabr:caole de sorrpie, a rna
Nova, avi*a aos sens amifos e fre^utzw que e
mudou para o Cafe Impe?atriz, aonde e^pera e
madamisno e a rapazeadaaonv o agradawl sorvete-
de todas \s qualidades.
Escravo fugido
Fugio no dia 12 de julho do crrrente aano, do
engenho Ilapbssoca, o escravo Jose Cambinda, com
os signaes seguintes : preto, idade 72 annos, pou-
co mats ou menos, bastante forte, estatura baixa,
grosso do corpo, cabellos brancos, levou calca de
algodao azul de listra branca, camisa branca de
algodao, chapeo de palha ; conala que tomou a
direccao da Malta ou Iguarassii. Prote3ta se eon-
tra quem p fiver oecnlto pelos prejuizos, e recom-
menaa se as autoridades e capitaes de campo a
apprehensao do meSmo escravo, reiriteiids-o ao
mesmo engepho, qne serao gratiflcatlos.
S Aluga-se uma etcrava para servii;o de casa
de familia : qucm precisar dirija-se a rua Impe-
rial n. 42, sobrado.
Oasa Oaiada e Rio Tapado.
Jose Jaeomo Tasso, senhor e possutdor, por ti-
tulos legitiraos, dos silroi Ca?a Caiada e Enseada
da Mai Lucrecia, em Rio Tapado, termo de Olin-
da, previne a quem intersssar possa que pao foca
eontrato algum de compra, arrendameino, per-
muta, etc., etc. ou outro qualquer negocio, com
terras dos ditos'sitio9, qtie Smitam com as do en-
genfto.Fragosp, por^ne serae-nullos taes confratos
e o annuaciante protesta por seu direito em qmes-
qutrcircnrastancias em que se acharem os dftos
contranos, e para obviar duvrdas vai desdo- ia
tratar das demareacSes dos refsridos sitios para
nxar c sens limiies.
_ Ahnra se o 3* andar do sobrado n. 32 da rua
estreita du-ftosario : a tratar na Jbja do mesjno.
rcsi
eOMPRAS.
Precisa-se comprar ions escravos, pedreiro e
irapma, pagebem: a tratar na tnesouraria
oterias, a rua Primeiro de Marco n. o.
das
L\T10 I
CHUMBO
Para sanTjuario^
A NOVA.3SPERAXCA reoobeu pequena quanti-
dade de bonrtos vaporisadorgs-proartos para incen-
sar oratories ou saoctuarios.
Ccmpra-se cobr?,- latao tr chumbo velbor no
armazem da bola amarella, it fravessa da rca- do
Imperador.
Aos nervosos
A' NOVA ESPERA^T\ acaba de reeeber amei^
:es milagrosos anneis electricos, oura infalliveJ i<}5-
3erv3gos.
Para o fabrico de- ehapcos-
A NOVA ESPEftAN.jA recebea-oarame propro
para armapao de chapacs-.
Costureira
i ^
L
JHINOLM
a TI.VG1R rVSTANTArVEAHENTE OS CABELLOS
PREPARADA POR
BARTHOLOBEO & C.
Phtrmaceaticoa dn Casa Real de H. II. F. 101 Rei do Portugal ;
f remiadafl em divcrsas cxpoMicSes eoni o primeiro premio de
ta classe:
I if.) composto, cuja base principal sao principios vegetaes, que p6de por isso ser
: i lo por tempo indefiriido sem o wenor receio de alteracao de saiide. Esta agua admi-
reyel dd aos cabellos, em poucos minutos, uma c6r e brilho natural, desde o castanho
ate o negro, e ao contrarioNde todas as tinturas conhecidas, tem um aroma agradabilissi-
ni que facilita o seu usu ds senhoras, ainda as mais difficeis. AJJianratn-se os seus re-
rjcitos inolfensivos, quer a applicae,ao scja limitada a barba, qucr comnrehen-
: cabellos da caber;a.
DlEPO.itilTO (.1 ICAI.
Pharmacia e drogaria
34Rua larga do Rozario84
PERNAMBUCO
Na travessa da rua da Palma n. 26, defrorrte do
becco do Possinho, cozese com perjeicao e aceio
qualquer obra; da-se fianca o manda ss-levar a3
obras aos freguezes.
8 Consnllerio inedico-cinirpeo i
DE
A. B. daSilvaMaia.
Medico parteiro e operador.
Rua rfo iCiin-<-i Tit
Consultas das 8 d? 10 horas^
Chamados a qualquer hora.
Gratis aos pubres.
CQKK^Ki^i:ac!K!OStt
LIVROS A YENDA.
No prirnairo andsr dcota typogpa-pbia em
mao do adminrstrador, vende-se os sesmin-
te hvrinbos :
O nniJuto Esperto dialogo ins-
tructivo, critico, analytico, historioo, e mo
ral, entre am matuto e um liberal por 500
rs. cada exemplar.
EdacaeiEo FamiBerromance, 0
euma seriode leituras, 2 volumes-por ....
I000.
Ao publico.
PRF.PARADO POR
BARTHOLOMEW & C.
liMiaeeitie&s da casa real de S. K F. el-rci do Porlngal
Premiados emdiversas exposi^oes com o primeiro pre-
de sua classe.
mio
8 EONSULTORIB g
O MEOie0-CIRURGI0 I
2 Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso j
B T PARTEIRO E OPERADOR
4ritua do Vlsconde do Ai!>u aa que ii. 39. je,
ESPECFALIDADE S
Wt Molestias de Renhorai e 9
Ci meninos. ^Ag
S Consultas das 7 as 10 horas da ma- 2?
W nha, todos 03 dias.
*ik Das 6 as 8 da noite, nas seguudas, quar- A
3 tas e sextas-feiras. Jg
>m. Os doentesque mandarem os seus cha- 9
0 mados por escripto at 10 boias da ma- at
^ nha serao visitados em snas casas.
mmmmm *^- *
Attengao
O abaixc assignado, deparando oo sea nome
em uma relaeio dos devedores da massa talrida de
Farias & Lessa, onde sc acha oonsiderado- devedor
da quantia de 4CiDi0, declara pelo ofesente nada
dever a referkla massa, e que se a. mais tempo n5o
protestou, fotpor ignorar lal annunoio ; e apro-
veita a occasiao pari declara^ que nao se respon-
sabilisa por debitos contrah:do3 era seu nome, sem
saa plena antorisac.io por esoripto. Recife, 24 de
IMboloMM:
__________Jofe Antonio da Fonseca e Silva.
Dous armazens para alugar.
Traspassam-se as do pateo do Paraizo ns. 10 e
12 : a tratar na mesma.
IT BOM SABER-SE
Que a NOVA ESPERANRA, a rua Duqne de
Caxias n. 6$, bem conhscida pelasaperforidade da
seus arlgos de moda e ptantasia, acaba de reee-
ber diversas etworomenias de meiiraderias de saa
reparticao, que pela elejanci i bem mostra aptidao
e bom r^)-to de seus arxigos correspondentes da
!Europa, e por eta razao a NOVA- BSPttAlfCA,
a rua Dunue de Caxias u. 63, convida a sua boa
e constants fregnezia e comespeciaJIdade ao sexo
amavel, a vr?itarem-na, arkn de apreciarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA.nio quereolrar no nu-
mero dos massantes (vcrdadeiroi azucrins) com
extansos asauneios e nen> pretends deserever a
immensidade de objectos quelem expostos a ven-
da, o que seria quasi impossivel, mas- limitar-se-ha
a mencionnr algons daquslles de mara-nita aovidade
e toma a liberJafle de aacaselhar ao beHo sexo,
qae-a vi*ia^n> etmstantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte-nlo se arre-
penderem, a visia do bom e escolhido soriimeato
q/ae-ha em dito estabelecimento, esta ratio tam-
bem demoastra qae quaiijaer senbora do bom torn,
nao podera coropletir a elegaucra de sen toilet
sem-que d# um passeio N9VA ESPERANCA, a
rua Onqno de Caxias n. 33, a qual acaba de reee-
ber os seguint.sartigos de luxo einteira novida-
de : _^
M^derna? settas para pi-scW o? ca*lk>s
Primoroso8 leques (?e paantasia.
Bonitas sahidas de bailes- pan serihoras e mem-
oes.
Intarossantes gravatas parn senhoras.
Elegantes faclias de touquim.
Bons aderecos de roadrsperoia.
L'alicados aderecos pretos de pufalo'e borrach;
'irosto bovo).
EnyenhoB om Mamam-
gutpe.
Vende-se os segaintes:
Barra,
Pre^alea,
e Patriei*
A tratar com sens proprietaries nesta cid
e para in/ormacoes com Joaqaim Pitto de M-
relles Filho na mesma 6dade de Mamamfoaa*
____________Tasso Irmaos A C
Wilson Rowe & C ven4em no sea uoumb
rua de COmmereio n. Ii :
verdadeiro panne de algodio azul ameneaao
Excellent flo de ve*i.
Cognac de la qnalidade
Vinho de Bordeaux.
Carvio de Pedra de totfai as qualktadei
MW.
Colchas tteftistio irluito graades para ami,
pelo diminafo preco de 4/ : it loja Aos areos, de
Gurye! do Armral 4C,i raaFhmeiro de larco.
anliga do Crespo a. 10 A.
Onnii i'0 vi^ilaulf da rf-
nwinlvl

EOBARATPIRO!
A' rua I. de Marxjo b. I,
Graade sortiraeoto decasemiras e escnnselans,
fasenda superior a 3^580 o covado; todos querem
Brins para cafp- de cores e pardo a SW; 400 e
500 .Ta. o covado. So aqai por este preer.
Chlas em gran* qnantfdade atlO e M-n.
covade
Met!s a 240 e Wf'rs. Saerior.
Percales a 300 rs. o covado. So aqui no ba-
rateiro.-
RaptiMas matisadas oom barra a 360 e 400 is
o eovadh
Aleassiaaas, fazenda de phaatasia com boailo-
desenhos a 400 rs. I
Crttocea eseuros a 3W e 310-n.
Lazlnhas eseoeezas a 180 rs. a covado. Somen
te para ac bar.
Madapo!fes para todos 03 preccs.
Sedas de cor*s, verde, enearaada e de outra-
cdres a l*3CO, l#2U0 e t30.
Chales de casemira cora listras e 3*300 e 4/ .
6 .barato ? a- I
Bramante de linho a 1*18(5 rs. a Tara com dua-
larguras I
Botinas psra senhora, a it.
Confronte ao arco de Santa Anloqio, loja d
Agostinho Perretra da Silva Leal & C
Loja lie fazewdits
DE
(lUiliiiTiiip k C.
Ao publico e
Eu abaixo assignado
ao commercio
declaro desde a data ja
annunciada qne dissolvi a sociedads- que tfnha na
praca do Conde d'Eu n. li> ; qualquer conla ou
letra que houver. aceitada ou eDdossada por Ma-
noel da Costa Teixeira, o abaixo assignado esta
desonfrado de dita quanaa, porqia- nada deve.
Recife, 23 de iulho de 1874.
Antonio da Costa Teixeira.
Luiz
neg' cio
Pereira
a 1:/mi
vembro, n. 36.
de
tem
Farias,
no Caes
declara que
22 de So-
CIIIADO.
0 xarope vegetal americano, garantido puramentb vegetal, nao contem era saa composicao
um so atom.) de .pio, e sim somente saccos de plantas indigenas, cujas propriedades beneflcas aa
cun das n i -lias que pertencem aos orgaos da respiragao, tem sido observadas por longo tempo pe-
los meiicos mais distinctos que oro:o-nmendara e prescrevem todos os dias ao tratamento das broa-
ches, tanto ah'udas como chroaicas, asihma, toss:s rebeldes, escarro3 de sangue, thisica no primeiro
-11 contra as irritaeoes nervosas.
DEPOSITO GERAL i
34 = Rua larga do Rosario = 34 *{
PERNAMBUCO.
Precisa-se de um criado que entenda de jardim
e para todo servigo domestico : trata-se ua roa
do Imperador n. 69.
Manoel Jose Monteiro Torres
Keller i C, administradores da massa (aliida
de Manoel Jose Monteiro Torres, pefJeto aos Srs.
credores da mesma massa, que dentro de oito
dias, a contar de 27 do corrente julho, lhes apre-
sentemos seus titulos para serem conferidos e ad-
mittidos ao passivo da fallencia.
= Abertura de lapention
bourgoise, 1 de agosto, rua
da Cruz n. 20T 1 aadar.
SAlL.SA.PA.HB.1U1A.
DE
RBISTOL
EM
liquidagao
i para acabar
'Xa rua do Queiasado n. 43
Junto a loja da Magnolia.
E' peohineba !
de organdis de listras, proprios para vi
0 antigo baraterro continua a rwder por owi<><
do qne outro q-jIqner, com a franqoexa e sin
ceridade ja coeheciu'a.
Las de cores a 3)0 e 2i0 rs. o covado.
Las- pretas superior, a 3G0 rs. o covado.
La e seda, Tazenda de IjiOO per TOOrs. o co-
vado.
C-hitas de cores a 240 e 280 rs e atvado.
Betias de cores a 2S0 rs. o et*ado.
Cralones de pa^I^Jes lindos e modernos a ii
. 449 rs. o covado
Daplistas de lindos padroes a 400- re o covado
Cambraias de efrm nmdas e graadas a 180 rs.
covado.
Dhas preus cora -toi-es a 200 rs. o covado.
Cambraias braneas, bordadas t abst;>, faieod..
mais Una que tem viado ao mercado, i fazenda
de 2i5O0Oo iac-.ro, por 1*000 a vara ; d Be-
ohiacba
Camaraia iransperente. Ina, a 34 a peca.
Dita Virtoria, fian, a 3*300 a peca.
Algodao trancado, alvo, a"440 rs. a ara.
Brim branco deiinho a 1*400 a vara.
Ditos de cores de linho Ino a 300 rs. o covado.
Madapolao franees verdadeiro, 2l jardas, a 6* ,
73 a peca.
Algodio T, largo e superior, a 5* a peca
Gwrgorio preto de seda para vestido e para collet-
a 3t o cevado
Toalrias grandes a iioOO a duzia.
Colchas grandes a uma.
Lencoes dc bramanie a 2 uro.
Cobertas de ganga, foiradas, a ld 34.
Laaoos de linho, ?banhados e em eaixiaha- .
3*500 a duzia.
Ditos do cores a "|5C0 a duzia
E ouiros multoa arligospor precos baratissimM
Sc na rna do Crc $0 a. 20, loja dz3 2 portas. Da\-
se amostras.
VENDE-SE
a armagSo com caixilhos, invernisada, da loja a
raa Direita n. 83, psr metade de u valor : a M
larnas Cinco Pontas n. 31.
\
Para casa de familia precisa-se de uma sa
nhora de meia idade, que saiba cottar e eoser qual-
quer vestido com perfeicao, e que de fiador a sua
conducta : a tratar na rua de S. Goncalo n 29
sobrado ao lado da igreja.
CURA OS CASOS MAIS DESESPERADOS
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL puri
fica a massa do sangue, expelle para fort
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
___ regula todas as secrecOes, dd vitalidade e
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a bonra de annunciar ao
publico que_recebeu ultimamente um esplendido
sortiraento de lastres de vidro, candieiws, aran-
dela i e globos, cujas amostras estao no escriptorio
a rui do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
sens fregue7fs pcio preco mai3 razoavel possivel.
Precisa '-c da 200*000 a joros, pagaudo-se
dous por cento ao mez e dando-se ama meia agua
AGUAS MINERAES KATLRAES
DE
Vichy-Cussel
Preferlvels Am de Vioiiy-Vic-iiy
por serem as uaicas qae conservam todas as suas
propriedades depois de transporladas.
Fonte S. Marie, e a mais efficaz na anemia, na
albaminaria, na chlorosis, no empobrecimento do
rica das aguas de Vichy em bicarbonate de soda
em magnesia e recommendada pelos senhores me-
dicos pela saa efflcacia nos eneorgitamentos flo
figado, do baco, nas affeccdes do estomago, dos
rios, da bexiga, nas areias e na gotta.
EXIJA SE
o nome da fonte na eapsola
Vende-se em caUas e a retalho, no unico de-
posito
PHARMACIA AMERICANA
as
Ferrcira llaia 4t fnnin !>!
57-RUA DUQUE DE CAXIAS-57
Offerece-se uma mulher para lavar e engom-
mar roupa de bomem, por preco modico, promet-
tendo todo o asseio e promptidao : a tratar no na-
teo do Terco n. h. v
Aluga-se uma casa term com bastantes
coramodos : a tratar na rua de Pedro Affonso n
49, segundo andar.
Ha para alugaium bom sibo aa boa-Viagem-
trata-se aa Capanga, rua da Ventura n. Ifc u
na raa Nova n. 43.
n. Ii, acoug;ao. Assim como, vende se uma liteira
nova, propria para fiagem, por commodo preco
Albuas para retratos
A SOVA ESPtdASJpit acaba de reeeber um
Jindo sortimeuto de albaas para relratos, os mais
elegaiues que tsera vindo a este mercado, tendo-
os de li versos taiaanhes e preoos; a elles aates que
se aciibem.
Pede-se ~
^.p??a?tli1Pw engano levon um chapeo de sol
5L 9 tl *"1xe Marcilio Dias, cajo cha-
noadaTe **?"*..*W# AnlQn9?- V**?***
n. 60.
de entrega-lo a raa estreita do Rosario
Escravo.
sa cdade de Olmda : na rua do Paco Castelhano- J de Olinda n. 35.
Precisa-se alugar um escravo para o sertico
de uma casa de commercio : na raa do Marquez
0 abaixo-aswgnado Jeparando com nm an-
nuncio no Dian'o de Pernambuco de hontem, as-
signado por wtt frmlo Antonio da Costa Teixeira
vem protester contra o mesmo; declarando que'
existeuma lettra.'particular da quantia de 500*000
sacada por Jose Lniz Alves VHelllL e aceita por
Antonio da Costa Teixeira, garantida pelo abaixo
assignado : cuja lettra, deelafti-o raesmo qae f6-
ra proveniente de lavas qne garaitira por nma
casa onde sen irmSo prelende coflamerciar ; por
tanto faz *ierite ao digno corpfo do comraerccio
q*e nao se responsabiiisa por dita lettra, s6 sim
an caso de aao ser paga pelo aceitante.
Recife, 25 de julho de 1874.
Manoel da Costa Teixeira,
Caixdw.
Precisa-se de am com pratica de venda : a tra-
tar no C;es 22 de Novembro a. 38,
energia a todos os org5os e dd forga e vi-
gor ao systema afitn de poder melhor reas
tir a todos os ataques da enfermidade. P
pois este um remedio constitutional. EU.
nnnca distroe afim de podor curar ; pore"m
constanteraente assiste a natureza. Portanto
em todas as doen^.as constilucionnes e em to-
das as molesliat locaes~dependente d'um m-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge-
ral, acbar-se-ha que a Salsaparrilha de
Bristol e um remedio seguro e eilieassissi-
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveis
vrtades.
As curas milagrosas de
I^crofulas,
Wcwaji,
Ciia;as antiaas,
ENFERMIDADES SYPHlU'iiCAS
ERYSIPEUS,
RHEJjIATISMO,
*VRALGIAS,
ESCaUDTTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renorae
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao tSo sa
mente devidas a
UNICA LEGrTtSA E ORtGINAL
Salsaparrilha de Bristd
PHAWH4CJA WWk
Carles
tidos, a 2*.
Pecas de cambraia transparente. fina, a 3*.
Dita de dita tapada a 3* e 3*300.
Grande sortimento de laziuhas padroe3 modernos
a 2''0 rs. o covado.
Metins de cores a 280 rs. o covado.
Cbitas de cdre3 a 240 e 280 rs. o covado.
Madapolio cora toque a 3*300 e 4* a peca.
Dito francez lino, com 20 varas, a 5* a peca.
Brim pardo traof.ado a 320 e 400 rs. o covado.
Brim de linho alcoehoado flno a 2*500 a vara.
La com listras de seda a 400 rs. o covado.
Chegueiu ao baratciro da rua
_______do <*tieimado n. 4ft.
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque vde Caxias
n. 63, recebeu desta necessaria linha.
Qiiiidrillias,
Veade-se a taveroa sita a rua da Ponte Ve-
lha n. 1, bem afregoezada, e o raotivo da venda
se dira ao comprador: quem pretender, dirija-se a
mesma.
Aliened
Veade-se um terreno em Agua-Fria, com 60
palmos de frente e 330 de (undo, tendo duas fren-
tes, uma para a rua do Cacundo e outra para a
rua das Mocas, proprio para edificar, onjo terreno
tarn arvoredos : a tratar na rua da Santa Crua
numero 7.
A rua do Barao da Victoria n 17, loja de Pe
dro Emilio Roberto, estao a venda res lmdas qua
dnlhas para piano, a 1*000 cada exemplar.
A. loja das 6 portas
Continua a let um complelo sortimento de la
zendas, que pela qualidade e preco parece imp>
sivel, am compiet) sortimeato de chita, para 24rv
280, 300 e 320 rs. o covado, granadinas de listra a
200 rs. o covado, ditas com IU:ras e palminbas a
240 rs. o covado, chita para coberta a 210 rs. o
covado, chapi'os de sol de seda com duas arma-
CSes a 8*000, ditos de at la para cabeca, (azead.\
muito fina, Ac 12*000 por 7*C0, babadinbos e en-
tre-meios bordados, com diversas cores a 400 rs. a
peca, redes de flo macahiba muito proprias para
sitio, pelo diminuto preco de 3*000, cambraia* d-
cores tniudinhas a 240 rs. o covado ; na loja ia i>
portas em frente do Livramento.
Espelhos.
Amarai. Nabaeo k C, vendem espelhos tvaes,
quadrados e redondos, proprios para sala, quar-
tos e toillete, toucadores de colamna e coa gaveta,
com m-;ldura donrada, de jacaranda e J* meu .
nr Bazar Victoria, a rua do Barao da Victoria
n. 2.
AON. 9
No prog/esso d* pateo
manieiga ftor a 1*200 a libra.
Grande liquidaoao de charu-
tos de Havana.
Flor Regalia.
Iskandre.
El ordem.
Rua do Marquez de Olinda n.' 18.
Na rua do Caldeireiro n. 31, veade-se gaio-
las muito bem feitas, para todos os passaros.
Farinha de mandioca de superior qnalidade,
com 12 caias cada sacco, pelo barato preco de 44
o sacco: a rna do Imperador n. 83, venda do
Azevedo ; a ella antes que se acabe.
Alloiicao
Vende-se uma victoria, pintada e forrada de
novo, com am par de arreios, muito propria para
viagens: quem precisar, dirija se a rua do Impe-
rador n. 17.
Grande liquida<$o de charu-
tos da Havana
"rtor Regaha.
Iskandro.
El ordem.
Rua do Marquez de Olinda n. 18.
do Caeaao, vende-.
francexa a 800 rs.
a libra, bem corao tem am eornplrto sortimento
de molhados, para qualquer chefe de familia fa
zer sna despensa qae enrontrara prec> Inais com-
raodo do que era outra qualquer pane.
Sedinhas a 15500 o covada
Venham anas qae se acabem : aa loja do Paasr.
a aa I de Marco n. 7 A.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel do linn ,
proprio para cigarros, ii diversas laigiaa.
Manuaes para missas
de muitas qualrdades e precos, recebftp-os a NOVA
ESPERAN(?A, a rua Doqne de Caxiaa a. 63.
Allencfio.
Veade-se o estabelecimento sito a raa de Vidal
de Negreiros, oatr'ora Craco Poalas n. 148, de ac
cordo com os credores do Sr. Jolo da SHva Saa
tos ; a saber : uma armacio nova, de amarelk.
envidracada, com todas as snas pertencas, pesos e
medldas, com pou?os fundos a vontade da peaaoa
que qnizer estabelecer-se em am bom local, jd pe-
la casa ser mnito afregneiada, e aleoi flo qite oe-
ctpa o estabelecimento ram commodo para fami
Ha : a tratar aa mesma que achario com qem
fazer neix)fl|o.
EsfTavo.
Vende-se um molato de 40 annos de idade, tea
boa conducta, e carrocairo e apto pafa quahfier
servico : a rua do Hos^icio a. 81

%


DiArio Jts feraam&uco Sssmwibl feira 2T dc Julho de 1*74.
I

?
>
t>
I
PE
lazendas finas
RuaPrimeiro deMango n.7A
DE
Cordeiro SimoescfcC.
K esta uma das cisas que hoje pode com pri-
wazia offerecer os sens fregnezes nm variadissi-
ttesortimento de fazendas Unas para grande toi-
.ettu, e bem assim para uso ordinarto de lodas at
slasses, e por precos vaotajosos, das quaea faz am
jeqaeno resume
iandam fazendas as casas dos pretendentes,
aar.io que tem pessoal necessario, edlo amostras
oeciante penhor.
Cortes de seda de lindas c6res.
Grosdenaples de todas as cores.
Gorgurao branco, lizo, de listras, preto, etc.
Setim Macao, preto e de cores. -
'-rosdeaaples preto.
Velludo preto.
Granadine de seda, preta aide cores.
Popelioas de lindos padr5es.
Fio de soda, branco e prelo.
"::as basquinas de seda.
^jsacos de merind de cores, la, etc
tlantas brasfleiras.
Cortes com eambraia brauca com lindos borda-
R cas capeilas e manias para noivas.
ftiquissimo sortimento de las com listras dt
reds.
Cambraias de cCres.
D.tas marlpozas, brarras, lizas tbordadas.
S inzuqaos de lindos padrdes.
Baptislas, padroes deucados.
Percafira* d* quadras, pretos e broncos, listras,
ic., etc.
Brins de linho de or, proDrin* t>ara vestidos,
com barr a e listras.
Ricos cortes de vestido de linbo.-e eites dc
cesma cdr, ultima mod?
Ditos de eambraia de cores.
Fvrstao de lindas cores.
Saas bordadas .;iara senboras.
Camisas bordadas para senhOFes, de linbo e l-
Sortimento de iuvas da verdedeira fabrisa de
avin, par- horseos e senhoras.
"/oslua*' para meninus.
"Sk*: para baptiiado.
Jtiapeos para ano.
Tcaihas e gn^rdanapos adaniftwados de o de
r.oara mesa.
Colehas de li.
Cortinados bardad- s.
Grande sortimento de camrses de linho, l>as e
oKirdadas, para homens.
Meias de eoves para homene,.meninos'aieni-
i.
iJitas escoea:a.
Conan'eto Sd.-timepU> de chapeos de sol para bo-
ecs b sennori:-.
Mevico dewres para vestiaes.
nito preto, traneado e Mo de verao.
vitlhado de nho e algodio para to
Atealhado par do.
Darnasco de la.
Srins de linfco, branco de cores c prelo.
Se'.im de Iiuda3 cores com listras.
Cbales de merino de cores e pretos.
Di.os de ecsemira.
Dilos de seda preta e de coree.
Di os de totrquiin.
Camisas de cliita para homeus.
Oilas de flanelia.
Cereulas de iinho e algodao.
Pa anos de crochet para sofa, c&deira* <*jjso-
Lencos bordados e de labirintho.
Colctias de crochet.
Tarlatana de'toias as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarkiana bondadoe
jra cortes.
Espartilbos Uses, bordados.
Foulard de seda, liddas cfires.
Meias de seda para senhoras e maainas.
ii.i as fachas dc3da e la para moiioras.
Ri'to sortimento de leques de mjidreperola* *
-.ss o.
Damasco de seda.
Casemira prett edec^res.
Cbitas, madapolao panno fino prelo e azul, eot-
arichos, punhos deiisrio e algodao, gravatas, la-
ui do fio de Eseossia, fapetes detodes os tama-
chos, bolsas de viagem, peitos bordados para ho-
r.ens, lencos de linbo *ranco e de cores, toalnas,
icardaaaDos. etc.. etc.
DA BOA-VlSiA
Hqa da Imperatriz n
li
i
l>K
MENDES GUIMARAES I IRMAOS
Acabam de fazer um grande sbdiiraeino nos preqos de suss fizendas alten-
dendoa grando falta que ha hoje de diubciro,^ por isso cruio que o pre<;-' que vi mco-
cionado agradard ao respeitnel publico.
A.' rua do Cabtiffa it. I A.
Os proprietarioft da. Prtdilecto, no intnito d
ionservar o bou concerto que teem ntereetdo dc
i rdspeiUkvel pablico, dislinguiDdo o seu estabeleci-
' nunto flo mfiis qne negociam no- mesmo generc
1 veera scientifiear aos seus bons fregneaes que pre-
i veniram tos seas correspondeatos nag diversas par-; Dito de ararnta.
1 cas d'Europa para Ihes enviarem por todos os pa-: Dito de musgo.
quetea 09 objectos de luxo e bom gosto, que se- Dito 1 jam mais bem acertos pelas socledades elegantes Chocolate vermifugo.
Chocolate brasileiro
FABRICADONO MARANHXO
Das teguinles mareas:
Flor de ehoeolaie.
Chocolate de baonilha.
Dito de canel'a.
Dito coramam, fino.
Dito hrmeopathico.
CROCQES A 15500.
Veude-se cruclies para caJeiras a 1#500
c&da um.
. LAZI1SUAS A 200 RKIS.
Vendese lazinhas para vestido a 200,
32i>, 400, e 500 ts. o covado.
ALPACAS OE CORES A 500 REIS.
Veude se alpacas de cores a 500, 640, JJ
800 rs. o covado.
GRANDE SORTIMENTO DE TAPETES A 4.
Vendo se grande sortimento de tapetes para
E' toto.
CHAPEOS DE SOL DE SEDA A 4C000.
Vende-se chapeos de sol de seda para se-
nhoras e meninas a 4J>, dhos de alpaca li-
nos com 12 astes a 4J>, ditos de r.erin6 \ie
duas cores a 5$, Sitos de seda para horcem
a 6*, ditos inglezes com 12 Mes a 85J e 9jJ.
BRIM PARDO A 400 rs.
Vende-se brim pardo escuro a 400 rs. o
covado, dito de cores com quadnnhos a
500 rs. o covado
CORTES DE CASEMIRA A 59.
Vende-se cortes de casemira de cores para'todos os tamanuos a 49,
cahja a 59, e 69, ditos de dita preta para'ca.la um.
carja a 49, 59, 69, e 79.
BRIM DE ANGOLA A 29 0 CORTE.
Vende-se cortes de brim de Angola para
crslca a 29, dito rnuito finos a 89.
ABERTURAS PARA CAMISAS A 200 REIS
Vende-98 aberturas para camisas a 200 rs,
ditas mais finas a 400 e 500 rs. ditas de
esguiao a 19, ditas bordadss a 29-
CUITAS A 240,
Vende-se chitas para vestidos a 240, 2S0
e 320 rs. o covado, tern escuras e claivs.
MADAPOLAO A 39.
VenJ-se peQas de madapolao enfrstado a
35, ditas de dito inglra a 4?o00. &$, e'6ffl,
ditas da dito franees Una a 79, 75.00, 85'
9
daquelles pataes, visto aproximar se o tempo de
lesta, em qae o beilo sexo desu linda Venesa
mais ostenta a riqueza de suas toilie.ties ; e co-
mo ja recebessem pels paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear algons
d'entre elles qne ge tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a. costumada
concurrencia. i
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado. -
Albuns com ricas capas de madreperola e d
velludo, sendo diversos tamaobos e baratos pre-
08.
Aderecos completes de borracha proprios para
lr.to, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitOB.
Boldes de setira preto e de cores para ornate d*
vestidos de sethora ; tambem tern para collete
45500, 59, e"69ipalitot.
Bolsas para senhoras, existe nm bello stTtimen-
de seda, de palha, de chagriro, etc., etc^ por
barato preco.
Bonecas de todoa os tamanhos, tanto de loaca
como de cfira, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencio das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tomam-se As criancas um noaco im-
Calcas de brim pardo a 19900,29, 290O.;pertinentes por falta de um obiecto que as en-
Cakjas de brim de Angola de cores a 2? | lre^mi^ de Iinho lisas e com peitos bordados
35. i para honiem, vendem-se por preco commodo.
Calcas de casemira de cores a 59500, 65 OrMiai de lraho e de algodao, de diversos pre-
79." 08-
GRANDE SORTIMENTO DE ROUPA FEITA
NACIONAI-
Calgas dc riscado para traba'ho a 1)5000
e 19400.
Vendem pelo preco da fabrica, Jose Tavares
Carreiro k C, a rua Direita n. 14.
VENDE-?E
um terreno no Arraial, com 120 palmos de fren
e 140 de fundo, com uma boa cacimba : no ca
da Companhia Pernambucana n. 26.
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Em sea armazem a ma do Trapiche n. 14, o s
guinte:
Algodao azul americano.
Fio de vela.
I'.arvao de pedra de todas as qnalidades.
Tudo muito barato.________________________
Vende-se a taverna da rut das Carrocas n.
que faz esquina para a rua de S. Joao : a tra
na mesma.
com as
Calc,as de casemwa preta a'3950O, 5-5506
15009.
.75
Palitcts de riscado a 19.
PaletolS de alraca de cores a 29.
Paletots do apaca preta a 39, SjKHH),
89.
45
Attendam 4 Nova Espe-
ranca
a rus Duque de Caxlas n. 63, qne -alem do 'bem
sortkaento que Ja tinlia de artigos de moda e
pharKatia, acaba de receber maiso eguinle :
Verdadeiro oleophane para a barba.
Brilbantina para os cabellos.
Bcas navalhas de psro a^o.
Fmissimas tesouras para unhas e costura.
Lotrparinas econotr.icas.
E* Abridores de Iuvas, osso e madeira.
'Lkidos medal lioes de madreperola com caeo-
leta.
Bcos pentes de tartaruga para regaco.
Scspensorios de -se4a, algodao, para calcja ds
homens e meninos.
Cemmodas ligas las de seda po-ra meias.
Toucas de crochet-para criancas.
Balsas para viajar-ae.
Fir.as esponjas i^ira banhos. _______^_
fs
E barato
!f55000
S*000
3*000
4*000
-20^000
55000
40*000
Velas decefa
Atcreditada fabrica de velas de cera da ruado
Bora.^esus, outr'ora da Crnz n. 69, para eommo-
didade de seus ffegaezes, acaba de abrir uma
ouira na rua do Barao da Victoria n. 63, aonde
achario um complete sortimento de todoa os ob-
jectos tendentes a eslcar.e, tudo do melhor gosto
e quaiilade, e por precos commodes.
Nao f altarao flares
A ft"VA ESPERANCA tem em ?eu jardira us
mais viejsas e lindas (Tores, desde c mais singelo
botao de rosa aid o mais elegante ramo de flor de
.larangeira. __________^^
Veade-se um pequene sitio perto da ^sta-
^ao do Salgadinho, tenek) de frente 150
palmos., e de fundos maw de qnatrocentos,
corn ama etegante ca6a de taipa, acabada de
proxim e bem asseiada, 4endo 2sal s, 3
quartos eeozinha f6ra. 0 terreno 4 pro-
orio o bora de plantacdes, tendo algumas
rvores de tf^cto, agua de beber e todo cor-,
/.ado.
Para ver e mais explicacoes, no mesmo u~
tic a qualquer hora a entender-se com Tri-
tao Francisco Torros, e para tratar, na the-
toaceria das loterias, rua 1 .* de McVco
f. 6.
eada ura.
Chapeos do palha a imita^ao de Chile. Em por-
cSo se faz diuerenea cm preco : na rua do Baric
da Victoria n. 44.
Para senhoras.
' chegado o mais lindo e variado aartimento
dconapeos e cbapelinas de palha e -seda, tanto
preta* como de cores, sendo o que pode haver de
uiais-eiogante.
Quern desej&r vi: las dirlje *e a rua do Barao
da \ ici,'ita n. it.
Toalhas de linbo a 500 rs.
Vendese toalhaf de 1 nlio pelo liarat ssimo prego
de 500 rs. cada ama, e raetade de sen valor
is) veitern, que estfio seacabande : na rua Di-
qae de Caxiaa n. 88, loja de Detnatfio Bastos.
D*
Ac almofadae hordadaf de la mailsafias que re-
eebeu a Xo*a E*peraaoa, a rua Duqae de
Caxias a. 63. _____________
Ttancas d cabellos humanos, naiuraes. >aao
lii^o que lenbtm um-metro do comprimenie, sao
soffrivelmeute compridas, pelo pre^o de t2^830 :
-so na rua do Marquez do Olinda a. 51, 1" ?udar,
casa de Gustsve, cabelleireiro.
Coqae cre^po natural, da 10*, 12-5 a
Um par de crespo natural, compridos a
Um tupet 'Jrizado por
Uma duzia de grampo? frizados.por
Coques, ttedernismo, de 40*, por
Diademas, aiodernisme, de cabellos, por
Cres:entes de cabello, de 30*, 54 a
So na rua do Marqe^z de Olinda n. 51, '1* audar,
em casa de Gustave, caltelleireiro._____________
Cura dos eslwilainenlo d'welra
pela facil applicacao das
SQUDAS
DE
mm ELAST1CA
maic modemas e aperfei;oadas }a todas
as -eonhecidas
VeBdcm-s
NA
ftiARMAOIA E DftOGAftJA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
Gaixinhas com xnusica, o qne ha de mais Undo,
com disticos nas lampas e proprios para presen-
te
Oroes os mais modernos e de diversos forma-
ts.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
in ultima asoda, tanto para seuhora, como para
Ejeninrrs.
Capeilas simples e com veo para noivas.
Calgas 'bordadas par* meninas.
Enlrenriios estanvpados e bordados, de lindos
*HSBnos.
Sscovrs electrics? para denies, tern a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjis de seda pretas e de cores, exist* am i i,|gj,s de seda.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, par-
ticipa ao bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um complete sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desnecessario fazer um
enfadonho anuuncio, por ja ser bastante eenhe-
cida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
dentes, sendo a pr meira que apresenta o que ha
de mais moderno e por pregos mui razoayeis, por
isso limitase a descrever somente o seguinte :
Sena* douradas.
!ti iiMni'* dourados, dc madreperola, marfim, tar
taraga, osso, etc.
NniiidiiM de bai e.
Prescnlcs, diversos artigos proprios para pre-
sentes.
Ciollnlias e punhos.
sinnunl para missa, com capa de madreperola,
lartarnga, marfim, velludo, etc.
Snpatinlio* de setim para baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
No Baratelro!
A' rua 1. de Marqo n. 1.
Confronte ao arco de Santo Antonio.
Estao vendendo fazendas por Ben -!0 O-o d>
qoe em outra qnalquer parte, para o que pede
um ponco de atlen^ao I
Madapolao fraccez, fazrnda superior, vende-
os a 6* a peca e 320 rs. a vara.
Chapeos de sol de seda, para senho/a, a 3#, d
cores, fazenda de 6* ; a elles.
Ditos de alpaca, para bomens, de iShastcaia
3*500. Superior qualidade.
Ditos de merino, com duas cores a 4*500. 1-:
sim 6 vender barato.
Chapeos de sol de seda, inglezes, a 11*000.
Ditos de cabo do marfim, o nHhor que tem
vindo ao mercado a 12* e 13*. Venr.am elles.
Grande sortimento de camisas francezas, de Ml
a 40*. Superior qualidade.
Esguiao de lmhj e algodao a li-
Chapeos de caspmira para homem a 3*.
Cortes de crctone bordados a 6*. Sempre CM*
ten 10*.
Cambraia Victor a, fina, a 3*500, com 8 Ij2 va-
ras e transpr.rente 4*.
Loja de Agostinno Ferreira i*a Silva L**:.! A
Lazinhas
fh

erande'sortimento -ee divercas larguras e barato
pre^o.
Fitzs de saria.*e gcrgtirao. de setim e de cba-
oa*lftta, de divew*s largnras booitas cores.
Fa-Sia* de goegarao ronite lindas.
Fi.fw* artiiici.it's. A PredilecU prinia em coa-
rraiij:*j mosaicas.
Aderecos de tartaruga.
Voltris'de madreperola.
PisIseiraS de madreperola.
l.m BoiwaH de velludo.
orvw semn_re ora bello e jtrande sortimento des- i pcrfuniarias dos melhores e mais afamados
As
^
Vproveiteni
0 PARIS AMERICA, a rua Deque de Caxias
b. 59, primeiro andar, esta vendenda calcado pelos
seguint-s pre^cs:
Botiiias dc duraque para senhora a 3.3O0 M*is.
|):t s de dito prelo a 4>*00 reis.
Ditas de dito com botSecao lado, ai.OOO row.
Ditas gaspcadas, cano allo, parx senbora. a
K^JOO res
Ditas de pellica,ingleza, a 4,000 reis.
as lares, nao e para enferle dos cJjellos, como
tambem para o*rato dc ve*do de noivas.
Gt'ioes dealgodao, deli e de seda, brancos,pre-
os ei de diver&as cores.
Gravatas de-seda perra homem e senhoras.
L*cos dewmferaia e de seda de -arversas cores
para aennora.
Ligaa de sed*. de cores e ttrancas berdadas para
MM,
li.-i.Tos para ouvir missa, ccm capes de madre-
perda, marfim, 6s-o e veil-ado, tudo ,ue fea de
bom.
Rentes de ttnaruga e nwrfim para alisar os ca-
; feeHes ; teem teaibem para tirarcaspas.
Part boumwt. Um bello sortimento de madre-
rparala, rnartW, 6sso e dourados por'barato pre^o.
i Ferfi'rrrartoB. Keste anigo esta a Pudfleett bem
provida, do em eatrastos, jsotao ea> oleos
I baahas dos mt&ores odores, dos mais afaraades
I nabjijantes, 'Lo-Jtbin, Pivec, Sociedade Hygienica.
i .'^uidray, Gosael e Rimel; -sao indispewsawis para
U-fecta.
I -Seias bordis pan. neohora, por comnwdo
'prefo.
-Sapatinhos de la e de setim bordaaoi ,para bap-
.Mados.
I- Tapetes. Rece&eu a Pred^ecta nm b inito sorb-
E iseate de divcMos tamaobee, tanto para sofa co-
i mo. para entrada de salas.
t Vstimentas para, baptisado o qne ha -de melhor
I rto os triais iBoderno s-Teceben a -i de or arete preeo, para Scar ao alcance
<(ialqaer bolsa.
Sua 4o Ca&igan. I
Especia4* ViiaLtf particular, jiur* -e ge
naina.
Acaba.de chagarao mercado alguns barns de
Oilas de' duraoae -imrdpAa nara senhora > i vinha do Atto Doaea, especiad .e unicameate pre-
stSirtfa auraje ^orQad. Pra 5eDI,ora ^; parado do exlracto da uva.e iseate de qualquer
| confea^Q,-seado muito mais braado qae o da Fi-
: gueira, o que o terna recommend.-wel pelo maite
^ que agrada ao palador e preferWel a todos osou-
j tiros vinhos de paeto.
Aeaa-se a anetuk nov armazeoa de ioao Jose Ro-
| drigues Mendee, Souza flasto &C. Pernaodes da
1 Gasu & C.
3,000 reis.
Bitas de duraque, de cores, para meaktas, a 3*-
Em quanto e temp3
aproveitem.
UacHiliau de Noruega.
Acaba de che;ar um pe^ueno Jcle de caixas
ddte lesejad'-i baralhao : no caes da alf<>n&?a,
armazem de Tasso Irmaos k C.
Vende-se .ta rua dcCommereio a. 4. cerveja
Khhb, marca II L :
Bitter Angostura.
Rum de Jamaica.
fabricantes.
Chapeos de sol para senhoras.
Fitu* de velludo de todas as cores e largur. s.
Moscas.
Quereis livrar vos destesmalditos insectos?com-
prai uma mschina de matar moscas por 3*000
na Magndlia, a rua Duiue de Caxias n. 45.
Calvice..
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ven-
de o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
cahida dos cabellos.
Sardas e panos.
So tem sardas e panos quem quer; porque a
Magnolia, a ma Duque de Caxias n. 45, tem para
vender a verdadeira Cuticuleria, que faz desappa-
recer estas manchas em poucos dias._________
a 200 rs. o covado.
S6 na rua do Queimado n. 43, junto d
da Magnolia.
Cheguem, venham a ellas 1 I...
Lazinhas de qnadrinhos a moda aseo :tza pi-
Jrdes muito chiques, propria pira vestils de r-z-
nhoras e meninas. pelo dimiaute prt^o dc ^00 rs
o covado.
So o 43, loja de Gaerra 4 Fernandts.
Dao-se amostras com penbor._______^^
PMT.4S
Vende-se pot las americanas pur toJo pr
na travessa da rua do Imperador, araaaMM Ja
Bola Am aiella.________________________^.^_
ATTBMVAO
Vendese o hotel da rua da Imperatriz n. 21,
bem monlado como esta : a tratar n roa do Uar-
quez do Ilerval n. 2, antiga da Conorlia, tavrrni
Casa e terrenos baratos no Sal
g
Antoaio Jose Rodrigues de Souza, na thesoura
ria das loterias a rua do Crespo n. 6, vende su*
casa de taipa e terrenos de seus silica no lugar
do Salgadinho : a tratar somente com o mesmo
1
Vende-se pea de sapolas de optima -juabdade
na rua do H spicio n. 75._________________
Engenho a venda
Vende-^e a dinhciro ou a prao nn moente c corretite, de animaes. cm peqama -a-
fra creada, a uma legoa d stanle da villa di !', i-
mares, estaean de Una, de bom terreno >!' varzo,
podendo safrejar 2,00) pies aaaaaes, t m 11
cao a ser de agua, pidtudo am la ser a*- i
do ao pcuto que ce naein, com lerreaoi iiiuexs
qne se vendem : quem pretender, en'., nda .< com
Joaqnim Rodrigues Tavares do MWIo, aesta c'-lad
praea do Corro Santo n 17, 1* andar._________
VENDE-SE :
uma casa Da villa de Barreiros, na na do Orz
xercio, por preco awdieo: a tratar :~ T:. ::
Irrai 3 C
E' barato
Tran^as de cabello
Itoma-no, natural, com um n elro do comprimento
a IS* cada uma : so na rua da Imperatriz n. 8
.case de Odilon Duarte IrmSo.
Vendem se dous sitios na Ponte de Ucboa. que
foram do finado Joao Carroll : a tratar n'um dos
me&mos sitios o. 10, ou na rua do Vigario n. 19,
d* andar, successores de Tbomaz de Aquino.
Saisa-parrilha do Para
Tern para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
v.\io, bo seu escri;torio, a rua do Bom Jesus nu-
maro 57.__________ ___^__^_^
Asunicas verdadeiras
Bicbas bamburguecas qne vem a este mercado
na rut dc Maranez de ulinda n. 81 *______
E' com as noivas
A NOVA BSPSRANCA, rua Duque de Cas .
63, acaba de receber lua- meias A-i da pr
para noivas, e ns aprcciavfis ramos d- laranr .. t
Engenho Segrelo
Vende-se o engenho S.gredo, di>lando si
uma legoa da cslacao de Itifceirto, m/.ote e cau
rente, bem obrado, e corn terten^ anste Icrou
quesafrejava mais de i,500 pies : a tratar at roa
do Encantamc-nto n. 5.______________________
Grande liqiiKl cao de cha-
rutos
do fabricante Gustavo Aiberto ^chaorbusok, I
Bahia, das seguintes mascas:
Arislocratas.
Iti.cliuell.s.
Perulas.
Ji'k Club.
Conchas.
Perfeicao.
Principe Bismatks.
TraLucos.
Golondrinos.
Vendem se na rua do Maryaez 4c OHaaa n f
armazera.
Para emgenho
Vende-se nm bom escravo, pardo, rj- in arm. -
foi carreiro e mestre Je assucar : a rua Ja Iini.
ralriz n. i8.
109
a



t-
DOS PREMIOS DA ' Ja PAKTE DAS LOTERIAS CONCEDIDAS POR LET PROVINCIAL N. 636, A BENEFICIO DA IRMANDADE DE SANTA ANNA DA MADRE DE DEOS, EXTRAHIDA EM 25 DEJLI.UO DE 1874.
. PREMS.iNS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. INS. PREMS. NS. PREMS. MS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. SN. PREMS. NS, PREMS. INS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PI j".
i w 230 44 619 4?? 927 4^ 1127 4 1395 40 1628 45 1892 5 2116 4# 2404 45 2764 45 2980 45 3219 45 3388 45 3654 45 3799 i5
2 32 06 57 28 34 97 42 93 105 19 6 67 82 28 89 59 380G
G ^p^. 40 u 68 aaw 29 42 1407 45 105 96 45 21 21 . 71 87 32 91 64 7
7 ^_ 44 70 e 35 47 13 48 45 1901 31 - 24 45 72 91 37 92 G5 II
16 , 58 72 U 37 49 40 53 4 48 27 45 75 15 97 105 40 45 94 71 12
19 86 __ 700 41 lOS 60 OA 52 lOA 56 5 56 30 76 45 3000 45 55 45 95 72 m li
2i. a. 87 18 __ 43 4,5 61 4*. 61 45 57 5 6 60 38 78 9 60 3411 75 45 20
28 o^ 98 _ 21 ... ii - 69 63 63 45 22 - 62 39 . 79 12 63 26 80 27 I005
34 V 301 29 mm 46 j - 72 65 76 . 27 79 47 80 17 67 44 to 82 5 20 49
3* G _. 33 __ 59 73 68 84 34 - 89 52 83 30 68 60 45 85 45 32
40 9 37 .._ 64 1202 75 90 47 94 . 55 91 _ 32 69 5 71 95 V-i
44 19 46 \ 69 10 90 1715 1005 66 - 96 -!- 56 93 42 _ 71 45 72 98 59
5G _ 61 55 __ 74 12 91 16 45 75 - 2214 58 2809 43 mm 82 77 3700 69
GO 405 72 __ 81 - 21 ^ 1501 21 77 24 - 2503 11 *5 49 mm 84 81 4 72 *m*
G9 - 25* 97 __ 81 ' 28 9. 23 78 [5 27 --- 17 12 45 50 89 83 G 77 mm
71 m 35 802 ^mM 97 U 32 ^m 13 27 84 45 31 21 " 17 52 90 90 8 87
73 45 38 to,-* 3 1007 33 ^^ 22 46 05 98 aw 42 .-? 29 , 28 55 --- 93 91 9 88
76 u m 10 22 41 """ 27 55 45 2004 5 45 f*" 39 i 30 78 --- 3304 5 97 14 91
70 67 4:OOO.o 13 . 26 48 m& 31 61 * 17 45 62 64 33 84 10 45 3500 15 H
84 68 n 14 27 - 65 35 ; 67 18 66 --- 82 48 89 13 8 20 3901
8;> ,' 80 ._. 15 pmt 28 70 saaaa 37 77 29 70 '--- 84 . ' 53 94 --- 23 MM 18 " 33 3
91. 81 __ 27 _ 31 - 78 ~~ 45 82 33 & 2306 --- 87 56 99 24 19 34 6 ^
4 8-2 28 pHq 37 81 47 84 34 +1 18 ~ 91 58 *5 310G m- 27 25 37 9
9ii -r 506 .._ m p^^ 42 - 91 Wm9m 51 90 35 5 21 2602 63 45 7 34 m m 27 38 10
109 18 40 Lm 43 92 0 62 ,10* 93 36 45 22 --- 32 65 25 41 33 42 28
It 40 50 m_ 50 98 60 45 1809 45 - 26 w& 37 *05 70 5 27 42 --- 44 . 44 30
17 51 51 51 - 1313 70 16 - 47 ~ 31 M 49 s 77 45 29 48 --- 57 46 31
23 52 54 ^^ 56 23 ~~ 74 17 49 43 am 86 - 82 1 99 57 62 mm 50 33
28 54 57 mm 57 39 76 BSj 26 56 - 54 - 92 93 67 58 40C 64 54 *5 44 5
XI ' 57 62 64 43 79 34 mp 60 - 61 5 97 2905 70 60 45 71 60 45 54 41
oi 60 ~ 65 66 47 84 37 67 -T- 66 405 2702 5 16 72 62 88 64 66
m 81 70 69 55 ;> 89 --- 43 71 - 67 45 H 45 21 T 73 63 94 69 67
72! 600 a 73 70 68 4,5 1602 -^ 47 82 69 13 a* 25 ato 78 66 3808 70 105 69
77 _ 12 44 91 85 *0-> 79 4 --- 56 88 - 76 19 29 80 70 14 --- 74 45 /2
83 __ 17 __ 901 87 44 81 13 --- 69 --- 97 - 79 21 31 82 78 26 --- ,83 77
88 ... 20 _ 13 _ 1105 83 17 71 99 85 jg) 27 37 aji * 83 80 * 32 85 79 .
97 UH>;> 27 mm 15 19 86 19 "72 2101 5 96 mm 31 sa> 48 95 81 33 --- 94 87
223 W 35 - 16 21 87 21 79 2 45 97 '--- 37 64 3202 85 41 96 98
27 12 19 25 - 92 25 81 14 - 2400 --- 52 70 5 1

. i.


- f
8
Dijriod* Pernambuoo Segunda feira 27 de Julho de 1874.
ASSEMBLE* GEBAL
SENADO.
discurso -ro.nu.>-ciado no ultimo dia da
DISCUSSAO DA RESPOSTA A FiLLA DO
TUKONO.
OSr. Mendes de Almeida : Nao apoia-
do. '
OSr. Visconde de Souza Franco:Nao
se pode suppor quo em um paiz individuos
mjam isentos da lei, sGmente porque esla
os nao cspeciGca.
0 caracter das leis e nao serem indivi-
duaes, e as di! pr.vilegi) precisaro ser expli-
cit. As leis criminaes nao designara pes-
soas, e entre n6s s6 temos uma, que e o
Imperador,1] evceptuado deltas e muito ex-
presamente.
Todas as outras, erabora nao menciona-
da> especialme.nte, cstao incluidas nas suas
disposigSes.
E deraais, a constituigao dispondo sobre
a no-neagao para os cargVtcclcsiiasticos,
n3o os esqueceu, como classe da sociedade
sujeila ;is leis. '
OSr. Silveira Lobo:A pena imposta
ao bis;>o e" o taaior attentado contra um dos
prtceitos da lei do procosso.
leio. (Id) '
0 Sa. ViSCONDE DE SOUZA FRANCO :At-
tenudo I E' classificagao inadmissivel con-
tra sentenga que passou em julgado sem que
a njllilicasse o poJer que tem autorisacao
->ara nullificar-lhe oseff-itos.
0 Sr. Silveira Lobo :Sim, senhor, esta
v. oste modo de ampliar.
regrc. \. Visconde de Souza Franco :Des-
0 S. lei do laSI estd era vigor e que a
de qwe a gdo do tribunal mareou a forma
lei da crei a sentenga' nao pode deixar de
do prorcsso, o estando em cxecugdo legal,
ser respefead* attentado nao passa do vao,
o epitheto de ao t^m a menor forga. El
dosabato- quo u imo simples opiniao juri-
que a n-ao ten fc demonstrado. (Apoia-
dica, en jnlgo tel-p
dos.) nortanto, que ndo ha
Nao se pode dizer aento dos b1?pos
procosso para o julgat induir m d
quando uma loi os manck d suorcmo
daquolles que s8o julgado, .^ .supremo
tribunal dejustica. (ipoi*4. ,j
OS.i. Silveira Lobo-
Desapparcce assim todo esse castello de lei autorisa o imperador para tomar decisao
observagdes injuridicas com que o noboe se- e expedil-a por decreto
V
cahe.
O.Vt OHHBW" ------------ -
. 1 desta lei, queo castcUo ^ ^
0 Sr. Yisconde
de Souza 1'rai
0 Sr.
Silveira Lobo:-Que U ,es *Mo
oador pretendeu ao mesmo tempo desauto-
rar o egregio tribunal, e fazer crer dquelles
que nio entendera da materia que o supre-
mo tribunal de justiga esta" julgando os bis-
pos sem lei de competencia e sem regras de
processo.
0 Sr. Mexdes de Almeida : -0 peior co-
go 6 o que n3o quer ver.
0 Sr. Chichorro :Pode verter a sua
proposigao.
0 Sr. Visconde de Souza Pranco:0
uobre senador'fti adiante e disse : 0 con-
selho de Estado e que tem dado todos estes
conselhos ; do conselho de Estado tem par-
tido esta direcgio alheia a suss attribuic6es.
E S. Exc. avangou outras proposigdes, que
nSo pode nem poderd nunca sustentar. Eu
1 he disse na occasiao que era pela mesma
lei do c nselbo de Estado que e'.le esta au-
torisado para consultar sobre estas mate-
rias.
A lei do conselho de Estado tem dispo-
si$io geral e disposi^ao particular. Na dis-
posi^ao geral a Id ordena quo consulte so-
bre tudo quanto o Imperador determinar.
0 Sr. Sivveira Lobo : Servatis ser-
vandis.
0 Sr. Visconde de Souza Franco -.Ser-
vatis servandis Pode negar-se a dar con-
selho sobre qualquer mattria cm quo o
Imperador o consultar?
0 Sr. Silveira Lobo :Fallei em relacSo
is rogras do conselho e n3o em relacao a
isto.
0 Sr. Visconde de Souza Franco; 0
conselho de Estado, ao receber aviso, deve
consultar sobro a materia da consulta, como
prescreve o art. 7. da lei de 23 de novem-
bro do 18i 1, que diz : Incumbe ao con-
selheiro de Estado consultar em todos os
negocios em que o Imperador hoover por
[bem ouvil-o. A consulta e, portanto,
obrigatoria, porque e determinada por lei.
0 Sr. Silveira Lobo :Nao fallei em
relacao a isto.
0 Sr. Visconde dbJSouza Franco :Te-
mos tambem dispos^ao especial para que
consulte sobre abuso das autoridades eccle-
siastics, 5. do mesmo art. 7. da lei de
23 de novembro de 1841. Como, portan-
to, e" incompetente o conselho de Estado
para consultar sobre estas materias concer-
nentes a autoridades ecclesiasticas arguidas
de abuso ?
a"uellts de que efla faz expres& mensao
mas i.ambem lhe ttcam sujnito* os outros
que a assemblca geral legislative, autonsada
pelos paragraphos que li, incluif
p'elos paragraphos que li, mciuio nesse nu
mero. E demais, como eu jd disse, uma $8o da?ta
lei em vigor assim o entendeu e determi- .'
nou, o o supremo tribunal e obrigado a. so n
regular pelas leis era vigor. (ApOiados'
0 Sr. Silveira Lobo : Nao apoiado.
Visconde de Souza Franco : -Por
execu-
guns acerescentamentos e
que tivesse bavido erro do legisloJi r que,
long; de emcudar como crradas algumas
disposigdes, as respeitou em 1330 o tem res-
peitadoalij hoje, eaindadeu dircito aosupre-
rao tribunal, pelo art. 33 do decreto de 20
de d''zcmbro de 1830, para evocaras causas
que, pertencendo ao seu foro privibgiado,
estiv^ssem sendo julgadas por ontro tribu-
nal ou juizo. Como, pois, uegar ao supre-
mo tribunal o direito de processor os bis-
pos, quando elle tem ate* o direito de evo-
car pordecisao propria as causas queestejam
em julgainento e:n outrojuizo? Nao se
admittindo delle recurso, aevocacaoque
faca, firma a sua jusirdiccao.
0 que o supremo tribunal fez no julga-
men'o dos bispos e o que estd estabelecido,
fixaco o regulado na lei desna organisagao,
e no !,'decreto de 20 de dezembrode 1830.
O Sr. Mendes de Almeida :Nao apoia-
do.
O Sr. Visconde de Souza Franco:De-
pois pnblicou-se o codigo do processo cri-
minal, que no art. 155, i., dcterminou
ainda que esses julgamentos lhe pertencem
e o :*e?ulamento de 31 de Janeiro de 184-2,
que no art. 203, l. tornou a repetirque
o supremo tribunal 6 o competente para es-
tes julgamentos.
FOLHETIM
::::::;..l so::..:.: se r::;::^::::::
POR
Jotlo Caadido
XIX
NOBREZA.
(Continuacao do n. 107.)
Deus n3o foz os^homens, uns peiores
nem nielhores do que outros continuou
Ferna.ido, como se nSo tivesse tido ne-
lihuma interrupgaoElles proprios sao os
orchitectos de seu bem ou de seu mal.
V6s scis talvez grande3 heroes, e vOs fazeis
carras'-os I Malditos Sede abenQoados
A acimiragdo dos tresalgozes ostinhanos-
to CiUasi sem accao. Julgaram afinal de
contas estar ds voltas com um doudo.
Mas que quereis comnosco, que nSo
vos entendemos ? resolveu-se o mais co-
rajoso a perguntar-lhe :
Ah I Sim I Eu vos direi, Glhos do
cahos I
E Fernando ergueu a voz, como se esti-
vesso na tribuna : .
Esse acto de tremenda deshonra para
outrom, que ides praticar ; esse enorme
vilipeodio que ides atirar d face de um
macceb'),6 nada mais nem meaos para
>6s do que uma armadilha I Desviai o
passo, olhai o abysmo I 0 punhal com
que estais armados, inconscientes malfei-
tore>, e de dous gumes I Seodo assim, 6
d'aquciles que ferem o aggredido e o ag-
gressor. Quero dizer: o Fago que preten-
deis langar ao pascogo de uma victim a ha
de arrastar-vos tambem pela.cabe^a; por
que, sem osaberdes, elle estd mysteriosa-
xdente atado i vossa fronte 1 Horror
Depois, quando fosse isso que acabo de
dizer vos uma falsidade, v6s n8o devieis
mej.mo ser tfio barbaros, tal como estareis
promptos para se-lo. Sabeis o que iria
acontecer, se a vossa m8o tyrauna S3 le-
u M. *igceira de Mello : Coosulu trar no seu conbecimento, visto que se co-
oDre os objectos das autoridades ecclesias- nhece das causas ecclesiasticas, e estas pela
sujeitcs pela constituigao, vein ahi.
O Sr. Visconde de Souza Franco f~Vs-------_------^^ .......v,r ""ow u> causas ecuiesiasucas
aue estao suieitos pela constituigao sao a- **, como consulta sobre objectos das au- oossa Iegislagdo s5o as que versam sobre
I.- j- '.. Jl. (,t atnrastn mencSo. toriaaaes civis : ant innaaiis nnmii g3o nenharaa.
O Sr. Visconde de Souza Franco :O
dahi nao se segue jurisdic- questao puramente espiritual.
Ahi principia nova questao
regulamento que foi expedido para exocu- lue reconhecem quo no paiz a ultima pala- contesta a illustragSo rouito vasta nem a
C-So desta lei. funda-sa na mesma lei. ft vra a dizer e a da nacSo ou a do sii deleM. nossihili.lad.> ili>. prnr.
0 vra a dizer e a da nag3o ou a do seu delega- possibilidade de errar.
O Sr. Visconde de Souza Franco* ::...
Tl. 8. da lei diz : O governo determi- do, o governo, que ella estabeleceu e sus-
ard em regulamento o numero das secgdes tent"
nos objectos do conlencioso, e que, findo o
prazo, se so entender (art. 21) que o nego-
cio e administrativo, assim o resolverd pro-
visoriamento o presidente da provincia, re-
mettendo todos os papeis a respeito delle
com a sua decisao, d secretaria da jus-
tiga.
Esta tambem resolve porem definitivamen-
te com recurso para o governo em conselho
de Estado; art. 27, e 46 do regulamento de
S defevereiro de 1842.
Sobre os negocios ecclesiasticos ha o art.
30, que diz :
Os presidentes das provincias conhece-
rao dos abusos das autoridades ecclesiasti-
cas procedendo na forma do regulamento de
10 de fevereiro de 1838 no que the lorem
applicaveis suas disposigoes.
A decisao do presidente tem recurso para
o ministro (art. 45), a dos" ministros de es-
tado o tem para o governo imperial (art.
46) que resolve por decreto, ouvindo o con-
selho de Estado se o imperador o orde-
na.
E', pois, sem fundamento algum que o
nobre senador e outros dizem que o conse-
lho de estado nao podia ser ouvido sobre os
actos dos bispos de Olinda e do Pard, e que
o governo n3o podia tomar decisao sobre
elles, quando o regulamento com forga de
vantasse contra o pobre raogo, que ainda
hontem banqueteou-se comnosco na mesa
da fortuna ? Sabeis ainda quem e e o que
pretende esse infame seductor de vossas
caras consciencias 1 Ndo ; nao sabeis, nao I
Mas eu vos direi tudo, tudo ; ouvi-me.
Esse homem, que ainda hontem recompeu-
sou com dinheiro o vosso trabalho de
bandidos, oh I infaraia 6 um miseravel
queiliudio a mim, a vos e a todos aquellos
que estiveram comnosco reunidos I E' um
miseravel que deseiando para si a mulher
do amor de Theodorico, n3o trepida em
reduzir este ao extremo da miseria FJd sa-
beis o quanto 6* vil e infame o vosso seduc-
tor ? Oh Sim 1 Pois ouvi o resto. A
donzella tao vilmente disputada por esse
horrivel Eduardo e uma mulher moga e
bella, que ama com loucura o desgragado
Theodorico. CoDheceis por acaso o que e*
o amor ? O amor 6 a alma vivendo s6
por uma ardente sensagSo ; a vida inteira
concentrada n'um s6 ponto; o coragSo
atravessado por um raio do sol que o quei-
ma e iliumina. Quando os doces orvalhos
da felicidada o fortiQcam e alentam, elle
levanta-se soberbo ; deformado pela dor,
morre; isto e mata Quereis ser uns
assassinos?!...
Tivessem ou nao o cunho do sentimenta-
lismo estas palavras que Fernando proferira
dquelles homens; podessem ou nao podes-
sem ellas ferir vivas emogdes no seio es-
toico d'aquelles tres aventureiros, o certo
e que despertaram o mais pronunciado abalo
no coraglo d'elles.
Quando Fernando terminou, bradaram :
Nao, n5o, nSo !
E, logo ap6s, um d'elles ajuntou :
NSo queremos, nio, comprometter a
vida de ninguem. Nfto queremos, n&o,
protestamos desde jd, fazer a menor ofensa
a Theodorico. Mas dizei nos de que' modo
podestes saber de tudo isto, a ponto de ad-
vertir-nos que tambem estamos condemna-
dos a ser victimas de Eduardo ?
Sim I Hontem eu n5o mo escusei de
prestar o servigo quo prestei a Eduardo,
porque ignorava que o motivo d'aquelle
jogo calculado e infame fosse tao torpe e t3o
atrez! Sabeis ? Eduardo, para realisar
Seria incomcebivel que em qualquer paiz
dado um *onflicto, nao houvesw autoridade
que o podeas^ desfazer.
Um pleito se debate em tribunal de justi-
ga, o qua! unaa autoridade administrativa
eatende que lhe pertence; como decidir a
questao ? Haverd dous processos e duas
sentengas e a parte teria de soffrer a senten-
ga do tribunal judiciario e a sentenga do
poder administrativo ? Qual se havia de
executar ? A qual das duas prestaria a for-
ga public* o auxilio necessasio ? Seriam
tao terriveis as consequents que 6 impos-
sivel pre ver.
O Sr. Silveira Lobo :Terrivel e esta
jurisprudencia.
OSr. Visconde de Souza Franco:O
nobre senador quer a jurisprudencia da n3o
decisdo.
O Sr. Silveiha Lobo ;Oh 1
O Sr. Visconde de Souza Franco:do
embroglio, da confusao, da luta entre as
autoridades ?
O Sr. Silveira Lobo :E do mais que
queira dizer..,
O Sr. Figueira de Mello :-Entdo pira
n3o haver luta abaixemos a cabega.
O Sr. Visconde de Souza} Franco :
ao ; eu nao desejo que curvera a cabega,
mas que se preparem para responder pelos
erros, pelos vicios, pelos crimes da luta com
as autoridades firmadas nas leis.
O Sr. Silveira Lobo :Apoiado ; deci-
dam os tribunaes competentes, conforme
a lei; do contrario, e" uma doutrina ab-
surda.
O Sr. Visconde de Souza Franco:
Surgio uma questao, a qual pretendem os
bispos que e espiritual, e a outra parte, que
n3o e espiritual, porem temporal, ou quando
muito e* mixta, pelo que.nao aceitou a de-
cisao daquelle, que s6 tem o direito de jul-
gar quostoes ou delictos puramente espiri-
tuaes. r
Ha, pois, necessidade de qaem decida o
conflicto, e eu jd demonstrei que ^ ogover-
no em conselho de estado.
Por erro e petig3o de principios querem
alguns Srs. senadores que fosse o metropo-
litano quem decidisse os recursos.
Era, porem, preciso que se tivesse decidi-
do que a questao era sobre materia espiri-
tual; em quanto ndoestivesse decidida, n3o
era o mgtropolitano o competente para en-
n6s, os homens da soberaoia
Dizemos
nacional, os
ft Sr Sn vctp. ffm...^^ a. ^ ^pedio o decreto de 28 de macgo de
o daXi :-Eqaaoto e or- 18jj7> 0 fM virtude d(> arl m ^^
a questao do terreno do direito. '^^ fc^ gjfy"
Sr. Visconde de Souza Franco :-... ^ approvado pelo ^ le^a^0> que
.xnn*;A^. a- ZvT j rau* approvauo peio pouer legis auvo, que
e e o PonUfice, dizem elles ainda, porque a aio adn*ittio a reformTque se lhe prop2z ;
y^**!?^*..0 P0*? .f*0^^".?*- e nJo adintttir reforms \ disposigoes de
da tem sobre questoes espirituaes. Mas,
tratando-se de materia .disputada, a decisao
por uma autoridade que e parte como chefe
do espiritual, e autoridade que nao tem ju-
risdicgao propria no paiz, nos collocaria em
posigao de depencia.
Dariamos direito a uma autoridade exter-
na para declarar que sao sujeitos ao seu
tribunal exterior actos que a constituigdo e
as leis, que, pois, a soberania nacional jd
determinou sob a competencia de quem fl-
eam.
Se o quizesse o governo nao o poderia
fazer, porque as leis n8o o consentem, e as
leis do paizea constituigio devem ser obede-
cidas. (Apoiados.)
Assim o que fez o conselho de estado foi
consultar; nada deliberou, como errada-
mente se disse; e o governo, em virtude
do poder legal que tem, decidio que a ma-
teria era pelo menos mixta, e a exclusdo
dos magons das irmandades da competen-
cia do poder judiciario e na f6rma doscom-
promissos.
O Sr. Silveira Lobo :Ahi e que estd o
suas barbaras intengdes ; para fazer de
queda em queda Theodorico parar por fim
n'uma prisdo como ladrdo e jogador, n5o
temeu ar.riscar d'esse modo a vida e repu-
tagao de tantes 1 Eu, v6s e todos estive-
mos condemnados a soffrer a sorte d'aquel-
les que zombam da lei e do direito. A nossa
felicidade foi havermos terminado ojogo
antes de a policia varejar a casa de Febro-
nio. Quasi mesmo sem procurer sabe-lo,
tive conbecimento de tudo. Quando me
retirei de vossa companhia, desconhecen-
do inteiramente o hediondo d'aquelle qua-
dro, na escuriddo da noite e no repouso
do leito, meditando no procedimento indig-
no que Eduardo tivera uma vez para corai-
go, imaginei uma situacao horrorosa para
mim, e a consciencia, como um mundo,
desabou sobre minha cabega, tremenda e
inexoravel. Hoje, para linitivo do soffri-
mento, procurei a casa de,Eduardo, e sub-
tilmente, como por meio de veneno, Qz o
miseravel revelar-me tudo ; ate* que vos es-
tarieis aqUi a esta] bora I... Sabeis ?.. Se
fosseis com effeito realisar a negra' missio
de que estaveis encarregados, depois de ha-
verdes com met tido um acto indigno eper-
verso, serieis agarrados junttmente com
Theodorico, e os vossos dias, como os d'elle,
passariam por bem dolorosas provagdes.
Nao sabeis que pertenceis d classe media ?..
Nao sabeis que o delinquente, se 6* destitui-
do de titulos e nobreza, soiTre a maxima
vinganga da justiga ? Eduardo tinha tudo
preparado. Se nio quizerdes, porem, ligar
o menor aprecp ds palavras que vos dirijo,
procedei como melhor vos aprouver. Mas
ficai certos de uma cousa: eu serei para
vosso crime um sguilhdo impiedoso 1 Re-
correrei ao que estiver a meu alcance para
' vos punir ; e vds, se desejardes tne.envolver
'no labyrintho insano de Eduardo, nao acha-
reis um sd fio a que me prendais, porque
tambem n3o acbareis a menor prove T...
Escolhei, cavalheiros do punhal 1
Traidor 1exclamou com indignagio
e colera um dos homens.
E esta palavra assim proferida foi aquella
que seouvio, quando o Sr. Cruz e Raphael
retu-aram-se do jardim.
busilis; o governo decidio sem poJer.
0 Sr. Visconde be Souza Franco :-0
governo decidio sem poder!
0 Sr. SavEiii* Lobo : -(Apoiados.)
0 Sr. Visconde de Souza Franco : -E'
sempre uuia supposigao 1 E' a negagdo sem
prova da demonstragSo que nio podem con-
testar com outra Qrmada tambem ns
lei.
O Sr. Silveira Lobo :Foi uma demons-
trag3o evidentissima.
O Sr. Visconde de Souza Franco : Era-
quanto a lei vigora, o que olla diz 6 a ver-
dade ; aquelle a quem ella dd o poder de
decidir a questao e" quem o tem. O no-
bre senador poJe desejar que a lei seja ou-
tra ; pode discutil-a em occasiao apropriada
e expor as modiflcagOes que pretenie que
se faga ; mas, emquanto. vigora a lei, n3o
podo dizer quo o que ella determina nao 6
a regra a seguir, nao e" o que firma a auto-
ridade, nSo. e" o que constitue o poder que
deve ser obedecido.
0 Sa. Silveira Lobo : Quizera quo me
apontasse essa attribuigao entro as conferi-
das d corda.
0 Sit. Visconde de Souza Franco : Per-
.dfle-mo, estd na lei do conselho do Estado,
no decreto de 5de fevereiro de 1842 ..
0 Sr. Silveira Lobo :Nao 6 do decre-1
to que fallo; fallo da constituigao, que e"
donde vem o poder da corda.
0 Sr. Visconde de Souza Franco:A
const.tuigao diz que a assembles geral fard
as leis, e desde que uma lei e feita pels as-
semble! geral, estd dado o poder, vindo da
propria constituigao.
0 Sr. Mendes de Alimeida :Esta e
nova.
0 Sr. Figueira de Mello '. Que lei e
essa ?
0 Sr. Mendes de Almeida Entao era
melhor acabar com os arts. 98 e 102.
0 Sr. Visconde de Souza Franco: Q>
art. 102 confere ao poder executivo as prin-
cipaos attribuigdes, mas sem excluir o mo-
do pratico, que depende das leis e decre-
tos ; elle e uma das bases do decreto de 28
de margo de 1857. 0 art. 102: no seu
12 autorisa o governo para expe*r decretos
adaptados d boa execugdo das lei*.
0 Sa. Figueira de Mello :Para legis-
lar como quizer, como fez o ministro da
justiga no seu famosodeeretode 2 de maio.
E ha'vetnos de obedecer a tudo isto !
0 Sr. Visconde.de Souza Franco.Nao
sej a forga que dd ao teFmo como qpizer;
sei a do termo i como entender ; aquillo
que o nobre senador enlende ser bom, elle
o quer e que todos o sigam. 0 muito il-
lostrado Sr. senador Nabuoo...
0 Sr. Su.veira LoBO:-Ninguem lhe
i que
(A-
decer-lhe emquanto estSo em vigor, ate
porque e preciso ter presenle d raemoria
de 1857
um decreto e reconhecel-as justas, e appro-
val-as, 6 como quo convertel-o em acto le-
gislativo. (Apoiados.)
Ndo obstante o meu proposito de tomar
pouco tempo ao sonado, n3o posso deixar
de fazer algumas observagSos sobre um pon-
to em que o uobre senador insistio muito.
Esse ponto foi quo os bispos sao innocen-
tes ; os culpados s3o o governo, o conselho
de Estado e o supremo tribunal de justiga.
OSr Silveira Lobo :Apoiado.
0 Sr. Visconde de Souza ranco ;Eu
perguntarei a S. Exc. qual e o resullado
pratico dessas suas'palavras : os bispos s3o
innocentes ? Convertem-se ellas em senten-
gas ? Livram os bispos da pris8o ?
0 Sr. Silveira Lobo :Pois nao tenho
direito de emittir a minha opiniao ?
0 Sr. Visconde de Souza Franco:Lo-
go, como eu tenho dito, devia limitar-se a
explicar por que assim peusa... e evitar cen-
sura acerba, e a ciassilicagaode attentados
aos actos em que nao concorda.
0 Sr. Silveira Lobo :Ha de permittir
que n3o recoba regras de V. Exc. para o
uso da tribuna.
0 Sr. Visconde de Souza Franco:...
esperando que com a adopgio de seus prin-
cipios, sa o conseguh-, modifiquem-se as
leis e a constituigao.
0 Sr. Silveira Lobo :--Dd-rae *o direito
de lhe acrnselhar o cumprimonto de outros
muftos deveres.
0 Sr. Visconde de Souza Franco:-Ndo
devo responder agora ao aparte do nobre
senador ; fal-o-hei depois. IDcvia esperar
que, modificada a lei, ossa inculcada inno-
cencia se faga leg lmento elfectiva ; por ora
a innocencia ou culpabilidade results da
sentenga e ndo das palavras do nobre sena-
dor. Suas palavras quando muito podem
formar opiniao entre alguns. As sentengas
formam caso julgado, teem effeito executi-
vo, e a pena ha de ser imposta aquelle quo
o nobre senador chama innocente, mas
o interpreto da loi diz quee"culpado.
poiados.)
Senhores, fiquei muito admirado quando,
talvez para nos fazer calar, se disse, sdo ho-
mens virtuosos, exemplos de vlrtudes
0 Sr. Silveira Lobo:E sSo.
0 Sr. Mendee de Almeida :Apoiado.
0 Sa. Silveira Lobo: -Fazem honra
ao episcopado brasileiro.
0 Sr. Viscondi de Souza Franco :
Quanto mais elevado, mais instruido e o in-
dividuo, rcais obrigacao tem deobed-jer ds
leis de seu paiz e do cumprir seus deveres
sociaes. Nos paize* em que assim seen-
tendem a moral o a virtude, como na fn
glaterra, a elevag.ao do indivi luo accusado
e a sua illuslragao s3o motivos para fazer
pesar mais sobre elle o rigor das leis, por-
que sejulga que elle as entendia perfeita-
mente o sabia a extensao do- mal que prati
cava, violontando-as.
O Sr. Silveirv Lobo .Nao mate assim
o supremo tribunal.
0 Sr. Visconde ml Souza Franco :Estd
elevado, verdade : conhece seus deveres
e os cumpre.
0 Sr. Silveira Lobo : Tantomais obri-
gagao tinba...
OSr. Chichorro :Pode negar qye cum-
prio o seu dever ?
0 Sr. Silbeira Lobo: Jd mostrei.
(Ha outros apartes.)
0 Sr. Premoente : Atl/ong3o.
ft Sr. Visconde de Souza Fans:0
honrado senador queira ter a deferencia que
hootem .tivemos-para coavS. Exc, dvixan-
do-o fallar sem interromper, e s6 quasi no
Qmo quo se lbe deram a%uns apartes-.-
O-Sr. Silveira Lobo : Se V. Exc. quer,
ndo lhe daroi mais apartes.
OSr. Viscotoe de Socsk-Franco : NSo
quero que deixe de dar apartes ; o qeanao
desejo eser interrorapido eontinuadameate.
0 Sr. Presidente : Eu jd por vezes te-
nho reclamado attengdo.
0>Sr. Visconde de Souza>Franco :Fal-
la-se em virtudes-dos bispos presos ; mas da
XX
AGONIA DA MARTYR.
Os tres aventureiros nao s6 tomaram o
partido de Fernando, porque reconheceram
se reincidissem encontrariam um forte ad-
versario ; mas sobre tudo porque o autor
do crime que pretendiam perpetrar revol-
tou-os de um modo singular.
Quando pois Fernando alcangou que ha-
via obtido uma victoria sobre os instinctos
perversos de Eduardo, apertou com grando
satisfagao as maos dos facinoras, agrade-
cendo-lhes novamente terem accedido aos
dictames do sua consciencia.
No momento de apartarem-se, Fernando
esteadeu-lhes sua bolsa, antes como um
rasgo de liberalismo, do que qualquer pa-
gamento a mercenarios; mas jd vollados
para os horisontes da honra e probidade,
os tres athletas recusaram a offerta do mo-
go e gentil cavalhciro.
A sorte que e habil em formular o desfe-
cho de certos dramas, havia feito com que
n'esse momento uma especie de arvore do
inferno produzisse um fructo de ouro.
0 punhal, que ia ferir um coragao, vol -
tou-se para o espago, transformado n'uma
flamma luminosa.
E quem dera que sempre fosse assim !
Quem dera que a mulher ao ir atravessar
o precipicio da deshonra, encontrasse ds
bordas d estes um anjo tutelar que recondu-
zisse-a immaculada e pura ao lar paterno I
Quem dera que o juiz fraudulento e ve-
nal acudisse ao appello da justiga, ao ir
ultrsjar a moral publics eva sagrada mis-
sio quo lhe foi dada I
Quem dera em fim que nos instantes su-
premos, em que a ignorancia 6* sacrificada,
a innocencia corrompida, a hypocrisia sa-
tisfeita, a verdade condemnada, a corrup-
gfio protegida, a oppressdo dos povos ma-
nifests,um oraculo deDeuspairasse a flux
do firmamento e derramesse seus luzeiros
sobre a cabega de tantos desgragados I
Eduardo Mario ao retirar-se dacasaldo Sr.
Crus, tendo quasi certeza de que Theodori-
co ndo havia soffrido a menor cousa, procu-
rou a causa d'isso. DesconGando que ella
fosse a ausencia dos tres homens, percorteu
que- virtudes? Das religsosas? Das asse-
ticas?' ndo ha tambem virtudes sociaes,
civis-? Nao ha virtudes politicas ? N*o ha
virtudes mdraes? Serd virtuoso, moral, ci-
vil e politicamente aquelle que ataca as leis
de seu paiz? Ha virtude politica no inJi-
viduo, que dedara que as leis n3o derem
ser obedecidas-, que n3o se deve prestar o-
badiencia ao governo, que a constituigao e
heretica? NaV> e assim o paiz arrastado a
anarchia ? E aquelle que e causa dest
tremenda calamidado pode merecer o no-
roe do virtuoso.?
Deixemos que Deus Omnipoiente na hora
do passamento de cada um julgue de suas
virtudes asceticas ou religiosas ; elle s6 e
quem pode perscrutar os coragoes ; julgue-
mos nds, porem, das. virtudes politicas e
civis, que- se traduzem em actos e podem
ser melhor- julgadas pelos homens, e os dos
bispos de Olinda e do Pard estSo sob o juizo-
particular de todos e o legal- do primeiro
tribunal de justiga do imperio.
Devo abFir aqui um parenthesis ; n3o to-
ria-me expnmido desta sorte em dias an-
teriores ao julgamento do bispo do Pard,
em tempo em que o meu discurso sahisse ao
publieo antes de proferida a sentenga.
Bellos tempos eram esses, em que a au-
toridade da magistratura era tdo respeitada
entre n6s, que ninguem discutia naimpren-
sa uma causa em julgamento. Hoj,e pu-
blicam-se as razoes, os documentos e ate se
discute a decisdo futura, como que para in-
duir pala imprensa no juizo dos tribunaes.
Eu nuo teria dito antes da sentenga do
bispo do Pard x> que o senado me tem ouvi-
do ; ndo, porque pretenda dar ds minhas
palavras a forga, que ellas nio tan, da in-
tluir no animo dos juizes; mas em todo o
caso porque entendo qua, quanto mais dei
xados a si os venerandos juizes, mais pode-
roos contar com julgameolo digno de sua
sabedoria, longa pratica esevers imparciali-
dade. (Apoiados). Mas hoje que o processo
toca seu fim, e serd hoje mesmo proferida a
sentenga, no entretanto que minhas pala-
vras so pod'erdo ser lidas dias depois, posso
dizer que ndo devem aer considerados inno-
centes, virtuosos, os bispos que atacaram e
atacam as leis do seu paiz.
Onde esta a innocencia dos bispos ? Oude
a provucagao do governo ?
0 Sr. Vieira da Silva :Haja vista o
ollicio do bispo do Para ao Sr. ministro do
imperio, provocando-o para que o mandasse
processar.
0 Sr. Visconde de Socza Franco :E'
ridiculo dar como origem dosla grande
questao o facto de um discurso na macona-
ria ; era um inciJunta que devera paasar
desapercebido, ndo obstante a importaocia
do acto, que a festa e discurso moconico
commemoravam. A questao vem de otais
longe.
0 Sr. Silveira Lobo :Vem da idcie
media.
0 Sr. Visconde de Sotza Franco :Vem
d'ahi ; inlerrompeu-se por alguns annas,
gragas d maior illustracao dos ultimos secu-
los. Com a entrada do actual pontifice,
rondo a curia romana a Earopa em movi
mento contra os reis, e eRteudeuio podia
cbegar d consolidagdo da supremacia p-onti-
ficia, surgiram enldo com n*o viger seus
maiicjos coutra o poder temporal. Covne-
jcou enta j a tralar com a Suissar promeMaa-
do conceseoes a este governo republicaao, e
0 papa p6? sc d testa da revolugda-em Rmm
para d'ahi dominar a Italia.
Desenganado em poueos mezes e obrigado
a retirar-se para Gaeta, volveu saas vistas-
para outro lado; e ao seu regresso a Roma:
deu' principio d expadigao das bullas, ency-
clicas e lettras apostolicas,. que, corapilada'
hoje no Syllabus, poem patente o m> fim
de elevar o poder pontificio sobre auto-
ridade dos governos e liberdade dos poros.
E, senhores, como podemos saber quaes
eram as intengpes dos bispos do Part e de*
Peraambuco ? Simplesmente pelo qae di-
zem os nobres senidores? As intesgOes
mais-sentas, as pretengoes virtuosas qae se
lbes-attribue, devemos estuda-las nas pro
prias palavras dos bispos, aos seus escrip-
tos e- nos seus aetos. Niugcem tem direito
a se? crido a respeito de suas loteugdes se-
nao quando coroparadas com s*ms palavras
e com seus actos Oj actos a as palavras
explieam, mais do que qualquer outra co-jsa,
quaes eram e quaes sdo as inaangoos, os
pianos dos bispos de Olinda, de Pard, do
Rio de -Janeiro e...
Quaes forans. os actos des-btspas e priaci-
palmente do de Olinda, do Par* e do Rio
de Janeiro ? Comegaram, como muito bem
se diz no relatorio do miflistano do impe-
rio,. por chanter a si attrifcuigyes, qua per-
tenoiam ao poder executivo, e furtar-se i
cxesugao das leis. Contando coos a condes-
cep.dencia ds governo, principtaram a nio
por mais as parochias em conaurso, a no
meu parocbos temporaries, eocommeada-
doS) e contra a regra que o paaocho deve
sea perpetuo, os nomea-sam. aaoraeiaraso-
mante por um anno. Tentoa o do Pari fa-
zor calar a imprensa e-, nio o- conseguuido,
iocambio-se o de Olinda do arrostrar a au-
toridade das leis e do governo para que, ou
dominando as associagoes miitas do reli-
jioso com o temporal, engrossasse assitr.
seu exersito para os ataques successivos em
premeditagao; ou pondo am desordom as
familiae e sociedade ooai os ioterdictos que
a prelesto de bullas pontificias se julgavarr
autorisados para langar, plantarem a desor-
dem e obterem concess^es. As associagoes
ndo sao, porem, mixlas o mais temporaes e
civis do que roligiosas...
0- Sr. Menoes da Almeida da um
aparte.
0 Sr. Ybsmm de Souza Franco iDiz-
nos agora em aparte o nobre senador pelo
Maranhao, que pela Ord. do livro 1* as ir-
mandades sao religiosas e nao civis, de sor-
te que para o nobre senador todas as leis
poster)ures nao valem nada em vista das
Ord. do Reino I
0 Sr. Mendes de Almeida -.Nenhuma
revogou a Ord,
0 Sr. Visconde de Souza Franco:
E o que fez a lei de 22 de setembro de
1828 ? [Continuar-se-ka,
como espiao todos aquelles arredores.
Nao encontrou porem a nenhum d'aquel-
les re"os, que, a essa hora, tinham-se collo-
cado na posigao de accusadores. Bramio
de odio e desespero. Se, a dous passes de
distancia, tivesse dado face d face com o ir-
mao de Raphael, talvez que o modo des-
abrido, com que havia-lho fallado pouco
antes, nio recalcitrasse por calculo e es-
tudo. *
Elle parecia ter pordido a suprema par-
tida.
Logo que se convenceu de que os tres
homens raallograram-lhe a esperanga, reti-
rou-se, soltando a-imaginagao aos cem mil
mundos da perversidade, a ver qual seria o
mais enorme para cdm elle derrubar a ca-
bega de Theoiorico.
Este, fiel d sua palavra, ndo por brio
e probidade, mas por submissao e servilis-
mo, esperou longo tempo por Eduardo.
Assim porem que a demora o inquietou,
foi procurar aonde metigasse a sede devo*
radora de jogo.
A fatalidade portim foi quem mais uma
vez Hi 3 dirigio os passos. Elle passando
pela rua da infeliz Martha, descobrio uma
multiddo de homens e mulueres do povo
apinhada na porta da desgragada amante.
Parou, e depois aproximou-se.
Indagando alribuladamente pelo motivo
de semelbante reunido alii, alguem lh'o
disse, e, como uma pessoa que tinha entra-
da franca, abrio a porta e penetrbu no
funebre edificiozinho de Martha.
Martha, cercada de duas mulheres e um
homem, estava moribunda. Jd com a cdr
da morte estampada no rosto, tinha os bra-
gos descarnados em abandono, e o olhar
quasi gelado, como que mirando o ultimo
lampejo que a.estrella da vida espargia soli-
taria.
Theodorico, aquelle Theodorico que vi-
mos sem pejo o sem dignidade, estremeceu
todo quando vio Martha, e ficou como mar-
morisado. Pallido em extremo, como se o
sangue ardente d'aquellas veias tivesse-se
escapado por encanto, parecia que em seus
othos havia-se coalbado um mar de lagri-
raas.
Quando escostouse dborda do leito raor-
tuario, a pobre victima enterigou os mem-
bros hirtos ; e a croancinha que elle havia
tornado nos bragos, prorompeu n'um gritc
doloroso, como so a ossea mio de sua ma:
surprendesse-lhe a alma.
0 corpo de Martha tinha ficado immovoi
para sempre.
Theodorico tremulo e convulso ungio de
mil beijosa filhinha, e entregando-a apres-
sadamento a uma das mulheres, correu
para um canto e debulhou-se em torren-
toso pranto.
Dir-se-hia, ao ve-lo assim afllicto e com
movi do, que, com o rapido apagamento da
existencia de Martha, a luz que animou-a
resurgio em aurora de redempgio para elle
e para Armanda.
Com poaco a porta deu passagem a tres
homens.
Era Raphael, Fernando, e Paulo, sendo
este um dos tres aventureiros.
Raphael havia jd sabido de tudo que
dizia respeito d situacio de Theodorico,
por meio d'aquelles homens. No momento
em^ue um mensageiro do estado de Martha.
entao agonisante, foi procurar Theodorico.
n'aquella hora mesmo o irmio d'este diri-
gio-se com elles ao lugar em que a morte
fazia seus despojos.
Emquanto Raphael buscava acalentar a
a dor de seu irmio, admirado e sentido
d'aquelle espectaculo contristador,Fernan-
do dizia para Paulo, apontando tristemente
para o cadaver de Martha.
V6, Paulo. N'um dos sulcos d'aquel-
le fronte macerada, eu reconhego o 'pe
maldito de Eduardo 1
Monstro 1 exclamou Paulo.
Theodorico ergueu-se, e olhou pela pri-
raeira vez para aquelles homens. Recof
nhecendo-os, como que girou doudamente
pela terra, procurando a explicagio d'aquil-
lo, e exclamou para o irmio :
Raphael I Raphael I Que querem
estes homens ?!...
Tranquillisa-te, Theodorico. Slo leus
anjos depaz.
(Contmuar-*$-h*.)
NYP. DO D'AP.IO. RUA DCQUE DE CAX a!



!

J
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKDBK4D2I_G7LCBO INGEST_TIME 2014-05-19T20:47:37Z PACKAGE AA00011611_19347
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES