Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19162


This item is only available as the following downloads:


Full Text
II mu


^^^^^^- ________-_
ANNO LXV NUMERO 159


wnnrfnii
PARA A CAPITAL E LUCAREI OMDE XAO SE PACA PORTE
9s meses adiantados....
Por Beis ditos idem.....
Por un auno idem ....
Cada numero avulso, do mesmo dia.
60000
120000
235000
0100
DIARIO DE


TELEGRAMAS
ssn;: mirchu so busio
16 de Jolho, s ti horas da
KATAL,
tr.i\Ie.
' Abrio-se coin
m&tica a seasao
bla Provincial.
as solemnidades da prag-
extraordinaria da Assem-
RIO JDE JANEIRO, 17 de Julho, s 3
horas e 40 minutas da tarde.
Foram declarados sera eft'eilo os decre-
tos qae nomearam para a giuirda nacional
os tenentes-coroneis comroandantcs dos ba-
taioes:
Do Ass, no Rio Grande do Norte, Soa-
res Maccdo e Tito Jacome;
Da Imperatriz, as Alagas, Mcndonca
IJchOa:
De CMinda, em Pernambuco, Luciano
Eugenio de Mello ;
. Da Escada, em Pernambuco, Rocha
Lins;
De Palmares, em Pernambuco, Flix
l'oreira ;
Da Victoria, cm Pernambuco, Cmara
l'imentol:
Panellas, em Pernambuco, Mello
De
Silva.
Toda a imprensa fluminense cstig-
niatisou o desacato feito a S. M. o Impe.
radors
O autor do tiro, Adriano Valle, subdi-
to portnguez, caixeiro desempregado, de
21 annos de idade, e filho de Adriano Au-
gusto do Valle.
Depois de preso, sendo interrogado,
confessou o crime, dizendo que tinha a
ntencao de suicidar-se.
S. M. o Imperador tem recebido muitos
telegreminas de sentimentos pelo desacato
une sofi'reu.
A Assembla Provincial de Minas, Ge-
jr*c approvou por unantadade. de voto
urna mocilo de pesar no mesmo sentido
INSTRgtfO POPULAR
AS BARDES NYEX0ES
INTIGAS K MODERNAS
NA8
Sendas, industrias e artes
POR
xix
O* difTrrcat>N mrlhodON de iiin
nnurn
(ContinuacSo)
E' por este corpo estranho permanecer alguirs
instantes dentro da chamma. qae o gaz hydro-
geneo bicarbonado goza de to notavei proprie-
dade illiiiiiinador.
Foi em rirtade {do mesmo principio que se
conseguio empregar para a i iluminaran a cham-
ma naturalmente muito paluda do "bydrogeneo
puro.
Bastou inirodozir nesta el anima un pequeo
cvlindro. rompostu de tos de platina muito del-
gados. Estej cylindro, elevado temperatura
rubro-branca, tem um brilho Tivissimo, Je torna
a chamma do hydrogeneo mmtissimo lumi-
nosa.
1 O bydrogeneo puro para a illuminarao produz-
se fazendo passsar vapor d'agua sobre carves
encandecentes. A agua decompe-se e produz
caz hydrogeneo puro e acido carbnico, que
depois absorvido pela cal. para se nao deixar
seno o hydrogeneo puro.
Este processo mu simples, mas sabe tao
caro o caz hydrogeneo, que anda nao foi possi-
vel ser adoptado para alumiar povoagoes in-
teiras.
Gaz porttil.Trasportase s vezes o gaz
para as casas em immensos carros |de{ foi ha de
ferro delgada, que conten odres elsticos mu-
nidos de urna torneira e um canno.
Para distribuir o gaz apertam-se por qualquer
meio urnas correiaa que comprlmem aquello odre
e impeliem o gaz para o gasmetro ou reserva-
torio do consumidor.
AS OUI DE STEARINA
Em 1831, pouco inais ou menos, comecaram a
usarse em Franca e as outras partes da Euro-
pa as velas de stearina. Imaginadas originaria-
mente para servirem de lluminago de luxo e
substituirem a dispendiosa vela de cera para a
illuminago das salas, este novo produelo fabri
cado por menos prego, nao tardou a ser geral-
mente usado na economa domestica. Substi-
tuiu ao mesmo lempo a vela de cera, que a in-
dustria j nao fabncava hoje. e em muitos casos
a propna vela de cebo, to desagradavel, e hoje
anda usada s por ser barata.
A vela stearica ou de stearina assim chama-
da por ser? formada de um acido graxo, a que
se da o nome de acido stearico. las o que
este acido stearico ? O acido stearico nao outra
QHTA-EBRA 18 DE JTJLHO DE 1889
PARA DESTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantados ...
Por nove ditos idem......
Por um anno idem........
Cada numero avulso, de das anteriores
20000
265000
100
RNAMBUCO
l
Tropriedade de Mamxt dixpdfrca de tyaria Sffljcs

-1

coosa mais do que o cebo que constilue a vela ,
amiga, mas onrdo, por oom wm**tmc*. ln ,h Tn_h> rhti.rl di
d'um cotnpesto liquido que enterra, o acrao olei-
co., ao (ual o c^bo empregado como vela, deve
todos os seus inconvenientes, a saber: a extre-
ma fusibilidade, molteza e mo cheiro.
0 cobo pode ser considerado como reuniao de
dous productos : um solido, o acido stearico : o
outro lquido, o acido oleico. A preparago que
soffre o cubo para ser transformado em acido
stearico ou vela stearica, reduz-se a limpal-o do
produelo liquido, isto c, do acido oleico, para o
reduzir a sua parte concreta, isto e, ao acido
stearico. Assnn desembaracado da materia li-
liquida que o acompanha no cebo, o acido steari-
co constitue urna materia secca, pouco fosivel,
sullicien temen te lluminadora, a qual inflammada
em urna torcida, que nao precisa ser espivitada
(porque ella se vai gastando a si nropria curvan-
do-se para dentro da'chamma c la se consom
inteiramente), da urna luz commoda.. limpa e re-
lativamente pouco dispendioso.
A preparago do acido stearico, destinado a
fazer as velas, consiste em decompr o cebo com
a cal; obtein-se assim um sabao de cal, isto ,
urna mistura de oleato e stearato de cal. Esta
mistura de oleato e stearato de cal depois de-
composta pelo acido sulfrico diluido com agua,
que forma sulfato de cal e pOe em liberdade os
cidos stearico e oleico.
Para separar osles dous cidos, retirar o acido
eleico liquido e s conservar o acido stearico so-
lido submette-se esta mistura, mettida em estofo
de la, a urna pressao exercida primeo a fri,
depois, a quente, por meio de urna prensa hy-
draulica. Por esta pressao, auxiliada com o
calor, o acido oleico escoa-se e s resta urna mas-
sa de acido stearico, branca, secca e friavel.
Derramada em formas, dentro das quaes se es-
tendeu previamente urna torcida d'algodao en-
troncado, esta materia constitue a vela de stea-
rina.
Ha duas phases differentes na serie dasopera-
rOes que tem por fim dotar a industria e a eco
nomia domestica do producto que nos oceupa.
Xa primeira a sciencia descobrio a verdadeira
composigo das materias graxas. e por conse-
guinte a do cf^bo, e demonstrou a presenga, em
iodos os corpos graxes, de duas materias die
rentes, urna solida e outra liquida, No segundo
periodo, transportou-se pratica e industria
esta descoberta da sciencia : applicou-se esta
transformaco do cebo em vela secca.
l'ni cbimico deNancy, chamado Hraronnot, foi
o primeiro que observou este facto geral, a sa-
ber : que todos os cornos graxos, seui exeepeo
se corapoes de dous principios immediatos, um
solido e outro liquido cujo predominio relativo
em qualquer eorpo graxo lhe commumea a con-
sistencia solida, semi Huida ou liquida. Outro
cliimico, M. Cheuvreul, fez em seguida conhecer
as moditicaees que os corpos graxos soffrem
pola aeco dos lcalis, e provou que a formaco
dos cidos graxos urna consequencia da aoyao
exercida pelos lcalis sobre as materias graxas.
Foi em 1813 qje M. Qievreol descobrio os
cidos stearico e oleico.
A applicac&o dos cidos graxos illuminarao
e a prodcelo manufacturara das velas stearicas
sao devidas a M. de Milly, que comecou em 1831
este fabrico, e o propagu depois por toda a Eu-
ropa. O nome de vela da Estrella, que algumas
vezes anda se d vela de stearina. provem de
que a primeira fabrica de M, de Millv etavagi-
Tni-PaRs
que foram hontem recolhidos Casa
Detncao, os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado da freguezia
de Santo Antonio, Maximiano Pereira da
Cucha, Luiza Mara da Conceicao, por
disturbios e Manoel Carneiro CampelbJJi
preso em flagrante por crime de ferimen-
tos.
A' ordem do do 2." districto da fregue-
zia de S. Jos, Jos Antonio Luiz Bran-
So, Joao Gomes de Oliveira, conhecido
por Joao Caixeiro e Jos Vieira da Cu-
2 batalhlo de infantaria, resultando em saldo
386 ria da im|iortancia de 69*556 em que foior
cada a respectiva despeza.
Ao gerente da Companhia Pernambucana
de Navegajao.De ordem do Exm. Sr. vice-pre-
sidentc da provincia, aecuso o recebimento do
oflicio.de i? do correte, no qual V. S. participa
que o vapor Pirapama seguir para os portos
do norte, at Cear, no dia 2." s .'i horas da
tarde.
Edita! :
De ordem do Exm. Sr. ?ice-prejidentc da pro-
vincia fucp.publico, para- os devidos effeilos,.
cdital, em seguida transcripto, pondo em con
curso o provimeoto da serventa vitalicia dos of-
licios de V e i." tabelliaes c annexos do teroaoj
da Pedra, ^
jt 0 secretario interino,
Manoel Joaquim SUreira.
O >r. Paulo C.avalcante de Albuquerque, juiz
rnurircipal dos tormos reunido de Buiquc e
Pedtn, em virtude da lei, etc.
Faco saber aos que o presente edilal vrem e
d'elle noticia tiverem e a quem inere3sar possa.
que, hanflo-8e em concurso os oflicios de jus-
tira do novo termo de Pedra creado pela lei n.
5, de 19 de Maio de 1881, os quaes na ausen-
cia de ka especial sobre sua creagao e deciso
em face do decreto de 30 de Janeiro de 1834,
que rcgu)a a materia, sao os de 1." e 2." tabel
hes do publico judicial e notas, servindo o 1."
le e.-crivo de orphaos, capellas e residuos, e o
2." das ^execuges civeis e crime, convido aos
(Contina)
PARTE OFFICIAL

Govenio da Provincia
3 secioPalacio da presidencia de Pernambuco. Em 13
de Julho de 1889.
0 vice-presidente da provincia, dando execugoa lein. 2.1HJ7
do 1" do corrente. ordena que se observe o seguinte
Kt'sulnmenlo
Art. Io Ficam restauradas as extraeges das loteras ordina-
rias da provincia sol as seguintes bases :
J O Ibesoureiro prestar urna flanga do valor de sessonta
mtos i ii:000000; em dinheiro, apolices ou bens de raiz.
1 $ O thesoureiro organisar os planos para a exiracgo das
loteras sob sua responsabilidade e remetter copia delles a
secretaria da presidencia e ao Tuesouro Provincial, e far publi-
cal-oe pel3 imprensa antes de expor venda os bilhetes.
5 :! 0 thesoureiro perceber lOporcento do capital das lo-
lerias para toiias as despesas com o cusleio das mesmas, inclusi-
ve a gratilicago de cmcoenia mil ris (W&iOO) ao delegado ds
polica que assistir extraeco e nomeara os empregados que
ar necessarios.
; i" Constitairio beneficios quinze por cento de imposto
cedidos por loi geral aos beneticiados.
S Nao poder ser extrahida a lotera sem que o thesourei-
ro tenha recomido a repartico competente o sello c beneficio,
devendo exhibir ao delegado no acto da extraegao os respectivos
cooheciuientos de quitaco.
S fi Os premios que nao forem procurados no lim de seis
meses, depois da exlraecSo, licaro pertencendo ao thesou-
reiro como rctribuicio aos biltietes que nao forem vendidos, com-
netindo ao mesmo thesoureiro adiara extraego das loteras, no
caso de necessioade, conlauto que este adiamento nao exceda de
?eis mezes.
S 7* O fltesoureiro poder extrahir as lotera? por si ou sen
iireposlo.
5 8 Ficam as loteras isentas Je qualquer imposto proviu-
cal e municipal, devehdo o thesoureiro pagar atinualinonte para
os cofres provinciaes a quantia de quinhentos mil ris.
S 9 O thesoureiro prestar annualmente, perante o Thcsou-
ro Provincial, conta corrente do capital das loteras extrahidas,
demonstrando os sellos c beneficios pagos e a impoitfncia de sua
commisso.
5 10. As loteras serio extrahidas em* machinas Fichet, ou
GUtra mais aperfeigoada.
S II. As extracgOes das loteras serio divididas em partes
do capital coacedido.
% 12. Fica prohibida na provincia a venda de bilhetes de lo-
teras estrau^eiras. da corte ou de outra qualquer provincia : os
infractores, sendo vendedores ambulantes, pagarSo 50-3 de multa,
alm da perda dos bilhetes, e sendo casa, 200 j e perda dos bi-.
Hieles apprehendidos.
S 13. Podero approhonder 03 bilhetes o thesoureiro das lo-
teras, empregados pblicos, autoridades policiae3 ou municipaes
e qualquer pessoa do povo : observando-so o disposto no art. 10
e seu paragrapho c art. 13 e seus paragraplios do regulamento
4 de Julho de 1887.
14. O valor dos bilhetes apprehendidos e multas serao divi-
didos cm partes iguaes, sendo urna para a ronda da provincia
outra para o apprehensor.
$ l.'i. Para maior cffectividade da probibigSo, de que trata o
presento rogulanionlo. o administrador do Corno, cheles dt t^-.*
partiges, e outras autoridades exorcoro toda a vigilancia para,,
apprehenso dos ditos bilhetes.
g 16. A extraego das1 loteras ser presidida por um dos
dous delegados de polica da capital, nomeado pelo presidente da
provincia ; servindo o outro em seus impedimentos.
Art. 2. P.evogam-se as disposices em contrario.
Barao dk Cair.
pretenderites aos referidos oflicios apresentarem
seus rperimentos dentro do prazo de\30 das,
como aUpe o art. 1." do decreto n. 3,332-de 14
de Julho de 1887, combinado com o art. iVdo
decreto;*:. 817 de 30 de Agosto de 1831 e art
do deeteto n. 9,344 de 16 de Dezembro de 1
i lutrosim, faz mais saber tambem aos preter
denles se os requerimentos devem vir instrui-
dos cdn exame de sufliciencia, de conformidade
com o dfeposto no decreto n. 8,276 de lo de Ou-
tubro de 1831 e mais formalidades exigidas no
art. 14 io citado decreto n. 817 de 30 de Agosto
de 1851.
K pai que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que ser aflixado no
lugar mais publico da^coslume, e d'elle se ex-
traer copia para sMeiiiotlida ao Exm. Sr
presidente da provincIT para o lim indicado no
arl. 157 do decreto n. 9,420 do 28 de Abril de
1883, com declaragao do dia da affixago e pu-
blicagao do present edital, o qual ser certili-
cado pelo porteiro dos auditorios, como deter-
mina o art. 153 do citado decreto de 28 de Abril
do 1835.
Dado c passado nesta villa de Pedra. aos 23
de Maio de 1889.
Eu, Joo de Moura Cavalcante, escrivao inte-
rino, o escrevi.
E nada mais se continua em dito edita! cima
copiado do proprio original ao qual me reporto
c dou fe.
Eu, Joao de Monra Cavaleantc. escrivao inte-
rino, o escrevi.
Certifico mais que pelo porteiro dos auditorios
me foi entregue a certdSo de tixaeo do cdital
retro, a Altai 6 do tlieor seguinte :
Manoel Joaquim Pintadinho, porteiro interino
nos da P^-a^em virtude da lei,
Certifico que aflixoi na porta da Cmara Mu-
nicipal desta villa, hoje, o edital convidando
aos pretendentea aos oflicios de justiga do novo
lircio da Podra, de que trata o mesmo cdital.
# referido verdade o dou f.
Villa da Pedra, 23 de Maio de 1889. O por-
teiro interino, Monoai Joaquim PinUdinho.
E nada mais eo continhu em dita certido
cima transcripta do proprio original, ao qual
me repo to e don f.
Escrevo e assigno.
Eu, Joo de Moura Cavalcante, escrivao inte-
rino, o escrevi e est conforme.O escrivao in-
terino, Joo de Moura Rolim.
de .'
de
"alia, por disturbios
A' ordem do do 1. districto da fregue-
zia da Boa-Vista, Severino Jos de San-
t'Anna, Manoel Menelio do Nascimento,
por di-turbios e Francisco Rodrigues de
Almeida, por embriaguez e offensas mo-
ral publica.
No dia 9 do corrente prestou juramento
e assumio o exercicio do eargo do subde-
legado do districto da S de Hinda, o ca-
pitao Candido Quedes Alcoforado na qua-
1 idade de 1 supplente.
Anda no dia l' tambe ni do corrente,
assumio o exercicio do cargo de subdele-
gado do districto de S. Pedro Martyr d'a-
quelle termo, o cidadao Miguel Francisco
do Sonza Reg.
Communicou-me o cidado Francisco
Henrique da Silveira Tavora, ter nesta
data assumido o exercicio do cargo de
subdelegado do 2." districto da freguezia
de S. Jos, na qualidade de 1." supplente.
No dia 11 deste mez prestou juramento
e assumio o exercicio do cargo de sub-
delegado do districto de Catende o cida-
dao Felippe Nery Paes Barrcto'
Participou-me o cidadao Jos de Abrcu
Pereira, que no dia 1. do corrente, pres-
tou o devido juramento e assumio o exer-
cicio do cargo de subdelegad" do G. dis-
tricto do termo da Victoria, na qualidade
de l. supplente.
No dia 10 tambem destu mez, assumio
o exercicio do cargo de delegado do ter-
mo de Bom-Con8eiho, o cidadao Manoel
Cassiano de Freitas.
O tenento Jos Ferrara Dutra, tambem
no dia 10 do oorrente assumio o exercicio
do cargo de subdelegado do 1." districto
do referido termo de Bom-Conselho.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
r. Barao "de Caiar, muito digno Io vice-
presidente da provincia.O chefe de poli
cia interino, JotLo Augusto de Albuquerque
Maranhao.
DE
DO DIA 20 DE JIMIO DE 1889
A 20 DE JIMIO DE 100:> EXPEDlXTB Dn DIA 19 De JtXHO DS 1889
V.'tos I Actos :
O vice-'iii'iiieiite da provincia, de conl'or- O vice-presidonte da provincia resolve
ui'dade com o art. 1" 6o da lei n. 2,033, de 20 exonerar, a pedido, o bacharel Honorio de Bar-
jetembro do 1871, resolve desiguar o bacha- j ros Wanderley, do cargo de delegado do ""
re Joo Augusto do Albuquerque Maranho
para servir o"lugar de chelo de polica, em sub-
sfttuico do effectivo, que participou haver in
f rrompido o exercicio de seu cargo por ncom-
i'iodos de sade. Fiz-ram-se as aecessanu
comfriunicacc;.
0 vico presidente da provincia, atienden-
do ao que requereu o bacharel Manoel Joaquim
Silveira, secretario interino desta Presidencia",
r ve exoaeral-o do referido cargo.
O vice-presidente da provincia, atienden-
do ao que requeren Bartholomeu Portella Pessoa
e Mello, oflicial de gabine;e desta Presidencia,
resolve exoncral-o do referido cargo.
u vice-preitlente da provincia resolve no-
aiear o bacharel Manoel Caetano de Siqucira
Ican par exercer o cargo de oflicial de
gabinete da Prusideucia.Fizeram-se as neces-
saxua.-ConimonicagGcs.
O vlco-presidenlt da provincia, attenden-
do ao qnMe/|uereu o bacharel Joo Agostinho
erra Cnvalcanli, promotor publico
Itamb resolve exoneral-o do
g.Fizeram-se as necessarias com-
as autoridades da provincia.
V. que, por ordem do governo im-
te do telegramma do Exm. Sr.
Berio, de 16 do corrente, c de-
o juramento da lei perante a
' desta cidade, assumi hoje a
provincia, na quali lade de Io
lor da Thesouraria de Fazenda.
ntes. communico a V. 5.
smu a servir o lugar de se-
sbsssppo lenle Emiliano Erncs-
)rrc. oflicial-maior da Secre-
Hencia, em substituicao do ba-
_1 Joiquim Silveira, que foi exoue-
a pedido/pelo aren antecessor.Igual ao
?tor do Tb'eSPOro Proviocia!.
Ao adniinMrador da Hepartigao dos Cor-
2 dis-
tricto litterario do lermo de Serinhem.
O vice-presidente da provincia resolve
exonerar, a pedido, do cargo de delegado do
districto litterario de Preguira, do termo de
Agua Prota, da comarca de Palmares, Felippe
Nerv de Farias Sales.
O vice-presidonte da provincia resolve
exonerar, a pedido, Augusto Jos de Moraos do
cargo de delegado do districto litterario de Pal-
metra de Guranhuns.
Oflicios :
Ao commandante das armas interino.
Defenndoo requerimento do soldado do 2 ba-
lalho de infantaria Antonio Luiz dos Santos,
lutoriso V. S., a vista de sua nformaca n.
1.333, de 17 do corrente, a conceder baixa do
servigo doexercito referija ,
que o sul.stituto apresentado estoja as condn
ges da lei.
Ao inspector da Thesouraria de Fajeada.
Declaro a V. S., para os devidos fas, que o
Ministerio da Marinha coiimunicou-m^ por
aviso de 10 do corrento, n. 1,223, quffnossa
data permittio que o Io tenente da armada
Afrodisio Fernandos de Barros, nomeado com-
mandante do patacho faquerquer, consigna men-
salmcnte a seu procurador nesta provincia, co-
megando do Io deste mez, a quan'ia do 60000,
dcduzida do respectivo sold.
__Ao Dr. juiz do direito do 2" districto crimi-
nal da comarca do Hocife.-Transmiti a V. S
para devida execuco, copia do dee. de 19 de
Abril ultimo, perdoanlo a pena de gales perpe-
tuas que est cumprindo no pqaidio do Fernan-
do de Xoronha, segundo consta do ollioio junto
por copia, da presidencia da Baha, o reo de no-
me Joo, cx-escravo de Joaquim Fernandos Car-
doso.
Ao presidente do banco Industrial o Mer-
cantil do Rio de Janeiro.Remello a V. S. oin
cluso recibo da quantia de. 16:7364737 entregue
pelo thesouro de*ta provincia casa Pereira Car-
neiro & C, para por ella ser enviada a esse ban-
co, aflm de seren pago-; os juro3 do semestre de
Janeiro a Junho corrente das apolices da divida
provincial ahi emittidas por intermedio do mes-
mo Banco.
D'aquella importancia, segundo a dem
gao junta, a de 10:6935 reforo-so propriaWnt
aos juros e a de 41*737 *ommisso de 1,
pelo servigo do pagamento dos referidos juro?'
nos termos do contracto.. Communcou-se ao
inspector do Thesouro Provincial.
AO inspector do Thesouro Provincial.Pro-
videncie Vine, para que soja indemnizada a le
gago brazileira em Londres da quantia de
10, 17, 6, importancia da puldicagp no jornal
Times, do edital de 29 de Abril, chimando con
crrenles ao novo contracto de illuniioaco a gaz
desta cidade, conformo communicou a esta pre-
sidencia o nosso enviado extraordinario alli, o
Exin. Sr. Visconde de Anuos, eai ollioio de 29
de Maio ultimo e consta dos documentos juntos.
-Communicou-se ao ministro plenipotenciario
do Brasil em Londres.
Ao inspector de hygiene.Informe Vmc.
com urgencia, sobre o pedido aqui junto, de me-
dicamentos para a pharmacj do presidio do Fer-
nando do Noronha, ao qual'toinpanha o oflicio
prag, urna vez ,do respectivo director Je l do corrente mez,
sob n. 160, que devolver.
Ao director engenlioiro chefe no prolonga-
mento da estrada de ferro do Recife ao S. Fran-
cisco. Declaro a Vmc. que por aviso do Minis-
terio da Agricultura Commercio e Obras i'ulili-
cas, de 10 do corrente, foi approvado o acto des-
ta presidencia de 22 de Maio ultimo, prorogundo
por 60 dias a liconga concedida por Vmc. ao
agente da estaeo Cicero Vieira Torres Qraogai
ro para tratar de suasaude.
EXPEDIENTE DO DR. SFCBBTARIO
OlBcios :
Ao Dr. juiz do direito do 2o districto crimi-
nal da comarca do Recife S. Exc o Sr. vice.-
presidente da provincia para poder cumprira
ordem constante do aviso por copia, do Ministe-
rio dos Negocios da Justiga de 10 do* corrente
mez, recommendo a V- S.. que informe se o
sentenciado de quem traa o cilado aviso, adia-
se na Casa do Detengo ou no presidio de" Fer-
nando de Noronha.
,- Ao commandante superior da guarda na-
cional da comarca de Liraoeiro.(i Exm. Sr.
vice-presidente da provincia manda aecusar o
recebimento do oflicio de V. S. de 12 do cor-
rente, de sujo assumpto tica inteirado.
Ao emjeiiheiroeiicarregado das obras mi-
litaresO'Exm. Sr. vico-presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. que fica inteirado
pelo seu oflicio n. 335 de hontem datado de se
' o cano de esgoto da cosinha do
DESPACHOS DA HRKSIDKNCIA DO DIA 12
JULHO DK 1889
Anna de Hollanda Cavalcante UchOa. Xo-
meie se professora publica eflec ti va da cadena
de Catende.
Antonia Bazilia Bardour. Nomeie-sej)ro'''s-
sora publica elToctiva da cadeira de SrJose da
Coru Grande. .
Francisco Alves de Carvalho Barro?. Preju-
dieado.
llcrmclindo de Almeida Alcoforado. Passe
portarja provendo o supplicante.
Mara das Mem'-s Garcia Chaves. Indeferido.
Mara Julia da Bessurreigo Cruz. -.Nomoie-se
professora publica eflectiva da cadeira de Flores.
15
stiluto Benelicente dos offlciues da guafda
onal do Recife.Sun, pagando a contribui-
gSo do que trata o art. 514 do regulameoto do
16 de Marco de 1885.
- 16-
Anna Adelaide de Almeida Vellez.Sim, com
vencimentos na forma da loi.
Carlos Frederico de Moura o Cunha. Por for-
ga do disposio no art. 11, .2" orle do regula-
monto do ^ de Novembro de886acham so pros-
criptos os premios da grande loleria em iavor
dos ingenuos da Colonia Isabel, exlrahida em
8 do Margo de 1888 e por isso nao f do o sup-
licante sor attendido.
? Caelano da Coaja More ira. Aprsente sua
proposta no prazo marcado uo cdital de hoje
Delmiro Sergio da1 Farias.A'enha por inter-
medio do inspector goral da Instru gao Publica.
Frederico Hamos.Informe o Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
Joaquina Laura Pessoa.Encamisme-se.
JooPernaiidBS Soares. Informe o Sr. ins-
pector geral da Ias.tri)R]g&0 1'uiiUci.
Jos Silvino de Albuquen|uo Maranriao.Con-
corra a Otaca
Ciipilw Libanio Presulio.do Carvalho. Re-
as Sr. commatdanle superior da guarda
nacional da comarca do Recite para mandar
pa#ar a guia de que trata o art.-45 do decreto
u. 2395 de l de,Margo de 1853.
Manoel Monto-Falco do Cerqueira Bello.In-
deferido.
Haaoel Thomaz de Albuquerque Baranhao.
Indeferido.
Siceas da Silva Gusmo Concorra a praga.
Roba, k Brothers e Abe Steiu & CDeferido,
com odie:'i de hoje ao Thesouro Provincial-
Salfzar A Companhia. Neg provimento ao
presufte recurso, em vista das mformaeoes
t'reta
' V cente Ferreira de Albuquerque Xnscimenlo.
icorra a piara.
fc Joo Silveira Carneiro da Cunha.ue-
erido.. .\ esta data nomeio urna coinm.ssao
compOSte do director da Escola Normal como
ente, e dos professores d'osse estaboleci-
bachareis Avres de Albuquerque Gama e
Jesui'io Lopes do jiruuda.^paia examinar o sup-
plicauta.
bocrataria da Presidencia de Pernam-
buco 17 di Julho de I88y.
O porteiro,
Chacn.
Kicpur4ir;o da Pl
2.* seccaON. 847
licia de Pernanibu Sr. Participo a
C ominando das Anuas
QUAETEL DO COMMASDO DAS ARMAS IXTE-
RIXO DE PEKSAMBUCO, 1G DE JULHO DE
1889.
Ordem do dia n. 819
Fazendo boje entrega do commando das armas
desta provincia que interinamente oxerci, des-
de 18 de Margo ultimo, ao Exm. Sr. coronel do
corpo de engeiheiros, Dr. Jos Cerqueira Agolar
Lima, nomeado por portara do Ministerio da
Guerra, de 8 do torrente, para tambem exorcel-o
interinamente, lisongeo-me por termos frente
da administrago militar um cantarada distincto,
que bem pode alliar os rigores da disciplina
com o Dem estar de seus commandados.
Agradecendo aos Srs. commandantes de cor-
pos, fortalezas delegado de cirurgio mor do
exercito, olliciaes do corpo de sade, da repar-
tigao ecclesiastica e arregimentados e as pragas
da guamigo a efficaz coadjuvago que me pre-
staram no interesse do servigo publico, louvo-os
por scmelhuiite motivo.
E'-nie agradavel especializar o Exm. Sr. bri-
gadeiro honorario Francisco Joaquim Pereira
Lobo, os Srs. tenentc-coronel Antonio Francisco
da Costa, cirurgio mor de brigada Dr. Manoel
Lopes do Oliveira Ramos, major honorario Jus-
tino Rodrigues da Silveira. capitao Joao Justi;
niano da Rocha, tenonte-ajudante de ordens in-
terino Jos Xavier Figueiiedo Britto, amanuon
sos e porteiro da secretaria militar e mui parti-
cularmente ao respectivo secretario interino o
Sr. tenente Jos Carneiro Maciel da Silva, pela
lealdade, dedicago, zelo e iutelligencia com que
se houve no deserapenho de suas funeges du-
rante o tempo do meu commando.
(Assignado). Antonio Florencio Pereira do
Lago, teaente-coronel commandante das armas
interino.
------------------------------
Thesouro Provincia!
DESPACHOS DO DIA 12 DE JULHO DE 1889
Oflicios do commandante do corpo de polica,
sobre ajuda de custo a diversos olliciaes. Do
conego Antonio Arco-Verde de Albuquerque Ca-
valcante, sobre o pagamento a E. P. Bolitreau.
Do Dr. chefe de pocia. sobro l'ornecimento de
canecos a Casa de Detengo. Do mesmo, sobre
fornecimonlo de dinheiro a preso pobres, lien
rique de Barros Cavalcante, Francisco Antonio
do M. Lima, bacharel Timoleao de Albuquerque
Maranho, Jos Francisco F. de Mondonga. Ofli-
cio do administrador da Recebedoria Provincial,
sobre Joaquim da Silva Salgueiral. Do mesmo,
sobre Jos Gomes Marinho.-Informe o Sr. Dr.
contador.
(lllicio do procurador dos feitos, sobre o xc-
cutivo de Clara Joaquina de Oliveira Moura, Joao
Rodrigues de Moura, Antonio de Vasconcelos
Florencio, coronel Antonio da Silva Florencio
Volto ao Dr. contador.
Oflicio do administrador da Recebedoria. sobro
Ca los Sidney.Ao mesmo para cumprir o des-
pacho da junta.
Ii i mesmo, sobre Antonio Joaquim Casco -
Ao porteiro para lomar as devidas notas e de-
volver.
Ao.na Barreiro do Nascimento. Informe o
administrador da Recebedoria Provincial.
Oflicio do procurador dos feitos, sobre Igna-
cio Ferreira Lima Baracuhy.Ao porteiro para
entregar ao in'eiessado. .
Alves Irmiio & CInforme o administrador
da Recebedoria'Proviewt.
DIARIO DE PERNAMBUCO
A lei do orcameato provincial
Aps uina va trabalhosa, depois do transcur-
ro de duas sesses ordinarias e estrilmente
passadas sob a relagao deutilidade publica, veio
Po- ji lutne a lei do orgamento para o exercicio
jro de 1889, sob n. 2009 e data -de 1 e
a 10 de Julho corrente.
Assignala esta lei um facto memoravel.
Verdadeira superfetagSo, urna vez queaquelle-
oxercicio j vai em mais de meio ; verdadeira
anormalidade pela vigencia no mesmo exercicio
de doas le3, cujas disposigGes diversilicam em
pontos idnticos, erige ella assim urna especi.
de aruarcha no servigo; e o seu typo caracte-
rstico se accentua no vexarae ,ao contribuintt.
no mal fazer provincia, e as difticuldades a
administrago em sua3 relages de percepgae
dos impostos e de execugao das despexas.
Com certeza melhor teria sido, maior servigc
houvera se prestado a provincia, se o respectivo
administrador tivesse, com fundamento consli
tucional que lhe nao faltava. devolvido a reso-
lugao, que, pejada de taes inconvenientes, con
vertida como foi em lei pela competente sane-
gao, nao traduz o que esse acto representa na
vida do governo constitucional.
Nos governos dossa forma, so da propna
natureza um orgamento das necessidades e dos
recursos de que dispe a administrago para sa
tisfazel-as, certo tambera que esse orgamento,
o regulador da receita e despeza, tejn um perio
do de aegao prediflnido, em que ella se exerce
e no qual se executam as operagoas respectivas.
Esse periodo nao se roeonhece seno em toda
asuaextensao sem solugio de continuidade, in-
tegro ; e por isso regularon ote excine urna pro
miscuidadede leis, que no mesmo periodq ve-
nhara radicalmente reger a situago lioanceira.
Mais avisado, mais corneto foi o legislador de
1879, alias liberal tambem, quando,emcircums
tancias iguaes, approvando pela lei n. 1350 de 6
de Margo de 187'.i a portara presidencial Stt de
Julho de 1878,'que prorogou ;a lei do orgamento
n. 1261, raanteve a esta na vigencia at o encer-
r do exercicio linanceiro correspondente^ sem
substifuil-a poroulra, que so foi dada posUBrior-
mente para reger o anno subsequente.
Efleito da evolugo o procedimento actual, ou
srientagio mais esclarecida a conducta paSsa-
da?
Lei para reger menos do um semestre linan-
ceiro, mesmo assim esse producto enfesado nae
doixa de ser grandemente offensivo em suas de-
cretages da receita e despeza. Si nesta, seja
dito em synthese, a moderago nao est em
odor de santidade, naquellarevolveu-se tudo : a
massa contribuinte foi votada s furias infer-
naes. por accresciraos de laxas, por levantamen
to de novos impostos, pela contnbuigao do vin-
tem sobre volume de carga ou bagagem as vias-
frreas e pelo novo addicional de 10 |. a todas
as imposiges.
E por cumulo, a.nova creago da taxa de 3^'*
sobre os gneros e productos nacionaes entrado
de outras provincias.
E' o exato remate do rendilhado dessa cons-
truego to tongamente traba'.hada, to custosa-
inente conseguida, sem que podesse chegar no
entretanto ao equilibrio, que a primeira quali-
dade de um orgamento bom pensado, elaborado
luz de umaapreciago cuidada das necessidadei
e dos recursos.
Nao basta um equilibrio meramente material.
O orgamento tem o seu equilibrio moral, c este
consistindo na proporgo das despezas entre st
e de harmona com os recurses reaes, deve por
sua existencta eflectiva assegurar a marcha
administrago, desembaragada pela sufliciem
de ineios para execugao do dispendio decret;
Ora, si sob a referencia restrictamente fi
pode essa machina ter de linanceira at corlo
ponto a sua estruciura ; sob a social d ella co-
pia evidente de desconhecerem-se principios
econmicos do que nao licito prescindir,
foram pospostos procura de accumular
ges para sommarem u'uui equivalente da sup-
prosso dos direitos de exportago: e sob a
poltica, emlim, ostenta-se na franqueza da in-
constitucionalidade palpitante de varias de suas
derretages.
A' esta apreciagSo rpida feita pela flor do
conjuncto dessas decretagoes, conclue-se que a
lei do orgamento por defeitos de essencia. por
excossos na taxago, por incidencias quasi im-
possiveis. por despezas desarrazoadas, nao sa-
tisfaz aos lins de urna lei de meios, mais com-
prometo a situago econmicolioanceira, e traz
finalmente cm seu bojo o dficit, cujas .propor-
ges nom calcular se pode.
E a administrago, prestando a sua saod$ao
urna resolugo iugada de taes vicios, com cer-
teza nao os esludou em seus efeitos, nem atten-
deu s consequeneias praticas que delles pro-
viro, de difliculdades para a mesma idminis-
trago. do desastre para a propria provincia.
De parte mesmo a inconstitucionalidade, sem
fazcj cabedal d'olla, calcu'aram so os resultados
dos accrescimos das taxas o das novas impost>
gOes afira de veriicar-se a sua equivalencia ao
producto de fontes de renda que fram suppri-
midas ?
Mas nao basta va chogar-se essa igualdade to
somonte. A repartigo fitianceira. no orgamento
da receita e do;poza, aecusava um dficit de
450:1805732; e a elle portanto. era preciso pro-
ver de modo a ser annullado das operages
Sobro isso providenciara aquejla resolugo,
proporcionando os recursos relativos?
Si o fez por fhcluso no augmento-das taxas e
na croago das novas reccitas, estas devoriam,
para allingir-se a este fira, produzir lanto que
cohrsse a alludi la equivalencia, e mais o alga
risms do mencionado dficit.
Isso porm, simplesmente o impossivel. -
O accroscimo das taxas dos 3, 4, 9, 17
22 parte 2.a, 41 e 34, e o productos das novas
imposiges dos 23 a 27 e 69, cbegarSo por
ventura a cabrir o desfalque da resda resultante
da reduego dos | 12, ^ e 32 e da extinc"
gao dos direitos do exportgio sobre o assucar
c o algodao, consignadas nos
tenor n. 1*84 oa somma de 30j. 019^385. M

%
ii



)
Diario de PernambucoQuinta-feira 18 d



\





r
nao podero cora certeza fater receita era qnan-
tia que represente accuroulada a importancia da
renda substituida e aquella do dficit notado^
;ujo total aiada sobe a tuais, por augmento na
despeza decretada e nao considerado no respec-
tivo calculo pela anterioridade deste.
Nao era pus, urna refeolugo que devesse ser
sanecionada
HY4X(4S E COMEMIO
todos os propietarios para o eslabelecimeoto de
burgo* agrenlas.
Disse o Df. Coelho Campos:
Entendo que a lavoura dotedadaoppafe hos
-aperfeicoados poder resistir a en
Conven) duplicar as quantias ISrnecidas por
auxilio s provincias at esperar a fundagao de
bancos aercolas: dez ou vinte'mil comes espa-
ldudos pelas provincias, produziro muitos bene
llcios. Alera disso faz- se preciso reformaras
coudices de crdito e crear ageucias nos cen-
tros pn ductores.
H4o concordo cora bancos regoaaes, pela dif
flcoidade de venda das lettras hypotliccarirs :
conven), poucos bancos, e estes, cora suecur-
saes.
o pens que o estado da lavoura seja tao
mi como se assevera e aprsenlo a exemplo de
Si-rvipe, cujas colheitas, depois do i3 de Maio,
Hiera m-se menos mal.
Entretanto a ordem do traballio eslava eom-
Uma revista estnuigeira- escrevendo sobre o
calor do ouro e a baixa dos preco.-, assun ex-
psessa segundo t-ae no Jornnt dos Bmaonnuas:
A crise economica.que airavessiU) tedas as ic.
atastrias devida ama crjgens dietwctas: a *u- promettida pela dispersSo, e o assucar de ras-
- tos; porm, apezar de tudo, as propriedades que
viliam 00 contos, sernpre valem 35. .
O que estamos vendo, apenas urna trans
Cao : dentro de 2 anoos ou 3, a situacao la la-
voura melhorar-, podendo-se, pois, duplicar
sera risco, a quautia adiantaJ.i a cada provincia
e a ca la lavrador.
Era Sergipe, durante a colheita actual na->
houve falta de bracos : Sergipe .a segunda pro
vincia na exportago do assucar; e depois de 13
de Maio. fez se regularmente a colheita ; n5oine
lio, porm, nos libertos.
Anparecerara tentativas de disperso, mas
apena- o delegado de polica recrutou dous ou
tr"s radios, cessou a debandada. Fallare) frao
co : a preconisada lei 'lo trabulha urna utopia
O mais eflicaz, o recrutaraento 5em entend.Io,
e applieado somenle aos vadlos indisciplinados;
e tenho que a commissao de ve aconselhar medi-
das poiiciaes, para obter o restabeleciraento do
trabalho.
Dinheiro e bracos, nao so de que se precisa,
porque isso nao obtem precos rerauneradores
para os productos.
A priraeira de todas as medidas sao tratado?
do commercio.
No relatorio do ministerio da faienda, o ora-
dor vio que ja se linha estu-lado o lado lis-al da
questo, e que iara srtr expedidas ordens para
celeorar convengo cora os Estudos Unidos.
E' medida tao capital, como a de dinheiro.
Disse o Sr. Angelo Caaiara :
Os bancos de emissao e os bancos agrcolas
entrelncam-se perfeilamente. Os primeiros au
x'liarao os qne forera fundados cora base terri-
torial. Serio desviados os obstculos exiqni-
hilidadc da lei.
Os bancos de anisado influirn p i lero-amen-
te sobre o desenvolvimento da pro.lucgio do
pail; s'o inseparaveis os dous elementos.
A prodcelo augmentando, pela circulago de
capitaes, valorisar a trra, e a propriedade dei-
xar ile ser immovel.
A'iramobihdade das Ierras, a raa falta do va-
lor venal, sao Obstculos immigrac/'o. Sem
ilesenvolviraento do crdito, para a valoris.icao
da trra, ser impossivel ampliar os mercados,
pa^a as latina hypolhecarias, e po Je re dla.-
enlrarera concurrencia effectva com as apoliecs
geraes.
Sera a aeco official no poder a iniciativa
era i'.in paiz novo,
SSui'co'da" moeda metallica por effeito da aes-
monetlsag&o da praia, e aos progressos teclinolo
neos introduzdos na producto e nos transpor-
tes no ltimos vinte anuos.
O Dr Soebeert, que ura dos economista, que
ooui oaMwiiH.'"lio tcm se deJicado a reunir
JS SK para a resulucao deste grande pro-
blema acaba de publicar no Hambwgacliee
3oer*cn Halle ura intere3sante trabalho que me-
rece ser estudado em sua parte mais essencial
pelos nosaoa dados que traz a tao debatida e com-
plexa questo.
" E' facto evidente que os precos dos principaes
rticos de producto e consumo tcm tido impor.
Unte baixa nos ltimos anaos ; a o Dr. Koeb-eri
tendo acompanhado o movimeuto dos precos de
114 mercaduras, formulou um estudo pioporcio-
nal em que estas cstao reuuidas era oito claaaes
.: o prego medio nos artigos no periodo de 184/
1850 e representado por-100. dando os refe-
ridos 114 artigo* o seguale resultado :
De 1847 a 1850 J"
De 1871 a 1875 *-jjj{
ne*S l3'08
Era -eral a tendencia em 1887, posto que era
menor nroporgo, fol tambera para a baixa.
Al"uas economistas a'tribuera a alta que Uve-
ra os pwco al 1873 adiminuiso do valor (po-
der do :a nl.io) 'lo ouro, e a baixa coraegada era
1876 e continuada at hoje ao augmento devido
menor produccao deile e a depreciaco da
pF\ unxluccao do ouro tera certa mente dirainui-
o'dsde 1876, mas esta redueyaai nao tera sido
orOL'ressiva nos ltimos annos; e demais. o stock
onetarto a actual sut ienie para as transac
oes commerciaes, como o demonstrara as gran-
des existencias que os bancos possutm em suas
caixas v o Upo ^ ,axa oi demonios, que tem
aido relativariiente baixo nos ltimos annos.
' scundo o raesmo economista, nao e possive,
era vista desses dados, allribuir a baixa -los pre-
cos 44Mninuiy2o na extraccao do ouro ; e quanto
adeprenaco da prala, a-sulla ellal>>g
medie da a.undante produccao de lt>8.J a 188b,
^m nae extadiiram das-.'ninas tres milnoes ue
wKmraas contra i,*30:00OUe 1876 a 1880.
A deureciaco do metal brauco tem dado era
resollado o augmento de produccao e exportacSo
de certos ainos nos paizes que adoptaram a
nraia como base do seusyslema monetario, como particular ser completa-la
tem acontecido principalmente na India e uo c
Esta concurrencia nos mercados, unida ao ba-
rateamento dos precos de transporte, a abun
dancia de capitaes e aos progressos scientiULO,
e technicos sao a* principaes causas que tem
determinado a baixa dos pa-cos, sendo iittiiwn
referencia ao Mxico a depreciado alludida nao
tem contribuido como devera para o augmento
Ja exportarlo geral do paiz. ,, n.
O pequeo accrescimo que se nota nos ultimo:,
annos, nao pode de modo algum altnbnir-se
auel7acircu:nstancia,e siraplesraente ao pro-
resso moterial do paiz, se n relaco alguma cora
a alta ou Iwixa do metal branco.
o de I>K9
noraeaua,
spfeza
(mais de 300^ da empreza Plataforma Industriar Pftr a questo, portanto, nos
oVrcce um bello aspecto,
.Alera das casas fornece a empreza ceres ieasede
1.200 tarifas de trra as visinhanya; da locali-
dade que estao-aando utilisadas no planto do e ofBcial, i
algodo. seria incapaz de alargar os co
O interesse parlado que de minjia /provin-' alm do-estrictamente iprescindvel ditrrJBa-
cia que lvame a pedir a publicayo destas de de sua missao. ,W
linhas.P. G. P. .] Anda aue elle liouvesse, porlanto, ultrapassa-
t_________.________do o mximo das auiorieaeoes confiadas fu
mammmmmmammmmmmmtmmmmmmgmmmmmma discre^o,presupposiaa lisura -lo seu pro-e-
Tik k Vci'lillW'rc dimento,pgi)vcrtio nao tiWia o direito de rprb-
Bl\Stl IltOLkS var-Jhe.oarbiirio, dii-tatfb pr necessidades, a
que se ligava o decoro da*6sa po.-icSo no seio
Mar rejpo
(Do Diario de Noticias, da corte)
Vai desastrado o nossa novo Hl'IMuiiOj, Ao
primeiro coutacto do seu trllente eui a mareta.
"* A U(Q Estado estrangairOjT
. IpllHnsOes cora que ojp0vo chileno a lirio
seu coracao ollicialiaad brasifeira.iflo tiv
no a domina: nliravece a e revolla-a. A n
comeca a r,u militar; e Va queslao, que sopra do lado da
ni .nidia, obra daquellu a quein coube, no mi-
O disuado financeiro trana-z Leroy Beaaliea
screve o seguinte a respeito dos conselhos da
administracao das sociedades anonymas
E' preciso ronfessal o :
o metliodo ordiua-
Os bancos tem que at'.cnder as necessidades
da lavoura. por meio de suecursaes as locali
ilades. aproveilando o* seus recursos. Leve-se
o crdito aos centros de produeyao. e os seus
elementos sero aproveitados.
Entendo que nao se deve desesperar pela len-
tiilo porque sft operados os melhoramentos
agricolas: e ptr exeraplo. aponto a Franca, em
queso neste secuto forarn introduzidas as prati-
cas agfonotrticas.
Estamos em circurastancias e-'peciaes pela
desorgan.saco do trabal\o. E' preciso alentar
a lavoura cora medidas immediatas, sera despre-,
zar as medidas que mais tarde podero ser
adoptadas.
isse o Dr. Eduardo Claudio :
Insisto na necessidade de bracos de todas as
origens para a lavoura, haseaoflo-rue na opirio
apfesentada pelo Sr. Baro de Gereraoabo, na
r m tnedida.
O seu governo, a suaimpresa, o seu
nercio, a sua s xiedade, as ras, as fai
no circulo lino -las damas, era tudo, 'em toda a
parte-, na flor doo obsequios mais expansr
mimo das attences mais engeuhcteas, na graca
das bondades mais captivadoras, andaram por
nistero"'Ou"ro "Preto, a" provincia das "ondas. As a em tecer de lljres, de surp^ez s de araeni-
pastas techuicas viunara trazer ao exercito e dades a hosprnlagem offerecioj ao Brasil na pes-
esquadra a orden, justica, a reparaco ; e eis soa dos seus liltios, dos seus soldados, da sua
que os seus primaros aclos organisara a anar-, flocidade armada.
chia, semeiam a provocacao e accumulam a bor-1 --e, para traduzir, pois, anda que era termos
rasca. Us eapWtos extraos aos iuteresses do- imperfeitisstmos. a. oOssa SensibilMude a sym-
mesticos do gabinete liaviam proiesla-lo contra pathias tao puras, tao remunerado*, lo gra-
esse particularismo de classes, sustentando que tas, o chefe prposto ae ssa expedico ratinlias-
o que constitue os bons ministros, nao a espe- se alguna contos de res, tea dejxado, naquel-
cialidade prolissioaal, mas o discernimento ad-, as paragrns llorasceuies eltehevolas, urna ira-
ministrativo. a arte de adaptacao das ciTcura- presso de misena incivil, de usura sor.lida.de
stauciaa ao maneiodos individuos, a intuicodas barbara vileza.
cousas encaradas no seu ponto de vista superior.' E por ter forrado o ^eu paiz a essa liuni-
a ser-nidade de alma, o ponderado equilibrio da Ihacao, que o guverno delle o ulima para re-
raz.ra/o ustiocto dos perigos, a sciencia pru-. embolsar ao erario quatro contos de res dispen
deocial das dilliculdades, a percepeo dessasj didos coma represeulacau do Uraztl no Cintel
aradacbes delicadas, onde est quasi sempre o Se, como se v, o primor das manaras e a fi-
seRredo das solugOes discretas; qualitfades es- dalguia dos settlimentos nao se houvessem mu
sas absolutamente ulheias e frequentemirate op-,' dauo.neate continente, da monarchia para as
liostas aos hbitos adquiridos no expediente do i'publicas, de-triamos esperar que, trocando
servico usual, cuja pratica forma excellenles coiiinosco. no mesino estylo, galantera porga
fuucciouarios, raas nao educa norat de Es- lauteria, o governo daquelie paiz nos mandasse,
lado. ; pelo seu representante, sal lar a importancia em
dinheiro das liuezas da nossa ollicialidado a
Us factos demoraraai-se menos do que-ae sup-
punlia em justitlcar essas apprehensOes. Os de-
veres mais positivos, os senlitneutos ma hon-
rosos, as leis mais claras im s vezea Ironiei-
ras .-ulitis alera das quaes a energa degenera
em brulalidade, o direiio em formalismo, o zelo
en precipitado, a seve-idade era cegueira. Um j "linm de provocar os obsequios
di-cinlinador n.1o un escala favaes, ou um es- j de tupyuarabas de casaes.
loura vergas. Enlre a coosciencia escrupulosa I Veja, o nobre n.
da ura executor int-yenle do oreameiito e a
uVaaaada avafeza de um amcaitudor de fauicos
vai a iulinita distancia que ae asteada entre ura
ridiculo odiosee uin.i virtude fecunda. A aus
rioade, que nao coobeca drerentas d* a:m
a ininiigos, um -los mais raros dotes do ca-
rac r humano. Mas. por isso raesmo, a des
forra pessoal, que se esconde sob a3 veneran-
dastappareuCias do duver, saciando paixes par- cuja repu'.acao bnllia entre as
ticulares, subleva as disposicOes mais honestas mas do s-ra pilrtoiisrao moral,
-la nossa natureza. Xa adunnistrayao da arma- Surprehendi.lo, entre os antpodas, pela notl-
da, o nobre ministro da marinha, coin as con- cw, que Ibe tera cotnraamcado o telegrapno.
tas iodivi-luaes que tem notoriamente por ajus-1 desta exautorado, o altivo Oficial comprelien-
tr cora tantos dos seus alais distinctos cotnpa- dera, j que o nao compreliende o gabinete, o
nheiros .rarraas, devia considerar nos serios looomuaubidiule entre ella e a coolinuacao da
populacho chilena.
Felizuienie no* preserva desse dissabor a edu-
cayo d,. diplomacia republicana.
Apenas provavel que liquera avisados os nos-
sos vi.-iiihos para que, de outra vez, se abUe-
de urna naro
que est
suscitando eont*a a sua nao.
O publico receben como dirigida ao paiz a in-
ti niyo d.i liscoao cotnmaadante do Barroso.
A SUbscripcfU) abe; ta para mostrar que O Ul
QSteriO nao se a-dia ao nivel da naeo, cobre-se
rpidamente.
A marrana estremece, e congregase, para af-
lirinar a sua soli-larie-iade coja o tompunheiro,
melhores gttra-
raotivos, que Ibe assistem. de precavet-se con-
tra si mesmo, e nao eaquecer que incedit per
:/:< Conga de f.< r, porf-m, o mnimo caso
deste dctame, contra o uiais eminente dos
seus inimigos pessoaes que S. Bxc, vibra os pri-
meiros raios, escolhei)do-os solTregainente na
peior das opportuuidaA 8 na maismiqua das
sua viagera, que de agora em diante, pela ad-
testo ou pela alienaco da estima dos seus ca
maradas, lornar-se-ba urna lon^a bomilbacSo
para elle, ou para o governo.
Regresaodo, a.sua volta ser urna victoria.
Ma< a glorificagao j Ihe principiou, no pro
prio acto era que o ministro pretenda inflingir-
Ihe ura estyama ; e, quan-to elle aportar a esta ci-
riaraente usado em Franca, e i Ive fora, para, eessio anterior Mas si airora diz elle que a Ha
rel.icoes da direcQo cora os accionistas, hia possua bracos para os traballios actuaes, no-
nm rethodo illusorio. Nao da garanta
ma serio -le bom resultado.
O cooselbo de administrasao das sociedades
anonymas em geral, um orgao desprovido de
loda a efficacia ; muo poucoapropnado. pe..
saa eaaatuico, u fuucces'que deve exercer
Um cooselbo da administracSo na maiona do
seu lempo, unta reuniao Sde apparato, onde se
entra por proteceo e por favor. ....
. As [lersouagens sao decorativa. Sao mu to
oumerosas, mudo interessadas no negocio ; de
dicam-Ine muito pouco lempo ; nao tenm bas-
tantes meios de informacioc tevenheacto nao
sao suficientemente remuneradas, di
sivo de m-'iuoros -
cao Ha bera poucas sociedades onde esse nu
mero seja inferior a urna duzia; era rautat
sse numero de quioze; em outi
em alsumas de vinte cinco,
-aue ha consolos de adtmuistraeao com .lOmem-
. juh'am se lhe pelo menas lous commissa-
rios ou liscaes. dous tscaes, m Jilas yezes tres
comraissarios ou outras cinco Ib caes.- D esta for-
ma, aqui teem no rainiao uin.i; vinte peasoaa,
oor vezes trinta, mesmo. em casos raros t ver
dade, uos poucos mais que sao cncarregados de
conduzir urna sociedade anonyiua
m Porque tanta gente n'um negocio que pede
sobretndo cuidado, attenco e espirito de segu
ment! '
Que querem que facam de serio essas vinte a
trinia pessoas?
Em vez de ganharetn as del beracot^s resen-
tem-se desse numero excessivo
Este impertigado conselho rene se una vez
jada semana ou cada 15 das ; ouvem-se alguns
relatorijs ; o presidente ou.o a-imiaistrader de-
legado faz algninas tibserv.ii Oes aP^ois o ou-
tros callam-se, nao ousanlo mutoa dilles fallar
ou crendo que faltariuin s conveniencias se fal-
lassetn. .
lira metnbra que de lempos i lempos se icm-
brasse de c rrc* os ascripiorios, de examinaras
livros, de verilicar os valores, seria lO^O tratado
de indiscreto e poto a niargem como ura boraem
que nao sabe viver.
Como tanta gente se nao pode iniciar nos
tetathes do negocio, na vida real -!o estele-
cinUnto, resulta d'ahi que a administrado in
leira reside era re.tlidadadc, no presidente, no
administrador dei"gado,.e no director qne un
agente as.-alariado.
Alguinas vates escolhe-se entre o conselho de
administraeo ura [com t espacial que se cha-
ma comit de direccao Agarram-se -era cinco
, membros, de entre os viole ou os trinta. e esses
cinco membros sao investidos electivamente, de
lodos os poderes.
* exp -liecte parece feliz : raas tem inconve-
flicntes uraitn graves. Os 15 ou 18 membros lo
cons Iho de ad nicislracSo que nao faxem paite
do comit da ilirecgo nao saliera mais nada, nao
podeni maia nada, so apenas uns eosa^arsas;
combrem com a honra e cora a sua repatecto os
actos o cultos de algju- membros ao com.t dr
direccao. >'
O publico nao duvida que multas vez.-s os
ibn do c nsidhode adminislracao de urna
aOttedade sabeg tanto dos n-'gocios dlla como
um eslranhoqualqoer.
algu- ture todava que os bracos nacionaes do norte,
tem contribuido para o ueiu da lavoura. mas,
nao sao suficientes. Quanto questo banca-
ria, parece que mais dificil fundar pequeos
bancos, do que um grande banco. Banco Agr-
cola nesta prafa difi-il, s com dinheiro es-
trangeiro
Entendo que s sao exequivds os bancos de
gramte capital.
Disse j Dr. Paes Leme :
Entro era apreciaces dos motivos que tem
impedido o xito dos engentaos ceutraes.
Um delles o modo de diatribijicio ae capi-
tal. A garanta era relago a prazo af.ista do
Brazil os capitaes. Convera facilitar a isenco
dos direi'os de iinporlago de machinismos "^N.i
tomada de coutas, a reduccAo de garanta era
proporcao dos trabadlos cITectuado.s di resulla
dos negativos. Deve-se attender s circurastan-
cias accidentaes, s regies, ao solo. Este pon
to deve ser suppnmido ou modilicado.
Quanto aos contractos cora os foruecedoa-s,
NDISTRUS E ARTES
Aqui damos alguns trechos de differentes dis-
cursos pronunciados no Congresso Agrcola, hi
pouco reunido na corte.
Disse o Sr. Jos Marcellino :
A lavoura de assucar exige a divisSo de Ira
balbo : fabricas ceutraes e plantadores que lhes
foraecaiu a materia prima.
Trabadlo de a.una por trabalhadores assala
nados, impossivel.
ooipete o foriiecimeulo fiequenos lavrado
res. Os donos -J trra que Ihes proporcionen!
gratuita;. logo que edes tenliam adqui-
rido podaras vender a precos rasoa-
veis.
Qual o modo pratico de se chegar a este fim '
Facultar ao governo os meios pecuniarios a
Julgamos raesmo de\e se julgar antes das coudices da regio.
Parece me que a exigencia do emprego da dif-
fuso nao acceitavel: nao sou suspeito, pois
fui o primeiro apologista da dimiso. Ha po
rm regias ondea dilluso nao pode ser acei-
ta ; era diversos pontos, no ser este processo
o melhor.
U lempo de quatro mezes para organisago
das rompauluas muito limitado. A porceuta-
gem de 7, imposta s fabricas, muitas vezes se-
r mpossivtd. Por exemplo. neste auno a sec-
ea r depois as aguas rnpedirara esle resultado,
no geral.
Pego a attenco da asserabla para que se so
licite do governo a modieaco do regulaniento.
Alguns oradores pensara que con vina, por era
quanto,"votar smeu'e as indicayOes, que ver-
sara sobre materia mais urgente. Mas diz o Sr.
Malv.no deis, que nao aclia inconveniente que se
apresentera, desde ja. as medidas mais urgen-
tes para a lavoura. O BOvernj podara, desde
j adoptar algunas medidas, e saber a opiuio
dOpJQxressO sobre as medidas que liver de
apreseptar ao corpo legislativo. K' preciso nao
perder titmpo.
inseri i: >s nesta seceo as linhas seguintes
que nos dirigirn) sobre assurapto que nella se
compre ende :
Srs. redac'ores.Leudo ama noticia sobre o
movi'ue".lo industrial da Bahia. na interessante
secgo Industrias t Xrffs deste Diario de 11 do
correte, embrei-me d" pedir publica^o das
seguales notas extr hitas de ama circumstan
f ciada local do Jornal de Noticias, do mez passa
lo, sobre as rriportaniissimas Ji'abrijas da Plata
loma d is beoemeritos Antonio Francisco liruu-
dao V i;., naquella provincia.
Kste tlirescente ncleo faliril -pie traz a me-
moria a Etruria de '^edwgoodo celebre crea
dor da industria de !oi:-,a na Inglaterrapor ser
habitada em sua ra-noria por qperaros, possue
fabricas de tecidos. meias, sabao e calga-los.
abriea do tedios na 150 tearea ; destes
75 sao apphcados na produccao do algodqzinho
uu pannos crs, que tem tido urna grande acei-
tagao naquella provincia : 6, de Jacquard. s5o
o-'enpados no fabrico de cobertores lavrados.
uardaiapos, toalhas, etc., de liiidissiuios dc-e-
nhos ; e os deraais teares Irabalham era risca-
dos. Ilanellas, algodo azul tranca-lo, osnaburgs
e bulgarinas.
A secva de batedores coUocada era urna
construeyo de ferro isolado do edilicio princi-
pal, para evitar o perigo de incendio que sem-
pre oflewce o tran.-ito pelo ar .le partcula de
algodla.
o trabaiho de cordas e liaco muito esmera-
do como tive oocasiode ver.
lima machina automtica fabrica c nstante
mente a qoantidade iieeessaria para o movimeu-
to das diversas pequeas machinas. O lio de
cor preciso para o consumo da fabrica tinto
em tintorera proprfa. Appeosas a esta fabrica
ha oiliciiias de earptoa e ferreiros para os
ros de machinas e accessorlos.
idiscipl
publico.
Duas vezes ia elle ferir o offidal, sobre cuja
cabega se fulmiiiava : oo seu pundonor de mili-
tar e na correceo de ua atlltule. como admi-
uistrador das financas da sua missao. Mas a
censura resvalou-lhe da henra e da farda, sera
ma eal as, resurtindo contra os'brios da classe,
que se euMibcrbece de possuir esse bravo cutre
as suas primeiras estrellas contra o sentimento
uacional, que se considera araesquinhado ne.^sa
amostra, dada ao eslrangeiro, da grosseria da
uoss fdrainistracao, contra a gentileza de urna
nacSo visinha e a'raiga, a cujas atteucOes se res
tama 1
tiluiiiiiMiracau da provinciaHon-
tem, 1 hora da larde, S. Exc. o Sr. conselheiro
Manoel Alves de Aruujo prestou juramento, pe-
rante a Assembla Provincia^ do cargo de pre-
sidente da provincia de Peraambjco, para o
pode com urna exauToraQao'ao brazliro, cuja qual fra nomeado por carta i.nperia! de 18 de
culpa consiste exclusivamente em ter retribuido junho broxirao fim
cora o primor dos sentinientos de suajjpatria os
obsequios de um povo ospitaleiro r gifcr-oso.
Nao ha ministros, a qem faitein euthusias-
tas, ocm abusos do poder, que nao ene ntrera
apologas. Mas, por mais tinta que dispenda o
honrado ministro da marinha, por mais pane-
gyricos que lhe garabulhem os preconizadores
subalternos de todas as preaoteucias olliciacs,
nao conveucer os assizadqji de que o comraan-
dante do uosso navio era viagera de circuinna-
vegago faltasse s leis militares, nao se oppon-
da a que o principe-D. Augusto rduebesse, fra
de bordo, em aguas e trras do Chile, os bons
ollicios de ura oficial superior graciosamente
aggregado sua pessoa, come cicerone, pelo
presidente daquelia repblica. O senso com-
mura, os principio de urbaoidade trivial nio
nos descobrera meio de escusar cortezra"i)te
amabilidades como aquella, que nao alleravara
na espessura de urna iinha a subordinago lite
rarchica do i leaeule, das escotilhas para den-
tro do encouragado, que nao retiravam ao ser-
\ igo o concurso desse oficial, e que, ao raesmo
lempo gragas procedencia e ao enderego da
lineza, asfuraiara carcter evidente de inietna-
cic.nalidade.
Se a distincgo proporcionada ao principe nao
ultrapassava o prtalo do navio, onde comeca o
regiraeu da igualdade raditar, e se das escadas liapissutna, todo
delle para biiixo principia, para todos os mera-! lados,
bros da oficialidade, autorizados a.sahirem, o j Forara lid n e approvaJas sera debate as actas
direilo da convivencia raais aprazivel s predi icego/ts de! Crrente.
cada um,claro est que vedar quelle ofli nal U -r: 1 secretario procedeu teitura do sc-
a ouanaubia sub:nii)istrada c sua nessoa pelo! guinte expediente :
governo chileno, era alongar a autori lade-dol Sra oficio do Exm Sr. conselheiro Manoel Al-
comraando alm dos seus limites naturaes, late- Ves de Ar-m|o remetiendo a Carta Imperial pela
lar os pa lhe as franquas de acuo extensivas aos seus allin de ser designado o dia e hora era que deva
pares, nao nivelar, mas, pelo contrario, uesigua- comparece- para prestar o juramento.Foi de-
lunho prximo lindo.
Assistiram ao acto, alm dos membros da As-
sembla, muitas pessoas gradas e funecionarios
pblicos, fazendo as continencias do estylo o i."
batalhao de infamara.
Em seguida leve lugar, no salo do throno do
palacio da presidencia, o acto de posse, de gue
foi kvrado o competente termo, assignando-o
grande numero das pessoas presentes, entre as
quaes se contavara senadores, ex-deputados ge
raes, deputados provinciaes, cnsules eslrange -
xis, o Dr. chefe de polica, o coronel cotnmar..-
dante ilas armas uterino, olliciacs de trra e
mar, e outros funecionarios pblicos e pessoas
gradas.
Xo peristillo do palacio tocaram diversas ban-
das de msica, e alli esleve postada una guardi
de honra.
A'fortaleza do Brura deu a salva da pragm-
tica.
Amiembla Provincial Funccionou
honteir. sob a presidencia do Exm. Sr. Bario de
comparecido 23 Srs. epa-
iar as condiges,* isso precisara-nte quando es-
sa restriego iria magoar o melindre de um che-
fe de 8stado empenhado era honrar o do nosso.
Kntre a amurada da Almirante Burruin soffl
bra dos seus raas'.ros, sob ou.sobre as taboas do
s<-u convez, o Sr. D. Augusto era apenas o ofi-
c.al Niiliaflerno, confundido cora os seus iguaes
-ob a razoira -la dtsclpuqe, que nao conhece li-
nhagen. Lorge. poreai. Jo .costado do navio, |
tocando ora as plantas a teri firme de urna re
signado odia Io a 1 hora da tarde.
Outro lo secretario do governo remetiendo o
quadro da divida passiva para o exercicio de
1890.A' commissao de. orgamento provincial.
Outro da Cmara Municipal da villa da Pedra
pedin lo que seja; appnrovado o seu cdigo de
posturas, remeltiao a esta assembla era Outubro
de 1888.-A'comiHlss') de exame de posturas.
Outro da mesrna ferrando o pedido que j
fez para se regularisuiym oalimitcs da parochia.
giSb estrangeir* a Iquirinnof ao psala, os di- jA'coranfisso de diviso civil e ecclesiastica.
S nesta fabrica trabalham tp operari
A fabrica -le in I i em ensaOS,
milite j-romettedor futuro.
A fat-rica de calcados j .produz p
de 20 daztas de pires de chinellos de tilfi^a,
afora a gra ide quantidade de caigado de caie*
dal. Traballiam abi i30 operarios.
A pqvoago de I lataforn.a que lia uns 6'IUS
era humilde rancho de pescadores, hoje
suas ras arborisatlas e grande numero
reitos do excUrsjpnista entregue aos seus gos-
tos" de viajor, curiosidades da suaidade. s
exigencias da sua eondieo pessoal, Sea Alt-'zJ
passava a ser, nos seus movimenlos, o rapaz, o
lonritte, o boraem de sociedade.
On>.te., pois, a inconveniencia de que, ybrin.lo-
lUc eulo os Bragos, ao encontral o lora da lilei-
ra, o governo de urna nacioirra o estisitasse
em amplexo cordial ao ne o do Imperador.' Op-
por urna carranca a essa detnoostragi < ^.1' '
tuosa, rejeital-a sob qualqoer forma, fossem
qu es fossem os ariihcios s-li que se eQvo|vcsse sor publico de Be
a recusa, sena urna dessas brutalidades, quf um j de seus vencimef
oficial como Custodio Jo- fie Mello preferira A' comraisso 1
preferir
despira farda a commeit-r.
Nao se sae mellior o ministerio da mfrinha na
questo dadespea, acornada por a r qiarti
gao de irregular, e in'cripta por ella aconta
pessoal do cominandante. que a contrahio, para
nao deixar t-xovanado, no eslrangeiro, o lustre
do nosso nome.
Disse hontera S. Exc, pelo Jornal do Commer-
cio, ao Paiz, que cora taraanha nobreza e tao ir-
ivsistivcl dialect.ca toiii discutid.1 este assump
to : No caso vertcnte, o conimandante do navio
deveria ter levado as desbezas couta de a
de represmtaco, para os quaes lm vjv .
rao:
; eis
(e a isto
as con-
liidevi-
-,'> sua appl ai,aj
la pretendei tributar
ular do fuacciuuario,
I Inliqjadn, para
com a injusta ganancia
c/.a, que.
era in-
ragao para_ corados admi-
Wraa peligo de Cosme Augusto ereira da Luz.
protessor vilalicio do povoado de S. Joo dos
Pombos. requereudo a sua aposentadoria com os
voacinieutos que actualmente percebe.V com
uiissaO de piliges.
Outra le Mario Clara de Mello Figueira, pro-
fessora removida paran Bom Successo de Olin-
da, requerendo pugamenio de seus vencimeutos
relativos ao mez de Juuho de 1887.A' comrais-
so de orgamcnio provincial. .
Outra de Manoel Figueira de Menezes, profes-
ibe, requerendo pagamente
do mez de Junho de 1887.
orgaraento provincial.
e nao considerar cssas di
diaras, para o que njo
a questo*.. Questo de lana caprtpa
(tjt-pez
eslava auto
se ni luz I Porqu
nillc a plausibili
ba na sua inser
do fado. ape
tas, alim de se
darwnte se esl
idade
ao servioo pi
com elle a H
aproveitan lo
locupletar o
j uns coi
ra mal
desde que o g
despeza, o e
OJkC
Um abaixo assignado de guardas da illumina-
go publica*d'esta capital, pedindo reparago da
injustiga que tiotfreraODJ pela portara Ida presi-
dencia da provincia de i de Abril de 1887.A'
cammissao de petigOes.
Foncn a imprimir os seguintes projectos sen-
do o Je n. / 9 precidido de parecer da commissao
de legislago.
N. 79.Autorisando a aposentar-se ao ex-aju
danle pagador das Obras Publicas, Vicente Fer-
rera da Costa Miranda.
N. 80. Autorisando a construir se urna ponte
sobre o rio Uua entre as comarca- de Barreiros
e Rio Formoso, no engei I, dispeudendo-
se at 20:0001.
N. SI.Mandando continuar em vigor o regu-
lamento tle 6 de Feve/eiro de 1885 sobre tostruc-
go publica.
.N. 8.Supprimindo osdistrictos Je paz de
Serr do Valo (Poco) 6 Santa Cruz do Brejo,
aunexa-lo o territorio do Io ao de Bello
Jardim e o do 2' ao de Jacarar. .
N. 83. -Pispando que por raorte ou disisten-
cia do eacnvo de orpios e annexos de Bezer-
ros, tica aanexado ao de tabeljao e aanexoso
mesmo oficio.
N. 84.-Creando urna cadeira mixta no povoa-
do de Varas de Incazeira.
N. 85\Reslabelecepdoo lugar de oficial de
gabinete da repsidencia com os vencimentos mar-
cados na respeotiva tabella.
N. 86.' reando urna cadeira mixta no povoa-
do Sapucaia.de Bezerros. %
N. 87 lito, outra no povoado de Taboleiro
do Bonito.
0 Sr. presidente nmebu aos Srs. lysses Van
na, Jos MaTiannoerJrreira Jacobina' para rece-
bereni o Exm. Sr, BO^Selheiro Manoel Alves de
Araujo.
A 1 hora da tarde chegando S. Exc. foi rece-
bido pela cotnmissaa^e-depois de tomar assento
adireita do Exm Sr. presidente d'Assembla.
lida a Carta Imperial de 17 do mez passadoqueo
nomi-ara presidente d'esta provincia,prestou juri
ment, com as formalidades do estylo, retirando
se depois de (ido o termo .fe juramento, que foi
debidamente assignado tudo com as mesraas for-
raalidas.
Urna guarda de honra do 2* batalhao de infan-
taria de linha fez a S. Kxe. as devidas, coatinea-
cias, tendo salvado a Fortaleza do Brum.
Nao havendo numero o Sr. presidente levan-
ten a sesso, designando a seguinte brdera do
dia : cnntindagilo da antecedente e rnais, 1* dis-
cusso dos projectos ns. 79 de 1886, 64, 65, 73 e
78 de 1889 e 2' dos de ns. 7 de 1886 e 151 de
1888.
Falleclmenio -Finou-se. ante hontcm. em
Oliuda, soirrimefit')* cardiacos, o Sr. Luiz
Eustaquio da concdgo Pcssoa. pi'ofessor publi-
co da cadeira de Capaoiras em Bo -to.
Mogo anda, pelo seu t'ato e boa? quadades
pc-ssoaes. fazia-se credo.- da estima de que go-
zava no meio '-m que viva.
Era poeta e escriptor. e nenias paginas fica-
ram copias de seu talento, notando-se entre estas
na parte lit'erariaa Nota antropo-plulosnpliica e 0
homem primitivo; e na potica : lontem, hoje e
amaina, a Actualidadi-. a poca.
Na Escola Normal fez ura tirocinio brlbante,
sendo < onsiderado o primeiro entre seus col-
legas.
Ao seu enterro comparecern) muitos dos
seus coll-'gas e amigo>, e junto sua sepultura
pronunriou um di-curso relenibrando todos os
seus feKos litlerarios o quinto anuista Feliciano
An-lre Gomes.
Oulro-Fallcceu honlem s 2 horas da ta"-
de, vidima de una laryngite, e na idade de 39
anoos D Leopoldina Monteiro Espiuea, esposa
do Sr. Tboraaz Espiuea, sendo sea cadver de
positado 00 cemiterio publico, onde boje pelas
10 horas da inauhi ser dado sepultura.
Xossos peurmes sua familia.
FerimcntoAutedioniem pelas 7 horas da
noite, no Pateo do Carme-, depois de altercarem
Manoel Carvaltio Caup.-llo e J isc Vidal de Fa-
rias. passaram vi-'s de faci, sahindoo ultimo
ferido um golpe de navalha na regiao dorsal.
O d-linqu'nte uo logrou vadir- se, sendo pro
so em flagrante ; e o fermente foi declarado le e
ia vistura a -pie se proceden.
I'rolnn^nmrnto da entrada de fwr-
ro i!i.Kt"ftf<> a *. I'ranainro *- <>-
:ra-.ln u*- ferro d<> Beoife. Carnartt
O Sr. Victaliano P.-rnambucano Rib-ro de
Souza, que excrecu interinamente o cargo de
contador destas estradas le ferro, reverten para
a secretaria na qu-ifdade de Io escripturari -.
nao na de secretario, como por equivoco honteni
noticiamos.
Assumio houtetn interinamente a Mielia do
trafego e da locomoeo do prolonga mente o Sr.
engi-neiro Julio da Silveim Vianna, que conti-
na no exercicio do cargo de eugenheiro resi-
dinile da mesma e-Irada, visto ha ver silo exo-
nerado do primeiro dessis cargos o -r. Jos
Joaqnira Rodrgoes Saldanha Ibnfor.
Tambera honteni assumio as fuocgOes de
'cliefe de trafego e da locomogao da e-trada de
ferro de Garuar o Sr. engeoneiro Antonio Car-
los de Arruda Beltro, nomeado para e-se carto
p >r portara do Ministerio da Agricultura datada
de 1 do correte, em rajo exercicio interino s
acliava o Sr. engeuheiro Pedro de Figue redo
ROCha, que priivisnriaineiite serve de engenheiro
residente da mesma ferro-via.
Foi designada ama commissao composla
dos Srs. engenheiro Herac'io Colombo de t^an-
talice, 2o escripturario Antenor Gongalves Netto
e o contador Rufino Augusto de Almera para
dar balanco no aknoxarifalo, visto o respectivo
almoxarife haver sido exonerado e ter por isto
Je passar a outro o exercicio desse cargo.
Durante o impedimento do Sr. enaenheiro
Cantal ice, encarregado dos servigos das ofici-
na- da estrada de ferro de Caruar, em Jaboa-
tao foi nomeado para esse cargo o Sr. enge-
nheiro do e8crriplorio technico Gustavo Mer-
mond.
Foi dividilo em dous districtoso servigo da
va permanente do pfolongamento e nomeado
mestre de geral linha de ura delles o Sr. Ser-
rino de Oliveira.
Faculdade de utr ito Acha-se em
exercicio de sua cadeira na Faculdade de Di-
reito o Sr. Dr. Tarquiuio Braulio de Souza Ama-
ranlho.
i'ii'sacia Iliteraria Foi nomeado de-
legado do districto litteraro da Victoria o Sr.
Pedro Secundino Barbosa da Silva.
Subdelegaran Forara nomeados subde-
legados de S. Lourengo da Matta e do ldistnc-
to'de Pesqueira os Srs. Demetrio Mermillo da
t>)Sla e Manoel Gomes Vieira de Mello.
*." promotor da capitalNn obstante
achar-se no gosn de urna taconea que. por mo-
lestia comprovada, lhe foi concedida pela Prest
dencit da Provincia, fo anle-bouiem exonerado
do cargo de 2." promotor publico da comarca do
Recife o illustrado Sr. Dr. Alfouso Oltndense Ri-
bein. de Souza, sendo nomeado para substitnil-o
o Sr. Dr. Manoel Caetano de Albuquerque Mello.
Hanireniarao de pesarA sesso da
junta administrativa da Santa Casa de 16 do
correte, apenas foi lido o expediente, foi sus
pensa, mandando-se hogar na acta um voto de
profundo sentimento pelo fallecimento do Baro
de Serinhein, raembro muito prestimoso d'a-
3uella corporago. Foi ao raesmo lempo nomea-
a pela junta urna commissao para dar pezames
familia do Uado e assisdr s missas do 7" dia,
resolvendo se tambera que no 30 dia fosse cele-
brada urna raissa solemne de rquiem na igreja
do Paraizo' cantada pelas educandas expostas,
e com a assistencia dos membros da junta.
O ilustre tinado servir de raordonio no Hos
pital dos Lazaros, ao qual lizera importantes do-
nativos e encaminhara alguns melhoramentos.
Sania Cana de Misericordia K;n '-
sao de 9 do corrcnle, a junta da Santa Casa de
Miser corJia designou e a presidencia da pro
vincia approvou. por portara de H, para os lu-
gares de mdicos das clnicasespeciaes de olhos
e de partos, creadas no hospital Pedro II, pela
lei n. 1,984 deste anno, osJJrs. Jos Berardo Car-
nero da Cunba e Adolpho Alves Simes Barbo-
sa, este para o 2o e aque le para o Io lugar.
Uremia dOM professor*-" primario*
Hojj, ao meio dia, funeciuna o Gremio dos
Profe? sores Primarios.
aci-rcativa *, de MaioEssa associa-
gao, que funecioua em Olinda, ra 27 de Ja-
neiro, elegeo a seguinte direc'oria ; .
PresidenteJoo da Silva Neves.
Vice-pre sidente Jofto Oliveira.
Secretario-Manoel Tavares Cesar de Mello.
Theioureiro Francisco Xavier Pereira da
Silva.
DirectorJ0S0 Alves.
Orador-Antonio Symphronio Rodrigues.
Procurador -Joaqnira Pereira da Silva.
Mcsire-salaAntonio Gomes ereira.
Xommisso de syn licancia relator e presi
diale Francisco Xavier Pereira da Silva.
Mai* urnaFoi exonerado do raro, que
exercla com disiincgo, de medico do Gyranasio
Pernarabucano, o Sr. Dr. Ignacio Alcibiades Vel-
loso.
Esse cargo foi creado, ha pouco raais de um
annO; e, sendo para elle nomeado o Dr. Ale:
biade's Velloso, a mnguem preterio.
A deiis-o \ai para o registro.
luadro do 5 anno do 1SS9 Hoje
s 11 horas do dia, no salo do Club Carlos G9-
mes, dever ter lugar a reumo dos estudantes
do 5o anno da Faculdade de --iroito aura de se
resolver dcnitivamente sobre a confecgo dt
quadro projfcta-lo dos mesmos estucantes. ^
Imprensa Publicaram-se 00 ns. o do
Obreuo, e 3 da Revista do Norte, esfe bi-sema-
nal e aquelle qmnzenal, arabos desta cidade.
Adjunto dos promotores tiesta ca-
pitalFoi nomeado o Sr. Arthur de Albu-
querque Mello para essa cargo.
ervico militar -Estilo designados, boje.
para superior do dia o Sr. capito Pedro Velho,
e para ronda menor um subalterno de cavalla-
Competeolemente rubricadas pelo comman'do
das'armas foram devolvidas ao 2" batalhao de
infantera as cerlidOes de assentamento, perten-
centess ex pragas Antonio JimOes, Antonio'
do de
Luiz dos Santos. Manoel OlyWpo da Silva; e
bera-assim ao 14" da raesma arma a da ex-pra-
ga Innocencio Francisco Xavier.
Apresentarara-se hontem ao comman'do
armas os Srs. lente Leoncio Luiz Pinto .
ro, do 26 batalhao de infantaria, e alferes 1
00 Austrioliano Barreto Lina, ate vmdo da
do imperio licando di.posigao do Ex1
conselheiro pre-idente da provincia, e aqu
da provincia de Alagas, ficando addido ao
batalhao de infantaria e dispeasado do servigo
por 10 das.
Nos requerimentos, do forriel do 14 batalbo
de infautiria Alipio Cundido de Andr.ide'ees-
ansp. ga-.'a-!o -J" li.t;:li:':-i a anua Anto-
nio S ;c.o .- n S i:\--. o seguinte despacho:
No do_primeiro : proceda-ae a conselho de ave-
riguago e rio do segundo como requer.
IJp^ressou hontem para a corte lo imf
diligencia do 1 btalhoade arlild
nha viudo a esta provincia conduzt!
ciados militares.
SeguJo hontem para a corle do n
soldiirfo do destacamento de cavarte?
ro Nicolao Tuleniino, por se adiar
beriberi.
UiMtltuto ArciieoiogicoHoje ao meio
dia, Aincciona o Inetituto Arcbeologico e Geogra-
phico Pernambucano.J
AnsoeiacAo Medico PUarinaceutica
-Rene se njc'a Associagao Mo-lico-Pliarma-
ceu'ica para eleger a sua novaulirecgao.
Coufraria Oo Oom A-du da Va-
WacraNo consistorio da igrqa da Santa Cruz.
jcvem reunir se amanlia, s 6 horas da larde, os
membros da c Va-Sacra, alim de elegerem provedor e escre
para a mesma coufraria.
KwznolaRemeiteram-nos ante-hontem, era
caria fechada, iOOl part esmola pobres.
Remet temos : ?
A'D. Herraelinda Selte, ra Yiscuu^i
Albuquerque 23000
A' D. Mara Autran, Iicberibc
Recreativa Magdjileuensedjeone-se
hoje no lugar e hora do cosinme adrel;toria
desta sociedade.
Hrecl'.iiii i;;s i-1<-> *le r-oaicna-
s;o dos Poriiis de l*ornaaiBuVd-'*%eci-
p. 16 teJulho de 1889.
Boletn) meteorolgico
1 SI* -.' 23"- 1 27" 3 27 1 3- 9 87 69 70 70-7i
li i t. 762*93 17.02 "63-831 i G 92 763-54 l'.'n-76**34 18 74 :\i 7s IS27
l'eniperaiura mxima28",2o
Dita rainina 21".50.
fe raroraeo em 2i horas?o sol: 6".5 ; sora
a 2* o
Chava1 "2.
Direccao do vento : SE de raeia noite al jos
35 minutos da maulla ; SSW at 4 horas e 18
minutos ; SE at -"i horas e lo minutos ; SSE al
6 horas e 53 minutos; SE at 7 horas e 35 mi-
nutos; SSW at 9 horas e 30 minutos : com
interrupcoes de SSE e ?E al 10 horas e 20 mi-
nutos ila tarde ; SW ate meia noite.
Caimana durante 4 horas pela manila.
Vetocidade media do vento : 1-.43 por se-
rurdo-
Nebulosidade media: 0.50.
Boletn) do porto
i* Dia - Horas 1 -27 da tarde 7-32 149 da manliS Altura
3. M P. M. 3. M. 16 de Julbo 17 de Julho 0-.25 2-26 0",58
l.ildeNEteciuar-se oao os segrales :
Hcje :
Pelo agente Gusmo, s U horas, ra Mar-.
quez de Olinda n. 5, de amostras.
AraanhJ :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra Baro
da Victoria n. 59, de fazendas, roupas, movis
etc.
Pelo agente Martins, s 11 horas, ra do
Imperador n. 25, de movis e louga.
Miaan fnebreSero celebradas:
Hoje :
A*s 8 horas, no Espirito Santo, pela alma de
Ovidio Saraiva de Carvalho Neiva; s 7 12
horas, na igreja do Tergo, pela alma de Manoel
Jos Nunes do Valle; s 7 12 horas, na Matriz
da Ba-Vista, pela alma de Francisco Rufino
Vctor Pereira; as 8 horas na Conceigao dos
Militares, pela alma de D. Rosa Viterbo Gama
Penna.
Araanh:
A"s 7 horas, na igreja do Tergo, pela alma de
Feliciano Marques Vanna.
Sabbado:
A's 8 horas, na matriz da Escada, s 6 1/2 na
matriz de S. Pedro Martyr em Olinda, na matriz
de Afogados e na matriz da villa de Gamelleira,
pela alma do BarSo de Sernhem.
Pasnageiros Chegados da Europa no va-
por (roncea Villo de Cear :
Dr. Clodoaldo de Souza, sua senhora e3 lhos,
madame Schwartz Marie e madanie Schwarta
Pustene.
Sahldos para o sul no vapor nacional Ala-
gos :
Amelia Torres, Mara Bc-nvinda, Jos Jiaquim
Moreira, Henrique Carlos Cox, Maria Lopes de
Siqueira, 25 pessoas da companhia zarzuelas,
Dr Joo Moraes G. Cardoso de Audrade. Julio .
Limeira, Dr. Manoel de Freitas Gulmat es J-
nior, Manoel Barreto Lins. Honorata Maria do
Espirito-Santo, Celso Moutinho, Manoel da Mot-
ta, Francisco Mondes de Alineida, Dolores Bor-
guny, Felippe Antonio, Carlos Alfuna e 1 irmao,
Hortencio Rodrigues do Nascimeut, 1 sargento
e 12 pragas, Luiz Le&o, D. M. w augiiraaun e 1
filho, Dr. Jos Maria de Albuquerque Meflo. sua
senhora e urna criada, Crhristiauo Lobo e urna
filha, Antonio de Castro, Wenceslao Jos Bap-
tista, Henriqueta MagalhSes da Silva e urna ti-
Iha, Luiz Carneiro, Antonio Perrela, Jorge De-
mitre e Antonio.
Cana de uetenc;*Movimento flps pr?-
-os Ja Casa de Dctencao do dia 16 de Julho de
(889.
Existiam 432; entraran) 10; sahirarn 3; exis-
tem -37. *
1 A saber:
Nacionaes 391; raulheres 22 a#-.'.nte:-v s 24.
Total 437.
Arraeoados 388.
Bons 363.
Doer.tes 20.
Loucos 5.-388.
Moviraento da djerrna
Tiveram alta :
Jeronymo Jos de Freitas.
Honorio Ramos da Silva.
Foram visitados os presos destjj
mente por 194 pessoas. sendo 79 "
mulheres.
Ilonpital Pedro II O mo^
estabelcciraento de caridade, no dis K
foi o seguinte:
Entraram
Sahirarn 17
Falleceram a
p.xistem
Forara visitadas 8 respedjM
K'los Irs- *
Moscosq s 9, Cysneiro as 8 3|4,
oho s 6 3[4, iierardo s 10 3|i, Pon
SimOes liarbosa s 10 l|4 iioraj. i.
Nao compareceram os Drs.: y^
Malaquias.
Estevo Gavalcante.
O cirurgio dontista Nui
horas.
O pbarraacfutico entrou -
sahios3datrde.

"t1
na; a -1 *, a H,a, h^io noina mr O ajudaute do pharmaceutice entrou
A guarragao da cidade dada hoje pelos, cor- ^ m^& e ^^ 3 ., ,ank
is da guarnigao. ___..,,, h;,. otorta do Crara-Para-A 3*1
pos _.
A guarda da Thesouraria coramandada boje
pelo Sr. tcnenle Francisco Teixeira de Carvalho.
Na enfermara .militar existera em tratamento
3o pragas.
L.ote
29* lotera, dessa prov
i2rt:000i000,
(sabbado).
parte da
grande .
nlho


p
A
w
triindp loterM do Mnr.iiS
I
Crmi
colite.
Manoel Guilhcrme i! Silva, Pernambuco, 18
dieiro, BAa-Visla;. tubrculos pulmn
a .lia 16
1 armo, S. Jos; entero

da Silva, Parahyba, 3 an
Vista ; tubrculos pulmona-

Silva, Pernarabuco, 19 an-
^^Ru ; tubrculos pulinona-

^^Kft de Amorim. Purahyba, 66
^^^B-Vista; gastro-hepatile.
nbuco, 1 da. S. Jos; ttano.
/Ar Paula, Pernambuco, 42 an-
^^^entero-colite.
Hlbucn. 3 mezos, Ba-Vista ;
6a-Vi
rira, Peraamhuco, 23 an-
a ; tubrculos pulmona
(M
POCO DE TDO
nada ralej nuda pede fazer, de
A so.-iediJe moderna esl luda esculca ao
sabor do tivpo .oudriaco, um dos symptotnas mu.
is do" nervosismo.
piolar o 9ecu^);X[&, fazend"
a sin ic-hia represental-o coru
fraseo de agba aiit'uvstoric* ao lado e lo-
mar o proprio bBso.
i nenhuma epocha da historia humana a es-
itfstica foi niais florescente e iieui tambem se
i|jereveram Untos livros de nygiene.
..as sao estes assustadores Je bypocon
dria.
lortmamps todos os das com obistu-
ou com o vanos a lingua no espe-
despendemos metade da vida era
toutra metade.
eoolenta-se em tomar o pulso no
so do termmetro para tildar da
necessidades ao menos <(e urna
los estatistieos, crticos.
?domadarios, niensaes, anabaes,
consciencias, o pcnan-nlo, o
;- cousas humanas e divinas.
is crticos sobr.tudo, e a crilica levada
so, torna-se um prurido, urna mana,
um vicio, que nao s. nao urna forma da hipo-
condra, e bem o disse Barzellotti era um espui-
luoso artigo publicado lia piucos mezes, na Sa-
poli l.itlerariu.
Mas dSo smente a crilica nss suas formas ac-
luaes una das provas rnais eloquentes do nervo-
sismo hyoocondriaco do nosso seculo ; ella
'i-se tambeio o vil desanimo, com que cada
du. e'seinpre e acroposito de ludo adiamos que
oanosso tcmpo dCn
nada capaz.
De.- io iodos tm adiad i a epocha con
tempogan '.i sempre peior do que a passada. Esta
inconientabilidaae dos vivantes nao porem, e
ir um mal. porque ella a cxprcsso da
ne essidade de amagar e desojar sempre un) pos
tidio qui* seja mellior do que o de hojee um de-
pois damaahS e de iodos as amanhs posstv i-
qie ser o ideal da perfeicfio
Aos nossos knnpos, entretalla, esta accusaco
insisten! c ifadonha inlinita d,> presente as--e-
mehase antes a urna vtnia lamentevel que a
uma crilica ice Jos males que nos aflligeni,
e mais do que uma accsaco uma verdadeira
calumnia.
- mulo livros imperfetos, e a
: declinaa para una vulgaridad1
-seui lim i Tu se diz todos es dina; mas os nos-
|Os|psleros, com maior juslica acbaraoque tam-
bera nos oobemos pensar e fuer censas boas e
era parte tambera] ptimas e que nos nao somos
meros recitadores do passado.
Um i outra pro va de grande nervosismo da
nos^a epocha se recoUjeno campo da medicina e
fo Iratada em primeirog(ugS especialmente por
Beard.
. s doencas febris e as iuflamniaces agudas
estjo dimiajudas.de numero e de intensidade,
dou:issi0o AironsoConradi tinha demonstra-
do, namunoe ..n ios, o antagonismo entre 6*rhu-
malisrao gotiuso e o tuberculoso; boje podamos
accrescentar tira outro entre as molestias nevro-
sicas e as infla
Bear ao ennu-uerar os sjgnaes do nervosismo
americano, acrescentou isualnxfie uma menor
tolerancia para as bebidas alcoocas e os oulros
excjtaulr?. K em sua opinao esta menor capa-
cidad;; de li.'j r se demonstra pelo icc.tjpr >!o
diario d.is sociedades de ii'inpwanca. : que nmas
vez'- permitiera o uso modCiao das bebidas i--
piritu >-a*, ontras o prohiben intelramen-'.
Esta intolerancia americana pelo alcool se es-
tende lame ,: ao if e ao cha, e Beard, rindo,
diz que se o oervosisno dos seus com patrilas
continunsse a augmentar progressivanenle, eiles
deveriatn limitarse a tornar o chocolate, e mais
i ente esta bebida mdHo
excitante, deverian resignarse a beber leite e
O- pelo contrario, pobem ^cber im-
punemente nuito melhor do que os seus irmos.
.ti ,i'i s. e. segundo Beard, a razo disto
aeren eiles menos nevrosieoa. Tambem enfe
elles nao adiamos mais os famosos bebedores do
scalo pawado e do principio oYate, que
\L.:i .; ;na calriam debaixo das rae.-ase
i apanha como trapos pelos seus creados
e I tvaoss ao '. o.
,. porem. anda que atiento ao csiudo do
Diario <1
jue pelos membrol
da repblica para
Xme Siette
gementes, )Ss,
ente magnifl-
!iz OU Blas, que

Mme. Carm
Os expositores,
mandara m minerio,
productos inau3triac;
eos movis
Toda a colonia bra
conta tao grande num-ro de mullieres bonitas c
espirituosas, assistio J*remonia, que termi
nou aefjremenle, no Imjfet, por um briude
Franca.
O Pavilho do Braiil, notou o Pci Journal,
conim uma riquissima collecco de^moveis, ma-
deiras variadas, pelles de animaes selv,^
assim como grande varledade de raixes medici-
naos, fibras texts, etc.
Contm igualmente algodoes, resinas e .pe
dras preciosas em grande quantida 'e ; e nota-
mos de passagem a collecco de pedras, exposta
pelo Sr. Visconde Cavalcante, a qual vale s por
si urna fortuna.
kqcoQjiiatar|"eii*a .1-8 de Julho de 1S89
tual!.
norma, de
ctuass ui'a ascenco libe-
mostrar
os nica
ptada
o ac-
que nos ac
i respon-iabil
a njyiqa opiires
lo mi
A historia imparcial e desprevenida registra
ra ein suas pagina
Jos lempos caam
attestados eloquente
[Ue con e,n
Agora ao nosso,-!,
lenlt-mente se bate!
A defeza produz,
d'Albuquerque pron
IHDIGACES DTEIS
cucos
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagero'do tero, quando e co-
rno aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risideneja ra do
Boia Jeaus (antiga da Cruz) n. 23, 1.a
andar. Telephone n. 389
Dr. Barreteo Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.* andar da casa
ra do Bario da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en
trada pela na da Saudade n. 25.
i r. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no poden-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, 1. an-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hvispicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr Alvares Guimaraes, cnegado da
corte, dedica-sfi medicina em gera!, e
com especialidade s molestias do cora-
oio, pulmoes, ligado, estomago e mtesti-J
'ios e tambem s JFecc/ies das enancas.
Reside pra^a do Conde d'Eu, n. 38j e
tem consultorio na. ra do Bom-Jesuf
(antiga da Cruz), n. ^45, onde d cnsul
cas do meio-dia s 3 horas Telephone
n. 381.
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o seu-
escriptorio a ra do Barb da Victoria
n. 32, 1. andar, onde d consultas d
meio-dia s horas da tarde. Reside
ra de Gervasio Pires n 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhes.
Telephone n. 427.
O f>r. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades : molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27, andar: Consultas das 11
b 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
nolis) das 6 s 9 horas da manha e
tarde. Teleshone n. 392
Dr. Joaqtvi Louieiro medico e parte!-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Qccusta
Dr. Ferreira. com pratiea nos princi-
paes hospitaes c clnica de Paris e Lon-
dres, consultas todos os' di-is das 9
borasdao meio-dia. Consultorio c resi-
A*XHiH a ru Lwg d" B"WK> P- 90-
AdvogadAS
O bacharel Wittp Bandeira,
pode ser procmu'o ru do imperador
n. 71, 1.- andar.
J. A. de Mugalhjies Bastos. Duque de
Casias n. 66, 1. andar..
Dr- H. Milet contina com seu es-
criptorio de advocada, a ra do Impera-
dor n. 40, onde tambem poder eer pro-
curado sobre negocios concementa* 1.a
proihotoria publica d'esta capital.
O conselheiro Porlella contina a advo-
gar. Escriptorio ra d> Imperador
n 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'ora ra da
.Matriz da Boa-Vista). Telephone n. 362.
tiicto adversario que va-
itidiams.
ao acto do Sr. LouredfO
endo com preterigao de
uaouense mais recente, uao procede.
collega da imprensa fluminenseo
Nows&\id**.-cujo amor ao governo manifest.
escreveoj a esse rospeito :
D'entre os preteridos ha quem, a mizo un-
nime de lodos es que os conliecam, revelem mais
inqucbrantavel ze; e, demuis, entre funecio
narios que ha dezenas de anuos exercem os
seus cargos se;n macula e o* que, ha cinco me
zes apenas o fazem, todas as presumpcOes de
idoneidade e de zelo sao por aquelles contra es
tas. E istoe assim a juizo de quem quer que o
i'-nha ; logo, deve sel o tambem a juizo de mi-
nistros.
0 Ilustra collega, defeodendo o acto pelo
qual o Sr. d Cuar demitli* o Dr. Loreto, nos
refere uma cou-a qne ignoravamos :-esse dis-
tuicto moco foi exonerado em virtude de u.n
trama res-- uma conspiraco.
Assume, pWiauto, mais escandalosas propor-
coes o aclo, figio como maculou se a honra de
un moco habilitado e bem considerado de mo-
do a nao dar ine meioe de defeza___
Nos queremos o ampio rgimen da publicida-
de, da coragem e da respoiisabiiidade..
Mais covarde o individe que sa acoita as
attribuiges do seu cargo e d'ahi preme, anda
que infructferamente, manchar a reputago de
uma pessoa cujoa actos o pejn a coborto dessas
indignidades.
merdante Francisco Antonio de Abreu, por um
desordeiro apaniguado por Francisco Quintino
das'Neves, subdelegado supplenle do term
Bonito; nenhuma providencia houve por pan \
da autoridade, e se diz que o sertanem de nome
B*'1, dissera ao desordeiro aue contiuuasse a
r, pois que as autoridades nao o perse-
guan).
E' ntoleravel semdhante pmcedimento .' !
Os abaixo assignados, condados na alta e sa-
bia justica desta Ilustrada admiuistragao espe-
ran que V. Exc. tome a necessaria providencia
de modo que nao se percam pais de familias dei
xando os innocentes na orphandade.
Urucu mirim, 10 de Julho de 1889,
Assume se a responsabilidade.
Francisco de Assis Oliveira.
Joo Suares de Oliveira.
Antonio Soares de Oliveira.
Joaquim Soares de Oliveira.
Augusto Cabral de Mello.
Francisco Antonio de Abreu.
Francisco lacharas de Mello.
Lourenso Lius de ^ujo.
Joaquim Lins de AraujO.
Jos l'edro de Albuquerque.
Joo Jos de Albuquerque.
Beberibe
bac-
ver
Drogara
Furia Sohrinho & 6'.,droguisU por ata
oado, ra do Mrquez de Oiinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi
de todas na especialidades pharraa-
e'euticas, tintas, drogas, productos chimi
cas e medicamentos homeopticos, ra de
Mrquez de Oiinda n. 23.
Aterrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de c-impino
nevr iplifica s,n,ular..,ente os proble- de Fraiicsc os Santos Macedo, caes do
mas de que trata, esquecertdo-sc, entretanto, de ,,. ., ., ., % .
que para o consumo do alcool concorreru mu-tos '-apibaribe n. 23. Este grande estabele-
faclorcs, c, pois, que ha injustiga em attribu-o cimento, o priineiro da provincia ncate
BOmente nos ervos. genero, compra e vende madeiras de todas
O china, as condiies econmicas que formam a3 qualidades, serra madeiras de conta
U n c i utro, e o mais ndoente duna 'iteno'-do ,,*..' i. _.
homem, o fazem mais ou menos disposlo a em- a'heia ass,m como Papara obras de oan-
li ar-se; e se verdade que na Inglaterra e pina por machinas e por pregos s
na America os homens se embriagara muito me petenciaPernambuco.
nos do que d'aores, o consumo das bebidas al
eolicaa vai entretanto excesivamente crescendo
i. -'s 'lenos abastadas, e os mdicos e so
c la alarme r/um diapaso cada vea
maior.
, *
Um descubridor de coinddencias chu^ou
cjuciisao de qne o sabbado 6 dia fatal para a
familia real da lnalaterra, e para provar a sua
na os faclcs sesmntes :
ADuquezade Cambridge, fallecida receute-
m i'e, uirreu n"um -alibado, Guillieruie 111
m rreu n'um sabbado, 18 de Margo de 1/z a
rainha Anna mcreu no dia 1 de Aos!o de 1714,
indo: em 1797, morreu no sabbado. 10 de
o,.Jorge ; Jorw ll baixou sepultura no
dia 26 de Ju ii de 18.' >, sext i dia da -Miaa:
a Dnque a de Kent falleceu no da 16 de U
1861. |abl auo : DO ~alil,a l.o. 14 de Dc?e:nl.o
laun), bil u 0 principe A b
idnu-, a princeza Alice, gra-doane
orri i) em 14 de Dezembro de
dando cor bo'neca..
4h ? Mas como queres qne gsse
nifD"! a boneea ?
nao diz sempre que a
nariz d > papae vermelho '...
***
FavtWao Brazeiro na exposifao un;
nos do jornalisuio parisiense
Brazeiro, diz Le Rnppel, com-
an lores de caleras, rodeando um
! i nividraca la Por
po principal do edificio una te
allura conten a escada que da ac-
u- do 1* e 2' andares; e un
ta d subida ao terraco en
da torre.
tta;o do pavilho con>ta d< se;-
^feentando os ros principaes do Bra
Jlantas e arbustos que na
gens.
D decorativas ornam a3 grandes aber-
udas.
oceupa 1.200 metros, rt-servou
^^^HHPva o
reito esl oceupado por jardins com plan-
; bustos brazileiros, uma estufa e um tan-
que em que a agua em temperatura elevada con-
tm uma regia do Amazonas, emfim
uma gruta e inri pavilho de degustacao.
expositores sao.cerca de 1,600.
^1 cana, au Le Steck, bordada,
iflHoTes exticas as mais raras, e or

Asiluaeo
V
Ha occasies eujijue o espirito humano, extra-
ordinariamente iirrpre.-sionado perante uma suc-
eesso de phenomenos que ven denunciar a des-
aggregagSo inbtanea ou lenta de um ryanisino
quaiqu.r, sente-se preso |ior uma alluvio de
ideas demasiadamente fortes que o tornam ca-
paz de reveslir-se de uma coragem herclea
para brotar em publico:tende recen; o cor
po que se vai rlecompor, se nio Ihe appcardcs
- reagentes, poder infeccionar a all
Phera em que vivis, e entao fatal sera a
a ruma!...
us acbampa en idnticas circums'ancia-
0 nosso espirito, apodera se de uma energa
ma para brad, ^naesde
paiz :vi'vie ;suspendei a vossa norma de
duela ao contemplar o quadro que se desenrola
> VOSeas vistas ..
O Rio de Jmeiro-o centro para onde conver-
gen todas as forgas vitaes da naca esta endo
ieatro de scenas que patcnteiam vertifeinosi
dade com que esse paiz marcha para um aby--
mo hornvel-a Iota fratricida !
u gabinete palaciano manda tacita ou exprs
smente (porque culpado tambem o individuo
que, p (ieiidj dizer ao criminoso :nao facai-
isto; pelo contrario o protegf abertamentei i
turbar urna pacifica manneatapfio da maddade
acadmica llumineuse que celebra va a en1
rio da grande crise que nao significa mais do
qne o grande inicio das n 4
e o de Agosto i-io, da declaracjio dos direilos
do hom
U anmo popular (j impressionado com as
:rSicias dadas na Baha e con a inslita
niudarica de situago quando to 1
acclamavam o ministerio Joto Ifredo, o ma s
apto para dar ao paiz reformas em que se equi-
librassem o respeilo autoridade e s aspira-
fOes democrticas), revoltou-se centra esse ata-
que aos seus brips-ataque que sanio propor
coes enormes por parte de um governo Iberal
que provocou a memoravel luda cnamada do im
posto de vintem'.
Porque motivo, o ministerio que se dizia ie-
or do tkrono, porem defensor pac/ico, nao te
1 ve a precisa energa para preservar a augusta
] pessoa do venerando Sr. J). Pedro II do ignomi-
nioso attentado de que foi victima nanoite de 15
' da corrente ?
Dedunciamos que o paiz assistia a uma
chanal onde irmos sacrifican) a irmaos
E dissemos muito bem : -acabamos de
praticado pela situaco liberal mais um acto de
requintada mjustica, da mais revollante cruel-
dade.
ArTonso Olindeose, raog* diguo de todos os
respeitos pelo seu pujante talento e altas quali-
dades moraes, foi exonerado do cargo de 2o pro-
motor publico, adiando se proslrado era um lei-
to de dr e sob a aceo de uma grave molestia
e no goo de unja licem.a.
Sem fazer commentarios, relatamos ao publi-
co esse facto summamente revelador da anar-
chia e desarraujo mental dos actuaes directores
de-te paiz.
No porlanto, sobre um fuclo espordico que
asseiitamos a nossa condusSo de que u dominio
liberal tem ido injusto.
Beflicta o brilhaiite redactor das QuotUianas.
Themis.
Tlumamos a a'tenco das primeiras aulori
dades da provincia para o segrale facto ocur-
rido era Beberibe, e db qual foi protogonista o
acluai subdelegado desse distrido.
Ha qpntro alas, essa autoridade, servindo-se
de um ftil pretexto-qual o de attribuir um
infeliz morador do povoado o furto de um per
furto Oo qual nao tinha provas, mandou pren-
de! o e recolliel o ao quartel do destacamento ;
", feito isto, mandou vir sua presenga a esposa
dess morador forpD. casada ha pouco lempo;
para mterrogar-a.
Vendo, porm, a moga e engrasando se d'ella,
(bi elle proprio reconduzil-a casa de residencia
da infeliz, e all esleve trancado at dta noite,
quando sahio pela porta posterior da referida
casa.
O que fez o subdelegodo all, so*, trancado ?
O tacto foi testomunbado por diversas pessoas,
3ue, tendo de vellar um doenle grav estavam
espertas e viram aquella au:oridade entrar e
sabir da referida cisa, denois de tonga demora
ahi.
Pergunta-se:
E' raoralisada essa autoridade .'
E' justo prender alguem por supposto crime de
furto *
E'htnesto prender o marido, e ir trancarse
com a esposa na propria casa d'elle ?
ir Manden Ss. Excs. sindicar do facto, e tero
as nrovas.
A opiniao publica.
iVSKOADEACMA'BE'OO'
Eis o que em data de 10 de Junho de 1888 eacreven o reputado cimica-
rias A. da Silveira, residente em Barra Mansa, provincia do Ri de Janeie
ro, em relacjao a um precioso preparado, que grande tao aceitadlo encontra hoje np.
America do Sal.
O Peitokal. de Cambaba', importante preparado do. Illm. Sr. J. Alvo
de S. Soares, de Pololas ^ossue propriedades balsmicas pronunciadas, e exerce in-
fluencia benfica, em todas as affeccSes catharraes, principalmente as do apparelho
respiratorio e genitourinario. As affec95es catharraes do larynge, dos bronchios e da
bexiga, quando primitivas, cedera promptamento ao uso reiterado do Peitokal de
Cambaba'.
As secreg3es muco-purulentas, symptomaticas da tuberculose pulmonar,
modificam-je vantajosamente, tornando mais desembaracado o campo da hematose
pulmonar.
c E', portante o Peitbbal db Cambaba', um heroico meio preventivo e
um auxiliar no tratamento da tysica pulmonar, tao requente no Brasil.
Em nossa'longa pratica temos tirado extraordinarios' resultados da tinta-
ra do Cambar, no curativo das feridas recentes, obtendo quasi sempre uniao pOr
primeira intenso, pelo que deduzo que o Pbitoeal de Tambaba' encerra principio
altamente anti-scepticos, virtudes therapeuticas procuradas, hoje, para combater-se
as molestias da causa parasitaria, como soem ser a maior parte das affeccoes broncho-
pulmonares.e genito-urinarias.
til e agradavel
n. too
KiM'ur Que a reconhecida purea do Oleo de Pigado
de Bacalho. de Lanman & Kemp, o colloca em
uma posicao omito alm de toda a nvalidade em
todos os mercados do mun lo. E' este, pois, um
assumpto do maior importe para os doenie# pulmonares, possue prazer agradavel
Uru^-mirira!
Para o E\m. %r. presidente e o
publido rereiu
Os abaixo assignados, proprietarios, morado-
res no povoado de Urus-mirim, do termo de
Grvala, levara ao conhecimento do governo da
provincia, que as autoridades policiaes desle dis-
tricto eslo aqui praticando os mais affrontosos
osulios ; e que, nem ao menos se pode atingir
qnal a que esl em exercicio, OS subdelegados
juramentaram-se, Jo.io Firmo de Souza. na qua-
lidade de elfectivo, Fraiii-is :o Patricio de M dio
I" supplente, e Kozendo de Lima Barros, 2 sup-
plente, todo^ anilphabetos, assim se pode dizer,
porque apenas assignain se deforma que elles
mesmos nao iem.
Estavam funecionando dous subdelegados em
exercicio, em um districio ao mesmo tempo,
Francisco Patricio de Mello e Rozendo de Lima
Barros.
Nao so lucram violencias nesle distrieto de
sua? jurisfljeedes, como no d te-
que annexo divide a este, na ponta da ra deste
povoado.
Ue entre nerseguicesj privarara os.tiabalhos
dos artistas: funirerros, ferreiros e...... Sao
dirgelas estas autoridades pelo professor publi-
co deste povoado e o sertauejo B, homens que
caprieham em estrairar o referido povoado, e
eslao no caso de'ser policiados.
Aos 3 das do.corrente m<'z, o Francisco Patri-
$'o, subdelegado, foi a Grvala, ivquisitou lorja
i delegado de polica lente Jos do Carino Cor-
roa de Oliveira, no intuito de lomar vindictas
contra diversos residentes aqui, aproveitou o
torpe ensejo da ausencia do nosso distincto ami-
o JosLins do Araujo. moco pertencente a uma
familia muito conhecida, e com toda a sobrance-
ria pe uliar a quem sabe zelar a sua reputaofio,
eonimerciante no povoado e que -oulr'ora exer-
ceu d cargo de subdelegado desle lugar, e ca-
lumniosamente fazer-lhe carga ao delegado;
este, sem seria informacfio, tal foi o furor que
Ihe crescera, mandou por m soldado de po-
lica retolher oilosso amigo a cadei, quando
este, apta ao subdelegado, entrara em Grava
ir. a seu negocio, afim de comprar bois para
abater no pjvoado, lodo tranquillo, sem re-
morsos de sua consciencia ; mas tal a censura
e os remorsos que doeu a conscicncia do refer-
ilo delegado, que, couhecendo a mconteslavel
violencia, victima de uma priso arbitraria I!;
Este faci, Qlho nicamente da m ndole,
quer p r parte das autoridades, quer dos "aula-
gonisias do nosso amigo,
Depoia desses desacatos, o delegado promet-
teu vir ao povoado assistir feira e aocommo-
dar as cousas em eixo regular, nao consentir
qre os subdelegados continuassem com seme
Ibautes arbitrariedades e exageraces. .:.
Pelo contrario, assim nao guccedeu ; a viuda
do delegado aqui, em vez de concertar, descou
cerou, .endo victima nesta occasiao o 'nosso
amis,o Jos Soares de Oliveira, morador no en-
genlio Penon, do termo de Bezerros, que, clie-
^amo no povoado ( feira) acerca de 11 horas
(r dia 7 do corrente, sofTreu um Uro em um seu
cao, que de costume Ihe acompanbava, islo ao
apeiar-se do cava lio. tendo- sido desfechado o
tiro por um soldado de porcia onde estaTnra di
versos agglomeados, najfcSe:ica do delegado
e subdelegados; ui'a di< pragas dissera,
qnando matou \-'ora. tenba quem qui-
zer. ""
O tiro foi deflpdi
do Bonito, aoii'Te ja esperavaui: a
que alguns dos soldados disserara qu|> vfMm
munidos com tres pistola-, uma pora o e!to e
duas para o nossos am e Jos
Lins, se failassem.
E se nao ti\emo: o despraiet de ver aqui mui
las victimas e e;: i ra alagada do san
itsasos amigos, dewmos todo a pru .
bom rOmporlamento com que houveram-se
ses Ji.uigos.tujos briosos sentimentos honran
a clas.-e dos homens iletrados, porque i
dsseram e nao sahram kie dentro de casa, e
por certo, -e assim nao ^essem eram assassi-
i.ados.
T,.inafiinsToi-ani os absurdos ees
em urna quarta parte
do co.-lurne. leidiaraai-se diversos estabeled-
nieo'os commerdaes e mudos fereiros se ret
a d'-feiliad'i-.
O lun 'jado, que foi viudo de prompta
um ofli;ial de justiga armado de ponto
em branco.
De edtr : que foram injustamente s-
i bastante eoisanguentado de baio-
az, que baria exeruido o lu-
pecior de rjuarteir&o.
E-: i'.es jurados pelo su bd
DancadOs a baioneta, a
ponto de iteivarem os seus domicilios seja por
qual meio for, sem excepsio de mullieres e me
0 professor publico do povoado revestido da
anlorylade tem procurado e procura diversas
quem elle odeia. para espancar, com
especialidade a aquelles que como testemunha
depozeram contra elle em um processo por crime
de injurias verbaps. que ha pouco foi eondem-
nado em grao medio do art. 237 combinado com
o 238 do cdigo criminal.
-or' e o sertauejo B, de accordo
com esta aptoridade, podem muito bem matar
por sua conta e risco, sem responsabilidade
para si! I !''
Foi tambem agzredido aqui o pacifico com-
i Hr.
das
commiindtnte
armas
Ainda conlinua no supposto empreo de in
structor o 1." sargento da 3." companhia do 2.
batalhao de infamara, onde existen apenas 10
recrutas doblados no servico da guarnico, nao
obstante o antecessor de S. Exc. ler verbalmen-
te determinado que (base chamado para o servi
co interno, alim de ajudar a seus desafortuna-
dos companheiros, que ha dous annos sao mais
ou menos atropellados no servigo, devido pro-
leccao que dispensa o ajudante do corpo ao ap-
prente instructor*
Em face da le, nao pode esse fidalgo e prote-
gido mogo oceupar o lugar de instructor, quan-
do l) dos avisos do Ministerio da Guerra po
hibe que os primeiros sargentos sejam dis'rahi
dos em binpregos ou ontras commisOes, mxi-
me quando ditos empregos s teem por lim a
proteeco, embora traga ou nao prejuizos.
O simulado instructor praga- de -18715 e n&o
esteve certameute .sujeito s inclemencias da
guerra do Paragty, para hoje querer ganhar
dnheiro sem fazer servigo, sendo portante* pre
judicados aiguns de seus companheiros, os
quaes sem direito de representago presencian)
a vida ociosa que passa elle, ora em sua reser-
va balangando se n'uraa rede, ora na cidade de
Ojiada capando bodes, e al desnea a*do cida-
-dWB-ptoiticos, etHBS-aimaarjaj^ha a annos pas
nados.
Serei breve, porque anda contino.
O prejudicado.
Despedida
Sdu forgado a partir hoje para a corle apom-
pan hando rainha rmilher, que se acha enferma
de beriberi. *
A presteza dessa viagem inesperada e resol vi-
da ultima hora a conselho medico, nao me deu
sequer o leoipo necessario para me despedir, ao
menos por escripto dos meus amigos e correli-
gionarios, quer desta capital, quer do interior.
I'edindo-llies desculpa dessa falto involunta-
ria, a lodos offereco os meus servigos em qual-
quer parte onde me ache.
Prevalegome do ensejo para avisar aos meus
amigos e correligionarios de que hcam eucarre-
gados de todos os meus negocios polticos os
meus amigos Exrns. Srs. Barfia de Caiar, Dr.
Jos Mariahno.Carneiro da Cunta, Dr. Luiz De
metrio Dias SimOes "e meu irmio Dr/ Manoel
Castao de Albuquerque Mello.
A esles podem os meus amigos dar as suas
ordens.
Outro sin : deixo incumbido de meus nego-
cios particulares o mesmo meu irmao e o Sr.
Jos Cvsnciro de Albuquerque e Mello.
Recfle, 16 de Julho de 1889.
Jos Marn de Albuquerque e Mello.
Dr. & Mrs. R. P. RAWLINSON
Como um meio de curar as tosses obstinadas, de
sarar os puhoes inflanmiados e tuberculosos,
de aialhar a consumigo do ligado, de alindar as
afTecgOes broncliiies, de revestir os corpos exte-
nuados coin carnes novas e de reslabelecer a*
forgas e a saude do systema vital nao ha, por
certo, n nhum remedio, conhecido na sriencia,
que tenha prolu/.ido tantas maravijbas. A bem
merecida reputago do Oleo de Figado de Baca-
Ino, como o mais grandioso dos remedios mo-
dernos, acliar-sa-Jiia ja destruida pelas vis imi
tagOes fraudulentwque se empalma aos poucos
desconfiados se. nao o houvesse salvado da des- i '
honra esle artigo fresco, nuro e incomparavel, 1
preparado e vendido debaixo da garanta de pes- l
soas de uma respeitabilidade reconbecida. | j
Tendo islo na lembranca estaris seguros de
obter c legitimo Oleo de Figado de Bacalho, de
Lanman s Kemp.
Acha-se venda em todas as principaes boti-
cas e lujas de drogas.
O Peitoral de Cambar, alm da sua
utilidade na cura das molestias broncho-
e
bem tolerado pelas creangas, em cujas en-
fermidades tambem se applica com gran-
de proveito.
22" AT HOME
& 23rd nst
Casa-Forte.
RAT1DJLO
Parabeos ao Magis'
Que em sua tronra timbn
Esse uome asS6a dotado.
Cabe a Jos Gomes Coimbra.
De minha iautilidade,
Recebas sincero abra
Aprego a siocerdade,
D sempre quem marca pago.
lade do Cabo.
m amigo.
.Declara^ao
io de ser demiltido por. proposta do Sr.
Dr. ofco Teixira, procurador dos.feitos da fa-
proc
do cargo
de solicitador da
T D. Carila de Araujo Lobo f
I PARTERA DA SALA DE MATERJIDADE I
JK ^\
\|) HOSPITAL PEDRO II \q
^p Pode ser procurada para o exer ^p
' cicio de sua prosso sua reai-
1 dencia I
g^s 59-RA DA GLORIA59 _p
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
mei dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrad pela ra da
Saudade n. 25.
{i
AOS SURDOS
O Alirophone es-
pecialmente adaptado s
molestias dos ouvidos E'
infallivel e de innnediato
effeito na pi-iducpao do
som. Este valioso* instru-
mento nunca falbou-em-al-
Leonor Porto
j Ra Larga do Rosario
mero 6
i
SEGUNDO ANDAB
j Contina a executar os mais difficgjU
< >figurnos recebidos de Londres, Pari,
( ) Lisboa e Rio de Janeiro.
I j Prima em perfeigao de costuras, jeiw
jem brevidade, modicidade em precos e
' fino trasto.
{}
!
AVISO A NUESTROS LECTORES
MAWSuBsurdez. A qualidade mais
importante do instrumento a facilidade
Los de nuestros lectores que vayan ?.
Paris mientras la Exposicin, saben yaque
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de los
Sirs. Amde Prlnee y C, sea en
liviur aos que padecem de el gabinete de lectura instalado por dichos
corresponsales, en el Pabelln de la Repbli-
ca de Guatemala, en donde el comisario
general de Guatemala ha puesto graciosa-
mente a la disposicin de dichos Srs.
Amd PrJncey C, una sala con
terrado.
Para evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citadea Srs.
Amde Prloee y C- debern hacerlo
38 ra Lafaydtc, en donde estar espe-
cialmente Organizado ese servido. (2)
com que pode ser-, posto e tirado, e qne
nao pode ser visto quando dentro do ou-
vida. JnformagSes gratis pelo.correio s
pessoas que as dsejarem.
Queiram dirigir-se pessoalmente, ou por
carta, a A. K. Ilnwson, ru.i Sete de
Setembro, n.*64, Rio de Janeiro.
Havendo grande numero de pessoas na
provincia de Pernambuco e suas circumvi-
sinhangas, soffrendo de surdea e quereodo
aproveitar-se do celebre instrumento Am-
rophone, o Sr. A. E. Hawson decidi
apoufir^jjomo seus nicos agentes para todo
o norte do imperio, os Srs. Bandeira &
Oliveira n. 65, ma do Imperador, onde po-
dero ser procurados 03 ditos instrumentos.
BANDEIRA <& OLIVEIRA
N. 65 Ra do Imperador N. 65.
'Advogado
O bacharel Joaquim Manoel Vieira de
Mello, residente na cidade de Bezerros,
civis e
as de
residente na
encarrega-se de caucas criminaes
commerciaes n'aquella comarca e
Bonito, Victoria e Caruar.
Dr. Firmo Xavier
Hedieo e operador
Da consullas das i I as 2 horas em seu con ,
sullorio ra da Inpratiiz n. 30 Io andar e:
tem sua residencia ua cidade do Cabo, onde po
de ser procurado das 6 da tarde as 9 da manir':
Frederico Chaves Jnior Jj
lomoepatha '
!139-RA BARAO DA VICTORIA 39j j
I I Prtmeiro andar ( )
Cirurgio Dentista
, DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Unrersidade de Marylaud jios
Estados-Unidos, te^i aberto o seu consul-
torio, na ra Bara do Victoria 1S, Io an-
dar. '
Consultas dab 10 s 4 horas da tarde.
Bacharel Antonio Witru-
vio Pino Bandeira
Pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, Io andar
'i
Aviso aos nossos leltorcs
Os nossos lcitorcs que visilarem 1 aris
/. 1 i provincial,
m 's na fazenda.
Meu lim nao nem queixar-me, nem dar no-
ticia do facto, que, sem sorprender me^nito po
da tambem merecer reparo dos que esto assis-
tindo derrubada em massa, que est sendo
feita pelo partido do Dr. Jao Teixira.
Meu nico proposito dar conhecimento ao durante a Lxposicao j sabem que pod-
is razes com que o Dr. Joao Teixira rao ler os ltimos nmeros recem-chega-
instilicou o seu acto. Disse-me S. S que demit- os 0 no880 ;ornai que em ca8a dos Srs.
*-pWl n^^^S^^SiAnite Prince &d, 36, roa Lafayette,
rwir ao Imbate dos adversarios, principal- \ quer da sala de.Ieitura pelos nossos cor
n'tini epocha em que se d tiros de moncr respondentes estabelecida na expos9ao
no Pavilho da. Repblica de Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de p6r
tade,"paga"o"parTfiM graciosamente uma sala com varanda
pago eu pela per- disposicSo dos mesmos senhoros.
pelo desvario -del para se eyi^r qualquer confuso, os
i amigOs que quizerem receber a
^^B correspondencia em casa dos Srs.
de Pernam*o paoipAmd rince & C, devem mandar diri-
8'anos- gjita a rua Lafayette, n. 36, por ser a
ade do servico especialmente organisado
Figuetrtdo L cara sao.
1M. o Imperador.
verdade1
poltica;
vt
pa
a i
Recife, 17 de Julhi
m Rotilio Flor,
a que se referen) os
, foi realmente des-
1 -^K^.ift3
Vias urinarias, molestias das se-
nhora3, operagoes elctricas
SS.CAHL0S SIT-TfiSCOWI
ESPECIALISTA
com pratica de pabB e lokdrks
EslreilameiHo da urellira curados ra-
dicalmente pela eleclrolyse, sem dr;
hydroceles sem injec^ao (cura radical);
feridas e ulceras chronicas, com.garan^
lia de curaj-anida : pedras da bexifia.
fstulas enemorrhoidas; sypliilis, go-
norrhas, pelo methodo das iustillacoes ;'
molestias da garganta e do peito pelas
athmpspheras medicamentosas. i.ob-
sultas e operagoes das 12 s 3 horas da
tarde.
RUA DO MRQUEZ DE OLINDA N. 34*
2 ANDAR
U<'siden<-iu na Torre
Di. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata cora especial!
dade de molestias de sehoras e creancas
Consultorio e residencia rua da impe
ratrizn. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manbJ.
Chamados {por escripto) qualquer bor
TELEPHE N. 226
'
MEDICO HOMEPATA
}Dr. Balthazar a Silveira ji
Especialidadefebres, molesiae
das enancas, dos orgSos respirato-'
ros e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados dvem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
rua do BarSo da Victoria n. 43*
onde se indicar sua residencia.
^8
Advocada, crime
[ RIBEIRO DA SILVA, defende perante o\ .
\ jury de Palmares, Agua-Preta. Samelleira, J I
I Escada,Jaboalo, Nazareth.Vicloria. Tirn-l /
rbauba e as comarcas visinhas as vias j
[frreas. J K
Pode ser procurado rua l: de Marco
|n. 7 A.Liyraria Parisiense. < >


-"


MU
4

<





iano de Pernambuco--Quinla*fera 18
EDITAES
5.* scelo.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 29 de Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vice-presidente
da provincia e nos termos do 2 do art.
1 da le n. 1,901 de 4 de Junho de 1887,
Sne, tendo-se concluido por meio de laudo
e arbitro desempatador, a questao de ava-
iac2o do material da empr ;za de illuroi-
nacao gaz desta cidade, fica aberta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
ses, contados da data do piesente edita],
para contracto da dita illuminacSo, me-
diaate as seguintes clausulas da citada lei:
3. Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
ProTincial deposito da quantia de 25:0000
em dinheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitacSo do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
4. O deposito, a que se refere o pa-
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo ccntractante senao findo o contracto e
servir de caucSo para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
| 5. O contracto s poder ser feito
com quem melhores vantagens ofFerecer
na concurrencia.
I' 6." A nao ser no caso do paragrapho
antecedente, a actual empresa nao ter
preferencia a qualquer outro proponente.
7. O novo con trac tan te sera o bri ga-
do indemnisacSo, a que a provincia
snjeita por torea da clausula decima ler-
ceira do contracto em vigor, devendo dita
indemnisacSo ter lugar de accordo com
-essa mesma clausula, e ficando o material
e obras da empreza bypothecados pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
sacSo ou pele menos depositada a respecti-
va importancia.
| 8. O prazo do contracto nSo poder
exceder a 30 annos.
9." O proco da illuminacSo, quer publi-
e, quer particular, nao poder exceder de
2(50 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
e urna reducco de mais de 30
os estabelecimentos de caridade e
^encia, e repartieses publicas.
f 10." O systema mtrico, si fr mais
conveniente, ser adoptado para a niedi-
clo do gaz.
11." A luz ser clara, brilhante e isenta
de substancias estranbas, que possam pre-
judicar a illuminacSo e a hygiene publica.
| 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete,
das que queimam sete grammas por hora,
oorrespondentes a 120 grSos inglezes.
13. As horas de illuminacSo publica
serSo fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nao podendo
*er em numero menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste caso haver urna
reducco no preco do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
14. O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questfles que
se suscitarem, quer com o governo,
quer com os particulares, ficando su jeitos
todos os seus actos s leis e regulamen-
tos e jarisdiccSo dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos do pas.
| 15. O contractante ser obrigado a
eollocare construir sua custa um ou
mais gazometros, se houver necessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os melho-
raments que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
. 16.a O pagamento da illuminacSo pu-
blica e particular ser feito em moeda do
paiz, sem atten$2o i oscillacSo do cambio.
17. O contractante poder organisar
companhia, a qual fcar subrogada em to-
dos os direitos e obrigacoes do contracto.
18. Para as despezis com a fiscali-
sacSo do servico de illuminacSo o contrac-
tante concorrera annualmente com a quan-
tia, de 3:000)5000 que serSo recomidos ao
Thesouro Provincial.
19. O presidente da provincia esta-
belecer as multas e mais condicoes, no
intuito de garantir a boa execucSo do con-
tracto, quer com relacSo a illumincSo pu-
blica, quer com a particular.
Faz-s publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7o cima citado, a
quantia de 994:9174528, de accordo con
a avaliacSo feite pelo arbitro desempata-
dor em 18 de Marco ultimo, visto deduzir-
Se da de 998:777)5528, total da asaliacSo,
a importancia de 3:8600000 paga era-
Sresa em 1860, proveniente de 202 canos
e ferr, 5 columnas e 5 bracos com lam-
peones, collocados fra do permetro do
contracto.
O secretario interino,
w Manod Joaqun Sveira.
3ue a Assembla
ecretou e e
Je 1889
Empreza do Gaz
benefi-
AYIKO
A empreza de illuminacSo a destagaz
cidade por sea gerente, tendo visto no
Diario de Pernambuco de hoje a publica-
cSo do edital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacSo mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas e servindo de
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patador as obras da mesma empreza,
base para a indemnisacSo da empreza
actual a quantia de 998:777jjt28, por
quantia essa que dever ser paga pelo
novo contractante, vem pelo presente
aviso, e para evitar dnvidas futuras, de-
clarar que dita avaliacSo nSo pode servir
de base para tal indemnisacSo, por ter
sido illegal e irregularmente feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feitos da
fazenda, tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr. procurador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da provincia.
E como quer que deva em tempo op-
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, deliberou fazer a
presente publicacSo para scieneia dos in-
teressados.
Reeife, 1 de Maiode 1889.
George Windeor,
Gerente.
Legislativa Provincial
sanecionei a resolucSo se-
guinte .
Art. 1.- Fica o presidente da provincia
autorisado a conceder, por praso impro-
rogavel de dez annos, privilegio a quem
mais vantagens offerecer para montar, nes-
ta provincia, a primeira fabrica de cimen-
to preparado com materia do paiz.
Art. 2. O cemento produzido pela fa-
brica de que se trata nSo gosar de isen-
5S0 de imposto algumnom de quaesquer fa-
vores directos ou indirectos que tenluim
por fim prohibir a entrada ou venda na
provincia de producto similar, nacional ou
estrangeiro.
Art. 3.oSe no fim de dous annos, a
[ contar da data da presente le, nao esti-
ver a mesma fabrica funecionando regu-
larmente, a actual concessSo de privilegio,
ser ipBo facto considerada caduca.
Art. 4. Ficam revogadas as disposi-
o5es em contrario. Mando, portanto, a
todas as autoridades a quem o conheci-
mento e execucSo da presente ResolucSo
pertencer, que a cumpram e facam cum-
prir tSo inteiramente .como n'eJIa se con
tm.
O Secretario Interino da Presidencia
d'esta Provincia a faca imprimir, publi-
car e correr. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, 6 de Maio de SS'J, 68." da
Independencia e do Imperio. (.asigna-
do).Ignacio Joaquim de Souza LeSo*
Sellada e publicada a presente Resol u*-
cSo, nesta Secretaria da Presidencia de
Pernambuco, aos > de Maio de 1889.
O secretario interino,
Manod Joaquim Sveira.
mandei passar o presente, que
lugar do costume, do que dar certido o poi -
teiro do auditorio, e se publicar pela imf^HI
Dado e passado nesta cidade do Reeife d
Pernambuco, aos 16 de Julho du 1889.
Eu, Antonio de Burgos Ponce de Len, escri-
vo o escrevi.
Joaquim da Gasto Ribeiro.
DECLARARES
Secretaria da confraria de S.
Jos d'Agona, 17 de Ju-
lho de 1889
Por deliberars da mesa cooj ueta de 14 de
Julho, convido todos os irmos a coniparecerem
ao consistorio da confraria domingo 21 do cor-
rente, pelas 10 horas da manh, para reunio de
mesa geral.
Manoel Francisco dos Santos e Silva
Secretario.
DEKBY GLDB
DE
PERNAMBUCO
S. R. C.
COMMERCIO
Re rope<* de liiiilio de 1S8
Nao foi auspicioso, para a nossa praca, o me/.
de Junho lindo:
Em quasi lodos os ramos de negocio noton-se
um certc ietraliiraento. dvido a exigencia de
precos, que tooiaram o mercado,.em geral, pou
co animado ,
f. No mercadio de cambios os saques foraui me-
nos elevados do que os effectuados em igual
mez de 1888.
Na Bolsa o movimento foi limitado, cou*istin-
do quasi em transferencias de ttulos da divida
publica e de emprezas particulares, c isso mes-
mo em pequea escala.
O mercado exportador esteve fraco, com quan-
to fossem mais elevados 'os precos de alguns
artigas, como oalgodo, o assucar, a aguarden-
te e o alcool, observndose o mesmo quanto a
importaco, que comparada a de igual mez de
1888, encontra-se urna differenca, para menos.
Eis os dados que colhemos :
As estaedes publicas arrecadaram :
Alfandega
Junho de 1889 637:831*386
de 1888 935:024*16.";
5* SeecSo. Palacio da Presidencia de
Pernambuco, em 16 de Julho de 4889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, que, tendo Caefano da Costa
Moreira requerido a concurrencia publi-
ca para o estabelecimento de uina fabrica
de cimento preparado com materia do
paiz, nos termos da le n. 1987, de 6 de
Maio deste anno, infra transcripta, fica
marcado o praso de trinta dias, contados
de hoje, para o recebimento de propostas,
em carta fechada, referentes a fuitdacSo
da dita fabrica. (Assignado) o secretario,
Francisco L. Marinho de Souza.
Lei n. 1987
Ignacio Joaquim de Souza LeSo, ha-
chare! em sciencias jurdicas e sociaes, fi-
dalgo cavalheiro Jda casa imperial, cava-
lheiro da Ordem .da, Rosa e vice-presiden-
tc da provincia de Pernambuco :
Faro saber a todos os seus habitantes
Secretaria da presidencia de Per-
nambuco, 22 de Junho de 1889.Por es-
ta secretaria se faz publico, de ordem do
Exm. Sr. vicepresidente da provincia,
que fica prorogado por 30 dias, a contar
de hoje, o prazo para a apresentacSo de
propostas de concurrentes i fundacSo de
onze engenhos centraos nesta provincia,
nos termos da leia n. 1972, de 22 de
Marco do corrente auno, observadas as
disposicSes constantes dos editaes de 25
de Maio ultimo e 3 do corrente.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto de M. Tambor!m.
ocledade Recreativa Coaaercial
Suro trimestral em 17 de Agosto
Scientificu aos senhor >s socios e convidados,
que depois da grande reforma porque passaram
os salces desta sociedade, licou designado o dia
17 de A rosto prximo para o sarao trimestral.
Pa ii:i|)o aos senhores socios e convidados
que a sociedade maodou preparar um terraco
pura melhor accomraodacao dos mesmos se
nliores.
Os convites desde j podem ser procurados
nesta -ccretaria.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
cial. 18 de Julho de 1889.
0 1 secretario
Adoloho Mendes Torres
(=S^
seguinte quadro da renda comparada da
Alfandega mostra a difl'erenca havida, as dife-
rentes verbas da receita :
f
3
I
t
Si
a
I H.
i .
i !
o 5 ai z
2 a =-

o = o
3
o
Menos em 1889
Reciibetlora ticrtU
Junho' de 1889
de 1888
Meaos em 1889
m-.auTn
i2:296i0O7
K:3735872
L3:277865
Junho de 1889
de 1888
Menos em 1889
Renda Prociucial
192:909*546
268:996Ji08
76:0955862
Verifica-se, portanto, que em Junho findo as
reparticoes arrecadadoras renderam menos do
qe em igual mez de W88.
#
Foi este o movimento de dinheiro sob a res-
ponsabilidade das companhias de vapores que
servem praca do Reeife:
Junho de 1889
de 1888
Mais em 1889
Junho
de 1889
de 1888
Entrado
Sahido
191:58800
110:8003125
80:708*675
792:304*860
324:817*653
Mais em 1889 467:487*S07
A expedico em Junho prximo findo foi para
os seguintes pontos :
S. Paulo 100:009*000
Rio de Janeiro 323:800*000
Babia 49:500*000
Sergipe 18:000*000
Alagas 24:230*000
Fernando 5:345*230
Parahyba 72:000*000
Rio Grande do Norte 52:000*000
Cear 121:929*630
Maranho 3:000*000
Para 19:500*000
Comparando as entradas com as sahidas, v
se que em Junho findo hoave na provincia um
desfalque de 600:796*000.
'4.

C
a a
ug
*..
I
oc--
5
C M. i
*. t.. ** II -^
CJ II
*. $
^i ve *j ^i
5 I S
-. i Vm B 6
H. ~ ~ X ~
22
3
3D
\ 2
as
o

8
i
2
it
S ^ -J
-: ~

I
seguintes saques para o
Effectuaram-se os
exterior :
Sobre Londres :
Juoho de 89-* 200:000 de 26 3 4 26
de 88* 290:000 de 24 a 25.
5 8.
Menos em 89-* 90:000
Sobre Pars :
Juoho de 89 -fr.
de 88 -fr.
250:000 de 356 358 n'-is
323.000 de 380 395 .
Menos em 89-fr. 7S:(0J
So6rc Hamburgo :
Junho de 89-reisch. 52:000 de 443 440 ris.
de 88 60:000 de 472 a 491
Menos em 89
6:000
Sobre Portugal:
Junho de 89ris fortes 40:000* de 99
- de 88- 55:00 de 112
100.
121.
5. seceo.Secretaria da i residencia de Per-
nambuco em 10 de Jumo de 1889.:
t-or eslz. secretaria se faz publico para couhe-
cimento de quem interessar, que, a rernierimen-
to de Jos Bernardino de Bourbom Arantes, ti-
ca aberta a concurrencia, com o praso de tnnta
dias, contados desta data, para o recebimento
de propostas referentes a fundacao de um enje-
nho central de typo maior, de que trata o aM.
18 da lei n. 1865 de 11 de Agosto de 1885, me-
diante' as condicoes do art. 16 da mesma lei e
da de n. 1972 de 22 de Margo ultimo.
(Assignado).O secretario, Francisco L. Ha-
rinlio de Souza.
O Dr. Joaquim da Cimta Ribeiro, vi~ de
direito do civel desta cidade do Reeife
de Pernambuco, por hia Magostada Im-
perial a quem Deas guarde, etc.
Faco sauer aos que o presente edital virem ou
delle houverem noticia, que tendo fallecido o
buc-arel Fulgencio Inlanle de Albuquerquc
Mello, por quem eram exereidos nesta comarca
o lugar de ofhcial do registro civil e de hypo-
thecas, creado pela lei geral n. 1,237 do 24 de
deSetembrode 1874, e conjunctamente, como
annexo, por Torga do art 3* da lei provincial n.
1,660 de 10 de Jucho de 1882, um dos cilicio
de tabellio de notas, estabelecidos pelo ari. Ir
da lei tambem provincial n. 355 de 2o de Abf*il
de 1856. acha-se aberto o concurso para o pro-
vimento da serventa vitalicia de um e outro of-
ficio pelo prazo de 30 dias desta data ; pelo que
sao convidados os pretendemos a apresenlarem
dentro do dito prazo, ueste juizo, os requerimen-
to-que houverem de dirigir para esse fim
presidencia da provincia, levenJo iustruil-os
com certidio de idade, attestado medico de ca-
pucidade physica, Tulla corrrida, auto d: examc
de sutliciencia, certido de approvacio cm exa-
me de lingua portugueza c de anthmetica, e
mais documentos que Ihes convierm juntar.
E para que ebegus ao conncriiuetito de todos,
Em ttulos da divida publica e de aeces de
companhias houvc na bolsa o seguinte liiovi-
mento :
Apolices (jeraes -Venderam-se 15 de l:000*mNi,
sendo 10 com o descont de 3 ", e 3 com o prc
mi de 10 % ; e 1 de SOOiOOo com, o descont
de 3"..
isttras hypothecarias Venderam-se. das do
Banco de i .rdito Real de Pernambuco, 100 com
juros, valor de 100*000, com o prenfio 12 %
172, sem juros, cora o descont de 3 ...
Uirrrsas eniprtmsVenderam-se: 3 aeges da
Companhia dos Trilhos Urbanos do Recite
Olinda e Beberibe, valor de 2004, com o premio
de 1/2 a : 3 aeces da via-ferrea de Ribeiro
ao Bonito valor de 100, com o descont de 30
".; 15 aeces da Companhia de Seguros Indem-
nisadora, valor de 2004, cora o premio de 6 1,2
.. : 176 aeces da ( ompanhia do Beberibe, valor
de 100*. com o premio de 50 / : 264 abriga-
covs preferenciaes da Companhia Pernambucana,
valor de 200*, a 197*300 cada urna: e 2 obri-
gacoes preferenciaes do Hippodromo do Campo
Grande, valor de 2005, com o descont de 3 /.:
O movimento do porto do Reeife, foi este :
Entraram do exterior
18 vapores lotando 29:920 toneladas.
12 navios ^ 3:820
Entraram lo portos do imperio
i.\ vapores lotando 27:049 toneladas.
24 na\ios 2:8/0
Dando para total das entrada*
77 erabarca^es, lotando 63:639 tonelada-. .
E tendo sido o total em Junho de 1888, de:
75 embarcaces. lotando 66:218 toneladas.
Vc-se que entraram mais 2 embarcaces, lotan-
do menos 2:559 toneladas.
Sahiram para o exterior
16 vapores
14 nanos
Saliiram para o iiteriur
25 vapores
19 navios
Dando para o total dis sahidas
74 embarcaces.
E tendo sido esse total em Junho de 1888, de
69 embarcaces.
Yc-se que cm Junho findo sahiram mais 5 em-
barcaces.
Assucar
As entradas em Juoho (indo, comparadas com
as de igual mez de 1888, apresentam urna dif-
ferenca para menos de 23754 saceos.
A exportag&o tambem foi inferior, sendo a
differeoca de 5.696.836 kilogrammas.
Em compensago os precos foram mais ele-
vados, attingindo a difterenca da media para
mais, em 1889, a 1*403.
Em detalhe foi este o movimento :
Entraram:
Junho de 1889 11.694 saceos
de 1888 37.448
l.1 pra^a
Pela inspectora d'esia Alfande^a se faz pu-
blico que, s 11 horas do dia 20 do corrente mez,
serao arrematados porta d'esta reparlico 34
kilogrammos de machinas uteasis (quebradas)
proprias para arrolhar garrafas, rindas do Havre
no vapor francez Ville Se Cear, entrado em 27
de Abril do corrente anno, abandonadas aos di-
reitos por Albino Silva C.
3.* seceo da Alfaodega de Pernambuco, 17 de
Julho de 1889.
O ebefe,
_____________nomintjfs Joaquim da Fonsera.
l.'lpra;a
Do ordem da inspectora d'esta Aliandega se
faz publico que, s 11 horas do dia 20 do cor-
rente, serlo arrematados porta d'esta reparli-
co 25600 litros .de sal coinmum existentes a
bordo da barcaca Rainha (los Anjos, entrada de
Maco a 15 do corrente, o qual foi abaudonado
aos direitos por Manoel Joaquim Pessoa, cousig
natario da mesma barcaca.
X* seceo da Alfandega de Pernambuco, 17 de
Julho de 1889.
i > ebefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Confraria do Senhor Bom
Jess da Viasacra da igre-
ja da Santa Cruz
Mesa geral de, eleicao
De ordem do nosso irmao provedor, convido a
todos os nossos irmos para comparecereiu em
nosu consistorio sexta feira 19 ao corrente, pe-
las 6 horas da tarde, afim de reunidos ctri nu
mero leyal de mesa geral, proceder-se a eleicao
para os cargos de provedor e escrivo. por le
rea pet1dt> escusa" os irmos eleilos pura os
ditos cargos, de couforraidade com o art. 36 do
no*so coraproo>i9so.
Consistorio da confraria do Senhor Bom Jess
da Viasacra na greja da Santa Ciuz, IrVdt Julho
de 1889.
O escrivo
M. I), da Silva.3
h
CRAJNDE PREMIO
mm m i
iNQ DIA 15 DE DEZEMBRO DE 1889
1. Anniversarlo da inaugurarlo
DO
Thesouraria de Fazenda
De ordem do IHra. Sr. inspector, chamado o
Sr. I'ineu de Araujo Cesar, ex-thesoureiro da
ri'partn ao dos correios desta provincia ou os
herdeiros do 3eu respectivo fiador, afira de vir
recolher aos cifres pblicos, no prazo de 13
dias. que fica marcado, a quantia de 27.0600,
que figura em responsabilidade do mesmo se-
nhor ex-thesoureiro para com a fazenda publica.
En 13 de Junho le 1889.
O secretario,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna.
Foram exportados:
Junho de I88t> Exterior
Interior

Total
Junho de 188
Menos em Junho de 18S9
183.225 kilos
2 704534
2.887.779
8.3:4.6>I5
5.696.836
PRADO QA ESTANCIA
A ni inacs de qualquer paizDISTANCIAS.SOO metros, pesos : o
annos 48 kilos, 4 annos >3 kilos, 5 annos ou mais 55 kilos. As
egnas earregarilo menos 2 kilos. Os animaes nacionaes carregaro me-
cos 5 kilos do que o que Ihes competir pela idade e rictorias obtidas
no Prado da Estancia. A idade para o peso ser contada pela data da
inseripyo.
PREMIOS:
4:000&000 e urna medalha eomraemoratlra ao primeiro,
IttOOAWOO ao segundo, SOO^OOO ao terceiro e ao quarto salva a entrada.
Entrada 320000, sendo L6Q0O9O no acto da inscripflo cni & de 3io-
vembro de 18*. e l30,)000 em 3 de lle/emhro do mesmo anuo.
As declarae?!es de FOIiFAIT. 160^000 serao recebidas at o dia 7 de De-
zembro de 1889.
Reeife, 18 de Julho de 1889.
O GERENTE,
Henrique SckuteL
Companljta tt Securas
NORTHERN
de Londres e Aberdaeu
r nao ter comparecido numero j Posi^ao linanceira /"Dezembro de i 885)
RSmTUULA ^Pita" Bubscripto 3.000,00o7
x4.ssocia^ao Medie) Pliarma-
ceutica Pernambucana
De ordem do Sr Dr. presidente desta asso-
ciacao, declara-se aos senhores associados que.
nao se tendo proeedido a eleicao dos memoras
da eommissao administrativa e mais commis-
ses que teera de dirigir os trabulhos durante o
anno prximo, por
Buffieientrt dos me
cao transferida para a prxima qui
do corrente.
Assoeiucao Medico Pharmaccutica Pernambu-
cana, em 13 de Julho de 1889.
Dr. i. de M. Curio
secretario.
3.134,348
Companhia Indemni-
sabora
A directora da SCompanhia de Seguros In-
demnisadora, de conformidad* com o art 26 %
I" dos estatutos, convoca urna assembla geral
extraordinaria para o dia 23 do corrente ao meio
dia na sua sede. O tim da reuniao tratar de
assnmptos relativos interesses da mesma com-
panhia.
Reeife, 3 deJJulbo de 1889. "*
Os directores.
Antonio da Omita F. Bailar.
Jos Ferreira Margues.
Fundos aecumulados
Receita animal :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John H. BoxineU.
SEGURO COMBA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGESTES
li. DEDRSrNA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
Junho de 1888
Menos era Junho de 1889
612.760
117.386
O valor exportado, calculado pelos precos me-
dios respectivos, foi:
Em Junho de 1880 652:63951(71
de 1888 1.083:723*790
Menos cm Junho de 1880 433:094*728
' Algodn
O mercado esteve pouco animado.
Comquanto a cotaco tivesse subido, dando
ama differenca na med;>{ de 373 rs.. para mais,
do que a verificada cm Junho de 1888. a expor-
tacio foi limito inferior e conseguinteinenle as
entradas.
Entraram neos 6.435 saccas e foram tambem
exportados menos 1-642.110 kilos.
Foram as entradas por ierra e mar:
Em Juoho de 188'J 9.834 saceos
. de 1888 16.289
Menos em Junho de 1889
8.455
Menos em 89 15:000*
Para as pracas do imperio, que entretem rela-
ces mercantis com a de Pernambuco, o movi-
mento de saques foi quasi nullo, e aos se-
guintes premios medios :
1889 1888
Rio Grande do Sul 1 7/16
S. Paulo 11/16 1 1/8
Rio de Janeiro 15/16
Babia -----
Cear ----- -----
Maranho -----
Para e Amazonas 1/8
Meaos cm Junho de 1889 25.754 I
Regularam as Vendas por 13 kilos para expor-
tapao
Branco 3
. 3
3*
> 4*
Somenos
Mascavado purgado bom
regular
supe or
boa
regular
sorte
de 4700 a 4*800
de 4*500 a 4*600
de 4*300 a 4*400
de 4*100 a 4*200
de 3*700 a 3*800
de 2*900 a 3*000
de 2*600 a 3*000
americano de 2*400 a 2*800
Bruto regular de 2*000 a 2*100
Do Canal de 1*900 a 2*000
O preco medio por 15 kilos foi este:
Em Junho de 1889 3*390
de 1888
11/8 Mais em Junho de 1889
4
1*987
Efeetuaram-e as, vendas por lo kilos:
Do de I" quaiidade de 7*000 a 7*280
Do mediano
Do de 2' quaiidade
de 6*000 a 6*200
do 5*000 a 3*200
Calculado pelos presos medios respectivos, o
valor dessa exportaeio foi :
Em Junho de 89 87:672*400
de 88 77:853*080
Mais em 89
9:819*320
Alcool
A cotaco deste producto foi elevada a 180*.
O mercado estere maij animado.
Entraram :
Em Junho de 89 t4 pipas
de 88 .18
Mais em 89
26
Foram exportados :
Junho de 89-Exterior:
Seceos
Verdes
Junbo de 88
Tota!
36.029
126.000
182.029
445.858
Menos em 89 263 829
O valor dessa exportaco, calculado pelos pre
medios respectivos, foi :
46:755*62i>
189:629*300
CO:
Junho de 89
de 88
144:873*730
Manteve-se a 180*000 o preco por pipa de
480 Juros, sendo a media :
180*000
102*300
O nreco medio comparado por 15 kilos, foi
este :
Jtmho de 1889 6lO0
de 1888 ,,4525
Mais em Junho de 1889
Foram exportados:
Junho de 1889 -Exterior
interior
Total
Junho de 1888
Menos em Junho de 1889
4575
276093 kilos
260.756
336.849
2.178.989
1.642.140
Calculado oelos presos medios respectivos, o
valor d'essa exportaco i'oi o seguinte :
Junho de 1889 218:313*754
de 1888 790:445*732
Mais era Junho de 1889
372:131*978
Aguldente
Manievc-se em boa posico o mercado, tendo
sido os precos mais elevados do que no mez an-
terior.
Entraram :
Em Junho de 1889 900 pipas
de 1888 980 /
Menos era Junho de 1889 38 *
As vendas effectuaram-se ao algarismo de...
85*000 por pipa de 480 litros.
A media foi
Em Junho de 1889 85*000
de 1888 61*000
Mais em Junho de 1889
Foram exportados :
Junho de 1889Exterior
Interior
24*000
16
494.908
litros
1*409'Total
494.924 :, Meaos em 89
Era Junho de 8(1
- de 88
Mais era 89
A exportaco foi :
Era Junbo de"89-Est.
Em de 88
Mais em 89
0 talor exportado, calculado pelos precos
medios respectivos, foi :
Em Junho de 8 12:654*000
de 88 512*500
77*300
33.&0 litros
2.400
31-230
Mais cm 89
12.141*300

Jfri
Contiuuou animado o marcado, regulando os
presos, por pipa de 480 litros, do 30* 4 70*000.
Os precos medios fortm :
Em Junho de 89 60*000
- de 88 12*500
17*500
kilos
saceos

kilos
litros
vols.
kilos
kilos
kilos
kilos
Mais em 89
A exportaco foi .
Junho de 1889. lut.
- de 1888
Mais em 1889
72.910 litros
17-360
55.330
O valor exportado, calculado pelos precos me-
dios respectivos, foi:
Em Junho de 89 9:085*800
de 88 1:564*000
Mais em 89
Cuinos
Entraram por mar e. tem :
Junho de 89
de 88
Mais em 89
Regularam os precos por kilo
Dos espichados (nominal)
Dos seceos
Dos verdes
Em media :
7:511*800
2.645
1 153
1.492
390 ris
380
de 2004 205
Junho de 89
de 88
Espichados Seceos Verdes
390 380 202,1
330 423 250
140 45
47,9
Menos em 89
-.*
A demais exportaco feita pela Alfandega foi
a seguinte : ,
Araruta-Int. 130 kilos
BorrachaExt. 1.610
Carocosdealgodo-Ext. 103 020
CarrapatoInt. i9.200
Carvo animalInt. 358
CocosExt. 50.000
Int. 87.000
Tbtal 137 000
Caui-inhos e pellosExt. 205.124
DocesInt. i.jsgg
Farinha de mandioca-lut. 9.685
FcijaoInt. 146
Graxa-Int. ie 000
GenebraInt. ;jio
Medicamentos e drogasInt. 232
Metass diversosSxt. 4 300
MilhoInt. 18.770
Ossos-Sxt. 6.000
Pao BrazilEit. 165.272
Pontas de boiExt 7.900
Rap-Int. 06,5
Sebo-Int. 3.400
Trapos-Ext. s.300
Unhas de boiExt. 1.759
s
O valor total da exportaco,
precos medios respectivos, foi
Algodo
Assucar
Agurdenle
Alcool
Mel .
Souros
Araruta
Borracha
Carofos de algodo
Carrapalo
Carvo animal
Cocos
Courinhos e pelie
Doce
Farinha de mandioca
Feijo
Graxa .
Genebra
Medioamentos e drogas
Metaes diversos
Milho
Ossos
Pao Brazil
Ponas de boi
Rap
Sebo
Trapos
Unhas de boi
Total approximado
dem em 1888
Menos em 1889 926:123396 -
calculado pelos
este :
218:313*7
652:639*0'
87:672*40Q
12:654*
9:08a*
46:755*6!
300*000
1 82*300
2:678*320
1:280*000
179*000
10:960*000
!H:0il^H
1:365*000
65:373*758
1.7325000
o:0.
124*900
4:6-40*000
1:720*000
1:689*300
13:2^H
16:527*200
..930*000
606*500
178*500
1:690*000
35*180

f

K


A
ff
Diario e P^mambucoQuinta-ieira 18 de Julho de 1889
*
Corapanhia de Seguros
AGESTE
Miguel Jos Alves
X. J-Rua do Bom Jen-X. *
SEGUROS MARTIMOS K TERRESTRES
Nestes ltimos segura a nica companhia
nesta praca que concedo aos Srs. segurados iseuip-
fo de pagamento de premio cm cada stimo
auno, o que equival.; ae desmonto inounl de cer-
ca de 15 por cento era favor dos segurados
Companhia
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificio 6 mercadoria.
Taxas baixas
Prompto pagamento de prajuizos.
CAPITAL
lis. 111,000:0004000
AGBNTB
HRO%V-V C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
THEATRO
NTONII
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Comriiercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do me8mo banco em Portugal sendo
em Lisboa ra dos Capellinas e. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
IlfDEMNISADOR
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Etabelerid 'm I H."..".
CAPITAL 1,000:000^000
SINTSTROS pagos
At 31 deDezembrodelSS*
Martimos.. 1 ,110:000^000
Terrestres. 316:000^000
44Ra do Commercio44
Propriedade e empresa dos artistas
EDUARDO RODRIGUES E HELENA BALSEMAO RODRIGUES

I I II i: C A A O DO ACTOR
QUINTA-FEIRA. 18 DE JULHO DE 1889
GRANDIOSO SCCESSOI!
A 4.a e ultima representajai da opereta mgica
. A tUk 00 AR
Xa prosima semana
1 Tomada da liastilha
bao istze&naczqal
DO
CONTRA FOGO
The Liverpool & London k Globe
nTSURAKCE CDMFANY
::.:::::,", mtm a c.
Ra o Commercio n. 3
MIMOS COSTRA FOGO
Companhia l'henls Pcr-
u;uiil>ti<-:inn
RA DO COMMERCIO X. 38________
"SANTA CASA
CASAS PARA % II % R
Ra do Vigario Tenorio n. 27, loja 200*000
idem idem n. 22, 2. andar 180*000
dem idem idem, 3. andar 180*000
dem do Bispo Sardinha (Encanta-
meato) n. 11. 2." andar 240*000
ulem do Marque/, de Olinda, n. 44. so-
brado de dous andares 2:131*000
Idem idem n. 33. idem idem 1:SOO000
-dem do Bom Jess n. 29, loja 216*000
Idem do Bom Jess n. 29, l." andar 2iO*000
idem idem 2* andar 240*000
dem deThom de Souza (Lingoeta)
n. 14, 1 andar 180*000
l lem da Sensata velha n 16
ca;a terrea 223*000
ieeco das Boias u. 14, 2 andar 130*000
dem idem i- andar 260*000
.idem do Padre Fioriano n. 63, caza
terrea 168*000
dem S. Bom Jess das Crioulas n.
8, dem 216*000
IMP0RTAC.S0
Conforme cima dissemos, o mercado impor-
tador esteve menos activo do que em igual mez
de 1888, tendo sido a diirer"nca para menos de
ilt6.236*776. Entraram .
Amos86 canastras. Vendcu-se de 30 a 60 ris
por manca.
Arroz pillado13.32-> saceos. Regularara as
vendas de 210'l 2*400 por 13 kilos.
Azeite de oliveira202 caixas. Vendeu-se
porgalaode 24760 2*780.
Azcitonas 2 voluiues.
Bacalho7.427 barricas 3.622 raeias e 1.949
tinas. Vendeu-se a barrica de 13* 18*500.
Banha de poreo1.022 barris. Vendeu-se o
-kilo de 741 784 ris.
Batatas2.00i caixas. Vendeu-se cada urna
a 2*500.
Macalos 64 caixas.
Caf4:414 saceos. Vcndea-se por 15 kilos
de 64000 94300.
CamarOes21 volumes.
Canela10 volumes, reculando as vendas por
kilo de 14230 4100.
Carue de conserva23 volumes.
Ceblas1.132 caixas. Vendeu-se cada urna
de 8*000 10*000.
Ceneja-738 caixas c 361 barris. Vendeu-se
por duzia de garrafas ou botijas, de 6*000
8*980.
i M 73 volumes. Vendeu-se o kilo de 2*500
i 1*300.
Champagne8 caixas.
Chocolate4 volumes.
Cidra50 volumes.
Cocos14:300.
Cognac70 caixas.
Cominhe-342 saceos. Ven ieu-se por la ki-
los a 13*000.
Conservas-83 caixas.
Cravo da India3 saceos. \ endeu-se o kilo
a 1*800.
Farmha de mandioca9.190 volumes e 2.040
hlros. Vendeu-se na razo de 6*500 a 75000 por
11* di
Earinba de trigo22.753 barricas. Vendeu-se
uor barrica : da americana de 17* a 18*000 ;
!> da de Trieste e Hungra de 18*500 a 20*000.
Feiio-772 saceos. Vendeu-se cada um de
Iu-jOOO a 14*000.
Gaaebra2.390caixas. Vendeu-se por dnzia
de frascos de i* a 12*000.
i.inger-lecaixa?.
i coima de mandioca16 volumes. Vendeu-
se a 33500 os 15 kilos.
erims600.
Herva-doee*-10 saceos. Vendeu-se de 11* a
13* por 13 kilos.
Legumes-31 volumes.
Letc eondensado11 volumes.
guas15 volumes.
,Slna-370 caixas.
Manteiga563 barris, 353 meios e 28o caixas.
Vendeu-se por kilo -. da franceza em barril, de
151 a 1*471; de diversas em latas, no l*ara
a2*0Tl.
^as alimentares 950 caixas.
^^Kade tomate-39 caixas.
\Iilho 7.680 saceos. Vendeu-se o kilo de 80
a 100 ris.
Mortadelas6 caixas.
Mostarda -1 caixa.
Passas3 volumes.
Pimenta da India105 saceos. Vendeu-se a
1*000 o kilo.
Presuntos5 caixas.
Provises- 2 caixas
Queijos 717 caixas, 8 tinas e 2 volumes.
Vendeu-se cada um dos flamencos de 2*500 a
3*000.
Sag38 garrafOes.
Capital.....20,000:000*000
dem realisado 15,000:000,5000
A caixa filial deste Banco funeciona a
ra do Commercio n. 42, sacca, vista ou
aprazo, contra os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
LondresBanco Internacional do Brazil.
ParsBanque de Pars et des Paya Bas.
LondresLondon & County Banking Oom-
pany Limited.
AUernaiJuDeutsche Bank.
BlgicaBanque d'Anvers.
ItaliaBanca Genrale e snas agencias.
HuspanhaBanco Hypothecario de Espa-
na e suas agencias.
PortugalBanco de Portugal c suas agen-
cias.
Rio da Prata The London & Rivcr Pa-
te Bank Limited.
Nova YorkG. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio o do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razao de 2 % a0
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente,
WnUmM Wtbster.
Club Concordia
()rdentliclie Ilauptversammlung
Freitag, deo 10 Juli 1889
Abends: 8 ohr.
ln anbetrarht wichtiger Verbandlungen wer-
den die Mitglieder um zahbreiehcs 4 punktlicnss
Erscheiuen ersuclit!
Das Direcotrium.
Relava-> dos devedores do imposto-da de-
cima da freguezia de S. Jos do exer-
ciciode 1886 a 1887 inclusive o 3. se-
mestre, qu,e deixaram de pagar.
Loma* Valentinas n. 66. Mi-
guel Antonio Pereira 1145337
Imperial n. 285. Miguel Ar-
chanjo da Paixao 11*1:>9
Padre Nobrega n. 81. Mara
Venanca de Abreu Lima
Bastos 18*599
Imperial n. 287. Miguel Ar-
clianjo da Paixao 11*159
Sil-629^080 litros e 50 alqueires. Regularam
os 100 litros de 500 a 700 ris.
Sardinbas -7 caixas. Vendeu-se a lata de 1/i
a 230 ris.
Toucinho175 barris. Veuieu-sc por 15 kilos
de 9*500 a 10*500.
Vinagre. -35 barris. Vendeu-se por pipa; do
de Lisboa de 115* a 125* ; e do nacional de 50*
a 70*. ^ .
Viflho-306 pipas, 13 meias e 1.023 barris.
Veideu-se por pipa : do de Lisboa de 170* a
180* : do da Figueira de 180* a 190* ; e do
nacional de 100* a 120*000.
Xarque1.087:174 kilos c 13.618 lardos. Ven-
dcu-se por 13 kilos : do do Rio da Prata, de
4*000 a 4*500; e do nacional de 3*800 a 4*800.
Wcrmoui V caixas.
Entraram mais os seguintes argos:
Aseabas-75 barris.
A lafa -1.050 fardos.
Alpiste 95 volumes.
Alraiade50 barricas.
Azeite de peixc-18 volumes. "
Barricas e barris vasios1.886.
Barrilha35 tambores.
Breu775 barricas.
Borracha 17 volumes. Vendeu-se os 15
kilos de 10* a 12*000.
Cabos118 volumes.
Cal200 barricas.
Calcado-36 volumes.
Caroeos de algodao6 volumes. \endeu-se
os 13 kilos da 380 a 400 ris.
Garrapato66 saceos.
Carvao de pedra-1 322 toneladas. Vcadeu-
se a tonelada de 14* a 20*000.
Ceras 64 volumes. Vendeu-se a de carnau.
ba de 2*500 a 4*300 os 15 kilos.
Chapeos23 volumes.
Charatos13 caixes.
Chumbo-de munieo, 205 barricas ;m canos,
53 barricas: em folha, 10 Tolumes.
eimento-5 208 barricas. Vendeu-se a barrica
de 5*000 a 5*800.
Cobre20 volumes.
Cordas1 volume.
Courinhos e pelles 605 volumes. \eudeu-se
o cento, de 45* a 96*000.
Couros de boi2.645.
Drogas e medicamentos281 Tolumes.
Dynamite-11 volumes.
Enxofre35 voiumes.
Estciras 559 volumes.
Estopa2 volumes.
Estanho6 volumes.
Farello5 370 saceos.
Ferro-Em ajo : 85 cunhetes e 53 fexes.
Em ancoras3. /
Em arcos : 100 feixes.
Em barras : 2.125 e mais 1.019 fexes.
Em canos: 26 e mais 32 feixes.
Em correntes : 2 barricas.
Em enxadas : 67 barricas.
Em ferragens diversas : 681 volumes.-
Em fof, fogareiros e chapas para enes :
578 vaHmes e pecas.
Em folhas de FlaDdres : 522 cunhetes.
Em ps: 169 feixes.
Em pregos : 355 volumes.
Em r^das : 2 pares. ,. KK.
Em machinas e apparelhos diversos : 3.J
volumes e pecas.
Fio3 volumes.
Fumo1 061 roluraes.
24* os 15 kilos.
Graixa12450 kilos.
Jangadas23.
Joias1 volume.
Kerosene 300 caixas.
3*550 3*650.
Lichas16 caixOes.
Lona-12 fardos.
Travessa de S. Jos n. 14.
Miguel Francisco de Souza
Reg 25573
Dita n. 16. 0 mesmo 25*573
Dita n. 18. 0 mesmo 25*573
Domingos Theotonio n. 9. 0
mesmo 37*199
Coronel Suassuna n. 85. 0
mesmo 22*318
Lomas Valentinas n 37. 0
mesmo 29*759
Vidal de Negreiros n. 43. pa-
dre Miguel Vieira de Bar-
ros Marreca 16*065
Cadeia Nova n. 51. Nicolao
Vieira da Silva 26*039
Ipiranga n. 4. Osear Desti-
beaux partes 15*120
Felippe CamarSo n. 7o. P.
Emilio Roberto 70*218
Dita n. 78. 0 mesmo 42*313
Dita n. 80. 0 mesmo 42*313
Santa Rita n. 39. Pedro da
Assuinpcao Queirogo 5*536
Coronel Suassuna n. 182. Pe-
dro Pinto de Queiroga 37*258
Marque de Merval n: 149. Pe-
dro Ratis Borgcs 27*899
Imperial n. 235. Phippe Xecd-
ban e o otros 14*902
Dita n. 237. 0 mesmo 14*902
Travessa da Prata n. 7. Ray-
mundo Noguera da Costa 134*381
Travessa do Bandcira n. 30.
Rita Amelia da Silva Ra-
bello 11*159
Lomas Valentinas n. 88. Rita
Joaquina Accioly Rosa c
outros 18*599
Padre Nobrega n. 66. Rosa
Antuncs de Oliveira Mon-
teiro 12*419
Mrquez de lierval n. 62. Rosa
Candida Goncalvea Ferreira 185*999
Vidal de Negreiros n. 154.
Rufino Coriolano de Castro 25*998
Padre Flonano n. 22. Sebas-
tiao Jos Gomes Penna 33*013
Lomas Valentinas n. 47. Se-
cundino Hclisdoro da Costa 33*013
AssumpcSo n. 46. Senhorinha
Augusta Figuoredo Vascon-
cellos 42*313
Imperial n. 157. Senhorinlia
* Mara Ferreira e outra 24*956
Travessa do Freitaa n. 36, Se-
nbornha Tiburtina Jess
Passos 24*179
Imperial n.^. Seraphim Anto-
nio dos Reis outra 24*179
Padre Fioriano n. 41. Sera-
phim Clemente Souza Silva 584589
AssumpcSo n. 38. O mesmo 33*013
Corotel Suassuna n. 45. Si-
mio de Azevedo Santes
f parte) 33*013
Lomas Valentinas n. 52. O
mesmo 42*313
Padre Nobrega n. 74.0 imumo 42i313
Lomas Valentinas n. 45. Thco-
doro Antonio do Jess Bor-
gea 22*313
Fontal da Cabanga n. 4. Theo-
dosio Gracio de Alencar 9*399
Luz Mendoncan. 36.Theoncl-
. la Correia de Lima 111*698
Felippe CamarSo a. 90. The-
reza Annunciada V. Alves 12*419
Dita n. 92. A mcsuia 50*984
Luz Mcndonca n. 2. Thcreza
Goncalves Jess Oliveira .'*759
Marcilio Das n. 108. There-
za de Jess Azevedo Vi-
anna 33*479
Imperial n. 226. Thcreza Ma-
ra de Jess 5*839
Via-Ferrea n. 5. A inesnia 11*150
Travessa do Cimba n. 10.
Tliomas Antonio Cmara 5*839
*J>avo83a da Jangada n. 4.
O mesmo 4*990
Imperial u. 49. Thoniaz Anto-
nio GuimarSes 46*499
Coronel Suassuna n. 204. Em-
bolina Candida Silva Aze
vedo 83*388
Mrquez de Herval n. 68. Um-
belina Domingas do Espiri-
to-Santo 1233998
Santa Cecilia n. 5. A mesme 2&S573
Travessa do Martina n. 12.
Umbelina Urcula do Sacra-
mento 11*159
Dita n. 14. A mesma 11*159
Dita n. 16. A mesma 11*159
Santa Cecilia n. 55. Ursuta
Paulina das Virgens 2*5*039
S. Joito. n. 17. Vicente Fer- '
reir de Albuquerque Nas-
cimento 25*9l6
Vidal de Negreiros n. 91. Vi-
cente Moreira da Silva 29*759
Coronel Suassuna n. 86. Za-
charas Franeisco dos San-
toa 62*099
Via-Ferrea n. 8. A Zacharias
Jos dos Santos 11*159
Appendice
Pon tal da Cabanga n. 6. An-
tonio Benedicto Salgado
Santa Rita n. 66. Antonio Pe-
reira
Imperial n. 284. A Carlos
Jos de Araujo
Victoria n. 6. A. Manoel Ta-
yaretf dos Santos 27*899
Seccao do Contencioso do Thesouro Pro-
vincial 11 de Junho de 1889.
Munoel do Xascimmto Sna Bastos.
1.' official.
JtetacSn don devedores da decima da fre-
guezia do Poco da Panella do exercicio
de 86 a 87 inclusive o 3." semestre que
deixaram de pagar no tempo compe-
tente.
Estrada do Arraial n. 27 B.
Adelaide Mara de Souza 46*499
Dita n. 27 C. Amancio Fran-.
cisco Mendes 5*579
Casa Forte n. 3. Andr Bus-
son 37*199
Poco n. 4. Anna Candida da
Silva Busson, parte 4*710
Lousa840 volumes.
Madeiras62 travs, 76 tahuas, 303 enxams,
300 pes, 12 000 teros de mangue e 1.000 vola-
mes de diversas.
Marmores epedras268 pedras de amollar, 1
prova de fogo e 4 moinhos.
Mercadonas diversos1 105 volumes.
leos diversos-147 volumes.
Palha de carnauba3 384 molhos.
Panno de algodao999 lardos.
Papel57 caixas e 7.256 fardos.
Perfumaras2 volumes.
Phosphoros725 caixOes.
Pianos1 volume.
Piassava200 molhos.
Pipas vasias223.
Plvora700 volumes.
Saceos vasiosi fardos.
Salitre140 barricas.
Sementes4 volumes.
Soda -50 tambores-.
Sola1.172 meios'e 115 volumes. Vendeo-ae
cada meio da nacional de 2*000 a 3*00.
Tamancos-24 fardos.
Tecidos diversos603 voKimes.
Tintaa78 volumes.
Typos9 volumes.
Vassouras12 fardos.
Vellas 16 volumes.
Vidros186 volumes.
Zarco15 barricas.
ZincoEm foiha, 4 caixas ; em tellias, 3 cai-
xas.
Revista do Mercado
RECIF2. 17 DB JULHO. DK 1889.
O movimento limitou-6e a transac<;es no mer-
cado de cambio..
Bolsa
Vendeu-se de 14* a
Vendeu-se a lata de
IOTAgOE8 OFFICIABS DA JOSTA D08 COB-
f RBTOKES
Recite. 17 it Mho de J8S9
Nao houve cotaco.
O presidente,
Candido C. G. Alcoforado.
0 secretario,
Eduardo Dubeux
Algodao
Cota-se o de 1* sorle do sertao a 7*100.
A exportacSo feita pela alfandeganeste mez at
o dia 15 attingio a 946.747 kilos, sendo 698.691
para o exterior e 248.056 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 4.525 saccas, sendo por:
Barcacas.....
Vapores .....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S.Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
847 Saccas
1.299
141
231
1.987
Somma.
4.526 Saccas
Assucar
Os procos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
eundo a Associagao Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Branco ..... 3*800 a 4*400
Somenos. 3*000 a 3*400
Mascavado purgado 2*600 a 2*800
Tirulo. (firme)2*000 a 2*400
Retasa ... 1*700 a 1*900
3*109
6*595
29*759
A exnortac&o feita pela alfandega neste mez at
o dia 15, subi a 1.833.587 kilos, sendo 548.650
para o exterior e 1.284.937 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje, so-
bem a 3.737 saceos, sendo por
Barcacas .... 1.697 Saceos
Vapores..... 56
Animaes.... 24 >
Via-ferrea de Caruar. 123 .
Via-ferrea de S. Francisco. 1 587
Via-ferrea do Limoeiro 248
Somma. 3.737 Saceos
Cambio
Os beos mantiveram a taxa de 26 7,8, dan-
do o English a 26 15/16 e o Internacional 27 d.
Houve falta de papel particular.
So Rio o Internacional conservou a taxa de 27
1/16 sobre a fllial de Londres e os outros bancos
a de 27 d.
Houve nouco negocio em papel particular a
27 1/8.
TABELLAS AFFIXADAS
3-


o.
2. 3 2.
2 < -o
a,

co
. i

5-
5
5
*
3
00 *-J
a
: 06

m

%
W ca oe
vt t ~^~
00 **a
-la
*s ^ >
I
8
J.

t?
M
00 ^J
it 30
i
*i
m
o
eo eo -.
5 ** Ss
ce
M
-
f> i

?
Agurdente
Cota-se a 100*000, por pipa de 480 litros.
Alcool
Cota-ae a 200*000 por pipa de 480 litros.
el
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Coum* salgado
base de 12 kilos.
(ou%
SO a JWr
Coma* salgados, 360 a Sw ris, nominal, na
Becco do Arraial n. 1. Anna
Francolina Jorge Souza 2*099
Estrada da Agua-Fra n. 2.
Anna Hermina Fonscca C.
Branco 30*999
Recco do Arraial n. 7. Anna
Thereza .Jess Coelho 6*239
Estrada do engenho Dous lr-
maos n. 2. Antonia Mara
do Carme 13*018
Estrada do Arraial n. 23 C
Antonia Mara Jaquina da
Concei<;ai> 14^879
Travessa do Marques n. 6 E.
Antonio Barreto de San-
t'Anna 11*159
Dita n. 14 F. Antonio Cabral
de Medeiros 11*159
Ra Real n. 13. Antonio Jo-
ronymo de Oliveira 46*499
Largo do Monteiro n. 1. An-
tonio Pinto de Barros 154*998
Travesea de S. Jo2o n. 21.
Antonio de Souza Cabral 6*239(
Dita n. 23. O-mesmo 6*239
Harmona n. 2 Antonio de
Souza Pinto l.">*597
liba dos Ratos n. 3. Argemira
A. Temporal 15*499
Largo da Matriz n. 1. Aristi-
des Duarte C. da Cunha
Gama 92*998
Travessa da Matriz n. 2. O
mesmo 29*759
Estrada da via-ferrea do Li-
moeiro n. 4. Balbina 7*439
Estrada para o Engenho n. 23.
Baro de N.-izareth 27*899
Estrada da Pedra Molle n. 9.
Barnab Lins Caldas 14*879
Estrada de Api pucos n. 3.
Bartbolomeu Francisco da
Silva 123*998
Travesea do Marques n. 14 B.
Bellarmno da Silva 30*999
Travessa da Ponte de Uchoa
n. 2. Dr. Bcnto Jos da
Costa 146*007
Dita. n. 2 A. O mesmo 24*5489
Estrada da Cruz das Almas
n. 1. O mesmo 30*999
Dita n. 3. O mesmo 37*199
Estraila para o Engenho n. 3.S
Bento da Rocha Wanderley 15*499
Dita n. 25. 0 mesmo 15*499
Estrada do Cemitero n. 2 A.
Bernardino de Albuquerque
Lobo 9*299
Harmona n. 3 C. O mesmo 11*159
Estrada do Arraial n. 7. Ber-
nardo Jos Rodrigues Pi-
nheiro 52*079
Ilha dos Ratos n. 18. Caroli-
na H. de Lima 18*599
Estrada da Cruz das Almas- ,
n. 10 A. Carolina Mara de
Almeida Nogueira 10*398
Dita n. 10 B. O mesmo 31*195
Estrada da Pedra Molle n. 4.
Carolina Mara do Reg
Mello 18*599
Dita n. 4 B. O inesmo 18*599
Cargo de Apipucos n. 6. Ce-
ciliano Accioly do Rega
Barros 18*599
Travessa do Marques n. 4.
Christianni & Irmao 5*614
Estrada do Chacn n. 2. Cla-
ra Sopha Fenton 77*499
Travessa do Marques n. 8.
Clementino Gomes de Oli-
veira 13*018
Estrada do Arraial n. 32 A.
Constancia Carolina de Mei-
ra 22*318
Travessa do Marques n. 7.
Cypriano Firmino 21*159
Ilha dos Ratos n. 12. Delphi- *
Pauta da alfandega
SB1UIU nn 12 A 20 DI JULHO DI 8S9
Vide o Diario de i i de Juilto
Marios descarga
Barca nacional Mariatmmha, xarque.
Barca norueguense Suez, carvao.
Barca norueguense Brigue allemi Ins*, varios gneros.
Escuna allema Frdz, xarque.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar inslez Florence, bacalho.
Patacho nacional Aicaf, xarque.
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho inglez Hafren, xarque.
Patacho allemo Uarie con Oldeiidorp, xarque.
Patacho hollandez Broedertrow, xarque.
asxportaco
Bacn. 16 db julho na 1889
Para o extenor
No vapor inglez ThaUs, carregou:
Para Liverpool, C. P. de Lemos 10,000 kilos
de pao brasil e 12,000 ditos de caroeos de al-
godao.
No vapor inglez Cearense, carregaram :
Para New-York, J. Patera C. 3,500 saceos com
262,300 kilos de assucar mascavado ; H. Forater
ic. C. 387 saceos com 44,025 kilos de assucar
mascavado.
Para o interior
No vapor nacional Alagos, carregaram :
Para Rio de Janeiro. J. Baptista 85 saceos com
3,100 k los de bagos de mamona ; P. Valente 4
C 167 saceos com 8,350 kilos de bagosde ma-
mona ; P. Pinto & C. 25 pipas com 12,000 litros
de agurdente.
No vapor francs Ville de Ceara, carregou :
Para Rio de Janeiro, A. Labille 500 saccas com
38,048 kilos do godo.
No vapor inglez Cearense, carregaram :
Para Para, Amorim Irmaos & C. 150 barricas e
75 saceos com 14,825 kilos de assucar branco;
P. Cascao ft Filho 20 barricas com 926 kilos de
assucar branco.
No vapor nacional Maranhao, carregaram .
Para Maoos. M. F. Martins 105 barricas com
7.543 kilos de assucar branco ; Amorim Irmaos
4 C. 130 barricas com 9,915 kilos de assucar
branco o 65 barris com 6.240 litros de aguar-
dente
Para Para, Amor.m Irmaos 4 C. 200 barricas
com 15,913 kilos de assucar branco ; Viuva de
Manoel F. Marques 4 Filho 430 barricas com
29,896 Kilos de assucar branco ; E. Lins Caldas
188 barricas com 12,557 kilos de assucar branco;
F. A. de Azevedo 200 barricas com 12,110 kilos
de assucar branco; H. Fernande3 150 barricas
com 11,214 kilos de assucar branco; M. J. Alves
30 saceos com 2,250 kilos de assucar branco.
Para Ceara, J. M. Das 13 caixas com 218 1/2
kilos de rap. '
na Mara da Conceic2o 9*299
Estrada de Apipucos n. 4.
Delphina da Silva Duarfc 20*797
Estrada do Encanamento n.
11 A. Domingos Gomes da
Suva 3*119
Largo de Apipucos n. 38.
Domingos da Silva Gusmo 18*599.
Travessa da ('asa Forte n. 15. '
Elias Emiliano Ramos 18*599
Estrada do Encanamento n.
19 D. Emilia Carolina da
Cunha Costa 11*159
Ra Real n. 4. Felippe Jaco-
me da .Costa 18*599
Estrada do Arraial ns. 44 e
44 A. Dr. Felippe Nery
Collaco 37*199
Estrada do Brejo n. 1. Fer- .
nandes Francisco A. Mon-
teiro 11*159
Estrada do Monteiro n. 27
Ferreira GuimarI s & C. 18*599
Pedra Molle. n. 11. Francoli-
na C. da Cunha Machado 18*599
Becco do Arraial n. 1. Fran-
colina Jorge de Sonza 1*090
Dita n. 1. Francelina Fran-
cisca Jorge de Souza 2*090
Harmona n. 3 B. Francisco,
filho de Manoel Pedro 9*299-
Estrada para o engenho n. 37.
Francisco Alves Monteiro
Jnior 24*838
de Apipucos n. 26. O
mesmo 12*419
Estrada do Encanamento n. 28.
Francisco Apolgoro Leal 18*599
Estrada de Pedro Molle n. 1.
Francisco de Assis Pereira
Rocha (Dr.) 61*999
Estrada para o engenho n. 21.
Francisco Carncro Montei-

Largo
27*899
18*599
18*599
ro
Dita n. 32. O mesmo
Ilha do Ratos n. I. Francisco
G. Moreira Temporal
Travessa da Casa Forte n. 2'd.
Francisco Hcrniogenes Ca-
valcante de Albuquerque
Dita n. 27. O mesmo
Estrada do Arraial n. 21.
Estrada de Apipucos n. 8. B
Francisco Joaquim de Fre-
tas
Estrada do Arraial n. 17. e 17
A Franeisco JoSo Vianna
Estrada da Poeira n. 4. Fran-
cisco Lu? de Carvalho (pa-
dre)
Dita n. 12. O mesmo
Matriz n. 8. O mesmo
Estrada para o engenho n. 28.
Francisco Marcelino do Ama
ral
Estrada de Sant'Anna n. 41.
Francisco de Paula Ca-
bral
Dita n. 43. O mesmo
Dita n. 45. O mesmo
Dita n. 20. O mesmo
Travessa da Casa Forte n. 17.
Francisco de Souza Reg
Monteiro
Casa Forte n. .">. Gustavo Le-
siaseno Fernando de Men-
donca
Igreja n. 2. Henrique Cecilio
Barreto Almeida
Encanamento n. 4. Uerculano
Gomes dos Santos
Ilha do Ratos n. ">. Herdeiros
Affonso Moreira Temporal
Estrada de Apipucos n. 5. A
Herdeiros Ceciliano Rodri-
gues dos Passos 13*018
Travessa do Benguella n. 12.
14*879
15*499
14*879
14*879
65*999
18*599
18*599
22*318
92*999
5*199
5*199
5*199
10*398
22*318
:
77*499
37*199
22*318
1#499 '-i
Recebedorla eral
Do da 1 a 16 20.756*259
dem de 17 1091*891
21.848*150
Reeebedoria provincial
Do dia 1 a 16 126:198*189
dem de 17 188*296
126:326*485

Iteeife Dralnage
Do dia 1 a 16 4:217*427
dem] de 17 807*785
4:425*212
Mercado Municipal de 8. Jo
0 movimento deste mercado no dia 16 de Ju-
lho foi o seguinte:
Entraram :
41 bois pesando 3.771 kilos.
490 kilos de peixe a 20 ris 0*800
77 cargas com farinha a 200 ris, 15*400
5 ditas com milbo a 200 ris 1*009
8 ditas com feijao a 200 ris l*60t
13 di tas de fructas di ve rsas & 300 ris 3*909
18 taboleiros a 200 ris 3*600
14 suinos a 200 ris 2*809
30 matulos com legumes a 200 ris 6*009
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris 16*200
1 escrptorio a 300 ris 300
25 compartimentos de farinha a 500
ris 12*500
25 ditos de comidas a 500 ris 12*509
73 ditos de legumes e fazendas a 400
. ris 29*200
16 ditos de suinos a 700 ris 11*200
8 ditos de fressuras a 600 ris 4*800
44 tamos a 2* 88*000
Rendimento do da 1 e 15 do cor-
' rente -
218*800
3:279*320
Rendlmentos pblicos
MEZ DI 1U5H0
Alfandega
Renda geral:
Do dia 1 a 16
dem de 17
399:776*610
23:612*188
Renda Drovincial "
Do dia la 16 43:764*318
dem de 17 5.535*727
423:388*798
49'300*045
Somma total 472:688*843
Segunda seccSo da *lfaadega, 17 de Julho de
1889. .
8thesoureiroFlerencio Doiningues.
chefe da seccSo- Cicero B. de Mello.
Foi arrecadado liquido at hoje 3:498*120
Precos do dia:
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 1* reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem. ,
Farinha de 640 a 800 reis a cuia.
Milhode 480 a 560 rejaidem.
Feijao de 1*200 a 1*600 idem
Hatadouro publico
Neste staDeleciment foram abatidas para o
consumo de hojo 84 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Movlmeuto do porto
Navio entrado no dia 17
Havre e escala20 dias, vapor francex Ville de
Ceara, de 1.699 toneladas, commandante E.
Laney, equipagem 40, carga varios gneros, a
Augusto Labille.
Navios sahidos no mesmo dia
Manos e escalaVapor nacional Maranho, com|
mandante Pedro Hypoiito Duarte, carga varios
gneros.
Bio de Janeiro e escalaVapor nacional Alagos,
commandante Joao Mara Pessoa, carga varios
gneros.
New-York e escala Vapor inglez Cearense, com-
mandante I. G. Heath, carga varios gneros.
Beleza. (Honduras)Barca ; norueguenc
capitao A. Carsey, em lastro.


Diario de Pemambuco---Quiuta-feira 18 de JjH i de
Herdoiros c! io Dou-
beox 92-5998
Estrada de Apipucoa n. 24.
Herdeiros de Florencio Jos
Cameiro Monteiro 465499
Beeco do Arraial n. 1. Her-
deiroa Francisco partes 15073
Estrada de Sant'Anna n. 29.
Herdeiros Francisca Bene-
dicta dos Prazeres 125478
Estrada do Arraial n. 18.
Herdeiros de Francisco Jos
Guedes de Lacerda 305999
Dita n. 20 O mesmo 305999
P0508 n. 4. Herdeiros de Fran
cisco Jos da Silva 225755
Becco do Quiabo n. 3. Her-
deiros de Jesuino lavares 190759
Estrada do Arraial n. 23. Her-
deiros de JoSo Cancio F.
Monteiro 315048
Matriz n. 1. Herdeiros de
Joao Ignacio do Bego 185599
Estrada do Encame! to a.
27. Herdeiros de Joaquina
Correia de Aniorim 145879
Estrada de Sant' Anna n. 4.
Herdeiros de Joaquim Fran-
cisco de Miranda 375199
Casa Forte n. 29. Herdeiros
de Joanna Maria do Espiri-
to-Santo 185599
Pocos n. 4. Herdeiros de Lio
nel Raphael M. da Silva 5608
(Contina).
vxnnpanhia ticihiana de iNa- orpnaoseaus
do cnsul de Portugal, a armacao, fazenda-

vegatjao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia, e' Baha
O vapor Sergipe
Oammandante Retello
E' esperado dos portos cima
at o dia 22 do corrente, e de-
pois da demora necessaria re-
ressara para os mesmos
segeos, encommendas e dinhei-
ro a frete trata-se cora o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vtgaro17
COMlHIANA~llEt.V*IIBl'CA:VA
DE
Vavega?2io costclra por vapor
PORTO S DO NORTE
Parahyha, Natal, Maco. Motsor, Arana-
ty e Ctar
O vapor S.Francisco
Commandante Esteves
Segu no dia O de Julho as 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 19.
Encommendas, passagens e dinheiro frete'
at s 3 horas da tarde do dia 20.
ESCRITORIO
Ao Cae* da Companhia Pernambucanu
ri. 12
Pede-se aos Senho-
res .consummidores
que queiram fazer
qualquer communica-
o 011 reclamac,o, se-
ja esta feita no escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambem se r e-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrulo-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Man o el Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Alfred Best i ug-
man em substitui^o
ao Sr. Antonio Martins
Carvalho que se acha
temporariamente na
Europa.
Todos os recibos
desta empreza devero
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelogerente,semoque
nao tero valor algum.
George Windsor,
Gerente
RovciJ Vlail Steam Packet
Companhy
O vapor Neva
Commandante G. M. Hicks
Bspon-m da Europa at o dia 19 de
Julho, seguiudo depois da demo-
ra do costume para
Macelo. Baha. Rio de Janeiro
Maulo*. Montevideo c Bnenos-
Ayres.
Pura passauens, fretese encommendas trata-
se com os AijEiNTKS.
O vapor Tamar
E' esperada dosul no dia 21 de
Jolito, segundo depois da demora
necessaria para
ligo. Kouthampton
Auuerpia
veie mais objectos da loju dealfaitetla ra Ba
r8o da Victoria o. 59, perteiieente ao espolio do
subdito portuguez Emilio Soan
Garntese a chave da casa ao arrematante da
armacao.
0 leilao principiara s 11 horas em ponto.
Em continuapo
Leilao .
De bons movis, crystaes, ricos quadros, objectos
de Biscuit, livros e joias.
Um divn e 2 cadeiras esturadas, 2 mesas de
bano, 2 etageres, 4 cadeiras de halanco, 12 de
guarnico, 2 consolos, 4 lindos vazos japonezes,
1 dunkerque com um espelho grande, 3 cande-
labros de bronze.
Urna estante envidracada de naadeira fusca.
com fiordes, 1 conimoda de Jacaranda, 1 toilet. 2
guarda-roupas,3 pedras para consolos, jarros com
paisagens, 6 estatuas; cortinas de damasco, 4 sa-
nefas. 2 reposteiros, tapetes e jarros.
Diversos diccionarios, livros, atlas e globos
geographicos.
Dm relogio remontoir, i cadeiade ouro, alune-
tes, broches, botes e outros objectos de ooro.
Lindos quadros a oleo. 1 mesa clstica, 1 guar-
da louca envidracado, 2 apparadores, i quarti-
nheira, 4 etageres. quadros linos oleo, appare-
Ihos cbinezes para cria, capos, clices, fructeiras,
1 lustre, 2 candelabros, 4 etageres, quadros a oleo,
2 candelabros artsticos, 1 piano, 1 apparetho
chinez, 2 reposteiros, 1 porta licor., 1 grupo de
salteadores, flexas indgenas, e 1 lustre, e mui-
tos outros objectos de apurado gosto.
Sabbado, 20 do corrente
No Io andar do sabrado da ra das Flores, no fun-
do da loja da ra Barao da Victoria 11. 39
0 agente Pinto levar leilao em continuaco
os bons movis, ricos quadros, objectos artsti-
cos, livros, joiase mais objectos pertencentesao
espolio do subdito portuguez Emilio Soares,
existentes na casa em que residi no 1" andar
3ue da para a ra das Flores, no fundo da loja
a ra Nova n. 59.
Os referidos objectos tornam-se recommenda-
veis por seren de apurado gosto, e se aclurem
em oplimo estado de conservaco.
0 leilao principiar as 10 1/2 horas em ponto,
por screm muitos e differentes os lotes.
Profesora
particulares, na cidade ou nos arra-
halde/offerece se urna seaora para leccionaro
8e.rninte :
Portuguez, francez,italiano, g.ographia, piano
trabulhu de agojba, bordados e flores.
Garanta.As dtycipulas ellectivas que teme
divei-sos attcstado de pessuas Ilustradas.
A tratar na relojoaria do Regulador da Mari-
nlia, ra Larga do Rosario n- 9.
liara de Nerlnhem
A Baroneza de Serinhaem anda sob a pres-
so da acerba flor pido passamento de sen sem-
pre lembrado esposo o Barao de Serinhaem,
agradece a tedas as pessoas que acompanharam
os seus restos mortaes ultima morada, e de
novo convida aos seus prenles e amigos para
-assistirem algumas musas que pelo repouso
eterno de sua alma manda celebrar no dia 20
d) corrente, pelas 8 horas da manha, as igre-
jas deS. Pedro dos Clrigos e matriz de Afoga-
dos, stimo dia de seu fallecimento ; anteci-
pando desde j seu sincero agradeciraento e
eterna cratidilo por .este acto' de religio.
Lisboa.
Leu
ao
De 150 resmas de papel para caitas e ofiicios,
enveloppes, papel para embolino, movis, espe-
lhos, quadros e cadeiras novas a 1750 cada
urna.
Terca-feira, 3 de Julho
"As 11 horas
No armazem da ra do Bom Jesu6 n. 45
Agente Pinto
Barao de erin!uein
0 Barao de Utinga. sua mulher e lilhos man-
dam celel>rar urna missa na matriz da Escada,
uo dia 20 do corrente, s 8 horas da manha,
stimo do fallecimento de seu pozado prente,
Baro de Seiinhein, e convidom a todos os seus
parentes c amigos, para assistirem a csse acto
de religio e caridade, e dpsde j se confessam
eternamente agradecidos. ^^^^^^^^^
RtHC$D de passagens
Ida Idevoitu
V Lisboa I* clan 1 30 l *)
A'Southampton !(!-,-' t S 42
Camarotes reservados Para os passageiros de
Pernambuco.
^rapassagens fr?t?s,encommenda, :;a'.i-st-
com o?
AGENTES
Amorna lrmos & C.
N. 9Kua do Bom JessN. 3
LELOES
Sexla-feira, 19 o da lija de Alfaiate da ra
Nova n. 59, espolio do subdito portuguez Emilio
Soares.
Sabbado 20, o dos niou;s. quadros, espedios,
louca, crisUes ejnais objectos de apurado pos-
to da casa em que residi o mesmo Emilio Soa-
res-
Leilao
De amostras
HARITiM
;
(OHPAXIlll l'IHMHBirWA
DE
Xavegaeao costeira por rapo
PORtOS'DOSUL
Macei, Penedo e Aracaju'
O vapor Mandahu
Commandante Alcides
Segu no dia do 22 Julho s
~ horas da tarde. Recebe car
o dia 21.
Encommendas. pssagena e dinheiros frete,
at as 3 horas dn tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da C mhucana
. V
Companiia irasieira de
Naveea&o Vapor
PORTOSDOSL'L
O vapor Par
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portOS do norle at-
0 dia 23 wis da de-
lira para 0.-
P"
As encommii: ,,o trapiche
arbosa atl horada Lar sahna.
Para carga, pa r valo-
m
PORTOS DO NORTE
or Espirito-Santo
Corii man Jante (arlos Antonio Gomes *
E' esper;do dos portos do sol at p
rdia 27 de Juina e eguindo depoi?
da demo.'a indispensvel para os
portos de norte al Man
serlo recebida
^KiIi tarde do dia da sabida
encoimnendas, passagens e vaio
AGENTES
Pereira Cameiro & C.
6=Rua do Ccmanercio=6
Io andar
ConstanJo:
De botinas para se al jras, 0x68, machina de
costura, linhas =ortid< de carrttel, linha para
crochet, chapeos de pal aa para liomem, senhora
e menino, bonete, chapeos de feltro para bomem,
luvas de sida para s'ehhnra. cartOea com botOes,
camisase siias para senhora e 1 getodeim.
Qultoa-feira. i do corrente
A'a 11 horas
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 6
i:m coatinnaco
De 1 annel de ouro, com urna pedra de ame-
thy^io com brilhanie proprio para con . I liihar com pertcnce.-. 1 anuaco de
amarelio, 1 guarda-lou(;a, 1 antepara deamarel-
lo. 1 candieiro belga, i' 111 -zas grandes, 1 cama
dt jcara ida para casal, 1 marqaeB&O estreito, 2
bancas i->ii gavetas, i aparadores torneados, 2
ditos can l 'vclcira-, cadeiras avulsas,
1 pipa e^ll barris con vinho brando, diversas
bebidas eni garrafas e muitos outros objectos.
Por interven93o do agente
^usmo
AVISOS DIVERSOS
Alugam-se as casas na eiicruzhada de
Belm ns. 28, 22 e 16,.a lOOOO mensaes, csto
Jimpas, tem quintal e cacimba ; a tratar na ra
da fmperatnz n. 76. _______.__ __
- Alau'a-se o sobrado n. 46 ruada li.ala
com bons commodos c niuilo fresco, bem como
os dous pavimentos lencos ; qem o; pre' ler
dirija -si roa do Cabug n. 16, loja da Vent
rosa.
Aluga-se o 2- andar e sota da ra de S-
Jorge n. 120. com agua e gaz : a casa Ierre* n.]
122, con: agua e gb : na mesrea man. 134,
taverna._____________________._____________
2 Aluga-se a loja, com dous. quarK
to, ra t-slreita # Rosario de Santo Antonio
n. 38, 8 a casa terrea n. 9 travessa de S. Jjs
a tratar em Fora de Portas, ra do Pilar n. 56.
Perg nta-se ao Sr. Prancisco Raposo Fa-
cio, 3- oflicial do Correio, se mora na r- a da
Glorio n. 142,conformejUss(\ pareeeque nao.
wm
2. JLcil&o
Dos movis da massa fallida de Joo F. da
Cruz Braga C.
Quiata-feira, f 8 de Julho
A' .11 hora
No armazem ra do Bom-Jesus n. 45
O cente Pinto levar novamenle a leil, por
despacho do Exm. Sr. !>r. juiz do commercio, os
movis pertencents massa fallida de J. K. da
Cruz Braga & C. existentes no ; rmazem di ra
do hoin-Jesus n. 45, por occasio de outro leilao
de movis e papel. ____________________
Leilao
De bons movis e lou^a
Sendo:.
Urna moDia de junco, 1 dita de pao-carca, 2
pares de jarro?, 2 ditos de etajes,t camas
francezas, sendo urna rnviTnisadMKle preto. 3
nirquezM's, 1 cabide de columna. 1 dito de pa-
reilf. 1 rncibi .ommoda rfe amarelio, 1 guarda-
louca, 1 espelho oval, 2 aparadores, 2 lavatorios
de amarelio, 1 mesa de jaotar, cadeiras para
sala d,e jaotar. copos, clices, garrafas, compo-
teira? e ontrof muitos movis.
1 ttexta-feira 19 do corrate
A's 11 horas
N > sobrado n. 2 ra do Imperador
O asente Martins tara leil.i por ordera de
una iiBilia uue se retirot p.rao mi dos mo-
vis e mai rtentea em do sobrado
Ao correr do mnrlelbo
Vap
Leilao
De Jfizenuas. rou|ia fula, beW -, armacoes, co-
fre esp' luciros gaz e mov
Como sejam :
Urna armacio envi.Iraca ,'a e envernisada, i
balcoes. 2 lustres, registro e enc&namfnio
Duas armacOes inglesas, 2 espetos grandes,
8 quadros, 1 mesa redonda com pedra, 1 .secre-
taria, 1 burra prova de feg, 4 cabides grandes
para roupa, 2 mesas grandes, 2 estrados, machi-
nas de costura, 1 vitrine, 1 lustre 'cora 3 bicos, 1
espelho de columna com 3 faces, 1 reposteiro, 1
repartimento de escriptorio, bracos gas, mo-
chos, cadeiras, outros movis c 1 rolo de ence-
rado para forro de sala (novo,.
Una variado ortimenlo de casemiras, roupa
feita, cortes de casemira, botoes e linhas, e ou-
tros rticos.
feetta-feira, 19 d*eorren Em um ou mais lotes vontaajjj Ib compradores
Xa loja de alfaite da rjEBmao da
Victoria n. I^W
O agente, Pinto levar a leilao por mandado c
Precsa-se de um criado,
menor de 14 annos, no 3" an-
dar do predio n. 42 da rna
Duque efe Caxias, por cima
da typographia do a Diario*
Criado e copeiro
No sitio n. o da estrada de Joo Feroandes
Vieira precisa-se de um menino de 12 a 14 an-
nos, para o servico de criado e eopejro.
Vende-se
urna casa terrea em bou localidade, no bairro da
Boa Vista, e una parte noengenho Desterro,
treguezia de lguarass : a tratar con o Sr. te-
nente Svaristo de Souza, ra do Socego.
Atten^o
Vende-se bons predios em boas ras, que se
recoramendam pelas boas localidades e renda
certa, sao oscaixes siU)3 ra Mirquv. do
Herval ns. 35 e 37, oceupa !os >m negocio, eas
importantes casas de morada : urna sita ra da
Palma n. 25, eoutra ra da Conceico n. 12 :
a tratar na ra da Conceico n. 38, das 3 s 6
hjras da tarde.
Francisco Rufino Vctor Pereira
D. Emilia Vctor e Ismael Victor Pereira con-
vidan as'pessoas de sua amizade e parentes, e
aos do falle ido seu esposo e irmo Francisco
Rulino Victor Pereira, para assistirem as missas
que mandara rezar na matriz da Boa-Vista quin
la fe ira 18 do corrente, s 7 1/2 horas da manh,
sciiaip dia d seu passaraentc protestando des-
de j o ?eu reconheciineuto por e^se acto de ca-
ridade c religio.
^BflCBflBjflBBSJHB ^H^^XCH
'/Ji'H.-.i
y Otidio Karaiva de Carvalho
Xeiva
Olegario Saraiva de Carvalho Neiva, Idalina
Emilia de Carvalho Neiva, Manuel la Saraiva
Gctadira ISeiva, Waldetrudes Primitiva da Suva
Ramos, Maria Prepedigna da Fonseca Ribei'o,
Eulalia Anta da Fonseca TeIKs. Vicente Saraiva
iie i'arvalho Neiva e Francisco Fernaodes de Car-
valho Neiva (ausentes), Rita de Cassia de Car-
valho Neiva,. Luiz Francelino Martins Ribeiro,
Artbur Octfviano da Silva llaiiios.tEdelIrudes
Emilia Martins Ribeiro e Maria do Xlarmo da
Suva Ramos, muo a'g'rader-em a todos os pa-
rentes e pessoas (!e sua amizade que se digna
ram acompauhar sua ultima morada o cadver
de seu pranteado filho, neto, irmo. cunhado e
tio, Ovidio Saraiva de Carvalbo \ci-
va. e de novo Ihes rogam o caridoso e humani-
tario obsequio de assistirem as missas que peto
repouso eterno de sua alma mandara rezar quin-
tarfeira 18 do corrente, us 8 horas igreja do Divino Espirito anto, selimo dia do
seu infausto passamento. Desde j hypothecam
a todos a sua immorredo;v. gratido.
t
Caixeiro
Precisase de um caixeiro com algoma pratica
de taverna. de 14 a 16 annos de idade ; na ra
de Paysand n. 33 C

O grande e importan le e*cbelecimento de
Pocas Mendes & C sito ra estrella do Rosa-
rio, i!. '.), cobtjguo a igreja, acaba de receber
urna grande remessa do acreditado e e--cial
Vinho Madifro
0 nico que, senj a mininia confecg.*io, Lj-
|ior!ado neste mercado, e 80 se vende no referi-
do estabelecimeoto. Este precioso nctar se
torna cada vez mais procurado aqu. Queremf
p^iiie'* Vejara : o vinho Maduro sendo
como fe'.lo uacamente da uva madura. Inn
as sei-'uinttt vaj ac as outras qualidades
de vinho nSpfem i facilita sena a menor pertur-
baco tu diges|Ciis da estomag, anda mesmo
ornis enfi>afaeido2 dando-lhe vigor, pois nutre
aolhos vistos a debilita Jas. e d forcas
squeastMpH: :e bebidas
viciadas.
Receben;.: lambern '
Requeijao
em latas, de procedencia de eugenhos. cujos
popri3tarioscapFcham eni bam trao lliar oeste
artigo, ulim de terem a primaza sobre tantos
similares, cuja composieo duvi
Em ou'ru? anigos como
e flores, linguti- ,di; objrft
time ..? do Porto para horneas e senao-'
para'isio to pouco leiucs competidor
Opa casa e-.i.eeiast.i
seTjueiram certificar podem compaie
o que muito nos honraro. Apos urna inlini-
dada de arilgos de primeira p le achara-
se em exposico, acresce a amenidade do trato
com que timbramos 'tratar todos os que nos
honrara com a sua preseaca, junto a modii-Jade
de precos sera rival.
Ra ewlreita do Rosario n. O, Junto
a Igreja
Anua RudriicucM da Costa
Trifftsuuo Abilio Rodrigues de Alaieida e sna mulher
Virginia Clotilde de Alme'da. teodo recebido do
reino de Portugal a dolorosa noticia do falleci-
mento Je sua presada mfti e sogra, Anna Rodri-
gues da Costa, convidara a todos o-; parentes e
amigos para assisrem a missa que mandam re-
zar pelo seu'elerno repouso, a qual ter lugar
no da-19 do corrente, na igreja do Corpo -ap-
to, pelas 7 horas da manha. Desdo j anteci-
pai os seus a Tadeciineutos._______.^____
f
Feliciano Marque* Tiauna
Leomlla Rosa de Gusnio Vianna, sua mi, ir-
mos, cunhados e sobrinhos agra.le.'em a todas
as pessoas que se diguarara acompanhar os res-
toe mortaes sua ultima morada de seu sempre
lembao espo.>o, gi>nro, cunhado e tio, Felicia-
no Marques- Viaona, e de novo convidam aos
parentes e amigos para assistirem as missas que
mandam celebrar na sexta-feira 19 do corrente,
stimo do seu pas?ainenio, s 7 horas da manh,
na igreja de N. S. do Terco, e desde j agrade
rern por e-te acto de reliu'io.e caridade,.
f
Rusa Viterbo Gama Penna
Luiz de Mello, Zulmira Mello e Jucunlina
Mello, despasmados dos mais dolorosos senti-
mentos pela prematura rr.orte de sua muitoej-
I'inavel e adorada tia Rosa de Viler'io Garda
convklano aos parentes e amigos da li
nada a assistirem os-missas que mandara rezar
na igreja da Conc%icao dos Militare?, s 8 horas
da maulla do dia 18 do correte, e desde j se
confessam gratos. .
t
-
D. Roa de Viterbo Gama Penna
Jos Luiz;Gongalves l'oiiua Jnior, Luiz da
Gama Baiuleira de Mello, Zu'.mira Millo e Ja-
cundinu Mello, convidara aos seus prenles e
tirem as missas qu m
celebrar na igreja da Conct'ico dos ai '
i da manh do dia 1.8 do con
alma de sua prexad i a. setion
sen fallecimento, p-lo qne se confessam ugra-
GHANDl LIQIJ1DACA0
Na Loja das Estrellas
5(R upe de Uh.as-iN
Telc|taoae a. SIO
Este bem conhecido estabelecimento acabh
de pastar por urna grande reforma,
sende ligado interiormente com
casa contigua do n. 58 no intuit.
de screm despachados todos os seur
freguezes com mxima brevidad-
possivel, re8olrcu fazer grande II-
jlEdaco el -. iodos os saldos que
ricaram dft balanco, por menot
bO do seu valor, cujos aftigoK
pasaamos a demonstrar :
A rugo de le
Esguiao, peca, a 3(5500.
Madapolo com um metro de largura de
14*? por 70000.
dem idem americano de 85 por 5-5000.
Algodao marca T, especial^ muito largo,
de 75 por 50000. ,, ,
Bramantes, pecas, por 75000.
Atoalhados, lindos desenhos, duas largu
, ras, a 15 e 15200 o metro.
Guardanapos de 45 por 20CUO a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o roe
tro.
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 15500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a 15
e 15200 a duzia.
Toa'ihas de fustao, qualidade superior,)'
35 e 45000 a duzia.
Cretones para coberta a 240 ra.
Colchas acolnhoadas, brancas e de cores *
25000.
Lences de bramantes a 25000.
Chales escocezes a 15000.
E outros muitos artigos que deixam d<
ser mencionados e que se vendein con.
iguc.l abatimento
Tccidos de alta novldndc
PARA' VESTIDOS DE 8ENHORAS
Linhos pardos para vestidos a 300 e 320
Sedas com quadros e listras de 15800 por
800 rs.
Setins de seda, todas as c6res, de....
15200 por 500 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cores,^ de 500 por
240 rs.
Tuaile de Vichy, de 240 por 160 c 80. rs.
Nonsuks, desenhos novos de 240 p^i
120 rs.
Crotones claros e oscuros com lindissimos
desenhos de 440 por 240 rs. 1.860
PECAS:
Merinos de quadros, grande variedade di
padr5es, de 500 por 240 rs.
Mimos ioa Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Ftistoes de cor, de quadros e outros dse
nhos muito lindos, de 500 por 160 rs
Sedas Feppinas, de 500 por 200 rs.
E muitcs outros tccidos para vestido;
em algodao, linho, l e sedas que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 it
CoRfecco
Vestidos feitos de Casemira ricamenu
bordados de 805 por 55 e 305.
Ditos para armar de 65, 85 e 105-
Ditos brancos bordados em cartao, alia no
vidade.nS&e 105.
Guamiles de colariuhos e punhos pan-
senhora por 15 e 15200.
Capotas (preparadas na corte) de 205 po)
y e 105
Gollinh punhos para menino de Di
8 ani'e -
Vesfe elnhas para criancas, pc
-> e 105, e Jersey, casemira e
..
Saias bordadas a 25 e 3$.
Enxovaes para baptisado com collares ''
trieos por 55.
Luvas de seda meio bra90 e qualquer t
manho a 155(X) o par.
dem dem de Escocia a 15 e 15500.
Sobretudos impermeaveis de borracha d
705 e 805, por 305 e 40j.
Csr-fl p peerinas de cachemiras ottoma-
nte enfeitadas de vidnlhos -o
250 8 ou5.
dem dem Je renda, seda, damasco e
gurar&>, tanto para phantasia como
para commodidade a 385 i 405.
Velludos de seda e algodao de umitas co-
res.
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda, algo
dio e linho, com' um metro de largura.
Stins Maco de todas as cores a 760 e
800 rs.
E muitos outros artigos de confecc5es
como sejam mautilletes de blonds, sahidas
de bailes, lequ^s transparentes e de phan-
tasia, e outros muitos mais, que se ven-
den com o mesrao abatimento de 50 0.
Para horneas
Casimiras inglezas com duas larguras, de
35500 por 15200.
Diiis cor de caf e azul, da 25500 por
800 rs.
Cortes de seda paracoll&te\ de 125000 por
' 35000 e 35500.
Ditos de velludo e fustao a 10 e 10200,
Meias inglezas com fio de seda, do. 125
por 60000 a duzia.
Paletots de 70 por 40000.
Camisas com um pequeo toque de molo
a 10600 urna.
Collarinhos, modelo moderno, a 50000 t
duzia,
Camisas inglezas com collarinhos e pu-
nhos, seni collarinhos e sem punhos a
360000 a duzia.
Brins pardos de linho a 240, 280, 32!)
360 e 400 rs.
Dito branco de linho n. 6 a 10200.a ara,
L;ndos cortes do casimira ingleza, de 65
100 e 120 a 40, 60, 80 e 100000.,
SbretiidoS'impeymeaveis de borracha,para
homen, do 700 e 800 por 300 e 400.
Ceroulas francezas, de 380 por 2
a duzia. ? .
Attc
Urna fmula se encarrega el
para fora por mdico preco, e garante-se a hon-
dade da rc'eicao. pis tem os niel!, pe
pa>-a salisfazer o mais exigente paladar, e bem
como enearrega se de lavar e engominar com
peTeiro : a tratar na ra Dirata n. 99.
1 gipio
Coimlanf I no fe Hit Brrelo
Convida se a e-te senlior b comparecer ruar'
do Bom Ipus n 23. para prestar tontas das co-
Wancas que* fez no termo de Agua Preta em
Marco prximo passado.
UE5TFREBES^
CaistnctuKs a Ham, Franca
Rcprcs ntuo por Vinillo BJI-
Ioh, engenueiro Richan'-t,
(PEKKAA1BH
Assentamento completo para eiigenlioJtaliH
traes e Uzinas pelos processos os mais aperfe-
(oados.
Moendas crepri-sso mltipla.
Corte-cannas vertical, systeraa Bedu.
Wll'uso. cyreular a roclitia. -uto iedu.
Dimisao QOIRfnua do bagaco .titn Pi-rret
l"iir-:i..- para queimar bagaeo da ;::fus5o,
.1 i'o Bedu.
Filtros hTHrnanicos a filtraeo mltipla.
'fu-binas ceutrifugas (economa, limpeza e
trabadlo rpido).
Em gera! todos os apparelhos os mais moder-
os e os mais aperfeiyoados para o fabrico de
assocar.
>'. li. -OSr. Emilio Biliion fazendo umavia-
gem d 3 metes oa Europa, durante -.< sua au-
sencia dirigi as cartas e pedidos a ("asa Bedu
Frres allam, que fornecer plantas, oicamen-
tos etc., e por qualquer nejoeio urgente infor-
marse ao Sr1. Eugene Chalme ; 2i ra do 'lom-
mercio, P.ecife.
C ommi ssfo-i mportagilo
REPRESE.v'T.ACAO DE FABBKAS
Kua da Flores n. 20
Armasessi
(Entrada pela rna Baro da Victoria n. 41/
Faianeas de Htt. Boulenger & C.
Papis de Lnroche Joubert & C.
Fanos de Pleye!.
Porcelanas de Hache Juliien < C.
Bleos, rendas e cortinados de Eiu: Sleeg-
mann & C.
trogas da Pharmarie cntrale de Frunce.
Azulejos de Fonrmaintimix Cottrquin.
Conservas de Lott Frres & C.
Viiios de Bordeaux da Association Vt-
rucle.
Cr-.cEiimbos de Lorgt Pire, FU- & David.
('ognAc deteorges SAgum &C.
Vidrws de (J. ie Slaue.
t'rystaes da CrUtalltr de Seres (Landier.
if- liondaiile).
Ca)nalaN para fiascos e garrafas, de A.
Betts & C.
Frasco*, lasilhame.pa pluirmncias e pec^
liiiista; ('e /; TittSr Armaedes parj seiiias. e-poras e inateriac-
para setleiros e fabricas de carros, de
!" k Krm. etc.. etc., r',e.
As ter aorias tjmii directamente das fabri-
cas p.na i- elien!-s. -m comuissiio, e pelo?
precos da Rjbrica.
Concedcni se os ; r:-.:'.os oscaes En augmento
uro'1 B "'::' tpwlquer despesa.
COM.vssao : Recebem-se encommendas de
qualqoer outro artigo, em cnmniissSo.
20Rna das Flores20
Paulina Doederiein e Hed-
wig Stelzle
ultinian-.ciit- sfaegitdas tla.Altemao'iia co,.i diplo-
;'as do rooswrvntorio de mosica de Munich,
offBrcenl s Exmas. familias desta cidade os
seus serviros como profesoras de pi Kua de Paysandu' n. 3 i
Inforraaces podem ser tonadas em ca- do Dr.
.liu.i Patrio, medico, ra Sova-
ttencao
Marianna de S. Jos Cavalcante, viuva. maior
de 70 anuos, vivciuo em extrema pobresa, e
'udo em sua cumpanhia tres netinbos de tenra
idade, orpliaos de i ai e mal, vem implorar das
almas bemfasejas e caridosas um obulo qualquer
para nao s alimentar qnelles infciizes, como
tambem para comprar algoma muninha para
cobrir a nuile; era que vivem. A supplicante
reside ra da Concordia, casa n. 231.
Silvia
Grande valsa p.ita piano, ccniei -'. por Caro-
lina da Silva e recKtemente pnblii" '-, acha fe
venda na casa edictora. LIVIi Ul!.\ FRANCE-
SA, ra 1." de Marco n. 9.
PiLULAS 3LAIR
m
GOTAc^RM5
Po$as Mendes & C.
Rodadagua
Compra-se urna roda dtua em bom estado,
de Jf a 30 palmo* ; a traV v.i rualDireita nu
mero 106.
Barao de erinhen
O lenente-coronel Cicna
no dia 20 do corrente (sabbado) cele-
^^matriz da villa de Gamclleira, p
da manha, urna mis.-a pelo descanso iter-
Bar.'io de S.inoliaein. e coi-
para assistir a este acto d caridade e re-
ligio a todos os seus amigos e aos uo tifiado.
li
0 Celebrrimo n .etf.o hglej para
Gola, Rheumatisjxios, Scir :ca,
Lumbago e Neuralgias.
.'. '' i l .Ja> ;i; pessoal qu,* padecorwo
3 molestias Rima, reoraes ou' a'iti-'as, que
nsin as PII.L'LAS BLA1I1 CONTRA "A GOTA
E OS RH:-:UM TISMOS. por I6TMB c.-.:s pilaiai
r ..|.,s o remedio mais seguro afleu qa
jamis t M aproaeutado ao pabic, sendo empro-
f.nl.i; rom nphino i-iilo ha ji 1 '.rjos iuh tanto
na Kuiup roiijii n i America.
Estas Pilubi. atlas peroilainenle ioolTeosivas,
lao -x'_' n dieta alfil na, -- Vapdida sA caixas
d>-16 OOj e 11 jO r.-;-. A baaM en caja de lodos
o Piiann nalieos ou Orpgui^ti do mundo oleira.
IiepMitars ts Perntmiburo.- Fr" In S'lT ftC*.
E' ,o mclhor
*: Est reconhecido que o mellior e mais
seguro, especifico r.t hoje conhecido para
combater as molestias dos org\os respira-
torios o Peitoral de. Cambar;:, de S.
Soares, de que sao agentes e depositarios
geraes os Srs. Francisco Majiod a Silva
& C-, rna Mrquez de Olinda n. 23.
Barca allem Fritz Sclimidt
O capito Andr Schmidl, da barca allem5
Frilz Srltmidi. entrada n'este porto por arribada
forcado, em sua viaRem de .M. ntevido para
liamburgo, precisando descarregar seu carrega-
mento, con sis I i ti do de i6 toneladas de cinza de
osbs, sabugos e cbires. recebe propostas para
este fim em cartas fechadas no Consulado Ger--
manteo, at meio dia do dia 20 de Julho do cor-
projiDiicntes devem declarar n: suas pro-
postas o preco por tonelada tirada de bordo A .
sua rusta armaz >n n lo em erra o reembarcan-
do para I ..esmo navio.
Ao eommercio-
t
Baro de Kcripihilem
Sabbado 20 do corrente, missa s 6 1/2 horas
da manh, m. igreja de S. Pedro Martyr.- em
Otinda, por alma ao Ilustre finado. Rogamos
oas caridosas um Padre Nosso e Ave Ma-
ria pelo descanso eterno do Barao de Serinhaem.
#
Os abaixo assifi: dos scientificam. ao corpo
cemtnercial e a todos aquelies.a quem i:"eressar
P^'iptots de seda ramnl^fm rl &(+= -- I P0883 1U n(',:' ,1"':1 u,'m constituido o Sr. La-
lS de secta, completa de fettos ., rayette da Silva Mwa seu procurador bastante.
c^ni ampios e ilimitados pGderes para gerir os
coramer.: ta praca. sem
urna restriceo dos poderes conferidos na-
quplia procurai
ecife U de Julho de 1889.
casemira, malas para viagem, e boleas e
tapete e um completo e variadissimo sor-
timento de cb?v-:ots, casimiras francezas.
inglezas. pretas e.de cores de padroe in-
teiram^te novos e que se vendem cvS <
mesmo abatimento de 50 j0 de 6eu valor
HetalLos
Aproveitem a grande quantidade e
pelos precos, em sedas pretas e de cores.
gorgort5es,_ setins, las, merinos, zephyros,
linhos, chitas, madapolSes e algodkosi-
nhos.
E rnuitas outras pechinchas que s se
encontram na
Loja das Estrellas
56, 58Hua do Duque de Casias56, 58
, Maii. & Rezende,
f.r

Pr~<-


I
ul
rnambucoQuinta-feira* 1S de Julho de 1889
_
\A
m
i
DESGOBKRTA E PRKPAKACAO
DE
i. AiV i. DK SOIZA SMffES
\ovo e poderoso lucIJcamento contra as molestias' do appare-
relho respiratorio:
Tosse, corvza, lafjSigite, aphonia, coqueluche,
grippe> bronchite, asihma, pneumona, homoptysia, pljthi-
sica pulmonar, etc., etc.
Api.rovado pela Exnm. Junta cutral de Hygiene Publica, autorisad* por de-
creto imperial de 30 de Junho de 1884, rodeado de valiosos attestadoa mdicos e
muitos outros le pessoas curada?, elogiado unnimemente pela imprensa e premiado
comuas niedalhas de ouro do primeira classe pela Academia Nacional de lana e
jury >sicao Brasileifa-Allcma df 1881- WJ" iudaitp
Com fabrica especial no estabelecimento Agrie.o-Tndustrial do PARQUE
PELOTEASE, expressaniente creado para es.-e effeito era Pelotas.
Fabricad* por mez 20.000 fraseos
Vende. eui cw.-a los gentes Francisco Manoel da Silva & C. rujdo
Mrquez de Ojiada n. 2::, e ero diversas pharmaeiaa e drogaras.
App
'JZjJS para tc~
_, ; ;-..:. |Wr ...r.: r-uw '' _--.-. es m Jes de i^mas edope'^: triaban pa.~a
. ...rr.-o-lo-.isoa'c. -
' r- ;' III :"-: .;:ll '.
-- :. :.-... f.arU lrhitfia *atfrierjmto. e tosse?. \
a d ... ;-...i>c M hfes a* ws i s ttt f *"* f* *{

I
-1 -..-.i .<- i -.-u acias do univena.
IPILLAS DIGESTIVAS DE PANCREATINA!
de .
Pharmaceutieo de i* Classe, Fornecedor do Hospitaet de Parit
A Pancreatina empregada nos hospitaes de Pars, o mais poderoso i
I digestivo, que se conheca, visto como tem a propriedade de digerir ei
tornar assimilave3 nao smente a carne e os eorpos gordurosos, masl
I tambem o po, o amido e as fculas.
Qualquer que seja a causa da intolerancia dos alimentos, alteracao, oul
'ausencia de sueco gstrico, inflammac|o, on ulceracoes do estomago, oul
ido intestino, 3 a 5 plalas de Pancreatina de Defresne depois da co-|
I mida, 6empre alcancam os melhores resultados e sao por sso proscriptas I
Ipelos mdicos contra as seguintes affeccOes:
1 premio de
1 .
1 t .
2 ...
& ...
10 ...
2 approximaejea de
2
2 ,
9 Dez. do 1. prem.
9 2.8 t
9 t 3." t
99 2 fin. 1.a
99 2.a t
900 term. ti.
900
A M AI H A O
NOVO &JL,!>JSrC'
rovado pelo Exm. Sr. presidente da piovincia
Premios da serle
Premios da lotera luteira
. 300:0003
. 50:0004
.. 12:500(5
5:000,J' 10.-OO03
2:5000 15:000d
1:5000 15:0000
2:5000 5:0000
1:5000 3:0000
7500 1:5000
7600 6:750-3
4:5000
2:2500
24:75'0
24:7500
1250 112:5.000
2." t 1250 112:5000
2500
2500
2500
1 premio de
le .
le .
2 ...
6 < c .
10 C c .
2 approximacCes de
2 t
2 c c
9d
9
9 3
99 2 fin. il.'
99 < c 2. c
900 term. 1. t
900 t 2. c
ez. do 1. prem.
t 2. t
3
2000
1000
600
1000
600
300
300
200
100
100
100
50
50
12:0000
2:0000
5000
4000
6000
6000
2000
1200
603
2700
i 800
900
9900
9900
4:5000
4:5000
2052 premios no valor de 700:0000 2052 premios no valor de. 28:0000
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta lotera 6 composta de 10.000 bilhetes a 1000000, dividida em 25 series,
cnstando o inteiro a serie 40000, subdividido este em quintos da serie (125' do
bilhete inteiro da lotera) de 800 re. cada nm.
O agente desta lotera chama a attencZo do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua boa organisaco.
Com 40000 ( quintos de que se comp3e a serie) recebe-se 12:0000000 e com
800 rs. (1 quinto) 2:4000000.
O menor premio d um resultado de 25 /0 Ps custando o quinto 800 rs.,
recebe 10000 as terminac3es dos 1. e 2. premios.
SZo premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 3." premios.
As ditas letras finaes dos 1. e 2., termiuacSes dos 1. e 2., e as approxi-
x3es dos l., 2. e 3.; tendo alm disso premios de 2:0000000, 5000000, 2000000,
1000000 e 600000.
EXTRACTO NTKANSFERVEL '
----------iTnirirwf)----------------------------
IFalta de appetite
'Ms digestoes.
1 Vmitos.
Flatulencia estomacal.
Gastralgias.
Ulceraces cancerosas.
Enlermidades do ligado.
Emmagrecimento.
Anemia.
Diarrhea.
Pysenteria.
. Gastrites.
SomnolenciadepoiB iecomer, s vmitos qne acompanham a gravidez
PANCREATINA DEFRESNE em frasqunhos com a dose de 3 a 4 colhe-1
radazinhas depois da comida. I
Em aa de DEFRESNE, autor da Peptona, PARS, t em U u Pharmaciai|
Vl<
L3U. \s .m Li
TINTA INALTBKAYEL

Esta tintarecommeiida-se pelas qualidades
seiuntes :
1 E' igual a melhor tinta t Bluc Block inglesa.
2E' de ama fluidez extraordinaria, e torna-se preta como
carvao.
3B' da duraeAo iiiniiuida, portanto para os livros do com-
tuetcMi e para documentos, que careeam de longa duracao, nao
se j.Sde desejar tintu uit'iinr.
4 Nao estraga as pennas de 90.
i'rcos; mtf< 800 rs. 1|2 garrafa 00 rs.
yVHile.t l ;,::::.: :;. costa c.
R UbA 1. D E M A E g OP E 11 X A M BUCO
ALBINO SELVA &C.
J2-Hii;i Mrquez de'>9lluda49
Liconciado pela Inspoctoria de Brgie&e do Imperio do Brasil.
<
VINdeMOITIER
Uidico, Sitittkntt d AhiimiM di rtm i gactM U DIGESTIVO, TNICO, FEBRIFOGO
PREPARADO COM
Quina e Pyrophosphato de Ferro
ESTE
HO FOI PRECONIZADO POR TODA A IMPRESSA M1DICA
COMO SENDO O MAIS PODEROSO
Tnico empreado para curar
ANEMIA. CHLOROSE
EMPOBRECIMENTO DO SANGUE
Soberano contra as Fbres
houyvet, Pbarmacentieo del1 Classe, houareau Sdct
PARS 44, ra des Lombards, 44 PARS
Depositarlos em Perrurntrnco : FRAN M. da SlLyA A O.
E AS PHINCIPAES PHARMACIAS
VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
Preparado sob bases cientficas
e physiologicas para o fin de
beneficiar os cabellos, restaurar
a edr, impedir a queda, e promo-
ver sea vico e abundante cresci-
mento.
Esta apurada e excellente preparacSo,
sem duvida o melhor remedio at hoje
conhecido para os differentes defeitos da
cabelladora, merece a intima uttencao de
todas as pessoas que tm tido a infellci-
dade de perder em parte ste mais rico
ornamento natural da physionomia.
Com o sen emprego intelligcnte tem-se
conseguido resoltados realmente sorpren-
dentes. Em muitos casos, porm nao
semprc, a propria calvicie tem sido corada
permanentemente.
Sempre se consegne fazer parar a queda
dos cabellos cmquanto que para opentea-
ao das senhoras, o objecto mais til
mais agradavel qoe se pode empregar.
. PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
' Lowcll, Mass., Est.-nidos.
i A' venda as lojas de armarinho e pr-
ftimarias.
DEPOSITO GERA7
"B-_\ 'i '
Amas
Na ra da Palma n. 40. preciii-?e de duas
amas, urna para andar com criaocjs e outra
para cosialiar e comprar.
Ama de leite
Precisase de una ama de leite; a tratar na
ra Barao da Victoria n. 54, nova agencia de
mo\e8-
Ama de cosinha
No sitio n. 5 da estrada de Joao Fernandes
Vieira se precist de urna cosinueira, prefere-se
a urna mulher qi e durma em sua casa.
O OLEO PURO
-DE-
FIGADO de BACALHO
-DE-
LAHMA1T &'ZBMP
produz efleitos anlogos a os da
Emulso com Bypopfeospies
dos mesmos senhores, n caso do
ser preferido o traetamento nesta
forma para o curativo dos incoai-
rnodos
do Peito, a Garganta e os PoiinSes.
A luja-
se
0 segundo andar do predio ra do Barao da
Victoria n. 60. com agua e pintado de novo : a
tratar com Paulo Jos lves 4 C.
Ha no mesmo grande quantidade de canarios
belgas para vender.
Alug^a-se
a casa terrea da ra do Lima n. 26, em Santo
Amaro ; a tratar na lithographia ra Mrquez
de Olinila n. 8.___________________
Aluga-se
o grande armazem com grande quintal, quartos
para dependencias e cacimba, ra de Juarcilw
Dias n. 7i ; a meia-agua travessa do leixoto
numero i7 ; a tratar na ra i- de Marco nume-
ro 16.
Aluga-se
; a casa sita Cruz das Alm%s ou Paruameirm n.
10 B, com commodos para urna pequea fami-
lia, tendo um nom sitio, e acha-ae limpa ; a
tratar na ra da Aurora n. 119, ou ra do Apollo
n. 30, 1- andar.
Ama
e
Na ra da Imperatriz n. 37,
sa-se de ama e costureira.
costureira
i- andar, preci-
Cauleilas do .tale fie Sofeom
Compra-s outPas do Monte de Soccorro dt
qualquer ioia, brilhanies e relogios; paga-s
bem na Praga da Independencia n. 22, loja d<
rpiojoeiro
.....M;T.A.S.......
Pede se a este senhor que appareca para cum-
prir com a sua promessa. j, hoje pode fazel-o,
e se nao o fizer.....
lug
a-se
em Parnameirim ou Croz das Almas n. 10-A,
urna grande e, excellente osa com agua e gaz,
tendo um bom sitio, aqual confronta com a
casa do Dr. Leal ; a tratar na ra do Apollo n.
30, 1 andar, ou ra da Aurora n. 119.
Aluga-se
Mudanza
o 1- andar do importante predio ra do Bom
Jess n 26, e o 2- andar travessa da Madre de
Deus n. 7 ; a tratar com Joo Fernandes de Al-
meidana mesma travessa n. 21.
Aluga-se
a casa da ra da Glora n. 49 ; a tratar na ra
Nova n. 42, loja^
';
ccraf. A
FLUXOS, T03SE, iNSOMNIAi
CR'.SES NERVOSAS
XAROPE DO Dor FORGET
Ca toa u Pharrrteitt do Unlrerio
Exija -e o enderefo
ao lado
r ^0,900 DoentS
^e y- -vtvC^"0N0RBHEA',rL0BESBBANCA8^
IVV6 PE RD AS SEMINA ES,
C H A B LE I DILIDADE,ESGOTAMENTO,etc..
k curato de Trro chabi
Em todat ts bou Phtrmacitt
Exi i a se o enderezo
ao lado.

*.***#***********#***********
MROPE DE PABLIBNfl
Depurativo e Regenerador do Sangue
Privilegiado pelo Governo de S. M. el Rei d'Italia
OO PBOF
m
1

i
Unloo Succxwr do dofunto Profesor JCnOMYMO PAQLIAN, Ploronc*
VENlJK-SE EXCI.USIVAMKNT8 EM
aples, 4, Calata S. Marco (Casa propria) *
.' CASA DE FLORENijA EST fHJPPflUIDA. Ssr. ERNESTO PAGUAMO
s rec-.itas escripias pela propria mi to c'efuT.o Professer JEfONYUO PAOUANO.
sua iia, outrosim um documento gus o designa como'vnico sucessor :
EH0ESTO PA6LIAN0.
Depsitos em rrrnnmbueo : FS~ US. dn BXIVA. v C,
E BM TODAS AS I O Vrttzll
?
I
grageas de Ferro Rabute.au
Laureado do Instituto de Franc. I imio de Therapeulica
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencla.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recomnieudadns nos casos de
Chlorosc,nemiu, Pulidas Cores, Corrimentos, Debilidad'',Esgotumento, Connalescencia,
Fraqueza dus criunc.as, Depauperamento e*Alteraco do sangue em consecuencia de
fatigas vigillias e excessor. '2 lodn a "batureza. Tomar 4 k 6 grageas dor da. '
Sem Cunstipafao nem Diarrhea, AssimUafo completa.
Elixir do Ferro Rabuteau recomraendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente pare as crianzas.
^ 1 iji Urna explicado detalhada acompanha cada frasco.
,Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CON & C,a, de PARS, que se,
J: encontra em casa dos Droguistas e Pharmaceuticot.
......... J 111
FN13IC0 DE SINOS B BROME
ni-:
LIZ DA CRUZ MESQUTA
66- -ra do Barao do Triampho66
Tem para vender o seguinte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do artigo e novo systema com esqnenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
C'arapucas de cobre.
Talxas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torneiras de brnze e madeira de todos os tjimanhos.
Canos-de cobre, de cumbo e de ferro.
Reparlidcims, passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estn i<-!o.
Cobre em len^ol e rmelas.
Sola iugleza e do Rio. *
Cadlnbos puiente de lapis.
Sinos de 1 libra ate 110 arribas.
E muitos outros objedos
ENCARREGAM-SK de qualouer concert e'obras' de eucomuienda, gi an
tind'i presteza, perfei^ao e precos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
''IDE a praso ou dinheir com descont.
Jos Gomes de Amorim faz publico, e com
especialidade aos seus amigos e freguezes, que
desde o dia 26 do mez prximo passado, mudou
a sua fabrica de leos vegetaes, do predio n 161
da ra da Aurora para o de n. 163 da mesma
ra, aonde o respeitavel publico o encontrar
sempre prompto a satisfazer todo e qualquer
pediuo com toda sua fidelidade e prestesa; po
dendo a qualquer hora serem as encommendas
dirigidas para alli; sendo o n. 33 o do appare-
Ibo telephonieo de seu estabelecimento. Recife,
1 de Julho de 1889.
GRANDE NOVIDDE*
SLS&ASSZA TILISAIE
Alu^ue barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ra da Roda ns. 58 e 60.
Ra Visconde de Itaparca n. 43, armazem.
Largo de S. Jos n. 74.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar ra do Commercio n. 5, andar,
esenptorio de Silva Guimaraes & C.
MAIS DE 10:000 CURAS
48RA BARAO DA "VICTORIA48
Venhan rer para erer
Maj
or

UUH.
Zm "SI 33 C
nrc a.
Pede-se a este (JTstincto cavalleiro (.....),
qneira at amanh mandar pagar a quantia que
pedio emprestado at o fim da mez (isto ha dous
annos) sob pena de ver seu nome pela vez
neste Diario.
Urna victima.
Para criado
No sitio n. 5 da estrada de Jo5o Fernandes
Vieira se precisa de um menino de 12 a 14 an-
uos, e que entenda dejservico de copeiro.
11
' km so Bsmnuco
DORES E DeDENTES .
Jm jsCsWJC mvtfmaeKj A ^^J*~4f\t
PREPARADO NICAMENTE
POS CALASANS & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, inchagoes, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se em
fomentacSes sobre os lugares affectados.
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de den tes.
Todos os frascos levam direcfSes para
aso d'este medicamento admiravel.
Preco 1)J200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel,da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n.23
A o con niercio
Alfredo Lopes & C, participam que o Sr. Joa-
quina Pereira de Freitas deixou de fazer parte de
nossa casa desdao dia 30 de Maio.
Recife, 12 de Julho de 1889._______________
Cozinheira
Precisa-sede urna que cosinhe bem e ne
safa a ru*. para casa de familia; a tratar na
ra do Cabug n. 14 de meio dia at 2 horas
DO CAMILO
AfBO FEnSUGiNuSd
,i*iK-^Sj=aouiBs*.....J""1 t-MuiaiaijBm.- .
Chorvi?. -Anemia, Cat.iarropulnw.nvr, Bronchite shrc
itharro aa eext*, PMtflsa, Tn*S9 Qv'l&a, Dysr>er.<-'C!.
0Mas szmlnaes, Ca::rros lvs e samptic
CUBA SEGURA das MOLESTIAS SECRETAS
Medalla de Prata na ExposicaOjlIniversatijfi Barcelona om 1888
Hedalba de Ouro, Paris, 1885. Diploma da Honra. Paris, 1886
;ijo de
AV
KAVA
DO DOUJOR fOlIBHBR
BL.ENNOKRHAGIAS
SPERMATORflHAS,
URTHRITES, GORRIMENTOS
Estas enferrr.kiades, recentes cu amigas, curiim-se radicalmente em alguns das,
em segredo, sem rgimen nem tisapas e sem cancar nem perturbar os orgos digestivos.
Bx'Ja-ee sobre cada plala, sobro cada caixa, sobre cada rotulo,
a asmicjnv tara '> --
FAEIS, 22, 2?r&ca da 2adolone, 22, Fj
Antigo estabelecimento de ferrag'ens
FEKKEIRA GUIMARAES & C
86Ra Duque de Caxias86
rane soxtinxmto erFagen5, cutclaria^/
c muitos ontxos artigo5 a s&bev:
Cobre emfolha. i
Ferro sortido. /
Cimento Portlant
e outros. marcas.
Bombas de ferro e bronze
Canos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta presso
Machinas e vapores
para algodo.
Candieiros elctricos.
Fogoes econmicos.
EsLe estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
a existencia a jaranlia mais segura data os que pro-
curar em
.-<.
]-o com a sua confianca.
WS S; APETENCIA
Descoritos do cstume



8
Diario de PernambucoQuinta-feira 18 de Julho de 1889


I




*
YENDAS '
uta bom cabriolet de duas rodas
com quatro assentcs, forrado e pintado de novo ;
a ver e tratar na rna Malhias de Albuquerque
(antiga das Plores) n. 23.__________________
Vende-se urna boa armac&o de amarello.
propria para qualque.* negocio, na ra do Ran
isel n. 6 ; a tratar na mesoia ra n. 29,' Garan-
te-se as chaves.
*- Veude-se urna porgao de msicas para
piano e canto, alguns Jvos. muitos ps de flores
bonitas e crotons para enfcitar salas, arvores da
fortuna tambem. Na mesma easa offerece-se
urna senhora para en3inar em casas particulares
primeira8 letras e alguns trabalhos de flores : a
tratar no Caminho Novo n. 128 cora madama
Villela.________________________________
Teleramma familiar
Venli-im ver ao 55
RUA-DUQUE DE CAXIAS
Tendo resolvido vender os seguintes
objectos por menos 50 0j de seu valor
real, convidamos nossos freguezes a ver
a realidade!
Cachemiras combinacao com listas de seda
ultimo gosto a 16200 o covado.
Cambraia com salpicos a 4i5000 a peca.
Cortinados, novidade a 55500.
Sargelins de qualquer cor 200 rs. o covado.
Linn bordado padroes novidade a 800
rs. o covado.
Setins de todas as cores a 800 rs.
Mantillas pretas.
Camisas francezas com collarinho coisa
chic a 25000.
Cretones para coberta a 500 rs.
Amor da China grande sortimento em de-
zenhos a 200 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cortes de vestidos coisa nova a 8000
12)5000 e 16000.
Guardanapos a 10600.
Madapolau con muita largura a 55000
65000 e 75000.
Merinos j>retos de todos os precos.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Babados e entremeios.
Vestuarios para baptisados coisa nova a
105000 e125000.
Lavas de seda a 25000.
Zefiros de cores a 160 e 200 rs. grande
sortimento.
Grande sortimento de plastrons e regatas a
15000 urna.
Tecido3 arrendados, novidade a 400 e 500
rs. o covado.
Grande sortimento de casemiras para rou-
pas de homem.
Colchas brancas e de cores nm sortimento
completo.
Collarinhos e punhos para homem.
Cortes de casemira de cor a 450u<'.
Casinetas
vado.
Cretones para vestido a 240, 280, 320 c
400 rs. o covado.
Meias e lencos de cores para homem e
senhoras. ,
Merinos de c6res de 50U a 800 rs. o co-
vado.
Brim de linho de cor, angola c molesqnins
grande variedade.
Tapetes grandes e pequeos, algodo bran-
co, largo e bom a 5$00O.
Camisas de crctone muito bonitas a 25500
e 3->000 na.
Cambraias suissas coro salpicos de cores a
75000 a peca.
Rendada China a 200 e 240 rs. o covadp.
Da-se amostras sem penhor.
fr& Rna 11 ii que de Caxias 5&
Fernandes Aze\ edo &C.
A Revolucao de 48
rna Duque de Caxias .
48
com 2 larguras a 100U o co-
Muita attengao
Na rea de S. Jos n. 56 tem para vender os
aiamados vinhos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pel tinado Joo do Amaral Ra-
poso, comosejam : vinlio di caj i." e 2.* qua-
lidade, vinho do abacaxt, viuho de ianipapo,
omposto e simples, hesperedina brasileira, la-
ranginba cordial, excencias de limo e cidra, e
tres prensas para esprcmer os fructos, e tudo
se vende por naratissimo prego para liquida-
rlo. Assim como se vende um bom terreno na
povoac&o de S. S. da Boa Viageni por qhalquer
prego.
Vinho particular
No armazem da ra do Amorim n. 60, vnde-
se o que pode haver de melhor, pelo mdico
prego de 7 a o garraao de tres caadas (voltan-
S o casco). ________
Vende-se
a averna sita ma da Uniiio n. 3, bom afregue
zada; tratase na mesma. jf garante-se a chave.
Em vista das muitas pechinchas qne te-
mos recebido, viemos por meio d'este cha-
mar a attenco dos nossos fregueses, pro-
vando ao mesmo tempo como vendemos
por menos 30 01 do que em ontra qual-
quer casa.
Folardina, tecidos moderno, a 320 re. o
covado.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400 re.
o covado.
Nansuks muito finas de 120 e 240 re. o
covado.
Merinos lisos e de quadros 200, 240 e
280 rs. o covado.
Cortes de linn e cretones, todos os avia-
mentos, a C0OO0,85000, 95000 e 105000
um.
Ricos cortes bordados em carto a 145000
Atoalhado para mesa, muito largo 15200,
e 15500 osmetro.
Pannos de crochet para cadeira (a 500,
600, 700 e 800 re. nm.
Colchas de crochet com pahuas para noi-
vas a 55000, 65000, 75000 85000 e
95000 urna.
Cortinados bordados, muito finos a 65000
0 **' 1 ,
Bramante liso e trancado de 4 largura? a
OOO o metro.
Bramante franjado de 2 larguras a 400 re.
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
55000 urna.
Saias bordadas, muito finas fa 35000 urna.
Luvasjde seda, lisas e arrendadas a 15000,
15500 e 25000 o par.
Seda alsacianas, novidade a 240 rs. o
covado.
Cretones claros e escuros [de 500 rs. por
320 re. o covado.
Zefiros de quadros a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pechincha em camisas de meia a 15000e
I52OO urna.
Leques de penna, o que ha de moderno a
45OOO e 55000 urna.
Cape lias com veos para noivas a 8.5000
urna.
Fustao de cores para palitot e calca a
500 re. o covado.
Brins |de linho, cores fixas e garantidas,
a 500 e 600 re. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda para
colleto % 25000 o covado.
Cambraia de salpicos com 10 jardas
45OOO a peca.
Bicos de cores e branco a 15800 e 2->000
Cambraia suissa de 145000 por 75000 a
peca.
Collarinhos e punhos borracha a 15800.
Cobertas do ganga para cama ,dc casal
25800 urna.
Lencos de cores, imitacSo de seda a 1.5800
a duzia.
Fichs de retroz, lisos e com palmas a
I5OOO um.
Madapolao americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a duzia.
Algodaosinho muito largo a 45000, 55000
e 65000 a peca.
Redes francezos a 45000, 55000 c 65000
ama.
Palitots de seda palha a 85000 e cor de
chumbo a 105000 um.
Cortes de casemiras ingleza a 105000
um.
Cortes de fustao para collete a 15000 e
1,5600 um.
Cobertores de la com pequeo defeito a
25000, um.
Renda hespanhola larga a 25000 o covado.
Espartilhos finos a 45000 o 55000 um.
Roupa po medida, garante-se a perfei-
jao.
S na Revolucao de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
MAIS BARATO
Na Loja das Listras zoes
. A FLORIDA
jj Gal3es, palmas e rosas de vidrilho.
A' RA DUQUE DE CAXIAS ? Bicos de seda e de algodao
Taverna
F0LPEI1
DECAPITADA
POR
F. BU BOISGOBEY
(C'o n t i n u a 5 a o do n. 15 8)
/
VI
Grisaille eslava no mesmo caso, mas
Grrisaille conhecia-lhe o mrito, tinha me-
lhores olhos e mais memoria do que o gra-
ve e sabio magistrado.
Grisaille era homem para reconhecer,
passados dez annos, um malfeitor que urna
vez lhe tivesse cahido as maos.
Senhor, comecou o juiz formador da
culpa, mandei-o chamar porque o meu de-
ver me obriga a isso. Tenho que o inter-
rogar sobre dous pontos, um dehes muito
grave.
De que sou aecusado ? interrompeu
seccamente o Sr. Borodno.
Acuusado ?... ainda o nao ... por
emquanto o senhor apenas urna teste-
munha.
Agrade$o ao Sr. juiz por precisar a
situacao. O seu delegado que all est,
tmha-me dito que me aceusavam de ter
> ado, nao sei que costurcira que
ySaappareceu...
E que o senhor affirma nao ter visto.
Est provado que se apresentou em sua
ao est provado que ella l tenha
Resta saber por quem foi encom-
i o chapeo que ella l lev
(_,* *i to&ft a c
Vende-se urna taverna bem sortida e afregue-
zada ecm muito bom ponto, ra da Concordia
n. 1; a tratar nella ou no caes da Companla
Pernambncana n. 8.______________________
Libras sterlinas
Vende se no es'criptorio dePereira Carneiro
C, ra do Commercio n. 6.
Boa
compra
Travessa do Pombal'n. 11 (taverna) vende-se
a armacao, garantindo-se a chave ; a tratar com
o teuente Evaristo de Souza.
nha sobrinha. Ella nunca sahe sem miro
e eu nunca a acompanhei casa de qual
quer modista.
Vejo com effeito que ella nao se ves-
te franceza, e um chapeo assentava
muito mal no trajo que ella traz... um
trajo grego, creio.
Sim, senhor. Vestio-o esta manha
para tomar posicio diante do artista cele-
bre que se dignou fazer-lhe o seu retrato
e o seu delegado nao lhe deu tempo para
mudar de trajo; minha sobrinha usava-o
no seu paiz, mas desde que deixou o
Oyente, tem andado sempre vestida mo-
da europea. Agora ella manda fazer os
vestidos a Vienna, onde habita va commigo
ainda no verao passado.
Esta menina filha de sua irnia ?
perguntou de repente Sr. Francastel.
Sobre este ponto elle eatava perfeita-
mente informado, mas nao desgostava de
armar de passagem um laeosinho ao Sr.
Borodino, que responden com toda simpli-
cidade :
N2o, senhor; de meu imito.
. EntaO ella usa o mesmo nome que o
senhor ?
ET verdade. O nome de seu pai,
ue morreu coronel ao serv$o da Russia.
ua mi era grega.
O senhor mesmo russo?
V Sou. Era proprietario de urnas gran-
des trras perto de Lipetsk, no governo
de Tambow.
E' exactamente isso, murmurou o
Sr. Francastel, depois de ter dado um rm
lancear d'olhos aos documentos que acaba-
va de reqeber.
Vejo que o Sr, juiz, tomou informa
jSes a meu respeito, disse o conde sorrin-
do com desdm. Se os que lhe fornece-
ram provm da embaixada da Russia, de
vera ser detestaveis ; estou deshavido
com o governo do meu paiz, que deixei
ha mais de trinta anmy.
Detestaveis,
$
informara que
"os, porque o
os Estados
os seus beus for.
senhor recusou-se
do czar.
Me mandariam aoforcar, se ca l
Vende-se fazendas finas mais barato e
dase descont a quem comprar do 20#0CC
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nao fr de muito
agrado para q^em for comprada e vende
pelos segui^ies pre508:
Ca^iemlras lisas e com listas de
seda de lindas cores, a 15400.
Merinos de duas larguras, a 440 e
800 rs., qualidade superior.
Tecidos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 400 e 500 re-
Teeldos de Hnhc, lindos padroes
grados, a 200 e 240 re.
Zefiros lisos e de quadro, a 80 e
100 re.
Setins de Maco 'branco, preto e de
todas as odres a 750 e 800 rs.
Setins de quadrinhos, a 900 re.
Sedas lavradas brancas e de cores cla-
ras, a 15400.
iizes de seda com fios prateadoe a
15000.
Cortinados de crochet, em peca, a
900 re.
Cambraias bordadas brancas e de
cSres, a 45000, a peca.
Cortes de vestido bordados, broncos,
para noivas, a 165000, 185000 e 205000.
Veos para chapeo proto, branco e de
qualquer cor, a 1(3-500.
Crep inglez para enfeitos de vestides
a 15200 e 25000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 re.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 rs.
worm de listras aznes muito lar-
gos com 20 varas, a 65000, a peca.
Sargelins Anos, a 160, 180 e
200 re.
Crinolina, qualquer cor, a 400 re.,
o metro.
Guardanapos superiores a 15800 e
25000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezejihos,
a 15000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 15000, o metro.
Toalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 45000 e 65000, a duzia
Blcos brancos franeezes, a 600
e 800 re., a peca.
Bleos finos, broncos, cremes e ma-
tisados, a 25000, a peca.
Baldas a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 re.
Iuvas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 25000.
Leqnes de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 25000.
Leones de pennas o que ha de me-
lhor, a 55000 e' 65000.
Sabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
Extractos finos franeezes e inglezes
a 15000 e 25000..
Despertadores americanos, a 75.
Hosqnitelros americanos com ar-
macuo a 105000 e 125000.
Espartilhos americanos e inglezes,
a 45000, 55000 6 65000.
Capas de vidrilho e rendas, a 25$00(*
e 305000.
Toalhas de labyrintho para bap-
tisado a 305000, 405000 e 505000. .
E muitas fazendas qne se d por todo o
prejo na.
Loja das Listras zoes
Farello de carolo de algo-
dao
Ja conhecido como o melhor e mais nutritivo
alimento para animacs ; vende-se ra do Uem
Jess r. 38, 1- andar.
com sea
vidrilho.
Mantiinas de seda e de algodao.
Con tas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos "para homem a. 35000 e 4500U
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 500'
600 e 800rs.Japeca.
dem com 3 e lt2 metros, de qual que
argura a 15200.
Lencos de linho em caixinhas a 35000 i
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos leques transparentes de gaze
35000 um.
Grande sortimento de porta-retractos dt
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 65 *
85000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, di
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama t
125000, 175000 e 195000 o par, algn.
de cores.
Ditos paro janellas a 75000.
Pannos de crochet paro cadeiros a 800 *
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimentc
a 45000.
Capellas com veo para noiva a 65000 f
' 85000.
Lindos enzovaes baptisados a 85 105 c
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35, 45 t
55000.
Grmaldas e ramos de seda, o que ha d(
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a peca
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 re. a dozia.
Extractos e leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapos e chapehnas
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 c
par.
Ditas de seda para creanga a 15000.
Dita para moga a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000
65O0Q,
Grande gortimentn de sabondM de 200
15500 um.
Estojo om faca, garfo e colher, propru
para creanca.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de 1S para homens e senhoras.
Linha dt'urada* para, teier crochet.
Lindas fitas para facha a 25, 35 e 45001
o metro.
Liados leques de setim paro casamento.
Grande sortimento de leques de setim
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarga,
Finas carteiras para algibeira de 15, 2<*
3 e 35500 urna.
Roa Duque de Caxiasn. 103
"......win
Vinho puro de Santa-
rem
Da quinta de Barra!
Chegou a segunda remessa deste especial vi
Dbo para o armazem central de gneros alimn
;icios ra do Cabug n. 11, o qual se torna
recommendado por ser pflro da uva.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephonci-1
voltasse. Felizmente pude passar os meus
capitaes para o estrangeiro.
Censuram-no, nao de estar filiado
aos nudistas, que nao existiam quando o
senhor se expatriou, mas de manter re-
lacoes com certos funecionarios turcos,
hostis Russia.
Ko neg. Estive e continuo a es-
tar em rclacoes seguidas com ottomanos,
que oceupam na Turquia e na Asia Menor
posi^oes importantes ; mas a poltica uada
tem que ver com isso. Occupo-me com
negocios commrciaes... e tenho-me dado
bem com elles... possuo urna meia duzia
de mil'oes.
Faco-lhe os meus cumprimentos, Sr.
conde. As notas que tenho diante de mim
informfcni-me que, com effeito, o senho
muito rico, e sou o primeiro adizer: para
satisfazer as suas phantasias, o senhor nao
tem necesaidade de se arriscar a um tri-
bunal, desviando menores.
Agradaco, sonhor, por se dignar re-
conhecer, que se eu tivesse fcito isso que
me attribue, era preciso que estivesse
doud. Eu dSo vim a Pariz para desin-
quietar modistas.
Ha quanto tempo est o senhor aqui ?
Ha apenas alguns mezes. J aqu
tenho vindo em differentes pocas, ma
nunca resid em Pariz por longo Tiempo^.
Agora tencionava fixar-me aqtfc foi com
easa Jntengao que comprei ama .-proprie-
dade em Passv. Esperava all curar mi-
nha sobrinha da cruel enfermidade que a
accommetteu, em eonsequencia de um ac-
cidente, e completar a sua educabas, que
foi muito descurada em Smvrna. Confesso
que agora tenho outros projetos. Nao te-
nho vontade de viverem urna capital, on-
de um estraqgeiro est exposto a inciden-
tes, -como o quo me conduz... contra a
vontade. .'. ao sou gabinete. O senhor
recebe-me de urna maueira que lhe agra-
dego, ma6 poda ter dado com outro ma-
gistrado, menos cortez... e menos escla-
recido. Prefiro voltar para Vienna.
O Sr. Francastel te ve um gesto, que
poda significar muito bem : que pena !
itoyal Bleod marca YIADO
Este excellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
"'para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melkores arma-
zens de molhados.
Pede Iloyal Blend marca liado,
cujo nome e emblema sao registrados par
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
E depois de urna pequea pausa, pergun-
tou sem transmito :
O 6enhor'n3o casado, Sr. conde ?
Nao, senhor. Nao sou" mesmo viu
vo, porque nunca tive mulher... e junan
tonho familia. Minha sobrinha Helena
nica prente que me resta, por isso a
estimo muito, e se me decido a sahir de
Franca, nao tenho saudades do seu paiz
senao porque ella est aqui satisfeita, se
bem que tenha muito poucas distrac55es.
O senhor n3o leva sua sobrinha a
reuni5es ?
Urna muda! nem pensar nisso
bom ; nao v absolutamente ningucm, a
nao ser os mdicos de nomeada que
tratani.
t^z~- O senhor esquece-se do Sr. Vitrac ?
Iv^_ Vio-o hontem pela primeira vez...
e provavelmente hoje pela ultima; por-
que mesmo quando eu iicasse em Parlz,
duvido muito que elle consentisse em vol-
tar minha casa. O seu delegado tam-
bem o trouxe, para nao dizer prendeu-o...
est alii esperando que o senhor o mande
cliamar.
$ Para o interrogar nicamente. N2o
agradavel ser testemunha, mas nao
deshonroso.
De accordo, e urna vez que se dig
na tratar-me como cavalheiro, ouso pedir-
Ihe que me esclareca sobre a questao...
t3o grave. .. diz-se... que nos valeu tan-
to a elle como a mim, esta roassada. Sou-
Melo8 jornaes que tnham atirado urna
beca cortada no meio de um baile que
a o Sr. Vitrac. Que relajao tem esse
com o que me acontece?... Suspei-
tar-mehSo de ter matado urna mulher que
eu nunca vi ?... Tenho o direito de lhe
fazer notar que se eu fosse aator de tal
crirae. .. ou mesmo de urna brincadeira
abominavel, nao teria cahido em ir em se-
guida procurar o Sr. Vitrac sua .casa.
E' muito justo. Todo o mal vemda
seuielhanya...
Ah verdade, parece que a morta
pareca se muito com Helena. E como se
veio enxertar essa historia do chapeo?
Encommendou-o poraeaso, a tal mulher ?
59
O.
Liquidando os artigos se-
guintes !
Ra Duque de Caxlas
Merino] de todas as cSres a 200 rs. o co-
vado
Lindo sortimento de alpacas modernas a
400 rs. o dito.
Zefiros de quadros a 80, 100 e 160 rs.
o dito.
Cretones francezas com 1 metro de largu-
ra a 280 o dito.
Nansuks, cores firmes a 100 e 160.
Fust3ea brancos bordados a 360 e 440 o
dito:
Bramantes de algodao a 700, 800 e 15000
metro,
dem de linho, superior a 15600 o dito.
Atoalhado bordado a 15200 o dito.
Superior madapolao americano com 24
jardas por 65000 a peca.
AlgodSes da cSrte, o melhor a 35500
45000 e 55000 a dita.
Cambraias bordadas finissimas a 45000 a
dita,
dem Victoria com 10 jardas a 25800. de
Esguiao de algodao a 45000 a dita.
Ricas guarnieres de crochets a 75000 e
85000.
Cortinados bordados, novos desenhos a
65000 e 85000 o par.
Toalhas superiores, muito grandes a 45000
a duzia.
Meias inglezas a 35000, 45000 e 65000 a
dita.
Seroulas bordadas de bramante a 145000
a dita.
Camisas francezas e inglezas a 365000 a
dita.
Guardanapossuperiores a 25000 c 55000 a
dita.
Cobertas de ganga, 2 pannos a 25800
urna.
Lenres de bramante a 15800.
Colxas francezas, de cores a 25000.
Mantilhas e fichs a 15000, 15200 e 15500
Chales de 13 a 25000, cachemira, grandes a
35000.
Redes de cores a 35000 urna.
Cobertores de la brancos a 25400 um.
Cassinctas para r o upas de meninos a 200
rs. o covado.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 15400
e 15800 idem.
Flanella azul ingleza a 15200 e 25000
idem. ,
Cheviots superiores a 35200 e 35500 p
dito.
Damascos de la para capas de pianos a
25000 o dito.
Pannos rara mesas, novo gosto a 15100
15300 e 15800.
Espartilhos, luvas, grinaldas para noi-
vas, lencos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos por precos sem com-
petencia.
Ra Duque de Caxiasn. !>9.
LOJA DE
PERBIRA & MAGALHAES
ALOJA MAISBARATER
PARIZ FAMERICA
AZEVEDO, IRMaO & C.
1(5Ra do B. da Victoria16
200 Telephone2(10
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas e.
que ha de mais novo e prefos sem com-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de la e 12 seda.
Damase de seda pura.
Merinos pretas de 800, 15000 e 15200.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 n.
Bramante de linho a 15500, com 1C
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 15500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000,
MadapolSo trancado a 95000 a peca.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito B6a-Vista, verdardeiro, a 65000.
Fichs de 13 e seda 15000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos couraca a 45000 e 55000.
Colchas de fustao a 25000 e 35000.
Capellas para noiva com veo bordado
65000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 15500..
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para buhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sal*.
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama a
105000.
Chites de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 c 15000.
Extracto Rite Sangal a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
GuarngSes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 45000.
Capachos de efico.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos, de sol
Setinete para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de.cores.
TELEPHONE 200
Pao centeio
Mello & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este
boroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
M
ovis
Na casa n. 183 ra Imperial, vende-se ba-
rato dous guarda-vestidos e urna cama para ca-
sal, tudo novo em l'olha, de superior qualidade
e eslyio moderno.
Leite puro
Na estrada de JoSo Fernandes Vieira, sitio lo
go depois das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puro de. racen tourinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite.
Boa aequisi^o
Vende-se ou arrenda-se um bom sitio na es-
trada nova de Agua Fra Beberibe, perto da
estagao da Encruzilbada, contendo casa com
bons commodos para familia, mais urna casa
para negocio, um parreiral, coqueiros, sapotisei-
ros, laranjeiras, fructa-pao e oulras fructeiras.
boa cacimba com h-u;i potavcl e terreno para
plantaces de hortalices ; a tratar na ra Duque
de Caxias n. 30, padaria de Beiro & Almeida.
Muita attenco
Na ra da Imperatriz n. 80, vende-se sapa-
tos de felpos para trio a 600 rs. o psr, c de
criangas a 300 rs.
Eu nao sei de nada, mas a prova de que
nao minha sobrinha, que ella muda...
e a menos que ella nao tenha fallado por
.signaes modista...
A modista disse o contrario. Resta
explicar como a outr* pode dar a sua mo-
rada e esse nome de condessa Irene...
Ha tambem a sua carroagem, os cavallos
e o seu cochero. Se a Sra. Courtois os
reconhece8se por havof -visto porta do
seu armazem, isso constitua urna aecusa-
cao contra o senhor.
Pela primeira vez desde que alii esta-'
vam, o Sr. Borodino fez um movimento
de impaciencia. Encolbeu os hombros e
mordeu o bigodo.
A sobrinha, essa ficava impassivel. Dir-
se-hia que nao sabia onde estava. Entre-
tanto o ti.o devia lh'o ter dito.
E' urna pena que essa menina seia
muda, continuou o juiz ; o seu testemu-
nho teria sido o mais precioso de todos...
mas verdade, exolamou o Sr. Fran-
castel, seiao pode fallar, pode escrever.
Estamos salvDs !
DcSta vez-' Sr. Borodino fez-se paludo.
O Sr. Francastel vio perfeitamente que
o conde mudava de cor, mas fingi que o
nao percebia,. continuando a seguir a
sua idea, proseguo:
Nao.seioomo nao pensei mais cedo
neste meio de ,obter da menina um depoi-
mento a que ligo maior importancia.
t O seu testemunho pelo .peso, Sr.
conde, mas o della ha de ser decisivo, e
indispensavel, porque s ella tem quali-
da*de para declarar que nao foi eni&mmen-
dar um chapeo ra da Paz.
Queira, pos, dizer-lhe que escrva
as suas resposfcas-
Aqui est.' tinta e papel.
PerdSo, balbuciou o Sr. Borodino,
mas. s.
Ah! prevejo a objeccSo que me vai
fazer... sua sobrinha nao sabe escrever
senao em grego... pois bem, que impor-
ta ?... Eu aprend grego no collegio, mas
reccio nao ser de forca para o 1er corren-
temente. Outro se encarregar disBo...
um interprete juramentado... No'palacio
* Attengao
Vende-se a taverna sita i ra do Bom Jess,
antiga da Cruz n. 53, com pouco capital, propria
para principiante, bera afreguezada : a tratar na
mesma.
'ani!
T
Superiores camisas portuguezas peito de li
nho, duzia 4200
lucos, cortes de cambraia bordados 101000.
Bonitos cortes de cretone com figurinos 94.
Superiores toalhas acolxoadas, duzia 4500.
Guardanapos de franjas bons, duzia 1 600.
Casemiras inglezas de cores com duas largu
ras, covado 2000.
outras muitas fazendas que se vendem por
todo preco para acabar.
Ruj Duque de Caxias n. 4>
LOJA DO TRI11PH0
BASTOS & (V.
Attenco

Vende-se bons predios em boas ras, que es
recommendam pelas boas localidades e reedu.
certa*, sao os caixOes sitos ra Marqnez do
Herval ns. 3o c 37, oceupaelos rom negoejp^e as
importantes casas demorada, urna sita a-roa da
Palman -Ja, e outra ra da Conccigito*' 12 :
a tratar na ra da Conccigo n. 38, das 3 s 6
horas da tarde.
temos interpretes para todas as| linguas.
Vou mandar chamar um, e nao smente
traduzir as suas respostas escripias, como
redigir em grego as perguntas que en
fizer. Assim melhor e o senhor nSo tc-
r incommodo de me servir de inter-
prete.
E como o conde se calassse e pare-
cesse embaracado :
Eotao que tem, senhor ? Parece per-
turbado Ser porque toma a minha idea
por um signal de desconfiaba ?...
t Se aso est engaado. Eu nao du-
vido que o senhor interprete fielmente as
perguntas que eu fizer|a sua sobrinha...
Nao senhor, nao isso, respondeu o
tio que tinha recuperado o sangue-frio.
Se a sua proposta me desconcertou um
instante, porque me obriga a fazer-lhe
urna confissao desagradavel.
Qual ? perguntou logo o juiz for-
mador da culpa.
Dis8e-lhe ainda agora que tinha tra-
zido Helena para Pariz, afim de acabar d-
se instruir... devia dizer para que ella co-
mecasse a instruir-se. Helena nao sabe
escrever. Quando muito est em estado
de assignar seu nome : vergonhoso.
mas assim... J nao se deve admirar
que me custasse a confessar a sua igno-
rancia.
Mas pelo menos sabe 1er ?
Nem 1er nem escrever.
Hum ora aqui est urna cousa que
modificar a opiniao que eu fazia da Gre-
cia contempornea. Tem na Europa a
reputacao de ser um paiz em que a in-
struccao est mais espalhada.
Em Athenas e em Mora, verda-
de. Mas Helena foi educada em Anato-
lia... em urna povoacao perto de Smyr-
na.
f Coatinuar-se-ha)
" Typ. do Diario ra Duque de Caxias n^4
j>


'

,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET1ND1ZJO_MJPCM0 INGEST_TIME 2014-05-19T17:32:54Z PACKAGE AA00011611_19162
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES