Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19170


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
I



mi"
w


!

PARA A CAPITAL E LL'GRES OMMI SAO SE PACA PORTE
I*br tres meze; amantados......>......... fcVJOOO
Por seis ditoi idem .'...-........... 2j$000
Por um auno idem ......... 23(5000
Cada numero a-vulto, do mesmo dia..... ... 0100
DIARIO
TfcprMade de Manoel SmjueL
rnri
.-y.*8BBWXWH
IBACO ;. LKO DE 1889
PARA DENTRO E PORA OA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadot .......... 13i$5Cr
i Por nove ditos idem................ 2Q|000
| Por um anno idem. ............. 26)5000
Gada numero avulso, de das anteriores.......... 0100
NAMBUGO
TELEGRAMAS
S3??:;3 ?as:;:::a3 so ::::::
RIO DE JANEIRO, 20 de Juio, s
horas'c 45 minutos da .tarde.
Continuara as manifestacSes festivas
i Um joven physico chamado Coutelle teve o
commundo da primeira companhia d'aerostei-
| ros. O balo docapitao Coutelle prestou gran-
des servicos na batalha de Fleurus. Foram
anda usado aerstato* em algumas oampanhas
|d repblica. Conserva-seo balo preso por
duas cordqa, retidas cada qual por um grupo de
s. T)
soldados. T) coramandante, couocadona barqui-
nha, transmittia as suas ordens aos aerosteiros
por weio de bandciras ue dlfferentes cores. Do
observar e
[alto d'a(]
uir
odia

enm
'= Augustos viajantes chegaram hontcm
Mariann.i, qgpe foram recebidos
grandes festas e acclamacoes.
SS. MM. regressam amanha corte
INSTRCCO POPDLAR
AS GRANDES \\\\0S
ANTIGS K MODKRNAS
NA8
Scieccias. industrias e artes
POR
S.VIS
xx
o aeroMtato
(ContinuacSo)
luleatava passar a Mancha c ebegar logia-
trra, partiiido da costa de Bolonha. Has alguns
instautes depois da partida, e mesmo antes de
cargar cima do oceno, o estofo do balo de paz
indropeneo rasgndose em quanto o aeronauta
pxava pela corda da vlvula, o aerstato, vasio
de (iaz, cahio oore o montgolfier, e, por seu
peso, pncipitou o apparelho por torra. Patre
deRosier. que morreu oesta circumstanria. ia
aeompanhado.de um physico de Bolonha chama-
do Romain. que teve o mcsmo triste flm.
Os globos aerostticos, presos por cordas. a
urna altura conveniente na atmospuera, podiara
servir de posto de observaro para dcscobrir as
Torcas e manobras das tropas inimigas. Imagi-
nou-se em 1791, por os aerstatos ao servico dos
exercitos franceses, e crearam-.-e para esse lim
duas companhias de aerosteiros.
aeTH^BBnwlo nos ex'ern-
fes, deu biixiFa duas companhias de aerdstei-
ros, oabodou fechar a escola que se havia es-
tabeleciA nos jardins do castllo de Meudon
para estadar. sob a direceo de Coutelle, as ap-
plicaces militares dos aerstatos.
Os primeiros aeronautas punham o seu heros-
mo ao servico d'ama descoberia nova, cujo re-
sudado nao poda ser calculado : seus successo-
res tiveram a m lerabranca de reduzir a aeros
taco a um espectculo publico, um divertimento
para simplorios e ociosos. Toda a gente sabe
o nome dos aeronautas de proisso. taes como
Jacques e Elisa Garncrin, Mine. Blanchard, Mar
gat. Charles Creen e seu ilho Jorge Green.
Entre as numerosas ascenses d'aquclles aero
nautas, mencionaremos algumas das que mais
impressionaram o publico,
M. Blanchard subiu n "um baldo em 1819, na
occasiao d'uma fesla dada no Tivoli da ra de
Saint-Lazare. Tinba ella levado na barquinha
pegas de fogo d'artificio que devia inflammar no
ar quando tivesse chegado a certa altura. Mas,
por effeito d'uma commo<,ao. um foguete pegou
rogo ao gaz hydrogeneo do balo. M. Blanchard,
apertando o orificio inferior do balo tentou em
vo ra pagar o incendio O gaz ardeu durante
muitos minutos sem fprejudicar o involucro do
balo. A machina inflammada descia devagar,
e se o vento ahouvesse impedido para o campo,
a intrpida aeronauta tena sem duvida descido
sera accidente. Infelizmente o aerstato cahiu
sobre Pars e toi dar no lelhado d'uma casa da
ra de Provence. A barquinha, resvalando pelo
telhado abaixo, do lado da roa, encontrou-se
com um gancho de ferro Esta brusca suspen-
do produzio um abalo que precipitou a aero
nauta lora da barquinha. A infeliz cahiu de ca-
bera no mcio da calcada e esmigalhou o crneo
As ascenses do conde Zambeccari de Bolonha
foram assignaladas pelas mais terriveis peripe-
cias lisa va de urna lampada de espirito de vi-
nho para aquecur o ar do balo. Xa primeira
ascen^o, esta lampada quebrou-se, e Zambec-
cari, Jao subir aos ares, vio-se rodeado de chara-
mas. Felizmente consegnio apagar o incendio,
c deseca vivo, mas horrivelmcnte queimado.
(Contina)
A Assembla Legislativa Provf^B
Art. 1." Ficam relevado- do qH
i panhias de Seguros Indenisafwr/i e ,u~
contractaram o servido de bxproeiros,
* pelo Consulado Provincial, nos exerci
vendo ser a Companhia Amphitrke
rido^ exercicios por effeito da mesma'^
Art. 2." Revogam-se as dispasi
Pago da Assembla Legislativa
ij.BarSo^ de jkmd. jac
secretario.
As companhias de seguros Indemn
o resolve:
>,de repartigao, as cm-
' que com a provincia
ndevidamente collectadas
e de 1886 a 1887, de-
as que pagou nos refe-
e Pheuix Pernambucana
contracto feito com a provincia para a creagStfla eornpanjja de bombeiros, tcaram
iscntas, certo, de todos os impostos.
Sendo porm, o contracto de 11 deJuIho de 1887 ejnstallando-se acompa-
nhia em 20 de Outubro do mesmo anno, sabido que a collccta se procede por
exercicio.
Assim o mais que se poderia conceder, era que a isencao se limitasse ao
ultimo semestre do exercicio de 1886 a I88S4 que teve comeco em Julho e findou
em Dezembro do anno lindo, jamis porm estender-se a mesraa isen9So ao exer-
cicio de 1885 a 1886 e aos dous semestres de 1886 1887, anteriores ao contracto
A presente resolucSo, pois, relevando do pagamento do que devem de im-
1 posto de repartido as preditas companhias e mandando reembolsar a companhia
Amphitrit* das quantias que pagou nos referidos exercicioi, alm de offensiva aos
nteresses da provincia, pecca por inconstitucional.
f Deixo, portanto, de sanccional-a.
Palacio da Presidencia de Pernambuco 4 de Junho de 1880. Iynacio Soaquim de
* Ledo. 1
PARTE OFFTCIAL
RELATORIO

le
da
Governo da Provincia v
rom que o E\m. Baro de Nonza Eeo passoa a
nduiiaistr.nco da l*roviuola em SO le Juuho de
iss;ioi:\m. I viee-presldente Bnro de Calar
(ContinuacSo).
A Assembla Legislativa Provincial de Peruambuco resoilve .
Art. I." O presidente da provincia mandar pagar ao 2 offici.il da secgsto
do contencioso do Thesouro Provincial, Maximiao Lopes Machado Jnior, a quantia
de l:<)Oi$00 de seus vencimento^ integraos acontar de 15 de Dezembro de 1887
a 16 de Maio de 18>8 em virtude de sua reintegrado no referido lugar.
Art. 2. Ficam revogadas as disposijSes em contrario.
Pago da Assembla* Legislativa Provincial de Pernambuco, 22 de Maio de
1889.Barao de Cnir, vicepresidente.Jos Mara de Albuqucrauc c Mello. 1."
secretario. 'marisco Vhadan'e dn Cmara Lima, 2. secretario.
Volte ;i Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco.
O funccionarlo a que se refere o presente projecto, tendo sido demittido
por conveniencia do servigo publico em 15 de Dezembro de 1887, embora reintre-
gado por acto de 17 de Maio de 1888, n5o tem direito a ?cncimento algum.
a Mandar-lhe pagar vencinientos ntegraes durante c tempo em que dcixou
de ser empregado pnblico, fazer-lhe urna merc pecuniaria para a qual a Assem-
bla Provincial nao tem attribnicSo. .
Accresce que o servigo do 2." official da secgao do contencioso do Thesouro
Provincial foi feito pelo >. official que percebeo es respectivos vencimentos e serla
retribuir duplamente serviros prestrados por um s funecionario.
t P.ilacio da Presidencia de Pernambuco, em 4 de Junho de 1889. Iynacio
Joaquin de Souea Le/ A Asenibla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve :
Art. 1." Fica elevada razSo de .'i "\a 9 porcentagem dos empregados da
e,bedoria Provincial e da Alfandega sobre a arrecadagSo, distribuida de conformi-
e com a tabella gcral, que regula a gratifeagao dos mesmos empregados.
Art. 2." Ievogam-se as disposigSes em contrario.
* Pago da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 22 de Maio' de
1889.llar ao di; Catar, vice-presidente.Jos liara de Albuqiurqne e Helio, 1."
secretario.Fiancisco YhndoMe da Cmara hima, 2." secretario.
< Volte Assembla Legislativa Provincial.
Nao liavendo augm^I de trabalho, o que constituira ama razao para ser
* elevada a 3 "1,. a porcenagern abe empregados da Recebedoria Provincial, e da Al-
* fandega sobre a arrecadagao, succede mais que esse augmento tiazia novos encar-
gos para os cofres da provincia que nem ao menos*conta com urna receita para
saldar despezas indeclinaveis.
Neg portanto sanccSo, presente resolugao que se torna inconveniente aos
interesses da provincia. ^
Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 4. de Junho de 1889.Igr,
ii/,i (/ Sotan Lao.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve:
t Fica o presidente da Jjrovincia auorisado a mandar addir a qualqucr repar-
ticSo provincial ao ex-porteiro do Consulado Provincial- Gelini Coelho do Serpa
Brandao, percebendo os veeimento relativos aos que percebia, at que baja vaga
* para ser prvido cffeetivamente.
Art. 2." Rcvogam-sc as disp<>s c Pago da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 21 de Maio de
1889.-'tBar3o de Caian, vice-presidente.Jos Mario de Albiqucrque e "Helio, 1."
secretario.Francisco Yhaelante da Cmara Lima, 2." secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
Esta resolugo autorizando o presidente da provincia a raandar addir a qual
quer repartigao provinciaJ^M*-porteiro do Consulado Provincial Gelim Coelho de
t Serpa BrandSo, perce"benBStyencimento8 relativos aos que percebia, at que ha-
ja vaga para ser prvido cfjJMrraniente, exorbitante das ttribuigSes da Assem-
c bla Provincial.
Trata-se de individuo que nao empregado publico, e manda-se, que, como
addido a qualquer repartigao, perceba os mesmos vencimentos que percebia quan-
< do topregado.
I U'flima merc que se Ihe faz sem que em nenhuma das repartigocs seja re-
conhecid a necesaidade de serrigos do ex porteiro do Consulado Provincial :
urna nomeacao previa, no so sabendo para que emprego, se de porteiro ou outro
qnalquer, conforme o servigo que tenha de j>restar n repartigio a que fde addido.
< Tado isto pode ser de interesse particular do cidado a que o projecto se
refere, mas nao explicavel por nenhuma 'razao de utilidade publica ainda mesmo
sob a forma'de'urna autorisagao.
Cabe ;;s AsSemblas Provinciaes criar os empregos pjblicos e regular a
c forma do sem provimecto; mas nao a de designar empregados para qualquer das
repart <,
esma renolncSo.
iiambuco, em
ni o co
Joaqll
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve :
Art. 1." Os devedores Fazenda Provincial por inpostos, exceptuando os
addicionaes decima urbana, at o penltimo.exercic o, aontra os quaes haja exe-
t cugSe em juizo e que pagarem as suas dividas durante o exercicio corrente, terao
o direito ao abatimento de 30 0i" do principal e 40 0i" ,das gustas devidas mesma
fazenda, sendo-lhes igualmente dispensados os juros c multas em que tenham in-
corrido.
nico. Aquelles, porem, cujos dbitos at o ukmo exercicio nSo estejam
ainda em juizo, scro admittidos ao pagamento com o mesmo abatimento, sendo re-
t levados da multa.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicSes em contrario.
Pagoda Assembla legislativa Provincial' de Pernambuco 21 de tfcaio de
1889. Bardo de Calar, vice-presidente. Jos Marta deAlbuqnerqiie eMello, l.-
secretario. Francisco l'haelante fia Cmara Urna, 2." secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
1 A presente resolucSo mandando abater 30 0i do principal do debito dos
impostes pelos quaes haja execugo em juizo, at o penltimo exercicio, offensiva
dos interesses da Fazenda Provincial.
1 Importando em quantia elevada o mencionado%batiniento, desde que abran-
ge todos os impostos com excepgao apenas do addicional decima urbana, concor-
0 reria grandemente para a diminuigEo das receitas colculadas nos referidos "exerci-
cio8, e segundo as quaes foram calculados os respec|ivos orgamentos; tanto mais
ficando os devedores de taes impostos dispensados dos juras c multas cm que a
u despeza de 4 /0 das custas, sobre nio poder ser concedida pelo poder Legislativo
Provincial, acarretaria onus para 09 cofres da provincia.
Releva notar que a adopgao desta ResIug2o Mfia estabeleeer precedente
inconveniente dando lugar a que nSo foBwwh pagos actualmente impostos pela
esperapga do t favor futuro. '
Por esfes "motivos neg sancglo mes*l!*eot 1 Palacio da Presidencia de Paambuco, 4 de Hubo de 1HH\).Ignacio Joa-
* q\'im de Sonsa Lea.
' A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve: ^
Art. 1. Fica a Cmara Muninipal de Nazaretb autorisada a contractar com
" quem melhores vantagens offerecar, a edifcagao de una casa de mercado em dita
u cidade, dando como indemnisagao ao contractante os impostos da feira da cidade
por espago nlo superior a 12 annos.
c Art. 2, Revogam-se as disposigoes em contrario.
Pago da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 23 de Maio de
1 (889.Barao de (,'atar, vice-presidente. Jos Mari* de Albnqiierque < Mello, 1."
secretario.Francisco Phaelanie da Cmara Lima, 2." secretario.
Volte Assembla LegislativaProvincial.
NSo podendo ser contestada a necossidade do urna cas: de mercado na ci-
dade de Nazareth, todava a autorisagao constante -"fe presento ResolucSo contm
n inconvenientes que, cumprindo evitar, determinam a nSo sanccSo do projecto.
Assin\ que, concebida em termos ampios a autorisagao, deixa i. Cmara
Municipal d'aquella cidade a faculdade de eSectuar sd por si o contracto do mercado
a em questao com o praso mximo, de 12 annos de percepgao do producto do imposto
da feira ao contratante, como indemnisagao do mesmo mercado.
NSo sendo conhecidas as proporeocs do mercado a construir se nem o seu
custo provavel, o projecto concede urna autorisagao inconveniente, nSo s sob esse
ponto de vista, como mesmo attendendo-se ao accresclmo no nao pequeo espag.o de
* 12 annos, no mximo, ter e imposto da feira n'aquella cidade.
Neatas condigQes seria erro prevalecer a presente Resolugao, que affecta
|neontestavelmente a mais importante verba de receita da. Cmara Municipal d'a-
quella cidade. .
Palacio da Rresidencia de Pernambuco 5 de Juulio de 18*9.Ignacio Joa-
quim de Souza J^eSo.
* A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve:
Art. 1. As licengas gozadas pelo chefe de secgSo do extincto Consulado
* Provincial, Jos Xavier Carneiro de Barros (Jarapeilo, serSo computadas na apo-
sentadoria que lhe for concedida, a qual se regular pelo | 3. do art. l.u da lei n.
1.108 de 29 de Maio ds 1873, tomando-sejpara a base do respectivo calculo a
media da arrecadagao elfectuada nos tres ltimos exercicios anteriores extinegao
da referida repartigSo, retormando-se assim o calculo da pensSo da inactividade do
langador Antonio Soriano do ,Rego Barros e do 3.a escripturario Francisco de
Paula Reg Barros.
Art. 2." Fica o presidente da provincia autorisado a aposentar o langador
da Recebedoria Provincial Felinto do Reg Barros Pessoa com 8/10 dos vencimen-
tos que percebeu no exercicio liquidado da lei n. 1.499. ,
Art. 3." Ficam revogadas as disposigoes em contrario.
Pago da assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 23r de Maio de
1*83-Barao de Cejar, vice-presidente.Jos Mariq^ic Albuquerque c Mello, l."
secretario.Franela> f hacante da Cmara Lima, 2*^firetario.
c Volte Asscwnbla Legislativa Provincial. jR -
Esta Resolufa^ quer apreciada pelo ludo da coastducionalidad^ quer se te-
nha em vista os interesses da provincia, nao pode ser sapelonada.
Subtrahindo os empregados a que ella referc-bo i'i regra geral reguladora
das aposmtagoes dos empregados provincines, crea para ellas urna excepgao de
favor, verdaeira merc, c legisla sem utilidade publica, icio assim de encontr a
um preeeito constitucional que deve er respeita lo.
As assemblas provinciaes tm attribuig) de decretar regras geraes .para
a aposentagSo do3 empregados provinciaes, mas falti-lh.es a de legislar sobre a
aposentagSo de certos'e determinados empregados favorecendo-os com vaur.igens
expeciaes 011 de excepgao, como ha sido declarado por dlfferentes dccis'es do go
verno e decorre oa doutrina do Aviso n. 42 de 1 de Maio de 1839.
A isto accresse que a sanegito desta Reoolug traa augmento, de despeza
para a provincia j tSo oneradu do de encargos, e,*quando Bltam llift recursos prom-
ptos mesmo para suas despezas ordinarias.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 4 de Junho de 1889. Ignacio Joa-
quim de Sota Leao.
administrativo, a quem cabe tomar conheeimento da allagagSo dos contribuintes em
materia de impostos ; pelo que neg sanccSo mesma Resolugao.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 5 de Junho de 1889.Ignacio
Jooquim de tiouza Luto.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve:
Art. 1." Fica o 2." escripturario Walfrido Barrete de Mello liego, isento
do pagamento de novos e velhos direitos restituindo-se-lhe o que tem pago indevi-
indamente,' visto ter sido reintegrado no referido lugar em virtude da lein. 1.649 de
ambuco, 22 de Maio de TI882.
Ibnquerqiie e Mello, \. rl .'J Revogam-se a disposigoes em contrario.
P3iMt A:-SCUibia Lcgtai*a Poncial de^ernamuuco, 22 de Maio de
mxz&WWWrEaiar, v'icc-prmentm^osi Hara de Albuquerque e Mello, 1."
secretario.Francisco Phaelante da Cmara Urna, 2.tfccretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
O art. 44 da lei n. 244 de 16 de Junho de 1849 isenta do pagamento de
velhos e novos direitos e de tirarem novos ttulos aos empregados demittdos e pr-
vidos novamentc em seus lugares, dentro do prazo de tres annos.
Walfrido Barreto de Mello Reg, demittido por portara de 11 de Feve-
reiro fe 188(J, do cargo de 2. escripturario que exercia no antigo Consulado Pro-
vincial, foi, por acto de 10 de Janeiro de 1888 mandado addir ao Thesouro Pro-
vincial com os vencimentos correspondentes ao mencionado cargo de 2. escriptu
rario em virtude das leis n. 1.649, de 26 de Maio de 1882 e n. 1-745 de 17 de
Maio de 1883.
Tendo sido esgotado aquelle prazo, com grande excesso, a presente Reso-
lugSo crea urna excepgSo, e, portanto, ama inconstitucionalidade.
Deixo, por este fundamento de sanecionar a mesma Resolugao.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 5 de Junho de 1889.Ignacio. Joa-
quim de Souza Leao.
t A Assembla Legislativa Provincial do Pernambuco resolve :
1 Art. 1." Aos arrematantes do dizmo de gado que provarem os prejuizos
qne soffreram e pela lei n. 1.888 de 7 de Maio 1887 foram relevados do pagamen-
to do terceiro anno ser3o restituidas as lettras que assignaram relativas a esse
anno.
a Art. 2." Rcvogm-se as disposig>es em contrario.
Pago da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 22 de Maio de
1889.Barao de Catar, vice-presidente.Joe Mara de Albuquerque e Mello 1.'
secretario.Francisco Phaelante da Cmara Lima, 2. secretarlo.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
t Esta Resolugao resente-se de falta de utilidade publica c contm urna dis-
posicSo odiosa.
Desde que vigora a lei n. 1.888 de 7 de Maio de 1887, nos termos da
qual dada a resolugao do pagamento consequente a entrega das respectivas let-
tras, seria intil.
A Assembla Legislativa Provin
Art. 1.a Fica Ant2o Borges Alx,
venda de agurdente, cm que foi colkc
genero em seu estabelecimento de fazen
Art- 2. Revogam-se as dia
Pago da Ajserub.'a Legisla!
1889Barao de Calar,
seoretario.Francisco
Volte

ueo resolve :
o de imposigSo
que nao
sobre
vende esse
Neg, pois, sancgSo mesma ResolugSo.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 6 de Junho de 1889. Ignacio
Joaquim de Souza Leao.
Por acto de 7 e 9 de Maio findo, abaixo transcriptos, resolv suspender a pu-
blicagSo de duas Resolugoes concedendo urna o emprestimo de 50:000(5000 em apo-
lices ao juros de 7 7 a quinze engenhos centraos de typo menor, j fundados uo
que se fundarem dentro do prazo de dous annos, e outra revogando a lei n. 245 de
16 de Junho de 1849, que interpreta a de n. 82 de 4 de Maio de 1840.
5.a SecgSo Palacio da Presidencia de Pernambuco em 7 de Maio de 1889 O
b vice-presidente da provincia, a quem foi presente urna reaolugSo datado de 27 de
Abril ultimo que a Assembla Legislativa Provincial adoptou, nos termos do art.
15 da lei de 12 de Agosto de 18J4, por nSo se conformar com as razSf pelas quaes
a,presdejcia deixou de sanccional-a em 27 de Margo do corrente anno. .
Considerando que as modificagoes feitas no art. 1." de dita resohigao en.
1 nada lteraram os respectivos pontos capitaes, sendo apenas ampliados, nesta pa-
te, os favores que eram concedidos fbricas centraes existentes, s que de futu-
ro venham a ser fundadas, dentro do prazo de dous annos, at o numero total de
quinze, urnas e outras com direito ao auxilio de um emprestimo de (50:000|5000)
em apolices provinciaes de uro de 7 0t", auxilio imperativo e exclusivo da justa e
necessaria apreciagSo que, em assumpto de tal n.-.tureza, cabe administracSo da
provincia, nao s. para regular-lhe a maior ou menor extensao, como para conhecer
da idoneidade do3 pretendentes de modo a serem devidamente garantidos os inte-
resses da provincia, arriscados ou compromettidos em taes auxiho6:
Considerando que o g 2." de dita resolugao emendado no sentido de serem
extensivos os favores do art. 1." fabricas hypothecadas cstabelecimentoa ban-
carios ou capitalistas, simplesmentc ampliou a primitiva disposigSo que referia-se
hypothecas feitas ao banco de crdito real, e nao obviou os inconvenientes resultan-
tes de emprestimos fetos fabricas gravadas com hypothecas anteriores;
Considerando ainda que taes inconvenientes subsistem a despeito mesmo da
restriegao de s poder ser prestado o auxilio quando o mutuario houver obtido o
emprestimo sobre um tergo do valor dos materiaes e metade do immovel agrcola,
pouca ou nenhuma importancia tendo, no tocante ;i garanta dos nteresses da pro-
vincia, a faculdade concedida a presidencia da provincia de, sejulgar conveniente,
mandar proceder a novas avaliagoes, e urna vez verificada a fraude ou simulagSo
na hypotheca, ou na primeira avaliagSo, deixar de effectuar o emprestimo, por isso
que taes avaliagoes. ainda quando regulamente feitas, nao constituem base segu-
ra sobre a qual deva assentar a coueessio do auxilio uniforme de 50:000.^0000 de
1 que trata dita resolucSo;
t Considerando finalmente que subsistem em sua totalidade os motivos prin-
cipaes que determinaram a nao sanccSo de dita resolugao, agora emendada apenas
em pontos secundarios, sera attengao s considerac3es suggeridas as razoes de
27 de Margo do corrente anno;
Resolve: nos termos do art. 24 n. 3 da citada lei de 12 de Agosto de 1834
e art. 7. da lei n. 105 de 12 de Mafo de 1840, suspender a publicacao da mencio-
* nada resolugao que ser submettida com o presente acto ao conheeimento do Gro-
verno Imperial. Communique-se Assembla Legislativa Provincial. *
4. Secgao. Palacio da Presidencia de Pernambuco em 9 de Maio de 1889.
O vice-presidente da provincia, a quem foi presente a resolucSo de 30 de Abril fin-
a do que a Assembla Legislativa Provincial adoptou por dous tergos, nos termos da
art. 15 do Acto Addicional, revogando a lei n. 245 de 16 de Junho de 1849 que
interpreta a de n. 82 de 4 de Maio de 1840;
Considerando que a graga coteedida aos empregados da provincia pela lei
n. 82 de, 1840 deve ser extensiva aos empregados da Assembla Provincial, em-
bora estes nao sejam de nomeagao do presidente da provincia, por quauto quer una,
i quer outros gosam dos mesmos direitos e estao mijeitos aos mesmos ons;
Considerando que a resolugao tende a conferir um poder estranhoo direita
de aposentar os empregados da.Asscmbla, que ser provavelmcnte" a mesma As-
sembla, a quera por isso falta.>mpjtenca pelo Acto Addicional, e esta presumpgSt
nSo sem fundaaeuto, toiio-se em vista o acto que praticou a Assembla cm sua ulti-
t ma sessSo, decretando a aa#entagao de tres empregados seus, acto que na mere-
ceu a approyagSo desta*presidenyia, sendo, o seu procediraento aparovado por aviso
do ministerio do imperio 11. 2.0de 21 de Janeiro ultimo:
Resolve, nos termos do art. 24 3. da lei de 12 de Agosto ^e 1SM
e n.
105 de 12 de Maio de 1840, suspender a publicagSo da referida resolugSo. a qual
ser submettida com a presente portara ao conheeimento do Governo Imperial.
____ (Continua).
Pernambuco, 22 dojjMaio, de
ira de Albuquerque e Mel
etari.
EM ADDITAMKSTO A08 DESPAttIOS DE 23 DE
JULHO DE 1889.
Abaixo dssignaitos presos do presidio de
Penando de Morona.- Informe o Sr. inspector
da TlKsonruiiii ik Puienda.'
Autopie Luis Cutiano da Suva. Informe o
Sr. inspec isouro Provincial.
Arceliuo Liiu, & Deferido coiu officio do
heie Tliesouru: i;i de F iseada.
Hei i. Informe o S;:. inspector i
do Thesouro Provincial.
ulano Herwen gildo Cavoicante Moni.-
D o com oilirio de iioje ao coronel rominun-
dante interino.
Teneute Jos 1 |un
Informe o Sr. inapi
c;:l-
Maaoel Victoriano da Roza.Informe o Sr. co-
ronel conHD&ndaate das urmas intenuo.
Mafia uas ulerees Garcia Chaves. Sim, me-
diaote recibo.
Manotil lodopiuno Barbos., de Sania Barbara.
Kui-aiiiinlie-se.
Hayinundo Antonio da Silva.-Informe o Sr.
fhspector da Tiiesouraria de fazenda
Dastiao Antonio de Albuquen:
Informe o Sr. inspector do Thesouro Proviocial.
OKSPJ
DIA 25 DB
i'iiho da imf
col I ter provado que .
le fazenu atlribu
4t


I



\
1
Diario e Pernam

Sabbado 27 de Julho de 1 89
Teen te Aurel t do-Van"?
nSr. coronel commandanie das armas
Candido Augusto de Alhuquerque Sobral-
Informe o Sr. inspector do Thesouro Provincial.
Fraga Rocha 4 C.-Indeferido.
Gerente-da GompanbjB The North Brasihan
Bajear Faetones LimitedInforme o Sr. inspector
daThesouraria de Fazenda.
Bacharel Jos Mauricio Borges.Informe o
Sr inspi'Ctor.da Thesouraria de Fazendo.
Jos Sarianno Augusto ie Moraes. -Sim.
Joaquim Albino das Chtgas e Sirva Informe
o Sr. commandanie superior da guarda nacioaai
da comarca da Escoda.
Luiza Amelia de Dcurannoo.Itrorme o Sr.
inspector do Tbesemro Provincial.
Marcellino Goncajaes ftiea. Concede.
Manoel J >s ilos Santos Teixeira. Sim, rae-
diante recibo.
Superintendente da estrada dw ferro do Recie
ao SSo Francisco. Iilornte o Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
0 mesoio. Informe o Sr. inspector do The-
souro Provincial.
Victorino Antonio .!e Alcntara.-Entregue-se.
mediante recibo.
Secretaria la Presidencia de Pernam-
buco 26 de Julio de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.

!
seojiurtio li Polica
2. seogS. 888 Secretaria de Po-
lica de Peraambuco, 2'3 de Julho de 1889;
Illm. a Exm. Sr.Participo a V. Exc
?ue Cora hontera recolhidos Caaa de
?etencAo, os seguintes individuos :
A' miaa qrdem, Jonquim Barbosa, de Moraes.
conhecido por i'ero Zungao, proao e;n Prima
< vera do termo da Escuda, como criminoso no
termo de Tacara'.e na Russinh*
A' ordem do subdelegado do districto da
freguezia de. S. Jos. Alexandre Francisco Ger-
' vasio. p ir embriague* disturbios, e Jos Tno
maz fus Sanios, por disturbios.
A' ordeni do do Io districto da Boa-Visla, Joo
Antonio I .Lira e ntonio Francisco dos Santos,
por disturbios.
A' orlem do do Io districto da freguezia de
.Nossa Sealiera da Graca, Antonio Figueira Ta
Tan- tao ce Albuqucrqne, como
vagaban.u: Maximfcno Carueiro e Demetrio
Tavares. por disturbios.
Bootera assum o exercicio do cargo de sub
delegado da freguezia de Suato ntonio o cida-
dao Autonio Herminio de Seuna. na qualidade.
de 2" supplenle.
No da lo do corrente assuraio o exercicio do
cargo de delegado do termo do Altinhj o alferes
Jos Ntcodi mas de Pontes, na qualidade de 1"
ampente.
O cida lo Elysio Tavares de Mondonga I'ugas.
communicou-me ter no da lo deste raez pres-
tado ju rameo Ip e assumido O exercicio do
cargo de subdelegado do Io districto de Vioen-
cia. do termo de Nazareth.
Anteboniein. pela maulla, no lugar Sertozi-
nho, do 2" districto du freguezia de Nossa Se-
nhora la Graca, fo encontrada mora dentro de
um poco u.i'mu'lierde cor preta, que reconhe-
ceu se ser Sophia Muria do Espirito Santo, alli
moradora.
O subdelegado respectivo, lomando conheci-
mento do facto, mandou transportar o cadver
para a capella de Betem e dahi para o cemiterio
publico de Santo Amaro, onde coaiparoceu hon-
tem, a tarde, o Dr. delegado do i' districto da
capital, acompanhado dos Urs. Jos Flix da
Cunta Menezes e Gama Lobo, que procederam
compelenle autopsia, declarando essea facul-
tativos que a morte fra proveniente de aspbi-
xia por submersao.
Procedeuse a respeito nos termos da lei.
Deus guarde a V. ilxo.illm. e Jxm.
Sr. Conselheiro Manoel Alves de Araujo,
muito digno presidente da provincia.O
chefe da polica Geroncio Dios de Amida',
Falcao.
thesouro Provincial
DESPACHOS DO feiA 16 1) JUJjHO DE 1889
Dr. Ferrer. -A" Contadura.
49 -
Bach re Zozimo Zenaides da Cmara Lima,
Jos Teixeira Osario, oflicios do Dr. cliefe de po
licia e do corpo de polica.Informe o Sr. Dr.
contador.
22
Miguel Pereira de Bri'o, Hara Helena Gaio de
Miranda. Manoel Antonio Toixeira e Generosa
Mara da C loceica. Informe o Sr. administra-
dor du Recebe loria.
I.ollectorias de o d'Aliio e do Cabo Ao Sr.
Dr. contador'.
An'oai i di Lima Yasconcellos.Baja vista o
Sr. Dr. procurador ti
Vctor Neesen e Gregorio Thaumaturgo de Sa
Leito.informe a secgo do Contencioso.
Ilecelicdoria Provia?ia!
HC8PACBOS DO DA 26 >;; JULHO DK 8!
da Paz, Antonio Ignacio Pereira Coeibo
e Le i mino de Castro Leao.Informe a 1"
secgo. f\
V: rio Doiii infehne i.
I* sao V i : i
AlVOt id :'. .. i. 6 do 0 lUSO 'ai:
Joaqun Pires
sobr lico d Jo q n ires da
Silva.
Ole- Cuvallio Neiva.A i*sec-
go p ra atte .
Sa'i'ii-t Monteiro. I joparaosd
Ros.
Dr Mano.'i E. do Re. V Ortifiq
Bogene Chaiine.Inf ira

Xo^ifi:.i do norte do Imperio
-
So lia
S. A.
Sr. coaei ; a d i
l'iv
appfeas luus
I a neste.porto, diz o
Dktn >. A. iio^u- ::io va:
por
O p.HJU
nhia fall. 1*4MV'' '
a-a^ehr
brazi
: do paqe
i- na : !t :
lido d'eale
.
iu ouze f :
-, e tima ou dnas mortes
I
E.- o c i i|ue tilho de um inqualificavel
aboso, para cujo autor seria preciso severa pu-
nicao.
Sob 0 numero \t. mbarcaram os negocian-
tes Fernando raes, urna cana com des-
-tino i, o despachada como cerniendo
fazendas.
iam drogas, pbosphoros,
etc.. .bruiho cum perto de o kilos de
poh com m f, para evitar o
pagamento dos direito
na-
. A b
por,
porto d
ve!
au..
fo:

em qm
nefriu
te
h?vava a reboque, otitros correrara ao leme para
encalhar o vapor err. ten -icia
e presenca de espir lo dnonmandante Malhei-
ros se dfive o restab de -ment da ordem.
Foi ento que si presenciou o liorrivjl es
pectaculo, de onze victimas, al mimas hnrrivel-
mente queimadas, que gemiara esmagada! por
atrozes dores.
O commandante procurou prestar-lhos soc-
corros, o que s cor ieguio em Codajs onde li-
caam alguns ferido-, tendo outros regaessado a
esta cidada; onde, ni porte da Recdradoria Pro-
vincial eneontramo- un pobre homem todo
qualmado. quasi agonisante.
O navio ia incendiando-se, e teve avariaa e
prpjniros cansados pela explosao.
Toda a Micida-k foil nao ler a explosao se
lado no porap, pm.ie o fogo se propagando
aixas de kerosene v outros maieriaes, loria tor-
nado impossivei a sclvac-ie do navio e de tantos
passageiros.
O facto qae-om descrevemos, A <\a urna gra-
vidade a toda prova, e cumpre que mediata
enrgicas obstenv r.'prodacjao .Ceile.
0 procedimento da casa commercial para
ubtrahir-se, criminoiamente, ao pagamenlj] de
mais meia pataca di? dreilos e fretes, p6" em
risco a vida de eentt as de passoas, nao pode
ticar irapu.ie.
Esperemos as p'ovidencias .
L-se no Comnu'rc'io do Amnzonit de 6 :
No departamantj de Loreto acalia de ser
barbar mente assassinado, segundo nos reteno
honlem um cavalheiro estabelecido nosta Cap
tal, o cidadao brazil iro de nome Carvalbo de
tal.
Carvalh, chei de dignidade por ver o sea
lar deshonrado, n'um momento de colera, alias
justilicada, assasinoil o autor da ?na desho
qne era um cidadao peruano.
Sabendo do fac: o prefei'o de Iquitos, en
viou urna estolta pura ;ir8d(roflosso c:n
Irioia, e cora ord da o leva^rt^fcaou mort
# A escolt deu firl exe -r/rr^a (ITor 'eft. sen
do Carvajno victima da ferocida\*e_da ildadesca
peroaank
Lemos na raes na folha de 10 :
Acba-se em nosioescriptor o urna carta, da
lada de 3 do crreme mes na qual a victima de
um brbaro esptica Ciento fe.ito i corda de lacar
gado e malho de fer-o, pede a proleccao da jus-
tica.
E' a queixosa nnlher de G-raldo Monteiro
Cardoso, fazendeiro aa Una da Paciencia (Sol-
mesi e o criminoso seu proprio marido, homem
cruel, que vive ordinariamente embriagado* e
foi um dos mais feroses adeptos d* Cabana
geni.
Esse crime foi f erpetni'lo no dia 29 do raez
passado, em presenra de duas testwnunhis e
hoje muito p rotare I que a victima delle. visto
o estado em que Hcoa e haver intenfAo de ma-
lul-a, a sobreviver ao espuiic.mento, ja nao
existe.
' Em outra carta, pe j deve estar nas mos
da polica, revela A queixosa ler scu marido as
sasainado, a pancada tambem, sua primeira mu-
lher, de quem guarda n'um caixo os ossos,
com elles muitas Tezes commettendo repugnan-
tes sacrilegios.
Chamamos para estes fados toda a aUencfto
da polica, de quem lomos desdeja a disposi
cao a carta que para esse li:n nos foi con
liada.
Estava assentai a -a c m li! itura do Bar.o
de Manaot, pelo 1/ districto, apresentado peio
partido conservador.
Purj
Datas at 16 de Judio :
Lemos no Diario i) Grao Para de 10 :
Sao gravissimas as noticias, que nos forana
transmitidas da vil i. de Ourm.
Apenas as autoridades policiaes da nefanda
situaco actual assimirim o exerciejo do-res-
pectivo cargo, comecarain as correras contra
os pacilicos cidadaos da localidad".
Os odientos e malvados reguos de aldeia,
arvorados em autoridades policiaes organisaraui
urna cgala humana.
Os ddadaos qu.; nao puderam fogir, livran-
do-se do cerco, tecm sido maltratados na ra
publica.
Foi arrastado ao carcere o honrado cidadao
c digno pai de familia, o Sr. Quintino.
Este pacifico cidadao eleitor e o Sr. Da-
nin, vice-presideule. tem mandado ordem, como
parece, para que sojara perseguidos barbara
mente sobretudo j^ ''-llores conservadores.
E' preciso cai.ucur a pk-iteur as eleices
desde jal I
As familias dos conservadores de Onr.jm vi-
vem em completo sobresalto. A cada momento
ibes chega urna noticia lurrenla, fatak
Apenas o cliefe de familia ausenta-se de
casa, quando esta nao rarejada, e a polica co-
raecu dar tiros, [ara atrralos !
Estado de cerco e aportado- eis a rondico
adoal da pa-tica villa de Ourm. quando os ci-
dadaos viviam timbra da situago conesva-
dora.
Nao nao pl? dorar no poder um palfl'rlo
. limigo da libetda le, da tranquillidade dos
cidad
111 de cahir bcn cedo cob.Tto das maldn
! is as elasses la socrda le.
Que selvageria O habitante de urna villa
civilisada como Ourm preferir viverno matto
como as Ceras, ; \ a isso agrada ao Sr. Dr. Da-
iiin eaoSr. Dr. Thcm. chee de policial
Nao pactuasseai elles e un os raaiores alten-
dariam.
-7- Suicidara-^e Sara liosa, no da 7, em cas.
da viuva Maria Be vey.
Cootaram-nos. du o Dwrw do Groo Para,
que Sara apaixonara-se por mu soldado i i 18",
paixao -Vi que lev ida ao conh -c: n into de Bem
viftda, sua mai, o da viuva Bervey, sua rna i-
ttha. ranada.
D am rgaraa en i- da infe-
! su I dar e l na-
p pa j con rao do i
poz t.-rino a vi a.
li'ilia lo annoe apenas.
3lar-:tn.*
Datas al 18 de Julho.
ivi .ca que
Dorias at 21 '( lomo.
i mi a
c
acero tan
1
i
- I. nos no !G :
II'
Bn .
- .. ._.. militar.
^ a
chapa
Accrescenfa essa folba :
" F' nmacilada. segundo se|
cheles liben 's pre'endeO^^H
res. por isso bom que eajj^^|
an'JS de votar.
Se for exacto tal procedimento nao tem qua-
liticanao.
Nao digno que esreja esta provincia em
leilo.
: se no Conservador :
ibata da communlcar-nos pesso-"
dignas dacidari de Civaapina
II hora* da ne-
g capitio Clemantino Ganes
to profetsor duOIm dai^^BH
se da casa do tenante Ji
jo para a sua fra agarrafa!
com o deleaado de P^^H
fonso de Azevedo. o S^^l
colhido cadeia, sem que o
aseo praticado a mais
mnima nansa e
11-
rtrind o
1p Ario
Bhvda li le-
^ e re-
UBigo oa-
-ve fracto da
.-nmin
olhida- a alfand--ga gran le parte
dos saivalos e a-J5 deste cotnecaro i
^K1 P0lle- fo' '' tlieatrq di-
na, de que poderla resultar
gasas eonsequencias, su nao fra a ndole em
geral pacifica do nosso povo.
nigrantes que trabalho.m para ser soccor-
ndotpelo governo, reuniram-se todos a porta do
delendo de polica que tambem commissano
e onle costuma ser frito o pagamento, que nao
a ha mais de seis diasl! Seudo j
sete horas da noite, alguns dos emigrantes, em
natural nente de desespero e vendo que nao
T'ctuava o pagamento, joiraram algumas
pedrada para a casa do coininsario, c'como-
cou enifaum pequeo turauHo, de narte da
- queroi-ria, e de oatra par qu* travo i
conflicto com algumas pragas de polic.
As pobres mulieres refugiavara-sc a i
BHtos pblicos, que faehavam
toas portas com receio de conflicto, e |
i serenada a tempestado e procura.-mi,
Semelhante violenciajiratic a uaMtodi- tristes e cabisb :xs seos pobres ranchos'
lao qualificado, revela bem o surge repentinamente um novo grupo de p:
xaftagfio partidaria da? autoridSj iaes fcarmados de espadas e sabres, espancanda bar-
de Campia Grande, onde se
del las no carcter de delegado d
maceutico anarebista, lia pouco
sado e pronunciado naquella o
me de tomada de presos, d que
accordo da Relacfn. annullamlo (
inobservancia deuma fonnaliil
importancia.
'o Exm. Sr. presidente da jfJjvincia cabe
providenciar em ord.-:n a garantir a pro;
de, houra e vi la de nossos amigo*- d
. a aeagados de iguaes ejgajoie-
catos do respectivo juiz de direito o c
tle Oaslo, do delegado Ildefo
mora Rozendo, que j o
m'rias na comarca stb a prv.-
autoridades.
areveoir que punir.
PO
I
Xoleias do sul do> imperio *
Pelo vapor costeiro (ia jCompanhia Bahiana,
hontera cnegado do sul, Wemos as seguintes
noti'-ias :
Sergipo
Halas at 18 de Julho :
Assuinira a, a administrado da-provincia o
Dr J'Tonyino odr Pereira.
CORRESPONDENCIAS
S>o Dltirlo de Pernambuco
RIO GRANDE OO N03TEnatal, 23
de Jul- o de 1889
F.m odia 16 do cofrente ten lugar a abertura
solemne da 2.- sessao ordinaria da asseci'.la
provincial, estando pr -' Srs. deputados.
dos quaes 9 sao onserv-ailore.-, 1 rnpublitano e
li liberaes, faltando,per movo de molesliaj.1
conservador que nao poude comparecer, e para
ser reeunhecido o major Salriano Baptista, lti-
mamente eleiU) e tambem conservador, o que
vira elevar o seu numero a II.
O Exm. presidente da prvida, fezal'un
de seu relatorio que elle proprio deoorainou de
tres das, referin.lo-se aos de seus aateaessores
e do pouco qu- disse, s de nolavel deu non ia
de ter aberlo um crdito de 5:OQt>000 4 verba
soccorros pnblicos. ter reintegrado o adminis-
trador da nie-a d.' rendas de lossoro
em 1883, m uterinamente para exercer
o cargo de chefe de polica o Dr. Uotlanda Ga-
aleante, no impedimento d* eectivo qa por
enfermo deixarao exerocia
Rtirando-se S. Exc. com as formaiidadss do
estylo, oceupoo-ae a as-embla. cooi a riQeaoda
mesi eft'ectiva, tendo sido eleito pp' ***. lie por
maioria apenas de a votos o*Dr. M^if Bran-
do, e 1." e 2. es rs. Carvall i S.-uae Guirna
r&es. W"
No oa seauinte (17) aiodi se oc.-iipon a as-
semblen da eleicodaa commistes permanentes.,
procedendo se a leitura da redaec/ao do orea
ment provincial adoptado na ultima sessao,
sendo dispensada a mpressto a requerimento
do Sr. diputado Fabricio Maranhao.
A 18, por occasiio de. ser totada delinitiva
mente a redaeco do referido, orcamnnto, o Sr
deputado Jos Bernardo re.quereo^ne to-
bara e brutalmente a inermes mulheres, homens
e at criangas!!
Foi uoia seeria'se'vageai e brutal, q'ie i.npres-
sionou dolorosamente, causando ndignacao a
quem assistio semelliatite barbaria.
Dais larde percorria as ras da cidade o Dr.
Bhefe de polica interino, a -ompialia lo de mais
de 30 i:-a;;as de liaba, lijando d ;) lis deste ar-
WuKutho bellicoHo, postados em frente a casa d i
lelegado de polica, qu pareca um quartel OU
amento militar !!
' Cerca de 9 lionas da noite, est.;va restitl
calma a cidade, licando muito; i'en i i;
rivelmente maltratados e espancados, e a
maior parte sem receber o seu salario, que Mea-
r at a hora em que escraa'inu3, niio : sabe
para qnando .
18 de Julho de
anual
a na--forma
mil
i
*U. A
- it.
. ;n : ' *%
d
.. 0 I O I
le Alen-
res.
ao corpo de delicio
ias.
L i,:nia follii de 17 :
iria ero
;
Ite.
Vimos doiainumio firmado por urna autorida-
lt ieclaun loijue no lugar Petitingaj
- littcralmotltc i fome

"uto nja
lemanda as mais
ia? da par!
ICO. '
lio <;'nil<- oNorto
Julho.
Parabyba
faino.
po

Rio.C:
al a votaco e prooedendo-sc
do regiment, foi aapnvada ulfcninvmcn' -. Na
sissao de 19 eria hora do expi i apon
a tribuna o Sr. d.-putado commcndadr SosoG
vasio, que justilicou um pedido*dinformu.'i >
sabr os graves Mentados de Catguaretama
contra o Dr. juiz de'direilo. salienwrtlo a escan-
dalosa nrotecgo desenvolvida era favor dos cri-
tninosos, qa passenn impvidamente as raas
lesta ci|iiia', frequeuiando opaaejoda presi-
dencia, ignorando o publico qual onsultado do
nroceaso instaura lo pelo chefe depolicia D-.
G tiran %
De fado, nerasiquer o relatorio que deve ter
apresentado o Sr. chefe de polica, abre e*tes
acontecimantos, foi publicado nafo|ta oflicial
qu- se publica uesia cidade,'flcaodt prtame i
ludo nos trevas.
. Por occasiao da a presen taro deste requeri-
mento o deputados l:b Taea liandoiriim a as
semblen, licando apenas na mesa o pij^uente e
l. jecn ta la o Sr>Jo
| ||erilli-'i).
verifi lun-ro legali Foi pre;
;-, ,i ua cal -ira pira
11 uler ao 'i:- urs i do Sr. Jospomsi
i, pois, os gov lispondo fle maioria
na asserabla e usa 11 > do recurso da kared.- !!!
"extraordinario p original isso III
Estao definitivamente rompidos o ar; Aroiro
Be2 irra com o s"u preposto tenpiite-comnel Jos
11 este com to i -; i- ias
for-as i Dr. Mi.id Gjstro, : i
tra'a qail ule o 5r. \i'.nro, qne
retal o i 31 de .v fosto.
Em consequencia desse les rcordddfivis
la |ue o -r. Amaro 13:/. pBW
' )s da p-)\i;i':i:i,coin o 01
tniW de optar dep lis pjr u:n elegend pe'o ou
tro o seu eandid
Nc acreditamos em s^melh ote bravata, raes-
no ; '' loorte
ima/e tora do Sr:
julga o con-
S. S. na revolta de o
! i i!) i
o resal .da esta
lia.
i |ue I .
nai e ." di

ati-a
luidas.
" l^'l#-
i ttclrp^rc

.. s
Exc. pai ce indilf-'t-ente ; tu
ta que Ihn
O OOl ..il'l'elO.
. !
qne a commissao dHfoir
rr> da lao menos de 80 eneres de
MARANHAOs. liz,
1889
Venho hoje completar a miriha ultima corres-
pondencia, escripia muito as carreiras pelo que
ine escapou tratar de diversos factos dignus de
nota.
Copio viram os lei lores, da transcripeo que
fiz ento de um artigo da Pacotilha, orgo do
prtale libera!, muito louvado foi o Sr. Dr. Me
reir Alves por ter conseguido, o que una
grande verdade, implantar a paz na celebre co
atarea do firmaba. Pois bem, o 1 vtce-presj.-
:" te, mmadiatamente depois de assurair as re-
da; :, trago desmaticliou ludo quanto
o ex-pr..-! I ;ate llzera. para entregar todos os
cargos nr m dos desorioirosd'aqoela trra,
flliadoa ao partido liberal !
As autoridades policiaes e o promotor ultima
mente noaados so capaz -s d- tolas as cora-
gens; cdnPtdles s os qne o Sr. conselheiro
Gomes de Castro co no para l tnaudar n
lempo era que demiuonnesia provincia, as ad-
miUistriQfjes Vivaros, Bandeira e Jos Bento de
Araujo.
Aiuanli o Ilustre uro-ba c*. estar re-
Blamand i em Pavor d i paz. quan lo os seus ami
estiverem ;> irse lid is p r L 'So S da, eoino
em tavor da paz reclamavam os liberaes qoa
eran) vergasteado? por Araujo Costa I
Mas isso una c.ou-a in-upportavel Nao se
po le entrenar assim os destinos de urna comarca,
a vida preciosa de seus habitantes a sanha feroz
de dous reculos de aldeia !
O Sr Gomes de Castro, protegondo Araujo
Costa e daii-l .-lii" toda a forra quando tem o
i,o.ler as mftos, eo Sr. Barfio do Grajab, pro-
esmo modo em relaco a I. vi i
Se da, faltara -ios seus mais sagrados deveres de
Doraens aablicos e chegaui a nivela:- se com es-
ses dous capangas eleitoraes !
Has, erniim, elles que se, arraogem como po-
derr:i e. mais larde, quando. de novo, o Ora-
jab se transformar em um lago de sangue.
que i ousultem as suas consciencias e digam so
hre qiem d -ve em ultima^analyse, recahir toda
a culpa I
O Sr. Dr. Horeira Alves enconirou, como
sargento do corpo de nolicia. um individuo de
no ne Honorato Lopes Castello-Branco e leudo
d'elie as :uelhores informagoes, sabendo que ser
via asee posto com as metnores notas, havia 18
anoos. nomeou-o alferes e fel-0 seguir, em oc
o diffi ;!. para o Godo na qualidade de de-
legado de polica e co-amand.inte do desl^ca-
mento.
Ah procedeu setnpre do -nodo m-.is correlo.
'msojjra.-lorcs e lili -raes nao cefeavam de fazer-
Ihe os^aiores elogios ; mais tarde foi enviado
para o Grajah, onde, continuou a cumplir coa
a mxima lealuade o sea llover, pelo que foi ele-
vado a capitao
Quercm os leitores saber qual o procedimento
que, era relacfco a tao diurno funecionario, leve o
Sr. II rao de Grajah ? Exonerou-o cora a maior
lesbumanidade, deixan lo-o n'aquelle invio ser-
t* sera recursos para voltar c tudo isso porque
Casteo Branca nao pertence a urna certa po-
nellinha !
O noraeado para substrtuil-o um homem
doenlissimo, incapaz do servido ; mas dizem que
bom liberal, e Castello-flranco nao tem ligacpes
polticas e creio mesrao nao ser eleitor.
Fallei Ibes cima em piartlmhae Ihes disse
urna eoosa exaclissima.
Emquintoos parentes do Sr. Biro de G.-a
j li v';o apparecendo o dominando^! provincia e
arranja'.do lodos os os-os, elles que nenL'jm va-
lor team, liberaes Ulostaea como os Dr.-. Vianoa
\:/. abio tais sao escurracados!
E' raro o i a lindo l qae apanlia agora um In-
dio que u no Ribeiro, e o oobre
B;'i de Grajah chamou-se n'outros tempos
Garlos Perajpndo Ribeiro...
Te a llovido rauitas detnissoes de promoto-
res pblicos e. na Secretaria da Presid ocia,
alera de d lixaraento de categora a
alguns dos ewpregu I >s, d'i ntre os qup.es o Se.
Ariur Eswerton, que passou de oflicial a ama
ge, sendo, entretanto, um dos empregados
s habis e bem procedidos da repaitico |
i )1 !
O i>-. BrunoJans tudo quanto .
-i-valores nao teve pejo de, no
nwsnto (lia em qu assnmio o exercicio de chefe
ile polica ratera demittir a dous empregados
inactiva secretaria I
l lo para subs ituit.03, sao Rib
ou quasi Retiros! .
.'.osa familia !
j G ajali d :-
E' preciso dar urna l'atia, pequea que Veja
faiaiin I
permiUam os leitores q;;e posse a as;
liasoes tudo a-.-.-ia se
iido se na de fazer.
fdr o sen
/Jo. Os Rib

nao
Sus
e a to-;
acaba de com
B que
agora coBjp foi no
foi nomeadb juiz Je
atete
, i i- d
. ;,. e O di
r a ft

cacntawi.)-' eorig
tivos. enm o limen ico
r'.zem o
no de ["/ i /eneros.
sob respops lando se fa-
ro engulir
- -
'
'.-. Danta
i irca de Rlachao o Dr. Casi
-rara qua-
li'la..! rgo ;
que lem par., os liberaes d'aqui um grande
rico de S ta de
om Bcus e o Sr. de Grajah de oatro.
a queo Hlho deste velho titular, que su
acha actualmente na corle, serio candidato|pelo
ido alijado 0 Dr. Via i:;a Vaz.
Riacho pertence ao 6o .districto e o novo can-
di ; de eja sem duvida collocar l um cabo di
z de fazer com que jeja cumplida a
promes.-a do camaradtnka, que nos goveraa, de
eleiyoes.
O Dr. Casimiro uo poda servir para tSo ale
botado lim e d'ahi arraajac o Ilustre pimpolho
que o Sr. Candido de Oliveira (elegraphafsse ao
:s i litro, quando o go- correio para que fosse devolvida a corre-
a 140 rea I it-ui Rancia do ministerio dajustica na qual ligurava
pro'mptae irai.i -oiafafl -aco do referido Dr. Gasimiro,
ivaHP
sao
rtam para os

-o.
insta que-na reunio repblica
a 11 do corren:
andidatura do Dr. Pedro Ve
ijaraobao. pelo l." districto, o do Sr. Jo.-
-"
ios do Rio do Fof
ca. naufragou a b
Greemood, procedente d^^^^^H
gamento variado.
lecrelo ? Se o for quaes os
| Bptivus que poder o Sr. Ministro -la Justica a!

; ira justificar o seu acto perante o impe-
rador
Nao ha duvidar que b epocha dos escn-
dalos.
.Contra as mais expressas determinaedes de
le, o Sr. Barc de Grajah mandou tornar sem
is pelo seu antecessor de
raeinbr s de guerra para julgarem
me se diaem agora
uistar alguns diplo-
mas de depjlod03 para qtiatquer Rfbro .'...
Islo um cumulo ?
Consta que o liberaos j assentarara na
chapa que devt- ser apresomada ao eleitorado
para deputados geraes, fazendo parte d'ella tres
8obrinhos do Sr. Barao de Grajah. Foi excluido
o Dr. Vianna Vaz.
' Sobre a adniuistrac/io Moreira Alves, en
contrames no Diar do Maranhao as duas locaes
que copiamos em seguida e que sao a prova da
justica que feito em nossai nuasivas :
S. Exc. o Sr. Dr. Moreira Alves. depois de
entregar a a !ministrac,4o ao Exm. Sr. Barao do
Geajah. foi 11 do governo.despedirse
dos respectivas empotrados, agradecendo Ihes.
n'essa occasi -Itnente commovido, a leni-
dad.-; e z.do coa que hav.ai] lodos dosempenha
do os seas doaHs.
Agradecendo ao Cutre ex presi lente mais
esta prov-.i de lelicad-i, o Sr Augusto Aranha.
o secretario ini | ates palavras :
Sr. presidente : -Os empre-ados de secre-
taria do governo, oto loaos impulsos da
sois coragOes, veem, pea voz de seu humilde
che'e interino, teslemunharfa V.': Exc, n'eate
momento, em que deixa as arduasfui >:'
primenu magistrado da provincia, a gratido, o
recoaecminto de queseacbam possuidos pelas
attenyci que sempre liivs dia-pensou V. Exc. e
pelas provas de estima, que sempre Ihes deu, j
odoio amigo, j como seulegilimo e mui digno
superior.
A vida do funecionario, Exn. Sr., omaestra-
da, as rezos semeada de esayihos: mas oflarece
tambem trechos ccessiveialp
Xa jornada de 28 de Abril do nono passado
at hoje, liverara os ead da secret;: iaj
do governo a ventura de percorrel a livre de en
travs. E .' por vo qflfca. 6i>
pronmaiae.iite ligada a V. Exc. unida pelo
a o enaejo para
a V Exc. t", quenf^pera o p:4 asiicoalados
servigos c v.uo um de seas lho
mais capaces de evat-o s raaviroj
Ergnou V. ExCfjpor suas -ropria (8Bcs. ra
altar m nossos coracOes e ah, a'esse tapir:!a-
culo sagrado, Taremos racessanles votos pela
paz, pela felicidade de V Exc. qiv so digs .
acceiUr, n'esta solenne occasio, nossa3saudo-
sas despedidas.
N i ultima ^-iu) que, no mez de Junbo pro
ximo passado, effectuou a mesa adnjini
da Santa Casa de Mizericordia, o S.-. Dr.
aba, sendo muito apoiado pelos irin i o rasen -
"es, propoz que se consi-" i-; i na acta u n voto
d* profuHda gratido ao S;-. Dr. horeira Alves
pelos relevantes servigos pai S. Exc. prestados
a pia iiisiilmc.uo.
O Sr. u decl na
: pelo ex prov ir a Santa Cas I
clarando iooj a maior fraaqueza
i n3 -i- ,:.;.. --., n; la a looi-
uUtracao desta provincia ura cid midoi'
empenho tnoslrasse era levantar raststu!-
gao,nuic ramp iro la p ibreza de lila, e que.
a atrav ssando urna |u vira re d '
Es 3 protijsta f i appra a la por uaao
fot 13.
O Sr. !): Moreira Alvi b agradecendo, i
muito os bon? servigoi res pelos i
seus col ii --a. a quem unicame
i ter --i itado a Sa ita <'. is i
de Mizaricordia do abaliraeate em qu i juna, ca
li :: lo a S. Exc unieam ote a
a ad i, o qu se ra iadau tran
na acta.
Em outra seceso deste jornal est pool
o muvimento dos Hospitaes le Mizericordia por
on le se v que real mea le s msivel a di
ca as despezas feitas com a Sa ita Cas. da Mi-
sericordia nos diis ltimos semestres.
N i -.- nestre que acaba do lindar cons _oi i o
actual merdomo Dr. Sardinha fazer urna
ma de G:827iiS tendo gasto meaos meiaJ
<:7.,: i -iia no 2" senwetre d i 86-S.
O Lyceu Maranhense leo ue tes ltimos
ti-mpiis desudo a oitima degradac&o. Por de-
fronte l'-lie nao havia pessoa siria, inrlusive
seoli iras, que pod wse p tssar seui s t aiadu e
o director, am cottigo Daraasceno, nunca se
dignoo de pedir a menor prov: lea :ia em ordem
a pdr un paradeiro a este, estado de copsas.
Havedo reclamacOes e teodo verificado a
exactido dallas, o ex presiden!' ria provincia,
por portara de 2a do mes passado, eX
uo cargo o referido conego, que pode ser un
hornera capacissimo para tudo, meaos para di-
rig: uui estabeieoimeiito como o I.y
|) x-director veio a impreasa descomporo
presidene, e, anaal di coalas, .confessar lodas
as faltas de que que era aecusa lo !
Eis os termos em que concebida a portara
de demissao :
Sendo freqoentes os factos de indisciplina
praticados no Lyceu Maranhense por parte dos
respectivos alumnos, que. por sua conducta ir-
regulao*, deixam ver claramente que no dito esta
li-le-im-ato nao reiium a ordem e o respeito
iadispensaveis n'u na casa de educacio ;
considerando que o primeiro responsavel por
semelhantes factos o inspector ta instroegao
publica, que, em re de erar pelos creail i la
reparligo que Ihe foi confiada, demonstra, pala
frouxido de s;us actos, iucapacidade para di-
rigil-a ;
considerando que as oceurrencias ltimamen-
te alii dadas e de que foi U-te ounho o publico
desta cidade, exigeni da autoridade superior
providencias concernentes a collocar o Lyceu
Maranhense na llura a que lem direito e que a
sociedade reclama;
o presidenta da provincia fesolve, por todos
estes motivos, exonerar o conego Dr. Leopoldo
Daraasceno Ferreira do cargo de inspector da
iastiU'-co publica e manda que ueste
se Tacar as devidas commj-.iicacOes.
- Seguem so vapor Alageos, que levar esta
caria, paraoAioGrande do Norteo r.Eneas
Cartilbo de Vasconcellos, promotor publico d ,^-
ta capital, para Pernambuco o Exm. Sr. Dr. Mo-
reira e sua fonlia e para o Rio de Janeiro a
Exma. Sra. D. Hertencia Barbosa, mai l'o Dr.
Arthur Moieira, e conselheiro Jos Aso.
Cosa Ferreira, que vai tomar as i supre-
mo Tribunal de Jusliga.
S. Exc. deixa aqu, ond iueexerceu
por muflo lempo aju.. as mais vivas
saudades e o molbor nome.
Mais algumas briJbantaras a noticiar aos leito-
res e essas praticadas pelo governo geral.
Pvram mudados o inspector da thesourard i e o contador, empregados zel
;
ra ooas ribeiros qne ; anda l por
Foi demitiido o secretario da ca pilan;! do porto,
tpital por
algura desejamos r
i no. alo bom cabo
CClO,Stl
_tol
Tratai
j% i p cto do
Si. Ma.ioel Gom.- ra veto ene
i3 claros do nosso systema de eolov
. lo o cama i I
geiros e nacioaaes, intereeses anida
dos convenieoteni i o aspecto eccnomico,
eaa so.- com a agricultara, a
industria u o commercio.
O plano dos burgos agrcolas acordar a rovo
cicilica do trabaiho rural, estabeleccndo
possantes conentes entre o colono e o solo; eu-
. o colono c a industria: entre a indus-
tria, o colono, o solo e o capital, realizando em-
llm o ligamento forte, invencivel at, d
instrumentos da produecao cem o agente que
dellcs se aproveitar.
.los em grandes moldes, o? burgos agr-
colas viran ensinar a nossa agricultura desnrga-
nisad-a, litubeante, piethorica de usos rotineiros.
uj problemas modernos da asso'-incao rural; da
garanta da pr ipriedade firmada no trabaiho e
na economa : do crdito rural; da polycultura;
da differenci o de orgaos enh'e o trato do solo e
o amanho industrial de seus productos; do'apro-
veitameoto das ragas zootecbnicas; do equili-
brio da grande e pequea prbpriedade ; da in-
struccSo agricolamratica e thednea ; da frugali
dade danda do camp -endo enrgica c
Pira a realizagSo dessa obra estupenda, o es-
tado concor.-e com o auxilio de quatroceritos
contos de ris oor cada mil familias, mas s-
mente depois de localisado o colono no burgo,
senjjjb a cargo da empreza urna enoruiiss:ma
despeza preliminar, calculada em mil e -qui-
nhentos contos, com o servigo da propaganda no
estrangeiro, passag'-ns dos immigranles, com-
pra de cincoenta milhes de bragas quadradas
de Ierra sua divisao, e clemarcago. planto de
cinco mil hectrea, vveres, instrumentos agra-
rios, ammaes para os diversos mistere3 dos bur-
construccao de mil predios.
0 plano dos burgos agrcolas ludo conciba :
prosperidade para o estado, recursos para a em-
preza. vantagens para os colonos: ao passo que
s contempla individuos affeitos vida rustica,
lindo a cada familia, composta de tres
membrospelo menos, urna data de 19 hectrea
oe extensao, com tres partes arrolealas e culti- I
yada n ijoarta, casa ye campo de seis metros de
face sobre dehesis a vinte de lado, mobia, m-
Btrumcntos araiorios, sementes. vacca leiteira,
porcos e aves de terreiro.
De posse de todas estas commodidades o co-
lono ob-iga-se a ir fazendo prestagoes aanuaes,
em lempo determinado, cerca de cen i vinte
um mil quinhentos mil ris a cvnto e oireata e
dous rail e quinhentos ris. ,icando com o do-
minio da granja depois de oez anuos, a contar
de sua instaflago.
Seria este um contracto leonino, inquisitorial
mesmo se nao estubelecesse duas clausulas : a
renua.ia h rlade por aiienagSo, ou mudanga.
e abandona,por c.u;a de morte de me::.oro d
familia.
n -Jos bancos d quinhentos contos deca-
pital cada um, dos quaes a empreza suuscreve-
eis ilecimas panes, c as restan'e% os colo-
nos, que sao lonislas natos, pod.ndo
aes es'.air'ie -imentos elfectuar operages de
into, deposito, emprestlmo soore penb;.r
burgo respectivo, com duas
4> seguros, ama sobre a rija, outra tonina a.i in-
lempertes a beneficio da ^oilieila pendente, cada
colonia pera dotada de pharraciu, igreja esco-
la, bibliotbeca e correio.
Jira traeos geraes esia a Orgaoisagaodos
burgo a ia pe o referido Sr. Go-
mes d'oiiveira, s;'iido os mesura burgos em nu-
mero de 20, distribuid .? f>et>.s prorinciai do
Para Maranhao Peraarabu-o, aiagis. Babia,
Uo Santo; Paran a Santa Camarina em atil
pira cada urna; pe Min mi ua-
tro i.lem: e pelas de s. Puulo e Rio-Grana do
Sul. em dous idem. #
Esle^ novos centros de actividade, reprgen-
mlagao prodoc ira, d i iessebi
i livi lu is ;.; ivos, lab iri q coa,
liio de -. :;- ilver a iramigra^a i u .; -a, a
i ode ser
es ii ssa r i I i :- elementos : ,'... ...
pital." i: radori itrab illio.
Tud i -' p i i" tmo-i .": br >s bar-
ios em : uas diversas
- Q ';; concluso-. p venin-
as i:C 0 \
1 igmen-
. ':. li es dasvren las pubi: i
Xo -r..; d 1888 ; i ..... ." i el i p c!o do
sul .o a US *' seu
valor oieial.
O Esiado Oriental depois da Inglaterra -o
.r.-..- ra : ir forn cedor, tendo nos a o no
i-.-'.-ri.! i auno gneros no valor de 19.670:6 7
A Franca ni de l6969:9i2JH0.
' A Ahemanha ao le 13 :oi:083C0&0.
A Repblica : ia uo de 11 0J9:!9'J0afc
E Portugal no de 8.i7:ii8O'J0.
Poh leficienl m-
gio nao lia mu i disse o jo Zom-,
'. pi d indo com .i |ue temos a respeito mal
er-se a entrad e sabida de iramigrantes
pelos po.rtos do Rio e'Saulos.
Do iiura -r: de colonia- e ncleos e -; mies,
popalagao rea cultivada e na >, gneros d col- .
tura, movimento de imp^rtaco u -xp iragao ede
is minifestagoes da actirida le col mial, nao
; ossui nos seno "dados n ..--os e
atrazados, que nenhuraa idea pjdem dar, asm
sequar approximada, do estado d'este ratena-
sante servigo, que a nenhura outro cele primazia-*
nos de-velos que deve inspirar administragao.
X ra todos os immigranles en.rados no Impe-
rio aceit>m collocacoo as colonias v ncleos.
Nos ltimos dous anoos, principalmente, a gran-
de m-.i na dos recera caegados tem preferido
empreg.ir se com diversos ajustes de locagode
servigos. nos estabelecimeiitos parliculares'da la-
. ii a ; e a prova d'este systeraa, com tainanho
xito tirad, em S. Paulo, faz esperar que d'esa
:n coulinuar a lavoura a receber suppri-
de bragos cada vez mais valioso, nao so
n'aquella, mas as provincias de Minas-Geraea,
Rio de Janeiro e ouiras que possara olierecer
a'-,o condiQOes de bem estar.
D'este ramo especial do servigo da iramigracao
nada sabemos seno por indceo ou illago :
daao positivo auo leaos nenhura. ao passo que,
nao seria impraticavel instituir regisiros raun-
cipaesque pela forma mais singela, ministraa-
seo a e.-.t respeito i:i lieag 'S u'eis. quaes sao a
cada passo necessarias para iins diversos.
s ibemos agora, e registramos com in-azer,que
a inspectora geral das ierras e coonisaca can-
ta olierecer, no seu re. torio j organisado gran-
de copia de elementos referentes aos ncleos co*
loaiaes de cada provincia, se nao de lal modo
cjrooielos que sstisfagam todas as exigencias,
pelo menos su.'Ticientes apreciago do que por
esto aspecto temos alcangado e do grao de des-
envolv memo qut temos attingido. .
Sera incontestavelmeate bo: servigo que, com
o t ipo, poder ser aperfeigoado, e da sua ntilir
dade nioguem porcerto duvidar.
.N'o ponto a que cegou pste sorvjgOj do
maior ioleresse que a administrac i o seu
tribunal, a opioao, possam ac no sen'
nvovimento, habilitndose c leo-
seguro para ajuizar da cora
rem os grandes sacrificios do Est.i lo. '
Aleta do mais, a estatistka in- ..> de
propaganda leal; porque
tii :jii: miente ordena la e .:oaU' publi-
iremas pr ;p ara a toao i mo-
mento, raspn i..' I 11 igorico |oe
oosarguem ;uni4 vezes, i ca-
i.sa, por sijppcs' icarenc io colo-
uisadora, sanflPqae ;.
o publicBOder c. ; le si
. i aos eaiPItos que, i os re-
sultados da'i n'essa obra
senao lesperdici mu te
..: ensa-
dos.
E* Breci i e estes, q ie los nos
sao
realmente os imin.gjajBles c quanto
reajHotc exportara eSpipo: tain os ncleos c :1o-
niaW >|C ii a porgo lo .Trtono por elle; trans-
culi ara. quaes, iiaiim,
\DBSTO4S E H

faeresass Stadistriae:.
tvli
riqueza da re-
public.
O la ao ?>) irniu importante ramo de
iiommercio o icmettido para a'Eu-'
ropa '.ongeladOjApe aintla viv va-
dissima.
A la exporta 1 loa ittiage
o valor de muitos niilh ires de contos de
O governo argentino no patritico empenho
de fomentar a sua Industria, tem prodiu isado
os favores ia lustrn de lecidos de la em varias
provincias, cora grande vantagem oara a iiujas-
tria e para o publico, que est ao eljra^^H
mselas e do Shaddy l i frequeptes n1
que nos vem do iro.
Grande
pe
vnte capitalisa e amig d> Bra-
zil. no tem encontrado do governo imf''1
aquella protepgo que II
sua importancia intrinseca, como pjla n- :ssi-
dade que ha de porino-nos ao abrigo
tuages e dos artificios da industri
Quando possuimos fabricas lo
*omo a do Riock, haW
dps machinismos o
fabri
podei'
I
-



' l
' fV
-
1-
.

ir


mmmm
M
Diario de PernambucoSabbado 27 de Jullio de 1889
i







I
nossa mar'raha os I
de fora im auxilio indirecto qu<
prrjudiear o fisco nem o contribmnle vai contri-
buir efnVa*mente para o desenvolviraento da ia-
du-tria.
Aia la ura ponto que merece a attengo do go-
verno a reforma da tarifa da alfaodega, que
em muslos pontos prejndica a industria de que
tratamos ora sobrecarregando a materia orima
indispensavel uo fabrico, ora sendo por demais
benvolo para o tecido estrangeiro.
^Hs adversos a citar nomes ou apontar in-
dividual ladea Mtta secgo, porm seriamos in-
tratando se de teeidos de l, nao salien
tassemos os servigos prestados a esta adestra
especialissima e difficif pelo digno suceessor do
Sr. Glelte de saudosa memoria, o aciual direc
tor-gerente da fabrica do Hink, o Sr. C. A.
PohTroann, que nao se tem poupado a esforgos e
sacrlici s para manter urna fabrica de pri ieira
ordem, capaz de produzir teeidos de toda a es-
pecie, desde a casimira cambraia at o cobertor,
desde o pala at o feltro.
Ja tivemos occasiao de visitar as fabricas de
teeidos de Bradford, Leeds, Recdale e outras, e
era netbuma encontramos melhores preparos
nem mactiiaismo mus aperfeigoados do que os
eocontra-loina fabrica do Rinb.
Se lancarmos os 11 los sobre as longas hostes
de agraciados que quasi diariamente nos pro-
porciona o jornal, (leamos pasmos ao ver que
poucos sao os industriaes que teem sido con-
templados ; nao dos lembramos de ter visto umaj
nomeago ou titulo honoritico por servigos
prestados industria.
Se nos fosse licito lembrar nonie de um in-
dustrial distincto, declinariaraos o nome de C.
A. Pontean n.
A. d'Elurick.

Diversos negociantes da cidade de Sobral, na
Srovincia do Cear, "promovern) o levantaraento
p capital para fundaco de urna fabrica de te-
eidos.
Essa empreza aYquella regio achara soppri
ment mais que abundante de materia prima
para o seu desenvolimento ; e a esta condigno
nao poder deixar de prosperar e dar resultado
real para a mesma empreza coui a vantagem
correlativa pardo paiz.
*
Na capital do Cear Coi inaugurada urna fa-
brica de teeidos.
Foi installada era edificio espacoso e appare-
Ibado de numerosos machinismos de origem in-
gleza.
O motor da ferga nominal de 3o cavallos-
vapor, com capacidade de desenvolver esta forja
al o triplo.
Ja hoje nao contam-se menos de 85 as fabrieas
de leceiagera no Brazil.
REVISTA DIARIA
Auembla Provincial Funccionou
hontem sob a presidencia do Exm-Sr. Bario de
Itapissuma, temi comparecido 30 Srs. depnta-
dos.
Foi lida e approvada sem debate a acta da
sesso antecedente.
O Sr. 1 secrrtario procedeu a leitura do se-
grate expediente:
Urna petigfto de Demetrio de Gusmo Coelbo,
aposentado no lugar de thesoureirodoConsulado
Provincial, requerendo melhora em sua aposen
tadoria.-A' comisso de orgamento provincial.
Outra de Sebastio Antonio de Albuquerque
Mello, professor do Porto da Madeira, requeren-
do ronsiunagfio de verba no orgamento vigente
para pagamento do que dispOe o 81 da lei n.
000 du tuireute aunoA' commisso de orea
ment provincial.
Outra de Hygino Pacheco de Queiroga, arre-
matante Jo imposto de sangueem Palmares, re-
querendo o abate da terca parte do valor da arre-
maUy'j. A* commisso de ornamento provin-
cial.
Oulra de Jos Nicolao Regueira Cosa, profes-
sor publico dos Afilictos, requerendo pagamento
da differenca do aluguel da casa em que func-
ciona a ua escola.-A' commisso de orgamento
provincial.
Outra do bacharel Luiz de Drummod, reque-
rendo cunsignayo da quota de 1395O0 para pa-
menlo das cusas judiciaes que llie deve a Cma-
ra Municipal do Recife.A' commisso de orna-
mento municipal.
Foram .a imprimir os seguales projects,
sendo o de n. 1 16 precedido de parecer da com
misso de leyislago e o de n. 117 preced Jo de
oulro da de instruccSo publica.
N 116. Costando para todos os efTeitos,
segundo a lei n 199i ao 2o ofticial da secretaria
' da presidencia Francisco Jos de Moraes Silva, o
tempo em que, servio como empregado da Fa-
zenda.
N". {17. Concedendo professora Izabel
Francisca Quintal a gratificado de mrito.
H- 118Creando urna cadeira do sexo mas
cutido e:n S. Joo de Villa Belia, outra em Mi
lagres de Sulgueiro e outra em S. Domingos de
Leopoldina.
pprovoa-se sem debate um requerimento do
Sr. Lopes Machado pedimlo as seguintes infor-
maee* Cmara Municipal de Olinda.
Seo seu procurador, Velloso de tal prestou
anca do lugar que oceupa ;
lia quanto tempo est no exercicio do empre-
go e se tem prestado contas ;
Se a -amara tem reconhecido algum desfalque
nos.seus cofre e nestes caso que providnclas tem
tomado.
ii,Adiou se por 24 horas a pedido do Sr. Jos Ma-
rianno a liscussso do requerimento do Sr. Cor-
nelio da Fonseca, quj orou. pedindo inforroages
sobre o fornecimenlo de fardamento guarda
cvica.
Passou se a 1* parte da ordem do dia.
Adiou-se pela hora a 3* discusso do project i
n. 82 de {8*9 Quizados de paz) tendo orado os
Srs. Rodrigues Porto. Jos Marianno, Conidio
da Fons ea e Barros Brrelo.
Passou-se a 21 parle da ordem do dia.
Continuando a 3* discussoj do projecto n. 95
deste anno (crditos e reforma de repartices)
encerrou-se depois de orar o Sr. Cledoaldo Lo-
pes, sendoapprovadas^diversas emendas.
Anprovara;n-se em 3' discusso os projects
ns. 58 e 97 deste auno, indo CoasBistaO de
redacgSo; o 1 sobre o regulame'Mo do cemiterio
de Goyanna sendo regeitado o requerimenio de
adiamentu do Sr. Barros Brrelo e o 2 sobre o
emprestimo da lei n. {86 i.
Eulrasido em 3* discusso o projecto n. 102 de
1-S8i (aposentadorias) foram approvadas diver-
sas emeudas aprsentelas, lendo orado o Sr,
iodo Angosto e sendo prowgada a hora por 60
miuutos a requerimento do Sr. Jos Marianno e
^ regeitado un requerioieoto doSr. Joo Augusto
' al se.em publicadas as emendas.
Declararan) t*r votado contra este projecto os
9rg- Costa Kibeiro, Barros Brrelo e Tavares
X 'o.
A ordem do dia : 1* discusso dws projects
ns. 80 e {<6 deste anno. 2* das dnenrias apre-
se nladas na3" ios projects ns. 9ode 1889e 102
de 88i e continuago da antecedente.
Lugar para elciro Foi hontem ei-
pedido o seguinte acto pela Presidencia da Pro-
uin.
4.' Puliieio du Presidencia de Pemam
o em' J~> de Jttlhu de I8s9.O presidente da
prc do ni vista o ofli>'io de i d
rente mz, do juiz do dislricto de paz do Bebe-
douro. determina, de acco/do com a disposigo
doart. o." n.ido decreto n 9,790, de {7dcOu!u-
1887, .^up os eleitores do referido dis-
tricio de | ai se re mam para aelos eleitora
empella de Santo Antonio, d'aquella localidade.
! f)M. Atres de Araujo.
lUrurma elctloral -Acaba saln' dos
retos da tasa editora do Sr. toB SOgoeira de
s.iuza a Reforma Eleiioral. anootada com todas
leis n. II 122 de 7 de Ou'ubro
I 3.340 de 14 de Outubro de 1887 que
allerop o processo das ele Oes dos mi
Aateniblas Le islativ;
raedores, com as leis e regulameotoa
mi- retos e avisos que Ihe sao referen-
tas de me-
lustra-
menlada, fez sobre
a m i irabalho completo e que de>
ra do liooerador.
Jos Xoa -ouza,
m unJaMinfU O o\oninlnp oren t<
Cruaajty Deisa localidade nos communi-
im que em 21 de corrente foi lo no
lugar Goz o individuo de nome Jos Francisco
dos san'.os por Manuel de tal, conhecido pos
noel Mindoria, qoi sobre a victima desfechou
um tiro e em seguic i evadise.
Sobre o facto fez-se o respectivo inquerito po-
licial.
Sabdelegacia ; Tendo sido Horneados
subdelegados dos djdrictos de rCamutanga em
tamb edeJT.ampos Fno=em,Agua;Prela os Srs.
Joaquim Rufino Carneiro da Cunha e Manoel Ja
cmtho de Nascimentj acham se em exercicio dos
respectivos cargos.
Facsildade de llreio A cadeira de
direilo ccclesiastico lessa Faculdade funccioua-
r d'agora por dianle at nova deliberayo de 1
as 2 horas da tarde.
Noriedade tallou-se sob o titulo aue encima esta noticia,
urna sociedade mus'cal.
Engeabo cealral de ti. I.ourrnro
da MallaA (companhia Th: North Bra'zi-
lian Sugar Factoiies, emprezaria do engeaho
central de Tiuma, aceita propostas para forne-
cimento de cannas ao mesmo engenlio pela via-
Terrea do Limoeiro. podendo os interessados,
para quaesquer informages, tmalas ouna pro-
pria fabrica ou no escriptorio da companhia ao
Largo do Corpo Sant) n. {7, 1 andar.
Club Internacional do RecifeEs-
la sociedade que tem serapre primado pelo bom
gosto e elegancia em todas as festas que realisa,
abre hoje os seus sales para ter lugar um ex-
plendido baile em sclemnisa^o do seu aniver-
sario.
Os esfor;os que tem empregado a digna di-
rectora para que a festa de boje nao falle o bri
Iho necessario, promettem ser seguro penhor
de que o b'm ser atrancado e que os sales re
gorgitarao de damas e cavalheiros.
WorrlHo de una anjoE' o titulo de urna
nova composicSo m jsical do Sr. Claudio Leal,
urna linda valsa para piano, lithographada na casa
Bpaminondas & Krauss.
Agradecemos ao autor o mimo que nos fez de
um ejemplar da sua bonila composiro.
Club Ayre* amaHoje, hora e no lo-
gar do costume, funeciona o Club Litterario
Ayres Gama.
AMoclacao Medico Pbarmaeeutlea
i'rrnaiuiiurana A' esta associaco, e em
respo8ta ao lelegramraa de felicitagOes que diri-
gi S. M. o Imperador, por ter escapado illeso
do atlentado de 5 do corrente, foi enderezada a
seguinte resposta telegraphica :
Rio Associaco-Medico Pltannaceutica Per-
namb>cana.
S. M. agradece os votos que por elle faz.
.tf. de Tamandar.
Awpbyxla por nubmenio-liza a
parte policial que, em um poco, no lugar Ser-
taozinno, da parochia da Graya, foi encontrada
mora, no dia 23 do corrente, urna mulher. de
cor preta que se reconheceu ser Sophia Maria
do Espirito-Santo.
Transferido o cadver para o cemiterio de
Santo Amaro, foi elle alli autopsiado, no dia 24,
pelos Drs. Cunha Meneze e Gama Lobo, que dt-
clararam ter sido a causa da morte de Sophia
asphyxia por submersSo.
Xo diz, porm, a parte da polica, e cumpre
que se saiba, se essa asphyxia foi resultado de
acto voluntario de Sophia ou consequencia de
enme contra ella praticado.
Ambas as hypolheses sao admissiveis, e a
autopsia e o exarae do habito externo do corpo
da infeliz deve ter revelado a verdade. V
Que boa leva:Hontem, em duas lan-
chas do Arsenal de Marinha, embarcaran) para o
paquete nacional i ara cerca de 130 individuos,
que, engajados aqui por ordem da polica da
Corte, se destinan) ao corpo policial da capital
do Imperio.
D'elles, e= boa hora, tica livre esta cidade :
mas serviro taes homens para policiar a Corte ?
E' pelo menos duvidoso !
Fallec mentDe urna caria vinda de
Tamandar consta ter alli fallecido no dia 8
do correte, victima de urna complicado de in-
commodos intestinaes, Juvencio Alfonso de Mel-
lo, ca-ado com a professora duquesle lugar.
O finado gosava da estima geral, pelo qne foi
mnilo concornilo o seu enterro, qne teve lugar
no dia seguinte s 3 horas da manb depois do
que a noute, a digna professora mudou-se para
urna casa do Sr. Rayrnundo de F.
nao poopou esforcos afim de obsequial a.
Durante o trajelo da mudanca foi acorapa-
nhada por distinctaa senhoras e cavalleiros sen-
do isto a ais urna prova da estima que gosava.
Dei.ia u finado quatro innocentes filhsntios.
Paz a sua alma e nossos psames a digna pro-
fessora.
Hourona innnirenlaco Dr. Arlhur
da Silva Reg, exonerado ltimamente do cargo
de promotor publico da comarca de Xazarelh,
ao parlir dessa cidade no dia 20 do corrente
niez, foi alvo de una explendida e honrosa ma-
nifestago de apreco por liarte de diversos cida-
Freguesia do I
Francisco Xaxier dos Santos.
Foi adiada a sesso para hoje s 10 horas.
MedieDeve chgar hoje a bordo do va-
por Espirito Sanio o distincto facultativo Sr. Dr.
Emygdio Montenegro que vem residir e clioicar
nesta cidade. ,
Servico militar Esto designados hoje
para superior do dia o Sr. major Alves, e para
ronda menor um subalterno de cavallaria.
A guarniyo da cidade dada hoje pelo
2." batalhao de injantaria.
A guarda da Thesouraria commandada
hoje por um olficial do 2.- batalhao.
Existeni na enfermara mililar 33 pracas
em Iratamento.
A Presidencia da Provincia indeferio o re-
iuerimento do Sr. alferes do 2." batalhao de in
antaria Luiz Bezerra dos Santos, e deferio o do
msico do mesmo batalhao Manoel Rufino dos
Santos.
Foi mandado hontem a nova inspeceo o
Sr. alferes Luiz Bezerra dos Santos.
O 2. batalhao de infatuara vai nomear
urna forca de 6 pracas, commandadas por um
inferior para destacar no termo de Taquaretinga.
Directora dai obras de connerta-
rsto do* Portn de PernambucoKeci-
e. 2o deJulho de MJ89.
___________Boletim meteorolgico___________
lloras r o
IS6'
E-
6 m. 3--7
9 J6-8
1S J8-l
3 t. 27"5
6 23'-7
Barmetro a
0
763-05
763-93
_ 763-46
**762-16
7-88
Tenso
do vapor
9
-o
TI
a

a
S
16,65
18,421
1845
1704'
17.35
75
70
64
62
70
Temperatura mxima18,23
Dita mnima 23,00.
Evaporaco era 24 horasao sol: 9".8; sou
bra: 4-0.
Chuvanulla.
Dlrecco do vento : S com interrupecs deSSE
e SE ate meianoite.
Calmara durante 2 horas noite.
Velocidaiie media ao vento : {",87 por se
*;ur.do.
Nebulosidade media: 0.25
_____ Boletim do porto
9U2 9113 9114 9113 9116 9117-
9118 9120
niados com 500 os seguintes n-
meros :
9981 9982 9983 9984 9985 9986 9987 9989 9990
EstSo premiados com 250J os seguintes nu
meros :
6811 6812 6814 6815 6816 6817 9818
6S19 6820
Todos os nmeros terminados em 19 esto
premiados com 230, excepto o da serte grande.
Tod03 os nmeros terminados em 88 esto
premiados com 230S. excepto o da sorle im-
mediata.
Tdos os nmeros terminados'era 9 estSo pre-
sniadQscoin 125, excepto os terminados era 19
Todos os uumeros terminados em 8 esto pre-
miados com 123, excepto os terminados em
88.
Aseguiute lotera corre no dia ... de Agosto
do comnte anno.
^Lotera do iram-PaaA 4* parte da
30' lotera, dessa provincia, cujo premio grande
0:000*000. .-era extrahida no dia 31 de Ju-
mo quarta-feira.
brande lotera do Maranbao A 4'
serie da 1 lotera, dessa provincia, cujo premio
yrande 300:u00000 ser extrahida no dia
do Jalbo.
(randelotera da corteEsta impor-
tante loteria, cujo premio maior de 100:00l5
ser extrahida hoje 27 do corrente.
Cemiterio Publico Obituario do dia 25
do corrente.
Dr. Ral Coeilio da uva. Pernambuco, 22 an-
uos, casado, Boa-Vista; nephrite.
Joio Pacheco Alves, Pernambuco, 88 annos,
casado, S. Jos; congesto cerebral.
Joaquim Pereira do Xascimento, Pernambuco,
20 anrios, solteiro. Boa-Vista; contuso no ab-
domen.
Sebastio, Pernambuco, mezes, Afogados ;
enterite.
Jos Francisco de Almeida, Pernambuco, 32
annos, solteiro, Boa-Vista ; fepre perniciosa.
Manoel Julio Baptista, Santa Catharina, 45
annos solteiro. Boa- V isla ; broncho pneumona.
Balbino Umbelioo de Oliveira, Parahyba, sol
teiro, Boa-Vista ; enterite.
Sophia Mana do Espirito >anto, Pernambuco,
Grca .; asphyxia por submersao.
2.g r'3 3. M P. M. 3 M P. M Dia
23 de JullK) 26 de Juiho
flora-
9-02 da matina*
3-20 da tardo
9-23.
334 da manha
Altura
0-81
2-.381
ie.89
2-,43
UM POUCO DE TUDO
daos d'aquella comarca, segundo d'alli nos infor-
mara.
A' sua residencia aflluio grande numero de
amigos afim de fazerem suas despedidas, e abi
o Dr. Herculano Bandera por si e por outros
amigos olfereceu ao Dr. Arlhur urna penna de
ouro e urna lin a escrivannha de prata como
prova de considerarlo e eslima s suas distinr-
tas quildades e ao brilhanle modo cora que o
mesaio doutor exerceu as funecoes de promotor
publico da comarca.
Xa eslagao da estrada de ferro o Dr. Arlhur
despediose dos amigos, que o acompanharam
at alli, e tomou o trem para esta capital, onde
nos consta, estabelecer banca ue advogado.
Kleico de confraria Araanua, s 10
horas do* dia. reuue-se em assembla geral a
irmandade de Sant'Anna, da igreja da Santa
Cruz, para eleger a sua nova direceo no anno
compromissal de 1889-90.
ProcisatoAmanh, s 3 horas da tarde
LielleNEffectuar-se o os segmntes :
Hoje :
Pelo agente Stepple, s 11 horas, na ra Xova
n. 14, de miudezas.
Pelo agente Silveira, s 11 horas, no largo do
Paraizo n. 26, de urna casa terrea.
Pelo agente Brilo. s 11 horas, praga do Con-
de d'Eu n. 18, da armago gneros, etc., na
mesma casa existentes.
Segunda-feira.
Pelo agent Burlamaqui, s 11 horas, ra da
Aurora n. 9, do mesmo predio.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra Mr-
quez de Ooda n. 5, de gneros de estiva e vi-
nhos^
MBMaN fnebres-Sero celebradas:
Hcje : .
A's 7 e 1/2 horas, na Ordem 3a de S. Francis-
co, pela alma de Bernardo Jos Correia.
Segunda-feira :
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, pela
alma de D Mara Adelaide de Albuquerque
Mello.
PanageiroMChegados do norte no vapor
nacional Para:
Izaac Meyaro, Jos Bernardino, D. Maria Tei-
xeira Pinto, JooEstevo de Oliveira, Jos Abel
de Mello, Pedro Jos Ferreira, Izaura, Celano
Guiseppe, liit-aajo Poettner, Josephina Ferraz,
Padilha que Dr. Rayrnundo da Silva Perdigo, Firmo Martins
Areias, tenente ypurodzio Feroandes Barros,
D. I. de Barros, Diomedes Costa, Joaquim Xavier
de Pinho, Avelino Freir, Carlos Mediis, Rodol-
pho Gomes da Siha Filho, Harding, Alfonso Mac
galhes e 2 filhos, Miguel de Araujo, Jos Ricar-
do, Joo Augusto de Alhaydc. Augusto e Siha
News. Octavio Augusto Borges.Jialo Jos de
Araujo. D. Maria Vianna, D. Josephina R. Coim-
bra, Jno Alfredo Alves, Jos Graciano e sua fa-
milia, Francisco de Sou'oPitanga^IanoelCoelho
P. de Mello e sua familia, capito Ernesto Alves
Pacheco e sua familia. D. Emilia Candida e 4 fi-
lhos, 10 nufragos e 5 mmigrantes.
Chegados do sul no vapor nacional Ser-
era procisso, que percorrer diverjas ras da
parochia de S. Frei Pedro Gongalves do Recife,
ser exposta a imagen) de Sant'Anna, sahindo
a procisso da igreja da Madre do Deus.
AnHociacu do Empregado* no
CommercoA associaco deste nome re-
ne se amanh. s 6 horas da larde, em assembla
geral. nao so para eleger os seus novos func-
cionarios, como para tratar dos respectivos es-
tatutos e outros assumpU'S.
laMtituto 19 de AbrilSob a presiden-
cia do Sr. Augusto Marlios, funccionou no dia
13 do corrente e em sua sede, o Club Litterario
D&ues Jnior.
Xa disser'.ago das iheses tomaran) parte os
Srs. Jos Jorge, Ismael Marques. Jos Martins,
nao ten!:) este seuhor trazido tela da discusso
anda a imporlantissima these que lem entre
mos.
Os Srs. Ismael e Jos Martins desaaram-fa1
para discutir em sesso prxima, sobre a these :
Qual foi a primeira mauifestago de indepen-
dencia do Brazil ?
Foram sorteados chroaiabjfiM Srs Vital Mello
(Aula Infantil) e Au^u=io Moni ilnstitnto).
Tribunal do.Jury do Reeire Func-
cionou hontem este tribunal em sessao prepara-
toria.
A's la horas da man::. oomotMteeiam os Drs.
Tiiomaa4torce/: l'arapbos MflgWb^ro, juiz de
direilo Jo 3- :.sUicto, .Mano^HEoo de Albu-
querqoe MjIIo. 0 cidado
JostJoaniiiui 1' luoior, escrivao in-
erino do jtinj7 Procede ni i chamada geral
dos jura ios sortead -.
Apenas compareceram i jurados, pelo que
foram multados em -2^ os qu i laltaram e sor-
teado! os suplientes seguinies :
Freguezia de S. Frei Pedro twnralves
Antonio Cardoso Avies.
| i SIti I. iyo Jnior.
Freguezia de Sanio Antonio
Dr. Aun bul Falcilu.
Dr. Jos Ma .eliu-j Rosa Silva.
Antonio Macario de Mora.
Bernardo Falcao de, g .
Fn. I 'S
Deodalp Pinto dos SautOs.
I
Fnyuezii-la i
Dr. Ezeqniel Pra
Dr. Jos Izdoro Marinis J
Rodrigues do P
,ntonio Maria de Miranda Se.
Joaquim Tertuliano de Med
Jos Moreira da
a-jo da Silveira II.'--
Dr. Joo llooorio tezert.i
t-ooa
rcOraGoai
,go.Ls
Cyrillo Au
Diz P. Mantegazza que nos ritos da igreja o
baptiamo o primeiro dos sacramentos, mas
que tambem fra do culto catholico todos os K-
Inos de Eva, sentem a necessidade de baplisar
homens ecouses, paizes e lempos, o passado e
o preseote, aspedras que nos cahem aos ps e
os anjos qne vivem alm do mundo visivel.
O sacerdote baptisa de vez em quando os re-
cemnascidos, qne sao levados sacra foote ; nos
outros, sem sermos padres, baptisamos pelo me-
nos dez vezes ao da, e os nossos baptismos sao
Siuasi sempre mais legitimos do que os que se
azem debaixo da abobada dos nossos templos.
O porque d'eata differenca fcil de perceber
os genitores dio o nome aos seus filhos antes de
saber o xjue hao de vir a ser; e urna vez que
aquelle ponto de interrogagSo que se chama um
recemnascido vem a ser um homem, a conta nao
est mais certa entre o baptisino e a conlirma-
co.
Dase urna crianca o nome de Alexandre, e
quera o Iraz tem o coraco de urna pulga e a
coragem do um coelho; baptisa-se um Achules e
eMe vera a ser um vil salsicheiro. De outra vez
urna Lucrecia que voluntariamente peca e sera
neohum remorso, sete vezes ao dia. ou urna
Magdalena, que jamis se arrepende ou urna
CleTia que tem medo dos ratos.
Entretanto os nomes que se do todos os dias
s cousas, aos homens e aos lempos sem ne-
cessidade da agua benta lornam-se meltiores,
porque se administrara depois que, a cousa est
j succedida^ou o homem tem ja atoressado a
propriaphysronomia, ou o tempo est jem gran-
de parle passado.
Ha tambem certos biptismos que sao retratos
e retratos multo semelhautes, duraveis como o
raarmore ou o granito em que foram esculpi-
dos. Elles soffrera a conlirmaco do tempo, a
critica da consso, as provas da commuahio
com outras ideas, do matrimonio, com outras es-
colas e chegam inalterados at a extrema-unco
da historia. Um christo pode fazer-se baplisar
e vir a ser um turco, um brahma, e um hebreu :
mas certos baptismos dados por um homem de
es pirujo ou pelo consentime:ito de todos certas
cousaK certos temos e certos homens du-
ta:n etreamente e se consolidan cada vez mais
cora a conlirmaco dos povos, que os transmu-
ten) de gerago em geraco, como parte inte-
grante e preciosa da heranca do pensamento.
i O nosso seculo lera sido baptisado muitas ve-
J,zes, mas nem sempre bera emuila gente se lera
Qganado por rauita impaciencia. E assim va-
Hdo e tambem rico de contradiccCes, de arre-
gipe :
D. Philomena Ferreira Guimares. Leandrm*eil,irnL'!ll0!i' lt'm '"uiado Je casaca e bandeira
Ferreira Guimares, I lilho e 1 criado, Luiz 4M
de Chalsdinck, Jos Alves dos Santos e Joaquim
de A. Jayme Galvo.
Chegado da Europa uo vapor fraucez Filie
de Buenos-Ayres:
Antonio Jos da Silva.
Sahidos para o sul no vapor inglez Come-
ta :
Maria da Penba Xavier da Cruz e 2 filhos, Dr.
Malaquias-de Queiroz Barros e sua senhora.
Operacoe* cirurgicaa- Foram pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 26 do correte,
as seguintes:
Pelo Dr. Malaquias:
Amputado da cxa esquerda pelo methodo a
dous retalhos. reclan ada por ulcera e necrose
do osso da perna. ,
Pelo Dr. Berardo:
Extracco de catarata senil du/a peto proces-
so de Wecker.
Cana de OetencaoMoviraent aos pre-
sos da Casa de Dclenco do dia 23 de Juiho de
(889.
Existiam437; entraram9; sahiram 19 ; exi-
tem 427.
A saber:
Sacionaes 382 mullieres 17 ; estrangciros 28.
-Total 427.
Arraj;oados391.
Bons 374.
Doentes 15
Loucos 2.-391.
Movimeiito oa enfermara
Teve Baixa :
Ivo t.elestino de Oarvaluo Naya.
Teve alta : ^2
Joao Chrisostorao Peixoto.
Foram boniem visitados os presos desta casa
pOr 207 pessoas. sendo hOMens 132 e mulheres
73.
Hotuitai Pedro II -O movimento
estabelecnonto drearidad. no dir 23 de
foi o segemt;
18
13
4
636
rejpec'iva3 enfermarlas

deste
Juiho
| ntas vezes, que dar o cathaloao de todos
%s no.nes com que foi baptisado seria mister fa-
zr a sua historia, historia curiosa que foi j es-
eripla, mas ser novamente feita midlior pelos
nossos filhos do seculo vigsimo.
Agora, porm, que o nosso seeuio ebegu a
ama vclhice que quasi docrepitude ; a^ora que
os poucos annos de vida que Ihe restam anda
nao poderam variar sensivelmentea sua physio-
nomia e os costumes, eu sentirei a necessidade
de baptisal o.
Olhai que um apiismo s nao pode bastar
Se o mais modesto citadino traz ao menos trez
ou quatro nomes; se um principe ou o sobrinho
de muitos tios, sem ser principe, traz muitas
vfczes vinte e mais nomes de baptismo ; corao
jimais um seculo, que tem em si quatro gera-
ces de homens, pode contentarse com um s *
Xo quero porm abusar do mais santo dos
sacramentos, e darei ao nosso seculo tres bap
lismos : u:n que exprim! o seu carcter physico,
oulro que assignala a sua physionomia afTecti-
va e moral e^> ultimo que indica o seu valor in
telleclual.
l'hysicamente o seculo XIX nevrosico.
Moralmente hypocrtta.
lutellectualmente sceptico.
E se me permiltis, em tres volumesinhos da
nossa bibliotheca procu/arei de justificar vos o
porque dos tres baptismos.
Que o nosso seculo nevrosico ficar para
ser estudado em oulro artigo.
#
# #
O marido de urna senhora litterata a um cri-
tico :
Sabe que rninha mulher acaba de dar
luz...
Menino ou menina ?
Xo, um volurne de poesas.
-Oh'...
as
Entraran;
Sabjrau)
Fallecer:
Exislei.i
Foram vattadas
pelo- Drs.:
Cysneiro s 9 34. Barros Sobrinho s 7, Berar
do s (1, Ferreira Ve'io.-o s 9 1(2, Malaquias
as '.i :|^. i'iHilua! s 9 |2, Estevo Cavalcante s
8 1|2. SimOes barbosa s 9 3|4 horas.
O Dr. Hftarono nao compareceu.
O cirurgio dentista .Suma Pompio gi 9
horas.
O phanuacoutico entroa as 8 {[2 da raaiiP e
aaaoi te.
0 ajudaute do pha. erurou as 71(2
ac. bioMtt-boraada tari
Lotera do MaranbaoDa 3' serie da
I.'.roteria dessa provincia, extrahida em Ifr
tle Juiho de {889.
PREMIOS
9118 300:0008000
9988 50:000 i
G8I3 {2:3O0
2-S 5:0 Oi
863 5:000* *
KsU'n premiados com 2.o00 os seguintes n-
meros :
2268 4229 4641 6630 8643 9U7
Esto premiado.-- com 1:500,5 os seguintes nu-|
meros :
8iJ 222 1068, 1430 1670 3074 5048
0099 6oiH 9430
Approximai
9118, 2:500* | 9987 1
9120 2:500* | 998'J !
o premiados c
meros :
Quando Eva Deus creou
Do homem p'ra companheira
E aquella mulher' peccou,
Ao mundo a culpa primeira
Por sen peeeado legou;
Por urna mulher entro
Foi o mundo d'uma vez
Arrasado perdigo :
E se a primeira isto fez,
O que as outras nao faro !
L'ra filho de Calino vesta unas ramas pelo
avessO O pae Ih'o fez notar.
tem sei. responde o pequeo, que pelo di-
reilo esto rotas.
Ii '-pachos de Londres, em data de 30 de Ju-
izem que no bairro Larabeth, onde ha dias
!ta de circo Mjssassinado, mesmo em
nte do hospital Sau*Tliomas, ura individuo
assassinou um traseunlwe lentouassassinar una
pobre mulher.
ssino/ii perseguido pela raultido atra-
9 eslreilas e tortuosas daquelie
e atina! capturado e conduzido
bairro l
ao trib:
Co
r.ij;-,
.Uini
Jarn*
A fui
bava d
Par i -i no operou sem mo
gum. n'ura arrebatamerito i'u-onsciente.
que o preso era. Jack o estri-
Kgeitaco rebentou na cidade.
Bft que o homem se chama
lem 27 annos e padece de
se servio de algibeira e aca-
que passava por urna dama
o urna ligo de gramraatica
tou Ihe aquella .
de que o
que dea
Que significa a palavra pretrito,
senhor tanto uza ?
Pretrito, rninha senhora, o
atraz.
Passados dias, a dama pergnntava a sua cria-
da si a sua Em muitos paizes dedicam-se as senhoras ao
estudo e exercicio d=> medicina, mas em nenhu-
ma parle do mundo o bello sexo tem mostrado
tanta affeifo a es!a carreira como no3 Estados
Unidos.
Presentemente exisfem 9,000 mulheres forma-
das em medicina em differentes escolas, e que
excrcem a profisso.
Algumas dellas tem feito curas to importan-
tes, que urna aufere a quantia de cerca de 20
contos de ris na clnica.

0 Xilo tem 6 470 kilmetros, o Missssipe 3,882
(segundo Till 6,750) langktsckiang5,082 o Ama-
zonas 4,929, o Congo 4,800 (segundo Tillj Jeuis-
sen 4,730, Araour 4 700.
SPORT
ponderago e inten3i-
E' fora de questo que a partida em condicOes
irregulares inflne na corrida.
Esla assim movida tem sem duvida urna o-
lucao imprevista, incalculada para esse perpetuo
beodo, a que por euphemismo se chama de res-
peitavel, e. que por isso mesmo paga o palo, como
o lorpa do botequim que deixou se vendar para
tirar denlre os amigos aquell que satisfara a
despeza, e afinal, quando fez-se Ihe a alleluia.
acbouse emT)ranc'<.
E' certo, porm. que a corrida depende tam-
bem nao menos activamente em seu resultado
natural e legitimo de urna outra circumstancia...
animada, e este titulo maialemerosado que as
ordinarias na ordem dos Cactos.
A quem nao tem a ligo do turf no ser de
extranhar que indague qual seja essa circum
stancia.
Queira conhecer a sua
dade.
A esse s tambera-nao ao3 outros, que sa
bem-n'o demasiadodeve-se dizel o, nao em
meios termos, mas de modo completo e como se
elle produz e man festa se.
*
Essa circumstancia o jockey.
Esse factor do producto que na arithraelica
hippodromica se denomina tribofe.
Esse elemento positivo na chimica da explo-
rago hippica, a cuja acgo sao submettidos os
innocentes que aos domingos emigrara para as
trras do sport.
Essa sphinge sem Edipo, porque este nao raro
burlado por elleo jockeyque o instru-
mento e ao mesmo lempo o agente da burla.
Desde as partidas falsas, sirnulago de corrida
em ordem, abancaraento e nao sabida de ani-
maes at o atropello r.roposital daquelie cujo
dono nao se deixa attrahir, e mais outros recur-
sos que sao do olcio e tem frequente uso, tudo
isto caminho que leva a Roma.

0 jockey o gusano do turf.
Xo melbor tem-se o peior.
Pao para toda obra, faca-se em regra von-
tade do proprietario, e s por excepgo desviase
delia aiguraa vez para justigar o tribofe de conta
albeia com outro de conta propria
Tuda pe em acgo e nada Ihe impossivel;
porque as portas Ihe sao abertas, rendese-lhe
preito." presta se-ihe homenagem.
Ainda na ultima corrida do Derby Tupy atro-
pellado por Alexandre, Cyclone abancado por
Jos Mendes, Aspasia plantada na raia porOlyra-
do e Helia prejudicada pur Pedro Alexandrino.
Suspensos mis e multados outros, que subam os
banhados ao capitolio para render gracas aos
deoses.
E por atropellado o Tupy, abancado o Cyclone,
prejudicada a Stella, e ter creado raizes a Aspa-
sia, sem scienca nem consciencia dos proprie-
tarios fest acabado o acto
E desga o panno e os .. fagam entre si o ra-
teio e os. enioern a serena estrella I

_ #
Temo-nos aproximado do digna Accionista do
Derby ou nao
A aflinidade ao menos j est estabelecida.
CHRONICA JDICIARIA
Tribunal da Uslai o
SESSO ORDIXARIA EM 26 DE JLHO
DE 1889
PRESIDENCIA DO EXM. 88. CONSELIIEIBO
(UINTIXO DE MIKASDA
Secretario, Dr. Virgilio oelho
A's horas do costume presentes os Srs. aes-
embargadores em numero legal foi aberta a
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
os segmntes
JILAMESTOS
Appellages crimes
De Pianc-Aopellante David Rodrigues dos
Santos, appellada a justiga. Relator o Sr.
desembargador Tavares de Vasconcellos. Man
dou-se a novo jury, unnimemente.
De BezerrosAppellante o promotor publico,
appellado Manoel Querino Sautiago. Relator o
Sr. desembargador Silva Rcgo. Mandou-se a
novo jury, unnimemente.
De GoyannaAppellante o juizo, appellado
Flix Luiz Vianna do Xascimento. Relator o
Sr.desembargador Silva Reg. Alaodou-se a
novo fury, unnimemente.
De JArarunaAppellante o juizo, appellado
Antonio Xunes da Silva. Relator o Sr. desem
bargador Monteiro de Andrade. -Xo se tomou
conhecimento, contra os votos dos Srs. desem-
bargadores Silva Reg, Tavares de Vasconcellos
e Toscano Brrelo.
De GaranhunsAppellante o promotor publi-
co, appellado Lindolpho Derby Correia. Rela-
tor o Sr. desembargador Alves Ribeiro. Man-
dou-se a novo jury, unnimemente.
Do IngaAppellante Jos Pedro Rodrigues de
Souza, appellada a justiga. Relator o Sr. des
embargador Alves Ribeiro.Deuse provimen-
to a appellago, para se annullar o processo.
unnimemente.
PAS8AGENS
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade
ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
ppeliaco crime
Da Victoria Apptflanie o juizo, ?ppellado
Manoel Antonio dos santos.
Appellago lomrnercial
Do Recife AppellaB'e a companhia TbeCeo
Iral Sugar Faetones of Brazil, Limited, appeHa
dos o Baro de Pirangy e outros.^
Do Sr. flesembar^ador Alvos Ribeiro ao Sr.
desembargador Tavares de Vasconcellos :
Appellago coiqmcrcial
Do RecifeAppellante D. Eugenia Carpinlei-
ro y E:teves, appellado Antonio Jos Ferreira
Moatttro.
Do |r. desembargador Silva Reg ao Sr. des-
desehiDargador Toscano Barreto :
Appellago crime
De XazarethAppellanie o promotor publico,
appellado AlbitiolPereira Coutinho.
Appellago civel
De Xazareth i ppetl inte [Dr. Laurino de Mo-
raes l'inheiro, appellado Clirisiovo das Hercs
Gongalves Guerra.
DISTKIBDIVAO
Appellago civel
Do RecifeAppellanie l). :aia de Jess Lo-
mos, appellado Jos Ferreira Marques.
Encerrou-se a sesso 1 e 1,1 horas da tarde.
INDICARES DTE1S
CkCOS
Dr. ( a;
Pratic
mo aoonoeliitda.
3 da :
tidar
Dr.
meio-
c operador.
..s 11 A*
ra do Bar2o da Victoria, n. 51.
dencia ra Sete de Setembro n. 54,
trada pela ra da Saudade n. 25.
r. Ribeiro de Britto i consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no poden-
dar a ra Duque de 'axias n. 46, 1. an-
do ser procurado para chamados na
residencia ra do Hospicio n. 81.
iephone n. 303.
Dr Alvares GuimarcLeg, chegado
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cora-
cao, pulinSes, figado, estomago
nos 6 tambem s eccSes das
Reside psaja do Conde d'Eu,
tem consultorio na ra do
(antiga da Cruz), n. .45, onde
ii-
en-
sua
Te-
da
e intosti-
crianas.
n. 28, e
Bom-Jes8
d consul-
tas do meio-dia s 3 horas Telephone
n. 381.
O Dr. Matheas Voz, medico, tem o seu
escriptorio a ra do Barao da Victoria
n. 32, 1." andar, onde d consultas
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside
ra de Gervasio Pires n. 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhes.
Telephone n. 427.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades : molestias
pulmonares e partos. Boa do Mrquez de
Olinda n. 27, 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (Pobeda Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manha e
tarde. Teleshone n. 392
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Occulista
Dr. Ferreira. com pratica nos pnaci-
paes hospitaes e clnica de Paris e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia i na Larga do Rosario o- 20
Advogados
O bacharel Wiiruvio Pinta Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 11, 1." andar. ,
J. A. de Magalhaes Bastos. Duque de
Caxias n. 66, I." andar..
O Dr- H. Milet contina com seu es-
criptorio de advocacia, a ra do Impera-
dor n. 46, onde tambem poder ser pro-
curado sobre negocios concernentes 1.*
promotoria publica d'esta capital.
O conselheiro Portella contina a advo-
gar. Escriptorio ra d<> Imperador
n 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista). Telephone n. 362.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva &C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande e3tabele-
cimento, o primeiro da provincia nette
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dom-
petenciaPernambuco.
JURISPRUDENCIA
Godizo
criminal
- n
o
r
art.
16
Aos argumentos do juiz de direilo respond:
A aggravante do art. 16 o" applica-se nao
s ao taso em que o sujeito passivo do delicio
um homem, mas tambem quelle em que se
tracta d'uma mulher. Ficou isto exuberante-
mente demonstrado as razes de appellago.
Entretanto diz-se em contrario :
O cdigo fala sempre de oflendido, deln-
queme na accepgo masculina comprehendendo
ambos os gneros mas dahi nao se segu que
Juando fala de pai comprehenda mai; ofendtdo,
elinquente sSo, com etteito, adjectivos genri-
cos, mas o nome substantivo pai nao .genrico
senSo no plural, e ainda ninguem disse que
quando a lei fala de pai inclue mi, a lei civil
quanto mais a criminal. *
Antes de tu lo cumpre observar que ofendi-
do e delinquente, no paragrapho, no sao adjecti-
vos, e quando o fossera, o primeiro nao poderia
ser considerado adjectivo commum a ambos os
gneros, como mais adiante se diz; po3 em
grammatica assim se cliamam os adjectivos uni-
formes e offendido 6 oiforme. Aquellas palavras
sao verdadeiros substantivos ; se o nao fossem
por sua propria natureza, como sao, bastava
que tstivessem precedidas do artigo para deve-
rem ser como taes consideradas.
Mas si offendido e delinquente substantivos,
estfio empregados genricamente, porque razo
pai, substantivo, tambem nao o pode estar? Si
offendido abrange homem e mulher, como que
pai, que Ihe corresponde, s comprehende ho-
mem? Offendido genrico, pode ser substitui-
do por homem offendido ou mulher offendida; pai
nao o tem alli a sua signieago propria:
segue-se que o legislador formulou tambem a
hypothese de ser a mulher offendida mais velha
do que o delinquente tanto que possa ser sen
pai I
Pode haver maior descoucliavo ? Pois nao e
claro como a luz meridiaiu que si offendido com-
prehende o maseplino e^eminino. pai, qne se
faz corresponder l-ua signifleago, tambem
deve incluir o masculino e o feminino?
A razo de que a lei quando fala de pai
nao inclue mai, a lei ctvtl quanto mais a crimi-
nal, de una improcedencia manifesta. %i-
reilo civil nao estabelece synonymia enlre os
dous vocabulos, pela razo decisiva de que no
casal o homem tem urna esphera jurdica muito
mais lata do que a mulher; tem direitos que
esta Rao tem: as relages dos lilhos pata cora
um dos conjuges no sao as mesmas para com
o outro : nao se pedia, pois, empregar a mesma
expressao para significar entidades dtslinctas.
Mas, no direilo criminal, qual a differenca que
ha entre pni e mai i l'orventura," o crime une
fere um nao tera a mesma gravidade. do que at-
liuge o outro ?
Diz-se ainda : E' clare que si o legisla-
dor qbizesse se referir ao outro substantivo
mSi, de genero diverso, dira-do ollendiilo
quando este for mais^velho do que o offensor
tanto que possa ser seu pai ou n<7i ; para que
supl-o nao sciente da regra que mnda predo-
minar o genero masculino na concordancia dos
adjectivos com os substantivos de ambos os g-
neros ? -
Offendido nao adjictivo; mas admlrado-
se que o seja, a argunientaco sacrifica as rt-
gras elementares da synlase.Abra se qalqoer
grammatica ponugueza e ler-se-hi o segurte :
Coucorrendo dous ou mais sul m singu-
lar e de genero dfferente o adjectivo concorda,
com elles no plural e na for.ua masculina, sendo
Informe quoudo fosse adjecti-
vo. r. :""''"' como

mto que po

seu pai; 3 do

i
.


K

'"W**<5l*^Jl9l^tf^^





3T10 Cl x CrllftlllD
bbado
27 de Julho de 1889

m
memofendido qu; '* de que
0 offeusor tanto que possa serna
Este nermaphroaiturao extraabo da a me-
dida da inaeceitabilidade de tal iuterpretagao.
Diz-se ntais: Tudo quanto se diz acerca
e dever ser o rime ageravado pela cireumstaD-
cia da bita de respeito a idade da mulher tanto
que possa ser mae do offensor, nao tem cabimen-
to na aggravantc do &V E" materia da aggra-
rante do art. 19 : Influir na aggravacao do cri-
me a sensibilidade do ollendido Quem o diz
o desembargalor Mendes da Cunba.
E depois de citar-se a doutrina d'este es-
criptor quando ensina que a offensa aos homens
collocados no poder est compreheodida no S 7."
do art. 16 e nao no art. 19 qual s cotnprehen-
de a sensibilidade natural proveniente do sexo,
da idade, do temperamento etc., accrescenta-se:
D'aqui se v que o distinelo oriminalista nao
admittia no $ 7." do art. 16 nem pela mesma ra-
zo no "5.a sensibilidade da mulher quer pela
velhice quer pelos predicados que a colloquem
na razo de me. N'este caso, diz elle, a ag-
eravante a do art. 19.
Mendes da Cunba nao poderia sustentar urna
tal opiniao : as suas palavras sao urna contesta
xo formal^ o seu talento e o scu coraco repel-
Tiriam com todas as torgas urna doutrina da qual
deojrrem necessariamente as consequencias ab-
qnas que adiante apontaremos.
As suas paavras sao urna contestago formal,
dizemos nos. De acto. na analyse do $ 5.*, o
propro M. da Cunha quem cscieve: A idade
do offendtdo.de\c ser urna circumstancia aggra-
ante do delicio. *
Ora, si oift-udidGpatii empregado genricamen-
te, ,|flmo se/coainece. isto comprebendendo
iomtm e muuur, como dizer-se que aquelle cri-
raioansta refere o 5 3 smente ao homem e nao
mulher ? Do mesmo modo na analyse do 7.
se l a cada passooffensa aos ascendentes.
Pois ignorara elle que a palavraascendente$
philologica e jurdicamente significapae. mi,
avo, etc. r E si nao ignorava, como se afflrmar
que elle fazia referir o $ 7. soinente ao caso em
que se tractasse d&JW e nao ao caso em que se
tractasse de mur T?|
De dizer M. da Cuoha que a sensibilidade de
que tracia o art. 19 pwveui da idade, aegue-se
que, tratando-se de urna mulher, nao pode ter
appicaco a circumstancia do i 5., porque a
mulher, j est coraprehendida no art. 19 ? E
tractando-se de urn homem nao tem ella applica-
;ao, muito embora comprchendido tambem no
mesmo art. 19'
De dizer aqnelle escriptor que a sensibili-
dade dimana do sc.ro cooclue-sc que o 5."
nao pode comprehender tambera a offensa feita
Jf mulher, porque esta j se acha incluida no
art. 19 ? E tambera nao o est expressamente no
% 6.*superioridade em sexo f
De dizer M. da Cunha que a offensa feita aos
homens collocados no poder materia ao % 7. e
nao do art. 19 deprehende-se que, ifaquelle pa-
ragrapho, s se tracta de pae c nao de mae t
Por que principios de lgica se arrancou d'ahi
ama tal concluso ?
Nao M. da Cunha nao defendera urna opi-
nio que nos conduz s consequencias que pas-
camos a assignalar
COMUNICADOS
AUn homem que mata um outro mais velho
do que elle tanto que possa ser seu pae, tem
porm, urna mulher mais velha do que elle tanto
que possa ser sua me, icio tem contra si esta
circumstancia e pode nao ter a do art. 19. porque
esta depende de condiges que nao se vericam
em todos os delictos. Assim a idade avancada,
tempre urna aggravanle quanJo o crirae recahe
sobre ura homem, mas nem sempre o c quando o
delicio fere urna mulher !
B-0 crirae sobre um homem moco (tendo
apenas em consideragoas aggravantes em ques-
eo) nao tem contra si circumstancia alguma, o
delicio sobre urna mulher joven tera a aggravan-
le do art. 19; o crirae sobre um homem velho
tem a circumstancia do S 5", o delicto sobre urna
mulher idosa s tem a mesma aggravante do art.
19. Assim quando se trata dura homem a idade
ioflue sebre a pemdidade, quando se tracta d'uma
mulher, nao !
i 7*
CO tilho que mata seu pae tem contra si a
aggravante do s, 7." que determina a classilicago
lo crime no art 193. com cujas penas .-era puni-
do ; o que, porm mala sua propria me, lendo
contra si apenas a circumstancia do art. 19 que
nao leva o crirae ao art. 192, ser punido cem as
nenas comparativamente mais laves do art. 193.
Logo o parricidio mais grave do que o inairi-
eidio E notc-se que o legislador no 5 7." disse:
Haver no ofendido nuualidade de ascendente, etc.,
de modo qtfc, tendo pae no paragrapho smente
i sua signilicago propria, especifica t>. individual,
'uni se diz, a mae, o ac, o bisad n;io lm a
pialidade de ascendente em relacio ao filho, wto e
'.neto, ou por outra Me, ac<>, Csav nao sao as-
:endentes de Uko, neto, hisneto '.
-0 individuo que mata seu mestre punido
:om as penas do ari. 192: o <[u< mata sua raes-
ira punido cora es penas mais suaves do art.
193!
EO discpulo que mata o proessor nunido
ra as penas do ajt. 192; o filho que mata sua
propria me est so|eito a urna penalidade- mais
suave, a do art. 193
Astumpto eleltoral
Era face do que dispCe a segunda parte do
art. 3." do decreto legislativo n. 3310 de 14 de
Oatubro de 1887, deveudo proceder-sc eleigao
no 2. districto de paz da freguezia do Divino
Espirito Santo de Pao d'Alho, porquanto ha alli
qualiflcados (condigo da le) mais de 20 eleito-
res ; a Cmara Municipal do municipio de Pao
d'Aliio solicitou de S. Exc. o Sr. cooselheiro
presidente d'esla proviucia, em officio de 22 do
torrente, que se dignasse designar o lugar em
que, nos termos da 2.* parte do 6. do art. 15
da lei n. 3029 de 9 do Jaueiro de 1881, devia
effectuar-se a reunio dos eleitores.
Esse oflicio foi por raim entregue pessoalmen-
te S. Exc. o Sr. cooselheiro Manoel Alves de
Araujo, no dia 23 do correle, cerca de meio
da; promettendo-me S. Exc. que nesse mesmo
dia resolte ra o assumpto, urna vez que em seu
oflicio a alludida Cmara mencionava diversos
lugares em que poda effectuar-se a reuoiao dos
eleitores.
Demorando se, porm, a deciso de S. Exc. e
sendo urgente o negocio, pois que a eleico
para deptgjados geraes de ve ter lugar a 31 de
Agosto prximo, e a convocago dos eleitores
deve ser feita pelo competente juiz de paz do
2. districto de Pao d'Albo cora trinta dias de
antecedencia; dirigi-rae hoje, oovameote, S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, e instei pela
alludida deciso.
S. Exc. pela segunda vez prometteu que a da-
rahoje mesmo disse S. Exc.; -e, a pedido meu
prometteu mais remetter-me para entrgalo di
rectamente ao presidente da referida Cmara,
actualmente nesta cidade, o oflicio de resposta,
cooteodo a dita deciso.
E, como sejam 0 horas da noite, e ainda nao
tenha eu recebido dito oflicio, nem me conste
que esleja resolvida a questo; julgo do meu
dever dar disso sciencia ao publico, e protestar
como fago pela impreosa, contra qualquer damno
que eleico de Pao d'Alho sobrevenhada demo-
ra Da resoluco do Exm. Sr. cooselheiro presi-
deote da provincia.
Recife, 26 de Julho de 1889.
Pelippb de Figiikiiwa Fabia.
larde o abespinha''
Xo outra cousa o que impi
fessa o nosso cootendor, quando diz que se nao
empenhar em discutir se ha vootades supetio-
ress leis. E, se assim nao porque nao quer
erapenhai-se nessa discosso ? Ella offerece
pasto suceulento aos espiritos mais altaneiros,
mais capazes dediffundir luz em questes ati-
nentes orgaulsacio societaria.
Nao a quer discutir, porem, o douto escriptor
do Dia Dia, por que, prestando culto veida-
de, nao pode, agora que passaram os pruneiros
impetos da paixo partidaria, sustenta/ a exdru-
xula theoria da impotencia da (oren publica para
garantir a ordem ameacada por elementos anar-
chicos dirigidos jor urna vontade superior.
Nao, au l'o* da certo vtmtade superior ex-
pressa as leis, nao foi essaift sociedades polticas, que se referi o escriptor
do Jornal do Recife. visto como disse elle nao
ha forca publica que possa conter urna tontade
superior, que dirige elementos capazes lie infun-
dir terror ao povo
O que des'a allirmativa se v claramente
que essa rontade superior <' extraoha ao povo,
visto como dirige elementos capazes de Ihe in-
fundir terror ; e, pois diversa d'aquclla a
que alludioo dsuto escriptur no scu segundo
artigo.
Este ultimo artigo, portanto, a coreceo do
primeiro, e por isa*, por esse peStet, entoado
por entre asroupagens de una rhelorica, declama
loria, cheio de lugares comiimns, damos os para-
be'ns ao escriptor do Da Dia.
Recife, 26 de Junho de 1889.
Beaco.nsfield.
Finda manda
a le, e ite da pro-
vincial solicitando approv icio foi pos-
to no correio e registrado naquelle mesmo dia.
Deinittido 'inpregaos, derm disso
sciencia ao delegado republicano, Domingos de
Souza Leo Reg Barros, que est exercendo
simultneamente os dous lugares (de delegado
de polica em pleno exercicio, e o de presiden-
te da Cmara Municipal.)
No dia seguinie foi ordenado pelo presidente
da Cmara aos em pregados .drmitlidos, que se
conservassem todos tres, no exercicio de seus lu-
gares, s:-b sua responsalnlidade visto que a'
Cmara (era maioria) nao tinha competencia
para demittit-os!! ..
Quem j vio semellianteabsurdo ? NSo escru-
pulisou o delegado republicano em assim pro-
ceder, tendo sciencia a consciencia de que rra-
va e desrespeitava a lei! I...
Continuam os empregados deraittidos a exer-
cer os cargos, e o Exm. 'Sr. presidente da oro
vincianenhuraasolucao deu at hoje.
fediraos providencias.
Serinhem, 2i de Julho de 1889.
Chegada
Procedente da provincia da Parahyba do Norte,
chegou honiem a esta eapilal acorapaobado de
sua Exma. familia, o distlncto e brioso capito
do 27" batalho de infantaria Ernesto AItbs Pa
ebeco, que tendo alli ccenido communicaefio de
aeharem-se gravemente enfermos seusveibos pai
e mai, nao perdeu um s momento era querer dar
mais Urna prova de sua extrpraosidade conhecida,
j como filho, mas tambem como pai; porm teve
a inlVIicidade de nao mairfpncontrar o seu indi-
toso pai que falleceu na rroite de 24 do correte,
deixando sua velha esposa e mi do nosso amigo
capito Pacheco em perigo de vida. A esse ami-
go to dedicado e suaExma. familia,enviamos
as nossas condolencias.
. Um amigo sincero.
PUBLICARES 4 Mili Di)
o
Penilet
O escriptor do Dia Dia Jornal do Recife, abes-
pinhou-se com o que bontera dissemos respei-
to da vontade superior que elle apregoara como
avassaladora de tudo neste paiz, e, censurando
nos a rhelorica declamatoria, e os tugues communs
de que usamos em seu proreito, declarou que
para escapar a sorte do autor dos Communi-
cadoi, nao se empenharia na questo de saber.se
ha vontade? superiores, s leis accrescenjfu-
do bastar que se saiba que no cosmos so^B
ao raro ver urna vontade penor .quet-rur o'
Pode agora o Sr. Hr. Fonseca, depois destas
iranscnpces, dar maior desenvoivimento sua
opiniao.
O publico, por sua voz lica habilitado a julgar
qual das fnterprctaces a verdadeira.
Recife, 96 de Julho de 1889.
Epilack) Pess.a.
COMERCIO
Kevista do Mercado
Recifs. 2G dejlluo de 1889.
O movimento limilou-se a transacres no mer-
cado de cambios e alguus pequeos negocios na
Bolsa.
Alm da venda de 16 acecs daCompauliiado
Beberibe a 155:5000 caak uma. constou parlicu-
armente terem sido'Wgociados C.OOOiOOO em
'itulos da divida publica geral com o descont
de 4 ,.
equilibrio de um dado estad* de cou
aflirraando que o que pretendlu dizer foi-que-
o direito do raaior numero est na estructura
da democracia, e que a democracia esl n des-
envoivimento da historia.
Se ieurtao un retrocesso feliz mejhores
Iheorias, boa doutrina que se traduz por este
heunstichio -&leyem habemns : se nao por en-
tre flores de rhelorica declamatoria, fazer amen-
de Iwnorable oos conceilos precedentemente ex-
ternados sobre a impotencia da forga publica
para conter os ameacadores da ordem quando
dirigidos pela tal vontade superior : ou nao com
prebendemos ns o va lente contendor, ou cerlo,
como j disse nao sabemos que escriptor pessi-
raista, que a palavra foi outhorgada ao homem
paricncobrir-lhe os pensamentos.
Que o direito do mabr numero est na estru-
ctura da democracia, nunca o coitestamos, nem
o contestaremos. Mas tambera o que nao pode
conteslar o douto escriptor do Da Dia que
esse direito se consubstancia as leis, e que por
tanto estas sao as verdadeiras vontade* superiores
e traduzera perfeitamente era relaco cada povo
o estado social respectivo-
E sendo^assim, como boamente ninguem po-
der contestar, claro, evidente, 6 indiscuti-
vel que s leis todos devm respeito e obedien-
cia, por que ellas sao a ullimaratio da vontade
nacional, legtimamente expressa pelos seus or-
gos naturaes ; e contra a vontade nacional
que a da maioria com quem est ou de vemos
suppor que est a democracia nos paizes livres,
como o nosso, ninguem tem o direito de insur-
gir-so, nem mesmo essa tontada superior de que
neeting aouuneiaclo para
o dia 99
E' sabido que o meeting repuDlicano annu
ciado para o dia 22 pelo intemerato Dr. Silva
Jardim, s nao pode ser effecluado devido uiii
cabiente aos manejos desfalcados da poltica li-
baral e, especialmente, aos daquelle que, s
agora, depois daasceiicio do partido dessa maaW
ma poltica e da passagem do Sr. Conde d'Eu
por esta provincia, est fazendo JpracV de sua
dedicaco a causa da mouarcliia.
Dingindoses massas, elle tentou incutr no
animo do povo o sentimento de odiosidade con-
tra Silva Jardim, a quem insultou, cbamando-o
deslealmente de raireiro dos nidenmisu as, e de
assalaruido pelos fazendeiro do sul,, Ijuando isso
uma falsidade revollante porque esse distinc-
to mogo a corponticac.to llel, exatla, do puro
e verdadeiro republicanismo.
Assalariados, sin, forain por quera hoje todos
nos sabemos, os capangas mandados para o
pateo da matriz de Santo Antonio oom ordens
de nao consentirein fosse por que meios, na
realisajo do wce/iniyanounciado.
Julgue se do criterio de quem aind|l.hontem
dando ao illuslre propagandista pblicos lesie
munlios de sympathia. al em declarares lrnla-
das pelo seuproprio punho, hoje derrama sobre
elle toda a bilis insultuosa do seu furor monar-
chico.
Felizmente para honra da provincia de Per-
Mnbaco epara vergonha da sitjaco liberal,
Iodos viramo que fu a rnanifeslar.ao popular do
1 Bia 22.
O re peofmm da Ierra requLsitou urna banda
de muaienHircial, e largou-se frente dola
percorrendoias ruis da i-.ipital, acompanhado
ipaaas do seu sequilo de todo- os lemposgen
te roda perteoceute a classe inma ''a popula
cao, no, brandindo grossos cacetes e empu
aliand%iQas, amearou perturbar a tranquil i i-
dade ptRlica, produzindo mesmo um certo pa-
mcotfia eiduJe e mudos fechamentos de casas
coiDmerciaes.
gossas-
Professora
Por casas particulares, na cidade ou nos arra-
baldes, offerece se uma senhora para leccionaro
seguinte :
Portuajtez, francez, italiano, geographia, piano,
tralialho de aguija, bordados e llores.
Garanta.Asdiseipulas effectivas que teme
diversos atteslados de pessoas illuslradas.
A tratar na relojoaria o^Renulador i\d Mari-
-VYEEiJADE ACM M T'O
Eii o que em data, de iO Je Jnrlho de 1888 esereveu o reputado clnica
Sr. Dr. ras A. da Silveira, residente em Barra Mansa, provincia do Rio de Janei
ro, em relacjto a um precioso preparado, que grande to aceitagao encontra hoje na
America do Sul.
t O Peitoe^Uj de Cambaba', importante preparado do Illni. Sr. J. Al
de S. Soares, de Polotas,-possuo propriedades balsmicas pronunciadas, e exerce irj-
rluencia. benfica em todas as affecjSes catharraos, principalmente as do appar.elho
respiratorio o genito-urinario. As affec^-Ses catbarraes do larynge, dos bronehios e da
bexiga, quando primitivas, codem promptamento ao uso reiterado do Ieitoral De
< ambara'.
* As secrec3es muco-purulentas, symptomaticas da tubercuiose pulmonar,
modiiieam-to vantajosamente, tornando mais desembaracado o campo da hematose
pulmonar.
E', portanto o Peitrral de Cambara' um heroico meio preventivo e
um auxiliar no tratamento da tysica pulmonar, to frequente no Brasil.
c Em nossa longa pratica temos tirado extraordinarios resultados* da tintu-
ra do Cambar, no curativo das fendas recentes, obtndo quasi sempre uniao por
primeira intenso, pelo que deduzo que o Peitoral de '..ambara' encerra principio
altamente anti-scepticos, virtudes therapeuticas procuradaa, hoje, para combater-s
as molestias da causa parasitaria, como soem ser a maaor parte das affecoes broncho-
pulmonares e genito-urinarias.
Despedida
O bacharel Ijalaquias de Queiroz Barros, nao
podendo despeuir-se pessoalmentc de todos os
seu* amigos e prenles, o fat pelo presente, offe-
recendo aos mesraos os seus diminutos presti-
mos na provincia do Rio Grande do Sul, co-
marca de Santo Ansclo.
Recife, 26 de Julho de 1889.
ADV06AD0 |
O bacharel Salusii^no Jos de /
Oliveira pode ser procurado para \
(3 os misteres de sua prolisso. Z)
** ra Estrella do Uosarion. 10, 1. -
nha, ra Larga do losario n '.'.
ser h
OOTAgKS
OFF
Bolsa ;
IAES DA JUNTA DO
FICIAKS DA JUSTA
RETOBES
Recife. 26 de Julho TJ889 4
Acces da (".onipanlna do eberibe, do valor m
iki ,. l>55 cada uma.
Xa Bolsa Vcnderamse
16 accOcs da Companliia do Beberibe.
.Rectincaco
No Diario de 25 do corren te foi publicado as
OtacOes-Apolices geraes de 1:000 a 960*000,
piando devia ser 1150* rada uma.
O presidente,
Candido C G. Alcoforado.
O societario,
Eduardo Dubeux
Alsodo
Cota-se a C 5900 o de Ia sorte do sertSo.
A exportacSo feita pelaalfamleganeste mzate
t dia liattingio a 1.217.610 kilos, sendo 703.816
nara o exterior < 513.79i pora o interior.
l'm pouco de papel particular foi passado a
i/B.
No Rio nao liouve alteraeilo. niantendo-sc as'
cotaces a 26 7,s e 27 bancario e 27 1/16 parti-
cular lettras escassas
TABELLA8 AFFIXADAS
- ..' z m 3- r- -o r"
~ t 7| 7a & ~ ~- o
c 2 Sm a ^. 2- =3
a OB S" - y t4 -
r-
* "3 *B * -
2. O -i 3 ' |
1 ' i i S
Filho degenerado da democracia pura! o que
feito de teu patritico civismo, de leu ardor
enhusiastico pela causa da liberdade, de que
outr'ora te constituste esforrad.) paladn !
Como esquecesle tao depressa os rcj tos por tamas vezes manifesiados na otoquente
e caustica palavra de apaixonadfl irauniaijao
com que verberavas os dcsatiuos da poltica fui
perial!
Ali! Tartufo qu acora te senes fascim-
do pelos bnlhos falsas do ulico ministerio !
E' que agora o leu corpo vai arrefeeer-se no
morno bein-estar das vantageos conmiodas
poder '
lnsriiii. Benpficcne dos OfQ-
claes da Guarda nacional
Tendo esle instituto de realisar a sessao magnj
de sua installacSo, no prximo domingo, 28 d
correte, no Theatro Sania Isabel, vem pelo
presente a directora abaNO as.-ignada, nao s
reiterar os convites feitos, como tambem de-
clarar ser franca a entrada no theatro para todas
as pessoas que decentemente ves las desejarem
asistir a referida solemnidade, que sei'
tada com as presenras do ExurfSi;.'6i||Si
presidenle da provincia e maiHl'orii
lendo comego s 10 horas dajnawflp '
Outro sim : a mesma di rectora pede o* com
parecimeiito de. lodos os rocos e dosdemais
Srs. olliciaes da guarda nacional, bem po"es-
pera que lio importante fesla seja lionram tam-
bera cora a presenca das Exmas. familia!.
No palco terJo ingresso as eommisses repre-
sentantes das corporages convidadas c os so-
cios do instituto, licando os camarotes de 1.* e
2.a ordens reservados paro as familias que com-
parecerem.
Recife, 26 de Julho de 1881).
Sebastio Muniz Basilio l'yrrho.
Presidente.
Joaquira Domingos da Costa,
Vico-presidente.
Gaspar A_Qjjftnio*dpJeis,
iy scereiario
Heriedino I!. fogneira I.imn.
2" secretario interino.
Heliodoro '.. Ferreira Rabelld
Thesoureiro.
Belisario l'ernamhuco,
Orador adjunto.
redro C. de Brito Mauedo,
Vega I.
AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin, saben yaque
podran leer los ltimos nmeros- de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de lvs
rs. Amde Irtiicc y C, sea en
el gabinete de lectura instalado por dichos
corresponsales, en el Pabelln dla Repbli-
ca de Lruatemala, en donde el comisario
taeral de OuateirMtla ha puesto graciosa-
mente a la disposicin de dichos Si'S.
Amde Prince y C, una sala con
terrado.
Para evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
da dita fabrica. (Assignado) o secretario,
Francisco I* Marinho de Souza.
Lei n. 19S
Ignacio Joaquiu de Sonza Leao, ba-
charel em sciencias jurdicas e soeiaes, i-
dalgo cavalheiro Jda casa imperial, cav;.-
lheiro da Ordem da Rosa e vicc-presidec-
te da provincia de Pernambuco :
Faco saber a todos oaseus habitantes
que a Assembla Lcgiaifltiva Provincial
de^retou e. eu sr.nccionei a rcsolu^ao se-
guinte :
, Art. 1.- Fica o presidente da provincia
autor;sado a conceder, por praso impro-
rogavel de dez annos, privilegio a quem.
mais vantagens ofl'crecer para montar, nes-
ta provincia, a primeira fabrica de cimen-
to preparado com materia do paiz.
Art. -." O cruento produzido pela fa-
brica de que se trata nao gosar de isen-
cao de imposto algum nem de quaesqner fa-
vores directos ou indirectos que tenhara
por lim prohibir a entrada ou venda n..
provincia de.-producto similar, nacicna ou
estrangeiro.
Art. 3.''Se no fim de dous annos, a
contar da data da presente le, nao estr-
ver a mesma fabrica funecionando regu-
(,u,de.moa," donde el "comisario lwmeote, | "Ctual concesaito de privilegio,
aera ipto jacto considerada caduca.
Art. 4." Fr'am revogadas as dispos.'-
^oes em contrario. Mando, portanto, a.
todas as autoridades a quem o conhec.--
ment e execucFio da presente Resoluca
pertencer, que cumpram e facam cum-
prir tao inteiramente como n'ella se con-
tera.
pondencia a la casa de los citados Hvti. I
Amde iBrJnce y V. debern hacerlo I
36 ru Lafayette, en donde estar espe-i Secretario Interino da Presidencia
cialmente organizado ese servico. (2)!desta Provincia a faca imprimir, publi-
|car o correr. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, G de Maio de 1880, 68. dv.
Independencia e do Imperio. (Assigna-
do).Ignacio Jo.iquim de Souza Leao.
Sellada e publicada a presente Resolu-
eSo, nesta Secretaria da Presidencia de
.'
Tartufo !
A Ye\
A iii'jnacao.
aleada
caicaaa aos pr.
No da 2 do.corradle, leve lugar esta villa,
a sesso da Cmara Municipal, convocada para
aquelle dia, qual compare'cerara quatro verea-
dorea. Formou maioria e uutcionoii, nao tendo
comparecido o presidente >f vice-presidento.
nao obstante morar o vico presidente icsta
villa.
Trataram de diversos assum'ptos, iuclusj
dos empregados que foram deraittidos por
cumprirein seus deveres, e foram Horneados ou-
tros para os substituir, de sua conliaara.
Aviso aos siovsos leitoi'c
Os nossos leitores que visilarcm i aris
durante a ExpoaicJto j sabem ro 1er os ltimos nmeros rccMn-cnega-
S do nosso jornal que em casa dos Srs.
mde Prince & O, 3(3, ra Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na exposieao
no Pavilblo da Repblica de Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de por
graciosamente uma sala com var.anda
disposicao dos mesmos senhores.
Para se evitar qualquer confusiio, os
nossos amigos que quizercm receber a
feua correspondencia em casa dos Srs.
Anu'-d lince & '.. ilevem mandar cliri-
| pl-a ra Lafayette, n. ''>''>, por ser a
ede do servico especialmente
Dar isso.
i. 4
E' sobreludo em casos de almorreiruas que o
Cnguenlo de Avelcira Mgica do Dr. C. C. Hris
tol, fz ver mus maiavilltosos efteitns, pela ib-
sorpeo cutnea, que ao mesmo lempo esio-1 Pernambuco, aos G de Maio de 1889. "
Haraiaa, resoUe e cicatrisa: o mesmo acontece o i.; ;.;
no jtraiame.ito de lo.la a elas-.e de tumores ev, > secrctano interino,
teros ou abeessos, l'erdas suoniraiiU-.s, cha-as Manoel Joaqutm Sdveira.
e unas alieecoes locaes externas de igual na-" .............. -.............................--........-----.......---------------
tnieal, nasquais o l.'nguenlo dt Aveleira Magi-j Secretaria da presidencia de Per-
; e.ristol, obra coiua/poreacan-j^arabuco, >> fe ,Hm\l(i je i889.Por es-
la secretaria se faz publico, de ordem do
(Exm. Sr. vicepresidente da provincia,
que lica prorogado por 30 dias, a contar
de hoje, o prazo para a apresentacao de
propostas de concurrentes fundacao de
onze engenhos centraes nesta provincia,
nos termos da leia n. Ivl2, de 22 de
lamento.
'
EDITAES
o dia 2i subi a 3.001.Wl kilos, sendo 855.171
para o exterior e 2.146.29') para o interior.
Al entradas verilicidas at a d.i de hoje, so-
liera a 4.6.'lo saceos, sendo por:
rganisado
i.:i seccSo.Secretaria da residencia de l'er-
nambuc.) em 10 de Julho de 1889 :
or este secretaria se faz publico para con he-
cimento de quem inleressar, que. a requmen-
lo de Jos Bcrnardino de Bourbom Arantes. ii-
ca aberta a concurrencia, com o praso de trinta
dias, contados desla data para o recebimento
de propostas referentes fundacao de um enge-
r.ho central de ivpo raaior, de que trata o art.
18 da le ii. 1865 de H de Agosto de 18^i. me-
dido te as condicoes do art. 16 da mesma lei e
da de n. 1972 de 22 de Mareo ultimo.
(Assignado).O secretario, Francisco L. Mi-,
rutho de Souza.
Mareo do corrente anno, observadas as
disposieoes constantes dos editaes do 25
de Maio ultimo e 3 do corrent
5a SeceSo. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, em 16 du Julho de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, que, tendo Caetano da Costa
Moreira requerido a concurrencia publi-
ca para o cstabcleciiueii'.o de uma fabrica
de cimento preparado com materia do
e.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto de
il. Tamborim.
DECLS5ES
Veiiravel ordem 3.a de N. S.
do Carmo do Recife
BDe ordem do carissimo irmo prior, convido -
todos os nossos carissimos irraos a compirece-
rera era a nossa igreja,munidos cora os seus coo>
petenies hbitos, domingo 28 do corrente, pela?
21 2 horas da tarde, afim de encorporados irmos
paiz, nos termos da le n. 1987, de G de I acompanhar a prncUsoda Senhora Saut'Anna.
Maio deste anno, infra franscripta. fica' que sabir da igreja da Madre de Deua^
. ,. r, ,. Secretaria da veneravel ordem .{.* de >. S.
mareado o p aso de trinta dias, contados
do hoje, para o recebimento de propostas,
i em carta fechada, referentes a fundacao
do
Carmo. 27 de Julho de 1889.
O secretario
Jos Castor.
Hamacas .... . 2 121 Saceos
s'a oores .... , 56
Animaes .... 58
Via-fcrrca de Cantara. _ 2.i
Yia-ferrea de S. Franci =CO. i 8;ii
Via-ferrea do Linioeiro " V.-2
SomiBa 1.193 taceos
AsunrdcDte
Cota-se a 105501)0, por |pa de 481 litros.

3?
-r
i
As entradas rerificadns at 3 data de hoje so-
>em a6.636 saccas, seudo por:
Barcajas.....
Vapores ...-_
Animaes .
Via-ferrea de Caniar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea de Limoetro .
1.118 Saccas

1 914
225
269 <
aorama.
Cambio
Os bancos mantiveram
m apparecerem tomadores
pequeas quaotias.
6.636 Saccas
ara
V 1 t
I* 8
, m , ^ |P- * eo s?
o ; O! <
*-a c: -c 1
:
=
J- . . !* CO ex s
s> o --J ^ X
o
>c o
B , -* * . co o a. ?
^ ' t! <
30 tt ce f?
e>
. s .
X 1* ft B i* t OS CO - . !*
f o o 5? ex . w
t* ^i ^J X
* S 5"
a. K
fc # co ^1 S
' " " -1 . ti X <
s> a
M -
t. l *- - 1 CO ex ea j.'. r' Q 1
Alcocl
Cota-se a 260/000 por pipa de 480 litros.
Hel
a 70000 por pipa de 480 litros.
*
na
Asquear
Oa preco8 pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associajo Commercial Agrcola, Toram
os seguintes:
Branco -. U>m a 44400
Somenos..... 34000 a 34400
Mascavado purgado 2*600 a 24800
firuto. (firme) 24000 a 24400
Retama M700 a 14900
.uortaciofeita pela aUaadcgaueste mez at
-
'ouro
flsalsados, 300 a 365 rts, r.ominal.
hase de 12 kilos,
Paula da alfande^a
8BUANA 11. -J* A 27 DB JLXHO DI 1 Vide o Diario de 21 de Julho
/Varios descarga
Barca norueguense Ge/ien, xarque.
Barca norueguense Arcndal, carvo.
Barca norueguense Speranza, carvo.
Escuna allem Fritz, xarque.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar norueguense Mbatroz, carvs.
Lugar inglez Indiana, grasa
Patacho nacional Rival, arque.
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho inglez Hafren, xarque.
Patacho allemo Marie ton uldeudprw, xarque.
Patacho hollandez Broedertrou-, xarque.
Fmportaca
Vapor nacional Sergipe,
sul, em 26 do andante c
U/.orio de Ccrqueira, man
Arroz de casca 200 sacc,
203 saceos a M, Lima 4c C.
Carroca i a Ferreira Rodrigues &
Fazendas 1 fardo a Luiz Antonio de Siqueira,
Iva Guimarites *C.
Oleo 3 caixas a A, Pohlmann.
Vapor nacional Pr entrado dos portos do nor-
te, em 26 do corrente e consignado a Pereira
Carneiro A C, manifestou :
AniostJs 2 voliunes a ordem. Arroz l.o
saceos al. Gooealves da Rosa.
Farinha l.OO;) sarcos a M. Goocalves da llosa.
Gorama de mandioca 10 paneiros a Costa Lima
4 C, 10 a Pereira de Paria C.
Millio 1.000 saceos a IVrreira Rodrigues & C,
300 a Fernaudes da osla & i..
Manteiga20 caixas a II. J. i'erman.
ue 746 fardos a ordem.
9
ltcce(.*cdorla Ueral
Do dia 1 a 25 ST.iliSj'Ji:
dem de 26 1.5104212
rjx|)ort:tcao
beci-h 25 iiaybi.uo o Pura o exterior
.No vapor americano Allianra, carregou :
Para .\ew-York, Rossbucft Brothers li,G4
pelles de cabra.
Para 'o interine
No vapor Trance r't'tcde H.uenosAijres, car-
pegou :
Para Sant03, F. M. Doarte de Azevodo 100
saceos com 6,000 kilos de assucar mascavado e
50 ditos/com 3,000 dilos de lo brauco.
No vapor inglez Ooiafa, caajegnram :
Para Rio de Janeiro, Pj Hroeir'& C. 18 sac
eos com 1.350 kilos de assRar masi avado e 32
ditos com 2,400 ditos de dito branco.
- No vapor nacional \'ara. earpeapram :
jfcraltiode Janeiro^ Amor i ni IrmmfSC. 1,047
Hecos com 6i,80 kilos de assucar hranco.
Para Victoria, P. Carneiro & C. 10 saccoo cora
7S0 kilos de a-su ar branco.
'^ftira Bahia, J. G. da Cunha Pcra 3 barricas
cofc 240 kilos de doce.
No vapor nacional Espirito Sanio, carrega-
aD.4494139
Rcce!>cdoria proviaval
Do da 1 a 23 132 848783
Idetnde26 1:4X14098
---------------134:281*883
Do dia 1 a 25
dem ilc 26
Slecifc llrainage
"i
Piara Manos, H. Oliveira 20 barra com 1,920
litros de agurdente.
Para Para. M. A. 'enna & C. 100 barricas cora
6,700 k los de assucar branco.
Na barcada Rainha dos Anjos, carregaram :
Para Maco. M. Viegas A C. 6 caixas e 5 gar-
rafes com 102 litros de gene'bra.
Readlmentos pblicos
MEZ DI JI.NHO
AJfanaega
Renda geral:
Do dia la 23 563:762*927
dem de 26 20:1864879
6:7894273
139*579
Dinheit'o
RECEBIDO
-:0 Jr
I
Pelo vapor
Niemeier Cali
Londo,. S Liras
Rodrigues Lima
Amonoi Irmaos A 0
Gomes de Mayps Irnu'os
Carlos PintqJBLen}os
Julio & IrmJBP
DuaYte & C. T-
Fernandos & Irmaos
Padre Dr. Jeronvino Thomeda Silva
Para, do norte para :
H.OOJOOO
9.02i200
5.236m:o
Preces do dia:
Carne verde de 200 a 480 ivis o kilo.
Carneiro de 7-0 a i i res dem.
Sainos de 560- a Ci ris dem.
tarinha de 640 a 800 ris u cuta.
Milho de 40") a 500 ris idem.
ao de 1^200 a U6U0 dem.


'V?
Hatadoiiro publico
Neste esiaDelecimento foiara abatidas para o
consumo de hoje 89 rezos pertencentes a diver-
sos Qiarcantes.
---
Vapores a colrar
MEZ DE JLHO
"Sai........... Espirito Santo..... 27
?

liuropa
No-te......
Aconcagua
Adame
2S
28

17 as
Moao
)400
OOO
^*66480O
l.OOOpOu
Renda provincial
Do dia 1 a 22 73:9634594
dem de 26 2:4634371
585:9494806
76 4284965
Somma total 662:3784771
Segunda seccSo da Alfandega, 26 de Julho de
1889.
8 thesoureiroFlerencio Domingues.
ieocao -Cicero B. de Mello.
Mercado Municipal de S. Jos
O movimento deste mercado no dia 23 de Ju
lho foi o seguinte:
Entraram :
43 bois pesaodo 3,271 kilos.
324 kilos de peixe a 20 ris
40 cargas cora farinha a 200 ris
13 ditas de milho a 200 ris
10 ditas defrucias diversas i 300 ris
16 taboleiros a 200 ris
11 suino3 a 200 ris
30 matulos com legumes a 200 ris
Foram ocetipados :
27 columnas a 600 ris
1 escriptorio a 300 ris
24 compartimentos de farinha a500
ris
24 ditos de comidas a 500 ris
87 ditos de legumes e fazendas a
400 ris
16 ditos de suinos a 700 ris
8 ditos de fressuras a 600 ris
46 tamos a 24
0518U
84000
14600
34000
34100
2*200
6000
164200
300
124000
124000
344800
114200
44800
924000
Rendimento do da
rente
1 e 24 do cor-
1144780
5:2124340
Foi arrecadado liquido at hoje
5:4274120
5 ii.
3 h.
5 h.
Vapores a s
MEZ DE JL
Sul.......... Para......
santos u esc. Ifc..v /;
5.000400! Norte......... sj>nto Santo ..... 8 as
'.0004000 -----
Hovinieato do porto
Afaviox entrados no dia 26
Manos e escala14 dias. vapor nacional #!
de 1,999 toneladas, commanSantc A*'
Ferreira da Silva cquipagem 60, carga
"caeros; a Pereira Carneiro & C.
Bahia e escala11 dias, vapor nacional Sergip,.
de 411 toneladas, commandante Joaquim An-
dr 11. de Mallos, eSaipagem 27, carga varios
gneros ; a Pedro TJsorio de Ccrqueira.
Havre e escala19 dias, vapor fraocez Vdle de
Buenos-Ayres, de 1,333 tooeladas,. comman-
dante Le Bourhir, cquipagem 36, carga \arjos
gneros; a Augusto Labille.
Rio' Graode do Sul-21 dias, escuna inglesa Hr-
turn, de 98 toneladas, capito onald Kelse.
eqaipagem 6, carga farinha de mandioca: a
Santos Maia C.
Rio de Janeiro5 dias, Tapor inglez Commo-
walt'i, de 579 toneladas commandante fc.
Taulkner. equipagem 17, carpa varios gne-
ros : a Wilson Sons C.
Rotterdam 48 dias, barca allem J. P. Puet, u
414 toneladas, capito F. ieyher, eqUi|
12, carga carvo de pedra; a'Livramento & C.
Pavsand35 dias, lugar norueguense Oten, de
994 toneladas, capito D. C. Steensohn,
pafjem 8. carga sebo; a Pereira -Carnein
A 0.
Navios sonidos, no mesmo dia '
Porto-Alegre e escala Vapor inglez C
commandante D. W. Ogg, carga v;
ro3.
ParahybaVapor inglez Merehaut, coniraj^^^l
te II). PtaU, carga varios gen
*
-.'I*r*-^SMl



Uiar
rnambucoSafcbado 27 de Julho de 1889
Associacao dos Ei
dos no Cpnmxercio
Perijarabuco
Assembla geral
TERCEIRA E l'LTIMA CONVOCADO
Nao se teodo reunido numero legal de Srs.
consocios para ler lugar i scssao ordinaria ja
annunciuda por dui d< ordeai do Illiu.
Sr. presidente 3sconvido de novo a se reuinreiu
no prximo domingo, 28 s <> horas da
noiti!. certos de que de coaforinidade cora o que
preceitua o art. ;9 dos estatutos, a assembla se
constituir co.u o numero que comparecer. .
Essa sessao aera para as eletcocs da mesa
desta assembla, directora e conunissfto de exa-
me de cenias, podendo liatar-se de quaesquer
outros assutnptos.
Se resolver a respeito da reforma dos esta-
tutos.
Jtt|pprecisa de encarecer a necessidade do
coabparcciuiento de lodos os Srs. cou->ocios, por
Juau'o espero que se coinofcuetraio de seu
ever.
Secretaria da assembla" t;eral, 23 de Julho de
1889.
Augusto Ai da Silva,
, Secretario ad lioc.
Irmandade da Gloriosa Se-
iihora Sant'Anaa da. igreja
da Madre de Deus*
Teado esta irmandade de solemoisar com
pomjjSe brilliantisrao no domingo 2Sdoeorreu-
te. o da de. sua gloriosa padroeira, com festa
solemne eTe Deum. e bem assim deexpr pela3
3 boras da tarde era solemne prorisso a mesma
gloriosa Senbora, covulu pelo presente todos os
seus irmos a comparecerem era nossa reja
alim de encorporados, assislirmos apaflefuridos
actos .
Consistorio da irmandade, aos 2.i denlho de
1889O escrivao ,.
JoSo Alves Pimentel.
Veneravel irmandade do Se-
nhor Bom Jess dos
Passos
' Por ordem do irmo provedor, convido aos
nossos charos irmos a comparecerem na matriz
do Corpo Santo domingo -H do corrente, pelas 3
horas da tarde, alim de encorporados, acompa-
nharmos a proeisso da Senliora Sant'Anna da
igreja da Madre de Leus, para cojo lim tomos
convidados. Recife, 23 de Julno de 1889.
O escrivc
M. M. Compos Jnior.
Correio Geral
Halan a expedir-no hoje
Pelo vapor brasileiro Har, MU administra-
o expede malas para os porios do sol, rece
bendo impressos e objectos a registrar at 2
horas da larde, e cartas ordinarias at 3 horas
ou 3 1,2 com porte duplo.
Administraco dos corrcios d Pernambuco,"
37 de Julho de 1889
O administrador,
Alfonso do llego Barros.
Prazo de 30 das
ordem
i, Caco
Mara Clara de Ifel-
i.l sido por acto da presiaeu-
cia de da pr ;viucini:ijdojcorrente, transferida do
Bom Successso na cidade de Olinda. para a ra
do Commercio na mesma cidade pre-
juizo. a cadeira que -egrt, i Be marcado o pra-
-o de 30 dias, a contar daqucjla data, para tomar
pos-e e assumir o respectivo exercicio.
Sacretaria da Instrucco Publica de Pernam-
buco, 23 de Julho de 1889.
O secretario,
Pergentino Saraica de Araujo Uo
Prado Pernan bu cano
So daro ingresso na corrida a realnor-se
domingo 8 do corrente, os bilhecs especiaes,
impressos para esie da, com cxcepcSo dos bi-
Ihetes intraiisferlveis de accionista e os perma-
nentes. Recife, 25 de Julho de 1839.
Francisco de Soasa Reis
Gerente.
Irmandade de ". S. do Rosa-
rio da matriz dO CorP
Santo
De ordem ^o irir.o juiz. convido todos os
nossos irmos a rontiurccerjp eiu nossi igreja
domingo -H, pilas -1 !i ras ftanlc. afim de en-
corporados, achispan Marino a proetasSo da ulo-
riosa Sini'Anna. que trio de sabir Madre de Deas pafaaquol fomos convidad is.
Becie, 2o de Julho de 1888
escrivao,
Nuno Arves daFonsecn.
QUE SE REALIZAR
Domingo 28 de Julho
*
\omci
3
=
=
Folio
datara-
lid.

CArtaa vesti-
menta
ProprletatrloN
pareol'ouolaro Prmeira turma8
timbara ganho tos prados do Recife.
tros.Animaes da provincia que anda nao
200>ao 1.", 405 ao 2 e 20 ao 3."
Colonia Orphanologica Isa-
bel
De ordem da directora desta colonia previno
aos Srs. tutores ou protectores .de menores des-
pachados para quando houver vagas, de nao os
apresentar sera serem chamados por este Dia-
rio [>or nao ha ver vagas presentemente.
Secretaria da Colonia Orphanologica Isabel,
16 de Julho de 1889.
O secretario,
Francisco Goncalves de Siqueira.
Indemnisadora
Esta companliia de seguros est pagando urn
lividen Jo de 1350 O por accao, relativo ao ulli-
uo semestre lindo era 30 de Junbo prximo pas-
sado, cm seu ere -iptorio ra do Commercio
mraero 44.
Recife, & de Julho de 1889.
Os directores
Joaquim Altes da Fonseca.
Antonio da Cuaba Ferreira Rallar.
Derby Club de Pemamlieo
Previno aos llims. Srs. proprietarios de pe
-juiras que quizerera inscrevel-os para a 17' cor-
ida do Derby, ;' realizar-80 em 'i de Agosto
prximo futuro, em pareo -pequiras da provin-
cia at : 1"',28 de altura,que podero apreseD-
BJ-08 para serem examinados e medidos quin-
a-leira. daf 3 horas s 5 da tarde, no ensilha-
neato do Prado da Estn :a.
Recife, 23 de Julho de 18N9.
O gerente,
Untnque Srhulel.
Pela diree.toria foran impostas, por faltas
ommelliJas na corrida de 21 do correte, as
~ei.'iilntes penas :
Multado o jockey Pedro Alejandrino em lOftp,
por ter propositahuente comido e desgarrado a
gua Stella, na qual montou no 8" pareo.
Suspenso por quiote das o jockey Jos Mea-
jas, por ter abancado proposilalmetite, ao sigoai
re partida, o cavallo C\ clone, em que moniava
10 3o part uoufta imposta em vista da iuror-
naeo do starter).
Suspenso por dous mezes o jockey Olympio,
,wr nao ter disparado propositalment, ao iilo
le larga, o animal em que moniava no V' pareo
multa imposta em virlude de inforinaco do
-tarterj.
Pelo starter foram impostas as segaiotea pe-
as:
Suspenso por um mez o jockey Thomaz, que
montou a cgua Stepbaoie no t" pareo, por ler
insistido em partidas falsas sem attender abso-
lutamente s observaces do starter.
Multados cm 9OJO0O cala um os jockeys Bal-
bino Moreira c Feppe, por tereai provocado a
Dqaietfcao dos animaes era que montavara no
'i' pareo, taxeodo partidas falsas, su atiendendo
is obsCrvaees do starter depois de repetidas.
Recife, 23 de Julho de 1839.
O gerente,
Bemnqae Sckutet.
Corapanhia de Edificacao
A commissao abaixo assisnada autorisada pe-
ta assembla cn\ da Companhia de Editicago.
fea tni.-passo cora todos os favores que Ihe fo-
ram concedidos pela assembla provincia!, dos
(KOI bens abaixo declarados :
Diaria da Torre com os terrenos, casa de vi-
/enda, machinas, earrora*. Lunes, bois. candas
o todo o material al existente.
Casa do Caes de Capibaribc. madeiras, ferra-
is, 'olas ajiautros muiios artigos.
Cofre, carteiras e diversos utensilios para es-
npiorio.
Os preti-ndentcs podem examinar a quaaida-
de, qualidade e estado deludo quantoah lica
mencionado, para o que Ihrs ser facultado o
lalanco na sede da companhia praca de Pedro
'I n. 77, 1 andar, onde encontrarlo pessoasque
laro as exali' casaras.
As luujIJflTi scro fetas em cartas fechadas
Jue deverStser entre?ucs neste escriptorio des-
e i al sabbado 27 do conenl--s 3 horas da
urde e sero aberlas na segunda feira vinlouru
29 s 11 fibras do dia, peranle os concurrentes
fue se acharern presentes.
Nao serto aceitas propos'a< de quera previa-
mente nao tenhu depositado no <*frc da compa-
. a qnanlia de I O'OiOOO, em dinheiro ou
jpoiices da divida publica ^eral cu provincial
Tan em accAs da companhia. que pela sua cota
ao representem aquella quanlia.
Basa mesma caucho reverter em favor da
umpar.liia se o BijHkrio da proposta aceita
tio realisal-a no prasKWe oilo das contados da
-bertura da mesma propost, 'a qual neste caso
icar de.nenhum elTeitd.
Recife, 22 de Julho de 1889.
Jos Gomes Ferreira Maia.
Bernardino Costa C. Jnior.
J jaquim de Oliveira Borges.
Irmandade de Sant'Anna da
igreja da Santa Cruz
ELEICO
Convido a lodosos nossos carissimos inas'is a
i parecerem no respectivo consistorio no dia
28 do corrente mez, pelas 10 horas da manh,
alim de se proceder a eleicao dos nevos funecio-
-arios que tein de administrar esta irmandade
o aano coraproraissal de 1889 a 1890," depoifi
etebrada a missa votiva do Espirita Santo,
^mo determina o cempromisso da nossa irman
Consistorio da irmandade de Sant Anua, erec-
a ireja da Santa Cruz do Recife, 24 de Julho
de 1889.O secretario
Antonio Alves Vilelta.
Irmandade do Divino Espi-
rito Santo do Recife
Posse
De ordem da mesa regedora convido a todos
os nossos rharissimos i-maos a comparecerem
em nossa igreja, domingo, 28. do corrente, pelas
11 horas do dia, alim de assistirera ao acto da
posse da mesa regedora que tem de administrar
esta irmandade no anuo compromissal de 1889
a 1890, e ouvirem a leitura do relatoriodo juiz
que linda.
Consistorio, 2o de Julho de l8'.t.
O escrivao intering,
Antonio Mayalhaes da Silva.
Veneravel Irmandade do He-
nhor Bom Jesiis dan Portas
na Igreja da Madre de Saetas
De ordem do irmo provedor, sao convidad^.i
lodos os nossos irmos a comparecerem 'fH
rile,
Tyranno -.
Hii'idinaio.
Ecla......
Humilde ...
Soberano
Piraj .....
Siroco .....
Thisbe.....
Guie.....
Ceo.......
Pao Brasil %4%
Muscadim..
Villa.......
Conforme ex
Vi nli o
b raneo..
Alazo......
Baio........
R. pedrez...

Cardo ..
I'.usso ...'..
Cardan-----
Pedrez .....
Itusilho ...
Baio.......
Castaubo...
Russo pedrez
Pcrnamb..
51 Verde e ainarello...- S A.
56 naneo azul___*... J. Gardener.
o't lrenat e ouro...---- i.
36 P. M. N.
C. Jock Club.
.Vzul e hranco...'...' Coud. 8 de Junho.
33 S. B.
81 Aun verde......... l.#M. de Abren.
.-w L. A.
'.iicamado e preto... C. Rossback.
50 Azul............m Candido H. R.
.14 P. 11.
H Encarnado e azul.... V. T.
:ii Jos Valente.
2 o PareoIo de Julho 1.300 nielros Anitnaes pelludos do paiz. Premios : 300 ao
Io. GO* ao 2o c J0 ao 3o
TSEATRO
S11T0 ANTONII
Propriedade e empresa dos artistas
EDUARDO RODRIGUES EJOEUBNA BALSEMAO RODRIGUES
Dini:cvlo DO ACTOR
G. LISBOA
A l." representoslo do drama em 5 actos
DOMINGO, 28 DE JULHO DE 1889
A Tomada da Bastilha
a
Enorme e sucelsso
::
Ophir....
Hamlet ..
Mon corvo
Favorita .
Cmela. -
Recife ..
Aymor ..
Castanho-.
Turd. negro.
Tordilho-----
Zaina.......
Alazo......
Castanho-..v.
*
S.Paulo... so
48
i S2
n 60
54
i :6
* SI
Encarnado e preto- .
Azul, branco eenc..
Azul egrenal.......
Verde c amarello____
Azul e ouro.........
Coudelaria Cruzeiro.
Coudelaria Venturosa.
C. A. V.
Maia & C.
Coud. I.uzo Brasileira.
S. P.
P. V.
pareoVeI*JlaUe900 metros-Auimaes da provincia que nao tenham ganho
distancia. Premios : too ao i() ao 2" e 20-5 ao 3
em maior
mingo 28 do corrente, pelas 3 horas da lara
para encorporados acompanharmos a proeissS
da Gloriosa Senhora Sant'Anna. que sahe d.esta
igreja; para cujo lim tivemos convite.
Secretaria da Veneravel irmandade do senhor
Bom Jess das Portas. 2" de Julho de 1889.
O serela rio.-
Jos Joaquim da.Silva Otrn/io*.
Banco de Codito Real
de Pernambuco
Este estabelecimento, de accordo coja o art.
54 dos estatutos, paga o seu 6" dividendo, rea
tivo ao semestre lindo em 30 de Jim lio do cr-
lente anno, razo de 5 ".'- sobre o valor das
entradas realizadas d- capital, ou S-iOOO por ac-
eis. desde as 10 horas
de. em sua sede ra do
Quixaba
l'liunsi'ii ex-
Orange .
Pombo 1*1*10
Cyclone.....
(lerreiro ..
Etna......
Esquimo...
Tupa.......
Good- mor-
ning.....
Marat.......
Bolachiuha
lucifer
Bonajiarte .
Dnbbn -t...
Rodado,.
Castanho-----
Cadhito------
Rodado .....
Alazo cachi.
Castanho .
I! douraililho
Russo pedrez
Rodado
i
Russo ..
Rodado
Cardo .
Pernamb..
56
58
54
36
56
56
Si
36
56
56
56
36
54
Azul e encarnado....
Grenat eouro......
Greaat...........
Verdp e branco-------
Grenat..............
Encarnado e branco.
Encarnado e azul-----
nat e ouro.......
I, branco ecncar.-
icarnado e azul
CA.
T. Pernambuco.
Coud. Victoria
s.B,
Coudelaria Progresso.
J. Oliveira.
Augusto M.
Jos Mello.
R. Cardoso.
Coudelaria Demcrata.
J. M. B. C.
Ccha & C.
R. G. L.
L. J. M.
cO. todos os das
daainha s 4 da
Commercio n. 34.
Recife, 22 de Ju
e 1889.
O gerente.
Judo r'ernundcs Lopes.
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director
geral, e em virtude da autorisago do S. Exc. o
Sr. 1." vice-presidentc da provincia de 16 do
corrente, foco publico que uo dia 8 de Agosto
prximo vibdouro no meio da, nesta directo
na recebe-se propostas cm cartas fechadas,
competentemente selladas, para execueo dos
reparos precisos na ponte da Magdalena^ sob-e
o rio Capibaribc. na importancia de 9:587200.
Para concorrer a praca acimo devero os lici-
tantes depositar no Thesouro Provincial a quan-
tia de 4795360, equivalente a 5 O.'O do valor do
orcamenio.
Secretaria da directora Heraldas Obras Publi-
cas de Pernambuco. em fO de Julho de 1889.
O engenheiro secretario
Luiz Antonio C. de Albuquerque
SANTA CASA
CASAS PARA AJUICIAR
Rna do Vigario Tenorio n. 27, loja
dem idemn. 22, 2. andar
dem idera idem, 3." andar
dem do Bispo Sardnha (Encanta-
mento) n,ll. 2." andar
dem do Mrquez de Olinda, n. 44, so-
brado de dous andares
dem idem n. 33, idem idem
dem do Bom Jess n. 29, loja
Idem do Bom Jess n. 29, 1." andar
Mem idem 2o andar
dem de Thm6 de Souza (Lingoeta)
n. 14, 1 andar
Idem da Senzalu velha n 16
casa tema
Becco das Boias n. 14, 2" andar
klem idem 2" andar
fdem do Padre Fioriano n. 63, caza
terrea
Jdem S. Bom Jess das Crioulas n.
2O00O0
iSOOOO
180*000
240/000
2:131*000
1:200.! 000
2165001
2400(lo
240*000
1805000
nsion
ISOfOOO
260*000
1685000
2163000
3ti0j> 00
96*000
60*000
T2*eoo
fk." Parco.Prado Pcrnambocano-1,500 metros. Animaes de qualquer paiz.
Premios : 5003 ao 1, 100* ao 2. e 30* ao 3.
CLUB
PERNAMBUCO
-

jgggs m ^-^mm--
<-^^ 3
:
Diana.....
l'agolin ...
Apollo.....
Gallia.....
Stephanie ..
Africana-----
,3
3
i
5
4
Alaz.
Castanha ..
Zaina......
Franca .
R. da Prata
Inglaterra.
R. da Prata
30
54
52
52
50
:i
Azul e ouro
Branco c ouro
Azul e ouro..
Rosa e preto .
Coud. Iiiturnacionajk
"i
Joo de S. '
Coudelaria Emulacao/
!\ C. Rezende. *
iudelaria Riachuello
5' PareoFerro Carril 1.200 metros. Anitnaes nacionaes at meio 9angue. Pftmios
3003 ao 1." 60* ao 2." e 30* ao 3.
Mandarigj...
Minerva^...
Favorita
Corcovado ..
Ruy-Blas ...
Risette.....
Douro......
Mimosa......
Itusilho'.. ..
Douradilha..
Zaina .
Castanho....
Alazo......
Zaina.......
Alazo......
S. Paulo--
R. de Jane.
S. Paulo..
R. de Jane.
S.; Paulo..
54
52
54
54
54
56
54
48
Rosa c preto........
Azul, branco e cuc.
Encarnado e ouro ...
Rosae preto.......
Azul e ouro.........
Azul e grenat........
CouJclarilf Cruzeiro.
* aV
Maia & C. W
Coudelaria Paysand.
Artnur Silva.
Olive'ira fi; C.
F. .\
C. A. F.
fi. PareeDerby Club de
Per ni
ambneol,iWmetrosAnimaes da provincia. Premios
2003 ao 1". 1005 ao 2" e 20* ao 3"
7.
Arumar
Sorpreza...
Arumary-----
Beberibe.. .*
Templar. .
Gerfaut......
Delegado
-i
i
5
10
5
I
Castanho...

Alazo......
Russo......
Rodado.-----
Zaino.......
Castanho se.
Pernamb..

34
32
54
60
54
32
54
Azul e grenat.......
Azul e rosa.........
Violeta e ouro.......
Encarn. preto, e ouro
Encarnado e azul...
F. S. c Bastos.
Coudelaria Cruzeiro.
F. S. & Bastos.
Coudelaria Beberibe.
J. F. Ferreira.
Luiz Pereira fe C.
J. M. M.
ParcoImprema JPernambucana-1,200 metros. Animaes da provincia que anda
nao tenham ganho em maior distancia nos Prados do Recife cm 18e9.
1, 40* ao ao 2o e 205 ao 3.
Tupy ......
Vamos-ver.
Sneca .....
Esquimo ..
Vil lago....
Elo .......
Atheu.....
Pirraca ------
Tupa......
Beberibe...
Bonaparte .
Ijruarass
i
3
10
5
i
' 3
Baio........
Rodado
Russo pedrez
Rodado .....
Mellado.....
Castanho ..
Russo pedrez
Russo......
Rodado .....
Alaxao
Turdlh
...
Pernamb-.
Encarnado ebranco..
Verdee hranco.
Azul c oura. ...
Uuro e vede...
y
F. C. Reifcnde.
J. M. R.
U. R.
A. Miranda.
H. AV.
Jos Dutra.
A. P. Cabral.
F. F. L.
J. Mello.
Coudelaria Beberibe.
8." Pareo-ConsolaraSega
nlo tenham ganho nos Prado:
Mi dem
n Imperial n. 131, caza terrea
Becco da Deieneo inieiaaua)
% Lourenco da.Malla
Ambole jj/izia )idem_______'_______
Club luterjriacioiaido
lllcife
da. 27
Luyendo te
?aBBjtoanivc
os IuBlliivos
horas ra noite,
lugar no dia-27 do correte o
' sao o"ivlbos s senhores
r em mSo o Sr. thesoureiro
tes de entrada, das 7 s 9
e club.
Nenhuin socio potler tomar parte no sarao
sem apresentar o referido hilhetc.
Recife, 20 do Julho de 1889.
Francisco de Souza Reis
1 secretario.
Companhia de edifica-
cao
Tratando-se da transferencia desta companhia
4 quem mais vantagens olTerecer. sSo convida-
dos todos os credores apresentarem os sus
ttulos ou contas, no prazo improrogavel de cin-
co dias, na sede da companhia. praca de Pe-
dro 2.* n. 77, 1' andar, para serem devidamen-
te conferidos. Recife, 22 de Julho de 188.
Jos Gomet Ferreira Maia.
Bernardino C. C. Jnior.
ioaqnim de Oliveira Borges.
Faculdade de Direito
De ordem do Kxm. Sr. coaselheiro director
interino desta Faculdade, faco publico que a
aula de Direito Eclesistico de hoje em diante
e at segunda ordem, ter lugar ae las 2 horas
da tarde ,
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife,
26 de Julho de 1889.O secretario
Bonifacio de Arago Faria Rocha,
Catle......
Sport......
Bbnjour------
Pedreira
Pomboca .*
Canind (ex-
Patury------
Berlim.....
Rpido.....
Monarcba ...
Cacique.....
Desprezo.-..
Pip.....
At-chin..
Iguaraast'i..

'i
3
I
4
3
4
5
I
Russo......
Castanhn-----
Zaino......
Russo pedrez
Rodado.....
Cachito.....
Castanho
Cardo.....
Alazo......
Castanho
Rodado -------
tanho-----
lazo......
a turma. -
o Recife.
Pernamb.
Encarn.. branc. eouro
Azul, branco e enc...|R. G. L.
Encarnado e preto... |M. P. F.
Grenat c ouro.......'J. B.
- 800 metros. Animaes da provincia que anda
Premios : 200* ao 1., 403 ao 2. c 20* ao 3.
Casi
Ulaz
I
36
36
56
56
56
56
54
56
56
54
52
54
56
54
Azul i branco.......
Encamado e branco..
o
Grenat..............
Ver. amar, e fach. ene.
Encarnado e branco..
Azul e ouro.........
Azul e hranco.......
Encarnado e branco.
Verde e branco......
Branco e ouro.......
Encarnado e preto...
C. A.
CoUd. Republicana.
B.
F. Parra-.
B.A.
A. M
loa Gapaleante.
J. Rodrigues.
J. Mario.
F. P. L.
S V.
J. Guimarcs.
J. C. L. M.
M. P. F.
=a

s !*

(*) Montado por amador. ~r?tt^- -
OBSERVACES
Ob animaes inscriptos para ajrimciro pareo devern achar-sc no ensilliamento
horas t. manh.
's animaes inscriptos para oaHotros pareos devem acliar-se no cnsilliamento
urna hora antes da determinada para o pareo em que tiver de correr.
Os forfaits serao recebidos at sabbado, 27 do corrente, s 3 horas da tarde.
O animal inscripto em mais de um pareo que deixar de correr nt> primeiro,
n2o correr no segundo. ^
Qualquer reelajnajao sobre" tridas dever ser apresentada por escripto
directora.
HORARIO
venda de poules
Encerramento
pareo.llh.50'
t 12.30.
1.
2.
3.
4.
5.
6."
7.
8.
Recife, 24 de Julho de 1889.
Q GERENTE,
Francisco de Souza Reis.
Para a 17.a corrida
A realisar-seno dia 4 de Agosto de 1889
i ^^i C0NSOLAQA0 SO metros. Animaes da provincia que nao
tenham ganho no Derby n'esta ou maior distancia e nos outros prados
do Recife em distancia superior a 850 metros Premios : 200$000 ao
primeiro, 405000 ao segundo e 20#0O0 ao terceiro.
* n^> PRADO DA ESTANCIA -l.OOO metros. Animaes na-
cionaes at meio sangue. Premios : 3000000 ao primeiro, 60)5000 ao
* segundo e 30^000 ao terceiro.
$V&1A PROSPER1DADEOOO metros. Animaes da provincia que nao
"tenham ganho no Derby cm maior distancia. Premios: 200)5000 ao
primeiro, 405000 ao segundo e 20(5000 ao terceiro.
4." fVhlQ INTERNACIONAL 1.900 metros. Animaes de qualquer
paiz. Premios : 500^000 ao primeiro, 100^000 ao segundo e 50)5000
ao terceiro.
"SVfc^S PROVINCIA DE PERNAMBUCO 1.300 metros. Animaes
.
da provincia* Premios: 250.500 ao primeiro, 505000 ao segundo e
255000 ao terceiro^
'$*'$k'&9COMPENSACAO1.-400 metros. Animaes de qualquer paiz,
que nao tenham ganho em maior distancia no Derby n'estes ltimos 3
mezes. Premios : 4005000 ao primeiro, 805000 ao seguudo e 405000
ao terceiro.
?. |MM MINIMUS 800 metros. Pequiras da provinciaat lm28. Pre-
mios : 1505000 ao primeiro, 305000 ao segundo e 155000 ao terceiro.
Peso 3 annos 45 kilos, 4 annos 50 kilos e 5 annos ou mais 53 kilos.
Observaces
S ser2o acceitas para cada pareo as 16 primeiras propostas.
Os pareos PRADO DA ESTANCIA, INTERNACIONAL, COMPENSACAO
e MINIMUS s se realisariio si se inscreverem cinco animaes pelo menos
Cada enveloppe dever conter urna s proposta e ser recusada aquella que
nao vier acompanhada da importancia da inscrip9ao.
A' directora reserva-se o direito de alterar a collocacao dos parcos na organi-
sacSo do programma.
A inscripgao encerrar-se-ha segunda-feira, 29 do crente, s 6 horas da tarde,
na secretariado Derby Club, praca de Saldanha Marinho n. 2, 1." andar.
Recife, 25 de Julho de 1889.
O GERENTE, .
Henrique Schulel.

Erigenho central de S
Loureneo daMatta
O a
A companhia The Norlh Brasilian Segar Fac-
tories Limited acceita propostas para forneci-
me.ilo de cannas ao engenho central de Tima
pela estrada de ferro do Recife ao Limoeiro me-
gundo preceilua o art. 44 do nosso compromisso. diante ajuste, e pede aos senhores que quize-
Manoel da Costa Fialho rem vender cannas, que communiquem ao es-
criptorio no largo do Corpo Santo n. 17, 1- an-
Secrelaria da \encra\el confraria
de H. Benedicto. 35 de Jumo de
1SS9.
De ordem da mesa regedora desta confraria,
convido aos.carissimos irmos alim de compare-
cerem no capitulo da mesma uo dia 28 do cor-
rente, pelas 10 horas do dia, para, reunidos em
assembla geral, proceder-se a eleigo dos no-
vos l'unccionario da futura administraco, se-
Secretario.
Hippodromo do Cam-
po Grande
Por esta secretaria se,faz publico que licam!
desta data em diante, sem valor os bilhetes per-
manentes e cartes de accionistas, devendo es-
tes receber das ranos do secretario outro3 em
substituico. Recife, d>; Julho de 1S89.
"^ secretario
enio de Barros.
GelesIifrconIrai'ia ,da
Sa^iti sama Trindade n
Be ordem dama re-redora, convido a todos
os carissimos irmos para reunirom-se em nosso
consistorio no aia 28 do corralo, pelas :i horas
da tarde, alim de paramentados com os seus liar
bitos, acompanjiarmos a proeisso da gloriosa
Senhora Sant'Anna da igreja da Madre de Deus,
para a qual fomos convidados.
Secretaria da celestial confrariu da Santissima
Ttiidade, 2o de Julho de 1889.
O secretario
J. A. Gosende.
Consulado de Portu-
gal em Pernambuco ,
Neste consulado precisa-se fallar para seu in-
teresse com Adelaide Maria da'onceigo Pinto,
viuva do capito de navios Manoel Lopes Pinto,
fallecido em Pelotas em Janeiro ultimo, e corn
sua neta Hercilia da Conceicao Pinto, menor,'
Sie consta residem nesta cidade, bem como com
aniel Barreto Pereira lavares, natural
vilh, que embarcou em Lisbo

dar., ou ao engenho central, onde lhes sero
fornecidas as aecessarias explicaces..
Recite, 26 de Julho de 1889.
William Deir Hay
Representante.
Indemnisadora
?.' convoraeo
Nao tendo comparecido numero legal de ac-
cionistas que podesje. constituir a assembla
geral, convocada payo dia 2:i do corrente, de
novo os convidamos -Comparecer ao meio dia
de 29 do andante, no escriptorio desta compa
Dhia. O lim da reunio c o mesmo declarado no
ann; ncio antecedente, e a assembla resolver
com o numero qiu comparecer.
Recife; 26 de Julho de 1889.
Os directores
p- Joaquim Alves da Fonseca.
Antonio da Cunha Ferreira Baltar.
------------->#---------------------------------------------------
Verein Hamburger
A ssecuradeure
Havarie Burean
Soefedade de esuradore marlli-
mo de Hamburgo
Serano dos avarias
Pohlman ft C. fazem publico que foram peto
Verein Hamliurger Assecuradeure nomeados para,
em casos de avaria, representar as corapanhias
de seguros martimos de Himburgo, e que elle
em todos os rasos de avaria. se o seguro ler
feito em Hamburgo, devem sem falla ser a'
dos e consultados pelos recebedores de merca-
dorias avariadas, e pelos capiles respeito do
avaria de navios. \_______
A' Gl.\ do Gr.-. Arch.%
do Un.#.
S/. B.\ CAVALLE1R0S DA CRUZ
He*.', de Fin.-.
De ordem do P.esp'.\ Ir. Ven.-, int.-. conviro
OObr.-. desta Aug.-. e Resp.-. OH
^ni na sede da mesma, pelas 7 horas
do dia 59 do corrente, p:
do.
. de Jnlho de 1880E.-. V
Eduardo Goncalves i
Secr

..
v

1



b


de Pernambuco---Sahbado 27 de JuUio de 188
CCSTUA rc&c
MORTHEBH
de Loadres e Aberdaen
Posifao linana-ira (Dezerabro de 1885,)
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecuinlados 3.134,348
Recelta animal :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John H. Boxinell.
INDEMNIDAD ORA
Companhia de Segoros
martimos e terrestres
Estabeleclda cm 1S55
CAPITAL 1,000:000^000
SIXISTROS PAGOS
At 81 de Deiembr* de i 884
Martimos.. 1,110:000^000
Terrestres. 316:000^000
44Ru:i do Gommercio

SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool & London k Globe
HTSEAUCE COLXFANY
s:::s2ss, iinm & c.
Ra do Gommercio a. 3
Xavegaoao costetra por Vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor Una
Commandante Seraphim 'da Silva
;Segu no dia 8 de Agosto s 12
Inoras da manha. Recebe carga at o
Passagcns al s 10 horas do di da sahida.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Companhia
S.'TCV^
IDE
Imperial
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizos.
CAPITAL
is. ie,ooo:ooo#ooo
AGENTE
IIKOHX* V C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Gommercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre ascai-
xas do mesmo banco em Portugal sendo
em Lisboa ra dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
Companhia de Segaros
AGESTE
Miguel Jos Alves
H. 1 Ruu do Knm Jea-S.
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Restes ltimos seguros a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados semp-
fo de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 15 por ccnto em favor dos segurados
....."SEGRfT
J4RITII0S COSTRA FOGO
"~ Companhia Phenlx Per-
ambucana
RA DO COMMERCIO S. 38
SEGtRO OttTRl FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGENTES
R.DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Onda13
MARTIMOS
Companhia Bahiana de Na-
vegacao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Babia
O vapor Sergipe
Commandante Rebello
Seguir para os
portos cima no
lia 29 do corren-
te s 4 horas da
tarde.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17

Pacific Seam Navi^ation
Company
STRAITSOPMAGELLAN LINE
O paquete Aconcagua
Emcra-seda Europa at odia
28 de J!1 (! seguir dermis
Lda demora do costume para Val-
_ paraso por
Babia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para care. iros, enawaicndas e di-
aheiro a frete : tral
AGENTES
Wison, Sobs k C, Lioiiled
14RA DO COMMERCIO14
COXPIIIAVI PnSKBE'CAXA
DE
laregaco roselra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Nrttal, Maceo, Mottor, Araca-
ty t Cecr
O vapor Jas;uaribe
Er.i
Ao l
amandantc
Scgu i
osto
United. States and Brazil
M. S! S. C.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos do
norte at o dia 28 de Julho
o quai depois da de-
mora necessana seguir
pata a
Ilahia. Rio de f anelro c Mantos
Para passagens carga, encommendas e di-
nlieiro a frete. trata-sc : com os AGENTES.
O vapor Allianca
l' esperado dos portos do
sul at o dia 29 de Julho
o qual depois da demo-
ra necessana seguir
para o
Maranho. Para. Barbados, 8.
Thomaz e Xew-Vori*
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a trete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
1' andar
Roya! Mail Steam Packet
Companhy
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
Espera-se da Europa at o dia 31 de
Julho, seguiudo depois da demo-
ra do costume para
Baha, Rio de Janeiro Montevi-
deo e Bnenos-Ayres
Para passagens. fretes e encommenda s trata-
se com os AGENTES.
O vapor Elbe
Commandante Armitrong
E' esperado do sul no dia 4 de
Agosto, seguiudo depois da demora
'necessana para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Soutbampton e
Antuerpia
Redlicco de pataugtu*
Ida Ida e volta
A' Lisboa classe t 20 x 30
A' Southampton I* classe 28 i 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pemambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES *
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Congo
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
sul no dia 2 de Agosto
seguindo depois da demo
ra do cos'ume para bor
ieaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de iodas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo
Faz-se abatimento de 15 OjO em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
paxarem 4 passagens inteiras.
Por excepco, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
abatimente.
Os vales postaess sedaoateo dia 31 deJulbo
pagos de contado.
EHle paquete illuratnado lu
elctrica.
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
.9 Ra do Commerdo 9
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante < arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do su at o
da 27 dcJuIho e seguindo depois
da demora iudispensavel para os
portos do norte al Mapos.
As encommendas so serao recebidas na agen-
cia al 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas. passagens e valo-
'es trata-se com os
AGENTES
Pereira Cametro & C.
*}=zRua do (; 1" andar
LEILOES
Terca-
-feira, 30, df-ve ter lugar o segundo e
ultimo leilo da armaco e pertenoe? da'loja de
alfaiale da ra do 15ar:o da Victoria n. 39. Em
continuacS) loilao de um espelho, papel, enve-
lnos e vidrui.
Le]
ao
de 7 caixas com miudezas e
instrumentos de msica
Saboado 17 de *f nlho
A's 11 horas
Ra Nova n. 14, rmazem
O agente Stepple, por mandarlo do Exm. Sr.
Dr. juz de direilo especial do commcrcio, a re
quenmento do Dr. curador fiscal da massa falli-
da de Emilio Roberto, levara a leiliio os volu-
Urna eaixa maroa E V, H em bdixo n. 3116 com
beinquedos para crianca.
. dita marca E i e 13 T & C em baixo n. 807
com perfumara e obiectos de porcelana.
Urna dita marca E H o. 1956 com ntremelos bor-
-.
; e 13 T & C era baixo n.
'SOS tfc appar-.;: .- de (ouea para j-nitar.
i. 1226
natteraft. orato-. r.. >

LEILO
NO
f i
Com aprsenla do respec-
tivo cnsul e mais interessa-
dos, serao brevemente ven-
didos no edificio da Alfan-
desa, em Natal, os sajvados
da barca Mary A. Green-
wood, naufragada na cos-
ta dessa provincia, constan-
tes de kerozene, ferragens e
outros artigos, procedentes
dos Estados-Unidos.
O leilao principiar no dia
25 do corrente e continuar
at que sejam arrematados
todos os salvados.
J. H. Tucker,
Capital de Mary A. Greenwood
Agente Silveira
Leilo
Da casa terrea ra do Jasmin n. 1, terreno
proprio, freguezia da Ba-Vista
Sabbado, 27 do crrenle
A'S 11 HORAS
No armazem do Largo do Paraizo n. 26
O agente Silveira por mandado e com assii-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de orpnos e a reque
rimento do tutor do menor Alfredo da Silva Bra-
ga, levar leil&o a referida casa reedificada e
pintada, lendo 2 salas, 2 quartos, 1 gabinete, co
sinha interna, sotSo interno, quintal e cacimba.
Os Srs. pretenden les podem examinar.
A chave pode ser procurada na casa n. 30 na
de S. Goncalo.
4 figu-
biscuit, buziu
tu cama, 1 guarda-vestido, obra de gosto, 1
cabide torneado, 1 toilet, 1 commoda, 1 toucu-
1 estante { lavatorios Iouga, 1
cama de ferro para'menino, 1 consolo com pe-
dia, 1 berco, 1 caixa.de costura. 1 machina de
dita, 1 thear, 1 guarda-roupa e 1 commoda an-
tiga com pedra.
Urna mesa elstica, 1 aparador. 2 etageres, 1
fructeira, louca para cha e juntar, copos, cli-
ces, garrafas, ohjectos de electro-plate, Flan-
drea, trein de cosiuha, i carta geographica e
muitos outros objectos de casa de familia.
Quarta-feJra. 31 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No 2 andar do sobrado da esquina da ra
da Concordia, entraiapela travessa
da ra das Flores n. 37
I
AVISOS DIVERSOS
Agente Silveira
Leilao
Da casa terrea ra do Jasmim n. 1, ter-.
reno proprio, freguezia da Boa-Vista
Habhado se3 de Julho
A's 11 horas
No armazem do largo do Paraso n. 26
O agente Silveira, por mandado c com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de ornlios, a reque-
rlment do tutor do menor Alfredo da Silva
Braga, levara a leilo a referida casa, reedificada
e pintada, tendo 2 salas, 2 quartos, 1 gabinete,
cozinha interna, soto interno, quintal e ca-
cimba.
Os Srs. pretendentes podem examinar. A
chave pode ser procurada na casa n. 30 ra de
S. Goncalo. y___________________>__
Leilao
De urna bonita armagao de amarello eenver-
nisada, alguos gneros de molhados, louca. vi-
dros, candisjiros de kerosene, urna mobilia de
junco, camas, marquezes, cadetras avulsas, me-
sas, um carnnho para ctianca, quadro, jarros e
outros objectos.
Agente Britto
Sabbado, 27 do corrente
Praca do Conde d'Eu n. 18 ___
Leilo
De 14 cofos com camaro secco, 1 dito com
peixe, caixa com azeite francez, ditas com viuho
Bordeaux; caixas com cognac Fauster ffceres,
latas com linguicas linas, vinho Sherry, biler da
China, vermuth, latas com graxa Nubia e diver-
sos movis.
Segunda-feira. 28 do corrente
A's 11 horas
.\o armazem a na do Mrquez
de Olinda h. 5
Por interven<;ao do agente
Gusmao
Agente Burlamaqui
Leilo
Segunda-feira 99 do rorrele
A's 11 hoius
De um bom predio ra da Aurora n. 9
O agente cima, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de orphSos. vender em
leilao pelo maior preco que poder obter, o so-
brado ra da Aurora n. >, de dous andares e
soto em terreno foreiro, pertencente ao menor
Augusto Marinck Monteiro de Andrade e ou-
tros.
Os Srs. pretendentes podem examinar o refe-
rido sobrado.
| Na engenhoca de Bemlica a ra Real da
Torre n. 21, vende-se um.i machina distilatoria
para espirito, um alambique para agurdente,
ambos do sy-ttenia mais uperfeicoado, de cobre
e em perfeito estado, urna prensa para espremer
fructas, de nov) systema, tachas de ferro para o
fabrico de assucar, de diferentes Umanhos,
bocea e grelha de fornalha, especiaes, cubos no-
vse grandes para fermentaces vinosas, pro-
nria8 para distilacio, cascos diversos vasios,
bomba de cobre para assengo de lquidos, guin-
dastes de ferro para grandes pesos, etc., etc.: a
tratar na raesma a qualquer hora
luga-se o sobrado n. 4F ra da Roda
com bons commodos e muito fresco, bem como
os dous pavimentos terreos ; quem os pretender
dirija-si ru do Cabug n. 16, loja da Ventu
rosa.
Aiuga-se urna casa no Monteiro, rau.to
fresca por ter janellas para o rio ; a tratar no
cae3 da Companhia Pernambucana n. 6, escrip
orie de Bastos & C.
Precisa-se de urna ama para cosinhar e
engommar : na ra de Santo Amaro n. 8, pri-
mero andar.
Vende-se
urna mobilia de junco com encost de palha, do
fabricante Ton, com pouco uso e prego com-
modo ; na ra Vidal de Negreiros n. 57, so-
b
Papaga i o
Fugio do Passo da Patria um papagaio com
trrente no p esquercf, corrente j usada, vooa
em direceo as mediac Viual de Ne
greiros e ra Imperial : quem'aeuou, quen-nda
restituir, dirija-se ra cima n. 5, que ser
generosamente recompensado.___________
GRANDE NOVDAM
2L2&MCU l TILMS
d??os:tc
48ra barao da victoria48
veuhara ver para crer
Leilo
Da casa terrea n. 15, ra dos Burgos
freguezia do Recife
Terca-feira :io do rorrele
A'S 11 HORAS
><> iirmaxrm roa do Imperador
n. 39
O agente Stepple, pur mandada e as-islencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direilo privativo de or-
phos ausentes e arequerimento.de Antonio
Luiz Raptista curador da interdicta D. Fraccis
ea Bernardina da Conceico Carvalho, levar a
leilo a casa cima.
O pretendenles desde j podem examiajr.
* Leilo
rie um IWo esoellu grande dourado com eta
gerea aos lado* para descancar figuras ou jar
ros.
Urna caixa com copos e clices.
Urna dita com papel e cnvelopes e dous far
dos com papel de embrulho.
Agente Pinto
Tcrea-feira, 30 de Julho '
A's 11 lioras
Xa loja da ruu Boro da Virlon i 30, por
qccasiao de um nutro leilo d'uma arn^^H
movis para alfaiale.
Leilo
De 50 larris de 5o com vinho
perfeito e muito bouT
Terca-feira: do corrate
A's 11 Horas
No armazem particular n. 14 dbfl
nhia Yernambuci.
0 agente Gusuiao far u
dequern pert**ncer, de 30 harria?
de pasto, os qu,
vontade dos Srs couipradurt
Alcool
Vende-se espirttd de 38 graos Cartier; no ar-
mazem do caes Cpibanbe n. 42.
Aviso
Os abaixo aasignados obrigam-se do dia
1.- de Agosto de 1889 por diante a ob-
servar restrictamente pela forma abaixo
determinada a execucto do convenio exis-
tente entre os compradores de algodao
com reiacao a tara que excede aos 5 0|
do costume.
1.- no penuittirSo proceder-se a ins-
peccao de algodo em quanto nao se
acharem reduzdos os sipos de cada sacca.
78 sipos sendo finos p
e o Ola 6 regulares
Bp 2.S"S4 o gro8sos
"o-1 -1 3 i grossos entrancados
exigindo dos vendedores que fajam os ar-
mazenarios e prnsanos remetientes cor-
tar os sipos excedentes, substituiudo-os
por cordas brancas fortes ou pelo que lhes
equivalha, tanto quanto o exigir a boa
conservaglo da sacca.
2. deaoontarao qualquer'excesso de 5 0i
da tara que ainda assim ficar depois dee-
sa redcelo de sipos por seren de dema-
siado peso os restantes como se pode dar
com sipos verdes etc. etc. Entra no cal-
culo da tara de 5 0|, o peso da capa na
razao de 12 kilo pelo menos por cada
sacca e o peso das crostas de lama, algo-
dao deteriorado, ara, etc, pelo que me
recer.
Pemambuco 18 de Julho de 1889.
Pp. John H. Boxwell
Arthur L. G. Williams.
l'p. Pohlman & C.
W. Gildemeister.
Pereira Carneiro &C
Browns & C.
Baltar Oliveira & C.
Johnston Pater & C.
Pp. Fern&ndes da Costa & C.
Joao da Silva Ferreira.
Pp. Blackburn Needham & C.
Julius von Lohsten.
Borstelmann & C.
Theod. Christiansen.
Aug. Labille.
H. Burle & C.
Amorim Irmaos & C
Prente Vianna & C.
Rodrigues Lima & C.
AttencM
O grande e imporiante esiahelecimento de
Pocas Mendes & C, sito ra estreita do Rosa-
rio n. 9. m.tiijuo a ipreja. acaba rie receber
urna gralfire!U"ssa do acreditado e e.-pecial
Vinho Maduro
O nico que, sem a minima coneicao, 6 im-
portado nesle mercado, e sO se venrt no referi-
#0 estabelcimenlo. Este precioso nctar se
wna cada vez mais procurado aqu. Querem
saber porque ? Vejam : o vinho Maduro, sendo
omoe, feito umcainente da uva madura, tem
laseguiutes vaniageus que as out.as qualidades
i vinho nao tem ; facilita sema mener pertHr
cao as digestOes do csto:i:ago. amda mesmo
o mais enfraquecido, danrto-lhe vffor. pois nutre
a o'liios vistos a- pi ssoas ueluila&i ed forras
s que as tiver arruinadas pido ur-o de bebidas
viciadas.
Recebemos lombem
lO
PAPEL RIGOLLOT
MOSTARDA EM FOLHAB para 8INAPISM0S
INDISPENSAVEL AS FAMILIAS
E AOS VIAJANTES
Usada no mando intein.
NADA DE
VERDADEIRA
que nao leve a
FIRMA
atrs
com
tinta
EICIIID
O mala
simples,
mala
commoda

o mais
efflcaz
dos
Revulsivos.
EXIGIR
asta marca
para evitmr
as Contrafacgea.
A' venda em todas a* Pharmacias
DEPOSITO GERAL: A VENE VICTORIA, 24
PARS
Ao pblico
O abaixo assignado. proprietario da taventt'
n. 11, roa do Rosario da Boa-Vista, saben*
que um ex-empregado da iriesma taberna, aina
allegando tal qualidade, tem procurado affastarr
Ihe a sua numerosa freguezia, encamiDhanito-
'para urna supposta filial, vem fazer o presente
para prevencio dos incautos e aflirmar que na
tem nenhuma filial e que est sempre a dispon--
gao de seus freguezes.
Recie, 19 de Julho de 1889.
Jos Mara da Cvnha.
Milita atten^o
Na ra de S. Jos n. 36 terr. para vender os
afamados violtos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pelo tinado Joo do Amaral Ra-
poso, como sejam : vinho de caj de 1." e i.'
qualidad?. vinho de Abacagf, olio dejanipapo
composto e simples, beftperediua brasileira, la-
ranginha cordial, isscucia de limfio e cidra e
tres prensas para esiiremer o? froctos, tudo se
vende por baratissimo prego para liquidago
Assim somo se vende um bom terreno na povoa
cto de X. S. da Boa Viagem por qualquer prego
Para crianza
Precisa-se de urna pessoa habilitada para te-
mar conta da criago de urna menina de done
annos ; a tratar no caes 22 de Novembro n. Vk,
armazem.
Mudanza
Jos Gomes de Amorim faz pobhco. e eos
especialidade aos seus amigos e freguezes, ame-
desde o dia 26 do mez prximo passado, mndW
a sua fabrica de leos vegetaes, do predio n 164
da ra da Aurora para o de n. 163 da nresE
ra, aonde o respeitavel publico o encontrara
sernpre prompto a satis fazer todo e qualgoer
pediuo com toda sua fidelidade e prestesa; po-
dendo a qualquer Iiora serem as encommendas
dirigidas para all; sendo o n. 33 o do appare-
Iho telephonieo de*seu estabelecimento. Recife,
1 deJallio.de_1889.___________________
Casa para alujar
Aiuca-se o 2 andar do predio n. 4 da roa de
Vigario Thenorio ; a tratar no pavimento terrar
do mesmo. ^^ ____
Material de engenho
Vend&*e por diminuto preco, a dmhei o
a praso, 'com tarantia idnea, o material cora-
pleto de um erigenho, que tirou apenas duas pe-
quenas safras. Tambem vende-se separadamente
as p gas que se quizer : para informagOes cok
o agente Pestaa, na travessa do Gorpo Santc
numero 27.
Milita atiene,o
Xa ra da Imperatriz n. 80," vende-se sapal-
los de felpos para fri a 6!'0 rs. o par, e de
crianeas a 300 rs.
Vinho particular
Xo armazem da roa do Amorim n. 60, Yendo*-
se o que pode haver de melhor, pelo mdica*
Srego de 73 o garrafao de tres caadas (volta*-
e o casco).
t
Os abaixo assignadosavi-
sam ao respeitavel publico
que o Sr. Joaquim Correia
Leal no est mais encarre-
gado das cobranzas particu-
lares do acervo dp finado Vis-
conde do Livraifeoto.
por Livra nto & C.
A. intos.
CURA CERTA
i tedia ai !Tscfrsca pamus.res
Qi
i
uereis curar-vos r
Se queris curar-vos da vossa tosse t
da vossa rouquidSo, tomae o Pcitoral d*
Cambar, que ricareis logo curado.
Os agentes,
Francisco Manoel da Silva & C.
Se soflres porque queres
USA E CONVENCEK-TE-HAS
CURA RADICAL
;^?oDijOTjmm]||
Ocle fi-uM NSt
Todos quciies que soffremi
J.lo peito. devezn.experimenurj
ip^ Cipsu:s do Dr. FouRNiEs.j
rgAWC:?CO t. di SttVA & C*.
Caytellas do Hooe de Soccofr*
Compra-se cauteilas do Monte de Soccorro a-
qualquer joia. brabastes e relogius; paga-
bem na Praga da Independencia n. 22, oja a-
retajan.
Reqi
iteij
em lata?, de procedencia de engenhos, cajos
taos fapri i un eiii hem trab lliar nefe
artigo. ali:ii de t n m
outros similares, cuja compsigo duviJosa.
I Em outros artigos cotio sementrs de hortaca
> flores, inguas seccas do l m Grande, objectos de
t'iw temticos do orto para liomens e senho-
ra.i, pa^^' '"' li;(J P" ''"'" competidor. A
...-, e..peci-diMj, .. ^? pessjus que dicte
irain certificar podem compaieccr, com
muito m- li -:> Ap* urna infini-
dSHe artigo? de pruivira i' i :. que aelum-
atoosigo, acresce a aiuemdade do trato
i que timbramos tratar todo? os que nos
a su:- prese* ga, junto a m?dic.idade
em riv:.l.
Ba OKlrcM* J Bowaro n. O. Junio
o (as Mendes & C.
Para os feslhaes
Leil
a-j
D
:Tcaral.'i c
es com lU
caixa de costura, 10 qu
ra da soledade n. oG, preparam-se,
limpfM, niestria e commodidade em
,-f^^Ho, po-dc-It, cangica, arroz de
ramidea de doces d'ovos, vatap,
baudeijas para casamentse baptisados, etc.
Recabem-se mundets quer para a
i d'ella.
ATK'^SS

m
a as o-;tn palo tea
. ,.r- tsn --v-iisto.
m m m&ffi os lumbres
E ATKINSON
ji i'.^rwdl! fteoihft d
.' Ej^m novos
prppnruio* poli-. excluir
Cnay.n-ce c- Cvt l< : i; :itt-
c.nlc. 0 I
J. A E. AX4IKSO
24, Od Bo-i-^qyt, Londres
ova mmk
SEM DIETA
DAS
Molestias de pellc
SYPHILITIC.AS;
Darthros, sarnas, ulceras antigs, ia-
pingens, bobas, gommas, cancros, rhenm-
tismo e morpha.
Com os prodigiosos
XAEOPE E UNGENTO-
DE
Hydrocotile Calasans
ApplicafSo facil-^-Uso sem perigo&-
fetos proniptos, dieta razoavel.
Contra fados nao ha argumento
Estes remedios sao os mais commo*
do mundo. Envia-se gratuitamente, pe*
correio, direc5oes para uso d'estes mefi-
caraentos admiraveis.
Pre^o do ungento 15200 o frasee.
Preco do xarope 3f$000 a garrafa.
Preparados por Calazans & ('. Phar-.
macia Imperial, Babia.
Deposito no Recite
Francisco Manoel da Silva & C.
Ra Mrquez de Olinda n. 23
.
fe
i. Baria Adelalde de Albuquer-
que e Mello
Jos Maria de Albuauerque Mello (ausente) e-
seus filhos, Christiano da Gama Lobo, Maria is-
Soledade da Gama Lobo itutentes), Christiano
da Gama Lobo Fillio, Maria Ludovma deCysnei-
ros e Albuquerque, Maria Josepliina de lb-
querque e Mello. Anna Anglica de Aibuquerqne
e Mello e Manoel Caetano de Albur,! rque e Mel-
lo, marido, filhos, pai, irmo, sogra e cunnadof
de D. Maria Adeiaide de Albuquerque e Mello,
repassados de dor pelo seu infausto pnssamento,,
convidain aos prente^ e amigos puia assislire
as missas do stimo (a, que serau celebradas
na prxima secunda feira 29 iio eonci.te, s S
horas da manha, na igreja matriz, w Santo.
tonio.
.
eluene
Experimen
A bronchite e a coquelnone curam-se
tnaravilhosamente por meio do Peitoral de
Cambar, que. se vende em casa dos agen-
tes Francisco Manoel da Silva & C. e em
todas as boas pharmacias e drogaras des-
ta capital.
Experinienlae !
_-
y



.'
v
S t

Eii
Luir Carlos de Alnieidn
Caetana da Costa Reis Alm* ido convida ao
seus paren tes e mais pessoas de sua amizade
assistirem as missas que, no trigsimo dia do
pasamento do seu sempre prafiteaiio esposo,
Luiz i arlos de Almeida, manda, por alma deste,
relrbrar as igrejas matreKSanto Antonio-'
e de Jaboato, a* 8 horas da manila de9do>
corrente m-z. e antecipa os seus .- ; eres agra-
decimeDlos a todos que dignarem-se atlendera
seu Convite.
*.1U

Bernardo don Corris
2 annuersario
Maria Eageaia Correia (ausente), seus filhos ?
mais familia (prsenles) com idam a lodos o
seus prenles e amigos para assistirem a's hus-
ue por-alma do seu sempre lembrdo (?-
iai, genro e :unh.do, LVrn.. Cor-
via. mandam rezar na ordeni leiceiradeS-
FranciMu, s 7 !/z horas ilamanhi de sabbado--
7 do corrente, e gratos se, conl'issam a todos
aqueles que assistirem a esle acto clooaridade.
H

- \



/
Auluiiiu (ardoio da Silva
Maria Eugenia de Caraiba ua maie
- covdam seus prenles e amigos pa
a urna missa no dia 9 de Agosto pn-
malriz du A'.liuho, por alma de sr*
Antonio Car 'do tnr
,.:j(U failccimrnto.
iBBBHBflBBaUnBUBVnkW
&%


I


1
u
ai kj
de PernambucoSabba 27 de. Julho de 1889
JUNTO AO

n.iM
F O N. 20
Tecides para vestidos
Batiste finas a 240 rs. o covado.
STastSo branco 4avrado a 360 rs. o coTado,
Seim do JapEo a 240 rs. o covado.
Cachemira de Iistras a 10200 o Ato.
JjSm Amazonas a 400 rs. o dito.
Merinos lisos du8 larguras a 440 rs.
'Qaaas arrendada a 500 rs. o covado.
Chitas percales a 200 rs. o dito.
Metius de quadro r. 300 rs. o dito.
Cretones claros a 240 rs. o dfto.
Beodas hcspanholas a 2(5000 o dito.
.Setim Maco a 800 rs. o dito.
Popelina brane a 800 e 900 rs..o dit
Setineta branca lisa e lavrada.
Merinos pretos (bsraissiiaos).
Toile pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Cachen;ir.,y usas a 1(5200 o covado.
CJortes los cm cartSes.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o covado.
Velbutina preta a 640 re. o dito.
Crep prcto (inglez) a 20000 e dito.
ARTGOS
Capeiks para^ioiv&s s>7000 un
Baieiaa f,-nadas a 410 rs. a duzia.
Lavas de beda a 2000
Bieos preto de seda.
"Poninas para banho a 10500 urna.
Cobertores de la a 15800 um.
Bicos de cores a 2000) e 2;>500 a peca.
Chiardanapos de linho a 20200 a duzia.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Arcos c >bertos a 140 rs. o metro.
Colchas de cores a 10800 una.
Gaarni';;";) de crochet a 70000
3Panao 'da Coste a 10000 e 10200 o co-
$> vado.
iJSslhas felpudas a 400.0 a duzia.
Xequos transparente a 20500 um.
Extratos
Artigos pa#a horneas
Cortes de caserniras, a 60j 70. 80 e 100
I amisas allemEes a 360600 aduzia.
Paletots de alpaca preta a 40500.
Regatas de cores a 10 e 10500 e 20000
Paletots de seda palha a 70500 nm.
Cerou'as de bramante a 150000 a duzia,
Paletots de alpaca de cores 40500.
Camisas de flanella a 40500 urna.
Guardap para homem a 60000..
Sobretudo de panno piloto,
ieias inglezas n 50000 a duzia.
Meias finas da Escocia a 10500 o par.
Lencos de linho a 50000 e 60000 a duzia.
C'asemira em corto para ternos.
Chevioth pr#to e azul a 40000 o covado.
Casemia diagonal a 20000 o dito.
Brira branco, todos os nmeros.
Brim de qwo, de cSres, a 10803 a vara.
DuiJB-capss^de pnnr.o.
CsSeniiras priflas e der^s.
ia p .ra vi jens.
Costumes para banhos salgados.
DO
M R A N H A O
Approvado pelo Exm. Sr. presidente da^iuvincia
, tonico3, entromeios, bordados e pos de arroz.
Roupas por medidas
20Ra Primeiro de Marco-
CASA COSFIAXC.A
Colchas de fus:ao a 30500 um.
AlgodSo branco a 30200_e 40000 a peca.
Colchas de crochet a 60500 um.
Coletes de flanella a 20500 um.
Tapetes grandes a 130000 um.
Madapolao americano a 60000.
Fichs de retroz a 10000 um.
Lences de bramante-a 20000 um.
Cobertas de ganga a 80000 urna.
Lencos brancos a 10200 e 10500 a duzia.
Sargclins- de cores a 2(70 rs. o covado.
Brn pardo a 280 rs. o dito.
Esparti'hos curaca a 50UO um.
Fustlo de cor para roupa de enanca a
800 o covado.
Seda palhn a 10000 o dito.
Premios da lotera inte.ra
. 300:0000
, .. 50:0000
. 12:5000
5:0000 1O.-OOO0
2:5000 15.-OOO0
1:5000 15:000-5
^:5OO0 5;0
1:5000 8:0
7500 1:5000
75i
5000 4:5000
250:5 2:2500
2500 24:75!I0
2500 24:7500
1255 112:5000
1250 112:5000
1 premio de .
1 .
l .
2 .
6 _
10 ...
2 approximacSes de
2 i
2 < t
9'Dea. do 1. prem.
9 c 2. t
9 t 3.'
99 2 na. <
99
900 tena.
900 <
1.
2.
1.
2."
2052 premios no valor de ^00:0000

Premios da serle
^^Ho de.....
1
2
t
10 < .
2 approxifla^oes de
2 <
"
9 dez. do 1. prem.
9 2.
9 3. .
99 2 fin. 1."
99 i t 2. c
900 term. 1.
900 < 2.
2000
1000
600
1000
600
300
300
200
100
100
100
50
0,
12:0000
2:0000
5000
4000
6000
6000
2000
1200
600
2700
1800
900
9900
9900
4:5000
4:5000. -:
28:0000
cus
bil
v 2052 premios no valor de.
Todos os prenfos sao pagos integralmente
lotera composta de 10.000 bilhetes a 1000000, dividida em ^5 series,
intuiro da serie 40000, subdivflEdo este em quintos da serie (1250s do
ro da 'oteria) de W0 rs. cada um.
O agente desta lotera chama atten/io do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua boa orgauis&fao.
Com 40000 (5 quintos de que se coinpSe a serie) recebe-se 12:0000000 e com
800 rs. (1 quinto; S: :-'' '"'.
O menor premio d um resultado de 25 % P's custando o quinto 800 rs.,
recebe 10000 as tertmnayoes dos 1." e 2." premios.
Sao premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 3. premios.
As duas letras iinaes dos 1., e 2., terminacoes dos 1. e 2, e as approxi-
xoes dos l.o, 2. e 3.; tendo al* dsso premios de 2:0000000, 5000060, 2000000,
1000000 e b'00000:
EXTRACTO INTRANSfERIVBL
Para a cura efficam t prompta da
Molestias provenientes de im-
*> pureza do Sangrue.
E' urna loucura andar a fazer expe-
riencias com misturas inferiores com-
petas de drogas ordinarias on de plantas
indgenas cuja eficacia nao e confirmada
pela sciencia, emquanto que a molestia
cada vez val ganhando terreno.
Lancem mo, sem demora, de um re-
medio garantido cuja emeacia seja facto
assignalado e inquestionavel!
O Extracto Composto Concentrado
. DE Salsataurujla de Ayer conhecido
e recommendado pelos mdicos mais in-
teligentes dos paizes adiantados, j
durante 40 annos,
Centenas de milhares de doentes
tem colhido beneficios do seu emprego e
sao outras tantas testemunhas da sua
efflcacj positiva e incomparaveL
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Est.-nidos.
-20
AMAIAL
I

O
RAGEA3

MSMTHSlfl I
nswr
* ct^MM. cvbetM n Avia H1 IvV ,*fc*ott
arka. Te#?;:u t$ua. %
as. Q/AXS/SSXi FOHT!f, forlo w prBi!r: qqa uMlTimf a t:pmnt3* &* Aa*m*im B
CAPSULAS THEVENOT
Tratamento das doencas do peito
a todos os degros.
[ A leatrao.
Alcatra reosotado e Tol.
iQdOfOrmtO rther iodoformado).
Creosota cdoformada.
Creosota t raa.
Oleo de gado de bacalhu creosotado.
Balsmicos creosotados.

)l ms
PARA O CABELLO.
Aagnents, Afrmosaa
E FAZ CEESCJ3H O CABEHiO
cem acsambrosa rapidez.
Alugam-se
as casas terreas da ra do Lima ns. 18 e 26, em
S. Amaro; a tratar na lithographia ra Mrquez
de Olinda n. 8.
Aluga
-se
o 1 andar do importante predio ra do Bom
Jess n. 26, e o 2- andar i trave:sa da Madre de
Deus n. 7 ; a tratar com Joio Kernandes de Al-
meida na mesma traspasa n. 21.
AIU2
Precisase; de um i urna pa:a en;o:nmar: a
tratar do largo ras Cinco l'ontas n. 1:8.
Ama
Depositarte* em PZBNAIZXJCO : STOAWco re. da
aisla roA-^lde; ena n'.igv es eet'ixe.7 '*CO--?5o POKYW1 ft:nr r--:;;Tia*niL* eomo o ee-r.ctTJOBto 4 T=y*ieaca*.
Tnsotvacs 7canrxJflO. i ^


D? cafcur cu! ciraclaTe!, o VH-TiP^ <5a C autor VTrtEIf rs
ceitado por todos o? ciediios para o RaoiutiMM, scrophuIai,^lmta.]
'(ios da Pito, Caatraj^ pwimcaar, Befcilte*, etc.
0*i 50,aciiJa."i9 .Str^sbocjrjr^u^^t-RJSr
VICTORIA
TINTA INALTERAYEL
Esta tanta recommenda-se pelas qualidades
seguntes:
1 E' ignal a melhor tinta a Bluc Block ngleza.
2E' de urna fluidez extraordinaria, e torna-se preta como
barrio.
3E' de durayao Ilimitada, portanto para os livros do com-
mercio e para documentos, que carecam de longa duracilo, nao
se pode desojar t'.,i me'hor.
4 Nao estraga as pennas de ao.
Prsies; garrafa 800 rs. I|2#arrafa SOft rs.
I>1 RAitIA C01TEHPOR.4XEA
SAmox costa'a c.
BRONZE

i
A A K (i Ol- EJiNAMBUCO
-m
LBMiBELVA&C.
Haruaz de Olinda4J8
nmm X ikmao
Roa do Baro do Trinmpho ns. 100, 102 e \U
Deposito ra do Apollo os^ 2 e 2 B
Tem para vender o egiiiate:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo directo ou para fogo de assen-
tamento.
MOENDAS de todos;*bs tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares."
CRIVAQES de differentes tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de descavocar al^odio.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento e finalmente
todas as ferragens precisas pr.ra a agricultura deata provincia.
ENCARREGAMSE de qulquer concert e mandam buscar por encommenv
da, mediante ajuste previo ou urna mdica coramissi qulquer macbinismo.
CONTRACTM fornecimento de apparelhos par;i (isias, garantindo a boa
qualidade e bom trabalho dos raesmos, o* que podera provar com o bom resultado
obtido com as duas USINAS montadas ultimamfflte a Baber:
Santa Fifonilla e Joo Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro cora descont.
- I] %n*

. m MM
7r~:----------"--------^
-- ^T T- ** ^ ase ^tas

.--------. r.rr.
Precisa prar ; na ua .Nova n. >, loja.
Ama de cosinha
Precisase de urna ama que cosinhe bem e
ilurnia em casa do patrio ; a tratar na ra do
Cabuga n 14, i- andar, de nieio. dia at 2 llo-
ra!:___________________I___________________
Ama de cosinha
No sitio n. S oa estrada de Jo;o Fernandes
Vieir se prcis de urna cosinheira, preferc-se
a urna mullicr qi e durrna em sua casa.
AlimentoiCriangas
Para remediar a fraqueza las crlancas. desenvolver
as suas toreos s presrvalas as ioe.tts da idade
tenra, os principies Melcos do Parts, merabros
da Academia de Medicina do Pars, receUSo com
ptimo xito o verdadero
Sa-'ahsnt i:z rabe i;. Dalaagrenier, tt Perl*
E>teagrr.uavc!allme!i,.o.coaip3stocomsiib-Unclas
ve- etaes nutritivas e fortalecedoras dlvide-se na eco-
iioaiia luda.e, pelas suas propriedades analpticas,
meliiora a comioslco ao leitc das sruliuras que ama-
mcuto. e acorda s forcas lnguidas do estomago.
5J. ru TTieuu, Piris. Pepositi ais PUnuriu do ludo luUin.
ug-a-se
o 2- andar ra do Imperador n. 39 ; o 2- dito,
e armazcm e nina sala no 1- andar ra Mr-
quez de bnda n. '2, o 3- dito ra de Bom
Jl-us n. 42; a tratar com Luiz de Moraes Gomes
Ferreira. ,
Alugfiief barato
Kua de S. Amaro n. 14.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Roa da Roda ns. 58 e 60.
Ra Visconde de Itapariw n. 43, armazem.
Largo de S. Jos n. 74.
O 2. andar da ra do Bom Jess n. 47.
A tratar ra do Commercio n. 5,1- andar,
esenptorio de Silva Guimares C.
Tig-ipi
o
Constantino tic S Brrelo
Convidase a e te senbor a comparecer rea
do Bom Jess n. 23, para prestar contas das co-
brancas que fez no Itrmo de Agua PreJa em
Marco prximo passado.
Governante
Precisa-se de urna para tal lim, e que seja de
bons costumes ; a tratar i:o caes S2deNovem-
bro n. 24, armazem.
Cosinheiro
Precisa-se de um ; a tractar ra do Com-
mercio n. 4i, escriplorio.
Apolices perdidas
Perderam se dez apolices da divida provincial
de rernambuco, pertencentes a Manoel Pereir
de Araujo Vianna. de ns 873 a 882, serie B, d*
valor de l:i'000i'0 cada urna ; pede-se a pessoa
3ue as liver acbado o obsequio de ir ou man-
ar entregal-as a Henrique Bernardes de Olivei-
ra, procurador bastante do mesmo Vianna, no
Recife, ra do Vigario n. 1, esoriptorio, que gra-
tificar.
Sement de carrapato
Compra-se em grandes e pequeas quantida-
des ; na fabrica de leos vigetaes ra da" an.:
rora n. K.

FNDIC-O DE S NOS E BRONZE

^r
DE
A

LieiiciHc p-li iospctorii i Hspeae 4* 'aperi do Braiil
QUINA eFERftO^
Chlorose, Anemia, Debilidade o.nenn\
:4. /--------i.-
nnnlliljiaii --i n i :.--*
$&m tmm
ni S .
5na do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguirte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
.5iaill'?):l::.) de cobro do antigo e novo systema com esquenta garapa.
Merpentisas de cobre e de estanbo.
Carapncas de cobre.
TaJxas, taixos e caldeiras de cobre.
Daiubas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torneiras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
Ilej'.arliiclias. passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado.
CobPC em lenco! e arruelas.
Sola ngleza e do Rio.
Cadfnhes patente e'de lapis.
Knos de 1 librante 110 arrobas-
E nitritos outros obyectos
ENCAKRJ!GAM-SE de qulquer coucerto e obras de encommenda, garan
daP presteza, perfercao e preQOs m-dicos, para o que tem pessoal habilitado.
''^illE a praso ou dinheiro com descont.
t
QONSl 5FS iv'-CLSTIAS
' i\ SUCO
'-
w

CORTE
REMIO MAIOR
300:000
Cura da1 labres
:"^f^ TITULAOS ^^-^111! lrv'^Yl
de !l al I
i ii i ni
i a 4ivlsr.it i teiicim t Qv'-t, jfc cstheirOu ni JfeMM t ?Jw.-aita.
EDALHA D ONRA
0 OLEO CH.EVRIER
i daataUotado pelo Aleitrao.
fd'cc Ulumico, o turr.-rll u pniftinft co
f.
0 OLEO de FIGAI'O
DE BICtliO
. Drtparacio eje ptrmittt
H'tr o Perro em pn-
Tiio de Vw
i iDCommodo.
MMKile f UB
:i,nai*Fiak''-lMt>vrirt.21
DIPLOMA DE BOItR
"ADO Pon TODAS M
Ocleoria&dw Iffedlcas
DA FR.UC(A E DA EL'BOPA
holestias'do peito,
affec(}s escrofulosas
CMLORO&S,
E3ILIDADE,
TlSi:".PULUOHAft,
BfiONCHITES, RACHITISNO
Vinho de Coca
I BB\ZIL.
Dyidida em te pai tecada un a das quaes o
oremio mnio-^ de
i:. :- mii
A extrac^ao da 1.a ( ue eslava antiunciada para
2 de Agosto corre imprci erivelu^^PF 'J
mauha, 27 do cor rente
^j
nniu'jjif
fAiS, Pbamttu* BXIANT, 153. ra e FJvoii, PAHI3
i ('/ttf.aiM taau.-.: l lo h atis de M
-aOKt HiOM/rt ootrji o 'ji-:', . M Ttteis^ -nf torta OW, CoMtlpeSs. CrnttMTm-, -..:. .
1 4#tX*rotmHmamttrme*fn.V,r:TfT-S0*T.i!tiT~ y.: !J--:
K
coai ". i-'|rrrfiP" a rotura
potn
ITO U TOOAJ
is ij. :*Cia
m

'<* s
chinas a t*
IVlendas.
Roelas d'agua,
Taixasfuin
ta
se ce qo
AOALHO, HATURAL 9 HEOICIMAL





t-

VENDAS
40 de aniarello,
iwopria para qualquer negado, na ra to Rao
gel u. 6 ; a tratar oa mesnia ra n. 29. Garan-
te-se as chayes.______________________
Vende-ieum sitio no Peres, perto d^ cata-
rao, com boa casa de tijolo, tendo de frente \30
almos e de fuodo 600, cacimba de boa aguae
todo arborisado ; a tratar no caes do Ramos nu-
mero 28.
Vende-se
Hma das memores (avernas ra Mrquez do
tierral, tem pouco capital : a tratar La mesma
ra n. 143 padaria FV.Z se qualquer negocio.
Tele^ramma familiar
Vonham ver ao 55
RA DUQUE DE CAXIAS
Tendo resolrido vender os seguintet
objectos por menos 50 i de seu valor
real, convidamos nossos freguezes a ver
a real i dad e !
Cachemiras combinacao com listas de seda
ultimo gosto a l200 ocovado.
Cambraia com salpicos a 4)5000 a peca.
Cortinados, novidade a 5^500.
Sarglins de qualquer cor 200 rs. o covado.
Linn bordado padroes novidade a 800
rs. o covado.
Setins de todas as cores a 800 rs.
Mantil as pretas.
Camisas rancezas com'collarinho coisa
chic a 2Ugp.
Cretones para coberta a 500 rs.
Amor da China grande sortimento em de^
. zenhos a 200 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cortes de vestidos coisa nova a 85000
12fJ000 e 16000.
uardanapos a 1-5600.
Madapolao com muita largura a 5#000
60000 e 7000.
Merinos pretos de todos os precos.
Crinolines a 40) rs. o metro.
Babados e ntremelos.
Vestuarios para baptisados coisa nova a
1O0OOB* 12^000.
Luvas de seda, a 2fJ000.
Zefiros de cores a 160 e 200 rs.
sortimento.
Grande sortimento de plastrons c regatas a
15000 urna.
Tecidos arrendados, novidade a 400 e 500
rs. o covado.
Grande sortimento de casemiraspara'rou-
pas de homem.
Colchas brancas c de cores um sortimento
completo.
Collarinhos e punhos para homem.
Cortes de casemira de cor a 45000.
Cassinetas com 2 larguras a 15000 o co-
vado.
Cretones para vestido a 240, 280, 320 c
400 rs. o covado.
Meias e lencos do cores para homem e
senhoras.
Merinos' de cores de 500 a 800 rs. o co-
vado. v
Brim de linho de cor, angola c molesquins
grande variedade.
Tapetes grandes e pequeos, algodao bran-
co, largo e bom a 55000.
Camisas de cretone muito bonitas a 25500
e 35000 urna.
Cambraias suissas com salpicos de cores a
75OOO a peca.
Renda da China a 200 e 240 rs. o covado.
Da-se amostras sem penhor.
S5 Ra Duque de Callas ..
Fernandes Azevdo &C.
grande
A Revolucao de 4^
a' ra Duque de Caxias n. 4
Em*vista das muitas pecninchas que te-
moB recebido, viemos por meio d'este cha-
mar a attencao dos nossos freguezes, pro-
vandq ao mosmo tempo como vendemos
por menos 30 01 do que em outra qual-
quer casa.
Folardina, tecidos moderno, a 320 rs.-o
covado.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400 rs.
o,covado.
Nansuks mnito finas de 120 e 240 rs. o
covado.
Merinos lisos e de quadros 200, 240 e
280 rs. o eevado.
Cortes de linn e cretones, todos os avia-
mentos, a 65009,85000, 95000 e 105000
um.
Ricos cortes bordados em cartSo a 145000
Atoalhado para mesa, muito largo'15200,
o 15500 o metro.
Pannos de crochet para cadeira [a 500,
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet com palmas para noi-
vas a 55000, 65000, 75000 8gXX) e
95000 urna. I
Cortinados bordados, muito finos a o5000
o par.
Bramante liso e trancado de 4 larguras a
15000 o metro.
Bramante trancado de 2 larguras a 400 ra. Cambraias bordadas
cores, a-4#X*
Luvasjde seda, IisaajfjgTendadas a 15000,
'") olB.
a 240 rs. o
850 rs. a libra!
Pura manreiga ingleza
Caramida
Guimares A Valente Corpo Santo n. C
Bahus
Vende se urna loja de bahus, bem afregaeza-
da, garantindo-se a chave da casa : a tratar na
ra Vidal de egreiros n. 120.
Vende-se
taverna sita ra da l'niao n. 3, bem afregne-
7,ada; trata-se na mesma e garante se a chave.
Explendido sortimento
de chapelinas e chapos para senhoras.
Capotas para enancas.
Gorros para enancas.
Chapeos de manilha
e chapeos para rriancas.
RECF.BEl
O Pinaud Parisiense
fa8 Traca da Independencia 2a8
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
55000 urna.
Saias bordadas, muito feas fa 35000 urna.
""safcfj|Te:
15500 e 25000 oJfc.
Seda alsacianas, novidade
covado.
Cretones claros e cacuros [de 500 rs. por
320 rs. o covado.
Zefiros de quadraa a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pechincha em camisas de meia a 15CKXTe
15200 una.
Leques de penna, o que ha de moderno a
45000 e 55000 urna.
Capellas com veos para noivas a 85000
urna.
FustSo de cores para palitot e calca a
500 rs. o covado.
Brins de linho, cores tixas c garantidas,
a 500 e 600 rs. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
colleto a 25000 o covado.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
45000.a peca. I
Bicos de cores c bronco a 15800 e 25000
a peca.
Cambraia suissa de 145000 por 75000 a
peca.
Collarinhos e punhos borracha a 15800.
Cobertas de ganga para cama de casal a
25800 urna.
Lencos de cores, imitacao de seda a 1<5800
a duzia.
Fichs de retroz, lisos e com palmas a
15000 um.
Madapolao americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a duzia.
Algodaosinho muito largo a 45000, 55000
e 65000 a peca.
Redes francezos a 45000, 55000 c 65000
urna.
Palitots de seda palha a 85000 e c^ de
chumbo a 105000 um.
Cortes de casemiras ingleza a 105000
um.
Cortes de fustao para collete a 15000 e
15600 um.
Cobertores de la com pequeo defeito a
25000, um.
Renda hespanhola larga a 25000 o covado.
Espartilhos finos a 45000 o 50000 um.
Roupa por medida, garante-se a pe'rfei-
oao.
S na Revolucao de 48
1IENRIQUE DA SILVA MOREIRA
rJePej
MAIS Bi
Na Loja das
A' RA DUQUE DE Cl
Vende-so fazeudas finas
d-se descont a quem comprar <
para cima, troca-se as fazendas
se por qualquer motivo nao fr'
agrado para quem for comn
pelos seguintes precos:
Cachemiras lisas e cm
seda de lindas cores, a 15400.
IHeriBOS de duas larguras, a
800 rs., qualidato superior.
Xecldos arrtfcdados crdacr
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazeudas do phantasia e H^^Bm
a 400 e 500 rs.
Tecidos de lin
grados, a 200 e 240
Zefiros lisos e de
100 rs.
Setins de Maco branca,
todas as cores a 750 e 800 rs.
Setins de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavr..das brancas e de o
ras, a 15400.
G izes de seda a
15000.
Cortinados de crochet, cm~pe
900 rs.

lho.
lho.
coro
gen
l com
ai'oes
de seda e de algodSo.
Contas lapidadas para vestido.
^^Bs de seda com e sem vidrilho.
_^Bda hespanhola.
^^^^^Bpara homem a 35000 e 45001
Luz
?Bordados de camb'-aia tapada a 400 500'
600 e 800rs. a peca.
dem cora 3 e li2 metros, da qnal que
a 15200. I
4,e linho em caixinhas a 35000 i*
homem,
enhora,
Hfees
um.
rtimento
duzia a 45000.
duzia a 45000.
pulseiras
5000 o par.
a peca.
i vestido bordado
165000, l850WWto
r ancos.
FOLPTIM
DECAPITADA
POR
P. BU BOISGOBEY
(Continuadlo do n. 166)
VII
Alm disso, aquella casa senhorial nao
era afatode e os aposjntos compunham-sc
de pequeo niUMio de Vjuartos mobiliados
bastante Wmta.
Adivinhava-se que b Sr. Borodino nao
tinha feito senao pousar all e que a mu-
llanca nao devia t'er levado muito tempo.
Depois de ter visitado o celeiro, Gri-
aille pensou em visitar a adega e perce-
beu que nada havia.
Como muitas propriedades dos antigos
suburbios de Pariz. aquella era construida
mesmo cm ettna do solo.
Nao se tinham dado ao trabalho de ca-
var a trra para os alicerces.
O Sr. Borodino guardava os vinhos em
um immenso armario em volta da sala de
jantar e( abrindo esse armario, Grieaille
g verilicar qae a provisSo nao era im-
f
, pensou (.'avaroc, que
es de larguezas
o ni ancaa um Bo-
Boa compra
Travessa do Porobal n. 11 (taverna) vende-se
a armacao. garantindo-se a chave ; a tratar com
o tenenle Evaristo le Souza.
Mastros para barcada
para
Vende-se tres magnficos mastros
na ra do Vigario n. 31.1- andar.
a tratar
Taverna
Vende-se urna taverna bem sirtida e afregue-
zada e em muito bom ponto, ra da Concordia
n. 1 ; a tratar nella ouno caes da Companbia
Pernambucana n. 8.
Com duas lanternas por nica Ilumi-
narlo nao se examina a fundo os cantos e
recantos de um vasto recinto plantado de
grandes arvores e coberto de canteiros flo-
ridos.
Grisaille nao se demorou como elle e se
visitou o pavilhao, passageiramente trans-
formado cm atelier de pintura, foi quasi
por formalidade, porque estava feita a sua
conviccao ; Borodino tinha-se safado com
toda a sua criadagem por um caminho co-
nhecido delle, algum subterrneo onge-
nhosamente dissimulado, que nSo se des-
cobria de noitc, e onde, alm disso, j se
nao encontrara ninguem.
Essa galera devia ter a alguma das
propriedades contig
jardim do estabelcci
raes de Pasar,e para
hida, era preciso espe:
Grisaille estava res
resmungava para 6, contra o Sr. Francas-
tel.
N3o chegariamos a isso, se elie t-
vesse querido ouvir-me, pensava o poli-
cial, que ainda era da escola antiga.
Ora, aqui est o que querer |pjer
novidades em materia de instruccao. jBe
via-se aferrolhar o tio c a sobrinha rio de-
posito da prefeitura. Assim tl-os-hiamos
seguros, ao passo que agora... assobiam-
Ihes as botas !
Grisaille para se consolar um pouco, ac-
crescentou mentalmente :
-i- Entretonto ainda espero qne nos tra-
gam a sobrinha.
E decidio-se, sem grande pena, a dar
orde^p de baterem em retirada, para reco-
maoarem no da seguintc.
:pitao ouvio-lhe casa ordemdada em
orno ee dh vulgarmente, nao
v'< de 3e conservar
sua,talvez ao
das aguas mine-
rocurar a sa-
fosse dia.
isso, mas
Cortes de
para noivas, a 1S5000, 18'lbTO V*O9O0K:
VOS para chapeo preto, branco e de
qualquer c8r, a 15500.
Crep iglez para enfeitos de vestides
a 15200 e 25000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales C chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas d cSres finas e seguras, a
120 o 240 rs.
TSorini de listras azues muito lar-
gos com 20 varas, a 65000. a pc5a.
Sarglins Unos, a**!60, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardanapos superiores a 15800 e
25000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 15000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 15000, o metro
Toalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 45000 e 65000, a duzia
Bleos hrancos franeczes, a 6(X
e 800 rs., a peya.
Bicos finos, blancos, remele ma-
tisados, a 25000, a peya
Inicia a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 rs. 4
l.uvas de seda, bordadas,
pretas e de cores, a 25000.
Leques de papel, a 50t>'rs. e trans-
parentes, finos, a 25000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 55000 e 65000.
Sabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
Extractos finos francezes e inglezes
a 15000 e 25OOO.
Despertadores americanos, a 75.
Hosquiteiros americanos com ar
macio a 105000 e 125000.
Espartilhos americanos e inglezes,
a 45OOO, 55000 o 65000.
Capas de vidrilho e rendas, a 255000
e 305000.
Toalhas de lahyrintho para bap-
tisado a 305000, 405000 e 505000.
E militas fazendas qne se d por todo o
preco na.
Loja das Listras Azues
Farello de carolo de algo-
dao
transparentes de gaze t
de porta-retractos d
americanas a 40, 65
moderno, ih
2! '
brancas
J conhecido como o melhor
alimento para animaes; vend
Jess h. 38, 1- andar.
is nutritivo
i rjp do Bom
Vinhopuro de Santa^
rem
a qnix* de Barral
Cbegou a segunda remessa deste especial vi
nho para o armazera centra' de genero3 alimen
cios ra do Cabuga n. 11, o qual se torna
recommendado por ser puro da uva.
Joaquim ChristovSo & C.
Telepbone449
phantasia, gosto
J| 35000 o par.
do8 todos de croenet 1
175000 e 195000 o par, algum
cfres.
Ditos Pfra aMHJA 7
Paanos ile iras a 800 t
IdjOO.
Ditos pa^PpHla
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres paaos de comprimenu
a 45000.
Capellas com veo para noiva a 65000 <
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85 105 ;
-125000.
Toucas de setim para baptisado a 35, 45
55000.
Grinaldas e ramos de teda, o que ha dt
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a peca
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramo* de flores a 45000 um.
Collarinhos punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 288 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricante
Bmha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinas t
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 c
par.
Ditas de seda para creanca a 15000.
Dita para moca a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuaro e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos*
tos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para ereanga a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000 t
65000. p
Grande sortimento de sabonetcs de 200 *
15500 um.
Estojo om faca, garfo e colher, proprit
para creanca.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de IS para horneas e senhoras.
Linluw dourda para rasar crochet.
Lindas fitas para facha a 25, 85 e 45001
, o metro.
Lindos loques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim t
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeir de lt 2*
3 e 35500 ama.
Ra Duque de Caxias n. 103
WUSf .
uoyal Blend marca YIADO
' Este excellente Whisky Escoeez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retamo nos melhores arma-
zens de jnolhados.
Pede Royal Blend marca Viado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
cues que o chefe ia dar aos seas homen
para o resto da noite.
N3o pensava scnSo em safar-se e con!
seguio-o.
Os dous ou tres agentes que vigiavam a
porta da ra deixaram-no passar mais f-
cilmente do que o teriam deixado entra^,
se se apresentasse szinho^^m lugar d$
se misturar, como tinha HH|kp grupa
commandado por um antigo sargento d
seu esquadro.
Lamentava nSo lhe ter deixado a
morada, mas esperava que Marchis
de sabel o encontrar e proporcionar-Ib
occasiao de o,recompensar.
Xa ra Bercoa'c no caes de Pass^^JH
varoc vio Oatroitpoliciaes disserainados ao'
longo do murttepde assim verificar que
se o 8r. liorodino3estava fra de alcance,
a sua prppriedade estava rigensamcalpjpj|
giada.
O capitao, passando a ponte de lena,
ficou a scfllmar por instantes se na^k^kV
bem, antes de voltar gara^casa, dar '
chegada praca do n^Hwoiu-bon
conta a Joaville dos resultados da sui
panha noctura.
Mas pensou que nao tinha n
portante a lhe dizer. Jonville
ruva seno no dia seguinte de
sempre seria tempo para lhe con
Sr. 'Borodino batera as aas.
Jonville ao fazia empe
ver a aquelle personagem
te Helena ainda menos em
Cavaroc alm disso tinha-;
do muito durante dous das com
rio que Jonville fazia einpcnho
trar ; mas aquelle inysterio
respeito.
Oavaroc nao estava apaixonado
lena ; Cavaroc nio era amigo
a quem coilecJMfl&O pouco. Tinh
se apa
lia ti
ia tambe ni muito
la s tuacao nova q
SOf,; que acabava de estar envolvida cm
mn drama tcrrivel, sobre o qual a justica
n3o tinha ditojainda a ultima palavra.
Feitas todas estas reflexoes, o capitao
resolveu ir dijeitirUo para a cama e tratar
de dormir.
fJTinha ganho muito bem o direito de re-
pousar.
Dirigio-se, pois para a avenida da Mot-
te-Picquet, sem desconfiar qae urna sor
preza o esperava.
VIH
L Naturalmente I fangales morava no me.s-
10 bairro que:
Tinha alli Jados m scusjjfcbitos c tena
muita dilliculdde em so** IKar cm ou-
tra qualquj^K parte*.
Do mesmo modo que, un Laponio, nao
ponera viver no paiz oqcte floresce a la-
rnjeira, do mesmo modo Mealheiro se
consideran; nr.i;1 i desgranado se"o cons-
trangessem a morar nos grandes boule-
g08 Campos-Elyseos.
nos que estava 8
illa ra Fromentv
s attrahia um pintor^!
HKertinho do Gato Ne^O, qu
^PBl com muita satisfaco,'
pe rio da praca Pigale, onde o
mestre tinha o atelier.
'or isso nunca se afastava daquelle cen-
artistico, a menos que n3o fosse frja-
lo a isso por acontecimentos extraordina-
rios.
E comegava j a estar farto das revira-
voltas repetidas que, desdo a noite do
baile, lho impunliam as circumstancias.
I Apoquentado pela justica, que o tinha
chamado duas vezes ao palacio, espicaca-
pela vontade do tornar a encontrar
una, abandonado por Vitrac e mal-
o^ielo pai Cordouan, o infeliz Mea-
tinha raz3o para estar contente
' levava,

ALI
TMATERA
Liquidando os rtigos se-
511 hites!
Ittia Euqsie le Casias
Merinas do todas as cSres a 200 rs. o co-
vado.
Lindo sortimento sdc alpacas modernas a
400'rs. o dito. &
Zefiros de quadros a Si >, 100 c 160 rs.
o dito,
Cretones fracc^zs com 1 metro de largu-
ra a lito. '
Nnaks, cares firmes a ICO e 160.
FustSc brancos bordados a 560 e 440 o
dito.
Bramantes di algodao a 700,^00 e 15000
metro.
[dem dalinhc, superior a 15600 o dito.
Atoalhado bordado a 15200 o dito.
Superior madapolao americano com 24
jardas por 65000 a poca.
Algodoes da corte, o melhor a 35500
J000 e 55OOO a dita,
Cambraias bordadas linissimas a 45000 a
dita,
dem VictorBkgmn 10 jardas a 25800. de
ffisguiilo de algodSo a 4->000 a dita.
Ricas guarnijSes de crochets a 75000 e
85000.
Cortinados bordados, novos desenhos a
65000 e 85000 o par.
Toalhas superiores, muito grandes a45000
a duzia.
Meias inglezas a 35000, 45000 e'65000 a
Tlita.
Seroulas bordadas de bramante a 14500Q
a dita.
Camisas rancezas e inglezas a 365000 a
dita.
Guardanapossuperidrcs a 25000 e 55000*
dita.
Cobertas de ganga, 2 pannos a 25800
urna.
Lences de bramante a 15800.
Colxas francezas, de cores a 25000.
Mantilhas e fichs a 15000, 15200 e 15500
Chales de 12 a 25000, cachemira, grandes a
35000.
Redes de cores a 35000 urna.
Cobertores de 12 brancos a 25400 nm.
Cassinetas para roupas de meninos a 200
rs. o covado.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 15100
e 15800 idem.
Flanella azul ingleza a 15200 e 25000
idem.
Cheviots superiores a 35200 e 35500 o
dito.
Damascos de 12 para capas de pianos a
25000 o dito.
Pannos -ara mesas, novo gosto a 15100
15300 e 15800.
Espartilhos, lu\tes, grinaldas para noi-
vas, lencos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos por precos sem com-
petencia.
Ra Duque de Caxias n.59.
LO*A DE
PEREIRA & MAGALHAES
Jrao centeio .
Mello & Biset, avisam ao respetavel publico,
que todas as tercas e sextas-eiras, tem este 6a
boroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
Movis
Na casa n. 183 rua-Impcrial, vende-se ba-
rato dous guarda-vestidos e urna cama para ca-
sal, tudo novo em folba, de superior qualidade
e estylo moderno.
Leite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio lo
go depois das casas novas da direita. vende-se
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite.
Carro americano'
Vende-se por preco mdico ura lindo carro
americano, quasi novo, com 4 rodas e 4 asien-
tos, com arreios para um canillo, podendo ser-
vir tambem para dous, muito proprio para me-
dico e para familia, no genero tal vez o melhor
desta cidade : a tratar na cocheira de Sr. Ha-
noel Martins caes de Capibaribe n. 8.
pakHT: PERICA
AZEVEDO, 11mo & O*
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephone200
Tendo recebido directamente da Enrona
grande .ortimeato do fazendas e modas o
que ha de mai&novo e preces sem com-
peten
'A saber ;
Capss de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
JfitamBes, pretos, de 12 e 12 seda.
Damasse de seda pura.
* Merinos, pretas de 800, 15000 e 15200.
Crinoline j>reta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 re.
Bramante de linho a 15500, com 10
palmos.
Toalhas para banno a 15000 e 15500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 re.
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000
Madapolao trancado a 95000 a peca.
Dito globo a. 75000 a dita
Dito cam8ero a 75000.
Dito, Boa-Vista, verdardeiro, a 65000.
Fichs dte e seda 15000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
EBpartilhoa couraca a 45000 e 55000.
Colchas de fustSo a 2*500 e 35000. ,
Capellas para noiva cojn veo bordado a
65000. *
Toalhas de edre para rSsto.
Rendas, comprmento de saia a 15500.
Renda de 12, prcta, para quaresm.
Vano verde para buhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira estoira para forro de sal
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
"Cortinados de crochet para cama a
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a 25000. -
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
GuarnifSes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presente.
Rendas hespanhola a 45000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapos de sol.
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustSo de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200

E' barato
Farinlia a 600 ris a cuia
S no IarL'0 do Mercado n. 12, (lomes Ferreira
Na sc.gunda-feira tinha esperado pelo
menos tres horas, com outras teste mu-
nhas que n2o conhecia, e o juiz tinha-o
mandado embora sem o ter ouvido.
Resultou daqui que Dangalas fora afo-
gar as suas maguas na garrafa, isto 6, ab-
sorver numerosos copos de absynthio, e
aquella occupacSo tinha-lhe levado tanto
tempo, que se tinha esquecido dejantar e
que se deitara a horas improprias.
Seguio-se que naj terca-feira, tendo
acordado com aqnella enxaqueca particu-
lar dos bebedores do verde, teve todas as
difficuldades deste mundo para se decidir
a levantar.
Nao tinha pressa de almogar, apezar da
que dizcm os que gostam dellc : o absyn-
thio pupprime appetite, c perguntam de
si para si o que ia fazer daquelle dia.
Estava cansado de correr atrs de Vi-
trac e nao fazia empenho em ir bater com
o nariz na porta do palacio do seu mestre,
onde tinha em ontro tempo entrada a toda
ensou por akates emir fazer urna
ta a Vand^|Pfftalvez lhe dsse-noicia
re o que se passava em casa de Vi trac
u em outra qualquer parte. Mas descon-
iva delia e tambem de si, por causa da
propensao que elle tinha para contar os
seus negocios e particularmente os seus
negocios de coracao.
Receiava deixar-se escorregar e fallar-
Ihe na pequea, e, como nao esperava do
antigo modelo nenhum sorvico, prefera
abster-se.
No fundo, Mealheiro nao pensava sen2o
en \gostinha c para tornar a encontral-a
teria renunciado de boa vontade a descu-
brir os assassmos da decapitada. Tel-os-
hia mesmo ajudado a fagir perseguicao
da justiea, se quizes3m e pudessem res-
tituir-lhe a desapparecida.'
A expedieo emprehendida com o pai
Cordouan tinha sido m err, um grande
erro, porque nao sfflento nao tinh:
resultado, como ti
homem q
G. LAPORTE
C ommissao-importacao
REPRESEfACO DE FABRICAS
Kua (las Fliiics ii SO
Armazem
(Entrada pela ra Baio da Victoria n. 41)
Faiancas de H*. Boulenger & C.
rnpt-i de Mioche Joubert < C.
i'iaiios de Pleyel.
K>rcelana de Hache JuMen Si C.
^ to, rendas c cortinados de Edw. Sleeg-
* mann & C.
Droga da Pharmacie cntrale de France.
Azulejo* de Fourmaintraii.e Courquin.
Conserva* de Loutt Frres < C.
VinboH le Bordeaox da Association Vi-
msolc.
Cachimbo de Ijarge Pire. Fils < David.
Cognac de (Jeorges Seguin C.
Vidro de C. Le Blanc.
Cryjiiae* da Crlstallerie de Sevres (Landier
& Hondaille).
(ap>.uia para frasco e carrafas, de A-
Betts & C.
Frascos, vasilhame para pharmacias e per-
fumistas de llertm Tissier t C.
ArmacoM para sellins. esporas e inateriaes
para selleiros e fabricas de carros, de
Fichet Frres, etc., etc., etc.
As mercadorias veem directamente das fabri-
cas para os clientes, sem commissao, e pelop
precos da fabrica.
Concedem-se os prazos usuacs sem augmento
de juros ou nutra qualquer despesa.
COMMISSAO : Recebem-sc cncommendas de
qualquer outro artigo, em commissao.
20Ra das Flores20
O conde agora devia estar em guarda,
e se fosse culpado, j devia ter tomado a
suas precaucoes para fazer desappparecer
a sua victima, na previsao do caso que ds-
sem urna busca sua casa.
Mealheiro nao desconfiava que essa bus-
ca j tinha sido feita e nao tinha dado ou-
tro resultado seno fazer reconhecer a fa-
ga de Borodino, da sobrinha e dos cria-
dos.
JK*alUeiro soffria as consequencias d
isolainento voluntario a que estava redu-
zid .desde o carnaval.
^A'quem podia elle interrogar para ter
Sabia a morada de Jonville e
de CavaroCj qu^lhc tinha dit
ufBb das freguezas do caf do Jiato-Moito,
fregueza que tinha ido no aano paesad
um capricho pelo formoso capitAo, mas nS
conhecia sufficienttnente "aquelles senho
res para se atrever a ir' tomar informa-
c("cs sua casa.
E comtudo Dangalas nSo era timido, era.
simplsmente pre;uicoso e sobretudo irre-
soluto, como sao quasi sempre as pe3oas
que nio tem tido na existencia dessas cri
ses repentinas, em que preciso tomar>
inmediatamente urna resolucao, sob pena
de ir ao fundo.
Nao havia senao o amor para o tirar da-
quella apathia/ e o amor tinha chegado.
Aquella freqnentador de taverna ainda
nao confessava a si proprio que estava
apaixonado por Agostinha, mas comecava
a perceber que teria muita difficuldade em
presciadiiLdella.
Para cumulo da desgraja, j n2o podia
coutar muito Com a cooperacao do pai
Cordouan, que so tinha zangado na arite-
vespera,' porque o rapae tinha tida o ar
de duvidar que o conde Borodino i
rata.
.1

, /
.;
i


1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENRXYVWGT_5Z4Q2K INGEST_TIME 2014-05-19T17:45:22Z PACKAGE AA00011611_19170
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES