Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19060


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A JN Hf U Lili Jl u M

PAIll A CAPITAL E JLUCiABK ONDE MAO HE FACA PORTE
Por tres mezes adiantadoe
Por seis ditos dem.....
Por um anno ideax......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
60000
120000
24^000
0100
Qim-Fl I SETEMBBO
PARA DENTRO E FORA DA PROVDTCIA
Por seis meses adiantados.....
Por nove ditos dem.......
Por um anuo dem.......
Cada numero avulso, de das anteriores.
130500
200000
270000
0100
DIARIO DE
NAMBUGO
|)roj)riei>a& ttt Jttaiwe Jtgudra *t /aria Styos
Os Srs. Amede Prince (t C ',
de Pars, sito os nossos agentes
exclusivos de annunrlos e pu-
blic icSes da Franca e Ingla-
terra.
Os 9rs. Wasburne Hrmanss
de ew-Vork. Broad Way n
tOO. sao os noasos agentes ex
elusivos de annu cios nos Es-
tados-Unidos.
SS&^i.
Aviso
Aos Srs. Assignan-
tes que se achremelo)
atrazo, scientificamos
qu 5 devem mandar
abonar suasassignatu-
ras at o dia 30 do cor-
rente, para que nao
soffram interrupco na
remessa do Diario do
Io de Outubro.
TELEGRAMAS
ssav:: mmni so hiabio
RIO DE JANEIRO, 15 de Setembro, s
4 horas da tarde. (Recebido s 5 horas e
20 minutos, pelo cabo submarino).
O Sr. Affonao Celso eniou h>j-. na Cmara oos Depu-
taslos. a saa interpellacao. apresen-
tada ent seasao de 4 da correte, so-
bre a verdadelra condlc&o dos es-
cravisados, existentes no imperio,
desde que fol flxado da certo para
entrarem no gomo de saa llberdade.
Responden-le o Sr. presidente do
conselno. Baria de Ceteglp e.
Fol recondasldo no cargo de presi-
dente do Tribunal da Belaco do
Cear.o conselnelro Joaquim Tibur-
co Fe i reir Gomes.
Fol exonerado do cargo de chele de
polica do Para, o Dr. los Poljcar
po dos Santos Campos, sendo-lbe
designada a vara dos feitos da fa-
senda de Belm para nella ter ejer-
cicio.
Foi recondoaido no cargo de Jniz
municipal e de orpbos do termo
de Paulo nonato na provincia das
Alagoas. o Dr. Jos Mara Crrela
das Revea.
SSSVI53 2. A&S&CIA 2A7AS
(Especial para o Diario)
SOFA, 14 de Setembro.
Beallsoa-se bontem a abertura da
AHembln Nacional.
O Sr. Stamboulow. um dos chefes
do novo goverao. pronunciando um
dlMCU*so. sollcitou o concurso de to-
dos os blgaros, para manutencao
da ordem no pas.
Tambem declarou que convocara
urna grande assembla. o naals de-
prenda posslvel.
MADRID, 14 de Setembro.
A crlse Industrial em Catalunba
acentna-se cada ves mals.
Deseseis mil operarlos esto sena
trabalbo.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
15 de Setembro de 1886.
INSTRCCAO POPDLAR
{Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO B DAS ESCOLAS
CAPITULO V
ILIHE.VT1VAO
IConlinuafSo)
anualidades da substancia alimen-
ticiaPara qae ama substancia seja alimenti-
cia ou nutritiva deve ser assimilavel, istu deve
ter a propriedade de con verter-so as partes su-
bstanciaes do sangue. efectivamente deste li-
quido que os orgos e os tecidos do corpo tiram os
elementos da sua reparacao incessante, ou da sna
nutricio,e por conseguinte, a elle que devem
ir todas as materias que teem que gurtr na com-
posico e na reparacao do organismo. O sangue e
a agua formara quatra quintos do peso do corpo
humano, e 1:000 parte de sangue conteem, segun-
do a analyse cbimica :
Albmina 67,0
Glbulos sanguneos. 131,0
Fibrina. 2,0
Gorduras. 3,5
Chloretos e outroa saes. 7,5
Agua. 789,0
Somma.
1:000,0
A albmina, que entra na composicio do cere-
bro e dos ervos do coracao, dos pulmoes, do figa-
do e da maior(parte dos orgos, est representada,
em sua forma elementar mais conhecida, na clara
do ovo, branca, viscosa, coagulavel pelo calor. '
composta de oxygenio, bydrogenio, carbonio, azote
e urna insignificante quantidade de enxofre e de
phosphoro.
A fibrina, que se encontra em dissoluco no san-
gue e que constitue a base da carne ou dos mus-
culos, tem urna 2omposico idntica da albmina,
de que apenas urna traneformaco.
A gordura, que se apresenta com deferentes as-
pectos no organismo, um composto ternario de
oxygenio, bydrogenio e carbonio.
Os glbulos vermelhos do sangue consisteal em
corpsculos formados de urna membrana albumino-
sa transparente e de um contento liquido, consti-
tuido por gordura, albmina e urna substancia co-
rantea bematosina- cuja cor devida ao ferro
que contm.
Entre os saes do sangue predomina o phosphato
e o bi carbonato de soda, e principalmente o chlo-
reto de sodio ou o sal das cosinhiis, que a mais
abundante das materias inorgnicas que naquelle
liquido ex i s tem.
(Contina].

JARTE OFFICIAL
Cioveruo da provincia
LE N. 1882
Ignacio Joaquim de Souza Leo, hachare! em acienciaa jurdi-
cas e soeiaes, fidalgo eavalleiro da casa imperial, cavalleiro da or-
dem da Rosa e 1." vicepresidente da provincia de Pernambuco.
Faco saber a todos os seus habitantes que a Assemb a Legis-
lativa Provincial decretou e eu mandei publicar a reaoluco se-
gsinte:
Tnuw) i
Art. 1. A despeza das Cmaras Municipaes fixada para o
ejercicio de 1886 a 1887 em 492:495*769.
Art. 2 Cmara Municipal do Recife :
i. Secretaria
1. Vencimentos do secretario, sendo 2:600* de
ordenado e 1:4001 de gratificaco .... 4:0001000
2. Vencimentos de dous amanuenses, tendo cada
um 1:5001 de ordenado e 700* de gratificaco 4:400*000
3. Vencimentos do archivista, sendo 1:5001 de or-
denado e 700* de gratificaco 2:2001000
4. Vencimentos do porteiro, sendo 1:0001 de sr- ^^
denado e 6001 de gratificaco. ... 1:6001000
5. Vencimentos de continao e carteiro, sendo
1:0001 de ordenado e 6001 de gratificaco. 1:6001000
6. Diaria de um aervente a 21 6001000
2. Contadoria
1. Vencimentos do eontador, sendo 2:000* de or-
denado e 1:0001 de gratificaco .... 3:0001000
2. Vencimentos de deas lanzadores, tendo cada
um 1:7001 de ordenado e 7001 de gratificaco 4:8001000
3. Vencimentos de dous amanuenses, tendo cada
um 1:5001 de ordenado e 7001 de gratificaco.' 4:400*000
4. Porcentagem do procurador, que ser de 2 1/2
por cento........7:5001000
5. Vencimentos do fiel do procurador, sendo 1:500*
de ordenado e 700* de gratificaco .... 2:200*000
3." Aferico
1. Vencimentos do director, sendo 2:000* de or-
denado e 800* de gratificaco.....2:800*000
2. Vencimentos do ajudante, sendo 1:500* de or-
denado e 70 de gratificaco.....2:200*000
3. dem do amanuense, sendo 1:520* de ordenado
e 700* de gratincac.......2:200*000
4 Vi-uc'mentos do aferidor, sendo 900* de orde-
nado e 500* de gratificaco.....1:400*000
5. Vencimentos do continuo, sendo 800* de orde-
nado e 400* de gratificaco.....1:200*000
6. Diaria de um -ervente a 1*500 450*000
4* Empregados externes
1. Ordenado do advogado. .... 1:200*000
2. dem do solicitador..... 609*000
3. dem do advogado dos presos pobres 600*000
4. dem do solicitador dos meemos 300*000
5 dem do official de justica e pregoeiro 4')0*000
6. 'dem do porteiro do jury 4UO*000
7. Vencimentos de medico da Casa de Detenco,
sendo 1:600* de ordenado e 800* do gratificaco
8. Vencimentos do engenh. iru cordeador
9. dem do auxiliar do engenbeiro, sendo 800* de
ordenado e 400* de gratificaco .
10. Id m do mestre carpina epedreiro, sendo obri-
gado a prestar s obras municipaes os servicos de sua
profisso .
11 Vencimentos dos fiscaee, tendo o do 1. dis-
tricto da Boa-Vista e o da Graca 1:300* de ordenado
e 700* de gratificaco, e 1.* e 2 districtos de S. Jos, 2." diatritto da Boa-
Vista e Afogadoa, 1:200* de ordenado e 600* de gra-
tificaco ........
12- Vencimentos dosfiscaes da Magdalena e Poco,
tendo cada um 1:000* de ordenado e 500* de gratifi-
caco .........
13. Vencimentos dos fiscaes da Vanea e S. Loa
renco, tendo cada um 7(J0* de ordenado e 300* de
gratificaco........2:000*090
14. Vencimentos de 28 guardaa-fiacaee, tendo cada
im 600* de ordenado e 300* de gratificaco .
5 o Mer :ado publico de S. Jos
1. Vencimentos do administrador, sendo 1:600*
de ordenado e 800* de gratii cacao .... 2:400*000
2. Vencimentos do ajudanie, sendo 1:200* de or-
denado e 300* de gratificaco.....1:500*000
3. Vencimentos do porteiro, sendo 800* de orde-
nado e 400* de gratificaco.....1:200*000
4. Vencimentos de 8 guardas, om 600* de orde-
mado e 300* de gratificaco.....7:200*000
. 3:285*000
2:400*000
2:80U*000
1:200*000
1:200*000
14:800*000
3:000*000
25:200*000
5. Diaria de 6 serventes a 1*500
6* Matadcuro
1. Vencimentos do administrador, com 1.-600* de
ordenado e 800* de gratificaco 2:400*000
2. Vencimentos do medico, sendo 1:600* de orde-
nado e 800* de gratijcaco 2:400*000
| 7.a Logradonro do Giqni
1. Vencimentos do administrador, sendo 1:200*
de ordenado e 600* de gratificaco .... 1:800*000
2. Vencimentos de 3 tangedorea ou pastoradores,
al* diarios........1:095*'00
8." Matado uro do Arraial
1. Vencm ontoa do administrador, sendo 80* de
ordenado e 400* de gratificaco .
2. Diaria de um servente al*.
J 9. Cemiterio do Recife
9 administrador, sendo 2:500* de
ordenado e 700* de gratificaco ....
2. Vencimentos do cipello, sendo 1:200* de or-
denado e 300* de gratificaco.....
3. V nciinentos do amanuense, sendo 1:300* de
ordenado e 700* de gratificaco .
4. Vencimentos do guarda, sendo 1:300* de orde-
nado e 700* de gratificaco.....
5. Vencimentos do porteiro, sendo 1:000* de or-
denado e 600* de gratificaco .....
6. Vencimentos do sachristao, sendo 900* de or-
denado e 30ft* de gratificaco .
7. Salario do jardineiro a 2* diarios .
8 Diaria de um pedreiro a 44 .
9. Diaria de 3 coveiroa a 2* .
10. Diaria de 5 serventes a 1*600
10. Cemiterio do Arraial
1. Ordenado do administrador ....
2. Diaria de um servente a '* .
11. Cemiterio da Varzea
1. Ordenado do administrador ....
2. Diaria de um servente al*.
g 12. Cemiterio de S. Lonrenco
1. Ordenado do administrador ....
2. Diaria de um servente .....
13 Empregados aposentados
1. Ordenado do secretario Dr. Pedro Gaudiano
de Ratis e Silva .......
2. dem do contador Hypolito Cassiano Albu-
querque Maranbo ......
3. dem do fiscal Jeronymo Jos Ferreira .
4. dem do fiscal Roque Antones Correia .
5. dem do fiscal Joo Pacheco Al ves .
6. dem do guarda Miguel de Castro Oliveira .
7. dem, dem Lino Teclo de Jeeus .
8. dem, dem Jos da Annanciaco Carvalho,
na importancia de 720*000, e mais a quantia de
794*684, que se lbe deve, de conformidade com o dis-
posto no art. 45 capitulo III da lei n. 1,862 de 1885 .
9. dem, dem Manoel Rodrigues Chryaoatomo,
inclusive a quantia de 549*254 de sen ordenado de
1885 a 1886........
14 Despesaa geraes
1. Expediente e impressoes ....
2. Jury, alia lamento, eleicoes e aceio da sala
das audiencias, inclusive 400* para seu expediente .
3. Despera?, custas judiciaes e civeis.
4. Custas criminaos, de preferencia as qne sao
devidas ao escrivo Florencio Rodrigues de Miranda
Franco .........
5. Ao escrivo do jury, pelas custas que posaam
caber-lhe, sem direito a reclamar indemnisaco.
6. Aos escrives Jos feres Ctmpello de Almeida
e Jos Marcelino Gon^alves Salgueiro, sendo 876* ao
primeiro e 804*760 ao segundo, de custas qae lhes sao
devidas. ........
7. Juros e amortisaco do empr-stimo contrahido
com o banco do Biasil para construeco do Mercado de
S. Jos.....
8. Juros e amortisaco das plices municipaes.
9. D' sapropriact'8 ...-
10 Obras municipaes, inclusi e 5:ftX)*. que aero
applieados logo tactura de um cemiterio em tfogados
11. >ervico do uintau< uro e a!u*uel do lograiouro
12. Liinoesx, e aceiee Hrborioacau >la ciaade
13. Jone, rto e conservaco de predius mumci
paes........
14. Dei-peas com os cemit rios.
15- Dividas do exercicio nnierinr, confirme o qua
dro apreseniado em 8 de Abril de 1886 .
10. Ordonado do celador do sitio do Cacte.
17. Lventaaes......
1:200*000
365*000
3:200*000
1:500*000
2:000*000
2:000*000
1:600*000
1:2001000
720*000
1:460*000
2:190*0C0
2:920*000
720*000
365*000
500*000
365*000
500*000
365*000
4:000*000
1:800* 00
l:512*Ooo
264*000
1:000*Ooq
900*000
720*000
1:514*684
1:098*672
3:000*000
3:000*009
600*000
3:000*000
2:400*000
1:180*760
Art. 3 Cmara Municipal de Olinda :
1. Ordenado do secretario ....
2 lilem do pi rt> iio......
3. 11 m do procurador, alm da porcentfgem de
6 por cuto de gratificaco .....
4. Ordenado do fiscal da S.
J Idea do fiscal de S. Pedro Martyr .
6. liem do fiscal de Beberibe .
7. 1 Icui dotic.ai de Marangu.ip'*.
| 8. dem do advogado, ubrigado a defender os
presos pobres........
9 dem do administrador do cemiterio
10 Porcentagem aoaieridor, sendo 15 par cento
do que arreca ar.......
11. Ordenado do coveiro do cemiterio.
| 12. Expediente e assignatura do Diario
| 13. Custas de procesaos decahidoa, sendo 900*
55:O<0*000
ll:8tKi*0b
4:0o000
10:302*000
40:00ti*000
35:00. *000
4:0001000
2;OOO*000
10:0t>0*000
1.-200* HO
3:iKj,0>0
351:741*952
.-uooinoo
6004000
3004000
400 000
400*000
3501000
3U040uO
800*100
800*000
*
365*000
10o #000
para pagamento aoescrtv) Joo Tbeodomiro e 200*
para o mesmo fim ao offi-al de justica Joaquim Jos
da Rocha..........
14. Agua e luz para as prisoes ....
15. Jury, eleico e qualificacas ....
16. Concert de predios, obras, calcamentos e
arborisaco..........
7. Amartisafn da divida aos herdeiroa de Ma-
noel Luiz da Veiga........
118. Ordenado do medico. .
19. Eventuaes e impressoes. ....
20. Ordenado do amanuense.....
21. dem de um servente, encarregado da lim-
peza das ras e ccnducco de cadveres de peasoas
desvalidas..........
22. Ao escrivo do jury, pelas custas que pes-
sam caber-lbe, sem direito a reclamaco algama.
Art. 4 Cmara Municipal de Itamb :
8 1. Ordenado do secretario.....
2. Jdem do porteiro......
3 dem do fiscal da cidade.....
4. dem do de Caric......
5. dem do de CamuUnga.....
6. Atqguel da casa da Cmara .
7 Jury e eleico.......
8. Agua e luz para a cadeia.....
9. Expediente e assignatura do Diario
10. Limpeza das ras......
11. Porcentagem de 6 % ao procurador .
12. Obras municipaes......
13. Castas judiciaes......
14. Ao afeiidor, 10 por cento do que arrecadar.
15. Eventuaes........
Art. 5* Cmara Municipal da Gloria de Goit :
1. Ordeado do secretario.....
I 2. dem do fiscal.......
3. Iden.do porteiro......
8 4. Aga e luz para a cadeia.....
I 5. Aiuguel do acougue......
6. Custas judiciaes.......
7. Expediente do jury e eleico ....
8. Porcentagem de 10 por cento ao aferidor
9. dem de 6 por cento ao procurador.
10. Otacas municipaes, dndose comeco s do
mercado publico.........
2:000*000
120*000
2011*000
1:034*000
400*000
800* iOO
400*000
400*000
365*000
500*000
11:630*000
5004000
1204000
2404000
504000
50*000
200*000
404000
504000
4-4000
100400J
*
1504000
100*000
*
20*000
1:660*000
200*000
120*000
60*000
50*000
50*000
50*000
80*000
20*000
103*800
1:000*000
Art 6a Cmara Municipal de Timbaba :
1. Ordenado do secretario.....
: 2. dem do porteiro......
3. dem do fiscal da villa.....
] 4. dem do Cruangy......
5. dem de S. Vicente......
6. Alngael da caaa da Cmara ....
7. Porcentagem do 6 por cento ao procurador.
8. Agua e luz para a cadeia.....
9. Jury e eleico......
10. Castas judiciaes......
11. Obras municipaes......
12. Limpeza e aceio das ras e caaa da Cmara.
13. Expediente e assignatura do Diario .
Sftinii
Art 7o Cmara Municipal da Victoria :
1. Ordenado do secretario.....
2. dem do porteiro.......
3. dem do fiscal..... .
4. dem do guarda-fiscal, que zelar o aoouque.
5. dem do administrador do cemiterio
6. Diaria de dous serventes.
7. Espediente e assignaiura do Diario .
8- Jury, eleicoes e impressoes ....
Agua e luz para a cadeia ....
', 10. porcentagem de 6 por cento ao procurador.
11. dem de 10 por cento ao aferidor .
12. Ordenado do advogado e defensor dos presos
pobres ...........
13. Custas judiciaes......
14. Aiuguel da casa da Cmara. .
15. Limpeza das ras e aceio do paco municipal.
16. Obras e melhoramentos municipaes
17. Eventuaes........
18. : nrativo de pesaoas desvalidas .
c 19. Ao escrivo do jury, pelas custas que pos-
sam caber-lbe, sem direito a indemnisaco algama
g 20. Pubicaco do expediente e editaea da alii-
tamento e eleicoes........
21. Ordenado de um amanuense ....
22. dem de um continuo.....
Art 8 Cmara Municipal da Eacada :
1. Ordenado do secretario.....
2. dem do porteiro......
3. dem do fiscal .
_ 4. dem do advogado, com obrigacao de defen-
der os presos pobres _. _. .
8 5. dem do administrador de cemiterio .
6. Diaria de um servente
11. Aiuguel da casa da Cmara ....
8. Expediente e assignatura do Diario
9. Agua e luz para a cadeia.....
10. Limpeza das ras......
11. Porcentagem de 6 por cento ao procurador
e aferidor..........
12. Aiuguel do acougue......
" 13. Castas judie aea ..... .
14. Obras municipaes......
15. Eventuaes........
^16. Ordenado de um guarda fiscal, que fuoccio-
nar'em S. Joo da Boa Esperanca.....
Art 9o Cmara Municipal de Becerros :
I 1. Ordenado do secretario ....
2. dem de porteiro.....
f 3. dem do fiscal......
4. Jury e eleicoes......
5. Aiuguel da cadeia.....
6. Cusas judiciaes......
7. Expediente e assignatura do Diario
8. Porcentagem de 6 por cento ao procurador
9. Obras e melhoramentos municipaes.
10. Limpeza das ras.....
11. Ev 12. Porcentagem de 15 por cento ao aferidor
1:833*800
400*000
100*000
140*000
60*000
60*000
300*000
108*000
30* (00
80*000
300*. 00
200*<.00
87*130
50*000
1:915*130
600*000
300*000
500*000
2004000
6004000
7304000
8O4000
1001000
80*000
4001000
70*000
400*000
1:200*000
2304000
1004000
3:3234000
504000
3004000
Art. 10 Cmara Municipal do Brejo :
8 1 O denado ao secretario ....
2. !aem do advogtdo, com obrigacao de defen
der os preso pobres.......
" 3. W-m do pvrteiro......
4. 1 I n do fiscnl ......
5. dem do administrad..r do cemiterio
6. dem do administrador das obras do muni
cipio..........
8 7. Id-m do aerente do cemiteno.
8 Pcrcentagem de 6 p.r cento ao procurador
\ 9. Iaem de 10 por cento ao aferid r.
9 10 Expediente e assignatura do Diario.
8 II. Jury e elevo-s .....
12 Agua e luz para a caleia
S 13 Cuitas judioiaea.....
11. Ooras municipaes e compra dequatro duaiaa
de cade.raa p.ra % cainir* .
S 15. Eventuaes, lucluaive 200* que se deve ao
ex-srer. tnno ftasaueo Berenga- r Cesar de. Carvalho,
deade o exercicio de ld79 a 18e0. couforme diepoe o
art 49 3 da le n. 1,791 de 23 de Julho de 1883
Art. II. Cmara Municipal de Carnar :
1. Ord-uado do aecreuno ...
g 2 dem do porteiro, rlador do acougue e fiseal
dos laiupeoes mUolcipae.......
3. Id- m d > fiscal X|
I 4. dem do adin u.atraur do cemiterio de 8.
Roque..........* V ."
5. dem do administrador do cemiterio de S.
Miguel....... .'. --J '.. -'
I 6. dem de um coveiro, com obrigacao de ttm-
800*060
400*000
400*000
2004000
11:060*000
600*000
200*000
451*000
300*000
3654000
3004000
360*000
804000
80*000
90*000
240*000
2404000
2004000
4*4000
25*000
120*000
4:100*000
250*000
804000
1004* O0
80*000
50*OoO
200*000
704000
4
400*000
5t 4000
404000
*
l:386*Oi.O
600*000
300*00)
80*000
100*' KW
100*000
300*')00
404'W0
*
*
504000
60j000
7a*i>K)
3004000
1:00040'0
740*173
3:74*173
500*000
400*000
360*0 0
2004000
160*000
par e arborisar os cemiterios
% 7. Porcentagem ao procurador e mais 100*000
pelo trabalbo de aferico.....
8. Expediente e assignatura do Dairio
9. Jury e eleicoes .....
10. Agua e luz para a cadeia.
11. Castas judiciaes.....
12. Obras municipaes, inclusive 400* para urna
ponte de madeira no lugar Baixinha dos Congos e
600* para construccao e manutencao de 10 lampees,
que sero col locados na ra do Commercio da cidade
13. Limpesa e asseio da cidade e paco muni-
cipal ..........
14. Eventuaes, inclusive 200* como indemni-
zaco pelo accrescimo de obra feita por Joo Joaquim
da Silva Limeira na construcco da bomba no lugar
Baixinha de Manoel Caetano......
% 16. Ordenado de um advogado da Cmara, com
obrigacao de defender os presos pobres....
Art. 12. Cmara Municipal de Gravat :
1. Ordenado do secretario.....
2. Ordenado do porteiro.....
3. Porcentagem de 6 por cento ao procurador
4. Ordenado do fiscal da cidade.
5. dem do Uruc-merim
6.- P.ircentagem de 5 por cento ao aferidor
7. Expediente e assignatura do Diario' .
8. Agua e luz para a cadeia.....
9. Jury e eleicoes.......
10. Custas judiciaes......
11. Alnguel do paco municipal.
12. Limpeza e asseio das ras ....
13. Obras e melhorameutos.....
14. Eventuaes........
Art. 13. Cmara Municipal de Ipojnca :
1. Ordenado do secretario. ....
S 2. dem do porteiro. ......
I 3. dem do fiscal da villa .....
4. dem do fiseal da povoaco de Ipojuca.
5. Agua e luz para a cadeia.....
5 6. Custas judiciaes, sendo 3444700 a Jos Ge-
miniano Ferreira e 121*500 ao official de justica Can-
dido Elias das Nevea........
I 7. Jury, eleico c qualificacao ....
S, Expediente e assignatura do Diario
9. Porcentagem de seis por cento ao procurador.
10. dem de dez por ao aferider. .
11. Obras municipaes......
12. Eventuaes........
Art. 14. Cmara Municipal de Muribeca:
S 1. Ordenado do secretario.....
b 2. dem do porteiro. ......
I 2- dem do fiscal, que cobrar o imposto sobre
coqueiro..........
4. Porcentagem de seis por cento ao procurador
encarregado do aferico .......
5. Expediente........
6. Jury e eleic,5ea.......
7. Custas judicit.es.......
8. Mobilia para a casa da Cmara, aaseio da
mesma, obras municipaes e limpeza da villa. .
S 9 Eventuaes ... ....
J. 10. Aiuguel da casa da Cmara.
I 11. Aiuguel da casa de mercado.
Art 15. Cmara Municipal de Serinhem:
% 1. Ordenado do secretario ....'.
: 2. dem do porteiro......
3. dem do fiscal.......
4. Porcentagem de seis por cento ap procurador.
5. Aiuguel de urna casa para aposento do juiz.
6. Ordenado de administrador do cemiterio
7. dem do administrador do cemiterio de Pao
Branca...........
S 8 Agua e luz para a cadeia.....
\ 9. Custas judiciaes. ...
e 10. Expediente e assignatura do Diario .
\ il. hagamento da 5* p^rte da edificaco do
mercado...........
12. Conservaco dss estradas ....
13. Porcentagem de dez por cento ao aferidor.
14 Jury e eleicoes.......
15. Limpeza das ruis ....
16. Obras municipaes......
Art. 16. Cmara Municipal de Limoeiro:
1. Ordenado do secretario.....
2. dem do advogado, com obrigacao de defen-
der OS presos pobres. .......
3. dem do porteiro.......
4. Id^m do fiscal.......
5 Porcentagem da seis por cento ao procurador.
6. Expediente e assignatura do Diario .
jj 7. Jury e eleicoes.......
8. Custas judiciaes.......
'.). Agua e luz para a cadeia.....
S 10. Porcentagem de dez por cento ao aferidor.
11. Eventuaes........
I 12. Obraa municipaes......
13. Limpeza das ras e acougue.
14. Asseio do paco municipal, conservaco e con-
cert de movis.........
200*000
400*000
60*000
704000
100*000
300*000
2:000*000
200*000
5004000
400*000
5:850*000
2504000
804000
754000
120 000
604000
204000
60*000
60*000
80*000
1004000
1414000
604000
2O04C00
20*000
1:3294000
3004000
704000
1204000
804000
504000
5444700
80*000
5 *000
96*000
17*000
342*300
50*000
1:770*000
340*000
120*000
300*000
80*000
30*000
3O1O00
25*000
150*000
20*000
120*010
3ti*fl0
1:251*000
300*000
t-0*000
150*000
142000
96*000
300/000
50*000
80*000
200*000
30*000
300*000
110*000
62*"<)0
60*000
40*000
400*000
2:400*000
500*003
400*000
190*000
2504000
3304000
100*000
1004000
200*000
150*000
25*000
100*000
2:550*000
300*000
Art 17. Cmara Municipal de Cabrob :
1. Ordenado do secretario .....
S 2. [dem do p.rteiro. ......
i 3. dem do fiscal .......
I 4. Expediente e assignatura do Diario .
5. ~ gua a luz para a cadeia.....
6. Jury e eleicoes.......
7. Porceutagein de seis por cento ao procurador.
8. EveBtua>s........
9. Obras municipaes, sendo 1:000* para a casa
do mercado..........
200*000
5:395*000
2004000
50*0o0
100*000
37*000
804*00
50*000
67*it>4
104000
1:1004000
Art
1.
S 2.
i
5 5-
b;-
I
18 Cama a Manici. al da Boa-Vista :
Ordeuad. d secretario .
Iaem uo porteiro. ....
1 lein do nsc-l .....
P iroeui-g in ao procurador
t-i,p. J.eutc e ass.guatura do Diario
Jury e ieiCo.....
7. A uguei da ca da Cmara .
8. Agu.i e lu para a cadeia.
J 9. 1'n'> euiigeui ao aferidor. .
j 10. Ueapcza com acougue a curral
11. Oor a < meihorau. ntos municipaes
5 12 tiulutes. .....
I 13. i.U'iiu judiciaes ....
Art 19. Cmara Municipal de Petrolina :
1. ir leuao do aeciettrio .
j 2. I i.'ui do porteiro.......
j 3. 1 teui 10 Us-al.......
S 4 l'jiceut-.g-u) de seis por c. uto a procurador.
S 5. l.lein de quiuze p- r cento ao aferidor .
jj 6. Exp^uieute e asa.guaiura do Diario .
5 7. Jury e ele.eoe.......
8. Au* e luz para a cadeia.....
S 9: Cuscas juiiici-s.......
8 10. A.ugaei o acougue. e servico do curral.
11. Jjr.o a meinoramutus uiumeipaes. .
I 12. Aiogue: d casa Ua cmara .
13. EvuniUaes.......
Art. 2 Cmara M oicipal de Salgueiro :
8 1. Uid-uido do scciet.ru.....
5 2. la. ui 00 porteiro......
3. 1 m do fiscal .
4. Id. ui do z. lador de cemiterio.
5. loeu do coveiro.......
6. Porcentagem de 6 por cento ao procurador.
5 7. Expediente e assignatura da Diario.
1:694*864
200*000
40*000
30*000
80*000
404000
204000
60*000
30*000
20*000
40*000
1*04000
104000
40*000
760*000
200*000
55*000
60*000
*
*
40000
30*000
70OOO
20*000
50*00
50* 00
6o*o0
15*00
650*100
200*00
40*'00
70*'0
6O4"00
30*0/
*
60*000

> u
ll.LuiX
irV'v.'v9& >*.**Wi-ll1V4a^lJriK;-^A.^.t.'Uih%'^^':^w- m
si
BWssswassSsVsVBBHSMBlBal


de PcrnambucoQuinta-feira (6
etembro
8. Agua e luz para cadeia.
9. Jury e eleicea......
10. Cuatas judiciaes.....
11. Pereentagem de 10 por cento ao asndor
12. Obras municipaea e limpesa das ras.
13. Aragucl da caaa da camare.
14. Eventuaea e foros da casa do mercado.
Art. 21. Cmara Municipal de Ouricury :
1. OAmxo m
UMteia
Art. 22. Cmara Municipal de Tacaratu :
1. Ordenado do secretario......
2. dem do porteiro.......
3. dem do fiscal de Jatob.....
4. dem do fiscal da villa.....
5. Porcentagem de 6 por cento ao procurador.
G. Asignatura do Diario.....
7. Agua e lnz para a cadeia.....
8, Custas judiciaes.....
9. Porcentagem de 15 por cento ao aferidor. .
10. Obras municipaes......
| 11. Eventuaes........
12. Jury e ewices. .......
Art 23. Cmara Municipal de Leopoldina :
% 1. Ordenado do secretario.....
2. dem do fiscal.......
3. dem do porteiro......
4. Poreentagem de 6 por cento ao procurador.
5. Expediente e assignatura do Diario. .
6. Jury e eleices -.....
7. Agua e luz para a cadeia.....
8. Custas judiciaes.......
9. Alugucl da casa da cmara
10. Limpeza das roas
11. Porcentagem de 16 par cento ao aferidor .
12. Eventuaes, obras munieipaea, aluguel da
casa do acougue e curraes.......
Art. 24. Cmara Municipal de Alago de Baixo :
8 1. Ordenado do secretario.....
i 2. dem do porteiro.......
$ 3. dem do fiscal _
4. Expediente e assignatura do Diario.
5. Jury e eleiets.......
6 Custas judiciaes.......
7. Agua o luz para a cadeia.....
8. Aluguel da casa da cmara .
9. Linueza das ras.......
10. Obras municipaes......
11. Eventuaes........
12. Porcentagem de 6 por cento ao procurador.
13. dem de 16 por cento ao aferidor.
Art.
1.
>.
8.
1.
5.
c>.
7.
8.
Art.
1.
2.
:.
-i.
:>.
;.
7.
8.
9.
10
11,
25. Cmara Municipal de Villa Bella :
Ordenado do secretario
Id. m do porteiro.......
dem do nscnl.......
Porcentagem de 6 pjr cento ao procurador.
Expediente o assignatura do Diario
Agua o luz para a cadeia.....
Aluguel duL caaa cmara.....
Eventuaes........
Obras municipaes......
26. Cmara Municipal de Floresta:
Ordenado do secretario.....
dem do porteiro .......
dem do fiscal da villa.....
dem do fiscal do 2o districto .
dem do fiscal do 3 districto .
Porcentagem de 6 por cento ao procurador .
Jury e eleices.......
Aluguel da casa da Cmara .
Obras municipaes......
. Eventuaes ".
, Expediente e assignatura do Diario .
Art. 27. Cmara Municipal do Afogadoa de In-
gazeira
1. Ordenado do secretario
2. dem do porteiro.....
3. dem du fiscal ...
4. Porcentagem de 6 por cinto ao procurador
5. dem de 15 por cento ao aferidor .
6 Aluguel da casa da Cmara .
7. Exp-idiente e assignatura do Diario
8. Agua, luz e asseio da cadeia .
9. Jury e eleices......
10. Obras maoieipues.....
Art. 28. Ciuiarr. Municipal de Flsres:
1. ordenado do secretario .....
g 2. dem do porteiro......
g 3. dem do fiscal.......
g 4. Porcentagem de 6 por cento ao procurador
J 5. Expediento e assignatura do Diario
6 Jury e eleices.......
Agua u luz para-a cadeia ....
g 8. Custas judiciaes......
9 Obras municipaes, conservaco do acude e
limpeza das ras........
18. Porcentagem de 6 por cento ao aferidor
11. Eventuaes .......
Art. 29. Cmara Municipal de Granito :
g 1 Ordenado do secretario ....
5 2. dem, do porteiro......
3. dem do fisual......
4. P. rcentag' m de 6 por cento ao procurador
5. dem de 10 por cento ao ateridor .
g 6. Expediente e assignatura do Diario
g 7. Jury e eleices......
| 8 Agua e luz para a cadeia
g 9 Custas judiciaes.....
g {0. Ubi ae muuicipaasr limpeza e asseio das ras
g 11. Eveutuaes.......
Art. 30. Cinara Municipal de Triumpho:
1. Ordenad do secretario.....
2. Id.ra 'i i porteiro......
g 3 dem do fiscal.....
g 4. Agua e luz para a cadeia ....
5 ."i. Jury e ileites.......
a 6. Expediente e assignatura do Diario
i 7. Porcentiigem de 6 por cento ao procurador .
| 8. Ouras municipaes e divida pa&siva, inclusive
150 ao eecrivo Arsenio A. Pereira Borgea
9. Custas judiwaea......
0. Eventuaes........
Art 31. Cmara Municipal de Vertentes:
1. Ordenado do secretario
j t. dem do porteiro
i 3. dem do fiscal da villa

4. Porcentagem ao procurador .
5. dem ao aferidor ....
tj 6. Agua e luz para a cadeia
| 7 Aluguel da casa da Cmara .
8. Expediente e assignatura do Diario
lury e eleices.....
10. Costas judiciaes ....
g 11. Eventuaes......
12. Obras e melhoramentos, inclusive urna es-
trada de odagem que ligue Vertentes a Taquaretin-
ga, a qual deve ser feita eom o producto do imposto 8
rt. 32. Cmara Municipal de Buique :
1 Ordenado do secretario ....
2. dem do fiscal......
3 dem do porteiro.....
4 Agua e la para a cadeia
5. Jury e eleices .
6 Limpeza das ras e assignatura. do Diario
7 Custas judiciaes......
8. Eventuaes.......
9 Parcentagem so procurador
10. Obras municipaes.....
Art. 33. A Cmara Municipal da villa ds Pedra :
S 1. Ordenado do secretario.....
Ordenado do porteiro.....
3. dem do riscal da villa.....
g 4 Mein do fiscal da villa de Santo Antonio
Porcentagem de 8 por cento ao procurador .
g 6. dem de 15 por cento ao aferidor .
g 7. Aluguel da casa da Cmara, inclusive o pra-
ao vencido..........
8. Pagamento doa ordenados dos empregado,
85*000
20*000
60*000
*
1501000
120*000
30*000
920*000
200*000
#00*
**00
WOOt
MtfOO
*
*
anoosv
Meco
800|0000
150*000
30*000
30*000
40JWW
46*760
40*000
60*000
60*000
3*580
200*000
20*000
40*000
7i0*340
120*001
50*000
30*000
36*000
50*001)
40*0(10
20*000
304000
60*000
30*000
60*000
526*000
150*000
40*000
30*000
40*000
40*000
5'*00C
50* 00
50*000
50*000
120*000
20*000
640*000
180*000
40*000
40*000
36*000
40*000
40*000
96*000
10*000
120*000
602*000
180*000
40*000
40*000
30*000
30*000
60*000
40*0i0
84*000
225*000
41*000
30*.j00
130*000
30*000
30*000
36*000
7*500
120*000
50*000
60*000
30*000
200*000
693*500
250*000
50*000
60* 01
47*?.80
40*000
20*000
80*000
30*000
222*000
8*000
11*190
813*770
80*C00
30*'00
40*000
354000
30*000
50*000
30*0- 0
100*0; 0
104000
405*000
200*000
604000
804000
60/000
70*000
604080
78*000
542*000
1004000
50*000
1:300*800
360*000
80*000
100*000
57/000
*
C04000
180*000
40*000
50*000
504000
29*000
150*000
1:137*000
150*000
40*000
40*000
80*000
3.1.-000
50*000
100*000
50*000
47*000
158*000
750*000
150*000
30*0UO
30*000
25*000
*
*
185*000
relativos ao exerccio de 1886 a 1886, inclusiva as des-
pasas eventuaes do mesmo exercicio e as relativas
cadeia -.:.....
9. Assignatura do Dutno.....
10. Eypediente, jury e eleices .
11. Despesa e castas judiciaes .
12. Agua e loa pan a cadeia .
13. Despeaas eventuaea, inclusive a compra, de
mobiTia para a sala da Cmara e jury ....
14. Limpeza das ras......
885*231
27*000
30*000
60*000
48*000
160*000
20*000
t 34.
1. Ord
2. Ide
3.
4.
6.
17.
I 8.
Munssiyal ote
do seci**ri>
tal da
Caanelho:
Idea tseal deCfcpUty
rimlufWi de 6>ns>t,t ao proaarader
Oiitsaaav* portal-.
Eaa*Mil>jii assapNara ao Diar*
Jawe eie^as .
- Agay luacaoei^dai i iMJJ .
9. Aluguel da casa da Cmara .
10. dem do acougue .
11. Despeaas e custas judiciaes .
12. Limpcsa das ras.....
13. Obras municipaes .
14. Porcentagem de 15 por cento ao aferidor
10. Ewsnttaes.......
1:082*231
200*000
100*000
40*000
0*000
170*000
60*000
100*000
50*000
120*000
*
Art. 35. Cmara Munioipal do Espirito Santo de
1. Ordenado do secretario .
2. dem do porteiro.....
3. Ideo do fiscal.....
4. dem do administrador do cemiterio
5. dem do servente ....
6. Porcentagem ao procurador .
g 7. Jury e eleices.....
g 8. Expediente e assignatura do Diario
S 9. Cnstas judiciaes.....
10. La para a cadeia .
11. dem para aoapella do cemiterio .
12. Limpeza das ras e acougue .
| 13. Eventuaes......
14. Obras municipaes ....
15. Porcentagem ao aferidor.
Art. 36. Cmara Municipal de Naeareth:
1. Ordenado do secretario.....
^ 2. dem do advogado, com obrigacao de defen-
der os przsos pobres .......
3. dem do porteiro.......
4 dem do fiscal.......
| 5. dem do administrador do cemiterio
6. dem do guarda do acougue ....
| 7. Poreentagem de 12 por cento ao aferidor
| 8. Porcentagem de 6 por cento ao procurador .
8 9. Jury e eleices ...
S 10. Expediente e assignatura do Diario .
I 11. Limpesa das ras e paco municipal
12. Agua e luz para a cadeia ....
13. Custas judiciaes, sendo 600* para pagamen-
to do que se deve a Manoel Barbosa Cavalcante e 4C0*
a Msnoel Gomes dos Santos......
14. Ordenado de um covriro para o cemiterio .
f 15. Eventuaes........
16. Obras e melboramentoa municipaes, fasen-
do-se o curral do Conselho......
1:130*000
Pao d'Alho:
600*000
20t>*000
250*000
300*000
150*00^
164*098
70*540
63*000
400*OiK)
90*640
22*520
99*860
64*980
877*000
*
3:253*378
600*000
400*000
2003000
300*000
365*000
120*000
*
*
100*000
100*000
200*000
200*000
1:4005000
2*10*000
100*000
Jos
cipal
Art 37. Cmara Municipal de Barreiros :
S 1. Ordenado do secretario.....
2. dem do porteiro. ......
3. dem do fieal da villa.....
4. dem doajudante do fiscal no Abreu e S.
5. Porcentagem de 6 por cento ao procurader .
5' 6. dem de 10 por cento ao aferidor .
S 7. Expediente assignatura do Diario
8. Jury, c leicao equalificaob ....
i 9. Agua e luz para a cadeia ....
I 10. Custas judiciaes......
11. Poros, asseio e conservaco do paeo rauni-
12. Obras do mercado da villa
| 13. M*+bormentoe muaicipaes
14. Eventuaes ....
/
Art 38. Cmara Municipal do Rio Formos :
1. Ordenad d .secretario .
2. dem dp fiscal da oidade.
| 3. dem Jera de Una.....
4. dem do guarda fiscal .
5. dem do porteiro.....
6. Aluguel da casa da cmara .
7. dem do mercado.....
8. Agua e luz para a cadeia
9. Jry a-eleitS......
j 10. Cuitas jndiciaas
11. Expediente e assignatura do Diario .
12. Evantuaasi.......
13. Porcentaje* de par cento ao procurador
Idom de 10 por cento ao aferidor. .
Ordenado do advogado i defensor doa pre-
8 14-
15.
eos pobres.....
S 16i Limpeza e asseio da cidade .
S 17. Obras municipaes .
39. Contara Municipal de Gamelleira :
Ordenad d secretario ....
dem Jo porteiro ....
, dem do fiscal du villa ....
, dem ideen'de Uibeirao e S. Jos .
Poroeatugeo) de 6 por cento ao procurador
. dem de 10 per cento ao aferidor .
, Expedienta e assignatura do Diario
. Jury, eleica-j e ai sumen to
. Ac.uu e luz para a cadeia
). Eventuaes.......
[. Aluguel da casa da cmara .
!. Custas judeme.....
). Limpeza e asseio das ras .
. Obras municipaes.....
Art. 40. Cmara Municipal do Bonito :
1. Ordenado do secretario.....
g 2. dem do advogado, com obrigaca > de defen-
der os presos pobres ........
3. dem do porteiro......
g 4. dem do fiscal da villa.....
5. dem idem de Oapoeiras.....
6. I'iem idem de Ca-me vou.....
| 7. dem do administrador do cemiterio .
8. dem do coveiro.......
9. Expediente e assignatura do Diario .
0 10. Jury e eleices.......
11. Agua e luz para a cadeia ....
12. Custas jaaisiaes......
13. Limpeza e asseio das mas e do paco muni-
cipal ...........
8 14. Porcentagem de 6 por cento ao procurador
1 15. dem de:lf> por cento ao aferidor.
| 16. Obras o meLboranientus municipaes .
17. Evtntuaes........
41. Cmara Municipal do Ei :
. Ordenado do secretario .
.Idea do fiscal da villa
. Uitir. idem do segando districto
Expediente e assigaatura do Diario
Alugm 1 da casa da cmara .
, Custas judiciaes.....
Jury e eleices 1
Porcentagem ao procurador .
, hras municipaes e limpeza das ras
I. Eventuaes......
Art. 42. Cmara Municipal de Correntes :
g 1. Ordenado do secretario ....
| 2. I iem do porteiro. ,
| 3. dem do fiscal da villa ....
4. Idea do da Laga do Esaygdio
| 5. Porce itagem de 6- por cento ao procurador
t> 6. dem de 10 por cento ao aferidor .
7. Aluguel da caaa da cmara
8. Expediente assignatura do Diario
9. Juiyeekices......
10 Cuitas judiciaes, sendo 200*000 ao escri-
vao do jury, pelas custas que poesam caber-lhe, sem
direito a reclamaco Iurna......
g 11. Obras menicipaes......
g 12. EventuiK-a........
| 13. Ordeu-dod fiscal do Olho d'Agua do Goes
Art. 43. Cmara Municipal de A | 1. Ordenado do secretario.....
| 2. dem do porteiro......
g 3. dem do fiaeal aa villa .....
g 4. dem idem de Coyambnca ....
g 5. (dea idem de Seriaostaho e Fro .
6. Cnstas judiciaes.......
7. Porcentagem de 6 porfcenso ao procurador.
8. dem do 12 por eento ao reridor .
9. Ordenado do administrador do cemiterio da
1:945*000
villa
8
10. dem idem do Sertosinbo
11. Idean idean de Fro.
6:302*000
500*000
1504000
300*000
100*000
154*000
88*000
60*000
50*000
50*000
100*000
30*000
540*000
100*000
35*949
2i277*949
400*000
200*000
1204000
120*000
150*000
240*000
120* 00
100*0)0
100*000
100*000
50*000
100*000
130*000
200*000
200*000
5t)0*000
2:&i0*000
300*000
100*000
200*000
75*000
88*000
41*000
50*000
i *000
50*000
100*000
260*000
300*000
100*000
281*000
ic979*000
400*000
500*000
100*000
200*000
50*0)0
50*o00
940*000
200*000
50*000
60*000
60*000
20000J
50*000
200*000
48*000
1:061*000
30*000
3499*000
150*000
60*000
50*000
40*000
MI 000
30*000
30*0. K)
36*000
200*000
20a000
676*000
1504000
25*000
50*000
25*000
*
*
120*000
50*000
30*000
24O*0fl0
200*000
30*i 00
20*000
940*000
400*000
1^04000
1201000
1004000
2004000
1004000
1504000
604000
50*000
12. Expediente e assignatura do Diario .
13. Jury e eleices.......
5 14. Limpeza das ras.....
R 000*000 para pagamento da primeira prestaco devida
pela compra da casa destinada a servir de paco muni-
cipal ........ .i
i 16- Agua e luz para a cadeia ....
9 17. Eventuaes.
d*
ras
Art 44. Cmara Municipal de Iguaraae :
i 1. Ordenado do secretario.....
| 2. dem do adrogado, com obrigaeio de defen-
m presos pobres .......
3. dem do fiscal da villa ....
4. dem idem de Itaaaeraca.
5. dem idem de'Itaaiaauma.
6. dem do atkinisiMNr de rjajmiMr
7. dem do MNIy......
, 8. dem do p'itW'rtyoVCamars- .
S 9. dem do continuo......
10. Porcentagem ao procurador.
11. Agua e luz para a Cadeia.
12. Jury, eleico e alistamento .
13. Expediente e assignatura do Diario .
14. Costas judiciaes e processos crimes .
H>. Obras municipaes, catcamento e limpesa das
1. Com 2 dusiaa de eadeiras
17. Eventuaes ....
47*000
60*000
120*000
892*000
90*000
40*000
2:5391000
800*000
400*008
400*000
150*000
120*000
400*000
50*000
145*000
130*000
500*000
Art. 45. Cmara Municipal de Cimbres :
1. Ordenado do secretario ....
jj 2. dem do porteiro. .
3. dem do fiscal da cidade ....
4 dem idem de Alagoinha ....
5. dem idem de PooSo.....
S 6. dem idem de Cimbres ....
7. dem idem do Olho d'Agua .
I 8. Expediente e assignatura do Diario .
9. Jury e eleices......
10. Agua e lus para a cadeia .
g 11. Custas judiciaes.....
g 12. Porcentgem de 6 por cento ao procurador
13. dem de 10 por cento ao aferidor.
ji 11. Obras, meihoramentos e limpeza .
15. Ev-mtuaes .... .
Art. 46. Cmara Municipal do Bom Jardim :
1. Ordenado do secretario.....
g 2. dem do fiscal da oidade.....
g 3. Idem di Surubim ......
4. dem do porteiro.......
5. dem de 2 guardas fiscaes, a 200* cada um .
6. Porcentagem de 6 por cento ao procurador .
7. dem de 15 por ceaco ao aferidor .
8. Expedienta e assignatura do Diario, jury e
eleices...........
| 9. Agua e luz para a Cadeia ....
10 Custas jupiciaes, inclusive 445$ no escrivao
Joaquim Martins da Cuaba......
12. Aluguel da casa da Cmara ....
g 12. Obi-ss publicas municipaes, comprehendendo
a reforma da mobilin do pacp municipal, melhoramento
da ladeira de Joao Congo, limpeza das ras da cidade
e dos acudes de servido publica do municipio
18. Eventuaes........
Art. 47. Cmara Municipal de Aguas-Bellas :
g 1. Ordenado do secretario.....
| 2. dem do porteiro.......
g 3. dem do fiscal.......
4. l'orcenagem de 6 por cento ao procurador .
S r). dem de 10 por cento ao aferidor .
g 6. Jury e eleices.......
^ 7. Expediente e assignatura do Diario.
g 8. Agua e luz para a cadeia.....
9. Aluguel do acougue ......
10. Obras e melhoramentos municipaes, limpeza
e aceto das-ras e feiru.......
gil. Eventuaes........
| 12 Ordenado do administrador do Cemiterio
I 13. dem de um coveiro ...
2:640*000
140*000
50*000
7^045*000
600*000
80*00^
26O*0fl0
50*000
25*i00
30*000
25*000
70*000
80*000
100*000
600*000
160*000
*
52040*
40*000
2:6*0*000
500*00)
200'dKJO
100*000
200*000
400*000
*
150*000
2004000
650*000
180*000
1:3205000
100*000
4:000*000
150*000
30*000
150*000
*
*
20*000
40*000
24*000
24*000
100*000
10*00
180SO00
182*000
970*300
Art. 48. Cmara Municipal de Cabo :
| 1. Ordenado do secretario ..... 600*000
g 2. dem do administrado rdo Cemiterio 400*000
| 3. ItUun do n-rteico d*. Cmara .... lOOutft)
g 4. dem do fisc-il.....y 400*000
g 5. dem do porteiro e coveiro do Cemiterio. 3004(00
| 6. Porcentagem de 6 por cento ao procurador 280*000
| 7. dem de 18 por eento ao aferidor 100*000
| 8. Expediente eassignatara do Diario. 50*000 t
0 9. Jury, eleiloa e iuipreasao..... 100*000
10. Limpeza das ras...... 100*000
| 11. Custas judiciaes, sendo 1:124*500 ao escri-
vao Clanndo Henoeto Lins> incluida nesta qnantia a de
547*, de aceordo eom a le n. LaVt..... 1:400*000
12. Agua e luz para a Cadeia e 100*000
i 13. Conservacio do Cemiterio .... 100*000
i 14J Ubras municipaes...... 300*000
15. Eventuaes ....;... 10 *000
4:380*000
Art 49. Cmara Municipal de Palmares :
1. Ordenado do secretario 900*000
2. dem do advogado com obrigacao de defen-
der os presos pobres......e 300*000
S 3. dem do porteiro....... 200000
4. dem do fiscal da cidade..... 5004000
| 5. dem do fiscal, de Preguica..... 200f00i
t. dem do fiscal de Cateude .... 200*000
1 7. dem do fiscal de Jaqueira..... 150*000
| 8. dem do fiscal de Marayal..... 1504000
9. dem do fiaeal de Mutune..... 60*000
5 10. Porcentugem. ao aferidor..... *
II. Porcentagem ao procurador, 5 por cento. *
S 12. Expediente e assignatura do Diario. 1004000
g 13. Jury e eleices...... 100*000
g 14. Alugud da casa da cmara. 4804000
g 15. dem domatadouro...... 3004000
16. Agua e luz para a cadeia .... 150*000
17. Custas judiciaes....... 600*000
g 18. Obras municipaes, dando-se comeco a urna
casa do.mercidjem Preguicae Pal.nares.
19. Limpeza das ras ......
20. Eventuaes........
^
50. Cmara municipal de Jaboata :
Ordenado do secretario ....
dem do porteiro.....
dem do fiaeal ateridor ....
dem do servente do cemiterio.
Poreentagem de 6 "(gao procurador .
Expediente, jury e eleices .
Obras e un llioramentos.....
Custas judiciaes.....
Agua e luz para a cadeia
I. Eventuaes.......
. Ordenado do administrador do cemiterio
!. Ao escrivao do jury ....
Art 51. Cmara municipal de Garanhuns :
1. Ordenado do secretario ...
2; dem do porteiro......
3, I i-m do fiscal di eidado ....
4. dem do fiscal do Brejo.....
g 5. dem do fiscal de Palmeira ....
6. Agua e luz para a cadeia.....
g 7. Jury e eteicss.......
g 8. Expediente e assignatura do Diario
g 9. Poreentagem de 6 por cento ao procurador.
g 10 dem de 15 por ceuto ao aferidor.
11. Custas judiciaes, sendo 300* ao escrivao do
jury pelas custas que Ihe possa'n caber, sem direito a
reeramacao alguma.........
| 12. Obras e melhoramentos municipaes
5 13. Eventuaes....... .
, 52. Cmara municipal de S. Jos do Egypto
Ordenado do secretario.....
dem do porteiro......
, dem do fiscal da villa .
Porcentagem de 6 por cento ao procurador.
dem de 10 por ceuto ao aferidor.
Aluguel da casa da cadeia.....
Expediente e assignatura do Diario .
Jury, eleices e custas judiciaes .
Agua e luz pira a cadeia.....
). Obras e melhoramentos municipaes .
1. Eventuaes.......
53. Cmara municipal de Paneltas :
Ordenado do secretario.....
dem do porteiro......
dem do fiscal do 1 d-stricto.
dem do fiscal do 2* districto.
Prcentagem de 6 por cento ao procurador
dem de 15 por cento ao aferidor.
Expediente e assignatura do Diario. .
Custas judiciaes......
Limpesa das ras.....
I. Agua e ro para a cadeia
1:400*000
100*000
1004000
5:990*000
600*000
200*000
600*000
3 5*000
235*000
120*000
1504000
400*000
504000
160*000
4004000
300*000
3:880*000
200*000
804000
120*000
24OO0
25*000
40*001
55*000
50*0 0
*
*
400*000
200*000
20*000
J;215*000
260*000
40*000
" 40*000
*
*
60*000
50*000
120*000
30*000
300*000
20*000
910*000
240*000
04000
60*000
60*000
*
*
50*000
60*000
60*000
60*000
r____
8 11. Obras e melhoramentos municipaes. 526*000
12. Eventuaes........ 50*000
1:226*000
Art 54. Cmara municipal de Quipap :
1. Ordenado do secretario...... 250*000
2. dem de porteiro..... 50*000
3. dem do fiscal...... 50*000
4. Porcentagem de 6 por cento ao procurador. *
5. dem de 10 por ceuto ao aferidor. f
6. Custas judieiaes....... 60*000
7. Limpesa das ras......, 35*000
8. Aluguel da casa da cmara .... 200*000
9. lury e eleicea....... 30'OO
10. Expediente e assignatura do Diario 50*000
11. Obras munidpafta...... 200*000
12. Agua e luz para a cadeia..... 50*000
18. Ewnttaes........ 20*000
Art. 55. CettHrft riMwcipsif (Je Goyauna :
!1 Ordenado do secretario.....700*0000
2. dem do secretario aposentado.... 573*000
3. dem do porteiro....... 300*000
4. dem do advogado com obrigacao de defen-
der os presos pobres........ 300*000
| &. Ordenado do administrador do cemiterio da
dade........... 600*000
| 6. dem do administrador do cemiterio de
Goyanniaha.......... 200*000
| 7. dem do administi ador do mercado. 300*000
| 8. dem do administrador do matadouro 200*000
g 9. dem dos dous serventes do cemiterio da ci-
dade e um do de Qoyan ni u ha...... 650*000
S 10. dem do fiaeal da cidade..... 500*000
14. dem dos fiscaea de Tejucupapo, Pona de
Pi-dra, Nossa Senhora do O'. Goyanninha e Areiaa a
100*080........... 500*000
12. Aluguel do mercado da cidade. 336*008
| 13. Aluguel do mercado de Goyanninha 60*000
g 14. dem da casa do mercado em Nossa Senho-
15. Agua e luz paia a cadeia..... 200*000
16. Custas judiciaes.......' 5004000
17. Jury e eleicao..... 150*o00
g 18. Espediente.e assignatura do Diario. 1004000
19 Limpeza e aeceio das ras e paco munici-
P8lS OAAu- .....mf | 20 Obra municipaes.....2:157*856
g 21 Porcentagem de 6 0/o so procurador- *
g 22 Porcentagem de 10 0/0 ao aferidor *
g 23 Eventuaes...... 100*000
g 24. Dividas passivas: sendo 393*351 a Manoel
Joaquim Carneiro de Albuquerque e 373* a Antonio
Ferreira Aguiat*....... 966*351
9:924*500
Art 56. Cmara Municipal de S. Dente :
1. Ordenado do Secretario. w 400*000
2. dem do norteo..... 8.000
g 3. dem do fiscal da villa .... 100*000
g 4. I iem do fiscal deCanhotinbo 50*000
g 5. dem do fiseal de Jupy .... 40^000
| 6. dem do fiscal do Calcado. 400*00
7. dem do fiscal de Cachoeirinha. 404000
g 8. dem do administrador do cemiterio da villa. 60*000
9. dem de um coveiro..... 30*000'
10. dem do administrador do cemiterio de Ca-
nhntinho........ 30*000
11. Porcentagem de 6 0/o ao procurador. 150*000
8 12. dem ao auxiliar do procurador encarregado
especialmente da cobranca da divida activa 100*000
g 13. Expediente e assignatura do Diario. 68*000
14. Agua e lus pira a cadeia. 805000
g 15. Jury, eleices e alistamento militar. 50*000
g 16. Despezas e custas judiciaes v 20*000
jj 17. Aluguel do paco da cmara 180*000
g 18. Limpeza das ras..... 50*000
g 19. Obras municipaes, tendo preferencia o muro
do acude municipal e concert do mesmo. 800*000
20. Eventuaes...... 100*000
g 31. Poreantagem de 15 0/o ao aferidor. 30*000
2:670*000
TITULO U
EECK1TA
Art 57. Para occorrer as despezas decretadas fieam as cama-
ras municipaej autorisada8 a arrecadar no exercicio de 1886 a 1887
os impostos especificados nos seguintes paragraphos:
g 1. Aluguel dos predios municipaes.
g 2. Foros e ladennos de terrenos municipaes.
g 3. Aferico de pesos e medidas.
g 4. Rendimentos dos mercados pblicos.
5. dem doa cemiterius pblicos.
g 6. dem dos matadouros e logradoures pblicos.
g 7. Multas, segundo o cdigo criminal, por infraccao de pos-
turas e mai8 leis em vigor.
8. dem por falta de cumprneuto de.contractos municipaes.
g 9. Quebramento de finanzas.
I 10 Emolumentos municipaes.
gil Investiduras de terrenos.
| 12 Custas.
13 Dez por cento por indevida detencao das rendas umnici-
iaes, ficando dispensados das multas os devedores por impostos, re-
erentes aos ejercicios anteriores que pagarem sena dbitos dentro
do 1 semestre de 1886 a 1887.
14 Dous mil e quinhentos ris sobre depsitos.
15 Multa de dez por cento sobre os vencimentos dos empre-
gados municipaes que faltarem ao cumpnmento de seus deveres.
16 Legados pios nao cumpridos.
g 17 R-ceita eventual.
g 18 Divida activa.
8 19 Saldo dos exercicios anteriores.
20 Quinhentos ris por cabeei de gado vaceum, 200 ris por
guio, ove.hum e cabrum talhados nos acougues pblicos ou particu-
lares, pagando o dobro os que nao tendo acougue abaterem para re-
talhar por sua conta ou para arroubar (vender a terceiros para es-
tes realhap'in;.
21 Trezentos ris pagos no matadouro da Cabauga, de cada
rez que for all abatida, alm das taxas dos 6 o 20, com applica-
io exclusiva ao resgate das apolices mnnicipaes.
g 22 Dizimo do gado suino, cabrum e ovelhum.
23. T>. xas sobie passagens de rios nao excedendo de 40 ris
por pessoa e 80 ris por animal vaceum, cavallar ou muar.
g 24 Pedagio das pontes e estradas que constituirem casta
de suas rendas, c m as mesinas taxas do paragrapho anterior e mais
80 ris Dor carro de duas rodas e 120 ris pelos de 4 rodad.
25. Licencas para abrir ou continuar a ter aberto qualquer
casa de negocio, salvas as excepecs da presente le, por grosso ou a
retalho, de g.;neros nacionaes ou estrangeiros, de compra ou venda,
no municipio do Recife : 2 por cento sobre o valor locativo do pre-
dio urbano ou parte delle em que estiver estacelecido, comprehendi-
do no lancamento da decima urbana : 5*00') uos lugares nao com-
prehendidos na decima e as de mais cidades e villas: 3*000 nos
suourbiose dovoayes.
1. Q lando o pradio for pertencente ao dono do estabeleeimento
servir, de base para a cobranca do imposto o Uncamento da decioia.
2. Os arrunzeos alfandegaios, armazens de recolher ou dep sitos
de mercadorias e eseriptonos de commisses de gneros nacionaes
ou estrangeirot, pagaro na mesma proporco.
3. Os bancos, aa casas bancariaa ou filiaes, agencias ou compan-
hias martimas, commerciaes ou industriaes, agencias devupires,
companhias de seguro de qualquer especie e as casas de vender bi-
lhetes de loteras, pagarSo 5 por cento.
4. Os estabelecimentoo que j existiam ao tempo da prohibicao
das posturas municipaes e ee t"m conservado depois da mesma pro-
hibicao fiagirao o dubro destas taxas.
b. Nada pagaro as pequeas quitandas collocadas as janellaa
das casas, as stradas.
6. Nao se coraprehendem as disposices deste g os escriptorios
de mdicos, advogirdos, solieitadcres, dentistas ou quaesquer que
nao- sao pr .pilamente de compra, venda ou commissao.
g 26 Vinte- e cinco mil ris alm da taxa do g anterior, por casa
de neg Jo as freguezias da cidade do Recite, que vender bebidas
espirituosas e 12* as demais freguezias do municipio dj Recife e
nos outros municipios.
g 27 Tr. zonios mil res sobre fabrica de fogo de artificio ou in-
dividuo que fabricar no municipio do Recite, pagando-se metade
deste imp-.rto nos demais municipios.
28 Licenca para vender plvora ou qualquer outra materia
inflammavel, em lugares determinados pelas posturas; 20* alm da
taxa do 25, as freguezias da cidade do municipio do Recite e 10*
as povoaces do mesmo e nos outros municipios.
29. dem para ter deposito de plvora nos lugares que a C-
mara permit ir, 30* no municipio do Rreie, 10* as demais cidades
c villas.
30. Vinte mil ris alm da taxa do '-5, por casa de negocio
para vender por atacado ou a retalho fogos artificiaos nacionaes au
estrangeiros, as fceguezias da cidade de Recife, e 10* as demais
cidades e villas.
31. Quinze mil ris para soltar fogo de vista e 5* para soltar
fog do ar, as freguezias da cidade do municipio do Recife, e me-
tade nos outros lugares e as cidades e viMss dos outros manici.
pies, pagando o dobro os que o fizerem sem licenca.
g 32 L cenca para rancho 1< >*, alm das taxas dos g 25 e 26
as freguezia da cidade do Recife, nos lugares que a Cmara per-
mittir; 5*, livre somonte da taxa do 23, nos outros lugares do mu-
nicipio compr. hendidos no lanamente da decima, e as cidades dos
demais municipios e 2*500 nos suburbios.
33. Lieen<;a para ter garapeiras, alm das tasadas dos 2>
e 2*, 10* nos lugares permittidos pela Cmara, fra do permetro da
cidade, nao exceptuadas mesmo as estabelecidas as casas de ran-
che, coraprebendidas na disposicao do g anterior, e 5* dentro das
cidades, villas e povoacoes dos demais municipios, alm do imposto
do anterior.
As garapeiras que dentro do 1.* semestre de 1886 a 1887 oo
foram retiradas do Chora-Menino, Passagem da Magdalena, e ra
Imperial, pagarlo o imposto de 200*, e as que forem estabelecidas
as proximidades da estrada de ferro de Jaboato, pagaro metade
da taxa deste .
34. Lteeaca para abrir ou continuar a ter berta quitanda
Eira vender doces, fructas e loueas de barro, 4* no municipio da
ecife e 2* naa povoaeoe e cidades dos demais municipio, livre
da taxa do 8 25.


Diario de Panunrtmw---Quinta-feira 16 de Setemb
{ 85. 120 rs por carga de faritn e qualquer producto posto
a venda ms mercadas pblicos ou feras, deveodo a (Jamara forne-
cer as medidas: pagando metade os pequeos volumes.
S 36. 500 rs. por earga de agurdente, 20 rs. por carga de
carne secea, bacalho outros peixes txpostos a venda oes mercados
efeiras, pagando raetada quaudo os gneros forem em menor quan-
tid.de que urna carga e tambem quaudo nao houver casa de merca-
do, barracao ou telheiro em que sejam recoibidos os gneros.
37. 50*, almda taxa do 26, livre da taxa do 25, por
barracao de vender gneros de qualquer especie, establecido 4
mareem das estradas de ferro em coiistruccao. ..... ..
s 38. Lict-nea para edificar ou reedificar, tendo havido demol-
cao completa, alm do imposto de armamento, quaudo seja preciso
cordeacao. 10 rs. por metro quadrado da rea oceupada, a raslo de
cada pavimento, as fogualas da cidade no municipio do Kecife ;
50 rs nos outros lugares dp meamo municipio e as edades e villas
dos demais mun.cipios, e 10 rs. as povoacoes dos demais munici-
pios, livrts do imposto de audaime, exceptuadas aa casas que se edi-
ticarem em terreuios alagados. /
I 30. 20J por casa de negocio de vender molhado, no municipio
do Kccite' que conservar rotulas em qualquer de suas portas.
As casas qu preheuuiaas as disposicocs do & 38.
40 Liceuca para substituirlo de hnhas e travs as cobertas
das 8caaas, 6 as treguezias da cidade do municipio do Becife, 3f
nos cutres lugares do municipio e as cidades e villas dos demais
municipios e 1 as povoacoes.
S 41. dem para faxer cormja, parapeito, rebocos exterioi no
predio ou internar as aguas, U as freguesas da cidade no munici-
pio doccile, 2* nos outros lugares do mesmo muuicipio e naa cida-
des e villa dos outros municipios e 1* as povoacoes.
i. Licenca para rasgar, tapar ou mudar veranda, porta ou
ianeiia no exterior do predio, 3 as freguexias da cidade do moni-
cipio do ftecift e 25 nos ouuos lugares de mesmo municipio e uas
cidades o villas dos demais municipios.
S 43. Iieui para mudar ou collocar soleua degraos, verga e
banaeira ue cada porta e jauella exterior, 2 as tregueaias d* w-
dado no municipio do .Recite.
44. laem para cuns.ruir muro, alm do imposto de armamento,
quaudo aej precisa cordeacao, 50 rs. por metro correte as fregue-
xias da cidade do municipio do Kecife, e 20 rs. nos outros lugares e
villas e povuac'es, pagando as cercas apenas O imposto do arma-
mento.
4j. Tresentos rs. por u_itro corrente de armamento, quando
& cmara teuiia de dar cordeacao as freguexias da cidade no muni-
cipio u lecire 5 200 rs. nos outros lugares do municipio e as cida-
des e vilias aod deuiais municipios, 100 rs. as demais povoacoes.
4li. Liceuca para os particulares fazerem eeava9ea as ras
das treguesiM da ciuade no municipio do Becife, para canalisar
agua ou g .z. 4 ; uevcudo repr a ra no seu amigo estado, sob
pena ue pagareui a multa de -U.
47. dem para qualquer obra ou concert nao especificado nos
paragraphoo anteriores, 3 uas treguezias da cidade do municipio do
Beeite, 2 nos outros lugares do niuuicipio e uas cidades e villas dos
outros municipios.
18. Cem mil ris por casa de sobrado que conservar varanda
ou Boceada de maaeira uas freguexias da cidade do municipio do
Beetf.
19. Viute mil ris por casa de sobrado cujos quintaes dei-
tetn para outias ras, beccos, travessaa, pateos, praCas e largos, e
nao eslejain murados na altura do pavimento terreo, e lu por ca-
sas terreas uas nesnus coudiys, uas fteguezias da cidade do mu-
nicipio do liecile.
50. lOoz mil ris por casas as ras j calcadas, as fregue-
xias da Cidade do muuicipio do Becile, e que uo uveiem ospasseos
corrcbpouueutcs fetos uo mesmo aliutiameuto dos que j tiverem
sido execuUdos de culormidade com as posturas miuiicipaes.
01. Quiuuentos ris poi metro corrente de terreno nao mu-
rado uas iicguczias da cidade no municipio do .Recite, coinpreneu-
denuo os terrenos alagados.
62. iuiueutos mil ris por cada casa que se edificar ou
reedincor, liaVeudo demoiico completa, contra as posturas uiunici-
paes, uas lieguezias da ciuado uo muuicipio do Recite, uiuito embora
a duiara uao teuba podido obngar judicialmente a su deinul.cuj
2u nos oairos lugares do muuicipio e uas cidades e villas dos de-
mais muu^eipios.
g 53. Liceuca para armar coretos, finar postes, para arcos ou
embauacii'aineutos para lestas, emeiuaiitu estas durarcn, cumpridas
depois aa clausulas das pasturas, ) uas treguezias da cidade do
muuiopio do Recit r. 2 uos outros lugares uo u.siuu muuicipio e
naa eiiados u villas dos ueuiais municipios.
g 54. dem para aunar barracas, em lempo de festa, emquauto
esta uuiai-, .)*> uas freguezias da cidade ao municipio do Recite, e
2|i uos ouuos lugares do mesmo inumcipio e as cidades e villas dos
demais uiuuicipios; pigaudo alm disso o imposto do a6, quando
vender-in bebidas espirituosas.
jo. dem para ai mar circo ou pavilho na cidade do Recite,
500, alm dos impostos uo g 67, e 10O uas outras cidades e vilias.
56. 1 em para montar e ter guiudaste nos caes de qualquer
freguez... da cidade do liedle, uos lugares que a cmara p.rmitur,
lOaUOU.
g 57. dem para armar barracas e quitandas, 8 as freguezias
da ciaudc uo municipio do Recite, e 100 lis por te.ia nos outros
lugares, cidades e villas, uelorminaudo a cmara os mgaies e appro-
vando os modelos, nao piejujicaudo a empresa de kiuseiue-s.
g 58. dem para collocar tablelas ou inscripces (uao compre-
hendidas as pequeas iudicacoes escripias ucs purtaesj, i) as ire-
guezias do muuicipio ao Rccife, 3 nos outrus lugares, cidades e
villas.
b9. dem para construir e conservar sobre agua, ponte ou
trapiche de embarque ou desembarque de gneros ou passageiros nos
lugares que a cmara perinittir, 10 aas freguexias da ci .aCe no
muuieipi j dj Recife, e uos outros lugares, cidades e villas.
60. dem para ter estaleiro, 6/ as treguezias da cidade do
inuuicipio do Recite e .' uas outras cidades.
j 61. dem para tur casa de bauhos pblicos, 10/ as fregue-
zias d ciuade do municipio do Recife e 3 uas demais cidades.
62. dem para usar armas defesas, obtida igualmente licenca
da polica, ^US, multados uo dobro dos contraventores, alm das pe-
nas em que iucorrerem.
g 63. Ideo? para ter casa de jogos nao prohibidos, 20 na ci-
dade do Recife e 10 as outras cidades, isentos d'este imposto
apenas os buhares dos estabelecimsutos que j pagarem a taxa do
26.
g 64. dem para ter casa de penheres, cumpridas as pre-
scripv0es do decreto n. 2,662 de 14 de Noveinbro de 1864, 500/ na
Ciuade do Recife e 200/ u.s demais cidades.
g 65. dem para ter oUria, 10/ as freguexias da cidade do
ecite e 5/ nos outros lugares, villas e cidades.
g 66. dem para ter estribara de cavados de trato ou de ala-
gue!, de vaccas ou bois, ou quaesquer outros estabelecimentos d'esse
genero, 30/ as freguezias da cidade no municipio do Recife, e 15/
noe outros lugares villas e cidades.
67. Iuem para ter theatrinho, exposifao de vistas, tivolj ou
qualquer divertimento publico, com entiada paga, 20/ as tregue-
zias da cidade do Recite, 5/ uos ootros lugares do menino municipio
e uas deinaiB cidades e villas; pagando por cada espectculo, 6/ no
municipio do Recife e 2/ uas outras cidades e villas, exceptuados
os espectculos de beneficencia ou em favor de libertacao de es-
cravos.
68. 5/ por carro ou carroca de aluguel para transporte de
carga ou passageiros, sendo de duas rodas e tendo molas; 10/ ae nao
tiver in las, 10/ sendo de quatro rodas e tendo molas e 15/ se nao
tiver molas.
1 Fieam isentos d'< staa taxa os carros ou carrocaa que con-
duxirem productos da lavoura e os canos fnebres, que pagaro os
preces da tabella approvaua pelo att. 20 do regulameuto de 20 de
Agosto de 1879.
2* Ficam tambem isentos d'estas taxas os carros dos mdicos,
cirurg oes e parteiras.
g 6H. 300 ris em urna s vez por carimbo e nameraco de veh-
culos o embarcafes de passagenros ou cargas sujcias ao im-
posto.
70. 240 ris por tai rafa applicada 12 horas em peseanas
nos acudes muaicipaet, quando a (Jaiaara consentir, pagando a multa
de 20/ os que o fizerem sem licenva.
g 71. 5/por cada viveiro de aprobar peixe.
72 5/ por ca currml de apanhar peixe.
g 73. 5/ por foruo defaser cal.
g 74. 5o ris pr m tro corrente de baixa de capim as fre-
gnezias da cidade do municipio do Reeife, exceptuadas as plantas
que nao ti rem para negocio.
g 75. 20/ por maehiua a vap.r empregada em qualquer mister
as freguezias da cidaie uo municipio do ifc-cire. ^
g 76. 40 ris por mrtre de rede de costa ou p-sca.
g 77. 40 ris por cada p de coqueiro fruelifero, exceptuados
20 pe* para o propia taro.
^ 78. 100/ por maseate de faxeodas, miudexas e objectos de
tolha ou cobre uo muoicipiu do Recife, excapco da treguezia de H.
Loureiic* da Matta e 5/ u'eata freguexia e nos outros municipios
gondo nacional pagar 1UJ.
9. 500i por mscate de ouro, prata e pedras preciosas no
municipio ao Recife ; s udo nacional pagar 50$.
80. 3/ por amolador, eugraXador, gauhador, h ilieiro, coa-
ductor de marmotas, r.al jes e ou'.rus abjectoa ds divertimcntos pu-
hliexs, vendedores de figuras ds geaao, nonecas, estampas, phos-
pborus, quiuquilbariai ou qualquer industria que se excrca as ras
da cidade do Becife e seus suurbius,
81. 6/ por capatax, 4/,por talhador ou magarefe, s podendo
ser pesaos livre.
82. 10/ por vendedor de bilhetes de lotera, exceptuadas as
mulber< s e crianvas.
83. 3 / dea eatpregadM-mcmteipaes e aposentados que per-
MlMteio vencimentos ate 1:001*. 3 1/2 /0 <* l"OVa. 1:500/, 4/,
da l:at)0/,.a2^00/, 4.1/ ./..d. fcOUO* a2:500/, 5 /. o 2:5**
3:00J/, e a'ahi por diauw auis um por cento em Ittgpr de bbsso n*
ma conforsaidade.
Dispongo" geraei
Art. 58. Continuam em vigor os arta. 92 da le n. 1,607 de 1881
e 96 da iei n. 1,221parte 1, 57 d t le V. 1,717 e 63, 56, 56, 57,
58, 61, e 62 da lei n. 1,791 e n; 27 da U n. 1,834.
Art. 59. 0 producto do imposto establecido no n. 83 do art.
67 na parte relativa Cmara do Recife, ter applicacio exclusiva
ao pagamento das letras da compra do sitio Cacte a as demais Ga-
maias ao pagamento de dividas passivas e obras.
Art. 60. Ficim em vigor os arts. 1, 8, 14, 15, 19, 21, 26, 29 e
30 do Cap. IV da l.i n. 1,834, e art. 16 do Cap. III da lei n. 1,862.
Art. 61. 0 rendimento liquido do mercado de S. Jos ser arre-
cadado em caixa especial e exclusivamente appheado to pagamento
da divida coatrahida pela Cmara Municipal do Recife com o Banco
do Brasil, nao podendo em caso algum esse rendimento ser applicado
a outro servico ou desposa.
Para dito fiu a Cmara recolher mensaluwnte quelle Banco,
ou sua agencia nesta cidade o rendimeuto que fr arrecadado.
Art 62. Nao serio preenchidos quando vagarem, nn Cmara
Municipal do Reeife, tres lugares de guardas, um de amanuense da
Contadura ou Secretaria, outro de lancador e ainda qualquer uto
dos lugares da repartico da afericlo.
Art. 63. Ficam approvalas as contas de 18841885 das Cima-
ras de Itamb, Olinda, Timbaba, Qoyanna, Victoria, Escada, Be-
xerros, Brejo, Caruar, Gravat, Ipojuca, Munbeca, Serinhem, L-
moelro, Boa-Vista, Petrolina, Salguoiro, Ouricury, Tacarat, Leo-
poldina, Villa-Bella, Alaga de Baixo, Triumpbo, Vertentea, Buique,
Villa da Pedra, Bom Conselho, Espirita Santo, Nazarelh, Barreiros,
Rio Pormoso, Gamelleira, Bonito, Correntes, Ex, Agua Preta, Igua-
rass, Cimbres, Bom Jardim, Cabo, Aguas-Bellas, Palmares, Cabro-
b, r-auellas, Jaboato, Quipap, Garanbuns, S. Jos do E0'ypto,
Gloria do Goit, S. Bento, Recife, Floresta, Afogados de Ingaxeira,
Flores e Granito. .
Art. 64. Fica a Cmara Municipal de Caruau autorisada a con-
ceder a Manoel N. Florencio de Vasconcellos, arrematante de impos-
tos municipaes, o abate da 4a parte do valor da arremataco por
elle feita.
Art. 65. Fica extincto o debito de Jos Ignacio de Figueiredo
para com a Cmara Municipal de Limoeiro na importancia de
177/500, relativo ao exercicio de 18771878.
Art. 66. Fica a Cmara Municipal de Buique autonsada a coa-
ceder h Joaquim Bexerra Torres, srrematante do impostes, o abate
de 300/000 do valor da arremataco por elle feita.
Art. 67. Fica a Cmara Municipal de sennhaem autonsada a
pagar de preferencia o que est a dever ao escrivao Eustaquio
Walcace. ,
Art. 68. Fica a Cmara Municipal do Brejo autor^sada a conce-
der a Jos Alves de Azevedo o abate de 50 por cento do valor da
arremataco pr elle feita no exercicio passado.
Art. 69. Ficam as Cmaras Municipaes autorisadaa a pagar de
custas, preferencialmente: a do Recife, o que estiver a dever aos
escrives Autonio de Burgos Ponce de" Lion, Jos Mana Ferreira
Franca e a Jos Francisco Telha; a quantia de 399/500 a Joaquim
da Silva Carvalho, e a quantia de 267/260 a Jos Joaquim Das do
Reg Jnior; a da Escada, o que estiver a devr a Antonio Joa-
quim Machado; a de Limoeiro, a quantia de 108/000 ao Dr. Anto-
nio Tnomaz de Luna Freir: as de Gravat e Bezerros, o qae esti-
ver a dever ao Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello; a de Sen-
nhem, o que estiver a dever ao oficial de justica Tertuliano Fejo
de Mello, e a de Panellas, o que estiver a dever a Joo Pamphilino
Cavaleante.
Art. 70. A Cmara Municipal do Recife pagar no corrente
exercicio a quantia de 85^000, que deve ao Dr. Msnoel da Silva
Reg; a da Encada aos escrives Antonio i.arlos de Almeidae Hi-
lario Urbano da Silva e a de Rio Formozo a Jos Ignacio dos San-
tes, de custas que estao a dever.
Art. 71 Ficam as Cmaras Munieipacs auterisadas a pagar de
custas : a do Reeife, o que est a dever a Jos Joaquim Pereira de
Oliveira, idem ao Dr. Adelino Antonio de Luua Freir e 420/ ao
Dr. Luiz Rodrigues Ferreira de Menezes Vasconcellos de Drum-
mond; a do Espirito Santo o que estiver a dever a M noel Olavo
do Reg Barres e ao Dr. Joaquim Francisco de Arruda ; a da Glo-
ria de Goit, dem ao mesmo r. Arruda; a de Bom Jardim,......
351/530 ao eacrivo Garios Ferreira da Silva, e o que estiver a
dever a Jos Francisco de Souza Iteramineuse ; a de Timbaba,
idem aos Drs. Joaquim Francisco de Arruda e Julio Augusto de
Luna Freir e ao solicitador Francisco Leovigildo de Albuquerque
Marauho ; a da Victoria, idem a Jos Mana de Oliveira, Fran-
cisco Jos de Magalhaes, Antonio de Mello Vercosa, Luiz Cordeiro
Benevidea e Pedro Ftrro de Albuquerque ; a de Goyanua, idem
ao solicitador Francisco Leovigildo de Albuquerque Maranhao ;
a de Bezerros, idem ao eacrivo Jos Marinuo de Huilanda Falco ;
a de Barreiros, 3*0/000 ao escrivao Flix Macedo da (Junha
Franca; a do Rio Formozo, o que estiver a dever ao escrivao Mi-
guel Zeferino de Azevedo ; a do Bouito, o que dever aos escrives
lienuino Eustnquio Gomes e Sergii Clementiuo de Souto Maior e
Albuquerque; a do Limoeiro, idem ao udkiai de justica Tnomaz
Pires Ferreira ; e a de Caruar, idem ao advogado Juvencio Ta-
ciano Marix, aos escrives Francisco de faula Bezerra Cavaleaute
e Antonio Rodrigues Brasileiro Carvalhaes e ao r. Eitevo Car-
neiro Cavaicante de Albuquerque Licerda.
Art. 72. Ficam autorisadaa a pagar as cmaras municipaes :
de Gamelleira, o que estiver a dever a Francisco Mauoel, levando
em conta o que tein a haver do.meomo; a de Jaboawo, idem ao
teneute corouol Jeronymo de Souza Leo, de alugueis da casa que
servio de pa$o municipal ; a de Panel.as o que estiver a dever ao ca-
pitao Jos Matneus de Oliveira Gu maraes ; a de (uipao, dem a
Honorio Hermeto Gon$alvea de Oliveira, ea o.e Fioics, dem a Lau-
nudo Marques de Souza, de suateuto de presos pobres.
Art. 73. Fiea autonsada a Jamara Muuicipal do Recite a res-
tituir de Oiinda a importaucia de toros que inJevidameute
recebeu de terrenos e foros pertencentes a esta muuicipalidade.
Art. 74. Fica o presidente da provincia autorisado a aposentar,
com o ordenado correspondente ae tempo de servido que tein o guar-
da municipal Joo Puta Vires.
Art. 75. Fica approvado o contracto celebrado peia Cmara
Municipal do Recife, effectuado em virtude de autoriaacao dada no
art. 74 ua lei n. 1515 e mandado vigorar no exercicio da le de a8
de Juiho de 18c4.
Art. 76. Fica approvado o contracto celebrado pela Cmara
Municipal de S. Beuto, com Joo Jos Ferreira, pura Coustrucco de
urna casa de mercado uaquelia villa.
Art 77. Fica a Cmara Municipal do Recife autorisada a
pagar a Pe una, VlotU & O a importancia que aujigaVel ou judicial-
mente for liquidada, em vista da deciso do rriuuual da Rea ,o na
questo relativa ao contracto de limpeza publica,
Art. 78. Ficam as cmaras municipaes das cidadeS de Naza-
reth o Bom Jardim autonsada a couiractar, com quein meihsres
vaulageus olirecer, a c as trueca o de urna casa de mercado ein
cada urna das referidas cidades, mediante as Segdiules coudi-
(5cb :
g 1* O custo de cada edificio nao ser iuterior a 10:000/.
g 2 Ao contrtame pertencerao dous tercos de toaos os im-
postos cobrados nos mesm.s mercados pelo totopo mximo de 15
anuos, quaudo entregar ao edificio, com ludouiuisaeo uuuca supe-
rior a metade do valor do edificio e em peileito estado ae couer-
vafo.
Art 79. Ficam autorisadaa a conceder abates as Cmaras Mu-
nicipaes : de Naxarelh, a Mauoel Gomes dos Santos, da quarta
parle do valor da arreuiaiaciu por elle feita; de Ver.,eutea, a Joa-
qun* Julio de Azevedo e Joao Praucisco da oliva uas mesmas con-
dicoes; de Ounores, a fedro .lartyr de Pontea, Alexaudie Gomes
de Araujo Fraaao e Autouio Manuel Bezerra Cavaleaute, dem ; de
Beaerros, a Mauoel Bezerra CaValcante, o da quiuta pane sobre a
importancia da arremataco por elie teita uo exeiciciu de 1884 a
1880 ; de liarreiros, a feudo ae Barros WaUderle-y, uoa termos da
iutoiaaco aa mesma Cmara; de Caruar, a Fauciaco Rodr'gocs
Sobral Campos, de 00 por ceuta da arremataco de nnpostos da fre-
guexia ae S. Oael no ; da Villa da f edra, ao arreui it..ute dos lu>-
postos no exercicio de 1885 a 1886, da quantia de 5u/juo, e da Pe-
dra do tiuique, a Lee-nardo liezerra Le.te CaValcante, da ter^a par-
te do valor ua aireuiataijo por ene feita.
Art. 80. Por morie do actual zelador do sitio do Calote a C a-
mara Muuicipai do Recife arrendara dito sitio e em guante o nao
fizer ncra a nsualis.yo do m sino a cargo do fiscal de Atogadss.
Art. "1. 1/ servico da limpeza da cidade do Reeife poder
ser feto por meto de arremataco e nunca por adiniui,iraca >.
Aii. 8. O pagameuto aos escrives do juiy que peiceberem
ordenado tixo, sera i lio em quotas mensaes. lavrau i .-se na secre-
taria das binaras, leruta em que os m-sinos fuucciouaiios deoUreas
rcuuuciar iiuaiejuer luiciunieaco pjr aecresuimu de cusas.
Act> 83. afola probiOldo abrir os estabe I-cimento* inercantis ou
casas d negocios nos uomiugos e das santifieadoa.
g 1. Nao se comprebende nesta probib>c*-:
I. As vasas de m- rcado, de barbeiro, cabelieiro, c iUgP, BOB-
pedariaa, cata, Ubacanaa, buhar, s, pliariuacas a pa II. A i^v ius, q III. As casas d.- uegocios de fjra da ciuade do R eif as iiuaes
poueao eBtar ai, [Ua nl.ag 2 hjras d* tarde.
IV- Os estabeieci ucutos m-reantis ou casas d neg icios sita,
das eu. cioades, villas e povosoeeem que houver feima uos referi-
dos dio8.
S I- Os in'ractores da presente lei ficam suj-itos multa de
30/ c o dobro ua reiuuidencia.
Art. 84. Fieam revogadas as disposicO-s em coulrario.
Maodu, poriaiito, a todas as autoridades, a qu m o ouheciin u
to eeiecuc>o da p'eseuie resoluco pertencer, qu a cumprasae fa-
Cam euujprir l / lutnramente como nella se couteui
0 secretario da presidencia desta provincia a fu;-1 imprimir,
publicar e curr. r.
Paiacij da presidencia de P>rnn.mbueo, lOdeSetembro de 188b,
66- da inoS pendencia a do imperio.
L. S. IasACio JoiejoiM ob Souza LnSo.
Mulada e publieada a preseute rrso uyio o iu m-cretsrn da
presidsosia dPeruambaeo, ao* 10 de otembro de 1886.
O t+civtario,
PUm 9rmeim4kt*i*t(MHm
DE
1>EPACH08 DA. PBE8IDKNCIA DO DA
SETBMBBO DE 1886
Companhia The Great Westania of Bra-
sil BaUw Company Limited.Remettido
ao Sr. inspector iaterino da Theaonraria
de Fazend, para mandar faar o pagamen-
to pedido, nao havendo inconveniente.
Baeharel Duarte Estevao de Oliveira.
Em tempo s.)r attendido.
Gerente do London Brasilian BaDck Li-
mited.Deferido com o officio de hoje ao
Thesouro Provincial.
Izidoro Marinho Cezar.Informe o Sr.
inspector do Thesouro Provincial.
Joo Antonio de Oliveira e Miguel da
Silva Pellico.Passe portara- e a respec-
tiva carta de naturalisaco.
NapoleSo Marques Galvao.Informe o
Sr. commandante superior da guarda na-
cional da comarca de Panellas.
Fr. Pedro da Purificaco Paea e Paiva.
Enearainhe ae, devendo ser pago na re-
particao dos correios o porte respectivo.
Rufina Demetria de Souza.Remettido
a junta medica provincial, a quem a sup
plicante se apresentar para ser inspeccio
nada.
Viscoude de Tabatioga.Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 15 de de Setembro 1886.
O ajudante do porteiro,
Antonio F. da Sveira Carvalho.
Repartico da Polica
Seosao 2." N. 899. Secretara da Poli-
ca de Pernambuco, 15 de Setembro de 1886
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exo.
que foram hontem recoibidos Casa de
Uetenco os seguintea individuos:
A' ordem do subdelegado do Recife,
John Hustand, requis9o do cnsul ia-
glez.
A' ordem do de Santo Antonio, Mara
Francisca da ConceicSo, por offensas
moral publica ; Antonio Gomes Pereira
Guerra e Jos Pedro de Oliveira, por dis-
turbios.
A' ordem do do 2o districto de S. Jos,
Leonel M;> acareabas do Nascimento, An-
tonio Pedro Martina e Joao Jes de Sant'
Anna, por disturbios, ficando o primeiro
d8posico do Dr. delegado do 1 dis-
tricto da capital.
Por se achar pronunciado no termo de
Agua Preta, nos arts 205 e 210 do God.
Crim., foi capturado no dia 13 do corren-
to, pelo delegado de Palmares, o indivi-
duo de nome Jos Felippe Santiago, co-
nhecdo por Jo-. Velloso.
No dia 29 do mez fiado e no termo da
Gloria de Goit, o individuo de nome
Luiz Alves e seu filho Manoel Alves tra-
varam-se de razSes com Clara Mara de
Jess e a feriram levemente na cabeca.
Contra os delinquentes, que se evadi-
rn), procedeu-se nos termos da lei.
Em data de 13 do corrente, assumio o
exercicio da subdelegada do districto da
Varzea, na quahdade de 2o supplente, o
cidadao Maaoel Olyrapio Ferreira.
Tambem em data de 11 assumiram o
exercicio das delegacias do 1" districto da
Escada e do termo de Agua Preta, oa rea-
pectivo8 3o supplentos Ziferino de Figuei-
r-do e Mello e 01ynpo Firmino Teixeira
Cavaleaute.
, Deua guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leo,
muito digno vioe-presidente da provincia.
O chefe de polLiia, Antonio Domingos
Pinto.
Noticias do Sul
Os vapores inglez Mondego, e nacional
Mrquez de Caxias, chegados bontem dos
portos do sul, foram portadores das seguin-
tes noticias, alm das que publicamos sob a
rubrica Interior:
Bepablicasj do Prata
Folhas de Santiago e Valparaizo at 20
do mez passado, Bueuos-Ayres 2 e Monte-
video 4 de Setembro.
' Os diarios chilenos nada de importancia
adiantam s ultimas noticias que recebemos
das repblicas do Pacifico.
A cmara dos Heputaios ao congresso
nacional da Repblica Argentina, por es-
crutinio nominal, elegeu o deputado Juan
E. Ser para substituir o presidente da re-
publica, no caso de faltar o chefe do poder
executivo.
La Tribuna Nacional desminti as noti-
ciis de desavencas entre o Dr. Miguel
Jurez Colman, futuro presidente da re-
publica, e o general Roca, que o diarios
da opposicSo annunciavam.
P..recia certo qm, deixando a presiden-
cia, o general Rooa ser reconhecido como
chele do artido nacional.
Progredia a melhora do estado do gene-
ral Santos. No dia Io do corrente assig-
nou elle varios despachos.
us ai redores da cidade de Montevideo
gr-asava a varila.
Mina terae
Datas at 9 de Setembro.
Relativamente aleicSo senatorial era
este o resultado, cunhecido de 4'2- paro-
chias :
Dr. Cosario Alvim 8.574
Conselheiro Carlos Afonso 8215
Coiiselh riro Candido de Oliveira 7.9S0
Coiu'iieuiiador Manoel J. Soares 7.-120
Dr Evaristo fia V-iga 6.858
Baraa de L"op.>ldina 6.338
Dr. Agostuiho J F. Brutas 4.446
Dr. J.is Calmon 2 575
Faltaui os resultados de 24 parochiae.
O Montor tul Mineiro refere o se-
gumt- :
Na fregu zia de S.inta R t* do Sipu
cahj Ueu-ae uo da 27 de Ag >sto passado
um rime horroroso, que s pela loucura
pdf S'-r espite ido
t Urna hb ;rdva lo Sr. Placido Nogueira,
de noiue Beatriz, as-assinou at-u tilho, par
uinno de 4 para o atinos de ida le, com
um machado que -n nDtrou no terreiro,
oude ode..gryi in onneava com os rillios
de Placido, daodo-lln tres medonbas toa-
bailadas que e i igilh.ram a cabec i a
innocente vi tima I
c rJiu seguida B^trizcorren par o lado
do no Sapuuahy -'.ujas aguas laocou-s ,
nao se ti uao afogado. por ter o ci iadSo
Justino de Lor>-ua airado ao rio para
Boeeorrl a, uonaeguindo salvar da morte a 9.ue_r ** de trra,
ii- bgrav 'da eacravA, que to barbara se
louatrou par: com a<-u innocente filho. >
U. Psalo
Data'at 9 de S--tmbro.
Na vta de 8ao4a Crux daa Palmei-
ras Joao Cypriano de Araujo fsz em sua
fuenda um mutiro, ao qual coocorreu
grande numero de pessoas de bairro. A'
tarde vienta todos para casa do mana
Cypriano, exsepcSg d; tres ou quatro
peasoas qae ainda ficaram na roga. Estas
ultimas chgarant mais tarde, contando
que um dos companheiros, Jos Paulo, ti-
nba morrido de repente. No dia segu:nte
bem cedo trouxoram o cadver para Santa
Cruz das Palmeiras e o enterraran!. O
cadver s foi visto pelo padre da villa, e
este diz que nao pode suppr de qae tenha
morrido Jos Paulo, pois que o cadver es-
tava muito inchado.
No Ribeirao Bonito foi assassinado a
30 do passado, com oito facadas, o portu-
guez Joaquim Pinto de Araujo, cantarada
do Sr. Lourenco Lei te Ponteado.
E' indigitado como autor do crime um
tal Jos Pedroso, muito conhecido na lo-
calidade.
Bio de Janeiro
Datas at 10 de Setembro.
No ^ia 9, no senado, foram auccessi-
vamente postas em discusslo c approvadas
sem debate as redaccSes que haviam ficado
sobre a mesa.
O Sr. Visconde de Paranagu disse que
a deputaclo do senado enearregada de fe-
licitar a S. M. o Imperador pelo annivorsa
rio da independencia do Imperio, cumprio
sua m88o, e S. M. o Imperrdor se dig-
nou responder ao discurso que acabou de
ler, que asaociava-ae jubiloso a congratu
lacSes do senado pelo annivoraario da in-
dependencia de nossa patria. O Sr. Presi-
dente declarou que a resposta de Sua Ma-
geatade era recebida com especial agrado.
O Sr. Ignacio Martina justificoa um re
querimento para que ae peca, por interme-
dio do ministerio da juatiya, aa seguintea
informacSea : ae j comecou, e quando, a
apuiac&o da eleico que, para senador se
procedeu na provincia de Minas-Geraes no
dia 26 de Juiho do corrente anno ; quan-
tas actas dessa eleicao faltara na cmara
municipal ipuradora, e quantaa na secreta-
ria do governo provincial.
D.'pois de algumas observacSes dos Srs.
Ministro da Juatica e Aff>nso Celso, o Sr.
Ccrreia fundamentou a seguiote emenda ao
requerimento : Onde ae diz miniaterio da
juatica, diga-ae ministerio do imperio.
Fallou ainda sobre a emenda o Sr. Igna-
cio Martina.
O Sr. Silveira Martina justificou o seguin-
ta additivo : Que se pega ao governo, por
intermedio do ministerio da juatija, infor-
macoea aobre a resolucSo do inquerito po-
licial feito por occaaio dos assassi natos
commettidos em Porto-Algra aas peasoas
de Ernesto de Carvalho e Horacio Goncal
ves, e que providencias toraou.
O additivo do Sr. Silveira Martins ficou
sobre a mesa par ser apoiado na sesaao
se^uinte, visto j ter passado a hora para a
apresentaclo de reqaerimentos.
Passando ordem do dia, e presente o
Sr. Ministro da agricultura, proseguio a
2a discusaao da proposta do governo, con
vertida em pn jecto de lei pela cmara do
deputndoa, orgando a despez i do ministe-
rio da agricultura, commercio e obras pus
blicaa.
O ou o Sr. Viriato de Medeiro3, ficando
a discusaao adiada pela hora.
- Mandou se addir ao 10 de intentara
o teneute do 2o da mesma arma Raymundo
Fernandea Monteiro Jnior, viudo da pro-
vincia de Minas, onde servia o cargo de
instructor da companhia de menores.
Apresentou-se a. quartel-general o
capitad do 11 de infantera, JoSo Agosti
nho Rozauro de Almeida, que passou a ad-
dido no 1 de inf mtaria, aguardando em-
barque para o norte, e veio do Rio-Grande
do Sul.
Sob o titulo Exercicios Militares, d
o Jornal do Commercio de 10 esta noticia :
Oa exercicio8 geraea, qu, como j noti-
ciamos, a escola militar encetou com traba-
lho8 preliminares no correr do mez de
Agosto, terminaram hontem com um gran-
de exercicio de batalha, no qual tomaram
parte corpoa da guarnicao da corte.
S. A. e Sr. marechal do exercito Conde
d'Eu commandou o exercicio.
Seu estado-maior compunha ae da com-
m8aao de arbitros, marechal de campo
Visconde de Maracaju', conselbeiro coro-
nel Amaral, coronel M^yer, coronel Ew
bank, coronel Barreto, coronel Feliato, co-
ronel Moura e tente coronel Amarante
como secretaria, e dos officiaes montados
dos corpoa da guarnigao.
A forga em exercicio f jrmava duas di
visSea :
A Ia, commandada pelo conselbeiro bri-
gadeiro Severiano Martins da Fonseca,
compunha-se:
Io, do corpo de alumnos, distribuidos
por quatro compaohias de infantaria, com-
mandadas pelo instructor cap to Tambo-
rim ; por-da.is bat?riaes de artelharia com
quatro bocas'de fog<> cala urna commanda-
das p^lo inatruc'.or mijor Valladares^ por
meio esquadro de cavallaria que- com meto
esquadrio de linceiros do 1 regiment de
cavall.ria constitua um esqnairao com-
mandado pelo instructor major Marinho:
2, do balalho de eagenheiroa e corpo
da escola de aprendiz-a artilbeiroa, com-
ruandados pelo capitio Olympto da Sil
veira.
Fazia parte do estad i-maior do general
Severiano o tenante-coronel Pego, como
iijudante encarregado do material.
A 2a diviso commandala pelo brigadei-
ro Ena8 Galvo, jompauba se :
Io, do Io batalho de infantaria, com-
mandado p-lo major Rodrigues Braganga ;
2o, do 7o bataluao de iafanuria, com-
mandada- pelo tea-nte-uorouel Barros d-
valuante ;
3o, le duas bateras.do 2o regiment de
artilharia a cavallo com quatro bocas de
fogo ad t una, oomman talas pelo major
Jorge Diai Santiago;
4*, d um coqu-'lra i do 1* regiment
le cavallaria de linha coiDpoa'o de u.u
meio de lauceiros, e de outro meio esqua
dr > de clavineiro8, coraiDandado pelo co-
ronel Laor.
A familia imperial assstio aos exer icios
d uma das janellaa do edifi ro que se cou-
atrue na praia da Sauiad- para 08 ineui-
m-.s cegis, e da qual ae itescortinavam to-
do oa luuvimentos off -nsivoa e defensivns
das tropas em exercici', quer as de mar,
S. M. o Imperador e SS. AA. Impo-
rtaos fbram re ebidoa porta do edificio
por urna coomissao composta dos Srs.
consrlheiro coronel. Dr. Luz, major Dr.
Caatallat e oapitao Leopoldo Bitunooart
O Sr. conselhefro ministro da gnerra foi
recebido pela commisso composta dos Srs
conselbeiro Dr. Thomaz Alves, capitao Dr.
Trompowaky e cap to Alipio Castalllt;
acompanhava a S. Exc. o Sr. depatado
Castrioto.
Grande numero de familias adornavam
as janellas do edificio da eacola militar a
a concurrencia do povo foi extraordinaria
tanto as praias de Botafogo e da Sauda-
de, oomo as suas adjacentes e campo jun-
to escola, e no mar em escaleres e lan-
chas a vapor.
No porto da escola recebis as familias
convidadas uma commiaso, composta dos
Srs. major Dr. Rbeiro Gnimares e al-
guna officiaes da escola.
A's 9 horas e 10 minutos da manha for-
mn a 2a divisao no largo da Lapa, em co-
lumna, por pelotoes, frente eaquerda.
A'a 9 horas e 35 minutos marchou nes-
ta ordem para o largo do Cattete, e ah
dispoz-sq em linha, ficando a artilharia a
di reita, na praga em frente do hotel de
Estrangeiros, e a cavallaria esqutrda e
estendendo-ae a forga pelo ra do Senador
Vergueiro.
A's 11 horaa parti Sua Alteza acompa-
nhado do seu estado-maior e foi em segui-
da pasear revista forga da 2a dvisSo,
que lhe fez a devida continencia.
Fazia parte do estado-maior do general
Eneas Galvo o capito Piragibe, como
ajudante de ordena encarregado do mate-
rial de guerra.
Sua Alteza, depoia de passar revista
forga da 2a divisao, dirigio-se Praia Ver-
melha, onde passou revista 1*, que se
a iba va formada em linha parallela ao edifi-
cio da escola, com a cavallaria dirata e
a artilharia no centro.
S. M. o Imperador, com S. A. Imperial
e seus augustos netos, s 11 horas e 20
minutos passou revista a diviso, salvan-
do a artilharia com 21 tiros, e fazendo-se
a competente continencia.
Em seguida a 2a diviso destacou para
o forte da Viuva duas bocas de fogo e
uma companhia de guerra do Io batalho
de infantaria, tudo so mando do major de
infantaria Paulo Pereira.
S. M. o Imperador ao chegar Praia
Vermelha recebeu a continencia da Ia di-
viso, salvando a artilharia com 21 tiros.
O Sr. ministro da guerra tambem foi
recebido com as continencias que lhe sao
devidas. p
O exercicio fez se sobie a seguinto hy-
pothese : 3531
Urna diviso, a Ia, de forga das tres ar-
mas, que defende a posigo da Praia Ver-
melha, tendo aviso que uma outra inimi-
ga, a 2a, tambem das tres armas, se ap-
proximava com o intuito de oceupar uma
daa eminencias que lhe ficem a cavalleiro o
d'ondo a hostilisar, empregar todos os
meios por mar e por trra para impedir-
Ihe o passo. Esta, nao cons guindo seu
obje-ctivo, atacar as posieoes inimigas.
A solugo do problema amente depen-
da da pericia dos com mandan tes das divi-
so's ; no programma nada se determinou
sobre os detalhes da execugo.
Dado o signal por um tiro de artilharia,
feito na fortilieago junto eacola, segui-
ram desta quatro pont5es rebocados por
lanchas a vapor do arsenal e.o marinha, e
foram proenrar e reconbc :er a posigo do
inimigo ; ao mesmo tempo que o corpo de
alumnos, precedidos dlo esquadro de cla-
v'neiroa, mnrchou pela praia da Saudade e
pedreira em buaca do inimigo. Ca pon-
toes, ana apa outroa, foram at forta-
leza de S. Joo, sende repellidos por tiros
le artilharia, dados pelas bateras das for-
talezas de S. Joo e da Lage e morro da
Viuva. Seguiram ento para a babia do
Botafogo, e descobrindo o inimigo nessa
praia, tliapozeram-ae em linha e com as
forgas do trra travaram renbido combate
por meio de vi .-o fogo de artilharia e in-
fantaria, tanto das forgas do foi te da Viu-
va, como das da praia de Botafogo.
O general conselbeiro Severiano tinha
destacado contingentes tanto de cavallaria,
como de infantaria e de artilharia, para
tomap-todas as avonidas e ras que condu-
zera escola, e ao mesmo tempo a 2a di-
viso havia destacado forgas para procurar
cortar a retaguarda das da Ia, pelas refe-
ridas ras e avenidas. Do encontr re-
sultou renbido tiroteio, primeiramente de
avallara e depoia de infantaria e artilha-
ria.
A 2a diviso foi marchando para procu-
rar a 1* que se diriga pela praia da Sau-
dade e pedreira para a praia de Botafogo;
as companhias de guerra, quer de uma,
quer de outra, avanoando as de 2a e re-
cuando as de Ia, succediam-se com vivo e
sustentado fogo, no qual tambem se empre-
gou a artilharia ; ao mesmo tempo que
animado fogo, tanto do3 pontoes, como das
forgas da 2a diviso, impedia o desembar-
que.
Houve um fogo activissimo ; a forga da
Ia diviso, embarcada nos pontoes, conse-
guid desembarcar no hospicio Pedro II,
apoiada pelo vivo fogo do corpo de alum-
nos.
A forga da Ia diviso foi recuando afim
de chamar o inimigo para o campo junto
da eacola, onde ae achava a ortieagao, de
autemo feita, e da qual j demos noticia.
Fez se renhido fogo; as forgas dispersas
quer de uma quen de outra diviso se con-
ceotraram e marebaram para o campo ds
escola.
Da 1* diviso, parte tomou conta da for-
tificago : outra parte fra, constru urna
trincheira-abrig > de 130 de comprimento,
i)i,60 d le parapeito imm 0",30 de largura, e nel-
l < se abrigou.
A 2* diviso tomou ordem de batalha,
que durou mais de umi hora, conseguindo
osla diviso approximar-s-* muito da con-
traescarpa do (base da fortificacao, cuja
freute ae achava fortificada com defensas
t.es como boca8 de lobo e abatizea.
Sujcesaivaa cargas do cavallaria foram
la las pela 2a diviso e repellidas pela ca-
vallaria da- 1" diviso e pelo fogo de arti-
lh ria. A infantarit conseguio entupir
aaMi do foeso da fortificacao com oa aba-
na is que arranca va.
Noata oocasio uiuito animada este ve a
bitalha, que devia terminar com a explo-
aii-o le uma mina, na direfca- da capital
do principal reducto, mas infelismente fa-
lliou, em consequencis da humidade. do
t -rrouo em que ficou collocado o foroi,-
lho.
Sua Alteza durante todo eaeroioio,
I


meoftuinta-feira 16 de Setembro de
2' am-
era estava junto Ia, ora junto
Deu-so signal de cessar a batalba, e as
div5efl formaram em linha de columnas
contiguas, a i direita e a 2' esquerda.
S. M. o Imperador nesta occasiao mon-
tn a cavallo, e, seguido de seu camarista
Conde de Aljezar, e do veador Bario de
Tefi, como ajudante de campo, passou re-
vista as forjas, assim dispostes.
S. A. Imperial com seu augusto filho
D. Antonio, em carro descoberto, acom
panhados por carros em que estavarn o
veador conselheiro Doria, Baroneza de Su-
ruhy, as Sias. DD. Tosta e Amanda Do-
ria, Dr. Raciiz QalvSo e mestre de equita-
clo de SS. AA. os augustos prienipes,
tambem passaram revista as tropas.
SS. AA os principes do Grao-Para eD.
Luia acompanhavam seu augusto evo a
cavallo.
Desfilaram depois as forjas em colum-
nas de pelotoes em marcha de continencia
a S. M. o Imperador e Suas Altezas, que
se collocaram em posic3o de receber essa
continencia.
Formaram depois as forjas perto da pe-
dreira, em linha, e fzeram a continencia
a S. M. o Imperador e Suas Altezas quan-
do por ellas passaram, retirando-se; sal-
vando com 21 tiros a artilharia das duas
divisSet que se achavam formadas, a Ia
direita e a 2* esquerda.
Fiado o que S. A. o marechal Conde
d'Eu mandou as forjas recolherem-se a
cuartel ; eram 6 horas da tarde.
Assim terminaram os exercicios da es-
cola militar no corrente auno, os quaes cor-
reram brilhantemente e fazem honra ao
conselheiro general Severiano da Fonseca,
que muito tem trabalhado pela instituijSo
qne lhe est confiada.
S. Exo. o Sr. ministro da marinha,
acompanhado do auxiliar do gabinete Sr.
Luiz Cernes, assistio ao exercicio de urna
das janellas do edificio do instituto dos c-
gos, em construcjSo.
Durante os exercicios deram-se infeliz-
mente alguns desastres, dantre os quaes
soubemo8 dos seguintes:
Manoel Comes da Silva, praja do 2o re-
giment de artilharia, foi ferido no peito
por um tiro de peca, sendo a queimadura
considerada do 2o grao; o seu estado
grave.
O anspejada do 7 batalhao de infanta-
ria Jos Agripino da Silva, foi tambem fe-
rido por arma de fogo na regiao palmar
da mo esquerda.
Um aprendiz artilbeiro fracturou um
brajo e teve de recolher-se immediatamen-
te enfermara da fortaleza de S. JoSo.
O canteiro portuguez Manoel Soares da
Fonseca, que atravessava o campo quando
disparou o cavallo montado por um offioial
do t" regiment de artilharia foi atropella-
do e ficou com um ferimento profundo na
cabe ja.
Urna mulher no largo do Cattete, ficou
levemente terida pela bueba de urna peja
de artilharia ; foi prora pamente medicada
em urna pharmacia prxima.
Na idade de 73 annos, falleceu no
dia O tarde na casa de sua residencia em
S- Domingos (Nitherohy), o antigo e con-
ceituado negociante da corte, Joao A.
de Figaeiredo, que durante muitos annos
foi director da companhia de seguros Ar-
gos Fluminense.
Eis as noticias coramerciaes da ulti-
ma data:
Rio, 9 de Setembro de 1886. O mer-
cado de cambio csteve hoje muito firme e
em alta: os bancos encetaram suas opra-
seos sobre Londres a 21 3j8 d., taxa esta
que s 2 horas da tarde foi elevada para
21 7|16 d., a que fechou officialmente.
As tabellas no Commercial e no do Com-
mercio, e as taxas no London Bank e En
glish Bank, foram as seguintes, das 2 ho-
ras da tarde em diante :
Londres, 21 7|16 d.
Pariz, 445 rs. por fr., a 90 djv.
Hamburgo, 550 e 549 rs. por m., a 90drv.
Italia, 450 e 448 rs. por lira, a 3 djv.
Portugal, 253 e 252 0|, a 3 div.
COMMERCIO
Bolsa commercial de
buco
Pernam
RECIFE, 15 DE SETEMBRO VE 186t>.
As tres horas da tarde
Cotacoei oificiac
Algodo de Mossor,la surte, 5* 800 por 15 kilos.
ito de dito mediano, 5J8( 0 per 15 kilos.
Bito de dito 2 sorte, 42800 por 15 kilos.
Apolices da divida publica, de 6 0/0, do valor de
1:0002000 a 9902 cada ama.
Na hora da bolsa
Venda am-se :
9 apolices da divida publica.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforad.
SEDIMENTOS PBLICOS
Mes de Setembro de 1886
ALFANDEGA
De 1 a 14
dem d 15
Roda r-aoviacix
Del u 14
dem du 15
Total
336:2332751
45:5-37^007
32:2292346
3:335*120
RacBBBDoaiA \>: 1 a 14
la.u. da 15
Comclado pbovscuo D 1 a 14
dem de 15
PClTB DHYSAQB'-^t 1 S 14
dem de 15
382:1702758
35:5612466
417:3352224
16:5352805
1:8092792
18:3452597
14:512*964
215400
14:7282364
17:4481131
1:968 607
19:4162738
DESPACHOS HE EXPORTAQO
Em 14 de setembro de 1886
rara o itenor
No patacho portuguez Tentativa, carrega-
raa:
Para New-York. Jolie & Irmao 176 saceos com
13,200 kilos de asanca msacavado.
Nova-York, 203COpor dol., vista.
O inovimento do dia foi regular sobre
Londres, a 21 7il6 e 21 1|2 d., bancario,
caixa matriz, 21 3[8, l 7I6 e 21 1.2 d.,
dito contra banqueiros, e a 21 1(2,21 9[16,
215i8 e 21 11J16 i., papel particular; e
sobre Franca a 440, 439 c 438 rs., dito.
Repassou-se papel bancario sobre Lon-
dres a 21 9[16 d.
Na Bolsa o movimeato foi mais que re-
gular.
abia
NSo recebemos folhas desta provincia.
He r gi pe
Datas at 5 d Setembro.
A reuebedoria provincial arrecadou no
mez de Agosto findoaquantia de 8:064fj4l3.
Foram despachados, pela mesma re-
particSo, 5:922 volumes de gneros do com-
mercio no mesmo mez, deixando de dire
tos a quantia de 1:756)5700.
L-se na Gazeta de Aracaju :
< No dia 30 do corrente (Agosto J falle-
ceu em sen engenho Jess Maria Jos,
nosso distincto amigo coronel Pedro Anto-
nio de Oliveira Ribeiro, 2. vice-presiden-
te da provincia, e um dos nobres chefes
do partido conservador.
f O coronel Pedro Antonio era um ho-
mem de real merecimento.
Sua morte assaz pranteada pela pro-
vincia que o es imava e respeitava. >
Alagoas
Datas at 14 do crrante.
Cs cadetes da companhia fixada guar-
nidlo desta provincia featejaram o anni-
versara da independencia do Brasil. Na
vesptra, 6, foi illumimado e decorado o
quartel militar, e no dia 7 deram um jan-
tar aos officiaes e alguns convidados pai-
sanos.
O Sr. capitao Loureiro, commandante
da companhia, a quem competa presidir
a mesa do banquete, deu a presidencia ao
Sr. Dr. Jos Angelo. Houve diversos
brindes anlogos s glorias da indepen-
dencia, e memoria dos que trabalharam
por ella, a diversos cidadSos, briosa clas-
se militar, ao esforco dos cadetes que es
timularam os sentimentos patriticos do
anniversario, ao bravo e disciplinado com-
mandante, e outros, sempre entusistica-
mente correspondidos ; terminando o ban-
quete pelo brinde de honra levantado S.
Magestade o imperador.
Foi um bafrjo modesto e regular, por
que em tudo primava a disciplina militar
no meio do enthusiasmo patritico ; e nao
passar desapercebido para louvar-se aos
dignos cadetes que assim manifestaran) o
seu amor pela patria qus defendem.
Appareceu a 9 do corrate, na capi-
tal, um novo jornal orgao do partido con
servador. Intitula-se O Alagos.
No dia 5, na cidade do Pilar, falle-
ceu o capitao Jos Pulo Cordeiro, victi-
ma de graves soffrimentos que manifesta-
rara-se com iatensidade tal, que inuteis
foram os recursos da sencia.
Tambem falleceu,, a 6, D. Belarmi-
na Valladares de Oliveira Costa, prafesso-
ra publica na villa de Pioca.
INTERIOR
Correspondencia do Diario de
Pernambaco
RIO DE JANEIRO -Corte, 9 de Setem-
bro de 1886
scmmabio :Senado.As eme-das do oreamento
da marinha que haviam sido approva-
das.Accordo a que ehegou-se.Nao
se falla mais em fusio das cmaras, com
satisfacio para a opposicao e o governo.
Reconhecimento doSr. Taunay no Se-
nado. Caso engracado.Opinio da
Gazeta de Noticias, a- bre o nova senador
e sobre o Sr. IMissrio.Chapa senato-
rial dos conservadores.Trabalhos da
Cmara dos Deputados.Discusso de
diversos crditos.Eeconbecimento do
Sr. Pelippe de Figueiroa.3* discusso
dos additivos e receita.Discursos dos
Srs. Manoel Portella a Theodoro.
Referindo, na de ante houtem, o que ha occorri-
do no Senado a respailo da questao Wsxing Bro-
thers, nao fallei de outros assumptosde que all se
tem tratado. Um destes a emenda do Sr. Affon-
so Celso ao oreamento do Ministerio da Marinha,
em 2a discusso, alterando divtrsos artigos da re-
= No patacho nacioual Osear, carregou :
Para o Porto, A C. da Silra 200 saceos com
16,000 kilos de farinha de mandioca.
No vapor uglnz Mondego. carregaram :
Para Lisboa, S. B Amorim com 26,930 1/2 kilos de algodio.
Para o Interior
No vapor nacional 'ancs, carregaram:
Para o Rio de Janeiro, F. Cascao & Filho 500
saceos com 30,000 kilos de milho ; Bailar Irmao,
4 C. 100 aaceos com 6,000 kilos de mOho ; F.
Ferreira da Silva 1,600 estn a* de carnauba.
No vapor nacional S. Francisco, carregou :
Para Mossor, J. J. da Fonseca 50 saceos com
3,000 kilos de milho.
Na barcaca Olivia lorres, carregaram :
Paia Parahyha, C. BWtro & Innao 10 bar-
ricas com >38 kilos d" assucar mascavado.
MOVIMENTODO PORTO
Navios entrados no dia 15
Bahia por escala 8 dias, vapor nacional
Marque de Caxias, de 2O toneladas,
commandante Felippe R. da Nova,
equipageru 24, carga varios gneros ; a
Domingos Aires Matheus.
Buenos Ayres por escala14 dias, vapor
inglez Hondego, de 1,363 toneladas,
commandante G. M. Di ks, equipagem
73, carga varios gneros; a Adamson
Howie & C.
Navios sahidos no mesmo dia
Bull River (Es-ados-Unidos) Barca ingle-
za Croydon, capitao Jones Chalk, em
lastro.
Sontampton por escala Vapor inglez Mon-
dego, commandante 6. M. Dicks, carga
varios gneros.
Mossor Vapor nacional S. Francisco,
commandante Joaqnim da Silva P< reir,
carga varios gneros.
Rio Grande do Sul Patacho allemao D.
Pedro, capitao B. Schniedes, carga as-
sucar.
liba do Maio Patacho norueguense Nod-t
jerman, capitao J. Olson, em lastro.
VAPORES EflFEKADOS
Orator
Rosario
Bania
Valparaso
VUlede MaoeU
Ville de Pernambuco
Espirito Manto
Neva
Congo
Aconcagua
Advano*
Para
Tomar
Pionee
de Macei
de Hamburgo
do sul
do sul
do sul
da Europa
do norte
da Europa
do sui
da Europa
do ral
do sul
do snl
Outabro
de New-Port News
hoje
boje
amanhii
a 18
a 18
a 20
a a
a 24
a 25
2*1
a 27
a 27
a 29
a 1
forma da es jola naval e q .e tendo sido approva-
da, motivou boatos de fusao das cmaras de que
dei noticia.
Essa difficuldadeque nao deizava de sel-o para
todos/governo e opposicao est felizmente, remo-
vida, mediante um accordo promovido e efectuado
pelo Sr. Correia, que deu em resultado a seguinte
em uda eff -recida na 3* discusso pelo mesmo Sr.
Aff so Celso, com a declarac&o de que o fazia a
couv c do governo e por combinac^ao com o hon-
rado nador pelo Paran :
S; ore-se a emenda que cffereci, approvada
em 2* discu=sao, afim de ser ouvida a commisso
de marinha e guerra, |ue apresentar bases para
a reforma da escola naval, nao se provendo, entre-
tanto, as novas cadeiras creadas.
O Sr. Delamare, que acabava de apresentar
outras emendas, requereu que estas tivessem igual
destino, e tudo foi approvado. Prima faeie, pare-
ce que o honrado senador mineiio levou a melhor,
e qua quem mais ceden foi o governa. Nao sei.
Empenbado e mesmo encaprichado como estar
o Sr. Alfonso Celso na questao, anda .rais por
causa de urna serie de artigog publicados no Jornal
do Commercio, coatestando-o, com vantagem em
alguns prntos, nito era possivel urna combinacao
em que, pelo menos, ejle nao fosar julgado trium-
phante em ponto capital. Elle tinha impugnado
com vigor a creaeao de novas cadeiras de direita e
de mais urna ou outra em virtude da separacao do
ensino de certas materias que se achava ligadj.
Mas nao limiton-se a isto a sua opposicao. Com-
baten a reforma em quasi todos os pontos, notan-
lo-lhe disposigoes urnas contradictorias e absur-
das, outras offensivas da disciplina e hierarchia
militar e finalmente achando o plano adoptado de-
feituoso, incompleto, e at, em parte, inezequivel.
Ora deizar tudo isto, pois qua a reforma j est
em va de ezecucao, c limitar-se a ezigir que nao
sejam prvidas as novas cadeiras, quando nao se
contesta que ao official de marinha pode convir,
mas nao indispensavel conhecimentos variados de
direito, nao me parece grande triumpho. Vigoran-
do o nevo regulamento subsistm as suas disposi-
ces com ezcepcSo nicamente do tocante ao alar-
iamente do estudo de direito e da separacao de
ensino de certas materias, ou da reunio do de ou-
tras em que ficar vigorando o antigo regulamen-
to o que, tudo beta pesado, nao tem grande impor-
tancia.
E' verdade que se recommenda commissSo de
marinha e guerra que aprsente as bases para
urna reforma ; mas d'aqui at l, largos dias...
Em ultima analyse, deizar de haver outra cadei-
ra de direito, que estava destinada, segundo rumo-
rejou-se nos corredores do Senado, a determinada
pessoa, alias muito competente, b'eja como for, o
fac que por esse lado desappareceu o receio
de suscitar-se a questao de fusao, que os, liberaea,
em maioria actualmente no Senado, nao poderiam
recusar, ja pelos primipios de sua escola j por
tratarse de le de oreamento que nao pode ser
negada, mazime pelo ramo vitalicio, mas em que
elles seriam abafados pela grande maioria que o go-
verno tem na Cmara.
Esta considerado deve ter pesado no animo do
Sr. Alfonso Celso e dos seus amigos para aceitarem
nma solucao honrosa, em que nao ha que apurar
quem foi que mais ganhou. Porjsua parte o gover-
no deve tambem ter estimado nao ver-se no con-
tingencia de forcar a mao. Agora j nao de sup-
por que as materias ornamentaras que anda res-
tam a ser consideradas pelo Senado, possa dar-se
outra igual questao. O que ha mais importante e
que talvez encontr all viva opposicao por parte
J s senadores aineiros e, proravelmente do Sr.
Silveira Martina, o imposto votado, pela Cmara,
na 2* discusso de receita, de 10 ris mximo,
Bbre litro de sal importado. Mas nao de espe-
rar que, se esse imposto for rejeitado, o S. Beliia
rio faca disto.a mesma questao que, conforme cons-
tava, fazia o Sr. Mac-Dowell sobre a sua reforma
Fallando no Senado, vem a proposito referir um
caso que nao deiza de ter sua graca, e mostra qae
o acaso parecido com outro tambem tem seas ca-
prichos.
Na occasiao de votar-se o parecer da commisso
que reconhecia o Sr. Taunay senador, o Sr. Mar-
tinho Ca,pos pedio a palavra, e como o Sr. Bae-
pendy observasse-lhe que nao era mais tempo po>-
j ter sido declarada encerrada a discusso, disse
que, tendo de votar contra o parecer, quera dar a
razio porque o fazia, mas que nao lhe faltara oc-
casiao para isso. Nd deizou de causar ostra
nhez essa declaraco, visto nao haver occorrido
no precesao eleitoral nada que pudesse ser allegado
contra o diploma ezpedido ao Sr. Taunay. No
da seguinte, comparecendo este para prestar ju-
ramento e tomar assento, e tendo-se de proceder
ao sortcio da commisso que devia ir recebel-o e
intr. duzil-o no recinto, fni quasi, pensameuto ge-
ral, que seria cuiioso se da commisso fizesse parte
o Sr. Martinho Campos, e os collegas que lhe es-
ta vam mais prozimos pilheriavam, dizeudo que elle,
por castig >, havia de ser sorteado. O primeiro n >-
inti sahido da urna foi o do Sr. Muritiba, o 2" do
Sr. Avila, 3o do Sr. Martinho Campos.
Houve hilaridade geral, tanto por parte dos sa-
nadores, como das galeras, que estavam repletos.
O Sr. Martmbo tambem rio e l foi com os compa-
nheiros dar entrada ao Sr. Taunay.
Narrando o caso, accrescenta a Gazeta de No-
ticias :
Quando o Sr. Taunay transpunha o recinto
para prestar juramento, atiraram lhe mnitas flo-
res. O Sr. Taunay sentou-se entre os Srs. Joo
Alfredo e Correia, sendo cumprimentado pelos se-
nadores presentes. *
Disse urna outra folha que alm das flores ati-
radas das galeras, houve palmas. E nao foi s isto:
a directora da Sociedade Central de Immigracao,
de que o Sr. Taunay vice-presidente, dirigio-se
ao Senado para o cumplimentar, e send* recebida
em urna das ante-salas, o Sr. Wenceslao Gmina-
res, fallando em nome dos seus collegas, decan>u
considerar aquel le dia immoredouro para a a So-
ciedade e perpetuado no coracio dos seus colle-
gas como o alvorecer de urna nova era para o novo
Brasil, por quem todos trabalham convencidos,
tendo sua frente to denodado ebefe, e que a pro
paganda feica conta j um triumpho, pois outra
cousa nao pode ser a entrada do vice-presidente
da Sociedad Central de Lnmigracio no ramo vi-
talicio do parlamente brazileiro.
Por seu lado aecrescenta a citada Gazeta de No-
ticias, de que tiro erse eztracto, o seguinte, de sua
Revista Semanal, de que fallei na anterior :
. O Senado nao ser para o Sr. Taunay urna
aposi ntadoris. O Senado o pulso livre, a
emencipaco do dominio des chefes, o meio de se
realisar ideas sem o obstculo das conveniencias
do partido e dos meinbros influentes do par-
tido........
Escolhendo o Sr. Taunay, o imperador prati-
cou um acto de justica e um acto de boa poltica.
Nos temos muitos bomens de Estado, mesmo mu-
tos ; fecha-se os olbos, deita-se a mi ao acaso
em qu .Iquer das cmaras e apanha-se um cidadao
npto para todos grandes misteres da governanca.
Em s-te annos de dominio liberal, s o Sr. Moura
fui mini8ro da marinha, da justica e da agricul-
tura, commercio e obrts publicas, sem contar as
interinidades. E o ezemplo nao nico. Quan-
do a junta apuradora de um districto qualqaer
manda cmara o mais illustre dos desconhecidos,
profere, dignus est intrare in docto corpore da su-
prema administraco. Urna vez, por acaso, a me-
dalha tem re verso, e alguns mezes de exercicio das
funeges de ministro dio direito a nm diploma de
inepcia passad por jais, que, concentrado na ob-
serraco do caso, esquece-se da poltica relativa,
jamis distribuida equitativamente.
Por isto applaude a Gazeta a eacolha do Sr.
Taunay, homem de ale yantadas ambicoes, como ap
plaudir a do Sr- Belisario, que 6 na nossa poltica
um irregular, nunca foi ministro, da marinha, co
mecou logo pela pasta da fazenda, e alm d'iato
comecou tendo um plano, e, anda mais, esse plauo
est em relajio com urnas tantas i'ias que sos-
tentou na tribuna quando deputado, na imprensa
quanJo jorualista e em um livro de viagem, em
qne o touriste nao esqueceu de que era homem de
vida pubuca em seu paiz. *
Por estas e outras variadas razes que expende
que a Gazeta quer ver o actual n inistro da fa-
zenda no S nado, onde ter de submetter suas
ideas prudencia manh'isa de terceiros.
E aqu occorre-me dizer qne na chapa senato-
rial dos conservadores, para prcenchimento da
vaga aberta p lo fallecimento do Visconde de
Boin R' tiro, nao entrn o Sr. Ferreira Vianna,
como se siippuuha, mas o Sr. Belisaro, com os Srs
Pereir* da Silva e Andrade Figueira.
Em ama reunio, em casa do Sr. Paulino, dos
diputados e dos senadores conservadores flumi-
nenses, fui conbiua4a essa chapa, com accor
do e voto do mesmo Sr. 1 erre ira Viann., que
achou muito justa e merecida a incluso do nume
do Sr. Belisario, como era por este desejaiia.
O Sr. Andrade Figueira, que contina doente,
nao empareceu a reunio. Dizem que nao fie -u
satiafeito com o que lh parece ser ama pretericio
dos servicos e dos mritos do Sr. Ferreira Vianna.
Tratemos, porem, do que se tem passado na
cmara dos deputados, de que deixei de oceupar-
me na anterior e nao devo omittir nesta.
Alem da discusso da receita, em que foram
pronunciados bons discursos por varios deputados
e particularmente um do Sr. ministro da fazenda,
que recapitulando todas as objeccoes que lhe foram
postas, justificou com grande mestria e largueza
de vista, o sea plano finaneeiro; nao merece
especial mensio o debate, sobre o oreamento da
despesa do ministerio da fazenda; sobre um
crdito do ministerio da agricultura para paga-
mento, que foi muito impugnado e por fim appro-
vado, da 180 coutos aos empreiteiros do aterro de
terrenos no canal do mangue, cujo contracto fui
rescendido; sobre o projecto que regula a aposen-
tadora dos magistrados, que foi approvado com
urna emenda aceita pelo governo; sobre um
crdito de 300 costos pedido pelo Sr. ministro de
imperio, para melhoramento sanitario da corte,
que est sondo discutido e outro para obras do
matadouro, ja approvado, e finalmente, sobre
questiunculas e negocios de provincias em que
se gastam os primeiros 3/4 de hora de sessao.
Entre as questiuculas, mencionan1! a que levin-
tou o Sr. Candido de Oliveira, acolytado pelo Sr. A.
Celso Jnior, por eccasio de proceder-se votaco
do parecer da 1* commisso de inquerito reconbe-
cendo deputado o Sr. Felippe de Figueiroa.
Quera o illustre leader da minora que fosse
adiada a votafo e voltasse o parecer a com-
misso, para reconsideral-o vista de urna recla-
macio do Sr. Silvino Cavalcanti que lhe foi en-
treguepor intermedio do Sr. Nabuco, que pouco
antes o havia all procurado.
A mesa nao aceitou o requerimento.
Insistindo, funda o Sr. Candido de Oliveira a
sua reclamado em um precedente occorrido em
1872, quando era outro o rgimen eleitoral, es-
quecendo-se de outro muito mais moderno em
que elle teve parte, e que o que devia ter tido
invocada.
Na sessao de 26 de Fevereiro do anno passado,
tratando-se de votar o parecer que reconhecia o
Sr. Fleury deputado pelo V districto de Goyaz,
requereu o Sr. Lourenco de Albuquerque que o
mesmo parecer voltasse commisso, para que es-
ta tomasse conhecimento de una documentos apre -
sentados pelo Sr. Jardim, que s lhe haviam che-
gado s mos depois votada a eleicao na commis-
so. O presidente, que era o Sr. Moreira de Bar-
ros, apoiado pela maioria, que era dirigida pelo
mesmo Sr. Candido de Oliveira, nao admittio o
req aerimento do Sr. Lourenco de Albuquerque.
E' de notar que nao houvesse um so deputado
que se recordasse do facto para o lembrar.
Esquecia-me mencionar a seguinte interpella-
co do Sr Affonso Celso Jnior, apresentada na
sessao de i do corrente, para cuja discusso ainda
nao foi marcadu dia :
Peco que se marque dia e hora para dirigir
ao Sr. presidente do conselho as seguintes inter-
pellacoes :
1* Qual, na cpiuiio do governo, a verdadei-
ra condicio dos escravisados ezistentes no impe-
rio desde que pelo artigo 3 10 da lei n. 2,370 de
28 de Setembro de 188o, foi fizado dia certo para
entrarem uo gozo da sua liberdade ?
2a Permanecem rigorosamente escravos cu
tornaram se statu liberi 7
cdigo criminal (pena de acoitea) e a le de 10 de
Junho de 1835, depois da nova situacio para elles
creada pelo referida lei de 28 de Setembro ?
4a Pensa o governo em promover alguma
medida no intuito de acautelar a sorte dos inge-
nuos ?
5a Qual o alcance da circumstansia da natu-
ralidade do escravisado, a qual deve ser consig-
nada na nova matricula ?
Na discusso da receita teve o Sr. Portella oc-
casiao de tratar de aasumptos relativos a essa
provincia, especixlmente do melhoramento do por-
to, passando por fim a oceupar-se do estado das fi-
nanzas provinciaes, devido suspenso dos m-
postos pelo Sr. Paranagu e a reclamar que nao
na presente sessao, porque j i nao ha tem,>o, maa
na futura, as necessarias providencias que liber-
ten! a provincia da posicio afflictiva em que se
acha.
Post scriptum.10 de Setembro.
Aproveito a demora do fechamento da mala do
Mondego, para accrescentar alguma cousa ao que
cima tica.
Na cmara continuou hontem a 3" discusso dos
additivos receita, sendo apresentados no vos ad-
ditiv, que provavelmente nao serio approvados,
Ornu em primeiro lu^ar o Sr. Affonso Celso Ju
mor, em reaposta ao discurso do Sr. Belisario.
cujo plano finaneeiro acha contradictorio. Em
seguida orn o Sr. Tbeodoro Machado respondan-
do ao anterior orador e justificando a poltica ri-
nanceira do Sr. ministro da fazenda. Como mem-
bro que foi do gabinete Rio Branco, o honrado de-
putado julgou-se obrigado a ezplicar e justificar o
syateina de melhoramentos materiaes adoptado
pelo mesmo gabinete.
Por fim tratou do estado finaneeiro das provin-
cias, com esp.'cialidade da Bahia e Pernambuco.
Em ultimo lugar fallou o Sr. Candido de Oli-
veira no mesmo sentido do Sr. Celso Jnior e com-
batendo os novos impostos, visto nao ter o gover-
no realisado as economas que promelteu.
A discusso ficou adiada.
No Senado coutinuou a discuatio do oreamento
da agricultura, pronunciando o Sr. Viriato um
longo discurso, um tanto virulento na forma, mas
contendo muitas verdades que ainda nao tem sido
ditas.
KbViSTA DIARIA
Conseibo liitierarioK uiuo-au nuutem
sob a presidencia do Dr. inspector geral.
Foram lidos os seguintes pareceres :
Da Ia seccio, relator a protessor Fragoso, sobre
a carta de A B C pela profesaora iuteuna Lucin-
da Quintiliana Moutinho; concluindo pela nao
apu ruvaco.Approvado.
Da mesma seccao, relator o Dr. Franco de S,
sobre o Segundo Livro de Leitura de Amaro Pes-
ada, concluindo pela nao approvacao.Appro-
vado o parecer, com a restrieco declarada pelos
Srs. Fragoso e Miranda.
Da 3a seceo relator o Dr. Baptista Regueira,
sobre o proceeso disciplinar iniciado contra o pro
fesaor de Urucu-mirim, Manoel Ferreira Guedes,
por denuncia do cidadao Manoel Jos da Silva,
concluindo p-la abaolvicio.Approvado.
Vinita pastoral De Quipap em 13 do
corrente esereveram-nos o seguinte :
No dia 12 do corrente fez Ezc. Rvma. o
Sr. hispo diocesana a sua entrada na freguezia de
Quipap.
As ras da cidale achavam-se ornadas de
arcos de folhagens, postes e bandeiras.
A'a 4 horas e m-ia da tarde, quando chegon o
trem, na es'acao achavam-se o Revm. vigario e
mais quatro Rvds. sacerdotes, o professor e pro-
fesaora da localidade com seus alumnos, a offieia-
I idade d 10 e 26* bat .lhoes da guarda nacional,
o destacamento commandado pi'lo tenente com-
mandante e o povo em massa, divulgando-se perto
de quinhentas pessoas espera do amado dio
cesano.
Ao saltar, ergueu S. Ezc. Revma. vivas
religiio catholica, apostlica romana, a S. S. o
papa Leo XIII, a S. M. o imperador, ao povo
brasileiro e aos habitantes de Quipap, sendo por
todos correspondidos, tocando nesta occasiao a
banda marcial de Canhotinho.
Seguio S. Ezc. Revma. para a casa do Revd.
vigario, onde Be bospedou e d'ahi processionalmen-
te para a matris, onde ao entrar tocou a orches-
tra o Ecce Saccerdos Magnus.'
Depois das formalidades do pontifical romano
entrou o le-Dcum, sendo a msica confiada aos
cuidados do Sr Benedicto Sobreira, da cidade de
Palmares, que a chamado do Rvd. vigario veio
com sua oreb-atra a et'ta localidade.
Findoo Te-Dewn, e emquanto a orebestra
ezecutava urna cavatina denomidada D. Jos, obri-
gada a flauta, sob a regencia do Sr. Benedicto
Sobreira e ex cutada pe,o fUutista Ludgo.ro Ra-
malho, S. Etc. deapio se das vestes pontificias, e
regressou com todo o cortejo da recepeo ao som
da banda marcial para a casa do ttvd. vigario.
< A' noite foi cumprimentado pelo povo que,
precedido pela banda marcial, seguir em mar-
cha aux JUmbeaux.
Estar S. Exc. Rvma. entre nos doze dias,
e esperamos qne desta visita tirar grandes fru-
ctos.
A igreja achava-se elegantemente ornada,
i elo distincto artista armador de Palmares o Sr.
Firmino.
A Moda IllutlradaDo Rio de Janeiro
recebemos hontem o n. 184 date ezcellente jornal
das familias.
Alem de muitas graveras no tezto o numero de
que nos oceupamos traz urna liudissima estampa
colorida e urna folha de moldea e bordado?.
Testa de S. Francisco A veneravel
ordein terceira do seraphico padre S. Francisco
realiaar amanh a festa do seu excelso padroeiro,
com a pompa Jo costume.
Estao convidados os candidatos approvados para
entrarem de irmos e os irruios novicos approva-
dos para professarem, a comparecerem uns e ou-
ti os no referido dia de amanh pelas 9 horas da
manh, na igreja da veneravel ordem, afim de rea-
lisarem suas entradas e profisaoes ; bem como os
irmos a comparecerem revestidos de seus habi -
tos, para asaistirem s vsperas, missa solemne e
Te-Deum, que em commemoraco impreasao das
chagas ao seraphico patriarchi terio lugar nos
dias de iuinta-feirs, s 7 horas da noite, e sezta-
feira, s 10 horas da manh e 7 da noite.
A banda marcial do Corpo de Polica far-se-ha
ouvir ao meio dia da vespera, antes e depois dos
mais actos.
A o nica da missa, son a regencia do maestro
Joo Rosas, ser a da ordem, composicio de San-
tos Pinto.
Pregaro, o sermo da missa o pregador Revm.
canego Ananias Correia do Amaral o o sermo do
Te-Deum o pregador Revm. Fr. Augusto da Im-
maculada Conceico Alves
Os edifi .-ios do hospital e consistorio otario ex-
postos das 6 1/2 s 9 horas da noite de sexta
teira aquellas pessoas que se apreaentarem decen-
temente vestidas.
DinnelroO paquete inglez Mondego trou-
xe dos portos do sul para esta praca 54i#000.
Daqui levou as sommas seguintes para :
Portugal 1001.
Franca 200*.
Em transitoCom oito que neste porto re-
cebeu leva o paquete inglez para a Europa 207
pasaageiroa.
Festa do CajueiroA junta administra-
tiva do Hospital Portuguez de Beneficencia, so-
lemnisar no domingo o 31- anniversario da aber-
tura do seu hospital, com urna festa no sitio do
Cajueiro.
Como do costume, constar a festa de missa can-
tada na capella do Hospital, pelas 10 horas da
manh, Iadainha s 7 horas da tarde, exposico
do eatabelemento desde as 3 horas da tarde em
diante, leilao e basar de prendas.
Duas msicas marciaea execataro as melhores
pesas dos seus repertorios e urna explendida illa
minacao abrilhantar todo o sitio do Cajueir.
A junta administrativa confia justamente que
ainda urna vez o fa /or publico proteger os
pobres devalidoa a que distribue soccorros e que
lhe nao faltar a proteceo e sympatha de to-
dos os caracoes bem formados que tanto e tanto
tem protegido o stabulecimento ; c er qun
festa doa pobres nao faltar a animacio de to-
i doB aquellos que sentem pelas dores e desgranas
da humanidade, alguma cousa mais do que urna
> est-ril compaixo.
Seis de OutabroDistribuio-se hontem o
n. 16 d'este quinzenario, orgo da Associaco doa
FunccionanosProvinciaes de Pernambuco.
A EntacoD'este ezcellente peridico de
modas parisienses recebemos hontem do Rio d s
Janeiro o n. 17. Traz urna estampa de moldes e
bordados, um figurino colorido e muitas esta upas
intercaladas no tezto.
Circo de cavallinnosNo paquete na-
cional Bahia, es erado dos portas do sul, deve
chegar urna grande companhia equeatre, gymnas-
tica, acrobat ca, equilibrista e mmica, com agtrre-
gaco zoolgica, s-, t a direcQao dos artistas Hila-
rio Mara de Almeila e Honorio Paacios.
Fazem parte da companhia cerca de 30 artistas
de ambos os aexoe, sendo os nais mocos de 6 e 7
annos de dade, tendo mais 10 msicos e 4 criados.
Possuo ella 12 ca vatios, sen-lo 5 amestrados em
plena liberdade, 4 caes e 4 cabritos amestrados e
urna terrivel hyena da frica, que ser apresenta-
da dentro de urna espacosa jaula, onde entrar o
director Almeida para fazcl-a trabalhar.
Oa artistas sao europe.ua e aul-ain"ricauos.
Brevemente ezbibir os seua trabalhoa aqu.
Beneficio transferido O espectculo
que devia realisar se hoje, no theatro de Santo
Antonio, em beneficio de ). Emilia de Barros, foi
transferido para quarta-feira da semana vindoura,
23 do corrente.
Ferimento leveNo dia 29 do mez findo
e no termo da Gloria de Goita, Luiz Alves e seu
filho Manoel Alves, travaram-se de razoes com
Clara Mara de Jess e a feriram levemente na
cabeca.
Contra os delinquentes que se evadiram, procc-
deu a autoridade respectiva nos termos da lei.
itouitu na Tnesourarla de Per-
nambucoL-se no Jornal do Commercio da
corte de 10 do corrente :
Do presidente de Pernambuco receben o Sr.
ministro da justica o seguinte telegramma :
Roubo Tbesouraria 793:0u0000.
Amanbeceram casa forte e cofres abertos
com chaves falsas ; portas exteriores techadas,
apenas urna varanda aberta, nao ha vendo ve ti-
gios da sabida. As chaves que abriram os cofres
foram abandonadas, e sao iguaes no molde s do
thesoureiro; mas nao do fabricante do cofre.
Tenho eu e a chefe de polica tomado providen-
cias precisas. Um soldado da guarda desertou ;
nao sei se ha ligacio com o acontecimento ; ave-
riguo activamente. >
Blelco gera! no Blo Grande do
SnlO Paiz, folha da corto, publicou o seguinte
telegramma :
Porto Alegre, 3 de Setembro, s 8 e meia
horas da noite.
Resultado final da eleicao, em segundo es-
crutinio, de deputado geral pelo terceiro districto
desta provincia :
Conselheiro Maciel (eleito) 898
Dr. Borges Fortes 814
a Consta aqui que para este resaltad contri-
buiram muitos votos dos conservadores adversos
ao candidato Borges Fortes.
Proclamas de casamento Foram
lidos na matriz da Boa-Vista, no di 12 do cor-
rente, os seguintes:
Joo Baptista de Athayde^com Rita Esteves de
Albuquerque.
Joaquim Ezequiel Goncalves com Hermilla da
Silveira Lobo.
Leilde*.Effectuar-se-hio:
Hoje :
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, na ra do
Mrquez de Olinda n. 19, de machinas de costara
e muitos outros artigos.
i'eio agente Gusmao, s 11 horas, na ra do
Mrquez de Olinda n. 19, de 20 encapados de fu-
me do Para.
Feto agente Brito, s 10 1 [2 horas, na ra de
Pedro Affonso n. 43, de fasendas, miudesas, gene-
ros de estiva e movis.
Minian fnebres.Serio celebradas :
Hoje :
A'a 6 horas, na igreja da Soledade. por alma
de D. Mara Jaaquina Pinheiro Barreiros Maia.
Amanh :
A's 7 horas, na matriz de Santo Antonio, por
alma de D. Francisca Genuina Cavalcante.
Sabbado:
A's 7 horas, na igreja da Soledade. por alma de
Pergentino dt Gusmao Fonseca.
Pasa sel rosChegados do sul no vapor in-
glez Mondego :
Artuur G. Battle, Hemeterio Martina, Pedro
Francisco de Barros, Joaquim de Araujo, Manoel
Rodrigues Moreira, Alfredo E. Kidd, Antonio
Francisco B. Araujo, Jos C. de Carvalho, Anto-
nio G. Stabile e Scardina Lbala.
Chegados do Sal no vapor nacional Mrquez
de Caxias:
Antonio Tarares Gomes, Dr. Henriqne Teizei
ra Fontes, Mara Vctor da Rocha, Dr. Antonio
F. Mattos Barretto, sua senhora e 2 criados, Dr.
Valentim Monte, Caetano Campos, Claudiana Se-
nbonnha dos Santos, Esmeraldina A. Borges,
Alezandrina F. de Souza, Adelia Mana da Con-
ceico, Generosa Mara da Conceico, J is d'OIi-
veira Bastos. Basilio de Araujo, commendador Cu-
pertin > Guimares Bastos, Antonio dos Santos
falco, Felisberto Fiuza de Oliveira, tenente Le-
oncio Rodrigues Ribeiro, sua senhora, 2 d'hos e 1
criado, tenente Evaristo S. Goncalves Costa, sua
senhora e 2 criados, 32 pracas e 6 mulheres das
mesmas pracas.
Sahidos para a Europa no vapor inglez
Mondego :
Archiaa L. da Silva Mafra e sua senhora, Jos
Mara D. Amorim, Alexaudre da Silva Hortes, T.
P. W. Broiki, J. Alves do Valle c Adolf Seguiti.
Operacoes cirursicas Feram pratica-
das no hospital Ftdro I, no dia 15 do corrente, as
seguintes :
Pelo Dr. Malaquias : .
Urethrotomia externa reclamada por cstreita-
mento iufranqueavel ds urethra e abeesao par
neal.
Eztraccio de kisto sebceo da regiao malar.
Pio Dr. Smoes Barbosa:
Eztracco e cauterisa^o pelo thermo cauterio,
de cancro epitelial do colU do tero.
Casa de Deiescao-Movimeato dos pre-
os no dia 14 de Setembro :
Existiam presos
exiBtcm 305.
A saber:
Nacionaes 278, mulheres 4, estrangeiros 8, es-
oravo sentenciado 1, processados 5, ditos de oor-
receo 9.Total 305.
Arracoados 288, sendo : bons 271, doemtea 17
Total 288
Movimento da enfermara :
T vera m alta :
Antonio BiHano.
I aetano Teixeira Basto.
Euzebio do Espirito Santo.
Ignacio Ferreira.
Jos Venancio da Silva.
Luiz, escravo de B. C. L.
Manoel Jos Dionisio.
Nicolao Gomes d* Silva Cascao.
Pedro Celestino da Cunha.
EiOterla de MaceiPor telegramma re-
cebido pela Casa Feliz, sabe so qu', na 7.i
parte da 13a lotera extrahida em 14 de Setembrs
toraxi premalos os seguintes nmeros
34.889 200:11004000
34.025 40:000 000
29.283 20: (OOiiOO
32.932 10:000*000
33.357 5:000*000
12.851 2:000*000
17.119 2:000*0 X)
18.214 2:000*000
18.263 2:000*000
21.478 2:000*000
26.049 2:000*000
30.831 2:000*000
33.240 2:000*000
39.492 2:000*000
Premios de lxOOO
6.126 6.182 10.355 10.506 13.017
3.729
15.588 16.165 16.540 18.429 14.236 -4.978
27.715 28.438 30.413 31.642 32.024 32.113
34.054 34.973 36.398 36.976 38.303
Approximac6es
34.888 4-000*000
34.890 4:000*000
31 024 2:000*000
34.026 2:000*000
29.237 1:300*000
9.239 1:300*000
Os nmeros de 34.801 a 34.900, excepto o da
sorte grande, estao premiados com 400*.
Os nmeros de 31.001 a 31.100, excepto o pre-
mio de 40:000*000, estao premiados com 200*.
Todas as centenas cojos dous algai sinos termi-
naren) em 89, estao premiadas com 100*, inclusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros que terminarem em 1* c S>
estao premiados, com 20*
Lotera da provincia HOJE, 16 do
corrente, s-i extrahir a 1.' parte da 1.a lotera
em beneficio da Santa Casa de Misericordia de
Recite, pelo novo plano approvado.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceico dos Militares ser teita a eztracco
pelo systema da machina Fich.
LoteraA Ia parte da 1* lotera da provin-
cia, em beneficio da Santa Caaa de Misericordia
do Recife, pelo novo plano, cujo premio grande
100:0004000, ser eztrahida hoje 16 do corrsnte,
principiando a extracc/io ao meio dia.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
liOterla Extraordiaria do Vplraa-
sa -O 4." e ultimo aorteio das 4. e 5. series
ci"sta importante lotera, cujo mainr premio da
150:000*000, ser extrahida brevemente.
Acham se expostos veuda os reatos dos bi-
fes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Mareo
n 23.
Lotera de Macelo de 200:000*000
A 8, partes da 1'3 lotera, cujo premio
grande de 21/0:000*, pelo novo plano, ser ez-
trahida impreterivelmente no dia 21 de Setembro,
s 11 horas da manh.
Bilhetes a venda na Casa Feliz da praca da In-
dependbncia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Rada da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera do BloA 2a parte da lotera
n .365, do novo plano, do premio de 100:000*000,
ser eztrahida no dia .. de Setembro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da edrteA 4a parte da 199 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:000*,
ser eztrahida aman, i 17 de Setembro.
Os bilhetes ach im-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na praQ* da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Matadouro PublicoForam abatidas ns
Matadouro da Cabanga 79 rezes para o consume
do dia 15 de Setembro.
Sendo : 62 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
jJl C., e 17 a diversos.
No meamo estabelecimento foram tambem
abatidas para o consumo do dia 16 do corrente 89
rezes.
Sendo : 72 pertencentes a Oliveira Castro & C.,
e 17 diversos.
Herrado Municipal de S. JosO
movimento deste Mercado no dia 15 do corrente,
foi o seguinte :
Entraran :
36 1/2 bois pesando 5,189 kilos.
1006 kilos de peixe a 20 ris 20*12
80 cargas de farinha a 200 ris 16*000
27 ditas de fructas diversas a 300 rs. 8*10
7 taboleiros a 200 ris 1*400
13 Suinos a 200 ris 2*600
Foram ocenpados :
221/2 columnas a 600 ris 13*500
21 compartimentos de farinha a
500 ris. 13*500
24 ditos de comida a 500 ris 12*00
74 ditos de legumes a 400 ris 29*600
16 ditos de sainos 700 ris 11*300
10 ditos de tressaras a 600 ris 6*000
10 tainos a 2* 20*000
3 ditos a 1* 3*000
A Oliveira Castro & C.:
54 talhos a 1 ris 54*000
2 talhos a 500 ris 1*000
Deve ter sido arrecadada neste dia
a quantia de 212*020
Rendimento dos dias 1 a 14 de Setem-
bro 2:779*820
Foi arrecadado liquido at hoje 2:991*840
Precoa do dia :
Carne verde a 240 e 400 ris o kilo.
Saiuoi a 560 e 640 ris idem.
Carneiro de 720 e 860 res idem.
Farinha de 240 a 320 ris a cuia.
Milho de 240 a 320 ris idem.
Feijo de 500 a 640 idear
- -1
PIBLK VCOES A PEDIDO
Agradecimento
Francisco Nunes da Silva, homem pobre e des-
valido, havendo sido absolvido pelo Tribunal do
Jury do termo de Olinda, de um aupposto crime,
a ai calumniosamente attribuido, em satisfago a
caprichos de certo poderoso da loealidade, vem
por meio deste jornal agradecer ao IIlu.. Sr. Dr.
Albino Meira a caridade de prestar-se gratuita-
mente como sea ad\egado, perante aquelle Tri-
bunal .
Recife, 3 de Setembro de 1886.
Protesto em tempo
Achando-se no Consulado Provincial, grande
numero de peticoes, afim de serem certificadas
tuasi todas as verbas das casas do Arraial e Poco
a Panella, para por este meio fazerem-se electo-
res, isto sem eoneentimento de seus propietarios,
protesta desde j o abaizo assignado, a taz r va-
ler as penas da lei aquelles que assim quizer
eztorquir o seo direito, e assim pede ao Br. Ur.
promotor publico, que se digne prestar a devida
consideraclo a to justo reclamo.
Recife, 16 de Setembro de 18>.
Joaquim Maximiano Pesian*.
N. 3. Mais se tendes filhos debis que
por falta de appitite estao do9ntes, dae-
lhes a Emulslo de Scott.
E' maravilhoso. come em pouco tempo,
ao tomarem-na, restabelecem-so e como
recuperara a energi e a sade.



Diario de PernambucoQuinta- feira 16 de Setembro de 1886
Hospital Portnguez de Beneli-
cencia
Sl. annlTersarlo
FESTA DO CAJUEIRO
A junta administrativa do Hospital Por-
tuguez de Beneficencia, confiando nos ge
nerosoa sentimentos de caridade, que ani-
mara a colonia portugueza nesta cidade, e
muito inais na immensa sympathia, que
merece a toda a sua populado o estabele-
cimento que dirige, tera a honra de convi-
dar todo os seus concidadaos e todos os
habitantes do Recife abrilhantarera cora
a sua presenta a testa commemorativa do
31 anniversario da abertura do Hospital,
que ter lugar no sitio do Cajuciro no da
19 do corrente.
A festa constar, como de tradicyao,
de urna missa cantada na capella do dito
Hospital, pelas 10 horas da manha, la-
dainha s 7 horas da tarde, exposic2o do
estabeleciraento desde as 3 horas da tarde
em diante, leilao e basar de prendas.
Duas msicas marciaes executarSo as
melhores pecas de seus repertorios e urna
esplendida illuminacao abrilhantar todo o
sitio do Cajueiro.
A junta administrativa espera anda urna
vez que o favor publico proteger os po-
bres desvalidos a que distribue soccorros
e que Ihe nao faltar a protejo e sympa-
tflia de todos os coracocs bem formados que
tanto e tanto tero protegido o estabeleci-
raento ; er que festa dos pobres nao fal-
tar a animac2o de todos aquelles que sen-
tem pelas dores e desgracas da humanidade
alguma cousa mais do que urna estril com-
paixao.
Secretaria do Hospital Portugucz de
Beneficencia em Percarobaco, 11 de Setem
bro de 1886.
Feliciano de Aztvedo Gomes,
1. secretario.
Dr. Carlos Bettencourt
Fsir.Mlam.nlo-. ti urethra curados
radie tmente pla electrolyse, sem dor. lodas as
operaeoe- de pequea e alta cirurgia. Ra do
Mrquez de 01 inda n. 34, das 12 as 3 horas da
tarde. Residencia, Passagem da Magdalena.
EDITAES
Edital n. 740
Caixas econmicas escolares
De ordem do inspector geral da instruccao pu-
blica chama-se a attencao dos professores que
tendo un mas escolas caixas econmicas escalares,
ho deixado de cumprir o disposto no art. 104 5
do regiment -las escolas publicas para o disposto
no final do referido piragrapho relativamente
remessa da lista de inscripcoes mensaes esta
secretaria.
Secretaria da instruccao publica de Fernam-
boco, 21 de Setembro de 1886.=0 secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvo.
" Edilal nT 747
Abandono de cadeira
De ordem do Dr. inspector geral, faco saber ao
professor Manoel loares Albergara, da cadeira
de Olho d'Agua da Onca, que fica-lhe marcado o
praso de 15 dias para responder sobre o abandono
de sua cadeira, visto ter deixado de reassumil-a
depois de finda a licenca obtida, e haver decorri
do mai de ssis mezes fra do exercicio della.
Secretaria da Instruccao Publica de Pernambu-
eo, 11 de Setembro de 1886.
O secretario, Pergentino S. de Araujo Galvao
Edilal ii. 23
Por ordem da inspetoria desta alfandega se faz
publico que no da 16 do corrente, s 11 horas,
as portas do trapiche Conceico, ser arremata-
do em bata publica, livre de di'eitos, um amar-
rado contendo duas latas com fumo, npprehendido
no caes da Lingoeta no dia 7 ce Janho ultimo.
3 seccao da Alfandega de Pernambuco, 13 de
Setembro de 1886.O chefe,
Cicero B. de Mello.
Edital n. 8
De ordem do Ulm. Sr. Dr. inspector faco pu-
blico que ir a praca no dia 23 do corrente, con-
forme a ordem do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, de 3 do mesmo mez, o fornecimento de alimen-
tado para os preeos pobies da Cas de Detenclo,
relativo ao trimestre prximo vindouro, de Outu-
bro a Dezembro, de accordo com a tabella n. 2,
abaixo transcripta, do Reg. de 18de Marco de
1885. servindo de base a diaria de 420 ris.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, em 14 de Setembro de 1886.
Servindo de secretario,
Lindolpho Campello.
Tabellan. 2
Almo(o para todos os dias da semana
160 grammas de pao.
55 d-tas de assucar refinado de 3 aorte.
20 ditas de caf em p.
Ceia para todos os dias da semana
120 grammas de pao.
55 ditas de assucar refinado de 3 soite.
20 ditas de caf em p.
Jantar para domingos, tercas e quintas-feiras
400 gi aminas de carne verde.
5 decilitros de fsrinha.
10 grammas de toucinho.
Jantar para aegundas e quartas-feiras
229 grammas de carne teces.
4 decilitros dr farinha.
2 dito* de feijao.
1U grammas de toucinho.
Jantar para textas-feiraa e sabbados
180 grammas de bacalho.
4 deciitros de fariaba.
2 ditos de feijao.
1 centilitro de azeite de oliveira.
1 dito de vinagre.
Lcnha e sal, o necessario para todos os das.
Os gneros sero de 1 qualidade.
Lindolpho Campello.
EdtaT. 25
3' araca
De ordem do Illm. Sr. inspector, sf de ublico
que s 11 horas do dia 17 do corrente mez sero
vendidas em iraca no trapiche ConceicSo, as mer-
caduras abuixo declaradas :
Armazem n. 3
Mana FMS&C, 5 caixas ns. 55/59, viudas de
New-York no vapor inglez Poruene, entrado em
28 de outubro de 1885, consignadas a Francisco
C. Levy & C, conteado annuncios impresaos de
urna s cor, pesando liquido 40 kilogramaias.
Armazem n 7
Marea FMS&C, 1 barril n 42, idem idem, em
SI idem idem, a Francisco M. da Silva & C., con-
tendo ver iiz nao especificado, pesando liquido
legal 11 kilogr.immas.
Ter :.ira seceo d* Alfandega de Pernambuco,
em 14 de Setembro de 1886.O chefe,
Cicero B. de Mello.
DECLARACOES
Mecreiarla da weneraael or*e **'
cetra de Serapnlco Padre S. Fran
claco no Becife, 1* de eemtoro
de l** -j
De ordem do carissimo irmo minis.ro, conviao
. todos os senhores candidatos approvados para
entrarem de irmos e aos nossos irmos novicoa
approvados para professarem, a comparecerem uns
e outros no dia de sexta-feira 17 do c rreute, pe-
las 9 horas da manha, na igreja de nossa venera-
vel erdem, afim de realisarem saas entradas e
profisses. .
Igualmente canvido a todos os nosios canssi-
m -s irmos a comparecerem revestidos de seos
hbitos, para istirem as vesperas, missa so-
lemno e Te Deum, que em cmmem>racao im-
pressao das chagas ao noeso Serapbico Patr.archa
trao lugar nos dias de quinta-feira, s 7 horas da
noite, e sexta-feira, s 10 horas da manha e 7 da
"'ao reepeitavel publico fazemos sciente que a
banda marcial do orpo de polica lar ouvir suas
hndas msicas ao meio dia da vespera an-es e
depois dos mais act.s : que a msica da musa,
sob a regencia do maestro Joo Rosas, ser a da
ordem, composicao de Santos Pinto ; que prega-
rao, o sermo da missa o distincto pregador Rvm.
conego Ananias Correia do Amaral e o sermao do
Te-Denm o nao menos distincto pregador Kvm.
Fr. Augusto dalmmaculada Conceicao Aves, e
finalmente que os edifi-ios do hospital e consisto-
rio estarn expotos das 6 1(2 s 9 horas da no.te
de sexta-feira a aquellas pessoas que se apresen-
tarem decentemente vestidas.
Jeaquim Jos da Costa Valente,
Secretario.
Alfandega de Pernam-
buco
De ordem di Illm. Sr. inspector da Alfandea,
scientifico a qaem intereasar possa, quo a partir
do dia 1- de Setembro prximo vindouro, nca
inaugurado o 1 posto fiscal no antigo Forte do
Picio entrada da barra, onde devero atracar
tanto na ida como na volta todos os vehculos que
forem ou vierem do lamaro, ficando no entanto a
cargo da barca de vigia estacionada ao lado do
caes da Liogoeta e que servir de 2- posto fiscal
todo movimento de pequea cabotagera, que com-
prebende a entrada e sahida das lanchas, barca-
cas e canoas que navegara entre portos da pro-
vincia. .
Guardamoria da Alfandega de Pernambuco, i
de Agosto de 1886.O guarda-mor,
Jos Augusto de Azevedo Marques.
De ordem do Illm. Sr. inspector, faco pnbbco
que no dia 18 do corrente, pelas 10 horas da ma-
nha, pagase no Arsenal de Guerra as duas quin-
zenas do mez de Maio e a 1 de Jucho, seudo o
pagamento feito s proprias costureiras que tra-
balharam as referidas qcinzenas.
Thesouraria do Fazenda do Pernambuco, 15 de
Setembro de 1886.O secretario,
Luiz E. Pinheiro da Cmara.
Communko aos senhores socios que acha-se
suspenso o expediente deste club no dia 18 do cor-
rente em vista de ter-se cedido os sal5es do mes-
mo, ao Club Internacional de Regata.
Secretaria do Club Carlos Gomes, em 15 de
Setembro de 1886.O secretario,
P. C. Caa;iOwa.
De ordem do Sr. presidente, convido aos asso
ciados deste club para, reunidos em assembla
geral, no domingo 19 do corrente, pelas 11 horas
do dia, apreciaren! a leiturn do relatorio da direc-
tora finda. e elegerem-te os novos funeciocarios
qne teem de dirigir este clnb.
Recite, 15 de Setembro de 1886.
O secretario,
Pompea C. Caranova.
Lotera da provincia
A manha 16 do corrente ao meio da se extrahi-
r a 1* parte da 1 lotera do novo plano, em be-
neficio da Santa Casa de Misericordia do Recife ;
no consistorio de Nossa Senhora da Conceico do
Militares, pelo eystema Fichet.___________^_
Mtito ArcWoffl 6 G. Peniai-
Quinta-feira, 16 do corrente, a hora do costu-
me, haver sesso ordintria.
Secretara do Instituto, 14 de Setembro de
1886. _
Baptista Eeguetra.
1- Secretario.
Companhia Santa Ther za
Emprexarla do abanteclmento
d'asrna e lux a Olinda
Dividendo
Por deliberaco da directora fica marcado o
dia 13 do corrente pira nelle se comecar o paga
ment do 15" divide do da cempanhia, a razo de
6 0/0. O pagamento, como de costume, sa effec-
tuar pelo Sr. thesonreiro no 2o andar da casa n.
73 ra do Imperador, das 8 horas da nanha s
2 da tarde at o dia 18, e dahi em todos os das
uteis das 8 s 10 da man a.
Escriptorio do gerente, 6 de Setembro de 188o.
A. Pereira Simoes-
Edital n. 26
1 praca
Dl arde do Illm. Sr. inspector se faz publico
que as 11 horas do dia 17 do corrente moz sero
vcndi'ioa em praca no trapiche Conceico, 12 ki-
lograininas e 70n grammas de coral m obras, e 750 grammas de fitas de seda lisa,
nao especificada, apprehendidos no da 20 de Ju
Ih do corrente anno, a Achules Giomo, passa-
geiro do vapor francs ViUe de Victoria.
3' i.'cco da Alfandega de Pernambuco, 14 de
Setembro de 1&36. (f chefe,
"" Cicero S, dg Jlcllo.
THEATRO
DE
VARIEDADES
Quinta-feira 16 de Setembro
IItima apparlf fio lo illnsionista
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheira chefe,
faco publico que no dia 25 do corrente, ao meio
dia, recbese nesa reparticao propoptas para a
execuco dos repares da cadeia de Serinhem,
oreados em 400^000.
O orcamento e mais condicSes do contrato se
acham nesta secretaria para seiem examinados
pelos senhores pretendentes.
Secretaria da reparticao das obras publicas de
Pernambuco, em 11 de St-tembro de 1886.
O secretario,
Joo Joaquim de S. Varejo.

MARTIMOS
DE MuIME
Grande funeco
Os lios esfurcos ita thanmatarga
Experiencias incomparaveis de alta
prestidigita c3.-
Pela 1> e a'ilima Tes
A FADA MELUSINB
OOS
Ultima funr(o
Prego os rio cosame.
PriplnrA j 9 e mt-ln cm ponto
CHARtiElRS REUNS
t ompanhia Franceza de \avega-
eo a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro
Santos
Steamer Vi iii Macelo
Espera-se dos rjortos do
sul at o dia 19 do corrente
seguindo depois da indis
pensavel demora para o Ha-
vre.
Conduzem medico a bordo, sao de marcha rpida
e offerecem excellentes commodos e ptimo passa-
As paseagens podero ser tomadas da antemo.
Recebe carga encommendas e parsageiros para
os quaes tem excellentes aceommodacoea.
Steamer Vil!8 "fle Pernamliaco
E' esperado da Europa
no dia 20 de Setembra, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
bia. Rio de Janeiro
e ttantoa.
Boga-se aos Srs. importadores de carga p?loa
vapores desta !inha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarenga.- qoal-
quer reclamagao concernente a volumea, qne po-
ventura tenham seguido para os pertos do sul.afim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabilisa por extravioa.
Recebe carga, encommendas e passageire par
es quaes tem excellentes accomodacoes.
Augusto F. de Oliveira & C.
ACiKVIE*
42-RA DO COMMERfiIO-42
(O PAKHIb v-ES HESSAME-
RIES H.IHITIMEN
LINHA MENSAL
0 paquete Congo
C'omniandantc Cirou
E' esperado dos portos do
sul no dia 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 9/0 em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garem 4 paseagens inteiras.
Por excepeo os criados de familias que toma-
ren) bilhetes de proa, gosam tambem d'este abat*
ment.
Os vales postaos s se dao at dia 23 pagos
de contado. .
Para carga, pasaagens, encommendas e dnbeiro
a frete: tracta-se com o
AGENTE
Angoste Lab'He
9-RA DO COMMERCTO-9
flaitoE-SeaiiBrMscliB
DamprschiflTabrts-Gesellschall
O vapor Rosario
Espera-se de HAMBURGO,
via LISBOA, at o dialG do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
de Janeiro e Santos
0 vapor Yalparaizo
E' esperado dos portos do
sul at o dia 18 de Setembro
depois da demora necessaria
seguir para
Lisboa e Hamburgo
Para carga, pasagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se cOm os
Consignatarios
Borstelmann & C.
RUADO VIGARION. 3
1* andar
Companhia Bra. ilelra de XaTe-
safoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Baha
Cammandante Silverio Antonio da Silva
E' esperado dos portos do sui
ateo dia 16 de Setembro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendaa t valores
racta-se na agencia
11Ruado Commercio11
tnued SUtes k Brasil ailS.S.C.
O vapor Advance
E' esperado do sul no dia
27 dt cerrente, segoiadode-
po.s da demora necessaria
para
Haranho, Para, Barbados, S.
Thomaz e \ew York
Para carga, passagens, t encommendas tracta-
se com os
AGENTES
0 paquete Finalice
Espera-se de New-Port
News, at o dia 1 de Ou-
tubro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Pura carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
llenrj Forster i C.
N. S RUADO 1' andar
CoupaabJa Bahiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Baha
0 vapor Hamnez Ae Callas
Cotnmandante Nova
Segu impreterivel-
mente para os prrtos
acuna no dia 19 do cor-
rente, &i 2 horas da
tarde. Recebe carga
'nicamente at o 1/2
dia do dia 18.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
afrete rracta-se na agencia
7tiua do Vigario7
Pacific Steam Navigation Compam
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Aconcagua
E' esperado da Euro-
pa at o dia 26 de Se-
tembro, e seguir de-
is da demora do cos-
;ume para a
Baha, Rio de Janeiro. Monte
video e val par alzo
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
se com os
AGENTES
Wllson Sons tfc c .. Limited
t. 14 RA DO COMMERCIO N. 14
COM PA MI IA HEB>*MBIC4S*
DE
Kavegaeo Costeira oor Vapor
PORTOS DO NORTE
Parakyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Jaeuhype
Segu no dia 21 de
Setembro, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 20.
Encommendas passagens e dinbeiros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da C&mpanhia Pemambucana
n. 12_______________
Para c Porto uor Lsoa
Segu com brevidade para os portos cima a
barca portuguesa Altianca : para o resto da carga
e passageiros, trata se com os consignatarios Jos
da Silva Loyo & Filho.
IEIL0ES
Quinta-feira (16) deve ter lugar o de livros,
terrenos com baixas de capim e casas em Api-
pucos. _______________^______________^__
Conforme o annuncio na columna dos leilo es
no volta do vapor Giqui de Fernando de Noro-
nha, deve ter lugar o leilSo da barca italiana
Luitia V, tal qual se acha no lugar do sinistro,
bem como os salvados viudos d'alli no mesmo
vapon_____________________________________
Conforme o annuncio na columna dos leiloes,
deve ter lugar no dia 22 do corrente um grande e
variado sortimento de ferragens, ferramentas e
muitos cutros artigos novos e usados.
Segunda-feira, 20, haver um trem extraor-
dinario s 10 e 15 minutos para a Casa Forte com
os concorrentes ao leilao do movis, louca e crys-
taes da casa de residencia do Sr. Hall.
Leilao
de fazendae, miudezas, gneros de estiva,
louga e movis
No armazem ra de Pedro Affonso n. 43
Agente Brito
Vender mais 1 seraphna, secretarias, estantes,
lavatorios com pedra, 2 guardas louca, 1 guarda-
vestidos, 1 cama franceza, 1 mesa elstica, 1 bal-
cao de volta e registro de gaz, 1 cofre, 1 grade de
ferro, relogios de parede, l carteira, espelhos, mar-
Suezoes, 2 cadeiras de bataneo de junco, 2 ditas
e faia, 6 cadeiras de junco, 12 cadeiras de bra-
co, 6 ditas de amarello, 1 toilette com espelho, 1
berco, 1 mesa com estante, pratos, copos, jarros,
candieiros, 1 moinho grande novo, mesas grandes
e pequeas, quadros, colheres c outros objectos.
tnlntn feira. 16 do cerrente
A's 10 li2 horas
Leilao
de terrenos com baixas de capim, olaria, casas de
pedra e cal em Apipucos
e urna parte na propriedade em
commum Apipucos novator de 1:918608,
A saber :
Um grande terreno no Zongue com plantas de
capim propria para o invern, eom olaria parte
nova e parte detereorada e urna meia agua de
pedra e cal contigua mesma olaria,
Um outro terreno denominado liba, com planta
de capim propria para o invern, que outr'ora fa-
aia parte do terreno cima;
Anda um ontro dito com planta de capim pro-
pria para o vetao, condecido por baixa do Moc.
Urna casa de lijlo e cal, n, 21, na estrada de
Apipucos para Caxang, com um outro terreno,
em o qual um grande alicoree para urna ou duas
casas.
Urna parte na proprt dade em commum Apipu-
cos, no valor de 1:918*608.
Qainta-feira lO de Setembro
A's i 1 horas
Agente Pinto
Em seu escripterio ra do Bom Jess
n. 43
Leilao
De 6 machinas novas de costura, ns. 2 e 3, do fa-
bricante Dome3tic, cerca de 2 uiilheiros de apu-
lhas para oitas, 5 balancas decimat-s, proprias
para armazem de assucar ou estiva, 4 pecas
de encerado para mesa, 1 mobilia de junco com
tampos de pedra, 1 dita mog 10, 1 piano, camas
francesas, marquezoes; snfs, cadeira8,,consolo8,
carteiras, secretaria, jarros, candifiros, quadros,
e muitos outres objectos, inclusive diversas
miudezas.
Quinta-feira 16 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Mirquez de Olin-
da n. 19
Por Intervencfio do agente
tiusiiio
Leilao
De livros, entre os quaes differentes obras de
dirtito e literatura
tuntn feira ie do corrate
A's 11 horas e meia
Agente Pinto
Ra du Bom Jess n. 43
Leilao
i
de 20 encapados com fumo do Para
Sexta-feira 11 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Marques da
Olinda n. 19
De bons movis, finos crystaes, objectos de
electro pate, lindos quadros, vasos para
flores e espelhos.
A saber:
Um piano, nma mobilia de fantaza com 1 sof,
2 consolos, 2 c deiras de bracos e 12 de guarnicao,
2 cadeiras de batneos, i mesa oval, 1 porta-flo-
res, 1. lindo espelho oval, 2 ettegers, 6 laucas e
cortinados, 1 candieiro gaz com 2 bicos, i es-
tante para msica, chrocbets, tappte torro de sala,
enfetes de mesa, 5 tapetes de coco e 1 atante
para msica.
Gabinete
Urna estante para livros, 1 carteira, secretaria,
1 perta-cbapos de sol, cadeiras de balanco, 1
mesa redonda, 2 mesas de trabalho, 1 candieiro
luz-dupla, tapetes e capachos, i mesa para jogo e
6 cadeiras, e 1 estante para livros.
Sala de Jantar
Urna mesa elstica, 16 cadeiras de guarnicao, 1
guarda-looca envidracado, 1 apparador, 2 cadeiras
de balanco, 1 sof, 3 mesas, 2 consolos com mar-
more, 1 relogio de parede, 1 candieiro, 3 lampeoes
e 1 filtro.
Porcellana. crystaes e electro pate
Um apparelho duplo para jantar, 1 dito para
cha, 1 dito para almoco. guarnieres para lavatorio
copos, clices, compoteiras, garrafa?, porta-quei-
jos, galheteiros, salvas, paliteiros, talbere outros
tros objectos de electro-plato.
Prtmelro qnarlo,
Urna linda cama, cortinados, colxZes e traves-
seiro, 1 guarda-roupa, 1 commoda. 1 mesa de
cama, 1 lavatorio. 2 cadeiras, 2 cabides, 2 toilet-
tes, 1 commoda e tapetes.
Seguudo qraarto
Urna cama com colxo, travesseiros e cortina-
dos, 1 mesa, toilette, 2 cabides, 1 lavatorio, 2 ca-
deiras, e 6 cadeiras.
Tercelro qnarlo
Duas camas com colxes e travesseiros, 2 me-
sas, 1 guarda-roupa, 4 cadeiras, 1 cabide, 1 com-
moda, tapetes e 2 lampeoes.
Dispensa etc. coslnna
Flandres, potes, tormas para bolos, trens de cosi-
nha e trens de jardim.
SEGN DA-FEniA, 20 DO CORRENTE
No Poc,o da Panella, casa pouco adiante
da casa do Sr. Oeorge Gatis
Ricardo Hall, tendo de fazer urna viagem com
sua familia, faz leilao por intervencao do agente
Pinto, dos movis, crystaes, espelhos, quadros, vi
dros, electro pate e mais objectos da casa de sua
residencia ao Poco da panella, perto da estacao do
Chacn.
Todos os objectes sao de apurado gosto e achar-
se em ptimo estado de conservacS, por ter sido
montada dita casa ha pouco tempo.
A's 10 horas e 15 minutos, partir um trem ex-
traordinario que dar passagem gratis aos concur-
rentes ao leilao parando em todas as estacoes at
Ponte de Ucha, e d'alli em diaate ser expresso
at a Casa Forte.
Em continuado
ser vendido grande quantidade de miudezas, per-
fumarias e movis
POR INTERVENQAO DO AGENTE
Gusmo
1 eilo
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annoa,
com pratca de taverna : na ra das Trincbeiras
nnmero 23.
Fumo Para
Para a fabrica Vendme chegon fumo tresaa
desfiado, em latas d-- 150 e 250 grammas.
aa do Bar&o da Victoria n. 3
Loja Camacan
Miudezas
Ferreira de Souza & C, tendo resolvido vender
todos os seos artigos de miudezas por menos qae
em outro qaalquer estabeleciment", avisara s
Exmaa. senhoras que apparecam neste estabeleci-
mento para assim se convenceren! dos preeos qae
acaban de fazer :
Oleo oriza verdadeiro a 9f0 rs., linha para ma-
china a 900 rs. a duzia. agulhas finas a 60 ra,
pacotes com tres sabonetes 400 rs., nm pao de
saboneta fino 700 rs., meias finas para senhora a
700 rs. o par.
Lindo sortimento debios finos a 14200, l50Q,
1^800 e 2#500 a peca, leiues finos a 34500, 54,
54500 e64-
Espartilhos finos a 44500, 5<5t0 e 74500.
Luvas finas de seda a 148t0, 24, 24500, 34 e
34500.
Grampos para chapeos o que ha de mais barato.
Bcob pretos com vidrilho.
Alnete a 60 rs. a carta, fitas modernas lisas
e bordada.-, o que ha de mais fino.
Sabonetes de Reuter, o que ha de melhor para
a pelle, a 900 rs. um, tinta fina para marcar roa-
na a 800 rs. o frasco, lencos brancos finos a
14500adniia, lindo sortimento de broche para
senhora.
Alem deste annancio teem muitos artigos de
moda, que estao vndenlo barato.
Ra tiuque de Casias n. 66
Agradavel e til festa
do hospital portu-
gucz
Pedro Antones & C apresentam mais urna vea
a sua humilde chapa para nao esquecer, e peden
em reserva s Exmas. Sras. para lancarex suas
vistas ao toilette reservado, pois i ultima hora nao
haver mais tempa para comprar nm par de 'uvas
de seda de cr ou preta, punho alto ou baixo, um
bonito e elegante leque de seda ou qualquer outra
qualidade. Ah! j me lembro E os bicos de
cores que preciso reformar aos brancos, tambem
os pentes com vidrilhos, as trancas com vidrilhos
de cores, e as indispensaveis fitas largas e estrei-
tas para os lacos da ultima hora, bonitas meias
arrendadas, brancas e de cares. Em resumo um
frasquinho eom eptrato Guerlain, e umitas outras
cousas, que por falta ie espaco e tempo, confia-
mos aos bons cuidados das amaveis leitoras. Nao
esquecendo que o Pedro Antuues & C. do 63
ra Daque de Caxias
Nova EsperMea
Leilao
Do casco, mastros reaes mais peren$as e
da barca italiana
1A31G1A V
tal qual se acba na ilha da Rata, 6 milbas
distante de Fernando de Noronba
O agente Pinto far leilao, por autorisac&o do
Sr. cnsul de Italia, com licenca do Sr. inspector
da Alfandega e com assistencia da empregado da
mesma qne para esse fim for nomeado, e por con-
ta e risco de quem pertencer, do casco, mastros
reaes e mais peroneas da barca italiana Luigia
V, tal qual se acha na ilha da Rata, onde naufra-
gara na sna ultima viagem de Cadx para Buenos-
Ayres.
Em continuado
vender-se-ha os botes, remos e cabrestante, sal-
vados da mesma barca, existentes na Alfandega,
bem como as velas, cabos e mais pertencas da
mesma barca, que devem vir pelo vapor Giqui
da Companhia Pernambucana.
No dia 12 deve partir o vapor Giqui paraFer-
nando de Noronha.
Os pretendentes podem ir ou mandar examinar
dita barca.
AVISOS DIVERSOS
AInga-se casas a 84000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
Aluga-se quatro casas na ra Imperial ns.
102, 104,132 e 136, caiadas e pintadas, com com-
modos para familia, e preeos razoavel: a tratar no
Recife, caes do Apollo n. 45, ou na meama ra
n. 130, at as 9 horas ou dai 4 em diante.______
Precisa-se de urna engommadeira : na roa
do Rangel n. 9. ^^^_^__________
Precisa se de urna ama para cosinhar ; a
tratar no sitio do Dr. Valenca, na estacao da Ja-
queira. __________^___^
Aluga-se o sobrado de um andar e suto
com muitos commodos e bem preparado, na roa
dos Guararapes n. 48': a tratar na ra do Impe-
rador n. 16, 1- andar._______________________
__ Urna senhora de boa moral tem para alugac
em eua casa um quarto, porm que seja alguma
senhora idosa e de boa co ducta. A mesma se
nhora offerece se para tomar sob sua responsabi-
lidade aeducacSo de aleumas meninas que este-
jam no caso de haverem p- :d" mi ou pai, pois
tem as precisas qualidades par .esempenhar
esse magisterio : tratase na ra do Mrquez do
Herval, casa n. 182.________________________
Precisa se de urna ama para casa de pouca
familia : na ra de Marcilio Das n. 25, segundo
andar. ^________^^______
Aluga-seo 2- andar da ra da Penha n. 29
e a casa terrea da ra Vidal de Negreiros n. 140:
a tratar com o Piuheiro, ra Duque de Caxias
a. 66, loja de miudezas.___________________
Aluga-se um bom sitio na Magdalena, ra
Carlos Gumes, tendo boa casa com accommoda-
co.?s para grande familia, tem cosinha fra e
quartos para ciiados e cocheira ; qu der pode dirigir se ra da Imperatriz, loja do
Cysne._____________________________
Na ra do Riachu.o n. 14, engomma se e
lava se roupa de buen e de senhora, com perfei-
cao : quem quizer dirija se dita casa, que ficar
satisfei.o. ___________________________
__ Aluga-se a metade da casa n. 99 rna do
Visconde de Goyauns, aBtiga do Cotovello, por
8*000 mensaes, a alguma senhora viuva on sol-
teira, de bons costumes : quem pretender, dirja-
se mesma casa, que achara com quem tratar.
r*recis.a-8e de am caixeiro com pratica de
calcados ; a tratar nj pateo da Santa Cruz n. 2.
E' a expresso da verdade
Sao boas e benitas as casimi-as, que ultimamen-
e reerberam Pedresa & V assim como est na
dire.'ffJo da oficina de sna alfautaria nm 'x.ellen
to mestre; sna tbesonra quasi infalliv. 1 os pr- eos
das obras alli fabiicadas sa modificadis irnos, p is
sendo estas vantagens principal e essencial ci>n-
di?cao para a base fundamental dasregras econ-
micas regras estas que todo homem tem o deve-
observal-as. dois justo e rasuavel que todos oa
amigos e bons 'fregueses, vo muir se das rou-
pas que precisaren a ra do Baro da Victoria n.
41 prepara-se um terno de roupa em 24 horas.
E' o quo faltava ver, podendo-ee comprar um
temo de casemira fiua a escolher, obra muito bem
feita, que nada deixa desejar, por 60*, 654,^ 70*
804, na casa de Pedresa C. a ra do Barao da
Victoria n- 41 para ir-se em outra parto pagar
em e cento c tantos mil ris, isto nnaca.
Grande e variado
Sortimento de ferragens, trilhos, ferramen-
tas, balan$as e muitos outros artigos no-
vos e usados
C onstundo
de varoes de seo e de ferro, ohaaias de ferro, bar-
ris com pregos, eanos para boaibas, ditos de barro
para esgoto, gandastes, macacos, pedras para
afiar e ditas para calcadas, triaVos patentes, ca-
bos, grades, portas, taboletaa, alavancas, ps e ma-
chados.
Rodas para trilhos, ditos ara carrocas, ditas
para carrinhos de mo, trilhos provisorios, levaa
patentes, barra eom cimento, porteiras de ferro,
machinas de misturar cimento, phares, lampeoes,
vidros, serra circular, (patente} balancas de bra-
50, dita decimal e urna dita iagleza patente, cha-
ves inglesas, tornos, grampos, eixos e limas.
Serras, serrotes, porcas, parafuzo, (grande e
variado sortimento) trinques, plaiaas, galopas,
trinchas, goivas, furaderes, a_arte!lc9, picaretes,
enxs, ps, ferrolhos, carriteis, machados, trados,
fouces, cadeados, mancaes, biteis de ferro, pinceia,
macetas, barricas com estupia., grades para ja-
nella e muitos outros artigos novos e usados, que
estaro patente ao exame dos coacarreotes.
tliiar.a feira, S3dt corrate
No armazem, deposito da ra dos Guara-
rapes, junto fabrica de sabao
dos Srs. Fonseca 4 IraiZo
Wilson Sons ft C. fas-im ledSo, por intervencao
do agente Pinto, das terragena, ferramentas e
mais objectos, existentes no armazem, deposito da
ra dos Guararapes, junto fabrica de sabio.
A entrega effectuar se-ha em 48 horas, por ter-
se de effectuar a entrega da chave da mesmo ar-
maz. m.
O leilio principiar s II hora* em ponto por
serem muitos dif eresjtes lotei.
Ama
Precwa-se de urna ama que lave e cosinhe : aa
praca do Conde d*Eu u. 10.
/
D. Fraaeiaca ennlnaCavaleante
Niziel Joaquim Pereira, Henrique Joaquim Pe-
reira, Sedoffas Juaquin Pereira, francisco Joa-
quim Pereira (ausente), Leonor Amalia Pereira,
A-tonia Caetana de Abren, Thereza Rosa de Je-
ss Souza e Pedro de Souza Thenorio agradecen
cordialmente todos aquelles que se dienaram
acompanhar ao cemiterio os restos mortaes de sua
cara mi, sagra, irm, cunhadae tia, D. Francisca
G. Cavalcante ; e de novo convidam s todos e a
seus parantes e amigos para arsistirem as missat
que mandam resar pelo seu eterno descanso, na
matriz de Santo Antonio, sexta-feira 17 ao cor-
rente, s 7 horas da manha, stima dia do sea
failecim'-nro. pe > qae se conf-s-iam ajTadecijoa
Agradeco d caraco todsi aa possoas que se
dignaram levar sepultura ns restos mortees da
minha idolatrada filha Eutalia, fallecida hontem.
Rio Formoso, 16 de Set-uibro de 1886.
Msgalb&ea,
Mara Joaquina Plnbeiro
Bsireirii* Hala
Mnoel Antonio Rodrigues Pinheiro e sua mu-
lher mandam celebrar urna missa de stimo da
por .lma de s_a presada subrinh, Mara Joaqui-
na Pinheiro B-rreiros Maia. fallecida em Mara-
oso, no dia 10, na igreja da Soledade, i*ls fl
horas da manha do dia 16 (quinta-feira}, convidan-
do para assistir a este acto -ie caridade aos seus
amigue, a q'iem desde ) se coofessam gratos.
iviiieniin de tiOkuiao f ca
.l.rge Carroll e sens tih -, tendo r^eebide a
infausta noticia do tallecimento do seu presado
amigo, sobiinho e primo, Pergentiaa de Gusmfto
Fone. ca, fallecido no dia 12 do cuerete no B10
de Janeiro, mandam resar urna missa eabbado lo
du corrente, pelo seu descanso eterno, stimo da
do seu passamento, na igreja da Soledade, as <
horas da manha para cujo acto convidan seus
prenles e amigos, aatecipando-Jes sua eterna
gratido.
i
________i
-tm_-l
mmmmmmmmmmmi


-.**..
6
Diario e Peroaiobucotyuinla-feira 16 de Setembro de 1886
CUIDADO COM
AS FALSIFICA-OES!
PARA
O LENCO O TOUCADOB
E O BANHO.
Luz brilhani^sem Fum
OLEO AROMTICO
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINAS
Q Vigor d .
Cabelio
08 Ayer
-. (Aycrs Mr Viur^
i
0_
;A_ECCflWW_J
T\ i
r*___J_%
fKPftSKMSalCWt
r:-i O CASLO,
TORNANDO-0
USACIO. FLEXiVEl E LUSTROSO-j j
Aluga-se
. predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
abdecunento fabril : a tratu na roa do Commir-
o n 34, cora J. I. de M.-deiros Reg-_________
Alagase barato
Roa Visconde de Goyanna N. 79
Ra do Calabouco N. 4. l>ja
O armazem da roa do Coronel Suassuna n. 141
3na da Baixa Verde n. 5.
Casa terrea da travessa de S. Jos n. 23.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1 andar
aeriptorio de Silva Guimaries & C._________
MARTINS* BASTOS
Pernatribuco
NUMERO TELEPHONICO : N* 33
Agua florida. Extrahida de flores bra-
sileras pelo seu delicado perfume, suavida-
deesu.s propriedades benficas, excede
a tudo que neste genero tem npparecido de
mais tL-lebre.
Tnico americano.-E' a primeira das
prepararles para a tcnservarSo dos ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias copulares, faz nascer os cabellos,
impede vantagem de tornar livres de habitantes as
cabeyas (ios que os usam.
Oleo vegetal- Compcsto cora vegetal
innocente, preparado para am aciar, for-
tificar o dar brilbo aos cabellos.
Agua den'ifricia. Excllente remedio
contra a carie dos dentee, fortifica as gen-
itivos e faz desapparecer o ao hlito.
Vend-se as principaes casas desta ci-
dade e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 161.
TFLEPHONE N 33
Aluga-se
t ca o 1 ra Lcmbraiica do Gomes, em Santo
4m_ro, tem agua : a tratar na ras da Imperatris
a. 32, 1. andar.
*
Aluga-se
os cacas da ra do Visconde de Goyanna ns. 159
e 167, com agua e gaz : a tratar no largo d& Cor-
pa Santo n. 19, esc iptorio.__________________
Aluga-se
a sala de detraz do 1 andar ra Primeiro de
Marco n. 18, muito propria para escriptono de
qualquer naiureaa : a tratar na loja de Reamo
predio. _________________'
Alug
a-se
a casa n. 18 da ra 7 de Setembro n. 18
na caes do Apollo n. 47.
a tratar
Aluga-se
segundo a: dar da praca do Conde J'Eu n. 2,
com graudes commodos para familia, as chaves _
aadar terreo.
AlflD-fl
ia da ra de S. 'c
leiro, ra Duque
ac
Pi
miudezas.
3 n. 29 ; a tratar com o
de Casias n. 66, loja de
\m
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cer erescer o cabello ainda
aos mais calvos, cura a
tinha a a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranque-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original osada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao official de
un Governo. Tem duas vezee
mais fragrancia que qualquer outra
eduraodobrodotmpo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banbo e no quarto do
doente.# E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. nCnra as
dores de cabeca, os cansacos e os
__desmaios.
Xarope e Tiia Je Renter No. 2.
Precisase de urna ama para cosinhar e que
durma em casa do emprego ; na ra da Conceicio
n. 4, 1 andar. ^___________________
Ama
Precisa se de urna ama para cesinhar c com-
prar ; na ra do Ara gao n. 14.
Ama de leite
Precisase de urna ama de leite com urgencia,
para Oliuda. no Varadouro : a tratar em casa do
Dr- Democrito Cavalcaute.___________________
AmTpar^ engommar
No largo do Corpo tanto n. 19, 2- andar, se
precisa de urna ama para engommar e tratar de
enancas.
Serrara a vapor
Caes do Capfoaribe n. S
N'esta serrara encontrarlo os s< nbores fregue-
ses nm grande sortimento de pirhj de resina de
cinco a der metros de comprimento e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garante-se preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco dar Santcs Macedo.
~PIM0 DE RIGA
de 3X9, 4X9 e 3X<2; venJe-se na serrara a va-
por de Climaco da Silva, caeB Vinte Dous de So-
vembro v. .
AHTX8 DE SAI/-0. DIPOIS DE 0__-0.
Cura positiva e radical de todas as formas d6
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Aeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdadlo Cabello, e de todas as do-
eneas do Ba_g_eFigado, e Kins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
e restaura e renova o systema inteiro. '.
Sabao Curativo de Renter
i
Para o Banho, Toilette, Crian
Sis e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especio
em todos os periodos.
Deposito em Pernambu-so casa de
Francisco Manoel da Silva & C-
Assucar especia
Joaquim Salgueiral & C, propietarios da maie
bem montada refioacao desta cidade, scientificam
ao publico em geral e espe -ialmeute ao commer
co. que tem sempre um completo sortimento dt
assucares, tanto en caroco como refinados, de 1,
2 e 3" sorte, e especial refina lo com ovos, o me
hor que se enentra no merend, e i odein de
prompto satisfazer qualquer pedido que Ibes seja
teito, pois para iseo tem sempre um grande depo-
sito. Garanten) a boa execueao e limpeza de seus
productos.Tebt>honp n. 445 -
Kua Uireila n. .
Milita attenvao
Alnga-se ou veude se urna bof casa toda caiada
e pintada, eom um aprttdMvel si ioemho arborisa-
do, no lugar du Espnbeiro, arrabalde escolhido
para a sade ; trata se na ra do Bardo da Vic-
toria n. 14, collegio de S..nta Luzia.
Aviso
O abaixo as signado participt que mudou o seu
cscript ri# de agenciar c^rgHS p>.ra suas embar
cacoes, para a ra do Tuynti n. 12, rutr'ora da
Lapa. Recife, 13 d. Set.mbro de l8tt.
Bartbolomeu Lourenco.
Caxang
A!ngm-se quaitos mbi hados a 15$ mensues,
r(: anti/50 hotel ( Casanga, assim cubo t"ibem
commodos com cosinha e d^pmdencias par* Emi-
lia : a tratar na ra Primeiro de Marco n. 25. loja
de joias. _______
Oleo de mocot
Superior e sem falsificacao vende Luiz Jos da
Silva GuimaraeE, ra do Commercio n. 5.
o-tru
i todas as
O quinium Labarraque um Vinho eminentemente tnico et febiifugo destinado substituir todas a
preparaces de quina.
O quinium Labarraque contem todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vantagem aos convalesccntes de doencas graves, as parturientes e
5 pessas fracas ou debilitadas por urna febre lenta.
Tomado com as verdadeiras pillas de Vallet, sao rpidos effeitos que produz nos casos de chiorosi, om-
c na'liHse
ma, cores paludas.
tomal o em
Em razao da eficecia do Quinium Labarraque, prefcrivel
m copo de licor, no fim da refeico e as pilulas de Vallet antes.
\
Vende-se na mor parce das pharmacias sobe a asignatura :
Fabricagao e atacado : Casa L. FRERE
THESOURARIA
wmm
DAS
a tmm
Aelia-sc a venda a Ia parte da Ia lotera a
benetieio da Santa Casa de Misericordia do
Recife que se extrahir quinta-feira, 16 do cor-
rente pelo seguiite
__^Jardiiii das |
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que estilo
em vasos n'este jar Jim, vendem-se os sapotiseiros,
muito grandes, e dando fructo a 200, lau#
geiras, muito grandes, para enxertar, a 6_000 a
duzia, e sapotiueiros mais pequeos por barato
preco.____________________________
24,000 bilhetes a 160000
Beneficio, sello e cemmis-
sao......
3c4:OOO(5O0O
69:060^000
314:9400000
100:0000000
30:0000000
10:0000000
l_0.
a centena em que sahir
o terceiro premio
2 Approxim a 9 3 e s do
2:0000000 para o pri-
meiro premio
2 Ditas de 1:0000000
para o segundo premio
2 Ditos de 6500000 para
o terceiro premio .
4:00: 000 2,400 premios de 200000
14:0000000 para todos os algaris-
10:0000000^ moa finaes do prim-iro
8:0000000- premio ....
2,400 Premioa do 2O0OOO
para todos os algaris-
19:9000000 rnos finaes do segundo
premio.....
9:9000000 5,1-10 Premio* .
1 Premio de.
1 Dito de ... .
1 Dito de ... .
1 Dito de, ....
7 Ditos de 2:0000000 .
10 Ditos de 1:0000000 .
16 Ditoa de 5( 001)00 .
99 Ditos de 2000000 para
a centena em que sabir
o primeiro premio
99 Ditos de 1000000 para
a centena em que sa-
hir o segundo premio
99 Ditos de 600000 para
Caso a terminacao do segundo promio seja igual a do primeiro passar ao nu-
mero immediatamente superior.
Esta lotera divide se em 20 partes e os bilbetes em vigessimos de 800 res
cada um, .
Os premios raaiores de 2000000 om cada parte estao sujeitos ao imposto pro-
vincial de 15t, e 5V addicional sobre o referido imposto.
EXTRACQO PELA MACHINA FICHET
Theoouraria das loteras, 7 de Setembro do 1886.
Augusto Octaviano de Souza,
Thesourelro.
5:9400000
.4:0000000
2:00000- 0
1:3000000

48:0000000
48:0000000
314:940:000
Cal tirgem deJaguaribe
Abri se ra do Bom Jess n. 23,
um artii. zem onde se vende constantemen-
te a suprior cal virgero de Jaguaribc,
acondicionada em barricas proprias para o
fabrico do assucar.
Esta ral, em nada inferior que nos
vem do estrangeiro, vend:. i a pelo preco
fixo <<< H0OOO a barrica p"' contracto que
f< z o 8r. Vicente Nasciro .to com o Sr.
Jos C< sia Pereira propri't=ro do engenho
Jaguariba, cujas pedreirns lh<^ d o nomo
h' nnarregado da venda nicamente
nesta -idade o Sr. Seb-stiao Bezerra,
com escriptorio ra dj Kum Jess n.
23.
VERDADEIROT 1? f\V LIQUIDO
PURGATIVO Lil U I PILULAS
AMCIENNE
PHARft8ADII TTM
CEKDRB DE LB O
PURCAflF LE
TEINTU URUTIVI DI CODEI
A vis Essenj
Dei iiividn retuilliil mi bouleille
Os Purgativos Le Roy justifleam
sua reputacao secular e sua superio-
_ >idade por niilhajes de curas; hoje sao
'adoptados por toda a parte, de preferencia
qualquer outro para cura rpida e pouco
BO/iOMrosa 4a*
MOLESTIAS CHRONICAS
_, conhecidas, mal curadas, e consideradas sem
>azao como incuraveis. NSo existe medicacao mais
r fflcaz contra os humores, pituitas ou biles alterada
me provocam ou entreteem estas longas affeccoes; nao
reconstituate mais enrgico contra as reincidencias.
Rae de
Afin* de evitar as Contrafagoes :
Se deve recusar como mejficaz ou perigoso qualquer Purgativo
__1 Roy liquido ou em pilulas que ndo sahis da 1 51
. Pharmacia Cottin, genro do Cirurgitio JLe Boy j Ru de Seine
i nao trazendo a amgwtura ao lado sobre o rotulo. PARS
Casa PINET, fundada em 1852, PARS
IEXPLOTAC AOGER AL M CATCHUC
POR NOVOS PR0CE3S0S APERFlQOAOOS
ESPECIALIDADEil'INSTRUMENTCSdeMEDICINfleCIRURGIAemGOMllAElistiHOuBORRKH
Drinoes, Seringas, Borachas-Peras para InjecfSes e Clysteres. Injectort.
Pulverlsadores, Pessarios, Fundas. Ventosas, Tubos, Bicos de BBStmadeiras,
Almo'fcdas, Bollas para Injecpoes para qualquer uzo, te, ato.
__DA-BB O CATALOGO rKAKOO
. MARCASSIN C, Gendre et Saccesseur, 34, ra Turbigo, 3_, PARS
EsUbelecimento fabril a vapor: AUX LILAS, perto de Pars.______
H. B. A tnni mgt, tmpre crttcenle do nouoi producto tendo dido logar
a faliHIcacet, convf exigir Utrca M. C".
N
N. U--
Papoula _
--N 18
lo ramera
Os abaixo assignados p.,rticip;im ao publico e
com e*p<'cialidadc ao coinmercio que nesta data
tem justo e contracta do eom os fun. Goncilves
Ferreira C. a venda de seu estabelecimento de
molbadoa sito ra do Camaro n. 17, livre e
dessuibaracado de todo e quajquer debito ; porm
se alguem se julgar coro direit- ao mesmo apre-
sente-se dentro do prazo de 3 diaa a contar da da-
ta oeste. Recife, 13 de Setembro de 1886.
Sousa Alvea k C
Te
ni
Lavas de pellica, pelle de ia >, camurca, seda fio
d'EsccssiM e easemira.
A^iim florida e Trieofero_ de Barry.
v bnn;t>- diversos e curativa de K'Uter.
CanibrHS lisas, bordadas alH-rtxs.
limiM e ceroulas de fiau-il e meia de la.
Cmi-as sem collarinhos e bem punbea s^c c/p
c/c ''fr/l'.
Collarinhos, pannos, meiss, plastrn!, maaUt,
grava tas de laco.
Lenfuii, espartilhos, pent> adores em eambraia,
vestid, s da eambraia bordados, bjlcaa tapetes, fi-
las de fe ia e de 12, casaca* elsticos, casacas de
easemira greoadine de sed- e tods de seda.
Alpacas dt seda a CO t o oovado.
CAPSULAS
Mathey-Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigSo nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Gollo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgaos gemto urinarios.
(U4 Urna explicafo dttalhada acompaha cada Fraseo.
Easigir o$ Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & O, de PARS,
que te oohoo em cota dos Droguistas e Pharmaceuticot.
[]
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO H0LL0WAY
O neuento de Holloway um remedio infallivel para os males de pernas e do peito tambem pa
as fcr__s antipis chagase ulceras. E famoso para a gotae o rheumatismoepara todas as eafemu-
dades de peito na se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle nao teem semelhante e para os meabros
contra-idos e junctoras recias, obra como por encanto.
Evas m_n_ *o preparadas K-enW no Etabelecimeolo do Professor Hollowat,
78 B_W OXTOSD 8TBEKT (antes 683, Oxford Street), L0HDBE8,
E vcndems* em toda as pharma_f* do universa
_T0 cotroradores slo convid_os respeitosament. a xannar .rotulosde oda ca- e Pote, r-ote-o a
__r Ut compraaores i direS-i S,_ Oxford Sc-. -3 ftsificasoes.
catlmrro da Baxlga, Phtsica, Tona conoutsa, Oy{Pf0Jla,-Palua,
ium samuies, Catharros antigos a compUeaos, ate.
' JMjJ*f* ** 9MMKk\ e me* r*ia*9*~ iu___l-#.
AOS
1O0.000S000
3IL--IES _-A_A-TII0Q-
23-raa Primeiro de Marf23
O abaixo assignado tem exposto ven-
da os seus afortunados bilhetes garanti-
dcs da 1.a parte da 1.a lotera da Santa
Casa de Misericordia do Recife, pelo novo
plano, que se extrahir quinta-feira 16 do
corrente.
rucos
1 vigessimo liJOOO
Ka perca- de 100 par cima
1 vigessimo #900
Manoel Martins Finza.
Do Fespeitavel conselho lilterario
Convidamos a preciosa attencao para o artigo
estampado no Diario de domingo ultimo, epigra-
phado :Instrucco Publica.
Recife, 7 de Set.mbro de 1886._____________
Soa arquisifao
rara qacm qaiser ganbar diolieiro
N'uma das principaes .uas desta cidade, neg
cia-se urna padaria com todas as pertencas e em
perfrito estado de canservacao : a tratar na praca
do Conde d'Eu n. 18._______________
Obras de vime
Ultimo goNfo
Modelo aperfe5oado em cestas para compras,
acafates, costureiras, cadeiras para criancas, etc.,
etc., vendem por precos commodos Martins Capi-
tao 4 C, em seu armazem de molbados rus
estreita do Rosario n. 1. _____

Casa filial ra do
buga a. 12
Receberam novamente um esplendido
sortimento de chapeos de sol de toias as
qualidades, para senhora, lisos e bordados,
grande variedade em cores ; c para horaem
grande variedade em cabos inteiramente
no /os, chapeos para criancas, chegar no-
vo sortimento.
N. _. Fabricam-se e concertam-se cha-
peos de todas as qualidades, com perfei-
5o e rapidez a roaior possivel; pois co
bre-se um chapeo em menos de urna hora.
Amostras levara se em qualquer parle.
Vende -se em gross-' e a retalho
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de bacalhao
COM
Hypojihosphitos de cal e soda
Approvada pela Junta de Hy-
glene e autorisada pelo
governo
E' o melhor rem^ dio at huje deacoberto para a
Huir bronchite. eMCropBiulaw. ra-
cblliN. anemia. < ebllladc em geral.
deflaxoN. oie obronica e affeccSe
d*> pello e da ar_atla.
E' muito superior ao oleo simples de ligado de
bacalhao, porque, alin de ter cheiro e sabor agra-
davcis, possue todas as virtudes mediciuaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituintts dos hypophospbitos. A' venda naa
irogarias e boticas.
Deposito em Pcrnambueo__________
Pinho resina
de 3X7 at _XL_.
Pinho branco (da Suecia)
de 3X7 at 3X12.
Cimento inglez
Caixeiro
VENDEM
Fonseea Irmos ._
C
Precisa-se de um caixeiro com muita pratica de
molbados : a tratar na ra da Aurora n. 113.
Aluga-se o sitio da travessa de Joao de Barros
n. 6, com boa casa de morada, bastantes fruetei
ras e baixa para capim ; trata-se na r ia da Im-
peratriz n. 14, .misara.
Can forfle a"-3?fl i&Tolo
Na ra da Guia n. 51, superior qualidade.
Folbinhas
De Laemmert
Para 1S89
CHEGARAM as afamadas folbinhas de Laem-
mert : 1 Recreativa, Trovador, 3 DivtrtimeaU
de salao. a Histrica, 5 MorUi.ta, 6 Jogador,
Cmica, 8 Romancista, 9 Cupido, 10 Jardineiro,
llMaOii-J, 12 Charadista, 13 Sonho*. 14 Dra-
mtica. 15 Contos moraes, 16 divertida, li Thea-
tral, e mais oito outros, e vendim-se na casa de
G. LAPORTE C.
46"Ra do Imperador46
(Grandes abatinaeutos as vendas em _T06_)__
Barbeiro
Precisa-se de um official de barbeiro : na ra
do Livramento n. 17.___________
"Ca^a para alugar
Aluga-se a casa n. 6, sita em Sant'Anna de
df ntro, com 2 asas, 4 quartos, eosiuba e quartos
fra, quintal murado e grande terreno em seguida
ao muro do fundo : quem pretender dirja-se ao
sitio do Sr. Jorge Tasso, no Maaguinbo, estrada
da Poute de Ucha, que achara com que .i. tratar.
Tavares de Mello,
Inslruei'ao publica
O delegado htterario de Vicencia, conteste, se
pode, com documentos serios, a publicaco inser-
ta no Diario de hontem, sob a epigraphe cima.
Recite, 6 de Setembro de 1886.
A voz da moral.
Ao commercio
Os abaixo assignados parlieipam ao publico e
! com especialidade ao commercio que nesta data
i tem justo e eontractado com os Srs. Souza Al ves
i & C. a compra do estabel.cimento de molbados #N -/v JP P nVOVlllPlTI
sito ra do Camaro n. 17, livre e desembaraca. ^jeill U CXr V^ JJICVIUIU
do de todo e qualquer onus ; se alguem se julgar __.
'credor aprsente se dentro do prazo de 3 das. I qq T)ll OllCO 0116 IllOVeiIl
I Recife, 1 de Setembro de 1886. ; ** ir _*
Goocalves Ferreira & C.
1 Tendee toce ou eoffreis do peito
Usai o melhor remedio, que o PEITORAL
DE CAMBARA', e veris como vosso soffriment
! desapparece. Vende-se na drogara dos nicos
agentes e depositarios geraes na provincia, Pran-
I cisco Manoel da Silva C, iua do Marqnez de
Olinda n. 23.
EXPOSICO DE PAHI8 _
roBA di coscoaao
Cura
de
pelo TO do
fnde-u em todas as PhamwcHU.
pora o coscoaao
ASMA
Ficam sem efeito
as accoes entre amigos, que corram tres vezes
com a grande lotera de tres sorteios, da Colonia
Isabel, as pessoas que ficaram com bilhetes quei-
ram receber as respectivas importancias de quem
lb'os passou. Recif.-, 14 de Setembro de 1886.
Caixeiro
Precisa-se de um menino com pratica de aver-
na jnaruadeHfjrnisjr 17._______________
Casa terrea e sota
Aluga se a do pateo do Terco n 82, e a da ra
djNascenten. 22, prxima a matriz de _. Jos,
com 3 quartos, quintal e cacimba, em bom estado,
est nova : a tratar em Fra de Portas, ra do
. lar n. 56, at as 11 horas da mnb_ ou depois
das 4 horas da Urde ^^___
rt pelo juizo do commer-
cio desta cidade a>
tada co atra o proprie-
tario do engenho Con
capto Velho. no termo
de Ipojuca, pelo que
nao ser licita qual-
quer transaeco sobre
o referido engenho, ou
acerca de urna escrip-
tura de hypotheca que
se diz existir no mes-
mo.
PENSORIO MILLERET I
tico, sua Ugaliras debain du ctxat.
Para evitar as faisiftcocei,
exigir afirma do inventor, ettampaaa
em cada suspensorio-
FflHM8 DE TOBOS 08 SISTEMAS
ME1AS PARA VABIZES
miIBET. LE 8BH1DEC. ocet-or,r^^rj^^t^^
HX0I9TIUD0
Para padaria
Cidade da E-rada
Aos senhoies padeiros, uflferece Manoel Lonaen
co dos Santos dous cylindros e pertencas de pa-
daria : os que quierem comorar, dinjan-se
cidade da Escada. a entender-te com a vendedor.
LruidaCaO
Vende-se port, de ferro, gradeamento para
cima de moro, jhrdim e terraco, bandeiras d fer-
ro para portas exteriores e interiores, de todas as
qualidades, gallinbeiro de ferro, carroca pa a bois
e cavallos, carrir_w de mi e rodas para carro-
sas, por preco commodo : no largo do Forte n. 4,
defronte do quartel daa Cmoo Punta, oficina d*
ferreiro.
Criado
Procisa-se de um criado de 14 a 19 annes ; a
tratar na ra do Commercio n. 44, ou Paysandt
n. 19 (Pas-agem da Magdalena). ____
0:MM_tUulklI
Tomen nota
Trilhos paraengenhos
WAGONS para canna
Locomotivas
HachPi'Ismo completo para en-
genho de todo os tamanho
Systema aperfeicoado
Especificare e precos no escriptono dot
agentes
Browns & C.
m i -Bna do Commerein
SU Mm do cima B &C, tem cathilogosde
J- ".mplementosneceasarios aagncaltora, eom
mbem machinas para descarocar algodao, m.
nkoswir cal, trigo, arro e milho; cerca da rer-
^ Wani^do excelente e'modjco em preco, pe_-
o.gnenhama pode tiq^-^-*e_| animal qW*
bral-a.
nm


(Mario de PeMiaibncoQ,uintafeira 16 de Sctembro de 1886

,
?
ismiLiz
os 100:0001000
SILHBTB A.*TtOS
Praea da independen
cia ns. 37 e 39
Aha*-se venda os felizes bilhetea
garantidos do novo plano da t parte da, 1
lotera beneficio da Santa
serieordia do Recife, que
16 do covrente.
rreeos
De cada vigessimo
Em porco do 100$ para cima
so extra hir a
Ailt'^t-'
jooe
900
Auau*to dos Van'-* Poi*.o

(osinheira
Precisa-se de urna cosinheira que seja perita e
durma cm casa do patrao ; na ra do Riaebuelle
n. 57, portao de ferro.______________________
Baiitios do mar
Roupa e e :lcidos apropriados para uso de ba
nhos do mar. para homeus e senhorae, vende-se
BO estabdecimentJ e tambero aluga se a quem
queira usar dos meamos banhos sobre a condieao
de avnlsos ; as pessoas que levi.rem de trra suss
roupr.s, deverito neliss deitarem suas iniciaes, sob
pena do ee!:.belecim''ii!<> nao se prestar a tomar
o encargo rao coro o calcado, toalha, etc. ^^^^^^
n t rm K i l i
illl I a
i m I I I II Ll
Aos 100;
i0
BilllS SMHTD30S
16-K.ua do Cabug-16
O abaixo as-signado tero exposto ven-
da os seus venturosos buhe tes gar;,ntdoB
daIo loteria do novo plano.
Presos
i Vigsimo 1-5000
Sendo quantldade superior
a 1>0:OOO
A dezcna 90000
Joaquim pires da Silva-
EXP0SITI0N
Medailie d'Or^TCroiXdeCheTalier;
LEt PLUS HAUTES RC0KFEHSES
UN1VU" 1878
PERFUMARA especial
LACfElftA|
E. COUDRAY
Praonisada pelas Celebridades Medicas de Pars
PARA TODAS AS NECESSIOADES 00 TOUCADO
PRODUCTOS ESPECIAES
TMAc ARROZ ile LACTEIHA para blanquear a pelie.
SABIO de LACXEINA para trocador.
CRE1E e P e SABiO de LACTEINA para a barba.
POIAIA de LACTEIIA para a belleza dus cabellos.
AGUA de LACTEINA para o toucador.
OLEO de LACTEINA para erabe.llezar os cabellos.
ESSFJCIA de LACTEMA rara lenco*.
P e AGUA DEUTIFRICIOS de LACTEIIA.
CREE LACTEIIA chamada sclim da pelle.
LACTUNBA para branquear a pelle.
ESTES ARTIGO* AC-AM-SE NA FABRICA
f pars 13. rae d'Enghien, 13 pars
Depositas em Md/ u Perfumaras. Pbarmaeias
Catenereira da America.

snaia
Admlniitrcio : PARIZ, I, Boulmtrd Uontmutre.
GRANDE-GRILLE.Affeereilmphaticas.doon-
casd-sv.'us iiHMiva.,obstrucroesdo|:adoedobac
obstnic">os wsceraes, concretos calculosas da bile.
HOP1T AL Aft'Ces das viasdi2cstTa:nconi mo-
dos do csloraa;o, digettao diacil, inappelencii,
,m ir spsia,
CELESTINS.Afleccfiesdos ras, dabexiga areia,
MMffcsda jni.a K'la.diabclss.albtniinuria.
HAXJTEr.IVZ.Afe^;esdosr:B,dit>tJga,areia.
cooerecics.la oarina,to:a, diabetes, albomiDuria.
daTSTE fia CAPSULA
EXri',-SE
Em Ptrnimouco, as Agua-. a iir.i pomead.i*. a< hlo-se em casas de
ANSaiEN -V Se LAEILLE, U. ra do Commerci;
e SU1.ZER te KOECHIJN, 35, ra Ja Cu
nmmi
_______BOTlGH_I.L
3
XAROPE
HIPQrWHITO DE CAL|
Empregados com tanto eii'.o para ira
IpLthisiea, c as molestiaf tttberculosajs.j
vendaa-ee tinicamnert em frascos quears-
dos coro o uomoa ijiitorCM!BCJ__ <*bre
3ub a Influencia dos UypophophJ;os nf
uoeee dirninue, oappctiie augsserrta, as :
i a vir, os suor iicuir.ao.-- oea
c o dex n*j goza ci ura bem estar desusado ,
Os U aorica t p/sarrruiria SWAHS,
.2, me. Ca'tighone, P-iriz, 8a oa un-,
C+s reronher.iitos e rcaommendadox iieioi
P' C]iTJilHI4l-. auto- '.' etoesoiajiaj
u sttas propedadea curativas.
Ps(;o : 4 trancos pi>r frasco eai gTiMga V
; fmdum n uas pimtigsti Pharancia.
t
aTKINSON
PERFUMAfllAINGLEZA
siuri4 h*mM d* am 3oio; exce* totm
MOBtrMpclo t?tiperfume delicado e exquisito.
Tr.KZ Mki>alma nr. Oio
PARIZ ISTrj. CALCUTTA 1884
pela ''.^trfl-fina rsclVrjide niqashJadfi.
ESSEKUA DI WHITE RKE
FHWWPAmK I YLtM-YUf6
srEPHAions I WIPMAX
iintos erfuoi<'S ronhecidos pela toa
qu*ini4de e odor doleiuvd e-exquisito-
Atiflifxda
ACIA 1E COLCrIU 1E ATUISW
DCOmparar! pelo xre ,.erfump concnlri^io.
Sp-nir 201 prtdoclos similar veodides,
oo o mMiw nomo.
Utiin-u-mUti httoiHitQ intfifikricuUi
J. E. ATKINSON
24, Od Bond Street, Londres.
. Marcado Fabrica UaM"R branoa'*
abre urna Lyra de Ouro. '*
Capachos 4e-esparto

hia.
A' Florida
Roa uqne de Caxlas n. IOS
Chama te a attencSo das Ezmas. tamilia para
os precos aeguintes :
Luvss de seda preta a 14500 o par.
Cintos a 1*500.
Pannos e eollarinhos de cores para bomem a
1*000.
dem para senbora a 1*500.
Grampos invisiveis a 60 rs. o masso.
Luvas de seda c6r granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Suspensorios pr* menino a 500 rs.
dem americanos par homem a 3*.
^Metas de Escossia para crianca a 240 rs. o par.
Leques de papel cora corrente al*.
Pkasde velludo n. 9 a 600 ni, n. 5 a 400 re. o
metro.
Lencos de esguiao a 1*500 a dusia.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ramos de flores finas a 1*500.
Luvas de Escossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rs., 1*. 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Rosetas de brilhantes chimicos a 200 rs. o par.
Guarnicoes de idem idem a 50C i*
Anquinhas de 1*5), 2*, 2*500 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 ordens a 400, 500 e 600 rs.
Bicos de cores cora 12 jardas e 2 1/2 dedos de
largura a 3* a peca.
dem com 4 dedos a 4*500 a pee*.
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
Ideal La Figarine a 5*000.
Bicos de alencon com 4 e 5 dedos de largura a
2*500 a peca. rnne\
dem estreitinbos com 10 metros a 800 e l*OUO
a peca. .
Botoes de phantasia a 200 rs. a duza.
Para toilet
Sabio de areia a 320 rs. um.
dem phemeado a 500 rs. um.
dem alcatr&o a 500 rs.
dem de amendoa a 300 rs.
ldemdealfaee a 1*000.
Agua celeste a 2*000.
Agua divina a 1*500.
' Agua Florida a 1*000.
"-Mac ,cos de seda a 100 rs.
Meias brancas para senhora a 3* a duata.
BARBOSA & SANTOS
Venda do hotel o hospedarla
Estrella do .\orte, ra Tho-
m de Souza u. 8
O proprietsrio deste hotel, tendo de retirar-se
para a Europa por incommodo de saude, vende-o
por prego commodo ou admite um socio.
Vende-se
Un) cofre prova de
fogo, do fabricante
Milner.
A entender-se com
o agente Martins.
Vende-se
um nninho grande eom poaco uso, para moer ca-
f : na tua larga do Rosario n. 12. ______
Malvasia
Vinho propriti para senlioras
Em barris e a retalho : Pocas Mendes & C,
na estreita do Rosario n. 9.
Expsito central rea largad*
Rosario n. r.8
Damio Lima & C, cnamam a attencao das
Exmas. familias para os precos segointes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 < 3*000.
Fita n. 80 para fax a 2*500.
Leques regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e lXtiOO.
Duzia de meias para lv.;m<-m a 3(000.
Ditas para senhorxs a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
ealaranlu de Unto a 500 re.
Ditos de aJgodao a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 rs.
Bvisivi is grandes a 320 rs.
raiapos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6J900.
Ricas bolcinhas de madreperola de 1*500 6*.
L3 para bordar 2*800.
Urna capaila e veo de 15*000, por 12*000.
Um espelho de mol iura por 5*500.
Urna pulseira de fita per 1*200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSigO CENTRAL
58-ttua Larga k ^ ario58
Pintados, d>' diversos tamanbos, vendem pos
prec'> 8-ia corap armi.z m de molbados ras
ttmer 1.
lloiiloiro
40
40
6|50t-
12*000
800
1*800
500
1*500
800
1*2
2J8C1
1S800
400
200
Fazeodas brancas
80' AO NUMERO
roa da Imperatrlz =
Laja dos barateiros
Albeiro & C, a roa da Imperatris n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas est*s fasendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodaoPecas de IgodaoziDho com 20
jardas, pelo- barato preeo de 2*800,
if, 4*500, 4J*.0, b, 6*506 e
Madapolo Pecas de madapolSo com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas branets e cruas, de 1* at
Creguella francera, faxenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
cerouls, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, mnito bem fetas,
a 1*200 e
Colletinhos da mesma
Bramante fraoces de algodao, muito cn-
corpada, com 10 palmos de largura,
metro
Dito de nho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e
Atoaihado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras 6 escuras, pa-
droes delicados, d. 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado uo
mercado, rs.
Todas estas faaendas baratissimas, na coi-hecida
loja de Albeiro & C, esquina do beooo
dos Ferroiros
\lgodo entestado pa-
ra lencoes
A OOo ra. e liOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
Todio para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larpuraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim coms dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos ae largura a 1*200
i ctro. lato na lja de Alheiro ck. C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400, 1*600, U800 e 2* o eovado
A heiro & C, roa da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco aeim
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vcude-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3* o eovado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
cas, de duaa larguras, com o^ padres mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2*800 e 3$ o eovado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costumes de casemira a
30, sendo de paletot sacco, e 35* de fraque,
grande pechincha : na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o eovado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcSo de brn pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato proco de 321'
rs. o eovado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados alOOn.a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto eom 60 pecas, sorti-
das, por 5J, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Camisas acionaes
a aeoo. saooo a*soo
32^ Loja a ra da Imperatriz -= 82
Vende-se neste novo estahelecimento um gran-
de sortiroouto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjnbos de linho como de algodao, pelos
baratos precos de 2*500, 3* e 4*, sendo fauends
muito melhor do que as que veem do eatrangeiro e
muito mais bem feitas, por seren cortadas, por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a vontade dos
freguezes : na nova loja da ra da Imperatriz n
3.', de Ferreira da Silva.
a -
A 32
Nova loja de hw
"as
= Si
Roa da Impe
DE
FERREIRA DA Sx^VA
Neste novo estahelecimento encontrara o re-
pjitavel publico cm variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, qoe se vendem por
precos baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para homens, e tambem se man
da fazer por encommendas, p r ter um bom mos-
tr alfaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc.
7*001
10*00
12*00(
12*00t
5*50!
6*5
8*001
3*00(
1*6
1*(A><
CARNEIRO DA CUNHA C.
GRA9DS KOVIUADKS
Vende-se ou arreuda-se aonualmente urna boa
easa com bastantes commodo* para familia, tendo
agua e gaz encanados, com um bom quintal todo
murado, com algumae arvores fructferas e com
sabida para o ri, por preco omito raaoavel:
/juera precisar oi.-ija-se ra Duque de Caxias n.
117, que achara Cim quem tratar.__________ _
Para jgefllws
Cal nova de Lisboa.
Potassa da Russia.
Oleo de moe t.
Azi-itc de carrapato.
Grasa em bexigas.
Vendem Abrautes & C,
numero 48.
i tw. do Bom Jess
WHISKY
HOY AL BLEXD Jiarca V1ADO
iAi* exooO.mre Whisky ^soasase pretariv>
t;> cognac ou guardona de easatt, para fortkfici.
i corpo.
Vendse a retalho ui> n. Ihores armazens
nolhados.
Pede ROY AL BLEM) mure* VIADOeujon.
ote e embletua s- rt-gutrade- pun i todo o Brasa
HKOWNS St C, agentes
A Revoluco
A' roa Duque de- Caxias, resolveu a vender
os aeguintes artigos eom 25 / de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Setins daruass a 360 rs. o eovado.
Gorgorinas de listrinhas a 360 rs. o eovado.
La com listrinhas a 640 ra. o eovado.
Fustoes de eflres a 320 re. o eovado.
Merinos de cSres a 900 rs-, 1*000 e 1*200 o co-
?a do
Merinos pretos a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o eovado.
Vellndilhos lisos e lavrados a 1*000 c 1*208 o
eovado.
Palha de seda a 800 rs. o eovado.
Cachemira bordada de seda a 1*500 o eo-
vado.
Lia escossezas a 500 ra. o eovado.
Cambraia com salpicos a 6* rs. a peoa.
Chitas escuras e claras a 240 re. o eovado.
Linhos escosse^es a 240 rs. o eovado.
Las com bolinhas a 640 e 500 rs. o cavado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 re. o eo-
vado.
Linn com salpicos a 500 rs. o eovado.
Giosdcnaples pretos a 1*800, 2*000 e 2*500 o
eovado.
Zephiros listrados a 200 rs. o eovado.
Cretones finos a 320, 360, 400 e 440 re. o eo-
vado.
Setinetas modernas a 360, 400 e 440 re. o eo-
vado.
Fusto branco a 329, 360, 400, 440, 500, 560,
600 e 800 rs. o corado.
Setinetas lisas a 400 rs. o eovado.
Ditos lavradas a 500 rs. o eovado.
Flanella de cor a 400 rs. o eovado.
Flanella branca a 400 e 1*000 o eovado.
Chapeos de sol de core para senioras a 7500
um.
Chales de casemira finos a 9*000 um.
Fechas de 13 a 2*000, 3*000, 000, 5*000
e 6*000'um.
Tapetes para janella. piano, sof e cama a 4*,
6*000, 7*000, 8*000 e 24*000 um.
Esguiao amarello e pardo o 600 rs. o eovado.
Casacos de laia a 1-'* 00 um.
Lencoes braacos a l*8MO um.
Brim prateado a 60C re. o eovado.
Times para meninos de 4 a 5 annoe a 5*000
um.
Lencos a 2*000 rs. a duzia-
Colchas brancas a 1*800 urna.
Setins masa* de cores 800, 1*800, l*4O0,1*600
e 2*000 o eovado.
Setinetas brancas a 500 e 568 rs. o eovado.
. Cortinados bordados a 7*000, 9*000 e 16*000 o
P,CapeHas e veos a 10*000 e H*000 orna.
Colchas bordadas a 5*000, 6*000, 7*000 e 8*000
Espartilhos de caraca a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*000 um.
Cortes de l para vestidos a 20*0 0 um.
Algodao com duas larguras a 800 rs. o me-
Cortes de casemira para calca a 3*000 um.
: Bramante de linho a 1*800 o metro.
Dito de algodao a ljitt o un-tro.
Toalhas felpuda a 4*000 e 6*000 a duzia.
SI Ron da Imperan-la -32
Loja de Pereira da Suva
Neste estahelecimento vende-se aa roupas abai
so mencionadas, que sao ba- i -a, as.
Palttots pretos d.' ir aiagonaee e
acolchoados, senao tazendas muito en-
cornadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cerdao muito,
bem feitoa e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgoro preto, acolchoado,
sendo foznda muitr encorpada
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem f jitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Ceroulas de grcguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Colletinhos de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos d<
linho e de algodao, meias cruas e collarinhas, etc
Isto na loja aa ma da Imperatriz n. 3i
en. Mllaselas e luinna* a BO
ra. o cavado
Na loja da rea da Imperatriz n. 32, vende-*
um grande sortimento de fustoes braneos a 60t
ra. o eovado, lazinhas lavradas de furta-cores
fkzenda bonita para vestidos a 500 rs. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. i co7ado. pechincha : na lov
do Pereira da Silva.
AIsrotfnozlBbo (Vaneen para Jenee
a OOOrs.. I e lOO
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-*
superiores algodozinhos francezes com 8, 9 e K
palmos de largura, proprios para lencoes de un
so panno pelo barato preso de 900 rs. e 1*000
metro, e dito trancado paa toalhas a 1*280, as
sim como superior bramante de quatro largurai
para lencoes, a 1*500 o metro, barato na lo.it
dj Pereira da Silva.
Roupa para meninos
a aa. i*5oo e
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, s>
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, dito
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgorio preto
emitaudo casemira, a 6*, sao muito baratos ; n
oja do Pereira da Silva._________^________
Cofres de ferro
Vende-se dous, prora
de fogo, novos, que
vieran! de eneommen-
da, por pre^o barato,
Ra do Baro da Ve-
toria ri. 48.
\endose a casa terrea
n. 22 da ra do Nascente, prxima matriz de
S. Jos, com 3 quartos, quintal e cacimba, em bom
estado e chao proprio, por 1:300*, ou permuta-se
por outra mais pequea-: a tratar na ra do Mr-
quez de Olinda n. 3-A, ou ra de S. Jorge n. 56.
Expiennido sortimento dos melhores tecidos em 13. para vestidos, desde 469,
500 rs. at 10000 e l^^OO o eovado!
Cachemiras de urna s c3r, duas larguras, a 10000, le$400 e 10800.
Lindos desechos em failee, a 460 e 500 rs., o eovado !
Bonita escolha em setins do cores, desde 800 rs. a 20000 o dito !
Merinos de todas as cores e preto, sortimento sem competencia, desde SHWrsv a
10000; do melhor que se possa desejar.
Esguiilo pardo e amarello para vestido a 460, 500 e 600 rs. o eovado I
Riquissimos cortinad-os, todos bordados, para cama de casal a 90000, para1 ja-
nella 60500.
Velludilhos de todas as edres a 10000, 10200 e 10500, o covsdo !
Guarn55e8 de crochets para cadeiras e sof a 80000.
Meias arrendadas para senhoras a 80000, a duzia !
Camisas inglezas para hornera a 360000, a duzia 1
Cheviots pretos superiores a 30500 e 40000, o eovado !
Lindos chapeos para aenhoras a 60000 e 80000 e para criancas a 30500 e 40000.
Luvas de seda, leques, eolariohos, fichs, lencos de seda e muitos artigos qe
ser3o lembrados presonca das Exmss. leitoras.
C\\NfcU\ HA. CUNHA & C.
59 Ra Duque de Caxias 59
Aos lOOO.OOOpOO
200:0 G000
100:000S00i
LSTIRIi
estretta do Rosario
VENDAS
Vmde-se divenas taboas d pinh c louro e
um compartiuii-nto para eseriptor'0 eom duas p'ir-
tMBHB, nctiiiim oto 'tgas coin candrriro simples :
a tratar na ra da Flore, casa- de gmiola.
Taverna
raTende-ss urna
Simar o n.17.
tiverna : a tratar na roa do
Tecidos de linho
A 500 rs. o eovado
Na loja da ra da Iuip-juAria-n. 8, vende-se
um bonita sortimento de fazendas de IrnhD para
vestidos, *endo largara de chita franecza, com
enalto boni cor'-s e palminhas bordadas, pe-
ebischa a 500-ms'o corado, na loja oe'Pereirada
Silva.
Novas ls.nhas
Em fav< r dos ingenuos da Colonia Orphanologica (sabe!
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extracco: no 15 feDtnkn fle 1886.
0 thesourtiro. Francisco Gon?alves Torre
Os proprietarios do muito conhecido estahelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicum ao respeitavel PUBLICO que receberam un-
grande sortimento de joi.is das mais modernas e dos mais apurados gostos, como Uta-
bem relogios do todas as qualidades. Avisam tambem que continan, a receber por
todos os vapores vindos da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en:
outra qualquer parte.
NIGUL WOLPP & C.
'Oompra-se
4 RA DO
ouro e prata velha.
CABUGA-----N.
Cabriolet
Vende-se
commodo;
um ero perteito estado e por preco
tratar na ra Duina de Caxias n. 47
Predio;
Ha um sortimento variado de
Azulejos franeexes-
de padres novos e muito solidos a
80*lW0 ottilheirtf
Na loja de Louca de
J. DBA. VE1GA & C.
Ru larga do Rosario
Madi
Vinho paro da uva
A 3SO e 400 res o eovado
" Acabam de cbt-gar para a loja da roa da Im-
peratriz n 32, um grande e bonito sortimento de
i Sambas da cures para vestid, sendo fazenda de
multa phantasia, com cores claras e escura, e l-
quidatn-M a 330 400 -eia o aovado, por naver
grande porcSo na loja de Pereira da Silva.
Oque pode'haver de rae*or para mesa, en
barri o a r talho : Pocb Mendes & C, 4 rs
estreita do Rsario n. 9. -
M, tiiftii tift
Vewle'Carididci Thigo da Costa rteflo efa sen
deposita va IazfWial iv **#
n. 221.
Ponco capital
Vende-se o estahelecimento de molhados roa
de S. Joao n. 5, de pouco capital, bem local, alu-
guel de casa barato, negecio proprio para prin-
cipiante, d-se livre e desembarazado, conforme
o ajuste : a tratar no mesmo.
2_______________________
VAPOR
e moenda
Vende-se um bom vapor e moenda com pouco
usw ; a ver eo engenho Timb-ass, muito perto
da estaco do mesmo uome ; a tratar na ra de
mperador n. 48, 1 andar.
""S'e.eates de (tefes
das mais bonitas qualidades que se encontrara no
estrangeiro, receberam Martins Capitao 4 C, e
vendem por precos comraodos em seu armazem k
roa estrvita do Rosario n. 1.
Almaiiack da provincia
1886
l m volume eom l paginas
2^000
A' venda na casa editora. Livraria Parisiense
n. 7 A, ma Primelro de Marco n. 7 A, Industrial
Econmica de G. L'iport & C. e Cardoso Ayres.
vSaipcoes e vinho verde branco e
lin
Receben Antonio Daarte ra da Uniao n. 54,
oonfronfe a estaca : toraatn-te recourmenda^eis
estes artigos por ter recebico de casa particular
de Portugal, razao por qne garante ser especiafi-
dade ; assim como tew carhe e qneijs do srtao
por preco muito mdico ; o mesmo viobo tambem
ae veude em casa de B?rnardino Doarte a ra da
Florentina us. 2 e Z, em retalbo e ancoras. Na
mesma compra-se uma'balanca decimal, grande.
~Serapina
Vende-se urna >erapbina novamente remontada,
propria para igreja ; a trtitar eumX-ebwcio & Mu-
uiz rfc* da Imperatriz-n. 4&_________________
Boa acquisico
Veade-se a arniacSfj e beaifsitorias da loja de
fasendas-a ra do Li vrament n. 10, com garan-
ta-dacas por" ter o prprietrio' J' estabeleei--
beato QrrtlW-s^para fra cidade; atltar
na mesma loja.
Fornocedor
privilegiado da Casa Real
e de G. Z.
le Espanha
a Bainha de Italia.
Ozea P.
Ozea Sachet.
Ozea Essencia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Ozea Oleo.
Ozea Sabo.
Ozea Pomada.
Ozea Fixativo.
Ozea Cosmtico.
Ozea Briihantina.
Ozea Cold Cream.
Estas exquisitas preparaces sao mnito apre-
ciadas na mais distincta sociedade pela deli-
cadeza do seu perfume.
TRANSPARENT CRYSTALSQAP
(Sabo transparente cristalino)
rcconhccido como o mais perfeito de todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades hygienicas, pelo seu aroma e pela sua larga duracao.
Depsito cas principa.} Perfumarlas, Farmacias, dea.
_____________:_________ V ------ j -
ESPLENDIDO RESTAURANT
Este acreditado estahelecimento, ltimamente rntlhorado, est cm coudicSe?
de servir ao mais exigente hospede, para o que tem magnificas -alas, quartos, banheiros
e restaurant, encootrando-se n'cste, alera das mais exquisitas iguarias, a grande nov>-
dade
Ostras cheias [orlugneza
(nica casa qne as prepara) em todas as quartas e sextas-feiras, de l i s da ma-
nh3 em diantc.
P R K 9 O S .RESUM1DIS? MOS
A aetaal g rencia do Sr. IZID0RO ALVES PITC^.
Roa da Madre de Dos n. .*>
Grande e bem imtala- oflicina k alfaiate
N. 41Hua do Baro
da VictoriaN. 41
linde varirde t
Neste b^m .sonhecido esabelecimedte, se encentrara u
brins, camisas, pannos, eollarinkws, meis,o gwrvat
Paria, Lonekes e AMemanha; o par*
aos sous amigos e freguezes,
menta de pannos, caaeaiiras, .,
fudo impertido das melhores fabricas de Paria, Leares ^^laLS3-S
aervirJ aos sous amigse freguezes, os propnetanos deste grande'-^T^
tem na direcco dos trabalhos da efficina habers artostas, e que t curto espa?
hora, praiiaram um teide roiij>a de qualqter fazenda.
Ana do Baro 4* Victoria n.
(PRCS 3M COMPETENCIA)
41
umn


.mbDCo--tyuiiita--feir
ASSEHBLEA GERAL
CMARA DOS DEPUTADOS
SESSAO EM 2 7 DE AGOSTO DE 1886
HtESIDBNCIA DO SE. GOMES DE CASTRO 1.
VICE- PRESIDENTE
(Continuando)
0 Sr. F. Belisario (ministro da fazenda)
Apezar disto officiou confidencialmente ao
presidente, que conservador, e pedio in-
forma;? b, e vindo estas no mesmo sent
4o das anteriores, aposentou o empregado.
Se as informac5es nao foram exactas entSo
fi Iludido, mas nao o ere.
O Sr. Candido de Oliveira trata da apo-
sentadoria do BarSo de Paranapiacaba, cu
j* talentos e servicos todos reconhecem ;
sea aposentadoria nSo foi pedida, tanto
que o aposentado nSo a aceitou. Se como
se diz o acto foi invocado por desidia, falta
e oomprimento de deveres da parte do
empregado, nao podia ser aposentado, que
a a aposentadoria um premio, devia ter
ido demettido.
Refere-Be a um empregado do thesouro
que aposentado por suspeitas de ms pro-
cedimento, foi epois de sete annos read-
nittido pelo nobre ministro.
O governo qne nao quer economas, nao
tera direito de pedir impostos, e se o nobre
inistro, agora que o seu governo forte,
nada pode conseguir quanto a reduceSo
de despezas,mais tarde quando j lhe
sao de orcamento para dar parecer as se-
guintes emendas :
' Ficam isentaB dos direitos de impor-
tacSo e dos de espediente todo o material
e objectos importados pela Santa Casa de
Misericordia da cidades de S. Salvador e
de Nazareth na provincia da Babia para
eonstruccSo e servio de seas novos hospi-
tees. -Aranjo Pinho. Guaby. -Americo.
-Villa da Barra. -Araujo Gas Jnior.
Freir de Carvalho. Pedro Carneiro.
Accioly Franco.-Pedro Muniz. -Jun-
queira Ayres.Fernandos da Cunha Fi-
Iho. ,.
c Fica revogada a taxa de o "[0 addi-
cional a todos os impostos geraes, exceP*
os de exportacSo, creada pela lei n. 3,270
de 28 de Setemhro de 1885.
Sala das sessSes, 26 de Agosto de
1886.-Ferreira Vianna. Tharaaz Coelho
de Almeida.
SJo lidas e entram conjuntamente em
Tratando do dficit, diz que a commis-
sSo prop3e debellar o dficit pelo dficit.
Compara as medidas do Sr. ministro da
fazenda, que quer resgatar o papal-moe da
por raeio de emprestim> e impostos como
os do visconde d i Itaborahy, que ha 30
aunos quera resgatal-o com as sobras da
r aceita.
A diseussao fica adiada pela hora.
O Sr. Presdante d a ordem do da
para 28.
apoio,
nada con-
faltarem certos pontos de
seguir. ,
A primeira necessidade para o equilibrio
iuanceiro nao est em reduzir no material,
as sira no funccionalismo, que dos.....
137,000:0005000 de despeza sSo despen-
didos com elle mais de 40,000:0000000.
Trata de demonstrai que com os crdi-
tos que tm sido votados e o pagamento
das 70 mil libras estrada da Victoria
nlo houve reauccSo de despezas nao se
devendo esqu^cer o projecto de aposenta-
doria de magistrados que foi approvado e
traz augmento do despezas.
Analysando as diversas verbas da re-
ceita, diz que sendo essa pelo conhecimen-
to da arrecadacSo de 125,000:000$, como
a commissSo a calcula em 132,000:000$ ?
O rapst foi de 31,000:0000 e no cntanto a com-
missSo sem dizer em que se funda, calcula
todo.o exercicio em 74,000:000!$ o impos-
to da importacSo tambem elevado nao
HSube por que de 16,300 a.........
7,500:0000000.
Lendo o que dissera como deputado em
urna sessSo de agosto de 1882 o actual
ministro da fazenda, entende que S. Exc.
So deve contestar que a lavoura paga
ais de 5[,.
Nega o seu voto aos impostos porque
nlo nao foi demonstrada a sua necessidade.
Entende que S. Exc. que pede imposto
nao pode deixar de p os addicionaes com
o fim a que sao especialmente destinados.
Como brasileiro e como mneiro protes-
ta contra o imposto sobre o sal. Na decr*-
tacSo de impjstos preciso alludir sua
proporcionahdade e que elle nao estanque
a fonte a que applicado.
O sal custa o litro 15 rs., e o imposto
de 10 rs., quasi o proco do genero.
Trata de demonstrar a inconveniencia
do imposto que recabe sobre o genero de
primeira necessidade e prejudica gra-.de-
mente a industria pastoril, pesando des-
proporcionalmente sobre a provin a de
Minas.
Conclue tratando da largueza com que
foram concedidas autorisacSes at para fi-
xar o quantum de impostos e declarando
que por si s o honrado ministro da fa-
zenda realisaria o programla da reduccao
das duspezas, pois conhece bem o triste es-
tado das nessas ti ancas, mas foi contra-
riado pelos se collegas que pensam es-
tar mos naveg .do em mar de rosas e nao
tendo a exacta comprehensSo dos seus de-
vores, contrariavam o plano.
O governo que nada pode conseguir em
econoiniii, recorre ao povo, e eternamente
Molificad'*, pedindo-lhe impostos.
Fo: lid, apoiada eremettida commis-
discussSo com o projecto, as segumtes
emendas :
i Os contratos para construcegas de es-
tradas de trro e quaesquer alterares ou
modificacSes posteriores s terSo effeito
depoisde approvados e pubicados por de-
creto.Araujo Ges Jnior.
a E' autorisado o governo a despender
desde j a quantia de 94:1150156 para
pagamento de diversos credores constan-
tes da relac&o annexa sob letra K ao re-
latorio ultimo do ministerio da guerra.
Alcoforalo Jnior.
O Sr. Coelho de Almeida diz
que o estudo do projecto que se discute
suscitou-lhe alguroas duvidas que vai apre-
sentar commissSo do orcamento com o
fim de esclarecer-se poder dar um voto
consciencicso.
Principia declarando que nao pode dar
seu voto ao imposto sobre bebidas alcooli-
ca3, embora a commissSo tive9sa reduzido
a metade a taxa prsposta pelo nobre mi-
nistro da fazenda. Representante de um
municipio cuja principal industria o as
sucar, nSo pode concorrer para o seu ani-
quillament, quando j tanto ella definha *
tanto luta com a concurrencia do estran-
geiro.
Antes porem, de tratar de outros as-
8umptos, nao pode deixar de responder ao
Sr. Candido de Oliveira e oppor algumas
cousideracSes ao confronto que de exerei-
cios financeiros de situacSas liberaes e con-
servadores fez esse nobre dep utado, pro-
curando desse modo responder s palavras
proferidas pelo nobre presidente do conse-
selho em relacSo aos esbanjamentos libe-
raes. O nobre deputado porem, esqueceu-
se do celebre manifest de 18 de Abril de
1878, que foi public; do pelo ministro da
fazenda de entao, no qual pintando-se em
negras cores o stado em que o partido
conservador tinha deixado o paiz, peda-
se dinheiro. e j para salvar o crdito e
a honra do paiz, e at para garantir a or-
dem publico.
Nessa manifest, em que se falla dos
esbanjamentos conservadores, vinha o pro-
gramma do partido liberal, que os factos se
en'^arregaram de bem depressa desmentir.
O dficit, dizia o manifest, era de 80 mil
eo tos, mas na liquidacSo verificou-se ser
de 42 mil,
Para debelal-o propunha-se economas,
cobranca effectiva da divida activa, sup-
pressSo de empregos e gratifleacSes, sus-
pensao de obras e de servicos e a venda
do encouracado Independencia.
De tudo s a ultima parte se realisou.
Clamou-ae contra os conservadores : pela
cobrana da divida activa e diz-se que ia
ser rigorosa, no emtanto, emquanto os
conservadores cobraram 6 [, dellas, os li
beraes mal ehegaram a 5. Estudando a
arrecadacSo em 15 semestres v que o
dficit deixado pelos liberaes foi superior
ao dos conservi.dores em 72,400:0000, e
que a divida fluetunnte, que nos conserva-
dores era de 46,O'K):OOO0, nos liberaes su-
bi a 100,000:00000, e no emtanto a re
:eita nos exercieios liberaes foi supetior a
dos conservadores em 155,228 contos.
Para justificar as despezas da situacSo
conservadoia l o que disse o Sr- conselhei
ro Lafayette sobre as vantagens que dellas
colheu o paiz.
SESSO EM 31 DE AGOSTO DE 1886
PRESIDENCIA DO SE. GOMES DE CASTRO 1.
VICE PRESIDENTE
Ao meio-dia corneja a .mamada, que
termina ao meio-dia e dez minutos.
Abre-se a sessSo.
Sao lidas e anprovadas as actas dos dias
27, 28 e 30.
O Sr. 1. Secretario d conta do expe-
diente.
Sao lidos e sem debate approvados os
seguintes pareceres :
Das commissoas reunidas de iazenda e
de pensoas e ordenados :
Opinando que seja o governo ouvido so-
bre a pretencSo de Theophilo (JuimarSes
Pontea, ex auxiliar da commissSo de acu-
des do Quixad, que pede pagamento das
diarias e da ajuda de custo a que se julga
com direito.
Opinando que seja o governo ouvido so-
bre a pretencSo de Jayrae Alves Guima-
rSes, 2. e8cripturario da Alfandega da Ba-
bia, que pede um anno de licenca para
tratar da sua sade.
Das commisso'as reunidas de faz;nda e
de instruccao publica:
Opinando que seja ouvido o voverno so-
bre a pretencSo dos moradores da fregu-
zia de Campo Grande, que pedem a crea-
cao de urna escola publica para o sexo fe-
minino.
SSo remettidos s commissoas de inque-
rito diversas actas no 6. districto eleitoral
do Para e do 3. do Rio Grande do Sul.
Vai a imprimir o parecer da 1.a commis-
sSo de inquerito .reconhecendo o Sr. Samuel
Mac-Dowull (ministro da marinha) deputado
pelo 6. districto do Para.
O Sr. f oo Peaido (para urna ex
plinacSo pessoal) rectifica um aparte que
lhe foi imputado no ultimo discurso do Sr.
Milton, publicado no Diario Official.
O Sr. Domingues da Silva re-
lembra que o Sr. presi lente do coaselho
disse que a magistratura est quasi per-
dida.
A magistratura nao est, uerdade, na
altura em que devia estar, mas o orador
nao a considera perdida. Na reforma judi-
ciaria, feita pelo partido liberal, um dos
pontos especiaes melhorar os vencimento*
dos magistrados ; mas a causa do abaixa-
mento da magistratura nSo ser ella mal
retribuida, o sentimento partidario com
que entra as lutas polticas em que lhe
falta a imparcialidade. Como exemplo, o
orador cita violencias pr.-.ti -adas as co-
marcas do 2. districto do MaranhSo, que
Requoiro o adiamento da votcSo do
parecer n. 36 A, por cinco dias, voltbdo
o mesmo 1.a commissSo de inquerito para
reconsidera! o, tendo em vista a reclama-
cSo do candidato Dr. Silvino Cavalcanti.
t Sala das sessSes, 31 de Agosto de
1886.Candido de Oliveira
O Sr. Presidente l alguns artigos do
regiment e diz que a commissSo de in-
querito proceden de conformidade como as
disposices reraentae8.
O Sr. Affonso Celso Jnior
(pela ordem) entende que os artigos do re-
giment lidos p-.do Sr. presidente nSo ten
applicacao ao caso e que a commissSo pro
cedeu com muito acodamento em esperar
a acta da apu^acao.
Posto a votos o requerimento do Sr.
Candido de Oliveira, rejeitado.
Posto a votos o parecer da commissSo,
approvado e reconhecido deputado pelo 3o
districto de Perna nbuco o Sr. Felippe de
Figuira Faria, que achanio-se na sala
immediata introduzido com as formalida-
des do estylo, presta juramento e toma
assento.
FOLHETIH
representa, onde os magistrados exercem
pressSo sobre os seus juris licionados.
Conduindo, chama a attenjSo para a re-
presentacSo que a Assembla Commercial
do MaranhSo enviou cmara, a respaito
de impostos inconatitucionaes que all sao
cobrados.
ORDEM DO DA
O Sr. Presidente annuncia qu9 vai por
a votos o parecer n. 36 A, da 1.a commis-
sSo de inquerito, reconhecendo, deputado
pelo 3. 'astricto de Pnrnambuco o Sr. Fe-
l'ppe de Fi^ueiroa Faria.
O Sr. Candido de oliveira (pela
ordem) pede a palavra pan propr o adia-
mento da votacSo. A coramissao de inque-
rito appressou-se em dar parecer sem ao
menos ter presente o diploma, o que ne-
cessario, porque no acto da apuracSo podem
app recer protestos e contestacSes.
O orador tem e vai mandar mesa urna
contestacSo do Dr. Silvino, em que se al-
lega corrupcSo eleitoral e a incompatibili-
dade do diplomado.
Vem mesa, lido, posto a votos e re-
jeitado sem discussSo o seguinte requeri-
mento :
DE
CEEDITO AO MINISTERIO DA AGRICLTBA
Contina a 3.a discussSo do projecto
abrindo ao Ministerio da Agricultura um
crdito de 186:2344000 para pagamento
de terrenos desappropriados no morro do
Senado e na ra do Visconde de Itauna.
O Sr. Affonso Celso fuolor
diz que, quando discutia-se a proposta de
crdito relativa s projectadas obras do
matadouro, hou/e um espirito galhofeiro,
affeito a trocaJilhos, que exalamou: este
crdito do matadouro bem pode ser consi-
derado o matadouro do crdito do ministe
rio 1 Da proposta em questSo poderia di-
zer com propriedade o mesmo individuo
que, destinando-so embora a indemnisar
terrenos aterrados, conforme reza o respe-
ctivo parecer s servir para ainda mais
empantanar o immenso tremedal das finan-
cas nacionaes.
lerrenos aterrados phrase que nSo
prima pela reputacSo, salvo se ao partici-
pio aterrados se quiz dar a sigaificacSo de
atemorisados, amedrontados ; mas, nesse
caso, verdaderamente aterrados nSo de
vem estar os taes terrenos ; porem os es-
piritas patriticos que se preoecupam com
a enormidade dos encargos pblicos cons-
tantemente accrescidos com projectos como
o de que se trata, que inutilisam todos os
os esforcos tendentes a estabelecer o pro-
gramma de economas, imperiosamente re-
clamado pelas necessidades do paiz. E'
desta maneira que pretende reorganisar o
erario patrio, destruindo o formidavel pol-
vo de dficit, de que sSo mltiplos tent-
culos estes crditos especiaes, aupplemen-
tares ou extrodinarios, que vSo sugando
toda a vitalidade economi-ja da nacao 1
E' com estes dispendios imprevistos e
injustificados que o gabinete tenciona im-
primir o regimem da ordem, de economa
e de prosperidade na casa em liquidacao
do thesouro, conforme a pitoresca expres-
sSo do Sr. presidente do conselho?....
125:0000 por um lado, 300:0000 por ou-
tro, 186:0000 por outro, conBtituem ao
cabo de algum tempo somma respeitavel,
capaz de desorganisar os mais trabalhados
planos de reorganisacSo n'um paiz cuja fa-
zenda publica apresentasse symptomas
animadores, quanto mais do Brasil em que
tudo indica prxima crise tremenda que
para ser conjurada de modo que nSo sub-
merja a nacao n'um pelago de irremedia-
veis catastrophes, exige a mxima energa,
o suppremo esforoo por parte de todos os
bons cidadSos. situacSo conservadora
annunciou presumpjosamente que viera
desempenhar essa patritica tarefa, com-
promettda. ao que dizia, pelos liberaes ;
mas cada urna destas propostas de ere uto
um formal desmentido s suas solemnes
promessas, que nSo passaram de artificios
desses com que se o nescio povo engaa
como escreveu o poeta. O orador se tallas-
se a um auditorio desprevenido e em que
o espirito partidario nSo porturbasse scien-
te ou inconscientemente o recto exercicio
dos raciocinios, para demonstrar eviden-
cia as suas assercoes, nSo teria mais do
que 1er os considerandos do crdito de
quo se oceupa e a respectiva conclusSo.
Nada de mais improcedente, de mais con-
tradictorio, de mais insustentavol, de mais
incoherente, do que as razSes em que se
fundamenta este pedido. O orador leu-as
e releu-as muitas vezes, sem comprehen-
del-as, deplorando ver embaixo dellas o
nomo do honrado Sr. ministro da agricul
tura, sympathico adversario que desojara
ver aproveitar completamente todos os
raros elementos com que a natureza o do-
tou para, elevando-se a s proprio, prestar
ser vico ao paiz O Ilustre leader da mino-
ra, com, com os variados recursos da l-
gica inquabraat ivel que o tem tornado
urna das nossas ghrias parame i tares, j
comprimi de tal sorte o assumpto as
inalmogaveis tenazes dos seus raciocinios,
que o exhaurio totalmente. Ao ouvil-o, o
Sr. ministro, por mais de urna vez, deu
mostras de nao estar possuido da qualida-
de principal para os quo exercem o cargo
de S. Exc. : a paciencia, e, mais do que
isso, revelou-3e profundamente irritado.
Porque ? Sa sempre nos mais vivos ata-
ques, a minora tem escrupulosamente se-
parado o individuo do funecionario, se
mesmo nos actos deste, sujetos a aaalyse
e a severa critica, tem respeitaio as inten-
eoes, por que motivo maaifestar u na acri-
monia impropria e inconveniente, pondo a
expansSo da colelara inencaz e irrefiectida
onde deveria estar o argumento calculado
e convencedor ? 1
Sa o nobre ministro est convencido da
excellencia e de imparcialilade do seu
acto, longe de molestar se, deve regostar-
se com as censuras da opposicSo, que,
quanto mais vehementementa injustas,
mais rutilante lhe proporcionarSo o tri
umpho da contradicha, como por occasiao
do seu discurso no orcamento da agricul-
tura, tSo decantado em todo3 os tons. O
orador, plo menos, nSo tem o menor de-
sejo de enfadar a S. Exc. com as breves
considerares que passa a fazar no intuito
de justificar o seu voto.
E' simples o histrico da questao ; con-
forme se l na propria exposijao de moti-
vos da propoata Um individuo obteve do
governo autorisacSo para por si ou por
companhia que se organisasse arrasar um
morro e aterrar uns pantanos e accresci-
dos n'uma certa ara determinada, conse-
guindo tambem do corpo legislativo alguns
favores que s podiam ser dados ao conces-
sionario ou companhia que organisasse. O
.'
concessionario, porem, transferio a tercei-
EMMA ROSA
POR
ZA7IS3 DE MTEO
COSTimgAG B& BI&OLO
(Continuaco do n. 210)
V
Nem bencSos, nem reconhecimento,
iuha senhora, int rrompeu Osear. A se-
ahora nSo me dever, nem urna, nem ou
tra cousa, porque sou interessado como a
senhora neste negocio, e trabalhando para
a senhora, trabalho para mim.
Sophia reappareceu.
Acaba rain de conversar ? perguntou
ela.
Sim, mana, respondeu Osear, sei tu-
do quanto prcisava saber.
A cama est prompta e eu vou levar
essa queridinha p .ra o quarto que ella de-
re oc"Upar, onde poder obter o repouso
que lhe net-essario.
Bem necessario, oh sim, minha se-
nhora, respondeu a menina. Estou muito
MDQuda.
EntSo venha.
Osear interveio.
Eu fiearei aqu na sala de visitas,
disse elle. N ste soph eu estarei muite
a meu commodo para dormir e amantiS de
manhS, ao amanheoer, tomaremos as nossas
jaedidas.
Eniraa Rosa estendeu a mSo a Osear.
Obrigada, diase-lhe ella-
O scate, milito commovido, apertou
BU grandes patas a mSo que lhe era ee-
tendida e tornou:
E' por conta do que me dever quan-
do a mamS for posta em liberdade.
Oh nesse dia eulhe darei um abra
50. (
Entao fiearei muito bem pago.
Sophia levou Emma Rosa para um dos
quartos ajudou-a a despir-se e metteu-a na
cama.
Deu boa noite menina e foi deitar-se
em um quarto contiguo.
Osear Rigault, installado em urna boa
poltrona, justamente em frante ao fogSo da
Bala, enchia o cachimbo de que nunca se
separava e reflectia.
Positivamente tenho que haver-me
com dous finorioB, dizia elle da si pura si.
Um delles deve commandar o outro ; mas
a despeito de serem muito ardilosos, en-
carrego-me de provar-lhes que o tilho de
mou pai j tSo fino como elles Veja
mos um pouco a sala de jantar onde esses
cavalbeiros banquetearam antes de fazer a
sua patifaria.
O irmSo de Sophia passou para a peca
vizinha.
Sabemos que a mesa estava posta psra
tr -s pessoas.
Ose Un dellea nao servio, murmurou elle.
Deve ser o da pequ-na. Que comeram os
trat*ntjs ? Carnes frias. Aqui estSo os res-
tos... e pasteUria. Tinhum o seu tarm-l
e quando eur*cooh<'C o coup, na ra de
Cuarentn, tintrm sem duvida terminado
as suas compras. A mulher que tomei por
minha irmSera a menina que traziam para
laPie e o homein era um doscumplices... O
assassino de Jayae Barnier, aquello que a
tilha da hnrvanara, vio por ultimo e reco-
nhec-u, devia desempenhar o papel de co-
cheiro. "
A attengao de Os ar foi attrahida para
urna das g.Trufas, aquella em que estava
misturad) cono vinho o narctico posto
por Angelo. Elle inquiri de si mesmo.
Qurt ser esta garrafa cheia e sem
rolha ao lado das outras esvasiadas at a
ultima gotta I Alii deve haver alguma cou-
sa de susp^ito. Em todo o caso eu a po-
nho de lado para servir de prova.
Lancou um olhar em torno de si e con-
tinuou :
NSo esqueceriam nada por acaso ?
De repeota, o seu olhar cabio sobre os
papis amarrotados que Luigi tinha atira-
do para um canto da sala de jantar, depois
ros parte da concesso e solictou ao go-
verno que esses tarceiros, que sSo Paulo
Taves e Antonio Domingues dos San-
tos Silva, os mesmos a quom o gover
no quer hoje pagar os 186:2340 da propos-
ta, fossem reconhecidos com seus repre-
sentantes. Indeferio o governo a pretonjSo
fundado na letra da concessSo que s per-
mittia que as obras fossem effactuadas pelo
concessionario ou companhia por elle orga-
nisada. Mais tarde vem ainda o conces-
sionario requerer a effectividade das van-
tagens que lhe garantir o corpo legislati.
vo, pretendendo haver organisado uma
empreza executora das obr*s constantes
de sau contrato, exhibiado urna escriptura
em virtude da qual os proprios Paulo Ta
ves e Antonio Domingues dos Santos
Silua declaravara tomar a s a execugSo
do contrato, incorporando uma empreza
denominadaMelhoramentos da Corte. O
governo indeferio ainda esta pretencSo,
bascado em que o concessionario j nao
tinha direito aos favores do corpo legisla-
tivo, visto haver feito transferencias da
sua concessSo a terceiros, e quo nem os
aessionarios podiam obtar equellas vanta-
gens emquanto nao organisassem a com
coinpannia projectada. Finalmente, vm os
mesmos Paulo Tavss e Antonio Domin-
gues offe-ecer ao Estado os terrenos em
questao, mediante a quadtia de 237:0000,
e o Estado aceita a offerta, mas pelo preco
de 186:OUO0OOO.
Desta exposicSo histrica resultam algu
mas flagrantes contradicSes por parte do
governo, mas nenhum direito para que elle
pague um real sequer a quem quer que
seja. A contradicSo inexplicavel a se-
guinte :Como que, tendo o governe re-
cusado raconhecer Paulo Taves e Antonio
Domingues como representantes do ooneea^
sionario, firmado no decreto da conoessao/
nSo s reconheco-os afinal, como julga-ae
adstricto a pagar-lhes avultada quantia 1
D'onde lnes adveio o direito de se con-
siderarom credores do Estado, se nem ao
proprio concessionario nada justifica ssme-
Ihante direito ?
V -jamos um por um os considerandos
em que sa basea o pedido do crdito, afim
de averiguar a orige.n dessa obrigacS-) do
Estado de pagar a mencionada quantia.
O Io considerando diz quQ a planta dos
trab.lhoa respectivos ao arrazamento e ao
a erro foi approvada pelo governo. Isso
apenas uma circumstancia histrica, preea-
chimento de urna formalidad^ legal, mas
nunca uma fonta do direitos, uma ori^am
de obrigacSo contra o Estado.
O 2o :uenc;ona o facto do haver si Jo con-
cedidos certos favores companhia que se
organisasse para o fim exposto. Conforme
porm. se l no proprio padido, esses favo-
res nSo podiam ser concedidos ao conces-
sionario, visto haver feito transferencia de
sua concessao a terceiros, e nem a esses
terceiros, emquanto nSo organisassem a
companhia Melhoramentos da Corle, que nao
est provado houvessem organisado. D'a-
qui evidentemente ainda nSo derivam di-
reitos a indemnisagSo por parto do Estado.
O 3o refere-se transferencia effectua-
da pelo concessionario aos reclamantes, e
diz que estes deram ooraego s obras em
virtude de autorisacSo expressa e espacial
do governo constaate do aviso n. 75 da 18
de Setembro de 1884 -
Mas, quanto transferencia nao foi ella
approvada pelo governo, como diz ainda
o proprio pedido de crdito. Fallase aqui
em reclamantes : don le nasceu para os in-
dividuos em questao o direito de ser tn aa-
sim qualificados? Pouca3 linhas cima diz
o parecer, que esses individu s offereceram
ceder ao Estado os terrenos de que se tra-
ta. Em virtude de que titulo a sua offarta
se transforma em reclamacao?
Diz o considerando, que deram principio
s obras, em virtude le autorisagSo ex-
pressa e especial do governo ; mas, porven-
tura uma autorisacSo, que significa simples
permissSo, mera faculdade de fazer alguma
cousa, confere pessoa a quem dada di-
reito craditorio ontra o autorisador ? E
obvio que nSo.
No 4o considerando nSo so encontra ain-
da a razao de ser do pedido de crdito, pois
limita-se a affirmar que as obras exeeuta-
das o foram com a fiscalisacSo immediata
e constante do engenheiro adjunto da ins-
pectora das obras publicas, o qual fornece
varios attestados coucernentcs natureza e
dimensSes dos terrenos.
E' tambem uma circumstancia valida tai-
vez para o histrico da questao, mas de
nenhama importancia quanto aos pretenjos
direito dos reclamantes. Que importa que
a rea aterrada seja de 54,245 metros
quadrados e o aterro de 79.665 metros?
Justifica isso a idemnisacSo por parte dos
cofres pblicos? Podia ser at do dobro ou
do triplo e abrangtr todo a obra contratada
com Lins Rapad Viera Souto & C. Ncnhu-
ma ligacSo apparente tem isto com o pedido
de crdito.
No mesmo caso est o 5 considerando
que menciona apenas o mallogro dos esfor-
cos dos reclamantes para organisarem a
companhia que Ihes cumpria, em virtude
de por nos pratos os pastis e as carnes
frias que envolviam.
Que isso ? murmurou o ex-mas-
cate.
E apanhou os papis que abri com cui-
dado, afim de os nao rasgar.
O seu rosto exprimi viva contrariedade.
A comida veio embrulhada nisto, dis-
se elle. NSo serve para nada...
la deitar fra o seu achado intil, quan-
do parou de repente.
No meio de uma das folhas tinha visto o
carimbo de uma casa commercial.
Oh! oh continuou elle, a morada do
marcador que lhes vendeu a empadaVer-
dn, pasteleiro, avenida de Cliohy... Con-
vm guardar isto 1 Havemos de ir pedir
informac5es ao pasteleiro.
E dobrando o papel metteu-o no bolso
com a carta escripta por Luigi a Emma
Rosa, carta que elle nSo tinha restituido
menina.
Recomecou depois as suas pesquizas,
olhand 1 para baixo da mesa, examinando
todos os cantos da pega, mas nSo colheu
nenhum resultado.
AmanhS de manhS, quando for dia
claro, disse ello de si para si, hei de exa-
minar a cochira e a estribara.
Depois de apagar as velus da sala de
jntar, oltou-se para a Bala de visitas on-
de estn ieu-so em um canap e, morto de
fadiga en consequenuia de um dia tSo bem
empregado, nSo urdou a cahir em somno
profundo.
Volt -mos atrs nma hora e piocuremos
Proli h seu cu/npJi'-e.
T-ndo os dous miseraveis ouvido pasaos
rpidos que se dirigiam s casa de la Pie,
tiuhatn corrido para.o eaminho de sirga
que ia a ponte de Creteil.
Darante quasi dez minutos corrern com
toda a rapid-z.
A trra secca e gelada resoava debaixo
da sola do s*m calcado.
O armeiro parou bruscamente.
Alto disse elle em voz baixa a P-
roli.
Este obodeceu logo, tanto mais quo j
se senta, senSo sem forcas, sem fulego.
Agora estamos bastante looge, tor-
nou Luigi, arfaudo. Se alguem nos esti-
vesse seguido, ouviriamos paBsos atraz de
nos. Foi um rebate falso Ti vemos me-
do de alguem que voltava tranquilamente
para casa e que corra para aquecer-se. A
pequea est no fundo do Marno com o
carro e o cavallo. Isso o essencial.
Mas, replicou Proli, nSo fechamos
nem a porta da casa, nem o portSo e dei-
xamos as velas accesas.
Pois bem I Que tem isso ? As velas
hSo de apagar se po' si e as portas aber-
tas serSo attribuidas aos ladroes dos arra-
baldes de Pariz.
Mas o cavallo, o carro, a menina,..
objectou de novo Proli.
O Mamo est cheio... As aguas nSo
bao de baixar tao cedo. Quando acha-
rem tudo isso e preciso que achem, por-
que trata-sa de uma beranca e ha de ser
necessario verificar a identidade da meni-
na, a cousa ha de ser explicada como um
desastre. Bem I j dessancamos... A' ea-
minho A uma hora da manbS estaremos
em casa.
Angelo e Luigi apres?aram o passo.
Ch< gando ponte de Creteil elles a atra-
vessaram e seguindo pela outra margem do
Mamo, ch-garam ponte de Cuarentn
por Charontoneau e Alfortville.
De Chareuton, seguiram o curso do Se
na.
Era meia hora depois da meia noite,
quando elles thegaram ra de Courcel-
les.
P; roli abri com a chave, que sempre
trazi comsigo, a porta do seu quarto, e os
dous entraram.
O assnssino de J.yme B -rnier tinha read-
quirido toda acalnn, todo o angue fri.
O 8<-a primriro cuidado fui despir a li-
br urna sobr -casaca.
Quanio pela manhS tomou o disf.r e
de Luigi. conservou em baixo do seu ca-
saco e.umprido o resto da sua roupa hab
tu 1.
O peito da camisa de Angelo era fecha-
do por tres pequeos bot5 -s de ouro, no
cen ro dos quars havia mu* turqU'-za c-r
cada de perolas finas que davam a esses
botSes o aspecto de flr'-s de myostis.
D lus botSis maioreB, mis do mesmo mo-
delo, formando por consequencia uma abo
toadura completa, prendiam os punhos da
camisa.
Quando tornou a vestir a sua roupa, P-
roli reparou que o peito da camisa estava
desabotoado em baixo, e, querendo repa-
rar esse pequeo desarranjo, verificou que
faltava um dos tres pequeos botSes.
de circumstancias especiaes da praca, o
que muito para lamentarse, mas nao ex-
plica a obrigacSo do pagamento da quantia
solicitada.
Nao menos nadequ.do e estapafurdio
6 considerando em qua se allega So ser
licito ao governo abrir mSo da exigencia
lagal quanto a organisacSo da companhia.
At ahi perfeitamente. NSo licito, por
outro lado, accrescenta o considerando, re-
ceber terrenos do Estado completamente
raelhorados e saneados, sem indemnisar os
reclamantes das despezas feitas. Porque
razSo nao licito ? E' o caso da se excla-
mar :quem encommendou sermSo que o
pague.
(Continua)
Como diabo fui eu perder isso ? mur-
murou elle. Eia ahi uma abotoadura des-
emparelhada.
E nSo deu mais importancia ao facto.
Luigi tinha feito um pacote da roupa de
cocheiro.
Onde hei de metter isso ? porgun-
tou.
Proli abri um armario.
Aqui, respondeu este.
O armeiro metteu o pacote no armario,
poz o chapeo de tope em cima do embru-
Iho, fechou a porta e deu volta ebave.
Angelo tirou a chave e guardou-a em
um movel.
Creio, disse Luigi, que agora nada
nos impede de tomar um carro.
Nada absolutamente.
Os dous homans sahiram do aposento da
ra de Courcelles, chamaram um carro da
praca e mandaram quo os levasse casa
de sau le.
No dia seguinte, obedecendo s ordens
dadas por Ang-lo, Luigi voltou a ocenpar
o seu emprt-go na casa do armeiro seu pa-
trSo, ra Boursault.
L-o Leroyer tinha passado uma noite
terrivel, persegnilo por sonbos sinistros e
pt->ad'.lo8 mudonhos.
L -vantMu-se logo que amanbeceu e foi
b<-t'-r porta de Renato.
Est- tlormia profundamente e nSo ras
ponaeu.
L--ao bateu de novo e com mais forja.
R nato acord >u sobresaltado.
Abre I gritou elle ao amigo. A porta
nao csi fechada por dentro.
O moco mtrou, de rosto pallido, feigS-s
it radas, olhos bril lantes do fogo da fe-
bre.
Onde vais tSo cedo? perguntou Ko-
nato, ao vl-o vestido e prompto para sa-
bir.
A Batignolles.
Queres qu-! te ajorap mho ?
Tn me seri8 absolutament 1 intil e
alm aidBo, nSo estatdo prompto, retarda-
ras a minha partida. E' melhor que fi
qu a.
A que hora estars de volta ?
NSo sei, isso depende do que eusou-
ber, Nao me esperes.
- Ainda ests resolvido a ir procurar o
Sr. de Rodyl ?
Estou. A noite em nada modifioou as
minhas resolucoes. A reflexSo nSo fez se-
nSo confirmal-as. Hei de ir.
LeSo, toma cautela.
Porque ? Quero a todo o costo des-
cobrir Emma Rosa e para conseguil-o nao
devo recuar ante nenhum meio.
Entao vai. A qualquer hora que vol-
tea, has de me encontrar aqui, porque eu
sahirei s para almocar e voltarei logo de-
pois.
O joven dijonez deixou o amigo.
Na 08tacao prxima da Ponte Nova to-
mou um carro e mandou que o levasse ao
n. 108 da ra das Damas.
L subi ao quarto de Catharina, mas
encontroa a porta fechada, porque a boa
rapariga tinha ido para o sen trabalho de
cada dia.
LeSo deseen para informar-se com a por-
teirs.
Esta affirmou-lhe que a filha da Sra. An
g-U Bcrnier nao tinha voltado.
Accrescentou que estava encarr-'gada
por Catharina, caso os senhores que uham
estado na vesp-ra se apresentassem du-
rante a sua ausencia, de lhes pedir conse-
lho quanto ao que devia fazer.
NSo ha nada a fazer, pelo menos por
ella, por emquanto, respondeu LeSo. Vou
tr..ur das pesquizas que esse desappareci-
meuto inexplicavel exige. Diga Sra. Ca-
tharina qu -, se tranquilliae.
Ah 1 seuhor, essa pobre mulher nSo
se ha de traoquilhsar, emquanto a qu-rida
menina nSo for encontrada! Ella mettia
d esta manh, estava debulhada em la-
grimas.
- Comprchendo isso e bem natural,
mas uig.i-lon que tenha esperanca.
L ao sabio da casa da ra das Damas,
mas eotrou de novo no seu carro e deu or-
dem no cocheiro que o levasse ao Palacio
da Justica.
Aid o porteiro fl-o prrar, perguntando-
Ihe o que desejava.
- A moraua do Sr. substituto Fernan-
do de Ro iyl, r-spondsu o mogo.
Vou In'a dar. E' para fallar com o
Sr. substituto ou para esorever-lhe ?
- .' para fallar com elle.
- E01S0 creio que a sua ida ao seo do-
micilio nao ter resultado.
(Continuar se-ha.)

Typ. do Diario roa Dnque de. Caxias n. 42.
^s*)


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOKVAEUQS_C057N4 INGEST_TIME 2014-05-19T18:41:24Z PACKAGE AA00011611_19060
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES