Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19338


This item is only available as the following downloads:


Full Text

I
AiVN'O L. MHEKO -59
PARA A CAPITAL B LVGABBS O.I'DB NA SB PAOA PORTE.
Por tres mezes adiaoUdos................ 6$000
for seis ditos idea..................129000
for um anno idem..................349000
Cad* numero avulso................. 9320
>
V
tfUINTA FEIRA 16 DE JULH0 DE 1874
PARA DEHTRO B FOR 1 DA PROVINCIA.
For Ires mezes adiantadoa.......'........
Por seis ditos idea................
Por now ditos idem................
Por um anno idem.................
69TB0
*0
PH0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILHOS.

.*;
s

i;


ii


f
9s Bra. Gerardo Antonio Aires d Filhos, no Pari; Gonijalves d Pinto, no Maranhio; Joaqnim Jose de Oliveira d Filbo, no Ceari; Antonio de Leruui Braga, no Aracatj ; Joiu Maria Jolio Chares, no Assd; Antonio Marques da Silva, Natal ; Jose Justiao
Pereira d'Almeida, em Hamangaape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose 'Somes, na Fila da Penha; Be'armiiio dos Santos Bulcio, em Santo Ant.io ; Domingos Josd da Costa Braga, em Nazareth;
Autonio Ferreira de Aguiar, em Goyanua; Joao Antonio Machaeo, no Pilar dasAkfdas ; AItfj d C.,na Bahia ; e A. Xavier Leite d C. no Rio Janeiro

IH51BUCUQ POPULAR
Tratado clemenlar de geographia
do Brasil, por iici'inii in Roperron.
nalurnl de Pornamhiifo.
ALACfl.VS (1874)
(Conclusarr)
RKPltESENTAC\0-
Senadores 1 ; deputalos geraes 5 ; ditos pro
vinciaes 30 ; eleitores 1,336.
Imprensa : typcgraphias 10 ; jornaes 4. ()
AMAZONAS (1873)
Do graude rio Amuzonas sederiva o norac des-
ta provincia.
I.imites : siluada entre i' 30' de latitude septen-
trional e 10* de latitude meridional ; 13* 34" 30'" e
"52* de longitude occidental do Rio de Janeiro, di-
vide ao N cum as republicas de Nova Granada e
Venezuella e com a Guayaoa ingleza ; a L. com a
provincia do I'ara (pelo rio Nkamundd, sorra dos
Parintins, donde segue uma recta a margem es-
cuerda do Tapajo: iefronte da cacliueira do To-
dos os Santos) ; ao S. com a provincia de Matte-
Grosso pelos rios Uruguatas e Giparana 00 Ma-
rhado (este affluenle do Madeira e aquelle A) To-
pajoz). e com as republicas do Peru e da Bolivia
(no parallelo de 10 de latitude sul) ; a 0. com es-
ta e com a de Nova Granada.Maxima extensao
N E. aS. 0. (das nascencas do Mahu asdoPu-
ris): S,t60 kilometros; IV. 0. a S E. (das nascen-
cas do Waupes a cachoeira de Todos os Santos) :
1.800 ditos. -Superfhie : 2,278:800 kiloin. qua-
d-ados, igual a dos quatro estados seguintes : Al-
iemanha, Franca, Hespauba e Italia com uma po-
pulacao superior a 112 milhSes de habitantes.
Solo : de formacao alluvial ; geralm9nte piano,
toaiKO e alagado ;.alto e pedregoso ao N"., oade cor-
rem as serras do systema Parima ; graude nume-
ro de rios (500) e paotanos ; immensas florestas
* eiastica ou arvore da borracha ; alguns campos,
fertilidade prodigiosa.Minas de prata ; crystal ;
marmoro ; gesso libroso, etc.Clima : muito quen-
la e muito humido nas terras baixas e alagadas,
nio assim na's terras altas e pedregosas quo sio
em consideravel extensao ; chuvas irregulares,
oorem, abondantes ; calor excessivo. A" excep-
',..- das margens alagadas de alguns rios, o pait e
Jiidio. _
Sarras : alera das que Ihe servem de limites, Ta-
eamiaba ou Pellada nas margens do Nlmmundd ;
Cicuhy no rio Negro; dos Crystaes enire as ver-
tentes do Tacutu' e SarumuVem cujo cimo ba am
grande e profundo lago ; do Rabbino ; Cunauaru' ;
Curaaty ; Tanahy entre os rios I&ma e Ixie, Ca-
noxia-etc.
Rios : Amazonas eu das Amazonas (Parana-
Ciassu' e Guayana dos indigenas; Mar Dace, de
Pinzon; rio das A mazonas, de Pizarro ; Orelhana,
dr primeiro europea que o explorouj, Amazo-
nas desde a foz ate a confluencia do rio Ne-
ao ; Solimoes dalii ate a c mfluencia do Ucayate,
e Maranhdo dahi em diante ; o rio man fundo e
miior; origem no lago Lauricocha, districto de
11 lanaca, departamento de Tarma (Peru'); saho
da extremidado. oriental com o nome de Tangara-
g>% ; depois de um curso de 4,200 kiloin., entra
ha Brasil, em Tabatinga ; foz do Atlantico (entre
o cabo N^rte e a ilha Marajo) com 180 k. do em-
hoccadura (descoberta em loOO.'por Vicente Yanez
Pinzon) ; curso 7,203 k., dos quaes 3,000 no im-
perio ; valle do 936 milhoe^ de hectaros ; tumpe-
ra'ura media, segundo Agassiz : 28* 1|2 c. ; lar-
gura media o k. (no pongo Mmsariche, canal de
12 k. de extensSo entre rochedos de grande altn-
ra. tern apenas 35 metms) velocidade media 2 l|2
a 't milhas por hora ; flux > e refluxo ale Obidos,
900 k. de mar ; enchente duranle seis mezes e
vazante dnrant-t igual perio Jo ; notavel embate
das aguas do rio com as do mar cm as luas novas
i! cheias, vencendo afin^l as de-te com grande rui-
do : e o quo os naturaes chamavam e ainda cha-
mum Pororoca ; navegado a vapor desde a foz ato
.t conflaeacia do Iluallaga e na extensao quo atra-
vessa o imperio por 35 vapores mercantes com
9.120 tonebdas ; en'retanto o mesmo Agassiz ava-
il a* em 50 mil contos o dcsaproveitamjnto annual
11 ao coramercio em 7 de setembro le 18d7.
Aflluentes prin*ipaes da margem esquerda quo
banham a provin-ia (4) : Putumiyo (no Equador)
ou Ira (no imperio) ; o-igL-m nas serras de P.isto
naqu'ella republiea ; commanieacao com o lapurd
por don* canaes, Pet hid o Purcus ; lapurd ; o
maior afllnente depois dj rio Negro ; or gem em
Popayan (Nova Granada, onde sechama Caquetd);
navegavel 961 k. arima de sua foz ; curso rapido
)bstruido por innnmeraveis cachoeiras ; commu-
nicacao com o no Negro. Rio Negro (Giiayary e
GuriguacurtC do indigena, e acima das cachoei-
ra* Ueneid) ; origem em Nova Granada ; aguas de
uri escuro tSo fechado que parecem tinta preta,
porem, sao realmenti cflir Je ambar, purasesu-
daveis ; margens nao infectadas de insect >s nem
do^ntias, razao porqiR oa barqaeiros indigenas fa-
zein exclama;oes de alegna qnando entram n^ste
ric : pedras em todo o leito ; curso 1,440 k,: dos
quaes 450 obstruidos pir cachoeiras prineipaes :
Taruman, Camanao.-, Farnas, Cnruby e S. Ga-
briel ; amaipr parte entr.^ S. Gabriel e Minaos ;
Taruman, a'ma.s linda, 24 k. de Manaos ; 17 me-
tro* de altura ; 4 milha* do correnteza ; ruido na
ditaneia de 12 k. Estreitando consideravel uenie em
.hu.i foz descoberti em 1637 pelo capit.lo-mor Pedro
Teixeira, dahi a 12 k. tem di 24 a 36 de largu
ra ; communicaQio com o Orenoco pelos canaes
Inirida, Parana, Pacaviea, Tumbu' e Cassiquara ;
valle de terceira lormaQao geologica. Rio Bianco,
affluento da N"Kra, a 324 k. de sua foz, assim cha-
mado desde a juncclo do Tacatu' e Urariroera ;
curso 660 k.; navegavW por barcos que nao de-
mandem mais do lm,50,a excopcao de 30 k. Em
suas margens, encontra-se a Sumaumeira, arvore
gigintesca. G. wallis medio uma que tinha *i8
me ro3 de diametro na copa. Nhamund, origem
na Guyanna brasileira ; divide o Amizonas em
alto e baixo, e n^slo Fio se lanca por duas boccas
dlstantes 84 k. uma da outra ; coramunicacao
Com o Tromiielas poneo acima de sua foz. Em
suas margens, Frantfisco Orelhana, combatenlo os
IcamiabaT, indios sem barba e de gentil aspecto-
aoreditou serem mulberes guerreiras, as quaes de,
n M-iintu Amazonas.
(Cantinuar-se ha.)
MRTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
KXPKDIE.'JTE DO DIA 6 DE MARCO DE 1874.
l.' $ecf3o.
Acto :
0 presidento da prsvincia, atlendendo
ao que requerou Antonio Machado Pereira Vianna,
resolve conceder-lne licenca para embarcar com
destino an p.-esidio de Fernando de Noronha no 1
vapor que para alii seguir, a serem entregues a
Clenente de MagalbaesSilva.osgenerosconstantes
da rela;ao jaota, assignada pelosecretario da pre-
sidencia, os quaes pao poderao ser desembarcados
sem que por parte do commandante d'aquelle
presidio se nroceda o exame, alim de se veriGcar
(*) Sernpre que os dados estatislicos se n5o re-
ferem ao anno de 1872. iodica-se a data n'am pa-
renthesis.
I si naaguardente ou outra qualquer bebida aspi-
!rituos:i.
OfOcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante da9 annas,
Transmitto a V. Exe., para os fins convenientes,
a rela^ao junta em duplicata das alteracdes occor-
ridas, d^rante o mez de fevereiro ultimo, com o
tonente do 9* batalhao de infantaria, Francisco
Ignacio M noM le Lima, que exerce interinamente
n lugar de ajudante de ordens da presidencia da
provincia do Rio Grande do Nolle.
Ao director do arsenal de guerra.Trans-
mitto a V. S. para os fins convenientes a inclusa
copia do exame feito nos artigos do fardamento
que vieram da cd te com destino ao 9 ba'alhao
de irjfanlaria, acondicionados em 41 volumes.
Ao mesmo. Oeciarando-me o Exm. bri-
gadeiro commandante das armas em offlcio de hen-
tern datado, sob n. 187, nao coder ter lugar atro-
ca, conforme resolvi, do correame fornecido ao 9'
batalhao de infantaria, em razao de ja estar o mes-
mo correame envernisado preparado e dislribuido
pelas pracas d'aquelle batalhao; assim o commu-
nico a V. S. para seu conh-cimento e em addita-
mento ao meu officio de 27 de fevereiro flndo.
Ao mesmo. Mande V. S. por nV*se arsenal,
a disposicao do Dr. chefe de policia, 150 espoletas
para serem fornecidas ao subdelogado da villa de
Ouricnry, como solicita a primeira das referidas
autoridades em seu ofli-io do 4 do corrente,
n. 136.
2." sec0o.
Actos:
0 prejidente da provincia rejolve no-
mear o bachsrel Jos" Bonifacio de Sa Pereira pro-
motor pnblico da camara de Barreiros.
0 presidente da provincia, attendendo ao
qua requereu o juiz municipal e dc orphans do termo
de Cimbres, bacharel Francisco Domingues Ribeiro
Vianna, resolve con ederlhe, a contar do dia 14
de fevereiro proximo Undo, 3 mezes doiliceni;a
com vencimentos, na furma da lei, para tratar
de sua saiide.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.Em virtuda do
officio, laelnso por copia, que o Ex in. presidente
da Parahyba me dirigio era 2 do corrente, expeca
V. S. suas ordens, alim de que as autoridades
policiaes d'esta provincia prestem todo o auxilio
possivel a uma forca de llnha que pariio para a
comarca do Pombal.
Ao raesuo.Refenndo-mo a parte diaria
il'i'.-s.i repartigio, de 4 do corrente, recommenpo a
V. 9. que cxpeQa terminantes ordens, alim de
serem captnrados Antonio Janmrio, qne no ter-
mo do Buique assassloou a Joao Leite d'Araujo, e
Pedro Ignacio por ter nafregoezia do Cabo ferido
gravemente a Joao Pedro.
Ao commandante superior do Cabo.Para
satisfazer. ao que solicita o Exm. brigadeiro com-
mandante das armas em officio de hontem datado,
sob n. 186, e poder este dar cumprimeoto ao aviso
do ministerio da guerra, de 19 de fevereiro ul-
timo, sirva-se V. s. de exigir do tenente coronel
commandante do batalhao' n. 39. da gnarda na -
cional sob sea commando superior, que declare
si o guarda do mesmo, Jose Pedro S'elloso da Sil-
veira, depois de desiguado para o servico da
guerra do Paraguay, para onde marchou em de-
zerabro de 1866, apresentou-se voluntariamente'
ou si foi a i to coagido pela autoridade corapetente.
Ao commandante superior de Garannuns,
Buique e Bom Conselho.Expeca V. S. suas or-
dens, no sentido do ser reluzido o destacamento
da guarja nacional sob seu commando suparior,
existente em Garanhnns, a 10 pracas, que deve-
rao Hear sob o commando do tenente de policia
Manoel Aprigio de Moraes, que para ali seguio,
sendo dispensado oalferes' que actualmento com
mania o dito destacamentc.
Ao juiz dsd.reitodoCabo.Em officio data-
do em 16 de fevereiro proximo passado, cobrindo
outro do juiz municipal do termo de Ipojuca, da-
tado em 11 do mesmo mez, em que submettia a
seu cunhecimen'.o o facto de se nao poder execu-
tar um man la Io do busca e apprehensito, passado
a favur de D. Olympia de Sa e Albuquerque, con-
tra o tenente coronel Caspar Cavalcante d'Abu-
querq oe Ucboa, tenho a dizerlhe em resposta,
alim de fazer con-tar ao meneionado juiz, que
elle acha nas rttribuigdes do seu cargo amplos
recursos para fazer cumprir suas ordens legaos,
eque assim nada ha qua proyiJenciar adminis'-ra-
tivamente atal respeito.
Ao 4. juiz substltuto da capital, bacharel
Luiz Ferreira Majiel Pinheiro.Em resposta a
consulla por Vmc. feita em stu offijio de 4 do
corrente, tenho a dizer-lke que procedeu regular-
mente requisitando, por meio do portaria e nao
de officio, os pre;os recolbidos a casa de deteu-
gao, Como pretende seu administrador, uma vez
que o art. 89, por elh citado, nao comprehende
as ordens que neste seulido lite teem de ser trans
mittidas pelas autoridades criminaes, que neste
caso sn seguem pelo (jue se acha disposto no art.
110 do rogulamenlD n. 12), combinado com o art.
91 11 do regulam into para a mesma casa de
detengao, cujas disposicues nao podiara derogar o
citato regulamenlo nf 120.
Ao adoiinistrador da casa de detenc.So.
Para sua execucao e fins convenientes transmitto
a Vmc, por copia, a decisao que dei sobre a con
sulia foita pelo 4. juiz substituto desta comarca,
a respeito do modo por que se devera requisitar
os presos recolhidos a casa de deienc,ao.
3." secQao.
Offlcios :
Ao iaspeCtor da tuesouraria de fazenda.
Daelaro a V. S. paia seu couhuciraento que nosta
data relevei da multa em que incorreu o capitao
Firmino Tlieotonio da Camara Santiago, sobre que
versa a informacao dessa thesouraria, de 5 do cor-
rente, s >b n, 854 sorie F.
Ao mesmo. Tendo o juiz de direito, bacha-
rel Joao Ilircano Alves Maciel, reaiovido por de-
creto ae 13 de novembro do anno proximo findo
para a comarca de Nazareth, assumido o exerci-
cio das funccoes daquelle cargo a 1 do corrente ;
assim o coramunieo a V. S. para os fins conve-
nientes.
Ao mesmo.Tendo o bacharel Agostinho de
Carvaiho Dia* Lima, noraeado por decreto de 20
de dezembro do anno proximo findo juiz de di-
reito da comarca dc Bom Jardim, assumido o
exercicio das funccoes daquelle cargo no dia 26 de
fevereiro ultimo ; assim o communico a V. S.
para seu conheciment<> e fins convenientes.
Ao mesmo Tendo o bacharel Thomaz Ar-
gerairo Ferreira Chaves silo nomeado a 28 do
mez proximo findo pelo re*peclivo juiz de direito
para exercer interinamente as funcgoes do cargo
de p/omotor pnblico da comarca de Bom Jardim ;
assim o communico a V. S. para 6s devidos fins.
Ao mesmo.-Tendo o juiz municipal do ter-
mo de Itambo, bacharel Menelao dos Santos da
Fonceca Lima, a i do corrente entrado no gozo
da licenca de trinta dias quo lhe foi concedida
por portaria de 3 do mez proximo findo ; assim o
communioo a V. S. para os fins con enientes.
Ao mesmo.Tendo sido nomeado promotor
pnblico interido da comarca de Pao d'Alho o ba-
charel Jose da Cunha Ferreira, e na mesma data,
26 do mez proximo find assumido o exercicio
das funccoes daquelle cargo ; assim o communi-
co a V. S. para os fin convenientes.
Ao mesmo.Tendo o juiz municipal do ter-
mo de Bom Jardim, bacharel Austerliano Correia
de Crasto, reassumido o exercicio das funccSes
do seu cargo no dia 20 do mez proximo pas-ado ;
assim o communico a V. S. para os devidos fins.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juiz municipal e de or-
phaos do termo de Nazareth, bacharel Pergentino
Saraiva de Araujo Galvao, sssnmioo exercicio das
funccoes do seu cargo a 1 do corrente.
Ao mesmo.-Para os fins convenientes com-
munico a V. S. que o 3.* supplente do juiz substi-
into da pmvedoria de capellas e residues desta
comarca, bacharel Francisco do Rego Bap'.ista, as-
sumio o exercicio das funccoes daquelle cargo no
dia 3 do corrente.
Ao mesmo.-Para os fins convenientes com-
munico a V. S. qne o juiz municipal dos termos
de Floresta e Tacaratii, bacharel Jose Maria da
Rocha Carvaiho, a 1 do corrente*entrou no gozo da
licenca de trinta dias qne lhe cone den o Exm.
presidente do tribunal da relacao desta provincia
por port iria de 26 do mez proximo findo.
Ao mesmo.Tendo nesta data ordenado que
o destacamento de guardas nacionaes existente
em Garanhuns fiqne reduzido a 10 pracas sob o
commando do tenente de policia Manoel Aprigio
de Moraes, que para alii seguio, e dispensado o al-
feres que commandava o dito destacamento ; as-
sim o communico a V. S. para seu conhecimnnto
e tins convenientes.
Ao mesmo.Declaro a V. S. para seu co-
nhecimento que usUdltt deferi o requerimento
de Isaac Barbosa Nogueira de Barros, no qua!
pede seja relevado da multa que Ihe foi imposta
pelo collector de Villa Bella.
Ao mesmo.Tendo comraunicado o Exm.
presidente da provincia do Rio Grande do Norte,
era officio de 26 do mez finio, haver marcado na-
qnella data o prazo de trinta dias ao 2." escriptu-
rario nomeado para essa thesouraria, Joaquim
Alonso Moreira de Almeida, aflm de seguir a seu
destino ; assim o communico a V. S. para seu
conhecimento.
Ao inspector da thesouraria provincial. -
Mande Vmc. pagar ao engenhe nie, chefe da reparticao das obras publicas, a
quantia de 333x313 de* ajuda de eusto a que tem
elle direito em virtude de seu nontracto ; correndo
e.'sa despoza por conta da verba- obras publicas
ou pela deeventuaes
Ao mesmo.A' vista dos documentos juntos,
mande Vmc. pagar ao conego Luiz Jose de Olivei-
ra Diniz, coadjutor pro parocho da fregnezia de
Nossa Senhora do 0' de Ipojuca, os vencimentos
relativos aos mezes de Janeiro e fevereiro ul-
timos.
Ao mesmo.-0 bacharel Ezequiel Franco de
Sa, nomeado director geral interino da instraccao
publica, entrou no exercicio Jesse lugar no dia
4 do corrente, segundo o seu offlcio da mesma
data ; o que communico a Vmc. para os devidos
effeitos.
Ao mesmo.Tendo sido nomeado o bacha-
rel Ayres de Albuquerque Gama para exercer in
terioamente o cargo de director da escola normal
durante os trabalhos da assemblea provincial, ondt
se acha com assento o respective director, entrou
aquelle bacharel no exercicio do lugar do dia 3
do corrente ; o que communico a Vmc. para os
(Ins convenientes.
Ao mesmo.Nos termos da sua informacao
de 27 de mez findo, sob n. 108, mande Vmc, pagar
a Bento Antonio de Oliveira Liberal a quantia de
37*666, por conta da de 89*382, provtraiente de
alugueis de uma casa que no povoado dos Montet
servio de quartel ao respective destacamento du
rante o tempo indicado na cilada informacao, fi-
cando o restante para ser pago quando for votado
credito pela assemblea provincial, visto'pertencer
ao exercicio findo de 1872 a 1873.
Ao mesmo.Declaro a Vmc. qaefica appro
vada a arremaiacao da obra dos reparos de 20"
de empedramento na estrada do Limoeiro, feito
por Antonio Luiz Marques, com o abate de 13 por
cento do valor do respective crcamento, confor-
me seu officio de 6 do corrente, sob n. 120.
4." seceao.
"Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia da Parahy-
ba.Respondendo ao officio de V. Exc, sob n.
1162, e datado de 2 do corrente, em que solicit* .-e
providencie no sentido de ser auxiliada nesta pro-
vincia uma forca de linha que seguio para a co-
marca do Pombal, tenho a dizer a V. Exc. que
nesta data se expediram as ncossarias ordens a
este respeito.
Ao Exm. presidente da provincia do Rio
Grande do NorteNesta data dou scieocia a the-
souraria de fazenda desta provincia de haver V.
Exc, couforme communicou me em officio de 26
do mez findo, marcado o prszo de 30 dias ao 2
escripturario nomeado para aquella reparticao,
Joaquim Alonso Moreira de Almaida, alim de se-
guir a sen destino.
Ao Kvm. I'r. Fidelis Maria de Fognano, di-
rector da colonh orphanologica Isabel.A este
acompanham : uma caixa com 48 frascos de tm-
turas homeopathicas ; uma carteira com 36 tu-
bos de medicamentos em globules ; um exemplar,
em portuguez, da obra do Dr. Jarh ; e mais 7
obras, em francez, de medicina homeopathiea.
Com estes dados julgo ficar V. Rvma. habilitado a
prestar nessa eolonia importantes services a saiide
publica.
Portarias:
A' Illma. camara municipal do Recife.
Achando-se extincta a .verba decretada no 4 do
art. 1* da Im provincial n. 1126, de 18 de junho
do anno passado, autoriso a Illma. camara munici-
pal do Recife a abrir um credito a referida verba,
na imporlancia de ciacocontos de reis, segundo so-
iicita em seu otQcio de 4 do corrente, sob n. 13,
para occorrer as despezas constantes do m :s n i
uili-iii, que.lica assim respondido.
A' mesma. Para que esta presidencia re-
solva sobre a arremaiacao da obra dos repa-os da
pontezinha do Lucas, a que se refere o offlcio da
Illma. camara municipal do Recife, de 4 do cor-
rente, sob n. 12, eumpre que a mesma Illma. ca-
mara remeita a planta e ercaraento da referida
obra.
5.* seceao.
Offlcios :
afini.de serem fornecidas ao subdelegado da villa
do Ouricury.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. president da pro-
vide** Wanda ommunicar a V. S. que, deconfor-
midide com o snlicitado em seu offlcio do 1 do
corrSole, ocdenou a redncc/io do destacamento de
guardas nacionaes existences em Garanhuns a 10
pratis, sob o command) do tenente le policia Ma-
noel Aprigio de Moraes, ticau-11 dispensado o al-
ters* que actualmente commanda u dito destaca-
mestto.
Ao juiz de direito da Escada 0 Exm. Sr.
presidente da provincia inandi accusar o recebi-
meat) do offlcio do V. S., datado de 28 do mez
proximo passado, em quo participa haver designa-
do o ad junto do prom)tor publico dessa comana,
no ter no de Gimelleira, bacharel Vicente Tavares
Rodiigues Lima, em falta doadjnnto do termo da
Escada, para substituir o prom .tor da comarca.
Aojuizde direito interino do Buique.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o retebirasnto do offlcio do V. S., de 12 de fevo-
reire ultimo, participando ter convocado, naquel'a
data, a 1* sessao do jury desse termo para o dia
12 dteste mez.
Ao juiz de direito de Bom Jardim, bacharel
Agostinho de Carvaiho Dias Lima.9 Exm. Sr.
presidente da provincia manda accusar o recebi-
mento do offlcio de V S., de 26 de fevereiro pro-
ximo findo, participando ter naqnella data assu-
mido o exercicio do seu cargo, e remeltendo a cer-
tidio passada pelo respectivo escrivaa.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar o recebi mento do officio de
V. S., de 28 do mez proximo findo, em que partici-
pa ter noraeado naqnella data o baetaret Thomaz
Argsmiro Ferreira Chaves para etefeer interina-
mente as funccoas io targo de promotor publico
dessa comarca.
Ao juiz de direito da comarca de Nazareth,
Jo5o Ilircano Alves Maciel.De ordem de S. Exc.
o St. presidente da provincia, accuso o recebiraen-
to do offlcio de V. S., da i do corrente, participando
qnea i doste moz assuraio.como consta da respecti-
ve certi lao, que acempannou o dito offlcio, o exerci-
cio das funccSes do cargo de juiz de direito da co-
marca de Nazareth, para o qual foi removido por
decreto de 15 de novembro do anno proximo
fisdo.
Ao bacharel Francisco do Rego BaptisU, 3*
supplente do juiz substituto dapnvedoria de ca-
pellas e residues da capital. 0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda accusar o reeebiraento
do offlcio de V. S., de 3 do corrente, participando
ter aaquella data assusido o exercicio das func-
coes d) cargo de juiz substituto da provedoria de
capellas e residoos desta capital.
Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Itambe, bacharel Menelao dos Santos da Fooseca
Lins. Do ordem de S. Exe. o Sr. presidente da
provincia, aecuso o recebimento do offlcio de
V. S., ds 1 do corrente, participando ter na mes-
ma data entrado no g >so da licenca de 30 dias qne
lhe foi concedida por portaria de 3 do mez pro-
ximo passado.
A3 bacharel Jose Maria da Rocha Ctrvalho,
juiz municipal de Tacaratd e Flore*U. S. Exc. o
Sr. presidente da provincia manda accusar o reee-
biraento do offlcio de V. S., do 1* do corrente, par-
ticipando ter naquella data, entrado no goso da Ii -
cenca de 30 dias que lhe foi concedida pelo Exm.
presidente do tribunal da relacao.
Ao bacharel Austerliaoo Correia de Crasto,
juiz municipal de Bom Jardim. 0 Exra. Sr. presi-
dente da provincia manda accusar o recebimento
do offlcio de V. S., de 26 do mez(proximo findo,
participando ,ter naquella data reassumido o exer-
cicio de sen cargo.
Ao bacharel Pergentino Saraiva de Araajo
Galvao. 0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da accusar o recebimento do offlcio de V. S., do
1 do corrente, communicaodo ter naquolla data
assnmido o exercicio do seu cargo.
Ao bacharel Jose da Cunha Teixeira. promo-
tor publico interino de Pao d'Alho 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda accusar o recebi-
mento do offlcio de V. S., de 28 do mez proximo
findo, participando ter a 26 do dito mez sido no-
meado promotor publico interino dessa comarca,
e na mesma data assumido o exercicio das func-
coes daquelle cargo.
4.' secgao.
Offlcios :
Ao secretario da assemblea provincial.
N. 12.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, remetto a V. S., para fazer presente a
assemblea provincial, o relatorio da camara muni-
cipal do Recife, referenle ao exercicio de 1872-73 ;
o balancete da receita e despeza para o futuro
exercicio de 13744*5 ; a tabella que tem de ser-
vir de base a decretacao dos different's imposlos ;
e o balance da receita e desoeza do exercicio de
1872-73, acompanhado de 853 documsntos com-
probatorios. Todos estes papeis foram e.idere(ja-
dos pela referida Illma. camara a S. Exc. o Sr.
presidente da provincia era offlcios de 4 de corren-
te, sob ns. 9 e 10.
Ao mesmo.N. 13.Em resposta ao offlcio
de V. S, de 5 do corrente, sob n 6, solisitando
copia do contracto da companhia F.rro-Carril des-
ta cidade, para ser apresentada a assemblea pro-
vincial, cabe-me dizer que em officio de 24 da
marco do anno passado, sob n. 43, foram remetli-
das para o fim solicitado copias do referido con-
tract) e do termo de modific .oao do mesmo:
Ao mesmo.-N. 14.Em resposta ao offlci
de V. S., de 4 do corrente, sob n. 5, remetto o
abaiso assignado que o barao do Buique e outros
cidadaos, moraderes no Brejo, dirigiram a presi-
dencia da provincia, representando contra os in-
convcalentes que resuliam da matricula do gado
cavallar, e copia das ioformac5es a esta respeito
rainislradas pelo inspector e procurador fiscal in-
terino. da thesouraria provincial, fgualmeote re-
metto uma copia de todos os documentos relativos
as occurrencias havidas em Buique, por occasiao
de por-se em execucao o regulamenlo sobre o art.
15 15 da lei n. 1,115, de 17 de junho do anno
passado. Ainda em satisfacao a materia do offl-
Ao enRenheiro chefe da reparticao das obras ci) de V S., cumpre-me scientificar-lhe. para que
publicas.Communico a Vmc. para seu conheci-
mento e devidos fins que nesta data exarei na pe-
t'cio dos contractantes da estrada do norte, da Cna"
da Mangabeira ao engenho Bujary, Antonio Fran-
cisco Paes de Mello Barreto, Dr. Joio Cavalcante
de Albuquerque e Thomaz de Carvaiho Soares
Brandao, o seguinle despacho : Approve-so a
novadirecc.au; imponham-se as mullas estipula-
das no contracto-; conceda-se para a conclusao o
prazo improrogavel de oito mezes ; fiijando todas
estas modificacoes dependentes da approvacao da
assemblea provincial, a
Ao mesmo. Communico a Vmc. para os
fins convenieites que appfovei a arremnacao da
obra dos reparos de 20 de empedramento na es-
trada do Limoeiro, feita por Antonio Luiz Mar-
que > perante a thesouraria provincial, com o aba-
te de 13 por cento.
Ao engenheiro fiscal interino da e3trada de fer-
ro do Recife a S. Francisco.-Em solucao a con-
sulta do antecessor de Vmc, exarada em offlcio de
23 do mez passado, respondo com a informacao,
por copia, da thesouraria de fazenda. -
EXPEDIENTE DO SECRETiVRIO.
2.' seccOo.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.0 Exra. Sr. presi-
dente da provincia manda communicar a V.
S.^ra resposta ao seu offlcio de 4 do corren-
fique inteirada essa illustre assemblea, que o Exm
Sr. presidente da provincia em portaria de 19 de
novembro do anno passado, junta por copia, pro
rogou o prazo concedido para se encerrar a matri-
cula creada pela lei citada ; que por emquanto
nao ha dados seguros pelos quaes se possa julgar
da renda do imposto decretado pelo art. 15 da >ei
n. 1,115, mas e crivel que nao seja pequena. Sao
estas as informacSes e esclarecimentos que per
ordem do S. Exc. o Sr. presidente da provin:ia,
posso prestar a V. S. para sersm presented a assem-
bles, que resolvent como entender a respeito.
5* seceao.
Offlcio :
Ao engenheiro Victor Fournie.De ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, communico a V.
S. que nesta data se expedio ordem a thesouraria
provincial no sentido de ser paga a V. S. a quan-
tia de 33J43)3, constante do seu offlcio de 3 do
corrente, sob n. 59.
DBSPACHOS DA PRESIDBMCIA, DO DIA 14 DE JULHO DE
1874.
Alexandrina Maria da Conceicao. Informe o Sr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Alexandre da Silveira Lima Veneno.Nao tem
lugar o qu.e requer o supplicanto, nSo s6 porque
offereceu-se ao deregado litterario do districto para
peza alguroa com relacao a lees servicos. |ar.3es ruraes um certo perigo-sio a intimac,
An^ Joaquina do Sacramento.- Seja p)sto em fraadolenla da demoeraei*. (t*" verdade >' i
I/em '. ) Fallam a nossa lingaa ; pare lum as nos
liberdada.
Bento Augu*to da Silva.Inleferido.
Felipoe de Figueiroa Faria.-Deferido com offl
cio desti data, a thesouraria de fazenda.
I-'elippe de Santiago e Albuquerque.Informe o
Sr. Inspector do arsenal de guerra.
Francisco Jose Alves Guimiraes. Informe o
Sr. inspector da thesouraria da fazenda.
Padre Francisco Antooio Pereira Bastos.Apre-
sente o snpplicante a sua provisao na secretaria
desta presidencia, para os fins convenientes.
Ignacio de Barros Barret). Deferid.0 com offl-
cio desta data,, dirigido ao thesouro provincial.
Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passes
da igreja do Corpo Santo. Dirij i-se ao-lhesouro
provincial.
J io Pedro Jesus da Malta.Informe o Sr. ins--
pector do thesouro provincial.
Bacharel Jose Climaco lo Bspirito Santo. Pas-
se portaria na forma requerida.
Major Leodegirio Correia de Oliveira Andrade.
Passe portaria, concedendo a licenca pedida,
sendo o supplicant': subuituido polo agente dos
generos de estiva.
Bacharel Manoel Gomes Viegas Junior.Infc r-
me o Sr. engenheiro fiscal, ouvin 1) o gerente.
Miranla k Irma). Deferido com offlcio desta
data, dirigido ao thesouro provincial.
Samuel Lopes Delgado de Maroja. -Indeferido.
Frei Veoaaeio Maria de Farrata. Informe o Sr
inspector da thesouraria da fazonia.
Reparticao da policia.
I.' seceao__Secretaria de policia de Pernambuco,
15 dejulho de 1874.
N. 847.Illm. e Exm. Sr.-l'articipo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a casa de deten;ao
os individu .s seguintes :
A' minn'a ordem, PantaleSo, escravo de Firmino
da Costa Villar, por andar fugido.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Joao Gal-
dino de Oliveira, preso em fiagrante, por crime de
furto.
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio,
escravo de Eleuteri) Doruelias de Mello, por ai-
der fugido.
Hoja ainanbsceu arrembado e roubado o aeou-
gue site a nu Imperial n. 190, pertencente a Joao
Chrisostomo de Albuquerque, con*tando o roubo
de 86<000 em cobre 0 subdelegado fez a visto-
ria e prosegue nos termos da lei.
Na madrugada da hontem, evadiram-se da ca-
deia de Gamelleira, Antonio Fructuosb q te esta
sendo processado por crime de morte e Paulo Go-
mes da Silva, pronuaciado como incurso nas pe-
nas do art 201 do codigo criminal.
0 delegado prosegue a tal respeito nos termos
da lei, e diligeneia a captiira dos evadidos,
Deus gnarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
nenda lor Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidents da provincia -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Araujo.
to, n. 316, que nesta daia manda pdr a suaJprestaros servicos" a qae allude, gratuitamenle,
disposiQao.no arsenal da guerra, 150 espoletas,como porque esta presidencia nao autorisoudes
EXTERIOR.
Franca.
DISCURSO r-RONUXCIADO POR GAMDETTA EM AW-
XBRRB, DEPART .MENTO DS YON .SB.
(Continuacao.)'
Assim pois, senhores, nao se eng.inava o ho-
mera fatal e poderosissimo, que hi eerci do oito
annos, desculpai-me este relancear de olhos re-
trospectivo, acudia ao vosso paiz quando combi-
nava os derradeiros calculos da sua politica de
aventuras dynasticas. Nao se illudia acerca do
caracter destes povos, era 1866, aquelle enygma-
tico e tenebroso iraperador, aquelle chimerico che-
te de estado, qua proseguia atravez da Euro pa,
por entre o tramar do todos os p que phantasticas combinaQoes de predominio e de
reparar;5o, para distrahir o espinto publico; que
senlindo se tornado pelas costas por uma democra-
cia despei'ta la, sensata, nao achava outra sahida,
para se dosembaracar de tacs apuros, ja muito
molestos, senao passar a fronteira e atirarse a
aventuras (Sim E' isso Muito btm \) Tinha
aqui vindo, em 1866, algumas semanas antes de
Sadowa, e dizia, naquella linguagem que era um
verdadeiro sophisma perpetuo, e como que um
rapte feito ao peosamanto democraiico :
" So respiro a vontade no centn- destas popula-
Qoes patrioticas; e no meio deltas (jue encontro
o genio da Franca "
Mentireso execrando e tres vezes,maldito IF.x
plosao de applausos.) Nesse dia explerava o sen-
timento sempre olfegante da nacSo de acabar com
as pretencdes dos regimens passados; ja sabia que
estava em presenca de uma deraocracia ordenada,
forte, poderosa, serena e segura na sua soberania.
Que queria elle i Explorar o seu sentimento de
altivez nacional, tao legitimo. (Sim '. sim Bra-
vos repetidos.) E dizer que fazia tolas estas cou-
sas so impellido pelo medo que linha da cpiuiao,
i1 a opiniao quo bramia ja contra elle nas cidades,
e contra a qual cuidava, pobre tresloucade, tristo
somnambulo procurar um refugio nos campos!
Como se os c-nnpos tivessera imeresse differente
do das cidades; como se os campos nao tives.-em
sido creados, amanhados, emancipados pela revo-
lucao franceza, e como se, era cada leira onde tra-
balha um aldeao, nao houvesse um proprielario,
um francez, que dave ao mesmo tempo a sua dig-
nidade, a sua independence material e o seu titulo
Ue ciJadao a essa revolucao, que injustamente lhe
apresentara como origem das nossas perturbaeoes
e como raiz de todos os seus males! (Muito bem !
muito bem I Tres salcas de applausos.) Esse
horaem, senbores, que, ai de nos I... reinou em
Franca, levava a tal ponto a manha e a hypocri-
sia, que o tal discurso de-Auxerre, que irrilou os
reis e os seus ministros, quaperturbou todaa Eu-
ropa e nos valeu duas guerraS la fora, nem se
quer foi pronunciado. Mas nao obstou isto a que
a gente que nao o tinha ouvido fosse recompensa-
da por o ter supportado. ( Risos prolongaios.
Muito bem I muito bem I )
Senhores, se trago esta recorda^ao, ao mesmo
tempo odieota e cruel,-odienta, porque poe entre
nds o sinistro vulto que presidio, no espaco de de-
zoito annos, a suff icac. io das nossas liberdades e a
ruina material da Franca ; cruel porque, sob o
fatal dominie desse homem, perdeu a Franca, com
parte do seu territ rio, o seu antigo renome exte-
rior, os milhares de economias que a custa do
suor do seu rosto haviara arrecadado os operarios
das cidades e dos campos, para dote das lillias ou
educaQio dos filhos I (Muito bem I Assim e I
Bravo I); so, dizia eu, trago esta recordacao, e
porque se falla d'uma resurrei; io do partido bo
napartista, e porque se palestra a esse respeito, 6
porque a clientella desse regimen, formada por
vinle annos de corrnpcao e de favoritismo, refeita
do seu medo, com tanto que a generosidade na-
tiva da Franga, com a rapidez com que e esquece
de tudo, que a torna a um tempo tao leviana e
lio encantadora, volve a pairar era torno da pa-
tria ; e porque, aproveitando a negligencia d'uns e
a cumplicidade de ouiros, vd-se que a quadrilha
regressa as encruzilhadas das nossas cidades, dan
do ja vOz de alarraa. (Vtvos applausos.)
E' mister acabar de vez e rapidamente com
taes audacias, e para isso basta dizer o qne
sio esses homens, donde veem e para onde nos
levariam.
0 que sio idles ?... Sao a imilacao fraudulenta
e por esse lado e que apresentam para as popu-
sas ideas; desfiguram os nossos pnncipios.
Para uma certa democracia, que felizmente n* >
se pode confundir com a v>>rdadeira, com a grand-)
democracia, sao eiles os primeiros demoerataa
(Risot), promptos a destrnirem tndo qaanto dig.
respeit) as in tituicoes, ao nariamento, a.eontti-
tui'.-an, a legalidade. Sal>era dizer perfeitament^
de quanto carece o lavrador. o pequeno proprieta
rio; hao de dar-lhe seguranca. credito, paz, eon
certa accae, uma verdadeira intluencia, dizetn ellet,
no raunicipio e no canlio,
Nada disso se realisa, vos bem sabeis. Nada
passa de palavras, porque logo depois de deixarem
aquelle primeiro interlocutor, o operarario dos
campos, encontram o homem de i|;reja, o homeai
de congregaQio. Que Ihe dizem ? Qae Ihe si
muito dedicados, que e-t.au promptos a sacrifica-
rem-lhe tudo. Nao foram elles, accresceniam, qa
liz-ram a expeiieie de Roma, e a expedicio da
China o Mentana j Nao foram elles qm raaniiv-
rim, durante vinle annos, o poder temporal do
papa, accumulando sobre a Franca todos os peri-
i?os externos. fazendo sentioellas a roda do Vsti-
ca-o, nao para protegerem o papa, rnas em vir-
tude d'um contrato e para se fazer do padre, eu.
Franca, um instrument., do remade por meio da
candidatura official t {Sim, sim '. Bracos proton-
gados.)
Depois, vao mais alera, e encontram um homem
perleucente a classe mais elevada, mais rulu. ja
com o viver folgado que a riqneza da ; aprecian.
instinctivamente que estio na presenca d'um ad
versario, d'um homem que Ibes tem mais do qu
odio, se e possivel, isto 6, nm tedio iavencivel
Isto nao ui ao caso. Cora este, madam de falias
Tratam com elle u'outro too ; offerecem Ibe a sua
proteccao : nao podendo Its mjea-lo nem corrom
pe lo, tratam de o intimidar, porque sao babilis-
simos em explorar o medo. (Snisaf'io Bra-
vos.)
0 medo eis ahi e*ti o grande meio politico
elles o procriam, elles o innoculam, e' depois de
lerem apavorado uma certa classe de cidadaos.
apresenlam-se para os salvar (Brur:s prolongs-
dos), o que quer dizer para os despojar das suas li-
berdades, da sua dignidade civica, dos sens direito*
publico-, e a ponco e pouco para Ihes xtorquir o
quo tiverem ao canto da caixa, sem fallar da pi
Iria, com qne nao se important e qne deixam sur-
prebeader um belle dia,sem defexa e sem protec-
cao I (Muito bem '. Bravos.Salca it applausos.'
Assim vao andando, a mendigar os suffragios desu
e daquelle, a mudarem de mascara, ae fallv, it
discursos, conforme os inlerlocutores.
(CentinitJ.
Kmmtimmam:
(DA AGEMCIA AMERICANA.)
Rio Ho Janeiro isAal k.*4*ai
da tarde. >otioias reeehlaaa de
Buenos-.ljres <> alterwda a or-
dem publlc-a naquella f-idad<>. Fas
ili'Mro)i*-rln until coiiNpirariio pro-
ntot ilia pt'lo parliilo milrinln. mm
flo aii>i-'lt-nclila iOO <>pia(nnlaii.
3 e.inliovN < bomban Oroiai. Diirm
que o *r. Tejedor vira em minsao
esperial ao ltlo de Janeiro, para
ii-aiiti- da queatao de llmlte. %
crigc rommcrrial eonlinua. ha%en-
do fnllonriaf* diariamenlo. A iih--
tito Alvear ncrii rcnolvida parlnea-
mente. Conata quo no eampo mth
morrendu o gatln atarado dr ji
zootia. O r. <-H foi clello pretii
donte do Paraguay.
Kio 15 as :i it. 50 in. da tarde.
O deputado Dioo d<> VaHeoneelloM
requereu lioje a ritbi'tra para inn-r
pellar ao Sr. miniMiro da Imperio
sobre a cleslino qu' leve u ii-nir
inlerpo.sto pelo prorurador da m
r": do tribunal da i-i-liir.in de i*-i-
nambut-o eom respeito ao binpo da
im-snia dioeese. em virtude de ter
este publiertdo um breve pontiflrio
sem o plaret do Koverno inaperial.
Rio IS a I b. e 30 m. da tarde.
Carabio sem alleraeao.
Bahia 1,1 a* it. e 30 nt. da tar-
tle.Citmbio Mobre Londre* *S 1,9
baiii-ario* S."> I e 95 3 I particu-
lar, epollces da divida publira ge-
ral I :OVO
I'ara S3 as It ll. o 35 in. da tarde.
i'ambio sobre l.ondres CS I 9
baneariu nem lomiiilarcK. A BOA
.V'lf i folha religiosa polities, desta
cidade. publieou lioje umn repre-
sentariio. que vai ser diricida a ra-
mara dos deputados. contra mi-
nisterio. que e acrunado de attea-
tar contra a religitiu do cnlado e
promote nssicnalui-itt pura ella.
Havre 15. Venderam-se WO sac-
eos de cafe. Algodao enderam--.
eoo saccas t o de Sororaba a 91 e
e P5 francos. C'hegaram o MARGA-
RETH. do porto de Santos, e o vapor
17/././: /;/; SANTOS, do Rio de d:neiro e
portos de escala.
l.isltoa iZ alb. e 35 m. da tarde.
Dizem de liondrm < consolidado*
Z 5'N. ftindOM lii'iiNilpii-iiv BOl. cln-
co por cento rranceses SM 1 H ; cafe-
do Hio s? a W3 frouvissimo.
RECIFE, iO DE Jlil.HO DE 1874.
\otieius da America e do I'ara.
Hontem, ao meio dia fundeou no lamari) o va-
por americano OnUrto, trazendo datas : de New-
York S3 de junho e do Para 9 do corrente.
Nala adiantam as noticias da Amerirado Norte,
de que foi die portador.
PARA.
Da capital escieve nosso corresponilente :
a Ha um mez que nao escrevu para o seu Bit-
rio; incomraodos graves de saiide deierminaram a
minha sahida para fora da capital.
t Deixei portanto de let diarraraente os jornaes.
e de saber a* novtdades, como sempre appan-cera.
em lugares populosos.
RetiraJo em casa de um amig>, as ma^gen^
seculares o fron losas do grande rio Amaionas. ahi
fui nstabelecer-me da impertinente tnfermidade
ao ar livre e puro da naturexa virgem, como me
aconselhara a medicina.
a Nao podcra ser longa nem minucK-a a pre-
sente missiva como a precelente ; -falta-rae o ha-
bito de nm met de escripta, alem da necessilad
de ir adiantando me acerca do qne se passa em
certos circulos, aflm de transmiitir com Teracidade
as noticias desta provincia.
a 0 que ha de mais impnrlante politica da
terra 6 que a dissidencia conserradora esta Baa
gracas das rgioes offlciaes.
Demonstra os varios actos dt presidencia, an
nullando na generalidade os do vice presidente Dr.
Guilherme Francisco Crur., hoje um dos directorej
f -


ITS! 3i !!
j3t*fi$i iii/
.1
activos do grupoconscrvador, dcno.ninado fccqua-
nino ate aqni donm^nle.
Quer'nainjtra.cSopnblica.c^rh a rnaugura?a>
da escola normal; quer nas rt-formas-de algumas
repr.rtir.6es ; ^ueaftaajM nas noiueacoes do fane
cionalismo e dospejfljtea policiaes.
a Provao ainaa Trecento reorganisaciio da re
cebedoria provincial, cujos empregado-, em nao li-
rnilado numero, foram uns^jTOentadis, outros de
mittid as e outros removapis de am as para outras
reparlicoes, por convenience do servico publico,
sendo os subslilulos no gersl adeptos da dissiden-
oia, on quando menos geritt inleiramente uova na
vida publica.
No meio de tudo isto, o que admira e nao te-
rem os principaes jo'rnaes da cadente situacio
aberto doclarada oppoicio a presidencia.
0 Diario (h Graol'a'* nao diz nem palavra ; a
Vonst.tuicao, orgio especial do" partido, apenas
tampeja com alguma* analyses e el)
vrtigos em favor dos actos do nosso actual gover-
.* oador. .
a As qucixas sao la na corte aos ministros ; os
tlesabafos as camaras, por meis de alguus discur-
sos, qae aqui s3o transcripts.
. a Entretanto 6 crivel qua aao podera ser pro-
longada a admimstracao do Or. Pedro Vicente de
Azeve lo.
Os liberaes, n miio de to las estas eousas re-
gosijam-ss con\ as lu'.as chs contrarios, preparam
e apleinam camiaho para'-fortaleeer na provincia c
sea partido.'
Hoje, no Para, a epiniao poMica" aeeftanie.
em repugnancra-uma r, unplela madanea lica, e:n que o pan d > liberal touvesse tte loot-
nar; os eleraetfl.sa c.ui estao mais ou meaos pre-
dispostos enwe a-geiue seusata para seineihcute
im.
o Os cunservadores, con a desci>ao entre ea pro
prios amigos Item deoahido muito, pete true tem
occonido e par eertos facias c scgredos viedos a
lai da pnUieUflrie.
A dissidcucia, a mais dia menos dii-a queda
inevitav-d d> partido rosaervadw; passe em crro : mas os pr-mmioios assim autorisaiu se-
melhawe ]ui-oacirca do fuluro po.it as do paiz,
quo nao wte iupge
Deixando vag) c o poritivo :'. p .!rt: :a, passo
a ouiia ordeal de eousas.
c Estonia* desde 0 do correct) em coramuniea-
ra cmi a li.iyenua franc.-za.
Ja se troparan lel.'grainmas ei/re c gcverna
dor de Oayenna e o presideulo da I'lia.
Em breve ostaremos co;u toda a coala da Ante-
iica central ate S. Thomaz, e i:raadi! repnblica americma.
c 8;ra o Para a primeira pr jvm>'ia do Brasil,
;ae ror *ua posieio geograpliica commnnicara
oni a America seplafltrici nal, assim coino o foi
I'eiuaaibuc ', i|ue primeiro ligou o imperio e fal-
lon pan a Bpnipa.
A-s iinbra sfmelbame meiuorainento ; p6>le
dizir-.-e, que ims alljs .ouimetti.n ,:it < da antiga
e mod.'ina e|vilisa.;ao, uuuca o esfoFp) homano
altioiiio a tanto.
t Entre a FapileT .1) pensam^ntoe a lelocidade
do tul Vi tnedtra, gem duvida, a act;ao da le'.egra-
[iiia eUclrica,
.CoittO di.->e, o esfjr.o bumnno e muito I
la nao tfca admira o arrojo dio azas de Icaro;
us rai ..s forj;ulos por Vukauo, de que falla a fa
bnla.
0; jardins sn!pensc< datumptuosa Rabylonia,
a< pyiauiides do Egypt'), o culo-si '. Rbodes e. as
outran maravtlbas da antiga tiwilis*caj,, nada va-
lem, a vista .do telt'grapho ejectneo su;inarioo, o
jjjI, a coot r do seeulo dezepoxu i ga a caaimu-
nica, com a lupiaez do raio, o* povos e os intcres-
fea do i BO'.'d uiteiro
IvUi pne.HODtemeaie em exer^icio Ijlv os
magjstraioj oSTeciivos d 8ta capita, faltand
nas o ")r. juiz-subsiijato dos orpliaos, removiii da
eomarea depaia; eaperase-por estes dias.
t u edilicti wiJi funcciona a rela;j, a camara
muqicipa aqaba de pri-parar ciD'enjentemeote
psra a renni.l i e audi'-tfia d.: t ) s ; jnduuaric- ; la -hi func.-iova ojui-y, m-s agora o
.oro ela codccntrajo e:ii u:n fa Uval, a rua d;s
Mercaduri.s. F.' degrande vatttaccm para o pu-
tlicos'ineliiant.i inelhoraineoto e inudanga.
a N i i le T G para 7 do cor rente, irromjien -i
made Sinil Ani es;mina da (favessa dos
Muandas,uiiiinceudio n'aoa lo]a do fazndas e
laverea. .
E!n poota" h"r~.s l\ii presa das chammas a
r-.:3 e o mais. .juc adla se contsuha. Dizise _qne
o I icatario ou d.no da loja a tinha segurado ha
rri-a !> inn roe*.
.1 Ao acto do iacendio ecinpareceram as princi-
paes ;.ut jridades, e bonveram as coavenicntes
jirovlrl'iii-iK a ordi>m par.-i a PXtCBCCaOdf< 'igo.
A pojicii inquere e djligonoia subre is units
& motivos de semejhante acontecimento.
Em I do current" realises so a fusao di c3D-
,...ahia ihtvial d Alto-Amaxonas, a do com i.cr-
<-.io e navegacaj do AmaEona?, UmHcrin, pels coni-
pra e ;iL'i]iii?icao que esta fez do material, pertBO-
i;as e privilejiei dnqueNa.
II .je ba uina sju compaabia de naveyacio do
rii Amazosaa euoio tatr'e a ; vac mos se este pas-
so da rusao do tres emprezas il.vines nestas re-
g|5a, 'm uma uniM, a Umilada de Amazon;^ se-
ra ii.u beoefifio parajo comm rcio e parao pobll-
I .'ui geral.
O fouiro a Deal pertmce I
Pelos documeutis abaixo transcriptos ta jilicm
era que do principio d) correnle-, csta inaugu-
rado o se vico da navegacio do rio e raclnelras
i) Tocantins, para 'Goya', cuja emprcza deva-se a
iat.va .!) -Hr. Jon; Vi ira Couto de Hagalbaes.
E' comrrjetHinento improbo pelos rissos e tra-
*alhas a veneer ; c nem sj podam realisar senao
m pntraa epocas do anno.
Quo o governo e o publico proteja a e.npreza
a o qu4-saespera para maior proveito eengrande-
iuimt) dos ;k.v e civilisacao do paiz.
: a Eis os dojumentos dirigidos ao governo da
provincia:
Kmpreza de navrgacao a vapor do Tocan-
tins .- Beiem do Fata, 4 de jtliho do I87i.Illm. e
Etta. SrEj com a maior satisfa$ao qua levo ao
conhe.'imcnto do V. Exc. qae o vapor iraonaea
ba dc fuudear ce-ste porto, oode. chegou as 10
hora1! da nianlia, de volta dos Patos no rio Tocan-
tins, haugurando assim a navegacao daqheila rio,
navegavio que ea me obrigaei a estabeJecer de
conformidade com o disposto nas clausulas 'jue
baixaram com o decreto n. o,4Co de 12 de novem
tro da 1873.
a Ti ndo de reboaar cinco barcOs- do interior de
Goyaz a que seguiiam nesta primeira viagem coin
destinD as cidade> do Porto Imperial e Palma, liz
aeompanhar o mencionado vapor Aruan pelo re
-liocador Vukauo.
Os barcos rebocados pertencem a firma" so-
cial Monloiro da Harms e CangCQtl; trouK.eram
como principal artigo de exportagao 8,00:) couros
que i epreseulam am valor de 10 a Mf contos dc
rcis; levaram de retorno um.carregamento no
valor de cem contos de reis, cifra ja consiueravc
para am commercio encetado ba poueo tempo e
que Ittta aiuda com as dilUculdades de navegacao
nas eachoeiras. Junto remelto a V. Exc. o oflleto
do commandante da expadicao qaa da couta dos
detalhes da viagem. Deus goarda a V. Exc
lllm. e Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevede,
diguo presidenta de?ta provieeia.0 eii)pre2ario,
Dr. J. V. Coutu de Magalhucs.
B>rJo do vapor Aruan.--Belem, 4 de julho
de 1874.Illm. e Exm. Sr.Partieipo a V. Exc.
que dt ixei o ancoradouro de Belem e segui com o
vapor Aruan e rebocaJor Vulcano, com destioo
aos Patos nt rio Tocantins, aos 40 minatos da ma-
Jrugada do dia !. do corrente, lendo a reboque
pela pupa cinco barcos de Goyaz ; ao chegar em
frente a bocca do rio Guama, parei mandei pas-
sar uia barco para o reboque do Vuk-inafscgai a
menos de meia forca ate Abaete, onde chpguei as
9 boras e 35 minutos, tendo ne?te e-ptfo de tem-
po uma mare de vasante ; d'ani por diant?, es-
tando mais praticos os pilotos dos bareos, ilei mais
forja, passando por S. Domiogos, as II haras e 20
minut'is cheguei a Jaraeta as 4 horas e 15 minatos
da tarle ; d'ahi larguei a 1 hora e 20 raiautos
da madrugada do dia 2 com d.cinco barcos a re-
boque, passei porTamandua as 3 horas e 30 mi
nutos, cheguei a BaiJo as 8 horas, tomei urn pra-
tico dc rio ate o travesfeSo dos Patos, onde ancerei
as 7 boras da tarde, cem qae houresse o menor
accidente, quer nos barcos, quer nos vapores, en-
contrando sempre bastanle agita, sendo a menor
profuiididade de duas bracas.
a As 5 horas e30 minutos da manliS do dia 3
larguei do traveseio dos Patos, trazendo a rebo-
que o Vuio&no para nao se distanciar do Aruan ;
cheguei a S. Joaquim as 8 horas e 55 minuto? ;
1 argue, as 9 boras a 25 minutos ; cheguei a Baiao
as 11 Jrraa e 30 minutos: larguei as 12 horas e
10 miiiutosj mandando vir o vapur Vulcano, que
ja tmlia quern o pralicasse at^ esta capital ; che-
f;uei a Mucajaba as 2 horas e 3 minutos da tarde;
argue! as 2 horas e 13 minutos : passei por Ta-
mandui as 3 horas a 3 minutos ; ehegaei a Came-
la as 5 horas e o Vulcano as 7 horas ; largaei as
9 horas e 40 minatos ; cheguei a S. Uomingos as
2 horas e 30 minuto3 da manh3 do dia 4 ; larguei
as 3 bora? ; pawei poF Abaete as 5 horas da rna.
s.*iikWn
nh* e aacerei ncs:
- T)..'Tts gaar! a
gadeiro -Dr. I'se ViwraEonio Oo Sal|iiai t*a>
pr'Z.irioiia navegacio a vapors-lo.rio J>.can'in>. -
Ikuiaidinu Jose_4e mandanie. '
t O esiadfl da-commejcio nao c ainaa anima*
dor; continda a desc.inBati<;a. pois ainda tem ap-
parecido uma era outra quebra.
0 nnjier*Tio tax emigrando para o estraav
geiro, com particnlaridade para Portugal, a cu}o
paiz se tem -scstinado ou par paseeio, por interes-
se ou por eutras causas, miiitos individaos. I3i
vapores das compaahiss de Liverpool e mesmo os
navios de vela condazem grande quaalidade de
passageios, e neste anno a cmigra^aa e regresso
para esta provincia ba diminuido como nunca.
Hoje seguera para a Kuropa o vapor Ccarcn-
se ; aJflaranhao, o cosleiro da respoctiva liaba, e
para sul o americano Ontario, pertador da pre-
sent*.
das roparticoas arreeadadoras,
llendimentos
no'mez dejunho :
Alfandejta
k Recebedoria
Yer o peso
3":5I?|
csre 'a
aai.) de tM;i a ftvor fe garaatiad>
twos 17:09
A raawflaiwtt** icspeza c
" S.iinVsrnWfex'irausi araiu na linha 11,722
TW>g'.'frtl^PToram transportados 3,050,401 ki
logrammos de mercadorias; 3,243 volumes de ba-
gagem, pesaado 31,314 kilograiuaios; 402 ani-
Na merfialorias-estao comprebsndidos 50,1
sacoos de assucT,sandol.!ll8,'i08 kil-igcanain
e416 saccas de JlgOdao, jesando 32,318
grammos.
Ailiiiiiiis(ra(-;iu das oorrcio.-t
Cdiiambueii. E-ta reparticao arrecad# M
exercici.. de 1873-1874, ejaaftndou a 30 d_e junha
ultimo, a quantia do 91:413W37, sendo d
3585300
269: r 95706
63:S72A5N>
4:247*238
Santa Casa U843M
As taxas dos kancos C^mmc-rcinl e Mana &
G estao naquelle a 8 por cerite ao anno e neste a
10 por cento.
t Os camliios tesm regulaJo a 25, 2 1/4 sob-e-
Londres. ?obre Portugal a 150 por cealo e sobro
a Franca a38') reis o Iranco.
Agora acabo de saber .ue o Exm. preiidente,
acompanhado do inspector da alfandega e de ott-
tros funccionartoe e ainigos, segoe a Obidos e es-
calas no vapor Obidos, dovendo aqai regressar no
nesno vapor ate 20 Jo corrente.
o embarqae e a noite.
t Esta viagem e symptoma dc rctirada ; quasi
tados os presidentes q'uaml) realisam esta viagem
pouco so demoram n\ provincia.
a Isto sao favas contadas I
Os lofegrawmaa trocados na inauguracao do
servico entre Cayenni eo Para sao os seguin-
tes:
t Caycnna, o de jnlho do 1874, 6 h. da tardo.
O governadot da Goyasna Franceza, tem a houra
de anreseitar os seu's cumprimentos a S. Exc. o
Sr. pre.-idente da provincia do Pa-a, felicitandrt-se
por ver Cayenna e Santa Maria de Belem, ligadas
por commanicaqoes.tolegrapliicas.- IjtuLera.
t 11,1 m do Para, 5 de julho de 1874, a noite.
0 presidente da provincia do Para ^orrespo>nde
co'ji vivo jabilo aos cumprimentos do Sr. govern
dor das G .yannas Fram;ezas, assoetando-^ cor-
dialmente as manife-la^oes geraes de regosijo
pelo esta'nelecimento da commuuicacao alectri-
ea entre dous povos amigos. Pedro Vicente de
Azeced>.
Cayenna, 3 de julho de 1874, a noite. A com-
panhia'T-.'legranliica Central .America, congra-
tula-se com S. Exe. oSr. presidenta da provincia
do Para pela maneira feliz pirque foram conrlui-
dos os training's da immersao do cabo submanuo
entre o Para e Cayeana.
a Belem dol'ara, 3 do jallio de 1874, a noito,
0 presidente do Para se con^ratula com a
Sello
Cartas
Pronwas
Assigaantes
Emalumenlos
MuKas
AgeBiim
Estraordinaria
Movimento de funJee w..>:>*i^
Nes-e mesmo periodo aespeaficu a reparti-
rto 71:843*395, sea do com : A
36:046*189
1:4601720
1:600*590
-5:673J09i
26:672*0 0
391*000
papcellas, apresen-
i fevor do ihesouro
LTE POIIIiri
no co\4F,nv.iii9u
KIFE, IS OS JULHO DT 187V.
a vez temos de nos occupar coin Agrip-
aa, a que a isso aes chama e a Provincia de 12 do
corrente.
Ic^oc dijoiUpt nos, se algama vez temos pido
pouco jevero; somos obrigado a exceder dos
ossoii habitjs por momentos.
etentomosdescera respoader a Agrippa,
ou a oairo qaapossue o sen cafacter e instinctos
i^irverlii e baixos ; mas esse ete coa'.ando cim
ajiossa bondade a respeito ao pubiico, tem-nos in
juriado trai^oeiraoiente e desto modo nos forca a
. sahir do nossthietjo, para nio deixarmos qae ca-
32rfel,56M7 racteres e repotafao respeitawis sirvam depasto
27*87a40i' a wme'.hante hyena, que nunca devera ter sahido
kK<
4:140*000 Dizem qua Agrippa, ceiebra e9criptor da Optiuao
375*175, Kacimal, anda apurande raca, a que ullimamente
jflOSjOfr? escrevera a1iographia de si
Pessoal
ISxpediente
UteodUos
Diver.sas despezas
Condu.'c-ao do melas
Kestitnicao de saques
Gmfrontadas essas duas
tam urn saldo de 19:5705062
Companliia pola feliz notieia, que
tr.insmitte-lhe.
d i inaug r.i^o
dy iini.
.< Cayenna, 3
do cabo subiuariag en:re Belem i-
do jullio de IS74, a noite. 0-
oSftciaes do Hooper, encacregados das ouras ule-
gtapiucas, aprrsentam a S. Exc o Sr. presldente
do i'ara, ;:s suas cordiaes coogratulacpes. pela
maioi exlenslo qneacabade ter.o servico tele
graphico do Para.
i B-|.;:u do Para, 5 de julbo de 1874, a noite.
0 presld-rine do Para, em eommnnieai-ao telegra-
phica com j IItaper, sauda sui distinc;a olfldiali-
dade, e toma partn u..s cngratulayoes que Ihe di:
rigem pela realisatjaa do maisessa notavel aspira-
;ao d progres*b.
No ultimo dejunh licoa nos cofrea do ihc-
souro provincial a quantia de 55:707^'2fl7,
- 0 transportc de guerra peruan rjstrim, ea-
cailun a 5 ,i iorr. ale, no baixo das Araras, de-
fr.uite de S. Dorfiingos, na bocca do rio Pe/ia, ue-
nhnin perig-i ten Io a cirrcr.
l',r senten-;a lo j tiz de diriio 4a comacca !r.
Vigia, fji condemnado definitivamente a 9 raeze?
.1, .-u.-jv-nsao do seu lugar, o Ilvm Dr. Mmeio
Caetan i Bibjiro, vigario daqaella freguezia.
Logo qua se divalgou n\ capital a niorte
d. Exm. e l\vm. Sr. arceoi?po da Bahia,
dobraram a finados todos os finos das rgfejas.
A nova dlrectoris da si.ci.'.lade I'niilo Phar
maceutica Paraeuse, licoa assim organisada : pre-
sid nte, Abel Angasto Cesar de Aranjo; secreta-
rio> Polydoro- Xavier do M)raes;e thesoureiro,
'<' T.'Vlii'tO Kaobio doo Naveganle?.
Xo vap-sT Belem seguira para Maaans, a as
somir o exereicio do commandante das armas, o
cor..n--d Dr. Francisco da Costa Aranjo e Silva.
Escreveram de S. Salvador (Rio Madeira) em
i do jun:io ao Diario do Gram-Paid :
Tendo alguns inJios Ar.uas, aldeados na mis-
sSo do S Francisco do Itio Preto, nas cabecciras
jo Bio Hachado, seguido para rirarem c-l o e abri-
rem estradas de siiingudras, foram atacad is pelaa
Parinlintins, quo depots de terem assassinado d'las
mulheres gravidas e um metiino de 8 annos, quc-
brando garrafues com oleo e carregado com os
mosquiteiros, foram s?, levando as cabe.;as das
victimas, deixando os corpos crivadosde Ireobas.
Poderam e:c.rpar.dous uu tres indios, par te-
rem-se lanQado aorio D'ura delles ouvj contar o
facto que lica narrado. .
9:800*000
3:300*000
5:000*000
5:000*000
3:0;05000
nossa pra;a
24:0005000
1:6005000
REVISTA DIARIA.
i:'k>ui-li;.o das ojiras pubUcas.
Por portaria da presidencia da provincia, do 10 do
corrente, foram nomeadoa c llaboradores dessa re-
pariirao. em virtude de disposi^oes supp eroeuta-
res aq legulamento de 24 de fevereiro ultimo, os
eidadaos Jose Marcelino da Suva Braga a Antonio
da Costa e Silva Maduro.
Por portaria de 14, tambem do corrente. foi
exonerado do lugar de conductor da mesma rc-
particao, Domicio Cavalcante Ponce de Leon.
HncliiniMia.-IVr poftaria da presiden:ia
da provincia, de 11 do corrente, mandou-se passar
carta de habililacao de 4* machinist.! de barcos a
vapor, a Manoel Antonio de Freitas.
tiuarda local.-Por portaria da presiden-
cia da provincia, de 13 do corrente, foi nomeado
Manoel Joaquim de Lima para o logar de sargen
to da guarla I ical do municipio de Pao d'Alho.
ttoubo.- Amanheceu hontem arrombado e
roubado na importancia de 86* em mueda de co-
bre, o acougue sito a rua Imperial, sob n. 190, de
proprieJade de Jo3o Chrysostomo de Albuquerque.
A policia prosegue em averiguagoes a respeito.
Kvasuo. -Da cadeia de (iamelleira, evadiram-
se na madrugada de ante hontem, os presos Anto
nio Fructuoso e Paulo Gomes da Silva ; o primei-
ro esta sendo processado por crime de morte, e o
segundo achase ja proaunciado no art. 201 do co-
Jigo criminal.
if ;i!-:>i;-5o do alicuatEoM.Dainas em se
guida majs donativos para as ohras deste estabe
lecimento:
lllm. e Exm. Sr. Dr. Henrique Pereira de Lu
cena.Junto remetto a V. Eic, para o asylo de
alienados, a quantia de 111$, que pude obter, a
pedido de V. Exc, de alguns h&bilantes desta co-
marca, constantes da relacao junta. Sou Da V.
Exc, collega e attencioso criado, Manoel Barata
de Oliseira Mello.
Joao Rodngaes Mariz 205000
ignacio Pachceo de Albujuerque Ma-
ranbio 10*000
Joaquim Bezerra de Medeiros 10*000
Severino Barroso da Moraes 10*000
Christovao Solano da Silva Tavaros 105000
Francisco Xavier da Moraes Neiva 105(100
Dr. Caetano Agripiano de Faria Castro 10*000
Francisco Xavier de Moraes 5*000
Dr. Jo-e Jeronyrno Pacheco de AlDa-
querque Maranhao 3*000
Mathias Ferrer de Mello 5*000
Lourenco Bezerra Cavalcante 5*000
Jose Joaquim de Saut'Anna 5*000
Salvino Antonio Correia Gailo 4*00j
Doraingos de Abreu Araujo e Vascon-
cellos 2*000
Gabinete da presidencia de Pernambuco, 14
de julho de 1874.lllm. Sr. Dr. Manoel Barata de
Oliveira Mello Louvando a V. S. e ao mesmo tem-
po agradecendo Ihe o obsequioso desempeuho que
se dignou dar a minba carta circular em faror do
asylo de alienados, accuso recebidos os 111$, que
me remettea, em resaltado da subs;ripQio ahi
aberta. Queira V. S. ter a bonlade de aprasen-
tar a exprassao de meu reconhecimento aos dig-
nos gubscriptores co.istantes da lista que acompa-
nbou aquella quantia-Da V. S., collega e amigo
attencioso criado, Henrique Pereira de Lucena. >
Estrada de ferro do Recife a S.
FrnnciMi-o.-E-la via da comraunicacao no
mez de iuqbo proximo Undo
Rn1eu. i7;960*480
nacional, que ainda sera augmeisado com o ren
dimento das agendas que for varweada n tritnc:
ire addicionaL
> o a agexcia postal. N) sabbado deve
comecar a funicionar a sgencia postal ulti.Bamen
le creada na povoa^o d Timbauba, expedindo a
adminislracao do correio malas para ahi nos dias
2, 6, 10, 14, 18, 22, 26 e 30 de cada'mez as 3 ho
ras da tarde.
ii-iixiuat da relacao do Para.Te
legramma do Bio da Janeiro para a provincia d
Para, em 8 do corrente, diz que foram nomeados
djsembargadores dessa relacao os juizes de dirtito
Ignacio Carlos Freira de Carvalho e Autoaio Buar
qae de Lima.
UuverB* do bispado.Pur circular de
8 do current", em vi.-u de ordem do Exm. e Rvm.
sr. D". Frei Vital, aeaba 3e ordenar o Bvra. conego
go.e-rnador do bispado : qae no dia 9 de agosto
proximo, se proceJa, na igreja cathedral da Olinda,
a coasagrafao de toda "a diocese do Coracao de
Jesus, com o maior csplcndor a magniliccncia, sen-
Jo esse acto precedido' de um triduo ns dias 6, 7
e 8 ; que eada parocho na sua respect.va fregue-
zia celebre iguaes ados n'ura doraingo ou dia san-
titicado a sua escollia ; e que se celeore Te-Deum
solemno na tarde do dia da consagracao, nao so aa
cathedral c ono nas igrejas que servem de malrizcs
nas ciiad'is do Recife e do uiinda, e nas das cap -
4aes das o t as provincias que fazetn parte da
diocese.
Camara miiuicipal do Uccife*Fo-
ram transferidaS gtiara o dia 7 do corrente, as ar-
rematai;oes qosieem da corrur peranle es a ca-
mara, da demolisao^eum predio a rua doAraoriai
e do iinposto d>; 00 reis por cada pe de coqueiro.
Hinliciro. -0 vapor anterijano Ontario trou-
xe para :
A- Hyvernat & C.
Josd Cordeiro do Bjgo Ponies
Joaquim Jose Goncalves B-ltraii &
Filho
Miguel Jose Alves
Pereira Vianna & C
0 vapor Jaguaribe levou de
para :
Penedo
Maceio
Companliiit p^s-nasianucaiiit. Na dia
ii do crceiite deve segair p.ra o Acaracti pelas
cscalas o vapor Gequid
Artlsta Ad>t'A-el. N) vapir aTeri;ano
Ontario passoa iiontsin, o graoJe artista italianc
Salvor, on a soa compaahra, que vai trabalhar
no HI) de Janeiro.
ti. Vi-ei(te de Paula. -No domingo (19)
fesleja-se na Caoella do hospital Pedro II, S. Vicen
li l;"Paula, institailor da ordem das irmas de ca
ndade.
t*i-*-!H>lr! eotnm^nliao. Ceiebra se
lifjo, a- 7 horas da ininh.i, na igreja da collegio
da* orphld, a ceremonia 3a primeira coramun".ao
que fazem drversas elncandas.
ReviMta L'tlci-m-iaE' como se intitu-
la q orgio com q te corre as liJcs da tmprenia a"
s>:io!aile debomlnada Sciencia e Progresso. E'
uma cadenieta d", 8paginas em granle formate e
3a muito boa impressaa. Todos os seus artigos
estao recommendados por nomes de nvros repuu-
dos ja de talentosi.s e estudiosos.
Camara doN depulados. Em nos3a
8a pagina enctlaraos hoje a pnblicacio do impor-
tant.; discurso/pronuneiado na camara dos depu
tados, pelo Bvm. Sr. palreJoao Manoel, depntado
pela provincia do Rio Grande do Norte, por occa-
siao da discussio da resposta a falla do throno.
Recommeudamcs a sua leitura.
Loteria A qae se acha a venda e a 108.*
e benelicio da nova igreja de Nossa Senhora da
Penha, a qnal corre uo dia 18 do corrente.
*Lc-il6es.Hoje, 16, effectua n agente Pinto o
leilSo de fazenlas, no armazem da rua do Bom
Jesus n. 63, bens pertencentes a raassa fallida de
Pereira de Melle & C.
Terea-Wra, 21 do corrente, vendera o mesmo
agente o sobrado da rua do Commercio n. 22, e
sobrado amarello da rua da Imperatriz, conforme
esta annunciado.
Hoje, na Feira Semanal a rua do Imperador,
baveri leilio da moveis, quinquilharias e inlinida-
des do artigos do uso domestico.
Casa de detencao.Movimento da casa
le deten.;ao do dia 14 de julho de 1874.
Existiam presos 326, entraram 3, sahirara 3,
exis'em 326.
A saber :
N'aciona-s 253, mulheres 8, estrangeiros 23,
sscravos 40, escravas 2. ToUl 326.
Alimentados a custa dos cofros pablicos 239.
Movimento da enfermaria no dia 14 de julho de
1874.
Tiveram baixa :
M3noel Pereira Lins de Arrujo, hydrocele.'
Manoel Vicente Fcreira, daltros.
Luiza, esrrava de D. Francisca.
I'asNaeeiroM.Sahtdos para o sul no va-
por Jaguaribe: ~
Dr. Mancel Felix Gitirana, sua mnlher e 1 es
crava, Antonio Francisco Cardoso, Manoel Jorquim
Borges, Jose Manoel de Lima, Julio Kern, Franeis-
co Lopes.
Sat.idos para osul no vapor Coruripe :
Pedro di Hjllanda Cavalcante, Dr. Antoni
Buarque de Gusmao. Antonio Climaco M.reira
Temporal, sua mulher e 1 criada, Dr. Vicente Pe-
reira do Rego Junior e sua irma, Lu z de Hollanda
Cavalcante, J laquim dos Santos Coelho.
Sahidospara osul no vaporamericano O/ifa-
rio :
James Clemente, major L. J. de Miranda, Manoel
Fredfrico Cordeiro. Mr. Fuuning e sua senhora.
da iremandicia, ere que jazia.
proprio, e mandara
8.227*440 publicar no A'oro Mundo, e onde pnblicara tam-
116*400 bem umaredondadescompostura(e5criptapor elle)
17:524*tl'f njs'reus proprios patriciot.
" Tmapustola.corao 6 Agrippa oa Marco Antonio,
e capaz de tudo I
Acellamos pc>i3, o que nos dizem, e continuamos
a formar o juizo qua sempre formamos de Agrip-
pa : Agrippa 6 um especulaiar : especulou com a
oaaconaria a conseguio alguns cobres pelo seu in
sulso Fabio-Rustico : especulou com o dia 16 de
mail: especulou com o solJalo Joao Raymond) :
especulou cos) o deeembargador Nune Machado:
especulou com os carros fanebres :~esta especu-
!ando actualmente com o bacalhao e a carne
secc'a.
Agrippa euin plagiario: tem por habitos filar
dos escriptores periodos inteiros para preparar os
sens discursos cheios de relicencias, sem pe e nem
cabe.;a, e depois colleeciona-los para impingir aos
sens discipulos a 10*000.
Que Agrippa nao tem valor e.'; um plagiario,
pr>varemos brevementa, apresentando ao publico
os sens plagios.
Afllrma se qua esse Agrippa declara que S.
Exc. o Sr. Dr. Lucena a acorJou o leao pue dor
mia.
E' ate onde p'ide chegar a fatuidada de A-
grippa. ,
Leao que dorraia !
Agrippa poJe ser um reptil nojenio, uma case*
vel, um sapo, uma hyena, uni porse/ejo, tudo em
fim, que for animalejo ; menos um leao, qae e"
um animalnobre, qua So rei doe animaes irracio-
naes.
Pois Agrippa, que anda da rojo, quer se compa-
rar a u.n leSo f
Pois Agrippa, que quanlo pretonlva a eadeira
Je lente da facaldade de direito dlrigfq ao~ Exm.
vi-c.'iida da Camaragibe, uma carta. em que Ihe
pr mi-tti.a imrc-orriJoara gratidao a Ihe offerecia os
seus servicos; e hoje na Provincia procura ferir
o mesmo visconde, poJe ter nobreza de espe.le al-
guma ?
Dizia Agrippa, na citada carta : i hypotheco a
V. Exc. a minha gralidao, os incus servicos, o
raeu braco, a minha penna, tudo emflm.
Becebo o baoeucio essa serpente e inorde a mao
aue a afagou I
.8' evidente, pois, quo 03 instinctos de Agrippa
sao de urn ente perverso.
Fallando da Provincia, vein n;s a lombranca,
por forca d v associaQao de ideas, 0 papel, aqua
assu.niua ultimamente 0 Sr. Dr. Aprigio, papel h is
til aos Exms. Drs. Lucena, visconde da Camaragi-
be, cjustlheiro Joao Alfredo e aos Srs. Joaquim de
Mello Reg 1 c Leodegario.
Porquo 6 qua esse Or. se irrita contra 0 Exm.
Dr. Lucena, que so na^lha fara bam, 3endo im
possivel ?
SaS. Ex-, na) dea a revisSo das obras do pa-
dre Barreto ao duutjr, foi parque nio liavia quo-
la destinada para um revisor.
I! im id 0 doutor que S Exc. nio podia enchef
a barriga dc um revisor a custa da provincia.
Porque s^ irrita contra 0 E^n. Sr. visconde de
Camaragibe?
0 diutor deve. lembrar-so da promesa sotemne
ime f'Z ao Exm. vis.-jnie, rroternp*J, em qua men-
Agava 0 lugar de lenta da facaldade do direito.
i'ois 0 doutot que. jar^u aos seus dcuses ser
sempre grato a) vrsjbdne e 35tar senipre aos seus
services, hoje o.trala com tanta ingratidrlo?
Delta fjrmaiom,os 0 direito dc dizer ao doutor
na sua propria rosja: vos sols 0 prototypi da inc
gratidao, tepdes u u peito iucapaz de acommodar
qualquer sentimento nobrc celevado..
Tal p-ocadimento junto ao do dilo doutor em
palacio, A? qae tinha S')*000 para dar a quern
fosse com um fach) de fogo incendiar 0 collegio
das irma-de Santa Dorothea, da n.is aiadao di-
reito do dizermos ao doulor : vos sois um per-
versu em essencia, tcades um genio malefico e des
truidor.
Irrita se tambem aquel c genhor contra 0 Sr.
"Joaquim le Mello Rego, a ate dizem que, em alia
*sa>, escreve columma fusca.
0 Sr. Aprigio, se 11:10 nos enganamos, nao pode
Ta liar em brancura, nio e la dos mais limpos.
E .'epois podemos assaverar que se a Sr. Aprigio
julga os outros por si, nio os offende.
- E porque 0 3r. Aprigio lanca-se contra 0 Sr. Mel
lo Rego ?
E' pelo instincto da depravacaa, da perversidade
e ingratidao.
Se 0 Sr. Apregio fosse susceptivel da qualquer.
accao honrosa e nobre, talvez se recordasse de
que 0 Sr. Joaquim de Mello Rego e 0 mesmo, que
0 apresentaraao Exm. barao de Vera-Cruz, para
que melhormente eonsegoissa as sympathias a fa-
vores do Exm. visconde de Camaragibe, quando 0
Sr. Dr. Aprigio pedia a protecjio do visconde para
sua preteneao a cadeira de lente da faculdada de
direito.
Eotao 0 Sr. Joaquim de Mello Rego era, para 0
Sr. Aprigio, 0 primeiro homem, era. 0 seu melhor
atnigo, a que ate tomou por padrinho do um dos
seus Olhos.
Nao se envergonhara 0 Sr. Aprigio da procedi-
mento negro, que tem lido para com 0 Sr. Mello
Rego, padrinho de um filho do mesmo Sr. Apri-
8">? .
Qual I 0 Sr. Aprigio esta com a conscience gas-
ta, rombuda, nao pode tracar a linha divisora en-
tre 0 que 6 acg,lo boa e 0 que e accao ma I
Atira-se flaalmente 0 Sr. Aprigio, sobre 0 Sr.
Leodegario.
Quer 0 Sr. Leodegario saber qual 6 0 meio de
abrandar a fera ?
Prepare uns 10*000 para dar por um volume
dos plagios, e tudo esta arranjado. 0 Sr.Leode-
gario ficara livre a salvo do veneno Aprigino.
0
Cenkiterlo'publieo. Obiluario do dia 13
de jullio da 1S74 :
Agoslinha Maria daConceicao. parda, Padrasde
Fogo, 40 annos, casada, Boa Vista, hospital Pedro
II ; scyrrhoso no figado.
Manoel da Trindade, Pernambuco, 13 mezes,
Boa-Visla; tuberculo meseuterico.
Manoel, reemnascido, pardo, Pernambuco, Boa-
Vista ; letana.
Isabel, branca, Pernambuco, 1 anno, Boa-Vij-
la ; variolas.
Maria, parda, Pernambuco, 3 annos, S. Jose,
convulsoes.
Luiz, escravo, preto, Pernambuco, 26 annos, sol-
teiro, Poco ; hypertrophia.
Maria, parda, Pernambuco, 2 dias, Graca ; es-
pasmo.
Cemitcrfro pnblieo.Obitaario do dia 14
de jullio de 1874 :
Maria Alves de Jesus, parda, Pernambuco, 40
annos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro II ; in-
feccao svphjliiica.
Antonia Maria do Monte, parda, Pernambuco,
45 anno-, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro II;
eaterite chronica.
Anna Maria da Conceicao, branca, Pernambu-
co, 20 annos, solteira, Boa-Vista ; bexigas.
Bruno, branco, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Vis-
ta ; entente.
Julia, parda, Peruambaco. mezes, Graja |
convulsoes.
Manoel da Cosla, preto, Africa, 80 annos, sol-
teiro, Boa-Vista ; hiflammacSo intestinal.
' Maria, parda, Pernambuco, li? mezes, Boa-Vis-
ta ; entente.
VEJAM OS PUOVINCIANOS.
Voltamos ao que dissemos: nunca injuriamos,
nem insultamos aos Srs. barao de Villa Bella e
Buarque de Macedo.
E' a verdade.
Haviamos ate certo temp.) guarJado 0 mais ab-
solute silencio a respeito desscs dous membos
do partido provinciano; e permaneciaraos no
propoeito de assirn conlinuar a proceder. Entao
fazia 0 barao de Villa Bella os mais rasgados
elogios ao Exm. Sr. Dr. Lucena, a quem canipri-
mentava, sendo 0 primeiro a dar esse p iss0.
A aproximacao do Sr. Buarque de Macedo do
Exm. Sr. Dr. Lucena era de todos cmhecida e
tambem dos proprios provincianos. Por interme
dio desse Sr. fez 0 Exm. Sr. Dr. Lucena ate obse-
quios ao Sr. barJo de Villa Bella, que por esse
modo os solicitava.
Mas chegou 0 dia 16 de maio. 0 Sr. barao de
Villa Bella nao trepidou em pegar da penna, em-
bota sob p'essilo de 3eus amigos e por amor da
caricata posicaa de chefe, para assignar uma
carta, mandada para a corte, documcato mentiroso
e dilfamante, em que as inexactidoes fervilnavam
a os insultos e calumnias contra a pessoa do dis-
tincto Sr. Dr. Lucena faziam papel principal.
Tudo mulou se entao da parte do barao de
Villa Bella e nao deveriamos nos mudar de pro
posito. Bern 0 desejara 0 bario de' Villa, envol-
vido na sua"atmosphera de gravidade t Ma3 -era
imposslvel que assim succede-se.
Vimo-nos, pois, forcados a correr em deteza do
inclyte adminisirador, qua por todos os modos
comecou a ser atassalhad'j.
Nessa afan tivemos, nem era possivel outra
cousa, de ajustar contas com 0 barSo de Villa
Bella, cujo insolito procedimento e aculamento.aos
ieus a isso uos forcava. Pozemos por essa occa-
siao a mostra a calva do barao, que a tinha bem
grande. -
Foi esse 0 nosso peccado e &t elle chama a Pro-
pincia, i Candida provincia, dtffamar e insultar!
Qae tal? .
Se em tudo 0 que dissemos a respeito do barao
de Villa Bella houve cousa,. que Ihe desagradou;
a culpa nao e nosga e sim do proprio barao, que
sahio se a denegrir 0 caracter do Exm. Sr. Dr.
Lucena, incitando os seus para quo 0 flzessem
tambem. A culpa nao foi ainda eDao de sens
proprios amigos, cujos juizos nJo fizeraos mais do
qae transcrever. -
. nosso crime nissn, 50 quizer a Provincia
.t erfine seja, fui 0 nio conWiisrmos a ser
con Isscetid.-mtes com 0 hacan de Villa Bella, quo
pel s seus desacertos perdeu o direito as. nossa<
complacencias.
(Jaanto ao Sr. Buarqua da Macado, precede
tambem e que acabamos de dizer a respeito do
barao de Villa Bella. Nunca foi elle por nos in
sultado.
0 que Hzemo3 fol-iazer ver ao Sr. Buarque, que
fugiado de palacio coraecou a insultar 0 adminis-
irador da provincia a ao governo geral, que
nao era licila semclhante conducta, a qucm se
aebava nas suas condi;5es. A isso accresoenta
mis que era inadmissivel 0 papel que assumia na
opposicio 0 Sr. Baarque, iasultando a qnem devia
respeitar ; nor isso que eram grandes os seus
pe.-cados politieos. Foi tal qual I
E chamara a isso os provincianos t insultar e
injuriar ? Pois, pode-se dizer que tal faz quem
exproba e pubhea, sendo a isso provocalo, < s
maus feilos e desacertos de conducta de outro ?
Cada qual que viva limpamente, se nio quer
qae Ihe vejam noaoas. So as tiver, pordm, que
nao venha desfacado azgredir aos que Ihes podem
servir de medelo em tudo e por tudo.
Isto sim, sera bom caminho.
Insuttam, diffamam, iqjuriam, calumniam, de-
primem os proiinctanos ao Exm. Sr. Dr. Lucena,^
lilho benemarito desta provincia, que ja tanto Ihe
deva; outro tanto fazem com outns conspicuos
advarsarios a entendem que fazem bem.
Apenas, porom, os desmascaramos( fazendo-os
apparecer iidiculis, execraveis era sua hedionda
realidade ; gritam e gritara que os ntsullamos e
injuriamos.
Coitados I
OS MKBECIMK.NTOSDO SR. APRIGIO GUIMARAES.
0 Sr. Aprigio escreven para 0 Novo Mundo,
d'uendo-se 0 primeiro homem do Brasil.
Escreve mais, expondo os seus proprios ami-
gos : manda declarar qua os liberaes do Brasil
teem mais callos nos joelho3 do que os monar-
cbistas do tempo de D. Joao VI.
EsteSr. Aprigio e sempre 0 mesm) homem,
que trahio 0 tlnado Joaquim Vilella I
Como diffamador, manda tambem dizer que
tudo ao Brasil se vende, ensinuando ;e um ho-
mem honrado ; quando lod.is aos o conhecemos
como um villa*., qua quer a lode transe ser um
popular.
Agora o mesmo Sr. Aprigi) escreveu na Ghro-
n:ca da Provincia, que 6 superior ao Exm. Dr.
Lucena em marecimentos I
0 Sr. Aprigio esta doulo, perdeu acabega I
Pois 0 Sr. Aprigio ji vio um homem de bem c
houra lo a toda prova, um cidalao prestimsso e
patriotico comparar-se 01 medir-se pela bitola
dos diifamadores, dos intrigantes, dos invejosos,
dos banJidos, e djs miseravtis emfim ?
0 Sr. Aprigio -sta doudo I Ja desconhace ate
os principios mais comezinhos !
Bievemenle a loncura, 0 desespero do Sr. Apri-
gi i da para escrever qua o O'Pastana ou 0 B11 liao
do Escama 6 superior a Alexandre Herculano,
em merecimentos !
0 Exm. Sr. !>r. Lucena, tem do c compaixao
do senhor, Sr. Aprigio !
Modere um pouco 0 seu furor e fique certo
de que S. Exc. reserva para 0 senhor, 0 melhor
quarto, 0 melhor aposaulo do asylo da alienados.
Esse Sr. Aprigio, essa mumia de oculos, e
um capadocio de primeira lor;a.
0 fiaco delleao meno3 0 principale querer
pa;sar pmfasetper ne'fas como homem iopu
l-rcapaz Viaaginr a applacar as turbas, como
Neptuno aannd.is da mar!
Porte lub\!
Ora,.qaeimja vio uxa mumia da o:ulos, uma
ilgara "do eng.om.'o, uma cabecinha de cobra,
convertido emIribuu) !
Satanaz te bljfeje, men pas, alhio.
0 recolhimTnt^ da Miranla Lobo ao hospicio
de alienados deu causa a Provincia accusar nao
s6 as auDridades de Olinda, como ao Sr. barao
da Tacaruna.
Fui muito mal infjrmada a Provincia.
Lobo 6 um homem rec inbecidameala louco, e
tinha a mania do insultar da varanda do sua
casa a todas as faoilias de sua visinhancv.
Certamente tudos lastimam oe.-talo a qae che-
gou este infsliz home:n, qae nao tarn responsa
biliJade alguma do seus actos, e par is3o mesmo
ninguom Ihe vota odio por seu mao proceder.
Mas a sua loucura chegou a ponto de nao per
mittir que a resptltavel faulilia do fallecido Dr.
Boltrao, a do Sr. Dr. juiz da direito e outras po-
dassem apparecer.
Quando isso succadia, e mesmo era sua au
sencia, Lobo parecia u.n possesso ; nao se pode
dizer as expressSes por elle empregadas 1
Se a Prviucia davidaase desta verdade, appelia
namos para o testemuoba do Sr. Dr. Quintino Josd
de Miranda, e talvez d) Sr. Dr. Soares Bran-
da 0.
No estado e n qae se acbajram as cousas, com as
repetidas queixas das f.ailias honestas da Olindi,
eraimpossivel quo na) aetomasse uma providen-
cia.
Tendo alguns medico*, enlre outros 0 Sr. Dr.
Ermiro Coutinho, oeclarado (|ue Lobo sollria de
alienacao mentl, hi recolbido ao hospicio de
alienados.
Nio soffreu violencia alguma da parte da auto
ridade policia), seu lo ate acompanhado por pessoas
de sua amisade.
Sobre este poalo podemos invocar 0 testemunho
dos Srs. Drs. Luiz lvnygdio R)drigues Vianna
Francisco Lins Caldas.
Nao suppouha, pois, a Provincia qua alguem, e
muito menos 0 honrado e pacifico Sr. barao de Ta-
caruna lives e interesse em que Lobo fosse violen-
tamente recolbido a um hospital da doulos, sem
que infelizmente solTresse de alienacao men-
tal-
Nio acredite a Provincia em certos mformantes
aue so ahmentam com a diffamacao da honra
a'lheia, e se oecupam eiiclusivamente com pas-
quins.
Toma cautela com um miseravel pasquineiro la
da Olinda, sem leputacao, sem brio, reconhecido
nesta cidado como um devasso daspresivel, e que
infelizmente esta'agora residind) naquella ci-
dade.
II oil 1111
l'refiro 0 governo dos francos conserva-
doresao reinado desses ambiciosos, os libe-
raes!... que sentem-se impuros para sacri-
ficar no altar da liberdaJo, e andam especu-
lando em norae da dcusa
1806.
Marco Antonio 11..
Eleiqao
de jula e juizas que liaio de festcjar
Nossa Senhora do Rosario. na mua
igreja da freguezia tic Santo Anto-
nio, neste anno de 1S3-1.
Julzej por elei{ao.
Os Illms. Srs.:
Francisco Jose da Costa Araujo.
Manoel J se Carneiro.
Conego vigario Antonio Marques de Castiiha.
Adolpbo Francisco da Silva.
Joaquim Jose Goncalves Beltrio Junior.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello.
Marcelino J036 Goncalves da Fonte.
Juizes'por devocao.
Os Illms. Sr?.:
Rvm. vigario geral Dr. Francisco Graciano Araujo.
Coronel Joao bagundes de Soaza.
Modesto do Rego Baptista.
Comnjendador Jose da Silva Loyo.
Joao Martins de Barros
Manoel Domingues da Silva.
Rvm. Fr. Ignacio da Santa Umbelina Medeiros.
Juizas por eleigao.
As Exmas. Sras. r
Baroneza de Santa Cruz.
D. Angela das Neves, es?oa do Sr. Jose Duarte
das Neves.
D. Maria Rita da Cruz Neves.
D. Prescllla Senhorinha Mendes Albuquerque.
Esposa do Sr. tenente Manoel da Silva Maia.
Esposado Sr. Dr. Joaquim Jose da Fonceca.
D. Maria de Almeida Lima, fllha do Sr. Marcos de
Almeida Lima.
Juizas por devocao. -
As Exmas. Sras.:
D. Jesuina Augusta Aives Silva.
D. Carolina Moreira de Amorira.
Esposa do Sr. Ricarlo Gomes da Luz.
D. Rufina Aranjo.
D. Constantina de Mendouja Ferreiia.
D. Maria Felicia da ConeeieJo Bastos.
Juizes prolactores.
OS Illms. =.'?. :

J.j.-e J '3o da Amor 1111. j. _
Sebastili Antonio d.. P.ilra Bsixa.
!)esionba:iridor J..* F. lippo dc Soaza Leio.
Felix ds Ucrces Maiiit.
Rvm. padre Bstima. ?
Joao Pereira Moulinho.
Jose Joaqaim Alves.
Anteok) Fran.-isco Pereira de Lyra.
Antonio Frauciscodas Santos.
A' tonio Josa Vieira.
Dr. Alfonso Arthur CyaneitO de Albaquerqut
Juizas protecloras.
As Exmas. Sras.:
D. Theresa, esposa do Sr. Felix Games LoimLra.
Esposa do Sr. Manoel Goncalvts de Barros.
Esposa do Sr. Dr. Adrian.
Esposa do Sr. coramendador Emilio Xavier Sobrei-
ra de Mello.
D. Luiza Muuiz Barreto VeNoeo.
Esposa d" Sr. Anton 0 Jose Pereira da Cunba.
Btposa do Sr. Dr. Angasto Var.
Esposa .lu Sr. coiniuendador Albino Jose da fi'va.
Esposa do.Sr. Candido Carvalno Neves.
Esposa do Sr. Rulloo Luiz do llego Braga
D. Anna Cavalcanta de Albuqiierqut Laeertt.
Esposa do Sr. Dr. Gaspar de Maneies Vase n "l-
los de Druinmond
Escrivaes pjr eleicao.
Os Illms. Srs.
Francisco Jose Leile.
Joao loaquim da Costa Lfile.
Padre Allnno de Carvalho Less.i
Gerald) lljiiii.iue de Myra.
Jose Augu&to Marques
Fraaciio dos Santos Neves.
E-crivas por eleicao.
As Exmas. Sras.:
Espi >a do Sr. Autonio Jose V rira dc Sonzs
I). Maria Francisca de Ml-IIo Tavares.
Esposa do Sr. 'Vicente Fe:reira da Porciunc....
I). Francisca, esposa do Sr. Damiao Ferreira Li.
Esposa do Sr. Lourauco Ribeir da Cuaha
veira.
E scri vaes por -de vocln.
Os Illms. Srs.:
Jo-e Pereira d; C.-.rvalln.
Tibureio Vaieriant Haplista.
Henrique da C .-u'Sjares.
Sad Goncalvej Ferreira da Costa
Joaquim Goncalves de Siqueira
Escrrria por devocao.
As Exmas. Sras.:
Esp i-a do -r. ma), r Joio Fraacisoi da Cw
D. Marianoa Magallnes de Oi.wira L">o.
D. Maria Accioli do Carmn, lilha do Dr. Alex-adre
de Sonza Pereira d)Carrao.
D. Itosa Candida de Moraes Barros, esposa I .
eommendador Belmrmmo do Rpgo Karros.
D. Isabel da Caaba Miranda Leal, esp.-a .' fc.
eommendader Leal.
Mordcunos.
Os Illms. Srs. :
loaquim Goncalves de Andrade.
Fraacisc. Ferri ira Batter.
Major Antunes..
Paulo Jose Alves.
\ugnsto Frederieo dos Santos Porto.
Joa luim Lopes Machado.
Manoel G mcalves Ferreira e Silva.
U rnarJiao Campos.
Jose de Carvalh).
Capitio M guel Ja Fonceca Soares.
Baltaiar Pinto de Gouvea.
Ciinmenlador Antonio Gomes Netto.
Major Antonio i'iuheiro de Mendon^a.
Claadio JJuleux.
Jodo C.'Ns Baajtaa de Oliveira.
Jose Azevedo Andrade.
Manoel Tavares da Cotta Ribeiro.
M^rdoinas
As Exmas. Sras.':
D. Senhorinha Maxima da Cunha Arrui-
D. Joanna Ursula Mortira Alves.
D. Joanna d.i I'urciuncuia Ferreira.
D. Arminia Bril-J de Sa Pereira.
D. Maria Joaquina.doe Prazcres (^osia.
0. Simoa Maiia do Espirito Saul 1.
D. Maria Bernardina Ramos Cbagas.
I), lasepha Alexaadrioa Ferreira da Silva
Bapdaa J) Sr. Lino Jose da Costa Amorim.
D. Maria Felicia de Araujo e Mlva.
D. Gaiibermina Moreira de Mend nca.
Cmsistono Ja irmandad de Nos-a Baa
Rssario, it) de nutubro de 1873.
0 secrelario,
Autonio Feireiia da Silca ttmi
1111a ai
Ao men amigo Jo&O A ugustoVU .1 Unique/ fU M
nhlo, e a sua fc.rma. famHia ; cm in
sen laudato pai, 0 m jor d't ec--rctto Tim
Peres de Alouquernae Muranhiio, uurto Uu i'a-
lciguay, p.r otiuaia do MaMMMMab //*<-
in tytd, na lia vide jtilhu de IMS
Perdoa-me, por D.us, man terna amigo,
Si na extromosa lyra da amiiade,
V,nli.. s-iiiil) desferir-te um canto
Ungido de amargura e de saudade.
Eu sint0 a tua dor ; deixa que eu chore,
a? esta .1) p eta a inl.'U-ta sorte :
Tiver sempre geraenlo a|ui na terra,
Te que 0 roube n'um sonho a mao da in.;
Fazem hojeseis annos qne tualma
Vaga perdila sobre um mar de ausencia ;
Ha >eis annos talvaa... que le lamentas
Como um loaco da amor em penilencia I
Seis annosde sti;piros e de lagrimas...
Seis aunos-de tormentos e orplundade...
Seis annos-sem amcr, nem luz nem crcn..
Seis annos-da tristeza e da saudade !
E' grande a tua dar ; mas cessa 0 pnoto,
Despe 0 lulo hral desse passado...
Tem 0 nome da heroa qeem luta e morre
No campo da batalha eusanguentado I
Por quem ch.ras entao ?! Ten pai querido,
Foi um des.-es heroes que a palr.a ado: a ,
E a liberdade deplorando a perda,
Soluea e gema, so consterna e chora.
Era filho do ceo : foi seu destino
Nascer, lutir, morrer p.da victoria ;
Tendo por pran'o o bnlho das estrellas,
E por tumulo d; amor.o sol da gloria.
Su'alma ardente esoroacpu cantando
Murmurios da amor a liberdade; .
E foi qual aguia fabricar seu ninho
Sobre os paramos sem lins da eternidade.
Por quem choras entio ?! Nio mais lame^
Esse archauj0 febril dos teus aahelos...
Consola a tua irma, beija-tbe a fronte,
E enxuga es e teu pranto em sens eabeilis.
A" noite no delirio dos teus sonhos,
Nao te assombre a visio dos teus araores...
Se a imagem de tea pai vier beijar te,
Singe-lhe a fronte de innodoras Q res.
Abraca a tua mai ;;e guardan'alma
Estes mens versos qae escrevi senlido,
Basta que ao le los te recorde sempre
Da imagem santa de teu pai querido.
E adeus, amigo, adeus ; foi meu intento
Na trislurosa lyra da amisade,
Sobre 0 seu tumulo dtsprender carpinJ
Um gemiJo de dor e de saudade.
Recife, 10 de julho de 1874.
_____ PfiiNO Guedes.
^mfmaBmmwa^asmmmmmmmmwmmmammk
Desejarei muito que 0 Sr. Manoel Martins de
Azevedo, fara apparecer a verdade, a respeito do
roubo praticado na lojaRosa Branca ; e, en-ao
pode licar certo qa nio Ihe faltarei com a jas-
tica.
Sara mais facil cinvencer me a respeito d. taa-
bo de que se trata, do que a respeito dos iecen-
dios que tem hivido nesta cidade, sempre aita noite,
e em estabelecimentos segoros.
0 Sr. Azevedo, bem tem visto qne nio me lento
poupado a reclamafoes suas, ate meimo as det-
cobertas da adevinhaciio do cops, que diz ter man-
dado fazer.
0 meu empenho, fiqno 0 Sr. Azevedo ear-
to, e descobrir 0 ladrao, para que nio passe im-
pune, a assim fiqaera outros animados enccra-
jados para notss emprezas.
E' men devar garantir os mens districlancs SM-
tra os assallos dos ladroes ; e, se mais nao faco, 4
porque nao posso e nao disponho de sufflcientea
meios. \
Nao tenho jmcr e nem interesse algura ao :ir-
go que exerjo ha tanlos annos ; e, proven Deus.
fosse delle destitnido, para bem men aapaeuJ
metite e agrado de outros que me julgam ine.ro-
ravel.

-
i

\ -

I
^v
M
r
T


MBLm toforimaAmji-mr' ri*U i^r%.j dt Mllaj; d-if-4
mm
%
3
aoto, p. rem, na > liver
^H^B*0 mtu 11
auiaqui to-
. 3Stt,
Decio de Aquino Foriceca. .
Ala Ja sob re o ciicci'Ij ow lu-
'jhwrda oclo -^alustruccao Publicu, u insi-
de 4L do corrcmte.
ao sendo 36 de equidade, mis (nmbem ue-es-
justica a rcclaraacip-feita qo Joanldi.Recife
de hojojieloJ Srs. musicos d> arsenal-, aos apres-
samos afdeularar que, alem da Exroa. Sra. D. Ma-
ria LeobmaBraji, foram as E^mas. Sras. D. Elm i-
rioa Nunes Goncalves, Libania Rodrigues da Silva
e Maria Duarle Pinto,tjue co.ieorreTam com oSr.
Gustavo Wertheimer, para a luutiUNis execueao
da ouvertura ie Guilherme Tll, de que tratamos
oa noticia que sobre o concerto pablicamos no
Diario de 13 do c Treats.
Somos o? primeirji era reonhecer o merito e
03 servicos prestados por todas aquellas Exmas.
Sraa. e isto me3mo se deprenende do3 terraos em
. guefallamos da execueao. oaquella ouvertura.
Se por iima dcssas fallas involuntarias omit-
timos entio deelinar os names dessa9 Exmas. se-
nhoras, agradecemo3 aos musicos do arsenal o
tor-nosproporcionado agora oi.-easiaode reparala,
como fazeraos.
Recife, 14 de julho.
?

Ao publico.
Dfixo de responder as.diatribe?, pablieadas na
Provincia de hoje, polo mi eravel quariao I. G.
M, que, nao tendo a preeisa coragem e digaiitadc
para assignar-se, crismou-se de D. Bernardo Dto-
go'.'.'.
0 publico que avalie pela linguagom de tarn-,
bor qual o abjecto aulor de taea sandices; e faca
um juizo imparcial -mbrea maonv sociedade lit-
tehaiuaInstitulo Ilistorieo e Philosopbico...
Se o .despresivel [. G M., tera ainda os scotimcn-
tos de homem, apresente-se a descoberto, cpm sen
verdadeiro nome, e usando da linguagem de ca-
valheiro, que me encontrara serapre, quer para
desmacarar seu fofo orgulho, quer para fazer um
historico do Insiiiulo Historico.
Recife, 15 de jaiho de 1871.
Magalhdes e Silva.
1 rhiiuplioN do grmnilc cathnr-
lico Tegetal.
De todas as paries do munJo correra abundan-
teraente continuadas provas-da grande efflaacia das
pilulas assucaradas de Bristol Nos lugares pan
tanosos e infestados de febres biliosas, calefrios e
sezSas, 03 seus re^ultados teem sid? maravilhosos.
t'ma carta de um medico d'alli diz : a ellas ostao
pondo uuHermo linal as febres intermittent js nes-
tas parageos. Eu as receito para todos os casos
biliosos e as tenho como 0 melhor medicamento
do larailias que jamais teraos possuido.i Nao me-
nos extraordinarios sat seas efieitos cos caso3 de
hdigestao e em todas as molestias proveuiemesdo
figado e inlestinos.
A snavidade e bnndura de saa a:cao admira a
todos que as tmiam pela vez pumeira, emquanto
quesuas qualidades investigadnras sao applaadi-
aas com particular ernpnase. Ettas ostio rapida-
mente supilantanl 1 esses vciios e cadaeos par-
gantes drasltcos ; e 0 facto dellas nio desmerec..!-
rern pela conservaffo, aciiaado-se nililamenle
. acondicionadas deotrode vilrialios, Ibasdaama
iramensi vnlagom sotfre aquellas feneccntes pi-
lulas, euja existen'eia e tao precaria como 0 sao
stm virtudcs.
Eratodo3os Cisos proveniejles ou sg^ravados
p^lo estado >mpuro da-massa do sangue, a salsa-
parrillu de Bristol, deve ser usada juntameote
n as pilules. .
M
JUNTA DOS CORREIORES
Hraca da S&ccife, 15 dc julha
de 1834.
AS 3 HORAS DA T.VRDE
COTACSES OFTl'IAF.S
!'i) ill' Mossoro 1 sDrte 8^090 por 13
kilos, boniem.
1 -ik ilii 1 sera inspeccao 7^300 por 13 kilos.
Ass near brato bom 14700 por io kilos, huniem
(io- sobre Loadrea a 90 djv. 2o :jiS d. oor
1'XIO. do banco.
it. de Yaseouceilos
Presidents.
a P. de Lemos,
Secretano.
Xo 4'a 1j
.TLuwtr* por.
'.egacda por: a
r^oeira por: a \,
Jaarta porta
X tpichs C.-ncei;is
QW\
SERVigO MAR1T1M
vi>d.rengas descarregaiias do
alfaaueita :
No dia 1 a li ....
No dia 11.......
trapicLe da
14
1
1 Bom Jmbs a SG/Jtts*' AMonto Hid-
ra Oias
Impost) de SfHOM per caxeiros,
bxsrn weolMipff de eicravoa.
Estreila do Rosario. Agostinbo Fer-
rcira Junior
Ponte Velha. >dfl) !f nedoro Alves
Leao CoroadoVEJuaraj Mifioel da
Cost*
Fogo. Joao de Oliveira rTeial*)
Soiedade n 8i. Jose Muniz
Nogueiia. Joao Francisco de Ofiveira
^streita do Rosario. Jose Lopes Ma-
ASCEBEDORtA D8 REN DAB INTi UNAS GE-
RAES DE PRRNAMBUC-
tondiraento do dia 1 a li 26:181*101
4*m do dii 15 3:891*590
89:472*691
dodi, it
GONSDLADO PROVINCIAb
flen'Jtmento do dia 1 a 14 103.0)61595
i4em ao dia 15 ... 1:160*593
54;5dQ.
54.5Q0
!H,500
l4,5<>0
54,500
54,500
34,500
de
^fjilefttawbua),!!^
CMW-WJ-----------;'ltoc.o.W..fr.,l;,>erqfjaodaSil?
Edital r..1%
1 iLischsn. da Viftga Pee-vf
104^197*188"
Idem do dia 14
Rendimento de
Idem do dia 14
AGENG1AS R0VINC1AES
Liquidos espirituosos.
Rendimento de 6 a 13 4:456*884
Idem do dia 14
Rendimento de
I Jem do dia 14
63*131
Bacalhao, etc.
6 a 13 2 7325714
470*8oO
Generos de estiva.
Rendimento de 6 a 13 3:13'.1*015
497J8C0
Fnmo, etc.
a 13 1:320*666
213*210
4:520*015
3:203*574
3:636*875
1:513*876
12:894*340
The3o:iro provincial de Pernambuco, 15 de ju-
lho de 4874.
0 escrivao,
Joio Garneiro M. da Silva Santos.
JJgtVl^^Yfe M ?QftT~
S'uvio enlrado no dia 15.
-New York por S. Tnoraaz e Para23 dias, sendo
do ultimo porto 6, vapor amerieano Ontario,
de 3,451 toneladas, eommandante Sloeura,
equipsgem 86, carga differontes generos ; a
Henry Forster & ',.
Ravins sakjdos no mesmo dia.
Aracajii e por'.os intermedio-Vapor nacional la
tjiaripe, comraandante Julio Games da Silva
Neve?, carga varies generos.
Portos do solVapor amerieano Ontano,", eom-
mandante Slocum, carga a mesma que trouxe
dos portos do uorte. ^
imento
do dia
ALFAVnK-
So di? la 14.
15
408-433*311
18:130*701
116:613*918
Edital n. 9
Pela inspectaria da alfandega se faz publico que
as 11 horas da manhado dia 16 do corrento se ha
de arrematar a porta desta reparticSo, livre do di-
reitos e sujeita ao impoato dona abaixo de^larada, abandonala aos direitos
par Pereira Garneiro & C.
Marca diamante H e contra marca PCiC e a
baixo P ns. 191 a 202, 20i, 203 e 808 14 caixas
vindas no navio francez Intrepiie Corse, descar-
reg'adas em abril do c irrente anno, contendo 9.60
latas com biscoulos, pesaado 7J0 icilogramraos, ao
valor de 3883000.
Alfandaga do Pernambuco, 14 dejulbo
de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de C'irvi!h Tarabia n. 30. Luiz Antonio Rodri-
gues Visccnde da Albuquerque. Maaoel
J.-aqu(m Gorrea d'Alajeida 54,500
Ponte Velha. Manoel Fragoso 34^500
Hurtas. \icealo Alves Machado 54,500
Impo3to de 50*000 por taverna que veader miu-
dewa.
Vigario Tlienorlo n. 33. JoSo Alexan-
dre Ywira 54,300
Imperador n. 8 tas 54,500
3arao do Triumpho n. 65, Lopes &
Aadrade 34,5)0
Visconde de Pelotas n. 6. Miguel An-
tonio Goelho d'Almeida 54,500
Imposto de 80jlon0 e 40*000 por biloares.
Barao da Victoria n. 51 Antonio Ca-
sadensant 65,400
Larga do R>sario n. 31. Augusto de
Barros Corrih 43,600
(larao da Victoria u. 67. Alves ^
Mello 87,200
Largo do Monteiro n. 10. .'.eciliano
Rodrignes dos Passos 43,600
Imperador n. 32. Cboix 43,600
Joao Fernandes Vieira n. 87. Ed u-
ardo Chovin 43,600
Bemfica a 27. Gomes & Irmao 63,600
Travessa da Ponte de Ushoa n, 2.
Joaquira Francisco Franco 43,600
Estrada de Apipucos n. 62. Jos6 An-
tonio Pereira da Gunha 43,6(0
Gaxanga. Joao Pereira dos Santos
Farofa 65,400
Vigario Thenorio n. 14. Jose Ricardo
da Costa 43,600
Larga do Rosario n. 37. Manoel Gar-
rido & C. 65,400
Caes 22 de Novembro n. 26. Poly-
carpo Jose Layme 43.60u
Barao da Victoria n. 48. Rocha
Pinto & G. 63,400
Joao do Rego d. 14. Roqoe Este-
ves 43,000
30*000 por cisa de moda
Barao da Victorio n. 16. Adelaide
Schiel 32,700
Imperatriz n. 3. Antonio Augusto
do F. Mcnezes 32,700
Barao da Victoria n. 67. Mme. Car-
rega! 32,700
Imperatriz n. 7. Viuva Lecomte 32,700
1*000 por im-ladas de alvarengas.
Pela inspeftoria da alfande^a se ftu poblico qua,
ff>o tendo sioo arreutaudas as oMPcadori s abai
xo declaradaa. tonn'inciadas a leifi'o por edital n.
7, por falta de concurrencia au valor ni.:ial, se
transtere a mesma arrematacTo para as It horaS
da mauUi-de 18 do oo/renlo, 4,pu:ta desta repa/-
lijao.
Armatern n. 3.
Marca Rlt n. 143. Hula caixa, vinda de Liver-
pool no Vapor inglez Jurist, dejcarreijada em 24
de setembro do 72 6 consignada a Lemos i Gue-
rjneau, contondo loB cliapeos do seda, simples,
para cabeca', 132 ditos de feltro, nao especillaa-
dos, 30 ditos de pello de lebre e GO ditos de palna
de arroz, simples, no valor'de l:3tl,420 rs.
Idem o. 144. "ma dita idejn, coutendo 114 cha-
peos de feltro, nlo espectflcado=, o 380 ditos de
pello de lebre, no valor de 1:939,984 rs.
Idem n. 152. Uma dita Idem id*m, contendo
126 chapeos de frkro, nao especiflcados, e 180 di-
tos de pejlo de lebre, no valor dc 1:090,440 rs.
Mam n. 154. Uma dita idem idem, contendo 24
chapeos de feltro, nio epecifiaados, e 84'C ditos de
pello de lebre, no valor de 1:110,876 ra.
Idem n. 158. Uma dita idem idem, contendo
108 cbapeos defeBro, nao espocilicados, e 84 di-
tos de pello de lebre, no valor de 634,824 rs.
idem n. 187. Uma dita, vinda de Liverpool no
vapor inglez Muriel, descarregada em 2 de no-
vembro de 72, consignada as mo-mos, contend)
258 chap6os de feltro, nao especilicados, e roupa
usada para crianca, no-valor de t: 100,628 rs.
- Alfandega de Fernainbuco, 15 de julho de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de C. Reis.
ST.
Con forme,
A. Fi'Freira.
Juaquira Correia de Ofiveira Andrad.
arrogant Boja lii ie jinho de 1874.
. gae inglesVictoria (atracado) mereadorias
para alfaodega.
amerieano Water Lilly m?rca Jo i.13
' p ker sene para alfaudega e trapicbe
Conceiclo, para despachar.
larca francezaZcrnf/os mereadorias para al-
fandega e trapiche Conceijaj, para des-
pachar!.
ao inglez -Silas Oluoard -mereadorias para
0 trapiche Gonceigio, para despachar.
Lug-ar inglez M-tr.nie -bacalhao ja despachado
para 0 trapiche Conceiclo.
Barca ingleza-OWuda-bacalhao ja despachad)
para 0 trapiche Conceicao.
Brigue inglez Maria bacalhao ja despachado
para 0 trapiche Conceicao.
ho ailemio Levante farinha de trigo e
breu ja despachados para 0 caes do
Apollo.
Barca ir.glezaTa/iwiin farinha de trigo ja des-
pachida para 0 caes Jo Apollo e merea-
dorias papa alfandega.
ibote inglez Southern Home kerosene ja
despachado para 0 caes do Apollo.
Bngue allemaoLu^ca-farinha de trig) ja des-
pachada para 0 caes do Apollo.
BsiiportactEo.
Vapor amerfcano Ontario, enlrrdo de New-
York em 13 do corrente e consignado a Henry
Forster 4 G., minifeslou :
Fumo 2 caixas a Antonio Je3.o Furtadc.
Impresso3 2 caixas aos consignatarios
Livros 2 caixas a De Lailhacar & C.
I' sido de algodao azul 5 caixas a B. Tnornson
DH--ACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 14 DB
JULHJ DE 1874.
Para os portos do exterior.
No navio allemio Johannes, para 0 Rio da
Praia, carregou : J. J. G Beltrio & Filho 108 ca>
cos com 48,010 litros de aguardente.
Nj pata^ho portugnez Forluna, para Liver-
pool, carregou : J. P.it-jr & C. 770 saccas com
62,583 kilos de algodao.
Xa barca portugusza S. Maria, para Lisboa,
carregju : A. Loyo, 800 saceos com GO.O'O kilos
de ass tear branco e 203 litos com 13,000 dins de
dito mascavado.
rara ot porlos do intcrhr.
Para 0 Rio Grande do Sul, no navio nasional
Priweza, carregou : Oiiveira Filhos & C. 500
barric3s cam 53,233 kilos de aisucar branco e 100
ditas com 12,270 l|2 ditos de dito mascavado.
Para 0 Rio Granle do Sul, no brigue nacio-
nal Pirangy, ear.-egoa : F. R. Pinto Gaimaraes 101
volumes cam 9,037 1|2 kilos de assuoar branco e
84 dit03 CDra 9;881 dj{os de dito mascavado ; A.
F. Balthir 3obrinho3i0 barricas com 42,620 ditos
de dito branco.
Para 0 Rio Grande dQ Sul,. no paiacbo uacio-
nal Joven Correia, carregou : J- F. Ballhar 70
pipas com 33,600 litros de-agnardente.
Para 0 Aracaty, o hiate nacional Dent te
Guie, carregou : Costa & C. o barricas com 573
kilos de assucar branco.
Para Mamanguapc, na barcaca Laura, car-
regou : J. J. Rodrigues Mendes 2 pipas com 960
litros de agnardente.
Para Maceio, no vapor nacional tfpguaribe,
earregou ; Bartholoraeu & C. 1 barril com 96 li-
tros de alcool.
Para Alagois, na barcaja V^nesa, carMgou :
G. J. de Souza 1 barrra com 60 kilos de assucar
refinado.
CVPATAZIA- DA ALF4KDBGA
Ksadimento do dia 1 a 14. 10.917*713
(dam do dia 15 ..... 877*492
11:795*20 ^
0 Dr. Sebasti&o do Rego Barros de Laterda,
juizde direito especial do commercio nes-
il. i/ijudv >' nui.ui ^ acu-icrmu ua capi-
tal da provincia de Pernambuco, por
S. M. imperial e constitutional 0 Sr. D
Pedro II, a quem Deus guarde, etc.
Fa(;o saber aos qne 0 pre^jrrte edital virem e
delle noticia tiverem, que n) :ia 16 do corrente
mez se bi de arrematar, par venda, a qnera inais
der em praca publica deste juizo, depois da res-
pective andiencia, 0 s guinte :
12 cadeiras de madeira de jacaranda, de guar-
nicio, a 10* cada uma, 1 sofa de dito por 10J|,
1 par de cousolos com tampo de pedra por 90*,
1 jardineira dz -dita por 805,2 cadeiras de balahci
por 80*, 2 de braco por 50*, 1 mesa elastica de
amareilo por 30*, 1 caolieira com pe de bronze
por 10*, 1 guarda-vestido de amareilo por 80*,
1 globo por 2*, 2 paras de lanternas de vidro a 9*
cada par ; penhorados par exeeujao de Rodriguos
Irrxaos & Guiiuaraes coatra Jose Monteiro de Si-
queira.
E nio havend) lanjador quo cubra 0 pre^o da
avaliacio, a arreraatacao sera feita pelo pre?o da
adjulica.ao, na forma da lei
E para que chegua ao conhecimen'.o de
todos, mandei passer 0 present-1, que ser^
publicado pela imprensa e affixadcTnos lu-
sares do costume.
Recife, io de julho de 1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do >Tasci-
mento, escrivao, osubscrevi.
Sebastiao do llcgo Barros de Laccrda.
.No dia 1 a 14
VOLUMES SAF1DC8
12,482
0 procurador fiscal do thesouru provincial
de Pernambuco, declara aos cantribuinte3 de di-
versos impostos a cargo do consulado provincial,
do exercicio de 1872 a 1873, que lhes fiea mar-
cado 0 prazo improrogavol de 30 dias, a contar da
publica^ao deste, na'conforraidade da lei n. 891
art. 53para solicitarem da seccio do contencioso
as guias respectivas, alim de reeolhere n seus de-
bitos, provenientes dos mesmos impostos, certos
de que nao faz-nlo dentrojlo prazo marcado, pro-
ceder-se-ha a cobranga juaicialmeute, publicando-
se para isto a relacaa dos devaderes abaixo trans-
cripta.
Secgao do contencioso provincial de Pernambu-
co, 11 de julho de 18/4.
0 procurador fiscal,
Cypriano Fenelon Guides Alcoforado.
fylacao dos devedores de diversos iinpostos que del-
xa ramde jngar seus debitos no anno finan-
ctiro de 1872 a 1873.
Rua Lemos 109,G0O
Commercio. Antonio Botelho Pinto de
Mesquila 109,000
Dita. Francisco Jj-e" da Silveira 109,000
Dita. George Patch 109,000
Dita II. Siepple 109,000
Dita. JoJo da Cruz Macedo 109,000
Imposto de 200*000 por agante de leilSo.
Marquez de Olinda. Jose Izidoro Mar-
tins 109,000
Vigario Tgenorio. Jose" Maria Pe3tana 109,000
Imposto de 200*000 por deppsito de carvao de
pedra.
Nova da Santa Rita n. 69. Companhia
perriambucana 318,000
lmpo?lo.'d3 203*000 por casa de corapra e venda
ou qualquer traniacjao de escravos.
SaataThereza. Antonio Jos^ Vieira de
gouza 818.000
Imperador Barao de Nazareth 218,000
Padre Floriano. Jose Frederic? de
Abr#u Reno 811,003
Duque de cs.xias. Jose Pedro do
Rego 818,000
Coronal Suassuna n. 69. ioie Martins
Alves da Cruz 818,000
Rosario da Boa Vista n. 42. JLjrceliao
Francisco Alves da Silva 818..000
Imposto de 3001000 por campanulas anonymas.
Commercio. C?mp'arihia de paquetes .
braaileiroa a vapor 345,000
Caes 32 de Novembro. Companhia dos
trillios urtanos do. Recife a Ca-
xanga 543,030
Barao do Triu pho Companhia Street
Raylway 54f,00
Imposto da 1 #00*00j por estabeleciraentos; que
vendem polvora.
Imperial n. 821. Claadio Dubeax 1:090,000
Avelino Luiz Cavalcante 6,540
I*ibel Maria da Fonceca Soares 1:099,810
Joaquiin Antonio Rodrigues 71,940
Joae" Ferreira da Silva 8.720
Joaquim Antonio do Carvalho 8,720
Manoel Jose Moreira 135,160
Vicencte Licino da Gosta Gampello 81,750
2*000 por botes.
Antonio Geciliano 3,180
Antonio Ignacio 2,180
Antonio Joaquim C'Treia 3,180
Antonio Patrick) Pereira dos Santos 3,180
Gandido Jo5o Antonio i,lM
Domi gos Mafra 2,18'J
Ev.iristo Hylaiio de Carvalho 3,180
Florencia Maria d03f)Prazeres 2,180
Francisco Joaquim do Nascimenio 2,18)
Jose de Jesus Ferreira 8,180
Joao Ant uiio Bolhosa 2,180
Joaqaia Antonio 2,180
Jose Alves Goutinho 2,180
loio Pampininno Ferreira de Araujo 2,180
Jose Rodrigues Bandeira 2,180
Joao Pereira da Gunha 2,180
Isabel Maria da'Fonceca'.Soares 2,18)
Luiz de Franca Bolhosa 2,180
Manoel CoDStaneto de Jesus 2JI80
Manoei Goncalves G. 2.1^0
Manoel Gorjfalves 2,{&i)
Manoel Francisco de Jesus Paiva 2.ISO
Manoel Jose Dautas 2.480
Manoel Joaquim Daarte 2 180
Manoel da Silva Guiaiaraes" 2,180
Manoel Antonio Moreira 2 180
Pedro Antonio Gomes 2,180
Rosalina Maria do Carni) 2,18)
Zeferino 2,180
Imposto de 5 por cento sobre a venda do ca'pim.
Engenho do Brum. Barnabe Luiz Caldas 8,868
Santo Amaro. Damingos da Silva
Ferreira 8,863
Varzea. Francisco de Paula C)rr.'-a
de Araujo 119,032
Apipucos. Franc sco Augusto de Oli-
veira 162,846
Barbalho. Jose Carneiro de Faria
Lins 59,677
Encenho Brum. Joaquim Marques
da Gunha 8,868
Apipucos. Jose Gesario de Mello 39.677
Barro. Joaquim Garcia dos Santos e
Silva
8.868
47,088
8,868
10,900
17,757
Galdeireiro. Manoel Vasque da Silva
Engenho Drum. Manoei do Nasci-
mento da Vera Gruz
Largo da Casa Forte. Sebastiao Jose"
do Rego Barreto
Cruz d'Almas. Vicente Tiburcio Fer-
reira de Magalhaes
Imposto de 3 0/0 sobre bens de rnao morta.
Restauracao n. U. lrmandada de
Sant'Auoa de Beberibe.
Coronel Sua;suna n. 11.
Visconde do Goyanna n. G6.
Tambian. 5. 35,316
S. Jorge n. 81. Irmandade de N'ossa
Senhora do Bom Parto.
Pharol n. 84. 9,130
Areial n. 14. Irmandade de Nassa
Senhora do Rosario de Santo An-
tonio.
Estreila do Rosario n. 9.
Largo do Paraizo n. 23.
Fogo ns. I, 2, 3 e 7.
Lomas Valentinas n. 18.
Santa Cecilia n. 19 108,019
Larga do Rosario n 9. Irmandade -
de Nossa Senhora da Conceic,So da
Escada 16,350
Largo do Paraizo n. I. Irmandade
de Nossa Senhora da Paz da Soie-
dade.
Jardim n. 33.
Santa Rita n. 67 39.894
Conceicao n. 38. Irmandade do.Se-
nbor Bom Jesus das Dore;.
S. Gon;alo n. 18.
Vidal de Negreiros n. 19 39,894
Visconde do Albuquerque n. 37. Ir-
mandade de Sant'Anna do Cabo.
Lomas Valentinas n. 25 26,160
Visconde de Albuquerque n. 86. Ir-
mandade de Nossa Senhora da So-
iedade.
Soiedade ns. 1, 3, 6, 14, 16, 34, 30.e
32.
Riachuelo ns. 73 e 75 191,513
Visconde de Albuquerque n. 99. Ir- *
mandade de Nossa Senhora do Ro-
sariojda Boa-Vista.
Rosario n. 5.
Travessa de Joao Francisco n. o ; 88,776
Ponte Velha n. 80. Irmandade do
- Santissimo Sacramento de S. Jose 8,175
Assumpcio n. 76. Irmandade do Se-
nhor dos Maityrios.
Domingos Theotonio n. 39 15,048
Dita n. 7. Irmandade do Senhor dos
Afnictos de S. Jos6 13,080
Estrada de Sant'Anna n. 6. Convento
do Carmo do Recife
Trincheiras n. 33.
Imperatriz n. 66..
Visconde de Albuquerque n. 136.
Ponte Velha n. 99. ^
Alegria n. 30.
Nova de Santa Rita n. 68 85,456
Maria Cesar n. 3. Irmandade da
Santa Cruz dos Cinoeiros.
Travessa do Apollo ns. 1 e 3 86,673
Caes da Alfandega n. 7. Irmandade
de Sant'Anna da Madre de Deus.
Largo da mesma ns. 2 e 4 81.936
Visconde de Albuquerque n. 110.
Patriraonio da'Mitra.
Pjnte Velha n. 110
SecgSo d"> '
Edital coin prazo de li 1* dins.
' V It.
Pela inspectoria da alfandega de Permambuco,
se faz publico que achandose as n^ercadorias
contidas nos volumes abaixo mencionados, in caso
de serem arrematadas para consume, nos termos
do ep. 6. do tit. 3.* do regulamento de 19 de se-
tembro de 1860, os seus donos on consign .tarios
deverao despacha la- no prazo de 30 dias, sob pu-
na de, findo elle, serem venlidas por sua conta,
sem qne Hies lique eompetiodo allegar contra os
effeitos desta venda:
Arm zem n. 1.
- Marca L & G, A F,ns. 113, 114 e 115. Trcs cai-
xas vinrias do Havre no vapor francez Jean Bap-
tiste, descarregadas om 12 de margo de 1873 e
consignadas a Lemos & Guerineaa.
Dita dou- diamantes L G, 0. 37. Uma dita vin-
da de Liverpool no vapor inglez Student, descar-
regada em 1 de fevereiro de 1873, idem.
Dita n. 44. Uma dita, idem no navio inglez
Corla, dascarregada. em, 8 idem, idem.
Dita ns. 12 e 13. Diias ditas, 'dem no vapor ia-
glez Oberon, descarregadas em 13 de marjo idem,
idem.
Dita n. 213. Uma dita, idem idem.
Armazem n 2.
Dita R R n. 204. Una dita, idem no vapor in-
ftta Gajsendi, descarregada em 7 de jauciro de
1873, iiem.
Dita ns. 203 e 146 Duas ditas, idem idem.
Dita M, n. 211. Una dita. idem idem
Dita V G, A F, n. 0079. Trinta ditas vindas do
Havre no vapnr francez Coligwj, descarregadas em
15, 17 e IS idem, idem.
Dita R R. n. 212 Uma dita, viola de Liver-
pool no vapor inglez Chrysolite, descarregada em
23 idem, idem.
Armazem n. 6.
Dita I, & G, n. 2. Vinte e stis ditas vindas do
Havre no navio francez Said, descarregadas .em
29 de raaio de 1873, idem.
Dita P G, ns. 18 e 187. Treze dila-, vindas de
Bordeaux no vapor francez llio Grande, descarre-
gada? em 7 de iunlio de 1873, idem.
Pita diamante L G, G K, n. 8. Uma dita vinda
do Havre no vapor fran;ez Ville d> Rio de Janei-
ro, descarregada em 24 idem, idem.
Dita L & G, n. 579. Uma dita, idem, idem
idem.
Armazem n. 4.
Dita d)us diaroantoo L G, 11. 3. I'm barril vin-
do de Liverpool n-> navio Argot, descarregada em
18 do julho de 1873, idem.
Armazem n. 6.
Dita L G, n. 7000 bis. Uma caixa vinda do Ha-
vre no vapor francez VilU do Rio de Janeiro, des-
carregada em 22 dc outubro de 1873, idem.
D.ta, n. 7103. Uma dita, idem, idem idem.
Rita dlarrante C B, ns. 4, 5 e 6. Tres ditas, idem
'^YV'/T?;, n. z. yaairo anas vffloas ue bor-
deaux no vapor francez Slid, descarregada em28
de julho idem, Idem.
Dita, ns. Z001, 7003, 7004 e 7..03. Qoatro di-
ta- viuJas do Havre no vapor francez Ville de Sin-
tjs, descarregadas em 25 de agosto idem, idem.
Alfandega, 13 de juliio de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carcalho Reis.
0 1 Jr. joaquim uirreia at utiveira AnuraaV, Kill
^substitute do Dr. juiz de direito prove-ior de
Gaprlla* e residuos, nesta cidade de Recife, ca-
pital da provincia de Peroaoabuco 0 seu termo,
P r S. M. imperial e cons itucicBal 0 r. D.
Pedro II, a quem !).] guarde, etc.
Par/a saber i|ue n.i dia t6 do corrente, (ijdi a
auilicncia desto juizo, se levarao a praca os se -
guintei bens: 2 tercas paries no sobradin'm de
dous an lares, sito' oa freguezia do S Frei Pedro
Goncalves, rua do Campello, n. 2, tendo de com-
prfmrnto 38 palmos e de largura 19, cada andar
com uma sala, um quarto, cosinna Interna e andar
terreo, servindo de depo3ito de -ferragen?, sendo
entaipado 0 fundo do snbrado e esiando em mao
estado, a'aliado em 5:000i. Uma casa terrea de
pedra e cal, uo lugar do Barro, freguezia dos
Afogados, com tres janellas de frente, poria de
madeira ao lado, tendo duas salas, dous quartos',
cosinha, quarto junto e despensa com 26 palmos
de largora e 58 de eompnmento, terreno. fo.-eiro,
medindo 690 palmos de comprimento e 59 de I r-
gura 0 diip terreno, e avaliada a mesma casa em
sua totalidade em 3:000^, de cujo valor sera de-
duzida a quantia de 559J023 Um terreno fo-
reiro com 690 palmos de comprimento e 193 de
largura, no mesno Iug3r e na mesma freguezia,
tendo nelle duas casas de taipa, ambas em mao
estado, tendo ellas 44 palmos de comprimento e
24 de largura; uma das casas tera duas salas e
um quarto e porta e janella no fundo ; a oulra
casa em caixao com uma porta e janella na f i-n
le, avaliado tudo em 1:000/, cujos bens sao
pertensentes ao inventario do Dr. Antonio da
Assump.-ao Gabral, e vao a pra^.-.a a requiTi-
mento ao testamenteio e inventariaule do mesmo
finado ; procedendd se quanto ao mais na forma
da lei. 0 presente sera publicado pela imprensa
e a/Bxado nos lugares do costume. Recife, 7 de
julho >- 1874. Eu, Domingos Nunes Ferreira,
escrivao. subscrevi.
Joaquim Correia de Oliveira Andradc.
Oi>ra& miii tares
T^ndo de er fxacutNfcs- as obras f ronceittrt
do ouartel do Hospicio, oreadas en 4:325*500 ;
no hospital mi|it;ir, a construifao da casa de an
IcpFias em l:3t478'i, oMlMi) de nma
finha em 88**80 : seriio pm\m *m CMicTiiTencia
para serem contratj 1 a 26 do corrente, ao mei<>
dia, na repar^o das otNM paldiras, nde .-
arharn 0? resn^tir.v: rp.m^T'n. As verba r-
latitas a services ja fc* scr* Mutid*.
Recife, 14 do jnltio de Im: "
0 engt-nheiM das onras milMarcn.
______________Cnrysgatiti F. de Castro Chavn.
Irmandade do Senhor Bom
Jesus das Chagas
De conformidade com o art 79 do nyprniin
desta irmandade, conroco us sens refpectivu- ir-
maos para a eleic.to da n va mesa regedora. qo--
deve ter lugar no domin(u proximo (19), p. Us '
huras da maohi, em segnida a missa do Es.unt
Santo, coin? indicam os artigos 80 e 81 do iai>m
compromi>so.
Consistori, 8 de julho de 1874.
O acretari,
DoKdaua da Coxa M 0 Dr. D'lfiio Augusto Cavalcante de Albnquer
que, ofiicial da ordem da Ro.a, jniz de direito e
orphans da comarca do Olinda, por S. M. 0 Im-
perador. a quem Dous guarde, etc.
Faco saber aos que 0 presente. edital virem, que
0 porteiro ipterino das audiencias deste juizo, ha
de irazer em publico pregao de venia e arrema-
tagao, em as pracas snecessiveis, por mim'conTe-
didas, dss dias 16, 17 e 18 d> corrente mez, a 1
hora Ma larde, uma casa term sob p. 1, com siiio
bem plantado de diversas arvores fructiferas, a
qual ten> 34 palmos de frente e 83 de fund), 3
salas, 3 quartos, crzinha interna, estribaria e loja,
avaliada por 3:400*, pertencetite ao espolio do li-
nado Bonifacio de Je-us da Silva e hardeiros.
E para qu? chegue a n licia de tod03, mandei
passar 0 presente, que sera afflxado no lugar do
costumege publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade -de OlinJa, aos 14
dias do mez de julho de 1874.
E eu, bacharel Francisco Lin's Caldas, escrivao,
0 subscrevi Del fin 1 Augusto Cavalcante de Albu-
qairque. Estava uma estampilha de 200 rs. devi-
damente inutilisada.
Edital n. 13.
Pela inspecloria da alfandega se faz publico que
as 11 boras da manhi do dia 18 do corrente, a
porta desta reparticao' se ha de arrematar, livre
de direitas e sujeito ao import? da capatazia, a
mercadoria abaixo declarada, abandonada aos di-
reitos. por Joao da Rocha e Silva :
24 par^s de botinas de teeilu de la, de mais de
2,22m..4 ditos de ditas de couro, de mais de 0,22m.,
8 ditos de borzegoins de couro,, de mais de 0,22m.,
no valor do 77if 52, que faziara parte do couteiido
da caixa de marca JRS n. 738, vinda do Havre no
vapor francez Ville de Rio de Janeiro ehtrado no
mez proximo passado.
Alfand-ga de Pernambuco', 13 d.' julho de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de G. Reis.
O-Illra. Sr. iuspectair do tbesouro provincial,
em virlude da ordem. dcTExjn. Sr. presidente da
provincia, de 4 do corrente m-'Z, manda fazer pu-
blico, que v;o a prar;a no dia 6 de agostoproxi-
mo futuro, peraate a junta do mesmo thesouro
para ser arrematada a quem por. raenos fizer, a
obra do cal^amento da estrada de Jaboatao, desde
a ponte de Afogados ale a barreira do Giquia,
orcada era'39:48oj000 em apolices de 7 0[0, de-
baixo das condicSes infra transcriptas.
As pessaas que se propozerem a esta arremata-
?ao, comparegam na sala das se3oes da junta do
mesmo thesouro, as 12 horas do indicado dia, com-
petentemente habilitadas.
E para constar, se mandou fazer publico no pre-
sente jornal.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 8 de Julho de 1874.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas espeeiae3 para a arreraatacao do calga-
mento desde a ponte dos Afogados ate a bar-
reira do Giquia, na estrada da Victoria.
!.
0 calcamento desde a ponte doi Afogados ate" a
barreira do Gijula sera feiti de conformidade com
0 orjamento approvado pelo Exm. Sr. presidente
da provincia, na importancia de 39:480^000.
CO arrematante dara principio a Gbra^no prazo
de um mez e a concluira no de oito mezes, con-
tados da data da assignatura do contrato.
3/
_0 pagamento .sew effectoado em quatro presta-
oes iguaes, na proporcao do service executado.
Para luJo. 0 mais que nao vai especifi''"'' :
preseutes clausulas ob*BP"~-
0 reffni*""-
0 Illm. Sr. mspecior do thesouro provincial
manda fazer publico que em cumprimento da or-
dem do Exm Sr. p*esideote da provincia, de 7 do
corrente rrrez, tem de ter arrematado por um anno
no dia S3 do'referido mez, perante a junta da fa-
zenda do mesmo thesouro, 0 imposto de 8 por cen-
to sobre 0 capim de planta vendido na cidade do
Recife, orcado em 2:319*280.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao comparejara na sala das sessoes da mesma
juDta no dia indieado, C'impelcntemente habili
tadas.
E para constar, se mandou publicaro presente,
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 9 de julho de 1874.
0 secretario,
Miguel Affunso Ferreira.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thcfou
raria de fazenda desta provincia se faz puMicc
para conhecimentu de quem interessar que no
ilia 29 de julho proximo futuro, pelas 2 horas da
larde, sera posta em hasta pubfea-peranle a jun-
ta da mesma thesouraria, para ser arvefnaiada por
quem oiais lanco offercccr a casa terrea aRa a
rua do Pace Castelhano, na cidade d-.- Olinda, pro-
prio nacional e bem assim 0 terreno q :e I he fica
idjaccnte, 0 que tudo foi avaliado por dous cent s
de ruis.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per
nainbuco 30 de junho de 1874.
0 2." escripturario, servindo de secretaria,
_____________Carlos Joao de F'-uza I'.orreia
Companhia Fidelidade
Seguros mariliinos e (errestres
A agencia desta companhia toma segoros ma
ritimos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
u'timos 0 solo livre, e c setim? anno gratulto ar
segurado.
Feliciano Juse Gome3
A genie.
51 Una do Apollo .*>!
He ordem da mesa regedora da irmandad
de Santa Cecilia, erecu na igreja de N. S. do Li
vramento, fago sciente a todos os nossos irmio-
que a mesma mesa regedura, rfcoasiderando u
acto qne deliberou, fossen. saldados no prazo a-
oito dias, os debitos daqucllea innaes qne om a
meT3 irmandade se aehavam atraza 1 um novo prazo de 30 dias para.esse lin, a cunur
desta data.
Secretaria da irmandade de Santa CstHiai 1 &
Julho de 1874.
0 secreurio,
_______________Bento da Silva Rai^albo.
A.rmazens da companhia per
nambucana.
Sesnros contra o "
ndo
tiros contra o fj
. A companhia pernambueMa, lisiiondo de ex
'.eilentes e vastos armazens sm seu predio ao for
ie do Mattos, offerece-os -ao coounercin em gera:
para deposito de generos, garantind) a maior con
*ervai;ao das mereadorias deporitadas, serviv<
prompto, prefos nodieM, etc.
Tambem recolhera, mediante prevto aceurti>, ex
clusivamente os generos de uma so pessOa.
Estes armazens, alem dc arejados e conimod.
tao intciramcnto novos e aspbaltados, isenlos de
:upim, ratos, etc., etc.
As pessoas uue imizerem utilisar-se destes ar-
nazens, pedcrao dinpir-se ao esTiprbno da eom-
janhia peruariibucana, que acharao com querc
Tatar.
0 agente, cubiador d) constilado provincial.
abaixo a-signado, em comprlmeDto do art. 48 da
lei p ovincial n. 1,141, declara aos devedores d-
impost'S fritos por lancamento, pertencentcs an
exercicio de 1873 a 74, qu. esta prucedendo a co-
branca dos roferidas imp)?t,s com a rwpectiv.i
inulta.
___________Joao Bernardo do Rego Valenca.
Pelo juizo de orphans de-ta cidi Ie do R".-if -.
vai a praca por arrcrfdamento 0 engecho Trona,
ito na fregnezli de S. Liur'-n;? da Malta,
80 il) eorreate, a reque. imento do tutor dos or
phaos, lilhosdo finado Dr. Vicente JoTonymo Wan
derley.
Vi>
SANTA CASA !)A MLSElUCORDiA
RECIPE.
A Illma. junta adminisirativa da Santa Cisa Is
rrcordia do Recife, mnnda fazer publico qut
u sala do soaa ^essoe3, no dia 2 de julho, p -
las 3 horas da tarde, tem da ser arrematadas <.
jucrn mais vantagens offerecc-r, pelo tempo de m
eciarados.
ESTABELECIMENTO DE CAR10ABE.
Rua do Padre Floriano
Casa terrea n. 43......
Cinco Tonias.
Idem n. 114........
Ilua larga do Rosario.
2J andar do sobrado n. 24 A .
Idem do sobrado n. 34 : .
Rua do Amerim.
1.* andar do sobrado n. 26. .
Rua de Antonio Henrique.
Gasa terrea n. 26 .... .
Largo da Campina.
Idem nil ,.....
PATRIMONIO DOS Of.1
Rua Duque de Caxiai.
310i'".00
408^000
3045030
-
i-:)50k
A Gl.*. do Sup.% Arch.*, do
Univ.*.
A I id os MMa$.\ o Ori-rnt; P.'rn.irnbuco.
I .'. F.-. el'.-.
T :: a Aug ". L j.. Gapit. !' Hi 1 e Benefleencia
Vail.;, da rua de Marcili j Dias n. 31, de s.,lcm
f regal \ no dia
ir ci.m mi
Loja n. 77
Idem n. 39
Becco das Boias.
700^000
42U0CK
2:;2OC0
Rua da Lapa.
Gasa terrea n. 4fr......
Rua do Amonm.
Sobr*do de 2 andares 0. 23 002-5^00
Gasa terrea n. 34......122*000
Rua do Burgos.
Idem n. 19........ 153/000
Idem n. 21 ....... 153/000
Rua do Vigario.
2' andar do sobrado n. 27 243/000
1 anlar do mesmo......300/000
fill.-, 0 regal \ no dia'81 do cor
rente pelas 7 bora dannte, 0 anniversary d.t
ospuli;ao jesuitica do orbe cath lico fev I79\
pi la summ .': Sit*. 1!
memoria. Siio c nvidados t^dos 01 '.!!;' p II:.-
a assistirem a um acto de- tsnta migmtulee re-
gosij 1, enb ra u iba re < -
quetantos males estao can ando aes vordad
lilhcs da religiao de Jesus Ckrista.
re'.-. .
M. S Costa Jur.: r
Peia secretaria da camara iripil d:.-:
cidade se faz p blico, que nioteado hv.:
hoje pvr falta de num .to dos Sra. nmlam, I
Ir-- "IS" J ^L^JJi,1^ iftJWBRttfe '--.o-a-'
m .:. predia da rua do Am trim I 1 i .
de 6 is. por cada n de coqueirc
3tarta ua camara mum ,Reci
fe, 15 de julfa 1 Q geireUrio,
- 1 Auguslo 1! G
Mo dia 20 do eorreuie mez. b de:
dieneia do Exm. Sr. Dr. den cd
orphao.', q :e tera lugar a 1 Osaio dia, n-a sala da^
andiencias, vai a pnsa uma mar, da de
rea e sitlo, com 0 terreni noprio, denomioaJn
IIha los Mai-. 11. lugar di M inteiro, fr :.-. 1
i ; la Panella; cuja casa 1 uti i
reqneiimenlo lolevsatariasM Aos
por morte d^i Francisco Gerald"- M rei-a X
ral, para pagamento dos ereloi -. rttaJ l
basej avaliacio le UHHWf.
Loja da mesmo...... 373/000
Sobrado de 2 andares n. 23 ... 1:300/000
Rua do Encanamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 1:400/030
Rua da Senzalla velha.
]asa terrea n. 132......701/OOf
Idem n. 23........209/000
Rua da Guia.
Idem n. 23 209/OOf
dem n. 29 .......201/000
Rua da Crox.
Sobrado de 2 andares n. S2 800/000
Rua de S. Jorge
Casa te-rea n. 100. .-. 241/000
Rua de S. Bento. ^
'.asa terrea n. 17......' 2Q0/0CI
Os pretendentes deverao apresentar no acto d;
irrematacao as suas flangas, ou compareceren
tcompanhados dos respectivos fiado.-es, devendc
pagax. alem da renda, 0 premio da quantia en
"23 for seguro 0 predio que contiver estabeleci
nento commercial, assim como 0 servico da liw
?eza e preTos dos apparplhos.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re
:ife, 26 de iunho 0 de 1874.
* 0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Juizo de orphaos.
.Na dia 20 d- corrente, Bada a aodi nca d-
Exm. Sr. descmbargad r jui;
de arrematar, eom abat da qointa parts. -
2 0003 a casa terrea n. 2, da rot de S. G
pertmcenle ao fiatd? Leapaido Ferreira M.
Ribeiro.
petti
De orJem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda se faz publico para conbecimenu
de qacm interessar, que perante a junta de fazen-
da da mesma, tem de ir a pra^a para ser arrema-
tada por quem maior lan^o offerecer, 0 arrenda-
mento de uma oasa terrea sob n. 53, a rua de S.
Bento da cidade de Olinda, pertencente ao palnmo-
nio do conyento de Nossa Senhora do Carmo da-
quella cidade, e hoje encorporado aos proprios na-
ciona?s ; sao portanto convidados os pretenden-
tes ao dito srrendamento a coraparecerem as duas
horas da iarde do-dia 25 do corrente mez.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 5 de julho de 1874.
0 2" escripturario, servindo de secretario,
Carlos Joao de Souza Correta.
Exposiijao de Philadelphia.
De ordem do Exm. Sr. commendador, presiden-
te da commissao iocumbila do agenciamento de
specimens da industria nacional para a exposicicH
de Philadelphia, eenvido de novo aos Srs. mem-
bros da referida commissSo papa a sessao qne
deve ter lugar no dia 17 do corrente (sextafeira),
pelas 6 horas da tarde, no 1 andar do predio n.
83 da ma do Imperador, scientificande lhes que
trata-se da nomeac,ao das commissoss que, nos di-
versos municipios da provincia, se devem i""---
bir da acquisijao dos referido"0'--'
formidade <"" -
JiESO
Kclacjio das ca'rtas que deixararn do s .
para Portugal per falta de Graoqota
A. J. Gomes Netto. Antonio Joa.;::.:.\ f
Antonio Jose da Camara (il, Bento Jo.-e da C
Gomes, D'nlz d>% Castro, Francisco Fcrnan I
Croz, Joaquim da Silva Mala, Jose Maria ." .
Maria Ferreira. .Hiria R ua da NativiJale <".
Leile. Manoel Ferreira de Moraes, Maaoel Fer..
de- Monleiro de Freius, Manoel Frandseo Vit
Manoel Joaquim de Sauza. Serzedell &C, V
t>rino de Almeida Rabeilo, \V. & I. Grahau A 1
Corrcio de Pernambuco, li de julho'1-
187i. 0 2 ofli.-ial encarregido da a
pedicdo,
AyncHo Pernambuco.
I>SI'IXr.AO DO ARSENAL DE
MARLNHA.
Fax-se publi:o que em data de 14 do cwreot
f)i visloriado o vapor Jaj'iaribe, da oooapai
pernambucana de navegajao cosMira, e a 001
sao julgou-o em-estado de podsr ecnlianar no se.
Lvico em que se emprega.
Inspecgao do arsenal de marinha de Pernamb-j-
co, 14 de julho de 1874.
Francisco Jose Coeibe Noli ,
_____________________Inspector tntenn--'.______
ADMl.MSTRAi.AO DOS CORREIOS DE PER-
NAMBUCO. 15 DE JULHO DE 187*.
Fai-o publico que do dia 18 do corrente
comeca a funccionar a agencia do correio uliiu.a-
mente" creada na povoacao de Tirabauba.
A mala e expedida nos dias 2, 6, 10, 14, 18,12
26 e 30 de cada tc.q?., e a correspondent reccbi-i*
ate as 3 horas da tarde.
0 admini-trador,
Affonso do Rego Barros.
CIRCO EQUESTRE
NO
CAMPS DaS PRINCEZAS
GOM'ANHIA WISILElim
DIRECTOR
Antonio Carlos do ^
^<*rmo.
*flteaeioso
(anno. ae 2i de
do thesouro proJSlLe?,6"^6' *iu^nte,
.uu uas
M-'se-na 0 que dispSe
fevereiro do corrente'
Francicco Apoligoaio
Cobform..- 0 offlciai-maiorL,i/sXar
_____^^-..w*"
do de dezembro de 1873
dqneia da pronncia
de con
Bin'isterio da agricultura
e eom acto da presi-
deiegou esse poder a
ecife, 14 de julho
oramlsslo central do Recife
* ^874' Felippe de Figueiroa Faria
Secretario.
vcl
1STA-FEIRA i DO CORREl
A's S horas i
-~
Grande ** ---***
Equitacs
DE
X


PMHIHMPP
---
----r-
Diario de Pernambuoo Quinta feira lr5 de Julho de 1674.
TITO
Santo Antonio
PBXXJL
\
Sabbado 18 do cprrente.
JL'm 8 1| boras da nolle,
E
Domingo 19 do corrente
A' ft f |S haras da tarde
Mimas rccitas
definilivameote da empreta.
Vai a sceoa o drama-sacro em 6 actos e 8 qua-
dras :
Os Selc Passos.
Pinalisarao os espeetaculos com a jomedia :
Os Duus Medrosos.
THEATRQ
mm DRAMATIGO
0 espectaculo annunciado para honlera, em be-
nerkio das obras da igreja de N. S. do Rosario, fi-
coa iransferiodo para quandi de novo se annuu-
cur. Pede-se as pessoas qae flzeram o obsequio
de Hear com bilbetes, que os coaservem ate novo
aonuneio, qae sera breve.
THEATRO
SANTO ANTONIO.
EMPREZA
- VICENTE
Beneflcio para concliistto das
ohrN da igreja de
8. Goncalw.
Tera-feira 21 di> corrente
Subira a scena o apparatoso drama sacro no-
Yidade do epocha em 6 actos e 8 qaadros deno-
Compaaltla de navegacfto a va-
por Imhiana, liuiitada
Macei6. Penedo, Aracajii e Bahit.
E' esperado dot portos
do sul ate o dia 14 do
corrente o vapor Smitnbi,
o qual sahira para os por-
tos aeima no dia seguin-
te ao da sua chegada.
Recebe-se <:arga, passageiros e dioheiro a (rate
Agente
Antoaio Lujz de Oliveira Azevedo.
7Raa doBora Jesus57
Natal, Mac&o e Mossor6.
Para os portos acima vai sabir cam nuita hre-
vidade o hiate Olinda, recebe carga a frete com-
modo : a tratar com Joao Jose da Cunba Lages,
na raa do Vigarie n. 33, oa a bordo, confronte
ao trapiche Dantas. ______________________'
Rio de Janeiro e Rio Grande
doSul
Para os iadicados portos vai seguir em poncos
dias o brigue nacional Pirangy; recebe ainda a
frete modico algama carga e escravos : a tratar
eom Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes, a raa do
Barao do Triumpho n. 96.__________________
Pacific Steam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMER
JOHN ELDER
(DE U51TONELADAS)
Coinman iante W. F. Hewtson.
Espera-ae da Euro-
pa ate o dia 19 do cor-
rente, e depoti da de-
mon do costume, se
guira para Babia, Rio
de Janeiro, Montevi-
deo, BuenosAyres. Sandy, Point. Lota, Valparai-
so. Arica, Islay e Callao. para onde recebera pas-
sageiros, encommendai dinheiro a frets.
Xao sahira antes das tres horas da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14PRACA DO COMMERCIO!4
minado:
I Os Sete Passos.
A irmandade do Seuhor Bom Jesus das Dore?,
a cojo cargo acham-se as obras da igreja de S.
GoDcalo, no deseio de ver terminados os trabalbos
da mesn-a igreja, resolveu ainda esta vez fazer
um appello a religiosidade do illastrado publico
desta cidade, cajos sentimentos de caridade nun-
:a se apagarS > de seus coracoes ; e' por isso es-
pera a referida irmandade que a esse beneficio
concorreraotodos os que amam a nossa verda-
deira religiao, auxiliando do.-11 arte com o sea
obolo para que o resultado do beneficio seja van-
taioso para a conclusao das obras de qae se
trata.
As du's commissoes cacarregadas da transmis-
sao de bilhetes para camaroies e cadeiras, con-
tam com a generosidade dos que os receberem,
pelo que desde ja, em nome di irmandade, se
confessam extreroamente gratos.
0 theatro achar-se-ha gracicsamente decorados
-Randas de musica eDtreterao os espectadores nos
intervallo- do drama, que priccipiara as 8 horas.
(DE 4027 TONALEDAS)
Commandante Bax.
Espera-se dos por-
tos do sui ate o dia 3
de agosto, e depois da
demora do costume
seguira para Liver-
pool, tocando em Lis-
boa e Bordeos, para onde recebera passageiros,
encommendas, carga e dinheiro a frete
S. B.Nao sahira antes das tres horas da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A. C
14PRACA DO COMMERCIO-14
PROftRESSO M AR1TIMO DO PORTO
Empreia portuense de navegacao a
vapor entrc Portugal e o Brazil
0 VAPOR
Almeida Garret
Commandante Tomasini
Esperado do su
em 18 do corrente de-
pois'depouca demora
dentro deste porto se-
guira para Lisboa'e
Porto com escala por
S. Thiago.
Passagens e fretes de cargas, encommendas
valores, tratam-se com os
AGENTES
E. R. Rabello <& C.
48 Rua do Commercio 48
AVISOS
tITIMO
\%n
CIIAIU.E:i US HBELXI*
COMPAXHIA FJti.yCEZA DE NAVE-
GAC.iOA VAPOR
linha'mensal EXTRE 0
Havre, Lisboa, i'ernarnbuco, Rio do Janei-
ro, Santos Ssomente na volta;, Montevi-
deo, Buenos-Ayres, (com baldeagao para
o Rosario).
STEAMER
_r_
Commandante Capellc
E'esperado da Eu-
ropa ate 24 do cor-
Tente, seguindo de-
pois da indispensavel
demora para 03 por-
tos do sul de sua e3-
ala ate 0 Rio da Prata.
Para fretes, encommendas e passageiros, trata-
se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA & C.
42Rua doCommercioEntrada pela rat
do Torres.
Lisboa e Porto
Segue via gem com a possivel brevidade a barca
portngueza Xova Vencedora, recebe carga e pas-
sageiros : a tratar com Tito Livio Soares, rua do
Torres n. 20;
A escuna Georgiana segue nestes dias para 0
porto acima, e recebe carga a frete : a tratar com
IEIL0ES.
=
COMPANBIA PERNAMBUCANA
DE
IVave;acito costelra a vapor.
.A&AHYBA, NATAL, MAClO, MOS60RO*, ARACA-
TT, CKARA, MANDAHU e acaracu'
0 vapor Gequid, comman-
dante Martins, seguira para
os portos acima no dia 22 do
corrente as 5 horas da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 21
do corrente, passageiros e
dinheiro a frete ate as 2 boras do dia da sahi-
da : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COHPAIVHlABR.tSlL.EIRA
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do norte
CRI3Z.E1RO 1HI SIX
Commandante Guilherme "Wa-
ding ton.
E' esperado dos portos do sal
ate 0 dia 21 do corrente e segui-
ra para os do norte depois da
demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio.
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C
lou^as, vidros, pianos e miudezas
HOJE
as 11 horas em ponto.
0 agente Dias fara leilao, per conta e ri3C0 de
quern perteucer, de mobiiias de jacaranda e ama-
rello, commodas de amarello e jacaranda, guar-
das loucas, gaarda-roupa, toilette de faia, mesas
elasticas, camas francezas, marquezoes, marque-
zas. sofas, cadeiras avulsas, cadeiras de balanco,
quadros, 1 machina de 3 cylindros para mcer
tinta, e muitos outros artigos que estarao patentes
no acto do leilao.
>o armazem da raa do Bom Jesus
n. CM (antign Cruz).
Leilao
DE
divides, na importancia de 6;931J?718
Hoje
0 agente Martins fara leilao, pela lerceira vez,
das dividas astivas da masta fallida de Joao Hy-
gino de Souza, por mandado do Illm. Sr. Dr. ju'ie
especial do commercio.
THo armazem da raa do Impe-
rador n. AH
As 11 horas da manha.
Leilao
DE
fazendas inglezas, francezas, suissas e al-
lemSs
CONSTANDO DE^
Chitas, cassas, cambraias, algoddes, pannos, ca-
semiras, pannos para colchoes, brins, castores,
grosdenaples, sedas, chales, lengos, meias, cha
peos, gaardas-cbuva, bramantes, tapetes, cortes
de casemira, camisas francezas, guardanapos, pan
! nos para cade ra?, botBes, carteiras, e muitos ou
tros artigos que estarao patentes ao exame dos
concurrentes, no armazem da raa do Bom Jesus
n. 63.
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 42.
Scene nestes dios para 0 Aracaty, por ter
parte de mo carregamento prompto, 0 bem co-
nbecido hiate Deus te Guarde ; quern nelle quizer
earregar oa ir de passagem, diri'a-se ao escripto-
rio de Bartbobmea Loureoco, rua da Madre de
Deus d. 3, qae achara com quern tratar.
Rio Grande do Sul
-ue nacional Sahy sahira para 0 porto aci-
a precisa para alastrar : tra-
' r i rua do Vigario
ma, e recebe a u,._
ta-se com Pereira Vianna tt ...
Domero 1.
T?5li2'.bote Joven Arthur.
Vende-8 e-te navio proapu? de nm tado para
navegar, e feito de madeiras do Br^sil, esta anco-
rado no qoadro da descarga : os preiCidentes po-
derao examinar, e para tratar eom Antonio Loiz 1
^e Oliveira Azevedo, a raa do Bom Jesus n. SI- '
'-" Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, aatorisados pelo Illm. Sr. Dr. jaiz
especial do commercio, farao leilao, por interven-
ed do agente Pinto, de um complete e variado
sortimento de fazendas inglezas, 'suissas e allemis,
pertencentes a dita massa, e existentes no anna
zem da raa do Bom Jeans n. 63, onde se effectua
ra 0 leilao.
Principiara as 10 horss.
Feira Semanal
DE
pianos francezes de 3 cordas,
espelhos dourados, mesas
elasticas, aparadores,
guarda-roupa, carteiras
nara escriptorios, umamo-
-** Antalhada,
bilia de iai, ^^.
(obrade gosto), uma dital
de amarello, quadros dou-l
rados, com finas gravuras,
uig, cofre de ferroj prova de
fogo, jarros de pedrapara
floret, cabides, quartinhei-
ras, guarda louca, objec-
tos de ouro, miudezas di-
versas, cadeiras de r6sca
para escriptorio, 1 arma-
cao de amarello, casaes
de canarios do imperio,
copos, calices, 1 mala pa-
ra viagem, commodas, re
logios para algibeira, de
ouro e prata, grande quan-
tidade de trastes avulsos,
infinidades de objectos do
uso domestico, queserao
vendidos a tr6co do barato
Hoje
ao meio dia
NA
PEIRA SEMANAL
16Boa do lmperador-16
ARMAZEM.
pelo agente Martins.
LEILAO
DO
grande s brado amarello,
de 3 andares e sotao, da
rua da Imperatriz, em
frente a matriz da Boa-
Vista, o qual damn bom
rendimento annual.
Tcrca-fcira 2) do corrente
as -H horas
0 agente Pinto, novamente autorisado, levara a
leilao, as 11 horas do dia acima dito, em seu es-
criptorio, a rua do Bom Jesas n. 43 ; sendo que
dita venda sera definitive, em virtude de novas
ordens ultimamente recebidas.
Paft-u o 3* dividendo da massa fallida de
Joaquim Francisco de Mello Santos, na razio de
Hit por cento, a raa do Vigario n. I; devMdo
o$ senhores credorea aprwentarem os respefliproa
tftukw.
CRIADO.
Manoel Pires Ferreira, sotteiro, e morador na
villa de Jaboatao, precisa de um eriado preto ou
pardo : a tratar com Antonio Pires Ferreira, a
rua do Barao de S. Borja'o. 53.
Novo leilao
DA
armagao, fazendas, cofre de ferro e mais
utensilios existentes em o estabelecimen-
to da rua do Duque de Caxias n. 66 A.
SEXTA-FEIRA 17 DO uORRENTE
as I L hiras da mauh&
0 agente Dias, competentemente autorisado, por
mandato do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio, levara a leilao, no dia e bora acima indicados,
a arm*cao, cofre, fazendas e mats utensilios per-
tencentes aos bens da massa fallida dos Srs. Ben-
to da Silva & C. ________
LEILAO
DE
livros, moveis e objectos de ouro
Sexta-feira 19 do corrente.
0 agente Martins fara leilao, por mandado do
Illm. ST. Or. Jtitb de dr*.i* 4* *. v* oivoJ, -*
livros, moveis e objectos de ouro, pertencenies ao
espolio do desembargador Manoel Jos6 da Silva
Neiva.
No segundo andar do sobrado da rua Duquc
de Caxias n. 41, principiando as_ 10 horas da ma
nbi.
LEILAO
DAS
dividas activas na importancia do 816JP710,
e de dues casas de taipa cobertas de te-
lba, bens pertencentes a" massa fallida do
Joaquim Vieira Coelho da Silva
TERCA-FEIRA 21 DO i ORRENTE
A's 11 horas.
0 agente Pinto, cumprindo o mandado do Him.
Sr. Dr. juiz de direito especial do commercio, le-
vara a leilao, no dia acima mencionado, as divi-
das activas na importancia de 816/710, e duas
casas de uipa cobertas de telha, titas no lugar
Beberibe de baixo, a rua de Santo Autonio, bens
pertencentes a massa fallida de Joaquim Vieira
Coelho da Silva : o leilao sera effectnado as 11
horas, em seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n.
13.
Leilao
DO
sobrado de 3 andares e sotio da rua do
Commercio n. 22, edificado em chaos
proprios
Terea-feira 21 do corrente
A's 11 horas da manha
Por intervencao do agente Pinto
Em seu escriptorio, rua do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
moveis e mais artigos, e uma canoa propria
para familia
Sabbado 25 do corrente
- A'S 11 HORAS DA MANHA
No segundo andar do sobrado da rua do Maraaez
de Olinda n i5
0 agente Dias, competentemente autorisado por
despacbo do Illm. Sr. desembargador juiz da or-
phaos, levari a leilao, no dia e hora aeima desig-
nados, os moveis e mais artigos pertencentes aos
bens do fallecido Manoel Antonio vieira.
A SABER:
Uma mobilia de jacaranda, 1 dita de amarello,
1 comaioda de dito, 1 sofa de jacaranda, 2 espe-
lhos, moldura dourada, 4 jarros para (lores, 2 ban-
cas para jogo, de jacaranda, 1 mesa redonda de
dito, 1 guarda-roupa de mogno, 1 marqueza de
amarello, 1 mesa de dito, 1 mesa para jogo, 1 ca
ma de amarello, 1 commoda de mogno, l apara
dor de amarello, 1 commoda de d'to, 1 guarda-
roupa estragado, 2 pares de lanteroas, 1 candieiro
para kerosene, 1 par de escarradeiraa e 1 canoa,
propria para familia; para qualcjuer informacio
a agencia da rua do Marquez de Olinda n. 37,1.*
andar.
AVISOS DVERSOS
Desappareeeu do poder da Sra. D. Hermina
de Oliveira, em Beberibe, a sua e;crava, parda ela-
ra, por nome Isabel, 16 annos de idade. ben pare-
cida, cara bexigosa, cheia do corpo, cabellos Eons.
e bonitos denies, 6 filba da Parahyba, onde foi
compnda por Ismael Gaudencio Furtado de Men*
donga a D. Isabel Maria Luiza, em novembro do
anno proximo passado: quem a apprehender,
leve-a ao armazem nv27, travessa do Corpo Santo,
sua senbora, em Beberibe.______________
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os' mes-
mos metaesepedras.
fSS Sk R8 i^sHi
Desappareeeu
no dia 10 do cerrente mez de julho, da ma do Li-
vramento n. 24, 3* andar, nm mulalinho livre, de
nome Jose, de 12 a 14 annos de idade, levando
vesiido calca de casemira cor de cafe, camisa de
algodaozinho, chapeo ja yelho, de I Itro, preto ;
uppoe se ter sido conduzido por algama barca^a
das que transportam carvSo : roga-se a quem
delle souber nolicias ou o liver encontrado, que o
queira levar a referida casa n. 24 da raa do Li-
vramento, onde sera gratiiicado. Identica recom-
mendacao se fax as antoridades da provincia.
Fugio oa fartaram do sitio do Mello, em Be-
beribe, uma vacca leiteira, cdr raposa, escnra,
conbuca, deixoa um bezerro, pelo que deve estar
com muito leite, esta am pouco magra : por isso,
quem der noticia da mesma, e o lugar onde se
acha, gratifica-se com 10/, no becco das Barreiras
n. 14.
Aluga
-se
o predio da rua da P< nte Velha n 75, com com-
modos para familia, contendo agua e gaz encana-
dos, com apparelho de limpeza, quintal bem plan-
tado, com portao que deita para a rua da Alegria:
para ver no mesmo, e tratar com o Sr. Diogo Es-
teves Vianna, a rua do Barao de S. Borja, antiga
do Sebo, casa em obras.
Uma senhora, na rua de Santa Cecilia n. 53,
offerece-se para lavar e engommar, em casa de
pouca familia on de homem solteiro.
Aluga-se ou vende-se uma casa na raa do
Pharol n. 56 : a tratar na rna Nova n. 13.
Precisa-se de um caixeiro de idade de 14 a
15 annos, com pratica de taveroa : na rua da
Moeda n. 29.
HUN 1DICAMENT0S
viniio de quinino do Dr. Leconte.
Este vinho preparado com optimo vinho de
Malaga e o melhor de todos os tonicos reconsti
tuintes na cenvalescenca das moiestias graves, e
se recommenda para a cura dos padecimentos
do estomago e intestinos, febres de toda a espe
cie, com o caracter intermittente.
vinho e xarope de lacto phospbato
de cat do Dr. Leconte-Recommen-
dado pelos medicos como o melbor agente re
constituinte para favorecer a nutricao, a for
macao dos ossos nas criangas e enriquecer o
sangae.
vinho de Boldo e elixir.da mesma
piania preparado por Frimault.
As folhas do boldo sao empregadas no Chile
cura dos padecimentos ao ngaWo, ue'qae e 8
antidoto, como o quinino e das febres.
Vinho e elixir de cacao da Bolivia,
de Cirlnianlt.Touico fortiurante, diges
tivo e reparador das for^as exhauridas.
Vinho de qn ina ferrnglnoso de Ciri
mault.l-reparado com vinho de Malaga e
pyrophosphato de ferro e soda, constitae um
precioso agente therapeutico para a cura da
Cklorou, dos padecimentos do estomago po-
breza de sangne, chlorose e as diversas moies-
tias das senhoras.
Xorope de chloral hydratado do Dr
Lecontc.- Os medicos e aconselham com
successo contra a gota, as aphalgias, vertigehs,
hystona, insomnia, epilepsia, nevraleias, tosse
asthmatica, coqueluche, etc. -
Creme de binmotho de Grimault.
Contra as gastritee, diarrheas, gastralgias, dy-
senteria.
Xarope de bromureto de poinnsa de
Cirimault. -Anti nervoso c applicado com
optimo resultado no tratamento da gota e rheu-
matismo.
lnga da India de Grimault. Cura ins-
tantemente as enxaiueias, dores de cabeja,
nevralgias e dyarrheas.
Ferro detJirard.Protoxoto de ferro. 0
melhor de todos os prepa rados de ferro para o
tratamento das moiestias que reclamam este
apente therapeutico.
Pastil has de manniia de Crimault
- Empregam se como laxativas e purgativas
contra os catarrhos mucosos, falta de appetite,
catarrho pulmonar.
Oleo de flgado de bacalbaO, Terra.
cinoKo, de Grimanlt.E* um medica-
mento de uma efflcacia constante contra a
chlorose, pallidas c6res, anemia, phtysica, todas
as moiestias dos pulmSes, lymphatismo, es
crofulas, etc.
pe ferro manganico de Burin da
Baisson. Agradave! ao tomar-se, dotado
de propriedade digestivas raui activas, 6 o re
medio por excellencia, na leachorrea, anemia
gastralgib, etc
Pastllha de lactato de ferro de Bu-
rin da BaixMin. Digestivas e optimas
no tratamento das menstruacoes difficeis, flores
brancas e todas as affeccSes nervosas do tubo
digestivo.
C'lyconina *ichel. Linimento mnito su-
perior aos cerotos, pomadas e uuguentos para a
cura das ulceras e feridis de toda a especie.
Capaolas de Apiol de trimauit.
Sao recommendadas pelos medicos para recu-
larisar a menstruacSo, prevenir as colicas, dissi-
par as dores dos rins e ainda para as febres
rattermitentes rebeldes.
Pilolas de podopbyllna de firi-
manit. Para a cura de todas as moiestias
do Undo, para combater as prisoes de venire
rebeldes, etc.
DEPOSITO
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
BarlholoHieH & G.
34 RUA LARGA DO ROSARIO 34

Aluga-se um bom >*-..
co de casa e rua : na rua do Imperador n. ~, j
terceiro andar,
Villa de Palmares.
Luduvina Augusta Xavier da Maia, professora
particular, provisionada pela instruccao publics
da provincia nas materias do primeiro grao do
sexo feminino, avisa ao respeitavel publico, e eom
especialidade aos pais de familia, que no dia 1.*
de maio do corrente anno abrio aula na villa de
Palmares, onde alem das materias estatuidas por
lei, se propoe a ensinar com perieicSo eostura
cha, marcar, labyrinths, bordar, trabalhos de 12,
crochet, missanga, flores de papel, panno, canu-
tilho e massa. mesma professora promette mui
to esmerar-se pelo bom desempenbo de sen ma
gislerio.
Aluga-se barato uiaas mei-agaas novas, na
"vassa das Barreiras (becco do Aquino) : atra-
"-na.il, 18, caa de aiulejo.
larnaruado u>w.._.
IMPERIAL
PHOTOGRAPHIA
LOPES &C.
ESTABELECIMENTO DE PRIMEIRA ORDEM
Rna do Barao da Victoria n. 14, sobrado
(ANTIGA RUA NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposicao
DO
RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melhores condicoes rle arte, e aberto 4
COncurrencia publica, este estabelecimento, o primeiro, sem duvida,
desta provincia, no qual se liram retratos pelos melhores e mais
modernos svstemas, empregando-se somente material de primeira
qual.dade, e garantindo-se
Semelhanca, nitjdez e duracao.
Trabalhs-se todos os dias uteis e de guarda, desde as 10 boras
da manha is quatro da tarde, nao prejudicando o tempo de chuva
ou nublado a perfeicjio dos retratos.
Faz-se toda a qualidsde de copies, augmentando-as ou diminuin-
do-as.
8$000
Uma duzia de retratos de uma so pessoa, em cartdes pair* al-
bum. ,
Para os retratos esmaltados, collorMos, grupos,'e augmentados ha
uma tabella de precos. *
Tiram-se retratos ate" tamanho natural.
EXPOSICAO DE NOITE
*
*
41 Rua do Imperador 41
0 novo proprietario deste acredit3do e bem montado estabelecimento, com o 6m rJ
conservar os creditos de unico-neste genero, ten reformado e melhorado completamci.
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta.-garantindo perfeicdo em todas as prep^ragoes, aceio e medicidade nos pre?o<,
compativel com este genero de drogas.
Espera a todo momento uma grande rernessa de pharmacia homeopathica de i.
Epss AC, de I.ondres, compost* de medicamenios, carteiras, pocolotes, Opodeldock >h
Rhus, de Buvonia, de Arnica e depos especiacs para dentes.
Tern & disposisao dos amantes ,da bomeopathia a excellente, obra do Dr. Mure me-
dico do povo, ja em 3.a edi^ao.
Tern carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentM ate 120, 6 escolba do com-
prador.
Plumeria, para mordedura de cobras. |
Seracena ( Chocolate homeopathico.
{Para bexigan como preservative .Cafe" homeopathico. .
Vaccina (
.
China cruzeiro, para intermittente*.,
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras.
Taranlula, para paralysta.
Tintura mai d'arnica, para contusdes,
*-. -'
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
Dito de Rhus j
Dito deBryoniaJ
para rhematismo.
! Elor d'araruta.
l'6s para dentes, inglezes.
lerico, para rheumalismo.
, ,Matta-mtta OU jaboli, para tosse*.
, Espirito de Ilahcrcman ,ou de camp's-
| ra.
i
Cactuc grando flOrus para pneumonic.'
moiestias do coragdo.
'
Acha-se constantemonte & testa do ostabelecimente e itisp^c ionando todas as pre-
oaraQoes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello.
. C0NSULT0M0 HOMEOPATHICO
fir
pi

fc*i-
J^QlO EXO^'
1W
PEIT01AL JAHBS
OPTIMO REMEDIU CONTRA
TOSSES, H0LEST1AS k PEITO i PUTYSICAS
ensaiado e approvado nos bospitaes de Lisboa,
legabjjente auctorisado pelo Conselho de Saiide Publica,
auctoriaacao que se acha reconhecida pelo
Consul geral do Dnperio do Brazil.
UKICO DEPOSITO EH I'ERXAMBUCO
JE2.ua. lcurgra. do Bozario
v
BARTHOLOMEU etCu
Pharmaoettticos premiados em diversas expoQicoes
ELIXIR SBDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATICO
ESPECIALIDADE
Novo tratamento da Aithtut, tout, eonovha. dtfluso catarrkau, tostaa quo tern feito hnportantos enras, e quo 4 bojo o nmco acewto pokts melbom Meotcos.
DEPOSITO OBRAL, M, rwi l*rg* io Rosariot PERM/
I


w-

-
Uiario uo i'eriiambuuu Quinta feira 16 de Julho de 1874.
Ggrtificarse
\
a quem enlregar on der notiou de uma eachor-
rinha da ra$a ioglexa, t Km an signal de nma
qneimadara em cima do lorn bo : na rua do Rao-
gel n. 43, reflna^o.
SerVento para botica.
Precisa de are quo tenha praliea para a
pharmaela Torres a rua de Mareilio Dias n 135
Casa de saiide de Santo
Amaro.
Joao da Silva Ramos, proprietario da
casa de saude, tendo regressado da Eu-
ropa, reassutnio a admioistracio, e o
servico medico do mesmo estabeleclmen-
tos, e espera que o pablico continue a
depositar a confianca, que sempre depo-
sitou em vista de sea zelo e inleresse
pelos doentes alii recolhidos.
Jolo da Silva Ramos, medico pela Uni-
versidade de Coimbra, de volu de saa
viagem a Europa, coMinda no exercicio
de saa profissao, prestando-se a tratar
de qoaliaer doeMe dentro oa fora da ei-
dade, e dando consultas diariamenle das
10 is IS boru da manha. em sea escrip- (]
torio na rua do Imperador n. 67.
Joao d* Silva Ramos, devendo receber
mensaimente da Europa, vacciua de su-
perior qualidade, presta-se a ir vaccinar
qualqaer pessoa em sea domicilio oa em -
sea gabinele na rua do Imperador n. 67, (
as qoartas-feiras e sabbados das 10 as v
IS boras da manha.
)
)
I
I
fa
ww Triumpho da
I
#S%
i
Era tern pos modernos nenhum descubri-
mente ope uromaior revolugao no modo de
earar anteriormente m voga do que o
PEITORAL 1 kMMinI
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
RouquidSo, Resfriamerrtos.
Bronchites,
Tosse Convulsa, .
Dores de Peito,
Expecturacdo de Sarigue.
Como em toda a grande serie de enfei mi
iades da Garganta, do Pelt e do;
OrgSos da respiracao, que tant
atormenlam e fazem soffrer a humanidade
A maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicacao de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos differentes modos de curar, nao faziam
*en8o enfraquecer e diminuir as forces de
pobredoente, contribuindo por esta forma
d'um'a maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruic,ao. inivitavel de sut
victima I Ouam diffftrnntp 4 pnic o offcitu
admi ravel do
FEIT03AL.DZ ASACAEHTA!
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
"ditos soflrimentos ao doente,
Calraa, modifica e suavisa a dor,
Allivia a irritacSo,
Desenvolvo e_enteudimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o systema
desaloje d'uma maneira prompta e rapida
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa, (os
antes dos collegios de medicina de Berlim
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relacOes analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes to rain curadas com
PEITORAL DE ANACAHUITA !
Deve-se notar que este rcmedio se acha
inteiramente isento de venenos, Unto mine
laes, como vegetaes, emquanto que alguns
desjes ultimos, e particularmente aquelles
que sao dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte dos Xaropes, com os quaes t5o fa-
lilmeate se engana a credulidade do pa-
blico. A corcposi^ao de anacahuita peito-
ral acba-se linda e euriosamente engarrafada
em frascos da medida de cerca de meio
juartilho cada um, e como a d6se que se
'oma e so d'uma colher pequena, baste
geralroeute applieac&o d'um ou dous fras-
cos para a affectuacio de qualquer cura.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Frosters d C, agentes.
Unicos agentes nesta provincia os Srs. J
0. D. Coyle, rua do Commercio n. 38.
PIANOS.
Acabam de chef ar muito bons pianos fortes e de
legantes modeHps, dos ma;? nolaveis e bem co-
jliCcidV fabricantes; como sejant : Alphonie Bi
donel, Henry Hers e 1'leyel W.illf C. : no Vapoi
Frances, a rua do Ratio da Victoria, oulr'ora Ko
va n. 7. a preens muit Cwmm.aos.
Pcrfumarias.
Fiil'if uSir...Ui!. lanhi, ul'.oSi Cpiila e |i6i'den-
itiflce, agua ae ftr de farsrija, agua .le toilela),
livina, florida, lavjrbd*. pos de amr, sabontles,
croemeticos, fnuitos artigo delicados em perfnma
ria pat* presentes em frascos de exiractos, ca'ixi-
nbas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de priiueira qnalidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armasem do Vapor France?., a rua do Rarao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
4rtlgos le dllferentes gostua c
phantazias.
Kspelhos, leques, lavas, joiasd'ouro, tesoarinbas,
canivetes, eaixinhas de costura, albuns, qnadros,
e eaixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
diia;de couro, e cestinhas parabracosde mentnas,
chicotes, beugalas, ecnlo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, penles. carteirinha de
madreperola, tapete para lantemas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janelias, esterioco-
pos, lanternas magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
!;lobos de panel para illuminacdes, machinas de
aaer cate, espanadores de palhas, realejos de veto,
accordaos, carrinhos, e bercos para criancas, e
oairas moitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes parte?
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a pregos mats resamidos qae 6 possivel: no ar-
mazem do Vapor France*, rut do Bario da Vic-
toria outr'on. Nova n. 7.
Calcado fraocez
A 9$
Botinas para homem
Acabam de ehegar grandes jacturas de botinat
de bezerro, de cordavao, de pelica. de daraqne
com biqneira, de bezerro com botoes, e com ilho-
aes a 9)^000 (a escolber) por ler vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Rarao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores. diQerentes
lisas, enleitadas e bordadas.
SAPATTNHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
ROTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
t "ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portugaezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
AROTINADOS e sapatoen, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
NORTIMENTO
MEDICINA
T'reparedb pot
Lamnan & Kcmd
para thishe*
e a Guilherme, pertmir
homens, e meias perneira
Botas a Napoleao
meias perneiras para
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Reiiiisao popular!
Hygiene e ecoRomia

J4RDI1 DAS PLWTAS
a rua da Ventura n. *5 (Caponga)
Ahi se encontram:
Larangeiras celecta e de ombigo enxertadas a 3 i
Sapotiseiros e sapoteiros em vasos, de 1 a li
palmos e ate ja com flores para dar fructo, alem
tlas seguintes plantas de ornato e de fructo por
preco mnito commodo.
Laranja cravo.
Dita de doce do Para.
Dita branca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de ambigo.
Limao francez.
Dito doce, enxertade.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreirai.
Pinbeiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Reseda.
Ubaia.
Abacati.
Acacia.
Ariticnm a pe.
'^neila.
'^suarina.
Carolina do principe.
Cora^oda India.
Figueira.
Flamboyant.
Fracta-pio.
lagadoPara.
Jambo,
Jasraim laranja.
Laranja da China.
I.'jta do ceo.
Dbaia e ootras mvitas.
E outras piantaa : na Capdn^a a ma da Ven-
nra n. Vi._________________.__________
Alnga-se amacasa na Capunga, com com-
modos para familia, caiada e pintada, eC.m bom
qaintal e mnrado, e pdeo de agua : a tratar do
niesmo lugar, a rua das Crionlas n. 5.
wmmmmmmm
irastes.
Corapra se e vende-se Uastesnovos
usados no armazem da ma o Im-
perador n. 48
Quereis passar algumas horas ratisfeito 1
Quereis conservar a forca dos orgies digestives ?
Quereis espuecer os peripecias da vida ?
Quereis viver engolfado no prazer I
Quereis prevenir muitas enf-raidades ?
Quereis gozar os effeitos da Loa ecunomia ?
Quereis ter appetites e facil digesiao ?
Quereic, iinalaiente, ser fe!iz e ditoso ?
Attendei aos meios
Vinde iccontinente ao muito conhecido e pre-
conisado armazem do Campos a rua do Im-
perador n. 28, onde encontrareis todos os agentes
(sem ser de leilao) necessai ios para consegoirdes
os gozos que vos offerecem as afflrmattvas, que,
indispensavelmente exigem as oho perguntas predi-
tas, isto 6, encontrareis*os generos mais ficos e
gostosos que por vtntura tenham aliraementado
os estomagos mais sosceptives e delicados, encon-
trareis os vinhos mais pur^s que teem exporlado
os paizes mais vinbateiros do mundo e qae fazem
espaocar a mais impertinento tristeza, deixando,
com certeza, inraizado o germen da alegria, que,
inundando de perfumes o oceano da alma a
imaginacao excrcera, poderosamente, prodigiosa
iaspiracao sobre todas-as"cabecas a que tenha fei-
io aaa aeceosao ; encontrareis os a-.epipes mais
melicdrosos, de cheiro aclivo e tmbriagador;
encontrareis, em summa, iguarias delcitosas, pe-
tiscos deliciosos e tudo o que ha de mais pro-
vocador (denois da malher) e que vos pode sua-
vemente trancportar ao paraizo da gastronomia,
facendo-vos gozar a mais real das felieidades
da vida humana, a boa mesa
Visto como:
N. 86Com o emporio dastripasN. 28.
N.-28-Recheiado de iguariasN. 28.
N. 28 Se pode dos embaeados N. 28.
N. 2 -Repetir as picardias l-N. 28.
Raa do Imperador
Mesmo porque:
E' patents e apregoado nor todos os medicos de
mais celebridade qae os bons alimentos sao 88-
sencialmente necessarios para a boa conservacao
da saude e uir.a das bases mais poderosas para
assegurar o complete desenvolvimeoto das ta-
caldades pbyaicas e moraes da creatura ; e
com effeito, se assim nao e, respondam-nos qual
a causa porque em cada canto qae paramos des-
cobrimosuma quantidade enorme de criancas ra-
diiticas e mfesadas, de mocas debeis e de oma
construccao franzina, de rapazes maalentos e sem
vigor e linalmente de toda a mais bicharia, dig-
na por certo de melhor sorte, verdad-iros typos
do 4esfallecimento e que nos deixa pbysiologica-
mente conhecer os etTeitos mephitieos da ma ali-
mentacao, de tjue irreflectiJamente fazem oso ?
Silencio prof undo I Col fir ma ^ao abssluia)
Verdades puras:
Quern negar ja ousou dos p;ios a fama,
Dos presuntos os sabores requintado 1
E do vinbo o poder que leva a cama
Vida ao enfermo e forca aos esfalfados ?
A 16m do que:
urn facto eonscienciosamente provado e qae
so podera ser contestado por algum bypocrita lm
becil, de que ninguem esta tao habilitado a ven-
derbom e barato como o Campos, o que 6 de
facil intuicao, attendendo se a que o sen fim e
fazer com que todos venham comprar em seu ar-
mazem, para o que nao se acha, felizmente, sob
o jngo do egoismo e nem tao pouco 6 alimenta-
do pela ambicao do ouro e sim pelo desejo
de bem servir aos seas fregaezes, dispensando a
todos -agrado e sinceridade.
Embora que:
Ruja, ruja os invejosos,
Fallen), pnlem, saltern, berrem :
Nao poderao, desditosos,
Competir, nao, mais esperem"J..
escolhido dos me-
lhores figados do*
quaes se extrabt
o oleo no banco
da Terra No*/t
purificadocbimi-
calmente, e suas
value veispropri-
edades conserr/a-
das com todo o
cuidado.emtodo
o frasco se garan-
teperfeit a men-
te puro.
Este oleo tern
sido submettido
a umexame mui-
to severo, pelo
chimico de mais
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e fei
pronunciado por
elle a conter
MAIOR KMR^AO D'lODINA
do que outro qrtaiquer oleo, que elle tern
examinado
IODINO t M PODER SALVADOR.
Em todo o oteo de flgado de bacalhao, e na-
quelle no qujd cont^m a maior porcao desta
invaluavel propriedade, 6" o unico raeio para
curar todas as doencas de *
GARGANTA, PEITO, BOFES, CTGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
. tosse, resfriaraentos, etc.
Uns poucos frascos dl carnes ao muito
magro qua seja, clarea a tiU, e dl vigei
a todo o odrpo. 'Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, di tanto
uuiimento ao systema e inr.ommodando quiu>>
"ad a o estomago,
, ki pessoas cuja organtsa^o tem sido dt*
loda a quaUdaot truiila nclas iiffecrOes ilai
dc dwjntjas, quet ES^ROFULAS V tlilEUMATISMO
seja na garganta, e todas aquellas, cuja digustdo se acha com
peito ou bofes. pletamente desarranjada, devem tomar
Expressamente 0 OLEO DEFIGADO DE BACALHAO
DB
LANMAN & KEMP
AVISO.
Nao se prestando o pequeuo etpaco do armazem
n. 10 A, a rua da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de famo, qae o
abaixo assignado alraejava ter. acha-se d'ora em
dlante aberto outro es.abelecimento sob a rneama
denominacio de
ARMAZEM DO FUMO
A' rua do Amorim n. 41
oom todas as proporcSes desejadas, e onde pode-
rlo os senhorei freguezes dingir-te, certos de que,
como at6 aqui, achario sempre a par da modici-
dade dos precos, a maior sinceridade possivel. En-
Ire as dinerentss marcas de fumo da Babia e Rio
de Janeiro, que tem sido annoaciadas, acaba de
ehegar uma encommenda especial, que muito deve
convtr aos senhores fregueces. Consciente o abal
xo assfgnado de qae neste geztero de negocio nio
esta sem compelidores, fara muito por evitar que
tambem oa tenha com relacao ao pequeno locro
que procurara outer da dita mercadoria.
Jose Domingues do Carmo e Silva.
^^Tnornjii^nionioMacieMErjte^^
eitudaates de 1* anno e alguns do 1* da escola
normal, raandarn celebrar missas m dia 18 do
corrente, as > i\i boras da manhi, no convento
do Carmo, por alma de Francisco Finno de Paula
Pereira, setimo dia do seu passamento. Cenvidam,
portanto, os amigos e parentes do mesmo fmado.
Cabelieireiro francez
Rua do Marquez de Olinda n. 51
1. AN PAR.
t g." 11 Lie da wtt
as I sir?. ft* f. li i ii
fi '; .. I!. n!in. raWI-
i_i. m; I ;< f l*rt-ra ac-
ti'.i lubMitadc a dejem-
l*e>dro R.iitT, ifticiat-^? tfl^llt'-ih ii;
leituiru fiatitt?.; u-tn hrtrr* df p<\ttui
quisiyao de utn petito cfllcia! \ii-tit lia ptuto it- FnU, < r,t^l
penhar qualqrer encon menda dc sua attc, e so acha a di5{.cr:.*o prestitno te qucirem utilisar. OuTro fiin sticntifiia qut < a u sUh Ucimfiito encon-
trarao siropre a Monitor des labelkuciros, oude sestham descriptos e desenbados todos
os peuleados modernos, para soirrjs, rasamentos, baiUs etc. .
Finalmente prerine ds mesmas exc'ellentissimas senhora*. que teuleu um completj
sortimento de coques, cachepaines, baudds, crescctiUs, etc., e vende tudo pelvs precos
abaixo mencionados:
Coque de cabello de 16, *0& a 50,5000.
Trends de dito 1C'9, 12(5 159 a '2060:0.
Cacbepaine de dito 159, 200 a 30.JOO0.
Crescentes de dito 2C0, a olSOCO.
Tambem ercontrarao um completo sortimento rectbido ha pi-uco, d< cabellos de toda*.
as cores e comprimento.
N. 51.Rua do Marquez dr Olinda N. L^________.
~"agua1e chinolina
PARA T1XG1RIXSTANTANEAHENTE OS CABELLOS
PREPARADA FOR
BARTHOLOMEW & C.. d wri ,
Pharniaceuticos ,1 Casa Real de S. M. F El Itei d Prtwal :
prcnalados em diversas exposicoes coin priu-lr |re"iio ae
sna classe. ,.
UDico compost^ cuja base principal s5o principios vegetaes, que pot. por
usado por tempo indennido sem o mtnor receio de alte.racao de smile.
CJkSA,
Aluga-se a casa n. 113 da raa da Concordia,
com tastantes commodos: a triur no Recife, rua
da Cadeia n. 3.
ODILON DUARTE -& IRMiO
aBELLEIREIROS
Premiaios na ^xposicao de 1872
Esta agua a lmi-
ravelda aos cabellos, em poucos minutos, uma cAr ebiillio natural, desde o castanho
negro, e ao contrario de todas as tinturas conhecida*. tem um aroma agrar^niitssi-
mais dilTki-is. .[ffwnram-fe os seas rt-
nitada a barba, qutr comprchen-
atio
mo, que facilita o seu uso as senhoras, ainda as
sultados e effvitos ino/fensicos, quer a applicac,ao seja
da os cabellos da cabeca.
DEPOSITO GBftaL
Pharmacia e drogaria
34Rua largado Eozario34
PERNAMBLCO
RUA
IMPERATRIZ
EN.fc828
\u* iHD&iul
RUA
BA
cm
IMPERATRIZ
H. 82
l.9 ANDAR,
Acabam de refermar o seu estabelecimento, collorando-o'rnasjmelhores con-
dic?6es passiveis de bem servir ao pdblico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
quillo que f6r tendente ii arte de cabelieireiro.
Fazem-se cabelkiras tanto pcra homens'como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets- e todo e qualquer trabalbo imagitaavel em cabello.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamenta por todos os vapores da Europa,. as suas encommendas e figu-
rinos de ^nodas, e por isso pode tender 20 */ menos que outro qualquer, garantindo
perfei^Sa no trabalho, agrado, sinceridede, e prego razoavel.
Penteam senbores, tanto no estabelecimento como fdra ; vende-se cabsllos em
porgao e a retalho e todos os utensilioe pertencentes d arte de cabelieireiro.
mm&Mmmm^m. mmmmm>mmmmm
PH4KN1CI4 NORMAL
DE
JOS12 BlilAS E MOlJEiJa &
17Largo do Mercado Fublico17
(Atatiaja ribeira de S. Jose,)
Acaba de ser aberta e acha-se a dkposicao do respeitavel publieo esta nova phar-
ntaoa e drogaria, completamente urovida de indu pensavej a um estabelecimento dessa na-
tureza, sem ox-cepcao de productos cbircicos e medicamentos preparados no estran-
i, traugeiro, tudo oovo e o melhor possivel.
- As receitas dos Si's, medicos serao sempre despachadas com a mais seria atteccao,
C7A c sozpre sob as vistas do pharmaeeutico que corapoe a nossa firma social.
As pessoas que se dignarem de bonrar o nosso esatbelecimento com a sua connan-
;a, p Jdem estar certas de que serao eonsciencioeamente servidas, nao so relativamente ao
quo pedirem, como tambem a modieidade dos precos.
^


&C.
c
IBli I!
PREPARADO POR
BARTHOLOMEO
Pharmacenticos k casa real de S. ]|. F. el-rei de Iriugul
Premiados em diversas exposicoes coin o primeiro pre-
mio dc sua classe.
0 xarope vegetal ameri:ano, garantido ruaaiKHTB vegetal, i..". > eoaten ea ta
umso atomo de cpio, e sim tomente succos de planta* ndigeoas, cu]as aroprii
cura das molestiasqne pertencera aos orgaos da respiracio, tem >ido observ^.uas p r popt-
los medicos mais distinclos que ore:o-nmondara e prescrvveai todos os dias m tral m
chiles, tanto agudas como chrcnica3, asihma, tjss s rebeides, escanos de sang i I....
grao e contra as irritajdes nervosas.
DEPOSITO 6ERAL
34 = Jciialarga do llosano 34
PERNAMBUlO.
.

CRIADA
Precica-se de uma para casa de pequena
a tratar na rua Neva n. 18.
0 barao de Santa Crnr, tendo sido ohrigado a I
partir precicipitadamente para a Europa, em conse-1
quencia de Incommodo de sua familia, nao lhe fol
possivel proenrar a pessoa? p.ue lhe honram com '
suas relacSes para receber suas orden.-*, o que
espera Ihes "deculparao, rogando lhes de disporem
de seas servicos onde quer que cstej.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de idade de 16 a 18
annos, com pratica de taverna, e que de" fiador a
sua conducta : na traves>a do Poucmho n. 7.
ESSENda COKGENTBaM
Premiada nas expo-
sicoes de Pernambuco
e Rio de Janeiro.
Pharmaceutico
ME0AC.HA DE
Pela
escola de
Successor de
Paris
ARISTIDE SA1SSET J. SOU
Premiada .oa
sicao de Vienna d'Aus-
tria.
MEDALHA fiB MEBITO
Silverio fugio
qninta-feira, 9 do corrente, levando calca de algo-
dao azul, nova, e camisa velha de algodao branco;
este escravo e cabra, de 50 annos de idade, alto,
eheio do corpo, cara redonda, barbado, cabello
bom, e a barba bastante branca, dentes bons e
miudos, muito conversador, vagaroso no andar, i
descorado : recommenda-e as autoridades poli-
daes e capitaes de campo o apprehendam e levem |
a rua do Cabuga n. 3, 3 andar, ou a rua do lm-
perador n. 28, que se gratiflcara.
uma ama
i aia coziohar cm casa de
{pequena familia, preferin-
do-se escrava : ua rua do
Capibaribe n. 40.
Perdea ?e da rua d i Apollo a estaci i d?
Cinco Pontas, uma lelra da quantia de M ;-i- '
sacada por Joaquim Kodrigu<-s Piuh-iro e .
em 30 de ah il pel Sr. Gaspa.- Cavaleaal
bu.]uerque Uchua Junior ; a pe^oa que a
achado pode cntregar a rua do Apollo "<'.. iiaii
Na rua larga do Rosario o. 16, na para sc
alugar uma boa escrava, e mais nma muito boa
engommadeira e costureira.
Pedem ao Sr. emprezario do theatro Santo
Antonio, que leve o drama Sete Passes, no domin-
%o as 5 1[2 horas, a pedido de muitos caixeiros.
Aluga-se um pequeno s::.o, edificado de
00*0, no lugar da Tamarineira : a trater na rua
do Commercio n. 9, 1* andar.
E'
Tratamento puramente vegetal verdadeiro puri6cador do sangue. sem mercurio.
A Essencia de Caroba 6 um remedio hoje reconhecido como um poderoso denura-
uvo e especial para cura de todas as molesUas que teem a sua origem na impureza do
como sejam ; as molestias SyPHU-rrtcAS, Boubaticas e Ebcbofulosas '
seja
, Ulceras, ErupcSes, crc. etc.
- sangue,
Rheumatismo, Empikgens, Dab-
Os prodigiosos effeitos qoe tem produxido a Bssencia de Caroba, nor toda narto
onde ella tern sido apropnadamente expertmenuda, a tem feito adoptar como um dos medicamen-
tos mais seguros e mats energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphiJitica e
boubatica.
A cada frasco acompanha uma inslruccio para a maneira de usar.
Pomada anli-dartrosa
Contra as affeccoes cutaneas, darthros, cemichdes, etc., etc.
Inguenlo de Caroba
Para cura das boubas, ulceras, chagas antieas etc etc
UNICAMENTE PREPARADO POR
R0UQ0AYR0L IRMAUS, SUCCESSORES
Botica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
( ANTIGA RUA DA CRUZ )
CURA OS CASOS MAIS DiZ*^SS^2i
A SAFSAPARRILHADEBR.. X ,Par
Banhos salgados.
Alnga-se desde ia, ate fins de Janeiro proximo
vindouro, a casa de frente encarnada, com terra-
co e gradeamento, em Olinda, pateo de S. Pedro,
mobilia, gaz, agua, banheiro e jardim ae lado :
a tratar na rua do Amorim n. 37.
Bom negocio.
Traspassa-se a tavema n. 65, 4 rua do BarSo do
Triumpho, em optima Iocalidade o com commodos
excellentes para familia : a tratar com o commen
dador Tasso, quo se- do o proprietario do predio,
garante e arrendamento pelo tempo qae se con-
vencionar. e tax venda da arma^ao e generos exis-
tentes, a oinhelro ou a prazo.
Liodas tarlatauas de oores, de assento branco e preto com salpi-
cos, para vesUdos, pelobaratissimo preco de 240 re"is o corado, na
loja das columnas, de Antonio Corroia de Vasconcellos, na rua do
Crespo n. 13.
r
fica a massa do sangue, expelle p-,r*-.P^*
todas as materias e fezes viciosas e impu. .'
regula todas as secretes, da" vitalidade t
energia a todos os orgSos e di forca e vi-
gor ao systema afira de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. P
pois este um remedio constitutional. Ell>.
nunca distroe afim de poder curar ; porem
constantemente assiste a natureza. Portantc
em todas as doencas constitucionties e em to-
das as molestias locoes dependente d'um es-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge-
ral, achar-se-ha que a Salsaparrilua db
Bristol 6 um remedio seguro e efficassissi-
mo, possuindo inestimaveis e iocontestaveis
vrtudes.
As curas milagrosas de
ICscrofulas,
Ulceras,
Chagas axntlgaa,
ENFERMIDADES SYPHILTMCAS
ERYSIPEUS,
RHEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESC0RBUT0,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao t5o so-
mente devidas 1
CNICA LEGITIMA ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
PHARMACIA GENTML
24--Iliia Esquina do beeoo Larao
Participa a sens frrgnezes o amigos qn? mudcu
ra? n e|iab^c,n,emo de -"'ojoe'ropara a m*ml
rna n. 24, cede eneoctrarao um grande sortimer?
de Klogioa de parede, americanrs, e cin'a to mi-
algu 'ra*B f^f as gnal'da-es, palenleWv.
deouro e?SU "*"; ft* (Piquet), rek-'
gios de ow ".. "1"' dcnberto, dos melhore,
fabricantes, cau. *d4i1ca,r,eipIa^ue, e Pr*a-]-
de tod?s as qualidau. ,udo PI Precos n>ni" -
ratos.
LOJA DO PASS6
DE
Cordeiro Simdcs k C.
Acabam do receber pelo vapor hlendoza :
Riquissimos cortes de gorgnrao de seda lisus
com listras achamalotadas.
Ditos de linho para vesUdos, contendo cada cor-
te, o neccs.-ario para seu enfeite, como seja :
franjas, tranca?, hotoes, fivellas, etc.
Riquissimos chape\ para senhora, ultima mod*
rua Primeiro de Mareo n. 7 A.
Aluga-se
o predio da rna do Bario de S. Borja n. id, com
commodos para grande uailia, contendo agua e
gaz encanados, grande qaintal bem plasiaao e
portlo para a rua do Attlao : a tratar aa raa da
Ponte-Velha n. 75._________________________
Desappare' eu no dia SO de jonbo daste aaao
o manor, pardo, ioio da Crux Ferreira, da 11 aa-
oos, cara bexigoia, trajava camisa branca calca
de riscado : quern o eneonlrar en delle ussier
Doticia, roga-se o faca saber no becco das Barrei-
tua.9, Jioa-Visla.



$
Dia*ic daPera&ntbuoo Qnuiia km 16 d Ju!k> 6&.--1&74.
,

X '
>i\iii'CAO DE FERRO
4* roa d(>. Bara.r da Triumphs (rua doUrasi) ns. 100 a 104
-CARDOSO IRMAO
A v ISAM 80S senboros de engenhos e oulrcs sgricultores e ao publico em geral qua
liauiim a receber de taglaterra, Franca e America*, todas as ferragens e machinas ne-
-scrias aos estabelecimantos agricolas, as maismode/nas e melbor obra qne tern vindo
ao mercado
)reS de forca de 4, 6, 8e 10 cavallos, os melhores qne tem vindo ao merado
\x^(ieiraS de sobresalente paca vapores.
MoeHdaS inteiras e meias moendas, obra como nanca aqai veio.
IIXES fundidaS e batidas, dos melhores fabricates.
tiOQaS d agua com cubaje de- ferro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
.logios e apitos para V8pores.
rjODlbaS del ferro, derepucho.
Arpnpq ie divorsas qualidades.
donnas paraassucar^des e ^n^. -
Varandas de ferro fundido, francexas de diver** e bonitos gostes.
i OgOGS iranCezeS para Ienha e carvao, obra superior.
iosditos pflragaz.,
Jarros de ferro fundido para ardim.
: La ue ierro pPra mesa e i>anc0.
^..OOnina para golar gua.
V alVillas para bomba e banheiro.
OMTeiaaillglezaS para machinismo.
~x3.nCOS e SOiaS COm titas de madeira, para jardim. .
DncertOS C0!l<;crtp com prcmptidao qualquer obra ou machine, para o qae teea
sua fabrica bem montada, com graiide e bom pessoal.
';. JCOIiiHiendaS mandam vir por encommenda da Europa, qualquer machinismo,
" para o qne se corresponded! com uma respeilavel casa de Londres
bq am dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
jrnffhinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
BruadoBarao do Triumpho (ma do Brum) ns. 100 a 104
F U 5 D I C A O DE CARDOSO & IRMAO.
u mule em pedra dura
Tun to da ate iiue a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. fgnacio Vieira de Mell
jscrivio na cidade de Nazareth desta- provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
clnir aquelle negoeio qua S. S. se eoropromettea a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depots para Janeiro,
passon afevereiroeabril de 1875,e nada cumprio;
por este motivo e de novo chamado para ditc
dm, pois S. S. se deve lembrar que este negoeio
-de mais de oito annos, e quando o Sr. seu filho s
achava nesta eidade.
lua do Imperador 49
Ha oeste estabelecimento Q melbor sortimento de pianos dos mais afsmados autores,
oCmo-SaO : Hcrz, Pley.el, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
. mandados expressamente coBStruir para este dims, o qual os amadores dos
bora p .-j encontrarSd nesta casa.
Reet bem-sqpianos usedos em troca. .
Conci rtam-se e afinam-se pianos.
bem avisa se a >s Srs.
concertadores de pianos '
... i o mais c implcto sortimento de materials para concertar pianos, como
. .., s, fotha para os mesmos, eravelhos, parafosos, castor, camursa, cordas,
e1:., etc.

v
" E":j

M 49

f
va iu"ida
u
r tar I igi I, !i -! 17 I lo cor-
i Id i' le 26
i... m todos os den-
le b xg .-' e m urn
an ; i :o gra 11 e itufado
: antraz qne ella teve,
no i io das & .-; a rft alturadtjs pas,
, e ell i tem o vicio de
J its elara a dona ctaales
cor encar-
' liver-os | fciivez ella diga em
liv i que e f rra c troqne o
irnw raulata, escra-
!' ir.orador cm Tigipio, onde foi
rava Marfa, qua esta fo^ida ahi
r, qs| que alguem t-;m ella acou-
!a n^s runs desta cidade.
as as a lorldadca p ilici tea e rapi-
e Iev6-a a rua da
r iia se/gralificart.
.9
No Progresso do pateo do Carmo vende-se man-
teiga ingieza flo/ a 15200 a libra, frahreza a 800
rs. a libra, bem como tem urn complete sortimen-
to de mo'hados para qualquer ch'ufe de familia
bxar nu Jos .enra nup PTii'.nnlrara DCfiflBS ma S
commodos do que em qualquer ouira parte.
S. CARLOS
VenJe-se ouarreni]a-se o engenho S. Carlo3, em
Ipojuca, moente e correute, com todas as obras
em'psrfeito estado de conservacao, e muilo bom
d'agua : a tratar Da travessa da rua Duque de Ca-
xias n. 3, 1 audar, com Gabriel Autonio de Castro
Quintaes.
i
roRio



DO-
fe. SaniaRosa
ia do Bnrao da Victoria
11 a aa N va a. '-.'. priri eiro audar.
i MAS das lOhoras is. manha
Empreza do gaz
A empreza do gaz tern ajionra de annunciar ao
publico que rect^beti ullimamento um esplendido
sortimento do lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cujas amo.'tras eslao no escriptorio
a rua do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
sous freguezes pdo preco mm razoavel possivel.
110 Monte Lima
ft
*
: a i io i a, e ebamados per e-cripto a ^
ilqa sr hora do cii c da noite. jH
' E 1ALIDADES paiio.s.radesllas 3ffc
J i appareibc respiralorio. X.
I
Kscravo fugido
Desde 8 do corrente mez que esta fugido do
afm Sapucaia, : Beberibe, o escravo Luiz,
. I ill de caboclo, corpo regular ; esta
.ido pouro pi iiilo pi.r ter acabado de i-e tratar de
;. Recommenda-se a sua captura.
UVKOSAYENDA.
No primiiro anJ :r destj iypographia em
iniitralor, ven le-se os seguin-
i<; livrinhos :
C maiaA K.xperto dialogo ins-
livo, crrtieo, analytico, historic), e mo
si, entre um matuto e um libaral por 500
-. cada exemplar.
. E;!!3'ea<;fio I^wtniliayromance, 0
e uma serio de Icituras, 2 volumes por ....
iJJOOO.
tem um completo sortimento de galio e franja de
ocro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras dc.radas para officiaos, canutilhos e
eofeites para bordado. Yambem se encarr.gade
todo e qualquer fardamento, como sja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado,
etc.; assim como um complete sortimento do
franjas, galio f lso para armamento, cordao de la
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da encoamenda) tudo por muito menos pre-
co que em outra qualquer parte : na praca da
lndependencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Ama para engommar.
Precisa-se de uma que saiba engommar roupa
de homem e senhora, prefere-se que seja escrava:
na pharmacia Torres, a rua de Marcilio Dias n-
135.
. Preci-e?e alugar uma escrava para vender
: rua : a tratar na rua da Carcboa do Carmo n
t.9, loja.
Entullio
Da se gratis a quom o quizer tirar, na rua do
SacaDiamento, Jpndos das cuas incendiadas da
.-rua da Cadcia.
19 ba mais cabellos
braocos.
JaPOIEZ*-.
So a umco av'provada pelas academias do
T/aenoias, reuojiuecida s pcrior a toda qoe
Utm apparecido ate" hoje. Deposito princi-
pal i rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
qmi de f'inda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e cssas de cabellei-
Francisco Xavier Ca/neiro da Cunha Miran-
da-, pelo presents faz saber a quem coavier, que
desde. o pnmeiro &< Janeiro do corrente anno pas-
sou a assignar-se Francisco Xavier de Miranla, o
que ja tem'kite em diversos papeis, como escrip-
turas, etc
Reoiie, 11 dejulho de 1874.
Francisco Xavier de Miranda.
Desappareceu
da casa do abaixo assignado no dia 13 do corren-
te, o seu escravo de nome Manoel, conbecido por
Manoel Amaral, coin os signaes seguintes: baixo,
secco, falla muito, porem, um pouro atravessaido,
foi escravo do Sr. Andrade, na Parahyba do Norte:
roga-se a qu.-m o apprehender, leve o a rua de
Santa Rita n. 5, entrada pela rua nova de Santa
Rita.
Bellarmino Alves Arocha.
AGUAS MLNERAES NATURAES
DE
Yichy-Cusset
* Preferivcls as de Vicbjr-Viehy
por serem as unicas que conservam todas "as snas
pronriedades depois de transportadas.
Fonte S. Marie, a mais efflcaz na anemia, na
albaminaria, na chlorosis, no emr,obrecimento do
sangue, e nas febres interraiuente. Os resultados
obtidos nas diabetes sao muiti aotaveis.
Fonte Elisabeth, nao se alters nunca eta mais
rica das aguas de Vichy em bicarbonate de soda
em magnesia e recoromendada pelos senbores me-
dicos pela sua sfficacia nos engorgitamentos do"
figado, do bajo, nas affec^oes do estomago, dos
rins, da boxiga, nas areias e na gotta.
EXIJASE
o nome da fonte na rapanla
Vende-se em i:aixas e a retalho, no onico de
posito
PHARMACIA AMERICANA
CB
FerrelraMaitt ct Cnnipanhia
- 57-RUA DUQUE DE CAXfAS-57
M0F1NA
Esta enooura^ado 11
!A M A S
A ma Precisa-se de uma ama para cozinbar:
* aa rm do Par.io da Victoria n. 23.
l'reci-a se de duas, s.ndo
. para cozinbar o com
. e outra para lavar e
engommar, preferin'o'se a primeira, escrava : na
rua do Crespb n. 7.
Precisa-se de uma ama para engc mmar : na
travessa do Corpo Santo n. 25.
- Doralngos Nunes Ferreira participa a sens
amigos, que iransferio o seu cartorio e residen
cia para o sobrado n. U da rua do Paulino Ca-
mara, onde offerece os seas servicos. Aprovdla
a oecMteo para declarar que nada d-.ve a pes
soa alguraa; porem se alguem se julgar sen
credor, roga-lhe o obzequio do apresentar sna
eonta para ser incootraeate paga.
Na ruavelha de Santa Rita n. 57, precisa-s
Engenho
Vende-sa o eageaho S. Pedro, situado na pro-
vincia de Alagoas, cdmarca do Porto Calvo, a
menos de uma legoa distanle do porte de mar do
Gamella, tem oxcellentes terras, matas, e afreja
regnlarmente >,G00 pies : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.________^^_^_
Boa casa.
Aluga-ae o palacete do (allecido Custodw Ju-tf
Alves GuimarScs, ua illia dos Rates (Boa-Vista),
onde morou ultimamente o Illm. Sr. Dr. Igcacio de
Barros Barret,* : a tratar na 1 ja do Pas so., a rua
Priraeiro de M.irco (antiga do Crespo), junto ao
arco de Sant)'Antonio.
Vicente fugio
Xa noite de 13 para 14 de maro da corrente
anno fugio o muiato Vicente, eseravo.de 20 annos
de idade, bonits, iigara, barba e estiitura regnlar,
levando vestida a em um sacco roupa d algodao
branco e alguma mam Una, perteneente a um cai-
xelro da casa donde rogio ; e nataral da fregue-
zia de Sant'Anna do Mattes, diz -er livre, easado,
e ter sido criado em eompanhia da madrinba D.
Anna Laisa da Luz, de quern, alias, (bi eaeravo :
roga-se, portanto, aos Srs. capitaes de eampo
e autoridades polidaes a apprebensao do diio es-
cravo, entregal o na eidade do Recife, roa do
Crespo b. 10-, ao Sr. Jbaqu m Moreira Reis, ou
na cidade do Assii ao Sr. Torqoato Aagusto de
Oliveira ftoptista, que serao generosanente grati-
ficados.
Conductor
Na rua do Bora Jesus n. 17, precisa-se fallar ac
Sr. RicardcP Catanbo de VWoncelfos,. emprega-
donalinha ferrea do Caxanga.
Cheshire condensed Mrlk.
Leit condensado novo.
Cerveja de INoruega. ^
Keller & C. H
Procfca-se de um leitor para o engenfio Sa
pucaia, de BeberiLe, e que seja homem affeite ao
acmpo.______________________..
Na noite de domingo, -Tdo corrente, furta-
r;m do engenho rtola, freguezia da U-cada, doos
cavallos : nm russo, nao ciarojtfelho, dentes qoe-
brafos, desella, carregador e eJquipador obnga-
ao, tern mareas de colheira nos lados por traba-
Ihar em carro, fcrros a margem" no quarto direito
e no queixo menor, com o signal dous ou dez.
Ontro, alasao toatado, os mesmos ferros em cima
da anca e na queixada, carregador obrigado na
redea, e tem ma redea, Irabalha na cangalha.
Ambos estao gordos^e russo e grande, e o alasao
novo, lamanho de raeio acima. loformam que esles
aniraaes foram furtados por Manoel Joaquim Ta
vares-, que ja esteve no coito do fmado Siqnelra,
no engenho Mupan, e Mathias Antonio de Souza,
feitor de Manoel Autonio Dias, senhor do engenho
Rola, por ter sido despedido, visto saber o ditc-se-
nhor do engenho ijue aquelles eram ladroes d
cavalios.que vierara aeossados do Cabo, onds Hie
foram apprehendidos dous cavallo? furtados no
engenho Guerra. Gratifiea-se bem a quem der
noticiaa dos dons cavallos furtani#, no engenne
Rola, j,> dii-i.
an
ALUGA=SE
a casa da rua das Flores, boje Malhtas de Albu-
querque n. 2i. onde teve cocbeira : a fallar ns.
rua das LaraDgeira* n. 18, i antiar.
Fugiram no dia 7 de jullio-cte 187', doangenhe-
Giqui, freguezia da Escada^de Florismundo Mar-
ques Lins, 3 escrav.is, sendo Asterte, preto, al-
to, bem moco, sem barba, corpo regular, e olhos-
brancos ; Elias, prcto, bem mocy, sem barba, al-
tura media e corpo regular ; fetes dous foram da
villa de Pesqueira. Luiz, cor fnla, bem mo?o,
harbado e tem os peitos "caoelludos, estatura bai- j
xa corpo refornado e bem espadaiido ; este foi de!
Ifossa Senhora da Gloria ; gratifica-se com geae- ? -
rosidade a quem os apprehends e lev?-|os ao Re
cife, no escriptori > de Fram-iseo Mamede de Al-
meida, rua do Tnrrps n. 12, ou ao prcprie'ario.
Veode'-se nm teneno em Agua-Fria, com 6f?
palmos de frentee 350 defundo, teado dnas fren-
tes, uma para a rua do Caoundo e entr i para a
rua das Mocas, proprio para edificar/ euj terreao
tem arvoredos : a tratar ma-wa da. S;i. ;. Cruz
naraero 7.
Funileiro
Manoel Ignaclo das Ca^deiaj lo atiiign funileiro
da pragi da Independent ), encarrpga se de fazer
qualquer obi a de sua arte, e bem assim de cortar
e coflocar vidros em viJracas, espelbos, etc.. tudc
por modico preg> : quem de seu prestirao se qui-
zer utilisar, pode dirigir-se a casa de sua residen-
cia, a rua BeP.a n 4.
nu
rtccebe-se encommeadas de fogo do ar, para
dentro e fora da provincia : no armazem da bola
amarella, a travessa da rua do Imperador.
V
'
(
EMADERNAClO

u


DE
Miranda k Irimlo
[yN. 37Rua Duque de Caxias If. fj\
Neste estabelecimento encaderaa-se
com toda presleza, nitidez a perfeicao,
desde c mais simples ate os mais pri
morosos trabalhos de setime e velludo.
Pauta-w e risca-se papel para livroa-
. em branco, tante para o commercio, como
/ pjra repartigoes publicas, numera-se, ft-
" vros, execata-se tuJo quauto e relativo # f
garamographia. \
Miranda & Irmao, munidos de boas
machinas, bons artistas e excelleutes ma-
terial's, julgam-ze babilttados para servir
satisfactoriamente as pessoas qne quize- f
rem trabalhos tao perfeitos como os que
vem do estrangeiro.
CB_~~
C0MPRAS.
Compra-se um sitlo peqaeno, que seja perto
da praca e que tenba ca*a de moradia : a fallar
na rua d > Barao da Victoria n. 40, loja.
^lVIJSpO
Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro e
carapina, paga se bem : a tratar na tbesouraria
das lotenas, a rua Primeiro de Marco n. 6.
,
^A
1TDRA.
AOS 4:000^000.
BILHETES GARAN1ID0S.
A' rua Primeiro de Mar$o (outp'ora rua d>
Crespo! n. S3 e casm do costume.
Acham-se a venda os felizcs hilhotes garantid -
da 26* parte dasJoterias a beaeflcio da nova igre-
ja de Nossa- Senhora da Ponha (108'), que ?e ex-
tra/iira no sabbado, 18 do corrente mez.
PRECOS
BiOtete inteiro WOO0
Meio bilhete 2)W
Std PORQAODE 100JJ000 PARA CJM*.
Bilhete inteiro 3*500
Moio bilb-u- l|?50
Manoel Marlins Fiuza.
acima
*v



MEDSCO-CmiRGICO
DO
Dr. Pedro d*Athayde L. Moseoso
PARIEI.O E OPEHADOR
^Rua do Yiisronde de AlbUQaer-
*fc;. que H. 39.
Moii wliahi de seithorars e
^ ConsuHas das 7 as 10 boras da ma-
nha, todos os dias.
Aa Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar- %
^: tas e sextas-feiras. C^
W. Os deentesque mandarem os seus cha- Sr
{& mados pr,r escripto at 10 boras da ma- b
iS nha sera > visilados em suas casas. VT:,



<|>^
k s_ J-~-*-JJ ^-*t>-^T_U>_->^__. _^AJt>0^ S
:^^S\-
'WR
COSSl'lTOHO
Medieo-cifUfsico
DO
Dr. neiea.
Medico pperador.
RUA ESTRJE1TA DO ROSARIO N. 3. Ml
Da consultas todos os dias das 9 ho- ^j
ras da manha as 4 da tarde, dessa bora iA'
em diante acha-se prompto para qual- u^
quer chamado, em casa de'sna residencia !^
a rua da Princeza Isabel n. 4, junto a ,
esta^ao dos trilhos de (linda.
Das 7 as 9 Iwrrrs da manba da consul-
tas gratis aos pobrcs.
ESPECI ALIDADES
Moleslias syphiliticas, via digestiva e fe
bros.
% Consnitfiri!' niedieo-cirnrgico'%
A. B. da Silva Maia. g
Rua do Visconde de Albuquerque n. m

DEPURATIF
H, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. ft.
Chamado? : a qnaiquer hora
Consultas: Aos po 51 es gratis, da? 5 as
4 horas da tarde.
Paris, 36, Roa Vivlenne, D
IHIMHM Mf.DECW SP^CIIL
MS RiriRVIDADAC DBS SEXUUB, AS AfTICJOW
cctaneas. p AtTBmgors DO SAHSDI.
130,000 curas das impi*.
I qens.puslulas, herpti,
____Isarnajcomixotijocrii-
[\fM monia, e allercoit, vi-
\ ciosas do sangut, vi-
rus, e attefatoes do sangue. (Xarope vegetal
sem mcrcurio).DepartlT TegeUei
Bt\U* MiifEKAES tomao-se dous por
lemana, seguindo o tractamento DtpnraUvo : 4
empwgMo naJMmas mlstis.
I Este Xarope Otraete de
I ferro de CHABLE, curt
[imrae'diaUmente qual-
I quer purgacao rcla-
\xaeao, deeiliAuU,
t Ignalmeme os jimos floret brancat it
mulheres. Esta iuieccao benigna empregassi
wm o Xarope de CUraeto deftm.
ei*rriaa)Pomadaque as cura em>dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: aas affeccoes cutaneas t comixoei.
PILUl$ VEOGTACS DEPURATIVAS
de r MMlMk cada frasco vrai accomDakade
it vm folheto.
AVI80 AOS SRS. MEDICOS.
I'Curs calarrhct, loins
\coqucluc\es, irritaftt*
ntrvoit tat das brm-
chios i iotas as Aitst/m
----------------------------- do poUoiysaU io don*
m* eolba rchdes data urope IK FomatT.
r. WIW b Parti. w TlvteMt, M,
leposito botca Franceza
22'Rna da Cruz 22"
CASA DO OURO
Aos _OtfO^l9Sj>
Bilhetes garantidos
Jliix do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
O abaiico assignado acaba de vendor nos seus
muito felizes bimetes a sorte do 4:000^ em dous
meios bilhetes do n. 2018, atem de outras sortes
menores de 40*X)0 e 20IUO0 da loteria que se
acabou de extrahir (107^ ;. convida aos possui-
dores a virCm receber, qua promptamente serao
paaos.
u me3mo aDarxo asrigu^dv vel publico para vir ao sea estabelecimento com
prar os muito felize3 bilhetes.que nao deixarao de
lirar qualquer premio, como prova pelos mesmes
anr.uccios
Acham-se a venda os muito feikes bilhetes ga-
-antid03 da 26- p.-.rte da loteria a b-.ceiicio da
nova iareja de N. S. da Peoi a, que se extrahita
no dii 18 do corrente mez.
Pi*efoa
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De iOS^OOO j>araoii_._.
Inteiro 3^500
Meio 13750
Recife, 11 de junb.0 de 1874.
Joao Joaquim da CostaLeite.
CHUiBO
Compra-se cobre, latao e chumbo velbo : no
armazem da bola amarella, a travessa da rua do
Imperador.
V
jriac
J I
\ EIM1E-C,E
um terreno no Arraial, com 120 palmos de fren
e '.'*'>< de fundo, com uma boa cacimba : no ca
da Conuianhia Pernamb'ucana n. 26.
fialpde barato.
Rua do Barao da Victoria
n. 8.
Verier Lyra k Viaana para
acabar
Os seguintes calc&tlos
Botina.side cordovao dc Pollak a 8000
Ditas dito d; Fanein a 8^000
Ditas de bezcrro de PoHak a 8^ e lOfiOOO
Sapatos de tranca franceza a If SCO
I)i'- s r Ins a 2^000
Botinat ;. peadaa para senhora 4SO00
Spat' emira para homem 1*000
Setlinhn^ a 1-3'oOQ o cot,.do.
PLUS OE
COPAHU
Sirop du
DrPORGET
Tornou a fugir
Do Dr. V. C. C. Albuquerque ausentou-se desde
o dia 10 de julho do corrente anno o preto Beno-
dieto, de 23 aaucs de idade, e bastante ladico, falla
mansa, cantador de modas, 6 bom carapina, esta-
tura alta, espadaodo e um pouco corcovado, bar-
ba do, tendj a testa pesjuena, falta de deaths na
frente, pes ftios, e com uma cicatnz grande por
cima de cada um pe, proveniente de talhos de
raachado ; nascju no engenho Bujary, de Goyan-
na, onde tem mai e pareutes, tendo passado :w Sr.
Luiz Cava'icanle de Albuquerque, morador na
mesma cidade, e deste ao Exm. Sr. Barao de Na-
zireth, tendo a primeira vez que fugio eslado no
engenho Paogaua, de -oyanna. Pede-so a todas
as autozidades e capitaes de campo.quo o pegando,
levem-1 a rua Direita n. 40, ao Sr. Belisario de
Souza Banieira, ou no engenho Furna, de Santo
Amaro Jaboatao, qae serao geaerosamente grati-
flcados._____________________________________
Costureira
Na travessa ua rua da Palma n. 26, defronte do
kocco do Possiiiho, coze-se com perjeicao e aceio
oualqner obra; da-se lianca e manda se levar as
obras aos freguezes.
S ConsuUorio mdm %
J DO o
% Dr. Murillo.
9 RUA DA CRUZ N. 26, is ANDAR. .
rd Recem-chegado da Eurepa, onda fre-
\i quentou os hospitaes de Paris e Londres,
Q node ser procurado a qualquer hora do
gdia ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Wi Consultas das 6 horas da raanhS as 8 ho-
M\ ras, e do meio dia as duas da tarde.
if Gratis aos pobres.
. ESPECIALIDADES.
U Moiestias de seoboras, da pelie e de
J crianga.
CRIADO
Precisa se de um criado para todo servi^o de
casa de homem solteiro, prefere-se escravo : na
rua do Marquez de olinda n. 35.
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite, sadia, sera fi-
Inos e de bons costumes: trata se na rua do Impe-
rador a. 69, sol.-rado.
Aluga-se o sitio da casa verrne-
Ilia, na travessa da Cruz de Almas :
a tratar no sitio do commended or
Tasso,
Na rua da Uniao n. 49 precisa-se fal"
lar, a negoeio rje seu interesse, com a Sr.1
Anna Joaquina Tbeodora, viuva de Ma-
noel Jose.Tavares, a qual roorou em fins do
8DQO de 1873 na rua imperial; assim como
se deseja fallar, tambem a negoeio de seu
1 interesse, com a Sr.* Maria Derphina, viuv^,
! de Joao Baptists de Luna,
Veaham antes qu
n ua l.- de Marco >
se acabem : na loja do Passo
, A.
Cliina
1 III u
prescnics
No Bazar Victorta, a rua do Barao di Victo-
ria n. 2, se encuuirata objectos proprio para pre^
sentes. '
Toalkas de linho a 500 rs.
Vende-se tealbae du I nhopdo karat ssimo preco
de 500 rs. cada uma, e metade de sen valor ;
aproveitem, que e3tio seacabando: na rua Du-
quo de 0:i\i':- :i ^ ji de Dcmetrio Bastes.
2^)0F
Saias de Hi com barra, fazsnda superior, pelo
baratissimo praeo do 2*000 ; -assim como, linho
pardo com list, as brancas, fazeuda superior para
ve-tidosa 440 rs. o co'vado : a loja dos arcos a
rua Primeiro de Mareo n. 20 A, de Gurgel do
Amaral & C.
Alleucao.
Vende-se alguns terrenos no Monteiro, um si-
tuado na estrada do Lameirao, compreheniido
um caixao ds p ;dra e cal, para uma grande casa,
com 290 palmos de frente inclusive a largura do
dito caixJo, sobre SOO dito3 de fundo medio, e
mais dous a margem do rio Capibaribe, tem um
150 palmos de freate e 280 ditos da fundo medio,
e oatro de 130 de frente, sobre 300 de fundo
igiialmeuto medio. Cs pretendeates podem procu-
rar o ecgenheiro Antenio Fcliciano Rodrigues
Seite, que esta en'arregado pela proprietaria dos
mesmos terrenos, de minis'.rar todos os esclareci-
ment)s precisos, e proceder as medifoes, e venda,
a rua do Crespo n. 12, escriptorio, ou ao Sr. Vi-
cmte Ferreira da Porciuncula, a rua do Impera-
dor n. 8,1, 2' ;-.ndar._________________________
Venle se o grande e magnifico sitio do fallecido
JoJo Carroll, na Ponte da Uchda n. 10, onde, alem
de um immenso sitio ha uma grande casa, fruc-
teiras de loda3 as qialjdades, grande baixa de ca
pim e passagera para o rio : para tratar no raesmo
sitio, ou na rua do Vigario n. 19.
Terreno
t Engpalios em Mamam-
guape.
Vende-sa os seguintes : ;, ^
Barra,.
I'ri'giilea,
e Patrlclo.
A tratar com sens proprietarlos nesu cidade
e para inter ma ties com Joaquim Pinto 4 Ue;
relies Pilbo aa mesma cidade da Mamaaafoap*
_______Tasso IrroSos A C.
Wilson Rowe & L. vendem no sea arauion
rua de Commercio a. 14 :
verdadeiro panno de algodao ami imrnaaa
Excellente fio de veto.
Cognac de 1* qnalidade
V'inho de Bordeaux.
Carrao de Pedra de lodas as aaaliaaati
TACHAS TACHAS
BAT1DAS FUNDID.AS
QuaMade suaer er
Sjslcma novo I
Mais barato do quem em qaaJqaer outra paru
IfA
Fiiidicao da kmn
C. STARR & C. EM UQUlPACiQ.
Yendem
Wilson, Rowe & C.
Em seu armazem a roa do Trapiche a. ft, m
guinte :
AlgodSo azul americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Todo muito barato.
ALERTA
Com o n. 43, a rua do
Queiraado n. 43
BefTeate do becro do P*x- Frilo
oa Junto u Soja da Miixiiolla.
Chpgucn t tiipsuem :
Lbzinoas di quadros pretos a 240 rs. o covado.
Ditas de quadros e de odres a 240 rs. o covado.
Graoadioe de listras, a parkiense, a 160 rs. o c<
vado.
Poupelioa de seda de forta cores a 1* o covado
Cambraia Victoria Una a 3*000 a peca.
Dita traasparente a 2* e" 2*500 a peea.
Lencos ebinezes con versos a 1*800 a duiia
Chales de chita a escoceae, por 2* um.
Chitas de cdres a 240 e 2S0 rs. o -.- vd
Brim pardo fin j a 400 ra. o covado.
Culcbas para cama a 2* e 3* ama.
Lenr' ". de' bramante a 2*.
Cobertas adamascadas forradas a 3* ama
Meiis para bomem. sendo de cores a 4* a dazu
Toalhas muito grandes o ?|500 a dutia.
Metins de listras a 360 rs. o covado.
Madapo&o avariad" a 3*86&a peja. ~~_^_^
Camisas inglezas a 2* e 3 J uma.
Ditas de cretone a 3* uma.
Aproveitem que etamos fazendo grande abat
mento, nunr.a menos de 40 pet cento. Dao-"-
amostras com prnhor.
i^^
Vende-se por precj muito barato um bom ter-
reno no becco do Espinheiro, com 185 palmos de
frente e 3C0 de fundo : a tratar na ma do Crespo
junto ao arco de Santo Antonio, na loja do
Passo.
Vende-se
um balcao com terno de pesos e medidas, por
commodo preco : a tratar na rua do Lima, em
Santo Amaro, n. 8.
Coques de tranca
Rua Dnque de Caxias53
Augusto Porto recebeu pelo paquete franct;
um Undo sortimento de coques de trancasdos'
gostos mais modernos e elegantes. _______
rout
Vende-se p6s de sapotas de optima qaali^de
na rua do Hispicio n. 75.
Sap<
otas e lara.Yijas
Vende se sapotas, laranjas je ambjg0 e3ejecUs
a I*o00 o cento, da chir^k a li e da terra a 400
rs. : n'um sitio nj,rt0 ,ja estaf|o do Caldeireiro,
rua que vat ^ara o rio.
- Vende se, engarrafada ha dous annos, a ver-
dadeira aguardente de canna : na rua da Irape-
ratriz n. 3*.
Armuoi k es-
Irella.
Unieo deposito de cal bran-
ca dc S. Bento e Jagua
ribe.
x B -Caes do m s-.\. I
0 doao deste armazem de maUCiaes contra'.-
em graade pnrcao cal preta. pr la medida do? f
nos, medinte aju>tc, maiidando butar no toga*
compet'-nte, garantindo seriedade neste nog-..-
(issa e IfTWBes bits !:o S;{-
Antonio Jose Rod)igae8 de Souza, na thes-iu;
ri u&c l_!_r.^. rna IV.-iin n 6. vendi* -.
casa de tr.ipa e terrenes db seus sitios no lug:,
do ialtfcdiabo : a tratar somente com a me-n
Para viagvos.
Amaral, Naboeo A C. aJan d.i um raaaeet
sortimento de objeetos de ? I i ideas
guial.:.-, in I; pensavela para viageas:
Caduiras espregui.T.dciras de abrir e fecb
Ilalas de couro c de madeira, Turradas dc \< e da diversos Umanlios.
Bo^as de couro e de" lapete, de auitos tamaali, -
Capotes de barracha.
Cerolas, camisas da Beta, lavas e cachicez -.
tado be la.
Estojos para barba, com perhacas.
Lanternas furia fnajo.
Cbieotea de diversas qualidades
Canivetes com c<>teer, sacca-rolha e gr;o.
Insignias maconicas de diverse* |liaa.
No Baz-jr Victoria, a rua do Barao d:>. V
n. 2.
Amaral, Nabaco & G.
vendem :
Camisas dc liuho, Lrau.'as, para btjiens I
ninos, lisas e bcrdadas.
Camisas d.i chita para horaen'.
Ditas de meia de algo.'-lo, IS e.scJa. para h< -
mens e mrainjas
Camisas de flanella, brancas e ie cores,
manga, nala manga e sem manga, para bomen>
Camisas de algodao arrendadas para senh >r
e meninas.
No Bazar Vietori.% rna do Barao da Viet, r
n. 2.
Chocolate brasileiro
FABRICADONOX.4RANH.AO
Das seguinle* marca* :
Flor de chocolate.
Chocolate de baunilha.
Dito de cnnePa.
Dito commum, Cno.
Dito hcmeopauSico.
Dito deararuta.
Dito de musgo.
Dito c?c ferro.
Chocolate vermifuge.
Vandem pelo preco da fabric*, Josd b*Bres
Carreiro & C, a rua Direita n. 14. *____________
Yende-se
na cidade da F.scada, tres casas, na n.eluor locaii-
dade do commercio, tendo uma dalles padarh
bem antiga, a qual se acba l-emonUda. com to4a-
as suas periencas o com arma^ao de veada, a
Sssse de um terreno junto as mesasas casas ; veo-
B-se tudo por modico preco : a tratar earn
de Azevedo Campos, na Escada, e com Maooel
Luiz da Veiga, no Recife, a rua do Yiscoo4e d-
Albuquerque n. 162.
Vende-se as seguintes casas
terre&s,
Becco da Bomba n. 5.
Bua do Fogo n. 2*
Rua do Padre Vlo'riano n. 35.
A tratar n^ DaIeo d0 Carmo, uverna n. I.
Vinho
a'erde
de
\ mar ant be,
eapeetal
Vendem P6cas 4 C, a raa wtreita do Rosario
n. 9, junto a igreja.
Sedas a 1|280 o covodo.
Vende-se-bom tas sedas de listras de linda-
res pelo baratissimo preco de 1*280 o eovad >
aproveitem que esta se acabando aa roa do Du
que de Caxias n. 88, loja de Deewarle Bastop,
,


-'
HP

)

<
?
i
Dlario Je Fe#irifciiex> Quinta feira IS dPVBlA' Cazendas finas
Riia Primeiro de Marco n. 7 A
DE
Cordeiro SLm6es S" esla uma das casas que hoje pode com pri-
oaiia olferecer aw seus freguexes um variadissi-
Q csortimento de fazendas finas para grande toi-
i ette, e bem assim para uso ordinario 3e todas as
:lasses, e por precos tautajoscs, das quaes faz am
jeqneno resumo.
Mandaui fazendas as casas dos pretendenles,
jara o que tern pessoal necessario, e dio amostras
nediante penhor.
Cortes de seda de linda* ceres.
irosdeoaples de todas as cores.
Jorgurao branca, lizo, de listras, preto, etc
Setim Macao, preto e de cores.
^rosdenaples preto.
^"elludo preto.
"ranadine de seda, preta o,de cores.
Popelinas de lindos padroes.
'iid de seda, branco e preto.
^icas basquinas de sola.
Itsacos de merin6 de cores, 15, etc.
rfantas brasileiras.
Ooites com wmbraia branca or in lindos borda-
'icas cs pel I as e manias para noivas.
I'.iquissimo sortimento de las com listras de
>eaa.
Gambraias de'cores.
DiUs maripoMs, braacas, liias t bordadas.
Nanzuques de lindos padri3es.
Baptistas, padroes deiicados.
Percalira* do quadros, pretes e brancos, listras,
le, etc.
I'.rins de Iraho de cor, proprios Dara vestidos,
ora barra e listras. -
'Wcos -cortes de vestido de linho. < itcs da
nesraa cor, ultima mod?
Ditos de cambraia de cores.
Fustlo de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
i^amisas -bordadas para senhoras, de ,'inho e al-
'*Jan.
Sortimento de luvas da verdadeira fabrica de
uvin,j>ar'< lumens e seulioias.
^estua'; para meninus.
,Ynm para baptiiado.
>hap5os pan euo.
"oainas e fnardanapos adamajcaws de n de
r.para mesa.
Colchas de la.
Cortinados borda*s.
Grande sortimento de caraisas de linho, lizas e
n.rdadas, para homens.
J'eias de cures para homens, meninos e niuui-
.
Ditas tscocez.i3.
Con>n\stfi s.j.iimeptc de chapeos de sol para he-
ecs e s.-nneras.
Merino de e6ss para vestidos.
Dito preto, lrao^do -e 'oilhado de ulio c algodao para to
^WJthado pa'dn.
Damasco de 13.
Erins de linho, branco de i-ores e preta
Setim de iiudas cores com jistras.
Ohales de merino de cores c pretos.
Ditos de ca-emira.
[litos de seda preta e de cores.
Ditos de tou>;mm.
Camisas de chita para homens.
Ditas de flanuia.
Ceroulas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e-conso-
f.encps bordados e de labyriutho.
olehas de crochet.
Tarlatana de tolas as cures.
Iticos cones de, vestidos do tarlatana bcrdados
ira cortes.
Espartilhos lisos, bordtdos.
Foulard de seda, liddes cores. f
Meias de seda--para senhoras e meninas.
fUcas fachas de seda c 1:1 para senhoras.
lii'-o sorlimento de- toques de rnadreperolas e
)S?0.
Damasco de seda.
Casemira preta e de Cures.
Chitas, maJapolao panno fino preto e axul, col-
annhos, punhos delinho e algodao, pravstas, lu-
'ai de o de Eseossia, 'apetes de todos-cs tama-
ihf'S, bolsas de viagein, peitos bcrdados para ho-
'nens, ieni^js (Je iinno urauco e ue cores, w^iuan,
jnardananos. etc., etc.
f too.
,\'ende-se um ppqneno si-in unrto da e?ta-
iko do Salgachnho, tendo de frente 150
oalmos, e de uindos mats de quatroeentos,
:oti uma olfgante casa d^ taipa, acabflda de
rjroiira e berri ossoiadi, tendu 2sal s, 2
junrtos e c">/.iiiha (iSva. 0 terreno e pro-
rio n \>m do plaatac^ees, Undo algunias
r-Tons de rractd, ugua de beber e todo eer-
-.ado.
Para ver e mais expIioACdes, no mesme si-
:to a qualquer bora a entender-se com Tris-
lio Francisco T -rres, c para tratsr, na the-
touraria d s lotorias, rua 1. d Margo
a. 6.
L
s
a 200 re. p covado.
S6 na rua do Qucimado n. 43, junto d !oja
da Magnolia.
Cbr>gucm, venham a ellas 1 !. .
Lfizinhas de quadrinhos a meda escoceza pa-
Jroes muito ehiques, propria para vestidos dc se-
nhoras e meninas. pelo dimianto preco de 200 rs.
> covado.
- So o 43, loja de Gnerra & Fcrnande9. >
DJ.o-se amostras com penhor.
Rua da Imperatriz n. 72
DE
MENDES GUIMARAES k IRMAOS
Acabam de fazer um gVande abatimonto nos prcQosde suas fazendas latten-
dendo a grande falta que ha hoje de dinhciro,'^ pjr isso crcio que o prej-n que vai men-
cionado agradari ao respeit-vel publico.

-


*

CHAPEOS DE SOL DE SEDA ,V 45000.
"Vende-se ch'apdos de sol de seda para se-
nhoras e meninas a 45>, ditos de alpaca li-
nos com 12 astes a 4$, ditos de r.erino de
duas cores a 5$, ditos de seda para ho mem
a 6$, ditos inglezes com 12 astes a 85 e 95.
BRIM PARDO A 400 rs.
Vende-se brim pardo escuro a 400 rs. o
covado, dito de cores com quadrinhos a
500 rs. o covado
CORTES DE C4SEMIRA A 55.
r.ROCIIES A 15500.
Vem:le-se croches" para cadeiras a 1)5500
cada um.
LAZINHASA200RETS.
Vende se fazinhas para vestido a 200,
320, 400, e 500 rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 500 REIS.
Vende se alpacas de cores a 500, 640, J
800 rs. o covado.
| GRANDE SORTIMENTO DE TAPETES A 45.
Vende se grande sortimento de tapetes para
Vende-se cortes de casemira de corespara, todosos tamanhos a 45, 45500, 55, e 65
calca a 55, e 65, ditos de dita preta para' ca la um_,
e"Hmmmkmbll *'o corte. 'makde sortinesio de roepa feiu
TflATAMENTfl E GUflAT.VO OAS WOLESTAS PBOVEMENTES 011MP0REZA DO
SANCUE
PELO
ARROBEDEPURATIVO DESaLSAPARRILHA, CA-
ROBA E VELAME
PREPARADO POR
MRTHOLOMEU & C.
Vende-'se cortes de brim de Angola para j
calca a 25, dito muito finos a 35.
ABERTCRAS PARA CAMISAS A 200 REIS
Vende-se aberturas para caraisas a 200 rs,
ditas mais finas a 400 e 500 rs. ditas de
esgniao a 15, ditas bordad'S a'25-
CHITAS A 240.
Vende-se chitas para vestidos a 240, 280 ,
e S20 rs. 0 covado, tem escuras e glares.
MA DA PO LAO A 35. e
Vende-se pegas de mad polSo enfestado a .
135, ditas de dito inglez a 45500. 58, 0 65,'
I ditas do dito l'raneez fino a 75, 75i00, 85' !
^5000.
NACIONAL.
Calgas de riscado para trabalho a 1#000
MM A *m PA Wu
NA
Rua da Imperatriz n. 60
PARA LIQUH'AR
Grauadinw preta a 5CO rm. m-
covado.
0 Pavzo vende gr.inadina preta e lavtaab
pelo barato preco do SOO rs o covado.
ALPACAS PRLTAS A 500, Gi E 8W tt
0 Pavao tem um grande sortimanfc* tk
alpacas pretas, que vende a 5 JO, 64 %B9
rs. o covado, assirn como grande !
mento de cantdes, bombazinas, priaeta
pretas, merin6s, e .outras muitas fajentlar
proprias para luto.
CAMBRAIA VICTORIA A 4&C00, 4*5*
05000 E 75000.
0 Pavao vende um grande so;':maBl db
cambraia Victoria e transnaruntc
8 1/2 varas cada pec,a, pclos barates JTt^m
de 45000, 4550'J, 55000, G?C00 e 7i
a peca, assim come, ditas de salpico bra*
co, a 7)5000, 6 pechir.cha.
CAMISAS FRANCEZAS A 2,J000, :*Mt,
35000 K 3?500.
0 Pavao vende um bonito sortiOMate dm
Pkarmaeentioos da eaia real dc IS II. V. El Rei de Portu^a
Premiados em diversas escposicoes com o premio de sua classe.
Asaiide ^um bem inapreciavel, cuja importanciae valor s6 estd reservado aoeofer-
mo avalial-o. E' incontestavel quo o homem neste mundo 6 constantemente, e por todos
os lados-etacado por uma infinijade de agentes morbidos, que todos tendem, dadas cer-
tas e determinadas circumstrancias, a alterar o regular exercicio das funcgdos organicas,
resultando desse desiquilibrioo que se denominamolestia.
A molestia nao^emais do que a desvirtua^io das forcas vitaes, pecasionada, segan-
do as investigagoes e experiencias dos mais abalisadcs mestres da sciencia, pela deprava-
eao dos humores geraes, coasequencia da acgao raaligna desses mesmos agentes morbi- I cam'sas francezas com peito de algadio, l
Calcas ds brim pardo a 15900, 25, 25500. J dos introduzidos no organisrao pelo acto da respiracao, pela via digestiva, pelo contacto 2^000 e 25500. Ditas com p- ito iis ho
Calgr.s de brim de Angola de cores a 25, immediate, f-tc. de 35000 a 65000. Ditas bordadas xi
35. A syphilis iofelizraente tem sido a partilha da humani Jade, e como 6 f6ra de duvi- \ un8S Ae WUOO a 105000 : assim
Calcas de casemira de cores a 55500, 65 43 . v'ada em todas as ideas, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquwendo |algodao, por pregos baiatos, e tamberr c
CjnstituigOes robustas, produzindo mutilagdus e ce tando ainda em flop da idade vidas comp^to sortimento de punhos e coll .
preciosas. jtanto de linho como de algodao, por p:.-..-
El;minar da economia tzsfi* principius deleterios, o purificar a massa geral dos hu- em conta-
e 75.
Calgas de casemira preta a 35500, 55500
.79
Patttots de riscado a 15.
Pa?i'tots de alpaca do cores a 25.
PaleU'ts' de a paca prcta a 3"
53- .
0
E
immigo
acerrimo
a carestial
NA
contra
llua Priiueiro de Marco n.
Ontr'ora rua do Crespo, defron-
te do arco dc Nnnlu An-
tonio.
BAPTISTAS, temos grande sortimento desta fa
zenda c vendemos muito barata, a 3C0 e 400 rs.
o covado.
ALCA5SIAXAS de honitos desenhes e cores fl-
xas, a 400 rs. o covado. So no barateiro, venham
apreciar.
METINS trancados, francezes fazen^a superior
e de bonitoi osto?, a 2i0 e 280 rs. I Quern riva-
lisa?
CHITAS de bons gostos e de cores flxas, a 240
e 260 rs. Sn aqui.
LAZINHAS cscocezas, padroes bonitos, a 130 e
200 rs.
DITAS de linho e las, padroes inteirameote no-
vos, a 240 rs o covado, fazenda que custou sem-
pre 400 rs. So no barateiro I
CRETOXES escuros e claros, fazenda superior a
400, 410 e '.80 rs. o covado.
POPELINAS do seda e linho a 00 e l; apres-
semse a mandar ver.
DITAS de linho -e algodai a 700 e 800 rs. o
covado. ,-
BIIIM par.lo trancado a 2C0 e 280 rs. o covado.
So no barat iro I
DITO de cores, fazenda muilo boa, a 500 rs. a
covado.
CAMDRAIA transparente e Victoria a 3#300 e
"^.''00 a J'rt ,i Aondo lem V No hnrntcirir t
BRAMANTE de linho de daas larguias, I j2>
' a vara ; admira ? e exacto.
ESGUIAO de linbo e
!4*000
Os
A' rua u^si n. 1
proprietarios da I'redilecta, no
; mores tem sido desd: tempo immemorial o fun constants da medicina, e osdepurativos
$ "35500, 45 fiKuram em Pr'meiro Itigar para preenchj- esse desiderato.
i E' de preferencia no leino vegetal que a sciencia acoiMelha qucdevemos procurar as
______substancias proprias e depurar _o organismo, climinaudo os principles novigos a satide
pelo augraunto das secregous n;.luraes ; e quo pssam ao mesmo tempo neutralisar a virus
syphilitico, ainda qu ndo eae virus ja" tem feito erupgao no exterior debaixo de suas mul-
liplicadss form.s. Os granies e incomparaveis depurativeis vegetaes conseguem
muitas vezes preyenir os.estragos da syprulis, quanJo por ventura se acha ella ain-
dt no estado de incubagao; islo e, sem se ter manifestado sob formas externas: bene
A.
iutuito
iCOHTINADOS BOUDADOS PARA C
JANEtLAS, DE 75 ATE' 2o. -
0 Pavao vende u.n grande soi iraeote c*
! cortinados bordados, proprios nara ?t>;*e.
j^nrllas, pelo barato pr<^o de "50
| 10)9000 ate 2*5000, a'sim e:
de drnasco de l.i muito fina 'le l(,
j 1^5000 cada uma.
i BUAMA.NTES A 13^00, 85000 F
0 Pavao vende bramantes para I '
tendo 10 pd-nos de largur;, Kodo
algodao a 198f0 e 2:000 a vara. e de
% 29*00, 2^800 e 35000 a vara: :;
cha.
Grande pachiLcha a 4
e 5^000
CORTES DECASCM HA.
0 Pavao recebeu uma prande \> i
cortos de crsimcras de cores psra '
RO-'.-O a,.'
cada corte, na ru da ImparaUu ......
de Felix Pereiro da Siva.
ESMERAEDINA A 800 RS.
djjficioincomparavel, tanto mais pirque neste estado os in lividuos ignoram ompletamen
conservar o bom 'ceocclto^qw wemUSJ3 dc,le se & contaminados por esse terrivel inimigo.
respeitavel publico, diutinguindo o seu estabeieci-1 rebzmente para nos o recn.-so prompto e sem igual para combater virus taodelete-
meuto dos mais que negociam no mesmo genere ( rio eneoulramos em abundancia em nosso uberrimo solo, uessa riqueza inveiavel de es-
raem scieutific-ar aos *eus bons freguezesque pre- 'pecjes de vegetaes, muitosdos quaes ainda tao pouco tonhecidos e es-udados-com nezar
venu-am aos seus correspondentes nas diversas par- >' lyaflaiog if ""uuu^uwsn.uuouw luul rM'
(;as d'Enropa para ihes enviarem por todos os pa-1 "izeinos.
quetes os objector de luxo e bom gosto, que se-j os mereceu a preterenc.a na grande vanedade de plant, do depnrativos quo pos-
jara mais bem aceitos pelas sociedades elegantes suimos, as tres plantas bem conhecidds no no:so paiz ;a Caroba__Jacaranda p*ocera
iaolUeitS ?!*!? k !? a^xS?S Untl^lCJlt de SprengeL, da feu ilia das Bigoniceas; o Velame cro!on campeslre, deS t. IIU ; da fa-
S SS Aiq'uta dTsuttiSes ?\?S \ rno ja rccebussem pele paquete francez diverso das Aparaginfi8S.
iPtigos da ultima moda, veem patentear alguns | Extrahmdo s6rnente- destes tres importaute vegetaes os principios medicamentosos vende pelo Larato pp. go da
d'entre elles que se tornam mais recoramendaveis, peios processes mais ap.rfeigoad s da sciencia moderna, conseeuimos reunil-os em um
ercurrenciad re8pC'taVel PUb"C ^"^.comp "sto agradave! e de Ia,il applicagao, cujas propried'ades pa'ra a cura da grande serie
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem das m^lestias syphiliticas e todas as que proveera da impureza do sar.gue, uossos estudos
vindo ao mercado". e repetidas experiencias nos couvunceraia serem incomparaveis, as quo se Jem obtido
Albunscom ricas capas de madreperola e d omempfego. ,elludo,,endo diversos tamanhos e Earatos pr.-;^^ J, ^ ^ precis,;aos d*crevar tao importantes plantas, fazer conhecidas
Aderecos completes de borracha proprios para, suas virtudes; ellas e.sens bons effeitos m.dicamentosos ja sao bom conhecidos, quer em
luto, tami.era se vendem meios aJereoos muito bo-, nosso paiz, quer na Europa, on le abalisados botanicos e distinctos medios se teem del-
"' r3',w <>a cQtm nrr,,. a Ha ^"rOC i rrr.,.n H- ^8S occupado, a mesmo estes experimeiitado com optnnos resultados no tratamento de
Botoes de setim preto e de cures para ornalo 6a m.,j,ftl- nederimpntos '
estidos de seLhora ; umbem tern para collele "HM'Os peoecimemos.
palitot. -o nosso Arrobe .depura It co de balsaparrilha, Caroba e Velame lem um sabor
Bolsas para senhoras, existe um bello sortiraea agradavel, a suaacgao e suave o benigna e de nenbuma forma produz molestias medi-
de seda, de palha, de chagrin, etc., etc.; pr j caroeutosas, como acontece geralmente a todos os compostos em que entram substanc'as
aBonecasSde todos os tamanhos, tanto de loaca mineras. como. mercwio, o iodureto de potassio, etc.eujo uso prolongado e sempre
come de cfira, de borracha e de massa ; chama- ,Para receiar, princip lmente por que trazem grande alteragao do sangue, resultando deste
iiics a attenjSo das Exmas. Sras. para este artigo, estado muitas vezes bydropisias, quasi sempre funestas.
pois as vezes tomam-se as criancas um pouco im-1 Seudo as molestias, como aeima dissemos, devid 3 as altera> oes dos humores, o Ar-
Khalm Pr n,ob,eCto que as -\robe Depulalivoite SakaparrMa Caroba e Velame pode ser empregado vantajosamente
(Jamisas ae nnno nsas e com penos Duraaoe*," vp*"'"' Jncfiil*** rfaoumaiieroo, bdbac, goto, doroc Goiatieas, ulceras chronicas,
para homem, vendem-se por preco commodo. gonorrheas chrooicas, molestias da pelle, etc., e em geral em todas as molestias em
algodao de iO jardas, por1 .^eroula' de ,lBhQ'e de aleda?' de dlversos prfl- ',^& s? teBD em vista a puriQcagao do systema sauguineo ; pois que nossas constantes
Caixinhas com musica, o que ha de mais Undo, I esperiencias tem foito ver, qoe ello e indispensavel nos casos gravissimos para minorar
SZiirl i f P C cotu ^<* DM l*ai*s b PW^8 Para Presea' i S 8offrimeDlos e Proiongar & ex.stencta, e nos menos graves a cura e a consequencia do
seu uso convenientemeiiteprolongado.
Assim, pois, uutrimos a convicgao de que o uso do nosso novo preparado justifiqne
ao barateiro
MADAPOLAO francez fazenda superi r a 5$ e
6$ ; sempre enstou 8s.
BOTINAS para senhora, n uito superiores, a 43
e 4A30O. S aqui.
TOALHAS. alcofhoadas a iiSOO e 5^000 a du-
zia. A ellas, a ellas.
CORTES- de cretop francez, bordados o^SOO
e GS I!
Dilos (uso da cu:te) Je cambraia a 10. Sem-'
pre enstnu i."3- I
SORTIMENTO de chapeos de sol de seda a 11, \
8 e 9{. Venham antes qne se acabem.
DITOS cabo de marfim de superior qualidade,
a MjoOO, para acabar.
DITOS ^ara senhora, a 3^500 I Sempre cus-.
taram C ; cstao se acabando, venham a elles, a
elles I I
GRANDE queima para acabar de camisas fran-
cfzas e inglezas, por todo o preco a 17/, 18/, 20/,'
30/, 3o/, 40/ c 48/ a duz a. E' no barateiro que
tem.
GRANDE sortimento de grosden'aple de cores,
a I/, 1/200 e J/oOO o covado. So no barateir.' I
te
Coques os mais modernos e de diversos forma-
Chapeos para senhora. Beceberatn nm sorlimento caljalmente as nossas asscyeragoes, porque sendo mtdicamen'o puramente de principios
da ultima moda, tanto para senhora, como para vegetaes, nossas experiencias ate hoje tem confirmado sua utilidade.
Salsaparrilha de Ayer
PARA PURIFICAR O SANXCE, O 1
0 renomc de que goat este ex-
cellente remedio 6 derido a milha-
res de curas quo tem operado, mu-
itas das quaes sao verdadeiramenta
maravilhosas. Innumeros sao os
casos em que o systhema, pareoen-
do saturado da podridao de enfei*
midades escrofi^losas, tem sido
promptamente restituido & saiida.
As affecvoes c desordens, aggrava-
das pela contaminacSo cscroluiosa,
aM produzirem d6res mortificantes,
tem sido tam radical e tam geralmente curadas.por eUe, em
todos os pentos do Imperio, que o publico mal precisa de ser
informado das suas virtudes e do modo de usal-o.
0 veneno escrofuloso e um dos mais destruidore* hiimigos
da raca humana. Ora, seuhorea-se occulta e traicoeiramenta
do nosso orgamismo e deixa-o fraco e inerme contra molestias
fatsos. Ora, patentcia a infecrao de que corrompeu o corpo
o cnlao, em momento opportuno, lavra rapidamente sob algu-
ma de suas hediondas formas, ja na cutis ja nos orgam3
vitaes. Neste- ultimo caso deposits, muito vezes, tuberculos
nos pulmcK1-. no figado, no coracao, etc., quando nao se man-
ifesia em- ;u, coes, tumores, etc.
A inim^ri taul ucrigoso e tam jierfldo nunca se deve dar
ctianda, e p.iyenu 6 sempre mclhor do que combattel^).
Assim, antes c!i appsneenm os proprios tympthomai actims,
o usa da BALSAf^jtRILHA Z> ATER podera evitar
resultados funestos. -
Ai pessoas que scflr-m de Eryiipelai, Togo de 8. An-
tonio, IlartroM. Emptgens, Rheumatlamo, Tumorei,
ricrrat, o sensibilidade dolorosa noe ouvidoe, olhos, ic;
ow-nos ossos; liyspeptia ou Indlotstoes; Hydropeila,
JHolettiaa do Coracao e do tHgado, Kpylepsia, Ntv-
ralfia e d varias outras afleccoes do aysthema muscular e
aenoso, acnarao seguro allivio usando desta SAXBAJPAJt-
RTLUA DR ATRR.
A SyphllU ou .)/o!e(ia Ventrecu sao curadas com O
ten uso, posto que seja necessario raais dilitado espaco de
tempo para subjugar tam impertinentes enfermidades.
A Lciicorrliea, ou Stores Bronco*, as ulceraeoes uteri-
nas j em geral as molestias- das mulheres sao tambem allivia-
das uttcriormente curadas por seu effeito purificador e
vigorativo. e
0 RheumatUma e a Gotta, quando cautados por accn-
mulitcoes da materias extrauhas as sangue, cedem-lhe acil-
uiente, de mesmo modo O Mal de Figado, Congeetao ou
Inflitmmrreao do Figado, Icterieia, quaudosao oriundas
de maus residuos no sangue.
A Salsaparrilha e nsn excellente restaunidor da
forca e vifor do systhema.
Aisim, todos OS que soflrerem Languor, PMegma, Det-
nuti.it, Insomnia e que sao incommodados com Appro-
henvoei e Temorcs Servoeoe ou qualquer outra aOeccto
provenieate de Debilidade, acnarao do seu poder reoovador
o ffiius seguro cxpediente de prompta enra.
PEEPABADA FOB
)r. C. Ayer &- Ca., Lowell, Mass., E. V*
i \ k Chimicoi Practices t Analytic*!.
Cura
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Calebs bordadas para meninas.
Entremeius estaiiipados e bordados, de lind&i
df.senhos.
Escovas e'ectricas para dentes, tem a proprie-
rtade de evitar a carie dos dentes.
I Franjas de Beda pretas e de cores, exi^te nm
e-ande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. do g-rgnrao. de setim e de cha-
n>^ln I Fachas de gorpurao muito lindas.
; Fi- aruficiaes. A Predllecta prima em con-
ervar sempre um i.ollo e grande sortimento des-
as fio cs, nao so para enfeite dos c^bellos, como
tarnbom para ornato de vestido de noivas.
GaJoes de algodao, de la e de se"da, brancos, pre
os et de diversas cores.
I Gravatas de seda para homem e senhoras.
I Laco3 de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
Qjiva.
Livros para ouvir missa, ccm capas de madre-
perola, marlim, 6so e velludo, tudo que ha de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
j Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, dsso e dourados por barato preco.
Perfurnarias. Neste artigo esta a Predileeta bem
j provida, nao so em extractos, como em oleos e
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
(iwllM'illstl'Onlu II IH'I'IPlt fabricantes, Loubin, Pi ver, Sociedade Hygienics,
1 Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
DEPOSITO GERAL
34.Rua Larga do Rosario.
PERNAMBUCO.
34
Quem ousa dizer que nio 6 barato ? por cerlo,
ninguem.
CHAl.ES de casemira com listras, o mais mo-
demo que ha a 3/500 e if, fazenda que c;-sta
em qualquer parte 6/. v'enham a elles antes
que se acabem I Ao I om torn I
Aldm destes, oulros muitos ;rtigos que deixa-
mos de cs;ecificar. para nao massar nossos fre
guezes, mas estarao patentes a vista d s compra-
dores. Avista do expost ficamos convictos de
que virao fazer ac juisicao de boas fazendas por
pouco precp.
Ao barateiro I I t
Na rua do Crespo n. I.
Augosrinho Ferreira da Siiva LealC.
dos
pela facil applicagao das
SONDAS OLIVAES
DE
GOMMA ELASTICA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conhecidas
Yendem-se
' NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
3i Rua larga do Rosario 34
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predileeta um bonito sorti-
mento de diversus tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o qne ha de melhor
gosto e os mais moderno s recebeu a Predileeta
de or an.to preco, para ficar ao alcance
qualquer bolsa.
Rua do Cabugd n. 1
Especialidade
Viaho particular, puro
e ge-
> mii no.
|~1 k Acaba de chegar ao mercado alguns barris de
Li |\OVOTA [vinhodoAlto Douro, especial e UBicamente pre-
l^i irlil Mil I I ,parado do extracto da uva e isento de qualquer
M..A KJXA.-3- \J\> %j\J confeccao, sendo muito mais brando que o da Fi
. gneira, o que o torna recommendavel pelo muito
Trancas de cabellos humanos, naturaes, nao que agrada ao paladar e preferivel a todos os on-
digo que tenbam um metro de compnmento, sao tros vinhos de pasto !Wf!rTt
soffrivelmente c^mpridas, pelo precp de 12/000 :, Achase a venda nos armazens de Joio Jose Ro-
so na rna do Maiquez de Olmda n. ol, sndar, drignes Mendes, Sonza Basto & C. e Fernandes da
casa de Gu.-tave, cabelleireiro. I Costa & C.
Coque crespo natural, de 10/, 12/ a 15/000
Cm par de crespo natural, compridos a 5/000
Um tnpet frizado por 3/C00
Uma dnzia de gnmpos frizados por 4/(;00
Coque3, modernismo, de 40/, por 20/000
Diademas, modernismo, de cabellos, por 5/000
Cresientes de cabello, de 30/, 35/ a 40/000
So na rua do Marquez de Olinda n. 51, 1 andar,
em casa de Gnstave, cabelleireiro.
que visitarem esto grande estabelecimerto
qae se acha aberto desde as 6 boras da ms-
nha at4 as 9 horas da noute a
Rua do Barao da Victoria n.
22.
0 Pavao recebeu urn bonit
daamaisikgantes esmeraldi,,,-.-. i .. !'
de seda, sendo em cores e padrOea ia main
novas que tem vinlo ao meri a ', pi .ri*?
para vastidoa, u vende pelo baratis&i
CO de 800 rs. 6 covado, ;\ rua Ja 1;.
n. 60.
(j Pavao queima osart,
scguintes:
Magnolia
Engenho Segredo
Vende-se o engenho Segredo, distando apenas
nma legoa da es.tac.ao de RiheirJo, inoente e cor-
i rente, beta obrado, e com terrenos muito fertels
' que safrejava ma .Is de 2,500 paes: a tralar na rua
i do Encantamcnto n. 5.
Salsa-parrilka do Para,
Ten) para vender Antcnio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, jw'seo wcriptcrjo, a rna dc Born "Jesus nu-
mere- 37,
Vende-se portas americanas por todo pre 50 :
na travessa da rua do Imperador, armazem da
Bola Amaiella.____________
Bacaihao de Noruega.
Acaba de ebegar nm peqneno lote de eaixa;
deste desejado bacaihao j no caes da alf^ndega,
arma?em de Tasso Irmaos 4 C.
Vende-se na rua do Commercio n. 4, eerveja
Neruega, raarca ML:
Biller Augu'slura.
Rum de Jamaica.
fa do Barao da Yietoria n
AI
Caniciro Vianna.
A' este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais Acreaita-
dos ultimamente na Europa, cujas machinas
sao garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em J
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tompo tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabelecimento tambem ha pertencas
para as mesmas machinas e se suppre qual-
quer pega que seja necessario. Estas ma-
chinas trabalham com toda a perfeigao de
um e dous pospontos, frame e borda toda
qualquer costura por fica que seja, seus
precos sao da seguinte qualidade : para tra-
balhar a mao de 301(000, 4O?G00, 459000
e 50J)i000, para traijaJhar^com 0 p^ sio de
809000, 90*000, 1009000, 1109000,
1209000, 1309000, 1509000, 2009000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teracfio de precos, e os compradores poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedade de objeetos que
ha sempee paraveader, como sejam: cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para saias, ditas de bilanco, ditas para
crianc,a (alias), ditas para escolas, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
Sara criancas, de todas as qualidades, camas
e ferro para homem e criancas, capachos,
espelhoa dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para cb.4, (a-
queiros com cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos, colheres de metal Quo, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteir&s
para forrar saias, lavatorios coapletos, ditos
simples, objeetos para toilette, eoutros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
Na loja da Magnolia, a rua Duqne de Caxias a.
45, encontrara sempre 0 respeitavel publico nm
completo sortimento de perfurnarias finas, objeetos
de phantasia, luvas de Jouvin, artigos de moda e
miudezas finas, assim como modicidade nos pro-
cos, agrado e sinctridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca-
ba de receber 03 verdadeiros anneis e volt is elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios aderecos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu nm-completo sortimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda
e de muitas outras qualidades.
Botoes de ago
A Magnolia, a rua Duque d para vender os modernos botoes de ayo, proprios
para vestidos.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ellas :
na Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45.
Lengos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma peqnena quantidade de lencps de sedi
chinezes, com lmdissimos desenhos, fazenda mtei
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga,
marnm, de osso, e de muitas ontras qualidafles
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
mero. 45.
Attenqao.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
15, acaba de receber os scguintes artigos:
Manual de madreperola, tartaruga e marfim.
Ricos albuns com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, velludo, couro, etc
Lindas caixas com Gnijsimas perfurnarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola. m
Pulseiras de madreperola.
Ricas caixas para costura.
Vestuarios para baptisado.
Toncas e sapatinhos de setim.
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Gravalinhas de velludo, etc., etc.
Ultima moda.
A Magnolia, a rua Dnque de Caxias n. 45, it-
cebeu um lindo sortimento de bicos de guiport
de cores, apropriados aos vestidos ehiques da ac
tualidade.
Cortes de combraia branca, trai
com enf'ites bordados da la 1 .-
Dit s todos brancos b.rdadus 1 1.
155000.
Ditos muito ricos a 2?9C0-.
Boritas lunsinlias pal 1 :
tras de seda, covado a 800 rs
Ditas dilas transparentcj e dc i.-----
tana a 500, 640 c 800 rs.
Cintjs de -ctim de todas es cores
Punhos com gollinlias d- esguia a
Sedinhas de cores, stndo do lii
vradas, com loque demifo i 19000.
Ditas Je dita dit s sem m-ifo a i
29000.
Diversas lansinhas para vesti!
ate 5C0 rs.
Colchas de fustao brancrs p.. "
25500.
Ditas de dito de cdr a 4Ci(K)
ambraias b-ancas, abcrtas, para ~:a-
dos, corte a 85000.
Cortes de cambraia branca c
enfeites bordados, de cor, com
C$000.
Peeps de madapofao ccm pequc:
de avaria a i;o00.
Ditas de algodaosinho muito c:
com leve toque de avaria a 4^" 00.
Madapolao enfestado com 12 : fa*.
perfeito estado a 3;000.
Pe^as de medapolao com 20
4(515X0.
Brim pardo para roupa de homer
ninos, covado a 400 rs.
Cobertas de chita para cams
3,5000.
Bramante de linho com 10 pal: *
lagura, vara a 5(50(0.
Atoalhado com 8 palmos de !
a 16300.
EspartiUios brancos e de cores
5000,
Cortes de cssimira a 4^e IMOO.
fis

VENDE-SE
ama casa na villa de Barreiros, na rua
lercio, por precp modico : a tratar com
Irma 2 4 C
a* Oat
Alta novidade de Paris
CHAPEOS. -Chapelinas para senhora, sosto uofC
e ricamente enfeitados.
FIVELAS de madreperola, de todos 03 taraaotc;
e cores, segundo 0 nltim > figuri^.
BOTOES de aco para vestido* de senhora.
CAS A COS.Talmas de caser.-ira de coraa para s-
nhora.
GRAMPOS dourados para cabelIo,gosto mmtt> ;*
e bonito.
CORTINADOS de crochet para cama e janella.
FRONHAS de cambraia de linh\ bord*Saa.-
SEDINHAS listradas.
0 BAZ \R DA MODA, a rua Nova n. 50 tieebti.
pelo ultimo vapor da Luropa nm importance sor-
timento dos artigos acima, os quaes ttm a hoi*.
de recommendar a todas as Exmas. familias, e -
pecialmente aos tens numerotos fregueaes.
Vende-se uma mobiiia de jacaraBd.fi-> t^ai
uso: a tratar a rua do Livrameuio n. 8
Sjlios.
Vendem se dous sitios na Ponte de Uchoa, qu
foram do Qnado Joao CarroH : a tratar n'am a 0
mesmos sitias n. 10, ou na rua do Vigaris n. 19
1 andar, laceessores de Thomaz de Aquino,
E' barato
Trancas de cabello
humano, natural, com um metro dc coapWaseiii*
a loi cada uma : so na rua da Imperatrs o. 9%
case de Odilon Duarte Irmao.
-f
Asunieas verdadeiraii
Bichas harnburguexae oar vem.a esteataa
na rna do Maranes de olinda n. 51
Vende-se a taverna da ru 1 du Carrosjas
qne fax esqnina para a rua de S. loan: a tea
na mesma.




I
L


8
I/iario de Pernambudd ; Quinta felr* 16 de Julho de 1S74.
JDRISPRUDEWCIA
SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIQA
SESSAO EM 1 DE JULHO DE 1874.
Presidencia do Sr. conselheiro Joaquim
Marcelino de Brito.Secretario o Sr.
Dr. Joao Pedreira do Coulo Ferraz.
(Conclusao.)
Sonhor I Vossa Magestade nao p6Je ver
que am bispo catholics, disp n lo c!e sua pa-
lavra no ensiuo da doutrina verdadeira, do
amor e de caridade, do uraa autoridade' to-
da espiritual procedento d6 sobrenatural,
em que muitas nao creem e oem to mem ;
de preces ao Ordenador do mundo, podes
se obstar o livre exorcicio do poder execu-
tivo, o mais formidavel de todos, e impedir
que suas determinagoes, ainda illegaes e in-
constitacionaes, produzissem todos os effei-
tos possiveis e desejados. A fraqueza nes-
te mundo, na estado moral em que se o v6
com tristeza, detonJo os passos da forga
armada de espada e do seducgdes, no pro-
seguimcnto de sua longa e patients empro-
za de ommpotencia Vossa Magestade nao
ere, e verdade.
N6s temos no codigo, lembrar-se-ha Vossa
Magestade, o art. 100, que usa das mesma*
expresso s : obstar ou imped r de qualquer
nianeira que votom nas eleigoes p'imarias
ou secundarias os cidadios activos e os olei-
tores quo estiverem nas cireumstancias de
poder e (fever votar. Este artigo inscreve-
se sob o titulo : Dos crimes contra o li-
vre goso e exercicio dos direitos politico* dos
Cidaddos.
Como, Srnbor, se ha de impedir ou obs-
tar que os cidaddos activos votera ? A
nossa historia eioitoral nos forneca a res-
posta ; e* prenden loos por supp )stos crimes,
e erabargando o ingresso na lgreja com for-
ga de bivo.-ieti calada, e rocrutanlo-os an-
tes do voto, e assassinando-os.
Imagine Vossa Magestade quo, dado pro-
vimento ao recurso de qualiticagao, o juiz
de paz nao o quizesse cumprir e declarasse :
condemnatoria contra a rontade do reo qua
a nio quer cumprir. Esta sentence 6 p>
dia ter execugio nos dominios do tempo-
ral, e .seria vio, senio ridiculo pretender
m is.
effoctivamente se dio, sem applicacSo de
pena. Neste assumpto odioso oem se am-
plia e raenos se pode inventar. Ninguom
seri sentenciado senio por virtude de lei
Nao acreditard Vossa Magestade que' anterior; e n6s requeremos a Vossa Mages
o art. 2i do legulamento de 1857 tenba'a tade que nio consinta que o veneravel bispo
miraculosa force de conceder ao juiz de di- continue a aer perseguilo por motivo de
reito do civel autoridade e competencia es-; defender a religiao do estado, de que elie e"
piritual : ate pela razio de nio ser possivel an dos illustres pontifices.
que a lei, obra dos horaens, confira por for- f As nagoes, em que a religiio catholica e
ga da soberania temporal 'poderes espiri- a do estado, preveniram e definiram nos
tuaes que dimanara directament-* do sobre- seus codigos penaes a especie de qua se tra-
natural, de Jesus Christo, do proprio ta. 0 congo pena! portuguez (art. 138 dos
Deus. crimes contra a religiao do reino e dos com-
Como o recurso, e" remodio contra o ex- mettidos por abuso de funcgoes religioaas)
cesso que invade no temporal ou em razio dispoe: Serio condemnados em muita, con-
da jurisdicgio ou das pessoas, o juiz de di- forme a saa renda, de uin a tres annos, o
reito ou qualquer autoridade civil devida- ministro da religiSo do reino que abusar de
mente autorisada pdde dar execugio com- suas funcgoes, 1* nio camprindo devida-
pleta e fazer com que produza a sentenga mente as decisoes passadas em julgado dos
todos os seus effeitos. D'aqui rebenla vigo- tribunaes. civis competentes nos recursos d
rosa a demonstragdo de que assim o bispo corda ; 2* executando bullas ou quaesquer
como qualquer autoridade ou juiz ecclesias-, outras determinagoes da curia romana sem
t'co, a ndo empregar meios materiaes, po' ter precedido placito regio na forma das leis
dessem impedir ou obstar que a debar mina-' do reino.
gao do poder executivo produzisse todos os Codigo hespanbol (art. 445j : Aquelle
seus legitimos effeitos. 0 bispo, Senhor, i que, f6ra das condicoes prescriptas pelas
nem e agente do poder executivo e nem leis, executer no reino as bullas, rescriptos
tern autoridade para cumprir sentence civil, ou mandamentos da cdrte pontificia, lhes
A competencia esid definida no art. 13 do dercursoou.publicar, sera" punido com pe-
regulameoto de 19 de fevereiro de 1838 : 'nae de prisSo correctional e multa de 300
Cabe nos limites da jurisdiccSo'dos juizes a 3 000 duros.
ledireito, .a respeito do cumprimeoto de
sentengas mencionadas, declarar na f6rma
Se o delinquents fdr ecslesiaslico, a ] i
sera de exilio temporario ; perpetao na rein-
dellas, sem algum effoito as censuras e pe-J cidencia, conforme as circumstancias.
nas ecclesiasticas, que tiverem sido impos-f 0 codigo rtaliano, nos arts. 268, 269 e
tas aos recorrontes, prohibindo o obstindo 270 pune com 3 annos de prisao simples no
IN'io concordo com as razoes do provimen-
to, lamento tao injusta decisao, porem,
conservar-me-heiinteiramente passivo, man-
t'endo entretanto a minba opimao ; poderia
ser accusado e condemnado no art. 100,
por obstar ou impedir qua votassem ? Se-
ria preciso que em vez de omisso fossa acti-
vo. Obstar e impedir s3o ados de for$a,
de resistencia effectiva, real e, nj caso, ir-
resistivel, porque o crime se realisa pela
priva^ao do direito.
0 que tez o inclyto bispo do Gr3o Pard ?
disse : Tenho o profundo pesar de conser-
var-rae inteiramente imptssivel, diante des-
ta lamentavel resolujao do governo e do
manter em todo o seu vigor a pena espiri-
tual, que, no legitimo exerciiode minba
autoridade de pastor, lancei sobre as ditts
confrarias ate que ellas voltem ao verdadei-
ro caminho.
Senhor 1 Career e ircploro a attencao de
Vossa Magestade para o exame do decreto
n. 1911 de 28 de marco de 1857, em que
se fundou a resoluQSo de consulta do conse-
lho;de estado e determinou a expedigao do
aviso do ministerio do imperio de 7 de no-
verobro de 1873.
a 0 recurso para o tribunal da cora,
diz Mello Freire, e certo e mais que certo
por sua mosma natureza se nao pode inter-
por, se nao do tribunaes e juizes ecclesias-
ticos de qualquer ordem que sejam.
Nao c de um ecclesiastico, qualquer quo se-
ja a sua cathegoria, mas necessariamento de
um juiz contra cuja sentenca ou decisao se
invoci o recurso que compete a" autoridade
civil. Os casos em que o recuso tern lugar
se reduzem em verdade a dous : 1, quan-
do os juizes ecclesiasticos usam de jurisdic
rao que nao lhes compete ; 2, quando
abusam da autoridade que lhes compete,
porque era cada um destes casos ha noto-
ria violepeia e notoria expressao, requ^sitos
ueces:;arios para esse recurso. Assim se
exprimom os regalistas. Nao tenho tempo
e nem me Compete discutir a doutrina e a
legalMade do regulamento. Aceito-o para
\ discussao da questao criminal, alvo do
todos os lYieus raciocinios. E' cvidente de
logi*<[ue*o recurso devera ser da sentenca
do vigario geral eque d elle devera ser in-
timado o provimento para cumpri'.-o ou
nao. Para mim, Sejihor, c de maxima im-
portanci i a trau3ferencia feita pelo regula-
racnti de 1837, i al fundada na lei de 23
de de notembro-de 4841, da competencia
no julga cento do recurso para o governo,
tirado Jos tiibunaes.
EniGra, Senhor, cumpro aceita-lo corao
protesto de nao confessar a sua Icgalidado.
Dellc resulta, e era a theoria dos regalistas,
que o recurso deriva-se de usurpaijao e
vlolencia ; usurpagao de poder estranho
e eppressio de pessoa, subdito da co--
lid, decretadas por-juiz ou tribunal ec-
clesiastico Na scntenga do vigario ge-
ral encontra se alguns destes dous -xces-
303 '? Evidentemente nao. E como Se-
nhor, o recurso s6 p6de provir destes dous
casos, nao devia ser interposto ou mandado
interpor e nem podia mcrecer provimento.
Nao houve exces*o algum, demonstrou-o
com tanta lucide/. quanta proGciencia o il-
lustre senador que iuiciou com gloria para
o paiz este debate. A sen'.ence. circumscre
veu-se no poder do juizo. A pena de sus-
pensao de funccoes religiosas imposta ds
corporagoes recorreutes e de interdicgao
das capellas em que funccionavam e pura-
mente espiritual. Entretanto, Senhor, ou
Vido o conselho do estado, tribunal de con-
salta en materia de recurso d cor6a, foi
de parecer que, alem de usurpagao de po-
der, houvera oppressdo de subdito de Vossa
Magestade por postergagSo do direito aaUbl
ral o cmonos recebidos. Na execugao^u J
provimento devia verificar-se o excesso e
ikr, pparecer completamente. E' uma gran-
de prova, irrecusavel, a que infallivelmen-
te r.pparece na execucSo, se o juiz eccle-
siastico se recusa de cumprir o provimento.
0 bi?po mantovejse na inercia, procedi-
mento sabio, nobre e digno, e que fez real-
gar o nenhura fun lamento do recurso e a
impr-'icedencia do provimento. 0 art. 13
do reg Uamento de 19 de fevereiro de 1838
coml.i'iado com o art. 24 do regulamento
ilo 1857, que regulam a execugao do pro-
?imento no caso do juiz ou autoridade ec-
cles resdugSo, determina : 1% a transformagao
da resolugSo em sentenga judicial: 2, que
com esto caracter seja cumprida pelo juiz
de direito da comarca. Assim temos cau-
sa julgada e juiz competente para a execu-
gdc. A semeaga VoSsa Magestade tem en-
sin a Jo, e a causa julgada seriam inteira-
meute inuteis, se nao trouxessem comsigo
execugao apparelhada, a qual. segando de-
fine Strikio, nio 6 mais do que o acto ju-
dicial oelo qual se leva a effeito a sentonga
a que, a prelexlo dellas, se lhes face qual-
quer violencia ou cause prejuizo pessoal ou
real; mettendoos de posse de quaesquer
direitos, prerogativas ou redilos do que
houverem sido privados ; e procedendo e
responsabilisando na forma da lei os des-
obediontes e que recusarem a eiecuf&o.
To los que sustentam o recurso allegam
que a materia e mixta ; se e assim, eurapre
reronhecer que uma parte pelo raenos da
decisao de que se recorreu pertence i jirris-
dicgao espiritual e devia se mandar respei-
tar e n3o dar toda de nenhum effeito, eomo
temerariamente fcl o aviso de 9 do agosto
do anno passado. As consultas do conselho
de estado concluem vagamente pela conces-
ao do provimento ao recurso inte posto;
afim de seguir os ulterioros termos do-de-
creto de 1857, sem declarar de que direitos,
prerogativas ou reditos foram esbulhados-os
recorrentes, e em posse dos quaes dovorranv
ser mettidos pelo juiz de d;reito.
Sentengas vagas sao nullas e inexequi*-
veis.
A execugao convenceu ao juiz executor
como ao proprio governo que o poder tem-
poral nao tinha competencia por se nio dtp
o supposto excesso. Nao obstante a sen-
tenga, o caso julgado, as cousas ficaram ne
mesmo estado, e o juiz da execugao r.ae
procedeu contra desobedientes, prova de
que ndo se Ihe oppoz embarago algum. 0
governo, & vista da realidade, convenctdo
do crro em que foi induzido, recorre soli*
cito e obediente d suprema autoridade do
chefe da igreja, reconhecendo assim quo e
questdo era puramente espiritual. Para
metter subditos de Vossa Magestade em ppe-
se de direitos, prerogativas e reditos, bens
de que fossem por ventura esbulhados, nio
basta a sentenga e a competencia do juiz
da execugao, e necessario uma palavra, uoia
s6 palavra do vigario de Jesus Christo, do
soberano espiritual!
Senhor I 0 embarago invenoivel consbte
na impossibilidade de empossar os recopren-
tes de gragas, beneficios e favores espiri-
tuaes; por sua natureza inaccessiveis ao
brago secular, e que so podem ser restitui-
das pela autoridade que os tirou. 0 juiz
tinha apenas uma apparencia de sentenga,
nao tendo competencia ; fez uma panto-
mi na.
Nao penso que Vossa Magestade Imperial
fard aos grandes legisladores deste paiz,
principalmente dquelle que deixou perpe-
tuada sua gloria legislative no codigo cri-
minal, o Gnado Bernardo Pereira de Vas-
concellos, a injustice de supp6-los na igno-
rancia da legislagao de seu tempo. A lei-
tura dos nossos trabalhos legislatives nos
primeiros dias do regimen liberal no Brasil
nos autorisa a crer que os estadistas brasi-
leiros, receiando dar d corda influencia nos
dominios espitituaes,excluiram-na do privi-
legios e favores de que gozavam os reis de
Portugal por suas concordatase como grdo-
mostres da ordem do Christo, rompeodo as-
sim a tradicgao de que fallou com tanta em-
phase o nobre agento da justiga.
Senhor o illustre estadista, aulor do co-
digo penal brasileiro, tmha vasta e rica li-
gao das leis dos povos cultos, era um abali-
sado jurisconsulto, e gloria de nossa patria.
Conhecia igualmenla a constituigao do im-
perio, e foi um de seus mais vigorosos de-
fensores e profundos interpretes, em circum-
stancias difficeis ante as exigencias crescen-
maximo e molta de 2,000 liras os jd espe-
ciGcados facto*.
0 codigo francez pune, no art. 20'* a
208, o ministro do' culto que em pastoral
criticar ou censuraf, ou o governo ou3 aeto
da aoioridade publieay com banimentw ou
deporta^ao, conforme as circumstancias ;
assim tatnbem aquelle ministrcdo culto cjrse
ontretiver relagdes com-uma cdrte ou poten>-
cvv estraogerra sem pre'via iotormagao de
ministro respectivo.
Senhor X A experiencia tem jprovado a
inconveniencio de seme':bantes disposigoes,
que, em vez- de prevenir, parece cjtie antes
provoeam os eonflictos, perturbando a co ri-
se iencis dos fins'e a paz dWfamilias-e das
nagoes. C*1 nosso legislador adiantou muito
sobre o setr tempo: A tendeocia dos- bons
espiritose para manter em toda a soa-inte-
gridade independeocia do poder espiritual.
Entretanto; nao se deve deseonhecer que
ainda oppressiva as-teis citadae> sao preferi-
veis ao arbitrio de tomar ao aeaso urn arti-
go do codigo e appHa-lo d am facto tao
especial. Mr nao era pequena vantagoraj no
governo absomto do imperador Napoteao,
sober o cidadao sob q;ue lei vivia.
Como, portanto, tolerard Vossa Magestade
Iraperial que, contra a torrente dos princi-
ples -de direito penalV e apezar das leis de
justiga e de hoeanidade, para corrigir uma
supposta violencia, se-pratique uma violei*-
cia ainda maier, a de applicar uma pen*
cruel e infamaate a um bispo, gloria A*
igrsja- o da patria por Hislettras-e virtudes ?
Nos-todos, quo o saudamos, quo o venera
mos,, que lhe beijamos- as maos, que de joe-
Ihos-reeebemos-sua coasoladora e-pvoteetora
beorao, somos toios eoaplices,. senao roos
do supposto crime.
Seubor I rfio ha pena quando nio he
crime, e nio ha crime quando nee apparece
e nem se prova a inteogao critninosa. Os
roMrnntw na poti^ do foouwe onfoooom
o seguinte : C 'bispo, na inabalavel crenca
deque a magoaaria e contraria d retigwo
catholica, cuj* ruinne extincgSoella maq-ui-
na; o bem que-veja rouitas desuas ovelhas
secern a um tempo aaagons e -fervorosos ser-
vos de Jesus Christo; cangado porventura
dessa luta esteril da tribune sagrada. e de
artigos de joroaes, por ou'.ros jornaes testados, enteadeu que era tempo de desfe-
ehar o golpe tremendo e fulminar de morte
o inimigo, eujas eabegas renasciam como as
da hydra da- fabola. a So o inimigo ndo
se dobrava ds adraoestagoes e conselbos de
seu pastor, se cerrava os ouvidos para nSo
ouvir a sua palavra ; secern vez de obede-
cer, conte6tava, tornando-se contumaz ; se
a hydra raultiplicava as suas eabegas; o que
devera fazer o bispo depositario da fe e de-
fensor do seu rebanho? Punic
Senhor! Os perigoe da guerra publicam
os talentos e a coragem do general; as
tempestades do mar a intrepidez do navega-
dor; as provangas por que passa o venera-
vel bispo o fervor pela fe e a grandeza de
sua alma.
Era v6s, Senhor, deve fulgurar sobre as
geramas de vossa corda, o poder com que
sabeis dominar as paixoes, que mais uma
vez exigem o sacrificio do innocente. Quan-
tas bengdos n3o cahiriam sobre vos, se, illu-
minado pela justiga, permittisseis que cele-
brassemos com transportes de alegria e ju-
bilo a festa santa da libertag&o do heroico
bispo do Grao-Pard I Restitui, Senhor I a
sa por trace*'que inquietam os espiritos e
perturbam as consciencias, e que s3o o pre-
nuncio de maiores agitagoes, se os excessos
ndo tiverem paradeiro, e os grandes inte
resses do estado e da religiSo nao se con
ciliarem ; on ten io, Sr. presidente, que, em
face dessa situagdo, que os bons cidaddos
6 os bons catholicos aeplorara, a ninguom
6 licito, seja qual fdr sua posicao, acastel-
lar se_no silcncio, suppondo-se comodirei
to de occultar os seus sentimentos ejustas
apprehensoes, evitando assim a somma da
grave responsabilidade que Ihe possa cdber
pela franca manifestagao de suas ide"as. (A-
poiados ; muito bem.)
Nio posso e nem devo diss:mu!ar d cama-
ra a viva impressao que invade o meu es-
pirito, quando, procedendo a um severo e
rigoroso exame de consciencia,sinto-me ir-
reaistivelmente arrastado a externar uma
profuuda convicgao que me domina, e de
3ue devo dar um tostemunho franco, deci-
ido e solemne.
Sacerdote, e sacerdote catnolico, entendi
dever dar ao gabinete o meu voto sem res-
tricgoes na parte do projecto de resposta ao
discurso da corda, que so refere a essa ques
Ho, que se convencionou chamar religiosa,
porque, senhores, e preciso dize lo com
franquoza e sera rebugo, eu estou manifes-
tamente separado daquelles que se inculcam
defen9ores do verdadeiro principio catho-
lico.
Estou convencido de que. n8o se trata
aqui.e mo muito bem disse o nobre e H-
lustrado membro pela provineia do Rio de
Janeiro, e Sr. Pereira da Sifva-, de uma
questdo de dogma, de uma quesldo de dou-
trina, que entend com os principios fan-
dimentaus do cathsFicismo (apoiadns, mui
to bem) ; trata se, sim, de uma questao
administrative, de um conflicto de jurisdic-
ga> sobre que todos dtevem ter plena-, ara-
pla liherdade para dizer o que pensam,
sem irrcorrerem era censuras, sem se torna-
rem si:ypeitos de rebeldia d1 sa doutrine e
aos prineipios da religiao que professam.
0 Sr.v .Vralio Li:v : Mbs-entao na i ba
jdoutrina* T
0 Sr. Jbio Mansel : P?6o ha um s6\
^onto de doutrina a sustentar eu a c nnba-
ter,ha apenesuma maligna confuseo de i Mas,
que se tenvposto envjogo para se poder
cbegar a fins que sao manifestos, e que a
ninguem e mais licito ignorar.
O'Sr. AraK>' Lima :Ohl Estou ad-
mirado do quo-ougo I
O^Sr. JoAO" Masoei. : Senhores, n3o
ha sineeridade e boa fe nequelles -fan, em
noma-de Deus e do Evangelho capricham
em converter os santos principios da reli-
giao dO Drvino Mestre em arma deespecu-
lag3o politica e- em instrumento de paixoes
bumanas. (Apoiados, ndo apuiados e con-
testageesr)
Apartada a qoest&e de doutrina, que-con-
vem fazer desapparecer do eiame desse
conflicto, eu direi-o que sobre elle penso,
sobre suas causas, sobre as-consequeticias
que testemunhamos e nos afdigem, e sebre
os graves resultados que ird produzindo,
lomando mais assustadoras proporgoes-; e
declaro acamara e ao paiz que tenho a-co-
ragem para assumir e affronter sereno toda
a respooeabilidadb de minlia posicdo.
Vozes^: Fa&- muito bemv
0 S*-. Joao Makoh. : Seu catholico,
senhores, e son tambem sacerdote ; mas
antes de ser sacerdote^ era cidadao brasi-
leiro.
O 6n. Armjjo Luia.i Oo utoroa clioom
o contrario, por isso que Deus estd muito
acima do bomem. (Apoiados ; trocam-se
muitcs apartes.)
0 S*., Joao- Manoel : Nio me-sor-
prendem essas interrnpgoes, Sr. presidente,
que sio as naturaes explosoes daquellesque
abafaodo a voz da consciencia, cerram os
olbosd luz da verdade que os- incommoda e
osconfunde ; eu conhego, porem, o abysmo
para ondo raa querem arrastar ; penetrando
no intimo de suas intengoes adevinho o
minhas forgas, ndo poupafld.J trabalho, ac-
tividado nem sacriGcios, para que aquolla
idea vingasse, aquella causa tivesse seu dia
de triumpho, pois era a causa dos bons rio-
grandenses do norte, que gemia sob o peso
de um jugo oppressor e ignominioso.
Ao estrepito daquelles grandes succe^sos,
que eu testemunhava atton to e absorto, e
que promettiam seguros titulos de felicidade
para o paiz, eu confesso que tive momentos
de jubilo e de desvanecimento I Parecia
me chegada a hora das grandes compensa-
g5es, essa hora em que, depois de um tri-
umpho ou de uma victoria, se devem pro-
curar aquelles que se esforgaram na luta
com mais empenho, que combateram com
mais valor, que se portaram com mais be-
roismo, para cingir-lhes as froutes lictorio-
sas com lourosque s6 competera ao civi d abnegagio, ao sacrificio, d verdeira dedi-
cagdo. *
Em politica, porem, ba phenomenos que
sendo eiplicam, que sorprendera, que ator-
doam dquel'es que se euvolvem oella de
boa fe I
'
Filho do norte, desses paragens onde a
fama e a celebridade imorimem a c^rtos
imprnnem
vultos, que s5o vislos de longe, urn cuubo
superior, dando-lhes proporgdes agiganta-
das e graodiosas, a porrto de dos parecere.n
semi-deuses, consummados na sabedoria e
na prudencia, inexcediveis- no patriotis.no,
sinceros nas suas promessas, admiraveis pula
sua sineeridade e ate" iufalliveis nos seus
juizos, e natural que cQegandb a este cen-
Ipo, onde se hebam reunidas essas notabili-
dades do paiz, eu devia encara-las com cer-
to ar de admiraclo 1 Eu nao lhes perdia
nem um ges'o, nem uma palavra1, era eom
elles que desojava aprender.
Edevo confessar d camara : em politica
tive- principalmente- um mestre. Qhando
abrr osolhos neste grande theatro, onde tudo
se me afigurara assombrcso, vi uma- luz
que ree deslumbrotit, um espirito que'me
attrahio- ouvi uma voz que me seduzio e
arrebafou'; era o brilho da kitelligencia-de
um dos mais bellos e brilhantes talentos
desta terra-;.era o espirito sagaa e profundo,
era a vez- inspirada do- Sr. Dr. Ferreira
Vianua I Ihspirei-me muitas vezes em seus-]
conselhos, ouvi suas sabias-lie,3s, acompa-
nhei-o, como espectado?,. em sues gloriosas
jornadas, fui testemunba- dos seus esforgos
ede sua dedieagdo, pleiteando aeausado
partido censervador nessas lutae athleticas
di imprensa, em que mais se revelara e
resplandecera o- seu talento I
Mas, senhores; nao tardotrque line des-
pertar-me uma tremenda desillusfie- I Tra-
tva-se de organisar um novo gabinete que
devia succeder ao 3de agoste, presidido p.lo
Sr.- conselheiro Zacarias. Eu suppunha
que nessas corabiuagoes, segundo o-systema
que nos rege, devia-se attender prineipal-
menteao meritodos que tinham de figurar
nos- conselhos da corda, dos que tinham
opinide formadc- sobre 03 di verses- ramos
da administragso, dos que baviam menifes-
tado suas ideas na tribuna ou na imprensa,
dos que erara apontados polos sens amigos
e correligronarios; ou in Jicados pela opiniao
publiea corao os mais aptos para a alia rois-
s3o de dirigir os destinos do paiz.
Poucos eram os conservadores que faziara
parte da camara liberal. De entre elles
distinguiram-se na luta que travaratn eom
seus adversarios os Sr. conselheiros Seydo
Lobato, hoje viscondo de Nitherohy> Fer-
nandes da Cunha e Pereira> da Silva, esses
In- ^i,miiU';3 da ttibuna, osooa lioa Uali>lUa-
dores da palavra que nio poupavam es-
forgos para debellar uma situagao, que vi-
ram por fim desmoronar-se.
Na imprensa admirava-se a intelligencia
pujante 0 fecuoda do infatigavel lutador,
que, dia por dia, sem tregoas, incessante-
mente, atirava eerteiros golpes sobre 0 ga-
binete 3 de agosto, que nao resislio d luta
e abandonou sua posiefio.
Mas, ndo podeis imaginar a sorpreza que
de mim se apoderou entao, quando em uma
pento para que desejam conduzir-mo I En- prganisagao ministerial vi que seesqueciam
tes do espirito de innovagao e reforma. Ojcabega ao corpo, o pastor ds ovelhas, 0
poder legislativo approvando 0 projecto do mestre aos discipulos, aos orphaos pobres
codigo, esqueceu-se por ventura do art. 102 'que choram su8 ausencia e seu captiveiro,
n. 14 da constituigao, que attribue ao poder jo bemfeitor infatigavel, 0 grande sacerdote
executivo: aos sacerdotes e a lampada ao sanctuario.
Conceder ou negar o beneplacito aos (Muito bem I muito bem 1 Applausos e vi-
decretos dos concilios e lettras apostolicas e vas ap Sr. bispo, aos advogados. Cahem
quaesquer outras constituig58s ecclesiasticas, flores sobre 0 Sr. bispo, cujo annel e" beija-
que so ndo oppozerem a constituigao, pre- do por muitas pessoas ecclesiasticas e secu-
codendo approvagao da assembled se conti- lares. Os advogados sdo fervorosamente
verem disposigao geraln ? Ndo e" de presumir. cumpriraentados).
Se 0 iej?islador entendesso ser um crime a 0 Sr. Presidente :0 tribunal vai tra
puMJcagdo de bullas ou quaesquer consti-
tutes de concilios e sua execugao no espi-
al sem placito, te-lo-hia definido nos
fopnos termos, como fez a respeito do art.
179 1 da constituigao, transportado para
0 codigo penal, art. 180.' A razdo da omis-
sdo e" clara : 0 legislador assegurou 0 di-
reito do placito previo para que a lei espi-
ritual sem elle ndo podesse ter effeitos tem-
poraes, consentindo entretanto que, inde-
balhar secretamente.
ASSEMBLE* GERAL
CAMARA DOS DEPUTDOS.
DISCURSO PROFERIDO NA SESSAO DE 17
DE JUNHO.
O Sr. Joilo Manoel (Movimento de
pendente deste visto, produzissem de logo attengio) : Sr. presidente, subo d tri-
todos os effeitos espirituaes. jjUDa para cumprir um grande dever, obe-
0 codigo penal, que incrimina o acto de decendo aos dictames e inspiracoes de rainha
impetrar, sera legitima licenga, gragas es-1 consciencia, estimulado3 pelos altos interes-
pirituaes, distincgOes ou privilegios na ge- ses do paiz e instado pelo elevado e impor-
rarchia ecclesiastica da autoridade estran-' tante mandato de representante da nagio.
geira dentro ou fdra do imperio; deixaria [ Dando ao gabinete 7 de marco o meu
sem definigao especial de publicar e execu- voto sem restnegoes no projecto de resposta
tar bullas e constituigoes, quando tinha d d falla do tbrono, vejo-me obrigado a dizer
vista a legislagao criminal da Franga e dos (ao paiz os motivo* que me induziram e
paizes em que a religiao catholica-apostoli-' ainda' me induzem a apoiar um governo,
ca-romana e a do estado ? 0 espirito libe- de quem espiritos altamente exigentes e in-
ral do nosso legislador prevaleceu sobre as tolerantes, sem razio, entendem que eu
antigas ambigdes do poder cioso da inde- j devia estar apartado.
pendencia da igreja e quo, a troco de op-! E* grave, Sr. presidente, e" mesmo deli-
pressiva protecgiio, quer della dispor como'cada-minha posigio neste momenta I
instrumenlum regfti. 0 Sr. Diogo de Vasgoncellos : *- A-
Senhor Ninguem p6de ser julgado cri- poiado.
minalmente pela canaituigao do imperio. 0, 0 Sr. Joao Manoel.: Entendo, po-
art. 102 n. 14 nio tem correspondente na rem, que diante da situagio anomala que
lei penal. P6io dar-se uma infracgao, e'vemos no, paiz, que se revela e se caracteri-
tretanto, nao sendo movido por impress5es
da momen'.o, por impressoes fugitives, mas
por uma profunda conviGgdo, adquirida e
vigorada pelo estudo e apreciada dos betas,
eu saberei evitar o abysmo que me propa-
ram, e seguirei resoluto o caoiinho que de-
ve levar-mo ao conhecimento da verdade.
Aos deveres de sacerdote catholico e de
cidadao brasileiro estao ligados por lajo
indivisivel os elevados deveres de represen-
tante da nagio. Eu trahiria, pois, o meu
mandato, desobede.ceria aos instantes recla-
mes de minha consciencia, nio correspon-
ded d alta confianga que em mim deposi-
taram meus constituintes, se diante dos pe-
rigos que nos ameagam, e que fazem empal-
lidecerde tristeza a face da imagem querida
da patria, eu ndo deixasse escapar de meu
peito um brado de dor e de indignagdo, ven-
do que, em nome da religido, que nao acon-
selha a revolta e as convulsoes, e em nome
da igreja que ndo conspira, se quer pregir
a resistencia ds leis do paiz e o desrespeito
a suas instituigoes. (Muito bem.)
Senhores, eu nao desejava antecipar esta
questdo, que tcrd naturalmente sua oppor-
nidade no correr do que impropriamento
chamarei discurso. Os nobres deputados,
que ndo estao de accordo com as minhas
ideas e os meus sentimentos, me Gzeram
desviar do piano que havia concebido e
combinado.
Antes de tudo, corre-me o dever indecli-
navel de manifestar os motives por que
me acho ao lado do gabinete 7 de margo
sob o ponto de vista politico.
Felizmente, Sr. presidente, sem qucrer
fazer injustiga a nenhum dos meus nobres
e dignos collegas, ndo ha nesta casa posi-
gdo mais bem doGnida do que a minha.
Estou ainda hoje no mesmo posto em que
me colloquei em 1868.
Todos sabem que nesse tempo, ou no
principio desse anno, o partido consarva-
dor, a que perteogo, se achava apeado do
poder; assim como tambem e" sabido pelo
paiz que, por uraa dessas felizes eventuali-
dades, que muitas vezes acompanham a
vida' do homem, eu, obscuro, sem titulos
(muitos ndo apoiados), sem fortuua, sem o
prestigio de familia [poderosa ; eu, sem o
prever, se:n o peusar, sem que entrasse nos
meus calculos e em minhas modestas ambi-
gdes, vi-me envolvido nos grrndes aconte-
cimentos politicos que entio se realisaram :
quero referir-me d queda do partido liberal
e d ascengdo do partido conservador, a que
servio de causa principal a escolha de sena-
dor pela provineia do Rio-Grande do Norte.
E creio que nao darei prova de immo-
destia lembrando d camara que tive gran-
de parte na eleieao do Sr. conselheiro Sallos
Torres Homem, hoje visconde de Inhome-
rira, i cuja causa me consagrei, ao lado de
meus amigos da provineia, com todas as tar &si posigao
aquelles nomes, que-oram proferidos pelos
verdadeiro enthnsiasmo e at6
com uma especie dc reionhecimcnto pelos
services prestados nos dias nefastos da ad-
versidade.
Nao era bastante que sesacrificassem altas
convenieacias do partido por uma convec-
gao, que nos custou bem caro ; era preciso
ainda que Gcassem d margern os lutadores
da vespera, para terem a primazia aquelles
quo se consideram privilegiados, qucdu-
raUte duas sessoes proferiram um ou dous
discursos, em que expozeram ideas quo ndo
eram .sincsras, pois as desmehtiram. logo
no dia era que galgaram o poder I (Ha
divert apartes.)
Houve por essa occasiao rumoros, queixas
surdas que convinha abafar, que nao deviam
respirar, attendendo-sed gravilad9da situa-
gao e ds conveniencids de momonto. No-
tou-so entretanto um certo resfriamento de
enthusiasmo primitivo ; todos riam-se, ap-
plaudiam a nova ordem de cousas, porque
era conveniente affectar uma certa satisfa-
g3o, que era desmentida pelos desgostos
profundos que lavraram no intimo d'alma
daquelles, quo tinham sido feridos por do-
lorosa decepgdo.
Nessas scenas, nes?as lutas que entao se
deram, o Sr. Dr. Ferreira Vianna, cujo vul-
to eu nio perdia de vista, figured corao um
dos principaes protogonistas.
Pego perdao a S. Exc. se commetto al-
guraa falta, insistiado era trazer o seu no-
me a esto debate, Ndo e impunemente que
Deus torna certas intelligencias privilegia-
das ; os qne merecem esse dom da Provi-
dencia estdo sujeitos d rcais grave respon-
sabilidade pelos seus act,s.
Eu considero a S. Exc. como um typo
politico, que se presta a um estado detido
e proveitoso.
Esquecido o seu nome pelos usurpadores
de suas glorias, S. Exc. tragou silencioso
essa amarga decepgdo, coiiGando em que
seus grandes titulos seriam recanhecidos pe-
los espiritos a quem tinha elle sabido agitar,
a quem soubera impressionar com essa no-
bre paixdo pelos altos interesses do paiz, por
esses espiritos, a quem o notavel jorualista
comraunican o fogo do enthusiasmo, quo
inGarama as almas, as retempera, inspiran
do-lhes mais ardente amor d causa pu-
bliea.
E S. Exc. ndo appellou de balde I Ar-
redado dos conselhos da corda por uma
combinagio familiar, elle vio seus servi-
gos reconhecidos e remunerados por seus
amigos, seu nome festejado e bafejado pe-
las auras populares, que souberam vingar
seus dias gloriosos de luta, dando-lhe um
to, o que se devia esperar daquelle notavel
talento ? Devia es; erar-ie quo, de conquis-
ta em conquista, cada vez m elevasse mais,
desl umbra ndo pelos lampejot do uma in-
telligencia esclarecida e privilegiada I
Mas, senhores, eis aqui am dos pbene-
menos que mais me sorprebenderaa e im -
pressionaram. As esperancas dos amigos e
a confianca do paiz foram illudidas I
Vimo-lo muitas vezes aqui, com o ptzar
o confesso, fallar pobre de enthusiasmo e
de inspiragio I Aquelle vulto que se agi-
gantara na imprensa e] na tribuna, parecia
amesquinhar se, abater-oa e nivelar-se com
as nullidades que nunca poderam encara-lo
de frente I Aquella aguia que se altanara a
perder de vista, pareua abaixar o tea vdo
para correr pareihas com as sudorinhas que
nio passam dos frontespicios dos templos !
Aquelle lefio que rogindo fazia correr espa-
voridas as cobortes inimigas, vio-ee de par
com as rapozas que so pnmam pla manha
e sagacidade I
Como se eclipsou avrnelle espirito T Por
que nio reagio para reconquistir os seus
titulos e aspirar a novas glorias? Era mv
possivel I Uma macbinocao surda, latente,
mysteriosa, se em pen ha va- em que o terre-
no" lhe fugiss^ de sob os pes, em que 9",
Exc. tropegasae e cahisse f Uraa mio oc-
eulta cavava-the o abysmo era que devia
afundar-se... Omrinha fazev erop llidecero
brilho d.quefla intelligencia superior, aba-
ter aquelle espirito. enervar aquella alma e
amesquinhar aquelle vu to. Bra um piano
concertado nas Jrevas, executado- mysterio-
sa mente, e S. F.K. ndo podia lutor com o
imprevisto e com o- detconhecidrt
0 Sr. Ferreira Vienna era uma das victi-
mas sacnfica las ao orgulho e mesqonbas
ambigoes de quem dfeclarara guerra*de morte
aos homens de talento-, de real e de elevado
merecimento, que fazem a honra e a gloria,
do par;idb conservador, E p6de-39' dieer
que desde aorganisageo do gabmetede flu
de julho tinba-se operado- profunda seisio
nas Gleiras- dess-* grande' pariido, qus'sera-
pre se disungnio pela uniio, pela harmooia
e pela mais rigorosa disciplioi.
A essa politica pernicicsa e fatal, queten-
dia a abater os grandes vultos do partido,
qjuese r^commendavam d-graUiao nacionel
pelos seus eminentes senrieps prestados i
1 causa publiea, eu, sahindo -de minha obo-
curidade, Gz veuemente e snergica opposi-
cio, despertandoos animos-que pareciam
fed iflerentes e esses pianos de vuina e do
cniquilamentc.
E a nda neste-MM arrojdo ejue dei fui
i:piratio pelo iitustre membro, de quem
racebi as prinniras ligoes e-os primeiros
conselbos.
Parece que a obra ds conspira^o se ha-
\ia-cc-rnpletado i' 0 Sr. Dr. Ferreira Vian-
na perdera a popularidade que oonquistara.
0 povo tambem raciociua Porque razio
se abrigara elle sob> uutra bandaira ?
Que motivos de ordem public* aconse-
lhavaia a redgnar-se a uma- poeicio que
nio-era aquella a que lhe davam direito
os seus talentos-e-os seus servioos-t
El essa a inflaxivel logica poauler, a cuja,
sever ids Jes estio sujjeitos os homens pu-
blico*.
0 'qus e certo c que S. Exc. nio se ani-
mou mais a apresentar-se caadidelo pelo
municipio neutro,-quando os seus compa-
nheiros tentavam novamente e eram triom-
pfiaites! Apresmtaram-no, poreaa pelo 2*
district*) do Rio de Janeiro, onde se podia
mats lacilraente accentuar o cuabo da pro-
tiegao, que sa lhe que: ia fazer sentir I
Senhores, minha alma experimontou pro-
fundo- pezar e amarga tristeza, quando vi
que um cidadio que eotrara neste recinto
em 1869 com a fronte cingida de louros, il-
luminando as turbas com o brilho de su?
intelligencia, vinha em 1872 como um ce-
go, a vent i: rand o tncertos e timidos passos.
sonduzido pela mia deseu protector I
0 Sr. Diogo w. Vasgoncsjxos da unr.
aparte.
0 Sr. Joao Manoel :E S. Exc, que-
rendo explicar sua miraculosa transforma-
gio, disse-nos aqui que suppunham-nc
morto, mas que el e havia resuscitado '
Senhores, doeu me dentio d'alma-essa
conGssdo I Eu, como seu araigo e admira-
dor, desejava antes que S. Exc. em politics,
houvesse morrido para sempre, quo ndo se
operasse essa resurreicdo, que e para mim.
a ultima expressao de sua morte, e que pa-
ra muitos symbolisa o sol ggrando cm tormo
da terra I
E. para tomar verdadeiro o dito da escrip-
tura abyssus abyssum invocat, S. Exc,
em um dos momentos de expansao que se
tem repetido na tribuni, voltou-se para
aquelle que lhe esten lera mio protectora,
quo o erguera, o elevara e o trouxera de
novo a este recinto, e disse : este i o men
chefe I
Essa conGssdo seria sincere I seria a ex-
pressao de uma uonfianga inspirada por cer-
ta delicadeza de sentimentos, que se com
municim reciprocamente, que geram n'al-
ma rautuos affectjs ? Ou seria uma ironia
acerba e pungente T
Naosei, ninguem abe, porque nioe fa-
cil ler o que esld escripto ne fundo das con-
sciencias nem no intimo dos coragoes.
0 que il facto e que S. Exc do alto desta
tribuna fez a sagragao do novo chefe, em
cujas maos jurou bandeira. (Ha diversj-
apartes.)
E o que significa essa bandeira t
Senhores, um dos illustrados raembros da
opposigao liberal, o nobre Sr. conselheiro
Brusque, que hontem nos deu um bello ex-
emplo de como se podo ser adversario cons-
cencioso, sinceroe leal; que pela sua con-
suramada prudencia, caracter serioe circums-
pecto, espirito elevado e de justiga, se reve-
la capaz e digno das mais altas posigoes do
Estado (apoiados), assignalando os motivos
que o faziam conservar-se no posto *de sol-
dado, disse elle por excessiva modestia,
mas direi eu de general das phalanges li
beraes; o nobre deputado declarou com
accento de voz que infundio respeito, que
estando apartado do gabinete por um large
espago, o estava ainda mais da opposigio
conservadora.
Uma. Voz :Por falta de bandeira.
0 Sr. Joao Manoel ;-*Porque, accres
centou S. Exc, na bandeira, a cuja sombra
ella se abriga e que diz so a do partido con-
servador, elle nio via escripto nem um
progamma, nem uma idea I
0 Sr. Diogo de Vasgoncellos :E' por
que n6s nio som >s piratas.
0 Sr. Joao Manoel :Mas sois retrogra-
des !
(Con/muar-ae-Jka. J
assento nesta casa e a presidencia da cama-
ra municipal da cdrte.
Naquello tempo quem lhe poderia dispu-
Conquistado esse pos- NVl\ DO D'.AUlo.-UUA DUULB DE CAX
V

s.


-.
A




'Al

----------


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKFXHFM44_1MCKIG INGEST_TIME 2014-05-19T19:44:42Z PACKAGE AA00011611_19338
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES