Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19208


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXVI- NUMERO 156

*
U

1

' .:.
t
-1 -

*
Li

I
fl
1
1
I
r
SEXTA-FEIRA II DE JLHO DR 1890
DIARIO DE PERNAMBUGO
Propriedade de Manoel Fgueira de Faria
PAlfcA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA POBTE Qs Srs. Amed Prince & C
Por tres meses adiantadoa. .
Por seis ditos dem......
Por um auno idem......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
63000
12*000
230000
100
de Paris, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e publica-
qoes na Franca e Inglaterra.
Filhos
PARA DENTRO E FORA DO ESTADO
Por seis meses adantadoa, 13*600
Por nore ditos idem. ..... 201000
Por um auno idem...... 26*000
Cada numero avulso, de dias anteriores. di00
*/
BBBBBBr" -
TELEGRMMAS
SSSVZCD PABTICUIAB SO SIAHXC
RIO DE JANEIRO, 10 de Julho, as 3
horas e 40 minutos da tarde. i
Foi nomeado juiz de direito da comarca
de Loreto, no Estado do Maranh&o, o ba-
charel Urbano Pereira de Araojo.
Foi removido da comarca de Bra-
ganca, no Estado do Pira, para a de Co
Ion a, no do Piauhy, o juia de direito ba
charel EsperidiSo Tenorio de Albuquerque,
Preparam-se grandes festas para
commemorar o dia 14 de Julho, anniversa-
rio da declaracSo dos direitos do homem.
ram hontem recolhido- Casa de Detcoco os rakyts de jade encontram-se tan bem os de
individuos de nome* Manoel Jos do Nasoimen- "" in-a > n* ain^o hn.nnn it.h
SBS7I50 rA AHKIA 2A7AS
MADRID, 9 de Julho.
Va i diminuindo a epidemia do cholera-
morbus em Valenca e seus arrabaldes.
Agencia Ha vas, filial em Pernambuco,
10 de Julho de 1890.
INSTRUCC10 POPULAR
A SASITASZLX23^SE SOS ASTBOS
POR
jQSSltTOSU&HQ IFOTHTJCS
CAPITULO XIV
Marmonia* da* medida* da Natal-e-
a A maleo na o yairma
planetario* esa miniatura.
I
( Continu ac So)
II
A luz solar tarda em cfgar Terra oito mi-
nutos e alguna segundos, conforme calcnlam os
astrnomos. 0 homem faz por dia, feralmente,
orna jornada de oito leguas ; os signos do so
diaco contam oito graos de latitude para cada
lado da elyptica.
A Terra, uo sea movimento de rotaco, c. sue
ana 8:000 leguas ; o tempo, representado na mo
i-volucaj pela elyptica, attioge urna somma udi
8000 horas.
As rbitas dos astros, acircumferencia da Ter-
ra, o zodiaco, e, em regra geral, toda a tigura,
mais ou meaos redonda, divide-se em 360 partes.
0 circolo correspoadeote ao arco que descre
ve o pndulo de 360 graos; e a hora em o nos -
so systema astronmico de 360 leguas.
Fcil nos sera, a nosso ver, augmentar esta
serie de analogas as medidas da Naiureza com
innmeros dados cariosos. (Pomos, porm, ponto
aqu, porque, alias, teamos que recorrer a ter-
mos e a operaces scientifcas, que senam m
comprebensiveis para a maior parte dos cossos
leitores.
Gousigaaremos tambem neste estado qae mai-
tos povos da aotigaidade professavam a opinao
de qae existia ama especie de harmona e con-
cordancia eatre os nmeros e as medidas da Na-
tureza.
Entre todas as escolas pbilosopbicas da Grecia
a de Pyinaeoras sustentou. mais que nenbama
outra aquell axioma, em qae se inciuiam as re-
aras d* ver.-iflcacaoe as notas masicaes.
' E vastissimo neste assumpto o campo das
a:.a logias, com as quaes podenamos enetter mui-
tas paginas, se deltas nos oceupaesemos com a
preciso devida.
Os que estiverem um tanto fainiliarisados com
as sciencias sabem que todos os corpos se dila-
tam com o calor, e se contrabem com o fri.
Esta propriedade estende se do mnimo ao m-
ximo, e acba-se comprovada por fados incoo
testaveis.
Esta calculado que um terreno, o qual medido
no verao, d urna superficie de 10:000 varas, no
ieverno ficara redondo a 9:997.
A le da graviujao, ou do peso especifico dos
corpos, diminue a proporcao que se approximam
do polo ao equador. E verica-se isto com
e sacudi matbematica.
Um corpo, que em Franca pesadiz um no-
tavel aator100:000 libras, no equador nao pe-
sar nais de 99:533 ; e na Laponta subir o sen
peso a tOO 137.
Os corpos podem diminuir de peso e augmen-
tar de volme, ou vtee versa.
0 planeta liarte aprsenla maior volume do
que Mercurio, e nao obstante, menos denso.
A agua, ao congelarse, augmenta de volme,
e dimioue em densidade.
guigumas substancias cbimicas, misturadas em
partes iguaes, nao augmentam o sea volume na
ScSlda porporco. ...
Um corpo, que na zona trrida aprsenla um
volume determinado, diminuir em 5 ou 10 par-
tes transportado para o Meto-dia. E, se deste
ponto for conduzido para o paisas boreaea, o
sea volume diminuir 15 ou 15 partes.
Iome-se urna vasilba qualquer, de dous quar-
tilhos de capacidade exactos ; lance se nella um
uartilho de agua e outro de acido de vitriolo, e
ver.se baoatra o que naturalque esses li
saldos assim mistorados nao daro a medida de
dous quartilbos.
A forma geomtrica e o numero imperam em
todos os coxpostos moleculares ; por exemplo ;
as molculas constitutivas da agua tem de com
Mnar se sempre na proporco de 100 partes de
xigenio com It 50 de hydrogemo : accr scen
undo urna parte mais deoxygenio, desapparece
logo o composto. .
Todas as crystalisacea affectam sempre de
termiodas formas geometricaB, tracadas
admiravel exactidio.
to, conbecido por Manoel Velho, Mauoel Alexao-
dre do Nascimenn, Elisa Antonia Mara da Con
ceico.Flaurina Emilia de Al melda, The reza de
Jess, Antonio Filippe do Espirito-Santo, Fran
cisco Jos Oas Tavares. Pedro Alexandnno de
Sampaio, Jos Americo de Sant'Anna, Jos Fran
cisco, Joao Moreno de Siqueira. Honorio de tal,
Adriano da Costa Mina e Sebaso Pedro de Ao-
drade.
Communicoo-me o delegado do termo de
Bom Jardira, que em cumprmento de um man-
dado do Dr.juu municipal respectivo flzera se-
guir no da 3 do corrate para o lagar Fuodo,
uuas pracas do destacamento acompanbaado o
official de justica Jos Francisco da Gunha para
prenderem o enmioeso Joaqaim Alexaodre, de
terminando ao mesmo tempo ao inspector de
quarleiro mais prximo que auxiliasse ao refe
rdo official de jusiica em tal diligencia.
Nao sendo encontrado Joaqoim Alexandre em
casa, que foi cercada, foram entretanto presos
um filho do mesmo Alexandre e um outro indivi
do desconhecido e sospeito de ser tambem cri-
minoso ; e quando retira va se a forra, j na dis-
tancia de cem bracas da casa de Alexandre, este
que se achava de emboscada, cusparon sobre el
la nm uro de bacamarte, ferindo mortalmente o
inspector, que veio a morrer no dia segainte e
gravemente o lente Sev. rio Barbosa da Silva
fi.
O criminoso Joaquim Alexandre est pronun
ciado duas vezes na comarca de Bom-Jardim por
crime de fe rimen tos graves e urna na de Caba
ceiras do Estado da Parabyba.
O delegado mando u vistorar os offendidos,
abri inqoerito sobre o tacto e promove'outras
diligencias para a captura do criminoso.
Pelo subdelegado do 1 districto de S. Loo
renco da Malta, foi remettido ao joizo competen-
te o inquerito policial a que procedeu eontra o
individuo de nome Jos Barretto por baver no
ata 6 do corrate e em trras do engenho Itapa
cura, ferido gravemente a Manoel Jos do Nasci-
mento.
Sade e fraternidadeAo cidadSo Dr.
Albino Goncalves Meira de Vasconcellos,
muito digno gobernador do Estado.O
ebefe de policia, Ernesto de Aquino Fon
seca.
Thesouro do
Pera
DESPACHOS
DO DIA 10 DE
1890
Estad* de
buco
JCLHO DE
Jos de Moraes Quedes Alcoforado, Jo-
s Soares do Amaral, Se ve rio Marques,
Elias Baptista da Silva Costa, Francolino
de Souza Keis, Florentino Nunes de Mel-
lo, Julo Oualberto de Magalhaes, Izidoro
Bastos de Oliveira, Daniel Marques Gui-
maraes, Antonio P. Mendes.Informe o
cidadSo Dr. contador.
M. do Reg B Wanderley, Roberto
Prndencio de Souza, Jlo Hermenegildo
Borges Diniz e Jo a i no Alezandriuo de
Oliveira.Registrem se e tacam-se as de-
vidas notas.
Antonio Dias Alves da Silva."1Ao por-
te iro.
Antonio de Miranda Castello Branco e
Auna Senhorinha de .Franca.Hija vista
ao Dr. procurador fiscal.
com
(Continua.)
riRTE OFFICIAL
Repartleio da Palieia
3. aacco.N. 154.Secretaria de Po-
lica doEatado de Pernambuco, 10 de
Julho de 1890.
Cidadao govemador. Participo-vos que fo-
1 npectorii Geral da Instruccio
Publica do Estado de Peroam
bsieo.
despachos do dia 9 de jclho
de 1890
Arthunio Vieira.Abone se.
- 10
Innocencio Mendes Lopes de Mendonca.
Abone-se.
SCIMASELETTiAS
O Wu? rakjt
ESTDDO DA ORIGEM ASITICA, DA CIVILISA-
TRICOS, POR J. BARBOSA RODRIGUES "
A raz da arvore anthropogoruca americana. Par
etuna. A inda os caraibas. Os karmys. Os
mwjrakytas mexicanose peruanos. Os arauca'
nos e as ikamtjbas
(Cootinuacao)
Urna tribu existe ainda boje, cujos antepassa-
dos, parecem-me, foram os que tiveram contacto
cora os primitivos KaraiDas e que sao conheci-
dos na historia pela denominadlo de tribu das
Amazonas.
Tanto as Amazonas, ou Ikamiabas eram Karai-
bas, de nvaso relativamente moderna, qae na
regiao, por ellas habitada, ticou o nome Kurumu
perpetuado em ama serrare em um lago, prxi-
mo fot do rio Trombelas. Kurumu palavra
karaiba que significa a estrella das aguas, o Deus
dos mares.
Depois de haver publicado o meu relalono
sobre o no Yamocaa, no qoal di?o (pag. 59) que
as Ik untabas erara o-i af-'u-^H aups, eis o que
escrevina Revista Antkropologxca doRioie Janeiro
pag, 9o, e repitwuzo o BruzJ IUustrado,
'"fpara mim a tribu dos aups a celebre
conhecida na historia petadas Ama ooas, encon
irada por Francisco Oreilana. A tradicSo que
existe entre os aups. boje habitantes do Alto
Ri > Nfgro. de qoe outr'ora hbitaram as margeos
do Amazonas, qae deixaram abrigados por urna
grande nnundaco, concorda com o lugar que
descobri na cosu do Paro entre os ros Yamun-
di e Trombetas, que deaorainei Tauskuera das
Amazonas, porque ah. segundo a historia, Orel-
lana vio as Amazonas.
Esta tauakuera so apparece quando ha grandes
Tasantes. E' urna liba ou pennsula, devorada
pelas aguas do Amaionas ondeainda se encon os praseres
t.am os vestigios da aldeia pelos innmeros
fragmentos de louca, machados de pedra, etc/
& a Historia e a tradicio nao falbam, ah ro a
aldeia das Amazonas, porque 14 encontre os
muyrakjs e fragmentos da rocha de qae sao
fetos, asstm como tambem ahi foi achado o dolo
amaznico. _
As AmTQ"Ja usavam a pedra verde. Entre
os vestigios de povoacao lia provas de que sua
popolapao laava aquella pedra. Eatre os muy-
qaartco iguaes aos que ainda hoje usam os Uan
ps. como signal de distinccao ; por cooseguinte
a tribu que emigrou, que usa o muyrakyl ainda
boje, a pretendida das Amazonas, que se diri-
gi para o Rio Negro, o que concorda com a sua
marcha dada pela historia. Anda urna prova
de que os Caups sao as antigs Amazonas a
seguinte :
Alm de conduzirera as mulberes aos comba-
tes, >s bomens teem um aspecto afeminado, o
que, unido ao .uso de trazerera os cabellos divi-
didos na frente e depois trancados, d-lbes a fei-
(o de mulberes.
m moco vestido ser tomado pelo mais ati-
lado por urna mulber, tal o aspecto que Ihe d
o aso do penteado. E' a nica tribu que utilisa-se
do pente. para prender as trancas. (1)
E13 a tradicao aup.
Outr'ora a tribu babitava as margeos de um
lago encantado, onde morava a Mi do muyra-
kyt, e que esta Ibes ensinara a fazer os seas,
mas tomando ella um dia a forma de um animal,
sabio para os montes prximos, onde um indio
a matou.
Esta morte produzio orna revoluco as aguas
do rio, que se coomunicava com o lago, e sobre-
viudo urna grande onuadaco, foram obrigados
a fogir e procurar outro lugar onde as enebentes
nao ehegassein. Procuraram as cabeceiras do
ro kayary, boje no aups.
Adame, em capitulo especial, provarei como
es pretendidas Amazonas, sao os indios denomi
nados aups, e como estes mostram ser Karai
bas, descendentes dos Nabuas, tendo seu princi
pi na patria do genero bomaao.
O rio e o lago da tradicio sao o Amazonas e o
Paru.
O encontr do rio Tapays, dos polidores, as
rochas das cacboeiras, baohadas por pouca agua,
os estilhagos, fragmeotos de dioiito, e machados
lascados, que tambem eocoutrei em quantidade
bastante, na margem, sob a floresta e a poneos
p as sos das pedras sulcadas, foi para mim, que
ha muito estudava procurando acnar o meio que
empregavam para conseguir um machado cor
taate, perfuraao e polio, o facho que uluminou
meu estado. Cuidadosamente estudan lo a dis-
posico dos su Icos, cheguei a encontrar o pro-
cesso que aprsenlo, nao s para o fabrico dos
machados de dionio, como para o dos muyra-
kytfts.
Hoje vejo que os meus estados nao me enga-
narm, porque recebendo en a obra j citada,
Sobre a origem da pedra das Amazonas., pu-
blicada pelo Dr. Fiscaer em 1881,onde elle ana-
lysa os meus estudos sobre as Amazonaseo. Muy
rakyta, citados lac (2), ahi vem representados quat.-o cbalcbi-
huitis ou Muyrakyias, do Mxico, para confir-
mar a minba opmio sobre esse processo.
Representam elles qaatro figura) distiactas e
asseniadas, na attitude de preparar odtfos tantos
muyrakyis. que elles mesmo tiguram. A pri-
meira est desbastando a rocha bruta e tirando
lascas; a segunda tem entre as mos, abortas e
unidas pelas palmas, um pontalete que faz girar
sobre urna pequea rocha ; a terceira com a mo
esqoerda segura um pontalete cuja extremidade
repousa sobre outra pequea rocha, e com a di-
reita lauca sobre o faro j camelado urna poryao
d'agua, e a qoarta, segurando com a m&o es
qnerda urna especie de cartucho com arela, (an-
ca com a direi'a a mesma sobre o furo, fazen-
do-a descer por sobre o pontalete.
Se eu quizesse figurar o meu processo, nao o
faria melbor do que representara esses coevos
d> civilisaco Asitica qne vieram perfeitamente
provar praticamente o meu processo.
Nao se encontram vestigios do Muyrakyt pe-
lo SolimOes cima, mas encontramol-o em Caja-
marca, onde serve de fuso e passa como reliquia,
de familia em familia. Elle abifoi parar por outra
emigraco que nao subi o Tunguaragua. Liga-
se mais ao tnmurti dos locas e aos quipos.
Con, Pachamac e Hairacocba. nao sao mais do
qae Brahma, Vishnn e Siva, aes'm como os
quipos sao : as cordas com nos para dar or-
dens de que se serviam os bomeus da antigui-
dde, que depois foram substituidos por signaes
e figurasv, como nos diz Coafucio, ex um dos
seus escriptos (3). Se os Muyrakyts e os qui-
pos* ligara os Peruanos Asia, tambem a chi-
cha e a platicephalia os liga ao Mxico e Ame
rica Central.
Com a mesma orthographia e com o mesmo
significado existe a palavra chicha de tempos
immemonaes em ambas as repblicas; no Me
xico feita de ananaz, emquanto que no Per o
de milbo. Em ambos os paizea bebida nacio-
nal.
Existem dous Muyrakyts no Museu Nacional
do Rio de Janeiro, onde jaziam esquecidos ba
mais de quarenla annos, para onde foram re-
mettidos com a nota de instrumentos mosicaes
dos aotigos Araucanos, do Chile. Sao v rdadei-
ros muyrakyts. com formas semelhaotes s do
que acnou o Dr. Martius, no Amazonas, e qae
existe hoje no Masen Eibnograpbico de Beriim
Estenaeodo mais a zona do muyrakyt, vem
ainda nos mostrar a sua origem asitica, onde a
jade tambem em pregada para ceos instru
mentos masicaes, como nos diz Delafosse, no
seu Nouveaa Cours de Minralogie : la jade
verte est au nombre des pierres son res do it les
Cbinois rorment des instruments de musique.
A estes muyrakyts tithopbonos dio os Chine -
zps o nome deKing.
Os Araucanos, ePse typo da independencia e
do valor, sao os Karaibas dos Andes. Esta tribu,
segando a noticia de varios escriptores viajan-
tes, que atravessaram a Araucania, tem muitos
pontos de contacto com os povos Asiticos e cora
os Normandos, e iaso nos vem mais confirmar o
Muyrakyt usado outr'ora por ella.
A sua theogoma simples. Urna trindade
governa o universo sob o nome de Pilan ; o ge
oio do bem, o genio do mal e o genio da guerra,
cbamam se, entao, Meulen, Waocubu e Epuna-
mum. Admittem a immortalidade da alma e a
ua transmig acao. pelo que nao se enterra um
morto sem as suas armas e as provisOes de boc
ca, para a vida d'alm tmulo.
Nao ser essa religio ama reminiscencia de
Vi>hnu t .. .-;
Miera (4),que viajou entre elles nos diz anda
que a forma de suas casas, sea genero de vida,
a naiureza de suas empresas, suas armas, fas
com que se approximem muito dos povos qoe
percorrem os steppes do norte da Asia.
A sua relig'&o, os seus costamos e o uso de
um lostramento de nepurite, parece que talo
nos quer mostrar reminiscencias de descenden-
cia ou de contacto por longos annos com um
povo asitico, se a'elle desceode.
bisse qoe os Karaibas participam do contacto
asitico e normando ; o mesmo acontece com os
Araucanos. Dm uso commum entre elles o
conbecido entrs o* Scandinavos por fraternidade
de armas, unio semelhaute a dos antigoj gre-
gof, o Hetaeria. O Lacu dos Araucanos une dous
houjens la re el la mort, torna os ami-
gos oseparaveis, dispondo se um a morrer pelo
outro se for preciso, participando ambos lodos
os prazeres. todas a- dores e todoi os perigos
que um ou outro soffra.
Na America do Sol foi, poia, a jade (oepimie)
empregada como amuleto, como instrnmeito sa-
grado, e com as mesuas virtudes supersticiosas.
Elle tem a mesma cor, a mesma densidade, of-
ferece nos amuletos as mesmas formas e parece
ter partido das mesmas jazidas do Turkestan,
baver entao em tudo sso o jogo do acaso ? ..
As coostderact s que at aqu teoho feito, nao
baseam-se em estuaos hypoibeticos, e sim n'um
ubjecto palpavel, Cuja naiureza nos mostra cla-
ramente a sua origem.
Mas urna prova de que o muyrakyt foi im-
portado da Asia, tenho oo costme nodierno do
Amazonas; o do resguardo ou couvade, dos
franceses.
Oo resguardo j tratei (5), por isso pouco ac-
crescentarei. E sabido que os indios do Brazil,
como muitos povos antigos. teem por costme,
sempre que as mulheres do luz, recolherem-
se os pas rede, indo ellas para o trabalho.
Sera este costume, no Amazonas, um facto
natural, por ter sido ha dezoito seculos observa
do em vanos povos ? Creio que nao ; porque
entre os povos que se observa a coavade, todos
tiveram contacto, mais oo menos mmediato,
com tribus do Imperio Celeste.
O muyraky vem tambem de Yannan, e foi
ah que Marco Paolo, no seclo XIII, vio este
cosime, que todos os autores dizem ser cainez.
aera ama coincidencia ; mas o que exacto
que os que usaram e usam hoje o muvraky:
tiveram e teem o costume do resguardo.
Aluda boje, a tribu do Yuunao. que tiotis esse
costume, era a dos Miau tz, oo filhos do sol e as
lend8 dizem que os aups sao tambem filhos
do sol, e isso concorda perfeitamente com a tra
dicio da serra do Arochi, em Monte-Alegre,
Sue urna nscnpcao perpeta. Torna se mais
risaate o tacto pela palavra /irocbi, que, em
sanscripto, Sol, ser a que hoje ainda denomina
a serra, em que habitavam a Amazonas, segn
do a lenda de Paytaaar, qoe pela lradio e a
nistona usavam o muyrakyt.
Em resumo, o Muyrakyia tem origem asitica,
e foi iatroduzdo no Braxil, por emigrages e
por intermedio do povo qae tomoa depois o ao
me de Karaiba, no mar, deGaliby, as Guyanas,
Je Amazonas, no Rio Amazonas, de Moizcas, em
Nova Granada, de Araucano, em Atacama, Ay
mar e Inca, no Per
A idea da mtroducco, na Europa, da nephri-
te j tem sido combatida por alguns archeolo-
gos, que supp&em ^e outr'ora deveriara existir
ahi jazidas desse mineral, esgotadas pelos pri-
meiros habitaites ou soterradas por olluviOes
modei as; mas a circumstaocia de nao se achar
nesse continente um s vestigio, apezar da-
maiores pesquizas, junta a outrade ao esta
rem reunidos os objectos achad >s era um ceno
espaco,-~que mostrara haver peno urna jazida,
sim-disseminados, seuoindo urna liona que ter-
mina na Asia,parece mostrar que razo ba a
favor dos asiticos. Na America d-se o mes-
mo tacto.
Pelo que expuz, quefo-crer, que nao s a ne-
pbrite como a jadeite tm no Brazil. como na
America do Norte a sua origem'entre os filhos
do flinduismo. Dejde 1872 assim pense, pois
que j uto eu da va o Oriente, nao quereodo,
por cautela, frisar qual a parte da Asia que em
pocas prehistricas lancou sobre o novo conti-
nente seus povos. Se, porvemura, estados ul
tenores oa provas mais ciuvioeeutes detroirem
o que actuaimmte o Muyrakyt me affirma, se-
re o primeiro a curvarme, porque dtvemos
sempreVeritate aductum aliquid operari.
Tratada eota questio, como j (o no Con gres-
so de Naacy, parecer ser nma chinoaerie, en.
trar ainda nella ; mas tendo eu por tira valgar
sar as antiguidades que encontr no Amazonas
nao faco mais do qae mostrar a analoga que
descobro na civilisacao que ellas denoiam, com
a asiat.ca e cora a ao manda. Levantei o Muy-
rakyti, porque parece ser elle a nica prova
palpavel que se pode encontrar para confi mar
qae entr.- a America e a Asia boave por amitos
seculos tacos ue unio.
Termino lazendo minhas ai palavras do Sr.
C Shoebel :
< Tout ce qu'il nous est permis d'assurer
d'une maniere genrale, et ca parce qu'il y a
une preuve gologique bien constate, c est que
l'lement asiatique c'est fait place dans les ori
gioes amricaines. Eu effet, beaucoup d'ido
les ornamentes qu'on a trouvs dans le Mexi
qae et daos 1'Au.erique Cntrale sont faites
d'uae roche incoonue au sol americain. Or
cette roche ou pierre qui est la nphrite. celie
prcisamment qui est une varete du jade chinois,
n'est l'tat gologique que dans la baate Asie
orintale e septeiitnooale. ^es dolos amri-
caines qu'on trouve faites de nphrite indi
quaient d me la provenance asiatique da peuple
ainncain qui les possde, tout comme les idoles
de la femme de Jacob inaiquaieal l'origine ara-
menne de la belle et rosee Rachel. L'hHtoire
est la jour nous dir que les peuples m-
portent dans leurs migraiions les cboaes sa-
crea du sol qui fut leur berceau, et qu'ils lais-
sent volontiers la terre dont lis vont prendre
possessioo les dieux vaincus. Le mot attrbu
Marcellus qaand les Romaios vinrent daos la
Grande Grce : laitsons aux Tareotins les dieux
irrites, Reliquau-U8, Tarentinis dos saos ira
tos, explique, dans sa portee bistonque, la
presence des idoles de nepnrite sur le sol de
l'ancienne Amrique : les eovahisseurs y oot
apport avec eux leurs dieux aborignes. (6)
(CsattM).
(1) Este artigo foi tradusido em franca* e re
produzdo no Metsager du Bris e oa Opinin, de
Pars, de 7 de fiuvewbro de l8i.
(J) L'Amerique prehisloriqoe. pag. 475-476.
3) Sofrag. ature, 1876. L.O. pag. 403.
(4) Tratis in Chile and ta Plata, London,
11.
(5) Pacificaco doa Crichans, Rio de Janeiro,
1885, pag. 157.
(6) o chapitre d'Archologie amencaine
Coogrs de Luxembourg, II. pag. 318.
Oa deveres do Estado para com
a sclemelas
POR
SIR LYON PLAYFAIR (DE LONDRES)
ZVaducfao de A. Duprat, autorada pelo
autor
V
A SCIEKCIA E A DDSTBIA
0 povo mede o valor da sciencia pelas suas
uteis apphcaces na vida Sem duvida a scieo
cia torna-se unto mais interessante quanto mais
fornecera ao homem beneficios praltcos. Na
mytbologia grega eacontramos expressas as ver-
adeiras relafiSes da sciencia e da industria.
Vuluano, o deas da industria, amou aptixooa
damente a sciencia Bob a forma de Minerva. Na
poca actual o rpido deseavolvim^nto da in
dustria depende das applicaces dos coaheci-
mentos siientillcos, ao passo qoe amigamente
progredia lentamente, visto que se andava s
apalpadellas.
Amigamente era mais a imaginacao dos ex
perimealistas do que o livro da Natureza que
servia de guia. S se comecou a interrogar a
naturexa a partir do da em que as concepces
lotelleciuaes das causas dos phenomenos
coo8eguio preodel os a tactos determinados e
bem assim as condices do meio N'um mo-
mento dado, a scieocia foi muiU- cultivada no
Egvpt", na Grecia, em Ruma e oa Arabia, tendo
sido porm, depois, abandonada gracas a obscu-
ndade ntelleciual que veio mergulhar a Europa
em profundas trovas durante muitos seculos. s
resultados iutellectuaea da sciencia grega, de
pois de se terem ttltrado alravea oa romanos e
os rabes, vieram gradualmente fertilisar o solo
la Europa. Mesmo aquelles tempos que sao
considerados como os mais sombros e os mais
improficuos, tomaram parte na marcha do pro-
gresso. Em tins do seculo XV os trabalhos dos
raathematicos da escota da Alexandria eram co
nb cidos na Europa Occidental; foi por esta
poca que a sciencia enriqueceu se dos algaris-
mos rabes, da algebra, da trigonometra, do
systema decimal e do kalendano aperfeicoado.
Se bem que o fizessem de om molo lento, toda-
va as amigas descobertas de Arcbimedes em
pbysica, de Hipparcoe de Ptolomeu em astrono-
ma, iam exercendo sua natural influencia. De
vido, sobretodo ao empirismo ; e apenas escla-
recidas pelos plidos raios da sciencia que de
quando era quando se desprendan! atravez as
trevas de entao. surgiram algumas manufactu-
ras antes do XVI seculo.
0 conbecimento das propriedades dos corpos
e bem assim as relaces de nos para com os ou
tros, foram se desprendendo dos trabalhos do j
alebimistas, (aos quaes a sciencia devedora de
um grande impulso) busca da pedra philoso-
pbal que devia foroecer ao homem o ouro, a
sade e a immortalidade. No fim do XV reco-
l anda, o empirismo dea lugar a descobertas
importantes, como a do compasso, a da typo
graphia, do papel, da plvora, das armas de fo
go, dos relogios. dos garfos, da^ agnlhas de cos-
tura, de ferradura, das companhias, da escul-
ptura em madeira, da gravura sobre cobre, do
ac, da baco do metal, da vidraca, dos oculos,
dos microscopios, dos es pe nos amalgamados,
dos moinhos de vento, das prensas e dos ser-
rotes.
Estas importantes industrias resultaran) de
um conhecimento mais aprofuodado dos tactos,
em torno dos quaes as concepces iam-se gra
dualmeate concretisando.
Aristteles disse : A arte comeca quando,
depon de um grande numero de experiencias,
se chega a urna concepcao geral, que abraca to
dos os casos similares.
Taes coaespees, porm, s sao engendradas
quando o espirito humino deseovolve e explica
de um modo racional o meio em qne vive, os
objeclos que o cercam e os phenomeuos qne go
vernam a sua accio e a sua evoluco.
A accumulacio dos tactos indispensavel ao
progresso da sciencia; um milbar de tactos
sem nexo de muito menos valor para o pro -
gresso humano do que um s bem estabelecido,
pois que este d lugar generaliaaco a to los
os casos semelhantes.
Os tactos i so lados de vem ser considerados
como a podra da sciencia. Para um observador
ordinario, a poeira que flucta na atbmospbera
representa urna materia .ncotierente que nao se
acha em seu lagar, ao passo que para o homem
de sciencia ellas adquirem urna Importancia
consideravel quando os raios de luz e de calor
actuara sobre as suas molculas. Ellas teem in-
fluencias sobre as nuvens e a chava. Pela sua
influencia de seleceo sobre as ondas solares
que o azul do cea e as bellas cores das nuvens
ornara a natureza. Estes tactos isolados, esta
poeira da sciencia communicam natureza um
novo aspecto.
E' a luz da sciencia que nos habilita a sondar
a natureza por meio da experiencia directa. A
tbeona ou bypothese qae aos indas a propr
ama questo experimental pode ser falsa ou
verdaaeira; prudens qucstio dtmidium sciencia est
j meio saber quando se conoece aquiilo que
se quer indagar. Davy comparou a bypothese
aos andaimes da sciencia, til para suoir at a
concluso veadadeira, mas susceptivel de ser ar-
mada e destruida vontade. Sem duvida algu-
ma a existeucia da theoria temporaria e a ra
zo foi Bacon quem a deu e consiste em queo
borneo de sciencia preza mais a verdaae do que
a sua theoria.
As theonas que mudam e que o mundo des-
preza sao folbas da arvore da sciencia; ellas
protegem seus rebentos, do lugar a que ve-
aham novos ramos e que i pparecam fructos ;
era seguida cahem e seccam, mas servem ainda
da alimento s raizes da arvore; om dia reap-
parecero sob a forma de folbas, de theonas
novas.
m systema de sciencia o resultado da in -
dagaco' da natureza por meio de experiencias
be o dirigidas; appilcando -se o mesmo metno-
do aos inventos industnaes, imprime-se rpidos
progressos s artes. Estas tambem dispem de
meios para sondar os segredos da natureza.
Eneas foi bem auccedido na sua empreza por
ter arrancado um ramo de ouro arvore da na
tureza. Vendo o Cbaron mesmo, nao ouson re
cusar-lbe a passagem; as portas dos Campos
Elyseos abnram se quando no seu limiar o h-
roe depositen o ramo. A natureza appareceu
sob um aovo aspecto.
Another sun and stars thej know.
Thut shine like ours, but snine bellote.
(Elies ncaraffi sabendo qoe alm dos cossos
astros existiam outros de igual brilho).
E' trinsportando um Ul ramo de ouro da ar-
vore da sciencia que os inventores habilitam-se
a fazer progredir as artes.
Atim de mostrar quanto as descobertas sao
lentas e principio o rpida- snbseqaentemente e
bem S9im as suas applicages, tomar dous
exemptos entre mil.
Um dos prmeiros que me vem ao espirito
oar.
Suas funeces deveriam depressa ter sido
a redadas se os sentidos do bomem fossem por
si suficientes para instruil o.
j homem pie por assim dizer estudal-o a
partir oo sen primeiro sopro.
Apezar de tudo o ar foi mal estudado al oes-
tes ltimos tempos.
Sabemos hoje que o ar pode tornarse liquido
por meio da press > e do fre; a enanca consi
dera o ar como cousa alguma, igual raciocinio
fozia o homem a respeito em lempos nao muito
remotos. ...
m vaso cheio de ar foi dorante muito tempo
considerado como vazio.
A partir do dia em que o homem entregou-se
reflexo, recoobeceu nelle a alma do mundo
da qual aependem a respiracio e o fogo.
Ha apenas um seculo (1775) que a humanida-
de chegou a ter urna concepcao razoavel destas
doas condices esoeociaes vida do homem : a
respiraco e a cumbustao.
Nao ba duvida algumu de que anteriormente
se tenha dcutido sobre o ar; Anaximenes, 548
annos A. C. e Diogenes d'Apolonia, um seculo
mais urde, com os meios a sea alcance, tinam
esiadado as propriedades do ar; o mesmo tez
Aristteles. ,_ ^a ,
As primeiras experiencias scieotincos sobre o
ar sao devidas a um rabe chamado Alhazen,
qae viveu no aaao de 1100.
Elle esta&eleceo certas verdades que permit-
tiram mu mais larde a Galliteu, Torncelh, Ol-
io de Gueriche e outros de descoorirem leis que
deviam conduair s applicaces praticas.
Concep$ao alguma sobre a composico do ar
existi at 1774. ,
Foi nesta poca qae Pnesuey venucou scien-
titicamente ama observacao emprica feita tre-
zemos anuos antes por Bck de Salback, sobre a
unio do aercuno com o ar e sobre a decompo
sitio da mistura pelo caler.
Esta experiencia veio demonstrar que o ele-
mento activo do ar o oxygeaio.
A partir deste momento os nossos c taheci
mentos sobre o ar fiseram vertiginosos progres -
sos.
0 ar, qae se compe sobretudo de azoto e de
oxygenio, contm igualmente acido carbnico,


ammoniaco, acido ntrico, ozone e nma myriade
de organismos viv^s cuja influencia sobre a eco-
noma consideravel. aqf
Estes micro-organismos, ultimas acquisices
feitas ao dominio do estudo do ar, preenchem
funeces analyticas muito importantes na natu-
reza orgnica.
Elles servem para transformar a sua energa
potencial em energa acUva.
Pela aeco que exercem sobre a materia nao
viva se acba garantida a reiago das plantas e
dos animaes.
0 ar o tmulo da morte orgnica e o berco
da vida orgnica.
Nao ba duvida qae os aotigos tenham tido a
intuicao deste tacto sem entretanto terem conse-
guido proval-o.
Eurpides parece telo entrevisto deductiva-
mente, quando sobre a decadencia da materia
elle disse :
Tiien that which springs from eartb, to earth
(retaras
And that which draws its being from tbe sky
Rises again up to the sky height.
(Aquillo que procede da trra para ella volve-
r ; aquillo qae ao co deve o sopro de vida,
tomar a voltar para as regios celestes)
Estas descobertas progressivas muito contri-
buirara para o conhecimento da vida e impr ni-
ram um maravilhoso deseuvolvimeuto indus-
tria.
A respiraco e a combusto dominam um
grande numero de phenomeuos.
O emprego economicj do combnstivel, o des-
envolvimento Jas plantas, a natrco animal, os
processos agrcolas, a saude publica, a origem
e o tra la ment das molestias, a produeco das
hebidas alcoolicas, os processos para a fabrica-
Cao do vinagre e do salitre, tudo isto e muito
mais ainda tiveram como ponto de partida a
mesma lei.
Incontestavelmente os animaes reapiravam, o
combustivel queimava, a planta crescia, o assu-
car fermentava antes que se soubesse que tudo
dependa do ar; mas, como se tratava de um co-
obecimento emprico, cao se o poda utilisar in-
lelligentemente.
Hoje todos estes pbenomenos acham se orde-
nados sob a sabia economa da natureza e po-
dem ser empreados ao oem da humanidade ;
como muito oem o disse Swedenborg human
ends always ascend as natnre descends.
No universo nao existe urna s industria que
nao tenha recebid.i um notavel impulso com os
conhecimento mais perfeitos adquiridos sobre
o ar, de om seculo a esta parte.
S ea dlspuzesae de tempo procurara demons-
trar vos as vantagens indnstraes ai a Ja maio-
res, resultantes da descoberta de Cavendish so-
bre a composico da agua.
Eu o tena feito com tanto mais praz r quanto
Addison levianamente disse e Paley concordou
com elle:
Tudo quanto o homem precisa saber sobre
o papel da agua na naiureza pode reduzir-se a
tres cousas; sua temperatura de ebulico e de
coogelac&o e o meio de obter vapor. m
Examiando a ordem dos progressos da in-
dustria, antea moaaaa de serem esclarecido, pela
sciencia, notaremos qne os melhoramentos pa-
recem depender das quatro condices seguin-
tes:
i* O emprego das foreas da natureza para as
necessidades do homem: Hercules empreando
as aguas de Alpheu para limpar as estribaras
Aagias ; Kamcbadal, que depois de ter pasado
tres annos a cavar um bote, verifica qae por meio
do fogo podta-se executar o mesmo trabalho
em algumas horas.
2a A economa de tempo: ama machina para
lustrar fazendas communica a nma immensa
peca de madapolao o mesmo brilho que o selva-
getn a alguns centmetros de esteta esfregan-
do a com urna concha.
3* A economa de produeco : as peonas de
ac que a principio vendiam-se por um shelliag
cada urna, veodem-se boje por um penny.
Os tnltios de dco ainda ba pouco tempo custa-
vam 45 a tonelada ao passo que hoje s cus-
tam5
4* A utilisaco das escorias : o meio de dar-
Ihes um valor industrial maior.
As escorias das usinas de gaz sao transforma-
das em esseocias tinturas brilhaates, estreos
fertisantes; as escorias animaes, os ossos ve-
Idos transformados em phosposros. (1)
Por vezes estes diversos resultados sao obti-
dos simultneamente; em todo caso ha sempre
economa de tempo e de produeco, quando as
foreas nu os ti tuero a forca humana.
Em materia de progressos industriaes o suor
do rosto enxuto peas concepces do cerebro.
Qual nao foi a alegra do velho poeta grego,
Aoupater, no dia a parir do qual as mulheres
nao tiveram mais que fazer gyrar o moinbo que
moe o trigo de cada da:
> Mulberes, qae at ao presente fizestes gyrar
o moinbo, vossos bracos vao se repousar para
o futnro I
Nao ser mais para vos que o passaro ma-
tutino annunciar com o seo canto o despertar
do dia.
Cres deu ordem as nymphas das aguas de
fazer mover os pesados moinhos e de preencher
assim vosso trabalho.
Penelope possuia dose escravas para moer o
trigo em casa della.
Nos tempos da prosperidade de Atbenas cada
homem livre possuia na inedia vinte escravos.
Mas os escravos sao meras machinas e, como
ellas, nada deacobriam, nada inventavam.
Os escravos dos judeus, os ilotas de Sparta,
os escravos de Roma, os servo* da Europa, os
traba badores ignorantes dos tempos modernos
sao os instrumentos da ignorancia, e de modo
alguna coutribuem para o progresso.
Lomo as foreas naturaes tm substituido e se
tornado mais baratas do qtn o trabalho escravo
despootou a liberdale e esta tem gui do a civi-
lisaco. ...
As machinas requerem urna viga .ncia eseta-
Urna manufactura de calcados de Boston pre-
enebe o trabalho l trinta mil sapateiros.
Nestes a.timos annos a forca vapor de 11 1(S
milhes de cavalios-vapor elevams-e 19 mi-
Ihes. a, .
Para dar vos urna Idea das bemfeitonas da
sciencia em ama modesta industria vou tomar
um eloqaente exemplo.
Quando eu era enanca, o nico meio de obter
luz consista na fusil de ferir lome.
Para isto eram necessanos quatro objects:
a pedra, o pedaco de ac, a mecha e o pali'.o
com enxofre. ,
Si todo ia b-ra, si se encentra va a cana e o
ar estava secco, podia se obter a luz em dous
minutos; multas veaee porem a operacio exiga
multo mais tempo, o que expnnha a paciencia a
urna rude prova. resaltado di*to qae se
conserva va o fogo ou a luz durante todo o da.
O velho Gerard, no seu Hervano nos refere que
se empreg-va certoa lucos para transportar o
fogo de um lugar para oatro. Durante muito




r 4

Nesta ordem de ideas jnlgamos dever citar
o lacio segainte:
ma usina de Paria, qae eulisa o aaeite pro-
cedente das caixaa de graza dos wages, da
116,000 kilogrammaa de aaeiie, relira 31,751 ki-
logrammas de cobre e 17.596 kilogrammas de
ferro.S. D. T.
/
W


Diario de Peroambuco-Sexta-feira 11 de Julho de 1890

i



)
lempo o fazi. foi considralo como ama grande
descoberta. As Pyximimla iniatia Jos romanos
parecem tcr sido do mtemo uso, se bem que hi
pouco mais rudimeotar do que a pedra e o ferro
que Filippe o Bom juotava as co-do ds Tos&o
de Ouro, em li29 chu sigual do progrecso nac
BciencioS usuaes.
O fusil reinou at 1833 poca em que os pali-
tos phospboncos appareceram. luo naa impe-
de que existam em Londres veneraodos soeios
que nao abandonaras e fusil. A descoberia d mais educa sen poco est destinada a tornar se a
phospnoro nao era coasa aova. Um rabe cha-
mado Bechel a tinba ferio no VIII seclo. Ella
foi porem esquecida e Brandt tornou a fazel a
em 1669 extrabindo o phospboro das materias
em decomposigo. Eram precisas entretanto
outras descobertas antes de cheg^ r-se ao palito
de fogo. Os pbenomenos da combasto s foram
ccientiticameute esiudados um secuto mais tarde
quan lo se descobnoo oxygenio. Um ceno tem-
po devia decorrer ainda antes que a analyse
chimica dos corpos indicasse o que era preciso
juntar ao pbospburo para infl iiiial-o instanta
neamentc. Os palitos pbosphoricos so foram
inventados em 1833.
Eram eolio de inulto m quUidade, Dengosa-
mente uiflammaveis, mu nocivos a sade do
productor e aos polmoes do- consumidores. Foi
prendo urna segunda deacoberla, de S :hroder,
em 1845, para transformar esiefcpengoso veneno
em um pbo*pboro rnbro lijlo looffeosivo e dar
or ajero aos piiospboros de seguranga dos nossos
das. (1)
Que vantagens decorrem destas descobertas
successivas uo que diz respeito a economa de
tempo ?
Si antes de 1883, tivessemos tido a mesma
oecessidade de luz como boje, que cada hab
taote consomm 8 phospboros, o fo'.il nol-a teria
fornecido, as eondicoVs s mais favoraveis, em
um quarto de hora. O phosphoro produz a luz
em lo segundos, sejaro 2 minutos por dia. Em
um auno o venerando ancio que cooservou o
fuzil emprear 90 turas para obter urna luz
que de non s exige li horas. E' urna econo-
ma le 78 h jras ou por outro ie 10 das de tra-
baibo. Avallando em 1 franco e 85 cntimos o
prego de um dia de i.-abaiho temos que a eco-
noma de tempo a que deu lugar a descoberta
dos pta splroros se traduz para a Gr-Bretanha
pela somraa de 6 0 rnitiOss de francos por anno.
Eis um curioso exemplo da economa de tera
po obiida pela sctencia em uma pequea indus
tiia as industrias mais importantes a econo
ma de tempo e de irabalho, obtida pela appli
cacao das descobertas cientficas, excede toda
avaliacao. A lescoberta do calor latente por
Bld< k deu luya- invences d Watt ; a des-
cobena ao equivalente mechamco do calor, por
Joule, servio base aos differentes aperfeicoa
memo d-s maubinas vapor. Hjje o consumo
de combnstwel corresponde a quarta parte do
que era ha 20 anuos.
Da vira em que, seu turno, as machinas de
Watt e de SitJHheiiBon sero substituidas por
minore* mais econmicos.
ElUs ja tein feio para desenvolver a riqueza,
os recursos e a influencia da IngUterra, omito
mais do que todas as|victorias dos seus exerc
tos e as negociagoes dos seus diplmalas.
0 carvio, esta foote principal de torga, re
prsenla provavelmente o producto de cinco ou
seis milbd>8-de anuos durante os qoaei o sol
dardejou seus ratos sobre as plantas do pe
nodo carboaiferoe a-mazeaou aellas a sua ener-
ga Ijfelizinente empreamos esta forca sem
medidas e sem orueiu. Ha apenas 300 aonos
que a Inglaterra tornou se um paz manufactu
reiro.
Segondo o professor Dewar em meaos de 200
anuos, todo o carvo deste paiz ter sido esgo
lado e dentro de um seculo ser difficit abaste-
cer se delle.
Os nossos descendentes tero, pois, que resol
uer este problema. 0 que ser da Inglaterra sem
carvo A resposta depender do desenvolvi-
cceoto rntellectaal do paiz.
Talvez seja possivel, enio, extranir o carvo
de outras minas, as das Navas-Galle do eul e
transporta!-o fcilmente e por baixo preso atirn
de que o desenvol-virnento intellectual dos traba
madores compense largamente o augmento de
prego do combusiivet
Ser precise para isto que 09 futuros governos
4a Inglaterraitenham sobre o valor da sctencia
stas mais largas do que os governoe pascados.
As applicaces iudueriaecea*Htuem a exube-
rancia d ecicucis que traasbont*. Ha quera
pergunte: De que serve ama descoberta scientifi-
ea abstraoia ? Pavaday respondeu, quando disse :
Be qoe servem os recem-nascidos tJEntretan to a
enanca o centro para o qual convergem as es-
peranzas e o amor da familia e ioteresse mesmo
do Estado que della se preoecupa para formar
M cidaJaouttl. As qualidad-s lateileciaaee oe-
cessarias para urna descoberta e coneeber a sua
applic .-cao se acbam raramente reunid is aa mes-
ma pessoa. 0 sabio procara explicar as causo
e as re'acCes do phenomeoo'; o inventor ten
as applieagoes novas ou mus efficasec. Por
veces e inventor ebega a um resultado sem ser
sabio ; quanto mais proficuos nao sao os seus
trabalhos quando elle com prebende a causa dos
eiViios que procura reproducir I
Em preeeacs da concurrencia hodierna naco-
alguma pode permanecer estacionaria aa via de
progres o. Tres sao as solucoes entre as quaes
deve escolher: progredir, retrogradar ou pere
cer-
Ella desapparecer do numero das Daces a
partir do da em qoe oegtigenciar a instrueco.
A escriptura disse aquelle que odea a in-
strueco ama amorte* (Salomo).
A sociologa, como a biologa, comprebende
bes estados; o estado de equilibrio, durante o
aal ludo permanece estacionario, sem progredir
sem declinar; o esta io de elaborago e de ero
toco, que c< rresponde ao do animal que se
adapta ao sea meio ; emfim o estado de detiene
rescencta, no qual o .somera perde rpidamente
terreao precedentemente conquistado.
Para ama naca, o estado de equilibrio corres
ponde somente aos pnmejros lempos da sua
exi-tencia ; medida qoe as coodic6es que o
cercam se vo modificando elle se torna insm-
eteme.
No cometo da sua historia as nac&es preeisao
sobreiudo de iraterias primas e de om excesso
de populaco para fazer prosp-rar'assuas maou
ofacturas ; mais tarde, semelhante estado de
causas se torna insuficiente, preciso que ella
recorra urtelligencia uara poder desenvolver
se. Como naco maaufactureira a Inglaterra
daU de Elisabelh. Antes desta poca ella pos-
suia. verdade, o carvo, o ferro, a madeira em
abundancia ; mas sob os Plantagenet lia tirava
de>ses materiaes pouco proveito. Suas las eraiu
expedidas para as facturas de Flandres ; nesta
po^a ella era tributaria da Hollandi. como o
boje a Australia do Yorkshire.
Os enmes polticos da H-spanba, desde Per-
sardo e Isabel at Felippe III, arruinaran a in-
dustria desta naci, coiO logar foi tomado pela
Inglat rra A actividade e a aciencia dos rabes
Mobam fundado importantes industrias na H-s
panha. Depois de 100 annos de oceupaco os
mouros e os mooriscos foram expulso* da H-s-
panba e com ellcs desapparetea o ?enio do paiz
que os repehu. A iovaso dos Paizes Baixoe
por Peiippe II iransportou as manufacturas fla-
mengus para a ioglaterra.
A revogaco do E li'o de Nantes fez partir os
operarios huguenotes que coros i go fevaram a n
dustria de algodo, da l e da seda. O algodo
tecido com o lioho e a 14 se tinba tornado de
um emprego usual ; mas so foi de 1738 at o lim
do secuio que as invences de Wyalt d'A k
v/right, d'Hargreaves, de Crompton, de Gartwri-
gbt, imprimiram industria moderna o sea ma
ravilboso desenvotvimento. O algodo broto foi
importado da lo lia e da America, mas oseo em-
prego mais devido inteligencia despendida
ara uusal-o do que ao sen baixo preco.
De om seculo a esta parte a sciencia tem trans-
formado as condiefies da con urrencia indos
ftnal.
Gracas aos seos eosioamentos, conseguio-se
por meio s traasportaro pensa
meato at aa mais recnditas regies e a palavra
aponUiB roiaiivament distantes. O vapor e a
lecirwiiiftde tem p oporcionado Inglaterra
tan'a^oM wcalcuiaveis. O ocuano que a prin-
apu Uia desta reg o uma liba isoUda coa
tue boje o sangue da Inglaterra e de alm mar,
do mundo Bntanuico.
Assim como que ao coepo bamauo o sangue
circula por toda a parte transportando a forca a
to^c me tabre*, assim isabea no corpo po-
ltico 4a Inglaterra o calor tornou se o systema
circutatono e a electricidad o systema nervoso.
Aumoloniaa, por erem paizee qjvos, vm as
suaouunteriss priesas sua pnscipai fonte de n
qoepau*
Quiado mais velbas, ellas comprebendero qoe
a sas prosperidade depender da cultura mt -I
ectual; como disse Jules Simn. 'A nago que
prwmrn noticie wmmdo, u nao koje, com certeza
amanh.'
lostrucco superior tal o factor da maior
prospendade ; a nasao que se descuidar de des
envolver a scieocia fatalmente perecer.
Os verdadeiros campeCes da sctencia devem
jjiitentar-se em vel a florescer e deixar a outros
o cuidado de procurar quaes as applicacOes que
se pode fuer do resultado dos seus labores.
Entre a sciencia e a industria existem relacOes
intimas, que cada ves mais se estreitaro me
dida que as nossas escolas e universidades se
desenvolver a instrueco scieotifica.
A sciencia anstracta reservada aos borneas
que tem aso, aos sabios que dispoem de meios
de vida sem precisar da industria. As tnvesti-
gaco.^i scientificas exigem uma situaco de r
tuna indepeudente. O mesmo d-se com a arte,
anda esta ultima tem um valor commercial que
a ouira nao tem. (1)
Na Grecia, quando os estudos philosophicos e
scie .tilicos se acbavam ao seu apogeo, quando
se p-udigalisava a instrueco, nao em liugua
inoita, mas sim em idioma nacional, vio se oros
perar a sciencia, a industria e o commercio.
Cormibo oceupava o logar de Birminghan de
Shefield. Alhenas representava Leeds, Stoffor-
dshiie e Londres, pois oelia se eaconirava ma
nufacturas de la, d louca, olli in i- de joalheria
de ouro e de praia, constructores de n. nos etc.
Os pbilosopbos eram tiibos de commmerciautes
aUuns coutiuuavam carreira do pal. Thales
era negocame d: azeites. Soln, Plaio, Zeuon
eram homens de commercio. Scrates lavrava
pedra* de cantara. Tnucydides era operario em
urna mina de ouro. Aristotoles dirigi uma 1ro
gana al o da em que Alexandre o enriqueceu
com os despojos da Asia. Tojos, salvo Scrates
eram ricos.
No da em que uma solida instrueco espalhar
o go-to pela sciencia as nossas escolas e oas
nossas universidades, ;s pessoas ricas que tra
baiharam pelo progresso da sciencia tornar-se
ho m-nos raros, e nao podereinos apenas citar
Boyle, Cavendish. Napier, Lyell. Murchison, Dar-
w.n sero to numerosos quanto os nossos ora
dores e os nossos homens de Esiado.
Um homem de Estado sem partidarios para
apreciar as suas ideas e auxillial-o n.> sua obra
tena bem pouco vaior. Na luglalerra os mestres
nunca faltaram, porem mui restricto tem sido o
numero dos discpulos.
si a nstrihco no nosso paiz quizer se adap
tar as exigencias da no-sa poca, deve emuar a
Fianga e a Allemanha e por traz dos generaes
da scienci crear um exercito que seja capaz de
marchar cum os seui ebefes.
A accao a aeco do fogo ; um s pedaco de madeira nao
arde seja qual for a se-cura do ar e a correoteza
do ar ; dez pedacos reuaidos, porem, ardero
bem ; cem pe lucos ardero cincoenla vezes me
ilur do que dez.
(Continua).
(I) Muito me admira que o sabio Sr. Playfair
sustente semalbante tbeoria ; sem entrar em
grandes consideraces farri nota-quea h storiada
scien :ia abi est para demonstrar que pouco ou
merceos sao aquelle.- que, dispon Jo de meios.ea
iregaram se ao culto da sciencia, mesmo ab
stracto.N D. T.
PERAIBDGO
I\ISTR1AS 4RES
(11 OPtem se o pbospboro vermelho aquecendo
pho*pbro. amarello >uma alia temperatura
em vaso fechado. O phospboro vermelbo apre-
senta sobr o ouiro a co Na industria quasi que s elle que se
emprega. Em Franca ba om anno a Cmara
uromuigoa um le ueste seoudo. -N. D. T.
Na capital federal esteva em exposico o qua
dro alleiionco -A Bempco do Amazonas.
E' proJuccao do artista uaoioaal Aurelio de
Figueiredo.
Em Maico ultimo foi em Portucal inaugurada
a fabrica de raoageas perteaceate 4 Nova Ooro-
paotiia de Moagens de Vieoua de Castello, e
;uja sede sociJ na capital daquells provincia.
A oova fabrica fuacetoda n'um espacoso edi-
ficio que perteoceu ao fallecido capitalista Joo
Loureiro Affooso. depois firma commercial de
l&ave* de Harberls, que o adquiri por 7:3O0J
fortes e cedido por ultimo nova oumpanbia
pela avallada somma de vinte eoatos.
Est bem situado, oe largo de S. Bom Ho-
rnea, jauto a dota em coastrueco e em frente
o rio Lima.
O macboismo do systema mais moderno,
austro ou/aro. e foi iostallado pelo constructor
Sr. Daverio.
secundo um jornal do Porto, est em atan
guaWe Mr, GibeK, empregado d,uma compaobia
francesa, qoe pretende estabellecer naquella
villa, ou as suas mmediaces, uma fabrica de
assucar de pet'-rrabi. P .rece que o delegado da
compaobia pretende aproveiisr os terrenos que
foram de vinba, e que o puyioxera destruio.
Nao se baver por inoportuno cbamarmos a
atienco da lavoura. sobretodo da pequea la-
voura. para a facilima industria apcola que,
alem dos seus iiamediatos resultados represen
lados pelo mel e pela cera, exerce notoriamente
accao benfica aa fecundaco pos fructos, dos ce
reaes de toda a especie, das vintias e dos pra-
dos.
as nossis regies viohateiras, que teadem a
desenvolverse, a apicultura piaera vaotajosa
mente ocupar o papel de industria accessoria.
Na Saxonia districtos ha onde os plantadores
somente produsem trigo para o vender como se-
ment, e por alto preco. Em les districtos nao
ba plantador que oo possua corticos e, o que
e mais notavel, cada plantador lava os sobre car-
rocas para o meio dos campos na quadra da fio
resceucia do trigo.
O tolheto de Jobard est ebeio de factos pro-
uatonos de tal influencia.
Por outro lado, sabido como na Allemanha,
na Austria ua Italia e nos Estados Unidos ani-
mada a cultura das abelhas.
Na Alsacia Lorena o goveroo allemo subven
ciona c m largueza duas publicacoes apcolas
Em Vienna existe uma verdadeira academia
apcola, servida por summidades scieatillcas ; e
ua America do Norte oo menos de 30 compa
oblas exploram a apicultura.
Nisto na sem duvida para a uossa lavoura ob-
jecto digno de attencSo.
Consultada a As-
com esta ultima
Pela commisso internacional de Berne j fo-
ram dados estampa os resultados da recente
conferencia de Madrid, sobre a propnedade in-
dustrial.
O Tacto mais notavel deste coogresso foi a
conclusao de um accordo para reprimir as falsas
odicaces de proveniencia das mercadorias;
accordo que sustentado vigorosamente pelos de
legados franceses teve a adbeso da Hespanba,
Franca. Inglaterra, Saecia, Noruega, Suissa, Por
tugai, Tuois, Guatemala e Brasil.
A llallae a Hollauda votanm contra; a Blgi-
ca e os Estados-Uaidos se abstiveram.
Segundo os termos do artigo pnmeiro todo
objecio industrial que trouxer uma indicaco
falsa de proveniencia, em que um dos Estados
coatraclaates for directa ou odirectarouate indi
cado como seu productor, ser apprebendido em
cada um dos referidos Estados. Mas esta dispo
sico nao obsta a que o vendedor ponha seu
nome ou eadereco aos product >s proveaientes
de um paiz diverso; neste caso, o eodereco ou o
nome deve ser acompanbado da iodicacao exac
ti e em caracteres bem visiveis, do paiz ou do
logar ia produeco ou do fabricu.
spetar de volado s por dez Estados, este ac
cordo realisa um progresso coosideravelem ma
tena de moraiidade commercial.
Nao se nata iieuj de protecefto nem de livre
escambo, mas simplesmente de leaidade : cada
cidade industrial proprielaria do seu nome,
como todo cidado dono do sen.
Fazemos votos para que os governos appro-
vem quanto antes este projecto de accordo in-
ternacional. 0 Brasil tem por sua parte o grao
de ioteresse fue acabar com a fraude, que des
virtua na Europa o valor do nos principal pro
duelo gricola, dando por caf de Moka, de Java,
de Ceylo e da Martinica o genuino e excellente
caf bruUeiro.
Em 12de Jiinhode 1890
ACTA DA SEUUXO EXTBAOBUTSA.BIA DA Ab
8EMBLA OEBAL DOS ACCIONISTAg DA-
EMPKBUA DA BSTBA A DB VCBBo OS MI
BE [RAO A BOS1TO, EM 12 DK JOWHO r>S
190.
Presidencia do cidadao Dr. Joao de Oli-
veira
Ao meio dia, oo escnptorio desta empresa, re
unidos os Srs. accionistas Joaqu.m da Costa Mo
reir, Caelano Alb-rto de Castro Nascimeoto,
Joviniano Manta. Jos Bellarmino Pereira de
Mello por si e por seus fimos Antonia Pereira
de Mello e Joo Liberato Pereira de Mello, Anto-
nio Guilhermioo dos Santos, Aotoaio Jos da
Silva, Joo Lustosa da Cuaba Pedrosa. D. Mara
Lucilla Pereia de MeHo, Manuel dos Santos Be-
cerra Leite e Jos de Mallos Bangel representa
dos por seo procurador Antonio Jos da Silva,
Antonio Duarte Machado, Jos Gomes Ferreira
Maia por procurigo de Jos Currea de Vaseoo-
cellos, Maooel Joaquim de Ao lrade, Maooel Fi
gueira de Fana & Filbos, Joo do Livrameoto,
por procuraco de Possidoaio Jos < .ardoaa So
brioho, de D. Natalia de C. Moreira Fontes, de
D. K isa Muniz Machado, do vigano Joaquim ia
uoba Cavalcante, di conego M.inoel Jos Mar-
tos Alves de Carvalbo, de Marunno Ferreir*
L"lte, de Antonio J aquim Cavalcante de Albu
querque. de J)s dos SaJtos da Co- de Jos Soares de S-lxaa, Joaquim da Costa Mo-
reira, Joaquim da Costa Quintas por procura-
do de Jo< Piedade v C, Joaqnm da Costa
Quintas, Affonso Oliveira C, Marceilino Gon
calves de Azevedo, e Joao Maooel de Barros e
Silva por procuraco de Manoel da Silva M-ia.
Joo M i noel de Bar-o* e Silva, F anclsoo Jos de
edeiroj e por procuraco de Carlos Sinden e
Felippe Pae< de Oliveira. Francisco Jo* de Me.
deiros. Auguste Labille, Francisco Pedro Bouli
treau por si e por i>ua esposa D. Zulmira Uaval
cante de Aibuauerque Bouhtreau. Isidro Wan
derley Lins, franci-co Ribeiro Pinto Giimares,
Graciiiano Oettvio da Cruz Martius, Bernardino
Gome-" de Cirvalho, Joaquim Manoel Pe eir.
Joo Jos de Amo-im. Manoel Joo de Amorim.
Jos das Neves Pedrosa D Mana Rosa de Alou
qaerque representada por seu pai, Manoel He
raclito Cavalcante de Albuquerque, Alfredo Al-
ves Ma-tins. Jo5o de Oliveira, Reis & Santos,
Manoel Argihav, Fran>-isco Lopes Guimaies,
Jo- Francisco do Bimfim. Jos Joaquim de Oh
veira Fnnseca por procuraco da Bar-meza de
S-rinhSpm. Jos Joaquim de Oliveira Fonseca.
Wanderley Basto-', Demetrio "astos Fntu
por prurnraQo do Dr. Honorio dt Barros Wan
derley. Wanderley 4 Bastos por procuraco de
Jo.,quirn Saleado Ferreira. Joviniaoo Manta Joa
quim Olinto Bastos, vai a signada pelo presi-
dente e mais os accionistas presentes.
Recife, 12 de Junbo de 1890
Joo de Oliveira.
Marcolioo Lopes Cato.
Francisco Pedro Boulitreau.
Havendo, pois. numero superior a doos tercos
do eapital realisado, o Sr. presidente declarou
a be ra a sesso.
Pediodo a palavra o Dr. Medeiros, para pro
por diversas questes preliminares, declarou o
Sr. presidente que o mesmo oo poda discutir
e volar como accionista, na firma dos estatutos,
por ter menos de trinta dias ; o que foi colea
tado pelo Dr. Medeiros. que sustentou a opinio
de poderem os accionistas nestas condices to
mar parte na dlscusso, deixando apenas de vo-
tar. 0 Dr. Oliveira Fonseca pediodo a palavra,
combateu a opinio do Dr. Medeiros, e disse que
os accionista) de meaos de 30 dias apenas po
diam discutir e votar como procuradores de ou-
tros ; sendo que, para exercer esse mandato,
bastava, segundo a le, a qualidade de accioois
ta, qualidade que os eataiutje nao negam aos
que tem menos de 30 das.
serabia, decidi de accordo
opinio.
Obteodo a palavra o Dr. Medeiros, como pro
curador de accionistas amigos, disse que a Ba
rooesa de Seriahera nao se poda facer repre
sentar nesta assembla; porque, tendo fallecido
o Baro de Serinhaem. anda oo bavia pessoa
desjgaada para figurar peranie a sociedade como
propnetano da aeces, q ie elle tinha deixado.
Disse mais que os empreileiros e sub empreitei-
ros nao podiam votar, por ser tateressados
na quesio, para cuja solocfto se tioba coavoca
do a Assembla, nem os Srs. directores, per
se tratar de approvuco ou reprovajo de actos
seus. .
Quanto ao primeiro ponto, respondeu o w.
Oliveira Fonceca, que a Baroaeza de Senohem,
viuva meieira. ioventartante, cabeca de cas.I,
era administradora do < spolio, e a pessoa desi-
gnada por lei para represental-o. Quanto ao se
guodo ponto, responden o Sr. Joviniaoo Manta
que apenas havia um empretteiro. o Sr Ma
cbado, e nao empreiteiros, oem subempreitet-
ros ; e qus o Sr. Machado nao votara. Pelo
Srs. directores foi declarado que oo votaran,
aecrescentaudo o Sr. director geiente, que nem
mesmo como representante de seus filaos tu-
rnara parte aa votaco.
O Sr. presidente declarou que, apezar da coro
peleada qoe Ihe conferiam os estatutos, nao
quera s por si resolver a duvida levantada so
bre a intervenco da Baronesa de Serinhaem ;
manifestando se, porem, a assembla oo sent lo
de que elle mesmo a resolvesse, o fez oo sentido
le oo prevalecer a mesma duvida.
Depois da leitura da acta, que foi unnime
mente approvada, expoz o Sr. presidente os nos
da reuoiao, convocada requerimeoto de diver-
sos accionistas, e qoe eram decidir se a directo-
ria tinha competencia para fazer o contracto que
celeorou com o Sr. Machado, e se o mesmo con
tracto eslava de accordo com os ioleresses da
empresa e mereca ser approvado
Pedio a palavra o Dr. Medeiros, e declarando
nao entrar naquesto de saber qual da propostas
aevia ser preferida. eeosu'OU a directora por
nao tel as submeuido a uma commisso de en -
genbeiros; disse que eUa nao liotaa competencia
para effectuar o contracto sem previamente sub
mllelo approvaco da assembla geral; e
que os meresses da empresa nao tiobam sido
salvaguardados as clausulas do contracto ;
visto como o deposito de 10% do vilor HfuMo
de cada kilmetro nao era uma garanta sufli
cenle e tinba flns espectaes, com > a recoosiruc-
jo de obras, oo servindo, por exemplo, para
o caso de nao seren as obras concluidas no tem-
po convencionado, como pondera va o engenbeiro
Dr. Lassance no parecer que o mesmo Dr. Me
deiros apresentava e que leu em grande parle.
Accre8centou o Dr. Medeiros que, se por um la
do, a empresa ucava sem garantas, por outro
ficava sujeita euorme multa de 200x)00OX)0
por qostquer fulla que coir.mette<*se, sendo mu
lo possivel que ella, por seu estado udaoceiro.
viesse a cahir em falla, demoraado algum paga
meato. Finalmente qae os engenheiros. cujos
pareceres foram publicados pelo contractanie,
nao tiobam lido o oontraelo, ao^iasso que o Dr.
Lassance o bavia examinado.
O t. Joviniano Manta fediversas considera-
ces, sustentando : I que a directora eslava
plenamente autonsada, por deliberaco da pre
c dente assembla geral, cerno conetava da acta
que acabava de ser lida e approvada, e do pare-
cer d'aquelli commisso, o qualp mesmo orador
exhibi e leu; 2a que as obhgaces propostas
pelo Sr. Machado e estipuladas no contracto
eram de grande vactagem para a empresa e lbe
offereciam completa garanta.
O Dr. Oliveira Fonseca, reapondendo s censu-
ras formu adas pelo Dr. Medeiros, disse que a
proposta do Sr. Machado era com tanta eviden
cia muito mais vanlajosas para a empresa do que
a do Sr. Amaral, que oo havia necessidade al
guma de se consultarem engenheiros ; que oo
era p-e iso ser engenhein para saber se o abate
de 22 % ofterecido pelo Sr. Machado era maior
que o de 20,1 "/. proposto pelo Sr. Amaral; e se
e am razes de preferencia estipular se na pro
pos>a do Sr. Machado um praso limitado para o
comeco e term naco das obras, a obrigaco de
conserval-as atea abertura do trafego, eic.
Que a directora tinha, pelos estatutos, coja
dsposico leu o Dr. Fooseca, pleoa auionsaco
para coutrtclar a coustruejo de trechos kilo-
mtricos, e d'essa faculdade usou sem restricvOes
a anterior directora, contrae tan do com diversas
pessoas a coastrueco de 22 kilmetros, sem
coocurrencia, e sem submetter quaiquer um do*
contractos approvaco da assembla geral;
sendo qu sobre a legttimidade e vilidade d'es
se> contractos nunca se tinha levantado a menor
duvida.
Que a commisso fiscal nao tiuba proposto qae
se decM directora ama nova aitnbuicao quaa
dopwpuacwque ella fosee antonsaia a coa
iructar du-uma vez a coustruccao de todos os ki
Imnutrosque faltavam, mediante concurran oa,
e preferalo a proposta que toase mait vanta
jesa; e era notavel que depois d teso ae julg.sse
ter a directora menos competencia para coo-
tractar csmquem apreseotasse em concurrencia
a melhor preposia.
Q je o empruteiro s poda receber o paga
memo de cada kilmetro depois de feito, e bem
feto, e exa mnado, e aeixava em deposito 10 /..
o que era uma garanta snffi:iente ; sendo que,
na uyooilnse b'gurada pelo Dr. Lassance. do em
preiteiro aoaadonar os trabalhos antes de ter
minar o primeiro kiiomentro, a empresa na Ja
leria disp'ndi io, ao passoqueoempreiteiro per-
dera toda a d 'speza que bouvesse felto.
}ae era admiravei a aliegacio constante do
citado parecer, de que a empresa nao tinha di
reto aos 10 % q ja ido o empreiteiro, depois da
construego de alguns kilmetros, deixasse de
cumprir o contracto no tempo estipulad, pois
estava expresso e terminantemente consignado
n> clausula decima nona que o empreiteiro per
dena. em favor da empresa, as quantias deixa
-tas em cauco, se nao eotregasse a estrada com-
pletamente construida, de accordo com o perfil
e regras d'arte, no praso marcado aa sexta coa
dico.
Que a demora de pagam^oto por falta de meios
nao constitua opposgdo feta ao contracto, ne n
sujeitava a empresa a pagar mulla ; sendo certo
que a multa estipulada na clausula decima era
.ara o caso da e upresa, iroitraria e violenta
mente, rescindir o contracto ou dalo como oo
existente; caso em que o empreiteiro, indepen-
dentemente de clausula expressa, teria o diretio
de accionar a empresa, exigilo uma indemni-
sago, oo s de duzetitos eoatos de res mas de
irezeotos ou mais.
Finalmente que, tendo sido consultados dous
enifenheiros sobre as propo e Amaral, para que dwsessein qual d'ellas era
preferivel, cobultou o Sr. Machado a outros en-
enhpiros no mesmo sentido, e nao era preciso
que elles vissem o contracto para saber qual das
propostas devia ser preferida.
Para esclarecer a alguns accionistas, ra-ndoo
o Sr. pr sidenle le de novo a acta da sesso aa
terior, na parte relai va proposta da commis
sao fi -cal p.ra a co slruccodos 38 kilmetros e
700 metros.
Perguntou o commendador Joo Amorim se
nao devia ter sido ouvido o engenheiro fiscal
so >re o ront-acio ; ao que respo deu o Sr. Jo
viniaoo Mama, que, a'm de no ter eniraao
anda em 9xe 0 engenheiro fiscal, o gnvnrnu tinha limitado a
sua g anti nobre 3 :000000 .r kilmetro,
bavend > kilmetros que u-t .tn menos e outros
t s veces mais, e nao importava ao goveroo que
fosse mais ou menos dispendiosa a construeco
da estrada
Termnala a discuson, o Sr. or^sidente, de
pois de verificar que oenhum accionista preteii
da Bftaia fa lar poz separa i im -Ule em votacm
as egointe- questes : 1" s a d rectora, ab in
do i concurrencia para a coostrueco dos 38 ki
lomeiros e 700 rae ros e escolheodo, como esco
Iheu a proposta do Sr. M .di ido, tioha procedido
compeientemente ; 2a si a assembla geni ap-
p ovava o contracto, a 1* questo foi resolvida
affi>inalivament- por una ni mi da le de votos : a
2* tambero afirmativamente por 20i votos coo 20, deixando de votar os Srs. directores, o Sr
Machado e o Sr 'esidente, entendendo este que
teria voto em caso de empate.
Nada mais havendo a tratar-se, o Sr. presi-
dente levaotou a sesso.
E eu, Marcolmo Lopes Cata}, 2a secretario.
servindo de Io desta assembla geral extraordi
do Dr. Clemeniino de M. Wanderley, Pedro Lips
Wanderley ; Domingos Jos Fragoso, Pedro Los
Wanderley, por procuraco de Jos Rodrigues
Fragoso, Domingos Jos Fragoso : Jos Joaquim
Moreira, Antonio Jos Alves, Jos Igoac'o Avila.
Antonio Se go Lopes Lim i, Soares do Amaral
1 rosaos, Jos Soarer do Amaral, Sebasiio Lopes
Guimares. Maooel Joaquim Ribeiro e Domingos
Joaquim Ferreira Cruz, representando todos mil
oovecentos e viote e sete aeges com duzenio- e
noventa e cinco votos representados por seten a
e 'res accionistas presentes.
Metal -Da secretaria do
nos remetteram para publi
Teles;
governo do Estado
car o seguate :
Copia.Servio.Repartico Geral dos Te
legraphos. Estacao do Recife, 9 de Julho de
1890.
Telegramma o. 376. Procedente do Rio de
Jaoeiro oa mesma data.
Ao goveroador do Estado.
Redaccj artigo 68 regulamealo eleitoral
sabio alterada por erro imprensa. Aguarde oo '
va publicaco feita no Diario Offkial de 3.M
D'stro do Interior.
Acto* ufflciaet- Por acto de 7 do corren-
te do Dr. goveroador do Estado, foi borneado o
Dr. -Manoel Duarte Pereira delegado Iliterario de
Jaboatao.
Por acto de 9. foi designado o membro da
Intendencia de Ouricury, teneate coronel Elias
Gomes de Souza, para exercer o cargo de pre
Bidente da mesma 13tendencia.
Foi exooerado Antonio Marinho Falco do
lugar de memoro da intendencia de Ouricury e
nomeado para substituil o o tenenie coronel l'uo-
maz Pedro de Aquiao.
Por acto ae 3 foi suppriroida a cadeira de
liagua allem do Gymnasio Peraambucauo.
Theatro -A repetico da D. Juanita deu ao
Sr. Ueller uma prova bastante sig.iilicauva do
bom gosto da platea pernambucaaa, a qual, por
sua ves repeli a endiente real, o eotbusiasmo
e os applausos com que bavia receido a pn
meira representado da interessante opera co
mica.
Si o Sr. Heiter se demorasse ainda nesta cida-
de alm do dia que est marcado para sua reti-
rad, a D. Juanita 'suppprtaria, com certeza,
mais algumas repre*eoiac.es sem desagrado
para os frequeotadores do Santa Izabel e sem
prejuizo para a empresa.
nosso publico, que frequenta o theatro, gos
ta da boa msica, e ouve a repetico della com
praser. Si uma vez nao formou boa casa,
na ulima repeco do O Amor Molkado, foi pela
clrcumstaocia de uso ter a empresa mettido om
pequc.no otervallo entre as ultimas exbibiges
dessa festejada opeca Omro lamo oo aconte
ce com as mgicas, que. s nos domingos podem
ser repetidas. Quando a empresa oo puder dar
uovidades as recuas de assigoatura e ai mes
mo as extraordinarias dos das uteis da sema
na, em vez de repetir mgicas, pode recorrer
com satisfaco do publico e vantageni para si
A Garra d'Acor, Gran Via, ao Amor Molkado e
D Juanita.
Vul audo repetigo desta ultima opera, veri-
ficada no espectculo de antes de boutem, quar-
ta-feira. cabemos accrescenlar que oessa occa-
aio a Sra Lopiccolo mostrou-se mais desenoa
ragada no cauto, e que os entbusiasmos de cer
tos espectadores e ditos e interrupges impert
nenies no momento em que os artistas estavam
cantando os perturbaram, como aconieceu ao ia
teressantissimo duetto do 3o acto enlr i as Sras.
Massart e Blancbe. Taes ditos e interrupges
sao de um mo gosto tod a prova, e as exi-
gencias para serem bisados trechos di ficis e fatigan Ves para com os artistas ama
falta de attengo e benevolencia iue nao se
compadece com os favores a elles to frequeute-
raenie dispensados.
Compre-nos aioda fazer uma roctificago
nossa ultima noticia. No linio ensembte do 1
acto, ao qual aos referimos, fazeado seatir a ao
tavel drsigualdade do canto, nao en.ra o Sr.
Mallos, como por engaoo da temos.
FroelacMMNa audieucia de boutem do
Dr. juiz dos casamentes foram feilos os segua-
les preges:
SegundoDe Demetrio Raoulpbo de Barros
Leite, morador em 9. Jos, com D Joanaa Bap-
lista,de Souza, moradora oa Boa-Vista, solteiros.
SegundeDe Antonio Francisco Cabral, mo
rador oa Varzea.com D. Isabel Francisca de Pau-
la Aadrade, moradora cm Santo Antonio, soltei-
ros.
Segundo-De Fioravante Diaiz, morador e
Santo Antonio, com D. Marta do Carmo Lyra/Es-
teves, moradora em S. Jos, solteiros.
SegundoLie Antonio Secaadino de Barros e
Silva,morador em Gamelleira, com D. Cnerubina
Soares do Amaral, moradora aa Boa-Vista, sol-
Ceiros.
SeguaaoDe Joo. Launndo da Luz com D
Fraacisca Mana da Coaoeigo, moradores aa Boa
Vista e solteiros.
PrimeiroDe Joo Pedro da Silva, viuvo, com
D. Mara Flor da Assumpgo, solteira, morado-
res na Boa-Vista.
Primeiro ue Jos Ferreira de Castro com D.
Leonor Pbitomeoa da Silva Fana, moradores em
Santo Antonio e solteiros.
PrimeiroDe Jos Alves Pimuotel com D. Ma
ria Amalia da Silva, moradores m Santo Autoaio
e solteiros.
trmetro -De Bazilio d>s Virgens Ramos, sol-
teiro, com D. Aula Rosa Lisboa Esteves, viuva,
moradores em S. Jos.
PrimeiroDe bacharel Maooel Xavier Carneiro
Pessoa com D. Mana Julia de Araujo, moradores
em s Jos e solteiros.
PrimeiroDo bacharel Antonio da Silva Gui-
mares morador em Panellas, com D. Ouvia dos
Santos Moreira, mofadora em S. Jos, solteiros.
L.etiur Selecta* Essa excellente obra
coliigtdd pelo nlustrado inspector geral aposen-
tado da in-trucgo publica deste Estado, Dr. Joao
Baroalbo Ucha Cavalcante, acaba de ser dada
estampa em 3' edigo, visto terem se esgotido
as duas anteriores.
Obra assaz conhecida em nossas escolas do
eosino primario, para cujo uso foi ella especial
mente composta, nada temos a accresceatar sobre
o seu menm, ja reconhecido, agradecendo no en
iretdoio a fineza do Coaselbo do Gremio dos
P.ofessores Primarios pelo exemplar que nos
olTertou,
A ob.a acba-se na Livraria Boulitreau expos.a
venda.
Club Bepublicaao Martina lunior
Resoiveu esse Cluo e>n sesso de 8 de correu
te solemtnsar o da 14 do correte, anniversa'io
da tmala da Basiilha, e n-'Sie sentido celebrar
na segunda fera prxima uma sesso magna no
theatro Santa Isabel.
O acto comegir s II horas do dia, sob a
presideucia do Se Dr Jo Uid iro Martin* Ju
uior; e ser orador oficial o Sr. Dr Olinto Vctor.
Para traiar a --si testa i Um n nou ..: 1 is na
referida sesso diversas commiSSOeS, e para as
sistirem a ella sero convida las as autondasdes
civis e militares, bem como as as associages re-
publuauas. a i uprensa eos verdadeirus repu-
blicanos.
Aiuda na dita sesso foram propos'os e aceitos
socios por unanimidade, em homenagem aos
relevantes servigos prestados causa da repu
buca os Srs. Drs. Mamas Jnior, Albino M.-ira e
Aubrosio Machado.
Hije reune-se de novo o mesmo Club em ses-
so.
.r.'inii fltepubllcano Beerreue-
No da 6 do co 'rente foi .lefiuiuvain -u te insii
luido es-e Gremio no villa de B-zerr s
Su directora ficou composta dos Srs. Dr. Ma-
noel Victonuo da Cosa Barros. Baro di Simo
Audr e coronel Mano I de Barro* Wuiled-y.
Sucieilade BeaeOccnlo de ^axaretn
Realizara ilepoi- di ainanu essa aocieda.le a
eleig dos futicc o>i nos. que lem de dirtgil-a
no anuo social de 1890 -91.
Gabinete de Leitura Cameilelren
e Reuae-se e cor
rente em colleio eleitoral para eleger a no^a di
rectora, que funeciocar no anoo de 189091
ua direceo dos negocios sociaes.
i^anteriiit != lis'.ribuio-s- hontem
o n. 21W de-si n.ib.icacio tiumorisii-a.
Vatlecluaeuto Na vi la de Gamelleira
falleceu uo da 9 pela tarde, victiaa de amigos
padecimentos, o cidadao Amonio Joaquim da
Fonseca Carvalno. que naquella villa dava-se 4
vida commercial.
Era homem eslimavel por sea trato, tendo go-
zado sempre de coasideraco por saas quahda
des pessoaes ; do circulo intimo do lar foi um
enclleme pai de familia, cuja recordago ser
abi inolvidavel.
No rgimen da mo.iarchia foi adheso s ideas
conservadoras, seado honrado com differentes
cargos de eleicio popular, em cujo exercicio se
bouve sempre como homem le carcter.
Servir militarE' boje supet ior do dia
o cidadao CApito Xavier, e faz a ronda de
visita o cidado alferes Mesoareobas.
O batalnao dar a guarnico da cidade.
Brim*auuflWPUUUb e fertmeuto-Em 3
do corrate, o delegado do termo ae Bom Jardjm,
em cumplimento de um mandado do Dr. juiz
municipal competente, maafou seguir para o lu-
gar Fundi duas pracas do respectivo destaca
meato, acpmpaohando o oficial de jusliga Jos
Fiaocisco aa Coaha, afim de preoaeremo enmi
aosp Joaqmm exande, mandando tambera que
acompanbasse a diligencia o iospector de qaar-
i'iiro mais prximo.
Gbegad a diligencia casa de Joaquim Ale-
xandre, foi esta cercada, e, varejada, oo foi
encontrado o criminoso, que se tinba refugiado
ao matto. Foram, porem, presos um filbo de
Alexandre e um outro individuo suspeito de ser
tambera criminoso.
Qtodo a torga se retirara, cerca de cem bracas
distantes da cisa de Alexandre, este de embos-
cada fez fogo sobre ella, feriado mortalmenti o
referido inspector, que falleceu horas depois, e
gravemente o tenenie Sevenno Barbosa da Sil-
va N.
O delegado do termo .'bro aquerito a respet
to deste aovo exime de Joaquim Alexandre, ja
pronunciado duae vecen por crime de fenmeotos
graves em Bom Jardim e uma no termo de Ca-
beceiras, do visinho estado da Parahyba, e faz
diligencias para capturar o mesmo criminoso.
oetedade puiiomaiic -.-ob a presi-
dencia do Sr. Carlos iaes, loncciooou bontem
essa aasociago em sesso ordinaria ; oa qual,
depois de approvada com uma emenda a acta da
sesso pascada, foram oropostos e aceitos para
socio- effectivos os alumnos loaquim Sampaio
Cardoso, Jos Sampaio Caldoso, Traoquillino de
Oliveira e Minee! Cezar, sendo logo empossados
os dois pnmeiros com as formalidades dos esta
tutos.
Era segnida foram aprsenla las diversas ihe-
ses pelo socio Josino de Araujo, qae dissertou
sobre a anteriormente propo-ta pelos socios A.
Castello Brauco0 duelo coragem ou frate-
sa ?
Foram licenciados os socios Alcebiades Paiva
e AotoBto V. Pereira de Aodrade.
Fosam sorteados, para d'ssertar sobre a these
Qual a posigo do Brasil peraote as oages ci
viUsadas ? o socio Pedro Fraoga e para ser-
virem de promotor de >Nero* Joaquim Sampaio,
e de advogado Manoel Ariujo.
E depois de mandar-se agradecer redaego
da poca pela assigoatura que offereceu a bi-
blioiBeca, levantou-se a sesso
Pino da Panrlla-Dessa localidade di-
tera os, que aaie-bootem, pelas 7 turas da
noite, na estrada do Brejo, duas pragas eniende-
ram atropellar as pessoas que passavam em re-
gresso .s suas casas, e assim foram at vio
lencia pliystca, sem motivo nem distiocgo.
Si o facto inteiramente exacto, carece de
pumgao; e esumos que esta nao fallar, uma
vez verificada a veracidade lo mesmo facto, que
nao ter a tolerancia da autoridade, estamos cer
tos.
Vaccina publicaForam bontem vacci-
nadas na inspectora de hygiene publica 40 pes-
soas pelos Drs. iospector e respectivo ajudante.
Trunos l rbauoM de Oleada No es-
criptorio dessa emprez est sendo pago o 3,1.
dividendo aos respectivos acciooistas, razo
de 8 0/0 ao anno, bem como os juros das ac;es
prefereociaes.
Paanete AJUcajoAU-Seguudo telegramma
recebido ,pela ag^ acia do Lloyd Brasileiro, o pa
quete nacional Alagos sabio aote-nootem d,o
Estodo do Cear ; pelo que, se alcangou hootem
o do Ro Grande do Norte, locar noje no da Pa
rahyba, e araaoh oo de Pernamouco.
Tribunal do Jury do RecifeAinda
homem oe nouve julameoto n'este Tribunal
falla de juizes de facto.
Res ponderara chamada 35 jurados, sendo
multados em 20J os que faltaram e sorteados os
segrales supoleotes:
Freguezia de Santo Antonio
Maooel Gomes Ferreira de S Leito.
Dr Joo Ferreira da Silva.
Abilio Jos Bezerra Cavalcante.
Freguepia da Boa-YMa
Joaquim da Cosa Moreira.
Henrique de Miranda Henriques. ,
Francisco Jos da Costo Guimares.
Baro de Sopea Leo.
Freguezia da Graga
Jeronymo Gomes da Fooseca.
Dr. Francisco Apoligocio Leal.
Jos da Silva Loyo Jnior.
Manoel Francisco das Cbagas.
Freguezia deAfogados
Henri jue da Fon seca Cou trabo.
Clodoaldo Cato Camello Pessoa.
A sesso ficou adiada para boje s 10 horas.
ifireetoria < obra d eonaerra-
c %m do* porta* de Pernaaabuca Reci-
fe, 9 de Julho de 1890.
Boletim meteorolouloo
to j
Sons Sa2 6 m. 24',7 761-93 17.38 72
9 24*9 762-87 18.27 77
12 28 0 76-47 1812 63
3 t. 276 761-33 17.30 63
6 26,6 761-68 1 18,27 7i
0.
Temperatura mximaS8,50.
Dita miniraa-23.25.
Evaporago em 24 oras: sombra3
'".nuva- nulla.
Direcgo do vento : SE durante todo o dia.
Caimana durante 3 horas pela madrugada.
Velocidade media do venio1,-67 por se
guedo.
Nebulosidade media0.-36.
Koletitn do porto
de Julho
lloras
110 -02 da msnhi
4-18 da tarde
10 55 *
335 da maoh
Altura
2-11
0-.73
1-98
0-,83
intendencia
Reiidimetiio do da
dem de 9
M.niirip.il do llerlfe
la 8: 6.8I5883
80583
Imposto de limpeza :
De 1 a 9 de Julho
Dia 10
8.-615713
445524
59^870
505*114
Cana de Uetenco Movimento aos pre-
sos da Casa de Deit-ngo Pernaiubuco, em 9 de Julho de 1890.
Exislium 482 ent.aram 14, sahiram 24, existem
472.
i sab:-r:
laciooaes 442 mulberea 18, e.strangeiros 12,
Toial 472
-'.rrago..'"' 412
5003 378
jo'enie- 26
Loucos 6
Loucas 2.
-Total 412
Movimento aa enfermarla
Ti ve ram alta :
vlaximiano Jos Clemente.
Hernardino Jos de Souza.
Jos Pedrc de Araujo.
Jo.- Kibeiro da Silva.
Jos Mansinho uo Nascimento.
Antonio Go ues da Silva.
Tiverara baixa:
M noel de Torres Galludo.
Manoel Monteiro do Nascimento.
iio-itiai de Santa gueda-O roovi-
raeoto desie esiabelecimento (para variolosos)
no dia 9 do correte, foi o seguinte:
Homens Mulhere Total
Existiam 166 110 27
Entraram 6 7 13
Fallecersm 3 4 4
Existem 1*1 *** 4**
sospital Pedro It o movuueoto desta
niabeleeioiento de candado, no dia 9 de Julho
foi o seguinte:
Entraram 6
Sahiram
Palleceram 2
Existem 455
Foram visitadas as respectivas enfrmame
los Om- :
Cysnetro s 9 1/4.
Ferreira Velloso s 9 1/2.
Carneiro i eo as 8 3|4.
berardo s 9.
Malaquiae s 9.
Poutual s 9.
Satevo Cavalcante s 8 1/4.
imoes Barbosa s 9 1/2.
0 cirurgi&o denosta Numa Pompio a 8 3[4
horas.
O pbarmaceutico entrn s 8 1/2 da manh
ibio as 2 da tarde.
O ajudante do pbarmaceutico entrn s 7 1)4
e s mo s 5 horas da tarde.
JLelloea-EiIectuar-se-bo OS seguintes :
Hoje:
Pelo agente Brito, s 11 horas, ra de
Santo Amaro o. 32, de movis e outros objectos.
Pelo gente Silveira, s 11 horas, ra es-
trella do Rosario o. 8. de um sitio com casa em
Beberibe. f
Amaub :
Reto agente Brito, s 11 horas, no pateo de
Paraizo n. 16, de movis, lougas e v.dros.
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ra Vidal
de Negreiros n. 55.
Miaas fnebre*Sero celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, aa Ureja da Santa Cruz, pela al-
ma de D. Hermelinda Maria da Costa Araujo ; s
8 turas, na matriz de S. Jos, pela alma de B.
MarcoUaa Furtado da Silva Souto Maior.
Amanh :
A's 8 boras, na matriz de Santo Antonio, pela
alma de D. Maria Jos de Vasconcellos ; s 8
boras, oa igreja do Espirito Santo, pela alma de
Ovidio Saraiva de Carvalbo Nelva; s 8 horas,
na ureja da Cooceigo dos Militares, pela alma
de D. Rosa de Viteroo Gama Peona.
joteriw do Estado de Pernambuca
A 10* sene da 1* lotera deste Estado, ser ex-
trabida impreterivelmente ama'ob 12 de Julho
(sabbado), 1 hora da tarde, no consistorio de
igreja de Nossa Senbora da Rosario, de Santo
Antonio.
lwieria do Estado do tram-Pari
A15* serie da 31' lotera deste Estado, cujs
premio grande de 250:0004, ser extrahida
unan ba 12 deJuabo (sabbado).
A 2* serie da 41* lotera cujo premio gran-
de de 60:000*000 ser extrahida no dia .. do
corrate.
A 1* serie da 36* lotera, cujo premio graa-
de de 120:000*000 ser extrahida no dia .. da
correte. .
I.olera do araabio A 22* serie
aa 1* lotera deste Estado, cujo premio graode
de 3u0:000*, ser extrbida no dia 16 de Ju-
lho (quartafeira).
cemiierio publicoObituario do dia t
de Julno :
Caadida Maria das Neves, Pernambuco. 18 as-
aos, casada, Santo Antonio, febre lyphica ce-
rebral, f
Francelina Mana da Silva Lopes, Pernambu-
co, 38 annos, solteira, Boa Vista, leso car-
diaca.
Uma creanga, Pernambuco, Santo Antonio.
Trajauo TneoJoiniro de Moura, Cear, 55 as-
nos, casado, Recife, clica.
Jos Teixeira Lopes, Pernambuco, 20 anuos,
solteiro, Santo Antonio, vacilas confluentes tie-
rno rrh ag cus.
Mathilde Francisca Alves, Pernambuco, 11 as-
nos, Boa Vista, febre typbica.
Roque, Pernambuco, 1 aaao e 8 mezes, S. Jos,
varilas onflueates.
Eietiatio. Pernambuco, 2 mezes, S. Jos, va-
rilas cooBueutes.
Luiza, Pernambuco, 1 anno, S. Jos, varilas
confluentes.
Arthur, Pernambuco, 7 mezes, S. Jos, es-
pasmos.
Joo Antonio Laurindo, Pernambuco, 15 annos,
solteiro,.WAgu4a, xactolaa.
Jos de Caso, Pe,raambuco, 22 anuos, soltei-
ro, Saai'gueda, facilas.
Ponoiaaa Maria da Concaiobo, JeaatabuBo, II
annos, solteira, Sant'Agueda, varilas.
Julia Mara de Almeida, Pernambuco, 90 an-
nos, solteira, Sant'Agueda, varilas.
Maooel de Senaa, Pernambuco, 20 anuos, sol-
teiro, Sant'Agueda, varilas.
Manoel Moreira, Pernambuco, 20 annos, sol-
teira, Sant'Agueda, vanlas.
Maria Camarina, Pernambuco, 60 annos, sol-
teira, Boa-Vista, tubrculos pulmonares.
r>
#
t V
\
';


i
-
. :
.




f


W*m*mmm
4
m


Diario de ?ernambiseo~Sexta-feira II de Julho de 1890
40
rsula Mara da ''.once cao, Pernambuco,
annos, casada, Boa Visla, cyrrhose do Airado.
Manoel Aqioqio de AodMde Jonior, Pernaa-
baco, 39 ancos, solteiro, Graca, berberi ede
matoso.
Joaepba, Rio Grande do Norte, 6 aooos. Recite.
Tarjlas.
Goilbermina Mara da Conceicio. Parabyba, IS
anuos, R-clfe, varilas.
Leopoldina, Pernambuco, 3 anuos. Boa-Vista,
varilas confluentes.
Joanna, Pernambuco, 2 aooos, S Jos, varilas
con fjenles.
in teto do sexo masculino, Pernambaco, Boa-
Vista.
Amaro, Pernambaco, 4 annos, S Jos, varilas
confluentes
Joaquim Jos de Sant'Aooa, Pernamboco, 31
annos, solteiro, Sant'Agueda, varilas.


UMFOCO DETDO

}
'.
;'

Apreciem os nossos leitores a serie que Ibes
offerecemos de urnas palavras terrivets e de
amas cousas amaveis.
O b.imein quereodo satisfaier, o qoanto pos-
sivel, os neos deaejos honestos e semi honestos
e algumas vetes tambem os deshonestos, sem re
nuociar todava ao titulo honorfico de creatura
racional e moral, acboa modo de conciliar as
duas coasas, inventando palavras terriveis e
execraveis, para estigmatisar os vicios, que unto
lbe agradam.e fabricando oatras amaveis inclu
gentes, quasi complaceotes, ati.n de exprimir o
mesmo peccado, sem inspirar de algama forma
nem borrar e aem despreso.
Bastara este artificio pbilologico para provar,
que elle o mais bypocr.ta dos babitaotesdoseu
planeta, ou por ootra o tartufo dos tartufos.
Aor o diccionario e ah acharis na letra T a
terrivel palavra traicao. E quem quer commetter
nm semelbante delicio, quem nao seenvergonba
ria de ser um traidor ?
Mas letra V acnais a palavra velhacaria;
letra P a palavra previdencia e perspicacia; de
sorte que cada dia podis faier verdadeiras e
propnas traicej.ticaQdo no entanto velhaco.pre
vidente e perspicar, sem ser por sombra traidor.
Quao fna nao a palavra lascivia I E quem
querera tela por quahlicativo do proprio nome ?
Mas, p le se ser galante, namorado do bello sexo,
epicreo, scnzual e apreciador, sem ju!gar-se of
tendido.
y ju horrenda nao a palavra adulterio! Re-
pugnante no diccionario, e infame no cdigo, que
chega at as vezes a cotumioar lhe o ergastulo e
a morie, nao todava para assustar ; pois pOde
terse um capricho, orna sorpresa dos sentidos ;
pode se ser um pouco ligeiro em amor, sem per
der a estima dos bomens, e menos anda a das
molberes.
kadulacao palavra que desgota e exprime
cousa que enfada, de modo que niognem no muo
do quer sentir-se adular; mas podem js sero en
verK>oharnos aceitar cumprimentos pal tras
muito lisongeiras. Nao queremos ser adulados
(Deus nos livre de tal) mas podemos admitir que
sobre nos se Facam juizos mutto indulgente:
E quein jnais r.o ,fe-sa o odiar ? mas pode se
sentir um nobre dedsenho ; nao se pode ser acaro
sem culpa, mas pie se ser muito econmico ;
nao se pOJe amar o ocio, mas pde-se adorar o
socego; e assim por diante.
Podemos salisfazer lodos os nossos caprichos,
anda os mais peccamtnosos, comanlo que elles
nao recebam os baptismos terriveis do vicio,
mas se vistam com as palavrioba3 piccanles, que
a nossa hypocrisia sabe inventar.
Aprende! a grammaiia e a orthographia es-
tudai de memoria o Diccionario dos synonimos ;
e vos asseguroa inpumdade para os nove den
mos das naufarias que o bomem pOde fazer n'esie
valle de hypocrisia.
Suimenarea o partos. Boa do Mary-s d.
IHoda n. ti, 1.a andar. Consultas uas 1)
i 3 horas na Ca* Forte (Pono da Pa
ella) das 6 as 9 horas da numbl e i
arde Chamado por escripto. Teehone n.
392
Dr. Joaqun Loan tiro medico e partei
o, consultorio ra do Cabug a. 14
l. andar de 12 as 2 da tarde; residenci-
10 Monteiro.
Dr. Caten Jess medico e operador,
Pratica a lavagem do tero quando e oo
ec aconselhada. Consultas das 11 i
) da tarde em sua risidencia ra di
3om Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.*
indar. Telephone n. 380
Lr. Jodo Pauloespecialista en par
os, molest tas de senhoras e de criancas,
com pratica nos hospitaas de Paria e de
Vienna d'Austria, d consultas de 1 as 3
horas da tarde, roa do Bario da Victo
ra n. 6 >, l. andar, e reside na estrada
dos Aflictos n. 30, junto a estacSo do Es
picheiro. Chamados a qualquer hora. Te
lephone n 467, na residencia.
Advogados
O baeharel Joaquim Ihxago da Fornico
.em seu escriptorio de advogado ra de
Imperador n. 14, 1. andar.
Occ u lista
Dr. Ferrara, com pratica nos pruici
jaes hospitaes e clnica de Pars e Loo
dres, consultas todos os dias das i
aorasdao meio-dia. Consultorio e resi
iencia a rus. Larga do Rosario o. 20.
Dr. Barreto Sampaio, ocoulista, di con
taitas de 1 s 4 horas tu 1. andar ds
asa ra Bario da Victoria n. 51. Resi-
lencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra
la pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
Faria Sobrinho c C, droguista pur ata-
jado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manad da Silva de C. deposi
arios de todas as especialidades >harm&
euticas, tintas, drogas, producU chim
as e medicamentos homeoptica ra d<
Mrquez de Olinda n. 23.
pela parte importante que se Ihe dev-, as
sim como a Fr. Cassiano a ezpressZd de
reoonhecimento do povo raurieyense pela
solteitude com qne concorrea para a vin
da dos dous supraditos missionarioa e
porque seo nome nao pode ser esquecido
psr nos que lhe devemos a onoclasao das
obras da nossa matriz, como a fr. Jlo
o grande muralha que se acaba de levan-
tar.
Muriey, Junho, 1890.
(Do Diario das Alagos de 28 do Junho).
Revogac,ao de aposenlado-
ria.
Nao me permittido apreciar hoje o
acto de oordura e moderacao revelado
pelas duas portaras baixadas pelo Sr.
Dr. Albino Meira, governador deste Es-
tado, resolvendo que fosse cassada a apo-
sentadora qne me foi dada por portara
de 9 de Desembro do onno passado, apre-
ciacSo que farei logo que obtenha certos
documentos para isso necessarios ; no en-
tretanto direi desde j ao Sr. Dr. Albino
Meira que nSo solicitei tal aposentadora
nSo menos legal do que ootra que, se-
gando me consta, ora dada por S. Exc.
Becife, 10 Julho de 1890.
Joao Francisco Teixeira.
PDEL1CAC0ES A PEDIDO
Santa rnisso em Mu-
A noiva de Stanley.
Mis.- Djrothee Tenoant descendeem linha recta
de Oliv. r Cronrwell.
Sua me foi urna as bellezas (professional beau
tf) de Londres, e Mrime, as suas carias, de3-
creve a 'ecepcOes d'essa senbora.
Miss Teonaol urna artista pintora, cujas te
las sao bastante estimadas em Inglaterra ; estu-
dou com Carolus Duran e com II moer ; dizem
n'a possu dora de propriedades importantes no
paiz de Galles.
#
O Imparcial, de Madrid, diz :
Esir ou-se no theatro de Zirzuella o excen
trico portuuezD. Custodio Lamas,representando
um aproposito cmico intitlalo a Unido Ibrica.
0 Sr. Lamas imttou com mutla p oprled-.d*- as
vozes de diversos animaes, cautou um couplet.
daocju o solo mglez e iimtou os sons de varios
instrumentos inucos apenas com a voz
0 publico passou agradavelmente nm bocado
de uoite 6 applaudto muito o Sr. Lamas, que
um uexgotavel manancial de habilidades.

Senhores e senhoras f Queris augmentar In-
finitamente essa forca my-teriosa, iovisivel, mas
sempre irresislivel. que attrahe um pira o ou
tro, os dous sexos ?...
Perfumal-vos intimamente pelo De Rossel.
0 melbodo do honrado sabio de grande sim
plicilade : consiste em tomar se urna gotla de
essencia de um perfume qualquer, e com a se-
ringa de Pravaz. a mesma que mata tanta vente
quando ebeia de morphina, e fazer-se urna n
jeceo epidrmica perfumante.
A gotia nj-cta la ab^orvida pelas veias; e
diluida transportada pela correte da circula
cao do sangue, chega aos pulm>s e depois com
mamca assim ao balito o seu perfume.
O Dr. De Rossel, pois, credor do reconbeci
ment da gente delicada urna vez que pelo sea
systema, os labios dos namoradjs se encontra
rao sempre perfumados como duas frescas
rosas cultivadas no paraso, e todas *s ema
nae-.-- do corpo humano sero perfumadas
igualmente!...

Sua eminencia monsenhor Fregora, bispo de
Sez, muito zeloso pela sade do seu clero,
pretenden Jo sobretudo que os sacerdotes da sua
diocese lomem ptimo vinbo por occasio de
celebrarein a missa ; sem duvida monsenhor as
sim procede, afiro de qne os padres tomem mais
gosto no sacrificio inciumto.
D- accordo sua eminencia fez publicar na
tmame Catholique um aviso recommendando
aos curas, em razao de creccenlf augmento da
adulteracao do vinho, que se dirijam sempre
a casas seras e de preferencia a communida-
des religiosas e vitcolas no provimeoto de vi
nbo para a missa.
Re<;ommenda Ibes, alm disso, qne facam ana-
lysar o viuho antes de servirem se delle. Dr
mais, accrescenta o emineutissimo na sua cir
colar pastorilenologica, a consciencia dictara
aos seobores paro>-.bos as precaucoes que devem
tomar e Ibes recoriar a responsabilidade e as
consequeuclas de urna culpossima negligencia
em tal materia. >
A con.-ciencia dos senhores parochos ? I
Uhral...
De qualquer maneira nao se pode deixar de
admirar aquella analyse que os curas d.-vem fa
ser execotar no seu vinbo.
Cbimica e religio : eis aqui certamente a
divisa 4o monsenhor Pregara !
1HDICACES DTE1S
itoii
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto
rio i ra va n 32, onde pode ser en
eontrado do meio dia s 2 horas e fon.
destas horas ra do Bario de S. Borj.
n 22. Espe nulidadesmolestia de crian
, senhoras e parto. Telephone n. 326
j, casa de residencia.
Dr. 8 Pereira, ra da imperatriz n. "
donsultas- medico -cir urgicas todos os dia.'
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freitas Guimaraes, medico, tem
se consultorio na ra Duque de '.axiaa
n. 57, 1." andar; di consultas nos dias ateie
das 11 i 1 hora da tarde e reside no Ca- Uheiro, no penoso trabalho
jueiro n. 4, onde attende a chamados em
qualquer hora do dia e da noite. Telepho-
ne n. 292.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica mt
dico cirurgica. Especialidades : moler-ai
ncy
Por oc asiio dos exercicios religiosos
da santa misaao, realisada ltimamente
nesta villa, tivemos a grata satisfacSo de
reconhecer mais urna vez a inquebranta-
bilidade da f e a firmeza das creacas
cathoiicas, demonstradas pelo povo desde a
mais elevada at a mais humilde ciasse
social.
Nao e eram centenas, eram milhares de
fleis qu diariamente, affiuiam a grandes
distancias, em torno do Divino Svmbolo
da redempcio humana, para ouvirem a
palavra do missio ario apostlico que, er-
guido ao lado daquelle Augusto Symbolo,
pregava, em nome de Deus, as verdadeiras
doutrinas com que a igreja cooduz os
crentes dupla felicidade na trra e na
eteroidade.
Era, realmente, grandioso o testemu-
nho, edificante o ex-.mplo, qne dava a
multidao ao vel-o, ora genuflexoda diante
da imxgem veneranda do Crucificado, re
colher respeitosa e contrictamente as m-
pre8soes que levantava a palavra despre
teuciosa mas sincera e amiga do orador
sagrado, e devotar se fervorosamente aos
piedosos exercicios do caito externo ; ora
em observancia s pre&cripcSes do rev
rendo miss'onario, prestar-se com a me-
Ihor veutade aos diversos servicos relati
v s s obias entao projectadas e hoje
fe i tas, de um caes que preserva a matriz
das encheutes do rio.
Durou a santa missao 32 dias, a contar
do l. de Maio a 1 do mez vigente, e du
rante esse lempo nao houve interrupcSo
de provas demonstra ivas do zelo com que
guardam os catholicos intactas as tradicoes
rtligiosas, as quaes intactas, como recebe-
ram, tr. nsmittirao aos psteros, na te de
legar-lhes o melhor, o mais precioso e
injstimavel dos thesouros de venturas.
Eram dois os missionarioa : Frei JoSo
Evangelista oo Monte Marciano e Frei
Lourenco de Sossoferrato.
A estes dous benemritos sacerdotes
devem-se os beneficios espiritual e ma-
terialmente deixado pela missio.
Para attestal o, sao por demais expres-
sivos os seguintes dados : celebraram se
3,456 communh3es, 1,084 casamentos e
276 baptisadoB.
Dir-se-ia que o povo tinha a avidez de
en8ejo para demonstrar publica e solem-
nemente sua fidelidade igreja e aos
m88ionario8 da igreja.
Ahi est tambem para perpetuar a grata
lembranca da missao de Maio urna obra
de arte de subido valor, ua part posterior
da igreja, capaz de resistir s maiores en
ebentes do rio, que ameacavam derribal-a
E um caes com estas diuaensoes : cum-
primeuto e raios 56 1(2 metros ; compri
ment da rampa e ra os 60,67" ; largura
da rampa 2,6nl.
Para esta obra de cueto seis vezes su
perior, despendeu-se em dinheiro obtido
esmolas, inclusive 3000J ris man-
A sociedade dos lalhadores
O meu collega em o seu artigo no Dia
rio de Pernambuco de 8 do corrente, s
usou de termos e expressoes proprias de
cidadlos honestos e de reputacao libada
e com a furia de Grao Sulta mostrase
desejoso de arrancar a mascara do anony
mo, ou por outra, de estranglalo no
meio da ra. Nada provou, porm, nem
provar contra o que disse no meu artigo
do Jornal do Becife de 6 do corrente, que,
nao direi fos=e muito do agrado do meu
collega, mas que affirmo ser a expressSo
da verdade, que nem sempre satisfaz a
alguns.
Como o publico j conhece essas enti-
dades de que falei, prometi nio vir mais
imprensa responder a esses nobres ci-
dados.
Becife, 9 de Julho de 1890.
Titille.
Para
o
de Pa-
cod curso
zenda.
O abaixo assignado, director do Colle
gio Estellita, ra Mrquez de Olinda n.
53, offirece se para preparar em diversas
materias candidatos ao concurso de Fa-
zenda, que se acha annunciado.
Em 9 de Julho.
P. Estellita C: Lins.
Concluindo, tomamos a liberdade de nos sub
screver
Com particular estima,
Be Vmc. atiento e criado.
Ra Duque de Caxias n. IOS.
Recife, 3 de Julbo de 1889. -
A.M.da Rosa C
n"tt
Recife, 3 de Julho de 18*0.
Cidadao Manoel Cardoso Jnior.Presente-
Para livrar a butnanidaie da terrivel varila, en
vio vos a presente, narrando ama maravilhosa
cura d'esta molestia com o emprego do vosso
Elixir antifebril Mmha sobnnha de 4 annos de
idade, foi accoQmettida d'ella e tratando a me-
dicinalmente, va a quasi moribunda, melborando
a pos 30 dias de atrozes soff rmenlos.
Sendo a me da mesma, minba irma, contami
nada pela mesma molestia, usei do vosso Elixir,
ministrando ama colher das de sopa, de hora em
hora, da maneira que recommendais, tirando o
melhor resultado possivel.
Em 4 dias vi debellado o borrivel mal e minba
i-ma acba-se completamente restabeleclda, nao
bavendo o menor indicio de ter soffrido d'elle.
Seria felta de gralidao deixar no olvido o occor
rido e permitundo- vos que facaes d'esta o oso que
vos convier, Brmo me, com toda a estima,
Vosso amigo criado e obligado.
Ernesto Rosa.
N. 49
INm Sr. Manoel Cardoso Jnior.Atiesto que
fui accommettido de varila, no dia 10 de Jnnbo
prximo passado, e faxeodo uso do Elixir aoti
febril Cardoso, conforme manda a receita, logo
qne comecaram a sabir, obtive o melbor resul-
tada, pois ellas nao tiveram forca para aogmen
taredesappareceram completamente com espaco
de 4 dias; acbando-me at hoje com perteita
sade. Faco o presente, podendo o Sr. fazer uso
como lbe convier.
Recife, 3 de Julbo de 1890.
Da criado respeitador,
Joaquim do Reg Medeiros VasconceUos.
N. 50
Illm Sr. Manoel Cardoso Jnior.-E' possuido
do mais profundo sentimento de gratidao que
n'esta momento dtrijo-me a V. S.
Accommettido da terrivel febre amarella que
prostroa me no leito por 8 das, foi chamado
para tratarme o Sr. Dr. Antonio Jos Ferreira
Alves que receitou-me o Elixir aoti-frbr:! de V
S.; leudo experimentado, dentro de 21 horas (
effito prodigioso d'esse milagroso remedio, qu
por si s restabeleceu me da terrivel molestia
que tantas vidas preciosas ten ceifado, nao poesc
resistir ao desejo de vir testemunbor a T. S. poi
meio d'estas linhas a minha gralido e admira
gao. Realmente, os homens que como V. S. co-
gitam dos meios de debellar esses males que tan-
tas veze.- tm derramado a viuvez, a orpbaodade
e o luto em urna cidade inteira, sao merecedores
da gratido oa humanidade.
Aqui, do antro da minba obscuridade. envi-
lbe esta modesta prava de minba gralidao e au-
tonso-lhe a fazer d'ella o aso que lbe convier.
Sou com estima
De V. S.
Admirador, criado e amigo obrigado,
Antonio de Figuetredo.
(Estavam selladas e reconbecidas as firmas).
Eacada
O abaixo assignado depositario da qoan-
tia de 3044660, resaludo da arrematacio
dos iostrumentoB e man pertenoee da ex
tincta sociedade Philarmonica 6 de Abril,
declara a quem interessar posea, que tem
destribuido essa quantia, de conformidade
com o que deliberaran! em assembla ge-
ral, os socios daquella sociedade, pelo mo-
do segainte:
Os credores:
Dionisio Jos de Sant'Anna
Josu de J. J. Pimental
Apolonio & IrmSo
Wenceslao & Bocha
J. F da S. Potte
Manoel de S. Pereira
Espolio de Deodate Monteiro
Florismundo (leiloeiro)
Joaquim Bibefro
Juvencio S. Barros
Dous annuncios
Jese V. C; Prazeres
Aos mendigos :
JoSo Damiao
Benedicto Bandeira
Joaquim Moreira
Isabel >
Joio Nepomucno
Manoel de Campos
Victorino
Jos do Bocha Quedes
Anna C. de Siqueira
Francisca C de Siqueira
Joaquina Maria da Conceicio
Anna Josepha de Britto
Pedre JoSo
Seraphi a da Crnz
Candida V". das Dores
Importancia da publicarlo
57,5000
424500
I2d000
nmoo
34680
33,JO00
39.S820
174600
64000
84000
54000
74000
2480600
240O0
44000
2,5000
24000
25000
5400
24000
24000
24000
20000
24000
24< 00
24000
20000
24000
2830600
54'03
2880600
Dr. Joao Rangel
MEDICO
Pode ser procurado para os misteres suade
prolisso roa do Rom Jess n. 45 1. andar.
Consultasile meio dia at 3 horas da tarde.
Chamadosa qualquer hora do dia oa da noite
Telephone b. 160.
Escada. 10 de Julho de 1890.
Jos Antonio Ooncalves.
al~
's familias
Ensino de primeiras lettras, por-
tugus, francez e inglez; pelas
residencias dos alumnos, der tro
da cidade e em seas arrabaldes :
a tratar na raa do Imperador n.
75, 2. andar.
Cidade de Pelotas
Atiesto que o Peitoral de Cambari,
preparado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soares, um exceliente medicamento,
empregado com muito bons resultados as
molestias broncho-pulmonares.
Dr. Seraphim J. R. de Araujo.
(A firma esti recouhecida.)
por
governador
haveado um
do Estado,
dficit de
dados dar pelo
1:6"O0OOO ris,
0000 Oris.
Beata referir a tarefa que coube a cada
um dos dous missionarios.
Durante os 32 dias da teissio explica va
Fr. JoSo, is manhS8, depois do santo sa-
crificio da missa, o catbecismo, e is tur
des pregava os Bermoes, oceupando-se
ainda infatigavelmente dos labores das
connssoes da e noite.
E' um verda eiro missionario que sabe
comprehender e elevar-se i altura de seu
sagrado ministerio.
Na tribuna 8..grada nSo se preoecupa
com os ktavios das phrazes, mas valente
e hbil discutidor vulnera e abate com ar
gumentacSo clara e incisiva os adversa-
rios da igreja.
Sabe doutrinar em li-iguagem apropria-
da so meio em que ouvido.
Fr. Lourenco assoferrato, anexar da
enfermidj.de que o asealtou, coadjuvou
com inexcedivel dedicado a seu compa-
do c mfis8o-
'nano.
Eis em ligeiro esboco a
me^on e terminou entre
co e da trra.
Ao Bevd. vigario um aperto
missao que
aa bed9aos
co-
do
de mi
AS YIGTMAS DAS PKBftES
O Elixir antl-febril Cardoso, appro
vado em 21 de Marco deste anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, vem boje
apresentar-te humanidade soffredora do muo
do inteiro, como taboa de salvaco que ao infe-
liz naufrago lhe enviada por mo omnipotente!
O Elixir ail t, toril Cardoso, appli-
cado em mutissimos casos de febres, tem, como
eor milgre, levantado do leito da dor a comple-
top moribundos.
| sr.-te remedio, com posto smente de vegetaes
E iotetramente inoffensivo, ainda mesmo amis
mimosa e tenra crianca.
As senhoras, no estado de paridas, ou no pe
i odo de incommodos naluraes, podem osai o
sm i eceio algum.
Depsitos
D rosara dos Srs. Francisco Manoel da Silv
Ct C, ra Mrquez de Olind < n. 23.
Pharmacia Martins, ra Duque de Caxias
n 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do Rosario
n. 3
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do Barao da
Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, rna da Imperatriz
n 49.
Para qualquer explicacao podem dirigirse ao
autor Manoel Cardoso Jnior, i ra Estreita do
Rosario n. 17.
Dos innmeros attestados que temos, damos
em 8egnida principio a sua publicacao ; e isto
bastara para que sejam conhecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
Attestados
N. 46
Sr. Manoel Cardoso Jnior.Presente-Recife,
30 de Junho de 1890.
Amigo e Sr. -Teudo adoecido, em Janeiro de
1889, a minha tutelada de nome Tbereza, de 7
anuos, com febre, com espago de dous das ap
parecern) lbe urnas pintas pelo corpo, indicando
bexigas. Appliquei o seu Elixir antifebril que
me bavia sido recommeodado por um amigo e
com o uso do mesmo Elixir durante tres dias.no
le com grande admira^ao as pintas estarem sec-
cantlo, apparecenJo em segu 'a dous pequeos
tumores. Chamei o medico para tratar e o pro
pno declarou me que tinha sido pro.luzido das
bexigas, licaodo ella logo completamente resta
belecida.
Por acbar que o seu ptimo Eli.ur aoti febril
deve ser conbecido do publico, lhe dirijo a pre-
sente.
Son com estima e consiJer cao seu amigo e
atiento criado.
Manoel Jos da Silva Olivara.
N. 47
Sr. Manoel Cardoso Jnior.PresenteHavea-
do sido o nos.-o empregado Sebastio Amonio da
Silva, com 12 annos de idade, accommettilo de
urna lehre gravissima, applicamos lhe, a con-
seibo d'utn baoil pbarmaceutico, um soadouro
de jaboraoy, mas sem proveito algum; tempo
depois demos lhe um purgativo de ricino, que,
como o pnmeiro remedio, foram infructferos.
Desengaados assim do resultado que almeja-
vamos colher d'elles, resolvemos empregar q seu
Elixir anti-febnl, e com successo tao feliz que
no da segomte j o enfermo nao maoifestava
signaes de febre, comecaodo, porm, noite a
apparecer lbe-pequenas erupcots caractersticas
da variola,que ticaram circamscriptas nos pontos
onde assommaram.
Continuando com o mesmo tratameato em dO
sea mais moderadas, acba se boje o referido em-
pregado livre de lo terrivel flagello e portanto
em convalescenca.
O que deixamos ennnnciado affirmamos sob
nossa palavra de noora, que 6 agennina exprs
sao da verdade, pelo qu nao cessaremoa de re-
commendaro nso do alludido Elixir a quem quer
seja atacado por febres.
Restauran! Portu ;uez
Pernambuco
LARASGEIBAS 2123
O prlmeiro e
2123BA DA8
COSDHAS
Brasileira, Portugueza e Franceza
Propriet arios : Charles Bozier & C
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 as 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 a ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Dentes
Termina a horrivel dor de dentes usando
o excellente preparado de Manoel Cardoso
Jnior.
As cartas que lhe tem sido dirigidas
pelos jornae8de maiorcirculacSo, attestam
a eficacia.
Depsitos:
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da
Silva & C, ra do Mrquez de Olinda
n. 23.
Pharmacia Martina, ra Duque de
Caxias n. 88.
Pharmacia Oriental, ra Estreita do
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do
BarSo da Victoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, ra da Impe-
ratriz n. 49,
Dr. Bastos de 0!iveira
tem o seu consultorio medico-cirrugico
roa do Marques de Olinda, n. 1, 1. an-
dar, onde pode ser procurado todos os
dias uteis das 12 s 3 horas da tarde.
Chamados a qualquer hora em sua resi-
dencia, ra do Hospicio n. 46.
Telephone n. 365.
cendo d'aquelles bens alguns predios venda
previne ao commercio e ao publico d'este e dot
mais Estados, que nao fijfam traM^cefto algn
com os heos abaixo declaradas, pertaoflaates ac
mesmo espolio, pois que es tribunaea do pa
ainda nao se pronunciaran! definitivamente i
respeito, e por isso estando disnosto a havel o de
poder de quem os tiver obtido per qnalqoer mo
do, faz a presente declaracao para que mais lar
de nao se allegue ignorancia oa boa f por quem
quer que seja.
Os bens sao os seguintes: casa terrea nu
Imperial n. 48, dii?, na rus do Nogoeira n. 33
sobrado no pateo de S. Pedro n. 3, dita na tra
vessa do Carmo n. 12, 7 armaiens ua travesst
da roa Pedro Alfonso, antiga da Praia, ds. 2 i
14, nm armazem na roa Nova da Praia, antig;
C;.es do Ramos, n. 34. um sobrado da raa Pedn
Affonso, antiga da Praia, n. 57, nm armazem o;-
mesma roa n. 61, um dito na mesma roa n. 63
um dito na ra Nova da Praia, aniigo Caes de
Ramos, n. 42, um dito na mesma roa d. 44. 44
apolices geraes ns> 300 022 a 300,029, 208 914 i
308,918. 248.665 a 248671, 24*67* a 246 676
163.589 a 162593, 163584 a 168,598-84^346 :
84.355, 248.663 a 248.664 ; 24 apolices p-ovin
ciaes, os. 1,885 a 1,888, 1,170 a 1,18*, 1,269 i
1,278 17 accOes do Banco do-Brasil, os. 12,63*
a 1S2 658.
Em tempo, o abaixo assignado. declara bave
do mesmo modo todos ss rendimeotos e os mait
que at esta data tm sido receidos petos pro-
curadores de Antonio Jos Machado, residente
em Portngal, Manoel Roberto da Costa oa Coste
& Medeiro3, da ra do Amorim n. .19 ueste ci
dade do Recife, onde sao situados todos oe
bens.
Recife, 5 de Abril ae 1890.
Jos Soares do Amoral.
PHOSPH ATINA F AL I ERES. Alimento das Criancas
GABEQ4 W, HO
Elixir sedativo e anti-rheumatico, formula
do pharmaceutico Hermes de Souza
Pereira.
SEM MERCURIO
Approvado pela Inspectora Geral de
Hygiene
Este poderoso medicamento j bem co-
nhecido ha mais de 11' annos e cujos ma-
ravilhosos effeitos tem sido at estados por
amitos mdicos e numerosos doentes, cara
radicalmente os bhema ismos, erisi-
pelas, SYPHILIS ESCRFULAS -O todas as
molestias que teem por origem a imparesa
do sangue.
O verdadeiro e mais antigoElixir dt
cabeca de negro o da formula do phar-
maceutico Hermes de Souaa Pereira, e
para arastia dos consumidores traa elle
em seus rotules e envolueros o retrato do
autor.
Vndese a varejo em todas as phar-
macias e em atacado na pharmacia Fer-
reira, praca de Maciel Pinheiro, n. 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, ra do
Marque de Olinda, n. 23.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for
nado pela Univeraidade de Maryland no:
Estados-Unidos, tem aborto o sea cnsul
torio, na ra Barao do Victoria 18, Io an
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
(| Fiederico Chaves Jnior jj
Homoepatha
(39 RA BARO DA VICTORIA 39 J '
Prlmeiro andar ( |
Dr. Silva Leal
clnica medico CIEBQICA
Consultorio e residencia rna do Livramente
a. 6 1. andar. Consultas das 11 s 3 horas da
Chamados a tfOMi qaer.ra, por escripto
Barra Maasa
O Peitoral de Cambar, importante pre-
parado do Illm. Sr. J. A de Souza Soares,
de Pelotas, possue propriedades balsmi-
cas pronuncixdas, e exerce influencia be-
nfica em todas as affeccSes catarrhaes,
principalmente as do appareiho respira-
torio e genito urinario.
As affeccoes catharraea do larynge, dos
bronchios e da bexiga, quando primitivas,
cedem promptamente ao uso reiterado do
Peitoral de Cambar.
As Becrec5eB muco-purulentas, aympto
maticas da tuberculoso pulmonar, modi-
tcam se vantajosamenfe, tornando mais
desembarajado o campo da hematose pul
monar.
E', portanto, o Peitoral de Cambar,
um heroico meio preventivo e um auxiliar
no tratamento da tysica pulmonar, tao
frequente no Rrazil.
Dr. Urias A. da Silveira,
(A firma est reconhecida.)
Dr. Coelho Leite
participa a seas clientes e amigos que mudou
sua residencia para a ra Raro da Victoria n.
61, andar, e contina a dar consultas de 1 t
as da tarde, no 9eu consultorio, roa Duque
de Caxias n. 57.
j Leonor Porto
Roa Larga do Rosario uu-j,
I

alero 90
SEGUNDO ANDAR
i Contina a execntar os mais difficeis (
< ilipurinos recebidos de Londres, Pariz,<
(j Lisboa e Rio de Janeiro. I)
. i Prima em perfeico de costaras, emw
{ }em brevidade, modicidade em p/ecos e< |
(jflno gosto. ^ _m ^ 11
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiaJi-
dade de molestias de senhoras e creanaa
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n, 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) qualquer he*a
tblkphon* H. 226
MEDICO HOMEPATA
Dr. Balthazui da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das criancas, dos orgaoa respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer -.amado pare
era da capital.
AVISO
S Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
> ra do Bario da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
3*
i'ma palavra
deeem
quelles que
dY ihysica
pa
EDITAES
A expectoracSo de mucosidades, fosse
fatigadora e continuada, pulso precipitado
e pulm5es inflammados, sSo symptomas
desfavoraveis, porm nem por isso de veis
desesperar se acaso depositardes toda a
vossa contanga no Pulmonico o mais po-
deroso e admiravel entre todos oa mais
conhecidos, isto o Peitoral de Anaca
huita. Em milhares de casos similhan-
tes, os enfermos se restabelecero e ad*
quirirSo a sua saude.
Usai, della, pois o mais breve que vos
possivel, ainda mesmo que seja a en-
fermidade j tenha feito terriveis progres
sos; nao tenhaes medo, que j Be ache de-
masiado tarde par a u sardes deste grande e
impagavel remedio, o restaurador da vida
e da saude.
Como garanta contra e fal8ficaco*es,
observe se bem que os nomes de Lanman
di Keinp venham estampados em letra
transparentes no papel do livrinho que
serve de envoltorio a cada garrafa. Acha
se de venda em todas as boticas e dro-
gr arias.
Muita attencao
O abaixo assignado, legitimo cesionario dos
bens deixados por Jos tirdeiro do Reg Pontes,
fallecido n'esta cidade do Recife, deparando com
nm annuncio no Diario de 3 do corrente, offere-
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do cive! desta cidade do Recife
e sea termo, capital do Estado de Per-
nambuco, em virtude da le, etc.
Faco saber aos que o presente edital
virem ou delle noticia tiverem, que, findos
os 8 dias da lei, sera rrematado com o
abatimento de 10 [0, conforme preceitua
o decreto de 19 de Janeiro deste auno, na
audiencia deste juizo ,que ter lugar no
dia 19 de Julho prximo vindoiro, por
quem mais der e maior lance offerecer, o
engenho Uchoa, sito na freguezia de Afo-
gados, que foi descripto pelos avaliadores
no respectivo auto a forma seguinte :
Urna casa de vivenda, de tijolo, rebo-
cada, calada e pintada, contendo quatro
salas, urna sjdeta, sete quartos, um al-
pendre em toda a extensao da casa, sobre
columnas de tijolo, argamassado com areia
e cal, tem dita casa seis janellas de fren-
te, tres portas, quatro janellas no oitao
Oeste, cinco janellas e urna porta no oitao
rJste, est exposta ao Sul e mede 22
metros e 30 centmetros de comp-imento e
15 metros e oitenta centmetros de largura
tendo tambem urna cosinha interna.
Est toda a co berta do al pendre arrui-
nada e a coberta principal da casa fraca
contendo algumas maos de forca ; o corpo
principal da vivenda est em bom estado.
Um outro edificio sobre pilares quadra-
dos rebocados, onde se acha a casa de
engenhoe assentamento, aparte -ie tijolo
est em bom estado, a coberta arruinada e
sustentada por maos de forca, estando j
abatidos dous claros de pilares.
Mais um edifi io que servia de senzala
com 6 metros e 30 centmetros de fundo
e 36 metros e 70 centmetros de compri-
mento com oito compartimentos, sendo um
com porta e janella e os mais com portas
smente, incluindo na mesma senzala estri-
bara, casa de farinha e cocheira, tudo em
mo estado, contendo alpendr* sobre co-
lumnas.
Tem a casa do engenho 36 metros e 70
centmetros de comprimento e 16 metros
e 70 centmetros de largura.
Moenda movida a vapor, systhema Ro-
binson & Sons, com dez annos de usina.
Assentamento com sete caldeiras com
as dimensSes seguintes : um e setenta, um
e sessenta, um e setenta, nm e vinte, nm
metro, um e dez, um metro dimetro fun-
didas, sendo quatro remendadas.
Casa de purgar com coberta* de( telha e
arruinada com 16 metros e 80 centmetros
de comprimento e 16 metros've 70 cent-
metros de largura.



I
p


m


Diario de Pernambuco^Sexta-feira II de Julho de r890
i

,

/Terreno accidentado com vades eatreitos
tndo ama pequea parte plana, as partea
accidentadas e planas aSomuito ordinarias
os valles alo terrenos variados, ora com
pletos de areia, ora de maasap, sendo o
terreno desta ultima qualirUde, a margem
do riacho Uchoa em ama pequea extensio
oa no fondo de alguma grota.
O engenho pode produzir em seas ter-
renos boas 8'JO pies, termo medio. Nos
terrenos nio existem mattas virgens, ape-
nas algumas capoeiras, avaliado todo por
12:0300000, vindo a ser, portaoto, o aba-
timen to da qoantia de 1:2000000.
assim ser o dito engenho levado a
praca pela quantia de 10:8000000 para
pagamento da execucSo qae neste juizo e
cnrtorio do escrivao qae o presente sab
screve, move SebastiSo Maooel do Reg
Barros, contra Alfredo de Andrade Paes
Barretto e sua malher e vai a praca pela
segunda vez por nao ter apparecido lici
tante na primeira que eobrisse o preco da
avaliaclo.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei pasear o presente qae ser
fmblicado pela imprensa e anisado no
ugar do costme.
Dado e paseado nesta cidade do Kecife
aos 25 de Junho de 1890.
Eu, Felicissimo de Azevedo Mello, es
crvZo, fia escrever e subscrevi. Recife,
25 de Junho de 1890.
Joaquim da Costa Ribeiro.
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro juiz de
direito do civel desta cidade do Recife
em virtude da lei, etc -
^Faco saber aos que o presente edital
virem ou delle noticia tiverem, que por
este meu juiso e cartoro de ecriv&o que
este subscreve, cassem os autos de exe-
cuclo de sentenca entre partes exequen-
te Manoel Vicente dos Santos Ferreira e
executndo Jos Gregorio de S Estoves
e ten feito penhora ein poder do
agente de leilSes, Joaquim Maximiao
Pestaa, da quantia de um cont de ris
em dinheiro, pertencentes ao espolio do
finado Jos Simplicio de S Esteves, ao
inventariante Jos Gregorio de S Esteves,
foi a mesma penhora ac Misada em audien-
cia do dia 5 da Julho do corrate anno,
como se v do requerimento do theor se-
guirte :
Requerimento.Aos cinco das do mez
de Julho de mil oito centos e noventa, em
audiencia do Dr. juiz de direito do civel
Joaquim da Costa R.beir comalido escri
vio abaixo assignado, e ahi presente o
solicitador Francisco da Rocha Passos
Lidb, disse que por parte de sea consti-
tuirte o exeqaente ccusava a penhora feita
em dinheiro do executado pertencente ao
espolio do finado Jos Simplicio de S
Esteves, e requereu que debaixo de pre
gao passassem a seis das a penhora, e dez
das aos credores incertos, para allegarem
o que fosse de seus direitos, e que ee
passasse os editaes do ecty'o. O que foi
deferido pelo juiz, e procedido a pregao
do estylo. Extrahi o presente do proto-
collo das audiencias do que fco este ter-
mo.Eu, Antonio du Costa c S, escrivao
eserevi.
C0IIERC10
Revista do Mercado
Rkcikk, 10 !- JULHO _>K 18S0.
O movimento na praca limituu su a transac
ces no mercado de cambios.
Bol
Termo de penhora.Aos vinte dias do
mea de Junho de mil oito centos e noven-
ta, nesta cidade do Recife, estado de r*er-
nambuco, onde foi vindo oommigo o ofi-
cial do juiso abaixo assignado, em virtude
do presente mandado retro nos dirigimos
traveasa do Corpo Santo n. 27, ao
agente de leilSes Joaquim Maximiano Pes-
taa, e sendo o procedemos a penhora e
apprehensSo da quantia de um cont de
ris em dinheiro, para pagamento do pedi-
do e custas, que accrescerem no mesme
mandado retro, o qual damos por bem
penhorado a dita quantia, e depositamos
em m5o e poder do mesmo agente de lei-
12o Joaquim Maximiano Pestaa, e como
fiel depositario particular, e que para
tudo constar, lavramos o presente t=rmo
em que nos assignamos, com o mesmo de
positaro particular Joaquim Maximiano
Pestaa.
En official, do juizo, Manoel Jos da
Silva, eserevi. Anuncio Jos de Fontes
Braga, official do juizo do Recife, 22 de
Junho de 1890.
Certido.Cert ficamos ns,(fficiaes do
juizo, que intimamos ao depositario par-
ticular Joaquim Maximiano Pestaa, para
nSo abrir mSo da dita quantia, que Ihe foi
depositada, como fiel depositario particu-
lar, para entregar quando por este juizo
lhe for pedido o referido, verdade e deu-
se f. Recife, 22 de Junho de 1890. Of-
ficial do juizo, Manoel Jos da Silva
Amancio, Jos de Fontes Braga, official
do juizo.
Certidio. Certificamos que sendo nesta
cidade do Recif estado de Pernambuco,
citei ao sopplicado Jos Gregorio de S
Esteves em sua propria pesaoa, para todos
os termos da penhora e seu despacho re-
tro, que ficou bem sciente o referido,
verdade e dou f Recite 2 de Julho de
1890. Official do juizo, Manoel Jos da
Silva. E mais se nao continha em dita
certidSo aqui copiada, em virtude da
qual o respectivo escrivSo fez passar o
presente edital, pelo qual e seu theor
chamo, cito e hei por citados todos os ere
dores ncertjs do executado, para no peso
de dez dias, virem arte este juizo com os
embargos que tiverem, pena de lancamen-
to, a todos mandei passar o presente edi-
tal que ser publicado pela imprensa, e
outro de igual theor, que ser affixado
nos lugares do custume. Dado e pasea
do neste estado de Pernambuco aos 5 do
mez de Julho de l-'JJ. Subecrevo e
assigno.Eu, Antonio da Costa e S.
Joaquim da Co ta Ribeiro.
Alfandega
Edital n. >o
PRASO DE 30 DIAS
1.a praca
Pela inspectora desta alfandega se faz
publico que as 11 horas do dia 17 do
mez do Julho prximo virdouro serao ar-
rematados a porta desta repmicao as
mercadorias contidas n s volumes abaixo
mencionados nos termos do titulo 5." ca-
pitulo 5. da consolidayib cas leis das
alfandegas e mesas de rendas si seus do
nos ou consignatarios nao as de:pacharem
e as retira em dentro do praso de 30 dias
a contar da dota deste edital sob pena de,
fiado o mesmo praso serem vendidas por
sua coota sem que lhes fique direito de
alegar contra os effeitos desta venda :
Armazem n. 3
Marca FM da S&CUrna caixa n. 25,
vinda de New-York no vapor americano
Advanee, entrado em 7 de Ontubro de
1889, consignadj a Francisco Manoel da
Silva d O., contendo 7 kilogrammas peso
noB involtorios de pomada medicinal, 2
kilogrammas peso liquido de pillas me-
dicinaos.
dem Duas barricas na. Ii2 idem, idem
aos mesmos, contendo 13 Kilogrammas,
peso liquido legal de vidros n..l, para
boca de vasos grandes, para pharmacias.
Marca diamante 4277 no centroDous
fardos ns. 245246 de Hamburgo no vapor
allemSo Bakia, em 18 idem, a Reis &
Santos, contendo 749 kilogrammas liquido
de lona de'linho.
Marca CH&CUrna caixa n. 4 idem
em 19 de u a ordem, contendo 10 kilo-
grammas de chales de 12.
Marca diamante A en cima C no cen-
tro e C em baixoUm pacote sem numero,
idem idem, ordem, contendo amostras.
Marca diamante GW no centro e Wem
baixo --Quatro caixas ns. 880(883 idem
idem, a Reis & Santos, contendo 388 ki-
logrammas peso liquido legal de obras de
ferro fundido esmaltado.
Marca ESUrna dita, n. 478, idem no
vapor allemao Montevideo em 1 de Maio
idem, a Eugenio Smico, contendo 40 ki-
logrammas peso liquido, de estanho sim
pie8 para boca de frascos.
M rea triangulo A no centro A do lado
e D do outroUm pacote o. 1, idem em
2 idem ordem, corteado 100 grammas
de amostras.
Marca GRDuas caixas ns 1|2 de
New Yoik no vapor americano Ceareme,
en 15 i tem, nao consta do manifest,
contendo 245 kilogrammas de cartazes
aununci is de mais de urna cor.
Marca FS&C Urna dita, sem numero
de torna viagem, no vapor americano Al-
cance em 22 idem, contendo frascos que-
brados.
Armazem n. 6
e85etdkUgranimM ^ e8Umpa8nH
Marca BN. & C, Urna caixinha sem
numero, do sul no vapor ingles Elbe, em
dia,.
29, idem, a B. N. & C, contendo urna
lata com oleo de caroco de algodao pe-
sando 4 kdos.
(iuimaraeB & Permem.Urna dita. n.
608, idem, no vapor inglez Elbe, em 12
d* Maio, idem, contendo 5 kilogrammas i ** Y ""
de cartaees-annuncios. e m. .
Christiani & C.-Uma dita 514 no escriptorio da adm.nistracao central
' destas estradas para o tornecimeuto dos
artigoB abaixo mencionados no semestre
de Julho a Dezembro do corrente anno,
mais de urna cor, pesando liquido 3 kilo- j -j j c '
contormidada com as especincacoes
Francisco Manoel da Silva & C.Urna
de Ferro do Recife ao S.
Franckco e Estrada de
Ferro do Recife a Caruani
De ordem da .cidado Dr. director
engenheiro em chefe, faco publico que,
at o dia 21 do corrente, ao meio
se propostas em carta fechad
idem, no vapor inglez Neva, em 12
Novembro idem, cootendo impressos
de
de
dita o. 51, idm, idem, contendo impres-
sos de mais de nma cor, pasando liquido
8 kilogrammas.
Leal & C-Um pacote, sem numero
existentes nesta secretaria e que poderao
ser examinadas pelos interessados.
Artigo
Azeite de coco, litro.
Estopa ingleza de algodao, kilo.
de Bordeaux no vapor francs. Congo, em'^ "^1' kil- ...
o :j_______.~_a. F,_____ 77? '. Dita do Rio Grande, kilo.
Marca APSSiCTres caixas ns..43(45
de Hamburgo no vapor allemao Hurugay,
em 18 de Abril de 1883 a A. P. de Souza
Soares & C, cootendo molduras dourados
desarmadas, pesando liquido 680 kilo-
grammas
Marca
6, idem, cootendo jornaes, pesando bruto
2 kilogrammas.
Marca LA.Duas caixas, sem numero,
velhas, vasias, que contiveram tructasvin-
das de Southamptoa no vapor inglez Ne-
va, entrado em 12, idem, nao consta do
manifest.
Joao Fernandes Lopes.Um pacote n.
226, de Soathampton ao vapor inglez la
mar, em 26, idem, contendo amostras, em
pedacos.
2a seccao da Alfandega de Per. ambuco,
16 de Junho de 189J.
O chefe
Cicero Brsileiro de Mello.
Oleo de mocot, litro.
Dito de mamona, litro.
Secretara do Prolongamento da Es-
trada de Ferro do Recife ao S2o Fran-
cisco e Estrada de Ferro do Recife a
Cruar, em 10 de Julho de 1890.
O secretario.
Victaliano P. Ribeiro de Souza.
DECLRALES
Edital n. 60
(!.' PRAGA)
pele inspectora d'esia Alfandega se faz pu
blico que, s 11 hora. d) dia 16docorrente,
sero arrematados pona d'esta repar icio: Joaquim Alves da Si
sa
COTAC&E8 OFFICIAES DA JUNTA DOS COK-
RETOEKS
Recife. 40 e Julho U 1300
Nao nouve eolaco.
j presidente,
Antonio Leona do Kod nenes.
O ftaeftMano,
Eduardo Ouueux.
Casuhs
PRArA DO BECIFE
Os bancos adopUram a laxa nominal de 23 1/4,
saccando alguma ccosa o Sul Aajericano a 2.
3/8.
Mais tarde retiraran) todos paia 23 1 8 a coja
taxa fecbou o mercado quieto.
Papel particular foi passado a 2! 1/4.
PRA9A DO BIO DE JASKIBO
- Mercado quasi *em tnoviweniu.
Cotaram 23 d. bancari" e non ve negocio em
papel bancario repsssado u 23 1/4
Algodao
A posicio do mercado (iuvido.-a. cotando-se
entretanto o algoco do serio a 83000 nominal.
A exportacio feita pela alfandega neste m?i at
o da 8 constou de 2.000 kilos, para o interior.
as entradas verificadas ate. a dala de boje, so
bem a i .400 saccas, sendo imr.
darcacas..... .. Sacca
Vapores .... 298
Atumae8.... 98
Via-ferrea de Garuar. 70 .
Via-ferrea de 8.Pranciwo. 28
Via-ferrea deLimoeirt' 906
Somma i 400 Saccas
A&acar
Os precos pagos ao agrrui'or Sondo a Associaco Coraiuerciai i'nr 13 (ellos, i*e-
Asnela, foram
os sepuites:
3<700 a 4i0.nl
Branco..... 30uX> a 36 0
Somenos..... :3iK) a 270
Mascavado purgado i*6O0 a U700
Brutos..... if300 i 1*K)
Rtame . UV00 a Ulu
A exportajo feita pela a'fjudega neste mez
at o dia 8, cunstou 87ii.79'J kilos, sendo 300.000
para o exterior e 576.7ii9 pa.'d o interior.
As entradas verificadas al a Jala de soje so-
bem a 8.03 saceos, sendo por:
darcacas Animaes. Via-ferrea de Cmara Via-ferrea de S. Francisi-o. via-ferrea do Limoeirc- 3 565 Saceos t/i2 20* i m r
Snmrna 3 203 S croa
Cenrc Couros salgados 3"0 fiB os verdes a 220
Cou-se 4 93*00, oor pDa Wt" otros,'
ilfOll ota-se a 166t&MS por v::..; >
^OU-ie a 584000 por pipa .1- *fl litros
Pasita da Ailcaesa
iUMA '. a 12 DE JGLHJ OB 1890
Vide O Diario ib 'Je Julbo
\avio* a decarga
Barca norueguene Cario, varios {^eneros.
Barca noruegueusc Spet, carvao.
ta i ca nacional Martanmnha. xarq'ie.
Barca norueguense Floke, carvo.
Barca allem Eiiwards, varios eneros.
Barca nacional Mana Augrlma, xarque.
Bai .a norueguen^e Bratian, caru.
Bngue norueguense Famien, carvao.
Brigue norueguense Sophie Nicol'uu, carvao.
Escuna allema Jo/tana, xarque.
Lugar nacinnal Luyo, xarque.
Lugar nacisnal Tigre, xarque.
Lugar norueguense fCM catvao.
Lugar nacional D. Lwzi, varios gneros.
PaU>cbo norueguense Lago, xarque.
Patacho nurueicuense Heank Wergeland, xarque-
faiacbo sueco Su i, xarque.
Patacho dinamarquez Jugor. xerqoe.
Patacho nacional Marinho //.xanju".
Patacho bollandez Voowaarts, xarque.
Patacho hespanbol Joven Pura, xarqne-
P..:.-Iiu hespanbol Ballcsier, xarque.
Patacho norqeguense Rabbi, xarque
Patacho nacional R val, xarque.
Imporfaco
Vapor francez Parahyba, entrado do
Havre e Lisboa em 9 lo corrente e con-
signado a Augusto Lahille, manifestou :
Car/ra d Ariigos para alfaiate 1 caixa a M. Fer-
reira da Cruz. Armas 1 caixa a ordem.
Brinquedos 1 caixa a Amonio omin
gos de Lima & C 1 a Guimares Car
doso & C.
Cnocolate 1 caixa ordom. Caixas de
msica 1 ca:xa a B.-met VV C. Chapeos
2 caixas a Augusto Fernandes & C, 2 a
Adolpho & Ferrao, 2 a Kaphael Das
& C. <'a'jados 3 caixSes a Ferreira Bar-
bosa & C 1 a C. Jampos & C, 2 a Joa-
quim Pinheiro & C, a J. A. Pilru &
IrmScs, 1 a Paiva Valente A .i.
Drogas 6 caixas a Bartholomeu & C, 9
a Ronquayrol Frres.
Gspelhos 1 a Paul Jullen. Ditos e
qudros 1 caixa a Arthur & Desiderio.
Folhas de Flandres 1 caixi a E. Sa
mico. Feltro L caixa a Ferreira Barbosa
cv. C. Ferr.igeus 3 caixas a Albino Silva
& C.
Gravatas 1 caixa a R>ii,gues Lima
&C
Lixa 1 caixi a Albino Silva & C
Livru8 1 caixau a Ramiro Ai. da costa
4 C, 2 F. P. Boulitreau.
Manteiga 15 barris e 2 > meios ditos a
Castro Lemoa Je. C, 55 e lUo ordem,
40 e 60 a Paiva Valente & C, 10 e 10 a
Guedes de Arauio & Fiiho, 15 e 20 a
Goncalves Rosa & Fernandes, 33 e 40 a
JoSj Fernandes de Almeida, 20 e 30 a
Gomes & Pereira, 30 e 3U a Ferreira Ro
drigues & C.,30 e 30 a Sjr.z.i Hasto, Amo
rim 4 C. 15 e 20 a Lopes Alheir & .,
10 e 20 a Fernandes fc Irmas*, 22 caase
a Souza Basto. Amorim C, >> ao consg
natario, 7 a Figueiredo Co.ta & C, 18
ordem, 11 a Castro Lemos & O., 1U a
Jlo Fernandes de Almeida, 16 a Jo
Jouqvim Alves <& C. .VlcroadomH diver
sas 1 Tolurae a G. Lacorte, 1 a A. d Rsis, 2 a Gomes de Mattus IrmAos, 1 a
Francisco G urge I & IrmHi;, O a E. G.
Cafco, 5 a R. de Druziua & '?., 1 a F.
Petrocelli & Iruiaos, 1 a atasi e Silva
4 C, 2 a Azevdo .<: <;., 4 ordem, 1 a
Nuces Fonsec. & C l a Uiiiraaiae Car-
doso & C., 1 a Manoel Collado dt C, La
Adolpho & FerrJo, 2 a T. Just, 2 a Ma-
noel Joaquim Ribeiro, 2 a Meuron Latif.
Materiaes para engenho 50 folumes ao
consignatario, 43 a E. Dolle.
ML Urna diu n. 2,826, de
Southampton no vapor inglez Turnar, em
26 de Novembro, idem, a Antonio Jos
de Aze.edo contendo :
3 esDingardas de um cano para caca,
6 pistolas de um cano para algibeira, 18
revolver de seis tiros, c. um.
Marci GF.=Uma diu n. 2 de Bor-
deaux no vapor francez Congo, *m 6
idem, ao cnsul Rojal de Italia, contendo
livros imprersos capas de papel, pesando
liquido legal 70 kilogrammas.
.Marca HF. id dita n. 3,108, de
Southampton no vapor ingles Turnar, em
26, idem, a A. P. de Souzt Soares & C,
Objecto8 para chr.pos de sol 4 caixas a
Lei'.e Bast s & C
Porcellana 8 barri-sas a R. de D.-uzi-
na & C.
.Papel 2 cixa a Manoel Collas^ & 0.
Pintes 1 c '.ixn a Miguel Isabella.
Pegas p ira machina 10 volumes a H.
M. de H. Cavalcante
i Perfumaras 2 oaixts a Francisco Lau-
ria & C, 1 a Guimares Cardoso 4 C, l
a Mano i: Colla90 & C 2 a Nunes Fon
seca <& <'.
Pelles 1 ca xi a G. Gaudim 2 a Gomes
de Maitos I luos.
Plucaz i caixas a F. Bolitreau.
Roupa branca l caixis Julio Kollet.
Queiios 16 c-iixas ordem, 10 a Joa-
quim Ferreira de Carvlho & C., 11 a
Castro Lemos & C,, lia Guimares Ro
cha A C-, a 7 a Domingos Ferreira da
Silva A C-, 1(J a Souza Basto Amorim A
C, 10 e 1 fardo a J. J- Alves, 1 tina a
Paulino de Oliveira Maia.
Tintas 22 barricas a Rmquayrol Fr
res.
Tecidos diversos 2 caixas aos herie roa
de A. C. de Vasconcello.-, I a Alves de
Brito K, la Oiinto J*rdim & C, 1 a
Monhard Huber & C, 3 a A. Vieira &
C, 1 e Venancio Feliz de Cantalice, 2 a
F. de Azevedo A C, 1 ordem, 1 a Ber-
ne & C, 1 a L'>ureiro Maia & C, 1 a
A. Saut.18 A ('., 4 a Machado & Pereira,
3 a Gonia ves Cunh & '., 2 a Rodri-
gues Lima A C, 2 a vjuimaraes Irmaos
& C.
Vidros 1 .aixa a T. Jus*.
Vinho 1 barril a Paulino de Oliveira
Maia
Dito medicinal 1 caixa a Bartholomeu
&C.
Carga da Babia
Azeite 40 caixas a P-:va Valente A C
Balany^s 1 grade a Domingos Cruz
& C.
Batatas 50 caix- s a Gordalv s Roza &
Fernandes, 20 a L ipes Alheiro A C, 10.1
a Guimares & Valente, 50 a *ilva Gui-
mares A C, 100 a Ferreira Rodrigues &
C. 200 a Paiva Valente A C.
Ceblas 2 caixas a Gongalves Roza &
Fernandes, 20 a hopa Alheiro A C, 50
a Silva Uuimarues & (I 10 a Lopes &
Aranjo. 10 a Domingos Cruz & C, 53 a
Paiva Valentj & ., 50 a Ferreira Rodri-
gues v C.
Cal 35 b irricas a Lopes & Araujo.
> era 4 bir>ic>s a F. J. 1 as Passos
Guimares.
Drogas 3 barricis a G. Martins.
Lages 540 a H. B. de Oliveira & C.
Ubra diversas 22 volumes a P0528
Mendes A C.
Vinho 1 pipa e 7 barris a Paulino de
Oliveira Mam, 4 a J. V. da Silva. Lourei-
ro, 3* a Poyas Mendos : C.
ii.ioria<;o
MUM), 9 ik JLXUO i>k 1890
fura -i exterior
So vapor inglez K-it. |ra Liverpool, cr-
rela rain :
J. Pater C, u.OO jaccos co;n VAft'tO kilos
de caio<,os No v..uoi- infiel Actor, para L verpool, car
regou :
i. H B.xw.-.i. 4i2 accos coifl 33.130 kilos de
assucar uiasiav.c.
"ira o mieruir
Ro vapor frau:.cz Varakyba, para Rio de
Janeiro, -airetrou
duas malas com diversas mer;udoiias, abaixo
declaradas, que faziain pane da batragem da
passageira Mine. Piaeiui. vinda da Europa no
vaoor inglez John Eider, entrado ein 20 de Ou
tubro do anno passado, e que foram apprehen
ti tas pelo conferente Adolpho Gantil, a sabr :
3-2'JO gramnas de casaa.. le algodao lisas com
ines'la de seda, pesando 100 uieiros (4) mais de
4 kilogrammas.
1.60 grammas de las le se la.
330 gramoias de readas de seda.
250 xrammas de re la- le l.
2.7) gramolas de tecidos de seda nao especi-
ficados.
1.700 grammas de tecidos de seda e algodao.
520 grammas de carieiras de martim e de tar-
taruga.
300 grammas de caixas para rap. idem.
2* serco da Alfandega de Pernambuco. 10 de
Julbo de 1890.
0 chefe,
Domingas Joaquim da Fonseca.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do cidado Dr. inspector sao convi
dados >>s Srs abaixo mencionado* para, no pra-
zo de 3 dias, assignarem o respectivo termo de
contracto na spcc.V> do cootencioso relativo ao
foraeciraento de gmerus e artigos para o presi-
dio de Fernando de Noronna, 110 semestre de Ja
Iho a Dezembro do correte anno :
Maia e Silva & C.
Paulino de Oliveira Maia.
Fraga Rocha 4 C.
Beltrao & Cosa.
Monra Borges & C.
Jos Rufino Climaco da Silva.
Joao Rodrigues^Ile Moura.
Rodrigo Carvalho A C.
Jos Joaquim Alves A C.
ntonio Soares R-poso.
a Santos.
Banco do Brasil
Paga se o dividendo das acc.6es' deste Banco,
relativo ao semestre Modo, na mao de*M000
por cada urna das antigs accoes, e na de 3*000
por cada urna das novas, no escriptorio de Pe-
reira Carneiro C, a roa do Commercion. 6,
primeiro anda*.
Thesouraria de Fazenda
,^UDr. secretario da junta da Thesouraria de
F zenda pede nos para fazer constar aos abaixo
declarados que na Rt-particSo dos Correios desta
cidade acham se detidos por falta de pagamento
do respectivo porte officios dirigidos ao governo
geral a lteresses particulares dos mesmos se-
nhorss:
Manoel Silvestre Ferreira Bastos.
Fredenco Figaeira de Saboia.
Sander Brothtrs C
Domingos da Silva Torres.
Teoente corunel Francisco Goncalves Torres.
Firtniaa Alexandrina de Agoiar.
Casemiro Fernandes & C.
Bardo de Itamb e outros.
Nonh Brazilian Sugar Factorie3.
Great West, of Brazil Railvray Limited.
Malaquias Jj- Pereira.
D Carneiro Viauna.
Cooselbeiro Joo Silvcira de Souza.
Silva Guimares C.
Coronel Sebustio Alves da Silva.
Manoel da Cunba Lobo.
Francisco Lauria & C. -
Candido Sodr &'..
Fernando T. do Reg Barroca.
Teles-inoro Lopes de Siqueira,
Amonio Francisco Ccrga.
Bnrnet & C.
Henrique A de Albuquerque Milet.
Santa Casa de Misericordia.
Johnston Pater A C.
Chargeur Reunis.
7
Banco 3< Brasil
Pelo presente so convidados os senhores ac-
cionistas desle banco a re.ilisarem no escriptorio I predios tpj"e
de Pereira Carneiro A C. arta do Commercio I pena de ser-
J.io Walfrido de Medeiros.
Ein 10 de Julho de 1890.
0 secretario da jontn,
Dr. Aotonio Jos de San'Anna.
C. C
Club Comrnercial Euterpe
Sarao familiar em 2 de Agosto de 1890
Convites na secretaria deste club, e iugresjos
em ino do ilnsourtiro.
S torio direito a elles os socios quites at o
mez de Agosto prximo futuro.
Aggregados n ;o teem entrada.
Secretaria do Club Coiuinercial Euterpe, 10
de Julho de 1890. 0 2 secretario,
Carina ] Impostos g'erdes
n. 6 1- andar, do a 2o a 23 de nlho prximo,
10 0/0 de entrada ou OJUO por accao da nova
emis2). Nessa occasi.io s ;r fcultado qu>lles
que quizerem eolrar cem mais oO/O ou 40000
poraccan, realisaodo aasim 30 0 0 do capital.
Reci'e, 16 deJuaho de 1890.
Para Santos, carregaram :
A n .rim Irmaos & C, ID (jipas e 30 barris com
9,600 luros de agurdente.
M. Borges A C, 500 mXQi com 30,000 kilos
de assucar mascavado.
S. Guimares A C. 35o saceos com 21.030
O abaixo assignado leudo de dar comeco aos
trabalhos do luucamento do imposto predial e o
do industrias e profiss6es, para o exercicio de
1891, oa fieguezia de N. S. do Rosario da Varzea
faz disto scinte aoi respectivos coitribuintes,
alim de que leahim presentes o recibos dos
- occupirem, como exige a lei. sob
pena de ser-Ibes arbitra la a '.ompeten'e renda.
Recife, 11 de Julho de 18JO.
0 lantador,
Manoel J. Soares de Arellar.
Celestial confraria da
SS. Trindade
PtMBM
De orlem do carissirao irmo provedor, con
vido a todos os curissirnos irmaos eleitos ac a
parecerem em nosso consistorio lomingo ii do
, corrente, pelas 11 horas da iiianlia. alim de te
Ujs de suca.- branco e loO daos com 9,000 marem ^ Jos carK0J p;ira que foraiD eleMo
(l 1 os de dito mascavalo.
No hiate nacioxa! Ciine'it, para Mossor,
carregaram :
h. C. Beltrao A 1 -maj, 6 barricas com 332
kilos de assucar branco.
No hiate Raiaha dos .lijos, pira Macao,
carrcarain :
B. C Aeliro A Irma >, 2 barricas con 212
kilos de assucar brunc-i.
KeadlimeutoH pblicos
MKZ DM JLXUO
Alfandega
Renda eeral
Uo da 1 a 9
Idem de 10
9J 313*799
i9.83.8
Renda do Estado de Pernambuco
Uo da i a 9 20.9928!7
idem de 10 40J22W

110:132-487
23 085030
Somuia mu i:i3.2J7317
Segunda seccao da Allanoe^a de PernaiuDuco,
10 de Julbo de 1890
O tnesoureiro Florencio Domiugues.
O chefe da seccao D. J. da Fonseca.
Reeebedorla do Estado de
Pemanibuco
Do dia 1 a 9
Idem de 10
83:32! I7S
.xl917t
89 7I/132
Do dia 1 9
Idem de 10
ftecif* Ir:iiaage
lo23308
34244
i:388(n
Dinheiro
KXPEWIK)
Pelo vapor naciouul -Cual.y
Penedo
Aracaj
para
15.000*000
2.6 1*000
MoTimculo do porto
Navio entrado no dia 10-
Cardiff47 dias, barca norueguense Rin-
faxe, de 514 toneladas, capitSo O. Han-
sen, equipagem 11, carga, carvao de
pedra, ordem.
Navio sahido no mesmo dia
MacuLugar nacional D. Luiza, capit3o
Aatunio Kodrigu-;^ onde, em lastro-
Macu Escuna norueguense Gefion, ca-
pitilo Th Wig, em lauro.
Vapore :i mirar
MEZ DE Jl/LHO
Sul........... Vite de Cear..... 12
.Norte......... Alagvai........... 13
Sui.......... P. do Crao Para... 14
BuropS...... Vttte de Pernambuco. 15
Europa....... Bieldos-Agre...... 16
Europa....... uiicia........... 17
Europa...... Tlmm. ...___ .. 17
Sul......... La Piula.......... 20
Sul.......... Alliira.......... 21
Norte........ Adcoiux.......... 28
Secretaria da celestial confraria da SS. Trin-
dade, 10 de Julbo de 1890.
J0S0 J. Guedes de Lacerda,
Sec otario.
Sociedde
DOS
artistas Mechauicos e Li-
be raes
De crdem do Jiicclor, sao uovamente convi
dados todos os socios no goso de seus direitis
sociaes, para reun em se em assemb'ea geral,
teici feira 15 do corrente, s 6 1/2 horas da
larde, sendo que esu couvocacao ser realisada
com o numero de socios que comparecereal, na
forma dos estatu o>.
Secretaria da Soe.iedade dos Artistas Mechjni-
cos e Lioeraes de Pernambuco, 10 de Julho de
1890.0 1 secretario,
Joaquim Lopes Teixeira.____
Thesouraria de Fa-
zenda
De ordem do Sr. Dr. inspector, faco publico
que lica marcado o praso de cinco dias. para os
: do contencioso desta Thesouraria o contrado
para foroecimento de gneros e artigos para a
:.uamicao do Estado e eofermana militar, du
rute o 2- semestre do crrente anuo :
Manoel Bentj Pinheiro.
Alves A Fernn les
Frederico Velloso da Silva.
Antonio Soares Kaposo.
Manoel Paulo de Albuquerque.
Alves A C.
Joo Bapnsia Prez y Prez.
Vasconcellos Sobnnho A C.
Alheiro Fernandrs A C.
D Candida Julia Cmicante Roze^.
Thesouraria Je Fazenda do Estado de Per
nambuco, 9 de Julho ue 1890.
Ocecretarioda junta,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna
Hippodroaio do Cam-
po Grande
Convido aoscidadaos pos-
su,dores de accoes preferen-
ciies, emittida^ por este Hip-
podromo, para receberem da
mao do cidado thesoureiro
os juros correspondentes ao
1, semestre do 9. anno, que
serao pagos aos portadores
de hoje at segn ia-feira,
14 do corrente, das 10 ho-
ras da mauha s 2 horas da
larde.
Secretaria do Hippodro-
mo do Campo Grande. 8 de
Ju'hode 1$90.
O presidente,
Joaquim lmiocencio Gomes.
>a <..< rilara Ncriioriiiii alugam e aa aesulateai


canasi
liuas :
Sete de Setembro n 22
Viri-co n. 19
roroiicl Suassun n. 132
Domingos Theotonio n. 38
Restaurac&o n. 25
Dita n. 27
Bom Jess 3* andar n. 13
dem Io andar e loja n. 14
Amorim 1* andar u. 23
Uia 2- andar n. 23
Dita armazem n. 64
Vigario Tenorio Io andar n. 25
iiita 2 andar n. 25
Dita I'ja n. 27
Hispo Sardinha 1 andar n. 11
Domingos Jos Martin?, terrea o. 16
D ta n 18
Dita n. 118
Dita | andar n. 132
Ui'a f andar n. 132
Jorapanhia Pernambucana loja n. 30
Madre de Deus armazem n. 2
B'jrgoi, terrea n. 21
Lipi n 2
Becco do Abren 2o andar n. 2
S.Lourcnco da Matt?, terrea
Quadro da Detencao n. 4
40*030
20*000
20*000
16*666
15*000
15*000
15*000
41666
15*000
15*000
30*000
25*000
20*003
15*000
16*666
20*000
15*000
16*666
15*000
15*000
15*000
12*500
14*000
14*000
8*000
5*000
6*00

Vapore -..luIr -"
HEZ I)K JULHO
Sautos e esc.. Paraltybu.....
Fernando.-.. Rebebe......
Havre e esc. VOtede Cear. ..
Sul.......... 'logos.........
Lverpool..... Galicia.........
Santos e esc Buenos-Ayres. ..
F. M. de Moura. 50 pipas com 23 210 litros] New-York----Allianca '.......... 22 as
a gurdente. *Sul.......... Advance.........29 as
11 as oh.
12 as 12 h
13 as 3 h.
13 as 5 b.
17 as 11 h
17 as 5 b.
4 b.
4 b
Companhia Trilho Urba
nos do Recife a Olinda e
Bebe i be.
Dividendo
Nos dias 11, 12 e 15 do corren e mez
paga se no escriptorio da Companhia o 31
dividendo aos Srs. accin atas,das 10 horas
ao meio dia razo de 8 [0; e se conti-
nuar a pagar os juros Oas obriga.oes, que
deverSo para isso ser exhibidas.
Depois desdes das serao os pagamentos
s tercas e sabbadus, que nao forem dias
santificados.
Escriptorio do gerente, 9 de Julho de
1890.
Antonio Pereira Simoes.
Sociedade Refinaria e Di\*ti-
Jacjio de Pernambuco
Sao convidados os senhon s accionistas a rea
lisarem a oitava euirada de 10 0/0, eqamkov
a20*u00 por accao. al odia 16 do correnn
mez, de accordo com os aria. 8. e 9. dos esta-
tutos, no escript. rio do-Exm. Sr. thesoureiro
Barode Petrolioa, entrada pela ra do Torres
n. 48, I" andar.
Recife, 1- d Julho da 18)0.-0 presidente,
Joao Femao.de.- s.
Costurando Arsenal
de Guerra
A distribnico s se far em quinta-feira, de
hoje por diante, e o respectivo aviso sera publi-
cado na .-espera. A matriculada que nSo justi-
car, dentro em 15 das, o seu nao compare-
cimento a cbamnda do sea numero, ser ex-
cluida._________________
Banco de Pernam-
buco
Os senhores accionistas sao convidados a vi-
rem receber do dia 16 do corrente em diante o
primeiro dividend de s as aecfs, a razo de
8 0/0 no anuo ou 1*600 por accao relativo ao 1-
semestre lindo em 30 de Junho. Recife, 8 de
Julho da 1890.
_______ Jos Adolpho Rodrigues Lima.
Companhia .MLinerra
Ao aocis
0 cidado Jos Cosra- de Oliveira, competen-
temente autorisado pelo cidado Verissimo Bar-
bosa de Souza. inventor e gerente da mesma
empresa, faz sciente a todos os socios esocias
da referida empresa, que, aqu lies que acharem-
se em estado le deficiencia a nao poderem pa-
ar suas mensalidades atrasadas at o dia 28 do
crreme mez, comparecam na sede da mesma
empresa, ra da Aurora o. 89. Mar justificar-
se, utrosim. os que n) acharem-ie em dia
com is referidas mensalidades at a mella data,
perderao o direito de socio, marcando a referida
empresa o praso, depois de 60 das, a cortar de
29 do correle mez em diante, iara, nao s es-
'e?, mais os qae ja acham se eliminados, have-
rem ns empresa 3 suas importancias com que
eoiraram. Becife, 8 de Julho de 1890.
Jps Cosme de Oliveira.
SEGUROS CONTRA FOCO
EDIFICIOS E MERCADORIAS
TAXAS BAIXAS
Prompto pagamento de prejuizoi
SEM DESCONT
A COiOPAlIOA
IMPERIAL
o: i(\i>iti:s
Estabelecida em 1803
CAPITAL Rs. 1,000:000000
AGENTES BROWNS & C.
N. 5-RA DO C0MMEU;i0-N. 5
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
acca por todos os vapores sobre as cai
;as do mesmo banco em Portugal sendo
m Lisboa ra dos Capellistaa a. 73. No
"orto, ra dos Inglezes.




*vj
^
*
4
'l_

V
J"


Diario de Peraambuco--Sexla-f eir 11 de Julho de 1890
^

Grande CoBipnhia de Opera-Coato, ptelas e Mgicas do
THEA i'RO SANT'ANNA DA
CAPimFEEKVL
SM"SEZ F-ABUSl SELLES
HOJE Sext.-feira, 11 de JuJho de 1890] HOJE
ULTIMA -SEMANA QUETKABAlHA A UMPANHIA
3. Recita* de assign atura
(ULTIMA SERIt)
(irania e extraordinario snccesso
Pnmeira reprcentacRo da opera comic* em 3 actos, tradcelo de EDUARDO
GARRIDO e FRANCIS O PALHA, msica de Luix Varney (autor da esplendida
opereta o Amor Aolhado)
IIID EMIWISADORA
Companhia de Segaros
MARITDIOS E TERRE3TRF
Eaia beleclda eaa I SU
Estado flcetro ea 31 de De-
zen.ro de 1.
Capital 1,000:000^000
Fuodo de reserva .10:376|>00
Sinistros pagos 1,776:683^000
44Ra do Commer>o44
MARTIMOS


Brissae, mosqueteiro
Grontan, dem
Bridoino
O Governador
Simda .
Mana, educanda .
Luisa, dem .
Sror Opportuna .
A Superiora .
Rigoberto
Pichord, estalajadeiro
Langlois
FarimL
l.o Frsde
2. dito
Jacquelina .
Joanna.
CTM3 Q"T\T rl"7,T\*r


i.
Sr. Vasques
Sr. Colas
Sr. Peixoto
Sr. Leal
Mlle. Massart
-Me. Blanche
Mlle. Lopiccolo
D. Isabel Porto
D. Ignez Gomes
Sr. Rangel Jnior
Sr. Andr
Sr. Nazareth
Sr. Mesquita
Sr. Nezeretb
Sr. Mesquita
D. Malhilde
D. A. Athayde
N. N.
vendedores de flores
e fructos,
Agatha. .....
Mosqueteiros, a!de5es, aldeas, soldados,
educandas, etc.
Scenarios, vestuarios e aderemos novos e
deslumbrantes
n K\eci;\i: DO artista
:
li H 17 horas.
Haver trem para APIPUCOS e OLINDA o bonds para todas as linbas.
Retirardo-se a Companoia para a Babia no dia 14 du carrate teem lugar da-
tante esta semana os seus ltimos espectculos.
Espectculo.*- de despedida
i
PERNAMBUCO
PR0JECT0 M NSCMPCA0
'
Para a I i.a corrida a realizar-seem 20 de
Julho de 1890
%VW CONSOLACAOOO metros. Animaes de Pernambuco, que
nao tenham ganho no Derby e eguas de Pernambuco. Premios:
200i5000 ao primeiro, 40*000 ao segundo e 20(5000 ao terceiro.
HIU- PR\DO DA ESTANCIA 1. SO metros. Aaimaes oacioqaes
at meio pangue. Premios: 250(5000 ao primeiro, 100^000 ao segun-
do e 255000 ao terceiro.
' ^Wfc PROSPERIDADE SOO metros. Animaes de Pernambu-
co que nao tenham ganho em roaior distancia no prados de Hecife, em
1890. Premios: 20i'000 ao primeiro, 405000 ao segundo e 20)5000
ao terceiro.
IVa^Q ANIMACAO SAO metros. Aaimaes de Pernambuco que nao
tenham ganho em roaior distancia no Derby em 1890. Premios : 200)5000
ao primeiro, 405000 ao segundo e 20)5000 ao terceiro.
1 'Vlk1*! EMULAC f.tOO metros. Animaes de Peraambuco.
Premios: 200)5000 ao primeiro, 4U0OOO ao seguudo e 20)5000 ao
terceiro.
^VM EXPERIENCIA SOO metros. Animaes de Peraambuco, que
nao tenham ganh premios n'estes cinco meses no Derby. Premios:
2000000 ao prinViro, 4 (50 0 ao segundo e 205000 ao terceiro.
1 *WI& RECOKDACO 800 metros. Animaos de Pernambuco que
nao tenhum ganho primaros e tejjundos pren ios n s prados do Recife.
Prcmi-.s: 2O0.0 ao primeiro, 405000 ao segundo e 205000 ao
terceiro
1 YV&1A ESTADO DE PERNAMBUCO i. eoo metros. Animaes
pungas. Premios : 2005010 ao primeiro, 40,5000 ao seguudo e 205000
ao terceiro.
Observares
A iuscripcSo eacerrar-sc-ha terca-eira, 15 de Julho, as 6 horas da tarde, na
secretaria do Derby Club, ra Duque de Caxias n. 22, 1." andar.
Nenhum pa-eo se realizar seiu que se inscrevnm pelo meaos tres aaimaes de
tres proprietarios differentes.
Secretaria do Derby Club. 10 de Julho de 1890.
O SECRETARIO, \
Manoel Medeiros.
8.
Compaa &e Seguro?
costea ::::
NORTHERN
de Landre* e Aberdacu
Vositao financcira (Dezembro ile i 887.
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumuladoK 3.421,000
eeelta annnal :
De premios contra fogo 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros 145,000
O AGKKTK,
John JJ.Boxinell.

CONTRA POGO
tie Liverpool Lendon i (tobe
suenrav, mmi & c.
Ra do Commercio u. 3
Companhia de Segaros
jiMiMt &t 3fi*ba
AGENTE
Miguel Jos Alves
V *EttiH do Boas 4cias-N> *
>M.i;H0S MARTIMOS E TERRESTRES
Fran>
a vapor
o Havre, Lisboa,
Aracaty e Camossim
Segu oestes poucos das o hiato Deus te Guar-
de para os portes cima, recebe carga no caes do
Loyo ; a tratar na ra da Madre de Deus o. 8.
CompnuHla
DE
Navegaeao
liiiha quinzenal entre
Peraambuco, Baha, Rio de Janeiro *
Santos.
O vapor
Ville do Cear
Commandante Lainey
Espera-se dos portes do sal at
o dia 12 de Julho, seguindo
depois da indispeosavel demora
para o Havre.
Entrar no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
i offerece excellentes commodos e ptimo pas-
tadio.
As passagens podero ser tomadas de ante-
ao.
Recebe carga, encommendas e passageiros
jara os quaes tem excellentes accommodacoes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
abeiro a frete : tra'a-secom o r GENTE.
O VAPOR
Ville de Pernambuco
Commandante Houx
E' esperado da Europa at o dia
14 de Julho segnindo depon-
da iDdiBpeosavel demora para
Macei, Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga petot
aoores desta linha, qoeiram apreseclar dentre
le 6 das a contar do da descarga das alvareogae
malquer reclamacao conceroeate a volumes que
lorveotura tenham seguido para os partos de
uI aftm de se poder dar a tempo as previ
iencias necessarias.
Expirado o reierido prazo a companbia nao
esponsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di
beiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Labille
9-RA DO COMMERCIO-9
United Statee aod Brazil
M. S. S. C.
O vapor Allianca
E' esperado dos portos ao
sul at o dia 21 te Julho
o qual depois da de
mora necessaria seguir
para o
anhio, Para, Barbados, m.
Th
omaz, Martialque e .\ew
lork.
i ara passagens carga, encommendas e di
n iro a frete:. trata-se com os AGENTES.
O vapor Advance
E' esperado de NewYortt
at o dia 28 de Julbc
o qual depois da de-
mora necessaria seguirt
para a
Bmtla, Rio de Janeiro e Santo
ara carga, passagens, encommendas e di
i bc'ro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
1* andar
COHP1XIIIA PKHXAHHICAV
DE
Vavegaco costeira por Vapor
Para Fernando de Noronlia
O va por Beberibe
Commandante Fabio Rio
Segu no dia 12 do corren-
te as 12 horas da manh
Recebe carga at o dia 11
latinhas com chocolate, movis, lonjas, vidros e
mullos ostros arligos
Segunda-feira, 14 do cor-
rente
A's 11 horas
No armazem da roa do Mrquez de 01 inda nu-
mero 48
Por iatervencao do agente GUSM AO
Leilo
PassagcLs at s 10 horas do dia da sabida.
ESCRD7TORIO
o Cae a Companhia Pernambucana
n. 12
LEILOES
Aligue
Royal Mail Steam Packei
Company
O vapor Thames
Espera-se da Europa ato o dia 17 dt
Julho, segniodo depois da demo
raindlf pensavel para
Baha, Ro de Janeiro, Monte-
video e Buenos-Ayre
Para passagens, frete i e encommendas trata
se com os AGENTES.
O vapor La Plata
JlmV
mt
E' esperado do sul no dia 20 de Ju-
lho seguiudo depois da demora ne-
cessaria para
M
Kll
SEGIRO COMil F0(
doyal Insurance Comps
de Liverpool
CAPITAL *.0>0:lM>0
AGESTES
R. Drnslll &. C.
13-Rua naronez de Ollnda-a
AGENTES
Lisboa, Vigo e Santhampton
Reducido de panageru
Ida Idae wite
A' Lisboa 1* claase '20 t 30
4 Soutbampton 1' ciaste a 28 42
Camarotes reservados ps a os pissageiros d
Pernambuco.
Para passagenp, fretos. encommendas. trata-s*
o a os
AGENTES
Amorimlrmos & C.
N 3Ra do Bon JessN. 3
Lloyd Brasileiro
P0B'1X)8 DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joao Mara Pessoa
E' esperado dos portos do or
teau odia 13 de Julho e de
.pois da demora mdispensave
^eguir para o* portos do sul,
' hT S? ti
recebenou lamuem carga para
Paranagu, Santa Catharina,
Rio Cirande do Sol, Pelotas e
Porto-Alegre-
As encommendas serio receidas no trapiche
Barbosa.
Para carga, encommendas, passagens e valo
es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6*mRua do CommereiomG
1 andar
Pacific Steam Navigation
Company
STRATTSOPMAGELLAN LLNE
O paquete Galicia
Espera-se do portes do sul
ate o di> 16 de Julho e se-
guir depois da demora do
costume para Liverpool
com escala por
Lisboa, Rordeaux e Plymouth
Para carga, passageiros, encommendas e di
iheiro a frete: trata-se com os
AGENTES
Wsod, Sons- C, Limited
14RA DO COMMERCIO14
Segunda feira, 14, deveter lugar o leilao
de movis, louca e vi iros, na casa da ra da
Matriz da Boa Vista n. 9, em que morou o Sr.
Rayrnondo de Mello.
Terca feira, 15, s II horas, no trapiche da
Alfaodega. 120 barricas com cimente avariado,
abandonado pelos direitos.
Ao meio da, em coniinuacao, em frente ao
trapiche Livrameoto, de 61 barricas, 86 meias e
25 tercos com cimento taabem avariado.
Agente Pinto
No armazem da ra do Bom Jess n 45, tora
vendido um vai iado sortimente em (eqoenos lo-
tes voota.'e dos compradores de meias garrafas
de cerveja branca e preta, ginger e soda, bis-
ontes em latas de 9, 2 e < 1|2 libras, tinta para
escrever, sabonetes, e ebeiros Hnoa, copos e
garrafas, guarnicoes para lavatorios, servicode
porcellana para cha, obj-etos dj agatha, can
dieiros gaz, um variado ortimento de globos
de vi) -es, mobilias de junco e muitos ootros mo-
vis.
de movis, eapelhos grandes, candieiros a
gaz, jarros e 42 meias garrafas com cer-
veja banca e preta.
A saber:
Urna mobilia a Luiz XV com 1 sof, i dunker-
qnes. 4 caleiras de brujos e 18 de guarnic&o,
2 espelhos grandes dourados, 4 jarros para flo-
res, 4 purs de cortinados de cretune, 4 tancas
nsra cortinados. 2 figuras, 4 quadros donrados,
2 ditos a leo e 1 mouilia de Jacaranda.
Duas camas deErable novas e iguaes, 1 guar
da-vestido, 1 lavatorio, 1 cama franceza 2 com
modas, 2 mesas, 1 cama de ferro com lastro de
rame, 1 guarnido para lavatorio, 1 marquezao
e 2 cabi Jes.
Urna mesa elstica com 7 tabaas, 1 guarda-
louca envidracado, 2 aparadores torneados, 1
guarda-comida. 2 mesas, 1 quartinheira. 12ca
deiras, 1 gaiola de ferro para garrafas, 2 appa
relbos de porcelana para cha copos, clices,
garrafas, tete a tete, cerveja em metas garrafas,
e 1 relogio.
Urna mobilia de junco com 1 =c.f i, 2 consolos
com pedra, 4 cadeiras de bracos, 12 caleiras de
uarmcSo, 2 cadeiras de balaoco, 1 jardioeira e
muitos outroj movis existentes na casa da ra
da Matriz da Boa Vista n. 9.
Meganda-feira, 141 do correte
0 ..'ente Pinto levar a Ipilo os movis e
mais ibjeclos existentes na casa da ra da Ma-
triz da Boa-Vi jta n. 9, em que morou o Sr. Ray
mundo Mello.
A's lo 1/ horas
Leilo
Agente Britto
Leilo
Urna, mobilia de junco com encost de palba
do fabricante Howe, em bom estado, 1 cama fran-
ceza para casal, 1 guarda roupa, 1 commoda, 1
toilette, 2 marquezes. sendo um de Jacaranda.
2 cabides, 2 baoquiohas, lavatorio de amarello e
de ferro, t mesa elstica de 4 laboas. 1 guarda
tonca, 2 appardores. 1 marqueza, 8 cadeiras
de amarello, 6 cadeiras de juocu, jarros, louca
pa almoco e jantar, copos, e outros muitos
objectos.
Em seguida vender o mesmo agente 150 ca-
nastros com albos.
A ra de Santo Amaro n. 32
fcexta-felra. 11 do rorrete
A's 11 horas
Leilo
Do sitio com casa em ruina, no Fundi, ero Be-
bente, junto casa que foi do general Wan-
derlej.
Nexta-felra, 11 do correte
A's i 1 horas
4-' ra Estreita do Rosario n. 8
O agente Silveira, aulorisado pelo procurador
dus herdeiros do fioado Maood Das da Silva
Seutci, levar a leilo o referido sitio.
Agente Silveira
Leiiao
Do sobrado de 1 andar site rna Vidal de Ne-
greiros n. 55 (autigo pateo do Terco), com os
lundos para a roa do Forte n. 24 A.
nabbado, l S do correte
A's 11 horas
.Vb armazem ra Ettreita do Rosario n. 8
0 agento Silveira, autorisado pelo cidado l-
enle Antonio Gomes Correia de Miranda, leva-
r a leilo o referido sobrado em terreno pro-
prio coro os seeu nlrs commodos :
Doas salas, 2 quartos. cusiuha lora, urna sale-
ta, quarto cx>m banlifiro, asna encanada, pavi-
mento torreo, teja, um quarto e grande quintal
murado.
O? Srs. pretendentes podera eximinar.
A chave ple ser procurado no armazem do
mesmo agente.
Agente Burlanijciui
Leilo
Sabbado, 12 do corrente
A's 11 horas
De bons movis,loucas e vidros
No 2" andar n. 8, ra do
Bom Jess do Recife
0 agente cima, legalmenle aulorisado, far
leilo, ao correr do inartello, dos bo?.s movis
existenies no referido sobrado. Tem raobi ia
completa, oe Jacaranda, espelhos, mesas cem
lampos de p-idra, quadros, lapjies. etu^eres, ca-
deiras de palha, ve.ezianas, I mea, vidros e
muitos arligos que s;rao vendidos ao correr do
martello.
ompanhia Baha oa de Na-
vega Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
, Estancia e Bahia
O VAPOR
VMes ltimos seguios 6 a troica companhii [> J f-Sr Para
a une .-..ncde aos Srs. segurados semp I l 1 JIlt..l|JC; UU v^dU i da
.i f niiiiiiiiwifi de nrt'inio em cada stimo -. i t j
u ue pagamento de premio em cada setime
ano, o que equivale ao descont aonual decer
. A<- t." iMir emito em favor dos segurados
8EOK0S
sardios mm rofi
Ct._oauhla Phenlx Per-
nambucana
RL'A DO COMMERCIO N. 46
Commandante Lacerda
E' esperado dos portos cima
at o dia 14 de Jo'ho regressan-
dopara os mesmos depois da
ideroora do cos'.uuie.
.un carga, passi-geos, eacommenoa < rtmnei
r i a frete trata-se com o
AGENTE
Leilx
>
N
de
De barricas com cimento avariado
Sehdo :
M & S-6 ioleiras, 27 meias e 7 tercos.
A & S23 meias.
G t V4 inteiras, 8 meias e 15 tercos.
OH 1 inieira e II meias.
158112 Inteiras e 5 meias.
A O & C-37 iQteir.is
R & S- -i inteira, 12 meias e 3 tercos.
Terca feira, 15 do corrente
Ao meio dia
Em frente ao trapiche Livramento, (perto
da guarda-moria)
0 agente ?into levar a leilo por ordem de
diversos e por conta e risco de quem pertencer
as barricas com cimento avariado d'agua* do
mar. parte docarregamento da barca noroeguen-
se Cortez, existentes no trapiche Livramento.
Anteriormnete
e s 11 horas do mesmo dia, de ver ter lugar ro
trapiche da Aifandeg o leilo de 120 barricas
com cimente tambem avarido e descarregadas
de bordo do bngue norueguesse Fanulieu e
abandonadas pelos direitos.
AVISOS DIVERSOS
Precisa se de ama ama para Hinhar, e
oulra para engimmar : na ra do Vigarion
armazem.
AMA Pradal se de nraa, para casa de
lamilia : na ra da Palma n. 80________^__
Alugam-se casas caudas e pintadas no*
nados de S Goncaio, a 84000: a tratar aa ra
la Imperatris n. 76.
Vende se a bella casa de Olinda, no pa'eo
de S. Pedro Novo n. 2, com grandes commodos,
quintal murado, terreno proprio. rheio de sapo
leiras de primeira qoalidade, mullo fresca, com
gaz e agua, cosinba fra, rende 5005 a Ci.O por
anno, est stmp.-e alogada: a traiar no Caminho
Novo n. 128.___________
Palaces e outras moedas de ouro e prala:
compram se pelo maior preco ; na roa do Com-
merejo n. 4.
Precisa se de um rapaz de i6a 18 annos
que tenha pratica de palana e d tiadnr de sua
onducta ; a tractar na ra da Praia n. 12, ou na
ua imperial, padaria Victoria
Urna senhora viuva seui lilhos. desejando
emp:egar-se em casa de familia como pnifesso-
ra de primeiras letras, dentro ou fra da cidade,
pede a quem pretender os s us servicos que
deixe nessalypograpbia carta para H. F. F L.
Precisa se de urna ama para cosinha ; na
ra do Imperador n. 79,2o andar.
Precisa-se de urna ama para coeiulmr e d-
ontra para engommar; na ra do Vigario n.,5
armazem.
iiouDuran.' da estribara do engenbo LiOe-
dade dous cavados, sendo um rodado pedre-
grande, e outro castanho amarello, com um ca
roco de um lado da mo ; foram roncados no
dia 3 de Julho: quem n ver noticia, escreva para
a estaco de Olinda, que ser pag, ou na rna
Direita n. 75.
Alugam se casas calada e puna las son a
nos fuds de S. Goncaio, a 8S ; tratar na ra da
mperatriz n. 76.
AMAPrecisase tie um, pira casa defa
tnllia ; na roa da Palma n. 80.
Precisa se de urna ama para cosinnar. com-
prar e mais servicos de :asa de familia : a tra-
tar na na Sarao da Victoria n. 15, 2- andar.
- Pede-se a o Sr. Manoel f. Araujo Saldanha
urna vez que Vuic. appar>-cia no dia 20 prximo
passado. e depois pedio para o fim do mez, ve
nba restituir o que Ihe dei ero lonltanca, na pa-
daria do paleo do Terco._______________
0 Sr. Jos Francisco da Costa Ferreira
praticante >'o Correio, disse que apparecia no
dia 3, porm estamos em 7 e anda nada.
Vende se o iroporiante estabelecim nte de
moteados, s'.to ra Visconde de Albuquerqae
n. 54. a razo por que s* vende se dir ao com
prador ; a tratar oa ra da Iraperatriz n. 88, ou
oa Cupunga, rna das Penambncanas o 'AS.
Precisa e de uiu caixeiro para taveiua
na ra das Pernarobucanas n. 25 B, Capunga.
Precisase de urna criada para copeira e
mais ser 'ico interno de urna familia ; a tratar
na ra da Soledade n. 82.
Vende se urna taverna bem afreguezada.
sita na ra da Amizade n. 25, Capunga.
Alaga se por 255 mensaes o 2 indar do
predio o. 18, no pateo do Tere > ruuii' fresco,
tendo 2 salas, 2-quartes e. cosinha fofa ; a tratar
na ra Conde da Boa- Vista n. 75. As chaves
e?io n. 1 andar. _________
Precisa se de urna ama para lodoservjco :
no 2- andar do lurgo do Carmo ti. 16.
Agente Brito
Movis, loujas e vidros
Urna mobilia de junco. 1 cama fraucpza
amarello, 1 guara vestido, 1 lavatorio de ama-
rello, 2 marquezes, 1 commoda de amarello, 2
cabides de parede, 1 dito de columna 1 guara
louca, 1 apyrailor, 1 mesa elasiica, 2 banqui-
nhas, 1 qu;.rtiiiut'ira de columna, 2 hahns de
cour.', i mesa laiga de amar'llo. i machina de
cosiura, 6 jarros, cuidieiro para k'iofciie, es-
carraJeiras, bufias, eiageres, copos, garrafas
para vioho, louga para almi.co e jadiar, mesa
para cosinha e outros muitos objectos.
0 aienie acuna, nBtoruttdti pta Sra D. <"ar
minda Alves de liveira. veodei es ooje^tos
cima declarados, ao correr do mirtello.
SOBADO 12 1)0 CORBISNTE
Pateo do 'aruiso n. 16 entrada pela tus de
S. Fr-ncisco
A's 11 hoias da manhS
Precisa-se de um copeiro que allhnce
sua conducta ; n* ra do Pires n. 18.
Leilo
de 28 pr. suoto3 de (iamb e, 75 ginafas com vi-,
PpHrn CWirin fi Cfrnilfira Dil Madeira, 47 barris coro gar.tmhas. 198; latas -
t earo V^bOriU ue V^erciueird 0n lingu,cas 2, garr;)fa com aiua mineral j-}< ty*
17Ra do Vigario- 17 Val?, ctrvea preta e branca em meias botijas, J
Vende se a casa terrea sita a ra do Gaz u
1 A, comeado 2 slas. 2 qaarios, gabinete sep-
ralo, soto com janelia oara o uiio, sendo a
sala e o quarto 'la frente ferrados, cosinha fra,
3uiual com passeio em roda, e cacimba conten-
o 2 jaoellas e i pona, todas y\ naa posturas da
Intendencia, sem precisar cjqcitio de qoalidade
alguma, por prego muito comniodo ; vende se
tambero urna armacn toda de amarello e enver-
nisaa, com liieiros, envidracada. pr-sta se par
qoatmer pessoa que queira principiar uegocio,
por preco amito commodo ; a tratar na ra da
Concordia n. 70^____________________________
Comprani-se pa-
tacoes portuguezes,
hespanhoes, et'\,etc.;
na ra do Commercio
paga-se bem.
PARA ENGElfHOS
GIMAriES 4 VALENTE, partioi-
paiu aos seus fregueses e Illms. Srs. de
engenbo que, como sempre, tm grande
deposito dos artigos abaixo mencionados
garaotindo tudo de primeira qoalidade e
precos sen competencia, a saber:
Cal nova de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Cimento Portland.
Oleo de mocte.
Okos americanos
especiaes para machinismos.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito depeixe.
Pixe em lata.
(5 galSe)
Kerozene inexplosivo.
Graxa em bexigas.
Gaxeta de linho.
Potassa da Russia.
(em caixas, barriquinhas, latas grandes
e pequeas.)
Formicida Capanema.
i C'orpo Santo 6
Padrada dos Itnnfill'^V
Approvada pek Illutrada Joata de
Hygiese Pu's*.ic- is. Corte.
Auctorisado por Decreto Imperial
de 20 de Junho de 1883.
COMPOSI9O
de
firmino Candido de Fipeiredo.
K-
Empregado com a maior efficacia no
rheurnatitno de fjnalquer natnrsa,
nwtrstias da pelle, as
11 /.'. brancas, nos
-lunadospela impureza
inlmente as differentes
M a syphilis.
em todas as
ltuci>rrh/n t
snttr-.- : ..
Dse Nosprimeiros .-<:i> 11- >nna
colher das de cha pela manli.1 e mu"
i imite, puramente ou diluida e:u :<
e em seguida mudar-se-ha para c
.es das de sopa para os adult-- c nu--
tade para as criancas.
Rgimen Os doentcs levem ab-
ster-se apenas do alimento acido c gor-
duroso; devem usar dos hnnlios frios ou
momos, scrundo o estado da molestia.
DEPOSITO CSKTSAl
Francisco Manoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Mrquez de Olinda
Peraambuco
[
h
<-
I-
r
Podido
Pede-se ao Sr. Francisco
de Souza Motta, ajudante de
guarda-mr da Alfandega
para vir ou mandar ra do
Baraoda Victoria n. 50, loja.
liquidar aquelle negocio que
S. S. nao deve ignorar, visto
nao saber-se o seu domicilio.
MARAVILHA CURATIVA
DO CET.KPRE
Dr. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seeulo.
APPECV ADA LICENCIADA
pela Inspectora Geral do Hysicne do
Imperio do BrazU.
A Maravilha Curativa remedio prompto
par as Pisaduras, Machucaduras, Conttwoea, Tor-
ceduras. Cortaduras, ou Laceracdae. Aiviaa dor,
i'-sun-a o sanguc, faz parar a iillammjcdo. reduz
e inchacao, tlrao desconunento, e faxsarar a ferida
como por encanto.
A Maravilha Curativa ( aDlvIo prompto e
cura riii.i'i para Vueuaduras, Ewaldaduras, e
Qucimauura do Sol, e superior a qual<,uer outro
remedio.
A Maravilha Curativa Impagavel par
todas as Hcmorruaffias, se^a to Nariz, das Gengivas,
dos PulraCMs. do Estomago, ou af Hcmorrold ou
Aimorrcimas cura sempree nunca faina. >
A Maravilha Curativaumauvioprompto
para LK>r de Ueutes, de Ouvldos, da Face. Inohaolo
da Fane e Nevralgla.
A maravilha Cnrativa orecurso prompto
precioso tra Dures_rhemalicasi Alejao, Dor e
J
:f
.-





-.-
'

Rigidez nos Juutan uu Peruas.
A Maravilha CnmliTa* o grande remedio
^ra Esqulnonila, ADglna, Amygdaluinchdasou
lammadassempre segnro, sempre enlcas.
A Mnra.llUn Curativa de multo valor
como lnj>?ct;2o para o Caiorro, a Iucorrbea ou as
Flores Brancas, e outros corrimentos debilitantes.
A Maravilha Carativa lmpagarel para
curar Ulceras. Chagas antigs. Apostemas, Panarl-
eios, CaUos. Frielras, Joauetes e Tamoi es.
A Maravilha Cnratlvn remedio mompto
pura WarrUca simples, e de Diarrheo chroica.
A Maravilha Carativa excellente na
Rtrebarlas e CavauarlcaR. para Toroeduras, DOres
Pisad urase Efr-foleduras, Contusoes. i^aceracoes, c.
Especialidaaes do Sr. SumphreTs.
Ktmedio Especficos
l'usncnto Maravilboao.
Rcnirdius ^yphilitico,
Retnedios Teteriaarlos*
O Jlnnnal do Dr. Humphrerg 14 pajrliuw sobre as
Efermidades 2 modo decural-asse da grutls, pede-
se ao seu ootlcarto ou -
HCSPHKEYS' 3IEC:CIXE CO.,
109 Faltn Street, SEW YOEK.
nico deposito para vendas em
grosso na imperial drogara de F.
Manoel da Silva & C. ra de
Mrquez Olinda n. 23.______ -
O FUMO
Higyenico Nacional
E' isento do qoalquer composijao
mimica e. nociva.
' ecolhido d.s me!hores qualidades da
iumo.
Um pacote de riO gramms custa200rs,
Fabrica IHiulia Esperanca
Ra larga do Roaario 21
TcIeplone tt
I;



Diario de Pernambuco-Sexta-feira 11 de Julho de 1890



Vende-se urna pprcao de ps de crotn
na roa da Gloria n. 35, l- apdar.
TEogenho Carneiro
Nenhum valor tem o protesto que pelo
Diarfo de Pernambuco de hontem fazem
o capitSo Joto Born&rdino de Boarbon
Arantes e llana Nymph*, orph&os de Ma-
noel Alexandre de Soasa Oveira, contra
a venda que pretendo fazer do engenho
Carneiro, baseando-se esae protesto na al
legacao ezt emamente vaga de que elles
tem direo adqui ido.
Provoco-os a que no praso de oito dias
apresentem qualquer prova, que justifique
o sea protesto, sob pena de ser conside-
rada falsa e injuriosa sea allegacSo.
Recife, 9 de Julho de 1890.
JoSo da Cunha Wanderley.
Attenco
Alugam se as seguintes rasas :
Roa do Livrameote a 6, 3- andar.
Ra do Paco da Patria n. 15.
Roa \farqoes 1o Herval o. 96. solio,
dem, idcm, dem, idem, loia.
A tratar na roa Marques de Olinda a. 25, i
andar, ou a ra de S. Joao n. 4.
Ensino
0 bacbarel Americo Fernaodes Trigo de Lou-
reiro, professor particular de instruccSo secun-
daria, provi8ooado pelo conselho geral da i ti
itruccao publica, em 1859, km aberto, na casa
de sua residencia, ra Vidal de Negreiros, n.
174, uqi curso particular das linguas. nacional,
la'ioa e franceza, das 10 horas da manba ao
meio dia.
Propoe se i realmente a ensinar as mesmas
linguas por collegioe e casas particulares a pes-
soas de ambos os sexos, un horas e dias para
isso convencionados, para o que pode ser procu-
rado na mesma casa de sna residencia, a qual-
quer hora do da._____________________
Casa dealugruel
Aluga se o sobrado da ra Gervasio Pires n.
20, com agua e saz ; a tratar com Temporal Fi-
los, ra do Boin Jess n. 59.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica de mo
hadse que d coobecimento de sua conducta.
MARAVILHA CURA1.*
DO CLEBES
Dr. Humohreys ue Nova Yon*.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
APFBOVADA LICENCIADA
p*la Inapectorla Geni de II: ticni 'a
Imperio ds Brazil.
A Maravilha CoratiTa remedioprompto
para ai Pisaduras, Machucaduras, ContosOea, Tnr-
ceduraa. Cortadoras, ou Laeerac^s. Allivia a d&r,
estanca Mangue, faz parar a lnfiammacui rt.h./.
a lncnacao, tir o eeccrr.^\ento, c Taz sarar a ferias
como por encanto.
A Maravilha Curativo. 5 airln prompto o
cura rpida para iueinuHlura.:. tscajuaduriia,
Vueimadura do Sol, e superior a qiiutcu&r outic
remedio.
A Maravilha Cnrativa t impi-iavel p.-:r3
todas as Hemorrnaglas. seja doN'arlfadiu.ueui;ivn,
doa Pulmdes. do Estomago, ou ai Hemorrnoii!-
AlniorrelE^cura arniprt* c uunca l'allja.
A Maravilha t.i.c*tvaumalivloproror'-
para l>r de Denles, do Ouviui,"" "aoe. incii2< .--
da Face e Mevraigla.
A Maravilha Curativa orwnro promp.-~
e precioso para Dures rheumauca., Alej-o, Dur j
Rigidez as Juulae ou P< ras.
A Maravilha Carativa to par Esquinencia. AnKina. Ani.VBrta,as mciiadasaa
Iunammadassempre seguro, semprc citlcaz.
A Maravilha Cnrativi de n.clto valor
orno lnjeccSo para o caii'.rro, a Lcucorrliea ou aa
'lores Brancas, e outros corrimentos debilitantes.
A Maravilha Curativr. 6 Impaeavel para
curar Cceras. Chasas aulitras. Apostema* penrt-
elos, Callos, Frteiras, Joanetes e Tumores.
1 Maravilha Curativa 6 remedio prompto
para Dlarrhea simples, c de Dlarrhea cnronica-
A Maravilha Carativa excei.ente naa
Estrebarlas < Cavaltarlcas. paraTorceduras. n,,res.
Pisadurase Esfoladuras. Contusoes. Laceracoes,Se.
Especialidades do Dr. Hnmphreys.
Itemedios Especficos,
Ungento Maravilhoso,
Uinildn Sypalllticos,
Reme Jios Veterinario.
O Manual do Dr. HumphreTS -.44 paginas sobre as
E-fermidades e modo de cural-asse da graos, pde-
se ao seu boticario ou a
HUMPHHEYS' MEDICINE (O.,
10 ral ton Street, KEW YORK.
NICOS AGENTES EM PER-
NAMBUCO
Vendas em grosso Faria Sobri-
nho & C., ra Marque de Olin-
da n, 4.
Feitor
Precisase de um feitor. preferindo-se porto-
guez, de idade, para tomar conta de un. pequeo
sitio em Beberibe ; a tratar na ra estreita do
Rosario n 27, 1 andar.
A.luga-se
2 casa terrea n. 32. ra do Fogo, tendo 2 salas,
alcovaas, cosinh e apparelfto : trata-se com A-
a. de Sooza Aguiar, ra do Amorim, armazem
omero 49.
E' a melhor cerveja que tem vindo a
este mercado, escora e clara ; nao precisa
de sttestado para se impr aos aprecia-
dores.
Encentra se em casa dos Srs. Antonio
Mello & C, e Antonio Nascimento
Recife.
cognac ii*i:ro\
Um dos melh res cog. acs e que deve ser
preferido a outra qualquer marca para usar
puro ou com leite
\ inho Palhete
O melhor vinh>> portugus e que tem pre
sentemente um .dmiravel consumo, assim
como o puro (ollares, remettidos pelos
proprios viticultores
Retalha e vende em porcoes o importa-
dor directo
PAULINO
28 Roa do Imperador
Superior vinho de Al-
cobaca
0 acreditado e autigo armazem do Li m par
ticipa ao poblico e aos seus tregeles que acao.
de receber urna nova rt-messa deste especia
Tinho, escolhido propnamenle pelo ebefe desu
casa tornando se recommendado por ser puro
de boa quahdade
Jos Kernandes Lima & C, ra Baro da Vic-
toria n. 9
Telephone 323
Criado
Precisa se de um criado de boa conudeta
ra Imperial n. 17. _______
na
C harutos a Martins
Jnior
Propalando se que a fabrica Vendme nao re-
cea mais charutos republicanos a Martina Ju
nior, in-xado, pois mandamos abrir o anno
pasxado quando a parecen a dita marca. 10,000
rollos para as caixas, no E-taito da Babia, as
quaes acompanbam sempre a seguinte inscrip-
ao :
Charutos m Martin* Jnior
fabricados expresamente para a fabrica Vend-
me, ue D. i See & C.
PERNAMBUCO
Aluguel barato
Visconde de Goyann n. 159.
Largo de 8. Jos n. 74.
Pedro ASboco b. 46, andar.
Becco Campello n. 1, Io andar.
Pedro Affunso. armazem n. 46.
Roa do Bom Jess 2*. andar a. 47
Ra Agoasinhas em Beberibe n. 7
Ra Itapanca n 43 1." andar.
Travessa do armo. 1' a n. 10.
A -rata/ a rea de C merao' n. 6, i and
r Dtono de Silva Gnimaraes A C.
de
Para engeDho
Offerecese um bomem casado com pouca fa
milia para ensin >r a lnstruccao primarla em al
gum engeoho ou povoacao no centro do E~tad
quem precisar pode dirigirse ra da Madre
Deus o. li, casa de alfaiate.
Vacina^ao
rod'Aiao
O cidado Alfredo Janeen Goncalves Ferreira
contina a vacioar a todas as pessois que o pro-
curaren) p*ra este fim.
Attenco
Os propietarios do antigo e acreditado arma
tem do Lima, site 4 ra Barao da Vi :toria n. 3.
partteipam ao respeitavel publico e aos seus
distinctos fregueses, que trs nsferiram tempora-
riamente seu armazem para a mesma ra n 9,
contr uando da mesma forma a receberem suas
ordens para Ibes servir com o costumado e ha
oitual desempenbo.
Jos Fernandes Lina k C,
Roa Baro da Victoria o. 9
Telephone323
Engenho Carneiro
O capitao Jos Bernardino de Bourbon Aran
tes, Mara e Nympha, orpbas de Manoel Alexan-
dre de Sooza Oveira, proteslam contra a venda
do engenho Carneiro. da comarca de Serinbaem,
que o major Joao da Caoba Wanderley pretende
fazer, previnem aocommercioe ao publico deste
edos mais Estados, que nao facam trinsacgo
alguma referente ao mesmo engenho. pois que
teemdireitoadquirido. Sirva, pois, aprsente
declaracao de i rote.-to para que mais tarde nao
se allegue ignorancia ou boa f por quem quer
que seja___________________________________
Cal virgen, de Jagua
ribe
Depon.to no Cae* do Apollo a. 13
Esta amada cal, p-opria para o fab/ici
de assucar, continuase a vender pelo me
mo preco e abatimento do costume. No mes
mo armazem venaem se todas as mais qnali
dades de cal de Jaguaribe branca e preta, en
p, assim como todos os materiaes propno-
para construccoej e reconstruccoes por precor
menores do que em outra qualquer paite.
Patacoes velhos
Compra-se na relojoaria David, ra do Cabu
gn 14.
Cera
Vende se na ra do Cahng n. 2, segundo a
qualidade, de U a 1500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2a o descont de
0/0, e o* de 1 .* de 20 0 0. No mesmo esta
lecimeato tem mac binas para costura e mesas
m a* n!'nn oor 104 ca dauma.
Vinho verde e maduro de
Amarante
A 150 rs. a garrafa ; vendem Gnimaraes &
Val ente, no Corpo Santo n. 6.____________
Albuns
oara retratos, precos que admiram, a 14500 e
1*800 um ; na loja Violeta, ra Duque de Ca-
xias n. 68. _______________
Engenho Universo
Vende-se o engenho Universo silo na comarca
de Santo Agostioho do Cabo, distante urna legoa
da estacSo de Ipojuca, n ovido a agua e tem
bastantes casas dt lavradores, tendo proporcoes
para safrejar de 1,000 a 1,500 paes : quem dse
jar compral-o dirija se ao Sr. Rotilio Tolentino
de Figneiredo Lima na cidade do Cabo, ou ao
engenho Malinote, que encontrara com qui m
tratar.
Attenco
Vende-se a taverna sita ra do Rosario da
Boa Vista n. U ; trata se na mesma. ^^
Boa acquisicao
para um homem acistumado a trabalbo e que
possa dlspr de 500/ a cima, para negocio in
dustrial ; a tratar na ra da Madre de Deus na
mero 16
MUTA ATTEIVCA0
Os melhores cigarros, que ha hoje
tanto de fumo picado como desfi&do s&e
osM1NHA ESPERANQA.
Olhai com aUencfto para o envolucro foa
cigarros onde se l a paLvra ESPE-
RANUA.
H rouito quem venda gato por lebre !
N s grandes merciarias, as casas de
refjicSes, as tabacrias, dos Faloes de
cabelle.reros, vende-se o nossos ci-
garros.
Deposito central.
Fabrica Minha Esperanza
Ra larga do Rozarlo n. 21 A
Teolph<.ne 191. ___
V inhu puro de Santarem
Un quinta do Barral
Os propnetanos do Armazem Central, a ru;
10 Cabaga n. 11, avisam aos seus distinctos fre
uezes e ao respeitavel publico que receberan
iova remessa duste especial vinho, o qual si
vcommenda por ser puro da uva, e s se reta
ta em seu armazem.
Joaquiro Christcvao & C
Telephone 447
Venesianas usadas
Quem tiver algutnas para pender, qoeira dei-
xar nota no ecriptono deste Diario.
Criado
Um criado qne queira trabalhar, apparega
para contractar seus servteos, a pr. ca da Inde
pendencia n. 24 ________________
Alerta cri dores
Desappareceu a monarchia e com ella o mo
nopolio. Nao vendis o vosso gado as etradas
poique se deseja fazer desapparecer os compra
dores, e no dia que elles desap arecerem o vosso
gado ser vendido a loe 20. Prestai attenco,
e ide as feiras porque encontrareis comprado-
res. A carne esta sendo vendida no Recife a
480 rs. o kilo ou 72 por 150. Se nao encontrar-
des compradores para todo gado, o mercauo e:t
franco para torio cidada >.
Alerta criadores.
Muita attenco
Sapatos de feltro para quem sffre de dormen-
cia fnaldade nos ps donde causam diversas
molestias, pois estao se acabando, precos muito
baratos a 600 rs. o par, tanto para borneas como
para -enh ras e enancas ; na loja a ra da lm
peralriz n. 80.
Relojoaria David
Ra do Cabug n. 14
Este novo estabelecimento de relojoaria
acaba de receber um grande sortiraento de
relogios de ouro, prat* e nikel, d* impor-
tante fabrica americanoWalthan Masa, ver
dadeira especialidade em perfeicao e re-
gulamento infailivel, e se vendem por pre906
mdicos. Ass mcomo relogios de parede e
de cimH de mesa, com despertador o que
ha de mais elegante.
Convidam se as pessoas que quizerem
um relogi de confiaBca s virem a este
estabelecimento que caprieba em vender
relogios dos melhores fabricantes, com o
fim de bem servir os seus amigos e fre-
gueses.
Ra o Cabug n. 14
Criado
Preria-se de um criado : na ra do Paysan
d n 19__________________________________
I mtureiro
Precisa-se de um hom tintoreiro para diversas
cores : a tratar na ra da Cruz n. 42.
Compra-se
um estabelecime to de molbados, situado em
arrabalde desta cidade ; a tratar na travessa da
Madre de Deus n. 18.
@M uiamsi
wm
Especifico muito efficaz ns dores de cli-
cas, areias e nos clculos da
bexiga e dos rins
% i: \ i k % i:
HA
Botica Franceza
E
Drogara Rouquayrol Freres
f. 22RA DO BOM JESSN. 22
Agua maraviltiosa
Com a applicacao desta agua, quem soffrer de
esninhas. pannos, sardas e vermelhido do ros
to ficar perfitamente curado. reconhecends-a-
desse modo, corro nico especifico efficaz'.Alm
desses efTeiios, tem ella a propriedade de, tor
nando a cutis limpa, dar lhe a cor natural. A
cada vidro que custa 14000, acompanba a respe-
ctiva indiccao do uso.
nico deposito
Drogara de Faria Sobrinho <& C, ra
Mrquez de Olinda n. 41
Vende se este en-
genho, situado no ter-
mo da Escada, meia
legua de di>taneia da
Sstac,o da Escada.
Qut*m pretender diri-
ja-se praca do Cor-
po Santo n. 15, *
andar.
Tratamento Reconstituate
EUXIR DCHiMP
COM EXTRACTO
de Figado de Itacalhu
iftiina e C'aci*
..-.----..
Cd frasco d"st#
EL-IX IR con tem 08
principios depurativos s
tooicos do um litro ds oloo
da figado de bacalhau e
um litro do vinho ds Quina.
Tem sobre o oleo de
> figado de bacalhau a an-
1 tagem de aoceierar as
1 funeces do estomago
am lugar de as perturbar,
, e da despertar o appetita.
Este Medicamento, de sabor e gsto
muito agradaveis, obteve o melhor snc-
cesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSE,
AFFECCES dos BRONCHIOS
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
Depsito geralem PARS :
DV0BAKP, 15, ra de Poiteu
Em Pernambuco
C-rAoro M. ra SILVA a O.
TTTVVTTfrrTvff^
Curso primario uocturnopa-
ra adultos
Raphael de Azevedo tem aberto era sua resi
dencia um curso primario nocturno para adultos
e pelo seu methi do de ensino garante rpido
aprovetamento queHes que desejam nnltiph
car e enriquecer a vida interior, associar se a
vida de seus semelbantes, unir-se e fraternisar
;om os homens; isto ler. escrever e contar.
Horario da- 6 as 9 dd neile.
Rua da Gloria n. 49
^^^____ _______ .........
Elixir M. Morato
PROPAGADO POR D. CARLOS
De poisde 6 anuos de atroz 8<>ffrimento
de rheumatismo, estando verdaderamente
descor- coado, sarei completamente usando
.)=Elixir M. Morato=que declaro ser o
melhor e nico anti rbeumatico at hoje
. Paulo, 2 de Nnrembro de 1889.
Cetario Rodrigues Alvim.
Cosiuheiro
Precisa-se de um cosinheiro ; na rua de Pay-
ando n. 19.
Attene o
Beirao &l Almeida
participatt aos stus bons fregueses que conli-
nuam a ter todos >s dias as ^aborosas boiacbas
d. nominadas Demcratas Previnem mais, que
nao se illudam com a imitacSo das mesmas bp
lacbas de que ha, pois devem ver a marca e fir-
ma que contera no circulo.
Telephone387
Rua Duqut de < asias n. 30
Baro lie Sertahem
t." a niversario
A BaroDexa de SeriQhaem convida aos seus
prenles e amigos para sssistirem a algumas
missas que por alma de seu sempre lembrado
esposo. Baro de Seru.h'em. manda celebrar
oelas 8 h ras da maoba do dia 1 i do correte.
! aoniversario do seu fatleciinento na capel la
do engenho Ribetro. matriz da Boa-Vista ema
triz de Afogarios, confessando desde ja seu eter-
no reconbeciDjiio a todos que comparecerem a
este acto rte rejfciao e oantlniif _____^^
^2j_(
Mara Jovlna da Foaseta
Antonio Jovino da Fonseca, sua esposa e fi-
nios, Jeronymo Jos Ferreira e sua espoia, cou
vtdam a todos os pareles e amigos para assis-
tirrm a mis-a que mandam rezar pelo descanco
eterno de sua prezadissima ti I ha, irm e neta,
Mana Joviua da Fonseca, na igreja da Gloria, s
7 1/2 horas da maoba de 14 rio correte, stimo
dia do seo prematuro passimento ; confessan-
do se gratos a todos que comparecerem a esse
acto de religiao : bem orno aquelles que se dig-
naran) acompanhar a finada a sua ultima mora
da. Outrosim, pedem desculpa de nao haver
na-ti -ipado a todos os amigos pela sorpresa de
lo do'oro-"n aronlecimento_______
t
D. nermelinda Mara da COMta
raujo
Antonio Jos da Costa Araujo, Antonia Mara
da Costa Araujo, Ludovina Mana da Costa Aran
jo. Blandtna Mana da Costa Araujo. agradecem
cordtalmeote a teus prenles e a todos as pes-
soas que se dignaram acompanhar ao cemiterio
pubiico os restos mortaes de sua prezada irm,
O. Ermeiinda Maria da Costa Araujo ; e de novo
convidam os mesmos ea todas as pessoas de sua
amizade para assistirem as missas que pt-lo re-
pooso eterno de sua alma mandam celebrar no
dia 11 do correte, pelas 8 horas da manha, na
igrpia da Saita C'dz. __________________
D. Murrollna Parlado da Silva
Soulo Malor
Jos F. I icio la uoba S >uio Maior, Luiz For-
tado de Oveira Cabral e Francisco Furtado de
Oveira > abral (ausente), summamente gratos
aos parentes e amigos que acompanharara os
restos mortaes de sua estremecida esposa e mi,
D. Marcolina Furtado da Silva Souto Maior
ultima morada novamente os convidam para
assistirem a missa que pelo repooso eterno de
sua alma mandam celebrar na matriz de S. Jos,
as 8 oras d.. manh da dia 11 do corrente, se
timo do seu passamento, por cujo acto de cari
dade e religiao se confe-sam desde ja eterna
iriste ?rati>s.
t
Mara eloa de Vaaconcellos
A orofrssora, as a umnas tnestres e alumno
mestres da Escola Normal, convidam, aos paren
tes e amigos de sua querida disripula, collega e
amiga, Maria Jos le Vasconcellos, para assisti-
rem a orna missa que mandara celebrar pelo
repouso eterno de sua alma, no dia 12 do cor
rente, trigsimo do seu fallecimento, na matriz
de Santo Antonio desta cidade, pelas 8 boras da
n-anh.______________________
Joao Nepamuceao Pacheco
Maria Franc ;a Pacheco e Marta Augusta Pa
checo, mai e irm5 do inditoso Joao Nepomuceno
Pacheco, fallecido no dia 7 do corrente, convi-
dam a todas os amigos do finado a assistirem a
mis a que mandam celeb ar na segunda-feira 14
do corrente. na matriz de Santo Antonio, pelas
8 no as da manba, oitavo aia do seu fallecimen-
to, que por este acto de religiao e ciridade se
contessam snmmamente agrdecido*. ______
t
Ovidio Saralva de Carvalbo
Nelva
1- anniversatio
Olegario Saraiva de Carvatho Neiva, sua es-
posa, seus filhos, sua mi, genros, irmaos e so-
biioho8 convidam aos patentes eamigos a as-
ristirem as missas do I* a"n versario que man-
dam ctlebrar na igreja do Divrao Espirito Santo
do Collegio, no sabbado 12 do correte, as 8
boras da manda, pelo que se confessam grade
cirios._____________
f
Roa. de V. Mama Peana
1." aoniversario
Celebra-se na igrea Cmceico dos Militares,
lo da 12 do corrent s 8 horas ua manba,
missas pelo repouso eterno de D. Rosa de Viter_
bo Gama Peona, anuiversario de seu fallec-
ment. ___________
l orneo e (Jam. can
(Restaurador vegetal dos cabellos)
Dentn- t das as preparacoes coogeneies que
detidamenle propalara seus effeuos. nao su'giu
ainda urna que aicancasse o xito do Cam cao
que pela sna couiDOMCao as-az poderosa e sua-
ve, tem a propriedade exclusiva de curar e pre
servar os cabellos de todos os males da calviet
que pos-am soorevir-lbe Composto somenfe
por Jos Come de -Ampnm (.uces.-or de Ma|-
lins & Has os) e premiado na expositao de Parir
de 1889. o Camacan foi submetlido a lonaas ex
perienctas, as quaes deram maravilhosos resol
tados : a venda era todas as tojas de perfuma
ras e no deposito geral da fabrica rua da Au
rora o. 163.____________________
Paredes vnlms
Compram se na relojoaria David, rua do Ca-
huga o. 14 "___________
Oleo ^ilva
0 verdadeiro restaurador do cabello, experl
mentando se o seu benfico resultado dentro de
30 dias de uso successivo. As suas virtudes
sao: evitar a queda do cabello, promover o seu
crescioiento e destruir as caspas, a par de um
perfume agrudavel.
Vendem:
Fabrica Camacan, rua Larga do Rosario n. 50.
A Florida (miudezas) rua Duque de Caxias
n. 103.
0 Novo Mundo (miudezas) rua Bario da Vi-
ctoria D. 24.
Proo1$000
Gosinheira
Precisa se de urna perita cosmheira, para casa
ds pequea familia, paga se bem ; a tratar na
rua Baro da Victoria n. 50.
Milho barato
Novo, da trra, a 400 rs.
Velho a 360 rs.
Largo do Mercado n. 12
REMEDIO DO DR, AYER
AS SEZES OU MALEITAS.
O Remedio do Dr. Ayer, descoberttt
vegetal qne nao contm a quina nem o
arsnico, nem tio pone o ontro ingrediente
nocivo, nm remedio infallivel e prompto
para toda a qnalidade de febres intermit-
ientes ou maleitas. Seus effeltos sao per-
manentes e certos e nenhum mal abso-
lutamente pode advir do seu emprego.
Da -mesma urna torna-se o melhor
remed po.ssjvelpara todas aquellas
doescas que protm dos effeitos dos
miasmtu, qne se desenvolvem nos lagares
pantanosos e infectados, e que geralmente
caracteris5o-se pelas affeceffes do
fijado e do baco.
O Remedio de Ayer curar sempre,
mesmo nos casos pciores, toda a vez qne
f3r empregado convenientemente e se-
gundo as direcedes.
PREPARADO pelo
DR. J. C. AY12R & CA.,
IiOwell. Mass.. Est.-Un.ido8.
Aos agricultores
O bacbarel Petronillo de Santa Cruz Oveira
contina a encarregar-se de levantar empresti
moa para auxilio da lavoura sob bypotbeca de
propriedades e penhor de safra ; na rua do Im-
derador n. 96, 1 andar.
Criada
Quem tiver de embarcar para a Capital Fede-
ral e precisar de urna criada de coifianca e que
naoenj., para cuidar em criaucas, dirjase
rua Vidal de Negreiros n.91 que ach com
quem tratar._________________________
Farelo do Rio da Prata
a 1.S500 o sacco
COBPO SANTO N. 6
Cinlmare A. Valenle
S Da Revoluco
48Rua Duque de Caxlas48
Em vista do proprietario deste grande es
tabelecimento querer liqudalo, resolveu
vender por menos 50 e/0 tanto azenda
de lei como de moda.A SABER :
Cortes de etamine de 145000 por 80000.
Surah de linho fazenda muito larga a 320
rs. o covado.
Luvas de seda a 10, 10500 e 200' 0 o par-
Voile de algodao a 240 rs. o covado.
Etamines de cores a 28, 300 e 320 rs.
o covado.
Colchas de cores a 20100, 30000, 40000 e
50000 urna.
Zephiros de cores a 120 e 160 rs. o co-
vado.
Merinos lavrados a 500 rs. o covado.
Toilettes para baptisados 6N8000 efi800f.
Lindas las de cores a 200 e 240 o covado.
Cachemira de quadros com listras de seda
a 1<$00J o covado.
Pannos de crochet para cadeiras a 500
ib um.
Cortes de metim par vestidos a 6(5000
um.
Voile de 12 ultima m da a 803 rs. o co
vado.
Cortes brancos bordados a 120000,140000
e 150000 um.
Fichas de todas as coi es de retros i
10000 um.
Cortes de cambraia branca de quadros a
10600 nm.
Ditos de cachemira bordados a250CO3 um.
Coronados bordados a 60000 e 70000 o
par.
Atoalhado de linho por 20400 o metro, com
deffeito.
Cortinados de crochet finos a 100000 um.
Camisas finas de meias a 1000 urna
Cobertas forradas para casal a 205OC
ama.
Madapolao americano com 24 jardas a
50000 e 60OCO a peca
Batistas de cores a 120 e 160 o covado.
Toalhas para enanca a lO rs. una.
Ceronlas francesas, a 10000 urna.
Atoalhado de algodao a 10200.
Algodo trancado para toalha a 10OCO c
metro.
Bramante de algodao com 4 larguras, a
800 e 10000.
Lencos de algodao a 10200 e 2000 a
dozia.
Ditos de linho a 20500 e 30000 a duza
Collarinhos e punhos, precos sem compe-
tencia.
(..'retoes escuroa e claros a 200 e 240 rs
o covado.
Cobertores brancos de 12, para acabar a
20COO um.
Bramante de linho a 20000 o metro
Brim pardo trancado a 240 rs. o covado
Panno para mesa a 10200, 10400 e 10600
o o vado.
Vestidos de Gersey para ere anca a 60000
um. \
Camisas de linho para bomem a 20000,
30000 e 40000.
Gram.dint>3 pi-antasia a 360 o covado.
Uostumes de cachemira para homem a
140OOC o 150000 um
Cortes de casimira a 4>0O um.
Cortea de fust2o para collete a 600 rs. um.
iuardanapus c m franja a 200^0 a duza.
Espartilhos couraca a 40030 um.
E muas nutras fazendas que s comoa
v ata poderao avaliar, assim com aprom
pta-se em sua officina um costume em 24
horas, garantindo-se toda perfeic2o e preco
muito commodo.
S na Revoluco
HENRIQUE DA SILVA MuREIRA
Ihjec^ao
Se nao morri desesperado, soffrendr
muito tempo urna molestia chronica que
ninguem poda corar; foi por encontrar o
santo remedioInjecc2o M Moratoque
insta taneamente poa termo ao men hor
rivel soffrimento.
Taubat.
Augusto (intra MagalMa.
Agentes depositarios em Pernambuco
Francisco M. da Silva & C ., roa Marque
de Olinda n. 23.
0-$lC0 ORttTjy^
PARA O CABELLO.
- Augmenta, Aormosea
FAZ CRESCER O CABELLO
com assombrosa rapidez.
AMA
Precisa-Be de ama ama para comprar,
cosinhar e fazer ensaboado em casa de
familia. Prefere-se pessoa qne seja s e
que seja matriculada. Na rua do Hospi-
cio n. 6 se dir quem precisa.
Ama
Precisa se de duas amas, urna para cosinha e
outra para o servico domestico ; a tratar na rua
Barao da Victoria n. 5i,
Ama
Precisa se de urna ama para lavar e engoa-
mar ; no Caminbo Novo n. 99.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinhar, para
pequea familia ; a tratar na rua Dirata a. 64,
2 andar, sendo matriculada.
Amas
Precisa-se de urna ama para cosinhar outra
para engommar, para casa de pequea familia,
preferindo se que durmam em casa dos patres ;
a tratar na rua da Uniao n. 5.
Ama para eoslnha
Precisa se de urna moiber de conaoca para
eocarregar se de una cosinba, paga se bem ;
rua i .'de Marco n. 8
AIS M 40:000 CIRAS
TIHTB& BIYI1A
KOSTS SO SSEICATISISC
DORES DE DENTES
xr A, JT\* wcK..l_. t O el* cV-
PBEPAKADO NICAMENTE
POR CALA8AN8 & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
t8mos, incbacSes, dores sciaticas, nevral-
a&a, dormencia, etc., empregando-se em
ramenta93eB sobre os lugares affectados,
Cara o beri-beri, as paralvsias e as dores
de dentes.
Todos os frascos levam direc98es para
aso d'este medicamento admiravel.
Prejo 10200. Descont de urna dosia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C. rua
Mrquez de .Olinda n. 23
Charao
lOOO e lo urna
Caixas de pbantasia com fecbaduras de mola
(maaeira de pinho fingindo charao); vende-se'a
1*300 cada urna em perfeito estado, e a 15009
com algum defeito ; na rua do Amorira n. 49,
armazem de Joaquim Felippe & Aguiar.
B(
om negocio
Admitte-se um socio com aleum capital e que
tenha alguma pratica e padaia, para assumir
a gerencia da casa ; ou vende se a mesma, em
um arrabalde peno da praca, a qual desm nena
novfe arrobas, podtndo desmanchar mais que
isto. Fai-se este negocio por ter dono de re-
tirar se por incommodo de sade ; a tratar na
rua do Imperad .r 16, loja.________________
Armazens importan-
tes
Alugam-se te dos juntos ou separadamente, os
importantes armazens do largo rfa Assembla,
antigo Forte do Mattos. na. 15 17, 19, 21 e 23.
laformaces, na rua Duque de < axias n. 84,
loja.______________________________________
Casa e sitio
Aluga se urna casa em perfeito estado de as-
seio com agua, gaz, jardim. um ptimo banbei-
ro com ebuviscos, tanques para lavar roupa, di-
versos arvoredos dando fructo e com basiantes
accommodacoes na estrada para o sitio do Ga-
jueiro n. 6 : a tratar na rua daTonceigo da Boa-
Vista n. 43. das 7 s 9 da manb e das 4 s 6 da
arde.
Calcados
Sapatos de fel ro para quem soffre de dor-
e encia e friald ide nos ps. d'onde causam di-
versas molestias, pois esto se acabando ; pre-
gos muito baratos a 500 rs. o par. tanto para
Domem como para senboras e enancas.
LOJA A' RUA DA 1MPERATR1Z N. 80
Cautelas do Mo_te de Soc-
corro
Compra-se Cautelas do Monte da Soc-
corro de qualquer joia, brilhantes e relo-
gios, paga-se bem na rua do Cabug n.
c. 14. Loja de reloioeir".
Engenho
Vende se urna parte ou a meia accao de nm
engenbo moente e corrente a agua, qtiatro
legoas da estacau de Palmares, com capacidade
para salrejar mais de 2,000 pe. pdenlo o
mesmo comprador arrendal-o ; a tratar na rua
Mrquez do Herval n. 144.
Carimb is de bon acha
Fabricase com prestesa e a ore$os comino-.-.
dos; na Livrara Franceza, rua 1' de Marco
nuaeru 9.
Alugam-se
o 3 andar do predio n. 52 rua do Imperador,
fresco e asseiado: o 2 andar do predio n. 30,
rua Mrquez de Olinda ; o sitio n. 175, na ladei-
ra do Barro, mono aibonsaio e por 8* menaal:
a tratar na pnarmacia franceza rua Barao da
Victoria n. 25._____________________________
Demarcacoes de trra
0 eneenheiro O C. Carlini contina a encar-
regar-se de medicoes de trra,-ievantamentos de
plantas u pourapnicas, nnellamentos, pro|ectos
de parques, jardins, etc. : na rua da Ataiaia, na
oidade da Escada.
('
i
r. .



-
-




i:


BHMB
i

mmm^m^ff, -.- -^^


?*$<-

!>
LOJA DO POYO
(I llya l- de Marco II
GRANDE NO VID ADE
Esta nova loja contina a ter um grande son ment e sempre pechinchas, em
reos ningnem lbe pode exceder, caprieba na exactidfto da qualidade e as medidas
suas fazendaa, que padem aar compradas por qualquer criaoca. Muitas de suas
fazendas sao recebidaa directamente da Europa.
Descont de 10 |0 em compras de 20d000 para cima.
Grande sortimeoto de fasendas de pbantasia para S. Joto e S. Pedro.
Voile de 13 e algodo, lindos desenhos, a 240 re.
Las imitacao de cachemira a 240 rs.
Chitas de 200, 220 e 240 re. o covado.
Setmetaa de coras, desenhos Irados a 300 re o cavado.
Zephyros lindos a 1*0, 160 e 290 re. o covado.
Oortes de casemira de 30500 e 6j|0t0.
dem de costumea e de casemira de cor a 124OC0.
dem dem idem preta fina, a 14#000.
Ricos uasacos de Jersey, bordados, a 600* 0.
Toile de seda de 1060o o covado a 650 rs.
Granadme de seda, de 16500 o cov. do a 800 rs.
Merino preto a 5tK), 700, 10000 e 102UO o covado.
Dito de cor, liso, a 400 rs. o covado.
PARA CRIANCAS
Redes de cores, pechinc. a! a 34000.
Vestuarios de Jersey, a 60<) e 70000.
Capinbas e jaquetas de malha para crianca, a 10OO, 10500 e 20000.
Brins de cures, covado 00 rs.
Merinos lavrados, lindos desenhos, toalhas felpudas inglesas com pequeo
efeito para tolo* os precos, grande sortimento de lencos de seda a 400, 800 e 10000,
lencos de algodo com barra grande a duzia a 106-X), bramante de nho e algodSo.
Atoalhados, cortinados, colchas, fichus chales, sedas, setins brancos e de cores e
voiles, lindos detennosNovidados !
tJtarto Je Pemmhii*oSextaTfeira 11 de Jufho de
ODONTINE
SABO DENTiFMOO
DO
DR. RE DEL
A melhor preparacao hygieuica para clarear e conservar
Approvada pela junta de rygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrada
ara todos os Est-dos Unidos do Brasil.
YBND8-SE AS SEG1NTES CASAS:
Maia Sobrinho 4 C
Castro Medeiros & C
Doarte 4 C.
Pedro Antunes & G.
JoAD Heaerra A C
Netto Campos & G.
Manoel J'aquim Ribeiro & C.
Maia e Silva S C.
Barbosa Santos.
Barros & G.

Numa Hompilio.
Nunes Fonseca & C.
Manoel Vieira Neves.
Maooel Gardoso Jnior.
Manoel Coliseo & C.
Ppoula & Bastos.
Ribeiro & Almeida.
Antonio D. de Lima & C.
Sabino Pinho & 0.
Joao Ramos
Deposito por atacado
THEO. JUST
Larro lo Corpo Santo
VINHO DEFRESNE
TONI-NUTITIVQ
COM
(Aviso aos Fjegaezes
Os PRODUCTOS da,
PERPITMA eM L LES
11, plice de 1 Maclelelne o PARS
anttgrnaente 07, rua de Saint-Honor*.
im 08JZAM*E8S. ORIZA flfflZAiACT GnCME-OPIZA
ORIZA VELOT fc&ZA TNICA 0FiZ*IM SAMO ORIZA i
BEVEM SEU GRANDE XITO BEM COMO 0 FAVOR DO PUBLICO;
1* Ao cuidado perfeito com que estSo sendo fabricados.
2* A' sua qualidade inalieravel e suavidade do seu perfume.
AS, COMO SE FAZ CONTRAPACCES O'ESTES PRODUCTOS ORIZA
com Intuito de rirer sss/m t cusa de tima de que goztm,
pomos de sobreaviao os fregnezes no fim que ae nao deixem engaar.
OS VERDMEIROS PRODUCTOS SE VENOEM EM TODAS AS BOAS CAZAS OE PERFUMARA E OROSARIA
Manda-seCParisoCataloBo illustrado ftaaOSa-port*.
LOTERA
ESTADO DE PERNVMBUCO
EM BENEFICIO DA
Santa Gasa d* Misericordia a
.
PEPTONA
PARS
AMITTIDA OFFWULMEITI, NA MAJHNHA I III HOSPITAEI DE
O Finh efe Peptena Oefremtxe o mais precioso dos tnicos, cootem I
fibra muscular, o ferro flemtico a phospntto de cal da carne de vacca, o nico
reconstituate natural e completo,
Eet* nrlieioeo YinHo, que deeperU o appetlte, restllue as forcas ao esto-
mago e melhora a digestao, como recoas ti tain te lncouparayei, qu e. por isso que
1 .
INTE6RABS
A 16.* parte da 1.* lotera leste Estado ser
extrahida impreterivehrifiite sabbado 12 d
eorrente.
Todos os pedidos de bilhetis desta lotera
devem ser dirigidos thesouraria ra larga
do Rosario n. 9 1. andar.
PELOS CONTRAOTAiTES
Bernardino Lopes Alheiro.
HA 19 AIS

Elixir, P e Pasta dentitricios
pee
_RR. PP. BENEDICTINOS
da AB3ADIA de SOULAC (Gironde)
1 Medalhua de Ouro : Brutalles 1880Londres 1884}
AS MAIS J2UEVADAS RECOMPENSAS
nrvEKTAno I O "7 O p** Pr,or
o Aune m *(> # sal Mar
O uso qiintidia.no do Eil-srtr Dentifrlcio
ios RR. PP. Benedictinos, com doee de
alpumas gottas com agua, preven e cora a carie
fl& dentea, umbranqueceos, fortalecendo e tor-
iiaulo as peiisrivas perfectamente aadiaa.
Prestamos um vordadeiro serrico, aasiu.
Lando aos nossos leitores este antigo e uti lis-
simo preparado,o melhor curativo > nico
preservativo contra aa AifeccSes cron-
tariaa- >
Agente geral: 8EGUIN, BORDEAUX
Auba-M mtoaM m PcrtiuaariM, Phrmc e Drugariae ilo mun.io intelro

Ra do Cabu ; n. 1 A
Gradeoja de fazendns e modas
Recebe rmatneai* todos os mezes as altas novidadee
de Paris
Mip KOBLET previne aa Exmas. familias qne durante a bu carta au
Qca Mine. ( LOTil^DE P1GEOJ fica incumbida da gerencia do atelier de costara.
[CAPSULAS THEVENOT
Tratamiento das doencaa do'paito
a todo* os degrios
I Alcatrio.
Alcatrao Creosotado To.
lOOfOrmlO (Ether iodoformado).
Creosota ioaoformaa.
Creosota da rala.
Oteo de ligado cu Dacalhau creosotado.
Balsmicos creosotados.
encerra o elemento plstico dos msculos que susta a consump?o. colore o
sangue dyscraslado pela anemia, previne os desvos ca columna vertebral.
O VitxHo de rmptmmm JMVeM lmpiQe-ee em todos os casos de adecenes
das vas digestivas o de enfermldades de forma depr mente, agudas ou cbronlcas,
como as dyspepsias, ulceras do estomago, etc., e nc marasmo, cblorose. diabete,
cachexia, tsica pulmonar, etc. Devem usal-o egoalmeite as pessoas de consUtulcio
dbil, as orlanoma cute saude posta em risco pelo erescimento rpido, as maens
cujo vigor comprometudo palo trabalho do aleitmjnto.
OEfRESiE o prlmelro preparador do HnHo ae fepmna.Cuidado com aslmilace.
_ Visue: Bn t4u m niii crdiUM
IkiMelM aaPMSia
T ***.
Peitoral de Cambar
Remedio soberano para as molestias doa orgos respiratorios,
approvado pea Exma. Junta de Hygiene Publica, autorisado pelo go-
verno ceDtrtl, pr-miado com duas medalbas de ouro rodeado de
niuitos e va nos attestados mdicos que garntem a sua efficac.a.
0 Peitoral de Cambar preparado em Pelotas, em larga esca-
la, pelo seu deac- bridor, o Sr. J. A. de Souza Soarea, no conhecido
estabelpoimentn Agrcola Industrial do Parque Pelotease, expressamente
creedo para esse tfeito.
E' urna preparado pereita, de corpo volumean, transparente e
de um guata agradabilsimo ao paladar.
O nelhor ettestado 'hoje db Bitperioridadu deate precioso med
.*** Miuntt a flu'san baMamo grardb e "progressi.vo por toda a Am-
rica < u 6uh
Ac.a se venda as principaes pbarmacias e drogaras desta
aapitnl aos presos do 2fi. o-fraaci, 3t?00() meia dnaia e 245000 a
duza
Sao .tintos aqrentea e depositarios no Estodo de Pernatnbuoo.
FMICSOO MANOEL DA -SILVA & C.
23-KA MAUQEZ D OUNDA2
- NEVRALGIAS
Pilulas do Docteur Moussette
As VERDADEIRAS PILULAS MOUSSETTE aealmlo e curso f
Neuralgias mais rebeldes, a Enxaqueca, a Gastralgia, a Sciatiea, as Affecfe*
rhiimatUmaei agudas e dolorosas que resistirao a qualquer outro remedio
As Verdadeiras Pilulas MOUSSETTE devem ser -tomadas aa
raeicoes. No primeiro da tomar-se-ha tres pilulas; pela manba, ao almocoe ^o
jantar. Si nao se tiver experimentado allivio tome-se auatro pilulas no segundo
dia, duas pela manh, uma no almoco e outra no jantar. E' preciso nao tomar mais
de quatro pilulas Moussettb por dia.
mjm-^ trn Terdadaraa 1 Unlaa Monssette de Cu* O, de pajuz
__________________que cotupro em teda asik'ianrimiiip^u"nmiimi. _,-
'RA DO CRESPO
N. 21
LOJA D CAMPOS
Mantmhas hespanholas de teda reme e pretas e 3J0(X) uma, sKo de 6(9000.
Aventaes bordados a 10590 um.
Babeiros de iustao para criaDca a 320 rs. um.
Sortin ento completo de cestas de pal has e vime de 30, 40, fy, 60, 70
e 80 nina.
Musseliria de cores lisas e de* listras para vestido,e roupa decranca a 2S0 rs.
o covado.
Espartilhos para senborsa, todbs os nmeros e preoos.
Ditos para meninas.
Capa.- de cachemira, merino gorgorSo seda lavrada de 200 a 500 cada uma.
V ile de la de cores claras e escuras, os msis lindos desenboa, de 8^0 rs
o covado.
lamass de cores 700 rs* o covado.
Me.rii liso, duas larguras, ;'0' */.' covado.
I)r o. un>a w largura, tUzenda fnv eeza 280 rt. o covado.
J)i l.vra"do, ii a tar-r ras, a &**'*. c"" ,l"-
Sargdiai blanco e de cs a 2ti0 r- i evado.
Vestuarios de cumbraia tranapareute, en'eitados cem rendas e bicos, de diver-
sos precos.
DitoB de nhantasia, idem.
itns de Jersey para meninos e meninas.
Toile com ramagens a 7'. rs o covado.
Chitas escuras e claras de 200 rs. o oovado
Ditas panno de cretone a 280 e 320 rs. o covado.
Ficbus prateados a 10OtlO um.
Penteadore8 para senhora, bordr.dts, a 3(J060 um.
Setim brncol ieo e de listras.
Dito preto idem idem.
Meiaa pretas finas para seuhoras e crancas.
Fay4s de cores para vertido a 320 rs o covado.
Oortes de casemira de cr a 30OO um.
Ditas de casineta a 10000.um.
Brim de cor, fustao para roupa a 5C0 rs. o covado.
Dito de brim pardo de linho a 2_;0, 36 e 40u rs. o covado.
Co'larinhos, punhos, gravatas, lencos de aigodao, de linho e seda de todos os
UMIMO DE FEBfit
BRNZE
BE
CARDUZO 8: IRMAO
Roa do Bario do Tnumpho ns. 100, (02
Deposito ra do ApoJio ns. 2 e 2 B
Tem para vender o segnli
el(M
ite:
asiei
VAPORES de diversos fabricantes para fogo diiv^tpara o ou fogo de
meato.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
CRIVACES de differentes tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento e finalmente
das as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGaM SE de qualquer concert e mandam buscar por encommer
, mediante ajuste previo ou uma mdica commissSo qualquer maemnismo.
MACHINAS de descarocar aigodao.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
CONTRACTAM fornecimento de apparelhos para usinas, garanondo a bo.
iklidade e bom trabalho dos mesmos, o que podem provar com o bom resultad'
btido com as duas USDJAS montadas ltimamente a saber:
anta FiloniJla e Joao Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.
UMU tala taifaruri* i* tjtie* t Impt U +\tU.
QUINA E FERRO
Chiorose, Anemia, Debilidade
Cura das Pebres
VIHiS
""una* OSSIAN HENRY
ciU e Mate* Me&tlwa M Sfit, imU alhiirattc; Orte u ffieimecll.
A feliz reuniao, n'este preparado, dos dous tnicos por exc^llencia, a qi
e o rsnao, constUue nm precioso medicamento contra a Clilorose, je"
pe tiUas, Aiifi.i.::. Moren lirancae\ Cotwtituiroei, [rucan, etc.
PARS, SAiN & FOURNIEft, 43, ra d'Amsterdam.
D*DO)rtrrto em Peritambtteo : VF.AV M. da SILVA c Ok.
PALACETE ERNESTO AM0R1M
53 rua doBaro de S. Boijaa I minutos
na linha da Magdalena
Oa proprietarios d'este estabeleciment partici'pam ao publico que, tendo con-
tractado mais nm perito coainbeiro, estilo habilitados a acceitar pensionistas uaJ-
enmeate para comida, se atoradla no Hotel, as aegnintes condioSes :
lmot^Oa somente
Jantar,
Almoco e jantar
40)?000 mensaes.
'51000
7#e00 ,
vinho
PAfiAMEKTO ADIANTADO
Um bom imogu avulso 25000, um escel ente jantar .avulso 25500.
Al mocos das 8 horas da manha ao meio-dia. Jantar das 5 horas da tarde se
8 horas da noite:
Recife, Julbo de 1890.
AGUA ASI4TICA
precos.
Crep para cortinas a 640 rs. o covado.
Grande -variedade de outras fus' ndasqne vendemos muito barato para liquidar.
lia laja 4o Campos
A' RUA- DO CRESPO N. 21
Depositarlos em PEBKalDUCO :
rK.to snva,
Ola.
PARA TNGIK A BARBA E OS CAMILOS
A AGUA ASITICA do I*r. lise uma preparacSo de um effeito admi-
ravel para tingir instantneamente a barba e os cabellos, da mais bella cor preta
castanha. E' absolutamente inoffensrva, d'um emprego fcil e d'om perfume a agr-
davel. N'este genero a uoiea composicSo que tenba alcancado dar aos cabellos uma
cor natura' perfita sem alterar-lhe o brilho.
DEPOSITO &OLAJL
Botica Frarceza e Drogara
RiilQtWRM FRIRES
22RUA DO BOM-JES US22
r
MEDAI.HA E OURO
DA ACADMUA NACINA_
,P0 DOUTOR
VI VT N
com EXTRACTO d
FIGADOde BACALH&G
Hal! efflca eluda da que o oleo ercuro. De eai
multo agrada vel, Sem delxar lerceber o rrxaor mo go~to.
receltado por todos os mdicos pira *
Hachitismo, Escrophulas. Anemia, Tsica,
Catarrho Pulmonar. Constipacee,Chlorose.
Molestia do Peito, etc
Ero odeta ae F^arutmrime
PARS, Boulevard de Strasbourg, 50
'!
Destilaces
Cardoso 4 Irmao com fnndicSo de ferro roa
Bao do Tiiurapho ns. 100 a 104, roand; m vir
por eocommenda on aju- te previo allemam,
ou francesa* deSavalle, mandam sebtal as
e garanten) seu bora trabalho : os pretend ntes
pod jm exnmioar as das l'aia lomo Alfrr
de e Trapiche ltimamente montadas por
elles.
'dezYezeMltorezes
Vinho Maduro
Pelo ultimo vapor recebemos uma importante
remessa do delicioso vinho maduro, aoalysado
pela junta de bysieoe da Capital Federal.
0 VINHO MADURO, puro da uva, o melhor
que tem vmdo ao mercado, =6 neste estabeleci-
ment seenconira
SEMENTES NOVAS de flores e hortalicas de
todas a< qualidades.
AZE1TE puro de oliveira em latinbas de meio
e um litro.
Em bebidas finas, como sejam: champagne,
cidra, viobos Bordeaux, Porto, Dooro, Gbamber-
tim, licores de diversas qualidades, nao temjs
rival.
Qneijos de todas as qualidades eo apreciad*
requeijo em latas.
Emita), completo sortimeoto de gneros de
primara fialidade para uta boa despensa e os
precos sem con petencia.
Rua estrena do Rosario numero 9
Po$as Mendes & .
Telephoae>4f>
Ouro 9 pras
Compra-se, como tambem
moe(Jas, rua do Gabug
n. 9., loja de Augusto Reg.
____Ise dissipam as enxaquecas oa>
tm.-ywvrlgias em alguns ounatos osa
asmprjgo das Perolas de terebtnthina de
quatro d'aatas perolas produassa
H instaataneo, da modo tal qmm
dote nao flxer sflatto mmmt
repitl-a.
BfrMCO
Cada Maco contm 30
em MliTiHsMrt> o preeb do
a.....\wtnw enxaqueca.
a usinnii de tershlnlht 4
sa o maior osiJse, 4
i torrare, re*
. Atminitrefte : PAtIZ, i, Bouhnrd Uoetmtrtr*.
ORJlND&GBIX.- Aff'et5i!*lTraphatic, Doa-]
aailasvMsdigesliTasOtalraeccsd iodo do toe
Itistmi-?* t vft-eraes.'Concrecoes calculosa u bne.l
HOPITAL. ASkcos das vas dkesti*a>, Ioconuno-1
dos do oloraago. Digoslao ditficil, lnappetuicia Gaslralgia, Dyspepsia.
CLESTn*8.'i- ASnrrScs do nm. da hea. Arete, I
Concrecocs da uannas.Coia, Dialjecs, Albuarauna. |
HAUTEKIVIl Xffecsdorins, da beiig. Anias, I
> CoocrefSes das oo: re s.Gola Oialwles, AIMvlMa. |
exa-se i m. a nm u cash'
Em PtrnambuCQ, "A Aguas das Fontes de Vichj,
cima aomeadss, schao-u a casas de
SDLZEB c SOEGHUN.3S.nu da Craa; Aeg-LAMOi

:
- V,


i
^i

I


I
i
.



'


8
Diario de Vrriambuco--Sexta-feira t
890
r

,- -#
VENDAS
t
Vende-se o sobrado n. 7 a ra Vigconde de
Inbama ; a tratar na ra Duque de Casias n
iGt>, ioja decalcados, j ,
Veode-se o sobrado o. 7 1 ra Vireonde de
nlbanma ; a tratar oa roa Duque de Casias n.
105, loj de calcados.
Vende-se
Cal nova de Lisboa
Ja chegou para <1 umarae? Vtente, do largo
do Corno Santo q 6.
Aos senhores pretendentes
Veodem se vacca crioula*, novas, muito boas
sendo um muito grande, eque foi da antiga the-' letriras, pmdas de novo, ver para crer ; na ua
acarara das loteras ; a tratar na roa Mrquez da Conoicio n. 34, aotigo armazem do sal,
de Olinda d, 1, 1 andar. achara com quem tratar.
nma boa machina de numerar e diverso! cofres,
Cofre
Vende se um importante cofre prova de fogo,
a tratar na ra da Imperatriz n 43.
M. CARLOS BETTBNCORT
'HSinilltU~l CIMII
GRANDE DEPURATIVO DO SANGE
Elixir anti-rheumatico, anti syphilitico e empregado em todas as molestias de
pelle, erysipella, darthros oa empigens, beri-beri, anthrazes oa carbuncul s, cancros
venreos, feridas canc-roi-as, ulceras, gonorrheas chronicas, boubas, bubSes, escrfu-
las e todas as doencas que dependem da impureza do saDgue.
Este remedio superior a todos os outros do sea gonero, o que est provado
pela preferencia e acceitacSo que Ihe di o publico.
Um frasco 3#000, urna duzia 30#OO0.
Xarope d8 jaramacar composto
GR\NDE PEITORAL
Tratamento e curativo de todas as molestias do peito e da garganta, defluzo,
toases simples e convulsas, coqueluche, constiparles, asthma, bronchite, catarrho
ehronico e tsica pulmonar e do larynge.
E' o primeiro peitoral que se conhece at hoje na medicina.
Um frasco 250, urna duzia 24$000
VINHO TNICO
Com lacto-phosphato de cal e ferro, coca, cascas de laranjas amargas e quina.
O melhor remedio que se tem formulado pela 'combinaclo destes heroicos
medicamentos. Empregado no tratamento das molestias do peito, do estomago, ane
mias, menstruales difficeis, debilidade geral, cores paludas e todas as vezes que se
quer fortificar o organismo e dar desenvolvimento ao systema oaseo e muscular
Oonvm as pessoas ou senhoras que criam para tornar o leite mais nutritivo e robus-
tecer as criancas. E.-te remedio superior a todos os tnicos estrangeiros que se
aonunciam por ahi.
m frasco 3#000, urna duzia 30#000
CAROBINA
D GRAJOS PUHIHIMaR DQ SAXTIJUE
O emprego da CAROBINA deve dirigirse a combater as seguintes moleslias:
as diversas formas das doencas chronicas, os desengaados, soffrimentos do tero,
aneccoes cancerosas, beri-beri, escrfulas, tumores brancos, ulceras chronicas, effec-
c5es venreas rebeldes, paralysias, molestias do coraclo, da garganta, rheumatismo
ehronico e gottoso, molestias de pelle, assim como todas as enfermidades derivadas
da impureza do sangue.
Um frasco 3#000, urna duzia 30#000
INJECCAd BETTBNCORT
ANf-nxEHORBHAfiiCA
Gura radical em seis dias
Empregada com ptimo resultado nrs corrimentos agudos ou chronicos da
urethra ou vagina, leucorha ou ores brancas. Este medicamento de nma grande
eficacia,
Um frasco 1#500, urna duzia 15
IB 91 jmSUUf J 11 i HllfflRO
TONINO FEBRFUGO E DESOBSTRENTE
Empregado na debildade geral, doencas do estomago, convalescencas depois
do parto, febres palustres, molestias do figsdo e baco, falta de appetite, anemia, chlo-
rose, cores paludas ou falta de sangue e doencas nervosas.
E' um reconstituinte de energa, aromtico e agradavel ao paladar.
Um frasco 3$, urna duzia 305000
nicos exportadores
COMPANB0LA DE PRODUCTOS MEDICNAE8
31--RUA DOS 0RIYES--31
RIO DE JANEIRO
Vendas em grosso e a retalho em Pernambuco
Francisco Manoel da Silva & C.
FOLHETII
PO
PAULO DMIGRKMOXT
SEGUNDA PARTE
A victoria do mal
(Continuaclo do n. 155)
V
? orphX
A Sra. duquesa, que era viva anda,
pagou a ana criaclo fra. Logo que foi
desmamado, a mli de meu marido tomou
osota delle, e inda esta em ana com
paobia.
Nlo se ator asente. Eu me encane
r dalle de boje em diante. Emqaanto
pequeo, dar-Ihe-hei com que acudir a
tedas aa suas neceasidades. Quando eres
cor, mandal o-hei educar, e o Sr. de Rho
dea procurar fuer del le um bom opera
rie.
Anninha Castarde, ao ouvir estas san-
tas palavras, cahira de joeihos
Oh 1 minha senhora, exclamou ella,
seja abencoada ; quanto boa 1... Toda
gaste d'aqui vai adora! a qaaado souber
qae Use voltea a Providencia !...
Havia um instante, a menina Diana de
Cndales fitava em Branca primeiro o seu
olhar muito doro e muito arisco, mas que
de minuto a minuto se suavisava, como se
as inflexSes encantadoras da sua vos de
ouro houvessem pouco a pouco acalmado
e ameniaado aquella pequea naturesa, j
violenta e autoritaria.
Entlo, continuou a joven senhora,
pensando no amor de que Jacques e ella
rodeavam Margarida, esta crianca or-
pbl?
-- De pai e mSi, sim, senhora.
Sem parentes, sem familia ?
Nlo tem por parentes senSo o Sr.
conde, cujos vestigios se perderam, e que
est na America, ao que se julga.
Qae vai ser della ?
Anninha ergueu os olhos para o co.
Nlo sei, responden a coitada. E, en-
tretanto, tenso pedido bem pobre se-
nhora qae proteja a filha !...
Branca, commovida, estendea os bra-
cos.
Diana nlo se esquivou.
Ao contrario, nm sorriso muito meigo
illuminou-lhe come um raio de sol o rosto
j altivo, e fel-a to bonita que a Sra. de
Rhodes, cada ves mais emocionada, aper-
tou-a contra coraclo.
A crianca retribnio Ihe os beijos com
extraordinario ardor.
Quero fica comtigo para sempre,
dase ella.
Nesse instante o Sr. de Rhodes, inquie-
to com a ausencia nm tanto prolongada da
mulher, gritava do patamar da oseada, :
Branca, onde ests ? Margarida e en
te esperamos.
Ao mesmo tempo, urna vos fraquinha,
na qaal ae percebia o timbre adoraval da
moca, disse :
Vem, mamli, vem depressa.
Sim, meas amados, sim, j vou.
Vendem-se os seguin-
tes livros
Lonrecco, romance histrico por F.
Tavora, 1 vol. ene 4 000
0 Matuto, dito dito, pelo mesmo, i
vol. ene. 4*000
Os Cavalheiros do Amor, romance em
4 vols. enes. I2J000
Eehos de liorna, pelo padre Guilher-
me Dias, i vol ene. 2*500
D ccionario Biographico, por F. A. P.
Costa, 1 grosso volme ene. 10*000
Vos loaros, versos por M. Barrete, 1
rol ene. 3*000
Flores Flnctoantes, versos, 1 vol. ene. 2*000
Vos e quedas, versos, 1 vol. ene. 2*000
Guimaraes, poema, 1 vol. ene. 3*000
Sons qae passam, versos por Th. Ri-
beiro, 1 vol. ene. 3*000
Alberto Pimentel. Cantares, versos, 1
vol. ene. 3*000
Julio de Castilho -Livraria Classica,
Estados biographicos e luteranos,
3 vols. enes., fiuos 15*000
Castrioto Luzitano, historia entre o
Brasil e a Hollanda, 1 vol. ene.
fino 5*000
Bibliotbeca do Povo,{12 vols. enes. 25*000
Morte de D. Joao, romance, i vol.
ene. 3*000
Contos de Pedro Ivo, romance, 1 vol.
ene. 3*000
0 abandonado por Julio Verne, 1 vol.
ene. 2*000
P rocesso Le rouge, romance hist-
rico, i vol. ene. 3*000
Gabriel Halagrida romance, 1 vol.
ene. 3*000
Neto do Aceitado, romance histrico,
i vol. ene. 3*000
Viagem no dorso de nma baleia, 1
vol. ene. 3*000
Chiquinbo, Enciclopedia da Infancia,
por G. Bruno' 1 vol. ene. 3*000
Caricaturas em proza, por Luis An-
drade, 1 vol. ene. 3*000
0 Pastor e a ovelha, obra rara e es-
gotada pelo finado hispo D. Joao, 1
v. ene 18*000
0 birajara, lenda. 1 vol. ene. 3*00u
Arnaldo Gama- Um motim ha cen an-
uos 1 vol. ene., obra rara 6*000
0 Dia de S. Nunca, romance, 1 vol.
ene. 5*000
P. de KockJoo, 2 vol. ene. 4*000
As mil e iinra molberes, 4 vols. enes. 8*4)00
Contos a Ninon, por E. Zola, 1 vol.
ene. WOO
A caca de um baronato.l vol. ene. 1*500
Arr-aldo GamaO filno do Baldai, 1
vol. ene. 4*000
Os herdeiros de Caramuru, romance
histrico, 2 vols. ene., finos 6*000
A icreia e o Estado, por Ganganelli. -
vola. ene. 10*000
Serpa PintoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes. finos, com grava-
ras 12*000
Eca de QueirozO enme do padre
Amaro M000
Castello de Grasrille, romance raro,
2 vol, ene. 3*000
Leonor, D'Amboise, 1 vol, ene. 1*000
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes. 30*000
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene. 3*000
Typo8 de cara dora, 1 vol, brocb. 1*000
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rara,) i vol, brocb. 3*000
Vozes da historia pelo Padre Gui-
lberme Das, 1 vol, brocb. 2*500
Guarrigues breve leitura sobre sci-
encia, 1 vol, ene. 2*500
O matadouro, historia da Lavadei-
ra Gervazia o 1. vol so. 1*500
Ponson do Terrail A beranca royate-
rioza o 2. vol so ene. 2*000
Rppostas consisas e femiliares por
Mr. Segur, 1 vol, ene. 1*000
Carta sobre a Com pan na de Jezus,
1 val, brocb. 2*000
Miscelania Religiosa por Pinto de Cam-
pos (obra rara) 1 v. broc. 5*000
Ao cidado Amcete, versos do Cigano
ao Dr Cbinez (raro) 1 v. broc 1*500
Oraco fnebre do bispo D. Vital, 1 v.
broc. 2W00
Propaganda religiosa Cbristo e Papa em
prosa e verss 1 v. broc. (raro) 2*000
Deseseis de Maio, pnemeto, 1 v. bree.
(raro). 1W00
Factos da Historia de Pernambuco,
1 vol ene. 2*000
Bibliotbeca do novo, 31 caderninhos
broc. 4*000
Um misterio de familia, por F. Tavora,
1 vol. broc. 2*50 0
Um casamento no {arrabalde, 1 vol.
broc., mesan autor. 2*500
Romancea em franre por lfOOO
rtiaraoa um volunte.
Tbatre complet de Eugne La biche
Eogne chavette Le Saucissoo i Paites
Premier Aman! par Georges Duval
Catalogue le Huse d'Artillene par O Penguilly
L. Haridon
Henry Rabusson L'Eponse
Lopold Stapbaux les Vicieuses
Lucieo Descaves La Teigoe
Emite Ailaim Rio te Janeiro
Edard Montegne Les Afiems de Londres
Tiennot des Ablestes grapinos de Girondas
Marcel Trvost Hadamoiselle Jaofre
Louis de Hessem Lceovre de la Cbair
La Comedie de L'Apotre par Chao, p fleo ry
Le Pile du Jesuite par Leo Taxil
Odyss Barot Les Usurters de Pars
Prosper Mrime La Double Mprise
Carolas Brio Par Desees ?Les Moulins
Prosper Mrime Les Deux Heritages
Cceur d'or par charles Merouvel
Le Rve par Emile Zola
*
E, erguendo a pequea nos bracos, des
cea s carreiras a escada de madeira.
Que isto ? pergantoa Jacques ven-
do ao hombro da mulher aquella cabeca
guarnecida de cabellos pretos, cujos olhos
esplendidos nlo se abaizavam diante dos
seos.
Branca sorrio e, depondo ao lado de
Margarida a crianca que quera adoptar
como sua filha :
Se te der urna irmlsinha para brin-
car comtigo, minha adorada, perguntoa,
ta gostarias della ?
As duas pequeas olhavam-se curiosa-
mente, um pouco recelosas urna da outra.
Margarida, apesar da sua timidez, foi a
pnmeira a estender a mlosnha.
Vem correr, disse ella ; mamli as-
sim o quer.
Estava feito o conhecimento.
Vamos brincar de esconder atrs da-
aellas grandes arvores all adianto, disse
liana por seu turno. Tu me procurars,
havemos de rr muito.
E partiram de mos dadas.
Emqaanto a Sra. de Rhodes acompa-
nhava-a* com os seus olhos enternecidos,
Jacques, ao contrario, com as sobrance-
lhas carregadas, sentio invencivel antipa-
thia pela rapariguinha, cujo olhar duro e
fro,' uasi mo, nlo Ihe agradava absolu
tomento.
Branca, pelo sulco profundo que se ca
va va no meio da fronte do maride, adivi-
nbou logo os seus pensamentos e a sua
contrariedade.
Lancon-lhe um olhar supplice.
Oonfiei no tea coraclo, disse-lhe ella,
acreditei que, pondo os pea nesta querida
casa, que a tua intelligencia conquiatou.
que o teu amor me prsporcionou, logo que
se me apresentava ama boa acolo, tu me
autorisarias a pratical-a.
Nlo sei te contrariar.
Le Pnnce Zilab par Joles Claretie
Un gendre par A. Matthey
Len Heorique Un Caraclre
Le Enfant de 3*. Peres
Lon Micbel Tunis
Le Casier Judiciaire par Odisse Barot
Albert Delpit Soiange de Croix St Luc
Adolpb Belot Les Fugitlves de Vienne
No e8criptono deste Diario se dir quem ven-
de todas estas obras, e faz-se grande abati-
oento a quem comprar todas juntas
B. Cfi DBDSIN& & G.
Raa Mrquez de Ol oda a. 13
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phoenix de Dortmund
e do chocolate Ph. Su-,
chard de Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposic,ao Univer-
sal de Pariarem 1889.
Agencia da grande fa-
brica de charutos Danne-
mann&C, S. Flix (Bahia).
. ISOVIDADES
Cortinados de cores para porta ou janella
a 10600 o metro.
Crochet branco e de cores para cortinados
a 150UO e 10500.
Flores para cabello ou enfeito de vestidos
a 1*000, 10500 e 201 00.
Sabonetes para pannos e sardas a 100
Extractos finos, frasco com 20 gotas, a
2 Ora.
Lapia de ouro a 10500 e 20000.
Tesouras com mollas e caixa a 10500.
Porta-luz com phosphoreira a 10000.
Relogios para ver no escuro a 80000 e
100000.
Albuna para 10 eu 25 retratos a 30000.
Para aso domestico
Bramante de 4 largaras a 800, 10000 e
10200.
Panno de linho com 4 larguras a 10600 e
2000.
Atoalbado adamascado a 10400.
Panno da Costa, com quadros e listas, a
10000 e 10200.
Ouardnapos finos a 10800 e 20000 a du
zia.
Toalbas felpudas a 60000 a dita.
Crotones para cobertas a 30t) rs.
Colchas de cores, mmto grandes, a 20000,
Cortinados bordados para cama ou janella
a 60000.
Oleados de cores para mesas, cada repar-
timento 40500.
Algodlosinho largo para todos os preces.
E multas fazendas que se vende por
qualquer preco.
D se descont a quem comprar de
2< 0000 para cima.
NA LOJA DAS LISTBAS AZUES
WHISIf
Boyal Blend marca VIADA
Este excellento Whisky Escoces pro
ferivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corno.
Vende-se a retalho nos melkores aran.
sena de molbadoa.
Pede Roy al Blend marca Vlado
cujo nome e emblema alo registrados pan
todo Brasil.
BROWNS A C, agentes.
Arados de Cuba
Ns. 1 e 2
Vendem-se
Na Fundigao Geral
Urgente
Vende-se nm sitio arborisado e com boa cas
de morada, na estrada do Giqni ; trata-se ni
ra do Imperador n. 61, 1- andar.
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
farinba centeio, avisa aos seus fregnezes que
contnuam a fabricar este delicioso pao centek)
codas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario u. 40.
Ah s bom, mil vezes bom, como
sempre... Consentes, eu estava certa dis-
to !... Olha, meu Jacques, nos precisa-
mos praticar o bem, derramar muitos be-
neficios, para que Deus proreja a nossa fi-
lha e nol a conserve...
Querida mulher, tu que s boa.
Quero, de eerto, tudo quanto quizares.
Mas desojara, entretanto, saber quem
esta menina que te olha altivamente do
alto dos seus tres ou quatro annos... e
que nlo tem ares de muitos amigos..
E' unu pobre orpblsinha, Jacques...
Qae seria de Margarida, se nos ambos Ihe
faltassemos ?
E chama-se?...
Diana de Cndales.
Ohldiabo!... E' a filha,..
Do ultimo propietario antes de nos,
sim. A mli, nma santa da qual nlo fal-
lou nunca senlo com os olhos hmidos de
lagrimas, morreu ao dal a luz. O pai te
ve por ease motivo to violento deagosto,
que nunca mais quis ver a pobre inno-
cente.
* Exquisito homem Quando a filha,
ao co trario, tinha mais do qae nunca ne-
cersidade de afiecto e de ternura, elle a
reuegava !...
O desespero tem manifestacoes di-
versas, conforme % naturesa que elle in-
vade.
Nlo contesto. Mais o dever sem-
pre o mesmo. Contina. E sabes que
nm levou ease senhor que nunca quiz ver
a filha?...
Procurou esqueeer... atordoar-sec..
Branca, tu s de tal forma boa e leal
que aceitas como palavras do Evangelho
todos os absurdos que te impingem, quan-
do ao impingil-os sabem dirigir-se ao ton
coraclo; quanto a mim tomei ioforma-
obes sobre o tal duque de Cndales, que
acbas to digno de interease e, concluo do
CHEGARAM
\-
i.:
Os mosquiteros amorioaitos
Com armaclo e carrite! conforme a estampa
Pre90S : l2^ooo, I5j^ooo e l8^co de cores
Loja das Listras Azues
61-KUA DUQUE DE GAXIAS61
Os Barateiros! !
E' s neste estabelecimento que pde-
se encontrar fazendas finas de gustos lin-
dissimo8 or pre;os razoaveis, como se-
jam:
Voilea de II, p adr es inteiramunte no
vos, merinos idem, idem, cachemiras ta-
rradas, o que pode haver de mais lindo
em gostos.
Cambraias da China, idem catitas, idem
com salpicos c lisas, Victoria e transpa-
rentes, grande sortimento de crotones
(padrSes de voile) de gostos attrahentes-
Crepe da China, inteira novidade.
Etamines de cores, lisos e rendados.
FustSes b-ancos. Linons com narra, o
que ba de mais rico para vestidos, chitas
idem, idem e muitos outros tecidos a phan-
tasia.
Lis de quadros a 200 rs.
Merinos idem, fazenda de 800 rs., por
240.
Voiles de II e algodlo a 240 rs. o co
vado.
Zephyros de cores a 320 rs. o covado.
Merinos de urna largura a 280 rs. o co-
vado.
Bautista republicana a 200 rs. o co-
vado.
MadapolSo americano a 53000 a peja.
Vanado sortimento de setinetas e cro-
tones, para chambres.
Grande e variado sortimento de chitas
claras, de cores e escuras. dem chama-
lot, padrees exquisitos. dem voiles, gos-
tos inteiramente novos. Casacos de Jer-
sey para senhoras, vestuarios idem, para
enancas. Toalhas felpudas para rosto e
banho, brancas e de cores. Grande sor-
timento de aventaes, idem, idem de ba-
beiros, para criancas.
Para homens
Grande sortimento de camisas' de fia-
nella, linho e algodo.
dem de collarnhos de linho e ce]lu-
lo ide de cachemiras pretos e de cores, en
tre ellas destacam-se as de 70000 o corte,
para costumes.
Alm das mercadorias que cima dicta-
mos, temos um esplendido sortimeoto de
cestas de palha e chagrn e muitos ou-
tros artigos que sena enfadonho mencio-
nar.
E' so nos barateiros!!
A' RA Io DE MARgO N. 1
Bernardino Campos & t
*0 *5LERY vende-j sra toda aow*
Bom meio de vida
Vende se um bom rancho com casas e immen-
so terreno, na estrada da Imnerlbeira, rendendo
o rancho 84 a 104 diarios; a tratar na ra d
Cwncordia n. 60.
Massa para bolos
Pateo do Carao n. 2
Garante-se a qnalid ide por ser tratada a ca-
pricho, e por preco sem competencia ; venaam
ver para crer.
que soube, que elle nlo o merece absolu-
tamente. Eram dous irmlos, Mximo e
Rogerio, to orgulhosos, to pouco inte li-
gantes, to jogadores, to debochados um
quanto o outro. Emquanto o mais nova
ia tentar fortuna na America, e ahi tor
nar-se provavelmente algum cavalbSiro de
aventaras, ou peior ainda, o mais velho,
Mximo, depois de haver devorado a me-
tade do seu patrimonio, cason se com urna
rapariga, effectivamente encantadora, Mag-
dalena de Surgres, a qaem nlo amou,
pela qual nlo renunciou a nenhum dos
seus deboches ou das suas ligacSes da rao-
cidade, e que morreu mais de desgosto e
de desanimo do que de parto. Depois da
morte da mulher, o conde continuou a sua
vida dissoluta, e como a duquesa houvesse
tido a infeliz idea de dtsixar-lne por tes-
tamento tudo aquillo de que ella poda
dispSr, depois de tor comido, bebido e jo-
gado a propria fortuna, elle, sem o menor
escrpulo, deu o mesmo fim aos bena da fi-
lha
Eu sabia disso. Mas parece que o
duque commettia todas esaas loucuras para
se aturdir.
Nlo. Quando se tem urna dr pro-
funda, pde-ae concentrar, solar se do
mundo; ha, porm, urna cousa que deve
conservar se ntida, illesa, o dever. Ora,
o duque de Caudales alo sabia o que era
o dever. Mo era antes do casamento, e
peior tornou se ainda depois, sem q qaer a paternidade o fizesse entrar no bom
caminho. Divertio-se, viven tripa forra,
gosou de todos os praseres que Ihe acu-
diram fantasa, sem escrpulos. Depois,
quando ficou arruinado, sem recursos e
aem esperanca de os conseguir, nao que-
rondo conferaar-se nem com a miseria,
nem com a penara, nem com a qneda, in-
capex de conquistar urnaposiclo,matoase
A Florida
Acaba de receber pelo ultimo vapor e
que de ma or novidade tem a populosa
grande cidade de Pars, os mais importan-
tea artefactos da ultima moda.
Papel bordado com muita fantasa, proprio
para cartas.
Cromos de seda e de oleographia.
Caixas de msica com manivella para 10.
20e30000.
Caixas de msica, com corda, fechadas
: I -
'*

10
8#.
com 1 a 3 arias para 7, 8, 9,
120, proprias para presentes.
Ricos enxovaes para baptisado a 70,
90, 100 e 120000.
dem muito finos para 160 a 200 um.
Timlosinhos com sombra com fitas e bicos
de embraia transparente a 30 e 30500.
Um grande sortimento de porta-trsn.es
para 500, 10 e 10500.
Grampos dourados e cum perolas a 200
500 rs. um.
dem de celuloide e dourados a 200 e
300 rs. um.
Estojo para desenho de talagarca a 30000.
Bandeiras de II dos Estados-Unidos do
Brasil a 1050 30000 e 40000, confor-
me o tamanho.
Grande sortimento de bolsas de pellica
de chagrn para 2, 3, 4 e 50000, para
senhora e meninas.
Carteiras cem estojo a 3, 4 e 50000
10500 e 20000. '
Grande sortimento de bicos de algodlo a
de seda, brancos e de cores.
Livros de sortes a 300 rs.
Albuns de pellucia e de chagrn, gost*
moderno, imitando um leque.
dem para cromos, poesas e msicas.
Espadmhas para crianca.
Boleas de couro para cobranca.
Navalhas de Roger Amlo americanas el-
ctricas e de 2 laminas, e afiadores coa
a massa propria para amar.
Ramos de flores para baile e casamento
de 10500 a 40000 um. '
O Cabelleira engenheiro invento a 500
res.
GalSes e bordados de cores.
Bordados de cambraia de 600 a 10500 a
peca.
Sabonetes para tirar nodoas de casemiras,
sedas, lis e outras fazendas finas da
800 ris. 4
Oculos e pince-nez finos, dourados, bu-
falo e nickel.
Tinteiros para viajantes.
Espartilhos para 4, 5, 6 e 70000.
Collarnhos e punhos de borracha.
Caetas de vidro a 500 r Boleas para menino de eschoia a 20000.
Sabonetes para banho com desinfectante
a 40 ris.
Pulseiras americanas para 3, 4, 5,' 6, 7 e
80000.
Anneis e brincos com pedra imitando bri-
lhante.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 103
Farelo
superior do Rio da Prata a 14800, dito do Rio
de Janeiro a 1 f 750, pesando U a 44 kilos ; ven-
dem Franco & C, no pateo da Penba n 8.
covardemente, sem incommodar-se com a
sorte que teria a filha.
's severo para ^sse morto... #
Tenho horror gente sem principios.
Mas a filha, a pobre pequea, nlo
responsavel por tudo isso e orphS.
Eu acredito na oereditaredade.
A mli era urna santa.
E o pai um sacripante. Ora, a me-
nina de Cndales, apezar de sua teura
idade, nlo tem physionomia sympathies.
Receto dal-a como companheira nossa fi-
lha.
Eu a vigiarei de tal modo, tratares
com tanto empenho de Ihe incutir a bou -
dade, a dedicaclo, a honeitidade, todas as
qualidades, emfim, de abnegacte que de-
vem possuir as mulheres, que tornal a-hei
boa ; podes ficar corto disto.
Qaeres entlo adptala ?
Branca, por nica resposta, laacou-w
nos bracos do marido.
Tenho cortesa de que essa obra do
caridade dar feheidade a Margarida, disse.
ella ao cabo de alguna instantes.
O Sr. de Rhodea meneou tristemente a
cabeca.
Nlo sou da tus opmilo, replicn
elle. Entretanto, fase o que quiseres, se-
gu os impulsos do teu coraclo; mas pre-
vino-te de que, se mais Urde a cousa na
andar bem, saberei em tal occasilo proce-
der como evo.
Que queres tu que succeda mais lar-
de ?





kV
. .
-




i
i *-><
c
I


(Contmar-u-A)
Ifa. Pian, BaaPandsCaxlMa.at


r f.'-*i" .'-
**-*
II. .--' >-*l-w'-J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYK87ILR3_PYBNA5 INGEST_TIME 2014-05-19T19:31:58Z PACKAGE AA00011611_19208
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES