Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19067


This item is only available as the following downloads:


Full Text
n
AMO Lili H-IlilO 218

-flHA A (iril'AL l Por tres mezes amantado ... .... l^w
Por seis ditos idem..... ......... 1*5
Por um mino deai................. 24 00
3iada numero avuiso, do meaxo da. ... ....... 0lW
DE
SMA- 24
iLIBlHP
Ui3 id*
PARA DfiSTRO JE FOR A I A PROVINCIA
Por mis meses adianiadoso.....
Por nove ditos idem.......
Por um anno dem.......
Cada, numero ..vulso, do das anteriores.
,30500 /
MJOO //
JfAUBUGO
Propriitafc* U JHatwel itguttra H* Jkria llp*
ss;
*
i


1
.
;l
Oj Srs \med- Prace C .'.
de **aris, sil j os noss-* agente -
exclusivos de annun^Ioe pus
Mlc ;;oes da Franca e Ingla-
terra.
Os Srs. IVasburue II rmausss-
de Hcw-Vork, Broxd Way n.
'90, a&o os no^sos ag-ntes ex.
elusivo* de annu cius nos Es-
tados-Unt'dos.
mn timmi
Aviso
Vos Srs. Assigaan-
tes que se a?haremem
atrazo, scientifieamos
que devem mandar
abonar suasassignatu-
ras at o dia 30 do cor-
rente, para que nao
remessa do Diario do
1 de Outubro.
NSTRDCQ10 POPULAR
(Exlrahido)
DA BIBUOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
dioveruo da provincia
XPEOICNTE DO DIA 13 DE SETEMBHO DE 1886
Actos :
Vice-presidente da provincia, ea execuco
da lei n. 2,395 de 10 de Setembro de 1873, resolve
nomenr Parcolino Evaristo da Rock para o posto
de capitn da 7 companhia do 35 batalha i de in-
fantaria da guarda nacional das comarcas de Bar-
reiros e Palmares, em substituisao de Joo Derco-
lino de Barros Lins, que obteve guia de passa-
gem.Communicou-se ao respectivo commandan-
te soperior de Barreiros e Palmares.
O'vice-prcsid-nte da provincia, em excucJo
da lei o. 2,395 de 10 de Setembro de 1873, resolve
nomrar Germano de Miranda Dammeyer para o
posto de alferes da 4 companhia da 2o hatalho
de infantaria do servico activo da guarda nacional
da comarca do Recife, em substituico de Augusto
Barbosa BeParraino, que obteve guia de passagem
para a provincia da Baha.Communicou-se ao
respectivo commandante superior do Recife.
O vice- presidente da provincia tendo em vis-
ta o requerimento em que Joo Francisco dos
Santos e tilhos recorreal da dec'so do Tbesouro
Provincial acerca do pagamento das animidades
do apparelho da mei'agua sita ra do Oalaboco
Velho, n. 3, e :
Considerando que, segn lo os documentos apre-
sentados a que se refere a infjrmaco do mesmo
Tbesouro, de 5 de Maio ultimo, sob n 615, houve
irregularidade na elevaco da decima ;
Considerando que vista do conhecimento de
quitaco do 2 semestre de 1880 a 1881, se verifi-
CC __ *> ca que a importancia de 14010 paga, relativa
so ti ra i n nter r upeao au* a-*, a.^.. ui.ea. L^^-
-v i que dus conhecimentos anteriores e pos-
teriores se ve que mantido o pagamento relativo
a cada urna, resolve dat provimento ao recurso
para que as ditas me'aguas tomem ao favor do
art. 17 da innovacb do contrato de 18 de Dezem-
bro de 1865.Remetteu-se epia ao inspector do
Tbesouro Proviucial e ao fiscal ds Companhia Re-
cite Drainage.
O vice-presidente da provincia attendendo
ao que requereu o professo contratado da cadeira
de ensino primario do Br>jo dos Padres, Francis-
co Lucio de Castro, e tendo em vists a informa-
cas n. 271 de 26 de Agosto findo, do inspector ge-
ral da Instrocco Publica, resolve conceder ao pe-
ticionario, nos termos da art. 7 5 das instruc-
eSes de 29 de Abril de 1884, 3 mezes de licenca
pura tratar de sua anude onde le convier.
0 vice-presidentc da provincia attendendo
aoque requereu o subdito portugu z Joaquim Ma-
chado Mendes Guimares, residente nesta provin-
cia, resolve, de accordo com o disposto no decreto
n. 1,950 de 12 de Julho de 1671, e usando da au-
torisaco conferida pelo art. 14 da lei de 30 de
Outubro de 1882, naturalisar o referido subdito
portugus Joaquim Machado Mendes Guimares,
afim de que posan gozar de -todos os diretos, hon-
ras c prerjgativas, que pela constituico compe-
tem aos cidados brazileiros naturalisados.
O vice-presidente da provincia attendendo
ao qne requereu Mara Digna de Albu luerque
Marauho, professora d eadeira de ensino prima-
rio de S. Jos de Ipojuca, e teado em vista a iu-
formaejo sob u. 292 de 4 do crrente, do inspector
geral da Iostrucco Publica, resolve concedei
peticionaria, a contar de 1" do mesmo mt-z, 90
das de lioanca, com ordenado, para tratar da saa
sade onde lhe convier.
O vice-presi lente da provincia atteudeudo
"O que requereu Francehua Maucina da Silva e
Albuquerque, professora da 3a eadeira de ensino
primario da freguezia de S. Frei Pedro Goncal-
ves, e tendo em vista a inforinac&o n. 267 de 25
de Agosto findo, do inspector geral da Iustrucco
Publica e o parecer da junta medica provincial,
resolve conceder 3 mezes de licenca, com ordena*
do, para tratar de sua sa le onde lhe convier.
O vice-presiden'e da provincia attendendo
ao que requereu Mano! Sesmo de Albuquerque
Maranho, prufessor da cadeira de ensino prima-
ria de S. Jos de Ioojuca, e tendo em vista a in-
formaba o sob n. 292 de 4 do corren te, do inspec-
tor geral da Iostrucco Publica, resolve conceder
ao peticionario, a contar de 1" do mesmo mez, 90
das de licenca, c:m o. denado, para tratar de sua
sade oude lhe convier.
O vice presidente da provincia resolve, de
accords coro o exposto no officio do inspector do
Thesouro de 2 do correte, n. 116, declarar sem
effeito a portara de 30 de Setembro do anno p ta-
sado, na parte relativa nom aco de Manoel Pin
to de Campos para o cargo i i escrivo da collec-
toria provincial do municipio do Triumpho, visto
no ter sido solicitado o respectivo titulo, e no-
mear Manoel de Siqueira Cmara para o mesmo
cargo.C >uimuuicou-se ao inspector do Thesouro
Provincial.
O vice-presidmfe da pro vi acia, attendendo
ao que requereu o escrivo do commercio d sta
capital, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
resolve conceder lhe tres mezes de licenca para
tratar de sua saude, devendo o peticionario entrar
no g iso da mesma licenca no praso da 15 das.
Oficios :
Ao inspector d> Arsenal de Mariana.Re-
commendo a V. Exc. que, de accordo com a sua
inforioacao n. 405, do 18 de Agosto findo, conti-
n re a prestar os meios de condcelo poroccasio
da estada dos vapores nacionaes no porto desta
cidade, para o embarque e desembarque das pra-
cas, quaudu f rcm requisitadas pelo inferior cu ca-
dete empregado no quartel- general do commando
das armas.
Ao conselheiro presidente do Tribunal da
Rlaco do Recife.Sirva se V. Exc. de informar
se o tabellio do termo de guas Bellas, Loureo-
co Pinteiro da Costa, interpoz appellacao da sen-
tenca de que trata o juiz de direito da respectiva
comarca no incluso officio oor copia, cao es so affir-
nativo q'ial o resulta to da mesma appellacao.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal da comarca do C >bo.Informe V. S. se est
vago o posto de tenente da 7* companhia do 29
bi.talhao de infantaria da guarda nacional sob seu
comm indo superior, pir tallecimcnto de Manoel
Faustino de Mello Azevedo.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S., para os fins convenientes, que,
vista da int'onn Cnrrente, sob n. 641, pprovo as propostas, aceitas
pelo conselhi de compras do Arseual de Guerra,
em sessao de 19 de Agosto fiudo, para o forneci
ment de artigoa d stinados aos 2o, 11 e 14* ba-
talbaos de infantina, companhias da mesma arma
Ual yiUUIIlLlas da Prahvba e Alagoas e operarios
CAPITULO V
ALIHENT.4QAO
{Conitnuafo,
Estt ultima conclusa) a verdadeira soluco do
proM-ina. O operario mal ali tentado aeha n1 aquel-
las bebidas, juntamente com a forca que lhe I ne
cessaiia para Jutar contra a fadiga, a energa in-
dispensavel para executar o seu trabalho. Esta
necessidtde degenera rauitas vezes em vicio ; mas
ordiuariameute paraohomem d trabalbo o com-
plemento da iiiaulficieii.'ia alimenticia.
Um outro autor diz o s.guinte : Militas ob-
servacoes parecem indicar que ladispenaavel urna
certa dae de oebid.s fenr-'-utadas aoe operarios
caja prufiasao dumaud grande "--senvolviineuto de
forca inU3''ulMr: oa que trab ilh.nn em metaes, e
3ue teem que exercer grandes e^forc >s sob a acca>
e um calor intenso, esto particularmente n'esta
categora. De resto, a experiencia universal que,
para a bygiene como para o conjucto dos habitis
sociz.es, um dos mais seguros meios de apreciaclo,
parece indicar que urna propjrcao de bebidas fer-
mentadas, sempre moderada, mas em propruco
com a rudeza do trabalho e com a aspereza e a
humidade do clima, exrrce sobre a constituico
pbysica urna influencia salutar.
Qualqurr que seja o modo de acc'io destas bebi-
da- (quer obrem como meio de coust-rvaca.> para o
orgausmo, quercomo estimulante), est demonstra-
do que o su consumo proporcional aos esf jrcos
physicos, e por isso augmenta tauto mais m>s dit-
ierentes claases, quaato estas sao mais psbres e
laboriosas.
As bebidas alcoilicas mais usadas no nosso pais
sao o vinho, a gurdente e a cerv-ja. De todas
o vinho a mais conveniente, por ser a mais tnica
e a que menos dispe para o aboso.
Abuso da* bebidas alcoolicasEstas
bebidas, que inod r inesto usadas teem a utilidade
que deixainos indicada, qunndo se abasa dellas
prudnzein os maiores iiiconvi-nientcs e do origem
aos mai res i-ab-agot, cbegmdoapr .duzir a morte.
Cha na ao alcoolismu u estado moi bido produzido
por tal abuso.
A louga serie de do ncas, e os desastres indi-
vidu^es e sociaes, de orOeta pbysica e de ordem
moral, a que 'l oriffeu vicio d. euibriaguez teem
desuertado a accio d"s li ^ibladores e originado a
ormacao das sociedades tto tempornea-
O alcool ingerido em xcesso, na, bebidas que o
conteein, iusuiu* se por lodo o organismo e fixa-se
nos orgaos alteran.i > Ibes e chegando a nnullar-
lhes as fuueg>V >. O systema nervoso o,uasi sempre
o primeiro atTectado a sensibilidide, a motilidade
ea intelligencia, sao pr- vertidas; comecam a ap-
parecer hatluciuacoes, Vliriu. demencia, dores, tre
mores, epilepsia o paraiysias.
No apparelho d^eativo manifestam.se gastrites,
ulceras, dyspep^ias ; no figado, degeneracoss gra-
vissimas em todos os ergos, a alteraca* vascular
degeneraces gordurosas, etc. O alcool gaita o
organismo e produz precocemente todos os desar-
raajos da velhice.
A hygiens social aconselha (para se evitarem as
occasio'S de abuso que conduzem ao terrivel vicio
da embriaguez) que se trate de mclhorar o reg
men dos trabalhadores, facilitando-lhes a acquisi
cao dos alimentos azotados e r-pn. tdores, quepos-
gam fazer dispensar o uso do alcool.
Os estadistas e os economistas levem esforcar-
se, para que se mantenhau. em mdico preco as
substancias alimenticias de primeira necessidade.
Caf. CbaSuppe-se geralmente queo caf
estimula d iceiuente o estomago, auxilia poderos-
men a digesta -, lissipa os vapores do vinho, excita
geiramente o cerebro e accelera a circulaco. B
do cha se diz que produz no organismo uoia cal j-
rificacio branda, e que dispoe o espirito para a
meditacio.
Deve tudo isto approximar-a da verdade ; mas,
m.u*.C de-C,d/' W'fo*?-S.$M de8ta-8J(fu;
ciaif, dpvc cada.pessoa guiar-se pi'o que lhe"
ni o jdjtirijii p^MaJ^rq* o'Hrfe' qtte^
on9ii|a*tptess sobe-ss.oi-gnairs* tHlria-esbn* l m-
9b 8rfti*WWicklps>iriArt'l-qi.tf.k40
aos climas,quintes estinuflaj.e (afljmesmpj^empb to
nificH, a fibra nervosa) as vezes nos climat. tempe-
rados produz umaexcitaco mrbida'.1" B"'U'ts
- asi yi'Uviiii:
u?esnto.Declaro a vT S., para os. fips
convenientes, eme, vistai dainforuiacao c essa
ThesAfl tas .eudei tfo tfJKcCui*i4Hr].de fitfitilu api. J)*d SSttr'0*/*- #Riii*t*sndepdo/s-.,a
differensas de accio que se baseia o conselho qul Mr9flUlsVkVjftN&$IWMWttm&(&< pr
occaSHlo 'WSda'do8ti;pdres'1.c1ou'5s Li lorp.
deixamos formulado.
O cat contm materias gordas, azotadas, mine-
raes, urna substancia aromtica, e um principio
que lhe especial, e qne azotado (a cafena).
Resalta das experiencias de Aubert: 1*, que a tor
reiaecao nao tem influencia apreciavel sobre a
Juantidade de cafena contida nos bagos de caf ;
qne a iofusao, rpida ou demorada, contm sem-
pre quasi toda cafena delle.
O eb possue urna eomposicao cb mies muito se-
meihante, tendo, em logar da cafena, um outro
principio especial taraoem azotado denominado
theina, e oatm wna proporco relativamente
grande de azote.
(CootinaO
desta cidade pt-s,,ye'nSbarria','',semllr4u da^
pravas, qaando foretn Vqui ai talas peN inferior ou
eadete empregado n > quaitel general do commando
das armas, remetiendo mesma Thesouraria a
respectiva coota para ser pelo Miuisterio da
Guerra indemn sado o da Marinns, conforme este
determinou por aviso de 17 de Maio deste anuo ao
capitao do porto da provincia das Alagoas.
Ao mesmo.A' vista da autorisaco contids
em telegramma do Ministerio da Justica, de 11 do
correte, recoinmendo a V. S. que mande entregar
sob a responsabilidade des'.a presidencia, a ajuda
de casto arbitrada por aviso de 26 de Agosto ulti-
mo, na importancia de 4854000, ao bacharel Joa-
quim Monteiro de Sexa Borges, juiz municipal
de orphaos, nomeado para o termo de Lagos Ver
meina, proviocia do Rio Grande do Sul. de-
vendo ser opportttnainente levada a dospeza do
crdito que para ella tem de ser concedido pelo
Thesouro Nacional.
Ao mesmo.Deferinda as peticoes annexas
ao officio a que se refere a inf-rjiacao dessa The-
souraria, de 4 do corrate, n. 638, rccommcudo a
V. S. que providencie no sentido de seren resti-
tuidos pelo almoxarife do presidio de Fernando
de Norooha, de accordo com o dispwto no art. 81
do regulamento de 16 de Janeiro de 1885, u. 9356
e a ord'a do Thesouro N'acioual de 17 de Juuho
deste anno, sob n. 130, os peculios devidos aos
sentenciados cujas cadern tas se aoharem naquelle
presidio, sendo oportunamente enviadas a essa
repartica i as inesmas cadernetas para a conve-
niente ci ripturaco conforme a citada informa-
5I0.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juis de direito da comarca
d Iguar>s6, bacharel HisbelTo Florentino Cor-
rea de Mello, a 9 do correute, transfera o exer-
cicio de seu cargo ao espectivo substituto, para
entrar no goso de dous mezes de licenca que lhe
conced, no da 4, para tratar de sua saude.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Me-
dante a devida flanea, maude Vmc. entregar ao
Rvd. Genuino Valfredo.de Souza Gurjo. vigario
da freguezia de Panellas, a importancia de 600/,
corrjspondente ao producto da 2 parte da lotera
11. 51, extruhida em favor das obras da matriz da
quella freguezia, urna vez que o mesmo vigario
preste contas do anterior producto da lotera que
levantou desse Thesouro.
Ao mesmo.Mande Vmc. entregar ao Rvd.
Manoel Ferreira da Rocha, vigario da fre^ueria
de Quipap, mediante flanea, nos termos da ia-
formscao desse Thesouro, de 25 de Agosto ultimo,
n. 96, a importancia de OJ04, oocrespondente ao
producto da 3* parte da lotera n. 50, extrabida
em favor da matriz do mesma freguezia.
Devolvo a petif ao do refer o vigario.
Ao mesmoRemetta-me Vme., com urgon-
ca, copia do contracto celebrada com a Compa
uhia Santa Thereza, em 19 de Setembro -e 1877 '
Ao director do Arsenal de Guerra.Remetto
4 Vmc, para os devidos fins, as inclusas propos-
tas, que ficam approvadas, aceitas pelo conselho
de compias deas- Arsenal, em sesso de 19 de
Agosto findo, para o foroecimento de artigos des-
tinados ao 2", 11* e 14 b-italhoes de infantaria,
companhias da mesma arma das provincias da
Parahyba e Alagoas e operarios militares do dito
Ars nal.
Ao director inetrino do presidio de Fernan-
do de Noronha.Communico a Vmc, para os fins
convenientes e em resposta ao i u officio de 19 de
Agosto ultimo, n. 239, que nesta data autorsei
Thesouraria de Fazenda a mandar restituir pelo
aimoxarife desse presidio, os peculios dos senten-
ciados cujas cadernetas ahi se acharem, de vendo
ser estas enviadas opportunameute i mesma The-
souraria, para a conveniente escripturacao.
A' junta classificadora de eneraros do mu-
nicipio de Igdarass.Aluda uao pode ser appro-
vsda a nova classificaao, que por copia Vrnes.
remetteram com o officio de 3 do corrente.
1, por estar classificada em 3 lagar a escava
Caetana, casada com homem livre, tendo um filbo
ingenuo, ao 13 annoe de idade, e outro de t anuos,
quando por essa circumstancia cabe-lhe o Io la-
gar, passando a occapar o 2*, 3o e 4" lagares An-
tonia, Mara e Symphronia, na ordem em que se
acbam, visto que, nao tendo outra razo de prefe-
rencia seuo a classe a que perteneca, deve prc
valecer a n.-speito lellas a iiade, comecando pelas
mais velbas.
2, porque est classificada em 14 lugar a es-
crava Mara Victoria, filha de Francisca e Victu -
rio, quando attinga ella idade de 21 annos,
segundo a dita classifieaco, e nao pode por isso
ser libertada pelo fundo de emancipar, salvo se
provar ser maior.
3, por nao constar se esto ou nao esgotadas aa
clasjcsa que pertencem os escrevos de ns. 1 a 13,
como determina o aviso circular do Ministerio da
Agricultura, Commercio e Obras Publicas, de 19
de Janeiro Je 1883, para poderem ser classifica-
das as escravas de ns. 17 e 18, ainda que 1" de
modo nenhum pode fornecer o fundo de emancipa-
Cao, pelas condicoes em que ella se acha e 2
pertence a classe Individuos .Remetteu-se
copia ao respectivo juiz de orphaos de lguarass.
A' junta classificadora de escravos do muni-
cipio de Timbaba.Approvo a nova classifieaco
que por copia Vmcs. enviaram com officio de 2 do
correte, para applicacao da 7' quota do fundo de
emancipaco, por estar de accordo com o que esta
Presidencia determinou no despacho e 26 de
Agosto, proferido em seu officio de 19 do mesmo
mes.
Findo perante o juiz de crphos o praso das re
c araacoes de que trsta o art. 34 das reclamacoes
de que trata o regulamento de 13 de Novembro
de 1872, que de ver ser contado da data em que
for ahi conhecido o acto desta Presidencia, cum-
pre ao agente fiscal, membro dessa junta, preceder
de conformidade com o art. 37 e seguintes do mes-
mo regulamento, tendo na maior consideraco o
disposto na circular do Thesouro Nacional, de 16
de Julho de 1883, a que se rtiere a circular do
inspector da Thesouraria de Fazenda, de 22 de
Juiho ultimo, sob n. 20, porquanto, como tem de-
cidido o Ministerio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas, e est estabelecido no 7o do art
3 da lei n. 3,270 de 28 de Setembro de 1885,
continu at o encerramento da nova matricula o
processo determinado no citado art. 37, attenden-
do-se a que os valores mximos da tabella do 3"
do art. 1 da mencionada lei, permittidos para a
matricula, de modo neuhum iuudam direito in-
demnisaco, com exclusa das diligencias recom-
meudadas, sem procurar se conhecer das condi-
coes pbysicas do ecravo libertado, com prejuizo
de outros e do fundo de emancipacSo.Ke-netteu
se copia ho juiz municipal de Timbaba.
A'junta classificadora de escravos dos mu-
nicipios de Agua P'eta c Palmares. Aoprov,
por estarem de accordo com as disp iscoes em vi -
gor, as claasificaceg que por copia, Vmcs. enva
rara com o officio de 3 do corrente, para applica-
cao da 7 qu ita do fundo de emancipaco.
Findo o praso das reclamac5es perante ojuiz de
or.mos, nos termos do art. 34 do regulameuto de
13 de Novembro de 1872, contado da data em que
for ah conhecido o acto d"3sa presid o agente fiscal, membro dessa junta, proceder de
accordo com o art. 37 e se^unte d dito regula-
meuto, ten lo ns maior cousid relo a ord -m cir-
cular do Thesouro Nacin! de 16 de Julho de
1883, alludida pelo inspector da Tn souraria de
Fazenda, na circular 11. 20, de 22 de Julho ultimo
porquanto, como ten? decidido o Ministerio da
\gricultura, Commercio e Obras Publicas e est
estabelecido a> 7 dg.art. 3 da lei n. 3,270 de
28 de Setembro do anno pausado, coutipaa^/i u
perJWe*?p,de Wtf^^f"^^ Pfle -d ttftn,'
?& 81ttrl0*r*/ ^' V***
valores maxiqgtf ,0> Wr8lWnO/l
filho Francisco devem ser iinm idiatainente classi- cargo de delegado do districto Iliterario de Leo
r?,4ox#Jl.,1l|
.u^oo/ow ,|#ttiHMtd^B{raJ^.1aP^ui,,Ide,
^nuO> uenhBm^qiidfiin, direjo., ipdroW8asAr-,| (jofl,
exclsj^l4aa,d^geiic|arewmini6,nd,da,i carar sf cop^iecer, ^s. oaadaQe,, ph%* ii* tito', es -
cravo libartanJo, .com; ojjejaix.datP^we,* do*^
do de emancipac-.RemeMeobse copia aa 'rjjS^
pectivo juiz municipal.
A' junt classificadora de escravos do mu-
nicipio de Ingaseira. Nao pode ser aprrov da a
nov classifieaco que Vmcs. enviaram por co-
pia, com o officio de 30 de Agosto ultimo, visto
acharem-se promiscuamente classificados os es
era vos de ns. 1 a 4.
Sendo distinctas a classe de escravas casadas
com horneas livres e a de escravos casad >s com
mulheres livres, e preeriodo aquella a esta em
quaesiuer circametanoias, a escrava gueda e sea
ficados depois de Clara a Margarida, passando
Andr a oceupar o 5 lagar, viata da classe a
que pertence.
Recommeuio portaiito que n'esac sentid) pro-
cedam /mes. a nova classificac > Rjmet'eu-se
copia ao respectivo juiz municipal.
A' jauta classificadora de escravos do muni-
cipio de Gloria de Goit. Nao pode ser appro-
vada a nova classifieaco, que, por copia, Vmcs.
enviaram com o officio de 1 do corrente para ap
pltcaco da 8' quota do fundo de emancipaco.
Da alludida copia consta ter sido clasificado
em primeiro lugar o escravo Epiphanio, casado
cem escrava residente no municipio da Victoria,
seguindo s.'-lhe cinco escravos casados com mu-
lheres livres.
O que regula as preferencias as elassificacoes
uo o i.r .27 do regulamento de ,1 J de Novem-
bro do 1882, mas sm o aviso circular do Ministe-
rio da Agricultura, Commercio e Obras Publicas
de 19 de Janeiro de 1883, de que lhes enviei co-
pia, assioi como outias decisoes do goveroo impe-
rial, que teem sido communicadas a essa junta.
Segundo o aviso de 26 de Janeiro desse anno a
escruva casada com homsm livrc prefere ao escra
vo casado com mulher livre, e co iforme o ds 2t
de Maio de 1884 em cada urna dessas classes pre-
fere a escrava ou escravo, que tem maior numero
de tilhos livres, menores de 8 annos, e na falta
destes, maior numero de filhos livres, menores de
21 annos, cstabeleceudo-se ainda a preferencia,
em igualdadc de eoudicoes, pelo maior peculio rea-
lisado .
De accorao com o citad 1 aviso de 19 de Janeiro,
nao podem as juntas classificadoras passar de um
a outra classe sem star esgotada a antecedente,
e isso mesan deve constar da classificac o, assim
como o numero 1; a idade ilos tilb-s livre
Tendo os wSfugiiU nlbos escravos levem ser es-
tes classificados com os pais, guardada sempre a
gradaco de cada classe de familia.
Sendo assim, se uo ha nesse municipio escra-
vos casados com homens livres, o que devia con
star da classifieaco, devero ser classificados os
escravos casados cam mulber livre e dada a pre-
ferencia a Severino e Sebastio, o primeiro p ir ter
dous filhos livres e o outro urna filha, cujas idades
devem ser declaradas, os outros tres por estarem
as uiesma esndicoes, devem ser preferidos pela
idade.
Esgotadas essas duas classes de familias e se
nao houvcr no municipio, escravos menores de 21
annos, cujos pais tenham sido libertados pelo fun-
do de emansipaco, a que prefere mesmo a essa
classe, podera ser classificado o escravo Epiphanio
ou outro da mesma classe, em me Inores condicoes.
Recomend, postanto, que se proceda a novos tra-
b&lhos, pelo modo explicad*..Remetteu-se copia
ao respectivo juiz municipal.
A junta classificadora de escravos do muni-
cipio de Ipoj ica.Ainda nao pode ser approvada
a nova classifieaco, quer por copia acompanhou o
officio de Vmc- do Io do correute :
Sendo de 4:672^112 a importancia da 7* quota
do fundo de emancipaco nesse municipio, incluido
o sold da 6a na de 96002 e podendo dar sx o
caso (o que alias ser eatranhavel) de seren pelo
fundo aesponivel, libertados smente os escravos
da 1' ciaste de familias e alguns da 2*, desde que
estes teem como condico de preferencia a cir
cumstsncia de perteocerem a essa classe, sem que
tenham filhos menores, livres ou peculio, justo
que se e*-iu'.veleca a prelaco pela idade, come-
cando p..!o Wais.velhos sem qtte possa prevalecer
a favor de algum delles como peculio, qualquer
quant'a que seja agora declarada. Neste sentido
faro Vmcs. nova classifieaco.Remetteu-se co-
pia ao respectivo juiz municipal.
Ao jai- municipal e de o-phos do termo de
Taquaretinga.De posse do officio de Vmc. de 3
do corrente, recommendolhe que faca organisar a
re lacio dos escravos libertados nesse termo por
conta da 1* quota do fundo de emancipaco, de
accordo com o modelo junto por copia, mandado
observar pelo Ministerio da Agricultura, Commer-
cio e Obras Publicas, em aviso de 16 de Dezembro
de 1880 e outras decises.
__Ao juiz de paz, presidente da junta de alis-
tameute militar da parocba de N. S. do Rosario
de Lruangy.Communico a Vu c. para os fins
conveuientes, e em resposta ao seu officio de 5 de
Agosto findo, que a l amara Municipal de Tim-
baba, por cfficio de 27 do mesmo mez, patticipou-
me ha ver mandado fornecer nao s a essa juuta.
como as de que se coinpoe o referido manicipio os
artigas necessarios para o respectivo expediente.
Portara :
A Cmara Municipal de Timbanba.Recom-
mendo a Cmara Municipal de Timbaba q e de-
volva-me o officio do jais de paz da parochm de
Craangy, de 5 de Agosto findo, que dispc de
eompanhar a informaco dessa Cmara, de 27 do
mesmo mes.
O Sr. gereote da Companhia Peraambucaoa
mande transportar gratuitamente com passagem
de pros, na primeira opportunidade para o presid
de Fernando de Noronha, a Felismina Mara da
Conceico e-ama filha menor, mulher do senten-
ciado milita* Manoel Jos do Nascimento.Com
municou-ee ao director do presidio de Fernando
de Noronha.
__O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande transportar gratuitamente proa, na pri
meira opportnndade para o presidio d 1 Fernando
de Noronha a Belmirs Mara de Lima, mulher d
sentenciado Fraucisco Lus de A buquerque.
Cominunicou s-i ao director do presidio de Fernn
do de Noronha.
EXPEDIENTE DO SECRETABIO
Officio:
Ao cmmandante das armas.S. Exo. o Sr.
vice-presidente da provincia manda ciaimunicar
a V. Exc. para seu conhecimento, ter expedido
ordem ao Arsenal de Mariuha no sentido des r
satisfeita a requisico constante de seu officio n.
42 de 13 de Agosto findo.
Ao darector da 2" Directora da Secretaria
de Estado dos Negocios do Iinpeno.De ordem
dr Exm. Sr. vice -presidente da provincia, declaro
a V. S. cota as respectivas razoes os autos de re-
curso interposto pelo conselheiro Joo Jos P nto
Jnior, os quaes tendo-lhe sido remettidos eui 10
do crrante mez, foram apreseotados nesta secre-
taria, no dia 13. Assim respondo oo officio n 3721
que V. S dirigi a> mesmo Exm. Sr. vice-presi-
dente, i-m 28 de Agosto findo.
A Dr. juiz de direito da comarca de Sal-
guero. D>. ordem de S. Exc. o Sr. vice-presid nte
da provineU, aecuso receido o officio de 14 de
Ag sto fiudo, em qte V. S. participa ter confir-
mado em grao de recurso necessario o despacho
do juiz uiiiu-cipal do termo de Leopoldina, pro-
nunciando como incurso as penas do art. 175 do
c digo crimina combinado com o arts. 8 e 9 da
jei .\\e 8 ejJp,putubro de 1833, Maricnoo da C 'Sta
'aWujaJapssL, rverhip de Albuquerque Bar-
ff.\ como autores e o terceiro como cmplices, .,, 1 ,,1,
le Agijtu, H^unp,|,sph,ii, ^JVKtftr
SAdH'\rfrfj!H.''r*,,i. W'WMo sscaiptpr ce itr^l
ft^vo*-ta^,jwftP;ff^ wi Swafi^v
EXPEDIENTE DO DIA 11 DE SI
, IfVWflm 0
e 2,
mmfoff!mM% 4nf^,Pw(j.P4' *to,
Marianoft,, 4, 1Qm|S(,j,
pollina, e nomear para substtuil o o capito An-
dr Baptista de Araujo. C> umunicou-ae ho in-
spector geral da Iostrucco Publica.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o subdito italiano Miguel da -Iva
Pellico, residente uest provincia, resolve, de ac-
cordo com o disposto no decreto u. 1,950 de 12 de
Julho de 1871, e usando da autorisa o conferida
pelo art. 14 da lei n. 3,140 de 30 de Outubro de
1882, naturalisar o referido subdito italiano Mi-
guel da Silva Pellico, afim de que pisaa gozar de
todos o i diretos, honras e prerogativas que pela
constituico competem aos cidados brasleiros
naturalisados.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren o subdito portaguez J .o Antonio
deOlivuira, residente n'esta provncia, resolve, de
accordo com o disposto no decreto u. 1,950 de 12
de Julho de 1871, e, usaudo da autorisacao cont
rida pelo art. 14 da lei n. 3,140 de 30 de OutuHro
de 1882, naturalisar o icferlo subauo portugus,
Joo Autonio de Oliveira, afim de que possa gozar
de todos i s diretos, honras e prerogativas que
pela constituico competem aos cidados braslei-
ros naturalisados.
Officios :
Ao ins ector do Ai seal de Marinha. Re-
metto a V. Exc, para os fins convenientes, copia
do aviso do Ministerio da Marinha de 31 de Ags
to ultimo, n. 1,134, que concede urna gratificaco
extraordinaria ao mestre da officina de carp>uas
d'esse Arseual, Antonio Rufino de Barros.
Ao mesmo.Couvindo aos interesses do Es -
tado que os contractos para os diversoa forneci-
meutos marinha tenham vigor desde o primeiro
dia do prazo estabelecido nos annuncios das res
poctivas concurrencias, resol ve u o Ex a.
talco da mariaha, ceafsrme oblara aa ai
" eRar n. 1.265 de 3 do crrante, que d'ora em diau-
te as mesmas concurrencias sejam convocadas
com a neceasaria antecedencia, de modo que todos
os papis que lhea tiverein servido de base che-
guem respectiva secretaria de Estado para a de-
fiutiva resoluco, um mez antes de comecar o dito
prazo. O que faco constar a V. Exc, para seu
conhecimeuto e devida execuvo.Communicou-se
ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Ao conselheiro presidente do Tribunal da
Relaeao.Reitiro a requisico feita em officio
d'esta Presidencia datado de 15 de Abril ultimo,
para que V. Exc. se digne de providenciar no
sentido de ser transmittida secretaria d'esta
Presidencia a certido do processo de Valerio
Erancisco Regia, que interpiz recurso de graga da
pena de 9 annos e 4 mezes de priso simples, que
lhe foi imposta em 21 de Marco de 1881 pelo jury
d'esta capital.
Ao Dr. juiz de direito do 2o districto crimi-
nal.Reitero a V. S. a requisico d'esta Presiden-
cia eui officio de 7 de Julho de 1885, no sentido de
ser fornecida a certido do processo de Jos Joa-
quim de Grvalho, que interpoz recurso de graca
da pena de 14 annos de priso simples, a que foi
coudeuj.ua io pelo jury d'esta Capital em sessao de
2 de Agosto de 1879.
Ao iuspectoi iuterido da Thesouraria de Fa-
zenda.Communico a V. S. para os devidos flus,
que por aviso de 3 destinsez u. 1,152, declarou me
o Exm. Sr. ministro dar Marinha haver autorisado
o commandante da escola de aprendizes mariuhei-
ros desta provincia a dispender a quaatia de 244
com os coueertos do fogo da referida escola, re-
qiiiaitado pelo c.pito de mar e guerra, Eduardo
Wande-koik.
Ao mesmo.Remetto a V. S., para os devi-
dos fina, copia do aviso do Ministerio da Marinha
de 31 de Agosto ultimo, n. 1,134, que autonson o
abono de urna giatificaco extraordinaria ao mes-
tre da officina de Garapias do Arsenal de Mari
nba, Antonio Rufino de Barros.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fins
convenientes, quo o bacharel Arconcio Pereira da
Silva a 29 de Agosto findo, assumio o exercicio do
cargo de juiz de direito da comarca de Floresta,
para o qual foi nomeado por decreto de 12 de ju-
lho ultimo.
Ao mesmo.Pela quarta vez rcommendo a
V. S. se sirva de exigir do collector geral do mu
meipio de Bezerros, impondo-lhe as penas em que
incorrer pelo nao cumprimento das ordens recebi-
das, as uformacoes solicitadas nos meus officios
ds 3 de Abril, 2 de Junho e 8 de Julh >, afim de
resol ver-se sobre o levantamento do peculio per-
teucente ao escravo Florencio, visto que o mesmo
collector no officio em original, annexo ao dessa
Inspectora de 23 de Marco son n. 195, declarou
que por outros motivos que expendera sefoste mi
ter, havia submettido essa quesio sua aprecia-
cao.
Ao inspector do Thesouro Proviucial.Nos
ermos da saa informaco de 10 deste mez, n. 127,
mande Vmc. entregar ao gerente do London Bra-
ziliau Bank Limited, agente financeiro da compa
uhia Recife Drainage, a quantia de 131:1-165755
proveuien'e dos services feitos por essa compauhia
durante os mezes de Janeiro a Junho do corrente
anno
- Ao inspector geral da Iostrucco Publica.
R spondo ao officio que Vmc. dirigime em 9 do
corrente mez, sob n. 295, declarando lhe que em
n me desta Presidencia agradeca a offerta que fez
o oacbarel Jos Joaquim Alves de Albuouerque
do 100 exemplares da obra de que trata em seu
predito officio, para serem distribuidos pelos esta-
belecimentos litterarios da capital.
Ao director do Arsenal de Guerra.Mande
Vmc. collocar na guarda da Thesouraria de Fa-
zenda ama guanta de madeira.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Li -
moeiro.Transmiti a Vmc. para a devida execu-
co copia do decreto de 28 de Agosto finio pelo
qual foi perdoada a Antonio Jos Dourado da Sil-
va, a pena de 1 mes de priso e multa correspon-
dente metade do tempo a que foi condemnado
nessa comarca em 3 de Maio ultimo.
Ao Dr. juiz municipal e de orphaos do termo
de Bom Conselho. Em observancia do aviso do
Ministerio d s Negocios da Justica, incluso por
copia, de 31 de Agosto findo, rcommendo a /me.
proeda a novo concurso para o provimento vitali-
cio dos oficios de 2o tabetliao e annexos d'esse
termo.
__ Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Cimbres, relativamente aos officios ae Io e 2o ta-
bellio e anutxos do termo de Alaga de Baixo
Ao juiz municipal de Granhuns, relativa-
mente aos fficios de 1 e 2 tabellio e annexos
do termo da Correntes.
__ Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Bez-rros. De posse dos officios de Vmc. de 21 de
Agosto e 3 do corrente, ao ultimo ios quaes acom-
paiinaram a certido de idade e a averbaco da es-
crava Engracia, filha de IJuiteria, libertad nesse
termo por conta da 4' quota do fun o de emanci-
paco, em 1883, declaro-lhe para os fins conve-
nientes que nao pode ser a dita Engracia alfor
riada por contado* ,7,,yio.te, *'? 1ue' me8ir0
an.Va.da |j^r^co!(oV*vi aw,e,de,Dqm.0gos, seu
i,rpfo,,m iWSid'sM".* lfP* ****j" "
,lgJ2. Api. *U*,;.^o4k^W dato:
SWftWn.M* ,icf3mB*WJio 4aquejes,,opas-
LmeflS,,.! ,,/.,.-,, .<../:/,. i, ii,-.i '! V_fc?fc
Je i.ovo, deei^o desta presidencia a c.oaulta
coustaute do seu officio de 3 corrate.
Ao eugenheiro fiscal da eatrai*de f ..o do
Recife ao S. Fraucisco.Declaro a Vmc. p.ua as
flus conveni -otes que por aviso Jo Mim.-t rio da
Agricultura, Commerciu a Coco i'ubl.cao o 3 do
correatd, sob n. 13, foi approvado o acto esta
presidencia autorisaudo em 1" de Agesto o'.rioio,
a compra de ama machin I" uiua ba-
lancade pesjs wigoeg, u-cessiriu e essa eairaa
de ferro.
Portaras :
0 Sr Gcreute Ja Companhia Pci^amba-
cana, muudc dar passagem a re at M.ico., no
vapor que a-'guir para os portes do sul ^ 26 de
e >.r uto, ao D' Luiz da Frauc* de Castro Barro-
ca, porffonta das gratuitas -. que o govc._o tem
direito.
EXPEDIENTE DO SECBETAKIO
Ao comm>nlaule das arina.vO Ex.u. Sr.
vice-presideute da provincia m-t.ida Uecu.ar a
V. Exc. em resposta ao seu officio de hoj: datado
que ao Ministerio da Guerra remettido o officio
i m que V. Exc. reitera o pedido de sua cx^uera-
co do cargo de commaudante das armas desta
provincia.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Flo-
resta. -. Exc. o Sr. vice-prosid nte da provincia
inteirado do asauuipto do officio de 29 de Agosto
finjo, recommenda a V. S. que trausmtU a cer-
tido do s.u exercicio.
Ao agente de paquetes.. Exc o sr. vice-
presidente da provincia ficoa mteiraio peo offi-
cio de V. Exc. de que o vapor Mandos, ca:. Jos
6 horas da manh, dos portos do norte c0-uir
hoje mesmo s 6 horas da tarde para os do sul.
SMFACHOS DA PKESIDEKCIA DO DA 2 M
SETESfBSO DE 1886.
Antonio Nolre de Aluiei la e Castro.
'iss ortaria na fono, requerida-
Antonio Borges da Silveira Lobo.
Passe portara pro rogando provisonam 'ata.
Anaa Lauriuda Varejo Barbosa. Sim,
nao haven io inconveniente.
Dr. Bekhior da Gama Lob*. Emca-
minhe-se.
Francisco Antonio Teixeira de Albuquer-
que. Informe a Cmara Municipal do
Recife.
Jos Costa da Silva Maia. Informe o
Sr. inspector da Thesouraria de Faz nda.
Capito Jos de Castro Reg Liuta.
Informe o Sr. juiz municip 1 do termo de
Calmares.
Mara Antonio, da Cost Si.n, com
metade do ordenado.
f ebastio Antonio de Albuquerque Mel-
lo. Remetti io junta medica provincial,
a quem o suppcante se apresentar para
ser inspeccionado.
Ban:o do Brasil. Informe a Cmara
Municipal io R -cif envan io ama demona-
trayao cir^umstanciada dos pagamentos fei-
tos desde o anno de 1883.
Secretaria da Presidencia de Perninbu-
;o, em 23 de Stembro le 1S86.
O Kjudante do porteiro,
Antonio F. da Silveira Carvalho.
;i|.

taTart. 34 dfeguiamento de 13"de Jfeye abro*
d^ itW, cido nesse meamo:w<>tL 4ft,AqstoaWofi
para applicacao ds
quota dtfo4B4*1,qe1i)m nci-
iHgkJr'ueg sop.|ui-iisaHJOMu ab _*vl
oneraf
do respectivo juis de oraliqss!BV*fn),araii romi
MadliM*
Reparll^io da Folela
Secco 2.' N 929. Secretaria da Poli-
iade Pernambuuo, 3 He Setembro de IS86.
Ulm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que boatem foram recolbidos na Cas de
Deteoyo os seguintes indiviluos:
A' minha ordem, Joo Man el Evangelista, via
do do termo do Bom Jardim como desertor do ex-
ercito; Joo Baptista da Cruz e Luis de Franca
ios Santos, alienados, afim de terem destino p-*ra
o asylo da Tainaroeira.
A ordem do subdelegado do Recife, Pedro, es-
cravo de Francisco de M. Cavalcante de Albuquer-
que, a requerimento de seu senhor Joaquim Anto-
nio de Farias, por embriaguez; e Carlos Jos Go-
mes, com vagabundo.
A' ord-m do do 1" districto de -. Jos, Mara
Antonia G incalo conheci la por Paraguaya, Joae
Antonio Nepomuceno, Jos Avelno do R**go, Ja-
cintb" de tal, por disturbios, ficando os 3 ul'jmoe
dispo8co do Dr. delegado do Io districto da
capital.
A' ordem do do 2 districto de S. Jos, Carlos
Manoel de Limi e Roberto Jnior Nepomaceno,por
disturbios.
O cidado Demetrio de Gusm) Coelho reassu-
mio em data de houtem o exercicie da subdelega-
da do l- districto da Graca.
Deus guarde a V. Exc. -IHm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souxa Leio,
muito digno vice-presidente da provincia.
O ebefe de pollaa, Antonio Domingo
Pinto.
Com miado das Irmas
quartel ge5ebal do commasdo das ak-
mas de peksambdco, em 23 de setembro
de 1886-
Ordem do dia n. 121
E'-me grato publicar para conhecimento da
guarnico e devidos efleitos o officio abaixo tran-
scripto, qu em data de 21 do orrente ae foi ex-
pedido pela Presidencia desta p-ovincia:
Palacio da Presi lencia de Peroambuco, em
21 de Setembro de 1886 1. BmS Sirva-te
V. Exc. de, em nome desta Presidencia, louvar ao
teaeut Leoncio Luiz Pinto Ribeiro, pelo modo
p irque desempenhou os seus d-veres de delegado
de polica e commandante do destacamento, qae
esteve ult'mameute em varios p mtos do iuterior
desta provincia e principalmente pela aetividade
e energa com que se houve em Leopoldina quaato
s diligencias a que procedeu para dcscobnmente
dos introductores de moeda talsa n'aqnelle termo e
em Ouncury. Deus guarde a V.Exc Ignacio Joa-
quim de Soma Leio Sr. brigadeiro commandante
das armas. ..
(Assignado ) -O brigadeiro Agostinho
Marques de S, commandante das armas.
(Conforme) -O tenente Joaquim Jorge
de Mello Filho, ajudante de ordens inte-
rino e encarregado do detalhe.
-a>jDCjea -
Thesouro iroTlnclal
DESPACHOS DO DA 23 SETEMBRO DE 1868
Contas da Procaradoria dos Feitos, do comman-
do, ,*Mnio ^.W^'^.^fr^Fl>.ds Obras
PbiBasp.d admjBoatr**01 d.Cs*de,flsVncao
e do o^eotqre* 1*. ,BeM J4nuine,rrAppro-
vadas. li un, ,
i,^io,Loae,ds.Cv^b^AJb#o^ do.
wtwj,JM,Gws..Slarraira.Mai,,o Jflstu"
Fiuoso, da Rocbn.-rDi.fwidf. sendo eUssi-
nada da contribuico da decima (m,
+u*.p^UB0nCsmar*4jnAu ftet**&t*ctu*'!Z
mw,cwdi9es,da, ,>ei n- .W4a*'^z^racio
de ttyljitjAWe.!,, wp .n'%. "-A 'a


CllJiL



Di*rw te Vi
das iufbrmae5s.
Franciaco Antonio da Natividade Saldante.-
Deferido, tomando-se por termo a fianza offere-
^Dr. Astenia Brono da 8lva Ifaia Iodeferide,
* vista das informacoes. .
Manoel Aires Guerra e Dr. Antonio Bruno da
Silva Maia.Defendo, ficando irresponsavel pelo
debito anterior, o novo mquilino que establecer-
se noa armaseBS n. 3 a. ra do Vigario Tenorio e
a.6ruaio-Amwim .no pavimento terreo do
predio 3Bm & a dofr Marosez de desoccupagso se ssova
Manoel fcrnaa^s VeHoso^Aatonioai. dagfclv
oatro, B|s.MqasJsBernardes Olivara, Masoei
Ferrreira da Coa*, MonoetjUtooia.dos Santos
Fostes, Manoel dala? "taXiopes- e Eduardo da oil-
v* Ferreira^ Vosasm ao- Sr. cantador.
CanJida-Vniegeada Corta 84ailo.-JIferid(* to-
asasdo-se )"--- a fisoca ofiforecidWdepon de
reeolhidaa as apoliees em aucao.
JosOsiasde Paula Homem.Archive -se pelo
Contencioso.
J. J. Alves de Alboquerqne, Joao Uroneio
Franco e Dr. Jos Honorio Bezena de Menezes.
Isforme o Sr. contador. .
-Jas- Antonio de Mras.-Essriptre-e-s-dm-
Jos Ignacio d'Avila; Ordem 3 de 8. Pranieco,
otados do Dr. procurador dos Paitos, Manoel J.
Pereira e Alheiro Oliveira & CInforme o Sr.
Or-admnietrador do Consulado
Sve & Irmo, Luiaa Baptista Nogueira, Joan-
aa Baptista da Coneeico e contas do collector de
Jpojuca.Haja visU o Dr. procurador fiscal.
Antonio do Barros Falco e Joo'Gas coa^Cer-
tifique se.
Jos Feliciano Cabral.Cnmpra-se, registre-se
<;. ira-se os aasentamentos.
Delmiro Gomes Ferreira.Ao Sr. Dr. procura-
dor fiscal para attender, nao havendo inconve-
ieute.________________________
Consulado provincial
ES PACHO DO DA 23 DE SETEMBRO DE
1886
Hyppolito Velloso Pe^erneira. -Intorme
2,' sece2o.
.Jeao Bezerra. & C, Jos Rufino Cliraa-
-coxia Silva, Joao Alves do Valle, Joaquim
Francisco dasChagas a Silva, Antonio Fran
taco dos Santos, Sebastiao Jos Bezerra
Cavalcanti, J s Vilella e Castro Mariz,
Maaoel da-{Silva Ferreira, Joaqaim Igna-
ur-Oliveira Sb C, Guilher Spuber, Ribeiro
& Ahneida, Joao Ferreira & C, Albioo de
do Araujo Cesar, Manoel Cavalcanti Luiz
& C-y Antonio Ignacio do Reg Medeircs
Janior, Almeida & Filhos, Thowaz Com-
bar, Antonio Jos da Nova, Jesuino Alves
Fernandes, Theoonio Flix de Mello C,
Jos Braz da Conceicao cFilho e Alvaro
Joe Pereira. -"Informe a 1." secco.
Arthur Gomes da Costa, Francisco Luiz
de Franca, Luiz Jos.de Franca, Oliveira
Sbbrinho, M-moel "Menezes de Albaquer-
que, Conrado Alvaro Eraeliano de Olivei
ra, Conrado Antonio Pereira Lima, Luiz
Ignacio Bezerra, Jos Luiz Cavalcanti,
Heliodorio Alfonso Per ira Lamego, Joa-
quim Jos da .Silva, Jos Luiz de Franca
Caldas 3 peticSes, Manoel Ferreira dos
Santos, Francisco Gomes da Silva Sarai
va. Certitique-se.
/Antonio Marinbo Falcao 2 pets3es> Joa-
quim Francisco de Paula Barros e Sera-
fim Jos do Anjos Santos. Certifique-se.
Hyppolito Velloso Pederneira. Dirja-
se ao Sr. inspector da Altandsga visto a
informacao.
RtviSTA DIARIA
-TrTfgrWu noi >ui man ,M ......nMirHan nutufroe* ****
^Vm,la" M*^ dado^ies uUim.manto a desidia de algn, de
aoT agente, tea dado logar 4 inqoelificaveis
vexames aos contribuintes.
. Diversas pessoas tem-no* procurado para
pedirmos providencia (!), quem competir tom-
is, contra o desleixo de empregados do Consulado,
aue deixam da faaer o devido lancamenio do paga-
mento de decima de casas e de annuidades da
Compsahin Drainage.
E*86 eoaBeno d logar a seren taes inj-
oostos cobrados^xecutivajiWBte a qnemest qui-|
117 occawonando grandedaepe.za de OBetas, poi
aar seawre faeil ao caettibuiate acharo conhe
ateneos, e recibos pava provar que javmaa deve.
E qaando aconiecerpoder elle d)|BUe*trBr A
iVend*o pagamenttfhlupio, sempie elBiigado,
m daaBdespa**, a-eperar trea MfMf*"110
K* veaseua raifcimirii" atendidaJBlo iqbb
E' precito que o Ateo, este modo eiaajae ji
se conheceu a necesaidade *de nniformisar o
pesos e medidas, nSo tenha dois padrv-s : um para
receber, outro para pagar.
Socledade Drammatlea nceo-
te S& te leenBlroEsta asacciagao pro-
cedeu no dia 19 de corrente a eleicaj de sua dir-
PresidenteManoel Beeerra dis Santos.
l.o vice-presidenteJos Bocha Lima.
2 ditoAntonio Witruvio de Medeiros.
1. secretarioJoo Melehiades Fortunato de sou-
- Comniindanle do t-urpo de polica
Por acto da Presidencia, de hontem. 23 do cor-
rate, fi i nomeado commaudante do corpo de po-
liai ;. o bcsso amigo major Manoel 'Joapalvea Pe-
reira Lima.
8 Exc. o Sr Dr. presidfnte da provincia nao
oadia escolber para o desampenho d'aqu^lle cargo,
eidad2o mais auto e idooei do qiie-o nomeado.
A' urna actividad provada, intelligencia eecla-
Aioeida e houestidade inequvoca, rene o mjor
Pecara Luna, urna certa somma de conhecimento
thaorico e pratico do redimen militar, que Iha d
iterra aptidao para a boa direccSo do corpo sob
aea caminando.
Amda ltimamente, exerceu elle o afanoso e im
prtante cargo de director do presidio de Fernan-
do Noronha, em cujo desempenho merecea lou-
orea, pelo seu zelo energa e probidade.
FelK'itamos ao nosso amigo e fazemoa votos pa-
ra, ue sej elle feliz em svu novo emprego.
Hoaroso.O Exin. Sr. Dr. vice-presidente
da provincia, em officio de 21 do corrente mea, di
rgido ao Exm. Sr. brigadeiro commandante das
armas, louvou ao Sr. tenente do 14 batalbfio de
aMitaria, Le mcio Luis Pinto Ribeiro pelo modo
aaque desempenbuu os scus deveres de delegado
de p ilieia e cammandante do destacamento, que
Itimam^nte estivera no interi >r da provincia, e
principalmente pela actividade e energa com que
ae buuve em Leopoldiua, qutnto s diligencias a
qae procedeu para descobriinento dos introducto-
res Aa. moeda falsa naquell* termo e em Ouricury.
Conde Ernesto Patralo.Este hab-
liaaimo e intelligeute prestimano despedio-se ante-
hon'em do publico desti cidade, representando
pela ultima vez no theatro de anta Isabel.
Os aeus esc lhidos,trablhosJde prestidigitaco e
BMgiaforam executados com a maior perfeiclo, e,v
aaais urna vez, co heu o eximio artista merecidos
-applausos.
A coacurrpniaa foi regular.
An .i%-ormarlo de falleclmento.
Fas m boje 52 annos que em Portugal talleceo o
primeiro imperador do Brazil D. Pedro I. Por
este motivo de luto nacional o dia, haver
salvas a 6 horas da manba, ao meto dia, e s 6
da tarde, e tiros de 10 em 10 minutos.
fobrado* em ruina.O sobrado ruado
Boa Jess, n. 46 est em completa ruina, e ainea
ce desabar a todo Instante, oum grande perigo
para os transentes e os vizinnos.
Esse sobrado pertance ao Moateiro do S.'Bento,
ae a Cmara Municipal n* tomar as necesanrias
providencias, cortamente temo de lamentar urna
deegraca. U da ra Direita n. 1U0 acha-sc em
igahcs condicoes.
Cldade do Cabo.Communioaram-aos o
aeguinte :
pec-tm, Sr9. Redactores, pelo 3eu bem enneei
taad. Diario providsncias s autoridades policiaei
dVsta ci lade para acabarem com urna baada de
chorros, que infestam a ra d'j Cimde d'fia
attacando aos tranbeuntes, a ponto de esti-
ren) as roupas dos mesmos. como aconteceu c m o
Rvdm padre Joo Carlos da M mra, pois roa pn-
ram-lbe a harina, e coro urna pobre mulber, cujo
aome nao sab'-m >, a qual ficou quasi na, eia
eoneequencia de os re rid a cachorros terem rom-,
pido v-.-injiio-tam-nte o vestido. A lujo Uto assis-
tiraoi diveroas pessoas qu-das e mudas.
A razio de pedirmos providencias as autori-
dad'a pjliciaes e n) jh fia .-al, porque parece
que nao existe na localidade sem^lhante funecio-
nar i
R.-trnto a oleoA, jrmardade do Nosaa
Senhora da Loa ereei, u greja do ("armo resal-
veo em atteuco aos relevantes servioo presta-
dos a ineam pe.o inno ex-} lis e atual tbaou-
reiro o Sr. Lnn Alves L-ssa Pinmtel oytndar
KSULO.seu rjrlrato a oleo para ser colloca lo nai
reap- ctivo consistorio.
Vcha-se em expimc > na galeria do Sp. A,
Hen'-chcl na do Bi'da Victoria; cacarr-g*du
J en* ag 11 I > m-ino r-r.rito.
Vapor Koplrilo Jn tEste paquete da
COBipiiihin llr-zile-ira, i-hegHdu h^je dos porw do
orte, segii>r4 h..Je m.-tm > pa^ra os do -aV *>i hu-
ra '"rd-
Cnprirha das tnocaMlJ-C >m e*tn attrat.
beat-iitulo neabade pitltlie'.rs''ni>rsrbeleci(nDto
de n"ia'es do rtrSA'. J Azeved >, i mt do B "
da Vict re, orna Knda'pia para piano,^pr >duc-J
eao-ie R-Bdoni. T
Agradecemos a i4e*U cjtte nolsi-Adta del aja
2.o ditoAntonio Barbosa Cardeiro.
IhesonreiroAstolpho Francisco de Mello lava-
res.
OradorJos de Arimatba Gesta Pontes.
1. pro 2. ditoJos Patrocinio Carino Ribeiro.
Director de scena e ensanadorCicero Odn Fer-
reira Rosas.
A passe ser no dia 29 do corante s 5 horas
da tarde no lugar do costume.
Cidade do lo ForanoaoDesta cidade
eacrevem-nos noticiando o seguinte :
No dia 7 do corrente, na sala do edificio no-
vamente adquerido para as sessoes da sociedade
Litteraria Baneficente, estando decentemente or-
namentad!, e presentes as conselhos, directores
actual e o eleito, grande numero da-aenhoras, so-
cios e outros eavalleiros, tocado o hymno nacional
a ergu-dos os respectivos vivas, o Dr. director juia
de direito Manoel Joaqaim dos Santos Patury,
declarou aberta a sessao magna de solemmsao,)
do Io anniversario da sociedade e de passe do con
aeluo director novamente eleito.
Em seguida procedeu a leitura do relatono
refrente ao periodo de sua administraco, e oon
cluido este passou o secretario a dar coma do ex-
pediente. Leu este um offioio do Gabinete de
Leitum Instrectivo e Recreativa'Gamellelrense
manifestando a impossibilidade em que se achou
para oompartilhar da festo, e cuja leitura e re-
cepcao foram aceitas oom o mais especial agrado.
-c Depois foi lida a acta da sesao em que se
procedeu eleico, foi em seguida convidado o
conselho elto a toar posse de saa administra-
Assuini i a :iresidencia o director eleito Bevm.
vigario Francisco Vensaimo Bandeira, e em acto
consecutivo cada um dos membroa d) dito conse-
lho, a saber : Antonio Jos Pineutel, secretario
(reeleito); Antonio Jos de Sousa Carvalho, the-
ourairo; Joaquim Carlos Pernira Maglhes,
procurador; e Dr. Antonio Amazonas de Almei-
da, orador.
dencia, deu a palavra aoa oradores inscriptos :
professor, Manoel Candido Fernandes Pires ; Joo
Cecilio de Miranda e o orador novamente eleito
Dr. Amazonas.
Fiado o seu discurso de agradecimento, pror-
cedeu-se a arremataco dos objectos expoatos no
bazar de prendas, qae foi bastante eoocorrido, a
despeito da ebuva toriwnvial que privn de ser o
pavilho preparado, continuando com animaco
at s 11 lloras da noi te.
No da seguinte (8) continuando ainda a cho-
ver, proseguio se arrenlataca idas prendas of-
fertadas e concluida oom grai.de regosip psoce-
deu-se a entrega das cartas de l'berdade a duas
esaravisadas Pelippa, crioula, iperteucente fto Sr.
Thomaz da Silva Paes Barreto, e Esmeria, tam-
bem crioula. pertencente ao Sr. Hermogeoes Pe-
reira de Sant'Anna, tocando-se o byunio da li-
berdade a musiea marcial e erirtieudo-se vivas
aos que querem e protegen a liberdade.
Receberam as'duas eecravisadas suaa cartas
das mos de duas crian :inhas, beijando aquellas
depois as mios do Revio, vigario etu gratido es
pecial da auas libert^coea.
j Snl-.ou-se muito togo do ar c aerstatos.
Sociedade Pliiloiettora Ftnoionon
hontem esta sociedade ob a presidenoia do Sr.
Antonio Meira.
Foi lida eapprovada a acta da seeso ante-
cedente.
Poi absolvido o reo histrico D. Pedro I, sendo
aecusado pelo Sr. Andr Das e defendido pelo
Sr. Epam nondas.
Sobre a (bese philoaophicaProna da existencia
de Defallaram os Srs. Pedro Das, Zeferiuo e
Ignacio.
A ordein do dia de qointa-feira esta : reo his-
trico Sneca, e a theze pnilosophicaDenunistra-
qao ila- liberdade.
Club Marcelino Cielo Tendo este clab
pro -edido no dia 22 do corrente mez a eleico para
n va directora, esta ficou assim organisada :
Presidente Theotonio Freir.
Vico-preaWentePedro Vianna de Mfedeiroa.
1" secretarioxva Cabral.
2 secretarioEuniciano Ribeiro.
ThesoureiroFloro Monteiro.
OradorMello Castro.
BibliothecarioJoao Cabral.
Cas domador em perlsjo. Ht dias
que est in'tailada no Puy a nUnagerie Peaon.
No dia 28 de Agosto, o domador Castanet aca-
ba va de entrar na jaula dos leea, c as traS tra
balbaram como de costume, mas um' sobarbo le&o)
D'Artagnan, soltou um rugido sordo, e, estenden-
do as garras, derrubou o domador, e larrava com
. 8 garras o seu braco direito.
Depois de terrivel luta Castanat consegue le-
vantar-se e atastar o leo com urna pancada do
seu chicote de ferro. O sangue corra- Ihe la fe-
rida larga e profunda. o corajoso belluario
continuava com urna furia estranha, a fazer tra-
ba) bar as fras.
A tnultido gritava :
Basta basta !
A > sabir da jaula Castenat cahio desinaiado.
Oj mediecs nao receiam pela sua vida, mas o
seu estado bastante grave.
Expoaicyto militarPalla se muito em
Braxeilas de ura projxcto de exposicSo militar.
Ha seis -innoe tentn-se levar a cffeito um) pro-
j-ctj semelhante. Os crganisadores pe iiam ape-
nas ao governo o s-u apoto moral. EsSe ap do foi
recusado por motivos de neutralidade, e parque
se julgou, com raaio, que nenham r >vcrno eavia
de raeatras, doutoras e advogadas nao team influi-
do seusivetmente as aaudes das estadantes. Em
contrario as estticas dinamarquesas revelam qu i
41 o/0 das estudantes sorem m saude em conae-
queacia dos estudos. Porm esta queatio da saude
nao prejudica nada, porque a mulher pode ir per-
dendo sua fecundida te aem que sua aaude se re-
sinta cm o mnimo grao.
Dos meamos americanos, um dos mais eminen-
tes, o Dr. Clarke, se m >stra to assustado dos ef-
feitos que produz as mulheres a alta cultura, que
diz que dentro de meio seculo os americanjs te
rio de ir Europa a procura de muihureg ae nao
^uiaeaem ver desapparecer sua raca sobre a face
laeerra.
i Os argumentos em que se fundain para declarar
,e o estado, ato o esforco intellectual, mata aa
her ae faculdades da mataruidad^sBo os so-
tes (que organismo da mulaer# infinita-,
te
.deeL^,
!e urna mestfla' cousa exige na mulher duplicado
esforco intellectual que no homem; que est sabi-
do que a excesaiva coucentraoao do cerebro mata
as faouldales geradoras.
Em vista d'estas razoes acient'.ficaa a maioria
dos congregados em Brigton csto conformes em
laSflO t" ""if"C*M uinmimi-vm^amin.
que nos Estados-Unidos, na Inglaterra e na Alie
manba se est dando s mulheres, d'entr > de al-
gumas gersepes a mxtade femenina d'aquelles pai-
zes ser impropria para as funecoea de ioe.
Voltemus e voJtaremos- sempre ao dictado com
mum,-quo manda que a educacao da mulher Srja
tal, que a faca agrada vel companheira do homem
e dojseu rival.
A ralnha d'Italia Em um dos seus lti-
mos nmeros o Figaro de Pars passando em re
vista as apaixoaadas colleccioniBtas de sangue real,
quaes a rainha Victoria e a ex-imperatrit Euge-
nia, faz da rainha d'Italia, o seguinte elogio que
Dassamos a tradazir :
Cabeca joven e loura, de perfil aristocrtico,
asas digna de seu nome de flor e de estrella.
A Margarida das iiargaridas, como a chama o
rei Umburto urna encantadora e conquista-
dora.
Muito senhora e bastante diplomtica, diz o
Principe MachiaveUi, veste-se a Worth, piata mui
bem aquareU, estada a maneira do ensiauar-se
as boas grabas do Padre Santo, conversa como a
rainha de Navarra e taz collecco-s de amor.
Os sabichdes mttito graves no Quirinal, apre-
sentain no aeu palacio de VI onza a elegancia apu-
rada de um pequjao Tritnoo.
Nos vaos das janelas eato collocaMas vitrinas
que offiseam os olhos comas pcroellinas e erys-
taes de Vencsa, de ourivesaria e de pedras pre-
ciosas.
Pobsus um* galera soa propria de 'cuadros
de primeira ordem. Tirou do podas biblijthccas,
certas amostras soberbas da arte fl irentina mia-
nezae veneziana. Os progreaaoa do bom guatona
Italia datam de sua suOida A frota llalrana Julfaaia na Ibgla
IerraO United Service Gatelte anaiysa a tor-
ea de cada nma das esquadrts europeas, recouhe-
ce com satisfacao que a Liglaterra sempre a
rainha. do m-tr,e da frota italiana, a que taz am
pa justica.'escreve : a nica entre as armadas
europaa, qua merece a sena attenco ioa hom- us
d mar .
0 Army and Navy Gzate deplora que a Ingla-
terra nao tenha anda acreditado um aegregado
militar na Italia ;e insiste, viato a impirtaucia dos
recursos militares desenvolvidos na Italia para sej a
re nedado promptameute semelhante erro.
O mesmo jornal anuuncidndo a chegad |a Spi-
thead dos navios d guerra italianos VMjrio Erna-
miele e Vettor Pisani, diz que a maior parte dos
bomens de. marioha sao amillares uestes navios e
especialmente os do segundo pelas numerosas via-
gens fetaa em todos oa mares, uo^n^vio-icola.
INota que a bordo dos dousoavios lia um desta-
camento'de discpulos da acailemia naval, enrre
os quaes o joven principe Luiz de Sib-y; louva
o costume dos italian a de f.svrem exeuutar aos
scus jovens ofE MaM long ia viagens de inatrcco,
costume im tado por quaai todas as potencius na-
vaes do c >ntm -nte, e excita o almirante ingles a
fazer outro-tanto.
Entre a V.-anca e ItaliaTeta dianer-
taao inuitos ominentariue -us circuios politicoa o
artigo da Opinione de 20 de Agosto, em que, era
minando a stiiMe da impreasa, dos cidadoa e
do g .verno f ran ae- r.'cipronos com a Italia, eoncl le com o ser pro-
vavd'-e prxima ama guerra europea, em,que a
Italia s ache de frente com a Fraaoa.
A Opinione enutnera todas as bravuMs -fraace-
zas contra us itaiau >s as ultimas dos quaes o in-
gnobil prot-sto dos pe#cadorep da Marselha ao gri-
to de : Al largo 4i.i itatiani .' e o toque do tromiv
ta dido pe o geuHrai (JouUiiger, o ridioul mmi >
tro da guerra em Franea, as franteiras italianas
para exain'nir as fortidcacdds.
A Opinione cottelue pedinlo aficazes e promp-'
tas providencio militares.
0 Fgaro publica um artiga firmado por
Francus. cinaque ge falla da importanois da Italia
das suaa intenodea, que inen -ionun s, pira que
s conheca, o que se pensa e se julga da Italia no
estrangeiro : V Italia, dase o eocriptor do arti-
goposau 600.0J0 activos de bom exercito e
1,109,000 de reserva, coinprehendida a noticia ter-
ritorial ; ao meuoa esta a forca c nhecida ; mas
resta a marinha, coja potencia, uinguem conhece
al vez terrivel.
Em todo Caso, se sabe que oa italianos anOun-
oiam am novo inethodo de guerra.
Qualquer que seja o noSBo iniaiigo, em uVna
prxima guerra, elle tentar d* quei nar os noas >s
portos eomm rciaes : Marselha, Havre e Agel,
violando odireio internacional
I maeaveaenadoraaementrannaw
Recommenda qoe as pracas em marcha bebam o
mea >s possivel, preferindo a bebida de seu cantil
agua desconhecida das fontes e pocos ; que nos
das de calor as marchas se.jam fetas alargando
os intervallos das filheiras e impedindo de se dei-
tarem nos pequeos descancos ; que se diligencie
sempre chegar bastante cedo aos acantname ntos,
afim de nao haver precipitaco no preparo do
rancho, e para qae as pracas possam trawr da
l'mp-sa dos seas artigos antes de se deitarem.
Phenomeno arlosoRsferem as Navi-
dades, de Nova-York :
A menina Lilhao Paal velara na aoite de 18
de Julho no quarto do pai. Pazia urna grande
trovoada : o graniso ftwtigava as vidrsoas e viv-
simos relmpagos faBiam de qaando ato qaando,
refl-.ctindo n'oma bandeja que*estava sobre urna
esa.
A rapariga levntou*;paraswdar Vc logar a
deheado que o fiboinesy e portantft aundeja, cujas scintilla^Ws Iheeiscommodavam oj
eeom a maior faMMds^attie o estud| (dteos. Mas, ao pegar na bandeja; a obrigou a voltar o rosto. Lincou sobre a ban
d-ja urna corbetura qualquer, e assim a guardn,
sabindo do quarto.
Na munh seguinte vio-se com geral surpreaa
retratado na bandeja, com assombrosa parecenca,
o perfi. da rapariga. Um phothographo tirou a
pottfgtaplna da tendea, e'Vftrtds"electricistas ha
bes esto fazendo experiencias, afim de ver se
conaeguem saber a canea de um tal phenomeno.
O electricista Daft, inventor do motor lo sau
nome, explica o caso, suppmdo que i retrato foi
prsdozido pela nxidaeo instantnea do veroiz
que cobre a bandeja, e que deve contar entre 0a
seus ingredientes o bicarbonato de potasaio, o qust
como so sabe, muito seaaivel aeco dos raios
solares.
A luz do vivis8mo relmpago, nflectido no ros-
to ds rapariga, foi bater nos vidros -da janella, oa
qtiaes, pela sua vez, a lancaram sobre a bandeja
com o surprebendente effeito que deixamos nar-
rado. x
Um poto subterrneo Prto do Soc-
corr j, novo Mxico, encontrou-se am antiquissimo
povo enterrado. Aa casas sao construidas de pe-
dra e a cidade tem extenco sutficiente para alo-
jar 3,000 habitontcs. Esta dcscoberta foi feita
por Amadpr Chaves, que conseguio desobstruir o
espaco que eomprehend'a 4 ttabitacoes, encontran-
do jauto a nma dellas Sm esqueleto de ama rapa
riera, qae tinha o cabello castanho, em perfeito es
tado de conaervaco. Eucontrou tambera algu
mas joias de coral de turqaezus e objectos de mar-
dm. O rigam-nto exterior das babitacoes esta va
carb misado, interiormente nada observou Amador
Cbave', porque nao conseguio entrar era nenhura
dos seus compartimentos.
BeuBdde saclaes Ha- ti je as segum-
tes :
Da Irmandade do Sr. Bom Jess dos Pasaos do
Corp Santo, a 5 horas da tarde, em sua sede,
par i eleico dos novos f unecionarioa para 1886 a
1887.
Amanh ha a seguinte:
o Recreio Infantil Nove-de Agosto, na respec-
tiva sede, (Instituto Acadmico) un assembla ge-
ral,-para appfovaco dos. novos estatutos.
CUiles.Effectuar-sc-no:
lloje :
Fro agente Brito, s'10 1(2 horas, na ra de
Pedro Affonso n. 43, Je fazendas, miudesas e,
joias. '
Peto agente Burlamaqui, s 10 1/2, horas no
largo do Colegio, do movis e joias.
fe o agente tinto, s 11 horas, rita do B-im
Jess n. 41, de fazendas limpas e avarmdas.
Peo ajenie Sttvtirafka 11 horas, ra estrei-
ta do Rosario n. 24, de uro engenho.
Mismas fnebres.Serio celebradas :
Uoje :
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, por
alma do professor Andr Jos de Almeida Cata-
abo.
Amanh :
A's' 8 horss, na matriz da Boa-Vista,'por alma
de D Joaqalna Emilia da Silva e Albuquerqu- ;
la 8 boras. na mesma matriz, por alma do mj >r
Ignacio Vieira do Mello: s 8 1/4, na igreja de
Santa rheresa, por alma docapitao Joaquim Le
cali Viegas.
Luteria de Madrid Relaco dos nume
roa mais premiados naextracco da-lotcria que se
verificiu hoje, 4 de Seteinbro :
Pesetas
D.UQU
aaWQ
,5.0 lU
5.00U
5.0-O
baflOO
3.C00
3 000
Otferacoes elrurgleasFeram pratiea-
das no hospital Pedro II, no dia 28 do corrente, as
seguintes :
Pelo Dr. Pontual :
Amputaco por desarticulaao do dedo grande
do p esquerdo reclamada por ulcera e necrose da
phalange.
Exciso pelo thermo cauterio de epitelioma da
la 1o esquerdo do nariz.
Pelo Dr. Malaquias :
Aoerturs prerectal de grande abeesso peri-
prostatico pelo processo de Segon.
Casa de OeteneoMovimento dos pre-
sos do dia 22 de Setembro :
Existiam presos 303, entraram 12, sahiraHl 7,
exiatein -108.
A saber :
Nacionaes, 282, mulheres 4, estrsngeiroa 9, es-
cravos sentenciados 5, procesiado 1, dito de cor
reeco 7.Total 303.
Arracoados 273, sendo: bons 262, doentes 11
Total 273.
Nlo houve alterarn na enfermara.
Matadouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 63 rezes para o consume
do dia 24 de Setembro.
Senlo:-48 rezes pertencentsa Ohveira Castro,
4 C, e 15 a diversos.
Mercado Municipal de *i. SonO
movimento deste Mercado no dia 23 do corrate,
f.i o seguinte :
Entraram ;
381/2 bola pesando 5,348 hilos.
914 kilos de peixe a 20 rAis 181280
80 cargas de f irioha a 200 ris 16<000
55 ditos defructas diversas a 300 rs. 165'*>
ra a urna expoaico universal segredos de gaerra | amante Smith.
Acabideser prest era 8 >m-rville, Msaacbu-
setts, por urna serie de crimes horripilantes, urna'
viuva, chamada Srah Rtbinson, e o seu cmplice
e amante, Thom-.s-R. Smith.'
A ser, n certas as suspeitas, a Ora. RobinSoo
desde o fallecim-nto do sen marido, occorrido ba
quatro annos, assasainou succeasivaraente, p,r
meio do envenenament >, nada menos dedez indi-
viduos, entre os quaes se contam duas filhaa e um
fih > da criminosa.
O primeiro crino, que'se lhe artrvbu1, occorreu
pouco depois da morte do marido consisti na
norte n yateriosa de urna fiha de dez annoB 'I-
idade; nao decorreu muito tempo sem quo falle-
cesse uica criancita, filha de uina irm do Sr. Ro -
bina n, e que viva em casa da envenenadora ; a
estar morte seguio-se a do pal da rapariga. Em
Marco deste anuo deixou le existir outra ftiha d--
Kobinaon, da idade de 24 annos ; n n > m<-tmo mee
fa lecia uina cnaac nha de sete aanus, sobn iba
ua envenenadora.
Estis duas mortes despertar m sospeitas, e
mai-", u'laudo ae s- guio a grave enfermidade de
um filho de R>binaou. O mlico .rraiysou secreta-
m nte o^-uliranitos que se davam ao rapaz, d>s-
cobrndo-se aeiles arsnico. D.-i-se parte OiBto a
1 polica, e foram oreaos lauto Rubios ra, como a sua
caja sorpresa resetro.va para mais sr:aa oc-
sasioea.
Ovos podres.A ler iagleza teu eesopre
-jcunas singulares. A-ssim, am acto do parla-
mento pane murto aevorarai-ute a vend de geue
- alimenticios creiuli'Tiaes sade publica. Os
usneutnrea dos mercados apprtheadera n uestes
uinm is-dias doze mil ovos em um alian tado esta
do de putrefaeco.
0 magistrado ordenava a destruteo d-Vsta nao-
oealmoda mercadoria e ia pnnuociar ama con
de.nnacao contra o seo poesuidor, quaado se re
e oih.-ceu que, na lei qae rege o assumpto, os
uvos, pudres o'i nao, tiuham ,sido esquecidos ; o
negociante voltou, poia,- piso dos seus doze
i< ovos, cujas omelettss nao serio de certo
maito appettitoues.
Boiuiio da fecnodidane das manie-
resHebett dpeneer o tinha ja dito : o traoalhj
iuledecuai torna-as a ujh*-rm meis pr lificas.
e>s nao seja todava o que iievera ser, conside-
iando que sao multo melbor alimentadas qae as
pobres e que ubansvam melbor todas as regr>s da
oygi-ne, nao pode attribuir-se s,ua inferioridade
tucundante sendo ao empregaferellectual que fa-
sdia de saas forcea dorante au%' educac i. -Esta in*'
fetioeidade uio se obaerva a no rebarxmento das
tacuidades de reprodueyo, seno tambem na. ca-1
pacdd quasi geral dais mulheres de eduoac/
uperior park-^xereer a funcu *J amameater os
fiiboi.
Atrrsuo cOngresso medico reonido'-dm' Brigton'
diteut este mesmo tuero :
Dlnrinue o estado asi racatdedes repredtictora'B
daa muHierea ?
' K maioria daa opfnea, doa argumentos e das
aaeim>l*r. _". Mtati'sttcas >ipresetada aocoagresso eoniamam
faavbM.^-2^t^ Iepg4e*r v0taMo afflroiirtiVe.
pabl .u a Provena, do da >i4)reotteBr t x eataiasticas das escolas supeveiree
m geral a grita que se ftvanta por toda a WeaBae-e^m^sitraBr^ite.ee
N entauto, falleca o rapaz; e, tendo-se exami
ado o seu estomago, eucoutroutoe o vea inte-
rior queimado, como por um v neno metaliieo.
O -cadver da irm, ijue fallecen em Marco, foi
tamo- m exhumado, e o mesmo se tratar.de tasera
to lo os deuanis.
Basta apenas am dado para explicar o mnvel
d sla borrivel auceeaao de crimes; todas as vic
timss tiuham seguro de vi la na quautia de 20 OJO
prSOS:
Vas lvenlo notavel O peridico mu-
sical, O Afenesfrel, d noticia de- ama grande des-
coberta.
Ocomposit-.r belga Van El-wy-k, resotveu um
problema que trnha, ha muiros annos, sido ohjec-
to de pesquzae entre os msicos, Trata-se de um
appaielb >,flue, appiicado a am piano oa a ota or
gao qualquer, vai dando estampa tado o qae se
toca uo instrumento.
Este apprerb i, air xjanl o sea inventor deiiciu
-Viuda qae a edtreacu das filhaa de familias ri-- triniire jtr-attiws ae espertencias,' de nm va
Ns. Pesetas Ns.
15.740 35i). 000 8.419
7.835 125.000 8.478
"'2,863 60.000 11.111
192 30.000 11.551
-992 5.(100 18.71-2
a.oia 5.00Q 15.282
3.55S 5.000 15.739
5.287 15.000 15,741
6. 22 5.000 7*354
7.(191 5.000 7.356
3 Uboleiros a 200 ris 4'0"
14 Sainos a 200 ris 2*8 0
Foram oceupados :
23 columnas a 600 ris 13*81 Mi
24 compartimentos do farinha a
500 ris. 12j*0ii0
23 ditos de comida a 500 ris 1U5IX)
69 ditos de legumes a 400 ris 276u0
16 ditos de anio a 700 ris 11*2(1
11 ditos de tressuras a 600 ris ti*6(X)
lOUlhosal* aOiOHt
2 ditos a 14 2*000
A Oliveira Castro & C.:
54 talhos a 1* ris 54*000
-2 talhos a,500 ris ''l 1*000
Oeve ter sido arrecadada neste dia
a quantia de 213*880
hiendimento dos dias 1 a 22 de Setem-
bro 4.-434500
4:6438.'
lor inapr-clavel para os qae iuproviSam |)arA
tos que tevm pouca'nab lidade em cscie'veV m-
sica.
OHr Van E.ewdi fTt funcrioDar* o a'pparelho
no palacio rea.; em pmse'aca dos eift-ndido entre
or qaass se'corttava a rinlia, que felictou oaloro-
saVvnte o-deWcoBriJor.'
Este dispJ-se a li^ar iomvdiatsmente o seu1
'pp rcrb'o as rrntpes'cnpitaes; ^c^mecand p"or
ParfW '
Hyglene das tropasO ministro da ru t
tw d>> iVpffb ica trancha' dirigi ama' circular aos
cttDuiHnd-inwsd'.o cqi'pHvo'exereltd antes.de ~
mevarem
Hres toda
oi das ti'dpas.
'f*ama, sobratod-v tert^ sobre d as** fe.ir-
ppral das pracas, limpeza dos seas artigodo drti-
ftrie, e dot roaes desrielo?- aot'aeoVaKjaawn-:
Poi arrecadado liquido at hoje
Preces do dia :
Carne verde a 20 e 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 80>) ris idem.
S II -os a 560e 640 rn, ideoi.
Varinha de 240 a 320 ris a cuia.
Milno de 240 a 320 ris idem.
Feijo de 500 a 64*> dem.
tjoterla oa'roloelaQuinta f ir, 3
do corren re, ao meio da, s extrahir a 3* pane
da 1 a lotera em beneficio da Sania Cas de
^Misericordia do Recite, pelo novo piado appro
vado.
1 N > c *srStori(> da1 Igreja de Nossa enhra'^a
j>Coiice*co dos MiliUrea ser teita a extraeco
' pelo systeDoa da machina Fich.
Lotera Rxtraordtarla do Vplrao
ga O dJ'e dirimo s.rteio das' 4. e 5* ser s
d-sa tinp'rrtWHre loteTia, cujo mai ir brearlo de
l5"r:00OW00, <*rk extrahid breVdm, rite.
1 Achantase eip istos a venda os restos de* bi-
tesnrf-Cttaa daPortilna-arna PrinJero (*< M^r'c
n. 23.
Lotera ate Macelo de toOioooaoon
A' lr"n ules la 1 lotera, cujo, pii-uil
LoteraA 3* parte de 1* lotera da provin-
cia, em beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recif-, pelo novo plano, cujo premio grande
100:000*000, ser extrahid no dia 30 do corren-
te, principiando a extraeco ao meio dia.
Os oilhetes acbam-se venda na Casa da Por-
ua, roa Primeiro de Marco n. 23.
Lotera ila RioA 2a parte da lotera
n. 365, do nevo plano, do premio de 100:0004000.
ser extrahid hoje 24 de Setembro.
Os bilhetes acham se venda na Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Latera da reA Ia parte da 2 0 lo-
tera, da corte, cujo premio grande de 100:0004,
ser extrahid no dia .. de Setembro.
Os bilhetes ach m-se venda ns Casa da For-
tuna rua Primeiro do Marco n. 23.
Tambem aeham-ae venda na p>aca da 'Inde-
pendencia ns. 37 e 89.
Cemlterlo publico.Obituario do dia 22
de Setembro :
Catharina, Pernambuco, 28 dias, Boa-Vista;
meoingitc.
Francisco Mendes Martina, Pernambuco, 71 an-
nos, viuvo, Boa-Vista; asthma.
Auna Mara, Periambuco, 17 annos, solteira,
Santo Antonio; nephite.
Um feto, Boa-Vista.
alaria Monteiro Bezerra de Jess, Pernambuco,
3 annos, -solteiro,'Boa-Viata ; tubrculos pulmo-
nares.
Antonio Camelio de Araujo, Pernambuco, 32 an-
uos, solteirc, Boa-Vista ; congesto cerebral.
Januario do Carino, frica, 65 annos, casado,
Boa-Vista; anemia.
Baibino Ferreira da Cunha, Parahyba, 24 an -
nos, soltiro. Boa-Vista ; gangrena.
Manoel Moreira Walter, Portugal, 36 afinos, ca-
sado, Boa-Vista; leso cardiaca.
Delphina Mara Xavier de Mondonga, Pernam-
baco, 78 annos, viuva, Santo Antoaio; derrama-
ment cerebral.
Felippe, Pernambuco, 30 dias, S. Jos; rachi-
tftmj.
Ignacio Marcos, Pernambuco 22 annos, soltei
ro, Boa-Vista : congesto cerebral.
UrDICAyOES UTEIS
Mdicos
Consultorio medlco-crrurRico do Dr.
Pedro de aliabyde Lobo Hoscoso A
ra da loria u. 39.
O doutor Moscozo d consultas todo os
ras uteis, das 7 a 1 horas da manh.'.'
Jste consultorio -efferecii a contHioiiidf
ie de poder cada doente ser ouvido e ex
ninado, sem ser presnnciado por sjalro
e'fjeio dia a 8 honta- da tarde ser
Dr. Moscozo-encoatrado no torrao fpr
yx do Ooiamcrcio, orule funcciona a mb
peccao do sade do porto. Pala qualfji*-'
teste;, Idus pontos poderlo ser ttirigidoi
ia haindos por earU as indicadas horas.
O Dr. Arthur Imba&ahy, medico occu
lista, recentemente chogadi', esta cidide,
a consultas todis os dias, das 8 s 10
horas da manha, sendo gratis aos pobres
po 1. andar do predio n. 8, largo ta
Santa Cruz.
Dr. G'iTna Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser,procurado qualquer hera do dia
uU da noite. CSasulus : de 1 s 3 boras
da tarde. E^pecialidade : molestias e op-
racSes dos orgSos genito-urinarios do ho-
mem e da mulher.
Dr. liatfeto Sampaio mudou seru consul-
torio do '. andar da casa n. 45, a ra do
liai-o Ja Vi-tona, para o 1. andar, da
casa n. 51, mesma ra, como consta dj
seu anuuncio inserto na scelo compe-
tente. Residencia a ra Sete de Setem-
bro n. 34.
Dr. Joao Paulo mudou sua residen-
cia e consultorio pitra a ra do BarSo da
Victoria n 18, nHar.
O Dr. Castro Jess tero o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jeeu n. 23,
gnorado.
(dvosailii
O backarei Benjamim Bandeira, ra do
Imp-jador n. 73, 1. andar.
, O Dr. Henrique Millet tem o seu es-
criptorio de advogicia ra do Imperador
n. -22, 1." andar.
Tabelllo
O Baehard 'Amaro Funseca d Albuquer-
que, tabellio do notas interino nesta capi'
tal, comraunica ^o respeitavel publico qu
abri seu escriptorio ho pavimento terreo
do predio n. 4, sito a ra- uo Coronel Fran-
cisco Jacintbo, oatr'ora de S. Francisco,
onde, com solicitado o mxima lealdade,
est prompto para deseropenhar as func-
c5es de seu cargo. Reside na fregezia
da B^-iVista, ra do Coronel Laraenha n.
30 (outr'ora dos Prazeres) para onde, fra
das horas do expediente do seu escriptorio,
devero derigir-ae ob chamados, para fac-
tura e approvaco do teatamentoa.
Consultorio ailopatlco doslmetrlco
Dr. Miguel Themudo d conaultas das
12 s 3 da tardo em su conaultorio ra
do Barao da Victoria n. 7, 1. andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Eapecialidades partos, febres, syphilis,
molestias do pul nao o do coraco.
Dr. Lope Pessoa Modioo.Residen
a a fu de D. P*dro I n. 9, onde pode
ser procurado at s 9 horas da manh.
Consultorio' ra do Bom-JesUs n. 37 1.
andar. D consultas das 11 a 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
irrogarla
Francisco Manoel da iilu ltanos de tod^s as especialidades pharmb
ceuticae, tintas, drogas, productos chimu-
laedicamentos homoeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
errarla a Vapor
Serrara a vapor e ojjicina de carapino
le Francisco dos antos Maoedo, caes do
Uapibaririe n. 28. N'este gran le estaba a
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-s t vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras dt
cunta alheia, assim como se preparam obr:
^ie cara pira por machina e por precos cea
n rosarla
Faria Sobrinho & C., droguistas por at-
tacadn, ra do Vfarqu 2 do Olinda n. 41.
i 8g jrran-les ^mlnobras, ecnfmendando-
a>a siliCitoilb e vtgli'hcra sobre nygie-
A tf-'p.
glande 'de ji/o.-iWiii-.peio wi^'p pjanu,_si \ .^*
trahtila impri-t'riv.ilioeie no dia 28 de
ljo,._ pri-i
o, ae- i
SertJIfr.i
_ mp
s llhflri.B ,u nftuiBf
Bilhetes a v u-iaua. (Jt4 Polis da praca d^ 1 .
dpftdi neta nn 37. ^ 39
JpjlIjWfB A t'EIDe ,
Lde con aliena ^~
fni]iortants "O si ti roerlo J,.= do San-os, residente no
Serri'6, municipio de Pelota*, pr vincia de Ri
Gr n ie lo Sin, querendo prestr oiija hoineuae^n
yrdanVa, mrnau'Ui publico a>- virtu di Pei-
lornl ce Cs tiara, preciosa aVacoberla do
Si. A.iyareaiUe S .> >.rs, de Pejotst, J publicar
: .mi impor''iiM-""ino dgl;ument., eavttver-
oosjorn.' dar.'f-rjda provincia :, ,
o Levo so Ciiuh -ciin,eiito do. |>ublie.o, maio. um
-,i., )i p ipuUr remediuPciio -
raJ de Cambard,c...hert -..preparavae doSr.
Alvr ' H.via^ seis aus'-s que am toase, grveme
Kti.rii'-.-niay'a-ii e noit-1(3. udv ltimamente dei-
j buii'dareecarror. ^s^^u : os pu'eioec
Um amigo sabendo do mea estado, aconse-
lhou-ine o precioso ifeitoral de Cambar, e somen-
te cm o uso de 12 videos d'este importantissimo
medicamento, consegu curarme radicalmente,
sentindo-me hoje f as lides de inioba fazenda do Serrito.
< Depois d'este caso, renho aconselbado a mui
ta gente o Pdtoral de Cambar e todos tm co-
lindo resultados importantes.
Actjalm nte tas uso d'este preparado, com
muitoHproveitamento, inniha filha Neutrides, quo
tambem ae acbava suffrendo do eita
Pesenda do Oescauco, no Sirrito, 24 de Oa-
tubro de 1884. Bernardo Josi dos Santos. Be-
conheieco como verdadeira a firma supra. Ea
(eslemonho de verdade, o esenvio de p.iz. Rol-
dao S de Gouveia.
nicos agentes e depositarios geraes em Per-
mbuco Francuco M. da Silva & C. Boa de
Irquez de Olinda n. 23.
Agua Florida de Murray k Lanmas
As senboras que esto acostumadas a usar pos
de arroz, que so fazem entumecer o rosto, techan-
do os poros da pelle, privando a evaporacad da su-
perficie, obrariam com juiso em por inieiramente
[ seu lugar estu puro cosmtico fljral, o qual na*
e perfuma a pelle com urna fragrancia to fresca
e deleitavelcomo o respiro e cheiio das flores meio
liberta, mas, airo tambem faz remover todas aa
maculas que d-sfeiam a for cosura das feicoes,
dando aoa vasos superficiaes um aspecto saudavel
e vigoroso, restituindo s frices a primitiva cor
rbbicuoda e macis, dando-lhes urna pura e linda
transparencia e elasticidade.
Todas essas aguas adstringentes, pos e pomma-
das, etc., do dia, nao ftzem mais do que arruinar
a-pelle e estragar a formosMra, eontaminsndo mais
tarde ou mais cedo a propria sade; emquanto
que a tendencia desta ap-uti saudavel e aromtica,
inteiramente opposta.
Quando misturada u'om pouco d'agua, torna-se
um ezcellence e esquisito meio de lavagem, para
us deatea e gengivas, dando bocea e ao paladar
um delicioso gosto aromtico.
Coso. oarAtia contra as falsificarles, obsrve-
se bem que es nouies de Lanman & Kemp venham
estampados em lettras transparentes no papel da
livrinho e,ue serve de envoltorio cada garrafa.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumeras
Ageutes em Pernambuco, Henry Forster & C ,
ra do Commercio n. 9.
Eu era calvo
Boston, 20 de Janho.
Professcr Barry.
Presado, Sr. Krn principios desta primavera,
isto na ltima semana de Abril fui acotnniettido
de urna m febre, que me fez em duaa semanas
perierjtodo o cabello da caSt-ce e sobrancelhas.
Suppuz que tornara a cr se- r aem app'icaciio de
r> intuios, mas ten lo pasando dous tlrces aem mu-
dftnra.'-d'cidi me a experimentar o 8< u Tricofe-
ro de luir;, e agora, ao escrever desta, ji
Heaho calfello tao bom e abundante como o meihor
de que oa felizes sr piden gabar na Nova Iugla-
terra Pie V. fazer dete certificado o uso que
ihe parecer proprio.
Fico com agradecimento,
George Hamilton.
riogranima
Oa
Fcta do Glorioso Principe S. Miguel em
Afogados.
Triduo solemne
No sabbado i do corrente das 6 para
as 7 horas da tarde, ser basteada a rica
bandeira que offertou a juiza por devocao,
D. Clotilde, digna filha do r. Manoel doa
Santos'Araujo, em cuja casa so acha depo-
sitada a redonda bandeira. Aps a respec-
tiva bencSodesnlarO't'allicom demanda da
linda e modesta apella de S. MigWd cer-
ca de 60 meninas decentemente ajadas
do branco e, formando alas, conduziro
era um andor primorosamente ornado o pre-
cioso estandarte, percofrendo tao Omento
a na de S. Miguel, acompanfcacla das
msica militar e dos fiis, tudo na meihor
ordem possivel o de modo a edificar. Nos
dias 26, 27 e 28 ter lugar o triduo, s
raesmas horas, e no da 29 a imponente
solernnidade qui se promove com geral sa-
tisfago ao grande Principe das Potesta-
des Anglicas, cuja capella ostentara gar-
bosa o esp'endor dos seus adornos, confia-
dos reconhecida pereciado armador Agos-
tinho, o qual procurar exceder em pri-
mor as armacoes dos annos anteriores.
Depois do triduo cantarao um hymrio eo:n-
panhado serafina pelo inteligente pro-
fessor Joao Polycarpo Soares Rosas, alguna
meninos previamente preparados. A cr-
chestra est confiada direccjto do mesmo
professor Soares Rosas, e comecar a mis-
sa solemne s 10 e meia horas da manha
pregando ao evangelbo o Rvd. vigario de
S. Antonio, comraendador Manoel Moreira
da Gama o ao Te Deum o Rvd. Carmelita
Frei Pedro da PurifioajSo P. Paiva, ambos
j vantajosamente conhecidos na tribuna
sagrada. Toda a ra de S. Miguel estar
embandeirada, juncada de llores, ilNanins-
da a capricho pe.os respectivos habitantes,
de accordo com a digna commissSo para
8SO encarregada e finalmente depois do
Te-Deum ser arreada a bandeira e depo-
sitada em casa da juiza perpetua, a Exma.
Sra. D. Francisca Thereza dos Santos
Araujo; qu^imando-se ento, das S para as
9 horas da noite, um lindissimo e moderno
fogo de vista para diversao do respeitavel
publico, de quem espero todo o acolhimen-
to.
Afogados, 19 de Sttembro de 1886.
Vigario Pedrosa.
Viva Tesas, Mara, fos, o sa-
grado coraco de Ieso
FranciscoMaria d'Assumpcao com Theo-
dora Matia de Jess e Kaquel Mara de
Jess, esraoleiros da santa casa de carida-
de ia cidade de Campia Grande, na Pa-
rahyba do Norte, pela f.dta de reeur30
occaBionados pelo grande flage'1
cas, recorrem piedade dos bons pernaia
bucanos para concorrerem com -euas asm-
las e donativos em favor do dito recolbi-
mento, o qual se acha por acabar pelas
razSes acim declaradas, contendo entre-
tanto vinte e urna reeolhidas e j algumas
educandas desvalidas que a asa ensina
gratuitamente; vivendo porm toda esta
gente de ordinario decupada na. agricultu-
ra, ensino, tenido, .e mais trabalhqs de in-
dustria, de sorte que, esto sjvo e pequeo
*8tabeIecimento promette bonif resultarlos do
graud- utilidade nossa Sdfata"ReHg!So,
boa moral, e, sociedaie. ,
Concorrei portanto (llusti-ej pe*a-rbu-
anos com o vosso obuto' p- de
DeusIVs bem "^ab- is, qu a^ejmola
apaga o pceado e nos fas ujR d afl opi-
cio e clemente para nosso: auxilio.
A' Santa Casa ota,
Smb.;mehirn i' Iffl ls,4(Por o. eri- /.. .acaavajl^ae n%4i,a)T- *.lf.-
TO. ,,^^JJr,4^,^*^|SC.V^
iarJrifiH^s sa
>eus
nnar /
?rmdntaes que recbe'off.-i
bemfeitores.
Com a ddrida aatorisaf). do Sr bispo
que setpedeu. OBta8^ molas, e
ze?.s0Cc;or>V cb'm alguna.",
ao gevemador do bispad)^ diVigPaW0 c-'
.itos esraoleiros, Francia .so Mara l'Assump-
Tuopdora M.ria de Jess e Raquel
Mara de -Jess.
\
l
MUTILADO


Diario dr PrnamlM*Mi~Sexta--fWra24 de Setcmkm <)

4o Publico
Manuel Felrppe de Son, ChaaeeHer interino
do Consolado de Fraac* m Pernasabuoo, deolara,
ao reepeiwvl publico, que visto existiera tre ou
mais peas-is coa nome igul ao seu, de hoje em
diante assmar-se-ha t Manuel -'aodrippe de Sousa.
Recife, 22 de Setembro de I8861
Mamad Feodrippe de Souua.
Dr. Carlos Bcttencoort
EKlrellnnu'Blow da ureibr carados
radicalmente pela elactrolyse, sem dor. Todas as
opemcoe., de pequea e alta cirurgia. Boa do
Marque de Ounda n. 34, das 12 a 3 horas da
tarde. Residencia, Pasn-e^m da Magdalena.
Fados e nao palavras
Ao que e desejam tratar sem eomprometter a
laude com preparados mineralgico.
Nesta typographia e na ra Direita n. 66, 1.
andar vende-.se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
ainda mesmo bronebitieo; eiysipela, enxacjuecas;
internitentes (sem o empreo do fatal quinino) ;
tosse convulsa, falta de menstruaco ; cmaras de
sanguc : estericos ou metnte ; dores de dentes ou
nevrahjias, metrorragia; vermfugos, denticSoe
convulsoes das enancas ; todo manipulado de her-
vas do pr.iz.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e gonmatosos.
Connllorio medico-eirorgice
O Dr. Esteva" Cavalcante de Albuquerque con
tinua a dar consulta* m-dico cirurgicas, na rus
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio da" as 4
horas da tarde. Paras? demais consulta e visi-
tas era sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53,1 audar.
s. eephonicos : do consultorie 95 c residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacas
Nd'nltt teseus annesos.
Cajurubba
Este efficaz e inofensivo preparado, que
nao c'ontm mercurio era arsnico e ape-
nas uina dose tilo diminuta de io ioreto de
potassio, que bem se pode qualificar de
horoaJopathica (menos da meio grao em urna
colhcf de sopa do vehculo), deye somente
sua maravilhosa virtude depurativa aos ve-
getaea que entram em sua composicao.
Outros preparados que nao contera ab
soluta'mente um tomo de merrurio ou seus
compostos, tm tal dse de iodoreto de po-
tassio, que esta, dissolvida em agua pura,
curara os doentes que tm silo curados
pelos taes apregoa-ios depurativos vege
taes.
A eficacia do cajurubba prova-se:
4o Pelos innmeros attestados de medi
eos e de doentes por lles curados de ma-
les reputados incuraveis.
Pela procura que tem ; de modo a fa-
zer desapparecer os preparados congene-
res, que antes d'elle dominavam a thera-
peutica das molestias syphiliticas do rheu-
matismo e das affecyoVs herpeticas.
3o Pela lealdade tfotM que seus autores
tm fallado ao publico, fazendo-lhe conbe-
cer a coroposieao do seu preparado, o que
nenhum outro se animou ainda a fazer.
N. !0. Recommenda-se a Eroulsao de
Scott aos doentes do peito, da garganta e
dos pulmoes; aos anmicos, debis e es-
crofulosos, e a todos os que preeisen-i de
nm bom reconstituate.
A Emusao nao tem igual para reparar
as foras dos debis e enfraquecidos.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consuitas de meio dia i 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Medico
Aviso
O sr. K. OMBlan Bonne* Medico pela
Faculdade de Medicina de Pars.
C ndecorado cum a melalha dos bospitaes.
Socio correspondente : das Academias de Med
cia do Bio de Janeiro e de Barcelona ; da ho-
ciedade de Medicina p-atwa de Pars e da 8.>cie-
dade Francesa de Hygiene, ex-director do Masen
An-tomo-Patologic da F.-culaade de Medicina
do Rio de Janeiro, tem a h.mra de prevtnir o pu-
blico que durante a sua estada em Pernambuco
fie a disposicao dos doentes que desejare) hon-
ral-o com a sua confinuca-
Chamados e consult de 1 s 3 horas da tarde
at novo aviso: na hospedara de D. Aatonio
(Cammho Novo). .
Especialidades : molestias das vas respirato
rias coraeao, estomago, ligado, etc., molestias
nervas. e eypbiliticas.
Redfe, 6 de Agosto del886.
Br. E. Ossian-Bounet
Medico
Consultorio : do m*r
nuez tle Olind Heclfe
RESIDENCIA H-FEHARIA DE D.
AN IONIO CAMINHONOVO
O Dr. Dommgor'J. B. de AHrtetda, antigo cii-
nieo no Rio de Janeiro (da 1855 a 1P82) e no Para
(de 1882 a 1886), de paseagem por esta o*0'1,
d consultas no hotel de Europa, Reeife, las 11 as
2 horas da tarde. ____
Leonor Porto*
ilua do Imperador a. 45
Primriso andar
Contina a execotar os maii difficeis
figurinos recebidos de Londres, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicaode costura, em bre-
vidade, modicidade em precos e fino
gtC-________ ^^-^.ifl
LicTupuravo vegetal leu?'.*
DO
Medico ^uintella
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de tio grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheumatica
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopase nevralgicas, blennorrhagias agu
das o chronicas, cancros syphiliticos, inflamma
c6es visceraes, d'olbos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou qu^da
do cabello, e as doencas determinadas por satu
raco mercurial. Dao-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
especifico nos hoapitaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Fax-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria bobnnhs & L.
Ra do Mrquez da Olnda n. 41.
C, HeckmanD
Usinas de cobre, iatao e bronze ee d
Golitzer Ufer n. 9. Berlim S. O.
Espeealldade:
Constmcfo de machi-
nas e apparellios
parafabucas de assucar, destillaySes e re-
finales com todos os aperlesoamentos
modernos.
INSTALLA^AO DE:
Engentaos de assucar completos
Estabeleciment filial na Havana sob
mesma firma de C. Heclcnann
C. e San Ignacio n. 17.
Lnieos representantes
Haupt Gebra'der
EIO DE JANEIRO
Para informacSes dijijamse ai
Poli I man &C
M de Gommeroio 1.10
Clnica
DE
Partos, molestias de senhoras e
de crlaneas
Dr. JoSo Paulo, medico aggregado do
Hospital Pedro II, desta cidade, com pra-
tiea e estudos espeeiaes as prin ipaes ma-
ternidades e bospitaes de mulheres e de
crian5as de Paris e de Vienna d'Austria,
taz tudas as operagoes obsttricas e ci
rurgicas concerjentes s suas especiali-
dades.
Ri-sidencia e consultorio ra do BaTo
da Victoria n. 18, I. andar.
Comsultasdas U as o boras da tarde.
Telephone n. 467.
su
Oculista
Dr. Barreto Pampaio, medico ocu-
liita, ex-chefe de clnica do Dr. de
We( ker, mudou seu consultorio, do 2.'
nndar da casa n. 45 ra do Barao da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia As 3 horas da farde. Residencia
ra 8ete de Setembro n. 3 A.
I

I
\ti publico
O Dr. Cerqueira mudou o seu consulto-
rio para a ra Duqne de Caxias n. 74
antiga do Queimado.
S
Oculista
Dr. Ferreira la Silva, con-
saltam das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
HrpiraTie
11 i.UIl o
Tun o seu escriptori". a ra Duque* de Ca
xias n. 74, das 12 as i hora- da tarde, e eteaiii
iora -in'diante e"> suh rexi.ieneia ra da^^-
ta Cruz n. 10. topecin-idailea. mulestias de se-
nb^rss crianias, teleph, ue, u 32ti
^ ------------ i '
l|.
||.
1}
I
l>r. Ballhazar da Silveira
II
Especialidadesfe bres, molestias das
enancas, dos orgTus respiraiono das
caberas.
Prcsta-s-; a qualquer cbin.ado, jtr
n da capital.
*VIiO
Todos ^s chamad -s devein ser dirig"
dos 4 pbarmacia di. Dr. Sabino, ra. do
Barao da Victoria n. 43, "iide ta indicara
a sua residencia.
1. Cllll) Lsib
}{
II
I!
EDTAES
Medico, parleiro i- t>i>>rnilor
Residencia ra da Imprratnt n 48,2. andar
Consultorio ra Dnq'i ie l axi ... )9.
D onsulti8 das 11 hr U manh s 2 d>.
tari".
Attend para as ch*mad% h qmlqner bor>
telephone n. 449.
r^n^ullorio inedico-
cinirgic
O DK Castro Jesu^. u. ii .mi m-h de 12 ann. s
de escrupulosa observ^vau.r -.br- couailtoriu ,--
ta 5ida'*; 4 ra do to.n Jes^ia (miga da Gru)
n. ii, Lf andar.
Voras de consultas
Do dia : das 11 i t m urdo.
De nfta,: das 7 8
as Sentis horas da noite ser encontrada no
sitio ^a*4jjaa,dos B in.dimt n. 7, prieiro hjt-
to esquerda, alasa do poni d D, Cgsme.
O Dr. Mano<-l da Silva R g>, oflScial da
di urd ni da Roaa e jui. de rtireito di.
piN.ved'jri.' de pell.s < resi'iuos <>a co
lupr'-a liu R'citV- su t. Tinoem Peruam
bu> o, por S. H,- o iu.perndur o Sr. D.
P.-dro II.
F^cii saber que estando i m juiz D. Mara Van
cuse no Ai.j"* (Jur il- p-i llevar 0 direito, q-
te* spwf dwiniiiiii viucii^o S Sebisii", u
Curadu, ii.ttitiiiiiu ,> r .i. ii. w,r i urd. Vidal
bvb ores-ule sao ch..uiaii. S i..t lia forma i'i h leparas >" 'Hffillt*
\ t par^ i-uuriai ssacak-j WV eaf edital, qur-
8. r publicad.- pe llUpr nm, e utii).a 10 u lugar
lo Co*lunie.
_)adu e piiaaa'l'i i i-' "HJalli d.i Kt-cite aot 3 d-
Seteinbr" de lb'li.
r-u FianciBcu de Mqu-ira CiValcanti, esciivo
aukscievi.
Manorl da tjtlva Rgeo.
_ a Ca-sar Mau>i 1^'" da bumhI* de Ulinda e
aeu ti'iu).., em i irtutie 0i le, fz Cnoii a quem
ciuvier eiur r saar possa, que a arr inatafo do-
Uiip.stoB pertenc ntes h su uiuuicipalidade, f"
r*iferida Kra o da 29 do curente, pelaa 10-
h.rnt da niHuiii, "O jaco dcbta uiesma c-mara.
aecretaria da Cau.ara Mamcijal de Olindu. 22
'unbro de 16. t> s cr. Un.,
J.o Fi-zueir Curado.
Fregueria do- Reeife
Marque de Olinda n. 12
dem n. 27
dem n. 63
Bom Jess n. 10
dem n. 40
dem n. 58
dem n. 7
dem n. 31
dem n. 48
dem n. 51
Commercio n. 6
dem n. 12
Tbom de Souza n. 4
Vi&ario Tenorio n. 21
Maris e Barros n. 16
Madre de Deus n. 32
Domingas Jos Martins n. 4
dem n. 22
dem n. 28
dem n. 42
Travessa do Campello n. 4
dem de Domingos Jos Martins n. 2
Mascates n. 10
Bestauracao n. 58
dem n. 57
D. Maria Cesar n. 16
dem n. 17
Visconde de Itsparica n. 2
dem n. 8
dem n. 32
dem n. 34
dem n. 61
Pharol n. 10
Areial n. 3
Praca do Chaco n, 10
dem n. 11
S. Jdrg n. 36
dem n. 8
dem n. 114
dem n. 63
dem n. 139
Travessa para a Fundicao n. 6
Guar trapes n. 11
Idcto n. 19
Santo Antonio
Imperador n. 14
Prae,a de Pedro II n. 6
Duque de Caxias n. 14
Id m n. 60
dem n. 5
dem n. 15
dem d. 33
dem n. 35
dem n. 59
Cabug n. 18
IJem n. 3
dem n. 5
dem n. 11
Bar da Victoria n. 48
dem n. 5
dem n. 11 i
dem n. 21
dem n. 27
Id^rn n. 65
Trincheira n. 38
dem n. 40
dem n. 21
dem n. 37
Larangeiras n. 14
dem n. 3
Travessa do Qaeimado n. 9
Largo do Paraso n. 24
Larga do Rosario n. 22
dem n. 34
dem n. 35
Estreita do Rasario n. 2
dem n. 10
dem n. 38
S. Francisco n. 64
dem n. 60
dem n. 70
dem n. 25
dem n. 35
J. io do Reg n. 14
dem n. 42
Ilh do Carvalho n* 14
Boda n. 32
dem n 48
dem n. 62
Travess* dos Quarteis n. 44
dem n. 46
Bcco do Ctlabonco n. 12
Sauto Amaro n. 2
dem n. 6
dem n. 20
Travessa dos Expostos n. 16
Matbias de Albuquerque n. 7
Paz n. 2
Travessa do Carmo n. 6
Fogo n. 19
H m n. 45
Travessa Jo Livramento n. 8
Visconde de Inhama n. 10
Id.-m o. 36
dem n. 41
1 travessa da Praia n. 9
Travessa do Carcereiro n. 3
Marci.io Das n. 36
1-lein n. 13
Il.in n. 19
Travessa de S. Pedro n. 2
Coronel -uassuna n. 6
Travessi do Pouciuho n. 58
24 de Maio n. 3 B
Palma n 2
I i.-m n. 7
I iem ... 23
Maiquez do Herval n 32
Idein n. 47
1 iem n. 65
11. m n. 95
Ladeia Nova n. 5
2.i b.-ceo da Cadeia Nova n. 20
i.eB 22 de Novembro (apparelho pu-
blico'
S. Jos
Ra de Marcilio Das n. 93
Lomas Valentinas n. 56
1.1, ro n. 68
Ilrin 11 53
Coronel Suassuna n. 138
Mem o. 140
i dem n. 162
dem ii 186
[ dem n. 210
Marquea lo Herval n. 122.
1 .em u. 133
-Travessa do Pocinho n. 47
Vme e Quatro de Maio n. 44
dem n. 56
Pure Nbrega n. 26
Vi.ia. de Negreiio n. 174
lum i. 115
Kiei H-nnque n. 16
M- ui n. 13
Travt-aaa do Prata n. 7
Aasuuiuco n- 14
D m.i.go- Tneotoaio n. 22
1 ii ui ii. 13
Foii ii. 4
N ^'iiei'a n. 28
>alll lilla M. 69
N^vaoe .nia, Rita, H. 7-
I k m- .i. 13
. lj',m 11 4'.
Id. n> n. 55
Troves de S. Jos a. 1
F ,t .( za da* Cinco Pontaa
Boa-VisU
Kna 'i Iin.KTBtin n. 6
l i....... 1
25
Albuquerque n.
Recite Drainage
Relacip dos con^trt .a feitws no apparelhos
no.mez de Agosto do corrente anno, de
conformidade com- o art. 10 do cont-e-
ta, e | 2o do art. 15 do regulamento de
12 de1 Janeiro de 1872.
.1 lm n. n2
ld< lo o A-i
1 .em n 51
1 .i., u 81
i'iae* .io Cni.ied'Eu n. 4
dem n 13
C.oic.'ii;io n
V.1& ui- -i-
Ilem ii. M
l.lem u 4"
I iem n 130
I iem n 9
Capibaribe n. 18
Ponte Velha u. 18.
loen. n. 74
Id.-ui n. 23
1 :.|ll n 37
i onde, oa Boa Vista n. 4
Id.m n 14
Unichnelo ll. 14
ti aoicio Qs 6
1 lea n 3i
l.ieui a. 33
Camario u. 9
Ruanno n. 3*
OerV!"*i Pires a. 3
dem n. 109
iden n. 26
'aclhos n. 11
Hospital Pedro U a. 4
Coronel Lamenha n. 13
20.
Tsavessa das Btrreiras n. 5
4*610 Travessa do Quiabo n. 4
2*6401 Travessa do Palacio do Bispo n. 12
10*11,0 Lldemn. 27
2*640 'Visconde de Oovanna n. 5
2*640 dem n. 107
dem n. 117
Reeife, 22 de Setembro de 1886.
O gerente,
J. Dowtley Jnior.
4* Santa Casa da Misericordia do
2*64 a<..lt.
5**80
2*640
2*640
2*640
5*486
6*180
2*640
4*620
5*480
2*640
2*640
2 .10
2J640
20*340
2*180
5*28r.
3*04r)
2*610
2*640
2*640
4*620
vtm
6*8*0
4*600
13*880
9*260
1*520
2*640
2*640
2*640
W40
1J320
2 i tilo
2*640
2JG40
10*340
2*640
2.10
14*060
4*560
2*640
2*640
2*640
16*980
2*640
3*96"
2*640
2*640
3*960
bfWI
2*640
5*280
5*6b0
2*610
4*710
17*780
2*440
12*320
2*640
2*640
2564(1
25*740
5*160
4*310
1/640
2*640
4*900
5*480
4*560
2 640
8*460
2*640
2*640
24640
121.00
37*62-1
12*-! 60
10*160
2*640
2*610
2*640
4*760
1*820
16*120
464''
19*>60
14*740
5*920
3*!'6I)
2*640
4*610
2*640
7*080
2*640
S*< :80
16*500
1*100
24*2IK>
4*320
4*760
6*140
5*010
8*360
1*960
5*920
16*7u0
4*000"
4*360
2*640
5*28o
1*520
11*540
4*460
2*610
5*640
5*160
2*640
2*640
2*640
2*640
2*640
Thesounrra di Fawnda
De ordem do Illm. Sr. inspector sao pelo pre-
sente intimadas-as pessTtos, cujjs nomes tS bai-
xo mencionados, para no-' orase de trinta das, qne
Ihes fica marctso, solidtarem neat'TBCMouraria
os ttulos de aforamiento* dos terrenos de mariuba
de que se acham de posse.
liu de 8. Jorge, terreno n 284 C. Herdeiros
do ba harel Joaquim Elviro Moraea Carvalho, casa
n. 115.
Travesa' de Goncal Viuva e filho de Maooal Luiz Goncalvcs Jnior,
rmaseos nmeros.
Forte do Matio, nacional. Visconde de Cam-
po Alegre, armazem n. 8.
Dito, dito. Herdeiros de Manoel da Silva San-
'-.' srmaaem n. 10.
Dito, dito. Idom de Manoel Goncalvcs da Sil-
va, armazem n. 12.
Dito, dito. Companbia da Beberibe, chafariz.
Dito, dito. Joao Valente da Cruz.
Ra Larga do Rosario, dem. Santa Casa de
Misericordia, casa de suas sessoes.
Dita do Sal, terres n. 44. A mesma, cssss ns.
9, 11 e 13.
Dts, dita, dem a. 61 B. Visconde de Campo
Alegre, casa n.'61.
Dita das Lxrangeiras, nacional. O mean, casa
n. 18.
Dita do Livramento, dem. Herdeiros de Anto-
nio Jos Ennes Braga, sobrado n. 10.
Dita, dita, dem. Ditos de Francisco Fernandes
Dnarte, sobrado n. 9.
Travessa do Carmo, dem. Ditos de Manoel An-
tonio da Silva Rios, casas ns. 15 e 17.
Pateo do Carmo, dem. Ditos de JosS Feliciana
Porte lia, sobrado n. 3.
Ba da Aurora, terreno n. 69. Ditos do Bario
do Beberibe, sobrados ns. 41, 43 e 45.
Dita, idem n. 66 K. Justino Epaminondas da A.
Nves, sobrado n. 8f
Dita da Una.', idew n. 12 E. Joaquim Corma
"de Araujo e irmao sobrado n. 19.
Dita, idem, n. 11 G. Dr. Jos Joaquim Correia
de Araujo, sobrado r>. 17.
Dita, idem n. 66 Justino E. da Assumpcao
Neves, casa n 58.
Dita, dem n. 9U C. Clotildes Ignez da Sveira
Bastos, casan. 69. ,.
Dita da Saudade, idem n. 69. Herdeiros o Ba-
rato de Beberibe, ci* n. 2. >
Dita, idem n. 72. Santa Casa de Misericordia
casas ns. 1, 3 e 5.
Dita Sete de Setembro n. 72. A mesma, casas
ns. 22 e 24.
Dita, idem n. 10. A mesma.
Dita do Conde da Boa-vista, idem n. 69. Her-
deiros do Barao de Beberibe, casas m. 4, 6, 10,
12 e 14.
Dita da Uniio, idem n. 69. Os meemos, casas
ns. 6, 8 e 10.
Dita da Princeza Isabel, idem n. 92 C. Barone-
ze de Goyannn, sobrado n. 1.
Dita de Luis do Reg, idem n. 62 N. Manoel
Francisco do Paula, casa n. 23.
Dita do Caes do Capibaribe, idem n. 25 e 2o A.
Barao de Limoeiro, armazem n. 12.
Dita, idem 28 e 28 A. Herdeiros de Theodoro
Joaquim Gotlib Rampsk.
Dita do Coronel Suassuna, n. 61. Antonio de
Souza Oliveira, olaria.
Pimbal, nacional. Herdeiros do visconde de Suas-
suna. ,
Estrada de Joao de Bros, dem. Ditos de
Francisco Jos de Araujo.
Ra do Coronel Lamenha n. 61 B. Flora Umbe-
lna de Almeida Xavier, casa n. 33.
Dita da Ponte Velha n. 22 G. Olympia de
Abreu Marques Baealhau, casa 3.
Dita do Hospicio n. 90 G. Juao, representado
por seu pai F. J. Ribeiro Britto, casa n. 70.
Dita Imperial n. 227 M. Antonio de Miranda
Castello Branco. .
Dita, dita, n. 227 K. Francisca Mara Rodri-
gues.
Dita, dita n. 227 S. A mesma.
Dita, dita n. 227. Antonio de Mirand i Vare-
iao Castelle Branco
Dita, dita a. 21. Juvencio de Carvalho Caval-
taDiVa, dita n. 230. Candido Alberto Sastre da
Motta, casa n. 299.
Dita, dita, n. 318. Barao de JaboatiO, cosa n.
240.
Dita, dita n. 308 E. Barao do Limoeiro, casas
ns. 2, 4, 6, 8, 10.12,14,16, 18,20,22,24,26
e 28
Dita, dita n. 312 G. Jos Francisco de Souza
Dita da Via-Ferrea, n 308 R. Candida Maria
da CoDceicS", casa n. 24 E
Dita de 24 de Maio n. 1< 6 I. H rdeiros de Dio
nisio Dias Moreira L t, easa n. 52.
Dita da Palma n. 107 D. Maria Francisca do
Reg Baptista casas ns. 98 e 100.
Dita dj Mrquez do Herval u 105 F A mesma,
casa n. 111. _
Dita, dita n. 105 E. Pedro Alejandrino de bou-
za, casa n. 109.
Dita de S. Jaao n. 2092 B. Majar Leopoldo
Borges Galvo Ucba, casa n. 75.
Travesa do Peixoto n. 231 Herdeiros do ba-
charel Joaquim Elviro de M. Cwvalbo casa, n.
25
0 Dita do Gozometro n. 209-2 Z. Ditos de Jos
Joaquim da Silva Mata, casara. 12.
M. rcado Pbblico n. 275 e 27* A. Viotor Neeson,
rmaseos ns. 9-e 11.
Thesouraria de Paseada de Pernambuco,.27 de*
Ag-stode 1886.
JJH. deOlivetra Amaral.
Reeife
Por esta secret ria sao chamarlos os carentes
ou protectores das menores cMte*4sTSrelac4o
infra, para que as vis recolber ao collegio das
orpbaa.
Belaao das orphas a que se reiere o edital
Supra
1 Donina, filha de Paulina Maria Ferreira.
2 Mara, filha de Joanna Baptista de Jess.
3 Amelit, filha de Anna Amelia Bezerra de Al-
buquerque.
4 Olindiua, filha da mesma.
5 Rosa, fiJha da mesma.
6 Emilia, filha ele Feliciana Vieira da Rocha
Falco.
7 Maria, filha A Joaquina' Mifandoliua da
Silva.
8 Genoveva, filha de Hermina Correia de Lyra.
9 Caralina, filha de Antonia Dinis Bandeira
de M-llo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Reeife, 13 de Setembro de 1886.
O eaerivSo,
Pedro Rodrigues de Sonsa.
il*
S II. I
Soc! dade Recreativa Jotentode
Soire bi-menBal em 17'de Oatubro-
proximo futuro
"I Communieo a todos os Srs. convidados e aos ss>-
cios que a soire principiar s 7 horas da noitc-
Os ingreis08 fornecem-se em casa do Sr. tfc-
soureiro e os convites na do Rr presidente.
Roga-s' simplicidade as toilettes e previl
que nao sao admissiveis aggregados.
Recife 21 de Setembro de 1886.
L. Guedes de Amorim,
Io secretario.
Santa
casa
Obras publicas
De ordem do IHm. Sr. Dr. engenheire chefe,
afeo publico que no di 25 do crrante, o meio
dia, recebe-ae nes'a repart cao proporta para a
execucao dos reparos da cadeia de Serinhem,
oreados em 400*000.
O orcam"nto e mais condicoes do contrato se
acham nesta secretaria paa seiem examinadas
pelos senhores pretendentes.
Secretaria da repartico das obras publicas de
Pernambuco, em 11 de Sttembro de 1886.
O secretario,
Joto Joaquim de 8. Varej*;_____
Alfandega de Pernam-
buc De ordem do Illm. Sr inspector da Al&ndega,
scientifico a qaem intfcressar posea, quo- k partir
do dia 1 de Setembro prximo vindoaro, fica
inaugurado o 1 posto fiscal no antigo Forte do
Pico entrada da barra, onde devero atfacar
tanto na ida como na volta todos os vehculos que
forem ou vierem do lamaro, ficando no entant a
cargo da barca de viga estacionada ao lado do
caes da Liogoeta e que servir de 2- posto fiscal
todo movimeoto de pequea cabotagan, que c re-
prehende a entrada'e sahida1 das lanefias; barca-
cas e canoas que navegam entre portos da pro-
vincia.
Gnardamoria da Alfandega de Pernambuco, 24
de Agosto de 1886.O guarda mor,
Jos Augusto de Azevedo Marques.
Na seci otarla da santa casa de misericordia da
Recife arrendam-se per es paco de-um ties as-
nos, as casas abaizo d> claradas :
Ra da Moeda n 45, por 20* mensaes.
Id.m idem n. 49, 20* idem.
Dita da LiDgueta n. 14 1 andar, 16*660 idea.
dem idem 2 dito. 15* idem.
Rur* do Burgo* n. 'vt dem.
Dita da Madfe de Deus n. 10 A, rmaseos.
15*, idem.
dem idem n. 12, 40* dem.
Ra da Guia n.125, 16*660 idem:
Dita da Senzsnla-velha n. 132, 2- andar, 1**
dem.
Dita da Detancao.'n. 3 (dentro do quadro) 10#
idem.
dem idem, 8|C00 dem.
Dita;do Wsconde de Itaparica; n... 2- andar
e sotad, .35* dem.
Dita do Marque de Oli'nda n. 53, 2- andar
40* id.m.
Caes da Alf. nrWga n. .
TteoirTla He
za
Companhia Santa Ther
Empresas-la do abasteclment
il'aua e lux a linda
Dividendo
Por deliberacilo d directora fica marcado
dia 13 do co rente pira nelie seicomecar o paga-
mento do 15 divide :do da cettpachia, a razao do
6 0/0. O pagamento, como de eostume, 83 effie-
tnar plo S-. thesoureiro no 2 andar da casa n
73 ra do Imperador, das 8 huras da manba \i
2da tarde-at o dia 18, e dahi em todosos.uias
uteis das 8 s 10 damanha,
Escrirjtorio do gerente, 6 de Setembro-.de 1886.
A. Pereira Simoea
10*230
5*160
7*740
4*6.0
9*900
5*920
2*640
2*640
582*0
2*2i40i
58*910
2*640
1*520
2*64li
3*9i,0
15*7)0
2*640
10i3iO
4*410
l*7>0
4*400
6*540
12*120
5*7*'
30.1 0
29*(L0
sV>4
2*640
2*64'i
3*960
41*.6'
9*800
Obras ftiblkas
De ordem do Mm Sr. engeuheiro chee dare-
.wKicao das obras pufcricaB, f'Cn publico que>em
v.rtude da. aatonsaco d< Exm. Sr." vice-presiden
te da provincia, no dia 29 do correte, ao meio
da, recebase na secretaria desta repartico pro-
postas em cartas fechadas e conveniertemeate
selladas, pbxH execucao da obra de reconsh-uc-
cj de 750 metros correal** de empedramento da
etr.idH da Victoria, nacidad^ d,r Jaboaiao, arca-
dn em 3:877*500.
O orvm^uto e mais condicoes n0 contrato se
ac madispi-sica dos seohor.8 pretendeut-'B.
Secretaria da rep-rtco das obras publicas de>
P,-ruamhue, 22 de SeU|iebso de 1886.
,f\ Bfcsrtrarjo,
Joao Joaquim de $jqueira Varejao.
Preparados
DA
ffini n
X1A U
2*64
3*960
2*640
2*640
3*''40
3*960
2*640
3*960
13*3J0
2*6*"
17*;"-
40'0
:.* 0
28*940
13*.
2*640
2i0
;j**o o
8*0-0
2*640
, 2*64"
6*8 "
14*740
2*6*0
11* 0-
4*6.0
649-6
2*640
2b*2u0
3*-60
5*440
2*640
20*' O i
17*980
LONDKGS
leo d Ogai 4* lvc.ttlli*o e lele
|,.-piloniniii*o
tata preparaco ta.. auburosa que urna enan-
ca pKioiptanfute a turna.
O leite digerido tem a propriedade dr quasi ni
tetramente disfarcm o leo e as pflMMs to mais dbil pod.n. t. mar 8 m r.cei.. .lgi-n-
d.- efficacia para aflecco.s pulmonar.s. tioica, t b
i-8, debilidaa. s. ei>-
l'eplui.nilrs de Carne
U* hnieui" nit-og utO c mpot.i 'le coiiBti.
luiii'-s olidos de leite beui .m.. gluten d.. tri(..
(li vr>- de orpn.a).
Ke& minend ido 1118 convali-acencaa de qua qu 1
I enea, t^br. s gastrit., 1 ysenterU e t qu^r debilidad. t-'ja qual fr a sua origein, espe-
, 1 neni- Upando se i" c .inUuiac > c,m .1 ulx ode
figado com leite
HalUna
Um extracta c .ncntrao de trigo, avea vi-
da terui. -litados.
De ordem do Illm. Sr. inspector fica marcado o
prazo de 30 dias para que os foreiros de terrenos
de marinha, abaixo menc lonados, venham exhib r
os respectivos ttulos comprobatorios da posse dos
mearnos terrenos.
Rua Imperial. Herdeiros de Manoel Pires Fer-
reira, terrenos ns. 157 e 157 A.
Dita. Joaquim Gomes deS Leito, casa ns. 3 e4.
Dita. D. Marciomlla Rila Correia do Reg, n. 74.
Dita. Proprietarios das casas ns. 215 e 215 A,
215 B, 217,219, 221, 223 e 227.
Dita. Thereza Maria de Jess, casa n. 226 B.
Estrada di ferro de S. Francisco. Propietarios
das casas ns. 10, 12, 16 e 18.
Travesa da via-ferrea. Ditos das casas as. 3,
4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11. '
Dita das Formosas. Ditos das casas ns. I, o, y
el5
Dita do Pavo. Miguel Ribeiro Pavo, casan. 2.
Dita. Antmo Pereira de Oliveira Maia, casas
ns. 4, 6, 8, 26, SO, 32 e 34.
Dita. Janaario Ferreira da Assumpcao,easa n 12.
Dita. Ricardo JosA Gomes da Luz, casas ns. 24
A e 40.
Dita. Leopoldo Antonio de Allemao Cysneiro, ca-
sa n. 28.
Dita. Lourenco Alves de Brto, casa n. 38.
Dita. Senborinha Tert .1 ::ua de Jess Pessoa, ca-
sa n. 36.
Dita. Maria Thereza d Jess, casa n. 10
Rua da Palma. Jos do Carmo da Paz, casa
n. 119.
Padre Nobrega. Columbo Latino Viera de Souza.
Coronel Suassuna. Bacharel Manoel Gomes Vie-
gas, casa n. 250
MaTqutz de Herval. Maaoel Joaquim Madeira de
Castro, casa n. 140
Dita. Jos Ignacio d'Avila, casa n.
Dita. Herdeiroide monsenhor Francisco Mus
Ta vares, sobrado D. 34.
S. Joao. Manoel Antunes Correia, casa n. 29.
24 de Maio. Jos (-aulo Batelho, casas ns. 29, 31,
33 o 35.
Dita. Victorino Rabello de Almeida, casas ns.
43,46,47 e 49. -._,. .
Rua da Detenco. Candido Alberto Sodr da
Motti, casas ns.
Aurora. Coronel Joaquim Jo; Silveira e major
Caetano Cyriaco da Costa oreira, sobrado
Dita. Visconde de Tabatinga, sobrado n. 49.
Dita. Herdeiros do cornel Joo Vieir da Cunha,
sobrado n. 55.
Dita. Deserobargador Manoel riementmo Car-
ceiro da Cunba, sobrado n. 63.
Dita. Antonio Dnarte Carneira Viaana, sobrado
Dita. Herdeiros ao Conde da Boa-Vista, sobrado
Unio. Ditos do bacharel Christovao Xavier Lo-
pes, sobrado n. 94.
Cironel Laracnha. i>opnetanoe das casas ns.
19, 2" 23, 25. 2V, 29, 31 e 45.
Caes do apibaribe. Herdeiros de Manoel da SU
va Sai s, terreno n. 53.
Hospicio, i-roprietarios das casas na. 4. IO,. i,
M.16, 18,20,22, 24 e 26.
Conde da Boa Vista. Ditos da*casas ns. 81, d,
35,37 e 39. Qn
Sete de Setembro. Ditos dos terreuos ns. 1, 9 e u.
Santa Isabel. Antonio Goncalves Ferreira, Casa
Fogo H-rdeiros do padre Jos de Jesas MariaJ
de Vasconcelos, casa n. 13.
Travesea do Carmo. Antonio da Silva Wrreira,
casa n. 9. .
Dita. Manoel redro Alexaudnno, casa n. il.
Dita. Balbina Umbelina de ello, casa n. 1*
Trincbeiras: Joo Francisco Manoel, casa a.i.
Dita. Vigario Suio de Aacvedo Campos, asa
I n 29. ,=
Dita. Antonio Simoes de Almeida, casa_n *>
,S.nsala. H^rd- iros de Vicente Jos de Br.to, taa-
reao n i f.mdo do sobrado.
Gua.raPes. Ditos de D.vid W.ltto BoDan,
t.rreno-)CeupdoT>os um armasen.
MsMd. DesMiibargador Frao.isco do Assis uu-
veira Maciel, sobrado n. 24".
Vis.--iide deliapar.ca. Proprietanos ds c*eas ns^
31 e. 36, terreno no fuodo om fr.nte para o
Dita^Aolonio J.. Rabello Braga, casa edificada
no terreno n. 119- -aaao
Visconde d- Itap-rica. P;-pre""%*,8o7C"IV
ns 1, 3,5. 7.9, 11,23. 29.31, 33, 35, 37, 51,
55, 57. 61, 65 e 67.
R..:u,cao. Dito da casa n. 16 terreno no fon
d c m frenie pa-a a rua da Visconds d- Ita
Din Ditos das c.s.18 ns. 5S, 58, 60 e 62.
S J..r"e. H .'.e-ros de los Lu.de S.uzh, casa
Thturaria de Fuzenda de Pen.ambuc.,, 28 de
Ae.-sio 'le 1886.
s O .aeripturario,
J. H. deOiiv ir. Amara!________
llt.VIANDAUE
DO
Mener llom Jeu do- Pauso *
matriz d t-irno a- lo
ELbllJA')
Pelo ce eute convido i, lo "">*'> irma *
le.iuireui SB i. "s cu letori.i s xta-teira
'
n
Val r diaatasic. 3o v. zea o sau pr..pn peso !
( axis re agi-n'e restaurador al hoje ube
id l alt mente ..p.e.-iavel n .8 C-JS 8 de d- blllda.le
illme.il.. touluael fie carni.K parsw
cinnea
A nalyse.de.-.te aliuieuto demonstr*. que 08 seus
ciuttiiuintM nutnctivos sao qua id.nticos com o
leite roaternp, por isto o alatoto mais aperfetr
coado para crianca.
Forneceai amostras graOsao Srs. mdicos.
Dopasito rua do Bario da Victoria n.
para t.. leoo"'"'..........- -----
U .1 cii-lile, IJ8.IW 5brasda la.de, -b... d,
, .r, u,r.. c,,.r... u. i* kmffmum
ua^ ai... 'Oi.n.r Uilasml d 186 a 1081
tkwi.l ,r.* da ..u,a- .. le, a,. 21 de Se.embro
,ie lfl6> rsenvo.
rraoi'-e A tou. Coma Cardpao.
teahora
Iroiaudade te W *a
1- buz
aui,iit..i..d..-,e o o.p o.inso que regia esta
MuMUKla.e pelo de 6 .le Ja^co l*. "* ^W9 do irmo yt
MMWdo a.,n.irmis a virem buscar of expropiares
4H,.h,i roa do Rauge. n. 16, lytV.graphia.
Uuistona 22 .W. Setem-ao de 1886.
J* Ramos.de Oliveira Junwr.
Companhia de EdificacOes
O efceriptorio desta
companhia acha-se in-
stallado na prac,a da
Concordia n. 9, conser-
vando -se aberto das 7
horas da manhas 5 da ,
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe-^e de cons-
trueces e reconstruc-
(jes.
Recebe-se informa1
es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos onos fazr
negocio.
No mesmoescripto
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do iVjuary, pro-
priedade da mesma
companhia.
""EMPKIA Di) GT
Pede-se aos Senho
res consumraidjPes que
queiram fazer qualquer
Giiiuuicacao ou recia-
ruacsseja estafeita.no
eseriploro desta em ^re-
za aria da mperadorn*
9, oude tamrremsere-
ceber? qualquer couta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
HermUIo Francisco Ro-
drigues Freir e Maaoel
uitoiiio da Srlva Ufr-
veiti?, equan ? forasBre-
(iso o Sr. Antonio Mar-
ins Orvaluo,
Todos os recibos dessa
-mpre/i deve > serpas-
sados em tales carimba-
.los e firmados pelo abai-
xr assig io em oque
uo terae valor akpu*.
George Wiudsor,
MUTILADO



ario de PernambucnSexta-fcira ^4 fie Setembro de 1 c 6
LycB ii Artes e Offlcios
A Imperial Sociedade dis Artistas Me-
chanii':.'s e Liberaes -te Pemambuco, que
tem a seu cargo o Lyceu de Artes e Offi-
oios. n*> Intuito de Ilustrar as classes arts-
ticas o nianuffcctureiras, mantera como j
be:n conhecido era seu palacete no Cam-
po '' > Prim-ezis, aulas de diversas lirjguas
e sev n ias, asquees, funieiooam em todos
06 ding uteis, das 6 s 9 horas da noite.
Cora o mesmo intuito manten) ella urna
peqn m o modesta bibliotheca que, com
patrioti'-os donativos, r.ugraeuta se de dia
para dia, e franqueada ao publico em
ger*l diariamente, as mesmas horas cima
Assim, pos, <;om o mui applaudido in-
tento do t-rnar bcra conhecido o progres
SO das artes e offi.ios entre nos, a prrf-i-
5S0 c utilidade de seas productos, fazer
conhe ido seus autores, bem como os lu
Srcs de seus estabelecimentos, afim de
jilitar a sabida e o consumo delles, pro-
move ella todos os annos para o dia de seu
anniversario, segundo dispSe o 6o do
art. 2o dos seus estat tos, urna expsito
dos trabalhos d'artes oficios e manufactu-
ras. E' para a consecucao de tao aper-
B90 ido quao vantajoso fim, que a directo-
ra da sociedade vera pelo presente, soli-
citar de todas aquellas pessoas que pos-
Suera por pergaminho o trabalbo, sua effi-
caz con "urrtncia Exposicao que, em 21
de Novcrabro deste anno se eff-etuar em
sua sede, Lyceu de Artes e Officics.
Campre tambem a ella fazer conhecedo-
res o) Ilustre senhores e senhoras, que
a quizerem honrar com seus productos, os
Beus direitos e
Deveres
1. DeverJIo at 15 do dito mez envia-
ren! as amostras de seus vendaveis pro-
ductos para o dito Lyceu.
2. En todos os objectosdeverao acom-
panhar o nome do autor, ou proprietario
dos mes .tos.
3. Ser iraprescindivl em todo e qual-
quer objecto a declaracao do prego, e lu-
gar d'- sua fabrica ou deposito.
4. Que os objectos para a Exposicao
devein ser tal qual os costuma fazer e
vender.
Direito
Art. 8o do regula ment da Exposijao
Artistico-Industriul:
Somente aos expositores pormittido
abrir as vitrinas para mostrar aos visitan-
tantes es seus produ tos
A directora conseia de que rauito se es-
forcarao para o faustaso resultado deste
certarren tao pro/eitoso e lisongero a to-
das as classes indusfriaes, antecipa seus
devidos agradecimentos.
Secretaria da Imperial Sociedade dos
Artista Mechani'cs e Liberaes, em 18 de
Setembro de 1886.
Jos Castor de A. Souza,
1* secretario.
Cha preto
As qualidades me-
lhores cmais escola-
das neste genero, con-
tina a vendf r Carlos
Siiidc 11, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Receben de iinpor-
ta( o directa e vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
proprias para hoteir e
casas de familia.
Club de Regatas Per-
nambucano
Tendo eate club de lar na noite de 9 de Ootn-
bro vindouro, no sarao dansante, convido ->s se
nhores ocios que estiverem quite, a pie^nta
r. m at o fim deste mea a lista de seus convida-
dos, afim de faier-se os respectivos convites.
Outrosim, previno, que t se expedir convite
s peisoas que tiverem familia, nao sendo admis-
sivel aggregados.
Secretaria do Club de Regatas Pernambucano,
em 22 de Setembro de 1886.O 1- se. ret, rio,
Osiar C. Mo teiro
Companbia Pernambucana
A cempauhia pernambueana de navegaco cos-
teira por vapor, tendo de regtar 263 ubrigacoes
garantidas, ua importancia de 52:600*, convida
pelo presente aos senhores subscriptores desse
cinprestimo para assi-tirem ao S'Tteio que se
tera de proceder s 12 horas da manh do da 29
do corrente, nc escnptnrio da roesma compaohia.
Recife, 22 de Setembro de 1886._____________
SEGUROS
VIARITIMOS CONTRA FOGO
Coinpanhia Phenix Per
nambucana
Ruado Commercio n. 8
Cupafli: i Seguios lililiiii,
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N.
Seturo mariiimoM e terrestres
Nebes ltimos a nica coinpanhia nesta praca
que concede aos Srs. seguradla isempcSode paga
ment de premio em cada stimo anno, o que
equivale ao descont de cerca da 15 por cento em
favor dos stgit'&dna.
(OHPA\lllt D*S SEGUROS
COHPANHIA DE SE6DB08
COSTRA FOGO
Nortb Brilish & Mercantile
CAPITAL
t:OOO.OOo de libras sterllna
A GENTES
Adonis o 11 Howie &C.
CONTRA FOGO
Fhe Liverpool & London & Glob
l\SI ItISWCK CIIMPAM
&G.
liitailri and Braalllan Ba
Umlted
Sua do Commercio n. 32
~acca por todos os vapores sobre as ca
do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N
Porto, ra dos Ingleze.
NORTHERN
de liOnrtren e berdeen
Poicxdnanrelra(l)eirml)rn I88S)
Capital oubsciipto 3.000-UUO
Fundos ac.cumulados 3.134,34^
U<-<-<-il nnual I
Dj premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE
John H Bexwell
RA COHEBIIOCIO N. | *-\l> R
martimos
INDEMNISADORA
Companhiii de Sepros
martimos e terrestres
Eslabelclda em l .
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 18*4
Martimos..... 1,110:000^000
rerrestres,. 3.6: ** Rua do < oiumcrt-io
C<|WrA\IH4 PKRMWHH ?*
DE
navegaco Coste Ira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macci, Penedo, A rae ai u' e Babia
0 vapor S. Francisco
Segu no dia 28 ut
Setembro, s 5 horas
da tarde.
Recebe carga r.t o
dia 27.
Encommendas, passag. s dinheiro a frete at
as 3 horas da tarle do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pervjimbucana
n. 12
CO l'VIIir. ES HEN.lue-
RE II lili TI.VE I
LINHA MENSAL
0 paquete Congo
Commandante diron
E' esperado dos portos de
sul no dir. 25 do corrente,
seguindo, depoia da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer toinpo.
Faz-se abatimento de 15 /0 em favor daa fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa
garem 4 pasragens inteiras.
Pr i'icepcAo os criados de familias que toma-
re.m bilheteade proa, gosum tambem d'este abat-
ment.
Os vales postaes s se do at e dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendsi s e dinhi ir i
a trete: tracta-se cam o
AGENTE
Angoste
9 RA DO COMMERCIO-9
Pacific Sieaoi avigalion Compam
STKAITS OF MAQELLAN UNE
Paquete Aconcagua
E' esperado da Euro
pa at o dia 26 de Se-
tembro, e seguir de-
poia da demorado eos
_ 'tuine para a
Baha, Rio de Janeiro. Monte
video e Valparaso
Para carera, passa^-ns, "iicouiuiKndHS, cracu
ie com os
AGENTES
%Vilson Non & C, Umlted
S. 14 RA DO COMMERCIO M |4
DE
Xavegaco eostelra por vapor
PORTOS DO SUL
Tamandar e Rio Furoioso
0 vapor Giqui
Segu no dia 29 de
Setembro, pelas 5 ho-
ras da mann.
Kwceht carga at o
'dia 28
Encjirmendas, passagens dinbeiros frete at
4 horas da tarde ciodia 28.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Per ambo
cana n. !
as
Houston Lino o Steauois
vapor Helia des
Este vapor segui-
r para Liverpool
no dia 25 do cor
Mata.
Tem ptimas aceomm jdacoes para pissageiros
de 1 e 2" classe.
Para carga e passagens preco mjdico diri-
ja-se ao
Consignatario
Lab lie
(JOMPANHIA
(mperial
i mied Slales & Brasil Sai! S. S. t.
O vapor A.dvan<*e
esperado do sul no dia
li cerrente,sogoisdode-
da demora necessaria
DE
COMMERCIO
Bolsa eommrrelal
nnt-o
de *ernan>-
JtECIFE, 23 DE SETEMBRO OE 188t>.
As tres horas da tarde
'-'oracue* offutiacs
Apolice8 provinciaes, e 7 0/0, do valor de 1:0 Of
ao par.
Cambio sobre o Rio de Janeiro. 10 d/v. ao par.
Cambio sobre a Bahia vista, com 1/2 0,0 de
p-emio, do banco.
Cambio sobre Londres, 90 d|v. 21 5,8 d. por 1J0O0,
do be neo.
Dito sobre dito, 90 d/v. 21 13/16 d. por 1/000,
particular, hontem.
Cambio sobre Lisboa, 90 d/v. 144 0/0 de premio,
particular.
Na hora da bolsa
Vendejam-se :
30 plices provinciaes.
\J presidente,
Pedro Jos" Pinto.
O secrerano,
Candido C. G. Alcoforado.
NECIRON CONTRA POCO
EST: 1803
Edificios e mercadura*
Taxas baixat
Prompto pagamento de prejuUot
CAPITAL
Ra. 16,000:000*000
Agente
BROWNS & C.
N. ^ Ra do Commercio N 5.
DESPACHOS DE lMPORTAgA~
Patacho ameri-aco Atalanta, entrado de Wel-
mington no dia 22 do corrt-nte e consignado a Ma-
lhues Austin & C, manifes'.eu :
Breu 179 barricas.
Madeira de pinh 6,505 picas aos consignata-
rios.
Hiate nacin 1 Aurora 2., en rado de Maco
no dia 22 do crrente e consignado a C. A. de
Aranjo, mauifeatou :
Aasucar 5li8 saceos.
Algodo 260 saccas.
Cours seceus salgados 54 ordem.
Hiate nacional Dms te guie, entrado do Mosso-
r no dia 23 du cor. ente e consignado a B. Lou
Maranhao, Para, Barbados. S.
Thomaz e Mew York
Para carga, passagens, cncommendas tracta-
AGENTES
0 paquete Finance
Espei-a-se de New-Port
News, at o dia 1 de Ou-
tubro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, cncommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forsler & C.
N. 8 RUADO COMJtttKClO N. 8.
1' andar
N. I. UDSTONE
IIna do rominrrclo I
Comp&:*.!a lira/ llelra de l%aie
i.ico a Vapor
PORTOS DO N< RTE
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Oo-nws
' esp-Tailo dos portop -lo su
ateo lia 26 de Setembro. f
seguirA depois da demora in-
ri ispeiisavel, para ou porto
do uiirte at .Vlanos.
Para carga, passagens. neouimeBda* valore*
racta-si' na agencia
PRA^A DO CORP-) SANTO N. 9
KOULUlLSmil PA(iET
ONPMV
0 paquete Neva
E' esperadodaEuropanodia
24 do torrente, seguind*
depois da demora neceasa
ria para
Baha, Rio de Janeiro. Monte-
vdeo e BueuoM \yres
Este \apur lrz sioiplesaiente
passageiros e iiimI, e InuiuMlin-
lamento vepr depois do desem-
barque dos mesmos.
0 paquete Tamar
esperade
do ni no da 29de
entraste s^guin 'o
l.-pois dademiirn
leeessaria para
Lt'Ho
DF< FAZEND4S
limpas e av. riadas
de ama cala cum chapeos de senhoras e outroi
artigos
Sabbado 25 do corrente
Agente Pinto
Na ra do Bom lesas n 43
Leilao
de urna m< bilia de juuco branco, 1 conuolo, 1 ca-
bide-porta-chapus, 4 pares de cortinados, 1
cama de ferro en, lustro de rame, colcho,
cortinnd'*, 1 arreio ui< kelado par un cavallo
de oibriulet, 2 lanternas e ontros muitos objec
tos.
TERCA-FEIRA 2s DO ( ORRENTE
Agiente Pinto
No sobrado di esquini da rua do Mirquex de
Oliuda n 24 entra *a pelo becea da 8>'iizala
Por ucCHsin do leilao d* Ioujhs vidros, electn
nli"*e. mnvei- e outros objectos cont rie um outro
annjncic B*fc*% c'iumna.
Leilao
de uro variado sortimento re vidro*, crya-
taea, lou^as, porcelanas, obje tos de ele-
ctro pate, de Terra cota e muitos outros
artigos de apurado gosto.
Terea-felra % do crrente
RUA DO MRQUEZ DE OLINDa N. 24
Ricbrdo Hull tendo de fazer urna viagem far
leilao, po.- iutiTvencao do agente Pinto, de todos
os bjer.t. 8 existentes >-m seu deposito da rua do
Mrquez de Olinda n 24.
Em continuado
Duas carteims, mesas eiwcrnisadas, armarios
para papis, cadeiras e maia pertencas de escrip-
torio.
Bi-m como:
Aiinin i forrado de panno para amostras, me-
sas para fazenilas e miudezis, pratoli-iras e mais
accessor os pura exposicao de amostras.
Para
aKNIMMKNloS PBLICOS
M.z de Setembro ^e 1886
ALFANbEGA
StMKDA eRRAL
De a22
dem u. 23
raoviaciaii
De 1 2
'.dem de 23
Total
628:219*541
32:686441'.)
63.638611
3:.'30,688
8CBBBDORIA !>' 1 a 22
n, u, ds 23
I
660:905/960
66:869329
727:775*289
26:549^030
1:651*136
rt-n^, manifestuu :
Algod 350 saccas a L. A. -iqueitn, 175 a
Boratelmann 4 C, 50 a Cunba Irmas ce C.
Sal 200 alqueires ao consignatario.
Hiate nacional Deu te salve, entrado de Moeso-
i na dia 23 do coi rente e consignado a B. Lou-
renfo, manitestou :
Algudo 180 saccas a Luiz ADtouio Siqueira,
25 a Horstelmann St C.
Barricas 157 amarrados a A. Augujto da Silva.
JlfPAGHGS HE bXi'Ui TA^O
i'.-x. 22 de Setembro de 188o
Para o exterior
No vapor inglez Orator, carregou :
Para Liverpool, C. P. de Lemos 6 fardos co:n
456 kilos de residuos de algodio e 5 ditos com 600
ditos de trapos e 2 ditos com 500 ditos de zinco.
No vapor inglez Heliades, carregaram :
Para Liverpool, P. Carneiro & C 3,000 saceos
C'>m 225,<>00 kilos de assucar inascavado ; Jalio
& Irmao 500 saceos com 3 ",500 kilos de assucar
mascavado.
Na barca portugueza Allianoa, carregar m:
Para Lisboa, Saltar Irmos & C. 350 couroi
salgados com 4,V00 klos.
Mossor -7 dias, hvate nacional Detis te
Salve, de 75 toneladas, mestre Antonio
J. do Nascimento, equipagm 5, carga
sal e algodSo ; a Bartholomcu Lourcnco.
Rio de Janeiro 16 dias, barca nurueguen
se Vegar, de 365 toneladas, capitSo
(.'bristensen, equipagem 10, em lastro; a
H. Lundgrin & C.
Rio 'fe Janeiro -20 dias, lugar americano'
Mascotte, de 593 toneladas, capit2o
Lisboa e Southainplon
passagens, fretea, ele, tract w
CONSIGNATARIOS
damsoriHowie &t.
ra 6 Porto por Lissoa
Segu com brevidid*- para os p>rtvs cima a
barca portugueza Al tanga : p ra o resto da carga
e passageiros, trufa se com os consignatarios Jos
da Silva Loyo & Filhu.
equipagem 10, em lastro:
Bisikler
t crdem.
Rio de Janeiro21 dias, barca italiana
Vicenzo Pirrotta, de 669 toneladas, ca-
pitio M. Aoatra, equipagem 14, em las-
r ; A ordem.
Terra-Nova 37 dias, lugar inglez Retrie
vir de 20 i toneladas, c apitSo W. H.
Edmonds, equipagem 11, carga Baca
lbo; a Johnston Pater d C.
Rio Grande do Sul 30 dias, escuna por-
tugui-za Christina, de 188 toneladas,
capitio V anoel M rtins Morgado, equi-
pa gem 9, arga xarque; a H. Lund
grin & C.
Navios sonidos no mesmo dia
LEILUB?
Terca-faira 28. o leilao de movis, louca, vidros'
e elrctro-pate, existentes no 1 o andar, do sobra-
do da rua do Marqu- % de Olinda n. 24.
Agenta Bniliim.iqiii
Lrilo
De movis, espelhop, JHrrop, tapetes para sof, e
grande Sortimento de joias e de annris com
reos brilhantes e ad> r< eos, etc., etc.
Wexta-flra, lado corrente
A's 10 1/2 hoiaa
No armazen* do largo do Collegio, junto a
camisaria franceza.
STr. O agonte cima levr a leilao, por mndalo e
untos por escala Vapor francez Vitte de t asslstencia do Illm.
Pemambuco, commandante
carga varios genrros
_ e Exm. Sr. Dr. juiz de direito
Chancerel, de orpbos, a requerimcnio do Dr. Augusto Vaz,
curador do interdicto D. Narciso de Vidal, 1 par
Barbados-Barca ingleza Electa, capitn deJbo,oes d ouro, 1 colar, 1 cruz e commend, 1
n. Mo i cadea e relogio, 5 bctOes, 1 annel. tm conti
U. ftlarr, em lastro. nUHj0 vender uma 8Hlva de pnta x tlge(U) ,
De 1 22
'oaeuLDo PaoviHCLii.
ora DRATHAOi^Pe lfs 22
23
28:200*136
21:884*507
314;392
22:198*899
31:656*730
225.530
Para o interior
No vapor francez Ville de Pemambuco, c:ir-
regamm :
l'.ra Santos, S. Guimares & C. 70 saceos com
4,20ii kilos de assuj- r branco e 30 dit, s com 1.800
ditos de dito mascavado.
Para o Rio de Janeiro, R Valente 80
com 6,400 kilos de milbo.
Para a Bahia, P. Pinto & C. 89 barris
6,240 litros de mol.
Cear Patacho inglez Jura, capital R
Morrissoa, era lastro.
VAPORES ESPERADOS
saceos
com
31:882*260
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 23
Mossor8 dias, hyate nacional Beus te
Guarde, de 90 toneladas, mestre Anto-
rio A. da Silva, equipagem 5, carga al-
god3o e sal; a Bartholomeu Lourcojo.
Espirito Santo
N< rtemann
Pirapama
Neva
(Jonyo
Aconcagua
Advance
Para
Tomar
Editor
Maranhense
finance
Cear
Ville de Rio de Ja
neiro
Manos
Trtnt
Eli*
Pemambuco
Britannia
Lo Plata
Neva
do norte hoje
de Londres hoje
do norte hoje
da Europa hoje
do sul amanba
da Europa a 2tS
do sul a 27
do sul a 27
do sul a 29
de Liverpool a 30
de New-York a 30
Ontubro
de New-Port News a
do norte a
do sul a
do sul a
da Europa a 10
do iui a 14
de Hamburgo a 17
da Europa a 23
da Europa a 23
do sul a 29
paliteiro, 1 caira de rap, 1 par de esp* rae, 26
colhwes para cha e topa, e outras obras de prata
com pouco uso, 1 importante mesa elstica, 1 eom-
muda 1 armario ou guarda ronpa, 1 estante de
ferro para gxrrofas, 1 dita deamarello para livros,
toda envidracada, obra prima, 1 sof, 1 cama para
casa), lavatorios, cdeT8b de junco, ditas de faia,
e outns muitos movis e joias que estaro patentes
no acto do leil.o
1
2
2
7
Agente Silveira
Terceiro leilao
Sabbfido 25 do corrente
A's 11 horas
A' rua estrella do Rosarlo n. 94
O agente hi veira, por mandado e com assisten-
I ca do Exm. Sr. Dr. juiz d.- orpbos, levar a lei-
' lao o < ngenho Penedo de Baixo, freguesia de S.
I Lourenco da Matta, enmarca d" R cife. etpolio de
i D. Anna Mara da Rocha Falco, sendo o enge
I nho edificado margem do Cnpibanbe, moente,
' com bom cercado de pastngem e excedentes mat-
tas.
Os Srs. pretendentes podem examinar o rjtert
do c^^nho.
Monte de $occrro de Pemam-
buco
LRILAO DE JOIAS
Este estab-1-cimento t-r Idilio no dia 30 do
corrente, p r iiiterv> ngai. iloae-nte Mtrtins, rua
do Bom .es.is u. 3, s 11 horis da mnuha, do>
bjeutos que niio fon-m re>gHtaiios at a venpera,
das s euint>-8 CiuUIIhs, a dieh iro de contado.
11.128S.-is castcete* prata baixa.
11.388Um cor.lo, um pac de rosetas e uma
n uz, .uro de li I.
11.610Urna c'Trente e m. dalha para relogio,
iiii o de lei.
11.611 Uma pulseira, um par de brizeos, duas
pegas de dto, um par de r .zetas, dous
aunis e urna unilmhi, ouro de le.
11.617Um brch'-, dous pares de brincos, ums
loneta, u.n traucelim, iium v. lia de dito,
dous atavia e um cas'ao, omo ne le.
11.618Um par de rozetas de ouro e um annel
com brilhantes.
11.620Urna pnlsoira e um broche, ouro de le.
11.629 Uma c/rrente e m'dnlba para relogio e
um rel"go, ouro de lei.
11.632Um aunel de ouro com brilhante, uma
pubeira, uma com nte meJalha para
relogio, ruru de lei.
11.633U.u par de rozetas e um annel de ouro
com brilhantes.
11 634Uui par de rozetas de ouro com brilhan
tes.
11.646Uma paUeia, uma corrente para relogio
e dous b toes, uro de le.
11.649Uui jarro e bacia, uma tijella e umttam
pa de assuoareiro, prata de le.
11.654Um annel de uro com brilhantes
11 65Um par de brincos cravejados d brilhan-
tes.
11.659Urna corrente para relogio, ouro de lei.
11.666Uui traocem, uma medaiha, um par de
brim-us, nm dito de rozetas e tres anneia,
ouro de lei.
11.674Umiranclim, dous pares de roz> tas,
um medalb, seis botoca equaro ai.neis
ouro de lei, e um relogio de ouro.
11.687Uuia salva, um paliteiro, trinca e duas
colhert-s e urna concha para sopa, prata
de lei; um copo, praia baixa.
11. "02!> z atinis e un a cruz, ouro de lei.
11.705Um relogio de ouro.
11.715Um rr n.clim ouro de lei.
11.72bUna corrente para relogio, ouro de le.
11.734Um annel de ouro com brilhante.
11.746U na corrente para relogio, um annel com
uin bi ilhnnti' e um relogio, ouro de lei.
11.747U na corrente para relogio e dous ann> is
ouro de lei; um annel com um Orilnaiite
p-queno e duas moedas de ouio, da 1( *
Cada uma, em boto, s
11.761Tres trancelins e um relogio, ouro de Ie.
11.763Um pulseira, amalfimte, um par de ro-
zetas, um dito dito contendo brilhantes
pequeos, ouro de lei; uma salva peque-
a, um paliteiro e nove colheres para
cha, prata de lei; onze colheres para s-
p i, prata baixa.
11.764Uma correrte e medalha para relogio e
um relogio, ouro de lei.
11.769Uma volta de cordo, uma dita de tran-
celn], tres pires de argoldes, dous ditos
do rozetas, uma cruz e uma teteia, ouro
de lei.
11 784Uma pulseira, um alfioete, onro de lei.
11.790Um annel do ouro com brilhante.
11.795Uma volta de ouro com medalha e um
cordo, ouro de lei, uma cruz, ouro
baixo.
11.796Um par de rosetas de ouro com bri-
lhantes.
11.197-Uma correte e medalha para elogio, e
um relogio, ouro de lei.
11.798Um annel de ouro com brilhantes, um
par de esporas de prata.
11.803 Uma correte e medalha para relogio,
ouro de lei.
11.805-^aia vulta de trancelim, deus emblemas
^ Conceicao e Espirito Santo euma
cruz, ouro 0> lei.
11.823-Urna medalha e um par de rosetas com
bnlbantes.
11.825=Uji annel de ouro com um brilhante e
uma volta, ouro de lei.
[11.832Dous pires de brincos, dois alfinetes,
um cordo e tres teteias, ouro de lei.
11.842Uma corrente e medalha par relogio,
ouro de lei.
11.852=Uma corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
11.871Um trancelim e um par de brincos (in-
completo) ouro de lei.
11.873Ura oceulo de ouro.
11.874Um annel de ouro com brilhantes, um
par de rosetas C' m ditos, uma cruz com
ditos, um fio de perolaa, uma cerrente
de onro e uin relogio, ouro de lei.
11.883 Dous casticacs, prata de lei.
11.884Um alfinete, uma pulseira pequea, um
par de brincos e uma medalha, ouro de
lei.
11 885Uma volta de trancelim. ouro de lei.
11.904Uma pulseira, um broche e um par de
brincos de ouro de lei, com brilhantes.
11.910Um relegio, ouro de lei.
11.927Uma corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
11.938Um par de rosetas do ouro com bri
lijantes e um annel com ditos, uma cor-
rente para relogio, e um relegio, ouro
de iei.
11.946Uma corrente dupla com medalha para
re >gio, ouro de lei.
11.95"Um eordo, ouro de le.
11.951Lm alfinete pequeo, um par de rosetas,
duas voltas Je trancelim, um roplendor e
duas cruzes, ouro de lei.
11.954-Uma volca de ouro, uma medalha, um
trancilim, um alfinete, urna chave para
relogio e uma cruz, ouro de lei.
11.961 Uma corrente e medulha para relogio,
ouro de lei.
11.971Dous alfinetes, um par de brincos, uma
medalha, um crucifixo, um cordo, um
dedal e um annel, ouro de lei.
11.974Uma corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
11.976Urna corrente para relogio e nm relogia
pequeo, ouro de lei, um paliteiro, prata
de lei.
11.981Urna pulseira, ouro de lei.
11.987ous alfinetes, um pooteiro, dous e meio
pares de boto, s para punho e quatro bo-
toes para abertura, onro de lei.
11.988-Um_ annel de ouro com brilhantes, tres
bjt -s com ditos, uma volta de curo cen
duas m-da'h*R para relogio, um par de
brincos ouro de lei, seis moi dinhaa de ouro
com boto>-s.
11.990Um annel de ouro com um brilhante.
11.991 Dous alfinete, tendo era um um brilhan-
te, uma volta de ouro, dous pares de ro-
setas e uma cruz, ouro de lei.
11.992Uma pulseira de ouio com um brilhante
e uma volta, onro de lei.
11.994Um pa* de r setas de ouro cravejadas de
brilhantes, um annel cum dito; uma salva
e nm pa iteiru prata de lei.
11.995 Urna eorreute e medalha para relogio,
uma dita om broche a pequea medalha,
uro trancelim, um loneto, um dedal e um
relogio, pequeo, ouro de lei.
11.997 Um euibl roa da Cmceico, um coidSo,
urna gargautilba ouio de lei.
11.998Um correntio para relogio, ouro de lei.
11.999Um trancelim, uma medalha um annel
onro de lei; cinco moedinhas de ouro em
botfias.
12.000Um par de rosetss de ouro com brilhan-
tes, um annel ero um dito, um annel com
uma esmeralda e circulo de bnihaotes,
uma pulseira, uma volta de ouro com me-
dalha, e quatro anneis ; onro de lei.
12.001 Uro cordo coro dous bentinhos, ouro de
lei.
12.004Uro alfinete de ouro com brilhante, um
par de nsetas com ditos, um abitu com
pequenos ditos, uma correte para relo-
gio, d us dedaes, e dous reiogios ouro Je
lui; um trsncelim e uma redoma onro
baixo; um paliteiro, um par de casticaes,
prata du le; vinte cinco colheres e dous
maracaes, pr >ta baixa.
12.008Urna pulseira e um alfinete, ouro de lei;
uma cruz de ouro e um annel com peque-
nos brilhantes.
12.009 Uro par de rosetas de ouro com brilhan-
tes, e uma salva, prata de lei.
12.018Dous annes de onro com brilhantes, trea
medaihas, uma corrente para relogio,
cineo aunis, uma luneta, e um relogio,
pequeo, ouro de lei.
12.024Um alfin te, uro psr de bnners, um dito
de rosetas, um cordo, uma in-d Iba pe-
que' a, quatro boto s, tres anneis, um
dedal e luna rooedinha ouro de lei.
12.025Um annel de ouro com brilhantes, orna
pula ir-, um alfinete, um par de brincos,
e um d> dal ouro de lei; uma pulseira, um
alfinete e um par de brincos, ouro baixo.
12.028Urna iiulseira, uma volta de cordo, uma,
medalha e uma cruz ouro de lei ; uma
pu'seira ouro baixo ; e uma cruz crave-
jada de diamant a.
12.C36Um p^r de brincos, um cordo, ouro de
lei; dezoitT colheres, prata baixa.
12.055- Um relogio de ouro.
12.061Urna corrente pura relogio, dous pares
de briiuoa, dous dit8 de rosetas, dous
alfinetes, um cordo, duas volcas de tran-
celn), onze teteias, tres botoes, um annel
dous yirtoes, ouro de lei; doze moedi-
nhas de .uro em botoes e um re|. gio ouro
de lei, um p>liteiro e trese colheres para
cha, prnti Je lei.
12.065Um par de rosetas de onro com pequeo*
brilhantes
12.067Uro trancelim. ama medalha, um par da
bnens, um dito de rosetas e um aonel de
ouro.
12.079Vmce tres colhi res, prata de lei.
12 082Urna pulseira, ouro de lei.
12.083 Uma pulseira, um alfinete, um par da
brincos, ouro de lei.
12 084- Um relegio, ouro de lei.
12.089Um c rrenCe para r- logio, cinco teteias
e um relogiu, ouro de lei.
12.090U ii br .che do ouro c un brilhantes, uma
corrente para relogio, um cordo, ouro de
I',.
12.091Um i>ar de brincos e uma cruz de ouro
com brilhantes e uma pulseira, ouro de
lei.
12.093 Um alfinete, um par de brincos, um dito
de rosetus e uro annel, ouro de le.
12.094Um par de rosetas d. ouro com brilhante
e,um annel Com dicos e diamantea.
12.098Daas pulsuiras, um trancelim, orna volta
de ouro, um medalha um alfinete, uoa
par de brincos e dous anneis, ouro da
le.
12.099Um alfin*tede ouro e um par de brincos,
oure de lei.
12.101D us alfinetes e dous pares de brincos,
ouro de l< i.
12.1<>2Urna pulseira, ouro de lei.
12.103Uma pulseira ie ouro com perolas e tur
guasas
12.1' 4Um relogio de ouro de lei.
12.1'i5Um alfineCe para seuhora e um relogio,
ouro de lei.
12.106Uma cruz de ouro com brilhantes. um fio
de perolas, um trancelim, .um dedal, ouro
de lei ; um paliteiro, uma concha para
sopa, vinte e quatro colheres, prata baixa,
12.107Una pulseira de ouro com brilhantes,
quatro anneis com ditos, um corn-uto .
uma correte com medalha para relogio.
uma girgautilba, uma pulseira, dona alfi-
netes, dous pares de brincos e um relo-
gio, ouro de le.
12.108 Uma crrente e medalha para relogio,
oiir.. de 1- i.
12.109Uma volra de trancelim, dous pares ae
rosetas, dous alfinetes, tres botoes, um
eorac. de cornalina em ouro de lei.
12.110Uma pulseira, ouro de lei.
12.118Um annel de ouro e uma pulseira com
brilhantes.
13.121Um par de brincos, uma chave, um par
de botoes, um annel, ama argolla, ouro da
lei.
12.123Uma corrente para senhora e um relogio,
ouro de lei.
12.127Uma cor ente para relogio, ouro de lei.
12 129Um relogio, ouro de lei.
12.132 Uma pulseira, um nroche s um par de
brincos de ouro com brilhantes, duas pnl-
seiras cravejadas de diamantes, fio* de
p-rolas, um alfinete, um par de rosetas
Com diamantes, um fio de perolas, ama
Corrente e um r- logio, ouro de lei.
12 133Um boto de ouro com brilhante.
12.140 -Urna cruz de ouro com brilhantes.
12.145Um cor. ente de uro para re.ogio.
12.152Um cordo, um par de brincos, um dita
de rosetas, um alfiuete e duas medaihas,
ouro de lei
12.16-3Duas correles para relogio, ouro de lei.
12.168Uroa cruz do curo com brilhantes.
12.178Um par de brincos, um laco de ouro para
gar^antilha, um par de argoldes, iim
peca de brinco, ourc de lei; dous relica-
rios, um par de argolas, uma cruz e uma
peca de brinco, ouro baixo.
12.186Urna currante c medalha, ouro de lei.
12.187Uma cbrente para 1 elogio, nma medalha
pequea e um annel, ouro de lei.
12.188Uma pulseim, um alfinete e um par de
rosetas, ouro de lei.
12.190Duas pulseiras d" onree um par de rose-
tas com brilhantes.
12.191Um tranceliui e uma medalha, ouro de
lei.
12.201Dous anneis de ouro com brilhantes
grandes
12.202 -m annel de ouro com um brilhante e
um trancelim, ouro de lei.
12.203Duas pulseiras e um broche, onro de lei.
12.207Um par de rosetas com brilhantes, um
pulseira, tete pecas de ouro para cinteiro,
ouro de lt i; um assucareiro, um pali-
teiro, um garfo, 16 colheres de prata.
12.208Uma salva, um bule e uma colher de
prata.
12 212Uma corrente e medalha (com diamante)
e nm relogio, ouro de lei.
12.216Um pr de rosetas de ouro com brilhan-
tes, 6 bote. de moedinhas.
12.217 Um relogio, curo de lei.
12.220Uma gargantilha e uma medalha, ouro
de lei.
12.229Uma moeda de ouro de valor de vinte
mil ris com laco de ouro.
12.230-Uma corrente e sinete para relogio, oso
par de argoloes, nm broche, uma meda-
lha e dous reiogios, ouro de lei.
12 231 Uma corrente e medalha e nm relogio,
onro de lei.
11.975 -Umannel de ouro com brilhante e um al- 18-235Uma pulseira, dous alfin-tes, nm par da
finete com ditos. 1 brincos e um annel, ouro de le.
GH


Diario de PernambucuSeita-feira 24 de Setembr.)
12.239IW ve-lta de traocelim, urna eras, um
.ledal, un inedalh t e um aunel, ouro d<
le.
12.249-Uina corrent.- cora medalha pura relogio
um relogi", ouro de lei.
12.250Duaa pulsara, duna uredalhas e ui par
12.252Tres ann'i. d ouro, d us pares d- rose-
tas, com brilhanr e, um pulseir. um
porta-relogio, urna eorrwit'" para reicgia,
dous relugi is, um dit-i cui perolag e qua-
tro moedag ouro de valor Je cinco un)
ris. i
12. ^56 Um ann*l de ouro c n brdhante.
12 257Un p .liti-iro, prata de 1 s.
12 273Urna corrente e medalha para relogio,
uro de lei.
12 296Ura puloeira, urna medalha c urna cor-
rete para relogio, ouro de lei.
12.299Urna pulseir, um nlarte, um par de
lines e aui :.nue', ouro de ei.
12.300Urna correte e siuet pira relogir, ouro
ue lei
Recife, 16 de Seteinbro de 1886
O gere-ite e guarda livr a,
Felino D. Ferrara Codito.
PdIio de Riga
Acaba de cbegar pelo brigu* Atalanta um com-
pl. to sortim-nto de pinho de Kiga da melbor qa-
lidade e de diversas dimenbeg, como sejaoi:
4 X U
4X9
3 X 12
3XH
H X 9
2 X 18
e tabeas da inesma atadrira de 1 e 1 1/2 polle-
gVe'demMATHUE- AU-iTlN & C, ra do
Cmnwrvio .. 18. andar, ou oo caes do Apollo
o. 5', por presos c immodoa.
AVISOS DIVERSOS
um
Precisa -se de orna ama para andar com
menino de 5 roezes ra Augusta n 280_____
~ Aluga-se casas a 8*000 no becco do8 Coe
Ihos, junto de (*. Goncailo : a tratar na ra d>
Imperatriz n. 56. ______________
Aluga-se o 2- andar da ra da Penna n. 29
e a casa terrea da ra Vidal de Negreiros n. 140:
a tr> tar com o Piubeiro, ra Duque de Caxias
n. 66, loja de miudeza<.
Hede-se aos abaixo notaios, o favor de vir
ou mandarem ra do Marque* de Olinda n. 51.
Pedro Siqueira, Alfandega.
Frederico Vieira.
Manoel, do Banco. _________
Aluga-se a casa terrea CJin soa em bom
estado, do pateo do Terco n. 8 .: a tratar em
Fra Je Portas, ra d- S. Jorge n. 56. taverna
depois d .4 boraa da tarde.__________
Alu ,a se os andares superioreB do predio n.
51 ra o Iinp rador, com excellente* accommo-
dacoe par familia : a tratar com N. I. Lidstone,
rna do ommercio d. 10._____________
Precien se de nm e com prati a de taverna e que d fiador sua con-
duct i : tr..tar na ra do Visconde de Goyanna
numero 72.
" Aliijra-M a casa terrea em Beberibe de cima,
terreno ue Stepple ; a tratar no becco das Carva-
lhas n. 1.____________________________
Aliigai-e o sobrado de um a idar n. 81 ra
de Marciho Das ol' andar do sebraoo n. 22
rna estreita do Rosario, e a casa terrea n. 79 ra I
do Coronel Suatsuna ; a fallar com o Pinheiro,
rna buque de Caxias, loja de mindezag n. 66.
A uga-se o sobrado da travessa do Livra- (
ment n. 10 ; a 'ratar na ra do Apollo n. 4, so-
brado. _______
~3T Preeisa-se de nm caixeiro com bastante pra-
ttca de fazendas ; a tratar na ra Duque de Ca-
xias n 43
Ao
i?
____
100:000S000
I
Casa terrea para ven-
der
Urna pessoaque lem urgente necesridade de s
retirar para fra da provincia, vende por 1:3004
a casa terrea n. 22 da rna de Luiz de Vlendonca,
freguezia de S. Jos, edificada a moderna, em
be in estado, chaos proprius, 2 janellag e 1 porta
de frente, 3 quai tos, quintal, cacimba e cosinba
fra e dnas grandes salas, livre e desembarscadi :
a rratar na roa do Caldeirein n. 50, at as 9 ho-
ras da maiih, ou depois dan 3 h Tas da tarde, e
fra destas horas no cartorio d> Porto Ca.reiro.
i
23ra Primeiro de lar(o23
Os abaixo asignados tendo vendido nos
seus afortunados bilbetes garant los os ns.
19,93^ com a sorte de 10J:000, 19,934
com 10:0005, 22,421 com 2:0000, 6,093
com 2:000,5. 22,235, com 2:0005, 1,118
com 1:0000, 10,098, com 1:0000, 1,680
com 1:0000, 5,725 com 1:01)00, 8,3l8
com 1.0000, 18,16.) com 1:0000, 20,279
com 1:0000, 10,390 com 5000, 4,041 enm
5000, 2,203 com 5000, 23,784 com 5000,
11,503 com 5000, 10,310 com 5000, 6,209
coro 5000, 9,52? com 5000, 23,825 com
5000, da 2.a parte da 1. lotera que se
acabou d extrahr, convida os possuidores
virem receber integralmente.
Ach.ttn-seexpostos vendaos afortunados
bilhetes garantidas da 3.a parte da 1.a lo-
tera a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se extr-ihir quinta-
feira 30 do corrente.
PRECOS
1 viga88mo 10000
porc" lo OOA 1- cima
1 vigessiroo 0900
Mam el Mar*in* Finta & C.
e
i.lS.lKlllli:l
AOS
I00:d08$00
Ba do Baro da Victoria n. <
e casa do eos tu me
1 mm\m
O abaixo assignado acaba de vender
1 vigsimo de n. 20,913, com a sorte
de 1:0000000 e 1 dito do n. 16,933 cora
a sorte de 5UO0OOO, da 2 a parte da 1.
lotera que se extrahio a 22 do corrente.
O mesmo abaixo assignado ;onvida ao
possuidor vir receber na conformi-
d.de do costume, sem descont alguen.
Acbam-se venda os afortunados b>-
hetes garantidos da 3.a parte da 1.a lote
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri
corda do Recife, que se excrahir a 30
do corrente.
Presos
1 vig88mo 10000
iin quantldade malor de looi
1 vigessirao 0900
John Jonquim da Costa Leit*
Aos I00:000S000
16-Kua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus ven
Eu abano assignado, t. ndo de me retirar
oara Kortugal a tratar de minht sade, declaro
que eiio por meus procuradores nesta c.dade do I turosos bdhetes garantidos os premios sn
..a Tk^tAnm hAmi.nnoa o Anfnnin .Ins o*iinte '. i viff^sifDo 30HI & sort' l;OO
Eceife, Jos Theotonio omiugueg e Antonio Jos
Ferreira Refinador. Recife, 23 de Setembro de
1886.
Francisco de S. A. dos Santos.
Aviso
A Sra. O. Mana Archanj 1 Civalcante de Albn-
querque, mi da Exma. Sra. Baroneza de Vera
Cruz, genhora do engenho Monjop. qu-ira ter a
bondad- de mandar pasar a Jos Feliciano de
Nazareth a qaantia de 3:0005 e Untos de xarque
que Ihe reinetteu pira alimeotacao de suft fabri-
ca no eng.nho Tamatanp^ di Fores, alm disso
quand 1 s;u tilho Joao Cavalcaute foi para Europa
e que fie iu a dever Ihe urna letra de 2:000i e
tanto, proveniente anda de xarque, elle foi a sua
casa ftz-T-lhe ver ato, assim co no se devia con
tinuar a mandar xarque para supprir a ana fabri-
ca, e suas palavraa foram -atas, que anda boje
n5o as nega, o senhor pode conlinuar a mandar
porque a su* divida est segura, prquanto se
meu filho morrer na Europa eu lbe pagares, e se
eu m >rr. r primeiro hi est meu filbo para Ihe
pagar, palavras estas que confesseu a outras pes-
soaa, que raais tinhadito; alm disto a Sra Baro-
aeza viuva e rica e ni > tem filhos, nao necessi-
ta portanto que a Sra. D. Mara p >r meios menrs
proprios accumule fortuua para Ihe deixar de he-
ranca. Esta divida alm de tudo urna divida
proveniente de xarque para alimentacao de sua
fabrica e nSo de ve ser igual as outras qne V.
Exc. deixon de pagar.________________________
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar e engom-
mar na ra de Pedro Affonso n. 58, antiga da
praia._____
no n. 445, e 2 dezenas com a sorte imme-
diata da 2a parte da fa lotera.
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da 3a ptrte da 1* lotera da
provincia em b-neficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife que se extrabir
quinta feira 30 do corrente.
Presos
i Vigsimo 10000
Nendo quautldade superior
a lt 0:000
A dezena 90000
Joaquim Pire* da Silva
Alug
a-se
a esa terrea sita i travesea da Ponte de Uchoa,
amirgem do Capibaribe, com commodos para
erando familia, sitio com arvores fructferas, todo
murado, agua potavel muito b a, deposito e ba
nh iro ; quem pretender dirij-se ao sitio do Arco
ou no Recife. ra Duque de Caxias n. 30, pada-
ria, que achara com quem tratar.
Aluga-sc
casa sita ra Direita o. 73, com commodos
para familia, quintal grande e cacimba ; a tratar
na ra Direita n 106._______________________
Pastilhas vermilugas
de Kcring
o melbor especifico contra v. rmes : deposito cen-
tral em casa de Faria Sobrinho & C, ra do Mar.
quez dP linda n. 41,
Exposif ao central rna larga do
Rosario n..'8
Damiio Lima & C, chamam a attencao da*
Exmas. familias para os precos seguintes :
Carretela de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 e 3*000.
Fita n. 80 para faxa a 2*500.
Leqves regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques & D. Lucinda Colho a 6*.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1*"00.
Ouzia de meiaa para h-mem a 3J000.
Ditas para senhorag a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinhos de liuho a 5(0 rs.
Ditos de algodo a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para veatido a 20 rs.
visiv ia grandes a 320 rs.
Qrampos invisiveis a 60 rs.
Um legue de netim (novidade) a 6|500.
Ricas bolcinhas de madreperola de 1*500 6*.
L5 para bordar 2*800.
Urna capella e veo de 15*000, por 12*000.
Um espelho de mol Inra p ir 5*500.
Urna pulseira de fita por 1*200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna noneca grande le cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSIQAO CENTRAL
38Rna Larga do Rosario38
Refina $t>
Vende, se urna refinacSo bem montada, n'uma
das principaes ruaa da freguezia de Santo Amo-
nio ; a tratar na ra do Rosario da Boa Vista,
refinacSo. ^______________________
Viole Minos!?
Durau os retratos porcellana, 7*000 a duzia :
na ra da Imperatrix n. 78.
V: assim mesmo
Na uova loja de miudezas da roa da Imperatriz
n. 76, contina a ter um completo anrtuneuto de
artigos da moda, e que ge veuae p-r precog iegu-
midisstmos assim, pois, os proprietarios deste
estabelecimento convidam aog amantes do bom e
barato a f.zereiu urna visitinba ao mesmo, certo
d quo nn se arrependero.
Bna da Itnperarlt! n. *
Falsi'j aedes
Para evitar falsificaces enm referencia ao eo-
nbecido .EITORAL DE CAMBAPA, deve ext-
gir se este preparado com a firma do autor Al-
vara de S. Soares em mulo circulando a ro-
lba do frasco e a marca da fabrica no envoltorio,
circulada p' lo nome dos agentes e depositarios
ceraes em Pernao-bueo Francisco Mauoel da
|ilv & C, roa do Mrquez de Olinda n .23.
Joaquina Leocadio Vieaan
Os empregados da secretaria do governo desta
provincia convi iam familia e aos amigos de
Joaquim Leocadio Viegas para ou virem a na
missa, que ser cele-rada na igreja de Santa
Thereza, s 8 1|4 da manba de 25 do corrente
mez, nelo renooa i d'alma do finado.
!R
Professora
Precisa-se de urna prof ssora para leecionar
portuguez, piano e trabalho de agnlha, pra um
eneenbo prximo via frrea de b. Francisco : a
tratar na ra Direia n. 106.__________________
Casa na Varzca
Vede-Ee a casa ecm armacao e utensilios para
taverna, sita rna do Sol n. 21, a qa ,1 fio. de-
fronte da stac2o trtar na povoavo da Var
xe, m e>*.W- '', 'vera*.
Major Ignacio Vieira de Mello
Tbeolinio Augusto 'o Reg e sua familia man-
dam celebrar urna mirsa no dia 25 do correute,
s 8 h*ras, na matciz da Boa-Vista, por a'ma de
sen amigo, Ignacio Vieira de Mello, e cuuvam
0-> gen oarPnte e -mig" para osi'tir.
tal
Fehppe ionvalvcs Kibelro
D. Joanna J.aquina Alves Ribeiro, suas filhas
e irmas agrdeeem t >das as pessoag que se dig
nar-n., acompanbar o cemitrio publico os restos
mortaes de sea sempre l< mbrado esposo, pai e cu
nhado Felippe Goncaivcs Kiwiro, de novo os con-
vida para assis'.ir as missas que por sua ainia tem
de ser celebradas no convento de S. FraDCisco
sexta-feira 24 do corrente, stimo dia de seu fal-
|. cilPentn. ________^^^^^^^^^^^
Vende-se na teclado modo
Na praca do Corpo 8anto n. 2, armaiem de
Tbeo Just.
Regulador da Mari-
nha
Este importante estabelecimento de re-
lojoaria, fuudado em 1869, est funecio-
nando agora ra Larga do Rosario n. 9.
O seu proprietario encarregado da Re-
glame ntacSo dos relogios: Arsenal de Ma
rinha, Estrada de. Ferro de Limoeiro, Com-
panhia Ferro Carril de Pernarobuco, As-
sociayao Comineicial Beneficente, Estra-
da de Ferro do Recife a Caxang, Estra-
da de Ferro do Recife a Olinda e Beberibe
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelgentes e habis auxiliares, fazcon-
certos por mais difficeis que sejam, nSo
s em relogios de algibeira, mas de pendu
la, torre de igreja, caixas de msica, ap-
parelbos electri''OB e telegraphicos.
O mesmo acaba de receber variado sor
timento de relogios americanos que ven
de de 7)5 a 20(5 de parede e de mesa, des
pertadores de nikel.
Aos seus collegas vende fornecimeto em
grosso e a retalho : e aceita encommendas
para seu correspondente em Paris.
Acba-se bem montado neste estabeleci
ment um observatorio pelo qual regula to-
dos os relogios martimos c terestres.
Recebe asssigna turas para dar a hora cer-
ta desta cidade pelo telepbone n. 458.
Prego commodo
Em frente de seu estabelecimento Be
acha collocado um relogio, cujos mostrado-
res podero ser vistos pelos passageiros da
Ferro Carril, rendo sempre a hora media
desta cidade determinada pelas 8 uas ob-
strvacSes astronmicas.
Antonio Jos da Costa Araujo.
;\s\ 11II/
.os 100:000^000
BILHETBK AB1ITIPOS
eVa^a daindependen
cia ns. 37 e 39
O abaixo assignado vendeu da 2* parte
da 1' lotera extrabida boje, 22 do corren-
te, os segnintes preroijs ; de 4:000)5 era o
a. 8637, de 2:0000 emosns. 5011 e
135*9, de 1:0000 n. 8489, de 500,5 ns.
1719, 2122, 3004 e 23248.
Acham-se venda os feliaes bilhetre
garantidos da 3 parte da Ia lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recife, que se extrahir a 30 do cor-
rente.
De cada vigessim.i 1(5" '00
Em porcjlo da 1000 para cima 900
Antonio Augusto do* .San'-* Porto
""Fumo desliad do Ro-Novo
Marca Meistoielss
DE
Freias Silva &
O melbor e o mai paro que (em
Indo a ento praca
NICOS IMPORTADORAS
Costa lina & C. Ra do Amorim n. 37.
Almeida Machado & R. Raa da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio dos SantosRa do Mrquez
de Olinda n. 5 e ra Primeiro de Marjo
n. 3.
mbos pe curamr
Sem dieta esem roodfi-
cafoes de costumes
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos pirp irados pelophar
maceulico Eugenio Marques
de Hollanda
pprovudos pelas juntas de hygiene da Orte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pars.
Elixir de irabiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toVg e promove aa ejeccoes dfficies.
Vinho de ananaz lerruginoso e quinado
Para os chioro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, nconstitue os hydropicos e beribe-
isapa.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recommt ndado na bronchite, na hemop-
tyse e as toases agudas ou chronicaa.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
oitmo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho 'fe jurubeba simples e tambem fer-
ruginosa, preparados em vinho de caj
Efficazes as inflammaces do figado e baoo
agudas ou chronicaa.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado uaa oonvalescencas das parturientes
urtico antefebril.
Deposito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva & G.
23-RUA MRQUEZ DE OLINDA-23
Compras por atacado
O Pelloral de Cambar
tem precos especies pra amelles que compra-
ren) grandea porcea. Distribu--m ge imoressos
qn< m os pedir, contendo as condi'coes de vendas :
na n a do Marques de Olinda n. 23, drogara do*
aicos i gentes e depositarios geraes
Francisco M. da Silva & C
O? OiH
TD ft O
f S o s -
i
C
r
>
ti
O
8
D
a.
n
a
s
5 es
Au.oni ^.. C"ola Cmupu-, i.a-passai d.um'S
doloroso sentimento pelo pasaanaento de seu sem-
pre chorado pal, Beroardino da Cesta Campos,
residente e>u Portugal, vein r-speitogamente con-
vidar a todoa os parentes e amigas a asaistirem as
missas que por sua alma manda celebrar na ma-
triade Sauto Antonio, s 7 hiras da manba do dia
20 do corrente, trigegimo de st-u f.llecime .to, an-
tecipand )-lhes nsseus sin-'-ros sgwnleeimHit".
Peitora l de Cambar

PRECOS
frasco 2*500, 1(2 duzia 13* e
as agencias
^NaYiubTgenciss : frasco 2*800, 1|2 duzia
15*000 e duzia 28000.
Airentes e depogitoriog geraes em toda a pro
vincia Francisco M. da Silva & C, 4 ra do
Marquez| 0 inda n. 23.
Este remedio precioso tem goiado da accelta
{o publica durante cincoenta e sete annos. com-
ecando-se :. sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidadc e venda nunca foro t5o exten-
sas como ao preser.te; e isto, por si mesmo,
oflerece a melhor prova da sua eficacia maravH-
bosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem dentado
em caso alguin de extirpar os vermes, quer ero
creancas quer em adultos, que se acbar&o afflic-
tos destes Vnimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaces de mdicos em favor da sua cfficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsifica9<"es, de
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
jaminaiido o r.ome inteiro, que devia ser
T-emfitc fle B. A. FAHNESTBCt
-
m
E %.r TT
JIISEPH KRAUSE & C.
Acabara de augmentar o seo j bem conheeid
mporlanle estabelecimento roa Io
de maryo n. 6 com mais
am saldo no 1 andar luxoosamente prepa-
rado e prvido de orna exposi-
fl# 4* Am de prati k ful* ^Mff^hk
dos mais afamados fabrciMeg do
mundo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e fregoezes a visitaren!
o seo estabelecimento, alim de
apreciarem a grandeza bom gosto com qoe
nao obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.
1CIHE VIO DAS 1 U HITE
J M m rW W
9
BANHOS DE MAR
Superiores costumes de excellente lazenda pa a
Para senhoras...... 10^000
Para horneas...... 8$000
Para crianzas...... 5#000
Proniptamcntc prepara-se qualqaer cos-
tume para o que temos os m^lho. es tecidos.
No mesmo estabelecimento se continuar
a encontrar constantemente verdadeiras pe
chinchas.
Bna Primeiro Je Marco i. 20
JUNTO DO LOIVRE
Tetephone n. 138
CX2

ce
2
Chapeos c cliapelinas
re
36 A40PRACA Di IN
B. S. CAB.VALH0 & C.
36 A 40
E

Proprietarios dest bem conhecido estabelecimento paifecipam
as Exmas familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas era Paris e Manchester o que de raelhor e de
^1 apurado goso ha em chap:linas e chapeos para seuhoraa e meninas
S*2 e das primriras fabricas de fl*mburgo o que ha de melhor em cba-
^ pos para homens e crianyas, e muit.. outros artigu? concernentea
e. chapelaria.
^5 Flores artificiaP8 para ornamento de salas.
**1
2SX
zn
Pei oral de Cambar (3)
Descoberta e preparacSo de Alvares de S.
Sobres, de Pelotas
Approvado pela Exma Junta Central de Hygie-
ne Public*, autorisado pelo governo imperial, pre-
miado cm as medhlhas de ouro da Academia Ni-
eioual de Parig e Eip"8cao Bristira Alterna1 de
1881, e rodeado do valiogog attestados mdicos e
de muitos outr' 8 do peggas curadas de : tosses
simples, bronchiteg, athma, rouquidjo, tisica pul-
monar, coqueluohe, escarros de sangue, etc.
Precos as agencias :Frasees 24500, meia
dusia 1340(10 e dusia 241000.
Precos as sub-ageneiag :Frasco 24800, meia
dusia 164000 e dugi 284000.
Agentes depositarios grraes nesta provincia
FRANCISCO MAMOEL D\ 8ILVA K C,
ra Mrquez de Olinda n. 23.
PARS
16 ue d. ITchioml.i.
For locedor
privilegiado da Casa Real fo Espanha
e de B; -- a Rainha de Italia.
Ozea P.
Ozea Sachst.
Ozea Essenci*.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Ozea Oleo.
Ozea Sabio.
Ozea Pomada.
Ozea Fixativo.
Ozea Cosmtico.
Ozea Brilhantina.
Ozea Cold Cream
Estas exquisita preparaefies sao muito apre
ciadas na raais distincta sociedade pela deli
cadeza do seu perfume.
W? Rl EC ER'S
TRANSPARENT CRYSTALSOAP
(Sabio transparente cristalino)
reconhecido como o mata perfeito de todos 03 sabaos de toilette pelas suas
propiedades hygienicas, pelo seu aroc^ e pela sua larga duraco.
Deposito uj prlaeip^cs Perfumarla, Farmacia*, *ca.
m "
wM


iMM^MW:
Diario e l*truaiiijM/.- Scxta-feira 24 de Setembr de 1886

$
,0 /CVV
>'
0^ a?'
^>iK

P '<&
(AYEBS AOCE CTRK)
cum BAnatHUTi e com cnraA
as
Febres Intermitientes]
^Remitientes e Biliosas;
r.Malcilas.os Calanos.
I TODAS AS
deslas Paludosas.
rRcMQ txauum MA

Alugra-sc
predio u. 140 ra Imperial, proprio para es-
abeleciuiento fabril : a tratar na ra do Commer-
Muga-sr- barato
Huu Visccnda le Goyauna N. 79
Roa de Santo Amaro n. 14, loja.
Kua do Calabouca N. 4. loja
) armasen) da ra do Coronel Suassuna n. 141
riua do Calctbouco n. 4, 1." andar.
Kua de S. las n. 74.
Ra do Coronel Suasuna n. 50, 1 andar.
Casa terrea da travesea de S. Jos n. 23.
Ra da Baiza Verde n. 5, sitio com viveiro.
IVata-se na ra do Commercio n. 5, 1 andar
icriptorio de Silva Guimarcs &. C.
Aluga-se
casa n 1 ra Lembranca do Gomes, em Santo
maro, tem agua : a tratar na rus da Impcratriz
32, 1. andar.
Alugj
ga-se
sala de detrar do 1 andar ra Primniro de
arce n.18, muito propria para escriptono de
alquet.- natureza : a tratar na loja do mesmo
edio.
Alnga-se
oa ezcellente casa pintada de novo, com agua e
iz, e bastantes commodoa, para passar a testa,
. travessa da ua de S. Bento n. 4, ou S. Pedro,
i Olindi ; a tratar na ra do Commercio nume-
26-A, Recife.
Alug-a-se
casa terrea da ra do Viseonde da Albuquerque
170, caiada e pintada de novo ; a tratar i o
godo Corpo Santo n. 4, 1- anda..
Aluga-se
r preco commodo o grande sobrado do caes do
> Fio n. 75, sendo dou9 andares, cada qual com
stantes commo ios para familia : a tratar na
a larga do Ros:.rio n. 34, pharmecia.
A.IIRJ
;a-S6
35*000 o 2- andar da praca de Conde d'Eu
2, com grandes accommodacoes para familia
jatar oo pavimento terreo do mesmo.
Aluga se barato
1(3' andares da casa n- 84 da ra do llruu,
a muitoe comm dos para familia : a tratar na
i larga do Rosario n. 34, pharmacia.
Gasa para alugar-sc
Uuga-ae a casa terrea da ra do Coronel Suas-
ia n. 240, com bons commodoa e. bom quintal :
atar na ra Prifeiro de Marco n. 17, primnro
lar. ____'____________________________
Para alugar
> 1- andar ra da Roda n. 17, com mniti
s commodoa : a tratar uj largo do Mercado
aero 18.
\lllI
'reeisa-ae de urna ama para todos os servicos
:asa de familia : a tratar na ra do Bario da
Oria n. 7. 2- andar.
Ama
recisa-se de urna ama para comprar e eosi-
r ; na ra Vidal de Negreiros n. 131.
Ama
recis ae de urna ama para cosinhar : a tra
no largo do Paraizo n. 18, 1- andar.
Ama
recisa-se de urna ama para ensomn ar e fazer
3 alguna servicos de caea de familia, que dar-
2m caaa do patru ; na ra de Riachuello n.
porto de ferro.
'.
% m#

recisa se de um ama qu -mgoicrae. com per
io ; na ra do Marqu. z do Hefvfcl ri. 10.
Ama de leite
***
ecisa-ae de urna ahia do 1.i*e, paga-se bem :
ormar-e, ra Duqe ere* Caxia u. 56, pn
o andar, rscriptono.
Assucar espacia
aquim Salgueiral & (,' pro'j,ietari montada refivsic!) d. ata cda-le, acieiitinan
ablico >m geral e e.^po i-.linef a<> couimet
que t> m sempre um i-om, li-to a > rtiracuto di
o.res, tanto eciCaV co C"ino refinados, de 1*
3* aoite, e s|.(jcfil i crina lo com oves, o me
que se en& o Ir no mercado, e odetn ipto sntisfazer qnnlqu.r ff didn que |hea sej-
, pois pnrs pre um grai.de dep..
Oarantein a b >a ex ueo e Ittnoeza de eeut
'JCtoS.To|. ohniio n.445
Itua Direi.a d. 8
Cosinbfira
eea-se de uuuk Cusiubeira : ua rua da Au-
d. 10a.
Casa fiara alujar
segundo andar da na larga do R sario n. 37
na defranti- da reja ; a tratar no pavim. n
wo.
e
!ze de paz da fregnzia
Sanio Antonio
:ha-se transferido o cartorio deate juizo par
rado u. 24 da rua do Imperador, sala de
Luz brilhante, sem Fumo
OLEO AROMTICO
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARAS
MAPwTlNSBASTOS
pemamhuco
NUMERO TELEPHONICO: rl'38
Agua florida,- ExtrsLiria de flores bra-
sileira8 pelo aeu delicado perfume, suavida-
de e suas propriedj des benficas, excede
a tudo que ueste genero ttm *ppsrecido de
raais celebre.
Tnico amcric-ano.- E' a primeira das
preparayoes para a bellos. Extingue as caepst e outras mo-
lestias copulares, faz nasccr os cabellos,
impede que euibranquecau! e tem a grande
vantagem de tornar livres ie habitantes as
caberas rics que os usam.
Oleo vegetal- Compcsto com vegetal
innocente, preparado pan am aciai, for-
tificar e dar brilho aos cabellos.
Agua den'ifricia. Exilente remedio
contra a carie dos dr-ntes, fortifica as gen-
gives e faz rc-sapparecer o tno ifclito.
Venc' -se as principies caf^ b i.< sta ci-
dade e ne fabrica de leos vegetars rua
da Aurora n. 1G1.
TFLEPHONE N 33 i
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cer e crescer o cabello anda
aos ni.iis calvos, cura a
tinba e a caspa e remove
todas as impurezas do c:.-;-
co da cabe<;a. Positiva-
mente impede o cabello
de cahirondecmbranqii
cer, e infallivelmento o
torna espesso, macio, lus
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Piaparada segunda a formula-
original usada pelo inventor em
1839. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvaco official de
nm Governo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquor ontra
eduraodobrodotenipo. E'muito
ais rica, suavo e deliciosa. E'
uito uais fina e delicada- E"
inaia permaltente e agradavel no
"ene*. E' duas vezas niaiarefres-
antoi no l>anlio o no quaito do
oent O E' especifico eor.trr. ::
fronsido e debilidad?. OCura as
dores e enbeca, os cansaros e os
desmaios.
Xarope (e Viia ie Reuter No. 2.
ESPLENDIDO RESTAURANT
Este acreditado cstabeleeimentO; ltimamente m, Ihorado, est em ooodicoe
t servir ao mais exigente hospede, para o que tem magnificas salas, quartos, baoboirm
restaurant, encontrndose n'este, alm das mais exquisitas iguarias :. erande r
de
e
dade
iguarias, :. grande novi
Ostras cheias | orlugocza
(upica casa que as prepara) em todas as quartas e sjxtss-feiras, de l
nbit em diante.
PRESOS
ua m-
MOS
RESUM1DISS
\ artual gerencia do Sr. IZIDORO ALVES PITG^v/.
Rua (l Madre de Densn. .>. junto Aliindcga
u
^0151515151515151515151515151
VINHO E GRAGEAS mm VIVIEN
EXTRACTO NATURAL DE FIGADO DE BACALHO
Preniiikdo com medalha PELA ACArSMIA NACIONAL.
Ordenados no nospltaes de Franca. America, Inglaterra, BaMU,*M,
A I ministrar sob forma mui faci! e agradavel todos os elementos curativos do olee
evitan.io assiru o ebeiro e sabor nauseosos d'este; alero d'isso esta preciosa preparad
tem urna superioridade incoutestavel sotare o oleo porque pode ser usada durante oa
granile calores em quanto o uso daqueue impossivei, tal o mnente ser-vico prestado
pelo Doutor VIVIEN; a experiencia tem confirmado o bom xito 'este producto.
Exigir a firma do inventor H. VIVIEN em duas efires o redo." do grgaro de i
arrala com o Sello de uniao dos Fabricantes o, bovlevari Strasbourg, un PARS.

AUTOS DE CSAL-O. DKPOtS DB SAL-6.
Cura positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affecces, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas aa do-
encasdoSangue,_Figiulo, e Ruis. Garante-se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
e restaura e renova o systema inteiro.
Sabao Curativo de Reuter
Cura rpida e certa pelo
ARSENIATOdeOURO DVNAMISADOi
do DOUtor ADDISOIV
da Ghloroee, Anemia, todaa aa Moleatlas do Systems nervoso, bm
neis rebelde^ HoleeUaa chronlcaa dos Pv'm&ea, ote, tte.
Aj malorefl tUea^raoOaB medicas tm attsstado o poder coratiTo n^ste medlcamaate AaoarcEi-a'o
o pnmeiro e o mais erurgeo dos reconsutuiniet.
O FRASCO : O FRANCOS (EM rHAlt;A;
Ttio frasco que nao trouxer a Marca de fabrica rec-istraa 11, aulgnatwra^^^^',,t0 r"lrfw"
deve oer ilgorosaxente reculado. _Z^-^ '*****
Pmd-jeto
KXS, Pharmacia r.TlT, r
, atoctaecaasart, tt.
FRAS" M. da SILVA C:
M.MM- nJ*MMj!ULMLJU&.
C-"
OL
Em casa de todos os Perfumistas e Gabelleireiros
da Franca e do Extrangeiro
T3 A -DTC! 3 1
F-A-KIS, 9,
ts de PRBPARAD'J CO.\L B1SMUTHO
OH. FAY, P*imista
^u.a de la. Paix, &, T A.I&IS ,
tste M53lC.i.r.TXarTO ae uio gusto agradavel, adoptad com ..
inais de 20 auno* ptloa melhoies Mdicos de Pariz, cura os Uefluxtm, C-ire, loste,
*>ar*e jr.MjUSUvaSie ->
crande xito ha 3&>'{'"*
^Ai
Para o Banho, Toilette, Crian
Sas e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especias
em todos os periodos.
Deposito em Pernsmbu^o casa de
Frstit-iscii Manoel da Silvn & C.
Laureado pela Academia de Medicina
>*a-l3^gir. Catalhelro 0legio de Honr* t-nrX~X;
Eib k
SJIk
b
OS
*~\
O rebsphato de cal e a substancia mineral mais abundante do organismo e toda ves at raa
quantldade normal dlmlnuo res ilta umaalTccoao nr;anlca pravo.
Mais de cinco intl curas, a mor parte justilic-ida pc-i.is Profssores e Mcdicc3 das Faculladeo
foraO obtidai ltimamente e flzerao com que o X.-trope Ciiuo o cspoclllco mais seguro contra a Tsica pulmonar, Broncbltchrontca, AncBDla,
Rachltlaiao, Debllldade do Organismo. O Xarope ' nt.-ie/ier administrado
diaruuuent; *s enancas lacinia a doniicAo e o creciim-uto: as ma^a e amas di? lelt torna o
^Selte mulho;; tupe lo a carie e cuedtt dos denles Uto tregente depols da prenliax.
raannaala VZ&KKQT7E, 8. Paos da la arasaelelne. TtLMXX.
jPsM** N"' *'- fe C*t pmicifm Phirmaoiit t Drojfirln.
HT9***.....II...........Ml*l
!
SABONETEdeALCATR^O
PAMA A TOILEIT*. OS BANBOS CUIDADOS a Dal A CJUANCA8
Eata 'ABOXKTE, serstaatoira antineptlr, o mala efflou para a cora de
MOLESTIAS DA PELLE
SAPO CARBONIS DETERGENS
aval vojuj riaucal com o Ui-(* i ,jh>.\is i-t. i t.H<-^.S a/itu ac p.otei/el-os contrr.
o 8RAR1PO, ai VARILA FEBRE ESCARLATINA
Estes aABONETES sio rsaomrnendadoe pelo Corpo n.edlco Inteiro porqoe prevlrem M
MOLESTIAS KPIDEmsCAS e CONTAGIOSAS e $e aiapto a oualouer c"ma.
MARGA 1)1: KABKIOA :-j.S KNVOLKhOS B NOS PES
ODouosito arojai: W. ST. VV-SIGr-T a5S C, Sou.tJi-wra.rlr. LOUDftES
Caxang
Sm ?>etrTis.rr-.)r
Cal r^m k J^naribe
Al-ri'- s<- rua Nn r m'J"( sim n. 23,
u: arin aeiii i.r.rle s v it i f- ren-
te a Bup n.'l- ;.l >iig--1i J j^uaribe,
iici.ii'ii i *. 11., M i.i b.-j-ri >r"]'ii^' pira o
f-'Bl i O 'la : ->i;far.
E&t.. c fu ri-. ven d'i vti i iri. tend ;? p l preco
fixo di- i;im o |j r \r, \, r cu tracto que
f-z o tr. Vi 'iiie NaiH-iinenbi com o Sr.
J.-se C. s*. '' pe^rx pwpri >^ ri !.. engenho
Ji'gu. r I,. uj ^ pciircira* Ib.- <<& o noroe
Ep H: ^ li' 'ii \<;\i: l lli/Hinf Iltri
ii' sta vi i- o Sr el stiftij B-zerra,
"ni es-.-ti|.t r-o roa rT. li. Jess n.
3.
r -------------------------------
C*itr ai* m ii ni.nhnr <^beiro
S'oo i. ,,,.
1 ui na b perteuoaj e cm
i Conde 'i .m
$Zy '.) r^w i!;s plantos
b" : r n .. plHnt^re qae est.-<
.. s
< i j >
^eiras.
luzia, o tO>. iirHirik
i-Teco.
r ti
'li. v ii -i ri.-5 n5 s. putiseir. .-
ruc- h 20>i0, hit,
niei. pur .nxt-rinr, a 6 mu- queu 8 por baratn
Scii.rnle de carrupato
Compra te 1 .brica Apollo : na rna do Hospi-
cio n. 79.
n-. o "F'Yo.n0''?'!. c(j ^--r-r.
r^/lr^M^6^tt4ia^AM!!>kS^.'^\.

a.
21
11
M
* expector^ai*. favorlsa as inccOM iioa ii*Aa re! ira
atfa om Alaeada eaa eaaa a J Ka*li- ?ft. rua slwcrfiaarshi afl Fmn
S*f3Marxoien trrRmDwA : iV*4* f! *; *" '*> *-* i;u* ...
w^ n
MEIISI^
H. 44--Ru do 3rnmI, U
:. pajta >(] pi'i. md
i .-laB.
Cri
.
urti-B api
P'ir?:S I fornalha.
- de ferro c >m ern
i r ntti i ar jardi .
Vaporea de tor^a d* ', 4, 5, ti
MoeriiJfB de l a 4) poUegad.i
lodaa d'aguu, systeuia Liiindru.
Eucarrugani-se j,- nm ftrtM, eaa mitai
traballio cr.m perf'icao o preste**.
oxocui> -i
',-tn.-
Alugam-se quartos mobi'hados a lf) ac aiitigo hotel de Caxang, assim ci mo ta'nbem
commodos com cosinba e di pendencias parn fumi-
Jia : a tratar na rua Primeiro de Marco n. 25 loja
de joias.
ziso aos icade icos do
i' anuo
Os acadmicos que tiyerem do fazer parte do
quadro do quinto anuo tenham a bonrlade de se
apreseutar at o fim deste mez ; es que nao com-
parecerem dentro doste praso nao poderSo figurar
no mesmo quadro.
ftalerle Ducaable
Mugad lfl$08O
Aluga i:; a casa terrea n. 22 da rua doNas-
ecute, prxima matriz de S. Jos, c tos, quintal e cacimba, e concertada de novo. a
tratar em Fora de Portas, rua do Pilar n. 5t, ta-
verna. at aa 11 horas da manha, oa depois das 4
horas di. tarde.
Aos Mes ios ios
Cura certa ern 48 horas das inflana55es
reoentes dos olhos, pelo colyrio prepara
do por Jos Pedro Rodrigues da Silvoira.
mprega e este poderoso colyrio sempre cun
grandi s vantagens, iis sepuintes molestias :
Opbtalmiaa agudas, purulentas c chronicas, con-
unctivitea, etc., etc.
Deposito eral, na drogara de Faria Sobrinho
C, rua do Mrquez de Olinda n. 41.
Para informacoes, sedirijam livraria Indus-
trial rua do Bario da Victoria n. 7, ou resi-
dencia do autor, rua da Saudade n. 4.
Peitoral de cambar
Agentes e depositarios geraes u^sta provincia
FRANCISCO M. OA SILVA & C.
em armazem de drogas rua do Mrquez de I
Olinda d. 23. Precos : Frasco 9500, 1/2 duzia !
lS^OOOeduziaL^aOOO.________________________ I
1S6L8A6
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de mcalho
O I
COM
jpojliosphilos de cal e soda
ipprovada pela sSiinta de Ily-
giene e auto risada pelo
governo
E' o melher rerai-dio at hijo dtacberto para a
tlNlca broncbileN eNcrophuIaM. ra
rbiim. anemia, i cl>ili JeOaxoM. ionmc ebrunica e aTeccoen
de peito e da garganta.
E' muito superior ao oleo simples de figado de
^ncalho, porque, alm de ter ch-iro e sab-ir agra-
aveis, possue todas as virtudes mediciones e nu-
nnvas do oleo, alm das propiedades tnicas
"econtituintes dos hypophusphitos. A' venda nal
..-ogarias e boticas.
Deposito em Pernsmbuco
Fumo Para
Pillas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuji. preparaco paramente ve-
getal, tci-m sidj por mais de 2Uannos ir reitadas
com os me'hores resultados as cguiutes moles-
tias : affecces da .elle e do figado, syphilis, bou-
boes, escrfulas, i hagas inveteradas, erysipela e
gonorrhas.
Hodo de uhiii aa
Como purgativas: torae-se de 3 a 6 por dia, be-
oendo-se hj. cada dbc um p iuco ci'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : torae-se um piiula aojantar
Eetas pilu!a8, dt iuvenfo dos plmrmaceuticDS
Almeida Andrade & Filhos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para sua m- lh r gaiantia, t jriiaudo-
ie mais rao mmenda^ eis, por serein um segure
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
nadas em wijreui.
ACHAM-ftE \" \KVDA
' drogara de Fariu Nwliriiino dj C
ll RUA DO MRQUEZ DE OLINDA 1
Compram-se preJos
Qfageste de leiloes ['..tana est i rregasli
de comprar alguns predios esa bws ras, e tecebe
propostas na rua do Vicario n. l'J. ''.
Na ua dn Imperatriz n. 76, pret ven-
dedoras do o I o, pagaad \ ir vendag
Monteiro
Aluga-se on vnde-se duas casas nc :.rrabalde
cima, sendo nina inaignn du rio e ostia da
povoacao : a tratar-Be em Joo de Barros u. ~2i.
tfvyvvww>fvvYvvwwv De Figado de Bacalhau Pancretico
X>E DEFRESNE
TODOS OS QUE PADECOLESTIAS DO PEITO
Devem lar o aeguinte
Este oleo tem o aspecto de um ceme branco
que se pode diluir no leitc, cha, chocolate oa
caf. Possue todas as virtudes e propriedades
de tao precioso remedio, e tambero toma-se sem
repugnancia alguma pelos doentes mais deli-
cados ; gracas efMaz addicao da Pancre-
atina, chega no estomago, digerido de tudo,
e nunca provoca nauseas nem diarrliea.
Depois de um semnumero de experiencias
praficadas nos hospitaes da Corte, este medica-
meuto obteve a approvacao dos mdicos da Fa-
culdade de Pars. Hoje em dia, todos os medi
eos receitam o Oleo de Figado Pancre-
tico de Defresne, como nico remedio
para curar radicalmento:
TMJPIiATlSJIO, RACIIITIHME
TSICA l'I'I.lIOSAit
e mais affecces que impedem os effeitos da
nutrico e assimilaco.
EM TODAS AS PHARMACIAS
a^sjaaVaiSsaaaaWlalalMaaSaSalaaaajaa a a. awa^s
Para a fabrica Vcidome chegou
deefiado, em la'as d- 15C c
Itua do liarn d
fumo
250 grnmmas.
Victoria ii.
fresco
3
Fabrica Ca-xias
Marea Registrada
Para previnir a ignorancia de a'guns Sr?. fabri-
cantes de cigarros que fraadub utirente csuao
tizando do emblema de nossa fabrica, abaixo pu-
blicnmoso theor do registrado do referido emblema
frito na meretissima Junta Commercial d'osta
cidade, protestando proceder criminalmente contra
quemquer que procure o'olle fazer usj.
KValNtro
N. 197. A presente marca por mim rubricada,
enntendo adenominaciii Ca vias, composta de duas
maos apertando-se, de que usam Azevedo & C ,
firma ciunmercial d'esta pra^i, composta dos com
merciantes Marcelino Gonclves tie Azev do e
Antonio Luiz da Silva BrandSo, domiciliados
n'esta praca, para distinguir 03 cigarra* de seu
commercio a rua do Forte ns. o, 5 e 7 e deposito a
rua Duque de Casias n. 68, foi apreeetada
e gistro as 11 horas da wanha rio dia 2 do correte
' registrada n'esta dara em enmprimento dos
despachos de 9 e 16 do crrente. E para cum-
prir preceito da lei fiz esta v>rb igual do
regristro n. 197. Pagou 2 <) de ao pareceres
fitcaes.
Secretaria da Junta Commercial da ciiade do
Recifc, 16 de Setembro 'le 18^6.
O Beeretario Jvio Guimaret.
Recife, 20 de Setembro de 1886.
Azevedo &\C.
A umma iviticiiB auna
Retratos piulado a oleo
Com linda mlura e eordSes especiaes
Desde 254WM>
Convidamos o espeitavel publico a ver a expo-
- cao dos mesmos retratos que se achuin uas prin-
cipis livrarias degta cidade.
DAY&RHARTIN
Fornecedortt da Sua MaJetUd 1 Raiirh* da lnlaltrra,
do Eiaroilo e C% Uarinha brilainlca.
GRAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXA pasiaUNCTUOSA
OLEO para AREEIOS
Etudaoquenecessarlo utra. mf.n'*r(i*t eoero
sod todis as frnuj.
DEPOSITO GERAL EM LONDRES
, Blgh Hnlborn, 97
ti rtrMbc : FBUC M. Di SILUfe V.
Ot FLt'Ol. Dcr'H..ab
INSTANTNEA para, o.rta. i ROSADA p-> duM>(
86 nal t-d. gem preparara* i 1 D.anco
nm livagec j sna C* primitive
kpas't*feral ea Pars: riiLIOI., 47. rnt Tir.-ai?, PAB
la ftmaat .ce : FRAN** M. da UILVA a U.
'
. :._>
D. .lo;tquina Emilia la Silva
.tlbuqaerqoe
O padre Dr. .leronymo Th mi da Silva, su?
cunhada D. Argentina Araripe Silva c sens se
briohos, mandam celebrar sabbado 25 do c .-rente,
as 8 horas da inaub, aa Biatril dn li a-Vista
algumas iii>as por .Ima d sua pr sada iimf.
cunhada e lia, D. Joaquina Emilia da Silva Al-
buqu> rque. fallecida no dia 19 de~t", na cidade d-
Sobral, provincia do Ceeri, e convdala seae pa-
rentes e amigos a assistirem a csse acto de reli-
rian i' earidnde.
t
O Dr. errer inuduu wu esenp'ono para a rua
do Imperador n 52, Io aud>r, a :n po^le ter pro-
curado das bi'r da manha ns i in trde.
Compra se
um lastre i!p vidro para gas o taai'm um resisto,
ambos em b m .fiado ; a tratar na rua Jo Vis-
conde do (royanoa n. 1, liVerni.
D. Francisca den ) hrtgna Poriolla
le t ni niio
O tenente-acronel Mumici de Azevedo do Xas
cimento, profundamente ennvuntrido com o passa-
meiit i de sua presadissima tia c comadre, D.
Francisca das Ch.igas Portella de Carvalho, na;
do finado Viscnud- de Souza Carvalln-, manda re
sar urna mise pelo descanso eterno de sua alma
no dia 27 do cor'ente, trigeumo de seu falleei-
mento, s H horxs da manha, na igreja da Concei-
co dos M litares ; e p*ra esse acto de re'i^iio e
caricia ie, convida aos seus parenti-s, umig^s e
compauheiros. agradecendo antecipadamente.
Estopa para linjrar i(ichin.is
\ eixie e n .">(<) ril k lo, i o .i p.-cir da fu-
brica de PlaCe. i ni i du li :n Jess n. 54.
fara passar afVsta
Aluga se le r. tu urna casa n p v id 15-a
Vi geio, com gr.nde Bltiu, n uil rVxaeM i C miiio-
rloa para f .milla : trt. -se iui\ laiga do Ho.-a
ri n. 34. pharmaeia
FranclNC Morelra Alien da Nilva
Fructuoso Das Al ves da Suva e sua familia,
mandam cel-brar miss s, s 8 hor", na Ordnn
Terceira il S. Fraueisco, por alma de seu ti.bo,
em 24 do corr nlf, dia do 7o un< iver.-a'^ H ?e
pasaun nti oara OBJO acto de reliy.'i", eoutidan
os eeus pnienies o amigos, antecipaudo o =eu
sgradeeitrento
V '

CREME OSMHEOIA,
SABONETE, EXTSACT0\
AOOA DO TOCADOB
POS DE ARROZ
COSMTICO, BRIZ.HANT1NA
OUCO, POMOADA, VINAGRE

Perfumara OSMHEDIA assegura aos
pLIENTES flBIS
(ttTtntuit itinu l iCr um ifnal
ot em Ptrnamlnm: FBAM" M. da alonqulm lJooeadiu *lrci
Os raaos agradecen! de todo corsco a" pan ntea, amigos
e :inandarie< que assistiram liar se san ilfur ao
referido flnalo, e convida* para ns wi.-i.is que
mandan) celebrar na ordetn terceira d Carme
(Saiiti. Thi t. za), ss 8 horas d* manha do .lia M
ilo corrent-, sabaado, ficando elles aii.d i um. vea
gratos p r one acto de c: rida le chrfi tt. _____
Prore*ir~llre~a1<'*i de tluiei-
da Calanbo
O MMelna airo tor do Gremio d,'S Pri'f.-ssore*
Primario.-, profundamente sentido pelo fa
ment de s> u presad i eons icio, Drofee Ac
J- f de Ale 'i -'a Cniiiiho. nand celebr>"- "Un
missa pe 't- roo repouto nesin aloW, tt ja
matris d- Snntn Ant nio, da m. nf ue
k Tfa-f-ira 24 Co corrente. trlgCSMat Be -le ce
passumeiit' Para assistir a esse enrid* acto o
! confeiho couvida a Exm. famili, par dCcn e.iiai-
eos do finado e bem atsim a todos os coll-gas o
cons cob.
Secretariado iremiodos Professores Primarios-
de Pernambuco, 21 de Setembro de 1886.
O 1- secretario,
Antonio Candido Frreo*.
r
MUTILADO
rw


s
'
J

u
Diario tffc PernambntSexta--feira 24 de Setembro de I8S6

pimo de rig\
le 3X9, 4X9 e 3X'2 ; venA-se na serrarai va-
,or de Cmaco da Silva, caes Vate Dous de No
trembro n. 6.
Casa filial na do Ca-
buga n. 12
Receberam novamente un esplendido
sortimento a chapos de sol de totas as
qualidades, para seahora, lisos e bordados,
grande variedade em cores ; e para homem
grande variedade em cabos inteiramente
no -os, oliapos para criancas, chegar no-
vo sortimento.
N. B. Fabrienm-se e conoertaro-se cha-
peos de todas f3 qualidades, ewn perfei
9S0 e rapi'iez a Ria r postivel; pois co-
bre-se ato chapeo em menos de atoa hora.
Amostras levam se cm qualquer parte.
Vende -se em gross- c a retulho
Instrncfo publica
O delt-gB'io Iliterario de Vicencia, contte, se
nde, com documentos serios, a pnblicaeSo inser-
ta no Diari" de bontem, sob a <-pigraphe cima.
Recite, 6 de Setembro de 1886.
A voz du moral.
lo nitor
Tomem nota
Trilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
Maehfirlsiuo completo para en
gentos de todos os lmannos
Systema aperfeicoado
Especificares e presos no escriptorio lo
agentes
Browns & C.
V. Ra do COmmercio
N. B 41m do cima B 6c C, tem cath-ilogoade
mu .- .mplementos uecessarros agricultura, e ino
.nmbcm machinas para descansar algodao, mai
nhos para cat, trigo, arroz e uiilho; cerca de fer-
ro galvanisado excellente e mdico em preco, pes
soa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a. _________
Serrara a vapor
Caes do CapSbaribe n. 9'*i
K'esta serrara encontraro os Sfnbmvs fregue-
los, um grande sortimento de pinb.i de resma de
rioco a des metros de compra menea e de 0,08 a
0.24 di' esquanros Garante-ee preco mais como-
30 do que em outra qualquer parte.
Francisco dor Sanies Macedo.
Elixir carminativo e tnico do
pharmaceotico Ve as
Remedio que cura dyspepsias, gastralgia e to-
das as perlurbacoea 1 igad tomago e intestinos. Aconselbado^ por varios cli
leos os mais conceituados desta cidade, acha-st
venda exclusivamente na pharmscia americana
de A- eras & C, rna Duque de Caxias nu-
VENDAS
Camisas nacionaes
A *&00. SftOOO e S500
82^-- L'ja a ra da lmperatris 32
Vende-se ueste novo esfar-elecimento uin gran-
de Borm-nto de camisas brancas, tanto de aber
turas e pmhos de linho como de algodao, pela*
baratos pr-coa de 2^600, 3) e 44, sendo taaend
muito m.'lbor 'lo qu" as que veetn do estrangeiro i-
muito mais bem f-itas, por aereta cortadiu poi
um bom artista, especialmente camiaeiro, tamben,
aemanda faser p >r encoinaiendas, a vintade de*
fregueses : oa nova loja da ra da lmperatris d
3 ., de Ferreira da Silva.
;tj__ Vende-ae nm grande rancho na* barreiraa
do Caxang : a tratar com Jos de Aseveao Bra-
ga C. ra do Mrquez de Olinda n. 61.
Venia do hotel e hospedara Estrella do
Norte, ra Thom de Sonz n. 8. O proprietana
deste hotel tendo de retirar ae para Europa por
incommodo de sade, vende por preco commodo
ou admitte um aocio. ti________________
A Revoluco
A' ra Duque de Caxias, resolveu a Tender
os seguintes artigos com 25 % de me"
nos do que em outra qualquer parte.
Setina damaas a 360 rs. o covado.
Gorgonnas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Lia com listrinhas a 640 rs. o covado.
Fustoea de cores a 320 ra. o cavado.
Merinos de corea a 900 ra., 1*000 e 1*200 o co-
'Verins pretos a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Velludilhos lisos e lavrados a 1*000 e 1*200 o
covado.
Palha de seda a 800 ra. o covado.
Cachemira bordada de seda a i*500 o co-
vada.
Lis escossezas a 500 rs. o covado.
Cambraia com salpicas a 6* rs. a peca.
Chitas escuras e claras a 240 ra. o covado.
Linhoa escosseres a 240 ra. o covado.
Las com bolinhas a 640 e 500 rs. o cavada
Gaze com bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Linn com salpicos a 500 rs. o covado.
*
Ao32
Nova loja de lazr 'as
=
Rna da luipe
DE
FERREIRA DA S^VA
Ne&te novo estabelecimento encontrar o re
p :itavel publico cm variado sortimento de Duen-
das de tod.is as qualidades, que se vennem po>
precos baraltissimos, assim como um bom sorti-
mento de ronpas para homens, e tambem se man
da tazer por encommendaa, p r ter um bom mes-
tre altaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc.
31 -Ra da Imperuirii-St
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as ronpas aba>
io mencionadas, que sao ba- Miust,
Pal i tota pretos de c-r. ... aiagonaee e
acolchoados, senao tazenaas muiio en-
corpadaa, e forrados 7*001
Ditos de casemira prets, de cetdao muito,
bem feitos e forrados 10*001
Ditos de dita, fasenda muito melhor 12*00)
Ditos de flanella azul sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 12*00"
Calcas de gorgorito preto, colchoado,
sendo fasenda muitr encorpada 5*50
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem fcitaa 6*5C
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas *00<
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*00*
Ceroulas de gregnellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e 1*60'
Coili-tinhoa de greguella muito bem feitos 1*0U
Aasim como um bom sortimento de lencos di
GlwtoMM'Sretoi'a 1*800, "2*5"e 2*500 o' L'bo e de algodSo, meias rqu e collarinhss, etc
"' ^ y l Isto na loia aa *u da Imperatriz n. 3
covado.
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Cretones finos a 320, 360, 400 e 440 rs. o co-
km se nm
Em quartos
Sobrinfeo & C.
e meias garrafas, vendem Far'fs
roa do Mrquez de Oliuua n. 41
DEPOSITARIOS
Pinho resina
de 9X7 ai 3X12.
Pinho branco (da Snecia)
de 3X7 at 3X12.
Cimento inglez
VENDEM
Fensen Irmos Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira qne sej pirita e
do Ri>

vado.
Setinetas modernas a 360, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Fustn branco a 32, 360, 400, 440, 500, 560,
600 e 800 rs. o covado.
Setinetas lisas a 400 rs. o covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella de cor a40'l rs. o covado.
Flanella branca a 400 e 1 *000 o covado.
Chapeos de boI de cores para senhorna a 7*500
um. ^^
Chales de casemira finos a 9*000 um.
Fecbs de la a 2*000, 3*000, 4*000, 5*000
e 6*000 um.
Tapetet" para janella, piano, sof e cama a 4*,
6*0i 0, 7*000, 8*000 e 24*00 um.
Esguio amarello e pardo o 600 rs. o covado.
Casacos de laia a 1 '-t 00 um.
Lencoea brancoa a l*8HO um.
Brim prateado a 60C rs. o covado.
Timoes para meninos de 4 a 5 annoe a 6*000
um. _
Lencos a 2*000 is. a duzia.
Colchas brancas a 1*800 urna.
Setina maeo de coies 800, 1*200, 1*400,1*600
e 2*000 o covado.
Setinetas bramas a 500 e 560 rs. o covado.
Cortinaaos boroVdos a 7*000, 9*000 e 16*000 o
par.
CapelUs e veos a 10*000 e 14*000 urna.
Colchas bordadas a 5*000, 6*000, 7*000 e 8*0u0
urna.
Espartilhos de c-uiraca a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*000 nm.
Cortes de l para vestidos a 20*^ 0 um.
Algod&o com dnas largars a 800 rs. o me-
t*.
: Cortea de oUsemira para calca a 6*000 um.
Bramante de Jinho a 1*800 o metro.
Dito de algod.1 a 1J200 o metro.
Toalha felpadas a 4*000 o 6*000 a ansia.
Almanack da provincia
1886
t m volunte com 4B paginas
durma em casa do patrio
n. 57, potto de ferro.
r- t-
na ra
chucllo
MORSON PEPSINA
Baedio Mailivel e agradaiel
INDIGESTA0
^ Sol a f ornan de
rs&scts, pos
N OX.OBtTX.OB.
VBHDB-SE no MUNDO 1NJEIR0.
PftEPARMfcS KE ,
Pepsina Moraon
Moilo rece-mmeriendas
ptlm principies Mefl/ess,
ORSON V SON
hbHwbiob Rav, loss(U4i)un
LONDON
eM6;tr0D Ptrntmbuco
.....MM
Fraiic'H.j silva A
DOENGASdo ESTOMAGO
DIOESTOII DIPFiCKIS
Dyspapsiai, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, Diarrbaa,
Debiliasrte das Briancas
Csm iBKia apida PELO i
>p
I
2i000
-i
A' venda na casa editora. Livrara Parisiense
n. 7 A, ra Primelro de Marco n. 7 A. Industrial
Bconomica de G. Lapt>rt & e Gardoso Ayres.
SalpcSes e vinho verde branco e
lino
Receben Antonio Duarte rna da Unio n. 54,
confronte a estaca : tornam-.- e recottmendaveis
eates artigos" por ter recebico de casa particular
de Portugal, razo por qne garante ser especia'i
dade ; asaim como tem carne.e queijua do sertao
por preco muito .mdico ; o mesmo vinho tambem
se veude em cusa de B 'rnardino Duarte ra da
Florentina ns. 2 e 3, em retalbo e ancoras. Na
meama compks-ae urna balanca decimal, grande.
Li uidaco
Vende-e portos de ferro, gradeamento para
cuna de moro, jnrdim e terraco, bandeiaas d atr
ro para portas exteriores e interiores, de todas as
qualidades, gallinheiro de ferro, carroca pa a boia
e cavallos, carrinhos de mo e rodas para carro-
cas, por prsoo coasuioda : no largo do Forte n. 4
defronte do quartel das Cinco Ponas, officina de
ferreiro.
.oitos e noivas
Encontraro sempre na Graciosa, ra lo Cres
po n. orna variada collecco de objectos pro-
pnos para casamento, como ejam :
CapelUsom veos, de 5* a 25*Q00.
Gnnldas de flores de larangeira a 5* e.6*.
uigas de seda bra ca a 1J e 2*'00.
Luvas de pellica branca para senhora a 2*500
o par.
Ditas de dita para bomem a 3* o par.
Meias abertas de fio de Eseosaia para senhora a
2*000 o par.
Ditas de seda branca para senhora a 8/000.
Ditas de fio de Eeccssia, brancas, para homem
a 1*500. ,
Leqpes brancas setim, de 6*, 10* e 15*000.
Gravatas brxnias de cambraia a 800 rs.
Ditas ditas com "taco-aHO^to.
Ditas de etiar brinco a I tA.
o Duarle a <\
i
ELIXIR GREZ
un Quina, Vat-u 1 r
tmw
<
Pusjuin I
com j


PABIS.t ttff^6,34
mtt 1 .K/ Crespo n.'7^ W ^ P.Hue -*.'!"
-re rUgCSi-pri >(< .-.frir* lt..r
^oWprecP d'
"as, "


I

*I :

WAtiWL
m^mwM


MMh
_^*"**^ Mias prrtaa. fifas, '
" r*Tf*- if C
ea. atetiootaa e liiilnhan a SO
r* v covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-
um grande sortimento de vnstoes brancoa a 5t>
rs. o covado, lftzinhas lavradas de turta-core*
fi-senda bonita para vestidos a 500 ra. o covadi
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 ; a. > covado. pecbincha : n> loj
do Pereira da Silva.
Algodoainho francs para lence
a OOO ra.. I e 1 leo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-i
superiores alg )daozinhos francezes com 8, 9 e 1'
palmos de largura, proprios para lences de un
b panno pelo barato preco de W0 rs e 1*000
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, a>
sim como superior bramante de quatro largura
para leucoes, a 1*500 o metro, barato na loj
du Pereira da Silva.
Roopa para meninos
A 44. 4*O0 e 6*
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, e
vende um variado sortimento de vestuarios prt
prios para meninos, sendo de plitosinho e calo
uha curta, feitos de bnm pardo, a 4*000, dito,
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgorao prdb
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; d>
oja do Pereira d< Silva.
Fazendas branca
s
40
SO' AO NUMETO
rna da Imperatriz = 40
Loja dos barateiros
Alheiro & C, raa da Imperatri n. 40, ven-
dem um-.bouito sortimento de todas estis fasendas
abaixo mencionadas, ffem competencia de preoos,
A SABER:
AlgodSoPac" de Igodozinho com 20
jardas. pio- barato preyo de 3*800,
46, 400, 4* ', bg, 5*500 e |50-
MadapoloPecas de madapoln com 24
jardas a 4*500, 5*. 6* at 12*000
Camisas de meia com listras, pelo barato
precn de 800
Ditas branc >s e ernas, de 1* at 1*800
Creguefla francesa, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e 500
Ceroulas da mesma, muito bem feitas,
a 1*200 e 1*0'
Colletiuhoa ("a mesma 800
Bramante francs de aigodio, muito on-
corpda com 10 palmos de largara,
mjt,ro 1*2
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 280(
Atoaihado adamascado para toa Ibas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1(801;
Cretones e chitas, eraras e escuras, pa-
drdes delicados, d 240 rs. at 4Ui
Cantista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 201'
Todas estas fkzendas baratissimas, na condecid*
loja de Alheiro & C esquin do becco
dos Ferreiros
Algodfc entestado pa-
ra en$oes
A Oo r. e 1*00 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
:odo para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larcuraa 900 rs., e dito com 10 palmes s
110 o metro, aasim cota dito trancado par>
malhas de in> sa, com 9 palmos ne largura a l*20i
i ctro. Isto na leja de Alheiro o C, esquina
do ecco dos Ferreiros.
MBRINS PRETOS
A 1*200, 1*400, 1*60, UH! e 2* o covado
A heiro & C, raa da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acinv
dito. E' pecbincha : na loja da esquina do bec
cdi b Ferreiros.
Espartllhqs
Na loja da ra da lmperatris u. 40 vcude-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo pn-e,
de 5*000, assim cuno um sortimentu ide ronpat
de casimiras, brins, etc., isto na W.t da esquine,
de beeco dos Ferreiros. /
CASEMIKAS INfiLEZAS
A 2*800 e 3. o aovado
Alheiro & C, n-a da Impvitriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento d*> casemiras ingle-
sas, de duas larguras, cuto o p>idre8 mais del)
vados para costume, e vendem pelo barato prtjc,
de 2*800 e 3| o covado ; aasifa como se enearre
gam de mandar tase'r 'enstilmea de casemira
30, sendo de paletot hcco, e 35* de traque
grande pechinchaf a na loja
WHISKY
HoSfAL BLEND marca V1ADO
Este excedente Wbisky Escessss preferivi
*o cognac ou aguarden^ de canna, para tortific
> carpa,
Vende-se a retalho nos tu Iheres armasent
nolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO Ctrjo.*>
me e emblema sao registrados para todo o Brazs
BROWNS C, agentes
Novas ls.nhas
A SCO e 400 reis o covado
Acabam de chegar para a loja da ra da lm-
peratris n 32, um grande e bonito sortimento de
lsinhas de cores pa.a vestidos, sendo fazenda de
uiuita phantssia, com cores claras e escaras, e li-
quidam-se a 320 e 400 >es o covado, por haver
grande porcao na loja de Pereira da Silva.
Obras de Time
mimo mulo
Modelo apeifeicoado em cestas para compras,
acafates, costureiras, cadeiras para criancas, etc.,
etc., vendem por precos commodos Martina Capi-
to & C, em seu armazem de molhsdos ru*
estreita do Rosario n. 1.
Malvasia
Vinho proprii para senhoras
Em barris e a retalho : Pecas Mendes & C,
ra estreita do Rosario n. 9.
Tecidos de linho
A 500 rs. o ovado
Na loja da ra da lmperatris n. 32, vende-se
um bonito sortimento de tazendas de linho para
vestidos, tendo largura de chita francesa, com
muito bonitas cores e palminhas bordadas, pe-
chincha a 500 reis o covado, na loja ae Pereira da
Silva.
Cabriolet e victoria
Vende-se um cabriolet e urna victora em per-
Feito estado de conservaco e por pr--co modice :
na cocheira n. 16 ra r>o Duque de Caxias.
Maduro
Vinho puro da uva
O qne pode bnver de melhor para mesa, em
barris e a retalho : Pocws Mendes S C, a ra
estreita do Rosario n. 9.
A' Florida
Ra Duque de Caxias n 103
Chama-te a attenco das Exmas. familias para
os pr. eos seguintes :
Luvas de seda prcta a 1*500 o par.
Cintos a 1*500.
Punhos e collarinhos de cores para homem a
l*00(i.
dem para senhora a 1*500.
Grampos invisiveis a 60 rs. o masso.
Luvas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
0 par.
Suspensorios p ra menino a 500 rs.
dem amer. canos pura homem a 3*.
Meias de Escossia para crianza a 240 rs. o par.
Leques de papel com correte al*.
Pitas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Lencos Je esguiao a 1*500 a dusia.
Albuns de 1*500, 3*. 3*, at 8*.
Ramcs de flores finas a 1*500.
Luvas de Escossia para meaina, lisas e borda-
das, a' 800 e 1* o par.
P Peotes de nikel a 600 rs., 700 e 8 0 rs. um.
Rosetas de brilbante.- cbimicos > 200 rs. o par.
Guarnicqes de dem iiiem a 500 rs.
Anquintas de 1*5+0,. 2*, 2*500 e 3* urna
Pitases de 2 a B odens a 460, 500 e 600 is.
Bies dcores com 12 jardas e 2 1/2 dedos de
largura a 3* a peca
dem com 4 dedos a 4*500 a peca.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
Ide; \s\ Figurine a 5*000.
Bieos de alencoa com 4 e 5 dedos de largura a
2*500 a peca. ,. l
dem estreitinbos com 10 metros a 800 e 1*000
a peca.
Botes de pbaDtasia a 200 rs. a duzia.
Para toihet
Sabao de areia a 320 ri. um.
dem phenicado a 500 rs. um.
dem alcatrS' a 500 rs.
dem de ainendoa a 390 rs.
dem dealface a 1*000.
Agua celeste a 2*000.
Agua divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Mac eos de seda a 100 ra.
Meias brancas para senhora ai* a duzia.
BARBOSA & SA \TOS
LojaCamacan
Miudezas
Ferreira de Souza C, tendo' resol vido vender
todos os sefla artigos de miudezas por menos que
em outro qualquer estabelecimento, avissm as
Exmas. senboras que spparecam neste'estabeleci-
mento para assim ae convencerem dos precos que
acabam de fazer:
Oleo oriza verdadeiro a 900 rs., linha para nu*
china a 900 rs. a duzia aguihas finas a 60 rs ,
pactes com tres sabonetes 400 rs., um pao de
bh bonete fino 700 rs., meias finas para senhora a
700 re. o par.
Lindo sortimento debicos finos a 1*200, J*500,
1*800 e 2*500 a p*ca, leiues finos a 3*500, 5*,
545(0 e6*.
Espartiihos finos a 4*5>'0. 5*500 e 7*500
Lvas finas de seda a 1*800, 2*, 2*500, 3* e
3*500.
Grampos para chapeos oque ha de mais barato.
Bicos pretus com vidrilbo.
Alfirete a 60 ra. a carta, fitas modernas lisas
e bordada o que ha de mais fino.-
Sabonetes de Reuter, o que ba de melhor para
a pelle. a 900 rs um, tinta fina para marcar son-
ra 800 re, o frasco, lencos Lraocos finos a
1 *500 a dosia, lindo sortimento de broche para
seniora.
Aos 1.000:00055000
200:0 olooo
100:000S0I
1.1MI LOTERA
DE 3 RTEIOS
Em fav r dos ingenuos da Colonia Orphanlogiea Isalel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Eitracqio: no lia 15 Ge UezemUrn le 1886.
0 thesoureiro, Francisco Gon^alves Toi^re
lotera
ALAGOAS
C0RREN0DIA28DESETEMBRI
MBANSFER1VEL! MaBuT^ra! #
O portador que possuir um
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar__
iO:006i;ooo.
Os bilhetes acliam-sea' ven-
da na Casa Feliz, praca In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 28 de Setem-
bro 1886, sem lalla
THES0RAR1A
DAS
Alem deste anouncio teem muitos artigos de cafla Um,
moda, qu' est vendenJo barata
Doqae^ejCaala i^. 6
,7f
Acha-se a renda a 3a parte da Ia lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Ilccifc qne se extraliir quinta-f eir, 30 do cor-
rente ao meio dia pelo seguinte
16^(000 5c4:OOOOOO a cenUna era que sahii
4,000 bilhetes a
Beneficio, sello e commis-
sao.
1 Premio de.
1 Dito de ... .
1 Dito de ...
1 Dito de ... .
7 Ditos de 2:0000000 .
10 Ditos de 1:0000000 .
16 Dito de 5UO#0 .
99 Ditos de 2000000 para
acenteoa em que sahir
o primeir* premio .
99 Ditos de 1000000 para
a centena em que sa*
hir o segundo premio
de 600000 para
que sahir
o terceiro premio
2 Approxirn a 5 3 e s do
2:0000000 para o pri-
meiro premio
Ditas de 1:0000000
para o segundo premio
Ditos de 6500000 par*
o terceiro premio .
4:00. 5000 2,400 premios de 200000
14:0000000 para todos os algarts-
10:0000000 moa inaes do primtiro
8:0000000 premio ....
2,400 Premio3 de 2?0OOO
para todos os algaris-
19:9000000 mou Saae> do segando
premio .
69:0600000
314;94O0OOO
* 2
100-0'^AOOO
30:0C .00 2
10:0000000
9:900,0000 ^1* Preioe

5:9400000
.4:000-5000
2-OOO0-
l:300OOP
48:0000000
48:OOO0OOf
99 Ditos
Caso a terminac2o do segundo premio
mero inmediatamente uperior
Esu loteria divide se
rCOV(t<
11.
lWl*art*iT'da AiVift ^b>'
porco debrin fKrti Siual: pot esax non frinci-
S" u>na do be t rr/iro
, iAo-uw.iai*|!ra0i^ h >**'- Jas'o*
' tBtwetuMsjn.s
Catarro chroitco a tsiign,
**tltavio do canal de ar-sr*,-,
Motisis da prstata,
' 1 'wmniir.cto de //-//mi,
Arela na urina, etc.
3WAWN, Pharmaceut'Co-ChimkjD,
'"*:" .rjL-Jf.i
san
rBPGS
anuii
Pa|iimla h,
tmmtmmt
o
rir. :'"" .'V.y.r,*,?* -'> N
EXTRrV #




- de Se'
4*.i I
Thesoureiro


Lnvas de pellica, peile .R-easVtt '
. ,, o;
,>'b lieti Jiversos e eura'.
Cambraiaa liss. borda
l" s.it.l,aiiejft"HlUi'tin#fti*iUi|.wla>-S.- ii l1
nem colUruihos e sem puubes s/c c/p
Sranifp ? hm iaoDtai.1, % 1 it fg. *
ILo.
p<;aer admi- j
quero ti?.t-t a roa as OuqueT
cftmui-*nnl'0'": a "
"VpksV
aUv-s-feiea unjl-AV rtiJMlfWiW/f
i to m^dic -em r-.zSn de S'-u d( i
j mstr-r p- r ter def
B chra.'> com
iB*v,/4T-' '? t >
T7q -|C||- u yente-Jg h anrtk>,
I ii *yfc.'fttab,d
< *,0HdVWr.fas D W<
rVi ^qh-sFr'ri,'vJl1ittB
.r na rus : ineii' oe refirar > {jl, -
: _.. _, -_ : I
Aa* U H
o "
uisiran
ff*t!

-%aro i\n Vu^m ,:\>i 4]
i
[abele^itBfj^o m- v-i/''':'f*r4-it3.e> Itr.'i Miosf
% c.To\fa^t puados, .j"lli.i,inhos4e *, jravs
^yo'itar4.,u.iii .Ur-is
iasej pua-J-- rihos4n-aa
fabricas de Paris, Londres Trguwtes, u* ^foyrietarv)s#d**<5D f*1'*' *-;
iiO(AMail
1 ui pouco
*tB wm&-9it Bilfii nilasV """to Mto|
na meama loja.
r a, 4

n-1*.' 1 '*iT iBT/u d4|]i

J
UEB


Mara de Pcrnambiiro--Sexta--, rira *?4 ds> Sctembro de T36
ASSEHBLEA GERAL
< VHiltl UOA UBPITAOOi
SESSAOEM 9 DE SETEMBRO DE 1886
PRESIDENCIA DO sB. GOMES DE CASTRO
1. VICEPRESIDENTE
(Continuado)
Assim, como no orcamento quo afinal
rennem-so e transparecem totas as ne-.es
... r.
aidadcs e recursos da vida social, tambeui
no ministerio que o superintenHe e dirige,
o da fazenda, m8 claramente se revela
essa feicao caracterstica : retratacao.
Isto se evidencia que se examine o que ha
feito o cobre presidente do the.souro nacio-
nal, que se estude o quo pretende fazer
no desempeoho de to alto cargo.
A seus antecessores no governo amar
gamente increpavam os pro-horaens da si-
tuaco nao terem sabiio pres indir, de era
prestimos na gesto do Estado : al.rgas
tes onormerrente a divida, diziam diaria-
mente na tribuna c na imprensa. E no en
tanto, exactamente dous largos cropres-
timos constituem at agora os ttulos de
benemerencia de que oais se desvanece o
nobre ministro da tazenda. Ha um tercei
ro, que tambera se proclama como confe-
rindo-lhe jus ao reconhecimento dos coe-
vos e admiraco dos posteros : a con
versSo da divida interna fundada; mas
nao a.reditava nelle o nobre ministro, an-
tes o consislerava como um perigo c por
sua parte oppoz-lhe embarazos que, a um
tempo, diir.inuena-lhe a gloria do fcil xi-
to, imputam-lhe a responsabilidade da de-
mora na realisaco do um benficio pu-
blico.
At aqui, pois, o nobre ministro e o ga-
binete, em que. sem cont-staco e vonta-
de predominante, comparecen perante os
seus concdadcs envolto o rosto no veo dos
penitentes. Vejamos se pode descobril-o
sem vexames ao revelar as normas sob que
de ora em diante pretender viver.
Ha cerca de seis annos as noticias de
alm mar traziam-nos provas inconcussas,
de que, em per'grinaco por paizes es-
trangeiros, nao se apagava a leiubranea da
patria, nem se amortecia o amor quo Ihe
votava no distincto brarileiro, j experi-
mentado as lutas da poltica.
As Notas de um viajante, que todos I
ram cora satisfcelo e pr veito, as colum-
nas do grande jornal, deraonstravaro o2o
s a observaco sensata oo-n que apreciava
os fractos da civilisaco adiantada, seno
o fundo pezar cora que as nao va repro-
duzidas em seu paiz e a firme resoluco
de promovel-as quando, de volt* trra na-
tal, pudesse influir no seu governo. Esse
viajante, todos o sabera, era o nobre mi-
nistro da fazenda, que mais tarde firraou o
seu nome as seguintes declaracSes ento
feitas sob a conliecida epigrapbe : < Nem
todos tazem idea justa do quanto pesa o
imposto de exportaco que es naga a agri
cultura brasileira. Paga o caf l3 "/ de
imposto, isto cada arroba de caf para
IJOOO e mais segundo o valor do genero.
O imposto cobra-so sobre o prego bruto,
conforme o preyo do g-nero no momento
de ser embarcado, quando est sobrecar-
regado de com misados, earretos, fretes e
infinitas alcavalas. Assim, avahado, por
exemplo, o caf em 70000 ou 80000 para
o imposto, esta nao representa para o la
vrador seno 40000 ou 50000 lquidos, de
modos que o imposto, que s deve recahir
sobre o liquido, torna-se efectivamente su
eiior a 20 %.
x Por outra, sendo o imposto de 13 /
e pago sobre o prego bru'o <1e genero, o
lavrador que remeter 10:0000 do gneros
pagar 1:3000, roas este lavrador nao teve
um rendimento lquido de 1O:OUO0. teria
de ,1:0000 de 2:0000, de 1:0000 ou mes-
mo nao teria nenhura ; poderia ter sido
justanente o lucro liquido de 1:3000 nos
10:0000 que exportou ; mas o fisco lhe ar-
rebatou todo esse lucro !
Na Europa os iropostos sao laucados
ou sobro o re idmento liquido, ou sobre o
consumo.
g A Franja um paiz de imposto terri-
torial do mais pesados; os lamentos da
agricultura ouvem-se todos os dias e des
pertara o maior interesse. Pois bem, reu-
nidos todos os iropostos, est calculado que
a agricultura tranceza paga 7 % do seu
rendimento liquido Na Europa s a Hes-
panba, estragada pelas ms financas e pes-
sima poltica, paga S % Bobre me8in0
producto liquido.
i Na Italia tambero forte o imposto,
mas 8empre elativo ao producto liquido.
No Brasil a agricultura paga sem or-
F0.HETII "
< vM5
DE
EMMA ROSA
POR
2AVIES M_JBIHPa
ccsiisn;:: as".:::::
i i'.ontinuacao do n. 219)
VHI
Osear Rignult quera saber a tundo o
pensa ento dos agentes.
- Se assim para que lado devo eu
voltar-me ? porguntou elle em tom sin-
glo.
Para o lado de S. Lzaro.
Voces ento nao tm ninguem do la-
do de l ?
L tambera ha camaradas, mas so-
mente dous. Mais um hornera de boa von-
tade nao far mal nenhum.
Que que procurara por l ?
Caseneuve e Flogny primeiramente tro-
caram um oluar, depoia algumis palavras
em voz baixa, e afinal Caseneuve tomou a
palavra.
T i te obrigas, disse elle, se desco-
brires aiguma cousa que posea ajudar-nos
a pilhar o sujeito, a fazer-nas ganhar o pre-
mio promettido, do qual, est bem enten-
dido, has de receber a terca parte ?
Dou-lhes a minha palavra de Osear
dera, nem regra, uein medida. Nao admira
que os nossos productos estejam baixos e
cedara o passo em todos os mercados do
mundo aos si nilares que os vo supplan-
tan lo I Por muito terapo a agricultura
ele.vava as suas quexas contra o abandono
do governo, pedia ao raesrao tempo bra-
cos, capitaes, ensino profissional e quanta
cousa lhe o norria. Hoje, vendo o pro-
gresso d idea abolicionista, sautindo-so se-
riamente ameacada, acha-se na conhe ida
situaco do philosopho grego que, darllu
ilido das causas deste mundo, s pedia
aos poderosos da trra deixasssom que os
raios do sol lhe aquecossem a morada;
nada mais pretooilia nem quera. A agri-
cultura s quer hoje quo se ea-juecara della,
que a deixera t >l como se acha.
* Nos, porm. entorilemos que mui dif-
ferente a* misso do governo, justamente
na difB il crise quo se approxima.
[Notas de um viajante brasileiro, pag*-
71 a 73.)
Quaudo tratei da industria .ssucareira
n'u us notas que forara publicadas no Jor-
nal do Commercio nos pnmeiros dias ie Ja-
neiro di-std anno, mas fra d'esta serie e
sob titulo diverso, fiz notar a profunda dif-
ferenja entre o nosso e o systema francez.
Aqui o assucar posadamente tributado no
consumo iuterno; anda ha pouoo, pagava
LOO /o do Va'r- Para a exportado, po-
rn, nao s nada paga, como anda gosa
de todas as vantagens de tarifas espeoiaes
de transporte.
No Brazil d-sejustamente o contrario :
o consumo interno nao paga, mas o g-nero
tributado quando sabe do Imperio, e tem
do lutar coro os poderosos concurrentes
estrangeiros. Nao so pode levar raais
longe o absurdo I
t Nota de um viajante brazileiro. Pag.
280.)
E todavia o nobre ministro governo
ha 15 ioZs, dirige a elaboracjio do on-.a-
yamento do imperio e consente que nell^
perdurem to deploraveis absurdos 1 E'
certo que, re;ordando-so talve das com-
promettedoras promessas qua fizera, escre-
/eu o nobre ministro, pag. 6 do seu re-
latorio, estas paUvras:
Muito desejava poder solicitar a re-
ducgilo se nao a abolido dos impostos so-
bre a exportajao dos nossos productos.
Condemnados pela scienjia econmica
e pe* practica das naj3es mais civlis das,
devem esses impostos ir desapparecenlo
meda que forera melhorando nossas con-
dic5e8 orjamentarias.
As condijSs orjamentarias do paiz n5o
podera m"Inorar senao com o augmento de
sua prosperidade ; e se para esta prosperi-
dade um dos principaes seno o principal
estorvo est nos impostos de exportago,
adiar a sua suppresso para quando re 1-
lizar-se o evento de que ella dcv.i ser causa,
importa protraha indefinidamente, se nao
rejeita la.
Nao increpar o orador ao nobre minis-
tro a coutradiclo e n quo assim ia orre e
da qual nao poder defender-se seno
apontando os estorcos que f'Z para BO
menos approximur a poca em qua taes
impostos possam desapparecer, e dos quaes
nem se encontra vestigio era seus pianos fi-
nanoeiros :contenta se de declinar mis
um facto a r-speito do qu*l est S. Exc.
fazendo dolorosa peoiten<:ia.
_^E, ae fito, si nSo podo S. Exc nem
se quer allivi r o peso dos impostos de
exportacSo, como exprobrava os seus ad-
versarios porque os conservavam ?..
As medidas suggendas pela ooramisso
de orcamento, de accordo com o ministerio,
no projecto da rooflitm geral do imp-rio,
para mmor r o dficit outra cousa nao sao
mais do que as que pro-uraram por em
pratica os liberaos, cdnstituiodo por sua
vez solemne retratacio.
Divilem-se em dous grupos. Consiste o
primeiro na revisan da tarifa das alfando-
gas, do regulamento do s-llo fixo e propor-
cional e da tabella dos genuros livre de di
reitos de consummo, para excluir os qu-
estejem no caso de prescindir desee favor.
Entrara no segundo o imposto sobre o sal
do 10 res, sobre o litro, e de l [0 sobre o
valor das obrigacSes ou tirulos de prelacao,
qualquer que seja a sua denominacSo,
emittido por companhias o socie ades ano-
nyraas, no acto da eraisso, o de 50 ris
por litro sobre bebidas alcoolicas artifioiai-s
fabricadas no paiz e destinadas ao consu
mo. Pelo que toca a reviso do imposto
do sello e da tarifa das alfandegas, sabi
do que isso se fez em 1879 ; assim como
sob o Io ministerio Saraiva.
NSo ha, pois, aqui nenhuma novidade,
senSo reproduco dos m-iosj em pregados.
Dir-se-ha, porm, que trata-se de corrigir
os err >s praticados : questo essa que nio
se pode decidir priori. S dep >is de
app*recerem as reformas poder-se ha jul-
gar qual das tarf>s ou dos regulamentoa
do sello attingi> mais amplairornto seus fias
e melhor eousultou e servicopublico. Quan
to tarifa, entretanto, hoje opinio geral
que nenhuma foi melhor orgmisada do que
a de 1879, procedida do tr.ibalhos serios,
para os quaos cullaboraratn no s func-
cionarus pblicos, de iri -onti-stivl corapa
tencia, como o couselheiro Costa Pinto, cx-
inspoctor da alfan leg m ts distinctos r-
presjntant s da classe commercial.
Se o nobr* ministro, cohorenta com as
i lis exp 'ndi las no seu tr.b.ilh > m-nci)
nado, quizer dar algura al -nto s inlustrias
nactonaes que encontrara el tinentos natu-
raes no paiz, ha do inspirar-se as que
predominarara na reforma ele 1879. Se er
ros podem ser notados a esse trabalho, co-
mo no revisao do imposto do s-llo, sao el-
las inevitaveis nessas materias ; o nobre mi-
nistro tambera os comraetter.
A perfeicao em taes assuraptos impossi-
vel,o quolevou um esoriptor nglez a dizer
que a respeito de impostos n3o ha, nem houve
nem poder h .ver nunca concepclto que se-
ja escoimada de defeitos.
A revisao da tabella dos gneros livres
de consumo tambera nil) original. Desda
1877 que tentativas tm si lo feitas nosse
sentido e sempre mallograias, at com re
ferena aos objectos que nella nao es tao
incluido--, mas qua gjsain de iscncao em
virtuda da concesso ou coatratos entre o
governo e eraprezas ou corap .nhias. Per-
correndo-se a lista dos genera que go-
sam dessa favor em virtude das disposi^Scs
geraes da tarifa em vigor, verifcase qu^
poucos haver a eliminar sera prejuizo da-
qii"lles que ao Esta lo raais importa dimi-
nuir.
Com effeito, sSo estes, entra outros, os
objectos que esto isentos dos direitis de
consumo e geral ciento tambera do de ex-
pediente.
Machinas para lavrar a trra e para pre-
parar os productos de agriculturas para o
servigo das fabricas e oficioas e para a
navegafao, movidas por vapor, agua vento,
ele tricida le ou quaesquer outros propulso
res;
Alambques, fornalhas, retortas, caldel-
ras, moinlios e object >s semelhantes para
uso da lavoura e das fabricas ;
Sal commura ;
Pranchas ou formas para estampara;
CarvSo mineral e cok i;
Trlhos para estrada de ferro ;
Carros e outros vehculos de conduceo
de pessoas ou gneros o suas parteng.s,
para as mesmas estr.idas ;
Carrossos. arados, grades e mais intru-
ra> n'08 proprios para arar e preparar tr-
ra, seraear, ceifar, etc.
Formas para purgar e refiaar assucar ;
locomotivas, dorraeutes, ect., etc.
Ou n3o ser justo tributar aiguma des
sis clasaes, ou em pura perda, porque o
que ganhar o Estado por um lado p riera
por ou'ro.
Pelo art 12 3o -mtorisa la a cobran-
za de 10 res por litro de sal coramum im-
portado do estringairo.- O sal, sem em-
bargo da opiniAo Vauban, quo o considera-
va o mann coin que Dous benefciou o ge
ero humano e sobre o qual n-nhura ira
posto deve ser lancado, e obje to que todos
os p.iizes t n tributado, anda que o seu
uso nao ae meca pela fortuna dos contri
buintas, pois sSo exactamente os pobnw
que mais -ousomem.
O orador acompanha o seu Ilustre col-
lega de deputaco as severas irapugaa-
(318 feitas C3ntra este imposto, ap-zirdo
que reconhece militare ra a sea favor duas
razSos. A primeira que, segundo as de
< laracSes offi -iaes, somos chegados a apu-
ros igaaes da Italia, quando o ministro da
tazenda all disse no parlamento : nao se
trata de procurar o imposto mais equitativo
e monos pesado, porm sim o que raais
promptaraente forueca recursos. A segn
da que a taxa lancada sobre o sal com-
mura importado podo concorrer p.ra quo
entre nos se desenvolva a explorarlo das
salinas naturaes, que se en -ontram em va-
rias regidas do Imperio. O objecto de sua
critica e outro. Em 1879 os liberaos tenta-
rara crear o imposto de 5 ris por kilo-
gramma de sal comraura ; a que correspon-
da quasi exactamente ao de que ora se tra-
ta, porquanto segundo as tabellas de Clau-
del, 1 litra de sal pesa 2 kilograramas e 2
decimos.
Votado pela amara, este imposto foi
combatido enrgicamente pela commis&o
de or5*.Dento do senado, cujo rilat.r * actual Sr. presidouti do oonselho, fazen-
do dola parte tambera o Sr ministro da
lustica. As r z3^, em que se fundou a com-
miasao sao est*s :
Qiunto ao imposto de 5 ris por kilo-
gramma do sal estrangairo, a commiaso
nao pode adoptar essa taxa. por entender
qua extremamente excossiva: porquanto,
eortformb as estatisteas ds comm rcio ma
ritirao do I np -rio, organisadas no thesouro
nacional, o valor do sal estr*ngeiro impor-
tado e despachado para eonsummo, repre-
senta o preco por kilogramma entre i7 e
18 res; e, portanto, a taxa de 5 ris por
kd.gramraa equivaleria a um direito de
nportasao superior a3)[0, o que as-
saz gravoso para uro genero da indsp>n-
savel necessidade; entende, pois, a eom-
missS') qua sal coramum ou ae uozinha
smsnte deve ser sujeito ao pagamento dos
actuaos direitos de expediente, represen
tando urna renda de 100:0000 por anno.
E' urna nova retractacio.
Pelo n. 3 do uissmo artigo fica o gover
no atorisalo a cobrar o imposto de 1 0[0 so-
bre o valor das obrigajSes ou ttulos de
prela.So, qualquer quo seja a sua denomi-
aacao, emittdos por companhias e soaieda-
des aaonyma8 no acto da emisso.
Esta imposto inconstitucional; porque
cot o carcter de muni-ipal, que lhe d o
2o do artigo, nao pode ser ciea lo tenao
em virtude da proposta da cmara munici-
pal.
Accrcresce que n3o se comprehende bem
sobre o que vai elle recahir. Quera paga ?
A conpanha devedora ? Mas sobrema-
nera injusto aggravar assim a sorto de
quera precisa, porque as obrigacSes ou t-
tulos da prelacao (debentures), nao so einit
tem senao quando nao dispSo o emissor
los recursos do que carece.
;ra iis, essas ttulos devem estar sujei-
to3 ao sello proporcional e por essa forma
sero onerados de dous impostos, o que
contra todas as regras.
Pelo n. 4o fica o governo autorisado para
cobrar, um imposto al 50 rs. por litro,
sobre as bebidas alccolioas artifieiaes fabri
cadas no paiz e destinadas ao seu consu-
mo, -orrigio-sa a primitiva redaco, on-
de esto : autorisado a crear.
O gov'.roo nao crea impostos, mas sim
o corpo legislativo, pertencendo a iniciati-
va cmara dos deputados; o governo co-
bra, arrecada e regula a cobranza dos im-
postos ; nao os crea.
Esta medida tem um tira til impedir
o deseuvolvimento da fabrcaco do bebi-
das quo envenenara a populago. Mas,
para raais proraptamenta chegarraos a esse
resulta lo preciso que, alm da taxa ora
croada so reduzam os direitos dos vinhos
puros importados. Essa re lucco do di
reitos ser compensada logo pela maior
importaco. alm das vantagens bygieni-
cas para a saude publica. Temos andado
as apalpadellas a respeito das taxas sobre
vinhos. O orador lera algans dados sobre
a materia, extrahidos do pareoer da com-
raisso de orjamento do senado em 1879,
que lhe parecem inteiessantes :
t Pela tarifa de 18)9 o vinho nao sof-
freu alteragSo as taxas anteriormente es-
tabelecilas. e apenas se as poz de accordo
com o Bvstema mtrico, em referencia s
vinhos es-
900 rs. por litro
os seceos, com-
unidades de medida; assur
pumados foram taxados
as licorosos a 300 rs e
rauns, do
pasto,
verdes o fermentados a
130 rs. ; taxas estas equivalentes a 50 [B.
Pelo exame a que proceden a commis-
3S0 encarregada de rever a tarifa, ouvin-
do a opinio dos negociantes maiores im-
portadores de vinhos, chegou a conhecer
que os direitos e despezas a que estavam
sujeitos os vinhos seceos absorviara grande
parte do custo deata mercadoria ; e este
facto explica a razo da drainuico da sua
importadlo nesta praca do Rio de Janeiro,
porquanto, sendo no periodo de 1858 a
1865 sua importaco de 30,700 pipas, no
de 1866 a 1869 desceu a 21,700.
O poder legislativo, roconbecendo que
as elevadas taxas de 40 e 50 \ sobre as
mercadorias estrangeiras importadas e des-
pachadas para o consumo, erara excessi-
vas, mandou reduzil as -de 30 [0, assim
uniformisando a razo de todas as taxas
mximas era urna nica taxa pelo art. 11
da lei n. 2,348 de 25 de Agosto de 1873.
Curaprindo esta disposicSo da lei, a com-
missao revisora da tarifa de 1874 adoptou
as seguintes taxas para os vinhos: para os
espumosos 750 rs. por litro ; 200 rs. para
os licorosos, e 100 rs. para os seceos,
corarauns e de pasto. O resultado desta
raos mais tempo. Se tu descobrires algu
ma cousa nao percas um momento vem me
dizar
Em caso de necessidade, onde os po-
dere encontrar ?
Todas as noites s oito horas na pre-
teitura.
Por quera devo perguntar ?
Caseneuve e Flogny. Lembra-te doaj
nomes. r
Perfeitamente e podem foar socega-
dos. Se eu nao descobrir nada, porqua .^.JW*5
n3o ha nada para descobrir.
Contamos comtigo, meu velho...
Rigault, por lcuona Rigolo, que hei d tod i e nos taamos em faltajse ficMafc-
vir procural os logo que tiver o menor in
dicio, e do premio nao quero nem um si-
do. Se eu ajudal-os a agarrar o patife,
isso me bastar Estarei bem pago.
Pois bem, ouve.
Sou todo ouvidos.
Tu pareces ser bom rapaz e eu sinto
ter-tc causado um desgosto com o meu de-
Baso .
Repito, que isso est esquecido. Ago-
ra, explica me depressa o que preciso
fazer do lado de S. Lzaro. Quero muito
saber, estou em brazas.
Imagina que -mandaram a Angela
Bernier mis vveres, no meio dos quaes,
como j te disse, apanharam urna corres-
pondencia. ..
Bom I...
O embrulho foi levado por um en-
tregados
Compreuendo I exclamou o ex-mas-
cate, o entregador que preciso desco-
brir, afim de saber delle quem lhe entre-
gou o embrulho.
- Justamente !
Mas o entregador pode ter "indo de
longe.
Parece-me que deviam chmalos to-
dos prefeitura, visto como todos depen-
dem della para tirar a sua chapa.
Tambera o que se ha de fazer, at
j se comejou; mas, elles nao podem ser
chmalos seno parcialmente, um apsou
tro, o que exige muito tempo, ao passo que
interrogando os do bairro e da vizinhanes
tem-se a probilidade de ebegar mais de-
pressa descoberta da veidade.
Bem, disse Osear Rigault, o que aca-
baa de dizer-me nao cahio no chZo.
A garrafa esta va vazia.
O ex-mascate quiz mandar vir segunda,
mas, a despeito do seu convite, Caseneuve
e Flogny levantar a ra-se.
NSo podemos aceitar, meu caro re-
pli :ou Vagalume. A obrigaco antes de
Separarara-sc, depois de trooar um apor-
to de mo.
Osear, ficou um yWW^ttflM'para pagar
a garrafa de vinho, saho por sua TriV1^
dirigise logo para o lado da priso fie, Su
Lzaro.
Dous agentes da seguranca percorriam
o bairro desde a raanh, tendo na /nao a
nota de todos os pontos concedidos pela
prefeitura aos possuidures de urna chapa
de entregador.
Essa nota tornava lhes a tarefa fcil.
Ella o era infinitamente menos para Os-
ear Rigault.
Em quanto caminhava, dizia de si para
si :
Como esto procurando deste ladojture amo e seujio
tal vez j achassera e eu cheguei por ulti
redueyo foi .ffluirem ao mercado vinhos
puros a dimiauirem sensivelmonte os vi-
nhos falsificados no piz, era puro prejuizo
da saude publica e dos diremos de impor-
taco.
A lei do orcamento da 20 de Oatubro
de 1877 autorisou no art. 11 2o a elava-
co at 10 [0 mais dos direitos dos vi-
nhos, elevando ao mesrao terapo a taxa
a Idiconal a 50 <>|0 ; dando exeeuflo a esta
autorisacao, o governo expedio o decreto
de 26 de Janeiro de 1878, elevando a ta-
xa dos vinhos, e assrm pagar 1 elles, os
espuraos, os 800 rs. por litro, os licorosos
220 rs., e os seceos ou communs 110 rs.,
seado a razo 40 [, e addicionan io-se os
50 *|0 t n de pagar os priraeiros na razito
do 10200 por litro, os segundos na de 330
rs. e os terceiros na de 165 rs., alera do
imposto da cmara muoicipal e da Santa
Casa de Misericordia. Os vinhos seceos,
communs de pasto e fermentados estavam
pelo art. 191, da tarita de 1874 taxados
em 100 rs. por litro na razj da 30 [0 do
valor official, alm dos 45 j, da taxa alii-
ciooal, que boje de 50 [0. A tarifa de
de 1878, adoptada em virtude do art. 11
j _2 da lei n. 2,792 de 20 de Outubro do
1877, taxou estas qualidades ni razo de
40 p[0, estebelecendo por litro o imposto
de 110 rs. Pensa a coiuraisso que se
deve maater a tarifa de 1874, quanto s
qualidades ordinarias, como bem expressa-
mente o declara o artigo da lei. Para es-
te fim deve ser concedida a autorisacao pe-
dida. E' nestas que a fakinr-acu dos vi-
nhos so opera ora larga escala dentro do
paiz, cora prejuizo da saude publica, e
s mente com a reduc3o dos direitos nos
vinhos ordinarios 89 cunsiguir a introduc
cao de vinhos mais puros e nao falsificados
cjm materias nocivas.
Com a reduefao operada em 1379 aug-
mentou a quantidade de vinho importado :
mas logo era seguida accrescerara os direi-
tos e continuamos no p em que nos acha-
vamos.
O Estado perde grandemente na menor
importaco e a saude publica prejudiea-
da. O ministro da fazenda deve cogitar
n8o quando usar da faiuldade, quo lhe
concedida, para rever a tarifa das alfande-
gas.
E por fallar em reviso de tarifas, per-
guntar a S. Exc. se nao ser tempo de
aproveitar recursos quo abundara em nos-
so paiz e que jazem inutilisados por falta
de urna tarifa prudentemente protectora.
Os fazendeiros do interior tnuitas vezes
perdem grande parta das suas colbeitas de
ceraes por falta de mercado consumidor.
Entretanto recebemos milho do Rio de Pra-
ta e dos Estados-Unidos, e arroz da India.
Um imposto prohibiti ro sobre esse e ou-
tros gneros, que produzimos, traria para
os mercados do littoral os que assim fcas-
sem inutilisados e alargara grandemente
a respectiva cultura com vantagem para
tolos. O que se diz dos cereaes applica
se tambem alfafa, que 00 lomos produzir
era abundancia e importamos ora Urga es-
cala, e aioda da cal, quo importamos igual
mente ero avultada quantidade, quando
possuimos immensas jazidas.
Os argentinos procederam com maisjui-
zo do que nos. Nao produziaro assucar, a
todavia laocaram fortes direitos sobre o
que mportavam. O resaltado foi que all
se estabeleceram grandes fabri -asa com
capitaes estrangeiros. O capital nao tam
patria ; emigra e estabelece se onde pode
encontrar remuneraco segura. O Brazil
ji eflorece um vasto mercado ; fechemo-lo
para os gneros estrangeiros que podem ser
cultivados entre nos, e em pouco terapo
affluiro industriaos que venham raanter
aqui as suas fabricas ao lado dos raesmos
consumidores, a quem hoja fornecem de
l'nge. Foi gracas a este systema que os
Estados-Unidos rpidamente attingiram a
sua colossal riqueza.
A respeito do papel-moeda, far apenas
duas reflexoes. A primeira para assigna-
lar ainda urna retractajo em 1879 o mi
nisteno liberal fez os maiores estorcos
para ser autorisado a recolher animalmente
umajparte da emisso. A maioria dos con-
servadores do senado nao o consentio.
Hoje os proprios impugnadores procla
mam ser urgeete a necessidade. cuja sa-
tisfaco impediram.
Mas, os liberaos procederam correcta-
mente : untes de pedirem meios para a
amortisacao do papel-moeda, tratarais nao
80 de equilibrar o orgamenco como de as-
segurar <> apparocimento de saldos, condi-
jo sem a qual utopia pensar em reco-
Ihimento do papel-moeda. Loroy-Baaulieu
t^uero descobrir os dous tratantes d* la
Pie. Foram elles com certeza que envia-
ram urna corrospondenoia a Angela Ber-
nier. Um meio novo que inventaran para
cora pro raettel-a ainda mais : porque o meu
juizo continua a dizer-me que a pobre mu
lher nao a culpada.
E o ex-raascate, sera desanimar, oonti-
nuou as suas investigacSes infructferas.
Foi at a noite de ra em ra, explo-
rando os arredores da priso de S. L1-
zaro. 1 .
is horas da tard^oo tendo con-
enor resultado, adiou para o
a coatinuaco da sua estra
de policial amador, dizendo de
ue a tarefa que tinha aceitado
ooote menos fcil do que ima-
4JaUQ.htne,,t.,i/.m 9b mk,
>uh6 loi-.^'i "ti boa ,'Ofc
mairie, onda sabemos que
da publicaco dos baahos
to cora Cecilia, Angelo foi
casa de saade.
a de Jaymo Bernier ia ca-
seguilo o
da segu
no empr
si par si
era iefini
ftr''
'bd*
b &A& a
d'-monstra-o perfeitamente nos ltimos tre-
chos do capitulo em que trata do "Urao
foreado. Hoja uo existe dficit consider-
vel, e cogiu-ee em amortisar papel. Mat,
continuando os dficits, que utilidade ha-
ver em recolher uma certa quaotidade, se
era seguida, for necessaro emittir mais,
como o proprio ministro reconhece. Unto
que declarou que no caso de uma crise .an-
ear mo da lei de 1876? Essa medida,
pois, nao uma cous seria e, longa de
favorecer o nosso crdito, prejudical-o-ha,
porque os banqu -iros e capitalistas verlo
nella uma inutilidade, seno cousa peior.
O paiz que tem a infelicidade de viver
sob o rgimen do curso toreado, tem
um meio de livrar se dalle. E' s-euir o
exemplo da Italia : durante cerca de 6 a 7
anuos nao augmentou as jiuas despezas,
tratou custa do todos os saeririeios de
augmentar a sua renda, guando ella su-
bi ao mvel da deapeza e excedeu dei-
xando saldos e renfi ou-sc que nao eram
ephemoros, porem prman vites, cuidaran
ento de reduair os impostos mi-. gravo-
sos e de voltar ao curso m-tallico, para O
que realisaram urna collossal operajo de
crdito. Devemos trilhar o mesmo cami-
nhD, se, como a Italia, quizermos sahir do
tatalissrao regime.. sob o qual vivemos.
Fra dahi nada conseguiremos,
O ad litivo n. 26, o qual rfeWnina que
os orca.uoutos da receta a despesa do im-
perio para o exereicio de 1886 a 1887 re-
gero tambem o primeiro semestre de
18871888 e que as futuras pr>postis O
anno fina iceiro dever coincidir com O
civil, significa ainda urna rotratagSo. Essa
medida foi proposta em 1869 contendo a
le do orgamento ento elaborada um arti-
go adtitivB sob u. 19 assim concebido:
O exereicio fiaanceiro coincidir com
o anno civil, comegando no da 1 de Ja-
neiro de cada anno e terminando a 31 de
Dczembro : revogado o art. 12 da lei de 8
de Outubro do 1886, prevalecer para a li-
qudaco de exercios a prazns j fixado->
era lei.
A coraraisso de orcamento do senado
de que (cumpre nao esquecer) era relator
o Sr. Baro de Cotagip., corabateu vahe-
iuentemente asta additivoexprimin lo-3e por
esta forma:
O art. 18 dos additivos estabelece
uma gravo innovaco em nossa coatabili-
dade, adoptando para anno financeiro o
mesmo periodo do anno civil.
A redaeco da outra cmara diz exer-
eicio mes evidentemente houve I.psode
penna; porque, como no mesmo artigo se
reconhece o exereicio comprehende o anno
finan eoiro e o tempo necessaro para a sua
liquidaco.
A proposta alteraco nao no.-a, e della
trata o relatorio da f izenda de 1862,
pag. 9 t 100 p .ra nao citar outros docu-
mentos em quo a iresma id foi aventada.
A' primeira vista esta idea seduz, por-
que parece que assim tere nos orcamento
mais approxima los, por serem as despozas
prev stas e calculadas no anno inmediata-
mente anterior ao do futuro exereicio : e
que at haveria mais tempo para que O
corpo legislativo Liborasse essa lei, sem a
presso de urgencia pela terminaco do
anno financeiro cotrente em Junho, e co-
meto do seguinte em Tulho.
Mas a reflexo demonstra qua taes van-
tagens sao inteiraraente imaginarias, desde
que nao podemos encurtar as distancias e
accelerar os elementos do que as theson-
rarias de fazenda e o thesouro careced
para liquidar approximadamente o ultimo
anno financeiro dar balanco ao j liquida-
do e prover sobre estes e outros dados a
pespeza e a receita _futuras.
O artigo mantean, como nao po le deixar
de ser, os prazos dos exercicioa. Isto quer
dizer que o anno financeiro, ooraecande
era Janeiro, terminara em Dezombro, mas
o semestre addicional, durante o qunl ain-
da se p-iga por conta do anno findo, ira
at Junho seguinte, e a sua liquidaco exi-
gira mai- seis mezes ou alcanzara a De-
zembro do anno seguate.
O que se ganbaria, pois, a nao ser a per-
turbaco geral do systema de escriptura-
jo at hoje e de longos annos seguido?
Em Maio faltariam a o governo e s c-
maras a synopse do ultimo anno financei-
ro e at o balanco do anterior.
(Contina)
'
tratl
Ao sabir
tinha de
do seu oasami
directamente
A filha
da vez melhor.
. A sua convaleVcenca progredia to rapi
damente, que ella |x>de sahir da cama par
>antar-s" aaesa p a! moco cora 6'Beu fu
legitl.
Proli, aiflfaffr snhor de si, sempre do
riso aos labios, pc'isto qua na realidade ti-
vesse pr-sentiraerjtos sombrios cuja causa
conhecem.
o reconduzio Cecilia ao
s bu s csnsultas e sabio
mo, em vez de chegar primeiro, como que-, minando as suas eijA^fles, chamou um sor
ra. Emfm quera nao arrisca nem ganha
nem perde. E' preciso tentar.
Elle comejou a procurar, parando junto
aos entregadores que encontrava e inUr-
rogando-os.
Naturalmente ellea o tomaram por
policial e um reapondeu-lhe que elle chega
va Urde e que os agenteB da seguraaf.
sem collegas, j tinham paasado por all
IX
Qateee que eaf tenho ar de policial,
murraoru Osear. Mas nao me importo.
,os nossos le toros
Depois do al/D<
seu quarto, den
ao cahir da noite1
Foi ao seu ai
celia.
Dessa vez pn
lento da ra de Cour-
ou pela porta pequea
Entrou pela porta-cocheira e foi ao quar-
to da porteir.
Ao reconhecel-o a Sra. Dertel soltou uma
exclamaco de alegra.
An Sr. doutor, disse ella depois, co-
mo estou estimando vel-o I
Por que, minha cara senhora ?
Chegou minha filna, e, em vista do
que eu lhe disse a seu respeito, a pobre
menin* suspira pelo senhor. Ella at que-
ra ir procural-o no seu estabeleciraento,
to impaciento est, mas pensei que isso
talvez o incomraodasse, e nao consent.
Isso uma prova de grande tacto,
minha cara senhora, e eu agradeco.
O senhor hoje ter terapo de conver-
sar com minha filba, Sr. doutor ? Ella fi
caria tSo satisfeita I
Tenho O terapo necessaro e estou
disposico da menina Joanna Dortil. Quer
ir accen O ugoest ;prompto. Basta metter
uro phosphuro era baio dos cavacos.
Ento eu ne encarrego disso. Daqui
a cinco minutos poder levar-me a menina
Joanna.
Minha filha foi at o tbeatro de Ba-
tignolles conversar cm algu mas amigas,
porm deve chegar de um momento para
outro.
- Eu esperarei.
Proli entrou no seu quarto, atirou ura
phosphoro acceso em baixo dos cavacos
hbilmente dispostos na grelha do fogo e
aocendeu as velas loa dous candelabros.
Feito isso, tirou o sobretodo o o chapeo
e corneenu a passeiar agitado, de um lado
para outro, durante alguna minutos.
Parou bruscamente fallando comsigo mes-
mo.
Os seus labios rooviam-se.
Quasi que se poda apanhar as palavras
entrecortadas que dellles escapavara.
Sim, dizia'elle, esse homem, cmico,
que dava diroctam ente para a ra, que ha-
bititava o a entrar (e sabir sem pasear pela poderia, dada a occaso, vir a ser um ac-
portaira. \ cuaador inconscinte. Elle um perigo para
minha vida. E urna pedra de escndalo OS
meu caminho. E' preciso que elle desap-
pareca e que o caminho esteja desembara-
zado
Uma pancada discreta na porta, inter*
rompeu o monologo do italiano.
Entre, disse elle, emquantoa exprs*
sao do seu rosto modificava-se instantnea-
mente.
Abrio-se a porta da sala o a porteira
apparecou acompanbada da filhti.
A menina Joanna Dortil, futura estrel-
la, era cortamente muito bella pessoa, de
pella alva, cabellos vermelhos, recbonchuda
como um Rubens, com grand s olhos las-
civos e labios cor la coral, cajo sorrsc pro*
vocador descobrio uma dupla carreira de
dentes feitos para morder perolas.
Coraprehendia-sa perfeitamente que a
menina Joanna, typo acabado de horizom-
tal de marca mediana, virasse a cabeca
dos Srs. ofliciaes as diversas cidades o>-
de havia desta'-ameotos, que ella tinha hon-
rado com a sua presenca. Comprehendia-
se muito raenos.^0^ com as suas formas
desenvolvidas e essa car lutamente incapaz de exprimir a candura,
e'la podessa representar os papis de ia-
g-nua, mas isso era negocio entre ella, os
8&us directores e o publio.
Proli estuiou-a com um rpido olhar.
Ou eu estou muito engaado, pens
elle, ou esta mulher justamente a collabo^
radora que preciso.
Joanna Dortil comprimentou o doutor
cora um olhar o sorriso que significava
do modo mais claro :
- Sabe, se quizer, eu nao me oppe
nho !
(Continuar se ha.)
Trp. do Diario nw Duque de, Oaxiai a.
%
M
i
l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9CWIVR99_V47PU1 INGEST_TIME 2014-05-19T17:50:51Z PACKAGE AA00011611_19067
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES