Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19165


This item is only available as the following downloads:


Full Text
M



ANNO LXV -- NUMERO 182
DOMINGO 21 M JUMO DE 1889
PA1
CAPITAL K LUGAMStt OXMI2 XAO K PAfil PORTI2
Por tres mezes adiantados. #.......
Por seis ditos dem.........
Por am anno idem .... ....
Cada numero avuiso, do mesmo da. ....
6,5000
120000
23!5000
0100
PARA DE.VTRO E PORA I>A PIl OVIA CA
Por seis mezes adiantados............... 13<55C
Por nove ditos idem................ 205000
Por um anno idem... ...".......''... 60000
'Cada numero avuiso, de das anteriores .......... 5100
Tropriedade de SVlancd ffigufca t S^aria ftycs
TELEGBAIIAS
4
<
*v
RIO DE JANEIRO, 20 de Julho, s 1
horas da tarde.
Foram nomcados:
Inspector da Alfandega do Ueai, Joao
Mondes Pereira;
Commaa^aau. 11 companhia de apren-
daos iarinheirob do Arsenal de Marmha
de Peimambuco, o 1." tenante Joao Sidney
'.Schiffler, sendo exonerado o actual.
Foram agraciados com tf titulo de
conselho, o Dr. Antonio Coelho Rodrigues,
' BarSo de Curoripe e Miguel Soares Pal-
meira.
Continala a ser rccebidos telegra m-
mas de felicitacoea por ter sahido illeso
S. M. o Imperador, do attentado contra
elle praticado.
S. M. tem igualmente continuado a ser
ni.lito visitado.
Ion tem, o theatro D. Pedro II este ve
cheio sendo oceupados os camarotes pelo
ministerio, diplomatas e representantes das
pracipaes classes.
Ao sahirem do theatro, foram SS. MM.
muito victoriados.
Celebraram-se omcios era aeco de gra-
jos em diversas igr*jas, e esto marcados
outros.
Embarcaram no paquete racional
para o norte os Srs. Castro Silva, Rangel
Sampaio e Joao Cordeiro.
PARTE OFFICIAL
i
5:s::;: sa l::::l zlui
PARS, 19 de Jum.
Os jornaes publicara o acto de aecusa-
ySo contra o general Boulanger.
Por este documento o general Boulan-
ger est inculpado de um trama contra o
governo da repblica'franceza, de a tienta-
ilo contra a seguranca do Estado c de con-
cussSo dos dinheiros pblicos.
O solicitador (huissier) do Supremo Tri-
bunal j lancou urna assignacSo par& o ge-
neral Boulanger comparecer diante do mes-
mo Tribunal.
PARS, 19 de Julho.
Lord Lytton, cmbaixador da Inglaterra
junto ao governo da repblica raneeza pe-
dio a sua demissao.
PARS, 19 de Julho.
Acredita-se que os debates do processo
I 'ulanger ter3o cornejo no dia 12 de Agosto
prximo futuro.
LONDRES, 19 de Julho.
A ordera est completamente restabele-
da em Hait.
Agencia Horas, filial em Pernambuco,
30 de Julho de 1889.
INSTRUCCO POPDLAR
AS (LUTOfS IMVCttS
ANTIGS E MOBKRNAS
MAS
Sciencia. industrias e artes
POR
XIX
oh difTercntes) motliodOM de illa-
ninaruo
CConti nuacao)
0 elemento essencia! da lampada photo elctri-
ca compc-se de duas partes de cobre, colloca-
das urna em frente da outni, e communicando
i urna pillia de Bunscn em actividade. corn-
il !a de cerca de iOleraentos. E' eatre estas
iluas hastes de cobre colloradas na extremidade
dos dous conductores, isto nos polos da pilha,
me se produz o arco luminoso, proveniente da
imposicSo dos dous fluidos.
Mas como o calor muito intenso que se desen
ve e a presenca do ar causariam necessaria-
meute a oxydaco rpida das Iiaste3 de cobre
a,ue terminara o.s-cpn*uctores, adaptam-se a estas
uas de cobre duMunts de um carvo mu pou-
o combusiiveqfmHHtb pelo nome de carvao
as retortas .de gaz. Esta materia que arde dif-
icilmeutc ao ar, 6 mtiilo commada para con-
ductor terminal, e eulre as duas pontos de car-
gue se produz o arco elctrico luminoso.
Vamos descrever a lampada photo elctrica
om todos seus pertences. A um softporte
ado formado de um lubo de \idro esto pre-
uus varas melallicas. que constitufira os
p:lha. Duas ponas de carvao termiDam
- onductores. Como os carvoes acabara por
r ardendo no ar, com a prolongaco da
, Tienda, faz-se descerco urna manivela de
ieira a haste na corredica e approximam-se
:i os ''ar-."- s um do nutro a medida que a
stando-Ibes a ponto, augmenta o
;o e sortanto diraisue ou interrom-
. correste elctrica
(Cottga)
tUaistcrlo do Imperio
Foram notados conselbeiros de Estado
ordinarios, os extraordinarios, senadores Joao
Alfredo Gorreia de Oliveira e Manoel Francisco
Correia, e extraordinarios o conselheiro Olega-
rio Herculano de Aquino e Castro, cenadores Pe-
dro Leo Velloso, Felippe Franco de Si, Fran-
cisco Belisario Soares de Souza e Joaquim Del
lino Ribeiro da .Luz, e Dr. Jos da Silva Costa.
Os ooraeados devem preptai'jurameato boje,
s 3horas Trt&rde A.
de liojur o bgadeiro Ianoeencio Velloso Pe-
uemeuas V doTorte de Ccnmbr o brigadeiro
Hernwnegildo de AltiU'iU':rqne Portocarreiro.
Foram agraciados cora o titulo de coaselho
o desembargador Jos Mariano Lustosa do*ma-
ral, Dr. Antonio Coelho Rodrigues e Dr. Felis-
berto Pereira da Silva.
Foram condecorados : com a gr-cruz da
ordem do Cruzeiro, D. Jos Manoel Balmaceda,
presidente da repblica do Chile; com agr -
cruz honoraria da ordera da Rosa, Dr. D. Do-
mingos' Santa Mario, senador e cx-presidente da
repblica: D. llamn Barros Luco, ministro do
interior: D. iNjjtrio Lastarria, ministro de re-
laces exlerior^kl. Ramn* Donoso Vertrara,
ministro da mannha; D. Julio Banhados Espi-
nosa, ministro da justiga; D. Justiniano Souto-
mavor. ministro da fazenda; Henrique San-
fuetes, ministro das obras publicas; coro a
grande dignitaria da mesraa oedem, contra-almi'-
rante l'miribe, coramandante geral da marrana ;
com a dignitaria general Samuel Valdivieso;
com a commeuda D. Ramn Snchez, intendente
de Valparaso; D. Ramn Vidal Gormaz, direc-
tor do departamento da mannha; capito de
fragata D. Domingos Salamanca; capitao de na-
vio D. Ramn Cabieses; capito de fragata 1).
Basilio Rojas e o coronel Djblfl de Almeida;
com o ofhcialato, os capitaes de corveta D. Ma
noel Garca e D. Vicente Lergers ; cora o grao
de cavalleiros, D. Ricardo Prat e D. Manoel
Campbell; e cora a commenda da ordem de
Christo o presbyiero D. Salvador Donoso, gorcr-
nador ecclesiasco de Valparaizo.
-.i'dfl
Ja sW-
Ministerio da iustlea
Por decretos de i? do contrate foi removido
a pedido, o juiz de direito Aatonio Goncalves de
Almeida, da comarca de Miranda, de 1* entran-
cia na provincia de Mallo Gaosso, para a do
Areia, de igual eut/uncia, no da Baha Picando
sem effeito a anterior remocao para a comarca
de lona, na provinciana Parabyba.
Foram designadas as seguintes comarcas
para nellas terem exercicio : ao juiz de direito
Adolpho d-1 Siqueira Cavalcante, a do Inga, de
i* entraneia na provincia da Parabyba tirando
sem effeilo a anterior desiguaco para a comarca
de Carolina, na provincia do Maranho, e ao juiz
de direito Filippe Daltro e Castro a de Carolina
de 1* entraneia, na provincia do Maranhp.
Toram nomeados joizes municipaes e de
otphaos : do termo de Muan, na provincia do
Para, o bacbarel Antonio Caetano '.labello do
de Tacarat, na de "Pernarabuco, o bacharel
Francisco Porplurio de Andrade Lima ; do da
Malla de S.'Joao, na da B ihia, o bacharel Anto
nio de Araujo Arago Bulcao ; dos termos de
Cascavel c Aquiraz, na do Cear, o bacharel Lu-
ciano Alves de Brilto ; do termo de Santa Barba-
ra, na de Minas Geraes, o bacharel Manoel Jos
Moreira dos Sanios ; do de Mar de Hespanha, na
mesma provincia, o bacharel Joo Olavo Eloy de
Andrande : do de Pouso Alegre, na mesma pro-
viucia. o bacharel dalberto Das Ferraz da Luz;
do de Nuricy, na das Alagoas, o bacharel Tho-
maz Coelho de Gusmao ; do de Ponta Grossa, na
do Paran, o bacharel Claudino Rogoberto Fer-
reira aos Santos ; do de Guaratinguet, na de S.
Paulo, o bacharel Francisco de Assis e Oliveira
Braga ; do de S. Roque, na mesraa provincia,
o bacharel Joao Augusto de Souzo Fleury ; do de
Parahybana, na mesma provincia, o bacharel
Antonio Augusto de Oliveira Roxo : do de S.
Antonio daPatralba, nado Rio Grande do Sul, o
bacharel Mario AugustoBrandao de Amorira.
Foram rcconduzidos nos lugares dejuizes
municipaes e de orphaos : do termo da Lapa,
na provincia do Paran, o bacharel Luiz Bezerra
Augusto da Trindade ; do termo de Cantagollo,
na do Rio deJJaneiro, o bacharel Manoel Antonio
Braune ; do de Salgueiro, na de Pernambuco, o
bacharel Augusto Abel Peixoto defMiranda Hen-
riques ; e do termo de Macahubas, na da Baha,
o bacharel Cesar Quirino da Silva
Foram declarados s m elTeito os decretos :
de 10 de Setembro 4o anno passado, que remo
veu o juiz municipal e de orphos bacharel Eu-
clides Abreu. do termo do Grao-Mogol para o de
Santa Barbara, ambos na provincia de Minas
Geraes, visto nao ter entrado em exercicio no
prazo legal; e o de 8 de Agosto do mesmo anno
qoe nomeou o bacbarel Joo Buarque de Lima
para o lugar de juiz municipal c de orphos do
termo de Muan, na provincia do Para, visto nao
ter entrado em eSrccio no prazo legal.
Foi nom>-ado 3'juiz subslinto da comarca
do RecitV, na de Pernambuco. o bacharel Benicio
Nelson Tavares da Cunha e Mello.
llinisterio da Fazenda
Foi nomeado conferente da Alfandega de
Pernambuco o t escripturario da Thesouraria
de Fazenda de Sergipe? Antonio Jeronymo de
Oliveira.
Foi nomeado escripturario da thesouraria
da mesma provincia o. 'J" Joaquim dos Reis
Lisboa.
Foi nomeado o bacharel Antonio V
da Costa Magalhes, lente cathefratico do
deira do 2 anno da escota mililada corte.
Foi nomeado o cirurgiSo-mor de divisao.
Dr. JooSeveriano da Fonseca. professor de semen-
cias physicas e naturaes do Imperial Collegio
Militar.
Foram nomeados alferes alumnos, de con
formidade com os arts. 154, '88 e 195 dos re^u -
lamentos que baixaram com os decretos
:->. 0,f5i e 1.203 de 17 de Janeiro de IM~*
26 de Julho de 1884 e de j de Marco ultimo, as
prapas do exercito Aboylard Chrysostomo de
Uueiroz, Pedro Botelho da Cunha, Croraancio de
Bnto Barros, Alfredo Osear Fleury de Barres,
Tito Livio Lutao de olivis Ramos e Goncala
Correia Lima.
i-se W5)*cneldocnr,po de estado-
raaior de i.1 clsse, Joaquim Jeronymo BarrSo, a
exoneraro que pedio, dorogar de coramandante
ds armas da provincia do-Par.
Foi mandado reverter 1. classs d^exer-
cito O lente aggregado arma de 'caWfilariH
Joo de Deus Ma/tins, visto ter sido julgado
prompto para o servico em nova inspeccao de^
sade a que foi subrattido.
Foram transferidos:
Xa arma de artilharia Para o 1 regimeptO-7-
Capito do 4. batalhao, Francisco Emilio Jnlien,
para s]8.' batera.
Para o 4." batalhao -Capito do 1. regimeuto,
Alfredo de Simas Eneas, para a 4.a batera.
Arma de ravaltariaPara o l." regimentCa-
pito do 10., Domingos Francisco de Oliveira
Junqueira, paro o 2. esquadro.
Para o 6.* regimentCapito do 10." Lydio
Purpurario dos Santos Costa, para o 4," esqua-
dro.
Para o 10. regiment-Capito do l., Joo
Justiuiano da Roclia, para o 4." esquadro; capi-
to do 6, Jos Florencio de Toledo Ribas, para
0 1. esquadro.
Arma de infatuaraPara o 1.a batalhaoMa-
jor do 29., Aureliano Augusto, de Azevedo Po-
dra.
Para o 13. batalhao Capito do 28.", Raphael
Augusto da Cunha Mattos, para a i. corapa
nhia.
Para o 23." batalhaoCapito do 17., Adolpho
de Alencastro Graca, para a 4. compaohia.
Para o 19. batohoMajor do i., Luiz Alves
Leite de Oliveira Salgado; para a 2.- classe do
exercito, de accordo com a imperial resoluco de
1 de Abril de 1871, o 1." cirurgio do corpo de
sade do mesmo exercito, Dr. Alexandre Marcel-
lino Bayma, visto haver sido julgado incapaz do
servico."
Foram classiticados :
Xa arma de cavallaria1'." regim.ntoCapi-
to Thomaz Augusto de Vasconeelloa Coimbra,
no 4." esauadro.
Armo de iafanlaria6. batalhao, capito Jos
Moreira de Queiroz, na 2.a companbia.
12 batalhaoCapitao Pedro Jos* Lima, na
3.a companhia. /
30." batalhao-Capito Carlos Frederico de
Mesquita, na 4.' oompanhia. .
Coacedeu se reforma, de coriforraidade com
a 1.a parte do 11.a do art. 9 da le p. 648 de 18
de Agosto d 1852, oo capito do 5." batalhao de
infamara Joo Capislrano de Oliveira Epami-
nondas, visto ter sido julgado incapaz deservido
do etftrcito. \^
FoiJioraeado.* cirurgio do corpo de sa-
de do elfercito o doutor em medicina Virgilio
Tourinho de Bittencourt.
Foram nomeados para a Escola SupetDr de
Guerra o capito do corpo de engenheiro Inno-
cencio Serzeello Correia, lente cathedratico da
2.a cadeira do 4. anno'; o major do corpo de es-
tado-maior de 1.a classe. Jos Flix Barbosa de
Oliveira, lente cathedratico da 3 a cadeira do 4 a
anno ; o capito do corpo de engeobeiros. Jos
Alipio Macedo daFonstca Costallat, professor da
aula de desenho do 3." anno: o capitao do corpo
de engenbeiros, Antonio Anto Ribeiro, substitu-
to da 1. seceo e o capito do corpo de estado-
maior del. classe. Alvaro Lopes Machado, subs-
tituto da 2. secgo.
;>;n".n rts e JoJo Domingos Santos,
da Torre. Joao .los dos Santos.
por embrkj
No diff W
assumid o
rao dd^^T
termo den
burbioi?.
!e, prestou
jtiraraento e
0 cargo de delegado do ter-
o ctdadao Francisco Xo
daque
liltricto de S. Benedicto do
ido deouucia de -que no
termo, achava-se noraisia-
para afli se iliriuio
na l'or$a ae polica e so
jgar foi recebido com diver-
nto luta da qual resuj-
SJ^fco f'"Has algunas pra-
BUT
ca do facto pnUfBflcu-se nos termos da le
O cidado LaurBdo Wanderley Pereira Lima
participou-meter ft dia 15 do corrente, assumido
O'CKarcicio do cargo de deleiradqdo Jrdl do
Brey '>'. Jm-W^
; Jilo delegado do lermo do^CHCfoi remetti lo
ao jui~o corapetenteo inquento policial procedi-
do contra o individuo de nome'-|0HO Clona dos
Santos, pelo crime de erimentos praticados na
pessoa s\nenor AlCrflS.
DeoJHuai'de a WExc.Illm. e Exm.
Sr. Cowejheiro Wfcel Alves
muito digno p:
chefe de polica
Falcao.
Ministerio da Agricultura
Fjram exonerados de administradores do i
correies : ae Goyaz, Joo Crias de Souza ; das
Alagoas, JLuiz d'e Montes ; de Paran, Manoel
Jos do CuilioJBittencourt; e nomeados para o
de G. yaz Joaquim Fernandas deCaivalho e para
a de Alagoas Alexandre Maia da Fonseea.
Foi "exonerado ofengenheiro Guilhermino
Tavares deMedeircsJJunior: de ajudante do direc
tor das obras do melhoramcnt. da porto de i'er-
nambucj c nomeado para subsiitoil o o enge-
nheiro Alfonso Henrique de Souza Gome.
--Ji.aJ4a)ia*">-
Ministerlo da Ciuerra
Foram promovidos :
Xa arma de cuvaUariak' lenles da arma :
os alferes: Raphael Theopajlq Lubarau, por es-
tados, e Juvenal Antonio de Souza, por autigui-
dade.
Xa ar.na de infantaiia 5" batalhao -A capito:
o teene' Leoncio Luiz Pinto Ribeiro por antir
guidade, para a 3a companhia.
17a bataliio-A' capito o lente Joaquim
Candido de Vasconcellos, por mtiguidade, pora
a Ia companbia.
28" bitalhoA' capito o tenentc Joo Augus-
poretudos. fiara a 3' companhia.
. 29* i, ancisso
CiOTerno da Provincia
aKSPAcnos da presidencia do da 19 dk
JULHO DE 1889
Antonio Ferandes da Silveira Carvalho.In-
forme o Sr. inspector do Thsouro Provincial.
Barliiolomeu de S e Souza.-Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Candido Augusto de Albuquerque Sobral.
Informe p Sr. inspector do Thesouro Provin-
cial, s
Ceciliano Jos Ribeiro de Vasconcellos.n
forme o Sr. inspector rio Thesouro Provincial
Custodia Mara da Conceico.Deferido cora
oQicio de hoje ao coronel coramandante das ar
mas.
Enedina Floresta dos Santos Cordeiro. Infor
me o Sr. director da Colonia Isabel.
Dr. Felippe Nery Collaco.-Informe o Sr. in-
spector do Thesouro Provincial.
Dr. Francisco Altino Correia de AraujoDe-
fer Jo com oflicio de hoje Thesouraria de Fa-
zenda
Alferes Generino de Oliveira Cavalcante.
Si ni. com o sold integral.
Joaquim Firmo de Oliveira.Informe o Sr. di-
rector geral das obras publicas.
Jos Bernardino Das da Silva.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional da
comarco do Recite.
Manoel Dias do Nascimento.Informe o Pr.
tenente-coronel coramandante do corpo de po-
lica.
Manoel Correia.-Informe o Dr. juiz de direi-
to do 2a districto criminal da comarcando Re-
cife.
Rodrigo Carvalho 4 CInforme o Sr. inspec-
tor do Thesouro Provincial. i
Severino Misael de Lima Botelho.Requeira
por intermedio do inspector interino do Arse-
nal de Marinha.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco 20 de Julho de 1889.
O porteiro,
F.' Chacn. '
ReparticSo da Polica
2.* seccao.M. 8QiSecretaria de Po-
lica de Pernambuco, 20 de Julho de 1889-
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontera recolhidoa Casa de
DetencSo, os seguintes individuos :
A' minho ordem, Joaquim Pedro Cardoso, co
mo alienado at que tenha o conveniente des
tino.
*' ordem do Dr. delegado do Io districto da
capital,Jos Bernardo lie SanfAnua, Virgi
Margariria e Cypriano di Souza Viegas.por
me de furto.
A' ordem do subdelegado do 1" distri
freguezia de S. Jos, Macario Pereira d
por embriaguez e distur
A' orilemdo do i" districto, Carol
de Mello, por i

de Araujo,
nto da provincia.O
ncio Dias de Arruda
ER10R
ida Europa
chpgado hontem da Eu-
e de Portugal alcancam
niln 15 das s trzidas
\olIH
Pelo paquete Xt
ropa, tivedtos folh .
8 do corrente, ad
pelo Eli
Eis as noticia*.:
II>*>FriiIi;i
Escrevem-nos de Lisboa:
A cangraco continfa em proporces espan-
tosas.
Os habitantes de povoaco do Valle de Abdo-
lajis, da provincia de Malaga, pedirara ao go-
verno da Repubca Argentina que Ihes cons-
truisse all uraa povoa'o com o mesmo nome ;
e, havendn e'ste acceinlo e ordenado que come-
cem as obras, em breve partiro para a Rep-
blica todos os liabites da dita povoaco com 4
seu cura i frente.
As Mlmeiras renioes da nova sesso le-
gislativ*spanhola correram pacilicas e or-
deiras, copra o xpa se esperava e contra o que
annunciava a opposico colligada.
O? prinfiipaes oradores do pardo conserva-
dor, apoijslos peio Sr. Romero Robledo. Lpez
Doraingue e outros"alliados liberaes-dissidemes
('em feito^o posiivef para provocar a maioria e
para ver se conseguam renovar os tumultos que
obrlgarani'o govem'o n dar por linda a ultima
sesso. Taes esforcos fio sido porra frustrados
pelo ropssito firme em que se tem mantido a
maioria ministerial, de despreiar todas as pro-
pcaroe.;,Jro*|)ondendo-l!ie com a cospirago
o sflene *!*
Por tal modo se tem ja conseguido que o con-
nisso dos deputados votasfc a lei sobre os
aloools, i da coutabilidade pnblica, e a que de-
termina o contingente annual para o exercito,
estando tambem adiantados os trabaUos da com-
raisso des orcamentos.
Aflirraase comtudo que o Sr. Marios nao de-
sisti do plano de fazer adiar indefinidamente o
projecto do vo;o universal, contando para isso
cstn um discurso que pronuncioo, e que fe-me-
cer* ensejo para seus novos amigos conserva-
dores fazerem perder ao congresso um enorme
lera
ni
rapo cora discursos de prolongado obstruccio-
nismo. Parece, porra, que o Sr. Sagasia est
decidido a inulilisar taes manobras, conservando
as cmara? abertas at o fi:n de Julho, se for
preciso, para o fim de ticar votado, pelo menos,
o primeiro ttulo do projecto.
A serenidade com que iam correndo as ses-
sfcs do congresso dos deputados em Hespanha,
foi entretanto perturbada no dia 2f> de Junho por
ura incidente tumultuoso.
Discursando o general Capola, disse que o
procedimento do governo, exasperando a opposi
#io. tendia a crear perigos para o paz e para a
monarchia.
O Sr. Sagasta convidou-o a que fosse raais ex
plicilo, porque as qualidades de militar e de
realista impunhara ao general o dever de denun-
ciar qualquer conspiraco que existisse, e de
que elle tivesse conheciraento : e accrescentou
que os que nao se subraettem s^lecisoes do
parlarasnJS! e s do governo, devem ser consi
deradQSJBW'0S0S e rehenes, o devem ser puni-
dos atk taes. .
Ofresi'iefUe do conselho conduio o seu dis-
curso, fazendo um rpido appello a todos os
liberaes, at mesmo os dissidente3, para concor-
rerem para que se approve a lei que estabelece
o suffragio universal. .
N'este ponto o Sr. Cnovas de! Castillo mier
rompen o oraJor, e estaseleccu-se.entre os dous
um riialndh de recriminacOes, laucando cada ura
d'eles ao rosto do outro as alliamjas a que teem
recorrido em beneficio .la jua politici. O Sr.
Cnovas censurava a alliancW dos liberaes cora
os republicanos; o Sr. Sagasta a dos conserva
dores eom os liberaes dissidentes.
Levantou-se entao gran.le tumulto, grande
temnestade de gritos e de gestos aggressivos
que' o presidente, o Sr. Alomo Martnez, nao
conseguio acalmar, tendo P<*9P^ nueeocerrar
a ses=o. .
O hoi isonte poltico em vez. de irclarar-se, cada
vez se apresentamais carregado de nuven?.
As opposicOes parlamentares forraularam
ura voto de censura ao governo. Tal voto deter-
minoa a crise. Falla-se de que as corte seruo
dissolvidas. Sagasta j conta com isso; no en-
trelanlc, corre o boato de que a rainha regente
nao Ihe retirar a sua i onlianc'a.
O voto de censura tem muitos considerandos:
ha sele'nieze que funeciona o parlamento, sera
que hajarii sido apresentados discussao os as
sumptos "ais importantes; a situagiio da fa
en la e do thesooro c-da vez raais crilica;
nao foram trzidas ao parlamento as propostas
relativas a Cuba e Porto Rico a tempo de seretu
discutidas e stndadas devidaraente; a divida
publica, tem sido entregue ao abandono, etc.,
tortanto, as opposicoes pedem cmara que
decas! ver com desgosto :
!.Que as proposias nao fossem apresent-t-
das com a necessaria antecipagao e opportun -
raent-; para
nao concorrer'aTn era ;ass
UarlaiiiuiU.deS ;
i sobre a legalidade
Mas pelo governo
i:i eonl :m den
oj-ctos finan
nder ao ,indispem>
la publie
apezar de terem filo api
ha ja bastantes legislaturas; outro
sid tardamente.
f A
nova- i Coa G;u
I Lope/. I
itejo, F. 1
No dio 5 ao (indar a sesso da cmara dos
deputados, quando o Mrquez de la Vega de
Arniijo, ministro dos negocios estrangeiros, co-
me*java a responder ao Sr. Marios, as minoras
protcstarara violentamente contra certas exprs-
ses do orador, e a maioria replicou em termos
speros a esses ataques. Levantou-se um es-
cndalo espantoso, sendo inuteis todos os esfor-
gos eran re gailos para o dominar. A cxcitagio
augmentou a tal ponto, que os rainisteriacs e os
opposicionistas dos diversos grupos trpearam
entri si vehemeates insultos.
I'm deputado atravessou o hemiciclo cora.a
biiigaladevantada. Sabio ao seu encontr o de-
putado romn isla Ducazcal. Felizmente a nter-
Ivenco dos amigos de um e de outro logrou
evitar 0 conflicto.
Os conservadores cruzaram dos seos bansrs
dunis ameacas contra os miiisterians, sendo en-:
tito o^fscandalo indescriptiveL
0 presidente festabelecer aflnal a ordem de
pois de quebrar quatro campanhias.
O ministro dos negocios estrangeiros conti-
nuara o seu disetrso na sesso seguinte.
E' facto consumado a colligngao da im-
prensa republicana, com excepeo apenas dos
peridicos do Sr. Castellir.
A' assembla reunida no dia 24 em casa e
por iniciativa do r. Mrquez Santa Martha, pro-
prielario do jornal La Repblica, assistiram 60
representantes de outros tantos jornaes de Ma-
drid e das provincias, e foi alli recebiaa a adhe-
ss de outros 10, aos quaes ho de aggregar-se
alanos raais.
No manifest, que se resolveu fosse dirigido
ao paz, procJamou-se a colligago da imprensa
republicana; protestase contra a restaurarao
feita per um acto de forga, que comegou era 3
de Janeiro, ao dissolver se as cortes s bayoue-
tadas ; recorda-se a lucta legal; decide-se com
bater os governos monarchicos sei. benevolen-
cia ; e stabelece-sc a mais carinhosa paternidade
entre todos os peridicos colligados. nao s an-
tes, mas tambera depois do triumpho da rep-
blica, e cria-se urna junta directora, formada
pelos directores dos peridicos de Madrid, en-
carregada de manter a colligago, e de promo
ver, junto dos chefes dos pirudos republicanos,
quanto seja conducente ao triumpho da rep-
blica.
A coroago do Ilustre poeta D. Jos Zor
rilla, em Granada, foi um acto de que ficar
memoria immorred ura.
Tuto quanto se diga em elogie daquella for-
mosa-ddade, e de seus esforcos para a realisa-
go do acto ser pouco.
Granada e com Granada a Hespanha podem es-
tar orgulbosas^e o insigne Zorrilha muito agra-
dado com o seu oobre triumpho.
O ministro do Brazil regressou de Gra-
nada, aonde Wra representar o imperador na
coroago de Zorrilla.
O sulto de Marrocos est se preparando
para ir em visita a Tnger que a principal re-
sidencia dos estrangeiros no imperio. E' a pri-
meira vez que alli vai depois da sua elevaeo ao
ihrono.
Fazem-se grandes preparativos militares para
que a visita do sulto" aquella cidade, bem como
as provincias septentrionaes do seu estado, seja
feita com o m;.ior luzraento e apparato.
Trabi-.se de -eunir todas as torcas regulares e
numerosos contingentes rabes, nm verdadeiro
exercito, que Iraz memoria as grandes agglo-
merages armada?, com que amigamente se fa-
ziam os invas6?s musulmanas.
Tem este facto produzido certa irapresso enr
Hespanha, onde esto preoecupados com elle os
centros polticos e o* militores.
No parlaracuio um deputado pergunton ao go-
verno se nao seria conveniente reforgar-se as
pragas hespanholas do littoral raarroquino, e
especialmente guarnecel-as com artilharia me-
lhor do que a actual.
O ministro da guerra respondeu que estava
seguindo attentaaeote os acontecimentos, e pro-
mettia nada omiftir que fosse necessario para a
salvaguarda dos intersses da Hespanha.
Tambem as autoridades militares de Ceuta, de
Melilla, e das ilhas Cathanas, pediram ao go-
verno que Ihes enviasse reforgos, e tomasse as
precauees exigidas pelaetfervesceocia que o
arrauncio da visita do sulto produzio as popu
lages rabes visinbas das pragas hespanholas.
Alrma-se que ir fundear urna esquadra lies-
panhola em Tnger, onde se demorar durante
a visita do sulto.
Os jornaes hepanhocs, referindo-se proje-
ctada conferencia internacional promovida pela
Alleinanha, atim de se ttxarem as fronteiras das
possesses europeas na America, notara que a
Hespanha nao tivesse sido posta ao lado das de-
mais nages de que os jornaes allemes se teem
occu patio.
Parece, porm, que o esquecimento ser reme-
diada, caso as conferencia se realise, o que ain-.
da duvidoso.
As receilas dos caminhos de ferro teem au-
gmentado todas consideravelmente, exceptuan-
do apenas as de Este da Hespanha. Attribue-se
principalmente esta excepgo s continuadas in-
terrupgois da liaba, e ao pequeo cominercio
dos vinnos, tendo por isso baixado o rendimento
a pouco mais de metade das despezas. Na se-
mana fiada em 17 do mez passado foram os ca-
minhos de ferro portuguezesaquellesonde houve
maior augmento de rendimento, abaixo ua Aus-
tria e do norte da Hespanha.
Celebrou-se no dia 2 do corrente em Co
runba uraa reunio. aim de tratar do3 vapores
correios.
Foi nomeado um syndicato para velar pelos
interesses de Corunha.
Foram demittidos j o ajmtamiento, a cora
raisso provincial, o presidente da diputation, o
conselho da agricultura e a comara do coramer-
cio *
A agitago enorme. Muitos grupos percor-
rera as ras. Os cora mercian tes lecharara'os
seus estabelecirae rtos em slgnal d; protes:o.
Parlio j para Ferrol urna coramissao dos yn di-
calo, afira de promover um'coraicio, peuindo a
demissao do ajnntamiento daquella cidade.
0 africanista he3pauhol, Sr Sorela, parti
ha dias de Cdiz em aireegao s diversas cida-
Jades anlalu/.as, afim de nellas organisar juntas
anti -esclavagislas.
Era seguida embarcara para Genova, e desta
cidade italiana partir pAra Ludrecia, onde se
devera aenar em 3 de Agosto prximo, atim de
tomar parte cjino delegado da associagSoanti-
osclavagista hespaohota, no primeiro congresso
contra a escravatura.
Di Lucerna dirigir-se-ha o Sr. Sorela a Roma
para dar COpta ati napa dos trabalhos anti-escla-
vagistas roalisados em Hespanha.
O submarmo 'jraletVd jprmipte para as
subraersao, que ho de realisar-
e:n uo dique.
0 capitao general do departamento, Sr. Mon-
beu ordem do ministerio para que as
toja,
experiencias se f.igam cora o maior segredo.
- Diiem de Barcelona que a junta de saude
pabltea daqneUa cidade acaba de iratai do exis-
tencia Jo cnolera mis ilhas Filippin .
benelicencia
que attribucm ao papa a idea de abandona-
Roma, e accrescenta que Sua Santidade mcStzt
intengo de vir para Hespanha. Segundo o atse-
mo jornal, parece que n Sr. Sagasta recebanHae^
Romatra lelegramma cifrado, fallando das di&v
toldadVs que o papa encontra na cidade eteroc
O Liberal pblica um artigo de fundo sobre*al*
questo, o julga injustificada a sahida do pape:
de Roma.
A virtuosa rainha regente de Hespanhalof
um destes dias visitar o parme da Casa de-Cam-
po, onde ura batalhao de lelegraphistas estasc
tazando experiencias cora un bajo-capisap.
Interessaudo^C por essas experiencias, quiztt-
ni.ir parte nellas; metteu-se na barquinha-cfflt
iroflel de ongenhetros, e l foi subint.r
sabindo, at altura de 350 metros, i ^tonde;-
com gestos de agradeeimento aos vivas que
enw^ixo soltava a soldadesca.
E' claro que a vclhi etiqueta da cue de Bec -
panha4 tapn o rosto; mas o publico festejoc-t.
coragera e a seraceriraonia da mi de AiToner
XIII.
Franca
A i de Julho foi inaugurada em Pars, na ote.
dos Cysnes, com grande solemnidade a estte
da L'iberdade allumiando o mundo,cone
reduzida da estatua collossal erigida na bahitdir
Nova York.
Assistio cerraonia o presidente da Repdbb-
ca. PronuiiCiaram discursos o presidente Si
conselho municipal de Pars, Sr. Spuller, oni-
nistro dm negocios estrangeiros e o ministre oz
Estados Unidos. A/immensa raultido de povt
soltou grandes acclmages.
Comcgam os ditferentes partidos em Frange*
prepararse para a prxima luta eleitoral.
Por um lado, os diversos grupos monarchieo
combinados com os boulangislas, esto se prQpfe
parando para explorar todos os descontentamsc-
tos contra a repblica, alim de reforgarem aoct-
presentago que teem no parlamento, chegan&e
at a conceber a esperanga de alcangarem malc-
ra
Paraesse fim constituio-se em Pars uraa eos;
raisso central incumbida d.t dircegosupreus
dos trabalhos eleitoraes, e coraposta de delest:-
dos das differentes fracgOes da direito. E-aax
coramissao intitula se Liga da consulta nacio-
nal e formada dos Srs. La Rochefoucait
Jolibois, baro de Mackcn, E Bercer. marqoat
de Breteuil, Paulo de assagnac, L ClierpeacJ7.
Delafosse, conde de Maill conde de .Vlartinpinj.
A de Mun, e J. Pioti.
A Liga publicou um manifest nago-.ML
que diz horrores da Repblica, pintando conue.
raais negras cores o estado do paiz ; mas eea;-
tando o que todos veem, isto a era de progBt-
ridade e de liuerdade que a Franga est atas-
vessndo, e o prestigio que Ihe d a Expos:-
go Universal. D aos eleitores a certeza dt;
que tera certa a victoria e de que no proximr
parlamento haver urna maioria de homecs:b-
nestos, que tomaro conta do poder, que sede-
spiraro nos verdadeiros interesses da patria livraro do feudalismo parlamentar, que a des-
acredita, opprirae e arruina.
Pela sua parte, os republicanos dos diveiBOt
matizes, incluindo os radicaes mais sensatei
isto os qoe nao pretendem a revisSo a todco
transe, fazera todos os esforcos para, que ente
elles se estibelera a concordia durante o pera
do eleitoral. e trbalham activamente para fna-
trar os designios da colligago monarchico-famr
langistas.
Osjornaes republicanos esmentem os bcaii
propalados pelas follias boulangistas sobre a.
demissao do procurador geral\jiresnal de Raat-
repaire e divergencias ministeriaes.
Nao exacto que o ministro da marinha peca
em deraittir-se. Tencioua comtudo pedir ira.
crdito para a renovago dos navios da rmate
Na cmara dos deputados foi approvada lti-
mamente urna proposta de lei conferindo s-njE
Iheres direitos eleitoraes para as eleigOes tee
tribunaos do comraercio.
Tambem na mesma sesso foi approvado o pn-
jecio das caixas de aposetago para os. openo-
rio3
A abertura do segundo congresso internacio-
nal do direito das mulberes o primeiro effectiK-
ra-se durante a exposigo de 1878) realisouiSf
oo dia 26 de Juoho ultimo na casa da Sociedait
de Geographia em Paris. com urna certa solMt-
nidade.
Entre a profuso de vistosas toiletes de ccra
claras e alegres, viam se os Srs. Anatole dell.
%'orge, de Hrdia, Georges Martia, (Jalfavit,.
etc.
Poi no meio de repetidos applausos que x.
presidente, maderaoiselle Mara Devaismes,<*5c-
lida de seda de cor de malva ecorn ura peqau-
nissirao chapeo na cabero comecou a pronat-
ciar o discurso de abertura.
Depois de ter estudado nos seus tragos geras*.
o papel da raulher na sociedade, inaderao Devaismes cencluio por estas palavras :
Prepara-se una revolucao a maior, a mc
fecunda que se tem visto at hoje, e que sejfat
sem insurreico as ras, sem barricadas, -reas.
dynamile-
Paz-Be neste momento as consciencia,
far-se-ha em breve as leis. Para isso basta.
restabelecer a lei d'ordem : que os dous fato-
res da humanidade sejam egualitarios e ;nav
hierarchicos. E' por este prego que se conr-
guir o desen vi ment continuo c ndefinit
do progresso da huraanidade.
Mm. Len Kicher, presidente honoraria, sault-
em seguida as delegadas americanas, ineleas,
belgas, polacas, italianas e suecas, agradecer:
particularmente a M. Baget, deputado dina-
marquez, por ter tomado parle nos trabaliiosdac
congresso. Deu conheciraento de que urna aw:
sagra acaban de Ihe ser enviada por seisMBV
tas notabilidades belgas, entre as quaes figmaa.
muitos deputados.
Lvan'ou vivos applausos de todo o congrasa*
uraa carta, que foi lula, de Mr. Ses Guyot, mi-
nistro das obras publicas, prevenindo madeaMi-
selle Dovaismes de que na prxima sesso rt
sexta-feira seria apresentada a proposta de Imi
relativa organisagio de collegios de mulherss
commercianies, para a eleigo de jurys no irit
bunal do comraercio.
Os congressistas retirarara-seem seguida poau
nutras salas espeeiaes atim de oj-ganisarem at
quatro seccoes seguintes :
1 secgo histrica. -Da influencia das mte-
res, e da sua accSo 6bre a marcha e deseavai-
viraeoto das sociedades humanas.
2" seceo econmicaEstudo sobre'o trbb*
c salario das mulhcrcs nos ditferentes paues
Su i adraisso oj\ exciuso as carreiras liber.i
3-sregode moral.rstudo sobre as cacsa.-
da dissoiugo dos cosiumes, e lueios de as rexse-
diar.
4.a secgo de legislagfto. i 'as fc.
que no mundo consagren a imerioridadcdoani-
llier.
O aspeclo n
raeni
na expWotajV irlamentares.
jnsuraiu ac
r

>

r






>
.*

-,


Diario de Pemambic Domingo 21 de Julho de J/^ 9
*
culo i que se feche quaato antes o par-
* O congresso interparlamentar da paz cele-
brou em Paris a sua segunda sesso a 30 de Ju-
aho.ayb a presidencia do deputado inglez Stan-
liope.
iwmmmmmmmmm
de con
Aonrovou uraa resoluco, convidando os go-
* vernos e os piriam apregarem lo .ios os
aforeos aflm de se cnegar celebraqo de Ira-
&
aenham fazer corapreliender na aeco commum .nas teve ocoasiSo
) do do inspector d polica SVohlgernu'h. serr
Quaqta a associncao dailtalia n'aquella dili- Apezar do segredo, sabe-sequej
i commum, as corre^ondencia3 da Roma
lesm'ntem-n'a categricamente.
ono
O cooselho federfl suisso resol veu nao fazer
por emquanto coraniunicac'ao alguma do aisump-
to ao parlamento, t que indica que elle lem es-
con-
sistorio ultimo foi dar lugar a que,oRtpa pro-
testaste solemnemente contra o monumento le-
vantado a Giprdano Bruno.
LeSo XIII dirigi aos carder.es urna alocuco,
que sar publicada pelos tornaes calholicos de-
dos" pelos quies os "governos se obriguem a
recorrer a ariitr igem pira a soluoo da3 contan-
das internacional.'-
0 congresso decidi qu a sua prxima re-
unio se elfectue em Londres.
__ A ptrsegaico movida pelo governo fran-
cs ao bravo general, j llie atacou as algibei-
ras. Quinao o procarador de BooUager ra ul-
timameote, reseber a3 pre.stacoes do seu sold
" de general reformado, 40,000 francos par antio,
e da sua peras 10 da Leoiifn le 1 tari 2,000 fran-
cos, resleratn-Ua terminantemente : Nao
se paga I
Dase como pretexto a suspensao do paga
ment o Taco de Boulanger se ter mudado de
Franca sera li :ensa do governo.
O tribunal correccional de Angoulme. pro-
nunciou no dia21 de Junioa seatenca do pro-
ees so intentado contra os Srs. Paulo Deroulde
e.Laisant, por crirae da rebellio, e contra o
Sr. George Lagoerre, por ameacas- aos ramelo-
1 narios. ..,._.
Como era de esperar, o Sr. Liisorat foi abaot-
vido. o sen -orne pescas mes foi pronunciado
na audiencia. t_ah y_
O Sr. Paulo Deroaide foi absolvido do CSoae
de reb^llio, mas coodemaado a Beotmocos de
ma'ta por uhrages. O tribunal ojera constgaor
a seguate parase do accasado : Hoja nao se
prend os la Ir >s, m u sim quellea que
tam : Viva a repblica
Fmal.ne ite oSr. li-JOCJ Lu ierre, tu tam-
bem onieu iio a ce: fraa/os de mnita por ter
amea;a4o o pr > -arador da republicate o iuuc-
cioaarios que prenieras n> seas amibos,, e por
ltr fe-;, SrtiMj'do cdigo pwual .
que pune os lores das prisoea arbitrarias.
V, algara de importancia
na au licncia.
r :i nsili Ta i i)-8sao noi-^B^WT
nal le ter havido umi confafen-
*ti'i particular entre os ministros da guerra da
oca e da Russia.
Os anistros parece que tinhara designado
Vicirffco'no po Uo de reuniio. Era fJsporaOO
com anciedide e.o Pars o correio da Allemanha.
So dia 3 a cmara dos deputados votou to
dos os artigos do orcamenio das receitas.
O Sr.'d'Aillires. em nomo da direita disse
que elle e os seas amigos nao votar) o orea-
mento, porque nao coatai nm reformas nem
economizas, e esperara com tola a coBti.nga a
*oova assembla parlamentar aaflida da voutade
do povo
O Sr. Retoar, ministro da fazenda replicn
que a legislatura actual travou o progresso
das despezas e prep^rou a unidade do orcamen-
to ; e accresceatou que o paiz lia de saber dis-
tinguir entre os homens, cujas paixes o per-
turbara e aquelles que o servera com rospeito e
dedicaco.
O orcamenlo foi depois votado na generalida-
de por 379 votos contra 91.
Levantou se logo a sesso o orcamento To: im-
me iiatamente transmitti lo ao senado.
O Sr. de Linessan, deputado do Sena, es -
creveu uo almiranle Krantz, ministro da .mari-
nha, avisando-o de que o inlerpellariana 6
do dia 8, para saber que providencias tenciona
propor para rem-diar a nsuniciencia da arma-
da e dos meios de defeza das costas da Franca,
insulliciencia revelada pelas recantes manobras.
. O prefeito da polica avisou ao director das
touradas de que a autonsaco para esse aspee-
taculo lhe fra concedida sob a condicao de nao
serem mortos na arena o toiros, e se esta con-
dicao nao for absolutamente resucitada mandar
f*char a praca.
Esta intimaca foi em consequencia de urna
contraveneno de certo espada, que, para obse-
quiar a raiulia Izabel de Hespacha, que ;.-
aq espectculo, em vez de simular a estocada,
oi dapocAoa'Io o toiro com toda a limpeza.
Levanlaram se grandes protestos, emquanto a
parte hespanhola do amphitbeatro applaudia com
delirio aquella gentilesa do seu con patriota.
As entradas ha exposicao em o de Jumo
foram I37.il) I. Tem oreado sempre por estes
algansmos altos.
A cmara dos deputad->s rejeitou por 30 votos
contra 197 urna emeuda da qual tinhajoor lim
onerar com um direito elevado as negoSaccs a
prasos.
Bel sica
Houve a 30 de Junho na palacio da Bolsa urna
grande manifestarlo do pirtido liberal e lodos os
oradores da reunio|fcdiram a demisso d9 mi
nis'erio e a dissolucwclascmaras.
E' extraordinaria a animaco de Bruxellas,
mas reina a completa ordem sempre.
MuiMtia
II 'alisou-sc no parlamento suisso a annuncia-
da interpellago ao cocsellio federal sobra o con-
flicto ger.nanobelfelico.
A' sesso assistiu quasi lodo o corpo diploma-
tico aere I tado em Berne. ^
Notou se a falta de Bolow, ministro da Alie-
manlia.
Kuenzle, um do; interpellanles, peiu explica
cOes sobre o conllicto pendente.
Drez, membro do conselho federal, respon-
deuili<*. advertindo que a soa posic^o oflicial', e
o estad.M :s negociages nollie pennittiaoi -
to explcito como deseiava; em iodo e caso,
sel-o-hia tanlo quanto ;
Toda as theorias expStas pela Allemanlia,
oas suas reclamaces. disse o Ortdor, foram to-
peludas com dignidade e e:e
de aO go?erno suisso as notas que diriga ao
gabinete tle Bertim.
A Allemanba jner arrqgar-se o direito de
- manter no terrtorio -ni polica
allem, empregados na vigilancia de iadividaos
suspeitos; mas o cooselho redera! nao pod
tittir s'Miielliante iagereDRa,j e porl
que en ajni que se nao pode admiltir
essa paKicipaco n soberana.
# 0 gorerno altemao, as saas r
adduzio como principal argomento os devvrcs
queaneutraiida !e impoe Suissa : e a iseores-
ponden o cojis. ilio federal que a manut
Sessa neutralidade wta completamente de ac
cordo cora todas as potencias que a garan'iram,
assim corno garaoliram a soberana e '.ndepen-
dencia da Suissa. que as suber defender enr-
gicamente. j
E-tas deciarafocsforam acolliiJaslomappIau-
. sos prolongados e geraes.
Droz terminou o sea diaearso disando que a
autoridade federal, contando com o forte e de-
cidido apoio da cmara, d fendercaergicamen-
te os iotCTesies, a dignidade e a nonra nacio-
nal.
Os deputados interpellanles deram-se por sa-
fen is com as declai I conselko !
a quem a cmara dea um voto de eoniiaoca. en-
cerrando em seguida a sesso.
O conlli'to entre a Allemanha e a Suissa
provocado pelo incidente Wulilgemulh, tomou ul-
timameate nova feyo.
O governo allemo exigiu da Suissa. em no-
me da neutralidade deste p'aiz.estabelecida nos
tratados uternacionaes, que ella recuse wylo
aos subditos allemcs que nao estejam munidos
de documentos era regra abonen o seu regular
comporlamento anterior na trra da sua natura
dade. ,
A principio afngurou-sc que tal exigencia
apresentava feico de special importancia, por-
que atlirmav que cr?, apoiada pela Austria, peio
Russia e pela ludia.
Agora apura'se que o caso nao to seo co-
mo pareca.
dentsebe adirma oflicialmcnt que a Rus-
sia apenas fez coro com a Allemaoha, queixan-
do se de que a Suissa abuse do direito denu-
tralidade qufi lhe foi conferido,, e de que as au-
toridades da confederacio nao se deseuopeiiliam
403 dereres que sao inherentes aquelle direito.
Mas o Bund, de Berne e outros jornaes, decla-
ram que a Russia recasoo se a cooperar n'uma
ac^So diplomtica comraum com a Allemanba,
no sentido qneesta potencia pretenda, t que a
Austria, por loage de apoiar, em
toda a sua e\ la Allema^
sha.
rigiram representacSec
peranca de ebegar jm breve a um accordo a tal pois de expedid.is as respectivas copias authen-
ticas a todos os bispos An *
respefto com osestidos reclamantes. ticas a lodos os Dispos do d^H
Sa allemanba, a oninio publica sensata quella allocaeao aHjruia Sua Hpit q-
est longe de appi-ovar o procedunento do go- a inaugunaco do moousnRtojMH
verno imperial pan com a Suiss \ e as exigeo-! nao leve em vista senao off''utler e d'
cas respetante* residencia dos subditos alie-; rar a re igi*cathohca i, porgue
maes no territorio da confederacio helvtica. dao Bruno nao se recomlMMelas
pezar da Gazeta da MUtnanhado Norte e ou-' tudes sociaes e patritica* njB -porjplWlliu.ii
tras folfias olciosai continuarem nos seus ata- "espirito especial, a nao ser o,ader vi.;
ques ao governo suisso. e a apoiar as exigencias! a religiao catbulica tju rnli, santas virtudes
exageradas da chancellaria allemo, todos os chnets.
jornaes cordatos e independen tes da me3ina na-
cionalidade censura;n a nterpretacao que se pre-
A allocugo terminan com O saginte pe- -.-o :
As cousas ebegaram a tal p<
tfnde dar ao art. 2o do tratado entre as duas na- vemos recursos nos meros inundamos; s nos
ges, e estabelecem o verdadeiro ireito, que resta termos conflanca em Deujf que ha de pro
evidenlemente coat.-ario ao que pretende a Alie- teger e defender a sua igreja. ?
manha. Fallou-se em A Gazeta Nacional, por exemplo. que um Roma,
jornal de bastante autoridade em Berlim, a pro-1 Parece, porm. que tal s nao realis;
psito de um artigo violento que recenteraente' da imprensa catholiea inaislir em que oproff-
publidou a Gazeta da Allemanlut do Norte contra : diineuto do governo *A demonstra^es anti
a Suissa, sustenta a verdadeira doutrina que de-1 religiosas tornara cada dia mais difficil a situa-
riva do citado artigo 2", e reconbece os direitos cao da Sania i de prever que era urna
da Suissa. poca nao distante, e nao mudando o (iBUial es
Aquelle artigo eslabelcce que para un alie-; lado de coasas, o Papa se ver obligad* a bus-
raao assectar domicilio ou eatabelocer-.se na; car a=ylo no estran-
Suissa preosiva apresentar um certiiicado de 'feni-sc fallado muito Diurnamente etique nos
origen, e tambera documentos com que pro ve arredores de Barcloaa se poria di
nao estar privado no seu paiz de neuhuui direi j Surarno P^ntice local adequado
to civil ou poltico ferir para alli cora a sua c: te pontilical, o caso
A Allemanba pretende que esta disposicao de se declarar a guerra entre a Italia eylguma
obrigaioria para a Suissa, e esta sustenta o cour; oova poleucia.
trario, enteudendo que ella apenas uraa g Estes boatos, ao que paree WLie
raiitia que a coafederaco lielvel: -do e sao mu : en-
pitra exifir ta- iiosqu.wio jalgase; ireUnw, segundo se airna, o^HBipii
necessarm, tara ic-guran^a propria. JH junto do qual, por via dipi
Etrectivament mo pode adar.ttr-ec qu eia nei^sei.
isp^ico fosse obrgatQa para o governo suis- recusara ando chelda^%ja^nospe
so, porque isso importara a ingerencia de um ; dagein solicite nJ lh'a recusaa, ere-
estado na polica dos estrangeiros deutrr
territorio de outro,'caque 6 contrario aos
Cipios jurdicos geralaiBir.e aceito
Seria essa urna singular inlerprelaglo dos di-
reitos dos neutros, a qual, suprimira esses di-
reitos.
V
do : uis, outra qualquer potencia calholica.
Segundo consta ao Do He Chrtucle, no caso de
nma guerra, europea.o Papa ira refugia:
Vulencl ~
Seja couP fcfpa m n noite def9 pai
ica de S^ Pedro e alli e.
de 30 de Ini
Se a Suissa. assignando o referido art. 2', leve resando, dSjRe algum lempo acompanlia-
podesse attribuir-lhe tal signilicaco, abdicara do por quatro pfT
por esse fado os seus direos ile soberauia e de As portas do templo es|
independencia. publico, o que, por nao
Maniendo os seus direitos iodiscutiveis, a Su- cm Roma grande extra
osfirae, p
Refeiindo-sea sabida do]
na. diz o Oseroatoiv Rotnar.
i ) grandes anal os na
evidentemente os iuc.i.ivenienl
al para o alto cotaaierciwda
le boato.
Leo XI!I comVTeito. ul
importantes da actualU|>de e
: vergo a attenco da Europa.
bem cuniprirem os deveres que in-lencarregado de negocios d
iie.res neutras, est longe de satis- za junto da Santa S.
Fallou-se n'essa audieu"'
issa procura, dentro dos limites do razoavel e do
yisto, satsfazer as reclama^es combina las da
Allemanha. da Austria e da Rnwa com respeito
ao seivico da polica dos estrangeiros.
As-ini", o COOSeinO nacional anprovou por una-
nimidade um proiecto de le que loe foi a pre-
sentado pelo consellio fedeal. e peloquil res-
tabplecido triagar de procurador gcral da con-
federaco, que havia sido supprimido, por nao
ter era que se oceupasse o magistrado que o de- jsado nestes ltimos lempos
serapenhava. liar a situacko da Santa S
Esle facto, que prova o desejo que teem os'po- o llirono de Italia.
tares pblicos da confederaco helvtica de vi- Dizem as ultimas noticias
verem era boa harmona com os estados vsi- j deu urna audiencia ao ma.
nhos, e de b
cumbera s naces
fazer o orgulho do governo alletuo. que (cari
bastante magoado com a grotesca aventura do
seu inspector de polica Wohlgeumth. Por isso,
a Gazeta da Allemanha do Norte publicnu um
novo artigo sobre o conflicto, defendendo singu-
lares doutrinas a respeito da neutralidade dos
estados, das quues parece poder deprehender-se
que os neutros s ttem deveres a cumprir, sera
a compensacao dos correspondentes direitos.
0 consel.'io nacional suisso approvou st^m
discusso o pedido le aulorisaco do conselho
federal, para conlrahir um emprestimo de lli
milh&es de francos para o fabrico e espingar-
das de pequcuo calibres e para a preaaragao das
necessarias municOes.
Em Zurich, na festa commemorativa da !a-
taiha do Morat, foi muilo acclamado o cura pro-
testante Visstuan, quaudo disse:
Defenderemos os nossos laces contra a m- i dor para susie:ityr a lucia, e
gerencia estrangeira, c preferimos a morle a j nos quevigieui pata sua saivj
supportar semelhante deslionra I
No conselho de estado da Suissa acaba de
declarar o ministro do iierior que, em caso de
guerra as autoridades federaes tomara posse
de toda> as Habas frreas, afina de que aaequi-
sicfi'j das accOes por bunqueiros estrangeiros nao
;-i-sii realisar-se, pondo era perico a seguraoca
do territorio federal.
Em to !o o caso, o governo reserva-se o direi-
to de registro e TiirilnKfa
Qeve notar-se que o conselho de estado aulo-
risou, por unanimidade. o conselho federal a fa-
zer uso aiaatadamente los crditos votados
para 1800, 91 e 91 que serio applicados a com-
pletar o material le guerra de que o exercito
:: \:es-ita.
Um coiiselheiro de estado declaran que a Suis-
sa iria licar brevemente em coidii;es de fuer
respeitar o lerrilorio, e que nunea permitliria a
passauem de um exercito estrangeiro.
O Sr. de Rulow, representante da Allema-
nba junto lo gpverno da confederacio ie!v-ti-
ca, eutregou i tita ao conselho federal
urna copia de um despacho do principe de Bis-
raarek relativamente ao conflicto germano suis-
so, despacho que falla em deuonciar o tratado
de I78.
O conselho federal anda se nao oceupou da
rcsposla.
Italia
. da cid*
ntieia tem
o qu> pros a
le re&uttariam
psacu d'aqoel-
vaitos mais
o qual c 'ii-
se ti p-is-
lote para uva-
jeta aberla
o papa conce-
z de Monlb'-ilo
mloaixada f da compra prt-jee-
A Tribuna, de Roma, ataca forleinenie a pol-
tica austraca em Trieste, e declara que. .- I
Austria quer a alliauca sincera da Italia, leve
dar-llie Trieste; alias, ba de ii at eatre 88 duas
ia.s attntos incessaates.
o irr [uerer entrar acti-
vamente em campo na Italia creando serios em-
baracos m gorerno, e lendo um elemento per-
turbador para a SOUd ac.
es; i Spvitos dos chamados italianis-
simos era Trieste, que nao uerdem occasio de
afirmar dsctoradaoaenle os elmentos an-
-, dev>' ser m liso I trias preoecu-
para o Sr. '. i pela poiitica
luteroacioaal em que se laacon a usar de todas
as complacencias a etteni-es para com a Aus-
tria e para com a Afleo
Foi, porein, aquclie homem de estado qneoj
priucipilmeote provocou a nova explosao do
mov. n a sua poltica externa, e com a
prec 103 resuluidos beaelicjs de trpli-
ce alliauca par. o reino de Italia. Almd
tambera elle connneileu a imprudencia desol-
lar algumas parases lerianas contra o direito de
asylo. como a suissa a axerce, e como foi apro-
lo Maquile paiz por amitos hornees politi-
ces, fea i^poea du adversidade da Italia, homens
r; ie taiu&i eram atcuuliados de ana:
las e de inimigos da ordem social.
! palavras imprudentes no ferirara so-
ite os espiritos mafc libe raes, que mil
na esqueeda ; eecandalisararn tambbm os amigos
do grande avour, que delinia a Suissa, como
sendo um hospital de sangue para os feridos da
potica.
O Sr. Crisp tem crYlo complicacGcs graves,
que pem em risco a quasi dictadura que nos
ltimos annos tem exercdo no reino de Italia.
Norosti de 29 de Jsraho publicou um tele-
grararaa do seo correspondente em Roma, allir-
mando que o Sr. Crisp fez constar a todos os
:iarios italianos que o governo teria
grande desgasto se qualquer delles fosse ex-
posicfto de Pars.
A Allemanha deve estar satisfeita.
Diz o Fngalo, jornal italiano, que o Sr.
Crisp vai apresentar brevemente ao parlameuto
urna convencao com a Inglaterra, em virtude da
(iial esta potencia, era caso de guerra, se in-
cumbir de proteger as costas marilnnas da
Italia. i .
O governo italiano -apresen uao parlamento
um projecto de lei sobre os bancos eiqissores.
Sao por ella maptidos os seis bancos existentes,
e liras o mximo
de eirujjiai>Li para todos
mximo em 73S milbes ;
zes neceSsidade de os exceder.
anta S
tada pela Franca de auraas casas no barro do
Borgo prximo'do Vaticano, joara mudar Papl
os estabelecimentos franceie* de iienedcencia.
que existem em 'arma, e para fuadar uutre*.
O jirojecto importante, pois eorresponde em
fr.ia uo repto, s witences que tem o Sr. Cris-
p de int:rvir n,s estabele/oimeajos po- '
beneficencia que as potencias cathoticat man-
tcemem R:>.::a.
Aii d'este facto, que altosaenfe s gfli -a (
. >. aonuncia-se para breve urna nova eiscycli-
ca do papa, leudo, por lim, Samar a attenco
do episcopado e dos neis para a iacta, cada vez
mais ac -eaiuada. contra o eiirtamsinlD, lucia
que caracterisa" a resoluco Sasmopulia.
0 papa terminar a e icycli i rec ) : ue
o ao calholicos que redobrm.(rtzclo edc ar-
Imdo aosgover-
ac>o na sociedade,
que de dia.para dia mais periajaa.
Jorreu mooseuuor Gisbert.
O papa agracion cora u gr,1-cniz da ordem de
Cliristo o Sr. Gnsard, embaixador de liespanha.
A audiencia de despedida foicordenlissima.
iaslnterra
O shah da ftrsia ebegou a Londres no dia 1
de Julho de raanh. goi saudado pelos navios
de guerra ancorados ao Tamisa e palas bateras
dos portos.
0 principe de Galles foi ao encontr daj/acht
real, onde ntrou para cumpriinentar o sflr.h.
Em Westni ister foi imponente a rec
Gavia as ras arcos de flores e umitas bandei-
ras iugiexos e persas.
O principe de Gallos e o sob 'rano da Persia
entraram [yr.t urna earraagemdescoberta,:que,
os levou para o palacio real de ^uckingliata, uo
meio das acclamagOes da multio.
As tropas forraavam alas em toda a passa-
gem.
.>. princeza de Galles e seus ilhos receberam
0 shah da Persia na escada do palacio
Ho dia segaint recebcu-o a rainha Victoria,
aportan !o lhe a nao, e cuuvidou-o para um ban-
quete.
A recepc99 foi esplendida. O shan demorase
L nares al ao Sin do mez.
O principe de Galles, deu em honnrao shah
da Persia urna festa campestre em Malboroujh
fense, que esteva brilliantissima, e a que assis-
tiram a rainha Victoria e muitas posoa* da alta
lade Joodri
Entre o.n coudados ligurava o gcueral Bou-
'.
O sliali visitn ha poucos das o theatro inope
rial.
Reunirara-se de novo as cmaras ii
apos as lenas do Pentecosts para s
a do resto da sesso lefisiativa
actu-.l. .
O Sr. Sraitb, priraeiro lord da thesnura
ciaron que, poj vista do grande numero de
susaptos de que r-se is des-
casas do parlamento, o governo tuba resolvido
i.liada at ao prximo anno a lis
do projecto que antorisa a impisicao de
uirertos le entrada sobre os assares prove
s dos pai'.e que coterem proaaioindus
tria d'aquelle pnJaucto.
, O prueclo a que se referi o ministro era o
prkneiro passo no caaipho de urna reaeco eeo-
iiomi.ca. de mna poktfa de represalias," que. os
proteccionistas teera procurado irtificiosamente
fazer vingar, desde ba tempo. em luglatc,
Tal projecto tem provocado viva oppbsico
cxtra-nuilaiCiita/.
A imprensa libosal tem-o combatido eaergi-
contra'te tem dirigido nao menos
vilenlos ataques o? Wailores eolticos que teem
Eronunciado 'discursos fra do parlamento. Os
beraes unionistas, que fazem parte da m doria
que sustenta o miniierio Salisbury, so-lbe raa-
utfestamente adversarios e preferriam retirar o
seu apoio ao gabinete, a ter que :*anccionar com
o seu voio urna le, que um ataque disfarcado
ao principio daliberdado coinmereia!.
O governo teve por isso que recuar e o adia-
meoto do projecto significa a sua retirada com-
pleta e deltnitiva.
tados
fli)4 me
Em vez d'aquella providencia, para que o resto
da sessSo legislativa nao soja de difhcaldades,
le apenas a discusso de alguna projectos
que nao sero molivo de acalorado debate c que
o sera grande obstculo. Sao elles. em
primeiro lagar, a reforma do ensino superior na
Escossia; depois o projecto que concede ao mes
mo paiz a creac/io dos grandes conselbps que
assegurem a autonoma local, como jl foi esta-
blecida na lnglaten-a. projecto que j frsjap-
provado em segunda leitura ante das ultimas
ignem-8e depois os que fo:
o Qlulto de benoticiar "
dezes nutorisaodo a
de caniinlio
do proceder a traJl^^B^l
approvajl
levem tomar^prte na'
ealisa a 3 de Agos-
ica do imperador da
Ira estar disposta em sete
nder 73 n cou-
os-torpade
Foi pr o deDU-
u lugar a grave
As forcas de poKcia carregaram sobre o povo,
deixando ftidos varios popula
A cmara dos cosjinun3 rejeitou por 212 vo-
tos contra 128 urna mcelo de protesto contra a
priso do deputado nsjionalistaO'Brien.
A rainha de Inglaterra deu o seu consenti-
mento para que se ajuste o casamento da prin-
ceza Luiza, luna mais velha do principe de Gal-
les, com o conde de Pife.
Nao foi sem muita relutancia quu a rainha
peolio n'este enlaee.
a Allemanha
A Gazeta da ttkmtwha do Norte contina na
sua porfiada campanha contra a Suissa. Apezar
do governo deste paiz ter j mostrado com o
restabeleciinento do carg de procurador (feral
da confederacio, o seu intento deatumder as
reclamasfies dos trez imperios no que tenhain de
rasoave'apezar da maior parte das jornaes al-
lemes'se mostraran favoraveis aos direitos iu-
contestaneis da Suissa. o orgo tfV>chanceller
oto ha "da em que nao publique uraa diairibe
contra a coafederaco helvetiel
u empenho era defender o espio Wokj-
Iti tal, que o leva a fazer verdadeiras de-
Assim, anda ha pouco aecu-'ava de-
signaMbentc o commissario de polica de Zurich
0 SpJischer, de estar filiado no partido SOOia
lis! Ijemoeatico. O motivo da furia contra'
a 1888 a daus deptad*s dos reichstag proraeno-
res minuciosos e verdadeiros sobre as manobras
dos agentes provocadores allemes.
lambem a raesma Gazeta formula urna engra-
sada aecusago contra a Suissa. Oiz ella que
os esludantea allrmes mal pem o fi no ter-
ritorio d'aquelle paiz, sao logo assediados por
agentes socialistas, que d'eiles fazem logo seus
correligionarios polticos. "
EsWcampaoha, to pouco invejavel, de um
jornal quasi oflicial contra urna iiag.jo to sym-
patiucae. to cordata, como a Suissa, esturo-
duzindo uma impresso desagradavel na Euro-
pa, e, deve dizer-se, nf ene
plauso na parte sensata da p du Alle-
inaiih
No Monitor Official do Imparto, que se ;
em Berlim, sanio ultiojpueine -urna carta do1
principe de Bismarck ao Sr. de Bulow, repre-
ieataote allstno junto do governo inglez dala-
o* lunbo, para precisar o estado das
iaces entre a Heniauha e a confederaco
vlica.
\K Gazeta flicia'. de Beftira publicou ultima-
nojenle tres notas diplomticas, com as datas de
,,6e 2t5 de Junho. dirigidas pelo principe de
Bismarck ao governo da Suissa.
O grande chanceller araeaca a Suissa com a
eventual ida-de de annullar a neutralidade d'este
paiz, e cora a possivel reclanxici > eomra o di-
reito de asylo. que existe entre a Suissa e a Al-
lemanha.
Est confirmada a noticia de ter o rayeron :;l-
lemo dado ordien a todas as administraces do
eaminio de ferro para lerem constaatemate,at
nova ordem dez vesos a quaatidade de carvo
que Ihes necessana para o consumo extraordi-
nario.
O jornal i'cst justifica esta medida, dize.i lo
qae a Allanianh i se encoat na necessidade de
estar sempre prompta para certas eventualida-
des.
.4usria-Hunsrla
Eis aqui os pontos essenciaes do discurso pro-
nunciado p ces do imperio em i' de Junho :
Disse o soberano :
As nossas relacGEs cora as outra3 potencias
e a poltica estrangeira em geral sao urna a ou-
Ira igualmente Ksongeiras para a conservafo da
paz.
EstoucomplelaraontedeaccorJocomos meus
alijados, e tanto cu como o raeu governo taremos
sempre todo o possivel para que se prolongue
p raucamente a situajo europea, contanto que,
apezar do carcter pouco seguro que apparenta,
possamos continuar a gosar dos beneficios pro-
veuientes da niaouti ie;o da paz, nao obstante o
augmento de armamentos, que por toda a parte
s, e que. Como natura!, raspee a Austria a
obrigaco de completar os seus muios de defeza
para o caso de rebenlar algum conflicto.
A resoluco adoptada peto re Miln de aban-
donar a cora, dando assim, durante a menori-
dade de seu lilhu, o poder a una regencia, que
conserva as amigaveis relaces cxisleotes entre
a s rvia e a Austria, foi recebido como otrero-
cendo todas as garantas para ser sustentada.
O imperador contiuuou dizendo que, movido
alimentos de araizade para cora o visinho
reino desejava e esperava da prudencia e s^-n-
itez dos regentes e do patriotismo dos sarvios
e protegessem o seu paiz contra toda a especio
e perigos.
A ottlem e a paz reinara boje oa Bulgaria, e
a mira produz-me grande satistaco o ver como
pas contina progredindo, atiezar da situa-
go diflicil que atravessa. .
0 imperaJor lerininou o seu' discurso dizendo
que seriara destinados crditos especies para
p arraaraento do exercito.
Agora que vimos o discurso do fsoberano da
Austria-llungria, discurso, onde, atravez das pa-
lavras de paz e de esperanza na sua coutinuaco,
se nota no eutanto a appreheaso de possivejs
perigos. que as providencias de carcter militar
sao destinados a prever,parece-nos interessan-
te reproduzir o que diz era lelegranmia de Vi ..ra-
na o correpoudcnle d'um dos maisfsensatos e im-
portantes jornaes francezes :
1 No moraeoto era que se abrem as delc^aces.
o Trtmdetil itt lanja um golpe rie vista sobre a
sifuao poltica da Europa.
O orgodoBallplatz conlrraa que o discurso,
pronunciado no anno passado, pelo coude Kal-
ocky perante a delegjgo hngara, pode sem
uvida tambera apphcar-se situaco actual, era
que a monarcliia tem razio para conceber certos
recelos sobre o futuro.
Comtudo, nao se deve procurar a causa dos rc-
ceios, apenas no que se passa nas popolaces
balkaiuicaf, mas lambem nas profundas diver-
gencias de opinio que exislem, no tanto entre
os gabiaetes, como catre os povos.
Estas flactuace8 de sentimentos c opio:0 is
podem provocar uma tempestado no momento era
que menos ella se espere.
O carcter especifico da situaco no segu-
ramente mais umeacador do que no anno passa-
do ; mas offerece um aspecto mais grave quanto
a circumstan'cia das paixOes panslavistas podo-
rem lomar n'uma dada occasio um novo incre-
mento.
Temos opmtudo-a firme esperanca, concluio
aquelle jornal de que esta ses.-o das dejegacoes
nos tranqdillise, Iluminando o horisonte pol-
tico.
Os debates lero ceraraente como resultado o
convenceros povos da raonarebia austro hunga
ra, assim como 03 da Europa, de que o gabinete
de Vicua^quer, com iuabalavel lealdade, a ma-
nulenyo dapaz, e de que est tirraeinente re-
solvido a proteger cora energa os ineresses do
imperio contra ludo quanto possa polo em pe
Jigo.
A Presse, o.rgo igualmente oflicioso, de opi
nio que somentacao que se faz sentir, lia tem-
pes, do lado nos Balkaus, e que ser porventura
alimentada de fra. parece ter por prim.ipal fim
o forcar a Austria-Hungra a sahir da sua attitude
pucilica e puramente defensiva.
Veio nos do oriente da Europa ede origeru
auiorsada, outra nota pacilca e tendente a trau-
quillisar os nimos dos que costumam andar re-
celosos de complicaces europeas.
ContaWse ella n'uma exposicio poltica feita
pelo cowc Kalnochy perante a commisso do
orcaraento da delegaco austraca.
Aps alguraas declaracoes geraes, que foram
um coramentano optismista do discurso do im-
perador na abertura das deletreos, o Ilustre ho-
rnera de estado disse que a^ituaco actual, cora-
quauto possa considerarse anda incerta, nae
mais inguietadora do que no anno passado e que
a paz nao est ameacada.
Depois examioou separadamente a situego de
cada um dos estados da Europa oriental, para
concluir que em nenhum pouto estavain em risco
os interesses do imperio austro-hngaro, e que,
por conseguiule, nada havia a receiar se por
Lfjnielle lado.
Declarou termiuanlemente que a Austria nao
tendencias das altas chancellaras no momento
actual.
Est restabelecido da grande doenga, que o
teve em perigf de vida, o celebre patriota hn-
garo Luiz Kossuth.
Chegaram a Miln 700 hngaros, que se diri-
gen) a Turira para felicitarem o seu Ilustre com-
patriotas. Entre elres, vo alguns deputados do
parlamento da Hungra.
Buasla g
Por um ukase do imperador da Russia foi res-
tablecido o artigo 124 da constituico do impe-
rio, uo qual se determina que neohum principe
da familia reinante, a quem eveulualmente possa
vir a pertencer a cor*, podara casor com se-
ahora que no professe a re-hgio orlhodoxa,
senao depois da converso d'ella.
0 imperador e a imperatriz da Russia, acoai-
panhados de seus filhos, da raiuna da Grecia, da
duqueza de Edimburgo e do principe real da
Grecia partiram para as ilhas Filandias.
Ha dias, em um banquete em Stuttgard, os
officiaes russos recusaran) se a beber sade do
imperio allemo.
A imprensa d'Alleraauha indignou-se, e tem
sido unnime em censurar acremente tal facto.
Eis o que diz d Jornal de Halle :
... Os officiaes russos insullaram o imperio
allemo e o seu chefe. Os russos, porm, sabem
de certo que a Allemanha poderosa e ieveiici-
vel, e que se se repetissem semeihantes injurias,
nao feriara mais. do que provocar uraa guerra,
que seria desastrosa para a Russia.
Entretanto: a partida simultanea do czar para
a Finlandia e do imperador Guillierme para a No
ruega considerada como prova de nao haver
pendente nenhuraa queslao grave.
Turqua
Manifeslou se agilacao na Maeedonra entre os
turcos e os chrislaos; mas dit-se que nao pro-
vavel ir1 -iiham desordens, porque as
autoridades turcas anouc., tod
.ido.
O rci Garios da Roumania vai s^diear a cora
no principe Ferua'Uode HohenzeH1
i i correspondfcte considera aq-ji-llaaMicacao
como fapl, visto mpossibili lades em que se
v o rairde se desempenhar des encargos que
eontrahk) para com a trplice aliianca.
Herva
0 corresporiden'e do Times era (telgrado diz
que a popBlacSo daquella capital parece recelar
desoraens por occasio dos festejos em comm i
moracao do anniversario de Kossovo, mas o ga-
binete declara infundados estes receos, e garan-
te a maautenco da ordem.
O joven re Wflxaadre .-reside aos festejos
era crame marac.) ," anniverspo de Ko-sovo.
Un telegramrai de trag-y -va':', refere a
ebesada aMi do re Alexandre, que foi recebido
e.i;lii]-ia-.|.ie.;nen;e, e o cornejo dos (estajos d
aniyversano da utalia ie K'.ssovo ; reinava
grande entbusiasmo -na populacao, e no liiiha
occorrido nenhum incidente desagradavel.
8 metropolita Miguel nronuncioa no dia 28
de Junho um sermo patriotic i, exhortaado os
servios a se.-uir Sempre a idea uacionai. cerne
guia o os combates, que le rao de sustentar v,- la
unidade servia, e a agrupurera-se em voita da
dynastia Obrenoviich.
tifectuou-se a 3 de Julho cora grande solera-
nida le em Kralievo a ceremonia da sagracSo do
joven re Alexandre, que teve calorosas accla
niagjes do povo.
O correspondente do Standard em Odessa
er que a rair.ua Nathaa da Servia partir en:
breve para relgrado, e diz que sua magostada
inuito vigiada pelos agentes austracos.
Bulgaria
j3 gorerno blgaro conlrahie-um emprestimo
de 23 mimOea de francos com uns banqueiros
americanos.
O Sr. VTaddiagtoB, embaixador da repblica
traoceza na corte loritannica, ir brevemente
tratar do assumpto cora o marquez de Salisbury.
-a Segundo annuncia ura despacho de Woo-
dhoure, houve um combate em frente de. Ucdi-
Halfa entre 70 egypcios e 700 derviches. Anda
se nao sabe o numero de feridos. Foram loma-
das duas pegas de artilhena aos derviches, que
bateram era retirada.
Zanzbar
Dizem de Zanzbar, em data de 26 de Junho,
haver alli chegado o lilbo do celebre Tippo-Tib,
declarando haver deixaclo a maior parte da sua
escolta em Ayab, a aguardar seu nae. Suppoe-
se que Tippo-Tib vai costa oriental para sa
encontrar com Stanley.
03 rabes de Paogano recusam acceiar as
Ves impostas pelo capito Vissman: Est
iuinineuie uiu ataque dos allemes.
.loli'clas da frica
iihuns designios de expanso territorial,
^^^nraeaca por isso a paz da Europa,
^^fiudo agitago irredentistas disse que
la a autigas animosidades entre a
Italia, mas, que devu es;
i termiaac.
Marrac*
O Standard publica ura telegrarama de Berln
insinuando que a revolia dos brberos contra o
salio de .Murro-eos aumentada peto governo
da Argelia, que procura ura pretexto para recti-
ficar a sua fronteira marroquina. O correspon-
dente raanifesla deseonteutamento porque o mi-
nisterio hespanhot nao se tenha al liado cora a
Allemanha contra a Franca, era vez de manter
boas rclagOes coro, esta nago.
As tribus montanhezas de Rjata e Berra'-Ola-
nla r.ceeitam os lous governadores mandados
pelo sulto Myley Hassan. O sulto aclia-se
aclualmente em Zeronal, mas estar era Teteran
Sjcr.tro de ^3 dias. <'s prognosticos safcfavora-
veis expedico.
As noticias do interior do imperio marro-
quino recebidas ltimamente em Tnger, sao
muilo satisfactorias.
O sulto prosegue a sua viagem nas condices
mais fevoraveis para a autoridade imperial.
Diversas kabilas montanhezas teem-se sub-
mettido a S. M. shcriliana, offerecendo-lhecon-
tingentes de soldados, e prometiendo alera disso
satsfazer os imposios.
Um dos sheriffes da -kabila de Boni-Zenard
aproveilou a opportunidade de se encontrar pr-
ximo de Myiey-Hassan para se lhe apresentar e
pedir-lhc que nao penetrasse no territorio Ja
kabila.
O referido sherilf prometteu sob sua respon-
sabilidade qne a kabila ba de cumprir fielmen-
te ludo o que ior devido aos respeitos da autori-
dade imperial.
O sulto, que at agora nao impoz governa-
dores 4 kabila, acceitou condicionalmente as
propostas da sherilf.
Porm, se estas proposlas nao forem cumpri-
das iraraediotamonte, oom a mais escrupulosa
exac.ido. o. imperador proceder com todo o
rigor contra a kabila.
Em Tnger csto Iodo3 admirados com a boa
fortuna de Myley-Ilassan, que tem obtido.sepul-
tados, que nenhum dos seus antecessores jamis
nnseguio.
O harem imperial j se dirigi para Teluan.
onde esperar a.chegada do imperador.
Em consequencia das enrgicas providen-
cias do ministro de liespanha, Sr. Figueira, exi-
ginJo que os"delegados do sulto transportas-
sem a Agadir, e ai Ibes dessem posse da barca
Nuera ngelita, aos tripulantes deste navio, que
se achava.u em Mogdor, as autoridades npe-
riaes aceedorara ao que dellas se^rdef.
Porem, ao satisfazerem as ireteiiGes do re-
presentante nespanhol, commetteram um novo
atlentado, pois que, no obstante o violento tem-
poral, que entao alli se desencadeava, obrigarara
o referido navio a abandonar imraediatameute o
porto, ameacando fazer fogs sobre o barco, se a
tripolaeao nao obedecese promptamente s ter-
minantes ordens que lhe haviam sido dadas.
Em vista do que, a Nueva \ngelita se fez no
mar, arrestando o rigor .entes, que nao
pode vencer pois que. nolkobstante ns esforgos
dos Os tripolantcs poderam salvarTse, embarcando
n'um escaler do uavio, e dirigiram-se a Mog-
dor, d'ondc seguiram para Tnger.
No dia 4 de Julho embarcaram em direceo
liespanha.
Era vista deste novo attentado, a legag&o bes-
panbola apresentou ao governo marroquioo uma
enrgica reclamago pedindo um severo caaligo
para as autoridades de Agadir, e exigindo uma
ndemnisaco pecuniaria pelos damnos e perdas
causados aos tripulantes da Nueva ngelita, que
se salvaram milagrosamente.
O conflicto promette ser grave ; 8,000 sol-
dados marroquinos estilo perto da praca de Te-
tuan.
Etlado I^ivre do Congo
noticias chegadas da Bangala (congo superior)
dizem que a ordem est alli muito perturbada.
Os indgenas incendiaram algumas dependencias
da estacao entre as quaes havia uma fabrica de
tijolo.
Tem havido algumas escaramugas entre a tro-
pa e os negros, neando morios muitos d.
Segundo consta ao Tagblatt de Berlrao, ha
idea de reunir uma confereacia diplomtica para
regular as fronteiras dae colonias europeas na
frica, sendo as potencias participantes a Alle-
manha, a Franja, Portugal, a Blgica, o Estado
Livre do Congo e a Italia.
Bgyp*o "
-As noticias ingleza3 sobre a marcha dos er-
viches para adi-Halfa sao consideradas como
mais urna artiraanha para prolongar a sua oceu-
paco no Egypto.
Jim contrario do que aflirmam as nformaces
Policas da Amcriea
l'anaMi
As seccoes do Senado noraearam a com
incumbida de examinar o prcjeclo de lei
vado pela cmara a favor da companhia '
nim. Qualro membros so-lhe f'avor.tveis
cinco desl'avoraveis. .
ana
Segundo annunciam despachos de Saina,
est feita a paz entre os reis Maiaafa e Tama-
zese.
talca
Consta que o general Hyppote est com o
rest raas Iropas diante de Porto-an-I'rince.
onde reina grande agitaco, parque o general
Legitime recusa capitular.
GwtaduK-S'nidos
Est* cornpletarhenie conlirmada a opinio
daquelles quqjppo na entrada do Sr. liluine
para o departalWnto do Estado, um indicio de
^que a pul. na dos Estados-Unidos rece-
btria ura impulso at boje deseonhecto.
3 assuraptosde Samda sufeettitos con-
ferencia de Berli, os delegados americanos
sustentaran) e ganaram todos os pontos com-.
urehcndidiis nas instrnecoes de Blaine.
l'elo nepaflamento do Estado fez-e igual-
raeule sabufcis^diversas potencias que os Esta-
dos-Unidos tmmorn o direi'o de jurisdiccio so-
bre o mar de Beuring. tomo elle fosse um mar
feobado. Nesta attitude do povernode Washing-
ton, v-se um provocaco.a Inglaterra, cajos bar-
cos de pesca, se form encontrados naqueile
:.:ar. sero aprisionados..
O vasto territorio de Alasita tanobem objec-
to de :: uitas alteneoes do actual governo, visto
as infcrniaces que elle coliie'i de exploradores
que receutemente o p*rrorreram.
Os americanos irlandezes reuoiraro-se em
coraicio para examinarem o meio de orear uma
repblica oncncano-iiiandeza; decidiram po-
rem orgnnisar primeirp uma associaco deno-
minada Irish american republican associaliop.
Cerr, o boato de que o Mxico llies ceder os
territorios da Baixa California.
Arderam 20o predios de casas em Eilen-
burfth.oo territorio Je Wasbiogtou.
As perdas causadas por'este incendio sobem
a alguns milfades de doilars.
Z";:> da Prnta
Foram publicados i.a corte estes telcgram-
;n;.s :
liuenos-Ayres, 12 de Julho.
Poram promovidos todos os militares que to
raarara parte na guerra da independencia da re-
pblica. *
O r. ioaquitn Nabuco parfio para o Rosario.
A commisso da cmara dos deputados da
provincia de Buenos-Ayres, que fra encarrega-
da I examinar o projecto da convers&o da di-
vida de (3 0,0 para 4 0,0, terminou os seus tra-
balhos e o reiatorio conclue pea adopcao do
projecto.
Buenos-Ayres, lo de Julho.
Fallecen o compositor Ornaldo Uriondo. a
Os f.*ancezes aqui resilientes ^pubiiearam uma
mensagem rela'ivaao dia 14.
Os italianos adhreai s festas que se realisa-
rem para sofemnisar aqneiie dia.
lioje noiio haver concert no ClubFrancez
eecucefto e baile na Sociedade La Franco.
Slontecido. 13 de Julho.
0 governo contractou- com o ;"engeuheiro Levv
a eoustrncco de ura pavilno da repubtica oa
eiposico internacional de Buenos-yres, que
deve realisar-se em 1890.
CORRESPON D NC A
Oo Oia;*io -s!e EcraamI>neo
PORTUGALlisboa, "
DE JCLHO DE
13S9
Depois de successivas prorogages, tantas que
ja ia parecendo brnqoedo de criancas e atlnes
perd a conta, decreiou-se a ultima para o dia
10; mas de facto, a cmara dos deputados ter-
minou a sua azal'aima legislativa no dia 4.
Por estarem anda pendentes da saneco da
cama alta algumas leis, que o governo consi-
dera iodispeosaveis, e ma grande caterva de
Icisinhas de interesse pessoal, que se tomou a
resoluco de protelar a legislatura por mais es-
tes dias.
Como Ibes disse na minha de 24 de Junho,
era nesse dia que expirava o prazo em que de-
via estar construida a linha frrea de Lourenco
Marques froateira do Transwaal.
O governo poruguez havia mandado no pa- '
quete de lo de Junho o pessoal superior e su-
balterno para ser ahi enllocado assim que o Es-
tado tcmasse posse da lyoha, se rescindase o
contracto de 14 de Dezembro de 1883, coratudo
o fazia prever.
Foi u .u resoluco iuabalavel, tomada em coa-
selho de ministros; resolugo detei nao
s pelas provas mais que evidentes de que as
successivus prorogacOeo pedidas pe ehia
construclora tiuhara por novel interesses tenos
legtimos e altamente prejudlciaes aos de i'or-
tngal, mas anda peas meusagens llalli dirigi-
das e de que a Sociedade de Geographia de -
Lisboa foi constituida intermediaria, aseado as
ir as mos doi governo, como nas michas
anteriores, os fui informando opportunamente.
Tenho vi la urna cor oa de Lou-
reiiioo Marques, expedida ent Mtio, onde s le
?ue'a 13 dessemez, a pedidojiosconomereiantes
ancezes. bollaudczes, alleraies: suii*os e por-
tuguezes diu|u(;llu cidade se reuni a cmara
municipal abra ue se pedir ao*goverao da me-
tropole que rescindiese o contracto com a com-
panhia do camtnho de ferro, por no ter ainda
dado comeco aos irabullios para a conclusao da li-
nha, c terminar o prazo em 24 de Junho. o que
esto alli causando enormes tranSomos ao com-
mercio.
Depois da sesso foram Jexpedidos os seguin-
tes rTfegramuias:
:i; ra Municipal de Lourenco Marques.
Ao ministro da marraba.sflttyV requeri-
mento do corpo commercial rcpnio hontern, 13,
noite, a cmara, em sesso (sx)jordinaria.
Apjirovado ano protesto para enviar metro-
pole pediado ao governo que nao prorogue o
prazo para a construco no caminho de ferro
actual companhia, allegando que tal medida ser
prejudicial ao coramereio.,ft dtsenvolvimento
da colonia. ^
A caraara/eforya o ptdido^*
Vai haver meeting dos habitantes para o mes-
boo m. ^^
Os documentos vo pelo paquete l de 18 do
corrente, via de Londres.
Cmara Municipal de Lotirenco Marques.
A' Sociedade de Geographia.Lisboa.llonlea
13, noite, reuni a cmara em sesso extraor-
dinaria, a pedido do cor,oo commercial, para
protestar contra a possivel iuteotjo de prorogar
c praso para a con3trucco a actual companhia
do caminlio de ferro, por cosjtrario aos interes-
ses commerciaes do districto.
3 Hoje, a cmara telegraphou ao ministro, re-
forgando o justo redido. *
Os habitantes vao reunir para fazer igual
pelico.
A cmara solicita o valinento da benemri-
ta Sociedade de Geographia junto do governo..
< Ao ministro da marinha.Lisboa.O corpo
commercial de Lourenco Marques apresentou
cmara um protesto coutra os abusos commetti-
dos e os prejuizos causados ao csmmercio pela
companhia dos caminhps de ferro.
Pedimos que sejanraltend
teressesj^lo sj prorogando o (
instantemente seiatu aUeqt^^H

\i
-




.
Diario de PernariibueoDoniin l.de Jullio.de 1889

s




ntimainente Ijgados aos interesses do Jtstnc
A Mjciedade neGeographia de Lisboa.O
corpo commereial de Lourengo Marques ped
em telegramma ao governo para na
prorogago do prazo para a construcgo do ea
minho de ferro, por soffrer muitos .prejuiz:;
los abusos praticados pela com aanhia. '
Pede Soceikide de Geograplua que prote-
i ja as suas pretensoes.
O governo O que nao tinha outra cousaa h-
ir, e no Diario do Gorerno do 26 foi publicado
decreto de resciso com a dala de 2^.
do theor seguate:
Tomandoem considefacto o relatorio do mi-
nistro e estajo dos negocios da
iba e ultramar;
Tendo ouvido o conselheiro procurador ge-
ral da cora, a jauta consultiva do Ultramar e o
_eonaeIlio de ministros;
Ilei por bem decretar o segrate:
Art. 1" Em virtude da faculdade que assis-
governo, segundo as disposicdes do artigo
,. kdo contracto de 14 de Dzefflbr< de 18*! para
a construcgo e cxplorago de um caminho de
B-
2
:J
K
posto em liberdade na data da expe
irnma, em cebeu tal noticia.
Que forain elfeetivameate levantados pelo
!
ferro do porto de Lourengo Marques a frouleira
do Transvail. e declarado rescindido o
contrato.
Art. 2a O governo
te pr. .\ '.o di
de ferro, cote toas* as
ir immediatainen-
i Cu'i'iono
feitas e material
torneado, e logo que esta aval:agao esteja con-
cluida poreffi basta publica, por espacou
meses, a liuln frrea -da Loarenco Marac
fro wsal, nos termos da u
do c.;.. Ij ...-:ig 12 do contracto.
Art.*3" Croe i demora as re-
para'; oes ta p i iba, cuja exploraco
interrompida, a conrtrucgu do troco compre-J_
hendido entre o kilmetro 8Q.5 e a fronte ira, o
concluso de todas as seecfles por forma que
o carainjio de ferro, em toda a sua
possa ser abert definitivamente explorago
no mras curto prazo possivel.
Art. 4? Para o etfojto do artigo antee
o governo tomar posse administrativaber,le do
caminho de ferro com todo o seu materia lixo
e circulante, edificios, acce-sorios, dependencias
e provimeotos, sendo a posse precedida de um
inventario minucioso o rigoroso, feito sob a pre-
sidencia da competente autori lade administra-
tiva, Bom assistencia de representante ou repre-
sentantes da cjmpanliia, ou a sua ravel
nao ooedecerem a intimaeo que pura csse lim
lilis for.i'eit..
i' Este inveirtajio servir de base
liarfio a que se refere o artigo 2. deste de-
creto.
S" O pro esso do inventario serre.
por fo- :ia que nao mi e bom an-
damento dos trabalhos necessarios para reparar
concluir aliaba fe.
Art. o" De todas as desposas que o gover-
no eleetuar ae tara sBcripturacao e coat e
cial, para serem devidamente dcduzidas no pre-
go da arrema!;.
Art. (i' Para o prora pto e rpido curapri-
m;:; remo
delegar no goveraador dodistricto de Um
yo Marqese no engenheiro director da iiseali-
saco do caminho de ferro, em todo que i eque-'
rer resolucao prom ita e imd) M :. i, a ai ..o e a
ingerencia que liie pertencerem, quer peas dis-
posicGes do contracto de 14 de D.ezenibro de
1883" e pelas deste decreto, qoer pela Icgislaeo
eral o pan quefor applicavel.
O ministro e secretario de esta.!
cos da marinas c ultramar assim o tensa
tendido e faca oxecutar.
Paco, em fedeJunho de 1889. -RE!. -Fre!.'ri-
co Resumo Garca.
decreto um lucido rotatorio em
que <> mi listro da marrana, historiando eircum-
stanciadamente a construcc&o do ca.uiuho de ier-
ro de Loarenco Marques, inventara gg repet la
' prorospjoes de prazo e mais favores [be o go-
verno tem concedido companhia consiruc*
lora.
O reialorio expoe tarabem o estado etn que
presen teme: :e se aclia a linha, tp zar do decre-
to de .i de Outcliro de 1888 baver concedido
campaiinia o prazo ;a mais de oito meses para
completar o seu ultimo troco comprehendido en-
'tre o kilmetro 80,3 e o passo de locoon i.
Os caaos de inte "venci de arbitio;. a que ai-
lude o art. 42 Jo contracto de 14 de Dezembro
de 1883. sito regula Loa anicatMote pelo art. j'3
do mesuro contracto, que diz:
Art. 63.' T das as qoestfiee que se suscita reui
.entre o goverao e a emprexa sobre a ese :
desie c mtra :to, u rad decid la arbiti s,
dos quaes dous serio nomeadoa ptorgoverao e
dous pela empreza.
Para prevenir o caso de empate sobre o objec-
to em que Jera om quiuio arbitro nomeado
a apraziniento de ambas as partes. Faltando
accordo para esia nomea r cita del'i i Ja
ao Suiremo Tribunal de Justica.
Toda a impreaaa do paiz ministerial e opnosi-
coaista, Bm excepfi i tos orgaos legitiustaa e
republicanos aoplaudio calorosamente
enrgico do governo, o nico, tal vez, que lite
resgata pesadisSimos peccadoa de admiuistracao
c de poltica interna. E" que se trata d'um aa-
sumto internacional, e perante as questca de
patriotismo desapp dirergen as parti-
darias.
Esta unanimidade de opinio na improasa pc-
.riodica, tendente a dar torca moral ao poder,
nra testemunho consolador de que nao chegou
o espirito entre nos ao grao de decadencia que
05 n'essimlstas se comprnzem de consignar.
Entretanto chegava um telegram;na de Lon-
dres eommonicaodo-noa que. na cmara dos
lords, no dia 26, o marques de6alishury fez re-
presentures muito serias acerca de Portugal.no
que diz reapeilo sua contenda com a compa-
nhia do eadjhhode ferro de Loarenco Marques,
para o induzir a nao proceder precipitadamente
e a dar tempo s negociages para se re-
solver esta questo dillicii." O mismo tele-
gamma conclua: "Estamos inlormados.de
que o governo portugus nao tem o direito de
recusar a arbitragem.
Xa s&sso da Cmara dos deputados, do 1" do
correte raez o Sr. Lopo Vaz de Sampaio e Mel-
lo, que o leader da opposico regeneradora^
achar-se presente o >r. Ressno (Jarcia,
iniistro da marinha, pedio explicifces sobre os
-acont'-cinjentos de Loarenco Manques, accre-
centando que, qualquer quejs ji sua opiaia
sobre o procedimento do ^'overoo. rescinijnido o
contracto com a companluaexploridoradaquella
posses-.io, nao poda, porm, deixar de protes
tar contra a intervengao d'um governo qualquer,
e sob qualquer pretexto, oeste aasnmpto, que
. inteiramente sob o dominio das leis portu-
guezas oque s por ellas pode serresolvido.
Quaesquer diniculdades que sb soscitem en-
tre o gov comp^nhia, so podem ser re
idas pela arbitragem prevista no contracto
inicwbic nao pelas reclamaces" dos movernos
estns^einjs.
Se a ar! itragem fr favoravel aos nteresses
j.-npaSfcia, ao governo cumpr: res| dar es-
sadeasao: no negativo, a companhia tem an-
da o recurso das justicaa portujaieza a quem
pode soccorrer-sc. Em caso algom admissi-
vel a interveoco dos goveroos eslraogairae.
SuppOe tompem o Sr. Lopo Vaz noserem ex-
actas ou exagralas as noticias c,ue alguna jor-
naes teeni espalhade, relativas a graves desor-
! Lourenco Marques. Itecommendou,
poriiltvno, ao governo que proceda com pruden-
bra todo este assumpto, que nao de pretexto a
intervencoes desagradaveis, mas com a energa
e firmeza necessartas para nao serem sacrifica-
dos os nossos direitos. Que, ao menos, os ou-
tros povos saibam e vejam que temos por nos a
justiga.o a azio, seja quai fr a marchados
ntos.
Foram Calorosamente applaudidas estaa pala-
Tras patriticas do illustre caudillio da opposi-
gao regeneradora. f
Res>oiiden-lho o Sr. Ressano Gareia, ministro
da marinha:
Que pode asegurar co lluslnc Reputado, o
Sr. Lono Vsrs; que o gove/no ha-de continuar a
proesjeer com a necessarflp energa e a devida
prudencia pai nia prtugnezii seja
la e para que a dignidade nadonal nao
Ja, manteado se ao mesmo tempo a
a e acatando-se todos os direitos,
(Apoi
-t... dSm da
que coUnuasee, a despeino da ordem dada pelos
empreados do Estado.
Quanto as relagoes diplomticas sobre este
usumpto, pode dizer que bouve eflectivament.'
algums conferencias com A ministro dos ni
cios os. e que se frocaram at algunas
notas entre a legacao dos Estados-Unidos e da
IngMerra e o ministerio dos negocios estran-
. sustentando o governo portguez a tega-
li lade do sen procedimento e fazendo ver a q-
tidto de algumaa informafOes sobre qae se
baseiam as notas daquellea dous paizes.
Que nada mais pode dizer, por eraquanto,
mas parece-Ihe que esta resposta satisfar. *
(Muito bem).
O Sr. Pinheiro Chagas (opposico regenerado-
ra') tiimbem fez ak'umas deelafaces no seniido
das que lizera o -'r Lopo Yaz. accrescentando
qun a direceo ucrtugueza da companhia havia
pedido j a sua demisso, para se nao por en
conflicto com o governo do seu ptb.
Estas declarac0e8 da opposico. a attitude da
cmara, consoante com a da imprecisa, as decla-
ragOes do-governo e o proeedimen'o dos directo-
res Kirtuguczes da companhia, ludo islo mui-
to correcto p produzio ptimo eHe,ito nao s em
Portugal, mas l fura.
Os Srs finheiro Cbagas e A. de Serpa Pimen-
tel eraiu nirectores da companwa; nao me oc-
cqrrem os noraes dos ootros civalheiroa portu-
guezsj, que i faziam parte.
Os ns Cabral Coueeiro, engeobeiro. tambipi mandarcm
as suas demisscs.
Honra Ihca seja^-que a contenda e internacio-
nal e o patriotismo obriga !
A bnprensa allem, a hespanhola, a franceza,
a belga -ranos dado razo, n?gando-a enrgica-
mente inofensa ingleza e membros do parla-
mento britannico por quererem vir dar-nos leis
e inlervir em noss casa quando ccrlo que a
empanhia portugueza para todos os effjitos
legaes, espbora a maior parte do capital com que
ella se constuio fosse de Hgli
O governo de Portugal nao pretende expoliar
aquelles accionistas. Ha de pagar-lhes integral-
mente o que de direito Ibes venha a competir;
ha de ser ponina! e honesto, como o tem sido
c-m todo o t.-mpo com o pagamento das juros des
tituba de divida externa fundada que andam dis-
persos as carteiras de milhares de capitalistas
nao O ingleses mas de todas as pracas da Euro-
pa e porventora da America.
Algumas folhas tnglezas, alm denos calum-
niaren! atrozmen! e iuventarem patranhas de
marca maior, eomo a de que o nosso governo,
rescindindo aquel le contracto, foi apenas um
nenio dos :raanejos do goverpo alleraao.
lesa publicado artigos de urna insolencia inacre-
ogna-me reproduzir essas babozpi-
raa e ctrevimentos.
O nosso con.-ul em Ifew-CasHe, que, se bem me
record, o Sr. Jayrae de Sgujer deu urna res-
posta frisante n'outro jornal inglez aquelles des-
s de Braga all esto re I -
sidindo na quinta do Roogio, oude j passaram <
o ultimo versa
Grande numero de senhora*, as autori
do conselho, muitoa cavalheiros e gente do _
aguardavam oa rea i viajantes, uas bandas
msica toeavam na fy. As casas da villa esta?
inbanderadas, uoite bouve fogo de ar-
tificio.
Hontem, o Sr. Jos i uciauo de teatro, pre-
sidente do conselho de ministros recsapu do Pa-
rs o segrate telegranraia : IsJPt
Foi boje inaugurada a exposicao agricola sfl
colonial. Aopinio geral que o nossU pavil
o mais uotavel, tanto pula decoraco, com >
pelos productos exposlos. Felicito a V. Exc .
Ha das o presidente oa Repblica tinha ido
visitar O paviltio portguez, demoraado ss duas,
horas
O encarregadoxla decoracio o Sr. Raphael
Bordallo Piulieiro, que tem dado niuitasjyotssj
brilhntes de apurado gosto. e grande odjpna-
dade. .s ornato-;, em grande parte consum d
cobreses alaotejauoa, BOleiras de guisos, calle-
cadas rusticas, artefactos cermicos da sua
brica das Caldas da Rainba, tudo carJeristiSf
RSJBjMj
da
temperas.
Pois nao se lembraram elles ;de insinuar ao
govsjnc ingles que nos exija nao sei quaulas mi-
Ihes sterlinos e os scus juros integraes do em-
imo que slasiaterra nos les em polvor,
anuas e munices de guerra, para a auxiliarmos
a bter os oxereitoa de Bonapartc, qne a airron-
ta?a e Ine mor crsa guerra em lodos os pon-
. : 'raveis E como'lhe pagou o bro por-
mella divida i Que o digam oBus.-ace.
Fueaies de Honor, Aropiles e muilos outros pa
d; oes gloriosos oara aa armas poriuguezas.
liaran tambem siguas jornacs de Londres,
inspirados pelos pos-didores de accOes da Cora-
panbiS de Lourenco Marques na urgencia de vir
u na esquadra britannica bloquetai L-sboa!...
De se mandarem qavios de guerra ingleses para
i, arenco Marques, nao s para protegetem os
seus sjBmpatriotas, mas para, em caso de que fes-
si' necessario desembarcarcm na cidade portu-
gupza as suas tripulaces! *...
Urna inferneira, emfira, tond*o senapre pela
prd ailigos muito enrgicos da imprensa alle-
ma, o que nao i ; urque 03 pus dominios
coloniaes africanos esto sendo cubicados i^n&l-
m^nle pela Gran-Bretanlia, que sonbou um.dia
em que o territorio do contraer te negro a partir
do Cabo at Zanzbar deyia ser c nicamente inglez
e de mais ninguem.
O governo de
Portigal,
, por intervengo da
nossas IcgacOes tem feito pqMiear profusamente
a pxposico do3 motivos que o determinaran), no
uso pleno do seu direito, rescindir ageito con-
tracto.
O expediente da mxima pubcidade. n'uioa
questo que j assumio os foros de europea, tem*
sido louvado por gregos c trvanos.
as aguas 06**Loarenco Marques devem catar,
a estas horas o cruzador Afonso de Umtpurmu.
a corveta Rninha de Portugal e algumas canho-
neiras portugnesas.
Da Inglaterra nao est anda seao a canho-
neira St&.
Oa jornaes de Londres do dia o dizem que os
capitalistas inglezes. interessaos no caminho d
ferro de Lourenco Marques estSo promptos a ec-
ceitar a arbitragem antes do governo portguez
tomar posee da liaba mas que actualmente Ihes
6 impossTel aeoeitar a arbitragem, e por isso se
i as mftas do governo'britannico.
Assgura-se em Washington que o governo dos
Estados-Unidos nao tenciona mandar navios de
guerra a Delagoa-tay (LoilMCO Marques). Esta
noticia conlirm%la pelos ltimos telegrammas.
Ocorrespondenfedo Tima em'Lisboa publicou
ultinianienU! nqncdle jornala interview qire teve
com o Sr. Barros Gomes, que o nosso ministro
dos negocios estraageiros.
E' loga a transcripeo. Bastar, porm que
Ihes reproduza o lelegramma que o mesmo cur-
respondeate inserio n'aquelle jornal posterior-
mente :
O ministro britannico teve boje nova confe-
rencia com o ministro dos negocios estraageiros
cerca do incidente da baha de Lourenco Mn-
ques; mas, segundo creio, nao surgi nenhum
aspecto novo.
Mr. Petcr tem-se avistado com o Sr. Barros
Gomes frequeotea vezes ; e sern faltar a expor
com toda a preciso ao governo ponuguez o
modo de Ter do gabinete britannico sobre o as-
co e originalisasimo.
Brevemente se far a leilo |
espolio d re D. Fernando.
Asaevera urna folha ministerial que o Sr.
D. Luiz ser inteirudo do seu- quiuho heredita-
rio, principalmente oaicolleseoos artiaiieas.
Deste facto resulta que as preciosidades arts-
ticas reuuidas pelo r. D. Fernandi, licarao
. paiz sem neces le n-tiliuus sa-
icjssjuecuniarios para o Estado. E' o qne a
referida folha I da a eatender. A
''. folha mona nta por
formaos i por aquello jorn! ao
pensameulo do sofferano :
A' pn.neira vista assim carece, mais uo 6
asstm, purgoe.o paiz. grcas a uuia operacao
bem corabinada: quii paga as precsidadea
artsticas.
O caso simpjss. O governo cstlmHEdo
pelo parlnrnentifSMPa comprar o parque Wfptr
lacio da Pena pe.o prego por que lorem praca.
Mase Sr. D. Luiz tem um qumlio nestas pro-
priedades. Portanto,.realisada a llrreniata.o,
Sua Mrgeatade rebeber a quantia de dinne-We
correspondente ao seu quinliao. Com esse di-
nheiro compra as coll eces artsticas, ftCando
portaato com as collec$Oes, Ojpalacio, sera gastar rinco ris.
B de ccrlo o Sr. D. Luiz praticado muitos
actos eredores de elogio. Este, se nao e de for-
ma alguma digno de censura, nao nos parece
que exija lonrores.
Se esia critica fosse feila por urna folha re-
publicaua de certo que nao seria mais severa.
E a proposito vem dizer que ha dias o
depntade e querdists Fuscbini apresentou na
cmara um projecto de le creando um lortssi-
mo direito de sabida para oa objectos darte, de
origem nacional, am de evitar tanto quanto
possivel que as reciosidades de alto valor his-
torico ou artstico saiam para o estrangeiro-
0 Dia lembrava a ccuveniencia de s additar
a esta lei algum artigo que prevenisae tambera
que se exportassem para os pailes estrangeifos
preciosidades bibliograpliicas,' manus
preciosos, etc., el !,
A bom lempo 1 Desde que as ordena religio-
sas foram abolidas em Portugal, isto ha
mais de 86 ai. u -, qna itos objectoa oreciosos e
de grande mereciniento para a historia da arte
nacional nao tem sido esbanjados subrepticia-
mente para os graneles mercados de bric brac
das pnucipaes cidadea da Europa Dem
rochados----trancar porta.
Chegou a Lisboa ha pouc03 dias sua
nencia o cardeal p.iti iarcha de Lisboa. A recep-
cfio foi toiemao. O Revd. prelado tinha-se diri-
gi lo a Santarem, no senjn Hespanba,
e determiufju dar entrada em Lisboa no com-
boyo que efiegava aqu pouco depois do meio
dia. A temperatura'estava elevadissima Da
tropa que foi esperar o arelada para Ibe fazern
gnarda de honra, duas ou tres pracas caiiirarn
com ayncopea. Da gare de Santa Apoloaia se-
gua sua eminencia com o seu sequilo para a
ureja da Magdalena, armada em camarim; foi
all que se revestio, dirigindo-se processional-
mejte. debaixo do palio com todo o weu cortejs
de priores das da capital, conesoa
da Se, beneticiados, capelles cantores, meninos
do coro e muil3 lidalgos da velba aristocracia
o outros funcciouanos e cavalheiros para a S.
onde foi cantado a grande instrumental um so-
lemne Te-Deum.
Acabado ente ac;o religioso, parti afta emi-
nencia em coclie de. gala para o seu pago de S.
Vicente de Fra. O campo de Santa Clara e os
arredores do paga patriarciial estavam emban-
deirados, e em toffl da testa, arcadas de buxo e
ljr-s, baldes suspensos pura as iUnnmutcOes da
iio/(.', e grande multido de povo agglomerada,
o que nuuca falla quando consta que ha espec-
taculo.gratuito, seja elle de que natureza fr.
A' uoite sua eminencia deu urna recepgo es-
plendida as salas do veliio pago patriachal;
onde muitos quadros de mrito como por exem-
plo os apostlos de Zarbaran avahados em
muitos confeis de ris.e prcciosas|talhas do Japao,
coutadores rarosjembulidos"de marlim etc., etc
.Os ministros dos negocios eijclesiasticos e da
justga e negocios estrangeiros, o nuncio apoato-
tolico, a clenezia mais graduada do pu-triarebado,
os olliciaes do ministerio,da jusiiga, alguns do do.
reino, vanos jornab>tas, e muitos outroa convi
dados enditara as opulenlaa salas caracteriatica3
Jaquelle pago prelaticio, sendo muito amavel
sua eminencia para cora" ludas as possuas que
fonam all fecital-o das suas melhoras e congra-
tularse com o digno prelado pelo seu regreaso
ao patnarciado, depois do grave risco de vida e
desastre que sufreu em Hespanba. Houve"cii,
doces e glados as 10 horas.
Fez se msica .. sacra, j se ve. e s 11 e
mea foi servida eui btete urna lauta ceia, for
uecida pela casa Rosa Araujo.
O men dos accepipea eedesiasticos pas=eior.
Jos EstevSo reuni a poucos
salas do I y ceu de Aveiro para de
tos cavalheiros da odade. de
liticas e das diversas claase*
livassenle nos trahalboa
08 grandes festejos que de-
HHpraco do mouumento.
bftcou dividid:: era varias sub-
* ''" BBSBBSls? uma ^a" 4uaes compete urna
al do programma da Testa.
;ramuda esta jcomplelaraente elabo-
! approvado.
No da II de Agosto, de manh, oa amigos
de Jos E iinir-se-hao no largo do lyceu
para irem deao.r urna cori sobre a campa do
: e oradoiSf-ijo regresso do ceraiterio irao
Magalhaes e depois se-
guiro a ajsistir collocaeq de uma lapide
loeativa na casa o ido naaceu o glorioso
*"N'easo noTe, liarerna thcatro aveirense um
grande sarao litterarjo e musical, com o coneur-
incipaes oradores do paiz, a quem [a
commisso ja convidou.
[fa manu de 1 partir da cstagio do cami-
nlio- da'ferro-o cortejo cvico, percorrendo. com
os seus tarros '5,'a ras da cidade, e
indo parir praga municipal onde, depois (tas
iiias" usadas, em casos taes, ser desco-
a estatua.
Iluminada
" norte d:i cidade, incluindo o caes.
i !1 horas da manh de 13 haver, pas-
i barra, era barcos caprichosamente
.oaodeiradoa, terminando
por uma recita de amadanle, em1
- mais dfciiciai
ra illuminagao do lado sul
- d norte, solicitando uma provi,
trabulham com vcrdadeiiu entbh-
siasmos e decidida boa vontade, para a compleyr
e briliijute execugo deste programma.
Apeiar de nao tej^BHft V abertura
exnloraco da nova sn^BsA fo Algarve. as so-
lemnidades que e cosspV darem-se coi casos
idnticos, o' pon d'aqmella risonha provincia
tejou cora ruidoso estliusiasrap aquello me-
vaiabrirjBBadJnde prosperi-
a at agoBrquasi esquecida; e
rada pela ilta de communicacOes
amento,
dade prov
como que
do resto do
A cidad
arara
ao ioqu
ai joras;
a cuuue.e raro
aBcaivn fjtivasje::
as ao toquf deMvi
m jorna; (Mm-.<
Humpto, parece todava ter procedido com aquel-
e tacto e prudencia, que os miliudres da ques-
to reqnerem, encarada sob o aspecto da le. ou
antes da co-tezia internacional. A intervengo
diplomtica ueste caso, quando desacorapanhada
da raaxinvi cautelia, conslitue um precedente de
dois gtime:, de natureza especialmente perigoa
para a propria Inglaterra.
Depois das declaragoes cathegoricas, e vo-
luntariamente feitas pelo Sr. Barros Gomes, a
de sjnalquer cnmbinagSo secreta de Portu-
gal para a compra possivel da linha-ferrea pelo
swaal, deve ser posta de parte: mas seria
ificonlestavelmente mais favoravel para a com-
pauhia e para Portugal cnegarem a um accordo
aralgavel antes da r posta em praga.
Um e outro ganbaiiam n'isso; e admittrado a
boa f do governo portguez, e o estricto cura-
primento das clausulas da concesso, Portugal
tem mais a gmhar cora um accordo do que cora
o conflicto.
E' certrf que vae abrandando o tom arrogante
dos Jornaes inglezes, e augmenta cada vez mais
o numero de jornaes estrangeiros que nos defen-
dem e nos do testemunbos de syfipathia.
Asjiolicias recebidas de Lourehgo Marques sao
tranquillisadoras.
As proprias declaragoes do governo inglez, no
parlamento sao menos injustas e menos altivas.
O conflicto de interesses resolver-se ha legal,
no e dignamente, mas a questao poltica Mea
Nao podemos adormecer, nem cruzar os bra-
cos.
O que e est passando apenas um episodio
da grande questo antiga de Lourcngo Marquea.
Ao lado defla eatSo as do N'egasa e do Zambese.
Tado omais, depois desta questo, e pal
lido e sem intere
I'aasou na cmara dos deputados o proj
Leixoe-Salamanca, e o5o se
em ser vi
^^B^BbbScc L-rJido em lei o
em
Entretanto, no pateo do Pago de S. Vicenta
uma banda de msica alegrava o povo airado
que tora alli altrahido pelas luminarias c anda
mais pela curiosidade de ver entrar aquelle
mundo ecclesiastico para a soire patriarchal.
Cantar-se ha o T-Deum succesaivamente em
todaa as parochias da capital e do patriarchado.
pelo mesmo fausto motivo.
.Sua eminencia vai fazer expedir uma proviso
agradecendo ao cabido, clero e lieia de sua dio
cese as manifestagOes da sympalhiafque recebeu
nao s quando em Hespanha soffriam desastre
da sua jornada, mas tambera poroccasio do
regresso a Liabca.
Naquella semana foi um verdadeira mar-cheic
de cousaa de igreja.
No da 2S de Junho em que 33 ceiebrou como
decoatume a festividade omcial do Sagrado Cu
rago de Jess no magnifico templo da Estrella,
com assistencia d'el-rei e-dn corte, sahio Uard
da igreja de Nossa SenliordBas Mercs umapro-
cissiio que ha onze anuos swio fazia.
Basta dizer-lhes que lava va 18andores, co
competentes anjiyho e respectivas iemuadades,
insignias, etc.
Cerca de 12 bandas de msica, philarmon
pola maiQr parte, e por ultimo a charanga dos
marinheiros militares e a banda da gualda mu
cipal de Lisboa, acompanhavara os andorea, em
que eram conduzidos triumphalnseote com gr;
veneraco tradicional no tempo em que havia
rauita uevogo, mas que nem todos, diga-se a
verdade, eram inspirativos primores de eaculp
tura. Um dos anderos o da fgida para oJEgypto
era escoltado por uma irmandade de pretos. O
anjinho era da mesraa cor.
Devem imagioar que a reviviscencia de todas
estas cousaa absoletas apezar de respc-itaSBU.'
attrahio numeroso ajunlamento de povo^oc
todas as ra do transito, que era muilo longo.
As ianellas estavam cheias de senhoras.
Na folha ofi o despacho du 21
ullim pelo quai o \t. Eraydio Navarro,
rastro as obras publicas foi comeado
presentar o goserno portugus ap co:
ternacional penitenciario que hade
S%Petersbu;go em ls
Diz.-se que d cardeal
iz.
e Faro vestio-se de gala; msicas
vamentc as ruaa execotande hym-
deMvoradu.
(mmvo vrco) intitulado A ln celebrava o facto ; as duas noiles mar-
chaa'aw.c flmbeaux pela cidade, em que o povo
lomou parto, foi tan Jo vivas calorosos,
Na noije do 1" de Jullio abrio-se um brizar-
le nianlifi, pelas!) horas, foi distri-
buido na Cdmara municipal um bdo aos po-
bres.
Todosmpartidos confraternisaram n'aqaellaa'
(estaa, e o*5athusiasmo subi de ponto quando
na gire deHro entrou o primeiro coinboio as-
caadentc, nduzindo o director doa camrabos
de ferro da'sjU.l e sueste, varios erapregados au-
lles caminhos de ferro, o enge-
ilop::tados pelos circuios eleito-
periores d
nheiro e a
raes do
A' part
rimeiro coinboio para Lisboa,
tambem foi graflae a afluencia de gente na es-
Ucau, autoridades administrativas e udiciaes do
districto, duas philarraonicas, a banda de caca-
dores i, militas senhoras, etc...
Asta dado o primeiro passo para o desenvol-
viraenioda provincia do Algarve arcompletando-
sebrevemente a sua rede ferro'viria, aquella
'Cgio passar a ser apreciada cuno merece as
suasnalezas e nos sens productos, e ver-se ha
largamente compensada do long) e pc.oso es-
;mcuto, quatem soRVido.
ltimamente na cmara dos deputados fo-
ram comeadas duaa -coraraissoes de inquerito
parlamentar: uma, sobre a questo do caminho
de fejjn de Salamanca, e outra, sobre o trabalho
das rulicres e dos menores as fabricas.
O Supremo TribanaUle Justga confirmou
a seutenca de primeira instancia que absolveu o
Visronde de Wildict, conssl geral de Portugal
no Rio Je Janeiro, e 0 StjBrandao, th'-isoureiro
rao couaulado. S
A-a! ou a qreredosvinhos; maa, a guerra
dos vihos que nao acabou nem acabar to
cedo. i
: :ce que pa coraraerciantes do Porto fizeram
um conluio, diz um jornaUde Liaba, para nao
darem carga aos navios de vapor ou de vella que
receiierera a bordo cascos da Companhia Vin-
cola do Norte, ou que tenhara a sua marca, e,
em consequencia d'est.a liostilida"de, a companhia
j cuconlrou diliculdades quando quiz embar-
car uma porgo de viobos para a Aliemaoha.
Era estado de guerra, commenta outro jornal,
cada belligerante joga as armas que tem. E
quera declarou a guerra ? Forara os fundado
res da companhia que lizeram annunciar a sua
entrada no mundo commercial tentando desa-
creditar os eoncur-eotea.
O que muito para recciar que a guerra dos
vinhos venha a causar prejuizos serios ao paiz.
"- Por um telegramma de Benguella (frica
Occidental) consta haver-se realizado, a 27 de
Juolio ultimo, urna grande reuhio do povo
d'u uella localidade nos pagos do conselho, pe-
dindo a construego do caminho de ferro de
Benguella ao Bih.
Reinou grande entbusiasmo, sendo nomeada
uma coramisso para apresentar a representago
a Sua Ma^estade El-Rei.
Foi ha diaa recolhido ao hospital de Rilha-
tolles (alienados) o Sr. Napoleo de Siqueira La-
maixr, diplmate brasileiro addido 4 legago de
Lisboa, qual, de ha muito, dava indicios de
alienaco mental, o que era devido ao espiritismo
a que se entregava e aos effeitoa do alcoolismo,
diz se tambem.
Por mais de uma vez empregara violencias
Contra sua esposa, tentando asaassinal-a. Foi
cora elle que, ha lempos, se deu uma scena la-
- nseutavel no hotel de Braganga.
pelo noticiario de quasi todas as folias O Congresso de Medicina Legal, reunido era
Lisjoa. Bt .-. ._ ----- _--------.j. nt_->.
- Nova-York, elegeu seu vice-presidente o illustre
niedico portnguez o Sr. Bettencourt Bodrigues.
for e-tes dias o distincto clnico partir para
Pars, oude assistr s sessOes do Congresso de
Medicina Mental, que o convidou para collaborar
nos seus trabalhos.
Dase como certa a fuso das duas compa-
nhias de gaz da Lisboa, que atnda ha pouco es-
tavam era completa hotilidade.
A fuso prove tosa para a cmara municipal,
mas os particulares que pagara as favas.
Alguns jornaes pedera cmara que defenda
os consumidores contra os provaveis abusos do
monopolio.
A 14 d'este mez ser, segundo se afiirma,
a inaugurago da linha frrea ^ntre Abjs e
es.
Mais tarde, qunndo o adianamento da3 obras
Jo porto de Lisboa b permitnr, a linha chegar
mesmo a Lisboa.
Entretanto j um grande progresso para
aquellas pittoresca\ejtag<5es balneares, que'se
prolongam desde Algs formosa baha de
Cascaes.
Ha ver estagis na Cruz Quebrada, Pago d'Ar-
Cos, Oeiras e Estoril, ele.
A companhia eililicadora de Mont'Estonl tem
construido lindissinios chalets, que vende o
aluga.
L,
REVISTA DIARIA
AsNembla. Provincial Funccionou
honterr. sob a presidencia do Exm. Sr. Barao de
Itaiiisauraa, teado comparecido i\ Srs. nepc-
tados.
Foi lida e approvada sem debate a acta da
antecedente.
secretario procedeu a leitura do se-
putado Dr. Jos Mara de
comraunicaado nao poder
comparecer por jABU? de molesl:
i familia.
na petigo do^H kBPJ Cacal-
can te e El y seu Max
idos da secrei
i que se consigne
686*238 para cumplimento do q
ei n. 2009 de 3 di
de orgamento ]
ra de Antonio Ferna
, 2 oflicial da MtB^Sn^Snl
stia em pessoa
dencia no sentido de sanar o guipe com que aca-
bara de ser feridos pela lei n. 2<>i9 do'corrente
anno.A' commsso de orgamento provincial.
Foram a imprimir oa seguintes projectos de-
vendo o de n 9o a requerisnento do Sr. Joa Ma-
rianno ser dado logo para ordem do dia de se-
gunda-feira :
N. 95. Autorisando a presidencia da provin-
cia a abrir diversoa crditos e a reformar os
ragnlaesentos da instrueco publica e varias re-
particoes.
N. 96.dem a Cmara Muuicipal de Palraa-
'res conceder a Izidio Firmo de Oliveira.o aba-
te de :003 pela arrematago de impostes
Foi a imprimir no jornal da casa a requeri-
raentii do Sr. Phaelante, o seguinto projecto
precedido de parecer daeommisso depetiges:
N. 97.Interpretando a lei n. 1-860 de 1883,
que autorisa a contractar se a fundago de um
engenho central de lypo maior em Barreiros.
. Adiou-ae pela hora a discusso de um reque-
riraento do Sr. Barros Brrelo pedindo nTorma-
gOes presideneia da provincia sobre erros ly-
pographicos da lei n. 2 009, sendo regeitadoum
rtquerimento do Sr Urunimond de prorogago
da hora por 110 raiuutds.
Approvou-sc um pare"cer da coramisso dere-
dago sobre o projecto n. '7 de 1889.
O Exm. Sr. presidente recebeu da corte o se-
grale telegrauma :
Rio 19, i horas 20 m. da larde. Barao de
Impissama.Agradece a V. Exc.-e a Assembla
Provincial de que 6 presidente a comraunicago
que me taz de leivm dirigido a S. M. o Impera-
dor o? seus sentimentos a proposito do attenta-
dp conliecido e aJirsio ao governo pelas me.
..das. Viiconde de O aro Preto.
-rdera do dia.
Entrando 2m '' discusso o projecto n. 7o,
deste anno (orgamento provincial) foram apoia-
emeodas de ns. 1 a 5;). sendo approvado
um requerimento do Sr. Jos Marianno de adift-.
ment at serem (Jilas erocudas impressas^W
jornal da casa.
, Approvou-se em 1 discusso. sendo, dispen-
sado do intersticio a requerimento do Sr Jos
Marianno, o projecto u. 9i deste anno (anno mu-
nicipal coincidrado com o civil).
Entrando era 2 discusso o projecto n. 81
deste anno (instrueco publica) foi regeitada a
1* parte doart. 1" sendo approvada a 2' e o art.
2o com quatro emendad e dispensado do inters-
ticio a requerimento do Sr. Jos Marianno.
Approvarara-se por 20 votos contra 2, a le
nao saaccionada a que se refore o parecer n. oi
de 1889 (ramal de via-feirea de Pdra-lirme *.
Belem de Capoeiras); e por 19 contra 3 a de
que trata o parecer- n. 35, tambera de 1889
(transferindo acadeira do seso raasculino.de Bi
zarra para o Tolo.)
Approvou-se era Ia discusso o projecto n. 90
de 1859 (graticago de bous servigos a Francis-
co da Sitva Miranda (sendo disuen.-adoo in-
tersticio a requerimento do Sr. Phaelante.
Reseitou se o requerimento de adiamento da
Ia discusso do projecto ti. 82 de 1889 (suppres
sao dos districtos ^le paz de Scrra do Vento e
Santa Cruz), vista do que continuou a discus-
so. que ncon adiada pela hora, baveudo orado
os Srs. Drararaond e Barros Barraco.
A ordem do dia 6: continuago da antece-
dente e mais: 1' discusso dos projectos ns. 97
de 1888'e 8o de 1889 ; 2 dos de ns. 9o de 1888.
90 eSide 1889 ;3'd de n. 81 de 1889 e da
emenda n. 17 ao projecto n. 9't de 1888.
Estrada de ferro do Recite Ca-
ru-ir -S. Exc. o Sr. conselbeiro presi-
dente da provincia, acompanhado de varios
amigos politicos. foi hontem s 7horas da noi-
te, era trera especial dessa vla-ferrea, cidade.
de Jaboato, de onde regressou s 2 e 4o minu-.
tos da tarde.
Acorapaiiharam tambem a S. Exc. o Dr. Nas-
cimento, eugfnheiro. servindo de director, Dr.
Beltro, cliefe do trafego de Cantar, e os enge-
nheiros Figaeiredo Rocha e Lucio do Amara!.
Hu do ImperioUuitera tarde tivemos
folhas da corte a 14 do corrate.
Alm do que consta da Parte Offtcial, apenas
nellas encontramos digno de menco o segrate :
Rio-Grande do Sal Foram pocads estes
telegrammas :
' Porto-Alegre. 12 de Julho.
O Dr. Silva Tavares resigoou a radeira da as-
sembla provincial e declarou nao aceitar can-
didatura pura a geral.
Tem havi, O muitas adhesoes ao -partido re-
publicano.
Porto-Alegre. 13 de Julho.
O deputado provincial Jos Gabriel.chefe con -
senador da Cruz Alta. aJherio ao partido re-
publicano.
Ro de Janeiro%. M. o Imperador recebeu em
audiencia especial no pago da cidade o Sr. con-
selbeiro A. Riva, enviado extraordinario e mi-
nistro plenipotenciario do reino d-i Italia neste
imperio, que fez entrega das respectivas ere
denciaes.
Constava que o Sr.# ministro da fazenda
reasara na Europa urna oporacSo de crdito
que habilitar o thesouro para conservarse
ufastado do mercado de cambio como compra-
dor de saques at o lira do anno prjxim fu-
turo.
S. A. o principe D.Pedro Augusto, presi-
dente da Socielade Commemorativa da Inde-
pendencia do Imperio entregou mesma so-
ciedade a quantia de 500 para auxiliar os fes-
tejos do dia 7 de Seterabro prximo.
O Sr. Conde de Santa F -O Exm. Sr.
bispo da dioceae do Rio de Janeiro, contina a
estar em It, onde tera melhorado um pouco do
beriben de que eslava aofl'renilo na corte. -Pea-
soaa viadas de Il dizem que S. Exc. Revma.
est cada vez mais lirme no proposito de nao
aceitar o arcebispado. nao somonte por causa
de sua saude, como tambem por gravissimas ra-
ze3 de conaciencia.
Cdigo civilDiz o Jornal do Commercio :
Na primeira sesso da commissiu organisado-
ra deste cdigo realisada aute-hontem o presi-
dente da mesma o Sr. ministro da justga apre-
sentou uma exoosigo escripta doa trabalhos at
agora executados para o projecto do cdigo ci-
vil pelos jurisconsultos- brasileiros declarando
que o lira da reunio era para resolver sobre o
methodo e ordem do servigo. .
Depois de discu'.irem os membros da coramis-
so a conveniencia de adoptarse um dos syste
mas conhecldes de codificagSo civil, lendo-se
em muita epusiderago os elementos prepara
dos por Tesltei.ra de Freitas. Nabaco de Araujo,
Lafayette, Ribas, Felicio dos Santos e outros, a
dviao do trabalho de modo a ser breve, discu-
tido o esbogo de algumas secgoes do projecto, o
Sr. miniatro da justga propoz :
1." Que o projecto se dividisae em duaa par-
tes uma geral e outra especial.
2. Que do esbogo da 1* parte, comprehensi-
va das regrasgeraea sobre os elemento? dos di-
reitos, pessoas, cousas e actos jurdicos, toase
incumbido o Baro de Sobral.
3." Que se subdiyidisae a parte especial em
quatro livros : direito das cousas, direito das
obngaeoes, direito da familia e direito das suc-
cesses, encarregando-se do Io o conselbeiro
Olegario, do 2o o Dr. Silva Costa, do 3" o Dr.
Coelho Rodrigues e do 4o o conselheiro Affonao
Penna.
4. Quo antes de tudo fosse organisado e sub-
mettido discusso o ndice das materias de
cada un dos livroa e secges.
5." Que da redaego das actas e de sua publi.
cago, depois de approvadas, licasse encarrega-
do o Buro de Sobral, na qualidade de secreta-
rio da coramisso.
6." que as sessOes ordinarias da commissao
fossem quinzenaes.
Approvadas todas oatas propostas, declarou o
Sr. conselheiro Souza Dantas que, nSo podendo
por seua*affazerea formular alguma das partes
do projecto. acorapanharia tanto quanto lhe fos-
se possivel a discusso e a revisan.
A se,randa conferencia ser no-dia 26 do. cor
rente.
Ins-iitntO' dos advocado*Pr i
do o governc imperial propqr, na pi
nio d*s camaraa a ref.
. approvado ge
Setembro i
Quipap, communicQU ao Sr. Dr. chefe de.poli-
cia que, tendo sciencia de que no lugar PiiOes
arhavam-se liomisiados diversos criminosos,
para ahi se dirigi, acompanbado de una forca
policial, com o'tim de prender ditos criminosos ;
mas que, ao chegar all, sendo recebdo tiros,
travou-se luta entre a forga e oa mesmoa crimi-
nosos, resultando della a'morte de umdeates, a
oaplura de outro, e o ferimenlo do varias pra-
cas.
Accresceata que, sobra o facto, procedeu-se
nos termos da lei.
Oh lampin -Estes industriosos, que ~ao
que parece estfio a-.'Ora nos seas seis mezes de
liberdade, praticarum arrombamento na. porta
do lado posterior do predio n. 14 da estrada do
S. Jos do Manguinho, districto pocial da Gra~^
ga, e, penetrando no interior desse^redio, ondar
reaidem varios estucantes, d'ahi roubaram relo-
gos e cadeias de ouro e diversas joias. na noi-
te de 19 para 20 do corrente.
Nao o prfmeiro fado dessa Ordem que ae
d naquella freguc-zia, onde parece demasiada-
mente frouxa a aeco da autondade policial.
E porque aind nao perdemos de todo a
a esperanca de ver memorar esse estado de cou-
sas, reclamamos providencias do Sr. Dr. chefe.
de polica.'que deve activar os seus subalternos
no cumprimento dos seus deveres. .
Paquete inglez Tamar-0 paquete Tu-
rnar, tendo sahido da Babia hontem s 3 horas
da larde, s amanh tocar.em -ernambuco em
sua viagem de regresso Southampton.
EmbarqueNo vapor da Companhia Per-
nambneana que seguio hontem para o norte,
lomou pus-ugera nafa o Natal o Sr. Miguel Fer-
nancuts Barros', ene fe da commissao ijjue, no Rio
Grande do Xorte, vae inspeccionar as desperas
feitas all conUa secca.
. Que teuha feliz jagem o que ihe deseja-
I110S. >
Becebedoria provincial -Na constan-
cia do correnlc mez, tem lugar nessa repartk-o
o pagamento a boceado cofre do imposto dere-
Dartigo relativo ao 1 semestre do vigente ex-
ercicio financeiro de*1889.
Devem, pois, os respectivos contribuintes cui-
dar de satisfazer suas quotas. afim de evitaram
o pagamento das niesmas cura o accrescimo da>
multa de 10 e 20 %, ora que incorrero pSo o
fazendo nesle prazo ordinario.
Violencia Dizem-nos de Limoe;ro que.no
dia 18 do corrente, do 4 districto desse termo,
o respectivo subdelegado prendeu um pobre ho-
rnero pelo supposto crime do furto de uns pe-
rs, que desapparecerara do engenho Pssasua-
8a-
Dez homens, diz o nosso informante, arma-
dos de facas e cceles, espancaram o infeliz,,
cujo estado melindroso
. Nao tiraran), porm, ahi. Espancaram tam-
bera a o u'her desse infeliz, que, estando grvi-
da ficou em perigo de vida!
O infeliz foi remeltido ao delegado do ter-
mo. <(ue, tendo o seu eslado, c remando que
elle morrease na cadeia, mandou pol-oem liber-
dade !
A populagfio esl toda indignada por esse
barbara alternado. *
De S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da
provincia soliciiamos as providencias que o caso
requer. Temos a robusta conviego de que S.
Exc. nao paclna com taes violencias, que ne-
nb'im espirito sao pode apodrinhar.
Iianterna MaKica-Pub'icou-sc O n. 263
deste peridico Ilustrado e satynco. .
I cebemos os ns. 231 e 232, de 23 de Jdnbo-.pro-
ximo Godo, do semanario LeBrsil.
IVAmerique Tarabem recebemos,da mes-
ma procedencia; o n. G, de 14 de Junho lindo,
do peridico Ilustrado L'Amerique.
MelejaciasForam noraeados subde-
legados dos dislrictos de Pimenteiras e Mutuns
os Srs. Clandino Correia de Mello Jnior e Eneas
de Azevedo Lessa.
a asila illustrePor um telegramma re-
cebido pelo nosso collega Thiago da Fonseca,
que nos foi graciosamente mostrado, soubemos
que chega boje a esia capital a Exma. Sra. D.
Joscphina Alvares de Azevedo, digniSima di-
rectora d'A Familia, bem redigida Revista Se-
manal que se publica actualmente no ,Rio de
Janeiro.
Aceite, a Ilustrada Collega aa nossas sinceras
feliatagoes.
FeMtiSdade -Cclebra-se boje, no coDven-
to de Santo Antonio desta cidade, ;: festa de S'
Benedicto, constando de missa solemne s li
horas do dia com sermo pelo Revd. conego
Eustaquio Silva, e Te Deum r.oite com predica
pelo Revd. Fre Augusto da Imniacuhtda Con-
ceico Aives.
nnl-erario No (lia 2 do corrente fa-
zem 49 sanos que S. M. o Sr. D. ledro II foi ac-
clamado Imperador Ccnstitucional e Defensor
Perpetuo do Brasil.
Por esse motivo uavera salva i hora-da tarde.
Coiapaniia Indcmuimt.dora Ao
meio da de 23 do, corrente, devora reunirse
cm assembla gem os accionistas da Compa-
nhia Indemnisadora, de seguros marilimos e ter-
restres, am de trataren) de interesses da em-'
presa.
Aaociaro doa Empregadow no
CommereioHoje. s o horas da tarde, ve-
rili-ir-se uma assembla geral dos membros da
AsaoCiacao dos Erapregados no Commercio de
Pernambuco, alim de serem eleitos os bovos
funecionarios que tem de dirigir a mesma so-
ciedade e tralar-se da reforma de seus estatuios.
Kleico de Contraria Hoje, Jas 10Lo-"*
ras do da, a irmandade do Senhor f om Jess
das Chagas reune-se, em mesa geral, para ele-
ger a sua nova direccio para o anuo compro-
missal de 1889 90.
CongreKMo da Emigraco Lemos no
Jornal do Commercio da corte :
> Nao ha muitos dias tivemos occasio de ma-
nifestar o nosso modo de ver quanto ao projec-
to da reunio de um congresso ou conferencia
internacional que houvesse por fim considerar
pelas suas diversas faces o problema da imuii-
grago que, assim para a America como para
a Europa tende a augmentar de importancia,
muilo avallado j pelas suas proporg&ea. A im- \
prensa italiana tera continuado a advogar esa
idea que a Gazzetta di Genova, a mais antiga fo-
lha daquclla cidade, e orgo eircuraspecto da
opioiao, suffraga com elevadas consideragOes
fazendo resallar todaa as vantagens que de tal
reuaio poderiara provir aos paizes que, nao
olhndo a sacrilicios para o bem estar dos im-
migrantes e oflerecendc-Ibes na realidade con-
disfics regulares de vida, sao tantas vezes es-
postoa a apreciagOea duras por factos de} que
nenhuma reaponsabilidade pode cora razo ser-
Ibes argida.'
De 12 a 15 de Agosto reunir-sc-ha em Par2
um congresso cora o programma de estudar o
panel ou a inlervengo dos poderes pblicos na
emigrago e immigrago, e no qual ser repre-
sentado" o Brazil pelo Sr. F. de Sant'.-lnn ery.
Ser um passo para a realizago do vasto pro-
jecto cuja iniciativa'parece ter cabido impren-
sa italiana. Pela primeira vez a grande ques-
to social da emigrago e immigrago ser con-
siderada em reunio de carcter internacional
(posto que uaofcial) e isto nao ser indiffe-
rente para dar ganho de causa nesta eaphera de
interesses verdade e ao direito, to de fre-
nuente sacrificados em semelhante objecto cora
detrimento dos paizes sul-americanos. -
De par com esta noticia chega-nos de Geno-
va carta particular de 31 de Maio na qual soli-
cito Brazileiro, lamentando as apreciages in-
justas que as folhas italianas tem motivado a
emigrago para o Brazil, e pondo em relevo os
esfo'rgos hbilmente erapregados pelo nosso
commiasano geral m Genova, engenheiro M. .
M. de Carvalho. para restabelecer a vardaile dos
lacios, faz sentir quanto poder ser-nos til a
reunio de congresso oflicial. e nlernacional
cora o programma indicado pela imprensa,- pa-
rece o do si iropriado meio de, na Ita-
ei outros paizes. desarrai-
i fl ; cem resisten- -
entre
)-
f
T
'Jt.
!

i-
'



I

Diario de PernambilcoDomingo 21 de Julho de
1881)
a chegado ao L'ficio d'informaziomdel Brasile
aomerosos pedidos de informaroes e de paasa-
8 para o imperio.
Brvue *iid-.%ui*rlcaine Recebemos
' irFarizosns. 206 e 207 da Revue Snd-Ams-
tame, que al I i se publica.
Es 03 respectivos sunimarios :
S. 206Message de M. !e prsident de la R
jmfilique Argentino.L'Amrique Latine l'Ex-
foeUion Uuiverselle, par Gaslave de Barral.
Sorrier d'Amrique*.Revue conoraique.Ile-
mk- financire.Arts, sciences et fait divera.
BiMographie Annonces.
5. 207La question montaire dans la Rpu-
Iktpie Argentine, par le Dr. Andrs Lamas.
resage de M. le prsident de la Rpublique
JrgntiD.L'Amrique Latine i'Exposition
invcrseile, par Gustaye de Barral. Courrier
dfAmcrique.- Revue conomique.Revue tinan-
cire.Annonces.
oriiru militar Esto designados boje
aira snperior do dia o Sr. major Serra Martins,
<*pnr ronda menor um subalterno de cavallaria.
A guarnigo dada boje pelos corpos 2.
i *&.0)atalnes de infamara.
A guarda da Tliesour ria commandada
pelo Sr. tenentc Francisto Teixeira de Gar-
Continuam em tratamenU na enfermara
autor 36 pragas.
Faccionou hontem sob a presidencia do
3fc major Alves, o conselho de guerra a que es-
tftc sujcitos os reos Antonio Florentino Leite e
latonio Pereira Lima.
Foi inspecionado de.sadc e julgado pre-
iKurd<3 3 mezcs para seu trtame to o Sr. al-
tees do 14. batalhao de infauleria Vicente
Rgno Nunes. ^
S. Exc. o Sr. coronel cftnraandanle das
mas acompanhado de seu respecivo ajudante
4 ordens, visitn aute-llantera os quartei-- e
3is repartieses militares, desta guarnigo fi-
ando S. Exc. bastante satisfeito com o assew e
nromptido em que os'encontrou.
Jteo Humanitario-Hontem, cerca de
J* i/2 horas da tarde, na ra do Amorim, urna
arianga travessa prendeu se pelo pescogo as
rades da saccada do predio n. 24, 2 andar; e
83a posigo cruej se achava, sera que Ibe po-
MBem valer os auxilios da familia e de diver-
jas pessoas que acudiram-n'a, quando por all
jateen o Sr. alferes Jos Samuel Botelho.
Vendo o immtnente perigo, o Sr Botelho, au-
iiteado pelo artista tcnente Perminio dos S m-
se, tratou de desprender a infeliz criawa, e
,*^deconseguil-o partido os ferros da referida
trade.
Foi um allivio para os espectadores que se
vjam agglomerado defrontc do predio; e bem
jija aos Srs. Botelho e Perminio pelo seu acto
KOaaituriu.
Colonia portuguesa3- M. o Impera-
jtor, por intermedio do seu camarista, dignou-
** responder nos seguintes termos ao telegraui;
e que, em nome da colonia porlugucza, Ihe foi
irigido pelo Exra. Sr. Visconde da Silva Loyo,
"go depois do attentado de que S. M. escapou
Rio, 20 de Julho.Visconde da Silva Loyo
S. M. o Imperador agradece colonia por-
ngaea dePernambuco a nianifestago de seus
intimemos e felicitagoes.
Assigoado. Mrquez de Tamandar.
Mm torta da* obran de conaerra-
f*do* Porto* de PernambucoReci-
.%. 49 de Julho de 1889.
* Boletim meteorolgico
o
dars o =2 Barmetro a 0 Tenso do vapor 4 a 1
*m. 25-4 763-22 17,50 72
t 27"-3 764-32 18,11 66
e 28-3 764-29 18 45 64
11. 28- 4 763-14 18.93 66
26-: 763-67 17.51 69
Pelo agente Gusmo, s 10 1'2 horas; -u
Paz em Afogados, t'.a movis, jarros e cavados
de sella e 1 dog-car
Pelo agente Mrtir s, s 11 horas, ra Mr-
quez do Herval a. 43, de movis pianos e ioucas-
Hlaa fnebreSero celebradas:
Araanb" :
As 8 horas, ua Cosceicao dos Militares, pela
alma do coronel Agostinho Bezerra da Silva Ca-
valcante ; s 7 luras, na igreja de Santa Gruz,
pela aima de Joaquina Rodrigues de Oliveira
Almeida.
Terca feira :
A's 7 horas, na igreja do Espirito Santo, pela
alma de Antonio Gbcalves Agr; s 7 1/2'horas,
na matriz de S. Pedro em Olinda, e na igreja do
Rosario de Santo Antonio do Recife, pela alma
do professor JLuiz^Eustaquio da Conceigo Pes-
soa.
, PaMagelroa Ghegados da Europa no va-
por ingiez Seca :
Antonio Ferreira Brando, Joaquim Alves da
Fouseca, sua senhora e 1 lilha, Joo Mendes Gar-
ca, J. Reg Gil, Manoel Fernandes, Jos Alves
Santos, Valentn S. Rodrigues, Cari Vogt, Alian
Witclan, R H. Nendock, Hanry Suale W. W.
Hay e sua senhora, V. O. Pycrop.
Sahidos para o sul no mesmo vapor :
Francisco Jas de An:ujo, Alexandre Antonio,
H. Prain, Mnnoel da Siva Neves Coutiuho,
Cari Vogt, Jorge Jacome, A. William, Boscroell,
S. .Natham, r. Lisboa Coutiuho.
Chegado do sul no vapor ingiez Cometa :
Rosalina A. Favaa.
Chegado do sul no vapor ingiez Urampton :
Manoel Pereira Rezende.
Operaro clrnrgicaFoi praticada no
hospital Pedro II no dia 20 da corrente, a se-
guinte :
Pelo Dr. Malaquias:
Oscbeotomia indicada por clcphantiasis do es
ctoto e penis.
Casa de DetenroMovimento dos pre-
sos da Ccisa de Detengao 4o dia 19 de Julho d
Exlfeiam 432^; entraram; sahiram 17 ; ezfc-
tem 429.
A saber:
Nacionaes 380; omitieres 24 ; estrangeiros 25.
Total 429?
Arrac<)ados388.
Bons 376. #
Doentes 10.
Loucos 2.-388.
Movimento da enfermara
TeVe baixa:
Joo Chrysostomo Peixoto.
oMpital Pedro HO movimento
estabelecimento de caridade, no dia 17 de
foi O segunte :
En trarara 11
Sahiram 13
Falleceram 6
Existem 671
Forara visitadas as respectivas enfermarlas
pelos Drs.:
Cysneiro as 9, Barros Sobriaho s 7, Berardo
s li. Malaquias s9 1|2, Pontuals 9 3[4, Este-
vo Cuvalcante s 8 1|4, Simes Barbosa s 9 ho-
ras.
O r. Moscoso nao compareceu.
O cirurgio dentista Numa Pompilio s 8 1|2
horas.
O pharmaceutico emrou s9 l|4da manh e
sahio s 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrn s 7 1|4
da manh e sabio as 4 horas da tarde.
Loteria do Cram-Par-A 4* parte da
.'10' loteria, dessa provincia, cujo premio grande
120:0001000, ser extrahidano dia .. de Julho.
(sabbado).
Grande loteria do Maranbao -A 3'
serie da 1* ioteria. dessa provincia, cujo premio
grande 30i):(00000 ser extrahida no dia 24
do Julho.
0i
destt
Julho
(lector
provincial d'este raunicipu ruio Aure-
liano Eleuterio da Silva.
" Este, que i orno eu. mintoBSIpIS'Je 1876
mesmo partido,'em q
que se Ibe reconheceram s'rvicos'e aptiu;u\ ft)i
nomeado collector provincial em 1879, ao lempo
da aseen sao do nosso partido.
No s d'elle. cerno de iniru, estavam os libe-
raes d'aqui to co:i vencidos e reconlieuidos que.o
actual chafe, ern poca apropriada, dignou se de
nos mandar chamar er su;; residescia e all nos
concitou'a que declarassemos oque prelen'ha-
mos na guarda nacional, pois tinha de fazer pro-
picias para nomeaces de ofliciaea, e no us
quera deixar de coiileiiiplar^bito obstaute u
chusma de preleudentes que tinha atl
queixando-se ento d'essas umitas pretencOes,
algumas das quaes, uizta serem desarrozoad^s.
Com ludo insista para que acceitassemos urna
patente a que elle recouhecia termos i direito
como recompensa aos nossos bons servigos.
Muito cordialmeute agradeceiuo a S. S. essa'
distinego, recusndonos formalmanteacceitar
qualquer lu^ar e l'ranqo#ndo-o' aos iiossos ou-
tros amigos mais dignos e exigentes.
Em 1885 foram chamados os conservadores ao
poder e eu tive de deixar o cargo de subdele
|gado que exercicia por nomeago de outro que
pertencia a poltica adversa, esperando que o
raeu irmo.fosse, em seu enipnigo, igualmente
substituido, urna vez.que era tambea adversa
rio.
Succedeu. pci'in, que alguns cavaHieiros ad.p
los e qualiticailos u'aquella politira, prezan lo
mais do que a vingaucas mesqoiqliM, pului-
cageajf de fundos de vcida, a migalhM e retraeos,
O'irio, o dever e a lwnestidade : c ivconli'
por nico defeito do collector Apivliano o ser
file liberal, nem por is-o .leixararii de eonser-
val-ona collectorfa, mirando o seu proceditreu-
to illibado, a sua honradez provada, o seu zelo
invejavel, e a circums^ncia de ser elle nm ho
mem onerado A&BiB ; c iligo-o mesmo mi
rando taiiibem8ralllo que, s nunca llic fui
exigido, elle, por dever Je ^ralidao e connexo,
o ia di'por em favor da caica dos seus bemfei-
tores, e do governo ao qual servia.
Pois bem; cu, que continuei a manter me no
mcu posto de adversario franco, t que
transgred ; o meu irmque'continuava a ser
liberal, iuas que era conservado no dominio
dos nossos contrarios, aos quaes ollereeia to
fomente o seu voto, conselbos dt.seus chefes
liberaes que n'islo assenliam louvavelmcnte ;
dos, digo, acabamos de ser posta^ados pelos
nossos correligionarios, eu, na pessoa de meu
irmo com quem sou solidario, e c'le porque se
quiz manter na sua posigo primitiva e perma-
nente I!
Acaba de receber a sua demisso de collector
provincial que segundo dizem, foi imposta no
Recife como condico vital da poltica liberal
de Pao d'Albo !
Est assirn consummada a mais torpe das
vingangas, inflingido o mal vil dos castigos e
acabada a obra mais esdruxula e grosseira de
quautas tem de erigir a poltica acahhada e pu-
silnime de. uns tantas homnculos nescios e
enfatuados I !
Ainda bem!
Os liberaes de principios e crengas da comar-
ca de Pao d'Alho, isto os que fazem da poltica
o apanagio de suas intimas, justas e patriticas
convieges ; esses que adoptara ideas ss e sa-
bera conciliar os seus sentimentos nobres c ge-
nerosos cora os inlercsses do seu partido ; esses
que tem tomado parte importante e valiosa oa
poltica desta localidade, desde longa data, on-
de exercem inlluencia iegitima c possuem ser-
vigos prestrnosos ; os liberaes, repito, tjoe sao
a gloria do seu partido em Pao d'Alho, esto
anojados uns c outros profundamente offendidos
e desgo.tosos com a acintosa demiso dada ao
collector Aureliaao!
Taperatura mxima29,25.
fiiA mnima 25.O0.
Svaporagao em 24 horasao sol: 8-.8; som
>: >h.
Ghuvanulla.
trecio do vento : SE de meia noite at 10
ras 38 minutos da manh : SE, ESE e S
-iterasdos at meia noite.
tocidade media ao vento: 3",34 por se
Sebulosidade media: C.39.
Boletim do porto
PIBLICACOES 4 PEDIDO
Pao d'Alho
par-
Horas
935 da manh
3-46 da larde
10-20
4-20 da manh
Altura
iy,so
2-.02
0-,99
VriloeaEllctuar-se bao os segrales :
Araanha :
"felo agente Mariins, s II horas, ra da
toperatnz n. 82, de miudezas.
Feto agente Gusmo, s 11 horas, ra Mrquez
ir Olinda n. 5, de t5 caixas com cognac fino.
Terca-feira: '
f*to agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jcsasa. 45. de 150 res.uas de papel, movis,
i9
COMMERCIO
Adheso de nm liberal ao
tldo conservador
Desde 1876 que humilde e obscuramente tenho
figurado no partido liberal desta localidade, nada
mais sendo, esse tempo, do que um collabora-
dor minsculo e fraco, verdade, mas activo e
constante^Ios homena que salienlavam-se ento
na poltica liberal d'aqui, que, seja logo dito,
tem sido d'esse lempo ao presente, urna poltica
de retaltaos, de caprichos, de vingangas pessoaes
e de pretenges estultas, devido a intervengo
manbosa, ferina e sorrateira de um hornera que
o prototypo de ludo que respira odio, colera e
violencia f
Mais tarde, isto depois da reforma eleiloral,
ao tempo da qual fui qualilicado elcitor, o meu
concurso ao meu partido, traduzio-se mais posi-
tiva e eflicazrnente, ofTerecendoserapre aos meus
correligionarios o obulo do meu voto.
A' par distoprestei reaea servicos u poltica
do 2o districto 'este termo, na qualidade ue sub-
delegado, e com emphase e opportunamente o
digo que, no exercicio d'esse curgo, sempre me
portei com digmdade, fazendo valer os direitos
des districtanos perante a le e manten lo altivo
o respeito e a moralidade.
Que o contestein os homena d'esta trra I
Esborada assiin a parte que tenho tido nos ne-
gocios politico-liberaes d'esta mesma localidade,
completo o meu desidertum aflirmando que
commigo sempre militou n'essa poltica como
verdadeiro quauto o foi no p ittio I i rfudl hoje
me retiro, porque entendo ffue nao ore devo
prestar aos caprichos ce03 e intolerantes do
ite coronel Joaquim Cavalcanlc de Albu-
querqbe.
Sou, porta nto, de hoje em diante um soldado
activo e voluntario do generoso partido conser-
vador.
Pao d'Alho, 18 de Julho de 1889.
.Stellianu Eleulerio da Silva.
Jureina fura da le
.40 Exm. Si: presidente da prrincia c Dr. che fe
e polica
O estado em que rus acharaos .nesta locada
de requer enrgicas providencias das autorida-
des sipiTiores da provincia, i
s tactos ultiraaueute aqu oooorridos e arbi-
trardados praticadas pelos amigos da situago
profBn-no de sobra.
i*oderiainos citar rauitos destes, mas nos limi-
taremos a fallar de dous, que sao sufiicicotes
para dar a medida do modo por que sao desres-
ptliados os direitos que nos conferera as leis.
MlMel Joo de Souza.cidadaj morigerado c
trabalhador tem sido victima da mais terrivel
perseguigo.
E porqu motivo ?
Vamos dizel-o':t
De 1878 a 1881,'poca calamitosa, Manoel Joo
de Souza foi um infatgavel mantenedor da r-
dein e perseguidor acrrimo de desordeiros c
ladrOes. Isto de modo uenbuin poda agradar
a seas desafleigoados e protectores daquelles so-
bre quera caba a acgu da jusliga, os quaes co-
UKM- liara a votar Ihe oJi?.
odio nao foi esquecido e 0 homn.n que
prcslou to relevantes serviles foi ameacado era
>ua vula e propriquade, de sorte que vio se na
dura iiecessiilade de, r.o querendo infringir
le, irapeirar'licenca pora andar armado aliui de
detVnder-se de seus iniraigot
A.toudanga de poltica vewpazer nacer o de-
sojo de vinganca, e d'ahi o que se segu :
No dia 7 do corrente o subdelgalo Francisco
Guilhcrmino Calado en Ira era casa de Manoel
Joao de Souza levaudo ura ollicio do delegado
nunca I-Antonio Roberto Moreira, ollicio que dizia ter
esta autoridade recebido um outro do Dr. chele
de poficia, datado de 3 do correle, no qual com-
muiiicava que baria sido retirada a lia-tica con-
cedida a Manoel Joo d .-ouza para andar ar-
mado; e nessa oceasiio o mesmo subdelegado
intimou o a que sem resistencia cniregsse Ihe
aa armas que possuia, as quaes cram um re-
volver, um faci e urna espingarda de caca,
sob pena de ser obrigado a azcl-o quando ebe-
gasse a forca que o delegado havia requintado
para ceicar-lhe a casa e pralicar outros abusos
como este, cora o fim de desmoralfrii-e
E' incnveJ; infelizmente porm a pura ver-
dade !
0 ouiro facto que nao menos arbitrario, foi
praticado pelo mesmo subdelegado, iocansavej
em mostrar seu alto noder e inllueucia, para o
que nao escolhe os nieloa.
Assim que.sta autoridade toraou conla do
cattorio do escrivo de paz, sera proceder, como
era de seu dever, a inventario ou arsolainen'.o
algum, como dispe a I i.
O fim d'isio. se nao revelar at que ponto
chega a sua desmedida coragem, pelo menos
fazer responsavel por qualquer extravio o refe-
rido escrivo.
Facioa como estes dispensara qualquer com-
menlario, e fallam bem claro contra esta situu-
E' celebre
Aqui aleve hontem o digno juiz de direiio
da comarca presidindo ao sorteioi do jury deste
termo, e ficou sorpretiendido de nao cstarem
affixados os edit%es para a corrvcacfe da elei-
go que se tm de proceder na vaga Creada na
cmara pelo tenente-coronel Hennique Weoder-
ley, cuja eeigo estava marcadd para o dia 26
do corrente, coiifofine foi communicado quelie
juiz pelo presidente da provincia. .No entanto,
qui nada transpiroil.
fergunlamos ao Exm. presidente da provin-
cia e ao Sr. presidente .da Cmara Municipal,
Domingos de Souza Ltt&O, se licito trancar is
ordena do governo provincial f E' terdade que
S. S. j pode fazel o. porque seu prente ci n-
sentio, e S S. delegado de polica, e de mais a
mais republicano.. .
Esperemos.......
Serinhem. 16 de Julho de 1889.
O attentado|contra S. M. o
Imperador
Sem pretender saealar-te pois detesto qual-
quer que fosse o autor de tao vil attentado e re-
ferindo rae ao artigo do Jornal do Recife n. 159;
assim como ao anigoda colonia porlugucza pu-
blicado no mesmo Jornal n. ll. dem ser re-
futados, pois quer um, quer 'outro nao esto no
terreno da legaiidada
Recife, 20 de Julho de 1889.
Francisco Joaquim Gomes da Siioa. <
GB
mr-
P P2P & ^ 3 Yg) :- frr-rr
Revista do Mercado
RECIF3, 20 DE JULHO DE 1889.
Fi insignificante o movimento, que su limi-
m a transaccoes no mercado de cambio.
Cambio
tt bancos mantiveram ainda no balto a taxa
26 7/8, offerecendo o English saccar a 27 d.,
TBerradamente.
rapel-particular foi passado a 27 1/8.
Oznereado no Rio esleve sem alteraco, sendo
taxa ollicial bancaria 27 d., e 27 1 16 o Inter-
mma\ sob a lilial de Londres.,
ieUras escassas.
Bolsa
TABELLAS A'KIXADAS
f "fe" ce O "i "3 B 5' vi o-o 3 S 3 cr c -3 -. M 5" =3 O. -: -3
a ." CB "3 o w
- O. o O l
9
- - DO f
-3
O
3?
co
16 o
-. t>
w * CJ *^ o
o M w <
- -x. --1 B uo
2-
i*
O
I

I

O


cr.

SJ
Sr
<
I
$11?
TAC5eS OFFICIAE8 DA JDNTA DOS COB
RETOBES
Recife, 20 < Julho de 1889
Cambio sobre o Rio de Janeiro, 30 d/v. na razo
de 8 0 0 ao anno de descont..
Cambio sobre Santos, 60 d/v. na razo de 8 0/0
ao anno de descont.
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 d. por UOOO,
do banco, hontem e hoje.
o presidente,
Candido C. G. Alceforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
AlfodSo
Nao coustou vendas.
A exportadlo feita pela alfandega neste mez at
o dia l&attingio a 99^.948 kilos, sendo 703.816
para o exterior e 296.132 para o interior.
As entradas verificadas at a data de boje so-
bem a 5.474 saccas, sendo por:
Barcag&s..... 963 Saccas
Vapores ..... 723
\nimaes. 1.299
Via-ferrea de Caruar. 212,
Via-ferrea de S. Francisco. 251
Via-ferrea de Limoeiro 2 026
Sim! I
Approuve essa demisso a urna certa camari-
lha, movida aos acenos de ura hornera que quiz
tomar urna vindicta indigna d'aquelle que j
ama vez... preciso que ea diga! saciou-lhe
a necessidade! d'aquelle ao qual era ligado por
lagos de intima amizade c at de pareotescoes
piritual c a quem j urna vez quiz sacrificar ex
pondo-o a urna afflictissima e horrivel coodi-
go. porque jfoubc servil-o! d'aquelle por amor
e por honra de quem Um anciao.gue n'esla co-
marca urna personiliaaro do bem e dadigni-
dade, salvou das garras da miseria e da diffa-
mago a que o linha atirado de boamenle esse
que tao cynicaraente impz e obteve a sua.de
misso I *
Alvigarasa poltica moderna e liberal di Pao
d'Albo! Rosanas ao magnnimo e npavido
chefe que a dirige !
Agora qu tenho a pro va mais convincente do
quanto ha de bastardo e impoltico no proced
ment de alguns homens que hoje se procla-
mara directores do partido liberal d'esta locali-
dc ; os quaes sera o necessario criterio e im-
portancia, sao comtudo attendidos e considera
dos as suas absurdas pretences, pelo3 supre-
mos chefe da poltica na provincia : que, levia-
namentc acolhem d'esses homens que se reprc
sentara por ura eximio astucioso e emperrado ;
agora que descubro os ell'eitos de urna machi-
naco ardilosa que contra o prestigio e influen-
cia de cidados liberaes conspicuos tem urdido
o espirito mais maligno, impetuoso e machiave-
lico que conhego, nao me resta senao vir, como
o fago agora, do alto da imprensa declarar-me
infenso a poltica liberal e adepto franco c de-
cidido do partido conservador, cujos represen
tantea ofterego desde j o meu voto c o meo in-
signiiante auxilio que protesto ser to leal e
^inn
ijPedirnos pois providencias que evitern repro-
duego de.scenas como as de Panudas e Taca-
rat
Nao araeagamos : mas leinbramos que me-
Ihor prevenir do que punir.
Jurema, 8 de Julho de 1889.
O vigilante.
ESPOSA ZKLOSA K IR.M\ DKDICADA
Tributo i!-.- Krntido
JO." da
Sobre a campa de D. JoaquinaRo
drigues-de Oliveira Almeida,
derrama urna lagrima de
profunda saudade, seu
i r ni o,
Manuel de Oliccira.
Recife, 22 de Julho de 1889.
apoiasse era algnma colisa. Ha prieSo'fe
vcntiy: e a pelle passa sem causa do
calor ao fro. O sanguo, espesso e pesa-
do, circula sem regularidade.
Em seguida, a nutricio passa com di'.-
culdade e frequentemente, rejeitada, ora
deixando na bocea um gosto agro e ama' -
go, ora um gosto adocicado. A e.
symptouias ajuntam-se quasi sempre a
palpitajoes. que fazem suppr aos doentes
que elles soffrem de urna molestia Jo co-
ra$ao. Quando o fim se acerca, o pacien-
te, nao pode reter nutricao alguma, poi-
que a passagem dos intestinos ou cerra-se
com}letamente ou ao menos est quasi
cerrada.
Mas, ainda que esta enfermidade ccr- "
tamenfe assustador.i, os afligidos daquei-
les syraptomas devem tomar animo, po-
que de mil casos lia iiovecentos e novent;.
e nove nos quaes os enfermos nao tem
cancro algum seno simplesmente^yspep-
sia, do'enca que o verdadeiro systema de
tratamento cura infallvelmeate. O re-
medio mais seguro e mais edicaz o xa-
rope curativo de Seige, preparacao vege-
tal que vendm todos os pbarmaceutQOs e
boticarios do mundo inteiro e os eeus pro-
prietarios, A. J. White, Limited, 17,
Farrington Koad, Lond res, E.*C. Est<
xarope destrne a causa do mal, expulsan-
do-a radicalmente da organisacao .pfiysjca.
Depositarios na provincia de Pernanj-
buco por atacado, Francisco Manoel da
Silva & (i1., na cidade do Kecifie.
Vencedores a retalho, na cidade do Re-
cife-, Bartbolomeu &'' J. C. Levy &C'.,
A. M. Veras & C, Rouquayrol Frerea,
Faria Sobrinho & C. e T. S. Silva; en.
almarcs, A. C. de Aguiar, e em S. Joao
da Igreja Xova, J. A. da Costa e Silva.
)<><><><><>_
..:
1__?__i-s__^___a i i
-M__.*___B
UMA HBIL
OPERAOAO DE CIRK-
IA '
Agradecimento
A commisslo promotora da festa do Glorioso
S. Gongalo, na igreja dos Remedios agradece
cordialinente a todos os devotos do mesmo
S. Gongalo o auxilio que Ihe dispensaran!, e ao
Club Musical Mathias Lima o obsequio de tocar
nos actos que tiveram lugar na dita igreja.
So rama.
5.474 Saccas
Assncar
Os pregos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associago Commercial Agricola, foram
os seguintes:
Branco..... 3*800 a 4*400
Somenos..... 3*000 a*3*400
Masca vado purgado 2*600 a 2*800
bruto. (lirme) 2*000 a 2*400
Rtame..... 1*700 a 1*900
A exportatSo feita pela alfandega oeste mez at
o dia le, subi a 2.320.401 kilos, sendo 855.175
para o exterior e 1.465.226 para o interior.
As entradas vcric-idas at a data de hoje, so-
bem a 4.2.79 saceos, sendo por :
. 2 081 Saceos
. 56
M
Barcacas
Vapores.....
Annnaes.
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro .
Somu.
%gnardr
46
187
1
4.279 Saceos
480 litros.
Mel
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Couros
Couros salgados, 360 a MS ris, r.oraihal. na
base de 12 kilos.
. Pauta da alfandesa
MANA 21 A 27 DB JILHO DE 18S9
Assucar t'linado (kilo) .
Assucar branco (kilo) .
Assucar mascavado (kilo)
Alcool (litro) .
Arroz com casca (kil.o
Algodo (kiloj
Agurdente .
Borracha (kilo) .
Couras seceos salgados (kilo)
Couros seccQs espichado (kilo) .
Couros vardes (kilo) .. .
Cacao (kilo) f......
rafe bom (kilo).....
Caf restolho (kilo) ....
i achaga (litro)......
Carnauba (kilo).....
t.arogos de algodao (kilo)
Carvo de pudra de Cardiff (ton.)
Farinha de mandioca (litro),. .
Folhas de ianorandy (kilo/
Genebra (litro).....
Graxa........
Mel (litro).......
Millio (kilo .
Pao Brasil (kilo).....
Taboados de amaredo (duza) .
.\ a vi os descarp
Barca nacional Maiip.nmnha, xarque.
Barca noruegueose Ge/ien, xarque.
Barca norueguenae krendal, carvo.
Barca norueguenae S/ieranza, canvo.
Brigue allerai Insel, varios gneros.
Escuna adema Fvitz, xarque.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar norueguense lbatroz, carrito.
Lugar ingiez Indiana, graxa
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho Ingiez Hafren, xarque.
Patacho allemo Marit von Oldeudorp, xarque.
Patacho bollaodez Broedertrow, xarque.
------
fojporlaf
Vapor uacioi itrado do Cear e esca^
la em 18 do corrente e'consignado aCompanhia
cana, manifestou.
lio em rama 180 saccas a Rodrigues Lima
i a Amorim IrmSos 4 C, 42 a Borstel-
mann ft C, 241 a J. Alves de Oliveira, 40 a Nar-
ciso Maiadt C.
Couros salgados seceos 81 a Narciso Maia* C.
Ditos espichados 16 aos mesmos.
Pedes de cabra 38 fardos a Pereira Ca
0 a The Keen & C., 28 a Rosbacfc E^H
lia ISO meios a Gomej de Xa:
Sr. redatior.Pego a V. S. que pelo seu con-
ceituado "torio di1 publicidade ao seguinlc : .
Quando travou-se a lucta no seio do partido
liberal desta proviicia entre os dous grupos -
cachorros e lees, eu, .corno demcrata que era.
escapando da sauha do rei dos inimaes, resol
vi filiar-rae ao partido conservador, onde pasfiei
desde logo a prestar os meus fracos servidos.
Dous annos depois subi ao poder o mesmo
partido conservador sem que eu houvesse ainda
publicado a rninha adhesao e enlo entend nue
nao devia fazel o quando no poder o partido a
que pertencia.
Hoje porm que os adversarios diriges] os
destinos da nago, julgo de meu dever vir do
alto da imprensa declarar-me francamente con-
servador, vermelho e guabir.
Com a publicago desjas linhas muito obriga-
r ao
De V. S.
Atiente, venerador e criado
Manuel Joao ile Souza..
Jurema. 7 de Julho de 1889.
Vapor ingiez Mera entrado dos portos da
Europa, em 20 e consignado a Amorim Inuos
A C. manifestou : ,
Amostras 22 volumes a diversos.
Carbonato de amoniaco 2 caixas a Paria Sobr-
O enibaixador americano em Vienna,
Mr. Kazson, tem coinmunicado recente-
mente ao seu govemo urna descripcilo in-
teressante da nota-el operacao cirurgica
praticada, ha pouco, pelo professor Bill-
roth, daquea cidade. Por certo, a cir-
cumstancia parece maravilliosa; mas
verdade que a citada epera^ao tinha por
'fim a remocao de quasi a terca parte do
estomago humano. Exeoutou-se a opera-
cao e restabeleccu-se o paciente, sendo
esta a jirimeira vez que urna tentativa de
tal genero tijesso tido bom xito na histo-
ria do mundo. Aquella facanba scientirica
manifestou-se n'nm certo caso de cancro do
estomago, doenga que geralmente vai
acompanhada dos seguintes syraptomas :
O enfermo carece quasi inteiramente
de appetite; sentem-se como que nm pe-
so sobre o estomago, e s vezes ume sen-
sao de vazio no mesmo orgSo, a qual
causa um mal estar indisivel ; e urna es-
pecie de materia gelatinosa accumula-se
junto aos dentes, acompanhada de um gos-
to desagradavel, principalmente pela ma-
nh." A nutrigao, demorando-se no esto-
mago, augmenta em fazer desapparecer
aquello mo estar; os olhos ficam rodea-
dos de um circulo livido, e o seu branco
toma urna cor amarellenta ; c as raaos e
pos tornam-se viscosos, achando-se cober-
tos de um suor fri.
O doente sente-se sempre candado, e o
BOmno nSo Ihe d repouso. A'gum tempo
depois, torna-se nervoso e irritavel, e o
seu espirito nao ve senao tristes presa-
gios.
Qnando se levanta bruscamente de urna
especie do tontura na cabeca e urna sen-
ssagao de syncope, c cahiria Be nao se


Dr. & Mis. R. P. I;A\VL1NS0.\
AT HOME
22.1.1 & 23'1 inst
Casa-Fore.
<;a
Para Porto-A legre, f. Carneiro & C. 24 sai-cas
com 1 824 kilos de algodo, 600 saceos com
55,100 kilos de assucn- "branco e 200 ditos com
18,310 ditos de dito mascavado.
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro 4 C. 1,550
nho 4 C. Cha 11 volumes a ordera. Capachos! saccas com 117,895 kilos de algodo.
ATXSO
Em vista da ruudan-
que esta Empresa
est fazendo para o no-
vo predio aonde tem
defiinccionar, previno
aos Srs. assiafctantesder
que Domingo 21 do
corrente ficaro in-
terrompidas todas as
communica^es tele-
phonicas desde as 6
horas da manh, at
s 6 da tarde.
Outrosim, pee,o des-
culpa aos mesmos Srs.
de toda e qualquer in-
terrupso futura que
houver.
Recife, 18 de Julho
de 1889.
A. do Canto Almeida,


1 caixa a Guimaraes Innos 4 C. Chapeos I
caixo a Christiansi 4 C. Cravo da India 3 cai-
xas a ordem. Conservas .'0 caixas a ordem.
Livros 1 caixao a T. Jusl, i a Birry. 1 a ordem.
Libras sterlinas 1 caixa com ;".0ti0 ao Englis
Bank. Leile condensado 5 caixas a ordem. ra-
guas 2 caixas a ordem. Louga 1 cixa a II. J.
Perraan.
Mercaduras diversas 2 volumes ao London
Bank, 1 a M. J. de Vasconcellos, 1 a Leo Hess, 1
aE. S. Comber, 1 a A- Clark, 1 a H. Eletcher, 1
a David. Davis.
Provisoes 4 caixas ordem.
Queijos 6 caixas ordem, 9 a A. Fernandes
* i'., 3 a Pinto 4 C, 13 a Joo Fernandes de
Almeida.
Sardinuas 1 caixa ordem.
Tapetes 1 fardo ordem. Tecidos diversos 6
volumes a Albino Amorim &C, 14 ordem, 23
a Monuard Huber 4 C, 2 a Francisco Lauria
4 C, 6 a Loureiro Maja 4 C, 8 a Gongalves Cu-
nta 4 C, 2 a N^alaia C.. 2 a J. Agostinho
& C, 10 a Andrademia 4 C.,J a Olnto Jardira
4 C, 7 a Guerra & Fernandes, 17 a Berriet C,
2 a Rodrigues Lima v c., 2 a Alves de Brito
4 G., 16 a Machado 4 Pereira, 2 a Guiraares Ir-
mQo| 4 C, 5 a A. Vieira 4 ... 4 a M. D. S. Gui-
mares. Tinta IJbarricaa J. W. de Medeiros.
Vapor ingiez Brampton, entrado do Rio de Ja-
neiro em 20 e consignado a J. II. Boxwell, ma-
nifestou :
Arroz 500 saceos a Fernandes 4 lrmaos, 300
a Domingos Cruz 4 C. Aveia 20 saceos a Costa
* Fernandes.
Caf 266 saceos a Paiva Valeulc & C, 330
ordem, 60 a Figueiredo Costa & C, 39 a Jos
Joaquim Alves C, 771 a Domingos Cruz 4 G.,
Wa Joo Fernandes de Almeida, 298 a Joaquim
FdBeira de Carvalho A C, 60 a Pereira de Car-
va'fio 4 C, 205 a Manoel dos Sautos Araujo,
205 a Souza Basto Amorim C. Camisas 2
caixas a J. Alves Fernandes. Calgados 1 caixo
a Manoel Collago 4 C. Chapeos 1 caixo a Car-
valho Irmos 4 C, 1 a Adolpho 4 Ferrao. Fumo
87 volumes a Azevedo 4 C., 5 a Paiva Valente
4_t, 4 ordera.
*,000 saceos ordem, 2,100 a II. Fors-
100
diversas 4 volumes ordem. /
mes a Andrade Lopes 4 C.
Xaranjf SOO fardos a Pereira Carneiro -4 C,
730 '
Nao bou^k^^l
No vapor ingiez Meca, curregou
Para Santos, Benjamn T. 1 caixo com
sapotis.
No vapor nacional 5. Francisco, carrega-
ram :
Para Cear, P. Carneiro 4 C. 26 barricas eom
2,760 kilos de assucar branco, 4 ditas cora 460
ditos de dito mascavado e 2 fardos cora 150 ditos
de trapos de algodo.
Para rarnahyha, E: C. Bcltro 4 Irmo 20
barricas com 890 kilos de assucar branco.
o vapor nacional Maudaku, carregaram :
Para Penedo, E. C. Beltrao com 300 Kilos de assucar retinado.
Na barcaga Loquinha, carregon:
"Para Parahyba, R. Pessoa 13 barricas cora
1,283 kilos de assucar branco.
Na barcaga D. Smh, carregaram :
Para Natal, F. Costa 4 C. 1 taboa de vinha-
tico.
Rendimentos pblicos
HEZ DB JU.VH0
Renda geral:
Do da 1 a 19
dem de 20
Alfandega
472.939802
18:2224173
Renda provincial
Do dial a 19.
dem de 20*
34-719*420
6:793*162
i. 161*977
61:312*582
> Somma total 352:674*559
Segunda seccao da Alfandega, 20 de Julho de
1889.
8thesoureiroFlerencio Domingnes.
cllefe da seccao -Cicero 0. de Mello.
Recebedoria Geral
Do da I a 19 22.702*692
dem de 20 1:014*063
23 716*735
Recebedoria provincial
Do dia 1 a 1 128:828*679
dem de SO 890*369
129:419*248
Recite*
Mercado Municipal de S>. don
O movimento deste mercado no da 19 de Ju-
lho foi o seguinte:
Entraram : I
33 1/2 bois pesando 4,112 kdos.
1213 kilos de peixe a 20 ris 24*30
1? cargas com ftfinba a 200 ris 3OB
5 ditas com eijao a5200 ris 15000
14 ditas de fructas diversas a 300ris 4208
18 taboleiros a 200 ris :>,f>W
9 suinos a 200 ris 1 *80ti
34 matulo com legumes a 200 ris 6*800
Foram occjipauos:
26 columnas a 60tfris 15*601)
1 escriptorio a 300 ris 300
26 compartimentos de farinha a 300
ris 13000
24 dilos de comidas a 300 ris 12*000
78 ditos de legumes e fazendas a 400
ris 31*200
16 ditos de suinos a 700 ris 11*200
8 dilos de fressuras a 600 ris 4*80
39 laidos a 2* 78*008

#s
Rendiraento do da
rente
1 e 18 do cor-
200
Foi arrecadado liquido ci hoje : 133*280
Pregos do dia:
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 13 reis dem.
Suinos de 560 a 640 re3 idem.
Farinha de 600 a 800 reis a cuia.
Millio de 480 a 560 reis idem.
Fei'i&o de 1*200 a 1*600 idem.
rfatadouro publico
Neste esiabeleciment forara abatidas para o
consumo de hoje 102 rezes pertencente a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE JULHO
Sul........... Tamar............ jj
Sul........... Sergipe........... 22
Norte......... Para............, %
lio vi meato do porto
Navios atmebs no dia 20
Southampton c escala 16 das, vapor ingiez
Neta, de 1,756 toneladas, comraandante J.-M.
Hyks, eqUipagem 100, carga varios gneros ;
a Amorim Irmos 4 C
Porto-Alegre e escala 18, das, vapor ingles
Cometa, de 778 toneladas, commandante i.
\V Ogg, equipagem 30, carga varios gneros
a Pereira Carneiro 4 C
Navios sahidos no mesmo dia
Buenos-Ayrese escalaVapor ingiez .M
mandante J. M. Hyks, carga varios gneros.




'

!

i
- :5


Diario de PernambucoDomingo 21 de Julho de 1889
5
ELIXI
combinacao curativa, baseada'nas maravilnosas
virtudes da plaa americana conhecda hoje na
^Hcia sb a classilicacSo butunica de Haron-
^M| Virginica, planta indigcna d'America Sep-
tentrional e primitivamente empregadu pelos
indios no curativo de toda molestia de character
mflatnmatorio,, tanto interua cuino exlerna.
DEPURATIVO D :S.\NGUE
Approvado pela Exma. Junta de Hygiene e preparado por
ChiDiico e Pharmaeeiico
PELOTAS RIO-GRAIDi BHASIL
Este elixir |&omposto preado com Yfintag-e/is as molestias seriantes:
Escrophulas, rhenmatismo, gonorthas, rachrasmo, impiqgens, ulceras, tumores,
sarnas, bobas, manchas (Ja pel,'*carbuncu]os, flores brancas. t>brs, corrimentos dos
ouvidos. fstulas, cancros venreos, inflaminac,oes do ulero, inlamraaeoes deolhos, es-
pihas, affeccoes syphili ticas. W- *
A sua cf Amela r attestada por filustres ui odeos jne o repulam superior aos medicamen-
tos anlogos. JLeiam com atfeneo os attestados mdicos que em seguida publicamos e tcro a
prora de que o nico depurativo infalllvel do sangue o -Elixir de Xoguelra, Salsa, Caroba e
Ciuayaco. .
ATTKSTADOS DO ULLUSTKADO CORPQ MEDICO DA PROYINGIA
Professora
casas particulares, na
Mides, oll'erece-se urna sen
'lWllilile :

a cidade ou bu* afra-
bora para Ipctfonaro
^Wgucz. francez, italiano, geogrupltia, piauu,
^^_* de agullia, bordados e flores.
nlia.Asdiscipulas cffoctivas que teme
diversos altestados de pessn.-H illu.~trad.is.
A tratar ua relojoaria do Iteguludor da Mari-
uha, ra Lar^a do Rosario n- 9.
EDITES
0 coronel Jofn Emiliano da Cosa Albuquerque,
! mais votado, presidente da Cmara.
. i dcjuiz municipal e iiu commercio do
ii de ipojuca da comarca do Cabo," em
virlude da [ai, etc.
-Fago i que o piesen'e edilu de praca
vironi que o poriciro interino dos auditorios
deste juizo lia de trazer publico prego de
venda e arrematarlo a quem mais der edoaur
lance oll'erecii, en > da ii do torrarte mez, s
H li.iras do dia. i pona da casa dn audiencias
deste juizo. a parte do engunho S. Joao dete
termo, dagua, moente e corren te", com todas as
spa-s obras, matas e logradouros. avatiada por
10:536*000 sobre o valor total de45:<00* dado
ao mesmo eugenho, e penhorada a Luiz Goncal-
ves da r-ilta & Piuto, por exetuco que Ibes
movem Levfl^HHBb outros.
K para que chegue aliolicia todos, se pas-
son o presente que ser allixado no lugar do
costume.
Dudo e passado nesta villa de Ipojuca, aos 13
de Julho de 1889.
Eu, Jos G' nuino Ferreira, e?crivo, o escrevi.
Joao Emiliano da Costa Albuquerque.
O abaixo assignado, doutor em medici-
na pela faculdade do Rio de Janeiro, con-
decorado pelo governo portuguez, medico
do hospital da Beneficencia Portugueza
desfa cidade, etc.
Attesto que as molestias do fundo sy-
philitico, em suas diversas e variadas for-
mas, a applicacao do preparado denoini-
dado Elixir de Nojiueira. Salsa, Caroba e
Guaiaco. do llro. Sr. Joao da Silva Sil-
veira, tem sido de maravilhesos resulta-
dos. O referido verdade sob a f de
meu grao.
Pelotas, 30 de Abril de 188G. Dr.
Barao dos Santos Abreu. Est reconhe-
eido na forma da lei pelo tabelliao Luiz
Felippe de Almeida.
Ea abaixo-assignado, Dr. em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro, con-
decorado pelos governos de Allemanha,
Portugal e Italia, medico do hospital de
Misericordia desta cidade, etc., etc.
Attesto que tenho empregadu'muitas
vezea o Elixir de Nogueira, Salsa, Caroba
. c Guaiaco, preparado pelo Sr. Joiio da Sil-!
va Silveira, como um poderoso agente em
caaos de infeceao syphlitica Idiathese
escrophulosa, parecendo-me supejior aos |
anlogos que nos vem do estrangeiro. Por
me ser pedido passo este cuja verdade
aftirnio em f de meu grao.
Pelotas, 6 do Maio de 1886.Barao
Je Itapitocay Est reconheeido na forma
da lei pelo tabelliSo Luiz Felippe de Al-
meida.
Gervasio Alves Pereira, doutor cm medi-
cina pela faculdade do Rio de Janeiro,
cavalleiro da imperial ordem da Rosa,
etc, etc.
Attesto que tenho empregado contra a
escrophula o Elixir de Nogueira, Salsa,
Caroba e Guaiaco, preparado pelo phar-
maceutico o Sr. Joao da Silva Slveira, I
com bom resultado e por isso p.reputo |
um excellente remedio para combater as
molestias de fundo escrophuloso. O refe-'
rido verdade e por me ser pedido passo
o presente sob a f-de meu grao.
Pelotas, 2! de Abril de l88b\ Dr. ;
Gervasio Alves Pereira. Est reconheei-
do na forma da lei pelo tabelli3o Luiz Fe-
lippe de Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor em medici-:
na pela faculdade do Rio de Janeiro, '
medico do hospital de Misericordia des-'
ta cidade, etc.
Attesto que tenho cm: regado o Elixir
de Nogueira, Salsa, Caroba e Guaiaco,
preparado do distincto pharmaceutico JoSo
da Silva Silveira, n2o s"na clnica civil-
omo na do hospital, *com o mis espen,
dido resultado, o que affirmo ser verdade.
Pelotas, 5 de Maio de 1886. Dr. An- i
tonio A. Assumpcao. Est reconheeido
na formada lei pelo tabelliao Luiz Felippe
de Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro, etc.,
etc.
Attesto que empreguei o Elixir de No-
gueira, Salsa, Caroba e Guaiaco, prepa-
rado pelo distincto pharmaceutico JoSo da
Silva Silveira, em um caso de ulcera sy-
phlitica, dando este medicamento resul-
I tado o mais favoravel.
Pelotas, 5 de Maio de 1886. Dr. Joa-
quim Rasgado. Est reconheeido na fr-
| ma da lei pelo tabelliao Luiz Felippe de
Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor cm medicina
pela faculdade da Baha, membro da
socedade franceza de ophtalmologia e
da sociedade eoologica de Franca, etc.,
etc
Declaro que o Elixir de Nogueira, Sal-
sa, aroba e Guaiaco, do pharmaceutico
JoSo da Silva Silveira, prestou-me reaes
servicos nos casos de syphilis terciaria e
em todas as affecces de fundo escrophu-
loso.
Porto-Alegre, 5 de Maio de 1886.
Dr. Vctor de Brito. Est reconheeido na
forma da lei pelo tabelliao Luiz Felippe
de Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro, etc.,
etc.
Attesto que tenho empregado, sempre
com magnifico resultado, e Elixir de
Nogl'eira, Salsa, Caroba e Guaiaco, pre-
parado do Ilustrado chimico pharmaceuti-
co Joao da Silva Silveira, nos casos de
cscropkulas e. molestias de origem syphiliti-
ca, o que affirmo em f de medico.
Pelotas, Io de Maio de 1886.Dr. Ray-
mundo V. da Silva.Est reconheeido
na firma da le pelo tabelliao Luiz Felip-
pe de Almeida. #
Illm. Sr. Joao da Silva Silveira,
pharmaceutico e chimico em Pelotas.
E' com o mais subido prazer que venho
aecusar o recebimento do seu prezado fa-
vor de 5 do corrente acampanhando um
frasquinho com f>0 pilJlas formuladas pelo
consummado c distincto pratico, o Ilustra-
do commendador Dr. Miguel Kqdrigues
Barcellos, e preparadas com toda perfei-
cao e nitidez por V. S. Na verdade nSo
posso deixar de elogial-o pelo relevante ser-
vico que V. S. tem prestado c ha de pres-
tar sciencia medica. Entendo que o
meu #nobre amigo digno de todas as
attenefics c merece ser auxiliado por to-
dos s clnicos desta proviucia e fra
della. '
Declaro-lh que tenho empregado o sen
precioso Elixir de Nogueira, Salsa,
Caboba e Guaiaco com muito bom xito,
e tenho aconselhado aos meus clientes que
o uzem com toda a connanca e esperanca,
po8 a sua preparaeii' preenche perfeita-
mente o nosso desidertum. Vou empre-
gar as pilulas ferruginosas de meu grande
collega, em todos os casos em que se fi-
zer sentir a necessidade do emprego dos
! errugnosos.
Continu V. S. a trilhar o mesmo ca-
minho com toda a dedicaclo, para um dia
chegar meta dos seus desejoa e receber
o competente premio do seu insano e es-
pinhoso trabalho.
Rio Grande, 8 de Abril de 1886.Dr.
Nfeolo A. Pitombo.Est reconheeido
na forma da lei pelo tabelliao Luiz Felip-
pe de Almeida.
Attesto que tenho empregado aa minha
clnica o Elixir de Nogueira', Salsa,
Caroba e Guaiaco, preparado pelo Sr.
pharmaceutico Jo3o da Silva Silveira, bb-
tendo sempre os mais brilhantes resulta-
dos, principalmente as molestias de ori-
gem syphlitica.
O referido verdade e por me ser pedido
passo o presento que affirmo m fide me-
dici.
Jaguerao, 27 de Abril de 1886.Dr.
EstevSo de Sousa Lima.Est reconhe-
eido na forma da lei pelo tabelliao Luiz
Felippe de Almeida.
O abaixo assignado, doutor pela faculdade
do Rio de Janeiro, Io cirurgi2o do cor-
po de sade do exercito.
Attesta que tem empregado com excek
lentes resultados o Elixir de Nogueira,
Salsa Caroba e Guaiaco, preparado pe-
lo pharmaceutico JoSo da Silva Silveira,
pelo que o considera um excellente pre-
parado, superior aos que, importamos do
estrangeiro.
O referido verdade pelo que passa o
presente que affirma in fide medici.
JaguarS, 5 de Maio de 1886.Or.
Diogo Fernandes Alvares Fortuna. Est
reconheeido na forma da lei pelo tabelliao
Luiz Felippe de Almeida.
Eft abaixo assignado doutor em medicina
pela faculdade do Rio do Janeiro.
Attesto que tenho empregado em mi-
nha clnica, e sem com excellente resulta-
do, principalmente as affecjoes de ori-
gem syphilitica, O ELIXIR DE NOGUEIRA,
Salsa, Coroba e Guaiaco, preparado do
Sr. pharmaceutico JoSo da Silva Silveira.
O que affirmo sob a f do meu %ro.
Herval, 7 de Julho de 1886.Dr. Jos
Adolpho Rodrigues r erreira.Esj recof
nhecido na forma da lei pelo tabelliao
Luiz Felippe de Almeida.
A'REALISARSENO
Dia 21 de Julho de 1889
a
*
A's 11 horas em ponto
Amigo e Sr. pharmaceutico Jao da Silva Silveira.Em contestacSo a sua pergunta, relativa aos resultados que tenho
obtido coma applicacao do ELIXIR DE NOGUET.RA, SALSA, CAROBA e GUAYACO, tendo a satisfasao do communicar-
Ihe o seguinte : 1
Fazem seguramente cio annot que emprego na minha clnica o seu tilo reputado Elixir em muitas affeccSes de
natureza syphilitica ;em algumas de fundo escrophuloso, tornaildo-se mais notorias as virtudes curativas deste preparado as
primeiras d'aquellas afrecjdes.
Com o seu uzo prolongado nunca observei as Dfdfgrbacoes gstricasqne sem apparecer quando applicamos outros me-
dicamentos congeneres, tornando por isso segura e facHi 6ua administracSo at as creancas.
Nao hesitarei em recommendal-o com confianca nos estados pathologicos supramencionados, sendo como a nobre mis-
cao do medico contribuir para o allivio e bem estar da humanidade que soffre.
Autorizo-o a que faca [o uso ^que lhe convier d'esta minha declaracSo e disponha do amigo obligadoDr. Alves
f Reuiao.
NICOS DEPOSITARIOS EM PERNAMBUCO* > '
Francisco Manoel da Silva C.
5. seccao.Secretaria da > residencia de Per-
naribuco era 10 de Julho de 1889 :
inr es!? secretaria se faz publico para conhe-
cimento de quem inter*ssar, quej a requerimen-
to de Jas Bernardino de Bourbom arantes/fl-
ca iberia a concurrencia, com o praso da tnnta
dia. contados desla data, para o rccebimentp
de propostas referentes fundaco de um enge-
nno central de typo maiqr, de que trata o art.
18 da lei n. 1863 de 11 de Agosto de IHSo, me-
diante as condicSes do art. 16 da mesma lei e
da de n. 1972 de ti de Marco ultimo.
(Assignado).O secretario, Francivo L. Ma-
rinho 4e Souza.
Secretaria da presidencia de Per-
nambuco, 22 de junho de 1889.Por es-
ta secretaria se faz publico, de ordem do
Exm. Sr. vicepresidente da provincia,
que fica prorogado por 30 dias, a contar
de hoje, o prazo para a apresentacao de
propostas de concurrentes fundaco de
onae engenhos centraes nesta provincia,
nos termos da leia n. 1972, de 22 de
Marco do corrente anno, observadas as
disposieoes constantes dos editaes de 25
de Maio ultimo e 3 do corrente.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto de M. Tamborm.
.">.* ecrilo.Secretarla da.Prc*iden-
cla d Pernambuco. 1 de Jalho
de 1889.
Por esta secretaria se faz publico que, por
portara do Exm. Sr. conselheiro presidente da
provincia, foi prorogado por sessenta dias, a
contar de hoje o prazo marcado nos editaes de
25 de Maio e 22 de Junho ltimos, para apresen-
taJOo de propostas referentes a fundaco dos
onze engenhos cen raes de que trata a lei n.
1.971 de 22 de Marco deste anno observadas as
disposieoes do art. 16 da lei n. 1860 de 11 de
Agosto de 1883 e n. 1972 do mencionado dia 22
de Marco.
O secretario.
Francisco Leopoldo Martnho de Souza.
Nonio*.
i
s
Pellos
*
Cor da vest-*
menta
Pareo Conmoiaco 800 metros-
prados dt> Recife em maior distancia
Bostoek.....
Phebo ......
.Catte--.....
4 Musradim ...
Leo.......
Maral.......
Ubirajara ...
8JBonjour.....
9Zambo......
lOlPalermo.....
H'RosadcOuro
12 Patory.......
13 Ouro Preto .
liiNovidade ...
IKiPisqoerrim..]
16'Knadamanto j
Cas taulio
Russo......
Baio........
Pedrez......
Rodado .....
Rsso.......
Zaino.......
Castanbo ...
Alazo......
Castanho___
Rodado.....
Cauto ... |
Castanho----i
Alazo......l
Baio........I
Pern.
Proprletarlos
-*--------------#~
-Animaes da provincia que nao tenham ganho noe
Premios : 200 ao 1", 405 ao 2 e 20* ao a.
l.
Grcnatcouro,-.-|Dias Pes'soa.
Azul e branco........Coudelaria i.de Jnb4<
Joaquim Olfeia.
Archel.
C Ronback.
R. Pessoa.
Encarnado e branco- -
Amarello e azul.
o Azul e rosa..........J. H. Paes Barrete.
33 i Encarnado e branco.. Carlos A. Barbosa.
53 | Preto escossez e ouro. F. R. Ramos.
5 I Azul e branco.......
30 1 Encarnado e branco.
33 i >
53
53
>(
:
Azul e branco.......
Branco preto e ene.
Rodolpbo Jayme.
Rodolpho A. d'AraujO.
Jos Teixeira Costa.
Jos Cavalcante.
Jos Valente.
Coudelaria Imperial.
Alfredo Marques.
2." PareoPrado da Estancia 1.200 metros-Animaes nacionaes at meio sansae
Premios : 3005 ao !, 603 ao 2o e 30* ao 3".
1
i|Aymore.....
2, Mimos-1.....
Corcovado...
Recife......
Maestro.....
Mandarim...
Minerva.....
Hisette......
Ruy-Blas...
Castanho ...
Alaz.......
Castanho
S. Paulo...
Rio de Jan.
Tordilho-----:S. Paulo.
Rosilho.....
Douradilha..
Zaina.......I *
Alazo......
H
U
.1
34
51
54
19
5fl
54
A2ul c amarello...
Azul e grenat......
Encarnado e ouro.
Verdee amarello..
Rosa e preto......
Azul branco e ene..
Azul e ouro........
Rosa e preto......
Xemo.
C. A. Fernandes.
Coudelaria Paysand
Danton.
Sydronio I. de Mello.
Coudelaria Cruseiro.
o a ,
Oliveira ft C.
A. Silva.
.3." PareoProbldade1.000 metrosAnimaes da provincia que nao tenham ganho este
anno em maior distancia nos prados do Recife. Premios 200* ao 1, 10$o 2 e 20 ao 3o.
HElo........
2;Tupy .......
31 Almirante...
4Cyclone...,.
Pirraca......
Esquimao.. -
Castanho iPcrn..
Baio
Castanho..
Rodado
CastanhoI
Rodado ....
Ef
>
55
55
55
53
58
JO
Encarnado e branco.
Grenat:............
Azul e branco......
Encarnado e branco.
J. Dutra.
Francico C. Resende.
Rufino Cardoso.
Simes Barbosa.
F. Floro Leal.
Augusto de Miranda.
DECLARARES
Prolongamento da estrada de Trro
do Becife ao 8. Francisco e estra-
da De ordem do Illm. Sr. director fago publico e
para conhecimento dos Srs. interessados, que
tica transferida para quando for annunciada a
concurrencia ltimamente aberta para o forne-
cimento de 20,000 dormentes a quinta diviso
do prolongamento.
Secretaria do prolongamento da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco e estrada de
ferro do Recife a Caruar, em 18 de Julho de
1889.
O secretario,
A- G. de Gusmao Lobo.
Assoela^o dos Empreados no
Commercio de Pernambuco
ASSEMBLA GEKAL
De ordem do Illm. Sr. presidente convido a
todos os Srs. consocios para a sesso ordinaria,
que lera lugar no prximo domingo, 21 deste
mez, as S horas da tarde.
Do conformidade cora o disposto no art. 33
1" dos estatutos, ser essa sesso para as elei-
ges da mesa desta assembla, directora e com-
misso de exame de contas, podendo tratar-se
de quaesquer outros assuraptos.
Rsolver-seha a respeilp da reforma dos es-
tatutos.
Espero oe os Srs. socios se compenetraro
da gran^Pnecessilde de que assuraptos to
importantes tenhaa solurito prompla.
Secretaria*da assemba geral ca ssociaco
dos EmpregMos no Comraercio de Pernambu-
co, 18 de Julho de 1889'.
Augusto da Suva,
Secretario ad-hoc.
23Ra Mrquez de Olinda23
Precios: Duzia ... 3QSOOO--------Vidro
. 3SOOO
Marca registrada
IV. f 5
Carlos de Arroda 4 C, domiciliados e estabe-
leados com fabrica de cigarros roa Marcilio
Sias ti. 17, tendo registrado em 23, de Marco do
anno passado n'esta meretissim'a junta a marca
ttenomnada cigarros DIANA, querem 3801*
registrar a marca junta, qne ha-de distinguir a
sualidade de cigarros mais grossos do que os
esmuiuns produzidos pela sua fabrica, no qaees-
ram ser attendidos. N'estes termos pedem def-
rimento.
A marea consiste em nm quadnlongo formado
or cordes azues sobre fundo branco com listas
Termelhas ; no centro em um circulo formado
por tres filetes azues, sendo o centro mais largo,
a figura DIANA tendo na mao direita urna espin-
garda asseme sobre o solo e a mo esquerda
isclinada para quatro des que desee lado se
achara ; afl segundo plano direita da figura urna
*Unta com flores e no terceiro montes cobertos
fura e sem|ella e joas arvores frondeftts
no
CiCAB
lettras capitaes aiues ; em baixo do dons circuios
mais pequeos, um de cada lado do circuio cen-
tral, formado por tres filetes azues, sendo o do
meio mais longo, o centro do circulo oceupado
por urna estrella formada por lintias azues sobre
fundo branco e atravessada com a palavra
TRADE em urna estrella e a palavra MARK em
outra; em lettras capitaes azues, o fundo dos
dous circuios, formado por lisiras azues sobre
fundo branco: 4 direita em lettras capitaes azues
com sombra branca as palavras FABRICA
DIANA; em lettras azues com sombra azuleas
palavras Carlos de 4rruda A C.. por
baixo um arabesco; em lettras aziles com som-
bra branca as palavras RA MARCILI0 DIAS N.
17- por baixo um arabesco.; em lettras azues as
palavras-AMIGA DIREITA, telephone n 311
em letras azue com sombra branca a palavra
PERNAMBUCO.
Pedem deffer.mento.
Recife, 27 dt^ Junho de 1889.,
CarlotieArruina C.
Certifico que foi registrada sob n. 230, era vir-
tude do despacho da Meretissima Junta Commer-
cial, em sesso de 11 do corrente mez.
Pagou 14000 d'um parecer fiscal.
Escrevi e as signo n'esta secretaria da Junta
Coramercial do Recife aos 12 de Julho de 1889.
Era f de verdade.O secretario Julio Augusto
da Cunba Guimarcs,
Estava com sellos no valor de 6*300, e ao lado
o grande sello da Junta Comtnercial em alto re-
levo.
Ultima descoerta de um
Extracto Duplo de Aveleira Magit
ael) doDr.C.C. Bnstol/
O autor deste novo e _
Dr. q. C. Bristoi.'cujOi
ambos os heraispfcei i
Irmandade do Senhor Bom
Jess das Chagas
llloinio ,'
Em cumpriraento de ordem da mesa regedora
e de conformidade com o cap. 8." do nosso com-
promisso, e com o despacho do Exm. Sr. Dr.
juiz de direito da provedoria, convido a todos
os irmos que se acharr no goso de seus direi-
tos, a comparecerera em nosso consistorio no
dia 21 do corrente, s 10 horas da manha, afim
de em assembla geral eleger os funecionarios
para o anno coinpromissal de 1889 a 1890.
Consistorio em mesa, 19 de Julho da 1889.
Amaro Joaquim do Espirito Santo
3- definidor servindo de secretario.
Coinpanhia
N>
de setturos contra foso \ortn Brltish
Hrrramiio Insurance C". estanele-
cioa cm 1809
Qnpitat subscripto 2.500,000
E dos accumulados para sinistros
de foco 842,544
1.842,544
Agente em Pernambuco V.-J. Lidstoue, ruado
Commercio n. 10.
__-------------------------- -
ecretaria da instrsiccao publica 19
de Julho de 188
Prazo de 30 dias
N. 94.De ordem do Sr. Dr. inspector geral,
faro sciente a alumna titulad,pela Escola Nor-
mal, Clementina Eliza Monteiro, nomeada por
acto da presidencia da provincia de 13 do
rente, professora publica effe
ensino mixto de Camutaiu
fica m
4.PareoInternacional 1400 metrosAnimaes de qualquer paiz. Premios: 500?.
ao 1". 100*000 ao 2' e 50*000 ao 3*.
Estephanie
Vanda......
Aspasia -
Fagotin
Diana.....
Castanho
Zaina
Alaza ___
Inglaterra.
R. da Prata
Inglaterra.
Franca ...
52
53
51
57
M
Azul e ouro....
Azul c amarello.
Ouro e branco .
Azule ouro.. ..
F. C. Rezende.
Nautilus.
Guimaraes & C.
Coud. Internacional.
fe*
3." Pareo Imprenta Pernamburana 1.300 metros Animaes da provincia qne
nio tenham ganho em maior distancia. Premios: 230* ao 1, 50* ao 2o e 23* ao 3o.
General......
Florete......
Atnaury ....
Good -mor-
mng......
Cndor. -..
Village.....
Tupa.-------
Rosilho
Castanho
Alazo-----.".
Rodado.
Baio
Melado.
Pedrez
Pern.
51
Bl
o
51
:\\
51
Branco e preto......
Encarnado e branco.
Azul e rosa..........
Preto, ouro e escossez
Grenat.............
Encarnado e branco.
Joaquim D. C. Braga-
Francisco Freir.
Olivio M. P. Barrete
Rufino Cardoso.
H. .ntonio Duarte.
Jos Joaquim Dias.
Jos Mello.
(!. Pareo-Compensaco 1.100 metros.Animaes de qualquer paiz que nao tenham
ganho no Derby em maior distancia. Premios: 400* ao 1*. 805 ao 2' e 40* ao3.
Josephus. -
Estephanie.
Vanda......
Brazi!.....
Fagotin...
Gallia......
Minerva. .
Castanho...
Zaina......
Alazo.....

Dourdilha-
Franra. ..
Inglaterra.
R. da Prata
Franca -
Inglaterra-
S. Paulo...
00
-'i'
58
54
60
58
17
Ouro e branco.......
Asul eouro......
Verde e amarello
Azule amarello......
ouro..........
Ouro e branco........
Azul, branco e ene...
M. Guimaraes.
F. C. Rezende. '
Nautilus.
Coud. Independencia.
Coud. Internacional.
Coudelaria Eraulago.
Coudelaria Cruzeiro.
7." Pareo Kmuiacfto 1.200 metros Eguas da provincia. Premios : 150*000 1
30*000 2 e 15*000 i 3'.
Simirainis.
Stella-----
Coruja
Fada......
Fantina...
Castanha....
Zaina......
Rodada.....
a
Castanha ..
Pera..... 54
51
51
48
a 51
Preto, ouro e escossez
Azul, branco e ene.
Violeta e ouro.......
Jos Cavalcante.
R. Cardoso.
M. J. de Miranda.
Joaquim Pedio.
M. P. de Albuquerque,
I
Os animaos inscriptos para o Ia pareo devem achar-se no ensilhamento s
9 Ij2 hora3 da manha.
Os animaes inscriptos para os outros pareos, deverao estar no ensilhamento
pelo'menos urna hora antes da determinada para o pareo em que tiverem de correr.
Pede-se attencSo dos Srs. proprietarios para os additamentos feitos ao regi-
ment interno do Derby Club de Pernambuco e para os artigos 9, 10, 25 o 95 do
mesmo regiment interno.
O expediente desta corrida encerrar-se-ha sabbado, 20 de Julho de 188f>
s 3 horas da tarde.
A venda de vovles encerrar-se-ha 20 minutos antes de cada corrida.
HORARIO
l.o pareo.
2. pareo
3. pareo.
4.0 pareo.
b." pareo.
6.
7.
pareo.
pareo. .
Recife, 18 de Julho de 1889.
11 horas e
11
2
3
4
e
e
c
e
c
c
50
40
30
20
10
m.

>
>


>
O GERENTE,
Hetyique ,Schutel.
Irmandade da Gloriosa San-
t'Anna da igreja da Madre
de Deus
Eleico
uiidade com o art.
S.1C.
Sociedade Becreara Conmerdal
trimestral em 17 de Agosto
]
mus da grande reforma porque
sta sociedade, ticou designad!
isto prximo para o sarao
e convidad
accOuiiuoctat
preparar um
dade Re
senvo


-
Diario de PernambucoDomingo 21 de Julho de 1889
i;-


THEATRO
SANTO ANTONIA
Propriedade e empresa dos artistas
EDUARDO RODRIGUES E HELENA BALSEMO RODRIGUES
OIRECVAO DO ACTOR
G. X.XSDBOJL
DOMINGO, 21 DE JULHO DE 1889
Hojel Hoje! Hoja!
0 niior saccesso thealrl!
5.a e ultima representado da grandiosa
pea mgica
fUBAIQA
HOJE! UtTI'MA!!_
Pacific St;eam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete Aconcagua
Espera-se da Europa at o da
.28 de Julho e seguir depois
Lda demora do costume para val-.
^paraso por
Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
aheiro a frete: trata-se com os
AGENTES
'Wlson, Sons & C, Limited
14RA DO COMMERCIO--14


c:
FROJECT DE INSGRIPCAO.
em
->
8 de
Para a 1." corrida a realisar-se
Julho de 3889
1." PAREO Consolando 800 metros. Animaos da provincia que ainda nao
tenham ganho nos prados do Recife. Premios : 200^000 ao primeiro,
40)5000 ao segundo e 20-5000 ao terceiro.
2." PAREO A. de Julho 1.300 metros. Animaos pelludos do paiz. Pre
mios : 300000 ao primeiro, 66^000 ao segundo e 305000 ao terceiro.
3.a PAREO Yelocidnde 000 metros. Animaes da provincia que nao tenham
gan* o em maior distancia. Premios: 2005000 ao primeiro, 40;5000 ao
segundo e 205000 ao terceiro.
4. PAREO Prado Pernainhuoaiso 1.500 metros. Animaos de qual-
quer paiz. Premios: 5005000 ao primeiro, 1005000 ao segundo e
5O5000* ao terceiro.
5." PAREOFerro Carril1.200 metros. Animaos nacionaes at meio sangue.
Premios: 3005000 ao primeiro, GO-5000 ao segundo e 305000 ao terceiro.
6." PAREO- A>er!>y Clnli de Pernambuco 1.609 metros. Animaes da
provincia. Premios: 2005000 ao primeiro, 1005000 segando e 305000
ao terceiro.
7.* PAREO Iniprensa Pcrnamfoncana 1.200 metros. Animaes da pro-
vincia que ainda nlo tenham ganho em maior distancia nos prados do
Recife em 1889. Premios: 2005000 ao primeiro, 405000 ao segundo e
205000. ao terceiro.
Observares
S serao aceitas para cada pareo quinze propostas. Cada cnveloppe dever
conter urna s proposta, e caso appareca mais de urna, s ser acceia a primeira
que for lida, sendo recusada a proposta que nao vier aeompanhada da importancia
da inscripcao.
Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam animaes de tres propieta-
rios "differentes.
A inscripcin encerrar-se-ha ferea-feira, 23 do corrente as 6 horas da
tarde na secretaria do Prado Peruambucano, ra do Imperador n. 83, 1. andar.
Recife, 18 de Julho de 1889.
Francisco de Souza Reis,
GERENTE.
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. cugenheiro d;rector
geral, e em virtode da antorisac&o de S. Exc. o
Sr. 1." vice-presidentc a provincia de 16 do
cou-ente, fago publico que r dia 8 de Agosto
prximo vindouro. ao meio da. nesta directo
ra. recebe-se propastas em certas fechada-,
competentemente selladas, para execugo dos
reparos precisos na pene da Magdalena, sob'-e
o rio Capibaribe. na importancia de 9:587290.
Para concorrer a praca acimo devero 03 lici-
tantes depositar no Thesouro Provincial a quan-
tia de 479S360, equivalente a o 0 0 do valor do
orcamento.
Secretaria da directora qeral das Obras Publi-
cas de Pernambuco, em 20 de Jullio de 1889.
O engenbeiro secretario
Luiz Antonio C. de Albuquerque
Arsenal de Guerra
De*ordem do Illm. Sr. director deste arsenal,
dtribae-se costuras nos dias ~22, 23 e 2i do
edrrente mez. eom as* costureira=. possuidoras
das guias de ns. 616 a 666, de conformidade
com as ordens em vigor.
Secco de costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 21 de Julho de 1889.
Flix Antonio de Alcntara
Alteres adjunto.
Club Internacional do
Recife
Devendo ter lugar no dia 27 do corrente o
sarao anniversario, sao convidado! os senhores
gocios a vir receber em mo do Sr. thesoureiro
06 respectivos bilhetcs de entrada, das 7 s 9
horas da noite, neste club.
Nenhum socio podera tomar parte no sarao
sem apresentar o referido bilhete. I
Recife, 20 de Julho de 1889.
Francisco d'e Souza Reis
1 secretario.
Colonia Orphanologica Isa-
be!
De ordem da directora desta colonia previno
ao Srs. tutores ou protectores de menores.des-
pachados para quando houv.-r vagas, de nao os
apresentar sem screm Dia-
rio por nao ha ver vagas presentemente. ,
Secretaria da Colonia Orphanologica Isabel,
16 de Julho de 1889.
. 0 secretario,
___________ Francisco oncalves de Siqueira..
Goinpanla Indenini-
doi
COMPANHIA
DE
mm mu m
North British Mercantil e
Insurance & C.
Estabelecida em 1809
Capital subscripto S, 2.500:000
Fundo aecumuiados para sinistros 1.8i2:54'
1.342: 5U
Agente em Pernambuco *
N. .1. LIDSTONE
AO Rua do Commercio lo
SARITIIOS
COMlMMTIA PEnX.lHBI'CAVl
DE
ftavegaco eosteira por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracajn'
O vapor Mandahu
Commandante Alciies
Segu no dia do 22 Julho s
5 horas' da tarde. Recebe car-
A at o dia 21.
EDCommendas, passagens e dinhejros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
' n. 12
Roya! Mail Steam Packet
Companhy
O vapor Tamar
E* esperado dosul no >dia 21 de
JuIIij, segnindo depois' da demora
neefessaria para
Lisboa, vgo. ftoaihampon e
.lnl:;erpa
' -pattaamu '
Rio de Janeiro. Ro Grande do
Sol, Pelotas e Porto-Alegre
O vapor inglez Cometa
E'esperado dos portos do sul
al o dia 21 do correnta, seguir
para 03 portos cima indicados,
depe-is de pequea detndra.
Para carpa, encommendas e passageiros, tra-
ta se corados
CONSIGNATARIOS
que ae vendero em Iote3 para chegar para
t)dos.
Segunda-feira 8 do corrente
A's 11 horas
O agente Sfartins, aulorisado pelo proprietario
da Joja de miudezas da rua da fmperatriz n. 82,
que se retira definitivamente do negocio, far
leilo da armacao e mercaduras da referida
loja.
Nao se retira lote algum, pois a liquidaco
definitiva.
Garante-sea casa ao comprador da armacao.
Os amigos do bom e barato aprovei-
teni o queima
Leilo
congnac fino
Pereira Carneiro &C.
6RWA DO COMMERCIO6
! andar
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Congo
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
sul no dia 2 de agosto
seguindo depois dademo
ra'do costume para or-
deaux, tocando era
Dakar c AJsboa
Lcmbra-sc aos Srs. paseageires de todas as
classes que ba lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer jtempo
Faz-se abatimento de lo 0|0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteira?.
Por excepco, s criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem dcste
abatimente.
Os vales postaes s se do at o dial de Julho
pagos de contado.
r.nto-t paquetes so Iluminado*
luz elctrica.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labile .
do Commercio 9
De 15 caixas com
Segunda-feira 23 do corrente
A's 11 horas em ponto
Ko armazem da rua do Mrquez de Olinda
n. 5
O agente Gusmao, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio e a
[jequerimenlo do Ds. curador fiscal da mas-
sa fallida de Oliveira Silva &C, far leilo
com assistencia do asmo juiz, de lo caixas
com cognac pertencente a referida massa.
Em continuac,ao
De 9 caixas com vermouth, 1 pega de tapete de
coco para forro de sala, 10 mochos de pa-
na, 1 caixa com latas de pei.xe, 1 fardo com
lamendoas, 270 latas com leile fresco, 8 caixas.
com vinho xerez, (5 caixas com bitter da China
e diversos movis.
Leilao
De 130 resmas de papel para cartas c oificios,
enveloppes, papel para eninruluo, movis, e3pe-
lhos, quadros e cadeiras novas a 7i0 cada
urna.
Terca-fclra. 33 de *?u!ho
A's 11 horas
No armazem da rua do Bom Jess n. 45
. Agente Pinto
AIuga se-' ou vende-se urna casa com gran-
des e bons commoo*D3, rua Gervasio Pires a.
95 ; a tratar na mesma casa.________________
Pi e ao Sr. Francisco Raposo Fal-
co, 3- oflicial do Correio, se mora ha r> a da
Gloria n. 112, conforme liisse, parece que nao.
S Viuva do portuguez Bernardo Jos da Silva
Guimares, que foi negociante vinte annos
passados, na ruaBaro da Victoria", antiga rua
Nova, precisa-se fallar com essa secihora.na rua
Duque de Caxias n. '), sobre negocio de seu
proprio interesse.
Na rua velfaa de Santa Rita n. 89, precisa-
se de urna ama para comprar, cosinhar e mais
servidos doaesticos de casa de pequea fami-
lia.
Vende-se urna quitanda eai boa localidade
por 100a, armaco c muitos gneros, o motivo
se dir ao comprador, aluguel barato ; a tratar
na rua da Florentina n. 8.
A viuva do portuguez Ber-
nardo Jos da Silva Guima-
raes que foi negociante a 9
annos passados, na rua Ba-
rao da VictorJSi, antiga rua
Nova, ;precisa-se fallar com
essa seu hora, na rua Ququ
de xaxias q. 50, so'bre nego-
cios de seu proprio interesse.
> o publico
Leilo
9 Eua
Companhia Brasil eir de \
Navega^ao a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portes do norte at
o dia 23 de Julb e depois da de-
mora indispensavel _seguir para os
portos do sul.
As encommendas sero rc-cebidas no trapiche
Jarbosa at l hora da larde do dia da sahida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
ras trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirfto-Santo
Commandante (.arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do su! at o
da.7 de Julho e seguindo depois
'da demora indisneasavel para os
portos do norte at Manos.
As encommendas s serSo recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com 03
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6Rua do Commercio=6
1 andar
CHARGEURS REUNS
Companbia l'rancea
* DE
Savegaco a vapor
*jinha regnlar entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos.
0 VAPOR
ViHe de Buenos-Ayres
E'esperado da Europa at o dia 25
jde Julho, seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aqs Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apreientar dentro
de 6 dias a contar o da descarga da3 alvarengas
qualquer reelamago concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul aim de se poder dar a lempo as provi-
dencias necessarir.s.
Expirado referido prazo a compaMLvnSo se
rcspon3abilisa por extravies.^.
Para carga, passagens, encomineadas e di-
oheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
9-RUA DO"OMMERCIQ -9
Companhia Bahiana de Na-
vega^ao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O vapor Sergipe
Commandante Rebello
E' esperado dos portos cima
at o da 22 do corrente, e de-
pois da demora necessaria re-
jgressar para os mesmos
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Gerqueira
17Rua do Vigario 17
LEILOES
Leilo
^RB, frara-se
RecK<
Para liquidar
Na loja de miudezas da rua da Iinpen
n. 82A VENCEDORA-
INSTANDO :
importante armacao de amarello tod cn-
^la, 4 mostradores para portas, balco,
carteira, armacao iegleza, 1 bonito lastre d
ara gaz, araodellas, registro; en can
de chombo, mm variado sortimonto de
drilhos, 1S para bor.i
onro romano, ben;.'
puohos, calfado, escovas pa:
de bfalo para alisar, ur
Do bons movis, quadros, jarros,- forro de
tapete para-sala, bichos cheios, cavallos
de sella e de corridas
TERCA-FEIRA 23 DO CORRENTE
A's 11 horas
Na casa sita no largo da Paz, cm Afo-
gados
Constando :
De 1 mobilia de Jacaranda a espaldar (obra
de gosto) cora 18 caderas de guarnico, 4 ditas
de braco, 1 sof e 2 (funkjrques com espelhos e
tampo de pedra, 1 mobilia de Jacaranda com 16
cadeiras de guarnico, 4 ditas de braco. 1 sof
e 2 consoles com pedras, 8 jarros para flores, 1
relogio de bronze c porcelluna esmaltado com
redomas, 2 jarros de bronze e porcellana es-
maltados com redomas, 8 quadros, 1 tapete for-
ro de sala, 2 oncas clicias, 2 passarichos ccq?.
} cama franceza. de Jacaranda, 1 toilette com es-
pelho e tampo ds pedra, lavatorio com pedra, 1
cama para menino, 2 quadros, i mesa elstica.
oval, com 8 tabeas, 1 guarda-louca. 1 guarda-co-
midas, 1 quartinheinl, 2 cadeiras de Jacaranda
com balado, 1 carrinho para crianga, lapetes
para sof, cama e portas. 1 grande quautidade
decouro de diversos bichos, i cavallo de sella,
rodado, andador, i 'dito cachito sera achaques,
jjroprio para corridas.
O agente Gusrao, autorisado pelo Illm. Sr.
Osmond Cox, tara leilo (ios objectos a;ima
mencionados existentes cm casa do sua resi-
dencia cima referida.
A's 10 1|2 horas partir um bond pela ruado
Mrquez do Herval, que dar passagens gratis
aos conearentcs ao leilo.
O professor ltimamente jubilado na segunda
cadeira do Recite. Iccciona, mediante razoavel
ajuste, as materias seguintes : primeiras letras,
portuguez, francezeos primeiros-rudimentos da
liugua latina ; a tratar na rua Direita n. 43, pri-
meiro andar. ,
G. LAP0RTE
C ommi s sao-importacSo
REPRESEiS'TAHAO D FABRICAS
Rua dan Flores n. SO
Armazem
(Entrada pela rua Baro da Victoria n. 41)
Palancas de IT0. Boulenger &.C.
Papel* de Lanche Joubert C.
Piano de Pleyel.
Porcelana de Hache JulUm & C.
BleoR, rendas e cortinados de Edw. SUetf
mnnn & C.
Droga* da Pharmaae erntrale de France.
Azulejos de Fowrmcintraux Caurqum.
Conservas de I^ouit Frret & C.
VinJbos le Bordeaux da Assoeialion Vi-
mele.
Cachimbo* de Iarge Pre, Fils & David.
Cognac de Jeorges S^jiih & C.
Vitlros de C. le Bianc.
Crjstaes da Cr'lstalUrie de Svres (Landier
& Hondaille).
Capsulan para frascos e garrafas, de A.
Betts &C.
Frascos, vasilhame para phr.rmacias e per-
fumistas de Berln Tissier & C.
AriaaeOes para sellins. esporas e materiaes
para selleiros e fabricas de carros, de
Fickt Freces, etc., etc., el 5.
As raercalfcrias veem directamente das fabri-
cas para os clientes, sem coaimiSsSO, e pelos
precos da fabrica.
r.oncedemsc os prazos usuaes sem augmenta
de juro* ou nutra qualquer (espesa.
C051MISS0 : Rccebem-se tricommendas de
qualquer oulro artigo, ein comniisso.
20^-Rua das'Flores20
O grande e importante estabelecimeoto de
Pocas Mendes & C, sito rua estreita do Rosa-
rio n. 9, contiguo a igreja, acaba de receber
urna grande remessa do acreditado e especial
Vinho Maduro
0 nico que, sem a mnima confeecjio, u-
portado neste mercado, e s so vende no referi-
do eslabelucimeoto. Este'precioso nctar se
torna cada vez mais procurado aqu. Querera
saber porque ? Vejara : o vinho Maduro sendo
como, reito nicamente da nva madera, teta
as seguintes vanlagens que as outras qnalidades
o nao lera ; facilita sem a menor pertur-
bacao :is (igestes do estomago, ainda niesmo
aqaecido, dando-lhe vigor, pois nutre
aolbos vistos as pessoas debilitadas. &d forjas
s que as liver arruinadas pelo oso de bebidas
viciadas.
Recebemos tambera
Reqi
Leilo
De oons movis, i piano forte
e louca
Constando :
Urna mobilia de pao carga entalliada com cn-
golos de raarmore e com pouco usb. um bom
piano forte do fabricante Vigoes, 2 espelhos
ovaes, lanlernas, jarros, tapetes, 1 candieiro bel-
ga, urna cama franceza, 1 lavatorio, 1 cabide de
columna, 2 marquezes. daas meias commodas
de amarello, 1 relogio de parede e i candieiro
de gaz.
lima mesa elstica, 2 aparadores de columna,
1 bonilo guarda louca de amarello, 12 cadeiras
de junco, 1 sof de amarello, 2 consolos de dito,
1 guarda comida, jarro-, bacas de ferro esta-
nhadas, louga de lmoco, dita de janlar, copos,
clices, garrafas, compoteiras, talheres e muitos
outros objectos.
fer^a-feira 93 do corrate
A's 11 horas
Na rua do Mrquez do Herval n. 45 (an-
tiga Concordia)
0 agente Marns, autorisado pelo ;r. Urbano
Jos de Lima, bastante procurador do Illm. ir.
capito Jos Bernardino Dias da Silva, que se;
guio para a provincia do Maranbae, onde vai
exercer o cargo de inspector da Thesoraria de
Fazenda, far leilo dos movis e mais cbjeclos
existentes no referida casa a ruado Mrquez de
Herval.
Ao correr do marte]lo
Ao
j commercio.
Vende-se um bwn hotelziuho rua do Brum
n. 3-A, defronte eslaco dosbonds, b^m afire-'
jaezado, teodo 9 piarlos, todos alugados, o mo-
tivo da venda o d (lente e auer reti-
rar-se para fra : a Irstar na rua Visconde de
Peiotas n. :J7. o com o proprietario no mvsmo.
Ama
Precisa-se de urna ama que cosinli?. bem : n
rna da Palma n. 37. ____
.....GRAHDE NMDABS
immik s vtzlzsss
ueijao
em latas, to procedencia de engenhos, cajos
propri.'tarios capricham eni bem trab; Ihar ueste
artigo, atim de terem a primazia sobre tantos
outros similares, cuja composigo 6 duviaosa.
Em outros artigos como temtfUes
e flores, linguas seceos do R10 Grande, objectos de
rime e temticos doj-'orto para homens e senho-
ras, para isio to po".co temos* competidor. A
aossa "asa e&peeaishi, e as pessoas que disto
se queiram cerlilicar podem comparecer, com
o que rauito no-* honraro. Aps urna iniini-
dade de artlgos de primeira ordem, que achara-
se em exposicao, acresce a amenidade do trato
com que" timbramos tratar todos os que nos
honrara com a sua presenga, junio a modicidade
de precos sem rival.
Rua estrella do Rosario O. jsjto
a isreja
o^as Mendes & C.
* T ^ ** fl*. ? r9^
c
aixeiro
Precisa-sed ora caixeire com pralica de'mo
liados ; na rua do Rangel n. 63.
2o leilo
Dos movis da massa,fallida de Joao F.
da Cruz Braga & C.
Terca-feira 23 de Julho
A'S 11 HORAS
No armnzem da rua do Bom Jess n. 45
0 agente Pinto levar a leilo, por despacho
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito especial do eom-
mercio, os movis pertencentes a massa fallida
de Joao F. da Cruz Braga C existentes nollr-
mazem da rua do Bom Jess n. 4o.
'JF.-----.....
Leilo
De 1 dog-cart
Terca-feira, 28 do corrente
A's Si. horas
Na casa 6ta no largo da* Paz em Afoga-
dos
Por occasiSo do leilo da movis do Illm. Sr.
Oxmond Cox. I
Por inerven$ae do agente
Gusmao
Importante leilo
Natal
Com a presenca do respectivo cnsul e mais
iuteressados. serao brevemente vendidos no edi-
ficio da Alfandcga, em Natal, es salvados da
barca Manj a Preenicood, naufragada na costa
provincia, constantes de kerosene, ferra-
gens e oatros artig03, procedente dos Estados-
Unidos. "
O.leilo principiar no dia 25 do corrente e
continuar at que sejam arrematados todos os
salvados.
as casas na cncruzilhada de
e 1G, a 10O0O men.
e cacimba ; a tratar na rua
.46 rua da Roda
w>, beracomo
I

llavia Slanoella Wanderiey
0 lente-coronel Francisco da Rocha Wan-
derley Lins convida aos seus parentts e amigos
para assisrcm algumas nissas que por alma
de saa*empre chorada esposa Maria Mancella
Wiindiwy, manda celebrar na matriz da Boa
Vista, pelas 8 horas da manh do dia 23 do cor-
rente, f- anniversario de seu fallccimento, pro-
testando desde j eterno reconhecimento por
este acto de rebati e caridade.

i
Philomcna Amelia dos steis
Esmeralda Amelia dos Reis e Maria das Aler-
ces dos Reis agradecer do intimo d*alma a to-
das as pessoas que se dignaran) acompanhar at
o cemiterio publico os restos mortaes de sna
prezada mai Philomena Amelia do3 Re)s ; e de
novo convidan) a todos os parentes e amigos
para assistirem iis misSSs de stimo dia queso'
rao celebradas na igreja da Santa Cru.i, quinta-
feira 27 do corrente, s 7 horas da manh; an-
tecipando desde j o seu profundo reconheci-
mento.
'Joaquina Rodrigues de Oliveira .
Almeida
Justino Gomes de Almema, seus filbos, Manoel
de Oliveira e Maria de Oliveira, convidam os
seas parentes e amigos para assistirem as rais-
sas que mandam rezar na igreja da Santa Cruz,
s 7 horas da manh, ssguntfa-feira 22 do cor-
rente, pelo descanso eterno de sua chorada es-
posa, mi, taa e lia. 39.* dk deseualleci-
mento. Desde j antecipam os eeus agradeci-
mentos-
t
Antonio fionealves Af.ra
Francolina Yicira efe Araujo professora pu
blicade Ereitas, em.Bom Jardim, manda re;.ar
urna missa por alma de seu procurador Antonio
Gongalves Agr, ua igreja. do Divino Espir to
Santo, s 7 horas da muii do dia 23 do cor-
rente. Convida sua Exmu. familia, part i
amigos para assistirem a este aclo te religto e
caridade.
!B
Coronel. AsoU nao Bes erra dn
Silva Cavalcante
, C. R..G. J. manda no dia 22 do correnti
horas da manh, na igivja de N. S. da Coucei-
gao d.os Militares, celebrar urna missa no stimo
anniversario do fallecimenlo do coronel Agos-'
nho Bezerra da Silva Cavalcante.
I npnelo Pereira P*ium
dia
ar missas por
48RUA BAK.vO DA VICTORIA48
Vealiaiu ve*' para crea*
Aos portujuezes
Haver ainda porluguezes da colonia de Per-
nambuco. que depois das insultuosas phrases
dirigidas a si e sua cara patria pelo Jornal do
Recife n. 159, de 18 do corrodo mez de Julho.
continuoai a ser assigoantes des se jornal? Ore-
mos que nao. porque cm no;sos patricios de-ve
existir vergonna sentimentos.
Moitos portuguezes.
Para os festvaas
A' rua da soledade n. 56, preparam-se,
com limpesa, mestria c eonmiodidada em
precos: bolo, pab-de-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides do doces d'ovos, vatap,
bandeijas pr.ra casamentos e baptisados, etc.
Recsbers-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
Aviso
Os abaixo assignados obrigam-se do dia
1.- de Agosto de 1S89 por diante a ob-
servar restrictamente pela forma abaixo
determinada a exeeuio do convenio exis-
tente entre os compradores de algoda
com rciacao a tara que excede aos 5 0t
do costume.
1." nao permittirao proceder-se a ins-
peccSo de algodao em quanto nSo se
acliarem reduzdos os sipos de cada sacca.
-8 sipos sendo finos
regulares
< regulares ntranyados
i grossos
grossos entrancados
exigindo dos vendedores qua fayara ob ar-
mazenarios prensarios remetientes cor-
tar os sipos excedentes, substituiodo-os
por eordas brancas fortes ou pelo que lhes
cquivalha,g tanto qanW o exigir a boa
conservajao da sacca.
2. descontara quidquer excesso de 5 0j*
da tara que ainda assim iicar depois dee-
sa reduccao de sipos por seren ele dema-
siado peso o restantes como se pode dar
oom sipos verdes etc. etc. Entra no cal-
culo da >ara de .|> o peso da capa na
razao ce 1]2 kilo ^fkaq, men.-.; por cada
sacca e o peso das crostas de lama, algo-
dao deteriorado^ ara, etc, ,.o que me-
recer.
t'ernambuco 18 de Julho de 188'.).
Pp. John H. Boxwell
Arthur L. G. Williams.
Pp. Pohlman & O.
W. Gildomeister.
Pereira Carneiro & C.
Browns & C.
Baltar Oliveira & C.
Johnston Patcr & O
Pp. Fernandos da Costa &. C.
Jouo da Silva Ferreira.-
Pp. Biackburn.Needham & C.
Julius von Lolisten.
Borsteimann & C.
Theod. Christiansen.
Aug. Labille.
H.. Burle & C.
Amorim IrmSos & C.
Prente Vjanna ce C.
Rodrigues Lima & C.



i
-.'





^^p
. .-'
m a.







i


Diario de PernamhcoDomingo 2t Je Jiilho de 1889
TttAOUHIVRB
E'ON.20
Tecides para vestidos
Cambraia Victoria a, 2 Batiste finas a 240 rs. o covado.
Fustao branco lavrado a 360 rs. o coyado".
Setim do Japo a 240 re. o covado.
Cachemira de listras a 1200 o dito.
Lis Amazonas a 400 rs. o dito.
Merinos Usos duas larguras a 440 re.
Gazes arrendada a 500 rs. o covado.
Chitas percales a 200 rs. o dito.
Metins de quadro a 300 rs. o dito.
Cretones claros a 240 re. o dito.
Beodas hespanholas a 2)5000 o dito. ~
Setim Haco a 800 rs. o dito.
Popelina brue a SCO e 900 rs. o dito
Setiacta branca lisa e layrada.
Merinos pretos (baratissimos).
Toile pardo a otk) e 400 rs. o covado.
Cachemiras lisas a 1)5200 o covado.
Cortes de vestidos em cart3es.
Cachemiras de quadro a 80 rs. o covado.
Yeibutiua preta a 640 re. o diio.
Crep preto (ingles) a 2$000 o dito.
ARTGOS DIVERSOS
105.
B>0
Arligos para horneas
Cortes de casemiras, a 65, 75, 85 e
Camisas alleinaes a 36600 a-duzia.
Paletots de alpaca preta a 45500.
Regatas de cores a J.& e 15500 e 25000.
Paletots de seda palha a 75500 um.
Ceroulas de bramante a 155000 a duzia.
Paletots de alpaca de cures 45500.
Camisas de fianella a 45500 urna.
Guardapo para homem a 6f000.
Sobretudo de panno pilota.
Meias inglezas. a 55000 a dnzia.
Meias fina3 da Escocia a 15500 o par.
Lencos de iinho a 55000 e 65000 a duzia. I
Casemira em corte para ternos
Chevioth preto e azul a 45000 o covado.
Casemia diagonal a 25000 o dito.
Brim branco, todos os nmeros.
Brim de linho, de cores, a 15800 a vara.
Dubl-capas de panno.
Casemiras pretas e de cores.
Bolsas para viagens.
Costumes para banhos salgados.
MAR illQ 0
Approvado pelo Exbc Sr. presidente da piuvincia
Premios da lotera luikiim
1 premio de.....300:0005
...... 50:0005
*.....12:5005
1
1
2
6
10
2
2
2
approximacBes de
9 Dez. do 1." prera.
Capellas para nnivas a 75000 urna.
Bacias forradas a 440 re. a duzia.
Lavas de teda a 25000 e 25500.
Bicos preto de seda.
Toalhas para banlio a 15500 urna.
Cobertores de la a 15800 um.
Bicos de cores a 25000 e 2:>500 a pega.
Gnardanapo3 de linho a 2,3200 a duzia.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Arcos cobertos a 140 rs. o metro.
Colchas de cores m 15800 urna.
Guarniyao de crochet a 75000
Panno da Costa a 15000 e 15200 o co-
vado.
Toalhas felpudas a 45&0 a duzia.
Colchas de fustao a 35500 um.
9
9 c
99 2 fin. t
99
900 term.
900 a c
2.
3.
1.
2.
1.
2.
c
a
c
10.0005
15:000*
15:0005
5:0005
3:0005
1:5005
6:7505
4:5005
2:2505
24:7505
24:7505
1255 112:5005
1255 112:5005
5:0005
2:5005
1:5005
2:5005
1:5005
7505
.7505
5005
2505
2505
2505
Premio da serie
1 premio de . . 12:0005
1 .'.'. 2:0005
1 . 5005
2 t .' . 2005 4005
6 i ... 1005 6005
10 '... 605 6005
* 2 approximacSes de 1005 2005
2 , 605 1205
2 305 605
9 dez. do 1. prem. '305 2705
- 9 i 2. 205 1805
9 c 3 105 905
99 2 fin. 1. 105 9905
99 2. t 105 9905
900 term. 1. 55 4:5005
900 2. 55 4:5005
28:0005
2052 premios no valor de 700:000512052 premios no valor de.
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta lotera coiposta de 10.000 bihetes a 1005000, dividida em 25 series,
custando o inteiro da serie 45000, subdividido este em quintos da serie (12508 do
bilhete inteiro da lotera) de 800 rs. cada um.
O agente desta lotera chama a dstencSo do publico para este importante
Algodao branco a 35200 e 4if>000 a pega, j plano mais vantajoso pela sua boa organisacao.
Para a cura tfflca e prompta da
Molestias provenientes de im-
pureza do Sangue.
E' urna loucura andar a fazer expe-
riencias eom misturas inferiores com-
postas de drogas ordinarias ou de plantas
indgenas cuja efflcacia nao confirmada
pela sciencia, cmquanto que a molestia
cada vez vai ganhando terreno.
Lanccm r.io. sem demora, de um re-
medio garantido cuja efflcacia seja Tacto
esignalado e inquestionavel!
O Extracto Composto Concentrado
df. Salsabrriuia de Ayer conhecido
c recommendado pelos mdicos mais in-
telligentes dos paizes adiantados, ja
durante 40 annos,
Centenas de militares de doentes
tm colhido beneficios do seu emprego e
sio outras tantas testcmuiihas da sua
efflcacia positiva e IncomparaveL
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est.-Unidos.
I
-DE-
Morray & Unan.
0 M^IS EXQUESITO
'DPS
Perfumes do ToHcador.
Perfuma o Oorpo e
Vivifica a Mente
NO BNHO.
Superior a Aguaje Colo-
nia pela delicadeza de se
aroma e a durabilidae de
seu perfume
. HO LEK0.
4
Alugam-se
Colchas de crochet a 65500 um.
Coletes de fianella a 25500 um.
Tapetes grandes a 135000 um. ^
Madapolilo americano a G5000.
Fichs de retroz a 15000 um.
Lcnces de bramante a 25000 um.
Cobertas de ganga a 35000 urna.
Lencos brancos a 15200 e 15500 a duzia.
Sargelins de c6res a 200 rs. o covado.
Brim pardo a 280 rs. o dito.
Espartilhos ctiraya a 55000 um.
Fustao de cor para roupa de crianca a
800 o covado.
Seda palha a 15000 o dito.
Xieques transparente a 25500 um.
Extratos, tnicos, entremeos, bordados e pos de arroz.
Roupas por medidas
20Ra Primeiro de Marco20
CASA Ii COXFIAXCA
Com 45O00 (5 quintos de que se coinpSe a serie) recebe-se 12:0005000 e com
800 rs. (1 quinto) 2:4005000.
O menor premio d um resultado' de 25 % pois custando o quinto 800 rs.,
recebe 150Q0 as terminacSes dos 1. e 2.8 premios-
Sao premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 3. premios.
As dual letras inaes dos 1. e 2., terminacoes dos 1." e 2.a, e as approxi-
xoes dos l.o, 2. e 3.; tendo alm disso premios de 2:0000000, 5005000, 2005000,
1005000 e 605000.
BXTRACCAO INTRANSFERIVEL
/i
IAKAL te O
Gotta, Rkeukatis^io, Dores
ISgltgo do Boutor Clin
fjimUl da Faculdada de liedla m de Pars. Premio i'ontyon.
i -------
A Verdudeira SolucSo CLIN ao Saiicylato de Sccia emprega-se para curar:
As Afeccoes Bhenmasmaes agudas e chronicas, o Rheuruatismo gottoso,
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessaro calmar os yi
soTrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira SolucSo GLIII o melhor remedio contra o Rheumatismo, j
a Gotta e as Dores.
tres Cflrf expUcoczo detalhada acempanha cada frasco.
| Esifir a Verdadeira SolucSo de CLIN & Cie, de PARS, que i encontra Btj!
casa des Droguistas e Piarmncev.ticts.
>imwiin at>iamm
AS PEF
Apj}rsi>a:o :a Actdiirr* -a Mdicr,t ti Par:
GanttiTC
UlHjisasaifl eligir 3 Firma :
Can L. FREP.E, i 9, ra Jacob, PAIf
CCe/Cfcb"*

Precisa se ce urna ama :
numero 20.
no largo d > Paraizo
a3 casas terreas da ra do Lima ns..!8 e 2b, cm
S. Amaro; a tratar na lithographia ra Marque
de Olinda n. 8.
J
uga
a casa sita 6. Cruz das Almas ou Parnameirim n.
10 B, com- commodo para urna pequea fami-
lia, tendo um om sitio, e acha-se limpa ; a
tratar na ra da Aurora n. 119, ou ra do Apollo
n. 30. 1 andar.
Al
uga-se
em Parnameirim ou Cruz das Almas n. iO-A,
urna grande e excellente cisa com agua e gaa,-
tendtf uro bom sitio, a qual confronta com a
casa doDr. Leal ; a tratar na ra do Apollo n.
30,1 andar, ou ra da Aurora n. H9.
Aluga-se
pnra
III



1
TINTA IMLTERAYEL
Esta tinla recommenda-se j^elas qualidades
seiuntes:

i
1E'" igual a melhor tinta Bine Block inglezs.
2'E' de urna* fluidez extraordinaria, e torna-se preta como
! carviio.
3E' de durag^o illiniitada, portanto para os livrosdoom-
nicrcio e para documentos, que careram de longa durajao, nao
.se pode desejar tinta melhor.
4 Nao estraga as pennas de ac.
Presos; garrafa 800 rs. 112 garrafa S00 rs.
.IVICARIA OITEHPORIXEA
misoai. costa a :.
B UiA 1. D E M A R 9 OP EBN A^M BUCO
ALBINO SILVA &G
4*Rus .Uarqaez de'OIinda4*
i ve Jvien
C0NFE1T0 VEGETAL, LAXATIVO E REFMGERANTR.
contra PEISAO DE VENTRE
Approvado pela Junta centra. de Hyc-ieke pubuca do Brazdl
Este purgativo exclusivamente tegetal se apresenta so; a forma de um confeitd
agradavel, que purga com suavidade sem o menor incommodo. E' admiravd contra
as aifecfSm do estomago e do figado, a ictericia, bilis, pituita, nauseas e gazes. O seu
efeito rpido e bdkefico na enxaqueca, quar.do a cabeca est pesada, a bocea
itii ir|M Ungua tuja, falta o appetite e a comida repugna, as iehacSe l eentre
causadM por inflammacao intestinal, pois nao irrita os orgaos abdominaes. Emflm,
as molestia* de pelle, usagre e couvulsdes da istfa neia. 0 Purgativo Jolien resolTeu
difficil problema de purgar as creancas que nao aooeitam purgativo algn, pois o
podem cono se fosse urna pastilha de chocolate salada de confeitaria.
Deposito sa Paris, 8, Roa Vivsimo, nai prineipass Faanaacias e Drogaras.
PERRO GIRARD
Approvado pela Academia de Medicina de Paria.
Ostral 4* Htfi** fibUtrn NKICAO DE-SI NOS B BROME
DE
LUIZ DA CRUZ MESQUTA
66na do Baro do Triumpho66
Tem para vender o segninte:
Ilactalnas de obre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de, cobre do antigo e novo systema com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estaoho.
Carapueas de cobre.
Taixas, taixos e caldeira3 de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Tornciras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
Repartideiras, passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado.
Cobre em len$ol e arruelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadinbos patente e*de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectos
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras de encommenda, garan
indo presteza, perfeico e precos mdicos,.para o que tem pessoal habilitado.
VDE a praso ou dinheiro com descont. ,
PEROLAS de PEPSINA PURA DYALISADA
de CSPOTSAT, Pharmaceutico.
Fol o Sflr GHAPOiKaDT o primeiro chimico que conseguio preparar e forneoer ao
mdico e aos doentes, em perolas redondas, urna pepsina pura, nao contendo,nem
awio.nem assucrdelete,neagelatina.E' Cinco vezes mais activa que apepsina que
figura na ultima edicao da Pharmacopea francesae digere 100 vezes seu pezo de carne.
Sua accao da maiorafAcacia; duas prclas temadas depois da comida basti
para favorecer e activar a digest&o, e fazem desapparecer no flm de um qusrte de
hora as enxaqueca, as dores de cabeoa, os booeioe e a somnolencia, que
sao a oonsequencia de naia a digest&o.
Cada perofa leva impresso.em negro o nome CHAPOTEAT.
r.?!. ?-f Trclu-ane, te* ttdw s fnp^n o fti-rnlr
iumm
Ama de leite
Precisase de urna ama de leite; a tratar na
ra Baro da Victoria n. 54, nova agencia de
mo\eis-
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite; na ra Au-
gusta u. 179.
Ama de cosinha
No sitio n. 5 da estrada de Joo Fernandes
Vieira se pier.is; de urna cosiaheira, prefere-se
a urna mnilier qt e durma em sua casa.
o 1 andar do importante predio a ra d Bom
Jess n 26, e o 2- andar trave.-sa da Madre de
Deus n. 7 ; a tratar com Jfco Kernandes de Al-
racida na raesma travessa n. 21.
Aluga-se
CaBteiiss do Mosle te Soccorr
Compnr-sc eaifleHaa do Monte e Soccorro df
qualquer joia, brilhantes e ralogios; paga-3
bem na Praga da independencia n. 2, loja di
r?'ojoeiro.
BIABO
Precisa-se de um criado,
menor de 14 annos, no 3o an-
dar do predio n. 42 da ra
Duque de Uaxias, por cima
da typographi do Diario*
EXfOSSTION %t UnlVn'1873
; laiiis d'Or*^5CroixcClieTaii.;
iS FtUS HiUS RC0HPNSE8
ti
w
.;, '. : : -'
':.......i >)h ft-^t
JBi,
im MiMHH hi ^i*ii n r*rnnsniiu miMfw
Recommenilaincs e- producto,
Mssiderado pelas edebr laites medicas,
pcluAeus prino;j;.os t quina,
ta&o o nai pederusu rcgentiaijir ijm;cojbete.
Abusos Recdmmedado'
PERFMAR DE LACTEINA
ttsmoatii tts titlriilids filos.
GOTAS CCEHTRA3AS para o leaco.
AGUA DIVINA Ata agua sao*.
LJTES ARTIGC? MHAM-S U FABSItA
; pars 13, rae d'Esgtiea, 3 pars 1
Bpositos en todas as Pert'marias. Fharinacias'
e Cbellercir-s da America.
Mudaji^a
na ra Direita n. o, ;s casas ns. iO A ruado
Aguas Verdes, e o travossa Ja I'yndoba, sam-
bas limpas, pintadas e caiadas.
luguei barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ra da. Roda ns. 58 e 60.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armasem.
Largo de 8. Jos n. 74.
0 2. andar da ra do Bom Jess n. 47.
A tratar a ra do Commercio n. 5,1: andar,
escrtptorio de^Silva Guimares & C.
Tigipi
ComilaiitiRo de S Brrelo
Convidase a este sentor a comparecer raa
do Bom Jess n. 23, para prestar contas das ee-
brancas que fez no termo de Agua Preta em
Marco prximo passado.
Jos Gomes de Amorim faz publico, e com
especialiddo aos s'us amibos e freguezes, que
desde o dia 2t*> do raes prximo passado, mudou
a sua fabrica de leos vegetaes, do predio n 161
da ra da .Aurora para o de n. 163 da mesma
ra, aonde.o respeitarel publico e encontrar
setopre p.'mpio a salisfazer todo e qualquer
pdiuo com toda'sua idelida'le e prestesa: po
dendo'a qualquer hora serem as encommendas
dirigidas para alli; sendo o n. 33 o do appare- i
Iho teleplionieo de seu eslabelecimento. Recife, 1
i de Jalbo de 1889.
MOLESTIAS BAS CREABAS
;iBOFE<,RABAOI0DADO
de CJSttmt%UsVT m C"
i &kj *** i*. *j tnfs m a m tt> sMi
| Mal?, activo que o xarope antiscor-
j buticc. excita o appotite, resolve
| o Qzurovcitamento das glndulas,
i cora'ite a pallidez, torna firmes
as carnes, cura os mos humores
' e as croatas de leite cia3 cranlas,
je as diversas erupces da pelle.
Eta coml)inai\o vegetal, essencial-
I mente depurativa, t saelaor tolerada
queos icauretos de petassio e de ferro.
:-.--j "-AR8, *J. /tna Vivianne.
**X3rrr^errr?-- *. :*zx.-' 'Vsasttometai mu SWS'<&
Cosinheiro
Precisa-se de um ; a tractar a ra do Com-
mercio n. 44, escriptorio.
Apolices perdidas
Perdern?-se dez apolices da divida provincial
de I'ernambuco, pertenecntes a Manoel Pereira
de Aranjo Vianna. de ns 873 a 882, serie B, do
valor de 1: 000 0 cada urna; pede-se a pessoa
que as tiver acbailo o obsequio de ir ou man-
dar entrgalas a Henrique Bernardas de Olivei-
ra, procurador bastante do mesmo Vianna, no
Recife, ra do Vigario n. 1, escriptorio, que g-
tificanS.
"AVISi) v
Os cavalleiros que dignaram se acceitur ac-
cOes dos cavallos Douro e Vanda, queiram fazer
o favor deas satisfazer, que corre definitivamen-
te no da 26 o 27 do corrente com a ultima lo-
tera do Grao Para, que se extrahir este mez.
'Cosiirheira
Precisa se de urna perfeita cosinheira e que
durma euf casa do patro ; na ra da Impera-
triz n. 21, 1- andar
Eng"o mmadeira
Precisa-se de urna engommadeira; na ra
Mrquez do Her-val n. 63. Paga-sebom salario.
O Professor Hrard encarregado do RelAorio Academia demonstrou que
4 fcilmente acceito pelot doenit, bem tolerado pelo estomago, restaura
m torca* e cura a chloro-anemia; que o que distingue particularmente
, este novo sai de ferro, i que nao causa pristo ds ventre, m combate,
stevando-te a dse, obtm-$e dejeccoet numerosas.
O FERRO GIRARD aura as mi, odre* pallidaa, oaimbraa 4a eato-
mago, mpobroclmsnto do tmomf, fortifica o* temperamento trama,
excita o ppetlte, pegalart sa regrea e comba te a eeterilldade.
fiipiiHs o* Par*,*, nmnssmsmm$i1mt$mmw>mm^mtt.\
44--BUA B4HA000TRIUIPBO-44
Sf achinas a vapor.
. Moend?
Rodas d'agua.
Taixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem crava^ao
Arados.
L9NIMENTO @NEA
Para o GavaUos
' mpr*gdo oom j maior xito as a-ralharlpaa reaaa da SS. KM. o taperador do QrasU, o Bel da'
Bcigloa, o Kei dos P*la.o-Baixoa e o Re da Saxonia.
uppresm do DA QUEDA I>0 PELLO
80 este precioso Tp.co t
su&stitue o OBostioo o cu
i em peucoa das asi
> rom****
Mparvio. a o tj
i ;:;.- i
35 (mios de SE3J r'A.L.
depnrmtlTo a renorador do sangue que ae
i oosa suoosseo as sefuintes olessa :
rentantss A* allsceoe taaersas.
Falla, 8, RaaViTlenne,nai prlncip. Farmacias do Brasil.
Pe tora l de Cambar
de S. SOAEES sempre ioi, e ser o principal remedio para as molestias do larynge,
bronchos e os pulmoes.
A bronch'itc, asthma, molestia do peito, rouquid3o. coqueluche e qualquer toase
sao perfeitamente curadas com o verdadeiro remedio PEITORAL DE CAMBARA'f
de B. loares, approvado pala Exma. Junta Central de Hygiene Publica do Brasil,
premiado cc-m duas medalhas de oHro, e rodeado de valiosos attestados mdicos edo
innmeros de pessoas curadas, tanto nesta provincia como cm outras do imperio.
Precos : frascos 25500, 12 duzia 13^000, duzia 24,J000.
Vende-se em cana dos unicosagentes e proprietarios gracs Francisco Maaoel
da Silva C, ra Mrquez de Olinda n. 23.
Os rcsultacos ettlM^^^^^^^^I
"versas M
catana**,
an-
gued
la .ii-
obtldo as
Peito, os
Molestias la
o dio loaar
Afl*e*6e* do I
Wnmllllls.*
Oarrat&. Ophtal-|
concurrencia. '
CAPSULAS THEVENOT
Mleatlea rlns i~*-r**mMm
Cascara Sagrada (Laxativo).
Oleo ae icio-Potiophytltn FStO macho .ombraa).
Contra as Aiecedea do fioado e dos rins.
Etheroieo ae Eesencia te Tertbenthina.
cjajle TenbBWM pyrgi-U
s
^^m*->' com a mo em 9 minuto, sem'
-
L aa ate st Pisssii
-
-S
l
naaar) aa, aa a uva a c.



iario de Pernaml
21 de J.iillio TENBAS
rodas
^gKscntcs, forrado e pintado de novo ;
^^Hbr na ra Mathias de Albuquerque
_________
urna boa armacao de. amartillo,
na para i|u;ilquer negocio, na ra de Kan
"X ; a tratar na racsiua ra n. 20. Garan-
as
CllfcV.
8.
Vende-se
das memores tavernas ra Mrquez do
i pouco capital ; a tratar i a mesma
143 padaria Fsz se qualquer negocio.
' Telegrarama familiar
Venham ver ao 55
RA DUQUE DE CAXIAS
Tendo resolvilo vender os seguintes
objeetos por menos 50 0i de seu valor
al, convidamos nossos reguezes a ver
* realidade!
^Cachemiras combinagaO com listas de seda
ultimo gosto a 16200 ocovado.
Cambraia com salpicos a 40000 a peca.
Cortinados., novidade a 50500.
Sargelins de qualquer cor 200 rs. o cavado.
Linn bordado padrfies novidade a 800
i Avado.
Setirs de todas as cores a 800 rs.
Alant as pretas.
!amisas rancezas com collarjnho coisa
chic a 20000.
bretones para coberta a 500 rs.
Amor da China grande sortimento em de-
zenhos a 200 rs. o covado.
Pannos de crochet.
orles de vestidos coisa nova a
2(5000 c GOOO.
Guardanapos a 10600.
Madapolao coro mnita largura a 50000
6,5000 e 7,5000.
Merinos prctos de todos os precos.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Babados e ntrenselos.
Vestuarios para baptisados coisa nova a
105000e120000.
Luras de seda a 25000.
Zefiros de cores a 160 e 200 rs. grande
sortimento.
Grande sortimento de plastrons e regatas a
0OOO urna.
Tecidos arrendados, novidade a 400 e 500
rs. o ovado.
Grande sortimento de easemiraspara rou-
pas de homem.
Colchas brancas e de cores um sortimento
completo.
Collarinhos e punhos para hqmem.
Cortes de casemira de cor 4(5000.
Cassjnetas com 2 larguras a 10000 o co-
vado.
Cretones para vestido a 240, 280, 320 e
400 rs. o covado.
Heias e lencos de cores para homem e
senhoras.
Merinos de cores de 500 a 800 rs. o co-
vado.
Brim detinho de cor, angola emlesquins
,grande "variedade.
Tapetes grandes o pequeos, algodao bran-
co, largo c bom a 5,5000.
Jamisas de cretone muito bonitas a 20oOO
e 30000 urna.
Cambraias suissas com salpicos de cores a
, 7,5000 a peca.
' Renda da China a 200 c 240 rs. o covado.
Da-se amostras sem penhor.
3 Rita Duque de Caxlas 55
Feroandes Azevedo &C
Vinho particular
No armazem da ra do Amofim n. 60, vnde-
se o que pode haver de melhor, peto mdico
prego de 73 o garrao de tres caadas (voltan-
Je o casco). ___
Taverna
Vende-se urna taverna bem s irtida t- aregue-
vula e"em muito bom ponto, ra da Concordia
n. i ; a tratar nella ou no caes da Companbia
;'eroambucana n. 8.
Vende-se
urna casa terrea cm boa localidade, no bairro da
Moa Vista, e urna parte no engenho Desterro,
tregueziagjle Iguarass ; a tratar com o Sr. te-
nente Sv^fcto de Souza, a ra do Socego.
A 20500
Vendc-se o frasco do Peitoral de Cam-
bar, de Souza S >ares, em casa dos ag'en-
tes e depositarios geraes Francisco Ma-
noel da Silva, rua Mrquez de Olinda
o. 23.
FOLFSTIM

DECAPITADA
POR
P. MJ BGISGOBEY
(ContinuacSo do n. 101)
VI
' Ahi est !... Que me dizia yi, Sr.
conde ? Eu esta va ertissirno de a ter ou-
vido.
-r- nicamente, replicou Gmaille, nin-
gaem a comprehende.
- Ficar para a prxima sessao. Ama-
naa terei um interprete..; eo Sr. Boro-
dino estar aqu para verificar a exacti-
tto da traduccao. Iloje nao Ihe pe90
mais.
c Grisaille, o senhor vai j-econduz-o
ra Berton cera a moja.
E como o tio fizesse urna careta o Sr.
s'rancstel disse-lhe :
De3ejo que o' senhor nao se v em-
boca ssinho, mas nao se offenda com isto.
E' apenas ifma formalidade. E sobre as
iuas questoes est/ iirmada a minha con-
vicglo.
Mas resta-nos um quarto de hora e te-
nbo ainda duas ou tres perguntas que lhe
er.
Faca-as, Sr.
i.'ide Borodino.
i aqu o .
asta
a emba
sobre o seu paisa
tao o sen .o w
pergun-
A Revoluto de 48
A' rua Duque de Casias a. 48
Em vista das umitas pechincbag qiifi te-
mos recebido, viemos por meip-d'este. cha-
mar a attencao dos nossos freguezes, pro-
vando ao mesmo tenpo como vendemos
por menos 30 0l do que em outra qual-
quer casa.
Folardina, tecidos moderno, a 320 rs. o
covado.
Organdis (fazends. de phantasia) a 4CO rs.
o covado.
Nnsuks muito finas de 120 e 240 rs. o
covado.
Merius lisos e ce quadros 200, 240 e
280 rs. o ccvtdo.
Cortes de linn o cretones, todos os avia-
mentos, a 60000, 80000, 90000 o 10,0000
um.
Ricos cortes bordados em cartao a 140000
Atoalhado para racsa, muito largo 10200,
e 16500 o metro.
Pannos de crochet para cadeira'ja 500,
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet com palmas para noi-
vas a 5,5000, 60000, 7,5000 S0OOO p
9^000 urna.
Cortinados bordados, muito finos a 60000
o par.
Bramante liso e trancado de 4 largura? a
10000 o metro.
Bramante trancado de 2 larguras a 400 rs.
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
50000 urna.
Saias bordadas, muito finas *& 30000 urna.
Luvas^de seda, lisas e arrendadas a 10009,
10500 e 20000 o par.
Seda alsacianas, novidade a 240 rs. o
covado.
Cretones claros e escuros [de 500 rs. por
320 rs. o covado.
Zefiros de quadros a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pechincha em camisas de meia a 10CKXTe
10200 urna.
Leques de penna, o que ha de moderno a
40UOO e 50000 urna.
Capellas com veos para noivas a 80000
urna.
FustUo de cores para palitot e caiga a
600 rs. o covado.
Brins de linho, cores fixas e garantidas,
a 500 e 600 rs. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
colleto % 20000 o covado.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
40000 a peca. #
Bicos de cores e branco a 10800 e 20000
a peca.
Cambraia suissa de 140000 por 70000 a
peca.
Collarinhos e punhos borracha a 10800.
Cobertas de ganga para cama de casal a
20800 urna.
Lencos de cores, imitacao de seda a 10800
a duzia.
Fichs de retroz, lisos o com palmas a
10000 um.
Madapolao americano com 1 metro de lar-
gura a 60000 a duzia.*
Algodosinho muito largo a 40000, 50000
e 60000 a peca.
Redes francezos a 40000, 50000 c 60000
urna.
Palitots de seda palha a 80000 e cor de
chumbo a 100000 um.
Cortes de casemiras ingleza a 100000
um.
Cortes de fustab para collete a 10000 e
10600 um.
Cobertores de 1S com pequeo defeito a
20000, um.
Renda heopanhola larga a 20000 o covado.
Espartilhos finos a 40000 o 50000 um.
Roupa por medida, garante-se a perfei-
yao.
S na Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MORETRA
Boa eompra
Travessa do Pombal n. i! (taverna) vende-se
a armaco. arantindo-se a chave ; a tratar com
o tenente Evaristo de Souza.
Bahus
Vende se urna toja de bahus, bem afreguera-
da, garantindo-se a cbavt da casa : a tratar sa
rua Vidal de Negreiros n. 120.
Vende-se
a taverna sita rua da Uniao n. 3, bem afregut-
zada; trata-se na mesma e parante- se a chave.
calumnias daquelle velho louooj que pre-
tende ter-me conhecido na Grecia, ha trin-
ta annos... e que se comprehendi bem o
que elle quiz dizer-me hontcm em minha
casa, me aecusa de haver sido pirata.
E' possivel que o desgosto lhe te-
nha perturbado a razio para o confrontar
com elle espero que elle fique mais, soce-
gado. Por agora peco-lhe que me indi-
que as pessoas que o senhor conhece em
Pariz.
Pensava que j lhe tinha dito que
n3o tinha relacScs aqui, a nao ser com a
casa bancaria onde tenho conta corrente.
Nao frequento os meus compatriotas e
n2b fenho rela3es com a sociedade pari-
ziense... por causa da doenca da minha
sobriflha.
E' justo... Os seus criados sao rus-
sos ?
Todos, e a men servijo ha muito
tempo. Trouxe-os commigo e hao de se-
gair-me quando deixar a Franca. Pode m-
terrogal-os. Nao lhe hao de dizer nada
que o senhor nao saiba j.
Espero que o senhor ha,de 'ficar en-
tre nos, disse o juiz com um stfinrlso aue,
como a sua resposta, se podia interpretar
do duas maneiras.
O juiz ia passar terceira pojgunta,
quando bateram porta.
Grisaille foi abrir e introduzio um su-
jeito, que o juiz interpellou deste modo :
ntao, doator, como vai a sua doen
te ?
Completamente curada. Era apenas
urna syncope, como tm muitas vezes as
poas nervosas. J est prompta... Est
ainda um tanto agitada e falla como urna
p.iga, mas...
Ento realmefte ell falla ?
E nunca acaba de fallar.
' r Ora, aqui est urna boa noticia, Sr.
onde, disse o jure a Borodino, qu nao
pirecia estar muito contento. '
nicamente nSo se compfeh
loaresfceutou o masH
MAIS BAR
Na Loja das Lstras Araes
A' RA DQT^E DE -CAXIA^ N. 61
Vende-se fazendas finas maisv barato e
dase descont a quem comprar de 800000
para cima, troca-se as> fazendaa' vendidas,
se por qualquer motivo nao for de muito
agrado para quem for compraJBfe vende
pol*)8 seguintes precos:
C:?i.'hcniiras lisas e com Vb* de
seda do lindas cores, a 10400.
Heraos de duas larguras, a 440 e
800 rs., qualidado superior.
Tecidos arrendados cor de cagme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phautasia e lindas cores
a 400 e 500 rs.
Tecidos de linho, lindos-i'padr5es
grados, a 200 e 240 rs.
ZeGrOf lisos e de quadra, "* 80 e
100 rs.
>*Ctlns,de Maco b/anoo, preto e de
todas as cores a 750 e 800 rs.
Metas de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavr. das brancas e de tjtres ca
ras, a 10400-
GAzes de seda com fios pratcados a
10000.
Cortinados de crochet, cm peya, a
900 rs.
Cambraias bordadas brancas e de
cores, a 40UU" a poja.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 160000, 18j5000 e 2O0OOQ.
Veos pata chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid, s
a 10200 e 20000.
TECIDOS J^JS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas de cores finas c seguras, a
120 e 240 rs.
Horim de Ustras aznes muito lar-
dos com 20 varas, a 60000, a peca.
Sargelins finos, a 160, 180, e
200 rs.
Crinoliaa, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardauapos superiores a 10800 e
20000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos desenhos,
a 10000.
Itrnmanlc de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro
Xoalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 40000 e 60000, a duzia
Icos brancos francezes, a 60C
e 800 rs., a peca.
Blcos finos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 20000, g peca.
Balcias a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 rs.
Lavas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 20000. I
Leqnes de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 20000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 60000.
feabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs. ^
Extractos finos francezes e ingles*
a 10000 e 20000.
Despertadores americanos, a 70.
Hosquitclros americanos com ar
maco a 100000 e 120000. *
Espartilhos americanos e inglezes,
a 40000, 50000 o 60000. %
Capas de vidrilho e rendas, a 250000
e 300000.
Toalhas de labyrlntho para bap-
tisado a 300000, 400000 e 500000.
E muitas fazendas que se d por toda
prejo na.
das Lstras Aznes
Loja
Farello de carolo de algo-
dao
J conhecido como o melhor e mais nutritivo
alimento para animaes ; vende-se rua do Bom
Jess h. 38, 1- andar. ___i^B
A" FLORIDA
OalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodo com sen
vidrilho-
Mantillias- de seda e de algodao,
Contas lapidadas para vestido.
Feanjas de seda com e sem vidrilho.
q^H hesp'anhola.
g^Brinhos para homm a 30000 e 40OXK
KSVuzia.
Borlados de carnb aia tapada a 400 500'
600 e SCOrs. a peca.
dem com 3 e 12 metros, do qualque
argura a 10200.
Lencos de linho em camnhas a 30000 >
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos leques transparentes de caze i
30000 um.
Grande sortimento de porta-retractos >
pellucia. .
Finas pulseiras americanas a 40, 60 *
80000 o par.
Ditas do phantasia, gosto moderno, d
20500 a 30000 opar.
Cortinados todos de crochet para cama t
120000, 170000 e 190000 o par, algn-
de cores.
Ditos para janeUas a 70000.
Pannos de crodipt para cadeiras a 800 t
10000. *|f
Ditos para sof a 20000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de compriment-
a 40000,
Capellas com veo para noiva a 60000 t
-80000.
Lindos eikovaes baptisados a .80 100 t
120000/
Toncas de setim para bapjjsado a 30, 40 e
50000.
Grmaldas e ramos de seda, o que ha d
i melhor.
Renda hespannola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 20000 a peca
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 40000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Pastas a 10000 e 20000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 20000.
Arquetes para chapeos e chapelinas i
05OO.
Lindas fitas n. 12 para chapos.
Luvas de seda, cano comprido a 20000 <
par.
Ditas de seda para creanga a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabeca e seg\trar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
xa senhora a 40, 40500, 50000
Vinho puro de Santa-
rem
Oa qniuta de Barral
Chegou a segunda remessa deste especial vi
nho para o armazem central de gneros alimen-
.icios rua do Cabug n. 11. o qual se torna
recommenitodo por er puro da uva.
Joaquim ChristovSo & C.
Telepbone44*

O importante c que nao seja .muda.
Muda ? Nao do nascimento, por-
que ...
Ainda ha tres annos... urna paraly-
sia da lingua, que appareceu em conse-
quencia de um susto... e que acaba de
cessar de repente em consequencia de urna
commocao violenta.
1880 seria urna cousa muito curiosa.
Poia que n2o acredita?
Nao, senhor. Nunca vi exemjRo
disso, e at provas do contrario nao ad-
miti que seja provavel tal milagro.
O senhorfnao infallivel, disse por
entre dentcs P>ortflino que, a contar de
certo tempo, dava s'Ilbt de agitacJEo.
Ha um meio nssjPFsimples de saber
a verdade. E' interrogaba, replicou o Sr.
Francastel.
Com a condicao do concordar com o
que ella lhe disser, accresceutou o incr-
dulo doutor. Infelizmente a mentira no
estado chronico 6 um symptoma caracte-
rstico da hysteria.
Nao importa. Quero ouvil-a. Gri-
saille faca-me o obsequio de ir buscal-a.
Diga Sra. Courtois queja nSo tenho pre-
cisao della.
PerdSo, senhor, disse o doutor, mas
ellas j se foram embora ambas... a mais
velha primeiro, e a moca cinco niinutos
depois.
E o senhor deixou-as ir embora ? ex-
clamou o agento da seguranga.
= O senhor nao me tinha encarregado
de as guardar, respondeu o medico sec
mente. Comecei por mandar embora a
mulher, com quem j nada tinha que fa-
zer e nao fiz mal, visto que o 8;
castel acaba de me dar ordem de
pedir. A outra fez me comprehender por
signaes que a esperavam la embaixo, e
nao tinha neuhuma raz^o para a deter.
E: neoMMrioque.ella tenha ficado
exclamou Borodino :
,o deixar errar e cm
conneoe e porque
commigo o de carru
mo havia ella de achar o camn
em que mora'?
Grande sortimento de sabonetes de 200 >
19500 um.
Estojo com faca, gario e colher, propri.
para creanca.
Bengallas com flauta a 10500*.
Meias de IS para homens e senhoras.
Linha* dourada para, (toar crochet.
Lindas fitas para facha a 20, 30 e 400cl
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim t
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeira de 10, 2/
3c 30500 urna.
Rua Duque de Caxiasn. 103
Boyal Blend marca YIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel aq) cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca Vlado.
cujo nome e emblema sSo registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
m.
Urna vez que agora falla pergunto.
Entre os transentes que interrogar ha de
haver algum que comprehenda o allemo.
Mas falso, esto senhor enganou-se,
minha sobrinba nao sabe senao grego4 E
depois, lembre-se de urna cousa, urna mo-
ca szinha a que encontros fica exposta !
Ah disse Grisaille, ella nSo vai Ion-
ge vestida como est, com urna saia escar-
ate e um barrete, bordado a. ouro na ca-
beca. O carnaval j passou e sSo prohi-
bidos n disfarces na via publica. Pre-
dem-n'a e conduzem-n'a estacao.
E' o melhor que lhe pode aconte-
cer, disse o medico. Se eu podesse fa-
zer-me entender por ella, tel-a-hia avisado
que se ia expr a urna porcSo-de inciden-
tes... Julguei alm disso quq^ ella tinha
vindo de carruagem e que carruagem
esperava-a l embaixo.
- Sr. juiz, exclamou o cnde lovan-
tando-se, deixe-me ir embora. Vou tratar
e procurl-a. Minha sobrinha nao tem
tempo para ir muito longe... talvez que a
encontr... e rogo-o que assignale a a to-
dos os seus agentes.
Farei isfeenhor, c autoriso-o a er-
tirar-se, disseJlpSr. Francastel. nica-
mente queira ^roservar-se miuha dispo-
sigo. Hei de ter precisao de ouvil-o ain-
da e em breve o mandarei chamar.
- Quando quizer, senhor, respondeu o
tio approximando-se da porta,
f* Grisaille tinha boa vontade de lhe dei-
tar a mao quando elle passava.
Nao comprehendia nada daquella ordem
de soltura, depois do.quo acabava dse
passar.
, Uno rilancear de lhos do juiz formador
da culpa impedioo de se mecher e Boro-
dino sahio sem perder um segundo.
Logo que se achou fra, o Sr." Francas-
tel levou o homem da seguranca para ou-
tro gabinete e disse baixinho :
Agora ternol-o seguro.
Ainda ^to que o senhor Bfe
itcio qV^i^^K817 embora, murmuru
ille.
Quan n haixo ?j
n para o I
Liqu
D.59
do os artigos se-
guintes !
Rna Duque de Caxlas
Marinos de todas as cores a 200 rs. o co-
vado.
Lindo sortimento de alpacas modernas a
400 rs. o dito.
Zefiros de quadros a 80, 100 e 160 rs.
o dito,
Cretones francezas com 1 meti de largu-
ra a 280 s> ditor
Nansuks, cores firmes a 100 e 160.
Fust5es brancos bordados a 360 e 440 o
dito.
Bramantes de algodao a 700, 800 e 10000
metro,
dem de linho, superior a 10600 o dito.
Atoalhado bordado a 10200 o dito.
Superior madapolao americano com 24
jardas por 60OO a pega. .
Algod3es da cOrte, o melhor a 30500
40000 e 50000 a dita.
Cambraias bordadas* finissiraas a 40000 a
dita,
dem Victoria com 10 jardas a 20800. de
Ksguiao de algod2o a 40000 a dita.
Ricas guarniges de crochets a 70000 e
80000.
Cortinados bordados, novos desenhos a
60000 e 80000 o par.
Toalhas superiores, muito grandes-a 40000
a duzia. %
Meias inglezas a 30000; 40000 e 60000 a
dito.
Serofths bordadas de bramante a 140000
a dita.
Camisas rancezas e inglezas a.360000 a
dita.
Guardanapossuperiores a 20000 e 50000 a
dita.
Cobertas de ganga, 2 pannos a 20800
urna.
Lenges de bramante a 10800.
Colxas francezas, de cores a 20000.
Mantilhas e fichs a 10000, 10200 e 10500
Chales de la a 20000, cachemira, grandes a
30000.
Redes de cores a 30000 urna.
Cobertores de la brancos a 20400 um.
Cassinetas para roupas de meninos a 200
rs. o covado.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 10400
e 10800 idem.
Flanella azul ingleza a 10200 e 20000
idem.
Cheviots superiores a 30200 e 30500 o
dito.
Damascos de la para capas de pianos a
20000 o dito.
Pannos i ara mesas, novo gosto a 10100
10300 e 10800.
Espartilhos, luvas, grinaldas para noi-
vas, lencos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos por precos sem com-
petencia.
Rua Duque deCaxiasn.59.
LOJA DE
PEREIRA & MAGALHAES
Pao centeio
Mello & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao; rua larga do Rosario n. 40.
Movis
Na casa n. 183 rua Imperial, vende-se ba-
rato dous guarda-vestidos e urna cama para ca-
sal, tudo novo em foiba, de superior qualidade
c estylo moderno. _____
.Leite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio lo-
go depoi3 das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite.
Boa acquisicu
Vende-se ou arrenda-se um bom sitio na es-
trada nova de Agua Fria Beberibe, perto da
estaco da Encruzilhada, contendo casa com
bons commodoa para familia, mais urna casa
para negocio, um parreiral, coqueiros, sapotisei-
ros, laranjeiras, fructa-pao c outras fructeiras,
boa cacimba com aan potavel e terreno para
platmces de hortalices; a tratar na rua Duque
de Caxiasn. 30, padaria de Beirao & Almeida.
Milita atten^o
Na rua da Imperatriz n. 80, vende-se sapa-
tos de felpos para fro a 600 rs. o par, e de
criancas a 300 rs.
prender c vSo deixal o passar, como dei-
xaram padsar a sobrinha.
Desea depressa Chegue l abaixo
antes delle. Pouco importa que o veja.
Mande-o seguir por dous dos seus agen-
tes, mas ostensivamente... quero que elle
o perceba, porque vendo-se seguido, nSo
se atrever a ir a urna estacao do cami-
nho de ferro. Volta para casa delle e
quando os seus homens o tiverem deita-
do, como elles dizem, avisarSo os que se
acham embaixo ; que deixem entrar toda
a gente e n3a deixem sahir ninguem.
. Ande depresta e venha depois para
me contar o que fez.
Grisaille tinha espirito prompto e per-
na leve.
Est comprebendido, disse elle cor-
rendo para o corredor
O jaTfc veio ter de novo com o {medico
e disse-lhe rindo:
Meu caro doutor, o senhor nao ima-
gin a/pie ponto servio- a justiga.
No que foi ?
?Verificando que aquella moga nao
muda. Espero que mais tarde ha de de-
monstrar que ella nunca o foi. Mas .por
agora cont com a sua discricao. Nemuma
palavra de tudo isso no palacio, nem em
parte nenhuma.
O doutor prometteu caiar-se e despedio-
se para voltar ao tribunal do jury, onde o
esperavam para, fazer o seu relatorio em
um processo crime.
Pilois, disse o Sr. Francastel, vou-
me embora. Diga ao meu official de jus-
tiga que mande embora as testemunhas
que nao ouvi. Estarei aqui amanha de
manha,^s nove horas.
O juiz formador da culpa encontrou na
escada Grisaille, que subia e esfregava^as
maos, dizendo:
Cheguei a tempo. Tomou no bou-
levard de Palais um fia'cre, oujo cocheiro
um dos meus agentes e disse que o le-
vasse rua Berton. Oa camarade
guem em urna outra carruagem o etf dou
lhes a ordem. Tem| razo, Sr. juiz, te-
mol-o seguro e nicamente nSo tiveram a
A LOJA MAIS B^ATEIM
PAEIZN'AMERICA
AZEVEDO, IRMaO & ( ^
16Rua do B. da Victoria16
200Tdephone200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas c
que ha de mais novo e preeos sem coa-
petencia.
A saber :
Capas do surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de la e la seda.
Dmass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10200.
Crmoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 10500, com iti
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Ciiachemiras com 2 larguras a 800 ra.
Ditos de l e seda 2 larguras a 10OOC,
MadapoJo trancado a 90000 a pega.
Dito globo a 70000 a dito
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de 13 e seda 10000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos couraga a 40000 e 50000.
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 10500.
Renda de 12, preto, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama a
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
GuarnigSes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dito para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Coste para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite'
Grande sortimento' de chapeos
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustSo de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200

/'v

de

sol.
<*
Attengo
Vende-se a taverna sita rua do Bom Jess,
antiga da Cruz n. 53, com pouco capital, propria
para principiante, bera afreguezada ; a tratar na
mesma.

Chegaram!
Superiores camisas portugnezss peito de li-
nho, duzia 424000
Ricos cortes de cambraia bordados 10X000. .
Bonitos cortes de cretone com figurinos 9.
Superiores toalhas acolxoadas, duzia 43500.
Guardanapos de franjas bons, duzia 13600.
Casemiras inglezas de cores com duas largu-
ras, covado 25000. .
E outras muitas fazendas que se vendem por
todo prego para acabar.
Rua Duque de Caxias n. 49
LOJA DO TRIIIPHO
BASTOS & f.
A tten cao
o
Vende-se bons predios em boas ras, que se
recommendam pelte boas localidades e renda
certa, sao os caixes sitos rua Mrquez do
Herval ns. 35 e 37, oceupados com negocio, e as
importantes casas demorada: urna sita rua da
Palma n. 25, e outra rua da Conceicao d. 12 :
a tratar na rua da Conceigo n. 38," das 3 s 6
h .'ras da tarde.
,
wfc*-
idea de seguir a moca, mas havemos de
encontral a.
O juiz estova lisongeado e o policial
tambem. Mas nao tinbam anda seguros,
nem o tio, nem a sobrinha.
VII
De todos 03 personagens do drama co-
megado no atelier de Paulo Vitrac, so o
capitao Cavaroc tinha ficado completa-
mente alheio aos incidentes variados que
se tinham ^seguido ao passeio a cavallo
no Bosque de Bolonha.
Tinha recuperado os seus antigos hbi-
tos e nao sabia senaa^ hora de ir ver o
seu amigo, que come$ava a andar, e que
tinha de conservar no quarto apenas mais (
um ou dous dias.
Sem se terem combinado, evitovam fal-
lar na scena do baile c mesmo na formosa
sobrinha do Sr. Borodino.
Ainda menos se tratava de Vanda entre
elles.
Cavaroc nao a tinha tornado a ver, mas
sabia que ella tinha ido duas vezes sua
casa, emquanto elle estava ausente ; espe-
rava por terceira# visita, que talvez n2o
podesse evitar, e essa perspectiva alegra-
va-o moderadamente.
Comtudo,.o bello capitao nao peccava-
por excesso do prudencia, mas tinha bom
senso c sentia perfeitamente que nao tinha
nada a ganhar em se envolver-muito o*
pouco naquella rim questao.
Vanda esteva muito mettida nella, sen
que o capitao soubesse verdadeirampnte co-
mo, nem at que ponto.
Era o bastante para que elle fugisse
della como do fogo.
Pelo mesmo motivo tinha-se abstido, de-
pois de rerlectir, de se alpresenter em casa,
do condo Borodino, como tinha feito ten-
gao a principio.
NSo estava,. como Jonville, apaixonado
pela sobrinha daquelle fidalgo e nao tinha
muito vontade de encontrar na rua Berton,
Vitrac pintando o retrato daquella sosia da.
mora.
Biinar-s- &.> J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIVLEDKDM_WVE09B INGEST_TIME 2014-05-19T19:58:37Z PACKAGE AA00011611_19165
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES