Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19225


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO
DE JULHO
A
DIARIO DE PERNA1HBUC

I
i
Propriedade de Manoel Figueira de Faria efe Filhos
/ l

PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
:

Por tres meses achantados. .
Por seis ditos dem......
Por utn auno dem......
Cada, numero avuiso, do mesmo da.
6VJ000
12*000
23tfOOO
4100


TELEGRAdHAS
*






<*
i.
^^
?





y

asa::;: pasticulas so su&ic
RIO DE JANEIRO, 30 de Julho, as 3
horas e 40 mi tatos da tarde.
Foram n ornea des para a Alfandega de
Peraambuco:
2.* escriptarario, Venancio Foosaca ;
3. escriptarario, Arthur Costa;
Praticante, Joao Felippe Cameiro Can-
pello.
Embarcaran) para o jo re no paquete
nacional: o Bario de Lucena, governador
de Pernambuco ; o Dr. Olioda Cavalcante,
chele de polica do mesmo Estado; o Dr.
Amynthas Moura, o Dr. Francisco Beltrao,
o capitao Joaquim Jorge de Mello Filho,
Augusto Xavier Cameiro da Cunha e Ar-
thar Silva.
Carlos Leitlo de Albuquerque.NAo Joanna Baptista Beda. Campra-se e
cabendo a este governo resolver sobre o regstrese a apostilla e titulo.
Os Srs. Ajnede ft-ince & C.
de Pars, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e publica-
epes na Franca e Inglaterra.
?
ho
PARA DENTRO FORA DO ESTADO
Por seis meses adantados. 134500
Por nove ditos idem. 206000
Por um anno idem.. 264000
Cada numero avulso, de dias anteriores, v, 6100
)
sssti;; oa ag-eku s*was
RIO DE JANEIRO, 30 de Julho.
A inaurreicao em Bueuos-Ayres acha-se
completamente acabada por falta de muni-
cas de parte a parte.
Amnista geral.
PARS, 30 de Julbo.
Araba de dar-se urna explosao de i gj
ijrisou as minas de car vio de Saint-
Etenne | Franca). Alm dos estragos^que
sao consideraveis, ha a lamentar 120 vi-
ctimas.
MADRID, 30 de Julho.
A gri've vai dminuindo em Catalunha.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
de Julho de 1890.
55 POPULAR
pedido refere o peticionario, deixa de tomar co-
nhecimeuto do presente recurso.
Empresa do Jornal d Recife.Infor-
me o inspector da Thesouraria de Fa-
zenda.
A mesma. Informe o inspector do
Thesouro do Estado.
Eloy Porfirio de Lima Ribeiro.Infor-
me o inspector do Thesouro do Estado.
Capitlo Francisco Mauricio de Abreu.
Nesta data foi exonerado o delegado
litterario, vista das intormacSes.
Hortencia Mara Cortes.Entregue se
mediante recibo.
Joaquim Jos de Moura. Deferido, com
officio d'es'a data ao inspector do The-
souro do Estado.
Joao Anstobulo Ferreira da Silva.
Nao cabendo a este governo resolver so
bre o pedido de exclusSo do cidadao a
que se refere o peticionario, deixa de
tomar conhecimento do presente recureo.
Leocadia Barbosa da Costa.A' In
tendencia Municipal do Recife, para atten-
der de conformidade com a sua informa
cao n. 91 de 28 do corrente.
Rita Mana da Con ce i 5 5o.Requeira ao
director do Arsenal de Guerra na forma
do art. 168 do regulamento de 19 de Ou-
tubro de 1872.
Sociedade do Congresso Dramtico Be-
neficente. Deferido.
Zacharias Correia do Espirito Santo J-
nior.Indeferido.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
nambuco, 30 de Julho de 1 <90.
O porteiro,
H. M. da Suva.
Bacharel Jo. Dinz BarreteCompra -
se e segistre se a apostilla de 28 do cor
rente.
Ql'ESTflES SWIAKS
A SABITASILISAIS SOS ASTSQS
POB
JOSM-OEM-0 fialirSS
*
CAPITULO XVIII
r Kvlen da vida
(Continuaco)
III
(-onanto devemos repeilir, como ioconciliavel
:om aemelhante principio, toda a i lea,que mais
uu menos directameote possa afTectar a soa inte-
gridade. E assiiu, pois, o bomem possue o dom
iie aperfeicoar as suas obras ; logo que loe ou
iurgou aquelle privilegio, nao pode ue modo al-
_ iiii ser despojado delle.
Alm de bla-phemo, ridiculo no uliimo ponto
-uppor que o bumem capaz de fazer o que ao
Supremo Arcbtecio vedado.
0 nomem pode boje construir ou inventar urna
machina mais perfeiia do que a que fizera hon-
lem ; mas sera crivel que o A'Jtor da Nalureza,
que nao pertence especie humana, nao haja
concebido nem podido crear n'outros globos
outra ordem de seres tanto ou mais perfeilos que
o nosso ?
Se no mundo da materia vegetativapor as3lm
diiera unidade, o accordo universal, nao ter-
minam em nosso planeta mas, antes, se prolon-
gara indefinidamente, sem medid? de logar, nem
iempo, nem espado, de ons em culros astros, a
poalo de que a vista nao pode alcaocal os. anda
mesmo auxiliada dos mais poderosos telescopios,
e onde a imaginacao se perde em esteris con-
templagea, cheia de admirago e assombro, que
azo ba pois para que no muodo dos seres v-
venles a unidade desappareca, a barn nia uni-
versal lique sbitamente interrompida. e ludo ter-
mine e parega no homem, suppondo-o o ultimo
rio de umi cadea. que deve tambem prolongar-
le at ao uiti...10. sem medida de lugar, nem
lempo, nem espago '
To restricta philosopbia nao j applicavel
a j- lempos que alcancamos-
(Contina.)
riftTE ornciAL
Kspeculaces ^cientficas
(Concluido)
II arrive sonveot que ce
eont les esprits les plus
obscura qui soni 1nf.1l
- libleme .t convaincus de
. leur proprel'vatiou
. Schmidt.
Kepai tlro da Polica
2.
licia
Julho

governo de Estado de Pernam-
buco
OE8PACHO8 DO DA 29 DK JDLHO DE
1890
Agostinho Antonio de Menezes. In-
forme o Dr. juiz de direto do 2.'' dis-
tricto criminal do Reeile.
Hermino Jos Francisco Informe o
Dr. juii ae direto do 2. districto crimi-
nal do Recife.
Jos Andrade de Souza.Informe o
Dr. iuiz de direto do 2. districto crimi-
nal do Recife.
Jos Joaquim da Costa Maia.Informe
o director geral das obras publicas se os
objectos constantes da lista inclusa teem
applicaclo exclusiva fabrica de assucar.
Joaquim Tranquilino de Lemos Dnarte.
__Visto o parecer na junta medica. Passe
portara aposentando o peticionario no car-
go de lancador da Recebedora do Estado,
com a penso a que tiver direito por tem-
po do exercicio no servico publico.
Joanna Augusta de Albuquerque Ja-
sme.Concedo
Antonio deFigueiredo Ohveira.Infor-
me o enasnheiro director geral das Obras
Publicas.
Bacbarel Antonio Mara de Faria Ne-
v*.Passe portara, annullando a de 2
ds Msio fiado e determinando que fique
em inteiro vigor a de 15 de Marco an-
terior.
secgao.N. 170Secretaria de Po-
do Estado de Pernambuco, 30 de
de 1890.
Cidadao governador Participo-vos que foram
hontem recolhi los Casa de L-tenco os indi-
viduos de nomes Jos da Paz de Sani'Anna, Joo
Jos de Sant'Anna. Lourenco Paes Brrelo, Ma-
ximiano Flix Babia e Andr Cursino da Rocha.
No da J4 do corrente foi preso pelo dele-
gado do termo de Pao d'Albo o reo Francisco
Guilhermino da Silva, conoecido por Suieiro,
contra quem abri inqerito por crime de furto
de cavallos.___.,
No da 22 do corrente, foi capturado no
termo de irrentes o reo Manoel Soares da Luz,
pronunciado no art. 20o do Cod. Crim.
No da 23 apresentou-se voluntarianente
ao'delegado do termo de Correntes e foi recolhido
a cadea o reo Joaquim Roberto de Araujo, sen-
tenciado no grao medio do art. 257 do Cod.
Crim.
Pelo subdelegado do Io districto da Boa-
Vista, foi rcmettido aojuizo competente o inque
rito policial a que procedeu contra Manoel Fer
reir dos Sanios, praga do 14 batalbo de lioha,
por haver deflorado a menor Florencia Rodri-
gues da Silva.
Entraran em exercicio as seguiotes auto
ridades policiaes :
AI fe res Manoel do Nascimenio Borges Leal, de
legado do termo da Victoria, na qualidade de !
suppleote.
Joo Francisco Brandao. delegado do termo de
Iogazeira, na qualidade de 1 supplente.
Alferes Manoel Mendes da Silva, delegado do
termo de Bezerros.
Sade e fraternidadeAo cidadao Dr.
Ambrosio Machado da 3unha Cavalcante,
1. vice governador do Estad de Pernam-
buco.O chefe de polica, Ernesto de Aqui
no Fonseca.
Thesouro do Estado de
Pernambuco
DE8PACHOS DO DA 29 DE JULHO
DE 1890
Joao Gualberto de Magalhaes, Gaspar do
Nascimcnto Requeira Costa e Dionizio
Pacheco da Silva.Informe a Contadora.
Jesuino Domingues Cameiro, Jos Fran-
cisco de Paula e Cae tao da Costa Res
Almeida Haja vista o Dr. procurador
fiscal.
Sociedade Luso Brasileira.Ao cidadao
thesoureiro.
Bacharel Joao Francisco Teixeira.
Certifiqese.
Recebedora do Estado de Per
nambaeo
DESPACHOS DO DA 29 DE JULHO
DE 1890
Francisco Soares Quintas. Informe a
1.a seccao sobre o que allega Francisco
Soares Quintas, perante o juizo da fazen-
da do Estado, a que se refere os papis
juntos.
Eduardo Duarte Bodrigues e outros. -
Informe al.* scelo sobre o requerimento
de Eduardo Duarte Rodrigues e outros.
30 -
Candido Alves da Fonseca e Maximiano
Francisco Duarte.Indeferido, em vista
das informagSes. *
Eulalia Mara da Conceiclo. Indefe-
rido.
Belarmino Goncaives de Albuquerque.
Informe a 1.a scelo.
inspectora Ceral da 1 as rucea o
Publica do Estado de Peruana
buco.
DE8PACHOS DO DA ,29 DI JULHO DE
1890
Mara Emjgdia de Almeida Monteiro.
Certifique se.
Elysia Candida de Figueiredo Mello.
Encaminhe-se.
0 fado de reconheccraos que em materia de
insruccao estamos moito a quem da poca em
que vivemos, nao impede que nos adiemos per
feiamente ao (acto dos raros homens que hon
ram a nossa patria com os fracos dos seus des-
ioieressados labores.
Em futuro prximo faremos com grande pra-
zer o inventario das produeces intellectuaes do
nosso paz, boje, porm, nossa intenco cha
mar a atteocao sobre um estado de cousas que
de modo algum pode persistir em urna nacao
que aspira a foros de civilizada.
E' chegado o tempo de abandonar o aystcma
de insliluicoes para inglez ver.
Que o Brasil (segundo os nossos patricios),
gose do mu raro privilegio de ser quasi que ex-
clusivamente povoado por bomens de talento,
foi cousa que nunca me passou pela mente con-
tes'Ur; mas noto e nao sem certa tristeza, que o
nosso contingente trazido ao desenvolvimento
dos diversos ramos dos coiibecimentos humanos
dos mais limitados ; talvez seja isto devido,
diante da abundancia de capacidades, a um pne-
nomeno de interferencia Intellectail.
Seja como for, preciso que nos orientemos
para outros borisontej.
Com o que tica dito nao me propuz rebaixar o
nivel intellectual brasileiro; peto contrario meu
sonbo dourado ver nosso paiz oceupar saliente
posicao no mundo scieotifico.
B facto axiomtico que a actividade intel-
lectual de um paiz mede se pelas suas produc
cues scientiQcas >.
Admiti com o illustre opbtalmologista da fa
culdade de medicina do Rio, Dr. Hilario de Goa-
vea, que:
Euire nos o estado tem-se desnreoecupado
culposamente das sciencias; muitas diaposi(6es
legislativa;, que Ibes sao favoraveis, sao esqoeci
das, ao passo que as que Ibes sao contrarias,
exeemam-se fatalnente e sao al ampliadas .
Apezar de muito importante, entretanto nao
gmente esta a fon te dos nossos males em ma
tea de sciencia. Por certj o nivel da instruccao
publica nSo se poder elevar em quanto for ella
dominada pela poltica, mas quando mesmo nos
acbarmos de posse do tnesouro iostimavel a
sciencia livie no estaao livre-, n(nos achare
mos todava na vespera de bellas conquistas ;
seria um instrumento de precisao entre maos in-
babeis.
A sciencia brasileira s entrar na via do pro-
gresso, quando de um lado o publico em geral
conejar a nter-ssar-se pelas nopsas especula-
c6es e de ontro a mocidade estudiosa compene-
trar-se de qne de modo algum progredira em-
quaoto nao alimentar o devido respailo e a de-
vida estima para com os seus mestres.
Qual o mes're brasileiro que se pode orgulbar
de ter feito escola ?
Ao passo que na Europa e na America do Nor-
te os mestres de valor (e nos os possuimos em
numero sufficiente) coostituem um c nro em
lomo do qual gravltain numerosos alumnos, o
mestre brasileiro reprsenla um apostlo da
sciencia, cuja misso consiste em pregar no de
serio.
Quero eu dizer com isso qne a ceniralisaco.
a rrgimentacao das ntelligeocias seja a cund
cao da expansao scieotiflca 1
Nao.
Has o que contesto que mocos que apenas
liveram tempo de se. preparar para os exames,
pelo simples facto da collaco do grao se achem
em coodicOes de perscrular os arcanos da scien-
cia, entregues a sua inexperiencia e ao seu ca
bedal scientitico restricto e superlicial.
Que nao se pense ser isto de somenos impor
tancia.
0 factor hodierno exclusivo do progresso re-
side na divisao do trabalbo, esla uSo existe,
quando sobra a unidade.
Utn mestre sem alumnos representa um tra
balhador cujo rondiment > por mais avallado que
seja, sempre ser limitado, um alumno sera mes-
tre, salvo urna capacidade excepcional, sempre
ser um fructo peco.
O segredo das glorias scientiticas consiste na
faculdade que tinham de poderem confiar as
questes de detaihe dedicados aggregados ; o
que Ins permittia de se manterem as altas es-
pberas da sciencia.
A Franca, a Ailemanba, a Inglaterra, a Italia
etc., etc., progridem oa viada sciencia porque
cada capacidade representa urna escola, a qual
recebe o verbo do mestre, desenvolve o, apro-
funda o e finalmente o transmute a outros.
Estas operages de recepcao, assimilacao, ela-
boracao e traasmissao fazem experimentar ao
ensioo primitivo taes moditicace-s que muitas
vezes o destigu"am ; isto porm, nao impede que
sempre sejam respeitadas as verdades conquis
tadas pelo iniciador da escola, verdades que ser
virio de bussolts ao desenvolvimento iuellec-
tu i) daquelles que as tomaram como guia.
Alumuo de Vulpian, com elle admiti a exci-
tabilidadc da casca ciozeuU do cerebro, porm
separo me do meo mestre quando elle recusa
rrconhecer a realidade dos centros motores cor
ticaes; esta discrepancia em urna questo de
ioierpretacio, o que alias o praoteado mestre to
lerava, nao implica o abandono da tninba parte
das grandes liabas da celebre escola, no seio
da qual, apezar da minha obscundade, tive a
honra de ser aceito.
E para nem fazer sobresahir a evolucao de
que cima fallei, dire que Vulpian, discpulo
de Fiourens, recusava se a admiitir com elle a
exciubiltdade da substancia ciazenta do cere
bro
Os prog"essos da sciencia. porm, tendo in-
troduzidu na pbysiologia o emprego la electri-
cidade, vieram demonstrar e contrario (1870).
A capuulaco de Vulpian nac o destiluio do
honro.-o titulo de discpulo de Fiourens, a cuja
escola elle de#eu sna justa e gloriosa* nomeada.
De lempo* em tempos apparecem genios que
cri.im de vez urna encola sua, mis nao e-ta a
regra geral.
Para que se consiga imprimir proveitoso im-
pulso a um i scien :ia, ne^essario poder domi
nal a de um s golpe de vista; quando mesmo
se seja um genio de nasetmento, nao se pode
obter semelbante resultado ao mesmo tempo
qne se ten de satis fazer as exigencias do tiro-
cinio acadmico.
Alm desta nociva e prematura emancipado
dos nossos estudantes, que se traduz (sob o pon-
to de vista nacional) pela existencia oe urna mo
cidade sem tradioes, verdadeiro rebanho sem
pjstor, vetn a pello mencionar o que chama re o
/y/ itmo setentifico
Sem recelar esnir em exagero, creio poder
adap4pr ao nosso mundo acientitico o segrate
trecho do eminente gelogo inglez Sir Charles
Lyell (princip. de geologa. Tm. I)
O systemas de disputa escolsticas, animado
as Universidades da idade media, tioha infeliz-
mente con mzido a hbitos de iatermioaveis ar
gumeatacoeg ; e, estes com >ates iotelleciuaes
tendo enao 6m e objectj a victoria e nao a ver
dade, cbego-4 se maltas vezes a preferir propo
sic6e8 absurdas e exiravagantes, s porque exi-
giam maii babihdade para serem sustentadas.
Nao iosistire sobre as nossa disciusoes pela
hnprtHsa; quem nao as coqhece ?
B:ndo de argumentos, um dos adversarios
sembr acha meu de demonstrar que o outro
nao sabe portugiez (nao para admirar, pol
que entre nos se nao o ensina) o que nao tarda
a ser confirmado por um bravo Cura do inte-
rior, que demais conmnde o infeliz demonstran
do que igoora igualmente o lat.m !
Dmxemos, porm, estas necedades de lado
e volteraos ao lynsmo.
Por este termo viso a fatal necessidade que
entre n< parece experimentar todo o individuo
que communica com os seus semelhantes em
empregar o estylo empolado (em Franca os qne
suffrem desta mana sao chamado): decadentes)
Vou exempliticar am de melbor fizar o que te-
rmo em mente.
Eis um trecho tirado de urna lico feita na
Faculdade de Medicina do Rio :
Senbores, imaginae por um momento que
este anim I domesticado e preso mesa de vi
visecces a fera silvestre que accommette o
filho de nossas selvas, a ave de vestes mu lico-
res a excitar lhe a coblca de adoraos ou a sub-
stancial caca que lhe fornecea principal alimen-
uco azotada, imaginae que este estylete a
flecha iaduzida do mortfero curare que vai fe
ril o, imagioae ainda que, poaco depois de en
tenada esta flecha em suas carnes, o animal ca
min'ia, voa aguilhoado pela dr.....
O leitor com certeza nao descontar que se
traa aqui de um curio experimental!
A critica que acato de formular nada tem
de malvola, pelo menos no meu pensamento ;
a simples leitora do trecho cima transcripto
basta para mostrar que o sea autor dotado de
preciosos recursos de allocuco. O nosso pro
psito com aquella cltaco exclusivamente
bem patentear a imperiosa necessidade que pa
rece geral entre nos do emprego abusivo do es
tylo empolado.
Alguem que sempre fallaste em verso, as
cor.diges ordinarias da vida, por mais talentoso
que fosse acabara por ser insupportavel; o
mesmo dar-se hia com aquel le que mesmo em
prosa, s se exprimisse recorrendo aos artificios
das figuras. ,
Jalgo que o talento reside mais no acert da
expre'sso do que nos adoraos rbetoricos de
que se pode revestir o pensamento communi-
cado.
Urna p atura a oleo nao tem valor pelo sim-
ples facto de ter representadas todas as cores
do espectro solar no seu mximo de inlensi
dade.
Afaslgmos immedillmente aqui urna obje
cc3o- "tonsia oos que ha quem nos tenha acen-
sado de nao saber sullicientementc o portugnez.
farece mesmo que somos tanto mais censura
dos quaoto, estudando no estraageiro, como
que desdenbamos a lingua verncula.
A critica nao nos attinge primeiro, por ser ella
de praxe; segundo porque nunca aspiramos a
ser um philologo.
Alm de ludo devolvo intacta a critica ao nos-
so systema de iastrucco secundaria, que em
materia de lingua nacional, etc., acezar de gozar
dos foros de secundario, nos paizes onde o easi-
ao do indiano patrio preoecupaco capital ape-
nas seria primario. Em Fraoja, por exemplo,
para o Ceruficat de Grammaire, se exige mais
do que os uossos progrmmas para o exame de
portuguez.
Como o eosino secundario brasileiro nao se
atlasta ama vrenla dos pontos, segu se que
aquelles que nao abr.icam a car eir das let'.ris
e seus estudos o j lhe offerecem opportunidade
para aprender sua lingua, fogosamente luiaro
com grandes difliculdades quando ulteriormente
liverem que se servir della, mxime si se acbar
em um meio onde se nao a falla.
Mais larde volcaremos sobre esta questo.
No qae oos diz respeio os descontentes que
facam melbor; justamente o que se propem
os nossos t'scrtptos que pouco se iucommodaro
com a critica dos puristas.
Si eotre nos se ligasse mais importancia ao
fundo do que a forma, provavel que o Curare,
o Jaborandi e o sea Alcaloide nao teriam pre-
cisado de vir Enropa para serem estudaJos.
Eis o que lemos no Temps em urna correspon-
dencia procedente do Ri:
0 brasileiro um povo de oradores elle o
sabe e nao se priva de usar disto. A proposito
de ludo, elle vos faz um discurso, e se embriaga
com a msica das suas proprias palavras.
E' bem possivel qae no correr deste artigo
eu tenln i presenta lo as cousas mais tetas do
que na realidade o sao, nao neg; us pelos
lempos que correm ao ha mais razo para que
a n.trucco constitua o monopolio de alguns
privilegios.
-Htin ae tudo a questSo da instruccao publica,
em lempos alias j mu remotis, preoecupava o
espirito dos bomens conscios da felicidade de
seus conciJadaos.
Eis urna passagem de ama especie de mani-
fest que em 152i Lutuero dirigi aos vereado-
res da cmara municipal do seu paiz :
Occupai vos de vossos Albos; amitos pais
sao como abestruz; .. satife tos de terem posto
o ovo nao se oceupam mais delles. Ora, oque faz
a prosptridade de urna cidade, nao sao os tne
souros, fortes muralbas, bellas casas, armas
aniantes: a verdadeira nquezi de urna cidade.
sua salvaco, sua forca coasisle em poder coa-
ur muuoj cidados instruidos, honestos, bem
educados. Si actualmente raro eocoatrar se
melhaotes cidados de quem a culpa seno de
vos, magistrados, que deixistes cres:er a moct
dade como as arvores na flore-la?
Ja que vemos a occasio de citar Luthero as-
signatemos o facto boje muito bem observado de
que aeducago se acua muito mais deseovolvi
ua entre oj povos reformados do que entre os
caiholieos ; Dasta estudar a Suissa para que du
vida alguma persista a respeito. Km lolo o casi
uo cabe ao caiholicisao a gloria de ter procu-
rado fazer dotsiaar o mubdo pela lotelhgeocia.
O U-asil catholico nao escapoa a Ici que acaba-
mos de registrar. .
Qantas susceptibilidades uo tere eu fendo
desde o comeco deste artigo E itrelnto nao
reutio dito tudo quanto leuti.) no peito.
Cada um de nos pjnba a mo na consc eocia
e rae diga si verdade ou nao o que Hca dito ?
Eu failava ha pouco da Suissa ; pois bem, pe
gue se dos programmas das escolas primarias
desie pan, e entao se ver a idea que se Hca
fazeudo do que e passa entre nos.
Si nao reina maior igoo-aocia no Brasil nao
por certo culpa dos nomens, a quem tem sido
cootiado -eudestieo intellectual.
E o tal systema de preparatorios !
Si a memoria nao me infiel, creio lembrar-
me que ha seis aoaos passados a governo mao-
dou um ciado estudar na Europa os progres
sos fetos em materia de eosino ; a tal commis
sao suppoaiio que durou dous aonos e leve como
resultado mudar; os autoers adoptados at en
tOo llf
Um dos argumentos que sempre se poe em
jogo que nem tu io que lem sido adop'ado no
esirangeiro pode ser applicado ao Brasil: reco
nheco o argumento como verdadeiro em alguns
casos.
Haver, porem. argumento que me convenga
que o systema de educago primaria adoptado
na Suissa, ao seja integralmente applicavel eu
tre u ? Q le razo ha para que um systema
defeituoso quanto o que lem vigorado at agora
possa ser applicado e nao out~o qualquer ?
E' bom que se note que d se com a iostruc
cao publica o nesmo que d se com a orgaoi
sago tnanceira ; sao instituicea que nao sap-
portam regulam mages mal digeridas.
A escola primaria dte ser um centro] onde o
paiz forme os seuscida os e nao urna fabrica
d'onde o governo tire as suas creatoras.
Um ensino primario bem organisado por si
dve bastar para preparar o adividau lula
pela existencia ; couseguinlemente para pol-o
em conaices de abracar fructuosamente o en
sino secundario. Este deve ser concebido de
tal forma que habilite o cidadao a preencher
certas e 'letermioadas funege- e cooseguinte
mente a a braga r os estudos superiores as me-
Itores condigrs.
A solidez da instruego de oa. bomem nao est
tanto no maior ou menor onmero de detalbes
proporcional a sua memoria quanto nos pontos
de vista geraes que possue sobre tal ou tal ramo
dos conhecimeotos humanos.
Nao se conbece a historia quando della s se
couservou a cbronologia ; cao mathematKO
aquel le que s conhece a taboada ; nao se zo-
ologtsta ou botanista quando destas sciencias s
se aabe a classificago.
Vera a pello transcrever o seguate trecho de
I/'grand du Sanlle :
Nunca insiairemos por demaia sobre a ne-
cessidade de foriea estddoa litterarios durante o
periodo da adolescencia que prepara pa a as
profisses liberaos. Durante etes poneos an
nos em que o espirito dcil, malleavel, vido de
lustraego e de novos rnethodoa, ae habita a
julgar, a comparar, a fazer se opinies pessoaes,
oa mestres nunca adaptaro por denais estas
novis inteligencias ao trabalbo do pensamento.
ao exercicio da memoria, ao rigor da lgica,
aos direitos da razo
Nada de mais saluta- para perfazer esta e.du
cago solida e severa do que o estudo das scien-
cias maibematicas. pbysicas e naturaes. Gragas
a esses conhecimentos geraes e necessarios com
os quaes o espirito se habita a viver, este ab
stem se de ideas preconcebidas, ss colloca em
pootos de vista exactos ; d'ahi tambem o des-
envolvimento deste espirito critico, judicioso e
esclarecido, de qae o joven esiudaate precisar
quasi ao liraiars scieacias de qae vai se oc-
eupar
0 fitn esaeucial qae se deve proseguir con
siste, pois, no desenvolvimento progressivo. me
thodi o, das faculdades do enteadimeoto, e, an
tes de tudo, as vantagens de urna razo solida,
de um discrnimento mais ou menos pene
trante.
Acha-se fra de duvida que as coodigOes de
hereditanedade representara um papet mui im-
portante na evotugo mental de um povo ; ora
estas eondiges heredilaridS n'aj sao immutaveia,
fatalmente estaci manas, pde-e modifical as,
pode se melhoral as.
Urna O legisla gao sobre a instruego pu
blica nao dar* smente resultados preaentea, em
virtude das leis de hereditariedade, no futuro os
aeua beneficios sero ainda mais consideraveis.
Outro nao foi o movel dos m Iboramentoa mo-
deraos traziaos educago da mulber. O papel
que ella represeota no deseovolvimeoto social
aasaz prepoaderaote. para que nada se neglien-
ce daquillo que tenha como resultado aperfei
goar a sua inflaencia.
Este artigo se bem que incompleto e assaz de-
feituoso j vai longo, tempo que eu o termine.
Aos particulares dire : que a nossa senba
comraum aeja : 0 desenvolvimento e adianta
menlo patrio por meio da sciencia.
Aos po teres pblicos dingirei a mesma allo-
cuco que com mais autoridade, do iueeu,j Ibes
dirigi o Ilustrado Dr. Hilario de Gouveia :
Teode toda a coofianga oa scieocia, sde-
lhe propicios e ella cojo orgulho humildade
comparado com o da ignorancia, vos reiribui
r generosamente, dando lastre, gloria e reoo-
m- ao vo880 poder.
Paris, 26 de Maio de 1890.
Augusto Duprat Jnior.
jos nervosos e tirar o somno, quando tomado
ooite sem essa reserva, pretendeado Balzac. que
taes desarrojos nervosos sao precsameute ease
a que os inglez -s dao a denommago boje cos-
mopolita de Spleen, e que poetisam certas mo-
embas loaras das Unas Britaaoicas.
Pra ter-3i urna bebida mui aromtica e pouco
adstriogeote. deve deitar-se o cha por meia hora
de infoso em dimioutissima quantidade d'agua
fia; ajuntar se-lbe aps esse repouso a agua
ferveote; e distribuil o as chavenas antes que
a lnfuso fique muilo carregada na cor. ,~
A agua fra embebe todo a trama da folba e a
ferveote dissolve depois o tanoato de cafeint.
qae precipita ae quando a infuso comega a es
friar.
A primeira infuso mais substanciosa e aro
manca que a segunda, a qual igualmente moito
adstriogente ; e a proporco de viote grammas
de cb para um litro d'agua fervendo, melbor a
agua das naacentes e da chova, sendo que ajon-
lando se algumas gottas de sueco de limao ou
outro qualquer audo vegetal, torna se o cha mais
picante e perfumado.
Na Tartaria cbinesa, em Cachemira e em outros
paizes da Asia comem as folbas de cb cosinha
das por diversos modos, com manleiga, farinba
etc., e a sua riquesa em albmina explica o seu
valor nutritivo.
INDUSTRIAS E ARTES
Ch-(SAea tinensis) 0 cha, como por nos
coohecido, a folha secca, enrolada e eoroccada
de diversas maneiras, de nm arbusto sempre .ver-
de que assemelha se ao myrto, cultivado na Chi
na e no Jauo.
No Japo, d'oade parece ser originario, plan-
udo ao lado das cercas e sobre as margeos dos
campos. Ua flores brancas como as rosas selva
licas, no invern; o seu fructo urna capsula
coniendo urna semenle.
Se se poda, d florea ? 8emente3 urna vez no
anno, ramos novos e folhas em abundancia ; se
nao se poda, aa flores e eemntes vem em todo o
auno, porm poucas. Para se as ob.er em maior
numero, devem ser colhidas apenas despon-
tam.
O cb pode tambem cultivar-se entre nos.
Na China o sea nome vulgar cha e o Ilitera-
rio ning; ko Japo tsjaa; e na lingoagem das
fljres, Etase. D'elle fazem-se na China quatro
coleitas, a primeira de Fevereiro a Margo, o for-
oece o cha melhor-ch flor, cha impenal-que
bem poucas vezea se encostra no commercio por
ser reservado para o Imperador e a corte ; e a
ultima a que da a qualidade inferior, prouuztn
do quatro kilos de fu.h is verdes, um e cha.
Mullas sao aa variedades d'este; 03 comraer
ciaoles chinezes elevam n'as al 130, e os euro
peas smente conhecem urna duza de varieda-
des de cha que, seguudo o seu modo de prepa-
rago. clissiicam em verdes, preos e perfuma
dos.
0 verde provm ordinariamente dos aruustos
cultivad js oas enjalas ; o preto dos arbustos
cultivados oos campos ealercad.s; e o perfuun-
do o mesmj verde ou prelo, a que do um per
fume especial. Mas isto aao lem aada de abso-
luto. A mesma plaua pode dai o preto ou verde ;
e a difireos i consiste em que, antes de ser tor
rado, o preio passa por urna ligeira fermentago,
deixaodo se a folba amooioada por tres oa qua
tro dias, tratameuio a que nao o verde subiuei
lido ; e d'ahi quasi sempre a sua cor art.ficial
priacplmente quando desiiuadc exportago.
Parece que a fermeotaco decompoe no cha
preto certos principios, que poaco mais oa me-
ooi lhe do ou forga ou sabor, de maoeira qae o
preto ioferior ao verdenao tao bom e nem
to forte.
No Brazil, onde pretendem t-r melhor cha que
o chtnez, o preto secca-se ao sol e nao no forno.

O cb de boa qualidade d urna infuso de cor
amarella douraia, lmpida e per.'eitamente aro-
mtica, qae, tomada cum moderago, nao muito
forte, toraa-se igualmente favoravel ao estomago
e cerebro.
E ta bebida aristocrtica deve ter sempre um
suavissimo perfume.
Sob a relagao hygienica couvm nao abusar
do coi verde pela sua graode e talvez multo for
te eoergia, que pode provocar alguns desarran-
0 cha, como o caf, sujeito a alterar-se ou
por ma preparago, ou por m conservago.
O perfume do cha voltil, e por isso nao deve
elle ser exposto nem ao ar, e nem a luz; mas
conservado em vasos opacos e fecbadoa. 0 cha
se impregna muito fcilmente dos cheiros ainda
meaos pronunciados; e por isso tambem nao
deve estar em contacto com substancias odor-
feras, me.-mo quando seja agradavel o efedro.
Muito velho, perde, est passado, muito fresco
acre e amargoao : os chinezes a se ser vera
d'elle depois de um anuo. -s*
Torna ae melhor transportado por mar, como
o vinho. quando bom.

A falsihcago do cha antiqaissima.
Comegaodo na China e no Japio, veio ter s
ultima de mo na Europa pelos ioglezes, que
aperfeigoaram na, como mestres.
Com effeito, falsificado por meio de addigo
de materias mineraes para augmentar-lhe o peso
e volurae ; com a cor artificial que lhe do, e
ainda com as folhas j servidas e assim privadas
dos principios soluveis do cha, apanbando-ae as
meamas foi tas em L radres oos cafs, nos botis
e nos monturas dos maia porcos quarteires. De
serte que neasa capital havia em i842 oito fabri-
cas que preparavam o cha com anbstituigo de
folhas estraabas e por isso empregavam o olmo,
o freixo, o loaro. o sabugo, o lamo preto, o
pltano, etc. 4S
Alm diaso. plantas ba que do folhas que po-
dem muito b^m substituir o cb
Em Sumatra se servem das folhas do caf.
Na America do Sul e no Paraguay substituerr
ao cha o mate, a que d&o o nome de chmate
(Ilex guaragoayensia Paollioia sorbilis,) e aa
Bolivia usa-e da coca, qie foi decantada em
msica em todos os tons pelo maestro M m'.e-
gazza.
Vulgarmente o cha denominado pela sua im-
mediata provenienciacb de Hollanda, da Rus-
sia, etc.

A historia do chi nao antiga.
Foi primeiramente introduzido pelos bollande-
zea que o receberam dos chinezea em 1610 em
troca da salva, da qual elles sao muito apaixo-
nados.
0 cha nos Paizes Baixos servia de designaco
aos partidarios do principe de Orange e dos in-
glezes, que o preferiam ao caf.
Demos ha pouco noticia das experiencias oro-
cedidas no porto de Cdiz com o submanoo Peral,
deltas lirou se a limpo em presenga de com-
miaaes selenlificas e de graude coocurso de
povo o alcaoce e propiedades do invento do
Sr. Peral, mediante o qual um navio desapa-
rece totalmente da superficie das aguas e surge
urna oa duas horas depois, ao talaote do seu pi-
loto, oo ponto que lhe cooveoha.
A sorpresa e embusiasmo que aquella expe-
rieocia causn repercutiram em toda a Europa,
tendo de toda parte sido enviados telegrammas
de felicitages e annunciando por isso mesmo
urna moditicago completa no actual systema de
marraba de guerra.
O couragado hespanhol Colon foi atacado tres
vezes, sem que tal facto se percebesse, apesar
de toda a vigilancia empregada !
Nao cabe a menor duvida que semelhante des-
coberta inaugura um acontecimento, que trans-
formar radicalmente as presentes coo igOes de
navegago e a tctica naval boje empregada para
ataque e defesa no mar.
Os raglezes. de seu lado, j esto de posse do
segredo jo submarino e circulam oas revistas
deseuhos e de.-cnpges da oova machina, dando
a conhecer o seu grande alcance e os destinos
gloriosos que lhe estao reservados.

Est em via de realizago o ramal frreo entre
Porto Feliz, e Boituva, estago da linha Soroca-
bana.
A extenso do ramal de 18 kilmetros.

Acha-se organisada. devendo latigar ae breve-
mcote na praga do Rio de Janeiro, ama compa-
nnia deatinada a explorar, em suburbios a con-
cesso feita por decreto o. 7035 de 5 de Ooto-
bro de 1878, ao Sr. Dr. Pires ae Almeida, sob a
denomiaagio-Agricultura e Flora Brazileira.
Esta empresa foi creada pelo concessiouario
com o fin de utilisar p-incipalmete os terrenos
baldos das fregueziaa suburbanas, tendo por
objectico fundar estabelecimentoa ruraes de flo
ncuKura e apicultura, montar e cualear fabricas
de distillago, extractificagao e preparago de
esseucias e leos aromticos, medicinaes ou aao,
aguas distillada8 odorferas e medicioaes ; pre
pangues medicinaes magistraes, nrmente as
da llora brazileira etc.
E como, nessp sentido, ora se organisa, os
hvradores delraj. Inhaumae Jacarepaeuab-
rara espoataoeamente urna acripgo de aeces,
para servir de base fuudago de to auspicioso
companbia.

Corra que sero langadasna praga de S. Pao
lo duas empresas.
Urna do D*. Jone Albuquerque, para fandaco
deum moiuho a vapor para tabricago le fari-
nha de trigo, cuja cultura ser iniciada em gran
de escala.
Outra ser fundada por diversos commercian
tes, com o lira de explorar o coraraercio de ob
jectos de encanamentos para agu, ?az, etc.
Esta lera o capital de 1 000:0u0*000
FINANCAS E COERtlIO
Se os paizes civiliaados empregam tan-
tas sacrificios no alargar os seus conneci-
mentos, sobre as regi3es incogaitas ou
mal conhecidaB e em relacionar se com soub habitantes, nao o fazem certamente
com o designio de diffuadir nelles a civi-
lisacSo.
As suas industrias atravessam hoje
'S-KM


't




.








i|
'* **mm
vMr*>"w>i*BMMasii


Diario de PernamhutroQuinla faira 31 de jTulbo ^!W>



i
K
urna crino gravi-am* p >r supe abundancia
de proiujtus; porque o pases que antes
tinh>m, para b vn dizar o aun polio, eo
vez de restriogiretn as auas pr idow^Sai,
qu ^ndo n CO'S rasie nova- se emancipe
lam, correram a disputar a sua c -acorren
cii no m.-.revio internacional, e trataran)
de augra^nal as todos os hium por raeio
do em prego de no vos ajmte-nae raaU aper-
feicoados q le Ibes perm ttiara off reoer os
meamos productos a um prego seraor-,
menor
D'ahi, a consequeocia necessaria do
incremento na pr ducelo, que hoje
torn 'ii se mais volumo-ta na Europa,
en, razo das barreiras proteccionistas, de
que se vo cercan lo successivaraento to
dos os E-it dos ; e p >r successlo o desojo
antes que a oeoessi 1 ile de procurar oo
vos marcados, mearao a cusa de grandes
sacrificios.
E, pota, compehende-se que nao ud-
deixar de sor o listado do Oung > um des-
ses mercados, porquanto os seus milhSes
de habitantes, priraein pelo gosto e de
poi- por oecessidade de haver os produ-
ctos industriaos eur >oeus, entregar se ho
com mte.-e-ise a tirar do seu frtil terreno
aquellas jroducoSe que firem procuradas
para troca E <> commercio tornar-se-ha
assim de urna certa importancia sem du
vido n'u paiz, onde o novo Estado as-
sente liberdade de eommercio, e osi:dige-
nas a seu turno se apaix >nem pelotraticoe
tragam do seutro venceado grandes distan
cas centenares de kilogrammas de produ
otos a os mercados, que seo urna das cara
ctTibticas do paiz ou s fetorias europeas
atim de vender*-n'os abi proco con vi
dati to.
At o anno de 1886, calcalava se em
10 milhos o comnarcio annuo interno e
exerio dos paizes comprebeodidos no uo
?o Estado do Congo, tendo se no anno
anterior, em consequencia la abolilo ''6
direitos de sahida sobre os produ
ctos -provenientes do alto Congo, sido
facilitado a expirtacao pela va do Congo
voferio-. De sorte que em 1877 a expor-
tadlo por abi subi 20 milboes e a im-
potUco a 21, a > todo 41 mhhoes de
francos
E dizer que fatem boje 69 annos que
as margeos do rio e a costa prxima da
sua fot eram ainda quasi exclusivameute
c nsa,; radas ao tranco des negros!
No Congo acham-se actualmente estab >-
lecidas urna poderosa casa hollandosa, mais
import tote de todas (Wwt Affrekanc e
Hartdds Vennootchah de Rotterdam) ou-
tr* francesa, duas ioglezas urna pertu-
gaesa, outra belga-americana e duas bel
' ga8
Destas a principal, que se denomina
CompaoLia de l'ommercio e de Industria
do Coogo, fabrica os tiilhos para a via
frrea, parece que vira a ser a mais pode-
rosa de todas
E por ultimo tendo se orgamsado na
B-.lgica a sociedade dos rmaseos Geraes
do Jafn com o fim de eustear as desbe-
zas de emigrantes europeus para esse
pas, pei orcinnando-lhes o que f3r ne-
coesano ao seu preparo e alimentacao terf
a meama so -i.-.dade de construir armazens,
e urna 'estalagem e um bond para Bonna.
Na capiuU federal, sob titulo de fiacco
de Crdito Rural Brasilciro, vai fondar se
um estabe ecim*Dto modelado pelo syste-
ma do Creiit Foneier, ds Panz, com o
capital de 10.00J:000)J, em 50.000 accSes
de 2 )0 000, e cujo fim auxiliar a pro
prifd-ide immovel, especialmente a agri
eola, fomentar a industria e desenvolver
as riquezas do paiz.
Para esse intuito, alm de operacoes
comuierciae8, para o que ter carteira es-
pecial, realisar operacSes de crdito real
e agrcola so o o vasto plano tracado pelos
decretos ns. 165 A e 169 A, art. 13,
de 17 e 19 de Janeiro, reglamentados
pelo decreto de 2 de Maio de 1890, parte
2.', titulo nico.
Emittiri letras hyptthecarias do valor
de v)J em moeda correte e juros de
7 *(, e em ouro di valor de 500 francos
e juros de 6 "|0, pagos em ouro ao cam
bio par.
Ene juros pdenlo ser pagos as pra
cas le Ljndres, Piriz, Antuerpia, Ams
terd.m, HUrabirgo, Genova, Barcelona,
Lisboa e No*a York.
As op -.racoes do Banco, pois, serlo :
Emprestar sobre hypotbecas de pro-
prie ladea ruraes e uroanas a juros nao
excedentes de 9 [, ao anno, alm da
porcentagem de administr-iclo (1/2 u/0), e
amortisaclo calculada sobre o praso con-
vencional da divida entre 10 e 50 annos
{art. 1.-i 7. do decreto n. 169 A);
Emprestar sobre bypothecas convenoio-
nad.s prazo curto, com ou sem amor
tisacao;
Emprestar sobre bypothecas, ou penhor
agrcola, de engenhos centraes, fabrica de
preparar productos agrcolas, machinismos
e antmaes de fazeados ruraes ;
Emprestar sobrj peahor agrcola de
fructos colbidos, e pendentes at o prazo
de um anno ;
Bmoreatar sobre penhor agrcola, por
10 15 annos, sobre arbitramento da
media da prodcelo aanual de qualquer
genero de cultura nos termos do dec. de
2 de Maio de 1890, art 364, 2. parte._
Emprestar para compra e eonstraecSo
de predios urbanos ;
Emprestar sobre garanta de gneros
de prodcelo agripla, nao sujeitos a
fcil detenoraclo, depositados em trapiches
alfandegados, armazens seguros e estacos
de estradas de ferro ;
Beoeber depsitos de ouro, prata, pe
dras preciosas e outros valores mediante
commissao convencional;
De?contar saques cobrindo remessas e
adiantar dinheiros sobre conhecimentos,
ou guias, de gneros agricolas remettido3
do interior ;
Descontos, emprestimos, cauc3es, cam-
biaos, depsitos de dinheiro em conta
orrente e praso;
Abrir e conceder crditos, comprar e
vender bens, ttulos dos governos, geral
e dos Estados, de Bancos e companhias e
valores de qualquer especie ;
Organisar empresas e estabelecimentos
imduscriaea;
Encarregar se 'de quaesqner obras pu-
bliaas ou por conta de empresas ou de
particulares;
Administrar quaesquer empresas ou es-
tabelecimentos indnstriaei que adquira, o a
por conta de teroeiret;
Oontractar com oa governos, gexal ou
dos Estados, sobre ludo quanto Vieaer
respeite a seus Asa.
Aiqmnr trras incultas e propriedsdes
rur-a pra explorar productos sjgrioolas
e a industria pastoril, ou dividir os terre-
nos -jm lotes, melil s, colonias! os e
vea le os vista ou praso, de confor-
midad e com o deoret n. 528 de 28 de
Junho, depois de prehenchidis as forma
li lad-s do decreto n. 431 B. de 31 de
vaio (lei T rrens) ;
Incuinbir-se da introdnccSo de immi-
graotes, trabalhadores agrcolas e opera-
rios, e estabelccel-os as propriedades
agrcolas que o Banco adquirir, ou em
estabelecimentos particulares e por conta
dos respectivos propietarios e nos de-
mais do citado decreto n. 528;
Importar macbnismog e instrumentos
agrie das e industriaos, sementes, plantas,
animaes ^e raya par criac&o, e quaesquer
objectos que poesam interessar a agricul-
tura e a industria, por conta propria ou
de terceiros;
Encarregar se da venda de productos
agrcolas e iodustriaes;
Establecer agencias : fra do paiz
para o servico de suas operayoes, prefe-
rindo na parte concernente imm graylo
os cnsules brasileiros ; e dentro ce sa*
circumscripcao territorial, as localidades
o de convier. para o se.-vico de suas ope
racoes e especialmente para : receber de
lavra lores, iaduetnaes, colonos ou traba-
Inadores, dopos tos em conta corren e ou
prazo tixo, como ciixa de economas ;
abrir lavradores e industriaos conta
correntes garantidas com penhor agrcola,
ttulos valiosos ou firmas idneas, para
custeio da lavoura e estabelecimentos
inuustriaes.
Os encorporadores requereram ao go-
verno e delle obtiveram promessa de con
-.essao de terrenos devolutos do Estado,
as regiSes e zonas mais terteis dos Estados
de Minas, Espirito Santo e Paran, com os
i avores concedidos pelo decreto n. 528.
A circumscripcao territor al do Ban jo
comprebenderMunicipio Federal, Esta-
d >s do Rio do Janeiro, Minas Geraes,
Espirito Santo, S. Paulo, Paran o Goyaz.

Teodo-se aborto no Rio a subscripcao
para completo do capital de 2,000,000000
la companhiaE genhos centraes de caf
no Brasil, foi subscripta a importancia em
excesso, devendo haver por isso rateo.
Sio encorporadores oa Srs. Drs. Theo
dureto Souto, Moreira Senra e Sr. Paulino
Luiz Tinoco.

Encerrou se a subscripcao das acedes da
,'ompauhia Nacional Manufactora de Cha-
ratos, cajo capital foi todo subscripto.
REVISTA DIARIA
Acto fBclalPur acto do Dr. goveroador
de 30 do correotr foi prvido o cidado Jos Al-
ves rVrtira Luna na serventa vitalicia dos olli
cos de ubeilio, escrivao de orpbos e ausen-
tes, da proveJor a de capellas e residuos, lio
crime e civel, execucfjes cives, jury e execuces
ciiinnats do termo de (lanbontinbo.
Kulado dun tlaoa- Tiveino- honteiu
noticias d'esse Estado que alcancam a 29 do ex-
pirante
0 jornal Esiado de Alagos, da ultima data,
nz :
Com destino Assembla seguio bootem
urna f.-ca de 30 pracas do natal nao 26, sob o
commaado do alteres Odilon PraUgy.
> i.onsta nos que a ordem publica esl altera-
da n'essa localidade.
I)i-iu ios q te est as^entada a notneacfto
do Dr. Aurelio Nunenano P.mi*s da Silvira
para o lugar de inspector do 0 j;isuia 1j. que se
acha vago.
Se realizar-se esta nomeacao s teremos
que felicitar ao goveroador e ao Estado.
Consta dos que o (millonario conde de Fi-
gueiredo trata de crear uin naneo ne;lu capital.
Oesejamos ardeatemente a coalinnacao d-?^ta
noticia que nos vem de pesso cj nuei nte e
digna de crdito.
HoDleui devia realizar se em contiouacao o
leilao dos salvados do lugar Gil que foram re
colhidos aus depoito da Alfaadega.
A respeilo disse o Diario de Alagoas, de 28 :
Nao leve logar o leilo aauuuciado para o
da 24 as praias de Paripoeira.
Compareueram poucos licitantes e suas of
ferias nao foram acceitas pe j Dr. juiz do eom-
mercio e mai3 pessoas ioieressadas, que ileliti
raram mandar couduzir lodosos salvados para a
Alfandega d'esta cidade, atim de proceder se a
novo leiiao, em qualquer da da aem^ua vio
aoura.
Podo o ntSSStM de bordo do lugar Gil nau-
fragado, novo e bom.
A farioba de trigo, que ser arrematada,
iii.il'ii ca segundo amo-aras que vimos.
Com referencia acqumcao da casa em que
aasceu o i;eneralissimo Muiuel Deodoro da Fou-
seca, o Estado de Alagois escreveu o 9- guinte :
O Gutenberg de nonlem Iraz urna noticia
qu<: realmente le.u algum fu idamenio com re
lerencia i-aa que o Club Militar deseja com
prar.
E' exacto que os aotigoj declararam nao ter
o benemrito alagoauo Manoel Deodoro da F)i
s>-ca na-tcido n ra doa Mortos, e siin na do
Meto, em urna casa que da mutlo ja fu demo
lida.
Estaos coavicios de que a ca oaJe oas-
cera o geocalissimo j nao existe.
0 Club Militar deve ter mmto -ui lado, quan-
do tiver de ft-ctu ir a -:o op^a da casa.
rlesio MsIbSJMss -N > paquete ameri
cano Advance. esperado ho|e do norte, vem da
pasagein para o Rio de Janeiro o Hispo Goiobe
ry, ac. mpauhudo de divesos mls^iona^ls da
ir--|a meibodi-t.i eois-opal, ramo do sul.
E' a terceira lagem que faz nquclle preial
ao Brazil oo iotuilo de presidir a conferencia
annual celenrada no Rio de Janeiro.
Hoje, 48 7 horas da noite, o Revd. I. W- Tir
bouf fa ama conferea -.ia no predio n. i> da
ra da Conquisla, com assistencia do referido
prelado.
Propacadora da luatruc^o fu
blicaDevem reunirse boje, as o 1/2 horas
da tarde, na ra do ires n. 18, os meubros do
co'ise ho superior dessa assoc cao, era sesso
xtraordinaiia, para deliberarem sobre varios
assumptos.
Cita* Conanaercial Buierac Depois
de amaoha este Co i faz o seu sarao familiar do
mez de Agosto.
Laaii-rna Maa;lcaPuolicou se 0 u. 298
deste periodieo livm e bu nonsti'O.
ociedade Ptavloanalica -Hoje As 10
horas do da, funcciona esta sociedad^ eoi ses-
sio or linaria.
aa vmmeimo Honlem cbsgou 003 as
raaos a srgn nte carta dessa localidade.
O que n'ella se diz grave, e merece ser to-
mado em coo-ideraco pelo bonrido Sr. Dr.
^over ador do estado :
Boro Conseibo, 25 de Julbo de 1890. Illm.
Sr.O lim da presente pedir o favor a V. S.
paia mandar publicar aa Reviita Diaria o caso
que a-so a expor.
Tendo o gobernador desle estado mandado
que o collector.d'aqui lsse500*000 a urai som
missai aqu constituida para distribuir com os
pobres que esto soffreodo fume succedeu que
a.-sim procedeu da commissao durante des
das mais ou menos, emquaolo durou a dita
qoaatia.
Essa commissao telegraphou, porem, ao go-
veroador, mostrando a oecessidade de mais di-
Dheiro ; e hontem (24) chegoa aova ordem ao
roesmo colleclor para dar mais 500fD00 ; mas
nao tendo essa commiisao aecudido ontem mes-'
mo a destribuir as esmolas a tantas pessoas que
eatso.a^u a perecer do fular, e **#euUuilo 44
ptns:iwr a disinibuir as esmoiss 4 segu->d
rtuies* em 28 ou 39 denle, jl-aoje uiorrarajn
duas pesaiMS a foiue. e morrer mais gente se
essa disinbuicu nao for uiaria.
Paco isto para que este povo que ala care-
cido, eeja accedida com, a prest -sa que exige
quvavgrrae com (ave. Sem aasqcoplo Para
m-is,.ou de V. 3. etc., ele Mantel ^Inonio
raoares.
renaio atoa proffaamora arlatrioi
Faz boje sessao ordinaria essa sociedade ae
meio da.
Keuniu aoolal A' ra do Marques de
Olinda n. 53, 2. andar, reunem se boje as 7 bo
ras da noite os Clubs Republicanos Parocbial <
Progresista do Recife cujos associados sao para
isso convidados.
Medico Posrmaceulira PernumDii
ranaEn sesso urlinaria rene se Doje es-a
associac&o, no lugar e horas do costume.
mprenaa- R;ceb-*mos o o. 6 do Correio
Luterano e Btbliograpluco, publ cayao men-al Ja
casa editora e Livrana Laemmert & C, do Rio de
J in-iro.
R-cebem"8 igualmente o o. 13 do Ingeniero y
Ferretero Espaol y Sud Americano, que publica
ge eoi L mdres e faz par.e ua Gaceta Sud ameri-
cana y de Espaa.
Aluda recnneioos a livragao ATif*t asa' Day, re-
lativa 24.a festa do lostiluto da Infancia desva
lido do Dr. Bernardo.
Agradecemos a amabilidade das offertas.
airrvico natlitarE' boje supeiior do da
o cidado capitao Xavier, e faz a ronda de
visita o cidado alteres Oiiveira.
O 2 batalnao dar a guarmeo da cidade
Caiameato civil-Devem hoje ter lugar
no paco da liiteaeocia Municipal os casamen
tos: u '
De Maooel Francisco da Caraar^ com D. i.or.s
lamina Pacidca do amor Divino-
De Laiz Jos de Sonsa com D. Elhelviua Go
mes de Andrade.
Vacriaa publicaHonlem vaccinaram
se na inspeciona de nygieue 16 pessoas.
Nesse servigo oceuparam se os Drs. npector e
seu ajudante.
Chave acbada-Em mo do subdelegado
da freguezia do Recile depositarain hontem urna
chave de fe.nadura inglezd, que foi encontrada
o'um dos bancos da Praca do Commerio.
Qnem a perdeu que a reclame.
CembrancaA' d'goa commissao eocarre
gada dos festejos do da 5 offerecemos a lem
branca que 6 suggenda uas hutas que se
guem :
< Lemos boje na Revista Diaria do seu con
ceituado Diario (do uual somos assigoanle) a
noticia de um grande fogo de artificio que ser
queimado no da 5 de Agosto, como fazeodo
parle dos festejos em honra ao annivrrsano do
geoeralissimo Deodoro, e nos pareceudo que
ailo fogo. eodo arando no rio Capibarihe, ser
de um effeito deslumoraote. evitaodo-seao mes
mo lempo os inconvenientes que causaos os i fo.
gos queimados em ierra, pedalos por iw ,.u
O obsequio de inoic^r SOS promotores do alludi-
do diverlimeuto > pouto do no ie:eiido, que fica
entre as pootes da Boa-Visu e do camin j oe
ferro de Caxan<, podendo meemo eslender se
at posico fronieira ao quart-1 da companbia
de Dombeiros, urna vez que o f >o grande como
se annuncla.
De V. '-riado obng.do.Umantigo assignan
te do Otario .
iniHir Maao* -Tendo esse vapor saludo
h<-olera do pono do Ceara, deve tocar no de Per-
nambuco no da 2 de Agosto.
tribuna i do Jury do Becife -Hontem
foram submettidos a jugara -uto, u'e.-ic triDUual,
os reos Jos Paulo de Carvalbo e Manoel Ignacio
Marques, pronunciados como in'-ursos no art. 269
do cdigo criminal, porque em 2J de Janeiro do
coi rente anno, raram para si contra a vontade
ae eu dono, da casa o. 54 sita ra Luiz do Re
go, e mediaote violentas, oous lustres de crys-
tal.
A's II horas da maoh, presentes 36 juises de
facto, foi abena a sesso, sendo so leadss para
comuor o jury de seniencaos st guiles juizes de
faci :
Godnfredo de Abreu e Lima.
Pedro Alexaadrim Machado.
Jos dos Santos Coila Moreira.
Is doro Tbeodulo de Mallos Ferreira.
L-opoldino Coriieno Perretra da Silva.
Caodido Jos de Gde3 Telles.
Sehasiio Antonio do Reg Barros.
Germn I Molla.
Jo; Coilaco Das,
odilnn Coeino da Silva.
Herculaoo Herval de Miranda llenriques.
Jo- Delphiuo da Silva Carvalbo.
Occupou a tribuna da accusacSo o adjunto dos
promotores, Dr. Joaquim da iiv Cabr I, que
expoodo ao jury todas as pravas e circumsian
Cas conjlaues do processo, qne susleuta am a
responsa ilidade cnmiaul dos aecusados, e de
monstrando te rom concorn io na pratica lo cri
me as aggravanles do ari. 16 1 e 17 do cdi-
go criminal, pe lio a coudemnaco dos mesraos
accudos no grao mximo das penas do citado
art. 269.
Produzinm a defeza dos reos os Drs. Luiz
Drummoid e Joo Ferreira Domingnes Carneiro.
Q jury rec oneceu a autora do delicio com a
eircumsiancia attenuante do art. 18 i do co
digo criminal, e negou as agravant8 articula
das, pelo que foram 03 reos condemn dos pena
del anno de gales e raulia de 5 / do valor rou
bado, o uo iocursos oa grao mnimo do art. 269
do i*, digo criminal.
Terminou o juramento s 3 boras da tarde.
A sesso ficou a liada para hoje s 10 horas.
Intendencia Municipal alo Medre
lrl6^312
6:427*401
Kendimeoto do da 29 :
-al.lo do da anterior
E n poder do procurador
No Sanco Sul Americano
7:595471o
33:000*000
40:595*715
FaUecimento Falleceu bontem tarde
apin longos soff-imentoi, Joo Hermenegildo
Borges Di uz, amigo erapregado do Tbesouro.
Couiava o tinado 79 auuo.< de dade ; e, de
pois de la.) longa v da de afanosos labores, lega
pobreza sua familia, como -e s mpre aconie
cer ao funcciooario publico honesto.
A essa familia, e especialmente a ?eu lilho 3
D Jos Jaciniho Borges Diniz apresenlamos pe
zamei
wirecioria aaa obra ae conserva
c so ton porto* de PemambncoHe. -
le, 29 de Julho de 1890.
Moietim raeteoroloaico
9- .
Meras
6m.
9
12
3 t.
6
2 o ao
Tensan
S Barmetro a d0 vapor
0*
a
3
7,
23.2'
So 0
23*. II
23*,3
I
763-42
764-30
76.>62
762-511
;62-531
18.76
20.121
18 88
19811
18.74'
91
94
78
94
87
Temperatura mxima-ti/00.
Dita mnima-ii. 00.
Evaporaco em 24 boras
'Ihu va- 33.-8.
Direccao do vento : ESE, SE, SSE e S ajlerna
do, predominando SE, durante todo o da.
veiocaade media do vento3 02
8ombra~l",7.
mulhere8 18, estranireiroa 12
130
.0
5
4
131
Total
345
15
5
8
347
deste
respectivas
11
4
448
enfermara-
E*tracco de polypo Unroso do qoJIo uterino.
Itelo Dr Berirdo;
Kerotomia no oibo esojerdo, indicada por
grande abeesso da cornea.
Pelo Ur. Malaquias :
Amputacao' do penis, indicada, per epitelioma
do mesmo.
<#** OeseaieauMovimento dos pre-
od da Casa de Oete o cao rt o Recife, Balado Q,
Paroarabuco, era 29 de Julho de 1890.
Bxiatiam 508 entraram 5, sahiram 21, exis-
tem 492.
A sancr:
Naciooaes 478
-Total 508
Arracoado^ 432
ons 414.
Doente '13
Uracos 3.
Loucas 2
-Total 432
Movimento oa enfermarla
Teve baixa:
Felismina P reir da Silva.
Maniniano Gomes da Silva.
JoSo Damasceno Ferreira.
Ti ve. rara alta :
Manoel Ignacio de Lima.
Manoei Ioacio Ma'qu<8
Uoipiiai de Sania tfueda-0 movi
meoto d.-sie esiabelecimento ipara variolosos)
no dia 29 do corrente, foi o seguioie :
Homens Uulherts
Existiam tl5
Entraram 5
Sahiram curados
Falleceram 4
Existem 216
Ho, itai Pedro ii o movimento
estabelecimento de candade, do dia 29 de Julbo
foi o seguiote 1
Entraram
Sa orara
Existem
Foram visitadas as
pelos Drs. :
soaCuao s 8 1|2
Cysneiro as 8 1(2.
Berardo s 9 l|2.
Malaquias s a 1|4.
Pootual s 9.
Esievio Cavalcantes 8.
Si Uoes HafOsM s 11.
O pb trmaceutico eutrou s 9 1(4 da manh e
sabio as 3 1|2 oa tarde.
O ajudaue do pnarmaceutico eatrou s 8
da uianb e s hio s 21 da tarde.
teioeai ElJeciuar-se nao os seguintes :
H je :
i'elo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jess n. 45, de c.-> guetlas e oulras fazendas ava
riadas.
Pelo agente Stepple, s 11 boras, ra do
Imperador n. 39, de urna casa ra de S. Pran
cisco, em 0.1 (ida.
Auinilia :
Pelo agente Gu&rao, s 11 horas, ra Mr-
quez de uimda u. 56 de importaines movis.
Slnai binaera*serao celeorauas :
H .je :
A's 8 oras, na matriz da Boa Vista, pela ai
ma do couimenio Raphael Rabellu.
L.of-rta do Eatadode reraaanbuco
A 13< serio da 1* loieria desle Estado, bera ex
iralna impreterivelmeote 90 da 5 de AgO-lo
.terca feira), 1 horada larde 00consistorio da
igreja de Nossa Senbora da Rosario, de Sanu>
Antonio.
.oierla do Kalad lo raiu-Par
A 4" sene da 41' loteria cujo premio gran
de de 60:000*000 ser extratuda 00 da i de
Agosto (sabbado).
L-oleria mo Maranbo A 23* serie
da 1' lotera desle Estado, cujo premio rauuv
de 3iO:UUO^00O, ser extrahidano dia 6 de
Ago-tn ("juana.eira).
ceaaaierto patolteo -Obituario do da 39
doJuibo Aetm.
Pedro, Peroaiubeso, 13 mezes, S. Jos4, va-
rilas COiilleilteS
Mana Aonunciada de Menezes Cunha, Per
nainbuco. 13 annos, sulteira, S. Jos, vaiolas
hemorrhagicas.
Jos de Sampaio Coelbo, Portugal, 48aooos,
casado, Poco, tubrculos pulmonares.
Mara Rila da Cruz Neves, 1 Pernamboco, 80
aunes, viuva, Reoife, tubrculos pulmonares.
Aurelio Cosa, Peesambuco, das, Grafa, va-
nla.
Joaquim Emilio de FigueirJo, Peroambueo,
87 anuos, viuvo, Boa-Visia. marasmo.
Paulo Pernambuco, 25 dias, Recife, oute.ro
colite.
Agosiinho de Barros Waoderley, Peroambu-
ce, 23 aonoi, solteiro, Boa Vista, varilas be-
mori-haguas.
Virginia Portugal, 9 anuos, Boa Vista, vario
las hemo rbagica.
Mina. Pernambuco, 7 annos, S. Jos, varilas
ixrafluenles.
Aniceto Jos de Barros, Pernambuco,
nos, i-olieiro, S.Jos, vanlas confluentes.
Joauia ManadaCooceico. Peroambueo, 65
anuos, viuva, Boa-Vista, leste cardiaca.
Honorio Francisco dos Sautos, Pernambuco,
21 anuos, solteiro, S. Jos, varilas.
Mara, Pernambuco, 2 annos, Recife. vanlas
confluentes. _
Maooel, Peroamboco, 2 annos, S. Jos, vano
las confluntes.
Ped.o, Pernambuco, 5 mezes, S. Jos, varilas
confluentes ,
Al--xandrma, Pernambuco, 6 annos, s. Jos,
vanlas confluentes.
Antonio, Pernambuco, 4 annos, S. Jos, enten-
te aguda. __
Maxiraiano d'Assumpcao, Pernambuco, 30 ao
no<. solteiro, Graca, vanlas confluentes.
Lucio, Pernambuco, 21 annos 8 llero, Gra-
ca. hemorrhagia pulmonar.
Manoel Olympio, Pernambuco, 22 annos, sol
leiro, Santa gueda, vanlas.
Antonio Bordes Alves, Pernambuco, 30 annos,
solteiro, Sania gueda, varilas.
Marcolina do Nassimenio Oliveira, Pernambu
co. 20 annos, solteira, Santa gueda, varilas.
Mara Franeca da Cooceico, Pernambuco,
40 inoos, viuva, Sania.gueda, varilas.
Honorio Gomes Pereira ioas-Geiaes, 22 an-
nos, solteiro, Santa gueda, varilas.
Luza Mana da Cooceico, Pernambuco, 2o
annos, casada, Santa gueda, varilas.
Joo MarquS Evangelista, Pernambuco, 27
annos. solteiro, Boa-Vista, varilas.
Laura, Pernambuco, 20 dia?, Graca, hemor-
rhagia urabelical.
Justina, Pernambuco, 5 annos, S. Jos, vario
as confluentes.
Mana, Pernambuco, 10 anuos, Santa gueda,
vanlas confluentes.
bem assiin nos leos grax >s Applicado em ul
ceracoes de cara, ter syphi itico no bipus ulce-
ado, nos epilheliomas, as ule-ras raa igoas
que se assestam nos braco-, penias, oi-casiont-
das mullas vecs por coniusdes. em individuos
cujo aogue Vicioso, opera sbitas modifica-
coes no decorrrr de alguma boras
Do eslraogeiro nos chegam nuiicias dos pro-
digiosos effeitos do uristol.
O Sr. Bruc (de Panz) tratou de um doenle de
50 annos, cujo epilhelioma invadir toda a face
esquerda. Era urna vasta uii-eracao, s m. Ihan
te a urna ferradura. abracando o odio esqu r o
por sua concavidade. A nanna, a palpebra in
ferior e mesmo a parte exlerna da regio super
ciliar, profundamente alteradas.
Por cempaixo fazia-lhe varias apilicacpes
coohecidas, certo de que oSo obleria o mnimo
resultado, quando a 5 de Abril uo creme anno
!wT
oslla) das 6 a7l"W horas da manbA e
ardo Chamado por escripto. Telehone n.
392
Dr. Joaquim Lomro medico o partei-
o, consultorio ra do Cabug u. 14,
'.. andar de 12 as 2 da tarde; residencia
o JMonteiro.
Ur 1 antro Jeeu medico e operador,
-*r&uc* a lavagem do tero quando o co-
K acouselhtde. Consultas das 11 s
i da tarde em sua risidencia a ra do
Bom Jess (autiga da rus) o. ''i, 1."
radar Telepoone n. 'H'J
ljt Joo Pauloespecialista en par-
os, molebtias de sen horas e de enancas,
empregou pela pritm-ira vez o p de aristol. Em com pratica nos hospiU -s de Pars e de
menos de seis das via se a cicalrisaco partir Vienna d'Austm, d consultas de 1 s 3
dos limites da vasta ulcera para o centro, estn-
dendo-se rpidamente. j
Nos das 12 e 19 de Abril fez ligeiras raspa-1
gens dos bor >us do neoplasma ; em 48 horas a
cicatrisaco era perfeiu nestes pontos. Viote
SPORT
Em sua prxima cor ida do dia 10 de Agosto,
d o l>erfcy Club de Pernambuco o grande pre-
mio fifado de Pernambuco para animaes pun
gas.
A distaoeu de 1,450 metros.
O premio de 400* ao primeiro, 200* ao se
gunio e 40 ao lerceiro.
Nebulosidade mediaO.-80
Boletim do porto
Na mesma corrida ha o pareo Internacional
para animaes estrangeiros na d stancia de 1,609
metros.
0 prem o ao vencedor de 500* e-de 100* e
SO* aos dous immediatos na chegada.
A inseripcao para essa corrida eocerra se na
por 8f- laeuoda-feira prxima, na secretaria do mesmo
I Club.
N
sai
Olas
toras
II.
M.
M
29 de Julbo
30 de Julho
Airar
i -23 da urde
8-51 ,
24f da sacha
2-.30
0-.55
2\42
perariet clrarsloaa -Foram pratica
das no hospital Pedro II, no-dia 29 do correle,
as egointes :
Pelo Dr. Amonio:
Amputacao do terco inferior da cxa, pelo
meiuodo a retamo, indicada por carie do libia
esquerdo.
Pelo Dr. Silva Ferreira:
M POCO DE TDO
Sobre o arutol. remedio para combater o can
ero, pubucou a Gazeta de Noticias, do Rio de Ja-
neiro, a seguiote noticia transmittlda paloDr.
Joo Drummond :
At hoje teem silo improtteuos os esforcos
sara a descoberta de um medicamento enrgico
que suste a narcha invasora dos epilheliomas,'
vulgarmente cancros.
Entreunto, parece que se tem encontrado em
urna combioacao do bymol com o iodo, o gran-
de tem*di j que em breve isentar a humanidade
dessa terrivel molestia, que deatroe e mata com
urna lentidlo as instadora.
O arutol, assim se denomina o novo corpo,
um p amorpho, inodoro, vermeibo, pardaceoto,
sem toxicidade, de um poder cicatrisante consi-
dera vel. E' sola vel no etker e chloroformio,
das depois desta commuoicic&o Sociedade de
Me licina, o tecido cicatnuial etav,. adiautadis-
simo e o dueme quasi reslabelecido
Com este, outros casos citados por Eicbuff em
dermatoses ul>rativa8 de um xito estupendo.
I 1 terapos contavam se raaravilbas o Leite i
de Aveloz, como poderoso especifico para a car-
ciouomal8e.
Entretanio o enibusiasmo passou, e as expe
riencias, limitadas meia duza de enfermos,
nao insiigaram a classe medica a novas tentaii
vas que comprov s.-em as -xperiencias do Sr.
Silva Araujo, benetc.ndo assim a humanidado.
Era 1 -renga anda, as provincias do sul, que
0 guaco tinba urna sejau secura nos neoplasmas
malignos Fiz varias appli.-a^es dessa plaa
era ura tumor --pihelial da e>paaua n'> 111 iiidivi
do de cor preta, cora persistencia demorada,
sera que houvesse dimiuuico alguraa, conveu
cerni rae enlo do empirismo que gerou essa
concepgo.
Saixessivamente, os cidos ebromico, arse-
nioso e nitrato de prata, as Cau en-uigOes pela
pulas-a. ferro en brasa, tberrao cauterio, a eie-
ciricidade, a exiirpaco pelos nrtruineotos i-
runo -os. tudo tem talludo e a molestia zum-
ban, lo sempre dos recursos da scieucia.
AiieiiueiKlo, po s. vulgansdfo que o aristol
vai tendo no estrangeiro, jul.uei que, me ant>
cipaoioa urna noticia em folha de tanta c.in-.l..-
;o prestaria assim ura ervico aos raulos que
soffrem de molestias re-puls-vas, trites e apnre-
neusivos de ura m.l mcuravel at agora arras-
lano orna existencia peuo*a, em que o sola-
ra oto do convivio humano coustitue o raartyr o
e o desespero.
Asese vages que em livers s pontos do litto
ral do Algarve se eslo fazeudo. j p ira abertu
ra oe pogos, j para eonstrucco de edificios,
nostrara que essa bella provm u guarda 110 gen.
solo preciosidades de ullo valor era acbeologia.
as proxun 1 .des de Quarieira leem-sj en
contrallo vestigios de urna cidade romana, que
leva a julgar ser Cartela, cidade mpo'tanie pela
exportago do atura e inoculados (ardi tla-l
l ilinauj" Ute f i eii.-oulradd unta med .Illa de
prata, que confirma tul opinlo por ter de um
lado uaia cabera laureada,' cercada pela legeeda
Lucius Marcius, e 'to outro um delphim aira ves
salo por tridente, leudo re na parte superior
de."te a palavra Carteia, e vendo se oa iofe.nor
as leliras HIiVlR, s quaes se seguem dous DU,
separados oor. um pomo ; o que provavel qne
siguiuqurt JJecret > Decunooura.
Se effdctivamenlM Cartela, e isto pertence ao3
entendidos decidirem, eocontrou se a cida le
aonde se refugiou Lelio e aoode Santo H-rychio
pregou oEvaogeiho 40 a nos depois de Chnsio.

Gontran esl muito atrazrao, deve se' padri
nho do casamento de um amigo e os animaes do
carro nao querem andar.
Vamos, diz elle ao coebeiro, apressa te,
homem desU maneira s chegaremos jara o
divorcio !
*
Dous maridos conversara sobe o modo como
tra varara conuecimenlo COffl : uas esposas.
. Primeiro marido. Eu conheci minlia mulher
tres mezes ant-e< do uosso casamento.
Segundo marido.Pois eu, infelizmente, s
cooheei a minba tres semanas deoois do oosso !

Ai- onde ir a liberdade de cultos nos Esta-
dos Unidos I
0 padre protestante David Ulter raanifestou a
grandiosa idea de constituir era lili.caijo u.11
templo colossal, podendo conler 2) mil pesseas,
no qual cilehi-ar-se-ho. em todas as liuguas, os
cultos de todas as relgies.
-\t os israelitas, murmon-, mahometanos e
budbisias podero ir la adorar os seus deuses e
gaiihar o to pela aesraa noria.
Como a idea nasceo era Chicago a extraordi-
naria cidade tiorte-araericana, possivel que
viiuoe.
Assim, 03 viaitaotes da exposicSo universal,
se exposico universal lem de haver em 1892,
tero mais para admirar o colosal templo, onde
poderoassistir os cultos das suas respeenvas
religioes.
N'uma uliima sessao das corles portuguezas
deu-se o lacio curioso de. mal abena a sessao,
muiios depuudos da opposico edi em a pala
vra sobre a acta, antes desta lida.
Nao sabiara ainda o q ie esta dizia, e j pe-
liam a palavra para fallar della 1
E, sobre urna jueslo destas, de pura lana
caprina, allaram, os Srs. Emydio Navarro, Al-
poim. Dias Costa, Eduardo Jos Coelh i, Laraojo,
BaptisU de Souza, Eiuardo le Abreu, Paulo
'im'pils pte
E final a acU por votar, depois de tras horas
em que o capito Ma hado, com urna dr brtis;
sima 00 baixo ventre, esperava aucioso o mo-
mento de deixar cabir mais um pedaco da tenia
da sua eloquencia.
Compadecido, um membro da maioria envou
c pposic&o o 8eguinte requenraento :
Pobre capito Machado,
que lem no bandulbo ochado
discursos de legua e meta !
Deixai-o orar .. Se nao falla.
po ir capito estala
co'um volvo de verbo'rrhea !
Mas a opposico eslava feroz ;lancou o ca-
pito as fras, e se a esta hora Ihe aconteceu al-
gum fracasso, a culpa toda della.
IHDIGifJES DTEIS
edicos
Voz, medico.
Dr. Matheus
rio : roa do Imperador n
Consulto
42, 1. andar,
'ransultas das l"2 s 2 horas da tarde.
Residencia, ra do Pires, n. 27. Encar-
rega-se do traanaento das molesbaB de
olhos.
Dr. Cerfueira Late, tem o seu esenpto-
rio i ra Nova n. 38, onde pode ser en^
contrado do nseio dia s 2 horas e fora
destas horas ma do Bario de S. Borjc
n 22. Espe Calidadesmolestia de crian-
9 senhoras e parto. Teiephone n. 326
casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8
d onsultas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freitas Guimaraet, medico, tem
ae, consultorio na ra Duque de 'Jaxiaa
n. 57, l. andar; d consultas nos dias uteis
das 11 1 hora da tardo e resido no'Cs-
ueirem. .4, onde attende a chamados em
qualquer hora do' dia e da noite. Tlense?
smoo.'292. m. .
ODr. Simplicio Mavimiw.-~hxQ me
corciinwgioa. Esecilids4a1: msesiiSf,
pnlmonarea o partos. Bna do Marques oe
Olinda n. 27, 1. sudar. Conssdtas uas 11;
u 2 hora* e na Cas Forte (P090 da P*>
hora.- da tarde, ra do Bario da Victo-
ria u. 6 ', L. andar, e reside oa estrada
dos Aflictos n. U, junto establo do Ea-
pinheiro. Chamados a qualquer hora. Te-
iephone n 4157, ua residencia.
O haeharel Joaquim Ihiago da Fonseca
em seu escriptorio de advogado ra do
imperador n. 14, 1. andar.
OccuIInc*
>r Ftmsira. com pratica nos pnnci-
,ac hospitaes o clicica de Pars e Lon-
lres, consultas todos os dias das 9
orasdao meio-dia. Consultorio e resi-
tencia ra Lurga do Rosario o. 20-
Ur. Btirreto tiamjtaio, occulista, d con
ultas de 1 s 4 horas gj 1. andar da
:asa ra Ha rao da Victoria n. 51. Resi-
tencia a ra 7 de Setembro n. 34, ntra-
la pola ra da Saudade a. 25.
Irrogarla
Furia obrvnho di (,'., droguisia poi ata-
-u... na do Marques de Olinda n. 41.
Fratie>Mo Manuel dtj Hitoa&O.. deposi-
arioe de todas as especialidadey -nnrma-
-euticaa, tintas, drogas, product' chimi-
-..- f. medicamentos bomeopatioi na do
larquez de Olinda n. A.
PBLCACOES A PEDIDO
l'ernamb^caaos
O cto pslo qual o governo provisorio
acab 1 de uoniear para o cargo de gover-
oador deste bsiade O 1.lustro cidado ba-
rio rJenrique Pereira ae Lucena, real-
mente diguo de louvor.
Carcter circomspecto, amigo .dedicado,
patrioU desinteressado, poltico illustrado,
o cidadlo Birlo de Lucena fe i, e ser
sempre um norae immorredouro nos an-
naes da historia deste Estado.
Parabeus oh povo pernambucano !
Hosanna, oh, floreeceute Estado de Per-
nambuco !
O so! que despontou para o Brasil no
da 15 de Novembro do 1889 foi a estrel-
la lumioos', que guiai a humanidade ao
apogeo da gloria.
Sim, varaos ser verdaderamente feli-
zea!
Avante !...
Os ecos daquelles brados deViva a
Repblica.vibrados pelos coracoes pa-
tritica da grande familia brasileira, per-
cutindo nos horiai nies .da patria dissipa-
..queLe. rson|4o, da JVtvons oorregadas
o mephiticas que ae atufavara na tmos-
phera do nosso meio social, paca transfor-
ma! a na mease fecunda da regeneradlo da
patria.
O ex rcito e povo cumprio .0 seu de-
ver !
De ha muito elles estendiam os olhos
pelos horisontes esperando smente o
suito e a senhu- -do grande dia da reinvi-
dijacio de seus brios, comprimindo as
pulsacSes de seus coracles, que j ha-
viam libertado os escravos.
Foi to saberbo e gionoso esse memo-
rial contecimento, que debalde eu tenta-
ra descrevel O.
Agora, porm, mais do qua nunca pre-
cisamos nao olvidar um s momento o
mais acrysolado sentimento do patriotismo,
para que juntos, cooperemos para a rea-
lisacao do sublime desidertum da reorga-
nraaclo da patria, e todos devem ficar con-
victos de que temos na pessoa do cidadlo
Bario de Lucena um dedicado obreiro
dessa grande obra.
O seu brilhante paseado bastaste
para attestar o seu futuro.
A administracuD que termina foi mu
bem snbstituida.
O Estado de Pernambuco deve orgu-
lhar se pela feliz escolha qu? acaba de fa-
zer o governo provisorio.
Olinda, 30 de Julho de 1890.
Jos Augusto Porto Carreiro.
to Gobernador do Estado para
ver e provideaciar
Com a epigrapbe cima nppareceu asSoli-
citadasdo Jornal do Recife de 10 deste mez um
alastre desconhecido, 01110 signatario apocrypho
de urna nerina contra algumas autoridades ju-
diciarias desta comarca e o capilo Jos Soares
de Uiivetra Grati-le.
O typo assigna-se Joao Baptista ds Oliveira
Cabral e teve a leviaodade de declarar no prin-
cipio de seu communicado que era partidario
da ordem, respeitador de todos os principios de
justica, costumado a acatar o d reito de todos,
etc etc Coilado I
"(jHantusmulutur ab illo /
Para que esse coiniu nicao do Sr. Joao Ca-
bral, recheiado de vituperios e calumnias, nao
passe aos olhos do publico, que nao o conhece,
como verdeiro, vamos tirarme a mascara da
hypuensia, e mostrar ao mesmo publico quera
o Sr. Joao Cabral, am de que possa julgal-s
cera justica
Soffreodo. o Sr. J. Cabral em dias de Marco
de-te anno um supposto damno ou destruicao
em uos seus algodoes velbos e j imprestavi?,
conservados em capoeirao as torras do enge-
nho Penom, pertencente a diversos consenhores,
entre os quaes seu lio, o capilo Jos Soares de
Oliveira Grande, homem maior de 70 annos, ci-
dadeo honrado e cieio de erande prestigia,*es-
ta comarca, eotendeu o Sr. Cabral, para satisfa-
cer a od.os velbos que alimenta contra aquelle
seu tio e sua familia, aproveitar-se desse ensejo
para promover costra o honrado ancio um pro-
cesso crime, dando o como responsavel pele
damno, que bavia soffrido.
Para tal fira requeren perante o delegado de
polica de enlo orna vistoria a yeito e em segui-
da ummal aiinbado inquerito com teslomunhas
suspeitas e defeituosas, (seas criados domsticos
e as su lanados), para pro var o facto material da
destruicao, e que esta fra fetla por um garrote
e diversos animaes cavallares pilrtenceDtes ae
capito Jos Soares e propositalmeote Iwneste
Unmlades largar nos referidos algodoes. *
Avisado o cap to Jos .Soares das malvolas
inteocoes do 3obrinbo Cabral, proctitou poifjmeis
de urna segunda vistoria e jnsiicafso judiclsl-.
memo.promovidas per&nte o jnisimsnicipal ds
termo, Dr. Jos Francisco de Taa Salles, o com
citaco dos ioiereRsados, destruir cabalmelte a
obra de perseguico que contra ti eslava orsia*
m
.
f.
-

<


t




t
f
:

do Joo Cabrai. conseguindo provi-r tola lu
a Dio existencia -lo daiuno ou destruoa, e de
que o garrote e animaes avallares, que pasta-
Vdin as capoeiras annexas aoe hlgodes e qae
poderiam terenirado*sjtmesaioaloa6 de outros donos. ^B
Provou anda cora ePtas e attestados do coro
nt'l Manoel Soares de Olivera (to do mesmo Ca
bralj e de outras pessoa. de criterio que o gar
rota era perteoeenle ao mesmo corou-d Manuel
Soares e os anmiaes cavalla-es a Calixto de tal,
Jos Nuaes e outros visinhos do Cabrai.
Ap-sar de todo Uto o caprichoso e tyran
do sobnnho nao cedeu, constitua advogado e
deu queixa contra o seo velh > e respeitavel to,
servm Ij se da* pecas proluzdas peranie o dele
gado de polica de ento, sem addi :ionar, se
quer outras lesterauobaj que provassem a sua
dfsurrasoada iniencao.
No sumin.inu o capito Jos Soares, munido
das robustas provas d'antes preparadas e anda
auxiliado pelos depoimentos das lesleinunhas de
Joo abral, qu<- contestados oa formar i da
culpa, nao poi'eram negar a verdade dos [actos,
provou xaciedade a nao existencia do crime,
que. quando mme bouresse. deile nao era au-
tor o uepito Jos Sjares ; que con) lodo justica
foi desproouni'iado pelo juiz municipal, Dr. Sal
les, cuja jurdica decisao foi mais tarde, em re
cur-o uee.essano, continua la pelo cidado Joo
Braz de Vascon los, 1 su miente de |uiz moni
cipal na qu-iliJ de de jaiz de direito, por achar
se ento o Dr. Sebastio do Reg Barros, juiz de
direito eff-ctivo da comarco, no goso de doos
mezes de licenga. e o Or. Sdles, ja eoto juiz
de direito interino, impedido Je tomar coolieci-
meoto do recurso.
Oante de taes acontecimentos pautados pelo
direito e pela jusiica, o Sr. Cabrai ven lo quebra
das as suas armas de perseguirlo, nao encon
trando meios de en veronliar ou aotes de turnar
orna vinganca de seu lio, levan Jo-o ao banco dos
reos e s tortoras do careare, proeora agora as
ses:ar as settas de sua maledicencia cootra os
bourados e mparciaes julgadores que sabem
firmar o priocip oSum cuique tribaere.
Provocamos o Sr Cabrai a que publique todas
as pegas do processo, inclusive o da execuco
pelas costas que S. S. leve de pagar, e sqoaes
depois de legalmente contadas, se opndz com uus
sophy-tioos embargos de erro de coilas ; queremos
que publico, toiiiecenlo os despachos do Dr.
Salles, e os do Dr. Sebastiao. saiba julgar do
procedimeolo loa dous magistrados.
Se assim procede o Sr. Cabrai. voltaremos
imprensa para discutir a quesiao de erro de cus
tas a qoe al'ode em seo communicado e. eoto
mostraremos quaes dos dous juizes o mais de
abusado.
Nao somos competentes para defender o Dr.
Salles e a alteres Joao Braz ; mais diremos ao
publico qae ambos sao dignos da maior coosi
de raya i n'esta comarca o primeiro, como jaiz
municipal na mais de tres annos. tem sabido pan
tar os seus actos com o cuubo da verdade, justi
ca, I.Bparcial'dade e sabedoria. e como particu
lar un cidalao bonrado e conceitoalo ; o se
gundo um cidado probo e cnienoso d'e,ta
comarca, onde tem oceupado cargos de justica
e de eleico popular.
O Sr. (.abral perdeu o seu l mpo malsinaodo
o Dr. Salles, que entregar ao desprezo as mi
mostdades que Hit assacou em sua venina. Esta
pega fez aqu indi.nago a todos e a resposti o
Sr. Caoral em breve lera dos babitanies d'esta
comarca.
Pergunta-se :
Um individuo, que procede, como o Sr. Cabrai
tem procedido para com seu velbo e respeitavel
tio, e que ataca aos actos da mais acrisolada jos
tiga, calumniando a joizes probos, e qoe diz
abpr.aiiente possuir muito dinheiro para comprar
ajustea. esse individuo? partidario da ordem.
respett'ador de todos os principios de justica, ocas
turnado a acatar o direito de todos ?
Anda ma s ; om individuo qoe tem conserva
do preso em seus cercados, contra a voolade de
sea dono, om garrote perteocente a um cidado
proprietario e senhor de engenbo na comarca do
Limoeiro. o qoal ja lendo procurado por meios
amigaveis e suasorios o seo animal, oio Ih'o
qoer mais eotregar, esse individuo ser o bomem
ue sj apregoa de partidario da ordem, respeita
jr de todos os principios da justica, e acostumado
a acatar o direito de todos f
Tmpora mutantur. Estamos sob o dominio
da li' publica, que assim como recompensa o me
rito, tambsm origor dos individuos reprobos
desodeiros devassos e criminosos. Nao estamos
mais nos bons lempos da impuoida ie qoando so
porque um Sr. Cabrai, por exemplo. se constitua
manda chuta do serto.. ou al (Desmotan cabo de
eleides, n galardoado com urna intente de ca
pito da guarda nacional a qoe alias nao sabia
honrar siq oer e n"esta ephemer posicao con-
stitua se o protector de bandidos e criminosos,
certo de que a sua propriedade nao era cercada
P'la polica.
Hoje os figur'S assignam o termo de bem vi-
ver e o de stguranca de vida ; isto o que ver-
dade I I
Quanto ao mus. aguardamos a promessa do
Sr. Cabrai pai cabalmente respondermos.
Bezerros, 4 de Julbo de 1890.
a em um dos jornaes do ReflK
acrece n.ando qoe andava pelas feiras d'esta el
da le dando os taes folheto? ao poto, e convidan-
do-o para ama insurr^ico contra o* dec etos do
gojerno, orna d'estas historias da Carocbioba,
que oio se prova cora pessoa algoraa de bons
sentimen os.
Qaanto a ap-eciagao d i honrado missivis a em
dizer que rtudei de ramo oo dia 13 do correle,
ap esentan io ama idea nova, nao quer isto dizer
que fosae urna nova especie de sedugSo ao povo
d'esta cidale, para qoe se conjuraste comigo
contra o governo. Nao, foi om simples convite
qoe na estaco da mlssa d'esle dia, Hz ao povo
catholico. arim de qoe assignasse os seos no
mes em franca e leal adheso ao partido caldo
li o e bem assim, s ss doutrinas da Carta Pas
toral do Episcopado Brazileiro.
Eis o grande crime praticado pelo vigario Joo
Eneas, na sensibilidade-politica e doentia de cer
tos descomentes com a creacto dojpartido calbo
lico n'este Estado. Entretanto eo bem sei onde
vai bater o engennoso plano do mea accasador
injusto, roas nem lodo se poderi dizer agora, os
factos fallaro mais tarde.
Cidade de Pesqueira, 26 de Julho de 1890.
O vigario, Joao Eneas Ferreira Campos.
77,
~"T vares Per**ir de Ai
Herculano Baudeira de Mello.
Antonio Vicente da Costo Aseved.
Dr. Francisco G. Leopoldo de Araujo.
Joaquina Nunes, Machado Cutinho.
Diogo Lina Cirneiro de Abuquerque.
Domingos Jos da Costa Braga.
JoSo da Costa Ribeiro e Souza.
s na aoc&o que propozeram contra a
dita companhia.
O abaixo assigoado propoe vender o sen
crdito com setenta e cinco por cnto de
abate a qualquer pessoa interessada que
Dr. Joao Rangel
MEDICO
Pode ser procurado para os misteres soade,
profisso roa do Bom Jess n. 45. 1.a andar.
Consultasde meio dia at 3 horas da tarde-
Chamadosa qualquer hora do dia ou da noite
Telepbone b. 160
4o commercio e ao
publico
Rectificacao de nome
Era conseqoeocia de ter augmentado o mea
nome para por este meio evitar qualquer eog-
no, em virtude de j ter eu por diversas vezes
eocooirado pelos jornaes nomes iguaes ac qoe
me assigoava. m ndei pela imprens. augmentar
o mea nome o que riz e como por equivoco es
creveram Francisco Lopes da Silva Lima, e,
como nao sej i a melle o nome que augmeotei,
venbosegunda es imprensa para fazer con-
siar que nao aquella assignatura e sim a qoe
agora aesigno.
Barr de lang-.ria, 25 de Jalbo de 1890.
Francisco Lopes da Silva e Luna.
Geueralissimo
doro
Deo
Fallecimeoto
Falleceu neste Estado, no cia i. de Abril do
corren eanoo, o subdito portugus Antonio Fer-
nandes Lima, contiendo por Antonioo Ronca.
No testamento com qoe falleceu, feiio em 28
de Janeiro de 1883, declama que era casado com
D. Mara Lima de Jess a quera oa forma da le
deixava a meiago de seus bens e que nomeava
seos testamentemos em prinjeiro lugar a Anto
nio a Sonso Simes, em segundo lugar a Jos An-
tonio Ferreira Guimares e em terceiro lagar a
Jos Francisco de Figueiredo.
Da sua meiagao fez os seguintes legados :
A sua irraa, D. Joaona Mara Rosa, a qoantia
de 400^, moeda fraca a sea sobrinho -Antonio
da Silva Pontos Guimares, 30*000; a sea atilba
do Marcelino, tilho de Miguel Jos Crrela do
Na-ciraento e Rita Mara de Lima, a casa terrea
n. 75 da ra do Visconde de G. yaona ; a seu
afithado Luiz Mo-eua da Silva Jumor, tilho de
Loiz Morcira da Silva. lOO ; a seu arilbado An
tomo Martins o Ros 200#; a Rita Maria de
Lima, 400* ; a Lucinda Mana da Cooceigo, 20U.
a Acacio, tilho de Luciuaa Mara da i.onceigao,
e Jos Francisco de Suuza lOO ; a Margarida
Fcaocisca de Dos, 200* ; a gueda Mara da
Cooceigo, 300* ; a Jos Antonio Ferreira Gui-
mares, 30<>* ao padre Agosliono Cavalcante de
Lacerda, 100* ; a Jaciotha. que Toi soa escravi-
sada. 100* ; aos m-us afilhados, Hlhos legtimos
de Firmioo Barroso de Farias, 300* ; a sea pri-
meiro tesUmenteiro, alem dos remanesceotes se
o- houver, a casa d 7 da ra da Santa Cruz.
A cidade de Pesqueira
E' preciso qu* os iairaigos gratuitos do vigario
Joo Eneas, e do clero em geral, vomitando as
fzes de orna aecusagio injusta sobre n atera de
summa respoosabilidade perante o governo
actual, ciojam te pura venade e xactido dos
factos. que pretendem de onciar cootra elle.
E certo que, no desempe bo de mioha raisso
paroebial aqui n'esia freguezia, j i estag) da
missa conventual, na respectiva matriz, ja em
snas capella filiaes. lenho fallado a respeito do
casamento civil, por urgente secessidade de es
plicar grande massa ignorante de muios do
mus paiochiaoos do mallo, aofa le nova que
lhes tem tragado serias duvidas e embaragos, no
Sonto de vista do seu modo 'de precederem era
ice d'este novo eslado de coasat. Entretanto, a
estes desenvolvtndo as nimbas explicages sobre
o texto do Saalo Evangelhododia, e fndo sem
pre em mira as doutrinas conciliadoras e pacifi-
ca* da Carla Pastoral do Episcopado Brazileiro,
ltimamente publicada, tragando o melbor modo
denos coolazir diante domovimeoto da actuali-
dade, o3o seria coherente a estes principise
auioridade a quem obedego, levar o povo de mi-
nha paroebia inqualificavel loucura de urna in-
surreigo contra os decretos e as lea de um go-
varno constituido.
Pelo contrario, lenbo sempreaconselhado a to
dos n'esias occasioes, a obediencia as le s, s ao
toridades i OMtuldas, Ibes faieodo vrqde n'ito
onsiste a boa ordem, e iranqilidade dospovos.
seja qoal fr a forma de s u governo.
~ Porlanto, j v o honrado govemador d'este
EsUdM todo o paiz, que eslou muito looge de ser
pertwbador oa ordem e da paz uo seio das f*
millas', como affirma um ei to gracioso d'esta ci-
dade, a quem om dia a trra It.e seja leve.
Quanlo distriboico de pampbletos, a respei
to di casamento civil, de qoe me accosa o bon-
A commissilo exocutiva dos festejos do
dia 5 de Agosto, pede aos officiaes de
guarda nacional, corpo acadmico, as
sociedades dos me re e iros, dos tal hado res
as de msicas, aos clubs republicanos, aos
professores das escolas publicas e seus
alumnos e aos dos collegio particulares,
para arregimentados e com seus respectivos
estandartes, tomarem parte na marcha
cvica, s trez horas da tarde d.-iq lelle
dia, diado assim maior realce a testa.
General Joaquim Aleudes Ouriqae
Jseques.
CoronelFrancisco Jos Teixeira J-
nior.
Tenente coronelManoel Eufrasio dos
Santos Dias.
Capito tenenteFrederico Guilherme
Serrano.
Capit2oHenrique de MagalhSes.
TenenteBelarmino Augusto de Ath.y
de.
Despedida
O cavalheiro J. F. Renuco'y, cnsul de
Franga neote Estado, retirando se tempo
rariamente para a Franga, tenciona em
barcar a 1 de Agosto prximo futuro, no
vapor francez Equattur. Despede se da
Lustre redaegao do Diario de Pemambu-
co, agradecendo a toda a imprensa per
nambucana e aos d mais distinctos per
nambuuanos as provas de fineza, conside
ragao e sympathia que sempre dispensa
ram Repblica Franceza, e aos seus re-
presentantes ; levando de Pernambuco e
dos seus habitantes, penhor de gratido,
sobre tudo, dos que o honrarein com sua
amisade.
Despede-se tambera da digna colonia
franceza, (seus compatriotas e amigos)
qual agradece as provas de estima e
consideragad sempre recebidas, levando
dos sens bons patricios a mais doce recor-
dag&o.
Esperando voltar, este bello Pernam-
buco, dentro de um anco ; deixa como
seu substituto Mr. Tellier, chancellar do
posto, que assumir o servigo, na qualida
de de gerente do consulado.
0 bacharel Morcira Alves
Tabellio de notas
Mudou seu escriptorio pa.a o n.
2 DA RA QINZE DENOVEMBRO 2
(Aotiga do Imperador)
Residencia
24 Estrada dos Afflictos 24
Soares do Amar.il Irmos
AO COMMERCIO
Nao obstante o pr maturo fallecimento
do noss presado irmSo e socio Joo
*os Soares do Amaral. em 22do
correte mez, temos por dever communi
car ao commercio desta praga, das de mais
du Brazil e das do estrangeiro, que, em
virtude do nosso contracto social combi-
nado com verba testamentaria d'aquelle
nosso finado irmao, continuam no mesmo
gyro de negocios e sem a menor altera
gao, tanto esta nossa antua firmaSoa
res do A aral Irmioscomo a
\iiSiisto Hrass, ^ueee.sores,
permanecendo a responsabilidade solida-
ria d; ->s ambos pelos compromissos con
trahidos pelas alludidas firmas, das quaes
continuamos como nicos socios compo
nentea.
Recife, 29 de Julho de 1890.
Jos Soares do Amaral.
Fortunato Jos Soares do Amaral.
De accordo com o pnsameato dos que
desejam a conaolidagao legal e definitiva
do rgimen republicano estatuido na Con
stituicao poltica decretada pelo governo
provisqro, convidamos a todos ob cida-
daos eleitores desta comarca reunirem
se no edificio da Intendencia Municipal
do dia al do co-rente mez, pelas 12 ho
ras da manha, afim de constituir sa um
directorio, que te incumba da direcgSo do
suffragio eleitoral, que para aquelle desi
deratum dever ter lugar no dia 15 de
Setembro prximo, e dos que seguirem
para a organisago constitucional do Es-
tado e deate municipio.
Nazareth, 17 de Julho de 1890.
Barao de Tracunhaem.
Livraria Franceza
Acaba d chegar o grande e novo ro-
mance de George Ohnet. L'ame de
Pierre, Ilustrado por Bayard.
PRE90 2*000
Kua 1. de arco
Tosse a8thmatica
De Jaguar&o foi enviado ao descubridor
do Peitoral de Cambar o seguinte attes-
tado :
< Eu abaixo assignado, major reforma-
do do exercito, attesto que soffrendo de
urna tosse asthmatica, de muitos annos,
acho-me hoje restabelecido com o uso do
Peitoral de Camb r, do Sr. J. Alvares
de Souza Soares, de Prlotas.
Fernando Jos da Qama Lobo.*
(A firma est reconhecida )
queira comprar, ou a mesma companhia,
podendo ser procurado o mesmo abaixo
assigoado n> engenho Primoroso, engenho
este de que o abaixo assignado fornecia
s suas caonas oontractadas com a compa
nhia para a fabrica central de < 'nyambuca.
Jos Hermillo Cavalcante Lina.
As ramillas
Ensino de primeiras lettras, por-
tugus, francez e inglez ; pelas
residencias dos alumnos, dei tro
da cidade e em seus arrabaldes :
a tratar na ra do Imperador n.
75, 2 o andar.

&
Muita attengao
O abaixo assig nado, legitimo ceasiooario d
bens deix idospor Jos Cordeiro do Reg Pontes,
fallecido n'esta cidade do Becife, deparando com
um anuuncio no Diarto de 3 do crreme, offere-
cendo d'aqoelles bens algons predios venda
previne ao commercio e ao puolico d'este e dos
mais Estados, qoe nao fagam traos-ego alguma
com os neos abaixo declarados, pertencenles ao
mesmo espolio, pois qoe os tribunaes do paiz
anda nao se pronoociaram definitivamente a
respeilo, e por Isso estando disresto a navel o do
poder de quem os nvrr obiido por qualquer mo
do, faz a presente declararlo para que mais tar
de nao se allegue ignorancia oa boa f por quem
qoer que seja.
s bens sao os seguintes : casa terrea a ra
imperial n. 48, dte, na ra do Nogueira n. 33.
sobrado no paleo de S Pedro n. 3, dita na ira
ves-a do Carmu n. 12, 7 armazeos ua travesea
da ra Pedro Affooso, antiga da Praia, os. i a
14, om armazem na ra Nova da Praia, antiga
des do Ramos, n. 24, om sobrado da ra Pedro
Affooso, antiga da Praia, n. 57, um armazem oa
mesma ra n. 61, om dito na mesma ra o. 63,
um dito na roa Nova da Praia, antigo Caes do
Ramos, n. 42, om dito oa mesma roa n. 44. 44
a plices geraes ns. 300.022 a 300,029, 208 914 I
208,91o, 248 665 a 248,671, 248.67 a 248.67
163.589 a 162,593, 162.594 a 162,598. 84,346 ;
84.355, 248 663 a 248,664 ; 24 apolices provin
ciaes, ns. 1,885 a 1,888, 1,170 a 1,182, 1,269 l
1,278, 17 aegoea do Banco do Brazil, ns. 152,63
a 152.658.
Em tempo, o abaixo assignado declara liave
do mesmo modo todos se rendimentos e os mais
qoe at esta da>a tm sido recebidos pelos pro-
caradores de Antonio Jos Machado, residente
em Portugal, Maooel Roberto da Costa oo Costa
a Medeiro3, da roa do Amorim n. 39 1 es tu ci
dade do Recife, onde sao situados todos os
bens.
Recife, 5 de Abril ae 1890
Jos Soares do Amar al.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
iade de molestias de senhoras e creanas
Consultorio e residencia ra da impe
-atriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por eacripto) 4 qualquer he**
TELKPHONE H. 226
fkl
ve
ra soa casa, onde esti-
Pouco8 dias depois de rnlnha rhegada all.
deu m apparecer me urna febre tarnvel, que,
principiando s 3 e meia horas da ta>de, me
prostrava al as iO horas da noile, e qoando des
apparecla m- deixava 'lo desanimado, qu-- nem
coragem liaba para me levantar da cama.
Supportei assim dous dias sem diz r nada ao
mea bom amigo Anrel o, para nao o vezar, m.is
oo terceiro da esperei qte ella me derri asse,
e mandei chamar o amigo, fazendo lbe sentir o
que senta, ao que elle re3poodea J volto, e
dem ment me appareceo com un copo na mao
e disse : beba, que memora.
Beb, mas nao indaguei o qoe era por confiar
em quem me appiicava o remedio, e retirando
se. tralei de me agasalbar bem.
X;i<> houve demora de tres quartos de hora,
j eu suava por demais, e fui sertindo melhora
forma que Iranspirava. e logo que sen I a
rcupa mol nada tratei de modal-a. tendo dorm
do sem mais nada sentir seoao o enfado do cos-
tme
Voltando no dia saga o te mais fraca, tornei
a combatel a, e no terceiro a mesma cousa,
denappa ecendo por urna vez.
Indague! eoto do amigo, qual o remedio que
me bavia dado responden me : E' o Elixir
Aoti febr>l do Manoel Cardoso*. cujo remedio
era p r mim igno ado.
J v que indirectamente Ihe devo o favor de
me ter salvado talvez a vida.
F ndo, agradecendo lbe de ce ragao o bem que
me fez, pedindo a Deas que lbe conserve os
das, para bem da pobre bomanidade.
Son ralo criado,
lose da Silva Braga Granja.
(Estavam sellados e reconbecidcs).
Dr. Silva Lea]
CLNICA medico cirurqica
Consultorio e residencia rna do LlvramenU
n. 6 1 andar Consultas das 11 s 3 horas di
da larde Chamados a qualquer hora, por e.-cript.
Dr. Bastos de Overa
MEDICO OPERADO & E PARTEIRO
tem o sea consultorio ra do Mrquez
de Ohnda, n. 1, 1. andar, onde pode
ser procurado todos os dias uteis das 12
s 3 horas da tarde.
Chamados a qualquer hora em sua resi
dencia, ra do Hospicio n. 46.
Telephone n. 365.
((Dr.
H
MEDICO HOMEPATA
Balttiiuu. da Silveira
Especialidadefebres, molestia*
das crangas, dos orgSos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer 'mamado para
ora da capital.
AVINO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLDSON, for
nado pela Universidade de Maryland noi
Bstados-Unidos, tem aberto o seu cnsul
torio, na ra Barao do Victoria 18, Io an
dar.
Consultas daa 10 s 4 horas da tarde
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem i. uru^ ua consuliae ao
1 s 4 horas da tarde, no Io
andar da casa n. 51 ra do
BarSo da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287. _
Eogenho Central de Ciyambuca
O abaixo assignado 4 credor da compa
nhia em liquidacad The Central Sugar Fa-
etones of Brazil da quantia d 48:9070996,
segundo a sentenca que Hquidou o crdito
do abaixo assignado e dos demais sgri-
AS YICTXMAS DAS FEBRKS
O Elixir mil-febril Carduao, appro
vado em SI de Margo deste anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, vem hoje
apresentar-?e humanidsde sotfredora do moo
do inieiro como taboa de salvacao qoe ao infe-
liz naufrago lhe enviada por mao omnipotente!
O Elixir anli f hrll Cardona, appli-
cado em muitissunos i-aros de febres, tem, como
eor mibgre, levantado do leo da dor a comple
top moribundos.
Este remedio, composto somente de vegetaes
e inteiramente inoffensivo, anda mesmo na mais
mimosa e tenra crianca.
As senhoras, no estado de paridas, oa no pe
i odo de mcommodos naturaes, podem usai o
sm receio algom.
Depsitos
Drogara dos Srs. Fraacisco Mauoel da Silv
Pharmacia Martins, roa Duque de Caxas
n 88.
Pharmacia Oriental, ra Eitreita do Rosaric
n. 3
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do Barao da
Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, roa da Imperatriz
o 49.
Para qualquer expticacSo podem dirigir se ao
aolor Manoel Cardoso Jnn'or. ra Estrena do
Rosario o. 17.
Dos innmeros attestados que temos, damos
em seguida principio a sua publicado ; e isto
bastar para que sejam conbecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
Atiesados
ScientiHcamos ao respeitavel publico quealm
dos attestados a que damos pablicidade boje,
foram corados 319 variolosos.
Pedimos aos incrdulos para irem examinar
os tratados pelo Elixir anli febril.
N.86
Recife 14 de Julbo de 1890.
Illm Sr. Maooel Cardoso Junio -Da apphcaco
que, em diversos casos de febre, lenho feuo pes-
s6as de minha familia, do preparado de sua
composicSo, denominado Elixir Ca-dojo, tenho
colhido satisfactoi io resultado, restabelecendo se
o pacieme em pouco tempo.
ltimamente appliquei o em um caso de varila
j. em eropcao, e consegu completa cura, nao
diegando ella sopporacao.
Louvaodo a V. S. por uo maravilbosa rompo-
siQo, agradeco' tambera os bons resaltados que
lenbo coibido e me assigno
De V S. amigo e criado,
Jos Leonardo Grego.
N. 57
Recife, 28 de Julbo de i890.
Amigo e Sr. Maooel Cardoso Jnior. E' pela
segunda vez que veoho a sua preenca para lbe
lejiemunhar os meas sgradecimeolos, devido ao
bom resultado qoe obtive no emprego qoe z do
seu Elixir Ante febril, a primeira vez foi na pes
soa de miaba irraa, obleado os melbores resal
lados como j attestei, e a segunda foi em miaba
pessfta applicado pelo Sr. Dr. Ferreira Alves
n'uma carnada de bexigas. consegoinao por meio
do soo milagroso preparado atteouar-lbe a forca
e tornal as de bom carcter.
Do presente pode fazer o oso que lhe cootier.
Do amizo criado e obrigado,
[Joao Alvares da Silva.
Roa do Mrquez do ervat o 69.
N. 58
Sr. Manoel Cardoso Jnior.Tendo no dia 26
do mez prximo passado cabido com una grao
de carnada de bexigas e ao mesmo tempo em
eslado adiantado de gravidez, e sem recursos vi
me as portas da morte, quando por mandado
de Leus veio em nossa casa o Sr. A. F. das Cha
gas e disae-me, ests mora, mas vou tentar:
elle mesmo preparoo urna dse que me mandou
apphcar as colheres de sopa de ora em hora e
continuando a repetir-me as dses, no ootro dia
abortei a crianca, que j eslava morta, at qne o
mesmo senhor me foi animando e terminoa por
dizer-me, ests salva, continua a tom.r este
remedio que o Elixir Ante-febril do Sr. Manoel
Cardoso Jnior, que abaixo de Deas tem livrado
muas victimas da terrivel enfermidade das gar-
ras da morte.
Eu posso dizer qoe resusciiei tal era o meo
estado, sem auxilio de ootro remedio estou boa;
moro no becco de Jos Progresso, prim -ira casa <>o
lado esquerdo em Afogados, a minha presenca e
os meas signaes anda em sicitm melbor pode
affirmar a verdade.
Pode fazer o oso que melbor lhe convier.
Afogados, 26 de Julho de 1890.
Jfaria Jos da Conceiqao
N. 59
Sr. Manoel Cardoso Jnior.Presente.-Tendo
cabido doeme um meu filhinho de idade de seis
annos, com urna grande febre, e tendo feito oso
de diversos remedios, a neohom cedeu; venao
ea mea filhinho j qoasi agonisando, n. sta oeca
sino me aconselbaram o seu Elixir Ante-febril.
do qual Hz oso, e em dous das ricou completa-
mente restabelecido grapas ao seo maravilhoso
Elixir.
Pode fazer o oso qoe lbe aprouver.
Afogados, roa do Lapas n. 7.
Sna humilde criada,
Joanna Francisca Reis.
28-7-90.
N. 68
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jnior. Caxanga, 7
de Fevereiro de. 1889.Talvez fique sorprendido
ao dize-lhe que lhe vou agraaecer um favor
pois nunca o occope ; mas nao so directa-
mente que se serve a outrem..
Vou expor lbe o caso.
Teodo eu ebegado do Cear, cuja viagem fiz
pelos ceiros, na qoal gastei 26 dias, levando
chovas e bebeodo aguas ruins, a ponto de me
ver 18o abatido e doente, qoe eslava resolfido a
me recolber ao Hospital Portugus, succedeu
que por felicidade. aotes de tal realizar, me ea
contrasse com o meo bom amigo Aurelio do
(.Santos Coimbra, e ento expoz-lbe o accordo em
qoe eslava ; ao que elle me resp >ndeo : Acn
aelho o nao v par.' o hospital, pois ar de
cemilerio ; v para o Caxang respirar o ar das
Dr. Coelho Leite
participa a sens clientes e amigos qoe niodoo
sua residencia para a ra Barao da Victoria o.
'i, t andar, e contina a dar coasaltas de 1 >
6 as da tarde, no sea consultorio, roa Duque
de Caxias n 57.
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro ()
46Ra do Barao da Victoria46 j j
(DEFEONTK DA PHARMACIA PINHO)
Onde tem conaultorlo e real-
denria i podendo sr encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades : partos, febres, moles-
tias de senhoras e dos pnlmOes, syphilia
em geral, cura rpida e completa e ope
rac6e8 de estreltamentos e mais soffri
memos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. S94
J esteva daaaniaado de reatabelecar
me, po's qoe tinha ensaiado innmeras
classea de metUosnsntsa, isas colher re-
sultado satisfactorio.
Em hora feliz, porem, li em seu con-
ceituado jornal as virtudes que eram attri-
buidas ao Peitoral de Cambar, do Sr.
Jos Alvares de Souaa Soares, de Pelo-
tas, e deliberei experimental-o, confeeso
que sem a menor esperan5a, tal era o de-
sanimo de que me achava possuido.
Desde que principiei a usar esse ben-
fico medicamento, experimetrtei melhoras
sensiveis : os escarros sanguneos desappa-
receram e a dolorosa tosse que nio me
deixava om s momento de all vio, prin-
cipalmente noite, toi cedendo gradual-
mente, de forma que hoje, aps ter to-
mado cerca de 15 frascos do alludido
peitoral, vejo-me completamente curado
de urna entermidade que tinba resistido a
dea annos de nao interrompido trata-
mento !
Rogo-lhe, pois a publicacSo destas li-
onas para, em forma de attestado, mais
robustecer o merecido crdito de que gosv
esse excellente medicamento.
De V. S. attento amigo obrgado.
Vasco Jos Perevra d'Avla.
(Extr. d'O Eovo, de Santa Victoria do
Palmar, Rio Orando do ul.)
1
Por acaso experimentaes os se
siiloic- syMtoHas?
Tendee tosse violenta ? Sents dores
aos pulmoes ? Expectoris phlegma ou
mucosidades ? Vos encomodam e dibili-
tam os suores nocturnos ? Tendea gar-
ganta inflammada? Ests rouco? Sents
oppressao no peito ? Se por acaso, ou
dado o caso que adoeceis de todas ou de
qualquer urna das enfermidades mencio-
nadas, achar vos-heis na urgentissima ne-
cessidade de empregar um remedio efficaz
e seguro tal qual Beja o Peitoral de Ana
cahuita Nao drixeis passar urna hora
sem que tacis urna prompta applicacSo
deste inapreciavel e prodigioso remedio.
Os males e soffrimentos, para logo serao
allividos, e por fim acabar por restabe
lecer completamente vossa sade e com
ella vossa alegra e praser. Sua historia
urna serie continuada de prodigiosas
curas e de triumphos sem fim. Encon-
tral-o-heis venda em todas as principaes
boticas da cidade e do campo.
COMO GARANTA contra as falsifi-
cares, observe se bem que os nomes de
Lanman & Kemp venham estampados em
lettras transparentes no papel do livrinho
que serve de envoltorio a cada garrala.
Achasse de venda em todas as boticas
e drogaras.
Leonor Porto
Roa Larga do Rosario nu-
mero 9
SEGUNDO ANDAR
1 j Contina a executar os mais difficeis
/ JLuriQos recebidos de Londres, Paria,
( ) Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeico de coataras, em
em brevidade, modicidad e em precos e
fino gosto.
9"

m
i
EBITAES
GABEQ Di DEDEO
Elixir sedativo e antirheumatico, formula
do pharmaceutico Hermes de Souza
Pereira.
SEM MERCURIO
Approvado pela Inspectora Geral de
Hygiene
Este poderoso medicamento j bem co-
nhecido ha mais de 10 annos e cujos ma
ravilhosos effeitos tem sido a< 'estados por
muitos mdicos e numerosos doentes, cura
radicalmente os kheuma ismos, erysi
PELAS, STPHILIS 58CR0FLA8 e todas as
molestias que teem por origem a impureaa
do sangue.
O verdadeiro e mais antigoElixir de
cabeca de negro o da formula do phar-
maceutico Hermes de Souza Pereira, e
para aras ti a dos consumidores traz elle
em seu rotules e envolueros o retrato do
autor.
Vndese a varejo em todas as phar
macias e em atacado' na pharmacia Fer
reir, praca de Maciel Pinheiro, n. 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, ra do
Marque de Olioda, n. 23.
Dentes
Ter nina a horrivel dor de dentes usando
o excellente preparado de Manoel Cardoso
Jnior.
As cartas que lhe tem sido dirigidas
pelos jornaes de m iorcirculaco, attestam
a eficacia.
Depsitos:
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da
Silva & C, ra do Mrquez de Olinda
n. 23.
Pharmacia Martins, ru Duque de
Caxias n. 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do
Barao da V'ctoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra da Itnpe
ratria n. 49,

Lde com attemjo
Sr. Redactor.Durante dea annos vi vi
sempre aoabrunhado por tenaz enfermi-
dade pulmonar, que nos ltimos tempos
tornou se agudissima, privndome at do
allivio que o tonino proporciona.
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, jais de
direito do cive! desta cidade do Recife
e seu termo, capital do Estado de Per-
nambuco, em virtude da lei, etc.
Fayo saber aos que o presente edita!
virem ou delle noticia tiverem, que, lindos
os 8 dias da le, sera rrematado com o
abatmento de 10 "|0, conforme preceitua
o decreto de 19 de Janeiro deste anno,. na
audiencia deste juzo ,que ter lugar mo
dia 19 de Julho prximo vindoiro, por
quem mais der e maior lance efferecer, o
engenho Uchoa, sito na freguezia de Afo-
gados, que foi descripto pelos avaliadores
no respectivo auto a forma seguinte :
Urna casa de vivenda, de fijlo, rebo-
cada, caiada e pintada, conreado quatro
salas, urna saleta, sete quartos, um al-
pendre em toda a extensao da casa, sobre
columnas de tijolo, argamassado com areia
e cal, tem dita casa seis janellas de fren-
te, tres portas, quatro janellas no oitSo
Oeste, cinco janellas e urna porta no oitao
Kste, est exposta ao Sul e mede 22
metros e 30 centmetros de comp-imento e
15 metros e oitenta centmetros de largura
tendo tambero urna cosinha interna.
Est toda a coberta do alpendre arrui-
nada e a coberta principal da casa fraca
contendo algumas mos de forca ; o corpo
principal da vi venda est em bom estado.
Um outro edificio sobre pilares quadra-
dos rebocados, onde se acha a casa de
engenho e assentamento, a parte de tijolo
est em bom estado, a coberta arruinada e
sustentada por mds de forca, estando j
abatidos dous claros de pilares.
Mais um edifi io que servia de senzala
com 6 metros e 30 centmetros de fundo
e 36 metros e 70 centmetros de compri-
mento com oito compartimentos, sendo um
com porta e janella e os mais com portas
somente, incluindo na mesma senzala estri-
bara, casa de farinha e cocheira, tudo em
mo estado, contendo alpendr sobre co-
lumnas.
Tem a casa do engenho 36 metros e 70
centmetros de comprimen to e 16 metros
e 70 centmetros de largura.
Moenda movida a vapor, systhema Ro-
binson & Sons, com dez annos de usina.
Assentamento com sete caideiras com
as dimensBes seguintes : um e setenta, um
e sessenta, um o setenta, um e vinte, nm
metro, um e dez, um metro dimetro fun-
didas, sendo quatro remendadas.
Casa de purgar com coberta de telha e
arruinada cora 16 metros e 80 centmetros
de comprimento e 16 metros e 70 cent-
metros de largura.
. Terreno accidentado com va les estreitos
tendo urna pequea parte plana, as partes
accidentadas e planas s2o muito ordinarias
os valles sao terrenos variados, ora com-
pletos de areia, ora de massap, sendo o
terreno desta ultima qualidade, a margem
do riacho Uchoa em urna pequea extenslo
ou no fundo de alguma grota.
O engenho pode produzir em seus ter-
renos bons 8)0 paes, termo medio. Nos
terrenos nao existem mattas virgens, ape-
nas algumas capoeiras, avahado tudo por
12:O0Oi5O0O, vindo a ser, portanto, o aba-
tmento da quantia de 1:2000000.
E a-sim ser o dito engenho levado a
praca pela quantia de 10:800)5000 para
pagamento da execuclo que neste juizo e
cartorio do escrivSo que o presente sub-
screve, move SebastiSo Manoel do Reg
Barros, contra Alfredo de Andrade Paes
Barretto e sua mulher e vai a praca pela
segunda vez por nao ter apparecido lici
tante na primeira que cobrisse o pre90 da
avaliacao
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e affixado no
lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife
aos 25 de Junho de 1890.
Eu, Felicissimo de Azevedo Mello, es
crivao, fiz escrever e subscrevi. Recife,
25 de Junho de 1890.
Joaquim da Costa Ribeiro.
BECLARACOES
Instituto Arcbeologico e Geogra-
phico Pernambucano
Quinta fera, 31 do rorrete, & hora do costu.
me, baver sesso ordinaria.
Secretaria do Instituto. 29 de Julbo de 1890.
0 i." secretario,
- Baptista Regneira.
Rl
.' I









i>
I
*
Derby Club d Per-
nambuco
A directora do Derby Club coATida aos senbo-
res possuidores de cartoes perraarontes a virem
substituir por ootros.
Secretaria do Derby Club de Pernambuco, 30
de Jolbo de 1890 -O secretario.
____________ Manoel Sledeiros
Club Internacional do Re-
cite
Assembleager.il
De oriem do Sr. presidente, convido os se
nhores socios para se reonirem em assembla
eral sabbado i de Agosto, s 7 horas da noite,
afim de assistirem a leitura do relatorio e elege
rem a directora que tem de funccionar de 1890
a 1891.
Sede do club, 30 de Julho de 1890.
O 2- secretario,
Alfredo B. Risa Borge?.
Monte de Soccorro dePer-
Dambuco
Sao convidados os possuidores das cautelas dos
nmeros abaixo; a virem resgatal as al o dia 8
de Agosto prximo, avisando se Ibes de que
nado ejle prazo serio levadas a leilao publico:
17 843 19 4 19.389 19.499
17 776 19293 19 391 19.505
18.59* 19.301 19.396 19 310
18 0:0 19 302 19.401 19.522
18.615 19.310 IU.40J 19 523
18 627 19.317 19.404 19.526
18.628 19 322 19.405 19.540
18 713 19 323 19 407 19 342
18.734 19.328 19-409 19 5*3
18.797 19.329 19-417 19.345
18.849 19.333 19 423 19.546
18 864 19 338 19.434 19 354
18 903 19 343 19.438 19 555
18.988 19-345 13.439 19 559
19 050 19346 19.443 IJ 503
19.193 19.347 19.444 19.368
19197 19 351 19.447 19 571
19.233 19 332 19 454
19.249 19.35* 19.453
19.255 19.355 19.472
19.239 19336 19.473
19.260 19.399 10.476
19.203 19.361 19 482
19.267 <9 362 19 484
19.268 19 364 19.485
19.269 19.369 19.487
> 276 19.377 19.492
19 293 19.385 19.493
19.970 19.849 19.471
19.974 19 870 19.979
19.983 19.878 10 984
19 988 19 904 19.992
19.195 19 918 19.996
20 006 19-926 20 008
20.013 19.949 20.014
20 019 19 955 20 023
20.025 19.963 20.026
19.842
19593
19 304
19.596
19.597
19 598
19.599
19.600
19 602
19.605
19.696
19 492
19.709
19.710
19.714
19.725
19 727
19737
19.744
19 610 19.751
19 615 19 754
19.616 19-769
19.621 19.771
19.62U 19 772
19 628 19773
19.637 19780
19.644 19 790
19.572 19 653 19.792
19.573 19.654 19.795
19.574 19.655 19 796
19.570 19 638 19.797
19.579 19.667 19 800
19 380 <9.668 1^.806
19.585 19 675 19.807
19 586 19 684 19 8l0
19.587 19 686 19.814
19.868 19.693 19 825
19 589 19 695 19.829
19.851 19 972 19 859
19 872 19.82 19.875
19.892 19.983 19.893
19.997 19 994 19 913
19.922 20.000 19.924
19.9J6 20.012 19.938
19.953 '.016 19.954
19.958 20.024 19.939
19 964 20.027 19 965
liecife, 17 de Julho de 1890.
O eerente,
Felino D. Ferreir Coellw.
'
Club Republicano Parochial
da Boa-Vista
Previne se aos clubs que Corara convidados
para tomar parte na manifestar o promovida ao
Br. Meira, que a directora resolveu adial a para
quandofor aaounciada.
Recife, 29 de Julho de 1890.-0 secretario.
M. Rodrizurs de Souza Vianna.
Capitana do Porto
Aos capitles de vapores
De ordeui do cidadio capitao do porto deste
BsUdo, fago publico qne devem ser requeridas
a esta capitana do porto eneas previas pare
os vapores nacionaes ou ectraogeiros lancarem
crazas no porto deste E-tado, esmu se procede
com as liceocas para receber ou descarregar
lastro, sob pena de serem os capttes ou pro-
pietarios dos ditos vapores sujeitos a multa im-
posta pelo regulamento de 19 de Maio de 1846.
Capitana do porto do Estado de Ptrnambuco.
29 de Julho de 1890.
O secretario,
_____________Mario F. de Castro Chaves.
Sociedade
Propagidora da Ins-
truccao publica
Conselho superior
Dj ordem do cidadSo co"selheiro presidente
do conselho superior desta sociedade sio con vi
dados todos os membros do mesmo couselbo a
reonirem se, em sesso extraordinaria, na sede
social la do Pires, esquina da roa da Concei
pao n 18. s 51 2 horas da tarde de quinta fera
31 do expirante mez, atim de deliberar-se sobre
diversos assumptos referentes i mesma socieda-
de e nstruccao.
Secretaria do conselho superior dasociedale
Propagadora da losti ucto Publica do Estado de
Pernambuco, 29 de J .Ibo de 1890.
O 1 secretario,
___ Augusto Wanderley.
Companhia
DE
Fkicao e Tecidos de Per-
nambuco
Sao convidados os sniores accioiistas desta
companhia a virem receber na ra do Bom Jess
n. 42.1 andar, o 14. dividendo a razo de 3 0/0,
relativo ao 1- semestre bndo em 30 de Jonbo do
orreote, todos os das uteis, das 11 boras s 2
da tarde.
Recife, 28 de Julho de 1890.
O director thesoureiro,
Carlos de M. Gomes Ferrerra
Sargos, terrea
Lapa o S
Becco do Abreu 2,andar n. 2
Quadro da Detenco o. 4
Xj.
Club Commercial Euterpe
Sarao familiar em 2 de Agosto
Convites na secretaria deste club.
Ingressos em mo do thesoureiro^- nao tendo
direito a elles os socios que nao estiverem qui-
tes at o me z de Ano- to.
Agregados na teem entrada.
Secretaria do Club Commercial Euterpe, 58
de Julbo de 1890. O 2 secretario,
Carlos Joaqun) Gnncalvps.
lademnisadora
Esta companhia de segaros est pagando aos
senhores accionistas um dividendo de 124000
por aicio, correspondente ao seu estr.' de Janei-
ro a Jaobo prximo lind), em seu esenptorio
ra do Comanlo n. 44.

Banco dePernam
buco
Os senhores accionistas sao convidados a vi
rem receber do dia 16 do crreme em diante o
primeiro divideo do de soas aceites, a razo de
8 0/0 ao aono ou i 1600 por aeco relativo ao 1-
semestre lindo em 30 de Junho. Recife, 8 de
Julho de 1890.
Jos Adolpho Kodrigues Lima.
COMMERCIO

** Revista do Mercado
Recite, 30 de jclho de 1880.
Houve algum movimento no mercado de cam
bios, realizando se no de algodo algumas ven-
das-
Na secretarla aa anta caue Mi
erlcordla aluajam se as estlate*
casas i
Ras :
Sete de Setembro n 22
Viracaon. 19
Restauracio o. 25
Dita n. 27
dem 1 andar e loja n. 14
Amorim andar n. 23
bita 2 andar n. 23
Dita armazem n. 64
Vigario Tenorio 1* andar n. 25
Dita 2 andar o. 25
Dita leja n. 27
Bispo Sardinha 1 andar n. 11
Domingos Jos Martios, terrea n.
Dita n. 18
Dita n. 118
Dita 1* andar n. 132
Dita 2* andar n. 132
ompanbia Peroambucana loja n. 30
Madre de Deus armazn) n. 2
16
40*030
20*000
15*000
151000
41*666
15*000
15*000
30*000
25*000
20*001)
15*000
16*666
20*000
loOOO
16*666
15*000
15*000
15*000
12*500
Bol
sa
)

i
i.
ot>tsc9bs omciAKS da junta dos cok-
retobes
Rectfe, 29 oe Julho de 8H0
Apolices proriuciaes, juros de 7 0/0, valor de
1 000* ao par.
Accoes do Banco de Feroamt u :o, \alor realisa-
do de 40* a 47* cada urna.
Dites dos Trilbos Urbanos do 1! -cife a Olinda e
Beberibe, valor de 200* ao par.
Na Botsa Veoderam se
7 apolices proviociaes de 1.000*.
70 aeces do Bae > de Pernambuco.
9 ditas dos Trilbos Urbanos uo Recife a lin
da e Bchtribe.
Dia 30
Apolices geraes. juros de 5 0 0, valor de 1:000*
a 980* cada urna.
Acces do Banco de Pernambuco. valor rcalisa
do de 40* a 47*000 cada urna.
Na Bolsa venderam-se
1 aooace geral de 1 000*000.
100 aeces do Banco de Pernairbuco.
v Dre.sider.it;,
Antonio Leona -do Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Cambio
PRACA DO, RECIFE
Os bancos maotiveram no balco a taxa de ?3
d saccando alguns a 23 18, achando poucodi
nbelro.
Houve negocio em papel bancario repassado a
23 3/16.
l'KACA DO RIO DE JANEIRO
23 bancario nominal, 23 1 8 e 23 3/16, parti-
cular, fechando o mercado tirrae.
' _
Algorfa
Cota se o de 1* sorte do Eerto a 8*300 por 15
kilos.
A exDorUcao feita pela alfandega neste m*i at
o dia 28, constou de 255.583 kilos, tendo 16 393
para o exterior e 239.190 para o interior.
as entradas verificadas at a dala de boje, so-
ban a 3.802 saccas, sendo por:
Boxeacaa.....
Vapores ....
Animaes.....
Via-terrea de Caruaro.
Via-ferre* de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoero
Somma
astacar
Os precos pagos ao agjscultor, por 15 lulos, se-
gundo a sociarto CwWBe'fia' Agrcola, foram
jasecaintes:
BnnoTT .... 8*200 a 3J800
Somenos. i':(*> a i'800
aascsiado pu^gaO i'600 a 1*700
EErT 1*200*1*400
Betas ... J9 a 1*100
A exportacao feita pela alfandega oeste mez
at o da 28, constou de 3.640.654 kilos, sendo.
738.525 para o exterior e 2.902.139 para o inte-
rior.
A entradas veriftcidas at a dala de floje so-
oetB a li.fO* saceos, ;eodo por:
arcacas
'apores .
\nimaes -
'ia-ferrea de Garuara.
/ia-ferrea de S. Prancisro.
'ia-ferrea do Limoeiro
Somma
7 621 Saceos
244 <
429
3-239
49
11.602 S ecos
Alfandega
Edital n 66
Praso de 20 das
Pela inspectora desta alfandega se faz publi
co que s 11 oras do da 20 de agosto proxi
mo viodouro, sero arrematadas i porta desta
repartico, na frma do art. 280 3- da nsoli
daco das leis das alfaadegas e mesas de ren
das :
Dez caixas e um amarrado, marca BB. ns. 56
a 66, con tendo .jueijos" pecando liquido real 240
k los, vindas no vapor francez Viile de fe mam
buci. em 17 de Ab< il do correte aono.
i.* seceo da Alfandega de Pernambuco, 18
de Julbo de 1890. O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Guardas da Alfandega
De ordem doExm. Sr. inspector da Alfandega
Oca marcado o prazo de 15 dia?, a contar ee^ta
data, para o concurso -le 12 vagas de guarda i
da Alfandega.
Os pretendentes qulles cargos devero mos
rar-se habilitados em ex me previo, que pres-
laro oejta Alfandega no di.. 9 de Agosto pr-
ximo vindouro. das seguinte3 materias :
(Art. 39) -Portuguez, leitura, arithmetici, ope-
rado s fundamentaos sobre nmeros inteiros,
fracjOes ordinaria!- e ystnema mtrico
Provarao Igualmente terem a idade de 18 a 40
a nos. boa saude, di-pr da neeessiina robustez,
serem bem procedidos e nao haverem commet-
tido enme pelo qu.il tenham soffndo pena raf)
m nte e attestadu de vaecina.
Desde j se acba aberta a inscripto do allu
dido exame-
Guarua-moria, 25 de Julho de 1890.
O guarda-mdr,
J. J. Gama Ualcher.
Alfandega
Edital n. 69
(Prazo de 9o das)
(1' prora)
Pela inspectora desta Alfandega se faz pu-
blico que s II horas do da 18 d mez de Agos
to prximo vinuouri, sero arrematadas porta
desta repartico, na forma do a>t. 280 3o da
consolidado das leis das Alfandrgas e mesas de
rendas, as mercadorias abaixo declaradas :
Armazem o. 2
Marca JF B. nove bnrris de 10", cent ndo 183
litros de vinho commum.
Marca MJB C d-;z barris de 5o, contendo 730
litros de vinho commum.
Marca JAA e contra ma ca PVJcC, dez pipas,
contendo 4 130 litro* de vinho c in-nnm.
Marca aB, urna eaixa, conlendo 44 kilogram
mas de legumes em conserva, peso nos envol
torios.
Marca diamante e C no ceo'ro, duas caixas
contendo as latas 125 kilogrammas de azeito-
oas verdes.
Marca diamante n. 10,65 no centro, FL em
cima e GP emb ixo. vinte e tete caixas de 4
duzi's cada urna, cooteodo cervej i commum em
g rrafas, medrado liquido 823 litros.
dem, seis dita? contendo 36 dzias de meias
garrafas com cerveja commum, medindo liquido
154 litros
dem, quatro ditas contendo 170 meias garra-
fas com ce.rveja. mediodo liquido 58 litros.
dem, noveota meias garrafas contendo cer-
veja, mediodo 34 litr. >, parte do contedo de 13
caixas da marca mencionada, que eslo com pie
tanxnte inutilisadas pelo cupim.
I lem setenta garrafas e quatro centas e trinta
e duas meias ditas de vidro oriin rio escuras
pesando 196 kilogrammas, vazias.
Multas garrafas e meias ditas quebradas, sem
val< r.
Segunda seego da Alf >ndea de Pernambuco.
29 de Julho de 1890.
0 chefe.
Domingo Joaquim da Fonceea.
Trovncu do para"
Obras publicas
ESQOTOS
Km virtude do que determina o decreto n.
135, de 11 de Abril do correte aono, e de or
TABELLAS AKPIXADAS
* 1 < 3" > f 2 i 5 r; QB* o-o - B 3 o-= s 5"
* i ce ti m o . .
3 o a. r, m o o 1 1 a
3 ' . .
r.
s
es oc > X S"
l* w ^ SO r*
-p it 3-
i* M * * C<3 p
^J 30 ao
o.
ex ">
co * <
t <* * CO
9
(miru
Gouros salgados 370 ris, e os verde
fia
a 226
552 Saccas
298
520
123 c
75
2 234 c
3 802 Saccas
Agurdente
Cota-se a 100*000, oor praa de 480 litros.
Aleool
Cota-se a 188*000 por pipa de 480 litros.
Mel
Cota-se a 50*000 por nioa de 480 litros.
Paula da Alfandeca
SIMAMA DE 28 DE JOLBO a 2 DE AGXST0 de
taw
Vide o Diario de 27 de Julbo
Darlas a descarga
Barca nacional Marianninka. xarque.
Barca noruegueose Flolce, carvo.
Barca nacional Mara Augelmi, xarque.
Barca oraeguense Rtnfaxr, carvo.
Brigue allemo Editk Marv, carvo.
Escuna alleni loliann. xarque.
Lugar nacranal Luyo, xarque.
Lagar nacisnal Ttgre, xarque.
Lugar loglez Sumoean, bacaJhto.
Lugar noruegueose Aibatroz, carvo.
Patacho noruegueose Lagos, xarque.
Patacho noruegueose henrik Werfetand, xarque.
caucho sueco Siri, xarque.
Patacho dinamarqus Jugor. xerque.
Patacho nacional liarinko //.xarque.
Patacho hollandez Voowaartt, xarque.
Ptocbo bespaoboi Balate-, xarque.
Patacho noraeguensefloWi, xarque
Importaco
Vapor nacional .'acufcype, entrado dos portos
do sol em 30 do aojante, e consignado Com
panbia Pernambucaoa, manifestou :
Barris 50 a Guimaies Valeote, 25 a Anto
nio Mana da Silva, 41 a Antonio Pinto 4 Jr
mo.
Fejo 100 saceos a Amorim Irmos C.
Oleo 35 caixas a Pohlmann & C.
Panno de algodo 17 fardos a Machado & Pe-
reira, 50 a Ferreira & Irmos.
Pipas 32 a JosRoangues M-cieira.
Pelles de cabra 37 fardos a J. H. Bouwell.
Tamancos 7 fardos ordem.
Barca norueguense Progress, entrada de Car
diff em 28, e consignada a Ltvrameuto C,
manifesti u :
Car7o de pedra 695 toneladas e 7 quintaes a
Livrameoto & C.
Brigae inglez Exceisior, entrado de liambur
go em 30 do amante, e consignado a Joo de
Aquino Fonseca, m^mfestou :
Agua mineral 20 caixas a Francisco Maooel
da Silva & :.
Alcatro 10 barris ordem.
Cha 47 caixas ordem.
Cerveja 90 caixas ordem. 60 a Ramos Gep
pert & G 30 a Fernandes & Irmos.
Cimento 250 barricas a Baltar, Oliveira C,
500 ordem 200 a Albino Silva & C.
Garrafoe3 650 ordem.
Louca 1 birrica a J. A. V^iga, 87 grades a J.
de Macedo, 21 e 1 iixa a Fernandes & Ir-
mos.
Madeira de pinho 1,000 prancbOes ao c;nsi
gnatario.
Pianos 2 caixoes a H Vogeley.
Preg'-s 100 barricas a Vianna Castro C.
Phosphoros 25 caix'S a odem, 20 a Domln
gos Cruz & C, 10 a Lipes de Magalh-s & C.
10 a Noaes Fonseca G., 15 a Prente Vianna
& G, 10 a Joaquim Ferreira de Carvalho A C, 5
a Joaquim. Felippe & Aguar. 10 a Gomes de
Mattos Irmos.
Papel de embrulho 45 fardos ordem.
Plvora 35 barricas a Ferreira Guimares
& G.
Velas 500 caixas aos consignatarios, 10 gra
des a Fernandes & Irmos.
HiDoriacao
Cira, 29 e julho Da 1890
tara o extertor
Pires 1.",
141000 dem do cidad&o director d'esta ,repartic4o, dr-
14*0(10 claro em concurrencia, por espago de o mezes,
8*000 ceudos da data do presente edital, o estabde-
6*000. cimento de urna rede completa de esgotos para
a capital d'este Estado, de accordo com as se-
guintes
InsUucgies para a concesso de um privilegio para
o estabeteetmento de urna rede completa de etgo
tos conloante os principios technwos e clausulas
abaixo desenptas.
Concurrentes e propostas
1.' Os proponentes devero ter pleno conhe
cimento de todas es circunstancias locaes e
dispdr dos recursos oecessarios para iniciar e
ultimar os traualhos e apresentaro garantas
para Hele completa execuco das obras.
As propostas e todos os papis que a acompa-
nharem devero vir sellados e reconhecidas af
lirmas.
Os proponentes assignarSo as propostas com
os nomes por extenso, radicando a sua residen
cia.
As propostas devem ser acompanhadas :
I. De um conhecimento de deposito da quan
ta de dez cuntos de ris < m dmbeiro ou apoli
ees da divida publica geral ou d'este Estedo, nao
se tomando em considerado as que omittirem
este conh cimento.
II. Dos documentos que provem tero propo
nenie a necessaria doneidade profesional.
III- Das tabellas das taxas que devero pa-
gar semestralmente na mesma occasio da co
branca da decima urbana e sob as mesmas con-
dicOes, todos os predios existentes ou que forem
coustruidos dentro dos limites da cidade e su
burbios eervidos pela rede de esgotos, segundo
seu valor locativo, para occorrer ao cntteio do
servico, remunerado e amorusaco do capita
efectivamente empregado na tonstrueeo. Es-
sas laxas sero arrecadadas pela repartico com
ptente do Estado, conjuntamente com a decima
urbana, oas mesmas conuicoes e entregues
companhia ou empreza que se orgamsar, por se
meares vencidos.
IV- Da recluccao das ditas taxas no caso em
que seja dada companhia ou empreza a isen
cao dos direilos de importaco para o material e
erfumenta importados do estraogeiro.
V. Dj praso, para aprtseuiaco dos estudos e
planos definitivos das obms, e de lodos os deta-
Ules das mesmas que sejam exigidas pela dir
ctoria das obr. s publicas, pelo eagenheiro liseal
etc., e bem assim os prasos para o inicio e con-
cluso das obras.
Condices lecboicas, construego e saoeament
2.* O autoprojecto e a memoria descriptiva
das obras a execuiar. que acompanharem as
propostas, especihearo com o mximo de deta-
Ihes :
I. Os limites da cidade e suburbios aos quaes
se estender o servico.
II. As canalizarles principaes e secundarias e
suas ramriitacOes as vas publicas com indica-
o dos respectivos diametios, espessura e decli-
vidades, e a natureza das materias, tendo em
vista urna populaco urbana e suburbana dupla
da actual.
111 As canalisacOes a construir nos predios
terrenos, assoDradados ou de sobrados, pblicos
ou particulares, existentes on que forem cons-
truidos at concluir se a execuco dos traba
Ihcs neutro dos limites da cidade, com iudicaco
idntica do n. 11; descripeo dos apparelbos
interceptores 005 gazes as derivacoes do colle-
ctor geral. para os predios, cbamins de vnula
cao, sua coilocaco material, etc., e altura sor
ponto mais elvalo do predio dos prediosuc
vizinbos.
I/. O typo e a natureza das latrinas inodoras,
reservatonos d'agua para ellas, bacas, ralos,
tanques de carga para kivagera das galeras e
ene '.(lamentos e sypbdes interceptores, appare
lnos separadores cas materias gordas das cos
ohas, chaujios de arejameoto e mais apparelbos
oecessarios ao fuoccionameato regular e bygie-
nieo do systema proposto.
V. As estagoes de servico. suas dimenses e
systema de construeco. localidades onde sero
construidas, numero, dimensfies e especie de
tanques para juntar, desi teclar e Mitrar os pro
ducios dos esgotos, typo e torca das machinas
meios de desinfecgo e pontos de nivel as em-
bocaduras das galera.:.
VI. Systema de latrinas e mntorios pblicos,
seu funecionamente, limpeza e saneamento.
VII. Systema de lavagem das cana lisa coes ge-
ntes e secundarias e do respectivo fornecimenm
d'agua.
VIII. Systema de ventilaco da rede de cana
sago publica e particular.
IX Systeoa de ligaco do esgoto de cada
predio, para a canalisayao das ras.
Renda do Estado ae Pernambuco :
X. Systema da eousolidaco do terreno para
proteceo dos conducios e para evitar a depres-
so do solo.
XI. Systema de caaalisac > quando tenba de
atravessar pantanos combinado com o n. X.
XII. Indicajo das precauges a tomar quan-
do as canalisages teubam de passar sob muros,
predios, etc.
Coodiges geraes
3.* O cootractaote extender, sempre que o
governo exigir, o servico* de exgoto a novos
bairros ou a novas ras sitalas foia do perime
tro em que se obrigar pelo centrado a execu-
tal o desde logo, urna vez que a renda corres-
pondente, em vista do orgameoio orgaoisado
pela empreza e approvado pelo governo, reja
equivalente a 7 % ao auno obre o valor do dito
orcamento.
4.* O servico de exgoto dos estabelecimeol. s
pub icos e dos pos, sustentados ou auxiliados
po governo, ser feto gratuitamente.
5.' No numero das obras reclamadas pelo
'.ydema proposto e que o eontractante, empreza
ou companhia obriga o a reconstruir sua
custa, esto tambera rae uidas as segrales :
I Todo o encair-mento dentro do- predi s para
os exgotos das materias feeaes, aguas servidas
e pluviaes, dos pantanos e reas, calgadas e o
foroecimento de urna latrraa (typo approvado
pelo governo) em <-ada pavimento do predio
cem a respeetiv caixa d'agua e um ralo cora
sypbo por cada rea ou pateo, urna chamin
de vemi'ago e o appareiho interceptor dos ga- j
es da caualisago (eral para o da do domici-
eilio; pagando, poiem, o propiietano, que qui-
zer outros encanamentos e apparelbos, a impor
taucia do material e mo de obra, por tabella
que ser appiovada pelo governo.
II. O fornecimento completo e assentamento
das latrinas e inicinos pnbhcos.
III. A con-lru-go dos raques de carga para
a lavagem des encanamentos e galeras, seguu-
do o lypo e dimens&es approvados.
IV. O fomecimemo e assentamento de urna
bacia e sypho nao estalegens denominadas cor-
ticos, para cada g, upo ou fratgo de cinco ca-
sas.
6.* 0 governo do Estado concede o privilegio
empieza o companhia que se organizar at
50 aunos e garante os juros de 6 0|o nnuaes so
bre o capital que fr Sxado; tratndose no
contracto liual das disposigoes relativas a amor-
lisago da renda liquida, do modo do pagamen
lo de juros, etc.
7.* Findo o prazo do privilegio, todas as obrrs
reverlero ao dominio da municipahdad6 desta
capital, searjemnisagj alguma; cabendo,
poiem, ao coniraciante. preierencia em igual
dade de condigOes para o an>ndamento do mes-
mo servigo, se nao eonvier a ana muuieipaiida-
de executal o administrativamente, e indemni
sas todas as quaoiias que o E-tado tiver des
pendido no servigo e garanlia de juros.
8.a Ao coulraciaole o governo do Estado con-
ceder o direito de desapropria^o. na forma da
lei, para os terrenos, predios e bemfeiiorias que
forem necessarias a execugo do servigo eoo
tractado.
9. O governo do Estado se comprom>tte a !
obte-, a bem da empieza, mas sem por isso as j
sumir responsabilidade alpuma, isengo de di I
renos de imponago do material, ferramenta,
maclnas. carvo de pedra. productos chimicos
e apparelhos oecessarios ao servigo contraclado.
10 O contrarame, a companhia ou empreza I
recolher aos cofres da Thesourana do Estado,
no principio de cada trimestre, a qnantia que
de accordo com a mesma empreza fr pelo go
verno xada para o pagamento da tiscalisago |
do cooiracio.
1.* O proponente preferido dever a-signar
o contiacto dentro do prazo de 30 das, eonia
dos da dala em que for poblicada no jornal en-
carregado das publieaces officiaes deste Esta-
do a aceitago de sua proposta, sob pena de
perdar a caugo.
Palacio do governo do Estado Confederado do
Para. 11 de Abril de4890,'2 da Repblica
lusto Leite Ckermont.
No dia 6 de Nove.ubro, s 11 horas da manb,
na sala do palacio do Joverno deste Estado
onde ruacciona esta repartigo, o conseibo com-
petente tomar conhecimento das proposUs
apreseniadas.
Tudas as pessoaa residentes em Franca, In-
glaterra. Portugal, Estados Unidos da America
do Norte e em outros p izes onde chegar o co-
nneciroento deste edital. bem como as que resi-
dem neste e nos aifferentes Estados da Rep-
blica Brasieira, que se quizaren) propor, podem
fuzel-, apreseniaDdo se ou fazendo se represen-
tar por procurador legtimamente constituido,
no dia e hora marcados para apresentago das
proponas, iiistruuido e;tas com as clausulas
constantes das instrucgoes cima ditas.
Reparngn das ob'^s publias do Estado do
Para, 6 de Maio de 18900 amanuense secre-
tario, lympio Antonio Vaz de Lima.
SMROS
HAREMOS CONTRA F060
Capanhia Phenix Per-
Bambncaaa
RA DO COMMERCIO N. 46
SEliR0C0MK\ FOGO
ioyaJ Insuraoce Company
de Liverpool
CAPITAL. .000:000
AGENTE8
R. Drusina &. C.
13-Koa Mrquez de Olinda-13
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca-
:as do mesmo banco em Portugal sendo
:a Lisboa ra dos Capellistas n. 75. No
'orto, ra dos Jnglezes.
Cnmpanljta i>* Seguros
::s:s: ::::
NORTHERN
de Londres e Aberdaen
'osicao rioanceira CDezembrode 1887>
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumulados 3.421,000
Hecelta annual :
De premios contra fogo 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros 143,000
O AGENTE,
John H.BoxineU.
DE
Oo dia 1 a 29
dem de 30
88:376*404
4:731*97;;
Somma total
93 308*377
532:343*'' 86
Segunda seego da Alfandega de Pernambuco,
30 de Julho de 1890
O tnesouretroFlorencio DomiUKues.
O cliete da seegoU. J. da Fonseca.
Reeebedorla do Estado de
Pernambuco
Do Uia 1 a 39 109:158*932
dem de 30 756*304
PERNAMBUCO

110:115*236
Do da 1 a 29
dem de 3J
Recife Draiaage
3 897*717
139*733
4:037450
No palbabote portuguez Pires 1.', para o
Porto, carrevaram :
B. Oliveira & C. iOO saceos com 12.000 tilos
de l'arinha de mandioca.
-ira o naertor
No vapor allemo Olinda, para Santos, car
regaram -.
C. Hurle & O, 140 saceos com 18,400 kilos de
assucar branco.
Borstelmao & C, 500 saceos com 30,000 Kilos
de assucar mascavade.
No vapor uacional Mrquez de Caxias, para
Penedo. carregaram:
B. Oliveira & O, 200 saceos com fariaha de
mandioca.
No hiate Victoria, para Maco, carrega-
ram :
Guimares & Valenfe, 100 saceos com farinha
de mandioca.
No vapor americano Adoance, para Rio de
Janeiro, carregou :
B. J. Pernaudes, I caixa com 56 kilos de pen-
nas de ema.
Keadlmeutos pblicos
UBZ DB JULBO
Alfandega
Renda eral
Do dia 1 a 29
dem de 30
419 516*438
39:421*881
439:035S09
Mercado Municipal de fos
O movimento deste mercado no da 9 de Ju
lbo foi o seguinie :
Entraram :
38 i/2 bois pesando 5,183 kilos.
248 kilos de peixe a 20 ris 4*960
3 cargas com farinha a 200 rs. t*000
33 ditas de fructas diversas a 300 rs lu*500
31 1/2 columnas a 600 rs. 18*900
99 laboieiros a 200 rs 19*800
7 suinos a 200 rs. 1*400
1 escriptorio a 300 ra. 300
54 compartimentos com farinha a 500 27*000
28 ditos de comida a 500 rs. 14*000
9o ditos de legumes e fazendas a
400 rs. 38*000
14 ditos de sumos a 700 rs. 9*80o
9 ditos de fressuras a 600 rs. 5*400
3 ditos de camares a 200 rs. 1*000
46 tainos a 2* 92*000
244*060
Rendimeoto de 1 a 28 do Crreme 6.697*900
6.941*960
Pregos do da:
Carne verde de 160 a 480 ris o kilo.
Suinos de 360 a 640 ris i dem.
Carneiro de 640 a 800 dem.
Karinba de 5t0 a 640 ris a caa.
Milho le 360 a 440 ris dem
Feijo de 800 a 1*000 dem
Hollnenlo do porto
Navio entrados no dia 30
Babia e escala8 das, vapor nacional iacuhype,
de 382 toneladas, comtrandaote Joaquim Jos
Esteves Jnior, equipagem 30, carga varios
geoeros; Companhia Peruambucana.
New York45 dias, lugar inglez Grenada, de
635 toneladas, capio C. I. Mrris, equipagem
II, carga varios gneros : a Fonseca Irmos
&C.
Himburgo e escala 20 lias, vapor allemo
Olinda, de 1,735 toneladas, commandante H.
Scbuttervow, equipagem 48, carga varios g-
neros ; a Borstelmann & G.
Navio sahido no mesmo dia
Rio Formoso e TamaodarVapor naconal Ju-
cuhjpe,, commandante Ese ves Jnior, em
lastro.
Vaporen a entrar
MEZ DE JULHO
Norte........ Advavce.........
PROJBCTO BB IN8CRIPCA0
Para a 12.a corrida a realizar-se em i0 de
Agosto de 1890
ISTiDO DE PEILViMBli 0-
.* !V.fc CONSOLACAO SOO metros. Animaos de Pernambuco, que
nSo tenham ganho primeiros e segundos premios n e eguas de Pernambuco. Premios: 200iJ000 ao primeiro, 4O)JOO0 ao
segundo e 200000 ao terceiro.
. lik%%tt PROSPERIDADE 850 metros. Animaes de Pernambu-
co que nio tenham ganho nesta ou maior distancia no Derby em 1890.
Premios.: 20 iJOOO ao primeiro, 4O0OOO ao segundo e 20(5000 ao
terceiro.
4.* $V&!>9 EXPERIENCIA UO metros. Animaes de Pernambuco, que
nao tenham ganhc em maior distancia nos prafos de '' "> em 1890.
Premios: 2000000 ao primeiro, 400000 ao seg .^ao e 200000 ao
terceiro.
Io ?iVltaj -INTERNACIONAL t,OS metrw. Animaes estrangeiros
que nSo tenham ganho premios n'estes tres mezes no Derby. Premios :
50000:0 ao primeiro, 1000000 ao segundo e 5CG00 ao terceiro.
*..' ^VS^9 GRtXDfi PREMIO ESTADO DE PERNAMBUCO
l.tO metros. Animaes pungas. Premios: 4000000 ao primeiro,
2000000 ao segundo e 400000 ao terceiro.
Y^t'Skl! EMULAQAO f.OOO metros. Animaes de Pernambuco.
Premios: 2000000 ao primeiro, 400000 ao segundo e 200000 ao
terceiroi
l-0 HM|ANIMAQO 800 metros. Animaes de Pernambuco que nSo
tenham ganho em maior distancia no Derby em 1890. Premios : 2000000
ao primeiro, 400000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
Observares
Nenhum paeo se realizar sem que se inscrevam pelo menos tres animaes do
tres proprietarios differentes.
Os pareos INTERNACIONAL e GRANDE PREMIO nao se realisarSo sem
que se insc evara e corram pelo menos cinco animaes de tres proprietarios differentes.
A inscripcAo encerrar-se-ha segunda-feira, 4 de Agosto s 6 horas da tarde,
na secretaria do Derby Club, ra Duque de Caxias n. 22, l.8 andar.
O SECRETARIO,
ManoL JUedeiros.
-i _______________________________^_______^__^^____
31
vapore a sahlr
MEZ DE JCLHO
Sul.......... Advance.......... 31
Santos e esc Olinda.'...:.....31
b.
b.
umid loo otts m
PSMIC M#.ZQ?.
250:000#000
LOTEKRDO GRAO PARA'
Premio maior 138:O8O$O0O
Lotera do Grao Para
Prwnio maior 80:000^000
Extrac^o alteroadamente todos os sab-
bados. Bulleres venda as casas do cr-
tame.
\
v
4

**.
C


.
.*
. 4

...
.
1
r-.'
&
A.

i





PernambucoQuiuta-feira 31 de >Julho He 1890
?*

-:;-r
'

>


SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool k Loidoi k Globt
HTSUHAITGS CO./EFANY
siACSsras, hubaic & c.
Ra do C<
Jommercio n.
SEGUROS CONTRA FOGO
EDIFICIOS E MERCADURAS
TAXAS BAIXA8
Prompto pagamento de prejuixo
SEM DESCONT
A t III VIIIA
IMPERIAL
: i OMtiti:s
Estabelecida em 1803
CAPITAL Rs. f tt,OO0:0OO0O0
AGENTES BROWjVS & C.
X. 3-RA DO COMMER'JIO-N. S
%
Companiia de Segaros
itUliatU de isbiia
AOESTE
Miguel Jos Al ves
lo Hom Jem!V.
TIMOS E TERRESTRES
eguros a nica companhu
ede aos Srs. segurados semp
>- tBoa do Hom Je! >. *
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos se)
o esta praga que concei
jo de pagamento de premio em cada stimo
xnuo, o que equivale ao descont annual de cer
m dr 15 por cento i-m favor dos segurados
II D EMNSSAD Oft A
Compaottia de Seguros
martimos e terrestrf
i;iHb.l.rulrm l*SS
Estado Dnancelro era SI de De-
zenabro de !*?.
Capital 1,000:00011000
Fundo de reserva i 10:^76^000
Sinistros pagos 1,776:683^000
44Ra do Commer"'"44
MARTIMOS
Lisboa e Porto
Palhaboteponuguez Pires Io
Pretende em breva carregar para os
por toa cima ditos; a tretar com os con-
signatarios Amorim Irruios C. &
" __________
Jompanhia Baha na de JNa-
vegacao Vapor
Macei, villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Baha
O vapor Sergipe
Cemmandante Rebello
E' esperado dos portos cima
ate o da i de Ago saodo para os mesmos depois da
_________^demora do cos'.ume.
Para carga, jjassageus, encommeadas e dinhet
-j a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vignrio- 17
recebendo carga ft bardear ao Rio de Janeiro :
para Sanios, Camona. lguape, Paracagua, Auto
na* S. Franciscos Ita ahy, Santa Calharma, Rio
Grande, Petlas e Porto Alegre..
vs encommeodas serio iteemdas at i bora
da tarde do da da sabida, no trapiche Barbosa
no largo do Corpo Santo n. 11.
'ara carga, eacommeadas, passagens e va lo-
es :rau-se com os
AGENTES
Preira Carneiro & C.
ti=Rua do Commercio=z=f
! o>Har
Oompanhie de Messagene-
Mariimes
LINHA MENSAL
O paquete Equateur
Comandante Moreau
E' esperado dos portos do
sul no dia 1 de Ago.-io
Begoindc depois da demo-
ra o cos'ume para bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
LanJra-se aos Srs. passageires de todas as
classes que ba lugares reservados para esta
a ;encia, que podem tomar em quaiquer tempe
?az-se abatimento de 15 0(0 em favor das fa-
milias conipostas de 4 pessoas ao menos e que
pagaren* 4 passagens inteiras.
Por excepeo, os criados de familias que to-
marem bilhe'tes de proa, gczam tambem deste
a alimento.
)s vales postaes s se dao at o dia 30 de Ju-
Ibo pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
ahairo a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Nertbe
Commandante Lecointre
E' esperado da Europa no
dia 3 de o Agosto segu
ra depois- da demora au-
cessana para
Janeiro, Buenot-Ayre e
Montevideo
Precisa-s de urna ama para o ervicp in-
terno de ama casa ; a raUr na ra Direita n.
12, 3 audar, de uieio flia para a tarde.
Pede se ao Sr. Manoel Torquato de Araujo
Saldanha que venna t padaria do pateo do Terco
restituir a importancia que receben em confiaos
para entregar, nao se encentra o s. nnor em
parte algoma ; a razao pela qual lauca mao des-
te meio ?
Alnga-te a loja do sobra >o i ra do Coro-
nel Soassuna n. 139 por 22400' com agua ; a
tratar na ra da Imperatriz n. 76
Patacoes velhos
Compra se na relojoaria David, ra do Cabo
< D 14________,
A o commercio e ao publico
Nao temos nota dos pedidos que os seobores
commerciantes vcrbalmentenos lem frito para a
Cerveja La Rosa Alemana
de que somos nicos receb^dores. E como o
vapor Olinda esperado da Europa a 30 deste mez
conduz nossa consgoac&u tO caixas com ar-
veja saudavel e bem conb>cida
La Rosa Alemana
pedimos ans senhores uretendente3 que c
lempo .-illi -ifuie nos avispm a quan.iade
cerveja que querem. e fjz mos entrega a sab
da alfandesa.
Recife, 29 de Julbo de 1890.
Alachado Pinto & C.
i,
Grande Hqaidaco d faxendas
Tendo-se dado balando na casa
N.58
P.ahia, Rio de
Lembra-se aos Srs. passageiros do todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer tempo
?revjne-se aos Srs. recebedores de mercado-
ias que s se attendera a reclamaces por fal-
n, nos volumes, que forem reconhecidas na
o casio da descarga, assim como devero den-
trj de 4 horas a contar do dia da descarga das
a ?arengas, fazerem quaiquer reclamaco con-
iernentes a volumes que porventura tenbam se-
jeido para os portos do sul, atim de poder-se
lar a tempo as providencias necessarias.
MU1TA TTEi\CA0
Os melhores cigarros, qae ha hoje
tanto de fumo picado como desliado sSe
osMINHA EPERANQA.
Olhai com aftenfao para o envolucro dos
cigarros onde se l a pahvra ESPE-
RANQA.
Ha multo quem venda gato por lebre !
as grandes merciarias, as casas de
ref^oes, as tabacrias, nos salos de
cabelleireiros, vndese os nossos ci-
garros.
Deposito central.
Fabrica Minha Esperanza
Ra larga do Rozarlo n. 21 A
Teolphone 191.
I VS K
Balea paquetes
I < electrte*.
nao 111 ominado a
Para carga,
a eiro a frete
passagens, encommendas e di-
trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
Ra do Commercio 9
LILOES
Royal
Mail Steam Packei
Company
O vapor Tamar
Espera-se da Europa ateo dia 1 Agosto, seguiudo depois da demo
raindispensavei para
Baha, Ro de Janeiro. Santos,
llontevldco e Bueoos-Ayres
Para passagens, frete* e encommendas trata
se com os AGENTES.
O vapor Elbe
E' esperado do sul no dia 31 de Ju
lbo segundo depois da demora ne-
cea sana para
.
H. vrenle. Lisboa, vlgo. e Son
thampton
Rduccao de pauagen*
Ida lia e voltc
A' Lisboa 1* claase 20 30
A' Sonthampton clasae 28 42
Camarotes reservados pa a os p issageiros d
Je:nambuco.
Parapassagenp, fretes. encommendas. trata-s*
coa os
AGENTES
A inorim lrmos & C
V Ri do Bon JesuaN. 3
Companilla da Mala Real Porli-
goeza
O vapor Malange
E' esperado de Lisboa at o dia
8 de Agosto seguindo depois
da demora do costume para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Sobre fretes e passageiros trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6-RA DO COMMERCIO6
Io andar
United otaies and Brazil
M.S.S.C.
Ovapor Advance
E'esperado deNewYork
at o dia 31 de Julbo
o qual depois da de
mora necessaria seguir
para a
Baha, Ro de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Comnudor8
Pandar
Lloyd
POBTOS DO NORTE
O yapor Manos
Cammandante o Io tenente Guilherme
Waddngton
E' esperado doportos do nor-
tea o dia 2 te Agosto e de
pois da demora indispensavel
pan o portos do sul,
Quinta feira deve tr lugar o leilao de fa-
zendas avanadas, harrburgo-. e madapo Oes, no
armazem da roa do Bnm J^sus n. 45.
Leilao
De cregueltas, madapolSss e outras fazen-
das avariadas
Quint.i-feira, 31 de Julho, s 11 horas
Agente Pinto
Roa do Bom Jesos n. 43
Leilao
De urna importante casa terrea e sotao
ra de S Francisco n. 5, em Olinda
Quinta-feira, 31 docorrente
A'8 11 horas
Ra do Imperador n. 39
O agente Stepple, competentemente autorisa-
do, levar a leilao a casa terrea com sotao ra
de S. Francisco n. 5. com 1 porta e 1 janella de
frente, sendo esta de azulejo com i portao sob a
mesma cornija, com 2 qoartos e 1 dispensa, co-
sinba indtpendeote, pequeaa sala para engom
mar, casa de banbo com tanque e loja, quintal
todo murado e portao. tundo a mesma ao lado 28
metros e 4 de largura e no fundo 18 metros.
Os Srs. pretendeoies desde j poderlo ir ex-
aminar o referido predio.
MARAVILHA CUBIS
DO CELEBRE
Dr. Humphreys lie Nova Yim
A Veraadeira Mar^vilhr do Secuto.
APPEOVADA E UCE3CIADA
pla Inspectora ck de Kyeicnc "o
Imperio c Brazl!,
A Mnrnvilka C'srsiiva remedio prompto
para as Pasaaoras, 3iachucadurar., CoutusOe, i ->r-
ceduraa, Cortadnras. ou Lareraeods, AilKla a dor,
wtanca aangue, luz parar e utlammacgo. reduz
a lnchajao, un.v deeccrtmtuto, c az Uitb a terina
corno por encanto.
A Moravilha lurafi^s piarle prompto a
cura rpida para vut-uaituras, ^caluaduraa, h
Vuolmadura do tul, i- superior a qu-:rueroutro
remedio.
A Maraviha Curativa c" Impapivel para
tocas as HemorruagUus t*Ju do Sarir.. das Ceuui vis.
dos PulmOes. o Eatomaao, on as riemorriclar y
Aimorrclii;?*-:curascnipree cunen fall*.
A Maravilha tu. z'^vaomaluvlo promete
ra or de Denus, de cviuu,, ** *,'ace. iccuu-.c
Face e Nevralgla.

de
cores.
A Maravilha CuraliTJi Corfcnropromp-o
e precioso para LV>res rheumailcos, Aleljio. D: o
zl'\ A MaraTilha CnraltTa ( o irraorto remullo
pan Esquinencia. Angina. Aiiiyv'jalnfc lnc:Uou
nflammadafi*enipre achuro, j-enipro efllcaz.
A MaraTilha Carativ: 3 e mullo valor
como lnjeccao para o Churro, a Leuoorrhea ou as
Flores Brancas, e outro coi-rmenlos debilitantes.
A Maravilba Curativr lrr.|jigvel para
curar Cceras, Chagas antigs, Ajnataiak, i'anarl-
ck. Callos, Frifilras, Joanetes eTumoroa.
/ Maravilha Curativa remet'o prompto
pata Dlarrbea simples, e de Dlarrhea chronlca.
A MaraTilha CaratlTa exceente as
Kstrebarlas e Cavallarlcas. r-'.ra Torced uros. Df,res.
PlKadurase Esfoladuras. Contosfies. LaceracOes, c.
Leilao
De importantes movis estrangeiro? e de
phantasia completamente novos
Constando de
l.'m rico guarda-vestidos com espelbos Finos,
1 imprtame toilette, dankerques, cadeiras for
radas a velludo, lindos etageres para cantos e
paredes, 1 espe'bo com convesco, portas chapeos
de sol, etageres para tivros, ditos altos para
cautos com espelhos. 1 mesa japonesa, jardioei-
ras com jarros unos para flores, 1 toilette para
barba, cadeira privada, 1 linde biombo pequeo,
2 importantes tapetes avelludados para forro de
sila, 1 cooversadeira estufada, diversas mobi-
iias austracas, qoadros a o'eo e muilos oulros
objectos de gosto e de phantasia. existentes
no segundo andar do sobrado n. 56 da ra do
Mrquez dejOnnda.
Sexta-feira, 1 de Agosto, s 11 horas
Por intervenjao do agente
Gusmao
*m
AVISOS DIVERSOS
Precisa se de urna ama para cosinhar. pa
ga se bf33 ', a traUr em Parnameirim, sitio n. 7
ou i roa das Trincbeiras o. 17, loja.
calada e
pioladas sou a
tratar na ra da
Alogam se casas
nos fods de P. Goncalo, a 8$
mperatnz n. 76.
Precisa se de urna ama para cosinhar e de
outra para engommar ; na roa do Vigario n. 5,
armazem. _____________
Precija-se de urna coaioheira roa Di
reita n. 40, primeiro andar.
Alngam-se duas cesas em Jaboalao, com
commodos para grande lamilia. na ra do Impe-
rador o. 8, e na roa Duque de Caxias n. 15 ; a
tratar no Recife, escriptorio de Livramento & C.
no caes da CompaoDia Pem;imbu;ana n. 3. As
chaves estao em m&o do feitor, no eDgenho
Velbo.
Especialidad?'; de Dr. Hnoplireys.
Remedio Eapeciflcos,
Inenonto Mnravilhosa,
Kemei'.i Remedios Vcterinarioa.
O Manual do Dr. Humphreys '.ti paginas sobre al
Snermldades e modo decural-asse da gratis, pede-
se ao seu be,tIcario ou a
III'JlPHHEVy MBDICIKB CO.,
100 Jf-altan Street, NEW YORK.
NICOS AGENTES
Para vendas em t^rosso em
PERNAMBUC0
Faria Sobrinho k C.
DROGARA
A' ra Mrquez de Olinda n. 41.
MARAVILHA CURATIVA
DO CELEBRE
Dr. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
APPBOVABA LICENCIABA
rln Inspectora Gernl de Hysiene da
Imnerio da Brazil.
A Maravilha Caratlva remedio i
para as Pisaduras, Mach
chucaduras. Conti___
ceduraa, Cortaduras, ou LaVoeracoM. Alli va a dor,
estanca o aangue, fas parar a mflammacto. redua
e incnac&o. llrao descoramenlo, fazsarar a ferlda
como por encanto.
A MaraTilha Curativa 6 alllvlo nroraptoe
cora rpida para (uelmaduras, Escalaaduras, e
VueJmaaura do Sol. e superior a quaiquer outro
remedio.
A Maravilha Curativa tmpa?avel para
todas as HemorrhafflaH, srja do Nariz, das Gingivas,
dos Palmees, do Estomago, ou ar Hemorrboklas ou
Alinorrcimascurasenipree nunca falta.
A MaraTilha CaratiTaumallIvioprompto
nara I>or de Denles, de OuvJdos, da Face. Iucaacao
i Yare e Nevralgla.

A Maravilha CaratlTa orecuraoprompto
e pnaO Para Dures rtieuma ticas, Aleijao, ixire
Klfldec naa Juntan ou Pemaa.
redoso para Dores rheumatlcaa, AlelJ
, Juntas ou Peritas.
A Maravilha CaratlTa ''
para tiqulnencla. Angina, Amyrd:
&r
nde remedio
.. aa lnchadasou
n.mm..i.. nrtnpre seguro, sempre efflcaz.
A MaraTilha CaratlTa de multo valot
como lnjeccao para o Catarro, a Leuccrrhea ou aa
Flore Brancas, e outros conimentoa debllltantea.
A MaraTilha Caratlva Impaga el para
cuiarkma, Chagas antigs. Apostemas, Panari-
cloe,CWIos.ft1elras, Joanetes e Tumores.
A Maravilba CaratlTa reroedloprompto
ara Dlarrhea simples, e de Dlarrhea chronlca.
A Maravilha Carntira 6 exctlente na
Kstrebarlas e Cavallarlcas. rwa Torcedora, Dores,
Pisaduras e Esfoladuras. Contusoes. UiceracOcs, o.
Especialidades do Sr. Hnmphreys.
Remedio Fsaeclflcos,
Ingai-nta Maravilhosa.
Remedios Syphilitit os,,
Bemedloa Veterinario*.
O Manual do Dr. Humphreys 144 paginas sobre a
Hnferroldades mododecral^sse da gratis, pede-
se ao seu boticario ou L
HUMPHREYS' MEtlCINE CO.,
109 Fulton Street, NEW YORK.
nico deposito para vendas em
grosso na imperial drogara de F.
Manoel da Silva & C. ra de
Marques Olinda n. 23.
separou-se os segnntes artigos para acabar,
trV 0trV3J&*Cii Z
Sedas.
Cortes de vestidos.
Las.
' Tecidos de phantasia.
Cretones.
Nanzuks.
Cambraias.
Fustoes*
Gasemiras.
Cortes de casemira.
Brins de diversas qualidades, brancos
Cortes de collete.
Meias para homens, senhoras e meninos.
Madapoloes.
Algodaozinhos.
Atoa] hados brancos.
Ditos de cores.
Camisas para homens e meminos.
Lengos.
Espartilhos.
Ceroulas,,
Collarinhos.
Gravatas
Todos estes artigos se acbam com um pequeo toque
de mofo, razao por que se vende por me-
lad e de seu valor.
Grande quantidade dertalhos
D'fstes arligos nlo se dio amostras
58 RA DUQUE DE CAXIA8 58
Telephone n. 2l0.
Vinho Maduro
Pelo nitinio vapor recebemos urna importante
remepsa do delicioso vinho maduro, aaalysado
pela junta de bjaieoe da Capital Federal.
O VINHO MADURO, puro da uva, o melnor
que tem vindo ao mercado, 30 ueste estabeleci-
ment seencon'ra
SEMENTES NOVAS de ftorr.: o hcralig33 cd
todas a* qoalidades.
AZEITE paro de oliveira em latiobas de meio
poro litro.
Em bebidas linas, como sejam : champagne.
cidra, vinhos Bordeaux, Porto, Douro, Chamber-
tim, licores de diversas qualidades, nao temas
rival.
Qupjos de todas as qnaiidades e o apreciado
requeijao em latas.
Eratira. completo sortimeuto de seeros de
primeira qualidade para no.a boa despensa e o
prceos sem cou petencia
Ra estreia do Rosario numero 9
Poc.as Mendes & .
Teleplione*47
MIMO DI FEMi

BRONZE
OE
CARDOZO & IRMAO
Boa do Bario do Tnumpho ns. .00, (02 e .04
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem para vender o segulnte:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo dir?ctpara o ou fogo de asse-
meato.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
CRIVACES de diferentes tamanhos.
TATXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavalloa.
ARADOS americanos.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento e finalment
odas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGAM SE de quaiquer concert e mandam buscar por encommet
la, mediante ajuste previo ou urna mdica commisaSo quaiquer machiniamo.
MACHINAS de descarocar algodio.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
CONTRACTAM fornecimento de apparelhos para usina*, garanondo a bo
Qalidade e bom trabalho dos mesmos, o que podem provar com o bom resultad
btido com as duas USINAS montadas ltimamente a saber:
Santa Filonilla e Joao Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.
Hdame anny Uva. costureira
e modista, tendo addiado a sua viagem a
Europa, continua a encaTegar se de cn-
xovaes para casamentos, e confecciona
com todo o gosto e elegancia, vestidos
para bailes, visitas, passeios. faz sob me-
dida capas mantiletas, perfeicSo e mo-
dicidades em procos. Tem um escolhido
bortimen.o de vestidos teitos em Pars, e
em cones de foulard, sedas, ottomanes de
cores e pretas e a precos sem competen-
tencia. Luto em 24 horas.Telepho-
ne 193.
ma do Bario da Victoria n. 15
sobrado
Obras de vimes
Recebemos nesle ultimo vapor grande e com-
pleto sortimento. como sejam ;
Cestai para compras, tamanbos diversos.
Balaios para roupa engommada.
Balaios para roupa suja.
Gostureiro.
Agafates.
Bonitos berjoa e lindas cadeiras.
POCAS MEinDES C.
Ra estreita do Rosario n. 9
Junto a reja
Padaria
CONST'PAQFS e MOLESTIAS do PEITO ^
TiPHLOB.ST.C0 BRIANTg
Pharmacia BRIANT, 15C. ra -ie Rhnli, PARli.
XAROPE
PARS
a caiabrklado medloaa de Paita rtcammendao ba mal de SO aonoa o
UaOR BKlajrT como c matlcaaienlo peilmal a> im. ua avrnaaaal
la Ola Ha nai oana coolr os OaOczoa. nnaatlaaglM. Caitima. ale
Mlaniv. mote* fu manta DeTe-aeanglr a Broctiorm um MW MM
* aainaiura t>am ikitoI do lBTenior:
MPoarros m toda t principars pbarmacias
5aAV3a%C.'.'
Alusa^e o 2- andar da casa o. 31 da ra
nova de Santa Rita, tem bous commodos, agua
e gaz.
Precisa se de um criado que eotenda da
cosinha ; no paleo do Terg-o o. 31.
Precisa se de um caixeiro com pratica de
molbados; na roa Pnnceza Isabel n. 1.
Aluga-f* o chalet n. 4 no Arraial, entre
as doas estagOes, Casa Amarella e Mangabeira
de Cima, com commodos para familia ; a tratar
oo mesmo.____________________
Precisa-se parn tazer coiipantiia urna se-
nhora honesta, de outra de boos cosiumes e re-
coobecida conducta, dando se a moradia gratis :
para informajOes, ra das Trincbeiras n. 17,
oja.
Pede se ao Sr. Jos Francisco da Costa Per-
reir, pratiesnte do i orreio, que recebendo urna
Juaotia para entregar a urna seobora, at esta
ata nao o fez.

Tnico Ju-Mutamba
Este tnico, preparado com plantas de pro-
prledades coobecidas pelo nosso publico, a
melbor de todas as preparacoes at hoje deseo-
bertas para impedir a queda dos cabellos, dissi-
par as caspas ees conservar no mais formoso
estado, alm de ser um magnifico perfume para
a toillete.
Encontra-se venda em todas as prin:ipie3
pharmacias e loias de miudesas.
Dozia 104000 | Vtdrt 1*000
Drpoallo
Pharamcia Martins, Ra Duque de Caxias n. 88
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barra!
Os proprietarius do Armazem Central, ra
do Carag n. 11, avisam aos seos distioctos fre
guezes eao respeitavel publico que receberam
nova remessa deste especial vinho, o qual s*
recommcuda por ser puro da uva, e s se reta-
ma em seo armazem.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephone 447
ODONTINE
SAB0 DENTJFE0I0
Vendse urna padaria em muito boa localida-
de, faz bom retalho na porta e desmancha doze
arrobas de farinba de pao e doze de bolacha :
quem pretender, pode dirigir se aos Srs. Ma-
e lado Lopes & C, caes do Apollo n. 47.
Vendem-se os segnin-
tes livros
Loureco, romance histrico por F.
Tavora, 1 vol. ene.
Os Cavalheiros do Amor, romance em
4 vols. enes.
Echos de liorna, pelo padre Guilher-
me Dias, 1 vol. ene.
D.ccionario Biographico, por F. A. P.
Cot-ia, 1 grosso volume ene.
Vous Icaros, versos por M. Barrete, 1
vol. ><<>'.
FloresFlacu.!!"**., versos, l mi. ene.
Vos. i qudas, vci'SOS, 1 vol. -!.
Guimaraes, poema, I vol. fnc.
Sons que passam, versos por Tu. Ri-
beiro, i "vol. ene
Alberto Pimentel, Cantares, vi-mi, i
vol. ene.
Julio de Castilbo -Livraria Cmssicu,
Estudos Diographicos e Iliterarios,
3 vols. enes., tinos
Castrioto Lusitano, historia entre o
Brazil < Flollanda, 1 vol. ene.
fino
Biblioiheca do Povo, l vols. enes.
Morte de O. Joo, romance, 1 vol.
ene.
Ccntcs de Pedro Ivo, romance, 1 vol.
ene.
0 abandonado por Julio Verne, i vol.
ene.
Processo Lerouge, romance hist-
rico, 1 vol. ene.
Gabnel Halagrida romance, 1 vol.
ene.
Neto do Acoitado, romance histrico,
1 vol. ene.
Viagem no dorso de urna baleia, 1
vol. ene.
Chiquinbo, Encyctopedia da Infancia,
por G. Bruno, 1 vol. ene.
Caricaturas em proza, por Luiz Aa-
drade, l vol. ene.
0 Pastor e a ovelha, obra rara e es-
gotada pelo finado hispo D. Joao, 1
v. ene
0 birajara, lenda, 1 vol. ene.
Arnaldo Gamam motim ba cem an-
uos. 1 vol. ene, obra rara
0 Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene.
P. de KockJoSo, 2 vol. ene.
As mil e urna mulberes, 4 vols. enes.
A caca deum haronat), l vol. ene.
Arr-aldo GamaO filho do Baldai, 1
vol. ene.
Os berdeiros de Caramur, romance
histrico, 2 vols. ene., finos
DO
DR. RIEDEI
A melhor preparacao hygieuica para clarear conservar
Approvada pela junta de nygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrada
ra todos os Estados Unidos do Brasil.
YENDE-SE AS SEGU1NTES GASAS:
Maia Sobrinho & C
Caatro Medeiros & C.
Doarte & C.
Pedro Antunes & C.
Jlo Bezerra d C.
Netto Campos & 0.
Manoel Joaquim Ribeiro & C.
Maia e Silva & C.
Bubosa & Santos.
Numa Pompilio.
Nunes Fonseca & C.
Manoel Vieira Neves.
Manoel Cardoso Jnior.
Manoel Collaco & C.
Papoula & Bastos.
Ribeiro & Almeida.
Antonio D. de Lima & C.
Sabino Pinho & C.
JoSo Ramos.
Barros & C.
Deposito por atacado
THEO. JUST
Largo do Corpo Santo
A igreia e o Estado, por Ganganel,
4 vols. ene.
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes tinos, com grava-
ras
Eca de Queiroz0 enme do padre
Amaro
Castello de Grasville, romance raro,
2 vol, ene.
Leonor, D'Amboise, 1 vol, ene.
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes.
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene.
Typos de cara dura, 1 vol, brocb.
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rarar) 1 vol, brocb.
Vozes da historia, pelo Padre Gui-
lnerme Dias, 1 vol, brocb.
0 matadouro, historia da Lavadei-
ra Gervazia o Io. vol s.
Ponson do Terrail A beranca myste-
rioza o 2o. vol s ene.
Carta sobre a Companbia de Jezus
1 val, brocb.
Miscelaoia Religiosa por Pinlo de Cam-
pos (obra rarnj t v. broc.
Ao cidado Anicete, versos do Cigano
ao Dr. Cbinez (raro) 1 v. broc
Orago fnebre do bispo D. Vital, { v
broc.
Propaganda religiosa Cbristo e Papa em
prosa e verss 1 v. broc. (raro)
Deseseis de Haio, puemeto, 1 v. broc
(raro).
Factos da Historia de Pernambuco,
1 vol ene.
Bibliotbeca do povo, 31 caderninhos
broc.
(!m misterio de familia, per F. Tavora,
1 vol. broc.
Um casamento no arrabalde, 1 vol.
broc., mesmeautor.
4/000
12/000
2/500
10/000
3/000
2/000
2/000
3/000
3/000
3/008
15/000
5/00*
25/OfO
3/000
3/000
2/000
3/006
3/000
3/000
3/000
3/000
3/000
12/000
3/000
5/000
2/000
4/000
6/000
1/500
4/000
6/000
10/000
12/000
2/000
3/000
1/000
30/000
3/000
1/000
3/000
2/500
1/500
2/000
2/000
3/000
1/500
2/000
2/000
1/500
2/000
4/000
2/500
2/500
Oleo Silva
0 verdadeiro restaurador do cabello, experi-
mentando-se o seu benelico resultado dentro ele
30 dias de uso successivo. As suas virtudes
8&o: evitar a queda do cabello, promover o sea
erescimento e destruir as caspas, a par de um
perfume agradavel.
Vendem:
Fabrica Camacan. ra Larga do Rosario n. 50.
A Florida (miudezas) ra Duque de Caxias
n. 103.
O Novo Mjh'Io (miudezaB) ra Bario da Vi-
ctoria n. 34.
Proco1'$000

Skw "
Sr
"
i


P--



*ernam bucoQuin ta- f<



CERVEJA
PILSEN
Inicos importadores
ALHKIRO, FKRN*NDKS & G.
A cerveja Ptun conhecida e reco
nhecida como a mais pora, bygienica e
so mesmo tempo a mais peitoral de todas
as cervejas fabricada na Allemanha e
como tal recommendada pelas summidades
medicas nos principaes paizes da Europ,
India e Australia.
Deposito ge ral
RA DA IMt'ERATRiZ N. 42
Tt lephoate O 495
Vende-se tainbem as seguintes casas :
Jos Fernandes Lima & 3.*
Amara 1 A Primo.
Pocas Mendes & C.a
Joaquim Maia & C.
Jos Maia A O.
Pereira Ferreira & C.1
Manoel Joaquim Alves Ribeiro & C*
Ramos Ferrcra & C*
Antonio de Almeida Rabello.
Jos Gomes Gauches.
Arthur (oncatves Mc3es.
Antonio Affouso Simoes.
Verissimo Marques & C
Valongueiro & C*
CHA VB8DB FINO
O antigo e acreditado armazem de
Alneiro receben o que ha ce melhor
neste artigo, o qual se torna recommen-
davel pelo seu excellente paladar.
S se re tal ha em seu armazem.
Ruadal'H|>eralrlz n. 4 2
Alheiro, Fernandes & C.
Vinho irg*m
xwx a ra* s .a. a
De ptima qualidade, propno para re-
feicoes, receberam os proprietarios do
armazem do Alheiro ; de excellente
qualidade por ser puro de uva e nao
conter alcool de especie alguma.
Retalha se no armazem de molhados
Ra da Imperatriz n. 42
Alheiro. Fernandes fc C.
irOliiii!
A i.HiFEUlM FRAXE/V
54-Rua Duque de ( axias-54
Acaba de receber recentemente de Pariz
nm esplendido sortimento de artigos con-
cernentes ao seu ramo de negocio, os
quaes vende por precos resumidos, por
tel-is recebido directamente, cono se-
jam: chapeos para senhoras e homeos,
gorros a jochey para mocas e meninas,
capotas, formas para chapeos, flores, etc.,
etc. Tudo do que ha ce mais moderno
em Pariz !
.VI H >a Duque de Callas- .4
Attencao
Goiaba
Comprase goiaba propria para exporlaco :
na roa do Coronel Suassuoa n. 242.
Ao commercio
Maaoel Ferreira Lino f>z sciente ao corpo do
commercio qne compruu livre e desembarazado
de qualquer oous ao Sr. Casimi-o Jos Goncal
ves. a sua taveroa sita ra de D. Mara Cesar
n.39' sealguem sejulgar com direilo a ella,
qu ira aposentar se no prnso de tres das, a
contar desta data
Recife, 29 de Julho de 1890.______________
A o commercio e ao
publico
Jos Daniel Pereira de Aievedo avisa ao res
peilavel publico em geral e ao :ommer;io ero
particular, que desde o 1- de Jaobo do correte
anno de xou de faier pa te da tirma commercial
desta praca Jis Daniel, Primo C, ticando o
activo e parsivo a cargo dos Srs. Antonio Tho-
maz Perei a, Joaquim Maooel Cardoso e Jos
Antonio Cardoso, qae sao os aicos respon&aveis
pelas transaccOes da ext neta firma, que entre-
tanto continuad sob a mesma razio commercial.
Outrosim, julga nada dever nesta praca ou
fra aella ; se alguem, porm, julgar-se credor,
aprsente su is cuntas aos seus procuradores no
praso de 30 das, afim de serem conferidas e
pagas.
Recife, 1 de Junho de 1890.
PP. Manoel Joamim Aires da Costa.
Lerveji
a
O agente das fabricas de t. rveja H H. Grave
fe C em Bremen, e Nordiska Bier Expor aktte
Bolaget. em Siockh jIiu (>uecia), toma encom-
meodas a precos das fabricas ; amostras destas
cervejas superiores, no escriptoric n. 18, roa
do Bom Jess. .______________________
Attencao
A pessoa que achou uns papis, com o
endereco ao Sr. Dr. Salustiano Jos de OH
veira, queira ter a honda >e de entregar
ra Estreitado Rosario v. 10 1. andar,
ou na typographia do Diario ao Sr. Trin
dade, que rica se agradecido.
E' a melhor cerveja que tem vindo t>
este mercado, escura e clara ; nao precisa
de attestado para se impr aos aprecia-
dores.
Encontra se em casa dos Srs. Antonio
Mello & C, e Antonio Nascimento
Recife.
CO.iV%C PHAETOX
Um dos melhi res cogi.acs e que deve ser
preferido a outra qualquer marca para usar
puro ou com leite
vinho Palhete
O melhor vinho portuguez e que tem pre
sentemente um admiravel consumo, assim
como o puro Collares, remettidos pelos
propros viticultores
Retalha e vende em porc5es o importa
dor directo
PAULIM)
28-Ra do Imperador
m
Urna senbora babiliada, prupoe-se a leccionar
em collegio e Cesa* particulares as seguidles
materias : primeiras lettrae, geograpbia, bisto
na, piauo, bordados e flores ; a tratar na tra-
vessa de S. Jjs o. 13.______________^_^
Pharmacia Ferreira
Precisa de um criado para o trabalho interno
llllR
20Ra 1. de Mate20
PARAHOMENS
Guarda-p de brim.
Camisas de flanella.
Chambres de Metim.
Coletea de seda (cortes).
Brim de c8r (linho).
Cortes de casem ra.
Camisas allemies.
Faletots de seda palha.
Paletots de alpaca preta.
Casemira preta e de cor.
Ceroula8 de bramante, meias, colari-
nhos, punhos e regatas.
Em compras maiores ter direito a um
exemplar de msica a escolber.
Amaral db C.
De Sorocaba
Declaro que soffri muito tempo, fazendo
uso de medicamentos sem resultado, e,
usando tres aias apenas daInjeccSo M.
Morato sarei completamente de urna
chronica gonorrha que me atormentava.
Faca uso deste como convier.
Antonio F. Fontoura.
Est reconhecida a firma pelo tabelliSo
Agentes depositarios em Pernambuco
Francisco M. da Silva & C, ra Maquue
de Ohnda u. 23.______________________
Cal virgeni de Jagna
ribe
Depon.to no Cae* do Apollo n. 3
Esta amada cal, propria para o fabrici
de assucar, continna-se a vender pelo mes
mo preco e abatimento do costume. Ni mes
mo armazem vendem ee todas as mais quali
dades de cal de Jaguaribe branca e preta, em
p, assim como todos os materiaes propriot
para construccoes e reconstrueces por precof
menores do que em outra qualquer parte, _
Agua niaravilnosa
Com a applicacSo desta agua, quem soffrer de
i-epinhas, pannos, sardas e vermelnidao do ros
to ficara perfeitamenie curado, reconhecendo-a
desse modo, corro nico especifico efficaz. Alm
desses effeitos, tem ella a propriedade de, tor
nando a cutis limpa, dar loe a cor natural. A
cada vidro que custa 1*000, acompanha a respe-
ctiva indictco do uso.
nico deposito
Drogara de Faria Sobnnho & C, ra
Mrquez de Ohnda n. 41
atiendo
a casa ns. 9e 11, a ra Barao do Triumpho,
t arrendada por seis innos inicindose e
ntra to em 30 de Abril de 1690. O contracto
preval ce. anda no caso de qualquer alienaco
o predio.__________^_________
Agna Apollinaris
Constando aos abaixo assignados, agen'es da
Apollinaris Company Limited de L( ndres e ni-
cos depositarios neste E-tudo da Agua Apollina-
ris, propriedade da mesma compannia que esie
producto esta sendo falsificado nesta cidade.
previnem ao respeitavel publico, que a verda-
deira Agua Apollinaris tem dous carimbos de
fogo na rolba de cada garrafa, e qae so se en-
contra em seu esenptorio roa da Cadeia n. 35,
primeiro andar. Contra os folsifleadores proce
derse ba com todo o rigor da le.
Meoeiros Irmo & C.
Faz-se publico, para conh^cimento dos que
por ventura pretendan) comp ar a casa o. 5, na
roa de S. Francisco, em Olinda, e cujo leilao
acba se annuociado para o dia 31 do correte,
que a dita casa arba se anda sujeita urna hy
potheca que nao foi extiocia, mas paga ao pri
ortivo credor com intervencao de terceinx____
Criado
Precisa-se de um criado para o servico domes
(ico ; na ra da Palma n. 109.
8 asa
Aluga-se o 2- anda* do predio n. 09 ra da
Imperatriz, calado e pintado, com agua e bas
taotes accommodaces ; i tratar ni ra da Con
c-icaj n 43 das 7 as 9 da manba e das -4 s 6
da urde.
Aliento
Vende se ama taverna bem afreguezada, na
ra do Basarlo da Bca-Visla n. U. O motivo,
o comprador na mesma, o sabera.
Criado
Na ra da Saudade n. 27, precisa-se de um
criado.
Cofre
Vende se um importante cofre, prova de fogo;
a tratar na ra da ImperaTiz n. H
Tnico de Cam> can
(Restaurador vegetal dos cabellos)
Dentr t.das as preparacoes congeneres que
(leudamente propalan) seus effeiios, nao surgi
anda urna que alcancasse o xito do Campean,
que pela sua comoomco as^az poderosa e sua
ve, tem a propriedade exclusiva de corar e pre
servar os cabellos de todos os males da calvice
que poseam sobrevir-lbe Composto somente
por Jos Gomes de Amonm (.urces^or de Mat
tins it Bas os) e premiado na exposicao de Pan-
de I88w. o Camacan foi submetlido a tongas ex
penenclas, as quaes deram maravilbosos resul
tados : 4 venda era todas as lojas de perfuma
ras e no deposito geral da fabrica rna da Au
rora n. 163. _____________________
Aluga se barato
acara n. 15 da esquina ra da Senzala Nova,
com armaco para pequeo negocio, de quitan
da, gengibirra. etc. ; a trata1 na ra D reita n
45, sobrado, onde tambem se alugam as casas
n. 5 do becco Tapado ou Piodoba, e becco da
Lama n. 11
Ao Jero Pernambu-
caoo
A' loja CoHho
Ba da intiieralric numero &
Beceberam directamente da Europa os verda
deiros merinos para humas, capas e paletots
romanos, e as desejadas ficnas pretas com lar
gas franjas, tudo de pura la e precos resumidis-
simos.
Telephtfie-489
t
Relojoaria Bavid
Ra do Cabug n. 14
Este novo estabelecimento de relojoaria
acaba de receber um grande sortimento de
relogioa de ouro, prat e nikel, d* impor-
tante fabrica americanoWalthan Mass, ver
dad eir especialidade em perfeicSo e re-
gulamento infalhvel, e se vendem por precos
mdicos. Ass mcomo relogios de parede e
de cima de mesa, com despertador o que
ha de mais elegante.
Convidam se as pessoas qne quizerem
um relogio de confianca a virem a este
estabelecimento que caprieba em vender
relogios dos melhores fabricantes, com o
fim de bem servir os seus amigos e fre-
gueses.
Ra do Cabug n. 14
Alugnel barato
Visconde de Goyanna n. 159.
Ra do Bom Jess n. 47, 2. andar
Ba de Lombas Valentina n. 4
Pedro Affonso, armazem n. 46.
Ra Aguazinbas em Beberibe n. 7
Ba I tapa rica n 43 l. andar.
Travessa do armo. 1' =i n. 10.
Largo do Mercado n- 17, loja.
Ba do Calabooco n. 4, dem.
A Iratar a rea de C merco n. 5,1- aw>
riptono de Silva Guimaraes A C.
S Ba KevolDCuO
4* Roa Duque de Caxlas48
Em vista do proprietario deste grande es
tabelecimento querer liqudalo, resol veu
vender por menos 50 / tanto fazenda
de lei como de moda.A SABER :
Cortes de elamine de 145000 por 85000.
Surah de linho fazenda muito larga a 320
rs. o covado.
Luvas de seda a 15, 15500 e 250 0 o par-
Voile de algodlo a 240 rs. o covado.
Etaminea de cores a 280, 300 e 320 rs.
o covado.
Colchas de cores a 2C00, 35000, 45000 e
54000 urna.
Zephiros de cores a 120 e 160 ra. o co-
vado.
Merinos lavradoa a 500 rs. o covado.
Toilettes para baptisados a 65000 e5800f.
Lindas las de cores a 200 e 240 o covado.
Cachemira de quadros com listras de seda
a 15000 o covado.
Pannos de crochet para cadeiras a 500
is um.
Cortes de metim par vestidos a 65000
um.
Voile de II ultima m da a 800 rs. o co
vado.
Cortes brancos bordados a 125000,145000
e 155000 um.
Fichas de todas as cores de retroz a
10000 um.
Cortes de cambraia branca de quadros a
15600 um.
Ditos de cachemira bordados a255000 um.
Coronados bordados a 65000 e 75000 o
par.
Atoalhado de linho por 25400 o metro, com
deffeito.
Cortinados de crochet finos a 105000 um.
Camisas finas de meias a 14000 urna
Cobertas forradas para casal a 25501
urna.
Madapolao americano com 24 jardas a
55000 e 65000 a peca
Batistas de cores a 120 e 160 o covado.
Toalhas para enanca a 100 rs. ama.
Ceroulaa francesas, a 15000 urna.
Atoalhado de algodSo a 15200.
Algodao trancado para toaiha a 15000 o
metro.
Bramante de algodao com 4 larguras, a
800 e 15000.
Lencos de algodao a 15200 e 25000 a
duzia.
Ditos de linho a 25500 e 35000 a duzia.
Collarinhos e punhos, precos sem compe-
tencia.
Crotones escuros e claros a 200 e 240 ra
o covado.
Cobertores brancos de 12, para acabar a
25000 um.
Bramante de linho a 25000 o metro
Brim pardo trancado a 240 rs. o covado.
Panno para mesa a 15200, 15400 e 15600
O C' vado.
Vestidos de Gersey para creanca a 65000
um.
Camisas de linho para homem a 25000,
35000 e 45000.
Granadinas pbantasia a 360 o covado.
ijostumes de cachemira para homem a
145000 e 155000 um
Cortes de casimira a 40O0 nm.
Cortes de fustao para collete a 600 rs. um.
Guardanapos c m franja a 25OL0 a duzia.
Espartilhos couraca a 45000 um.
E muitas outras fazendas que s comoa
v sta podero avaliar, assim com aprom
pta-se em sua ofiicina um costume em 24
oras, garaotindo-se toda perfeicSo e prego
muito commodo.
S na Revolucjao
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
Comwfadador Enaebi* Kapharl
Babclla
Emilia Tasso Rabellj, Elvira Rabelh Bibeiro.
Carlota Rabello Autran (ausente), Mara Hibello,
Olympia habello, Carlos rlabello, Theresa Ra-
bello Ribeiro, Julia Aona Rabello. Antonio Ro-
drigues Autran (ausente) e Joaquim Elsbao Bi-
beiro, mulber, rilhos. irmas egenros.do allei-ido
commendador Eusebio Bapbael Rabello, agr
d> cem do iotimo a'alma a todas aquellas pes
soas que compareceram ao seo enterramento; e
de novo convidam a todos os seas parentes e
amigos para assistirem as miss-as qae mandam
rezar por sua alma na matriz da Boa-Vista, as 8
boras da mai ha do da 31 do crreme, stimo
lo seu passamento; confessando se por este acto
de relig'So summamente agradecid._______
tioyal Blend marca VIAD
Este excellente Whisky Escoces prr
ferivel ao cognac ou agurdente de car,.
para fortificar o corpo.
Vende-se a rettUho nos melhores srm>
mub de molhados.
Pede Hov-.il Blend marca Vladfe
cujo nome e emblema sao registrados pr>
:.<>do Brazil.
BROWNS & C, agentes
Caixeiro
Contina a precisar se de um menino; na ta-
verna da ra do Lima n. 68, Santo Amaro.
Ama para cosinhar
Alaga te ama, que s-eja de boa conducta ; na
ra nova de Santa Bita n. 49.
Mi-
li
Joaquina atlla de Figueired
Odilou Duarte, Joaquina Antunes Duarle, Ge
miniauo Joaquim de Miranda, D. Olympia de Mi-
randa Mapolean Dnarte, Anna Liss Barradas e
Mar da Glora de Figueiredo C-istro, confes
sam-te gratos As pessoas que acompanharam ao
cemiterio o cadver de sua prezada mai e sogra,
e as convidam para a missa do stimo dia, se
gunda-feira 4 de Agosto, t s 8 boras da manba,
na igreja da Santa Cruz_______________^^^
Precisa-se
de ama ama para comprar, cosinhar e ensaboar,
prefVre-se pessoa que seja s ; a tratar na roa
do Caldereiro n. 7-A, das 7 as 9 da manb e das
4 as 6 da tarde.
Tratamento radical em 6 to
DAS
BLENOKRHAGIAS AGUDAS
ou
CHROIWIGAS
(VULGO PURGA9O)
DO HOMEM OU OA HVLHER
E da lacorrha oufldres branca
Plalas Resino" Balsmicas
E
Injecco ant-Bleoorrhagiea
PREPARADOS POR CALASANS & C.
PRODUCTOS APPBOVADOS PELA
IN8PECTOBIA GEEAL DE HYGDMB
Urna serie de brilhantes e innmeras ex
periencias, coroadas sempre de bom ezit*
durante dez annos, assignala a estes dous
medicamentos, usados com a dieta e dosa
gens prescriptas, o primeiro lugar entre 06
medicamentos estudados e preconisadoS
para curar estas terriveis molestias.
As p i lulas sSo supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois qne ellas nao im-
pedem nem difneultam as funecoes deste
orgao.
A injeceo anti-blenorrhagica nSo ab
solutamente irritante e por isso nao tem
inconveniente das actualmente empregacUs
e nio produz estreitamentos.
NSo publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que te
mos recebido para n2o ofFender aos nossos
clientes, muitos dos quaes sSo pessoas mu
to conhecidas e altamente eolio cadas.
Empregada como artigo de toilete parti-
cular excellente preservativo contra as
molestias secretas.
Modifica e faz desapparecer o mo cheiro
das regras.
Preparados por Cala san s & O, Phar.
macia Calasans, Bahia.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
Cautelas do Monte de So<
corro
Oompra-se Cautelas do Monte de Soc
corro de qualquer joia, brilhantes e relo
gios, paga-se bem na ra do Cabug n
n. 14. Loja de reloioeim.
Pao centeio
Mello & Bisel tendo recebido nova remessa di
farinba centeio, avisa aos seus freguezes qut
cootinuam a fabricar este delicioso pao centeit
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga de
Rosario u. 40.
Aluga
se
a loja do sobrado ra de Mariz e Barros n. 2,
propria para estabelecimento de molbados, por
ter armaco com todos os seos pertences, e tem
ao lado urna excellente casa.de banbos aanexa
a mesma, e sobre tudo recommenda se a boa lo-
calidade : qoem a pretender dirija se ra da
Compai.bia Pernambucana n. 10.
Precisa se de urna
boa cosinheira na ra
daSoJedaden.8*?.
Destila^es
Cardoso & Irmo com fundico de ferro ra
BarSo do Tiinmpho ns. 100 a 104, roand;m_ vir
por encommenda ou ajaste previo allemae.
oo francesas de Savalle, mandam sental-as
e garautem seu bom trabalho : os pretendenteF
podem examinar as das Usinaa loo Alfre
do e Traplcbe ltimamente montadas poi
lles^_____________"______________________
Dous milagTes
Illm. Sr. D. Carlos -Tomei o seu re-
medio o Elixir M. Morato e foi com
elle qae pude ssrar das boubas que soffra
b- muito tempo e que deecorocoava por
nunca melhorar ; um meu visinho que
t iiubem soffre j largou de tildo que lhe
receitaram e est tomando o seu mesmo
remedio.
Agradecido pelo conselho e son obriga-
dissimo.
Santos.
Albino Jote Couto.
Illm. Sr. D. Carlos. Eu e todos de
casa, faz muito tempo, que Boffremos hu-
mores de boubas, com dieta sem resulta-
dos. Fizemos aso agora do Elixir M.
Morato, propagado por D. ( arlos, e
aramos completamente.
O remedio, alm de ser muito bom,
ainda tem bom gosto, pois as coiancas
bebiam com tacilidade, misturado com
agua.
Sap.
Firmino Agui
O FUMO
Higyeoico Nacional
E' isento efe qualquer composicSo
iu mica e nociva.
E' escolhido d>s melhores qualidades do
mimo.
Um pacota de 50 grammas custa 200 rs
Fabrica Minba Esperanza
Rna larga do Rosario 21
elephone li
VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
Preparado sob bases scientifleas
e- physlologricas para o flm de
beneficiar os cabellos, restaurar
a edr, Impedir a queda, e promo-
ver seu vico e abundante cresci-
mento.
Esta aparada e excellente prepara^io,
sem duvida o melhor remedio at noje
conhecido para os differentes defeltos da
cabelladura, merece a intima attencio de
todas as pessoas que tm tido a inlelici-
dade de perder em parte este mais rico
ornamento natural da physionomia.
Com o seu emprego intelllgente tem-sc
consegnido resultados realnleirte sorpren-
dentes. Em nraitos casos, porm ao
sempre, a propria calvicie tem sido curada
permanentemente.
Sempre se consegue fazor parar a queda
dos cabellos emquanto que para o pentea-
ao das senhoras, o objecto mais ntl
mais agradavel que se pode empregar.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
T.owell, Mass., Est.-Unidos.
A* venda as lajas de armarinho e per
Ibm arlas.
DEPOSITO QKRtf .
MFL01
DE
liurray (Lannan.
0 M*IS EXQUESITO
DOS
Perfumes do Toucador.
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Mente
NO BANHO.
Supeor a Agua de Colo-
ma pela delicadeza de sen
aroma e a durabilidae de
seu perfume
MO LENCO.
Ama
Na roa Mrquez do Henal n. 61, sobrado,
precisa se de uma ama para cosinhar e fazer
todo o servico de ama casa de fa ilia.
A Florida
Acaba de receber pelo ultimo vapor i
que de ma grande cidade de Paria, os mais importan
tes artefactos da ultima muda.
Papel bordado com muita fantasa, proprio
para cartas.
Cromos de seda e de oleographia.
Caixas de msica com manivella para 14
24 e 34OIJ0.
Caixas de msica, com corda, fechada
com 1 a 3 arias para 7, 8, 9, 10 e
124, proprias para presentes.
Ricos enxovaes para baptisado a 74, 84
94, 104 e124000.
dem muito finos para 164 a 204 um.
Timaosinhos com sombra com fitas e bicot
de c robra i a transparente a 34 e 34500
Um grande sortimento de porta-tranca
para 500, 14 e 145U0.
Grampcis dnurados e c m perolas a 200 >
500 rs. um.
dem de celuloide o dourados a 200
300 ra. um
Estojo para desenho de talagarca a 34000
Bandeiras de 1S dos Estados-Unidos di
Brasil a 1450 34000 e 440J0, confor
me o tamanho.
Grande sortimento de bolsas de pellica
de chagrn para 2, 3, 4 e 54000, par
senhora e meninas.
Carteiras cem estojo a 3, 4 e 54000 e
14500 e 24000.
Grande sortimento de bicos de 'algodao t
de seda, braceos e de cores.
Livros de sortes a 300 rs.
Albuns de pellucia e de chagrn, goat>
moderno, imitando um leque.
dem para cromos, poesas e mtuioas.
Espadn has para enanca.
Boleas de couro para cobranca.
Navalhas de Roger Amo americanas ele
ctricas e de 2 laminas, e atadores con
a massa propria para afilar.
Ramos de flores para baile e casamento
de 140() a 44'00 um.
O Cabelleira eogenheiro invento a 500
res.
(aloes e bordados de cores.
Bordados de cambraia de 600 a 14500 a
peca.
Saboneies para tirar nodoas de casemiras,
sedas, las e outras fazendas finas de
800 ris.
Ueulos e pince-nez finos, dourados, b-
falo e nickel.
Tinteiros para viajantes.
Espartilhos para 4, 5, 6 e 74000.
CollarinhoB e punhos de borracha.
Caetas de vidro a 500 rs.
Boleas para menino de eschola a 24000
Sabonetes para banho com desinfectante
a 40 ris.
Pulseiras americanas para 3, 4, b, 6, 7 e
84000.
Aunis e brincos com pedra imitando bri-
I han te.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 103
Puro vinho de pasto
Alheiro. r jroioiesA '., estabelecidos roa
da Imperatriz n. 42 com arm zem de molbados,
aviiiaiii aos seus fregoezes qor reoberam ama
nmesea deste magnifico vinho, pelo que espe
am seas orden-.
Ra da Imperatriz n. 12
THepbooe-475
l'intureiro
Precisa-se de um bom tinturetro para diversas
un- : tratar Da ra da Cruz n. 42.
Romances francezes
A 500 rs. o volume, ven-
de-sem no escriptorio deste
Diario.
Amas
Precisa se de uma ama para cosinhar, e outra
para engommar e mais servicos de casa ; na
praca Conde d'Eu n.32, 2- andar.
Ama
Precisa-se de ama ama para cosinliar em casa
de familia, em Beberibe ; a trotar no pateo do
Terco n. 63 padaria.
Amas
Prer.i.-a-fe de duas amas, uma para andar coa
ama enanca de 5 annos, e ontra para cosinhar
com perfeico ; na ra Bario da Victoria a. 52,
segundo andar.
Ama
Precisa se de umi ama que saiba cosinhar e
qae darma em casa do emprego, paga-se bem ;
na rna da Conccico n. 4, i andar.
Ama
Precisa-se de uma para cosinhar e que seja
matriculada ; a tratar na ra do Cabug nme-
ros 8 e 10.
Amas
Precisa se de duas amas para servico interno
qne affiancem sua conducta : a tratar na Ponte
de Uchoa n. 36.______________________
Ama para meninos
Precisase de uma, de bons cestnmes, para
tomar conta de dous meninos ; a tratar na ra
do Cabug n. 14, de meio dia at 2 boras.
Ama
Precisase de uma ama para conhar : na ra
Pedro Affouso n. 70.
Ama
Precisa-se de ama ama para cosiDhar ; na ra
da U iiSo n. 6^_______________
Ama
Precisa se de urna ama para casa de pequea
familia ; a tratar na ra estreita do Rosario n.
27,1: andar.___________________________
'recisa-se de urna ama que seja boa cosinhei-
ra ; a tratar na-r a da Imperatriz n. 7. segundo
andar.
Ama de leite
Precisa-se de uma ama que tenha bom leite e
seja sadia ; na ra do Uo-ove.Ho n. 46.
Ama
Precisa-se de duas amas ; a tratar na ra Ba-
rao da Victoria n. 54.
Ama
Precisa-se de uma ama cosinheira ; a tratar
no pateo do Corpo Santo n. 17, 3 andar.
WVMAi
Homnsm__________
^* *5l-RV Venae-se em toda anar'
E\GENHO
Vende-se o engenho In-
haman na comarca de Igua-
rassi, perto da cidade, todo
recortado de triJhos de trans-
porte de canoa para a usi-
na Timb.
Quem pretender, dirija-se
a ra Barao da Victoria n.
18 1. andar, ou a usina
Timb.
Vapor para engenho
Precito-fP compar uma machina com algum
uso, de 4 a 8 cavallos, para motor de engenho :
a tratar na ra Duque de Caxias n. 77.
Attencao
Os proprietarios do antigo e acreditado arma
em do Lima, eiic ra Barao da Vi toria n. 3.
participara ao respeitavel publico e aos seus
distinr.108 freguezes, que tr nsferiram tmpora-
'iameme seu armazem para a mesma ra n. 9,
:onti uando da mesma forma a receberem snas
oraens para Ihes servir com o costumado e ha
oitual desempenbo.
Jos Fernandes Lima k C,
Roa BarSo da Victoria n.
Teiephone323
Cosinheira
Precisase de uma perita cosinheira, para casa
de pequea familia, paga se bem ; a tratar na
rua BarSo da Victoria n. 50
AJugHm-se
1 andar da casa n rua Mrquez d olinda nu-
mero 10.
Loja e soto no 1- andar da casa da ra^ma
rna n. 49.
Loja da casa da rua do imperador n. 2.
Loja e 1- andar da casa rua nova de Santa
Rita n. 30.
Cas terrea n 39. na rua liba do Carvalbu un
rua Bella.
A tratar com o Coimbra, na rua da Madre de
Deus n. 34, casa de Cnnna Irmos & C.
Chatelaine
Perdec-se hontim do caes 22 de Novembro
rua do Bom Jess, urna corrente de relogio, de
prata ; pede-se pessoa qoe a achou o favor de
entregal a na rua aoCabugi u. 9, onde ser gra-
tificado, querendo.
Cosinheiro
Precisa-se de um cosinheiro ; na na de Pay-
ando n. 19. ,________________
Sitio
Alaga se um sitio com muitas (racteiras e boa
casa de vivenda com bastantes commodos para
familia, na travessa das Pern mbncanas n. 3 ; a
tratar na rua Visconde de Itaparica n. 2, escrip-
torio.
E. DKDlillll & c.
Rua Mrquez de Olinda n. 18
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phcenix de Dortmund
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com. a medalha de
Ouro na j2xposicao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agencia da grande fa-
brica de charutos Danne-
mann & C, S. Flix (Bahia).
a
.-
p.
-i
;.;

_

;



4

i.
- -


i >
' ap
iX'
(
4
H:

:9
pnpppp
t/smagm




uiario de Femaoibin-o-Quinra-fei^B 31 He Julho de ^890
CHfcGARAM
.





Os mosquiteros americanos
Com armacao e carntel conforme a estampa
Pre^OS : l2#ooo, l4#ooo e I6# oo de cores
FaBenndas baratas I Mnidezas
Chitas claras finas, a 200 e 240 rs. | % nde-se nal barato
Cassas de palminh.s de cores a 120 rs. e Bicos e reno a*, bancas e de todas as co-
cones com 9 metros a l600. I res a 24000 a pee*.
Linhcs ce quadrin os a .00 rs. \ Bab- dos bordados a 500 re. a pega.
Zefiros largos a 200 rs. ntremelo bordados desde 500 rs. a pee*
Voiles phantasia a 200 e 240 rs. com 3 met os.
Qnetones fraucezes a 320 r*. Lavas de sed brauear, pretas e todas as
Lans de quadrinhos a 100 e 200 rs. c6res dr 2, 3 e 4 botSes, a 20000.
Madapolao americano, 20 varas a 6:000. Luvas de pelica franca a 2*000.
Morim lavado a 05OO a peca com 10 Capellas com veos de Monde de seda des-
varas. de 6*oo.
Madapoiao, com 1 metro de largo, 20 va Meias airre dadas brancas ptra sentara a
ras 60000. 0 rs
Aigodaozinho muito bom a 40000, 40500 Me.as cruas de cores las e brancas com
e 50000. Plmas a todo Prec0- Crtrt
Bramante com 4 larguras a 700, 800 e Fichus orate.dos pequeos a 500 re., e
10000 o me ro. graodes 10O 0.
Bramante de linbp, 10 palmus de largura, Wcos.bancos abainhad a 10200, 1#600
a 10600. 2AO 0 a duai*.
Atoilhudo bordado, 8 palmos de.largo, a Lencos de cores a 10300 a duza.
10300. lia e i as a 2uO rs. a duzia.
Panoo da Gosta para toalha de mesa a Arcos a 10 rs. o metro.
10600 e 10200 o covado. Fitas puanUsta e ehamalotadas desde
Cortinados de crochet para portas e ja 400 M. o metro, toda* as cores e pretas,
nellaa a 70000 o par. tem larguras 5, 9, 12.
Cortinados bordados para cania ou janella Macos com V pecas de fita branca chi
a 60000 o par. reza ^20 rs
Cortinados de cSras, nov*dad, a 10600 o Extractos tinos americanos desde 10000.
metro Sabonetes finos para pannos e Bardas a
Guardaaapos finos a 10800 e 200 X). 800 re.
Oleado para meza grande ou pequea a Thesouras finas com mola que dobra a
40500 cada quadro. 1*60' ...^
Brim pardo a 280 rs. o cevado. Lapiseiros de ouro fino a 10oOO.
Bnm de cores a 240 rs. para meninos. Pentes pb*nu.sia para cabello por 400 rs.
Camisas para seahora a 350<'. Pegadores de tranca.
Casacos ou penteadores a 2500. Flore para cabellos, chapeos e vestidos a
Collarinhos de linho e alg.-dao a 50000 a 10-00, 10500 o ramo.
uaja Crochet*:para cadeiras
Tampos de fronhas grandes e pequeas a
10600 o par.
Babdos com 4 1/2 metros de tamanho a
10200 a peca.
Redes para dormir a 30000.
Boleas -de tapetes agrandes a 40000 *
40500.
Camisas braicas finas para meninos a
300000 a duzia.
Camisa de meia desde 9i'0 rs.
Camisas de flanella de crea desde 10800.
Coletes de flanella brancos con manga e
aem ella.
Lencos francezes de labyrintho a 10.00 e
com bordado a 5t 0 re.
Guarda p americano de todos os taa-
nnos a 40000.
Collarinhos, peitos e punhos de eelluiloid,
muito til aos viajantes; preco mais ba
rato.
E muitos artigos ,que ae otferecera ao
e sof guarnilo
a 70000
Toalhas feipuldas 40000. 50000 e 60000
a duzia ; para banho a 10500.
Tarlatana branca, verde, azul, rosa e en
caruaaa a 7u0 xs.
Fil de linho liso, salpico, palmas borda-
das.
Leques pra meninos a 500 rs. e finos a
30OOO.
Leq. es ce gazes a 10, 10500 e 20000,
Esponilhos a 40000, 50000 e 6KX.0, to-
dos os tamanhus.
Meia cruas e de cores para meninos a
30OCX
Lig*s, ph.ntasia a 10000 o par.
Sargelim de tudas as coras a 200.
CrinoliDM branca, pret*, cor de chumbo o
de cat a 400 re
Cambraia de torro, preta e branca a 200
ris e cum duas larguras a 400 re.
Magos de contas de cores, qualquer que
se deseje a O re.
comprador por qualquer preco.
Loja das Listras Azues
61-ffiJA DUQUE DE GAX1AS-M
LOTERA
no
PEBNVMMCO
90Ra 1. de Marco20
Para senioras
Etamines rendados.
Voil.a de la.
Cachemiras de lista.
Cretonea voiles.
Zephyr dequaisjQ.
La Amazonas.
Foulard de algodSo.
Zephyr de ramagem.
Setim do JapSo.
Linn de ramgem.
Setim de cores.
Voiles de algodao.
Cortes de zqpbyr (bordados;.
Cortes de camb aia (b< rdados).
Cortes de setineta (duas cores).
E mnitos outroa artigos.
Em compras maiores ter direito a um
exemplar de msica a escolha.
AMARL & G
Ouro prats
Compra-s, como tamben
moedas, ra do Cabug
o. 9., loja de Augusto Reg.
HOTEL INTERNATNNAL
(PALACETE ERNESTO AMORIM)
53 Ra Barao de Sao Borja5
Situado a 14) minutos XWXJJh^J5aX,3e3NTJL
t|f>,-fOtito de fazer desapparecer a fama injusta de pedirmos presos exagerados, publicamos a nossa tarifa: Um
da de panaaoisto :
-Servico, dormida, leite .fresco, caf ou ch, banho, al moco o antar: 5000 diarios.
' Acceitam se pensionistas em condicSes as mais razoaveis.
.Pnalo mensal da comida s : almoco 4O0<;OO, jantar 500000. ahnoco e antar 7500' 0sem vin^o.
Um boqa almoco avulso 2AOOO, um excedente jaqtar 9&CH>. Almoco das 8 horas da manhS ao meio dia,
das 5 horas da -tarde s 8 horas da noite. Fora destas horas a la carte.
oainh* brazileira e franceza. Vinhos de todas as qualidades e de todos os pregos desde 10000 at 150OCO cada garrafa*
Enoarre ;a se de festaa e banquetes at 100 talheres, almojos e jantares finos por encommenda.
Garante se um servico limpo e aceiado como nos primeiros botis da Eur pa ou da America do Norte.
Apparelho hydrotherapico completo disposiclo dos pensionistas.
Segundo a opiniao de viajantes de distioccSo e de todas as nacionalidades que
hospedamos at h tabelecimento incnntestavelmeute igual senao supe-
rior aos similares do Rio de Janeiro, Montivido e Buenos- Ayres e honra sta bella
capital de Pernambuco.
Recife, & de Julho de 1890.
jB. GjhCwA^XjXXSTDS Se G5
Proprietarios.
jantar

LOJA DO POVO; PECHINCHAS
11 Kua f de Narco H
GRANDE VQVWaYIffi
Esta nova loja contina a ter um grande sor' ment e sempre pechinchas, em
preses ningnem Ihe pode exceder, capricha na exactidao da qualidade e as medidas
de suas fazendas, que podem ser c mp-adas por qualquer crianca. Muitas de suas
fazendas sao recebidas directamente da Europa.
Descont de 10 [0 em compras de 200000 para cima.
Grande sortimento de fazendas de phaotasia para S. Joao e S. Pedro.
Voile de 1S e algodfto, lindos deeenhus, a 240 rs.
Las imitacSo de cachemira a 240 rs.
Chitas de 200, 220 e 240 rs. o covado.
Setinetas de cores, desenhos lisdos a 300 rs. o covado.
Zephyros lindos a 10, 160 e 200 rs. o covado.
Cortes de casemira de 305UO e 60000.
dem de costumes e de casemira de cor a 120COO.
dem dem idem preta fina, a 140000.
Ricos casacos de Jersey, bordados, a 600(0.
Toile de seda de 106OU p covaJo a 650 rs.
Oranadine de seda, de 10800 o corado a 800 rs.
Merino preto a 500, 700, UJQQO e 10200 o covado.
Dito de c6r, liso, a 400 rs. o covado
PARA CHUNCAS
Redes de cores, pechincta! a 3*000.
Vestuarios de Jersey, a 60000 e 70000.
Capinbas e jaquetas de malha para crianca, a 10000, 10500 e 20000.
Bnns de cores, covado <00 rs.
Merinos lavrados, lindos desechos, toa'faas rtiipit* sgf deleito para todo os precos, grande sortimento de lencos de seda a 400, 800 e 10000,
lencos de algodao com barra grande a duzia a 10600, bramante de linho e algodSo,
atoalhados, cortinados, colchas, fichus chales, sedas, setins brancos e de cores e
voiles, lindos desenhoNovidados !
em
Beitoral de Cambara
M&qiDGVRANTIpO
Os innmeros e valiosos attestados mdicos e particulare
favor d'este preparado, do Sr. Souza Soares, de Pe'otas; os mais altos
premiosmedalhas de ourocom que foi distinguido; a sua approva-
cSo por urna sabia junta, como a de Uygiene publica do Rio de Ja-
neiro; a autorisacao de seu uso em.todo o Brazil por decreto do
governo central; o seu consummo extraordinario e sempre progressivo ;
a sua fabrica especial fundada no grande estabelecimento Agrcola In-
dustrial do Parque Pelotense, expressamente criado para esse effeito,
em Pelotas, honrado com a visita de notaveis personagens nacionaes e
estrangeiros, sao merecimentos que ni os adquirem preparados muito
importantes e.recooheeidamente effieazes como o Peitoral de Cambar,
tornando-se um remedio garantido.
Vende-se, ao pre9o de 20500 o frasco, 130000 meia duzia e
240000 a duiia, em todas as boas pharmaeias e drogaras da capital.
SSo nicos agentes e depositarios no Estado de Pernambuco
Francisco M. da Silva & C.
RA MRQUEZ DE OLINDA
Casemiras pretas, diagonal, duas larguras, a 10400 o covado!
dem de cores, inglezas, idem, a 10800 o dito.
Chevte superior, preto e azul, a 20400 o dito.
Mirms pretos, pora la, a 800 10000 10200 e 10500 o dito.
Pannos de cores para ruega a 102(jO e 10600 o dito.
Toalhas adamascadas para dita (nacionaes) urna 50000.
dem de labyrintho, ricas, a 300000.
dem grandes para rosto a 20600 a duzia.
dem fe ondas para banho a 10200.a dita.
Lencos blancos abanhados a 10200 a dita.
Meias inglezas, cruas. a 20500 e 30000 a.dita.
Ceroulas bordadas de bramante a 120100 a dita.
Camisas de flanella de cores a 180000 a dita.
Leuces de bramante, grandes a 40800.
Cobertas de ganga, dpus,papnps, a 20500 e 20800.
dem de crochets para nivas a 60000.
Cortinado, em peca, a 8000 (22 metros)!
Madapolao superior a precos sem competencia.
AlgodSo trancado, duas larguras, a 10100 o metro.
dem adamascado, largo, para toalha, a 440 rs. o dito.
Rramante de algodSo, quatro larguras, a 700 rs. o dito,
dem de poro linho, dez palmos, a 16600 o dito.
GuarnicSes de crochis a 60000 e 80000
Fichus e man til has prateadas a 1*000 e 20000.
Chales de casemira de cores a 20000.
Flanelias de cores para camisas a 300 rs. o covado.
Percales finas a 240 e 280 rs. o dito.
Guardanapos adamascados a 10800 a duzia,
Meias-casemiras para criancas a 500 rs. o covado.
Cortes de fustao paja col te a 800 rs.
dem de casemira mgleza para calca a 20800.
dem de brim pardo e de cores a 10000.
Rrim branca fino,.n. 6, a J08OO a vaaa. f.
dem de cres garantidas a 10000 o metro.
Costumes de finas casemiras a L150000
Pannos finos, c evwtes, casamLas.ibrins pretos fixos, mirins para luto e mui-
tos artigos a precos resumidos.
As .sidas esM groaso teem o 59Ra Duque de ( axias59
*f
^^m


i

-JB
-


! '
-
FNIDIMl 6ERJU
K-A

EM BENEFICIO DA
Santa C^sa de Misericordia do R*ife
INTBGRAES
A 12.* parte da 1/ lotera leste Estado ser
extrahida imppeterivelra^nte ter^a-leira 5
de Agosto.
Todos os pedidos de bilhelis devem ser dirigidos thesourria riii arga
do Rosario n. 9 1. andar.
PELOS CONTRACTANTES
Bernardino Lopes
ti i
FIBBICA DE LIVROS DE ESCR3PTUR1CA0
tlHAMRBACAO MVTA90
\
CQanoel J. de CQiranda
h 39 -? KA DUQUE *.DE hk- (ZAXIAS *-39 -s>
HUMERO TELEPHONICO 14
5WaMBueo
'RA DO CRESPO
N. 21
LOJA DO 0
MantiDbas hespanbolas de seda creme e pretas e 30000 urna, 60000
Avemaes bordados a 1 .a i um.
Babeiros de fustao para crianca a 320 rs. um.
Sortimento completo oe cestas de palbas e vime de 30, .4$, 50, 60, 70
e 80 urna.
Mdbselina de cores lisas e de listrai para vestido e roupa de crianca a 280 rs.
o covado.
Espartilhos para senhorsa, todos os nmeros e precos.
Ditos para meninas.
Capas de cachemira, merino gorgorSo e seda lavrada de 200 a 500 cada urna.
Voile de 1S de cores claras e escuras, os mais lindos desenhos, de 800 rs.
o covado.
Damass de cores a 700 rs. o covado.
Merino liso, duas larguras, a 400 rs. o covado.
Dito, urna s largura, fazenda franceza a 280 rs. o covado.
Dito lavrado, fluss larg ras, a 5 Sargelim branco e de cores a 300 rs. o covado.
Vestuarios de cumbraia transparente, enteitados com rendas e bicos, de diver-
$os presos.
Ditos de phsntasia, idem.
Ditos de Jersey para meninos e meninas.
Toile com ramagens a 700 rs. o covado.
Chitas escuras e claras de 200 rs. o covado.
Ditas panno de cretone a 280 e 320 rs. o covado.
Fichus prateados a 10000 um.
Penteadores para senhora, bordsdes. a 30000 um.
Setim brancol ibo e de littras.
Dito preto idem idem.
Meias pretas finas para senhoras e oriAncas.
Fayls de cores para vestido a 320 rs o covado.
Cortes de casemira de cor a 30Ot.O um.
Ditos de casineta a 10000 um.
Brim de cor, fustSo para roupa a 500 rs. o covado.
Dito de brim pardo de linho a 220, 36 i e 400 rs. covado.
Collarinhos, punhos, gravatas, lencos de algodSo, de linho e seda de todos os
pre$OA.
Crep para cortinas a 640-rs. o covado.
Grande variedade de outras faseadas que vendem muito borato para liquidar.
Na loja do Caaapos .
A' RA DO DO CHEShO N. 21
;
riachinas a vapor
(Vloen as.
todas d'agua
4 MXb* iuudidas e batidas.
Taixas batidas
Arados
'-
sem crayacao
VENDAS
Vende se a bella casa de Olinda. no patee
de S. Pedro Novo n. 2. com grandes commodos
quintal mnrado, terreno proprio, ebeio de fapo
teiras de prtmeira qualidade. moito frei-ca. ron:
gazeagqa cosinha fra. rende OO e 600*000
por anoo, est sempre alujada ; a tratar no Ca
minh > Novo n. 128.
Vtnde se m Bebpribe. a rna de Santo An
tonio d. 9, urna boa casa de pedra e cal, com
banbeiro, cacimba e quintal arborisado ; e em
G .ranhuns duas meias aguas novas, ra do
Recite ; a tratar na ra do Livramento o. 35.
Vendem se porloes de ferro rom columna?
e sem ellas, gradamelos para cima de muro,
temeos e jardias, banaeiras de ferro para por
tas de arcadas, boceas de forno, do^radicas de
chumbo, trancas de 6-rro para cadeado, fcrro
lhos de segnranca, aldrabas. veranda^ para pon
te. rodas para can-oca ecarrinho demo, ecam
b&o para carro : no largo do forte das Cinco
Ponas n.4, tenda de fer:ewo.
V-'iide se orna moito boa casa em Oliuda
muito grande, muito fresca, em muito boa posi
(o. com gaz e agua ; a tratar no Camiobo Novo
n. 128. Tamben, ee vende urna mobilia de Jaca-
randa em perfeito estado, urna louceira, muitos
pratos finos de porceilaca, urna basca para es
criptorio. muitos ps de palmeira imperial e
banbus arvore da fortuna tuya e ontras plantas
para enfeites de salas.
Cera
Vende se na ra do Ca upa o. 2, segundo a
qualidade, de 14 a 14500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2" o descont de
a 30*/. e na de i.* de 20 0 0. So mesmo esta
lecimento tem machinas para costura e mesas
para as mesmas por 104 cada urna
Ra 1. de Margo n. 20
ESHECIALIDADE EM
Extractos.
leos M
Tnicos.
Sabonetes.
Pasta para dentes.
Vasos para p de arroz. .
Agua de cologne.
Agua Florida.
Regatas de c6res.
Suspensorios.
Bicos de cores. -^
Luvas de seda.
P de arroz.
Botoadurasi*merioana8.
Lencos de seda.
Espartilhos.
Fitas de cores.
Baleias.
Empermiaveis.
Fichus prateados.
Amaral & C
JoSi Pedro de Miranda tem para vender aten
sitios para padari a escolber de duas que tem
oeste povoado de Catedde.
Vinagre puro
Superior tinagre, em garrafas e em cajas de
duzia ; vende se na roa do Crespo n. 11,loja do
Poro.
Superior vinho de Al-
eo baca
O acreditado e autigo armazem do Lim par-
ticipa ao publico e aos seos fregueses que acaso
de receber orna nova remessa deste sspeclal
vinbo, escolhido propriamente pelo chele des*
casa, tornando se recoramendado por ser poro
de boa qnahdade.
Jos Fernandes Lima & C. roa fiarn da Vic-
tooan.O
Telepbone 323
Farelo superior
a 14800 ; no largo do,Me
J-
1


*'
inla-f<
\

i
i
mp
GRANDE ARMAZEM
1
i
M _______
louvke ;
FRANCISCO GURGEL & IRMAO
Esta importante loja de modas, completamente reformada, tem n'estes ltimos dias recebido um variadsimo sortimento de
tecidos de phantasia, escrupulosamente escolhido por um dos socios actualmente em Pars, os quaes dam-nos urna perfeita idea da ultima
pirase da moda, em meio das variadas mntacoes dos progressos sociaes. Os seus proprietarios nao poupam esforcos afim de bem servir
ao publico em geral e especialmente as Exmas. familias a quem rogam a neza de suas visitas a to importante estabelecimento.
Naimpossibilidadede mencionar-se todos os artigos deque se compe este incomparavel sortimento notam todava os seg-uintes:
Ricos enxovaes para baptisados e casamentos. Rendas e bicos de differente* larguras e quafidades.
Liodissimos tcidos de phantasia para bailes, theatr )s, passeio, etc. Riquissimas capas e pellerinas, pretas e de cores para senhoras.
Bonitos cortes de l, seda, linho, e levantine ; inteiramente novidade. Guarnicoes de novos modelos para vestidos.
Sedas pretas lavradas e com chamalote para todos os presos. Luvas, leques, chapeos de sol, espartilhos, sabidas de theatro e urna
Surahs pretos e de cores de differentes qualidades. infinidade de meias de seda, fio da Escocia, algodo, etc.

-* :


l. > .
*5>
>
QS RE
RA 1. DE MARQO N. 20 A
*
.







AGUA ASRTIC4
DR. BOSG
PARA TINGIK a'baRBAKOS CABELLOS
A AGUA ASITICA do Dr. Bosc urna preparagSo de nm effeito admi
ravel para tingir instantneamente a barba e os caoellob, da mais bella cor preta e
castanha. E' absolutamente inoffensiva, d'um emprego fcil e d um perfame a agr-
davel. Neste genero a nica composicSo que tenha alcanzado dar aos cabellos urna
cor natural perfeita sem alterar-lhe o brilho.
DEPOSITO GERAL .
Botica FraiiCeza e Drogara
HlilOlUR l FRERES
22RA DO BOM-JESS22
Ra do Cabug n. 1 A
Grande loja de fazendas e modas
Recebe directamente todos os mezes as altas novidades
de Pars
Mme. KOBLET previne s Exmas. familias que durante a sua curta au-
sencia Mme. CLOTILDE P1GEON fica incumbida da gerencia do atelier de costura
Este remedio superior a todos os outros do seu gonero, o que est provado
pela preferencia e acceitacio que Ihe di o publico.
Um frasco 31000, urna duzia 30#000.
i- >
Xaropc 9 jaramacar composto
GK\NDE PEITOML
Tf"^Tritnmrnf e curativo de todas as molestias do peito e da garganta, defluxo,
fosees simples e convulsas, coqueluche, constipacoes, asthma, bronchite, catarrho
chronico e tisica pulmonar e do larynge.
E o primeiro peitoral que se conhece at hoje na medicina.
Um frasco 2#500, urna duzia 24$000
VINHO TNICO
Com lacto-phosphato de cal e ferro, coca, cascas de laranjas amargas e quina.
O melhor remedio que se tem formulado pela xombinacao destes heroicos
medicamentos. Empregado no tratamento das molestias do peito, do estomago, ane
mias, menstruales difficeis, debilidaue geral, corea pallidas e todas as vezes que se
uer fortificar o organismo e dar deseovolvimento ao systema osseo e muscular.
'oDvm s pessoas ou senhoras que criam para tornar o leite mais nutritivo e robus-
tecer as criancas. Eete remedio superior a todos os tnicos estrangeiros que se
denunciara por ahi.
m frasco 3#000, urna duzia 30$000
^ffft ffllffigM SU i HMHR
TONINO FEBRFUGO E DESOBSTRENTE
Empregado na debilidade geral, doencas do estomago, convalescencas depois
do parto, febres palustres, molestias do figado e baco, falta de appetite, anemia, chlo-
rose, cores pallidas ou falta de sangue e doencas nervosas.
E' um reconstituinte de energa, aromtico e agradavel ao paladar.
Um frasco 3JE, urna duzia 30#000
nicos exportadores
COMPANHIA DE PRODUCTOS MEDICNB8
31--RA DOS ORIYKS-31
RIO DE JANEIRO
Vendas em grosso e a retalho em Pernambuco
Francisco Manoel da Silva & C.


DB, CABIOS BBMBSCOmT
S.ILSIPIBRELH.1 E C1R0B1
GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
Elixir anti-rheumatico, anti syphilitico e empregado em todas as molestias de
pelle, erysipella, darthros ou empigns, beri-beri, anthrazes ou carbnculos, cancros
venreos, feridas cancerosas, ulceras, gonorrheas chronicas, boubas, bub5es, escrfu-
las e todas as doencas que dependem da impureza do sangue.
CAROBINA
D GRANDE PUHISISAnOH DU SAXTUUE ,.
O emprego da CAROBINA deve dirigir-se a combater as seguintes moleslias:
as diversas formas das doencas chronicas, os desengaados, soffrimentos do tero,
affeccoes cancerosas, beri-beri, escrfulas, tumores brancos, ulceras chronicas, effec-
c5es venreas rebeldes, paralysias, molestias do coracSo, da garganta, rheumatismo
chronico e gottoso, molestias de pelle, assim como todas as enfermidades derivadas
da impureza do sangue.
Um frasco 3^000, urna duzia 30#000
FOLHETIM
POB
piulo irii(.iu:woM
SEG.NDA PARTE
A victoria do mal
(ContinuacSo do n. 172)
X .
O DEVEK
Nos, repondeu com grande enterne-
c ment no olhar, porque j lhe devemos
tudo.
Depois, sbitamente, com as faces de
pergaminho, banhadas de lagrimas de re-
conhecimento :
Bem, um pouco mais ou um pouco
menos. Aceito
E estendendo-lhe ambas as mitos :
__Oh o senhor que nao pratica sena
boas e grandes accoes, meu caro amigo,
seja abenjoado !...
Elle beijou com reconhecimento os po-
bres dados trmulos que procuravam os
De facto, nlo dependa dos d'Argelles
a vida e a felicidade de sua filha ?...
E'' preciso mandarme Fabio o mais
depressa possivel, disse elle com certa li-
midfz. O Dr. Cabanes affirma que seu
neto curar rumba filha mais depressa do
que todos os mdicos e todos os remedios
reunidos.
Elle sahio muito cedo com a sua es-
pingarda. Nao pode tardar. Vou mandar
preparar o carro, e o menino l ir ter lo-
go que chegar.
Jacques retirou-se satisfeito.
Quando chegou casa, contou a Branca
o que se havia passado.
A tema cieatura beijeu apaixonadamen
te as mSos do mariuo.
Ah como estou satisfeita !... disse
ella. Quem por ventura amar tua filha
como aquel le que te deve tudo ?...
Quando Fabio, descontente comsigopro-
prio, desgoBtoso pela paixo que o attra
bia a D.ana, ma incapaz de resistir a essa
paixSo, voltou ao castello d'Argelles, ficou
muito admirado de ver no patamar da es
cada exterior a av a esperal o com sig-
naes da mais viva impaciencia.
Depressa, grton-lhe ella logo que a
sua voz podia alcancal-o, anda depressa I...
Tenho cousas muito importantes a dizer-
te.
Elle obedeceu-lhe, sem desconfiar da-
quillo que ia saber.
Meu querido filho, disse lhe ella, de-
pois de o ter abracado demoradamente,
succede nos urna felicidade tao grande, que
certamente, antes de te dizer qual ella ,
deveria fazer te ajoelhar para a agradece-
res a teu pai que est no co e a tua mi
que a elle se foi reunir ; porque s a sua
intercessSo constante junto de Deas pode-
rla enviar nos essa inesperada fortuna.
Oh querida vov, aclmate. Nun-
ca te vi em tal estado de exaltacSo. Que ?
Jacques de Rhodes acaba de sahir
d'aqui. Sabes a causa da doenca de Mar-
garida ? A adoravel pequea ama-te !...
Ama-te, Fabio; nSo ousava dizer-t'o!...
E o pai d'ella acaba de me pedir que tu
INJECCAO BETTENCOURT
AHTIHSLKHQfiBHASICA
Gura radical em seis dias
Empregada com ptimo resultado nos corrimentos agudos ou chronicos da
urethra ou vagina, leucorha ou flores brancas. Este medicamento de urna grande
a ni cae i a
m frasco 1#500, urna duzia 15$000.
se jas seu marido !... Quer dizer que po
derias pagar todas as nossas dividas de
urna s vez, e cereal-a de felicidade, ado
ral-a como ella o merece, e ser tu proprio
a creatura mais feliz do mundo... Deus
nos...
Mas a pobre senhora deteve-se sbita-
mente, boquiaberta, nSo terminando a phra-
se comecada.
Fabio, eft'ectivamente, de p e trmulo
diante d ella, longe de partilhar a sua ale-
gra, estava com o rosto tao decomposto,
que dir-se-hia chegada a sua hora derra
deira.
Meu Deus balbuciou ella desvaira-
da, que *enB tu?
Elle desatou sbitamente em solucos
dilacerantes e foi cahir-lhe aos ps, eccul
tando o rosto nos joelhos da pobrevelha
aterrorisada, e balbuciando :
Ah! era isso exactamente o que eu
temia : sou o mais desgrasado dos ho-
mens. ..
O que pereuntou ella, procurando
erguer a cabeca do neto. Que queres tu
dizer ?...
E como elle continuasse a solucar:
Falla, disse ella, tu me fazes mor-
rer...
Ao cabo de alguns segundos, accres-
centou :
Se s desgranado, a quem has de
confiar as tuas magoas seoSo a mim ?...
Elle ergueu o rosto banhado de lagri-
mas.
Eu nlo amo Margarida, mua| irou
com extraordinaria confusSo.
Com os olhos esbugaihados, presentindo
cousas graves, a marqueza repetio :
NSo amas Margarida !... Ah!...
Depois, impertigando o busto currado
pela idade, continuo com desconfcecida
autoridade.
Por que?... Quero qu me digas.
Amo outra.
Quem?
A menina de Cndales.
Urna aventureira !...
Vov!... Ella tem vivido sempre
aqu, conhecida. Se soubesses, ao con
trario, que carcter, que coracSo ella pos
aue...
Cala-te. Por fim de contas, se ella
o que dizes, ha de comprehender qual
o teu dever hoje, e te impedira a cum-
pril-o.
Despedazas o meu coracao e ajmi-
nha vida...
Sers por ventura um covarde ?...
NSo sentirs nada ? Ters esquecido tu-
do?...
Fabio curvou a cabeza.
As palpebras moviam-se-lhe ligeira
mente.
A Sra. d'Argelles continuou :
Aceitando os beneficios do Sr. de
Rhodes, tanto eu como tu, nos lie demos
todos os direitos sobre nos... Na occasiSo
em que elle tomou sua conta os nossos
negocios para nos restituir a tranquillidade
e a fortuna; mais tarde, todas as vezes
que elle se oceupava com a tua pessoa para
lazer de ti um homem til, recto e honesto
como elle, que deverias reflect* e pen-
sar que um dia talvez tivesses nm coracSo
que despertasse, urna vontade que ress
tisse, um interesse que te solicitassem. ..
NSo o fiaeste entSo... Tanto peior... agora
tarde, recebeste, s obrigado a restituir. .
NSo, vejo seuSo isso. Um d'Argelles nao
hesita diante da honra, nem diante do de*
ver...
A senhora severa !...
No tenho a consciencia da nossa si-
tuacSo e nada mais. Por que, discutindo
essa cousa indiscutivel da nossa divida a
pagar, queres fazer-me ac"'ditar que p
des fraquear ou recuar ?... Vais por ventu-
ra fazer-nos morrer de desgosto, deixando-
me suppr que s indigno daquelles de
Os Barateiros! !
E' s neste estabelecimento que pde-
se encontrar fazendas finas de gustos lin-
dissimos or precos razoaveis, como se-
jam:
Voiles de 12, padroes inteiramunte no-
vos, merinos dem, idem, cachemiras la-
vradas, o que pode haver de mais lindo
em gostos.
Cambraias da China, idem catitas, idem
com salpicos c lisas, Victoria e transpa-
rentes, grande sortimento de crotones
(padroes de voile) de gostos attrahentes-
Crepe da Chioa, inteira novidade.
Etamines de cores, lisos e rendados.
Fus toes b-ancos. Linons com narra, o
que ha de mais rico para vestidos, chitas
idem, idem e muitos outros tecidos a phan-
tasia.
Lis de quadros a 200 rs.
Merinos idem, aztnda de 800 rs., por
240.
Voiles de S e algodSo a 249 rs. o co-
vado
Zepnyros de cores a 320 rs. o covado.
Merinos de urna argura a 280 rs. oso-
vado.
Bautista republicana a 200 rs. o co-
vado
MadapolSo americano a 55000 a pesa.
Vanado sortimento de setinetas e cre-
tones, para chambres.
Grande e variado sortimento de chitas
claras, de cores e escuras. dem chama-
lot, padroes exquisitos. dem voiles, gos-
quem descendes ?... E quando eu for eu-
nir-me a teu pai, que sempre foi tSo rec-
ta... a tua mSi, tSo pura e tSo honesta...
poderei dizer-lhes que seu filho renega a
honra ?
Basta, vov; tem razSo... Falle, estou
prompto, obedecerei.
Ah! reconneco-te agora!... Anda,
mea pobre filho, nSo chores... O dever a
cumprir nSo penoso... E se o teu cora-
3o foi um nstente turbado por alguma
psixSo malsinada, nSo possivel que apu-
ra e bella crianca, que morre de amor
por ti, nSo o domine mais tarde soberana-
mente, nSo expilla d'elle qualquer imagem
es t rao ha. Vers en tao quanto boa asa
tisfacSo do dever cumprido. Como agra-
davel pensar que aquelles que nos cer-
cam nos devem, tudo e sao felizes por
nossa causa... A nossa propria satisfa
5S0 ? Que vale isso ? Podemos acaso lem-
brar-nos de tal quando a paz, a alegra, a
felicidade dos outros dominam por nossa
causa o lar domestico ?
Ah! vov, o que te fez tSo boa ?...
Abundantes lagrimas correram por sea
turno pelas faces enrugadas da marqueza
Tenho soffrido tanto! disse ella, es-
condendo o rosto as mSos. Que Deus te
poupe de saber, m.u pobre pequeo, que
tudo neste mundo se repara, menos a
morte !
Fabio enlacou a com os bracos.
Ella tinha-o amado, desvelado, acaricia-
do tanto. .
Nunca conhecera senSo ella.
E sempre to boa'...
Entilo por sua culpa poderia por ven-
tura a pobre senhora chorar ou tornar a
pensar mais amargamente ainda no passa-
do, ou ser infeliz nos derradeiros dias ?
NSo, isso nSo...
Despedacaria o coracSo, desesperar se-
hia com a renuncia de Oiana, mas sua ve-
Iha av havia de t?r o que desejava.
mm
tos inteiramente novos. Casacos de Jer-
sey para senhoras, vestuarios idem, para
criancas. Toalhaa felpudas para rosto e
banho, brancas e de cores. Orando sor-
timento de aventaes, idem, idem de ba-
beiros, para enancas.
Para hotxiens
Grande Fortimento de camisas de fla-
nella, nho e algodSo.
dem de collarinhos de linho e cellu-
loide de cachemiras pretas e de cores, en-
tre ellas destacam-se as de 7|}000 o corte,
para costumes.
Alm das mercadorias que cima dicta-
mos, temos um esplendido sortimeoto de
cestas de palha e chagrn e muitos ou-
tros artigos que sena enfadonho mencio-
nar.
E' so nos barateiros !!
A' RA Io DE MARQO N. 1J
Beroardino Campos C.
\ i
0 -

r-^

^ a
Calcados
-
Sapatos de fel'.ro para quem soffre de der-
mencia e l'naldade nos ps. (onde causam di-
versas molestias, pois esto se acabando ; pre-
cos muito barates a 500 rs. o par. tanto para
Qomern como para seoboras e criancas.
LOJA A' RA DA 1MPERATRIZ N. 80
Attemjo
i'
<
Farelo do Rio da Prata, com 42 kilis a W730,
vendem Silva AzevedoA C, a roa da Concnrrti-
numero 73.
O que ella j jlgava bom e justo havia de
ser feito, anda que elle livesse por isso
de morrer da desgosto.
Afastou as mSos da marqueza d'Argelles,
e, cobriado-lhe o rosto de beijos:
PerdSo, disse elle. Consola-te, ters
a filha que desejas, e d'aqui a menos de
um anno brincars com o seu primeiro
filho sobre os joelhos.
E tl-a-has feliz ?
Elle fechou os olhos, e depois, grave-
mente :
Eu a amava antes que a outra me
viesse turbar o coracSo e a razSo, respon-
den elle. Palavra de honra, em como tor-
narei a amala, em como a respeitarei e
a tornarei feliz.
Acredito. Tenho confanga em ti 1...
Deus te proteja !
Quando preciso ir a Asterac ?...
Eda morre, e s tu a podes salvar !
Elle ajoelhou se aos ps da marqueza.
Abence-me vov, e reze por mim !...
D'aqui a urna hora, Be eu tiver poder para
isso, Margarida estar salva !
Cerno se Diana de Cndales tivesse o
presentimeoto e a presciencia do que se
passava, ella es,preitava nesse dia, no par-
que d'Asterac, a chegada de Fabio d'Ar
gelles.
Desde que Margarida cahira doente,ani-
mava-a, de facto, urna alegra infernal.
Finalmente, a filha de Jacques de Rho-
des, seu mortal inimigo, ama... amava a
ponto de morrer de paixSo...
E o homem que Margar.da queria, es-
tava apaixonado por ella Diana... e Ih'o
repeta todos os dias. .
A vinganga, a vinganca to ardantemente
desojada, tSo pacientemente esperada pela
menina de Cndales, estava, pois, proxi-
ma !
(Continuar-ta-k)
-------------------.-------------------------------
Typ. Diana, Ra Duque de Caxias n. U
.




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9JJ4KOJU_U0I0QC INGEST_TIME 2014-05-19T20:14:20Z PACKAGE AA00011611_19225
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES