Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19168


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
I
'AN.NO LXV NUMERO 165'
PARA A CAPITAL E LUGARES 0\Di: NAO SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantados............... 6(5000
Por seis ditos idcm................. 12^000
Por un anuo idom .... .......... 23)5000
Cada numera avulso, do mcsmo dia..... ... 0100
DIARIO DE
KJINTA-FEffiA 25 DE JLRO DE 1889
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
*or seis mezes adiantados.............. 13(J5Cr
W nove ditos idem................ 20(5000
tom anno idem................ 26(5000
ida numero avulso, de dias anterioras.......... #100
NAMBUGO
#7


Trcpriedade de 3\iancel fcgutiroc me diaria $ Mtycs
TELEGRAMAS

S3S7I50 PASIICLAB 23 l'ASII
RO DE JANEIRO, 24 de Julho, s S
horas e 40 minutos da tarde.
Foi nonjeado mestre da offleina de
ninas do Arsenal
Os autos relativos ao crimje de Adria-
no Valle foran remettidos ao promotor pu-
l H8b para dar denuncia.
SS. MM. foram recebidas com deli-
rio em Ouro Preto.
O^arro em que iam SS. MJI. foi acom-
panhado pelo povo at o palacio do go-
verno.
A cidade est em festa*. Reina immen-
so regosijo. *
Seguio no paquete Alianca a inissao
especial do Rrazil cm Washington.
Seguio no mesmo paquete o Dr. inspec-
tor da hygiene Oerqueira Leitc.
> NATAL, 24 de Julho, s 4 horas e 30
minutos da tarde.
A Assembla Provincial votou hontcm
unnimemente urna felicitado a S. M. o
Imperador.
Chegou hoje aqui, c segu a tarde para
o sut o vapor nacional Para.
INSTRDCgiO POPULAR
|aesdos
as fun
MADRID 23 de Julho.
9
Por decreto do governo foram proro-
g&das as sessSe* das cortes hespanholas.
PARS, 20 de Julho.
Com relacSo ao attentado commettido
contra a vida de S. M. o Imperador o Sr.
D. Pedro II, os jornaes europeus expri-
mem as sympathias que tm todas as na-
cCes por este monarcha.
Agencia Havas, filial em Pernambueo,
24 de Julho de 1889.
________________L
AS GRANDES INVEHES
ANTIGS E MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artas
| POR _
xx
Os VninUlo
.' (C onti nuagao)
Para satisfazer o desejo manifestado pela aca-
demia das scieacias, veio logo Estevao Montgol-
fier capital. No dia 19 de Setembro de 1783,
repetio em Paria a experiencia do balo de fogo,
tal qual haviu sido feita em Annonay. Tinba-se
Techado em orna uaiola de vime, suspensa a par-
te inferior do balo. um carneiro, um gallo e um
pato. Estes pnmeiros aeronautas tiveram pros-
pera viagem ; depois de tercm sabido a grande
aliura, tocaram em trra, saos c salvos.
O bello resultado destas experiencias animou
Moa/golfier a construir um balo capaz de levar
gente. Dispoz para este fim, urna galera circu-
lar feita de vime, coberta de panno de linho for-
te, formando urna especie de varanda da altura
de um bomem, e destinada aos aeronautas. Im
joven physico, Pilatre de Rozier, e ifm offijtial
francez, o marquez de Arlandes, ousaram aven-
turarse nesta perigosa barquinha.
(Contina) *
dores t> linalmente prestar-se a qualquer
de seu emprego que rasoavelmente

.

PARTE 0FF1CIAL
Governo da Provincia
LE N. 2.014
Bario de Caiar, bacliarel em sciencias jurdicas e soci&es
pela Academia de Olinda, I." vice-presidente da provincia de
Pernambueo :
Fago saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial. sob proposta da Cmara Municipal da villa
da Boa-Vista, decretou c eu mandei publicar a resoluco se-
guintc :
SECCAO I.
Jk> fiscal
Artigo i." O liseal, alm das attribuiges que he afiaimpos-
tas no art. 85 da lei de i de Outubro de 1818. ter as seguintes :
i. Fazer em cada trimestre correicao atim ile verificar se os
pesos, medidas, apparelbos e instrumentos ateridos soffreram al-
guma alteracao.
2.a Visitar, nos dias da feira, o agougue e nutadouro publico
e diariamente as averna* e qoaesquer esialielecimentos que pos-
sana inleressar a salubridade publica, alim de providenciar contra
os abasos que se derejn respectivamente aos bbjectos qne nelles
silo expostos venda. ....
3 Faxer correigao dentro da villa no piwuo da de cada
mez e no mez de Agosto de cada auna ferifiair. e u estrada*
esto devidameute abertas. para o que le Tornear a Cmara
uraa ajada de custo razoavel.
4. Impor multa aos contraventores de posturas rauniclpaes,
lavrando competente auto com a assignatura de duas teste-
raunhas. ...
Art. 2." Ser responsavel o liseal pelos prejuizos occasiona-
(Jos por sua negligencia c por qualquer infracco de seus deve-
res, e multado pelo presidente da Cmara at a quantia de 20*.
sscco 2.'
Da construeco das casas
Art. 3. As casas que houvtrem de edificarse ou reedificar-
se dentro da demarcarlo desta villa, tero as frentes de lijlos,
com 16 palmos de altura pelo menos, tendo as portas 10 palmos
de altura e 1 metro de largura, eas janellas as dimensoes corres-
pondentes : os infractores pagaro a multa de 10*000 e soffrerao
a demolicSo sua costa. .....
Art. 4." As ras, que se tiverem de edificar nesta villa, terao
14 metros de di.-tancia de urna para outra. quando ficarem vis-a-
vis, e quando ficarem fuados para fundos, terao a distancia de
'30 metros : os infractores pagaro a multa de 20*000 e soffrerao
a demolico da obra sua cusa.
Art. 5.a Xas ras j existentes nao se podero lazer muros
que vo alm da nietade do terreno de urna para outra.
Art. 6." Xenhumafpessoa poder edificar casa nesta villa, e
bem assim levantar muros, sem licenca da Cmara, para esta Ihe
mandar dar alinbaraento : mulla de O000
Art. '.' Os oitOes de muros, que ficarem para a; ras e
beccos bem como os oiles superiores s casas contiguas, sero
i-aiados pelo proprietano urna res cada anno, no mez de Setem-
bro. conservando-se sempre com asseio : molla de ."5*000.
Art. 8. Xinguem poder demolir casas nesta villa sem ser
om o !im de reedificar ou desoecupar o terreno no caso de nao
r>oder rcconstruil-as : multa de 30*000.
\rt. '.i." A 'amara (ara raelhoramento da villa propor a As-
sembla a dcsapronriagSo de todas as casas velhas e demasiada-
mente pequeas que forera situadas as ras se seus donos nao
o quizercm dentro do prazo de um auno, depois de intimados pelo
respectivo Bscat ,
Art. 10. Nenhuma pessoa edificara casas nesta villa nos lu-
gares odc ttem beccos, sa que fique pelo menos n'uma
distancia de metros ile um to a outro : multa de 5*000 e ser
demolida a obra sua custa.
Art. 11. I'ica pertcncendo demarcaco d'isla villa a nova
diricacSo Teila pelos erapregados da commsso hydraulica do
meltiorainento do rio S. Francisco.
SBCCAO III
Da limpeza e asseio das na*
Art 12." Todo aquelle que deitar animaes mortos as ras
ieala villa, soffrer a mulla de 2>00O, sendo a remogo do animal
feila sua cusa. .
nico. A mesuia mulla e pena ser imposta aquelle que,
vendo ou sabendo de algum animal seu morlo no mesmos luga-
re nao o liztr immedia'aments remover.
Art. L.0 Todo aquelle que lizer excavaco cu barreu*. dentro
da demarcaco deta villa sefi multado era UtOOO.
ssocXo IV
Do matadouto e arovgue publico
An. l. E' prohibido vender-s'e carne verde par consumo
desta villa, de rezes que nao forcm mortas no matadouro publico
Helia: multa de 10*000.
Art. 13." A carne verde ou secca expnsta venda, que apre-
senlar signaes de enfermidade ou putrefagao, ser apprehendida
pelo fiscal queiniada ou enterrada e o vendedor multado em
10*000.
Ar. 16. E' prohibido vender-M carne arrobada no agouguc
desta villa euiquanlo houver quera queira comprar a retalho: mul-
la de 55000.
SEcg.o v
Da polica
Art. 17. Ninguem poder armar barracas nem collocar mesas
au bancos na casa da feira, para fazer quitanda cu qualquer ne-
jocio. sem licenga da Samara, e em lu^ar pelo liseal designado,
devendo obstruir as cavidades que forera feas; os contravento-
res paparto a muha de 102000.
Art. ohibido vender ou comprar por atacado ate tres
Uoras da tant, farinlia ou oulro qualquer genero que baja falta
no mercado, para vender no mesmo mercado ou conduz:! <> pan
fra, sob pena lie 10*000 de multa. Xa mesrna pena incorrem
aquelles que com malicia demorarem a venda do genero a titulo
de maicr prego aleares horas, para eiito o entregar por atacado
aquelle que o cornjuou.
Art. 1! Pica:: ; .'os na feira ns jogos >ie parada e rilas ;
mulia d iiaa de priso quando nao poder pagar.
Art. 20 ro oa qualquer.pefcoa que consentir
ra sua casa adjuntos i alando eai vojerit.m-
aietando o soceao toM cm 20*000 ou oito das
te io podend#1lgar.
Ai armas prohibidas-: os claviootc-s,
^^HBrolvci'--. pistolas c ficOes decanta ; os
iOOO e (icario sujeiios, g|m
da justiga pullica. W
ni todo municipio fazer-se cerca de
ttMu ier.'.o retiradas, no [razo <
ieus <-< fiscal; multa de 2

Art. 23. Todos os proprietarios, donos de taveinas, lavrado-
res em terrenos arrendados ou concedidos gratuitamente para
pl.mtaco ou outro qualque mister, sao obrigados a fazer suas
cercas" de boa3 madeiras com um metro e cincoeota centmetros
de altura, de modo que nao permittam o ingresso de animaes ca-
vallar e vaceum; malta de 20*000.
Art. 21. O proprietano on lavrador que maltratar qualquer
animal alheio. encontrado em sua roca, que nao estiver cercada
as condigOes do artigo antecedente, ser multado em 10*000,
alm de ficar responsavel peto prejuizo que der pelo mo trato.
nico. Xa mesma multa acorrer c ser responsavel pelos
prejnizos dados aos lavradores o doao de qualquer animal, que
tendo sido avisado que seu animal costuma arrombar cercado ou
entrar em roca de plantago, cercada pela maneira determmada
no art. 23, nao der providencia seria a respeito no prazo de tres
dias.
Art. 23. Ninguem poder entrar em pastos alheios ou em
mattas para derrabar arvores que sirwm para constraegao, ali-
mentago ou descanco dos gados, U'rar madeira sob pretexto al-
gum sem previa licenga do dono; multa de 104000 ou oito dias
de priso uo podendo pagar essa.
Art. 26. E prohibido na estaco da secca conservar techadas
as bebidas dos gados e animaes; malta de 20*000.
Art. 27. Xinguem poder prender gado alheio em corral ou
outro qualquer modo na estagao da secca ; podendo porqm, na
estago do invern, prender por 24 horas se fr com a Qm ae be- .
neliciar; mas o criador que sejulgar prejudicado pel3!^ggloaK-
racio d gado de ontroS era suas aguadas os avisar para retirarem
seua gados, marcando-Ibes para istoum prazo nunca menor de
tres fias ; e se estes a isso se negarem, pagarSo tO-iOOO de malta.
Art. 28. Xinguem poder pegar vaccas paridas, alheias, para
tirar leite sera consentimento de seu donO, sob as penas do arti-
go antecedente.
Art 29. prohibido negar animar cavallar alheio para ser-
vir-sc delle : mulla de 10*000 ou oito dias de pr5ao nao poden-
do pagar a multa.
Art. 30. Xinguem poder ter caes sollos, sera acamo, dentro
da villa : mulla de 5*000 ou serem mortos pelo fiscal; os caes
pegadores de criaco, porem, pdenlo ser mortos por qualquer
pessoa que os encontrar pegando-a.
sacgXo vi
Dos pesos e medidas
Ait. 31. Sao obrigados a aferir animalmente os seus pesos,
medidas e oalangas, todas as pessoas que venderem por grosso
ou por miado em casas para este fim abertas com alvar de li- *
cenca desta cmara, ou anda mesmo em casas particulares, sem
elle, comprehendendo nesta classe as tazends. situagoes e fa-
bricas que dentro dellas venderem gneros de sua cultura ou fa-
brico.
Art. 32. Para execugo dos trabalhos de afericao sero ob-
servadas as regras seguintes :
1.a A aferfeo ser feila no paco da Cmara Municipal ou
em lugar por ella escollado, precedendo annuncio por edital.
O portador dos pesos, medidas, balangas e outros qnaes-
quer iuslrumeutos, receber urna guia, contendo a relarao de
todos elles, por meio da qual Ihe sern restituidos depois" de pa-
gos os respectivos impostas na secretaria.
2." As guias sero escripturadas c assignadas pelo secre-
tario.
3.a A alerigo ser feila pelo aferidor devidamente habilitado
e nomcado pela Cmara, ou em sua falta por um dos professores
pblicos nouieados pelo presidente da Cmara.
SECgAO vi 1
Patentes ou aleara de licencas
Art. 33. Niugaein poder abrir casa de negocio nesta villa
ou expor vend* em casas particulares, feira porto da mesma.
fazendas e outras quaesquer mereadorias sem licenga annual da
Cmara multa de 10*000.
$ nico. O alvar de licenga a que se refere este anigo,
necessario nao s as casas de vender por grosso ou por raiudo
que de novo se abrirem em qualquer periodo do anno, como para
continuaco dos existentes no anno 'antecedente.
Art. 34. O imposto de patente ou alvar de licenca ser co-
brado de conformidade cora o que for marcado pela Assembla
Provincial.
SS nico Ficam isentos do imposto de licenca osqnevierem
to soraente vender gneros alimenticios na feira, e bem assim
as barcas e caaas que tambern s venJereai estes gneros.
Art. 33. Todos as mullas e penas dos artigos das presentes
posturas serao duplicadas as reincidencias.
Art. 36. Ficam revogadas as disposigOes era contrario.
Mando, portante, a lodas as autoridauades, a quera o conheci-
mento e execugo da presente resolugao pertencer, que a cum-
pram c fagam cumprir to inteiraniente como nella se conlni.
O secretario interino da presidencia desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
, Palacio da Presidencia de Pernambueo, 11 de Junho de 1889,
68* da Independencia e do Imperio.
L. S. Barao de C.uAr.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta secretaria da
Presidencia de Pernambueo aos 11 de Junho de 189
O secretario,
Francisco L. Murinho Ai Souza.
LEI X. 2013
Bario de Caiar, Bacharel em sciencia jurdicas e socias pela
Academia de Oiioda e Io Vice Presidente da Provincia de Per-
nambueo :
Fago saber aos todos os seos habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial, sob proposta da Cmara Municipal de Flores,
decretou e <*u mandei publicar a resoiu&o seguate,:
Follaran tta Caaaara Municipal de Floren
' j\rt. i." A Cmara Municipal de Flores ter os segttintes em
pregado:":, um -secretario, um {procurador servindode aferidor,
cinco ffseaes, accumulando as fioegoes de cordeadores e funecio-
nando cada um nos cinco dis indos de-subck-lcgacia do municipio,
um gua di e conservador do agude e um porteito.
Art. 2." Todos" esi -cro de nomeago da C-
mara e demissiveiS, precedendo audiencia dos mesmos, quanao
por bita e cumprimenlo dos seus deveres.percam a couliauga da
Cmara.
, vo II
Do secretario
Art. 3.* Com as funcgOes que lne sao
firoprias, escrever as nc'..,< Cmara, proceder ras
eiturus- documenl
ragao, os termos de juramento,
organis. de cotiformwkit
da le rt/1221
cia d C
igu
do na regulandade da boa adininistrago e econo-
secretario poder ser multado at 105000.
SECIJ \0 III
Do procurador
procurador, ilm das ufuDcges que Ihe sao pro-
zer as despezas legitimas.da amara, promover
todas as renda conforme as condicOes indicarem
otada trimensalanjniedo recebidoS'despendido,
mellior se fazer neaessario para boa arrecta
das rounicipae-
alm de responder pelos preiizos que
ncia. p ailtado al 10*000.
Dot fiscats
Art. 7. Aos flacaes dos cinco dislriftos de que se compe o
.municipio, que se substituiro em seus impedimentos ou falla de
aomeagao, conform sua collocagao na classilicagao do 1." em Flo-
*t*. 2.1- ftn Carnahjba, 3." em Colonia, 4o em S. Seralim c 5o em
\ Caetano, compele fazer cumprir as presentes posturas, promo-
feodo por todos l meios regulares sua efectiva observancia para
|ue visitaroagoogiKs. mataaoaros, lugares de feira, qualquer
"abeiecimento que possa inleressar ao bem publico, afim de
jvdenriarem sobre os abusos que se possam dar contra a salu-
aade ou coulfa a conlianca as relaces de raercancia, impondo
Itapor todasfrtoutravences. exceptando finalmente todas as
'cas da Cmara, a qual daro couia as sesses ordinarias da
llinaco nos tmeciivos distnctos.
Art." 8.' Os-fiacaes por qualquer infraeco dos seus deveres
tro ser mudaos at 10.4000.
SECQAO V
Dos cordeadores
, Art. 9." Aosordeadores, cada um no seu respectivo districlo
ppre, em vista'das licencas uV Cmara, alinhar todos os edifi-
( pblicos ou particulares que, na villa ou povoaco, se houver
Jevantar, fazenilo executa os preceitos symetricos e regulares
iodo que nao venha a soffrer a conveniente ordem, distribui-
r aformoseaniento das edilicagOes, indemnisaado aos proprie-
. pelos prejolzos que hVs lizerera soffrer.
Art. 10. Os cordeadores podero ser multados at 4*000.
8ECCA0 TI
JDo conservador e guarda do atude
Art: 11. Ao conservador e guarda do agude compete velar
fiel cbservanSa das posturas na parte relativa a semejbante
em de servigo,"eatendendo-se regularmente com o presidente
amara, alim de que por idicaco deste, e de accordo como
il, seja urna readade o policiamento do mesmo agude, cum-
. Jdo, no que diz respeito a limpeza conservagao e reparos de
neqaenas avarias do paredo, considerndose to somente aquel-
las i.ue provm do uso. os deveres que Ihe soimpostos por lorca
do Art. 12. O conservador do agude poder ser multado at a
quaitia de 4*000 e obrigado a rel'azer pelo seu ordenado as ava-
rias que se nolarem resuRantes de sua negligencia.
* atcgiovn
Do portare
Art. 13. Ao porteiro incumbe guardar as chaves do edificio,
abrir o mesmo regularmente para todos os actos pblicos que ahi
hajaai de ter lugar, conservar em asseio as salas e os movis da
Cmara, nao consentir absolutamente na sahida dos movis para
appLcago estranna aos misteres a que se destinam, assistiras ses-
ses emais actos, de nimio que as partes, a cmara, seu presi-
dente e o secretario enconlrem no mesmo ura diligente auxiliar
para a expedicao arompta do servieo.
^Art. 14.0 porteiro poder ser makado at 2*000.
SECCAO vui
.^ v Iw ordenados e ematmentlvs
Art. P s ordenados dos empregaaos da Cmara erao mar-
cados annualmeota no respccli|0 orgamento, nao podendo abso-
luta menteaidda sob pretexto pagamente atrazados, ser aqui-
nhoados em quntias exccdenwao queiOr marcado aonualmeiite,
TinLO II
SECCAC C K I C A
Prortdiicias sobre cnatenos, enlerramento* e oulros asusmplos
Art. 16. As inhumagOes so tero lugar nos cemiterios, os
quaes, logo que se achem establecidos c designados pela Cma-
ra, passaro sua adninistragSo: sero multados em 20i000 e 8
dias de priso tanto aquelles que estiverem encarregad03 de diri-
gir e administraros enterres, como os que se prestarem a dar se-
pultura a cadveres era qualquer outro lugar nao designado.
Art. 17. Emquanlo nao forem creados cemiterios na forma
do artigo antecedente, os cadveres sero sepultados nos actual-
mente existentes ao lado das igrejas, conforme o costume, e as
pessoas incumbidas de sua guarda ficam obrigados aconserval-os
com o maior asseio e limpeza, sob pena de multa de 10*000.
Art. 18. Xenhom cemiterio ser edificado seno em lugar
muito conveniente, juizo da Cmara e em distancia de mais de
200 metros dos lugares ou centros habitados.
Art. 19. Os eaterramentos dos cadveres sero feitos das 6
horas da manha s 8 da noile; os eucarregados do enterro e os
guardas do cemiterio pagaro por cada transgresso 16*000 de
multa. .
Art. 20. S depois de dezoito mezes se abrir sepullura em
lugar j oceupado por cadver, salvo ordem de autoridade crimi-
nal para diligencias do oflicio; os infractores pagaro 10*000 de
multa.
Art. 21. Xas sepulturas de cadveres notoriamente resultan-
tantes de epidemia ou qualquer affecgo usualraente considerada
como contagiosa se exigir raais outro anno alm da regra cima
estatuida e guardada sempre a maior antiguidade respectiva ; os
transgressores. pagaro 20*000 de multa.
Art. 22. Us cadveres nao sero sepultados seno tendo de-
corrido vinte quatro horas depois de ter expirado os pacientes a
que pertenciam ; otrin^grcssores pagaro 25*000 de multa.
Art. 23. Xos casos de morte repentina, anda longe da villa c
povoados, sedes dos districtos de subdelegacia, nao ser sepultado
o cadver sem que primeramente tenha aviso a autoridade poli-
cial, ou juiz de paz mai's ""prximo do lugar, para veriicaco das
diligencias que no caso conber pos infractores pagaro 25*000 de
multa. ^\
TITULO IHL
DA POLICA SOBRE AUBICULTUkA E > alAi. v '
Art 24. Xo haver lugares exclusivamente designados para
agricultura n'este municipio, sendo todo Jle essencialmente cria-
dor, e virlualuieute agrcola conforme ai necessidades e forgs
dos seus muuicipes guardadas cm todo cafo as plantages debaixo
de cercas fortes de fachina, ramos ou vara trancada de canna, pao
pique ou madeira era p, comtanlo que tenaara oito palmos de
altura e sejam absolutamente inaccessiveis invaso dos gados de
qualquer especie ; os contraventores pagaro 20*000 de multa,
soffrerao oito dias de priso e serao obligados, n'um prazo que nao
exceder de um mez, a cercar convenientemente ou a abaudonar
as suas lavras. ,
Art. 25 No cordo da serra que divide o municipio da pro-
vincia da Parullyba absolutamente prohibido plantasse sem cer-
cas, que entretanto, qualquer que seja a sua denooiinago offere-
cerSo a precisa resisteucia, facilitando smente que se os faga,
couforme as condiges permittirem de madeira ou pedra com sete
palmos de altura; os contraveniores soffrerao a raui do artigo 72.
Art. 2ii. E permitlido uzarse de cercas de vallado comtanto
que leudara sete palmos de loca sobre dez de tundo, accumulando-
se toda a trra da cavagem hem arrumada no taino do lado in-
Wjrno. _
Art. 27. s agricultores que fenrem, espancarem ou maltra-
tarem pOr qualquer forma, os gados de qualquc especie, sob pre-
texto d qae poasam incrrer, pagaro 20*000 de. m:lla e soffrerao 15 dias
de prisiio,
Art. 28. 0 p.gafiultor que adiar gados renitentes de qualquer
especie dentro dewis lavr..s CJoreui cercadas a prefe-
rir ,. iduzil-os lia preseuga que 5c il iio com o juiz de paz on sub lelegado e sob testemunlio
de as. mandar sol'al-os dentro do municipio, na dis-
tancia de oito leguas do lugar da destruigo, ou a tomar duaa tes-
tciii ; seja imposta a multa de 2000 a
5*000 por c- tratar-se, aqu de gado vaceum,
uiuar, e all de cabrura e ovelum.
i prubibi lo derrabar arvores de angieo no lempo
JBgujem os gados; os infractores alera do darnuo
WO de multa e soSrerao oito ha- de priso.
i logo em seus cauv
; qui' o incendio nao
ido que si se provar que
multados em 10*000 e a Cmara mandar fazer estes servigos
casta d'elles.
Art. 33. E' absolutamente prohibido tapar-3e, sem accord
dos interessados e ouvida a cmara, estradas, carainbos outraves-
sas, anda dando-se-lhe desvio e sob qualquer prettxto : os infra-
ctores pagaro 103000 de mulla e sero obrigados a repr as
cousas no estado primitivo com a mxima brevidade.
Art. 34. Xinguem poder fazer rogados em terreuos alheios,
sem expresso consentimento dos propnetarios, sob pena ere 10*
de multa.
Art. 33 Ninguem poder tirar eour de gados que se acha-
ren! morios seno com a licenga dos donos, sob pena de 10*006
de mulla e oito dias de priso, alm do daino que se verificar.
Art. 36. As cabras e ovelhas que se criarem dentro da villa e
povoaces serao recoihidos ; i priscos logo s seis horas da
tarde : os infractores pagaro W*000 de multa.
Art. 3Tfica *pronili*lo tirar maduras, lenlias. cascas de aa
giio e fazer carvao OU Ctfiza drJS mallos das propridades alheias,
sem licenga dos respectivos donos que em caso algum consentirn
que se estraguen) joazakpa ou outra qualqaer arvore das que vi-
vera alimentadas pelo os contraventores pagaro 105000 de
multa. *o
Art. 38. Fica proAlttf atravessar com cercas o leto do rio na
frente da villa e povoaces do municipio, sob pena de 10*000 de
mulla, incorrendo na" mesma pena todo aquelle que cercar pogos
em qualquer ponto do rio sem deixar parte d'elles para franco uso
dos gados.
TITULO IV
DO COMMERCIO K DA TOLICIA SOBBE 03 MERCADOS E CASAS DE NEGOCIO
Art. 39. Xinguem poder abrir loja. taverna, ou venda no
municipio sera licenga da cmara ; se o estabelecimento nao esti-
ver sujeito imposico geral ou provincial dever a licenga ser
anuual; os infractores pagaro 10*000 de multa.
ArL 40. Sao lugares designados pela cmara, para feiras de
villas e povoage3 do municipio, aquelles que forem designados
temporariamente pelo respectivo liseal e definitivamente pela c-
mara ; os infractores soffrerao a multa de 8*000.
Art. 41. Os animaes que conduzirem gneros para as feiras,
depois de descarregados, sero, conduzidos para fra do lugar .
dellas, sob pena de pagarem os doaos 1*000 de multa porcada
um.
Art. 42. Fica prohibido os atrav essadores e correctores oe fa-
rinha, legames e outros quaesquer gneros trasidos para os mer-
cados pblicos desta villa e povoages do municipio, sendo abso-
lutamente prohibido comprar para revender antes de duas horas
da tarde ; os infractores pagaro 10*000 de multa, sendo de oito
dias de priso a pena dos vendedores.
Art. 43. Fica igualmente prohibida a compra de carnes arro-
badas, para serem revendidas seccas ou em ljnguigas, salvo de-
pois de estarera expostas a venda ao menos at duas horas da tar-
de ou seis horas depois de mortas : os infractores pagaro a multa
de 10*000.
Art. 44. Al casas publicas de bebidas, Uvernas ou barracas
que venderem molhados sero fechadas s nove horas da noite e
no lempo om que estiverem abertas de dia ou de noite o seu dono
ou gereale nao consentir ajuntamento de qualquer natureza de
pessoas que nao estierem interessados em comprar ou vender,
fazndo sabir im raed a lamente as que se despacharein. sob pena
de pagar o dono do estabelecimenla 8*600 de mulla e soffrercm
os resistentes dez das de priso.
Art. 45. Todos os que venderenj guaaros ou fazendas de qual-
quer natureza que seja que devam 8W medidas ou pesadas, sero
obrigados a ter todas as medida- a pesos ateridos dentro do anno
lioanceiro; o que se pralicar nos mezes doOutubro a Dezembro,
sendo igualmente obrigados revisadlos mezes de Abril a Junho,
sendo porm, os pesos e medidas pblicos revistos de tres em
ires mezes : os infractores pagaro^O de multa por cada me-
dida ou peso nao ateridos e 1*000 quando nao revistos.
| nico. s pesos ou medidas 3endos e revistos ou nao. que
forera encontradosTalsificadps darao lugar a multa cima pela for-
ma referida e mais dez dias de priso, lornando-se extensiva a
multa pecuniaria ao aferidor que* por qualquer forma concorrer
para a irregulardade deste imprtame ramo de servigo.
Art. 46. Os donos de balauga, pezos e medidas que os nao
classilicarem, jiagaro 10* de multo.
Art. 47. Xinguem poder vender generas, quer solidos, quer
lquidos, estando falsificados ou arruinados, sob pena de 8*000
de multa alm da perda dos ditos gneros que sero inutilisados.
Art 48. Xenbum vendedor de carne secta, linguigas e cou-
ios poder expr ao sol ditos objectos as frentes de suas casas;
os infractores pagaro a multa de 63000.
Art. 49. Xinguem se reunir em feira, nem concorrer por
qualquer forma pea que se a iustalle em qualquer lugar do mu-
nicipio sem licenga da cmara ; os transgressores pagaro 20* .00
de multa por cada pessoa.
TITULO V
DO ASSEIO E REC.LLABIDADE DOS MATADOROS, ACOCOCB3 E TAVKRXA
Art. 50. Xmguem poder matar e esquartejar rezes, para o
consummo do povo, seno nos matadouros pblicos ou particula-
res com licenca da camaia ; os infractores pagaro a multa de
8*000 por cada rez.
Art. 51. A malanga dos gados para o consnmmo publico ser
feita das 6 horas da maob at s 9, e das 4 at s 6 da tarde,
podendo a cmara alterar a hora da matanga temporariamente
quando alguma medida sanitaria o exigir ; a os infractores 55000
de multa.
Art. 52. Xinguem poder matar rezes doentes nem cansadas
e corridas, seno depois de vinte e quatro horas de descanco;
aos infractores 10* de multa por cada rez.
Art. 53. Todos os agougues se conservaro fechados com gra-
des, desde 6 horas da tarte at s 6 da manh do dia seguate,
sob pena de 4 i de multa, que se cobrar da pessoa que estiver
com as chaves nos dias em que se commetter a infraeco.
Art. 54. Os repesadores dos acougues pblicos sero obriga-
dos a repesar a carne comprada ogo que por alguem for reque-
rido, c, adiando falta no peso, avisaro ao fiscal se estiver pre-
sente, e, nao estando, toinaro duas teatemonnas e nota do de-
fraudador para apresentar ao fiscal com declarago dos nomes
das teslemuuhas, obrigando immedialamente ao cardiceiro re-
pr a carne que faltar.
nico. O repesador que assira nao praticar pagar a multa
de 5*000 e na reincidencia o duplo, e o usufruinle da carne de-
fraudada soffrer dez dias de priso, addilando-sc na reinciden-
cia I55000de multa.
Art. 55. O fiscal sempre que fr possivel assistir s mtan-
gas por si, e em todo caso por pessoa de sua conlianga nao s
para examinar se as rezes estilo no caso dos arts. 59 c 60, como
para tomar nota dos ferros, signaes, dia, raez e anno era que fo-
ram moras e o nome de quera as matar, verilicando-se em ulti-
mo resultado pelos meios que poder, a legitiraidade de Jsua pro-
cedencia.
Art. 56. Era todo caso os liscaes sao obrigados a remelter
cmara no m de cada mez una declarago demonstrativa dos
gados abatidos no districlo, de accordo com o exarae do art. an-
tecedeude, c dando a certeza das pessoa.-?, ferros e signaes, de mo-
do que retire chindas sobrj a legilimidade das rezes, dando de
tudo sciencia meosalmeate aos subdelegados.
Art. 57. a cmara fornecer aos criadores e marchantes, nao
s os curraos era que sao recoihidos os gados destinados a ma-
tanga p ira o consummo, como machados, balangas, pesos e mais
utensilios necessarios ao servigo.
Art. 58. Os fiscaes Carao apolicagan, tanto quanto for possi-
vel com o mximo interesse, das disposigOes dos argo antece-
dentes ao art. 56 as mutangas dos gados que se (izerara pela* fa-
zendas coai o lira de preparar-se a carne secca para o consummo.
Art. o), s fiscaes mensalmen'e. sempre que entenderem, vi-
sitar) os a; jugues, laveraas e vendas, e mullaro era 4* os do-.
nos dejaos cstabeleciraentos que os liverem era contravengo
contra a lirapeza da caaa e medidas ; em 8*000 os que liverem
gneros alimenticios solidos e. lquidos falsificados ou aromados,
alera da perda dos ditos gneros que sero enterrados por or-
. dera dos mesmos lisi
Art. 60. Etnquanto oo se C3tabelecercm agougues depreprie-
dade municipal, a cmara ter nesta villa e na povonco de Carna-
liyu.i. edificio ci to e liab litado para os misteres
' de agougues, para o que poder alagar, da verbaevenraaesdo
orgamento, compartimentos los.
TITULO VI
DA ftCHIIK :: HA, BDIFICAg.VO 8 ALIXHAMENTO
Art. 01. A Cmara Muoicip .1 ter e,.. cada fiscal um cor-
dcador para indicar fui emento c i
predios qu
-
a obra

ar e
ra, q'
pela
, lo o




V
V.
/-
I


-
eor, atm prer xigidas pelas pos
Sise infbnaco do fiscal, sendo mes coHeaces e intormecoes
escriptss o verso da retic/o.
A licerra Gcar era poder do propnetano, sendo obngado o
eordeador a dar ama copia fiel de sua cordeaco ao fiscal para
inteligencia deste ; os dooos das obras que infringirem esta dis-
posico soffrerao a malta de 20*000 e a obra ser dpmolida sua
Art. 64. Os edificios que tiverem sahido do alinhameoto re-
coarao quaado forem reedificados na frente, assim tambem en-
traro para a frente se estireemn recuaas; todas as pe.,soas que
nao curnprirem estas dispaM|6es ncecnMo na mesrnu pena do
art. 69.
Arl. 65. Todo aqueHe aue tiverna roa ruatcriaes depositados
para qualquer obra sef oorigado ; 1." a deixar livre o transito
pablico; 2." a recolher dentro da obra es materiacs, fijlos, cal,
areia, barro e o mi is que no seu recinto musa ter cabimento, sob
pena de pagar a multa de 20*000 pela infracco de qualquer das
condicOes do presente artigo.
Art. 66 As ras que se abrirem nesta villa e povoacocs tero
pelo menos 60 palmos de largura e as traversa 40 : todo aquelle
que edificar alterando a largara que 3e Imwer designado, ser
murtado ora 10*000 e a obra demolida sua custa.
Art. 67. Os predios dos ngulos das ras e travessas terSo
las frentes, feitas segundo as regras adianle estabelecidas ; os
proprielarios que as edificaren) por outra forma sero multados
em 10*000 e na demolico da obra que exceder altura "da frente
principal sua caito,
Art. 68. Os predios que se bouverem de edificar as ras
principaes d'esta villa e povoacoes do municipio, guardaro as
seguintes condi^Oes : 1." o solo de cada propriedade nao poder
ler de menos de 30 palmos de frente, a exoepco das que forem
reedificadas; 2." a frente nao poder ter menos de 16 palmos de
altura ; 3." asertas externas tero 12 palmos de altura e 6 de
ttrgnra e as jaoellas 8 palmos de altura e 6 de largura; 4." todas
as soleiras do edificio tero o acamo nivelaraento ; 5." todas as
porta* e janellas externas devero conservar eutre si iguaes dis-
tancias ; os contraventores de qualquer das disposieoes deste ar-
tigo pagarao lt*000 de multa e deinolirSo a obra a sua custa.
Art. 69. Todas ns casas que se edihcurem ou reedilicarem
lerao coruijas; os contraventores pagarao 20*000 de multa, sendo
demolida a obraa sua rusta.
Art. "0 Quando se requerer a Cmara licenga para a factura
de qnalquer obra, requerer-se-ha igualmente a cordeaco, as^m
como toctos os raais preceitos simtricos, *ou penare 8*000 de
multa. jr%
Art. 71. Todos as casas armadas sero guarnecidas de calen-
das de seis palmos de largura e os proprtofcrios obrigados a con-
certal-as tolas as veres que licamm afftpwas ; os infractores
serao multados em 4*000.
Art. 72. as calcadas j existentes #rA observado o nivela-
mento do maior numero de casas que bourer jia ra sendo os
proprielarius obrigados a abxal-as ou elvalas para que che-
suern ao nivelaraento, salvo as ras em que por sua irregulan-
dade nao seja uso possivel; os infractores soffrerao a multa de 4
e a obra sera feita sua custa. ,
Art. 73. Os que edificaren) muro que rayara frente para as
mas principaes, os faro cora a altura da frente de urna casa ter-
rea regular e cora cornija ; sob pena de 20*000 de multa.
Art. 74. As frentes das casas das ras raais publicas j edifi-
cadas e oitoes que estiverem para o lado dos beccos, sero caja-
dos no praso de um anno, contados da publicarlo destas postu-
ras, os infractores pagarao 10*000 Je multa.
Art. 75. Todos os quintaes que deitarem para os beccos sero
feilos de tijollo ou pedra c caiados no praso cima marcado, sob
pena de 10*000 de multa.
TITULO VII
MOVIDR.SCUS SOBRE EDIFICIOS EM BUISA, ESCAVACOES ARSIAgOES, DES
EMPACHAMENTO E LIMPEZA DAS RAS K ESTRADAS
Art. 76. Todo edificio, muros e tapamentos de qualquer natu-
reza, que se acharem em estado de araeacar ruina, serao demoli-
dos cusa do propietario, procedendo o fiscal a prompto exame
por dous peritos,'aim de conbecer se curapre deraolil 03 ou .re-
paral os, e feito o termo du exame a custa do mesmo propnetano,
avisar a este para proceder logo a demolicio ou reparo uo praso
determinado no mesmo (eriao, e Iludo o praso ser o dito dono,
procurador ou depositario, multado era 10*000 e o raesmo fiscal
avisar ao procurador da cmara para mandar fazer a demolico
ou reparu a cusa dojiroprietario.
Arl. 77. Nimruem poder abrir buracos, uzer escavayes as
ras, ou era paredes de edificios pblicos, Kffl licenga da cama-
ra, quando fr para objetos de festejos, podeudo a licenca ser
concedida sob'a condijo de se conservar aulles um lanjpec as
noites de escoro, para bausa do publico e acabado o festejo deve-
ro ser tapados os buracos de modo que as ras ou pvoados fi-
quem como d'antes eslavara, sob pena de 2*000 de malta por cada
nma das infraeces e de s*fzerem os reparos a custa do dono
do reatejo. ...
Ari. 78. Igualmente nao se poder abrir valas as ras para
esgoto das auas cinpocadae sem que o abridores das raesmas
ralas nao as feebein logo que ellas ve tenharu escoado, tambem
nao ser perraittido afcrir buracos para aodaimes de predios, sem
que os mestres se obriguem a tapal os immediatameuie depois
da obra terminada ; os ifractore#ficaro sujeitos> as penas do ar-
tigo antecedente.
Art. 79. E' prohibido fazer eseavaces as ras, eatradas, ou
era qualquer outro lugar de transito publico, sob pena de 4* e
mulla, ou quatro dias de prisa.
Art. 80. Toda pessol que, sein liaftca da cmara, depos lar
as roas, pracas e outros lugares pblicos do municipio, qualquer
objecto que embaraca o transito ser multado era 2*000 por cada
objecto, que ser removido a sua cusa para o lugar que o fiscal
designar.
Art. 81. Os proprielarios ou inquinos desta villa e povoacao
do municipio, conservarn as frentes e oitoes de suas casas hrn-
pas, sob pena de 4* de muita.
Arl. 82. Ninguem a cavallo poder galopar ou correr a noite
pelas ras da-villa e |>ovoac6es do municipio, salvo andando em
servido publico, sob pena de 6* de multa.
Arl. 83. Toda pessoa que tapar, mudar, impedir ou diminuir
as proporcoes de urna estrada ou camiulio de transito publico,
tornandoo por qualquer forma menos accessivel aos misteres a
que se destina, ser multado em 10* e n. mesma pena acorrer
o que fizer qualquer d'aquelles embaracos por meio de arvores
cortadas.
Art 84. Nenliura morador lancara ou mandar lancarnas ras
e lugares pblicos, que oo Torem para este lim destinados, lisos,
immur.dia's ou qualquer oulra cousa que possa incommodar ou
gausar damnoao publico : os infractores sero multados eui 4*.
TITULO VIII
DOS DU/KERENTESOBJECTOSOVE INCOMJlOl.Att B PUUCMCAM AO iHIBLICO :
PROVII.NCIA SOBRE LNCE.NDIO
,Art. 85. Xinguem peder era lempo de verte lomar banhere,
lavar roupa e animaes a menos d.> 10 metros de dutaoc das fon-
tes fle neber, das quaes exvabir se Da agua era vasilkas para
qaefles misteres, de modo que se entearoiaraaicacte dai aguas
servidas com as do u^>) eommom; os infractores paimiteSlSOB
.de mnlt.i. ,
Art. bO. Ninguem poder pescar cora tingui de qualquer qua-
lidde que seja, ou com redes e tarrifas nos peqoenoe poce* en-
cfiafjrih o io as aguas cora prejuizo das pessoas e animaes. Sao
considerados (oros pequeos todos M do rio, com exeepCto do
Poco Gwtode de Sama Rosa, qualquer que seja seu estado, dos
mezes de Setembro at'' correr o mesmo rio. Os lofractory paga-
rao SOOO de !iiul!,"i ou cinco dias de pr-
An. 87. Do .T.ez de Setemlfro em diaote at findtr o verte
ninfuera poden cr'ar pi na villa. povuacCea e fizendas
de 'municipio : os transgressorea roe nao pnrideacmreffl sobre
as reclamareis qu- se Ibes tizer. serte multados em 2 por cada
- -
e aguadas
outra qualquer
cabeca que se verificar existir de
do fiscal arrematados os que se enomj
ctp applicado sustentaco dos fire4HM|
Art. 88. Ninguem poder trazBflBp
povoacOes do mdnicipi', sem urna foci
prive de morder; sob pena de 4* de mu tal
Art. 89. Ninguem poder linear nos ri^
do municipio animaos morios ou qat^^H
como couros de raolho, mello de S-QBM
embira para formar filtros,'ou niodo.'^^H^
infractores pagarao 6de mulla.
Art. 90. Ninguem podc esta*eieeer GPttom<
villa e povoacOes do municipio, e uem *ra del
quarto de legua de distancia em lugares deaigaadas pelakflscaes,
que tero em vista a possibilidade di corarfliae$te des a.
ptridas com as da minaeo pura.as fooles do aso ; os contmmefl-
tores pagarao a mulla de 6*u00.
'Art. 91. Ficara prohibidos todo? osj ilquer
que seja sua qualidade e denominaba iue, urna veencon-
trados em lugares reservados, ou comprehendendo rilbos-lamilias,
alm da multa de 10* por cada pessoa, sotfreWnetrJa um Tinte
dias de priso.
Art. 92. Ninguem poder vender plvora nesta villa e povoa-
cOes do municipio tendo a nqs depsitos commuiis. mas sira guar-
dada em caixa de madera em lugar muito conveniente, d
trahir para deposito especial quan'.idade nao excedente a ora ki-
lograinraa; os infractores sero multados eoi 20,
Arl. 93. Ficam prohibidos os toques e dobres de 8iiio#i
as 8 horas da noite at s 5 horas ila manh, salvo nasmatnzes
para admi.iistraro dosjSacrainenlos. era^Us de novenas* festas,
antes da missa de Natal, e nos casos incendio e rebate ; os
sacbristes ou chefes de corporales religiosas que infringirem
esle artigo pagarao 12* de mulla.
Art. 94. Nenhuma igreja dar mais du seis dobres de cada
vez, os quaes no.podero durar mais de 10 minutos, bem eomo
os repiques, e sero dados ao receber a m ticia da raorte de lign-
ina pessoa ou fr oc>:asio do enterro os eacbristes ou chefes
de corporales rmigiosas que infringirem a disposicte deste ar-
tigo, pagarao lOi de multa.
Arl. 95. Nenhuma ign-ia dar mais de nove dobres por occa-
ao de ofticto de corpo pifenle e dous as visitas de covas.
excedendo de 10 ihquIos; ob sachristes ou cheles decorpora-
OOea religiosas, queiaftp|irem as disposices des!
r i a omita de l#000.
TITULO IX
S0*IE VOZBBIAS, 0CK1BJADKS, INDECKNCUS B PU1CHSIEXT0
Art. 96. Queni lizer (pelas ras vozerias e alaridos era horas
doiileccio sera multado em 2* ou sollrer oito dias de priso.'
trt. 97. Quera proferir palavras obscenas no meio das ras
pagar 55 de multa ou soffrer oito dias de priso.
Art. 98. Toda a pessoa que dedia fr uchadana ou lomando
banho a corpo visto, sem a devala decencia em frente da villa e
povoacesdo municipio, ser multada em 25)00.
Art. 99. Os canoeiros, jangadeiros e pescadores, no exercieio
de suas ocoupatjes, usarn de camisa e calca, ob pena de 2 de
multa.
TITULO X
POLICIAME.NTO SOBRE 0 ACCOlfl
Art. 100. E' franqueada em toda a sua esteno ao a se;v
tia do ayude publico d'esta villa, so com a nica Hmitacte de
pender de licenga, o usu de pescara, nao podenBbra aso alg
dentro da baca do mesmo, sob qualguer pretiJB, ser colloca*
cercas, ramadas ou outra qualquer causa que damnifique seu uso;
os infractores pagarao 15* de mulla, desviando- o impecilio posto custa do mesmo. .
Art. 101. E' prohibido pescaraepois ie oito horas da noitje
e antes das cinco da manh; os infractores paArao 4* de multa.
Art. 102. A pescara de rede oiwtarrala Balsa ou sem lia
so ser feita precedendo licenca da Cmara, que receber, s6-
' mente o imposto de 320 ris por tarrafa empregada durante *jttte
e quatro horas no servigo, e igual imposto porcada pessoa em-
pregada n'esse modo de pescara por cada rede, pagando mais
5 para eslendera rede ; os infractores pagaro-no 1. caso 2 de
multa e uo 2. 4, licando cada um sujeito a perda do instrumen-
to da pesca ou dous dias de priso.
Art. 103. Haver dias cerlos designados pela Cmara para ler
logar a pescara ; os infractores incowero na multa do artigo an-
tecedente.
TITULO XI*
DAAFEUig^
Art. 104. Todas as casas de negoej ou estabelecimentos de
qualquer natureza, xos ou volantes, fue tenham de pesaron me-
dir, sao obrigados a ter pesos, balancas e medidas precisos na
forma do padro da Cmara, deveudo fazel-os aferir e rever nos pra-
zos marcados no art. 51 : os infractores pagarao a multa detersi-
nada all.
rt. 105- As taxas de aferigo sero cobradas pela tabella
estatuida na le i do oreameulo municipal de cada anno.
Ari. 106. As vendas e arraazens devem ter pelo menos um
terno dJB pesos relativo a cada especie, sob pena de 4* de muta.
TITULO XII
DiePOSICOBS GEBAES
Art. 107. Todas as mullas c penas sero duplicadas as rejo-
Do mappa geral organisado pelo agente offl
Joo Manoel Alfia Rodrigues Jnior, de en-
las e sahidas de .inmigrantes do porto ,de
; Santos de 19 de Marc de 1888 at 30 de Junho
; de 188#Tn3ta que entraram nesse intervallo
i2 faimigranles, em 168 vapores, sendo
I procedentes de Genova 69.9 9, Ilha da Madeira
4-129, V.go 1 481, S. Francisco 12, Lisboa 1.221,
Bremet^463v lamburgo 156, Rio Grande 11,
Barcelona 102. Antuerpia 52, Uavre 28, Curity
ha II, Montevideo ,'400, Bueno-Ayres 13. Rio
Grande 340, Pelotas 8, Cear 124, Iguape 52,
Porto Alegre 14 e Sania Catharina 6.
Ueste numero cram italianos 6*.751 ; portu-
Mezes 5.187; hespanhocs 2.519 ; allemes 5i:i;
-'as 150 .? austracos 168; ceareaees 124 ;
i francezes 3o ; siissos 8; ressos 6 e dinaraar
1 Jquezes i.
No mesmo espaco de tempo, de Abril de 1888
i., 30 de Junho do 1889, se^iiram para o Rio
' Grande, Sania Catharina e Paran 2.338 desies
p J immigrantes.
Ogoverno imperial concedeu compaohia que
i Dr Ileraclio Fiok organisar para o estabele
cimento de seu engeiio C3ntr.il de fazer assu
Car em Iguaperairim, na provincia do Para, a
garanta de juros de 6 %ao auao sobre capital
de 400:000*.
UDGSTUAS E ARTES
forem
prevenidas na respectiva ctispb -
respeito da limpesfc e asseio
cidencias, quando nao
sifo.
Art. 108. Os liscae*, *lra a correices que devem
nesta villa as povoages do muflicipio, era cumapneato i
seus devere's sao obrigados a correr as estradas e caminaos dos
distados no mez de Ajusto de cadBfcnno, alim de murtareui quera
qaer que se ache einJotUmvengmPre
das referido' caraiuhos e estradas.
'Art. 109. Nao se estabelecerao leiras no municipio que ve-
nham iootilisar mais de um da de trabalho na semana.
| nico. A Cmara tendo coi muita conta essa determinfJo,
nao as permitlr senao quando concorrara com oulras no mesmo
dia til, podendo, entretanto, fazel-o para o dia santificado.
Art. UO. E' absolutamente prohibido retirar da casa da C-
mara, sob qualquer pretexto a mobilia, que sob a guarda da C-
mara, pertence ao jury, bem como a propria da Cmara, salvo o
caso dos dias de eleicao, em que poder ser transportada urna e
outra para o logar da reunio do coll< gio eieitoral. O emprega-
du que proceder era contrario disposiro cima, ser demitlido
e qualquer particular, ainda investido do carcter publico, que se
arrogue a fazel-o, ser multado era 25* ou obrigado a repol-a no
logar do costume immediatamente.
Art. 111. Os liscaes e seus escrives chamadas especialmente
para cada acto, por cada servico feito a requerimento das partes,
tero o mesmo que os escrives do civel pelas deligencias do seu
ollicio, ividido igualmente, entre ambos.
Art. 112. Os termos de multa sero escriptos circunstancia-
damente pelos escrutes do fiscal assignados por este e remettidos
ao procurador da Cmara para promover a execucio.
Art. 113. Todos os liscaes sao obrgados a dar contas a C-
mara semanalmente e sempre que forera por ella chamados, do
modo porque lm desempenhado as obrigaces do seu cargo.
Art. 114. Picara revogadas todas as posturas anteriores s
presesles.
Mando, portanto. a todas a.s autoridades, a queni o conheri-
raento e execuco da presente resol uco perteDcer, que a cura-
pram e facam cumprir to inteiramente como nella se contm.
O secretario da presidencia desta provincia a faja imprimir,
publicar e correr.
Palacio da Presidencia'de Pernarabueo, 11 de Julho de 1889,
68 da Independencia e do Imperio.
L. S. Barao%e Caiar.
Sellada e pnbljcada a presente resolu^o nesta Secretaria da
Presidencia de Peroambuco, aos 11 de Juiho de 1889.
O secretario,
Francisco L. Marinho de Sonza.
i) >Sr. Josef Waltz, cenoiogo viennense,
jontratado pelo governo imperial para or-
ganisar e dirigir, na provincia de S. Pau-
lo, ama escola scicntifica de vinicultura,
j escolheu as cercana* da capital terre-
no apropriado fundacik) da Estucho CKao-
loica que, a seu juizo, devora preceder
a creayL daquelle oatro mais vasto esta-
belecimento. Conta o Sft J. Waltz que
at tim de etmbjo ter* all preparado
iarga plantacSo de videiras, profeilndo as
de origem norte-americana, do genero 17-
r (Estivalis, que, no seu parecer, sao as
que melhor se adapllo s coiid5oes da
provincia de S. Paalo e mey:ecein feubst-
tuir por toda a parte a parreira habella
do genero Viiis Labrusca, a qual no se pres-
ta senao fabricaySo de viuho de quali-
dade inferior.
'Sr. J. Wait tem continuado a estu-
dar in sita a industria vincola de S. Pin-
jo e a sua opinio muito favoravel quan-
to ao futuro deste ramo de trabalho, que
considera posto no caminho de grande
prosperiefade Os terrenos sa.o ptimos
para a cultura da vidmra, e os viticulto-
res, cheios de energa edecontianga, mos-
trara se deliberados a fazer dar nova
iudustria os passos mais largos. A par-
reira Isabdla vai em militas zonas ceden-
do terreno s variedades da Vitis (lst-
valis.
O professor concorda inteirarneute- co;n
o Sr. Dr. E. Groldi quanto necessidade
de surama precaucSo contra a mvasilo da
Phylloxera vastatrix, perigo tanto mais
para temer quanto este terrivel parsita,
tendo o sen habitat as raizes, s se ma-
nifesta por symptomas para assim dizer
palpaveis quando a parreira est de todo
contaminada. At agora, por grande for-
tuna, nao tm sido achados em S. Paulo
vestigios do temeroso insecto. 43" possi-
vel, no emtanto, que idli exuta o germen
do mal. Onde quer que se trate de viti-
cultura e vinicacSo, a questao da Vhyl-
loxera vastatrix essen assim ser ella considerada^nfre nos.
M. Geore*Gueraalt apresentou Aca-
demia das cicnejas de Paria urna nota
sobre um meio de completar, o phonogra-
pio, reproduiindo as attiludes e expres-
sao dfc pessoa que lallou.
Consisto o processo eoL obter photogra-
phias instantneas da pessoa que talla, de
dcimo em deciin > de segundo, e inon-
tai-as sobre um ferrakitiscopio a que se
,1 imprime a velocidade de rotaco conve-
niente.
Desta modo haver a illusSo perfeita de
se estar fallando com o individuo cuja voz
e imagem se reproduzirani.
#
O ngelus, de Millet, quem nos dera
DESPACHOS UA FELaiDEKCIA DO DIA 20 DH
jl-liio de L8A9
.Ado'.pho Cesar- da SilTa.informe o Sr. in-
. "qclor du Thesouro Provincial.
Catharina d.' S una.fiis.Remetlido ao Sr.
mrect, r lia Isabt pra alteiider a sup-
licante i de su ; I i de 11 do
corren i- : f
Frane,- i --Inu
oerque Passe i promga-
Cte pedida.
(iruiieio Claudio V,:iaiie. BeinriJocom
icio de boje ao coronel hommaudanle das armas
termA.
Jos Francisco da Silva,Deferido Com otlicio
desta dta aocommad sinterino.
Jos B iilva. l;- He recibo.
Pau! i Trindade L'Deral.Informe o
Sr. i! da instrncete publi
-\
Manoel*i' ento Vieira iba.Ao
'Sr. CO mas para informar.
1
tac J-.i.I'm de
O porteiru,
i', C
t?$\irtl 2.1 secyao.N. 877Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 24 de Julho ue i
JJlm. e fxm. r. Participo a V. Exc.
Se foram hontem reeolhidos i Casa de.
tencao, s seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do i.* districto da
freguezia de S.Jos, Maria Roa do Nascimento
por disturb -as moral publica.
Participou-rae o (i.lado Jos Athayde de Si-
queira, ler no dia 16 do corrate, prestado o de
v ao juramento e assumido o exercieio do cargo
de delegado do termo de Afogados de lugaz
Humera o delegado do termo de l.imoeiro,
ucompanhado do r. promotorgpublico, do es
crivo e do res|iectivo carcereiro, (ez l visita na
publica on!e encontrou 43 nessoas.
Xeobuma deciaocSo Hseram.
Communicoa me o cidadte Cundido Xavier
Pereira de Unto haver no dia l> (Peste iiie/.,
ado o di -.ido juramento e assumido 0
ocio do cargo de delegado do termo de Pes
queira.
a V. Exc.m. e
8r. Consel'.ieiro Manoel Alves I de Aranjo,
muito di bidente du" provincia.O
cliefe i
Fulcuo.
Geroncio Dias de Av-
maa& i coHauao
A' ordem do d
Boa-Vista, lote I
disturbios
Boa

neto da ffe
Bernardo B
i daprovincia a B
.unir iiuvimento anima lor 3
kigisac i acquisico de u .
dio para i iastalacJo delimiiva da
\i
Ci'o dos galpes em Villa-.Njva <
Jcquitiiiluiiha para agafealho do colonos intre-
que tenham suas casas proi
. j tendo
os e brevemente eotrarao em va de exe-
cuco rpida, visto haver com^iunlcago de
ma vinda de crescido numero de in
gante Janeiro
A hospedara reiro"
era Moni predio das ofhcina Marro
fiiillt que vai ser apropriado ao nitu, Abril
fin, tendo sido j elfectuada a respectiva com-1 Maio
volver a lavoura do reconcavo, cujo estreraeci-
mento ia j determinando paralysago as fon-
tes productivas.
Circulares vSo ser dirigidas a todos os agri-
cultores da provincia, convidando os a tomar
parle no movime-nto colonisador e externando
vanlagens que o governo oirerece a essas ins-
: llacoea particulares.
as medidas ltimamente resolvidas
e autorizadas sero levadas a elfeito cora sam-
ma brevidade e poder esta provincia dentro
-o lempo contar rom esse graod
le progresso, cuja deinora'j ia desaco
las na sua legili
"'0.
Do anno de 1870 at Maio do corrale anuo
igrantes no imperio tem sido a
aoa pelos respectivos ali-
os :
Imm-gtanet
1879
1880
1881
1882
1883
1S8
18*8
1887
1888
Tolul
.189
29.729
ILtffl
27.197
28.670
20.087
30.34
2S.74I
j'i.990
mv
do ncremento que vio tes
commissOes de Filia
quer qu
frtil.
K no? pri,. acometes deste
entrado pelos porros lo Rio,; antos e-\
Rio Santos Vi
11.763
7.US
I.MB
2.111
tem
8.910
\. mi
1834
138
2-49

896 16.062 1280 47.238
stino ao di
i pi Km
ha a emigr
, para a zona oppo
^Ogra-
possuil-o!...
Foi no entretanto adjudicado, no leilao
do banqueiro Secretah, ao Estado por
553,000 francos.
Este quadro foi executado em 1855 por
Millet que vendeuo por 1:800 fr. a 11".
Feydeau : e este em 1870 o cedeu por...
3:000 Ir. a M. Stevens. Da galera des-
te ultimo o Angelas passou de M. Van
Praet; a quem nao agradando por muito
tempo, trocoa-o por outro quadro de Mil-
let, LaBergbre.
*
O ngelus passou a ser propriedade de
M. Gavet, depois de M. Papelen, e em-
fira, pertenceu a M- Durand-Ruel, que o
venden por 38.000 francos a M. John W.
Wilson.
Xa venda da colleceao de John W Wil-
son, que se effectuou a 14 de Marco de
1881, o Angeus, posto em leil3o por
130.000 francos-, foi adjudicado por.....
160.000 francos aos Srs. Defner e Secre-
tan, que em seguida a tirarais a sorte,
que foi favoravel ao ultimo. Diz-se que
M. Secretan tencionava antes dos seus re-
veze3' de fortuna, legar toda a sua collec-
cio ao 1 onvre. Come9ara a fazel-a em
1879, e todos os annos gastava mais de
urna milhao de francos em augmental-a.
Ficur o ngelus agora propriedade do
estado francez ?
O agente da American Art Associatioa,
qne fez subir os lances ate 552.000 fran-
cos,, aiiirma que tinha tcn5So de comprar
ngelus fosio por que prego mee,
e diz que foi surprendido pela rapidez dos
lances, e promptifica-se a dar 50.000 ran
eos pa>-a os pobres da cidade de Pars se
Mr. Antonin Proust quizer ceder-lhe o
r' pelo proo da adjudicayan.
Se for acceita u sua offerta, a Amn-
tan Art Association teri ainda de pagar
/ de direitos de entrada as alfande-
gas americanas, e o quadro, depois de pa
gar todas as despezas, fcaria por mais de
um milliao de francos.
Mr. Antonin Proust parece, porm, 'u-m
decidido a conservar Franca a obra-
prima de Millet, pois estar decidido a
picar os lances'do Angelas at 1 milhao.
O syndicato que elle organizara em vista
das compras feitas n'este leilao, permittia-
JJie fazer frente aos americanos. Esse
dicato comp3e-se de vinte e oito pes-
^B. era cujo numero se contava Mr. Ja-
co bsen, industrial dinamarqurz, que deu
urna oiiiiii importante. Fazem tambera
parte d'elie dous russos, um americano e
Mr. Monkacay pintor austraco.
ta-se ainda que na oocasSo de se
esta ondo venda do Angelust um
ame i a Mr. Prou
disse-lhe : Lastimo que os meus compa-
triotaa disputem t2o forfemente Franca
urna obra d'arte em que ella faz tanto em-
penho. Pego-lhe que acceite estes dez
mil francos para poder fazer face aos l-
eos.
Tiveramos nos 100 contos de ris, e
nSo era o Sr. Proust que ficava com o
quadro ngelus!
EntSo 6 que faria V. d'elie, se o po-
desse ter comprado? pergunta^nos aqui ao
lado um visinho curioso.
Cest mon secret!... lhe responde
mos cheios da conviccao de qne diziamos
urna' cousa- irrespondi^el.
ASSOCIAgOES
Acta da sesso da assembla ge-
ral extraordinaria dos accio-
nistas da Companhia de Udi-
caces em 19 de Jalhc de
189.
PRESIDJNCIA DO ILLM. 8K. D. MANOEL
MARTlNS FIDZA
A' 1 hora da tarde, procedendo-se a
chamada dos Srs. accionistas, e verifican-
do-se existirem 19, representan !o G43 ac-
cSes, o Sr. presidente, depois do chamar o
Sr. Rodrigo Carvalho da>}u:ih-i, para oc-
cupar o lugar de 2. seereKrio por falta do
effectivo, abri a sessao.
Depois de aberta a sessao apresenta-
ram-se mais oj^accionistas Srs. Joao Ro
drigues de Mura, ^ernardipo da Costa
Campos Jnior e Anoel bes da Fon-
seca, como procurador de Francisco Xa-
vier Ferreira, representando nSais 135 ac-
cJes.
O Sr. presidente, mandou pelo Sr. se-
cretario, ler a acta da sessao transacta,
a qual depois de lida foi utlanimementc ap-
provada.
O Sr. presidente fea ver que o rim ua
presente sessao era t atar da forma da li-
quidacao da Companhia.
Pedio a palavra o Sr.
quim Ferreira Cruz, o qua
Domipgos Joa-
depois de fa-
zer varias considerad-oes, referentes ao tim
da sess&o, e todas no sentido de mostrar
a grande conveniencia para todos os ac-
cionistas em resolver-se a forma mais r-
pida da liqntdacao da Companhia, pelo
grande custeio que
el! tura, sem nenhum
resultado ; fez a aeguinte proposta :
Proponbo que fique nomeada urna
commisso liquidadora, que ser a directo-
ra, a qual entre si, resolver a forma de
liquidaco e imo julgar melhor.
O Sr. Joaquim de Oveira Borges pe-
diodo a palavra fez diversas consideracoes
sobre a proposta do Sr. Domingos Cruz,
no sent d de estar ella um pouco ambi-
gua, e pcdindo. para que a directora,
fosse auxiliada na liquidaco pela commis-
so fiscal.
Diversos Srs. accionistas fallaram no
sentido de nao poderem as duas commis
soes funocionarem conjunctamente era ra-
z"io d'esta ter do dar o seu parecer sobre
os actos d'aquella, ficando assim reaol-
vido.
O Sr. Dr. gerente pedio a palavra, fa-
zendo diversas consideracSes sobre a se-
guinte proposta que apreseutou :
Prouonho qu a actual assmbla no-
mate a eommissSo liquidadora determinan-
iL. que a liquidftfSo se faga do segujnte
modo : receber propostas para transferir-
se a Companhia, com todo o seu material,
ou receber propostas para vender por
partes as suas propridades. Estas pro-
postas serao julgada3 em nova assmbla
geral, a qual se nao julgal-as aceeitaveis
poder ainda resolver vender tudo, em
lotes e em leilao.
Muitos Srs. accionistas manifestaram-
sc contra esta proposta, e todos, por ser
necessaria urna nova assmbla geral que
necessariamente vinha trazer urna demora
de mais de quarenta e cinco dias.
O Sr. Rodrigo Carvalho da Cunha, tam-
bem disse algumas palavras sobre a se-
grate proposta que apreseutou :
Fica nomeada urna commisso liqui-
dadora que ser a directora, a qual proce-
der a liquidaco da Companhia da firma
segrate :
t Receber propostas para a compra de
todos os proprios, movis e inmoveis da
Companhia, e seus haveres, e no cas de
nao julgar rasoavel a liquidaco por esta
forma, levar tudo a leilao publico.
Fallaram diversos Srs. accionistas a-
poiando esta propdsta, depois do que o
Sr presidente declaran que ia submetter
a votacSo a proposta do Sr. Dr. gerente,
o que feito, obteve 13 votos contra e 4 a
favor, pelo que foi regeitada. E em se-
guida o Sr. presidente ainda poz em vota-
cao a proposta do Sr. Rodrigo Carvalho
da Cunha. o que feito obteve 12 votos a
favor e 5 contra.
as vota"c3es das duas propostas, nao
tomaram parte a directora e os signata-
rios das mesmas.
Ficou tambem deliberado de accordo
cora o Sr. Domingos Cruz, ser retirada a
sua propofcta; ficando deliberada a liqui-
dado da Companhia de accordo* eom a
proposta do Sr. Rodrigo Car vai
Nao havendo nada mais a tratil^ o Sr.
D:\ presidente encerrou a sessJo s 3 ho-
ras da tarde, de que'eu secretario lavrei a
presente e me assigno,
Rodrigo arvalho da Canha.
Manoel M'irtins Fiuza.
Eduardo Augusto de Oliveira.
REVISTA DIARIA
.tNNcmbla Provincial Funecionou
hontem sob a presidencia do Exm. Sr. B
Itapissuma, tejido oiip-irecido 28 Srs. depnla-
etoa.
Foi lida e approvada sera debate a
sesiio antecedente.
O r. lu secrrano procedeu a leitura
guite expediente:
lima leti..;" i de Tii >ma da Cunha Beltrao, ar-
rcmaianle do pedagio da barreira de Tapacur,
requorenJo um abate de 30 / sobre o valor da
;irn-m;ilacao.A' commisso de orcamento pro-
vincihl.
Outra de D. Maria da Natividade Ferreira, pro
fessom da cadelra da Magdalena, requerendo que
se lhe man Je pagar os veocimentos de profes-
sora de 3* enrancia.A" commisso de-orga-
rae-uto provincial. ,
Outra de Francisco de Souza Reg Monteiro,
cobrador da Santa Casa de Misericordia do Recife
requerendo ser aposentado.A'jflmmissao de
I
Outra do&tuchygraphds AnnibarFalco e Joao
de "Barros .nunicando opportuna res-
iuc. at o fin da ore-
ada da
do se-
incumbia como contractantes do apanhamenlo
dos debates, ser feito pelos outros contractantes,
a quem sero affectos os seus veocimentos.A'
commisso de polica.
O Exm. Sr presidente d'esta asse'mb'a rece-
beu o segrate telegramnft:
Gabinete Imperial, 21 de Julho.Baro de
Itapissuma.S. M. 0 Imperador agradece As-
smbla Provmcial a manifestaco de seus senti-
mentos a seu respeito. -Mrquez' de Taman-
dar
Foram a imprimir os seguintes projectos, sen-
do o tambera no jornal da casa a requerimento
do Sr. Juvencio M.riz o de n. 106 : '
N. 103.Augmentando o corpo policial com**
companhias.
N. lOi. Elevando a villa o povoado de S. Jos
da Ba-Esperanca.
N. 105. -Creando em ''aliares um i" juizado
de paz sob denoroinaco de 'lolooia Isabel.
N. 10. Autorisando a addir-se.ao TJiesouro
Provincial o ex 3 escripturario hachare! Galdino
Teixeira Lins de Barros Loreto.
N. 107. Creando urna cadeira nocturna naci-
dade de Itamb, annexa 1* do sexo masculino.
Achando-sc sobre a mesa foram a imprimir
cinco pareceres da commisso de redacro sobre
os projectos ns. 36 de 18-7, i, 95, e 81 de 1889
e emendas ao ultimo. i
Foi lido e apoiado um requerimento do Sr.
Clodoaldo Lopes pedlndo iiiformapOes sobre ne-
gocios de Floresta e Tacaral, ficando sobre a
mesa alim de ser opportunamonte discutido.
Adiou-se pela hura a discusso do requeri-
mento adiado do Sr. Drummon*!, tendo orado o
Sr. Clodoaldo Lopes.
l'assou se Cordem do dia.
Approvou se em 3 discusso o projecto n. 95
de 1889,(ereditoe reforma de repaitises)sendo
dispensado do intersticio a requerimento do Sr.
Juvencio Mariz. L
*diou-se a requer.ment do Sr. Jos, Marianno
at seren impressos no jornal da casa. 20 emen-
das apresentadas de ns. 101 a 120, a 3' discusso
do projecto n. 75 deste auno (orcamento provin-
cial pa-a 18)0).
Approvou-se em 2" discusso com urna emenda
o projecto a. Si de 1889 de p-iz.i sendo lispcnsado do instersticio 9
querimento do Sr. Juvencio Mariz.
Tambera em 2a discusso foi approvado o pro-
jecto n. 97 de 1889 (interpretaco da lei o. 18S0)
sendo dispensado do intersticio a requerimento
do Sr. Phaelanle.
Encerrou-se a 3" discusso do proje-to 68
de 18ti9 (abates) sendo apoiada urna emenda sob
Q. le nao se votan.lo por falta numero um re-
querimento do Sr. Clodoaldo Lopes, de adiamen-
lo da discusso por 48 horas, havendo orado o
Sr. Drummond.
Adiou-se l* discusso do projecto n. 8o de
1889.
O Sr- presidente levanlou a sessao designando
a seguate ordem do dia : coutinuajo da ante-
cedente e raais 3' discusso dos projectos ns. 82
e 95 e discusso dos pareceres le' ns. 63 a 78,
todos deste anno e 34 do'projecto n. 97 tambem
deste anno.
Recreittivu Comnerclnl No dia- 47
de Agosto prximo dar essa sociedaJe o sen.
sarao tnmensal; e annuncia-se que o ser com
a eoslumada uiagnilicencia.
Agradeceinos a ('meza do convite, que de ini-
ciativa da propria directora nos foi dirigido. *
PaMMsaittiiioEm viagera para a corte,
para onde seguir eiu procura de rnelhoras '
nina brouchite complicada com bcriberi. fnou-
se D. Maria Adelatde de Albuquerque Mello, es-
posa idolatrada do nosso collega da Provincia o
Sr. Dr. Jos Mana de Albuquerque Mello, que
nessa via dolorosa acora pan ha vi e leve a desdita
de vela suecumbir.
N'esse transe excrueiante apresenlamos-lhe os
nossos sentimentos.
0 cadver foi sepultado na corte, apezar do
fallcciine'ito ter-se dado ainda no mar.
Qne valliente- !Ante-hontem, s 10 ho-
ras da noite, urna [iraca do corpo de polica,
cujo norae nao nos souberara dizer, fardada,
porera de tonca, andou provocar desoldeos em
diversas ras, at que, na do Senhor Bom Jess
das Creoulas, .?o!ualmenie denominada do Coro-
nel Agostiaho Uejerra, esharrou-se com dous
individuos que lh"de%m urna boa sva,de pao,
parliodo lhe a cabeca.
Ness estado foi a praca para o qnrfel res-
pectivo, ignorandj o n.isso i tifo Ma lhe
fez vistoria e se foi aberlo inquerito sobre o
facto. *
Que bravo soldado, que valliente!
lastrada de ferro da Recire A Ca-
rnarO Sr. engenheiro Caetano Alberto de
Castro Vascimento, Io engentieiro, servindo de
director de.ssa ferro-via percorreu ante-hontcm,
em trem especial, at a cidade da Victoria, a
raesma estrada de Caruar, e nesse trajelo exa-
raioou tudo que diz respeito liuha, que a
achou em bom estado de conseryaco, 'notando,
apenas, que as estages resentiam-se de falta
de limpeza. Regressou porem sasfeilb pela
boa marcha dos servicos do trafego e de resi-
dencia.
^FalleclBent-Telegramma hontem rece-
bido da Babia d a noticia de haver alli fallicido
a 22 do corrente o nosso comprovinciano Fran-
cisco Narciso do Nascimento, esludaate ao 5*
anno da Faculdade de Medicina.
Contava o tinado 27 annos de idade e pelo sau
excellente carcter era de veras estimado por lo-
dos quantos o conheciam.
A sua morte veio encher de consternarlo a sua
digna familia, que nelle deposilava hem fundadas
esperancas.
Apresentames as nossas condolencias a sua fa-
milia.
Kxposicao uiiivcriul de Paria
Segundo cormunicago do sr. Alfredo Ducas-
ble, represenlante da commisso pernambncana
em Pars, sabe-se que os objetos d'aqni envia-
dos tiveram ba collocaco no pavilh.'-o brazi-
leiro e tm sido muito apreciados pelos visi-
tanles.
Mociedade PbiiumaticaRene -se esta
sociedade boje, s 10 horas do dia e no ingas do
costume.
Recreativa llai;dftIftnene-E-ta
ciedade re'une-se hoje, s 7 horas da noite,
assmbla geral, n i sua sede sucia!.
Grande lotera da Coree Por (ele-
gramma" sabe-se que corre a 29 do corrente a
primeira parte da grande lotera da Corte que
estn annunciada para 2 de .Agosto piuximo.
Tribunal do Jary do RecifeFune-
cionou hontem este tribunal, era sessao prepa-
ratoria.
A*s 11 horas da manh, presentes os Des. Tho-
maz.Garcez P.iranhos Montenegro, juiz de di-
reiio do 3 districto, e Manoel Cetano de Albu-
querque Mello, 2o promotor publico, fez o escri-
vo interino Jos Joaquim Dias do Reg Jnior a
chamada geral dos jurados sorteados.
Compareceram 20 jurados, sendo sorteados os
segniu'es supplentes .-
Freguezia de S. Fre Pedro Goncalves
Galdino Emiliano de Jess. ,
Freguezia de Santo Antonio
Manoel i'.e Souza Galvo.
JosFirminj Alvares Qnenial.
# Frtgvesia de S. Jos
Jesuino Rodrigues Cantoso.
Antonio Rodrigues de Albuquerque.
Manoel fgnaeio de Oliveira Leitd.
Jos Joaquim Kernandes.
Joo Augusto GyQimai
Fregpezia da Boa- Vista
Dr. Manoel do Nascimento Mucjiado Forkdla.
Theodoio Vieira ae Couto.
Dr. Joaquim de Albuquerque Barros Guimares.
Pedro Celestino Pal o le Araujo.
As Ionio Jos da Silva.
Anionio Pereira Bastos Filho.
Henrique de Miranda Ufinriques.
Joo Kaptista do Nascioi sntO.
Francisco da Silva Saraiva
Miguel Jos da Molla. I
Jos Gomes Leal.
Jos de Az ,za.
Candido Jos Correia.
Freguezia dq
Manoel Paulo de Albuque
Freguezia
Alexandre de Pinho B
Luiz Pereira de Miranfl
Luiz Bernardo C. Br;
Fr,
Hreulano Herval de
Francisco Joo A1 v
Dr Luiz Antonii
Foram multai
Sntes. qu
-rancisi
>o-
em
ortndo.
enriques.
I




[
\



iario de PernambucoQuin tira 25 de Julho de 1889

Raymondo Soares da Silva.
Antonio Al ves Barbosa Filho.
Luiz Pcreh-a de Paria..
Antonia Caldas da Silva.
Luiz Verneck.
Anacleto Jos de Matlos
Augusto, Thcophilo da Cunha Pern.
Jos Bernardo Falco. ,
Antonio Carneiro Rodrigues Campello.
Jos de Souza Monteiro.
Domingos Pinto da Motta.
Jos Rodopiano dos Santos.
:. Manoel Nicolao R. Pinto de Souza.
Firmino Candido de Figueiredo.
Joo Francisco de Oliveira
Dr. Ignacio Alcebiades Veiloso.
Joaquim Olinto Bastos.
. Joo Ricardo da Silva.
Joaquim Theodoro de Albuquerque Maranhio.
Joo. Soares Pacheco.
Vicente Ferreira Pinto. '
Manoel Joaquim de Miranda Seve.
Antonio Jos Lopes de Carvalho Jnior.
Antonio Marques de Amorim.
Hermes Das Fernandes.
Evaristo Mendes da Cunha A/evedo.
Jos Tho naz Cavalcante P ssoa.
Antonio Jos Mendes Bastos.
Jeronymo Gomes da Fon3eca.
Henrique Prxedes de Barros.
Antonio Getulio Villas Boas.
Antonio Valentitn da Silva Barroca.
Ildefonso Vieira da Cunha.
Antonio Augusto Paes Brrelo.
AntOBio da Silva rastro.
Antonio lytnpio de Souza Gomes.
Antonio Piheiro de Mendonca.
Dr. Albino Goncalves Meira de Vascoocellos.
Antonio Floripe Raposo.
Francisco de Paula Goncalves Ferreira.
Francisco Teixeira de Carvalho.
Francisco Horoncio de Araujo Lima.
Francisco Mara de Souza Gouveia.
Jos Antonio da Costa e S.
Dr. Joo Luiz Cavalcante de Albuquerque.
Jos Duar'.e das Neves Jnior.
Joo Joaquim da Costa Leite.
Dr. Luiz Lopes Castello Branco.
Miguel dos Santos Costa.
anoel Anselmo Pereira Guimircs.
Pedro Rodrigues de Souza.
Raymundo Soares da Silva.
Thoniaz Rozendo de Almeida.
Antonio Albuquerque Maranho Cavalcante.
Joaquim Ferreira Ramos Sobnnho.
Francisco P. Uchoa Cavalcante.
Geminiano Infante Lumach Miguis.
Jos Carneiro Rodrigues Campello.
Ismael de Oliveira Guimares.
Jos dos Santos Cavalcante Moreira.
Francisco Manoel de Fonseca Rosas.
Manoel Jos Magalhes Soares
Jos Augusto Rodrigues.
Dr. Pedro Francisco Correia de Oliveira.
Francisco de Paula Lima.
Lucas Freir Mariz Maracaj.
Francisco Correia de Araujo Vasconcellos.
Capito Jbao Cordeiro do Nascimento.
Major Joo Joaquim Coellio.
A sesso foi adiada para hoje s 10 horas da
manha.
Servro MilitarEsto designados hoje
para superior do dia o Sr. maior Srra Martins,
e para ronda menor um subalterno de cavalla-
ria.
A guarnigo da cidadc dada hoje pelos cor-
pos da guarn cao.
E' commandada boje a guarda da Thesouraria
pelo alferes Jos Soares de Mello.
Xa enfermara militar existem em tratamento
39 pregas.
E:n sesso da junta militar de saude, n. 33, a
que foram subniettidos os Srs. tenentes Milito
Thomaz Gongalves, Francisco Teixeira de Carva-
lho e alferes Adolpho Fernandes Monteiro, este
do IV batalh > de infantaria e aquelles do 2
da mi-sma arma, foi a inesma junta de parecer
precisarem o 1* e o 3o de 43, e o 2o de 10 dias
para seus tratamcntos.
A presidencia da provincia em officio de 23
do correte, autorisou ao coraraando das armas
a dar baixa do servico do exercto mediante sub-
stituicao ao soldado do 14* batalhao de infanta
ra Herculano Hermenegildo Cavalcante Muniz.
Sreaiio dos PreVeSsores Prima-
rla Hoje, ao meio dia, reune-seestasocieda-
de em sesso ordinaria.
Julio t-ipi< ii d commercio -Du-
rante a actual sessao do jury, as audiencias d<*ste
juizo, a comecar de amanha, tero lugar s 10
horas do da.
Directora da* obra de conn
cao don Portn de PernanabaeoReci-
te 23 de Julho de 1889.
Boletim meteorolgico
---
deste
Julho
17
23
1
629
enfermarlas
Foram bontem visitados os presos desta caa
dor lil pessoas,- sendo homens 57 e malheres
8L
iionpitai Pedro II -O raoyimento
a tibeleciroento de caridade, no dia 23 de
foi o seguinte:
Entrara m
Sahiram
Falleceram
Existem
Foram visitadas as respectivas
pelos Drs.:
. Cvsneiin s 9. Barros Sobrinho s7 tpt. Be-
rano s 11. Malaquias s 10, Pontual s 9, Este-
vio Cavalcante s 8 1|4. Simoes Barbosa s 7 1|2
tortas l|4noite
O Dr. Hoscoso nocompareceu.
0 'cirurgio dentisu Numa Pompiliono com-
parecen.
O pbarmaceutico entrou s8 1(2 da manh e
labio s 2 1|2 da tarde.
Oajudante do nhannaceutico entrou s 71[4
la manh e sahio as 3 horas da tarde.
botera do (rana-ParaA 4- parte da
30" lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60.-OOOJO0O, ser extrahida no dia .. de Ju-
Ino.
Grande lotera do Maranho A 3*
serie da lotera, dessa provincia, cujo premio
grande 300:u00000 sera extrahida amanha 26
do Julho.
Cemiterlo Publico -Obituario do dia 23
do correte.
Manoel, Pernambuco, 9 horas, Boa-Vista, in-
viabilidade.
Marca I, Pernambuco, 23 dias, S.Jos; coa-
vulses.
.MarliQbo, Pernambaco, 33 anuos, Graca; epi
lepsia.^l
Anna Moura de Albuquerque, Parahyba 70
annos, viutt, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Maa, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Vista : un-
paludismo.
Afterlina Amalia de Azevedo Seve, Pernam-
buro, lo cnnos, solteira. Graca ; hepate.
Anna. Pernambuco. 20 mezes, S. Jos ; entero
colile.
Marianna Rosalina dos Anjos, Pernambuco,
30 annos, casada, S. Jos ; tysica pulmonar.
UM POUCO DE TUDO
floras l-8 r = 2 r" " Barmetro a 0* Tenso do vapor 9 a 3 o S
6m. 213 763-36 16,06 84
9 24*-7 763*89 17,81 76
12 26*-2 763-52 2000 80
3 t. 23-6 761-81 19,67 80
6 23'-8 76i-4 19.81 8!)
Temperatura mxima27*,23.
Dita mnima-2!*,00.
Evaporago em 24 horasao sol: 4*.3; som
bra: 2-3.
Chova-16.-2.
Direcco do vento : SSW de meia noite at 9
horas e" 10 minutos da manh: S com interrup-
goes de SSE, SE, ESE e SSW at 7 horas e 32
minutos da tarde ; SSW e SW at meia noite.
Velocidad? media do vento: 1",63 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0,68.
Boletim do porto
H
l
B.
P.
B
P.
Dia
23 de Julho
24 de Julho
Horas
755 da manha
2-03 da Urde
803
223 da manh
Altura
0-.82
2-05
0-.90
2-,lJ
lielloewEflectuar-sa nao os segumtes .
Hoje :
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do Com-
mercio, de vaccas tourinas, cavallos, etc.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra do
Paysand n. ID, de ouro, prata, movis e vi-
ros.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, no Chora
Menino, de um espolio.
Amanha :
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra Mr-
quez de Onda n. 5. de fazendas.
Pelo agente Modesto Raptista, s 11 horas,
roa de Hortas n. 84, de nma mobiliae mais tras-
tes.
Pelo agente Silveira, s H horas, ra da
Conquista n. 1, da mesma casa.
Mlnnan fnjiebrenSero celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela al-
ma de Mara Manoela Wanderley; s 8 horas,
na matriz da Boa-Vista, pela alma de Mara Rosa
de Queiroz Barros. f
Amanha:
AS 8 1/2 hora-, na Conceigo dos MifcUres,
pela alma de D. Isabel Honorina Bandeira da
Cunha: s 8 horas,* na matriz da Boa-Vista,
pela alma e D. Clementina Amalia Ferreira de
Faria.
Operar clrursiraFoi praticada no
hospital Pedro II no da 24 do corrente, a se
gninte:
Pelo Dr. Pontual:
Taina perineaf pelo processo de Nelaton, re-
clamada pur calculo vesical (pesando 20 gram
masi.
Caw de u-ieroMovimento dos pre-
803 da Casa de Detengo do dia 23 de Julho de
1889.
Hkistiam 445 ; cntearara 2; sahiram 21: u-
tem 1*6.
A saber:
Nacionaes 378 ; multares j( straugeiroi 27.
Totai 426.
93.
Lo
oda enfermara
rra.
O Fgaro descreve da seguinte forma a visita
que fez ao pavilho da sociedade dos tetephones
situada peno da Exposigo do Gaz, ao lado da
Torre EilTel :
Ouvimos fallar das audicGes theatraes pelo te-
lephone, orgauisadas pela sociedade, como um
dos grandes successos da Exposico. A occa
sio offerecia-se : seguimos a uiultido dos visi-
tantes e penetramos numa das salas reservadas
s audices da opera-comica.
Vimos no programma Esclarmonde, de Mas-
senet.
Chegmos aos ouvidos os auscultares e per-
cebemos immediatamante, com urna nitidez in-
crivel. as vozes dos cantores, as menores mo-
dulages da orchestra, da qual se distingue, por
assim dizer, cala instrumento.
Reconhecemos a voz-de tuiss Sanderson. que
termina urna phrase por um ut, de que nao per
demos urna nica vibraco, e que foi seguida
de urna salva de palma. Fechando os olhos
julgava-sc estar na propria sala da opera co-
m'ca- ... .i
Um dos ouvinles a quem a llusao perturbou.
deooz os receptadores para applaudir.
argalhada geral que fez voliar o homemzinho
realidade.
Depois da opera-comica foi a opera que ouvi-
mos com a mesma peifeico; nenhum dos elTei-
tos harmnicos da Tempestade nos escapou, e a
tal ponto era a nitidez quando a orchestra toca
piano, ouvimos o ruido dos passos das danza-
rinas-
Depois ouvimos o Edn. Os rythmos do Kr-
celsior chegam-nos aos ouvidos com urna forca e
urna preciso verdadeiramente extraordinarias.
Emlim o reprter do Fgaro diz que nao pode
haver perfeico e nitidez mais completa do que
esta, e que urna das grandes curiosidades da
Exposico.
*** .
O palaciano entre n6s um anachronismo ri-
diculo e muito menos assenta essa condico aos
humen* de espirito progressista.
O publico oiha-o cora desdem, vendo nelle urna
caracterisaco interesseira.
Os principes-, bem pobres de tino seriara,
se acreditassem na ternura dos seus cortejado-
res, que os monarebas, por conveniencia, utili-
sam, cevam e desprezam.
Conta-se que pleiteando Montalivet. um da
perante Booaparte, a cauea de certo candidato a
um emprego, ennumerou, entre os seus mritos,
a sua afTeigo ao imperador.
B'ih, disse Napoleo, est ce que tous viai-
uiez, Montalicet f
Ah, Sire, retrocou este, si je vous aime r
L'mbcile! exclamou Napoleo.
*".
Foi inaugurado o pavilho do gaz, no campo
de Marte.
A conslrucco elegantsima, no estylo Re-
naaceoca, e as fachadas estendem-se n'um cora-
priraeoto de 30 metros por 18 de largo.
A superficie do edificio de 428 metros qua-
drados, o que d, no pavimento terreo e no Io e
2 andares, urna superlicie total de 1,284 metros
quadrados.
Encontrara se no pavilho magnficos saloes,
quartos de cama, de banho, de vestir, casas de
jantar, em que o gaz aproveitado como mo-
tor, como luz, como calorfico, como ventilador,
etc., etc.
>'o pavimento terreo ha urna exposigo retro-
spectiva da arte da illurainao, o que de gran
de valor histrico.
#*#
Quando eu casei-me gostava
Tanto, tanto da mulher
yue, meu caro, nao passava
Sem vela urna hora siquer ?
- Mas ento, meu caro amiga,
' J de vela mais nao gostas !...
- Gosto, gosto, mais te digo,
S de vela. pelas costas !
A mulher no mundo passa
Por tantas transformacocs,
]k, estando um reverendo qualquer a trovejar oo
pulpito a palavra de Deus, tica o Louzadaiallieio
ao que se passa era derredor, e lodo entregue.
quelle engao d'alnnaleob e cgo que in-
felizmente os gatunos nao deixaram hontem du>
rar muito.
Mas vamos ao caso.
Passava houtem o Louzada pelo largo de Esla-
Co de S, conduido pela eua m estrella, eou-
vio sons de msica que partiam da Igreja que ha
all.
Nao pode o homem conter-se, tendo feito a
seguinte rellexo :
Alli ha festa. Havendo festa ha srmo.
Havendo serrallo, ha moyas! Pois matemos o
bicho !
E para matar .o bicho, o Louzada eutrou na
igreja. exactamente quando um padre l do pul-
pito deitava o verbo sagrado.
Ouvl-o e olhar para as mocas, foi o que Iogo
fez o homem sentindo affagar loe as nantfifl
o perfume do incens, e deliciar-lhe a^pidenne1
fizeudo-lhe cocegas de volupia, o fru fru dos
vestidos de seda.
Estava elle todo embevecido naquella especie
de mysticismo, quando o padre deu por conclui-
do o sermo. Sentindo muito calor, e sempie a
deitar olhares lnguidos para as mocas, o Lou-
zada desabotoou a sobre-casaca. Nesse fata
momento dous gajos, que tambem l estavam
derara-lhe um formidavel. empurrao.
Dahi a pouco quiz elle saber que horas eram,
e inetteu a mo n* algibeira do collete.. i
<> relogio tinha'voado, ticando apenas a uta i
preta que o prenda !
Dalli correu logo a victima do fraco pelas mo-
jas e pelos sermes a procurar o Sr. Dr. Bernar-i
dio Ferreira, Io delegado de polica, a quera
narrou o facto mais ou menos, como elle ah
est.
Auda agora o Dr. Pernardino Ferreira a pro-
curar o tal relogio, que, segundo disse a victima
dos gatunos, do valor de 4005000.
Aqu 'est o que ter fracos !
Dinah Salif, o rei de Rio Nunes (Senegal),
que chegou ha dias a Pars com a sua comitiva,
foi recebido na gare de Lyao pelo almirante Va
)on, antigo governadar do Senegal, Dr. Bayol e
pelo commissario geral da exposico colonial.
A comitiva de Dnah-Salif compoe se de 25
pessoas, entre as quaes se vem sua mulher Fil-
iis, seu filho Itrahm, de 12 annos, um irao,
um sobrinho e o seu prmeiro ministro.
Dinah Salif conta 52 anuos de idade e mui-
to afleicoado aos francezes.
deputado provincial, rcclainou perante a
partt no sentido de garan-
tir-se a brdem publica contra as perturbacOea
que se recejara sobreviessem da realisayo do
meelmg, e pedio que, caso esle fosse effectuado.
fossem preservadas de viole:icias as pessoas dos
seus convocadores.
lato, porm, perfeilamente correcto, altamen-
te moralisador, nao era mais do que urna prova
do amor que pela ordem nutrem os conservado
res e de modo nenhum deuunciava planos que
nenhtm bem, como nenhum mal. poliam trazer
directa on indirectamente ao partido poltico
que se tilia o deputa I j em questSc.
Se, pois, houve plano, e plano bi-fronte, nfio
foi elle obra dos conservadores, que nada espe-
ravam, nem rasoavelmente podiam esperar do
meetmg republicano, e menos da suflocaco do
direito de reuni-j ou da perturbaco da ordem.
O mais raccional, por tanto, crpr que o tal
plano urna phantasia de espirito doente; e
consegmntemente phantastico tambem o desa-
pontamento que o Ilustre escriptor doDia a da
lobrigou nos conservadores e correlatamente no
Diario de Pernambuco.
A linguagem desle orgo, consoante aos seos
stntimentos polticos, nunca postos em duvida,
ti accentuadamente conservadora. Dis3e elle :
i Como homens da ordem que somos, e nos pre-! IJia na exlernago dos seus conceitos. Pou-
No ha vontade$ "superiores das Ie4s ; e a
nossa le magna, a'arta constitucional, garante
a liberdade do pensamento. e da palavra escrip-
ia ou fallada, e a liberdade de reunio, e osdi-
reitos civis e polticos doscidados brasleiros.
Tudo isso, diante da impotencia da forca pu-
blica*para conter os elementos anarchicos e sub-
versivos, tal como coofessa o Jornal do ecife,
sente-se ameacado, sent se solapado, sente-se
abatido.
O que nos resta ento ? Curvarmonos dian
te da fallada vontade superior e exclamar, como
outr'ora as victimas romanasAve, vontade su-
perior, moriturt te salutant ?
Cora a graca de Deus, nao, rail vezes nao.
Lularemos, pela palavra e pela peona, para le
vantarno seu pedestal a estatua da ordem, sym-
bolo venerando em todas as sociedades organi-
sadas, ideal de todos os povos qualquer que se-
ja sua forma de govemo.
Nem repita o escriptor do Jornal do Recife os
seus dilyrambos vontade superior que domina
os elementos subversivos e os encaminha contra
a ordem, procurando implantar o reinado do
terrer. Essa vontade tem os seus limites na lei.
Fra d'ahi teremos a anarchia, e esta a nega-
co dos mais coracsinhos principios societarios.
Nao podia ser mais infeliz o escnplor do Dia
Professora
Por casas particulares, ni cijade ou nos an>
baldes, oerece se urna senhpra para leccioaar
seguinte :
Portuguez, francez, italiano, geographia, iBMj
trahalho de agulha, bordados e flores.
Garanta.As discipulas efectivas que teme
diversos attestados de pessoas Ilustradas.
A tratar na relojoaria do Regulador da Muv
nha, ra Larga,do Rosario n 9.
. Advogadp
O bacharel Joaquim Manoel Vieira de
Mello, residente na cidade de Bezrroa,
encarrega-se de caucas ciiminaes, civi e
comroerciaes n'aquella comarca e as de
Bonito, Victoria e Caruar.
INDICiCOES UTEIS
*
Que em mltiplas mutucOes,
Vai de anjiuho at carcassa.
Aos dez annos nhaziuha,
B' teteia e nene;
Aos quinze a tornarse vem
Asteo, flor, anjo, rainba.
AWrinte j feitico
Aos vinte e anco um peixao :
E' aos trinta um pancadao ;
Aos quarenta... nem por isso,
Aos cincoenta... mais nao logra
Tratara na todosvov !
Toma rap, traz chin,
E se vinga, -. sendo sogra !
Chegou a Pars urna coramissiio de cstudan-
tes finlaadezos, que foram recebidos na estaco
'pelo commissario de FinTandia junto da exposi-
co e'pelos estudantes de Pars a coja frente ia
o seu presidente o Sr. Cbaumetoo.
Logo depois de terem desembarcado os estu-
dantes fmlandezes, o Sr. Chaumeton dirigo-lhes
a seguinte allocuco :
Seuhores Sejam bem vindos entre nos.
Os estudantes de Pars esto muito satisl'ei
tes por receberem os seus collegas da Universi-
dade de Ilelsingfors.
A nossa casa de estudantes pequea, pois
qae a nossa associaco fundou-se ; apenas lia
c.nco annos mas seris alli sempre recebidos
cordealoicntt?, e durante a vossa pendanencia em
Paris encontrareis amigos que terao a satisfajao
de vo sef uteis no que poderem. e inU-iramen
tu disposlos a fraternizarem se com os seus col-
IsgBS da Finlandia.
. Estiraarei que DM relacOes que se criam
l.oje entre os estudau les de Pars e os de H'l-
Bingfora sejam cordeaes e duradouras, julgando-
nie feli por vos estrellar as mos en> nomc dos
e3ludan|es*ila Universidade de Paris.
~
Gtar de sermes e gustar de mojas, princi-
: a i meu te gustar de nucas, eis todo o fraco do
<0M*la
vendo mocas, sobretodo em fwtas d aigre.
Hticos
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a I avago m do tero quando e co-
mo aconselhada. Consaltas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra
Bom Jess (antiga da Cniz) n. 23,
andar. Telephone n. 389
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
ra do Barao da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Seteuibro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Ijt. Ribeiro de Britto d consultas de.
meio dia s 3 horas da tarde, no poden
dar a ra Duque de Caxias n. 46, 1. an-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Alvares GuimarHes, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cora
(3o, pufmoes, figado, estomago e- intesti-
nos e tambero s offeccoes das enancas.
Reside praca do Conde d'Eu, n. 28, e
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
O Dr. Matkeus- Vas, medico' tem o seu*
escriptorio a ra do Bailo, da Victoria
n. 32, 1.* andar, onde d consultas, d
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside
ra de Gervasio Pires n. 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhos.
Telephone n. 427.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades : molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Onda n. 27, 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (P050 da Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manha e
tarde. Teleshone n. 392 t
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra d Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Occullsa
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clinica de Paris e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n- 20
Aclvogados
O bacharel Witruvia Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
J. A. de Magalhes Bastos. Duque de
Casias n. 66, 1. andar..
O Dr- H. Milet contina com seu es-
criptorio de advocada, a ra do Impera-
dor n. 46, onde tambem poder ser pro-
curado sobre negocios coneernentes 1.*
promotoria publica d'esta capital.
O conselheiro Portella contina a advo-
gar. Escriptorio ra do Imperador
n 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr/ora ra da
Matriz, da Boa-Vista). Telephone n. 362.
Drogara
Faria Sobrinho <& C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharaa-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrana a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
aiheia, assim como prepara obras de cara
pina por machinas e por precos sem dom
petenciaPernambuco.
C0MIDN1CAD0S
Heetlng mallogrado
O escriptor do Jornal do Recife, que elabora' a
columna Din a dia, nao foi hoje feliz na re-
plica que oppoz ao Diario de Pernambuco em re-
lago ao caso do mallogrado meetmg republicano.
Para esbocar a sua rasposta, o .escriptor do
Jornal leve carencia de inventar, e attribuil-o
aos conservadores, um plano de dupla face
urna visando a sufTocaco do direito Ue reunio,
oatra visando a alteraco da ordem puJ>l
O publico, como nos, igourava a e
desse plano, e nem bos:i por ella,
urna vez que por ouhum ani. ou cense-
quente essa oxisten
onser- dos

lanos de ser, applaudmos botriente que se nao
lenh perturbado a paz publica ; e quem as-
sim se externa raanifesta claramente seu intinc-
tos ordeiros.
Diz, entretanto, o escriptor do'Jornal do Recife
que se o velho orgSo reconhece que o meeling
nao se ralisou, porque para elle nao se apresen
taram os seus convocadores, e se os promotores do
meting confessam que nio compareceram a ins
tancias do Dr. Rarros Reg, que, como autorida-
de e como amigo, pedia para nao ter luar o
mtetng, como pode aflirmar o Diario de Pernam-
buco que Ucou'evidenciado que o fallado direi
to de renno, pelo qual tantas langas quebra-
ram os aetnaes governantes, quando eram op-
posico, n3o passa de leltra mora, depois que se
organisou o gabinete de 7 de Juoho ?
Teve o Diario razo em dizer que licou eviden-
ciado que o direito de reunio nao passa de let-
tra morta. <
E* exacto que o meeling nao se realisou por
que para elle nao se apresentaram o seus convoca
dores. Mas, por que qstes se nao apresentaram ?
O que foi que os demoveu do proposito annun-
ciado no manifest publicado 20 ?
E' o proprio escriptor do Da a dia quem so
incumbe de responder dizendo que nao compa-
receram instancia do Dr. Barros Reg (dele-
gado do Io districto), que, como autoridade e
como amigo, pedio para nao (sr lugar o meeling -.
Logo, foi a iotervenco da autoridade que de-
moveu os convocadores do meetmg do proposito
de realisal o ; o que importa dizer que foi em
consequencia de aeco extranha que se nao rea-
lisou o meeling, ou melhor que foi este sullbc'a-
dono nascedonro.
Tanto assim, to real e positiva foi essa io-
tervenco que os proprios convocadores do mee-
ling disseram, n'um Boletim que publicaram e
foi reproduzido no Norte de hoje, que elles ti-
nham compreheodido que as autoridades poli-
ciaes senliam-se impotentes para garantir ordem
publica ameacada por elemeutos anarchicos, diri-
gido* por urna vontade snptrior... e tiofeaoFcom-
prebendido tambera que ceasara o seu compro-
mis de fallar ao povo, desde que a este te infun-
da terror e tratavate de substituil-o por urna hor-
da ie desordetrot e malfettorrs .
Eis abi, pois, bem claras e explcitas as cau-
sas finaos do qalogro do meetmg : os promoto
res da resali, diante da impotencia da autori-
dades para garantir a ordem publica ameacada por
elementos anarchicos, derigidos por urna vontade
swmbior.....,desistiram do proposito de fallar ao
poio, por que este ss ovomu tbrbor e tratava-
te ie sBsriTuiL-o por urna horda de dbsordeiros
MALFKITOBES !
Quaes eram os elementos anarchicos t qual a
cottade SHperioi cuja direcjo esses elementos
obedeciam ? que gentes constituiam essa Aorda
de desordeiros e malfeitores t
O escriptor do Dia a Dia nao o disse, e nem
nos temos interesse em esmerilhar, quaes abe-
Ihudos impertinentes, para onde se dirigiram as
vistas dos signatarios do boletim quando lanca-
ram publicidade aquellas auirmaces.
Urna cousa queremos todavia dizer, e que os
nios visuaes dos signatarios do manifest e do
boletim nao se dirigiram para o nosso lado, e
nem se podiam para c dirigir, porque elles sa-
bem perfeitamente que, homens da ordem, nao
si o, njnca foram intuitos uossos perturba! a
rara, as aguas turvas, colher alimento adequa-
0 aos nossos estmagos.
Essas pratics sao as de outra escola, e des-
la que se pode dizer que vive para a desordem,
pela desordem e com a desordem.
E' isto o que implcitamente confessa o escrip-
tor do Da a Dia quando 'diz, de vento em popa,
singrando pelo mares da democracia mas com-
prebende se facilmento que nao ha foroa publica
que possa conter urna vontade superior, que diri-
ge elementos capazes de infundir terror ao po-
vo nem se comprehende tal forca superior je-
no pela lgica do maior numero, que o axio-
ma, o dogma da democracia.
Querem mais claro ?
NO HA F0RQ\ DBLICA QUE PoSiA OO.XTER Uma
vontade superior, que dirige bleiestos capazes
db indrdir terror ao povo, isto nao ha forga
publica que possa conter uma vontade superior
que dirige elementos desordeiros e anarchicos 11
Nao ha conlisso mais franca e positiva, mais
enrgica e monumental do que essada impo-
tencia da forga publica, da autoridade, para
manter a ordem.
Se isto nao a proclamago pura e simples do
tauve qui peut, mil raios nos partam I
Digam-nos, agora, os que nos leem em que
regiraem estamos. Dgam-nos onde esto as ga-
rantas constituciflaes Digara-nos o que fei-
to das leis, da moral, e dos principios eternos
da juanea?! ?...
E' horrorosa a conlisso do Jornal do Recife;
e nem com ella, acreditamos, se pode confor-
mar o digno administrador da provincia, que
swupre^nrimou pelo seu carcter ordeiro e jus-
S. Exc, fazemos Ihe ju?tica, nao pode
trina da impotencia da forca publica
r desordeiros e malfeitores quando diri-
gidos por MA VO.NTADB SLPEF.1CH.
.ontades, por superiores que sejam, que
superem a das leis; e a leis garantem
aordenrTapaz publica, a seguraoga individual
e de propriedade, que n5o podeni IL'ar raer-
cededmideiros e malfeitores ainda que dirig-.
vontade superior.
pe nos ao menos o doloroso transe de exclamar
com o poeta latino, diante de suas theorias de-
mocrticas :
Si fractus orbis illabatur.
Ruina ferient impavidum.
Recite, ti de Julho de 1889.
Beacobsfikld.
PUBLICARES A PEDIDO
Pao iI'Alho
Acabo de ler na Provincia de hoje urnas per-
guntas feitas ao meu irmo Stelliano por alguera
que nao se peja de assignar Um processado
no Recife.
De certo nao mereciam resposta taes perguntas,
uma vez que partem de uma fonte tao impura.
Entretanto, em attenco ao respeitavel publico
comprometime desde j a responder a todas
ellas, e isto farei de forma que tire a vontade a
este perguctador de nova especie de vir nova-
raeme roubar o meu tempo cora cousas deste
jaez, que se alguma cousa produzem somente
em seu desfavor.
Aproveito a opportunidade para declarar que
tenciono vir a imprensa com mais vagar alira de
entrar na analyse das causas que motivaran; a
minha deraisso do cargo de collector provincial
deste municipio.
Tenham os meus amigos um pouquioho de pa-
ciencia ; sou um homem muito oceupado, e nao
posso fazer tudo de uma vez.
Paciencia, meus ami^oj.
Pao d'Alho, 23 de Julho. de 1880.
Aureliano Eleutherio da Silva.
-*=K5aa>si--
Como remedio por excellencia para as alaior-
reimas o Ungento de Aveleira Mgica do Dr. C.
C- Rristol verdadeiramente maravilhoso pela
segundade e rapidez de seus effeitos, e nenhuma
outra medicina pode competir com elle no alli-
vio imraediato e curativo radical de queimadu-'
ras. Carbnculos, inflammaco da garganta, dores
as costas e lados, mordeduras de insectos, do-
res de cabega, nevralgia facial, contusoes, incha-
(es, pleuriz, erysipelas chagas chrooicas, gol-
pes e toda especie de dores externas e internas
cujo allivio instantneo produz.
Aviso a nuestros lectores
Los de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin de 1889, es-
tn ya avisados que podran leer los lti-
mos ejemplares, recebidos en Paris, de
nuestro peridico, en la oficina de nues-
tros corresponsales los Srs. Amde Pria-
ce y C, 36, ru Laiayette, donde puede*
haccrce dirigir toda su correspondencia,
pedir informes, dar rdens de compra,
etc.
Pero, avisamos a nuestros compatriotas
que ademas del servicio instalado en a*
oficina. 36, ru* Laiayette, loe Srs. Am-
de Prince y C. han orgonizado un otsa
gabinete de lectura y de informes en Ja
Exposicin misma, en el Pabelln de la
Repblica de Guatemala, en donde el Sr-
comisaiio general a puesto a la disposicioa
de dichos Srs. una grande sala pou ter-
rado. -
Aconsejomos vivamente a nuestros ami-
gos lectores que vayan a Paris, de haces
una visita a la casa Amde Prince y C,
tanto en su residencia, 36, ru Laiayette,
como en su instalacin en el Pabelln de
Guatemala de la Exposicin, que resulta-
r, ser por el hecho de las extensas rela-
ciones de nuestros corresponsales, el oea-
tro de reunin de los numerosos estrange-
ros presentes en Paris.
'; Vias urinarias, molestias das se-
I ( nhoras, operagSes elctricas
{ ::. CABLOS SITTSrCQET
() ESPECIALISTA
I com pratica de pabis e Londres
Estreitamento da urethra curados ra-
!
dicalmente pela electrolyse, sem dr
hydroceles sem injeceo (cura radical);
feridas e ulceras chronicas, com garan
ta de cura rpida ; pedras da bexiga,
fstulas e hemorrhoidas ; syphil3, go-
norrhas, pelo methodo das nstillagdes;
molestias da garganta e do peito pelas
athraospheras medicamentosas. Con-
sultas e operagoes das 12 s 3 horas da
tarde.
RA DO MRQUEZ DE OLI.NDA N. 3i,
2o ANDAR
BcHldencla na Torre
Completa hoje o trigsimo dia do falleciraen-
to na provincia do Rio de Janeiro da interessan-
te joven Mara Roza de Queiroz Rarros, filha
do preslimoso conselheiro Luiz Correia de Quei-
roz Rarros morte que tem sido asss pranteada
por todos aquelles que tinbam a dita de conhe-
cel a, pois suecumbio na primavera da vida
quando esta lhe sorria sob um prisma de nu
veos roseas, alliava-se ao seu carcter a bon-
dade, a modestia' e a affabilidade, e todos que
de si se avisinhavam sentiam-se irresistivelmen-
te attrabidos, taes cramas virtudes que em si
predomhavam.
Como subido preito de sincera dedicago e es
tima vem depor sobre a sua pranteada iousa
uma corda entrelacada de saudades, e bem assim tu^ e de informac3es na Exposico
jertw lagrimas repassadas da raa.s.profunda mil) no pavlhSo republica de Guafc-
Aos seus extremosos pais apresentamos eu, mala cujo commissario geral dignou-se c
bem como minha familia as nossas sentidas
condolencias.
/. F. B. S.
Magdalena, 25 de Julho de 1889._____________
Brilhante resultado
Eu abaixo assinado, morador a ra
Paula Brito n. 25, no Rio de Janeiro, de-
sejando prestar uma homenagem verda-
de, tornando, ao inesmo tempo, publicas
as virtudes do Peitoral de Cambar, ve-
nho declarar que, empregando esse impor-
tante medicamento em uma filhinha de 5
annos de idade, preza de uma terrivel
tosse convulsa ou coqueluche, ha j dous
mezes, e depois de applicados outros me-
dicamentos, obtive o mais agradavel re-
sultado para o meu coracao de pai, at en-
to alicto pela crueldade da molestia de
minha filhinha, dando-Ihe o afamado Pei-
toral de Cambar do lllm. Sr. Jos Alva-
res de Souza Soares, de Pelotas, que,
com dous vidros apenas, prodaziu tSo bri-
lhante resultado.
Felicitando ao autor de tao virtuoso pre-
parado desejo que este attestado verdadeiro
aproveite aos que, como a minha filhinha,
sejam atacados de tao terrivel enfermi-
dade.
Jos Carlos Coimbrade Oouveia.
j) Bacharel Antonio Witru- J
vio Pinto Bandeira f
< Pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1 andar
Surdos
Urna pessoa que foi curada da surdez e zui-
do de ouvidos, de que padeca ha 23 anuos,
usando de um remedio mui'o simples, enviar
gratis a sua deacripgo a quem a desejar. Diri-
ja-se ao Sr. nicuolson, 1260, Santiago del Esi*-
0, Rueos -Ayres.
por graciosamente uma vasta sala
varanda s ordens dos nossos correspon-
dentes.
Aconselhamos mui vivamente aos nos-
sos amigos e leitores que se acharemos
Paris, que visitein a casa Amde Prinee
& C. na sua sede social, 36, ra Laiayet-
te, bem como na installago que possue na
Exposico no Pavilho de Guatemala qna
ha de ser, gracas s extensas relacdes das
nossos correspondentes, o ponto da ie-
uniao dos numerosos estrangelros residen-
es em Paris.
II Frederico Chayes Jnior J|
Homoepatha
W39 RA RARO DA VICTORIA 3 l

Prlsaelro andar
Dr. S!fho# Xavier
eopc
11 as 2.
Medico e upo rador
D consulUs das 11 aT 2.luras efn seu ai
sultorio roa da Impelati iz n. 30 Io andar
tem sua residencia na cidade do Cabo, onde po-
de ser procurado das 6 da tarde as 9 da manh*
I!
i
Leonor Porto
(Ra Larga do Rosario mu-i
tuero 2ti
' SEGUNDO ANDAR
i Contina a exeen
yfiguriuos
) Lisboa e R
ia frasco.
jral de Cambar v -e esa
gera
a ras
eras*
9 e irorarias da cida
i





Aviso aos nossos leitores
Os nossos leitores que visitarem|Pa
durante a Exposico de 1889 j sabes.
que poder So ler os ultimes exemplares dt
nosso jornal chegados aquella cidade no es-
criptorio dos nossos correspondentes, Sra.
Amde Prince & C, 36. ra Laiayette,
onde podem mandar dirigir qualquer cor-
respondencia, pedir quaesquer informacoes,
dar ordens de compras, etc.
Alm d'isso, levamos ao conhecimens
dos nossos patricios que afora o servio esta-
belecido no escriptorio da ra Lafayette,
n. 36, os mesmos Srs. Amde Prince t
C, acabam de organisar uma sala de let-



m

?
J nao admitte duvidas
Todo aquelle que soffro de tosse, as-
thma, rouquidSo ou qualquer enfermidade
do peito, e de vias respiratorias, ainda'a .
mais grave, s nao se cura nao o q*e-
rendo.
O Peitoral de Cambar], importante dss-
coberta do Sr. Souza Soares, de Pelota,
um remedio tao Afficaz que nao admitte
hoje duvidas a respnto.
A prova acha-se no grande numero de
attestados de curas obtidas; no seu actual
consumo de vinte mil frascos por mes;
as honrosas apreciaeoes da imprensa \ a* .
sua approvacao pela junta de bygiene pa-
blica; na autorisacao do governo imperial
e nos grandes premios de das medalhae
de onro de Ia classo com que foi disiva-
guido.
Portante, os doentes r uK>, se cumsil
queiram.
Liir com attenca > o folheto que acos-




4
Diario de Pernaml
-feira 25 de Julho de 1889
lamiente, a actual conceas&o de privilegio,
ser ipto fado considerada caduca.
Art. 4. Ficam revogadas as dispusi-
eres em contrario. Mando, portante, a
todas as autoridiides a quem o conbeci-
mcnto e execu;io da presente ResolucSo
pertencer, que a cumpram e fagam cum-
prir tao inteiratnente como n'ella se con-
tera.
O Secretario Interino da Presidencia
d'esta Provincia a faja imprimir, publi-
car e correr. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, G de Maio de 1889, 68. da
Independencia e do Imperio. (Assigna-
do).Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Sellada e publicada a presente Resolu-
cSo, n'esta Secretaria da Presidencia de
Pernambuco, aos'6 de Maio de 1889.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
5.* scelo.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 29 d Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vice-presidente
da provincia e nos termos do 2o do art.
Io da lei n. 1,901 de 4 de Junho de 1887,
ue, tendo-se concluido por meio do laudo
e arbitro desempatador, a questo de ava-
iacSo do material da empresa de illuini-
|uac2o gaz desta cidade, fica aberta
a concurrencia, com. o prazo de seis me-
i zes, contados da data do presente edital,
escriptorio de ad,ocacia roa do Ir J. para contrato- da 4ita illuminaclo me-
81, onde sera encontrado todos os das uteii, das 3. Nennuma proposta ser reqcbida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:0005
em dinrwiro ou apolices da divida publi-
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da znanbS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
T MEDICO HOMEPATA
Dr. Baltliazar da Silveira
Especialidadefebres, molestias
' das enancas, dos orgos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
i onde se indicar sua residencia.

tia de 3:0000000, que
Thesouro Provincial.
J 19. O presidente da provincia est-'
beleter as multas c mais condicSes, no
intuito de garantir a boa execucao do con-
tracto, quer com relacSo a Ilumnelo pu-
blica-, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar, actual em
preza, conforme o 7o cima citado, s
quantia de 994:917)528, de c<
a avaliacao feita pelo arbitro desempata
dor em 18 de Marco ultimo, vjatieduair-
se da de 998:777*528, total daifortiacao,
a importancia de 3:8(50)5000 paga era-
Sresa em 1860, proveniente de 202 canos
e ferro, 5 columnas e 5 bracos com lam-
peos, collocados fra do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel Soaqui.n Silveira,
Indemnisadra
Esta corapanhia de stimos esta pagando um
denlo de ISOoO por acete, relativo ao ulti-
mo semestre (indo em 30 de Junho prximo paa-
ado, em seu esc 'iptorio ra do Commercio
numero 44.
Recife, 24 de Julho de 1889. -
Os directores
Joaquim Abes da Fonseca.
Antonio da Cunha Ferreira Bailar.
3:
Advocado
Miguel Jos de Almeida Pernambuco tem o sau
hons da manh s 4 da tarde.
K
Oculista.
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clinica do
Dr. de Wecker, d consultas de
mei da 4s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLDSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consili-
ario, na ra Baro do Victoria 18, l_an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
EDITAES
5. seccao. Secretaria daeresidencia de Per-
lambueo cm 10 de Julho de 1889 :
Por esta, secretaria se faz publico para conhe-
fiimento de quera inleressar, que, a requerimen-
to de Jos Bernardino de Bourbom Arantes, fi-
ca aberta a concurrencia, com o praso de trinta
lias, contados desla data, para o rccebimento
de propostas referentes fundaco de um enge-
ibo central de lypo maibr, de que trata o art.
18 da lei n. 1865 de 11 de Agosto de 18*5, me-
diante as condicoes do art. 16 da mesma le e
da de n. 1972 de 2 de Mareo ultimo.
(Assignado).O secretario, Francisco L. Jfo-
rmko de Souza.
= i>a Secyao. Palacio da Presidencia de
rrnambuco, em 16 de Julho de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, que, tndo Cactano da Costa
Moreira requerido a concurrencia publi-
ca para o estabelecimento de urna fabrica
de cimento preparado com materia do
paiz, nos termos da Ici n. 1987, de 6 de
Maio deste anno, infra transcripta, fica
marcado o praso de trinta dias, contados
de hoje, para o recebimento de propostas,
cm carta fechada, referentes a fundaco
da dita fabrica. (Assignado) o secretario,
Francisco L. Marinho de Souza.
Lei n. 19*7
Ignacio Joaquim de Souza Leilo, ba-
harel em scicncias jurdicas e sociaes, li-
dalgo cavalheiro "da casa imperial, cava-
Iheiro da Ordem da Rosa e .vicc-presiden-
te da provincia de Pernambuco:
Face saber a todos os seus habitantes
que a Assembla Legislativa Provincial
decretou e cu sanecionei a resoluco se-
guinte:
Art. I.- Fica o presidente da provincia
autorisado a conceder, por praso impro-
rogavel de dez annos, privilegio a quem
mais vantagens otferecer para montar, nes-
ta provincia, a primeira fabrica de cimen-
to preparado com materia do paiz.
Art. 2." O cemento producido pela fa-
brica de que se trata nao gosar de isen-
9S0 de imposto algum nem de quaesquer fa-
vores directos ou indirectos que tenham
por fim prohrbir a entrada ou venda na
provincia de producto similar, nacicnal ou
strangeiro.
Art. 3.oSe no fim de dous annos, a
ODiar da data da presente le, nao esti-
ver' a mesma fabrica, funecionando regu-

evista do* Mercado
*
RECIF3. 24 DKJHLHO DK 1889.
Foi nullo o movimento.
Os deraais mercados estiveram pa'rados.
Bolsa
JTAQ5E8 OFEICIAE8 DA JUNTA
RETOBES
Recife. 24 de Julho de 1889
Apolices geraes de 5 0,0, valor de 1:000*000
9603 cada urna.
Na Bolsa Venderam-se
22 aDolices geraes de 1:000*000
O presidente,
Candido IX G. Alcoforado."
O secretario,'
Ednardo Dubeux
Alfiodo
Nao conslou vendas.
A exportadlo feita pela alfandega neste mez at
dia Sattiogio a 1.217.010 kilos, sendo 703.816
para o exterior e 513.794 para o interior.
As entradas verificadas al 9 data de boje so-
.70 saecus, sendo por:
Barcadas.....
Vapores .....
Ammaes.....
Via-ferrea de Caruar.
frrea de S. Francisco.
Via-ferrea- de Limoeiro
S orama.
Cambio
jU movimento
-
ca, para garantir a aceitacao do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
| 4. O deposito, a que se refere o pa-
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo contractante senao lindo o contracto e
servir de caucSo para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
5. O contracto s poder ser feito
com quem melhores vantagens offereeer
na concurrencia.
| 6." A nao ser no caso do parftgrapho
antecedente, a actual empresa nao ter
preferencia a qualquer outro proponente.
| 7. O novo contractante ser obriga-
do indemnisacao, a que a provincia
sujeita por forca da clausula decima ter-
ceira do contracto em vigor, devendo dita
indemnisacao ter lugar de accordo com
essa mesma clausula, e ficando o material
e obras da empreza bypothecados pro-
vincia at que este ja realisada a indemni-
sacao ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
8. O prazo do contracto nao poder
exceder a 30 annos.
9. Opreco da illuminacao, quer publi-
a, quer particular, nao poder exceder de
260 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
e urna redcelo de mais de 30 [0, para
os estabelecimentos de caridade e benefi-
cencia, c repartieses publicas.
. 10." O systema mtrico, si fr mais
conveniente, ser adoptado para a medi-
dlo do gaz.
| 11." Aluz ser clara, brilhante c isenta
de substancias estr.inhas, que pessam pre-
judicar a illuminacao e a hygiene publica.
| 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete,
das que queimam sete grammas por hora,
correspondentes a 120 graos inglezes.
13. As horas de illuminacao publica
ser3o fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nao podendo
ecr em numero menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste caso haver urna
reduccao no precedo gaz correspondente^
ao acrescimo de horas.
^ 14. O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questoes que
se suscitarem, quer cm o governo,
quer com os particulares, ficando sujeitos
todos ob seus actos s leis e reglamen-
os e jurisdiccSo dos tribunacs judicia-
rios ou administrativos do paiz.
15. O contractante ser obrigado a
collocar e construir sua eusta um ou
mais gazometros, k>j houver necessidade,
eos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introiuzir todos os melho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
| 16.a O pagamento da illuminacao pu-
blica c particular ser feito em moeda do
paiz, sem attencfo oscillacao do cambio.
| 17." O contractante poder organisar
companhia, a qual r cara subrogada em to-
dos os direitos e obrigacoes do contracto.
| 18. Para as despezas com a fiscali-
saco do servico de illuminacao o contrac-
tante concorrer annualmente com a quan-
Empreza do Gaz
AVISO
A empreza de illuminacao a
cidade por seu gerente, tendo visto no
Diario de Pernambuco de hoje a publica-
do do edital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacao mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas e servindo de
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patador aa obras da mesma empresa,
base para a indemnisacSo da empreza
actual a quantia de 998:777#,28, por
quantia essa que xlever ser paga pelo
novo contractante, vem pelo presente
aviso, e para evitar duvidas rutaras, de-
clarar que dita avaliaao nao pdde servir
de base para tal indemnisacao, por ter
ido llegal e irrcgularm".nte feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo ddb feitos da
fazenda, tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr procurador do feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da provincia.
E como quer que i deva em tempo op
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito fr, deliberou fazer a
presente publicacao para scieneia dos in-
teressados.
Reeife, 1 de Maio de 1889.
Geprgt Windsor,
Gerente.
Scretaria da presidencia de Per-
nambuco, 22 de Junho de i889.Por es-
ta secretaria se faz publico, de ordem do
Exm. Sr. vice-presidente da provincia,
que fica prorogado por 30 dias, a contar
de hoje, o prazo para a tr|>resentacao de
propostas de concurrentes fundaco de
onze engenhos centraes nesta provincia,
nos termos da leia n. 1972, de 22 de
Marco do corrente anno, observadas as
disposicoes constantes dos^editaes de 25
de Maio ultimo e 3 do corrente.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto de M. Tamborim.
DECLARARES
Primeira pra^a
Pela inspectora deste Alfandega se faz publi-
co que as 11 horas do dia 26 do corrate raz.
serio arrematados cm praca porta desla rater-
liro, 90 alqueir-s de sal existentes a bordo do
cter nacional Oliveira, procedente de Mossor,
em 17 do corrente. abandonados acs direitos por
Manoel i.ornes da Costa.
3.a seccao da Alfandega de Pernambuco, 23
de Julho "(te 1889.-0 chele
Domingos Joaquim da Fonseca.
No Rio nao houve alteracao no mercado.
AFFIXADA8
Prazo de 30 dias
De ordem do Sr. Dr. inspector gei-al. fago
scienle a professora Rulina Demetria de Souza,
removida por conveniencia do servico publico,
por acto da presidencia da provincia de 13 4o
correle, da cadeira de Jalona dcTacarat, para
a de cusido mixto de Bebedouro, que !he lita
marcado o praso de trinta dias acontar daquela
data, para lomar posse e assumir o respectfc
exercicio.
Igual prazo fica tambera muvvlo professora
Feliciana Eduviges da Costa 6ama, removida por
acto tambem da mesma data da cadeira Bebc-
douro para a de ensiuo mixto de Marayal.
Secretaria da Inslrucgo Publica de l'ernambu-
23 de Julho de 1889.
O secretario,
Pergentino Saraira de A mujo falvao.
Irmandade de Sa.nt*Arini da
i^reja da Santa Cruz
ELEICAO
Conrido a lodosos nossos carissimos irml'is a
comparecerem no respectivo consistorio no dia
28 do correte mez, pelas 10 horas da manh,
afim de se proceder a eleicao dos novos funecio-
narios que tem de administrar esta irmandade
no anno compromissal de 1889 a 1890, depois
de celebrada a missa votiva do Espirit Santo,
como determina o c-rapromisso da nossa irman-
dade.
Consistorio da irmandade de Sa.it'Anna, erec-
ta na greja da Santa Cruz do Recite, 24 de Julho
de 1889.-0 secretario
Antonio Aires Vilella.
.rundo a Associago Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Branco..... 3WX) a 400
Somenos...... 3*000 a 3M00
Mascavado purgado 2i600 a 280Q
bruto. (firme) 25000 a 2*400
Retamo..... U700 a 1*900
A exnortacao feita pela alfandega neste mez at
o dia 25. subi a 2.928.907 kilos, sendo 8o5.171
para o exterior e 2 073.736 para o interior.

A3 entradas verificidas at a data de boje, so-
liera a 4.59* saceos, sendo por :
Baretcas..... 2.121 Saceos
Vapores..... 56
Ammaes.... 'ni
Via-ferrea de Caruar. 213
Via-ferrea de S. Francisco. I 34
Via-ferrea do Limoeiro 322 c
Somma.
Agurdente
4.594 Saceos
Cota-se a 103*000, por pipa de 480 litros.
Alcool
Cota-se a 200*000 por pipa de 480 litros.
Hel
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Couros
Couros salgados, 360.a 363 ris, i.o
base de 12 kilos.
Pauta da alfandega
gSMAXA ofJi 1 27 OS JUUiO DE 1839
Vide o Diarto i 21 de Julho
Xa vi os descarga
Barca norueguense Gefen, xarque.
Barca norueguense Arendal, carvao.
Barca norueguense Speranza, carvo.
a al lema Frz, xarque.
18 kilos, se-1 Lugar nacional Tigre, xarque.
Terein Hamburg'er
Assecuradeure
avarie Burean
Sociedade de icguradoreii niarili-
moa de Hnmburgo
Sect-ao dos avarius
Pohlman *. C. fazem publico que foram pelo
Vereim Hamburger Assecuradeure nomeados para,
em casos de avaria, representar as companhias
de seguros martimos de Himburgo, e que elles
em todos os casos de avaria, se o seguro for
feito em amburgo, devem t.ein falta ser avisa-
dos e consultados pelos recebedores de merca-
dorias avahadas, e pelos capiles respuilo de
avaria de navios.
Prazo de 30 dias
De ordem do Sr. Dr. inspector geral, faco
seiente u professora publica Mara Clara de Mel-
lo Figueira. que tendo sido por acto da presiden-
cia de da provincioJ13iilQjcoireiite, transferida do
Boui Successso na ciade deOlinda. para a ra
do Commercio na mesma cidade sem seu pre-
juuo, ,i cadeira que regia, llie fica marcado o pra-
so de.'!() dias, a contar daquella data, para tomar
pos Sacretaria da Iuslru(tg$o Publica de Pernam-
buco, 23 de Julho de 1889.
O secretario,
Pergentino Saruiva je Araujo Oalto
X
Colonia Orplianologica Isa-
bel
De ordem da directoria desla colonia previno
aoj Sr~. lutores ou protectores de menores des-
pafbados para quando houver vagas, de nao os
ti--'rilar sem serem chamados porcsteD ria por nao baver vagas presentemente.
Secretaria da Ci>lonia Orphanologica Isabel,
16 de Julho de 1889.
O sec-ctario,
Francisco Goncalves de ^iqueira.
TaWiieemiokT
DO
tal.....20,000:0005000
em realisado 15,O0O:O0Of50O0
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 42, sacca, vista ou
a prazo, contra os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
TemaresBanco Internacional do Brazil.
PariaBanque de Paris et des Pays Bas.
LondresLondon & County Banking Com-
.pany Limited.
AllemanhaDeutsche Bank.
fc<7i'ca-rBanque d'Anvers.
ItaliaBanca Genrale e suas agencias.
HespanhaBanco Hypothecario de Espa-
a e suas agencias.
PortugalBanco de Portugal e suae agen-
cias.
Rio da PrataTho London & River Pa-
te Bank Limited. 4rfb
Nova YorkG. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razao de 2 /0 ao
anno* e por letras a prazo a juro#< conven-
eionados.
O gerente,
miliam M Webster.
Companhia de Edifcagao
A commissao ahaixo assignada autorisada pe-
la assembla geral da Companhia de Edificaco,
faz traspasso com todos os favores que Ihe fo
ram concedidos pela assembla provincial, dos
seus behs abaixo declarados :
Olaria da Torre com os terrenos, casa de vi-
venda, machinas, enrrora^, burros, bois. canoas
e toqp o material alli existente.
Casa do Caes de Capibaribe, madeiras, ferra-
gens. Unas e outros rauilos arligos.
Cofre, cariciras e divursos utensilios para es-
cnptorio.
Os prndenles podem examinar a quanlida-
de, qualidade e estado de tudo quanto ah lica
mencionado, para o que Ibes ser facultado o
balaoco na sede da companhia praga de Pedro
II n. 77^ Ia andar, onde encontrario pessoas que
daro as explicaces necessarias.
As propostas serao feitas em cartas fechadas
que deverfio ser entregues ueste escriptorio des-
de j at sabbado 27 do correiic s 3 horas da
tarde e serao abertas na seyunda-feira vindouro
29 s 11 horas do dia, perante os concurrentes
que se acharem prsenles.
Nao serio aceitas propostas de quem previa-
mente nao tenha depositado no cofre da compa-
nhia a quantia de lOuOiOOO, em dinheiro ou
apolices da divida publica geral cu provincial
ou em acc0s da compauhia, que pela sua cota-
gao represenlem aquella quantia.
Essa mesma cauco reverter em favor da
companhia. se o signatario da proposla aceita
nao reahsal-a no praso de oito dias contados da
abertura da mesma proposts, a qual ueste caso
(cara de nenhum effeito.
Recife, 22 de Julho de 1889.
Jos Gomes Ferreira Maia.
Bernardino Costa C. Jnior.
Joaquim de Oliveira Borges.
Lugar norueguense Albatroz, carvo.
Lugar inglcz Indiana* graia.
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho inglez Hafren, xarque.
Patacho allemao Afart con Otdeudorp, xarque.
Patacho hollandcz Broedertrow, xarque.
sxportaco
BBC1FB. 23 DB JULHO DE 1889
Para o exteitor
' Nao hoove exportaco.
i*ar No vapor ingle Conteta, carregaram :
Para Pelotas, A. C da Silva 2 barricas com
180 kilos de doce.
Para Rio de Janeiro, M. \morim 59 pipas cora
24,tOO litros de agurdente ; B. Oliveira & C
60 pipas com 28,800 litros de agurdente; M.
Menezes 7 pipas com 3,000 litros de agurdente ,
C. M da Silva 652 saceos com 39,120 kilos de
assucar branco ; F. M. de Vasconcellos 20 du-
zias de vassouras de palha.
No vapor nacional Paro, carregou :
Para Rio de Janeiro, i'arlos M. da Silva 930
saceos com 57,000 kilos de assucar branco.
Na barcaea (eres, carregaram :
Para Vrlla da Penha, M. A. de Senna A C. 8
barricas com 480 kilos de assucar refinado.
-r- >"a barcaga Rainha doi Anjos, carregou :
Para Maco, M. A. de Jess 3 garrames com
36 litros de genebra.
Na barcaea F. Octavia, carregou :
Para Parabyba, M. Menezes 25 saceos cem
1.230 kilos defeijao.
Rcndimentos pblicos
MEZ DE JL'MIO
Alfanaega
Renda geral:
D* dia la 22 325718216
dem de 23 15:857*806
Renda provincial :
00 dia 1 a 22 67:897*338
dem U8 23 4:115*059
Somma
341 576*022
72012*397
19
Prazo de 30 dias
De ordem do Sr. Dr. Inspector geral, faco
scient- a professora Amelia Rosa do Brazil, re-
movida por acto da presidencia da provincia de
11 do correle, da cadeira de Camossim para a
de S. Jos da Extrema, que Ihe lica marcado o
prazo de 30 dias, a contar d'aquella data, para
to.Dar posse e assumir o respectivo.exerecio de
sua nova cadeira.
l_'ual prazo lica tambem marcado aos profes-
sores Francisco Amaocio da Silva e M une! Fi-
gueira de Menezes, removidos por aclo de 13
tambem deste mez, este da cadeira de Beberbe
para a do Bom Sucesso, em Girada e aquelle
desta para aquella, afim de loraarem posse e as-
sumirem o respectivo exercicio.
Secretaria da Instruccao Publica de Pernam-
buco, 23 de Julho de 1889,
Ojsecretario,
Pergentino Saraiva de Araujo Galvao
Arsenal de Mar nha
Conselho de compras
De ordem do Illm. Sr. capito-tenente Manoel
Augusto de Castro Menezes, inspector d'este Ar-
senal e capito do porto d'esta provincia, con-
vido aos Srs. abaixo mencionados para no prazo
de trez dias, contados da presente data, confor-
me o disposto no art. 13 do decreto n. 100G6 de
20 de Outubro de 1888, comparecerem na secre-
taria d'esta inspecgu, afim de assiunarem a
minuta do contraclo da sesso do conselho de
compras de 13 do corrente mez, e assistirem
leitura da respectiva minuta : Jos Adolpbo Ro-
drigues Lima, como fiados de Jos Mafias da
Fonseca. Jo- de Oliveira Castro, comotador de
Manoel da Silva Faria, Luiz Leopoldo Gnimares
Peixolo, como fiador de Vicente Ferreira de Al-
buquerque Nascimenloi Maia e Silva v c., Jos
Rufino Climaco da Silva, Antonio Rodrigues de
Souza 6 <.. Joaquim Al ves da Silva SantoseJos
de Sou*a Aguiar < C.
Serreiaria da Inspecco do Arsenal de Jlari-
nha de Pernambuco, 23 de Junho de 1889.
O secretario,
Antonio daSUra Azevedo.
Banco de Crdito Real
de Pernambuco
E*le estabelecimento, de accordo com o art.
54 dos estatutos, paga o seu 6" dividendo, rea
tivo ao semestre lindo em 30 de Junho do cor-
rente anno, raziio de 5 / sobre o valor das
entradas realizadas do capital, ou 55000 por ac
cao, todos os dias uteis, desde s 10 horas
da manha s 4 da larde, em sua sede ra do
Commercio n. 34.
Recife, 22 de Julho de 1889.
O gerente.
Joo Femamhs Lopes.
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. ensenheiro director
gerl, e um virtude da au'.orisaeo de S. Exe. o
Sr. 1. vice-prcfidenle la provincia de 16 do
corrente. fago publico que no da 8 de Agosto
prximo vindouro ao meio da, nesta drecto
na recebe-se propostas em cartas fechadas,
competentemente selladas, para execuco dos
reparos precisos na ponte da Magdalena, solve
o rio Capibaribe. na importancia de 9:587*230.
Para concorrer a praca acimo devero os lici-
tantes depositar no Thesouro Provincial a quan-
tia de 479,3360, equivalente a 5 0 0 do valor do
orcameolo.
Secretaria da direc'ori.i geral das Obras Publi-
cas de Pernambuco. em vO de Julho de 1889.
O engenheiro secretario
Luiz Antonio C. de Albuquerque
Club Internacional do
INfcEMNISADORA
Companhia de Segaros
martimos e terrestres
Eftlabeiccida em 18S8
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 dea>ezembrodel$S41 -
Martimos.. 1,110:000$000
Terrestres. 316:000^000
44Ra do Commercio44
Recife
Devendo ler lugar no dia 2/ do correnle o
sarn anniversario, sao convidados os senhores
jpeios a vir receber em inao do Sr. I^esoureiro
os respectivos bilhetes de entrada, das 7 s 9
horas da noite, ueste club.
Nenhum socio poder tomar parte no sarao
sem apresentar o referido bilhete.
Recife, 20 de Julho de 1889.
Francisco de Souza Reis
1 secretario.
COMPNHA
DE
srat mm m
North British Mercantil
Insurance & C. e
Estabelecida em 1809
Capital subscripto 2.51)0:000
Fundo accumulados para sinistros 1.842:544
D
CONTRA FOGO
The Liverpool & London & Glok
SLAC23F.S:, Elim Si C.
Ra do Commercio j\. 3
Companhia
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificioa e mercadorias
laxas baixas
Promjjto pegamento d&j>rejuizos.
CAPITAL
lis. 1 6,000:0004000
AOBNTE
niuv\t A C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
London & Brasil ian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre asea'.-
sas do mesmo banco em Portugal send<
em Lisboa ra dos Capellistas n. 75. Ho
Porto, ra dos Jnglezes.
teipaniia de Seguros
ftelilatU fle Jibias
AGENTE
Mig*uel Jos Alves
>'. 9Ba do Bom lenua X. Y
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRE?
Nestes ltimos seguios a nica companhit
oesta pi-ica que concede aos Srs. segurados semi.-
,o de pagamento de premio, em cada setim-.'
mno, o que equivale ao descont annual decer-
;a de i;> por cento em favor dos segurados
seguro (mura
Royal. Insurance Companv
de Liverpool
CAPITAl. .000:000
AGENTES
R. DE DRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
SEGUROS
MARTIMOS COSTRA FOGO
Compauhia Phcnix Per-
uantbucana
RA DO COMMERCIO N". 38
4.342:544
Agente em Pernambuco
N. J. LIDSTONE
O Rua do Commercio O
Companljia t e$Mos
com::::
ROBTHSBH
de Loadres e Aberlaea
Posigao linanceira CDezembro de I885J
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Receifa annual :
De prethios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John 11. BoxineU. ,
Segunda seccao da Alfandega, 24 de ulo de
1889. *
8tiesoureiroFlcrencio Domingnes.
cnefe da seccao Cicero B. de Mello.
Recebedoria Geral
Do dia la 22 26:151"07
dem de 23
1:233*37:5
27.385*080
Recebedoria provincial
Do dia la 82 131:868*204
dem de 23 101*269
---------------131:969*473
Recife Drainage
Do dia 1 a 22 6:116*935'
dem de 23 79*749
, 6:196*684
Mercado Municipal de -V Jos
0 movimento deste mercado no dia 23 de Ju-
lho foi o seguinte:
Entraram :
42 i/2 bois pesando 5.949 kilos.
316 kilos de peixe a 20 reis 6*320
34 cargas com farinha a 200 ris 0*806
6 ditas com feijao a 200 ris 1*200
16 dilas de milho a 200 ris 3*200
11 ditas de fructas diversas a 300 ris 3*300
10 taboleiros a 200 ris 2*000
11 sainos a 200 ris 2*200
30 matulos com legumes a 200 ris 6*000
Foram oceupados :
27 columnas a 600 ris 16*200
1 escriptorio a 300 ris 300
24 compartimentos de farinha a 300
ris 12*000
25 ditos de comidas a 500 ris ,12*500
80 ditos de legumes e fazendas a
400 ris 32*000
1G ditos de suinos a 700 ris 11*190
8 ditos de fressuras a 600 ris 4*800
WJ tainos a 2* ,90*000
IU#0*0
Companhia de edifica-
cao
Tratando-se da transferencia desla compannia
a -]ucm mais vantagens offereeer, sao coavid
dos todos os credores apresentarem os seus
tilulos ou conlas, no prazo improrogavel de cin-
co dias; na sede da companhia, 'praca de Be-
lfa) 2.* n. 77, 1 andar, para serem devidam-i
le conferidos.' Recife, 22 de .lalno de 1889.
Jos Gomes Ferreira Maia.
Rernardino C. C. Jnior.
Joaquim de Oliveira Borgfg.
SANTA CASA
CASAS PARA ALIGAR
Rua do Vigario Tenorio n. 27, loja 200*000
dem idem n. 22, 2. andar !8000('
dem idem idem, 3." andar 180**"-:.
dem do Rispo Sardiuha (Encanta-
mento) n. 11. 2." andar 240*000
dem do Mrquez de Olinda, n. 44, so-
brado de dous andares 2:13100m
dem idem n. 33, idem idem 1:200*000
dem do Rom Jess n. 29, loja 2165001'
dem do Rom Jess n. 29, 1. andar 240*000
Ioem idem 2* andar 240*000
dem de Thom de Souza (Lingoeta)
n. 14," Io andar 180*000
11 : n da Senzala velha n 16
casa terrea 2233080
Beceo das Boias n. 14, 2 andar ISOfOOO
Idem idem 2" andar 260*000
dem do Padre Fioriano n. 63. caza
terrea 168*00>
dem S. Rom Jess das Crioulas n.
8, dem 216*000
dem Imperial n. 151, caza terrea 300f Wd
Becco daDetencao imeiagua) 96*0iXi
S. Lourenco da'Malta 60*000
Ambob"- (Varzia )idem 720t,i
Rendimento do da i e 22 do cor-
rente
4:785*2*
Foi arrecadado liquido at hoie 4:995*300
Precos do dia:
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.-
Carneiro de 720 a 1* reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 640 a 800 reis a cuia. -
Milho de 440 a 500 reis idem.
r"ei;ao de 1*200 a 1*600 idem.
Hatadonro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para v
consumo de hoje 94 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
d DE JCLHO
Sul........... ^"Slfi........... 2?>
Norte......... Para............. 25 *
Europa....... V. de Buenos-Ayes. 25
Sai........... Espirito Santo..... 27
Europa....... Aconcagua........ 28
Norte......... Adcance.......... 28
Sul... v:..... Allianca.......... 29
Europa....... Olinda.......... 29
Vapores a sahlr
MEZ DE JULHO
Sul.......... Cometa ...:....... 2o as 4 i..
Sul.......... Para.......'...... 25 as 5 h.
Santos e esc. V. de Buenos-Avm. 26 as 3 b.
Norte........ Espinto Santo.....28 as 5Ji.
Montevideo .. Aconcagua........ 28 as H L.
Santos e esc .Idealice.......... 29 as 4 h.
New-York.... Allianca.......... 30 as 3 h.
Santose esc.: Olinda........... 30 as 4 h.
siovimento do porto
Navio entrado no dia 24
Rio Grande do SulLugar nacional Layo, fun-
deou no ancoradouro e nao communicou
a trra por serla 7 horas no noi
Nao he.
{
4
I
N


L



'


I

*,


^^^l
Diario de PernambucoQuinta-feir 25 de Julho de 18811
5
THEATRO
INTINII
PROPMKADE E IMPRESA BOS ARTISTAS
Eduardo Rodrigues e Helena Balsemao Rodrigues
c
Hojel
DIRECCAO DO ACTOR
LISBOA
Hoje! Hoja!
Enorme e lindo espectculo
A empresa afim de satisfazer a todo o publico faz representar pela piiineira
vez o grandioso drama em actos traduccao de *alvadu> Marques.
res
A Tomada da
DISTRIBUAO
O Conde de Belmare. ....
O Almirante Franville ,
Guilherme Loudry i operario)
Matheus o Jangada (velho raarinhein
Joaquim o vida aleare (
Gaspar o catharro operarios
Lafbur (lacaio da Marqueza) r .
Um Sargento .....
Um Tabelliao.....
.....

E. Rodrigues.
C. Lisboa.
Leandro.
Teixeira.
Rocha.
Trapea.
Bebianno.
Res.
Nascimento.
Costa.
Brandao.
D. OthilYa.
Balsemo.
> Angelina.
Aliverti.

1. Lacaio
2. Dito ....
A Marqueza de Verneuil .
Rosala Loudry depois Helena de Verneuil
Michaella (mae de Guilherme) .
Anninlias poca 17...
Poyo, Fidalgos, soldadas etc etc.
Os scenerios dos 2., 3., 4." e 5. actos sao novos pintados em MilSo mobilias
"c guarda roupa tudo novo e adqueado poca.
A empresa nao poupou despezas com a montagein d'este lindo drama, que
em toda a parte tem obtido os maiores applausos.
TTULOS DOS ACTOS
1. O DA DE NUPCIAS
2. NOBRES E PLEBEUS
3. ABALXO A BASTILHA
4. MATIIES O JANGADA
5." VIVA A FRANCA
A peca termina com o hvmno Francez a
MARSELHEZA
A empresa variando os seus espectculos como tem feito, espora continuar a
merecer a coadjuvacSo do publico.
O espectculo cometa as 8 1| em ponto
Brevemente chegarao as actnzes de opereta
D. BEATRIZ ROSALA E D. JOSEPHINA FERRAZ
A ensaiar a peca de SARDOU
Os Dminos Cor de Rosa
m i m
Pede-se aos Senho-
consummidores
que queiram faze
qualquer commtinica-
o ou reclamac,o, se-
jaesta feitano escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n,
29, onde tambem se re-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores HTm i lio Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Mano el Antonio
da Si]ta Oliveira, e
quando forj preciso o
Sr. Alfred Best Tug-
man em substituido
ao Sr. Antonio Martns
Carvalho que se acha
temporariamente na
Europa.
Todos os recibos
desta empreza devero
ser passado em tales
carimbados e firmados
I pelo gerente, semo que
nao tero valor algum.
George Windsor,
Gerente
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Congo
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
sul no dia 2 de Agosto
seguindo depois dademo
ra do eos ume para Lor-
deaux, tocando i'in
Dakar e l,8sIoa
IiABbra-st aos S'. pnssagcircs de iodas as
* que ha lugares reservados para esta
a, que porteril tomar em qualquer lempo
Fag-se abaninento de 15 0|0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoa ao menos c que
'pagarem 4 passagens inteiras.
Por excepeo, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gczam tambem deste
abat mente.
Os vales postaes s se do at o dia 31 deJulho
pagos de contado.
E*te paqaete
elctrica.
(Iluminado & luz
Para carga, passagens, encomrnendas
aheiro a rete : trata-se eom o
AGENTE
AugusteLabille
9 Ra do Commercio i
e di-
O procurador dos feitos interino
da fazenda provincial, tendo recebido do
'beso-uro a relacao abaixo transcripta dos
devedores do imposto da decima das fre-
^uezias do Poco da Panclla, Varsea e Btb
ourenco do exercicio de 1886 1**7
nelusive o 3. semestre que deixaram de
oagar no tempo competente, declara ao:;
nesmos devedores que lhes lica marcado O
ptaM de .**0 das a contar da pnbl cacao
lo presente edital, para dentro dellc pa-
jjarem a importancia de seus debites com
.juia da seccSo do contencioso, certoa de
que nndo aquelle praso ser feitaaeobran-
ja judicialmente.
Kecife, -1 de Junho de 1889.
Pedro Jos de Oliveira Pernambuco.
Kelacao dos devedores da decima da fre-
guezia do Poco da Panella do exercicio
de 86 a 87 inclusive o 3." semestre que
deixaram de pagar no tempo compe-
tente.
Estrada de Sant Auna n. 1.
C Rogaciana Accioly Rosa
General Abreu Lima n. 2. A
Sabino Bruno do Rosario
Parnameirim n. 2. Sebastiao
Estrada do Arraial n. 10. Se-
bastiao Correia de Albu-
30119
81909
<-.10099
querque
iJecco do Arraial n. 4. O mes-
mo
Dita n. 6. O mesmo
Dita n. 1. A Senhorinha Igna-
eia de Freitas
estrada do Chacn n. 8. Sil-
veri o
SantAnna de dentro n. 10.
Simao de Azevedo Campos
(padre)
Dita n. 12. O mesmo
Estrada do Acude n. 1. Sym-
phronio Olympio de Que-
roga
Ufca do Ratos n. 7. A Tlieo-
tonio Ferreira da Silva
(tala n. 1. B Thereza|Ferre.
ra da Silva
Dita n. 1. O Tiburcio
Estrada de Sant'Anna n. 12.
Thom Rodrigues da Cu-
nha
Dita n. 14. O mesmo
Casa Forte n. 25. Victoriana
Mara do Carmo
Dita n. 27. A mesma
.Estrada do Brcjo n. 'J'. Zele-
rina Ermelina da Costa
Bcanamento n. 30. B Zefe-
rina Mara Bandeira
29*18
9299
90290
3*11<
Seccao do Contencioso 28 de Maio de
1889.
O.- oficial.
Manoel do Nascimento Silva Batios
Reiaeo dos devedores da decima da fre-
guezia da Varzea do exercicio de 1886
a 1887 inclusive o 3.* semestre que
(ieixaram de pagar.
S. Francisco de Paulo n. 18.
Albino da Silva Leal 620007
itacao n. 7. Andre Vital A1-
. yes 180599
lita n. 9 O mesmo 180509
Estrada Nova n. 125. Antoaio
Alves Monteiro lH#6>9
ta n. 129. O mesmo 370199
% Francisco de Paulo n. 10.
Antonio Bernardo Quinteiro 460499
Kstrada Nova n. 176. Antonio
Francisco dos Prazeres 230249
estrada de Ambole n. 32. An-
tonio Joaquim Correia L.
^'anderley
Dita n. 3. Antonio Lucio da
Costa
Travcssa da Ra do Sol n. 6.
Antonio Machado Gomes da
Silva
Estrada do Barbalho n. 2. An-
tonio Pedro Cavalcante de
Albuquerque
Estrada Nova n. 194. A Anto-
nio Pinto de LeSo
Estrada das Barreiras n 17.
Azevedo Braga &'C.
Larangeira n. 4. Bernardo
Francisco Ramos
Dita n. 8. Bibiana Martinana
da ConccicSo
Estrada do Cemlterio n. 10.
<. andino Rodrigues Campello
Estrada do Ambole n. 22. pa-
dre Damasio d'AssumpeSo
Peres
Estrada Nova n. 188. Domin-
gos Carneiro da Cunlia
S. JoSo n. 13. A Domingos
Pereira da Silva
Dita n. 11. O mesmo .
Dita n. 13. O mesmo
Estrada Nova n. 1!>0\ Duarte
1 Jorges da Silva
Estrada dos Barreiros n. 39.
EstevSo Jos Ferreira
Dita n. 41. O mesmo
Dita n. 37. O mesmo
Estrada Nova n. 109. A Fe-
14A879LliPPe Ne,7 Rodrigue
i4K5 i Dita n. 119. A O mesmo
2203181 ta "' 11!>' ^ mesmo
o2; o i s. j Dita n. 127. Francisca There-
za dos Passos
123. Francisco Anto-
Couto
123. A O mesmo
Dita n. 123. B O mesmo
Travessa da Matriz n. 4.
Francisco Bezerra
Ilha n.*^ B. Francisco Goncal-
ves Torres
Estacao n. 1. O mesmo
Dita n. 3. O mesmo
Dita n. 5. O mesmo
Malhada n. 2. q mesmo
Dita n. 4. O mesmo
Dita n. 1. O mesmo
Dita n. 3. O mesmo
Dita n. 5. O mesmo
Caxang n. 14. O mesmo
Ilha n. 1. Francisco de Paula
Correia 4e Araujo
Dita n. 3 B. O mesmo
Dita n. 7. O mesmo
Dita n. 9. O mesmo
Dita n. 11. O mesmo
Estrada Nova n. 1$2. Francis-
co Pinto de L;ao
Barreiran. 7. Francisco Pinto
Pessoa
Cemiterio n. 1 Francisco
Primo do Couto
S5o Francisco de Paula n. 34.
Francisco Xavier Carneiro
da Costa Miranda
Sol n. 9. Galdino Ferreira da
Silva
Dita n. 11. O mesmo
Dita n. 13. O mesmo
Silo Francisco de Paula n. 2tS.
Henrique Stepple
IDita n.
DfS-
3074S
110159
00209
300909
230249
161788
180599
180599
140879
44991-
7)439
100398
60239
90358
180599
110159
230249
90299
100398
90299
30743
70439
130239
220318
140879
140879
140879
140879
110159
110159
180599
140879
180599
180599
130599
180599
70439
220318
220318
290759
1080498
460499
460499
610999
290759
37*0199
460499
130018
130018
130018
220318
30743
460499
902!'O
90290
90299
90299
300999
United States and Brazil
M. S. S. C.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos do
norte at o dia 28 de Julho
o qua! depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Para passagens carga, encomrnendas e di-
aheiro a frete,trata-se : com os AGENTES.
Ovapor Aianca
E' esperado dos portos >io
sui at o dia z1.' de Julho
o qual depois da demo-
ra necessaria seguir
para o
aranho. Para, Barbados, 9.
Thonaz e New-York
Para carga, passagens, encomrnendas e di-
aheiro a irete trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
l8 andar
MARTIMOS
Pacific Sleam Navig;ation
Company
STRAITS OF M AGELI4N XINJi
O paquete Aconcagua
Espera-se da Europa at o dia
28 de Julho e seguir depois
da demora do costume para Val-
'paraiso por
Baha, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
aheiro a frete: trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons & ., Limited
14RUADO COMMERCIO14
Companhia Brasileira de
Navegado Vapor
PORTOS DO SUL
Ovapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do norte at
o dia 36' de Julho {e depois da de-
mora indispensavcl seguir para os
portos do sul.
As encomrnendas sero recebidas no trapiche
Jarbosa at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante (.'arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do sai at o
dia 27 de Julho e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Manos.
As encommendas s sero recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
lo andar
Companhia Bahiana de Na-
vegaeao a Vapor
Macei, Villa-Nova, Pencdo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O vapor Sergipe
Cemmandantc Rebello
E' esperado dos portos cima
at o dia 26 do correnle, e de1
pois da demora necessaria re-
gressar para os meamos
Para carga, passagens, encommendas e inhei-
ro a frete trata-se com o
AGENTE -
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do/VigaAo- 17 *
180599
(Contina).
Roy al Mail Steam Packet
Companhy
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
Espera-se da Europa at o dia 31 de
Julho, seguiudo depois da demo-
ra do costume para
Bahia. Rio de Janeiro Montevi-
deo e Bnenos-Ayres
Para passagens, fretcae cncommenda s trata-
se com ds AGENTES.
CHARGERS REUNS
CtimpanblR Francesa
DE
NavegacSo a vapor
uinha regnlar entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, Ro de Janeiro e
Santos.
' O VAPOR
Ville de Buenos-Ayres
Commandante Le Bourhis
E'esperado da Europa at o dia 2o
de Julho, seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se ao3 Srs. importadores de carga peles
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 das a contar do da descarga das al varengas
qualquer reclamacao concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul atim de se ppdet dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
i-esponsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o '
AGENTE
Aaguste Labille
9RA DO COMMERCIO9
IMPORTANTE
LEILO
WATAL
Com a presenca do respec-
tivo cnsul e mais interessa-
dos, sero brevemente ven-
didos no edificio da Alfan-
dega, em Natal, os salvados
da barca Mary A. Green-
wood, naufragada na cos-
ta dessa provincia, constan-
tes de kerozene, ferragens e
outros arligos, procedentes
dos Estados-Unidos.
O leilapprincipiar no dia
25 do correte e continuar
al que sejam arrematados
todos os salvados.
J. H*. Tucker,
CijiIIo de Mary A. temvood
Leilo
De fazendas
l'onilando:
De 2 caixas ns. 8008 e 8069 com 52 duzias de
camisas de algodo, 2 caixas ns. 8070 e 8071 com
52 duzias de camisas de algodio, caixa n. 8072
com 33 duzias de camisas de algodo, caixa
n. 8073 com meia dnzia de camisas de algodo e
30 duzias de gravata3 para honiem, caixas
n. 687 com 36 pecas de fustao, 100 kilo? de le-
cidos de alsodo c :'5 kilos de cainbraia, caixa
n. 704 com 39 duzias de meias de algodao com-
pridas e 26 duzias da ditas de ditas, caixa
n. 1140 com 43 duzias de meias compndas de
algodo e 76 duzias de ditas, caixa n. 1141 com
180 duzias de meias curtas de algodo e 24 du-
zias de ditas de ditas de fio de escossia, caixa
n. 1132 com cortes de casimira de la para cal-
cas a. 691 com 48 pecas de merino de'la, caixa
11. 1155 com 36 pecas de merino de l e parte da
caixa n. 217 com 17 pegas de casemira de l.
*e\ A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda n. 5
0 agente Gusmo auteri-ado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio e a
requerimento do Dr. curador fiscal da massa fal-
lida de D. P. Wild & C. far leilo com assis-
tencia do mesmo juiz, das fazendas cima men-
cionadas, as quaes sero vendidas em lotes a
vontade dos Srs. comradores.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se o sobrado a. 46 ra da Roda
com bos commodos e muito fresco, bem como
os dous pavimentos terreos ; quem os pretende?
dirija-s. ra do Cabug n. 16, loja da Ventu-
rosa.
Aluga-se urna casa no Monteiro, mui'
fresca por ter janellas para o rio ;. a tratar no
caes da Companhia Pernambucana n. 6, escrip
torie de Bastos t C.
Aluga se ou vende-se urna casa com gran-
des c bons commodos, ra Gervasio Pires g.
95 ; a tratar na mesma casa.
Na ra velha de Santa Rita 11. 89, precisa
se de urna ama para comprar, cosinbar e mais
servicos domsticos de casa de pequea fami-
lia.
Oflerecc-se urna engommadeira para casa
depouca familia; na ra da Imperatriz n.
primeiro -andar.
Alaga-se o 1 andar do sobrado n. 12 ru
de Marcilo Dias, antiga Direita, para pequea
familia; a tratar no2- andar somente.
Vende-se nm sitio no Peres, perto da esta-
cao, com boa casa de lijlo, tendo de frente 450
palmos e de fundo 600, cacimba de boa agua -.-
todo arborisado ; a tratar no caes do Ramos nu-
mero 28.
Carro americano
Vende-se por pr'co mdico um lindo carro
americano, quasi novo, com 4 rodas e 4 asser -
tos, (om arreios para um cavado, podendo ser-
vir tambera para dous, muito proprio para me-
dico e,para familia, no genero Ulvez o melho;-
desta cidade : a tratar na coebeira de Sr. Ma-
noel Martins caes de Capibanbe n. 8.
Explendido sortimento
de chapelinas e chapeos para senhoras.
Capotas para enancas.
Gorros, para enancas.
Chapeos de manilha
e chapeos para enancas.
HECEBEU
O Pinaud Parisiense
2a8 Praga da Independencia 2aS
sugm
Admimslrfio : PARIZ, 8, Bouhvird Montmartrt.
Leili
lao
fteita-feira, 2tt do corrate
A's 11 horas
Na ma de Hortas n. 8\ *
Oagente Modesto Baptit-ta autorisado pelaSra.
D. Francelina de Gusmo que se retira para o
sul do Imperio, far leilo de urna mobilla de
junco, encost de palha, i cama, 1 toilet, 1 com-
moda, 1 mesa de jantar, 2 apparadores, 2 mar-
quezes, eadeiras avulsas, lavatorios, cabides,
camas de ferro, jarros, candieiros, etageres, qua-
dros, louca, vidros e outros artigos de casa de
familia.
LEILOES
Leilo
De 4 excedentes vaccas tourinas com crias da
meihor qualidade que se pode desejar, 2 impor-
tantes cavallos de corridas. 1 excedente cavado
de sella, 1 dito de dito sellado e enfreiado, bom
andador de toda altura.
Quinta-fei-a 5 do correnle
A's 11 horas
No largo da ra do Commercio,
, Lingueta
POR LNTERVENCO DO AGENTE
Gusmo
Agente Silveira
2 leilo
Da mei'agua sita ra da Canquista n. 1
freguezia da Boa-Vista (terreno pro-
prio).
Kexta-feira, Vtt do correnle
A's 11 horas
Effectuado no momo predio
0 agente-Silveira, por mandado c com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de ausentes a re-
querimento do sr. curador geral de ausentes, le-
var a leilo a referida mei'agua, espolio de Ma-
noel Correia do Nssciment, com dus portas de
frente, 1 salo dividido, i porto ao lado, com
grande quintal e diversas fructeiras.
Os Srs. pretendentes, podem examinar e a cha-
ve pode ser procurada na casa n. 3 a mesma
ra.
HOPITAL. AHetSM das va: dKCMhrai, Ineomroo-
do Jo estomago. Oigeslo diflicil, lna;>petencia.
Gastralgias, Djrtpopt.
OLCUilMH ASetcBi .lis ros, ila beiit, Kreiis,
Cuncri-fcs .las uuriius.tiols, Diabetes, Albuminuria.
HATERIVE.- Aireoo.Vdo txincrecoesdasourinas,(Jota.labeVi, AlbumiBnria.
EM-SE 0 ROS ia FOSTE H CAPSULA
Km PcrnimhuM. as Agua d> Fonies do Vichy,
cima romeadas, a<-ho-s< eis casas de k
SULZER de KOECHLIN, fe ra d Cru;; Aag. tABIUX.
LINIMENTO SNEAU
Para SDPPBISS10
Ido FOSO
e aa
QUEDA
do PELLO
A cura fax-se com c iiic
USCJL
l'ABKCk
SBSTIT3L
o FOGl
s
Mu as tan
ArPUCACES
em 8 linutos.
sera dor e seui corlar, ne..i raspar o pello.
! PbannGNEAu3;.^oaStHonor4,PARIS
: KM TODAS M0 l>.4ARMACI*S
de
Leilo
7 caixas com miudezas e
antiga
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
E' esperado do sul no dia i de
Agosto, seguindo depois da demora
'necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reduocao de passagens
Ida lia e volta
k' Lisboa l classe t M 30
A' Southampton classe t 28 t 43
Camarotes reservados para os passageiros de^
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
ALmorJm Irmos & C
N. 3Ra do Boto JessN. 3
Agente Pestaa
Leilo
De ouro, prata, movis, loucas, vidroa i
muitos objectos pertencentes ao espolio
do finado commendador Domingos Alves
Matheus.
lulata-fcira. do corrate
A's 11 horas em ponto
Na casa de sua reidencia sita a ra do
Paysand n.*4 I), no Chora Menino
0 agente Pestaa far leilo por mandado e
assistencia do Exm. Sr. Dr. juiz de orphaos, das
joias de ouro e prata, movis, lougas e vidros
pertencentes ao espolio do linado commendador
Domingos Alves Matheus no dia c hora cima
mencionados.
instrumentos de msica
Sabbado 8 9 dr miho
A's 11 horas
Iua Nova n. 14, armazem
0 agente Stepple, por mandado do Exm. Sr.
Dr. juiz de direito especial do commercio, a re-
querimento do Dr. curador 6scal da massa falli-
da de Emilio Roberto, levar a leilo os volu-
mes seguinles:
Urna caixa marca E R e R em baixo n. 3il( com
brinquedos para crianca.
Urna dita marca EReBTiCem baixo n. 807
com perfumara e objectos do porcelana.
Urna dita marca E It n. litjfleoai ntremelos bor-
dados.
Urna dita marca EReBT&C em baixo n.
803 com apparelhos de loara para jantar.
Urna dita marca A L e E Reta baixo n. 1S26
com instrumentos, como sejam: clarinetos,
tambores, pratos. rabecas. palbetas e flautas.
Urna dita marca HReBT&Cern baixo n. 809
com agua flor de laranja.
Urna dita idem idem n. 808 copos e mais objec-
tos de servico de mesa.
Hara Hanoolla t\ anderley
O tenente-coronel Francisco da Rocha Wan-'
derley Lins convida aos seus prenos e amigos
para assistirem algumas niissas que por alma
de sua sempre chorada esposa Hara Manoella
Wanderley, manda celebrar na matriz da Boa
Vista, pelas 8 horas da manh do dia 2o do cor-
rente, 1- auniversario de eu fallecimento, pro-
testando desde j eterno reconhecimento por
este acto de reigio e caridade.
t
IMiiloiiM nu Amelia don Rels
Esmeralda Amelia dos Res c Hara das Mer-
cs dos Reis agradecem do intimo d'alma a to-
das as pessoas que se dignaram acompanhar at
o cemiterio publico os restos mortaes de sua
prezada mi Philomena Amelia dos Res ; e de
novo convidam a todos os prenles e amigos
para assistirem as missas de stimo dia que se-
ro celebradas na igreja da Santa Cruz, quinta-
feira 27 do correte, s 7 horas da manh; an-
ticipando desde j o seu profundo reconheci-
mento.
I


Clementina
Agente Pestaa
! o leilSo do espolio do fallecido
commendador Domingos Alves MatheuB
No Chora Menino
Piano de Jacaranda, raobilia de dito com pe-
dra, dita estufada, dita de faia, guarda roupa,
guarda vestido, commodas de Jacaranda, camas
de ditos, guarda comidas, lanternas, jarros, ta-
petes, eadeiras de junco, aparadores, mesa els-
tica, toncas, vidros, talheres, colheres, bandejas*
trem de cosinha e muitos outros objectos que se-
rojveudidos porjmandadoje assisiencia do Exm.
'Sr. Dr. ji
Agente Burlamaqui
Leilo
Segunda-felra 89 do corrate
A's 11 horas
De um bom predio i ra da Aurora n. 9
O agente cima, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de orphos, vender em
leilo pelo maior prego que poder obter, o so-
brado na da Aurora n. 9, de dous andares e
soto em terreno foreiro, pertebeente ao menor
Augusto Harinck Honteiro de Andrade e ou-
tros.
Os Srs. pretendentes podem examinar o refe-
rido sobrado.
Amalia Ferreira de
Faria
Joo da Silva faria e sua mlHier, Carlos da
Silva Faria e surfmulher, Antonio Ferreira de
Faria e Lindolpbo da-Silva Faria convidam aos
seus prenles e amigos para E5istrem as mia-
sas que mandam rezar na igreja matriz da Boa
Vista, sexta-feira 26 do corrente. s 8 horas da
manh, por alma de sua cara mai e sogra, Cle-
mentina Amalia Ferreira de Faria, trigsimo dia
de seu passamento; antecipam desde j os sin-
ceros agradecimentos e eterna gratiao por esse
acto de relieio e caridade.
t
t
Leilo
B
urgos
Da casa terrea n. 15, ra dos
freguezia do Recife
Terca-felra SO do corrente
A'S 11 HORAS
No armazem ra do Imperador
n. 3
0 agente Stepple, por
do Exm. Sr. Dr. juiz de dir
baos
iuiz B.i^
Isabel
Honorina Bandeir* da
Csaha
Augusto Cesar da Cunha, trespassado do
mais doloroso sentirrentoipela morle de sua que-
rida e adorada bina Isabel- Honorina Bandeira
da Cunha, convida a seus parentes e amigos a
assistirem as missas que manda rezar na igrja
da CooceicSo dos Milita i horas da
manh do dia 26 do correnle, e desde j se con-
fessa eternamente grato.
liarla Boaa deaeirosMirro
iroi
t JltlJ Jcl II, U1



i

Bernardo Jos Correia
2.* anmversario
Maria Eugenia Correia (ausente). seus Albos e
mais familia (presentes) convidam a todos es
seus parentes e amigos para assistirem as mis-
sas que por alma do seu sempre lembrado es-
poso, pai, genro e cunhi.do, Bernardo Jos Cor-
reia, mandam rezar na ordem terceiradeS.
Francisco, s 7 1/2 horas da manh de tabeado
27 do corrente, e ralos se conftssam a todos
aquelles que assistirem a este acto de ca.'idadt

I 1!


*
II
1
I
I
GRANDE LIQTJIDAQAO
Na Loja das Estrellas
86Ri Dqie de Cxs-H
Telephone n. 1
Egte bem conhecido estabelecimento acaba
de passar por uina grande reforma,
sende ligado interiormente com a
casa contigua do n. 58 no intuito
de serem despachados todos os seus
freguezes com mxima brevidade
poeeivel, resolveu fazer grande 11-
quida^o di lodos os saldos que
ticaram d; balanco, por menos
50 r. do seu valor, cujos artigos
passimos a demonstrar:
Artigos de le
Esguiao, peca, a 3)5500.
Madapolo com um metro de largura de
14$ por 7*000.
dem dem americano de 8(5 por 5)5000.
AlgodSo marca T, especial, muito largo,
de 7,5 por 5,5000.
Bramantes, pesas, por 7,5000.
Atoalhados, lindos desenhos, duas largu-
ras, alie 10200 o metro.
Guardanapos de 4$ por 20000 a duzia.
Estopa de linho para bordr a 500 o me-
tro.
Bramantes de linbo com 11 palmos de
largura a 1*500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a 1*,
e 1*200 a duzia.
Toalhas de rusti, qualidade superio r,a
3* e 45000 a duzia.
Cretones para coberta a 240 rs.
Colchas acolchoadas, brancas e de cores a
2,7000.
Lentes de bramantes a 2*000.
Chales^escocezes a 1*000.
E ouros muitos artigos que deixam de
ser mencionados e que se vendem coro
igual abatimento
Tecldos de alta novldade
PARA VESTIDOS DE SENHORAS
Linhos pardos para {vestidos a 300 e 320
Sedas com quadros e listras de 1*800 por
800 rs.
Setins de seda, todas as cores, de. ...
1*200 por 500 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cores,J de 500 por
240 rs.
' Tuaile de Vicby, de 240 por 160 e 80 rs.
Nonsuks, desenhos novos de 240 por
120 rs.
Cretones claros e escuros com lindissimoe
desenhos de 440 por 240 rs. 1.800
PEQAS!
Merinos de quadros, grande variedade de
padrSes, de 500 por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Fustoes de cor, de quadros e outros dse
nhos muito lindos, de 500 por 160 rs
Sedas Felippinas, de 500 por 200 rs.
E muitoe outros tecidos para vestido,
em algodao, linho, la c sedas .'que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 [t.
ConfeeeSo
Vestidos feitos de Casemira ricamente
bordados de 80* por 25* e 30*.
Ditos para armar de 6*, 8* e 10*.
Ditos brancos bordados em cartao, alta no-
vidade a 8* e 10*.
Guarnieres de colariuhos e punhos par
senhora por 1* e 1*200.
Capotas (preparadas na corte) de 20* por
9* e 10*
Gollinhas e punhos para menino de 3 a
8 annos.
Vestuarios e roupinhas para enancas, por
5*, 6*, 8* e 10*, e Jersey, casemira e
de brim.
Saias bordadas a 2* e 3*.
Enxovaes para baptisado com collares ele
trieos por 5*.
Luvas de seda meio b-aeo e qualquer ta-
manho a 1*500 o par.
dem idem de Escocia a 1* e 1*500.
Sobretudos impermeaveis de borracha d
70* e 80*, por 30* e 40*.
Capas e pellerinas de cachemiras ottoma-
na ricamente enfeitadas de vidnlhos a
25* e 30*.
dem idem de renda, seda, damasco e
gurgurao, tanto para phantasia come
para commodidade a 38* e 40*.
Velludos de seda e algodao de militas cu
res.
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda, algo
dio e linho, com um metro de largura.
Setins Maco de todas as cores a 750 e
800 rs.
E muitos outros artigos de confeccSes
como sejam mantilletes de blonda, sabidas
de bailes, leques transparentes e de phan
tasia, e outros muitos mais, que se ven-
dem com o mesmo abatimento de 50
Para honaens
Casimiras inglezas com duas larguras, de
3*500 por 1*200.
Ditas cor de caf azul, de 2*500 por
800 rs.
Cortes de seda paracollete, de 12*000 por
3*000 e 3*500.
Ditos de velludo e fusto a 1* 1*200.
Meias inglezas com fo de seda, de 12*
por 6*000 a duzia.
Paletots, de 7* por 4*000.
Camisas com um pequeo toque de mofe
a 1*600 urna.
Collarinhos, modelo moderno, a 5*000 a
duzia.
Camisas inglezas com collarinhos e pu-
nhos, sem collarinhos e sera punhos a
36*000 a duzia.
Brins pardos de linho a 240, 280, 320.
360 e 400 rs.
Dito branco de linho n. 6 a 1*200 a vara.
Lindos'cortes de casimira inglesa, de 6*
8*, 10* e 12* a 4*, 6*, 8* e 10*000.
Sobretudos impermeaveis de borracha, par
ho'mens, de 70* e 80* por 30* e 40*.
Ceroulas francezas, de 38* por 24*00'
a. duzia.
Paletots de seda, completos de feitos d
casemira, malas para viagem, e boleas e
tapete e um completo e variaaissimo sor-
timento de cheviots, casimiras francezas,
inglezas, pretas e de cores de padroes in-
tegramente novos e que se vendem com o
mesmo abatimento de 50 [0 de seu valor
' Retaleos
Aprcveitem a grande quantidade e,
pelos precoa, em sedas pretas e de cores.
B. o
8-i
p g-i
Aviso
Ob abaixo aesignados obrigam-se do dia
1." de AgoBto de 1889 por diante a ob-
servar restrictamente pela forma abaixo
determinada a execucao do convenio exis-
tente entre os compradores de algodao
com relaeSo a tara que excede aos 5 er
do costume.
1." nao permittirao proceder-se a ins-
peccSo de algodao em quanto nao se
acharem reduzdos os sipos de cada sacca.
78 sipos sendo finos
com d( 6 c regulares
B p0B)5 i t regalares entrancados
?' 4 grossos
3 groasos entrancdos
exigindo dos vendedores que facam os ar-
mazenarios e prnsanos remetientes cor-
tar os sipos excedentes, substituiudo-os
por cordas brancas fortes ou pelo que lhes
equivalha, tanto quanto o exigir a boa
conservacao da sacca.
2. descontante qualquer excesso de 5 0r
da tara que ainda assim ficar depois des-
sa reducc&o de sipos por sere-m de dema-
siado peso os restantes como se pode dar
com sipos verdes etc. etc. Entra no cal-
culo da tara de 5 0i0, o peso da capa na
razio de lj2 kilo pelo menos por cada
sacca e o peso das crostss de Jama, algo-
dao deteriorado, ara, etc, pelo que me-
recer
Pernambuco 18 de Julho de 1889.
Pp. John IJ.. Boxwell
Arthur L. G. Williams.
l'x>. Pohlmarl & C.
W. Gildemeister.
Pereira Carneiro d C.
Browns & C.
Baltar Oliveira & C.
Johnston Pater & C.
Pp. Fernandos da Costa & C.
Joao da Silva Ferreira.
Pp. Blackburn Needham & C.
Julius von Lohsten.
Borstelmann & C.
Theod. Christiansen.
Aug. Labille.
H. Burle & C.
Amorim Irraaos & C.
Prente Vianna & O.
Rodrigues Lima & C.
Diario de Prnambv
GRANDE NOVD
immiL S UTX1ZSABS
48-
-RA BARO DA VICTORIA-48
venhan ver para crer
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
Excede todas as ontraa pelo sea
perfume exquisito.
LOQAO de QUDIllO de ATKIHSOK
em ritml por fortalec e embeleJar
os cabello*.
Garantida iiioHensiTa.
AG?A FLORIDA DE ATKINSON
pH funis oepoional para o lenco; dia-
tillado da mai* exqnWta c*<
Eitconlrt-it em C*:* iafr-
cianfa CflRflP*
J. E. AYKlK^Ofi
24, Od Bond Stacoi, LcndrjO
lUrra .; Fnbrlm u"t*e'' R.i branca**
svbrv ama" i.)'U;n"
i endCTK-> na teLilUada.
Sement de carrapato
Compra-3e em grandes o pequeas quantida-
des ; na fabrica de leos vigetaes na da Au-
rora n. 16.
IMPORTANTE
REDUCCODEPRECOS
21-IiUA DO CRESPO-21
OMVEBA CAMPOS & ft *><* t
veniente um sortimento e artigos novos de alta no vidade, resolvern
fazer urna grande reduccao nos precos dos artigos abaixo menciona-
dos, para os quaes chamam a attenco das suas Exmas. freg-uezas.
a "bros ravestido padrees modernos a 160 rs. o covado. Mantas hespanholas, de seda preta 3|$000 urna.


Criado
Cretones francezes, cores claras, a 260 rs. o dito.
Merinos de c6res, duas larguras, a 500 rs. o dito.
DHos de euros, lavrados, de 250O0 a 1(5000 o dito.
Lis de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 rs. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito.
Fustao branco de 400 e 500 rs. o dito.
Marsolina branca para casacos a 500 rs. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 rs. o dito. *
Ditos de Kstas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Etamines arrendados, de c6res, de 800 a 500 rs. o dito.
Flor de Italia em quadrinhos, a 500 rs. de 900 rs.
Mursolinfce de edr, de listas, a.400 rs. o dito.
Cortes de carabraia bordados transparente e tapado, d 15)5000
e 200000 por 96000 e 120000 cada um.
Lmao, padr3es em quadros, a 440 rs. o covado.
Nanzukes padrSes mimosas^ de 280 rs-. o dito.
Percales miudinh se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 26000 a 1*5000 o covado.
Setim'Maco de todas cores, a 900 rs. o dito.
.Brim fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 35000 a pe$a.
preta
melhor,
de 46000, 5600, 60OO8>

Precisase de um criado de 16 19 annos de
idade : na ra Imperial n. 17.
fi"Ol
i, ls,
tas, madapc
A's maes de familias
QUEKKIS VOSSOS FILHOS 8EMPBE SADIOS V
Administrae-lhet o xarope ou a
Pillas Vermipurgativas
DO DR CALASAIVS
ptimas preparages de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsa completa, sen-
deres nem incommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(DA8 CREAN9A8 E DOS ADULTOS)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
t Estas excellentes preparacSes nao ne
cessitam de purgativos como aux iliaret
visto serem purgativas por si mesmas.
As pe8soas que tm vermes sentem c-
licas, tem constantemente diarrhas, indis
posicJLo, sensaoao de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
s veses, vmitos. Rangem os dentee, qnan
do dormem, algumas e pessoas expellem
vermes com as fezes ou com as materia*
dos vmitos. As criancas apresentam at
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome do
DR. CALASANS e sao cSr de rosa.
1 caixa de pilulas 10200
1 vidro de varope 10200
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
Atteneao
O grande e importante estabelecimento de
Pocas Mendes A C, sito na estreita do Rosa-
rio n. 9, contiguo a igreja, acaba de receber
urna grande remessa do acreditado e cpecial
Vinho Maduro
0 nico que, sem a mnima confeccSo, im-
portado nesie mercaoo. e s se vende no referi-
do # esubelecimento. Este precioso nctar se
torna cada ves mais procurado aqu. Querera
saber porque ? Vejam : o vinho Maduro sendo
como', feito nicamente da uva madura, tem
as seguintes vantagens que as outras qualidades
de vinho nao tem ; facilita sem a menor pertur
baco as digestes do estox^go, anda mesmo
o mais enfraquecido, dando-lhe vigor, pois nutre
aolhes vistos as pessoas debilitadas, e da forgas
s que as liver arruinadas pelo uso de bebidas
viciadas.
Recebemos tambera
Requeijao
em latas, de procedencia de engenhos, cujos
propri.'tarios capricham em l>em trabilhar neste
artigo, afim de terem a primaria sobre tantos
outros similares, cuja composigao duvidosa.
Em outros artigos como sementes de hortaliza
e flores, lingua seceos do Ro Grande, objectos de
time $ tantlicos do Porto para homens e senho-
ras, para isto to pouco temos competidor. A
aossa casa 6 e&pecialistu, e as pessoas que disto
se queiram certificar podera comparecer, com
o que muito nos honrarao. Aps urna inftni-
dade de artlgos de primeira ordem, que acham-
se em exposico, acresce a amenidade do trato
com que timbramos tratar todos os que nos
honrara com a soa presenca, junto a modicidade
de preros sera rival. (
ha Po^as Mendes & C.
Ao
commercio
Vndese um bom hotebinho ra do Brum
n. 38 A, defronte estaco dosbonds, bem afre-
guezado, tendo 9 quartos, todss alagados, o mo-
tivo da venda o dono estar doente e ouer reti-
rar-se para fra ; a tntar na ra Visconde de
Pelotas n. 37, ou com o proprietario no mesmo.
Para os festivaes
A' ra da soledade n. 6, proparam-se,
com limpesa, raestria e commodidade em
prego: bolo, pao-de-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides de doces d'ovos, vatap,
bandeijas para casamentos e baptisados, etc.
Recebem-se as encomniundas quer para a
cidade, quer para foi-a d'ella.
Caixeiro
Preeisa-se de um caixeiro cora pratica de mo-
Ihados ; na ra do Rangel a. 63.
CAPSULAS de GRIMALT k C
MATIOO
InrmlK mU Jim Btl 1
IjftMi HkUu i Irnll
eam o Mit U Ctfti*
Remedio uaui*l pw enn
mmtmbmou
eauoago, naos
pusnaaett.
Ph- ohiiow o, s. ras I
hespanhols
Espartilhos, o que ha de
70000 um.
Fichs de cor arrendados, de 10000 um.
Capin hs hespanholas de cor a 20000 urna.
Fichas de seda, muito lindos, a 30000 um.
Sargeli m diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 30000 e 4000 o jwf-
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 20000 a 30000 hc
Lences de linho do Porto, a 40000 um.
Ditos grandes para cama franceza, a 60000 um.
Colchas de cor, de 2|000 a 50000 urna.
Fichs, sortimento completo* de 20000 a 66000 um. .
Lengos de linho com barrinha a 20000 urna duzia.
Camisas francezas, de 240000 e 360000 a duzia.
Meias cras para homen, de 40000, 50000 e 60000 a duzia,.-
Ditas^brancas cras e de cores para senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para criangas.
Chambres de crctone, de 50000 e 60000 um.
Cortes de casemira de cor, de 60000 a 80000 um.
Cortes de fusto para collete, de 10000, 10500 e 20000 ce:
Camisas inglesas de franella, la pura, a 56000 urna.
Alm de outros artigos que deixamps de mencionar.
i

Ni
o Crespo21
CHANOS
il^fPs
Cavallo roubado
0 abaixo assignado pede a todra as autorida
des pociaes a apprenensSo de um cavallo que
Ibe foi roubado da casa de sua residencia, sita
na Capunga, travessa do Porto do Lasserre, na
noite de 19 do corrente, tendo os seguintes sig-
naes : cor alasao escuro, de bom tamacho e bo-
nita figura, crinas e cauda da mesma edr, 00
esquerdo calgado de branco at o meio da ca-
ncha, e um P na nadega esquerda, quasi junio a
cauda, um pequeo signal branco na testa, boa
cascara escura, nios bem feitas, tendo na car
nella da rano direit e na part- de neutro urna
sobrecanna j mora, inteiro. e bnm andador de
baixo a meio. Gratifica se tambem a qualquer
pessoa que delle der noticias certas.
Joio B. Fox.
Animal encontrado
Acha-se urna mili na ra Baro de S. Roa
n. 37 desde a noite de 8 do correte ; quem fer
seu dono ahi appareca para dar os respectos
signaes e pagar as despesas, afim de recebel-a.
Queijos do Reino novos
a&eoo
Vndese no armazem central ra do Cabuga
numero 11.
Alimento Criangas
Pira remediar a frqueza das criancas, desenvolver
as suas forras e presrvalos tas 4oncas da idade
tenra, os irincipacs Meiiicos do Parts, inemdroa
da Academia Ao Medicina de Parts, receto com
ptimo xito o Tordadciro
Saoabomt ta araba ir DekuigTenler, it Pmrt
Este agradavel alimento.compAsto com substancias
?egetaes nutriliTasefortalcedoras divide-sena eoo-
nomiatuda.e. pelas suas proprlcilades analpticas,
mol hura a coru poslrao do leile das senhoras que ama-
mentio, e acorda as furcas lnguidas do estomago.
51, na liii'iM, P>m. lepuiloa iti Fkaraarui tu Iuvl< uUirt.
Muita atteneao
Na ra de S. Jos n. 56 tem para vender os
afamados viudos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pelo finado Joao do Amaral Ba-
poso, como sejam: vinho de caj de 1.* e 2.*
qualidade, vinho de Abacagy, vinho de janipapo
composto e simples, hesperediua brasileira, la
ranginha cordial, esscncia de limo e cidra e
tres prensas para espremer os fructos, tudo se
vende por baratissimo prego para nquidacSo
Assim como se vende um bom terreno na povoa
cao de N, S. da Boa Viagem por qualqCer prego
Silvia
Grande valsa para piano, composta por Caro
Una da Silva e recentemente publicada ; acha fe
a venda na casa edictora, LIVBABIA FRANCE
A. ra 1,' de Marco n. 9.
Bons resultados
Para provar os bons resultados do Pei-
toral de Cambar, basta apresentar os nu-
merosos attestados de curas firmados por
pessoas dignas de toda f.
AVISO
Os abaixo assisjoados av i-
sam ao respeitavel publico
que o Sr. .Joaquina Correia
Leal nao est mais encarre-
gado das cobranzas particu-
lares do acervo do finado Vis-
conde do Livra ment.
porLivramentok C.
A. Santos, i
Cura-se fcil metol
. As inflammagao do larynge cura
cilmente com aguns frascos do Peit<
CORTE
PREMIO MAIOR
300:0001000
Dividida em tres partes cada uuia das quaes o
premio mnior de
looiooo^ooo
A extracc,ao da 1 .* parle que eslava annunciada para
2 de Agosto corre impreteri velmente
Sabbado, 27 do corrente

a
Populares em FP.4NQA, Ka AMcRIC*,
HESP'NHA, r.o BRAZIL,
ontfs sao soloritatnt OT/a Junfi di Hj'wtt
anaaa >>>>> -i->
IWcieapo Separativa e Se-
coEStitainte (i.'in.lo toda a facilidH.de
para se Mtar s, por prc.o carato, e
se mirar cni pouco lempo.
E-9.1 medica' ao expulsa rapldamcntd
os humores, bilis, humores viscosos vi-
e'ado-Kjue occasionam i'Conscr.amas
molostiae; purillca o sa:i;ue c :uipe4i
as reeoliiilas.
i.i@iiicns
b SEiO!. ruaodos ssgoniJo al*0c. coi?- t,
I vriu ObK.'Cii])ri.::t as J:'jestla (?.
Cronlcm.%.
LAJA
Antigo estabelecimento de ferrag-ens
DE
FEKKEK^ GMRAES & C.
86-Rua Dnque de C\ias--8(i
rane sortimnto fcrferragens, attelaiias,
e muitos orxos artigos a saber:
Cobre em folha.
Ferro sortido.
Cimento Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro e broize
Canos de ferro e chumbo para
, encanamentos de alta pressao
Machinas e vapores
para algodao.
Candieiros elctricos.
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
tonga existencia a carantia mais secura dar os que pro-
curar em hon'raJ-o com a sua confianza.
PPJgflOS SEii CuMFB'x^u
Descontos do costume
Extracto conoootrado dos ZSezad- (-
alo lquidos podeO'l> sui>si.tuii-os, (wr
para as pc&tfMts uve tiverem repu-|
gnancia para os Diir/antes liij nidos.
Sao Intiiv.-ls e.iulra : An.'hnitt,!
Cntnrrho, Otn, HhetimcitiHino,!
Tiiin-tr'K- ll'tim, JPrrria ilo\
tipprtite.t'ebreH, Cono)rnten,3to- >
rutina reritielhitliieH. JrtioHiii"u, etc.
|4CiafflBlHBBIlH
Ph;" COTTIN, (jesro do sr. k Roy
| Ra do Seine, 51, F.\KIS j
DEPOSITO EJI T0D4S 18 PHABSIACI.U
l'f.Ml l.i I
**k+^e***99**9**9*&&*l
# ** *** ***# ** yyfeft*.
'nA
Cambar.


agentes,
j Al. da Silva &
na
das Estre
BMfS
CURA SEGURA lis MOLESTIAS SECRETAS
tiedstht Hedalha de Ovo, Parit, 1885. Diploma de Honra, Pars, 18S6
Tratamento Reconstituinte
ELIXIR X>DCHAMF
COM EXTRACTO
de Figttdo de ltacalhim*
Quina e Cacu
------
Cada frasco d'aste
ElIXIR contam o*
principios depurativos e
tnicos do um litro da clo
da figado da bacalhau a
um litro de vinho do Quina.
Tem sobre o oc b%
> fijado de bacalhau a i
' tagem de accelerar
' func^ee do 6toma_
1 etn lugar de as perturbar,
| e de despertar o epptttk r
Este Medicamento, de sabor e g6io
muito agradaveis, obteve o melhor suc-
icesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSE,
AFFECQES dos BRONCHIOS
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
-----
Depsitgeral em PARS :
DTJOHAJP, 16, ra de Poltott
Em Pernatotmco t
Fpamco m. da SILVA e C.
5OOOSOOOOCOCOOeOf
Ccxn.tr.
FALPITACfiES SFFflCACOBS
PERTURBAOS fia CIRUi
ITERMITTE8CIAS ASTHM*
todos ob lr.coiaipodoB cooslflereos cotao
preludio das
or rnTim do ooraoao
Ct WUM aoofMMa o mmmrttB o
Gf UmnfS WHWUi o tmmrwen eo g
SrsBQlss Antimemesl
' V- -
mX 'ti* "r
e InjecG&o de
KAVA KAVA
DO DOTOR rOWMtft
BLENNORRHAQIA8
8PERMATORRHA8. CY8a.
URTHRITES, CORRIMENT08
Batas enfermidades, recenta on antifas,' curam-M radicalraente em alguns dia,
era aegredo, sm rgimen nem tisanas, e sem cancar nem perturbar os orgSos digestiros.
Bxtjs-sm nobre oada plala, mabn cada aaiJMi, o>r cada rotlo, '
a aaaiffaatora Mmm-tnimmim,
PABIS, 22, Prs da M*delein., 22, PABX8
mi:.'* -- awtiOlAT a
'Ofr'Fr- ::-Cas-Mus. ?i2S|
J: O.
IrritacSo do Peito o da Oo
Contra ess >, a pasta p
XAROPE de NAFC d OEtAaEIE
nossuem urna uBcacia
Ucmbras da Acau
cmilCQiio opio i
nisl-ao-sc
oriancasso' .sc ou 4foM**iK:*aG
Bagado as
juctos na

: iX-

\ !

'A



i
s
I

* .
i
ai




I
'

ario de PernajaibucoQuinta-
25 de Julho de 188S
JUNTO AO LOUVRS
E'ON. 20
Artigos para horneas
Cortes de caserairas, a 7:5, 80 e 10f$.
Camisas allemSes a HGQOO a duzia.
Paletots de alpaca preta a 4i$500.
Regalas de cores a 1)5 e 1500 e 2>000.
Paletots de seda palha a 70500 um.
Ceroulas do bramante a 15)5000 a duzia.
Paletots de alpaca de cores 4)5500.
Camisas de flanella a 4(5500 urna.
Ouardap para boaaem a 60000.
Sobretado de panno piloto.
Meias inglezas a 50U0 a duzia.
Meias tiras da Escocia a 1)5500 o par.
Lencos de nho a 55000 e 6000 a duzia.
Casemira em corte para temos.
Chevioth preto e azul a 4$000 o covado.
Casemia diagonal a 2^000 o dito.
Brim brancu, todos os nmeros.
Brim de nho, de cores, a 1J800 a vara.
Dable capas de panno-
Casemiras pretas e de cures.
- rara viagens.
Costumes para banhoa salgados.
Tecides para vestidos
'Cambraia Victoria a 20800 a peca.
Batiste finas a 240 rs. o covado.
Fastio branco lavrado a 360 rs. o covado.
Setim do Jap2o a 240 rs. o covado.
Cachemira de listras a 10200 o dito.
Xa* Amazonas a 400 rs. o dito. ,
Merinos lisos duas larguras a 440 rs.
Gaaes arrendada a 500 rs. o covado.
Metas de quadro a 300 rs. o dito.
Cretones claros a 240 rs. o dito.
?Beodas hespanholas a 20000 o dito.
Setici Maco a 800 rs. o dito.
Popelina branc a 8C0 e 900 rs. o ditj
Seceta branca lisa e lavrada.
Merinos pretos (baratissimos).
Toile pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Cachemiras lisas a 10200 o covado.
Caites de vestidos em cartSes.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o covado.
Yelbutma preta a 640 rs. o dito.
-Crep preto (inglez) a 20000 o dito.
ARTIGOS DIVERSOS
-Capellas para noivas a 70000 ama.
BaleJas forradas a440 rs. a duzia.
Lavas de seda JWOOO e JjJfcOO.
Bicos preto de seda.
Toalhas para banlio a 10500 urna. -
Cobertores de IZ a 10800 um.
Bioos de core^ a 20000 e 20500 a peca.
Ghiardanapos de linho a 20200 a duzia.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Arcos cobertos a 140 rs. o metro.
Colchas de cores a 10800 urna.
Quarnicao de crochet a 7 000
?asno da Costa a 10000 e 10200 o co-
vado.
Toalhas felpudas a 400; 0 a duzia.
.Leques transparente a 20500 nm.
Extratos, inicos, entrenieios, bordados e pos de arros.
Houpas por medidas
20Ra Primeiro de Marco-
CAMA DR COXFIAA'VA
A. JKLA. tA L
wm&& & Mi-a
DO
ARANHAO
Approvado pelo Exm. Sr. presidente da piovincia
Premios da lotera luteira.
. 300:000)1
. 50:0004
. 12:5000
5:0000. 10.0000
2:5000 15:11000
1:5000 15:0000
2:5000 5:0000
1:5000 3:0000
7500 1:5000
7500 5:75O0
5000 4:5000
2500 2:2500
2500 24:758)1
2500 24:7500
1250 112:5000
1250 112:5000
1 premio de. .
1 < .
1 i c .
2 .
6 f . _
10 t .
2 appr jximacS 2s de
2 i
2 < *
9 Dcz. do 1. pram.
9 c 2.e <
. 9 c i 3.' <
99 2 fin a 1. c
99 c 2.
900 term. 1. <
900 c < 2.* (
2052 premios no valor de
700:0000
Premios da serie
1 premio de.....12:0000
2:0000
1
2
6 <
10
2 approxiaaaces de

9 dez. do 1. prem.
9 c 2.
9 c c 3.
99 2 fin. 1.
2."
900 term. 1."
900 < 2.a
2000
1000
600
1000
600
300
300
200
100
100
100
50
50
5000
4000
6000
6000
2000
1200
600
2700
1800
900
9900
9900
4:5000
4:5000
Colchas de fustao a 30500 um.
Algodao branco a 30200 e 40000 a pega.
Colcha de crochet a 60500 me.
Colete de flanella a 20500 um.
Tapetes grandes a 135000 un.
Alada polo americano a 60000.
FEhs de retroz a 10000 um.
Lences de bramante a 25000 um.
Cobertas de ganga a 30000 urna.
Lencos brancos a 10200 e 10500 a duzia.
Sargcns de cores a 200 rs. o covado.
Brim pardo a 280 rs. o dito.
Espartilhos cornaca a 50000 um.
FnstSo de cor para roupa de enanca a
800 o covado.
Seda palha a 10000 o dito.
2052 premio no jvalor de. 28:0000
Todos os' premios sao pagos integralmente
Esta lotera composta de 10.000 bilhetes a 1000000, dividida em 25 series,
custando o inteiro da serie 40000, subdividido,%ste em quintos da serie (125' do
bilhete inteiro da lotera) de 800 rs. cada um.
, O agente desta loteria chama a attencl>. do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua b$a organisacaa. j
Com 40000 (5 quintos de que so cotapoV-* sre) recebarse 12:0000000 e com
|*00 rs. (1 quinto) 2:4000000.
O menor premio d um resultado de 25 '/o poi custando o ifkmto 800 rs.,
recebe 10000 as terminacSes dos 1. o 2." premios.
So premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 8. premios.'
As duas letras rinaes dos 1.a e 2., termiaacoes dos 1." e 2., e as approxi-
x5es dos l.o 2. e 3.: teudo alnvtfisso premios de 2:0000000, 5000000, 2000000,
1000000 e 600000.
EXTRACTO INTMNSmVEL
PEIT0RAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
As enfermldades mala dolorosas da rargaat*
e dos pulmoes, ordinariamente desenvolvera-se,
tendojx>rj>rncipo bases pequeas, cu jos resolta-
dos nao *o difficU de curar se promptamente ge
tralo cora o remedio conveniente. Os Resfri-
ado* e a* Toases dfio recprocamente o resultado
de Laringitis, Asinina, lronchitis, Affec-
5o Pulmonar a Tsica.
Todas as familias que tem crianzas devem ter o
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
para o nuar em caso de neoesiddade.
A peras de ura s da, pode em muitos caaoi
accarretar seras conseijuenclag. Por tanto nao
e deve perder tempo precioso, experimentando
remedios de efficacla duvidoKu, emqnanto qne
a enfermidade se apodera do systemae se arraiga
profundamente, entBo que se necessita tomar
nesse Instante, o remedio mais oerto e activo em
sen effeito, e este remedio sem din ida aleuma
O PlilTOUAL DE CKBEJA IX) 1)R. AVEB.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Est.-Unidos.
DKPOKJO C.K11AI.
O OLEO PURO
-DE-
FIGADO de BAGALHOi

-DB-
LAMAU & EEMP
produz effeitos anlogos a os da
Emulso coRi Hypophosphitea
dos meamos senhores, no caso da
ser preferido o irautamento nesta
forma para o curativo dos ineom-
niodos
do Peito, a Garganta
os PnlinSes.
Aluga
m-se
as casas terreas da ra do Lima ns. 18 e 26, era
S. Amaro; a tratar na litbographia ra Mrquez
de Olinda n. 8.
20
i
o

Cosa qu* s*&jt&
mfmmmu
m

"'IWS. 7, Sswars fea**, J JS
f ft'ARKAGiA ftfBSLV

MEDALHA DE kONT.
0 01E0~CVRIER
dssinlecUdo pbfo Alcatrlo,
tnico e Ui$sm co. oWut maito
ugmgntt g$ przpriedidet do (
o/m.
0 OLEO de FIGADO
DE BKtUO fBfiRLGIX'JSO
4 a nica priparico cea permito
administrar o Ferro ttm pn-
duzir Pnsdo de Ventre, nem
Incommoo.
DsTOSITO g*nl ea PiRQ
21, m do Faak'-Ioat&artn, 21
1^ Ufe
BRANCO LOIRO
E FERRUGINOSOj
; ^0 4,GATfV^

PLOMA DS HOIfRAi
rtckita: o roa todas as
Oelebrida&es Mlicas
B\ FltANfA E DA EUROPA
MOLESTIAS DO PEITO,
AFFECtfES ESCROFULOSAS
CHLOROSIS,
ANEMIA, DEBILIDABE,
TSICA PULMONAR,
BONlHITES, RACHITISNO
Vinho de Coca
LICENCIADOS PKLA INSPECTORA DK HTGIENK DO IMPERIO DO BRAZIL.
0m_ M 9 Hffifl
mMkWkmg
Carados pelos CIGARROS ESPIG
OppressO*ti J'tistte Itcfluaros JVeirralgiaa
LICENCIADOS Pili IM#PECri'0&IA D HYQIK.NE DO IMPHIUO DO JKAZIL
Asplra-se z fcn:ai-a una penetra no pcto, acalma o svstema nervoso,
facilit a expecArarilo e favorlsa a funecoesdos orecs resfarat.jrios.
Vcnds mu Atcc4Mtc( J. S9RtO,*CO, ru Ht-Mzam, em Parts. Jx\ja-ie ctU autor.
*'m Pttittmjtno : FSlfcJU** M. da SiLVA A C*. cu ^datm l'fmroi i.-* ^.w
Precisase de uraa ama :
numero 20.
no largo d) Paraizo
Am
a
Precisa-se de una ama que cosinhe bern : na
ra da Palma n. 37.
Ama
flPrecis*-se de urna ama para engommar: a
tratar no largo das Cinco Ponas n. 1:8.
Ama
Precisa se de urna ama que saiba cosinhar : a
tratar na ra Mrquez de Onda n. 41, arma-
zera.
luga-se
o 1 andar do importante predio na do Bom
Jess n 26, e o 2- aodar a traversa da Madre de
Deus n. 7 ; a tratar com Joo Kernandes de Al-
meidana mema travessa n. 21.
Aluga-se
na ra Direita n. 4o, as casas ns. 40 ra de ,
Aguas Verdes, e 5 travessa da Pyndoba, am-
bas Iimpa3, pintadas e caiadas.
Aluguel barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Becco da Bomba n. 8 loia.
Roa da Roda ns. 08 e 60.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armazen.
Largo de S. Jos n. 74.
0 2. andar da ra do Bom Jess n. 47.
A tratar ra do Commercio n. S, i- aadar.
esenptorio de Silva Guimaraes & C.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinhar e com-
piar ; na ra Nova n. 20, loja.
Ama de cosinha
Precisase de urna ama que cosinhe bem e
durma em casa do patrao ; a tratar na ra do
Cabug n 14, 1- andar, de meio dia at 2 ho-
ras.
lig-ipio
Constantino de S Barrelo
Convida se a este senhor a comparecer na
do Bom Jess n. 23, para prestar contas das b-
branga3 que fez no termo de Agua Preta em
Margo prximo passado.

Cosinheiro

Ama de cosinha


VICTORIA

TINTA INALTEMYEL
Esta tinta recommenda-se pelas (jualidades
secantes;
1E' igual a melhor tinta Bluc Bloek inglcza.
2E' de urna fluidez extraordinaria, e torr.a-se preta como
carvSo.
3E' de dura92o Ilimitada, portanto para os livros do com-
mercio e para documentos, que oaref-am de lorga durr.gao, n3o
se pode desejsr tinta melhor.
4 No estraga as pennas de ajo.
Preros; garrafa 800 rs. 1|2 garrafa S00 rs,
Mvoscn s
.lt RA'IIA !C)]ITRllPOR.WEA
FU }l.
miso i;, costa ::.
DE MAR? OP ERNAMBCO
ALBINO SELVA &C.
*ap
na Harii!a|jy^O]lndaft

PEBOS da PEPSIA PURA DALISADA >

de CSAPOTEAUT, Pharmaceutico,
---
Fot o 8Br Ghapoteaut o primeiro sbimico que coneetniio preparar e fornecer ao
mdico e sos doentes, em perolas redondas, urna pepsina pura, nao contendo, nem
imi-io.nem attucur deleite,nem geatir..a.E' Cinco vezes mais activa que a pepsina que
gura aa ultima edicao da Pharmacop a francesa e dtgere 100 vezes seu pezode carne.
Sua accao 6 da maior afflcacia: duas perolas lomadas depois da comida basti
para favorecer e activar a digestao. fazem deMoparacer no m de am qu&rto de
hora aa enxaqaecaa, as dores d cabeoa, oa Dooejoa a a somnolencia, qsa
sSo a oonsequencia de asaa sa dlgestao.
Cada perola leva impresso em negro o nome CHAPOTEAt.
PAPIS 5 Ha TlTltiuia^^f^^f te ^g^ **''?***!*'
.


m
NEVBALGIAS
Pilulas do Docteur Moussette
As VERDADEIRAS PlLU.S MOUSSETTE acalmSo e carao as
Neuralgias mais rebeldes^ a Enxaueca, a Gastralgia, a Sciatiea, as Affecfoes
rheumatismaes agudas dolorosas que resistirao a qualcmer outro remedio.
As VERDADEIRAS PlLLAS MOUSSETTE devem ser tomadas as
refeicOes. No primeiro dia tomar-se-ha tres pltiras; pela man ha, ao almoro e ao
janlar. Si nao se tiver experimentado llivjo tome-se auatro pilulas no segundo
dia, duas pela manlia, urna no aimoco e outra do jantar. E' preciso nao tomar mais
de qualro pilulas Moussette por dia.
Eja-tt at Verdadeira t ilalaa oossetts de UUK k O, de Pajuz
i* st compro em ixtas at dro..
INJEGT ON CADET
Cura certa em 3 das m outro medicamento
PARS 7, Boulevard Denain, 7 PARS
Depsitos am todas as principaes Pbarmacias e Drogaras.
BRONZE
UE

CAKIIOZO IRMAO
Ra do Bario do Triuinpho os. 100, 102 e 104
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Ten para vender o segiiinte:
. VAPORES de diversos fabricantes para fogo directo ou para fogo de assen-
tamentn.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
CRIVACES de difforentes tamanhos.-
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 4 caallos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de descarocar algodlo.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o' respectivo encanamento e finalmente
todas as ferragens precisas para a agricultura esta provincia.
ENCARREG \M SE de qnalquer concert e mandam buscar por encommen
da, mediante ajuste previo ou urna mdica conjmissao qnalquer machinismo.
COXTRACTM fornecimento do apparelhos para usinas, garantindo a boa
qualidade e bom txabalbo dos mesmos, o que podem provar com o bom resultado
obtido com as duas USINAS montadas ltimamente a saber:
Santa Filonilla e Joao Alfredo
Vendem a praso ,,..0 PELA iC
OPOJEBC--
(poaof-:
logitiir
No sitio n. 3 da estrada
Vieira se precia; de urna cosinheira
Precisa-se de um ; a tractar ra do Com-
mercio n. 4i, escriplorio.
Apolices perdidas
Perderam-se dez apolices da divida provincial
de Fernambuco, pertencentes a Manoel Pereira
j de Araujo Vianna, de ns 873 a 882, serie B, do
&
a urna mulher qi e durma em sua casa.
de Joo Fernandesn'alor de 1:H)00(0 cada urna; pede-se.a pessoa
sinheira, prefere-se que as tiver achado o obsequio de ir ou maa-
(Mellas d# Monte de Soccorr*
Compra-se cauteas do Monte de Soccorro <
qualquer joia, brilliantes e relogios; paga-s-
bem na Praca da Indepondencia n."2, loja >
rel.ojoeiro.
LVludan^a
E
Jos Gomes de Amoiim faz publico, e com
espe.cialidade aos scus amigos e freguezes, que
desde o dia 26 do mez prximo pastado, mudou
a sua fabrica de leos vegetaes, do predio n 161
da ra da Aurora para o do n. 163 da mesma
ra, aonde o respeitavel publico o encontrar
sempre pionipto a salisfazer todo e qualquer
pedido com toda sua fidelidade e prestesa; po
dendo a qualquer hora serem as encommeodas
dirigidas para al ; sendo o n. 33 o o appare-
Iho telpphonieo de seu estabelccimenlo. Recife,
1 de Julho de 1889.
ar entregal-as a Henrique Bernardes de Olivei-
ra, procurador bastante do mesmo Vianna, no
Recife, ra do Vigario n. i, escriptorio, que gra-
ticar.
Cosinheira
Precisa se de urna perfeita cosinheira e que
durma em casa do patrao ; a ra da Impera-
triz n. 21, 1 andar
Compra-se
urna casa terrea pequea ou meia agua, nos se-
guintes lugares: Capunga.AfflictoseEspinheiro;
a tratar na estrada dos Affiictos, ca?a n. 18.
E' barato
Farinha a 600 res acuia
S no largo do Mercado n. 12, Gomes Ferreira
"aviso
Os cavalleiros que dlgnaram se acceitur ac-
cOes dos cavados Douro e Vanda, queiram fazer
lo favor deastatjafaser, que corre dclinitivamen-
te no da 26 ou 27 do correnle com a ultima lo-
teria do Grao Para, que se extrahir este mez.
r3L
ttilbtALK ,:* i- i -
A Ftsta Mj ; < w. l>;,-.. u.-.-.issiinos de8
tf.boinhss) 6 um novo e r.iaravilhso preparad*
proporcionan'lo nm banho IcIIrJNc e higinico,
o urna exccltoato n^u dp toucaUor.
Esta P." ftfl Hat!: Roza de fma uiversal, afor-
znoa e *aa\ \\n m rutli, r, como rerescaate, auperm
todo quanfo H W >hrrc at boje.
Vende se em todas s (>!iarmacias, drogaras,
e as principaes pwfOv*nai do tauudo.
tnico f:itn<-nritt-i:i\v..'f,r: H. J3ACK, {Jim s/P.J
Deposiuuius <.'iii PotnamiHiCQ : v.m S^arinOLC*.
FNDiglO DE S NOSE BRONZE
DE
N^, ?*ais
JJSo ha Purgante
^algum que tenha
ator mais agradave
GaOa i.. FRERE
19. rua )c;>!i. fOSZ
t
.^.Jcs de peite
'{anta,
i
u esfeorv
pjal
ausntos e tossss. '
lUltO.
i
LUIZ DA CRUZ MESQUTA
66rua do Baro do Triumpho---66
Tem para vender o segrainte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restiar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Cai'apucas de cobre.
'l'aixas, taixoa e caldeiras de cobre.
Bambas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Tornelras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobra, de chumbo e de ferro.
Repariidef ras, passadeiras e escumadeiras de cobre e d ferro estanhado.
Cobre em lenco! e arruelas.
Sola icg'.eza c do Rio.
Cadiubos patente e de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E mnito's ostros objeetes
KNCARREGAM-SE de qualquer coiKwrtu e abras Ce encwnmenda, garan
:indo presteza, perf'ec3!o e preces m-dicos, para o que ten pes-ioal habilitado.
4'rl\OE a praso ou dinheiro com descont.

I
m
4feIiA BAR40 0
PHO-44
fachina a vapor.
Moenda
\o
Fainr
Mirtanui.


H
iie PernaiiibueoQuinta-feir 25
f
B
ra n. 29.
Garon
i boa localidadc.
O, armacac seeros, o motivo
lira aocoaipra'lor, aluguel barato ; a tratar
da Florentina n. 8.
Vende-se
orna das moiores tavernas ra Mrquez do
Uerva!. te:n pouco capital ; a tratar i.a mesmt.
i n. 143 padariu F.z se qualquer negocio.
Telegraimna familiar
Veuiam ver ao 55
# RA DUQUE DE CAXIAS
Tendo resolvido vender os seguinte
objectos por menos 50 0[ de seu valo::
real, convidamos nossos freguezes a ver
a realidade!
Cachemiras combinagSo com listas de seda
ultimo gosto a 16200 ocovado.
Cambraia com salpicos a 45000 a peca.
Cortinados, novidade a 55500.
gelins de qualquer cor 200 rs. o covado.
Linn bordado padr5es novidade a 800
rs. o covado.
Setns de todas as cores a 800 rs. .
Mntil as pretas. .
Camisas francezas ccm collarinho cois a
chic a 2(5000.
Cretons para coberta a 500 rs.
Amor da China grande sortimento em de-
. zenho a 200 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cortes de vestidos coisa nova a 8(5000
125000 e16000.
Guardanapos a. 15600.
Madapolo com muita largura a 550)
05000 e 75000*
Merinos pretos de todos os precos.
* Crinolines a 400 rs. o metro.
Babados e ntremelos.
Vestuarios para baptisados coisa nova a
105000 e125000.
Luvas de seda a 25000.
Zeros de cores a 160 c 200 rs. grande
sortimento.-
Grando sortimento de plastrons e regatas a
15000 urna.
Tecidos arrendados, novidade a 400 e 503
rs. o covado.
Grande sortimento de casemiras para rou-
pas de honiem.
Colchas brancas e de cores um sortimento
completo.
Collarinhos e punhos para homem.
Cortes de casemira de cor a 45000.
Cassinetas com 2 larguras a 15000 o co-
vado.
Cretons para vestido a 240. 280, 320 o
400 rs. o covado.
Meias e lencos de core3 para homem o
senhoras.
Merinos de cores de 500 a 800 rs. o co-
vado.
Brim de Iinho de cor, angola e molcsquins
grande variedade.
Tapetes grandes e pequeos, algodao bran-
co, largo e bom a 55000.
Camisas de ere tone nuito bonitas a 25500
e 3|000 urna.
Cambraias suissas com salpicos de cores a
75000 a peca.
Renda da China 1200 e 240 r?. o covado.
Dase amostr* sera penhor.
*. Ba Duque de Caita 55
Fernandas Azevedo &C.
Vmho particular'
No armazcm da ra do Amorim n. 60, vnde-
se o que pode haver de melhor, pelo mdico
proco de 75 o garraao de tres caadas (voltan-
de o casco).
A Revoluto de 48
A' ra Duque de Casias a. -t'S
Em vista das muitas pechinchajuoLe Pe-
rnos recebido, vemos por meio d'ewe cha-
mar a attengao dos nossos fregu**, pr-
vando ao jnesnio tempo como vendemos
por menoerK) .1* do que em outra qual-
quer casa.
Folardina, tecidos moderno, a 820 rs. o
covado.
Organdis (fuzenda de phantasia) a 400 rs.
o covado.
Nansuks muito finas de 120 e.240 rs. o
covado.
Merinos lisos e de quadjros 200, 240 e
280 ra. o cevudo.
Cortes de-linn e cretorjes, tocios os avia-
mentos, a 65000,85000, 95000 e*105000
um.
Ricos cortes bordados em cartao a 145000
Atoalhado para mesa, muito largo 15200,
e I55OO o metro.
Pannos do crochet para cadeira Ja 500,
600, 700 o 800 rs. um.
Colchas de crocliet com palmas para noi-
vas a 550pO, 65000, 75000 85OOO e
9500a urna. _
Cortinados bordados, muito finos a 65000
o par.
Bramante liso e trangado de 4 larguras a
I5OOO o metro.
Bramante trancado de 2 larguras a 400 rs.
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
55000 urna.
Saias bordadas, muito finas Fa 35000 urna.
Luvasjde seda, lisas e arrendadas a 15000,
15500 je 25OOO o par.
Seda afsacianas, novidade a 240 rs. o
covado.
Cretons claros e oscuros ^de 500 rs. por
320 rs. o covado.
Zetiros de quadres a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pechincha em camisas de mei^p 15000 e
15200 urna.
Lentes de penna, o que ha de moderno a
^000 e 55OOO uma,v '
Capellas com veos para ncivas a 85000
urna.
Fust2o de cores para palitot e caiga a
500 rs. o covado.
Brins ?de linho, cores fixas e garantida,
a 500,e 600 .rs. o covado.
Cortes de velludo bordad a seda para
colletc a 25000 o corado. ,
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
4500$ peca.
Bicos de cores e -branco a 15800 e 25000
a peca.
Cambraia sussa de 14.5000 por 75000 a
Collarinhos e punhos borracha a 15S0wr.'
Cobertas de ganga para cama de caeal a
25800 urna.
Lencos de cores, imitagao de seda a 15800
a duzia.
Fichs de rctroz, lisos e com palmas a
15000 um.
Madapolo americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a duzia.
Algodaosinho muito largo a 45000. 55000
e 65000 a peca. %
listas de
Taverna
Vende-se urna taverna bem sirtida e afregue-
?ada e em muito bom ponto, ra da Concordia
n. i ; a tratar nella ou no caes da Companbia
f*ernambucana n. 8.
Vende-se
Redes francezos a 4*000, 6*000 e tfOQfc 1,5000 e -25X)0
MAIS BARATO
Na Loja das Listras zoes
A' RA DUQUE DE 1 'N. 61
Vende-se fazondas finas
dase descont a quem co:
para cima, troca-se as fazefi
Be por qualquer motivo nao
agrado pab quem for com
pelos seguintes pregos:
Cachemiras Usas e com
seda de lindas cores, a 15400.
jHerlnos de duas larguras, a 440 e
800 rs.-, qu3lidade superior.
Tecl ds arrendados cor descreme com
matiz cbm duas larguras, a (iOO rs.
Fazendas de phantasia c lindas cores
a 400 e 500 rs.
Teeidos de linho, lindo* padrSes
grados, a 200 e 240 rs.
Xeflros lisos e de quadro, a 80 c
100 rs.
Setins de Maco branco, preto e de
todas as cores a 750 e 800 rs.
Metas de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavadas brancas e de cores cla-
ras, a 15400.
'*zes de seda com fios prateados a
15000.
Corlinadps de crochet, em peca, a
900 rs.
Cambraias bordadas brancas e de
cores, a 4500*, a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 165000, 185000 e 205000.
Veos para chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 15500.
Crep inglez para enfeitos de vestide s
a 15200 e 25000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas de cores finas e seguras, a
120e#240rs.
Morlm de listras azuesmuito lar-
gos com 20 varas, a 65000, a peca.
Sargellns anos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
t> metro. t
Cinardanapos superiores a 15800 e
25000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 15000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 15000, o metro
Toalhas acolchoadas c felpudas com
listas de cores, a 45000 e 65000, a duzia
ticos brancos francezes, a 600
e 800 rs., a peca.
Bicos Unos, brancos, cremes e ma-
tizados, a 25OOO, a peca.
Baldas a 240 rs. a duzia, cobertas a
'400 rs.
Latas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 25000.
Leques de papel, a 500 rs. c trans-
parentes? finos, a 25000.
Leques de peonas o que ha de me-
lhor, a 55000 e 60000.
Jabonete grande de perfume agra-
davel, a 50#.rs. ,
Extractos finos francezes e inglezes
A FLOftIDA

se:r
tama casa terrea em boa localidade, no bairro da
Boa Vista, e um parte no engenho Desterro,
freguezia de Iguarass ; a tratar com o Sr. te-
nente Evaristo de Souza, a ra do Socego.
Vende-se
a taverna sita a ra da Uniao n. 3, bem afregut-
rada; trata-se na mesoia e garante-se a cbave. .
Mastros para bareaea
Vcnde-sc tres magnficos mastros ; a tratar
na ra do Vigario n. 31, 1- andar.|

. F0LP5TIM
DECAPITABA
POR
P. BU BOISGOBEY

(Con t inuagao do n. IQ4)
VIt
Cavaroc tinha escutado, encostado ao fo-
gao, aquelle lon^o colloquio em allemao c,
mao tinha compreherdido tudo, mas tinha
apanhado o sentido de algumas phrases
e Jonville tinha-lhe traduzido muitas ou-
tra s.
Era a occasiao de intervir, dando um
consellio a um amigo, que de muito se
preparava para o consultar.
Meu caro, cDmecou o capitao, n3o
procuraste o que te acontece, mas eis-te
o urna innocente nos bragos e preciso
temer providencias. No teu lugar eu nSo
, hesitava.
EntSo o que farias ?
Ora cssa, ficava com ella em casa.
Nao digas isso, urna crianga!
Bem, receias comprometter a tua
earreira. Grande r d'asno, nisto
alo ha nem eequer apparencia de seduc-
oio de menor. Esta moga entrou em tua
.casa por sua propria vontade e en estou
qui para o attestar. E tu tens aqui tudo
mto preciso para lhc dar asylo sem
faltar 3 conveniencia--. O aposento eui
installas tua mai quando ella vem a
Pariz, est na sobreloja e te jtma ^sca-
ada.
verdade, :
urna.
Palitots de soda palha a 85000 e c6r de
chumbo a 105000 um.
Cortes de casemiras ingleza a 105000
um.
Cortes de fust3o para collete a 15000 e'
15600 um.
Cobertores do 12 com pequeo deeito a
25000, um.
Renda heppanhola larga a 25000 o covado.
Espartilhos finos a 45000 o 55000 um.
Roupa por medida, garante-se a perfei-
g5o.
S oa Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA_
Boa compra
Travessa do Pombal n. 11 (taverna) vende-se
a armario, caramillo1 o-se a cbave ; a tratar exun
o tenente Evaristo de Souza.
Bahus
Vende se urna loja de bahus, bem afregueza-
da, garantindo-se a chavt da casa ; a tratar na
ra Vidal de Negreiros n. 120.
Vende-se
urna mobilia de junco com encost de palha, do
fabricante Tonel cm pouro uso o preco com-
modo ; na roa Vidal de Negreiros n. 157.
Deixa-me acabar. Continas a ter
ao teu servico a velha Monica, antiga cria-
da grave da Sra. de Jenville. Ella servi-
r menina Helena, que ticar completa-
mente em sua casa. S Ihe falta um in-
terprete emquanto nao aprende o fran-
cez.
Cavaroc accrescentou rindo :
Eu encarregava-me de boa vo1
ensinar, mas creio que ella hH
que tu sejas o seu professor.
Tu fallas como se estiressos certo
que ella consente nesta combinagao.
Eu desejava saber como 6 que ella
pode fazer de outro modo Olha, pergun-
ta-lhe o que ella pensa.
Jonville estava muito perplexo, mas jul-
gou que o conselho do capitSo era bom
para seguir e disse a Helena :
Pego-'he perdao, menina, de a ter
interrogado por to longo tempo. Devia-
me recordar que est prostrada pelo can-
sado e transida der fri.
O senhor podia perfeitamente esque-
cel-o, visto que eu j nem pensava nisso,
respondeu com meiguice a moga.
* E' tempo que eu repare a mina ne-
gligencia, (uer permittir-me que a con-
duza a um aposooto onde estar como em
sua casa ?...
E onde nunca mais o torne a ver?
Pelo contrario, ha de ver-me todas
as vezas que quizer.
O aposento que Ihe offerego est por
cima do meu, continuou Jonville. Ser
alli servida por urna raulher de idade, de
quem estm seguro. CuerV
O que pensar de mim, se eu"disaer
8m ? perguntou Heiena.
Pens quo a menina tem con Sanca
em mim o iicir-le-hci por isso muito re-
conhecido. Demais, onde iria a menina ?
Creio que nao tem tenyao de voltar para
casa do Sr. Borodino. <
Pruf'eria morrer... como teria morri-
llo, s sea amigo nao me tivesse impedido
de m a arar ao Sana.
Entao acredita que foi o tal Borodi-
no quem matou..?
fioi slle ou o outro.
Despertadores americanos, a f5-
osquiteiros americanos com ar-
magito a 105000 e 125000.
Espartilhos americanos e ingleses,
a 45000, 55000 c 65000.
Cops de vidrilho e rendas, a 255000
e 305000.
Toalhas de labyrlntho para bap-
tisado a 305000, 405000 e 505000.
E muitas fazendas qne s d J>or todo o
prego na.
Loja das Listras Alies
Farello de caroco de algo
dao
J conhecido como o melhor e mais nutritivo
alimento para animaes ; vende-se ra do Bom
Jess h. 38, 1- andar.
Galdes, palmas c rosas de vidrilho.
Bicos de seda c de algodao com
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Fmnjas de seda com e scni vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 35000 e 4500C
a duzia.
Bordados de camb- aia tapada a 400 500"-
600 e SOOrs.fajjega.
dem com 3 e li2 metros, de all que
argura a 15200.
Lengos de linho em caixhhas a 35000 t
dita.
Meias para homem, duzia a 45090.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos Ieques transparentes de gaze i
35000 um.
Grande sortimento do porta-retractos d
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 65
85000 o par.
Ditas do phantasia, g03to moderno, i
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de. crochet para cama *
125000, 175000 e 195000 o par, algum
de cores.
Ditos para ianellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 *
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimentt
a 45000.
Capellas cem veo para noiva a 65000 *
85000.
Lindos enxovaes baptisados a *85 105
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35, 45
55000.
Gnnaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a pega
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinas *
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 c
par. >
Ditas de seda para creanga a 15000.
Dita para moga a 15500 p par.
Grande sortimento de jarros para toilette.
sanctuario e consollos.
Lindos lengos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabega e segurar
chapeo. ,
Espartilhos para creanga a 45 e 45500.
Ditos par itnhora a 45, 45500, 55000
65000. "
Grande sortimento de sabonetes de 200 >
10000.a.---a*
Estojo com faca, garfo e colher, propri<
para creanga.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de 12 para honiens e senhoras.
Linha* dourida para fuer crochet.
Lindas fitas para facha a 25, 35 e 4501H.
o metro.
Lindos Ieques de setim para casamento.
Grande sortimento de Ieques de setim
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarga,
Finas carteiras para algibe:r de 15 2A
3 e 35500 urna.
Roa Duque de Caxias n. 103
Vinho puro de Santa-
rem
Da quima de Barra!
Chegou a segunda remessa deste especial vi
nbo para o annazem centra' de gneros alimen-
.icios a ra do Gabug n. 11, o qual se torna
recommendado por ser puro da uva.
JoaquinaChristovao & C.
Te I cphone141
O marido de sua irml?
Sim... Irene tinha niedo delle.
E comtudo vivia em sua compa-
nhia ?
O que seria della se o tivesse deixa-
do ? Nossa mai nada nos deixou. Irene
resignava-se com a sua sorte por dedica-
gao a mina. Era elle quem pagava as
despezas do convento de Vienna, onde
vivi desde que tiquei orph. Quando mi-
nha irma cscreveu superiora para me
mandar para Pariz, julguei que ella me
mandava buscar para me ter na sua com-
panhia... Estava tao satisfeita por a tornar
a ver!... Torneia ver, mas... morta.
Um solugo abafou a voz de Helena, e
Jonville, vend-a quasi desmaiada, aprovei-
tou aquelle momento para a segurar por
um brago, emquanto o capitSo se apode-
rava do outro. Levaram-na, ou antes car-
regaram-n'a pela escada de caracol que da-
va para a sobreloja, onde encontraram a
repeitavel Monic,' oceupada a marcar
roupa.
Juliilo, a quem clia tinha visto nascor e
a quem adorava. chamou-a de .parte e ex-
plicou-Ihe summiftriainente a situagao.
Tratava-se de salvar mma*moga honesta
e abandonada e de Ihe asegurar por al-
guns dias comida e'cama.
Era obra caridosa, a que % Sra. de Jon-
ville, se l e3tivesse, nada teria achado
que_ dizer e a mulher que era ama boa
alma, era exactamente-o que-quera.
DuvAje exactamente o caso que a ve-
lha 8abnrallenao, porque tinha nascido
em Strasburgo.
Os dous amigos tonaram a dcscer para
o rez do cho e Jonville disse a Cava-
roc :
O que pensa de tud isso ? Creio
que comprehendeste suflcientemente a nar-
ragao que ella fez.
O bastante paraestar convencido que
o tal russo authentico ou nao, um reua-
dissimo canalha. -Mas nilo eomprohendo
ainda o papel que representou o teu ami-
go Vitrac. Porque motivo o levaram com
03 outros ao juiz formador da cuipa ?
l'rovaveimente porque o encontraram
O 59
Liquidando os artigos se-
guintes!
Ra puque de Casias
Merinos de todas as cores a 200 rs. o co-
vado.
Lindo sortimento de alpacas modernas a
400 rs-. o dito.
ZefiroB de qadros a 80, 100 e 160 rs.
o dito,
Cretons francezas com 1 metro de largu-
ra a 280 o dito.
Nansuks, cores firmes a 100 e 160.
Fustoes brancos bordados a 360 e 440 o
dito.
Bramantes do algodao a 700, 00 e 15000
metro.
dem de linhc, superior a 15600 o dito.
Atoalhado bordado a 15200 o dito.
Superior madapolo americano com 24
jardas por 65000 a pega.
Algod3es da corte, o melhor a 35500
45000 e 55000 a dita.
Cambraias bordadas finissiraas a 45000 a
dita.
dem Victoria com 10 jardas a 25800. de
EsguiSo de algodao a 45000 a dita.
Ricas guarniges de crochets a 75000 e
8500y.
Cortinados bordados, novos desenhos a
65000 e 85000 o par.
Toalhas superiores, muito grandes a 45000
a duzia.
Meias nglezas a 35000, 45000 e 65000 a
dita.
Seroulas bordadas* de bramante a 145000
a dita.
Camisas francezas o inglezas a 365000 a
dita.
Guardanapossuperiores a 25000 c 55000 a
dita.
Cobertas de ganga, 2 pannos a 25800
urna.
Lenges de bramante a 15800.
Colxas francezas, de cores a 25000.
Mantilhas e fichs a 15000, 15200 e 15500
Chales de l a 25000, cachemira, grandes a
35000.
Redes de cores a 35000 urna.
Cobertores de la brancos a 25400 um.
Cassinetas para roupas de meninos a 200
rs. o covadt.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 15400
e 15800 idem.
Flanella azul ingleza a 15200 e 25000
idem.
Cheviots superiores a 35200 e 35500 o
dito.
Damascos de la para capas de pianos a
25000 o dito.
Pannos rara mesas, novo gosto a 15100
1530Q e 15800.
Espartilhos, luvas, grinaldas para noi-
vas, lengos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos por pregos sem com-
petencia.
Ra Duque de Caxias n. 59.
LOJA DE
PBRKIRA & MAGALHES

Pao centeio
Mello 4 Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextasrfeiras, tem este so-
noroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.______
Movis
Na casa n. 183 ra Imperial, vende-se ba-
rato dous guarda-vestidos e ama cama para ca-
sal, tudo novo em folha, de superior qualidade
e estjlo moderno. ______ _____
Licite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio lo-
go depAs das casas novas da direita, vende-et
todos os das leite puro de vaccas taurinas e ds
trra, garante-se a qualidade do leite.
Royal Rlend marca YIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Royal Blend marca Viado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.

-
em casa do Borodino o porque se sabia
que a cabera havia sido langada no seu
atelier. De urna cacetada mataram dous
coelhos.
E' possivel. NSo o acredito capaz
de ter matado aquella mulher. Nao ha-
via nenlmma razao para isso, urna vez que
era sua amante. Mas, dize-me c urna
cousa... aqui para nos... nao era a pro-'
pria virtude a tal irma mais velha da me-
nina Helena.
Jonvillo encolheu os hombros e disse :
Dava muito dinheiro para saber se
Borodino est preso..
AmanhS o sabers.
E porque nao esta aoite ? Teaho
vontade de ir procural-e ra Berton.
E o teu p torcido, desgragado'.'
Est curado. Acuite
nao tive v menor difficuldale em trepar
sobrefcfe.
Jno impi; .1, anda nao C6tas no caso
de andar pela ru e," alm disso incommo-
davas-me.
Entao contas ha ir?
Absolutamente. J teria partido se
nao tivesse sido obrigado a ajudar-te a
conduzir aquella moga ao aposento que tu
puzeste sua disposigao-e que ella acei-
tou com urna franqueza que me agradou.
Pego-te que uio zombes della.
NSo, senhor, fallo muito seriamente.
Teria desconfiado se ella fizesse ceremo-
nias para consentir em dormir debaixo do
teu tecto. A simplicidade e a franqueza
em semelhante caso, equivalem a um cer-
tificado de virtudes. E3Per0 iue D* ir&s
abusar da sua ingenuidade.
Por quem me tomas tu ?
Ora essa, por um apaixonado !
ves-te a sasicntar que o nao ests?
E como Jonv-lle se calasse, o -cap
continuou rindo t
Por fim de contas ssd nao c commi-
go. Desejo-te boa noite'e ainanhS venho
muito cedo dar-te noticia da niinha expo-
dif'io nocturna.
- Cont com isso,"mas nao te vas cx-
Boa acquisic,o
Vende-se ou trrenda-se um bom sitio na es-
trada nova de Agua Fra Beberibe, perto da
estacSo da Encrazilhada, contendo casa com
bons commodos para familia, mais urna casa
para negocio, um parreiral, coqueiros, sapotisei-
ros, laranjeiras, fructa-p*o e outras fructeiras,
boa cacimba com a^ua potavel e terreno para
plaatagOes de hortalices; a tratar na roa Duque
de Caxias n. 30, padaria de Beirao & Almeida.
Muita atten^o
Na rna da Imperatriz n. 80, vende-se sapa-
tQs de felpos para fri a 6U0 rs. o par, e de
crangas a iOO rs.
por
A que ? A ser atacado ? Por quem ?
Pela gente de Borodino ou pela gente da
polica? Socega, son de forga para [me
defender.
E, dito isto. at vista, meu velho !
Tenha juizo e trate de dormir bem. Eu,
no, teu lugarconhego-me... estando-perto
de urna moca bonita havia de ter difficul-
dde em fechar o olho.
Depois de ter formulado aquella estra-
nha exhortagSo prudencia, Cavaroc sa-
fou-se sem se despedir de outro modo do
amigo.
Logo que se achou na ra comegou a
executar um alegre sarilho com a bengala
e dirigio-se a passo de carga para a ponte
da Concordia.
Aquelle cournceiro momentneamente
destacado na Escola de Guerra, aborreca-
se de seguir todos os dias os cursos e de
folhear os tratados de estatistica. Tinha
nascido para a vida activa e tinha agar-
rado com alegra a occaftao de correr al-
gum risco.
Que risco ?
Nao sabia, mas esperava ter de se ha-
ver com um inimigo qualquer.
Desejava mesrao do intimo do cora-
gao que um feliz acaso o pozessa na ne-
cessidade de sovar alguem, fosse l quem
fosse.
Cavalleiro por estado e por v^cagao,
Cavarocjwia dado um sofirivel soldado
do infioHh, porque tinha pernas compri-
das e era m andador infatigavel.
Enliou pelo Cours-la Reine, depois pelo
caes de Billy, passou o Trocadero e se-
guio o cs -de Passy sem afTrouxar o
passo, que um pedestrian inglez Ihe teria
invejado.
Nunca tinha entrado na villa da ra
Berton, mus Borodino tinha-lhe mostrado,
emquanto que, montado no Santorin, es-
coltava tinha tomado lugar, e reconheceu logo o
longo muro do jardim, contiguo proprie-
dade daquelle senhor.
A noite estava escura e o tagar era de-
serto.
. Depois de certas horas, nao passam por
alli senao bonds:
i
A LOJA MAIS BARATIURA
z
PARIZ N'A-MBRIOA
AZEVEDO, IRMaO & o.
16Ra do B. da Victoria16
200Tdephone200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e moda o
que ha de mais novo e pregos sem com-
petencia.
A saber ;
Capas de surah, senda e merino..
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, do la e 13 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 15000 e 152C0.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 15500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 15500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.'
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000.
Madapolo trangado a 95000 a pega.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 65000.
Fichs de 12 e seda 15000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraga a 45000 e 55000.
Colchas de fustao a 25000 e 35000.
Capellas para noiva com veo bordado
65000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 15500.
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama a
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretons com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a 25000. k
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
Guarnigoes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixasom extractos para presente^
Rendas hespanhola a 45000.
Capachos de c6co.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite'
Grande sortimento de chapeos de
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
CULAP C omm i s sao-importa^aOs
REPRESENTAR AO DE FABRICAS
Ra da* Florea n. SO
Armazem
(Entrada pela roa Baro da Victoria n. 41)
Falail$a de W. Boidenger &C. 5
Papel de Jaroche Joubert & C.
Pianos de Pleye!.
Porcelanas de tache Jtillien & C.
Blco, rendas c cortinados de l'.du;. Sleeg-
mnnn & C.
Drogas da Pharmacu centrle de France.
Azulejo de Fovrmamtranr. Conrquin.
Conservas de I.omt Frre* & C.
TinJhos de Bordcaux da Association Vi-
ntcole.
Cachimbos de Lorge Pre, Fils & Datid.
Cognac de Ueorges Stguin < C.
Vidros de C. Le Blanc.
Cryslaes da Cristallerie de Sere (Landier
,! Hondaille).
Capsulas para frascos c garrafas, de A.
BeUs fe C.
Frascos, vasilhame para pharmacias c per-
fumistas de Bertin Tissier & C.
Armaroes para sellins. esporas e materiaes
para sclleiros e fabricas de carros, de
Fkhet Frres, etc., etc., etc.
As mercadorias veem directamente das fabri-
cas para os clientes, sem cornmisso, e pelos
precos da fabrica.
(Jfccedem se os prazos usuaes sem augmento
de joros ou outra qualquer despesa.
COMMISSO : Recebem-se cncommendas de
qualquer outro artigo, em cornmisso.
20Ra das FJores20
O capitao, que tinha bom olho, olho de
gato, que as trevas n3o incommodam, jul-
gava ver sombras que se escoavam cncos-
tando-sc ao muro pela ruasinha, onde de-
via achar-se a porta da casa do Sr. cande,
ou supposto tal.
Eram criados da casa que faziam guar-
da como sentraellas* avangadas ou explo-
radores do servigo da seguranga, enviados
em reconhecimento pela prefeitura de po-
lica ?
Pouco importava a Cavaroc, que se
metteu pela ra, sem hesitar um segindo.
O seu plano era dos mais simples ; ti-
nha tengao nicamente de tocar a cam-
painha da casa do Sr. Borodino e de per-
guntar se elle tinha voltado. Depois ve-
ra.
As suas combnagocs, por emquanto, nae
iam mais longe.
Perccbeu logo que o seguiam devagari-
nho e teve o cuid-do de ir pelo meio da
ra, afim de-evitar ser sorprendido por
um ataque repentino.
Chegou assim -tal reentrancia do mu-
ro, onde tres dias antes Mealheiro tinha
visto desapparecer Agostinha,"e alli, obli-
quando para a direita, para se approxi-
mar do portSo, achou-se de repente cara a
cara com um valente rapago, que deu um
salto para tras, e poz-se mmediatamente
na defensiva, levantando um grande c-
cete que tinha na mao.
Cavaroc tinha tomado ligSes de bengala
e com um gesto tao prompto como Um re-
lmpago, poz-se em guarda com a sua,
urna guarda classica, como a sabem tomar
os mestres do jogo do pao. O seu adver-
sario, que era de priraeira forga, vio logo
que tinha de se haver com um inimigo
e licou na defensiva. Cavaroc tambem.
Nenhum delles.atacava e nunca se sa.-
ber como se travaria aquelle duello a cjfcg
cote, porque o homem emboscado exchw
mou de repunte, abaixando a arma :
Como !... E' o senhor, meu cap
tao ? (
('k-nthvuar-si
Typ. do Diario ra Duque de Casias n. 41

i
-:
J
!
\

i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9SVERUGV_AZ8OWX INGEST_TIME 2014-05-19T17:58:06Z PACKAGE AA00011611_19168
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES