Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19271


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AN1C HIT HUIBBQ 94
PAflA 4 tIFITAL 15 LL'(iAHF ONDE NJ.O B PAGA l'OII I i:
Por tres mezes adiantadoi ... ....**.... 65000
Por acia ditos dem................ 12,5000
Por na anuo 'deai................. 24(5000
0ad:i numero ayulso, do mismo da. ... ,5100
im-Mk 21 i ABEIL CE 1886
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adianudos......... ..... J^iJOO
Por nove ditos dem................. 2i (5000
Por um anno dem................ 27(5000
Cada numero avulso, de das anteriores........... 5100
Prflprieiabe >e JRanoel Jgncra lie Saa & Silbos
TELEGRAMAS


ssavica pwtiwli3 d siasio
RIO DE JANEIRO, 26 do Abril, s
3 horas e 35 minutos da tarde. (Rece-
bido s 4 horas e 30 minjitos, pelo cabo
submarino).
Xa NeM Ion llepulitilo*, Itojp. o Dr. .1. do Mi -
iiut-ira, aprcnenlando urna repre-
st-iiiar de eleltore de Tacarai.
iircfi'rio um discurso, dennnciandn
o abusos alli pralieado nai ulti-
ma -IC.'IM-S.
r:s>a represcnlaro fol remetlida
al." (ionmUwii) de inqueriio.
Fallecen o nenador par Jli.-ms
(eran*. eonNellieiro Franriico de
Paula la sh'im i. Fol removido da Rlaeo de s.
Paul., para a da corle, o dcemnar-
gador Joaquim Francisco de Faria.
Foi Horneado Mecrelurlo da Secre-
taria da Polica dan Alagaft. Hanoel
trariuilo Kabello.
Foram concedidas as honra* de
couego da S de Oliuda aos pudres
Joauuim Antonio Sequeira Torren.
Bernardo de tai val lio tndrade e Pe
dro Honres de Freitas.
?ARTE OFFICUL
Witt LU Aft9GU -247S
(Especial para o Diario)
PARS, 25 de Abril, tarde.
Foi assisnado o tratado de com-
niercio entre a Franca e a China.
iiersas peroonagen* inilam coni
o Sr. Frejcinet. presidente do consc-
Iho e rninlwtro dos negocios ewiran-
ueiros. para que elle aconnelhe o
jovern da (recia que desarme e
licencie as tropos da reserva.
CAIRO, 25 de Abril.
O Emir de Ilarran, na Ahyssinia
mandou massacrar a misso scien-
tillca italiana, bem costo certo nu-
mer de europeus. e caplurou a
guarnico ingleza.
Agencia tlavas, nlial ojb Pomambaeo,
26 de Abril de 1886.
lHSTRDCqO POPULAR
economa, poltica
(Ettrakido)
DA BIBU0T11S04 1J0 POVO 1 DAS ESCOLAS
CAPITULO IV
ISepar'ico da riqueze
'.I i :itina n.ao)
A- i*c isocmub. -0 mi'.hir modo doman-
te- tbn li .i-.i: -i entra o cap' il a o tr.-i'oalho
seria Ur a ead io ama parto dos lucros da
empresa, qusndo ells estivesse bastante prospera
para o periaittir. Km Inglaterra seraavse ja
algumas tentativas u'este s-utido. 0 principio
eatabeteeido < ra que os capiu istas, primevo que
tu i, ae embolsaran de 10 pjr cesto de juro do
capital amprrg Jo, er-p ran i) tambera os MOI or-
denados de lireei re, deidos so cea trabadlo de
aduiiuislrae i a superintendencia, e ali-m d'isso
loa corts quanta parnfaser laca s dividas acti-
vas mal, parala.", reparacoes, i-preciaco s de ma-
chinas, etc. 0 reatante lucro liquido era dividido
etn duas partes igsaes, mea para os patroes e a
outra para ser distribuida pelos operarios, propor-
cionalmeote ac3 salarios recebidoa durante o anno.
A este syitema especial de eooperaCSJ deu-se o
nomo de assaciacilo industrial.
A assoeinco industrial, largamente applicada,
devia produzir grandes vantagens. Os operarios,
comprehendeudo que a sua parte dos lucros, reci-
bida no fiui do anno, dependa do bom resultad)
do seu trabalho, nosedeixariam cintaminar pela
indolencia e tratarais de evitar toda a peda de
tempo e de material. Nao mais teriain razio le
ser as greves e os lockouts, porque os ti abalhado-
rr.s serian coeioc d seus patio s,e porque, se
os salarios ossem baix >s, o bataneo do lita do anno
compensara isso, danio metade dos lucros :iqui
dos aos operario.-1.
Todas as tentativas feitas em Inglaterra deram
bom resaltado,ata certos especuladores, que ex-
plora n a inexperiencia dos operarios, os ind'spo-
rem cois aquelle excedente processode cooperagio.
Tambe a a elle so t m opposto a maior parte dos
pati ">J3, por se arreceiarcm, sem razio, da dar a
conliecer aos operarios os lucros dos seus capitaes.
.Nao portante, de esperar que por ora progri-
da o sytema da saaociaelo iniustrial. Est, com-
tudo, elle tanto de aceordo eom os principios da
economa poltica, que provavel que venha a ser
extensamente pratnado n'um fute o mais ou menos
prximo.
CAPITULO V
Consumo da riqu<-#.a
JATiinazA do cosscao Consumo 6 o uso da uti-
tidade que reside nos productos. Fazer uso dos
proiuctas equivale a transformar a sua atilidadc
e o valor que della resalta, ou alt.rar, o destruir
completamente esta utilidade o este valor. Do
mesmo modo que produzir nao 6 crear materia, mas
adaptal-a para tornar-se til, consumir nao des-
truir materia (cousa impossivel ao bomem.) mas
transformar ou destruir as qualidades que tornam
a materia ntil e pcrmutav.-l. A importancia, pois,
do consumo i ao dCVa avaliar se pela quantidade
ou pelo volume da materia consumida, mas sim
pela somma de valore? que ella representa.
(Contina)
Ministerio do Imperio
Por despacho imperial de 17 do corrente foram
agraciados :
Com a commenda da ordein de S. Bento de Aviz
o brigadeiro Jos Clarn lo de Qaeiro; ;
Com o grao de cavalleira- da orden da Rosa o
Sr. de Kocbeort, 3." secretario da Le;aeao Fran-
ceza.
.Hloisterlo da lustiica
Por decretos de 17 do corrente :
Foram exonerados a pedido:
Oj cargo de chefe de polica da provincia do
Amazonas, o juiz de direito Francisc Kidrigurs
Sete ;
Do lugar de juiz miMicipa.1 e de orphos do ter-
mo de Cabo Frio.ua provincia do Rio de Janeiro,
o bacharol Jo9 de Oliveira Cielho ;
De igual lugar do termo de S. Jqo Baptista
do Rio Verde, na provincia de S. Paulo, o baclia-
rel Juao de Iloliauda Cuuba.
Foi designada a comarca de Codo, de 2.a entran
cic, na proviueia do Mar.inhao, para n da ter cx-
ereieio o juiz d- direilo Torquato Menes Vianna.
Foram Horneados i
Ch-fe de polica da provincia do A-nazinas, o
juiz ie direito FreJencj Peregrino Caraeiro Mon-
toiro ;
Juizes municipaes o de oruhos :
Do termo do Riachao. na provincia do Mara-
nhao, o bacharel Cicero Cesar da Mora,!a ;
Do do Seubor Bom Jess do Rio da Con tas, na
provincia da Babia, o bacharel Emilio 'favares de
Oli/eira;
Foi reconduzido no lugar de juiz municipal e de
o'phos do termo de Tacarat. na p ovincia d
Peroambueo, o btcharel Marcollino Doincllas C-
mara Jnior.
Fez-se mer^. da serventa victalicia a Fausto
Fontes de Aguiar. FrauCo, de 1* trfbell o do pu-
blico judicial e notase e envo deorphos-do
termo de Aracah, ua provincia do Cear.
Foi i xpedido o seguinte aviso :
Mmisfeno dos Negocios da Jus irja.! seclo
Rio de Janeiro, em 13 do Abril de iS(6.
Iilm. e Exm. Br. Couvm que Vs*Exc. ex-
pela as necessarias or^enaliin de-qu,'. em cum-
primento do aecrdo pro.nul^ado pelo decretan.
777'J de 28 de Julho de 1880, seji regularmente
remettido a esta secretaria de Estado o extracto
das senti-ncas que forein proferidas contra crimi-
n sos italianos.
Deus gua"ie a V. Exc.Joaquim Delphino
Ribein, da /.'-- Sr. presidente da provincia
de......
Ministerio da Fazentla
Por decreto de 1U do corrente, foi concedida a
Joai Evangelista Vianna a demissao que pedio do
lugar de ajudante de guarda-mr da a'.fandega do
Rio de Janeiro.
Por titulo de 1G do corrente, foram torneados
2.* eseripturario da Tuesouraria de Fazenda da
provincia do Paran, p pratcante Jos Loureo^o
Sehcleider. c 'praticante da mesma thi souraria,
Benjamn Cear Carneiro.
Foi c xpedido o seguinte aviso :
Miuiateio ios Negocias da Fazenda.Rio de
Janeiro, 2 de Abril de 188G.
Illm. e Exm. Sr.Communico a V. Exc, em
resposta ao seu oiBcio n. 7 de 3 do me prximo
passado, que secta data auta'iao a Theso iraria de
Fazenda para mandar proceder, pela A lfandega
dessa provin.-ia, cobranca do imposto provincial
lo eyro mercantil, mediante o abono da commissao
de 1,5 % des empregados enc-irregados ca mesma
cobranca e pela maneira iudicada pelo inspector
da ditatbesouraria no olKcio que V. Exc. traaa-
mittio com o seu supracitado ; excepto na parte
relativa eseripturae^o do referido impesto. que,
conforme V. Exc. propoe, ser feita em livro es-
pecial ; devendo os contribuintes, alm Jas duas
notas do despacho exigidas p la Alfandega, apre-
sentar outra, em que se lanzar a verba Jo paga-
mento do imposto de que se trata. .
Rccominendo, porm, a V. 2xc. que propsnha
as moditicacces que a practica indicar a respeito
do assumplo, bobre tudo com o fin de sim linear
o servijo, tanto em vautagem dos contiib'uintes,
como do trabalho da Alfandega ; examinando tam-
bera si conv n proceder por ignal forma, como me
parece ac-irtado, quanto ao imposto de ex; oitara j :
o que trar economa para os cofres provinciaes e
notavel facilidade ao cummercio.
Deus guarda' a V. Exc.Francisco Bettario
Soares de SontaA S. Exc. o Sr. presidente da
provincia de Pernambuco.
Ministerio da Guerra
Concedeu-se reforma, de conf irmidadc com o
que dispiSe 0 5 .'! do plano que baixou com o de-
creto de 11 de DezeinbM ue 1815, aos sebea di'
esquadra do i. cirpo de cavallaria, Pedro Jos
Francisco, e da companbia de infinitara da pro-
vincia do Rio Grande do Nor'e, Francisco Lou-
runfo de Soiiza, este eom sold por inteiro, por
contar mais de 25 annos de s-rviyo, e aquelle c.m
o toldo por nt.iro e valor da farinha, per contar
mais de 30; an.bos por se acharem incapaz s de
cuntinuar no me.-mo servir/o.
Por decretos de 17 do corrate foram trans-
feridos :
Para a 1." companhia do 18." batalho de infan-
taria o capito do 2. da mesma arma, Vicente
Osorio de Paiva.
Para a 2.a elasse do exercito, de conformidade
com a immediata e imperio resoluQiio de 1 de
de Abril de 1871, tomada sobro consulta do con-
seibo supremo militar, o teen'.e do 2. regiment
de cavallaria ligeirs, Antouio Jos Fernandos Li
na, fichiido ageregado arma a qu jertence,
victo ter sido jul aao incapaz do scrvioo do mes-
mo exercito em inspeccao de saude, a que foi sub-
mettido.
Foram d< sligados dos corpos sonde sarviram
a Idi los : major Bento J s Ferreira Junior Jo
2. batalhio de artilhara, 2.a teuente do lito bi
tulhao Antonio Gimes Soares, Rieres Cicero de
Brifo Gal vito do 2 o corpo de cavallaria e alferes
d > 21 batilbo de inf-ntarl Delfino Vieira de
Barroa, que im de seguir para seus eorpos.
Foi tr insfendo para companhia de infantaria
d i 8. Paulo o alferes do 7." bata.hao Jos Bezcrra
d>; Menczes e :-.
Ilepartlco da Polica davia, approroda por 51 fotos coaira30. Neese
Secyao 2.* N. 419. Secretaria de Po-ldin auccederj nao lerem ido scssaii dona denu-
:^. ,i t>-.u.... o J- i..:i ,i, moa .
Cioverno da provincia
DESPAPHOS DA HRKSIDKNCIA DO DA 24 DE
ABRIL DE 1886.
Fulgencio Infante de Aibuqaerque Mello. -Nos
termos do ar$.63 5o do decreto n. 9120 de 28 da
abril do anno pr> ximo fiudo, nomeio Jo Presei-
liano da Costa, para .ervir durante o impedi-
meuto do supplicante.
Capitito Francisco Miguel de Souza.Aguarde
apublieaya" em ordein do da, da reparticiodo
ajudante g.neia'.
Francisco Carneiro de Fontoura Br,to.Iade-
ferido, em vista da informal,lo.
Francelma Maurina da Silva Albnquerqoe.-
Informe o Sr. inspector do Thesouro Provi icial.
Protogenes B. Marees Cordeiro. Defer.do com
o jilieio h'ji dirigido ao Theouro Provincial.
Secretaria da Presidencia de Pertambu
eo, em 26 de Abril de 1886.
O porteiro,
J. L, Viegas.
licia de Pernambuco, 26 de Abril do 1886.
Iilrn. o Exm. Sr. Partecipb a V.
Ex:, que foram re;olhidos ua Casa de
Detencao 03 seguintes individuos :
No cfa 21 :
A' ordem do subdelegado di Recif.-, George
Wiehers, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do 1" districtj da Boa-Vista, Hita
Mara da ("nnceieao, por embragu"z e disturbios.
M i dia 25 :
A' iniubi ordem, Placido Rodrigues, preso hon-
tein bordo do vapor francs Equatcnr, em vir-
tudo de requisifo do juiz da 2" vara commercial
di corte, transmitida por telegramnW pelo Di.
chefe de polica.
A'ordem do subdelegado do 2* districto do S.
Jos, Joao Antonio de Lima e Manocl Raymuudo
de Souza, por disturbios.
Communcou-me o delgalo do termo de GrV
inelleira, qite no dia 17 do corrente e no povoado
denom naao Rberiio. us individuis de nomes
l'r .ncisco Mntta e Mano I Motta, espancarain e fe-
riram a Antonio de tal, conhjcido por Antonio Sa-
pateiro.
Contra os delinquientes, que evadiram se, pro-
cedeu-se nos termos do nquerito policial.
Coininunicou-m'! igualmente o delegao do
termo do Bonito, que no da 18 do corrente, as 9
horas da maaha, o isdivduode nomo Francisco de
Paiva Santo-, trayendo-se de razoes com o menor
Joao Flix Gpmssi ferio ao mesmo eom urna faca.
Aos grites 90 menor acudiram Maximiano de
Audrade e um irmSo deste, de nome Candi lo, 03
quaes procurando prendero delinqoente, que (ra-
tava de cvadir-se, nppoz o mesmo tenaz resisten-
cia e ferio gravemente a Maxiraiaa^, sendo por
sua vez tamuem ferido levemente e aduat preso.
a respeito de tal facto procedeu-se de coufor-
midade com a le.
No dia 16 foram reco'hdos na cadiia_ de
Pesqueira os eriuiinos m Jos Simplicio Duarte e
Antonio Migad da Silva.
Esto ambos conlemnados no medio do art. 57
diCod. Crim. e foram capturados, o primeiro no
termo de Garauhuns e o segundo no districto de
Cauhotiuho.
Pelo Dr. delegado do Io d3tricta da capital
fbi remettido ao Dr. juiz de direito do 2o districto
criminal o nquerito policial a que procedeu, por
enme de tentativa de roubo, contra Caetano Tei-
xeira Bastos.
Timbem pelo sub lelegado da freguezia de
Santo Antonio, foi reme-.tido ao referido juiz o
nquerito a que procedeu contra Jos Leocadio de
Oliveira e Joa Antouio da Silva, que foram pre-
sos em digrante p>r crime de feri.neutos leves, e
depois postos em libordale p.-r tercm prestado
tan^a.
Anda pelo subdelegado do 2o districto de S.
Jos, foi remettido ao Dr juiz do direito do 3o
districto criminal, o nquerito a que procedeu con-
tra Herculano Raymundo Alves lUs N'eires, preso
em flagrante por crime do lcriuientos graves.
Finalmente pelo subdelegado dj Aff'gaios,
foi remettido aojuizo competente o nquerito a que
proceden centraos irmaos Jos Thodoaio Car-
neiro da Silva e Rufino Tbecdoaio Carneiro da
Silva, presos tambem em Higrante pjr crime de
ferimeutos.
Deus guarde a V. ExcIllm. o Exm.
Sr.*Dr. Ignacio Joaquim do Souza Lelo,
omito digno vice-presidente da provincia .
O chela de polica, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 24 DE ABRIL
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga,
Antonio Pergentino Moreira de Souza e
vigario Zeferiop Ferreira Velloso. Ao
contencioso para curaprir o despacho da
junta.
,Jouo Feruandes de Oliveira. Ccr:ifi
que-se.
Silva Guimaraes & C, Salomao Jos
Vianna, eogenbeiro chefe da RepartigSo
das Obras Publicas, estrada do Llmoeiro e
trilitos urbanos do Recfe Caxaug.
Informe o S..\ contador.
1!. de Dnuina & 0. -Entregese pela
pona.
Ismeuia Geuuina Gomes. Facam se
as notas da portara d<: lioencti.
Angelo Vieira de Sampaio, Sfbasti.1o
Antouio de Albuquerque Mello e contas da
1" parte da Lotera dos ingenuos. II ja
vis'a o Sr. Dr. procurador fiscal.
26 -
' Manol Jos Percha. Ao Consulado
para attender.
Mara de Mcdeiros Martn?. Satisfeita
a 2' parte do despacho do 15 de Margo,
Voltc, querenio.
Meudo do S Barreto Sainpaio Primo,
Dr. Jos Eugenio da Silva II unos o Ma-
nol da Silva Pi-reira.Certifique-ae.
W'ilson Soas & C. Vcnham pelo Con-
sulado, dos termos do Reg. de 4 de Julho
de 1879.
Joaquim Jos da Sil /a More ir i. Hoja
vista o r. Dr. procura ior scal.
Jos Thomaz Pires Machado Portella,
Francelina Maurina da Silva Albuquerque,
Pedro Rodrigues de Mesquta e offi io do
comnian.iaQtc do corpo de polica. Infor
me o Sr. contador.
lados que volavain com o governo, e essa leve
circumstaocia decidi da sorte do Ministerio. E'
rerdade que j.i'uSr Soarea Bren lao ge linlia de-
clarado em opposicaaao gabinete, a quena aecu-
sara das vaius recebidaa pelo Sr. A. de Siqueira.
Mas como o Senado nfio ti/, poltica, segundo a
mais acreditada dontrina parlamentar, a declara-
cao do honn%do senador por Pernambuco ufcoera
urna deggraca irrepafavel para o Sr. Dantas e
sen- eoilegas, c nao leve pealrntite mura cffeito
sciio coagir alguem a lembrar que faci mais
grave du que urna simples arruaca, tra por certo
o asaassinat] de Apofcho de Castro, em plena
corte, luz do sol, s barbas docnefeaa policia,
c exactamente qaando o Sr. Soares Brando ex-
creta a alia dignidade de ministro da i oroa
Logo que tere conhecimentn de que a Cmara
havia approvadoa moco-Siqueira, o presidente
lo conseibo conlerenciou eom os collegas na Se-
cretaria do Ministerio da Agricultura, dirigindo-
se era seguida para Petfopolis, afim de ouvir as
'ordens do lni|erador. S.' M. Home por bem in-
cuinbir o Sr. Saraiva daorgajnisaco de novo ga-
binete, que Qcouasaiin constituido:
Presidente do consetho e ministro da fas
Conselheiro Jos.' AntonioSraiva, seajador pela
Bulla :
Ministro ilaagrieiiliuraConscllii'iro Joo Per-
reir de Houra, deputadopete Babia;
Ministro de ajjarangeiros -Tbconde de Paran-
gu, senador pelo Piauhy ;
Minislro da guerraDr. Antonio E. Camargo,
deputado pelo Rio Grande doSul;
Minislro do imperioConselheiro Joao Floren-
lino Meira de Vascoiwellos. senador p I l'ara-
byba;
Ministro da luarinhaDr. Luiz Peiippe de
Soasa Leao, senador por Pernambuco
Ministro dajostica Conselheiro Affonso A. M.
Penna, deputae por Minas fieraes.
Na noile do dia seguinle ao dessa organisagao
houvc rcunio de depulados conservadores n'uina
las salas do hotel Globo, c depois de discuaso
que se prolongou al alia noite. litou resolvido
que a opposico receberia moderadamente o mi-
nisterio Saraiva. Este apresentoa-ueas cmaras
no dia 11 de.Maio, coinccando pelo Sealo.onde
o Sr. Dantas expoi os niotivos da sua retirada,
narraudo o que disseao nriperador e o que este
resolver; slo ", que tendo S. Al. mostrado de-
sejos de OUvU-o acerca da solueo dacrise mi-
nisterial. Responder elle que, no seu entender, o
gabinete 6 de Junho nao poda continuar sem
nova dissolueo da llamara, mas que bem consi-
deradas oulras eircumsiaiicias c alienta a con-
veniencia de no retardar o andamento da refor-
ma projectada, pensava qu* so se devia laucar
mao desse recurso extraoramario depois depra-
ticamente demonstrada a nposslbilidade de for-
mar-se novo ministerio que se encarregasse da
reforma, indicando em seguma o Sr. Saraiva
como o estadisla enlo mais no caso de subs-
tuil-o no poder.
O Sr. Saraiva folln DES difliceis circutnslan.
cias cni que tura chamado ao governo, cuja rcs-
[lonsabilidade liavia aceitado em cuuiprimento
de um dever. Disse que o seu programan pon-
siefa na reforma do elemento servil e no mellio-
rainenl do estado linanccirO; que dttcjava
apresan! a libertacao geral dos escravos, deixan-
do, conitudo. tempo a grande industria agrcola
para HJct^ajiisar o trabalho, proporcionando-
Ihe os meios necessarios. So tocante s finan-
cas publicas, declarou que se nao poda mellio-
ral-as sem sacrificio da nacao, interrompendo-se
a execnesk) dos planos de vas Terreas, adiando-
sc' OUtros melhoraiiieiilos. uendo-se muita eco-
noma. Depois de fallaremos Srs. Correia e SU-
reir da Motta, volton,anda tribuna o Sr. Sa-
raiva para declarar que nao I /.era pacto algum
com os conservadores, nein com acoroa. que
accreseentougyra em regioes demasiado altas,
para que possa tomar parte nos conflictos entre
os partidos.
Este argumento seria decisivo, se a mythologia
ensinada ao pan pelos ditos partidos, nao esli-
vesse coiislaiitemenle a dizer-nos que Jpiter des-
ee muitas vetea trra |iara brincar como os ga-
tvros.
DiARiO DE FERBafiUCO
Rearospeeio politleu do anuo
de1Ni5
IIKAZIL
[Conlinuaro)
Bntretanto, na sesso de i de Maio, o Sr. An-
tonio de Siqueira, deputado pelo 13" bratricto le
l'ernuinbu'-o^aprcscntou una moco de descon- iquc na sua origem poltica, na cambiiiacao dos
nanea centra o gabinete, concebida nestes ter-1 noinens e na ausencia de doulrina propria sobre
inos :
Tornando questo servil, disse mais o Sr.
Saraiva que a considera va o que os ingleses cha-
mam nimia" ulit'itii: que o parlamento poda mo.
dificar o projecto, o que nao quera, no emtanto,
dizer que o gabinete solfresse que o seu plano
fosse mutilado de modo a nao produ/.ir os resul-
lados que OgOveTOO desejava obter.
Orou em seguida o Sr. Jos Bonifacio, di/endo
com referencia ao procedimento do governo one
elle nao fazia questo de coussalguma. que acei-
tava lodos os alvilres, o que imporrava dizer que
o gabinete valia mais do que o mesmo pro-
jecto: que o ministerio .io era parlamentar;
A Cmara dos Deputados, convencida de que
0 Ministerio nao pode garantir a ordem e segu-
rauea publica que iiulispensavel resolucodo
projecto do elemento servil, nega-lbe a sua con-
fianza.
0 nobre reprcsenlantc, lludido pela sua soli-
ciitule patritica, julgou que o paiz eslava pres-
te) a ser victima de urna terrivel conllagraco,
urna vez que S. Exc, o Sr. Moreira de Barros e
outros nicmbros da dissidencia liberal tiiiham
tido a desdila de ser apupados as mas do Rio
de Janeiro por um grupo, alias insignificante, de
pessoas ociosas e pouco serias. A mocQo foi. lo-
a questo do dia, era a formal negativa do Kgi
men constitucional odas insiiiuiccs repreen-
lalivas.
E foi i'ssa mais ou menos a opinio do Sf. Au-
drade Figueira no notavel discurso que pronun-
cou em Julho. na Cmara dos Deputados, ao ser
encelada a discusso do art. 2o do projecto Sa-
raiva. Entre muitas cousas importante-, disse o
honrado representante do Rio de Janeiro, no
mcio dos mais wvos applausos do grupo aboli-
cionista parlamentar, que o que va, e disso
avisava o nubre presidente do conselho, era que
proporco que adhesao das bancadas conser-
vadoras se mauifestava em favor de S. Exc,
ia-llie rallando o apio das bancadas liberaes.
com que S. Exc. desejava contar : que nao poda
deixafl de ser assim. de-di.' que a situaco du mi
uisieno nao era parlamentar; que querer em
nome do partido liberal, com um grupo de II) ou
12, fazer reforma de tal ordem, com o apoi.i do
grosso do partido r miiervador, nao era serio,
noera poltico: mportava inverteros partidos
e as responsabilidades, atirar o partido conser-
vador n'urna vereda perigosa e sopbismar a
rotea do jiarlido liberal. RecordOU que o Sr.
SaiaLva havia dito nao precisar di; votos,
" mas nao poda deisar de notar ate S. Exc,
ca la vez que ia a Gunara, tinha linguagem di-
versa. Uma vez dissera que a questo nao era
poltica eque precisava do concurso de todos-
depois que era p ntica, mas era questgo aberta;
mais larde que tirilla maioria parlamentar e c i a
ella se conteotava. Tudo isto demonstraoon-
cluia o Sr. Figueira que s. Exc., homem sin-
ceroede boa le, devendp ter amor a esta forma
de governo sod COJO regim 'ii prosperou e subi
as mais altas posiges, est a coutra-g isl
asta no seu papel, mas apenas desempenhan l i a
empreitada que teve o sen antecessor para reali-
sar a eqaaoeipa$ao dos escravos no Brazil.
Na s issao d 17 l M.ii'. quan 11 Naecou a
discussQo lo projecto, tinha (i lo o St. Figueira
occasio de di-er tudo quanto pensara acerca da
emancipaco d escravos no Brazil. Acbava
S. Esc. que eradesnecessariaqualquer inncvaco
nesse senUdo, par estar profundamente convicto
de que a le de 2-< I Setembco de 1871. Bel-
mente esecutada, com pequeas me idas auxi-
liares e secundada pela pHitaatropia particular,
era bastante para ajfee no seclo vlndouro nao
houvessc mais aenhdB escravo no paiz. Por
isso combateu o projecto em todas as sua- d.--
posiooes, menos a do art. 1- que mandava pro-
ceder nova matricula d is escraroaj por que
e.fla tinha para elle a grande utidade de pro-
porcionar o conliecimeuio exacto dos resultados
obtidos do systema d'aquella le, que crcou o
peculio, libertou os naseituros e excitou a pro-
paganda que lem bato prodigios-
Mas se a propaganda abolicionista era ama
resaltante da Le de 2* de Setembro, segundo re-
conheeia o proprio o Sr Amlrade Figueira, como
poda 0 iiitelligcnle depulado. sem grave heon-
sequencia, negar toda*a espeae de stisfocao
ollicial a um mi-vimeiiio que to naturalmente
se tinha dado no seto da nacao? Como aceitar i
cansa, repeitiodo ao mesmo tempo um dos seus
mais notareis efreitos Pos se a iniciativd |iar-
ticular bavia libertado o Cear, o Amazonas e
em grande parle o Rio Grande do Sol; seria
licito a algum governo fechar os olaoa a essa
grande revolueo que se operara na consciencia
nacional, sem abdicar 0 sen poder, sem mos-
trar se completamente intil, por incapaz de
acompanbar os prapjressos da moralidade pu-
blica .' Nao foran por certo as acanhadas ilis-
posirOes do projecto de IS de Julho de 188'i qnc
mcrecefam a adheso que o Sr. conselheiro Dan-
las encontrn na maioria da imprensa da corte c
das provincias: os applausoe e syiupatliias con-
quistadas por esse estadista expruniam a convic-
go do [laiz acerca da necessidade de qualquer
intervencao go\ermsia n'uma reforma social do
mais elevado alame.
Devenios, contado, notar que em retacad ao
projecto do Sr. Saraiva. os abocionistas do par-
lamento estavam de certo modo de aceordo com
o Sr. Amlrade Figueira. Aquelle? repellam,
como este, o referido projecto, embra per mo-
tivos diametralmente oppostos. 0 Sr. Andrade
Figueira nao quera reforma alguma: o grave
problema di'\ia resolver-se por si mesmo, e me-
diante as disposioes da legislago existente ; os
abolieionistas naoacbavara smeote acanhadade
mais a indovaco do saino Nstor do partido
liberal ; julgavam-n'a retrograda, sophisma
dora e cruel.
(Contina).
.\oticias do Illo da I*ra(a c sal
do Imperio
21 Uti ABRIL Dr: 1886
IlECIFE,
O pnqu te frauc-' Equatcnr, que ante-li.mt- in
pusaOO par : EurepH, tr me do .inl as Cg i n'-
Oticiaa C que coactis das rubricas Parte OJJi-
cial e In'erior .
Kio la Prnlu
Dstac de ll' id.- Ayre at 17 e de Montevid
tt 14 du Alud :
Na liepublici Argentina eff-.ctuarsin-se, no di i
I >, as eieieoeo TaeC, s>'in perturOC-i da ordem
publica. Em Buenos-Ayrea os ju ir at >s nttnb i mi
se na:s lie 10,0JU VOt')=,e eercide G 00 ilavam .Jo
adversan : (M part Isa mulos pier'ii lum ter
obtido niai- 'le 6.U00 C Ul C n'r.ui'i men is 1 000
t) diario I.i Nacin, pablicsilo inii-ligii e.p -
t-isl, c indciniiHi s t'rau'le, incitan le o jiovo Dr -
mirar es meios d evit,r a liuinilliiva la eicra
inl.io e ile s ilv ir a digui I id-; itilivilu.il e i h >nra
nacional.
" sKUnd noticia coiniiiiiuica la u > da 13, a EtSi-
jli,d\; viiu;cv..i>, na prvvista de BusiMH Ajrre
iibtveram m pitiios uiiidia 2I,".)7'J v-tos e ua
ju instas 3,08
T I r.iinin is das ontras pssviscisa dav un do
resultid is c .iri.) favorsveic sos juarisus.
Foi noiue^il > iniuis ro ite Oats i d >s u jocios du
neri .r o Ur Ina; M. Cliavaina.
U iiiiuisti-o ila guerra l inr'nlli orlen il ai
couiinandante .la ciinhelieira Ar/eiitiiu pie nnp
li.ie n ilese.inbirqurt .s prisi..'inir 8 e va I > la
llepuldieaOiieii.il e im .8 rva-.se-ns S HuJ api -
St.italil. BO g*V rn i Una rel.ii;i i iioiiiiii! d le-,
conl a -XpiiOMBaa la manco pela quil to.n oa.n
par(e nsc iropisrevolncuuirias, atui ic ae res.
v.rquautiaj so lebtui'i.
Em Bu-ii.ii A) res cu-ou exc lente en ir ssa
.1 ;.....mi mtl U le il ) Veini orlcital, op C 1
mente a iib-i-.laln dos pdaionCl -- i^lrasjesrrtis
O ^eni-rl 1 >ca d n m s g- n ral Victai, mi
ItlStruaCSVUtlSU Sis II ut vi.te i, usegiioile ilesp
olio : O inuu guvKrno eomi -iiiua a aliiiu ie I '* -
arr, ntiuns qi' romarun pirre sultima EM aClVa
p.ra iraiiaformar a Hf lem publica sesea r. pulinc
e iiijra le.ce a ie v. r.io o -ice > lo ir" resiJa.l- que
usou com 1 es, p>ua>-os disposicio d- V. Exc
Espero que uinuitVaU estes estimeiitoi a* presi-
dente Tidal, e parneHarm?nte d-. rainha parte ao
capitao-gcnral Santos, felicitardo-os ao mesmo
lempo pelo rpido restabelecimento da paz e da
trauquillidade publicas. .
As 1 1 horas da nanha de 8 d-sembarcaram
em Mont-vdo os feridos e prisioueiros, aegundo
estes all para o quartel do 5o de caladores, e
aquelles, em numero de 65, foram onduzidos cui-
dadosamente para o hospital.
A's 10 1/2 horas ajafssentou-se no quartel o ge-
neral Santos, ac-moanhado do coronel Villar e
outros otciaes, e declarou aos prisioneros que
iain ser postos em liocrlade. Effi ctvamente, mo-
mentos depois foramsiltos, ascoo nenhuma condi-
r\ .. Mn a menor expr bi leei qt.e pudesse terr a
digndsde do somem oem a altivez do cidadSo,
diz El SRgto, que aecrescenta: Kenunciamos
acete momento a dar uma idea paluda sequer da
inm"ii i imprcsaSo que -ste prooedunent i produ-
z o id pov i aa3iin com a deserever as rail aceas
commovcJor s de que fol ihe too lar domestico
Noticia o ine8ino diario que o governo poz dis-
posho dominiefro argentino 7 p sieuoiros da
mesma nicionalidade, os quaes purtiam para'Bue-
nos Ayres n corveta Anji-i
O governo procedeu do m-sino modo com 03 Ita-
lianos e 'outros estrangero.-, entre pandos aos res-
pectivos repri scntan'es.
Segando dcclarrara oc prisioneiroC) o embate
foi milito renli: lj e duroa 5 liorii, p .rtando so a
nocidade de Mentevido admiravelinente. Eram
contestes em afumar que as fircts do goveraotra-
tarsm-o8 pert'etamente. Dizcm que nos campos
ficaram carea de 40J cal,veros de amlws os lados.
El /' ;/-., Carr declarou que as noticias que
hua"da nica forca revolucionaria que ficra no
paiz sob o mando de Galeno, rtaiira, Berro e outros
cabecilbac era que ella se achava no i'ebilluti em
sitsajao inuito Jiiieil. p r.-starcercadapormaisde
WOO fa mena 1) exercito naeionsl quo so tiuham
mobiliasdo de diversosdepartamentec A tentati-
va de Galeno, accresce.it, temeraria, e deve ser
Utribuiia. eircumatancia de ignorar elle comple-
tamente o epae oceorrera no norte.
El .S 'lu, 111 'dicaj d-i tarde de 13, diz em artigo
editorial: tjempre que bs uma dcrrrsta acontece
attribuirem-a ao3 cheles io exercito vencido. Tal
o que se d actualmente. Tanto as cartas que
se publicam como as deetacacoea verbaes dos pri-
i.ioueiros do Quebracho eonteam amargas reerimi-
na^oea contra os ehcfes da ultima iavasao. Uos
aceusam a D. II nrique de Castro, outros a Arre-
dondo, a nao falta quem censure o procedimcot) de
um e outro.
Xo porm, de estrauhar que os vencidos
lorinulem accusa;des, quaudo entro os vencedores
sao acea idos dona majoTes da mariulia de ter fal-
tado ao seu dever no deseinpenho de uma commis-
sao que Ihes tniha sido confiada cora o navio da
esquaJra Qenerai Ssaresasb seucomnando. O ge-
neral chefe dirigi uma nota severa ao fiscal mi-
litar pondo su 1 disposie.V) p ira serum processa-
dos os majores D. Javier Gomettsoro e D. Alberto
Itiinson. Segundo a dita nota o navie General
Adres encontrn se eom a expedic.10 inimig na
altura de Guaviy e em vez de cumprir a ordem
que havia recebido de impedir a todo custo o des-
embarque, fugio sem fazer a menor danoii3tra$ao
de hostilidade contra os invasores.'
Pelo general Tajes en aceasado um official su-
perior de ter deixado evadirse o gen-ral Castro.
A parte olficial d.; Tajes est assim ro igida;
(orno disse a V. Exc, portelegrsmma, na oc-
casio en que se declarava a ierrora do exercito
revolucin irio as Puntas de Soto, ordenei s nos-
sas toreas de cavallaria que psrseguitscm os dis-
persos.
n Uma hora depois reeebi parte di teneute-co-
ronel D. Pedro Claro Pereira, por intermedio de
um ofEiial, na qual me duclarava que tinha prisio-
nero em seu poder o ex tenente-gem ral D. H-n-
riaue Castro e me eousult-ivi sa devia trazer-m'o
onde m achava cu esperar-me para iucorporar-sc;
isto ac nte -ia s G horas da t irde. < rJenei ao dito
olficiat que dissesso ao commau Jante Claro que
marchasse immediataiiit nte com o preso a viesse
cucjrp;rar se commigo, vista que eu j 1 ia ac uspar
eom o exercito a pequeos distancia. Momentos
ile,.,s eu redigia o telegrainma para V. Exc. dan-
d.i-llie parte do tnuinphj e cunmunicaudo-lhe ao
mejin > te i.po que Castro acbava-se prisioneiro.
a O commandante Pereira ni) se incorporou du-
rante a uoute, e ni mitro dia c-do mandei varias
coinmisa -s sua procura. Mai. tarde apresenton-
se me elie conduzindo lti prisioueiros, ediaae-ON
que no da auteiiur quaudo legreacOfl ooflicial com
a ordem de iaeorpor-ar se, c ex-general Castro,
que ae achava com o sen cavallo cansado, podio e
obteve pcnnirs.ij para raudal", e no momeuto de
por-ce a f.irga em marcha, Castro disparou ncom-
panh id 1 p>r dous le 3 us lil-i>-; que elle os perse-
gnio quinto p> le, s-m conseguir aleincal-o, c que
sua demora tinha silo devida a ter-je apartido a
grande distancia dn Peralto quan lo persegats os
unitivos.
Teiidoeu partie *do a V. Esc. a prisio de
Castro, a noticia tomu-se publica, e como nao me
.narecease iuteira f a palavra do coin n unante
Pereira, utandei ^ue se recolh-sse preso iininelia-
11:11 ote f irm ir-se lhi o competente processo, que
apenas se ache concluido anviarei a V. Exc. con-
ju ictam -nte com o dito chefe. a
Na edicto da ultima data, M, diz El Siglo que
a cbnmisso incumbida de distribuir os recursos
obtidos pelo mesin 1 diario para os ex prisioueiros
ntoi i'U t rolos j lnvia soccorrido as suas necea-
si laJes mais urg -ntes a 31 p-ssoas, d is quaes : 2
austracos, 3 aliena -J, 15 argeutines, 3 braseiros
i chileno?, 17 bespannolsa, 4 francesas, 51) itilia-
11 is, 3 inglesas, 2 -uissas, 1 norte-americana e 2(.'5
Orioutaes.
llio tiranile do Sul
Datas ule 11 le Abril :
Ten lo o presidente da proviueia 8'npe.i ii 1 > a
execuv 1 ii 1 i d f.irg policial, publicada pda
.asembla, foi tiesta approva lo um piteo-r que
mclui 1 pr ip indo a iloimn-dt do presidente 80
supremo tribunal d- ustnj.i, sea I uo.n-aJos pira
redigd--! 03 l)rs. Diana, Arf-usjCsrtes C>s-
icrilz.
It fere a Disetuaio, de Pelotas, que o Sr. An-
1 0110 dailva M me 1^0 Jnior tenliante bontem
concluido o expe lieure do jorn I s 2 horas da ms-
drugida, dirigi se -r. Abrdiuipiri o interior
ia eisi, com un v"S aceda,C, ao pen trar em
um qoart, sentio que a vela lh ti apagarse
a)s a d. toasCBO le u 11 tiro d> pistola, cujo prj-
j ctd atrav Sion ih' a mi esquerdi.
Assi u sorprendido, fcriioe-m e ann^cta escuri-
l.io ais bavsa ro expeliente senao eha-nar por
ajee ,rro.
L'm empregad que anda se achiva no estabe-
I-ime.it.., bem coiMroHr. M0.1c rv.i, e aiginnis
p-saoas da taunlii, aitenderam loe,, nos brados.
A pibcia, p 1 5 ', s milito tarde e il.ep-os de
uuiti apitar-s- pie comparecen; ran j i olatrio
ni ssarsino Mn s se .valido.
Sa tude d 21 d uis-jd > :m uma venda, no
Ingar des mina lo Medao, no termo de Santa
Vict na do l'.ilui .r, tu mirto O pirdo orient il
1 o (rio de tal. p ir Aidr dos Santos.
1) ficto .1 u su d 1 s guiiite maneira :
Ten I -se IraVadu do alicrcac.io, D metrio quiz,
oropel m lo-.1, paesar-lbe 0 cavado por cnni, i-
1 01 lo ario do de tn resultan I Irte um tiro de
piatila que ihe desfecliou 0 dito An Ir
\ morte foi instantnea.
-Os .i.laio de linas J '-- Prancisco de Oliv^i-
1 .. que embarcara ua corte n paquete Rio Jagos-
ido, t.lleceu un da 11 do corrente, send) laucado
o maro) dia \, m altura do Eitreito.
rw}


rio de Pe
I
Pelo tribunal do jury de Sat Tramcnto, fui unnimemente sbaolvide o reo do
eiime de homicidio Manoel Lua Osorio Jnior qup
foi defendido pilo seus irmos Drs. Fernando e
Francisco Osario.
NfM >
Datas at 14 de Abril :
O presidente da provincia andava em visita
a diversos pontos do interior.
Ante ton tem o Sr. delegado de polica de An-
tonina telegraphou commuDcando que a bordo
da barca inglesa Parry baviam apparecido dous
doentes suapeitos, a te*.
Inmediatamente aquella activa autoridade, eon-
foime as ordene que recebeu, estabeleoeu o cor-
dio sanitario solando os doentes e a gente da
barca da populaeo e temou nutras providencias
argenti 8 que a emergencia exiga.
Hontem morreu uin dos doentes, c foi enterrado
do outro lado da baha.
As providencias tomadas pelo enrgico delega-
do de polica de Antonina t> m at agora evitado
o apparecimouto ds outros casos.
No sabalo,3 do corrente, vinha da marinh
dirigindo aua carroca de cargas, o Polaco Andr
Yalettko, de 48 annos de idade, casado, morador
na colonia Sania Candida, de onde era inspector
de quarteiro, e, no lugar Corvinho, cahindo de
cima ua carnea, pastara m as rodas Sob-e o pe tu
do infeliz, qne apenas sobreviveu 24 horas, poden-
do contar o que lhe tinba acontecido.
No domingo falleceu Andr Valeteko, e sendo
avisada a pi licia do occorrido o Sr. subdelegado
do norte dirigise colonia Santa Candida, para
oeide tinba sido conduzido Andr e acompanhado
de iucu tativos, procedeu ao necessario corpo de
deheto e uiait indagado s que o caso exiga.
Manta Camarina
Datas at 16 de Abril :
Rcp- tirain-se os casos de febre amarella es-
pecialmente cm Santa Barbara e suas immcdia-
c,es. Fuziuin-sc preces in razo da epidemia.
s Paulo
Datas at 19 de Abril :
Eotava doente o bispo diocesano.
A assembla provincial votou urna emenda
ao orcami uto c li'erecida pelos Srs deputados Caio
Prndo i-Rang.| Pestaa, conced nlo a luanlia de
2:000 j como auxilio para h publicaco do Diccio-
nario Giograpkico i razileiro do Dr. More ira
Pinto.
Procedeu-se no da 15, rm Campias, exhu-
macaodo cadver de Carlos Augusto de Cain-irgo,
afiui de veiificar se se os ferirneiitos encontrados
no pcito eram preduzido? por aima de fogo
A exhumacao foi ordenada pela poli-.-ia, afirn de
ser rigorosamente confrontado o depoimento do in-
diciado autor do crime, que dizia nao ter feito uso
de arma de fogo, mas de um caivete, par.i forir
a victima.
Feitooexame no cadver, j em adiantado es
tado de putrtfacco, e aberta a caixa thoraxiea,
ver-ficaram os peritos n ie os fenmentos haviain
conservado a forma primitiva do instrumento que
o occasiot.aram, instrumento cortante do p quein.s
dimeutoes.
Nos otsos da face foi encontrada fractura com-
minutiva ucs que revestem o lado direito, apresen
tando-ae especialmente a mandbula desse lado
fracturada em divers >s pontos. Da lado esquer-
do tamben] haviam mltiplas fracturas de alguns
ossos.
Do exame minucioso a que se procedeu resulta,
pois, o couhi cimento exacto de que nao ioi empre-
gada arma de fogo na execuco do brbaro assas
si nato.
Foi interrogado, ante-hontem, o escravo Joao
Balduine, que se acha preso.
Negou que tivesse tomado parte no crime direc-
ta ou indirectamente.
Foram ouvidos mais : Clemente, preto, liberto,
velho : Jos Qiiirino. Jos Bernardese o informan-
te Luiz, escravo.
Sendo apresentado a este ultimo um chapeo en-
costrado as proximidades do lugar onde ae deu
o crime. reconbeceu-o e declarou que esse objecto
pertenc u-lbe slgum tempo e ltimamente era
neado pelo escravo Balduino.
Rio de Janeiro
Datas at 20 de Abril:
Funicionara a Cmara dos Deputados em ses-
SVs preparatorias nos dias 16, 17 e 19. regu-
sto das trabalhos vai na 8a pagina.
Na sua parte commercial escreveu 20 o
-Jornal do Commercio :
A approximacao da abertura do parlamento
desperta na nossa praca real e legtimo interesse,
porque geral a convicejio de que o Sr. ministro
da fazeuda nilo ae demorar em apresentar s ca-
varas os projectos, que, com maior ou menor fun-
damento, sao a S. Ex;, attribuidos em faver ou
jeorganisaeoiudispensavel danossa situacao finan
ceiru.
E' natual este interesse com que a praca
acompanha os actos do Sr. ministro da fazeuda.
Coui effeito,, a gerencia da fazenda publica im-
porta iuunediatainentu ao cjminercio ; olnu estar
des'.e, a sua seguranza, o seu regular desenvolvi
ment eato em intima ligncao, com a boa appli-
cacio 0O o desbarato das rendas publicas, cuja
font-',o reudimento da communho social a
mesma dos proventos couimerciacs.
Nao ha quem dejconhica a necessdade ur -
gentede profunda reforman* nossa situacao finan-
ceir.i. Notavel documento oficial que merece ser
meditado tongamente lo relatorio de 1884) deixou
demonstrado QUi no periodo dis vinte excrccius
d-corrides de 1862 a 1882, ao passo que as rendas
publicas eresceram na rsso de 90, 3 /, as des-
pezas augmentaran aa de 118, 6/0.
. T) cnsideiuvel dillorenca nao se explica sa-
tisfactoriamente pelos acontecimentos extraordiiia
ros que nesse peiiodo occorreram, nem se justifica
por novas teeesaidades inherentes ao progresso
nacional.
Se a lico do passado fo' proveitosa, so pode-
remos saber quando o tempo nos deparar elemen-
tos de comparaca') que aiuda los tall.eem; mas j
pr. sent irraua aiguma luz que pode orientar-
nos ueste caminho Jim tanto escuro e accidentado
.. pob ea.
. A lei le 3 de Setembro de 1884 or-
rou a receita geral do Imperio para o exerccio de
. 1885 ... 133,049:400*000
eale n. 3,890 fixon a despeza
I i ex redo era
Foi portanto votado o or-
ato eom o dficit de
i. M as aut ia tabella B a
196:730*982
0,717:330*932
12,657:2975000
0 dficit autorisado foi de 18,404:627*932
. A lei n 3,271 de 28 de Setembro de 1885
laudo vigorar aquelle ornamen-
to em 1885 1 B86, fez Um varios accreecimos assiio
ibuidos :
Ministerio do Imperio 93:201 000
de Estrangeiros 19:972*826
da Agricultura 1,061:00" 000
da Fazenda 2,186:083*2*6
ninuio no
Imperio
Ministerio do
3^13:807*119
15:200*000
5/. Nao temos, portanto, agora opportunidade
para expor a nossa opinio sobre o que ae deve-
ria f izer, maatilo smentede considerar o que eat
ieito.
As duas vperacpea de crdito referidas,enbo-
ra podessem sei justificadas pelo erescimento da
perigosa divida fluctuante, devem ser encarada i (ji
o disseinos) como medidas preparatorias, subordi-
nadas a um plano geral.
a Collocados ueste ponto de vista, iulgamoe in
terpretar fielmente o seutiin uto geral do comucr-
cio, confiando en que Sr ministro da fazenda
procurar nelhoraras coudi;o. s da noasa situa-
cao finaoceira.
As dnas operacoes i fluctuadas foram rmiire-
h> ndidas com criterio e realisadas de modo In on-
geiro para o crdito nacional.
Levantado em Londres, com o apoio fraoe i da
poder .sa firma Rothschild, um avnltado eropreiti-
mo do juro de 5 (0 ao preco de 95, o Brasil coise-
guio incontestavrl triumpbo sobre os detractures
de varias especies, que alli av<-lumaram as ciffi
culdades com que tutumos, mas que, emboragiao
des, no sao maiores do que aquellas que tiveiam
de v> ncer, ou que anda opprimem outros povos
as nossas eoudinoes. Lour.a n p>r6 da tem nido
a campanha para o d'-acrcdito do Brasil na Euro-
pa. A questao da ab.>lic&o, o cresbimeuto da di
vida publica, as responsabilidades por garantas
d juros e por melboramentos matenaes, o abat -
meuto da r ceita. a violencia das sai temas, os
erros dos uossob governos e at as irop.'UJencias
dos governos estranbos, o esmorecimento do enn-
merciii, tuilu quanto detfavoravel ao Brasil, q er
por causas geraes, quer pelas nossas peculiares
COOO)ic5e8, tud tem 8ido exagg'-rado e explorad i
na Emopa. deix udo-8e em esquecimento os pi>-
grrssos que temos sea litado, a inteireza s cr terio
com que temos procedido e os immensos reeurjos
que possuimos e qu- vo sendo, lentamente, cir-
to, maa C uixtantemente d>-senvolvidos
Em taes cireuinstani'ias frico argumento a
situar i do mercado monetario de Londres, on le
era abundantu o dinbeiro mas oude nao filtaram
concurrentes menos beio acolidos do que o Bra-
sil.
Dada a conve enca e opportundade do ein-
presfimo ex'ernn, exige a lealdide que se felicite o
Sr. ministro da fazeuda pelo modo como o realiso,
quer eonsideremos a oeracao nos pontos capitae^,
quer nos pormenores, na dispensa de intermedia-
rios, na reduca) das commissoes, qu-r a encare
mus como openicao financeira, quer attendamos
aos seus effeitos moraco e polticos.
O emprestnno interno de5",0 0:001)5 foi lanca-
aocomalgum-iaudacia,justificadaalii pelo resul-
tado ob'ido. Mais do um ministro da fazeuda re-
cuou diante do receio de f-tzer emisno de apolices
rom o juro reduzido, ou drixou passar a occasio
opp i tuu i de realisal o. Era geral entre os nos-
sos bauqueiros e capitalistas a convieco de que
um emprestimo do typ.i de 5 "(o uo poderla ser
aceito senilo a pre; > inferior a 90. Realizado i
95 1|Z, ou com as reduccoes justas, cima de 92, o
emprestim-i nter ao foi operaQao lisongeira paia o
thesouro nacional, e nao aggravou uem levemente
o no-so increado monetario. A divida fluctuante,
exif'ivel em occasio talv-z a mais critica, j nJ
a8susfa o tbesouro nem traz appreliendivos os ca-
pitalistas.
Os emprestimos pblicos nao tem sotncut
tesvantagens. Sem que uos conotituamos advo
gados deste modo de cantralnr compromissos, e re-
conhecendo que o crdito nstrumeutj delicado e
perigoso tanto para os particulares como para o
Estado, admittimos comtudo a conveniencia do
emprestimo pela applicaco vuntajosa dada ao pro
ducto da apnalo
" N.io aioda conbeeido o uso que o !*r. minis-
tro da tazeuda possa ter feito do producto j reco-
Ihido dos dous emprestimos. Calcula-se apenas
que por cunta do contrabid > em Londres nilo se
tem saccad'i senao cerca de 30.),0 Dos batneos dos nossos bancos at 31 de
Mar^o consta que a divida do thesouro por letras
e biibetes era em Fevereiro de 64,4O0:OJO, e em
Marro de 64,9O0;00O, e que a conta corrente com
o Banco do Brasil baixara de 20,330:tKK)5 em Ja
neiro, a 20,328:000* em Fevereiro, e a 15,634:1X10$,
cm Marco (raido contra o thesouro).
Os actos conhecidos do Sr. ministro da fazen-
da fazem-nos esperar que em relaco a m-;di as
ult Tores e mais importantes, tendentes ao melho-
r ment da situacao fiuanceira, proceder S. Exc.
com a mesma firmeza e circumspccsSo de que j
tem dado provas.
A converso da divida publica interna tom
sido recommendada ao governo do paz por auto-
risaro.'i- reo vadas as ultimas leis de orcamento ;
a ioteufo do corpo legislativo parece, pois, firme-
mente acceutuada. Da realisacao dessa medida
deve provir consideravel reduc^j na despeza pu-
blica, e semelhante resultado merece seria atteu-
(0 n>.s coudigoes actuaes. E' talvez doloroso o
sacrificio : man na 1 ficar, acreditamos, sem cun-
petifari". O pessuidor actual de apolices de 6 %
recebe annualinente urna quota como juro que na
noasa depreciada moeda soffre grande abatuionto;
se. como devemos esperar, as medidas projectadas
conseguirem apreciar o nosso meio circulante, o juro
na lazo de 5 '/0 representar valor igual seno
superior ao juro actual. Parece, pois, que a con-
verso do lypo da divida interna encontrar jus-
tjficayio.
' A proposta da reccita e da despeza que o Sr.
ministro da fazenda tem, de'accordo com a lei,
"Jornal do Commeroio aprecia a
dita* ultimas ooeracoes de crdito do
Sr. Bellsario.=0 plano de resgate
da divida interna peloDr. Catiro
Lopcs.=Investiaaooes deete.=0 La
taretto da lha Grande.
Anda esto sem interesses as sessdes prepara-
torias.
EleiU a mesa provisroia, e sorteadas as com-
miasoea de mquerito, ficaram estas eompostas pelo
modo segninta : 1 os 8rs. Tarqumio, Rodiigo
Silva, Luto da Cuuha, Pinto Lina, Rodrigues
Alves, padre Jo Manoel, Bul boca Carvalho, Oon-
caWes iVrreira e Castrioto; 2 os Srs. J uvencio
dt Aguiar, Duarte de Azevedo, Pasaos Miranda,
Baro de Canind, Costa Pereira, fioubrane, Coe-
IDo Rodrigues, Fcrnaodes da Cuuha e Jos4 Mar
celino ; 3a os Srs. Bel trio, Portugal, Cunha L-i-
tao. Soares, Villa de Barra, Soriano, Freir de
Carvalho, Elias de Albuqoerque e Coelbo de Re
zsnde.
Das dez elcices at o presente contestadas fo -
ram os reapectivos papis distribuidos : ao Sr.
Buiboes Carvalho os relativos ao 2 districo do
Amaso as, ploqu.l teve aiploma o Sr. Jos Pa-
rauagu ; ai Sr. Joao Manoel os ds 3o distrceo
do Piauhy, diploma do Sr. Doria, os do 2o dis-
tricto do M iranho, diploma do rir. Almeida Oli-
veira, ob do 2o de Pemambuco, dip'uma do Sr. Jos
Marianuo; ao Sr. Tarqruinio os papris do 13 de
Pdrnambuco, diploma do Sr. A. de Siqueira ; ao
Sr. Pasaos Miranda os do 3" da Babia diploma
do Sr. i'riseo Paraizo ; ao Si. Cunha Lei rao, ..3
do 8o de Minas, diploma do tr. Cezario Alviin ;
ao Sr. BtMa de Albuqoerque os do 10 distncto,
mplom* em duplica'a dos Srs. Peuido e Ridn
guea -Iva e ao Sr. Carlos Peixoto os do 150 e -JO0,
diplomas dos rs. Joao Caetauo e ffmao Celso
Jnior, tolos da mesma provincia.
Conv.n obaeev irqu o Sr. Carlos Peixoto faz parte
da3a coiuiniss)para a qual nao fe sortalo -
por t> r o Sr. Soares pedido dispensa e baver o
pie-i I lite lomead), coiiformando-se assim Com 03
prec'd ufes estabelecid s pelos liberaes nasduis
venlieaeo 's de poderes anteriores, iiaando o que
se d -prehende do rapinto da diapoaico r.'gim -ntal
iiesai parte, que o preeuehiuiedto daa vagaa
que se dore n as commissoea deve ser futo pelo
111 s 10 111 ido porque sao estas ele Jas. lato pjr
s irteio, e assnu ficou egtabelccido em 1877, depois
d urna uuinada questao de ordem sobre a preai
deucia do Sr. Paulino de Siuza. Em 1382 os con-
servadores reclamaram para que se reeorresse ao
sorteio no caso de substituidlo, e nao foram atten-
didoa.
Noamo passad > j nito fizeram questao, teudN
havido urna especie de accordo com o r. Moreira
de Barrus, 1 ntao presidente da casa, para que a=
nomeaco-s dos substitutos recahissem em deputa-
dos da mesma provincia e credo do substituido.
Agora, pirui. que os conservadores sao go-
verno e dispoem de grande maioria, parece que
era ehegada a occasio de voltar-se as boas pra-
ticas, pelos quies tiuham elles feito questao. Nao
oquizenm, acbaiido prefriv-I aceitar com pre-
sento a observancia dos precedentes, para os
casos de ommissi de regiment servem de regra,
u como havia dous em sentidos diversos, seguiram
o mais molerno.
Pelo m;smo modo foi tambem preenchida, a re
querimeuto do Sr. Candido de Oliveira, a vaga
que se dera na 3* commissio com a ausencia do
Sr. Beltro, que segundo aifirmou aqelle por carta
quo deste receben, nao vira a corte nest raz.
Em falta do outro depu'.ado liberal de Pernam-
bueo fu nomeado o Sr. Lourenc/o de Abu-
querque.
Por ora o trabalho das commissoes tem versado,
com natural sobre as elcices nao contentadas
afim de que seja logo apurado numero sufficiente
ile deputados para que a abertura da cmara te
nba lugar no da 3 do prximo mez, no que nao
llavera duvida, vista do numero de diplomas
apretentados, embora al_'uns dos donos destes
nao rstejam presentes, furtaudo-se por esse modo
uo sinente a tomarem parte n s trabalhoa d s
commissoes, o que inuito aborrecido e a .'arreta
multas vezes desgostos e inimizades. como tambem
a estarem aqu fazer despezas sem terem anda
subsidio.
Isto maiilia velha : tanto liberaos como con-
servadores o fizeram e esto fazendo.
Do Rio Graude do Sul anda nao veio nenhuin
dos dous eb'itos sem coutestacao os Srs. Tavares
e Miranda Ribeiro.
O Sr. Camargo, que presidente da assembla
provincial, telegraphou ao presidente da cmara
justificando a sua ausencia e promettendo vir logo
que se encerrem all os trabalhos. O seu com-
petidor, entretanto, veio pelo ultimo vapor, mas
receiando-se da febre amarella, desembarcou em
Santos, para tomar iuformaces e vir depois pela
estrada de ferro. Deva ebegar le hoja at aina-
nh.
O Sr. Navarro que disputa o diploma conferid:
ao Sr. Joaquim Pedro Salgado j aqui se acha.
Este, p irm, assim como o Sr. Joaquim Pedro
Soares ficaram para vir com o Sr. Silveira M r
tius que est tratando na aasemblt prov ncial, de
que elles tambem sao membros, de apresentar e
f.izer votar o orcamento provincial, em cuja dis
cusso, devia elle pronunciar um notavel discurso,
qne estava annuncado para o die 14, na manh
do q lal devia partir o vapor.
Nao me record se jlhe disse que a assembla
provincial havia novameute adoptado a lei de f ir
dicoes costumoiras, de que resultaran! abates, que
fariam descero valor real da emissio.
Quer nos emprestimos naconaes, quer nos es -
tiangeiros, nao se co.ita o juro do da da emissao ;
toma-se sempre urna data anterior.
No pruprio emprestimo do Sr. Paranagu, em
que a commisso do contractador to de 2 l sobre
o valor nominal, e nSo real, a operaco teve lugar
a 23 de Jancio de 1883, e o juro coinecou a ser
contado do l de Dezembro. Essa dilferenca de
53 das, ao cambio de Jl Ii2 importou em....
335:4922.
Quanto ao abate offerecido aos tomadores de
grandes lotes, en um meio d- sncital-os a concor-
rer. E o facto que aquelles mesm s que aiuda
ns vesperas da operaco baviam declarado ao Sr.
Belisario, que com taza superior a 90 elle nao
aebariv tomadores para o emprestimo, logo que,
aberta a subscripto, vu-.iin que iam chegandi os
pequeos capitalistas, apressaram-se em abafar o
emprestimo.
Na su-i sec^o commercial, que tem reconheci-
da autoridade na nosta prac^i, pelo cnt rio e ca-
nhecimento da materia co:n que redigida, faz o
Jornal do Commercio de boje largas e sensatas
cousideracoes ac.-.-ca do nosso estado financeiro, a
referindo se aos dous omprestmos ltimos, obser-
va
Dada a conveniencia e opportundade do em-
prestimo externo, exige a lealdade que se felicite
o Sr. ministro da fazenda pilo modo como o reali-
zju, quer consideremos a operaco no3 pontos ca-
pitaes, que nos pormenores, na dispenau de inter-
mediarios, na rediicco das commissoes, quer a
encaremos com OperaoSo finaoceira, qui r atten-
damos a 18 seus effeitos injr.es e polticos.
O emprestimo interno de 50,000:lr00 to ton-
cado com aiguma audacia, justificada alias pelo
resultado obtido. Mais de um ministro da fazen-
da reeuou diante dj receio do fazer craisso do
ap-lices com o juro reduzido, ou deixou pasaar a
occaHao opportuua de realizal-o. Era geral en
tre os n/ssos bauqueiros e cipit..listas a conviccio
de que um emp.estimo do typo de 5 O/O nao po-
derla ser aceito seno a preco inferior a 9 ). Rea-
lizado a 95 1/2, ou com as reduce/jes justas, ci-
ma de 92, o emprestimo interno foi operac-o li-
sougeira para o tUesouro nacional, e n?o aggravou
uem levemente o aosvo m-rcado monetario. A divi-
da fluctuante, exigivel em occasio talvez a mais
critica j nao assusta o thesouro nem traz appre-
lnuis vos os capitalista?.
Consta que do emprestim de Loudres tem-se
maudadovir somente 300,000 libras.
Na converso das apolices continuou a fallar, e
at aifirmou que na prxima Semana ser publica-
do o respectiva decreto, pois negocio j asienta-
do e re. K id...
. appar
O capital da companha agrcola e pastoril est
subscripto com capitaes encont'ados mesrno nesta
praca. Esta simples inlorniacao revela que a em-
presa promette futuro lisongeiro e seguro.
Est aeora desoecupada a bella fortaleza do
Cabedello. ltimamente funeconava alli a com-
panha de aprendizes marinh. iros, a qual, por or-
dem do Ministerio da Marinha, foi transferida para
a capital, sendo installada no convento de S. Fran
cisco, cujo edificio foi cedido ao governo.
Os menores acham-sc magnficamente accommo-
dados, tendo-se preparado para elles excellentes
aposentos. Alm disto o convento tem extensoc-
terrenos desoecupados, que vao terminar bem p ro
ximo ao porto.
A fortaleza abandonada, porin, est em estado
deplora ve I.
O tempo e as ondas ja estragaram as suas pode-
rosas mura has, e os edificios internos esto amea-
cando ruinas.
O presidente da provincia mandn proceder a
inven,ario de todo o material de guerra anda
existente na fortaleza, e Iaze- a descripclo exacta
do seu estado, afim de transmittil-a ao ministerio
da guerra.
Desde muito t mpo falla-se na possibilidade de
ser o local da velha fortaleza e o seu mat'rial
aproveitado para a futura altandeg que se deve-
r construir, quaudo a estrada de ferro tor prolon-
gada at alli, de accoido com o plano j approva-
do pelo goveruo.
Nenlium acontecimento importante tem oc-
cupado a atteuco publica. A popu acao preoe-
cupa- se com os actos religiosos da present quadra.
KeviSTA DIARU
ssrsn!!'u Croiiiiciai vio agave nuu-
tem s-sso, por terem comparecido apenas 18 Sra.
oeputadoB.
A reunio foi presidida pelo Exm. Sr. Dr. Jos
Manuel de Barros WanJerley.
O Sr. I- secretario procedeu a leitura do se
guite expedieute :
Uin "ffieto da cmara municipal de Barrcrw,
pedindo a consignadlo da verba de 4.000a paral
c meluso das obras do mercado e cemeterio d'alli.
A' comn s-o de orfamento pioviucial.
Urna petica.> de Andr Jo3 de Almeida Catanho,
protes ot publico de Bengalas de Limoeiro, reque-
reudo urna cadeira de 2" entrancia em qualquer
cidade, obrigandose a abrir gratuitamente um
curso secundario. -A" commisso de intruslo pu-
blica.
Outro do director da Colonia Orphanologca Iza-
bel, requerendo urna subvencio aiiuual de 30:0u0*.
, A commioso de orcamento provincial.
I proposito da d.scussao que se t.-m levantado utra de Priincl8COvJos de MaWlhaei, reque-
de apresentar ao corpo legislativo consubstanciar f.a nulcial nao saneciooaua, man dando-a pubdcir
sobre essa converso e s operacoes citadas acaba
o Dr. Castro L ipna de imprimir um folheto e of-
ferecer ao Sr. ministro da fazenda um plano de
resgate da nova divida terna fundada, por elle
formulado, dado a imprensa ha annos pissados.
Seguudo esse plano, pie c.insiste na observancia da
lei de 1,827, que creou aquella divida, com a con
di^o desercm auuualineuto e proporcionalmente
amortisada, votando para isso o corpo legislativo
os uecessarios fundos, acha o Dr. Castro Lopes
que mediante a applicaco de 2,000 cutos animal
mente na compra de apolices ao par, nao ara
iuutilisal-as, mas para recolhel-as, encendo o res-
pectivo juro como s gyrass.-in em inoa particu-
lares, e sendo esse juro reunido a quota doaano
se^uinte e applicado compra de entras apolic. s,
cujos juros teriam o uiesmo destino, e assim por
diante, ter-se-hia no fim ds 49 annos recoihidas
todas as apolices e assim extinguida a nossa divi-
da interna, que monta actualmente 338,352:700$
veucendo o juro animal de 20,276:000*1100.
Essea jur .3 durante una 49 annos ascender in a
mais de !t00,00:(). *000; e como esse algarismo
h de ser em todo o caso despendido, acouselba a
boa razo qne seja pelo modo indicado, que liber-
tar as gera(oes futuras do encargo da divida in-
terna.
O Paiz, dando o extracto desse plano, chama pa-
ra elle a attenco do Sr. ministro na fazenda, pelo
m iioi para que o estude e medite.
O Dr. Castro Lopes, medico homeopatha, ho
inem de muito boas lettras, latinista de grande no
meada, e costuma dedicar-se estudos variados,
que lhe dao autoridade como erudi o. At o pre-
sente, porm, nao conhecido como financeiro. O
seu plano, todava, nao irrelialisavel; mas, as
rendo consignaco da quota de 216800, de custas
que lhe deve a cmara municipal da Victoria.A'
commisso de orcamento municipal.
Jutra de Eduardo Antones de Aibuquorque
Mello, escriro do crime e jury de Cimbres, reque-
rendo pagamento de 1:600, que lhe deve a cma-
ra municipal d'alli de custas de procesaos.A'
coinmissio de orcamento municipal.
Outra de Manoel .Uves Pereira de Lima, reque
rendo consignar') da quota de 28*486, do aluguel
do sua casa que se've de quartel na povoajao de
S. Joao dos Pomb is, e que cahio em exerccio lindo.
A' commisso de orQ.ment provincial.
Outra da Veneravel DevocAo de Nossa Senbora
da Coneeiyo erecta no convento de S. Antonio do
Kecife, requerendo urna lotera, que tenha prefe-
rencia na extraer) para compra de alfaias.A'
ommisso de ornamento provincial.
Outra de Cosme Ji Quedes, proprietario da
casa que serve de quartel do destacamento de S.
L'iureneo da Matta, reclamando o pagamento dos
alugueisde Maioa Junho de 1881 e Xovembro e
Dezembro de 1885.A' commisso de ornamento
p-oviucial.
Outra de Maria Francisca do Reg Barros,
requerendo urna cadeia de Ia entrancia.A' com-
misso de iistrucco publica.
Um auaixo assignados de negociantes da cidade
do Reofe, reclamando contra a disposicao do 15
do art 2." da le n. 1360, orcamento vigente.A'
commisso de orcamento provincial.
Em seguida dissolveu se a reunio.
Sjioverno do bUpadoDiz a Aurora de
25 do corrente, que, de 8 20, foram passadas :
Proviso por tempo de mais um auno para a
freguezia de S. Miguel de Pao dos Ferros, ao Ro
nossas condivoes nao pratcavel, porque nem o ( Gna(le do Nort fjvor do ^^ Coame LeiU
governo, nem o parlamento, urgidos pelas neces- I j silva
Id' m, para a freguezia de Sant'Anna de Mat-
eidade; do presente, teriam bastanto forca sobre si
iiiesuio para continuaren! a pagar juros de apoli-
ces recolhidis, em proveto das gerasoe3 futuras,
sem applcarem esse dinbeiro aos melhoramentos
Je que o paiz precisa presentemente, e qnando urna
grande crise vai darse as condicoes da nossa
produecio agrie da.
Ultimam nte tem o mesmo Dr. Castro L >p 's se
entregado urnas investigacoes muito curiosas so-
bre a origem de certas locuQoes, anexina e prolo-
quios populares, de que em outra occisio talvez
de urna noticia aos leitores.
- Consta que, finalm 'ute, est arganisada a
toa, no Rio (ira.ide do Norte, a favor do Revd.
Domingos Pereira e Oliveira.
dem, para a freguezia do Ro Formoso, nesta
provincia, a favor do Revd. F. anciscj Verissimo
Bandeira.
dem, de capello para, o presidio de Fernande
de Noronba, a fa'or do Revd. conego Manoel
Jos Martins Alves de Carvalho.
I lem, de confesa ir, a favor do Revd. Manoel
lauome B zerra, residente na freguezia do Brejo
d'Artia, na Parahyba.
dem, favor do Revd. Fr. Jos do Coracao de
ch.p 1 senatorial dos conservadores para eleicao MarH e SUZ re, 083 carmellt residente nes.
de lo de Jmiho em danta < atban.ia. \)\z 111 que
3,298:009*112
Subi, pois o dficit neste segundo exerccio a
21,702:636*044.
e tivessemos de fazer um computo rigoroso,
deveriamos attender a pequi as redneces da des-
peza resultantes de crditos, que se reputam e.x-
tinctoa, visto terem sido concluidos e 1H841885
es servidos correspondentes,(#n de crdito, feliz-
mente, nao applicados : mas teriamos tambem de
contemplar augmentos provenientes de crditos
sapplementares j abertos ou que a uda tero de o
ser. O resultado dar nos hia approximadamente o
dficit de 22,000:t 00* no exerccio que caminhn ao
uno.
Tal era, encarada s pelo lado orexmentario,
a situacao da fazenda publica, quando en Jauei-
ro deste inno chamamos a Httenco para a pesada
divida fluctuante cojo augmento, na opinio de
iptor, considerado mestre nesta materia, cons-
titue pengo imminente para o Estado, alm de ser
elemento de centuso no estudo e confrontaco dos
.haveies e encargos nacionaes.
Avalimos ento a responsabilidade do the-
ouro, por esta especie de divida, em 80 mil con-
tos de res ; mas elementos, que ento nao 'inba-
mos, autorisam nos a elvala naquella poca a um
ptuco ma'S de 100 n.il con'os de res.
1 Em circmsancias assim apertadas nao era
para se estranhar o m^ estar qne geralmentc se
seutia e que, em virtude das nossas condicoes eco-
jjmicas, manifestsva-se por constante e acceutua-
da depress do mercado de cambio.
o periodo di corrido desde ento at hoje rea-
isnram-se os dous emprestimos, de t 6,000000
(q Londres e de .0.000:(,00* no Rio d. Janeiro, e
ecnstou oe mido ttmi cffiiial a projectada reduc-
du juro da divida inUrna fundada de 6 para
o seu plano finauceir 1. Nao ossumpto para ser
discutido incidentemente a conveniencia de ser
adoptado o systeina de dous orcamentos, ordinario
e extraordinario. E" eerto que j tem is na tabella
dos crditos especiaes o orcame to extraordinario
da despeza e a autorsayo geral pira cflectuar
opera^es de crdito o ornamento da reeeita. Jul-
gamos altamente defeituoso o system-ie perigosa
a pratic.i : di sejariaWBM ver para cada credi'o es-
pecial designados expressa e rigorosamente 03
fundos correspondentes, ou a autorisafo especial;
t assim saberia o corpo legislativo qual a despeza
que realmente vota.
Nos ministerios da guerra da rr.a*inli 1, bem
como no da agricultura, e talvez ns do imperio,
podamos antea diz.-r em todos, encontrar o Sr.
ministro da fazenda, de accordo com os seus col
legas a quem compete a gerencia dos respectivos
servicos, algumaa verbas que poaem, 01 melhor,
que devem saffrer redocefea de al^uina importan-
cia.
n O orcamento eom certeza uo augment ir o
numero, n.m oa vencim -ntos do pessoal, nao ce 1
r servidos, nem propio obras novas ; ao contra
rio deixai vagos alguna cargos, reduzir os tra-
balhos publica e limitarse ha a d.spezas indis
pensareis para a cuuscrvaeo ou prompta conclu-
sa) daquellea strictamente ueceasurios.
Esta i< aignago toma se fcilmente applica-
vel a muitas conveniencias e interesses que nao
sao rigorosamente os do Estado ; mas justamen-
te neste ponto que espe.amos ter occasio de ap-
plaudir a firmeza de carcter do Sr. ministro da
fazenda.
Esperamos igualmente encontrar consignada
na propoeta de orcamento. ou em projecto sepa-
rado, a medida que consideramos tai urgente e
necessaria emo o equilibrio do orcamento,a re-
soluvo firme de coinecar a fazer se o pagamento
da mais onerosa de todas as nossas dividas, da-
quella que nao vence juros, mas destre o capital
nacional, do papel moeda, emfi o, isto o maior
inimigo da reataiiraio da fazeuda publica.
A lei de 1846, que nao consideramos revo-
cada, e que se completa pela de 18 de Junho de
1885,' off rece ao ininiatro da fazenda luzca para
untar a reduefo do excesso do papel moeda circu
lante, emquanto nao for creado uin banco de emis-
so, que tire para sempre das mos do governo a
fatal taculdadc de fabricar dinbeiro.
" R. alise o Sr. ministro da fazenda as medidas
que apsntamos e, nao receiamos garantil-o, ter
prestado ao comineraio e ao paiz beneficios que
tomarao o seu nome glorios) e bemquisto.
Babia
Datos at 23 de Abril :
Continuava a funecion r a assembla provincia!.
Nada mais digno de neta.
INTERIOR
Correspondencia do Diarlo de
Pernambueo
RIO HE JANEIRO coktl 20 de Abril do
1886
SiniiABio :=Pouco interesse na verificncSo de po-
deres. Copimissoes de inquerito c os
relatores das eleifoes contestadas.=
diplomas presentes de deputados au-
sentes.0 deputados do Rio Grande
do SulN'iticias dessa provincia.=
A assembla provincial e o presiden-
te. O que se colhe da discnssdo so-
bre o emprestimo interno.Injurias
4o Sr. GaviSo Peixoto.Cunto o
fundada no art. 15 do acto addicional.
O Sr Lucna, entendendo que na hypothese, e
quand 1 a recusa da sanceo fundava-se na incon
stitucionalidade da resolugo, nao en applicavel a
disposico d'aquelle artigo, auspeudeu a execuco
da I -i.
Por esse motivo, segunuo noticiam os jomaos,
r.'solveu a assemb'ea, ou antes o Sr. Silveira Mar-
tins, dar denuncia do presidente ao Supremo Tri-
bunal de Justica, sendo nomeada a commis= que
deve redigil-a.
Toda da o orgo republicano em Porto Alegre,
a Fideracao, nota a mudan?.4 nos hbitos e na
ac'i.-idade do ilustre chefe liberal, que nao parece
o mesmo tribuno que com tanta energa verberou
no Senado a mudanza de situacao e que prophe
tisou o tiiumpho do liberalismo rio-grandense
o tossem quaea fossem as emergencias e circum-
stanciaa da tota c agora nem imprime aos tra-
balhos da assembl a a conveniente direceo, de
tal modo que freqoentemente deixa de haver sea-
sao.
Certo accrescenta aquella fo'ha, que o chefe
liberal pouco trequenta o recinto das sessoes ; e
quando all visto, a sua demora to curta, que
mais parece um visitante do que um depurado, so-
bre quem recahe a uiaior das r spousabilidades
como chefe da maioria.
Naturalmente, est se guardando para o Senado,
onde n i bu-a dar urna nova ou mais edi ^es
correctas e aug m litadas do annuncado discurso
do da 14 O Sr. Lucelia, que seguudo consta,
talvez nao deixe a presidencia antes de Junbo,
nao ter tido a est hora melhor lei de orcamento
do que a votada 110 auno passado.
Tem continuado um pouco animada, na im-
prensa, a diacusso sobre a ultima oprrac.au fiuan-
ceira do Cr. ministro da fazen ia, a quem, como j
observei, se nao tem faltado louvores, tambem na 1
tem sido regateadas censuras, urnas comedidas c
convenientes, outras veto mentes, acres, apaixona-
das, em que mui as vezes transpira ou ntimento
partidario, ou desp-ito proveniente de toleteases
feridos.
No numero des es, entretanto, nao se deve com-
prehender o que contra essa operagao tem dito, em
linguacem muito rasteira, Sr. Gavio Peixoto, em
artigos que assigna, oecupxndo-se promiscuamente
dos Srs. Belisario Chico-Belisaro, como elle o
trata e Andrade Figueira.
Nao sao censuras ou aecusacoes que possam ser
tomadas em considerarn ; sao injurias, calum
nias mesmo, conceitos muito baixoa, laucados a
uin, propiaito dos dous emprestimos, fazendo in
dignas insinuacoes contra a sua probidade, a ou-
tro, proposito da elcico de Goyaz, pacto do
ministro, outr'ora protegido do Banco e agora
seu protector, com o ex-advogado do mesmo Ban-
co, hbil forgicador de eseripturas de hypothe-
cas.
O que, porem se pode colher da discusso havi-
da, que a operaco foi vantajosa, e o seria mes-
mu quando, segundo os clculos do Paz, o valor
real da emissao, feitas as devidaa deduces, fosae
de 90 1/2. Essas deducQes provem de contar-se
o juro das apolices do lo de Janeiro e nao do da
da emisso, e-dos abates dados aos subscriptores
de quantias avultadas, nos limites indicados no
prospecto.
Por exemplo : o Banco Ru al, que subscreveu
26,t.00 con tos e o grupo de capitalistas que sub-
screveu 10,000, tiveram o abate de 0,8 | ; outros
de menos quautia tiveram o de0,4 "[o, etc. Levan-
do-se em conta taes abates e a epoena da couta-
gem do juro, o valor real da emisso de 9z 112.
tsxa a que nunca se aproximava nenhuma das
propostas teitas durante os anteriores gabinetes,
coinpoe se dos rs. Taunay, rMnto Lun e Theodu-
ro Silva. A dws liberaes nao mais a que urimei-
ro correu. O nome do Sr. Baro de Bal ivi nrrfoi
bem aceito, e a apresenta^ao do Sr. Chutel, por
sua conta e risco, nao deixou le causar embarazos.
Agora dizem que a combinago final : os Srs.
.-ilveira de Souza. Mafra e conselheiro Duarte, fi-
lho da provincia,mas residente desdejmuitos anuos
nesta capita1, onde negociante.
Nao me resta tempo para tallar lhe hoje da
visita f ita pelo Sr. ministro do imperio ao lazareto
da Illia Grande, em que se tem despendido mais
de mil contos, c cujas obras m ach m em tal esta
do e teem sido construidas de tal modo, que S. Exc.
no officio que dirigi ao respectivo engenheiro, or-
deuaiidu-lhe novo ornamento, faz dellas a mais
triste d'Scripco. A imprensa tem sido unnime
em condemnar tamaubos .Irsp-rdicios, quo qualili
ca de escndalo, uoiando que em vez de demittir o
engenheiro, o governo aiuda o maude fazer mais
obras no mesmo gusto.
PiRAIIYBA, 22 de Abril de 1886.
Ni nliiiin acontecimento de maior importancia se
tem passado nesta provincia depois de rumba ul
tima missiva, C ntiniiam as chuvas na capital e
ao interior, e bom o estado sanitario.
Falleceu em Mainanguape, com avanzada
idade, e em consequeucia de seus padecimentos
ebronic i.- o Revd. padre Antonio Baptata Es-
pinla.
O finado ra presentemente vigario da fregu
zia da Bahia da Traico. Foi muitas vezes eleito
deputado piovinc I, c na ultima legislatura presi-
d 1 os trabalhos da assembla. Era tamb m pro-
fessor apisentad') de latun,
O 8 O partido conservador, em particular, prantea u
Seu infaus'O pa8sameQto.
Tem i pparecido na eirculago algumaa notas
falsas de O.'OOO, ao se sabendo anda a sua pro-
veniencia. O Dr. cto-fe de polica tratoha acti
vamente para descobrir os criminosos.
Falleceu na capital a Exma Sra. D. Maria
Alcx andrina de Albuquerque Mello, esposa do ca-
pitn Eneas Sydiano de Albuquerque Mello, dele-
gado de polica de Mamanguape.
Em consequeucia da alleraco porque pis-
sou o syiteina d> insp cci) eacotor, foram nomea-
dos insp'-ctores das escolas as diversas comarcas
da provincia 03 respectiu a promotoras pblicos.
Foram estes funccionarios preferidos, nao obstau
te ser facultada a noniearo de quaesquer outras
pesaoas.
Pelo mitigo regulamento devia haver em cada
loe.linio.le um commissario incumbido de examinar
as escolas. O resultado foi que militas vezes lu
tava-se com difficuldade para preeueher os car
gos, ou a luspceeao era exercda por pessoa iucom
ptente, que creava embarazos ao protessor, sem
de nenlium modo coadjuval o.
Sob a intelligente inieiatva do engenheiro
Manoel Buarqne de Macedo, creou-se nesta pro-
vincia urna companhia agrcola e pastoril, que
pretende fazer aequisiro de diversos engenhos
as proximidades da capital e abi aperfeicoar os
methodoa de cultura, tratando igualmente de dar
impulso nossa atrasada induetrii pastoril. E'
um servico importante que prestar a companhia
provincia, e d'onde certamente lhe adviro no-
laveis lucros.
O Dr. Bnarque o actual gerente do engenho
central, que se est construindo na proxiiiiid-.de da
estaco de Santa Rita, da ferro-vi Conde d'Ea.
Acham-se adiantados os trabalhos do engenho
central, j estando preparado o terreno onde de-
vi m ter asaeutados os edificios, e construidos 01
diversos ramaes que devom trazer as canuas para
o engenho.
ta capital.
dem, a favor do Revd. Joaquim Jos de Paria,
residente ua fnguezi* do Santo Autono desta ci-
dade.
dem, idem, e de uso de ontons a favor do Revd-
Luiz Marinh i de Fj-eitas, residente em S. Joao do
Cariry, ua Parahyba.
dem, idem, e de pregador a favor do Revd.
Beuto Mara Pereira da Barros, residente na villa
da Penha, no Ro Grande do Norte.
Portara concedeudo ceuc* por dous mezes ao
Revd. Jos Cabral de Vasconcellos Castro, viga-
rio de (lurinhem, ua Parahyba, para tratar de
sua sade.
dem, enearregando o Revd. Ricardo Jos
Brasiliense, coadjuctor da Independencia, a reger
a fregu. zia de Gurinhem, durante o impedimento
do respectivo arocho.
Proviso de coadjuctor por mais um anno para
a freguezia de Santa Rita, na Parahyba, a favor
do Revd. Antonio Pereira de Castro.
dem, idem, pira a freguezia de Santo Antonio
de Giranhuiis. uesta provincia, a favor do Iv vd.
Manoel Emygdio de Oliveira.
dem de uso de ordena, pregador e confi ssor a
favor do Revd. Joo Soares de Albuquerque, reai-
dente ua lreguezia de S. Beuto deata provincia.
Ideu?, de coufess.ir a favor do Revd. Basilio
Fie.ie de Aiustan Navario, residente cin rez.no
Riu brraude do Norte.
Portara nomeand 1 o Revd. conego Augusto
Adolpbo Soares Kerawelter, coadjuctor pro-paro
dio de Pao d'.Villo, rein iveud-o da coadjuctoria
da Escida, nesta provincia.
Id-m, uomc-md.) o Revi. Joo Olympio de Sou-
za Lyia, vigario de Aguas Bellas, uesta provin-
cia, reinuveudo-o da coadjuctoria de Pao d'Alho.
dem, exonerando a seu ped to o Revd. Jos
Teixeira de Mello, da regencia du freguezia de-
Aguas Bellas, neata provincia.
dem, concedeudo liceu^a por temp indeteimi-
nado ao Revd. Manoel Pereira B-tracho, vigario
collado da freguezia de Santa Luzia du Norte, em
Alag .3, ficando 11a regencia da parochia o Revd.
cm Ijuetof Jos de Soasa Barbisa.
Pallerimeiilii-!'. r telegramma particular
sabe-so tt-r fallec lo no dia 23, ua provincia do
C-ar, o 2o aunista da Faculdade de Oireiti, Car-
los Moreira da Silva, natural do Maranhio.
Coutava 20 annos de idade e foi victima de um
pneii.n mia.
Os ac lemicos m iranhenses aute-hontem re-
uniram-se, e, como prava de pozar por to in-
fausto a -ontecimento, resolveram que fossem to-
dos eueorpnrados dar pezaraes ao Sr. Visconde de
Itaiu do Norte, pa do tallecido: que tomassem
luto por oito dias, e mandassem rezar missas na
prxima 3 xta-feira, s 7 horas da manb ua
igreja da matriz da B ia-Vista.
Tribunal do Jury lo necife Devia
ser insudad honrem a 2" sesso deste tribunal uo
errente auno ; u as, s tendo comparecido 1) jui-
zes de faoto ,oo foi possivel essa inatallafo.
Os juizes sorteados foram os seguintes :
Freguezia do Recite
Commendador J'iso da Silva Loyo Jnior.
Herculano Jo.- R idrigues Piuheiro.
Leopoldo Bandeira de Gouveia.
Lino Leopoldin da Silva Costa.
Freguezia de San .0 Antonio
Francisco Joaquim Autunes.
Francisco Napuleo da Silva Lobo.
Graluliaoo dos Santos Vital.
Jos Antonio Pinto Serodio.
Joo Ltudelino Doradlas Cmara.
Jos Pedrj de Aasis Campos.
Luiz Manoel Rodrigues Valenca Jnior.
Manoel Gomes de S
Manuel doa cantos Araujo Mello.
Viente Becerra Cavalcaute.
Freguezia de S. Jos
Antonio Martiniaoo Veras.
Bemvennto Correia Cabral.
Eugenio Gonvalvrs asco.
Freguezia da Boa-Vista
Arthur Goncalves Ferreira.
Antonio Marques de Amorun.
Antonio Bez--rra de Menezes Lyra.
Dr. Ridolpho Ribeiro de Carvalho.
Goncalo Braz dos Santos.
Joaquim de Oliveira Marques.
Joaquim Getulio de Azevedo.
Jos Leopoldo Bourgard.
Jos Clemente de Borba Cavalcante.
Joo Vasco Cabial.
Julio Cesar Paes Barreto.
Jo Alves da Silva.
Manoel Roberto Carvalho Guimares.
Silvino An-.ouio Rodrigues.
Coronel Augusto Octaviano de Souza.
Ujysses Botelho de Andrade.
Victoriuo Luiz Inuocencio Pogy.
Freguezia da Graca
Adolpho Coelho Pinto-iro.
Alfredo Soares de Azevedo.
Joa da Costa Pereira.
Jos Bernardno Risas.
Manoel Bruno Alves Jo Couto.
Sabino J t de Almeida.
Freguezia de Allegados
Francisco de Carvalho Paes de Andrade.
Joo Duarte Carneiro da Cunha Gama.
Fregoezia do P050
Ara rico Leopoldo de Mattus Ferreira.
Francisco Xavier dos S intos.
Jo 1 Ignacio Ribeiro Roma.
Jos Maria Ferreira da Costa.
Frecuezia da V'arzea
Antonio Correia Wanderley.
Freguezia de S. Lourenco
Or. Joo Sevc-ia 10 I 1 iro da Cuuha.
- Iloutem foram mais sorteados os segua-
tes :
Freguezia do Recife
Gralduio Cmiliauu de dess.
Antonio Botelho Pinto de Mosquita.
Jos Franciec > Cardoso Ayres.
Fr- 'ju-zia de Santo Antonio
'oronel Luiz Ceaario do Bago.
Thomaz Ferreira de Carvalho.
"Pedro Fran-isc dos Santos Costa.
Carlos Jo.- d-- Medeiros.
Manoel Antonio da Cunha.
Freguez-a de S. Jos
Joo Augusto Gmmares.
Mantel lavares de Mello.
E'isio Benicio de Castro e Silva.
Antonio Carlos Pe reir.
Joaquim Domingucs Codeceira.
Preguezia da Boa-Vista
Dr. Luiz Demetrio Dias Sioioes.
Jos Feliciano de N.izareth.
Arthur Targiuo Accioli.
Jos Affcnso de Araujo.
Dr. Alvaro Barbalhu U. Cavalcante.
Jos hien da Silva Santos.
Joj Francisco de Oliveira.
Ur. Joaquim de Albuquerque Barros Guia
Joa Eliaano doj Santos.
Philomeoo Getulio Correia de Araujo.
Freguezia da Graca
Bonifacio Antonio Borba.
Diogo Baptista Fcrnandes.
Canuto Joa Velloso da -ilveira.
Majur Joa Joaquim Coelho.
Joa Nicolao Ferreira.
Joo Martina do Rio.
J-o Pereira de Souza.
Jss Antonio Pinto.
Freguezia de Afogados
Major Jos Pedro Velloso da Silveira.
Simplicio Rodrigues Campello.
Baro de Nazareth.
Freguezia do Poco
Antonio Soriano do Reg Barros.
Carlos Carneiro Monteiro da Silva Santos.
Francisco Jos V ianua.
Francisco Jos de M 'raes e Silva.
Miguel Joaquim do Reg A'buquerque.
Foram multado em 20000 :
Antonio Martiniano Veras.
Antonio B. de Menezes Lyra.
Augusto Octaviano de Souza.
Alfredo Soares de Azevedo.
Amerco Leopoldo de Mattos Ferreira.
Antonio Jo 1 quim Correia Wanderley.
Francisco Joaquim Autunes.
Francisco N da Silva Lobo.
Francisco Carvalho P. de Andrade.
Francisco Xavier dos Santos.
Gratuliai.o dos Santos Vital.
Eugenio Goncalves Casco.
Goucaio Braz doa Santos.
Jos Antonio Pinto Serodio.
Joaquim Getulio de Azevedo.
Jorge Clemente Borba Cvale inte.
Joo Vasco Cabral.
Julio Cesar Paes Barreto.
Jos Alves da Silva.
Jos da Costa Pereira.
J a 1 Duarte Carneiro da Cunha Gama.
Joo Igcicio Ribeiro liorna.
Jos Mara Ferreira da Costa.
Dr. Joo Severiano Carneiro da Cunha.
L'opoldo Bandeira de Gouveia.
Manoel Gomes de S.
Manoel dos Santos 4,raujo Mello.
Manoel B. Alves de Couto.
Sabino Jos da Almeida.
Victorino Luiz Inuocencio Pogy.
Vicente Bezerra Cavalcante.
Curwo nnnexo Faculdade de Di-
rciio O curso de es'.udos preparatorios, annexo
Faculdade de Direito desta cidade contina a
ser dailo as seguintes aulas :
1.' de latun.
2.J de franeez.
3." de inglez.
4 a de rh- tonca e potica.
5. de phil i.ophi-, racional e me ral.
6." de arithmetiea qeoinetria.
7.* Historia e geo<;rapbia.
Os alumnos podero frequentar, se o quizerem,
mais Oe urna aula, com tanto que oa qae prete 1-
derem inatricular-se as aulas de rhetorica e phi-
Ijsophia, mostrein ter aprendido latim e franeez e
as aulas de g-ographia e hi-t ira mottr m saber
o franc-z, devendo a prova nestes casos ser dada
pi-t attestado passado or professsr publico ou par-
ticular autorisado pelo governo para leecionar.
A matricula as aulas de linguas ser permittida
at o fin do mez de Julbo e as aulas de scien-
cias at o 1 do mez vindouro, justificando
alumno que quizer mairicular-se, perante o direc-
tor, o- motivos que o retardaram n'aquelle acto.
Do termo da matricula dever constar o nome,
naturalidade, idade e filiaro do alumno, e de ter
si.l) satisteita a taxa da matricula que ser por
todo 0 anuo lectivo.
Pela bscripcio de urna aula 6^000
de duaa aulas 9000
de mais de duas aula3 12000
Aa ferias da paschoa pelo art. 17 do regula
mi'iit 1 das aulas pn-paratorias, restringem-se aos
dias da Semana Sauta.
t nuil <-r lirio Amanli S. A. o Conde
d'Eu completa 44 annos de idade. Por esse mo-
tivo h ice- salvas 1 ora da tarde.
Companliia de i;rlillcac6e. At 10
de A'ato prximo, os accionistas da Companhia de
E lifiraroi-s devero recolher ao London Brasilian
B .nek a 2" prestafo de snas acfes, razo de
10 /.
Plienix l'eruainbueanaEsta Compa-
nhia da Segaros recebe, ate meio da de amanh,
propoataa em cartas fechadas, por intermedio dos
correctores, para a venda de 25 de suas accoes,
inclusive o divide o do de 4000 por acQao.
Paquete 1laellaiiII je tocar em Per-
uHiubue.t, m viagem para a Europa, o paquete
inglez Magellan, da linto- do Pacifico.
I'alle.inieiiio Pelo telegramma hontem
rec-bido e na seceo competente publicado, sabe-
mos haver fallecido o senador pela provincia de
Miuas-(}> eat-s, couselheiro Francisco de Paula da
Siheira Lo>>o.
Era o fallecido natural da provincia da Para-
hyba e formara-se ni antiga Aeademia de Olinda
em 1846 e tinha mais de 60 annos de idade.
Presidio diversas provincias entre as quaes esta,
fez parte de dous ministerios e, como deputado
-r-Ttl, oceupou o cargo de presidente da Cmara
Temporaria.
Militou durante a maior parte de sua vida no
partido liberal; por-o, ha poucos annos, declara-
se ra-republu-ano.
Lyceu de .rtest e OssleloajTeve lugar
no dia 24 do corrente a iuauguraco do retracto
do Exm. Sr. conselheiro Diogo Velho Cavalcante
de Albuquerque, fundador do Lyceu de Arfes e
Odciosl no salo de honra do mesmo estabeleci-
meuto, marcando aquelle dia o 15 anuiversario
\
.

i
--aB*B


Diario de PernaiubocoTerga-feira 27 de Abril de 1886
do aMentamento da pedra fundamental do Lyceu
pelo mesrao Extn. Sr.
A'e 7 hora* da neite re unida a eociedade em
assembla eral, aehan lo se preaeote o corpo do
cente do estabeleciav-nto e gran la nu ero de
alumnos, foi aberia a sessao ; e depois da breves
palavras proferidas p*Ho Sr. presideute, foi inau-
gurado o retracto, correndo-sea cortina quo o en-
cerra va.
Coubc entao a palavra ao orador da esa, que
deseuvolveu em breve discurso o a3sump'o da so-
lemnidade, e vax seguida ao Sr. I)r. Joa II,rucio
Costa, por parte ii coroo deante J ) Lyo-u. nci-
demicos Galdiin Lelo 8 Tinaco da Fooseea,
professores, ai odie de arithia-tiea, e este de his-
toria, e maia um alumno d* aula de francez.
Foi entao levantada a sessao com as inesmas
formalidades da abertura.
O retracto inaugurado urna bata tela do noaso
habilissimo compatriota o Sr Joo Bala, rldente
em Paria, que d'alii enviou-a graciosamente ao ao
Lyceu, nao s como urna hoinenagoin prestada
preclaro fundador deata insttuicao. como ainda
s artes naciouaes, offreceodo-a a Imperial So-
ciedade dos Artinas Mecbanicos e Liberaos de
Pernambuco.
A tela representa o Sr. conselheiro Diogo Veibo,
em ponto natural, com a farda de senador do Im-
perio; e est col locado em riquissima e custoaa
moldara, que anda uiais Tealca o rnraoroso tra-
balho artstico da pintura, digna aem duvida doa
crditos do Ilustre artista que a exe-ut >u.
Compaobla don iriihoo Urbano*
do Recite u Oiimlu e BeberibeEffxc-
tuou se hontem a reuntao da assembla geral de ta
Compauhia, sob a presidencia do Extn. Sr. Dr.
Prxedes Gomes do 5 >uza Pitenga, tendo com
parecido 7 Srs. accionistas representando 336
accoes.
Foi lida e approvada sem debate a acta da ses-
slo de 25 de Outubro de 1885.
Nao estando aobre a mesa o paree t da com-
misaao fiscal sobre as cintas do semestre fiado em
31 de Dezembro ultimo, ob'eve a palavra o Sr.
Dr. A. Pereira Simous, gereute e presidente da
directora, o quil, drpois de urna breve exposicao,
apresentou urna proposta, que foi approvada de-
pois de a'.gumas observares dos Sra. F. F. Por-
ges e Joao J. Alves, autorisandose desde j a
reconstruec-to da liaba de Beberibe.
Approvou se sem debate urna propo'ta do Sr. F."
F. Borges para ser noraeada urna commiss&o afim
de formular nov. s estatutos.
Faram nomeados para a referida coramisslo o
autor e mais os Srs. Sebastian Lopes Guimares e
Dr. Jos Antonio de Almeida Uunha.
Em seguida levantiuse a sessao.
Guarda cvicaA :ha-se exercendo interi-
namente o lugar de cominandante g'ral da guarda
cvica o Sr. Luiz Jos Antones, commandunte da
1* cstacao.
Fi'rimi'iilo No dia 17 do corrente e no po-
voado Ribeirao, no termo de Limoeiro, os indivi-
duos de nomes Francisco M tta e Manoel Motta
espancaram e ferirum a Antonio de tal, couhecido
por Antonio Sapateiro.
Os delinquentes evadiram-se e estilo sendo pro-
cessadns.
FacadlaA's 9 horas da manha do dia 16 do
crrente, n) Bonito, Francisco de Paiva Santos
travando-se de razos com o menor Joao Flix G >
mes, ferio o co.n una lacada- A"udmd> aoa gri-
tos do offendido, Maximiano de Andrade e aeu
irmac Candido, e proemando prender o delinquen-
te. que quera evadir-sc, Oppiz elle tenaz resis-
tencia, ferio gravein nte a M ximiauo, sendo por
sua vez tamln-ui fci ido levemente eafinal oreso.
A polica tO'nou conheciinouto do occ >rrid>.
Km tranotiloO paquete Eqiial'iir levr.u
ante hontem para a Km opa 449 passageiros, sen-
do *^3 tomados em Pernambuco.
Dlntael^oU paquete Espirito Santo levou
para :
Alagoas 27:000000
ImpoMlo de intliisfii;.s pro(ie
Termina no dia 30 do corrente na R cebedona
a Cobranca sem multa do S semestre do imposto
de industrias e pr>fissoes do coi rente excrcicio de
18S5 1*86.
II. .pilal li lUEuei O movimento "das
enfermaras dcste boapita. du ante a semana finda
foi O seguiute :
Existiam cm tratamcato...... 21
Sahiram curadas............ ''
Fallecen................... 1
Existe ................... 17
21
Continua como modirmo de semana o Sr. Ma
noei Cardoso Junicr.
Paquete Para Este paquete nacional,
tcnao sahido de AJagoas boateoa tarde, tocar
hoje em Peinambuco, em riagM para o norte.
Diccionario de educaco e ennino
Para a LaVTHria Francez a, rila Io de Marco,
chegou a eadernata n. 24, do 2" volu.ne do Dic-
cionario de educac.lo a ensino, melhorado pelo
prof.-ssor do Lyc lao Raposo Botelho.
Pao d'AllioE;Crevem-nos cm 21 do cor-
rente :
o Antes de historiar as occorrencias que nestes
ltimos dia3 tem se da lo nest i lo ilid id. pornsit-
ta me abrir uic p wentbeee pira Ibes transmittir os
meus sinceros psames p 1j passamenlo do beu '-
mer:o conoidal t>, iai s'rcm-cili iroaia baartoei
e ami > de lie < I '. |U i n'este oec-'an de 1 .grim is
se chainou Flix de Fi^ue.roa Paria, e compu-ii-
Ihar d-i <'.<: de qae se rareste toa ineonaotarel fa-
milia.
Tem efaovido aouo lio! n tot B en tola a co
marca, os agricultores se m >str im s itisfeitiaai-
mo3 prevenlo um i itptian aBujeita a tim ilo cor-
rente aniu, O que u\o conseguiram nos dous aun w
passados, devido ao vrao abraza lor q le tudo fez
di-finhir.
Em 17 do Camote, tivera n laeai na matriz
desta cidade as excjuis qu mandnu celebrar o
capitao Di)go Su.ares C'arneir de Albuquerque,
pelo passamento de seu fl-ho, o joven Joao Tara
re3 Carneiro de Albuqu !r(|u;. Findo o acto usou
da palavra o cidadao Feliciano Eleuterio d> lio
risonte Brasileiro e em pjucas palavraa fez o dis-
curso biographico do morti.
Foi removido desta fr g jezia para a de Aguas-
Bcllaa, o Revd. parochi Joao lyopio, sem que
encommendasse semelhuite aerasao.
A' esta trdgoesja prestou elle grandes serv
503 durante longos aun .s, por isto torna-se bas-
tante sensivel sua ausencia aos habitan'es deita
comarca, onde den sinceras sympithias.
Nada tem-se dado que agitasse a ordem pu-
blica ; ao entretanto dizeui quo a boa rapaziml 1
qne nao dcixa os pobres agricultores deacan$artm
promette nao dei;al-os dormir S)b p^'iia de condu-
sir todos os seus cavallos.
Na measiva ultima tratei deste assumpto, mas
ncm urna providencia at agora se tom iu
Sendo esta comarca innito populosa e essen-
cialmente agrcola, nao p >de dcixar de te um
dcstacament) capaz de guardar a eadeia e cuidar | Coaceic.-w
de I *
exhalado o ultimo suspiro um escravo de mesmo
e jgenho 1! !
Mas... a causa da marte?? Porque por p-ssoas
que oceupim a casa de vi venda d'esse -ingenhe
nao toi avisada a polica ? Porque oniantio ae
que all foase dilacralo por cachorros e t rubs o
cadver de um infe-iz que a sorte fez ese/avo ?
< Ah qne est o embroglio envolvido n'um
labyriuthodifficillimo ; sim, das testemunh-.es pro-
vas se v que o f .oto acha-se embarazado n'uma
meada, p >r istique pir de assevcraes de que
a m rte pr iveio da enfiroamento voluutario, ve se
outras-sobre ter sido a corda para prova do enfor-
cmuto, iim ile friquissim, prepandae pista
no lugar post/actum !!!
O caso to grave como hsrroroao e est cer-
cado de circunstancias que fazem crear se a pre
sumpco de que elle envolve um crime c ulo ape-
nas um suicidio.
< Felizmente temos um aubdelegado a toda pro-
va impircial, cuja perspicacia deve internar-so
com toda agude* por entre 03 meandros que -n-
volvem o caso alludido.
Dd paaaagem para o interior da provincia, to-
cn aqui, demorando se, um engrasador que arvo-
rando-se em photograph >, pos maos obra cerca-
do de concurrentes, estes em acto continuo tiveram
a prova da requintada imp iricii do eugraxi-pho-
toirraphista, e euto saciando-lhe a precisao de di-
nheiro, fiseram-lhe presente dos mascramos re-
tratos, provando aasim que a populacho ;icencia-
na. c rahece o que um photographo e que sabe ser
hospital-ira para aquilea que a procurara.
Um perito retratista faria aqui alguma cousa.
Com vistas representacao provincial fase-
moa sentir que da imorescindivel neceasi lade a
vin la para aqu de um miasionario, pirque este
sabe com plena pericia obter tudo quanto fax-se
preciso em beneficio das obras de urna igreja. O
nosso distincto vigario, cuja incansabilidade no-
tavel e digna de elogio, tem jus ser auxiliado
as obras de nossa matriz obras em que ha em-
pegado todo sou cuidado c at economas proprias
segundo consta. Emfim, dos distinctos Srs. Drs.
Herculano O. Gome* e capitao Rogoberto Barbosa
muito espera a Vicencia.
1 mi dlarurao polilico-militas do
niarechal Molcke Os joroaes de Berln,
no;- traz-m, eacreve o Excrcilo de Milao, os traba
Ihos da aeasao de 10 de marco em que o Reichs
tag discutio, pela primeira vez, o proj ct 1 do ma-
ree ial de Mol ke relativo as pei-so-s militares.
O Ilustre marecbal tomou primeiro a palavra
em lefeza da sua prooosta de lei.
L"inbrou que nao era nova, pois j tinha sido
discutida em precedentes legislaturas.
Nao tiuha elle por ecusequencia muito que aug-
mentar.
Alegrou-ee do apoio que lbe deu a direita, e nao
me >os o g iverno. responleu algumas objeccoes
da esquerda respeit da pandado de tratamento
de tod >a oa empregadoa do atado.
O orador paasou depois a nina ordem de consi-
der<;o s maia elevadas, com carcter politice mili-
tar, e dase;
O meu prej-cto n> seno apparentemente
contrario aos auteiiores prajeetts do governo, e
ni) coutein nada que p.issa dar-lha um valor di-
verso .
Ei tratei de redigir o meu orojecti d; modo
a nio vir a ser difficil a sua aceita^ao por parte da
cmara alta e do governo; alm disso, devo ac-
cretceutar que um certo valor retroactivo assas
desejavel e confirme justiea. (E' verdade).
E esoer> igualmente que se possa, dentro de
cerros limites, estender o beneficio desta relroac-
uviiade, sem irapor os excessivos sacrificios s fi-
nanzas, e espero que os fundos para 03 invlidos
do nnp rio podarao foruccer os meios necessarios;
sobretodo eu desejo vivamente que o nvu pi-ojec-
to teja quanto antis approvado na simpies forma
em que apresento.
(Ap-.lau.06).
o E' c un bun eneito evidente quanto deseja-
vel que oson;iaes os quaes. pelo peso do srvico
se acnam eiitr iq.iecidoa de forcas corp iraea e em
esta lo de nao poderem executar mais o servic),
nao se vejam obrigados a nutrir apprehensea
reapeito do seu futuro.
' Mena senhoreaI trata se aqui d'uma qaeatio
que se r pfrre nao ><> a esta p >sto que nmeros 1 e
eonaideraval elaaaa, mastambem a eveutuaes eim-
pirtautes situicO's poticas nacionaes.
Aqui se disae que ningaea tena p'nsado que,
depois da una gnerra que teve por effeito tao gran-
des mudanzas, tivessem <8 podi lo gozar da paz p ir
qui ize anuos. Sim, meus s-nh ires, esta abencoa-
da vantagem nos a d'vemos tanto sabedoria do
nosso imperador e do aeu chancellar como n urna
poltica, que, quanto poas>a julgal a, a historia do
mundo nao conteinpl -u aiuda igual; (muito bom)!
a que prova que asa um oderoso estado, que
dep os da solucio de importantes problsoaas so-
eia-s no interior, fez resplandecer valer n 1 cstran
ge.-o a sos forva, o seu prestigio, e a sua superio-
ridnd nao para opprimir 03 vlsunhoa, mas para
assegurar com elles aa anas relajos de paz.
E nao s i.to, senao tamoem para t>rnar-se
mediador de paz entre "S meamos visinhos.
(Vivos applausos).
Mas meus s 'nh .res, urna tal poltica r.ilo
p -ssiv'-l applic .r-se seriamente se nao com o apoio
d'um fone exercito sempre prompto guen-a.
Se esta gran le m)la falta 111 michin 1 d) es
tado, ella se deter: as notas do nosso mu sterio
dos negocias esTangeiros perderao a sua for^a
principal.
O exer-to tem sido o fundara"nto, sobre qu-
ilma tal piliiiea p'de ser edificada
E' o exercitoque por urna enrgica 'CQaisub-
o'.inistra a forQ 1 e a reserva, mas ao emqnaato e
al que elle se ache 1 -tF-.'Cfivauvnto prompto, em
io de eulrar am iain,ianha ae jamiia o fim pa-
citi'-o na 1 loase conaemiido.
E, m us seiih iros, com os of&ciaes do exercito
nao eo.ellieee s oexercito nosseus cumea maisele-
vadoa, maa o que deve mais seriamente dar pen-
sar, tu part assas importante constituida | el 3
capitaes e pelos tcnentes.
Meus senil res! se o exercito deve conseguir
o seu fim, queirais mantero exercito joven e vigo-
res), e p irtanto dai o voaao voto favoravel i. po-
posta da le sobre as pensos.
(Vivas e prolongados applausos)
Ijlcdr de JanlpnboDo Cat Ruy, na
ra d> liara > da Victoria, mandaram-nos urna
garrafa de licor de janipioo, de industria nacio-
nal.
Nao sabem)3 por quem preparado; mas ga-
rant mos aos am dores que excellente. Tem o
sabor e o perfume do fructo d; que f.-ito, lim-
pidie t au8parante, c perfeitamea:e manipu
lado.
Os apreciadores hao de uoatar quando o esperi-
111 aula 1 fia
l'rorlamas de casamcalo-Forim bi-
ds na matriz das Gra^aa no da 25 do corrente
os Heguintes :
De Manoel Srvalo Gomes da Silva com Ade-
lina Joaquina dos Santos.
De Luiz B-njamim da Sil/a com Anna Joaqui-
fort, Antonio Flix Pereira, Leonor Belmoate
Matra, Dr. Bemvindo Gurgel do Amaral Valente,
Lourenc/D Simos, Felcio Goberglia, Eneas Jos
Lins, Manoel la M. da Oonceicao, Manoel Ignacio,
Jos Bovande e sua senhora, Jos Rodrigues Lei-
te, Dr. Joaqutm A. Telles de Hollanda, Lourenco
J. de H. Souza, Dr. Francisco C. de Vasconcellos
Chaves, Luiz Carneiro, Jos R. Carvalho, Anto-
nio da Costa Lima, .ios Jaaquim F. Barbosa, sua
senhora e um filho, Antonio P. da Silva, Fran-
eiac 1 de Bnfo Lyra, Antonio Lemos e su seoho-
ra, Samuel Agnero, Joi M. Diaa Fernandea, Dr.
Antonio de Souza Carvalho, Fernando de Souza
Carvalho, Joha Pearce, Gustavo A. Voo Sbst-
thrutn e 2 criados.
Chegadoa da Europ no vapor inglez La
Plata :
W. I. Honey, J. J. Fose, Bornardino Beato,
Antonio Ribetro de Souza, Joa de Suiza Nu tes
Braga, Camillo Nunes da Silva, Anna Marques de
Amorim, Antonio JoSo de Amorim e sua senhora
Ada Smitb, Jos Augusto de Sarapaio, Joaquina
Moreira Keis e um filho, Salvador T. Valarino,
Jos B. Marques de Olivetr, Manoel de Freitas
Nogueira, Jos M de Oliveira, Joo M. de Oli-
veira, Manoel Fernandea.
Sabidos para o sul no mesmo vapor :
Jos Ferreira Jnior, Mari a Francisca da Con-
ceicao, Dr. Henrique Marques de Hollanda Ca
valcanteesua familia, Jos Malaquias Cavalcan-
te Lima, Dr. Henrique de Barros Lins, Josepba
Gomes de Oliveira, Anua Soares de Oliveira, An-
tonio Gomas de Medeiros.
Sabidos para o sul no vapor francez Vilh
de Victoria :
Senador Alvaro Birbalho Ucha Cavaleante,
Joaquim Magalhies, Carina Gomes, Francisco
Jorge de Souza, Francia Mare, Rosee Fraseis.
Joo M. Bastos, Manoel Ferreira Lins.
Operaro ciriirgieaForam praticadas
no hospital Pedro II no dia 26 do crrante as
seguintes :
Pelo Dr. Berardo :
Extracco de catarata dura pelo processo de
Grote.
Iridectomia em um olho e sclerotoma em outro
por gancoma.
Pelo Dr. Pontual :
Hydrocele pela puncao e cautensacio com ni-
trato de prata.
Lotera da provincia do Bio de Jn
neiro Eis os numeres mais premiados na 2a
parte da 117* lotera (363) em beneficio das ma-
tnzes e alfaias, extrahida em 14 do corrente :
r-REaos de 10O:0JO3000 a 1:000*000
2688 100:000*000
3911 20:000*000
4610 5:000*000
4318 2:000*000
9121 2:0110*000
307 1:000*000
5759 1:000*000
6637 1:000*000
7098 1:000*000
8020 1:000*000
13VP7 1:000*000
AFrnOXIMACOES
2687 1:000*000
2639 1:000*000
3910 600*000
3912 60ii*00o
4609 - 400*0)0
4611 40 1
4317 3a'*00o
4319 300*000
9t20 300* 00
9422 300*000
FKEMIOS DE 500*
1024 4328 76i8 12532 13689
1038 5387 7888 134K 13u77
219 6191 liTU8 13511
r-BEUlOS DE 2004O00
1145 5114 8002 9265 11750
1 77 5525 8030 9612 11860
3072 5662 8197 9963 12987
3114 72117 8452 10073 13076
3446 71Y'I P.iEMIO 9082 10466 1 de 100*000 13105
411 1440 3847 5485 7513 9313 9950
693 1416 4137 6091 7519 9469 10749
2087 4268 6 51 7627 9598 U239
11163 3168 4383 6576 7612 9816 11850
1072 2451 4744 7036 8664 9818 13092
1107 3075 4876 7239 8728 9846 13214
1235 3159 5126 7291 9203 992, 13411
xPKDrsm
Offleoe :
De 8 do corrente, da Junta Commercial de S
Salvador, communicando que assutnio a presiden-
cia d'essa Janta o deputado Augusto Silvestre de
Faria, por ter ido tomar aasento na Cmara Tem-
poraria, o respectivo presidente.Accuse se e sr-
chive-se.
Da 17 do corrente, do cotnraendadar inspector
da Thesouraria de Fazenda d'esta provincia, em
resposto ao officio que se Ihe dirigi 18 do raes
pasa id >, couaultan lo ae e>t legaba -nte aellado o
contrato da firma li > irigucs Lima tSt C A Junta
res/lve, deferindo a peticao do Dr. fiscal, qud sub-
metta-se despacho a indicada prorogacio de con-
trato.
De 17 do corrente, da Junta dos Corretores
desta praca, remetteudo o boletim das cotaces
officiaes de 12 a 17 do presenta mez.Para o ar-
chivo.
Diari03 officiaes de ns. 88 a 98.Sejam archi-
vados.
Distribuiram-se. rubrica os seguintes livros :
Diario e copiador de Joo Ferreira & C.
DESPACHOS
PeticSea:
De Tiburcio Oliveira k C, para qus ae d bai-
xa no registro da nomeicao de seu ex-caixeiro
Francisco Antonio Ferreira de Albuquerque.
D-se a baixa pedida.
De Albino da Costa Ramos e Manoel Simoes
dos Santos Ferreira, para que seja archivado o
contrato de sociedade em nome collectivo que ce-
lebrsram sob a firma de Ramos de Santos, com o
capital de 9:267*220, para o commercio do molha-
dos ra do Visconde de Inhama n. 75 e Largo
da Penha n. 62 B, d'esta cidade. Archive se.
De Jos de Macedo, para que se registre a no-
meac.in de seu caixeiro Paulino Baptista de Mene
zes. Registre-se.
De Jos da Silva Rodrigues, Jos Adolpho de
Oliveira Lima e Goncalo Alfredo Alves Pereira,
pata que se archive a prorogacio de contrato de
sociedade em nome collectivo para os dous primei-
ros aasociados e em commaddita para o terceiro,
sob a firma de Rodrigues Lima & C, com o mesmi
capital de 160.-009*, sendo o fundo em commandi-
ta de 70:000*, para a continuacao do commerco
de faz odas, neata prai;a.Adiado.
De Pedro Emilio Roberto, para que ae d baixa
no seu ex-caixeiro Joo Miguel dos Santos.Co-
mo re(uer.
De Antonio Leonardo Rodrigues, subraettondo
registro o coohecimeuto do imposto de corretor
geral desta praca.Registre-se.
A"s 10 3/4 levautou-se a sessio.
INDICARES UTEIS
em diligencias no sentido de capturar a borda
criminosos que aqui tem feito acampamento e vi-
ve afrontando a m ralidade publica.
O Sr. Dr. chefe de polica deve aproveitar os
bons desejos que tem o actual delegado de polica
deste termo, mandando para esta ci ade mais al-
gunas pracas, rara semelhanto fim. Com ato
prestar um importante servico aos pobre i na-
tutos.
Existe nesta cidade um th.'atro com bastan-
tea commodos, bem decorado, e pelo que nos pa-
rece o melbor qau ha na provincia, fra da capi-
tal. No estante ha bastante tempo do funecio-
na devido ao nao comparecimeuto de urna compa
nhia aiuda mesmo particular. L' peni velo assiin,
mas o que fuer, quando o noaso povo parece que
morre de iuliff renttsm), sem que procure um
remedio para semelhanto inf cidade 1
r^eilftea. Eff.'ctuar-se ho :
Hoje :
leo agente i'inlo, s 10 horas, tu nu da San-
dade, de movis, loucae, vidros, livro3, etc., etc.
Velo agente Burlamaqui, s 11 horas, na ra do
Imperador u. 22, dd predio.
Amauh :
Velo agente Brito, s 11 horas, ua ra do impe-
rador n 15 de predios.
Velo agente Modesto Baptista, aa 11 horis, ua
roa das Larangeiraa n. 18, de movis, lout; is, vi-
drts, te.
,'elo agente Mar<, s 11 horas, na na do
Bo n Jess n. 27, de movis, loucas, vidro3, etc.
Velo agente Pestaa, s 11 horas, ra dos Pi-
res n. 7. de movis, loucas, vidros, etc-
Velo agente Gusmo. s 11 horas, na ra do
Be B0 .n nos por aqu apparecesse urna das Bom Jess n 49, de movis diversos.
mutas compinhi n que ahi existera e dess um
espectculo, talvez que a cousa mclhoras.e, mas,
isto mais que imposaivel.
Au revovr
Vicencia. Eacrevem-nos em 12 do cor-
rente :
No sabbado ultitn', em trras do bem habita-
do engeuhi Bnrari, d'.sta freguezia, em urna bai-
xa as proximidades d'este e da casa de viven la
a sgglomeraco de urubs denunciava a alguna
trauseantes a existencia d'uma carnicada ; e, de
facto existia, como verificaratn os meamos tran-
sentes por se dirigirem ao luiial onde cneontra-
ram ptridos fragment s de carne humana a par
de urna caveira quasi deompusU !! !
Em acto continuo foi avisada a polica peLs
citados transentes; esta sob a criterioss e activa
direccao do reepeeti'o subdelegado o 8r. tncate
M. Estellita do O. Mello, com a presteza possivel
e observando in totum os preceitos da lei, para all
se dirigi.
Precedidas as precisas diligencias, consefimo
a autoridade colher a ioformacao de que alii havia
Quinta-feira
l'eo agente tinto, s 10 1/2 horas, na da
Senzala Nova n. 30, de .nove?, loucas, vidros,
etc
ilia<* fuueJirca.-Sero celebradas:
Hoje :
A'e 7 1/2 horas, na matriz da Boa-Via-a, por
alma de D. Josepba Mara Gincalvc Simoes ; s
8 horas, oo Carmo, por alma de Luiz Clcmcntino
Carneiro de Lyra ; s 8 horas, ni matriz do San-
to \utouio, por alma de Joio Justiniano Pereira
d Silva ; as 8 horas, no Espirito Santo, por alma
do capitao Jos Francisco de Salles.
- Amanb :
A's 7 horas, no Espirito Santo, por akia de
Manoel de Jess Jordo Caldeira.
Quinta-feira :
A's 8 horas, ne Corpo Santo, por alma d) Car-
los Moreira da Silva.
i'asaaieiros-Onega ios dos portes rio nor-
te no vapor nacional Espirito Santo :
Ijeonel da Carvalho, Antonio Joa, Joio T.
Co: deiro, Eduardo Rodrigues e sua senbora Lau-
rel tiao Fchx Pereira, Fabj Baiol, N. GoansBel-
13636
liolv-ria da provinciaQuinta-feira 29
da Abril, se extra iir a lotera n. 51, em bene-
ficio da matriz de Panelias.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora Ha
Conceicao dos Militares, se acharo expostas as
urnas e as espheras, arrumadas e.m ordem num-
rica aoreciacaodo publico.
Lioterla Kiiraordlaarla do Vpi-
r ansaO 4o e ul-imo sorteio das 4a e 5 series
deata importante lotera, cujo .naior premio de
150:000*000, ser extrahida a 12 de Junho proxi
mo.
Acham-sc exposto a venda os restos d. s bilhe-
jes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Mar; >
u. 23
IiOteria da corteA 2a parte da 196 lo-
tera ilacorre, cujo premio grande de 100: 000*,
ser extrahida no da 1 de Maio.
Os bilhetes achatn-se venda na Casa Feliz,
praea da Independencia ns. 37 e 39.
Tainbem se acham vendana Casa da Fortuna
>ua Primeiro de Marco n. 23.
Lotera de Macelo de OOtOOOSOOO
-A 5* parte da 12a I otaria, cujo premio gravada
de 200:000*000, pelo novo plano, ser extrahida
impreterivelmentc to dia 27 de Abril s 11 horas
da maulla.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In-
depeueia ns. 37 e 39.
Haiadoaro Publico. Forana abatidas
uo Matadouru da Cabanga 16 rezes para o consu-
mo do dia 22 do correte mez.
Mercado Municipal de S. Joa.O
mivimcuto deste Mercado nos dios 25 a 26 do cor-
rente, foi o seguinte:
tintraram :
73 1/2 bois pesaudo 10.315 kilos.
473 kilos de peixe a 20 ris 9 5460
64 cargas de farinha a 200 ris 12*800
26 ditas de fructas diversas a 300
ris 74800
29 taboleirof a 200 ris 5*8:'0
31 suiuos a 200 ris 6*200
Foram oceupados:
411/2 columnas a 600 ris 24*900
57 compartimentos de faiinha a
500 ris 28*500
47 compartimentos de comidas a
500 ris 23*500
144 1/2 ditos de bgumes a 400 res 57*800
35 compartimentos de suino a 7o0
ris 24*500
23 ditos de tressaras a 600 ris 13*800
4 talhos a 500 ris 2*000
20 ditos de ditos a 2* 40*000
108 talhos de carne verde a 1* 108*00!
Deve ter sido arrecaiada nestes das
a quantia de
Debi'us dos dias 25 de Marco a 26 di
corrente, recebidos
dem at i 6 do correte
Foi arree dado liquido
corrente
no da 26 do
365*060
22J200
387*26)
13J500
373*760
Hedicod
Conaultorio media. cirui ico do ir.
Pedro de Ualiyde Lobo Hoscoso
ra da doria n. 39.
O doutor Moscozo d consultas todos os.
lias litis, das 7 s 10 horas da manha'
Esto consultorio offerece a couiniodid:'
le de poder cada c'oente ser ouvido o ex
ninado, sem ser presenciado por outr
De meio dia s 3 horas da tarde ser
L)r. Moscozo encontrado no torreo pr*
a do Coinmercio, onde funcciona a ns
peceao de sade do porto. Para qualquei
Testes Jou3 pontos poderlo ser dirigidos
is chamados por carta as indicadas horas
Dr. Miguel Tkemudo mudou seu consul-
torio medico e residencia para a ra Nova
n. 7, 1. andar, ond.> d consultas das 12
Horas s 3 da tarde e recete cahmados a
qualquer hora. Especialidades p trtos fe-
bres, syphilis e molestias do pulmo o co-
JicSo.
Dr. Barrete Snmpaio d consultas de 1
s 4 horas da tar le, ra do Burila da
Victoria n. 45, 2 andar, resi lencia ru.i
lo Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advoiado
O bachirel Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. aD lar.
Henrique Mtf.et. Ra do Imperador n.
22, 1. andar. Encarrega-so de quesi M
as comarcas prximas as linhas forras.
Jos Bandeira de Mello advogado
ra do i nperador n. 37.
Dr. Oliveira Escorel. 2. promotor pu
buco, tem seu ^es-rptorio de advogacia da
ua Primeiro de Marco n. 2.
Uroitaria
Francisco Manoel da Siiva efe C, depo-
sitarios de todas as especialidades pharm
ceutioas, tintas, drogas, productos chiinio
e medicamentos homueop.itico'i, ra do Mar-
ques {de O inda n 23.
Faria, dobrinho & C, drogustas poi
attacado. Ra Mrquez dn Ohud n. 41.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e ojficina de campia
do Francisco dos autos Macedo. caes de
Capibari'ie n. 28. N'este grand-j estubole-
ciinento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-so e. venda-se maieiras de
todas as qualidades, serra-se inadeiras de
conta alhoia, assiin coirio se preparam obras
de carapira por machina e por proco* sem
competencia.
Precos do dia:
Carne verde a 480 e 28) tis o kflc.
Sainas a 560 <* 800 ris dem.
Carneiro a 600 e 900 ris idem.
Farinha de 3 JO a 56 I ris a cuia
Milho de 320 a 440 ris idem.
Feijao de 901 a 1*200 ris idem.
CHRONCA JDIC1ARIA
lunta CominerciaJ da cidade da
Reeifc
ACTA DA SESSl EM 2 1 DE ABRIL
DE 1886
ritESUlEXCIA DO ILLM. SB. DEPUTADO JOAQUIM
OLIXTO BASTOS
Secretario, Dr. Julio Guimaraei
A's 10 horas da manha, assuirjiudo a presidencia
o Sr. deputado Olinto Bastos, declarou aberta a
sessJo, estando presentes os Srs. depntado com-
mendador Lopes Machado e aupplente Hermino de
Figueirodo, faltando com participaciio verbal o Sr.
deputado Beltrao Janior e commendador presi-
dente.
Lida, foi approvada a acta da precedente sessao
e tex-se a leitura do seguinte
PlBLiLiCOES .PEDIDO
Faculdade de Direito do Recita
O campo da instruocao,las lettraa e das
sciencias deve sor neutro c niio deve ad
mittir distinecao do ir poltica para que a
justica n3o B ja sacrificada por motivo al-
gum, de qualquer ordem que soj-i.
Por 880, j que outros mais habilitados
nao se dignarara fazi'l o, tomaremos a de-
f za da Faculdade de Direito d'esta cidade
contra tu aecusacoes vagas e immerecidas
que ltimamente lbe team foito alguns jor-
uaes da corte e dosta provincia. .
Um artigo editorial vio Diario da Brazil,
transcripto na Oazeta de Noticias e nos jor-
nae3 desta capital, para demonstrar que
o as reformas do ensino superior, levadas
a effeito pelos Srs. Leoncio de Carvalho e
Franco do S, tr.insformar.im a Faculda le
de Medicina da Baha e, principalmente a
de Direito do Recifo, cm asylo da igno-
rancia, da audacia o da petulancia dos es-
tud.intes mal succe lidos nos exames pres
talos na corte e em S. Paulo, allega
simplesmente que alumnos reprovados
no primeiro annj da Faculdado di S.
Paulo, caixeiros de cobranca que pr
ram exaracs de preparatorios perante as
celebrrimas mesas de exarae existentes
as provincias, requerem ao directar da
Faculdado de Direito do Recife para se-
ren admittidos aos exames das materias
que constituem o curso, e sao elles sub
mi-ttidos e approvados ein todas as disci-
plinas, conquistando por esta forma o com
esta presteza, em poucos dias, o diploma
de tacbarel era sciencias jurdicas e si-
uiaes.
Mas isto nao tudo ; o artigo do Diario
da Brasil, sem poder citar nominal.nente
um facto solado, quanto mais provar tacto
nlgum comprobatorio de sua ass :rcao in-
fundada, com o maior desplante e com todo
o desembarazo, responde a interrogarlo
que a si proprio fez, do modo ".guinte :
nao sao tactos solados estes quo ahi t-
cam apontados, por isso que esses estu-
dantes, mal suecodidos na corte e em S.
Paulo, encaminham-se em bandos para a
Academia da Babia, e, principalmente, para
a Faculdade de Pernambuco, e em pouco
tempo voltam trazendoo .ploma do doutor
em medicina e de bacharel em direito e
apresentara-8e na corte em e S. Paulo, af-
frontando o sexaminadores que pouco tem-
po antes os haviara reprovado, declarando
por ultimo que a na FaoulJade du Direito
do Reuife o escndalo e a d-'sfacatez toca
ram ao maicr auge, e deutro em p>u :o os
mozas distinctos ahi formados verao asna
diplumas equiparados e ni velad is aos ex-
pedidos ou vendidos pelas universidades de
Philadelpb-ia e Bostock.
S por '\stas simples trafiscriptos co-
nheee-se a m ventada que o arti-.ulista do
Diario do Brasil, publicado na corte, vota
aos dous mais importantes estabelec i mon-
tos de iustruccad superior do nort3 do Im-
perio.
Mas tenha elle paciencia e consinta que
nao deixemos passar as suas assergSjs aem
mpugnauao de nossa parte.
0 facto de um ou inultos estudantes re-
provados om urna das duas faculdades de
oireto existentes no Imperio matricularem-
so na outra e redobrarem de esforgos e
estudos para sereno bam succedidos, nio
novo, sempre sj deu desde a origem d'a-
quellas fatuidades, sem que se consideras
se, como nao se pode considerar, aquclle
resultado como urna affronta aos primeiros
examinadores !
Se este facto tem se repetido ultimamen
te maior numero da vez^s e em prazos
mais curtos, nao isso devido a Faculdade
de Direito desta cidade e de S. Paulo,
mas sim aos estatutos de Janeiro do anno.
prximo lindo, ora suspensos, e ao decreto
de 19 le Abril de 1870, actualraonte e~:
vigor.
Pensamos at quo o citado decreto de
19 de A Dril, na parte em que faculta ou
permita exames extraordinarios depois dos
ordinarios em Novembro e em Margo, deve
ser modificado de modo a s serem admit-
tidos os referidos ex ames em Novembro ou
no liiu do anno lectivo, e s poderem fa-
zel os em Marco tinta ordinarios como ex
traordinarios os alumnos que, depois de
ins.'.ritos em Novembro, por motivo super-
veniente de molestia, houverem deixado de
fazer taes exames.
Nena podo justificar as arguicchs do
Diario do Brasil a circu nstancia da al-
guns dess-s estu tantea ter anteriormente
sido caixeiros de cobranca; porquanto o
facto, conhecido em todo o paiz, do tina
do senador Souza Franco ter sido caizeiro
em urna casa commercial do Para, no
principio da sua can eir, nio o impossioi-
htou de podar eatodar e depois excrcer os
cargos mais importantes.
Muitos dos illudidos estudantes sito lio-
raens fcitos iniciados na vida pratica e com
conheoiraentos g-raes sobre muitas das ma-
terias que se ciisiua.u as faculdades da
direito.
N.".o admira, pirtanto, que, tendo silo
mal succedidos em urna, fossem depois
maia folizes em outra das ditas faculda-
des.
Aqui mesmo, nesta provincia, houve al-
gum clamor; e nao duvidamos que che-
gasse a repercutir na corte e as outras
provincias, pela circumstaacia de ter-sc
forma io em piucos annoa o chefo de urna
das repartigoes mais importantes de3ta pro
vincia; entretanto a verdade que em
todas as suas pro vas eseriptis mereceu
a nota de soffrivel e b 'm s>ffrivel e fez
bis pro vas oraes, como notorio.
Xau temos tempo agora, ncm dados suf-
r dentea para verificar quaes os estudantes
do primeiro anno reprovados em S. Paulo
qne foram approvados na F-ieullade desta
ci ladeo.
Basta notarmos, para o fim que temos
em vista, que Beatos tres ltimos annos,
tanto em Novembro como om Mirgo nao
foram approvados todos os estudantes que
tizeram actos ordinarios o e extraordina-
rio do primeiro anno.
Al n desti.s consi leracojs quo lig-ira-
mentc a.abamos de fazer, levemos lem-
brar ao articulista do Diario do Brasil,
qu-; a can-a doterminanto da viada ic et-
tudantefl de S. Paulo emgrmlc nuien
para aqui faser seus exa ues est, como
Hiaaemoa, na propria le, que marcou epn
chas .los trabajaos lo ano i lectivo o de
exames cm tempes dfYVentes para as duas
Facul lade3 ; d'onde se v claramente que
muitos estuiantes de S. Paulo proeurarao
adiantar o seu curso aproveitando o favor
da lei; o que nao seria rasSo bastante para
reproVacilo de quintos vessem de S. Paulo.
Qu in lo m isiu ) houvesse um ou outro
fajto abusivo era algum dos ^nnos da Fa-
culdade de Direito desta cilade. que me-
recesse a de"cripg3o a as cores carregadas
do articulista do Diario do Brasil, nao
poda de modo algum autorisar e justificar
a aecusafao, qlancado a todo o corpo do-
cente da mes.na Faculdade, comprehen-
do assim os lentes que nelle n.to intervio-
ram ou dello n5o tiveram o menor conhe-
cimento.
Nada temos a oppor ao elevado con-cito
que o Diario do Brasil faz da Faculdade
do Direito de S. Paulo, e at nilo duvida-
mos declarar que tomos na mais distincta
consderacao o seu digno director e o sea
liustrado corpo docente; mas dahi nao so
egtM que a faculdade de Direito do R-
cifo merec o estigma e a desconsidera-
cao com que o mesmo Diario se dignou
tratal a.
O que podemos ass-verar ao Diario do
Brasil que na Faculdade de Direito dea-
ta cidade ainda ha lentes quo sabem com
p metrar-se do cumprimento de seua deve-
n-a, e que nd roceiam quo lhe apontem
actos ou factos qin os deadoirem o oa pos-
sain desconsiderar ante a opiniiti publi a.
Recifo, 14 de Abril de 1886.
Um perna'nbucano.
protestar sobre taes contradiccoes, afim de decla-
rar a verdad da couformi Ja le com. o que dissa
no meu depoimento.
Um dos pontos, ou o priiceiro a reparar o se -
guite: Eu naodisse ao escrivao queouvi o subde-
legado Joaquim de Alhaju-ripi Andrade Lima
assumir o exercicio na oecalo em que foram presos
os capangas ; eu disss que, -ouvi dizer, porm
nao pelo subdelegado, pois uai in i achava presen-
te na occasiao da pristi ; segando que apenas
podena ter se dalo ointerVallo de 10 minutos,
pouco mais ou m oos, deps do attentado cm-
mettido, a serem presos os :niividuos, e que foram
presos iinmediatainciite : a nao que elles foram
presos em flagrante... etc.; terceiro, que os pre-
sos foram interrogados pelo juiz de paz e nao no-
vemente. ; quarto, quesoubeque lbe foram ap-
plicados anginhos e outro sotFriinentos par elles
declararem -jne tinham sido a mandado do subde-
legado, porque j achava-se este boato vulgari-
sado e nao por ter ouvido dos proprios pre ta declaradlo : assim como, ouvi tambeo dizer
que elles disseram, que elles tinham vindo a man-
dado do juiz iitiittiiep.il. na oci-a-iao em que foram
presos, e r.ao do interrogatorio.
Acho que deixei por esta forma completamente
esclarecidos os pontos c.mtidos no meu depoimen-
t i, que taziam-me figurar como testemunha de
vista, ao passo que, tu Jo quanto eu disse nomea-
mo, f)i to somente que ouvi dizer.
Nu gostando de tomar parte nestas Jutas, na
fiz esforco algum para assistd-as ; nao s nio
comparec ao acto da prisao dos ditn3 individujs,
como tambern no do intcrrogatoriorque sendo cha-
mado pelo juiz de paz pira ir assistil-o, fui na
mesma occasiao convidado por um amigo para
jantar, ao qne aquiesc e disse ao juiz de paz que
viria assignar depois, como de facto assim o fiz,
depois de lelo e mandar lr visti dos meamos
presos, os quaes disseram que estava de confor-
midade com o que elles tinham dito.
Peco aos mi us co-religionanos c tambem a
qualquer dos amigos d poltica divergente, que
queiran desculpar-me, se com o presente protesto
os offendi; pois com i h >mem de bem, que presu-
mo ser, sempre tivn por divisa fallara verdade, e
isto embora com prejuizo da minba parto, ae pre-
ciso for.
Engenho Aiaga-Danti, 7 de abril de 1886.
Francisco Cabral de M'llo Cavaleante.
mSSbBb
ima lagrima
A' SESTIDA MORTE DO DR. FLIX DK
KIGL'EIROA FARIA
Silencio O vasto eco das lettraa patrias
L)a cerra^io as dooras se embu^ou !
(,'h iram as nuvens, as estrellas choram
Pelo astro que alm se eclyp30U !
Astro brilhante, coja luz sublime
Se espalhou pelo mundo da sciencia.
Lvido c morto baqueou no occaso
Onde perdeu tao vivida explendencia !
II
Elle era um genio... as vistas alongando
S fitava um porvir cheio de luz ;
Porosa manerbo, no fervor dos anuos
Cahio na estrada se abraQindo a cruz!
Sunhou venturas, sacrosantas glorias,
Das renlas pur. s se liboa no mel,
Na fronte, altiva llie osculara o Eterno,
Mas deu-lhe a mort-envenenado fel.
N'a sua es'rala se encontrava espinhos,
Roineiro firme camiuhava en'ao ;
Se algu m da turba lhe dizia :para
Voltando o rosto murmurava :nao
Nao foi um Byronno luctar insano;
Mas, nem por istoJe luctar deixou :
Amando o ectudo, a liberdade, as lettraa
Juuto a uina louza etreineceu, tombov.
Da mocidade em sua aurora mystica
Sombra noite a luz ennegrece .. ;
(Jom o peito ardente de esperanzas doces
Aguia altaneira para o azul se crgucu !
AtiY ufando os cmbales deste mundo
Novo iyden nao procurou arnez ;
Quando a hora fatal gntuu-Ilie :basta :
Escutou-a e cahio por urna vez .'
III
M >rreu Cliorem amigos, chore o mundo
Porque amando as lettras se fiuduu !
Chorem a luz d ata sgrala alampada
Que no templo da sciencia irradiou !
Morreu Foi b. m cusa la a mao da morte
Se a existencia Iba abra inda um torriso :
Despedio-se da trra e foi cantando
Abracar-se Com Deus nj paraizo.
D e n'alraa ver a aurora cambiante
Mirgulhar-sc no mir da i scuridao ;
Se pois su'alma foi brinc ir coos anjos
BalZM iea coipo sepulchral mansao .'
Meu Deus, que luct > mine s A natureza
S loca, geme e ch ira, que afflicao !
O co da intelligtncia ae entristece
Pelo genio que mais nao vive entao.
AMARO PESSOA.
Despedida
Protesto
Tendo sido chamado Tunbaba pelo delegado
para depr sobre o attentado commettido no dia
15 de Janeiro prximo passado, ua elegi que se
procedeu para deputado geral, na parochia de S.
Vicente, ahi comparec e dei o meo depoitnecto
de conformidad.- coma miuha conscieucia, segun-
do o conhecimeuto qu tinha de todo o oceorrido.
Depois de passados alguns dias, deram-me no-
ticias de que no meu depoiracnto existiam certas
affirinativas contrarias ao que eu tinha dito ; em
vista de taes boatos dirigi-me casa do escriva)
e pedi-lhe o depoimento afim de certificar-me ae
era exacto o que diziam : cora i fleito eucontrei no
mestao depoimento alguna pontos qne, nao estan-
do de couformidade com o que ei disse (nao sei
se isto devido miuha boa f em nao pre.-tar a
menor attencao. cu a alguna equvocos da parte
do mesmo escrivao), por certo nt$o de-o deixar
sem reparo, pelo que aou forcado a vir impreoaa
O senador Alvaro 11 irbaihi Uch i Civalcante,
por encouiaiedos de saude, na > p> W d'sp^dir-se
de seua amigos ; pedindo Ih's desculpa, off-reee-
Ihcs seu prestimo no Kio de Janeiro, onde yai de-
morar se durante a prxima sessao legislativa.
Recife, 23 do abril de 188H.
A" .salidora memoria do amiga
de infancia. r. Flix deFi
guelra Faria.
SONETO
N'este momento de tristeza austera,
Em que roiuh'alma. cheia de saudade,
Vein derramar o prunto da amizade,
Junto ao 'umulo do amigo que venera |
As flores da eloquencia eu s quizera,
Para, eumprindo as leis da equidade,
Cantar o que subi Erernidade,
Na risonha estaao da primavera.
O que foi o fiando sobre a terra,
Sob o co que o tem neste moncento !..
Cale, pois, o bardo pobre que o venera.
Na campa que seu corpo hoje encerra,
Urna lagrima mais, mais um lamento.
. Neste momento de tristeza austera !
Arraial, 25 de abr? de 1886.
Antonio Ignacio de Torres Bai}deira1_
Cuuiara Municipal
Proposta. Em vista do artigo 14 da
le n. 3029 de 29 de Janeiro de 1881, pode
o deputado provincial durante mesmo a
legislatura contraotar com a Cmara Mu
uicipal a factura do vro de tombo di
mesma ^amara T
Resposta.
Pens que niio ha a menor imeoropatibi-
ldade. A factura do livro do tombo nSa
est comprehendida as liypotbeses da uftt
14 da lei citada como imcompatibilidades,
pela sua naturaza, nao se deduzmm o sim
sao marcadas positivamente pela lei, so-
gue-se que o referido artigo nao poda
abrangar a hypotheso de que traeta a
consulta supra sub consultas.
Recife, -20 de Abril de 1S86.
O advogado.
Jos DinizBarret9
~r i T I i il i


Diario de PcriiumhucriTerpa-feira 27 de Abril de 1C'6

V
u

Concordo.
Era at supra.
Joo Barbrho IJ. Cavalcante.
Concordo, porquantoo artigo citado re-
fere-se a contracto cotn o govemo provin-
cial.
Data ut supra
Ayres Oama.
Declarado
Declaro sos mcus amigos e constituntes e ao
publico em geral, que tomei boje conta do meu
escnptsrio de advocacia, e que portento posso ser
d'ora em diante procurado para os misteres da
minha profinsao das 10 horas da manha s 4 da
tarde, na praca de Pedro II n. 6, 1." andar.
Por esta occasio nao posso deizar de mani-
festar a minha gralidao ao meu particular amigo
e collega Dr. Joao Feliciano da Motta e Albu-
que, pela maneira inteligente, probidoaa e leal,
por que dirigi durante a minha ausencia desta
provincia todos os negocios que tinha a meu car-
go, e que deixei condados sua reconhecida seli-
citude.
Recife, 22 de Abril de 1886.
Jos Vicente Meira do Vasconcellos.
No di a 15 de Abril deste anno chegou nesta
capital de Pernambuco o Sr. Francisco Camello
de Andrada, com sua Extna. familia, vindo do
povoad) do Salgado de Itabaianoa, a esta capal,
afim de assistir aos actos religiosos da Secitna
Santa. E como teve a feliz sorte de chegar em aaz,
maado publicar a sua chegada para quu fiqpem
satisfeitos os aeus amigos comprovincianos dauPa-
rahyba.
Recife, 20 de Abril de 1886.
Collegio de Santa Lucia
Para o sexo femlnlno
Este collegio funeciona sob a direcjXo
das Sras. D. Anna do Reg Almeida e D.
Luzia Neporauceno Duarte, no 2o andar
do sobrado sito ra Duque de Casias n.
59. Alcm das pnmeiras letras, e todo o
tiabalho de agulba, ensinasn tambem fran-
cez, (escrever e fallar), inglez, portuguez,
gsographia, aritbmetica, desenlio, msica,
piano, e ires artificiaos de tod.is as espe-
cies etc.
Avisa-se ao publico, esperando todo o
acolbimento e protecco, certo de que em-
pregarlo todo o esmero no adiantamento de
suas alumnas ; funeciona todos os dias
uteis exceptnos domingos e dias santifica-
dos.
Recebam-se alumnas internas e meia
pendonistas e externas por preeos razoa-
reis.
Ra Duque de Caxias n. 59, (antiga do
Queimado.\
N'5. A EmulsSo de Scott muito re-
commendada pelos mdicos como o melhor
remedio para a tsica pulmonar e molestias
do pciti e da garganta-
Restaura o organismo das pessoas pre-
dispostas tsica e fortifica contra os ata-
ques da doenca.
Xarope de Mat-mat
O Nal-mat (leeyth'e idatimon) com o
qual se prepara este xarope um vegetal da flora
Br.iaileira.
E' um agente therapeutico poderosissimo con-
tra as molestias do peito e da asthina.
Oa numerosos affectado3 que dclle tem feito uso
conseguirn] um resultado muito satisfactorio, aca-
tando por se reconhe ier que at hoje a melhor
preparado para a cura da anllima. bron
chile asilimaii< h. e milita e opprea
<"<, dispensado o emprego do arsenio, folbas
de estramonio e plantas narcticas que acabara
quasi sempre pelo abuso que delles se faz e ites-
mo pelo uso prolongado por produzir effeitos des-
astrosos sobre a sade e em geral en torpe timn to
do cerebro.
Vndese na Botica Francesa de Rouquayrol Fie
rtt, successores de A. Caors
> tt-Raa da Cruz*. S*
RECIFE
-----------aeeee
Fados e nao palavr as
Aos q>i2sfe desejam tratar sem eomprometter a
saude com preparado! mineralgicos.
Nesta typographia e na rus Direita n. 43, l.o
andar veude-se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
ainda mesmo bronchitico; eiysipela, enxaqnecas;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
tosse convulsa, falta de menstruacao ; cmaras de
sangue : estericos ou metntc ; dores de dentes ou
nevralgias, metrorragia ; vermfugos, denticao e
convulses das criancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos.
,
C, Heckniann
Usinas de cobre, i'atSo e bfonze ee d
G-ditzer fer n. 9 Berlina S. O.
Espeefalldade:
Construcpo de machi-
nas e apparelhos
para famicas de assucar, destillacSes e re-
tinadles eom todos os aperfeceamentos
modernos.
INSTALLACAO DE 3
Engenhos de assucar completos
Eatabelecimentp filial na Havana sob *
mesma firma ele C. leck naun.
C. e San Ignacjo n. 17.
l'nicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informales dijijamse ai
Pohlman &C
Hi do Comnio 110
- > *
Pedid- ao publico em geral
O abalxo assignado, pede ao benemrito p vo
per nac iu cano que se digne ler o annuncio de
sua esiola, o qual se acha publicado nesta fo ha
em lugar competente.
Educa e instrue a infancia, pelo systema dos
pnneipaos colle^ios da Corte do Imperio, onde
estove por algum tempo passeio, cujo systema
a paciencia e a vocuc&o, e nao numerosos casti-
gos sein resultado algum, como s veemenm-
rias escolas desta provincia.
Espera, pois, que o povo brasileiro saiba apre-
ciar o seu verdadeiro ensino primario, em desafio
ao magisterio, onde as cranlas rpidamente ce santos conselbja abnic im de coracao os livroa e as
lettras.
Julio Soares de Azeoedo.
marcado o prazo de 60 das, contados daquella
date, para dentro delle cutrar em ejercicio da
referida cudeira.
Secretaria da Iwtruccao Publica de Pernambu
eo, 24 de Abril de 86. O secretario,
Pergentino 8. de Araujo Gal vio.
Edfyil n. 734
Licor depurativo vegetal iodailo
1)0
Medio (luinteI la
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de tito grande fama iufallivrl na cura de todas
hs doencas syphiliticas, escrofulosas, rheumaticu
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheuma i
cas, os.eocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, inflaman
coes vacerae-, d'olbos, ouvid >s, garganta, iritis
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou dialhericos, assim como na alopecia ou qn.ila
do i-ab'llo, e as doencas determinadas per sat i
raca> Mercurial. Dito-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
espec fico nos hospitaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinhs & C.
Ra do Mrquez de linda n. 41.
Ao publico
Os abaixo a8signados, teodo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e rtulos d.is
suas preparacoes na unta commerciai do Rio de,
Janeiro de conf rurdade con, as prescrip^oes dns
leis do imperio do Brasil, declaram e participam
aos inte ressados, que como nicos proprietarios,
tem direito exclusivo de usar as marexs indus-
triaos i: rtulos relacionados com i. manufactura,
fabricaco e venda das s guires preparado as ;
Agua de Florida de Murruy e Laman.
Touio Oriental.
Peitorai de Anacahuite.
Pattilhhs Vermfugas de Kemp.
Oleo de fgado de bacalho de Lnnman & Kem .
Emulsao de oleo de figado de bacalho com hy-
pophesphites, de Lanmam & Kemp.
Sulsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, p irtanto, perseguirad a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sijam castigados com teda
a severidade da le.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquelles que tentara substituir as nossas prepa-
racoes aciina mencionadas cim artigos falsificadas
que levam rtulos ou marcas industriaos que imi-
ta in as nossas.
Lanman & Kemp.
EDITAES
COMERCIO
Pernan
liuN coiumerclal de
buco
Recife, 26 de Abril de 1886
As tres horas da tara
'-'oface* offiaei
Cambio sobre tidrtt. 90 d/v. 21 d. por 14000,
do nano, sabbado.
Cambio sobre o Porto, viste, 258 0/0 de premio,
do banco.
P. i. Pinto,
Presidente
bandido C. G. Alcof jrado
Secretario.
ttENIMENTOS PUBLICOi
Mea de Abril de l&to
Edital n. 735
De ordem do inspector geral se declara ao prc
retsor Antonio Casado de Araujo Cavalcante, uo -
meado par portara da presidencia da provincia,
de 26 de Marco ultimo, para reger a cadeira d<)
:exo masculino de Abreu de Una, que lhe fien
^a^aa"*^a,,s"a"""""a""aii
16 biriis a Antonio Mara di.
O inspector geral ia instruccao publica manda
fazer constar s professoras di ensino primario,
( ainilla do Carma Torres e Generosa do Reg
Medeiros Cavalcante de Albuqucrque, esta da ca-
deira da Embeiibcira e aquella da de Pao d'Albo,
que por acto da presidencia da provincia de 17
do corren te, permittio se lhes prrmutarem as ca-
diras que regem, e se lb8 inarcou o prazo de 30
das a con'ar daquella aate, para tomar posee e
assuinir o exi'rcteio de suas cadeiras.
Secretaria da lostruccjlo Publica de Pernambun-
co, 21 de Abril de 188G.
O secretario,
_____________Perqentino S. de Araujo Galvao
Tlie.sourara de Fazenda de Per-
nambuco *l de abril de t *>
O inspe -tor, era cumprimento ao telu-
graruma de S. Exc. o Sr. ministro e se-
cretario de Estado dos Negocios da Fazen-
da e presidente do Tribunal to Thcsour j
Nacional, expedido a 21 do corrente e in-
trigue no subsequente dia pela mauhil, pu
blca, para conheciinento de queni possa
interessar o d icrcto n. 9581 da 17, tara
bem desto raez, e as instruccSes expedidas
para exoeucao do referido decreto.
Antonio Caetan o da Silva Kelly.
DECBETO N. SJ581 DE 17 ABBIL DE 1886,
AUTOH18ANDO A CONVER8AO DAS APOLI-
CES DA DIVIDA PUBLICA DE JUBO DE 6 "i,
EMITTIDAS EM VIRTUDE DA LE DE 15 DE
NOVEMBBO DE 18i7.
H por bem, para execucilo do art.
7o da lei n 3229 de 3 de setembro de
4884, decretar :
Art. 1 O ministro o secretario de Esta-
do dos Negocios da Fazenda, fica autori
sado para converter em ttulos de 5 (0 as
apolles de 6 i0, emittidas em virtude da
lei de 15 de Novembro de 1827, e a fazer
operaos de crdito para embolsar ao par
e por series, mediante ssrteij, os portado-
res das apolices de 6 [tf, que n5o quize-
rem recebar em troca aqueiles ttulos.
Art. 2o Considerar-se-ha como tendo
aceitado a convei'sSo os possuidores que
no reclaraarem o embolso dentro dos se
guintes pr.isos: duz dias, contados ue 26
do corrente para a corte e provincia do
Rio de Janeiro; quinze dias, a partir da
mesnia data, pira as provincias servidas
pelo tolcgrapho ; c pira aquellas, em que
nao existir correspond-ncia telegrap ica,
quinze dias contados da publicacto dcstn
decreta na respectiva folha oficial ; e final
mente, quaremta o cinco dias pira o exte-
rior do imperio a contar do referido da 26
do corrente
Art. 3o Nlo precisara d autorisacao
ou f'.rmalidade judiciaria para aceitar a
conversSo:
Io Os tutores, curadores, gerentes, ad-
ministradores e ma's representantes legaes
ou necessanos do dono de apolices.
2o Os usufructuarios ou herdeiros fidu
ciario8 nos casos di usofrueto e fi lei com
m8so.
Art. 4" As reclmameles serao dirigidas
repartiyao onde se echarem inscriptas as
apolices, ou ielegaoia do thesouiv em
Londres, se o proprietario se adiar fira
do imperio e preferir este alvitre, entre
gan lo-se nesse acto os ttulos de que se
elar recibo.
Art. 5o Logo que for aprosentala a re
clamacao cessar o direito ele transferencia
das apolices, continuando, porra, a cr
contarlos os juros at ao da do resgate.
Art. 6o As apolices, cu jo pagamento
n2o houver sido r-idamado, vecerao os ju
ros do 6 r0 at 31 de Dezi'mbro do cor
rente anno, e do b 0 do Io de Janeiro de
1?87 em diante.
Art. 7o A troca dasapoli.es de 6 |8 pe
los uovos ttulos, far-3e-lia sera despesa para
os aceita ates da conversao, no Theaouro,
Thesourarias de Fazenaa o delegacia do
Thesouroein Londres;eraquanto, porm, se
nao realis..r esta operajio, servir para as
transferencias e mais t:ansacc3es as apolices
antigs, fic.indo sem effeiti a declaracio que
ah se l a respeito da taxa dos juros.
Art. 8o O novos ttulos serito em tud
equiparados s apolices at hoje einitti
dos.
Bardinba
Silva.
Vinagre 5 barris a Ramos & Santos, 5 a F
Ferreira Alberto 4 C.
Vinho 191 pipas 292 quintos e 411 decimos
ordem. 23 pipus e 25 quintos a Souza a
Basto Ainorim 4 C, 1 barril a Antonio Mara da
Silva.
iLiiK s-n, 1 24
'era el< 26
KlfJKHB JR1*----l>r
Ibi-m de 26
1 21
522.893538
39.525 366
562:418904
35:1374149
4:413*923
Lugar inglez Vigilante, entrado de Santa f_>-
thariua no da 24 do corrente e consignado a Pe-
reira Carneiro & C. manitestou ;
Farinha de mandioca 8,000 saceos aos consigna-
tarios.
Lugar ingle Brothere, entrado do Rio Grande
do Sul no da 24 do corrente e consignado a Aico-
rim limis ck C., manitestou :
Farinha de mandioca 3,800 saceos as consigna-
tarios.
CoaaoLAiv Bi7iici4t. L'e 1 21
liar, di 26
Racura dbmra**IJh 1 24
dem de 26
39.5514072
89:0084400
3--138910
92:1874310
13:562*322
1:0474633
14:609*955
DESPACPIOS DE IMPORTAQO
Patacho portuguez A Eliza, entrado de Porto e
Figueira no dia 21 do corrente e consignado a Bai-
lar Oiiveira & C taanif.-siou :
Car Az-'itonas S ancoretis a s consignatarios.
Batoques 2 saceos aos mesmos, 1 a A. Pereira
Gomes.
Ferragens 24 volumes a A. D. Carneiro Vianna,
25 a Almeida Machado & C.
Formas 1 c&ix i aos consignatarios.
Panno de linho 1 caiza ordem.
Ruinas 20 saceos ordem.
Vinho 20 barris de quinto a Francsco Ferreira
Borges 2 a J-L. L FcTreira Rodrigues & C, 15 a Sulxer Kuufftran
& C.
Velas 5 caias a Albina Jos da Cruz. ,
Carga de Figueira
Poliame 4 caixas a C. C. da Costa Moreira
4c L*.
Vapor nacional Espirito Santo, eutrado dos
portas do norte no da 24 do corrente e consig-
nado ao Visconde da Itaqui do Norte, mani-
festou :
Bacalho 100 barricas a Mendes Lima & C.
Barris vRsuis 200 a Pereira Pnto & C.
Fumo 6 volumes a Lopes Jt Braga.
Fiirinh- do mandioca 5l 0 saccas a Maia < R-:-
zpnde, 20J a L. 6. da Silva & Pinto, 141 a Amo-
iini Irmaos A C.
Peixe 6 encapados a Domingos Alves Matheus.
Salsa 56 rolos a F. M. da Silva & C.
Brigue inglez Antonio Mara, entrado de Lon -
dres no dia 22 do corrente c consignado a Fonseca
Irmaos & C, manitestou :
Arroz 400 saceos ordem.
Amostras 1 vulumc oidem.
Cartuchos 2 caixas a Simuel P. Johnston ft C.
Cimento 702 barricas ordem.
Cervej 80 caixns ordem
Chumbo de muuicao 60 barris a Vianna Castro
&C.
Orogas 5 volumes ordem.
Dirmentes de trro3330 Estrada de ferio de
Sao Francisco.
Ferragens 1 volume ordem, 2 a A. D. Car-
neir > Vianna.
Giz 4 barricas ordem.
Louca 5 caixas jrdem.
Materiaes pan> esgoto 1550 volumes e pecas i
Kecife Draynage Company, ditas para estrada de
ferro 168 volumes e pecas Estrada de ferro de
bao Fraucisco.
Oleo de linhaea 50 tambores a Alamson Howie
& L*.
Piche 32 barricas ordem.
Provis5e 71 caixas ordem.
Phosphores 30 caixoes a Prente Vianna St C.
Pedacos de m>'deira594 ordem.
Plvora 100 barris de quarto a Saunders Bro-
thers fe C, 500 a Prente Viannn & G., 200 a
Jos de Macedo, 350 e 2) caixas a Samuel P.
Jjbnetou & C.
Salitre 70 barricas ordem, 50 a SaraUol P.
Johnston a C, 50 a Prente Vianna ft C.
Seb 40 barricas ordem. Ufj
ooui *! Harneas a oruem
Soda 3 barricas ordem.
U 3*
Trapos 8 fardos Estrada de ferro di Reeife
ao Sao Francisco.
Tijolos pro va ie fog 5000 mesma, ;itus de
limpar facas 30caixas ordem.
Tintas 100 barricas Adamson Howie & C.
Tinta 6 barricas a Wliam Halliday c C
V^por francez Equatenr. entrado de Buenos-
Arres e escalas no dia 25 do corrente e consignado
a Augusto Laliille, manifestou :
Xarque 969 fardos, a Pereira Carneiro & C,
8CO a Amorim Irmaoi> & C, 800 a Maia & Rezen-
de,5 O a Jos da Silva Loyo v Filho, 406 a Bal
tar Oliveira fe C.
Ha'e nacional D. Antonia, entrado de Mossor
no da 24 do corrente e consignado a Bartholomeu
Lourenco, maniteitiu :
Sal 250 alqueires ao consignatario.
DESPACHOS dTexportaqao
Em 24 de Abril de 1886
Para o exterior
No vapor francs Ville de Pernambuco, car-
regaram :
Para o H ivre, A. Labille 450 couros salgado
com 5,400 kilos e 2 ditos espichados com 14 ditos ;
H. Burle st C. 1 barril com 96 litros de aguar
dente.
No vapir francez Equateur. carregaram :
Para Paris, A. Reg & C. 6,000 graos de ouro
vclhu e 4,(X>J ditos de prata velha ; J. Krause C. 22 kilos de ouro velbo e 52 ditos de prata ve-
Iht; E Guetsih 1 6,000 grlos de ouro velho, 8,00J
ditos de prata velha e 2,000 passaros seceos.
Para Lisboa, A. de Souza Campos 4 garrafoes
com 56 litros de agurdente e 2 caixas com 90
kil is de-doce.
Para o interior
No vapor oriental Vwvciras, carregaram :
Para o Rio Grande do Sul, V. da Silveira 325
volumes cim 31,250 kilos de assucar braneo e 225
Ml-rieai com 24,760 ditos de dito mascarada ; L.
J. S. GuimarSes 525 barricas oom 40,375 ditos de
lito braneo e 25 ditas com 2,725 ditos de dito
mascavado; F. de M:edo 110 saceos oom 7,490
ditos de dito braaco e 200 ditos com 15,000 ditos
de dito maseavado ; Burle C. 291 ditos coa
21,825 ditos de dito braas 101 toa mm 8,075
ditos de dito mascavada.
No vapor nagional fjMb Anta
garam :
Para o Rio de Janeiro, P. Carneiro & C. 60
tardos com 9,840 kilos de algodao ; F. A. de Aze-
vedo 100 saceos com 6,000 kilos de assucar bran-
eo e 200 ditos com 12,000 ditos de dito maseava-
do ; J. Meyer 50 ditos com 3,750 ditos de dito ;
Bartholomeu &C. 8ucceBsor8 24 volumes vinho
jarubeba ; Esnaty & Banks 7 barricas com 5,405
k ilos de d ce.
Para Bahia^ E. C. BeltrJo & Irmo 15 barricas
com 1,171 kilos do assucar refinado.
= No hiate nacional Deus te Gue, carrega-
FrancBCo Belisario Soares de Souza,
do meu conselho, ministro e secretario de
Kstado dos Negocios da Fazenda o presi-
dente do Tribunal da Thesouro Nacional,
assim o tenha entendido e taya executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 17 de abril
de 1886, 65 da Independencia e do Impe-
rio. Com a rubrica de Sua Magestade o Im-
perador. Francisco Belisario Soares de
Souza.
INSTBUCf,'3ES PARA EXECUgAO DO DECUETO
N. 9)8l DESTA DATA
Art. Io Os pessuidores de apolices qm
optarem pelo embolso, pdenlo fazer por
si, seus mandatarios e representantes le-
gaes as reclmameles parante as repartas :8
em que recebara os juros, ou perante a de-
legaca do Thesouro era Lon Ires, se esti
verem no exterior do Imperio e preferir-ira
este alvitre. As reelaraacSes deverSo m n-
cionar a nume-ragao e v. lor dos ttulos e
o anno da emisso, etc., reconhecida
e legalisada, a assignatura do interes-
sado, seu procurador ou representante ne-
cessario. As que forem dirigidas de-
lega ia, indi aro mais o lugar em que se
cobrara os jur.is. Os reclamantes apresen
taro titulos, a procurado especial, se fo
re'ui simples mandatarios, e a autorisaejlo
do poder competente, se forera represen-
tantes legaes: de tudo dar-se-llies-ha reci
bo em firma.
Art. 2o Finios os prasos marcados no
decreto lesta data as thesourarias e a de-
legaca communicarilo ao Thesouro pelo
meio mais prorapto a sorama a que altui-
gera os pedidos de embolso.
Art. 3o A deleg.icia enviar os docu-
mentos e titulos repartigao era que se pa-
ga m os juros.
Art. 4" A Caixa da AraortsagSo e aB
Thesourarias, medida que forem rece-
bendo as reclaraacojs conferiro os nme-
ros das apolices com os constantes das
inscripcjes ou eontas correntcs, e encer-
rando estas, para que se nao possain dur
transferencias, declararlo no verso do pe
dido que firam prnenchidas as disposigSee
legaes, ou inforuiarao sobre quaesquer du-
vidas que apparecim.
Art. 5" Era seguida remetiera ao The
aouro todos os papis e titulos e ura ex
tracto das inscripcois que, no dia em que
principiar a executar se o decreto desta
data, existan em seus livros, mencionando
os nmeros e valor das apolices e as clau-
las.
Art. 6" Verifica los no Thesouro os n-
meros o posse das apolices, organia r s -
ha urna relaco do> possuidores qa nao
houverera aceitado a conversao, ele>-ignaii-
dn-8 a importancia que cada u.u eleve rc-
eeber ; urna relayae dos possuidnres que
tiverera annuido a conv.!rs5o, mencionan-
do-se as clausulas d* inscripto, os nme-
ros e Vidor dos novos ttulos que lhes se-
rao entregues. Eisas relayflcs devera > ser
enviadas opportunamente s reparticS-s
que t'-n .am de realisur o pagamento e as
novas in8cripi,oes.
Art. 7" Como pcrmittdo a transte-
rjncia das anolices, cujos donos aceitarem
a conversao, as repartieses era qu' se hou-
verera de iasw os langaraentos terao em
vista, nbrindo as novas inscrpci :s, as mu-
danzas occorridas por transferencia, cau-
cho, etc.
Art. 8" O embolso ele ap dices gravadas
com clausulas, s poder ser elfcctuado
em pr8ena de autorisagilo expressa do
po-tor competente.
Art. 9o. Estando prompto os novos t-
tulos proceder-se-h i substituivSo no The-
souro, Thesourarias e Fazonda e delega ia
em Londres, recolhendo-so os antigos
C;. xa da Amortisaco, nos termos das dis-
posie;3js vigentes.
PubIique-8' quanto antes o decreto e in-
truccSe de que trata o presente telegramraa.
(Assignadei) F. Belisario Soares do Sou-
za.
"DECLARCOES

Obras Publicas
De ordem di Illm. Sr. engenheiro chele da re-
particao das obras publicas, tafo publico que, em
virtude di autars.-ic'> do Exin. Sr vice presiden-
te da provin-iii. no dia 31 d.i e/rrente, ircib^-se
neita repartido, ao meio di, piopostas para a
execucilo das obras de reparos dos dous pontilbetes
do aterro do Porto d* Gallinhas, na importancia
de 9004, e da punte sobre o rio Ipojuca, no enge-
nho Limoeiro, na da 3504, com o augmento de 10
0/0 nos respectivos orcamentos.
As condicoes dos contratos acham-se disposi-
co dos sciihores prctendentes para serem exami-
nad-iB nes'a secretaria.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas, 20
de Abril de 1886.
O secretario,
Joo Joaquim de Siqueira Varejdo
FCOliailIH
De ordem do Exm. Sr. director iutenno se faz
publico que em attenc.il i conveniencia do serv-
90 das nas preparatorias de scii-ncias, foi pelo
iiiesiiio Exm. Sr. conielheiro direator prorogado o
prazo da matricula das mesmas aulas at o 1 de
Mao prximo v tude do art. 17 d.> regulamento das aulas prepa
ratoria9 as ferias da paacboa restringem-se torne-
is aos dias da semana santa.
Secretaria da Faculdade de Direito da Recife,
24 de Abril de 1886O secretario,
Jos Honorio B de Mem>zes.
VENERAVEL
Conlraria de Smia Hita de Cassia
De ordem do innao sub-regedor c de conformi-
dade ^oin o art. 66 do nosso comproinsso. convido
aos irmaos di-sta confraria para que, reunidos no
consistorio da es donro. pelas 9 horas da mauhil e depois da inis.-a
votiva do Espirito -^anto, tenha lugar o cnllegio
representativo afim de se proceder a eleicao dos
novos funecionarios para o anno de 1886-1887.
Secretaria da Contraria de Santa Rita de Cas-
sia, em 27 de abril de 1886.
O secretario interino,
Gliccrio Cocino do Espirito Santo.
Ti
COM IIX FOGO l
\(rlli British & IHercanlile
CAPITAL
t.-OOO.OOO de libras sterlinas
A O EN ES
Adomsoii Howie & C.
Gompanliia de Seguros
MARI15IIOS E TERRESTRES
I.'sfrtw-U'-ida em >'
CAPITAL 1,000:000^
SINISTROS PAGOS
Al 31 de dezembro de 18 4
Martimos..... 1,110:000^00
Terrestres,. 510:000^000
4-4 Roa do C'oiumerelio
"EMPREZATDU Gil
Pede-se aos Senho
res consummidores que
queiram fazer qualquer
Gompanhia rhenix Per- comunicap ou recla-
naiiilHicaiia m^ > se)a,esla W> no
escriplono desta em ^re-
za ruH do Imperador n
29, onde tambem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
\ntonio Ai Silva Oli-
veira, e quando for pre-
V^J*<]^*_lto\nQStm Antonio Mar-
ios Carvalho.
Todos os recibos dessa
empreza devero serpas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assignado i?em o que
nao tero valor algum.
George Windsor,
De confurmidade com o art. 15 dos estatutos
desta companhia sera i vendidas -> de suas ac
coes ns. 311 355, 721 725 e 6 910. A ven-
da feita inclusive o 20/" dvideado de 40 por
aceito.
Os protend'-ntes sai convidados a apresc.itarem
as suaB propojtas m c irta fechada e por nter
medio de corrctcrcs geraii at o dia 27 do corren
te, ao meio da, liaste escriptirio.
Campanhia heaix I'c/nimbucana, 17 de Abril
de 18'36.=O adraiaijtrsdure,
Luiz Liiinrat.
Manuel Cunes de Mattos.
Joo J)is Jodri^iii's Mendes.
Coii)|);inhia de EdiOca^o
Coinmuni-a c aos Srs. ;icci>>nist.is, que p^>r de-
Iib^raCi i da diroetona toi r< s h I i o r-c ilhiineu
to rfa si-gundi prest c ni ratita de 10 por cento
da valor de cada aceito eubeoript*, o qu-- dever
real!sar-se no Luodon B;sUiun Baok, at o dia
10 de Jlao proxino futnru.
Kecf-, 2t de Abril de 1886.
U secretario,
Guataco Anticnet.
De onlein do Sr. presidente, s convidados os
Srs- membros elo coim< llio d* liberativo a reunir se
em sessao ordinaria, na quint i-tera, 2!) do cor-
ren'e, na sede do mes-mi Gabinete, atim de se pro-
ceder a leitura di relato lo
Secretaria do G-ibinetc Portucuez Je Leitura
em Pernanbae-), 24 de Abril de 1886.
Alfredi C. Conceiro.
2o secretario.
C. E.
Pura Macahyb1, Maia & R>.'z?ndc 500 saceos
com farinha de miudiuca,
No hiate nacional Crrelo do Natal, carre-
frarum :
Para o Natal, Oliveira & C. 5 barricas coic 30J
kilos de assucar branc >.
Na barcaca Ntuinha, earregou :
Para Mamangnape, J. Biitista 100 saceos com
fa-iuba de mandioex.
Na barcac Paraguassit, earregou :
Para Parahyox, F. M. Duri 1,0JO saceos com
farinha de mandioca.
Na barcaca Ganganei, carregaram :
Para P. de Alagoas, Maia & Kezjnde 1' ,000
litros de sal.
Club Commerciai Etiierpe
Por deliberacAn da olrectoria, communico aos
senho.-es s.icios que se acliam em atraso, que lhes
fica one-e lulo o prnzo -'-c 31 dias, a contar da
data deste. para pagarein euss mensalidadce,
findos os q ii i es n'-orrerao as penas do p 2 do
art. 46 dos estatutos
Secretaria da Clab Cimmercial E'iterpe, 24 de
Abril de 86.O 1" Mentara.
Francisco Lima.
*)ana Casa de Misericordia de
Recife
Na secretaria da Santa G-isa de Miscricoriia de
Recife ari-eiidain-se por espato de um i tres an
nos, as casas abaixo declaradas :
Kua da Moeda n. 45, 2405000
dem -dem n. 4!) 24->i Ra do Bom Jusus n. 13, 1 andar 0(XK)
dem n. 2'J, loja 216000
dem dem n. 29, 1 andar 240> Ol
Ra dos Burgos n. 27 216*000
Ra da Madre de Deus u. 10-A 180*000
Caes da Alfandeca e.rmazcm n. 1 1:600*000
Ra do Mtrquez de Oiinda n. 53, 2o
andar 07*000
Ra da Guia n. 25 200*005
Becco do Abreu n. i, loja 48|000
Sua do Visconde de Itaparica n. 24,
pavimento terreo, 1 e 2 andar, por 1:600*000
Ra das Calcadas n. 82 200*000
Secretara da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 6 de feverciro de 1886.
O escrivao, Pedro Hodrianes de Sonta i
THEATRO
SiTO i
H
Hs Lisboa
MOVIMENTO DO PORTO
Navio entrado no dia 25
Buenos-Ayres e escalas 13 dias, vapor
francez Equatiur, de 2,497 toneladas,
commandante 15. Mennon, equipa^em
428, carga varias gneros ; a Augusto
Labille & C.
Navio sahido no mesmo dia
Bordcaux e escalasVapor francez Equa-
teur, commandante B. Mennon, carga
varios gneros.
Navio entrado no dia 20
Rio de Janeiro27 dias, escuna nacional
Carolima, de 166 toneladas, cipit3o Tito
Jos Evangelista, equipagem 7, em las-
tro ; ordem.
Navios sahidos no mesmo dia
Havre e escalas Vapr francez Ville de
Pernambuco, commandante A. Thaunay,
carga varios ^eneros.
MacoEscuna nacional Carolina, capitao
Tito Jos Evengelista, em lastro.
AGENTE
Miguel Jas Alves
X. 7 RA DO BO.VI JESS-N. 7
Seguro* marilimoN e ivrreatreN
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
quo concede aos Srs. segurad' s isempcao de paga-
mento de premio em cada stimo anao, o que
equivale ao descont de cerca de 15 por cento em
favor dos segurados.
Loodon and Braslllan Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
sas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N-
Porto, ra dos Inglezeu.
Empresa Dramtica
Companhia dramtica, dirigida pelo acter
XISTO BAHA
DOMINGO, 2 DE MAIO
i:ina da Companhia
L' represenUeo do esplendido drama histrico
em 4 actos
GABRINA
ou
A Coroa Hereditaria de Pama
Denominfccao dos actos
1 O Herdeiro do Throno.
2." A Troca de Criancas.
3. As duas mars.
4.a Loucura e Reconhecimento !
Os bilhetes podem desde j ser procurados no
theatro Santo Antonio.
Em ensaios a grande mag'ca em I prologo, 3
actos e 6 quadros, tuda ornada de msica, trans-
formaees, visualidades, figus, machinismos, etc.
A FILHA DO .411
OB
A PRINCEZA AZULINA
que subir sceui na prxima semana.
MARTIMOS
VAPORES ESPERADOS
CONTRA FOGO
riie Liverpool i London A Glob
INSURANCE COMPANY
H.
Imperial
pOMPANHIA
DE
Mariner
Magellan
Para
Jfeva
Pra Aracaty, Amorim Irmji ft C. 100 bir
r cas com 4,800 kilos de sebo.
Nj hiate nacional Camelia, enrregaram :
Amamnmit
Tomar
Trent
Financt
Desterro
Tagus '
La Plata
Advanoe
Cear
Amazone
Mandos
VMe de Cear
B Ma
Espirito Santo
Para
Senegal
Cear
de Liverpool hoje
do su) hoje
do sul hoje
do sul a 29
Maio
de New-York a 6
da Buropa a 10
do sul a 14
do norte a 17
de Hamburgo a 20
da Europa a 24
do sul a 29
do sul a 3
do norte a 3
da Europa a G
do sul a 7
da Europa a 8
do norte a 13
do sul a 16
do norte a 33
do sol a 25
do sul a 26
SEGUROS contra FOCO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxa baixas
Prrimfto pagamento de prejuhoa
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
ft N. Ra do Commercio N. 5
^SEGUROS"
MARTIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ruado Commercio n, 8
< OM %\llli: DES HENK1U&
RES MA1KITIHES
LINHA MENSAL
O paquete
Amazone
Commandante Jlorteinard
Espera-se da Eu-
ropa no dia 6 de
Maio, seguin-
do depois da de-
mora do costuine
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Babia, Ro de Janeiro e Monte
te video
Lcmbra-se eos senhores passageiros de todas
as classes qui' ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar cm qnalquer teinpo.
Previne se aos senhores recebedores de merca-
dorias que s se attender as reclamares por fal-
tas nos volumes que forem reconhscidas na occa-
sio da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se com o agente
AugHsle Labille
9 RA DO COMMERCIO
R0VALMAILSTE4M PACKET
COMPANY
0 paquete Nova
esperad
do sul no dia 29 de
marero, seguin 'o
depois da demora
necessaria para
Lisboa e Southampton
Para passagens, fretes, etc., tracta-se com
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
i
i mam i




Diario de PernarabucuTerfa-feira 27 de Abril de 1886
CHARGEIRS REUNS
Compaahla Fraaceza de navega
cao a Vapor
Luha quinzenal entre o Havre, Lis
boa, Pcrnambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
stemer Ville de Cear
E' esperado da urupa at>;
o dia 6 de Maio, se
guindo dcpois da inspeu-
' gavel demora par a Ra
I lita. Blo de Jane(r sumos.
Kugu-se aos Srs. inportadores de carga p 'le
vapores desta Hnha,aaciratD apresentar dentro efe 6
dias a contar do da descarga das alvareng
qner reclamabas concerneote a volumes, qao poi
ventura teuhara seguido para oa portos do s.l.afiu
de se poderem dar a tempo as providencias neces
sariue.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Kecebe carga, encominoudas e passagein>f para
es quaee tem excelleutes accomodacoes.
Augusto F. de Oivcira (
%<.i:vn:*
42 RA Di) OOMMERTO -4*
Predio
3leil Terea feira, do correte
11 horas
No armazora da ra do Imparador n. 22
O agente Burlsmaqui, por mandado e assisl'n
ca do Exea Sr. Dr juis de direito, e de orphaos
levara a leilo, no din cima indicado, o sobrado
de dous andares sito ra do Visconde delta-
n arica o. 61, outr'.rr ra do Apollo, w-rvindo de
bise a offerta de 2:500/. Us Srs. p: etendentes
puderao desdo j examiual-o.
Est no cercado do engeoho Tapera urna
burra castanba ; leu dono pode ir recebel-a.
Leilrio
Paciflc Sicam ^avigalion Companj
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Magellan
Qiurla feira 28 do correrte
A II Horas
No segando sudar do sobrad i da ra cas Laran-
geiras n. 18
O agenta de ieilao M >dosto Baptista auto isado
pelo Sr Vitalino Macario de Meira, que Be relira
para fora da provincia, far li-ilo de 1 pianofor-
te de GaveaD, 1 mobilia de Jacaranda, 1 dita de
pao carga, 1 piano de mesa, 1 aparador, 1 com-
noda, 2 consoles de amarillo, 2 inar< uezoea, 2
mesas de piubo, 1 dita para escrever, 12 cadeiras
avulsaa, Imachina para cosmorama, 2 cadeiri-
ilia para menino, 1 relogio e outros objectos de
casa de familia.
Nao se tenco imanado e ncm se recebido a
importancia das aeces entre amigos de um ca-
vallo andador baixo e de urna espingarda carre-
gando pela pressao do ar, fica transferida para a
u Itima lotera do mes de maio, que correr impre-
teiivelmeute, por issopede-se aos possnidores das
re spcctiviu aeces de pagal as ou devolvel-as.
Alugam-be casas aSjOOO no becco dos Cue-
lbas, junto de S. Goncalo ; a tratar najrua da Im-
eratriz n. 56.
Faz se oegocio com quein pretender comprar
a bypotheca da usa do largo do Paraizo a. 15 :
na ra Nova n. 12, loja de chapeos.
Precisa-se de urna ama para cosinhar na
a da Aurora n. 16 .
Precisa se de inna cosinheira ; na ra da
Aurora n 81. andar.
Quem precisar de urna ama escrava para o
servico de cusa, dirija-se a ra das Trincheiras
numero 43.
Pieciaa-se de um caixeiro de 12 14 annos'
com praiica de taverna ; a tratar na ra de Pau-
lina Cmara n. 44
Leilo
Espera-ae dos portos
do sul at o dia 27 de
Abril, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
oni dianle seguirem tocaro em
Phniolli, o que facilitar che-
gamii os passageiros com niais
bretidade a Londres.
llavera tambem abatimento no preco das paa-
3agens.
Para carga, passagens e eucommendas e diuhei-
ro a frete tracta-sc com os
AGENTES
Wilson Sons A i.. Limited
2. 14 RA DO COMMERCIO N. 14
timi'lVHH PKH-iMHl( ^
DE
Xavegaco Coste! ra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Baiiia
O vapor S. Francisco
Commandante Perelra
Segu no dia 2T dt
Abril, s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o
dia 26.
Encommendas, passag,. s nheiro a frete at
s3 horas da tard-1 do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Perrambucana
n. 12
COMPANHIA FEB.HAaBl'CAMA
DE
Karegaco costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Tauandar e Rio Formse
O vapor Mandahu
Segu no dia 28 do
corrente, pelas 5 h-
raa da man lu.
Recebe carga at o
Id i a 27, e passagens at
Ias 3 horas da tarde
do dia 27.
ESCRIPTORIO
caen da Companhia Per bamb
cana n. tt
United SUtes & Brasil Mail s7$Tc.
O vanor Advance
de movis, espelhos, louca e vidros *
Setdo : 1 mobilia de faia com eneofto de pa-
lbinha e consolos c m pedra, 1 dita de amarello
com cadeiras de balaceo, 1 espelho oval, lanter-
as, jarros, tapetes, 2 camas francezsa de am i-
rello, i colxao, 1 meia commoda, 2 cancieiros pa-
ra gaz, 3 cabides, 2 lavatorios de ferro, 2 escir-
radehaa e pannos oe crochet.
Urna mesa grande de amarello para jantar, 2
spiradores, louca para janlar, dita para almoco
vidrOB, jarros, bacas, banecs e outros nuitos mo-
vis.
Qu irla feira 28 do corrente
A' I horas
Io andar do sobrado n. 99
da raa do Bom iesiis
O agente Martina, autorisado pela Sni. D. An-
ua Scares de Oliveira, far leilao dos movis e
maiB < bjectos existentes no referido sobrado, ao
correr do martcllo, visto ter-se retirado desta
provincia.
OflVrece-se urna scnbora de idade para casa
de hornera soltciro, para lavar, eugommar e servico
de casa : a ra do padre Floriano n. 38.
Faz. dios constar so respeitavel publico que o
Sr. Franklin Antonio Diniz, tcnd<>-se despedido
da casa commercial n. 69 ra direita, continua a
mesma sob b firma Concia C, os quaesespe-
ran) coopera?lo benvola ac todos, tendo para sur-
vil os tol. sortede bebidas, cigarros banhos e re-
creio.
Despedida
Agente ftstana
Leilo
loarla feira S8 do corrente
A's 11 horas
Na travesea do Pires o. 7 (antiga Genqnily)
Dij cxcellentes movis, louca, vidros crys
taes e obj ctos de clectro-plate
O Illm. Sr. Dr. Francisco Breas de Barros,
retirando se para o sul com sua Exma. familia,
far leilao, por intervenco do agente Pestaa,
dos excellcntes movis ubaixo declarados, na cas-
de sua residencia, sita travessa do Pires n. 7
(aiitigo Giriquity).
Um magnifico piano de Jacaranda, do acredita-
do fabricaute Alfredo Blondel, 1 cadeira para o
mtsino, 1 mobilia austraca, completa com tampos
de pedra, 1 dita de jacand, 2 magnficos candiei-
ros a gaz, com luz dupla, 4 pares de jarros de
crystal, 6 etag^ra, 1 importante r.logio para cima
de mesa, diversos quadros, 1 tapete, 2 rscarra-
deiras de porcelana, 1 estante com mesa para li-
vros, 1 meia commoda de amarello, 1 guarda-Tes-
tidoa de dito, 1 cama de Jacaranda, 1 toilette de
amarillo coru pedra, 3 cabides, 1 marquezSo, 1 ca-
ma de amarello, 1 guarda-louca, 1 mesa para
jantar, diversas cadeiras de mogno, 1 sof, 1 me-
sa com gavtar, 1 spparelho para jantar, 1 dito
para alnioco, 1 dito de electro pate, 1 candieiro
a gaz, 1 filtro iuglez para sgua, 1 lavatorio de
ferro cem espelho, baca e jarr s. copos, garrafas,
clices, trem de cosi.-iba e muitos outros objectos
que se acharao patentes no acto do leilo.
Manoel Flores, socio da casado Guima-
raes IrraSo & C. successores da viuva
Guilherme, tcado seguido para Europa
aeffectuar as compras annuaes da casa, e
nao podendo p-da rapidez de sua viagem,
despedir se de todos os seus amigos, o faz
pela presente, oferecendo all o seu limita-
do presumo.
Massa fallida de Francisco Teixei-
ra Barbosa
O administrador da maesa fallida de
Francisco Teixeira Barbosa, tendo de pro-
ceder clas8fica5ao de crditos, convida
aos respectivos credores a exhibirem no
prazo de 8 dias, contar desta data, s
eus ttulos para que urna voz verificados
tenham a devida clascificacSo na Praca
da Independencia n. 40.
Joaqun da Silva Carvalho.
vapor
E' esperado dos portos do
sul at o dia 3 de Maio,
dc]x>8 da demora necessaria
seguir para
H.
arjnho. Para, Barbados,
Thomaz e New-York
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
cc com os
Agantes
O paquete Finalice
Leilo
De um piano de 3 cordas, 2 machinas, 1 mobilia
.completa com tampos de pedra, 3 pares de jarros,
3 pires de ca tienes e mangas, l espelho grande,
1 mesa elstica com 5 te boas, 2 bancas, 1 guarda-
c muta, 1 lavatorio e cadeiras, 1 cama tranceza, 1
guarda-vestido, 1 cabile, 1 lavatorio, 1 bid, lou-
ca, vidros, bandejas, quadros e muitos outros ar-
artigos existentes no sobrado da ra da Saozalla
Nova n. 30.
senle Pialo
'"inta-fetra, 19 de Abril
O lina.) principiar s 10 1/2 hiras
Recebemos neste ultimo vapor voadores para
meninos aprenderem a andar, aasim como, diver-
jas obras de Vime.
Cadeiras
Cestas de diversos tamaitos para coxprai
Balai.'s para papel.
Aasafates
Condenas.
Roupeiros.
Semen tes de hortalicas e flores, amores perfei-
a e diversas qualidades.
V'io tambem o especial bacalbo de Nornega,
pesando cada um 6 libras: em casa de Pocas
Mendes & C.
Rna estretta do Rosario n, 9, junto a iqreja
Espera-se de New-Port-
News.at o dia 17 de Maio,
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Babia e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheirc
h frete, tracta-se com os
AGENTES
Henrj Forster 4 C.
N. 8. RUADOCOMMtRClO -- N.8
1' andar
Lisboa e Porlo
O brigue portuguez Armanlo segu para os
portos cima: para o rjsto da carga que Ibe falta,
trata-se com os consignatarios.
LEILOES
O leilao de movis, crystaes, quadros e mai
objectos da casa de retidenc'a do Sr. Schmidt
constantes dos cathalogos distribuidos ) elo agen-
te Pinto, deve ter Iuj;ar tetca-f-ira 27 do corren
te, principiando s 10 em ponto, entrando pela
tarde, se preciso for.
GRANDE E IMPORTASTE
f 1.1:11. to
Dr mobilia de sala (Jacaranda), pianp, harmo-
niunc, pinturas a oleo e gravuras, bronzes de ar-
e, figuras de biseni:, alcatias e tapetes, lustros
para gaz carbnico.
Livros e estantes para os mesmos, spheras geo-
grapbcas c a-tronomiuas, urna importaute luneta
astronmica, espingardas e secretarias.
Mobilia completa de sala de jantar (nogneri),
gaarda-prata cnvdrac.ad'.', ciystaes, r- -'-tti,
bjectos de electrc-plate, vinhos fiaos, otgMf^
pratos chinezes ornamentarTs, plastas, arstgM *>
osinba, quadros, relogios e etagers.
Guarda roupa e guarda-vestidos com espelhos
camas do bronze e de Jacaranda, commodas e mui-
tos outros srtieos para uso domestico.
Terfa-feira 27 de Abril
O agente Pinto levar a leilao, por con'a e or-
dem do Sr G. A. Schmidt, os movis e mais ob-
jectos da casa de sua residencia ra da Sauda-
de, propriedadt) da vinva GuimarSes.
Na veapwa e 'da do leilo ser destribuido pelo
mosmo agente eatltalogos mpressos e numerados.
O leilao principiar s 10 horas em ponto por
serem muitos e dierentes os lotes.
A entrega crfectuar-se-ha as 24 horas prec-
sai.
Leilo
Bom cniprego de capital
0 agente Britto
Vender em leilo os seguintes predios : 2 ca-
sas terreas ra Augusta os. 218 e 268, 1 sobra-
do de 1 andar ra Augusta n. 177, 1 casa terrea
ra H0 Pd c Nobrega n. 53, 2 casas terreas
ra do Quiabo nos Afogados, 1 grande casa ter-
rea na subida de Apipuc e sotao ra ue H .rt*s n. 106. 1 sobrado de 2 an-
dares ra do Vigario n. 31 e outros mais todos
desembaiacados.
As 11 horas
liiaiia reir '4S do crreme
Ra do Imperador n. 16.
Leilo
De 1 nvibila de junco preto medalho, 1 piano
de Jacaranda cora capa e cadeira, camas francezxs,
guarda vestidos, aparador cjm pedra, guarda
loucas, cadeiras ce guurnicao, ditas de balanco,
bercos, mesas, jarros, quadros, espelhos e diversos
chap :S de so. de seda, alpaca, ganga e II mella
para homens e s Quarta feira 9do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra rio Bom Jess n. 49
POR INTERVENCO DO AGENTE
GusDio
E' infallivel
Largo de S. Pedro n 4
Tndo c vende pelo menos pos-
s vel
Neste estabelecimento sempre ha venda o es-
pecial licor de maracuj, em lindas garrafinhas,
proprias para roilrt, compotas de u.angaba e
manga.
Tambem se encontra nm completo sortimento de
gaiolas de todos os fabricantes para toda diversi
dade de passaros, at proprias para viagem, por
terem cinco compartimentos cada u ra.
Encontra se anda mu grande sortimento de
passaros nacionae e eetrangeiros, entre elles ca-
narios ailemaes nascidos aqu no Brasil, rolas de
todas as qualidades, at cruzadas, propr as para
viveiros de jardins.
ios 4:000^000
I
E
_ AVISOS DIVERSOS
Na engenhoca de Bemfica, estrada real da
Torre, compra-se vaccas tourinaa. bas leiteiras :
a tratar na mesma, todos os dias, das 6 ao meio
ia.
I'reciaa-se de urna cosinheira para casa de
familia : a tratar na ra do Baro da Victoria
n. H'J, loja.
Pede-se aoa abaixo assignados o favor de
vrem ou mandar ra do Mrquez de Olinda n.
51, a negocio que nao ignora n. '
Pedro Siqueira, d'Aifundega-
Arthur Dantas.
Luiz Carvalho.
Jos Goiinaree, caixeiro de Loyo & Filho.
tr le'ic.i Viu-a.
Auyust*) Goncslves da Silva.
Aluga-se o segund > audar da ra de Lomas
Valentinas n. 100, com 6 quartos : a tratar no
primekt) andar.
Precisa-sii de urna ana para cosinhar, para
casa de pouca familia : na r-"a do Bario da Vic-
toria n. 57.
AJkM-se o Io e 1" andar do sobrado ra
O) QvwJ MBMaa u. !: a tratar na raa do lin-
h 14, 1 andar.
aoftaMlo aa ra do Coro nel Suas
* kkMtaotcs commodos s;o
qainRil : a trat>r na ra do Imperador u. 14, pri-
me i ro andar.
Aluga-se um sobrado de um andar e sot>
com bastantes comraodoe, na ra dos Guararapes
u. 48 : a tratar na ra do Imperador n. 14, pri-
m iro andar.
Aluga se a exeelleote casa aasobradada
ra da Ventura n. 2, na Capunga, tendo multas
e vastas accommodacoes, cocheira, biixa de capim,
jardim, muitas arvores de tructo, e proxiJia as es-
tacos da fliacbambiinba e dos bouds : a tratar
na dita casa. .
Aluga se a loja da ra de Marcilio Das n.
: tratar na ra do Mrquez de Olinda n. 3.
L6-ua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus
venturosos bilhotes garantidos os premios
seguintes: 1 inteiro com asorte de |00
no n. 1549 alem de outros mais de 32$,
160 e 85 da lotera n 58.
Convida-se aos possuidores a vir receber
sem descont algum.
Acham-se venda os venturosos bilhe
tes gari ntidos da lotera n. 51a em beneficio
qa matriz de Panellas que se extrabir na
quinta feira 29 do corrente.
Precos
Inte-ro 4.&000
Meio 25000
Quarto 1^000
Sendo quantldade superior
a 1<> o.-ooo
Inteiro 35500
Meio 15750
Quarto 5758
Joaquim Pires da Silva.
Viagens ao cenlro
De Olinda parte todos os sabbados, s 4 horas
da tarde, para Itamb por Iguarass e Goyanna,
ama diligencia; passagens a tratar na ra Io de
Marco n. 1, no Recife. Viagens avulsas em qual-
iuer dia, e para qualquer parte a trata no mesmo
ugar.
Tricofero
de Barry,
fnmtirr-r qiio
k> rrc-.i-r o
Cabello
aiurin uionnio uan cnnvmm
maif* rnlvns, bcui romo mu-
carn rnilU'alinevre
a TI -HA o a CASPA.
Positivamente impede a
Jueda e o embranquecimentc
o CABELLO c em todos os ca-
sos o torna invariavelmonte
Macio, B-ilhante, Formoso
Abundante
Km u*ollmalafcottcnt:iftnnor
e Uno maitT venda qu mniiuin
oof" nripanid'j para o cabello em
toe. UlUUdO.
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segundo a fonnoK
original usada pelo inventor no
anno de 1829.
Tem duas veres mais Fragrancia
que qualquer outra.
Dura duas vezes mais tempo. *
E'muita mais rica de perfume
mais suave.
E'muito mais Fina e Delicada.
Tem dpbrada forca Refrescativa
Tnica no Banho.
Fortalece ao Debite ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca e os des-
malos. ^
E'muitlssimo Superior a todas a
" Floridas Actual-,
outras .Aguas
mente a venda.
Desooberta Importantissima.
Puro Oleo de Figado de Bacalhao
COM
IODURETO DE FERRO/
Barclay & Companhiiw
Curn radicalmente e comic^urancaos poorc paso
de Phthfrica, Becrofalaa, RiifnmatiKmo, as docnra
! Eeptha Dorsal, dos Qiiadrir c dosOeso", asm-
danunaoOea do Flgode, do Bu^o e do tero, etc., ct.,
? rosttue oororpo tnfraqnccioo e fatigado o seo J>r!-
BUtivo vi^.r c arredondado Jng contorno. E" cert&
nente mu frrande deseo) sUt c Poro Oleo de
Picado do Barn!hr-u cos' loduroto de
Ferrode Barclav ce Ce New York, -i
Xaropf e Vida'
de Rf Ser No. l
DEPURATIVO E PURGANTE.
Este novo e admiravel purificador^de
sangue acta sobre os intestinos'
o Ajado, os rins e a pelle/
"cl ra infallivel contra a DohiMdade
Nervosa, as Dores de Cabeoa< a Dys-,
pepsia as Sezoos, e contra as doen
cas de origem Miasmtica ou occa-
alonadas por desordens do figado
ou pobreza e impureza do sangue.j
QUILL
EMBROIDERY
da de Bordar.)
(beda
SILK.
OUILL BUTTON-HOLE TWIST.
(Retioz de 6c a pura Cascar.)
Julgapdo ser de grande utilidade dos negociantes da
America do Sul, terem (ios de seda e retrez prepara*
dos em material mais leve do que sejaiv. candis de
pao, estamos promptos a fornecer para exportaco
nos de seda, retroz de seda e seda de bordar, de
todas as qualidades, preparadas em lancedetras de
papel ou de pennas como cima representado.
Temos todos os lmannos de fio preto e mais de
quinhentos cores. *
eDirija-se "Brawrd & Armitrong Co."
ar Market Street, 469 Broadway,
Philaddphia, U. S. A. Mew-York, U. S. A.
os especficos veterinarios
H0ME0PATHIC0S^=
^=DE HUMPHREY.
Para a cura de todas as doencas de
CaraUos, Gado, Carnelros, Caes, Tor-
ces, Ares.
Tem sido usado com feliz resultado por
Fazendeiro-. Criadores de grado, Car*
ros-ferris, etc., etc.
Certificado e usado pelo Gorernodos
Estados Unidos.
iy Envia-se Folhetos e Cartees gratis.
HUMPHREY'S MEDICINE C0.
^lO^Pultc^S^ew-Yorkj^^
Especifico Homeopathico de
Humphrey No. 28,
Usado ha 30 annos. O nico remedio eficaz p;ja
Dbil dade Nervosa, Fraqueza Vital
e lirostratSo.porexcessivotrabalhoououtriScausas.
$1 por garrafa, ou cinco garrafas e x garrjiaodcps,
$5.00, ouro americano.
, A'venda por todos os Droci'IS^as. Tamben*
envia-se pelo correo pelo prevo do costume,
Dirija-se a "Humphrey's Homeopat'Je
Medicine Oo." 109 Foltou St. New-V jrk.
C
ASA FELIZ
AtsMOOtOOO
r*ra cia ns. 37e 39
Acham-se a venda os fezes biibctes
garantidos da 51a parte da loteria a beneficio
da matriz do l'anellas, que so. extr.liir
ao dia 29 de Abril.
Precos
Bilhete inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Cm prco de 1 OOSooo par,
cima
Bilhete* inteiro 30500 '
Meio 10750
Quarto 875
Autonio Augusto dos Sant** Pirto.
GRANDES NOVrMDES
Fazendas (loas e modas
Ra do Cabuff
2 A
2 B
J. BASTOS & d
um primoroso sortimento de afti-
enfeitados ao rigor da
Para este estabelecimento acaba de chegar
gos do modas destacando se os que aqui indicamos :
Vestidos meio preparados, do cachemira, ricamente
moda.
Fantasa rica, bordado a missanga.
Fil e missanga, alto desenlio em 13 e seda e 13, bordados a retroz, etc.
Cortes de vestido, lil florettes unie, combinaso e fazenda lisa e bordada e
que modernsima.
Cortes de vestido em toila d'alsace com bordado a agulha, cores lindas e de
gosto apurado.
Lindissimos cortes de vestido de etanione, com bordado a seda, novidade pal-
pitante.
Etarnjnes, suratos, failles, sedas, setins, cachemiras de todas as cOres, croto-
nes, setinetas e toile d'alsace, sortimeato grande.
Leques transparentes especialidades e os primeiros chegados aqui. Recora-
mendamos ao bello sexo.
Di'.os de setim, opulentosortimento.
Ditos de madreperola, brancos e de cores.
Para as Exmas. noivas :
Setim branco Duchesse.
Surato e gorguro.
Guipour branco de seda, fil e rendas para enfeite.
Capellas de era e de pellica.
Vccs de blond, ampios e finos.
Meias de seda e saias bordadas.
Colchas de damasco de seda e de crochet.
Cortinados de crochet e cambraia.
Lencos de cambraia de Linho, lisos e bordados.
Sedas, setins e merinos pretos de todas as qualidades.
Para todos os artigos que referimos, os pregos silo sem competencia.
(Telephone n. 55j
TINTURARA
OTTO SCHNEIDER
SUCCESS0R
25 IIiii de Malinas de Albuquerque 2o
(1NTIGA Itl \ DAS FLORES)
Tinge o limpa com a maior perfeicio toda a qualidade de estofo, e fazendas em
pegis ou em obras, chapeos de feltro ou de palha, tira o mofo das fazendas; todo o
traball o eito por meio de macbinismo aperfeicoado, at boje conhecido.
Tintura prcta as tercas e sextas-feiras.
Ti^ta de cores e lavagem todos os dias.
FAZENDAS BARATAS
Na bem conhecida loja da raa Primeiro de
Mar#o n. 20
JUNTO DO LOUVRE
Grande sortimento de madapo!5es de
70500 e 80000
Algodoes brancos, superiores qualidades,
60500.
40500, 50, 50500, 60, 60500
de 40, 40500, 50, 50500, 60 e
Saperiores cretones de 320 a 500 o covadu.
Batistes, lindro padroes, a 200 e 320 rs. o covado.
Fust5es brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrSes, a 30000.
Lencoes de bramante, de linho de 20 a 40000 a am.
Ditos de algodSo de 1,800 a 20500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para banbos a 20000 urna.
Lencos de algodo de 10800 a 20200 a duzia.
D:*os * Bti nardo, olam, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Di'o ijsaeado, lu.a, a 10, 10iOO c 10200 o metro.
Cortea le vestido de cretone de 200 por 80000.
ij.i .uunapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Graaae var'cdade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Ca3emira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodao-trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodSo, de qn.tro larguras, de 10500, 10800 e 2000 a vara
Dito de linho idem idem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 10400 rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Velbu tinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin do cores, bonitos padroes, a 600 rs. o covado.
Chales do algodSo a 10200, 10400, 10600 e 28000.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 68000.
Oxford p-ra camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Costumes para oanhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 8 100, 12, 14 e 160000 o pr,
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para homeu e
meninos, para o que ternas um hbil official o um grande sortimento de pannos, brins,
casemira8, etc.
Quem precisar de algum artigo bom e barato, dever visitar de preferencia
este antigo e acreditado estabelfcimento.
Ra Priieiro fle Marco i. 20
FUNDICAO GERAL
ALLANPATEKSONfi- C
N. 44-Rn i do Brum--N. 44
JUNTO A ES fipAO DOS B0NDS
Tem para vender, por pre mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivac3es de diversos taniauhos.
' Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas do ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portaade fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamcnto para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 .a 40 pollegadas de panadura-.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de con jertos, e assentamento de machinismo e exeemam quaiqu..
traballio com perefico e presteza

pffiD
-111.1 ,l> *1


I

Diario iMi.--lYr<; feira 27 de Abril de 1886
Ama
Precisa-se de uma, pan coiinhar e eneommar
para doua rapan ottetro : na ra da Impera-
tm n. 63 lUVurna).
Ama
Precisa se de urna ama para casa de duaa pes-
soas ; ua ra Furmos n. 29, esquina do becco
ds Ferreiroa.
Ama
Precisa-so de urna ama para engomuiar
outros servicos domsticos l no 3* andar
o predio n..42 da ra Duque de Caxias.
por cima da typographia do Diario.
Ama
Precisa-se de urna boa eosinbeira
Mrquez de Olinda n. 6.
na ra do
Ama
Precisa-se na ra do Coronel Suassuna n. 161
2* andar, de urna ama para comprar e coiinhar.
Ama
Precisa-se de urna, para comprar c cosinhar,
ra da Aurora n. 85.
Ama
Precisa-se para o servico de casa de familia na
ra Formosa n. 37
Ama para menino
Precisa-se de urna ama para acompanhar urna
familia que se retira para a corte : na Graca, tra
vessa das Pernambucanas n. 3. *
Aluga-se
para eseriptorio a sala de detraz do Io andar da
ra Primeiro de Marr,o n 18, muit3 propria'para
eseriptorio de qualquer natureza'; a tratar na,loja
do mesmo predio.
Alug-a-se
barato a casa n. 143, ra da Coronel Suassuna :
trata-se no largo do Corpo Santo n. 19.
Aluga-se
o 2* e 3- andar do sobrado ra do Brum n 62 :
a tratar no mesmo, padaria.
por -barato preco a c:isi da ra Imperial n. 286,
de um andar e loja, com_ frente de azulejo, tem
bons commodos, .agua encanada, e muito fresca ;
a tratar na ra do Crespo n. 18, loja.
Aluga-se barato
0 Io andar e aimazem na ra do lo;n Jess n. 18,
e 2* andar e arinazeui na ra da Restaurado n.
31 : a tratar ua ra do Bjm Jcsua n. 12, eserip-
torio.
Ennomina 'icir
Prcisa-se de urna c igommadeira : i ra Duque
de Caxias n,
NICO
*
j& ?f ^ -JlL ySf RADICALMENTE CURADAS COM 0
^fe % SoonMiiDCTn i sor
%
Preoaracao de Productos Vegetaes
extinqoTas caspas
e outras Molestias Capillares.
JVIARTINS & BASTOS
Pernambuco
Agustnho & Irmo
tendo feito urna grande reforma ein seu estabeie-
cimento de jolas, ra do Cabug n. 3 A, con vi-
dam aos seus amigos c fregueze virem-ae pro-
ver de joiaa em gost e preco sem competencia,
os resol veram assim fazer por terem um grande
sortimento de joias de curo e prata ; tambem con-
certam quaesquer obras de ouro ou prata. e com-
pram ouro velbo e prata.
Joias ile prata
Precisa se de urna criada para cosinhar
ra do Barao da Victoria B. H, i- andar.
Casa
Aluga-se o ra da Palma, ti m bons c< mmodos para tamilia ;
tratar ca ra Duque de Caxias n. 47.
ia
O Sr. Francisco Aires da Costa, commandanto
de um dos vapores desta companh'a rogado A
vr ra d, Mrquez de Olinda n. 50, afim de
concluir certo negocio que nao ignora.
Ao commercio
Eu abaixo assignado, retinindu-me para Portu-
dt-ixo encarregados de todos es meus nrgo
cios, em primeiro lugar o Sr. Albino Jos dos
Santos, em segundo o Sr. Manoel Joaquina Gomes
Feneira, em terceiro o Sr. Manoel simio dis >an
tos Fi rreira, assim como, nao m* sendo possivi-1
despidir-mc prssoaloicnte de todos as pessoas que
me bonram con suaamisade, o taco por meiu deste
offerecendo Ihes os m<-us limitados prestimos em
qualquer lugar onde me a< li '.
Recife, 20 de Abril e 1880.
Albino da Cuela Ramos.
Chamase attcnco do illui* r.
presidente la provfi- ia para a
le que leve regular o .seri
eo da liin|cza e arliorisaefio
da cidade-
E' escandaloso !
A falta de aeccSo Municipal ser d"iida a lim-
peza ou ao: debavid"8 Feneira e CasOv?
L le diz
Pergunta se a um honrado c. mmissario se
verdade que findo o quutntnuio deixa por heran
ca a um cunhado urna C rta mamata.
Taverna
Vi nde se a bem afregu>zada taverna da ra
larga do Rosario n. 1, propria para principiante
por ter I ons commodos ; a tratar na ra larga do
Ro.ario n. 14.
se
um deposito jom poue- s fundos
Augusta n, 18".
a tratar na ra
O Muzeu de Joias, roa do Cabug n 4, rece-
beu pele ultimo vapor francez um esplendido sor-
timento. Pn eos muitt moderados.
Companliia de EdiHcacOes
0 eseriptorio desta
eompanhia a cha se ins-
talado na pa^a da
Concordia n. 9, con-
servndole aborto
das 7 horas da nianha
vS 5 da tarde, em todos
os dias uteis.
Incumbc-se de cons-
truefoes c reconstruc-
fOCS.
Recbese informa-'
focs acerca de terrenos
na cidade e suburbios,
ca respeito des quaes
queiran os respectivos
donos fazer negocio.
No mesmo eseripto-
rio se encontrara o asi
amostras dos produc-
tos da alaria inechani-
ca do 'jpnqua. *y, proprie-
daite da mesina Com-i
panhia.
Eni>enIio
Perdeu-se
Roga se a quem ti ver enc ntrado um nenino de
c ; parda, chamado Chrispim, d> dada de 6 au
nos, o especial f..v r e leval-o ra do Ara gao
n. 38, d'onde dcsappareceu no sabbado ultimo,
trujando um uniforme de algodilo de listra.
Engomniadeira
Precisa-se de um i, que eneommc muito bem e
ensab'*, para casa de pequea familia, prefere se
escrava ; na praca do Conde ci'Eu n. 30, primeiro
andar.
Ni.
Hanoet do Jcmiik I urda o Cal-
de ira
Francisco Xiv'er de Atbayoe, Mana Igsaeia
Cali-ira de Athayd-. Can idj Jordlo < aldeira,
Manoel Olegario jordlo CaWeira, Paulina Caldei-
ra de Andrade, ne'os e netas agradecem do inti-
mo d'alma aos sena amigM (|iie se dignaram
acompailiur oj restofl inortaes de seu presad pai,
atesogrr, Manoel de J. sus Jordlo Caldeira,
sua ultima morada : e d novo os convidam as-
sistirem a misia que mandan ce ebrar na igreja
de Divino Eapirito Santo, quaita feira 28, as 7
horas da manhi, M>t BROMURETO LAROZEf
I
XAROPE SEDATIVO
de Cucas de Laranjts amargas
BROMURETO de POTASSIO
APPROVADO PELA JUNTA DE HTOIENB DO BBAIL.
O
Bromoreto de Potasaio de
Laroae. como todos os productos
feitos n este estabelecimento, de
ama pureza absoluta, condico indis-
pensavel para que se obteula eflei tos
edatiTOs e anodynos sobre o sys-
tema nervoso.
Dissolvido no Xerope Laroze de
Cascas de laranjas amargas, este bro-
murelo universalmente einpregado
e exclusivamente receitado pelos mais
celebres mdicos de todas as facul-
dades para combater com certeza :
as aflec^des nervosas do coracSo,
da vias diciestivas e respiratorias,
as nevi algias, a epilepsia, o hyste-
rico, a daen de S. Guy, a insomnia
das crian^r.s durante a denucao, em
urna palavra. todas as allc(Ses
nervosas.
No mesmo deposito acha-se venda os seguintes Productos de J.-P. LftROZE
XAROPE LAROZE
^^n.- TNICO, ANTI-NERVOSO
Contra as Gaatrites, Gastralgias, Dyepepsia Dores oiCaimbras de estomago.
XAROPE DEPURATIVO
|du cascas Je 'granjas
amargas com
GoDtra as Aftoocdes scrofulosas. cancerosas. Tumores brancos. Acides de sangue.
Accidentes svpiuliticos secundarios e terciarles.
I0DURET0 DE POTASSIO
XAROPE FERRUGINOSOeS'^^PROTOIODURETOd,FERRO
Gaaln a Anemia, Cbloro-Anemia, Cdres paludas, Florea brancas, Racbitismo.
- .>..,K'
gtpositt m todos os teas grogatias do gmiiL
Paria, J.-P. LAROZE e O, Pharmaccutlcos,
2, KUE DCS LIONS-SAINT-PAUL, 2
m
m

\
V1KH0 DEFRESNE
10NIC0-NUTRITIV0
OOM PEPTONA
{Carne aaiimilntl)
t\.Vn l uC-HtOSPHAIO 0 5i. "USAES
Sendo o Vinho Detresne i'utr. jos.:o deiioioeo.twO'
bea 'neo reconatituato natu-ul mplitv.
o mais p scioso de todo? os tc:- ii-fluencia, desvviecem-ee 03 accidcqtes febH?, renasoe
o appetite,forfccen-se os muscul s i voitara asforcaa
Emt>rega-*ecom xito coi "iin ppatencia.os eres-
olroeutoe rpido, conv,ce. cas, molestias do
scMomago (Gastralgia. Gastritis e Dysent^ila), e
labilidad, a "nensia e jonausr ^.c
^VUStm ws- oh Mfnar fin:. &v*qt tu WU'Zrra'JuaA
team as ghaiEizms ^m
1 LJM :r"mwK-1
INJECTION
Cura certa em 3 das sem outro medicamento
JPAMiS 7, Boulevard MXituiin. 7 'AUlti
Tr> spassa fo o armidamento (lo riiRcnho Santa .
liosa, n frcfjiirzi ca Luz, pert<> da eatacaodel
S. Loorenco, na ra frrea do Liur eirc, assim
aoew de Jaboetao, na va frrea di- Carnar.
terrt'iio d pira ^afri'jar-se annua'mente de d ms
tres mil DS' B ce assncar. Ali-m t: muitas var- '
zeas t< m mata virg'in pira abrir-r-e novo* parti-'
mira f re". m cutas novas e grandes : quem
pretcndel-n dinj .-se ao mesmo eDgcnbo ou ra I
di Imperador n. 73.
Veite-se ou permuta-sel
Quem tiver, na cilide do Reiife, em
l'ernaiibueo. sspecialmente no bairro da!
Boa-Vis'a, um predio do valor de 10 l
12:000^000, e quiz-r permtalo por cu-'
trs, na povo .co de Mulung, da provincia '
da Parfhyba, tendo dito pradio 130 pal
moa de frente e GO de fundo, uom 10 por
tas n?. frente, levantado todo elle de tijollos,
e cora um estabclceiinnnto do compra da
algodSo e ma< hia vap^r para descaro- {
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO H0H.0WAY
O Ungento de Holloway i um remedio infallivel paia O'; males de pemas e do peito tambem p ira
a frulas antigs cbagas e ulceras. E famoso para a got e o rheumatismo e para todas as enfermi-
dades de peitc n5o se recenhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle no teem semelhante e para os membros
contrahidos e juncturas redas, obra como por encanto.
Esas medicinas &&o preparadas smente no Estabele>"imento do Professor Hollowav,
78, HSW OXFORD 8TBEET (antes 633, Oxford Street), LONDRES,
veademse em todas as pharmacu s do universo.
tS" Os compradores sSo convidados respetosawente a examinar os rtulos de cada caixa e Pote, se nao teem a
direcCrao, 533, Oxford ^t-et, s4o falsicacocs.
AS
MeriEiEies
5al-c, c prensa e machina de serra, tudo emi
bom estado ; dirija se ao abaixo assignado,
na referida povoagilo, at agosto prximo,
fim de faz-r negocio; tendo quo de agos-
to cm diante s far negocio o mesmo!
abaixo assignado dppois da siifFra.
Fas-se o negocio por motivos partcula
res.
Povoacao do Mulungu', ib do abril de
1886.
Antonio Di.zerru Petada e AMmqvi.rqve.
_.iuuiiyu uH .
L. E. R dngues Vianna mudou seu eseriptorio
de adviigaeia para o 1 andar da ra larga do B
ario u. 10.
GONORRHEAS
FLORE8 BRANCAS
CORQ.MENTOS
|J*^ntes eu untigos sao curidos cm 1
poucDi- dias em secreto, sem 1 >gl-
'.Psa Mm tisssas, sem cansar jera 1
molestar js orgauce digestidos, peiasj
e injeegao de
llk'iii'ii
Tem-ae para alugar urna preta para ama de
leiti : a tratar na ri.a dos Martyrios n. 148, Si-
guilo anii.o'
pH89amcnto.
urlo Mureira da fcilva
O vibeonde de liaqni do Multe e Dialina Mo
reir da Silva, tendo recekioe a infausta noticia
do fallei-imento de siu presado filho e irn.ao Car-
los Moreira da Silva, na cidade do Cear, a 23 do
corren e, Cunvid. m aa pesoaa de sua amizaie
para aabiatireta a miaia do stimo da, que sera
celebrada na igreja ao Corpo Santo, no da 29,
pelas b boras da manlia
Eligen!. (joiahrni
Truspassu-sc oarrendarrento lo engenbo cima,
distat.tr da cidade da Jaboatao mc-ia leg^a, vn-
denlo tan.bem a safra, boiada, alan bique, carros
e mal ut> nsilios p-rtene. nies uo mesmo : a tra-
tar na ra nova de Santa Rita n. 49, errara
vapor.
Cos nh eir
Pr eiea-ae de urna lioa coainheira e que seja
asead. a tratar na ra de Paysandu u. 19
Passage "> da Magdalena.
Experiiiieiitrin
E dieam o qae nrlinm
Oe eppeeia- s licores de genip po e caja que se
achara a vende. : o largo de 8. Pedro n. 4?
EXPOSITION V^ UNVle 1878
Mdaille d'Or^^CroiideCheTalir
tes us HAwa Meo*penses
PERFUMARA especial
LACTEI
E. COUDRAY
Precon^aJa pelas GeUbriaadei Mediea) de Pr
PAR TODAS AS HECESSjOADES00 T0UCA00R
PRODUCTOS ESPECIA ES
FLBKde ARROZ de LACTOSA para blanqueara vthe
SABAO de LACTOSA oara o tocador. '
CREME e P e SABAO de LACTEIHA pira a harha
POMADA de LACTEIHA para a belleza dus cabellos
AGUA le LACTEINA para o toncador.
O'EO de UCTEIICA pai-a embellezar i s cabello*.
E5SEKCIA de LACTEIHA para leniw.
PO e AGDA EENTiFRICIOS de LACTEIHA.
CREHE LACTOSA .li.w.d, setim da pelle.
UCTEISIIA ara kraoquear a pelle.
ESTES ARTIG08 C AM-SE NA FABRICA
pars 13, ru d'EughieD, l pars
Depoiilos em Inda as Per/umarlas, Pharnueias 2
o i'.abelleieiros la America.

NA EXP0S1CA0 UNIVERSA
VINHO de CATILL0N
de GLYCERIKA e QUINA
O mai* poilprnio tnnieo reeofistitoiaM prescripto
nos caao* ile Dores d'estomago. Langor, Anemia
Diabcti's, CousumpSo. Febre3.
Convalescenca, Rezultados dOB partos, ele.
O mesmo vinho com fo ro. VlNHP FERi U6IN0S0 Di
CATiLL I ic.a do sangue pobre
- c descarado. Este rinh>> fai t.lrar o ferro por todos
"* ns estimafo c nao oceasi ira prMa de rentre.
''AlitS, :S, rut i-:,:i Pe'rjnbjco:
FrODCoM. da SIlVl O C-.en-sprincipies i'harniueiM.
mMmmsm
Alimentacao racional
as MES. CHIANCAS, AMAS & CONVALESCENTES
Por uso di I'IIOXM.4 TIXA tiliiris.
P&R17, 6, A verme Victoria. 6, PABIZ.
depositarlos en Pornamouco FitAH~ M. da SILVA l Cu.
IB7S
EXPOSiglO DE PARS
roaA D COSI'DRUO
Cura
de
pelo P 6 do
- Glry
'enOe-se em todas a Pharnucm,
ASMA
Deduxos, Orlppe. Bror-ohitas. 'i
JrrltaoOae do f>lto. c X ABOPG a PAUTA li-.
I tor! i. NAF de DELANGRJJNIER lo de ton '
teaotota otru e rrilScd por Hembra dr> 'i^i '1
*'ie liarilclDb d> Flmaoft.
8m 0j4t, lorplUna non (MKu d-M Hetis>
it griaui ASeciadu da Tosa* o Coqaeloobe.

?
$>
o
&
tfdp*
rosinheira
Precisa-se de ama, a tratar Da ra da Uaiao
n. II.__________________________________________
Cosinheira
Precisa-se de urna que aeja muito boa para casa
de duas pessoas estrangeiras. Informa-se na ra
do Barao dr Victoria n 9, livraria.
AOS 4:0001000
SILSSIES .-mimos
loa Primeiro de Marco n. 23
assignado tendo vendido nos
seus
O abaixo
afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 379 com a sorto de l:000JKX)O,
alm de outras sortea de 32$, 16$ e 8)5, da
lotera (50.*), que se acabou de extrahir,
oonvida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costurae sem descont
a gura.
Acham-se venda os afortunados bi-
Ihetes garantidos da 2.a parte das loteras
a beneficio da matriz do Panellas, (51.a),
que se exirabir quinta-feira, 29 do cor-
rente.
Este
sim
O dono da rifa que tem a epigraphe cima pre-
vine que transferio a extraccao da mesma para a
segunda de Haio vindouro.
Ao commercio
Retirando me temporariamente para a Europa,
por motivo de molestia, aviso ao corpo commercial
ou a quem interessar possa que deixo como meus
procuradores os Srs. Luiz Abranche de Figu.-re-
do e o mvu empregado Pedro Paes Correa de Fi-
gueiredo.
Recife, 25 de Abril de 18G.
Jo.i Gome* Gawhrs
B
oa aeqmsiQao
Aluga-se o aobrndo n. Gl a ra de Simti Rita,
caiadj e pintado de novo, com excellentes com-
modos, paia grande familia, tend. agua e gaz.
Tambem estao par alugar o pavimento terreo
do mesmo sobrado, proprio paia raarcineria ou ep-
tab''lecimento commercial ; e o terreno ao fundo,
com dous grandes telheiros, proprio para oficina
de ferreiro ou para co. heira de bois r vehculos de
conduefo : a tratar na ra do Mrquez de Olinda
n. 16.
Inteiro 40000
Meio 2,5000
Quarto 1)5000
em qnaatldade malor de OO^
Inteiro 3,5500
Meio 1(5750
Quarto 5875
Manoel Martina Finza.
US l lili (lili)
\iis 4:000S000
11U
B
Ao
commercio
Silva Campns & C. delaram que compra ram,
nesta dita, o estabdecinvinto de noolbados sito a
ra do Padre Muuiz n. 5, a') Sr. Bernardino Fer-
reir Pra^a livre e desembarazado de qualquer
onus.
Recife, 2G de Abril de 188G.
Silva Campos & C.
Hotel oriental
Prcvine-sc ao resp -itavel publico, e com espe
cialidade aos passageiro3 do sul c norte do Bra-
sil e aos da Europa, que se afastnu desse hotel
onde se cobra a quantia de 5000 por urna noite
despeito de todas as considerado-s. __
Um udiguudo.
Un do Baro da Victoria u. itt
e casas do cosame
O abaixo assignado acaba de vender
en seus felizes bilhetes quatro quartos de
n. 1314 com a sor te de 4:0005000, quatro
quartos n. 2739 cora a sorte de 2003000,
e di 'eraos premios de 320000, 16$000 e
3(5000.
i) mesmo abaixo assignado convida os
possuidores virem receber na conformi-
dd-ie do costurae, sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 2.a parte das loteras
jeieficio da matriz Je Panella, (50a), que
ae extrahir quinta-feira, 29 do corrente.
Precos
Inteiro 45000
Meio 25000
Qur.rco 15000
Esa |or<; cima
Inteiro 35500
Meio 16750
Quarto 5875
Joao Joaqun* da Costa Leite.
CORPO CADMSGO
0 MIMO HA
LiriiiilFincEM
Convida a ilustradacorpo-
ra^o acadmica a ver no seu
estabelecimento o novo sorti-
mento de
01111AS DE DlljElTO .
estrangeiras e nacionaes, in-
clusive os compendios, para
todos os anuos lectivos,
obras sero vendidas com
\mvA grande e adrniravel re-
duefo de
PRECOS SEM EXEMPLO!
9
CUSTA POLCO!
LIVRARIA FRANCEZA
9-RA PRIMEIRO DE IABCH
cujas
Os proprietnriog do muito conhecido estab'lecimento denominado
MSEUDE J0I\S
sito a ra do Cabug n. 4, coramuniesra ao respeita'-el PUBLICO que receber* ra um
grande sortimento de joias 1as mais modernas e des mais apurados gostos, como tam-
bera relogios de todas as qualidades. Avisam tambera que continuara a receber por
todos os vapores vindoe Ja Europa, objactos novos e vendem por muito menos que em
cutra q i ilquer parte.
MIGDL AVOLPP & C.
N.-4 RA DO CABUGN. 4
Oompra-se ouro e prata velha.
I niENH 1
'
'*>'?i



Diario de PeMinmfoiicoTerfa-fira 27 de Abril de ISN6
REG LAMENTO
DO
i
28RA D3 BABAO DA VICTOBIi28
PRESOS
Um almeno contendo tres pratos t sobremesa IjJCOO
Um jantar constando de sopa, tros pratos e sobremesa ljJK'OO
Lunch constando de um prato, queijo, doce, fructas e caf. ^(00
VINHOS-Bordeaux, Figueira. garrafa ij*00
meia garrafa JiQO
ASSIGNATURAS
Por mez.........40,5COO
a com vinho (ama garrafa por diaj Bordeaux ou Fi-
figueira. e 600(X>
Pagamento adiarJado por quinzena
A. G. Fruncs^
Grande e bem montada oflicina k alaiale
DE

PEDROZA & C.
N. 41Ra do Barao da VictoriaN. 41
Nestc bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor
timento de pannos, caseroiras, brins, crnicas, punhos, collarinhos, meias, gravatab
tudo importado das melliures fabricas de Faris, Londres e Allemanhii; o para ben
gcrvireiii aos sous amigos e freguezes, os proprietarios desto grande estabelecimenu
tn na directo dos trabalhos da oflicina liabeis artistas, e que no curto espayo de 24
horas, preparam um terde roupa de qualqi er fazenda.
Kua do Bar i o da Victoria 11. 41
(PRECOS SESI COMPETENCIA)
FAZENDAS PRETAS
PE CHENCHAS
GORGURESde seda pura a 2000, 2,8200 e 2,5500 o covado !
GRANADINAS-de seda a 400 ris o dito!
SETIM MACA'O a 10300, 15600 o 2>500 omais largo que tem vindo I
MERINO'S-a 1-5000. 15200, 154OO! e de todas as cores para 15O0O para
acabar.
VELLUDILHOS a 800, 900 e 150CO 1 lisos e bordados.
CREPsuperior a 15000 o covado 1
SETINETA franceza a 560 ris o dito!
MANTILHAS e fichusgrandes a 45500 e 55000!
Casemiras, pannos, cheviots, merinos, diag-o-
naes, etc., eneommendas para lucto
EM 24 HORAS
\ t ACREDITADA CASA DE
PIRO III CULI
5JRa Duque de Caxias59

SELECTOS
--"/
NOVA MAKCA QE COAEROS
De qualidade superior
a contentar o mais diffieil fumante!
NOS ESTABELECIMENTOS DO GOSTKE

FABRICA APOLLO
B piador lia marnlia
Este i portante estabele -ment de relojoaiia,
fundado ein 1869, est funecionando agera rua
larga do Rosario n. 9.
O seu pmprietano, eocarr gado do regulsmen-
to dos r elogies do arsenal de oiarinha, da compa
nhia dos trilhos urbanos do Recife Olinda e Be-
beribe, da di Recife Otiang, da estrada de
ferro di- Cania da companliia Ierro-carril de
Pernambuco, da associacAn cninmcrcial ben-ificen-
te r da estrada ntelligcates e habis auxiliare*, concerta e fa -
brica qualquer peca jara relogios de algibeira,
de par d-, de tories de igreja, chronometros ma-
rtimos (dando a marcha), caixas de msica, ap
parelhos elctricos telegraphicof.
O mesmo acaba de n-ceber variado sortimento
de relogios americanos que vende de 7* a 20*
para paredr, mesa tlespi rtad.res de nikel.
Contina a exercor a sua pmfissao com zelo e
nteresse de que s mpre deu provas ao respei-
tavol publico e a. s seus collegas, a vende torne-
cimento de qualquer qualidade.
Em frente de sen estabelecimento se acha col
locado um relogii, cujos mostradores tambera po-
derlo ser vistos pelos passagclros da forro-carril.
tendosempreaHORA MEDIA DESTA CIDADE,
determinadas pelas suas ooservaces astronmi-
cas. Ra larga do Rosario n 9.
Antonio da Costa Araujo.
Criada
Precisa-ie de urna criada que compre a oosinh
para casa de pouca familia ; na ra do Bario da
Victoria n. 15.
Arrenda-se
Precisa ee arrendar um sitio perto deata cidade,
que tenha proporcVs para ter vaccas de leite :
quem tiyer nestas condicoes deixe carta neata ty-
pographia com as iuiciacs J. P.
Agencia
Precisa-se de amas de leite e cosinheiras, e de
nm menino : no pateo ce S. Pedro n. 1, toja de
alfaiate.
Atten$o
AULA NOCTURNA
PLMARFS
A conferencia do Sugrodo Corayao de
Jess da Sociedade de S. Vicento de Paula
desta cidade, deliberou em sua sesao de
21 do crtente, crear urna aula nocturna,
do sexo masculino, para aquelles meninos
e adultos que nSo podem frequ^ntar a
aula diu-na. O curso gratuito c ser
aberto no dia 1. de Maio.
Este remedio precioso tem gozado da accefta
(ao publica durante cincoenta c setc annos, com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidadc e venda nunca forSo Uo exten-
sas como ao presente; e isto, por si rnesmo,
offerece a melhor prova da sua efticacia maravil-
bosa.
Ko hesitamos a dizer que no tem deixado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
cranlas quer em adukos, que se acharao atflic-
tos destes inirtigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestases de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificaces, de
sorte que deve o comprador ter milito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
7ermifD(rc e B. A. FAHNESTGCK.
Roga se pessoa que achou um annelo, de
agarra ingleza, com um brilhante, eoutrode pedra
verde, os quaes eahiram da mo de urna figura de
anjinho, da matriz da Boa Vista, at a de 5. Jos,
caso que as queira restituir, sera generosamente
recompensado, ra de Marcilio Dias n. 76.
ff o MllolalnJataT
A pmieuia especialmente preparada na Europa
em bonitos frasquinhos e que se vend m pelo di-
minuto preeo de 160 ris cada um, no Largo de
8. Pedro n. 4.
Atteneo
Furtaram na neite de 16 dese mez, do engenho
Pintos, e Jaboafo, tres cavallos : um alasS,
pequeo, castrado, de frent-- berta, quatro ps
brancas, crinas e cauda ripad s, bom andador e
com o ferro F n< anca direita ; nm. poltr i cardan
vermelho e outro eastanh tambem po'tro (ainda
bravo) sem si^nal branc o, tambem com o ferro
cima, todos gjrdos. O abaixo asignado d boa
gratifica vio a quem apprehcnder ou der otician
dos referidos animaes.
Felippe de Svuza L 3o.
Vidros para adraras de todas!
ib dimensoes \
Vende-se ra do Commercio u. 15 por presos
baratissimns em cazas i von'ade
fastlias Vermfugas
DE
As nicas infailiveis e que nao
repugnara as crianzas, fhegou
nova remessa e vende-se na
caso de
FAEIA SOBRINHO k G.
,. Engenho Recanto
Vende se ou arrenda se o engenho Recanto, si
tna4" no termo de Serinhiem, moente corrente
d agua, coin boas trras, etc. ft tratar com Ma
noel Frreka Bartholo. ra do Bom Jasus "4.
Pinho v'eriga
Vende-se em casa ae Uatneus Austin (S C, i
ra do Commercio n. 18, 1 andar, da melhor
qualidade e diversas dimensoes.
Miudezas baratas
i.oj.i Camaeaa
Ra Duque de Caxiae n. 66
Chamamos a atteucSo das Exmas. familias para
este estabelecimento, que eatam*s vendendo rnui-
to barato todos os artigos de miudezas, e tetaos
um bem sortimento.
I ranj-i com vidrilho, larga, a 800 rs., 1 000 e
l#2O0.
Galio com idem idem, a 1400, 1:8600, 2^000 e
2*500.
Luvas pretas de seda, a 600.lt, 800 e 2/000
o par.
Leques finos pretose de cores, 8J e lOf.
Ditos a 5, 5*500, 6* e 7*.
Ditos hesp nhoia, de custo de i*500 800 e
1JO0O.
Bicos fin is com vidrilhos e baratos.
tspartiihoa finos para seuborus e m -ninas.
Bordados finos, que estamos vendando barato.
Perfdmarias finas e sabanetes- finos a 1 0 e
200 rs.
Barra de saboneta fino, de custo de 1*000
800 rs.
Brinqucdos para crianca.
Lenei s tinos e meias finas para senhores e se
koraa.
S te vendo para poder i ror e^tes preeo3.
Xa loja ('amaran
Ra Duque do Caxias numero 66.'
Camisas nacionaes
A tteoo, sooo e 9OO
32= In,ja a rna da Imperatrs 32
Vende-se neste novo estabelecimento nm gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e p jnhos de linho como de algodio, pelos
baratos procos de 2*500, 3* o 4,1, sendo tasenda
muito melhor do qu" as que veetr do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortada por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por eneommendas, a vmtade dos
freguezes : na nova loja da ra da Imperatrie u.
3 -, de Ferrera da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
Ra da Imper itriz = 3.
DE
FEEREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
eit avel publico um variado sortimento de fazen-
as de tol..s as qualidades, que se venden) por
rec os baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de r upaj para houiens, e tambem se man-
da tazer por eneommendas, p r ter um bom mes-
tre altaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiraa e brins, etc
Leonor Porto
a. 45
Ra do Imperador
Primeiro andar
Contina a executar os mais difflceis
figurinos rocebidos de Londres, Paria,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em pe: f. ico de costura, em bre-
vidade, modicidade em precos e fino
gosto.
:!
H
Engenho

.
IV
>2

5


as
Chapeos e chapelinas
36 k a---PRAvA DA IIEIE1E1A.....36 A O
B. S. CARVALHO & C.
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento partecipam
as Exmas. familias e ao publico em gerul, que mensalmente recebem
das principaes casas em Paria e Manchester o que de melhor e de
apurado gosto ha era chapclinas e chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabrica de Hamburgo o que ha de melhor em cha
pos para homens e crianjas, e muitos outros artigos concernenteii
chapelaria.
Flore artificiaes para rname ato de salas.
C*2
5
fe
a*
es
es
5
es
es
fe
^3
es
Arrenda-se o engenho Estivas, sito na comarca
do Cabo ; a tra'ar no escripturio de Sebastiio de
Barril Barreto, & ra do Commercio n. 15.
i.u;# Clemenilno Carnelro de
Vjwm
Guilbeimina da Cinceico Burros Carneiro, o
Dr. Vfanoel Clementino de Barros Carneiro, Maria
do Carmo de Barros Carneiro, Jos Francisco Car-
neiro e seus pnrentes, convidam aos seus amigos
e aos de seu fallecido esposo, pai e irmao, z
Clementino Carneiro de Lyra, para assist rem
missas do trigsimo dia de eeu fallecimiento, que
ferio lugar no convento do Carmo do Recife, s 8
horas 'la mHM de tere** fera 27 do crrente.
( npitilo Jone IramiMO lt- ShIM-s
Joanna Maria dos Santos agradece do intimo
de sna alma a todos os carentes e amigos que
acompanharam at a ultima morada os restos mor-
taes de seu presadissimo marido, Jos Francisco
de Salles, e de novo pede para nssistirem as mis-
sas de stimo dia, que ir sua : lu i se hilo de
resar terin feira 27 d > corrente, pelas 8 horas, na
igreja do Divino Es jirito Santo, rntrcpaado des-
de j 8eU8 BnetT"8 atr 'l-'l'llucir01
Marta um C'ouceiro < i al l.iiii'iila de Almelila
Dr. Franc^co de Paula Rodrigues de Almeida,
sua mulher e filh'-s, e sua angra I). Laica Fran-
cisca de Paula ('avaleante de Albuquerque La-
cerda, agradeeem s pessoas que se dignarain
acompanhar os re.-tos inortaes de sua presadissi-
ma filha, irm e nf ta, e ve m novamente convi-
dal as, assim como ios mais paieutes e amigos
para assistirem as missa-, que por sua alma, man-
dam ref ar na, se-junda-feira 26 do correte, na
matriz Ha 15 .a V ra. A 8 hor-B da in-.iiha.
Jos.-plm Mnria i.DiK.iiii-f
KlmoeH
Manoel Cartano Sorian Siinoes. Josepha Jus-
tina de Jess Gonfalves Ma-i..el Antonio (ioncal-
ves, Mana do Car uo (xonealves de Oliveira eJmio
Hilariuo Oi.n(alves, agrad-cem do intimo d'alina
aos \ aren ti-ri e amigos que te dignaram acompa-
nhar ultima morada os res'os mortaes de su
mu presada consorte, fliha e irma, Josepha Mura
Goncalves Simoes ; e de novo convidam aos p-
renles e amigos para assistirem as raissas de sti-
mo da que manifam 'celebrar na mat iz da Boa-
Vista, na terC/t-feira 27 do corr nte, s 7 1/2 ho-
ras da manh, pelo que se cmfessam eternamen-
te gratos.
Joan rilusl nal..... I'i-i i ii ii da
lita
Joaq im Molesto d-.i hliva, Atina de Vascon-
cellos Silva e Jone Peieira da Silva, convidam aos
seus pa entes e amigos assistirem as missa
que ma idam celebrar por alma de seu presadissi-
mo irmao, Joan Justiniano Petrin da Silva, tres
mezes de seu fallecimento, as quaes tero lugar
na mat i de Santo Antonio, s 8 horas da manh
do dia 27 do corrente, e do mimo d'alma agrade-
eem a todos aquelles que comparecern] a este
aeto de relieij'i > eamla e
Ouem tem?
Onre e prala : compra se ouro, prata e
x'dras preciosas, por maior preco que em outia
lualquer parte ; no 1 andir n. 22 ra larga do
iosano, autiga dos Quarteis, das 10 horas s 2 da
arde, dias uteia.
Vinho de S. Miguel
CHEGOL
Nova remessa, vi ndem Amaral Primo & C., ra
Larga do Rosario, e Borgea na ra do Amorim.
E' PURO E BARATO
BMULSAO
- DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de l.aealho
COM
Hypophosphitos de cal e soda
tpprovada pela .limtu de II
giene e autorizada pelo
governo
E' o melhor remidi at h.je descoberto para a
llnica iiroiK-iiiifs, < chiltM. anemia, eltilidaile rm (eral,
iii-iinvos. loNNe elirunica e alTecedew
do pello e da garuanta.
E' muito superior ao oleo simples de figado de
bacnlho, porque, alm de ter ch-iro e sabor agra-
da veis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas e
reconstitumtes dos hypophospbitos. A' venda mu
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Francisco Manoei da Silva & C.
23-RA MRQUEZ DE OLINDA- 2
SO' AO NUMERO
o roa da Imperatrlz = lo
Loja dos barateiroe.
Alheiro & C, A ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de tedas estns fazendas
abaizo mencionadas, sem c>mpetencia de precos,
A SABER:
AlgodaoPe5 godozinho com 20
jardas, pe'o-^ ipreyos de 3J800,
4|, 45H0, 4i (,5J, 5*500 e 6J50*
Madapolao !' ca jardas a 4*500, 5*. 6* at 12*00('
Camisas de mtia com listras, pelo barato
pre^o de 800
Ditas branc is e enjap, de 1* at 1*800
Creguella francesa, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas c
c-roulas, vara 400 rs. e 500
Ceroulas da m-'ma, mui'i bem fetat,
a 1*200 c 1*000
Coiletinhos -"a ine3ma 800
Bramante francez de algodao, muito cn-
corpada com 10 palmos de largura,
metro 1*280
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 2$80t
Atoaihalo adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1(80(1
Cretones c chitas, clr.ras e escuras, pa-
droes delicados, d 40 rs. at 400
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratissimas, na conhecida
loja de Alheiro & C esquin do becco
dos fVrreiros
Algodao entestado pa-
ra enfoes
* OOo r. e i Simio o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Viata
a ;odao par lencoes de um s panno, com 9 pal-
m s de larpuraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
1 10 o metro, assim coma dito trancado para
toi. Ibas de mi sa, com 9 palmos ne largura a 1*200
o i otro. Isto na leja de Alheiro t C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*201), 1*400, 1*600, U800 e 2* o covado
A heiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acm>
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
de 5*<)00, assim cuno um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3 o covado
Alheiro 4 C", ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
zas, de duas larguras, com o padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato prece-
de 2*800 e 3( o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costumes de casemira a
30", sendo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pechncha na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr co de 32t
rs o covado, grande pechincha ; na loja da es
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado* a loo rw. a pera
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
brdalo, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em curtan com 50 pecas, sorti-
das, por 5(, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
i" ii .i oes de selineta a 5 o o rs o
covado
Alheiro & C. ra da Imperatri ven-
dem um bonito snrtm entn de fustes brancos pe
baratinho preco de 400 e 500 rs. o covado, assi:
eetinetas lisas, tendo de todas as cores a 500 rs.
i-ovado na loja da esquina do becco dos Fer-
reiros.
3a iiiiii da iinini ni/ ,t;
Loja de Pereira da Silva
Neste e?f:,beleeimento vende-se aa roupas abai-
zo mencionadas, que sao ba- as.
Palitots pretos de -- aiagonaea e
acolcboados, senoo tazenaaa muito en-
corpadas, e forrados 7*000
Ditos de casemira preta, de cotdao muito,
bem fitos e forrados 10*000-
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*000
Ditos de flanella azul sendo ingliza ver-
dad.ira, "e forrados 12*000
Calcas de gorgoro preto, acolchoado,
sendo fazenda muito ene irpada. 5*500
ton de casemia de cores, sendo muito
bem feitas 6*500
Ditas de flanella. ingleza verdacleira, e
muito bem feitas 8*000
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de.brizo pardo a 2*. 2*500 e 3*000
Ceroulas de gr^guellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e 1*600
Colletinhoa de greguella muito bem feitos 1*000
Assim como um bom aortirneuto de lencos de
linho e de algndao, meias cruas c collarinhos, etc.
Isto na loja aa -ua da Imperatriz n. 3i
Riscados largos
a SOO rn. o rotado
Na loja da ra da Imperatriz n. 62, vendem se
riscadinhbs pr- prms para roupas de meninos e
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade,
endo quasi lareura de chita franceza, e ssif
cojio chitas brancas miudinha, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
'oja de Pereira da Silva. .
KiiMM-s, siiiiuias e lEinban a O
rs. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n, 32, vende-a
um grande Sortimento Je fustes brancos a 600
rs. o covado, lzinbas lavradus de furta-corea,
fi-zenda bonita para vestidas a f.00 rs. o covade,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. > covado. pechincha : na loj
do Pereira da Silva.
MerlnM preto* a I S"
Vende-se merinos pret-is de du-is larguras para
vestidos c roupas pnr meninos a 1*200 e 1*601
o covado, e sn L-nor setim preto para enfeites a
1*500. afsim como chitas pretas, tanto lisas como
de lavoures brancos, de 240 a' 320 rs.; na nova
loja de Pereira da Silva ra da Imperatriz no-
mero 32.
Algodozinho francs para Iencea
a '.)() v, iSe i -i'ioo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-*
supeiiores ulgodozinhos francezes com 8, 9 e 10
palmos de largura, proprios para lencoes de mu
e panno pelo barato preco de 9:X) rs. e 1*000 c
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, as-
sim como superior bramante de guatro largurav
para lencoes, a 1*500 o metro, l>arato ; na loj
do Pereira da Silva.
Roopa para meninos
A 4. *r.oo e tlS
Na nova loja da ra da Imperarriz n. 32, st
vende um vanado sortimento de v-etdarios pra.
prios para meninos, sendo de patosinho e calci-
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, ditos
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgoro pretx,
emitaodo casemira, a 6*, sao mui':o barates ; na
oja do Pereira di Silva.
est
valor.
vend. do
VENDAS
Cabriolct
Vende-se um ero perfeito estado c por preco
eommodo; tratar na ra Duque d- Caxias n.47
Bilhnr
Vende-se um bilharem perfeito estado : a tra
tar no armazem de movis ra do Imperador
numero 49.
WHISKY
BOYAL BLEND jiarca VIADO
Este excellente Whisky Escossez prefenv-
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifici
i c-irpo.
Vende-se a retalho nos h. ihercs armazens
nolhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujon.
me e emblema sao registrados para todo o Bran
BROWNS -. C, agentea
LfIDAviO DE CHiPEOSMi
%>nde se pelos segn-intes pre
eos de .* o al oooo. a
rna do respe n. I ? aania
Meqiielina.
Venda
Vende-se a venda rna de Lomas Valentinas,
at.tiga Aguas Verdes n. 17. com muitcg commodos
para qualquer pessoa ; t se vende por doenca.
Em vista dos grandes projrressos da idea de que
se gloriam as nayoes civilisadas, o commercio
deve acompanhar esse prod;resso, viato que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimento das
uacoes ; em /ista do que ai.niuieiam
MABT1NS CAP1TAO & C.
1 Kua eutreita do Rosario 1
Grande s irtimento de gneros alimenticios, es -
colha dos quaes, os annunciantes teem sem pre
maior cuidado, pura bem servir os seus numerosos
fregueses. Lerubramos, pois, o proverbio :
Cjuem nao experimenta, nao sabe.
Venh..m Ver, pois :
Queijos, flamengo e de Minas.
Fiambres inglezes.
Chocolate fraucez Menier.
DitO do Maralih-io.
Fructos seceos, como :
Passas, ameudoas, figos, etc.
Ditas uacionaes.
Doce de todas as qualidades.
Bolachinha ingh-sa.
Semeatea imva* de hortalizas.
Espeiialidade em
Vinhos finos do Porto, Madeira e Shery
Ditos da Figueira e de pasto.
Cognac de diversos autores.
Vinhos tnicos, como :
Absintho.
Vermouth, etc.
Licores de todas as qualidades.
Champagne.
Cervej de diversas marcas.
Bem as -im :
Araruta fina em pacotes.
Cha verde e preto.
Dito per ola.
Especialissimo m&tte de Paran, em p.
Aiiid'. mas :
Ovas de peixe.
Sardinhas de Lisboa em Saimoura.
Vendem Martini CapifSj fe I ., ra estreita d
Rosario o. 1.
AOS AGRICULTORES
For^nicida capanema (verdadrim) para extinc-
cao completa da furuiiga saura. Vendem Martin
Capito & C, ra estreita do Rosario n, 1.
O 418 da ra Duque de Caxias
fazendas por menos 25 "/o de seu
Ver para acreditar
Setins macaos de 1*400 por 800 ris o covado
Merinos sretos de 1*. 1*200, 1*400, l*i 0
1*800 e 2* o covado.
~etineta preta a 500 e 600 ris > covado.
Ditas de cores a 400 rs. o covado.
Fustoes brancos e de co es a 400 e500rj. i
covado.
Sedas de listras de cores de 2* por If o i
vado.
Merm de bolinhas a 90> rs o covado.
Mariposas fi tas de .mres n 240 rs. o covado.
Renda aberta da China a 240 ris o covado.
Linhos escossezes de todas as cores a 240 ris
' covado.
i Chitas finas a 200, 240, 280, 320, 360 e 400
I rs,. 3 covado.
Manteletas de seda de 16* por V*.
Fichus a 2|, 4* e 6*.
Bramante de rres larguras a 900 ris a vara.
Dito de quatro largura," a 1*200 a vara.
Atoalhado de linbo bordado a g* a vara.
Collarinhos e nunh s para senhora, modernos, a
2*000.
Brim pardo liso de 300. 400 e 5>)0 rs. o corad.
Toalhas velpndas a 4* e 6( a duzia.
Ditas alcochoadas de 20* por 12* a duzia.
Cobertas fornidas a2*80l) urna.
Lencos de bramante 1*800.
Camisas para senhora a 2*50C urna.
Casacos de laia bordados, modernos, 1?*.
Dams.eo de algodao de cores, largura de quatro
palmos a 500 rs. o covado.
Camisas bordadas e de linho a 10*000 a duzia.
Madapoln casca de ovo e pelle de ovo a 6*500.
Enxovaes para baptizado, novi dade, 9(.
Timoe8 para me-ino, boidados, 4.
Chapeos de sol de seda para leubora, de 16*
por 8*000.
Meias para homem e senhora, de 3*, 4*, 5* e
6*000.
Redes hambureuczas. 10J.
Colchas a 1*800. 5*, 6* e 7*.
Verbutinas d todas as cores a 1* o covado.
Cortes de casineta 1*, e l(e00.
Ditos de easemir* a 3 1, 5, 6 e 7*.
Leudos aba'.nhadns enm barra a 1*200.
Camisas de tteit a 800, I*. l*MH)e2*
Casemira de cores de duas laignras a 2*.
Cortes de casemira para vest* de senhora, de
40* por 20*. baratissimo.
Zefiros lisos a 120 rs. o covado
Camhraia preta pira forro a 1{ 200a peca.
Ve ide-se por baratissimo preco i em muito bom
estado tiro cabrmlet de dous asseu os, quatro ro-
das e arruina para um cavallo ; a tratar na co-
che ra do Candido, ra da R da.
Holiiliiis de junco
Vende-se mobilias de junco de nncosfo com p-
lha e sem palha, mais barato do que em ontra
qualqui r parte, assim como mesa ulastica de 3 e 4
taboas, guarda-vestido e guarda- louca e outras
pecas avulsas : na ra estreita do insano n 23
Fructas maduras
Venc se diariamente especiaei laranja para
mesa, mangabas, i api tas, e outras muitas : n#
largo de S. Pedro n. 4.*
1 WTHIW I


8
Diario jie^eriiaiiibinatTerfa-ieira 27 de Abril de 1886
* r __________i_____

ASSEMBUA GERAL
>i:ii tamos
CAMABA DO
SEGUNDASES
l-MlGDBAfeBILCE 188G.
RESIDENCIA DO SU- AKTONIO JQS "
UESRKJ&
SCMMARICJ. Partear V hmm'sxSea Obser-
>-m< ut*r-Obe'viu;~<.$. do ir. Andra-
de Fiquetra-rSorteib dan ro'minissroes
a'b 11 horas ftbre-&e a sc^iio.'
E' lda e aprovadp a acta da sess3> an-
tecente.
O Sr. 1." secretaria l o seguinte
PARECER
. A commissao noraeada, na firma do
art. 5. do regiment interno d'esta ca na
ra, para organ8ar as listas dos diplomas
apresentados para o tira io mesuoo artigo,
exauinou os referidlos diplomas, repr
taces e denuncias que Ibes loram Bubmet
tidos e em resultado do seu estudo, tein a
honra do oifereeer duas listas juntasa 1.a
conteni os diplomas dos deputados por
distrieto cleitoraes, cuja cleic.ao soffra cen-
toatac3es.
j Sala das conmissoes, 15 de Abril de
1880. Andrade Figuei-a Crrela de Ara
joCosta PereiraTjourmco de Albnrjnev-
Pinto Lima. 4
1.a lista. Diplomas que nao soft'rem
contestares:
Provincia do Amazonas. Dr. Passos
Mir-uiTl i.
Para.Dr. Letao Ha Cunha..
Pauhy. Dr. Coelho Rodrigues e Sim-
plicio Rezende.
'Cear. Dr. Portugual, Jagnaribei Filio,
Alvaro aminha o" Barilo de Oaiiind.
Rio G-ande do Norte. Dr. Tarqumio
Amaranto o padre Joao Manoel.
Parabyba. Conselheiro Antonio Joa
Hcnrique, Dr. Joa Suriano o Elias Albu-
querque.
Peruau.buco. Dr. Correia do Araujo,
Pedro Beltrio, Ferreira de Aguar, Aleo-
forado, Rosa e Silva e Gonealves Fer-
reira.
Alagas. Dr. BernaHo M-ndonca e
conselheiro Lourenco de Albuquerqus.
Sergipe. Dr. Pedro A. do Oiiveira R-
beiro.
Babia.Dr. Freir de Carvalho, Pedro
Muniz, Jos Marcelino, Amerioo de Souz.i,
Araujo Pioho, Fernandos da Cunha Filho,
Pedro C.irm-iro e Barilo da Villa da barra.
Espirito-Santo.Duqua Estrada Cmara
e conselheiro Costa Pereira.
Rio de Janeiro. Drs. Castrte, Bulbo s
Carvalho, A*n,lr ule Figurara, Alberto Be-
zaraat, Cunha Leitao, conselheiro Alfredo
Chave* e Belisario.
S. Paulo. Consclheiros Antonio Prado e
Duarte de Azevedo, Dra. Rodrigo Silva,
Cochrano e Visconde do Pinbal.
Santa Catbarina. Conselheira Pinto
Lima.
Minas Gerae3.Conselheiro Candido de
Oliveir., Burilo de L-'npoldin*. comraen
dador Soares, Dr. Scbastulo iaseereuhaa,
Ribeiro da Luz o Cari s Peixoto.
2.' lista. Diplomas que soffrem contes-
ta^ Des:
Amazonas.Dr. Jos l'aranagu.
MaraabSo. Conselheiro Abasida
reir.
Piauby.-Conselheiro Doria.
Prnambuco.Dr. A. de Siqueira.
Alagas.Or. Ribeiro de Menezes.
Babia. Conselhciro Prisco Paraizo.
.Minas. -Drs. Joao Ponido, Francisco
Bernardino, Ce3aiio Alvim, Joilo Castao,
Atfras> Celso Jnior. '
O r. Cesar? Avila (pelarordem)
recia-~-yIlira a exclusilo do seu nome da
'.[ -la dos diputados ineontestaaos, quando
se acha eleito pelo 8. distrieto da provin-
c;,v!e Minas Geraes por urna inatoria de
dous votos, ab3trahindo es elei^uJS *- Ca-
rangola e do Rio Branco, contra as i aes
ha contestacio. Por isso requer qu/ 1-
teta os papis digna cofumisaSo, para de
novo verificar todos os documentos di. eli-1
cao do 8. distrieto.
O Sr. Andrade Figueira declara que a
SEPARATORIA commissao nao tem competencia*para apu-
rai votos, entretanto* roconheceu que as
eleicoes dos ollegios do Carangola e do
Rio Branco influein sobro o resultado da,
ele.cito do *> distrieto da provincia do Mi
nar-Geraes; mas como a commissao nao
teni outro desejo se nao resguardar o* di-
reitos de todos os candidatos, concorda que
voltem os respectivos documentos a cora
missa > para d>- novo verificar so as ele cues
d'quellea ollegios iutluera ou nilo no resul-
tado tioal; o para esso examo convida o
Sr. Cosario Alvim.
V m mesa, lido, apoiado e, sem dii-
cusso, approvado o ssguinte requeri-
me ito:
i Rfqueiro que volt mu commiss'io os
papis relativos ao 8. distrieto de Minas-
G.raes, l do Abril de i86.Ceaario
Aliim. i
O Sr. presi ente diz que em virtude da
resolucao da cmara raspando sessao por
rueia-liora afim-de voltarein os papisa
commissao.
Reabre-se a Bsala 5 -minutos antes de
1 hora.
O Sr. Andrade Figueira <> -la
ordem) diz qu: a eciumissao examino i de
iiov, os documentos das cleicos do 8. dis-
Iriuto, e chegou ao mesmo resultado apro-
sentado oin seu parecer; versando a du-
vi I., sobre tres votos e:n sepralo que o
Sr. Cesarlo Alvim coatava, mas cuja lega-
trda-le comnii3sao nao t''iu competeaeia
par* exarnyiar, o qiu fura a respectiva
comuUsao de inquento.
< %r. Cesarlo Alrim, (para i na
cxpeayao) observa qu a su i reelamacao
foi bascada n'aquelles tres votos era que
davittn maioria de dous votos; mas a cora-
laissao julgou que nao lho competa co itar
ess> j votos; raspeita o escrpulo da com-
mBeao e aguarda o parecer da respectiva
commissao oe inquerito.
coMMissoaa de raQOBRrro .
Procede-Be ao sorteio daa Irs cominis-
?os de inquerito, sendo sortsados para a
1.a os Srs. Tarquinio, Rodrigo Silva, Le-
mettendo p diploma do'SlC Pedro %.' da
?* *f3raniao.
9". *ecandao. -4/ conimsHo respeotvaf- contestar qualquer alleac.'Wiue-se faca
Outro do Sr. Manuel Jos Sobres,'pedio- na co.'nmissao. ^
do, por ech-ar-sedoeute, disoaas da.co'n O Sr. Presidente declara que 03 papis
missao de veriHcacao do poderes p-raqa sarao remettidos co:nrnia-lo respectiva, 'a
i1 B0Vna- .* nao bajendo nada inai$* tratar Convida os
* < i: d pnle no,aeia Para substijurj-' Srs/ deputadns a routurom-w annnha s
o Sr- Lados Peixoto. raesraas horas, e Idvanta a sesso ura quar-
J**o havondo sobre amesapat^r iepois do meio dia.
nenhufna das commisso-.s, o Sr. preailenfl
convida os Srs. deputados para seretpi^
rem no 'lia 19 e levanta'se a Beasao un
quarto depois do meio di 1.
QUARTA SESSAO PREPARATOltl \
EVI 19 DE ABRIL DE 1886
l-BESIDEHCIA BQ H. ANTOa.O JOSli IIKNKIliUBS
Ao meio da, ishaadote preseates os
Srs. Ilenriques, Rosa c Silva. Jagu^ri. o
Christiano Luz, Portugal, Costa Pereira,
Joao Manoel, Cosario Alvim, Pe 1ro Bran
dao, Carneiro da Cunha, Cockrane, S -bas-
ti5o Mi8carenhas, Ribeiro de lleneaes, A.
de 'Siqueira, Al oforado, Candido da 0i-
veira, Luiz Moreira, Gomos de Castro,
Luiz Freiro, Duque Estrada Cmara, Tar-
quinio, B;nto Ramos, Coelho Rezende,
Freir de Carvalho. Joilo Veira. Joao Cae-
tano, Bernardo de Menlony, Siriano, Joj
Penido, Paranagu, Carlos Peixoto, Fer-
11 mies da Cunha, Manool P>rt'-lla, Coelho
Rodrigues, Fernandos de Oveira, Passos
Miranda, G.iocalvcs Ferreira, Canind,
Pinto Lima e BarSo da Villa d i Barra,
abre se 1 sossilo.
E' lila e approrada a acta da sesaXo
antecedente.
O Sr. S:,:r. tirio d conta do se-
guinte
KXl'KDIKXTE
Olfi-ios das junt; s apura loras remetien-
do es diplomas do3 s-guintes depralos
eleitos : Srs. E izebio Jos Antun^s peio
1" distrieto de M itto Grosso ; Aavaio Sa-
1 thiel Carneiro da Cunti-i (i lo 1" di Pa
rabyba ; Jo2o Minnel Pereira da Silva po-
lo 9o do Rio de Janeiro; Luiz A. M. de
Ifendonca p lo 3 las Al g is ; Luiz Eran-
cisco Freiro pelo 1" de S rgipe; A. O. Go-
mes de Oaatro pelo ')" do \l irauhao ; Ben-
to C. da S. llamos p-di 10 d; Pernara-
buco; M. J. Ribeiro da Cunha pelo 6

rocouhecido o eu direto ; abrindo mao do jiecfe do lori&Q sanitario entre os hoinens f^fo^ p
ai-
"9
LlTTEATu
to da Caoba, Pinto Lima, Rodrigues Al- (lo Mar.,nhao, e J. II. Vieira d1 Silva pelo
Oli-
ves, padre Joo Manoel, Bulboes Carra-
lli >, Goncalvea Ferreira e Castrioto; para
o 2.a os Srs. Joao de Agdiar, Duartt de
Asevedo, Passoa Miranda, Barilo do Ca-
nind, Costa Pereira. Gochnne, Coelho Ro-
drigaes, Fernandos da Cuuba c Jos Mar-
celibo: e para 3.*, os Srs. Beltrao, Por-
-T_:.r?- _____17:11- J. D._.
4 da inesma provincia,A's respectivas
coramisso ;s.
Vcu mesa, silo lidos, apoiados e ap-
provado3 sem d3:ussao os seguintos reqne-
rime ritos :
D Ia commissao de verificacfU) d-3 po-
deres, solicitan lo do ruinistirio do imperio
1 reraassa io vro das actas do diversis
ti-^tricto da provincia da
S>hoM FIbimineases
DE PKTUOPOI.IS
(Do Paiz, da Corte)
Ha raparigas nervosas que nilo pod"m
ver urna barata ou aranha,' sem que Ibes
venha o desejo irresistivel de cabir cora
mu faaiquito. O faniquito,' desmaio, va-
gado, Vertigem ou incusa qua o valha
11 u a !stro de qne certas mogas sabara st-
vir so coni inulta rica, s >bretado era lu-
gares ondo ha rapases propensos i ter-
nura. Algumas ha tSo ladiuas quo sa-
bara escolher o moraeoto psychologico,
em quo os ervos devera fazer osplosilo,
o outras qua antes do ataque previneo os
circumstaates, dizendo llvs: Sgurcn-
rae, segurern-me, que vai me
tugal, Cunha L-itao, Soares, Villa da Barra
Sori mo, Freiro do Car .albo, Elias do Al-1 parooliias do
tmqii'Tquo e Coelho do Rezende. Babia.
Sr. presidente convida os Srs. mera- Da 2, solicitando a reraessa dos livros
bros das craraissoes para se reanimo e ele da8 act48 da ^i,.^ ^ diversas parooias
geren os seus^presidentes, e d para or ,]0 0 aiatrkto do Amazonas, do 3" do Mv
(tem do dia 17 : trabalbos do toraraiss-les. 1 ranhrio o do G" do ear.
Levanta-se a sessio 1 hora da tarda.. Da ;>a> soiici{ando a r0;n333a dos livros
das actas de diversas pnrochias do Io o 2
distrieto das Alig is; do Io, 3o, 4, 5",
TERCEIRV SESSAO PREPARATORIA
EM 17 DE ABRIL DE 18S6
PRE8IDZNCIA
jo-K HON-
DO SU. ANlOSIO
BIQDES
Ao meio dia pnseutes os Srs.: Heari-
ques, LeitSo da Cunba, Costa Pereira, Pin-
r.' ., n ., n 1 i i tendo sido sorteado para a
to Lima, b rene di Carvalho. Carlos Pe so-
to, Coelho Rodrigues, Prisco Paraizo, Mat-
toso Cmara, Rosa e Sil 7a Ribeiro da Luz, |
Elias do Albuquerque, Cockrane, Bariio de j
Caniad, Juveacio Aguiar, Sebastilo Mas-
earenhas, Aft'mso l.'elsD Filho, Passos Mi-
randa, Cunha LeitiOj J.tguaribo Fho,
Joao ..'aetauo, Barao da Villa da Balra,
Por ti gil, ALoforado, Joao Penido, Ribeiro
6o, 7o, 8o, 9o, 10, 12, 13, e 14 da Ba-
bia ; do 3" 4", 5, 6" o 11 do Rio de Ja-
neiro ; do Io, 2o, 3o, 4o, 5o, G, 7", 8o, e
9o do S. Paulo.
O Sr. Candido do Oiiveira observa que
cora nissSo
do inquerito o Sr. Pe Ira Beltrao, que s
podor comparecer no lira do corrento mez,
de estylo screra suppridas provisoriamen-
te ssas faltas ; por isso requ-r que soja
; por isso
preenchida aquella vaga.
O Sr. Presidente nomcia o Sr. Louren
50 de Albuquerque.
O Sr. Cosario Alvi.n envia mesa al-
de Mmezes, Padre Joao Manoel o Cas guns papis relativos eleigio do 8o dis-
trieto da provincia de Minas Geraes, para
sereui presantes ;i 3" eomraissilo do inque
rito; entro esses papis ha a aeta da mesa
eleitoral de Carangola, cuja falta determi
nou o proceiimento da coramisoSo de cinco
inembros, que considerou contestado o ira-
dor.
Declara que se retira da oaraara at ver
triot", abro se a sessilo.
E' lid a e approvada a acta da sessilo an-
tecedente.
O Sr. Io Secretario d conta do se-
guiute :
R36PBPIKWTE
Oficio da junta apura lora
tricto eleitoral da provincia de Minas, re-
do 18
rOLHETW
ANGELA
POR
* ,.
( Continuar5o fbb n. 9* )
XVI
0 ex armador appareeon logo, estendeu
os bracos ?.o tsbelbo, quo corren para eJJe,
exolaiiiiinio :
Meu querido Jayme !
Heu querido Benjamio, respondeu o
reccra: hegado.
E os d jiis amigos derara-se ara fervoroso
abraco.
O pri neiro escrevente hava-se retirado
diacr>aa>uente.
Tu! Tu era Dijon, coi.tinuou o Sr.
Leryer, conduzi > Jo Jayme pea rallo para
perto da escrivaniuha e fazen lo o sentar.
Que feliz sjrpreza II1 mais do doti3 an-
uos que nao no3 veoios Conta-me j, que
bora Vento to traz aqu 1 Vamos, falla....
responde!... Se soubi-sses que aatisfacao
me d a tua visita 1 DA-raj noticias tuas
e de tua lilha.
Cecilia vai bem, e eu passo perfeita-
niente. Tu ples mesmo julgar pelos teus
proprios >,lhos.
E' verdade, tens urna eara de pros-
peridade... Tn nao envelhoues.
Lisonjeiro !
N'o, paiavra, eu digo o Os teus cabellos U~ n-se tornado branjos .
pudera Como os meus ; mas a cara est
a de um ma;o. Vens alraocar coraraigo '
Almocar eomtigo, sem a menar duvi
da, e j mtar tambera ; porque, so tu nilo
pensavas em me convidar, convido-rae cu
mesuio.
Ora arada be. I 1 Tr.-t .romos do a'-
moyar be:n o do jantar raelhor... Vou j
dar ordons rainha velba Mglalenj, que
entende ura pouco de"ozinha.
O tabelliao hvantoa se approximou os
labio* do bocal de madeira de ura tubo de
borracha, juo comraunicava o seu gabinete
com a cozioha, e deu as suas instruccSes
cozinheira.
Jay nc
Feto isto, veio ter ao novo cora
Bcraier.
Agora, conversemos, continuou eUe.
Por que motivo vieste a Dijou ? K' sira-
plesnente o desejo de passar algumas ho-
ras oramigo que te trouxi ?
O desejo de to ver, aira. .. de te
dar urna boa noticia. Adivialias d onde ve-
ndo 1
Naturalmente de Pariz.
Venho de Argel.
Do Argel 1 exclamouo tabelliilo. Que
diabo foste fazer a Arg 1 '.'
Tratar do meu processo.
Ah 1 ah I... O famoso pro:esso em
qu: me fallaras as tuas ultimas cartas,
que datara j de m-ais de um anno. E
entilo, era quo estalo est o tal pro:esso ?
Est terminado.
Era tua vauiagem?
Absolutamente... Ganheio em ulti-
ma instancia e as companhias de seguro,
batidas em todos os poutos, forera conde n-
nidas a pagarme a modesta sonima de u.n
milliilo quiuh ratos e ciucoenta rail fran-
cos.
E j rejebeste ?
J recebi.
Ab 1 cora os demonios, querido Jay-
me, dissa Braj min Leroyer, bateudo ami
gaveb lento no hombro do ex armador.
Eis aqui, cora effeito, o que se chama urna
boa noticia I
Estva bjra errio qua tenas1 sitisfa-
5S0 era saber.
Cu miliiSo e quiahento3 rail fran-
cos I. setenta o seta mil e quiabeutos
fraueos de rend, a cinco por cento !.. ..
Eis o que vai augmentar diabjlicaraen'e
as desgranadas seis mil libras da rauda,
cora as quaes to f)i preciso vi ver peno
de ci 1:0 alios ; destrozos do capital n 111-
fragaln que eu pule empregar sodamon
te uesta localidade sobre Oo 13 hypothaeas
Est 00 opiatamente co n as tu is iaau
5113 restaralos, meu velho.
Complet. mente e ma3 rijo do que
nunca fui ; porquo d-sti vez a ini'iha toi-
tun.i liquidi !. Fortuaa que devo di-
zer, u i iiiinha id.,do o nao tendo mais
gratules necessidades, mo d ixaria quasi
iuditf rente, ms da qiial mo alegro por mi
nht fillia, por rainha cara Cecilia.... Tu
deves compreheuder.
B'lijan.im carregou o sotr. loo, sem mo
tivo a pajarate
un... Sira, respjrideu elle era toio
sebeo.
Jay.ne Barnier proseguio, sera reparar
n e-S tora
Vv'i muto e trabdhei muito. Sint?
cln-gar-ine o cansado e teuho o present-
ment da qua nilo no resta n rautos aunos
de vida. Sar rae-hia penoso dexar este
raunlo sera dexar tambera rainha lilha
em una posicas itoliia... Na poca era
quo vivemos seis mil francos da renda
pou:a ooosa... Sai o bem ; sai o de mais,
depois. que os m ns desastrados negocios
me re uzira a esta quantia ioagnifioan
lo. .. Est3 somina ter-rae hia ebegado lar-
gamente pira ra 11 s e sobro tilo humilde
renda teria Lito econonia, mas eu nilo ad-
miti ncdio.-r.dade, nem privaco-s, quando
p uso ora miaba filba... Ss tentei o ra-
possivel, sa revolv trra e co. para tornar
a entrar na posse do urna grande soraraa
qua eu julgav.v perdida...
- Era p.ua Cecilia, ap 11 s para Cc.u
lia intorrompea o lab -lliao, que, emquan-
to eocutara o arnig), rufiva na escrivani
nha com as pi/ntas dos de los da m.ao di-
reita urna mar.h nervosa.
Si ai, para Cecilia Para Cacilia. E'
a rainha nica alegra ueste mundo I .. Pa
ra rainha filba adorada Para rainha filba,
a piara tornarci a abrir as portas da soce
dado, qua as nossas ms cireumstaocias t
nliara mora ufaneara rata fe ha lo!... Que
ecroar do luxo o cujo futuro, do ora em
diante, nao raaij me inquietar Cecifi .
pobre, nao teria encontrado marido sra
graudo dilliauldade (jo qu; o c icontra-
ria). Agora ella podara es ralher.
Jay uo Berater, arrastado pelo amor pa-
terno, que virava uelle, tiuha filiado com
gra 1 le calor e co n estrama auimayao.
Cabu sa.
Bauj iinin L rjyer abauava leotamonts
a cab< ca.
O ex armador raparon, por to, naqu.lla
atlltuilo.
Nilo sers, p>r acaso, da rainha opi-
nifto ? pcrgiintou ello.
Son do opinio que so nao deve ser
milito exigente...
Por quo ? Cecilia bonita, distincta,
bora o ucala... Possue todas as qualila-
des do coracao e de espirito... De mais a
mais agora rica. Tara direto da ser
ambiciosa... digna de un principe.
O tabelliilo abanou de novo a oabeci.
Comprehendo, repleou elle, corapiv-
I e ulo, meu querido Jayrao, que tenbas sa-
ti.^t'.yao do poder dar a tua fiia existencia
fac:, larga e mesmo luxuosa, para a qual
tu a educaste. Amas Cecilia, que, do raais,
ensantalori, e eu perdo o tea cnthu
siasrao. muito natural. Mai bsc cnthu
ataame nesta>>ccasilo faz-te csauecer nut'i-
tadomas.
Que cousas ?
dar urna
cousa.
O sexo forte, que governa o revolucio-
na o mundo, tambara tara s-s'ros.
Conheci ura hornera de espirito superior
o qua postoia a valenlia tradiceional dos
aiig>s Parthas. Orando, irapunlia-si ao
auditorio pela ele vacilo daa ideas e ener-
ga da pilavra; conversando, fazia re-
cordar o fall-'ci ra Pedro Luiz, de -ralo
sa memoria ; es'reven lo, trazia os leitores
p'l) beico, til era a magia de seu estylo
tlueute e brilhant^; e das latas physieas,
era qua par diversas vezas se metteu,
sorapre sahio obarto de loaros, cantando
victoria corao.o mais adestrado gallo da
Iniia! Era uma verdadeira meas sana
t'/i corpore sano. O ideal do ho nem mo-
derno I
Pois, este leal, vendo um sapo, prin-
cipia va a tremer, a tremer... como se
tivssi diante de si a so nbra do Baokol
Ha ypos que nao po lera ver ratos.
O mais insignificante caraonlongo poe-
lh s o corpo arripiado como a cauda d <
ura gato enrairsoi lo, ou sa loso pello de
chapc> novo era mo de crianga tra-
vassa.
Outros ha que nao po lera sentir o con
tacto do velludo.
O s >m pro.luzido palo en;ontro dos
guraes do duis facas obriga inuita gente
seria a fazer ciretas e coatorsSaa horri-
veis.
E os que dizem que" nao polera trizar
ocuhs azues, porque estas provocara -Ibes
.vmitos ? 1
Parece incrivol, nao 1
Pois conheci dous typos desta especie !
Eu tarab-am tenho sestros, leitores.
N.to ha nada que me ataqui mais os
ervos que a desfina9ao, a desbarmooia,
o disparato.
Por exaraplo, ura iidalgo pobre a citar
os seu3 antepas3alos, ura estadista igno-
rante a dar pir paos c par padras, ura
sujaito da casaca o botinas rotas irri-
tara-rao tanto- corao dous realejos a to-
carera ao meamo tenpo: una Mara
Caxuxa,-o outro a -Marcha do Pro-
pbeta.
Sa ou podesse ondircitar o inundo, pre-
tencao era que naufTragou o proprio Cbris-
to, que alias era ilho do Daus vivo, a
primeira empresa quo eu tomara sobre
mira era barraonis tr as cousa3.
Nao dava fortuna par principio na
nhum, nem ra-srao par e npenho de tolos
os santos .da cCrte celeste a sujeito, que
nao fosse inuit) intelligente.
Es'.abelaeia forte liaba visoria, uma es
lilha legitima... ilisse
. carregando nestas pa-
Ceeilia tua
Baajann Leroyar
larras.
Sem duvida, que queres dzer com
isso ?
- Escuta, meu v.lbo Jayine, conteuou
o tabelliilo levantando a cabeca e olhaudo
bem da frente o seu amigo, sabes qu1- sein-
pre tivo par habito fallar-te francamente,
mesmo brutalmente, e, hoje, corao outr'ora,
nao te formalisars ora esta franqueza,
cora esta udeza.. Nilo a primeira vez
qua nao nos adiamos era coraaiunliilo de
deas... Se me bouvessas serapre es.uta-
do. se tivesses scraprc seguido 03 con-
selhos que rae dictara a rainha affcico por
ti, nilo exatriara na tua vida rooordacSeB
desagradareis, quema pareces ter esque
cido, isas a proposito das quaes a couscien-
ca me obriga a avivv.r-te a memoria. .
AdiVnbas a quera faco allusao ?
Por modo nenbura.
De veras ?
Dvdus da miaba pa'avra ? exelamou
Jayrae.
Nio, repleou o tibcll.ao, nao o duvi-
do, mas isso prova que a tua ratmoria
aiada ra lis cuna lo que eu jal ja va. Es-
cuta rae, tu vais rae comprehender.
Jayme fez ura movimanto de impacien-
cia,
Benjamn Laroyer proseguio :
preciso resgnar-te.. dirci o que
tiver quo dizvr. Estamos ligados por uia-
neira intima o desdo muito pa-a qua eu
hesite era face do teu evidente mo humor
que, estou convencido, ser apenas passa
s 'i'-
Quando eras rico e que a tua iortuna
se achava completamente comproiiK'tti era grandes eiuprezas e d'ondc nao podias
distrahir neubuma parte, nao me teria
occorrido a idea do to fazer a pergunta qu?
agora taco.
Quando catastrophes roprevistis e a
ra vuntade ou antes a m f das compa-
nhias de seguros martimos ruina, nao te deixando scoSo uma sorama
diminuta, que tu me confiaste qua c eu tive
a felicidade de empregar bem, parrattindo
rao tornecer-te urna renda annual de seis
mil franco i, seria mal cscolhido o momento
I ara te fallar desta duvida a proposito Ja
qual 111c vou abrir eomtigo francamente.
Hoje a situnco muito ditT rente.
O processo que acabas de ganlur, con-
tra toda a espectativa, isso sao as pro-
pr.as expressit.'s de quo tu te serviste,
p3o entre as tuas maos uma somraa consi-
deravel, liquida e nilo devendo nada a nin-
guem.
de espirit o o* estpidos.
Para os priroeros .r.eservava todas
honras, gozos o'privilegios soaiaes.
Para os sengundos. os onus, os sacri-
ficios.
O mundo havia de andar direto e afi-
nado, como a rabeca do Wbite.
As considracies'. que acabo de expen
der foram-me despertadas pela ultima par-
tida do Club dos Diarios.
O Club dos Diarios uma soeiedade que.
tera um lira nico e exclusivo dansar.
Ora, no campo nilo se deve dansar
corao no cidado.
No salilo do Ca3sno; as partid;.
Haritof, nos grandes bailes da corte, era
supina, a casaca, agrvala branca, alara
grit perla c as ricas toilettes do bello sexo
esto perfetamente atinadas cj.u o luxuo
so sccnarii?. E' para esses bailes que a
etiq'neta inventou o riso estillado ao espe
lijo, a gravlaia convencional, as corte-
zas de ps juntos e as conversac.'s ua-
naes recamada, de phrases fiancezas.
Dansar, porera, de casaca era Retrepo-
lis era u ia partida faraijiar, e no modesto
salili do ho'.cl do Bragang, disparate
tilo gran le.corao sihir para a ra cora sa-
patos de borracha em da de sol.
E' o caso de sa exclamar :
Nio diz a cara cora a creta.
Os diarios sao endiablados.
Dansara dora to los os f f o r r.
As qudrijhui sao esprimidas at a ulti
raa goita comchaine de danies, en
(ivint tout le moni, caminaos da roja,
volta qu est cha vendo, caramujos -e nu-
tras figuras.
As polkas e valsas sao verdaleiros de-
lirios.
O fraque, portante, o paleto oasaco, a
sobrocasaea e o singelo mas elegante ves-
ti'lo de eassa esto perfeitament a gosto,
atina los cora tu lo que os cerca
Eis parque aquellas partidas nao rae ata-
cara os ervos.
Eis porque ro-rae burguezmsnte quan-
do ouco s vezes ura soaio dzer a outro,
que tonta entrar euluv .do no'salo:
Oh aqueile tira estas lulas ; ollia qua
ests te prestan lo ao nenio.
O Club dos Diarios, crafira, tara ura
program na, e cousa rara nesta torre, cura-
pre-o a risca.
Agora anda ello seriamente atrapalha-
do.
Imaginera qua pretendo dar no sahbado
d'AUeluia ura bailo fantasi.
(iomo oumprir o seu prograrama ?
Cono recorainenlar aos sana socios o
'couvidudos a inesraa simplicidade no tri-
jar cora quo sa aprsenla] as partidas
ordinarias ?
ILjc optts hic labor
As moc is
- u nha
ao de diz t ontra si
- Eu nao vou, porquo a Mari a u
ha do ir com muito luxo.
Eu tambe n nao vou, por causa da
Ciiiquinha, qua ha de aproveitar a occa-
bSo para abarr.tir a gante com sedas c-
brllhantes.
A Chiquinlia s ? Voces vilo ver
cono se aprsenla a Lucin la. Apssto que
j encom n.radou o qua a Dreyfua tora de
mais rico.
A Carlotinba vai cora toda a certeza,
e esta, rainbas amigas, nilo se aujeita a ir
00ni qu-lquer fantasa a toa.
Para livral-as de taes embarayos alguns
membros do Club, tendo era vista tornar
effectira a simplicidade recomraendada
para aqudle baile cm seus cartoes do con-
vites, vieram ter caraigo e dss rain-rae :
O seuhor capaz do pr)inetter-nos
uma cousa ?
O que ?
Nos vamos dar ura bailo fantasa
sabbado d'AUeluia.
- J aei.
Prometi sr aaxora .'el no3 seus
J nao s mais ura mogo e deves ter
tirado prowito das duras lices da expe-
riencia. -Ellas nunca te faltaran!.
Teuho a firmo conviccao de que, na
tua idade, nilo sers tilo injirudeute o La o
ingenuo que vas arriscar era empresas a
tua fortuna reconquistada.
Aii I De certo qua nao, exelamou
Jaymo Bernier. Sa o fizesse nao seria
ne.n imprudencia era ogenuidade, seria
doudiee pura e eu tenho pretensao do nao
ser doudo
O tabelliao, depois desta interrupcao.
continuou :
Terao3, pois. o teu futuro seguro e
em despeito dos presentimentos do que me
fallaste anda agora e quo nilo tera seuso
coididuui, viveras o terapo bastante par*
gozar deste bem estar que te chega no tira
do urna existencia accidentada e mais tem-
pestuosa do que era neessario... Sara prc-
occupa;oes de nenhuma sortc, vais deixar-
te viver era paz, nao pensando senili era
tornar competa a talicidade do tua filha
C.-cilia. Jayrae, meu velho amigo, a tua
consciencia est pois adormecida ou raor-
ta 'i J te nao embras do paseado ?
A voz do Benjamn Leroyer tina se tor
nado grave, quasi solemne.
Jayme Bernier carregou o sobr'olho e
de novo tez ura movimento da impacien-
cia.
Tu vais too fallar de Angela, disse
elle.
Vjii, replicou o tabellio e se tu aora-
hrchendesto tilo fcilmente porque tu
acamo pansas nessa lilha, que tera o di-
rcito de usar o tou nome, visto quo a reco
11 ho este ; que o usa o a quera tu reculaste
a parte de ternura paternal que ella devia
esperar de ti.
O ex-armador levantou se repentinamen-
te o quiz interrorapel o.
O amigo nao lhe deu lempo para isso
Oh Nao ignoro que to estou fazen
do reviver uma chaga cicatrisad)a, prose-
guio elle, por.u, tu conbeces in o sabes
que para mira os lagos de sangue silo sa-
grados.
a Quando tu araavas a mu de Angela o
quo tu te fize8ie amar por ella, procu/ei
pr te cm guarda contra csse amor ,mos
trando-tc as suas coosequencias, taes quaes
ellas so mo representa vara.
Nao podias, ua tua posicSo, casar cora
essa moca', tu pelo manos assira o crias,
visto qu ; raraquanto honesta ora pobre e
nilo p rleneia a mes.na raea do que tu. .
Portanto nao devias commetter o crimo de
a seduzir. .
lumtnenses contra toda a toilette
luxuosa que i apparecer ?
- Os senhore3 esto doudos ?
E' um grande servico que n< s presta.
Mas.vra que isto ura coripromet-
tiraento horrivel I
Olhe... Aqu entro nos, que nin-
guera nos ouve, o sonhar a neaca as mo9as
apenas cora a critica, ellas to l.-s ticam
cora a pulga atraz da orelha,
E. .
E cada uma tratar da apresentar-
so coma raaior simplicidade pos-i/el.
Est bam ; sendo assi.o, pro netto.
Oxal que o Club ain la desta vez c;im
pra o seu prograrama.
F:\\-r\ JtTS'IOB.
lie Petropolis
Nilo sou supersticioso.
So me padem sal mesa, passo-o com a
maior c draa, convi to de qne daqii' lie facto
nao me provir a mais pequea desgraja.
Lavo p.s raaos na mesma baeia cora o
amigo o mais intima, Bem receio ele futu-
ras brigas.
Creio tanto na infiuen da malfica de
chnelos, cora solas viradas, como na arai-
sade sincera de dais nmlheres bonitas.
Nao conhego na semana dina fatidictos.
Todos os nmeros para mim Bao iguaes.
Entretanto dAo-se aa vezes tactoi que
ohrigam a gante a exclamar :
Ora esta A maior revolucao por que
pasin Pctropolis, ni ostacSo actual, reali-
srra-se em una terca-feira e no dia !>!
Como os leitores j 3ab im, tbi reste dia
qae copiosas chuvas torrjnaaes transfor-
raaraui era val) ra ir a extensa planicie
que sa cspregtiija desde Mau at a raz
lia sorra.
A liaba forrea ti.-ou completamente sub-
mergida.
O transito do3 trens tornou se qias im-
possivel.
A barca voltou para a curta trazendo a
maior parta dos diarios, que nao iviitavam
por certo passar aquella noite longj. da-,
consortes.
Digoa maior part -parque ura pe-
quen') grupi co 11 mtiita difficuldade con-
segnio subir a sorra, ehgando od .da
imperials 10 horas da noit; pouco mais
ou menos.
At aqu nai co">tei nada de novo.
E 03 leitores mais curiosos bao de per-
gontar-me :
Pois esta a grande revoluyao por
que passoa Pctropolis ? !
Para responder-lhes roa contar o que
bem poneos sabara :
Apenas corren nesta ci'ale a noticia do
quo a barca tinhi voltado para -e corte
cora os pnssa;rueiros o que o t:em nilo su-
bira a serra, nao hfrave senhora c.sacia
que nao naesso o contrario do trero, isto
, que nit> subissa iinmediatamento a ser-
ra!
A idea de que 03 maridos ara passar
aquella noite na curte, longo deltas, sosi-
nhos, livres como o passaro que fogo da
gaola, en hialhes de indignacio, de des-
espero, de sustos, ie temores, de rnilbares
de sentimentos, cada qual mais acerbo.
Fazia d vcl-as.
Oujainol-as :
Eu b m nao quera vir esta anno
para Petropolis. O meu coracao estava
adivinhando alguma cousa. Eu esoa aqui
atflictissima ; mas aposto qua elle l lia do
estar bera alegre.
Ora ; bem tola quera se fia cm ho-
raens. A aenbora creia-me, o meu estava
suspirando por i>ti ha muito tarapo. Quan-
tas vezes elle.nao me dizia : Eulalia, meu
bem, se eu ura dia perder a barca ?
E a sanhora o quo Iba responda
Seu Barbosa, nao so faj de tol
s se perde a barca de proposito c
caso pensado. Chegou o dia.
[Cwntinia)
1 Naturalmente nao trataste de mo escu-
far... Angela vaio ao mundo. Fui eu, de-
ves lerabrar te, quera to constrangeu a re-
conhecel-a. Esperara, fazendo reconhe-
cer a filba, conduzir-te ao ponto de te tor-
nares mari'lo da raa.. .. Nada disso acon-
eceu. Cont'n'.asta-te era offerecer des-
gracada uraa especio do ostnola para edu-
car a filha qua tra tua, Na sua legitima
dignidade, ella recusou a esraola e depois
de curta existencia de trabalbo e de mise-
ria foi enterrada custa da assistsncia pu-
blica.
Benjamn, rourraarou o ex-'.rmador
cora voz sur ia, para que me recordad es-
sas cousas ?... Isso crueldad'*.
Cointudo irei at o fira. Ura da, a
menina que asara o tau nome, apresentou-
se era tua casa para te pedir 8pon esjaro-
tecc2o. puzeste-a ua ra.
Sabes perfetamente que eu era casa-
do... Alera disso eu poda li proteg-r uma
rapariga perdida 1
Pi rdida corao sua mili o havia sido
por ti Angela tinha-se deixado seduzir...
De quera a culpa senao de ti ?
De mira, exelamou Jay ne.
Sira, mil vezes sira I Angda, sem
apoio o sera guia, viva na negra miseria,
ao lado da sua mili enferma. Era entre-
tanto tua filha, tanto tua filha como Ceci-
lia, eluca la em tua casa, no m io da abun-
dancia e do luxo, cercada do desvftllos o
de raeiguices. Como teria ella podido
resistir a um horaem que lhe falla va do
amor?.. Tu repclliste-a brutalmente. An-
gela deu luz a crian; que trazia no soio.
tvluccu se sera outro nome que o de sua
mili, visto qua o seu seductor lhe ecusou
odelle... Para essa enanca, trabalbava
sera treguas nem repouso, tu be 11 o sabes,
pois que tiveslo indirectamente oonheci-
raento disto, ha alguns annos.
a Poderia terse portado rard. Traba
rail probababildadts contra uma para que
so tornasse rapariga amancebada e na bo-
hemia das repudiadas, a sua belleza a teria
po>to logo era priraciro lugar... Teria hoje
um palacio, uraa grande casa e sera cele-
bre.
1 Poi txcepsao, a primeira falta coramet-
tida nao a conduzio segunda... Viveu,
apezar da sua qu la, no irabalho e na bo-
nestidade 1 Nao mereca ser repelada por
ti, Jyme ; porque era tua filha e que tn
tinhas amado sua mili.
(Continuarse lux)
Typ do Diario, ra Duque ds Caxias n. 42.
u
\
l
(
i
CH


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOZ2A9JKO_GE9SUO INGEST_TIME 2014-05-19T19:18:07Z PACKAGE AA00011611_19271
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES