Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19154


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXV NUMERO 151
PARA A CAPITAL E LUGARES 0.\DE Vi O SE PAGA PORTE
Por tres mea! /idiantados. .... *......... 65000
Por seis diflPacm .....*........... 120000
Por "un anno dcm ............... 230000
Cada numero avuso, do mesmo dia.V t I 1100
TE1CA-FEIRA 9 DE JUMO CE 1889
PARA DENTRO E PORA 1A PROVINCIA
Por, ees mezes adiantados ....... ^.......
Por nove ditos idem. ..............
Porum anno dem.................
Cada numero avuls'o, de das anteriores..........
130500
200000
260000
0100

I
cpriedade de iMarwel
TELEGRAMAS
5237150
horas
da tarde.

Foram Horneados:
Inspector da Alfandega da Paroahyba,
na provincia do Piauhy, JoSo Antonio da
Silva.; fc
Juiz substituto da comarca de It, na
provincia de S. Paulo, o bacharel Joao
Pacs Barrcto Lins;
Chefe de polica da provincia da Para-
hyba, o juiz de direito da comarca de
Aguas Bellas, eru Pernambuco, bacharel
Gaudno Eudoxio ie Brjto:
Juiz" de direito da comarca de Aguas-
JJellas, na provincia de Pernambuco, o ba-
charel Liberato -Villar Barrcto Coutinho,
^endo declarada sem effeito sua anterior
uomearo para chele de polica da Para-
hyba.
Foram exonerado pedido os se-
cretarios das presidencias do Rio Grande
do Norte c da Parahyba.
Foi promovido a marechal de cam-
po, o brigadeiro Floriano Pcixoto.
rogo
SA

2A7AS
vanoplasiia no foi inventada seno cerca de
ix:i", pelos cs'forcos d'um phvsico russq, M.
lacobi. -.;
43 l'HKCU'ITACJtfgBMJJOftMK MK!
Jmam pra(favam-?eros
meUu pur miermediodo mercurio. Para dourar
ou pralear o cobro, hronze ou zinco, preparava-
se urna amal^ana douro ou prala, isto urna
combinayo de'mercurio e onro para dourar, de
mercurio e prala para o pralca'do. Cobria se
cora tal amalgama, a pincel, a peca que se que-
ra dourar ou pralear ; expunha-se depis ao
fogo : o calor volatilisava o mercurio, e o ouro
ou prala Hcavan adlieientes a peca.
Esle processo de dourado o pralcado lera pe-
rigossismo para os operadores. O vapor do iner-
Liirio espalhava-se pelas oflkinas, a atniosphera
carregada de vapores mercuriaes sendo respirada
pelos operarios, era-lhes causa de graves doen-
cas, particularrnenle da chamada Iremura mer
curial. A descoberta do processo para dourar e
pralear por meio da pilha fez desapparecer, com
grande beneficio para humanidade, a mortfera
industria do dourado com amalgamas.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
igueuva
Ministci
Foi exonerado o ongenheiro Jos"
drigues Suldanha Jnior
lixomot
n Resticr e Mme. G.. Laportev-
ofitvr os devulos fins...
.Informe a 1
2a A hypotheca de proprieddes r-
faes ser por prazos de cinco, dez ou quiil-

VTENNA, 8 de Julho.
S. M. o Imperador Francisco Jos par-
tir para a Allemanha alira de visitar S. M.
o Imperador GuUherme no da 11 de
Agosto.
PARS, 8 de Julho.
O procurador geral Mr. Quesnay de
Beaurepaire acaboudc-"xaminar os autos
iornecidos pelo Supremo Tribunal, concer-
nentes ao processo que deve ser instaura-
do contra o general Boulanger, Rocbcfort c
Dillon, por crime de alta traicao.
Corre o boato de que o procurador ge-
rai concluio por tornar a submetter a jul-
gamento peio mesmo tribunal fHaute Cour
de Justicc).
Agencia Havas, filial
s de Julho de 1889.
em Pernambuco,
INSTRUCCO POPDLAR
AS (RAMES IME^ES
ANTIGS E MOBKKNAS
AS
Scisnciss. industrias e arfes
POR
A

\
XVHI
V gnliunoplastia
(ContinuacSo)
A galvanoplastia tem j recelado muitas ap
piicaces. Coni ella podem reproduzir-se me-
dalhas, e multiplicar assim por pouco preco ty-
fios raros e preciosos. Tem tambero outra ap-
plicago mais importante, qual a da reproduccao
mais importante, qual a da reproduccao de esta-
tuetas, baixos relevos, e diversas figuras artsti-
cas. Por este meio conseguio-se reproduzir es-
tatuas de grandes dimeoses. Tomase em se-
parado a reproduccao das dilTerentes partes da
estatua, e reunem-se depois para formar a esta-
tua inteira.
Kstaapplicaro importante da galvanoplastia
j$ tem pfoduzdo bous resultados, e talvez qne
para o futuro este processo substitua o modo or-
dinario, que fundir e moldear o metal da esta-
tuaem um molde dareia.
A arte da typographia e da gravura j recebe-
rara servicos multo |importaotes dos processos
galvaooplasticos.
A galvanoplastia auxilia seriamente a arte ty-
pographica. porque permute o reproduxirem-se
as matrizes de caracteres raros e esgotados.
Como j dissemos ao fallar da gravura em ma-
deira, tirara se pelo mesmo processo maitos
txemplares de gravuras sobre cobrejem Mevo,
que servem para imprimir as estampas peta tira-
jera typographica no texto dos livros impressos,
A arte da gravura em taina tambem tira grao-
de proveito da galvanoplastia porque c fcil, pe
los processos desta, obter muitas reproduccoes
aemelbantes d'uma lamina de cobre gravada,
tima cbapa de cobre executada pelo buril do
grayador, Cea inutilisada ao cabo d'uma tiragem
mais ou menos longa. Mas a galvanoplastia
presta o meio de tirar desta prmeira chapa, que
sabe das maos a artista, muitas reprodceles
i nteiram- ote semelhantes ao typo primitivo
D'esta forma nao ba que recear o gastarse a
eapa, porque nao se executa a tiragem com ella
mas com os typos idnticos produzidos pelo pri-
eiro, que dure, por assim dizer, eternamente
Se se possuisse dos seculos passados a galvano-
plastia ter-se-hiam conservado as chapas de que
foram tiradas as bellas gravuras dos seculos
XVII e XVIII, e que j desde ha omito cesseram
ie existir.
Deve a galvanoplastia a origem ao estudo chi-
iii o da pilha de Volta. Desfle que a expenen
ca ensinou que as correntes elctricas tem a
propriedade de decompor os saes e de precipitar
o metal destes, tratou-se de tirar proveitc deste
facto para produzir depsitos metallicos com au-
xilio da crreme elctrica. Brugnatelli, physico
<\f Padua, discipulo de Volta foi oprimeiro que,
i ui 1807, deu a conhecer o modo oe obter com
a pilha, chamadas de onro ou prata. Mas a gal-1 l sri?aCosta"
.Ministerio da Justica
Por decn'to de 28 do mez passado foi conce-
dida a, exonerado, que pedio o bacharel Ibrahim
Carneiro da Cruz Machado, do lugar de secreta-
rio da relaco de Ouro-Preto.. sendo noraeado
para o substituir o bacharel Cesarino Ribeiro.
Foram removiilo.^; o juiz de direito Feli-
ciano Herique Harilman da comarca de Inga, de
1* entrancia, na provincia da Paraliyba, para a
deObidos, de 2 entrancia, na do Para; e a pe-
dido;
O juiz de direito Jos Gomes Coimbra da co-
marca de Obidos. de 2* ei?tranca, na provincia
do Para, para a de (oyjnna, de igual entrancia,
na de Pernambuco, e "o juiz de direito Antonio
Guncalves de Almeida, da comarca de Miranda,
de 1* entrancia. da provincia de Matto-Grosso,
para a de toga, de igual entrancia, na da l'ara-
hyba.
" Foi designada a comarca de Miranda, de 1'
entrancia, na provincia de Matto-Grosso, para
Delta ter excrcicio o juiz de direito Lycurgo de
Albuquerque Nascimento.
Foram reconduzidos no lugar de juiz mu-
nicipal e de orphos: do termo de Pastos Bons,
na provincia do Maranho, o bacharel Ignacio
Lucas de Souza Rangel: do de Canguss, na do
Rio Graode do Sul. b bacharel Manoel Andr da
Rocha ; do de Sant'Anna do Livramento, na mes
M provincia. o^uch:rel Mtmoel Paymundoda
Funseca : do de S.' Luiz do Parahytinga, na de
S. Paulo, o bacharel Fernando de Siqucira Car-
io do Sanlissimo Sacramento, na de Mi-
nas Gcraes, o bacharel Jaciutho do .Nascimento
Moura : do de Tixeiri, na ^arahyba. o bacha
re .Vlanoel (iivalcante Ferreira de' Mello ; do de
Penedo, na das Alagos, o bacharel Silvio Pelli-
co Pereira Ferraz : do de Uom-Conselho, na de
Pernambuco, o bacharel Miguel dos Anjos Bar-
ros ; e do de Jaguary, na de Minas-Geraes, o ba-
charel Jos Moreira Hiandao Castello-Branco
Filho.
Foram nomeados juizes municipaes e de
orphos : do termo de Villa-Nova da Rainha. na
provincia da Baha, o bacharel Aurelio Pires de
Carvalho e Albuquerque ; do de S. Jos do Pa-
raso, na de Minas-Geraes, o bacharel Christia-
no Pereira Brazil; do de S. Bento do Sapucahv,
na de S. Pauto, o bacharel Joaquim Antonio de
Oliveira Neves : do de Amparo, na mesma pro-
vincia o bacharel Joaquim de Souza Campos J-
nior ; do de Traip, na das Alagoas, o bacharel
Luiz MesquiU e do de Porto-Calvo, na mesma
provincia, o bacharel Acendino Cavalcante Si-
mos.
Foram concedidas as seguintes exooera-
c6es :
Ao bacharel Hermino Augusto Moreira Lemos,
do cargo de juiz municipal e de rphos do tor-
mo do Amparo, na provincia de S. Paulo, e do
bacharel Leocadio Leopoldinod* Fonseca e Sil-
va, do de juiz municipal e de orphos do termo
da Parahybuna, na mesma provincia.
Foi omeado juiz substituto da comarca de
Timbaba, na provincia de Pernambuco, o ba-
charel Antonio Joaqnim de Albuquerque Mello-
Foram declarados sem effeito os decretos :
De 2 deMaio do corrente anno, que nomcou o
bacharel Augusto Wergne de a breu para o lu-
gar de juiz municipal e de orphos do termo de
Villa-Nova da Rainha, na provincia da Bahia
De igual data, que nomeou o bacharel Adol-
pho Nunes Lins para o lugar de miz substituto
da comarca de It, Da provincia de S. Paulo.
Foi exonerado o bacharel Joaquim Francisco
de Arroda do lugar de secretario de polica da
provincia de Pernambuco e oomeado para o sub-
stituir o l)r. Antonio Jos da Costa Ribeiro J-
nior.
Foi expedido o seguiute oflicio ao conse-
Iheiro Manoel Pinto de Souza Dantas:
Illm. Exm. Sr. Dissolvida, por acto de S6
de Fevereiro de 1886, a commissao encarregada
por este ministerio, em 1881, de elaborar o pro-
jecto do cdigo civil brazileiro, antes de poder
orgaoisal-o, em razo de baverem alguos de
seus membros obtido dispensa do encargo, e se
rem outros distrahidos para diversas funeces
publicas, faz-se de dia em dia mais sentir a ne-
cessidade de urna legislaco civil que satisfaga
as exigeocias do prgresso scientilico e as con-
dices da civilisacao ao imperio.
No em peono de cumprir essa promessa da
coustituico e de atteoder aos ioteresses pecu-
liares da Daco, que, medida do deseovolvi-
mento de suas livres instituices. de sua popu
lac&o e industria, de todas as relaces da ordem
privada eilos costumes proprios, mais se resen-
tem da adopeo provisoria de leis estrangeiras,
deficientes e confusas, promulgadas era outra
idade e sob rgimen poltico muito diflerente,
houveporbem S. M. o Imperador, nomear urna
commissSo composta de V. Esc-, dos consethei
ros Alfonso Augusto Moreira Penna, Olegario
Herculano de Aquino e Castro e Barao de So-
bral, des Drs- Antonio Coelho Rodrigues e Jos
da Silva Costa, para orgaoisar com a possivel
brevidade, sob a presidencia do ministro da jus-
tica, um projecto de cdigo civil, aproveitando
os valiosos subsidios, que offerecem os trabalhos
anteriores de jurisconsultos brazileiros, e coa
ciliando o elemento scientilico com o histrico.
O governo imperial confiado ao zelo e patrio-
tismo de cada um dos membros da commissao,
espera que o projecto esteja elaborado a terapo
de 3er presente as cmaras em urna das primel-
ras sesses da nova legislatura.
Fazeodo esta commuuicaco, declaro a V. Exc.
que a primeira reunio se effectuar nesta se-
cretaria de estado, s 7 horas da noute de 10 do
correte mez, alim de deliberar sobre o metho-
do e ordem dos trabalhos.
Deus guarde a V- Exc Candido Lttis Mana
de Oliveira.A S. Exc. o Sr. coiwelheirode ej-
tado Manoel Pinto de Souza Dantas.
Idnticos olficios foram enviados aos Srs.
conselheiros Alfonso Augusto Moreira Penna,
Olegario Herculano de Aquioo e Castro e Barao
de Sobral, Drs. Antonio toeJho Rodrigues eJos
ftome
para substituil-o Augusto Rulino de Alraciii;i if ,. .." ~~-T
- Foi exonerado oengenheiro AifredoFcr- Intoin al. seccao.
nandes Dins, de chefe do trafo e loromoco da
estrada de ferro de Caruar. sendo noineado para
substituil-o o engenheiro Antonio Carlos de
yrruda Beltro.
Foi exonerado o chefe de seccSo interino da
mesma estrada, Theophilo Benedicto do Nasci
ment, sendo nomeado para este cargo o enge-
nheiro Carlos Alberto de Castro Nascimento.
Foram nomeados agrim nspres da commis-
sao de trras da ex-colonia Castello, Joaquim
Lopes da Silva Lima, c da do valle de Iguass
Alfredo Soares de Andrea.
Foi exonerado do cargo de escripturario da.
i'ommisso de Manhuass Alfredo do Nascimen-
to Netto, e nomeado para substituilo Americo
Fernndes de Leo.
Ficou sem elfeito o acto que extingui a com-
missao de trras em Ponte >ova, de Mioas-Ge-
rues. s'iido o peasoal remo\iJo para a de Sa-
bara.
Foram despachados os seguintes requeri-
mentos :
l'roponentes s obras de construegao do tre-
cho lioal da estrada de ferro do Recite a Carua-
r. De accordo com as informaces prestadas
pela secretaria de Estado e o director engenei-
ro chefe, foi preferida a proposta ao bacharel
Joo Lins Cavalcante de Albuquerque.Agri-
mensor Luciano lo.Irigues da Ro.ha. pedido
para ser confirmada a nomeaco, que tem, de
capitao do aldeamento de Cimbres. Requeira
ao presidente di' Pernambuco.
ijjara os devidos iin.
dos Santos Nunes de Oliveira.
MJ
Governo do Bispado
D ordem do Exm. e Revm. Sr. Gover
do Bispado, declaro que nenhum
ote secular ou regular, poder em-
endar cadveres, ou, na qualidade
pelllo de irmandades acomp*anhar
os, sem apresentaeio de guia paro-
dado, 6 de Julho de 1889.
O secretario do bispado,
Padre Jos A. INTERIOR
O'l
.Ministerio da Guerra
Foi nomeado commandante da guarnico e
fronteiru do Rio < rande, na provincia do fijo-
Grande do Sul. o brigadeiro Carlos-Resin Filho.
Foram nomeados : inspector los cornos da
guarnico da provincia de Mato-tlrosso o briga-
deiro Antonio Maria Coelho e o 1" tenente do 3o
regiment de arlilharia Manoel Jos de Farii e
Albuquerque para o cargo de, secretario da
rasDeefo dos corposdo Parao.
Foi transferido para a guarnico da pro-
viucia de Malo Grosso o capellao-lenenie padre
Fidejh Capalbo, sendo nomeado para o substi-
luiMOPE^cola Militar da provincia do Rio-Gran-
de dolSul o capello lenle Francisco Marra
Pancera.
lflalsterlo de Eftfraiie1ros
O bacharel em direito Joo Bapsta Gon gal-
ves da Rocha foi exonerado, a pedido, do cargo
de cnsul geral na Bolivia e posto em disponi-
bilidade. sem vencimento algum.
Repartico da Polieia
2.* seccao.N.752Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 8 de Julho de 1889-
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram recolhidos Casa de Detenc2o,
os seguintes individuos:
No da 6:
A' minha ordem, Igoacio Alves Mariuuo de
Oliveira, Zacharias Peixoto de Azevedo, Joo
Francisco da Costa, Manoel do Passos, Felicia-
no Jos dos Santos, Theobaldo da Costa Velloso,
Manoel Correia Dias de Moura, Jos Lucas de
Farias, Jos Joaquim Mendes, Manoel Dionisio,
Belisario Jos Antonio e Joo Francisco Se veri-
no, vindos da corte como sentenciados, com des
tino Fernando de Noronha ; Antonio Pedro do
Nascimento e Francisco Bernardo da Silva, cri-
minosos vindos da- proviocia das Alagas; e
Miguel de tal, como alienado, at que tenha o
conveniente destino.
A' ordem do subdelegado da freguezia do Be
cife, llosa Maria de Jess, por disturbios e offeo-
sas moral publica.
A' ordem do do 1" districto da freguezia de S.
Jos, Antonio de Oliveira, por crime de feri-
mento.
A' ordem do do Io districto da freguezia de
Afogados, Jos Martins de Lima, por disturbios
e oubasas moral publica.
A' ordem do do districto do Peres, Jos Perc
ra da Silva, por crime de furto, disposico do
Hr. delegado do 1 districto da capital.
A' ordem do do 1 distrito da freguezia da Boa
Vista, a otero de Siqueira, Manoel Francisco dos
Santos, Manoel Ponce Ferreira e Miguel Rodri-
gues da Silva, por disturbios.
No dia 7 :
A' ordem do Dr. delegado do 1." districto da
capital, Manoel Marques da Mlva, conhecido por
Perninha, e Aotooio Pedro Rosendo, por distur-
bios.
A' ordem do subdelegado da freguezia de
Santo Antonio, Constantino r. da Silva, por dis-
turbios.
A' ordem do do 1. districto da freguezia de
S. Jos, Manoel Pereira da Silva e Carolina Maria
de Vascoocellos, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do districto da freguezia da
Boa-Vista Joaooa Maria Aogelica, Leopoldina
Mara da Cooceigo. Florcocio Jos de Spuza,
Maooel Flix da Paixo, Jo3o Manoel do O' e
Christovao Jos de Sani'Anna, por disturbios.
Pelo subdelegado do districto de Beberibe foi
capturado e recolhido Casa de Detenco o in-
dividuo de nome Manoel Ribeiro do Monte, sen-
teociado evadido de Fernando du Noronha no
anno de 1882,
No dia 29 do mez passado prestou juramento
e assumio o exercicio do cargo de subdelegado
do districto de Jurema, do termo do Brejo, o ci-
dado Candido Ladislao Cordeiro Mergulho.
O cidado Isacio Malheu de Almeida, com-
municou me ter no dia S do corrente, prestado
juramento e assuraido o exercicio do cargo de
delegado do termo de Palmares.
Participou-me o cidado Abdias Bibiaoo da
Caoba Salles, ter oo dia 5 deste mez, prestado
o devido juramento e assumido o exercicio do
cargo de delegado do termo de Ipojuca.
Deus guarde a V. Exc.'Illm. e Exm.
3r. BarSo de Caar, muito digno Io vice-
presidente da provincia.O chefe de poli-
ca interino, Joao Augusto de Albuquerque
Maranhac.
Recebedoria Provincial
DESPACHOS DO DIA 8. DE JULHO DE 1889
Bacharel Antonio Francisco Pereira de
Carvalho, Maria Isabel da Fonseca e Ma-
ria Miquelina Rodrigues.Deferido, em
vista das informaces.
Herdeiroa de D. Anua Christina Mon-
teiro.Attendidos de accordo com as in-
iormaedes.
ficias do su! do Imperio
quete 'lagus que passou ante-hon-
ra a Europa, trouxe do sul a3 se-
B noticias:
Rio Grande do Vul
a ate 20 de Janeiro :
os na parte da barra de 22:
gressou hoje de fra da barra o re-
bocada Manoel JJiabo. O commante de-
clarou nito ter encontrado a galera allemS
Jidius,
Dsse mais que avistaram na barra de
Chuy urna barca ingleza naufragada na
costa o que approximando-se pede ver que
denominava-se Eqiuidor e que devido ao
muito mar que havia na costa nao foi pos-
sivel dar soccorro algum ao navio c que
cbservou acharem-se em trra os tripo-
tantes.
Segund o Cruzeiro do Sul, sao cons-
tantes os'furtos de gado no 2. e 5. dis-
trictos desse termo.
Per um cavalheiro chegado do munici-
pio de Jaguarao, soube o Cruzeiro do q* JU l->pil}3 .Aita e sus inimediarSes
tom sido granac^^irtalittsrf' do Lrado,'
devida peste e ao carrapato.
' Falleceram : na capital, o professor Joo
Reis; em D. Pedrito, o major Joaquim
Lourenco de Oliveira ; em Pelotas, D. Ce-
cilia de Miranda Rouelth : em Jaguarao,
D. Balbina Gioreb e Jos Maria Lopes.
Porto-Aleifn-, 1 de Julho. .
Liga agrcola e industrial composta de
liberaes e conservadores acclamou hon-
tem em sessao solemne, por unanimidade
de votos, seu candidato deputacao ger^l
o Dr. Ramiro Barcellos, republicano.
Consta que se deu, em Santa Victoria,
grande conflicto, tendo havido mais de 24
mortes.
N. Paulo
Foi publicado na corte este telegram-
ma :
S. Paulo, 1 de Julho.
Foi hoje, sepultado Fernando de Almoj-
da, irmSo de JoSo Mendes. O enterro es-
teve muito concorrdo.
Diz urna folha local que o brigadeiro
Couto MagalhSes manifestase ontrano
aos liberaes federalistas e exige posicoes
francas e definidas. O brigadeiro assu-
raini a presidencia, logo que esteja resta-
belecido.
Falleceu hontem, em Jundiahy, o escri-
v.lo da Relacao Jerony^o Jos de An-
drade.
Rio de Janeiro
Datas at 2 de Julho:
O Ministerio da Agricultura preferio a
proposta do bacharel Joo Los Cavalcante
de Albuquerque na concurrencia para a
construcso do trecho final da estrada de
ierro do Recife Caruar
Chegara o corte e hospedara-se *no
Seminario de S. Jos, o Exm. bispo de
Oliuda, Conde de Santo Agostinho.
Lemos no Jornal do Commercio de 1
de Julho :
No dia 28 do mez rinda o Sr. conse-
Iheiro Jos Joao Martins de Pinho, vice-
presidente do Banco de Crdito Real do
Brasil, assignou na directora geral do
contencioso o feguinte termo :
( Aos 28 de Junho de 1889. na direc-
tora geral do contencioso, presente o Sr-
conselheiro BarSo de Haranapiacaba e pro-
curador fiscal da Thesouro Nacional, com-
parecen o Sr. conselheiro Jos Joao Mar-
tins de Pinho, vice-presidente do Banco
de Crdito Real do Brasil, ao qual repre-
senta, para todos os actos, no impedimen-
to do respectivo presidente e disse que,
havendo o dito Banco entrado em accordo
com o Governo Imperial para, mediante
o emprestimo de 5.OOO:0OO5OOO a elle
feito pelo mesmo governo, prestar auxilios
a lavoura, vinha em virtude da portara
deata data de S. Exc. o Sr. conselheiro
ministro da fazenda assignar o presente
termo, em que o referido Banco se obriga
s seguintes clausulas :
al.* O Banco de Crdito Real do
Brasil receber do Thesouro Nacional a
quantia de 5.000:0005000 para prestar
lavoura, mediante hypotheca de proprieda-
dcs ruraes e penhor agrcola, de accordo
com as leis vigentes, ou por caucao de
apolices da divida publica, bilhetes do
Thesouro Nacional e lettras hypothecarias,
e ainda. logo que sejam reformados os
seus estatutos, por lettras oom'duas firmas,
pelo meaos, de lavradores abonados ou de*
mutuarios lavrador e outra pessoa abona-
da, e por accSes ou ttulos de companhiaa
garantidas pelo Estado.
i penhor agrcola, consriuido cm
JtPQPB^teaqi de mil a cinco.ariri03,.qTffffldo fin obfec
forem machinas, instrumentos de lavoura,
ttulos e accoes ; as letras.por um anno re-
formaveis aprazimento das partes.A re-
forma da letra, porm, ser obrigatona
at mais um annos se o aceitmtc ouen-
dossante amortizar pelo menos 25 ] do va-
lor respectivo.
3.a O juro de qualquer destas opera-
co3s n3o exceder de (0oj) ao anno, pago
por semestre vencido, sem nenhum outro
onus mais para o mutuario, alcn das amor-
tiza5<5es do capital,-a que se houver obri-
gado, de accordo com os contratos celebra-
dos.
4.a No caso de mora, comprovada por
inimaca>) judicial, e nao 8olu?ao da divi-
da, ao juro de que trata a clausula ante-
rior, accreecers mais [" a contar da
datada ntimaco.
5.a s 5,000:000$ que o governo im-
perial se obriga a adiantar, serao entregues
por prestaees de 500:0005, a primeira das
quaes 30 dias depois de assignado o pre-
sente contrato, e as subsequentes, logo
que o banco prove ter dado anterior o
destino couveccionado.
t 6.a Das quantias fornecidas pelo the-
souro nacional, qne nao houverem, de ac-
cordo com a clausula quinta, sido applica-
das dentro do prazo de 90 dias, pagar o
Banco, dessa data em diante, c juro an-
nual de 30j at a sua efFectivaapplicr.cXo.
7.a Depois de empregados os ......
5,000:000)5 fornecidos pelo thesouro na-
cional, o Banco de Crdito Real do Bra
zil obrga-se a emprestar lavoura igual
somma de 5,000:0000 em moeda corrente,
as nicsinas codicocs estipuladas neste
contrato.
8.a O mnimo e o mximo dosempres-
tiraos rerSo : mediante hypotheca ou cau-
cao de ttulos da divida publica, accoes
de companhas, etc .de (2:000i$ a......
120:0005 j e de 5003 a 50:0005 para o
penhor ou letra.
6.a O p*nl*or pode ae* -.alebrado por
escripto particular, contendo, alm da as-
signatura do mutuario, as de duas testemu-
nhas, reconhecidas todas por official pu-
blico dentro do prazo de 4S horas O ins-
trumento do contrato ser devidamente
registrado.
10. as hypothecas, as amortizares,
que serao semestraes e pagaveis por se-
mestres vencidos, poderao. a aprazimen-
to das partes, ser compostas do juro de
6 0j o da respectiva quota de amortiza
5S0, calculada sobre todo o prazo da divi-
da, ou somonte dojttro durante o priraei-
ro ter9o do prazo e do juro e quota d
amortizafo nos dous ltimos terjos Nes-
ta ultima hypothese, a quota da amortza-
oslo ser calculada sobre os ditos dous ter-
cos do prazo, de modo a operarse a ex-
tinecao da divida no fim do prazo oonven-
cionado.
i 11. Fica salvo ao devedor o direito
de resgatar a divida antes do prazo do
vencimento. 1
a 12. As operafes provenientes deste
contrato serao fiscalisadas por um funecio-
nario nomeado pelo governo imperial e
formarao objecto de carteira e escriptu-
rac3o especiaes, de modo a n2o se confun-
direm com as demais transac^es do ban-
co. Todava ser permittida a novacao
dos contratos existentes, para modifical-os
segundo as coudicoes ora estipuladas, nao
podendo, porm, as quantias destinadas a
esse fim exceder de 25 i" da somma to-
tal deste contrato.
t 13. Correrao por conta do banco as
despezas, lucros ou perdas das operarles,
devendo elle restituir integralmente as
somnas adiantadas pelo thesouro nacional.
14. O presente contrato ser liquida-
do entre o governo e o banco dentro de
17 annos, se o mesmo banco tiver acei-
tado hypothecas no valor pelo menos de
20 0j do capital que vai empregar pelo
prazo de 15 annos; dentro de 12, se as
houver celebrado na mesma proporjSo pelo
prazo de 10 annos; e dentro de 7, se taes
contratos nao excederem de 5 annos.
15. A liquidaco das sommas corres-
pondentes aos contratos, que, nao comple-
tando a porcentagem estabelecida na clau-
sula anterior, tiverem prazo de dez ou de
quinze annos, ser adiada at dous annos
d' pois de vencida a divida.
16. Urna vez applicada a somma to-
tal de 10,000:0005, a que ge referem as
clausulas Ia e 7a, poder'o banco anteci-
par a liquidaco dos seus compromissos
com o governo, re3tituindo as quantias re-
cebidas. Neste caso cessar a fiscalisacao
do governo e o banco operar como julgar
conveniente.
17. A zona de operacSes do banco
comprehender o municipio neutro o as
provincias do Rio de Janeiro, S. I'aulo,
.Minas-Geraes, Espirito-Santo, Paran, San-
ta- atharina e Rio-Grande do ,Sul.
18. O banco obriga-se a estabelecer
caixas filaos ou agencias as provincias
do norte, se assim for necessario, atm de
nellas realizar as opera5oes aqu mencio-
nadas, para o que ser-lhe-hao feitos, as
mesmas condicSes, novos supprimentos.
19.a O banco obriga-se a emittir, den-
tro do prazo de seis mezes, a segunda
serie das suas accoes para complemento de
5,000:0005 de capital.
20.a Durante o praso deste contracto,
as quantias de que Bello, se^trata estaro
em constante movimento, para o que as

quantias porventura restituidas pelobanco.
!he-ho novamenteentregues.no prazo
da'clausuia 5*. qu'ando reehimaJUB para as
.Tansulas importar a rescisao do presente
contracto.
22. O banco obriga-se a entrar para
o thesouro nacional em prestafoes semes- *
traes com a quantia de (6:0005), impor-
tancia dos honorarios que dever perceber
annualmente o riscal do governo.
c 23. A responsabilidade assumida por
qua'quer das transac9oes autorisadas nease
contracto nio inhibe que os obrigados se-
jam draittidos a novas operagSes, desde
que offerecao novas garantas. E pelo
Sr. conselheiro procurador-fiscal foi dito
que, em nome e por parte da fazenda na-
cional, aceita va este contracto tal como se
acha estipulado, e para constar mandou
lavrar este termo, que sendo lido assigna
com o represente do Banco de Crdito
Real do Brazil. E eu Joao Alves da Vi- '
sitaeao, 3" escripturario do thesouro, o
escrevi. Barao de Paranapiacaba.Jos
Joao Martins de Pinho.
- Idnticos contractos foram celebra-
dos com o Banco Predial da corte c com
o Banco de Crdito Rea! de S. Paulo,
sendo de 2,500.0005 o capital emprestado
pela governo a este, e de 1,000:0005 o
daqaelle, c tendo o Banco de Crdito Rea 1
de S. Paulo circumscripco diversa da dos
outros bancos a saberas provincias de
S. Paulo, Paran e Govaz.
Est combinada igual convenco com o
Banco da Bahia, para auxilio da lavoura
dessa provincia c da de Sergipe. n
Lmos na mesma folha/ de 2 :
Pelo Sr. John Edward Wolfe, na
qualidade de representante da Alagos
liailwag Compagny, cessionaria da via-fer-
rea de Macei a lraperatriz, foi assignado
perante o ministerio da agricultura o com-
petente contracto para construccHo,- na
forma do decreto n. 10,256, de 26 de Ju-
lho ultimo> de um ramal que, partindo do
kilmetro 35 daqitclla estrada, v termi-
nar com o desenvolvimento de 65 kilme-
tro- 600 metros na villa da Assembla, -da
provincia das Alagas.
Para este efteito foi concedido privilegio,
que vigorar por todo o tempo da conces-
sao da linha principal, bem como garanta
do juro annual de 6"[0, durante 30 annos,
sobre o capital de 1,968:0005, reconheci-
do necessario para a sobredita construegao
e fixado na toftna do 1", art. 7" da lei
n. 3.397 da 2-1 de Novembro ultimo. De-
clarou-se que para todos efteitos o capital
e os juros garantidos serao sempre conta-
dos em moeda nacional, sem nenhuma re-
ferencia a qualquer outro padrSo mone-
tario
A linha principal (de Macei a lrapera-
triz) conta 88 kilmetros tendo sido cons-
truida mediante garanta de 7 "[ sobre o
capital de 4,553:000.->, computados em ou-
ro, e havendo sido aborta ao trafego a 3
de Dezembro de 1884. Nos dous primei-
ros annos a receita n3o bastou ao custeio,
e em 1887 e 188 "i produzio insignificante
saldo, que dever ter sido obsorvido pe-
las despezas da directora em Londres,
tendo sido pesado sobre o Estado o onus
integral da garanta. A despeito destes
resultados, o trafego da linha tem paten-
teado movimento animador. Com effeito,
havendo em 1885 transportado 27,039
passageiros e 8,i5 toneladas de mercado-
ras transportou no ultimo anno 52,132
passageiros e 18,889 toneladas de merca-
dorias, elevando-se a renda bruta de....
124:5445 a 177:9035, nSo obstante im-
portante redceles affectuadas as tarifas.
O ramal projectado para a villa da As-
sembla atravessa zona frtil, onde ha cul-
tura fundada e que muito poder desen-
volverle, podendo assim ofterecer ele-
mentos abundantes de trafego.
Bahia
Datas at 5 de Julho :
Continuava a funecionar a Assembla
Provincial.
Os jomaos vem repletos de descrip-
5es dos patriticos festejos de 2 de Julho.
As noticias do interior da provincia
continuavam a ser ms em relacSo a
secca.
Lmos no Diario de Noticias do l9
sobre a eleicao do 4. districto :
Vai ser muito disputada, ao que parece,
a eleicao de deputado geral pelo 4o distric-
to desta provincia.
Segundo ouvimos, os Srs. agricultores
vo reunir-se e dirigir um manifest, no
qual expoem as tristes condigSes em que
se acha a lavoura que hoje, mais que nun-
ca precisa de auxilios.
Consta-nos que ficar deliberado que oa
Srs. agricultores envidarlo os seus esfor-
cos para que triumphe a candidatura do
deputado qne comprometta-se a adv'ogar
na cmara os interesses da lavoura, por
meos de auxilios directos ou indirectos,
pouco importa, com tanto que sejam etfi-
cazes.
Consta-nos tambem que o Sr. conselhei-
ro Francisco Sodr, sendo ouvido a tal
respeito, declarou que como hornera polti-
co era obrigado a estar com o programma
do stu partido, nSo lhe sendo possivel de-
fender a indemnsacao.
A' vista disto, os Sr. lavradores nao
suffragarao a eleicao de S. Exc e ter
portante o Sr. conselheiro de lutar com
graves embaracos para se fazer eleger por
aquella circumscripcSo, nao contando, co-
mo nao conta, com a importante classe
agrcola.
!

y
i


Diario de PernambucoTr-feira 9 de Julho.de 1*89
Por outro lado, o Sr. BarSo do tio de f ora exeraplo brilhante da sua exacta comprehcn


'
f

Contas tambem hitar, ao que parece com
as mesmas difficuldades. attenta a suaatti-
tude na cmara transacta, por occasiUo da
lei de 13 de Maio.
Vai ser, pois, como diziainos, muito dis-
putada a eleicao do 4o distncto, sendo de
presumir que venga o candidato, que*1 con-
tando votos polticos, arrebaabe os da la-
voura.
CORRESPONDENCIAS
Do li:trio de Periaiutaeo
MARANHOs. ldiz, 2 de Juiho de
wm
Fomos honrados com a visita de Sua Alteza o
Sr. Conde d'Eu, que aqu upoitou no dia 44 do
mez passado. as i horas da larde, sendo recebi-
do com todas as honras que Ihe sao devidas.
O illustre viajante foi entbusiasticamente ac
fcido pela nopuiago maranheuse, e deve ler le-
vado as nelhares finpresses desta capital.
Logo que ebegou a palacio, viudo do porto de
desembarque, o Sr Conde d'Eu telegrapliou
Sereniswina Princeza Imperial e sahio poueo de-
pois a passiio, visitando, nessa occasio, a ea-
thedrai, a estatua de Gongalves Das, o largo dos
' Remedios, a cadeia e a fabrica de tiacao t leci-
dos.
Recomend se palacio, foi llie offerecido um
lauto jamar de 40 talheres, que se effectucu as
7 horas da noite. Eis o seu cardapio, na phra-
seologia castiga do Dr (astro Lopes :
Potage la julienne. Hors d'cevre. Huitres
oatives. Saucisson da Lyon. Olives d Espag-
ne.- Sardinea saos aretes. R-t. Pescada
gaule biuuche. leseada garnie croquetles naa
taises. Entremet. Petits fours. Entre. C
telettes d'agneau aux jieiils pois. Filet de pow
aux pomiiies de terre. .-'oulurdes aux carotes
Choucroutegarme auxsaucisse3 d'<>xford. L-
gume. A-perge en branebes sauce hollandaise.
Salad. au\ lgumes. Rois. Gigot de mou-
ton. Diude farcieJambn d'York. Dessert.
Formaje stilton.Pudding diplmateGatean
napoliiain. Golees d'Orleans. Croqaenbouches
i Sou Altease.Petits giacous d'aiuf sucre-
Pudding Troid a Son Exeellenee. -Croquenbou
ches d'u-uf fraila assorlis.Pelit pat la entes.
BouleUtssui:res.-Paslil!esas>orti8. Fiiu. Hock
Graves. Huellas, Bordeaux, Pomard, Volnay,
Chauberiin, Xfa Porto, Macere sec, Madere
doux, Champagne, Rderer Chistal, Veave Cli-
quot, Peu-ann. Liquen. Fine champagne,
Cognac, Marasquin, Charlreuse. Aniselte, Ekau,
Cnrago sec. prrifs. Amer Picn, Wiskey,
Bitter, Angostura, Od ton, Orange cagnac. -fr-
net branca, Bierre diverses, Wermoutli Torine.
Wermouii, caf, th noir, th veri, melange.
Ao servirse o champagne, S. Exc. b Sr. Dr.
NoraN Alves brindou, es phrase clieia de en-
tbusiasmo. ao augusto viajante, que respondeu
agradecendo. O Sr. Hermenegildo Jansen sau-
dou a Sereuissiuia Princeza Imperial e, ainda o
f>r. Dr. Moreira Alves, a Sua Magesiade o Impe-
rador.
A's 10 horas da noite, depois de haver con-
versado com todas as pessoas que o procuraram,
recolheu so o Sr. Conde d'Eu aos seus aposen-
tos, levantaiido-se no da seguale as 6 horas da
manli. para ir a bond ao Catira, de onde saltou
s 9 1|2 h iras. Depois visilou Sua -Iteza a casa
da camaia, o paco da a.-sembla provincial, o
recolhimento de Sania Thereaa e o seminario de
Santo Antonio. Em lo los esses paselos foi o
Sr. Conde d'Eu acompanh.. lo por Ss. Excs. os
Srs. Dr. voreira Alves e Sarao de Corumbae
Sela commissio aomeada para recebel o e qae
coa composta dos Srs. :
Commendador Laz Ferreira da Silva Santos,
eapiUo Hermenegildo Jansen Ferreira. Heanque
Bastos. Henry Airlie, Joo de guiar Alraeida,
Luiz agames, Baro de Itapary, capilo Jos
Pedro Ribeiro e Cbrispim Alves dos Santos.
Ao meio da foi servido, em palacio, o aluiogo
no qual loiouram parte algumas senboras.
O presidente da provincia brindoa a Sua Ma-
gestade o Imperador.
O emba, jue do Sr. Conde d'Eu foi muitisairao
concorrido, e ao lomar o escaler um grupo de
libertos da lei de 13 de Maio, aos gritos de-
Viva o Conde E'u e Isabel a redemptora, atirou-
Ihe urna chuva de pealas de rosas!
N Alteza foi para bordo do Alagoat no va-
por Mearim, d companl.a fluvial de navegayo
a vapor, que, para esse im, eslava conveniente-
mente preparado.
Estamos em pleno dominio liberal. A
guilhotina po/ifitti j comegou a funecionar.
O Sr. Dr. Moreira Alves deixou a administra
gao no dia 30 de Juuho, e, segundo rae inlor-
mam, seguir para essa capial a bordo do va-
por Alagos, esperado do norte a 8 .ou 9 do c ir
rente.
Para que possam o* leilores fazer idea do que
foi a aiministracao, que lindou. traasi:revo uqui
as preeiagdea que sobre ella externaran) os
dous nicos joniaes que, de prsenle, aqui se
publicam, a l'aeoilha e o Diarin do Maranho,
este com tendencias conservadoras c iquelle
orgo liberal.
O Pois, que dt-fendia os ioteresses do grupo
politico ne qu<- cheft o Sr. Gomes de Castro,
cessou ~ua publicario. Nie podia ter acabado
em peior ocoisio. quando os seus servicos se
riam mais aeoeananos para defender os correli-
gionarios das perseguices de que viessein, por
ventura, a ser victimas, ii que o p icio feito
Eelo Sr. Paulino de Souza nao ibraugen tam-
em bkb infeliz provincia.
Eis os ailigos a que. uos referimos cima :
A ADMINSTl glS KISDA
'Da Paett'lkaj
Deixou hontem a presideacia da provincia
o Exm Sr. Dr. Josr Moreira \lves da Silva, de-
pois de ii'O governo di- ijualorze Bezes e das.
- Estuda.la a admini.-lraco que fhdou sob
os mollip'os aspelos, w-r pie devem ser en-
cara los os gO/Veroos. rro e pode dcsconhecer
que eila foi nlil prov.u ia.
j Nenhuma eOBfresa, irnhum edilicio publi-
co, nenlium servico die ordem Waterial, desses
que pi rpetuam o norne dus presideu'.c- n'uma
iaacrinead gravada no marmore, fica entre nos
com ooone de S. txc; mas emquimto perdu-
rara le.obranca daaarcia do Gra.ah, anar-
cuia 9jm proan'ttia esteudtr se por outras loca-
lidades, ha di^e leiobrar'U)iureconhecimenIo
O nome'do administrador, que teve o animo bas-
tante beato de pudor partidario par-, iranquil-
lisar una p.j iiUKtu e rer.indicar os liruitos da
moral otfoadida.
E'este, o principal icrvieo prestado por S.
Exc e & Uto grande quanto grande ora o mar-
tyriodos hahilanl;- H*M daOjtwHa con-
flagrada comarca.
. Foi nesta eapbera, oa 'da aioraliiade admi-
DJstretva, .i'.i" o seus dotea de nerfeito adminisirador ioscieBte
dos ilo e deveres, solirauceiio impo-
sii'i i.niss') legalidade.
" N'um i qnadra romo atravessamog, a
ma,\ i no govurno o que o partidarismo
lem de m i; iofrene e ego, a oonaa de proce-
der de S Ex :. desl ido :o nplelamer.te do que
so obsevini n::s ultimas administraces, foi de
um,. rdinario e de irio peque-
no a a pazo tranquilliJad publica.
, O- OS, na sua generalidade ou quasi
totaliilaU- extrera iras, iii'cavarn a
refl- ilma que os acompanhav, pauta-
toa com '.,- la le
qUL. ;xc. superior aos io-
ler en p'oprio partido.
Governando uma provincia balda le recur-
sos econmicos, como se acha ha lempos o Ma-
ranho e tendo contra si a assembla p-ovincial,
que concodia e nem se quer approvava
os ci iberios para prover
4 ni ; publicas, comprehnnJese quaB-
to i .Iministracao para o >x presi-
en' prevenco nao se pode culpar pela
eatei a governo, quando e*ta pode
ter licacSo na nticas circuras-
tan W^ktMMm a atlilude hostil do
or;
ade
fa'
av-
ara
j
S. i
sao da responsanilidade moral do seu cargo.
Estes e outros aclos de natureza igualmente
digna e louvael sao as reminiscencias que S
Exc. deixa de sua Mssafem na torra maranhen-
se, onde mais tarde, quando estiverem amortt-
cidos os resentimentos polticos, aquell.es mes-
roos que o guerrearam, far-lhe lio a justica que
merece, reconhecendo em S. Exc. ura adminis
tradorindepedente, superior aos interesses ephe-
meros da poltica, em detrimento do rntoresse
gera^, obsenador da lei, e de urna bonesiidade
e moralidade adminislracliva inexcediveis.
Nos que censuramos alguns dos seus actos
e. embora que nunca cultivamos relacfies de S.
Exc., nem lhc pedim >s ou devemos o menor fa-
vor queseja. !e.u n) satisfacSo en iiKimfestar-nea
por esie modo sobre o seu governo, lamentando
que, animado romo se.iipre mostrou-se das me
Inores irilences. nao Ihe fosse possivel dotar a
provincia que adminislrou de alguns dos melho
ramentos materiaea de que ella necessila.*
Os Srs. Jos Martins de Freila e Joaquim
Pinto Carneiro contraliiram uma sociedade wa-
mercial sob a razio de Martins de Freitas & C.
ADJirNISTRA9X0 DA PROVINCIA
( Do Diarto do Maranho)
Deixou hontem a administraco desla pro-
inria, cargo que exerceu por 14 mezes, o Exm.
Sr. Dr. Jos M oreira Alves da Silva.
Bein conhecida a admi ii Exc. fez ; toda a provincia o appl&adio pois a
S. Exc. innegavel que cabe a grande gloria de
narer concerrido com prwideRcras e conseguido
ver implntala na comarca de Grajahu a paz, e
voltar ella ao imperio da lei c da justica, fra do
qu .1 lano tempo estero.
Foi S. Exc u:n administrador por temis
econmico, e se nao dotou a provincia de melho
ramentos matorines a si nao vem disso a me-
nor culpa, pois cncoiitrou a luciando com gran
dissimas difficuldades lin mceiras.
Zeloso pelo boro estar da lavoura, e bem
disposto a empregar os meios a seu alcance
para que ella progredisse, ompenhou so S. Exc.
para que fo para a provincia, concorrendo efficazStente para
que obtivessem prompto transporte para3 di
versos lugares os retirantes que vic-sem e fossem
conlractados.
Enlre o povo deixa S Exc. um none cerca-
do de respeta) e sympathia, licando bastante re-
lacionado entre as p -ssoas gradas da capital .
Hontem foi o prinvro dia u'.il da adminis-
tracao do honrado Sr. Barao'de Grajahu e ja o
jornal official publicou nunca menos de eaaeo
ileinissOes. Para coraecar j ehega. As antea-
cas chovem e o I" vice-presidento. si e.-l doen-
te e caneado, lem gosto pela poltica e dizem
que quando degola um adversario sent se reju
venecer....
Deus queira que me illuda ; mas pens que
a comarca de Grajahu vai voltar a ser um foco
de desordens o que, ainda na adminislracao
Jos Bento, fazia Araujo Costa, cliefe conserva
dor, co tra Leao Ledo, chefe liberal, vai este
agora fazer contra aquelle.
As nomeaces. para l feitas pelo vi"-e presi
dente, s5o as peiores, as mais infelizes. O de
legado militar, que segu com caria branca para
fazer o que quizer, um exaltado de marca
maior e irmo de um alferes que j estove no
Grajahu, onde portou-se lo mal. que esl res
pondendo a cousedu de guerra! ..
Est nomeado chefe de polica interino o
Dr. Bruno Jansen, juiz de direito ltimamente
removido de Alcntara para esta capital.
Si em breve esse senlior nao tiver necessida-
de de partir para o Grajahu que conflagrar, o
Dr. Benjamn Bandeira, que o vera substituir e
j4 conhece aquellas paragens, nao tora tempo.
estamos certos, de desarrimar as suas malas
leus queira que rae illuda. repito.
Falleceu ha quatro dias nesta cidade a res-
peitavol e virtuosa sogra do lir. Julio Valle, que
acaba de ser nomeado secretario do governo
desla provincia.
O seu enterro foi muilo concorri lo
E por fallar ueste triste acnteciruento .e
record de que esquecera noiiciar-ihes que o
Dr. Moreira Alves fez rezar no dia 21 do passa-
do na igreja calhedal uma missa por alma do
Dr. Henriqu MoScoso, ex-presiden le do Espirilo
Santo.
O acto esleve muilo concorrido e o Diario do
Maranho tb-He se oceupando d noticia cir-
cumslanciadu o infeliz morto; sem duvi uma das mais fagueiras esperancas dessa briosa
provincia.
A vista e que a fortuna de oilo \
Its maior do que a de quaesquer outros
millonarios do raun lo. Os Rotaschil Js, que
mam boje minias familias, possuem a fortuna
iota! de um rohao e setecentos mil contos, que,
repartidos p< os membros d'aquella familia nao
iliio '''"'"i delles fortuna igual de Cotnelio
Vanderb..
A viuv.i de William H. VaMderbilt rep
enlre os oito lilhos cima mencionados a-foituna
que tinha. pagae.do-lhe ellos a peasao de
400:000*000 por aano.
As opracoes :anceiwis sobre credi
oes realisadas em Portugal de 1886 a 18*8
pelo ex ministro rta fazemla Marianao I..: i'.ai'va-
Ito. deram ao Ihesouro portuguoz um proveilo
de 6,3:11 :OUO000 fortes rus diferer.cas das co-
s de fundo-, e uma economa aniMial de ..
lili OOUOO fortes no pagamejUo dejaros. Este
ministro que ao entrar para o puder era 188* en-
contrara os juros da divida flucluante a 7 0,0
dcixou-os na sua retirada a 4 0.0 produziniin
[tara o estado mais urna economa de 31 OMOJOOO
lories annualmento, mi pagamento de jar
tillmente as grandes pracas da Europa o
crdito do governo portuguez esia sendo consi-
derado como o primeiro depois do da Inglaterra
e da Franca.
%
I\DLSTIA8 E ARTES


Segundo o relatorio do minisler o da fazenda,
a divida passiva do imperio, na sua parte exler-
na, represeolava-se n'um capital cirdulaute, que
ra 31 de Dezembro ultimo atiingio a somma de
i 28.368.300: de surte que, (comparada esta im
portancia com a indicada no relatorio anterior,
verilica-se uma differenca de 5.616.600, resul-
tado do augmento de 6.297.300 do ultimo em
presumo e da diminuicao de t 680.700 da amor-
tisacao operada 110 anuo de 1888, e relativa aos
emprestimos de
1863, na importancia de 216.300
1863, idein. idem 198.900
1871, idem, dem 37.400
1875, idem, idem 135 301
188:), idem, idem 59 600
1886, idem, idem 33 000
Importa notar, que somonte o lilulos do
4 1|2*| do oinprestimo de 1883, foram compra
dos no mercado abuso do par, sendo to los os
oulros sorteados nos termos dos contractos, por
estarcm colados cima do valor nominal ; e, se-
gn lo ultimas noticias recibidas, t'oi sidoesles
mesmos ttulos vendidos ao par.
O governo nao moren Mudos pira Europa, e
conservou em raaos dos agentes o producto do
empresinoco.n que pJe occorrer s despezas
no exterior ; e com a renda que foi arrecaduu
do, pagou os billiet 's do Ihesouro e a nutra par
te a divida lluctuanle.
\ raesma divida em sua parle interna, e refe-
rente divida fundada, no periodo le I de Abril
de 1888 a 31 de Margo do correte anno, foi
modificada, era retacao ao .ilgaris no do anno
anterior qae era de 384.395:700000.
Addiciouaado se a quanlia de 39.600S valor
uooiinal:
De upolices dadas posteriormente em paga-
meato da divida inscripta da provincia de Mal
to-Grosso na importancia de 3.600500 :
De apolices, que teodo de ser ivembolsadas
i vista do pedido feilo pelos poisuidon-s, nao
o foram, por nao exhibirem se" os docomeni
necessarios, e que loro de tidas, na somma de 36.0004, lica conse-'uitite
mente o ca td circulante elevado & impor-
tancia de 38! .6:3::!0.'OJO.
A companhia de liac&o e tecelagem Industrial
. do Maranhito, r.o 1^ seaesl^e de 1888
distrtbwo
ooni Hitara um
do gabine era dele-

1 ex-
no 2" o d
um dividendo de R5000 por accAO, e
\fQB%. No primeiro periodo licou
um saldo de 7 706X454, en lo o de ...
2:127 5-60; os quaes paastrao aconta de capi-
tal.
mpreza evidente, como
specva direc-
tora.
Diz uma folba de SeW-Ynrk que a fortuna dos
cilo membros da familia VanderbiH esta actual-
mente na respeitavel e reapeitoaa estes
tes nove al gaamos e 274.000.000 (dtu
setenta e quatro milhes) de dollars u cerca de
quioheiitos v viste rail conloa e seiscent
ris :;OfJOO:OO000 .
total de dollar; divide-8
ureas pare
Taes foraof as conclusOes do pareoaf da com
misso do C.ongressi Agrcola reunido na Corle
no da 19 de Junno ultimo, e do qual fiznos
uiencao nesta seccSo, no domiago ultimo :
I. Creaco de bancos de credi lo e eraissriqna
COrte e provincias, com suecursues nos disjri-
etoa mais populosos e de mais exportaco.
II. Creaco de bancos de cmisso com faal-
dade de negociar letras e ttulos bypolhecarid e
pignoraticios dos bancos agrcolas
III. Diviso proporcional e equitativa entnu
provincias da verba de immigraco, para ue
si-jara as quoias por ellas directamente appla-
das como melhor entenderem, tornando se api-
tras nicas de seus propros interessas o conje-J
oiencias.
IV. Tornar cffecliva a garanta de juros los
engenhos centraes, elevando-se a sorama acfal
destinada a tal fim pelo menos ao duplo.
V. Crca^ao de ncleos coloniaes de preferjn
cia us zonas que foreni servidas por engentas
centraes, tornando3laboratorios chimicos, an-
tros de iuslrucco agrcola o industrial, aPnnde
crearem pes^oal apto para a cu lua do assuar.
VI. Introducco dos modernos aperfeiooantn
tos na cultura da e-nina, e de premios pron-
ciaes aos agricultores e fabricantes.
V'H Isenco de impostos lavoura de catia,
Ubrica e 'depsitos de assucar facultan b o
governo a ereacao de entreposlos.
VIH. 1 reacio de retinaces modelos na
e provincias com cayitues garautidos pelo
verno.
IX. Obtcngao de tratados ne coramercio
os paizes consumidores de assucar, alargand
a exportagao.
Na provincia de Minas Geraes, do mesmo pio-
do que na de S. Paulo, os viticultores toe
manifestado desojosos de substituir a pan
MfUafnMiito generalisadu as duas pro vid
por videiras norte-americanas do grupo
ttsticalis, que to recommeodadas sao peToTiL'io-
togos, j pela resistencia a invaso parasiuria,
ja pola boa quahdide do vinho que produiem-
.Veste sentido eslao conslantemente chetundo
ao governo pedidos de bacellos americanas do
referido grupo, lendo agora sido requesitados do
Imperial Instituto ex-mp!ares de laes videir
para seren fornecidos s camaias municipffes
!e S. Jos d'EI-Rei e de l'ouso Alegre, da pro-
vincia de Minas Geraes, bem como ab agricultor
Adolpno Le&o Teixeira, da raesma pVovincia.
Isio patenteia espirito de iniciativa que agra-
davel registrar, sendo mui digno de applauso
qU9 as cmaras manicipaes los districlos vinlia-
leiros, ou apropriados cullura da vioha, to
inem a dianteira ua propagago de boas varie-
dades da tspecie. \
Devi lo loficienaa da colheita de belerrads
e dos phenomenos meteorolOgico que aniqui-
lara n extensa plantacSo na ilha de Cuba, diz o
Jornal dt Noticias, que'a nosaa colheita sert es-
te anno excepcional mente favorecida.
As ultimas noticias -ecebidas deque manat,
com findamento. e3la previso, te n feito ele-
varse gradualmente os procos nos mercados
consumidores e os nossos assucare3 j comeca-
ram 1 beneficiar dessas vaotajosas e singula
res circumstancias. ,
No mercado de Nova York a existencia de as
sucar do Brasil em 1 de Maio era de 13250 sac
coi contra 526399 em igual periodo de 188s e
existencia total te toda i as procedencias era,
nuquelle dia. de 16,724 toneladas contra 126 3l7
e.n igual d.ita do anno passado.
A comp.irjrao destes algansmos d exacta
medida da posiclo geral do mercado Je asen-
tar, que se mantera a c laijocs altas e uianifes-
lamenie llrmes.
O Sr. Baro de S. Francisco, presidente inte-
rino do Instituto Bahi-tno de Agricultura, diri
gio s autoridades com ptenles o seguinte olli-
cio:
- Possuinlo a escola agrcola de S. Bento da
Lagos ura curso elementar destinado a preparar
ooerarlos agrcolas e no qual sao recebidos fi-
llios dos lavradores pobres, orphios e desvali-
dos, nao tcm tido e-se curso frequencia snpe
rior, como era de esperar, divido i330 aos hbi-
tos de indolencia e ociosidade em que vive a
nnsja populaglo rural, infelizmente refractaria
por ignorancia e preconceitos aos principios de
ordera e moralidade observados em casis de
oducaco rcgulamentaoV
No ituito de desenvAer o dito curso, fre-
quenlado por oumoro renuzido de menores ap-
lacados quelle mis'.er, vou solicitar de V. S. a
remessa. para a referida escola,"* de menores
abaudouatos, noetso "'.e falla de pnssoas que
na qualida le de tutores se queiram bem encar-
regar da ed jeaco desses infelizes.
Alli recePerao ellos, alm do ensino primario
e da doutnnachiist. o ensioo pratico da agri-
cuhnra.
Anonindo V. S. esta rainha snlicitacao. pres-
tir, sera duvida, relevante servico. evitando o
estado desgranado era que geralraente se achara
os orpbos pobres e miseraveis, que pelo aban-
doao em qu vivera tornara se ociosos, corren-
do mais larde para augmento da lossa estaisli-
ca criminal, quaudo alias, recebendo a educa
ci primaria e agrcola, virio a ser cidadaos
iileis a si e ao paiz.
Cumpre me declarar a V. S. que nos ca
dilBcnldade de tran3porte ate escola agrcola,
peder ser osle feito-por conla do Imperial Ins-
titu?, que promptameute far a despeza.
*#
i companhia de tecidos i'etropolilana acaba
de cutratiir na Europa, por intermedio do Sr.
1 le de Figueiredo. um emprestim >
lor nominal de 4 O00:OO0O0t), o qual vai se>
appliea 'o ao do divida consolidada da
OU SOM coni!,inha 1 ao pagamento da sua divida
iluctuante.
descrever o presente estado
le e importancia dos negocios,, a
se qu atravessando, exigem que me
~ue na exposigo a vos fazer, pois importa
:n a justificago da marcha que imprim
aos negocios sociaes.
la foi deliberado, nenhuma providencia se
11 previa meditacao ; a marcha que
nraio-se aos negocios sociaes foi a que adi-
ia actiou melhor, obedecendo, porem a lei
jmenlos.
bem tenlio a dirigir-me amgrau le nu-
0 de acciomstis ausentes que precisara de
inteirados da situaco da empresa.
Suco ab istecimento d'atju 1
'or uma insi rnilicanie demora nao posso vos
a anciar completa inauguraco do novo alus
agua,
i ligaco de um dos pocos de apanhewento
d aguas e a experien i a de cerca de i kiloine-
m'd encanamento de pequeo dimetro com
laalorrespondenles peonas d'agua antigs, eis
anuamente que falta, salvo alguma pequea Jre-
gdirisago que surja no derradeiro moraenlo.
ticainenie est ludo concluido, e conse-
gtltemcnte funecionundoas obras novas, satis.
le) aquillo aue tanto alraeiavam esta eom
piiliia e o publico, e cumplidos os mais eleva
dapreceUos hyu'ienicos e deveres legaes.
3go que teiiliau-se terminado as experen-
cii, deve ae-requerer ao governo provincial a
I noeacao de um co de proissionaes
pj dar-parecer sobre as obras execuudus e
setunccionimento, para ticar officialmente re
conhecido o modo porque esta companhia de3-
eiupenhou se do cumprimento de seus deveren.
Como sabis, nenhuma obra monumental foi
executaia. nada Hade grandioso, apenas nosaas
obras representam um todo harmnico t
do um conjunclo do que ha domis moderno e
idiantado em laes servigos. Se se pode njtar
alguma cousa quanto aos elementos que consti-
tuein o odo, ha de je re .mohecer .1 simplicidad*
isto o minimo de grandeza em qualquer parte
das obras para se collier o resultado desojado.
Mesmo a alia presso adoptada, atenidas van
tagens resultantes da imoetuosidade d'agna, foi
uma razio de elevada economa pela grande re-
duego que permittio fazer-se no dimetro dos
e-ncanameulos. Bastava que a presso fosse reda-
zida a meta.le para que, embora chegasse para
as necessidades geraes d consumo, lizesse .'U-
bir. as despezas coqo_q^ encanamentos geraes ao
duplo do qoe t'oi. -^ ^
Os proprio particuluijks gozam de uma cor
respndeme vantagem/porque pdem usar de
entanameoios na distribuico no interior das
extincgSo de
alta presso
Corneh V
William Vand.
Pi*d. Vanderb It
George Vandertnlt
Sra. ShejWd ,
Sra. Seward "
209 000:00}000
101.3'
22,800:00
2,0O:0O05OOO
22,8
22,800:00;
; com rara discripgao
na altura J
ve
14

520 600:0
Mid dollars.
viole
irigo e mediante os; menios alcaoca-
dos por Schueilser, lem-se cliegado ao resallado
de separar com a primeira Iriturago os ger-
raena comidos em cada grao. Uestes gerrneris
mliot co:i \rahir um oleo dolado!
propru da les'- purgativas ;
do depois uma farjha bastante rica de pi
vir a ser um
lo urihfsimo, ou la como so
manctrada
; o noma de
fiomentina. e mais iiuliiliva do que o p de
e provavel qaevcnlw a tomar na ali-
5o um lu- la He.
ASSOCIA^fS
Companhia do Beberibe
BKLAT -."TADO AOS
TAS KA ass: :ekal or-
dinaria DO
ponina do B'

ira mi
casas, de dimetro njuito menor de que era ou-
iro caso.
O servico publico, mavjine o da
incendios, tira grande proyeitc da
d'.igua.
Hoje, o servico muito nwiorido que oulr ora,
verdade. porem a difTerenea^pQde se medir
l>elo que vai de rudimento ao producto do pro-
gresso scierilico.
Nao obstante quando se tiver lirmaOo a vid,
normal da companhia, se reconhijce]~o\uanto
simples o manejo do servico. e xroporaonal-
meuie econmico, couitauto qjjo-flaja urna direc-
gao racional.
vista, e parece que conse-
losfrtniuhar de accordo cmn o seguinte
10 eslaDelecido pelo congresso de Distes
'rf, em 1876 : Em igualdade de circumstan-
cias deve se ar preferencia ao systeina que
a^reseule mais garantas de uma boa alimenla-
go em todo o lempo, pela simplicidade e segu-
ranza de seu funeciouamento e que exija meaos
despeza de primeiro estibelecimentoe de despe-
zas annuaes capitalizadas.
Pelo exame a que, vou submeller cada um dos
ramos de servico licareis melhor inleirades.
Pessoa technico
A conselho do Sr. Oswald Brown, engcnhelro
consultor da Companhia e'autor do projecto-de
novas obras, por occasio do exame que fez no
anno lindo, quando pred-ei consulta] o a res-
peiio do andamento das raesmas obras, engajei.
q engenheiro que Ihe ses^jo de ajudante. para
concluir nossas rrras.
Poucos. mezes depois foi rescindido o engaja-
ment por mutuo accordo, visto ter o dito enge-
nheiro se arreceiado do clima do paiz.
omeoi i-nto o engenlieiro Ernesto Brotlier-
hoo I que bem tem desempenhado o-cargo, e nos
tem prestado bons servigos.
Manancktes
As obras para o apanhamento das aguas, nos
mananciaes, lbruiu de um labor in-liscri|)tivel.
Por sua naturesa sao obras dfliceis, porem
aqui ainda mais de ponto sobcm por serem obras
completamente novas no paiz, sem haver pessoal
com a devida experiencia, e tendo-se carencia
dos apparvlhos uspeciacs precisos para tal. Lan-
gou-se mo de todo.-, os n.cursos, manJei buscar
na Europa tudo que foi necessario. mas nao se
despe.ndeu smente dinheiro, mas o lempo que.
nos era precioso; embora procurassemos apro-
veitar as ipiennilencias dando maior impulso a
outras obras.
Todos os clculos foram milito excedidos (i-
vemos que fazer grandes alteragoes, guiar-nos
pelas indicages que iamos colhendo a cada mo-
mento.
Nao posso absolutamente ser considerado co-
mo imprevideute, pois convidei para formular
o projecto um engenheiro de boa reputaco, re-
conhecidaraen'.e habilitado, e serapre nos guia-
mos peos conselhos que nos de.u, e para a exe-
cugSo engajei outro engenheiro que por aquelle
e outros qne eslavam no caso de utestar. me
foi apootado como ten lo os requisitos preci-
sos.
No entretanto nao acenso, nem merece ser ac
csalo, o autor do projecto,elleprneedeu cor-
rectamente, como qualquer outro O faria, atten
dando a naturesa das obras.
O engenheiro Dupnit, raestre nos abasteci-
raentos d'agua, diz : As aguas subterrneas
sao como as riquezas mineraes; as sndameos
preliminares permittera rea>nhecel-as e apre-
ciar al certo ponto a importancia mas smenle
a explorasao fornece dados positivos sobre a
extengoe pujaoga: ao que accre-centa 0 en-
genheiro Becamann : Tent em um como em
outro caso necessario conteutar-se com proba-
bilidade de successo. porque nao possivel che-
gar a urna cortesa absoluta.
Ainda continua o enaenheiro Bedcmann : As
previses sao particularmente aleatorias desde
que se trata de aguas artesiano*, porque nem
perfurages preliminares, nem experiencia di-
recta e possivel; e, se se traa de ura primeiro
poco a excavar em alguma regio, somos rada-
sidos a consideragOes theorica?, a coojeciuras
mais ou menos plausiveis segundo o coneoi-
meto que se pode ler das circumstancias geo-
s e da constiluigo do sub-solo.
M n, com toda a razao, os Srs. accionistas |io-
dera inquirir !por que nao se recorren a outro
manancial de que se podesse laucar mo sem
fazer tantas despezas para o apanbaraenio das
aguas, ao que vou responder para ainda mais de-
monstrar era como todas as soluces foram con-
gequeacias de acur.do estado.
Na Utmart justilicava do proj"cto publicado
era 1884 en.onlrareis a discuasflo da quest00
por uraa das faces, o que resumirei e farei ad-
dges.
Ne ihum manancial : nde se possa de-
rivar agua a alta presso, nem mesmo a pre
moderada ; assim como ainda aquelles queexis-
tem em nivel baixo, por si ir ;hum pode forne-
cer toda agua precisa.
Ai oda mesmo que qualquer dos mananciaes
ue llca na circunivisinlianga podesse fornecer
da a agua a alto pres.-o, so 2 differenca o
cu id pri meato dos encanameuUis, com 0 valor
das oleas para apanhal as ou represal-as, por
icno que' ria aoqui gastamos
com as obras do np.-aiharoento das aguas ; razSo
bstanle para fazer callar qualquer discuaaali.
Se a presso fosse, siraplesmente moderada
ainda maior ser: ir ser neceS-
sario augmentar', o dimetro de lodos 03 encaaa-
me.nles pura darcm Dtidade de
A pn s aguas do valle do Prata
ainda (em ouiroyp 'O : sao aguas de
ri >s.
nielado
ulilisam-se
apejar de
rio, por outras ei
es
gao, ao custeio, nao se pedia encontrar 3tuago
mais econmica.
Os terrenos que constituem o vaflo do Prata
esto saturados, embebidos d'agua, mas sem
apresentar homogeneidade de disposigo.
Assim era natural espejar que a agua esti-
vesse cin toalnas, aliento ainda ih*v a restricta
zona ; mas, de ura modo todo peculiar, acha-se a
agua em verdadeiros canaes, numerosos, appro-
xiraados, porm distinctos. de modo caprichoso.
Foi pois indispensavel pralicar uma grande
rede de endageas para se chegar ao conheci-
mento do fado, e com um resultado inesperado.
E' por essa disposigo esquisita que se expli-
ca a existencia de tantos pocos para apanlia-
inenio dus aguas sem mutuamente prejudica-
rem se ; e 6 anda por esse tacto que v-ae a
variedadij na quanlidade d'agua foimecida |ior
cada um dos pocos ; emquanio um d sabida a
1.800,000 litros d'agua, outro em ponto mais
baixo e melboes LondigOes de abundaiicia ape-
nas d 300,000 litros d'agua.
Das obras de apanhamento das aguas apenas
falta concluir a ligacio de um dos pogos, traba-
Ib que deveri licar terminado ein poucos dias.
A quantidade d'agua excede ao que nos obri-
gamos, 10.000,000 de litros, verificada em po-
ca de maior secca, minimo, como sejam os lem-
pos porque passamos; e nSo vos declaro o
quantum exacto porque desejo deixar que pri-
meiraiuente os ageutes ofliciaes o reconh-gam,
como o farao por occasio do reoebimenio das
obras.
Sein sabir do valle do Prata, ainda se pod
apandar muitaagua com a anstruccao de obras
u'arie : assim como temos ao lado, na calila do
agudo da antiga machina, uma corrente de
4 OOO.OO de litros d'agua maproveitada.
Tanto as galeras como os pogos fqraiu con-
venientemente conservados, tendo-se retirado
iieriodicaincte as areias que correram para
dentro daquellas.
O eucauamenlo que con luz as aguas d03 ma
nanciaes para as bombas, no compriniesto de
1.500 metros, esl em bom oslado de conserva-
gao.
As maltas que circumdam os mananciaes ne-
nliun darano soffreram, continuara a crescer e
desenvolver-se.
Bombas a raporprovisorias
A 7 de Agosto do ; uno lindo deixaram de
funecionar estas bombas a vapor para o abaste-
ciuvuto d'agua a esta cidade.
Huj> que nao carecemos mais destas bombas,
que terminaran! sua misso. de jusliga que li-
que aqui consign ido o bom serviyo que presta-
rara ao lira a que eram desuadas, e o fabrican-
te dellas, o Sr. Worlbiogtun, (W New York, 6
digno de ser lomado em coosilerago por quera
precise de iaes apparelhos.
Acnam-se ollas devnlamente reparadas, em
bom estado e promplas a serem desarmadla logo
que encontrarmos comprador para ellas, pois nao
sao a-us precisos os seus -crvico-.
X1 i ns bombas a rapor
Trabalharu 11 regularmente Jurante 0 anuo
prximo passado.
Como sabis sao tres as bombos, devendo tra-
balhar duas ao mesmo lempo, licando uma sem-
p;e preparada em reserva para quaiquer even-
tualidade.
Ver ora apenas lem funeciunado uma de cada
vez alternadamente, e um pouco mais de raclade
da velocidade que pode ler, pt lo que pdese
dizer que duas das bombas podern foraecer cer-
ca 00 quadruplo do que njectam presentemente
licando ainda uraa de reserra.
Por economa do combustivel, e regularidade
do funcciooameuto, trabalha a bomba em ser
vico dia e noite, sera parar, com excepgo da
occasio de mudanga da qae esl em aclividade,
o que d se uma vez por raez.
De da a dia diminuem, pdese assim dizer,
de ti-abalho, a proporgao que se reluz o forne-
cimenlo d'agua a baixa presso, na cidade;
sendo provavel que lo lim do anuo em diante,
por algura tempo, tenhamos de fazel-as parar
l'requenteraeiite por trausbordamento do reser-
vaioro.
Elevara hoje cerca de 4 aS.OOO metros cbicos
d'agua diariamente, sendo que ha tres mezes
passados era preciso elevar 6,000 metros cbi-
cos, e nos seis anteriores nao bastava 7,000 me-
tros cbicos.
Tanto as bombas proprianiente ditas como as
caldeiras, economisador e deinais apparelhos
esto era boas condiges de conservago.
Casadas mar-tinas
Este edificio de umacoostruego por domis
solida e de nalureza a dispensar despezas de
conservago a nao serem as de hmpeza e aceio :
acha-se como se tivesse sido concluido agora.
A chamin tem funecionado bem, nao apre-
sentando o mais insignificante defeito : o para-
raio est em seu competente lugar, garantiado-
nos contra 03 desastres frecuentes as chamins
por occasio da queda de falseas elctricas.
Com o pessoal da conservago das obras, as
ocestoes dispensaveis, tem-se preparado o ter-
reno que circumda o edificio, formando um ex-
tenso lerreiro plantado de re I va e que ao depois
ser arborisado, alim de dar ainda maior realce
ao importante edilioio.
Tambem est em boas ecudiges de conser-
vago o prolongamento da estrada de ferro do
Caxang na ponto pertencente a esta companbia
e que serve para que os vagos d'aquella estra-
da descarreguem o carvo dentro rio proprio edi-
ficio.
ttesertatorio
Durante todo o anno prximo "passado man-
teve-se em funccionamenlo, exceptuando nica
mente as occagioes em que era esgotado para
limpeza e exame.
Acha-se, pois, provado e bem provado uosso
ressrvatono, por ura periodo de ilois annos,
quasi sempre ebeio, com toda carga d'agua, sem
u.ostrar o mais insignificante defeito.
Q-jando vemos to commumenle os reservato
rios uovamente construidos apresenlarera defei-
tos. embora pequeos, e que ao depois desappa-
recem, livemos a satisfago de nem mesmo es
ses pequeos defeitos terein appa ecido.
O; taludes esto como foram construidos, in
tactes, cobertos de relva, a qual tendo se enrai-
zado bastante ainda mais garanta offerecem de
estahilidade.
Outrosim, todo o terreiro que cobre o reser
va to 110 est revestido de relva.
Ainda nao fiz retirar o tramway do plano incli-
nado porque aguardo a recepgo definitiva das
obras por parle do governo e a consecuente expo-
siio das obras que,vos deve ser feta : immedia-
lameile aps deve ser dtsmunchado para nao
acarreUr despenas de conservago, nem da re-
coustruego da armeco ,4e madeira em que re-
pousnm a machina a vapor, breaks. ele.
Encanamenlii^
Eslo funecionando. a alia presso. os enca-
namentos e apparelhos segointes destinados ao
servico da distribuigo d'agua.
10323 metros de canos de (18") 0.-437 de diana.

1265
367
12194
268
5748
344
6092
876
uow
I3i 31
2414
323
83
(16") 0,-406
(13") 0,-38!
112") 0,-303
(10") 0,-254
., 8") 0,-203
( 7") 0.-178
( 6") 0.-152
( 5"; 0,-127
. 4") 0,UH
| 3") 0,-076
I 2") 0,-651
11 I i") 0,-037
(1") O-025
67373
17 1
\
2
31
l
23
1
26
5
51)
Ornaras de parada de (18") 0<-457 de diam
I (16") 0-406
(15") 0,-381
3 torns.
1
3
12
i
' 1
(12") 0,-305
(10") 0
( 8") 0,
( 7") 0,-178
( 6") I
( 6" 0,-127,
( ?") 0,-102
( 3") 0
( 2") 0,-031
joto de (15") 0,'
(12'
II ( 6") 0,-152.
-076
II ,'"038
14 vlvulas de ar.
408 hydrantes.
4 vlvulas automatieas.
Falta experimentar a alta presso em cerca
da 3 8^0 metros de eucannmentos de pequeo
dimetro com as competentes torneiras de pa-
rada e 37 hydrantes.
l'ermilti que vos repita uma parle do oue vos
disse em meu anterior r.-latorio a este respeito,
pela inleira applicago que ainda tem.
Muito penoso foi o rabalho de experimen-
tar a alta presso os encanamentos.
Adoplou-se o systema de experimenlar-se
por seccOes afim de mais promptameele se pro-
videnciar quando occorresse qaJqoer eventua-
lidade, e de feilo lera sido de prove o.
O subsolo das estradas dos arn.baldts, em
muilos lugares, e muo frouxo, terreno fraco e
comp.'imivel, e algumas vezes embebido d'a-
gua.
Foi em lerreno dessa natureza. por nao ha-
ver outro recurso oin que fofc assentado o enca-
namcuto principal. A essa circumstancia, e a
de ler sido o assentaincuto ao longo da estrada
de ferro do Caxang era Irafego couslante. de-
vem-'e os recalques que em maior escala de-
ram-se com os pesados canos, produzindo des-
locago no chumbo das Junlas, o que fazia a
agua esguinchar ; mas prompia e immediata-
mente forara feitos os convenientes reparos, con-
vindo declarar que nenhuma dcslocago do
chumbo n-produzio-se aps o reparo.
Nao obstante os exames e experiencias lei-
tos com os canos antes "Ho embarque, acontece
que em viagem do se sempre pequeas fractu-
ras que nao podem ser descoberlas na occasio
do assentarnento, vindo a tornurem se ar-paren-
los cora a e'xperiencia definitiva a alia presso,
no proprio local -io emprego, procedciido-selogp
a devida subsliluigo : liouveram diversos desses
caso<.
Nos lugares era que o terreno firme, m-
xime aqui na cidade, forara raro- aquelles
casos.
Apenas um nico canao uovo estourou, no
ponto em que tinha menor i-spessura do que a
estipulada : o fado deu se acerca de um mez,
na rea Conde da Boa-Vista, em frente a estagao
das ollicinas da estrada de ferro do Caxang, era
um canno de 0,-406 (16")
Esses fados sao communs a lodos os servigos
idnticos, e inevitaveis.
Sem ir longe basta recontar que no lio de Ja-
neiro os eanaos foram submettidos a segunda
prova, local, e nj obstante todas as cautelas na
expeneocia os calinos fenderam-se na razio de
2,2 por md, alera do afrouxamento das juntas
(Uelatorio do engenheiro director do abasteci-
mento d'agua da corte, e annexo ao relatorio do
ministro da rgricultura eo 1880.)
O caso mais importante que livemos foi o
occorrido na noite de 30 de Maio deste atino na
estrada da porta d'agua, Monteiro. Tendo aba-
tido a estrada publica naquelle local, em conso-
quencia de cliuvas. cedeu o encanamenlo do que
re-uliou afrouxarem tres juntas em seguida, e o
forte pirro d'agua produzio larga abertura na es-
trada, pelo que foi indispensavel fechar lodos os
encanamentos, era quanto se laxie o concert,
para evitar maior darano. Tendo se acudido
cura proiiiptido, em cercado 10horas tudo licou
reposto no amigo estado.
Nos autigos encanamentos o caso foi muilo
difirante.
Antes de resolver-se o aproveitamentodos ve-
laos encanamentos tratou-te de examinar cui-
dadosamente os que eram aponiados como
aehando-se em peior estado, mais damnificado,
os primitivos. O resultado foi lo satisfactorio
que nenhuma duvida houve no aproveilamenlo
de um to avultado capital j emprega lo. De
feilo a prova veto confirmar o juizo formado, e
nenhum canno -siourado houve entre os primi-
tivos, liuiitando-se os desarranjos ao afrouxa-
mento de juntas era tres casos, em uma exten-
so de 11.000 metros
O mesmo nao se deu com os encanamentos
antigos porm de data mais recente, contra os
quaes nao havia a mnima suspeita e deviam
achar-se em inelhores condiges do que os
outros.
Innmeros foram os casos de estouramento,
em grande parte devidos a fallas de fundigo :
foi um trabalho bastante penoso, em todo o caso
menos despendise do que o assentarnento de
nevos encanamentos, pelo que sempre houve
economa.
Em uns lugares, porm, foram impossiveis
os concertos, e em oulros baldados, pelo que fiz
assenlar no vos cucan;, memos, salienlando-se o
Campo das Priocezas e a ponte da ra da Auro-
ra na parle comprehendida enlre a ra Izabel e
a do capilo Lima.
Na ponte da Magdalena, como vos disse ne
anterior relatorio, assenlou se novo encanamen-
to : e na ponte Izabel foi preciso refazer lodas
as juntas de flanges que nao eslavam apropra-
das a alta presso.
Depois de experimentada cada seccSo, tira
ram-se as novas derivages para as casas, e mu-,
daram-se as antigs dos volhos encanazcentos
para o novo.
Esse trabalho fez com que a muitos se ufigu-
rasse que os reparos do encanamento fossem
maiores do que elTeclivamente foram.
Assim cada antiga penna d'agua exiga o
fecharaento da velha derivago e a aberlura de
uma nova ; e tomando-se em consideragSo o nu-
mero dessas transformages j feitas, e o das
novas penoas j collocadas, fcil de avahar o
grande numero de excavagoes que para esse
Bm foram feitas, o que geralraente altnbuia-se
a concertos no encanamento.
Acham-se esses encanamentos em carga con-
stante, a alia presso, pois o fornecimento as
casas sendo por hydroraetro. nao leeui ellas cor*
rente continua.
Muilas obras de alvenaria foram execuladas.
qur as caixas das torneiras e hydrantes, coma
as valas de esgoo.
Collocaram-se travs de ferro para sustentar
encanamento nos pontilhOes do Manguiuho*
Sant'Anna e Monleiro.
Da conservago dos encauamentos psl encar-
regado um pessoal devidamente organizado e
habilitado.
Uistribuirao a'aijua
Regular foi o fornecimento d'agua.
Raras, momentneas e parciaes foram as n-
ter rupges, nicamente em quanto se proceda
ao3 concertos a que me refer, quando Ira lei dos
encanamentos com excepeo da que proveio do
abatimento da estrada no Monleiro, quando foi
geral, mas por poucas horas, porque tendo co-
megado o trabalho noite. pela manlut eslava
quasi concluido.
Hoje gosa a populaco desta cidade de um
fornecimento d'agua abundante eflicaz. promp-
to, era qualquer andar, por mais alto qne seja e
a qualqu'r hora do diaou da noute.
Grande sorama de ligosnos trazera os resulta-
dos e ainda mais a marcha do servico.
Em 1883 a quantidade d'agua fornecida eleva-
va-se a cerca de 2.500.000 de tres em 14 ho-
ras, por bomba a vapor, ao que addieionando-
se a quantidade fornecida por gravitagfto as 10
horas restantes, completa cerca de 3.200.000
de litros diariamente. Era enlo considerad
um servico soffrivel, nao satisfactorio, procurava
se raelhorar.
No anno seguinte elevou-se a 3.500.060 de li-
tros diarios ; no anno de 1883 subi a 4.000.000
de litros ; no immediato a 4.500.000 de litros e
assim em seguida
No principio do correte anno a cifra do con-
sumo alcancava o enorme algarismo de.....
7.000.000, trez mezes depois le 6.0000' 0 e hoje
de 4.000.000 de litros.
A razo do decrescimento no correte anno
proveio nicamente da cessago dos desperdi-
cios, o que vai se conseguin lo na proporgo do
raento dos hyJrometros.
De observacOese experiencias cuidadosamen-
te feitas deduz se que 2065 penas e 23 thafari-
zes que funciioiiam com alia presso consoraem
2.000. 00 de litros diariamente e 161 pe-mas e
3 cbafarizes com baixa presso consomem igual
quantidade d'agua.
Completada a transiormaco das peonas d'a-
gua, no lira do crreme anno, o consumo 11S0
lera a,2500.000 litros da se
maiorqu;i ['aganos chafanzes, tendo-
se o duplo do numero das peno a do
anno anterior, e acl bundaa-
tante e
t f
ia, do modo o
nenio d'agua 1

va

;


r h !
-- ~
<
*

}


H
,

jr
>



Diario de. Pernanibuco-Terca-feira 9 de Julho de F889
mbora cora os inconvenientes que temos tido.co-
mo explicarei. ,
A alguns ta!vez parega haver demasiada res-
triego d'agua, ao raasso que a bem di hygiene
cada om deve gastar uma certa quantidade. a
mente em Paris onde os resultados foram es me-
Ihores.
Alera de nossose-vigo propriamente dito, con-
tactamos com a C'>opaohia de Santa Thereza,
empresaria do abasteciraento d'agua a cidade
esta objecgo responde-sc com o mnimo de de Olinda, o fornecc-r-lhe agua quando lheescus-
eonsurao obrigatorio de cada pirana, e sabido
que poucos querero pagar o minimo sena con-
sumir, trataran de gastal-o, e flea assim cuin-
prido o preceito da salubridad'.' publica.
A aquellos que anda tiverem duvida sobre o
elTeito di rcgularisago e economacituroi o que
diz o Sr. Couche engenheiro chefe do abastec
ment d'agua de Taris, em seu livro intitulado
LtsEaiu de Londres el d'Amsterdam : Nula lia
de mais notavcl do que ver Amsterdam, que per-
tence primeira ordem das cidades ouropas
pela limpeza e asseio as casas nao distribuid
do diariamente, a seus 330.000 habitantes, seno
16 a 18 0)0.000 de litros d'agua o que corres-
ponde a cerca de 50 litros por habitante, ao que
accrescenta Beckmatin. enhenheiro encarregado
do servigo munici>al das aguas de Paris, no
entretanto a salubridade d<"ixa muito a desojar
na cidade de Rosa que recebe .Cerca de 1 000
litros d'agua, diariamente, por habitante.
J o engenheiro Dupuit dizia : Pode-se es-
palbar urna grande quantidade d'agua em urna
cidade. fazer transbordar as vllelas das ras de
modo a arrestar as immundicies que nellas se
accumulam, sera que, em definitiva, as neces.-i
dades de seus habitantes sejam perleitamente
satisfeitas e com muita agua prestar menos sor-
vicos do que com urna quantidade menor, me-
Ihor distribuida
Ckafai izes
Dos no vos cha'arizes s nao funeciona o do po-
voado de Afogados. tendo, no entretanto, j es-
tado em servigo por experiencia.
O motivo da interrupgo neste chafar foi a
noticia que me deu o director das obras publicas
proviociaes, de que a ponte que estabelece roni-
municago para aquello povoado ia entrar em
grandes reparnges e que forjadamente seria
preciso remover o eocanamefito que nella re-
pousa. Nestas coiiJieOes parecen-me di- melhor
alvitre aguardar a terminacao de laes obras para
entao inaugurar ; riistribuigo d'aguaalli.
Um oulru chafariz, o da travesga do Prato,ain-
da funeciona com a baixa presso, mas e o
nico.
Dos antigos chafarizes ainda mantenho o da
ra Imperial que abastece o povoado de Afoga-
dos, e o do largo do Tergo porque o da travessa
do Prata com a baixa presso nao da a agua
necessaria ao publico cotufa devida promptido.
Ambos de3apparecerao em curto prazo.
Os ehalarizes que funecionam com alta pres-
so sao assiin denominados :
Povoado de Apipucos.
Dito do Monteiro.
Dito da Capungi.
Largo da Magdalena.
Ra de Paysand (Chora Menino).
Largo da Soledade.
Ra do Principe.
Largo de S. Gongalo.
Praga do Conde d'Eu.
Lare'o de Santo Amaro.
Ra do Lima.
Dita do Cupibanbe.
Dita do Sol.
Largo do Paraizo.
Travessa da Concordia.
Largo do Carino.
Dito do mercado.
Caes do Ramos.
Largo do Vtveiro do Muniz.
Praga dos Coqoeiros.
Caes do Apollo.
Forte do Mullos.
; i de Souza.
Travs Guararapes.
Uestes, os do caes do Ramos e caes do Apollo
vendern agua para as embarcag s.
Todos acham-se em bom estado de con.-erva-
gao e funecionam bem.
Os apparelhos registradores sao de grande
preciso: os reparos que reclamara sio de pou-
co valor, e ainda que avultassera mais, ltenlo o
enorme uso que teem, pois signas chafurizes
vendera oais de mil baldes d'agua diariamente,
e com a especie U pessbal (carregadoresd'agoa)
que delles servetu-se, larga compensago dao
com a li-ca'isago'que se pode xercer, ao Bes-
nao tempo que se evita o desperdicio d'agua.
Era nipossivel a continuago do systema dos
antigos chafarizes, ainda mesmo c;u os novos
nao Irouxessera vaotagens tinanceiras. pois
aquelle ayslema nao resiste alta presso d'agua.
Nao m parece conveniente collocar mais dia-
farizes na cidade, mas julgo .le utilidade um no
povoado da Casa Amareila. ArraiaL ramilicado
da primitiva linha geral de encanamento que
nao Ihe Rea Ion ge.
Pennas d'agua
Das 1,381 antigs pennas d'agua, 1.220 j es-
lo transformadas, fallando apenas a raudaiig i
le 161.
Temos 8\'< novas pennas d'agua funecionando,
as quaes reun las as transformadas, do a sona-
ra a de 2 063 que j esto cora alta presso.
' Innmeros sao os pedidos de novas pennas. e
fcil de conceber comparando o numero cima
:omo de l.'KW casas que tera esta fcjdade.
A forgada e imprescindivel transf.irmago das
i itigas'pe:'u -s embaraeou para que nao se col-
ocasse naainr numero de novas, inconveniente
que era breve cessur.
Outrosim. o traballio de natureza demra-
la, [nrmente em ras de bastante transito e
quando o encanaraento tieadebaixo da linha dos
carris urbanos.
Nao ser difficil couipletarmos o numero de
{,000 pennas d'agua no tira do corrente anno. e
o de 3,000 pennas no anno viodouro, numero
esse que foi calculado como o necessario para a
satisfago de todos os encargos sociaes, e para
lar margena a nm lucro razoavel e empreen
1er os melboramenios necessarios.
Os hydroraetros nao funecionaram regular-
mente no anno lindo, pararam mu'itos ou nao
rnurcarara o todo, donde provieram censura
contra elles. mas nenliuma queixa lenho a arti-
cular.
Os hydroraetros sao apparelhos muito delica-
los, e tanto mais exactos, de maior previso,
nais susceptiveis sao de nterromperem sua
marcha quando a agua arrasta qualquer corpo
extranho.
Ora, as aguas miradas naturalmente, como
is usamos, tfazem nos primeiros tempos, algu-
ma areia lina que nao se precipita nos pocos
nem as galeras, e provena dos pequeos ca
aes novameote abortos e por onde saheja agua
los terrenos, inconveniente que deve desappa-
recer poueo depcis da utilisago de todas as
ascentes.
Outrosira, os velnos encanamentos por mais
raspados que tivessem sido, nao podiam ter fi-
jado inteiramenU expurgados de toda a ferru-
gem, e a constante correite d'agua bastante
para ir arrastanJo a .
Sao duas cansas poderosas e que origioaram
is irregularidades nos hydrcmetros.
Os fediamentos dos encaBajaentos a que me
-eferi em outra parte, passando a corrente d'a-
_raa que pouco depois renovada quando sao
reaberto. nao podiam deixar de turvar u.n pou-
eo a agua : outra causa para os desarranjos nos
hydroinetros*.
Podase, verdade, ter applicado mais esfor-
em remover essas causas, porem teriauos
retardado o andamento da inaugurago das sec-
i dos encanaineatos. e ter.uinagio das obra*,
idoziria m impresso no espirito pu
Mico, Mxime oa parte da popnlagao qQ tem
solicitado coocdsses de pe ia odioso
mesnio, ao passo gne o mesnio resultado finan-
hi obter.
Assiin. caminbando mais upressadamm'.e para
io do ve!'] apparecen-
Jo o desperdicio, e as economas resultan'
redoegio da quantidade d'agua elevada da para
cobrir o delicit ou prejuiz. li'ando o publica
satisfeito
O- !rate das

a procede-se u regul
iiydroroet'Oi, e a adopgao de r idu^
acocselhadas pela pralica.
De outro modo seria desconhecer as re
melliodo era qualquer servigo, ou estar arredio
deltas.
Aquel lis mesmos q OS liyJrometros
conveoienten
nao teem a toroeira aberta.
le qnanto
mor iptaodo o uso dos hydroni
uto d'ag
irta .experi
j-'ii prova inconcuasa.
ecurarraos exemplos em outro
sempre a coulirmago, prin
agua nos chafarizes oque temos feito sen-
do o transpone realisado por mero de tanques
concluidos pela estrada de ferro de Olinda.
Oficinas e arinazens de materias
Nos foram de basunte utilidade as offielnas,
qner pela promptido dos concertos, quer pela
brevidade do fabrico do que preciso a esta
companhia.
lia muitas ferramimtas e apparelhos q i
especian W9 no-, isslm como certas obras, pelo
que summaraente vantajoso ter pessoal ades-
trado, alem dos melhoramentos que vo se in-
troduzindo.
As officinas esto regularmente montadas com
as machinas e ferramentas precisas para qual-
quer obra desta companhia, embora em peque-
a escala.
Foi creada a secgo dos hydroraetros : monta-
gem, experiencia e reparos, porin em propor-
gOes reduzidas.
Fizerm-se diversos accresceatament03 de
constrocefies paraarmazens abrigos de que deve
licar guardado ou em coberta enxuta.
Receita edespeza
A renda no anno lindo foi a seguinte :
Chafarizes 102:111^670
Peonas d'agua 108:0331180
Diversos 19.038*510
Total
I39:00M3 com a mar ara o cargo de collector provincial, do termo
^^^^Hftreih.
que os reparos podessem ser feilos
xiraa promptido.
Como j vos disse cima, as despezas estal Prorogou-se por 30 das o praso marcado a
incluida a importancia da mo de obra das panoel Gomes Cavalcante para prestar juramen-
penuas d'agua novan. to, na qualidade de supplente do juiz substi-
Fetas as deducg5es que acabo r. enumerar, tuto da comarca de Timbauba.
flea a verba muito iBlenor s dos outros Por officio da mesma data ao Thesouro Pro-
eial.
Apreseiito-vos urna tabella das receitas
pezas nos ltimos 10 afinos, assim como um
barallelo por decennio, e mellior deraonstradj
tica o que acabo de vos dizer.
SlSSfl3SS5SS3!
< i < l I I i I I I i i
>
9
1
I
. wE t9
sr*
x
a. *>
OICD-OVI
i'-i-iixoiaj
- i --14 -j a i* # *
a >.
;!aai*S55i*-
o

a
a-
2.
I
82288
C C I* t*
r ge x -j co
Sfi5
oo ocexocsiK
X5!*^-J-^JOyi^l.^
pbb^ ot -bo
ch-j~iji*>*ox3
3
o"
P*> *^1
; ^
a .. y.. > e
-M
88SS
X ~:
3 *! I
siaosa I
3 35 I*
X ~ -! OS
.e.s.ts.0.
38S'
i-: a
exotoe
ii t i O
3". "*4 ^- **
ia-jcr.
SBSS
A desneza ordinaria foi de 83:738170.
O saldo attingio a 153:267*190
No anno anterior a arreradago'nos chafarizes
foi de 102:462*280 tendo havido por consegran-
te uua augmento de 4191390 no anno passado.-
Uma tao pequea difrerenga precisa no entre-
tanto, ser notada, porquaoto convicgo geral, e
assim parece a certos linanceiros. qu o aug nen
i numero de pennas d'agua deve traaer urna
"qunte eiraraedijta reduego na renda dos
chafarizes, e tendo tido bastante crescimento no
anno passado, a quandade de pennas d'agua no e
enllanto nao s nao ss deu diuainuigSo, como
ainda houve augmento.
Era tal a convicgSo de que o augmento das
pennas d'agua produzia immediata influencia na
renda dos chafarizes, que nos contractos de ar-
reniatago destes estipulava-se que ao contac-
tante flcava pertencendo metade da renda das
peonas d'agtra concedidas durante a constancia
du contracto.
O augmento na arrecadago da renda dos cha-
farizes proveio nicamente do uso dos novos
apparelhos que conlam os baldes d'agua vendi-
dos, (iscalisando automticamente e com plena
exactido a arrecadago, cujos bous resultados
vo-se verificando a proporgo que comegam a
funecionar novos apparelhos.
Maior ainda teria sido a arrecadagTio, como
era de esperar, se u.ais cedo tivessem sido inau-
iu'rados o- novos chafarizes, o que nao se pode
azer pela dependencia de outros servig.os, pro-
duzndo seus benficos effeitos somente sobre
nina fraego do anno.
Nao tenho duvida em coDtar que no corrente
anuo anda haja excesso de renda nos chaJari-
zes, nao obstante as pennas novas que forem
collocadas, pois linda estamos longe de ter il
cangado um numero de pennas d'agua que possa
nuir na arrecadago dos chafarizc3.
Na renda das pennas d'agua apenas houve um
augmento de 1:177*870, quantia iiisigniflcat le
em si, no entretanto houve um notavcl aceres
cIuo na renda duc novas pefluas d'agua.
O facto exp'ica-se fcilmente.
A iunovaco do contracto desta cnmpanly
cora a provincia reduzo o prego das pennaj
d'agua 'para os particulares a metade do que < ra
a itigamente, para os servigos pblicos a metade
dos novos preges para os particulares oa a quarla
parte dos antigos, e estatuio a gratuidado para
os estabelecimentos de caridade.
E' agora a occaso de senrem-se, como sen-
timos, os effeitos de seraelhante dis|KJsigo.
A nata gratuidade aos estabelecimentos de
eari'lade, e a reduego para o servigo publico
foi de chofre, no comeen mas a reduegaa aos
particulares tm-se feito a proporgo que sao
transformadas as antigs pennas, o que dense
em larga escala no anno lindo.
Assim pois. para se fazer um parallelo cor-
recto preciso nao fazer a comparago de nu-
mero a numero, mas tomar em consideracH o
valor das antigs pennas d'agua a que licou re-
duzido no auno lindo.
Timwu por-onse"im4 pennas d'agtra tendo sido avultada veio preen-
cher o dficit das antigs pelo que foi pequeo
augmento no total da perda, seno esse mesmo
o plano que adoptamos at a terrainago di
transformago das antigs pennas, o que esta-
mos prestes a obter.
Logo que cesse a influencia da reduego de
prego, todo o augmento de numero de pennas
d'agua trar consequente crescimento no total
da renda da companhia, e fcil 6 de avaliar ao
quanto attingir se compararmos ao elevado
resultado que tem produzido cobrindo tao gran-
des dficits.
Foi esta a phase critica tinaoccira porque
linha de passar e est passando esta companhia
era sua evolugo social.
Nos rendimentos diversos deu se um accres-
cimo de.8:726*140 que mais propriamente cor
responde a um jogo de escripta do que a renda
propriamente dita, pois faz parte do pagamento
que os particulares nos lizeram pela collocagio
de novas pennas d'agua, cuja despeza entrou na
despeza ordinaria da companhia.
A reeefta total excedeu em 10:353*400 a do
auno anterior, e foi a maior at hoje obtida
pela companhia.
a desbeza ordinaria, por .sua vez, tambera foi
superior em 18:7024090 a do anno que ante
cedeu.
Comparada a receita com a despeza, vemos
que esta acha-se na razo de 35 d'aquella.
porceutagera que nao i elevada era relagao a dos
annos anteriores, mxime se tomarmos em
attengo a explicago das verbas de despeza que
abaixo daremos.
Mas, antes de tudo nma consideraco.
Para ser mais justo o parallelo, deve se ter
era vista que a agua fornecida aos particulares
hoje por metade do antigo prego ; e a despeza
reita pana fornecer a agua precisa para produzr
certa renda devia ser o duplo da de outr'ora
por ser necessario o duplo d'agua as peonas
para dar a mesma renda antiga. Calculada a
porcen'.agem uesta razio escer ella a 20, to
baixa como nao foi a mais da 20 annos. o que
raostra a grande economa que no anno prximo
passado houve em obter e mecer agua ao pu
blico.
As verbas de despeza que figuravam nos an
tigos balangos, esto muitissiino reduzidas de
valor no do anno lindo, demonstrando urna ex-
.tensa economa, corno podis comparar tendo
em considerago o seguinte:
Outr'ora a a^ua vinha a cidade naturalmente,
pela acgo da gravidade, nao fazeudo-se despe-
za para a co-.ducgo dola ; em 1884 comegaram
a funecionar as kombas provisorias, durante
urna parle do dia, presso media e cora urna
turma de pessoal para as machina.-:; hoje a
age 6 elevada a lia presso, de modo que
ca la metro cubico d'agua r presenta urna certa
sorama despendida era custeio para chegar a
esta cidade, e se o pessoal nao numeroso,
apenas o strictamente indispeusavol, consli
luido por tres turmas de operarios que revesain-
: i servigo. alea do consumo de carvo.
Outrosira, nos tempos anteriores era muito
limitada, euo nulla a conaervagao das obra-",
les ollmr sobre o que eram os chafa-
rizes e o que sao hoje, muito dizrai.
Tullamos urna diminuta rede de i
tos por aignaaa nas desta cidade, ao passo :ue
hoje os eucanamentos estndem se por quasi fb
das as ras da cidaoe e arrabalcles decrescen-
do que pelo abando o estavo to las as tornetras
mima lo.o o pessoal di velha coi
gao das obras ci. I stoJ H a al-
gara trabajadores que er .los quando
,
Da boa con-ervago das obras deptm
npn
ento dos 'i
M tli. ts Xl
- It H lt O'i^-Jif
te so a> -j at ^ ca i* x
C5^'fit4M^*0*l
-. t-. t* to &, > e 9= -i o o & ~J
883!
;i^

59 ?: ?: JJ ** '* "-S V- i
-^JO^lOlX x
^E = 5Si:'^3

i x-t iw w *- >e ni *>
_o_o 3 o o o o
I ~ 1 O! *^ t* i* 'S w ^i" C. -- '-O
~. C I* ^4 -
*i-'#'-xr.i*'jff.o
t>. o. Vj. ;>.>..& to &
-xirf--*-j-ax
^x-j-i > 3iXi;
c o = s coo = = o
sil
r-
c
Ti vemos mais as despezas cora as obras novas
no valor de 183:386;i900, o pagamento dos juros
e amortisago do euiprestitno, os dividendos ns
80 e 81, as.-ira como gastou-se 20:4705030 com
a mo de obra da substituigo das antigs pen
as d'agua, alera do material importado para
esse tira, como deliberastes em 9 de Julho de
1884.
Ilividendos
as devidas dalas mareadas pelos estatutos
pagamos os dividendos ns. 80 e 81, na proporgo
dos anteriores, de 3*000 por acgo, sendo o pri-
meiro relativo ao ultimo semestre do anno an-
terior, c o outro ao primeiro do anno dudo.
Nao houve distribuigao de dividendo do se-
gundo semestre do auio passado pe!as razOes
que mais adiaste vos dar .
Affoes
Lavrarara se termos de transferencias de 903
acetes por contracto de compra e venda, e aver-
barara-se as de 313 aeges por devolugao de hu-
ra, iga.
Tambera lavrarara-se 13 termos decaugo.
As cotagOes de nossas accecs regularam de
150*000 a 165*000
(Contina).
REVISTA DIARIA
As hontein sob a presidencia do Exra. Sr. Baro de
Ilapssn:na, tendj comparecido 22 Srs. depu-
tados,
Foram Itdas e approvadas sera deba'e as actas
das sessoes |iie 22 e 23 de Margo ultimo e
preparatorias de 4, 3 e 0 do cor.-ente.
O Sr. !. secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente :
Um oflicio do secretario dojgovnrno communi-
Bafldo que o Eira. Sr. vice presidente da provin-
cia corapar -cena a 1 hora da tarde para abertu-
ra da sesso extraordinaria e que providenciara
para que a missa votiva do Espirito-Santo fosse
celebrada s 11 horas da manbS na matriz da
Boa-Vista. Inteirada.
O Sr. presidente noraeou os Srs Ulysses Van*,
na, Rogoberto Barbosa e Ferreira Jacobina ;para
receberem o Exm. Sr. vice presidente da pro
vincia e era seguida suspenden a sesso at che-
gar S. Exc.
A 1 bora da tarde, chegando S. Exc. foi rece-
bido.pela commisso e tomando assen'o direita
do Exm. Sr presidente da^Asserabla, procede
leitura da sua Falla, terminada a qual. relirou-
se, preenchidas as formalidades do estyio.
Urna guarda de honra do 14." batalno de in-
fantaria de linha prestoq. a S. Exc. as 'devidas
continencias, terado salvado a fortaleza do Brum.
O Sr. presidente levantou a sesso designandq
a seguinie ordem do dia : 1.* discusso do pro-
jecto r.. 75, bem como 3.* do de n. 37 e mais l.
dos de ns. 21, 22 e 38, todos deste anno.
Kloirao de vereadnre do Brejo
Pela presidencia da provincia foi expedido o se-
guinte acto :
4* Secgo.Palacio da presidencia de Por-
nambu~o.Em 8 de Julho de 189.
O vice presidente da provincia resol ve adiar,
para 30 de Setembro vindouro, a eleico para
preenchimento de duas vagas de vereadores do
municipio do Brejo, que devia ter lugar a 20 do
corrente mez, e determina que se espega as de-
vidas comraunicag5cs. -Bardo de Gom.
Arlo* da prenideufla da provincia
Por actos de i i de Juuho :
Foi removido o archivista da secretaria da pre-
sidencia, hachare! Rodolpho Albuquefque de
Araujo, para o lugar de chefe da 4" secgo da
mesma secretaria, sendo substituido polo 1 offi-
cial Jio Pereira Reg.
Foi promovido a t" official do archivo da refe-
rida secretar;a\Henrique de Barros Cavalcante,
2 oflicial da 5* secgo, logar que passou a ser
oceupado pelo 3 da 2*, Arthur Maclaado Freir
Pereira a Silva, que foi substituido por Manoel
Joaquim Siveira sobriuho.
Porara nomeados para os corpos da guarda
nacional, abaixo declarado?, os segutntes offi
riaes.
4* corpo de ra aliarte. (Cabo)
2" companhia
CapitaoErnesto da Silva Miranda.
7 corpo de* cacallaria (Olinda)
! companhia
Tenente-Jos Salomo Nunes Vianna.
l* companhia
rapitSoMiguel Alvea de Lima.
7" comoanhta
CapitnAntonio de Albuquerqjc Martins Pe-
reira.
Foram concedidos no Dr. Francisco D. da Silva,
memtiro da.inspectora de Hygiene, 30 dias de
licenga com vencimeutos na forma da lei, para
tratar de sua saude onde Ihe convier.
dem 3 taezes a M miel Jos.'; dos Santos Te.i-
xera. prof.-s.-or da cadeia de ensino primario
de Altlnbo.
Foram remov las reciprocamente as proesso-
ras publicas de cnsino primario dal*ed*ca-
di iras :a do Sintissimo Sacramento da
ia de Drummond e Candida
de Drummond.
Obteve i licenca com ordenado para
tratar de ina sade o 3' ffi i I ia reparligaodos
Correios Joaquim Ibrarique de Si Peixot.
Foi proro. nbro do corren'
rauti 'Cial. o fi
de que abaivi
iDlrabidos para com
rmente
1<, o ja nao tinban a sua crea-
reduzir ao mesmo
facilitar a i das obras, permittir
o praso marcado
io central
Palm u
Zeferioo Pir
di:
arlusio da' obr
ior no municipio de
o bacharel JoSo
ra Vi eir de Mello
1 labellio do publi-
ireth,
inluari
'.onio Olyvpio Lobo Bacalhao
Deu-se ordem allm de 3er paga a quantia de
I6*'i60 proveniente da desposa feita cora o en-
terramento do cadver do soldado Joo Miguei
dos mjos.
Captura -Pelo subdelegado de BeoCribe
foi capturado e recolhido Casa de Deteogao
Manoel Ribeiro do Monte, seutenciado evadido
do presidio de Fernando de oronha, no anno
de-i88.
Delegaclan Iliteraria* Foram nomea-
dos delegados litterarios dos districtos da S
d'Oiinda, da Escada e da Vicencia os Srs. conc-
go Marcolino Pacheco do Amaral, Americo For-
tunato da Gama e l'rsulino Antonio Rodrigues
Mariz.
HanireMlaco de apreco Remeltem-
nos a seguinte noticia :
' No da 5-do corrente, primeiro anniversario
do commando do 14" batalho de infantaria,
ao entrar nO quartel o Sr. tenente-coronel Feli-
ciano Caliope Monteiro de-Mello, foi sorprendido
com a recepgo que Ihe fe a oflicialidade, pre-
sidida pelo Sr. major Jos Joaquim Alves.
Todos de uniforme postados em alas no
corpo da guarda, a msica no saguo, rorupcu
urna marcha grave quando o Sr. tenente coronel
Caliope appareceu no porto.
Despreoccupado como ia e sem Ihe occorrer
semelhante facto, tomou-se de admirago, que
s foi dissipada na secretaria do batalho, qjan
do o Sr. alferes secretario Iguacio Joaquim Pereira
Lobo, leu a seguinte allocugo :
lllm. Sr. coramandante. -Nao o feio senti-
mento da lisonja, era o tanger insensato de thu
literarios acosluraados a adorar todos os dolos,
oque nos fez reunir hoje diante de ros, nao;
um sentimento mais nobre; o reconhecimento
dos vossos mritos. E' o testemunho vivo dos
vossos cotnpanheiros de labores oa escabrosa
carreira das armas ; o certificado mais authen
tico que vos podemos dar da oossa gratido pelo
modo imparcial e justo por que ha una anno cora
mandaos este batalho
i Odia de hoje. marca urna era notavcl nos
fastos do batalho 14* de infantaria, e nao poda
paifear desapercebido.
<)E'sabido que. para com vantagem prender-se
a ajtcngfle, se tenha, alrn de certos recursos ora-
os, o cultivo da palavra.
E' preciso que, alera do sentimento que nos
val u'alraa, tendamos urna linguagem 1 i ruada,
coi WCla, insinuante c cheia de attrativos, com a
qu I possamos externar com todo explentlor a
ira gem d esse sentimento.
Nao me compela esta misso.
A benevolencia que vos, meus companheiroK
co umaes dispensar-me.collocou-me aqu, leudo
u vencer dffficuldades insuperaveis, sera poder
ao acontecimenlo o devino valor.
A conianca de v<, distinctos companheiros,
foi rahida u'esta vez A inopia das minhas ideas,
isas conhecida. e de mim no deveis esper.r
mu to.
lllustre coramandante.O dia 5 de Julho de
18S9, 1* anniversario de vosso coramajdo n'e-ie
li,.ilho, nao passou e nem poda passar era ol
vi.j. Seriarnos de urna ingratido imperduavel
se n'este to faustoso dia nao testeraunhasse-
raos p noss. reconhecinaenlo.
En vo busco palavras que possam traduzir
a esaogo de nossos coragOes. ao recordar os va
liosos motivos que temos para ser-naos gratos a
pesEoa de to Ilustre chefe, que com um tacto
raro, sabe alliar o rigor da disciplina ao trato
cavallieiroso e ameno e distinguir o bora do
mo.
* Venturosos seriamos nos, se, por muitas ve-
zes ti-,-jssemos o prazer de festejar igual anni-
versario !
Acceitai. pois.rafio pelo seu valor iutrinsieo,
mai pelo moral qlie muito contm em si, este
teifcmuuho de reconhecimento, gratido e iu-
mofredra amisade de vossos subordinados, que
extiemosamente vos estimam e respeitam
Pelo mesmo Sr. alferes Pereira Lobo, foi entre-
gue ao Sr. tenente coronel Caliope, um rico relo-
gio de ouro do systema remontoir, tendo na face
int< rior da lampa, a seguinte inscripgo. primo
rosamente esculpitada : Ao illustrissimo Sr. te-
nente-coronel Caliope. os ofciaes do 14 bata-
lho de infantaria. Io anniversario de seu com-
i Hado, 0789.
0 Sr. teneute-coronel Caliope. devras comrao-
vido e cora os olhos arrasados por lagrimas do
.ralo sentimento, agradecen aos seus com-
DjlBjjeiroj a subida e inequvoca prova de eonsi
qerago que Ihe acabavaoa de dar e pedio-lhes
que conlinuassem, como at agora a trilhar a
senda do dever e da honra militar, auxiliando o
efficazmente como o tem feito.
E'-nos summaraente agradavel dar seraelhrm'e
noticia, prova de que o Sr. tenente-corooei Ca-
liope, val perfetamente bem no comraanio do
14' batalho de intaria.
Dr. luiencio .4guiar -No paquete in-
slez xagiu chegou honlem do sul o Exra. Sr.
Dr. Joo Juvencio Ferreira de Aguiar, ex-depu-
tado geral pelo 4 districto desta provincia.
S. Exc. foi reccbdo e comprimentado
muitos amigos.
Comprimentaraol-o.
Conaelhelro Sarala-No referido
quete Tagus passou ante-horltera, em viagera
para Europa, o Exm. Sr. Senador conselheiro
Jos Antonio Saraiva.
S. ixc., ao que consta, vai de passeio ao ve-
Iho contiuente, onde pretende demorar-se pouco
tempo. devendo regressar em Novembro prxi-
mo para tomar parte no3 trabalhos do parla-
mento. '
Desejamos a S. Exc. feliz viagera.
Congrenfto Americano O Jornal do
Commercio, da corte, rfeferio-se nos seguintcs
termos ao congresso que prximamente deve re-
unir se nos Estados Unidos da America do Nor-
te para tratar de assnrnp'.osque interessam to
dos os estados americanos:
. Por lei de 24 de Mato de 1888 foi rogado e
au'.orisado opresiderite dos Estados-Unidos para
convidar os Estados independentes da America
a reuwircm se em Washington, por raeio de de-
legados, afim de examinar e recommondar a
adopgao de um plano de arbitramento ap?lica
vel ao ajuste e composigo dos desaccordos e
desavengas internacionaes, bem como para estu-
dar questOes relativas expedico reciproca dos
negocios, mcios de communicago directa, ex
panso das relages commerciaes e abertura ou
desenvolvimento de mercados para os productos
dos diversos pases americanos. Estatuio a lei
que a conferencia huja por lira considerar :
I. Providencias tendentes conservago e
desenvolvimento da prosperidade dos diversos
Estados americanos.
II Providencias conducentes creago de
urna Doifto Aduaueira Americana, em virtude da
qual se promover, quanto fr possivel e prove-
toso, o commercio das nagoes americanas en-
tre si.
UI. Estabelecimento de coramunicages regu-
lares e frequentes entre os portos dos difieren-
tea E-tados americanos, e os de cada um del
les.
IV. Adopgo de systema uniforme, em cada
um dos Estados independentes da America, de
rogulamentos adunenos para reger o modo de
imporiaio e exportago, e os direitos e despo-
zas de portos; de methodo uniforme de deter-
minar a elassifteago e avaliagao dessas merca-
iBft nos porios de cada paiz ; de systema un
JHK do rnanirestos ; bem assim quanto hy-
giene das embarcages e quarenlena.
.>X- Adopgo do systema uniforme de pesos
e medidas, de leis protectoras dos dirci'.os de
patente da propriedade !iIterara c de marcas
omercio dos cidados de qualquer das Da-
is outro- pases, e para extradigao de cri-
minosos.
VI. Adopgo de moeda internacional, de
prata, com curso legal,em todas as transacgos
re os cidados de todos os Es-
icauos.
- Vil. A cordo e reconamendagao para que os
governos adopleni plano definitivo de arbitra-
mento para questoes, desavengas e di-
ias que poss.iu. agora e no futuro, exis
tir euti en o fraa de que todas as
cnldadi entre es s se re-
solvam pacificamente, evitando se as guerras.
VIH. Tomar em eonsiderag3o quaesquer ou-
tros ieridad
dos convidados a tomar parte na coi
F
de Outubr.
do Brazil a
o do iro
por
pa-

conferencia um dos fins da misso especial con-
fiada da sabedoria e do patriotismo do Sr. con-
selh iro de Estado, senador Laffayefe Rodrigues
Pereira. A exposiglo suramaria. que aos nOs-
sos leilores offerecemos, do vastissimo program-
raa da reunio, c a grande solenanidade cm
ita foi convocada, indicam a importancia
.la graidiosa iniciativa que, ainda quando nao
alcance immediatos resultados praticos do alto
valor, lngara as relages polticas e coraraer-
i'iaes das duas Americas gementes fecundas de
paz, de fraternidade e de prosperidade econ-
mica que o lempo e a experiencia faro de certo
frutificar para o bom dos povos.
A conferencia de Washington, que sem du-
vida ni'recer ser apontada com uma das mais
nobres sugges'es internacionaes do raosso se-
culo, ser meramente consultiva de simples
recommendago, oo tendo alcance nem autori
dade para ligar qualquer das partes. Ella nao
foi ideada (e aqu usamos dos mesmos termos
do convite dirigido ao governo do Brazil) para
abalar ou prejudiear de qualquer mo lo as rea-
cOes convencionaes ora existentes entre os Esta-
dos que se lizerera representar. No em tanto
sao da maior importancia os problemas postos
no programla e para crr que amiga ve! e
franca troca de ideas a respeito de taes proble
mas ser de utilidade pratica, promovendo aex-
pan o e intimidade de relages sociaes e com-
merciaes, realmente benficas para todos os in-
teressados.
A deliberago tomada pelo governo impe-
rial de fazer-se" representar na con fe enca de.
Washington foi annunciada Legacao America-
na por rneio de Nota de 20 de Fevereiro ul-
timo. -
Cliegada Da corte vieram o* Srs. Antonio
LoizCastao da Silva e Annibal Falco. tachy
graphos, am de tomarern os trabalhos da nos-
sa Assembla.
Igualmente cliegou o Dr. Lindolpho Hishello
Corroa de Araujo, juiz substituto desta capital,
que achava se com licenga na corte.
Conoclneiro Mac Dowell Em tran-
sito passou por esta cidade com desliuo pro-
vincia 4o Para o Sr. conselheiro Samuel Me
Dowell, ex-rainistro da justiga do gahine'.e de
20 de Agosto e membro da cmara dissolvida.
Patrimonio TobiaM Brrelo Hon
tem a commisso acadmica percorreu diversas
ras desta cidade, precedida de uma msica,
na execucao de sua incumbencia, em quete de
esportulas para composigo d'aquelle patriino
oio.
Rerreativa Magdalenenwe -O segun-
do soire dessa sociedade ter lugar no sabbado
prximo.
lbum mnNical -Recebemos a polka S
por ti, composigo do Sr. Arthur Cabra!, edita
da pela casa de A. J. de Azevedo, ao qual agra-
decemos a ollera do Cxomplar que graciosa-
mente enviounos.
AwMaMinatoitN > dia 23 do mez ultimo
foi morto por Antonio de Farias com ouze faca
das o menor Jos Nicolao.
O fado levo lugar em trras do engenhoBom
Conselho,da comarca da Victoria; e diz-se que
o delinquenle, que foi preso, commettera o cri-
me por acbar-se louco.
Na mesma comarca, era trras de Momhuca,
foi encontrado, no dia 27>do mesmo mez, o ca-
dver de Francisco Honorio, que morador ua-
quelle lugar, fra ha pou o trabalhar na cidade
da Victoria, e donde voltando por ultimo cm
companhia de um pardo, cujo nome ignora-se,
suppe-se que por osle fra assassinado, apro-
priando se do dinheiro e mais objectos que o
infeliz Honorio trazia ; vasto que veriiicou-se ter
a ruorte precedido de panca regan cardiaca e de asphyxia.
A autori lade local procedeu vistoria e s de
raai diligencias logaes, nao tendo sido preso o
d diuqu. ule que desapparecer.
na cariosidade De S. Hay unido No-
nato, em Piauhy. informara Epocha o seguinte
facto, que classilicara de verdaderamente pheno
iniraal :
Acerca de um mez, foi adiado, por um ca-
gador, na fazenda Caracol, -d'este termo, juwio
a uma serra, distante de casa mais de legua, um
grande pedago de correte de ferro, de enorme
gro.-sura, eotendo 32 palmos de comprimento,
o qual, como se v pela fractura de uma das
pontas, foi separado de outio por uma forga des
communal comparavel a do raio ou outra qual
quer a ella semelhante, arrebentando pelo meio
um dos grossos los, que licou retorcido no lu
gar da fractura.
< Essa corrente, ao que parece, perlencia a al-
guraa erabarcagio, ou a algum para raio, e este-
ve em eQeetivo ex eicio at pouco tempo, pois
que se acb'a ainda intciramenle I i napa, sera oxy-
daco alguna: e nao foi para alli trazida por
raaos In'raanas, tanto era r,izo do gran le peso,
como por nao poder isso acontecer sem que se
tivesse a nu'ieia o soubese o fira para que.
Alem d'i.-io. foi achada sob reposta s fo-
Ihas rbidas na secca prxima passada.
E", portanto, evidente que ella alli esti ha
pouco tempo, e nao foi trazida por ninguem.
Perguota-se, pois. aos entendido3: como,
de que maneira e por que forga de impulso po
deria ter sido slla arrojada para alli f
lia i conbeci ment de outros fados seme-
Ibanies ?
BeneflcloRealiza se hoje, no theatroSan-
la Isabel, onde est trabalbando a companhia de
zarzuela bespanhola, um espectculo em benefi
ci da primeira typlc da companhia, a Sra. Julia
l'l. sendoevada sceia a popular opereta
Hoccacio, cuja bellissima msica do maestro
Supp, e o libreto accoramodado scena hespa-
nhola pelo cscriptor Larra.
Sendo a lieneficiada uma artista de merec
ment, e gosando de geraes sympathias, de
erer que hoje o theatro regorgite de espectado-
ras, que assim demonsta'm as sympathias que
dispensara beneficiada.
EspectculosForam bastante concorri-
dos os espectculos que se realizaram antehon
tera nos eatros de santa Isabel, pela compa-
nhia de zarzuida bespanhola, onde foi cantada a
sempre agradavel zarzuela A Mascota; e no
theatro Santo Antonio, onde repetio-se a mgica
0 Oco de Ouro.
Naquelle cantaram os arstas, que tomaram
parte, com mais desembaragoe correcgo do que
ba\ iam feito na primeira vez em que foi alli
scena A Mascota, pelo que foram com justiga ap-
plaudidos; neste desenvolveram os actores mais
graga e gosto tornando-se assim credores dos
applausos do publico.
Qnem providenciar 1 Recebemos
hontem reclamaces sobre o mo estado em que
se achara as sargetas da praga do Conde d'Eu.
ra do Bario da Victoria e travessa do Ouvidor.
Precisam ser limpas e com urgencia.
Em uma casa terrea, fechada na dias, do lado
dos nmeros impares e no principio da mesma
ra, narece que ha um cSo morto, era estado de
putrefaego.
CapbeiragemAntebontem, s [6 1 i ho-
ras da tarde, quando para o respectivo quartel
regressava a guarda de honra que fra assistir
ao embarque dos presidentes que passaram pa-
ra o norte, oa ra de Marcilio Dias travou-se
conflicto entre diversos capoeiras, sainado feri
do o de nome Luiz Francisco de Oliveira que
recebeu no brago esquerdo um golpe de na-
valha.
O offendido recebeu os primeiros curativos
na pliarmacia do pateo do Tergo do Sr. capilo
Selva Pinto, sendo depois transportado para o
hospital Pedro n, onde foi recoohecido ser gra-
ve o seu ferimento.
Disse elle a autoridade policial competente
nao ter podido conhecer seu offensor.
Revista do observatorio Recebemos
da corte o n. 6, correspondente a Junln findo,
da Revista do Observatorio do Rio de Janeiro.
Eis o seu sumraario :
Climathologia do Brasil.Trignoraetria espbe-
rica.-Notas sobre os tornados. Necrologa.
Aspecto do c durante o mez de Julho.Re-
vista climatolgica do mez do Maio de 1889.
Diario meteorolgico do mez de Maio de 1889.
Resumo das o .servages meteorolgicas fetas
no Imperial observatorio no mez de >
-Jornal meteorolgico do mez de I"
la Cruz.Resumo das onsejvagoes
y ilgicas feitas no raez de Maio de 1889
era San'.a-Cruz.Resumo e reduego das obser-
ragOes meteorolgicas de Cuyabi, feitas no raez
rgo de 1889.
o CombateCom este titulo appareceu
hontem o 1 numero de um pequesu p
dico, que se diz filiado ideas i
A guarnigo da ddade dada boje petos
corpos da guarnigo.
Exislena 32 pragas em trataiuento na enfer-
mara militar. t
Commanda hoje a guarda da Thesouraria o
Sr. alferes Jos Soares de Mello.
Revertern] hontem aos empregos de ama-
nuense das obras militares o Sr. 2" cadete Jos
Armando da Cunba, e da secretaria docomraan-
do das armas o Sr. 2 cadete Astilur Gomes de
Carvalho, ambos do f> batalho de infantaria.
Por telegramma do Ministerio da Guerra
de 5 do crreme foi mandada re. ollier-se acor-
te em qnanlo antes o Sr. tenente do estado maior
de 2 clasa; Joaquim Jorge.de Mello Filbo, con-
ronne participou a presidencia da provincia ao
commando das armas, em oftacio anda de 6 do
correnle.
Foi devolvida ao 2 batalho de infantaria
competentemente rubricada pelo commando -das
armas, a certido de assentaraento da ex-praga
Deolindo Gomes da Silva, bem como os prets
especiaes em duplcala da praga Antonio Fran-
cisco de Arauo.
Foram inspeccionados de saude e julgados
precisar de t;0 dias p ira seus resUbelecIraentos
os ^rs. tenente Aureliano Xavier do Valle, cal-
ieres Luiz Bezerra dos Santos. ..-
Ao Sr. com mandante do 14" batalho de
infantaria foi mandado que nomeasse una com-
raisso para syndicar do facto occorrido na ma-
drugada de 7 para 8, com o anspc;ada do o es-
rao corpo JoSo Luiz Pereira,
Directora dan obran de. connen a-
o don Porto* de r>ernainn-o--,teci-
e. 7 de Julho de 1889.
Boietiua meteorolgico
Horas lio gal Cata Barmetro a O feaso do vapor j
- ' =
&.m. 24-9 761-87 18 43 83
9 26 9 762-47 20,67 77
12 28" 2 762-4-i 2039 71
3 t. 27 6 761-36 18 9.' 68
i i( :i 761-68 17.96 71
Temperatura mxima- 28",23
Dita minima 23",50.
tvanorago em 24 horasao sol: 6" .9 ; som
ora: 2-.
Chuva3-2
Drecco do vento: S de meia noe at 1
hnra e 1" minutos da niaiih ; variavii de E a
SSE at meia noite.
Velocidade media do vento: 2".50 puf se-
Nebulosidade media : 0 i:.
lioietim do porto
Hora-
! Altura
i
1143 da manh
o -43 da taH-
()-2:t da manh
6-10
2-06
,0-,68
2-05
0-,69
i.e5tc EfT"ctuar-se-ho os sogumi > .
Baje:
telo agente Brito, s 10 e 12 horas, rua^
de Santa Thereza n. 23, de movis, louga! etc.
Pelo agente Pestaa, s U horas, ra das
Flores n. 30, de um piano, movis, etc. >
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jess ri. 43 de um cavallo de puro sangue
Araanh:
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ruada
Conquista n. 1, de una meia agua.
Pelo agente stepple, s 11 horas, na Cma-
ra Municipal de Oliuda, de bons predios.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Coronel Suassuna. de bons movis, loucas, etc.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra das
Flores n. 30, de um piano, movis, lougas, etc.
Pelo agente Alfredo Guimares, ao meio dia,
de caixaa com fechaduras avariadas.
Hias rimetoretiSe-o eelor.rad.as :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, pela
alma de Francisco Bellarmino dos Santos Frei-
tas.
A manila:
A's 7 horas, na matriz da Boa Vista, pela al-
ma de Domingos Antonio da Silva Beiriz.
Paana*eiro S ihidos para o sul no va-
por nacional Peruambuco:
Dr. Heuiiquc Pinto Ribeiro, Dr. JeftO Jos Fer-
mndes da Cunba, Dr. Manoel Victorino da Cos-
ta Barros, Dr. Bernardo A. Mendonca C. Branco,
Jos Elias Soares do Amaral A. Deyret. Dr. Oc-
taviano Espindola, Joaquim Lopes Ferreira Pin-
to, tenente Nstor V. B. Coutinbo, cadele Manoel
de Mello Montenegro e sua senhora, Joaquim
Vieira da Silva, JoSo Cancio Vieira da Silva.
Manoel da Costa Cordeiro. Maria A. da Concei-
go, Firmiano Pereira de Azevedo. Manoel Vi-
dal, Joaquim Luiz dos Santos e 1 soldado.
Chegaos do sul no vapor inglez Tagus:
Antonio da Silva, Jos da Silva, Dr. Amaro
Cavalcante, Dr. Lindolpho Correia, Dr. Juvencio
de Aguiar, Dr Auinal FalcSo, Luiz dos Santos,
Manoel de Jess, Euzebio da Silva, Vctor de
Mattos, Benzure, Ernesto von Kinsbey.
Sabidos para a Europa no mesmo vapor:
Pedro de Souza Oliveira, Jos Rodrigues Li-
ma, R. Filton c sna senhora, Jos Angelo da
Costa, Guilliei rae S. Raposo, Harte, Bernardino
S. Duarle, Launtz Mathisen, Thurel, Antonio J.
da Conceigo, W. Moffat, Jos Braga do Amaral.
Joaquim P. Alves e Ford.
Cana de iietencoMovimento dos pre-
sos da Casa de Deteng'o do dia 7 de Julho de
(889.
Existiam 437 entraram 11
tena 447.
A saber:
Nacionaes 402; mulheres 21; estrangeiros 24.
-Total 447.
Arrag oados 412
Bous 393.
Doenles 15
Loucos 4.412
Movimento da enfermara '
Tiveram alta :
Manoel Francisco de Lima.
Jos Mansinho do Nascimento.
Joo Francisco Ferreira.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
mento por 245 pessoas, sendo 116 homens e 129
mulheres.
iiospifai Pedro II -O movimento
estabelecimento de caridade, no dia 7 de
foi o seguinte :
Entcaram
Sahram
Fallece ram
Exi3tem
Forana visitadas as respectivas
pelos Drs.:
Moscoso s 10, Barros Sobrinho s 7uoras.
Nao compareceram os'Drs.:
Cysneiro.
Berardo.
Malaquias.
Pontual.
Estevo Cavalcante.
Siraes Barbosa,
Ocirurgio dentista NumaPompiliono com-
pareceu.
O pharmaceutico entrou s 9 da manh e
sanio s 11 da tarde.
O ajndante do pharmaceutico entrou s 7 1]2
da mann e sabio s 1112 horas da tarde.
Lotera do ram-ParA 3- parte da
30* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
6(1:0005000, -era extrahida no dia 13 de Julho
(sabbado.
Grande lotera do Marannao A 2"
serie da 1 lotera, dessa provincia, cujo premio
grande 300:i'00.5000 ser extrahida amanb 10
do Julbo.
CemtSUrlo Publico Obituario do dia 6
de Julho de 1889 :
Joaquim Luiz Vires, Pernambuco, 60 annos.
entorile ehronica.
Anna B zorra Cavalcante da Silva Costa, Per
o milriui
nor o dia I

idos hoje
de cavaltaria.
sahio 1 exia-
de3te
Julho
14
00
2
634
enfermarla?
S. J.

namhuco, 38 ag
galopa
Manoel Antonio, Peruaiii
Antonia Feruandes, Pernambuco, 70 an
.ongstfio cerei
Maria, Pernambuco, 2 ai ; enW-
terite.
Joo Pompilio dos Santos, Pernambuco, W




l


Diario de Pernambuco-Te^a-feira 9 de Julho de 889
annos, soltetro, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Pedro Francisco, Pernambuco, 19 annos, sol-
teiro. Boa-Vista ; ictericia. \
Elias Cunta, Pernambuco, 30 annos, solteiro,
Boa-Vista; tubrculos pulmonares
Hermenegildo da Paixao Souza Coutinho. Per-
nambuco, 41 annos, casado, Boa-Vista ; bron-
cbite.
Sebastiao Ferreira da Silva, Pernambuco, 18
annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Antonio Jos do Carmo, Pernambuco, 40 an
nos, viuvo, Boa-Vista ; diarrha.
Josepha, Pernambuco, 1 anno, S, Jos; diar-
rba.
Antonio Argemiro Bodel, Pernambuco, 34 an-
uos, solteiro, Santo Antonio; congesto pulmo-
nar.
Luiz Antonio Pereira, Pereira, 702annos, ca-
sado, Boa-Vista ; amollecimento cerebral.
Ignez Francisca Correia de Araujo, Pernam-
buco, 76 annos, viuva, Santo Antonio ; cache-
xia.'
Paulina Maria da Conceigao, Pernambuco, 40
annos, viuva, Graca tubrculos pulmonares.
Luiza, Pernambuco, 10 mezes, S. Jos; rachi-
tismo.
Manoel, Pernambnco, 4 mezes, Santo Anto
uio ; athrepsia.
Manoel, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista;
convulses.
Leonor Francelina de Faria, Pernambuco, 1 i
annos, solteira, Boa-Vista ; anemia.
Maria dos Prazeres, Parahyba, 69 annos, viu-
va. Boa-Vista; ascite.
Luciano, Pernambuco, 1 mez, Becire; ente-
rite.
Um feto, Pernambuco, Boa-Vista.
Joao, Pernambuco, 1 anno, Boa-Vista ; diar-
rha,
Maria, Pernambuco, 18 mezes, Becife; fraque-
za congenita.
Maria, Pernambuco, 1 mez, Boa-Vista ; gastro
entente.
SPORT
Derby Club de Pernambuco
Bealizou-se antebontem, cem pequea concur-
rencia, a 15* corrida.
O divertimento correu em boa ordem, notndo-
se apenas o catportsmo do digno starter, que
primou em dar sahidas pessimas em lodosos
parcos.
6 movimento geral das poules attragio a
33:940*000.
Eis o resultado das corridas :

Iopareo Consolacao (l' turma)-800 metros
Animaes da provincia que anda haviam nao ga-
lbo no Derby nesta ou maior distancia e nos
outros prados do Becife em distancia superior a
850 metros-Premios : 200*, 4* e 20*.
Dado o signal de partida. Lucifer, montado por
Luiz Pereira, to:uou a pona, conservando-a al
ao poste do vencedor.
A corrida foi ganba em
Esquimao foi bom ii" e Caruby 3o.
PouU de Lucifer em 1", 15*800: em 2 9*300.
Paule de Esquimao em 2, II 200.
Movimento geral, 4:230*000.
#
2 pareo Prado da Estancia 1609 metros
Animaes nacionaes de meio sangue que nao ha-
riam ganho no Derby em maior distancia
Premios 300*, 60* e 30*.
Desconfiancas de tribofe. lizeram com que o
publico se retrahisse ueste pareo, sendo por isso
encerrada a venda das peales antes do tem|K> de-
terminado.
A corrida entretanto foi importante, porque
nao deu o resultado almejado pelos honrados
Unbofeiros, que haviam designado Minerva para
sauhar a corrida.
O signal de partida foi dadoem pessimas con-
dico, caliendo a Risette tomar a ponta. A in-
teressante egua correu bem ecom disposigoes de
ganhar a corrida al a entrada da recta de che-
gada, onde o jockey que a diriga obrigou a a
afrouxar. cedendo a pona a Minerva.
No distanciado, porm, Douro. que nao liavia
sido ouvido, procura ftirar o tribofe e chega a
emparelbar a Mimosa, obrigando-aaadiantar-se
e ganhar a corrida, mu tu constrangidamente,
em
Minerva foi classilicada em 2o lugar e Douro
em 3o.
Montava Mimosa o jockey Casimiro.
PouU de Mimosa em l.u, 37*300; em 2,,
10*800.
PouU de Minerva em 2.. 6*900.
Movimento geral, 1:770*000.

3. pareo{Consolacao l* turma)800 metros
Animaes da provincia que ainda nao haviam
ganho no Derby nesta ou maior distancia e nos
outros prados do Recife em distancia superior a
850 metros,-Premios : 200*. 40* e 20*000.
Bisiuarck sahio na vanguarda e nessa posigao
se conservou al a entrada da recta de chegada,
onde foi batido por Boa-Vista, dirigido por An
ionio Freitas, que conseguio ganhar a corrida
em ...
Bismarck foi 2." c Zambo 3.".
Fonle de Ba-Vista em 1.", 15*100; era 2.,
10*200.
PouU de Bismarck em 2.u, 11*400.
Movimento geral, 6:660*000.
*
4." pareoInternacional1.609 metros Ani-
maes de qualquer paiiPremios : 500*, 150* e
50*000,
Depois de muilas e irritantes sahidas falsas,
foi dado o signal em pessimas condices, to-
mando Apollo a ponta, seguido de Diana o
Ves per.
Os outros animaos partiram como que for-
mando um grupo parte e era condicOes de no
poderem disputar a corrida.
Apollo.'que era dirigido pelo jockey Thomaz,
conservou-se sempre na vanguarda, ganhando a
corrida em ...
Diana foi classificada em 2." lugar e Vesper
em 3..
PouU de Apollo em 1., 13*700; em 2.",
6500.
PouU de Diana em 2., 7*300.
Movimento geral, 9:525*000.

5. pareo. -Prob'Aade.800 metrosAnimaes
da provincia que ainda nao haviam ganho pre-
mios no Derbv em 1889-Premios : 200*, 40* e
20*000.
Arreada a bandeira, quando os animaes anda
nao se achavam anhados, pulou Bismarck na
ponta. Pouco depois Dublin, montado por Al-
fredo Freitas, colloca-se na vanguarda e ganba
a corrida em
Tupy, que havia sabido atrasado, conseguio o
2.- lugar e Almirante o 3..
PouU de Dublin em 1., 16*200; em 2,
75800.
Poule de Tupy em 2., 6*600.
Movimento geral, 5:243*000.
*
6
COMERCIO
Revista do Mercado
Rechtz. 8 DE JULHO DE 1889.
a transaci-ocs no
"pareo Supplementar1.200 metros-Ani-
maes da provincia-Premios : 250*, 5'1* e 25*.
Coube a Tyranno puxar a corrida, com grande
vantagem dos demais competidores, fazendo por
isso figura at a distancia de 400 metros, quando
Monitor conseguio collocar-se na vanguarda, po
sico que nao mais perdeu, chegando ao ven-
cedor em -. ...
Templar, que fra o ultimo a partir, obteve
bom 2., perdendo a corrida apenas por caneca.
Florete foi 3.".
PouU de Monitor em !.", 14*600; em 2.*,
6*200.
PouU de Templar em 2.-, 5*700.
Movimento geral, 2.7905000.

7." pareo Prosperidade 850 metrosAni-
maes da provincia que ainda nao haviam ganho
nos prados do Recite em maior distanciaPre-
mios : 2005. 60* e 20*000.
Pierrot, dirigido por Marlins Ferreira, sahio
na vanguarda e na vanguarda chegou ao poste
do vencedor, ganhando a corrida em ...
Cyclone foi classificado em 2. lugar e Zambo
em 3.*.
Poule de Pierrol rm i.*, 11*000; em 2.".
8*200.
Poule de Cvclone em 1*> 9*400.
Movimento"geral. 3:720*000.
IlippodroMO do Campo Grande
A ioscripgao hontem feita para a 21* corrida,
que ter lugar no domingo, 14 do corronte, a
segrate :
1" pareoEnsaio-800 metrosAnimaes da
provincia que nao tenbara ganho premios em
1889 nos prados do Recife nesla ou maior dis-
tancia. Premios: 200* ao primeiro, 40* ao ie]
gundo e 20* ao terceiro.
Delegado, Rudamanth, Siroco, Aracahy,
fnon, Thisbe, Kiss-me, Petil-mailre. Travi
yranno, Marat, Ocano, Piga-filto, Tontn,
Tupiniquim, Pekn, Almirante, Atchim.
lan, birajara, Paran, iracema, Escopeta, Coi-
forme, Pedreir e PoBrazil
2" pareoDr. Pereira Simoes 1,100 metro
Animaes pelludos do paiz. Premios: 300J
ao primeiro, 60 ao segundo e 30* ao terceiro.
Lometa, Favorita, Aymor, Moncorvo, Recife
e Hamlet.
3 pareoRivalidade1,050 metros Anirt aesj
da provincia que nao tenham ganho nos prados
(lo Recife em distancia superior a 1,500 metros.
Premios: 250* ao primeiro, 60* ao segundo e
25* ao terceiro
Sneca, Roldo, Tupy, Cndor e Good-mor-
ning.
4* pareos-14 de Julho -1,609 metrosAnimaes
at puro sangue. Premios : 500 ao primeiro,
100* ao segundo e 50* ao terceiro.
Castiglioni, Coupon, Apollo, Olga, Ernani e
Vesper.
5pareol^ompensncjo-l,200 metroS.-Ani-lSua ^estade lh'a recusou sempre,
maes nacionaes at meio sangue. Premios: '
300* ao primeiro, 60* ao segundo e 30* ao ter-
ceiro.
Favorita, Minerva e Mimosa.
6 pareoAniraagao1.000 metrosAnimaes
da provincia. Premios ; 250i ao primeiro, 100*
ao segundo e 25* ao terceiro.
Templar, Roldo, Gerfaut, Animan-, Jec, l'.iu-
lista e Fagote.
7 pareoProgresso-900 metros-Animaos
da provincia que nao tenham ganho em maior
distancia nos prados do Recife. Premios : 200*
ao primeiro, 405 ao segundo e 20* ao terceiro.
Tupiniquim Bismarck Boa-Vista, Azamor,
Pombopreto, Corsario o Orauge.
Nao se tendo co-pleta.lo o 5" pareo, o Io ser
dividp em duas turmas.
COMMNICADOS
*k
O movimento limitou-se
errado de cambios.
Bol
sa
3OTAC0ES OFFICIAES DA JUNTA DOS COB-
RETRE8
Recife. 8 ae Julho de 1889
Letras hypothecarias do Banco de Crdito Real
a 99* da urna.
Cambio sobre Londres, 90 d v. 26 13/16 d. por
1*000, do banco
Na Bolsa Venderam-se
100 llras hypothecarias.
o presidente,
Candido O. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Cambio
Os bancos, com a taxa oflicial de 26 3,4 d.,
vfferecenun 26 13,16 reservadamente.
Um pouco de papel particular foi negociado a
27 d.
O internacional saccou a 27 l/li sobre a caixa
tilial de Londres e os demais bancos a 26 7/8.
Papel particular 27 1/16.
TABELLA8 AFFIXADA8
arcacas..... Vapores nimaes..... Via-ferrea de Caruar. Via-ferrea de S. Francisco. Via-ferrea de Limoeiro 575 Saccas 20 4 13 < 978 .
Sorama. 1.590 Saccas
.Isfitienr 9 ?
Os pregos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
cundo a ssociajao Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Branco..... 3*800 a 4*400
Somenos..... 3*000 a 3*400
Mascavado purgado 2*600 a 2*800
bruto (firme) 2*000 a 2*400
Rtame ...... 1*700 a 1*900
A exportarlo feita pela alfandega oeste mez
at o dia >. subi a 1.036.439 kilos, sendo 548.650
para o exterior e 487.789 para o interior.
As entradas verifie idas at a data de boje, so-
bem a 1.114 saceos, sendo por
Barcacas .... 926 Saceos
Vapores..... > a
Animaes.... 10 .
Via-ferrea de Caruar. 15 <
Via-ferrea de S. Francisco. 63 .
Via-ferrea do Limoeiro . 108
Somma. 1-114 Saceos
a te d
gO ^.
- "-Vf > -.
Algodo
O de 1' sorte do sertao cota-sea 7*200 por l
kilos.
A exportacao leita pela alfandega neste mez
at o dia 5 attingio a 97.182 kilos, sendo 32.411
para o exterior e 54.771 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
Agnardeute
Cota-se a 85*000, por pipa de 480 litros.
Alcool
Cota-se a 180*000 por pipa de 480 litros.
Mel
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Coaros
A cotagao dos salgados de 380 ris na base
de 12 kilos e dos verdes i'o ris.
Pauta da alfandega
SEMANA I'* 8 A 13 DR JULHO DB 1859
Vide o Diario del de Julho
Navios descarga
Barca nacional Marn nntnha, xarqne.
Barca norueguensc TraUrnitas, carvo.
Barca norueguense .Site;, carvo.
Barca norueguense Geflen, xarque.
Brigue allera Insel, varios geaeros.
Escuna allem Fritz, xarque.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Patacho nacional Rival, xarque.
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho inglez Hafren, xarque.
Patacho allemo Maricvon Oldeudorp, xarque.
Palhabote nacional Ida, farinha de mandioca.
Patacho hollandez Broedertrow, xarque.
Improt-^o
Vapor francez VilU de bunios, entrado do Ha-
vre e Lisboa cm 6 do corren te e consignado a
Auguste Labille, manifestou :
Carga do Havre *..
Amostras 3 volumes a diversos.
Bronze 1 caixa a J. Krause & C.
Brinquedos i caixa a Maia Sobrinho 4 C.
Bomba 1 caixa a Gustavo Lisiaseoo Furtado
de Mendonca.
Calcdos 1 caixo i Francisco R. da Silva
& C.
Champanha 12 caixa* a Ramos Geppert & C.
Correia de conro para machinas i caixa a J.
Krause & C.
Chapeos 3 caixOes a Adolpho Ferro, 1 a Au-
gusto Fernandes C, l a Rapbael Dias & G.
Cartas para jogos 1 caixa a Netto Cams
& C.
Couros 1 caixo a Federico C, 1 a Bragn A
S.
Cachimbos 2 caix
os 1 caixa a J. Krau
Xudanea de situafo
Por mais que tenha sido referido no parlaren
to e na imprensa o modo de ser dos aconeci-
mentos que determiaaram a mudanga da siua-
o poltica c a organisaco do gabinete de de
Junho, e por mais que esteja provado que < ul-
timo ministerio conservador jamis cogtou de
dissolver a Cmara dos Deputados, nao for i de
proposito deixar bem limados os factos, jara
que nao estremece a crenga de que urna ftrga
oceulta aclinou no aoimo do Imperador e olevou
a apeiar do poder o partido conservador quando
tinha este 90 votos da Cmara e melado dos do
Senado.
Pela exposico, singela e vigorosa, que, na
sessao de H de Junho, fez ao Senario o honrado
ex-presidentc do conselho de ministros do gabi-
nete de 10 de Margo, icou pa"ente que, no pe-
riodo decorrido de 2 28 de Maio, seis COT
solicitou S. Exc da Cora a dcmisso desse
gabinete, e outras tantas S. M. o Imperador lh'a
recusou, nao obstante os esclarecimentos que
Ihe foram ministrados, quer sobre as dilTicnlda-
des do paiz, quer sobre as que se antolhavam ao
ministerio.
S. M. o Imperador, longo de roropartiihar das
aprebenses que nutriam o esclarecido espirito
do seu primeiro ministro, disscnlio sempre do
ponto de vista deste e o animou a proseguir no
governo, chegando aconselhar ao honrado ex-
presidente do conselho que completasse o seu
gabinete como melhorcniendesse, e offerecendo
Ihe a dissoluco da Cmara dos Deputados ritmo
Drogas 2 caixas a Faria Sobrinho Francisco Manoel da Silva & C.
Espclhos 1 caixa a Julio Inno.
Escovas 2 caixas a Francisco Manoel da Silva
&C
Esleirs 1 fardo a Guimares rmos & C.
Ferragens 1 voluine a A. Silva & C, 1 a w.
Halliday & C, 1 a Francisco Manoel da Silva
& C.
Grampos para trilhos de ferro 13 caixas or-
dem.
Instrumentos de msica 3 caixas ordem.
Lequcs i caixa a Francisco Manoel da Silvc
* C.
Ladrilbos 2 caixas aos mesmos
Manteiga 80 barris e 106 meios ditos ordem,
25 e 30 a Domingos Ferreira da Silva 4 C, 20 e
30 ao consignatario, 20 e 20 a Souza Basto Amo-
nm, A C. 25caixas i Sania Casa de Misericordia,
15 a Ferreira Rodrigues & C, 6 a Guedes de
Araujo 4 Filho, 18 a J. B. de Andrade, 23 or-
dem, 16 a Joo Fernandos de Almeida, 10 a Amo-
nm, Irmos A C, 20 a Domingos Cruz A C, 13 a
Fernandes Irmaos. 8 a J. B. ae Carvalho, 1 a
G. Laport A C.
Mercadorias diversa 3 volumes a Guimares
Cardoso C. 1 a A. Jos Motta Gnimares. 1 a
Guimares Irmos A C, 2 a A. Fernandes A C,
Basto A C, 1 a Affonso Oiiveira, 2 a Netto Cam-
pos 6t C, 1 a Salazar A C, 3 a ordc.m, 3 a Ra-
miro M. da Cota A C, 2 a Netto Campos A C.
1 Gomes de Mallos lrmaos, 1 a J. Krause & C,
i a Leite.
Movis 12caixes a Julio & lnuo, I a G. La-
pcrteAC
Objectos para chapeos de sol 3 caixas a Leite
Basto ft C.
Pentcs i caixa a Netto Campos A C. Papel 1
caixa a Francisco Manoel da Silva C, 1 a G
Laporte A C. Dito e outros artigos 3 caixas a
Amorira Irmos A C. Perfumara 1 caixa a Odi-
Ion Duarte & Irmo, 2 a Maia Sobrinho C, 1
a Guimaries Irmos sC,laG, Laporte A C
Pregos 2 caixas a Frcderico A C.
Porcellana 2 caixas a Julio A Irmao, 1 a Fran-
cisco Manoel da ilva A C
Pelles 2 caixas a A. J. Maia Irmos v '..
Pianos 1 caixSo a Julio A Irmao, 1 Prente
Vianna A C.
Oueijos 22 caixas a Goncalves Rosa A Feruau-
des, 10 a Souza Basto, Amorim C, 6 ordem,
1 a M J. C. Cardoso. 1 a Guedes de Araujo j
Filho, : tinas a Paulino de Oiiveira Maia.
Tecidos diversos 1 volume a Manoel Collayo A
Ca Antonio Duarte Carneiro Vianaa, 2 a
Olinto Jardira C,, 1 a Francis de Azevedo A
C 6 a Bernet A C, i a Joquim Luiz Teixeira, 1
a Ferreira Irmos, i ordem, 1 a jGoncalves,
Cunha Gurgel A Irmao. -
Tinta 1 caixa a Ramiro M. da Costa A C.
Vidros 2 barricas a Julio A Irmao.
Vitriolo e ammoniuco 3 caixas a Antonio Jos
Maia & Irmo. -
Carga de Lisboa
Azeite 50 caixas a Francisco Ribeiro Pial
Guimares & C.
(Batatas 25 caixas a SoaresA Fernandes.
Ceblas 14 caixas a Araujo Castro A ("., 20 a
Guimares Rocha A C, 10 a Paulino de Oiiveira
Maia. 20 a Jos B. de Carvalho, 15 a Soares
Fernandes.
Drogas 9 caixas a Francisco Manoel da Silva
AC.
Sementes 'i barricas aos mesmos.
Tinteiro de prata 1 a AfTonsa Taborda.
Vinho ."i barris a Paulino de Oiiveira Maia A
C. 4 a Bcrnardino Maia A C.
medida que Ihe pareca adequada por lermb
as difliculdades parlamentares que se faziara
sentir.
E' isso, de certo, o que restalla doaia phrase
da citada exposico, protocolisada pelo digno
estadista que presidia o gabinete de 10 de Mar-
co: Negada a demisso, s resta va a dissolu-
5&0, que kc ko tinha pboposto a coboa, nk.m
SIQl.KR DISCUTIDO EM OO.NFEBKNCIA MINISTERIAL.
K a fmprensa da corte, que estudou os faclos>
foi quasi unnime era assim explcalos, como
se v desto trecho do -bello artigo que, em 12
de Junho, escreveu o Diario de noticias, insus-
peito aos uomens da actual situaco, redigidp
como pelo Sr. conselhciro Ruy Barbosa, talvez
o mais ousado opposicionisia de quanlos o foram
do gabinete de 10 de Marco :
O protocollo das conferencias entre o Impe-
rador e o Sr. Joo Alfredo lido as duas cama-
ras, mostraque o ex-presidentc do conselho seis
vezes solicitou a exoneraco do gabinete, que
e que a
envocayo do conselho de Estado foi determi-
ada espontneamente pelo chefe do poder mo-
eradr, sem que os scus cousellieiros Ihe fal-
ssem jamis em dissoluco. Mas evidentemen-
foi c pensainento desta medida que induzio
a Magestade a convocal-o.
E" 'itanto, fora de duvida que, at 28 de
Jio, S. M. o Imperador tinha a maior confianca
honrado consellieiro Joo Alfredo, quem
H lulas as provas de ronsiderucSo, e dequem
nSlicava instantemente a permanencia no poder
tomo o hornera que se Ihe affigurava mais pro-
prioe apto salvaguardar os inlercsscs conser-
vadores do paiz, a causa da monarchia, e or-
dem e a liberdade da patria.
Entretanto, 31 de Maio, depois de ouvir o
seu Conselho de Eslado, cuja rcunio S. M.
assislio cabisbaixo, taciturno e aprehensivo, o
Imperador mudou sbitamente de resoluco,
perdeu a confianca de quedera inequvocas pro-
vas ae seu primeiro miuisiro, c poz por trra o
partido conservador, fazendo ascender ao poder
o partido liberal!
Por que tudo isso Que novo acontccimento,
que faci anmalo, que causa, em lira, motivou
esse reviramento no foro intimo de S. M. o Im
perador f
A Corda..estava dolida e miudamcnle infor-
mada de quanto se passava no paiz e no parla-
mento : o honrado ex-presidentc do conselho
com a lealdade q'ie o caracterisa Ihe referir
quanto se sabia de polition e adminstrago ; S.
M. lia todos os jomaos e por elles sabia de todas
as acrusaces assacadas com injusliga c cruel
dadeao gabinete ; porque razo, pois, entre 28
e 31 de Maio, mudou de opinio ?
ff cerlo que a sesso de 31 de Maio do Con-
selho de Eslado foi urna inquisitorial, cujas
honras couberam ao Sr. Visconde de Ouro Preto
panha da calumnia, assodadamente levantada e
manda contra o gabinete de 10 de Marco. E
finalmente eerto que S. M. ouvio, cabisbaixo <
taciturno, todas as diatribes que os seus ousa-
dos conselheiros formularam contra o ministe-
rio c especialmente contra o seu presidente.
Mas, em substancia, sabendo S. M. de tudo
isso, e al 28 de Maio nao desmentindo jamis a
conliauga que tinha no seu primeiro ministro,
nao se pode razoavelmente crer que fosse a au-
diencia do Conselho de Estado qu o deraovesse
do seu expouianeo proposito de dissolver a Ca
mar dos Deputados.
Houve, pois, urna outra causa que acluou no
espirito de S. M., c essa outra causa, que se pro
duzo entre 28 e 31 de Maio, fui indicada pelo
diario de Soticins, no citado artigo de 12 de Ju-
nho, no seguiute trecho em que, depois de fallar
dos dous intervallos de liberdide que teve o
animo oscilante e opprinndo do Imperador,
disse aquella folha :
Mas. antes e depois, quera acompanhar.o
cuidado, cora que, as teulalivas de organisaco
eomervadora, a real escolha indigitou sempre,
nos homens da siluacao decalida, os que repre-
senlavam o prolongameulo do ultimo gabinete, e
a pressa, com que, d'entr.i os liberaes, cujos
nomos perpassaram nu colloquio com o Sr. Sa-
raiva. sem que este individame nenhuin, a Brete-
renda imperial abracou instantneamente o mais
avesso s ideas, a que S. M acalma de profes-
as r submisso : lu.'m advertir as circunstan-
cias, sob as quaes se transformou, em Petropo-
lis, ultima hora, o minislerio combinado aqu
pelo Sr. Visconde de Ouro Preto com os seus
amigos, e na estirpe ulica das bastardas que
caraclerisam essa modilicago,-nao lardar em
palpar o fio da trama recndita, que, sacudida
pela inprevisla recusa da dissoluco ao Sr. Joo
Alfredo e ameacada de romperse pela fascina-
fo do Ilustre senador bahiano sobre o espirito
do dynasta, acaba de consolidarse na urdidura
poltica do 7 de Junho.
Esses sogredoi eslo hoje, aos oihos do pu
buco, transparentes como crystal.
E, rom elVeito, a transparencia a que allude o
Diario de noticias a melhor que se pode dese-
jar, c s nao v como as cousas se passaram
quem absolutamente nSo quer ler olhos de ver.
Hoje tudo parece esclarecido, e a imprc-nsa
fluminense tem registrado os seguintes fados
que do o tora para a explicacao natural c lgica
da mudanga da situaco :
I." A idea da creafo da Tribuna Liberal fji
suggerida ab altti ao Sr. Visconde de Ouro Preto ;
2. Fot ainda ab ato que deseen a inspirago
para os artigos escriptos nessa folha em pro da
monarchia;
3." Dc.-ceu tambera do alto a inspiraco da
epstola aos mmeiros, de que apenas foram tirados
(res e.vmplares para a Familia Imperial;
4." Foi igualmente concertado 110 alio o plano
do Congresso Liberal, cujas resoluces al agora
nao vieran! a lume, para satisfazer ainda as in-
spiraces palacianas :
5 E' sabido que alguem. ao tratar-se dai pos
siveis organisages ninisieriaes plos conselliri
ros Manoel Francisco i'orreia c Luiz Antonio
Vieira da Silva, fez alarde em dizer que nenliuw
awsegiiina onjanisar ministerio :
6." Finalmente, e corren te que na organisaco
de 7 de Junho essn alguem inteiTerio 110 sentido
de serem as pastas militares oceupadas por ge-
E1 certo ainda que ali se reproduzio toda a cara, jtieraes de trra c mar e a do Imperio por um
Lima
Santos
A. R.
a Paiva Valentc A C, 25 a Figueiredo Costa A C
100 a Ramos Geppert A C,
Cabos 59 rolos a J. A. da Silva Santos. Ge-i
bolas 150 caixas a Silva Guimares A C, 30 a
Joo Fernaddes de Almeida, 150 a Ferreira Ro-
drigues C, 30 a Costa Lima A C, 20 a Gon-
calves Rosa A Fernandes, 25 a Paiva Valenle
A C, 15 a Figueiredo Costa C, 25 a Guimares
& Valentj, 20 a Souza Basto Amorim A C. Cal
1''0 barricas a L. J. da Silva Guimares. Carvo
animal 1 barrica a Pinto A C. Carne de pono 2
caixas a Ferreira Rodrigues A C.
Fejo 50 saceos a Soares do Amoral Irmos.
Ferragons 5 caixas a V. Cocino A P1H10.
Livros 1 caixa a Silva Gumares C.
Mercurio 1 caix a Antinio Duarte Carneiro
Vianna.
Imnrcssos 1 (caixa a L. Rocha.
Feras 2 a Miranda Souza, 1 a J. F
A C.
Papel I caixa a A. R.da Costa.
Pregos 13 barricas a Manoel dos
Araujo.
Qneijos 1 caixa a J. F. Lima A C. i a
da Silva.
Tenas 227 grades a Antonio Duane Carneiro
Vanna.
Roldas 2 saceos a Vianna Castro A C.
vinagre 2 barris a Jos Gomes Gancbcs, 2 a
Santa Casa de Misericordia. 10 ordem, 2 pipas
e 5 ditos a Vieira e Silva C.
Vinho 40 jpipas e 83 barris a Souza Basto
Amorira A C 11 c 16 a Gongalves Rusa A Fer-
nandes, 4 e 10 a Jos Gomes Ganchos. 4 e 3 a
V. Sobrinho A C, 10 e 110 a Amorim Irmos A
C., 53 e 86 a Domingos Cruz t <:.. 3 e 40 a A.
R. M. Ferreira. 10 "barris a Antonio Maria da
Silva A C, loa Antonio de Souza Braz, 25 a
J. F. Figueiredo, 20 a Santa Casa de Misericor-
dia, 5 a V. e Silva & C, 10 a Soares do Araaral
Irmos, 20 a J. S. eros, 10 a B. Maia A C. 50
a E. M. de Barros, 3 a Domingos F. do Reg
Baptista, 21 ao Dr. L. Feij de Mello, 1 a A. J.
Moreira de Souza, 4 a Joaquim da Silva Sal-
gueiral, 15 a Silva Azevedo A C, 5 a J. A. M.
Guimares, 31 a Cunha Irmjs A C, lo a A. de
FigueiredojcC 6 caixas a Joaquim da Silva
Salgueiral. /
Vapor inglez Sdtolar, entrado de Liverpool e
Lisboa em,6 do correte e consignado a Samuel
L, Jhonsto manifestou:
Azeite 30 caixas a Souza Basto Amorim & C.
80 ordem, 1 a Domingos L. Feij de Mello, 7 a
Gomes A. Gaio de Miranda, 5 a Pereira Carneiro
A C, I barril a Santa Casa de Misericordia.
Agua mineral 5 caixas a Guimares A Vleme.
Bagas 4 barricas a Pinto-A C, 1 a So;;
Amaral Irn
* C, 100 a Ferreii
ttxportaco
Bscira, 6 DI JULHO DB 1889
Para o exterior
No vapor inglez Dallan, carregou :
Para Liverpool, C. P. de Le.-ios 20,000 kilos
de pao brasil.
Para o tntenor
Na escuna alleina B. Johannes, carrega-
ram :
Para Pelotas, AmorimIrmo3 AC. 100barricas
com 4,950 kilos de assucar branco.
No vapor americano AU'tanca, carrega-
ram :
Para Santos, H. Burle A C. 500 saccas com
38,393 kilos de algodo ; P. Alves C. 100 sac-
eos cora 6,000 kilos de assucar mascavado, 15
pipad com 12,000 litros de agurdente e 3 ditas
com 1.440 litros de alcool ; P. Pinto A C. 10 pi-
pas com 4,800 litros de alcool e 50 barris com
4,800 ditos de agurdente.
Para Rio de Janeiro, B. Oiiveira A C. 50 pipas
cora 24.000 litros de agurdente ; J. II. Boxwell
50 pipas com 24,000 litros de agurdente e 500
saccas com 42,382 kilos de algodo.
No vapor nacional Pernambuco, carraga-
ram :
Para Rio de Janeiro, B. Vieira 3,200 cocos,
fructa H. Burle A C 400 saccas com 30,363
kilos de algodo; D. Accioli 100 couros espicha-
dos com 700 Kilos II. C Fernandes 150 saceos
cora 9,000 kilos de assucar branco : J. 8. da
Cunha e Silva 25 caixas cora 600 kilos de oleo
de ricino.
No vapor nacional Jaeuhipe. carregou:
Para Bahia, F. M. de Moura 200 barris com
6,000 litros de mel.
No vapor nacional P. do Grao Para, carre-
gou :
Para Macei, Theod. Just 1 barrica com 135
kilos de earvo animal.
al Manos, carregaram:
Para IL Burle A G 2l> barris com
homem do Pago.
O que se deprchende da lgago destef fados,
e mais do conchavo para a presidencia do Sena-
do, seuo que houva a trama recndita de que
falla o Diario de Noticias?
Foi esa trama que pz por tena o partido
conservador c guindou ao poder o partido libe-
ral. Ella foi paciente e pertinazmente urdida
desde lins do anno passado. Mas de justiga
recoiihcccr que S. M. o Imperador foi o ultimo
que nella entrou.
ni iii eter? a
2,282 kilos Je assucar branco ; F. A. de Azeve-
do 85 barricas com 5.820 kilos de assucar brau-
co; P. A'ves A C. 25 barricas eoai 1,47o kilos
de assuccr branco c 10 barris coa 960 litros de
agurdente ; Amorira Irmos A C. 5o barris
com 4,8(0 litros de agurdente e 65 barricas
com 5,185 kilos de assucar branco ; J. A. de S
10 baan com 60o kilos de assucar refinado.
Para Para, P. Alves A C. 70 barricas com
3,400 kiles de assucar branco : Amorim Iraos
A C. 20 saceos com 1.500 kilos de assucar bran-
co e 40 barris com 4,800 litros de agurdente :
H. do Carmo Fernandes 260 barricas com 13.300
kilos de ssucar branco, J. A. de S 65 barricas
cem 2,32: kilos d assucar branco ; A. Guima-
res 500 barricas com 28,142 kilos de assucar
branco ; C. M. da Silva 300 barricas com 20,729
kilos de assucar bran.'o ; M. K. Marlins 200 bar-
ricas com 12.234 k:los de assucar branco; J. S.
da Costa a Silva 1 pipa com 480 litros de agur-
dente.
No hiato nacional Aurora 2.*, carregou :
Para Mossor, J. J. da Silva Campos 17 barri-
cas com 1,020 kilos de assucar branco e o ditas
com 300 ditos de dito refinado.
No hiate nacional F. Jardim, carregaram :
Para Ceara, P. Carneiro A C. 10 saceos com
*50 kilos de assucar branco e 50 ditos com 3,750
ditos de dito mascavado ; M. A. Senna A C. 30
saceos com 2,0" O kilos de assucar branco e 10
barricas com 600 ditos de dito refinado.
Para Camossim, Fernandes A lrrac 10 barri-
cas com 1,100 kilos de assucar mascavado ; P.
Alves A C. 4 barricas com 415 kilos de assucar
mascavado.
Para Parnahyba, P. Alves A G 47 barricas
com 1,479 kilos" de assucar branco.
a barcaga Paraguass, carregou :
Para Parahyba, A. M. Pereira 200 saceos com
10,000 kilos de milho
Readiiaentos pblicos
MEZ DB JUNl'.O
Alfandega
S. M. s foi iniciado no plano, s foi posto ao
sabor dos urdidores da trama, entre 28 e 31 de
Maio.
E aioim se explica o reviramento que se pro-
duzio as ideas de S. SI. o Imperador, levando-o
a recusar ao gabinete de 10 de Margo aquillo
que expontaneamente S. M. Ihe offerecera e ja-
mis fora solicitado por esse patritico ministe-
rio, que nem svjucr discutir cm conferencia a Os-
mIuco da Cmara dos Deputados.
S. M. o Imperador faltou, pois, ao seu compro-
misso expontaneo urgido por urna conspiragc
do Pago.
Quem perdeu, porm, e quem ganhou cora
essa conspirago, o futuro se encarregar de d-
zel-o.
8 de Julho de 1889.
Beaconsfield.
TBLICAfjOES A PEDIDO
A tramoia das loteras
(Le n. 9.009)
A siluago, que domina o paiz, e se iniciou
om poucos dias n'esla provincia, j nio se cou-
tenla com a mais infrene derrubuda no rauccio-
nalismo, erabora leve de vencida diieitos ad-
quiridos em longo passado, mas que alinal ce-
dem odios polticos, apurados era mesquinhas
vingangas!
Dir-se-ha que vivemos em ura estado selva
gem, onde os homens, nao experimentando a
emogo da mais justa condolencia, se iornam
descandosos para com os seus semelhantes, que
sao sacrificados sol) o imperio de cgo atavis-
mo, pouco importando que da morlee da mise-
ria de uns surjam o goso c a fortuna de outros !
E', na .realidade, o quadro, que, entre nos se
est desenhando na atmosphera de urna polti-
ca, que lembra os tempos ra baixa escola !
Mas a poltica, como a sciencia progride : tem
uns ydoa, e hoje se v com reparo essa intole-
rancia bastarda, que abre espago a demieses
smente porque o funecionario nao perlence ao
credo poltico dominante, embora sirva com zelo
e aptiiiao.
A situaco actual, porm, esquece o que seja
boa poltica, e desee a poltica da aldeia, pos-
to que lento os ensinaraentos da situaco con-
servadora, que ndou, j poupando sob a mais
escrupulosa prudencia empregados, queserviam
cargos de confianca, e j imprimindo a mais se-
vera moralidade nos actos administrativos.
Havia, pois, se iniciado urna poltica mais ele-
vada.
Entretanto a situaco actual, com poucos dias
de existencia, realisa nao so svstema das an-
tigs derrabadas, como tambem i) dos condera-
nados arranjos, ou da immoralidade adminis-
trativa, como lioirtra teve a populago desta pro-
vincia noticia pela sanego do projSoto, que in-
tende. cera as loteras.
Sobre esce assumpto urna serie de artigos fot
langada, e pela qual voio a lume urna verdadei-
ra tramoia. que, apezar de proveitosa a um con-
sercadur. fui solemnemente repeilida pela ho-
nestidade pessoal. que enlo havia.
Os presidentes da situago conservadora nao
apoiarama pretengo demais illicita, que, como
se disse peU imprensa era um assalio fortu-
na publica e particular, licando o negocio por
muito tonino incubado.
^ Agora vem elle tona, e o Exm. Sr- liaro de
Caiar, que o conhece, pois deputado provin-
cial, e sabe de toda historia das loterias, o sanc-
cona!
S. Exc, portanto. nao peccou por iunoconte,
e nem pode allegar o motivo de ser a lei favo-
ravel a um conservador, que de ve esperar ser
exonerado, se j nao foi.
O que delerminou, pois, o acto do Sr. Baro
de Caiar, naojha negaNo, foi mais um arranjo
indecente que S. Exc. propositalmente creou
para um amigo, pouco respeitando o decoro
administrativo, Je dando mostras do impvido
deserabarago .'
Neste caminho vai S Exc, que araanh dar
a seus aiuiaos as arcas do Thesouro, porquanto
j comogon cortando largo nos dinheiros pbli-
cos com as celebradas reintegragOe's c tornando
Renda eral
Do dia 1 a 6
dem de 8
1442374851
41.0362616
Renda provincial':
Oo dia 1 a 6 18:947 J52
dem de 8 4:7251876
185:2744467
236734458
Somma total 208:9474925
egunda secgo da Alfandega, S de Julho de
1889.
SthesoureiroFlerencio Domingiies.
chefe da seccSo-Cicero B. deMeo.
Recchedoria Geral
Do dia 1 a 6 8:335*563
dem de 8 1:0354061
9.3704624
Recebedoria provincial
Do dia a 5 74:5354925
dem Te 8 9:1164771
Foram oceupados:
54 columnas a 600 ris 324400
2 escriptorio a 300 ris 600
5o compartimentos de farinha a m
res 254001
46 ditos de comidas a 500 ris 23 000
171 ditos de legumese fazendasa400
res 684400
32 ditos de suinos a 700 ris 224400
16 ditos de fressuras a 600 ris 94600
93 tainos a 24 1904000
4554360
Rendimeuto do da 1 e 3 do cor-
rente 1:0954280
Foi arrecadado liquido at boje 1:5504040
Pregos de dia:
Carne verde de 240 a 480 rcis o kilo.
Carneiro de 720 a 15 reis idem.
Suinos de 360 a 640 reis idem.
Karinha de 720 a 900 reis a cuia
Milho de 500 a 600 reis idem.
. F-r/ilo de 1*400 a 1*800 idem.
Hatadouro publico
Neste estahelecimento foiam abatidas para o
consumo de hojo 89 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DK JULHO
New-York..... Cearense.........
Europa....... Porto Alegre.......
Norte......... litaras.......
Europa....... VilU di' Cear......
Sul........... Maranhao.........
9
13
14
16
17
Vapores a sabir
MEZ DE JULHO
Santos e esc. VilU de S. Nicolao.. D as 10 h.
Bahia e esc .. P. do Grao Para... 9 as 4 h.
Cear e mcy.. Pirapama ,........ 9as 5h.
Bahiaeesc... Jacuhype .'......... 10 as 5 h.
Fernando Jagmribe......... 10 as 12 h.
83:632696
Recife 1> runase
Do da i a 6 7324932
Idemjde8 5864888
1;3394820
Mercado Municipal de S. Jos
o movimento deste mercado nos dias 6 e 7 de
Julho foi o seguinte :
Entraram :
91 i/2 bois pesando 12,916 kilos.
963 kilos de peixe a 20 ris 19*260
162 cargas com farinha a 200 ris 32*400
1 dilas com feiiSo a 200 ris 200
4 ditas com milho a 200 ris 800
17 ditas de fructas diversasja 300 ris 5*100
28 taboleiros a 200 reis 5*600
43 suinos a 200 ris 8*600
63 matulos com legumes a 200 ris 13*000
tloviuicnfo do porto
Navios entrados no dia 7
Havre e escala20 dias, vapor francez
Ville de S. Nicols, de 1666 toneladas,
commandante A. Voisen, equipagem 36,
carga varios gneros; a Augusto La-
bille.
Buenos-Ayres e escala13 dias, Vapor
inglez Togas, de 1944 toneladas, com-
mandante P. Russel, equipagem 106,
carga varios gneros; a Amorim IrmSos
dC.
Navios sonidos no mesmo dia '
Southampton c escalaVapor inglez Ta-
gua, commandante P. Russel, carga va-
rios gneros.
Santos e escalaVapor americano Allia-
ca, commandante J. R. Beers, carga
varios gneros.
Manos e escalaVapor nacional Manos,
commandante Guilherme Waddington,
carga varios gneros.
Navios entrados no dia S
Terra Nova31 dias, lugar inglez Floren-
ce, de 212 toneladas, capitSo S. Tacoy,
equipagem 9, carga bacalho; a Johns-
ton Pater & O.
Rio Grande do Sul15 dias, escuna in-
glesa Welsh Serle, de 103 toneladas,
capitao David Davis, equipagem 6, car-
ga farinha de mandioca, a H. Lundgren
& C.
Observa$(to
Fundeou no Lamarao o vapor inglez
Dalton para entrar amnnha cedo para o an-
coradouro.

-


v,l

f
--
ii
i


Diario de PernambucoTerca-H '9 de Julho.de 1889
i
V
%




i*

'

lei amado, q lo reduzir a nullidade a
personulidadc de S. Exc. e d
di as rendas provineiaes
E' o predominio do redimen da kane
que nontcm se apmgoava; masque tiuai de
contas vai dando a foigSo caracterstica ra si-
tuagao com a leipatota !
E que ella dc*e ser por esse modo considera-
da, sao o Sr. Etarao de Caiara, que, talvez, nao
ignore o partode conseguir votos da maioria
hberal para a passagem do projecio e a condi-
jo de dar lianga ;;o thesoureiroqne ap
entrava com o prestigio do nome, e o valimento
do partido, que cao seoiio diflicuiJade cm re-
peliir o que nao era licito.
Quando isso occorre em poueos dias, admira
que um dos primeiros actos do Sr. 9arSo de
Laiar fosse aceitar como licito o que toda gen-
te limpa considerou como Ilcito.
E admira anda mais, porquaoto S. Exc. leve
amigos, que beta llie aconselnassem !
Mas o acto esta eito, e a uioralidadc adminis-J,
trativa na ra !
Agora conjure o Jornal do Recife, que o
censor dos lempos, que correen.
7 de Julho de 1839.
Sattrtwp..
P;o d'allienses!
Contina ser nosso candidato o Extn. Sr. Dr.
Felippe de Figueiroa rark.
Sendo como 6 urna candidatura eympathica,
esquecer o seu nome. nao sull'ragal o com era-
penlio u:na vergonha impropria de conserva-
dores que (somos, o de veras amamos o nosso
grande e generoso partido.
A postas! no seisenos que os adversarios
assestern suas pegas as ameias do poder. A
patria com perigo as mos de urna poltica mer-
cenaria, que nao trepida auarclisar ttido.
A reaego raedonlia que se desenvoive prenun-
oia-nos um desastroso futuro.
Estando no lempo da provacao, precavidos,
unmonos para debellar os desatinos Jcssa po-
ltica desbragada, que com o nome de liberal
trata smente de desmoronar e com persesuijes
aos membros de um poJeroso partido como se
ser o nosso, que tao complceme tem sido para
ella, e que hoje para manter-se e attingir tins,
langa mo de tudo quanio ha de ignobil e revol-
tante.
Pau d'alhenscs f avancemos unidos em prol da
.ausa santa de nossa bandeira, triumphando o
candidato criterioso, desinteressado e amigo do
districto r. Felippe de Figueira Faria, que por
demais tem provado easea attribaft.
Esta no nosso ario, honra e dignidade o seu
triumuho.
Su!lbquc-se qualquer desgosto pessoal entre
ios e no districto, para que dossa valer os sen-
timentos de uniSo, continuando nosso collcgio
sericomo sempre inexpugnavel ao iniraigo. Aler-
ta f Cousroguemo-nos Unio, torga e boa
vontade foi sempre o dis'.inctivo e programma
lo partido conservador do 3 districto. Ponha-
nol-o em execugo. vrl-o-hemos realisado, can-
tando o hymno da victoria.
8 de Jultio de 1889.
" soldado velho.
..: :- :
'A" minha querida amiga
x
aria Tn\are fie Mello
PAKAMEXS

Enterro doDr. Tobas
Coneorrerar o Sr
Conselheiro &ilveira de Souza 2*000
Dr. Seabra 10*000
Dr. Portella 104000
Dr. Cirne 104000
Dr. Joao Vieira 10J000
Dr. AugustoVaz 10*0 '0
Dr. Barros GuimarSes 5M0Q
Dr. Oliveira Escorel 3*000
Dr. Metra de Vasconcellos 2-iOO
Conselheiro I'ir.io Jnior OOO
pelo seu feliz anniversario na-
talicio
Ilecife. 9 de Julho de 1889.
Judith Rosa da Silra.
. x :'. -.: :.s
Agradeiimento
O Dr. Pedro de Athayde Lobo Moa-
caso, D. Eugenia Leopoldina de Brito
Moscoso, Dr. Eugenio de Athayde Lobo
Hoscoso, D. Mara Julia de Moscoso Ban-
deira e Benjamn Aristides Ferreira Ban-
deira Bgradecem eordialmene a todos os
amigos que acompanhararn-nos em sua
justa dr pelo passamento de seu incito
caro filho, irraao e eunhado, Dr. Henri-
(ue de Athayde Lobo Moscoso, e man
t'estaram-lhes suas condolencias, j os visi-
tando e assistindo s mi.- -as que manda-
rara celebrar, e j envianrio-lhes seus p-
names.
A todos protestan! elles sua gratidSo.
O auroplione
Sobre este maravilhoso invento, foi-nos
honteni dirigida a seguinte carta que jul-
gamoa dever transerever na integra.
lllm. Sr. Redactor.A satisfajao de
que me sinto possuido por haver recupe-
rado as ougas, das quaes me aehava pri-
rado ha crea de dez annos. leva-me a di-
rgir-Ihe essas liuhas. atim de attestar o
esplendido resultado que obtive com' a
upplicacao do apparelho denominado All-
rttphonedo Sr. A. E. Hawson, aqu
representado pelos Srs. Bandeira & Oli-
veira.
i Sirva, po8, a presente declaraeio de
aviso a todos aquelles, que, como eu, con-
ideravam para sempre perdidos os gozos
que tao importante orgSo proporciona.
* Certo de que cumpro um dever e
presto nao pequeo servico aos meus se-
lelhantes, nSo posso dcxar de tornar pe-
rante tao til e humanitaria invencao.
Recife, 8 de Julho de 1S89.
. Subscrevo-me de V. S. etc.
Jos Ernesto Pe-eir Lima.
Advogado
O bacharel Joaquim Manoel Yiira de
Mello, residente na cidade de Bezrros,
encarrega-se de caucas criniinaes, civia e
t:ommereiaes n'aquella comarca e as de
Bonito, Victoria e Garuar.
Junta de hygiene
Em virtude do que dispe o art. 66 do regn-
ramenlo que baixou com o decreto o. 9,554 de 3
de Fevereiro de 1886, a inspectora geral de by-
ieni' faz publico, pelo prazo de oito dias, que o
eidadao Jos Bufino de Souza Hangel Jnior lhe
dirigi i seuuinte petigao com documentos que
satisl'azem as exigencias do art. 65 do citado
regulamento.'
]):z Jos Bulino de Souza Bangel Jnior que.
tendo a seu favor os requisitos exigidos pelo re-
gulamento sanitario em vigor, para abrir e diri-
gir jliarmacia na villa do Bonito, reqner a V.
Exc. se digne conceder-lhe a respectiva licenca.
- Nestes termos pede a V. Exc. deferjmento,
. o d y
la do Bonito. 15 de Outubro de 1888.
Jos Rufino de Souza Rangel Jnior. -
Sobre urna estampilba de 200 ris.
E declara que, se nesse prazo henhum phar-
maceutico formado llie communicar ou inspe-
ctora de hygiene da provincia de Pernambuco,
-olugo de eslabelecer pharmacia na referi-
da localidade, conceder ao pratco a licenja re-
querida.
Inspectora geral de hygiene, 1 de Maio de
1889.Dr. Pedro Alfonso de Canalho.
66 000
0 Exm. Dr. Correia de Araujo procurado di-
versas roses, nSo foi encontrado.
Aguardamos fallai-iho por occasiao da subs-
cripcao.
Entre os collegas apurci OOOO
Subscripgo
Conselheiro Silveira de Souza 000
Conselheiro l'into Jnior, inclusos os
2000 do enterro.
Solidonio AlticoLeite 5*000
Jos Candido Dias 3M0O
Jochi Barroso.
Cuidai a vossa saiid e!
Infelizmente bem cominum uma mo-
lestia tcnivel, conheeid, pelos nomos de
Tisjca, 6onsump<;5o, doenya do peito,
etc.
\a pretondemos .'iffinnnr que o Peito-
ral <';: Cambin, < nv ujitoila molestia,
porque at buje tti sido iinpossivel ctt-
ral-a qnan3oi chegada ao ultimo perodu ;
porem, podviu-ix assefjurar, que todos os
doentes que usarem do Peitoral de Cam-
bar, no primeiro o segundo periodos,
logo acharao, com toda a certeza, grande
all vio e depo8 a sua cura completa, por
meio de um tratamente prolongado e per-
sistente.
O Peitoral de Cambar nao limita a sua
acyao benfica s doencas do peito cura
tambem muitos derluxos, bronchites e tos-
ses que, as mais das vezes, quando des-
presadas, so a causa das affeccoes pul-
monares.
Este remedio acha-se venda em casa
dos agentes Francisco Manoel da Silva
tC, i ra Mrquez de Olinda n. 23,
que o vendem a 2(5500 o frasco.
II. iiri! < de Atbayde
l.olH> .HlISCUMI
que deixou exhuberantes
[irovas de seu robusto ta-
ento e nobre carcter, verte
urna lagrima de profunda
magua no 30 dia de seu
trespasso uma
s^C^ST^
Ra das Laraageiras ns. 21 e 2.1
ReaWrio-se este im-
portante estabeleei-
menlo debaixo da ge-
rencia e propriedade
do nosso mui distincto
ami^o Philemon Res-
tier, o qual tendo pas-
sado por uma grande
reforma, acha-se apto
a satisfazer ao maior
gastrnomo. Encar-
rega-se de qualquer
trabalho tendente a
arte culinaria.
AtIso aos nossos leitore
Os nossos leitores que visitarem Pars
durante a Exposicao de 1889 j sabem
que poderSo 1er os ltimos exemplares do
nosso jornal chegdos aquella oidade no es-
criptorio do nossos correspondentes, Srs.
Amde Prince & C, 36. ra Lafayette,
onde podem mandar dirigir qualquer cor-
respondencia, pedir quasquer informa55es,
dar ordens de compras, etc.
Alm d'isso, levamos ao conhecimento
dos nossos patricios que afora o servico esta-
belccido no escriptorio da ra Lafayette,
n. 36, os mesmofl Srs. Amde Prince
C, acabam de organisar uma sala de lei-
tura e de informacSes na Exposicao mes-
ma, no pavilhao da repblica de Guate-
mala cujo commissario geral dignou-se de
por graciosamente uma vasta sala com
varanda s ordens dos nossos correspon-
dentes.
Aconselhamos mui vivamente aos nos-
sos amigos e leitores qne se acharemem
Pars, que visitem a casa Amde Frince
& C. na sua sede social, 36, ra Lafayet-
te, bem como na installaao que possue na
Exposicao no Pavilhao de Guatemala que
ha de ser, gracas a extensas rela55es dos
nossos correspondentes, o ponto da re-
uniao dos numerosos estrangelros resideli-
es em Pars.
Remedio soberano
O Peitoral de Cambar, de S. Soares,
cura de ama forma admiravel qualquer
rouquidao e perda de voz.
Os agentes
Francisco Manoelda Silva & C.
Ra de Mrquez de Olinda n. 23
M. 390
O liKd,o de lodo* ou bacalbAo da
Terra \o\a coDtiem um elemento
inedlclnai de innUmavel %alor.
E debaixo da forma de'oleo puro medicinal de
Fijado de Bacalho de Lanraan 4 Kemp, possui
mos este balsamo martimo em toda a sua excel-
encia nativa, com todas as suas propriedades
curativas, puras e sem alteracao, tal qual nos
foi transmitido pelo creador
Ai curas que esta preparago est fazendo,
qer no paiz, quer no estrangeirs, e nos casos
de tsica, escrfulas, affeccSo do ligado, assim
como todas as mais molestias agudas e chroni-
cas a que os orgaos da respiraco se acham ex-
postos. sao as suas melhores credenciaei. Tun:
tas fraudes se teem commettido com o oleo de
Figado de Bacalho, to extensa e vergonhosa-
mente tem sido diluido, adulterado e falsillcado,
que o publico e aautoridade medtea saudaincom
jubilosa alegra nina preparadlo bygienica puia,
na qual se pude coiiQar cota toda segurauca. Os
qne desejam obter Dfli artigo de superior excel-
encia, adaptado a ledos os climas e sem rival
para a cura,da losse, resfriamenlos e enfermi-
dades consequentes devem pedir o oleo puro
medicinal de Figado de Hacalho, de Lanman &
Kemp, c reparar bem se no letreiro e na capa se
.iclia espaspada a lirnia desla casa.
Adiase a venda em todas as principac-3 boti-
cas e lejas de drogas.
Leonor Por lo
i fllua adarga I Ill'S-O i j
SEGUNDO ANDAR Y
Colioa a executar os inail dilliceisj |
ligo ries recebdos de Londres, Farz,:
Lisboa > Rio de J.ineiro.
Pria i-m perfeico de costuras, em
em brevidade, moriicidaue em precos |
fino gesto.
!!
Aviso ao Commercio
Philemon Restier participa ao corpo do com-
mercio que deixou de ser procurador de Anto-
nio Goncalves de Azevedo, desde 1" de Julho cor-
rente, e ao mesmo tempo agradece as attencoes
e maneiras cavalbeirosas que sempre Iho dis-
pensara m os seas companheiros e putro.
Aviso a nuestros lectores
Loa de nuestros lectores que vayan a
Pars mientras la Exposicin de 1889, es-
tan ya avisados que podran leer los lti-
mos ejemplares, recebdos en Pars, de
nuestro peridico, en la oficina de nues-
tras corresponsales los Srs. Amde Prin-
ce y C, 36, ru Lafayette, donde pueden
hacerce dirigir toda su correspondencia,
pedir informes, dar ordens de compra,
etc.
Pero, avisamos a nuestros compatriotas
que ademas del servicio instalado en su
oficina 36, ru Lafayette, los Srs. Am-
de Prince y C. han orgonizado un otro
gabinete de lectura y de informes en la
Exposicin misma, en el Pabelln de la
Repblica de Guatemala, en donde el Sr.
comisai io general a puesto a la disposicin
de dichos Srs. una grande sala cou ter-
rado.
Aconsejoinos vivamente a nuestros ami-
gos lectores que vayan a Pars, de hacer
una visita a la casa Amde Prince y C,
tanto en su residencia, 36, ru Lafayette,
como en su instalacin en el Pabelln de
Guatemala de la Exposicin, que resulta-
r, ser por el hecho de las extensas rela-
ciones de nuestros corresponsales, el cen-
tro de reunin de los numerosos estrange-
ros presentes en Paris.
Estavam duas estarapilhas da taxa cada uma
de 200 res, inutilisadas do modo seguinte :
la, 3 de Junho de 1889. O escrivo do
commercio, Antonio Carlos de Almeida.Henri-
que de Barros Lins.
E mais se nao continha em dito e mencionado
edita! aqu copiado, que bem e fielmente ftz ex-
trahir do proprio original a presente copia pe-
dido da parte por seu procurador, para ser pu-
blicado na imprensa, ao qual me reporto nesta
cidade da Escada, aos 3 dias do mez de Junho
de 1889.
Eu. Antonio Carlos de Almeida, escrivo do
commercio, subscrevo e assigno. Escada, 3 da
Junho de 188'.).-O escrivo dojcommercio, Anto
tonto Carlos de Almeida.
O Dr. Fraueisco Domingues Rib iro Vi-
anna, juiz de direito da provedoria de
capellas e residuos nesta comarca do
Recife de Pernambuco por Sna Mages-
tade o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
Faco saber aos que o presente edital vi-
rem ou delle noticia tiverem que depois
da audiencia deste juizo que ter lugar no
dia 10 do corrente, ira cm prnca publica
com as formalidades legaes, para Ber ar-
rematado por quem mais der c maior lan-
ce oli'erecer, o bem seguinte: Uma casa
terrea sita ra do Fogo, freguezia de
Santo Antonio, n. 2f> com porta e janella
de frente, duas balas, tres quartos, cosinha
fora, pequeo quintal murado, precisando
o telhado, o ladrlho e toda a casa bastan-
tes concertos, medindo de frente tres me-
tros o 90 centmetros e de fundo 14 me-
tros e 70 centmetros, avaliada por um
cont e cein ni 1 reis ; cujo bem pertence
ao acervo inventariado da finada D- Can-
dida Mara Ferreira e vai em praca a re
querimetoto do respectivo inventariante
Francisco Gomes da Silva Saraiva para
pagamento de custas, sello de heranja, e
outras despezas e dividas.
E para constar e chegar ao conhecimen
to de todos mandei passar o presente edi-
tal que ser publicado pela imprensa e
affixado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife
capital da provincia de Pernambuco ao
primeiro dia do mez de Julho do anno do
Nascimento de Nosso Senhor Jess Chris-
to de 1889. Eu Luiz da Veiga Pessoajes-
crivSo o subscrevi. Francisco Domingues
Ribeiro Vianna.
DECLARARES
Companhia Indemni-
sabora
A directora da |Companhia de Seguros la-
demnisadora, de conformidade com o art. 26
i' dos estatutos, convoca uma assembla geral
extraordinaria para o dia 23 do corrente ao meio
dia na sua sede. 0 tm da reumo tratar de
assumptos relativos interesses da mesma com-
panhia.
Recife, 3 de[Julbo de 1889.
Os directores.
Antonio da Cunha F. Bollar.
Jos Ferreira Margues.
---goesce
Ranson Coleconac llatterbre
fallecido
Conforme a lei 22 e 23 Victoria Cap.
intitulada Lei para melhor emendar a
lei de propriedade e para aliviar os cura-
dores, o presente edital para avisar
a todos os credores e outras pessoas que
teem dividas ou reclamacocs sobre os bens
de Ranson Colocme Batterbee, engenhei-
ro, que morava em n. 16 Buckingham
Street, Adelphi, no condado de Midclesex,
em Inglaterra (e que fallecen no dia 5 de
Julho de 1888, e de cujos bens, lettras de
administracao com ao testamento junto em
data de 2 de Marco de 1882 foram conce-
didas no da 30 de Marco de 1889 a An-
na Ranson Brower, pelo Registro Prin-
cipal da reparticao para a veriticaySo tes-
tamentos do Conselho Supremo de Jus-
tca de S. M. Brit.) que elles sao pelo
presente solicitados a apresentar, 2 mezes
depois da publcacao deste edital. no dia
29 de' Julho de 1889, ou antes, detalhes
por cscripto de taes dividas ou reclama-
yocs, a mim abaixo assignado, no meu es-
criptorio, como solicitador da sobredita cu-
radora, quepassado este, daproceder
distribuiclo dos bens do fallecido entre
as pessoas que teem direito, tendo smen-
te providenciado pelas dividas ou recla-
mares das quaes ella j tinha aviso, e que
ella nao se responsabilisa pelos bens dis-
tribuidos ou por qualquer porcao d'aquillo,
a qualquer pessoa de cuja divida ou re-
clamaco ella j nao est avisada.
Datado em 8 de Abril de 1889.
A .P. Cobb.
53 Lincohvs Inn Fields, London, W. C.
Solicicitador da dita curadora.
Amanha 10 do corrente depois da a audiencia
vai em praca o engento o Muryci constante do
edital abaixo
O Dr. Henrique de Barros Lins, juiz mu
nicipal e do commercio cm exercicio, do
termo da Escada, comarca do mesmo
nome, provincia de Pernambuco, por S.
M. o Imperador o Sr. D. Pedro II, a
quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem que ir a praca por venda,
a requerimento do exequente Beiro e Almeida,
com o praso da lei, no dia to do mez de Julho
prximo futuro, na porta das audiencias d'esta
cidade. s 12 horas do dia, o engenho denomina-
do Muricv, situado neste termo, com suas trras
e sitio avaliado pela quantia de 3:O00O00, per-
tencente ao executado ausente Joo de Azevedo
Pereira. o qual engenho vai a praca para paga-
mento da quantia de 4:130000, juros accresci-
dos e custas.
E quem no mencionado engenho cima referi-
do quizer lancar compareca nesta cidade no da,
hora e lugar cima designados.
E para que chegue ao conhecimento de todos
aquelles que interessar possa mandei passar o
presente edital, no qual me assigno e ser aQixa-
do no lugar do costume, do qual licar nos autos
a competente copia com a respectiva certido do
porteiro interino dos auditorios, na forma da lei,
e entregue outrojigual ao procurador do exequen-
te para ser publicado pela impr
Dado e passado nesta cidade da Escada aos
dias do mez de Junho de 1889.
Eu, Antonio Carlos de Almeida, escrivo do
commercio, subscrevo e assigno.
Companhia de Trilhos Urba-
nos do Recife Olinda e
Beber i be
3. CONVOCAgO
4sM'mlil('a geral extraordinaria
Nao se tendo anda boje reunido o numero
legal de* accionistas, fca convocada para o dia
15 do corrente, ao meio dia, no escriptorio d
ra da Aurora, a assembla geral extraordina-
ria, funecionando dcsta vez com o numero Qe
accionistas que se tizerem representar. Esta
assembla geral, segundo ficou declarado nos
annuncios feitos desde o dia 17 de Junbo, con-
vocada a requisic&o da directora, tem por tim
resolver sobre a conveniencia de ser renovado o
privilegio da companhia, de accordo com a lei
n. 2001, de 4 de Junho do corrente anno, sobre
a attitude que devera a mesma companhia to-
mar para com as emprezas d'< gna e gaz de
Olinda ; e sobre o levanlamento de nm empres-
timo destinado ao renovamento do material ro-
dante da companhia. Sao resolucOes tomadas
estas que affectarao grandemente a economa
social e assim deverao ser estndadas e resolvi-
das pelo maiot jiumero possivel de accionistas.
Recife, 3 de falli de 1889.
Jos Antonio de Almeida Cunba
Secretario da assembla geral.
Companhia de Edifi-
cacao
Assembla geral extraordinaria
Tercelra convocaro
Nao se bavendo reunido numero legal de ac-
cionistas afim de constituir-se a assembla ge-
ral extraordinaria para hoje convocada, de r-
dem da directora e pela terceira vez convoco os
senbores accionistas reunirem se no dia 10 de
Juiho vndouro. ao meio dia, no escriptorio desta
companhia. praca Pedro 2." n. |77, 1- andar,
liin de trata rom do mesmo assumpto j annun-
eiado.
Sendo esta a terceira convocacao previno acs
Srs accionistas qne, em vista do 4" do art. 15
4a lei n. 3,150 de 4 de Novembro de 1882, rea-
sar-se-ha a assembla geral extraordinaria
com qualquer numero de accionistas que com-
parecer, seja qual fr a somma do capital que
representem.
Recife, 25 de Junho de 1889.
Ricardo Menezes
^,__________ _____Gerente.______
S. R. J.
ocietfade Recreativa Juventude
Sarao m solemnisacao ao '5.' anniversario de
sua i-istallaco, e 2.a do da sua banda musical
em 14 de Agosto.
Convites para este sarao, em mo do presi-
dente : ingressos em mo do thesoureiro.
Desrte j previnc-se que nao seadmitte aggre-
gados.
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
8 de Julho de 1889.-0 2- secretario
Antonio F. Lopes.
f uizo dos feitos da Fazenda
Escricao Torres Bandeira
No dia 19 d'este mez, depois da audiencia, iro
a praca, por venda, os predios abaixo declarados,
penhorados por execuco da Fazenda Provin-
cial.
Recife
Casa terrea, no Becco do Paschoal n, 1, com 9
metros e20 centmetros de comprunento, 6 me
tros e 20 centmetro' de frente, t portas de fren-
te, 2 pi>rtas e 2 j.inellas uo oito, sotao, sendo
o pavimento terreo um armazem. e no snto 1
quarto e i sala, avaliada em 640, pertimcente a
Jos Celestino das .W. es Fonseca.
Casa ra do Areial n. 4, com 6 metros e 40
centmetros de largura. tros de fundo, I porta e 2 auellas do frente, 1
sala, 1 quarto. quintal, por 3203, pertenecnte a
Jjao de Souza Pereira.
Casa ra dos Guararapes u. 29, com 2 portas,
2 salas, 1 quarto, soto interno, cosinha e quin-
tal com cacimba, 4 metros e 30 centimetros de
frente e 8 metros de futido, avaliada era .'tOO,
nertencente aos herdeiros de Flix da Cunha
Teixeira.
S. Jos
Casa rua de Domingos Theoionio n. 48, com
porta e janella, 2 salas, 2 quartos, cosinha f-a,
quintal, 3 metros e 40 centmetros de fundo, 11
metros e 40 centimetros de frente, avaliada em
300, pertcncente a Jos Francisco da Costa.
Lobo.
(.asa ra imperial h. 308,'com i porta de
frente, sem repartimento, com 3 metros de frente
e 10 metros e 70 centmetros de fundo, avaliada
em 1003, pertencente a Amaro Antonio de Pa-
rias.
Recife,J* de Julho de 1889.
Banco de Crdito lleal de Per-
nambueo
No sorteio a que se procedeu n'este Banco em
dala de hoje 2b, para o resgate de 39U lettras
hypothecanas das 'que existem em circulaco
(1*, 2" e 3* series e 1 semestre da 4* serie), de-
signou a sorte as de nmeros abaixos descriptos
as quaes sero pagas pelo Banco contar de pri-
meiro dia til do mez de Julho prximo futuro,
e, quer sejam ou nao apresentadas, nao vencerao
mais juros depois de 30 do corrente mez.
Estas lettras sero pagas ao portador pelo seu
valor nominal de lOyOOO cada uma, bem como
os juros e com os premios abaixo mencionados.
Tambem sero pagos a contar do 1" de Julho
prximo futuro, os juros das lettras emittidas
nos annos de 1886. 1887 c 1888.
Recife, 26 de Junho de la89.0 gerente, Joao
Fernandes topes.
1 SERIE
13 1441 3622 5300 6967
154 1450 3629 5311 7034
194 i ir.1 3785 5370 7095
198 146H 3835 5402 7112
222 1527 3848 5496 7162
225 -loGl 89I 5S18 "171
235 1563 3951 5530 7177
247 1631 391! 5561 7262
258 1637 3999 551)7 7333
300 1713 4129 5608 7338
328 1793 4156 5620 7350
433 1847 4184 5688 7361
514 .1928 4228 5690 7366
515 1962 4282 5747 7376
558 1973 4303 5781 9135
606 2010 4322 5790 7449
622 2031 4330 5812 7459
625 2061 4337 r.si s 7474
667 2087 4398 5821 7515
675 2100 4431 .'65 7594
685 2138 1435 3888 7621
741 2196 4446 5907 7677
760 2243 4494 5946 7689
764 2255 1538 6038 7698
772 2317 4657 6053 7744
822 2522 4727 6058 7754
842 25*1 4741 6120 7813
859 2613 4949 6125 7924
862 2667 4777 147 ?1>58
896 2681 4781 6148 7976
905 2690, 4837 6188 7989
942 269 4852 6195 7994
953 2778 4878 6226 7996
957 2836 4914 6255 8014
1021 2927 496C 6262 8032
1056 2930 4968 6266 808
1066 2959 4972 6280 8174
1075 2966 4997 6329 8215
1107 2972 5027 6344 8230
1167 3017 5030 6373 8245
1175 3055 5045 6389 8270
1248 3109 W<, 0409 8304
1254 3127 5106 6531 8354
1256 3133 5124 6643 8356
1261 3163 3144 1669 8357
1276 3190 5l6ti 6671 8364
1283 3258 3175 6682 8399
3*1 3280 5181 6686 8442
1350 3346 3201 6706 8489
1357 3482 5272 6751 8490
1422 3586 3275 6911 ....
1437 3387 3291 6916 ..'?.
3a SERIE
8612 11393 13696 14866 1588o
8622 12136 13703 13059 16164
8715 12525 13748 15158 16196
8881 12664 13800 15178 16286
9534 12750 13834 15186 1P392
10139 12763 13875 15241 16558
10144 12964 13893 15251 16672
10185 13073 13925 15290 16687
10274 13104 14049 15310 16749
10324 13225 14138 15473 16768
10570 13411 14461 15479 16813
10597 13420 14531 13484 16877
10669 13433 14560 1553* I690
10997 13443 14592 15559 16920
11032 13321 14646 15582 ....'.
11460 13561 14731 15760 ...
11803 13648 1478G 15828 .....
11872 13680 14864 15876 .....
3* SERIE
17537 18576 20145 21390 22328
17667 18588 JOI83 21535 22830
17772 18965 20626 21546 23139
17922 18968 20734 22064 23165
17995 19586 20920 22086 23235
18033 19854 20954 22112 .....
liiss 19882 21265 22141 .....
18338 20026 21315 22307 .....
4' SERiB
23618 24000 24755 25249 26054
23712 24512 25145
THEATRO
COMPANHIA LYRGA
DE
ZARZUELA HESPAMIOLA
crea-felra. 0 de Julho
BENEFICIO
da Htiple Sra. Pa, a qual, achando-se incom-
raodida, pede desculpa ao respeitavel publico
nao Iransferil-o.
BOCACO
.us para todas as lianas e trem at
Apipcos.
PREMIADAS
Com
OOOOU
50*000
301000
10*000
10*000
10*000
I0*<00
10*000
10i0(ft
10*000
15249
25867
HUMEROS
149
3*1
1451
5*4
494
5MS
5435
95M
1S908
tsiss
Conselho de compras da
reparticao de marinha
De ordem do lllm. Sr. capitSo-tenente Manoel
Augusto de Castro Menezes, inspector d'este Ar
seal e capitodo porto desiu provincia fajo pu-
blico para sciencia dos interessados que tendo
sido annullada a concurrencia realisada no dia
! do correte, para o abastecimeato do almo-
xarifado e acquisigo de madeiras, chamada
nova concurrencia de harmona cem o edital
abaixo publicado, que ter lugar no dia 13 do
corrente s 11 horas da manh cm uma das sa-
las da secretaria do mesmo Arsenal.
Inspecco do Arsenal de Marinha de Pernam-
buco, 6 de Julho de 1889.
O secretario,
Antonio da Sica Azevedo.
Conselho de compras da re-
particao de marinha
Wupprimento de NobrealeatcM e
madeira durante o emewtre de
Inlno a Deiembro do corrente
anno.
De ordem do lllm. Sr. capto-tenente Manoel
Augusto de Castro Menezes, inspector d'este Ar-
senal e capito do porto desta provine:
accordo com a autonsaco concedida pelo aviso
do Ministerio da Marinha n. 919, de 31 de Majo
Ando, faco publico aos interessados que no dia
13 de Julho do o i horas da
manh, n'uraa da a d'este Ar-
rnecimento
er :
* Abastermento do almo.ranfado
A
Ajo quadrado, preco por kilo.
Ajo em barra, dem idem.
Ajo fundido, dem idem.
Ajo batido, idem idem.
Ajo em bolha, idem idem.
Ajo para molas, dem idem.
rame de cobre, idem idem.
Almagre, idem idem.
Ajo fundido quadrado, dem idem.
B
Baetilba ou flanella, prejo por metro.
Balanca para mesa com conchas, prejo de uma.
Baldes de sola, prejo de um.
Badame. idem dem.
Belmaz de ferro, prejo por Jcilo.
Bronze, idem idem.
c
Cera preta para corrame, prejo por kilo.
Cera em pao, dem idem.
Cera em velas, idem idem.
Cc^ra virgera, idem idem.
Cera em ardiles, idem idem.
Cadlnho de patente SS (um numero.)
Catracas SS, prejo por uma.
Citraca com manivela, dem idem.
Cal branca, prejo por litro.
Cal preta, idem idem.
Cera da trra, prejo por kilo.
Cira branca, idem idem.
Colher de ferro para nedreiro, prego de uma.
Correia de sola singela Tuke. prejo de metro
Correia de sola dobrada Tuke, idem dem.
Cobre^m chapa, prejo por kilo.
Cobre em barra, idem dem
Cobre em folha, idem idem.
Chicaras e pires de ferro agatha, prejo de um
casal.
Chave de fenda ou parafuso, prego de uma.
Carnauba em velas, prego por kilo.
ranos de chumbo, dem idem.
Clnnelio de vaqueta, prego do par.

Damasco de l. preco por metro.
Lobradiga de ferro quadrado para machina SS,
prego do par.
Dobradiga de ferro batido, quadrada SS, prego
do par.
Dobradiga de ferro, idem idem.
Dobradiga de metal, idem dem.

Estanho/em barra, prego por kilo.
Enx para carapina ou doriteira, prego de uma.
Enx para carpinteiro com cabo, idem idem.
Escala mtrica, idem idem.
Escarradeira de ferro, idem dem.
Escarradeira de ferro agatha, idem idem.
Escarradeira de folha, idem idem.
Esquadro de ajo, prego de um
Estopa ingleza, prego por kilo.
Estopa americana, dem idem.
Escova de rame para tubo de caldeira, prego
de una.
Escova para cabello, idem idem.
Escova ingleza, idem idem.
Escova de rame, dem idem.
F
Folha de Flandres grande, Chrcool, marca #,
* e,*s*. prego por caixa.
Folha de Flandres pequea, Charcool, marca f.
tti ttt. dem idem.
Folha de Flandres pequea. Koke, marcas as
mesmas, idem idem.
Folha de Flandres grande, Koke, marcas as
mesmas, idem idem.
Flor de enxofre, prego por kilo.
Fechadurade ferro para gaveta, duas linguetas
e duas voltas SS, prego de uma.
Fechadura de maganeta, franceza. idem idem.
Fechadurade metal SS, idem dem.
F^rro em chapa BB, dem por kilo.
Ferro em vergalho. idem idem.
Ferro em barra, idem idem.
Ferro em cantoneira BB, idem dem.
Ferro Lawmoor era chapa, idem dem.
Ferro Lawmoor em vergalho, dem idem.
Ferro Lawmoor em cantoneira, idem dem.
Ferro Lawmoor em barra, idem idem.
Ferro Lawmo r, em varo, idem idem.
Ferro Lawmoor em lengol. ideln dem.
Ferro da Suecia em barra, idefy idem.
Ferro da Suecia em vergalho, idem idem.
Ferro patente em barra, idem iilcra.
Ferro em vergalho, idem idem.
Ferro para arcos, dem idem.
Ferro para grelhas, idem dem.
Ferro xadrez em chapa, idem idem.
Boles SS, preco por polegada.
t
Garlopa com ferro, prego de uma.
Goiva para calafate, idem.
Dita para carpinteiro, idem.
Giz em pedia, prego por kilo.
Gadanho de ferro, prego de um.
Garfo de ferro, idem.
(avia americana, prego por kilo.
H
Hostia, prego de uma.
E<
Lixa de panno branco, folha, prego de uma.
Dita de papel, idem, idem..
Lubrificador, prego de um.
Lalao em chapa, prego por kilo.
Dito em vergalho, idem.
Dito em lengol, idem. .
Lavatorio de ferro, prego de um.
Lapes de Faber para desenho, dem.
Lima ingleza, prego por polegada.
Limatao ioglez, dem.
Lavatorio de ferro com jarro e baca, prego de
um.
Mecha para pbarol, prego por duzia.
Malho de ferr, prego de um.
Martello para carpinteiro, idem.
Dito para pedreiro, idem.
Metal em folba, prego por kilo.
Dito em chapa, idem.
Dito patente para forro, dem.
Madeiras
Eevem ser por metro corrente os pregos das
seguintes:
Pinho americano
Taboas, tendo cada uma. pelo menos O",223 de
largura e as seguintes grossuras: 0,012,
O,019, 0-.025, 0*,037, 0-,050,0",075.
Pinho da Suecia
Taboas, tendo cada uma pelo menos, 0",223 de
largura, e as seguintes grossuras : 0-,012
0-.019, 0,025,0",037, 0-,030,0-.075 e pran-
chodeO-,100.
Pinho Higa
Taboas, tendo cada uma, pelos menos, 0",225 de
largura e as seguintes grossuras: 0,012
0-,019, 0-,023. 0,O37, 0-030, 0-.073 e pran-
eno de 0-,100.
Louro, cedro, cedro da Babia, amarello. po-
carga, peroba e birindiba
Taboas d'estas qualidades. com as seguintes
grossuras : 0,012, 0">,019 0>,025,. 0m,037,
O,050, 0,073 e pranheo de O^.lOO, todas das
larguras de 0,3 a 0m4.
Devem ser por unidades os pregos das seguin-
tes :
Trave de sicupira de diversas dimensOes va-
riando cutre 0,26 X 0,26 X 6> e de 0-.30
X 0,30 X 8-.
Dita de sapucaia.
lila de sapucarana.
Dita de guarabs.
Dita de louro.
Dita de imbiriba preta.
Dita de massarandba.
Dita de condur.
Dita de gororoba.
Todas essas travs devem ter as dimensOes
cima especificadas.
Enxams de qualidade, variando eutre 0>,1 X0-
1 X6 e de 0m,13 X 0,J5 X 8-,
Vigas de qualidade, de 0,25 X 0n,23 X 8" e de
0-,35 X 0",33 X 8
Ditas de sicupira verdadeira, de 0,-35 X 0-.33"
X0,
Toros de jampapo, sem nos, de 2-6 e 3-,8 do
coraprimeoto e 0,22 a G-,23 de dimetro no
topo mais grosso.
Paos de sicupira verdadeira para yos de navios,
das seguintes dimensOes: de 5- a 6-XO,"
35X0,-23 e de 7 a 8-XO 33X0-, 25 m.
Paos de angelini amargoso para vaos de navios,
das seguintes dir.i de 5- a 6m X O^
X O", 23 e de 7 a 8'X0% 35X 0, 25 m.
Paos curvos de sicupira de comprunento entre
2ni o 5n', para tragos de navi
Paos curvos de sicupira de comprimento entre
2 a 5, para cambotas.
Caibros de qualidade de comprimento entre
6, 6 e 8
Ripa> de imbiriba das mais compridas, prego de
cada centro.
i--'
P de ajo com ponta, prego de uma.
Pedra de aar, itl




$$


Diario de PernambucoTer^a-feira 9 de Julho de 1889


nal.
Dita de amolar, dem.
Dita de reboto, da torra, idera.
Dita de reboto, estrangeira, idt'B.
Dita podre, prego por kilo.
Prege de cobre de embutir, iden..
i>rego de ferro grande, proco por cenlo.
Prego de Ierro pequeo, idem.
Prego belurar, prego por kilo.
Dito de cobre para forro, idem.
Dito de ferro de guarniclo, idem.
Dito de ferro de assoalho, idem.
Dito de cabega de porcelana, preco de una.
Dito cabega donrada. dem
Parausos SS, i'icm.
Pincel de marina. dem.
Dito de seda, idem.
Prato fundo, ferro agalho, dem.
Dito fundo, estanhado/. idem.
Panno oara mesa, pjKeco por metro.
Papel tara descuho, (peca) prego de urna.
Dito para desenlio, panno, dem.
'falqu (sem fim)
Papel transparente para copiar desenho, idem
Dito para desenho, linho vegeta idem.
Pelle de carneiro preparado, idem.
Prato redondo, prego "de ura
Dito travessa, ferro agatba, idem.
Dito de ferro esmaltado, idem.
Dito de folba, um
Pelle para caixa de guerra, prego de urna.
Palha de junco, prego por kilo.
Rebote de ferro galvanizado, prego por kilo.
Rehile, idem.

Sapatillio de bronze, prego de um.
Sextante, idem.
Sebo em velas, prego por kilo.
Serrote para corlar carne, prego de nm.
Sida forie, prego por kilo.
Sercante de ouro, idem.
Safra de ferro calgada, prego de urna.
T
Tesoura para corlar metal, ppero de urna.
Torquez, idem.
Tubo de chumbo, prego do p.
Tinta cdr de palha, prego por kilo.
Torcida franceza, prego por metro.
Terrina de ferro agatna, prego de urna.
Dita de folha, fdem.
Torneira de qualquer dimetro, idem
Vidro para vid raga branco, idem, idem.
Yidro para vidraga de cor. idem, idem.
Verruma de.rosca para calafate, idem, idem.
Verniz branco francez encorpado. prego de kilo.
Verniz de pincel branco. idem, idem.
Verniz de pincel preto, idem, idem.g
Verniz seccativojinglez. idem, idem.
Verniz Bret Blank Jaon (lata) prego por urna.
Vidro opaco, prego de um.

Zinco em lengol. prego por kilo.
Observaces
Sao deveres d*M proponentes :
1. Organisar as suas propostas, attendendo
a que ellas, alem de serem em duplcala escrip-
ias em papel forte e com dous centmetros de
margeiu, pelo menos, do lado da juncco, fecha-
das, isentas dee sello referentes a erpecie de ar-
tigos dos negocios dos contractantes. devero
conter:
0 nome do proponente no alto da pagina e os
rticos classificados de conformidade coji o edi-
ta! de chamada : os nmeros e marcas desses
artigos. si a sua naiureza o determinar:
O prazo improrogavel da entrega total ou par-
cial, si tratar-se de artigo que dependa de fabri-
co ou tenha de ser adquirido em grande [escala
e de urgente necessidade ;
A declararlo expresas de que o propouente
ujeila se as condiges geraes dos contractos,
estatuidas no aviso circular n. 1.087 de 29 de
Julho, de 1882 e moJilicadas tanto pelo novo re
gulamcnto do sello, come pelo aviso circular n.
172 de 28 de Janeiro* de 1884. e bem assim a
rau'ta de 5 da importancia a que montarem
os artigos que Ihe fo-ea acceitos, se deixar de
comparecer para assignar o respectivo contracto
ou de assistir a discusso e leitura da minuta
dell-, isto dentro do pra::o que fr notificado
pelo diario oflkial, o que nunca ser maior de
tres dias :
A enumerarao dos artigos, qualidades. pregos,
etc., por extenso. sen rasuras, emendas ou en-
trelinhas;
l'm nico prego por cada artigo ;
A indicacao da casa commerciat do concur-
rente ;
A assignaluro-do propouente, ou se for firma
social, do socio ou socios quepossam usar da
mesma firmo, salvo autorisaro concedida por
instrumento de procuraca'>;
Entregar, por si ou por sena legtimos repre-
sentantes, directamente ao conseibo, no lugar,
dia e hora marcados, nao s as suas proposta?,
como as amostras correspondentes ;
Exhibir, no acto de entren, alem da certldo
de respectivo contracto social, quando nao se
tratar de tiran i ulividual, documentos que com-
provem:
llaver pago como negociante estabelecido o
imposto de casa commercial relativo ao ultimo
semestre vencido:
Ser negociante matriculado. Todos esses do-
cumentos serao restituidos a quem os apresen-
tar, logo qua se baja de proceder leitura da
respectiva proposta.
Assistir, na sala das sess6es, a leitura (.*>pres-
sa no numero antecedente.
As fabricas ou eslabelecimeutos industriaes
do imperio serao dispensados da condigao de
matricula na Junta Commercial. e, em igualdade
de circumstancias, ler&o preferencias sobre os
outres concu-reules.
as localidades, onde nao houver junta com-
mercial, sero admittidos concurrencia os ne
gociantes de maior crdito, independentemente
da prova de matricula; devendo as firmas so
ciaes exhibirem a certidao de seu contracto,
conforme preceita o art 13, n. 3.
Recommenda-se aos proponentes que organi-
sem as propostas de accordo com o annuncio
Dos contractos
Todos os contractos celebrados em virtude da
preferencia do conseiba de compras serao an-
nuos e terminar-1 com o exercicio do anno li-
nanceiroem que tiverem sido effectuados. salvo
se se referirem a certo numero de artigos cujo
fabrico ou leitura demande maior lempo.
Quando fr necessario aos ioteres9es do ser-
vigo, sero os fornecedores obrigados a conti-
nuar o supprimento. mediante os pregos e cov
diges estabelecidos em seus contractos por
mais 60 dias. sem que d'ahi resulte direito
prorogago dos ditos contractos.
Todas as minutas dos contractos lavrads em
razo da preferencia do conselho de compras fi-
carao sujeitas approvaco da Secretaria de
Estado dos Negocios da Mariiiha.
As amostras dos artigos correspondentes s
propostas preferidas ficaro depositadas na re
partjgSo onde o conselho ti ver celebrado as suas
sessoes ; ao passo que as dos artigos corres
pondenles s demais proposias, se nao forem
retiradas dentro de 48 horas, serao dadas a con-
sumo nos termos do regulamento da inten-
dencia.
A concurrencia ser annullada :
Quando nao forem observadas as disposicoes
do prsenle regulamenio;
Quaudo comparecer um s proponente, salvo
se tralar-se de supprimento especial;
Quando por motivos poderosos acreditarse
que haja conluio entre os proponents.
Secretaria da nspeceo do Arsenal de Man-
nha de Pernambucc, 5 de Julho de 1889.
0 secretario,
__^_ Antonio da Silva Azevedo.
Sania Casa de Misericordia
do Recife
Perante a Illma. junta administrativa em sua
-ao de 9 do corn-nte ser arrendado a qunm
melli offerecer o 1- andar do pre-
dio n. 2i-A ra larga do Rosarlo, tendo por
base a renda ue sal de 22*000.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 3 de Julho de 1889.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Thesouro Provincial
Deordem do film. Sr. Dr. inspector denla re-
partigo, fago publico que no da 9 do corrente
mez papa se a clame de aposentados e jubila
dos. com relaco aos seus veneimentos do, mez
de Abril prximo findo, que deixaram de rece-
ber i, deMaioeunao por insufiicien-
a da renda. Paga ge
*adoria do Thesouro Provincial, 8 de Julho por accao
4 1889.O escrivao- Alfredo ibioi andar.
THEATRO
SANTO NTIMO
Propriedade e empresa dos artistas
EDUARDO RODRIGUES E HELENA BALSEtO RODRIGUES
Quinta-feira, 12 de Julho de I 889
DIRECgAO DO ACTOR '
C. LKBOA
MARAVILHA DAS MARAVLHAS
A MAIOR NOVIDADE NA PRESENTE POCA
ESPECTCULOLYRIC0-C0M1M E PH4NTASTIC0
Pela primeira vez a grandiosa e monumental opereta mgica em 1 prologo,
3 actos e 2 quadros, aprimorado e verrinoso trabalho do Ilustrado e applaudido es-
criptorportuguez EDUARDO GARRIDO, nico no genero da critica finae espirituosa.
A FILHA DO'AR
Pacific Steam Na viga ti on
Company
STRAIT30FMAGELLAN LINE
O paquete Britania
Espera-se do sul at o dia
15 do corrente e seguir,
depois da demora do costu-
me para Liverpool por
Jsboa. Bordean* e Ilj niouh
Para carga, passageiros, encommendas e di-
aheiro a frete: trata-se com os
AGENTES
Wilson, Soks A C, Limited
14RUADO OOMMERCIO14
V PRINCEZA AZULINA
areos
D. Francisca Brite.
D. Aliverti.
D. Balsemlo.
Sr. Francia.
Personagens
A Rainha do ar
A Princeza Azulina.
Zephiro (vento brando) .
Breas (o rei dos ventos) .
Sylphides, genios areos, diabinhos, etc.
Personagens terrestres
Leandro (rapaz aparvalhado) ... Sr. Rocba.
Matbias (velho uzurario) Sr. Teixeira-
Aoucena (sua filha) ..... D. Anglica.
Martba (ar de Leandro) .... D. Angelina.
Caraponezes
DENOMlNAgAO DOS ACTOS
PROLOGOas nuvenSPartida para a Terra.
1." ACTOqadeo l.-0 Talismn
2." A Derrocada.
2." ACTOquadro 3.Os beijoa do Diabo.
4. OCemiterio.
3. ACTO quadro 5.A Gruta Mysteriosa,
> 6.Apotheose.
Discripcao do scenario
PROLOGOEntre nuvens, Morada dos genios, Reinado dos ventos a da fa-
milia aerea. Scena de deslumbrante effeito. Completamente nova.
PRIMEIRO ACTOPRIMEIRO QUADRO
Interior do um moinhoj arruinado, Habitacao de Martba e Leandro. Scena a
capricho. Scenario novo.
SEGUNDO QUADRO
Grande derrocada, A chava de prataScena de marivilhoso effeito.
SEGUNDO ACTOTERCEIRO QUADRO
O Jardim encantad".
QUARTO QUADRO
O Cemiterio 'gScena surprehendente pelos seus (cffeitos. Scenario novo.
CHARGEURS REUNS
Companiia Francesa
DE
mavega^So a vapor
uinha regalar entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos.
O VAPOR
Yille doCear
Commandante Lainey
E'esperado da Europa at o dia 16
de Julho, seguindo depois da in-
dlspensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga peles
vapores desta liona, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamaco concernonte a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul afim de se podei dar a tempo as provi-
dencias necesarias
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsabiliza por extravos. ,
F^ra carga, passagens, encommendas e di-
oheiro a frete : tmta-se com o
AGENTE
nguste Labille
9RA DO COMMERCIO-9
COMPAQ IDA PEBXAHBUCANA
DE
Xavcgaco costclra por vapor
PORTOS DO SUL
Rio Formoso e Tamandar
O vapor Mandahu
Commandante Alcides
Segu no dia 10 do correu-
te s horas da manha Re
cebe carga at o dia 9.
Encommendas, passagens e dinheiro a frete
as 4 horas da lar le do da 9.
ESCRITORIO
Ao Cas da Companhia Ptrnambucana
n. 12
m p ano de Jacaranda, 1 rica mobilia de ja-
caranda com encost de palhinha, com 18 cadei-
ras de guarnicao, 4 consolos. 1 soft e 4 cadeiras
de braco. Ura riquissimo toilet de Jacaranda, 1
cama de dito, 1 mesa elstica com 7 taboas. 1 mo
bilia de junco, % serpentinas, 18 cadeiras de jun-
co.cama de amarello,|mOchos, uma'-linda columna
de marmore com hacia para flores, urna meia
commoda, cabides, loucas, vidros, candieiros.
jarros e muitos outrus objeelos que se torna en-
fadonho mencionar, e que estaro patentes no
acto do-leilo._________________ .
Agente Silveira
Leilo
Da meia-agua ra da Conquista n. 1,
teguezia da Boa-Vista, em
terreno proprio
Quaita-fcira, 10 do corrente
A's 11 horas
EQectuado na mesma casa
0 agente Stveira, por mandado e com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz'de ausentes, a re-
querimeato do Sr. Dr. curador de ausentes, le-
var a leilo a referida meia asua, espolio de
Manoel Correia do Nascimento, tendo 2 portas
de frente, porUTo ao lado, 1 sotao medindo qua-
tro metros e setenta centimetros de frente, e oito
metros de fundo. A referida mcu-agua lem
quintal, sendo'parte murada e parte cercada,
com diversos ps de fructeiras.
Os Srs. pretendentes podem ir examinar, de
vendo a chave ser procurada na casa n. 'i,
mesma ra.
Caixeiro
Frecisa-ae d&.um menino de 12 a 14annos di
idade para .aiseiro de (averna; no largo do
Tergo n. 34!
Vende-se
tima quanlidade de madeira propria para pada-
ria ou olaria : a tratar no la -go do Corpo berilo
n 4, 1 andar.
Vende-se
o deposito de cigarros e charutos da ra do Pe-
go n. 18 : o motivo da venda o seu proprieta-
rio achar-se doente e ter d retirar-se para fra:*
a tratar no memo.
Leilo
De
con-
TERCEIRO ACTOQUADRO QUINTO
A gruta mysteriosa, Bosque frondoso, Morado do velho mouge, A ceia infer-
Scena de verdadeira illusao d'optica-
. SEXTO QUADRO
A apotheose. Scena passada nos ares.
Fogos cambiantes, chuva de fogo, chava de prata, etc., etc.
25 nmeros de msicas
Scenario, guarda-roupa e accessorios novos e a capricho.
Esta companhia nao poupou despezas com a montagem d esta peca afim de
bem satbfazer o Ilustrado publico desta provincia, que tad benvolamente a tem
tratado.
N. B. O guarda-roupa todo novo e feito bou a di recio da actriz
. 38.A.X,SDeD(VXAO
COMPMIItt PEB\ABl'tM
DE
Xavoga<'.o costeira por Vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor Jag"uaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 10 de Julho s 12
horas da manir. Recebe carga ate o
dia 9.
da sahida.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Hiate Aurora 2.a
tIo*sor e Maco
Est a carga para estes portos o hiate cima,
0 qual segu por toda esta somaua a tratar
com os enea rregauos travessa da ra da Lapa
-nuuiero 14.
Passagens at s 10 horas do di
Instituto Beneiicente dos Ofliciaes
da Guarda nacional
Sao se tendo reunido numero legal de socios
para funecionar a asscmblca geraJ., venbo de
ordem do Illm. Sr. presidente, convidar de novo
aos senhores socios a comparecerem no da 9,
s 6 1/2 horas da tarde, afim de f roceder-se a
eleic o do 2- orador e um memb^o da coramis-
so de syndicaucia ; certo de que, funecionar
rom o numero que comparecer, como determina
o art o7 s 10.
Secretaria da assemblea gerai, de Julho de
1889.0 1- secretario,
Joaquim de Medeiros Raposo.
Derby Club tle Pernambuco
A directora suspendeu por faltas commetti-
das no dia 7 do corrente :
Por dous mezes o jockey Alfredo de Freitas,
que no 2 pareo dirigi palavras ofleusivas aos
juizes de partida.
Por dous mezes o jockey Jos Marcelino, e
por quinze dias o jockey Manoel Canvarro, que
no 7 pareo se chicotearan] reciprocamente, na
recta de chegada, sendo esta scena provocada
felo primeiro, que montado no cavallo Zambo
ez desgarrar o cavallo Tupa, moutado pelo 2."
Por esta mesma falta foi considerado distan
ciado o cavallo /.ambo, caliendo a Tupa 0 3" lu-
gar.
Recife. 8 de Julho de 1889.
O gerente,
Henrique Schulet.
Hippodromo do Campo brande
(Assemblea geral ordinaria)
Em virtude do 1 do art. 13 dos estatutos,
convido aos Srs. accionistas para se reunirem
em assemblea geral ordinaria no dia 12 do cor-
rente, s 6 horas da tarde, no escriptorio desta
companhia a ra Jdo Imperador n. 55, allm de
eleger-se a nova directora para o futuro anno
Hnanceiro e tomar conhecimento das contas e
parecer fiscal.
Recife, de Julho de 1889.
Francisco de Paula Correia de Araujo,
Presidente.
MARTIMOS
COMPAXHIA (PERV4MBICANA
DE
Xavegaeo costeira por Vapor
PORiOS DO SUL
Macei. Penedo, Aracaju e Bahia
O vapor Jacuhype
Commandante Pereira
Segu {no dia do 10 Julho s
5 horas da tarde. Recebe car-
B at o dia 9.
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida
ESCRIPTORIO
Ao Caes da
co
Companhia
n. 12
ANA
Pernambucana
*i-:nvMBi'c.4.v
DE
.\avegarao costeira por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco. Mossor, Araca-
ty e Cear
P-
LEILOES
Terca feira, 9, sera definitivamente vendi-
do no 2o e ultimo leilo o cavallo Meroveu, in-
glez, de puro sangue e um outro da provincia,
ambos de corridas.
O
vapor
Commanda
Segu
horas
dia S.
no
irapama
te Carvalho
dia 10 de Julho s
da tarde. Recebe carga at o
Companhia do Bebe-
4 ribe
Nao se tendo reunido accionistas em numero
sulflciente para que se realisasse a assemblea
geral ordinaria do corrente anno, no dia lixado
nos estatutos, sao de novo convidados os sentio
res accionistas a se reunirem no dia 12, ao meio
dia, no 1- andar da casa n. 71 ra do Impera
dor, devendo a reunio ter lugar com qu fquer
S|ue seja o numero de accionistas presentes, na
rma da lei e dos estatutos.
Recife, 5 de Julho de 1889.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira
Director gerente.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina
Director secretario.
Banco do Brasil
o 71.' dividendo a razio de 8*000
; na ra do Comnerclo o. 6, primeiro
Encommendas, passagens e dinheiro frete'
at s 3 horas da tarde do-dia 9.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucanu
n. 12
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Alagoas
Commandante Joio Mara Pessoa
E' esperado dos portos do norte at
o dia 14 de Julho e depois da de-
,mora indispensavel seguir park os
portos do sul.
As encommendas sero recebidas no tranjehe
3arbosa al 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens, encommendas c ialo-
res trata-se com os /.GESTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Maranha
Commandante o eapitao de fragata Pi
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos pertos do sul a^
da 17 dejulho e seguindo de
da demora indispensavel para
portos do norte at Man -
As encommendas so serio recebid
ciaat 1 horada tarde do dia da sal
Par:; incommendas,
e com os
Pereira Carneiro & C.
6Ra do Commereio=6
1 andar
Agente Setepple
Leilo
De urna casa terrea e sotao aita ra dos
Pescadores, sob n. 24, freguezia de S.
Jos.
Terca-felra, O do corrente
A's 11 horas da manha
No armazem a ra do Imperador n. 39
O agente cima, competentemente autorisado
levar a leilo a casa te/rea cima, com porta e
janella, 2 quartos. sotao, cesinha, quintal, ren
dendo mensalmenle 205000.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
minar a referida casa.
2.- e ultimo
Leilo ,
castanho de corridas, de puro
sangue inglez, denominado
Merovu
de quatro annos, e um outro alazo foveiro da
provincia, de 6 anuos, tambem de corridas.
Terca-felra. 9 do corrente
A'S 11 HORAS EM PONTO
Em frente ao armazem c:.. ,-aa do Bom
Jess n. 46
O agente Pinto levar novamente ejpela ultima
vez leilo, sarvindo de base as offertasSobtidas
e devendo-se effectuar a venda n'aquella occa-
sio dos cavallojpacima mencionados pertencen-
tes a ma3sa fallida de JoSo Fehsbert da Croa
Braga & C, isto por despacho do Exm. Sr. Df.
juiz de direito especial do commercio.
urna caixa marca C V n. 1088,
tendo fechaduras avariadas
Quarta-feira 10 do corrente, ao meio dia
Por intervenco do agente Alfredo Guimares
No armazem da ra do Bom Jess
n. 49
Agente Setepple
Leilo
De bons predios na comarca de Onda
Quarta-feira 1? do corrente
A 1 hora em ponto
No edificio da I amara Municipal de Olinda
O agente cima, por mandado e assistencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos da co
marca de Olinda, levara a leilo asseguintes ca-
sas :
Um sobrado ra de S..Pedro Martyr, sob n,
30, a casa terrea ra de Mathias Ferreira. hoje
Fernandes Vieira. sob n, 57, a casa terrea na
mesma ra sob n. 30, a casa terrea a ra do
Amparo, sob n. 3, a casa terrea a ra do Al-
jube, hoje 13 de Maio, sob n. 13, todas estas ca
sas na comarca de Olinda e pertencentes a me-
nor Mara, herdeira instituida no testumento do
finado Domingos da Silva Torres.
Os Irs. nretendentes desde j poderio ir exa-
inar\i referidas casa-.
Leilo
De bons movis, espelhos, laucas, corti-
nados, loucas e vidros
Quarta-feira iodo corrente
A's 11 horas
No 1." andar do sobrado sito ra Coronel
Suassuna n. 30, antiga de /lorias
Comilando i
De urna bonita mobilia, imifaco a Jacaranda
com tampo de pedra quadros. e8|>elbs, jarros,
etageres, escarradeiras, tapetes, laucas c' corti
nados, bidet, cabides, guarda-vestid, marque-
zes, lavatorios, guarda-louca, mesa elstica,
apparadores, guarda-comidas," cadeiras, quadros,
espelho, louga para almogo e jantar, copos, cli-
ces, garrafas, galheteiro, mesas de cosinha e
muitos oulros objectos.
O agente Gusmo, antorisado pelo Sr. Manoel
da Paciencia Nascimento que retira-se para o
Para com a sua Exma. familia, far leilSo dos
objectos cima meccionados. os quaes se tornara
recommendaveis por tercia apenas um mez de
uso.
DE MURE
Ha mtli d cincuenta anno* qm
eu pntloo medicina, e Jamis en-
contr! remedio mala etficaz que o
carto contra at irritaidet do celto.
V CBBBTtH, i iMtflliet.
Este Xarope. de sabor ex
celicnie. de nm poderosa
efflcacla contra a3 Mtfitmtytem
da Garganta, e do Peito,
FliuceH, Togse rebelde..
Catarrho Agudo ou Chr-
nieo.
Pl HUBE. Pmt-Saiot-Eiprii ffmsa)
A. GaLagne, Genro e Soeceisor
Oepot/fos em toda i principan
Pharmacia.
.i
111
Leilo
Das
Do .cavallo
Agente Pestaoa
casas terreas abaixo mencionadas
Quinta-feira, 11 do corrente
\'s II horas
No armazem travessa do Corpo Santo
n. 21
Urna casa terrea sita ra do Coronel Suas-
suna outr'ora Augusta n. 290, com 1. porta, 2 ja-
nellas de frente, corredor separado, 2 salas, 4
quartos, cosinha, quintal murado, com cacimba,
em terreno proprio.
Urna dita sita ra da Alegra n. %, com 2 sa-
las, 3 quartos, cosinha. quintal c quarto com ap-
pareho.
Urna dita ra da Santa Cruz n. 30, coqa 2
salas, 3 quartos, cosinha, quintal, cacimba, em
terreno proprio.
Urna dita com um andar ra de Gervasio
Pires n. 63, com 4 salas, 6 quartos, cosinha f-
ra quintal, quarto para banho e apparelbo e
peona d'agua.
Urna dita chalet cora gradeamento e porto
de ferro, com 2 salas, 1 gabinete, o quartos. co-
sinha fra, 4 quartos independentes, quintal at
o rio, cacimba com boa agua de beber, na Ca-
punga, travessa das Pernambucanas n. 3 B.
Todas estas casas esto livres e desembaraza-
das de qualquer onus.
tPcrxambucu: i.
. da SILVA 4 '-*-
Barato
Vende-se diversas machinas de numerar, gra
deamentos e balco de amarello para esenpto
rio, carteira3, armarios, machina de copiar car
tas e diverjo* cofres, entre os quaes um dos
melhores que tem viudo para esta provincia de
encommenda para a antiga thesouraria das lo-
teras ; a tratar na roa Baro da Victoria, loja
n. 14, das 10 horas da raanhi s i da larde.
PARS
l^^^J
84, raa Lacanaamlne. 0 Sor MALLET
deseja comprar sellos de
todos os paizes lo mun-
do, especialmente os raros
e do emlssoes antipas,
Dem como os sellos de
Portugal de 6500 e l*oC0.
Boga-so o favor de indicar o.-
preeos e qnanUdadg na ooca-
b&o de remetter as amostras te
embrnlhotstarapilhado,i( i*5ltt
Boa morada'
Aluga-se no Arrnial, ra da Harmonia, um
sitio com bastantes coraraodos; a tratar ne roa
do Padre Floriano n. 74.
Boa
i aequisic.au
Vende-se ou arrenda-se um bom sitio na es-
trada nova de Agua Fra Beberibe, perto da
estaco da Enciriliada, contendo casa com
lions commodos para familia, mais urna casa
para negocio, um parreiral, coqueires, sapotisei-
ros, laranjeiras, fructa-po e ontras fructeiras.
boa cacimba com agua potavel e terreno para
plantucOe- de ortalices ; a tratar na ra Duque
de Caxiasn. 30, padaria de ieiro 4 Alraeida,
Taverna
Vende-se a bem afreguezada taverna, sita
ra das Trincheiras n. i : a tratar na mesma.
B.
Ttlijt
nnco peraicio
Perdeu-sp urr brinc* do IVitio de urna concha,
contendo 11 briihantes pequeos e um grande-
no centro : roga-se aos sennors ourives ou a
qualquer [ ssi-a a quem seja oflerecido o obse-
quio deapprehendel-o. >endopor:;so generosa
mente recompen-ado : i ma i:''-?! do Rosario n.
26, 2- andar.
iiarmacia
Precisa su de um
Rosario n. 34.
iratieante ; na ra larga do
Leilo
Agente Brito
Leilo
De urna boa mobilia de raogno, 1 cama fran-
ceza, 1 toilet, 2 marquezoe?, 1 commoda, 12 ca-
deiras de junco, 1 sof 2 consolos e 12 cadeiras
de amaren i, 1 mesa clstica, { caMde e 1 quar-
tinheira de columna. 2 bancas. 1 mesa de cosi-
nha, quadros, jarros, looca para alwoco e jan-
tar, vidros, 2 espelhos, i relogio de p'arede, 1
machina de costura, baodeijas, tapetes, candiei-
ros para ke ts, treni de v -inlia e ou-
tros objectos.
Ao correr do rnartello
TERCA-FElRA 9 DO CORRENTE
A-a 10 1|2 horas
I lita de Sania Thereza n. 23.
?gente Pestaa
Leiiao
De um piano, movis loucas. vidros e outros
mul que sero vendidos sem reser-
va de preyo.
Tflrca-felra, do. corrente
A's 11 lio
redio ru
O iina fura i sa<.o do
i film. Sr. Dr. Augusto da Cunha Braudao. qi
I lira-se com *ua Exma. familia para a corle,
Agente Britto
Da armago, balco, fitelros. quanlidade de
louca da trra,- alguns movis, jarros, quadros,
candieiros, vidros e oulros objectos existentes
no deposito ra do Arago n. W.
AO CORRER DO MARTELLO
Garaute-.se a casa.
Quinta-feira. 11 do corrente
A's 10 1|2 horas
AVISOS DIVERSOS
Por 20$
aluga-se a casa i. 7 da ra de S. Jos dos Pes-
cadores, tem bous commodos, muito fresca e
est lampa : a tratar a ra Duque de Caxias n
89, laja.
%Jr toda*Mflore que %-'$'^^
FRANGIPANNi
Opopo&ax ? rsldiun
Oarissina o Ceradia n
Vende-te \ em todas -. /a+
"i Perfumariat
8.
t Drogaran
5?Oc
str
i^
*z

Alugam-se as casas na encruzilhada de
Belm ns. 28, 22 e 16, a 10*000 raensaes, esto
limpas, tem quintal e cacimba ; a tratar na ra
da Iraperatriz n. 76
Bn ra da Roda
fresco, bem como
Aluga-se o sobrado n.
com bons commodos e muito
os dous pavimentos terreOs ; quera os pretender
dirijas, ra do Cabug n. 16, loja da Ventu
rosa.
Aluga-se o sobrado de un andar ra das
l'rinclieiras n. 17, fia casa terrea n. H a ra do
Calabouco velho ; a tratar na ra das Trinchei-
ras. loja n. 17.
Mara Magilnlena ds iqueira
Varejo
Joanna Justina de Siqueira Varejao e seus fi
Ibosconvidam se s prenles c ..^iigos para as-
sistirem a urna mise que mnndam rezar na
igreja de N. S. dovCarmo. no dia 8 do corrente,
s 8 horas da manb, por alma de sua idola-
trada filh e irm;i. Mara Magdalena de Siqueira
Varejo, stimo dia do seu fallecimento, pelo
que se confessara agradecidos.
aMm
Domingo* Antonio ta Uva
Beirix (
2." anniversano
A viuva e lilhos do finado Domingos Antonio
da Silva Beiriz, tendo de mandar celebrar ahju-
mas missas pelo eterno descanso uo me3mo
finado, pelas 7 horas da manh do dia 10 do
corrente, na m* triz da Boa Vista, convidam a
todos os seus prenles e pessoas de sua amizade
para Mies fazerem o caridoso obsequio de a ellas
assistirem.
Aluga-se urna tu a ca^a na rua.D
Afogados, prximo a ponte ; a tratar na mesma
'til o Dr. Pinheiro.
Na ruadaS i. 56, nrepara-^e ban-
deijjs, bol ca, arroz de lei
te, pirmides de doces a'e\ vlap, etc. Re-
cepe-se r,ualqu t em a ; ara dentro e
fra da cidade
Antn i a Wrigltt participa s suas
amigas eclientes qtn a sui residencia
para a C punga, ra das IVrnambucauas name-
ro60.
Ni rio desta diario precisa-se com-
prar o / "I do anno de 1888.
Vi cimente de moliff'dos,
bem atreguezado, li.re e desembaracado" de
qualquer onus*; a tratar na ra Duque de Caxias
n. 30, padaria.
Cosinheiro e criado
- Precisa-se de um cosinheiro e de um criado :
na ra do Commercio n. *4, escrip-
a tratar
torio.
Mott Eduardo de Nonza "bandn*
*2. anniversano
A familia Landira em honra memoria de seu
pranteado chefe, Jos" Eduardo de Souza Landim,
manda celebrar ni igreja da Gloria urna missa,
s > 1/2 horas da manh do dia 10 do corrente,
para a qual convida a assistir os amigos e pa-
rentes do linado, agradeccndo-lhcs desde j.
D. Ignex FraneiNra Crrela de
araujo
O eapitao Manoel Correia de Araujo, sua nra-
lher. seus fillios e g.enro, agradecem do intimo
d'alma s pessoas. que assistiram aos ltimos
sulTragios feilos ao corpo de sua Tinada mi, so-
gra o av ; e de novo llies pedem o caridoso ol*
sequi -'.irem a missa de stimo dia qut
mandara rezar na igreja de S. Francisco de Pan-
la do povoado do Casanga, s horas da manh
do dia 12 do corrent*
^

i

1
I
'

* I
V


II
\


Diario de Peruambuco---Terca-fira 9 de Julho de 1888
fj
INFALLIVEL e RADICAL
o curativo, de todas as affeccoes bronchiaes :
Mal de Garganta, Tosse o Tsica
PEITOBAL

V
FUNDIflAO DE SINOS E BRONZE
DE
LUIZ DA CRUZ MESQUTA
66nu do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguinte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carapucas de cobre.
Taixas, taixos e caldeiras de cobre.
Bambas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Torueli'as de bronze e madeira de todos os tamannos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
He>arilelras, passadeiras e cscuraadeiras de cobre e de ferro estanhado.
Coi re cni leneol e arruclas.
Sola inglesa e do Rio. %
Cadlnhos patente e de lapis.
minos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectes
EN'OARREGAM-SE de qualquer concert e obras de encommenda, garan
tinao presteza, perfeico e preeos im-dicos, para o que tem pessoal habilitado.
Vli^iOE a praso ou dinheiro com descont.
-
MARANHAO
Approvado pelo Exm. Sr. presideate da provincia
i .




VICTORIA
TINTA m ALTERAYEL
Esta tiotarecommenda-se pelas qualidades
j,.
seguntes:
1E igual a mefhor tinta Bluc Block ingleza.
2E' de urna fluidez extraordinaria, e torna-se preta como
carvao.
3E" de duracio Ilimitada, portanto para os livros do coni-
nercio e para documentos, que carecam de loriga duracao, nlo
se pode desejar tinta meihor.
4 Nao estraga as pennas de 390.
Presos; garrafa 800 rs. I|2 garrafa 500 rs.
L1VR ARIA CONTEMPORNEA
:::::: ::. costa & c.
RA 1." D E MARO OP ERNAMBUCO
Premios da loteria luteira
1 premio de.....300:0005
. 50:0005
. 12:5005
5:0005 10.O005
2:5005 15:<005
1:5000" 15:0005
2:5005 5:0005
1:5005 3:0005
7505 1:5005
7505 6:7505
5005 4:5005
2505 2:2505
2505 24:7505
2505 24:7505
1255 112:5005
1255 112:5005
1
1 c . .
2 . .
6 c . .
10 c .
2 appr.iximacoes de
2 < c
2 t
9 Dez. do 1. prm.
9 t 2.8 c
9 3." c
99 2 fin 1. <
99 2. ,
900 trra. t 1. c
900 2."
2052 premios no valor de
700:0005
Premios da serie
premio de.....12:0005
1
1
1 .
2 e .
6 < .
10 c c .
2 approximacoes de
2
2
9 dez. do 1.
9 2.
9 3.
99 2 fin. c 1.
99 t
900 term.
900
prem.
2.
1."
2.
2005
1005
605
1005
605
305
305
205
105
105
105
55
55
2:0005
5005
4005
6005
6005
2005
1205
605
2705
1805
905
9905
9905
4:5005
4:5005
ALBINO SELVA &G
i
S' ltu;i Mrquez de Ollnda49
,'
MiffiL
2052 premios no valor de. 28:0005
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta loteria composta de 10.000 bilhetes a 1005000, dividida em 25 series,
custando o inteiro da serie 45000, subdividrdo este em quintos da serie (1250i do
bilhete inteiro da loteria) de 800 rs. cada um.
O agente desta loteria chama a attencao do publico para este importante
plano mais vantajoso pela sua boa organisaco.
Com 45000 (5 quintos de que se coinpoe a serie) recebe-se 12:0005000 e com
800 ra.^l quinto) 2:4005000. v
O menor premio d um resultado de 25 /0 pois custando o quinto 800 rs.,
recebe 15000 as terminacJes dos 1. e 2. premios.
Sito premiadas as dezenas dos 1.. 2. e 3. premios.
As duas letras tinaes dos 1." e 2., terrninaedes dos 1." e 2., e as approxi-
xoes dos L-, 2. 3.; tendo alm disso premios de 2:0005000, 5005000, 2005000,
1005000 e :050OO.
BXTRACgAO NTMNSEERWEL
LiMncudM pela iisfectorit U Hjiieu it Iaperio de Braiil
'- QUINA E FERRO
Chlorose, Anemia, Lebilidade
Cura das rebrea
Pl LULAS
Bronce
1S91
VBHOS
TITULADOS
DE
0SSIAN HlNRYl
$ixto ia Aaitmli dt Mtitdma di %u, t*U ctbtintiet a &xola de gliumtem.
A te'.b. roimlo. n'oslo preparado, dos dous tnicos por exceencla, a qttxwa
c o T:2Tziio, cmiatjluc una precioso mcdlcamcn'o contra a iiiioro*e, 'ot-e*
pul?:'-., inania, PIre* brancas, Constititiete fracau, etc.
PA3I3, SAN & FOURNIER, 43, ra d'Anistordam.
Ue nos i ario d em PriMiiibriPii : F~AN" M. da SILVA A Cfc.
JUNTO AD LOUVRE
E'ON.20
AI.UNPATBRSONSC.
Hacftftfcas a vapor.
V]>etdas.
Rodas dagua.
Tai xas fundidas e batidas.
Tecides para vestidos
Cambraia Victoria a 25800 a peca.
Batiste finas a 240 rs. o covado.
Fustao branco lavrado a 360 rs. o covado.
Setim do Japao a 240 rs. o covado.
Cachemira de listras a 15200 o dito.
Las Amazonas a 400 rs. o dito.
Merinos lisos duas larguras a 440 rs.
Gazes arrendada a 500 rs. o covado.
Chitas percales a 200 rs. o dito.
Metins de quadro a 300 rs. o dito.
Cretones claros a 240 rs. o dito.
Rendas hespanhols a 25000 o dito.
Setim Maco a 800 rs. o dito.
Popelina branc a 8C0 e 900 rs. o ditj
Sertineta branca lisa e lavrada.
Merinos pretos (baratissimos).
Toile pardo a 360 e 400 rs. o covado.
! Cachemiras lisas a 15200 o covade.
j Cortes de vestidos em cartoes.-
I Cachemiras de quadro 3 280 tb. o covado.
Velbutina preta a 640 rs. o dito.
Crep preto (inglez) a 25000 dito.
Taixas batidas sem cravacao
Arados.
98
SOLUCAO e CAPSU]
deANTIPYBINA **
EL de
LIN
Arligos para horneas
Cortes de casemiras, a 65, 75, 85 e 105.
Camisas allemaes a 365600 a duzia.
Paletots de alpaca preta a 45500.
Regatas de cores a 15 e 15500 e 25000.
Paletots de seda palha a "75500 um.
Ceroulas de bramante a 155000 a duzia.
Paletots de alpaca de cores 45500.
Camisas de fianella a 45500 urna.
Guardap para homem a 65000.
Sobretudo de panno piloto.
Meias ingleza a 55090 a duzia.
Meias finas da Escocia a 15500 o par.
Lencos de linho a 55000 e 65000 a duzia.
Casemira em corte para temos.
Chevioth preto e azul a 45000 o covado.
Casemia diagonal a 25000 o dito.
Brim branco, todos os nmeros.
Brim de linho, de cores, a 15800 a vara.
Dubie-capas de panno.
Casemiras prctas e de cores.
Bolsas para viagens.
Costumes para banhos salgados.
Pora o tratanunto t prompa aira das '
Molestias do estomago e- dos
intestinos, molestias do figado,
dispepsia, indigestSes, clicas,
nauseas, diarrhea, prisSo do
ventre, falta de appetite, incom-
modos depois da comida, enxa-
quecas e dores de caneca chroni-
cas, rheumatismo e nevralgias,
molestias da pelle, molestias pe-
ridicas das senooras, e, alm
destas, muitas nutras enfermidadesque se
elassifleo debalxo de urna inflnidade de
nomes, todas porm, oriundas da mesma
causa, a saber;
Desarranjos dos orggos de di-
gestao e assimilacSo,
donde provm a impureza e o enfVaqueci-
mento do sangue, com a debUidade e con-
gestio de todos os orgos vitaes do sys-
tema.
Procurem-se
AS ULULAS CATHARTICAS DE AYER,
PREPARADAS PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est.-Unidos.
JJSi'OSI 1 o frTgi"
Ama
Pnetoa-te de urna ama para lavar e engom-
mar : na raa do Kangel n. 9, padaria.
Ama
De ANACAHUIT A
Remedio Vegetal da Natveza para o H-
yo c cara de todas as inoKslias
Do Peito o do3 Pulmdes.
Alii2:a-se
o 3- andar do sobrado rna do Imperador n. 26,
a'tratar na lithographia ra Mrquez de Olin-
da n. 8.
Aluga-se
o graude armazera com grande quintal, quartos
para dependencias e cacimba, ra de Marciliu
Dias n. 71 ; a meia-acrua travessa. do Feixoto
numero 17 : a tratar na ra de Marco nume-
ro 16. _J___ _____
Aluga-se
o segundo andar e sota do soorado ra do
Rangel n. 44, caiado e pintado, e com muitOR
commodos : a tratar na ra Direita n 3, tercei-
ro andar.
Alug"a-se
a casa sita 4 Cruz das Almas ou Parnameirim n.
iO-B, com commodos para urna pequea fami-
lia, tendo um nom sitio, e acha-se hmpa ; a
tratar na ra da Aurora n. i 19, ou ra do Apollo
n. 30, i- andar.
Al
uga-se
em Parnameirim ou Cruz das Almas n. 10_,
urna grande e excellente cusa com agua e gaz,
tendo um boni sitio, aqual confronta com a
casa do Dr. Leal ; a tratar na ra do Apollo n-
30, 1 andar, ou ra da Aurora n. 119.
Aluga-se
os seguintes predios :
Ra de S. Francisco n. 70, 1 andar.
dem dem dem n. 68, 1- andar.
Ra Coronel Suassuua n. 101, 1- andar.
Ra Bom Jess das Creoulas n. 28, casa ter-
rea ; a tratar na ra General Abreu e Lima nu-
mero 8.
Alug-
a-se
Precisare de urna ama: na estrada dos Af-
iliaos n. 20, taverna.
Ama de cosinha
To sitio n. 5 aa estrada de Joo "Fernandes
Vieira se precisa de orna cosinheira, prefere-se
a urna muiher que durma < ;n sua casa.
Cozinlieira
Precisa-se a lugar urna ama
que saiba cozinhar; no 3.*
andar do predio n. 42 da
ra Duque de Caxias, por
cima da tvpo_;raphia d Diario. >
GRANDE NOVDADE
SLS.AUCIA S TILIS__S
48RA BARAO DA VICTORIA48
Venham ver para crer
Ensino particular
0 .irofessor Joo Valentim Teixeira Bastos
coDt> a a leccin i, nao em casa de sua
J residencia, como em rasas nn ni cu I ares, as ma-
terias que conslituein a instruw;ao primaria, das
4 as 6 da tarde.
Na ra Direita n. 43, sobrado, as seguintes
casas :
Travessa do Corpo Santo n. 3, est caiada e
pr.taoa.
Lomas Valentinas n. 40, pintada e limpa.
Ra da Amizade n. 30, Capunga. ___
Aluguei barato
Ra de S. Amaro n. 14
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ra da Roda na. 58 e *>.
Ra Visconde de Itaparic r_ 4, annazem. J
Largo de S. Jos n. 74.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar raa do Commercio n. 3,1- andar,
escrtptorio de Silva Guimares & C.
Cauleas do Imk e Seceorro
Compra-M caut!la3 do Monte d Soccorro d
qualquer joia, brilhantes e relogios; pa^t-sf
nem na Pruca da Independencia i. 22. loja n
relojoeiro.
As maes de familias
TURBIS VOSSOS FILHOS SEMPRE SADIOS ?
Administrae-lhes o xarope ou as
Piletas Vcrmipiiralivjis
DO DR. CALASANS
ptimas preparacSes de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsa completa, sem
dores nem incommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(DAS CBEANgAS E DOS ADCLTOs)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
t Estas excellentes preparares nao ne-
ce8sitam de purgativos como auxiliares
visto serem purgativas por si inesmas.
As pessoas que tem vermes sentem c-
licas, tem constantemente diarrhas, indis-
pos i cao, sensacao de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
svezet, vmitos. Rangem os dente, qnaa-
do dormem, algumas e pessoas expellem
vermes cora as feaes ou com as materias
dos vmitos. As criancas apresentam aa
npulas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome do
DR. CALASANS e sao cor de rosa.
I caixa de pilulas 15200
1 vidro de varope 1(5200
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
ARTI608 DIVERSOS
Laureado pela Faculdad;' de Taediciaa c yon.
0 Meihor Remedio contra a Enx2qtxeca.
A Verdadeira Solu$o de Antipirina do D? Clin possue urna po accao para acalmar as dores de Lumbagos, Torticolis, : '-
truacao difficil, Clicas tiolentas e os Ace t >s de Gota < tU ftheumaU
i A Antipyrina pode ser considerada scientifioameato como o medica-
mento mais poderoso contra a dr. ZoUWAbriiieia8i).
Dose : Tome-se cada da de 2 colhres da Verdadeira Solu5So de
AN0TAn^AsdCapsulas1de Antipyrina doD" Clin sao destinadas s pessoas
qu nao podem tomar a Soluco.
Casa CLIN e Cu em PARIZ, e tharmacias.___________ __

CapellaB para noivas a 73QOO urna.
Baleias forradas a 440 rs. a duzia.
Luvas de seda a 2000 20500.
Bicos preto de seda.
Toalbas para banho a 1500 urna.
Cobertores de la a 1(5800 um.
Bicos de cores a 2(5000 e 2(5500 a peca.
Guardanapos de linho a 20200 a duzia.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Arcos cobertos a 140 rs. o metro.
Colchas de cores a 1(5800 urna.
Guarnifao de crochet a 7(5000
Panno da Costa a 1|50C0 e 1,5200 o co-
vado.
Toalhas felpudas a 4fJ0 0 a duzia.
Colchas de fustao a 35500 um.
AlgodSo branco a 3?52O0 e 40000 a peca.
Colchas ds crochet a 60500 un.
Coletes de flanela a 20500 um.
Tapetes grandes a 130000 um.
Jladapolao americano a 6#000.
Fichus de retroz a 10000 um.
Lencea de bramante a 20000 um.
Cobertas de ganga a 30000 urna.
Lencos broncos a 10200 e 10500 a duzia.
Sargelins de cores a 200 rs. o covado.
Brim pardo a 280 rs. o dito.
Espartilhos curaca a 50000 um.
Fustao de cor para roupa de crianca i
800 o covado.
Seda palha a 10000 o dito.
Atten Moino Jos da Silva Marques declara a quem
interesar possa que vendeu ao Sr. Fortunato
Pinto da Motta o seu e dos n. 63 ra Visconde de lnliaina, conforme _
a escriptura lavrada no cartorio do labellio Sr. '
Apolinano Maranho. Recife. 6 de Julbo de
1889.
Marianna de S. Jos Cavalcarrte, viuva. maior
de 70 aonos, vivendo em extrema pobresa, e
tendo em sua companhia tres netinho.s de teara
i'lade, orphaos-de pai emi, vem implorar das
almas beinfasejas ecaridosas um obulo qualquer
para nao s alimentar quelles iufelizes, como
tambero para comprar alguma roupinba para
cobrir anude', em que vivem. A. supplicante
reside ra da Concordia, casa n. 231.
Ao
commercio
Vttenc.o
Precisase de urna senhora de uladc de boa
conducta, para fozer compenbia a urna senhora ;
a tratar na ra da Madre de Deus n. 3.
D Anna, viuva de Qnintino dos Anjos Perei-
ra, declara a quem inters.-ar peesa. que venden
o seu eatabeleciuiento de moihados sito te
vessa do tambal n. Ifi. Kvre e desembaracauu
de qualquer direito, e quem se julgar credom
aprsente suas contjs no prazo de cito cuas.
lleeife, o de Jaliij ;le 1S89.
\
i

fOLLT
Sirsp.QCliluralFoUGt
clsastnte por exMltcei ru suppriae a dor a
o aomao tranquillo e natural noa oaaoa a
G-OTTA RHMVMA
XEVAJjGIA
tsica >?:bujes
raflrtoa c 18, m
^
Loques transparente a 20500 um.
Extratos, tnicos, cntremeios, bordados e pos de arroz.
Koupas or medidas
20 Ra Primero de Mar^o 20
CASA DS CONFIABA
SAUDE PARA TODOS.

iPLtAS H
1
wi
_ JrTU tk VI00l0lt****W*^ ll*WW'r>tWfcv.=iglV^FO'^i VfK-fi.'Zx
MU1 Mi *,
-> Cu :t it.p!nKi:,'.- j ZWMHrc
Al Pilulas pu.'lflcao o Sangue, corrigen) Mu as Jesorems de Estomago o
dos Intestinos. j
lFortaec?m a saude das cocstimyKs delicadas, e sao d'im v.i!o^ipcrvel ; -a todas as enfermid*3 i
^pscuiareB aseu> feminino em todas as edades. Baia rs mecin ';j tarabeui pira as I
pessoas de idade avaccada a surefficacia e i v
. Esta medicinas s3o nr^paida smente no Este ox 7-'oll.~wat,
78, HW OXFOBD 8TBEET (satas 533, Oxtnd 38,
E vendemse tM tudas Jts phannacijs do uai verso.
tSTCte cooipra*oreB Ja C5nvidx*Jos respeitoaaiDente a examinar o rct i ixa <2 Pot& 9C n*o t?^33
dircesao. 533 Oxford Strcoi, sao -
THESOORO DAS MIS V^3K,3D^.r)HIR.OS
n'. a uaui
Se__
COLLARES
Electro-Magnaticoa
nawK
WB
El ;o,225,ruaSact-Saarn,eiii PARS





"-

'^v'-1*"

8
Diario de PernambucoTerca-f eir 9 de Julho de 1889



1

i

ir

A o commercio
Christovo Paulino Vieira da Cunha declara
que coraprou a D. Auna, viuva de Quintino dos
Anjos I'ereira, o seu estabelerimenlo silo ira-
ves.-a do Pembal n. 16, livre c dcscuibaragado
qualquer dircito : quem se iu! tenle suas coalas no prazo de tres das.
Recife, 5 de Julho de 18.
Roda d'ag-ua
Compra-sc urna roda d'agaa em bom
de 24 a 30 palmos ; a tratar ua ra Din-ita nu-
mero 106.
Aviso
As arges d< um cavallo proprio para o pra
do, e mais premios, que oorribm com a ultima
lotera de Junho, ficam adiad ts para a priuieira
do mea de Jodio por falta de rocebimentos.
Cozinheira
Precisase de urna que cosinbe bem e na
aia a ra, ]iara casa de familia; a tratar na
ra do Cabuga n. 14. de meio dia at 2 oras
VENDAS
Vende-se um pequeo eslabetecimento tt
seceos e motilados, no rancho da ra Imperial, i
ra do Amorim n. 60.
Vende-se um sitio em Tigipi, com boa
i-asa de morada, c oulro no Peres, ambos con-,
casas de pedra e cal, e arborizados : a Untar nt
caes do Hamos n. 26.
Vende-se urna boa urmagao de aimn-o.
propri; para qualquer negocio, na ra uo Rao
gel n. 6 : a tratar na mesnia ra n 29. Garao-
fe-se as chaves.
Tele;ramma familiar
Venliam ver ao 55
RA DUJUE DE CAXIAS
Tendo resolvido vender os seriantes
objectos por menos 50 | de scu valor
real, convidamos nossos fregueses a ver
a realidade!
Cachemiras combinado com listas do seda
ultimo gosto a 15200 ocovado.
Cambraia com -lpicos a 45000 a peca.
Cortinados, novidade a 5)9500.
Sargelins de qualquer cor 200 rs. o covado.
Linn bordado padroes novidade a 800
rs. o corado.
Setins de todas as cores a 800 rs.
Mantil as pretas.
Camisas francezas com collariaho coisa
chic a 25000.
Crctones para coberta a 5"0 rs.
Amor da China grande sortimento era dc-
zenhos a 200 rs. o covado.
Pannos de crochet.
Cortes de vestidos coisa nova a 85000
125000 e 16/00 i.
Guardanapos a 1_
Madapolao com muita largara a 55000
6000 e 75000.
Merinos prctos de todos os precos.
Crinolines a 400 rs. o metro.
Babados e entremeios.
Vestuarios para baptisados coisa nova a
105000 e 120000.
Luvas de seda a 25000.
Zeriros de cores a 160 e 200 rs. grande
sortimento.
Grande sortimento de plastrons e regatas a
15000 urna.
Tecidos arrendados, novidade a 400 c oOO
rs. o covado.
Grande sortimento de casemiras para rou-
pas de homem.
Colchas brancas e de cores um sortimento
completo.
Collarinhos e punhos para horoem.
Cortes de casemira de cor a 45000.
Cassinetas com 2 larguras a 15000 o co-
vado.
Oretones para vestido a 240, 280, 320 e
400 rs. o covado.
Meias e lencos de cores para homem e
senhoras.
Merinos de cores de 500 a 800 rs. o co-
vado.
Brim de linho de cor, angola e molesquins
grande variedade.
Tapetes grandes e pequeos, algodao bran-
co, largo e bom a 55000.
Camisas de cretone inuito bonitas a 25500
e 35000 urna.
Cambraias suissas com salpicos de cores a
75000 a peca.
Renda da China a 200 e 240 rs. o covado.
Da-se amostras sem penhor.
55 Ra Duque de Caifas 55
*Fernan A Revolucao de 48
A' ra Duque de C'axias a. 4S
Em vista das. muitas pechinehas qne te-
mos recebido, vieinos por meio d'este1 cha-
mar a attencao ,dos nossos freguezes, pro-
vando ao mesmo tempo como vendemos
por menos 30 01 do que em outra qual-
quer casa.
Folardina, teoiios,moderno, a 320 rs. o
covado.
Organdis (fazenla de phantasia) a 400 rs.
o covado.
Nansuks muito fiaas de 120 o 240 rs. o
c i vado.
Merinos lisos o de quadros 200, 240 e
280 rs. o covado.
Cortes de linn e crotones, todos os avia-
mentos, a 5500, 85O0, 95000 e 105000
um.
Ricos cortes bordados cm cartSo a 140000
Atoalhado para mesa, muito largo 15200,
e 1&500 o metro.
Pannos do crochet para cadeira [a 500,
600, 700 e 800 rs. um.
Colchas de crochet com palmas para noi-
vas a 55000, 65000, 75000 85000 e
05000 urna.
Cortinados bordados, muito finos a 65000
o par.
Bramante liso e trancado de 4 largurae a
15000 o metro.
Bramante trancado de 2 larguras a 400 rs.
o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica a
55000 urna.
Suius bordadas, muito finas Ta 35000 urna.
Luvasde seda, lisas e arrendadas a 10000,
1550O e 25000 o par.
Seda alacianas, novidade a 240 rs. o
covado.
Cretones claros e escuroa dc 500 rs. por
320 rs. o eovado.
Zetros de quadros a 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Pcchinclia cm camisas de mcia a 15000 c
10200 urna.
Leques de penna, o que ha de moderno a
40 00 e 55OOO urna.
Capellas com veos para noivas a 85000
urna.
Fustao de cores para patot e calca a
500 rs. o covado.
Brins 'de linho, cores fixas e garantidas,
a 500 e 600 rs. o covado.
Cortes de velludo bordado a seda, para
colletc a 25000 o covado.
Cambraia de salpicos com 10 jardas a
40000 a peca.
Bicos de cores e branco a 15800 e 2)000
da 145000 por 75000 a
a peca.
Cambraia suissa
peca.
Collarinhos e punhos borracha a 15800.
Cobertas de ganga para cama de casal a
25800 urna.
Lengos de cores, mitagao de seda a 10800
a duzia.
Fichas de retroz, lisos e cora palmas a
15000 um.
Madapolao americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a duzia.
Algodaosinho muito largo a 45000, 55000
e 65000 a peca.
Redes francezos a 40000, 5500" e 65000
nina.
Palitots de seda palha a 85000
chambo a 105000 um.
Cortes de casemiras inglcza
e cor de
1 105000
um.
F0LF5TIM
DECAPITADA
POR
F. D BOISGOBEY
(Continuacao do n. 151)
V
O velho, que o dUcipuio de Vitrac aca-
bava de arrancar a urna morte certa, nSo
poda ser senao o av de Agostinha.
Tinha effectivamente a cabega enrgica
de um antigo marinheiro e o quarto divi-
dido por taboas de pinho e onde dorma
em urna maca como a bordo, parecia-se
com um camarote de navio.
Tinha perdido os sentidos, mas nSo es-
uva morto, porque agitava os bracos e as
pernas e abra a bocea para aspirar o ar
como o homem cabido agua e que tor-
aava a subir superficie.
NSo tardou muito tambem a abrir os
olhos e quando vio Mealheiro inclinado para
elle, o primeiro movimento foi para o re-
pellir. Esbogou memo o gesto de lhe
mandar um murro, mas faltaram-lhe as
torcas.
Aquella maneira de agradecer ao sen
salvador fez sorrir Dangalas, que compre-
hendeu logo que o homem estava furioso
oom elle por o ter salvado ffioTt.
NSo se tratava j senSo de saber por
que motivo elle tinha tanto empenho em
deixar a vida.
O rapaz vio cm cima de urna commoda
ama bilha, moihou o- lenco e passou-o pe-
las fontes do resuscitado, qne ponco pou-
co recuperou os sentidos completamente.
Cortes de fustao para collete a 15000 e
10600 um.
Cobertores de 13 com pequeo deeito a
25000, um.
Toalhas para rosto a 200 re. urna.
Espartilhos tinos a 45000 o 55000 um.
Roupa por medida, garante-se a perfei-
cao.
Sii oa Revoluto de 48
I [ENRIQUE DA SILVA MOlEIRA
Vende-se
urna rica e elegante mobilia de jacarando : para
ver e tratar no pateo do Paraizo, ofllcina do l-
ente Dionisio.
nbiiiinti
non AIS,
5^ *2t-ERV
Ycnae-i em toda a Mrt
Vinho particular
No armazem da ra do Amorim n. 60, vnde-
se o que pode haver de melhor, pelo mdico
preco de 7 o garrao de tres caadas (voltan-
de casco).
Entilo, disse Mealheiro, isso vai me-
lhor, hein ?
Que que voc me que? perguntou
com voz rouca o pai Cordouao.
Nao lhe quero senao bem, meu ve-
lho.
Eunao sou tseu velho. Como que
voc entrou aqu?
Pela porta.
NSto verdade, tinha-a fechado
chave.
E eu arrombei-a, ora essa!... No
patamar havia um cheiro de carvio horri-
vel!... disse de mira para mim : all as-
phyxia-se alguem... mas esp: ra l que
estou eu aqu! E cntlo...
Isso n2o era com voc*... metta-se
com os seus negocios e deixe-me em paz.
O que quer dizer: raspe-se para que
eu recomece. Olhe, aproveite a occasiSo,
pe$a-me que v buscar outro cesto de car-
vo e que torne a accender o fogareiro,
que derrubei no meio do cho quando en-
trei... isso que nenies Eu quero que
o senhor viva.
Que importa a voc que eu viva ?
Importa... qne o senhor nSo tem o
direito de se matar, na sua idade e quan-
do se tem a cruz de Honra. Ah nao di-
ga qne nao, porque aquella historia, disse
Mealheiro, apontando com o dedo para ci-
ma do fogSo e mostrando urna moldura'
onde se ostentava debaixo do vidre um di-
ploma e urna estrella naponta de urna fita
amarclla. -
Sim, senhor, meu e nao a ganhei
esfregando as calcas em urna cadeira, re-
nhcou o velho marinheiro empertigando-
so com orgulho.
Assim o creio, e exactamente por-
que a ganhou que no se deve suicidar
como urna costureira abandonada pelo
amante... e entretanto assim acontecera
se nao tivesse lhe arrebentado a porta e
quebrado os vidros. Mas eu impedirei de
repetir.
Aquella linguagem franca pareceu fazer
impressilo no velho.
Poz-se a examinar Mealheiro, como exa-
minava em outro tempo os marinheiro!
MAIS BARATO
Ka Loja das Listras Azues
A' RA DUQUE DE CAXDA.S N. 61
Vende-se fazeudas finas mais barato e
dase descont a quem comprar de 205000
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nao for de muito
agrado para quem for comprada e vende
pelos seguintes precos:
Cachemiras lisas e com listas de
seda de lindas cores, a 15400.
Heraos de duas larguras, a 440 e
800 ra., qualidade superior.
Tecidos arrendados cor de creme com
matiz com duas-larguras, a 600 rs.
Fazeudas do phantasia e lindas cox*es
a40e500rs.
Tecidos de linho, lindos padroes
grados, a 200 e 240 rs.
Zcflros lisos e de qadro, a 80 e
100 rs.
Metas de Maco branco, preto e de
todas as edrs a 750 o 800 rs.
Metas de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavadas brancas e de efires ca
ras, a 15400.
f'.izcs de seda com fios prateados a
15000.
Cortoados de crochet, em pega, a
900 rs.
Cambraias bordadas brancas e de
cores, a45001 apega.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 165000, 185000 20*000.
VOS para chapeo preto, branco de
qualquer cor, a 1500.
Crep ingle'z para enfeitos de vestid* s
10200 o-25000.
. tECIDOS MAIS BARATOS
Percales c chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 rs.
Jlorim de listras azues muito lar
gos com 20 varas, a 65000, a pega.
ttargcllns Daos, a 160, 180 e
200 re.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
CUiardauapos superiores a!5S00e
25000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 15000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e lOOO, o metro
Toalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 45000 e 65000, a duzia
Bicos brancos fraacezes, a 60(
e 800 rs., a pega.
Ricos tinos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 25000, a pega.
Balcias a 240 ra. a duzia, cobertas a
400 rs.
I.".ivas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 25000.
Leques de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 25000.
Leques de pennas o que ha ao me-
lhor, a 55000 e 65000.
Jabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
extractos finos francezes e inglezes
a 15000 c 25000.
Despertadores americanos, a 75-
Jlosijtiltelros americanos com- .ar-
mago a 105000 e 125000.
lspartllhos americanos e inglezes,
a 45000, 55000 e 65000.
Capas de vidrilho c rendas, a 255000
e 305000.
Toalhas de labyriutho para bap-
tisado a 305000, 405000 e 505000.
E muitas fazendas qne se d por todo o
prego na.
Loja das Listras zoes
Farello de carolo de algo-
dao
J conlieddo como o melhor e mais nutritivo
alimento para animaos ; reode-se ra do Bom
Jess n. 38. 1- andar.
Vinho puro de Santa-
rem
Ua quinta de Itarrnl
Chegou a segunda-remessa deste especial t
nho para o armazem central de goneros alimen
.icios ra do Cabug n. 11. o qual se torna
recommendado por ter puro da uva.
Joaquim Christovko & C.
Telepnone-149
quando os passava enf revista, e achou-lhe
sem duvida um rosto sympathico, porque
em lugar de replicar contentou-se em aba-
nar a cabega.
Vamos l, continuou com meignice
Dangalas, animado por aquelle meio trium
pho, diga-me que nao pensa mais em se
matar c cont-me as suas maguas. Isso
ha de acalmal-o. O quo que o impellia
a dar cabo do corpo? Creio que nito a
miseria ?
Miseria resmungou Cordouan; com
os meus trinta annos de Bervigo, asjni-
nhas feridas e as minhas ernzes tnho mil
seisecntos e cincoenta francos de pensao.
E mais do que preciso para viver.
Entao o que ?... Creio que nao
est apaixonado ?
O velho encolheu os hombros.
E' porque se aborrece de nSo nave-
gar mais *? Isso eu comprehendia,
Mealheiro comegava a desconfiar da
verdadeira causa do desespero fle iCar-
douan, mas quera deixal-o expBcar-se e
em lugar de lhe fallar de Agostinha, se-
meava verdes para colher maduros.
Voc pergunta-me por que motivo ?
Porque estou farto de arrastar o corpo
pelas ras de Pariz, disse o velho, depois
de urna pausa. Posso perfeitamente dizer-
lhe. VocG tem cara de ser bom homem e
nSo quero que me tome por um patife que
deserta do servigo antes que o bom Deus
lhe faga as suas contas... pois bem, aju-
de-me a levantar e d-me o brago para
que eu nao vire pelo caminho.
Dangalas, admirado, fez o qu lhe or-
denava o av/>, que o conduaio ao fiando do
quarto.
O pai Cordouan, que anda nao estava
muito solido as pernas, jogou muito pelo
caminho, mas sem cahr diante de urna
porta que abri, dizendo :
Olhe!
O discpulo de Vitrac esbugalhj>u os
olhos e vio um quartosinho mobiado nSo
com luxo, mas com certa elegancia, que
conirastava com a nudez expartiaW do
aposento do lobo marinho.
No soalho havia urna esteira fina, duas
sen
A FLORIDA
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodao com
vidrilho.
Mantilhns de seda e de algodSo.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collariuhos para homem a 35000 e 45001
a duzia.
Bordados de camb aia tapada a 400 500'
600 eSOOrs.fa pega.
dem com 3 e Ii2 metros, de qualque
argura a 15200.
Lengos de linho em cajxinhas a 35000
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, daifa a 45000.
Lindos leques transparentes de 35000 um. &
Grande sortimento de porta-retrac tos t
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 65
85000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, dt
^ 25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de croenet para cama i
125000, 175000 o 195000 o par, algn
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 l
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimenti
a 45000.
Capellas com veo para noiva a 65000 e
85000.
Lindos enxovacs baptisados a 8-^ 105 '
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35, 45
55000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha a<
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a pega
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos o leos de diversos fabricantes
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinas
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 c
par.
Ditas de seda para creanga a 15000.
Dita para moga a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuario e consollos.
Lindos lengos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos
Ditos ditos para enfeitar cabega e segura,-
chapeo.
Espartilhos para creanga a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000 e
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200
15500 um.
Estojo com faca, gario e colher, propr
para creanga.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de 13 para homens e senhoras.
Linhas douradas para fanr crochet.
Lindas fitas para facha a 25, 35 e 45tXX
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim e
de papel de lodas as coreB.
Suspensorios akei canos a 25000.
Lindos desenhos para talagarga,
Finas carteiras para algibeira de 14t 2#,
3"e 35500 urna.
Ra Duque de Gaxias n. 405
WHISKY
Boyal Blend marca VIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede noval Blend marca Viado,
cujo npme e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
cadeiras baixas, bordadas a 13, urna cami-
nha de ferro guarnecida de'cortna de mus-
selina de urna alvura deslumbrante. Vasos
para flores no fogao, caixSo com flores no
rebordo exterior da janella, flores por toda
a parte.
Um verdadeiro ninho de moga. E esse
ninho estava vasio.
Mealheiro' comprehendeu.
Viva all; disse lentamente o velho,
e eu nao tinha senao ella neste mundo !
Parti ha dous dias e nunca mais a .tornei
a ver.
Aquella linguagem era por demais clara
para Dangalas.
Ella, era Agostinha, e Agostinha nao ti-
nha reapparecido.
O pobre rapaz receben um golpe no co-
ragilo, mas n3o deixou perceber nada e
fingindo ignorar d quem lallava o Velho
marinheiro, disse:
Pois que !... sua filha !
Minha neta, replicn Cordouan ;' sua
mai que que era minha filha e sua
m3 morreu dando luz. Aquella que
acaba de me abandonar, nunca me tinha
deixado desde que nascera, n3o vivia se-
n3o para ella. Sabe agora por que que-
ra morrer.
Mealheiro vio-se em difficuldades para
n3o lhe dizer tudo logo, do que se tinha
passado na ante-vespera. Julgou que an-
da no era chegado o momento e que se-
ria melhor preparar primeiro o infeliz av,
para ouvir a historia do seu passeioa Pas-
sy em coinpanhia da pobre menina, cuja
ausencia prolongada comegava s inquie-
tal-o tambem.
Receiava mais do que nunca havel-a
conduzdo involuntariamente sua perda.
E' verdade, continuou Cordouan, sa-
bio na sexta-feira de manha* para ir para
a casa de modas, onde trabalhava, e
noite quando foi buscal a, como fazia to-
dos os dias, a patroa disse-me que ella
nao tinha voltado.
E... depois ?
' Nada. Wassei urna noite horrivel e
no dia seguinfe logo pela manha" corr
prefeitura de polica.
O 59
Liquidando os atigos se-
guintes !
Itufl Duque de Casias
Merinos de todas as cores a 200 rs. o co-
vado.
Lindo sortimento de alpacas modernas a
400 rs. o dito.
Zefiros de quadros a 80, 100 e 160 rs.
o dito, i
Cretones francezas com 1 metro de largu-
ra a 280 o dito.
Nansuks, cores firmes a 100 e 160.
FustSes brancos bordados a 360 e 440 o
dito.
Bramantes de algodao a 700, 800 e 15000
metro,
dem de linho, superior a 15600 o xiito.
Atoalhado bordado a 15200 o dito.
Superior madapolao americano com 24
jardas por 65000 a pega.
AlgodoVs da corte, o melhor a 9#5O0
45000 e 55000 a dita,
^ambraias bordadas finissimas a 45000 a
dita,
dem Victoria com" 10 jardas a 25800. de
Iisguiao de algod3o a 45000 a dita.
Ricas guarnigoes de crochets a 75000 e
85000.
'"ortinados bordados, novos desenhos a
65000 e 85000 o par.
Toalhas superiores, muito grandes a 45000
a duzia.
Meias inglezas a 35000, 45000 e 65000 a
dita.
Scroulas bordadas de bramante a 145000
a dita.
Camisas francezas e inglezas a 365000 a
dita.
Guardanapossuperioresa 25000 e 55000 a
dita.
Cobertas de ganga, 2 pannos a 25800
urna.
Lenges de bramante a 15800.
Colxas francezas, de cores a 25000.
Mantilhas e.fichsa 15000, 15200 e 15500
Chales de 13 a 2-Si KX), cachemira, grandes a
35000.
Redes de cores a 35000 urna.
Cobertores de 13 brancos a 25400 um.
Cassinetas para roupas de meninos a 200
rs. o covado.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 15400
e 15800 dem.
Flanella azul ingleza a 15200 e 25000
dem.
Cheviots superiores a 35200 e 35500 o
dito/
Damascos de 13 para capas de pianos a
25000 o dito.
Pannos iara mesas, novo gosto a 15100
15300 e 15800.
Espartilhos, luvas, grinaldas para noi-
vas, lengos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos por precos sem com-
petencia.
Ra Duque de Caxias n. SO.
LOJA DE
PEREIRA & MAGALHAES
Pao centeio
Mello & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as torgas e sextas-teiras, tem este s>>
boroso po; roa larga do Rosario n. 40.
Movis
>'a casa n. 183 a ra Imperial, vende-se ba-
rato dous guarda-vestidos e urna cama para ca-
sal, tudo novo etn folb, de superior qualidade
e estylo moderno.
Vende-se
dous sobrados, um na ra Thom de Souza n. 3
(outr'ora becco da Lingueta).
Outro na ra Coronel Suassuna (antiga dos
Martyrios) n. 101; a tratar na ra General Abreu
e Lima (antiga Santo Amaro) n. 8.
Leitepuro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio lo
go depois das casas novas da direita. vende-s-
todos os das leite puro de vaccas tourinas e di
trra, garante-se a qualidade do leite.
Peitoral de Cambar
O Peitoral de Cambar est reconheci-
do como urna descoberta de magna impor-
tancia para a humanidade sobredora.
Sao numerosisMiiias as curas operadas
por esse maravilhosoro preparado.
E... l?
O commissario que recebeu a minha
deelaragiio rio-me as bochechas I
Como V
E' verdade. Respondeu-me que as
mogas bonitas nunca se perdem e que a
minha neta se havia de achar mais dia me-
nos dia. Insist, excedi-me e elle man-
dou-mc por na fu Parece-me que es
tivesse all urna bengala, desancava-o !
E era bem merecido.
Pois bem, nSo senhor, eu que fa-
zia mal e era elle quem tinha razSo, disse
com azedume o velho marinheiro. En nSo
quera acreditar que urna filha do meu san-
gue podesse faltar aos de veres da honra.
Enganava-me. Hontem tornei a ver a pa-
troa. Disse-me que urna das suas costu-
reiras tinha encontrado na vespera Agos-
tinha com um homem. Eu anda me po-
da resignar a viver, se tivesse sabido que
lhe tinham armado urna cilada e que a
haviam matado. O que eu nSo posso im-
portar a idea de que minha neta se te-
nha langado, como tantas ontras, no lama-
gal de Pariz. Talvez que me resignasse a
perdel-a, mas a vergonha era demais. Fal-
tou-me a coragem...
E o que achou de melhor foi matar-
se, como um offical inferior que metteu a
a unha na caixa! Ah o senhor anda de-
pressa de mais! Felizmente cheguei a
tempo.
NSo lhe fico agradecido por isso, disse
com scquidSo o velho.
Ve-se perfeitamente, murmurou sor-
rindo Mealheiro.
E amaldigoo o, pelo contraro. Ti-
nha sorl'rido tudo quanto so soffre para
morrer. J nao soffria, visto que tinha
perdido os sentidos e... agora toca a re-
comegar.
1 Nao ha de ter mais vontade de re-
comegar quando me tiver ouvido.
E' intil, j sei tudo qnanto vbc
me vai dizer.
O senhor nao sabe nada. Primeiro,
quem n&o ouve senSo um sino... conta
rara-lhe quo viram sua neta conversar com
um homem na ra... O que que isso
A LOJA MAIS BARATEIHA
PARIZ NUMRICA
AZEVEDO, IRMaO & C.
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephone~200
Tendo recebido directamente da Europa
grand* sortimento de fazendas e modas c
que ha 00 mais ovo e pronos sem com-
petencia.
\ saber ;
Capas de surah, senda o merino.
Renda prcta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, do la e 12 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 15000 e 152C0.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 15500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 15500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000
Madapolao trancado a 95000 a pega.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 6,5000.
Fichs de la e seda 15000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos coiiraga a 45000 e 55000.
Colchas de fusto a 25000 e 35000.
Capellas para noiva Com veo bordado
65000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de eaia a 15500
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sal
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama a
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390.a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 5000.
Extracto Rita Sangal'a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
1 Guamicoes, pretas, de vidiilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas'hespanhola a 45060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flOres.
Crep inglez para enfeite^
Grande sortimento de chapos de sol
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de colecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
Vo bello sexo
1
As mulheres sao como as pedras preciosas.
cujo valor augmenta conforme os adornos. Para
isso o Salao da Moda receben um completo sor-
timento de cortes de l de quadros, com 20 co
vados cada um, que vende por oOOO e 6 : na
ra do Rangel n. 13, G. Santos & C.
Muita attencao
Na ra de S. Jos n. 56 tem para vender oh
afamados vmhos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pelo finado Joo do Amaral Ra-
poso, Ctnosejam : vinho de caj 1.* e 2.a qua
lidade, vinho do abuc;ixt, viulio de janipapo,
composto e simples, besperedina brasileira, la-
ranginha cordial, excencias de limao e cidra, <
tres prensas para espremer os fructos, e tudo
se vende por baratissimo prego para liquida
gao. Assim como se vende um bom terreno na
povoagao Je N. S. da Roa Viagem por qualquer
pcego.
\ ende-se
a tavernasita ra da UniSo n. 3, bem afregue
zada; trata-se na mesma e garante-se a chave.
Libras sterlioas
Vndese no cscriptorio dePereira Carneiro>
C, ru do Commercio n. 6.
Qualquer
Accessb asthmatico, por mais grave que
seja, cede promptamente ao uso do Peito-
ral de Cambar.
prova'? Talvez que fosse com boas inten-
goes.
Ora adeus !
Se ella tivesse um namorado nao fe-
ria precs3o de fugir com elle para conti
nuar a vel-o. Ha outra cousa, fique certo.
O que ha que ella se foi embora e
nao volta.
Entao o senhor julga qne ella mor-
reu?
N2o. Para que que haviam de as-
sassinal a ? Nao levava comsigo nem di
nheiro nem joias...
Tem a sua belleze. Em Pariz nao
falta gente muito capaz de raptar urna mo-
ga bonita e de a sequestrar forga. Se
eu lhe dissesse que tenho razoes para
acreditar que isso lhe aconteceu?
O que quer dizer? exclamou o pai
Cordouan. Explique se... porventur* vo-
c conhece-a ?
E se eu lhe dissesse, continuou Me
sem ter -hesitado um pouco o discpulo de
Vitrac, e se eu lhe dissesse que o homem
que viram com ella ante-hontem...
E entao ?
Era eu.
Largando aquella confissao, Mealheiro
esperava ouvir o av gritar, mas n3o tinha
previsto que aquelle irascivel av i-agar-
ral-o pelo pescogo gritando-lhe :
Tu, miseravel!... Foste tn quem
roubaste minha neta... e atreves-te a di-
zer-me na cara !
O rapaz nSo teve muita difficuldade em
se soltar das mos do velho que acabava
de estar meio asphyxiado. Agarrou-lhe
pelos bragos levou-o para o quarto conti-
guo, 8entou-o na cadeira de bragos, onde
j o tinha sentado depois de desatar a ma-
ca, e disse-lhe framente :
Faga favor de me ouvir antes de
se zangar. Voc tem o diabo no cor-
po, meu velho ; venho dar-lhe noticias da
menina, por quem o senhor chora, e em
lugar de me agradecer quer estrangular-
me.
f Continuar-sfrha)
Typ. do oa-'> ra Duoue de Caxias n. 43
'
I M




f

,

*

i
I
\
? '1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQO5UEY38_0TS5QM INGEST_TIME 2014-05-19T18:22:00Z PACKAGE AA00011611_19154
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES