Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19148


This item is only available as the following downloads:


Full Text

e
<<>
ANNOIXV NUMERO 145
PARA A CAPITAL *!** OMDE XA SE PACA PORTE
Por tres meses adiantados
Por seis ditos dem
Por um auno idem
Cada numero avuteo, do m
6*000
12^000
23.9000
100
TBIICA-FEIRA 2 DE JtJLHO DE 1889
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis meies adiantados.............. 1306OC
Por nove ditos idem................ 3000
Por om anno idem................ JopO
Cada numero avulso, de das anteriores........ #100
PERNAMBUGO
-
Trcpriedade de Manoel d^igutca de 3aria S ffyct
i

OsSrs. Amde Prin-
ee & C, de Parid, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annancios
e publicapoes na Fran-
ca e Inglaterra.
Augusto Olympio Gomes de Castro, An-
nio Joaquim Rodrigues Junio*_e| Antonio
Gon9alves Ferreira,. e Drs.Jayme d Al-
buquerque Rosa, JoSo Augusto do Reg
Barros, Manoel Ambrosio da Silveira Tor-
res Portugal e Manoel da Silva Maia.
Seguiram tambera no mesmo paquete o
Dr. Antonio Pinto de Mendonga, juiz de
direito d Quixeramobim, o Bario de Pe-
nalva e o acadmico Pires Ferreira.
W
TELEGRAMMAS
miso ?ast:s:lae so biabio
RIO DE JANEIRO, 29 de Junho, 1
hora e Diminutos da tarde.
fToi nemeado o conselheiro Lafayette
ssav;,c i ah:., um
()'PARS, 28 de Junho.
O governo francez recusa adherir a con-
versao de divida egypcia antes de marca-
da a data de evacuacSo do Egypto pelas
a^
*
Rodrigues Pereira para ir em commissao | tropas inglezas.
especial aos Estados-Unidos, afim de to- Pore8te motvo M rela?5e8 dplomatca8
mar parte, no congresso internacional, que
tem de se oceupar de assumptos tendentes
a tratados de commercio e navegaclo.
Pcrmutaram seus lugares os desembar-
gadores dos tribunaes da relagao de Mat-
to-Orosso e Goyaz, Benedicto Flix de
Souza e Joaquim Barbosa Lima.
Koram nomeados chefes de policia :
De Pemambuco o Dr. Geroncio Dias
de Arruda Falco, juiz de direito de
Goyanna.
De Matto-Grosso Antonio Augusto Ro-
drigues de Moraes.
Foram removidos os seguintes juizes de
direito-:
Manoel Antunos Pimentel da comarca
do '.'onde de 2.a entraacia, da Babia, para 1
a de Alcntara de 3.' do Maranhao:
Manoel Antonio de Freitas Barros da


te Carolina, de 1.a entrancia, para s io
Alto Mearim, de 2.a ambas do uara-
nhlo;
Oafcsiafto Rttrnanlino dds Rcis e Suva,
da de Canguaretama de l," entrancia, do
Rio Grande do Norte, para a do Conde,
de 2.a, da Parahyba;
Miguel Bernardo Vieira de Amorim, da
entre a Franca e a Inglaterra se acham
estremecidas
PARS, 30 de Junho.
A Cmara dos Deputados adoptou por
urna grande maioria o projecto de lei re-
lativo ao Canal de Panam.
ROMA, 30de Junbo.
Consta que foi chamado pelo governo o
cnsul da Italia em Tunis. **?
BERNE, 30 de Junho.
As relacaes diplomticas entre a Alle-
manha e a Suissa estSo um pouco melho-
res.
i.
VIENNA, 30 de Junho.
Acha-se desmentida a noticia relativa a
urna insurreigao em Bosnia.
H> BOA, SO de Junho.
Noticias de Lourenco Marques annun-
ciam que a Inglaterra oppoe-se a proprie-
,ade do caminlio de ferrro na Babia da
,igon, por Portugal.
/ .le Alcntara, do Maranhao para a de ca- PARS, 30 de Junho.
pitd da provincia do Espirito-Santo, am- q pregdente da repblica acompanhado
bj de 3.a entrancia.
'oram designados os seguintes juizes
de direito para terem ejercicios as ce-
nt-> reas :
e Carolina, de l." entrancia, do Ma-
i ihao, Adolpho Siqueira Cavalcante;
De Canguaretama, de 1 .*, do Rio Gran-
do Norte, Francisco Altino Correia de
Araujo.
Foram reintegrados todos os juizes mu
ir ipaes das comarcas especiaes, ultimn-
K 'iitc consideradas sem effeito.
Foi exonerado a pedido o juiz munici-
j. I do termo de Tacarat, JoSo Paes Bar-
n 'to Lins.
Foram nomeados :
Secretario da Facul'iade de Direito do
i :fc, o hachare! iionifaeio AragSo de
Faria Rocha;
'].biiothecario da mesma Faculdade de
Direito Manoel Cicero Peregrino da Silva.
Foram exonerados o inspector, o aju-
dante e o escripturario da Inspectora Ge-
m da Colonisagao de Pemambuco.
Foi nomeado chefe de trafego da estra-
I, BsvnJAo, ficando sem effeito a nomeaeao
do engenheir Arnaud.
Foi assignfcdo o contracto de fundaeao
de burgos agrcolas.
I ousta de vai ser norteado marechai
,i | ,, tirigrdiro Floriano Peixoto.
DE JANEIRO, 30 de Junho,
ao
iducos 9&egenli')8
concedidos aos commend.-vlores
Silva L >yo Jnior e Fructuoso Da
Ai'. Silva e ao corone! Joaquim Wri-
HpV> do Reg Barros
i paquete nac
presidentes nomeados para as provincias
do Ciar Rio Gran l de Norte ePa
Honriq
.uiz da Gama
de seus ministres procedeu hontem a inau-
guradlo do pavilhlo da Repblica Oriental
do Uruguay.
LONDRES, 30 de Junho.
Propnla-se o casamento do principe Al-
berto Vctor, filho mais velho do principe
de Galles, com a princeza Victoria, irmS
do Imperador da Allemanha.
Agencia Havas, filial em Pernarabuco,
1 de Julho de 1889.
(*) Por ter sahido incompleto este tele-
gramma reproduzimol-o hoje.
Nota da Agencia.
INSTRUCClO POPULAR
\S UMXDES
por duas manivelas que deixam circular a cor-
rente em torno de si. Pela influencia da corra-
te elctrica, a agulha desviada de sua direcceo
para o norte, c executo am deslocameuto que
serve de signal teleorapliico. Com effeito, como
as agu has 3&o duas, pode formarse um alptia
beto pelo numero de pancadas dadas pela agulha
da direita, pela da esquercla, ~por ambas si-
multanea atente.
Assim ,por exemplo, a leltraJE representada
por urna pancada da agulha esquerda e duas da
direita, a letra F por urna pancada da agulha es-
querda e tres da direita, e assim por diante.
Aqu preciso absolutamente contar com a habh
lidade e pratica dos empreados, para supprir a
insufficieocia do macninismo. Empregam-se
meninos, que tem adquirido neste exercicio urna
habilidade prodigiosa, e fazem andar as agulhas
com a'rapidez do pensamento.
Se o telegrapho tem a seu favor a vau'agem d
simpllcidade, naopossne a da economa eexacti-
d5o ; porque exige para por era acclo as duas
agulhas magnticas, dous fio* conductores e
duas torrentes elctricas, em vez de um so fie e
am s apparelho voltaico, que bastara no sysfe-
ma de Morse.
Esta circumstancia duplica necessariamentc as
despezas da installagao. Tem tambem este sys-
tema,o inconveniente de n5o conservar vestigio
algum do telegramraa. Tudo depende da me-
moria dos empregados, que pode errar, e multas
*ezes erra. as linbas inglezas commettem-se
por esse motivo erras assas frequentes. #
Telegrapho de mostrador.-0 telegrapno el-
ctrico de mostrador foi imaginado por M. Weats-
tone na Inglaterra.
Este systema, assas complicado, nao est em
uso para servioo da correspondencia telegraphi-
ca. publica ou particular ; usase somonte as
estages do caminho de ferro. Em razao desta
circumstancia, que Ihe tira, em relacn a nos.
urna parte da importancia, bastar explicar o
principio geral em que fundado este telegra-
pho. sem profundar o seu machinismo. O prin-
cipio em que se funda o systema do telegrapho
de mostrador 6 o seguinte :
Na estaco de partida ha um mostrador circu-
lar no qual estao gravadas as tinte e quatro le-,
tras do alphabeto ? os dez algarisutos da nume-
racSo. Este mostrador ligado pelo lio da p-.
Iha, com outro mostrador semelhante, coHocado
oa estaco de ebegada c este repele exactamente
os movimentos executados no primeiro.
Quando se quer transmittir um telegramma,
trazein-se successivamente, na estago de part
da, as diversas letras das balavras do telegram-
ma defronte de am ponto lixo do mostrador, e
pela forraacao ou interrupeo alternativas da cor-
rente que se faz andar a agulha, estas mesmaS
letras apparecem, no mesmo momento.'no mos-
trador da estaco de chegada pelo effeito da for
maso ou interrupeo da'correte voltaica dest
estago. 1
Telegrapo intiiressorio. Designa-se por esw
nome um telegrapho elctrico que, por meio d*
um machinismo particular, traga tobre papel, en\
caracteres de imprensa ou outros, o telegramma
expedido. O me porque seconsegue este re-
sultado consiste em impellir, pela forca electro-
magntica produzida pela pilba, una letra ou
lypo de impreosa molhado de tinta, d1 niconlro
a'um- tira (Te ppul-qn'- f desenrola. couujH-
mentecom movimento uniforme. Esre systema
noe usado na Europa ; empregado s noi
Estados-Unidos em um pequeo numero Je li
nhac. o telegrapho de Morse, hoje quasi uii-
versalmente adoptado na Europa, desempenna
suflicientemente o papel de telegrapho impresso-
rio, porque marca no papel signaos bem visitis
os quaes, por sua signiheago convencional, *r-
vem para formar as paiavras.
PARTE OFFICIAL
Governo da provinela
BtPEDIENTE DO DU 31 E MAIO DB 1889
ANTIGS K JtfOMttNAS
NA8 .
.:en:ias. industrias e artes
POR
uvtt2 ra-G^isa
XVII
O lelccniplio elctrico
(Continuago)
Um pontq e urna linha {.) represenlam a le-
tra A ; urna linha e dous pontos (.) represen-
lam a letra B ; tres pontos (...) a letra G.. etc.
Assiui se coipem palavras e phrases.
apparelho que descrevemos, foi o primeiro
instrumento deste genero, que
nia telegraphica nos Es
ra o n>
n os ex-dc
/,
B0 p.. jue-
g geraes:
dheiros-Samuel Wallace Dac-Dowell,
'uncriiiou em
stados-Um los.
Foi no mez de Maio de 18W que se inauguro;;
no.~ Estados-Unidos, a |iriuieira linha telegraphi-
ca. Fui esta i la entre Waflbingb
Barliiniire Im.iiinado por M Morse, o hbil
oh q gloria de construir os pri
rte aova, e creara pri
im un loar
nao
Ha al-

i em usar rte outro in^trument.
ever.
iincto, a queo
elegrapho
las agullia= e.n m
Actos :
__O vice-presidente da provincia attendendo
ao que requereu o capitao da 6. companhia do
27. batalho de infantera da guarda nacional
da comarca do Cabo, Pedro Barreto de Gusmo
e o tenente quartel mestre do mesmo batalho,
Alfredo Leal Ferreira, e tendo em vista a Infor-
mago do comraandante superior da comarca do
Recife de 7 do corrente sob ns. 365 e 361, re
sol ve designar o I" batalho de infantariajiara
os cupplicantes ficarem a elle aggregados. -Com-
municon-se ao commaodanle superior.
__0 vice-presidentf a provincia attendendo
ao que requereu os tenentes da 4.' e 6.* ctmpa-
nhias do 27 e 29 balallioes de infanlaria da
guarda nacional da comarca, do Cabo NViberto
Barreto de Mello Reg e Joo Carlos Medes, e
leudo em vista as ioformagoes do commatdaote
superior da comarca do Recife de 7 e 18 do cor-
rete sob ns. 364 e 367, resolve designar o 2."
batalho de infantari.. para os supplicantC3 fl-
carem a elle aggregado.Communicou-sc ao
eommandante superior.
__O vicepresidente da provincia em execu-
gao da Ifi n. 2393 de 10 de Setembro de 1873,
resolve nomear para preenrbimento das vagas
existentes no 70." batalho de infanlaria da
guarda nacional da comarca de Nazareth os se-
suintes ofliciaes :
7." companhia
Teoeale; Alferes Eufruziuio Alvea de Ulivfira.
8.* companhia
Tenente. Manoel da Malla Cavalcante.
\lfcres Cosme Alves de Oliveira.
Communicou se ao comman>! inte superior.
O vice-presidente da provincia em execu-
cao da lei D. 239.T de 10 de Selembro oc 1873,
resolve nomear para o 75." batalho dii infan-
laria da guarda nacional da comarca de (iiruar,
creado pelo decreto n. 10.243 di 18 de Maio do
corrente anuo, os seguintes olliciaes:
1.* companhia
Capito, Antonio Alves de Oliveira.
Tenente, Anioni i Nutres de Olivfcira.
Alferes, Joo Panlo Correia e Si.
2.' Gtfcp :|llli,l
Capito, Sydronio Pi da SiUejra Vidal.
Teneuie. Jos Francisco da Siljra Porto.
Alferes, Paulino Nicas Augusp de Lagos.
3.-' cotfipanlii
Capito. Laurianp J>> ralbo.
le, Manu ren
.-Iferes, Ma: X;/Vier Pereira.
L' compania
Capito, Joio 1 l'ii/xo.
Tenente, Joo C Siva Linwfa.
Alferes, Pedio Antonio de :n
3. conipafeia,
topito, Augu-i
6. c :ii|'jiihia
i a silin i la Silva.
T te, Autoii Cruz Leo.
i i de Vascon-
7.* conra
Altere
Capii
i lasdes da
Coinmuuicou-8e aojcoinm-iiudaiile superior.
- O vicepresidente da provincia em execu
gio da lei n. 2395 de 10 de Setembro de 1873,
resolve nomear para a 17.* secgo de reserva da
guarda nacional da comarca de Caraar, creada
pelo decreto n. 10,243 de 18 de Maio do cor-
rente anno o.- segumtes ofliciaes :
1.a companhia
Capito, Manoel Gomes dos Santos.
Tenente, Florencio Alves Moreira Jordo.
[(Alferes. los Gomes dos Santos.
2 companhia
Capito,. Pedro Alves da Costa Couto.
Tenente, Jos Izidio da Silva
Atieres, Francisco Luiz da Silva Oliveira.
; > 3. companhia
Capito, Joo Francisco de Azevedo e Silva,
Tenente, Francisco i'apitulino dos Santos.
A'tol's, Manoel Florencio da Coste.
4.* companhia
Capito, Felippe Moraes Bezerra de Andrade.
Tjente, Feliciano Zenobio dp Torres Gallindo.
Alteres, Jos Franklin de Andrade.
5.* companhia
Caiilo, Manoel Cordeiro da Silva Barros.
Tincte, Pedro elestino de Vasconcellos.
Alferes, Miguel Francisco Barbosa.
f-Commnnicou-se ao eommandante superior.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao qoe requereu Antonio remandes da Silveira
Carvalho, 2. official da 3.* secgo da secretaria
^3 Presidencia, e lendo em viste o atteslado me-
dico exhibido, resolve conceder-Ihe, a contar de
1.* de Junho vindouro, 3 meses de licenga, com
ordenado, para tralar de sua sade onde Ihe con-
vier.
O vice presidente da provincia resolve de
coaformidade com a proposta do Dr. chefe de
polica em oficio n. 539, de 29 do corrente maz,
exonerar, a pedido, Clemenlino Alves de Siquei-
ra Cavalcanti do cargo de delegado do termo da
Pedra,-e nomear para subslituil-o o cidado Joa-
quim Pereira de Souza.
Oficios :
- Ao cnsul de Sua Magestade Britannica.-
DeVlaro ao Sr. A. Cohn, cnsul de Sua Mages-
gestede Britennica, que neste date submetti ao
coohecimento e deciso do ministerio da fazen-
da (> assampto de seu oficio de 6 do corrente,
coieeraente reclamaco contra o pagamento
dos impostos de pharol e de caridade cobrados
ao vjpor Golplu) deAkaba.-
Renov ao Sr. cnsul os protestos de minha
estima e distincta conslderago.
Ao ten ente-coronel eommandante das ar
mas interino.Sirva-se V. S. de fazer apresen-
lar ao Dr. chefe de policia urna escolte de deze-
scis pragas alini de seguir amanh para a cidade
da Victoria, donde conduzir onze sentenciados
para a Casa de Detengo. Mandou se dar jpas-
sagens escolte e sentenciados por tinta da
provincia, na estrada de ferro do Recife Ca-
ruar e communicou-se ao Dr. chefe de po-
licia. -
- Ao mesmo. Sirva-se V- S. de designar
don? cirurgies do corpo de saude do exercito.
para com o da armada aqui existente inspeccio-
narera amanh, s 11 horas do dia, oa enferma-
rla de marinha, um oficial da armada. Com-
asnUou-se ao inspector do Arsenal de Mari-
flb?
^^<>Ao rrispector da-Ttiesourari di Fazeuda.
Sirve se V. S*. de mandarpagarnos intaressados,
a quautia de 7:301*120 constante dos contas
juntas, proveniente de meteriaes comprados para
a hospedara do sitio da Jaqueira, conforme soli-
citou o inspector especial de trras e colonisa-
go, em offlcio.de 26 deste mez Communi-
cou se ao inspector especial de trras e coloni-
g&o.
Ao inspector do Thcsouro Provincial.De
volvo a Vmc. os onze bilhetes da lotera da pro-
vincia de S. Paulo, que vieram com o seu oficio
n. 129 de 27 de lAbril ultimo, c remetto-Ibe a
respectiva liste da extragOes, enviada pelo pre-
sidente da mesma provincia, da qual se verifica
nao terem sido premiados os alludidos bilhetes*
Porteras: ..,,/-,
Declaro Cmara Munioipal do Recife que,
nao havendo utilidade na desapropriagao do ter-
reno e obras em construego no povoado da Casa
Forte pertencente a Manoel Martins Campos,
deixo de attender ao pedido constante de seus
oficios ns. 39 e 40 de Abril findo que assim fl-
cam respondidos. .
O rV. gerente da Companbia Pernambucana
de Navegaro mande dar passagem de r. at
Natal, no "vapor que segu para o norte a 5 de
Junho, a Joaquim Damaceno de Albuquerque,
por conta das gratuitas a que o governo tem di-
direito. .
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do fteeife a S. Francisco d passagem de ida e
volta da estaco de.Cinco Pontos a de Una por
corito da provincia e com direito a bagagem ao
soldado do corpo de policia Bellarmino Antonio
de Araujo que segu a servico at o Canhotinho.
Igual no prolongamento, at a stogo de
Caihotinho. --
RXPEDIENTB DO DB. SBCBETABIO
Oficios: .
Ao 1 secretorio da Assembla Legislativa
Provincial.- De ordem do Exm. Sr. Vice presi
dente da provincia devolvo a V. S. um exemplar
da re^olugo enviada com o seu oficio n. 60 de
23 do corrente mez, que deixou de ser sanecio
nada pelos motivos exposlos na mesma resolu-
eSo ,
Ao eommandante superior da guarda nacio-
nal da comarca da EscudaDe ordem de S.Exc.
o Sr. vice presidente da provincia declaro a V.
S qefe o alferes nomeaao por portera de 12 de
Abril ul'mo para a 4* companhia do 11 corpo
de cavallaria da guarda ncional sob seu com-
mando chama se Flix Tolentino da Fonseca.
Secretaria da Presidencia de Pemam-
buco 1 de Julho de 1889.
O porteiro,
F. Chaco*.
------------a*
Lomaiando das armas
Antonio Florencio Pereira do Lago, bacha-
rel em mathematicas e sciencUs physi-
cas, official da imperial ordem da Rosa,
cavalleiro das de Cbristo e S. Bento de
Avia, condecorado com as medalhas de
Matto Gtosbo e das campanhas do Uru-
guay e do Paraguay, com o pasaadorde
prata e o n 3, tenente-coronel do corpo
de estado-maior de 1* ciasse e eomman-
dante das armas interino da provincia de
Pemambuco, por sua magestade o im-
perador, etc.. etc.
Fago saber a todas as pragas dos defe-
rentes corpos do exercito que sua mages-
tade o imperador houve por bem indultar
o crime de 1.a e 2.a diserebes simples que
comraetteram, como se v do decreto pu-
blicado em ordem do dia da RepartigSo do
Ajudante General n. 2,255 de 25 de Abril
ultimo, e em* seguida transcripto :
c Querendo manifestar por actos de mi-
nha imperial clemencia a venerago e res
peito que consagra ao dia de hoje em que
a igreja commemora a Sagrada ^aasao e
Morte de Nosso Jenhor Jess Christo, e
commiserando-me das circumstancias em
qu. se acham diferentes pragas dos corpos
do exercito, que tiveram a infelicidade de
desertar, affastando-.se de suae bandsiras,
hei por bem indultar-lhes o crime de 1.a
e 2.a disergoes simples, que commetteram,
devendo ellas apresentar-se as respectivas
autoridades dentro do psazo de 2 mezes,
contados da publicagao do presente decre-
to em cada urna das comarcas do imperio,
incluindo se n'aquelle numero as pragas
que se acham sentenciadas ou para senten-
ciar pelos menwoaados crimes.
Palacio em Petropolis, 19 de Abril
de 1889, 68. da independencia e do im-
perio. Com a rubrica de Sua Magestade
o Imperador. Thomaz Jos < oilho de Al-
ineida.
Qnartel do Commanda das Armas de
Pemambuco, 12 de Junho de 1889. An-
tonio Florencio Pereira do Lago Tenen-
te coronel eommandante das armas inte-
rino.
osspAcnus ua puramflWQTA do da 28 de
jcnho de 1889
Adriano Augusto de Almeida Jordao.
Informe o Sr. fisc <1 da companhia Recife
age.
Urnanno Cesar de Mello.Informe o
r director da (Jolonia Isabel.
Gnspar de Menezes Drummond. Infor-
me b Sr. inspector do Thesouro Provin-

1 Candida Tavares da Costa.
Entngue se, mediante recibo.
i l'edro de Araujo.Informe o Sr.
Dr. ehofe de policia.
Cupitad Manoel Aceioly de Moura Con
diiu.Siui, a contar de 17 do corrente
mes.
Hcracli Gitirana. Sim, sendo
ruezes; com ordenado e um provitotiamen-
te e sera vencimento.
Matoel Rodopiano Barbosa de Santa
-Informe o Sr. director do" pre-
1 Fernando de Noronha.
Alfc!r.;a Olegario da Luz Cantarelli.
libio de 11 do corrente &o Thesouro
! 'rnvinpial, foi mandado effeetnar o paga-
que se trata,
v.uayrol Frores.Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
dous
Hcparfif 5o da Polica
2.a seccao.N. 7,1b"Secretaria de Po-
licia de Pemambuco, 1 de Julho de 1889-
Ulm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram recolhidos Casa de Detengo,
os seguintes individuos :
No dia 28 :
A' ordem do Dr. delegado do 2o districto da
capitel, Brasiliaao Pereira da Silva, Joao Btspo
Ramos e Joaona Mara da Conceigao, por distur-
bios.
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife, Joo Francisco do Nascimento, por offeosas
moral publica.
A' ordem do do Io districto da freguezia de S.
Jos, Alfredo Cardoso do Carmo, por disturbios.
A' ordem do do 1* districto da freguezia da
Boa-Visto, Elias Cussato e Braz S^asterna. por
offensas moral publica ; Paulino Jos de Arau-
jo, Albino Jos Campos, Ignacio Joaquim Alves,
Jos Gongalves de Miranda e Pedro de tal, por
disturbios e Firmina Mana da Conceigao, por
disturbios e offensas moral publica.
So dia 29:
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife, Manoel Braz de Lima por crime de furto.
A' ordem do do 2o districto da freguezia de S.
Jos, Cassiano Jos Mariano, por disturbios.
A" ordem do do 1 disi icio da freguezia da
Boa Viste, Joaquim Alves da Costa, por distur-
bios.
No dia 30:
A' minha ordem, Justino Cypriano Ferreira da
Costa, como alienado, at que tenha o conve-
niente destino.
A" ordem do Dr. delegado do 2' distrieto da
eapi'al, Manoel Affonso de Mendonca preso em
flagrante por crime de ferimentos. e Manoel An-
tonio da Silva, por embriagues e disturbios.
A'ordem do subdelegado do 1- districto da
freguexia de S. Jos, Antonio Lourengo Pereira
de Ca valho.como vagabundo e Anua Mara do
Espirito Santo, por embriaguez disturbios.
A ordem do do 1- districto da freguezia de
Afogados, Joaquina Maa da Conceigao e ran
cisca Mara da Conceigao, por crime de furto.
O subdelegado do districto do Peres, commu-
nicou-me ter no dia 27 do mez prximo lindo,
feiio remessa ao Dr. juiz de direito do 3." dis-
tricto crimiuai do inquento policial proeedido
contra Mauoel Francisco Cardoso, sobre a morte
de Antonio Romo de tal, contiendo por Co
rumba. .
No dia 27 do mez passado assumio o exercicio
do cargo de commundante geral da guarda ci
vira o major Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcante.
O cidadao Cicero Braga de Souza-Leao, assu
mi no dia 28 d'aquelle mes o exercicio do cargo
de delegado do termo de Jaboatio.
Comiiiunicou-me o cidadao Eustaquio Jos
Gusmo, ter neste data assumido o exercicio do
cargo de subdelegado do districto de TigipiO.
Pelo mesmo subdelegado" foram remel
esta secretaria, 3 facas de pona, I compassu e
1 pistola, tomados a desordeiros.
O Dr. delegado do 1." districto d capital
Irouxe ao nieu oonhecimenl ahites f. -
II ralem larde incendio 'mente duas
pallia. pertei Marcelina la
cau e Uarcolioo Severino di Graga
a n i lo i.' districto da freguezia de
fci. Jos..
a do facto procedeu se nos termos ua
ir do predi
onde tem eatobeleci
Julia Koblet, u qual foi logo ex
lloradores do 3." andar do me
menle
u c preslou seus bous servij
impor-
Compare do 2.
distnc:
Abr: :'il-J policial.
No dia 28
da tarde na ra do Rio do districto da ~
iravando se de razoes os individuos de uo&iu-
Jeronymo dos Res e Joao Primitivo Casimir
da Cunha, d'ella resultou sabir Caoba com m
ferimento, evadindo-se o^tffensor.
O subdelegado respectivo Lmou conbeciment
do facto e mandou transportar o oBendido pa"
o Hospital Pedro II alim de ser vforado e me-
dicado..
Procedeu-se respeito nos termos da lei
Participou-me o delegado do termo de Agn-
Bellas que, no dia 20 do mez prximo fi*
pelasSnoros da noule, foi traicoeiramente -
sassinado com um tiro Manoel Monteiro da Silo
por Antonio de tal, conhecido por Maroba. aaj-
logrou evadir-se
Aquella autordade tomn conebecimento 4
facto, fez proceder a competente vigtoria e abr
0 inquerito policial.
No dia 27 do mez passado preslou jura
monto e assumio o exercicio do cargo de dte
gado do termo da Victoria o cidadao Pedro S*
cundino Barbosa.
Communicou-me o alferes Joao Pk> da Sil
Valenca, ter no dia 29 do mez passado assunn
do o commando da 1* estaco da guarda cvica
O subdelegado do Io districto !? freguezl
de Nossa Senhora da Graga, commonicou-me qu
na noite de hontem para boje, os ladroes po
meio de arrombamento feito com pa em um
janella da casa n. 20 site a l onte de Ucboa, re
sideocia de \V. J Hynes, penetraram no inierio-
da mesma casa e subtrahiram 2 relogios le oo
ro, i de prata, 1 de nikel, 2 correles de ovo -
1 de cabello encastoada em ouro, 1 iosigni.
magonica, 2 caigas de cseinira de flor, I caiiei
ra de couro da Russia, e 44OOO, alm de on
tros objectos avaliando se tudo em .V> WOO
Aquella autordade tomn conhecimento A
facto, fez a vistora, abri o competente inque
rito e deligencia descobnr o criminoso ou auto-
res do crime.
O cidadao Jos Joaquim de Albuquerqu
Mello communicou-me, ter no dia 29 do m-
prximo Rodo, prestad juramento e assumidr
o exercicio do cargo de delegado do termo d>-
Goyanna.
Durante o mez de Junbo prximo findo
foram por esto repartico remettidos para o ho-
pitol Pedro II, 30 desvalidos, para o hospicio de
Alienados 7. p com destino a escola de apreodizes niarnbein^
2 menores abandonados.
Deus guarde a V. Exc.ulm. e Exm
Sr. Bario de Caiar, muo digno Io vice-
presidente da provincia.O chefe de pnli-
cia interino, Jo3o Augusto de AUmqurripi'
Maranhao.
f
Thesom-o Provlnelal
DESPACHOS DO DU 28 DE JCSHO DE 188&
D. Antonia Peregrina Cavalcante de
Albuquerque. Registre-se e acam-se a
devidas notas.
D. Francisca Mana da Conceigao Regr>.
Almeida & C Joaquim Pinheiro 4 C e
Antonio Jos Moreira 4 C A seccao do
contencioso para cumprir o despacho da
junta.
Jos Elia de Oliveira. Ao Si. por
teiro para tomar nota e devolver.
D. Catharina Leopoldina de Castro Arau-
jo Ramos e Luiz Antonio Cavalcante de
Albuquerque. -Ao Sr. Dr. contador para
os devidos fns.
Kecebedorla Provincial
DESPACHOS DO DIA 28 DB JUNHO DE 1889
Rita Pires Portea Tamarindo.Infor-
me a 1.a seccao.
Ephania Madone Junte 'conhecimento
de quitacSo da dcima relativa ao ultimo
semestre.
Gratuano dos Santos Vital.Informe
a 1.a seccao.
1." DE JULHO
Marques Sobrinho C, Luiz Eugenic
de Araujo Pinheiro e Almeida & C.A
1.a secgao para os devidos fns.
Antonio Domingos de Sant'Anna.In-
forme a 1.a seccao.
Um officio do procurador dos feitos.
A' 1.a secgao para os devidos fns.
Antonio Bciriz & C.Informe a 1 *
seccao.
REVISTA ESTRWGEIRi
Vapor da Europa
O paquete inglez John Eider foi portador da?
segantes noticias alm das de Portugal, consten
tes di carta do nosso correspondente de Lisboa
que publicamos na eccgo Exterior
H<-|>HMka
Sobre este reino escreveu-oos o seguinte o su-
pracitado correspondente :
COmmuificau.' de Barcelona, que. em visu
-tiwessos ltimamente occorridos em Roma
coqi'a inauguraeo do monumento a Giordano
Bruno, o biepo daquella diocese dKigira rainha
da Hespanb una reverente expo-->igao do acn
te lo, e declarando que o que acaba de pissar-
se na cidade Eterna constitue um insulto ao pon-
liliado.
Km consequencia do que, o mesmo bispo sup
pluou a S. M. que, por iniervengao de seu go-
bern se pega ao de Italia a adoptaco de medi
das tendentes a garantirem a seguranga do
paita.
E pede mais que se offerera a Leo XIB, para
o caso em que este se resol va a abandonar
Roma, um asylo em Barcelona, ou outro qual
quer ponto da Hespanb.
oeceia se urna revolugo repubiieana eai
lespanli'. Em Badajoz tomaram-se u timaroen
xtraor.narias precaugoes militares, percor-
rendo as ras pairulhas dobradas. A ponte so-
bre o Guadiana sst ocupada, e os corlos da
romptos primeira vo7.
pps do xer iio portugaa
As ras sito : pa-
Irulbadas, vea leen:
..i la de alguns piq.
Foram i Iher as ora sto-
licenga r.
parem, a gua
la.-
K:n .- uno certa a noticia
de q arco
sub'n.i:.
ec que lin poneos dias anda -
que neram ex!',
tudo.
I) tem cada \
' 0 Sr. Alonso Martin cito presidente
ira ara do? Deputados por 237'votos co
117 lisias bram-
r

i




















2
Diario de PernainbucoTer$a-feira 2 de Jalho de J Oh discursos do Sf. -'agasta na reunio da
icaioriae do Sr. Alonso Martnez, eleito prest-
ante da Cmara dos Deputados, pela mesma,
(araa amito habis, e foraui sobretodo de urna
extrema abnegago para cora os chefes dos gru-
pas coigados, qoe por motivos, anda hoie por
awmgBar, iam comprometiendo a vida do go-
TCTBO-
Gaardoa-se rautto bem o Sr Sagasta de pa-
talear os resentimeotos que porveutura tivesse
otario da lei do sulTragio uurvcrsul e na^eeo-
ananas que sao os prapad toa do goternuu as
ssperangas do paiz.
O Sr. Sagasta explicon cun umita naturalida
t os motivos que-o levaram a acomerhar re-
gtmteque desse por concluida- a 4* legislatura
eatavocasse ad>; visto que a exaRaco juMiri-
ada da maioria contra o presidente, eas aoofe-
reucias e concilibulos, que fortuigavaiir por
toda a parte, na pe uueutiva dHainedir que fsse
iei o suffragio universal, tornaram impossivel
loda a reconciliago entre os diversos grupos, era
ueessa maioria se tinha dividido; e, porisso
memo, sem fructo algum ludo quauto se ioten-
laase fazer cora a actual constituigo da c.i-
hollandez, vai tambem ser vertida em por
tagurz.
O partido progres3ita-repub"licano coacor
dou em que o Sr. Rodrguez saia para Melilu,
alim de acompanhar o cadver do brij
Villacainpa, que ser recebido na estago por
commissoes dos partidos republicanos e eondu-
zido ao cemiterio de S. Justo.
O arcebispo de Toledo recusase a benzer
a primeira pedra do monumento que os carlis-
cnwtraosseus amigo da vesperey. inciteaao a .toatratara da erigir a- Recuredo, itela soa con
aaioria a proseguir nos se prepsitos:n* wwo ao_ohristiaiiisino, t.o caso de nao reun
Disse qoe a melhor das polticas, no actual
nairnii-, era a poltica de paeiticaguo, a polti-
ca de iiberdade que i poltica da paz ; e. sendo
a pai iualteravel, as economas' sfio a soaconse-
qaeacia, que precisamente aquillo que tooo o
Mai tespanhol deve desejar, para desaforo e
iMivio da contribuigao territorial, que tanto peza
adere o pequeo agricultor
aVcemmendou prudencia e energa no ataque,
ie coBrtio duendo que havia d > persistir na sua
BflMkai, attrahindo quantos poder e procurando
i111 mi in que tem. B, se, contra o seu de-
stf> e propsitos, o partido que acaudiltta sof-
ocare alguna desraembraco, entao, que sup-
priese enumero a disciplina, enchendo o vano
ocasionado, apertando as filriras para ru a
tac* da sua unio compensasse bem a perda
1* aeocesse soffrido.
Besta maeira, coiitnmou o Sr. Sagasta. pro-
gaenes tranquillaraeate o nosso caminho.
aac odios ncm runcore9, e ehegaremos ao termo
feral, se fonuos guiados sempre pelo nosso amor
efeaMade as iustitutgOes e atteatos smente 10
'esa a patria. >
Mb*> discurso, do quat apenas llies dou urna
ligan ideta, foi coberto de applausos.
Sajnsio se-IIie no uso da palaera o Sr. Alonso
Jtarfeavz, agradecendo a eontianga de quero o
m elevado a to supremo cargo, sendo muito
lefia, principalmente quaudo affirmou que se jul-
javauegulnoso por ter assignado a formula pa -
Mea em 1883. e que aquella transacgao se deve
fejwacao de um partido liberal potente, gra-
cas:a qual tem sido posstvel verificar tranquil -
anote a transacgo da monarrhia de 1). flbnso
SM lora actual regencia de' D. Mura Christina,
xmaoc se tenbam dado aquellas commogOes,
a*- aeagavan perturbar a paz do paiz, por
scaaaao Auualrflcaco de peer armada dada pelo Sr.
tita* Martinea- ao discurso do Sr. Sagasta, diz
tmmareial, foi muito bem acolbida, c segura -
-sacate ncar no reportorio poltico
0 eminente bespanhol D. Jos Zorrilla y
M|l o celebrado autor dos Cautos del Trovador
;a>oema Granuda teve ha poucos das urna
unAteose promovida pelo Lyceu de Granada,
a acre da Hespanha nteira.
A fesa foi deslumbrante* a altura da fama do
aadre poeta. Nao ba memoria de tvcepgao to
caarsmda e espontanea, como se se tratus.se de
MM um soberano Maisdedezmtl pessoas
aajgtoroeravam as ras- do Granada para ve-
aaoclainan'in a Zorrilla
'icapossivel deserever aqaelle grandioso re-
Quasi toda a populago de Granada
mas mas. Qu indo appareceu a locotnoii-
lausipwuin ruidosos appiautos. estrondea-
sua o byranos e os logeles, e nao cessaram
Taras at que Zorrilla subi para a carroageni
a se poz em movimento.
cante todo o trajelo renovarara-.se os fogos
askngaila. As senJioras pelas jane lias SdUda-
m n'o agitando os lencos.
i M carruagem. em companbia do poeta, o
"nr civil, presidente da cmara, e o Sr.
ideLucena. SugutiHDdepois as-roaimisees
aadkiaentos trens.
Scaaaoa nao presoHceou jamis e^poetaculo
taufcrmrwa.
MiMcini da- carruagem pela ra da Doquez*,
a Iperfeitann-ate rotem de llores, versos- e poai-
M mirfjadas 'das jaoeUas. A comitiva dirigio-
* a Awimbra, no raeio Je um enthusiasmoin-
fcraptivel do poro. Zorrilla foi hospedar-se no
Cbbmu dOs Mart y res.
A ra que deve ser-1 be posta na aetosolem-
eatorou^ao. foi feita uas ollkiaasdas Srs.
WM e formada de follms c botOes de ouro,
eawvpeffettog, que sv'confuudiain cora os ua-
So jmate l-se esta inscripeo :
AJ poeta Zorrilla el Uce de Granada en
Me de la nacin espaola *.
O presidente do lyceo de Granada recebeu no
Jia o va telegramiua em qte se aanwciava
C'srainha regenta bavia noraeado o duque
Bitas para a representar as festas da coroa-
laoBl. Jos Zorrilla-.
A ceremonia foi. por isso, transferida para o
A que cliegarii a Granada o duque de
Ubi, hospedando se em casa do contie de Las
i^prtas-
CBtgan tamltem o ajmttamento de Valladolkl,
aur fei recebido por varias commissocs. Hos-
aeJas se na fonda da Alameda, onde bouve u:ua
naili em soa honra.
MaoMnocomboyo okegaram o tnai'stro ure-
laa c a soeiedade de eoneertos; os Srs. Soron -
*a,#iwira. ministro de S. M. o imperador do
Bra*il. os condes de Parsent, Canaa1. Marao, o
teartor dfc 'El Noticiero mcrr*alde Barcelona,
uses. La Hoz (D. Santos) Francos Rodrigues,
fedactar de til Paiz; Hidalgo Saavedra.
WcsfBboio era tao grande que era trazido por
dtmts- machinas.
Xurba visitn o GeneraWe. acorapanhado
jwr ama coramisso do lyceu e pelos Srs. Ker-
vLSbaw e Jarado la barra. Estes escreverara
juajandu poe-iias em mu afluirn qoe esta dis
orcio de todos os viajantes, afhn de n'elle es-
mwHjaua saai ini|jr(ssdes.
Xarnlla tambera visitou a condessa de las
MM o alcaide, o vice-presidente do lyceu
i jDrernadrJres civil e militar.
Sb inais 'le 30 aunPs que a Hospanbn cele-
iuua festa semetliante, a coroacao era vida
lo ^rartde poeta Quintana, que deu tanto bradp
miada a Europa.
Manifestou-se o cholera morbus era Manii
leseas immedacots.
Ca correspondente do Fgaro julga-se auto-
i>. aprzar dos desmentidos que possam ap
tr, a affirmar. que no prximo mez de
o imperador Guitherme vira a Hespanha
esquadra que fundeara em Gtietana, em
>que o aviso imperial Hohenzoltern e ou-
avios de seganda ordem fundearao em
em plena praia de San Sebastian, no
aaudos banhistas.
aperador habitar a bordo. Depois da sua
wata a ratona regente vira a Portugal, e quan-
dt>, ta Outubro, a corte j estiver em Madrid,
efiepessar de Lisboa capital da Hespanba,
ando eatao hospedado no pago real.
Fallecen g general hespanhol Heritoria, of
acM de altos mritos, inventor de um excellen
le eanhfto < 'ac, qne conhecido pelo seu nome,
e de anal a Hespanha justamente se envai-
Sob a presidencia do raarqUez de Sentme-
aat, constitmo-se a junta anti-esclavagista de
aarcetooa.
O cavalheiros que conslituem a referida jun
a cRfieram telegramma ao papa, rainha re-
i de Hespanha, ao carJeal Lavigerie e a
del Castillo.
Foi eleito por unanimidade socio da aca-
dteasia nespanbola o Sr. D. Bento Prez Galds,
jacv>- da Fontana de Oro, de El Audaz, de Los
Episodios. S'aciouales e das mais precise a no
attfe. contemporneas, traducidas era alleraao,
mgin e f rancez.
Prrez Galds natural das Canarias. Roman-
an. art'gOB, correspondencias para a America,
rpetos de resposta ao discurso da cora, tu-
ba i da soa penna, licando-lbe ainda terapo
pan pintar, fzer poltica no El-Correo, e ir a
lUU'jimili i Transaihantica. onde empregado,
aaTutir como deputado s aessoes da cmara
das epatados, e. como curioso, s do tribunal
cjavtdo sao importantes.
Orna das suas primeiras obras, D. Perfector,
Misada em fiancez. inglez, italiano, aliemo e
Os outro tres tambem foram levados no inesmufa estudar de accord com o Estado os meios de
la
rea o iMBfio de pesetas que necessario para
a obra.
Os carlistas mostranr-se muito indignados con-
tra o arcebispo.
Os carlistas de Quipusera otdubraram com
grande pompa urna ruinara ao Sancluario de
Guadalupe pertu de Fuenterrabia, cantando
hyrauoa e pregando ermes os frades e curas
contra a-idas iberaes.
Os iberaes aproveitarnm o anniversarto da'
heroica defeza de Hernani contra os facciosos,
para celebrarem urna festa magnifica. Militares
de iberaes de San Sebastian. Tolosa e no vos
circumvisinhos concorreram a Hernani, que es-
tata adornada vistosamente.
Havia festa religiosa, bode aos peaies* IjuMub4>
e mi'sicas e as pracas da heroica villa foram
locados o hymno de Riego, de Espartero e a
Marselheza.
A maioria cantonalista de Cuba e Porto Rico
dirigi urna representacao ao governo, pedindo
o concurso do parlamento para resolver as gra-
ves questoVs polticas e econmicas das Antiili is,
que esto pendentes de discussSo e approvacio
Firmou-se o contracto com a casa Palmer*-
Martnez para a coaslruccfto de tres crozador.'-1
de 7.000 toneladas de casco d'agos blindados
Uns 20 senadores e deput.idos do visinho
reino adheriram j conferencia parlaraeniur de
arnitragem que se ha de affecluar em Pariz, no
fim de Junlio. Entre estos cita-se um dos nie;n
bros do gabinete Sagasta e varios ex mimsrVos
e bomens polticos de primeira plana-.L.
Pranra
Foi bastante notavel a discusso do orcamento
do ministerio de intruocao da cmara franceza.
aproveitando eta disoussoo Sr. Julio Ferry, que
ha muito se conservuva silencioso, para proferir
um longo e importante discurso, em que proli
cwntemeute se-occuinu do assurapto sujeito ao
debate; e pregou urna pohtica de paclHcaco e
concillacao acerca das ideas religiosas, que os ra
dicaes atacara sem treguas, e de que prelendem
divorciar a ensino escolar completamente, o que
t1m quasi conseguido.
As palavrus do Sr. Julio Ferry nao lograram
fazer na cmara a pacilicacao dos espiritos tnais
exaltados, e, embsra o seu programma fosse
sensato e patritico bastante, nao caiou nos ni-
mos inquietos, efoi, como a sement deque falla
a K-criptura, cahir na rocha viva da intolerancia
reciproca, que separa e intonsa, principnlnienie
os extremos da uie-raa carama.
Prestes Ibe re-pondeu a conde de Menn, ultra-
montano exaltado, repudiando o offeresimcnto
da pas que entrevia as palavras do Sr. Julo Ferry,
e peremptoriamente declai-a.ido que-essa-paz era
impossivel, e seria falseada por aquellos qbe pre-
tend,! m destruir a religio e cooderanaras eren-
cas religiosas, contra as quaes-t&n sempre nor-
teado a sua politica a dirigido os-seus arique.
Agora vinha aSr. Julio Ferry, failttr daipaz, ol-
vidando o que elle e os seus amigigos linhaio.
feto; mas que este retrocesso no condemaavel
caminho que a repblica tinha encelado, nosig-
nicava um arrependimonto', mas a obediencia
necessidade de ver se captara'o pas, remito a
indignado na su.; grande maioria. c jntra a-guerra
feita s crencas eaos sentimento religiosos da
raalor parte da Pranra, como Ihe demonstrara
em breve na urna.
O chefe da estreraa esquerda. o sr. Cliueneeaui
rgaeu-se enlo para responder ejmome dos ra-
dicaes aos Srs. Julio Ferry e conde de Menn, de-
clarando que a pac era impossivel eatre a reli
Rifo 8 a repnbliea, visto como aquella initaiga
da'Iiberdade, e o clero constriue aarm sempre
erguida paita ferr e derribar as instituices que
aborrece, e Ifle impedera a vj^ssallagera das" con
sciencias e a destruico da Iiberdade.
Ura grande oumero, porm, de repotoliennos,
conservadores do cenlo\ acceitdndo e querendo
mantidas as reformas escolares inauguradas pelo
Sr. Julio Ferry, e que desencadearam es'a guer
ra religiosa, entendeinr, como Mr. Ribot, no se
dever restituir igreja nunhuma das suas antigs
prerogativas, e que ella hoje reivindica coma
apanagi scus, mas entendem tambem dever se
guir a politica moderada de pacificacao c de
couciliacao poliiia*. que o boin senso recontiece
mais utfl e proficua aos interesses da Franca, do
que a guerra sem treguas-esem piedade pregada
por Mr. Clemenceau, primeiramento, e depois por
Mr. Goblet, que njpetio as deas iatrausigei
do chefe dos radicaes.
Da discusso resulta o reconliecimeuto de que1
ura grande e importante grupo republicano.que-
rendo a independencia do Estado e a iieutrali-
dade da escola desejae procura1 a paerficasao da
guerra religiosa, facilitando a todas as civbcas a
iiberdade de se nanterem e muaifestuwm dentro
dos limites das leis.
O senado rejeitoa por t6i tatos contra 9 o
projecta do Sr. Len-Say'sabr as despeaste da
instrucco primaria.
Rebentaraui a 4 de JunhO serias desordens
em Gondrecourt, em Mease, entre os operamos
francetes italianos empregadoj nos trabaihos
do caminho de ferro.
Os francotes, sobreexcitados pela morte d'um
sen eamarada, assasimido pelos italianos, mar-
charain contra estes.
Assegura-se que ticoo ferido um italiano, e-
destruidas varias'das suas cantinas. Estao toma-
das todas as providencias para obstar repeti-
co das desordens.
0 general conde Menahrea, embaixador da Ha
lia, conferenciou sobre este incidente com Sr.
Spuller, ministro dos negocios estrangeiros da
repblica franceza.
O Sr. Reicbert, sub-intendente militar, que
servio como addido ao gabinete militar do gene
ral Boulaoger, foi p-eso no dia 8, noite, por
ordem do alto tribunal de justica.
A prisa.; do Sr. Reickert foi motivada por
um falso depouueuio, e pela recusa de entregur
documentos reclaiaados pelos instructores do
processo; tendo, porm, o Sr. Reickert entregado
os documentos, e prestado indicacoes sobre os
outros documentos era poder do capito Feuclist,
foi posto logo em Iiberdade.
O general Ture, antigo chefe do gabinete do
general Boulanger, foi interrogado pela cora-
misso de instruccao do processo do alto tri
bunal. 4
0 Jornal dos Debates diz qu em consequencia
dos documentos compromettedores encontrarlos
entre es papis apprehendidos ao sub-intendente
Reickert, a commissao instructora de alto tribu
nal de juslica mandn prender o capitfto Fleu
chut, que faz parte do estado maior general do
ministerio da guerra.
Foi preso, ou vai sel-o dentro em pouco o
general Ture, que fez parte do pessoal do miis
terio da guerra quaudo o general Boulanger foi
ministro.
E' o actual governador de Dunkerque.
U general Jang foi intimado a comparecer
peraote a commissao instructora do alto tribu-
nal.
Corre o boato de que itiuitas prisoes de fute
cionarios e ofliciaes superiores se levaram a ef-
feito no dia 8, tendo relajo urnas com o pro
ce8o Reickert. e outras com os casos connexos.
A busca policial effectuada em casa de Mme.
Oouloii, ud praca da Magdalena, n. 19, deu em
resultado a apprehenso de muitos papis e car-
tas dirigidas pelo general Boulang-jr i Junta Na-
cional.
Os boulangistas Laguerre, Laisant, Derou-
lede e Richard tinham annudciado para o diaiO
urna grande reunio em Angouleme.
Chegarara l s 10 horas e uieia, sendo rece-
bidos com gritos de Viva a repblica I viva Bou-
langer! Na gire o Terecerara-lhes muitos bou-
quets.
Km seguida dirigiram-se de trem para o hotel
Du Palait, na praca Mun'er.
A muilido agglomorou-se era freiite doedi-
licio.
O commissariode polica prcaiibio que se grt-
Viva Boulanger I
Paulo Droulede, pondo-sede p,'disse uulo
pela portinliola do trem : Nio gritera Viva a
repblica porque presos ;
Vivam os ladres I Assira
ningu nder.
O coramissario geral interveio, apostropbando
Paulo Droulede, ue se alirou a elle.
0 commisario ficou ferido, e Droulede.;.
preso.
trem para o carcere.
O procurador da repblica dirigiu-se para
onde comecou o processo de instruccao.
Xo entretanto, as manifestacOes coatiuuaram
as ras.
aas mil pessoas dirigiram-se para a sala
oude se realisaria a reuuio, e votaram urau
censura contra as medidas tomados, pela po-
lica.
A saieoiiu* se realisariu-o ban-pjete ooiiihiu-
nicaMi1facUuttWrtuco.li a ruti
l'aru evitar-desordens, a autoridade-prohibid
que ltennwsee alguem.
Durenie a noite loi propostoaos pTcsosdaivu-
llies Iiberdade, sol) condico deque nao se spro-
veitartra dcUa para provocar novas nMMfes-
tacoes.
Os presos respondrom que ua> prevoeavain
maiiifesta*'>estdguraa; que ellas erara osponia-
naas e, que s*fbseiii:pe*t->sem Iiberdade, i-eaii-
saTiaur a'conf^TRncia
Duraiite aquella noite ainda foram presas vinte
e cinco pessoas.
- 06 Srs. Droulede, Laisant e Laguerre nao
foram seltos, como se dira,
Com parecer ra a 11 perante o tribunal cor-
oM4Mlfcta AugoultMQe acou* ameacas a funeciunaros puUicos.
Os deputados boulangistas decidiram adiar a
sua interpelluc.io sobre o assumpto.
A Autorit alflrma que o alto tribunal de Jus-
tina concluir que o general Boulanger deve res
pouder em couselbo de guerra.
Segundo diz o Temps, a commissao instruc-
tiva do alto tribunal de justicachegoua verificar
a existencia de graves provasjaecusatorias contra
o general Boulanger.
0 processo sena entregue no da l ao pro
curador geral.
Consta ao jornal Pars, que o julgamen
correccional do Sr. Paulo Droulede e seus|CJ-reos
ser adiado para o dia 13, ou la'.vez mestno
para 16.
Os organsadores do banquete p: ambicio que-
rellarain do preletloe do coramissario d^ piicia
de Augoulme. "*
Os Srs. Laisant, Lagerrc e Drouled,e foramJ.
sollos provisoriamente ; mas foram prevenidos
de que ao priiut-iro escldalo por elle* proiuo-
vido na ra, seriara oulravez presos.
Corre o boato d(s terhavid novas buscas >)
liciaes em casa dejpersouagens que jexetceram
alias fu'icces no rainisieno anterior.
Na ses-o de 11 da cmara dos deputados. o
Sr. Gellittert. boulangi?ta. interrogou o governo
acerca- dos acotitecimeiitos de Angouleme d-
zendo que sao ura alteutdo contra a iiberdade
individual; mas por mais que o'governo atorro-
rise o paiz, nao o impellirade reconqfilstafa
Iiberdade que as autoridades lhe roubam agora.
Approvaeo da dueiUi.
O'Sr. Constans, ministro do interior, respondeu
que foi elle, quuui ordenou a osientaco da forca
em Augouldme ; lia ura grupo de persoiugeiis
polticos que oraiisa stfmanalmeuie raaues-
tacO'us'iio paiz, raanifestages geralnente feilas
por individuos pagos, nio se trata de casos so-
lados ; no mesmjdia oecorreram outros inciden-
tes em Lyon e no Correze, provocadas por pes-
soas pertenceates ao mesmo grupo ; impossi
vel tolerar por mais tempo semelbantes provo
cacOesi .
Procederemos com todo o rigor, e repnrai-
remo.-Modas as tentativas facciosas.
Applausos da esquerda. O orador foi multas
vezes interrompido sendo por isso chamados
ordem muitos boulangistas. O Sr. Paniode Cas-
sagnae e Le llriss pijdiram p'ira inlerpellar o
governo sobre o mesmo assumpto, mas a sua in
teimellaco foi adiada para d'aqui a um mez.
O presiitoote da repblica dntregpn ha das o
barrote cardinalino aes arcebispos de Poris,
Lyon eBordeaux.
OlrCibisiiu de Polis disse na sua albveugo
que dous senfimantos enchem principalmente o
seu coraeu: o sentimiento da concordia* o do
patrlotiemoi
O. Sr. Caiaot coosignou na sua resposta o zelo
esclarecido que n*novos cardeaes teetn raowrx-
dojsempre para muuter o accordo entre o po-
der civil e a nutoridade espiritual e concluio,
rizendo : Podis dssvgurar ao papa que o go
yerno da repblica tem muito .satisfacao em ver
propa-jar estes sentimentos (te concoi*dia, e que
vol o agradece como um servico prestado-tanto 1
Franca como is^j-
Foi natlibilisbna a Testa celebrada no poly-
gono de Vincennes pelas sociedades gymasM
i H de Junlio. \
Tmaram parte nelltt IV:088 gymnasts, entra-
os qnaes havia reeresentante da Suocia. Diaa
marca, Hotlanda, Bilgica e SuisM. "
Osgyinnaetas vestan trajo* variadisslrao. O-
aspecto do local era adnriravel.
Todos os qo tomaram parte no concurso
acumparam desde a wspeta em Vincennes, ins-
talladoe em enormes barracas de caropanha.
0 Sr. Carot, que foi acclauade no trajelo,
dirigo-6e tribuna ollicial', passantO por entre
os gvmaastas formados emduas tilas.
Log em seguida comecou a deslitar debaixo
te ana aguaceiro terrivele Apesar disso foi
brittinntissimo, marciando os gymaastas com
Urna peoeiso admirvvel.
Cada grupo ievava a sua competente ban-
deira.
Terminado o desfilar, comeearam os exercicios
do eonjuucto. os movimeotos de bracos, peraai
e ciatuniR foram esplndidamente executados.
Depofc dos eaercktos, o Sr. Carrwl entregou
urna bandeiJia a presidente da lra*oo Gumnash-
r., Sr. Sausboeuf, que pronunciou urna patritica:
allocuco euaKeceado mocidade franceza.
A festa contiouou no dia seguiote, e terminou
com. mn banquete e distribuico de premios.
Contiouam em greve os coebeiros de Parts,.
nao haveudo entretanto, entretanto, desordens
graves as ras da grande cidade.
Os jomaos francezas divergem bastante sobre
aopportttoidade da grve, e sobre quem tem
razo : se os conheiros se os patres- .
O coebeiros querem o salario mnimo do 20
francos diarios, durante o tempo da exposicio
alm daa gorgelas que possam receber traba-
Ihando o ntoximo 12 horas por dia.
Os patriWs nao estao de accordo com taes exi-
gencias
Alguns grevislasjraiis exaltados impediram os
collegas, que uo liaviam adherido ao mu ci-
mento, de trabamos; e podes8em conseguiros
seos como nao lins forca usaram um estrata-
gema: emquauto|uns fallavara com os coceiros,
oulroi-eortavaaias redeas e os arreios, lancuu-
do-os depois para o cimo ;das arvores.
Em resuttadoCda entrevista que houve entre
Mr. Basly, represenlaole dos grvistas e Mr. Cons-
tans, ministro do| interior, foram postos em Ii-
berdade todos os cocheiros que haviara sido
presos. i
Esta medida agradou agtanle, e toi receida
com applausos por^aquelles a quem kJtores
sava. .
Apezar disto, a eialtacao continua caminhaudo
cada vez raais e as pruci|>aes pragaa e ras de
Paris, tem-se dado scenas graves.
(toando apparece alguma carruagem de aluguel
os grevistas fazem n'a parar, e obrigam os pas-
sageiros a apearem-se.
O coebeiro arrancado da almofada, e aggre-
dido; o trem virado com asiroda para o ar,
e oca val lo, depois de desaceitado, conduzido
cavallariga a que perteuce, pelo proprio co-
cheiro, quando este uo tem que recolherse ao
hospital, em cousequencia dos ferimentos que
recebe, o que frequente.
Entre o Arco do Triumpho da Estrella e a Ave-
nida Viliers, no boulevard de Courcelles, abte-
hontem estavam raais de dea carruagens estan-
galhadas e com as rodas para cima.
Os jornaea parisienses contam numerosissi-
mos casos succedidos as ras de Paris, que se
resumem todos ales no que deixamos dito.
Tem-se realiswdo bastantes conferencias no
Ministerio do Interior eutre os representantes dos
patres e dos cocheiros ; mas at as ultimas no-
ticias, nao foi possivel ainda haver um accordo,
esperando se que a grve se tenha generali-
sado.
Os cocheiros quizeram faaer um comido n'ura
terreno da ra das Acacias; mas as autoridades
nflo o cotisentiram.
Continua va, pois, tuo no mesrao estado, cal-
culndole em mais de dez mil carrua^jns as
que l.n deixa lo de trabalhar.
Comtudo, a reunio dos cocheiros grevfetas no
da 17 decidi que at ova ordem, voltassem
todos ao trabalho.
Foram votadas pelo conselho municipal de Pa-
rs duas propostas que tm por iim obrigar os
donos de carruagens d aluguel a submetter-se s
actuaes exigencias des cocheiros.
Tambem o conselho municipal approvou nina
mocao para que se convide ajadministraco geral
convfrvar definitivamente os priacipaes educios
da Exposfco o ds ti-ansformar o actual jardn
etn praca ajardinada. *
. Em consequeucia da suppnsslo da esqua-
dra do Levante, os ministros da marrana e dos
negocios estrangeiros decidiram aae a esquadra
geral de evolucOes tome o titulo de esquadra do
Mediterrneo-occidental e do Levante, assegu
rando assim o servico de lodo o Oriente.
Natsewo de 17 de Junlio a Cantara dos Depu
discuti o oreara*) da Mer uliu, O'dBf.
rente Dompierre reclalUUu a renovaeauxla armti-
M, OUjos actuaes iiaviee esi'io muito veliios. A
TranCH deve conservar a sua mihegann ite se
gotidu potencia naval, e tefaTjMjjr.neda igual s
fa-Allemanha e da liaJia reuaitliis.
A' reunio boulaa/ista do circo Fernando,
em Part, no dia 18, asMsliram mus chna ra
P issAM Correu sem inoidente seriot. 9u*
saliidai#oue deu logaaMUlipaiis- desojtuua-*m-
lio presos varios dscolos.
a 17 realisou-seo banquete da Associaco Re-
publicana, presidido pelo Sr. Julio Ferry. Os
convivas eram trezentos.
0 Sr. Ferry pronunciou um longo discurso, de-
monstrando o perigo intil da |revio constitu
cieuaUe da' lUUHiMdqnrna- assermWa- con st'ttrrn -
te ; depois fallou acerca da neeessidade da puz
religiosa, e maorfestou a sua confianca em qu
os lilhosdel789 nao bao do laooar-se nos brayos
de um dictador.
No dia 1S realisou se, cora assistencia do
presidente da repblica, a inauguraco da Ex-
posicao do llrazil. O edificio tein tres andares
cora gateras e um atrio oom urna euorme cupola
de vdro. Dma torre de quarenta metros de al-
lura d aeeesso s galeras do primeiro e segui-
do andar.
A seceo oceupa 1:00 metros qnadrados ; 'iOO
foram de.itinado para o edificio. O resto do ter
reHO conten plantas esplendidas oriundas do
llrazil, era caprichosos jardins de e!fito silrpn--
heudbnte, u.-a lago colwrto por uraai enorme re-
doma de crystal aobaqual se ostenta a raaginM-
ca planta aquatica Victoria, do Amazonas, P un
pequeo pavilhao restaurante.
Os expositores sfio-em numero supribral:600.
Eoviaram principalmente mineraes} madoiras,
cereaes, farinha e niniosi productos industriaes.
As arles sao; tambem, vantajosamente reiirrsen-
tadas d*aquolla secojfe, que to rendes-rota favo-
rito da^numerosisima colonia brarteira aciual-
mente era Pars
0 raspo de Marselha,. monsenhor Roben,
reuni todo* os' pnrochos da dioce>e e encarre-
gou-os de transuiiltir ao resto do clero o desejo
maflifestuMo pelo Papa, de que os padres d'aquel-
la dtocese nao fossom a, Pars visitar a Bxpo
sicao-!
Os consideran que a KMprflrfo desuada a festejar o cente-
nario de 8, eetn que as maravilh s ex|K)slas no
Campo de Marte nao representam' oulra cousa se
nao o triumpho do iiiiluralismo.
0 clero de Marsellm ficou descontente, tanto
mais quanto a Bxposi'gfio lenr sido visitada por
bastantes sacerdotal, sera que pessda algumu se
surprt'henda ou escandalise.
Buiatoa
Reina' glande coateOtamento entre os liboraes
por cusa da eleiefio do Siv Junson para depu-
tado.
O Sr. Janson teve 14:38 votos, e o seu contra-
rio, Sr. Becker, catholico, teve 8:608 votos.
Grandes magotes do Hboraas pereorrnram na
noite da'II de* Jucho-a cidnde de BpoKellas, e
em numero de cerca de 23:000 foram feer urna
ruidosa inanifestaco defronle dajeasa onde mora
o Sr. Janson. Ouviram-se alguns gritos de Vi-
va o rei! Detnissu'de ministerio!
tis manifestantes partir as vidrucas dos es-
criptorios do. jornal O Patriota-. Nao occonreu
enlioin oulitoincidente serio.
Nu discusso do oiv;amnnto da instrnecao |iu-
Mica na lielu'ica. um dos aembros do'senado
diainou i attongo'sobro o n*mero crescento de
ertadantes no unwensidades, o que desialcawa
conadcravltocale as cacreiras pofi9sionaeB e
ailislcas, pois todos queriam ser hachareis.
A esse respeilo outro deputado lembrou que
tinn.a I literatura, nem a sciencia de vera s uni-
versidads o seus homena mais eanuenies.
MMal
O-tnii4tradu Allemaiiba junio da conlv-
lieraco lielvetki informou o ministro dos es-
Inaageiros sassO que O'gover'oor'alk>ato, lamun-
Uoda ae poderettendee-se como governo da
couCederacao, tomara medidas a respeito da
MMI sem porm indicar quaes ellas sejarai
Os jornaes snissos dizera que a confedera-
efio helvtica, forte Dlo seu bom direito, agoar-
dar com sereuidade as medidas em que a Alie-
uuuaa a aineaca.
0 cunseiho federal assentou nos termos da
resposta AHemana o conselho declara que a
ftuwsa esto prompla a satist'azer o demderatum
dos estadas > isiultos, mauteitdo no emtanto o
seu modo de ver sobre a questo do cninniissa-
rio -1 olilgemutli.
Urna follia de Roma, o Capitn Fracissa,
do to 16 desmente, formalmente que u.Italia se
tenfia unido Alleraanha, Austria e Hussia, para
convidaren a Sirbsa a rastringur a,koepilalidade
uos anareis&t*.
Este desmentido era esperado, porque se a
ntla de restrugv dojjjreiiu de aaylo tivesne sido
eaviada conectivamente, seria devras inquieta-
dora e indicara um plae premeditado um
concert entre as potencias signatarias, o a nada
careca menos plausivel na actual sitoagao da
Europa, depois da visita do rei Humberto e da
tinuuie ao principe do Montenegro, do que ama
alliauca daquellas qualro potencias contra a
Suissa; lauto mais que esta adunca seria toda
em provottoda Piussia e de Bismarck, que ve-
ra a Russia envolvida- em urna campanha mi-
ciada por elle.
Comtudo, nao se deve esqueccr que o pui uo
actual uip.-r dor da Hussja. foi victima do ni-
hiltsrao. e que porlanto uo para admirar que
o czar dttsejasse exterminar, ou pelo menos per-
seguir at a ultima os que lhe uiutarnto o pai e
pretendera oalal-o.
O caso das bombas explosivas de ZUrich des-
perton ha poneos ocezes a attsncto sobre tra-
mas que iam cahindo no esquecimeM^.
EmUir se nao trutr d'uraa verdadeira coiwpi-
rarao. embora o governo federal cuiiiprisse com
o seu dever por esta occasio, muito possivel
que se maoifestassem recetes em S. Ptrrsbur-
go, e que a diplomacia allema nao rteixas.se de
aprovvitar o enseio de excitar as inqaielaces
dos que velara sobre a vida de Alexaodre III
A isso se dbve, pois, nao a alliam-a, agora des
mentida; mus o desejo manifestado pela im-
pressa russa de que na Suissa se ponba cobro
aos comuos nihilistas.
Parece que se contentam com a sitisfaco qpe
Ibes causou a trplice allianca.
A'onsla deste artigo pde-se prever que aiu
> da nao desta feita que ser espliaceludaou ad-
uca a Suissa, apezar da boa vontade que. Ibe
tem o chanceller prussiaao.
A segunda nota que o governo da confedera-
gao helvtica entregou no dia 17 de Jonboa"
ministro da AUemanha, responde s queixas al-
ternas contra a supposta connivencia djs auto
ridades e dapelfea cora os anaroh-istas sucia-
listas estraogeiroa, e trata igualmente do prin
cipio da neutralidade.
RaHa
Desde a madrugada de 9 que se notou d
Roma extruordiiiaria unimago
Otranzitaera difficilimo us ras por on.le
deveria pawar o cortejo.
A attitudu- dos caaolico de Rohm muPifesi
lamente hostia fesa que-se eelebrava omeoau-
memorago de Heordano Bruno, cujo monv
ment ia ser inaugurado.
Era signal de protesto, toda? as igrejas foraO
fechadas s 9 horas da manila. Torabem appa-
reeraffl fechadas as casas dos catnolicos, situa-
das no campo de Fiori.
. -Na P^cisso cvica ligurarara todas as. muflV
ciialidbdns de ftal a qamerosssimas associa-
gfes iberaes e representantes de varias estran-
geias.
As universidades de Lyao, Sbrdeus e outras
cidades da Europa estavam representadas por
delegados. A de Berlira, que nao :.le concor-
rer ao acto, envin- urna merisagem alherindo
manifestagao.
Figuraram tiesta 2,000 Baadeiras e raais de
100 bandas -,e msica.
0 acto da-itiauguragao do monumento raani-
festou se com toda a soleranidadc s 11 e meia
da inanli.
Nao lionve i menor perturbaco di ordem.
A sulenmidade foi realcad* por um tempo
formosissiino.
.4 Tribuna andunoia debaixo de re-i-rv i, que
nao derara resultado algum as buscas pjlieiaes
eleciuadas era casa dos anarchistas de Milito,
Turira. Genova e outras cidades. A polica sus-
teutava que tinha descobeito um vasto trama.
Parte das sociedades grevistas do arrabal-
de de Turira voltaram ao trabalho: a- outras,
liorem, arrasturam greve os operarios de al-
ga as Pubricas A forga publica poz einlira ter
mo conlirmago do aiiiciamcnto, e disperten a
rcunino. Est restubelecido o soeego era1 toda
a parte, mas a'tropa nao se retiren ainda da-
quelles sitios. Foram presos doze grevistas mais
recalcitrantes.
Os canooeiros e os fabricantes de limos
declararaui-su tamben em greve. Os operario!
du outras industria'.- aiucacara igualmente sus
pender o trabalho. Tem-se eflecluado varias
pris'.s.
A cainut-a dos deputados rejeitou por 166
votos couirJM a ihogao de ordem apresentada
pelo Sr. Puserlazo. e combatida pelo governo
acerca do general Lurando ; e approvou l.-pois
quasi por unanimidade a ordem do dia apresen-
tada pelo Sr. Canillen, e aceita ,'j>elo governo
O major Liraajo, con um batalliao de indHje
as. duas bateras de artilbaria, e ura peloto
explora lor, oceupou Kcrem, em: i do correte
raer, sem encontrar rusrsteucja.
Esta victoria swguio-se. tomada de Ba rum-
baras Kasem.
Urna guarnigo italiana Ufar era Karcm.
Assegura-se que o principe Luiz Bonanarta
se demtttio de olliciai do exurcitO'italiano a pe
dido de seu pai o principe Napoleao
I Entrou era discusso na cmara dos de-
putados o o rea raento do ministerio da guerra.
0 governo pede i iralboss de libras para o sor-
vigo das possessrs de Africa.
O Sr. li icrarini apniveitou uraa raogio dizen-
do-er sulB;tente o crdito'de oito inillie*.
luadrilha de torpedeiros constituida por
auas uivisOes de. G torpedeiros.
Os navios de gnerra allemaes qne toma-
ran) parte no liombardeampnto (|e Saadani fo-
ram os Leips, -Moeve. Pfeil e Sehwalb oslando
ausente o Carola que se achava cruzando em
Seychelles.
Avaha se era cerca de 400
ctimas do bombardeamento,
tos ingiezes.
Aun tria-I
o numero das vi-
quasi todos subdi-
0 imperador da Austria acaba de passar deus
'tas no campo de Bruck. assistindos manobras
dos diiforentes regimentos que all se encon-
trara. Mostrou-se muito satisfeito com as mi-
licias.
Os officiaes.de um regiment hongara h'caras
de, tal modo enthusiasmados pela leitnra da or-
dem do da em que se declurava a batisfarao do
soberano, que levaram o coronel r-m trirapbo
pelo campo, precedidos da banda de mu-dca to-
cando hyranos nacin es.
Falleceu a princesa Eugenia Esternaky ir-
tu da archiduqueza Isabel d'Austria.
0 ministro dos negocios estrangeiros
Hungra fez ura cncorarai-nda de canbes.
da
0)Sr. Crisp poz a questo de confiunga e i
inoao do Sr. Baccarin foi rejelada.' por 185 vo
que se esperava, e
Nassrad-dine, come
tos conlra 66.
( Ertiseguid'
t'onfianga por;
rejelada- por
a cmara votou- una mjgao
rande maioria.
de
E isso o que se deprebende dura artigo do
Noi-d de Bruxellas. cujas relacoes intimas e of-
liciaes rom a chancellara russa sao bem conhe J
cidas.
Jiesteartigo leem-se os segnintes periodos :
O ctso Wohlgemtfh tomou uraa singular
ampotute eenvolve hoie completamente o exer
cicio do direito de asylo.
Este cireito de asyfo existe as tradiegoes da
Suissa que faz delle um dos seus orgulhos pa
trioticos.
Depois que a dynamite eDtrou em scena, o
direito de asylo degenerou, e a Suissa. encon
trou-se sendo a protectora de grande numero de
malfeitores, que nraem e preparara ura sem nu-
mero de attentadei contra a vida dos chefes do
Estado.
A Suissa devtj comprehender que Do pode
continuar a ser no icnlro do continente, um foco
de incendio.
Nao ple pois.Scar refractaria a correte
da opinio, que considera o assassinato poltico
um crime de direitocommum, que fez introdu-
zir nos novos tratados de extradiegp urna clau
sula conforme a estnovo ponto de vista.
Ha pois ua maneiri como execcido no terri
torio helvtico o direito de asylo? materia para
revisao. \
No fundo, o povo sisso est farto de abusos
desta ordera, e so pedt que se coraece a varrer
o que um jornal vaudtz chamava, ha dias, o
uonturo inlri nacional.
- Esta reforma pOd\se fazer salvaguardando
a digmdade e os direiUs de soberana da Suis-
era prejuizo da ta situacao eurtopea.
Hasta para isso que AWoverno federal, atlen-'
dendo seriedade da sniago. se mostr con-
ciliador e disposto a remediar os abusos por de
mais mortferos eperigqtos. -
Depois, o mesrao jornii tfata de absurdas as
noticias do Standard acerca do pretendidas
combinacoes russas nos Iftlkans.
Fallando da siluagodo ministerio italiano,.o
ATord diz que a nseria n Italia nao afllige so-
bre-maneira os parlamentares italianos.
Inglaterra.
O prograraraa das foscas, qoe serao olBUci-
los ao Snah da Persia durante a sua estada na
Inglaterra, alada mo esta completamente resol-
vidi At a-cra parece bustante simples, e
irinci palmen te u tuto econmico, no que respei
a a inanifestages ofliciaes. O Snah deve che-
bar no dia 1 de Julho a Gravescnd. e ser rece-
bido pelo principe de Galles, que o coudUfr
p pakicio de Buckingham, posto pela rainlia
dispdsicao do soberano persa.
.Vesse mesmo da haver um lev. No dia 3
i'-oUsar-se-ha um baile ao palacio.
' E a estas se reduzem por ora as diverses of-
fictaes era nome da rainha de Ingfaierra aoShah.
A municipalidade de Londres votou um crdi-
to de 2,000 libras eslerliaas para as despezas
da recepgSo. Ser entregue ao Snah um cofre do
valor de iti libras esterlinas, con tendo urna
mensagem de felicitago.
A rainha Victoria! couvidou ofikialmento o
corpo diplomtico a assistlr recepeo que ha
de oferecer-se ea i de Jultio prximo em hon-
ra do Sbaj, em Buckiaahanj-Palace. A rainha
ecutribuir com KHOftO libras esterHnas e o- Es-
tado com 12,000 para as despezas da estadal d
Nassr-ed-Lim no Reino-Unido.
O Shah ir acorapanhado pelas pessoas da sua
comitiva, e por seo pagein favorito., Gonlrma-
liskan, visitar Ports month, Brminghan, Liver-
pool, M^nctiester e Edimburgo. Trata-se de dis-
tuadir da sua profectda ida a Dublim, com re-
ceto de fornecer pretexto a marfestocoe per-
jianrse nieionalistas.
Em 3 de Julho ser o Shan recebido pelo lord
mayor em GuildbaU. 0 barao Fernando de Ro-
tlischind convidou o soberano persa, a visitar o
eu caatcllo de Aylesbury. O Shah tenciona es-
lar era Purrs na noite de 96 de Julho.
Os mannheiros previstas de Liverpool esto
resolvidos a nao enbarcar sem que os armado-
res aceitem as suas condicoes.
O governo britannico fez em Beroingham
importantes encommendas de material de guer-
ra. As principaes fabricas tiveram que contratar
operarios supplementares. Crearam-se novas
ollicinas cora machinamos a vapor para fabricar
bombas de Jago e os revolvers da ordenanga.
Corra-no da 13 era Londres que o chefe
do partido liberal inglez, sr Gladstone, havia
sido alvo d'um attentado, quando passava em
corruagem. pela ponte Wad-bridge, no condado
de Corunalles.
Os deelaraates nao pudeara, porem, recefhe-
cer a icnaidadtde hornera qjuu.aciraci o explo-
sivo.
A polica procede averiguages, mas sem
resultado at agora.
O Sr. smith, primeiro lord da thesouraria
e leader da m maioria na cmara dos communs
annunciou cmara que o bil da convenco dos
assucares ficava adiada para a prxima sesso
legislativa.
AUemanha
Parece que o verdadeiro motivo do conflicto
entre a Suissa e a Atlemaoba, de que o inciden-
te Wohlgennet foi um pretexto apenas, i a
3uesto dos subditos de imperio aliemo resi-
entes em territorio helvtico.
0 governo aliemo, invocando o art. 2 do
tratado concluido em 1886 entre a confederago*
e a AUemanha, insiste era que o conselho fede-
ral recuse a residencia aos allemies que nao
apresentem um certificado das autoridades ade-
ms, que altestem gozar o requereute da pleni-
lude dos seus direilos cvicos, e ser d'uma re-
putago intacta
O conselho federal nao est de accordo neste
ponto, nao quereudo declinar o direito de asylo
que tods as nagoes coasideram com justiga
como urna pane integrante da sua soberana, e
daqui a m vontade experimentada pelo gabi-
nete da B?nm para com a Suissa.
-t O shah do Persia chegou a Berlira s 6 ho-
ras da tarde do da 9. Era esperado na gare
pelo imperador Guilherme, que se dirigi com o
seu real hospede para o palacio imperial n'uma
carruagem de gala, tirada por quatro magnfi-
cos cavallos.
as ras do transito agrupava-se urna raulti-
do de povo, que acclamou os dou3 soberanos.
No principio de Julho de vera comegar as gran-
des manobras da esquadra aleme.
Formar-se-ha como no anuo de 1888 urna es-
quadra de evoluQes, uraa esquadra de manobra
e uraa esquadrillia de torpedeiros.
quadra de evolugocompSe-se dos encou-
ragados Bade, Sachsen e Oldemburgo, do cruzador
/rsne. sendo commandada pelo principe Henn-
que, irmo do imperador.
juadra de manobras compe-se dos en-
couragados Kaister, Deuts-Ehland, Friedbhder,
Gane e Prunsse.
A imprensa allema continua dirigindo parases
aggressivas Russia felicitando-a'ironicamenu-
pela acquisigo do seu i*/Aor amigo o principe
de Montenegro.
Telegrantraas de S. I'etersburro para Londres
dizera que, segundo informac s de origem lide-
dig'u't. o imperador da Russia e o shon da Per-
sia li.maram um tratado secreto, em que se es-
tipula que,caso se dia cerUs eventualidades, a
Russia nnnexnra temporariamente o norte da
Persia.
Este trata lo, a ser certo, prop irrionar in-
qucstiouavcimente Russia urna base militar
as.-s vontajosa e;n caso de conflicto na Asia
com a Inglaterra.
Nd referidos telegraramas assegura se tam-
bem que. contratadas as negativas ofii ,-> :a
Russia coiiliuuain activoinenU; e etn graurtf es-
cala os preparativos militara1.
Sao duernas as ver-Oes i|uc teem corrido
no mundo poltico cere* das oaaaiaacfr-s a que
poderiara ter chegado o SBOU da Persia e czar da
Russia, na visita d'aquelle a S. Petersr-urgo,
sendo a ulii-ua que a Hussia apenas aleacM ara
una cince.-sao para construir um caiiiiiho de
ferro destinado a ligar o mar Caspio ao o : aau
Indico.
2ste resultado bastante significativo para o
reeeiava en Inglaterra : mas
como oriental que tem un.a po-
ltica hbil e reservada e persiste avi-Hmente
em manter equilibrada a influencia russa e in-
gleza. equilibrio que a mais favoravel situagu
para a seguranga dj seu reinado.
-\ cftrte do shah e esto principalmente ?.n qne
se diz, arreccia se inais da poltica expaasiva e
avanalladora da Rus-iia do que da Ingl.ii'-rra.
lomlirando-se ile que aquella ihe qnera d- a r
a si'uago feiu aos khanatos do Turke-ian u
Bulgaria^ servindo-se da Persia ivfno --s!-;ida
CJmmoda para a India.
A vida a Londres do representante inil-z na
Bitaca, sr II. L. Wolf, paree- ter per lira !ili-
genciar todos os nietos para attraulr para a In-
glalerra is sympathias de Xasrad-dine : mas o
czar, diz-se, ler sido rudeineule franco com o
sob'rano persa., ameacando o ric fazer avangar
[com nupirtcinrn sowu a fruuMtra persa, oso
elle tivesse a veleidyde de fazer quaesquer con-
cessoes valiosas politica britannica
O contingente de 1889 foi .lita lo era-.
23,000 horaens para o ezercito de u-rr.i mar.
alm de 2i 000 recrutados no Turkescan e na
Transcauca para o conlingdnle de : ropas espe-
ciaes do Caucaso.
0 correspoudente do ItmllyXcirx. orn Ode-
sa, volla a fallar de prisoes recentes na Russia
mas uo certo que este caso tenha que ver coa
os nihilistas. Paraca que os deudos sao uos
simples descontentes entre os ofliciaes subalter-
nos ou pequeos Imiccionarios.
Os telegrammas para os jornaes de Vicnna
e.Beolinj continuara suudatourto aiacmistas. O
Staudurd sa-Ueni.r-oue a Russia propoz Servia
urna coiivencOo militar.
Os crculos riuisos dehmentem a. intimciie*
beJ|i-osas altrirJuidas Russia : e deciaram es-^oatos alarmistas teem por Jim embaragar a
convt^o da divida russa e fazer votar Austria
os novos crditos nrlitares.
Tambera a maior parte das folhas de Pariz.
nomeadameute o Jornal dos Debates, consideram
os artigos dos jornaes do Vienna e os telelam-
inas viennenses do Standard denuuciando orna-
mentos d Russia como simples artimanlias para
levar as dclegages a votaren os novos cr-
ditos.
Diz a Gazela de Moseow. que as exeellentes
relages da Kranga com a I'.ussia fazem parte
essencial do equilibrio europea e qoe, em vista
da sua importancia, essas relage- estao cima
de qualquer ataque.
| Um despacho particular de Varsovia an-
iuncia terem sido all presos uns io eslndaute*
mplicados em tramas polticos.
1 O Standard, de Londres, coutioua a affectar
vivas apprehenses sobre a situngo poltica da
Europa por causa da Russia, a quem aecusa dr
estar fazendo grandes ornamentos, e de aspirar
soberana aos Ralkans; mas esta linguagem
da principal folha cunservadura ingleza, e as in
formages pessimistas do seu correspondente 'id
Vienna sis geralnieote coii(teradas como alti-
Oiunha politk linanceira.
Serv*
As noticias recebidas de Belgrado, eu. Vienna
d'Austria, asseguram que um dos priraeiros actos
do metropolitano Miguel, assim que tomar possr
da-s patriarchal da Servia, ser decretar a r-
viso do divorcio entre o rei Miln e a rumba
Nathalia.
O que obrigou o metropolitano Miguel a aban-
donar o lugar, qne rewpwB :-:- -< fni. couw
Matas lentbrado sos nosoos leitores, o ter-se
opposto a sancoiemar o divorcio regio.
Ha, porlanto, todo o fundamento para aere
ditar que, ao rever o processo, declarar baila
a sentenca do divorcio e subsistente o uiatri-
monie.
A noticia tem verdadeira gravidade e prodozia
profunda sensago nos circuios diptotuaiicoe e
polticos de Vienna, porque a aooullago de
divorcio significar o triumpho da rainha Na-
thalia ou, para melhor dizer, do partido natal na
Servia.
Esta resolugao do metropolitano a conse-
queneta lgica da allocugo qne elle pronun-
ciara na cathedral domingo de Pentecoste. alle-
cugao era que declaroa contrarias le cannica
todas as decisoes do sea predecessor.
Os regentes oppem-se ao proiecto; mas o>-
claram-se promptos a restituir Nathalia a qua-
lidade de rainha-tui e a deixal-a dirigir a edu-
cago de seu Ulbo.
Em vista disso a rainha nao insiste na aa-
nullacao do dirorciP.
O Unlii News publicou, ba das, um tele-
gramma de S. Pelersburgo dizendo que o brinda
do czar ao principe do Montenegro impressioooa
a rainha Nathalia, a qual recela que czar ravu-
reaa.nm dia as preteugoes de
genro do principe de Montenegro,
Servia.
Segundo allirraa o correspondente do Slamdmrd
era Belgrado, o metropolitano Miguel comrauui-
cou ao Sr. Ristitch o conjuncto de urna proposfa,
qne resume os desejos da Russia, os quaes con-
sistiran] em collocar o principe Nicolao de Moa
tenegro sobre o throno do novo reino da Servia,
augmentada com a Bosnia e a Herzegovina o
correspondente inglez diz que se talla Umbea
d'um coiitra-projecto da Austria, que far.a vd-
tar o rei Mi'an ao throno servio, dando lhe esa
propria a Bosnia e a Herzegovina. O Standar./
parece no seu artigo lomar a serio o project
attribuido Russia; espera todavia que o parti-
do militar russo nao conseguir fazer sahir a
czar da politica especiante.
Um despacho de Belgrado para o mesmo Jor-
nal annuneia que o rei Miln adiou o seo i
so Sania para o.- primeiros dias de
aconsolbado pelos ministros da regencia, par
Perigoso agora fazel-o.
Asse"ura-se que o governo da regencia da
Sarvia vai retomar s compannias inglzaso
monopolio do sal e as minas de prata e de aar-
mrio.
O Qtfirial de Belgrado publicou ultiraamen-
te urna curta ao metropolitano Tbeodosire da
"tspo de Niscli e de Ziga, aposentados mceote-
m me por determinago do governo servio, de-
'-lirrando que recouhecem as razoes de estada,
'Pie motivaram a sna aposentagao e protestanda
a sua submisso e tidehdade ao mesmo governt.
m telegramma recente de Vienna para a
'f

*

.

i
inrmu \
\
\


Diaria de Pemambuco-T^r^tedra 2 de Julho de 1889
-


\
Standard refere que a A ara arras-
ar ae lago armado pelos agentes russos na Ser-
via, e que nenhuma pro5car,o a decidir a en-
trar no territorio servio.
ontenriro
Segundo affirmara de Vierraa ao Standard, o
principe Nicolao de Montenegro expressou ao
conde Kalnoky sentirnentos de araisadepela Aus-
tria, e as segurou Ihe que nunca faria cousa al-
guna que podesse perturbara paz.
Diz o Times que forain receidas ordens
no Montenegro para se reorganisar immediata
mente toda a forga militar, pretendo a crentua-
lidade d'uma rpida mobilisago.
Todas as tropas que durante a grave dos
mineiros occuparam a regiao carbonfera da
Weslphalia, ja regressaram as suas guarniges.
Tnrquia
Afflrma o correspondente do Tinus em Constan-
tuiopla que a Sublime Porta foi avisada de Vien
na de que, se a diplomacia nao conseguase mo-
derar a hostiiidade dos regentes servios a Aus
tria poderia ver se obngada a considerar a poli-
tica d'elles como equivalendo a um casus belli, a
Sublime Porta mandou por isso reforgar as, guar-
nieres militares da fronteira servia.
Sao desmentidas em Congtantinopla as sup-
postas diligencias empegadas em Ali Nizeoni-
pacb para a cessao de Creta 4 Allemanha, alitn
de que esta a podesse depnis retroceder Gre-
cia como a Turqua nao deixa expedir telegrarn
mas de Creta, faltam completamente na Grecia
noticias daquella ilba. cujasitaacao poltica pa-
rece ser inquietadora.
Carias viudas de Chio fazem mesjao de se-
rios dis'urbios que tornaram indispensavel a
intervengan das tropas, leudo lieado feridas va
rias pessoas e havendo-se effectoado numerosas
prisOes.
Mahumd Pacha antigo ministro ottomano,
parti para Creta, a 13, como commissario es
traordinario da Sublime-Porta.
Km conforraidade da reclamago do Sr.
Crisp, Riza Pacha, o novo governador de Jani-
oa, recebeu ordera da Sublime Porta para ir fa-
zer ao cnsul de Italia em Preveza, a exigida
visita de descolpa. Com este intuito, segundo
as instrueces da Sublime Porta, Riza-Pacha ir
frimelro a Preveza para fazer es3a visita, e de
partir para Jamna a oceupar o seu posto.
Artrejia
Em Constantiaa cahio urna grande praga de
gafanhotos, que pro-luz all grandes darauos, in-
vadir.do os campse destruindo 'oda a cultura.
Para dar cabo dos terrivels gafaohotos, achara-
se empregados cem mil horaens
Marroco ,
O correspondente do Imparcial de Madrid, em
Tnger, d os seguintes pormenores acerca do
grande movimento de tropas que se est effec-
tuando em Marrocos. a pretexto da prxima via-
gem do sulto.
Os extraordinarios preparativos militares,
cousa nunca vista all at hoje, fazem suppor
qup l'mleyHassah se propoe a realisar alum
acto de muita transcendencia, que por em quan-
to ningu" n s-abeem que pona consistir.
Entre Sons, Tetuo e o caminho de Tnger
acamparam os kabilas de Sliaonia.
Esperase de um momento paraoutro a che-
gada do contingente da* kabilas dos arredores
de Rabah.
Procedentes de Fez dirigern se a Tetuo no-
vas tropas coraraandadas pelo principe impe-
rial. I na parlo (Cestas trop;is passar a Tn-
ger, e acampar em Birbana. Cinco kaids cotn
4,000 soldados de cavallaria e numerosa equipa-
sem, ehegaram a Alczar, donde se dirigiro a
Tetuo. alim de se encorporarem no exercito.
. O lilho do gran sheriff Muley-Hamed Anrani,
sobnnho do imperador, drige-se a Te'uo, para
se por a tropas, que brevemente en-
tr.iv"o en canipmba.
Eslava Ruda para i.3 de Junho a partida
do saltan de Marrocos para a sua viagem ao
or e (o imperio.
Para tal expedig "io est reunido um exercito
poder >-o eo :io nunca se vio em Marrocos.
O-mouDSCleulam que se reuniam 300,000
homens. Estacara armazenados em Tetuo
. 120,000 uniforme* manda los fazer por conta do
governo.
A Trica Auolral
Farece que a saluda de Hercules Robinsoo do
governo das colonias do Cabo e do Natal foi de-
terminada por di ve pericia d.' opiniOes acerca
*da directo poltica dos negocios da frica
Austral.
O antigo gewernsdor pretenda que a Ingla
trra deixasse a estas dependescias mais lber
dade do que aquella que Ihcs que." dar a sua
actual poltica de imperialismo.
N'este intento ir um governador enrgico e
intransigente substituir Herenles Robitison. que
soube durante muito teinpo conciliar em boa
paz os elementos britannicos com os hollan-
dezes.
Kanibar
Dizem da Zanzbar para Berlim em 7 do cor-
rente que as toreas do^torito issmara. de
pois de terem c i.n -rM lbate pelo fago de
artilhana, tomaram e HeeuaWain Saadani e
Uwineji.
Os allemes liveram um inorto ; um official.
nm sargento e seis negros ficaram ligeiramaute
feridas. O official inferior Wilfce e um laniira
esto gravemente feridos.
As perdis do initnigo anda nao eram conbe-
cidas.
Um telegramma do dia Sannuneia qne 03 al-
lemes luctaratn om urna certa resistencia ao
sul de saadani, mas que os imigenas ben de-^
pressa tomaram a fuza.
mesmo lelcwramma a:.:rescenta que conti-
nuara as negociages e que do resultado dcstas
depender o ataque de Pangara pelo; alinales.
Altvssinia
Conforme annuncia um despacho de Massuah,
ginitos ebefes abexins reconbeceram como negus
o re Menelik do Choa.
Moa
A conferencia de Sama, que se celebra era
Beflim, devia j ter concluido ha das uetinitiva
e oflicialmente os Jseus trabalhos, os quaes de
facto esiaro ha muito concluidos.
Apezar do segredu mantido pelos dehgados a
esta c:Bferencia, a imprensa americana primei
ramenle e a allem por ultimo, tem firnecido
dados sufficit'tites para poder-se apreciar no seu
conjuncto a obra sobre a qual a Europa e a
America, anda nao ha' muito, sentiam graves
appreheases.
Tinha sido j de bom agotro para o xito con-
ciliador da conferencia o facto de se ter dado
tanta pablicidade re'iab 'litago de Malietou, o
legitimo re das ilhas. Sama, que. ha dous an-
nos, fra arrancado as seus subditos e haviain
obrigado a muilar de w i liemshaven pan os la-
mares e para as ilhas Marshall. Por ojtro la-
do e como complemento parece que a Allema-
nha desiste jntetranenle de continuar a prote
ger Tamesese, qne debalde pretender irapr
aos indigenas c as potencias interessadas em
Sama, e a quem Malaafa tem imposto itempre
ama enrgica e invencivel resistencia.
Posta de parte e.-ta questo de rei, |o governo
allemo pareca aceitar o estado anterior, ao
mesmo tempo que aceita igualmente a nomb:-
nago que rejeitra na conferencia de Washinu
ton, de que um ronselho eomposto de delega
dos das tres potencias seja junto do re o clie
por todos os seu arto?. Cada urna das poten
cias signatarias ter direito a urna estaco as
costas do archipelago. cabendo a America a
baha de Pago-Pago, utna vez qne leve o anida-
do se ir apossindo d'olla. Resta a inderanisa-
cSo devida a inarinha-e ao-i subtos allemae
pelos damnos que Hs eansou Mataafa.
Yfi-se, pois. que o clianceler preferio evitar
qualquer conficto com a America gloria,
porveoturapcrigosa.de inanter a obstinai,;. i
revelada pelos seos dejegados, oain 11 a coiitra-
riedade ti dar razioaoi que Ihe vaticinavam no
parlamento, desde 1884, o itievitarel de-
das pret< nges coloniaes no archipelago lo
Navegantes.
Afina!, lia pouco? das, a conferencia .clip' -
inatica reunida om llerlim assignou a convt'.-
l*o de Sama obre as tia-es seguinre
Malietoa ser o rei ; unta commisso espe i I
examinar as inodiicaces qu^ Da a fazer do r
gimen in'ern'j d'aqnellas ilhas, e no caso de -
glXX a Inslaterra ser oarbitri:
a conven a saneco do
o de \ t" a examinar no pro\ i
Dezembro.
Hait
As cart i Port-an-Pi
das de 30
general Leigine.
Ftado*-I tildo
Em Nova-Yoik tem havido vio!
das. ui raio (iestruio a cathedral .
emBroskn. Duas pessoas foraai mertas
d^sabamento de nm predio de casas e ficaram
varias outras feridas.
Continuavam os trabalhos para a remocao de
nijnis em Johnsto-wer e todos os das appare-
P0U novo? cadveres sobre as margeos do Ohio
eake.
^ Acaba de se^onstituirom Nova York urna
sociedade com o capital de 25,000 dollars, sujo
fino encarrogar-se de todas as execuges capi-
,af5 nos Estados-Unidos.
- Corre o boato de que o Estado dos Kansas
H)i devastado por um furaeo medonho, que
causou grandes innundajcs.
Consta que a Union Town foi airastada pelas
aguas, mas Jaltam promenores.
EXTERIOR
la'a-
toi rcspoadencla do Diarlo de
Peroambaco
PORTUGALLISBOA, 19 de jnho de
1889
As prorogaces das cortes vSo-se succedendo
as parcellas. Acabado o prazo da ultima a 15.
foi novamenle onvido o conselho d'estado para
outra.at hoje (19) queja foi decretada, sendo
lido o decreto em ambas as cmaras.
que lhes nao posso assegurar que seja
esta a ultima.
0 governo est com grande jempenho em sal-
var os bancos do Porto, com o projecto Leixoes
Salamanca. O obstruccionismo da opposiySo
regeneradora tem empregado tudo quanto se
pdt! imaginar de parlanda estirada para que
este projecto no passa por falta de tempo ; e o
que mais curioso que foi um gabinete rege-
nerador que metteu os bancos portuenses na-
quella desastrosa aventura.
A cmara dos deputados eslava anda discu-
tirlo o projecto na vespera de findar a nova
prorogacap, sendo por isso ainda problemtico,
para quem escreve estas linhas, que o governo
depois de fazer ver, pelos seus orgaos, sobre
tuJo pelo Diario Popular, do Sr. Mariano de
Carvalho, qne a ruina dos bancos do Porto, pro-
veniente de nao passar agora* este projecto.
teria por consecuencia urna crise bancaria em
toJa o pais, se contente de aitribuir as respon-
sabilidades opposisao, e encerr o parlamento
em acudir quelles bancos.*
Acabo de saber que o projecto Lixes Sala-
maicofoi votado hontem na sessonocturna.
Foi votado na cmara dos deputados o pro-
jecto de lei relativo compra do castello e par-
que da Pena, em Cintra, nos termos de que lhes
dei ampia tiforraaco na minha do dia 10 do
corrente.
N'essa tambem lhes dava conta do que era o
projecto Lcxes Salamanca, e por isso intil
repetir agora esses esclarecitnentos.
Os bancos do Porto enviaram cmara dos
deputados urna representadlo pedindo a appro-
vago do projecto de lei sobre a questo do ca-
minho de ferro de Salamanca.
Selicitaram tambem a intervengo dos depu
lados Arroyo e conselheiro Beiro (ministro da
justica), que deputado pelo Porto.
A cmara municipal porluense e a junla geral
do ilistricto representaram tambera no mesmo
sentido.
Ha poucos dias fofrecebido em audiencia
no pago da Ajuda por S. M. el-rei o enviado
extraordinario e ministro plenipotenciario de S.
M. o imperador do Brazii, o Sr. Baro de Aguiar
Je Andrada.
U illustre diplmala pronunciou. nesse acto
solemne, o segrate discurso :
Heul setyor. Pela segunda vez tenho a
honra de me approximar do tbrooo de vossa
mai:estade fldelissima para, ao rereber a inves-
t i tira oflicial do meu cargo diplomtico, ti'elle
111- > asilar a respeitosa homenagem do meu pro-
l'uii .oacataraentu pe-soa de vossa augestad.
O imperador, meu augusto soberano dig-
nan lose de coiiferir-tne novatnente o honroso
mandato de o re;-rescatar como seu enviadojex-
iracrdinarioe ministro plenipotenciario junto ao
go\ ru fidelissimo, espera que eu, interpre-
tando fielmente suas elevadas ro-'.cnces e as
t'istr rces do governo imperial, porei o extre-
mo da diligencia em conservar intactas as rela-
i' to alfectuosas quao cordi es que felizmen-
te tustwn entre as duas cortes parentes e os
dou-1 povos de ori^em coiumum
Ser-rae ha "fcil corresponder confian{
em mim depositada pelo imperador, porque en-
ir'u Brazii e Portugal nao lia, como vossa ma-
iresta le bem o sabe, nem antagonismos de racas,
. n validades polticas, nem interesses com-
mertaesem pugna ; p"fo esntrari i, ha perfeita
,adc de neja, ncara synpatliia politica e
Din itilercorso commcrcial protcuo para o3douj
So conjuncto harmonioso destes lajos, que
prendem to estreitamente o imperio a este rei-
no, vejo eo tragada a norrai da minha con lucti
oflicial e no desempenho d.i minha raisso ser
tie ti impreterivel derer empregartodos os raeios
a> tn-iu alcance para poder merecer a alta be-
nevolencia de vossa magestade, a con'ianga do
sea illustrado governo e a estima do nobre povo
porluguez-
Julgar-me-hei muito feliz, senhor. se as es
pe raneas que ora abrigo de o conseguir forem
la.) jatificadas oo futuro, como certa a con
fiauraem que se fundara no presente.
Tenho a distincta honra de depositar as
regia mosde vossa magestade. a carta impe-
rial que meacreJita no meu carcter diplom-
tico
s. el-rei dignou-se responder :
Sr. minutru. E' cora verdadeiro prazer
que recebo de vossas raaos as cartas de sua ma-
gesi d o imperador, vosso augusto soberano.
q t de novo vos acreditam seu enviado extra-
ordinario e ministro plenipotenciario junto da
minha corte.
A affefco que consagro ao Ilustre membro
da rasa de Bragaoca, que to sabiamente pre-
se! aos destinos da nago brazileira, os lagos
igualmente estreitos de sangoe e de tradigOes
conmuns que unem as duas nages, encorara-
rio em vos um liel interprete e um zeloso man
tenedor.
Nos vossos esforcos para bem desempenhar
uit: i misso que j exercestes com geral applau-
s i- especial satisfago minha, podis contar
cotn a minha benevolencia, com as sympathias
do meu povo pela nagao irm e com a leal e
tflicaz cooperago do meu governo.
A reforma daorganisagSo consular, appro-
v] la ha poucos dias na cmara dos deputados,
"-' ibelece consulados vre do CongoPretoria-Zanzbar Caolo -
Di-merara s Francisco da California e Hono
lulu Os cnsules, alm dos seus vencimentos,
de 9003 ou 500OOO (fortes) vencerio para des--
pezas de representago e de expediente. 3:5001
aanuaes (fortes) temi o de C-into 4:500WOO
(foriesi.
Era urgontissima a crca^ao de alguns desle
consulados, por ser j muito importante a colo-
nia portugueza n'aquelles paizes-
Ficou atravessado pela obslrucgSo pala-'
vrosa de alguns membros da eppoiico regene-
radora o projecto de reforma naval, que o go-
veruo reputava indispensavel c que a optoiao
publica recebeu favoravclmente Os fecundos
iitravessadores nao o entenderam assim, e a
sn ser encerrada e coi. ella a legislatura
actual, em se dar o impulso de que tanta care-
ce a armada real portugueza, n'uiii momento
histrico em que toda a Europa tem os olhos
sobre a nossa regen eraco colonial !
Ora'pois : se fosse algum proj.-cticulo para
arranjo de algum individJS ou collecividade
- -taneja, naveria accordo tcito, segundo o cos-
, ir.1 e a opoosicio nao se apoderara da p&ia-
vra paraembaragar, como desta vez se cotnirou-
ve de o faz
Sua'alma, sua palma !
_ pbegou do Porto umi comtnissao de com-
,.rca- o conterenciou honlein
p epm o presidenta
Ao conselho de ministros.
eon-ta o que all
erar que,, asesar das boas
i rliflicultado pela persi
ninguem e
o serves aKriotos; os commerciantes nao tratar
'
) prolongaraento indefinido da ,-ituag io a que
varan as cou-
j a .
do Com/tercio, do Porto, diaj^H
rcial dos vinlios continua no n
estado, aggravada com as consequencias natu
raes do prolongamento.
Na cmara dos denutados votou se o projecto
dos vinhos, qun licou approvado.
Ficou approvada ante hontem na cauara dos
pares dos pares a lei de meios.
Na cmara dos deputados foi apresentado ha
dous dias o parecer das commisses de. fazenda
e agricultura sobre alproposla dos trigos. Sof-
freu algumas alteragoes. Urna odlas elevou a
meio por cento a proporgo entre as compras de
trigo nacional e as de trigo estrangeiro ; outras
facultaran] ao coratnercio particular a venda do
trigo nacional, sera dependencia do mercado
central dos productos agrcolas.
Tudo faz crer que a proposta ainda nao 6 dia
cutida nesta sesso parlamentar.
A minora da commisso de agricultura apre-
setttou parecer em separado, votando pela ap-
provago dos alvitres do ultimo congresso agr-
cola de Lisboa.
Ante-hontem oSr. Beirao, ministro da justiga,
declarou ni cmara dos pares que empregaria
os maiores esforgos para que anda nesta sesso
se discutisse e votasse a reforma judiciaria. Ac-
crescentou que prescinda do artigo que autorisa
o governo a diviso comarca, para se nao poder
suppor qne governo queira fazer uso poltico
e eleitoral de seraelhante autorisago.
Foi votado na (amara dos pares o projecto dos
hospitaes de alienados. Como vem, tudo se
discate e approva a vapor nos ltimos dias de
cada sesso parlamentar.
Produzio sensagAo na Europa a mogao patrio;
tica do parlamento portuguez, de que lhes dei
conta na minha ultima.
Tiverara urna vibrags poderosa as palavras
do nosso parlamento, tevantando-se unisonas,
sem distincgOes partidarias, quando se tratava
de fazer enrgicas affirmacea sobre a integri-
dade da nossa soberana as possessCes ultra-
marinas que nos restara.
Os coramentarios da imprensa estrangeira, e
sobretudo allem, so-nos muito agradaveis e
demonstrara urna corrente de sympathias alta-
mente significativa.
Nao admiram 03 enthusiasraos da Allemanha,
atteotos os receios e os objectivos do imperio
germnicos na frica.
O vulto do imperio, projectado pela ambiguo
de urna empresa mercantil de Inglaterra, bumi-
Iharia os objectivos coloniaes da Allemanha.
Reunise ha poucos dias aassembla geral
da Associaco Cotnmercial de Lisboa, sendo
apresentada entSo pelo Sr. Sim0e3 de Almeida
urna proposta para a associago adherir ao mo-
vimento iniciado pela sociedade degeographia
para a commemorago do descobrimento do ca-
minho da India.
Ficou esta proposta para ser discutida na
prxima sesso.
as salas da sociedade de geographia reuni-
se a commisso preparatoria para as bases ge-
raes a propor para a celebrayo do quarto cen-
tenario da partida de Vasco da Gama para o
descobrimento da India.
Elegeram-se as sub-commisses seguintes :
Exposigao martima de historia navalViscon-
de de Pago d'Arcos, Almeida d'Ega e J. Nunes
da Malta.
Exposigo colonial-Nascimento Sampaio. Pe-
dreira e Augusto de Castilho.
Commemoraces histricas e litterarias-Lu-
ciano Cordeiro, Sousa Viterbo e Carvalho Mon-
teiro.
Festas publicas Fernando Palha, Raphael
Bordallo Pinheiro e Jacintho Parreira.
CongressosRodrigo Pequito, Dr. Silva Ama-
do e A. I. Avila
As da exposiglo de pescara, material de guer-
ra e trabalhos hydrographicos no se constitui-
rn! por no terem podido comparecer os Srs.
Ferreira de Almeida, Mndes Guerreiro e EJ
Castello Hranco.
A inspecgo geral das bibliothecas e archivos
pblicos (de que chefe o Sr. Antonio Ennes)
resolveu tambera as commeaiorago, colligindo todos os documentos,
impressos e manuscriptos, concernentes pri-
meira viagem de Vasco da Gama, para organi
sar com elles urna exposigo. e porventura pro-
mover a publicago es|>ecial de todos ou de al-
guns.
A inaugurago do monumento consagrado ao
rande tribuno e illustre parlamentar Jos Es-
tovara, por Aveiro, trra de sua natnratidade,
est marcada para o dia l Je Agosto. Planeam-
se. brilhantes festejos para es-e dia solemne..
llavera r.o;-tejo cvico, com carros atleaoricos*
regata promovida pelo Club Flunal, Ilumina
cao e serenata no no ; recita de gala por ama-
dores.
A illurainag do rio ser feila a copos de co
res e bales venezianos.
Toda a populaco aveirona est empeuhada
em honrara memoria do Hoquenleorador.
As tricanas daro um bdo aos pobres.
O Revd. hispo do Funchal fez publicar e dis
tribuir urna pastoral, em que procura dissuadir
as suas o venias da emigrago para o Brazii.
Descreve cora feias cores o estado sanitario
de?se impena e aconselha os emigrantes a pro-
curarem de preferencia a fiica portugueza e
especialmente o districlode Mossatnedes.
Aeaba de ser agraciado cap) a cotnraenda de
l^opoldo da Blgica o Sr. ir. Carlos Jos de
Oliveira, governador civil de Lisboa.
Seuundo utn despacho da agencia Reuter de
12 do corrente, vinjio de Durbon (frica Orien-
tal,) a rainha reyente dos Amaiouga euviou
umi depulago ao governoportoguz para so-
licitar o protectorado de Portugal, visto que a
arbitragem do uiarechal Mac Mahon impede a
Inglaterra de estender all a sua proteegio alm
de certo ponto.
No sei o que fir o governo; mas por certo
s ha de lerabrar que ainda ba para mais de um
anno se vu obrigado a desistir do protectorado
do reino batbaro de Daliosney frica Occiden
tal) pelas responsabilidades e dispendio que de
tal protectorado nos provinham.
E' honroso para nos este movmento espon-
taneo das ragas africanas a nosso respeito, mas
taes honraras custam muito dinbeiro e podem-
nos metier era aventuras muito arriscadas, so
bre tudo na vizinhaiga da colonia britnica do
Natal. ,
Entretanto os competentes ainda nao l'allaram
e d'aqui r.t la, licare com a minha opinio.
J forara distriouidas circulares para a su-
b3cripgo deaeges da companhia vini'-ula do Mi-
nti, que em Vianna do Castello se vae orga-
nizar.
O capital d 500 contos (fortes) em 10,00 >
acees de 50*000.
- Foi concedido o titulo de baro ao Sr. Ju-
lio Jos Feroandes. proprietario em Cabeceiras
de Basto.
- A 16de.ste mez passou o dii em Lisboa, de
r/s3sagem para o Brazii, para onde embarcara
a <7, a bordo do paquete italiano Brazii o insig
ne maestro brasileiro Carlos Gomes, inspirado
auclor do Gaarany. do Salvador Rota, da Mara
Stuart e do Escravo.
Carlos Gomes, refere o Dia, tem emmagre-
cido um pouco nos ltimos lempos ; mas con
serva o mesmo olar vivo c penetrante, a phy
sionomia alegre e bo e a ajaba do indio que, de
preta que era, comega a alvi-j ir
Carlos Gomes um verdadeiro talento mu
sical e dramtico e passue, entre outtos, a rara
qualidade de saber colorir a sua o'chestrag)
com grande vigor e propriedade.
A' sua nova opera o Esc-aoo.\ termina aquel-
le jornal de Lisbda, desejamos o xito que me-
rece o talento do autor.
Foi le ofltsreoido no hotel Rragapg i un ban-
quete a que assistiratn os Sr. Luiz Guiraares,
Paulo Porto Alegre, Joo Vieirada Silva, Alfredo
Keil e Giovanl Scolari.
Reinou sempre a maior alegra e troca rara se
atfectuoso brindes.
ila das qijr esto de prevengo nos quar-
-, os carpos de guarnigo da pra-
ea de BlvaS:
Altrtbuc-se isto a que tonflo tido o governo
hespaoliol denuncia de que, pela nossa frontei-
:\ia de entrar utn grupo de republicanos
pedio ao governo portuguez que tomisse pro
vas
parece, porm, nao ha ver fundamenta nos re
ceios dosnossos vizmlns, e.ujo fraco estarem
nnnwiam'1;
em Uw#01 u.n i [companhia
iabomtes,
cora o capi al de 50 contos (fortes) j
i Anahri c pa
J,dioica er con liada ao Sr. Jos
;', odrigues.
tnllts iruignc
zes.
diram a concesso ik um caminho de
ferro que, partindo de Atgs v a Soui
sando pelas povoacoes do BeraHca, Cnrcide, Odi
vellas. Ponte de Friellas e Soures, os Srs. Abel
Nunes eJoo Guedes.
A pedida concesso cornprehende tambem um
ramal, que, partindo de Socavo, entronque na
ponte de Friellas.
Est-se tratando de organizar urna enrapa
nhia de navegago a vapor entre Lisboa, Maco.
Timor e a India, para transporte dos gneros da
metropole de^seguro consumo n'aquefles merca-
dos e importaco das raercadorias preciosas da-
quellas regies do oriente. Oxal que assim
seja.
E' tempo de nos emaociparmos da marinha es-
trangeira.
Os symptomas sao valiosos. J temos duas
companh-.as importantes de navegago paia a
frica, e vapores que no nao envergonbam
ao lado dos grandes paquetes estrangeiros.
Somos urna potencia colonial; precisamos de
urna poderosa marinha.
Ainda ha poucos dias, enlrou no Tejo pela
primeira vez o novo paquete Atabaca da Mala
Real Portugueza.
Toda a imprensa recebeu convite para visitar
aquelle esplendido barco de grandes dimensOes
bem como rauitas outras pessoas do coainiercio
e das que figurara na politica, na finaoca e bu-
reaucracia etc., etc.
Bou ve lunch a bordo e grande copia de brin-
des entre os convivas.
0 Sr. J. M. Pereira Lima, como adminis-
trador da Companhia Portugueza de Caminhos de
Ferro Africano, sociedade anenyna de respon-
sabihdade limitada, depositou na Caixa Geral
dos depsitos 20 contos de ris (fortes! impor-
tancia de 10 % do capital subscripto c integral-
mente pago, relativamente a primeira cmisso
de 20 contos de ris, conforme a lista dos se
guintes suoscriptores r
J. M. Pereira e Lima.
A. V. Reg e Souza.
Eduardo Mraga.
Alfredo Leal.
Francisco de Albuquerque.
Conde de S. Januario.
Constantino Jos Vianna.
Feliciano Gabriel de Freita9.
E. Madeira Pinto.
Maooel Jos de Andrade.
Sr. Adno de Seixas, como representante
dos fundadores de una sociedade anonyraa de
responsabilidad!! limitada, denominada Compa-
nhia Nacional de FundicSo o Forjas, depositou
na Caixa Geral dos Depsitos 33.7501000 (fortes)
correspondente a 10 /, do capital social e total,
subscripto pelos seguintes senhores:
Marianno Cyrillo de Carvalho.
Adrio de Seixas.
Alfredo Ribeiro.
AntoniorfTeixeira Judice.
Guilherraeda Silva Guimares.
Jos Ricca Jnior.
Caetano Placido de Freitas.
Guilherme Serro Arnaud.
Sebastio Formosinho.
Alfredo Pereira.
Continuam e sabir para 7o estrangeiro, na
larga romaria de Paris, rauitas familias mais ou
menos abastadas.
Que se divirtam e quem poder, que faga o
mesmo !
L.
E' facto geraimente conhecido a exten-
sSo 'la industria nos Estados-Unidos, cujo
movimento symbolisa o Ashaverus da leu
da: caminha e caminha, sempre sem pa-
rar.
E* assim que possuem 250 mil tuilhas
de estradas de ferro ; 230 mil milhas de
linhas telegraphicas; 25 mil milhas de
costa ocenica e lacustre; 20 mil milhas
de rios navegaveis, sobre os quaes se effec-
tua o transporte de um com.mercio cujo
valpr computado em 50 milh5es de dol-
lars annual mente.
Para auxiliar o seu movimento indus-
trial,_o povfj dos Estados-Unidos serve-so
de 250 inventos protegidos por privilegios
de patente.
O valor dos seus productos agrcolas e
manufacturados de mais de 13 mllhoes
de dollars por anno.
Smente o producto de urna das suas
redes de vias frreas 6 maior do que o
oryamento da receita do mais antigo im-
perio da trra, o qual conta nada menos
do que 400 milhoes de habitantes.
A industria do3 preparados de borracha
representa o capital de 180.000:0000 e
emprega 15,000 operarios sendo os pro-
ductos de todas as fabricas avaliados em
500.000:0005.
Nota se ainda que a industria da cria-
yito das abelhas toma desenvolvimento
auspicioso na" grande Repblica, sendo que
s na California ha um agricultor que au-
fere annualmente dessa industria perto de
57:0000000 liquidos.
Existcm no paiz 70 mil agrigultores
com 3 milhoes de co!m>":is, cada urna das
quaes So resultado de 12 kilos de mel.
A eolheita annual sobe 36 milhoes de
kilos; os quaes vendidos a 135 reis, ga-
nhiio os cultivadores 35.000,000.
A cera que colhe-se attibge a 10 m-
lhSes de kilos no valor de 12.000:000.
A exportacSo regula por 4.000.000.000
Deste qnadro lisongeiro v-se que a in-
dustria agrcola tem no nosso paiz um
vasto campo a explorar, rico de proveito-
sas meases e sem grande empreg de ca-
pital e mesmo de trabalhos.
No que concerne cultura do trigo ape-
zar do s$u progresso, tanto nos Estados
Unidos como na Australia, facto verifi-
cado que, de 1870 -a 1884, a producsSo
apenas augmentou de 88 milhoes de hecto-
litros, tendo alias desapparecido este aug-
mento no anno do li88.
rE, pois, estimando que no mesmo pe-
riodo a populaco do globo augmentou de
95 milhoes, oonclue a Revista Scientifica
que est no enteresae do mundo dedicar
euforco poderoso cultura do trigo, de
maneira que os povos consumidores sejam
postos a abrigo de caresta a que podem
ser arraatados por colheitas deafavoraveis.
Apezar da insignificancia relativa, a
industria do coral representa um grande
producto commercial na Italia, particular-
mente em aples. ,
Segundo dados estatsticos de nma rao-
nographia publicada por Ganestrini, 4,200
marnheiro8 italianos estSo empregados na
pesca do coral, e obtem todos os aanos,
termo medico, 56,0000 kilogrammas deste
producto natural, cujo valor se eleva a
1,500:0000, aproximadamente.
O numero de lanchas empreadas nes-
ta faina regula por 500.
Tudo passa.
A penna de ferro destronou a pena de
pato.
A penna do ferro encheu o seu tempo
e tem de desapparecer a seu turno diante
do christaUographo, urna invenco das
mais curiosas.
E' umapennadevidro, inovydavel, qua-
si inqueb:avol e por conseguinte eterna,
sobre ser de ura.i leveza que garante da
famosa caimbra dos escriptores.
E' urna revolucSo na industria!
REVISTA DIARIA
Delega*** depalici-Foi lomeado de-
legado de Timbaoba o Sr. raajor Jos Barbosa
Pereira de Andrade.
Delegada Iliteraria*Forom Hornea-
dos o bacliarel Jos Beserra Cuvalcaote para
deTimbaha, e o Sr. imo Velho Pereira da
Rocha para a de S. Vicente.
ubdelegaclaade aollelaForam no-
meados os Srs. Paulino Velloso Freir Filho pa u
a d Tiraliaba ; M'inoel Barbosa i'ereira de An-
drade, para a de Cruangy; Nstor Pereira de
Carvalho, para a de S. Vicente, e Regino Ferrei-
ra de Carvalbo para a do 1" districto da Graa,
cujo exercicio assumio.
Proaotaria* puBlleaw Foram exone
rados os de Jaboato, Victoria e Goyauna, sen-
do para esta ultima nomeado obacharcl Nilo C-
bele Pereira de ABdrade,
Canal de ayaana-Foi nomeado fiscal
desse canal o Sr. Erasmo i ntonio Cordeiro de
Mello
eendto No sabbado manifestou-se ao
escurecer na residencia de Mae. Kublet. ra
do Imperador, nm comeeo de moendio, que foi
era tempo abnfado, lendo-se encontrado a arde
reni alguns vestidos de seda.
A polica piocede a diligencias para verificar
a origem do mesmo incendio, tendo neste pro-
posito interrogado a referida Mrae. e seu marido.
bem como a ura Sr. Mello Aceioli, morador no
mesmo predio e que concorreu para abafar o
incendio, e urna preta, qoc foi detida por cen-
trad ico em suas respostas cotn as de Mrae.
Koblet.
Guarda cvicaNo dia 27 do passado as-
sumio o exercicio de coramandante geral des-a
guarda o Sr. major Joaquim Salvador Pessoa de
Siqueira Cavalcante, e le coramandante da pri-
meira estago o Sr. Joo Po da Silva Valeaga.
Entrada em exercicioAssumio o ex-
ercicio de delegado de Joboato oo dia 28 de
Junho ultimo o Sr. Cicero Braga de Souza Leo ;
e de subdelegado de Tigipi o Sr. Eustaquio Jo -
s Gomes.
Negocios ereleaiaallcoft Pelo ministro
do imperio foi enviado o seguinte oicio a S.
Exc. Rvma. o Sr. fiispo :
Ministerio dos negocios do imperio. 2* direc-
tora.Rio de Janeiro, 31 d Maio de 188.
Exm. e Rvm. Sr. Inclusas remeti a V. Exc.
Rvma. copias do aviso do ministerio dos nego-
cios estrangeiros, de 23 de Janeiro de 1888, dos
officios da legaca imperial junto Santa S, de
20 de Setembro de 1885 e 20 de Julho de 1888,
do que ltimamente me dirigi o commissario
geral da ordem dos capuchinhos, assim como do
aviso expedido, em resposta, a 11 do corrente
mez, todos concernentes a serem fundados no
imperio estabelecimentos que se destinara ao
noviciado daquella ordem.
Subraettenoo estes papis apreciacao de V.
Exc. Rvma., rogo-Ihe que, considerado tambem
o aviso que em 27 de Marco prximo lindo Ihe
enderecei, emita seu douto parecer sobre as
condicGes do estabelecimento do noviciado e
admissao de novicos a respeito do que dignar-
se-ha V. Exc. Rvma. ter em attenjao os princi-
pios recentemente consagrados por sua Santida-
le o soberano pontfice Leao XIII.
Deus guarde a V. Exc. Rvma. A. Ferreira
Vianna
Aviso de II deMaio, a que se refere o que
cima se acha.
Ministerio dos negocios do imperio, Gabinete
Rio de Janeiro, 11 de Mato de 889.
Tenho presente o officio em que vossa pater-
nidade, mostrando as difficuldades com que lua
a ordem dos capuchinhos para attender ao ser-
rico das missOes no Brazii, I mbra a convenien-
cia de se esiablecerem as provincias do sul
ccllegios que se d stinetn a formar, por meio do
noviciado, missionarios para a catechese, revoga-
do o aviso que a isso se oppe.
Nao existe acto algum legislativo que limite
ou restrinjan faculdade que tem as ordens regu-
lares de admittir a prolisso ae sua regra os no-
vicos que sinlam vocacao para observal-a.
A admissao de novict,s em taes circumstancias
nao s ura direito das ordens estabelecidas no
Imperio, como urna necessidade para a perpetua-
cao desses institutos. A prohibidlo equivaleria
extinego Ha ordens, o que nao est de accor-
do cora a legislarn vigente.
O Estado p.-de, se julgar conveniente, esta'uir
sobre este assumpto condicOes por meio das
quaes garantios servicos que Ihe devara como
cidados quelles que professarem ; nao pode,
porm, irape lir que o fagara quando desembara-
gados ou reraidos de taes encargos.
Anda que fosie perrailtido alargar a autorida-
de do Estado at o ponto de alcancar e compri-
mir a liberdade das vocatjes honestas e piedo-
sas, como a de entrar etn urna ordem religiosa
e aperfeieoar-se pela observancia de sua santa
regra, certo que o legislador brasileiro tem
mantido inalteravel odircto antigo e nunca con-
testado da livre prorissao, ejqce nao esta na com-
petencia do poder executivo fazer nesta parte in
novago que o altere ousupprima.
Conlra esta doulrina fundamental seria em vae
oppr o impedimento occasional do aviso de 19
de Maio de 1835, e antes deve prevalecer a con-
sulta da secgo dos negocios da justiga do con-
selho de Estado de 18 de Setembro de 1837, que
declarou necessaria a admissao de- novicos em
numero razoivel. sera duvida porque considerou
os re.evantes serviros prestados igreja c ao
Estado pelas ordens religiosas ; notando se que
as cocdigOes do voto sobre que a refjrida con-
sulta fez justas observaces, estao alteradas
pelo decreto de Po IX d a*seg rar a sua liberdade, e na la obsta que o
govert o imperial emprehenda a reforma j acn -
selbad i pela mesma consulta.
Os servidos dos capuchinhos no Brazii tem
sido de tal valia, que o governo nao cessa de ins-
tar pe i vinda de novos missionarios, nao hesita
era fazer as necessarias despezas, e em manter
os respectivos hospicios, e certo que, sem esses
religiosos, ser impossivel proseguir n$ quasi
abondouada cate-hese dos indios.
Assim eumpre-me declarar a vossa paternida-
deque no Brazii tifio existe lei que haja alterado
ou revogado o direito que tem as ordens reli-
giosas de admittir novigos e de professarem
estes a regra para que sintam vocaco, e final-
mente que nao est dentro da competencia do
governo fazer alterago aesta materia.
Deus guarde a V. P. A. Ferreira ViannaSr.
commissario geral dos missionarios capuchinhos
no Brazii.
Pagamento Victima de beriben galo-
pante falleceu na manila de sabbado ultimo, no
lugar Sant'An ni para onde tinha ido dias antes
era busca de memoras aos seus soffrimentos, o
inditoso moco Luiz Carlos de Almeida, socio
da firma RiOeiru & Almeida estabelecida ra
do Baro da Vctoria n> 23, sob a deoominacao
deMuseu Victoria.
Bem moco ainda, pois contava apenas 28 an-
uos de idade, era o tinado muito estimado e do-
tado de excellentes qualidades, tendo sido um
fllho exemplar, extremoso esposo, bora irrao e
amigo dedicado.
Ha pouco m..is de 3 annos havh-se casado e
deixa na orphaidade umaQinnocente tilhinha.
A sua morte Casa sido bastante sentida por to-
dos quantos o conheciam.
No mesmo dii tarde foi o corpo dado se-
pultura no cemterio publico, onde seachuva de-
positado, compf recendo ao acto muilos paren tes
e amigos que pranteiam a sua perda.
Damos sinceros pezames a sua familia.
OniroNa ^exta-feira ultima tambera suc-
curnbio nesta ccpital, a urna febre demo ca-
rcter, Caetano da Silva Azevedo, official da se
cretaria da assembla provincial e contando 33
annos de idade.
0 finado perlencia a urna das familias dcsta
capital que mais abastadas foram. Morreu po-
bre
Kra um homem intetligente e dotado de encl-
lenle carcter.
Roubo-Duranlea noite de antehontem pa-
ra hontem os ladres fizeratn cora p 11 utn ar
rombamento em urna das janellas di casa n.
I0, Ponte d3 cha. residencia do Sr". \V. J.
Haynes, e nella penetran lo subtrahtrain d
relogios de otiro. din- de
ouro, ontra de cabello encastoad no rae
metal, u:na insignia maconica. duas calcas de
caseraira urna carteir.i de couro da RoSsa, 4i|
emdii'i-iro, alera d
liado em cerca de 500$.
O l
peito no- term is da lei e trata de descobnr os
criminosos.
DeKvulidoM -Durante o mez passado fo-
rara pela secretaria de policia remetii!
seguintes para :
7
3
2
Hospital Pedro U I
Hospicio de alienados
Asylo de inendicidade
Escola de apreudizesmarianeiros
Via frrea de liada e 1
Moje, ao meio dia, no escriptorio desta i
nhia, ra da Aurora, devorao reaair-se <
conistas em assembla geral
atiui de se manifcstarem a respailo da
cao do contracto da mesma c imp au
governo nos termos da lei a. 2001 do
anno, tratarem da atlitude qne deve a
nhia lomar em relaro s empinas d'aan c
luz de Olnda. C feltt > cia de se fazer un e.ii!>rc.iituo^fin ac<;t^ ofcri-
>fatorias para s;ti-'i'..:<;i o e ido ar-
terial rodante : juiu-oui. em qualquer dr taes
sentidos as piopo.-tas da. directora, a ouu re-
quisico feila a couvocaco.
Estando esta as-enihla+r'Tal ao caisi
las a qne se refere o art. 63 do 4cretj o. I
necessario que se bej repre-'-rilar na i
dous tercos do capital social.
Clan Carnavaleaeo Cala4
conhecida associayo. soleinoi-'oa o dia.de
padroeiro S. Pedro, oo sabbado. 29 do :
mandando cantor pela' 7 hora.-t.ea noite, aa i
sede, ama ladaiaha com assislencta dos
effectivos, benemritos, honorainos e de i
convidados.
Seguio-se urna wre. que estnse ^un
dangando-se at as 4 horas da -madrugada:
A festa foi reatcada w-la prm riga (le rrr>eiae
numero de genhora-. reinando suianrr boa or-
dem e retirando-tte iodos os '-iiinni.tdos inteira-
mente salisfeitos com o bom acolbimeoto e ex-
celiente tratamentc que lhes dispensaran ai
membros da actual directora.
ululo Philumaliro -Este
realisa amanha urna sesso littoraria em
meraorago do 4' anniversaro de sua undac*
e do 3 da installaco da 8ociedade Philomatiea
Agradecemos o convite qne para essa testa
nos foi enviado.
Arderam Em consequencia de nma tak-
ca desprendida de Io< omotiva da estrada de Ca
ruar queimaram-se dous casebres de palha. ai
campia do Bode, no domingo a larde.
FerimenioiNo dia 28 do nez lindo, as
povoado da Torre, iravaram se de razoea Jera
nymo dos Reis e Joo Primitivo Caraeiro 4a
Cunta, sahindo este com um ferimento e aaa-
do-se aquelle em fuga. 0 ferido foi n-eoJaidc
ao hospital e a autoridade policial procede aae
termos da lei.
MorteEm Aguas Bellas fot traieoeinirma
te ass.i--iuado Manoel Munteiro da Silva, a noi-
te de 20 de Junho findo por nm tiro qne desfe-
chou-lhe Antonio de tal conhecido por Maraa.
que evadi se. A autoridade policial totnanf
conhecimen'o do tacto e procedendo a vistor;
abri o respectivo inquento.
Club Recreativo I de daaho >-
dia 20 do mez ultimo procedeu esta sociedad-
a eleico de sua nova direcloria a qual fioe
assim composta :
Presidente Manoel Prysthon.
Vice-presidente-Antonio F. M. Reg.
Io secretario Flaviano Martins.
2o ditoPedro de Assis.
Orador Florindo Maranhdo.
Thesoureiro- Philadelpho Cardeal.
Fiel-Joo B Galvo.
A posse ter luaar no dia 7 do corrente.
Mervlco militar Esto designados baje
para superior do dia o Sr. capito Pedro Veike
e para ronda menor um subalterno de cafafta-
ria.
A guarnico da cidade dada hoje pelo
2 oitalho de infamara.
Commanda hoje a guarda da Thesoararis
um Sr. official do 2o batalho de iof.mtaria.
~ Exislem era tratamento na Enfermara K-
litar, 26 pracas do exercito.
- Foi despensado doservico at embarrara
o do corrente o Sr. alferes addilo ao 2" bat. Iiic
de infantaria" Antonio Valerio dos Santos Seves.
No dia 3 do corrente, pelas 10 horas 4a
manha. tem de comparecer na cidade de Mia-
da, alirn de depor em urn processo, o Sr. 2* ea-
dste 1" sargento Joaquim Francisco Fgaeira 4e
Farias.
Forara pedidas ao 2o e 14* bitalh<>?3 de ic-
fantaria as guias de soccorrimento dos segaador
Cadetes segundos-sargentos Francisco Joa^aia
da Costa Fiulho Filho c L'iiz Ignacio da Costa.
Vapor Argentina Este vapor deixaa
hontem a tarde o porto da Baha pelo qne locad
amanha em nosso porto.
redro II Solcnnisoa hontem essa,imp>>r
tante orgo da imprensa cea re aae e mais antiga
jornal da provincia, o seu ra;io cenleaario ae
existencia nojornalismo.
E' um motivo de retiosijj para a confraterai-
dade jornalistica. Associamo nos. pois, as efa
Bes dos Ilustrados collegas dandolbes os aav
sos parabais e agradecendo-lbes a participafa
que por telegramma tiveiam adelicideza de fa-
zer-nos.
Kio-tirande do Vorte Recebemos z
Macahiba o seguinte telegramma :
Foi deraittidoo 1' supplente do juiz munic;
pal da Macahi6a pelo uce-presi lente Basiliosot
pretexto de haver aceito o po;to de capilao es
guarda nacional era Agesto de 1887, qoaaaa a
sua nomeacao para aquella suppleticia de Ja-
neiro de 1888, entrando em exercicio no mes de
Marco seguinte.
ttociedade .literaria i de Dala-
Essa associaco recomecar os seos IraMiws.
que temporariamente foram suspensos, no dia i
do corrente. s 6 horas da tarde, em saa aaa
sede ra de Henriqne Dias.
FallecHnento Finou-se a Exma. "Sra
Baroneza de Jundi, respeitavel senhora aae se
recommendava por suas virtudes e cojo paasa-
raenlo deixa sua familia imraersa em justo petar
Os nossos pezameS ao Exm. Sr. Barto ar
Jundi pelo golpe crudelissimo porque acaba de
passar ao roraper-se nma convivencia ave Ihe
era a alegra de sua vida. -J
rmandade do Maatiaalaao
ment da frciuczu de Manta
nioProcedeu essa irmandade a rleigo da na-
pectiva mesa administrativa no anno comproaif-
sal de 1889, sendo eleitos":
Ju.z, o Sr. na] >r Jos Elias de Oliveira; es
crivio o Sr. Francisco Jos dos Passos Guiau-
res; thesoureiro o Sr. Graciliano Octavio 4a
Cruz Martins ; procurador geral o Sr. Jos Ha
fino Climaco da Silva ; procuradores os Srs Jo-
s de Azevedo Maia e Silva Jnior, naaget Il-
defonso Ferreira Maia, Alfredo Leal Reis e re-
dro Barbosa da Silva Neto.
Definidores os Srs. Manoel Jos de Bastas Mei
lo, Manoel Goncalves A;:ra, Antonio Agostase
dos Santos Porto, Miguel re-banjo Miodelo, la-
fino Susano Gayo de Miranda, Francisco Riost
Costa, Antonio da Silva (itrio, Joi- Jongalvet
dos Santos Jnior, Victoriano de Arazo EUa.
Manoel de Barros Cavalcante, Pedro Goncatvet
de Arruda e Henrique Cecilio Barn-tto de Al-
meida.
O Obrciro Acaba de sabir puUicidade
ene peridico bi semanal, propriedade de aai
associaco.
O collega se objectiva pela assevcraco deqac
no precisa especular com a politicaais
atheu adora a familiae ama a patria.Coma
odreiro, trabalha : e o sen labor consiste eat
combater tudo quanto seja contrario ao sea la-
ma .
Saudamos ao contemporneo e agradeceos-
Ihe a visita.
Bonroao-Transcrevemos .io Diario a Grm.
Para o seguinte officio, que a Praca do Coatnter-
co de Belm dirigi ao Exm. Sr. Dr. Migaef
Pernambtico :
Sala da Commisso da Praga do Comacrria
do Para, era 7 de Maio de 1389. Illm. e ExiaSr.
A Commisso da Praga do Comraerco. teaac
recebido o officio em que V. Exc. se dgaos
coramunicar-me a sua retirada da adminislracie
desta provincia, aproveita a opporiunidade para
apresentar a V. Exc. os su- ap_radecimentas
Bao f pela attepcao sempre concedida as re-
preaentacoes sobre interesses de commercM,
como aiiiiia em i'spei.il, pi deragoe*.
cotn que varias retes esta Commisso foi por V.
Exc. distinguida.
Entre os a
na pn nhecer. -
va mencionar a im o das dis
legislativas sa-
Tiue para o Amazonas, e^ispeaiaa-
do "- lngueis dos vewMaa.
pelo conipai timento, em iora a Praa
la Re
.edidas t
'3r-
ituacao fioaaonra desta ut

1
(
(

i

.gao.
Terminando
esta Commisso taz votos pacs



.
'

Diario de Pemambuco--Terca-feira 2 de Julho de 1889
ae o commcrcio da adiantadissima provincia,
aja administrado o Governo Imperial acaba de
.ontiar V. Ext. tenha iguaes motivos de reco-
nbecimeato, e despedinoo-se tem a honra de
presentar a V. Exc. os protestos da ana mais
elevada consideico.Deus Guarde a V. Exc
Blm. e Exm. Sr. Dr. Miguel Jos d'Almeida
Pemambuco. Joo Gualberto da Costa Cunha,
presidente. R&lrigo A de B. Amorm. secre
uo.
Tateartr* Kant* iiakei-Tcc lagar an-
te-bontem nesie theatro o oitavo espectculo da
wnpanhii de zarzuela hespanhola, -endo leva
da a scena as zarzuelas, Korear por lo fino,
Msica classica e La Gram-via.
Quasi aesconheeida do publico a primeira
pega, ama simples comedia sem espirito c em
que apenas se distingue.-n uns tres nmeros de
msica, que apezar de serem bous nao conse-
goem san r a monotona da prodcelo.
Ha distribuicao dos papis, coubefazer a par-
te deFloriada, a Sra. Matheos, que deu-lhe um
dcseuvolvtraento regular e compativel eom,a3
soas forcaa, beui como a Sra. Bernard na
parte de D- Barbara.
Ao Sr. Vallina coube na' distribuicao o papel
de D. Felippe, o apaixonado dos ornamentos dos
loaros e touradas, o qual conseguio regularmen-
!h interpretar o typo concebido pelo autor, tendo
sido inulto feliz na parte cantante principalmen-
te no extenso tango.
Apezarde ja urna vea termos emittido juizo a
reapeito do merecimento da Msica Cas
nao nos recusaremos de repetir que esta zar-
zuela ornada de excellente msica e onde o
>.oositor teve a felicidade de tirar grande par-
futo da uniao que fez da msica sacra coui a
proftna, caructerisanrto cada personugero rom
ara estylo.
Bem felix foi a inlerprelayao dada pila Sra.
Batbeosa parte da Paca, nao so pelo desemba-
racoaue moslrou. como pela regularidade com
ooe eantou os nmeros de msica da sua parte,
temido ser Ihe desculpadas as faltas que com-
metleu. pois urna artista que cometa.
Os Srs. Mori e Ornubia cantaram igualmente
>m f gularidade. ped-rado-se dizerque a Musi-
r Classica, agrndou geralmente, urna vez que
- seus interpretes foram appk.udidos.
La Gram-via continua a merecer a aceitacao
publico e nem era de esperar que livesseou-
iro aeolhimento a bella composicao de Valverde.
Hoje sera cant ida a popular e sempre bem ac-
< ila zarzuela Mascota
foMituto Beneflrenie lo Ofllrlaen
rt > -na rila ^arionaiNos das 25 e 28 do
aossado, funecionou o cons-lho administrativo
lesla sociedade, em sessoes ordinarias.
Xa primeira sesso foram aposentadas e re-
mettioas rcramisso de syndieancia as propos-
lis indicando para socios os Srs. capito Jos
Bernardino Das da Silva, tcneate Nstor Corbi-
nirmo do Soccorro o alferes Francisco-^Jeroiiymo
(freir, sendo almittidos socios os Srs. tenente-
/fwroBel Agostinho B<-zerra da Silva Cavalcanle,
'nvijor Jos" Elias deOliveira. capito ManoeJ Dias
Suto. tenentcs Levino Braziliense do Reg Bar-
ros, Jos Monteiro Pissa e os alfares Manoel
francisco de Araujo Lima e Joo Gervazio da
O Sr. presidente, na qualidade Je relator da
eoamiissao que foia encarregada de entregar o
diploma de socio ao Sr. coronel Luiz Cesano do
Reg, deu con heci ment & casa de ter desempe-
nhado a incumbencia. Sf-ndo lbe agradavel assig-
aalar o modo cavallieiroso, com que foi recebido
oalludido diploma, manifestando acuelle Sr. of
ticial prezara honra de pertencer a to til, quao
neressaria sociedade.
Foram nomeados :n is os seguintes agenciado-
res de donativos para a iostaliacio do Instituto :
em S. Loureuco, capites Manoel JonquimTievas
Mariano e Manoel fheotonio Moreira de Souza ;
na Escada, coronel commandante superior Barao
de Ctiogae oscanitSes Diogo Carneiro Roirigues
i jmpeilo e Sergio E Ferreira Magalhes; na
Victoria, alferes Joao Carolino de Gcs i avalcan-
te e Joo Francisco oulo; em Ribeirlo, tenente-
corooe? Pompeo de Carvalho Soares Brandao e
teoente Luiz Jos de Franca Carioca : e no Cabo,
alferes Luiz de Franca de Hollanda Chacn e JoSo
Francisca do Reg Barros.
O conreino resolveu fazer a sessao magna de
iostalacao, no Theatro Sania Isabel, e para isto
reqoereu ao Exm. Sr. vice-presidente d;i provin
cia a concessfio do theatro.
Na sessao do dia 28 o Sr. presidente do Insti-
tuto apresentou um relatorio dando conta do mo-
viaiento social do periodo de Marco a Maio do
rorrnte anno.
Tres propostas para socios vieram a mesa e
foram enviadas a cummissao de syndieancia,
apresentandoo thesoureiro seguidamente ao con-
seihoum recibo do Sr. commendador Joseph Krau
se, na importancia de H7I00 que lbe entregou
o lustituto com destino ao patrimonio da riuva
ReKgaard.
O Sr. presidente ordenou que por mais urna
rea, fosse convidada a commissSo da freguezia
de Santo Antonio, encarregada que foi de agen-
ciar donativos para o citado patrimonio, a vir
dar conta do resultado oblido.
Hada mais bavendo a tratarse, foi suspensa a
>essao s 9 horas da tioite.
TkMilro M 1> Inioato Antehonlem
deu-nes a companhta que Irabalha neste theatro
nai lindo espectculo comporto da engracadissi-
ma zerzuela em 1 acto, tradcelo besp'antiola,
msica do maestro Roberto de Barros, UmBaxo
de Capttla na qual toniaram parle a Sra. Aliver-
ti e os Sra Rocha e Flanea que sahiram se per-
feitamente bem dos papis que Ibes couberam.
Em seguida o Sr. Commoleti, eantou com umi-
ta perfeicfto c arte urna aria do Guarany sendo
oo final mui applaudido.
Finalisou o espectculo com a opereta os M
lontrasda Corte, em que toinou parte toda a
companbia, sendo os artistas phreneticamente
applaudidos, e obligados a bisaren) o cateret.
Circulo Calbollro do Reclfe--ob a
presidencia do Sr. Arthur Gomes de Mallos, rea-
lisou-sc antehonlem a 5* conferencia publica,
versando sobro o otatrintnnio e sondo Orador o
Sr. Dr. Joaquim da Silva Cabra!, que anda Dais
ama vez soube patenten r os dotes oratorios de
que dispoe, apresentautio urna dissertaco bem
elaborada e couscieuciosa, que muito agr.dou.
Em seguida teve lusar tambem a instaliaco
do bilhar ullimamente comprado, e se acha col-
locado na sala da frente da sede social.
Em ambos estes actos houve urna concurren-
cia regular.
Proloagameniu ro do Beeire o h. FranrUro Ntres
criptorio central da directora desta estrada de
ferro e da de Caruaru, sito ra da Victoria,
desia cidade, e de conforraidaJe com o respec
tivo edital, publicado era outra secejio, receben
se propostas em caria fechada at o dia 15
do corrente para o fornecimento de vinte quairo
mil dormentes.
mrectorlw dan obra de conwri i\
io doa Portan do Prrn.mUu.n
"e. 30 deJunho de 1889
Boletim meteorolgico
Arrd(;oados3C3.
Bous'375.
oentes 18
Loucas 2.-395
Movimento da enermaria
Teve alta:
Jos Joaquioj Nogueira.
Teve Baixa:
Pedro de Alcntara Sant'Anna.
Foram liootem visitados os presos desto esla-
belecimeuto por 230 pussoas, sendo 109 homens
e 121 muineres
*<.vlo de MemliridadeDurante o niez
de Junhn lindo n movimento desse estabele-
cimento de caridad/ foi o segrate :
lloinens Mullieres
Existiam
Entraran!
Sahiram
llores Ha Jo Baromet'-i'' ;i 0* 762"io 763*25 762-91 761-76 762-31 Ten sao do VU,)r:' te
#ra. 9 12 3 t. C ir 6 25-9 -.'8 o 27 4 i:> -7 17,85 17 81 18.77 1839 19,19 83 70 Ui 68 78
Temperatura mxima29",00.
Dita minima 23.00.
Evaporagao em 24 horas-ao sol: 6r. 3; 8o
ora: 3- 1.
Chuva-2,"3.
Direcco do veoUi: SSE alternados do ineia
noile at 3 ln,nis e o rainulos: SSWat 8 horas
e 30.minutos; S ate 9 honisda manha; SSE, SE
e S alternados at meia noile.
Velocidatie medha ao vento : 2"\16 por s-
gurdo- y
Nebulosldade media: O.i
Bolelim Existem
as enfermaras
Existiam
Entraram
Ti\ eram alta
Falleceram
Existem:
as enfermaras
Nos dormitorios
9fi
11
ii.:
10
'.i7
28
9
37
8
2
27
70
97
117
9
u
115
31
3
36
6
8
22
K 93
113
a,
Total 212
Escola de instroccSo primaria :
Foi frequeutada por 13 alumn i*.
Mortaiidade No Cemilerio publico
Santo (maro foram sepultados ni Jnnho :
Corpus
De 1889 32o
De 1888 :j:;
De 1887 283
De 1886 301
De 1883 374
No prximo lindo mea dejJuuho a media diana
dos enteiTumentos foi de 10,83.
s ilias de maior numero de eniei runenlos j
1889 em maior distancia n< do Rccife
j -Premios : jOO*, Wf e 20*.
Depois de muitas sabidas falsas, foi dado o
lal deliciiiivo, pulando Boa-Vista na pona.
posigo que sustentou at a distancia de 400
metros, quando foi batido por Pombo-Preto, di-
rido por Martins Ferreira, que chegou ao vence-
dor em 68".
Tupy foi 2 e Boa-Vista 3.
Nocorreu Corsario.
i'oule de P^mbo Preto ein f", I8000; em 2*.
8*300.
Voitiedi- Tupy em i". 7.-80J.
Movimento .'eral, j.2^)000.
:" [lanoWppodivtnoih> Qampti trund-l 700
metros -Animaos de qudlutier paizPremios:
;30O. loOie 50*.
i'.onforine haviam combinailo os honrados //'-
bofeiruH polio fankou a corrida, cabendoo 2'
! logar a AsfflOOau e o 3" a.. Vesper !
Mas., com a luimoralidade s queiu penleu
fci o y., que anda arrisca seu diobeiro em cer-
tas pareo.-., pensando que isso de prard
Cansa seria.
B os tribofeirot encherarn-sr, porque a paule
de Apollo den IGffiOO era 1 c 8*700 em 2": e a
ile Asmodeu, 12*40u era 2.
Regalaram-se! ..
Movimento geial 6:300*000.
4 pareo -Destreza -1.200 ni ttrus Aoiiuocs
ila provincia -Premio-: 250, 100* c 23*.
Templar turaou a punta cedendo-a 200 melro-
lepois n Ariiiniry, ra vitado por Hanoel Vigi
- ogrou gnhar a lornda em 90".
i optar l'oi 2" e Monitor 3".
de Arumarv e^l", 3'J0'; era 2".
l'/ft de Templar bto)44|900.
v .iilientogeri'
1.009
UjUO
metros
a-* = Da oras 0-19 4? larJf 5 37 0-06 da manh 6--02 $topn
B. M i>. M. B M-P. M. 30 de Jnnho 1 de Julho 0-.43 2' 16 O-.00 2-26
COIHERCIO
Revista do Mercado
Rkcif:. 1 DKJL'I.HO DB 1889.
beiloewEffec'.uar-se-hao Os seguintes .
Hoje : -,
Pelo agente Brilla, s 10 12 horas, ra da
Iraperatnz n. 28, de um piano e movis.
Amanha :
Pelo agente Stepple, s II horas, ruado
Imperador n. 39, de urna casa terrea a ra de S
JO'H).
Pelo agente Martins. as 11 hqras, de um si
tio no engenho do Mido e urna casa na Capunga
Pelo agente Pinto, s 11 boras, ra do Boui
Jess n. 45, de 9 fardos de papel para embru
Ibo.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jess n. 45, de ineias para senboras e papel
avariado.
Misas* runebrrSe.-o celebradas :
Heie :
A's 8 horas, na matriz da Boa-YJsta, pela al
ma de D. Clemcnlina Amalia Ferreira de Paria,
Amanh:
A's 7 1|2 boras, na matriz do Corpo Sanio
pela alma de Joaquim Cardozo Arres ; s 7 ho-
ras, na igreja do Livramento, pela alma de Joio
Gomes Loureiro ; s 8 horas, na matriz da Es-
cada, pela alma do Dr.-Tobas Rarreto de Me-
nezes.
PaMaageiroMChegados da Europa no va
por allemSo Cintra :
Jos de Barros de Andrade Lima, Paul Prolz,
Antonio Carqueiieiro e Joo Goncalves.
Chegados da Europa no vapor inglez Juhn
Eider :
AI ice Johnson, Manoel Gonzalos e Jo* An-
tugro.
Caaa de DetenruoMovimento tos pn
sos da Cusa de Dc4aU('o do dia 30 de Junho ><*
1889.
Existiam 429 ; entraram 8; sahiram 2 ; exis-
tem <35.
A saber:
Nacionaes 393 ; nmUieres 18 ; e Total 433.
foram : 8 em que se doran vinte e um, 10 e 23
em que ho.;ve dezoito e 7 ew que se dfram de-
zeseis.
Os dias de menor numero de aterramenlos
porara : 24;em que se deram quatro ; 30 em que
houve cinco e i. 13 e 20 era que se deram seis.
j pareo TrUhor^tifOon t
Animal'.- fiaciooaof 14 :neio s
oj, 80* e
Muestro piu.m a Corrida. coiiacrvando--e na
vjAsuardl at a reda de chegada, quando Ka
viria. dirigida por Ali'red Freitas, adianta fu
ao neo c i i eli lr. ganhando a corrida era 121".
Maeslr i fin i' lnula '!'
ftwede Favorita ei Ia, 10.- i% l'.;i "
84400.
Port/ie Slaeslro em i 23*800.
Havimcn'o geral, 4:163*
felas algumas
O movimento fui regular.
So mercado de cambios foram
ransac^es
Constou venda de um grande lote de algodo.
Canubio
Os bancos manliveram anda no balcao a la-
xa de 26 3/4, rralisando se algumas transaccOes
a 26 13/16 reservadamente
Papel particular foi offerecido a 27 d.
Xo Rio o mercado esteve sem aniuiacSo, sen-
do as cotacoes nominaes 26 7 8 e 27 d. bancario
27 1 16 particular.
TABELLAS AFFIXADA8
^ a: > ""5 s ^ k 5T h
< SL O 3 Cr 3. 3
% O O o- M
- "i S "3 3
to 9 ~>
*r 0 p o *
ns . ^
f. , , 3
i. *
6. 9 m
a

i* -j- -
Cr O
~
! s
1<* 93 a. >
r-. *^ ~.
I
O a. 1
8 . 8
i *
C -v -; | <
a-
8
tu t ~*
O ^ i: l?. --
_-__s___o .. S__*

es-
ta
es
s


i

30

S *


UiA
sa
WTACOM.OI 'CNTA dos cob-
Recife. i ile Julko tir 1889
Algodao
em 28 de
Cambio sobre Lisboa, pagavel era Londres, 90
d v. 37 d. por 1. particular, hoje.
O presdeme,
Candido G. coforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algodio
Houve venda de um grande lole do de I* soni-
do sertao a 7*200.
Quarla fei.-a 3. deve ter lugar o leilao
1 fardo de matlapolo avariado bem como 9 far
dos com papel de imprwwao tnmheui avariado
bem como meias para senboras p meninas, no
armasen] ds>ua do B-im-Jesus o. UL
iit*i*ni p+aru *< o Rjovuneoto le^o.
siabeiecimentodec.r- idc. no A'c 30 de Juih
fp'O -OgeT.|lc
Entrarra 12
Sahiram I
Fai!eceru;o 1
Existem |13
Foram visada; ;.? re.-i.M-ivrs eofrraiarlas
lelos Drs.:
Moscosos8 1|4, Barro: .i;'- iu s 6 I|l iio-
ras.
Xo corapareeer.nn os Drs.:
Cysueiro.'
Berardo.
Malaquias
Ponina1.
Estevao Cavalcanle.
SimOes barbosa.
. Ocirurgiao dcutsla Xu nu Boon aaa com-
parecen,
0 Boannaceotiai Horroa i> 8 Ijtda manha >
-ahio s 2 da larde.
O ajudaute do |,l.,irnaceutico entronas 7 3(4
la !:;inh e sabio Js 3 horas da tarde.
Lotera do mai-Par-.A l- parte da
30' loteria. de-s; provincia, cajo premio grande e
6rt:0O0O00, trl extral-.ida hoje 2 de Jolho
(terca-feira|.
Crande loteria do Maranhao A 2'
serie da 1 loteria des-a provincia, cujo premio
grande 300:'0041X10 ser extrahida oo dia ln
do Juio. _
XuppletHentiir -l 100 m : An':-
i [irovint-ia n". i nscriplosflesla coi
' Premios : .i)-. OO* e i.'ii.
van-
era
SPORT
Florete montado por ChrUpim, sabio na
gnardq e na vanguarda cnegon ao poste ib
cedor em 8:1". ^
Isso m-'-oo haviam de antemo resolv Id .<
honrados U ibofeirot.
Cndor foi i e Ho'd:b. (juc se presla a Un is
as oombinafCes, foi 3o.
SSo corrern] Viftg<' e Sneca.
Pwfo de Florete era 1' 75000: ,,:,
Pi/ de Cndor e u 2 790O.
Movimento jer..l, 3:330000.
.Nao se reihsou a corrido do 7o pareo.
_Ipraao 1ci'aiiul>c;':iao
Rea'ison se aatehqiilem a 28* corrida.
".'.\ concjtrrencia foi pequea, e o jogo, c
i era narhrol. estove fraco, ou antes com a mesma
animneo do llippodromo.
0 movimento geral das hinUs subi a.....
29 030*000.
Damos abaixo o re.-nllado das corridns :
*
1 p;ireoK.r.li'i71 metros Egnas da nro-
rinCaPremios : 1505. 3T)| e I5.
Dado o signal, sabio Stella na vanguarda e
nessa nosieo se conservou at ao poste Uo ren-
eeifori ganhando a corrida em 38".
Fantina toi 2S e Simiranis 3".
I'oule de Stella. dirigida por Jorf Marceltino.
em I*, 9/20-; era 2" 6*700.
roui' de Fantina ,,r>i 2*. 8fi0m}.
Movin:enlogeral, 2:993-1000.
*
.2" pareo Consol rao800 menos-Auiniaes
da provnei;i que anda nao haviam ganhopre-
mic Premios : 2005, 40 e 205.
Dado o signal, depois de muitas sabidas fal-
-a--. Cyclone tomou a pant*. qn conservou ;ii
ao dttasuiado quando foi batido por Esquimo,
ao teaccitor
era 2",
Poule de Mandarim em I*, 335300
95000.
Paule de Minerva era 2\ 1200.
Movimento geral, :W73500O.
4* pareo//arjMonioTW.300 metrosAnimal
da provincia que%iodaTiao haviam ganho n'es^
distanciaPremios ; 2505, 505 e /55.
Arreada a baodeira. Templar tomou a pona,
fazeodo bonita carreira at a distancia do^H
metros, quando teve a infelicidade de
com oque lucrou o doim nltro Monitor, que se
enllocando na vanguarda consegnio candar a
corrida em 105".
Teraplar. mo -'btante ter desgarrado, dis
rhu ainda a corrida e conseguio emparelhar a]
Roldan, pa-.-an lo ambos pelo poste do vena
de forma a nao se poder ailirmaraqual dos^H|
competa o lugar.
Os julgailiires, por. .a sempre bull
inspirados e j se nuliain tufado* do i.kjiI'i ila /'
I il/ihilidade. de. idii-aui que i II il I.. chegarafll
2" lugar e Templar em 3 '.
fiiale de Monitor em 1", 125:100 : em 2
l'ntile de Roldao era -, 125-
Movimento geral. I.10Q
'
B pareoPrado Peruambucuno 1.500
Animaos de qualquer paiz-Premios
(Ota e 505. '
l&golin encarregou-se de puxar i corrida, ce-
deudo a ponto, depois di! 100 metros a Dian i, di-
r;i:: la par Felippe, que i Iiegc ao po$!e do cene*
ior em 106".
Asmodeu. nao obslaole ter sido prop.isilal-
mente atropellado por Pagotin, tirou o 2" lugar\
idtegaudo era 3' Stephanie.
Poule de Diana em 1". 75400 : cm2', biW.
I'oule de 'Asmodeu em 2, oo, 0.
Movimento geral, 0 0635.
6" pareo / de Julho 1.300mclrosAnim es
peudos do p iz -: remioa : 3'Kl-J. 60 e :
An |rito da i trter, Aymor sahi i n;i vamrjaf;
da e n'sssa posiciose cons-Tvoii al u ditrnt
ciado. Ah,Favorita, dirigidanor Alfredo Freitas,
emparama a Aymor e assira passam pelo poste
do vencedor em 98".
l/isscnrm depois o* jul/pidores que a lugar
compttia a Favorita, o 2 a 4y-n a C4-\
niela".
Poule de Favorita em 1". 7 SiOfl: m i .
e dirigido e qoe tinha de sm-
processo, e por esta occasiao ne l
-tos de estima e solidariedade rotan
com a minba mo entre as suar- in
seu amigo, que nao o dnroneiaVijT
95.
metros
500,
as tinha em breve de con vencer-rae da ver-
b do qae acabava de saber; ainda por inter-
iio de um prestimosissimo memoro do par-
H liberal, live a conlirmarao de qoe o Sr
Sslxeira de Sa fazia qu-sl5o*dr honm da oiMu
perago, por se achar incompalivel coaa
"pinarca, r isto mesmo j fliera sentir a
cas da siluaco iJomioanle.
redjtei desde logo que o Sr. Teixeira de S
poda deuar de ser saiisfeilo : nao era 11
ousa a demissao de um prooMtar ar-
K) em holocaa.sio a vimranca baixa de ora
KDenlo Serv,| ; a inn^ucia lora I fej-s^ *r,-
- iioran lo idve/. os motivos da allegada ia-
Wp.itioilidade: u eonia demisso foi decre-
e hoje o trnsfuga poltico que a exijan
Ha saosfeito i vista de sua obra coosoa
Ka
Poule de Aymor em.2'.657l
Movimento feral, 3.4*J.
i '*
7 p .r.-.' -\'-:>dd ule '"") m-tros
ila provincia qo" nSo haviam geiin
tna ir !:-' mcia -Ph'mios:
- Vuima u'esta ou
e20i.
reto.
-..
A eorrida foi riuha e:n 70'" puj- Combo
par U i:-i"- ferreira.
Sood inoniina f >i 2 c Orauae 3 .
Pouletk l'i.iib'i Preto em i". 12200); eral
um.
Poete di- Qooil mnrnimt "'; -' '^5803.
*Kim -uto gral, 3.11505 11'.
FGiuciGOES \ mm
a densif
do
? prmoior
Cali
i
do eompro>
d > rae/, ul-
que motiva-
lo
Io pareo-Extral. 100 melros Eguas
provincia. Premios: 200>, 305 e 20-3.
Ao signal de uartida, Inviela tomou a ponto,
cedendo-a 100 metros lepois aSu-lla. dirigida
por Jos llareeUtoo, que cuegou folg.nla ao cea-
redor ira 92".
Coruja foi 2', contenta mo .< Fantina em ser 3-.
I'oule de Stella em Io, I..5300. em 2" MOHO.
Poule de Coruja era 2, 135000.
Movimento geral. 3:7705000.

2" pareo Progresso 900 niel ros
provincia qoe nao haviam ganno premios em
Movimento geral, 4.7205.
3" pareo -Ferro Carril 1.609 melros-Ani-
maes naeionaes deraeiosanguePremios : SffOj,
705 e 355.
Os honrados tribofeiros foram Mises traste pa-
re.-. O publico, ou ant-s u Zr. aieddaad-. que a
corr la base s.-na, -leu preferencia ios dous oo-
' I bares animaes. a Riselle e a Mh-stfO elles os
! tribofeiros, mandarain focar pin 1 a Mandarim
lepara 2oa Minerva.
Se bem resolveram. nielhors(oceos exccula-
I rara, ganhando Mandarim a eorriOa no esplendido
Auiuaes da lempo de 123" e -.hegainlo em 2- lugar Minerva
A exportacao, feita pela alfandega em Juuho
lindo it o da 27, attingio a 5::i.849 kilos, seudo
276.093 para o exterior e 260.756 para o inte-
rior
As entradas verificadas em Junho lindo, j
conhecidas soem a 9.026 saccas, seudo por:
Sarcacas
Vapores .
nimaes.....
Via-ferrea de Caruar.
/a-fernu de S. Francisco.
Ta-terrea de Limoeiro
Soraina.
2 711
381
3.360
1 997
bacras
!.6.6 -
%ssncar
s precos pagos ao agricultor, por 13 kilos, se-
,'undoa Associacao Comraercial Agriebla, foram
os seguintes:
Branco..... 35000 a 4140
Somenos..... 3800 a 35000
Sascavado purgado 25400 a 2r.Oo
Rtame
bruto. '. ilirmei 15900 a 2(m0
15600 a 157-n:
A exportaco, feita pela alfaudega era Junho
Dado at o da 27, subi a 2.792.079 kilos, sendo
183.223 para o exterior e 2.-609.734 para o inte-
rior.
As entradas verificadas era Junho frndo, ja co
obecidas sobem a 11.190 saceos, sendo por :
Barcagas
Valores.....
Animaes....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Pran
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
i 237 Saceos
"O
553
l-Ji
189
11.190 Sa
Agu^.-deaKc
Cola-se a 855000, por pipa de 48'* litios.
tlcool
se a 1805000 por pijia de *80 litros.
aH
Cota-se a 705000 por pipa de 480 litros.
Conros
otagSo dos sal:
de 12 kilos e dos verdes 2u3 n

Barca sueca Cometen, virios gneros.
Barca allema Louise, varios gneros
Ba-ca noroeguense TnUernitas. carvio.
Briguc alleuii Insel, varios gen-ros.
Esruna allem-l Fritz, xarque.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Logar americano Edicurd Johnson, brinda 1!
trigo.
Lugar nerueguense Poseidou, xarque.
Patacho nacional lUral. xarque.
Patacho dnaraarquez Phoz, xarque!
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho inglez Uafren, xarque.
Patacho aliemo Marie ron OldeUdorp, xarque.
Palhabote nacional Ida, rarinha de mandio-.,.
Patacho hollandez Broedertroic, xarque.
ln |orfif-o
Hiate nacional Flor do Jardn entrado
e em 3 Riselle.
32 a Amonio Piulo da Silva *C, 18 a A. Domiii-
gue? LimaA C, 3 a Manoel Collaco AC.
Objectos pora escripiono 1 caixa ord'-ui.
Papel 2 fardos a Cuiinaraes Cirdoso & (; 23 a
J Azeved.i & C 10 e I caixa a Costa. Lima 4 C ,
13 e 2 a 11. J. Prnun,4caixas a ?'. P. Oolitreau.
2 a i'.oinaJ WVhsinann. Dil-> de embrulhn3IKI
indos a Paiva Valeute ? C. Porcellana 1 bar
i rica aDodato Torres & C PimeOla Wsact*H
a onleni. Piatio 1 cajxi'io a ConiHd SVachs-
I inann. Phosnhoros 13 raixoVs a nrdem.
Uoliin 1 laido a Vianna Castro C, i a A-iio-
! uo P. da Silva.
Tecidos 9 ca xas ordi'ol, 3 a ongalves Cu-
; uah C. 1 a Joaqun. Luiz Teixeira A C, U a
: Bcrflrl i C. I a Femandes Silva A C. 2 a Joa-
| qirjin Aj '-tinhoA C.,l a A. Pinto > C, I a Jos
A. Das, I a Aeredo & C, 3 a Machado & Pe-
,,, y.,. ivir, l a Alves le Britto C, I a Rodrigues
cau em 28 de Junho e consignada a Manoel Jo .':"!l.lSt c-, ,, n
quim Pessoa, manlfestou : Vltiri'! <:lx:|i ;l Beraardnio Duarle Cmpus
'* .. 2ia Francico Xanod da Silva & C, I a
C Martins A C.
Comeco hoje a de- : ir-me
inisso que conlrahi no tiario le 29
taino sobre a explieaco das razes
rain a minha demis;ao.
N :enbo em vista < cusu.a: es-e acto da ad-
ministrafo nem ilesfazer-ine en tamuria* pela
perda do lugar que of vil pava, mas unioniin-ile
expender os motivos ver-laik'irea da minha exo-
neragao, pois estes forara p;'..v.ivelaiente guar-
dados em silencio, cmquamo outros, os que de
van.' ser aleivosamente invocados, eram talyes
fornicados na sombra pela ..calumnia c pela in
triga para embar a ha f dos que podara de-
iiiillir rae. ,
Pouc-j-siiras depois da ascen-o do^artido li
lK-rai, judo ao Uecife. live ocea-iaode encontrar
me eom um racu amigo pariicular que declarou
me ter aljuina cousa de meu interesse a coramu
nicar rae. Interrogado por mira a n-speiio, dis-
se-me que um dislincto liberal d"esla proviucial
inslriiira-o de que o juz de direito d'esia co-*
marca, Dr. Francisco Teixeira de S, allegando
achar-se de todo ncompati'el comraigo, exigisj
HXiaiitomenle a minha exoneracao, e isto desd^f
que a siiuacaocofiserva-lora se ochava em crise;
que esta exonerado lornava-se inevitavel, a
vista da avultada divida de gralido do partido
liberal ao Sr. Dr. S pelos rehnantes nrteoo nol
elle prestados nesla comarca a causa desse
partido.
( omquanto eu tivesse dados sullicienles para
formar do carcter d'aquelle juz o peior con-
ceito possivel; couiquanlo eu soubesse que em
iodos o< tempos elle se hadjjstingmdo pela des
lealdade e pela intriga ; coitmuaino eu estivesse
convencido de que elle era assas cobarde para
ferir-rae pelas costas ; cointudo hesile era acre-
diiar era mats esla. perfidia, porquanto ainda
dous mezo- anles. durante, os quaes icnhum
cnoque se dera enlre nos, s. S., acobardado por
urna enrgica repulsa que Uvp necessidade de
oppr a urna sua inepcia, me viera humilde-
mente dar nina satisfacao e pedir-ute a retirada
Readlmeatos publieM
MEt DI JUMIO
Mfandega
iten.:,i eral:
Do dia l
32:99358)8
Deseusine-se, porm, s. S. que isto nao m
meabdle nem me deslustra ; uu cstoo.de ine;b..r
IjaHido e uei de mosliar que os motivos oja>-
Bran aquella incorapalibili.iade, longe il.-m-
serem dpairosos, constiluem um altesiado-feoa-
rMO do meo procedimenlo como fonccionarii.
pabhco, ao mesmo lempo que mostram a taja
Bjenhez in-iral como hornera e como juu
inrilm exoneracao nao foi, pois, delena-
oada por nenhum motivo de ordem prdiiira
cslqu bem informado de que ella nao ii;\e ..
1 de df-linclos liberac* no 30 da capita .
mas anda d'esia eo ,e manlive sea
jujislo-Ms reluc'.'S com todas aj uflaer.ciaj
l>arirlo que ora se el,, no poder, exeepio o!' -
raaincule com u:na que, por motivos que aiodn
hyje igiioio. mas que acrediio originados d-
iangas do Sr. Teixeira de Sa, fasl-jo s.'
^drix.iren r!e v--ilar me cerno fn-no-:'
mente razia,
A minha de-n,s-o iiioa, p,,i.,, detertaiiwB
nenhuma lalia de exaeg 1,0 -mmpriaBealaj
ied.i i.e..;,..:.- : ;J|i ,.=)a0 OS meus acto- i'OUk*
promotor publico, e desafio a qoem mm-r
ii que apre.-ele Ull .-O f.ieto. um SO. i" Ir i lo eu um empre/ado ile.-:.li
^u-i.-adur u-n funciioiTio que n,
^B acuna de tola e qualquer consider >.' 1 a
^BAam-iada Lie: dig-dade de ,n ::
' r que in
I roma:.: 1 sao .va ..:,:;.f_ ante .
P-.t. en appeliatta para a pr.-
pm-COi!; e ic Sr. Te vir.. do S, si il
a Ble :;!":- e.n jnizo lo despnr*i-i
A minb :,: urismou se BOean
^d^-o.i,::. ,-. ,:a.|a pc|0 r_ [,r ^
Galena.: o dever de instruir o pabo
! de que esta incoa.
patio:i.d 11!. re ui;,u.
- ::i -' .".! fp :i iriinlu ca-
^B*' "-'a ei.einc... :::an:ive as mi- Pa-
^K*'- de a-.nis.ide : m o Sr. Teixeira
reante .:; desabonadoras inf 1
cralmenO- me eram dudas a su r-; e i :
elie-i -n loas vaotagens d> K.-f.-ia !.
inania e solid.iriena le enlre os n -..
da .iiise.i. 11 Ti 1 > ijiK-rendi i- ..;: d
pilado di-ix !o--.,.- ii.'var >,.-/o que iliziam S. S.. entend despir ;ne de I oda e qualquer pre-
ioeproenrei a sua amisade dando-lhe ..
iiiiim pile iiieqnivji-a- provas deco.ir.
I co:.r..ae,i.
Ein brev--, porm. live de coovenecr m-1
ase S. S. nao procur.iva rui mira um
mas um ir.il'-pin. uo procurara u;n aatsiai
ara a defesa dos inleresses da ju.-tiya, ns nni
cmplice? para a salisfaco de seus proprios in-
leresses. de suas proprias paixes.
De fa-lo, em dias de Julho de 1887, veio m -
nlurca-i u:n individuo fresidente no ler.nn '.
Ipojuca queixar se d.-rquts atB seu rm Fc
sarao-a. acabava de sei barbara, neiitc espaucad
por urna autoridade polniai d'aquelle termo.
Feitas certas diligeui-ias. iniciei o processo per-
artte o Sr. Tixeira de S e este, aaostrando se:
indignado cora o procedimento da .lUloridaoV
revelwu desdi- logo na puuieao do crintlooco saa
n'eresse que ainda afio o vira ter em processo
lgum : pedindo-me que ioquirisse em sen le-
rar as testem:;nhas lerahron-rae. por essa oc-
casiao que, nao obstante existir nos autos prova
iocuraenlal de ser o reo empregado publico, m-
ferrogasse-as sobre esle pomo; fez passar mar-
dado de prisao preventiva contra o delinqnenle :
officiou ou quiz offciar ao m -hefe de polica r -
quisitan lo forca para fazer a prisao ; fez segii
alta noile urna tropa para esle fim e quera at
que o delegado d'esie termo invadisse o '.erra .
de Ipojuca para effectuar a diligencia.
Coifesso que senlia-me salisfeito ao ver todo
este interesse na punicao de um grave criise:
masa maior-surpreza me aguardava. Acha va
inc no Kecife algn* dias depois, quando son
chamado com urgencia por um telegrama do
Sr. Trixeira de S. Voltei in contmentt imanar-
ca e encoatrei o em um estado de superexcita-
cio nervosa extraordinaria : inlerrogaei-o e en-
!*o teve S. >. o desplante de dizer-me qoe pessoa
fidedigna o tinha informado de que Barbosa ja
liavia sido acensado de connivencia no assawi
sato de um seu tio de norae Francisco Ca-
tador ; e por isso pedia-me que en reqoeresrr
lleuda nrovu
Do 1 lia I
nal
Sal 38.400 litros a ordem.
Hiate nacional Sptimo entrado de Macan ca
igual dala e consignado a Alfonso Bailar / G
manifestou :
Sal 230 alqueires aos cousignalarios.
'".arga de Lisboa
A/.eite lo caixas a oininos Ferieita da Si
fa
Fernandesde Almeida.
lingos Ferreira
da
'!A r., JO a Jij^i Fernaut
Ba'aie,,
Silva & G.
as20rtix --nos. Conservas 2
caixus M!< mesmo. C ii::mhos 15 s.o
Mate ncional Aurora II, entrado de Mai au
em igual data e consignado a Carlos Antonio de
Araujo, manifestou :
Sal 37.000 litros a ordem. : ,,. '. ~
_ lliale nacional Laucha, entrad 1 de Macao em
Vapor inglez Rondel, entrado de Buenos- Utxi 1 '-u"jl d*,a '' "oado a Manoel Joaquim IVs-
igual data e consignado a Black-1*011 : "ntou
e escala em
burn N.-edhann, manifestou :
Alfafa 1.000 fardos a Pereira Carneiro & C.
Xarque 701 Tardos a Maia & liezende I 2
a Baltar Oliveira AC.
Sal 1!'.200 litros ordem.
Panta da alfandega
SEJUN'A n 1 DE J.NHO 1 6 DB JULno DE
Fufe o biarto de 29 de Junho

Barca
Varios a descarga
rque.
Vapor allemilo Cafra, entrado de Iluniburgo e
Lisboa, era 30 do passado e consignado a Bors-1
telmann manifestou :
AgUlbaa 1 eaixa a Manoel Collai.o & C. Amos-
tras II volumes a diversos. Alpiste io saceos
ordem.
Botoes I caixa a Mata Silva & C.
Canela 5 caixas a ordem. Chapeos 1 eai.v'.o
a Caoaiho A C, a ordem. Ganttieiros 5 cai-
santos & Silveira. Cabos 3a rolos a Joa-
quim A. da Silva Santos. 70 a Bel Ir o Costa.
(.oios 1 eaixao a renle Via.nna A C, 1 a or-
dem. Cerveja 2o caixas a orden de fer-
ro 2<5 a ordem-
Drogas 12 caixas a Francisco Manoel da Silva
& C, 2 a G. Marlin3 A C 8 a ordem.
Fio I fardo a Ferreira Guimaraei C .
is iOO volumes a Ferreira Guimaraes &
1 a M. Joaquim Kibeiro. I a Antonio P. da Silva
t C. 1 a \ & C, l a C. Wachs-
raann. 1 a Xett Can
,2 a Gi-
je C.
Instrumenl \. a Maia e Suva
Joia
1 C, I a
IA C lago
I A '/. 2 a
seca AC. 1 a
binas
i;xj!Or;acao
jcmio n* 1889
/':. ir
.oorl.icao.
Para o uiteruu
Xo vapor 1 mira, Ciirrogaraiu :
Para santos, 1-. Carneiro A C. 1,000
eem tO.ooo kilos de ussucar branco e 500 ditos
com 30,000 ditos de dito mascavado
Wira Rio de Janeiro, de liveir
Hi.OiiO cocos, fineta.
No vapor nacional P ii Grito Para, carro-
V'OU :
Para Baliia, J. P Lapa tiSbaiiis com I *80
mL
No hiate nacional heos te Gnu
ram :
lara Ceari, M. Borjres A C. 20 -
L500 !, isucas branco ; A. Martins 200
saceos cm 10,000 kilos de niilho.
H. Olivtii
kilos de milbo.
No hiate nacional Adritn ou :
-.rros Jnior i04 I
oom 10.080
No hiate na regaram :
Pira Natal, P. Alves & C. 55 barnoa
3,300 K ia(j0.
1880.
2:688*307
Somma total 35:682l65
mida aecgio ua AlUmdega. I de Julho de
Oc
hefe da seceso Cicero II. de v.ello.
o dia 1
Rccebedorla Coral
2:341965
Kecebedorla provincial
Do dia I 20:183207
Do dia 1
Ke'fe toralnage
Ut-rradu Municipal de IV. Jone
O movimento deste mercado nos (ias 28,
e 30 de Junho foi o segrate :
Entraram :
119 bois pesando 17,015 kilos.
1602 kilos'de peixe a 20 ris
49 cargas com larinha a 200 ris
3 ditas com feijao a 200 ris
6 ditas oom milho a 200 ris
31 ditas defructas diversas* 300ris
38 taboleiros a 200 ris
57 suinos a 200 ris
108 matutea com legumes a 200 ris
i-onam oceupados:
87 I '2Jcolumnas a 600 ris
3 escriptorio a 300 ris
71 compartimentos de fariuha a 50
ris
70 ditos de comidas a 500 ris
246 ditos de|legomese fazenda.-a 40o
ris j 98 400
48 ditos de suinos a 700 ris 336-m
24 ditos de rressuras a 600 ris 14400
126 talhos a U 252*000
1
32*040
;i*80o
600
15200
9*300
7*600
11 400
21*600
52*200
900
35*500
35*000
Sul........... Nrrthe............
Norte......... Alliam;a..........
Europa....... Congo............
Norte......... Pemambuco.......
Europa....... Elbe..............
Europa....... VUle de S. Mcolo..
-ul............Vanaos...........
Sul........ Toa.............
Norte......... lagoas...........
3
V
5
3
I
i
7
li
h.
ti
h
h.
h.
h.
b
nento dos das 1
a 27 do cor-
615*840
5:836*020
6:451*860
iiubciro

la Irmaos C
Pelo vai
Rio de Jai
Santos
i ido liquid
da :
Carne verde de 200 a 480 res o kilo.
iciro de 720 a 800reis idein.
Suinos de 560*0 640 reis dem,
inha de, 560 a 720 reis a cuia.
10 de 560 a 640 reis idem.
14400 a 1*800 dem.
.Uatadouro pubi!cr
:aDelecimento foiara abatidas
uo de hoje 88 rezes pertenec
utes.
Vapores a entrar
MEZ DE JLLHO
v-York..... ( 2
para c
Vapores a sabir
HEZ DE JTLHO
ordeaux ... Nerthe............ 3 as II
llamburgo Argentina......... 4 as 5
Santos e esc AlUanca.......... 5 as 4
Huenos Ayres. Congo..........- 5 a \
Bueaos-Ayres Elbe ............. 5 as 2
Sol.......... Pemambuco....... C as 5
'anlos e esc. Ville de S. Mcolo.. 7 as 10
Sonthamptora. Togus............ 7 as 12 h.
Norte....... Mmos........... 8 as 3 b.
Sal ___ Magoas........... 15 as 5 h.
Hovimeato do porto
Ntwios sahido8 no dia 29
Liverpool "Vapor inglez Thessaly, cono-
mandante J. B. Gordon, carga ranos
gneros.
Navios entrados no dia 3U
Liverpool e escala18 dias, .vapor inglez
John Eider, de 2431 toneladas, com-
niandante J. Barr, equipagem 98, carga
varios gneros; a Wilson Sons & C.
Haioburge. e escala17 .lias, vapor alle-
ralo Cintra, de 1671 toneladas, com-
mandante Sainberlik, equipagem 51,
carga va os gneros: a Borstelmann
A C.
Santos e escalai> diasy vapor ingles Gor-
do*. Castie, de 1-320 toneladas, comman-
dante John Clark, equjpagem 26, carga
assucar; a Johnston Pater 4 C.
Macao12 dias, hiate nacional Canda,
de 8> toneladas, mestre Manoel Anto-
nio da Silva, equipageni 5, carga vn-
r08 gneros ; ; .Manoel Joaquim
soa.
Navios sahidos no metm* dia
V>lparaizo e escalaVapor inglez Joh*
Eider, commandante -.'. Barr, carga ra-
r'8 gneros.
!il Grande do NorteBarca sueca ro-
n, eapitlo L. 'fillstrain, em lastro.
Novios sahidos no dia I
l'arbados__Lugar americano EdicardJokm-
*n, capitSo John S. Warren, em lastro.
-Macao Hiate nacional Apudy, meatre
Francisco Alberto de Scuxa, carga va-
rios gneros.
Oisercflco
houve entradas 1 n*n
orrente.
S
r
t




Diario de PrnambucoTerfa-feira 2 de Julho de 1889
p

I
i
nos cartorioAe lDojflca certi<14o do juramento
4a autoridad cnm iva infor-
ando de qufiaquelles -lia a
tspeito e qfia niato se fundar para jul^ar im-
procedente c timmario, deixando assiin do pro-
lege* o assatno Je seu to .'
Surpreso >r utn pedido desta mturea, foj*
miado por n juiz e un juiz que .inda no oa
antecedenteevelava tainaultb interesse em pu-
lir o crimiiso, procurei desvanecer'-do espirito
4o Sr. Teixf a de S a impiessao que o ilorni-
aava, lerob-lbe que o assassino de Carador
fora deacobtto e que Barbosa havia
pronuociadt e como aa la conseguis-
rei-lhe frarwmente que nao poda scrvil-o, pois
o que me pina importav,. urna transare;.!, m-
amciliavel rra o meu carcter individual coa
amicha digidade de funcionario publico. Re-
sentio-s S.v desta recu-a e declarou-ino mais
tarde qne ra'a obstante jugara improcedente o
3womario para Uto se balearia ero mu aoeor-
dao da Reliao, que elle propno ja qualilicara
de escndalo, o qual exige como unten prova
da qualklad de empreado publico a certidao
4o jurameit). Fiz ver ento ao Sr. Te'xeira de
S que elle ao poda ser juiz naquella causa e
devia averUr-se de suspeito : a isto recusou se
3. S. ailegaMo que o seu substilulo, vista das
provas dos utos, pronunciara tipvitavelmcnte
o reo : obtanpere Ihe que ia cciiinulter urna
niquidadc fixaodo sem jusca uro pobre pai
de familia toe se achaca quasi moribunde ; n s-
pondeu u.aS. S. que guar lata os autos em seo
poder por'alguns das: si Barbosa morrease,
pronuncier|i o ro : no caso contrario Secretaria
a improc.-'O'ia da denun-ia A* vista desta
dactilidadenetiv l ato un magistrado, compre-
hendi que 4ti.uh infructferas tolas as mioma
observa yt-.- h r solv limnar-:ne a curaprir o
tneu dever : dei o tneu parecer nos autos opi-
nando pebpronuncia do reo, cuto fundamento
em orna segienca proferida pelo propqoSr. Tei-
xeira de Sem urji processo idntico : isto foi
alais ui mt'.ivo de descosto para^S. -. qne jul-
^ou improcedente o processo, lurtando-se assim
a proteger iassamino de seu to !
Nao me atinirarei de que e Sr. Teixeira de S
conteste o fecto que venho de relatar : a mentira
eve ser-Hit- arma tao familiar como a perfidia
e a intriga ; masja documento que deixo nesta
typographki, e o testemunho de pessoas desta
cidade cuiilirmamo quaato expeadi.
Antes de continuar, una prevenc&o : irei dei-
saodo na typographia (leste Diario os documen-
tes que provam a verdade de minha exposic&o,
os qoaes podero ser aqui examinados por quem\
quer que ui Teixeira de S, o qual s poder \!-os. em ini-
nha ffluo. Seria capaz ele. inutilisal os com O lim
le demorar as minbas c.\pl;. aces.
A datar daquelle fado comecou S. S. a se
amatar de uiiin. a tratar me com reserva, em
urna pulavra a deixar transpareccr a cada pasan
o seu resentin;tto : o, que. aos olbos de um ho
inem de bem e juiz "honesto seria causa para
elevar-me no seu conceiio. ros ollios do Sr. Tei-
xeira de S foi un motilo ledcsharmonia e in
eompaiibij^dude entre mim e S. S.
Por ahi vao, os que me li'em. aquilatando o
carcter desse juw que nconipatibilisa-se com
um promotor por lie apuntar o caniiuho da hon-
ra e do dever. por nao se prestar a urna traus-
Mtjki vergonno-a e indigna : por ahi vao desde
logo reeonheeendo que os motivos da minjia
eioneraco, que foram os motivos da minha in-
eompalibilidade, na me fazem corar diante da
sociedude.
Prosegu re i.
At bri've. Sr. T<'ixeira de S : convenca-se
Je que hei de arraucar-lbe a mascara e mostrar
V. S. quanto vale como lionieni e como juiz.
"abo, i" de Julho de t88!>.
Kpitacio ftit-!.
3*-,.: MyuOwMttei
\ A afacDC curvi se respeitosimenle i |
velhice na pessoa
i
D. Marta Franel*ra do U-so
Montelro
E SE COSQEATULA PKLOS SEL'S |
Sianaot
Feitos hoje 2 de Julho de I88t> |
Juba, AdAnule, Annacaida. Ca minha e%
Francina
I
I
larca registrada
N. 249
Carlos de Arruda fe C, domiciliados e estabe-
lecidos comjfabrica de cigarro-- ra Marclio Das
a. 17, teado registrado em 23 de Marco do anno
prximo passado nesta iueietis.-ima junta a
marca denominadaCigarros a Dianaqtierem
agora registrar a marca junta que ha de destn
gair o envolucro de ca-la vohimc de 30 cigarros
produzidos pela sua dita fabrica, no que esperam
ser allendidos.
A marca consiste em um quadrilatero formado
por sete tlleles, sendo um azul, tres brancos,
ain amarello. dois encarna los. sendo o mais in
te/no o mais lino; no centro do qual e no pri
jneiro planoest a liyupt Dianatendojna uiao
direita urna espingarda assentejsobre o solo :e a
mo esquerda inclinada para quatro eaea, que
. desse laao se acban ;'no segnndo pianola direi-
Ja da ttgn~a urna planta com flores encarnadas',
e no terceiro montes cobertos de verdura e sem
t lia e'duas arvores frondosas que licam esquer
da.da fisura, no altojas palavras -Fabrica Diana
em tetiras maiusculas de tinta encarnada e pre-
ta, saspensa^cada pmn de um varo de corama-
rella e verde'escuro, descendo da leltra F uns
arabescos ; da ultima leltra A urna grinalda de
illia- de fumo; na parte inl'Tior a tirina (/arlos
deArruda & C. em leltras maiusculas de cor en-
carnada e azul.
Alem do dito quadrilatero exisiem qui'lro abas
jne serveni pira lalear o volume, conteudouma
as palavras fabrica Diana em lettras raaiuscu
las de cor encarnada dentro de um paralclio-
^'rammo formado por arabescos, outraRaa Di-
reita n. {" Telephone n. -\\l -Prnambuco.
?atr i o al^arismo 500 entrelazado pela palavr
cigarrosem lettras brancas e encarnadas, e
outra o titulo da fabrica acompanhado de um
jbaixo do qualest a tirina ('.ailos de Arruda
t ,.tudo escripto cora tinta azul.
Recife, 17 de Junho de 1889.
Carlos de Arruda C.
Eslava com o sello de 400 reis. Certifico que
foi apresentada na secretaria da Junta Goinmer-
:ial do Recife s 2 horas Ja tarde do da 17 de
Jonlio de 1889. Kscrevi e as3igoo. Km fe da
verdade. O secretario. Julio Augusto da Cunha
i>uimaraes.
Certifico que foi. registrada sol o n. 249 |em
rirtode do despa(^bo da meretissima Juma Com-
ijercial em sesso de hoje.
Pagou 1/000 de um parecer fiscal. Kurevi e
assieno nesta secretaria da Junta Commercial do
Recife aos 21 de Junho de 1889.Em f da ver-
Jada. O secretario, Julio Augusto da Cunha
iuimares.
Eslava com sellos no valor de 6#3O0 e ao lado
grande sello da Junta Comercial era alto re-
levo.
IT|
i
I .rit.T^oes de conler.1 ilcilieaya> r. seua Ilustres filiios .
o guarda livros, Sr. capitn Antonio Adolpho do Reg
Leho, i). Mara Leopo'dioa
|). Candida .hivina do Rejro Leite
Trbulo de intima coiisideraco que mes
ex 'inndancia cordi
A. G. de Gasrno Lobo.
i Julho- IJW.i
S ~$2S*<2gY v^g^^^>'N^
GoyfiQDa
Continuam o< an^rehistas em suas tro-!
pelias.
Tendo chegado aqi^i a 13 do corrente o
tenente Angelim, subdelegado da situacco!
decabida, una malta numerosa capitanea-
do por Jucundino e o 4ros, a uoute. depois i
de queimar alguns it'guetes, dirigiuse a!
residencia do alludido' tenente Angelim a'
quem insultou c aggreUio desabridamente.
Felizmente, grayas a energia e prudeii-
da victima, nao 'foi ella violentada ;
ca
retirandn-se os aggresiores nimia grita
ins'jltuosa e asseverando n3o consentirem
aqiii continuar a rs dir o tenente Ange-
lim.
Ao* aejtwef competentes pedimos ga-
rantiaa W0* o* nossoa conterrneos amca-
cado* >W ara* dos aiigos do pretenso che-
fe Ib^ral, a efue turnamos responsarel
pelos dindos dos leu* apaniguados.
At outra rtm.
26 de Jttriio-de 18$9.
AO PRESADO AMIGO
Dcvedores da raassa fallida
de Alberto Rodrigues
Branco.
O abaixo assignado arrernat >u, por ordem do
Ssm. Sr. Dr. juiz de pecial do com-
nercio as divida- s fallida de Alberto
Rodrigues Branco, lir e avisar a todos
evedores para virem pagar seus dbitos no
praeo de 30 das, a contar desta data, e passado
prazo sera a cobranza feita judicialn.
Os devedores podero pagar ao Sj;. Jos Vieira
de Siqneira Ferraz, actualmente encarregado
da cobranca, ou na nossa casa ra do Amo-
-ioa d
Recife, 25 de Junho de 1889.
Antonio Gm*t Se*
Y* AO PRESADO AMIGO ^
/ Capillo Mnnoel Jos de Bastos Mello \
X COMPRIMtNTA
)( )(
X ik'Io seu anniversario natalicio )(
X )(
iL J. C. M S. J
& S-789. e%
Aviso aos nossos leitores
Os nossos leitores qir visilarem l'aris
durante a Exposicao j sabem que pode-
rlo ler os ltimos nmeros recem-cnega-
dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Prince & C, 36, r.ia Layette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na exposicao
no Pavilhao da Repblica de Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de por'
graciosamente urna sala com varanda
dtposicao dos nesmos senhores.
Para se evitar qualquer confusao, os
nossos amigos que quizerem receber a
sua correspondencia era casa dos Srs.
Amd rince & C, devem mandar diri-
gl-a A ra Lafayette, n. 36, por ser a
sede do servido especialmente organisado
para sso.
Pagamento de juros
A '".oinpanhia l'ernambucana de Navegaco
Costeira iior vapor paga os juros de seuempres
timo preterencil, em seu escriptono, sendo nos
das 1, 2 e 3 do prximo mez de Julho, das 10
horas da manh at as 2 horas da tarde, e duhi
|i-:' dianle em todos os das uteis das 10 horas
da manh ate o m< io da.
Para regularidade do servico. os coupont Seruo
destacados do respectivo titulo preferencial, oa
occasic do pagamento, o que se previne aps
interessados.
Recife, 28 d Junho de 1889.
------------------.------------r-.
Junta de hygiene
Km urtuc do que dispe O art. 66 do ieu-
tamento que baixou com o decreto n. 9,554 de 3
de Fevereiro de 1886, inspectora geral de hy-
giene faz publico, pelo prazo de oito dias, que o
cidadao Jos Rufino de Souza lUngel Jnior lite
dirigi a seguinte petico com doc^'nenlos que
satisfazem as exigencias do art. 6o do citado
regulamento.
Diz Jos Rufino de Souza Raogel Jnior que.
tendo a seu favor os requisitos exigidos pelo re-
gulamento sanitario em vigor, para abrir e diri
gir pharmacia na villa do Bonito, reqoer a V.
Exc. se digne conceder-lhe a respectiva Itcenga.
Nestes termos pede a V. Exc. deferimento,
E R M
. Villa do Bonito, 15 de Outubro de 1888. -
Jote Rufino de Souza Ranftel Jnior.
Sobre urna estampilha de 2'Ki ris.
E declara que, se nesse prazo nenhum phar-
maceutico formado Jfce.communicar ou inspe-
ctora de hygiene da provincia de Prnambuco,
a resolugo <1 estabelecer pharmacia na referi-
da localidad*:, conceder ao pratico a licenga re-
querida. '
Inspectora geral de hygiene, 1 de Maio de
1889. -Dr. PedrMSkiode Carral/.
IV. so
Oleo puro medicinal de Figado de
Bacalno. de l.aninan & Kemp
Nenhum chimico tem podido at boje dizer-
nos em que consiste os principaes curativos do
oleo de Figade de Baca'bo. Porra nao impor-
ta. Basta que se saiba que um remedio segu-
ro e eificaz para es pulmOes debis e as gargan-
tas enfermas, para as glndulas escrofulosas e
os systemas extenuados.
form aqui deve-se fazer urna reserva distin-
ctiva. Deve ser puro e legitimo, pois que do
contrario para nada presta.
Se desejais ter neste particular urna completa
seguranza, conliai vos nicamente -o que podis
fazer com toda seguranca no Oleo Puro Medi-
cinal de Figado de Bacalno, de Lanman & Kemp,
extrahido de ligados frescaes, a prova contra
todas as mudancas de climas, exceflente em to-
dos os rcspeitos.
O [agente balsmico pode ser iodo, brome, ou
qualquej/outra cousa. Porm isto lica sendo um
segredo da natureza, sbenos com tudo que o
elemento conservador da vida, sej.i elle qual
for, nelle existe.
Os doentes macillentos e paludos, martyrisa
dos pela tosse e extenuados pelos copios.s suo-
res nocturnos. deverSo desde j lanjar mo des-
te especifico approvado, se que do o menor
aprecoas suas saudes. Porm, por amor de vos
mesraos, nao pt rcais lempo ; toda a demora
fatal.
i cha-se venda em todas as principaes boti-
cas e lojas de drogas.
J nao admitte duvidas
Todo aqaelle que soffre de tosse, as-
tlinia, rouquidao on qualquer enferinidade
do peito, e de vias respiratorias, anda %
mais grave, s nao se cura nao o que-
rendo,
O t eitoral de 'ambara, importante des-
coberta do Sr. Souza Soares, de Pelotas,
um remedio tao efficaz que nSo admitte
hoje duvidas a respe i to.
A prova acba-se no grande numero de
attestados de curas obtidas; no seu actual
consumo de vinte mil frascos por mez ;
as honrosas apreciagSes da imprensa; na
sua approvacao pela junta de hygiene pu-
blica; na autorisacao do governo imperial
e nos grandes premios de duas medalhas
de onro de 1* classe com que foi distin-
guido.
Portanto, os doentes s nao se curam
quando nao o queiram.
Lde com attencSo o folheto que acom-
panlia cada frasco.
O Peitoral de Cambar vende-se em
casa dos agentes e depositarios geraes
Francisco Manoel da Silva & C, a ra
Mrquez de Olinda n. 23, e em diversas
pharmacias e drogarias da cidade.
- AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que vayan a
Pars mientras la Exposicin, saben ya que
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de los
Srs. Attde Prloce y C, sea en
el gabinete de lectura instalado por dichos
corrcpponsales, -mi Pabelln dla Republi-
inula, en donde o' eomisario
i'- Guatemala ha pu:-: i pnii
sponicion lfi Wrs.
Amrde Priurey C ulia ala con
. lo. '
H evitar toda confusin, lo.-, amigos
nnestrlv que se hagan dirigir la cures
pondencia a la casa de los citados Hr*.
Amde Prince y C. debern hacerlo
I.nfay.iti', en donde estar esp-
rate organizado ese servico. (2)
Dr. Firmo Xavier
Medico c operador
lia* das ri as 2 huras mi seu con
H'torio & ra da Imperatiixn. :o 1 andar e
ten sua residencia na cidatle do Cabo, onde feo
de ser proi urado das 6 da larde 34 '.' da manli.
EDITAES
S.- er<;o Kef-retarla da praulden
tiu de Perimuibnco. de Halo de
Vor esta se.ivtaria se faz publico, de ordem de
Exn. Sr. vice presidente da provincia, que, ten
do Candido Das, agricultor e proprielano agr-
cola, .residente noengenho Guerra, do municipio
de Ipwjuca, requerido que com elle se contrete
a fundacao de urna fabrica central de typo me
or nodito engenho, tica aherta a concurrencia
por estaco de-tnnta das, confados da data do
present- edital, para o firn exposto, mediante as
condicofs estipuladas no art. 16 da Ici n. 1,860
de 11 d Agosto de 1885 e Ici n 1,972 de 22 de
Marco uiimo.
0 secretario interino,
Manoel Joaqulm Silceua.
5.* serrtio.Secretarla dapremiden-
cla de Prnambuco. 35 de Malo
de SSO
Por esta secretaria se faz publico para conhe
cimento ds interessados, que tendo o Exm. Sr,
vice-presilente da provincia considerado sem
effetto, por portara ae boje, a concurrencia al.er
ta pelo edital de 20 de Abril ultimo, ao qual se
refere o de i do corrente, para a fundaco je 11
engentes centraes, de conformidaoe com a le
n. 1971 de 22 de Marco deste anno, visto que a
publicaco do edital de 4 do corrente, reduzindo
a m das o prazo de 90, marcado no de 20 de
Abril, nao r.companbou o deste, dando lugar a
reclanacoVs. flea aherta nova concurrencia, com
o prazo ele 30 das, contados da data do presen-
te, para aquella concurrencia, observadas as dis
posites do art. 16 da lei n. 1860 de 11 de Agos
to di 1885 e a lei n. 1972 de 22.de Marco deste
annfl.
0 secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
Ir seccao.Secretaria da Presidencia de
Prnambuco em 17 de Junh* de 1889.
Por esta secretaria se communica a. quem
interessar possa que se acha nesta secre-
taria, aSm de ser entregue depois de sa-
tisfeitos os devidos direitos, a liceaca con-
cedida pelo ministerio dos negocios estran-
geros ao Sr. Manoel Feodrippe de Souza
para exercer o cargo de agente consular
de Franja na cidade de Macei, provincia
das Alagas.
O secreiario interino,
Manoel Joaquim Steira.
DECLARARES
Ao Porque
A pergunla feita a esmo neste Diario no dia
29 do mez passado, sobre a razao porque a n
regedora da irmandande do Divino Espirito San-
to nao empossava os novos eleitos naquelle re
ferido da de dar devida resposta por
nao ter o seu autor lo assigoal-a. D-
aflm de satis-
fdzer i:, .H'tfm e totte.
Brilhante resultado
Eu abaixo assiiado, morador a rna
Paula Brito n. 25, no Rio de Janeiro, de-
sejando prestar urna homenagem verda-
de, tornando, ao mesmo tempo, publicas
as virtudes do Peitoral de Cambar, ve-
nho declarar que, empregando esse impor-
tante medicamento em urna iilhinha de 5
annos de idade, preza de urna terrivel
tsse convulsa ou coqueluche, ha j dous
mezes, e depois de applicados outros me-
dicamentos, obtTe o mais agradavel re-
sultado para o meu coraco de pai, at en-
tilo afflicto pela crueldade da molestia de
minha filhinha, dando-lhe o afamado Pei-
toral de Cambar de Illm. Sr. Jos Alva-
res de Souza Soares, de Pelotas, qne,
com dous vidros apenas, produziu to bri-
lhante resultado. s
Felicitando ao autor de tao virtuoso pre-
parado desejo que este attestado verdadeiro
aproveite aos que, como a minha filhinha,
sejam atacados de tao terrivel enfermi-
dade.
Jote Carlos Coimbrade Gouveia.
T D. Carlota de Araujo Lobo
l'ARTEIRA DA SALA DE MATERXIDADE
'" DO
$ HOSPITAL PEDRO II
t Pode ser procurada para o exer 4
i o de sua profissao sua res i- I
dencia
-RA DA GLORIA5G
Baaco de Crdito Real de Per-
anibiico
No sorteio a que se proceden n'este Banco em
dala de hoje 86, para o resgale de 39! lettras
hypothecarias das que existem em circulaijo
(i", 2' e 3" series e Io semestre da 4" serie), de-
signou a sorte as de nmeros abaixos descriptos
as quaes sero pairas pelo Banco coatar de pri-
Bleiro da u de Julho prestio futuro,
e, quer sejam ou nao apresenladas, nao vencero
- juro* depois ?. 30 do correte mes.
-as ao portador pelo seuJ
valor otHHtnal di t'.OyOOO cada una, bem como
o- jiifo :ios abaixo inenciouados.
faiibeni a coular do 1 do Julho
prximo futuro las Ictlrae emittidas
nos anuos de 1^ ISN. ^H
i.'c 1K8!
fe, 2i; de !'
Ijtpet
Joo
Recebedoria provincial
O administrador da Recebedoria Provincial
faz publico na forma do regulamento de 28 de
Maio de 1887, e para conhecitaento dos interes-
sados, que dentro de trinta dias uteis improro
gaveis, contados do 1-de Julho prximo, ser
effecfuada por esta repartiese a cobranca, Ii-
vre de multa, dos impostos constantes da ta-
bella annexa lei n. 188i. abaixo transcripta,
relativos ao 1 semestre do corrente exercicio
de 1889.
Recebedoria Provincial de Prnambuco, 28 de
Junho de 1889.
Francisco A- de Carvalho Moura
Tabella a que se refere o edital supra
Casas de coinmisses, de coosignacOes e de
commissoes e consignacoes.
Ditas ou deposito de vender em grosso carvio
de pedra em trra ou sobra aijua
Lojas de vender joias somente ou joias e re-
logios.
Ditas de vender relogios somente.
Ditas de vender pianos, msicas e instrumen-
tos musicaes. 7
Fabrica de rap Meuron.
Ditas de cerveja, vinagre, vinhos, guitbra,
licores c limonadas gazosas.
Ditas de gaz.
Ditas agencias e depsitos de rap.
Emprezas anonymas ou agencias deslas, in-
clusive a companhia do Beberibe
Bancos, ageucia3 filiaes e representantes dos
mesmos e casas bancarias.
Companliias, agencias ou casa de seguro, ou
qualquer pessoa que no caractrr de agente de
companhias de seguro, fizer contracto desta na
tureza ou promovel-os, com excepgao dos que
teeui sede nesta provincia.
Armazens alfandegados, de deposito ou de
recolher.
Casas dejogo de bilhar.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
A lllma. junta administrativa desta Santa
Casa, contracta com quem melbores vantagens.
oirerecer o forneciraento de pao e bolacha pre-
cisos para o consumo dos eslabelccimentos a
seu cargo nesta cidade e oa de Olinda. durante
o trimestre de Julho Setemorc do corrente
anno.
As propostas deverao ser anresentadas em
cartas fechadas devidamente selladas, na sala de
suas sessoes, pelas 3 horas da* tarde do dia 2~a>
Julho, sujeitando-se os proponentes as condices
do estvlo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 27 de Junho de 1889.
0 escrivSo, *
._________Pedro Rodrigues de Souza.
Derby Club de Pr-
nambuco
A directora poder applicar em vez da pena
de inulta estabelecida nos arts. 12, 13, li, 15,
16 e 23 do regiment interno a pena de suspen-
sao, at um anuo, nos casos dos arts. 13 e 16
at seis mezes nos dos arts. 12 e 15, at um
mez nos dos arts. 14 c 25.
Recife, 19 de Junho de 1889.
0 gerente,
_______________________Henrique Schutel.
Hlppodromo do (ampo Grande
(Assemblpa geral ordinaria)
Em virtude do Io do art: 13 dos estatutos,
convido aos mistas para se reunirem
ral ordinaria no dia 12 do cor-
s 6 horas da tarde, no escriptorio
ihia rua|do Imperador n. 55, aiim de
tova directora para o futuro anno
tomar conheciroento da
er fiscal.
Recife, 1 deJulho de 188
a Ae Paula Cnrrtin At ir*
13
154
194
198
22 !
ih
t.Y.)
i7
258
338
433
.'in
515
358
606
622
" 62o
667
B6
685
741
760
76i
772
822
842
859
862
896
905
942
953
957
1021
1056
1066
1075
1107
1167
1178
1248
1254
1256
1261
1276
1283
IStI
1350
1357
1422
1437
8612
8622
8715
8881
9534
10139
10144
10185
10274
10324
10370
10597
10669
10997
11032
11460
11803
11872
17537
17667
17772
17922
17995
18033
ISISH
18338
23618
23712
I!
I45U
I 151
146
1527
1591
1563
1631
1637
1713
179.
1847,
1928
196
1973
3010
2031
-2061
2087
210o
2138
219
2243
2oo
2317
2522
5X1
2613
2667
2681
2690
2694
2778
2830
2!<27
2930
2959
2960
2972
3017
3065
3109
3127
3133
3165
3190
325*
3280
33 i 6
3482
3586
3587
11893
12136
12525
12664
12759
12763
12964
13073
13104
13225
13411
13421)
13433
13443
13521
13561
13648
13680
18576
1858B
1896S
18968
19586
19854
19882
20026
24000
2451i'
PREMIADAS
Com -
...UIK
3629
378)
3835
Si
891
3951
3991
3999
'i! 29
41:3' i
v 4181
4228
282
4303
1322
W30
4337
4398
Wl
4435
UM
4494
, 4538
1687
57*7
4741
40
4777
4781
4837
4852
4878
4914
'966
4968
4972
4997
3027
3030
5045
30*5
51"fl
.124
3144
5169
3173
3181
5201
5272
5275
5291
3 SFBIE
13696
13703
13748
13800
13834
13875
13>93
13925
14049
14138
14461
14531
14560
14595
14646
14731
14786
14864
')' -in;
20145
20183
20626
20734
20920
20954
21265
21315
'* .-ERiE
24755
25145
100*000
.OOOO
30*000
lOiOOO
10/000
10*000
lo -y 00
104000
10*000
10*000
3300
5311
5370
3402
5496
3318
3536
5561
35H7
3606
5620
5688
56'.K)
3747
3781
5790
5812
5SIH
5821
3865
5888
5907
. 5946
6038
8033
605H
6120
6125
ei 19
6148;
6188
6195
6226
6255
6262
6266
6280
. 6329
0344
6373
6389
64(Kt
6331
6643
66 9
6671
6682
668C
6706
6751
6911
6916
6967
7034
7095
711
7162
7171
7177
7a
7333
7338
733 <
7366
7376
T 135
7449
7459
7474
7515
7594
7fi*21
7077
7689
7698
7741
7734
7813
7924
' :."*
7976
7989
7994
7996
8014
8032
8078
8174
8215
8230
8245
8270
8304
>354
8336
8357
364
8399
8442
8489
8490
14866 15883
15059 16164
15138 16196
15178 16286
15186 ir 392
15241 16558
15251 16672
15290 16687
13310 16749
15473 16768
15479 16813
15484 16877
1553: io
15559 16820
15582 .....
15760 ...
15828 .....
15876 .....
21390 22328
21533 22830
21546 23139
22064 23165
22086 23233
2212 .....
22141 .....
22307 .....
23249 26834
25867 .....
NUMBBOS
1 l
13*1
I 151
5*4
nio
5S1S
9435
95S
ieiH>8
18188
Secretaria da presidencia de Pernambuco.J
22 de Junho de 1889Por esta secretaria se faz
publico, de ordem do Exm. Sr vice-presidente
da provincia, que lica prorogdo por 30 das, a
contar de hoie, o prazo para a apresentacio de
propostas de concurrentes fundagao de ouze
eugenhos centraes nesta provincia, nos termos
da lei n. 1972, de 22 de Margo do corrente an-
no, observadas as disposices constantes dos
editaes de 25, de Maio ultimo e 3 do corrente.
Servindo de secretario
Emiliano Ernesto de M. Tamborini
f.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do Illm. Sr. inspector, convido os
Srs. negociante s abaixo declarados, para virem
assignar na seceo do contencioso desta Thesou-
raria, at o dia 6 do corrente, os respectivos
termos dos contraetos celebrados para o forne-
ciraento de vveres e forragens ao exercito. du-
rante o semestre de Julho a Dezembro deste
anno.
Antonio Duarte de F'^'ueiredo.
Uuibelina Mara do Ca ido.
Manoel Paulo de Albuquerque.
Alves Feroaodes & C.
Bernardino da Costa '/ampos Jnior. .
Oliveira Castro & C
Antonio Soares Raposo.
Francisco Pinto de Magalbftes.
Joo Ignacio Ribeiro Roma.
Joao Walfredo de Medeirbs.
Alves da Costa Filbo.
Alheiro Fernandes & C
Manoel Bento Pinheiro.
Thesouraria de Fazenda de Prnambuco, 27
de Junho de 1880.
Pelo|secretario,
Jos Heriosenes de Oliveira Amaral
ProlongamcBlo da estrads de
ferro do Reelfe ao H. Fraa-
_ cisco
De ordem lo Ulna. Sr. director e engenheiro
chefe, fago publico que ate s 11 horas da manila
do da 15 do carrete, recebem-se propostas em
car:a fechada, neste escriptorio central para o
fomecimenlo de vinte mil dorinentes, de accor
do.com as espccilicacOes seguintes :
1 Os dormentes devem ser exclusivamente
de arocira, barauna, sapucaia, sucupira-tjairim.
pao d'arco, gitahy amorello, massaranduba, po-
ferro, oiticica angelim amargoso c corago de
negro.
2 Devem ler as dimense3 de 2",00 X0\
20-, X 0-13.
3 Nao sprao aceitos tendo : branco, brozos,
nem carunoho: e sendo ventados e com a con-
dic&o de terem a s tosversal em qual-
quer ponto perfeitamenje rectangular.
4' Devem ter todos os topos serrado-
quadria. .
5 Serao todos entregues em Quipap
escolhidos pelo engenneiro residente ou quem
for por elle designado.
6- As despezas de transportes ate i
carga e descarga e empilhamento all, correro
por conta do fornecedor.
7a Os dome:
ro de quatro rail mi
proponente obrigado a fo
mil, seraprequ
te julgar
Companhia de trilhos urba-
nos do Recife a Olinda <
Beberibe
Assemblea geral extraordinaria
De ordem do Sr. presidente, sao convidado
senhores accionistas a assim se reunirem no dia
2 do prximo mez de Julho. alim de se moifes-
tarem a res peito da renovacao do contracto da
companhia com o governo nos termos da lei \.
2001 do correte anno, tratarem da att.tude qge
deve a companhia tomar c:n rt-iaco as emp-
sas d'agua e de luz de Olin a. e resolveren s-
bre a conveniencia de se fazer um emprenta
em actes obrigatorias para .-ub^lituifao e aag-
mento do material rodante ; julgando em qoal
quer de taes s<^ntidos as propostas da directora,
a cuja requisico feita a presente co vocaco.
Estando esta assemblea geral no caso diqairl
las a que 3e refere o art. 63 do decreto oTfflt.
' necessario que se feca representar na mesan
ilous tergos do capital soctsl pelo qne de e-
lierar que comparecam todos os senhores ar.
nislaa que se achem nesia cidade oo aqu
nliam representantes.
A reuriiao effetuar-se-ha ao meio dia no
criplorio da companhia, a ra da Aurora.
Recife, 17 de Junno de 1889
Jos Antonio de Almeidj Cunha
. \ Secretario da assemblea gera'
Companhia de Edii-
cae^o
Assemblea geral extraordinaria
Terrelra ronvorar*
Nao se bavendo reunido numero legal de ac-
cionistas aflm de constituir-se a assemblea ge-
ral extraordinaria para hoje convocada, de
dem da directora e pela terceira ver convoco oa
senhores accionistas reunirem se no dia 10de
Juiho vindouro, ao meio dia, no escriptorio desta
companhia. praca Pedro .# n. 77, 1 andar.
afin de tratarem do mesmo a?sumpto j annon
ciado.
Sendo esta a terceira convocaco previno ac
Srs accionistas que, em vista do % 4" do art. 15
da lei n. 3,130 de 4 de Novembro de 1882. rea-
lisar-se-ha a assemblea geral extraordinaria
com qualquer numero de accionistas que coca-
parecer, seja qual fr a somma do capital que
represen tesr.
Recife, 25 de Junho de 1889.
Ricardo Venezes
Gerente.
Companhia Ferro Carril de
Prnambuco
Fornccinicnlo de eapita
No escriptorio desta companhia rece-
bem-se propostas em carta fechada a?
hora da tarde do dia 5 de Julho prxi-
mo futuro para o fornecimento de capim,
as seguintes condicSes:
1
O fornecimento ser feito diariamente
as cocheiras que a companhia possue no
Recife e na Magdalena, ou as que rier
a estabelecer para o futuro, sen*o qne o
da primeira poder ser entregue no caes
emfrente a estacao central na ra do Brum
a
A hsra da entrega ser tacada pela
companhia e no caso de demora que exce-
da a urna hora a companhia tica ivre de
considerar o fornecimento como nao feito.
3
Neste caso, como em todos os outros
de falta, tica companhia o direito de
mandar comprar o capim fora, onde epelo
prego qne encontrar, por conta do forne-
cedor, servindo-se para isto dos saldo* qae
tiver em sen poder ou da cancSo qne ser
prestada. Si a falta exceder de 8 dias
ser considerado rescindido o contracto,
licando, porm, a correr por conta do for-
necedor a compra at que seja feito novo
contracto. Para isto a chamada para nova
concurrencia ser feita no 9 dia com o praso
mximo de 3 dias para apresentacjto das
propostas.
4
A caucSo para garanta do contracto
ser de l:0OOO0, prestada em dinheiro
que ser) recolhido sem juros a caxa da
companhia.]
5
O capim ser exclusivamente de plan-
ta e da melhor qualidade, tendo cada fei
xe peso nunca inferior a 1 2 kilos no re-
rSo e 2 kilos no invern, peso que a com
panhia verificar, ficando livre de pagar
pelo que a sua blanca acensar, quando
encontrar differenca.
6*
A companhia fixar a qnantidade de ca-
pim a fornecer, sendo que o consnmo actual
regula ser de 2000 feixes diarios. Esta
quantidade poder ser augmentada oa di-
minuida com previo aviso dado ao forne-
cedor.
7a
O fornecedor dever provar hablitac2<
completa para se encarregar do forneci-
mento, mostrando dispor de plantas snfti
cientes e do material necessario.
8
Para isto, abertas as propostAs, ficario
ellas archivadas at que a companhia ce
nha* verificado todas as condiedes nella.-
apresentadas, resolvendo depois e d*nd>
aviso ao pre'erido.
9
Os pagamentos serao menaaes. Navcon-
eurrencia o prego dever ser feito por'iei-
xe as condices da eondicSo 5*. O
Recife, 25 de Junho de 1889.
Carlot Alberto
de Menezet.
Gerente.
Companhia do Bebe-
ribe
Convidase ao3 senhores accionistas desta
companhia a reunircm-sc cm assemblea geral
ordinaria no dia 1 de Julho prximo vindooro.
ao meio dia, no 1 andar da casa n. 71 roa d<
Imperador.
A referida assemblea eral lera por fim prin-
cipal tomar conta da gestan dos negocios so
ciaes do anno prximo paasa om-v
misfo fisciI e do presid'
lea geral, mas resolv-M ta:
Jo o que for de nter npanhn.
Recire,""13 de Junho de 188.
iano Man; reir
Derby Club de Peni
? f



- -.
i

Diario de PernambucoTerya-fyirii 2 de- Julho de 1889
PERNAMBUCO
Nao se tendo realisado o pareo Imprensa fica
aberta a inser pcao para o seguinte pareo:
SUPPLEMENTAR Metros. Animaiea da provincia. Premios : 250|{KXK)
ao primeiro, 50)5000 ao segundo e 25(5000 ao terceto.
Observacao
A inscripc3o encerrar-se-ha hoje. ter9a-feira, 2 de Julho de!889, s 3 horas
da tarde, na secretaria do Derby Club, praca de Saldanha Marinho n. 2, 1." andar.
O GERENTE,
Henrique SchuieL
iHSlituto Bendicen^ dos Officiaes
da Guarda Nacional
De ordem do Jllm. Sr. tenente-corone', presi-
dente da assembia g>-r..l, convido aos senbores
ocios a comparecerem em nossa tde no dia 4
do correnle, s 6 1/2 horas da (arde, para em
assembia geral eieger se o 2- oraaoreummem-
hro da commissao de sjndicancii, como piecei-
lua o art. 47 dos 00880a estatutos.
^Secretaria da assembia geral, 1- de Julho de
1889.-0 1- secretario,
Joaquin de Modeiros Raposo.
Companhia Alagoana de
Fiacao e Tecidos
Convidamos aos senbores subscriptores desta
ompanhia para, de occordo com os arts. 9 e 10
eos estatutos, at o dia 4 de Julho prximo fu-
turo, realisarem sua sexta entrada na razao de
10 / do valor de toas accoes no Banco Interna-
tional em Perr.ambuco.
Mpcei, de Junho de 1889,
Os directores
Jos Tvixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Pedro?) liarreto.
ati
e-
os
Obras Publicas
De ordem do lllm. Sr. engenheiro director ge-
ral e em vista da nuiorisarao de S. Exc. o Sr. i
Tice-presidente da provincia, de boje datada,
Taco publico que no dia 4 de Julho prximo vin-
ouro. ao meio-dia, nesta directora r. ci|)>;m-se I
yropostas em cartas, fechadas com peten lemente j
selladas paca a xecucao dos reparos de que ne-
cessita a ponte sobre o rio Pirapama. no enge-"
nho do mesmn nonio, na importancia de.......
T:6284t<>.
Para concurrer praca cima deverao os lici-
tantes depositar no Thesouro Provincial a quan-
tia de 381-410 equivalente 5 /* do valor do
orgameuto.
Secretaria da Directora Geral das Ubra; 1 u-
blicas, 27 de Junho de 1889.
Pelo engenbeiro secretan)
i) ; amauuense
Jos Miro-lino da tfif
THEATRO
Fi
COMPANHIA LYftIGA
DE
ZARZUELA HESPAMIOLA
9* espectculo pai
ECJ-S
TER^'A-FEIRA, 2 DO CORRENTF
A MASCOTA
Companhia Brasileira de
Naveaacao Vapor
POKTOS DO SL
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Alneida
E' espendu dos portos do norte a
o dia 4 de Julho e depois da Al
mora indispensavel seguir par
portos dosul.
As encommenda? serfto recebidas no trapiche
3arbosa ate 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encoinmendas e vdo-
ros trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Manos
Commandante o Io tenente Guilhenne
Waddington
jBMV E' esperado ot porta do sul at o
L dia 7 de.ulho e seguinde depois
da demora imrispeasavel para os
portos do norte afe Manos.
As encoinmendas 8* sero n-c-diidas n
cia at 1 horada dia da sabida
Paraearga, eneoBunenda*, passa.eus
res trata-se cobo t
AGENTES
Pereira Carneare & C,
tRua do Gommercio=t
1 andar
United States and Brazil
M. S. S. C.
O vapor Alltatt^a
perado do
Julho
o qaa! depois da
mofa L'uir
ra a
Baha, RI* de *aeM e Mos
Para carga/po encomraendas edi-
nheiro a trete : trata-se cora os
AGENTES
Henry Forster Se C.
8Ra do Commeor8
1* andar
artnmiM f___*j*-_H-Cau~
DE
KavecacSo esttit por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maeo, Mossor, Araca-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Command? te Carvalho
Segu no dia 9 de Julho s 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia S.
Encomiaendas, passagens e dinheiro frete'
at s 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucanu
n. 12
predios abaixo declarados
conservago-e bons ren-
n> attencao dos Srs. compra-
iem p
toenli
Urna casa terrea sita a roa da Alegra n. 4,
freguezia da Boa-Vista, rendendo 20* mensaes.
dita com sotai, a tua Gevarsio Pires
rendendo 4'3| mensaes.
Urna dila a chirel com gradeamento e portas
de ferro na travessa das Pernambucanas n. 3 B,
(Capunga) rendendo 331 mensaes.
Urna dita roa da Santa Cruz n. 30 rendendo
25*000 menwws. ,
Urna dita no largo do Paraizo n. 19 rendendo
25*000 mensaes.
Urna dita ra Major Agostinho Bezerra n. 27
cera portas para a ra do Calabouco, rendendo
12*000 mensaes.
Todos estes predios acham-se vres e desem-
baracados de todos e quaesquer onu- _______
Leilo
De uma caixa com 36 duzias de fechs de la,
urna caixa com 48 pegas de cretones de cores,
uma caixa com cortes de casemira para calca,
uma caixa com 24 pecas de casemira de la, urna
caixa com 34 pegas de casemira ingleza, uma
caixa com 2i pecas de merino de IS.
Qiiinta-felra 4 de ullio
A'b 11 horas
No armazen ra Mrquez de Olinda n. 5
O agente Gusrao, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Pr. juiz de direito especial do com-
mercio, e a requerimento do Dr. curador riscal
da massa fallida de D. P. Wild, fara leilSo com
assistencia do mesmo juiz, das fazendas cima
mencionadas perlencentes a referida massa.
Eu abaixo assignado, retirando me para
Europa declaro que deixo como procuradores
dos meu3 negocios os Srs. Tliomuz Times em 1
lugar e como 2- a Manoel Rodrigues Lima
fe, 28 de Junho de 1889.
Jos Rodrigues Lima.
m
e valo-
COMPA-VISIl PEB\1BBICA^'A
Xavcgaco costelra por vapor
POR10S DO SUL
Nacei, Penedo, Aracaju* e Baha
O vapor Jacuhype
Commandante Pereira
Segoe 'no dia do 10 Julho s
5 (toros da taa. Recebe car-
a at o dia 9.
Encoinmendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernamhixana
n. 12
CHARGEURS REUNS
Companhia Francesa
DE
\avcgaco a vapor
.Jnha regnlar entre o Havre, Lieboi,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro*
Santos. /
O VAPOR
VilledeSan Nicolasj
Commandante Henry
E'esperado da Europa at o dia [6
de Julho, seguindo depois da ^i-
dispensfvel demora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores, de carga pdes
vapores dcsta linha, qoeiram apresentar dearo
de 6 ias a contar do da descarga das alvarengas
jualquer reclamacao concernente a volumes que
oorventura tenllara seguido para os portos do1
stl afini de se podei dar a tempo as provi-
lencias neressarias
Expirado o referido n/azo a companhia n5o se
-espiinsatiilisa por eXtnVnM.
Para carga, passagens, encommendas e di-
iheiro a frete : trata-se enm o
AGENTE
agiste LaMlle
9 RA IX) COMMERCIO 9
Agente Burlamaqui
Leilo
De bons predios e sitios
Quiua-frira 4 do corrate
A's 11 1[2 horas
No armazem tWi db Imperador n. 45
O agente a ;ima vender em leilao as seguin
tes casas sitios :
Uma grande casa Com ptimo sitio em terreno
proprio, i ra Vieconde de wjanwi n. 1W. com
grande terreno para edifteaco, no Carainho
Novo, onde D. Antonio tem hotel.
Uma casa terrea cora porto ao lado na mesma
ra Visconde de Goyanna n. 185.
Urna casa terrea com grande quintal com por-
to para o caes ra da Imperatriz n. 77.
Um -obrado de dous andares e sotao, a ra de
Santa Rita Velha n. 13*
Os Srs. licitantes fodeni examinar as referi-
das casas e sitios.
Manoel Alve* 4e Carvalho
Anna Victoria de Carvalho, Firmino i andido
de Figueiredo, sua mulher Niomisia A Ivs de
Carvalho Figueiredo e (ilboB, MiaUel Fontoura,
sua mulher e lilbo?, Andr Rampks. sua mulher
e lilhos, convidam aos prenles e amigos para
assistiretn as missas que hao alma de seu mui idolatrado e p .ezadj marido.
pai, sogro, at e padrasto, Manoel Alves valho, emaigreja do Moateiro, actual matriz da
freguezia do Pogo da Panella, pelas 7 oras da
manh^ do da 3 de Julho o corrente mez, stimo
do infausto paasmento do mesmo linado.
A assistencia solicitada" para esse piedoso ac-
to, ser considerada uma divida de gratidao
para os solicitantes.
Dr. Tobia* Brrelo de llnese*
Os abaixo assignados convidam os amigos e
prenles do linado Dr. folias Brrelo de llene
zes, para assistirem a uire' missa que sera ce-
lebrada pelo descanso eterno desse Ilustre ci-
dadao, na matriz da Bseadf, s 8 horas da raa
nh do dia 3 de Julho. DeVde ia se confessam
agradecidos a tottos que c<*nparecerem a esse
acto de religio e caridade.
Vigario Baymundo Pedf9*n.
Aquilino I orto.
ttermojWnw Santos
Homua,________
Imita tmteti-it
Ama
Pracisa-Fe de umi ama para lavar i
mar ; na ra do Rangjf n. 9, podara
Ama
Precisase de uma ama: na estrada
flictos n. 20, tatema.
Crianza desapparj
cida
Desde o dia 4 de Junbo ultimo desap
do poder do abaixo assignado o sen se
Francisco Salles da "ruz, de 9 para 10 an
idade, de cor parda, rosto oval, apre-id
primo Feliciano Ferreira da Silva, allaiate
belecido ra do Ouvidor n. 20-A O n
menor viera de casa na maab do indicad^
para o eslabelecimento. e nunca mais fra
at a presente data Pede o abaixo ass
providencias sriaB sobre a gra\idade do c
Manoel ionizio Bezerra dos SanA-

\ o>eommercio
Com pralica de molhados. nadara e eser
raco mercaniil, offerece se nra homprn ra
dispondo de um pouco capital, habilitado
tomar cohta por balrnco de alguma casa
coci, como caixeiio ou inieressado, denbti
fra.desta cidade, ou mesmo da provincia,
s ou COB familia, conforme se combinar :<
pretegdvr deixe carta nesta t\'iniraptia co4a
miciaes A A. Jnior, que dafa os es?larerii ar-
tos necessarios
m
LEtLOES
Vndese um pequeo estabetecimento de
seceos e molhados, no rancho da ra Imperial,
ra do Amortm n. 60.
Leilo
Haver bonds nara todas as linhas.
Espectculo prximo na quinU-feira.
MARTIMOS
Companhia Bahiana de Na-
vega gao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
ju, Estancia e Baha
O VAPOR
Principe do Gao- Para
Commandante Lacerda
E' esperado dos portos do norte
at o dia 2 do correnle, e de-
-pois da demora necessaria se-
kguir para os portos cima.
* Para carga, passagens, encommendas e dinhei
ro a frete trata-se rom o
AGENTE n,
Pedro Osorio de Cerqueira
----- 17Ba do Vigario 17
RoyalMai! Steam Faeiet
Companhj
O vapor Elbe
Com rafi nlante Aripstreng
Esperd-se da Europa at o da 3 de
'Julho, segurado depois da deiuo-
turne para __
Baha. Rio de Jaacln Montevi-
deo e Buenos-Ayres
Para paasageus, Trefes'
ge com os AGENTE
O
paquete
andante P.
do
Tag-us
Rowsell


Compauhie de Messa^eries
Mari limes
LINHA MENSAL
O paquete Nerthe
Commandante Camoin
E' esperado dos portos do
sul no dia 3 de Jnlho,
seguindo depois dademo
ra do cos:ume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageires de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo
Faz-se abatimento de 15 OjO em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
Por excepeo, os criados de familias que to-
marem bilhetei de proa, gozam tarubem deste
abatimento. /
Os vales postaes s se do at o dia 1 da" Julho
pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : tra'a-secomo -GENTE.
O paquete Congo
Commandante Lecointre
E'esperado da Europa no
de Julho e segai-
r depois* da demora ae-
rtria para
Bahia, Rio de Janeiro, Buenon-Ayre
Montevideo
l."mbra-seaosSr,1assageiros de todaaas
es que ha lugares rasi para es'a
cia, que podem tomar em quatfiucr tempo.
rrevne-se aos Srs. receb :rcaoi
riasqueso seattender a f68 por fai-
nos volumes, que is na
-iSo da descarga, assim como deverao den-
tro de 4^ lloras a contar do dia da descarga
alvarengas, fazerem qualquer reclamaso
i-ementes a vohmies qu por
L'uido pira os poi oder-se
dar tempo as provdrncia
KmteM pii(|iicn- nao i'lluminndn ;:
inr. efmrtvtva.
Para carga, pas*a
nheirc
Aiiirifi' LabiNe
j Ra do Comn/ercio *
Atiente Brito
De movis e 1 piano
Q agente cima autorizado pela Exma. Sra.
D. AnnaLins de Albuquerque Lima, que se re
tira para o sul, fara leio do seguinte :
Um piano, 1 mohiba de pao car ra. 1 cama
francesa 2 marqueOes, 1 cama para enanca.
1 cabide, 3 banqpinhas, 2 cadeiras pequeas, 1
mesa elstica. 2 cadeiras de jnnro, H dila~ de
amarello. 1 jarro. 1 banca. 1 sof, 2 aparadores.
1 quartinbeira, 2 lavalprios. 1 ommoda, i spe-
Ibo, um relogio de [Jarede. jarros, quadros, louca
para almoc^e juntar, candieiros para kei
mesa decosin(to, 2 caitcas para jarra, b.mdeijas,
louca, vidros, trens de cosinba eoutros raudos
objectos.
Tei\a-fcira 2 de Julho
A's 10 I [2 horas
Rim da Imperatriz Leilo
da
Do sitio denomina.lo Torrles na freguezia
Varzea. cora casa de taipa
Quarta-feira, 3 dv Julho
No armazen da, ra do Imperador n. 16
0 agente Martins. aulorisado por alvai do
lllm Sr. Dr juiz dos feitos(dd fazenda, fara lei-
l0 em sua presenca, do sitio cima, limitando
se do ludo do poente com o engenho do Meio, o
qual tem limitas arvores da froctp c vendido
para pagamento dedespezis do inventario da
finada D. Aiexaodrina Perpetua de Jess.
Na mesma occasio se Vender a casa terrea
sita na Capunga. ra do Dr. Joaquin Nabuco n.
87. '
Leilao
eni-
bruno para
tanonhos e q".
COMf>.\HHA PS;.TtXAMBl"CA:VA
I)

V'avcgaoo cosc!ra por Vapor
Pora FernaRdode 'vironha
O vapor J-ugiiaril>e
Commandante M
De lardos com paj>e
bralho^ de diveraee
dades
(Com avarf'a d-agua do mar)
quarta-feii:a; de julho
A'b 11 horas
No armazem ra do Bom Jess n. 45
O agente Pinto levara a leilo por antoris
e em presenca do -Sr. cnsul da Italia e par
ta e risco de quern prrtencer, 9
C. S. C, vindos de Genova ,'ados do
vapor Pnr, eco av.ria d'agua d mar, com pa-
pel bran< oruliio, c serpo vendidas em
lotes a vontade dos compradores, no armazem da
ra do Bom Jess n. ia >
Leilo
De madapolSes a variados
Quarta-feira, 3 do corrate
A".*i f 1 horas
O agente Pinto levar a leilo por conta e ris-
co de quem pertencer um fardo marca Sem cima
a P. em baiso, 24i", bordo do
vapor Tagus, com avaria d'agua do mar.
No armazem da ra do Bom Jess n. 4o
Em continuacae %
ao leilo depicias para sen.'ioras ejentna
papel tambera avanado.
Leilao
EXE MOVIS E VIDROS
KCIIlIO 1
Uma inoi.ilia preta rom cadeiras dq bataneo e
r.m.-ellos com pedra. i escarradeiras, candieiros
e gai qnadfos. lapetaS, pannos de crochet,
jirros, 1 cama francesa de amarello, copla para
(Juna toltet, l'.valorio, bancas, cortinados para
mina, cabide, despertador, mesa de jantar, apa
Sidare, cader as'ulsas, louca, vidros, lalhere?.
bub e muitos f.uiros movis que serio vendidos
lo correr do maricllo
QUINTA FEIRA 4 DO CORRENTE
A's 11 horas
> 2." andar do sobrado n. 20 da ra
Duque de Caxias
O agente Marlins far leilo por ordem de
Biliaria NACO imenlei que se retira para
fii-a ta provincia, dos movis existentes em dito
sdbrado. os quaes se acham rauito bem coiiser-
VttpS.
I
Ao bello sexo
As mulhercs sao romo as pedra? re
cujo valor augmenta can forme os adortiot-
isso o S..lo da Moda re<-b"u um c MB;
bmento de cortes de l de quadros. cjib ff-
vado- cada um,- que vende por 5/000 e ra do Rlgcl n. 13, G. Santos 4 C.
Coronel Jomo Dum Cardoso
Joao Dias Cardoso Sobrinho e sua mulher >
mandam rezar missas pelo eterno repouso d'al-1
ma de seu semiire (TOnjrarlD tio e patrinho co-
ronel Joo Dias Cardoso, na matriz da Boa-Vis
ta, s 8 horas da manh do dia
t

F-rrelra
Leilo
D movis, piano, cBpelho, lustre de crys-
tl para gaz carbnico, lou^as, vidros e
im cavalio rodadt) andador de baixo a
meio.
; St;xta-feira 5 do corrente
A's 11 h'jras
Na casa sita rna da Uniao n. 5
Constando de :
. mobilia de Jacaranda com 12 cadenas de
guarnice, 2 ditas de bra^ns, 1 sof e 2 conso-
los c,m pedra, i piano forte, 1 cadena para o
mesmo, l espelho grande oval, 2 tageres la^
cas.'corliii idos e per'ences. 2 escarradeiras. 2
a pora flores, 4 jarros, 1 tapete para soa, 4
q'iadios, 1 secretaria 'e raogno, I cadeira para
dila secretaria, i eBtante enviilracada, 1 secretaria
e estanv. 2 bancas de Jacaranda paia jogo, 12
cadeiras de juico, 1 meza redonda com pedra,
1 banco de amarello. 2 lavai-rios de ferro com
perteaces. 2 espelhos pequeos, 2 camas de
molla para viagera, 1 marquesao estreito, 1
cama Roncera para casal, 1 banca de cabi-ceira
,ma com pedra. 1 toillct, 1 guarda-vestidos,
t lavatorio, 1 cpula, 1 Brea de ferro, 1 mnbiln
de po-car-a, \ arandll'., 1 lustre de crystal
para gaz carbnico, 1 aran lella para kerosene,
l pnirda louca, 1 mesa elstica de 4 taboas, 2
amparadores com pedra, 1 quartinheira, 1 relo-
gio de parede, 2 cadeiras de amarello, 2 mo-
llinas de Jacaranda, 1 lustre de metal com 3 bi-
1 mesa grande de amarello, apparelhos para
almoco e jantar, copos, clice*, compoleiras,
garrafas, culher.es. e muitos outros objectos de
casa de lamilla il( _
i ag o, aularwado do llun. Sr.
Dr. l^reilas Hcnriques. que retira se pata o sal
comnEXma. familia, far leilo de ^dos ob-
>s existentes em casa de ^ia residencia,
iiiencioHHda.
n
x*m
AVISOS DIVERSOS
Leilo


12
A's 11 hn.
oniii Irniaos oc v^. Ao caes da ( bucana No armazem travesea do n. 27
a do Bon: Jeaua^i 0 . por
De uma casa terrea n. 36, i ra de S
Quarta-feii
A's 11 horas
Pa do Imperador n. 39
O ag
l
io Dr. cura-
espolio de D Lu
rralho. <
Ageste Pestaa
Leilo
De predios
<*nnia-frlra 4 do orrente
Corpa
con la
~ Aluj'am se as casas na cneruzilhada de
Belni s. 18, 2 e 16, a 10WO mensaes, estao
limpas. tem quintal e cacimba ; a tfatarna ra
da fmperaliiz n. 76. -_________________
- IV, e um houieui para siiioa tratar
hiii'ci i"h* do are, porto do
l'eriM. ____ ______________
' Ki'i a ama de idade para caa
de pequea familia ; a I:atar na ra do Aragio
numero ________.
bolciro; na ra
para vender la-
da linp.'ratrl n
i. de um
'isla n. 9.
crinno : na Tua da Ma-
triz da B
>ara-se ban-
deij-s, >-de-l. cangica, arroz de lei
es de doces d'ovos, vat-jp, etc. He-
i-.'bo-si etcommeiwa 'ara denlro e
fura da cidade__________________________ ,
ai familia aluga me
iade d habita a um oulro em id
: dirija-si
to, que
_____
' A t
que mudou a sua residencia
ra das Pernambucanas ame-
_________________
dedada n. 56, vende-se as se-
u i panola y Americana dos annos
78.
>;< y annos de 71 76.
at o 3 anno de sua publi-
Clemcntln Amalia
de 1'ariM
Joao da Silva Faria, sua mulher e filhoa. Car
de Jnlho," tri-! los da Silva Faria, sua mulher e li hos, Aa__at
gesimo do"seufaecimunio, e pura esse acto de Ferreira de Faria e Lindolpho da Silva ftm
religio e caridade, convidara seus prenles e I agradecen do intimo d'alma s pe-seai
amigos, e antecinara sua grati.io. acompanharam os resto- mortaes de
choi-uda mi. sogra e ave-, tementiiM
Perrelra de Faria e de novo as io:i\:d__. fa__
assistirem as missas qui- por alma -;a ___a
finada mandam celebrar uj'din 2 d.-Jnlha #aa-
ximo futuro, na igreja matriz da Boa-Visto, a.*
horas da manh, por cujo acto de canJaJe-s -
ligiao se confessam agrade.iilos.


inara sua grali.fii:
ll III- __-llll-i
f
Baronesa de JnniA
0 Baro de Jmidi, ?eus HIIis e genros, Dr.
Andr Dias de Ar rajo. Dr. Gcroncio Dias de Ar-
rnda Falc-ii, Wanoel Tiiom-.1' deOliveira, Manoel
Olimpio de Barros Costo. J.'. llern.ino do Oli-
veira, Jos Dias to Antojo, lima Dias de arau
jo, Cent rosa Dias de Araiijo, C. ndida Dias de
Outeira, Francisca Dias de Anuda Falc-, Eu
talia Dias de Oliveira, Isalul Dias de Barros
Costa e Luiza Dias de Araujo agrauecem do in-
timo d'alma lodos os amigo, e panules que
se flignaiara acompanhar a ullima inorada os
restos moitaes d sua prezad.i esposa, ora e
sogra. Bjrom-/;i I Jundia, e dt novo os COriri
dam par; assistirem as nu.-s,., que por alma da
mesma f tada se ho de celebrar no capella do
engenho N ruega, pelas 9 heps da manh-.
quinta-fe m i tt eofrenle, jftimo dia do seu
passameito nelo que se donfeasam eternamente
agradecidos por este acto de reljgiao e cari-
dade.
t
Joaqam CardOM vrc
1- anHiversario
Amalia Nobre dt- Gusaio anloso .-\yre_, _r
Antonio Cenno Cardoso Ayres e Fr,::iklina_i
Loyola Cardoso Ayres. viuva, lillio c nera-C
fallecido Joaquin Cardoso Ayres, con.iJaoi a
seus prenles e amigos para oevireru uma _
saque se ha de celebrar na matriz aVmf
S-into. s7 1/2 horas da manh.i de quarta-fia--
3 de Julho, e desde j se conieseam gratas.
y
t
AlfercM J.n Hanli-.li Kiimcs Peana
JaaiW,
Joo Baptista Gomes Penna I.ucina Leopoldi-
na Baptista Penna. r,ucina Leopoldina Gomes
Penna, Antonio Adalberto Gomes Penna, Maria
da Assumpco Azeveilo Penna, Ignacio Hermino
Gomes Peona, Seb.isriSo Cyrillo Gomes Penna,
Domingos Gonca. ves Gomes" Penna, Amelia Eu-
genia Gomes Penna, agradecen) do intimo d'alma
a todos os prenles e amigos que se dignaram
acompanhar a ullima inorada os restos roriaes
de seu presado flOfo, inno, priuro e cunhado o
alferes Joao Baptista Goms Penna Jnior ; e de
novo os convidan para a-sislir as missas que
por alma do mesmo linado mandam rezar na _a
triz de Jaboa'io e na igreja do Espirito Santo,
as 8 hons, ia nianha de quinla-feira 4 do cor-
rente, selimo dia do seu faliecimento. e desde j"
penhoro son .ratido por l;io caridrtso acto.
mil !-toi
Baroneza de Jimiit ____
_anool Antonio des Sanios Da.- inaa<____
na capella da usina ?aola l'hiionilia ar
por alma de sua prozada cunhada Bar_e___r
Jundi, no dia 4 rio correne, s 7 horas <_ _
nlia. selimo do seu passameoto. Para e_Be_aa
de .eligiao e caridad" coaviiia os parea_
. e desde j protesta o seu profund -
conhecircento.
Amas
Precisa-se daas amas para comprar e cozinbar
a tratar na Boa-Titda, ra Vclbi n. 117ou em
Santo Antonio, rui da Praia n. 22.
t
Dr. Tobas Brrelo de M~_ei
Manoel Antonio dos Santos Dias manda
na capella da usina Santa PhSoilla urea i
por alma de seu amigo e compadre Dr. f
BariPo de VeaeSes, no da 3 do correnle, _*
horas da manli. stimo do ?eu pas.-ameal_._
Para esse acto de reli-io c caridade
os parentee, ansigus e ad mi radon s do
morto.
Attencao
Vende-se a tatema rila ra do Bom Jess
antiga da Cruz, n. 53, com pouco capital, pro-
pra para principiante e bm aregneeada : a
tratar na mesma.
PARS 84.m_c_-_t_. o sor MALLET
deseja comprar sellos de
todos os paizes do mun-
do, especialmente os raros
e de emssoos ant__>.
nem corno sello? de
PorlUK-l de <5J o luO.
Boga-so o fa^- C ae mUca- oa
pr,-os c q_D_*9 _> oc_-
aUto de meT mrastr_ ero
embtalho _tampiA__V !!--.
Co7.it 11 ira.
Precisase de uma qje cosinhe bem _
saia a ni. para cm de familia; a tratar i
roa do Cahug d. 11 de meio dia at UML
\luga-se
n. 45, sobrado, as
Na ra Direita
Travessa do Corpo San tu n.aLestt
pintada.
Lomas Valentinas n. 40, pintada e limpa -
Ra da Amizale n. 30, Caponga.____
Caixeiro
-Precisa-se de um caixeiro de 12 a
na ra das PernamLueanas n 2f>-B.

do Paraguay,
o declara que venden o
o ra do Hospicio n.
lo de qualquer onu3, ao
nara Braga. Declaca mais,
mea ou fra della, sendo que
retratar suas
ou ondeL--
TINTA ItmTEf-AYKL
Esta ti uta recomm __fc^ seaju rites:
. l-^E' igiial a melhor tinta Bluc Blotk ingleza.
2E' de uma fluidez extraordinaria, e torua-se preta como
carv.
, 3K' de durae.'o iliimitoda, portanto para os hvros do com-
roo e para documentos, que carecam do tonga duraciio, nSo
se pode desojar tinta melhor.
4 N*o estraga as de neo.
Prc _
L1TRARI1 CO_____PO-.4XI5-%
EAJffilQ 1 COSTA & C. v
A t. D E M A K '.' 0P E R N AMBCO
m
A
&
VJ.
4U Ra -ffltpqa
vx .ai*
da-_*
tfaes
HnH


Diario de PernambucoTenja-feira 2 de Julho de 1888
^
JAMAICA EIM
Destillada especialmente para
Charles Pin vm &
de agurdente de canna vclliissima, con
C.
Este delicioso licr fabrioado
ii'ule desiafectada.
Senne todas as qualidades tnicas d'um bom rhum whisky ou cognac e tem
j* gande vantagem de ser
NATURAL
Jilo ten competidores em precos.
Doze garrafas....... 10$000
Urna dita ........ I SOOO
QSorecemos condicSes ainda raais vantagoaas por grandes porcSes.
Cuidado com as imitacoes!
Para evital-as dirigir-so ros unlcos depositarios
m^oram
DO
A R A IV H A O
rsroyo jpx^aAjsto
Approvado pelo Exm. Sr. presidente da provincia
=#*=
Premios da lotera iatcira
1 premio de.....300t00A
vmm
1 c
1 <
2
&
10
2 appnximocSes de
2 <
2 ,
9 Des. do 1. pretn.
9
99 2 fin.
99
900 trro.
900 t
2.
8.8
1.
2.
1.
2..
6:0000
2:500,
1:6000
2:6000
7505
5005
50:
12
10:0005
15:000*
15*0005
tOOO
fcOOO
1:5005
6:7505
4:5005-
2605 J:To06
250r^4:75('5
2605 84:7505
*265 112:5005
1265 112:500*
2052 premios no valor de
7O0:0005:
Premios da serie
1 premio de.....12:0005
t.....2:0005
5005
4005
6005
005
200,5
1205
605
2705
1805
,905
9905
9905,
4:5005
4:5005
1 ...
2 .
6 .
10 .
2 approximacBes do
2 < c
2 ,
9 dez. do 1."
9
9 .
99 2 fin.
99
900 term.
900
2.
3
1."
2.
1.
2.
prem.
1905
wm
605
1005
605
305
305
905
105
105
105
55
55
INFALLIVEL e RADICAL
no curativo de todas as affeccoes bronchias:
Mal de Garganta, Tnh o Tsica
o
PEITOBAJL
2052 premios no valor de.
28:0005
VERQWnROS SRAOSdcSABDE os DIFhANCt.
? LICENCIADOS PKVA INSPECTORA UBRAL DE HYGIKNE IX) U4PKRIO DO BfcAE.
l* Aperientes, Estomaci(e., Purqatl, o*?ia I ;ontra a rtMa *r ajipetlte, 8 Otestnseeia. a Boium^c as VerCfctcma,
as. CeatTcatoe, etc. Dase ordtiiae i 3 eraos.
Desconfiar a* falsilicac6us. Kxlgir o rotulo liinlo imprimido em ntftiCGZ
* cas;. sen.10 0 Se|!e fe uijj, in flricatei
cada uma letra de urna cOr dOTcrcnte t
ImMSB. Vhai macla UMY
D jaaajlai a MM ?Melfajt MMk
s
MARCHE
Cbu eetoabesMa *
, i. a/.ia d'osre
fisto re/a qusUdade
a baratez real de
lodat as ira; mer-
itorias.
Casa Ariatide Boucicaut
PARIZ
Ifi 3 tttntVorh-
.hmh I aayadar. j
ou o/- nao res o/ite a ]
i aYanOtdad*, e rro-
ultfl ou reembolsada I
Anaasens de Novidadas. reunindo em todos o saos Artigos
o Sortimeto mais complete, moto riso e mal elefante
Sedas, L3U, Ptatatfu, Cliita, IVcidos de liho c aj^odjlo, Repostei-'l
iros, Toalhas i- gunltia7ws. Vestidos para aonhoras e mininas. Salas,
laJemeft. l'aik*. nitisi ti-im para hoaens e mebinon. f hipee*. Modas, j
Calcado, Roiipn bruK faita para senhoras e meninas, Eazevees paral
tiaptisadoa, e easajiM-nto^, Camisas para iiomens c. menijios, Morira.]
Tapetes, Av.l-..- di esana, Cobertores, Artigos do viairenl rticos de
I l'.iris. Estafe, HesAas, I*ecos, Iwvas, Meias, Gnwutas, ^ardacSuvts,
[[.oques, Periiimaria, et., etc.
" /< it ttniUr hrth- oom pequeo lucro t iideinmitmi, de edaCoMo / I
tibio/uto ;ie Artj.azcn* / ION MARCH en prinripio tlnrera e fca(-J
Todos os premios sao pagos integralmente
Esta lotera composta de 10.000 bilhetes a 1005000, dividida em 25 series,
custando o inteiro da serie 45000, gubdividido este em qnintos da serie (125w do
bilhete inteiro da lotera) de 800 re. oada wn.
O agente desta tutora chama a atteoco do publico para este importante
plano raais vantajoso pela sua boa organisaoSo.
Com 45000 (b quintos de que se cotnpSe a serle) recebe-se 12:0005000 e com
800 ra. (1 quinto) 2:4005000.
O menor premio da um resultado de 25 "/ pois Gustando o quinto 800 rs,
recebe 15000 as terminales des 1. e 2.* premies.
S3o premiadas as deaenas dos 1.*. 2. e 3. premios.
As duas letras finaes dos 1. o 2., terminacoes dos 1. e 2.", e as approxi-
x5e8 dos I.
1005000 e
2. e 3.; tendo alero diBso premios de 2:0005000, 5OO5OO0, 2005000,
605000.
BXTRCCO INTEMSFEiiyEL
PETTORALDCaiREJA
Do Dr. Ayer.
As enformiilarfi-s milis dolorofa da gareaHla
r doa pulmi, ordinariamcnlc de>envolvi-m-iie,
U-ntn por principio bases ppqupna, cujos n-.-alta'
dos nio So difficls de curar s.c prumpraravnti- se
tratao com o remediu convpnrenti'. Os Resfri-
ado i- as Toma dio reciprocamente o resultado
de r.iirineiliB, AatbmB. lironrhills, AtrVc-
V"p pulmonar e a nslca.
Toaaa as familias Peitoial de Cereja do Dr. Ayer
O*] casa para o osar em caso de neoeMMade.
A perda de um a da, pode'em amitos caaos
aeoarrelar nrfas eonscifueiicias. Por tanto nao
aedeve perder terajio precio.....xpernentando
n*medlo^ de pracrica duvdosa, emquanto que
a enfermidade ae ai)odcra do sy^tema e e arralsk
profundamente, 6 Vnt.i .jue se necesslta tomar
ne instante, o romrdlo inais corto e activo em
aeu eBeito, e este remedio c em duvida uliruroa
O PBROBAI. OK CKKtl.l oo Dr. Aytk.
PBKPABAIU) P8LO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowe, IrtttSB., I-Nt.-Cuidos.
DEPOSITO GERAL
De ANAC A217ITA
Remedio Vegetal da Natareza nam o aili-
vio e cura de todas as aiolcstiaa
Do Paito e dos Pnbndes.
Aluga-se
o 3 andar do sobrado roa do impender aV I__
B tratar na lithographia ra Marqaex de Ha-
da n. 8.
Aluga-ge
Ama
Precisase de uma ama para casa de familia :
na roa do Coiovello a. 46.
A REALID ADE!
I I>i vHuii. gruturtamcirte, sub pedido, ue tunuli hite
I Jial.>cos, |>rorprto>. albmia, etc. Ezpodiefies prttit df
b i^trtir de S tnaico*.
h-ite apiHra i*t-, tdnVhs as anioslrar, I
"> TVetf, to obcoraniendas
P
Os orroazeus do BON MARCHE, ospacielmaote coustruioa j
re UM commarcio ole novidade* m graaid* escala. 9lo os malo
s. es saais tem agenciados e os mais bem organisados; alies I
I ontc-m tudo quanto a experiencia pode prodaUu* da o til, com-1
'modo e confortavel, e sSo, por isso. uma das curiosidades de
?ars.
lyiSEPESTES BK TOSAS AS LiNQTTAS
Achtm-tt disflosico de Estrengtfros oe dtsajtm vliUtr os Armtzans c/oj
5iO MARCH e suas dtpatdtneUs.
I BON MAR HE i-.r xceUmcia loH freouait^a.prW* PWtnauMM BsaaSell
istdcntol rot Pars ia jaiaado |lo contiuODtc enropt-o. Elle esfonp*-t*c de metter cssa prets-J
Ui, i- tas frt'iarimentos sncceaslToa cujea mala recentes sao considerareis, aj^ par.
|M la da r.-alitar botos protrs.. a oSktmrr, mais tf nuni, eaM Mur
apoooao, i.-in- na wi^^eic e todos os sMrsctifo sn inmss se assatamou Pssgaeaia. eme
^i.lera < BON KAftCIS:-.'.U..I caaa nica no mundo.
A rt* i \*'8m'mJMCW nao tesa agenci.'. ou representantes nem m |ranea, asm no I
nsa Ira, rora-asv isM >'r.:.iu.as> ajas ilsscaanrm das nxteadSre sj.c a *rv*a 4o-asa titslu |
k .^u.1 stsaar c,iTfMs*i,.
> BON MARCHE gua na Expssietu Universal dsJSS : 1* ciarse 18 : Xsrfis, Reiwitui- i
r**sf>a-rt.tios; T"ra*e"e :'Bubb nraaea Celta pata scnhOtas^Mstas e ertahea-
f cl.t? M : IViBettea pata seanoras r mealaas, Roas toas para bomros s asohio*- -4' ni
lElv-eao de Eco-otnia Social.
I Vaueicaes para as Clonlas rortugaesss, oto psoeaa ssr paau ai rrn a lusa sSa*i 111
f r Lauda-lis c.do .cu cncuutau^sntoe fr. :e. To.? a .rpea'lcflo de aniTklejr de M ttaaces Ser ftlta I
hrirla .lo -frtte. id etla pnn>r srr expedida ra-sBl oau posta. Si a atpioiaio usasaaitu ami> 1
Isitaasa rasn. postal, a fianqula era,tantas rea. renstMs. qaantdt serlo os rasares 4s M fraseos j
ldasasosnasenda. I aataaetios e s Tolame de 30 aecifcietns conisos). Sarasa tnereafotla ato poae(8o ** exped-1
da em caaras posta, todas as eaestanendaB esa. fraaosa asBU arlada*acatar de fret I
atsi-nortodt eta*..rine, lro ss udrets, artioa4sa>mae eertorailiaos psasdoa su oecapsadv I
luar'que aoo exceptuados de toda franqua. I
ilDMt 6EBAL
ilUSPATEUSONSC.
:44lAB4R\0J)0TBJli,HM4
aas i vapor.
Momdas.

Rodas d'agoa.
Taixa6 fun Taixa batidas fsem crava^ao
Arados.
SAUDE PARA TODOS.
PLULAS HOLLOWAY
4 Plluli tuHfleaa o *M(ut, ettrrf&nr tocto* as Jesordems (fe Estomago a
doa Intestinos.
a ude das constrtu^oes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidade*
a *K> emiiiino em todas as edades. Para c* meninos asabn cerno tambem
pemaa? de idade avanjada a sua efficacia e incontestarrl.
Esa medicinas slo pr -paiadas sAmenie no Estabelecimento do Prcrfessor Hollowav,
i, 1EW OXFOR sneET (UM t$\ Oxford Streatj), L05MS,
E eadeaaw e:n todas as nbarmaclas do amvctso.
cewnradas afta conridrdos respettosasnente a examinar os rtulos de cada caa e Pota aa nao t*GKS
dirscao. 533, Otfbrd Street, sao falsificaooes.
arr Tfcvtraa sjitarilaiiaVai'asaaaMsaaoai
CAPSUI.AS
MATHeV-OAVi.U9
Piaradae pelo DOUTOR L,L\ Tt ot
e^-,
te Capsula Tathey-Gaylui com Enn >' cr dei'jao ac Gluten naofatigSo nunea
amago eSo recommendadas pelos ProJessorea 'las K-iculdades de Medena e
iicos Corrimenoe anliges ou recemos, a Gonorrhea, a Blenncrrhagia, a Cystite
htGollo, o tatarrfao a,as Molestia a Bexjgas e dos ot-gos yenito urinaria*. J'
"fas xplicago data!hada scorpanht sida Fnsto.-
VJ^dera CaprolA Matfaey-Gaylus de CLIN & O, de PABU.J
dos Droguistas e Pharmaceutico.
Cachemiras lisas a l)J200'o covddo.
Cachemira de listras a 15200 o dito.
Cachemira mesclada a 800 rs. o dito-.
Esquiao de ulgodo a 36200 a peca.
Gazes arrendada a 500 rs. o covado.
Las Amazonas a 440 rs. o dito.
Merinos lisos a 440 rs o dito. ,
Cortes de vestidos em cartees.
Capellas para neivae a 7)J500 uma.
Sabidas de be le (tecidos em 18).
Zephyres de quadro a 200 e 240 rs.
Colchas de fostr a 26000 um.
Setim Maco (todas as cores).
Bapdsta de cores a 160 e 200 rs o covado.
Cortinados bordados a 095t'0 o par.
Rendas hespauholas a 3fJ000 o metro.
Crotones a Derby Club a 240 rs. o covado.
OuarnicSo de crochet a IfifOO urna.
Cambraia bordada a 4(J000 a peca.
Dita Victoria a 2<$800 a dita.
Sargelim de creB a 200 e 220 rs o covado.
Camisas de anlla a 4^500 Juma.
Esgniio pardo para roupa a 360 fB.
Bramante de algodSo a lj>000 o metro.
Atoalhado bordada a 15200 o dito.
Catheniras de quadro a 280 rs. o covado.
Ferales de ores fixas a 200 rs. o covado.
Espartilhos ctiraca a bSOO vm.
Crep preto (ingle) a zjJOOO o covado.
Lavas de seda a 2f$000 e 2500.
Seroulas de bramante a 155000 a duzia.
Guardap para homem a 65000.
Batiste tinas a 260 ra. corado.
SO SE YENDO
(JUNTO AO LOVRE)
Baleas pretas a 240 rs. a dueia.
Ama
Precisa se de uma ama qu cosinhe bem, para
casa de familia ; a tratar na ra do Hospicio nu-
mero 41.
Cautellas do Monte de Soeeom
Compra-se cantellas do Monte de Soccorro dt
qualquer joia, brilhantes e relogius; paga-st
bem na Praca da Independencia n. M, l0]a d
reiojoeiro.
Setim do JapBo a 240 rs. o covado.
damasco a ^iJlOO um
Colchas de
Colchas de crochet a 7|$000 um.
Guarnicao de crochet oom luatse.
Colchas de cores a 1800 uma.
Panno da Costa a lJOOO e 10200:
Guardanapos de linho a 2J200 a duzia.
Toalhas felpudas a 3(J2< 0 a dita.
Cobertores de la a 10800 um.
Camisas inglezas a 3G00 a duzia.
AlgodSo branco a 3#2D0 e 9*500.
Madapolao americano a 65500.
Brim pardo a 280 e 300 rs. o covado.
Fichs de retroz a 15000.
Lences de bramante a 2JJ000 um.
Cobertas de ganga a 35000 uma.
Paletots de seda palha a 75500 um.
Leques de setim branco a 65000.
Popelina braoc a 800 e 15000.
Etamino bordado a 500 ra. o covado.
Lencos brancos a 16200 e 15800 a duzia.
Paletots de alpaca preta a 4^500.
Leques transparente a 25600 um.
Paletots de brim pardo a 40500.
Fusilo branco lavrado a 360 rs. o covado.
Setineta branca lavrada a 500 ra.
Regatas de cores a 15000 e 1*5500.
Paletets de atpaea de cafes 4i>000.
Bicos de cores a 25000 e 25500.
Paletots de gorgurina a 46500.
Guarda-pe pava seniora 105000.
Bramante de linho a 15800 o metro.
Velbutina de cores a 800 rs. o covado.
Merino preto de todos os precos.
tnicos, entremeios, bordados, roupa para
GRANDE NOVXDADE
::ssr:i: :::i::l::
o grande armazem com grande quintal, martas
para dependencias e cacimba, 1 roa de Marce
Dias n. 71 ; a meia-atma travessa do Peizet
numero 17 ; a tratar na roa 1- de Marco Due-
ro 16.
Aluga-
se
o 1 andar do sobrado n. 45 roa estreita e
Ro.-ano, com bon? commodos, e esta limpo : tra-
U-se ra Duque de Caxias n. 89, loja.
Aluf^uef barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Beccd da Bomba n. 8 loja.
Rea da Roda ns. 38 e 60.
Ra Visconde de Itaparca n. 43, arnasem.
Largo de S. Jos n. 74.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar a roa do Cematercio n. J, I- andar,
esenptorio de Silva Gaimaraes 4 C.
(
Bicos preto de seda.
Toalhas pan basti a 14600.
Grande variedade em Extractos,
banho salgado, sobretudo, dubl-capas, casemiras, brins brancos e boleas.
K-oupa por medida
20Roa rRmeiro de Marco20
CAA DB C 0\FI A\% A
X C
AaM^siJLlX A I i
INJECT10N CADET
Cura certa em 3 diassemoutro medicamento
PAMas 7, notUmvard Denntrt, T PAltlH
Deoosites em tedas as principae Pharmoola* e Droaarla*.
Marianna de S. Jos Cavalcante, viuva, maior
de 70 senos, virendo em extrema ponresa, e
tendo em sua eompaniastres netinhos de tetra
idede, eraMee de pai e u>4i, v*m uapiertr das
almas bemfasejas e carido?as um obulo qualqoer
para nio so alimentar cftrejfes infelices, como
tamben* para oeroprar aguma roupioha para
cobrir a Bdez em que vr*em. A supplicante
reside ra da Concordia, casa n. $55.
Vinho particular^
Mo aroazem da ra do Amorim n. 60, vnde-
se o que pode naver de melhor, pelo motdeo
rego de 74 o garrfao detres aliadas (volttn-
o casco).
BRONZE
% BE
t"> CARDUZO 1HRMA0
Ra do
do Triumpho ns. 100, m e
Deposito na do Apollo ns. 2 e 2 B
104
Teai para vender o cgnlote:
VAPOfiES de diversos fabricantes para fogo directo ou para foge de assen-
taraento.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares. 0
Rl VAGUES de differentes tamanhos. f
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOGOMOVEIS do 2, 2 1/2, 3 e 4 oavallos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de descaro^ar algodSo.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo ancanamento e finalmente
todas as ferragene precisas para .> i?f' ENCARREG\M-SE de f : andam buscar por enoommen-
da, mediante ajuste previo ou um.i commisstto qualquer machiuismo.
CONTRACTAM fornecimento de apparelhos para usinas, garantindo a -b6a
tjoalidad* e bom trabalha dos mesmos, o que podem provar com o bom resultado,
obtido com as duas USINAS montadas ltimamente a saber:
Santa Filonilia e Joao Alfredo
Venden a praso ou a dinheiro com descont.
BSFQSSfO
48-RUA BARAO DA VICTORIA48
Venhaai ver para crer
BED FRERES
Couslrudores a Ham, Franca
Representado por Eaillo Bu-
lln, cnet-nheiro moclianr^, -
(PEBNAHBUCO)
Asscntamento completo pero engenhos ceu-
traes e Usinas peles arocessos os mais aperfei-
coados.
Moendas e repressao mltipla.
Corte-canrras vertical, sysfenra Bedu.
Diffus, circular e rectnkina. dito Bedu.
Diffusao continua do bagaco dito Perret.
Femos para queimar obagtco da diiTuso.
dito Bedu
Roda d'agua
Compra-se uma roda d'agua em bom estarle,
de 24 a 30 palmos ; a tratar na rea Direila nu-
mero 106.
AdmlnWraflo : MtlZ, t, Botletirl Hntmst*.
GRANDE-eMLLK.- All*. Ivnipurir^, Kasa-
SisiiasTiasdiicestiras.Ob.i-urrA.'i.i it..l., dha<.
tatroctors rfcreraes. Cooc.-er.ir~ ealratasaa 4a Mr.
HOPITAL. Alfa-ce* das tiai r.Hsass-
dit do itsinmiio. Diresio d.M--i!. I. rtroria,
Gaslial('is. I)y-pepsia.
CLESTljre. lAcrft* <(o* nm. .U batel tocia*.
CoDrrprocs 4as c,anna<,ilo>a. B abrt-a. Alnasaarav
HAUTERIVE MtrtreioTin*. d.i hexi-a. Imn,
r.oncrrrian Jas onnnit.tiuU Dnar, AlbsaMaaria'
cxu-s e miE a nm u unta
Km rSmtmbuco. a* \%a%.< dm Ponto i Ve*y.
cima Dororada.", ai haVr-ae aai cwm !
SDLZER A KOECHUV.tG.niada Cr v.- Aaf

Piltros mechanicos a liltracao mltipla.
lin
trabalho rpido).
Turbinas centrifugas (eeooona, lirapeza e
m geral todos os apparelhos os mais moder-
nos e os mais aperfeicoados para o fabrico de
assucar.
!f. B.-OSr. Emilio BiliiOn fazendo uma via-
gem de 3 mezes ira Europa, durante a sua au-
sencia dirigi as cartas e pedidos a casa Bedo
Frres aHm, qxie fornecer plantas, orcamen
tos etc., e porqualcpiCT negocio urgente infor-
marse a o Sr. Jugene Cbalme; 24 ra do Com-
mercio, Recite.
Atten^o
Agostinho & Irmos
Collar de Ouro
- MI af !> B-A
Como nsessemos urna grande reforma em i
nosso estabetecHtento, tizenos tambem reduc-
co nos pregos de nossas joias de ouro, prata t
brilhantes. Pedem a seus amigos e freguezes t
virem comprar Irados objectew con puco di-
Hbeiro. empra-se ouro, prata e brilhantes em
obras servidas e paga-se biu. Consertam se re-
logios, obras de ouro e prata commodamente
uittetns1
DE MURE
Ha mila de olneoenla anuos que |
si pratleo a medicina, e Jamis en- yl
contrtt rtmeoio rntlt elllcsi ana o
cartaiV contra as rtitsioas do falto.
D CEUSTIU, i* Isotpellier.
Este Xarope. de si>or ex- I
cellente. de uma poderosa
ofllcacia conU%as Irritaeei
da Garganta o do Peito,
i FluxSem, Tos rebelde, J
Catarrho Agut aa Chr*-
ni**.
Ti" MU, Psit-Sat-Eajril (Trust)
A. 0al*tn*. Ganro Succeuor
sitos em todas n aWoo/nas
Wiarm^/a.
WmPtru* da SUVA *C".

propno para o
rriant com a ultima
MAIS DE 10:000 CHIS
;sn
jHi
soste n laSEimnsxo
DORLS E DbDENTES
^aA.aABaJ50-STSXA.
PREPARADO mnCAIOHTE
POS CALASAK8 & C.VA BAHA
Medicamento heroico contra oa rheama-
tismos, inchacies, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se ea
fomentacSes sobre os lugares aSectadea.
Cura o beri-beri, as paralysias e as dorw
de dentes.
Todos os frascos levam direccoes pava
uso d'este medicamento admiravel.
Preco 1200. Descont de urna dan
em di ante.
DEPOSITO NO RECITE
Francisco Manoel da Silva 4 C.
Mrquez de Oliada a.23

% Todos iquelies que softcml
4 v^idmi'as: Depoellaea em rermamamem:
Gasa
Aluga se uma bn casa terrea i ra da Ventu-
ra (Capunga) n. 30, preco commodo; a tratar aa
mesma ra com Hennque Lasserre, junta dk
ponte.
p
/
EHAS
VE1
rato,
Vende-se milho especial a ra de Pedro
n. 68, (antiga da Praia).
Papel de forro
de sala, gabinete e corredor, esplendido
ment na lirraria Contempornea.
Vehde-se
a taverna sita ra da Uniao n. 3,"bem affrgaaa-
zada; trata-se ta mesma c garante- se a chave
Libras sterlinas
Vende se no escriptorio de Pereira Carueiro A
C, ra do Commercio n. 6.

PASTA
APaac*ttaak<
[esnosa
asi *?
VBhoa awasual
proparcloaaaaa ^sa
(aaaa asllria 4
78*f**.
xsaUssrt* aaaa *
MACK
OMialaailaaarVaasaaaas.l
*-*..-
i



y



>

8
V
Diaria de PernamlnicoTerra-feira 2 le Julho O
59
Liquidando os artigos se-
guintes!
Ra Duque do C la*
Merinos de todas as oCres a 200 rs. co-
Vitdo.
Lindo sortinento de alpacas modernas a
400 rs. o dito.
Zafiros de quadros a 80, 100 e 160 rs.
o dito,
Cretones francezas com 1 metro de larga-
ra a 280 o diro.
Xani.uks, cores firmas a 100 e 160.
Fustoes branco3 bordados a 360 e 440 o
dito.
Bramantes de algodao a 700, 800 e 10000
metro,
dem de linho, superior a 10600 o dito.
Atoalhado bordado a 10200 o dito.
Superior madapolo americano com 24
jardas por 60000 a peca.
AlgodSes da c6rte, o molbor a 30500
45000 e 50000 a dita,
f'ambraias bordadas finissimaa a 4<5000 a
dita,
dem Victoria com 10 jardas a 20800. de
Esguiao de algodao a 40000 a dita.
Ricas guarnieres de crochets a 70000 e
80000. M
Cortinados bordados, novos desenbos a
60000 e 80000 o par.
Toalhas superiores, muito grandes a 40000
a duzia.
Meias inglezas a 30000, 40000 e 60000 a
dita.
Seroulas bordadas de bramante a 140000
a dita.
Uamisas francezas e inglezas a 360000 a
dita.
Guardanapossuperioresa 20000 e 50000 a
dita.
Oobertas de ganga, 2 pannos a 20800
urna.
Lencses de bramante a 10800.
Colxas francezas, de cores a 20000.
MantUhas e fichas a 10000, 10200 e 10500
Chales de 13 a 20000, cachemira, grandes a
30000.
Redes de cores a 30000 urna.
(Jobertores de ISbrancos a 20400 um.
Cassinetas para roupas de meninos a 200
rs. o covado.
Casimiras diagonal, 2 larguras a 10400
e 10800 idem.
Flanella azul ingleza a 10200 e 20000
idem.
Cheviots superiores a 30200 e 30500 o
dito,
llmaseos de II para capas de pianos a
10000 o dito.
Pannos ara mesas, no,vo gosto a 10100
10300 e 10800.
Espartilhos, luvas, grinaldas para noi-
vas, leos de linho, baratissimos e muito
artigos que vendemos porpret-os sem com-
petencia.
Ra Duque de taxias ii. !i).
LO JA DE
PEREIRA& MAGALHES
A Re.volucao de 48
ra Uuqur de Caitas 48
Viemos por meio das poucas linhas,
jrovar aos nossos freguesas, como vende-
mos por menos 30,1 de que em ontra
qualquer casa.
Cortes de Ijnon e jaretones, todos os avia-
mentos, em" cartlo a 6000, 80000, 90000
elO0OOa t '
Ricos cortea de bordados para vestidos a
140000.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400 rs.
o covado.
Folardina, tecids moderaos a 360 rs. o
covado.
Merinos setins, lisos e de qsadros, 2 me-
tros de larg'ira a 20000 o cevado.
Cretones francezes, claros de 500 rs.
por 320 rs. <> covado.
Palitots de seda palha e c6r de chumbo a
80000 e 100000 um.
Seroullas francezas a 10000 urna.
Luvas de seda, lisas e bordadas a 10000,
10500 e 20000 o par.
Cambraia suissa de 140000 por 70000 a
peca.
Bons resultados
Para provar os bons resultados do Pci-
t.>ral de Cambar, basta apresentar os nu-
merosos attest8dos de curas firmados por
pesaoas dignas de toda f.
Cura-se fcilmente
As inflammacao do larynge cura-se f-
cilmente com alguns frascos do Peitoral de
Camaara.
Os agentes.
Francisco M. da Silva & C.
Collarinhos e punhos celloiloidpor 1$800
Camisas francezas com peito de linho a
a 20000 urna.
Lindos cortes de casemira ingleza para
caifa por 60000 um.
Pechincha em camisas de neia por 10000
e 10200 urna.
Atoalhado para mesa muito largo por
10200 e 10500 o metro.
Bramante transido de 2 larguras a 400 re.
o metro.
Bramante liso e transado de 4 largura? por
lOOOo metro.
Toalhas de core* para mesa elstica por
50000 urna.
Fechs de retroz, lisos e com palmas por
10000 um.
Capellas com veos para noivas por 80000
urna.
Colchas de crochet com palmas de cores
para noivas por 100 urna.
Cortinados bordados, muito finos por 60
o par.
Nansuks muito finas de 320 rs. por 40
rs. o covado.
Para acabar, leques transparentes e de pa-
pel a 500 rs c 20000 um.
Saias bordadas (reaebidae ltimamente de
Pars; a 30000 urna.
Algodosinho muito largo a 40000 e
50<>OO a peca.
Cambraia preta para torro per 10200 a
peca.
iBnbB de linho, dores nxas e garantidas,
a 500 rs. c 600 re. o ovado.
Cobertas de gfenga pan eama de casal a
20800 urna. *
Cobertores brancos de pitia fc de 50000
por 20000, um.
Setins de todas as cores de 800 re. o co-
vado.
Lencos de cores, iroitacAo de seda de
1*800 a duzia.
Colchas de todas as cores de 20000, 30000
e 40000 urna.
Setineta branca e de eres, lisas e lavra-
das a 440 rs. o covado.
Cortes de velludo para eelete a 20000 o
covado.
EspartilhoB finos de 4#0, 50000, e
G0'X)O um.
Zetros de quadrs de 120,160, e 200 rs.
o covado.
Cambraia com salpicoe eem 10 jardas de
40000 a pee t
Assim como muitas outras fazendas que
s com a presenca dos nossos freguezes
podem ser verificadas
Temos tarabam officina de alfaiate e ga-
rantimos r. perfeicSo do trabalho.
S na Revoluto de 48
MAIS BARATO
Na Loja das Listras Azies
A' RA DUQUE DE CAXIAS 61
Vende-se fazendas finas mais barato e
d-se descont a qnem comprar de 200000
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nlo f6r de muito
agrado para quem for comprada---yende
pelos seguintes precos:
Cachemira lisas e com listos de
seda de lindas cores, a 10400.
HerlnS de.duas larguras, a 440 e
800 re., qualidade superior.
Tceldos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 400 e 500 re.
Tecldos de linho, lindos padroes
graudos, & 200 e 240 re.
Zeflros lisos e de. quadro, a 80 e
100 re.
Setins de Macan branco, preto e de
todas as cores a 750 e 800 re.
Setins de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavradas brancas e de crs ola
a 10400.
sen
\ o publico
Vende-se um bom hotelzinho ra do Brum
ras,
CJszes de seda com fios prateados a
10000.
Cortinados de crochet, em peca, a
900 re.
Cambralas bordadas brancas e de
cores, a 4000 a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 160000, 180000 e 200000.
VOS para chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid< s
a 10200 e 20000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 re.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 re.
ti or m de listras azues muito lar-
gos com 20 ,varas, a 60000, a peca.
Sargells finos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Ciuardanapos superiores a 1080$ e
20010, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 10000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro {
Toalhas acolchoadas o felpudas com
listas de cores, a 40000 e 60000, a duzi*
Blcos brancos francezes, a 60f
e 800 rs., a peca.
Blcos finos, brancos, eremos e ma-
tizados, a 20000, a peca.
Baldas a 240 re. a dufcia, cobertas a
400 rs.
Luvas de seda, bordadas, braneas,
pretas e de cores, a 20000.
Leques de papel, a 500 re. c trans-
parentes, finos, a 20000.
fleques de pecinas o que ha de me-
ihor, a 50000 e 60000.
Sabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
e inglezes
a 70.
ar
Milita atten(o
Na ra de S. Jos n. 5e tem para vender os
afamados vinhos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pelo finado Jeo do Amaral Ra-
1. 3*-A, defronte estaco dos bonds, bem afre- p,,^ Ci)mo se,am vnu0 ,je caju i.. P <{. qa!.
;.u"a.d0, ?P"?.??.PrmciI?2?.!.e'Jcm._"v*1'dadi', vinho do abacaxt, viufio de janipapo
quaitos e todos algados. o motivo da venda
a dono estar doenle e precisar retirar-s para
ra; a tratar na ra Visconde de Pelotas n. 37,
ou no mesmo com o proprietario.
Chics
chapeos para enancas, lecebeu o Pinaud Pa-
lense, pelo Vt'U de Maceta, o que ha de chic
em chapeo? para enancas, e modernsimos cha-
jos para senhora : na prara da Independencia
.numero 2 a 8.
FOLPfTH
DECAPITADA
POR
F. W BOISGOBEY
(Contin naci do n.
. III
144)
composto e simples, hespredlna brasieira, la-
rangiuha cordial, excencias tres prensas para espremer es fructos, e tudo
se vende por baratsimo prafo para liquida-
cao. Assim como se vende am bom terreno na
povoacao de N. S. da Boa Viacem por qualquer
preco.
Vida Alegre
Vcnde-se um cosmorama com seis vidros e
alguns pertenc:s : a tratar en o n. 47.
Extractos finos francezes
a 10000 e 20000.
Despertadores americanos,
Hosqultelros americanos com
mac3o a 100000 e 120000.
spartllhos americanos e inglezes,
a 40000, 50000 o. 60000.
Capas de vidrilho e rendas, a 250000
e 300000.
Toalhas de lahrrlntho para bap-
tisado a 300000, 4O0OOQ e 500000.
A FLORIDA
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodao com
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 30000 e 40OOt
a duzia.
Bordados de camb aia tapada a 400 500'
600 e 800re.fa peca.
dem com 3 e 1|2 metros, de qualque
argura a 10200. ,
Lencos de linho em "caixinhas a 3-5000 >
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos leques transparentes de gaze i
30000 um.
Grande sortimento de porta-retractos t
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 40, 60
80000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, d<
20500 a 30000 o par.
Cortinados todos de crochet para oama i
120000, 170000 e 190000 o par, algn,
de cores.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800
10000.
Ditos para sof a 20000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de compriment'
40000.
Capellas com veo para noiva a 6000
80000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100 <
120000.
Toucas de setim para baptisado a 30,40
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha d>
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 20000 a pee*
Ditos de seda brancos e de edres.
Lindos ramos de flores a 40000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 re. a duzia.
Extractos e leos da diversos fabriosntef
Linha de machina, claque, a 40 p. ci-
ntel. f
Pastas a 10000 e 20000^
Porta-lcttras e porta-sedulas a 20000.
Arquetes para chapos e chapenas i
10500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos,
liiivas de seda, cano comprido a 20000 <
par.
Ditas de seda para crenca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette
sanctuaiio e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar abellos
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segura
chapeo. ,
Espartilhos para creanca a 40 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 <
60000.
Grande sortimento de sabonetes de 206 i
10500 um. -
Estojo com faca, garfo e colher, propn
para creanca.
Bengallas com flauta a 10500.
Meias de 13 para homns e senhoras.
Linhas douradas para taer crochet.
Lindas fitas para facha a 20, 30 e 4001"
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
AO
Convite
as
55
familias
Pede se attencSo para os precos abaixo
mencionados:
Cambraia com salpico* a 40000 a peca.
Rendas hespanholas a 10 o covado.
Madapola* americano a 60, 70 e 80000.
Renda da China, novidade, a 240 re.
Amor da China a 200 rs. o esrsdo.
Zefircs a 160 e 200 re., ccM chic.
Espartilhos, grande sortimento.
Guardanapos a 10600 a duzia.
Capas para senhoras, novidade.
Fustoes brancos a 400 e 500 re. o Cv
vado.
Linn bordado a 800 re. > covado.
Toalhado para mesa a 10 o metro.
EsguiSo pardo a 400 re. < covado.
Balados e entremeios, grande sorti
ment.
Colchas muito bonitas a 20000.
Enxovaes para baptisados, finos.
Merinos pretos e de c6res a 500 rs c
covado.
Cortinados para cama a 60000.
Las a 240, 320 e 500 o covado.
Luvas de seda a 20000.
Crinolines a 400 re c metro.
Cambraia branca a 20800 a peca.
Grinaldas para noivas.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co
vado.
Cortes d< cachemira, ctusa chic.
Sargelins de todas as cores a 200 re.
covado.
Collarinhos e punhos grande sortiment).
Cretones para vestidos a 320 re. <
covado. i
Toalhas felpudas, grande reduccSo en"
precos.
Camisas inglezas com e sem collar i nhc
Mantilhas pretas.
Brins para roupa de criabas.
Setins de quadro, m cortes, gostos no-
vos e precos commodos.
Batistas a 120 rj. o covado.
Cretones para coberta a 500 rs. o co-
vado.
Tecidos arrendados para vestidos, eou-
sa ehic, a 400 re. < evado.
Tapetes glandes e p^quasoc.
Bramantes lisos e trancados a 900, 10
e 10200 o metro.
Alm do que fica mencionado, temos
mais outras pechiochas que se tWi* se
pode acreditar.
Da se amostras Km poabor,
55RA DUQUE DE QAXIAS h
rnmiL
le
E muitas fazendas qne se d por todo o' Grande sortimento de leques de setim
prejo na.
Loja das Listras Azues
Farello de caroco de algo-
dao
J conhecido como o melhor e mais nutritivo
alimento para animacs ; vende-se ra do Bom
Jess n. 38, andar.___________
Malas deviagem
para roupa de senhora e de homem, propria de
camarote e camiaho de ferro, bolsas, cnapelei-
ra3, binculos, etc. etc.. artigos muito bon3e
baratos na livraria Contempornea.
Instrumentos de msica
para banda e orchestra, realejos, caixinhas com
, i e 6 pecas, para enanca; na livraria Con-
tempornea.
Mas se o porteiro tinba mentido, por
que se demorava lia tanto naquella casa,
ondL a acredtala, tinha ido apenas para
experimentar um chapea a urna das fre-
guens da sua patria e receber ima
con* r
Detinham-na contra a vontade? e por
que motivo a detinham ? Tinha cabido em
urna especie de--gaiola, onde nm gigante
amatW de carne -fresca sequestrava as mo-
cas que para all attrahia?
No meio de Pars era inverosmil.
Oa entfto a tal modista era mplcsaien-
te unja farcista que ia v sitar ra Ber-
ton um sujeito rioo e generoso c que acha-
va exquisito faser-se acompanhar at
porta por um cacador de fertanas amoro
sas, deixando-o ao ar livre, para o punir
4e lhe haver dirigido a palavra na ra.
Mealheiro sempre propenso para pensar
nial das mulheres, inclinava-se para esta
ultima supposiejlo, pouco lisongeira para o
i olo estava contente.
Foi assim andando para o caes, juran-
uin tanto tarde, que nSo cahiria mais
em Qrutr e decidido a guardar para si a
hJGtoria 4 sua viagem, para si e para
Paulo Vi trac, a quem o incidente devia
,'otereasar.
DangHlas n^ desconfiava qn Cavaroc e
Jonvlle tivessem tambera, depois do en-
contr que tinham tido no bosque de Bo-
lonha, urna historia para contar ao mestre
da praca Pigale, e urna historia do mesmo
genero, visto que se tratava tambera de um
engao.
Dongalas j nao pensava aos taes senho-
res que tinha apenas visto o baile de Vi-
trac e que nao eram dos seas.
Dangalas s pensava em tirar a sua des-
forra, logo que tivesse esclarecido a si-
tuadlo.
Se a pequea o tinha engaado, ella fa-
zia empenho, como vulgarmente se diz,
em pagar-Ihe na mesma moeda, fazendo-
lhe urna partida qualque, nao muito m,
porque se senta cheio da indulgencia por
aquella moca.
Emquanto aos habitantes da proprieda-
de da ra Barton, promettia descobrir
quem era aquella gente e pregar-lhes urna
pee para lhes ensinar a viver.
Por desgraca nao lhes sabia o nome.
Agostinha tinha-lhe dito (fio a senhora;
era urna emdssn, mas nao Ihe tinha ito
como se chamava a tal condessa.
Nao se poda gabar de os reconhacer,
seos encontrasserporque nio os tinha vis-
to, por assim diaer, senSo quando a car-
ruagera que os conduca para casa, h-iTia
paseado por perto delle.
Aquella prodigiosa semelhanca com a
mulher decapitada, no a podka certificar,
visto que a condess*, passande diante
delle, nao Ihe tinha mostrado o rosto, te
desconfiava um pouco que houvesse en-
gae.
Perturbada com o espectculo inespera-
do de urna cabega cortada, Agostinha na
Morgue nto via dous palmos diante do na
riz.
Fosse como fosse, Mealheiro apressava
o passo, porque tinha pressa em sabir da-
quella ra desastrada ajdesembocon (ogo
no caes.
Era completamente noite. Comegavam
a accender os camieiros de gaz, mas nao
se via ainda muito bem naquelle lugar
desprovido de lojas.
Por prudencia, Mealheiro tomou o meio
da calcada, e avancando }ulgou ver um
tornava do lado do rio a propriedade on-
de um lacaio mal criado acabava de Ihe
recusar a entrada.
Aquella sombra movel fez-lhe acudir
memoria a cabeca que tinha apparecido
por instantes em cima do muro, emquanta
elle fazia sentinella na ra Berton. E co-
mo ricochete lembrou-sc tambem do indi-
viduo de modos suspeitos que tiuha notado
no barco mosca*
Aquelle qudam tinha desembarcado na
ponte ao mesmo tempo que Dangalas e
Agostinha. Tinham no perdido de vista,
mas poda muito bem ser que tivesse en-
trado no jardim per qualquer porta 3e
creta, que acabava de tornar a abrir para
se por no encalen do discpulo de Vi-
trae.
Dangalas nio era poltrito e teve vonta-
de de ir dreitinho ao homem e pergun-
tar-lhe por que motivo o espionava ; mas
refleetio que a talvez interapuar fra da
proposito um transente inofensivo e >
per do tal rjeito.
Dangalas ia assim com olho vivo, quan-
do o bar^lho estridente dt urna corn'l
lh soou de repente aos ouvidos. 0m-
ni'uua de Saint-Clcud ao Lonvre vinha
atrs delle e teve apenas tempo de fugir
>ara o lado.
O pesado carro passou sem Ihe tooar.
so momento em que passava por diauto
dalle, um passageiro desceu, sem mandar
parar, e Dangalas, aprovej|Muido a occa-
siao, saltn par;i o estribo.
Fez bem em se despachar. U lugar
que acabava de oceupar era o nico que
estava livre, e da plataforma onde se col
locara teve o prazer de ver o homem sa-
hir da sombra do muro e correr atrs do
mnibus completo, qu,naturalmente nSo
paro a.
Chegou um fiacre, o homem chainou o
oi'theiro, que nao Ihe respondeu, porque
o carro estava oocupado e o horuei no
pode seguir.
Dangalas j nao duvidava que acuello
patife fosse um espi3o e as suas id
mararu outro curso. Scamou anda mais
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibera de
3 e 30500 urna.
10, >
Roa I)ni]ne de Caxias n. ,03
liisif
Rayal Bleod marca V1.4D0
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca Viado,
cujo nome e "emblema sSo registrados par.
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
mmm u i\
Liqutdaco por 30
das
Aproveitem!
Pedro Antunes C, desejosos de reduzir a
grande quantidade de mercadorias que existe em
seu estabelecimento, resolveram fazer grande re-
duego nos preges, tfim de facilitar um enfado-
nho balance
Alm de muitos outros artigos, damos urna no-
ticia ligeira de alguas que podem convir s ama-
veis leitoras
GRANDE VARWADE em bicos de seda, li-
nho, algodao e l.
SALDOS DE FITAS de-todas as cores e largu
ras. Guarnieres de vidrilhos pretos e de cores,
palmas, pingentes egates andaluzos, alta ntvi-
dade. Aygretes para cabellos e chapeos. Peo-
tes a Imperial Regente. Cortes de vestidos bor-
dados de 9 a 20/. Vestidos ponto de malha
para enancas, prego de 6 a 10*. Gorros alna-
rujo. Aventaos bordados para criancas. Rendas
hespanholas. Lindos artigos para presentes
Porla-cartes e flores em electro-plate. Babados
e enlre-meos bordados. Finas perfumaras.
Aguas e sabonetes fenicados., Commodos e ele-
gantes espartilhos de 3*500 a lO. Bonitos le-
ques de seda, setineta e papel. Braceletes e bro
ches, ouro romano. Talheres de electro-plate
para criancas. Grande vanedad em caiungas.
Capellas, veos e ramos de flores de laraogeira
para noivas Finas meias de seda Escossia e al-
godao para senhoras, homens e criangas. Enxo-
vaes para baptisados, chapeos, sapatos c meias
NSo
soes.
63
A LOJA MAIS BARATKIIA
PARIZ NAMBRICA
AZEVEDO, IBMaO 4 .
16Ra do B. da Victoria1
200 Ttlepkme- 200
Tendo recebido directamente da
grande sortimento de fazendas e
que ha de mais novo e precos sea
petencia.
A saber :
Capas da surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de II e II seda.
Damass de seda puja.
Merinos pretas de 800, 10000 e 1
Crinoline preta e branca 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 10600, cees
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500
Chaehemiras com 2 larguras a 800 rs
Ditas de l e seda 2 largaras a 1J000
MadapoISo trancado a 90000 a pe$a.
Dito globo a 70000 a dito
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichas de II e seda 10000.
Brins de linho cies fixes a 600. ___
Espartilhos couraca a 40000* e 50000
Colchas de fustlo a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordada a
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprmento de sato a 106OG
Renda de II, preta, para quaresm.
Pao verde para buhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira par forro de sola
a 10000.
Camisas de fianeUa a 50000.
Cortinados de crochet para cama
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 largura; a 409.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditos sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rito Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarnieres, pretas, de vidrilhoo.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para preseate*.
Rendas hespanhola a 40090.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dtka para senhrra.
Flan el I as de cores para, roupas.
Panno da (.'ata para mesa.
Vestuarios'para baptisaio,
Colchas, de crochet con Adres.
Crep ingles para enfe|te*
Grande sortimento deschpeos de asi
Setineta para coberta aoOO rs.
Cortes de collecte de stda.
Dito de fustlo de core:
Dito de casemira de
TELEPHO
Pao ce
teesquegam que fazemos todas as conces-
RA DUQUE DE CAXIAS63
Nova Esperanca
Pedro Antnnos&G.
200
teio
Mello & Biset, avisam ao pspeitavel pabilos
que todas as tercas e sexlasffeiras, tem este
Dorse pao; ra larga do tario n. 40.
Vinho puro le Santa-
re
f qninla dr Bar ral
Chegou a segunda remesa des'e especial t
nho para o armazern centra de gneros aliroer
icios ra do 'aboga n. I. o qnal se tor
recommendado por ter pu > da ova.
Joaquim Qhri ovio & C.
TelepkasH -<_________
Quadios
:om bellsimas oleografcias, obiectos pan
adorno de sala e para prerntes, todo encontr
e na livraria Contemporafca, ra I de Marc
Qumero i.
Vem
;-se
um estabelecimento de atibados roa do Ha
gel n. 53, e garante-se a rhave ao comprado;
a tratar no pateo do Mrcalo, taino do roronr"
co n. 2, com o dono.
homem passar encostado ao muro que con- pom o que se passava naquella villa, cujas
j._______J.. l...l~ As. w'a n v.T.nrvi>ialttf4o wi.' nrnvimidorat onm VtriaflflS como AS trin-
proximidades eram vigiadas como aa trin
cheiras de urna pra9a forte, o que tinha
acontecido moga que l tinha entrado e
acudio-lhe ao espirito ir ra da Paz para
yer se ella estava no arroazem.
Quando l chegou, a loja estava fecha-
da. NSo de noite que as grandes mo-
distas fzent negocio.
Agostinha tinha naturalmente voltado
para casa do av, e Dangalas j nao podia
atreverse a ir l informar-se hora'que
era.
Voltou para o bairre do Gato Negro,
descontente com o da, descontente com-
sigo, e tinha razao para isso, porque o
seu descuido ia talvez custar caro pobre
Agostinha.
TV
Os dias sucoedem-se e nlo se pareem.
Aos acontedimentos que se precipitam, s
agtaooes que se accumuJata sipcede fa-
talmente a serenidade chata. Produa-se
um allivio as almas perturbadas e o acaso
cansa-se de fazer das suas.
Era um domingo, e desde a noite do
carnaval e o dia que se Ihe tkiha seguido,
nenhuin incidente novo tinha perturbado o
repouso dos personagens do drama, do
qual a primeira sceoa se tinha represeri-1
tedo n> artstico palacio da praca Pigalev
Juliao e Jonville, depois de ter sofri-
do como uta damuao, comscava a pas-
seiar pelo quarto apoiado a urna bengala.
Cavaroc tinha tomado de novo os seas"a-
bitos. Divida o tempo entre a Escola de
Guerra e o amigo.
. Nao tnh* tornado a ver. Vanda, e o con-
de Borodino n3o tinha dado signaes de vi-
da ao ferido, que nada desejava tanto co-
mo estar em estado de se transportar
ra Berton, com o nico nm de encontrar
a adoravol sobrinha daquelle senhor
Porque Jonvlle julgara, a acreditar que
o conde nunca fra mando da decapitada,
que nSo tinha havido em tudo aquillo se-
no urna confusao causada por urna seme-
lhanca extraordinaria e que dentro em.pou-
co tudo se explicara.
Leite puro
Na estrada de Joo. Feraandes Vieira, sitio lo
go depois das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puno de vaccas tourinas e d
trra, garntese a qualidade do leite.
Urna entrevista com Vitrac esclarece-
ra aquelle mysterio, e essa aventura nao
se faria esperar, porque o medico affirma-
va que a torcednra do p n2o tena con-
sequencias e que Jonvlle poderia andar
antes do nm da semana.
Por sua parte Mealheiro estava sempre
no mesmo ponto.
Depois de ter passado a noite de sexta-
feira no Gato preto com rapazes do seu
conhecimento, que se recusavam unnime-
mente a tomar a serio a historia da cabeca
cortada, tinha ido no sabbado por tres ve-
zes a horas diffarentes rondar pela frente
do armazm de modas onde trabalhava
Agostinha, e nlo a tinha visto.
Andava naturalmente fazendo recados da
sua patr6a, e Dangalas nao oUsara pergun-
tar aquelle importante personagem noticias
da sua costureira.
A mulher, provavel mate recebe! o-hia
mal, e o rapa* podia coteproipejsy a mo-
ca, de quem conservara frrafcj* recor
dacSes. Ticha, alm disso, s^iajdo por
s persuadir que ella tinha ido pasa casa
do avo para descansar da comasoco e
contava aprovetar no dia seguinte a per-
miseao que ella Ihe dra de l se adiasen
tar no domingo.
Entrementes tioha tambem testada tal-
lar a Vitrac e nae o havia conseguMo.
O mestre, trancado no quassp, Hnba da-
do oruVi de nao recbor aingaen^ apin
masmo o seu discpulo preferido.
Desde qte Vi*ac tinha voludo do &k-
lacio da Justica, a ordera nlo tinha ido
excepgSs sen5o para Vanda.
E na tarde de domingo, Vanda, chega-
da pela inanha muito cedo, conversava
coiu o amante, que se decidir de manlii
a tornar a pr-'se ao trabalho.
, 0 prazo para a reraesea ao jury dos qua-
dros ia expirar em poucos dias e era-lhe
preciso, sob pena de faltar ao salao da-
quelle anno, acabar urna tola comecada
havia muito tempo e muitas vezes inter-
rompida por distraccoes inteiramente alheias
arte.
No atelier, ende elle tinha ido sentar-se
diante do cavallete, Vanda estava como em
sua casa e, ao ouvil-a gracejar fumando ci-
Bom
empr^o
piftl
te c*a-
Vende-sa e aloga-se a ssa terrea qnasi nova
da roa Sete de Setembro (antiga Caiaboago1 a
6 ; a tratar na roa do Canga n. 3.
garros, ninguem seriacapaz de suppor qii
tinha ido na ante-veaera sorprender u
sabir da cama um caftao de couracejrnj^
Ainda menos teriai supposto que elL
se preoecupava muitocom a scena do bai
le, e que se occr.pavacom elle s->b om as
pecto particular.
Tinha acreditado ) principio m nm*
farca, e estava.de boif quando tinha n
dicularisado diante Cavaroc e de Jon
ville a sensibilidade e Vitrac. Mas loga
no dia seguinte a atitude do amanto n -
ra-lhe que scismar.
Conhesia-o a fund c sabia per.
mente que esse gran artista nlo era u< -
crianca que se coniove cora qualqut -
cousa. '.
Que ficasse dolorcamente impressioua
do, n5o admirava : *s Vitrac ti cara som
bro c calado como jn homem qne ambe
de ser accoinmttidqde nma grande des
E agora Tanda rb irdava-ae que hav.
seis meces que Vitra se mostrara mnits
menos araoravel pancoin ellr..
Nao tinha ligado importancia Tq
frieza, porque contrjavam, a pe zar de to-
do, a vi^r no mesiu p e porque as ii-
gH6es Telha qgsn a sua j nlo posa-
uoitaraciujias, iesepraveis dsnovoarmw
res. L
Alm disso, o cajcho que>lb rivera
outr'ara por, Vitrac qram pone t?mpo.
V'aad't n<> fazia corionus pira o enga-
uur a rigor poda kdmittir qn (11
pagasse n* mesma u 'di, ee.ntany
as infidelidades que le Ihe tuesse nao ti-
vessem grandes cons uencias ; mas qic
ella nao admttia, er^a partiih:;
da qae poderia pn
amante legitima.
Era questo do se
>car a sil
futuro, porqu*
visava casar eom ellefc naquello ponto aao
admttia brincadeirasj
Ora, comee-iva a jeseutir
ment prximo, on pl> menos urna traa-
icle radioiil as kas relafaes cosa Ts>
trac.
uir-ss-fti
tj
ivp. do /"
\
i
(


V




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZ83Q1E1R_M6H71G INGEST_TIME 2014-05-19T18:05:56Z PACKAGE AA00011611_19148
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES