Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19058


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f ARA A CiPlTAL E LUGAIURS OSE SAO SE PACA PORTE
Por tres niez.;s adiartadoe
Por seis ditos dem.....
Por um anno dem......
Cada numero avuiso, do mesmo da.
64000
12,5000
244000
100
PARA DENTRO E FORA DA PRO
Por seis mm adiantados.....
Por nove ditos dem.......
Por um anuo dem.......
Cada numero avuiso, de das anteriores.
DIARIO DE
NAMB
i
|)nrprii>ai>* fce Jmotl I\%aeixoii t>e Aria -ftUjo*
O Star Amedee Primee C ',
de n*ttH. co os nossos agenten
exclusivas de u blle c5cs da Franca e Ingla-
terra.
Os Srs. U'axburne Hermanss
de e-.v-Vnrk. Broad Way n
0. s3e oh nossos agentes ex-
clusivos de annuncios nos Es
todos-Unidos.
Aviso
A-os Srs. Assignan-
tes que se aeharemem
atrazo, scientificamos
que devem mandar
abonar suasassignatu-
ras at o dia 30 do cor-
rente, para que nao
soffram interrupc, o na
remessa do Otario do
1 de Out ubro.
TELEtiRAMHAS
SEBVIJO PASIICULAB 20 UlUIO
RIO DE JANEIRO, 13 de Setembro, as
3 horas e 50 minutos da tarde. (Recebi-
do s 5 horas e 10 minutos, polo cabo sub-
marino).
A actual seimo da A tiemble* do-
ral Legislativa rol prorogada alo o
da *5 do correle.
A Cantara dos Depuladoi appruiou
em seuo de boje as emendas do
Senado aos ornamentos dos minis-
terios de Estrangelros. dnstlca e
Guerra.
Foi concedido o titulo de conselno
ao Dr. Jos Bernardo Galvao Aleo-
forado.
foi nomeado secretario do gower-
no da provincia do Ceara o Dr. Gus-
tavo Veras.
SgaviJQ fia aMSSi 275
(Especial para o Diario)
MONTEVIDEO, 12 de Setembro.
O presidente general Santos achan
do-so multo mellior den boje nm
passeio a carro.
PARS, 12 de Setembro.
Os tres Imperios. Allemanha. Aus-
tria Uuogria e Bussia, eslo Indeci-
sos acerca da poltica a seguir na
Bulgaria.
Becela-se que em breve se compli-
que a sltuaco no Oriente.
A Inglaterra prepara-se para eje-
cutar grandes armamentos.
MADRID, 12 de Setembro.
S. M. a rainba regente acba se res-
tabeleclda do Incommodo de que
fra ltimamente accommettlda.
BERLIM, 13 de Setembro.
S. n. fldellsslma o ffr. D. Luis I. re
de Portugal, acaba de partir para
Bruxellas.
Agencia Havau, dual *m Pernambuco,
13 de Setembro de 1886.
1NSTR0CCA0 POPULAR
(Kxtrahidn)
DA HIUMOTHKCA DO POVO K HAS BSCOItAS
CAPITULO V
ALIMENTADO
[untinuagoi
Fome. Sede. InanicaoE' indispen-
savci que u organismo, cuja substancia de coa-
tinao irrastada naquelle turbilbo, repare tambem
ineessaiitemente as suas penas, sem o que yira o
soffrimento e a morte. A necessi &de occasional
de se iutroduzirem no estomago novas substancias
alimenticias, para se occorrer con ellas s perd .s
orgnicas, denunciada por ama sensaco espe-
cial que tena o nome de fome. A necessidade da
Dgeelo da agua, para auxiliar efacilitar a diges-
to e o turbilbo nutritivo, revela se por outra
sensac&u distincia, que se denomina sede.
Tod. s contera), por te'-os experimentado, os
pkjenom.nos de que se acompanham aquellas duas
sensato''- Estas duas necessidades nao satife.i-
(as produzem no organismo nm estado de soffri-
ia-'uto e de desorganisa^t>,o qualse aggr.va cada
vez mais, e termina por fio) pela morte, no meio
de padec meo toa horrorosos.
A' consumpcao orgnica, por falta de material
nutritivo, d-se o nome de inaniqao. A privacio
de alimentos p Je ser tolerada durante bastante
lempo pelos aonaes da aangue fri, e tambem
jWoe mammiferof embybernacao. Mas aobomem
neoessidadw dos alimento? imperiosa ; e elle
orre, geralisent.- no jm d'; urna emana, qando
Bnbmeltmof ubstinencia cWplta A tnorta por
inanicao nmis lente nos indivjjBos'que continuam
a beb-iC agn% sem tomarem alimentos solidos. As
perdas liquidas que incesantemente se estao ope-
rando pelos diversos n>eos Se excreco (aourina,
a evaporacao cutnea e a pulmonar) explicam este
resultado. A inanicao produz no bomem desar-
ranjos numerosos, que se manifestam nos diversos
gyetemas orgnicos e se acompanham de perturba-
coes funecionaes do systema'nervoso, caracterisa-
das por allucinaeoes, pela perda maig ou menos
completa do somno, por periodos de excitaoao que
podem chegar at ao delirio e que sao seguidos de
outros perodos de prostracao e de indifierenca
profunda. ,
O reiultado mais constante dr. inanicao a di
minuico gradual do peso do corpo, que progres-
siva. Os difierentes orjos, ou antes os difieren-
tes tecidos, nao concorrem as mesmas proporcoea
para a diminuico do peso do corpo. O dous te-
cidos que eoffrem maior perdaporque fornecem
mais material s combustoes necessarias para a
conservacao da vida do animal sujeito inanicao
slo : em primeiro lugar o tecido adiposo, em se-
gundo o muscular, No momento da morte o pri-
meiro tem geraloiente desapparecido, e o segundo
est reduzido metade ou quarta parte.
A sede muito mais difficil de soffrer do que a
fome e, se vemos omitas pessoaa estarem dias m-
teiros sem beber, porque todos os aiimestus,
mesmo es mais seceos, conteem urna certa quanti-
dade de agua. O sangue e a maior parte dos te-
cidos conteem normalmente de 70 a 80 por cento
d'aquella substancia ; por bso os effeitos da sede
se fazem sentir promptamente pela seceurados la-
bios, da bocea e da garganta. Se ella se prolonga
a membrana mucosa que reveste aquelles orgos
ruboriza-se, incln ; a lingua colla-se ao co da
bocea ; a retpiracuo forna-se suspirosa, a pelle
quente e rida, a ouriaa acre e rara, e o pulso ac-
celerado.
Apparece a febre ; e o infeliz sujeito a tal sup-
plicio, por pouco que este se prolongue, morru, ge-
ralmente no fim de um periodo de tres a cinco dias
u'uma exciteco furiosa muito semelhante hydri-
phobia, ou entao n'um estado de completa pros-
tracao.
', pois, indispensavel que o dispendio incessan-
temente determinado pelo movimento vital, mesmo
na ausencia de todo o exercicio, seja compensado ;
e, quando o nao o individuo, cuja substancia
fundamental se vai assim consumindo gradual-
mente, vai pouco a pouco enfraquecendo e extin-
gue- se, como a chamma da lampada a que se exhau-
rio o oleo.
(Contina).
JARTE OFFICIAL
Ministerio do Imperio
Foi nomeado o engenheiro Paulo Cirne
Maia proessor de trabalhos grapbicos do
curso de engenharia de Escola Polytech-
nica.
Concederam-se as honras de conego da
cathedral metropolitana ao padre Jos
Francisco de Carvalho, vigario collado da
freguezia de Nossa Senbora da Conceiclo
de Arau.
Foram agraciados com a commenda de
Nosso Senhor Jess Christo Francisco Cor-
ris Dantas e Manoel Garca da Silveira.
Com a commenda da da Rosa o bacba-
rel Antonio Manoel Airosa.
Por despacho imperial de 4 do correte
mez:
Foram exonerados, a seu pedido:
O desembargador Joao Antonio de A-
raujo Freitas Henriques, do cargo da pre-
sidencia da provincia do Para ; o desem-
bargador Joaquim da Costa Barradas, do
de presidente da do Cear ; o conselheiro
Theodoro Machado Freir Pereira da Sil-
va, de igual cargo na Babia.
Foram nomeados: o desembargador Joa-
quim da Costa Barradas, presidente da
provincia do P. r ; o bacharel Eneas de
Araujo Torreao, presidente da do Cear ;
o bacbarel Pedro Vicente de Azevedo,
presidente da de Pernambuco ; o conse-
lheiro Joao Capistrano Bandeira de Mello,
presidente da da Babia ; o bacbarel Joo
Paulo Gomes de Mattos 4. vice-presiden-
te da do Cear, sendo exonerado o bacha
re Antonio Sabino do Monte.
Foram exonerados a seu pedido : o ba-
charel Democrito Cavalcante de Albuquer-
que do cargo de secretario da provincia do
Para, e o bacharel Joao Carneiro de Sou-
za Bandeira, de igual cargo na provincia
do Cear, sendo este nomeado para a se-
cretaria da do Para.
Ministerio da rustica
Por decreto de 4 do corrente foi dispen
Bado, a pedido, de cargo de chefe do po-
lica da provincia do Cear, o juiz de di-
reito Joaquim Pauleta Bastos de Oliveira,
sendo nomeado para o mesmo cargo o juiz
de direito Olympio Manoel dos Santos Vi-
tal.
Foi nomeado juiz municipal e de orphSos
dos termos da Imperatriz e Porto Alegre,
na provincia do Rio Grande do Norte, o
barbarel Bianor Fernandos Carneiro de
Oliveira.
Foi reconduzido uo lugar de juiz muni-
cipal e de orphos do termo de Porto de
Moz, na provincia do Para, o bacbarel Joao
Evangelista de Souza Franco.
Foi exonerado, a pedido, do lugar de
juiz municipal e de nrphaos do termo do
Campos na provincia de Sergipe, o bacba-
rel H nrique Bittencourt Bereoguer Cesar.
Foram feitas merc das serventas vita-
licias a Alipio Monteiro de Gusmao Loba-
to dos ofBcios de partidor, contador e dis-
tribuidor do termo de Igarap-miry, na
proviccia do Para.
Francisco Cantuaria de Moraes, dos ofi-
cios de escrivSo do civel e crime da pro-
vedoria de cvpellas e residuos e do jury e
-xecucfcs criminaes, e de offioial do re
gistro geral de hypotbecas, do termo e co-
marca de Camet, da ref .-rida provincia
Pela secretaria de Estado dos negocios
da justica, em 28 de Agosto ultimo, pas-
ou-se diploma habilitando > bacharel Jos
Cedraz Carneiro de Oliveira ao cargo de
juiz de direito.
Ministerio da Fazenda
Por ttulos de 4 do corrente foram no
meados : 3." eaeripturario da alfandega
do Para, o praticante Jos Rubim de Car-
valho Guimaraes ; praticante da mesma
alfandega o da Thesouraria de Fazenda
da dita provincia, Joaquim Philadelpho
Fernandes ; praticante da referida thesou-
raria, Epiphanio Pinto da Silva.
Mlulserio da Guerra
Por desreto e portara de 4 do corrente,
foram nomeacios para secretario da inten-
dencia de guerra : Io official o 2o, Bernar-
dino Candido de Carvalho, e 2o official, o
amanuense Eduardo Ferreira Franja, ara-
bos da mesma secretaria.
Por decretos de igual data, condeceram-
se as seguintes reformas :
De conformidade com o disposto na Io
parte do art. 9o da le n. 648 de 18 de
Agosto de 1852, aos capitaes Amaro Fran
cisco de Maura e Deltino Albino Gongal-
ves, ambos aggregados a arma de cavalla
ria, visto terem sido julgades incapazes do
servico do exercito em inspeccao de saudc
a que foram submettidos.
De accordo cora a resolucilo de 13 de
Agosto de 1810 e 3o do plano que bai-
xou com o decreto de 11 de Dezembro de
1815, ao msico do 3o batalbao de infanta
ria Tbiago Jos Joaquim de Lama, visto
ter ficado inutilisado para o servico do
exercito em acc&o do mesmo servico.
O Sr. ministro da guerra approvou o
acto pelo qual mandou o presidente da pro-
vincia de Matto Grosso transferir a sede
do presidio do Novo Belm, para o lugar
denominado Pojo-Grande, margem do
rio Crixs, no municipio da villa do Pilar,
da mesma provincia.
Foi dispensado do commando do forte
de Coimbra, em Matto Grosso, o capitulo
do 2o batalbao de artilharia a p Jos Ma-
riano de Araujo, que teve de reeolher-se
ao seu corpo sendo autorisado o presiden-
te da provincia a nomear para este com-
mando um official reformado.
Foi nomeado secretario do 2' batalhao
de artilharia a p o 2o teoente Lindolpho
Alipio Rodrigues da Silva, e exonerado do
cargo de ajudante do mesmo batalbao o
2 tenente Miliiao Lobo visto j nao perten-
cer a esse corpo.
Foi permi.ttido ao alferes honorario do
exercito, tenente do corpo de polica da
provincia do Cear, Joaquim Jos dos Pra-
zeres Jnior para d'ora em diante asignar-
se Joaquim dos Prazeres.
Permitio-se que o tenente aggregado
arma de infantera Joao Bernardo do Reg
aguarde na provincia do-Ptrnarobuco o re-
sultado da nspeccSo de saude a que foi
submettido.
Foi nomeado commandante da 2a com-
panhia do asylo de invlidos da patria o
capitSo honorario do exercito Antonio Be
zerra Cabral.
Ao 2a tenente do Io batalhao de artilha-
ria Jos Eulalio de Oliveira concedeu-se
licenca para inscrever-se para o concurso
de urna vaga da 4a seccSo do curso supe-
rior da Escola Militar.
Mandouse que ficasse sem effeito o des-
ligamento do capitao do 3o regiment de
artilharia Pedro Guilherme Al ves da Sil-
va, Io tenente do 2o batalhao da mesma
arma Antonio Jos de Siqueira e alferes
do 3o regiment de cavallaria ligeira Mar-
cos Antonio Telles Ferreira.
Foi designado para o 10 batalhao de
infantaria o soldado Bartholomeu de Ara-
jo, que, sendo do asylo de invlidos, foi
julgado prompto em inspeccao de saude.
Ministerio da Marlnha
Foram exonerados do commando das ca-
nhoneiras Mandos o capitSo-tenente Jos
Antonio Oliveira Freitas, e da la'quary o
Io tenente Francisco Mauricio Wanderb-y ;
de 2o commandante do corpo de imperiaes
marinbeiros, o capitaotenents Joaquim
Marques Bautista de LeSo; e do comman-
do da escola n. 7 de aprendizes marinbei-
ros o capitSo de fragata Jos do Cunha Mo-
reira.
Foram nomeados com mandantes : das
canhoneiras laqnary o l8 tenente JoSo
Pereira Leite, e da Mandos o 1" tenente
Sabino de Azeredo Coutioho, e da escola n.
8 de aprendizes marinbeiros o capito-te
nente Joaquim Marques Baptista Leo ; e
2 commandante do corpo de imperiaes
marinheiros o capitao-tenente Alvaro Nuno
Ribeiro Belfort.
Foram nomeados para embarcar : no en
couracado Sete de Setembro, o machinista
de 4a clisse extranumerario Manoel Telles
de Menezes : no cruzador Trmano o car-
piteiro de Ia classe Antonio Theodorlco e
o calafate de 2a classe Jos Joaqnim Ri
beiro.
Tiveram ordem de pasar da caohoneira
Maraj para o encouracado SolimVes o
guarda-marinha Pedro Max Fortin; do
cruzador Trajano para a corveta Nitheroy,
o machinista de Ia classe Misael Francis-
co Bandeira de Mello, e desta para aquella
o de igual classe Manool Pereira Vaz.
Foi nomeado ajudante do batalhao naval
o 2* tenente Francisco C. Pizarro G^bizo.
Foi promovido a mestre de Ia classe do
corpo de officiaes marinheiros, o mestre de
2" Jos Francisco dos Santos.
Foi exonerado a seu pedido, de ajudante
do batalhao naval, o 2o tenente Guilherme
Possidonio Borges, que teve ordem de ser-
vir no corpo de imperiaes marinheiros.
Foi nomeado official da escola n. 2 de
aprendizes marinheiros o 2 tenente Ray-
mundo Jos Pereira do Valle.
O sargento reformado do corpo de impe-
riaes marinheiros Maximiano Eli-iario da
aa-
C_u. * de aprendizes marinheiros do esr, era
eubstituicao de Joaquim Ribeiro Nett,
que obteve licenja para tratar de sua
saude.
Teve ordem do embarcar no encouraja-
do Pxauhy o guardiao Bernardo de Paiva
que vai servir de mestre.
Foi autorisado o inspectoi do arsenal de
marinha da Baha a mandar construir, nos
estaleiros do dito arsenal: 12 escaleres,
sendo 4 de 12 remos, 4 de 8 e 4 de 4.
Foi concedida licenca por tempo inde-
terminado para residir onde !he convier,
dentro ou fra do imperio, ao capitao de
mar e guerra reformado Francisco Freir
de Borja Salema Garjao.
Foi nomeado o mestre de 2a classe do
corpo de imperiaes marinheiros, Jos Cae-
touo da Cruz para o lugai de patrao-mr
da capitana do porto da provincia do Ma-
ranhao.
Foi nomeado Paulino de Campos Lima
secretario interino da capitana do porto de
Santos.
CoYeruo da provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 11 DE-
SETEMBRO DE 18t6
Dr. Augusto Vaz de Oliveira e outros. -
Teve provimento o recurso interposto
vista do qQcio que exped hontem C-
mara Munian^L do Recife reduzindo a
9:867)5240 iT^uantia da indemnisajas a
que alindera.
Antonio Xavier Baptista, Daniel Gomes
da Silva e Manoel Correia de Mello.Sim
pagando os supplicantes as comedorias.
Antonio Luiz Caetano da Silva e outros.
Informe o Sr. inspector do Thesouro
Provincial.
Major Emygo Francisco de Souza Ma-
galgas. Encaminhe se, pagando o suppli-
cante o porte na reparticao dos Correies.
Jos dos Santos Souza. Indeferido.
Joaquim Pedro Pereira.Nao tendo o
Dr. chefe de policia d'esta provincia obtido
as informacSes que solcitos do da Par^hy-
ba, nao ha por ora o qua oeferir.
Juviniano Manta e outro. Encaminbe-
se devendo ser pago o porte na reparticao
dos Correios.
Jos Torres Leite. Informe o Sr. Di-
rector da Colonia Iz bel.
Jos Cassemiro Al ves Bezerra.Entre-
gele mediante recibo.
Mesa reg. dora da irmandade do Santis-
sirao Sacramento de Santo Antonio. Pas-
se portara dando provimento ao recurso.
Theouillo Augusto de Figueredo. D
se a certidao pedida.
Secretara da presidencia de Persambu
co 13 de Setembro de 1886.
O ajudante do porteiro,
Antonio F. da Silveira Carvalho.
zeram guarda na mesma repartljao ..os
dias 6, 7 e 8.
Ordenei tambem variis buscas que fo-
ram procedidas pelo Dr. Delegado do 1"
districto ; porm at agora nenhum resul-
tado tm dado.
BL ntem, conforme as ordens que por
V. Exc. me foram transmitidas, recolhi
prisao o bacbarel Eduardo, de Barros
Faloao de Laoerda, thesoureiro da The-
souraria de Fazenda, o contino as in-
vestigajSes e diligencias necessarias para
descobrimento da verdade.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao
muito digno vice-presidente da provincia.
-O chefe de policia, Antonio Domingos
Pinto.
Thesour* Provincial
DESPACHOS DO DIA 13 DE SETEMBRO
Ismenia Ayres da Silva.Informe a
commissao liquidadora.
Francisca Mara da Rosa.Informe o
Sr. contador.
Antonio de Freitas Lagos. Registre-se
e tacam-se os assentamentoB.
Manoel Barbosa de Araujo. Certifi-
que-se.
Companhia do Beberibe, Maia & Re-
zende, Augusto Frederico de Oliveira & C.,
Henry Forster <& C, Antonia Peregrina
Cavalcanti de Albuquerque, Oliveira Bas-
tos & C. e Joaquim Francisco Barbosa.-*-'
Pague-se.
Francisco Goncalves Torres.Haja vista
o Sr. Dr. procurador fiscal.
Ignez Mara Guimaraes.Entregue-se
pela porta.
Confraria de Nossa Senhora da Soleda
de. Junte-se copia das informacSes.
Valentina Mara da Conceico. Informe
o Sr. Dr. administrador do Consulado,.
Jos Muniz Ribeiro.Selle o conheci-
mento.
Iustrucco Publica de Pernam-
buco
DESPACHO DO DIA 13 DE SETEMBRO DE
1886
Isidoro Marinho Cezar Enea ninhe se.
Anna Amalia barbosa da Sil pra-se e registre-se e marco o prazo de 20
dias para entrar no gozo da licenca.
D alvino da Fonseca Lyra. Cumpra-se
e registre-se.
Philadelpho Barroso da Silva.Indeferi-
do, em vista da determinaclo da presiden-
cia da provincia de 1 do corrente.
Manoel Fernandes Calute.Deferido.
Secretaria da instruccao publica de Per-
nambuco, 13 de Setembro de 1886.
O porteiro,
J. Augusto de Mello.
Heparticilo da Polica
Secjao 2aN. 889.Secretoria da Po-
licia de Pernambuco, 13 de Setembro de
1886. Illm. e Exm. Sr.Partecipo a V.
Exc. que nos dous ltimos dias foram re-
olbidos na Casa de D tencSo os seguintes
individuos :
No dia 11 :
A' rainba ordem, Joao Lins Machado,
vindo do termo de Rio Formoso, como
alienado, afim de ter destino para o asylo
da Tamarineira.
A' ordem do subdelegado do Recife,
Pru lencio Leal do Nasciraento, por uso de
armas defesas; Antonio Pedro de Oliveira,
Maximiano Francisco Pacheco e Mar jolino
de tal como vagabundos.
A' orde"! do do Io districto da Boa-Vis-
ta, Jos Francisco de Almeida por embria-
guez e offeneas moral publica, e Francisco
Lopes Macey Ribeiro, por disturbios.
A' ordem do de Afogados, Francisco de
tal, por disturbios.
A' ordem do do Peres, Antonio Manoel
do Espirito Santo, por disturbios.
No dia 12:
A' ordem do Dr. Delegado do 2o distric-
to da capital, Fehci mo Francisco de Lima,
Manoel Jos Vieira, Joanna Mara do Li-
ma e Mara Francisca da ConceicSo, por
disturbios.
A' ordem do subdelegado do Io distric-
to da Boa-Vista, Thoraaz, escravo de D.
Lauriana de Moura Acioli, preso na occa-
siao em que arrorabava, na madrugada de
hontem, a porta de um quarto existente no
quintal da casa de residencia do mxjor
Joao Firmino Correia do Araujo, ra do
'Atalho.
- No o a 8 do correut, s 11 Ii2 hir a
da noite e no termo de Pao d'Alho, suici
dou-se, ingerindo grande pocao de verde
pariz, o tenente Jncundino Barbosa da Sil-
va Coutinho.
O subdelegado do 1* districto, sendo
avisado do acontecido, dirigio-se aquellas
mesmas horas casa de residencia do te-
nente Jucundioo e fez as diligencias re-
comraendadas na lei ; dSo tendo, porm,
conseguido colher as raztes quo levaratn o
infeliz a por termo a sua existencia.
Communicou-me o delegado io ter-
mo de AlagSa de Baixo, que no dia 2 do
corrente e%ctuara a captura do individuo
de nome Zeferino de tal, pronuncia o na
villa do Monteiro, da provincia da Para-
hyba nos crimes da tomada ''e presos e
furto de gado.
Nos dias 11, 12 e 13 continuei as
diligencias para descobrimento do autor ou
autores do roubo praticado na Thesouraria
de Fazenda.
Ordenei novos exames as portas e no
cofre, sendo peritos oito artistas serralhei-
ros reconbecidos como dos mais habis na
arte, e tendo interrogado as pracas qu ti-
DIARIO DE PERRAlWKCO
Noticias do sul
O paquete ingles Val Carao foi portador das
seguintes noticias, alm das officiaes e da corte
que vo publicadas sob as rubricas Parte Official
e Interior :
Repblica* do Pacific
Telegrammas at 30 de Agosto :
O congresso chileno reunido em assembla ge-
ral, prticiarnou solemnemente presidente da repu
blica ao Dr. Balmaeeda.
O tenado approvou o projecto de ferro-carril
trascendino via sul.
Incendiou-se em Santiago o templo e convento
dns freirs Agostinbas. Salvaram-se os vasos sa-
grados e jbjuctos de valor Nao houve felizmente
nenhuma morte nem ferimento.
O congresso peruano approvou varias medidas
para que as municipalidades e cada cidadao con-
tribu para a libertaco de Tacna e Arica, at
q je se consiga a quantia precisa para pagar ao
(Jbile a iademn'aacao de dez milhea. de ses, na
conformidade do tratado celebrado.
Continnavam no Per as manifestaces con-
tra os jesutas, e havia descontentamentos contra
o governo de Cceres.
Acrrdira.a se no Chi e que nao poderiam ser
approvados na sesso ordinaria das cmaras os
protocolos d'aquella repblica e da Argentina,
comproinettendu-se a pagar cada urna a metade
la indemnisaco de trinta mil libras pelo aprisio-
namento do navio franci-z Jeanne Amilie, pelo que
o ministro do interior pedir cmara do senado
que apreasasse a discuaso.
D. Mariano Baptista r'oi eleito presidente do
senado Boliviano.
Cartas de Lima diziam que se recetava all um
rompimento entre o Per e a Bolivia por causa do
ajuste de cuntas.
Blo da Praia
Folbas de Bue lOa-Ayres at 1 e de Montevideo
at 2 de Setembro.
Diziase que o goveruo argentino estava irac-
undo de reforcar a stacu naval em Montevideo
com um encouracado e uiua cauhon ira, proceden-
do assim por indicaco da legacao arg uliua.
O Dr. Canard, que era 1 vice-prcsiJente da
cam-ira dos deputados da Kejuolka Argutiua,
renunc'ou este oargu para prestar jurameutj a 27
e entrar no exercicio do de ministro do goveruo
para que fra ltimamente nomeado.
Diesut as fJiha de Bu nos-Ayr-s que os pirti
danos de Paz e de B com muito muito ardor, eaperando-se por ibsj qu-
ser muito reunida a luta para a eleico do gover-
nador da provincia.
O Dr. Dardo estava percorrt-ndo a cainpauha
do Oeste.
Pendia da sanecao do senado um prjecto, mu-
dando a denoininacao dos pistos da m*rmha para
diferencal os dos do exercito, adoplauda-se as de-
uounaacoes da manaba frauuesa.
Proj ctava-se a uonstrucco definitiva de um
lazareto sobre o grande bauo em freute de Mar-
ti m Sarcia, cuja obra estava oreada em 3tW,0\W
pesos nacionaes.
Christiuo Grajera coitinu^va na sua propagan
da contra o project do deputado Carteno tornan-
do obrigatoria a naturaluafo.
Beferindo-se cominiaso brasil-ura de liantes,
diz a Prensa de Buenos Ayres, no aeu numero de
28:
Abordo do vapor Guaran chegou hmt in a
esta cidade o presidente da co.noiiooAi, Sr. Ba.au
de Capanema O eoionol Guruieud.a, cuete d->
commissao argentina, que deve rnteuder se coui
elle foi recebel-o ao porto de Riachuelo, acompa-
nhad i de outros senb-ires, e d'alli se dirigirain
paia a legaco brasileira para visitar o Sr. Alen-
car.
< O Bario de Capanema, alem do posto de te-
nenie coronel de engeubeiros, no seu pan durec-
ter geral dos telegrophos.
< Valendo-fa .imstancia de esfsr .
ta por causa da misso, que lbe cunfiou o SU
verno, e na qnalidade de director dos telegraphos.
pretende concluir urna negociaco, que nao davi-
damos trar proveitosos resultados, sendo para
isto que veio de Montevideo para Buenos-Ayres.
No intuito de realisar o aeu proposito, que consis-
te na adopcao das medidas convenientes para a re-
gnlarisa^o do servido telegraphico entre o impe-
rio e as repblicas argentinas e do Uruguay, tra-
ta elle de chegar a um accordo, que facilitar o
servico e o tornar mais barato.
Onvimos dizer que o Sr. Capanema queja se
entendeu com o director dos correios e dos tele-
graphos da repblica visinha, veio acompanhado
deste e brevemente comecar a tratar do assum-
pto, que motiv u a sua viada.
H ntem o Barao de Capanema foi reeebido
pelo Sr. presidente da repblica, a quem o apre-
sentou o Sr. Baro de Alencar. ->
Estava sendo muito commentada as doas mar-
gena do Prata, a seguinte carta que o general D.
Mximo Santos dirigi no dia 24 ao Dr. Joaquim
del Castillo, juiz do crime.
Estimado senhor e amigo.-E'justo e legiti-
mo que a autoridade judiciaria se mostr sempre
zelosa e activa na averiguaco dos crimes dos cul-
pados e no castigo, sem o que nito pode haver tr-
aer nt-m progresso posuvel na vida das sociedades.
Mas, se isto certo, tambem o que ha crimes
que nao devein ter outros autores alm do agente
que os perpotrou.
Neste caso est o attentado de que foi alvo
na noite de 17 do corrente. Com os precedentes la
minha vida poltica, as garantas que a todos dei
dorante o meu governo, ainda mesmo as scca-
sioea mais diffieeia em que a paz da repblica
chegou a ser perturbada ; com a cultura do nosso
paz e os ideaes honestos e patriticos, que devem
ter os partidos no campo da poltica militante ; fi-
nalmente e sobretodo, com o carcter altivo, mas
sempre nobr- nos orientaos, -nao posso admittir
que em tilo nefasto attentado haja cumplicea con-
scientes no meio dos mais concidados. Tal so
menos a minha conviccao pessoal e patritica: e
nem sequer desejo averiguar se estou engaado
pensande assim.
Entre as tradcoes que nos Iegou o immortal
Artigas, fundador da nossa independencia, a qual
festejaremos amanha, estao a constancia levada
at ao sacrificio e o patriotismo exaltado, porm
nao a traico nem o assasainato, como meio poli-
tico. Pensando dest'arte, julgo intil a cootinua-
c3o do processo, que est sendo instaurado pela
justica.
< Tanto eu como o meu governo, temo-nos ex-
torcado sempre e continuaremo-nos a estorcarmo-
nos para que os orienraea vivam tranquillos no
aeu paz, protegidos pelas suas' sabias instituicoes
e no goso das garantas que ellas outorgao, ante-
pondo este interease a quaesquer outras conside-
rarles.
Como que compellido pela mao da Providen-
cia, o criminoso Ortiz infligi a si mesial o casti-
go da Deus Ihe perdoe, como eu mesmo o houvera tam-
bem perdoado.
Deve restabelecer-se, entretanto, a calma, e
voltarem todos ao seu estado normal, trabalhandc
para o bem e a felicidade do paiz, o que deve ser
nosso nico anhelo.
i'onsequente com as ideas, principies e pro-
psitos, que acabo de expender, nao vacillo em
exprimir a V. S. os meus sinceros desejos de vt
cancellado o processo cr'me, instaurado por causa
do lamentavel snecesso, sendo isso acaso consoan-
te com as noasas disposices legaes e com os de-
veres das altas funcfdes judiciaea que esto a sett
cargo. *
Alguna comment&dores entendem que com esta
carta, o presi lente condemnoa formalmente os ex-
cessos de chefe poltico Bryan e do referido juiz ;
e acrescentam que, se general Santos se rodeasae
de outra gente na sua administrado, teria ainda
maiores sympathias.
Outros porm pensam de modo diverso, e di-
sem que Castillo um instrumento c-go de San-
tos, pois nao faz seno o que o presidente quer ou
o que suppoe que ha de agradar-Ihe.
E tanto assim (oiz El Dia) que, segundo as
tolhaa oficiosas, que tem sido minuciosamente in-
formadas da saude do general Santos, a cada ins-
tante, gozou este sempre de todas aa faculdades
mentaes e esolveu com muito acert questes dif-
ficeis, que se suscitaram de sbito. Porque nao
disse logj no primeiro dia o que acaba de dizer
agjra na sua carta, quando j nao ba mais arbi-
trariedades para commetter, nem se pode levar
mais longe as nvestitracoes ? Urna palavra ana
tena bastado. Porque nao disse ao menos : a
tentativa de Ortiz um acto individual; nao que-
ro que se persiga a ninguem ?
Constou, entretanto, a um correspondente da
Nacin que o ministro da guerra, tenenta-general
Tjes, admoestra Bryan e Castillo pelas arbitra-
rias priaoes que haviam ordenado.
Um telegramma para a Nacin, com data de 26,
assevera que a> pesseas, que sao tidas por be n in-
formadas, dizem que o general Santos deixar o
poder, designando, na qualidade de chefe do par-
tido colorado, para suceeder-lhe no poder, o te-
nente-general Tajes.
Estava terminado o processo criminal relativo
ao att ntado commettido contra o dito general
Maxim) San'os.
Na sua promoco, ponderou o fiscal do crime,
Dr. Carlos Muoz Aoaya : Commettido o atten-
tado, que motivos a instaurac&o deste processo,
surgi natural e ligeiramente a presumpeo de que
Ort z tiuha cumplices.
i Para preauinil-o partia-se da base de que o
Sr. capito gen-ral Santos o presidente da Re-
pblica, de que h* p jucos mi-zes vio-se ameacado
por urna revoluco, d^ que contra o seu governo
eram todos os dias concitadas as iras da opiniao
pelos j'-rnadatas d saff ct>s da natural ordem de
cousas, e de que o agente material do facto nao
era couhecdo por seu mimigo pessoal.
As iiivestigncdes Lites d-sde o primeiro mo-
mento cum todo o zelo i xigido |>or aquellas excep-
cioua< s circuosla cas nao cjnfirinarain pre-
sumpeo a que o aiaixo asiguado acaba de al-
iudir Coua toHa certeza p le ae a65rmar que psr
mais que eBsa-i invesri-coes fossem c otiiiuadas
uo chegaram a n- nhum tim til. Os resultados
do summari- autors.u lerialm ute a afirmar que
Greg to Ornz foi o nico aut>r do himicidio
Irns rado
O ju'Z do crime Dr Castillo absulveu de culpa
e p na as pess ms .l-ridas, mandou caucellar as
fianca out.rg..H3 n.s autos e submetteu a sua
deciso ao tnbuuil superior.
O g uera! Santos recoinmendou que Ihe fossem
emitt'.ioi para .s--goar, virios I -sjaehos de ne-
g.it-io-d.is ministei ios da f*euJa> o,- e r. sta^/aiu a usoen I solncio. A partir do
da 1 do c rreu < m .uiistroa r. unir se-hiam pa-ra
o denpaehn |>r ai l'ncial u< residencia particular
do chefe do E-'ado.
S. l'e.iro do Rio tarande do Sal
D >a* le I le .> l.libio.
O Jornal do Commercio de Po;to Alegre refere
o seguinte :
Na Ous Ali i iimj n- lio Iribes d- Luna re-
tira/-fu da c-i-a de .ui v.ainh para a de eUa re-
sideouia, a oMia-nulte mais ou me..os, uando foi
K/r- dido por uiu indvidu >, que ibe desfecbon usa
tiro.
rVlizinente sahio inclume o nosso amigo, es-
capando-- > e salo o desconhecido.
O mal .r K dngues de Liuia > rave de-
Iluto de hav r lesearnado be-i, na assembla pro-
vincial, bu .iiuaoio em q-w os ltimos sao M
primeiros d,hi o attenudo da que eacapou. .
O Diario do Rio Grande dia o seguinte :
lu ti
S1UM mHUPlUR ENCOHTBADB
MUMhDO


Diar de PernaniMicoTerfa-feira 14 de Setemkro de 1886
\
illa Q PS"
Vascouoelloa,
Isear de No-
raaraeuto ce-
eaea, d:acor-
meningo-en-
>>r uina le-
itopaia todo*
jooeordarasa
iegario Jos
Sacramento ;
dudo Piegae,
Auna di L-
Maaocl Bel-
oa Teixeira.
s e localizadas
eos que quize-
-ios esta-
vite dos quaes
: em Santos, o estimado cidadi
tugues oommendador Manoel Loureuco da
Rocha ; em Porto Feliz, Salvador Floriano de To-
ledo, alli muit* considerada ; em Campias, Ojytn-
pio Leite de Mori.es, em S. Joao da Boa-Vista,
Antonio Graciano de Souza; em- Iguape, o bacha
re em lettras Joaquim Pedro do Couto Jnior, o
tenente Florido Lopes Trigo, o alferes Antonio de
Oliveira Xavier, deixando li res quatro escravos,
e D. Rit* Emygdia Carneiro, em Campias, Joo
Antonio de Maraes; na capital, a subdita haspa-
nbola Mar Gomes ; repentinamente. ; en Casa
Br.inos, D. Alejandrina Vaiantioa dos Rea, fe>-
feas* apeeentada ; na est .fio das 0f**,
rep iitiiwwir, otlabdito ingles J. e em It, o eaniui' ndador Manuel Alves de Meti,
faseseteiro ai Cabr-


tambem enviado Ca-
.timamente tun-
. *a segaintes infor-
n. -- ^
^ado, d a Gazeta Para.,
raacoes : .
Este importante nuct<-'u de mtingrantes toi
fundado pelo Sr. Dr. Joaquim de Almeida Faria
Sobruho, vicepresidente da provincia, em terre-
nos de Uvoara comprados Roberto Lunkmoss,
iir. s 15 kilmetros deata capital, na paralen
denominada Arruda, do quarteirJo da Cachoeira,
e inaugurado pele inesino Exin. Sr. em data de 15
de Agosto findj.
Lunit sAo norte, pelo rio Ataba, campina
ou termo oe Manuel Fruucisco Caetauo, emdirec
ate-oeste a encontrar urna lagi, deseando
pe.lo i.rroio Mara Magnaeua at O marco de divi
ni Jos Fianciacu Guiraares; leste, pelos
tarreo i st-', que comecain no marco plantado
em direica do referido arroio, em direccao
est'-^este ua extenco de 782m at encontrar a
estrada geral, seguiudo por esta at o rio Atab.i,
desee pelo mesmo rio at um valle e por este at os
limites do ncleo .. Venancio; ao sul, por esses
1 altea e indicados terrenos de Joos Francisco
Gumares; aoesle, pelos terrenos de JotdeChns
o Laite, que ejuveam as divisas do mencionado
ondeo 3. Venancio, em nm tronco de cedro que
serve de marco, prximo a urna arvore de jaboti-
ra, e d'abi rumo N 10* E com 396 metros,
at encontrar outro marco in. 2), seguindo a rumo
de 17" E ua extenso de 346 metros a encontrar
urna rvore li.; oasaaetraz, o'ahi a rumo N. 48 E
i' extwico de 1,926 metros at o no Atuba. -Su-
perficie : E' de 4,H9,56ra 2. ou 857,306 b. 2.
Diviso : divide se em 54 lotes, inclusive um re-
larvado para casa escolar, morada do prufessor e
:.&, com a rea cada um de nao menos de....
15,000 0. 8, sendo maior o daquelles onde o tore-
an accidentado.r*opulaco: esto loealisadoe
ncleo 181 mmigrantes polacos e italianos,
firmando estes 12 e aqu lies 26 familia?, aiia de
> dU nacionaes.Preco da compra : < s terrenos
| rain comprados a 12 ris a braga quadrada.
o ncleo Antonio Prado se acha em eoniiccoes
anuais tavoraveis para desenvolver se, em -pouco
t-mpo, assegurand'' o brm estar e preperidade aos
i inmigrantes uelle estabelecides.
Sita lo em trras de excellente qualidade. como
sao todas as da fetilliasima zona da Cacnoeira,con-
fian com ofljresceute ncleo Venancio e Uga-se
a esta capital por urna boa estrada ue rouagcui,
qu-! facilita o transporte de seus productos para o
irrrf mercado.
Todos os lotes do mesmo tem agua, e compe-se
Datas t 7 de Setembro : JJ
\ 16 de Agosto, quando chegram cidade de
Batataes os tnlhos d Mogyaua houve grande
regosijo, sendo, muito victoriado o Sr. Bario de
Parnabyba, presidente da provincia.
A' Provincia de Minas escreveram do Parauna
(Ciirvello) em 20 do passado o seguate :
< Victima drfu i.icideute lastimavel, fallaceu
no di-i 14 o eepitao JoV Gonc-tlves Moreira,
digno irmo do noaso respeitavW e estimado viga-
^ Vmha o finado de sua fazenda do Pavao, em
urna beata ;nuito mansa entre os bois, e cahindo
com elle diante de um rodeiro, eate lhe esmagou
toda eabeca !
E-te liomem era o medico da localidade e o
amparj da pobreza; sua casa era um hotdl gra-
tuit i easylo da mendicidade.
D.z o Liberal Mineiro que na Januaria toi
suboiettidj a julgameuto anoel Tsv-irea _Sa
eco em tres processos eoudemnado no mximo
do art 269 e medio do art. 193 do codig crimi-
nal.
No dia 24 o delegado de pohcia, BOltao
Lana, fez prender na tazenda de Ponte Alta, dest*
termo, o reo Jos Venancio de OJivea pronun-
ciado no termo de Batati.es, provincia de S. Paulo,
pelo ssaMinato que n na pessoa de Prudentiano
Jos C ielho, ha 12 anuos, ais ou menos.
Na Cinpanba tinha cahido na uitimas
noites miuta grada. ..-,,-,
Na freguezia de Campj Myst.co, de Uuro-
Fino, foi morto Ez quiel Galvo e gravemente
ferido Theophilo de tal, por occasiao de^ffectaar-
se a prisao dos meamos, em virtud de mandado
expedido pelo juiz municipal do termo.
Segur.io informaram ao Socialista, houve resis-
- eia da parte dos presos.
Na taaea la La^oa Verde, tros legnars dietanto
de S. Joo d'El-Rei, Aaaatacio, creonlc, escrave
do tenente-emonel Jnao da Silva Braga, matou
com urna foucada a urna sua parecira e nume
Gertrudes, ferio gravemente a Paulina a urna
in^enna de nome Gertrudes, com quero fajera
casarse a que elle violn.
O assassiuo foi preao, desfeouaiuio sobre si no
acto da priso um tiro uem uuia espingarda qae
havi furtado.
Diz .. Arauto de Minas que o eugeuheiro Dr.
Paaki Plenas ue .** e m aallogu iaw
faz. r em breve oa preciaos estudos paraa eauali-
sco do corrego oasafraz psra abasWcimeuto
d'agua potavel aquella cidade.
j est revestido o tnel de Trapuhy no naval
de Oaf-Preto.
i o assassinado no distrieto de Coognubas
do Campo, a 3 de Fevereiro pasaado, Antonio
Leite soares, nao tendo sido preso at boje o
aasassiuo, qne Bento Jos Corris.
t>o Serr, no dia 25 do paesado, foi visto,
de m.to, de que se aoroveitaro os immigrantes.l eat^o tekgraphiea daquella eid.de, um meteoro
, .eiros t.mpos em que nao podem tirar reouraos Krnde mteoaidade lominoaa, du.
de suaa.lavouraa, vendeudo a lenha para proverem
oa meios de subsistencia.
A trovoada que cabio sobre a canital s 8 horas
ua noute de 26 do pasaado produzio a que :a de un
r .:.., reduzindo a cinzas urna casa situada aoiCa-
jur.
Pelas informacoes que nos toram dadas sabemos
que so se deiam prejuiz is materiars, nada haven-
do soflVido as pessoas que alii su achavam na oc-
casiao dosiuistro.
As igrejas deram o signa! de incendio.
Fallecern) : na capital, D. Isabel de Camargo,
e em Castro, o capitn Constante Jos Borgea.
fcioyaa
Datas at 7 do pasaado :
O baiancete do exercio de 18851886, das cai-
xas da thesouraria provincial, foi no mez de Julho
0figurute:
Receita 15:190*774
Dchptxa 3:215|1884
Saldo 11;974*880
tanoaitaa e cauces l;93o*770
Palleceu na cpital o major Jos Netto .Carnei-
ro L u.
. Pauto
Datas at 7 de Setembro :
C nstava m. capital que os Srs. Drs. Abilio Eu-
z. bio Viaana e Francisco Franco de Almeida tra-
tam de fundar em Piracicaba urna casa baiioria
para d' scoutos de ordena sobre a praca de SanUs,
saques, peuhores etc.
m Campias deu-se antu-hontem nm desastre,
a-snn n ferido pelo Correio Paulistano:
U operario Joao Peregrino esta va tr.rlandode
reu.over por meio de guindaste, urna pesada barra
de ferro que fei guindada a certa altura.
No acto de ser d-acida foi e-;sa op racao tao
desastradamente feita, qu prendeu a barra de fer-
ro o p direito do referido operario, machucaudo-o
bastante.
Os demais operarioi da officina, aos grites da
victima neudiram piumplamcnte, evitando maior
de8graca.
Ro da 30, a 10 horas da noute, o trem da com-
p:niliia carris de ferro Santo Amaro, que segua de
S. Jonquim, ao clicear ao desvio encontrou deitauo
entre os triibos o empregado da meama companhia
Inio"neio L uieuco, produzindo-lhe um ferimento
U8 i-abeca do qual veiu a fallecer horas depois.
Telegramma enviado de Mocoea para I ampinaa,
refere ter sido alli J s Thomaz de Aguiar, indi
guxiJo asaossi o de J.-a Teixeira da Silva Oli-
va ira, o qual obstinadamente n.-ga o crina de que
censado.
Em S. Carlos do Pinhal toi preso Antonio Henri-
q-je Barbosa, por estar embriagado e provocando
desrdelo, o qual eunfessou ser crii-iinoeo de im.rce
na villa de Dous Corregog.
Foi preso em Uberaa, i a fazenda d. Ponte Al-
ta, o reo Joo Venancio de Olivera, pronunciado
un termo de Batataes, pelo assassinato qne fez na
pess/m de Prudenciano Joa Coelho, ha 12 annos,
mata va meos.
Em Sorteaba auicidou-ae Francisco de Arrula,
Official ferreiro.
No da 29 de Agoato. na villa de Santa Barba-
ra, um fogueteiro, tendo posto ao sol grande
quuiitid' de de plvora de que precisa va bem sec-
ca para seu servico, acont.ceu irem ao quintal 3
meninas suas filbas, levando imprevidentemente
um dellaa um tiyao di fogo. Veut .va, e urna tais
ca d ap.en iida cabio na poKora, que fez expo-
sao, cando urna das meninas gravemente offendi-
da, e as outras com quemaduras leves.
O pai, que ao ouvir gritos foi accndil as, ficou
tambem com as moa completamente queimadaa.
Um pre* que d. Bat.taes e a conlnzido ca-
pital atim de cumprir a pena de 3 annos de prieto
a que o jury daquella localidade o condemnara, ao
chef"r estar) do Rio-Pardo, aproveitando-se
d noiie, logrou fugir, aera que fosee encontrad
aprzar dos esforcos empregados pela escolta que o
aC' III p:i lllla\'a .
A Imprenta de It desmente o facto noticiado
por mullos jnrnm-s da provincia, de tr sido assas-
siua.ia no Sallo com 8 tacadas urna mulher que
coitumava todas as noites vestir-se de brauco,
para asustar os habitantes do lagar
Em S ntos, no rio Bertiuga, fei pescado um mero
de 2 metros e meio de cumprimento, pesando esrea
de 30o kilos.
Em Iuape< Sr. Jos Joaquim Egss concorrea
coui a qui-ut a de 1004 para completar a somma
neceesari para a manumitso dos escravos Sal-
vador e sua mulher Laur ana.
Aeha-se gravemente enfermo em Jundiahy o Sr
Joaquim Benedicto de Queiroz Telles Juuior.
0> cundemnados a gales, presos na cadeia da
capital, dirigiri.m por intermedio do presidei.t i da
provincia un. representacao ao governo imperial
pedn Jo rem >c4o para Fernando de Noronha.
Foi recolhida no thesouro provincial a quaotia
200*, reinettida p r SS. AA. imperiaes afim de ser
applicada ao jazigo em que devem ser guardadas
as cinzas de Jos Bonifacio.
buicidaram.se, na casa de correccao da capital
pres > Jos Florentino de Oliveira, eoudemnado
pelo jury de Itatyba a 6 annos de prisao com tra-
balho : e no Rio-Claro, o Allemo Andr Ha -
mann.
m grand
segundos, estourando ao longe como trovan e
Iluminado com luz elctrica.
Diz a Folha de Minas que em Barbaceua tem
ntotao nfciuioso fro ana nao ha memoria nos
mais veihoa moradaaes desta localidade, a ponto
laL que tem crestado a vegetacao, resiatmdo apenas
as bananeiras e as couves, e estas mesmo nein
sempre. Durante a noite elle se torna tao iuteuso,
qu" diicilmeiite ae supporta, aAindo constante
mente folbeca. i4s peasoas de palle fina tem-na
racbado, a panto de verter saugue-
Dn-o P/tarol de Juiz de Fora que um ponto do
termo de bnassuhy, nestt provincia foi tbeauo de
sangrenta facanha operada pelo subdelegado Isi-
doro Antonio ls Nascimento, capitaneando forc
publica.
Dois cididos foram4>af%aramente sesassinadu
a silos de baeussarte, sendo-.bes cortadas as4
orelhas.e daspedacados os csaneos couce de
armas
Em seguida ao crime toram os calaverea dados
trra, no mesmo tugar em que foi perpetrado o
delkto. .
Foram assassinado na estacao de Lima Du-
arte, da estrada de farro do Piau, Jus'ino Joa de
Sant'Anna e Cesario Jo6 da Fcnseca, sendo presa
Ojhssassino.
Informaram Gazeta de Uberaba que no 1.
do crtente loi assassiuadona cidade da Prata, era
casa do Sr. Eli de Camaqgoa, o Sr. Jos Manoel
Vidigal Jumor pelo Sr. Theophilo da Silva Olivei-
ra, snppondo-ee casual o acontecimento.
L-se no Pharol:
No Corrego doOuro, freguezia da Abbadia do
Bom Sucncssi), nesta proviucia, descobrio-ae ma
agua mineral, que se diz rica de propriedadea me-
dicameatoaaa.
Tem gosto scmclhante ao do sal amargo e
adstringente com a potassa.
Levada a!> fogo e deixando-se estriar, depois
da cbiiicc, torna-se em massa escura inflamma
vel.
Diz urna tolha da cidade da Bagagem, nue tal
acua remedio iniallivel contra indigestoes, dr de
dentes, ulceras, etc.
0 seu descobfidor foi o Sr. Antonio Rodrigues
dos Santos, morador no Bom Successo.
Falleceram : na Campanha, o neg iciante Joo
Baptiata Machado e N. da Costa Barros ; em Sote
L.gas, o padre Jos Joaquim Teixeira ; em Sa-
bara, o padre Vicente F-.rr, ira Rodrigues Frea ;
eui Queluz, o vcr.adnr caf ito Joao Francisco de
Aesia ; no Pomba, Sim-o Pedro Foly ; no Rio
Braceo, o capitalista Fernando Alves Guedes So-
briuho; em Barbacena, Ponciano Jos Nepomuce-
no; em Xio Pardo, o eacrivo de orphaos Eugenio
A. de Faria ; em Montea Claros, D. Placida Ol-
veira Rolim, que deixnu iivres 14 escravos, Colea-
tino Miguel da Rocha, Joo Candido Pereira S 1-
gado e Saturuino Jos da Coneeico ; era Juiz dt
Fra, Maximiano More'ra da Roch'' e Jos Mar-
tina de Araujo ; na freguezia de Congonhas do
Campo, o Dr. Lucas Antonio Vlonteiro de castro,
que alm de ter exercido varios emprpgos pnbli-
eos toi deputado provincial; em S. Joo d'El-Rei,:
.. t n-nte coronel da guarda nacional Jorquim Jo-
i- Alv.-s de Santiago, que exerceu diversos cargos
de eleicn popular e nomeacao do governo e era
cavaileiro da Ordem de Christo ; na faz-nda de
Santa Rosa, em Juiz de Fra, na ilade de 80 an-
uos, o tenente David Rodrigues de Queiroz ; em
Suasauby, o delegaao de polica Joo Mano. I d i
N iscim-nto ; e na Januana, o capitao
de Souza Gorr.es.
Itiu de Jam-iro
Scb-istio
Datas at 8 de Setembro :
No Senado, no dia 1. dep lis de lido o expedien
te, o Sr. Viriato de Medeirjs obten io a palavra.
jictificou um requerimento, para que, por inter-
medio do Ministerio dos Negocios da Agricul -
tara, Comm rcio e Obras Publicas, seja o Se-
nado informado : 1 Se existis ou nao propoa-
tus para construccao das estradas de ferro de Ba-
s a Caeequi e de Cacequi a Urugn .yana ; 2."
I^uaes sao essas propostas ; 3 Quaes os propo
neutes; 4. Todas as particularidades que a ellas
digam respeito. Sendo o requerimento apoiado e
posto m discjssao, toi sem dbate approvado.
O S S.:v ira Martina, dep .is de allomas ob-
s 'rvacoes sobre a venda de trras no Rio Grande
do Sul, justifk o um requerimento, afim de qu ,
por intermedio do Ministerio dos Negocios da
Agricultura, Commercio e Obras Publicas, infor-
me o governo : 1." Se as terreas vendidas ao Dr.
Trajano Viriato de Medeiroa, procurador fiscal da
Fazenda Provincial, foram julgadaa desoecesea-
rias i colonisacao. 2. Se foram medidas e de-
mareadas por um engenheiro a rim.-nsor, espe-
cialmente habilitado, eomo exige a le. Sendo
apoiado e nao navendo qaem pednse a palavra, foi
o requerimento approvado sem debate.
Na 1.* parte da or.lem do da foram approva-
dos: a eaaenda aoresentada na sessao de ante
boutem pelo Sr. Afionso Celso, afim de que s. ja
ouvida a commisao de raarioha e guerra, que
apresentar as bases para a reforma da escola na-
val, e juntamente o projecto aasiui emendado para
ser enviado i Cantara dos Deputados.
Em seguida o projeeto com as emendas da
commiasio sobre os melhoramentoa da ra do Se-
nhor dos Pasaos, para
mar dos Deputados.
O Sr. presidente sorteou a deputacio que tem da
ir ao pa$o comprimentar a S. M. o Imperador, no
dia 7 de Setembro, por ser o anniversario da inde-
pendencia do Brasil, a ofial ficou composta dos
Srs. : Visconde de Paranaca, Joo Alfredo, Boa-
res Brando, Afionso Cel/o, Bard da Estancia,
Nunes Goncalvea, Barros Barreto. Paes da Men-
douca, Castro Carreira, Luis Felippe, Cavalcante
de Albuquerque, Siqueira Alendes, Hanrique d'A-
vila. Lusa Carlos e Laio Velloso.
Ka 2.* parte da ordem de dia entrou em 2* dia
csalo. piMMosta do poder executivo convertida
em arejeeto oe lei pe. Cmara dos Deputados, or-
eando a daep za do Ministerio da Agricultura,
CosBBMru'o e Obras Publicas para o oxercicio de
l.sja1^-T. Sendo reeebido o Sr. ministro da
Agriante di com as f-irmaliiade do esWlo^ orou o
rfr. Maniiva. IVadw a paiav 9 Mr. Viriato de
Msdeiros qnsee iserever para fallar, diese que,
depois do discurso proferido pelo sr. Saraiva, de-
. da palavra couvidava o Sr. ministro da
agricultura a cumprir o sea deve.r, respandendo ao
precedente orador. O Sr. presidente, depois de
observar ao Sr. Viriato de Medeiroa que o seu con-
vite era facto virge.ro. uos j'nuppft do Senado, man
dou 1er a carta imperial -eacothtr&^ana{!or pela
proviocia de Santa Catharina alo S?\B>rTEsera-
noiic T.iuuay, a qual foi com urgeucia enviada
commisao respectiva.
Proseguindo a discussao de ornamento da agri-
cultura, oraram 03 Srs. Baro da Estancia, minis-
tro da agricultura e Cuatro Carreira.
A discussao ficou adiada pela hora e con a pa-
lavra o Sr. Dantas.
No dia 2, na mesina Cmara, apa a leitara
do expediente, o Sr. Dantas justificou um requeri-
mento para que o goverao ufaraso ae houve a- s-
s,io tumultuosa na Aascmbla Provincial da Ba-
bia, e ae por eate motivo bou ve interveay"... da for-
c* publica naa galera^. Sondo o requerimeuto
apoiado e posto em discuasao, o Sr. presidente d)
conaellio declarou que eatava informado de que
houv i sessin tumultuosa na Asoemba Provin
cial da B .hia; mas entre os proprios deputados,
iguoraudo te utj.-veio a forca publica naa gale-
riaa.
Foi approvado o requerimento.
l'asaando-se oedem do dia coatinuou & 2a dis
cusso da proposta d) poder executivo, convertida
em p ojocto do lei pela Cmara dos Deputados, ti-
zando a despeza do Ministerio da Agricultur,,
Commereio e Obras Publicas. Foram lidas, apoia-
na8 c postas conjunctamente em discussio algamas
um.udaa da commissao de orenmeato.
Oraram 03 Srs. Dantas e ministro da agricultu
ra, ficaudo a discussao adiada pela hura e com a
palavra o Sr. Viriato de Medeiroa.
Foi lido e mandado imprimir para entrar na or-
dem dos trabalkos, tan .parecer da commissao de
constituico e diplomacia reconhjcendo e procla-
mando senador do imperio, pola provincia de sia-
ta Catharia*, o tir. AlfredolEacragnolle Taunay.
No dia 3, na ujesina cmara, foram approvados
sem debate a redaccao do oreameoto dea negocioa
estcnngeiros, e a da proposta sobre o embolleaa-
n.ento da ra do Scnhor dos Pasgjs.
O Sr. Viriato de Medeiroa justificuu um roque-
rimento, para qu toase o^HMo informado so ha
uiiina lei posterior lei n. 641 de 26 Junno de
1853, revogando cata, e quaes es termos da dita
l<| se algum i exiae. O requerimento f apoiado c
posto em discussao.
O Sr. Correia, das, que tratava-sa do um tacto
.ra u) podia ser objecto de ouvida para o Sena-
do. Euteudia que sendo-cate-ama orporaco le-
gislativa, nao poda indagar do govceuo, se urna
lei est ou nao revogada.
Posto o votos o requerimento foi rejeitado.
O Sr. Francisco Octaviano envjou mesa algu-
mas emendas sedaecao da prupoeicao da Cmara
dos Deputado, reformando os arts. 266 o 267 do
cdigo criminal.
A redaccao e as emendas feram app.ovadas.
O Sr. Meira de Vasconcellos, apz algumas ob-
servato 's, requereu ioformacea do governo sobre
aeleico municipal de Campia Grande, aa Para
byba do Norte, que realisou-e no dia 1 de J-anho,
e quaea as providencias '.ornadas a leapeito do qne
tn o se pratiecu.
0 Sr. ministro do imperio disse qne achava jus-
tas as observaces feitaa, e j ta ha expedido aviso
mandando proceder nova eleicao.
Em vista desta.declasaco, o Sr. Meira de Vas-
concellos pedio e o Senado consentio na retinada
do requerimento.
Passando-se ordem do dia, ontinuou, peesen
te o Sr. ministrada agricultura, a 2* disensa* da
proposta do poder executivo convertida em .proje-
cto de lei pela Cmara dos Deputados oreando a
despeza de Ministerio-da Agricultura, Commereio
e Obras Publicas.
O Sr. Tgnacio Martina .mandn .mesa urna
emenda que foi lida apoiada o posta teopjuactamen-
te em discussao.
Oraram os tirs. Viriato -de Medeiroa, Martinbo
Campos e .ministro.da agricultura.
A discussao ficoa adiada pela hora.
Na meama Cmara, no da 4, foi upprovada a
redaccao daa emendas do Senado relativas aos or-
camentes das detpezae dos Mioisaerios do Imperio
e da Guerra.
Foi igualmente trpprovado o parecer da commis-
sao de constuiaio e diplomacia reconbecendo o
Sr. AlfredoEacraguolla Taunay, que toi pelo Sr.
presidente proclamado sen .dor do imperio pela
provincia de Santa Catharina e convidado para
prestar juramento e tomar asseoto.
O Sr. Martinbo Ctmpcs doclarou que votou
contra a eleico de Santa Catharina e queem outra
occaeiao justificar o seu voto.
Passando ordem do dia e achando se presente
0 Sr. ministro da agri altura, proseguio a 2a dia-
cueaao da ,proposta do poder executivo convertida
em projecto de lei pela Cmara dos Deputados,
oreando a deepeza do Ministerio da Agsicultura,
Cummercio e Obras Publicas.
Oraram os Srs. Afionso Celso, minilro da agri-
cultura, Siqueira Hender, Lima Duarte e Avila.
O Sr. .Siqueira Meados juatificoo duas emendas
a Ia sobre cone. aao de privilegio para navegaca
1 s noa Araguaya, Tocantina e Vermelho, e a 2a
sobre aaxilio estrada de ferro as margens do
Tosantius, no r'eri.
a. discuasao ficou adiada pela hora.
Na iccsraa Cmara no dia 6, foi lido mandado
imprimir para entrar na ordem doa trabadlos o
parecer da c imrnisso ae raarinha e guerra sobre
a prup de trra para o auno fiaanceiro de 1886-1887.
Foram sorteados os *rs. Visconde de Murifiba,
Henrique de Avila e Martinho Campos, para rece-
berem o Sr. A.fredo de Escragnolle Taunay, que
preaton juramento e tonaou assento como senador
do imperio pala proviucia de Santa Catharina.
O Sr. Lima Duarte justificuu um requerimeuto
pedindu copia do a\iso expediudo ordena para se
fnzer estudos sobre o qn bi amento da bitola da es-
trada de ferro D. Pedro II, da estacao Lafuyette
..o Juiz de Fora. Apoiai e posto <-m discuaao,
o requerimento foi aera debate approvado.
Na Ia parte da ordem do d'a toi lido um parecer
da coininia- de empresas privilegiadas e obras
publicas sobre tresrepresentacoes do cidado Joo
Jos Fagundes de R zendo e Silva, as quaes
nada h"uve que deferir.
F..i lido outro parecer sobre es requerimentos de
Junha S C, Henrique Raleuf.-ld e William
Austin Brown, oaquv.es foram mandados archivar
Igualment- foi lido o parecer sobre a represen
taco do cidado Augusto de Almeida Torres, so-
bre a adjudicacSe da construccao da rede de vias-
ferreas do imperio, a qual foi iudefer'da.
Sendo oa tr. a pareeerea pus eos em discusao, fo-
ram sem debate approvadoa.
Na 2' parte da ordem do dia, presente o Sr mi-
niatro da agricultura, coutinuou a 2a discussao da
proposta do pider exeeutivo convertida em pr -
nato de lei pa enmara dos deputados, oreando a
despeza do ministerio da agricultura, commereio
e obras publicas.
ideas, que tiveram e continuam a ter como mais
esforcado paladino o illusbe viee-presidente da
Sociedade Central.
Das galeras, que estavam cheias, foi atirada
una salva de flores quando o Sr. senador Taunay
entrou no recinto do senado para prestar juramen
to e tomar posan.
Coiamemorou-se no da 7 o 65 anniversario
da independencia e do imperio.
SS. MM. e AA. Imperiaes asaiatiram ao Te-
Dem solemne na capetla imperial, tendo flietado
meneauhor Abreu Lima.
A' ama hora da tarde boa ve cortajo no paao da
c'rtadW. ao qual conorrosaia o iniaiateri rleptl' i
coes do seuado, da camama do* depatados e da as-
aembla provincial do Rio de Janeiro, a norte, o
corpo diplomtico e eaasular, a Illma. jihis mu-
nitpJ, migistiados, effiai%a* genataa oaupvrio-
ra da armada e do enere i te, altos fut -tiras1
eawrria^Oea de corpauariVet eeiantiOaas, iUatrarl ia
e--eaficente", e umitas pessesa particulares.
O Sr. internuncio apostlico, como orga do cr-
po diplomtico, prouuuciou o s iguiate discurso :
Seahor E" factobemconl: .vi t-
gestadeque, aeade aCreaci at nossos diaa, o
que coiistitue a personelidade dos povoa, no m io
a granja familia humana, nao so a gaograpbia,
a lingna, mas ainda e principalmente sua indepen
dencia. F'or eouseguinte, se a phlosophia da his-
toria contemplo este fiuxo e reflux da humaaida-
de sobre a face do Universo, a historia propria
mente dita nao so inspira sena i nos povos cons-
tituido].
.', poia, com justo titulo e bon direito qu o
pas uelebra hoje, cora uoa festa nacional a data
histrica que, transplautaudo pora o aeu aolo um
ramo da rosea antiga o gloriosa dyuaatia, fez di
Brasil urna naco indepondeme.
E o corpo diplomtico, sempre prossuroaoem to-
mar parte em tudo que motivo de alegra e de
gleria nacioua!, vera ueste da felicitar Vosea liar
gestado, a familia imperial e todo o paiz pela in
depen :euoia do imperio.
Durante o dia estiveram embau leira los ea ar-
co oa n.ivi js nacioiiaes e eeUaasj)jrea sartee no
porto, salvando as fijrtalaxaa u vaaos de gueira c
horaa do estylo.
Deu a gu-trda de honra do paco da cidade o l*
batalho de infantaria.
Na augusta preaeaca de S. MM. e AA Ira
periac-s c Com acaistenciu de fraude mira 'io de
eeuh iras, dos Srs. nutres de Portugal, da Bl-
gica, da Russia, da Franca, dos EstadOf-Un'doa,
daa Rpublicas Argentina e da Bolivia, do Chile
e do encarregado de negocios da Inglaterra e dos
secretarios das legacoos, do Ecuadores, deputado>,
officiaes generaea do exeruto, chefea de reparti
co-s e extraordinario concurso de eidadS >s J; t /-
das as classes, r.-aliao^-ae, no sallo de honra do
paco muoicipui, a sexta festa de libertlo palo
Livro de Ouro.
A'a 11 1/2 ebegaram Suas Magestades e, rece-
bijas na entrada pela cmara municipal encorpo-
rad., subiram para o salo principal ao som do
hymuo da Indep-ndencia, exeeutado por diversas
M de msica e dos vivas d.i maia de 403
alumuos daa escolasmunicipaea que formavam alas
le a entrada u. a p>rta do sala), e da3 mais
peasoas presentes.
Depois de cantado peifis ladjuntas e alumnos o
byiniu da Iudepeudenciu, obtida a imp irial venia,
prouuuciou o presideute da cmara, Dr. Pereira
Lopea, un discurs >, recordando a data gloriosa da
nossa independencia.
S 'guio se a entrega de 6.) carias de hb?rdadc
por S. A. Imperial, u qu"ra a commisso de Uber
taicaas apreseutva quando os libartaudoa eram
levados a aun presenea pelo sernetario da commis-
sSo, Sr. Jos Saturnino da Costa Pereira, cantau
do durante todo ease tempo aa adjuntas e alum
naa o hymno da liberdade.
Finda a entrega levantou o presidente da Ca-
I maia diversos vivas e tcrmiuou asolcmuiJade Com
I o hymno da Independencia.
Ua testa lavrou-ee termo que assignarau: Suaa
Magaatades e Altezas Imperiaes, os membroa do
carpo diplomtico e iinuitau pessoas presentes.
oDalli dirigiram se Suas Mageatadea c Altezas,
o vereadorea, o corpo diplomtico e as dein tiajpes-
aoas presentes para a sala daa seasoes, ondo ao
som do byinno da independencia, foram, peles se-
cretarios da (Jumara, D. Francisco Maacaceohaa
e da commisao libertadora, Sr. Costa Pereira,
descerradas as cortinas do quadro commemorativo
da primeira festa de iibertacoo realizada pela ac-
tual Cmara.
Depois de algum tempo de demora no exama do
quadro, retiraram-se Suas Magest idea c Altezas
Imperiaes com as mesmas formalidades com qne
laram recebidas, dignando-se Sua Magestade di-
eer ao presidente da -Cmara : Nao esmere-
9am. '
Fez a guarda de honra ama forca do 7 bata-
lho de infantaria, e deu as salvas do estylo urna
batera do 2" regiment de artilbaria, coocada
em frente ao payo municipal, em euja entrada to-
cavam tres bandas de msicas militares.
No theatro S. Pedro de Alcntara, com a as-
aiatencia de Suaa Mageatadea e Aitez..s Imperiaea
effentuou-se a sessao solemne do corpo eolleetho
Uoiao Operara, para commomorar o anniversario
da independencia do imperio.
Foi extraordinaria a concurrencia, notando-se
entre as pessoas presentes os Srs. ministros da
juatica e da marinha, chefe de polica da corte,
senadores deputados,-fuoceiooarioa publicas, ofH
ciaoa do exercito e da armada e representantes de
todas aa outraa classes sociaes.
A's 3 horas chegram Suas Mageatadea e Alte-
zas e appareceram aa tribjnal imperial, comecan-
do a festa pelo hymu > da. indepen Juncia, cantado
pelos alumnos do ..'oneervatorio de Mnaica sob a
regencia do Sr. Fionto e acorapanhando a moaica
do corpo policial da corte.
Obtida a imperial venia e declarada aberta a
seaso, pronunoiou o -discurso de abertura o Sr.
senador Correia, segura.Jo-se o orador offioial, o
Sr. senador Taunay, sendo ambos muito applau-
didos.
A banda de mnaica d i corpo policial executou
a ouvortura do (wrany, qual eegaio-se urna
aau.lacj potica a Sua Alteza Imperial pelo ope-
rario do Arsenal de Marinha Manoel Bencvenuto
de Lima.
Pela'banda do3 artificea do Arsentl de Marinha
foi exeeutada a Carmen, afi'ectuando-ae n88a oc
casio a e itrega a Sua Magsstade o Imperador da
nominata da primeira administrao) do m mte-
pio dos operarios do Arsenal de Marinha da corte
eos diplomas dos agraciados pela Uoio.
Seguio-se nma felic.tacao pelo Sr. deputado
Ayrea Junqueira, que foi vivamente applaudido.
Foram Jis'ribuidoa diversos impreaaoa conteado
reaolucoea aobre o manifest de S'-, off reidas
a Sua Mageatade o Imperador, baaes da funlaea;
da oarteira econmica, banco auxiliar da indus-
tria no imperio do Br.izit e psesiaa ao dia 7\de
Setembro.
A banda do Arsenal de Guerra executou um
trecho da Gioconda.
O Sr. senador Correia encerrru a sessao levan-
tando vivas, que foram enthuaiaaticamente cor-
re.spoiidi.los, cuitando neaaa occasii oa alara
noa do Conaervatorio o hymno da independen -
ca
Suas Mag 'stadea e Al "esas retiraram-se ao som
do hynno nac nal exeeutadopelaa bandas do oor
po policial da corte, do 1' batalno de artilbaria.
doa art.cifea do Arsenal de Marinha e Arsenal di
Guerra.
O Sr. Barro Barreto pedio e o senado consen-
tio na retirada da emenda da cocpraiasi verba
2 do ore;-.ment, que ae refere a obras publicas.
Oraram os Srs. Silveira Martius e Franco de
S, finando a discussao adiada pea hora.
Por occaaiao de tomar posse, da cadeira de
senador, o Sr. Dr. A. de Escragnolle Taunay foi
coraprimeutado no senado pola directora da So-
ciedade Central de Immigr..cao.
O Sr. Wenceslao Guimares, interpretando oa
sentiraeutos dos seus collegaa, disse que odia 6 fi
.tria gravado no coraco de seus campanheiros
de I uta, c*mo marcando um nova era para o no-
vo Brasil, pelo qual todos trabalhau. obeios de
crenoa e tendo o bello ecemplo do eeu benemrito
ch fe, que na casa vitalicia do parlamento hraai-
leiro continuar, uuinio a propaganda a aeco, a
fazer vingar todas as ideas generosas eadiantadas
que coostitnem o bello programma da Sociedade
Jeutral de Immigracao e pelas quaes tem traba-
luado sem canear e Sr. Taaoay. Essa cadeira,
pdese diier, ama conquista deesas grandiosas roso.
Sobre o fall 'cimento do coade de .Mosquita,
lemos no Jornal do Commereio' de 2 o seguinte:
O commereio deata prac i lamenta hoj a per-
da de um doa seus maia diguoa raeinbro*. Hon-
tem a 11 3/1 da noite, auccuinUio a urna autiga
lesa i cardo artica, recentemente aggravida, J -
rimy.no Joa i Mesquiata, Conde d-i Vleaquita.
Cmpl -tarn 60 annos, t^ndo nascido n>-sta ci-
dade, em 25 da Juubo de 1826. Cedo entrou aa
carreira c imnoreial, na qua! soube diatiuguir-ae
p t aua actividade, alto bom oenao, correcto pro-
cedimeoto e severa pi"bidM de. Chamad) apres-
tar servidos ao seu piz, quer em e-argia de
oii opular, qu.r noa de nomeacao do governo,
nunca recIjou o seu auxilio emqiauto entend u
poder ser ntil aos interesaos, cuja defeza lhe era
confiada. Assim foi vereador da Cmara Muni-
cipal da corte em tres quatneunios aeguidos;
pr-isidente da prapa do c imm rcio do Rio Je Ja-
neiro, inembro da junta da caixa de amortizacao
e do conselho da caixa econmica e mjute do soc
corro, deata capital.
Incumbido de diversas cornmisaoes, e entre
lutras, daa de interntcao de imnigrantes, com
seu esforz individual, com seus conaelhoa e com
avultadoa donativoa deu sempre a meihor satisfa-
jo aos eneargos qae assumira.
Rara era a instituicao philantropica ou cari-
doaa, que nao solicitasse o seu concurso, e solici-
tal-o era sempre obtei-o; rarissima a ctntribui-
cao para os fias patritico humanitarios a benfi-
cos em que o seu nome nao apparecesae, rauitas
veces no primeiro lugar e sempre por modo geue-
Sem osteotaco, mas tambem sem ridiculoi
medo, afBrmava as suas sinceras crencaa religio
saa aaaociando-ae s ordens e irmanla lea que, em
nome da religio, diatribuem largara inte s*ccorros
legi) doa desvalidos. Entre ellas devemoa par
ticularisar, pela frequeacia e valia dos s-rvic.s, a
Santa Casa da Misenordia da Corto, (e aesta es-
pecialmente o recilhiment dasorphai a ven-r.-
vel ordem terceira de S. Fraucisco de Paula, de
que era coroeetor jubilado e definidor perpetuo e a
veneravel ordem tereeira de Nossa Senhora do
Carmo, de que foi prior.
< Uardairo da oolloesai fortuna do sea maior
amigo, o Marqiua de Bomm, conaiderou dever sa-
grado continuar a distribuir as amlas e mesadas
que elle dava e por ana parte peocurou seguir o
exemplo alargando a roda dos beneficiados. Mui-
taa"vocaeoaa ar tiatiaaa e tUrariaa dessnvol erasa-
se apoiada peleCouded Meanaita, sstitaa la-
grimas toreas par elle anaagadas na tailalrluda a
no silencio, que ou elle nnpunha como cendicto,
ou era guardado porque a vezea o aoccorridon)
vira siquer a mo que o amparava. Pioaeguir
aeste ponto seria contrdriar a intenso da al.na
bemfazeja, que nao era tao coabecida quanto o
merecer, porque timbrava era obededer ao pre-
atto reeomuaiudadj pelo Evangeiho vardadaira
xaridade :que a mo erquerda ignore o que faz
a direita.
A' cUnse comoiercial, a que p .rteucia, procu-
rou ser til como prosidente da praca do commer-
eio, como director do Banco do Brasil, a deixando
exemplo de 1 i aura o iuteireza auaca desmentidas.
O Cande de Mesquita ara um doa maia abanta-
dos capitalistas do uoas p*iz, grande pnsprwtariu
e importaste fasendeiro las provincias do Rio de
Janeiro e de Minas.
Por aeua umitas > valiosos sorvi^os foi galar-
doadocom o titulo da Bar i de Mosquita, em 1873,
elevado a visconi- com grandeza e liu lmente em
18S5 a coide. Era cammitadador daa orieus de
Chriato a da Roa i, do Braail; e de Cnriato e da
.'ouceico, de Portugal. 0 aeu maior galardi,
porm, tinha-o na bondade d'alma c na pureza da
uouaciencia.
Q laudo reuentemeate se aggravaram os snf-
friineutos do Conde de Mesquita e raja previsto
o Breve e fatal des 'ulace, recebeu elle numerosas
demonstrado js do sincera aff-sieo, mandando SS.
MM. e AA. imperiaes saber do seu estado. *
A supracuada folha no dia seguate, 3, diess o
seguiu'e sobre o enterro :
N'o ceraieno da veneravel ordem terceira de
IH*l'r?" de Paula foram dados sepultura
boaU'in, s 5 horas da tarde, os reatos uiortaes do
Conie de Vleaquit i.
Era nmerosissiino o concurso Ue amigos e
eooh-.'cidos que, sem convite exoresso, acudiram
caaa da r sideucia do fallecido e ao cemit rio, afim
da prestar ihe a .1 rra Joka boaonagem, sincera
deuionatr.icao de affecto, por isao que a morte ex-
uguira a i.dlu : icia que por ventura pitease elle
exei eer na nossa sociedade.
Entecas pessoas presentes oot iva.n-se oa Srs.
Visconde de Ta-n.miar, por parte de S. M. o ira
peradjr, e o Sr. conselhciro .Miranda Res por
parte de S A. a princeza imperial e do Sr. Conde
d'Eu. Todas asclasaes da uossa sociedade ust;.-
vam representadas.
Da capaila, na casa de residencia, o feret o
fii lvalo para o ea.ro fnebre por pirantes iu'i-
1093 c araigia; iu cemiterio foi c.irregado palos
membroa da a iiainiatracio actual da ordem tor-
coira de S. Francisco de Pau'a e alguaa irmioa.
Pr-scediam o fretro as orphs de S. Fran-
cisco de Paula, guiadas pela respectiva dioeorora.
DepMa da enoomiuendacao na capella d > ce-
miterio, o caix) foi levado para a sepultura, que
fioaj'into do jazigo perpetuo do Mrquez do Botn-
i :n .
< Antes une baixasse o fretro, urna das orphs
dase, em nome de suas compaahetras, sentido
ud us a quem fra para ellas contante p-otector.
Foram numerosas as demonatraooes de pozar
pelo fa Uciai Na Illma. Cmara Municipal o Sr. vereador
F. J. de Obcaua Unto padio ae se inserase na
acta ara voto ae pesar pelo fallecimcito de un dos
mais prestantes cidadoa, o Conde de Meaquita e
o Sr. vareador Visconde de Santa Cruz pedio que
foase nomeada urna commisao para acoinpanbar o
enterro e outra para asaiitir uiaaa.de 7 dia por
almi do Ilustre tinado a quem tanto deve o muni-
cipio por sena actoa de caridade e a propria C-
mara, que, ha .pouco tempo, recebeu um.cheque
atsiguado por elle do valor de 30:000/001) para a
festa da libcrtaeo dos escravos.
O Sr. presidente da Cmara nomeou pana a
.primeira coinmiaso oe Srs. Vtaconee de Santa
Crue, Dr. Pinto Guedes a Olmcire Brit", e para
a segunda os Srs. Drs. Possolo, Freir do Araaral,
Visconde de Santa Cruz, Dr. Finio Guedes e Oli-
veira Brito.
i O Sr. provedor do Santa Casa da Misericor-
dia canvidou a mesa, a junta e as adminietraces
da s reparticoes annexas i ara tomarem luto por 8
das em aignal de pesar.
O Sr. senador M. F. Correia depositou sobre
frretronma grande grnaldaem cujas Stas pen-
dentjs lia.se o segualeAsaociaco Promotora da
lustra eeao.
O Sr. Baro da Ibituruna, presidente da Aa
aociaco Protectora da Inatrueca, maudon que
ae fecoassem bontem as antas do Lyeeu do Enge
nho-Novo, de que o finado era tbesoaroiro e socio
bemteitor.
O conselho fiscal da Caixa Econmica e Mon-
te do Soccorro, de que era membro o conde de
Mesquita, resotveu em sesauo, tomar lacto por oito
diaa e mandar celebrar urna misan no stimo dia
do seu passaraento.
Hontem, na casa do Sr. desembargidor Ma-
dureira, juiz da provedoria, foram abertos o testi-
mcuto e codicillo do finado.
Segundo nos consta, determnou o finado que
nao tossera publicadas as suas ultimas vontadea,
nem mesmo dolas tiveasem sciencia os intereaaa-
dos sena i das depois do seu fallecimento.
o Dizem-nos que a fortuna do finad) supcrioi
a dea mil coitos qae deixou legados muito im-
portantes, entte os quaes 100 apolicea Santa
Caaa da Miaericorlia e 35:00d Ordem 3.a de S
Francisco de Paula.
Sobre o testamento do finado lemoa ainda na
m-stna falba, porm de 8, o segumte :
Os h-rdeiros d> conde de Mesquita julgaram
cumprir um diver nao dando publicidale o aeu
testamento; pareceu-lhes que aaaira so cenforma-
wam com aa intencoea do homem bemfazejo, que,
durante a vida, eapalhea com lar^a mo oa bae
fijios, procuran lo sempre com o maior mpenh)
oocoltar o nome do b rafeitor.
Nao t'moa poiid) pir iato satisfazt a natu-
ral curio3dade do publico, mas acreditamoa que
aa ultimas dispo-ncea do conde de Mesquita, bao
contribuir para tornar linda mais reapeitavei o sea
nome.
" Com effeito, consta-nos que elle deixou legados
aos seas cinco filaos, alm do qae Ibes tocar p ir
legitima ; que contemplou tambem vanos puentes
e amigas; que distribu) por muit)3 destea as
iUas rias condecoracoea e juasdebrilhanr.es;
que legou sotnrata valioaaa a nsitas mititjivoes
r.-'igiosas, de caridide e de iuatrucco Jesti corte,
a entre outras, Santa Casa de Misericordia, ao
Kecolhimeute das Orphs, Casa dos Expostos, ao
Hiapicio de Pedro LI; s ordens : de o. Fran is-
cwco de Panla, de Noas* S'.nhora do Carmo, de S.
Franc sci da Penitencia e do B Ti.inladis do Santiaaim.o Sacramento daa fr.igue-
zias do Engenho- Vovo, de Santa Rita e de S.
Jos; ao K.apifal doa Lazaros, aos Ins'.itatoa d-s
Sur loa-Mudos e doa Vleuinoa Cegoa e ao Hosai-
tal da Sociedade Portuguesa de Beieficenoia.
Caicula-ae que estes legados anproxiinam-su
da onaideravel aomma de 2,0X):0J0,
C .n--ta noa rambetn que i m d a mui'aa li
berd idea que conceden durante a vida, deixou I
vres por test itnout.o maia de 60 e8cravoa.
D.Z'in-n.a fin tlme.it que os herdeiroa resol-
veram continuar aa esmolas epensoecJ|iie o fin .1
tinha estibolecido.
__ Ptrtir .m no di 7 para Bimos, no paquete
Senegal, o Sr. con le eUpn tal Vie'.i-Castel, l" se-
cretario da Li'ganen de Fr*uc* n> 8 asil.
i'erdeu se u> dia 6, entre a barra e a ilha
Redonda, umbirco da p.-sca, pertencente a Anto-
nio Thomaz Buho e tripolado p>r aeia h imens, des
quaes pereceram os de nos'8 Antonio Francisco
Rib iro, Jos Goncalvea Capanito, Jos da Silva
d i Mai e Hanoei Alexandre.
Os outros dous tripolantes, Jos Francisco dos
Santos Cxirhoto e Zacaras Antonio Tracado toram
salvos p da tnpo'acao de outro barco, tambem de
pesca, propriedade de Jos Foroaodea Mosaa.
No dia 1 do correte falleceu em Campo
Bello, municipio de Rasonde, o vgario daquella
freguezia, padre Lourenco G>mas de Lima.
O Sr. ministro da Fazenda recebeu de L ra-
drea, ua paquete .drciieaate, cineo caixotes con-
tendo 500:000*000 am moeda de ouro, cunhadas
por ordem do governo
O Sr. coram.mil
da Alfandega, apprehendeu no dia 5 grande quan
tidade de ouro em p brilhantes, trazidoa de Bua-
nos-Ayres, por um paaaageiro do paquete Sine-
qal.
Eis as noticias commerciaea da ultima data.
Rio, 6 de Setembro de 1886.
O marcado da cambio abri naa mamas condi-
cea de sabbido cim a toxa de 21 3/8 d. sobre Lon-
dres, sendo nos bancos nacioaaes ao bilco e nos
bancos ioglezas contra a caixa matriz.
Aa tabellas no Cotmnarcial e no do do Commer-
eio, e as taxas no L)ulon Bank e Englioh Bank,
sao as seguinte.-.
Loo tres 215/16 e 2t 3/8 d.
Faria 447 ra p)r fr., a 90 d/v.
Haatburgo 554 e 553 rs. por m., a 90 d/v.
Italia 452 e 460 rs. por lira, a 3 d/v.
P-orfaigtl 255 a 253 / a 3 d/v.
Nova-York 2/330 e 2*370 por dol., vista.
O asoviaaaato do dia foi poqoeno sobre Londres,
a 21 8/8 d., beacario, e aoati'a caixa natriz, e a
21 7/16 21 1/2 c 219/16 d., papel particular ; e
sobre Iltmburgo a 55J ra., dito.
Repasa lu-aa papel bincaru sobra L mires a
21 3/8 d.
Na Bolsa o movitnent > toi menos qae regular.
Eaytrito Manta
Datas at 29 de Agosto :
A Federag&o refere o seguinte:
N) dia 24 falleceu Maria Pereira de Jess, com
135 .tnnqy de idade. Cega, couoervara, poria,
todas as outras funecoe? de seus orgoa. Eamo-
Uva para sua subsistencia at a epocha em qui a
sua molestia a levou sepultura. O b.spo que
primeiro percorreu esta freguezia, a casara quando
j tinha dous filhis ; ella anda meniua, (embrava-
se da eoQstruccJlo do convento doa jeauitas.
Hastia
Datas at 11 de Setembro :
Por acto de 6 de S siembro, o governo da
proviucia pnrogoa a actual sesao d* assembla
provincial a. o dia 9 do corrate.
Oa Sra. deputadoa reuuuci^ram aa respectivas
diarias do dia 7 em diante, por proposta do Sr.
Testa.
Sobre a fabre amarella, diz o Diario d* xVe-
ticias :
Tirnam-se argentes providencias por parte
doa podaras couipeteutes para o noaso porto, no
qual a febre amarella est reinando com mais ou
menos int nsilade.
Dura .te o mez de Agosto ultimo deram en-
trado no hospital M:nt-Serrat, so nao noa faina a
ineuioiia, mais de 18 doentes.
Actualcente existem uesse eatabelecimento
15 marioheiros atacados de iebre amarella.
Deante do exposto, repetimos, tornam-ae ur-
gentes as providencias, que se nao f*ro esperar,
acreditamolo piuaente.
-- A Cmara Municipal dstribuio no dia 7 do
; orrnte, em sess) solemne, algumaa cartas de li-
li r I .de, obiiiaa com a quautia reatante doa tes-
tejoa comraemorativoa do dia 2 de Julho, devendo
aesaa oceasio inaugurar-sa o Livro de Ouro.
Em urna daa coxiaa do trapiche Barnab,
suiciiou se no dia 3 do corrente, estrangulndo-
se, o africano de nome H mrique, escravisado do
admiuiatrador do meamo trapicha.
Na estrada d-> Piran; foi encontrado ferido,
na noite d) 7 do corrente, o individuo de nome
Joo Honorio, qne no dia 12 de Julho prxima
paasado obtivera al vara de soltura por ter cuuopri-
do aeutauga ua casa ceuiteaciana.
Veiofallecer poucas horas depois.
Em 6 do corrente, a noite, falleceu victima
do tLysiea pulmonar e na idade de 26 annos a
Exm. Sra D. Virginia Teixeira dos Santos, filha
do Sr. Antonio Teixeira.
Na occaatio em que no dia 9, s 6 horas da
tarde, brincavam doia meninos na Mangueira por-
to do Gozometro, o Bon i que ia paca o om'.im
passou por cima de um dellea, de nome Manoel da
Silveira da Luz, de 10 annos de idade, matando-
o immediatamente.
O coebeiro e o conductor evadiram-sc.
O Sr. sabdelegado do Pilar eomparecendo ai
procedeu ao competen.e corpo de delicto.
INTEalR
Correspondencia do Mario de
Peraambuco
RIO OE JANEIRO Corte, 7 de Setem-
bro de 1886
Scmmario : A interpellaco Matta Machado.
Discurso do interpellante.Rasposta da
Sr. Cotegipe. Origem da questao.
Camo peosava o governo a reapeKo.
Nota do ministro inglez e respasta de
Sr. Cotegipe. -Impressao produzida pelo
discurso deate.Declaraoo do Sr. Mat-
ta Machado.Cammentarios do Sr. Na-
buco no Paiz. Parenthesis acerca de
Sr. Candido de Oliveira Como pensara
sobre a questao varios senadores libe-
taes. Discussao do orcamento do Mi-
nisterio da Agricultura.Atrazo dos tra-
balhoa parlamentares.
Comecarei pela interpellaco Matta Machado,
que foi o acontecimento mais saliente daa cmaras,
na "emana ultima.
O leitor conhece o theor desaa interpellaco,
formulada, ao que parece, para dar solemnidade a
um debate em que ae 8 ippunha que o ministerio, a
special.nente o pre .td- nte do c ns-lli.. nao teria
sahida sati-factora. Os termos em que o I;
autor a juptificou ainda mais fuudameuto deram a
essa supposico.
0 Sr. Matta Machada nao limitou se como bem
observou o Sr. Naboco, na critica parlamentar,
tornando saliente a falta de tctica do interpel-
lante, a formular simplesmeut as suas per-
gun-a?, justificando-as ligeiramente e esperande
as informacoes do governo para entilo voltar a
tribuna.
Pelo contrario explanou desde logo a qneste
largamente, comefanio por di er que o seu inten-
to era offerecer ao governo opportunidade de dif-
sipar os recelos de qae o paiz se achava poseuide
pelos boatos que corrtam. Histonou a questao, e
aiiirmou que o decreto da resciao le contrato nao
po lia ser revogado pela Cmara, que, entretanto,
tinha direito de negar os fundjs para o pagamen-
to, e urna vez que ella os uegou e man ion somon-
te pagir oa eatudoa, devia o governo diz er a Wa-
ring Brothera que recorresaem aos tribunaes, e
nao reconhecer-lhe direito aopigament) j ne-
gado pelo parlamento ; mas que as.-im como em
outra oceasio tendo sido negad > o pagamento da
divida Tripoti, depois votou-se fundos para el.a,
oa amigoa do Sr. ministro da agricultura a^ora
voltavura atraz. contradizendo com a votacSo da
emenda o que haviam votado aa seaso passa a ;
quera, pois, saber a causa esaa rau tanca de opi-
nio e por isao perguntava em que tennoa foi feita
a reclainaco e em que ter .noa toi aceita a inier-
vouco diplom itica, espirando que o nobre minis-
tro demonstrarse que manteve illesa a dignidade
nacional. Foi, em reatimo, iato o que disse o Sr.
Matta Machado.
1 r.-apiata do Sr. Cotegipa, habiliaaima e longa,
acompauhada de documentos e textos de leis, que
foram lidos, assim orno as notas trocadas entre e
ininiHtio inglez e S. Exc, nao pode sar aqai bem
extractada.
E' um discurso importante qae merece ser
lido, e de que o Diario de Pernambino dar, sem
duvida, conhecimento aoa 8eua leitorea, trauacre-
vendo-o.
Apreciando a queato em sua origem, o Sr.
Cotegipe entende qua o cout.acto firmado pela
Sr. Uarneiro da Rocha tis indo o quantum da rea-
eiaJo nao depen lia da app'ovarjo daa cmaras,
pirque a aa;oriaaco oncedida pela lei para e
ajuste nao coutinha a clausula de approvacao de
corpo legislativo entretanto um artigo approva-
do na le d ore n.-n i 18S5 revogou o contracto Bagando parte la iniamaisa-
eao : n) o polia fazer, poda, siui, negar fundos
p i ra o pagamento.
Aunullado, porem, o contracto de 28 de Abril
ficava n queato no ponto de partida, rea ta-
tegra, e o cnpreiteiro aena convi iado a en'rar em
novas oegociacoes, poia qHe a cone-sao Tio tinha
caducado. Nesta presupposto, esta va o governo
tranquillo quando receban u.n telegrama de
uosso ministro em Londres avisando o de m Wa -
ring teelamava o pagamento das 70,000 ajusta-
das, e, na falta, protestara em puolico ; o gover-
no conhecia que a r clamaO'io do pagameasa no
ajaste feto nao poda ser aunullad i, o se, desde
que foi approvado na seaso p lasada o ad iitivo
lei de uroameoto, que motivo da questao, ao se
oppoz a elle, foi porque na situaco em que e
miuisterio se achava, precisan i > da lei de meios,
nao devia complicar mais a meama situaoo, fa-
zmdo voltar o ornamento Cmara dos Deputa-
doa, d'onde nao subira mais. Todava, eraraten-
c*. do governo pedir ao parlaraeuti em oceasio
opportana, ou por mflio de nma proposta, oa de
commentador Halsmsn, guaraa-mor emend ao orcamento do Ministerio da Agri.
. n**nWanH.n nA Hl OTATllP. flll&n-
)

MtfTrlAH
MEIHOR EXEMPIM ENCONTRADO


Diario de PeEnamUmo--Terfa-feira 14 de Setembra de IW6
3

cultura, 08 fundos preciso para o P*g -ment ;
rnaa, como e n lia do cor
tivo responden o Sr. Oot-giue ao telegramma do
Sr. Bario de Penada diaen lo q*> P r "r 8ldo -
geitado o contracto, nada p> lia facer, e pedio no-
vas mformaces que vieram por. oficio.
Quando o ministra inglec tallou aqui nessa
questo, o Sr. Cod gipe diaso-loa, que pret-adia
feral-a s cmaras, com o qun aquello diplomata
nao ficou satiaf it s >'"" pretender que o g iverno
hilidada de pagamento, e a ieto
nao quiz acceder S. Exc.
Por tm tendo de parts para a Europa, dirigmo
ministro hftea, un 7 de Agosto a nota que o Sr.
Cotegip. I resposU que
den, nao aquel!.- liptomata, pois eslava de eion-t
quando rece jen a dita nota, mas ao encarregado
de negocios intoriuo, era data de 25 do mesa
mez.
NaqueUe d cun nto o ministro inglez terminon
jer-,uutando si o governo biarl iro reouhecia
a validarte du contrato C lebrado pelo governo im-
perial om Warrng & Irmao, em 25 de Abril de
1885, e accrescentou :
Se assitn por que o governo sdia a sua exe-
cucao? a se n;io quo valor dever dar o .
no de .Sua Ylagest.d1, oj qualquer outra pe-soa
qu contratar com o g romo brazileiro assigna-
tura prestada a um .ct > publico por um ministro
do imperio en virtude de sua posicao oficial ?
A este tpico responden o Sr. Cotegipe :
O gov oque u "a resoioco legisla-
tiva auuullou o ajuste, e s ja ella boa ou m
lbe licito contrariar ou iludir a sua execucao.
Ao representante de um Koverno absoluto esta ra
zo poderia parecer ectranbo, nao assim aodo go-
verno de um pas livre, onde ha separaco de po-
deres
< O valor da assinatnra de um ministro de os-
tade o que Ihe deve dar o homem avisado e pro-
dente, a quem, ant- s de aasignar qualquer Contra-
ta, cuinpre examinar se a outr-i parte tem facul-
dade para obrigar-se que promet''. E p ir
meu turno pergunt): ha vena nm inslez que sub-
screvesse para um empreatioaa biazil. iro ua pnca
de L ndres, s. m i minar pnmeiro se o governo
imperial estiva aut riendo a contrahil-o? E ain
da: que ministro no Brazil contratar com subdi-
tos inglezcs, se a ex-cuclo des catete ceno de ve ser
nterpntada a scu sabor e apoiada por a gen tos
dipl imaticos do modo porque o fez o Sr. Mac
D wel ?
o Em conclusao, a questo r3t sujeita ao po-
der legislativo, e aguardo o que eller deliberar. :.
Ahi fie* muifo por alto o que foi a resposta do i
Sr. Cotegipe a luterpeMacio Matta Machado I
M ia ama i K '
da impresso pr idugida por asa resposta, da ,
qual tiisjc o Sr. em um 'i Ja se-,
rie que ttm publie l na aua seaeo uarlamen- j
tar do Pas, para mostrar que o Sr Cotegipe, a ;
quein chama velha rapoza parlamentar, reconhc- :
cendo-Ihe a sagueiJa .", ano andn bem ni ques ;
to:
A interpellaeio do Sr. Malta Machado deu .'
occasiiio ao Barao de Cotegipe de triumphtr ficil- |
mente do seu adversi.no. Os conservadores fize-
ram ao scu velho leader urna verdadeira ovacao,
que a opposicao liberal, e em geral os espectado-
res, acbaram bem merecida e qual se associa-
ram tambem. O presidente do couselho advogmi i
a sua causa C' m rai.i:t tubtileza e stas admira-
veis faeuldades de evasiva, e preciso coafessar,
elle a ganh<>u na amara onde fallava, e na outra
cmara, para a qual rallava. A indemnisacao aos
Srs. Waring Urjth^ra pxde-se considerar paga.
Na verdade, nao hi memoria nos ltimos tem-
pos, em'qut.lqur dus casos do uusso pirlaraento, j
de um proniin'.'iamen'o rao vivoe expressivo, como i
0 que a cmara e o publie > manifestaran) ao tW- '
minar o Sr. Cotegipe o seu discurso. A sessao ti-
nha tomado earacter solemne, nao si i se pela na
tureza da questo j levada ao terreno diplomti-
co, ou s. por ser a primeira vez que o Sr. presi-
dente do conselln apparecia perante o ramo tem-
porario, de (ns dn ana grave enfermidadeacere i
da qual se fizeram tao trioles progn istieos;asi
galleras estavara re s tribunaa litteral- ,
mente oceupad :s por senlimas e cavalheiros da
mellior sccieda
E' poxsivel qu., lido o discurso do honrado pre-
sident do c ns- Ih nao prnduza a mesma impres-
sSo que ouvido. As circimstauci xs da oemS i e
o modo porque foi elie pronunciado, ?om visivel
estoico do orador, quo mal tem acabado a tonga
convalescenca que foi sujeit", e p >r isso procu-
rava elle mesmo sopitar as em< coes da tribuna, .
deveci t> r eoncorrido par-i otffeiti eiusada.
E aqui seja consignado, que um dos primeiros
que se dirigir n ao Sr. Cotegipe, talicitando- e '
daudo-lhe um ap rt > d o i, como, cora mais gos-
contra o ex-miuistro, na Cmara
ella igualmente 0 contra o mioist
narij do autor da d
O Sr. 1 '; u hontem
-nent e mesmo panonadamente sobre a
questo, justificMiiOo toda o procedimento do seu
ex-collega de ministerio, tornando o Sr. presidente
do conseloo duplamente culpado pelo extra no a
que chegau a qu-stao, ecancluindo |ue 80 votar
jiela emenda se o governo declarar perante o
n nt i p a nacao que o o -ntraeto da 28 de
Aorii de 1885 foi coof .rae, uao s a legalidade,
Associacao C .mmereial Beneficeute de pedir fn
ro actual, cor- a corte a suepensio do imposto sobre o assuear,
mensa A qnidade devida aos reclamante*. .
Se o Sr. presidente d > cmteihu nfto se exprimir
a esso respeito cm a franqueza auo prometu-u,
elle ha de votar contri, porque v na emenda a
conrmactb do labe; que se quiz atirar ao gab
nete de ti de Junho e urna humilhacio exigencia
injuriosa e quasi insultante de um diplmate es-
trangeiro. .
E assim, a discuaao do orcamento d > ministe-
rio da agricultor*} que j;i t-m durado muito, con-
tiua raiuda, n) sei at quando, porque ainda
ha quatro ou cinco sead rea inampCo* qoe. 'm o
que dizer, t luto soore a questo, como sobro ou-
tros assumptos attineutes aos neg.-cios d'aquelle
ministerio O ir, Dautas ainda uo toraoo a pa-
lavra, e nao de esperar que o deixe de fazer.
Approvado esso orcamento, que ainda ficar
penaente da 3" discusso, ter o Senado de oecu-
par-s-f com o do miuisteno da f izeula. A receita
e additivos so nente houtem foram approvados na
cmara em 2a discussao. E' fra de duvida, por
tanto, que at o da 21) nio podero ficar encerra-
dos os trabalhos parlamentares, e nem ser de ad-
mirar que a sessao nao se encerr antes do fim do
mez.
hicontettavelmente o notso periodo legislativo
curto.
Esta ir pelo Valp'iraizo. Deixo o mais que te-
nho a dizer para o iondego, que parte depois 0a
munha.
coininunicaram-nos o segumte
Vt boje s quem respendeu ao talegramma
ro directoras p-dmdo suspenaia da imposto
obre foram os nosaos deputa.los, e estes
dizendo que haviam recebido o telegramma ni oc-
casiao de votar-M o ornamento,de receita, pelo
que nada podiam tazer por ora e era miater espe-
lar pal > vindoura.
Tbenoaro ProvincialHoje e amanhS
paga-se a classe de primeira entrancia de profes-
ao mez de Julho ultioi >.
8T;-rdXa..lah.,-A'8 5 horas da
, jj- naMaj -/i-.'ir m
tvISTA DIARIA
Cmara Municipal lo Becife Ter-
min"U hontem a apuraco da eleifo, procedida no
dia 23 do mez prxima findo, em 2" escrutinio,
para li vereadores da cmara Municipal d'esta
capital.
O resultado foi este :
Votos
282
278
255
249
240
233
230
213 tendo 1 sep.
197 senda 7 sep.
194 _,
1 Capito Jos Rufino Clima-
co da Silva (L)
Tenente-coronel Corbiniaoo
de Aquino Konseca (L)
Luiz Bernardo Castello
Branco da Rocha (L)
Dr. Cjsine de S Pereira
(C)
Capillo Agostinho Bezerra
da Silva Cavaleanti (C)
Dr. Prxedes Gomes d e
Souza Pitanga (L)
Antonio da Silva Ramos
>:eve8 C)
8 Gabriel Ildefonso das Ne-
ves Cardozo (C)
9 Tito Livio So-.res (L)
10 Major J o Franciso An-
tun.'s (C)
11 Joaquim Al ves da Fouaeca
(L) 190 sendo 4 sep.
12 Joao Jos de Amorim (C) 188 -.
13 Capit Deodato Gcnjal-
ves Torre3 (L)
14 Tenente-coronel Lourenco
de S Albuquerqne (L)
H nriqoe Bernardes de Oli-
veira Jnior (C)
De*embargador Manoel Cle-
meut'n) Camiro da Cu-
mia (P.) 169 tendo 3 sep.
Dr. Joo Clodoaldo Monti-
ro Lopes (C) ""
Antonio Arihur Moreira
M. ndoea (C)
C i jitil j Demetrio de Gua-
rni Coeiho (C)
Jalo Facundo de Castro
Menezes (R)
CapitSa Joo arolino do
Nascimento (L)
Dr. Joao Carloa Baltbazar
du Silveira (R)
Alex.mdre Americo de Cal-
das Brando (U 2
lUubo la TbenoHraria de Palea-
da -O Sr. Dr. ebefo de polilla nao tem d. sean-
de liveira, a qu-'in semcihante accloseja dito Qado n-.s diligencias para descubrir o autor ou au-
187 sendo
182 sendo
170 sendo
144
140
137
11G
51
35
sep.
sep.
sep.
sendo 1 sep.
to, nao o fasia o me'hor amigo, foi o Sr. Caiuido
em parenthesstem rendido alguna oommentarioa
malignos, fihos talwz de ciumes, e' a isso que a I
Gazela de Noticias de hontem, na sua ehronica das i
hegundas-teiras, f-iz ligeira e alegre referencia, j
no final deste trecho:
torea do audacioso roubo da Thesouraria de Fa-
zenda d'esta cidade.
Novos exames as portas e nos cofres foram
procedidos por oito serralbeiros habiiissimos, bem
como interrogatorios s pracas que fizeram a guar-
Contados os inortos e t ridos, ha vencidos de i da nos das 6, 7 e 8, e varias buscaj se effeetua-
ram palo Sr. Dr. delegado do 1. districto.
Foi ante-hontein preso e recolhido fortaleza
do Bi um o thesoureiro d'aquella reparticao, Dr.
Eduardo de Barros Falco e Laeerda.
Continuara as diligencias e investigares ne-
cessanas para se descobrir a verdade.
Ciato Internacional le Regata*
Segundo estava nnunciado realisou se ante hon-
tsm tarde na baeia de S. Amaro a 2 regata pro-
movida por este Club.
Duas bandas de msica marcial tocaram na ar-
chibancada, alternadamente durante a regata.
A concurrencia na archibanca ia desta vez foi
menor do que da primeira ; em coinpensacao, po
. rem, na beHissima bacia de Santo Amaro via-se
lomat.ca da j ^Dc nuinero de bjCeg) laocn!_8 e CBtr,M com
familias, o que dava muito realce e animacao ao
todos os lados, e uem ao menos se aalvam os prin-
cipios, a bem da formula -onsagrada. O Io secre-
tario da tmara e- em desicC rdo com o gover-
no, es'e .ppla'idido pela minoria, que por sua
vez apupada p1 lo partido que representa. A rou
pa suja sabe para a praca publica; falla-se em
esolbas sen .i ir is peo enren. v se o egosmo
atravez dos farrnpis dos mantos! >
Fecho o piren'hesis para voltar a interpeacao,
que fizou desde logo enterraba, vista do succ'S-
so por ella motivado; e tanto que o proprio T.
Matta Machado, obteuij prorogacao da sessao,
que estava terminada, por 10 minutos, deu-se por
contente, declarando se muito plenamente satis-
feito eom as exp icaco-s do nobre ministro de ea-
trang. iros, nao
questo, mas sobretodo quanto defeza qa pro-
duzio ao acto do ministro da agricultura do gabi-
nete de 6 de Junho
N. te-se que o Sr. Cotegipe nao fez tal defeza;
o que clisse foi que nao entrara no rame do
contrato pira s-iber ei foi bem oo nal feito, si at-
tendeu ou nao aos nter ss. s do Estad> ; austeu
tou, porm, que tratan lo e de nm contrato syg-
nalagmatico, que impo- direitos e obrigacoes mu
tuas. nao se poje cete:minar que te compra s a
parte oneroea.
Commentando esta declarado d> interpellante,
o Sr. Nabuco com para as pergunt a que elle fez s
respoetas do r. Cotegipe, ffirmeudo que silo to-
das em sentido contrario, e admira que o Sr. Matta
Machado as appl-m ;ise.
Nao ha uvida alguma, accreacenta o Sr. Xa-
buco, qae y ministerio teve orna veteria parla-
mentar n'um debite em que devia ter s >ffrido um
granee r mente ao interpihante :Enro o nobre deportado
ret'ra a sua nter.nlUca? e a maioria votoo-ihe
a prorogacao de dez minutos pra o que ella pr -
seotia < r o deu que tinh- p na prepiradoaa triuapho para
o governo, e que i ra tarde demais para quem quer
que fosse mu lar o lesf-chi da jornada.
A miatori', p rm, nao deve ficar sob a pres-
so d'esse dessire Ed n i pde reeea
que o ministerij oroc d. u como devia com o par
lamento: ella a c icratular-ie com o pr--
gidente do conneinn.
No Senado, na ii.elii8ao do ministerio da agri-
cultura, ligua? res libcMca teem ee oeen-
pado com a qu oran lo 'lesfaer o efleito
dodesaslie u phrasc do !-r Nabu o O priroeiro
que failou sobre a materia foi o Sr Affjuso Celso,
que susteutou qne o procedimetNe do Sr. Caraeiro
da Kocha tinha -i i sauti cirrecaa, e que k m
disso-lie hav o dinheiro cVi 'h 8 uro no
quantum p rqu a racial i, visto qu
tem os tmpren Wo a*i in-to nos estodo
que nao se contesta uiaif a 10 /o sobre o valor
do ornamento de 14 (HM): con'facto p-io i _rem eaU que importa
e.a '.A "i:.n i i H muito abaixo
das duas pareeH n rea i
O Sr. Alfonso C'lso, porm, etquec que esses
10 /j em biai- r', e qae se
es'ipuiam em t ira aonttruecoea,
sao c.ntH'io^ o. o.... (imn.o-:, a. *- aarvioos 0r ad-
miniatraia C stahoaento e para a
ex'ciico dos tial-. los. X, s ebtaJ nao hou-
ve, portaMa, a in a em emi>a*e de di-
nheiro.
O honrad i tea d r. ir-t.i .1 tro ingle, qu*- isoa severameBte, aoBaudo
que o Sr. .vi *, pergout<*i o
r 0 se esa ioa rCCt Oidi* en
tre nos, em e r idi r i iu : tal pi
m-it'.
O Sr. Silveira Vfintia*, 0 m ntrar no merec-
m'o'odo id 1 s voiha. achaqu
tendo este proced: 1 em ,le autor:
legislativa, l" o mesmo acto
pod ser revogii -lattvotfncao foi,
e qu-- o goven. uitu mal reetau-
raivlo por urna relo annullado por
jei; pelo que ae a deotmeia dada
divertimento.
O programma foi cumprido risca.
Ganharam : no Io pareo Acato ; no 2, Tenta-
tiva ; no 3o, Pery ; no 4o, Pemambucano ; no 5*
Neptuno ; no 6", Temerario e no -8 faio.
O 7o pareo entre os ou-riggids de quatro remos,
Albatrox e Irene, ficou nuilo por liave em am-
bos mutuamente se approximado, chocando-se os
remos.
A tarde esteve lindissima.
ParariybJDesta provincia ti vemos hontem
f.'lhas alcanzando a 12 de Setembro.
Trabalhava regularmente a assembla legis-
lativa provincial.
Em seseao de 9, na hora do expediente foi offe-
recid 1 pelo depulido Irineu Joffely o segainte re
querimento :
Requeiro qui a asaeiub'.a provincial da Para-
. o contracto de carnes verdes da cidade do Reeif-
por inconstitucional c constituir um Biompolio
odioso, e inteiramente prejudicial industria pas-
toril desta provincia a maior fornecedora d'aquel-
le mercado >.
Justificado por seu autor, posto a discussao foi
unnimemente approvado dito requerim-nto.
Sob o titulo Pedras de Fogo, diz o segainte
0 Diario da l'arahyba de 11 :
Para esst comarca parti hontem o Sr. Dr.
Daltro, chefe de polica (Ja provincia.
c Inl'ormnn-nos que o motivo d-ssa viagum o
estaO.1 aii rchico em que so acha a comarca, devi
Jo as \* C arbitrariedad s platicadas pelo
subdel^gaoo, coil.'Ctor s estacionario fiscal d'aquel-
la lo?alidade, onde se tem dado moites e espanea
ment s por occaa.ao da eobranca do impostes.
Bates felos tem alarmado aquella comarca c
% de Itamb de Pernambuco c j deu lugar ao juiz
Je iir.it > des'a rao Recife solicitar providencias
do pr-isnlente de P rnambueo, co no se l do Ma-
rio d'alli o ua Provincia, em que sao eipustos as
bonh rosas sceoas que aHi t.n tid- lugar .
-3 O Monitor, de 2, dando noticia miaunciosB
d' re-nltadj da eleico aqui procedida em 12 do
m z Salo, no 3 o districto, para um deputado ge
r 1, u-creseenta o seguint :
Tendo v .fado 801 eleitons e sendo o quo-
ciente eleitoral 401 votos, f >i eleito em Io escru-
tinio o nossa moito llustre amigo e correligionario
Sr D F.-lippe de Pigue-ioa Faria, principal re-
daitor e proprietario do importante Diario de
Fernambueo.
NSo era p issivel preeucb. r-se mi'lhor a vaga
aberta na cmara temporar a pe 1 morte do bosso
sempre pranteado amigo e correligionario Dr.
Antonio Francisco Correia de Araujo.
U nosso illu irado amigo D. Felippe de Fl
gueiia desde 1870 que exhibe ua tribuna e na
1 .aprensa as provas mais eloquentes tanto de seu
grande talento como de seu nquebrantavel c-
lao eminente correligionario.
Nos o abracamos cordialmente, e nos congra-
tulamos c im o nosso partido por rssa 68 olha que
tanto o h ora.
O bati pr eco do a asacarRelativa-
mente ueuberaco tomada ltimamente pela
Ve iia* daai ettlampilhaw do ello
O Ministerio da Fazeada, tomando no conside
raeao o que Ihe tem sido representado sobre os
abusos praticado. ra venda das estampilhas do
sello, dopoia da circular n. 6 de 17 de Marco de
1883, que equiparau a porcentagem devida aos
xictores por esse servico, revogandu nessa parte
a circular n. 127 de 6 de Mareo de 1879, declara
aos inspector, s das Thesourarias de Fazenda, e.m
portara circular de 36 de Agosto ultimo, para
devnia execuciio:
1.* Que do 1* de Outubro prximo futuro en,
dante a misma porcftutagem ser de 5 /. "3
mesas de rendas geraes e collectorias, que a esti
v. rem percebendo mais avallada, em virtude da
tabellas em vigor;
2.* Que no fernecimento de estampilhas s eslft-
coes encarregadas de sua venda, se devera, ter
muiro cm vista o disposto na citada circular de 6
de \larco de 1879, quanto s regras que curopre
obs'-rvar ao acto do mesmo forneciineuto, de ino
madrugada de do "ingo ultimo, Thomaz, escravo
de D.aura de Moura Accioli. entrou, pillando um
muro, no sitio do Sr. major Joao Firmino Correia
de Araujo, laa lo Atalho n. 19, da freguezia da
Boa-Viita.
Presentido pelas pessoas da casa, quaudo esla-
va a arrombar a porta de um quarto em que esta-
vam as gillinhas, foi preso em flagrante delicto e
logo entregue ao resppctivo subdelegado, que
compareceu pouco depiis.
Thomaz sustenta que ia procurar urna galiinha,
certa e determinada, que elle bem entiese ; a au
tordade, porm, nao Ihe ac-if- a connsa
trancafiou-o no certo e d.-tera. icwtu /allinbeii-r,
chainRdo Cusa de Detenc".
SnicidloEm data d- 9 do corr.-nt. 110 er
mo de Pao d'Alh s 7 h ras da maahj, sui i
se, ingerindo grande pocu de verde- p :ria, o te-
nente Jucundiano Barbosa da Silva C.utiniio.
A utoridade local tomou oniilaalaaciisn do la-
mentavel acontecimento, em, t. lavi.-t, c.oisegur
saber da causa que o determinou.
Contraria do olho viva A> mimnhe-
eerdo domingo ultimo, foi o quintal da casa do
major Marcolino Travassos, visito.i > pela direclo-
rin desta pia atsociaco que, sem .s devidas om-
municacoes, coudusio para o seu archivo grande
quantiade de roupas brancas par.^ ,; ge-.
nhoras, penis e galliubas, tendo Cambtan t.
c transporte de aous earneiros e "incoa, > aja
vido altura do muro por onde fita Bata a entrada,
nao levaram a effeito.
Nao obstant a existencia de caes que coasegai-
ram magnetisar e de qu ros onde doaotem tettov
i', criados, nao foram presentidos, t il o 3011111 > pro-
fundo dos ltimos ou a delicada-, c. iu uno traba-
I har m.
o PlelieuPubli:'ou-se o 3.a fascculo d'es-
te drama escripto pelo acadmico Rib< iro da Silva.
R' cebemos um exemplar e agradecemos.
Trasedl"s do Recife D'este trabalbo,
produeco do Dr. Caraeiro Vilh-la, publicou-se a
quarta folha que recabemos.
Agrad- cemos.
Socleilade Recreativa 7 de Pete
reiroEsta associaco, prucedendo a eleicao da
sua nova directora eligen os seguintes mem-
bros :
PresidenteZacaras Jnior (rceleito).
V'ice presidente -Arthur Voutier.
OradorClemente Silva.
Vice- aradorEl nardo Penna.
I. SecretarioPedro A. Mello.
2. SecretarioAustriquiliano A. Cmara.
TheaoureiroFlarindo Machado (reeleito).
ProcuradorJoo Ferreira Leite (feeleko*.
DirectorServtilo Be la.
M stre-aalaJos A. Miranda,
Vogaes :
1.* Manoel G. Fariaa.
2 Emilio Silva.
3.o Manoel F. Souza.
4.0 Brasiiiano Lima.
oeledade PbilonsnticaEsta corpora-
cao funecionuu do da 11 do cjrrente em sessao
ordinaria.
Fui lida e approvada a acta da sessao antece-
dente.
Foram eleitos para os cargos de 2' e 3o secre-
tarios, que se acbavam vagos, os Srs. Aloerto Car-
valbo u Ral Silva.
Em S'-guida dissertou sobre a thesellavera ha-
bitantes na la ?o Sr. Ral Silva, rou sobre
a mesraa o Sr. linto Vctor.
Foi sorteado chronista o Sr. Casteil. IJrauco.
Sociedade Pbiloliier Funccionou
ante-hmtem esta socidade sob a presidencia do
Sr. Antonio Meira,
Fui aLrovada, sem debate, a acta Ja sessao an-
tecedente.
Foi condemnado, em jury histrico, o persona
geinero,s-nde promotor o orador da socie-
dade o Sr. Ignacio Pontual, e advogado a Sr. Ze-
ferino Pontunl.
iesig'iou-se pra a segumte sessao a'these phi-
losophica : [mmortalidade d'aluia.
Club l.illeaiio doaquiati .\11l1um-
Funceiunou hontem eta aucielade sob a presi-
dencia do Sr. Antonio Luiz Cavalcnnti.
Foi lida e approvada a acta da seseas antece-
dente.
Passando se ordem do dia discutio-se, em jury
histrico, o personagemJulio Cesar,servindu
de promotor o Sr. Francisco de Albuquerque, e de
advogado o Sr. Miranda Costa, sendo o reo absol-
vido.
Foi sorteado para a prxima sessao o persona-
gem Luth.ro.
HanaoiEsto vapor da Companhia Brasi-
leir.i esperado dos portos do norte, sahir boje
mesmo, s G horas da tarde, para o sul do Impe-
rio.
Vapor HoadegaEste vapor sahio hou
tem da Baha e deve chegar amauha u'este
porto.
Var|a de desemba'fadaresLemos
no Jornal do Commercio na corte, de 2 do corre-
le, o seguiute :
Hontem, cm sessSo do Supremo Tribunal de
Justica. tratando se de remetter ao guvemo a lista
d s 17 juizes de direito mais aotigos para preen
eherem-se as Vagas de desembargadores as re-
l.coes de S. Luis, Fortaleza e corte, suscitou-se
a duvida de ser ou nao incluido na lista o juiz de
direito Fernando Maranhense da Cuuha, condem-
nado perda do emprego pela Relaco de B -
lm.
a Discutiram a questo es Srs. eonsilhe.ros Bar-
bosa de Almeida, Silva Gufmaraes, Sayao Lobato
e Magalhes Castro.
Afiual resolveu-se pela exciusio contra o voto
dos Srs. Cuto, Silva Guimares e Graca.
o Fui esta a lista remettida;
o lo Joaquim Jos l.-nriques; 2* Baro de San
ta Candida; 3o Jos Al ves de Asevedo Magalhes;
4S Augusto Cesar de Melenos; 5 Jos A.it-nio
Rodrigues: 6* Joaquim Jos de uliveika Andra-
de; 7o Jos Ignacio Gomes Quimaraes: 80 Hcr
mogenes Scrates Tavaree de Vasconcellos; 9
Mauoel Vieira Tosta; 10 Joaquim Tavares da
C-ista Miranda; 11 Oasimiro de S.nna Madurei-
ra; 12 Carlos Esperidio de M-ll.i e Mattos : 13
Joo Cavalcante da Albuquerque; 14 Fredenco
Dabney de Avellar Brotero: 15 Luiz Augusto
F. rnnudjo Pinheiro; 16 Adenno Antonio de Lu-
na Freir; 17 Manoel Alves Lima Cordilhe.
Nao foi incluido na lista o jui 1 de uireito F r-
naudo Maranhense da Cuuha (que oceupava o 3'
lugar) pjr ter sido condemnado perda doempre-
gHrt. 129 3o do cdigo pniaL
Lemos s seguiute na supracitada folha de 5:
murar de Minaa-teraea O enge-
nh 1 central Rio Branco, establecido na provincia
d- .Vliaas-Geraes, municipio do Rio Branco. ca-
para esta corte, pelas estradas de ferra Leo-
pal Ima e U. Pedro II 150,000 kil-s de assucir
branco crystalisado, de superior qualidade. E"
esta, que nos conste, a primeira renmasa em '.
escala que nos vem daqaella procedencia, esplen-
dido attestado do erescente pro.resao da industria
saccariaa daquella regio.
Parabens, pois, a to dis;incto cavalheiro, e to que este fique aempre dentro das forcas das
Haiiois prestadas peles exactore.. e corresponda s
necBbidadesdo consumo dcada localidade;
3 Que, podendo acontecer que se reproduaa o
facto occorrido quando vigorova a referido circu-
lar de 6 de Marco de 1879, de nao procararem al-
guna exactores prover-se da quantidade necesaaria
de stampiihas, para assim substituil-n pelo seil 1
de verba, cuja, porcentagem I he-t mais ventajosa,
fie entendido que, de toda a eobranca realisada
por verba de sello, que devesse s-t paga por es-
tamoilha na^ forma do regul.'im-
xictores nao terSo senlo mesma porciat
de 50/0 ag .ra fixada, se nito fr menor a qun
couber pelas demais rendas, cumprmdo-lb.es fazei
nos livros de receita e as guia de en'iega a com
ptente discriminccSo da renda de que e podem
dotuzir aquella p
maior por outras verbas da arrecadacao.
OepoNlto de fumn, ele rewervaOr
deaoo o Minieterio da Agricultura, por aviso de 1
do : rrente, que sejam intimadas as companhias
1 arias de eng nbos -entraes, com raraa
tia do juros para depositara em qtnlqivr
bel'cimento bancario a importancia do" fund > de
reserva, exigido jela art. 4 do regulami nto de 24
de Dozembro de 1881, devendo oa respectivos ju-
ros ser levados conta da garanta.
Para est invito expedj-se aviso circular aos
fiscaes dos tres districtos de engenh .s cen raes.
^ Tauta addiclonal de S%-Em aviso de
. mez paseado o Ministto da Pazenda docl 1-
eetoria gi>ral das rendas pnblicis do
Xacional, fim de o fazer coactar
Janeiro, quo ao tem applica-
c4o taxa addieionai d- 59'0 a doutrina d-.s or
. de Dezembro de 879 e 1 de Ag isto de
1883, porque a dita taxa deve rechir, de coaror-
mi la lo com a lei qun a creou, sobre os impoetos
qae se arrecadarem desde a data da execucao ds
decr. to de 7 le Maio ultimo, salvo 03 provenientes
de luicam.'iit s faltos em exeicicios anteriores e
que li ver ees icado pjr arrecadar.
Que, em consequeneia, toli s os timlos ex cuidos
do hecnoas concedise antes do dia 1 de Julho
prximo f sido
pag'. est.) sujeitos ref.-rida taxa.
Tiouiferencia de apollcen-----A < ins-
dc Oaxa de Amortisac&u expedio o Umis-
U o seguin.e avis .
do mez paseado : Em oflirin da 1 Favor^iro ul-
timo, soliciteu o antecessjrd- V. S. parecer da di-
rectora geral do contenei so, atim ile poder resol-
ver urna pretendi de Custodio Jos Vi.-ira, cimcer-
nente transferencia para seu uome de duas apog-
ees da divid publica do valor tiomiual de 1:0003
nina, aue b acham averbkdas em nome do
finado Joao Antonio de Magalh '8 Calver, e qu I
110 inventario e pardillas dos beus deste foram se-
paradas e adjudicadas para pagamento do quintal 1
hereditario do ausente Dr. Guilherme ue l'aiva
Magalhes Calvet, de quem o mesmo Vieira ere
dor ; e que por isso. depois de proposta com .e
tente aeco na execucao tez penhora no direito e
aeco daquelle ausente, e as arrematou em htsta
publica, tendo o respectivo juiao, depois de cou-
clui ia a arrematacao, expedido, para a transfe-
rencia, o competente alvar, que essa reparticao
hesitou cumprir por nao conter o assentimento
do posguidor das a plices que a lei isenta de pe-
nhora.
De urna certidao apresentada pela parte inte-es-
sa, consta que, feita a penhora no rosto dos au-
tos do inventario do sobreaito finado, nenhuma
opposicao fez ao curador do dcTedor ausente, se-
gu ndo-se 03 demais termos da execucao, at exs
pedicao do alvar.
Considerando, portante :
1., que o caso especial, pois trata-se de um
devedor ausente em lugar mocito, e que, pjr isso
niio era possivel o seu assentimento ;
2., que na execucao prum^vida coutra o deve-
dor foram observadas todas s formalidades e re-
gida do processo, sendo o devedor representado
por um carador;
3., que uenhuma opposicao penhora e arre
matacn fez o curador, para isso nico compe-
tente;
4., finalmente, que o reconheeimento da divida
por parte do curador e o s-u consentimento pe-
nhora, foita no direito hereiiQa do ausente repre-
sentada em spolices, im.Lorta o asstntiuiento, que
essa reparticao exige, trataudo-se de ttulos privi-
legiados por l<-i;
Declaro a V. S. que pode ter lugar a transfe-
rencia pedia, vi-t uo se tratar ue tuna p-nhora
as plices e sim la transferencia deltas a um
cessionario que ss obteve ocla arrematago da he
ranea cujo direito penhorado na qualidade de crc-
dor do herdeiro.
Unieran do itw'.ailo A Aurora de an-
te-li.'iiicm publiccu oa seguintes provimentos de 3
a 9 d 1 correute ner. :
l'rovsojde viga. 10, por mais um anu, para a
fre^u. zia da Couceico ue Misericordia, ua Pra-
. a.favui do livd. Manoel Tomaz Pereira
Lima.
dem, para a freguezia de Tour is, no Rio-
Grande do Njrte, a favor do Evd. Izidoro Goir.es
de S.uia.
Ide-i, para a freguezia de Matta Graude. em
Alagas, a favor do Rvd. Jos de Freitas Ma-
chado.
dem, de coadjutor para a fr.-guezia de Jabia-
to, a favor do Rvd. Mauoel Zacaras de Souza
Lyra.
dem, de uso de ordeus e de confessor, a favor
do Rvd. Leopoldo Antonio da Guia, residente na
cid .uo da Parahybi.
dem, de uso de ordens, pregador e c mfessor, a
favor Jo Rvd. Manoel Ljbato Carueiro da Cuaha,
residente na freguezia de S. Jos, desta ci-
dade.
dem, de uso de ordens e de coutessor, a favor
do Rvd. Basilio Freir de Alustan Navarro, resi-
d nto em Arez, no Rio GranUo do Norte.
dem, de uso de ordens, confossor e pregador, a
favor do Rvd. Jos Jacome de Fontes Raiigel,
residente em S. Jos de Pirauhas, na Parahyba.
A mesma folha d e ta noiicia:
Visita Pastoral Seguio ante-hontem para
o interior da provincia o nosso virtuoso prelado,
que hoje deve est .r cm Quipap.
O termo desta visita ser a freguezia de Pa-
pacara, eoa itinerario por Garanbuus, Canhoti-
uho, etc.
n Auguramos a S. Exc. Rvuia. feliz viagein, li-
vre de todos os perigos, e nm apostolado esplen-
dido em proveito das alm s.
Saudosos esperamos sua volta no prximo
mez de Novembro.
A;ompaaham a S. Exc. Rvma os Rvds. co-
negos Antonio Fabncio de Arauje P,.reira e An-
tonio Domingues de Vasconcellos Arago.
17
ote. dos pre-
r-.m 4
Coanpanbia EquesitreSexta-feira,
Ha corrate, deve coegar esta cidade e viuda d
da Babia a uompanbia que se aeha sob a direceo
d< Srs Hilario de A'meida e Honorio Palacios.
Sjelle.Eff-c-uar-?e-h8o:
Hoje :
Pe o agente > into, s 11 horas, ra oa Mar-
qu z de iiuia n. 6, de movis e fazen las impas
e avariadas.
Pelo agente Burlamaqui, !s 11 horas, na ra do
Imperador n. 22, de predios a terrena.
Pefo agente Modesto Baptta, s 11 horas, as
Andas n 115, da t a venia ahi sita.
Pelo agente Sili'eira, s 11 horas, ra das
Flores n.3, de movis, lonca o vidr.,3.
f-ffc> agente Brilo, s 10 1|2 horas, na ra de
Pedro Alfonso n. 93. de varios gneros.
HlMaa* fnebres.Serao celebradas :
Hoje :
A'8 8 heras, no convenio do Carmo, e s 7 ho-
ra? di m itriz de c. Pedro Martyr de Olinda, por
alma d 1 l>r. Graciliauo de Paula Bartista. .
AmanhS :
A's 8 1/2 no convento do Carmo, por alma do
Dr. Graeiliaiio de Paula Baptista ; s 8 1/2 horas,
na igr- ja do Terco, por alma do capito Manoel
Lour neo da Silva Sobrinho.
Quinta-feira :
A's 6 horas, na igr ja da Soledade. por alma
do D Mara J laquiaa Pinheiro Barr iros Maia.
tjPaacaarelroaCbegados dos portos do nor-
te no vapor nacional S. Francise :
Sebaetio Qes Negreiros, Leopoldina de Ma-
cado, padre Adelioo do B. Dantas, los Francisco
Matbeus Ferreira, Manoel Aprigio Ridri oes de
Souia > urna sobnnha, Joo Soares de F. Lima,
Francisco Ricardo de Medeiros, Silvino Domingas
da Si va, Manoel Antonio da Silva, Pedro Victo-
rino F. Nobre, Francisca Sergia C. Asaucena, Dr.
J. Theodoro C. Albuquerque, Dr. Luiz de Franca
Castro Barroca, Aprigio de Souza Santiago, An-
dr Ma'hias Soares, Manoel Tavares da Silva,
Antcuio Fernandes da Silva, Raphael Mtriston.
Chegados dos portos do sul no vapor inglez
Va'parao :x
A F. Gaiinho, Psulo Albauet, Francisco G.
Queiroz, Revd. J. R. SmHh, Jos Raogel, William
Charche, Dr. Jos Joaquim Seabra, (!. da Silva
Pestaua, A. V. de Andrade, A Seprity, Luis Mi-
Ion-', Dimingos GonQalves, H. J. de Almeida.
Operatoes clrargleaN Fm praticadm
no bosp'tal Ftdro II, no dia 13 do corr-nte, a
segumte :
Pelo Dr. Malaquias:
Hamaticele pela inciad e raspagem da t-
nica.
Ca.* '..e.Bpii-
4oa no di t
E.-:
exist-m 315.
A sa
Nacionaes 315. nmtbet 7, es
oravos senteni iad s 3, processados 5, ditos de cor-
rrev-ii0 9.Total 345.
Ai. 194 sendo: bous 27(5, do-utas 18 -
94
M ivimento d ia :
Teve baixa :
Manoel Francisco do Nacci nenio.
liOterlaa da provincia Qnhrta-fcra
16 do ivrren e, su extrabir a 1." parte da 1. lo-
tera cm beneficio da Santa Casi de ttarj
dia do Recite, pelo novo plano approvado.
No consistorio du igre > deohors
Conceioao dos Militares ser feita a extraceo
pelo systema da machina Fich.
liOteria Extraordiaria do Vplran
(a O 4. e ultimo sorteio das 4" e 5. series
desta importante lotera, cuj maior premio de
I5*):00000, ser exlrahida brevem.nte.
Achara se expostos a venda os restos dos bi-
1 a d 1 FortuTa ra Primein de Marco
11 23.
Lotera de Mcela de SuOiOUOSOoo
A 7* partes da l'a lotera, cujo premi
rrai li de 2?0:000, pelo novo plano, ser ex
Vahida iuipreterivelineote no dia 14 de Setembro,
s 11 horas da manha.
Bilhetes venda na Casa Folia da praca da i
dependencia ns 37 e 39.
i" imbem acu:un-se i venda aa Rula da For
tuui. ra Larga do Rosario n. 36.
Presos resumidos.
EiOteria ilo BioA 2* parte da lotera
u 3ii, do novo plano, do premio de 100:000000,
ser extrahida no dia .. de Setembro.
Os bilbetes acham se venia na Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem aehaac se veuda na prac 1 da Inde-
pen.lcucia na. 37 e 39.
Lotera da .-orleA 4 parte da 199 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:0004,
xtrahida no dia 17 de Setembro.
Os bilhetes ach;m-se venda na Casa da For-
tuna ra l'rimeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda ua prac. : da Inde-
pendencia us. 37 a 3l.
Haiadouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 91 rezes para o consumi-
do dia 14 de Setembro.
Sendo : 74 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
iu C, e 17 a diversos.
llercade Municipal de *i. Jone-0
movimento deste Mercado uos das 12 e 13 do cor-
rente, foi o seguinte :
Entraram ;
831/2 bois pesando 12,716 kilos.
Francisco d. Suva o Aa
bor^.
De Silva Fernandes Se C, quanto a Ant'o io
Bern r o le Carvalho M. nteiro.
AK-aocar m o deapacliu
ito o p>:l
Vinca Hermino Fe
PapouU & C
Pap^ala Irmaos.
D a-se o de-pacbcDeferid em cada
daa uejicons d.s seguintes ndiviiu
.rus :
Ausonio Paalo Bot
Jc Rodrigues Bciio, ra das Creen
O me mo, ra di Dr. Joiqnim JCabi.
Moiaes & Pinheiro.
J s de Souza GuimarjSeg. -
Ribeiro A AlOaciJu.
uarte & C.
Almeida Duartc os C.
11 nrique de S Leitao.
Viuva Barros & Fnhj.
Soasa B lofc te C.
Joao da Silva rianl
Souza Nogueira & |J.
Pi-droza & C.
Fi raandos & Sant s.
Bei.lo iJouiiugues Das & C.
Nu:
J-,1. Baptist Pinh
Ignacio da Silva Teiaelca.
B. A. Soares Leite.
Santos 4 Iriuo.
Nada mais haveudo a despachar, o Illm.
mendador presidente encerrou a se sao s 11 e
1|4 da mi.nh.
413 kilos de peixe a 20 res 8*260
91 cargas do farinha a 200 res 18*200
47 ditas de fructas diversas a 300 rs. Hli'O
9 taboieiros a 200 ri a 1*800
32 Sum.sa200iis 640-i
Foram oceupados :
45 co'umnas a 600 ri.= 27*0nO
51 c.mpartim intaa dfl fariuha a
500 r.B. 25*500
45 ditos de comida a 500 res 2-^*500
16 11/2 ditos de legumes a 400 ris 64*200
33 ditos d' sunoa 700 ris 23*llli
22 lito> de tiesaaras a 600 ris 12*600
20 talhos a 2 40*0(i(l
5 ditos a l 5*000
A Oliveii i C:
108 talh is .-. 15 rois 108*000
4 talhos a 50) . 2*000
Deve ter sido ai-recadada uta:, a ii -.s
a qnaatia de 378*660
liendimento dos das 1 a 11 de Setem-
bro 2:169*58U
Foi arreeadado liquido at hoje 2:548*140
s (lo ain :
Car a 40 e 400 ris o kilo.
.S 1,0 1 560 e 64' ris dem.
Carueiro vO ris dem.
.anona de 340 a 320 ris a cuta.
.'iliino de 240 a 320 ris i 1 -ia.
Fejao de 500 a 640 dem-
C: .niterlo paalleo.Obituario do da 11
de Setemhro :
Nicolao Geuiui, ita'ua, 06 anuos, soltero, Boa-
Vista ; anazarca.
Mari:-. Wanderley Acci-li Li s, Macei, 30 an-
uos, solteira, B ia- Vista: tubrculos pulmonares.
Eli3a, Perjambuco, 1 anu Boa Vista ; lym-
phatite.
Joanna Mara d. Gonce cao, Pernambuco, 26
annof, casada, Graca ; tubrculos pulmonares.
Francisca Genuina CaValcante, Pernambuco, 64
anu. s, viuva, Santo Antonio ; nephrite albumi-
nosa.
Jos Miguel dos Aujoe, Pernambuco, 72 annos,
viuvo, Sanio Antonio ; estupor.
M.noel, Pern.mbuco, 2 mezes, S. Jos; convul-
soes.
12
Maria, Pernambueo, 6 mezes, S.Jos; bron-
chite.
Mara Antonia da Ccnceicao Silva, Pernambu-
co, 45 anuos, viuva, S. Jos ; tubrculos pulmo-
nares.
Honorina Barbosa de Lima, Pernambuco, 18
annos, solieira, Santo Autonio; tuberculus pulmo-
nares.
Anna, Pernambuco, 50 annos, solteira, Boa-Vis-
ta ; tubrculos pulmonares.
CHRONCA JBICIRIA
Junta Coaiuiereial da cidade de
Recife
ACTA DA SESSAO EV1 9 DE SETEMBRO
DE 1886
PHESIDEHCIA DO ILLK. 88. C0SCMENDAD0B ABTOHIO
GOMES DB HIRANDA LEAL,
Secretario, Dr. Julio Guimardes
A's 10 In.ras da inanh, declarou-se aberta a
sessao, estaudo presentes os Srs. deputados :
Olinto Bastos, commendador Lopes Machado,
Beltro Jnior e supplentc Hermino de Figusi-
clo
Lida, foi approvada a acta da precedente sessao
e fec-se a leitura do segninte
EXPEDIEKTR
Officios :
De 4 do corrate, da junta dos correctores
desta praca, enviando o boletim das cotavo.-s of-
ficaes de 30 pasiado a 4 du correte.Seja ar-
chivado.
Diarios ofiiciaes de ns. 234 a 239 Sejam ar-
chivados.
Foram distribuidos rubrica os seguintes li-
vros :
Diario da viuva Cunha, Genro ic C, copiador
de Machado Lopes & C.
DESPACHOS
Petico-s :
De David Gomes Ribeiro, adiada na precedente
eesso, pai a que em face do art. 72 se provideneie
atim de que o ag- nte de leiloes dVsta praca Joa-
quim Maximiauo Pestaa Ihe pague a quautia de
258*905, que ficou a devei-Ihe, saldo de nui l-ilo
por elle efFectuado em D z mbro de 1882.Nada
ba que deferir, em vibt dos arts. 72 do C diiro
Commercial e 15 ns. 2 e 26 do regula ment n. 853
de 10 de Novemoro de 1831, que determinan! a
providencia que compete ao supplicante requerer
no juizo competente contra o leiloeiro incurso em
mora de pagamento.
De Azevedo c O, para que#se d baixa no re>
gietro da marca de seu commercio de cigarros sob
a dcnoiuiuaco de .'axiase se registre a que
aioptaram para o mesmo c onmercio no t-aUbele-
cimento ra do Forte, d'esta cidade, ns. 3, 5 e
7, e de.osito ru Duque da Caxias n. 68. Re-
gistre-se c "d-se a baixa pedida.
De Joo Goucalves oe Souza Beiro, para que
ao o baixa no registro da nomeac&o de seu ex-
caixeiro 0'j.npio Fortunato da Silva Freiro e se
registre a que aprsenla.Como requer.
De Rodrigues & C, iam de seu ix-caxeiro
Arthur Pessoa de Meneses e registro da que pre-
sentu.Na terina requerida
Proferio se o despacho D se a baisa pe lida
aas seguintes pctivo a, aulicitaudo baixa em r gis-
tros de nomeaooes de caixe.iros :
De Almeida Duarte C, quauto ao caixeiro
Antonio Magalh's da Suva.
De Eustaquio gues Vieira.
De I-mael de Olivera Gomen, quanto a Pedro
A. de Medeires e Jo* Joaqun de Souaa.
D-! Aulouio P dro de nouza Soares quanto a
Fernando Magalhes da 8ilva
De Manoel doa Santos Falcas, quanto a Manuel
l'IBLICACOES A fEUlOO
Trinfa prisdes
A Provincia, notician io que no dia 6 do cor-
rente foram efectuadas 30 prites na i pita'
quasi todas por uso de urnias defezae, estnbciece
nlemma : iu sao falsos os motis allegados,
c ha peneguico e urbuiaritdade; ou sao verda-
deros, e ba falta de seguranca publica, urna vez
que esees cidadoa andam armados, on para fgre-
(i;r i u paia se defender, por nao confiarem n.i po-
lica.
Os motivos aiiegados .-o verdsdoircs; peo me-
nos o que se deve presumir Patsemos p rtanto
s. gunda poma do dileu.ma : a Jaita de seguranca
publica.
Sim, ha, houve e hav. r sabe Deus at quando.
As bas caiias eficientes e occasi. naei dariaB'
objecto a um estudo intcn ssantissim. para eucher
dous ou tres volumes. Sena o estudo da nossa
educacao, em todas as clssses; da influencia de
certas instituido, s; da pessima organisaco de
cortos servicos; em summa, ser a historia da cor-
rapcilo dos costumes em um p Fra preciso nao esqu cer na'la. Vai nm ho-
mem pela ma e encontra dous menino maltrapi-
Ihos; brinc. m cm vez d- ir c<-cola. O seu brin-
quedo o que nos chama a attenco: en te furo,
diz um ao nutro, e tinge com a maosinha, (ffce faz
uso de urna faca de p uta! Eis >-.hi desde da in-
fancia, tres grmens prigo?o8 : o snalphabeticmo,
a vadiafo e o uso de arm s oftensivas. Podemos
accrescentar um : R valenta, no p ior sentido da
palavra.
Cresceu o individuo, ignorante, v brigaVri
tendo urna faca de pauta como companheira inse
paravel. .. converter:.m-!io cm um cidadao; o que
significa : um elemento poltico, um individuo que
pres'.-i servieos e devi t r quem o protejae riif.n-
a. Di^s i bem a Provincia : ou esses cidadei:*
andam armados para Hgjre Or cu para se defen-
der. Os que andam armado para aggiedir,
nao sao menos cidadaos do que os outros.
Rep'timos, n'aqin lie e-'u o infers.-'B'e fra,
prccioo nao e8qu^cer rada ; a belliasima institui-
rn dos juizes de paz, que h je um accressimo
nocivo no formulismo jor.dico e urna roda de maia
na engrcuag' m eleitoral; a p H.ia gratuita; o
direito que tem c aasassia i de nao ser preso pela
antoridade que o encoatr, porquej4 f.izem dea
minutos que ptaiicou o crine, isto, nao est mais
eH. flagrante, ou porque a ube eaconalsr-ce durante
um auno, neste paiz quo tem em urna provincia de
primeira orden), e com 800 leguas de extenso,
metade Ja popnlacio da cidade de Londres.
A imprenea partidaria nao sera esquecida; a
defeca a/ati mat ea c a opp si^o gystenuifica; a
nc'-usar-se h je em termos virulentos o que h n-
ii ui .-e pr.;:.cava e d. fendia, dando se anim .
aos naos, e n-gando-se aos bons um apoio moral
de multa valia; d'ahi o dispreatigio da nipr.-esa
i ira (e a posi;io esquerda em que era
ae, por exemplo, o leader da oppcsicao, esqaecendo
i;:aaa v.z as ci uvenii acias partidarias, d-clara do
parlamento : nao estou de acc. rdo com o ccga
do meu partido; fez bem o presidente da provin-
cia)...
Paseemos adii.nte ; nao quer-mos eserever os
dous ou tres voIume3, de que fallamos cima
As nossas leis, liz a Provincia, nao sntoneca a
priso do individuo que eucontrado com arma
prohibida. Qualquer que seja o iudividuo? Nao
tanti assim, segundo o art. 37 da le de 3 de
Dezembro de 1841, os reos que nao forem vaga-
bundos ou sem domicilio, se livraro soltos, nos
crim-8 mencionados no art. 12 7 do cdigo do
processo. O regulamento n. 120 de 31 de Janeiro
de 1842 defiue, no art. 300, quaes sao oa vagabun-
dos e sem domicilio :
Sao ccanfiteradne vagabundos^ os^ individoo-
que nao tendo d- micilio certo, nao ttm habitual-
mente profitiao ou offlcio, nem renda, ntm meio
conhecida de subsistencia.
t>o considerados sem domicilio certo os que
nao mostrarem ter fixado em alguma parte do Im-
perio a. sua habitaco ordinaria e permanente ; ou
nao estiverem asalariados ou agqregados alguma
pess a ou familia, <
E' aVaude o numero de individuos nestas con-
dicoes ; principalmerte porque nao basta que um
individuo esteja habitando em algum lugar, para
que esta habitaco se cusidere permanente. Nao
ha reo de polica que nao more em alguma parte.
A iustauraco de procesaos a esses individuos,
que tao encontrados com facas de pontas, para
que si jain presos depois de condemnados, um
r' -peit supersticioso s formulas Ifgaes, nunca
observado em siluoco nenl.ama.^ Esta a ver-
dade qu? a Proviccia nao peder negar. Tomar
a aima prohioida e mandar que o trnnsgressor v
em paz, urna medida impr. lica. Instaurar um
processo, nao ser menos improficuo na maioria
dos casos.
Nenbuma autordade, no situacao alguma. dei-
xoU'Se p-endf as malhas do formalismo: e se
muitas diligencias deixaram de ser feitas, foi por
iudtff renca ou algum nutro motivo. Bastara,
para c- roproval-o, urna resenha das priees mais
importantes, publicadas pela imprensa diaria desde
alfruus annos.
Entre DOS, ao contrario do que seccede eos paires
mais adiautados, os enmes contra a segursnea in-
dividual esto em maior proporco. Urna das
causas quo mais concorrem para 8to (causa que
par sua vez um ebein ) o habito de a dar ar-
ma do. C-utra este preciso reagir e com a maior
energa.
O bonn do magistrado, que esta dirigindo a poli-
ca da provincia, tem os tres -equesitos essen-
: dedksaeao, actrvidade e energa.
A'bda inienvo e os bous resultad. o si u procedhnento, anda quando a ahieana ache
alguma cousa que es iucarj
* *
O Mr. cfos Harlanno
Abaixo o Imperador
Viva o Imperador !
VI
Comee-mos desta vez pelo corno do futuro im-
perador, o presente Mahom.i Maosaniello-Mariani.
Os i'-iton s qu-- ji o soube-cm de cor, saUem-n'u :
se precisarem d Lzer alguma cjufrontaco, vo!-
tem a elle.
E' o verb i do fim do s. culo que te chana das
lu c no qual ainda as coutenda. entre os ho
men.- se di cidem pelo canh e pelo fuzil no cam-
f n da bat.lha, e p- la pistola, ora com bal, ora s
c m bocha, e ge nao deixa de ser um pouco mais
ame l
E' o verbo que tem ie suplantar todos os passa-
isfiui o o- C ntucio, como o de Boda, assim
o de Cbrieto qae o sellou o cruz, como a do pro-
pheta uiiiio Bne c;m a eloquenci.. da cimitarra
p n'ou a f d Um b Das em vastides tunen-
a Asia, da Europa e Afnea.
Divulgue s.-, (-os, e pr .pague-se s< m tre,
nem de^ni a palava nova, qu ciada af
no positivismo, na la mais t m eom Deu-, aa qual
. den b ixa, para s tallar d > serio, da re 1T
dad', dos acatorow s gosos para o qua.a a moral
dos meios se aq ; '' v>l'or a0 exito-


MHMMMI
Diario de PernambiieoTcr^a-fcira 14 de Setembr de 1386
Divulgue-se, P". o pwfondo verbo, e tanto
xaelhor, quanto mais depressa, e venham logo, a
sondar seus mysterios outros tantos Paulos, Tho-
inaxes e Agoitinhos, Lathero e Calvino, Ornar e
Ali, a edificar tcdo o Brasil, o Velho Mundo, esto
orbe inteiro, as verdades grandes, e mais do que
uto, immensas, o to profundas quanto admira-
Teis.
Eis aqu o verbo : *_.
Nao o escreveu o novo prophct*,do Deus bar-
rica, do positivo Deus, como nao escreveu Chrtsto
O seu nem Mabomet delle, porque este nem es-
crever sabia; mas que foi tomado pela arte mo-
derna da tacbygraphia. Eis aqui, pois, estampado
anda o novo ejro, to pequeuo na forma como
immtn o no alcance e fundo.
O orador foi interpellado, no meeting anterior,
por um amigo, porque nio se declarava pela re-
publica !
E' porque mais amante da repblica do que
cese amigo; e porque como disse ao seu Ilustre
eompanheiro Jos do Patrocinio,dereis querer a
republiea e nio republicanos ; o orador, liberal
Como coneorre mais para a propagac&o das
ideas democrticas, afim de habilitar o povo a as-
sumir a direcco de si mesmo, do que os idelogos
que s pregam a repblica, como idea abstraa,
quando se devem lembrar de que preciso antes
de tudo destruir as instituir anachronicas e im
maraes que servem de pont de apoio ao despotis-
mo constitucional de que a tarca do Ypiranga in-
veatio a bastarda da casa de Braganca.
O orador nao tem as illusoes do seu Ilustre
amigo Joaquim Nabuco, que ainda acredita poder
a monarchia no Brasil ser o ideal de um bom go-
verno.
Para que a monarchia no Brasil podesse ser
mediador plstico que se estabeleca entre as lutas
desencontradas dos partidos, era preciso que mu-
dassemos a familia de Braganca, qde boje anda
mais perigosa do que hontem, por estar ntrela-
cada com a aparenta familia dos Orlees. (Ap-
plausos repetidos)
Ora, quando tivtrmos de faier essa substitu-
(do que cada dia mais se nos impoe, devemos estar
preparados para nos servir com a louca de casa
e nao precisa importar do estrangeiro rei para
nos governar. (Muitobem).
mais adiantado dos partidos constitucionaes e o
mais apto para levar a nac&o ao governo que o
ideal de todos os pavos livrcs. E com essas ideas
pensa o orador nao poder ser acensado de trabir a
causa da democracia, nem mesmo se algum dia
chegasse a ser ministro,cousa que alias nunca
ambicionou, pois nunca seria ministro do rei, mas
da naco. (Muitobem).
Aquelle rasgo de subida eloquencia do preparo
dalouca de casapara fazer um rei de familia
patria, resume um evangelho inteiro. o co do
novo coro.
O do outro era alm do orbe, o do presente na
trra mesmo.
O premio daquelle, as nossas virtudes, na eterna
gloria, era a posse de 72 uris, sempre mocas,
seaiprc bellas virgens. Este co era s para os
homens. As mulheresao principio quando o pro -
pheta construa o verbo nem tinbana l entrada ;
mas por exigencia de sua mi elle arranjou para
ellas um cantinho no seu Olympo, sem prazer nem
gloria.
O novo coro todo positivo, nao se entrelem
com Ues ficcoes que nesta epocba a ninguem illu-
de, nem o co na contemplacao de Deus, l na
gloria eterna, quanto mais o da posse das uris.
O co positivo o real d'esta mesma trra para
quemtem muito dinheiro, e para o pobre o infer-
no e inferno nico.
E' preciso pois haver o dinbeiro, pelo meio mais
fcil e mais rendoso : o positivismo. Nao o d
to prompto o esforcado trabalbo, sao outros os
meios facis.
Uns atacam o viandante ; outros arrombam
paredes para eutrar as casa, outros batem uioe-
da em papel ; outros fogem com thesouros albeos,
outros tocam fogo em casas e em estabeleciment js.
Ha ainda muitos que fazem letras, esenpturas e
testamentos falsos.
Todos estes se chamam ladrees ; mas ainda ha
Ootros que se teem na conta de muito honrados,
Come assim o julga quasi nosa* gente toda.
Sao os que compram ou peden de porta em
porta como mendigos, o que nao se pode vender
nem dar o voto para deputado e deinais elei-
ces. |
AsBim fazem quaai todos os que quorem ser
eleitos.
Quasi todos vao ainda alm e peior que isto,
promettendo emprego a quem lh'o pede, pelo voto,
e at o offerecem, e ainda alm, fabricando eleito-
res com ttulos e documentos falsos ; outros que
quebram urna, destroem eleico, matam gente para
ser ou fazer|deputado de sua spiniao. fudo isto
para fazer dinheiro, que a cada um faca da torra
um co de positivas delicias, como aquelle a fic-
>}do de que Ado e Eva foram lancados fra.
Teem sido estes ltimos os bravos meics do
nosso homem futuro, para ganhar seu co. e to
bem aceitado e bem applaudido de todo o povo,
que Ihe tem dado o mais feliz xito.
E tanto lhe tem valido seus triumphos em pre-
mio dos sacrificios patria, quanto j vai adian-
tada a eonstrucco do seu co, que j se ostenta
com alguma sumptuosidade.
E qum lhe reprova algum d'estes meios?
Nao os seus que lhe do por elles o feliz xito ;
tan pouco os contrarios, que os combatem, uu os
tem combatido com as mesmas armas.
Se aqui ao mataram 8gora,> como a gente con-
dolida por elle matou em S. Jos, mataram n'ou-
tras pocas e ainda peine meamos nos prximos
tempos n'outros lugares.
Accusam in voce e reciprocamente unu nos ou
tros ; mss se seriamente reprovam, porque nao le-
vantaran) denuncia contra elle na Cmara? e ago-
ra ainda meihor, pois que teem elles a maioria ?
E' porque esees neceados, sendo recprocos, dei-
xam de o ser, para se faserem ao menos para cada
parte, outros tantos factoa gloriosos.
Em vez de agirem com esta justiea, com grande
injustica expelliram da Cmara o nosso fuiuro I ..
Como mediram to mal o alcance d'ease passo
imprudente !...
O homem vio o seu paraso perdido, a fonte de
auas receitas de ana pujan? futura...
Que esperar ?
Dar-se por vencido ?
Nao era tal de suppor em um animo de to su-
bido valor.
Toma-se da mais sublime indignaco, e, apoia-
do na grandeza da manifestaco do Brasil inteiro
(ex parte sua) de que foi principal expresso
aquelle meeting ou protesto de indignaco, e le-
vantando- se todo armado de mil raioa como um
Jpiter, fulmiu* : Abaixo o Imperador e toda a
sua familia de bastardos e avaros '
Para que ? Para vir a repblica ?
Nio Vamos primeiiMinentr com a monar-
chia preparar o povo para poder elle ter o gover-
no de si mesmo !
Mas quem ser o rei ? D'onde vira ? Da
Europa ?
Nio : louca de casadevemos preparal -a lo-
go, para termo!-a prompta 1
Ha nada mais eloquente, mais sublime ?!
Nio o quizeram deputado, tenham-no pois, ago-
ra rei ou imperader !
E vistes com que entonaco, com que aplombe,
cjm qoe eoragem ?!
Estou veudo Napoleo I na assemol.i nacional
abatendo a todos e proclamando-ae o nicoo im-
perador !
E este ainda vacillou um instante, e se nio rea-
ge espancando o medo, diz a historia que estara
perdido. Mas o nosso futuro est muito cima
O medo nem lhe perpassou a leguas.
E' por isto que eu de adverso que era me con-
verto a elle, opiniao universal, aos costumes da
ierra e vou proclamando adiante, eu, pnmeiro
que todos.
Viva o imperador louca de casa, que quer di ser
louca da trra, que toda grossa !
Viva Jos I, o glorioso fundador da dynastia
nacional !
E focamos ponto por hoje, que muito temos que
dizer sobre o coro do Mabomet do co da trra
do positivo co, do co do ouro.
Recife, 9 de Setembro de 1886.
Alfonso de Albuquerque Mello.
COMMERCIO
Bolsa eoiniuerclal de ?ernani-
baco
BECIFE, 13 DE SETEMBRO PE 188b.
As tres horas da tarde
('otaeSes otficiacs
Apolices provinciaes, de 7 0/0, do valor de 1:000J
a 9904 cada urna.
Letras hypothecarias do banco de crdito real de
Pernambuco do valer de 100*000 a 973
com juro cada urna.
Cambio sobre Londres, 90 d[V. 21 1/2 d. por 1*000,
do banco.
Cambio sobre Lisboa, vista, 151 0/0 de premio
do banco.
Na hora da bolsa
Vendeiarn-se :
16 apolices provinciaes.
30 letras hypothecarias com juros.
O presidente,
Pedro Jos" Pinto.
O secretario,
Candido C. O- Alcoforado.
A
aLNDIMERTOS PBLICOS
Mea de Setembro de 1886
ALFANDEGA
Rbxda anu.
De 1 a 11
dem d 1?
Rsbda novmcriL
De 1 a 11
dea de 13
269:129*532
19:064*912
27:128*130
1:735*206
288:194*444
28:863*336
Total
BcanaooaiADe
U* 13
1 a 11
317:057*780
15:025*477
709*360
Rio Grande do Norte
Na noute de 6 do corrente alguns cava-
lheiros, frente de urna banda de msica,
fora u casa do major Joaquim Guilher-
me cumprimental-o pela vespera da nossa
independencia poltica.
Depois das mais jubilosas congratula-
res, ioterrompidas por diversas pogas e o
hymno nacional, com vivas a S. M. o Im-
perador, ao grande dia que se festejava,
ao digno presidente da provincia e ao par-
tido conservador, seguiram todos para a
casa de residencia do Dr. Manoel Porpbi-
rio de Oliveira Santos.
All chegados e depois de seren perfei-
tatnente acolhidos por este cavalheiro, re-
dobraram as manifestacSes do grande nu-
mero de amigos presentes, precedendo o
hymno nacional a urna allocuco muito si-
gnificativa e eloquente, proferido pelo mes-
mo Dr. Santos subre o objecto do regosijo
popular.
Nessa occasio S. S. manifestu o ele-
vado pensamento de que se achava possui-
do, de fundar nesta capital urna imprensa
diaria e neutra, com a denominaco de
Diario do NoaZ, consagrado a defeza dos
grandes interesses da provincia dcbaixo d :
todos os pontos de vista.
A empresa ser do exclusiva proprieda-
de do Dr. Santos, que ter por collabora-
dorea amigos sinceros, talentosos e j affei-
tos s lides da imprensa.
Muitos amigos tem felicitado e animaio
o homem do trabalbo, que assim se mos-
tra possuido do to elevado e patritico
pensamento.
Odistincto jornalista Dr. L-uiz Carlos
VVanderley saudou o Dr. Santos nos se-
guint^s termos: Eu,que venho da impren-
sa velha, saud o arauto da imprensa nova.
Que a essas felicitares e applausos suc-
cedam o concurso valioso dos Rio granden-
ses do norte e o seu maior interesse pelo
bom xito de to til e importante empre-
hendimento. que vira certamenta marcar
urna era nova, risonha e esperanzosa para
esta provincia.
Mascaras abaixo
Constando-me que alguem propala que eu offe-
reco ou offereci luvas pela casa em que sao esta-
bclecidos os Srs. Ramos 4 Santos, 4 ra do Vis-
conde de Inhama n. 75, apresso me a declarar
que falso e mentiroso tal boato.
Nunca por este meio pretend nem pretendo a
referida casa, e nao acbo muito raaoavel que
quem quer que teja faca uso do meu noine para
meihor poder cliegar a brota para a sua sardinha.
Protesto, pois, contra tal aleivosia e provoco o
seu autor ou autores a que venham em publico
deamentirem-me.
Recife, 13 de Setembro de 1886.
J. Franco Ferreira.
DESPACHOS DE IMPORTAgO
Vapor nacional S. Francisco, entrado
dos portos do norte no dia 13 do corrente
e consignado Companhia Pernainbucana,
manifeatou:
AlgodSo 740 saccas ordem, 689 a Fer-
reira de Carvalho & C, 308 a Machado
& Pereira, 254 a JoJo Vctor Al ves Matheus
dC, 120 a Luiz Antonio Siqueira, 30 a
Gomes de Mattos Irmaos, 26 a Rodrigues
Lima & C.
Caf "i saceos ordem.
Carne 7 amarrados a diversos.
Couros salgados seceos 224 ordem, 44
a Joao Vctor Alves Matheus & C.
Courinhos l tardo a Gomes de Mattos
Irmos.
Carvo animal 15 saceos a Pinto Alves
AC.
Fazendas 1 volume a Monhard Huber
& C.
Gomma de mandioca 15 saceos a Gomes
de Mottos Irmos 20 a E. da Cunba Bel-
tro & Irmao 24 a Luiz da Silva & Pinto.
Sola 354 meios a Gomes de Mattos Ir-
mos, 120 a Euzebio da Cunha BaltrSo d
Irmo.
Pelles 24 fardos a Abe Stein & C, 11
ordem.
Comarca do Cabo
S agora t vemos occasiio de 1er um artigo pu
blicado no jornal Provincia, sobre a demissio do
3- pharoleiro di> pharol do Cabo de Santo Agos-
tinho ; e por taso nao demos desde logo as seguin-
tes explicacoes.
O novo pharoleiro foi portugus, mas hoje ci-
Jadi brasileiro, casado pela segunda vez com
brasileira, pai de o!** filhos, e dotado de boca sen-
timentos.
O demittido nio sabia exercer o cargo que oc-
cupava; pois algumas vezes o pharol fieou s es-
curas, pelos incendios que se dav . devidos impericia desse empregado. Ha anuos
exerceu o lugar de capataz, e foi demittido a bem
do servico publico.
Quanto apregoada perseguicio feita pelos Srs.
Azevedo e Berenguer, por motivos polticos, isto
nio pasBa de um recurso de opposico- Basta di-
zer que o demittido morador de Nazareth do
Cabo, e nio foi despejado, nem incommodade pelo
Sr Azevedo, apezar de ter sempre votado com os
beraes .esde a inauguracio do pharo1, por lhe
terem dad aquelle lugar como eleitor.
J v a Provincia que ninguem teve desejos de
fazer pirracas ao Exm. Sr. Visconde de Campo
Alegre.
Diremos com aquelles que tazem parto da gran
de e pequea cabotagem : bemdicta a hora que
inspirou ao Exm. Sr. vi ce-presidente da provincia
to acertada providencia.
* *
Ao mrito
Nao podemos abster-nos de vir do alto da im-
prensa dirigir nosaos applausos aos distinctos pre-
sidente da provincia, Dr. Ignacio Joaquim da
Souza Leo e Dr. chefe de polica, Antonio Do-
mingos Pinto, pelas promptas providencias que se
dgnsram tomar a respeito das oceurrencias bavi-
das ltimamente as comarcas de Pedras de Fogo
e I tamb.
Ss. Exes. collocaram se na altura des cargos
que to dignamente ocenpam, pondo de parte o
patronato e fazendo reconhecer-se que durante a
sua administracio o imperio da lei ha de dominar,
as victimas hio de ver a prepotencia indebita
abaixar a cerviz e o crime ser punido, por amor
ao rgimen do partido que pertencem.
Brade a opposico, faca guerra systematica
Ss. bxes., que tudo ser baldado para que os ho-
mens sensatos deixem de acastellar-seem torno de
Ss- Excs. at o dia em que a mesma opposico pela
forca da razio ha de se curvar respeitosa ante
aquelles cidadaos ilustres que dingemos destinos
da provincia com tanto tino, prudencia, telo, ener-
ga isempcio de animo, c desinteresse partidario.
Nos saberemos ter em pnuho urna penna forte e
enrgica para clamarmos alto e bem alto em favor
dos actos de soberana justiea e rectidio pratica-
dos p ir Ss. Excs.
Ozal podessemos sempre contar com adminis-
trac. s como a do Exm. Sr. Dr. Ignacio Joaquim,
que ainda ha pouco revelou a altura de seu car-
cter, a elevaco de seus sentimentos, salvando a
pravmcia de um verdadeiro abysmo em que urna
lei ornamentaria a quiz laucar.
E nos manifestando assim em referencia Ss.
Excs. outro fim nao temos senio render homena-
gem ao merecimento, a despeilo d'aquelles que,
arrufados pela demora dos empregos que eolici-
tnm, procurain oppor embaracos administracio
da provincia e se conspiram contra os que enfeu-
den) nao dever cencorrer para fornecimento di
meios com os quaes tenha a opposico de fazer
carga mesma administraco.
Recebam, pea, Ss. Excs. as nossas felicitares,
na certeza de que aspiramos concorrer para a boa
direefao do partido que pertencemos fazendo im-
perar a lei por amor da justiea.
lio pitai Porluguez de Beneii-
cencia
31- anniversario
FESTA DO CAJUEIRO
A junta administrativa do Hospital Portuguez
de Beneficencia, confia do nos generosos senti-
mentos de caridade que animam a colonia portu-
guesa nesta cidade e muito mais na iu mensa sym-
pathia que merece a toda a sua populaco o sta-
b.-iecimenlo quo dirige, t;m a honra de eonvidar
todos os seus coucidadios e todos os habitantes do
Recife u abri:hantMr*m com a sua presenca a fes
ta commeinnrativa do 31* anniversario da abertu-
ra do hospital, que ter lugar no sitio do Cajue no da 19 do corrente.
.jA festa constar, como de tradiccio, de urna
mssa cantada na capella do dito hospital, pelas
IU horas da maah, ladainha s 7 horas da tarde,
exposicio do estabelecimento desde a 3 horas da
tarde em diante, leilio e basar de prendas.
Duas msicas marciaes executario as melhores
pe^as de seus repertorios e urna esplendida illu-
minaco abrilhantar todo o sitio do Cajueiro.
A junta administrativa espera que ainda urna
vez o favor publico proteger oc pobres desvali-
dos a que distribue soccorros e que lhe nao falta-
r a proteceo e sympathia de todos os coracocs
bem formados quo tanto e tanto tem protegido o
Aviso miles de familia
A mu aotiga o merecida reputaco dosColla-
res Royercontra asconvulsoese para facili-
tarladentico das criancastem aido desde mui-
to tem po objecto de inveja por parte de "indus-
tnaes sem escrpulo e sem titulo scientifico os
quaes nada acharam de meihor do que contrara-
zerem e imitarem" grosseiramente nosso
ducto.
pro-
Muito preoecupado com a sade das criancas
que pode assim ser comprometida e demaia zeloso
da boa nomeada dos nossos collares, prevenimos
s mies de familia que ellas devem exigir-que
cada Collar Royer esreja contido dentro de urna
caixinha loBgoquadrada abrindo-se cerno gaveta,
em tres lados da q:i il su ai.-ham oppoatos rotulo
mprossos om francs, porluguez e hespaubol e de-
corados com urna virgem e a nossa marca de fa-
brica, no quarto lado com duas medalhas e minha
assignatura. Cada caixi>iha fechada com urna
medalha de lati, em ambos os lados da qual se
l a seguinte iuscripcio.Cellier Royer, 225, me
St-Martin, Paria.
Gloria do Goit
Peco aos Srs. redactores do Disrio de Pernam
buco, que facam me o obsequio de inserir as pa-
ginas do sen conceituado Diario, as Iinhas se-
guintes :
Deparando as columnas do seu conceituado
Diario de 29 do mez prximo Sndo, com um arti-
gete em que um anooymo pede providencias ao
Illm. Sr. Dr. juiz du direito da comarca contra
um individuo que segundo diz, vive extorquindo
dinheiro dos meus charos jnrisdicionados, com o
falso titulo de escrivio, venho pedir encarecida-
mente ao autor d'aquelle artigete, que publique
o nome do tal individuo, para poder dar as pro-
videncas, independeote de incommodar ao Sr. Dr.
jun de direito da comarca ; cer-.o o tal anonymo
de que se nao o fizer, terei como falsa a sua no-
ticia, por quanto das mdagaces que tenho ainda nio
pude chegar ao conheci ment de facto.
O juiz municipal,
Jos Cornelia Leude.
1 de Setembro de 1886.
EDITAES
A Cmara Municipal da cidade de Olinda e seu
termo em virtude da lei, etc.
Fas saber a quem interessar possa, que, estar
em hasta publica nos dias 15, 22 e 29 do corrente
para ser arrematado por Joao Baptista Cavslcan-
te de Albuquerque, ou por quem mais offerecer, o
terreno sito a ladeira da S deata cidade, cem os
limites seguintes : ao norte com o antigo caminhc
que vai da S para o Bom-fim, ao snl com o terre-
no aforado a Liuiz Antonio Goncalves Pena, ao
poente com o terreno perteneente a irmandade do
Bom-fim e ao naseente com a ladeira da S, ser-
vindo de base a qnantia de 6 annual, sendo abri-
gado o arrendatario obter da Assembla Legisla-
tiva Provincial antorisaco para lhe ser aforado
perpetuamente. Os pret-ndentes podem compare-
cer nos indicados dias.
Paco da Cmara Municipal de Olinda, 9 de Se-
tembro de 1886.
Bario de Tacaruna,
presidente.
Jos Marcolico da Fonseca Manguinho,
no impedimento do secretario.
EdItanT746
Cax*B econmicas escolares
De ordem do inspector geral da instruccio pu-
blica chama-se a attenco aos professores que
tendo em mas escolas caixas econmicas escalares,
hio deixado de cumprir o disposto no art. 104 5
do regiment das escolas publicas para o disposto
no final do referido pragrapho relativamente
cmessa da lista de inscripcoes mensaes esta
secretaria.
Secretaria d instruccio publica de Pernam-
buco, 21 de Setembro de 1886.=0 secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvio.
w.
Conceico, eos-
Foi Tel i!
A' Sra. Rosa Mara da
tureira, moradora era Pelotas, (Rio-Grande
do Sul), ra Goncalves Chaves, em
1877 achava-3e, fazia dous annos, perse-
guida por urna toss atormentadora, acom-
panhada de dores no peito e as costas,
respiraco erabaracada, deblidade era ex-
tremo e finalmente com todos os sympto-
raas de fysica pulmonar.
Durante todo esse tc-mpo usou de tudo
que a medicina aconselha em *aes casos,
porm nenhura proveito colhia e a enfer-
mdade segua sempre o seu curso fu-
nesto.
Um dia lerobrou se tora -ir o Peitoral de
Cambar, e foi to feliz que em pouco tem-
po restabeleceu-se gozando hop a mais
vigorosa saude (Vede o folheto que acora-
panha cada frasco.)
nicos agentes o depositarios geraes em
Pernambuco -Francisco M. da Silva A Ca
Ra Mrquez de Olinda n. 23.
Ao publico
estabelecimento ; ci que a festa dos pobres nio
faltar a animaco de todos aquelles que sentem
pelas dores e desgrana da hamanidade alguma
cousa mais do que urna estril compaixio.
Secretaria do H spital Portuguez de Beneficen-
cia em Pernambuco, 11 de Setembro de 1886.
Feliciano de Azevedo Gomes,
1 secretario.
N. l.E' maravilhosa a rapidez com que
os tsicos, os anmicos, os escrofulosos, os de-
bis e os que padecem do peito e da gar-
ganta restabelecem-se depois de terem to-
mado a EmUcLo de Scott.
Comclado PBOvnrei.it. De 1 a 11
dem de 13
Rcctn !>aimaii'e 1 a 11
dem *.?. 13
15:734*S37
16:0251477
539*151
15:564^628
13:435*498
2:169*581
IUSSPACHOS DE BXPOfiTACO
Em 11 de Setembro de 1886
Para o exterior
No vapor inglez Orator, carregaram :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 503 ssccas com
37,254 kilos de algodo ; V. Neesen 60 fardos com
12,089 kilos de residuos de algodo.
No patacho portuguez Tentativa, carregou :
Para New-Yurk. M. J. da Rocha 101 saceos com
7,575 kilos de assuca msseavado.
Para o Interior
No vapor austraco Stephauie, earregaram :
Para Santos, Maia c Resende 2 pipas com 960
litros de agurdente.
No vapor nacional Mandos, carregou :
Para o Rio de Janeiao, V. G. Fernandas 7,500
cocos, fructa
15:605*079 \
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 12
Cardiff 45 dias, barca iogleza Enchan
tress, de 577 toneladas, equipagem 11,
capito James Starhey, carga carvo de
pedra; a Johnston Pater A C.
Cardiff41 dias, lugar inglez Virid, de
423 toneladas, capito Thoraas Jones,
equipagem 9, carga carvo de pedra; a
Wilson Sons & C.
Hamburgo,64 das, brigue Dglez Wini-
jred, de 172 toneladas, capito G. W.,
equipagem 7, carca carvo de pedra ;
ordem.
Navio safiido no mesmo dia
Santos por escala Vapor austraco Ste-
faiie, coiumandante G. B. Golthardi,
carga varios gneros. i
Navios entrados no dia 13
Camossim por escala11 das, vapor na-
cional S. Francisco, de 383 toneladas,
commandante Joaquim da Silva Pereira,
equipagem 30, carga varios gneros ;
Companhia Pernambucana.
Valparaizo por escala24 dias, vapor in-
glez Valparaizo, de 2,283 toneladas,
commandante E. Friend, equipagem 90,
carga' varios gneros ; a Wilson Sons
C.
Maco22 dias, hyate nacional Camelia,
de 93 toneladas, mestre Joaquim F. de
Araujo, equipagem 4, carga sal, algoo
e couro: a Mansel Joaquim Pessoa.
Navioe sahidos no mesmo dia
Liverpool por escalaVapor inglez Val-
paraizo, t'ommandante E. Friend, carga
varios gneros.
Bulle River, (Estados-Unidos) -Barca in-
gleza Epsilon, capito David James,
em lastro.
Guara Lugar noraeguense Saturn, capi-
to L. C. Eengelsen, em lastro.
O Dr. Cerqueira mudou o seu consulto
rio para a ra Duque de Casias n. 74
antiga do Queimado.
Dr. E. Ossian-Boi.net
Medico
Consalterio : 51- Ana do Mr-
quez de Olinda Recife
RESIDENCIA : HOSPEDARA DE D.
ANTONIO -CAMINHO-NOVO
.invado seja Nosso Senhor
Jess Christo
COPIA DA CAKTA DO KEVDM. PADKE MESTRE
DR. JOS ANTONIO DE MARA IBIAP1NA
Encarregoo irmao Ignacio para p<-dir esmolas e
promover todo o bem, em sustentaco das Santas
Casas de Caridade e Misericordia.
Convm saber que as Santas Casas principia
ram a eslabele er-se de 1862 para c, e o fim de
sua instituico reeeber orpoas pobres e desvali-
das ; educal-as e doutrinal-as no Santo Espirito
de Deus e as prendas que deve saber urna mi
de familia na sociedade, depois casal-as e dotal -as
conforme as circumstancias das casas. Tambein
ha hoapitaes para reeeber e tratar hemens e mu-
llieres pobres at o seu restabelecimento : sendo
todas as despezas fritas pela instituico. Asara
s tem ejtabelecido dezoito recolbimentos para or-
phs, e dous hospitaes com eommodos pra grande
numero de enfermos de ambos os sexos.
E' o padre Ibiapina que vos pede esta esmola
pelo amor de Deus.
Lembrai-vos, cbrislaos : a esmola apaga o pec-
eado e faz aehar misericordia na presenca de
Deus; no dia de juico, quando Deus julgar o mun-
do, dir para os da direi'a : Viude, bemditos, de
Meu Eterno Pai, vinde reeeber o premio da gloria
que vos est preparada; porque tive fome, vos me
dstes de comer; tive sede, vos me dstes que be-
ber ; estive n, vos me vestistes; estive enfermo,
vos me curastes; estive abandonado, vs me am
parastes. Aqui Iho perguntarSo os escolbidos:
Senhor, quando foi que vos vimos assim? Res-
ponder Jess Christo com muito amor : Todas
as vezes que vos na trra soccorrestes aos meua
pobres e amados fihos, a mim foi que me soccor-
restes : agora o tempo da recompens u
Cbristaos dai esmolas daquillo que puderdes.
as Santas Casar ha mil e tantas pessoas, e to-
do este povo resa todos os dias pelos seus bemfei-
tores.
Santa F, 2 de Novembrode 1882.
Padre Jos Antonio de Maria Ibiapina.
Segu se a recommendacao do arcebispo, do
bispe, do governador do bispado, o visto de muitos
vigarios, e o competente sello.
Recebem-se os donativos do escriptorio do Dia-
rio de Pernambuco, Jornal do Recife e casa com-
mercial doa Srs. Braga, Gomes & C, ra do Mr-
quez de Olinda n. 50.
Deus e Maria S. S. a todos recompensar.
Recife, 9 de Setembro de 1886.
Irmao Ignacio.
Edital n. 747
Abandono de cadelra
De ordem do Dr. inspector geral, fa.90 saber ao
nrofessor Mauoel loares Albergara, da cadeira
de Olho d'Agua da nca, que fica-lhe marcado o
praso de 15 dias para responder sobre o abandono
de sua cadeira, visto ter deixado de reassumil a
depois de finda a licenca obtida, e haver decorri -
do mais de ssis mezes fra do exercicio dclla.
Secretaria da Instruccao Publica de Pernambu-
co, 11 de Setembro de 1886.
O secretario, Pergentino S. de Araujo Galvao
Edital 11. 24
* praca
De ordem do Illm. Sr. inspector se faz pebnc*
que as 11 horas do dia 16 do corrento mez, ser
vendida em praca no trapiche Conceico, a se-
guinte mercadoria :
Marca JCL& ', quafrj caixas ns. 561 a 1564.
viudas do H^vre no vapor francs Villc de Santos,
entrado eui 7 de Juubu do corrente auno, abando-
nadas son direU p.ir Francisco Manoel da Silva
$ C, cont-ndo 675 Icilusi'Miwnas de papel pintado
para forrar salas c 'A kilogrammas di dito dito
dourado.
3" seecio da Alfandega de Pernambuco, 13 de
Setembro de 1886.O ebefe,
Cicero B. de Mello.
Bour-
Edital n. 3
Por ordem da inspetoria desta alfandega se faz
publico qoe uo da 16 da corrente, s 11 horas,
nas portas do trapiche Conceico, ser arremata-
do em ba-ta publica, livre de direitos, um amar-
rado coutendo duas latas com fumo, npprehendido
no caes a Li.goeta no dia 7 ne Juoho ultimo.
3 seccao da Alfandega de Pernambuco, 13 de
Setembro de 1886.-0 chefe,
Cicero B. de Mello.
DECLARARES
Companhia Sania Tlicr za
Emprezarla do ahaoierlmi-aio
d'agaa e las a Olinda
Dividendo
^ Por deliberacao da directora fica marcado o
dia 13 do corrate pira nelle se comecar o paga-
mento do 15" divide ido da cempanhia, a razo de
8 0/0. O pagamento, como de costume, 83 efec-
tuar pelo Sr. thesoureiro no 2 andar da casa n.
73 ra do Impeador, das 8 horas da o anha s
2 da tarde at o dia 18, e dahi em todos os dias
uteis das 8 s lo da man! a.
Escriptorio do gerente, 6 de Setembro de 1886.
A. Pereira Simes-
Cajurubba
VAPORES ESPERADOS
do norte
de Macei
do sul
da Babia
de Hamburgo
de Liverpool
do sul
du sal
Mandos
Orator
Mondego
Mrquez de Carias
Rosario
Dalton
Baha
Valparaso
Vile de Pernambuco da Europa
Espirito anto do norte
Neua da Europa
Cor^ro do sul
Para do sul
Tomar do snl
hoje
hoje
boje
hoje
a 16
a 16
a 17
a 18
a 20
a 23
a 24
a 25
a 27
a 39
Este efficaz e inoffensivo preparado, que
nao contm mercurio nem arsnico e ape-
nas uma dose tao diminuta de iodoreto de
potasso, que bem se pode qualiiiear de
horooeopatbca (menos de meio grSo em uma
colher de sopa do vehculo), deve somonte
sua maravilhosa virtude depurativa aos ve-
getaes que entram em sua composicSo.
Outros preparados que nao contm ab
solutamente um tomo de mercurio ou seus
compostos, tem tal dso de iodoreto de po-
tassio, que esta, dissolvida em agua pura,
curara os doentes que tm sido curados
pelos taes apregoados depurativos vege
taes.
A efficacia do cajurubba prova-se :
4o Pelos innmeros attestados de mdi-
cos e de doentes por elles curados de ma-
les reputados incuraveis.
2o Pela procura quo tem ; de modo a fa-
zer desappareeer os preparados congene-
res, que antes d'elle dominavam a thera-
peutica das molestias sypbiliticas do rheu-
matismo e das affecjSes herpeticas.
3 Pela lealdade com quo seus autores
tm fallado ao publico, fazendo-lhe conhe-
cer a composicSo do seu preparado, o que
?enhum outro se animou ainda a fazer.
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
faco publico quo no da 25 do corrente, ao meio
dia, recebe-se nesra reparticao proponas para a
execuco dos repares da cadeia de Serinhaem,
oreados em 400*000.
O orcamento e mais condicoes do contrato se
acham nesta secretaria para seiem examinados
pelos senbores pretendentes.
Secretara da reparticao das obras publicas de
Pernambuco, em 11 de Setembro de 1886.
O secretario,
Joao Joaquim de S. Varejo.
Alfandega de Peraam-
buco
De ordem d] Illm. Sr inspector da Alfandega,
scientifico a qaem intereses r possa, quo a partir
do dia 1 de Setembro prximo vindouro, fica
inaugurado o 1 posto fiscal no antigo Porte de
Picao entrada da barra, onde deverao at.-acar
tanto na ida como na volta todos os vehculos que
forera ou vierem do lamaro, ficando nj entanta a
cargo da barca de viga estacionada ao lado do
caes da Liogoeta e que servir de 2- posto fiscal
todo movimento de pequea cabotagem, que com-
prebende a entrada e sabida das lanchas, barca-
cas e canoas que navegam entre portos da pro-
vincia.
Guardamoria da Alfandega de Pernambuco, 24
de Agosto de 18860 gnarda-mr,
Jos Augusto de Azevedo Marqnes.
Arsenal de Marinha
Propastas para a venda de vasilhame q ie tem
sido remettido da corte para esta provincia,
com oleo de colza
De ordem do Exm. Sr. chefe de diviso, Jos
Manoel Picauc da Costa, inspector deste arsenal
e capito do porto desta provincia, faco publico
que nesta repartilo recebe-se propostas em car-
tas fechadas at as 11 horas da manh do rHa 16
do corrente mes, para a venda de todo vasilhame
que tem con incido pai a esta provincia o oleo de
colza destinado ao consumo dos pharoes, cujo va-
silhame acba-se depositado no pharol do Cabo de
S. Agostinho e almoxarif poder ser examinado pelos proponentes.
Secretaria da Inspcccao do arsenal de marinha
de Pernambuco, 9 de Setembo de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Atevedo.
Eiupeeza Telephonlca
gard
RELAClo DOS NOVOS AS8IGNANTES QUE
COLLOCARAM APPARELH08 TELEPHONICOS
DEPOIS DA LISTA N. 8.
Mez de Agosto
A *
458 Antonio Jos da Costa Araujo.
Regulador da Marinha, ra Larga do Ro-
sario.
460 Augusto Neeseu Residencia, ra
Formosa.
425 Arsenal de Guerra-Caes do Ra-
mos.
322 Almeida Duarte & C\Armazem
de fazendas, ra Duque de Casias.
132 Gonjalves & Irmo Ra Mr-
quez de Olinda.
344 Abran tes & C*.Armazem de mo-
Ihados, rna do Bom Jess.
C
461 Companhia Ferro-CarrilEscrip-
torio, ra BarSo do Triumpho.
E
431Eduardo Martnez C\ -ReBna-
cSo, Praja do Conde d'Eu.
I>
261London Brazlun Back, Limi-
ted, ra do Coinmcrcio.
fe
457 Sociedade Recreativa Juventude
Pateo de S. Pedro.
V
314Valente & IrmaoRefinagio, ra
Marcih'o Das.
Z
459-Zeferno Valente & C*.Arma-
zem de ruolhados, Caes 22 de Novembro.
Recife, 3L de Agosto de 1886.
O gerente,
Carino Almeida.
Arsenal de Guerra
0 conseibo de compras recebe propostas no dia
14 do correte at as 11 horas da manila, para a
compra dos artigos seguint'-s :
48 saceos de orim para marmiloes.
5,660 pares de sapatos de couro de bezerro.
1,000 metros de algodozinho.
513,70 metros de algodo listrado.
24?,60 metrjs de fita branca, trancada, de 3
centmetros de lareura.
170,50 metros de brm branco liso.
2 amitos de panno de linho.
3 corporars de linbo fino.
2 toalhas para altar.
3 toalhas para lavatorio.
50 barretes de l aara doentes.
50 ditos de algodo para ditos.
10 ditos de linbo para ditos.
1 banheiro grande de folha. ,
2 bules grandes de f .Iba.
9 raigas de flanella
10 cobertas de chita
3 camisas de madapo ac.
20 fronhas de dito.
40 mantas de l cinztntas.
10 pares de meias de l.
1 bule de louca.
4 ourins de louca com tampoa.
12 copos de vidro para agua.
120 pares de chiaellos de couro.
4 Caldeiras de ferro para 2o pracns.
4. colch s de panno de liu'ro cheios de l.
10 travesseiros de dito dem dem.
50 pratos de folha, fundos e rasos.
2 jarras de barro eum torneiras.
20 talheres com cabos de sen.
Previne-se que nio se rao to nadas em censide-
racao as propostas que nao forem fetas na forma
do art. G4 do regulameuto de 19 de outubro de
1872, em duplicata, com referencia a um s arti-
go, mencionando o nome do proponente, a indica-
cao ds casa commercial, o preco de cada artigo,
o numero e marca das amostras, deciaraco ex-
pressa de sujeitar se a multa de 5 0/0, no caso de
recusar assigoar o contrato, bem como as de que
tratam os arta. 87 e 88 do regulamento citado.
Secretaria do arsenal de guerra de Pernambuco.
2 de Setembro de 1886.0 secretario,
Jos Francisco Ribeiro Machado.
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. inspector desta repart-
cao, faco publico que nos dias 14 e 15 do correnta
paga-se a classe de 1* entrancia de professores,
relativamente ao m-z de Julhu prozimo passado.
Pagadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 43 de Setembro de 1886.
O escrivio da despeta,
Silvino A. Rodrigues.
Santa Casa da Misericordia d*
Recife
Por esta secret ria sao chamados os parentes
ou protectores das menores constantes da rela^ao
infra, que vas ser recolhidas ao collegio das or-
phs.
Belaco das orphas abaixo inscriptas, que nesta
data vao ser admittidas no eollegio das orphas
1 Ricarda filha de Antonia Marcelina, de
Oliveira.
6 Maria, filha de Eugenia Maria de Oliveira
Lagos.
7 Leopoldina, dem dem dem.
8 Ouilbermina, sobrinh* de Prancelina Br-
gida Soares.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souaa.
THEATRO
DE
VARIEDADES
Qainta-feira 16 de Setembro
Ultima apparlcc do illuslonista
DE MGLIOM
Sant
a casa
armaxem,
Na secretarla da santa casa de misericordia do
Recife arrend im-se par espaca de um tres an-
nos, as casas abaixo declaradas :
Ra da Moeda n 45, por 20j mensaes.
dem idem n. 49, 204 idem.
Ra do Bom Jess n. 13, 2a andar, 201 idem.
Dita da Lingueta n. 14 1- andar, 16J660 idem.
dem idem 2 dito. 15f idem.
Ra do Burgos n. < l%{ idem.
Dita do Encantamento n. 11,1- andar, 20/000
idem.
Dita da Madre de Deus n. 10-A,
154, idem.
dem idem n. 12, 404 idem.
Ra da Guia n. 25, 164660 idem.
Dita da Senzalla-velha n. 132, 2- andar, 154
idem.
Dita da Detenco n. 3 (dentro do quadro) 104
idem.
dem idem, 85OOO dem.
Rna do Baro de S. Borja n. 3, 254 idem.
Dita do Visconde de Itaparica, n... J- andar
e soto, 354 idem.
Dita do Marques de Olinda n. 53, 2- andar,
404 idem.
Cae. da Alf.ndega n. i.
Grande funeco

Experiencias incomparaveis de alta
prestidigitaccLo
Pela 1> e ultima ves
A FADA MELUSINE
ouos
Pbantasmas
Ultima funcijo
Precos os do costume.
Frlciplarfta* Sea
tela em pont*.


(
Diario de PernambucoTerca-ieira 14 de Setembro de 1886
MARTIMOS
CilARfiEl RS REMS
Companhia Franceza de navega
fSo a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lia-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro
Santos
Ssamer Tillo io
E' esperado da Europa
ni dia 20 de Selembro, se-
guindo depoie da indispen-
'aavel demora para a Bav
hia. Rio Janeiro
'e Mani*.
Roga-ae aoe Srs. importadores de carga p 'los
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvarengj,
quer reclamacio concernente volumes, qu> po-
ventura tcnham seguido para os partos do sul.atiui
de se poderem dar a tempe aa providencias necee-
sarias. i
Expirado referido praso u companhia nio ac
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendaa e passageiro para
os quaes tem excellentes accomodacoes.
Augusto F. de Oiveira k i
AC5EMTE*
42 -RIJA DO COMMERHIQ -42
COaUMKHIA PBBNAH9UCANA
DE
NaTegaco Costeira oor Vapor
VIAGEM EXTRAORDINARIA
Mossor
0 vapor S. Francisco
.
BOYAL MAIL STEAM PACkET
C01PANY
0 paquete Mondego
esperade
do sol no dia 15 de
cerrente seguin lo
lepois da demora
nucessaria para
Vicente, Lisboa, Vlgo e Son
Ihamptou
Para passagens, fretes, etc., tract'
CONSIGNATARIOS
Leilao
- es
Adanisun Howic &
\j.
Da metade da casa terrea n. 15, a ra do Ca-
maro, cora 29 palmos de vSo e 48 de fundo, t
porta e 2 janellas na frente, 2 salas, 3 quartos,
cosinha e 1 quarto externo e quintal murado.
Duas quiutas partes da casa terrea n. 11, da
ra d) Carnario, com 28 palmos de vo e 49 de
fundo, 2 salas, 3 quartos, cosinha e 1 qnarto ex-
terno e quintal murado, pertencentes aos acervo
de Antonio Martina de Carvalh Azevedo.
guarda-louca envidracado, 1 apparador, 2 cadeiras
do balanco, 1 sof, 3 mesas, 2 consolos com mar-
more, 1 relogio de parede, 1 candieiro, 3 lampea
e 1 filtro.
Companhla Bahiaua le navega-
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
0 rapor Maraaez fe Gaitas
Commandante Nova
E' esperado dos ooriop ci-
ma at o dia 14 de Setembro
e regressar para os mes-
mos, depois da demora do eos -
turne.
Para caiga, passagens, encommendaa e dinbeiro
frete tracta-ee na agencia
7tiua do Vigario7
Domingos Alves Matheos
Agente Britto
O agente cima, mandado e na prsenos do
Illm. Eim. Sr. Dr. juis de direito e da provedoria,
vender em leilao as referidas partes das 2 casas.
Tcrca-ira, 14 do correte
i's 11 horas
No armazem ra de Pedro Affonso n. 43
de fazendas limpas o avariadas
Te c felra 14 da crrente
LEILOES
Segu no dia 14 de
Setembro, as 5 horas
da tarde. Recebe
:arga at o dia 13.
Encomiendas passagens e dinbeiros afrete at
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Pemambucana
n. 12
CO P.4XH1K 1 ES .VGNNAVE-
KIE* II \HITI.HK*
LINHA MENSAL
0 paquete Congo
Commandante Crou
E' esperado dos portos do
sul no dic 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
i do costume, para Bordeaux.
1 tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-so aos senbores passageiros de tudas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
JFaz-se abatimento de 15 /0 em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas so menos e que pa-
garem 4 passagens inteiras.
Por excepcao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam rambem d'este abat-
ment.
Os vales postaos s se dao at e dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendaa e dinheir j
a frete: tracta-se com o
AGENTE
Angoste Lab He
9-RA DO COMMERCIO-9
Terca-feira, 14, deve ter lugar o leilao de
difierentes fazendas limpas e avariadas, urna Jin-
da armacao enveruisada, mesas para fazendas,
cofre, bem como movis de casa de familia.
Quinta-feira (16) deve ter lugar o de livros,
terrenos com baixas de capim e casas em Api-
pucos.
Coniorme o annuncio na columna dos leiloes
no volta do vapor Giqui de Fernando de Noro-i
nha. deve ter lugar o leilao da barca italiana
Luizia V, tal qual se acba no lugar de sinistro,
bem como os salvados viudos d'alli no mesmo
vupor.
No armazem da ra do Mrquez de
Olinda n. 6
EM TEMPO
Vende a linda armacao envidracada e enver-
nia'da e meza para fazendas existentes no mesmo
armazem.
Aluga-se nao s o dito kimazem *nmo tambem
odo sobrado do ra do Marque je U.uida n. 6.
Leilao
Leilao
dos gneros existentes na taverna n. 115 F, no
povoado das Areias, Estrada do Giqui a Ja-
boato.
TEEgA-FEIRA, 14 DO CBRENTE
A's 11 horas
O agente Modesto Baptista, autorisado pelo Sr.
Manoei Menezes de Albuquerque, far leilao dos
gneros cima declarados.
No povoado das Areias n. 115 F
Da armacao, restos de miudezas e utensilios da
loja de miudezas ra do Mrquez do Herval
n. 57, antiga Joncordia.
Qaarta feira. 15 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENQU DO AGENTE
Gusmo___________
de 2 vaccas tourinas muito boas, e em seguida de
1 piano, movis, loucaa, jarros, copos e muitoa
o u tros artigos-
QUARTA-FEIRA 15 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
Na ra Estreita do Rosario n. 24
Agente Modesto Baptista
Porcellana. eryslaes e electro pate
Um apparelho duplo para jantar, 1 dito para
cha, 1 dito para almoco. guarnicoes para lavatorio,
copos, clices, compoteiras, garrafas, porta-quei-
jos, galh teiros, salvas, paliteiros, talheres e on-
tros objectos de electro-plato.
Prlmeir quario
Urna linda cama, cortinados, colx5es e. traves-
seiro, 1 guaria-roupa, l commoda. 1 mesa de
cama, 1 lavatorio. 2 cadeiras, 2 cabidee, 2 toilet-
tes, 1 commoda e tapetes.
Seguudo qnarto
Urna cama com co'xao, tmveaseiros e cortina-
dos, 1 uirsa, toilette, 2 cabides, 1 lavatorio, 2 ca
deiras, e 6 cadeiras.
Tercelro quarto
Duas camas com colxoes e travesseiroa, 2 me-
sas, 1 guarda roupa, 4 cadeiras, 1 cabide, 1 com-
moda, tapetes e 2 lampeoes.
Dispensa etc. cosinha
Flandrea, potes, formas para bjlos, treus de cosi-
nha e trena de jardim.
SEGUNDA-FEIRA, 20 DO CORRENTE
No Pogo da Panella, casa pouco odiante
da casa do Sr. Oeorge Catis
Ricardo Hall, tendo de fazer urna viagem com
sua familia, faz leilao por intervenco do agente
Pinto, dos movis, crystaes, espelhos. quadroa, vi
Iros, electro pate e mais objectos da casa de sua
residencia no Poco da panella, perto da estaco do
Chacn.
Todos os object s sao de apurado gosto e acham-
se em ptimo estado de conservacao, por ter sido
montada dita casa ha pouco tempo.
A's 10 horas e 15 minutos, partir um trem ex-
traordinario que dar passagem gratia aos concur-
rentes ao leilao parando em todas as estacoes at
Ponte de Ucha, e d'alli em diante ser expresso
at a Casa Forte.
AS
Os abaixo asaignados p.rticipaio ao publico e
com especialidade *ao commercio que nesta data
tem justo e contractado com os Srs. Qoncalves
Ferreira C. a venda de seu eatabelecimento de
molhados sito ra do Carnario u. 17, livre e
dessmbaracado de todo e qualquer debito ; porm
se alguem sejulgar com direito ao mesmo apre-
sente-se dentro do prazo do 3 dias a contar da da-
ta deste. Recife, 13 de Setembro de 1886.
_____________________Sonza Al ves & C.
Venda do hotel o hospedarla
-Estrella do Aorte, rna Tho
me de Sonza n. S
O proprietario deste hotel, tendo de retirar-se
para a Europa por incommodo de saude, vende-o
por prego commodo ou adnvt" um socio.
Tendea toce on HolTrelw do pello I
(*)
Usai o melhor remedio, que o PEIT01L
DE CAMBARA', e veris ajino vosao sofirime
desapparece. Vende-se na drogara dos nnicos
agentes e depositarios geraes na provincia, Fran-
cisco Man-n 1 da Silva & C, ra do Maraes de
Olinda n. 23.
Alna-se
a casa da ra de S. os n. 29 ; a tratar com o
Piuheire, ra Duque de Caxias n. 66, loja de
miadezas.
Leilao
Do
Leil
ao
11
Dampfschiffabrls-Gesellschal
O vapor Rosario
Esperase de HAMBURGO,
via LISBOA, at o dial 6 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
0 vapor Valparaizo
E' esperado dos portos do
sul ate o dia 18 de Setembro
depois da demora necessaria
seguir para
Lisboa e Ilambnrgo
Para carga, pasagens e encommendaa e dinhei-
ro a frete tracta-se com os
Consignatarios
Borstelmann & C.
RUADO VIGARION. S
1' andar
liued SUles & Brasil MailSAC.
O vapor Advance
' esperado do sul no dia
27 do cerrente, seguindo de-
pois da demora necessaria
para
Maranho, Para, Barbados, S.
Thomaz e \ew Vork
Para carga, passagens, e encommendaa tracta-
se com os
AGENTES
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 1 de Ou-
tubro o qnal seguir depois
da demora necessaria para a
De movis, iougas e vidros
TERQA-FEIRA 12 DO CORRENTE
A's lt horas
A' ra das Flores n. 3
O agente Silv.ira, devidamente autorisado, le-
var a leilao os seguintes movis :
Duas mobilias, sendo 1 de Jacaranda, e 1 de
pao ca ga, 1 guarda-roupa, 1 secretaria de jaca-
randa, 1 cama francesa, 1 marquezo, 1 meia com-
moda de amarello, 1 aparador, diversas machinas
de costura, 1 espelbo, cadeiras de gnarnico, mesa
elstica, l dita de 12 palmos para jantar, cabides,
loucas, jarros, copos, candieiros, clices, facas e
garios, trem de cozioha e mais movis patentes
u'j acto do leilao.
(EM CONTCNUAClO)
O mesmo agente levar a leilao 1 armacao pin-
tada de preto, sem reserva de preco.
Agente Burlamaqu
l: leilao definitivo
DE PREDIOS E TERRENOS
Terca felra 14 do corrente
A's 11 horas
No urmazem ra do Imperador n. 22
O agente cima por al vara e ussistencia do Sr.
Dr. juis da provedoria levar a leilao as duas ca-
sas terreas sob ns. 105 e 107 ra do Conde da
Ba-Vista, outr'ora Caminho Novo, pnrtencente ao
acervo de Antonio Martina de Carvalho Azevedo,
em continuaco vender m terreno na Capunga,
ra do Vtnrura, freguesia da Graca, com 6 me-
tros e 35 centmetros de trente, e cum mais 55 me-
t os e 60 centmetros de fundo, pertencente a Viu-
va Lages.
Os Srs. pretenden tes podem desde j exami
nar.
Agente Burlamaqu
Leilao
De movis, lotiza, vidros e espelhos
tluaria felra. 15 do eorrente
A'S 11 HORAS
No sobrado do pateo da Santa Cruz, que fas
esquina para a ra do Baro de S. Borja.
O agente cima autorisado per urna familia que
se retira para o sul do Imperio, levar a leilao 1
piano forte e bom, 1 mobilia de junco completa e
consolos com pedra, 1 meia mobilia de Jacaranda,
2 cadeiras de balanco, 1 espelbo oval, jarros, ta-
petes, 1 toilet com pedra e espelbo, candieiros
para gaz, cama para casal, 1 guarda-louca, 1 com- |
moda c guarda roupa, aparadores, mesa para jan- ;
tar, cadeira para crianca, 1 cama para crianca, ;
1 berco para crianca, 1 marquesao, lanternas, es- !
carradeiras, 1 banheiro, 1 urna du ferro, camas
de lona Dar criauca, compoteiras, garrafas para
vioho, garrafoes, passaros, papagaios, folhas de
zinco, grades de madeira, e outros muitoa mo-
vis corno verao no dia do leilao.
casco, mastros reaes mais perleras e
da barca italiana
tal qual se acha na ilha da Rata, 6 milhas
distante de Fernando de Noronha
O agente Pinto far leilao, por autorisacao do
Sr. consol de Italia, com licenca do Sr. inspector
da Alfandega e com assistencia de empregado da
mesma que para esse fim for nomeado, e por con-
ta e risco de quem pertencer, do casco, mastros
reaes e mais pertencas da barca italiana Luigia
V, tal qual se acha na ilha da Rata, onde naufra-
gara na sna ultima viagem de Cadix para Buenos-
Ayres.
Em continuado
vender-se-ha os botes, remos e cabrestante, sal-
vados da mesma barca, existentes na Alfandega,
bem como as velas, cabos e mais perteneas da
mesma barca, que devem vir pelo vapor Giqui
I da Companhia Pernambucana.
No dia 12, deve partir o vapor Giqui paraFer-
I nando de Noronha.
I Os pretendentes podem ir ou mandar examinar
dita barca.
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr Castro Jess, contundo mais de 12 annos
escrupulosa observacSo, reabre consultorio nes-
de cidade, ra do Bom Jess (antiga daCrus)
ta. 23, l.o andar. '
n Horas de consultas
Do dia : das 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8
_ as demais horas da noite ser encontrado no
sitio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por-
to esquerda, alm do portao de Dr. Cosme.
E a expresso da verdade
Sao boas e bonitas as casimijas, que nltimamen-
e receberam Pedrosa & C, assim como est na
direccao da ofBcina de sua alfaiataria um excellen -
to mestre; sua thesoura quasi infallivel os preces
das obras all fabiicadas^sao modificadisaimos, p is
sendo estas vanagens a principal e essencial con-
diecio para % base fundamental das regras econ-
micas reg ras estas que todo homem tem o deve-
observal-as. pois justo e rasoavel que todos oa
amigos e bens fregueses, vo munir-se das rou-
pas que precisarem a ra do Baro da Victoria n.
41 prepara-se um temo de roupa em 24 horas.
E' o quo faltava ver, podendo-ae comprar um
terno de casemira fina a escolher, obra muito bem
feita, que nada deixa desejar, por 60/, 65j, 70/
80, na casa de Pedrosa & C. a ra do Bario da
Victoria n- 41 para ir-se cm outra parte pagar
eme cento c tantos mil ris, ato nunca.
Elixir carminativo e tnico do
pharmaceutico Ve ns
Remedio que cura dyspepsias, gastralgias e
das as perturbacoes ligadas desarranjos de i
tomago e intestinos. Aconselhado por varios cli
nicos dos mais conceituados desta cidade, acha-se
venda exclusivamente na pharmacia americana
de A. M. eras & C, ra Duque de Caxias nu-
me* 57.
Caixeiros
Leilao
Agente Sil v eir
Leilao
t|nai'ta-felra. 15 do corrente
A's 11 horas
A* ra estreita do Rosario n. 24
O agente Silveira, por mandado e com asisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juis de orpaos, levar leilao
o engenho Penedo de Baixo, freguesia de S. Lou-
renco da Matta, comarca do R-cife, espolio de D.
Anua Mara da Rocha Pal cao, sendo o engenho
edificado margem do Capibarib?, moente, com
bom cercado de pastsgem e excellentes mattas.
Os Srs. pretendente podem examinar o referido
engenho.
Da refinacao sita ra do Visconde de Govan-
na n. 217, (Manguinho) pertencente a massa fal
lida de Manoei Carpenteiro Se. Souza.
Constando de caldeiras grandes de cobre, ditas
menores, batneos grandes com pesos, carteira,
mocbo, bancas, I filtro de cobre, 1 fogo com 8
boceas para cosinhar assuer, barricas vazias,
saceos de panno, ditos de papel, corredores, ras-
pas, bancos para bater sssucar, carvo cook e ani-
mal, caixes para depsitos, urna porcao de taboas
para depsitos de assucar, encanamento e bicos de
gaz.
Terca felra. 14 de Setembro
A's 11 horas
0 agente Gusmo
Autorisado por mandado da Exm. Sr. juiz de
direito i:o commercio, a requerimento do Dr. cu-
rador fiscal da massa fallida de Manoei Carpentei-
ro te. Souza. far leilao com assistencia do mesmo
juiz dos objectos cima msdcionados pertencentes
a referida masaa.
Leilao
Baha
e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommend:is e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
N. 8
Henry Forster & C.
RUADO COMMERCIO N. -8.
! andar
Companhla Brasllelra de \ave
cacao a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Bahia
Commandante Silverio Antonio da Silva
E' esperado dos portos do sui
at o dia 16 de Setembro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portrs
| do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendu valeres
racta-se na agencia
11Ruado Commercio-11
Para o Porto sor Lista
Segu com brevidnde para os portos cima a
barca portuguesa Altianfa : para o resto da carga
e passageiros, trata se com os consignatarios Jos
da Silva Loro & Filho.
de movis, e um fugao novo
A. SABER
Urna linda mobilia de Jacaranda Luis XV
com 1 sof, 1 jardineira, 2 c.uslos com pedra, 4
cadeiras de bracos e 12 de guarnic&o, 1 piano, e
cadeira.
Urna mobilia de junco, preto, 1 piano, 2 cadeiras
de balanco, 4 quadros, candieiros a gaz carbnico,
jarros para flores.
Urna mobilia de Jacaranda massissa, 2 commodas,
1 lavatorio, 1 toillet, 1 guarda roupa, 2 cabides,
jarros para flores. 1 relogio de parede.
Urna meza elstica com 6 taboas, 1 guarda
louca envidracado, 2 aparadores, l relogio, 12
c deiras, copos para agua, talheres, colherea,
mezas, cadeiras e muitoa outros movis de casa
de familia.
TERgA FEIRA 14 DE SETEMBRO
Agente Pinto
No sobrado da rna do Mrquez de Olinda
n. 6
Grande leilao
De importantes movis e objectos antigos
e notaveis, alguns at de mais de
annos
CONSTANDO :
De grandes colleccoes de conchas e muluscos,
mesas, cadeiras, sofs, commodas e urna infinids-
de de objectos apreciaveis pertencentes ao grande
museu do Illm. Sr. Antonio Alafra.
Quinta feir, 16 do corrente
A's lo i| horas
No sobrado n. 13 sito ra de S. Jorge,
em Fura de Portas
O agente Gusmo, autorisado pelo Illm. Sr. An-
tonio Mafra, far leilao do seu grande e impor-
tante museu de movis e objectos notaveis e de
grande antiguidade, cujo leilao ser etfeciaado no
sobrado cima mencionado.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8(X>0 no becco dos Coe-
| Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
I Imperatris n. 56.
Aluga-se quatro casas na rna Imperial ns.
102, 104, 132 e 136, caiadas e pintadas, com com-
modos para familia, e presos razoavel : a tratar no
Recife, caes do Apollo n. 45, en na mesma rna
n. 130, at as 9 horas ou das 4 em diante.
Precisa se de urna ama para cosinhar ; a
'.ratar no sitio do Dr. Vslenca, na estaco da Ja.
queira.
A luga-se o sobrado de um andar u suto
com muitos commodos e bem preparado, na ra
dos Guararapes n. 48 : a tratar na ra do Impe-
rador n. 16, 1 andar.
Urna senhora de boa moral tem para alugar
em sua casa um quarto, porm que seja algnma
senhora idosa e de boa co ducta. A mesma se
nhor* offerece sa para tomar sob sna responsabi-
lidade a educacao de algumas meninas que esto-
jara no caso de havererc pe, ' spolio de D. tem as precisas qualidades par ., uesempenhar
esse magisterio : tratase na ra do Mrquez do
Herval, casa n. 182.
COSINHEIRA^No hoterda"rua_Marz a
Barros n. 7. se precisa de urna perita cosinheira.
Precisa-se de urna ama para casa do pouca
familia : na ra de Maicillo Dias n. 25, segundo
andar.
Precisa-se de dous pequeos de 14 a 16 annos
de idade, sendo um para molhados e outro para
padaria : a tratar com Gomes & Pereira, tra-
vesea da Madre de Deus n. 14.
\(i commercio
Francisco Joaquim Gomes da Silva, convida a
todos os 8cus credores, a apresentarem suas con-
tas para serem conferidas e pagas ; ra do Im-
perador n-----, escriptorio do Sr. Dr. Manoei Por-
tolla Jnior.
Recife, 10 de Setembro de 1886.
Francisco Joaquim Gomes da Silva.
Aluga-se o 2- andar da ra da Penba n. 29
200 6 a casa terrea da rna Vidal de Negreiros n. 140 :
a tr< tar com o Piubeiro, rna Duque de Caxias
n. 66, loja de miudezas.
Vende-se a casa terrea n 18 ra das
Nymphas na Boa-Vista, com 2 salas, 4 quartos,
cosinha fura e urna puchada para acabar, tem
quintal murado e com arvoredos de fructo : a
tratar na uiesma.
Precisa-se da quantia de 8:OO0JOO0, a juros
sobre bypotheca em predios : quem quizer fazer
este negocio, deixe carta fechada nesta typogra-
pbia com as iniciaes D. I. S dizendo aonde pode
ser procurado e o menor preco do juro.
Precisa-se de nma ama para engemmar
ra do Rangel n. 67.
Leilao
de
de terrenos com baixas de capim, olaria, casas
pedra e ca) em pipucos
e nma parte na proprredade em
commum pipucos no valor de 1:918608,
A saber ;
Um grande terreno no Zongue com plantas de
capim propria para o invern, eom olaria parte
nova e parte detereorada e urna meia agua de
pedra e cal contigua mesma olaria,
Um outro terreno denominado liba, com planta
de capim propria para o invern, que outr'ora fa-
zia parte do terreno cima;
Anda um ontro dito com planta de capim pro-
pria para o verao, conheoido por baixa do Moc.
Urna casa de tijolo e cal, n, 21, na estrada de
pipucos para Caxang, com um outro terreno,
em o qual um grande alicerce para urna oa duas
casas.
Urna parte na pmpritdade em commum Apil-
eos, no valor de 1:918*608.
Iiiiii i a reir 16 de Setembro
A's 11 horas
Leilao
De fazendas, miudezas, molhados e louca,
no armazem da ra de Pedro Affonso
n. 43
Brito
Agenti
Vendr mais urna serafina, 1 cofre, urna secre
aria, 2 guardas -louca, 1 balco de volts, 1 regis-
tro para gaz, urna grade de ferro, duas commodas,
urna mesa elstica, urna dita grande, nma dita me-
nor, 12 cadeiras de braco, 6 ditas de amarello, 6
ditas de junco, duas ditas de balanco, 9 lavatorios
com pedra, 1 sof preto, duas carteiras, 6 duzias
de prato8 de porcelana, copos, jarros, candieiro,
quadros, urna mesa com urna estante, urna estante
grande, 2 espelhos pequeos, 1 dito grande, duas
camas para crianca, 2 marquezes, 1 berco e ou-
tros obejectos.
'lercafeira 14 do corrente
A's 10 Ii2 horas
E
m
Ag-ente Pinto
seu escripterio ra do Bom Jess
n.
ra
43
Aluga-se um bom sitio na Magdalena, rna
Carlos Gomes, tendo boa casa com accommoda-
ccs para grande familia, tem cosinha fra e
quartos para diados e cocheira ; quem preten-
der pode dirigir-se ra da Imperatris, loja do
Cysne. __________________________________
Na ra do Riachuello n. 14, engomma>se e
lava se roupa de homem e de senhora, com perfei-
co : quem quizer dirija se dita casa, que ficar
satiafeito.
Foi perdido ou furtado o bilhete da lotera
da provincia do n. 2803, qne deve correr no dia
16, roga-se ao Illm. Sr. thesoureiro nao o pague,
caso seja premiado, seuo ao abaixo assignado.
Victorino Gong ilves Dias.
Este remedio precioso tem gozado da nccelta-
Cao publica durante cincoenta e sete annos. corte
e$ando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forlo to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo.
offerece a melhor prova da sua effkaci ina.-a\ 1-
hosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem deiado
em caso algum de extirpar os vermes, quer en
cranlas quer em aduligs. que se acharo aflic-
tos destes kmigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaces de mdicos em favor da sua cfficacia
admiravel. A causa do successo obtido por estr
remedio, tem apparecido varias falsificaces. de
sorte que deve o comprador ter muito cu'dado,
examinando o nome inteiro, i:ue devia ser
yerffli|[CieB.FAH.NESTBCt
Ama
Precisa se de urna ama para
prar ; na ra do AragSo n. 14.
cssinhar c com-
Alug
a-se
a casa n. 18 da ra 7 de Setembro n. 18
no caes do Apollo n. 47.
a tratar
Aluga-se
Leilao
D3 livros, entre os quaes diflFerentea obras de
direito e literatura
tilinta feira IA do corrente
A's 11 horas e meia
Agente Pinto
Ra do Bom Jess n. 43
l eilo
De bons movis, finos crystaes, objectos de
electro pinte, lindos quadros, vasos para
flores e espelhos.
A saber:
Um piano, nma mobilia de fantasa com 1 sof,
2 consolos, 2 cudeiras de bracos e 12 de gnarnico,
2 cadeiras de batneos, 1 mesa oval, 1 porta-flo-
res, 1 lindo espelbo, oval, 2 ettagers, 6 laucas e
cortinados, 1 candieiro gas com 2 bicos, 1 es-
tante para msica, chrochets, tapete forro de sala,
enfeitee de mesa, 5 tapetes de coco e 1 estante
para msica.
aklnete
Urna estante para livros, 1 carteira, secretaria,
porta-chapeos de sol, cadeiras de balanco, 1
mesa redonda, 2 mesas de trabalho, 1 candieiro
luz-dupla, tapetes e capachos, i mesa para jogo e
6 cadeiras, e 1 estante para livros.
Sala de Jantar
Urna mesa elstica, 16 cadeiras de gnarnico, 1
o segundo a:.dar da praca do Conde d'Eu n. 2,
com grandes commodos para familia, as chaves ns
andar terreo.
Milita atteiifao
Aluga-se ou veude-se urna boa casa toda caiada
e pintada, com nm agradavel shiosinho arborisa-
do, no lugar du Espinheiro, arrabalde escolhido
para a saude ; tratase na ra do Baro da Vic-
toria n. 14, collegio de Santa Luzia.
(osiuheira
Precisa-se de nma cosinheira que seja perita e
durma em casa do patro ; na rna do Riachuello
n. 57, portao de ferro.
Aviso
O abaixo assignado participa qne mudou o seu
escriptorio de agenciar cargas para suas embar-
cacoes, para a rna do Tuyuti n. 12, outr'ora da
Lapa. Recife, 18 de Setembro de 1886.
Bartholomeu Loureoco.
Ao commercio
Os abaixo asaignados participam ao publico e
com especialidade ao commercio que nesta data
tem justo e contractado com os Srs. Sonsa Al ves
& C. a compra do estabelecimento de molhados
sito rna do Camaro n. 17, livre e desembaraca-
do de todo e qualqner onns ; se alguem se julgar
credor aprsente -se dentro do prazo de 3 dias.
Recife, 1 > de Setembro de 1886.
Goncalves Ferreira & C.
A' Florida
Rna Duque de Caxias n 103
Chama-se a attenco das Exmas. familias para
os pri eos seguintes :
Lnvss de seda preta a 1#500 o par.
Ciatos a 1*500.
Punhos e collariuhos de cores para homem a
1*000.
dem para senhora a 1*500.
Grampos invisveis a 60 rs. o masso.
Luvas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Suspensorios p ra menino a 500 rs.
dem americanos par homem a 3*.
Meias de Escossia para crianca a 240 rs. o par.
Leques d". papel com corrente al*.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Lencos iti eseuiao a 1*500 a duvia.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Rimes de flores finas a 1*500.
Luvas de Escossia para menina, liis e borda-
das, a800e 1* o par.
Por la-ret ati, a 500 rs 1*, 1*500 e 2*.
Feotes de nikel a 600 rs., 700 e 80 rs. um.
Rosetas de brilhantes ehimicos a 200 rs. o par.
Guarnicoes de dem idem a 500 rs.
Anquinhas de 1*50, 2*, 2*500 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 ordene a 400, 500 e 600 rs.
Bices de corea com 12 jardas e 2 1/2 dedos de
largura a 3* a peca.
dem cem 4 dedos a 4*500 a peca.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
dem La Figorine a 5*000.
Bicos de alencon com 4 e 5 dedos de largara a
2*500 a peca.
dem estreitinhos com 10 metros a 800 e 1*000
a peca.
Botoes de phantasia a 200 rs. a duzia.
Para toilet
Sabo de areia a 320 rs. um.
dem phenicado a 500 rs. um.
dem alcatro a 500 rs.
dem de amendoa a 300 rs.
dem dealface a 1*000.
Agua celeste a 2*000.
Agua divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Mac .eos de seda a 100 rs.
Meias brancas para senhora a 3* a dniia.
BARBOSA & SANTOS
Regulador da Mari-
nha
Este importante eatabelecimento de re-
lojoaria, fundado em 1869, est funecio-
nando agora ra Larga do Rosario n. 9.
O seu proprietario encarregado da Re-
gularaentacao dos relogios: Arsenal de Ma-
rinha, Estrada de Ferro de Liraoeiro, Com-
panhia Ferro Carril de Pernambuco, As-
80ciac2o Commercial Beneficente, Estra-
da de Ferro do Recife a Caxang, Estra-
da de Ferro do Recife a Olinda e Beberibe
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelligentes e habis auxiliares, fazcon-
certos por mais difficeis que sejam, nSo
s em relogios de algibeira, mas de pndu-
la, torre de igreja, caixas de msica, ap-
parelhos elctricos e telegraphicos.
O mesmo acaba de receber variado sor-
timento de relogios americanos que ven-
de de 7)$ a 20$ de parede e de mesa, des-
pertadores de nikel.
Aos seus collegas vende fornecimeto em
grosso e a retalho : e aceita encommendas
para seu corresponden^ em Paris.
Acha-se bem monUcL neste estabeleci-
mento um observatorio pelo qual regula to-
dos os relogios ciaritimos e u-restres.
Recebe asssignaturas para dar a hora cer-
ta desta riifaifa pelo Mppbone n. 458.
Preco commodo
Em frente Ua seu eatabelecimento se
acha collocado um relogio, cujos mostrado-
res poderlo ser vistos pelos passageiros da
Ferro Carril, T-ndo sempre a hora media
desta i-idad- u-t'rrninada pelas s uas ob-
SvrvacoVfl ..-u-nr,. o.
Antonio Jo. da Costa Araujo.
Cofres de ferro
Vende-se dous, pro ya
de fog-o, novos, que
vieram de en'oramen-
da, por preo barato,
Ra do Baro da Vic-
toria n. 48.
OEROCQUE
DEROCQUE
15, Rip, de Poitoo, 15
PA RIS
OLEO
Xatural
Ferruginoso e Creosotado
ais priasiBUS Ftiratriu
Dr. Graclliano de Panla Baptista
Os acadmicos, amigos do Ilustre Dr. Gracilia-
no de Paula Baptisti, maudam suffragar a sua
alma boje s 8 horas da manba, na igreja do con-
vento do Carino, e pedem o comparecimento de
todos os collegas, amigos e parentes do finado
nesto acto religioso, pelo que desde j se confes-
sam eternamente agradecidos. Recite, 14 de S -
tembro de 1886.
A commisso encampaii,
Joaquim Teixcira Peixcto.
Antonio A. de H. Costa.
Cassiano Lopes.
Carneiro Ja Rocha.
Faiins Rocha.
Manaes Lenrenco da Silva
tobrintio
Leonor Correia Lima da Silva, Jos Vctor Loa-
renco da Silva, Maria Correia Lima, Francisco
Xavier Correia Lima, Getulio Xavier Correia
Lima, Jos Xavier Correia Lima, Mana Olindensi
Correia Lima, Theonilla Correia Lima de Sa
LeitSn, mulher, filho, sogra, cunbados e cuchadas
do finado Manoei Lourenco da Silva Sobrindo,
feridos do mais doloroso sentitnento. mandam ro-
sar missas por alma do m ismo finado, na igreja de
N. S. do Terco, quarta-feira 15 do corrente, stimo
dia do sen passamento, pelas 8 1/2 horas da ma-
nh2 ; e para este acto de religiao e candad- coa-
vidam aos parentes e amigos do finado, confes-
1 sando-se desde j eternamente gratos.
gri

Mal
wm



c PeriwirtiM-wTcrfa-leira 14 de Setembro de 1886
s
X

O

S?/

tf

k



olematigo
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
i
o
y
/

/ c

pe
itoralD:Cerej
de Ayer ,,q
S Cberry Pectoral)
Paja a ca* re CtttsTaWfta.
Plma
: (HatCU toa KmijCnv
MARTINS* BASTOS
Pernambuco
NUMERO TELEPHONICO : N* 33
Agua florida. Extrahida de flores bra-
sileras pelo seu delicado perfume, suavida-
de e suqs propriedades benficas, excede
prep:.i
bel
Alujase
i predio n. 140 ra Imperial, proprio para cs-
abelecimento fabril : a 'ratar na ra do Commer-
io n. 34, com J. I- de Medeiros Rpgo-__________
Aluga-se barato
Ra Visconde de Geyanna N. 79
Ra do Calabouco N 4. lija
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
Boa da Baiza Verde n. 5.
Casa terrea da travesea de S. Jos n. 23.
Trata-se na ra do CommTcio n. 5, 1 andar
criptorio de Silva Guimaraes & C.
Aluga-se
casa n 1 ra L( mbranca do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na thh da Imperatriz
a. 32, 1. andar._______________________
Aluga-se
as casas da ra do Viscond- de Goyanna ns. 159
e 167, com agua e gaz : a tratar no largo do Cor-
po Santo n. 19, esc iptorio._________________
A luga-
i-se
a sala de detraz do 1 andar ra Primeiro de
Marco n. 18, muito propri para escriptono
qualquer natureza
predio._______
a tratar na loja de
de
mesmo
Aluga-se
de e suss propr
a tudo que oeste genero tem apparesido de
ir.ais celebre.
Tnico americano. E' n primeira das
ra$3es para a unservscao dos ca-
llos. Extingue as csspas e outras mo-
lestias cepillares, faz nascer os cabellos,
iropede que embrarquegam e tem agrande
vantygem de tornar livres e habitantes as
cabecas dos que es usam.
01*0 vegetal- Compcsto com vegetal
innocente, preparado para sm aciar, f
tificar e (lar brio aos cbdlos.
Agua dentifricia. Exc lente remedio
contra a carie dos dentes, fortifica as gen-
gives e faz disfipprrcer o si o balito.
Vende-se as principaes casas de-ata ci-
dade c na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 161.
TFLEPROXE N 33
THESORARIA
DAS
Acha-se venda a Ia parte da Ia lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recifcquescextrahirquinta-feira, 16 do cor-
rente pelo seguirte
FARINHa LALTEA
24,000 bh.i's a 6d000
Beneficio, sello e i n
s2o......
^ t mn
y--4:0(JO000
69:060,5000
314:9400000
Premio do.
Dito re .
Dito de .
Dito He .
Ditos de 2:000,5000
1
1
1
1
7
10 Ditos de 1:000)9000 .
16 Ditos do 5 99 Dit^s de 2O050O0 para
a centona em que sabir
o primeiro premio
99 Ditos de 100^000 para
a centena em que sa-
bir o segundo premio
a i.ent< na en. que sabir
o toU*hrO premio
Approsim a < 3 e 8 de
2:000$000 para o pri-
meiro premio
Ditas do l:COO.;.OO0
para o segundo premio
Ditos de G.'05000 para
o terceiro premio .
4:00; 000 2,400 premios de 20,5000
14:000,5000 para todos os algaris-
10:000i5000 rnos finis do primeiro
8:000,5000 premio ....
2,400 Premios de 290000
para todos os algaris-
19:900^000; mos finaos do segundo
premio.....
Oleo de nioeo
Superior e sem faleificHcao vende Lu!z Jos da
Silva Gairr.araet, a ra do Coir.rnercio n. 5.
100:000,5000
: 10:0005000
10:000*000
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cer e crescer o cabello ainda
aos mnis calvos, cura a
tinha e a caspa e reciove
todas as impurezas do cas-
co da cabera. Positiva-
mente impede o cabello
de cahirou de embranquo-
cer, e infallivelmente o
torna e-spesso, macio, lus-
troso e abundante.
5:940#000
. 4:000*000
2:00030 0
1:300*000
48:000*000
48:000*000
314:910 000
99 Ditos de 60*000 para
Caso a terminagao do segundo premio seja igual a do primeiro passar no nu-
mero immediatamente superi r
Esta lotera divide se em 20 partes e os bilhetes em vigsimos de 800 ris
cada um,
Os premios raaiores de 200*000 em cada parte. estSo suj'itos ao imposto pro-
vincial de 15 Y e 5r0 addicionnl sobre o referido imposto.
PELA MACHINA FIGHET
MARCA1REGIS1 RADA
1S UUOS DE SUCCSS30
21 ree mpensas, da quaes 8 diplomas de honra
e 8 mednlbas do oaro.
Certificados numerosos das -irimeiras autorida-
des medicas.
Alimento completo para orlanci-
rhaii'de pello
Supre a infufficiencia do leite materno, facilita
desamamentaco e a digesrao fcil.
Empreg.'i-se tamben. vaOtnjossuUntfl para adcl-
tos como alimento para estmagos debilitadi s
NICO_ DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
pa;;\ todo o urramo
31 CRU iO-31 C
9:900*000 5,140
EXTRAt.QAO
Tbenouraria das loterifs,
7 de Setembro do 18815.
Augusto Octaviarlo de Souza,
Thesourelro-
wm
a casa terrea da rui Visco ide de Albuquerque n.
170, caiada e pintada de novo ; a tratar no largo
do Corpe Santo n. 4, 1 andar.________________
Aluga-se muito barato
Exci lente inorada
A casa grande a ra de S. Jorge n. 2G, i o Re-
cite, com 5 quartos, quinUl e porlo.
O SITIO e casa para familia, travesea do
Motocolomb n. 4, em Afogados, cm omitas truc
teiras e banho salgado, perto dos bonds para o
Recife e da estrada de ferro ; trata-se na ra de
Santa Thereza n 38. __________________
Ama
Precisa-se de um< ama que lave, engomme,
cosinhe, e que faca todo servico de urna casa de
familia de duas pe-isoas, quer se sem filho e que
durma na casa onde se empregar, e que d co-
nhecimento de suas boas quididades : na ra do
Rangel i 53, loja.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1888. E'o nico perfume no mun-
do que tem a approvacio official de
um Governo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquer outra
eluraodobrodotempo. E'muito
innis rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
nuda permanente e agradavel no
len(;o. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doenf e E' especifico contra a
frouxidao e debi'.i-".'.:".. jura as
dores do cabeca, os cansacos e os
desmaios.
Xarope ie Viia Je Benter Eo. i
SEM CHETB0 NEM GOSTO DOS LEOS ORDINARIOS
OLEO
DE TERRA-NOVA
I de FIGADOS Frsacos
kBACALMAUk
UooCiaOti cerU contra a Molestias de "elto, a Ti3ioa.
Bronquitis, PrisSes de Veatr, Toases chronicas, Allecpdes escrofulosas.
ADVER ii'.SCEA. Exiga-se no rotulo o sello-Azul do Estado rancez.i
HOGG. Pharmaceutico, 2, ra Castialione, FARI.Z, e principaes Pnarmacf
NVRALGTAS
Pelos UGlBhS lh
GPPRHSSA
tos se
UTAUBO-DErLIXI
spira-se a f^niaca que penetra no pello acalma o aymptoma nervoso, faculta
9 expectoraa e favorisa as funecoes dos orgas respiratorios.
Toada vm >* es* eM 4 J EMPtCl. ta, ru H'-lainre, em Parta
f^_____, Dtgwtarua em JP^rnamtb-co :_PM4S tt *m n'LYA Jb iC"S_____
mk WLM
::,
Na praca do Conde d'En n. 7, segundo anda
;recisa-se de urna cosinbeira para casa de f*
milia.
Ama
Precisase de urna ana que saiba coainhar e
avar : na praoa de C nd- d'Eu u. 10, taverna.
Ama deleite
Prec sa se de urna ama que tenba bom e abun-
dante leite ; na ra da Aurora n. 17.
Ama de leite
Precisa-ee de urna ama de leite com urgencia,
Eara Oliuda. no Varad.mro : a tratar em casa do
ir. Democrito Cavalcantc
FUNDA-HERNIARIA ELECTRO-MEDICAL
INVENCAO COM PRIVILEGIO POR IS AMNOS
Dos Ibjus MARIE, mdicos inventores para curar radicalmente as Hernia, mais ou menos carac-
tamado*. Ate agora as fondas-beroiaria teem sido apenas um simples meio para conter as hernias. Os
buo* MARTE, recolvero o problema de conter e corar por meio da Funda-herniaria electro-medical
rae eontrabe os ervos, fortinca-os sem abalo nem dores c parante a cura radici) em pouco tempo.
*4 PARS, 6, ra db l'Arbrb-Shc. Deposito em Pernambuco : A^CAORg^j
ASTIS DK TJSAIi-O. DaTOIS DE TTSAL-O.
Cura positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec95es, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
encasdoSangue^Figado, e Rins. Garante se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e renova o systema inteiro.
Sabao Curativo de Reuter
Serrara a vapor
Caes do Capibarlbe o. t*J
N'esta sermria encontraro os s< nhores fregue-
ses, um grande snrtionento de pir-h-i do resina de
cinco a des metros de comprimento e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garante se preco mais como-
do do que em oatra qualquer parte.
Francisco dor Santos Macedo.
PIAHO DE RIGl"
de 3X9, 4X9 e 3X'2 ; vende-se na serrara a va-
por de Ciimaco da Silva, caes Vinte Dous de No-
rembro p. 6.
Assucar especia-
Joaquim S:-.lgueiral & C propietarios da mais
bem montada refivacan dista cidade, scienticam
ao publico i m geral e espe ..luiente ao commer
co. que tem sempri' um completo srtimento de
aseucares, tanto eti Canico d mo refinndos, de 1*,
2 e 3" sorte, e especial refina io com ovo, o me
lhor qu.' se enoootra no mercado, e i odem de
prompto satisfnier qualquer p> dldo que Ibes seje
feito, pois pra i^s ore um graude depo-
sito. Garaotenn a boa ei uvao e limpeza de seu*
productos. Til- phnne ii. -14;")
Koa UireUa n. 99
4os 100:00080(10
Bu MES SAMNTlDtiS
.6-Eua do Cabug-16
O abaixo assirna'lo tem exposto Ten-
la os seus veoturueos bilh< tes gari idos
\i* lotera do novo plano.
Prefos
i Vigsimo ltfOOO
!.ido qnantidade *ii|erlr
lo :<0
A dazena 9^000
Joaquim Pira da ilva'
Para o Banho, Toilette, Crian-
?ias e para a cura das moles-
tas da pe le de todas as especias
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa d
Fan< seo Manoel da Silvn & C
Cal 1 irgem de Jaj>uaribe
A1 n se ra do Bom Jess n. 23,
um arre zeru onde se vnde e.onstantemen-
te a Bi.f' rior cal virgeni de Jaguaribe,
aeondi Dada em barri.-as proprias para o
f.bri- o 1 assu'/ar.
Est .1, etn riflda inferi"r que nos
v.in d ti: ng'-iro, vendida p^lo pre^o
fixo 0 a b nica pr contracto que
f z 1 Si Vicente Nnscimeiito com o Sr.
Jos l treira BMpstari do engenho
Jaguar be, cajas pidr'irs Ihe c o ora"
r. eDt'KiTeflrado 'a ven a nicamente
nesta 1 fde o Sr Sebstiao Bezerra,
asa i 1- iptrio rtta d.> Bmn Jess n.
23.
h\m\h k (1.
I Wtit* i
Tem
Liivhii ce pelex. p -'U- (h <". eainurca, seda fio
d'ecoea e esM n ira.
Ag'* f! rida Tsioofc n
r< b im diverso e eiirn v iii K'uter.
Cn br; im lisiis, bordaiias -ai.. ;t>.s.
( aniir-h- e ceroulas d fln" li satetti de 13.
Cauri-- ."m ollariaboe e eesi 1 uaboa /c c/p
c/c c/p.
(olLiu.h s punas, me- .-, y iiuiik, mantas,
gruVMtHr 1. luco.
laAtc**! espartilhos, 1 em csmbrsia,
reetidV e il cambraia b- rdad e, li l\:nt. tapetes, fi-
xj. d i< de 13, cacae e ensacas de
eSaetnirn ^rejadine ile m da n tod< ^ 11. seda.
Alpacas de eeda a 6(>0 re o covado.
16,600 RECOMPENSA NACIONAL 16,600
ELIXIR V
A Quina-Laroche conten todos os
principios da quina, tem um posto muito
agradavel, e superior aos outros vinhos
e xaropes de quina; contra o descai-
mento das forras e da energa, as affeccocs
do estomago, as febres inveteradas, etc.
2
FERRUGINOSO
O MESMQ
El IXIR
a feliz combinaco de um sal de ferro
com a quina. E' recommendado contra
a pobreza do sangue a chloro-anemia, as
onsequencias do parto, etc.
Pan"*, 22, ru* Drouot, e as principies Pharmacia do Mundo.
1XEDALHA DE HONRA
0 9LE0 iHEVEa
\-i eeb.olectado pc'c Alcalro.
tnico otliam co, o Qua muito
.wgmt im.
0 OLEO de FIGADO
K ttOtUO FERRUGINOSO
C on.'ca prtp,ritfo oi/e permita
tdmmittrMr i Ferro tem oro-
Ounr Prisflo de Veotra, nem
faoomraodo.
>IP03IT0 pr Tita
V, m 4* FiiB'-Iatairtic, 11
DIPLOMA DE BORCi
*^^4y*^tioo de V
* -Kfal Orim i' l**
HCKITADO POE TODAS 48
CelotoidaaosKeflIcs--8
CA.rRAKC*KASlt0rA
naa
MO'.ESTIRS DO PEITO,
AFFECgflES ESCR0FUL0SS !
CHL0RO3IS,
INEMIA, DEBILIDADE,
TSICA PULMONAR,
^JT^- SRONCHITES, RACHITISMO
Vinho de Coca
DEPSITOS BM TOOAS AS PRINCIPAES PHARMACIAS DO BRAZIL.
eniorose, Anemia Catnarro pulmonar, Bronchtte ehromea,
Catharro da Bexiga, Phtislca, Tosse convulsa, Dyspepsia, Paliaz,
Pardas seminaes, Catharros antlgos e complicados, etc.
Boulevard Senain, 7, em "ir, e naa principaes Pharmaciae.
GOTTA, E.HEUMATISMO, DORES
Solugo do Doutor Clin
o
Laureado da Facilidad* de Medicina de Pars. Premio Montyon.
----------
A Verdadeira SolucSo CLIN ao Salicylato de Sctia empfega-8e i ara curar:
As Affec56es Rheumatismaes agudas e chronicas, o Rheumatismo gottoso,
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessarlo calmar os
soTrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira SolucSo CLIN o melhor remedio contra o Rhenmatismo,
a Ootta e as Dores.
4123 /m explioacio detalhada aoompanha cada frasco.
Exigir a Verdadeira SolucSo de CLIN & Cie, de PARS, que se enoontra em
casa dos Droguistas e Phartnaceuticos. t
O
aos Consummidores
PERFUMARA oriza
PARS 207, Ra Saint-Honore, 207 PARS
tovfin sen huocchso e favor publico :
1 cDlado escrupuloso conuce { a A na qsllia tolterawl
to labric tas. > < mavidade do ti perlnme.
MAS E IWITi OS PRODUCTOS DI PiRFUMAKJA ORIZA
or. attiniilr ao leu gnu de deticadcia e perleifio. ^^
A arparencia exterior drstas imttares sendo l ( #Jp Ba
tlt iros VrotluetoH Orna, O ci,,isu,rinn^ ores deveraO se JMJT 2
vrecacer contra este commercio itltci-> e cc'isiderarcomo <_"jr
. contra/acedo quilquer producto de quaHdaie inferior >JL>
B> vendido por casas pouco honradas. ^v
SAVON ORIZA -VELOUTE
Seme] do Catalosro lllnatr do & pe-'.l-'o tranqneado.
I : plaas
0,000 Do**.
V ernimtt **
D artbos, Chavos
Virus, Ulceras
PSLO
DEPR1TV0 GHABLE.
Ib teas M Paunaciai s BMttna
On te enenatra gratit a
lotiela Caaaft.
36
r/ri/e Viviste
CHABLE
pAR/S
,s>o
.000 roe
% nradoi I
Gonorurei, Flores brancas,
PERDAS SEmiNAES,
EseOJlHEHTO, ate., ato.
QTB.T0 BE FERRO CfliBLE
Bm todoe a boa
Pharmaciae

o adrease
,V*
o'.
Pretenden ..; acab-ir ci m 'lautas qae estao
em vasos n'eete jarm, vettd. u.-o os sapotiseiros.
muito grandes, e dando fmet a 2000, lau
geiras. muifn rrnndes. para nxertar, B 6000 a
dosis, s sap't'seircs uiaie ,< rjneiv s m barato
preco.

Casa filial ra do Ca-
buga n. 12
Reccbfr..m novamente um espleEdido
sortimento de chapeos do sol de todas as
qualidades, para 8 en hora, lisos e bordados,
grande variedade em cores ; e para hornera
grande variedae em cr.bos inteirarnente
no/os, cliapcos para crinnjas, chegarno-
vo sortimento.
N. II. Fabricam-se e concertara-se cha-
peos de todas as qualidades, com perfei-
c3o e rapidez a mai r pos-ivel; pois CO-
bre-se um chapeo em rotnos do u:ua hora.
Amostras levara se em qualquer parte.
Vende -se em gros" e a retIho
Criado
Procisa-se de um criado de 14 a 19 anuos ; a
tratar na ra do Commercio r. 44, ou Paysand
n. 19 (P8agem da Magdalena).
AOS,
100:0008000
25raa Primeiro de Slareo23
O abaixo assignado tem exposto ven-
da os seus afortunados bilhetes garanti-
dos da 1.a parte da 1.a lotera da Santa
Casa de Misericordia do Recife, pelo novo
plano, que se extrahir quinta-feira 1G do
corrente.
I
E:
1 vig?ssimo lf)000
porcu de iOO fja- cima
l vigessimo )5900
Manoel MarHv.s Finta.
Colonia Agrcola Orpha-
nologica Isabel
Scientifico aos tuto-
res ou parentcs de rae
ores que obtivercro
despachos favorareis
da presidencia da pro-
vincia para admisso
dos mesmos neste ins-
tituto, que deverao
aguardar previo an-
nuncio dcsta Directo-
ra, pelo Jornal Offi-
cial, para tal reali-
safilo. sujeitando-se a
reconduzircm os mes-
mos, se antes disto o
fizerem.
Secretaria da Colo-
nia Orphanologica Isa-
bel, 6 de SHembrodc
1886.
0 director,
Fr. Fidelio
SCOTT
HE OLEO PURO DE
Fiffado de ^aealho
COM
Hypophospiilos de cal e soda
tppvovada pela lunfa de I3f-
giene e anJorisada pe!o
governo
E' o melhor rvn dio al h> je dcrcnhc-to para a
(laica bronehlle*. o*cropholaa. ra-
rhltm. anemia, elilIlcaUc >ns oral,
deflaxo. lonae cltri>lca e aaTrr6e
dt pollo o da gnrsanln.
E' muito superior ao ol o simples de figado de
bacslbo, porque, alm de ter ch -iro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinas e nu-
tritivas 00 oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituinr. s dos hypophosphitos. A' venda nai
irogarias e boticas.
Deposito em Pernumbuco _________
Sement de carrapato
Compra-rs i Fabrica App-!lo.
Pinho resina
de 3X7 al 3X12.
Pinho taco (da Suecia)
de 3X7 at 3X12.
Cimento inglez
F*osc
VENDEM
a limaos
al. <
Dr. fcraclliano (le Paaala
BapliHia
Clara (hSJS Bp ietM, b> us filhos e irmos,Pedro
Fri.tisco de Paula Bptiata e seus irmos, agra-
eeem do coraeo s pessoas que dignaram-se c.e
acompatihar os restos mortaea dr seu^oaro e assas
pranteado espos>, pni, eunha^o e irmao, Dr. Gra
ciliai,, de Paula BaBtfata, e couvidnia de novo a
todos os pareiites e amigos para nssistirern as
missss que sero cel-brdas no convento do Jsr-
mo, n: tersa I r.. li o corrmti. s 8 horas, te-
timo dia de seu falleciu.euto.
Hara Joaquina Plaaelro
Barrelroa Mala
Manoel Autoiiio Rodrigues Pinheiro e sua mu-
Iher mandam celebrar urna missa de stimo da
por flua de sua presada subrinba, Mara Joaqui-
na Pinheiro B.min.s Maia. fallecida em Mar-
nbV, no dia 10, na igreja da Soleade, pelas 6
horas da manha do dia 16 (quinta-feira), convidan-
do para assistir s este acto le caridade aos seus
amigos, a qwm s I- i se eo.iffii>-aifiirato___
Dr. Ciracliaauo de > u< itwplaala
O are diaco Dr Luiz PranciCB ae Araujo ce-
lebrar na matriz de S. Pi-dro Manyr de Oiinda,
a 14 do corrente, urna mis^a por alma do lente da
faculdade de direit. do Recifrf. Dr. GrnciliaO de
Paula Baptiata, stimo dia de seu pasament. Os
empregados da faculdade, resuenas em Ohnda,
e os parentes e amigos do finado que quiterem
assistir a esse acto de piedade, devers aehar-se
nnquolla matriz g_jjHurHgj-m_p_nt Criada
Precisa-se de um criada para eosmhar : na
ra do Bar.^o da Victoria o. 9.__________________
Folhinbas
De Lumiiiert
Para ISS
CHEGARAM as saVaadas t .lliinbas de Lnem-
mert : 1 Recreativa, 2 Trovad r, 3 Divrrtinvnto
desalao, 4 Histrica. 5 M- r .li.-ta, 6 Jogador, i
Cmica, 8 Romancista, !i Cnp'ao, ^0 Jaruineiro,
11 Maco.ia, 12 Charadi-ta, 13 Sonho-, 14 Dra-
mtica, 15 Conto3 moraes, 16 divertida, li Thea-
tral, e mais oito oaWot, > vend m-se na casa de
G. LA PORTE 46Ra do Imperador 46
(Grandes aba!nentos as v-ndas em grossr) ^
Bibeiro
Precisa-se de um i ffijial de barbeiro : na ra
do Livramento n. 17.______________^_
~Ca a para alagar
Aluga-se a casa n. 6, sita m Saut'Anna de
dentro, com 2 s-.las, 4 quartos, nsinha e quartc
fra, quintal mnrado e grande terreno em seguida
ao mnro do fundo : quera pretender dinja-se ao
sitio do Sr. Jorge Tss.., ro Maiguinho, estrada
da Ponte de Uch*, qu achara com qne=i. tratar.
Tavares^ de Mello,
Genro & C, previnem
ao publico que mo vem
pelo juizo do commer-
cio desta cidade a>
po por quantia avu-
tada co itra o proprie-
tario do engenho Con-
ceico Velho. no termo
de Ipojuca, pelo que
nao ser licita qual-
quer transaeco robre
o referido engenho, ou
acerca de urna escrip-
tura de hypotheca que
se diz existir no mes-
;no.
Balco
Precisa-se de um hilcfio j usado, para fizn
das, c mprimento 4 metros e largura 66 cent-
metros. Iuf rmacao por csrta i J. A., no e^enp-
torio deste Diario.
Instrncfo publica
O delegado litter.rio de Vuencia W^/f f"
pode, com documentos senos, a puhl.oscao rosar-
te no Diario de hontem, sob a -Wr-phe BMM.
Bscite, 6 d. Setembro de^lSSfc ^
Obras de vime
Ultimo gronto
Modelo aperfeie**> >m estas para comer:
aoafates, costureiras, cadeir-s para criancap
etc. vendem por precos comroodos M^rtins Capi-
t.Ao*& C m Bea armaaem de molhudos rui
estreita do Rosario n. 1.
f
i
aaaaaaaaaaaaaal
lfiSal


V
I


Diario de PernambncoTcrfa-feira 14 de Setembro de 1*86
oj seitas ahieiiIii b iitn
Toutea uoia
Trilhos para engtHthos
waGONs para canna
Loeomotifas
Maili ismsi completo para en
geohos de t> dos os anuanos
Systema parfnfa*4^
Especificares e preqos no escriptono dos
agentes
Browns & C.
IV. 5 Ra do CHHieraw
N. B Alni do aeirna, B &. C, tetr. cathalogos de
mu nplementos iweeesarioe agricultura, a o
.mbem machinas par descamen r ni -
nhoi pan caf, tri irros; c nnlho cerca de fer-
ro gah c:;- l'"-'-
oa ncnhu.,K. poda trepa-, new totea! qae-
bral a.
YmhodoK
de atina ferruginoso e de Cascas le urania amargas.
TNICO REOONSTITUINTE
St&medio sefoerano
. KA A
CHLOBO -03.
:~3SM >4s/wc7, Catarro
C"U":R.A. CERT.A.
COM O BMPRBOO DOS
ffiranolos Antimoniaes
D PAPILLAUD
1| Rclatcrlt bwanl ta Arademia ti thdiciu 11 Fu*.
pprovados pela JuU de Hygiene do Brasil.
D-nt-se erigir sobre cit frasco o$ oomet a
E. XOVSVXBa. & L. PAPIATO
-1 ru <.KKAL
Pbaraacia GIGOS, 15, nu CcqiUIiwe. PiRIZ
Eui Perr.ambuco : IUW- I. di SILTA "
OlfV *St~ u C.jx
KAjt *.-*W
ATKINSON
'PERFUMARA INGLEZA
afamada ha mai de ora. secal; cede iM*s
msoutrasp''loieaprtamedelicado o<-xq*isil0.
Tr.Ez Mkdal*s dk Orno
PARIZ ir8, C\LCUTTjV 1*84
pela extra-lina excell-ncia de Htt quslidade.
Perfumes mouerno1' de A'.kinaon
FAGRiCA 4: CYMBIDiUM
de raro e peculiar perfum*' osquaes tendo sido
registrados so podem scrobtidos por intermedio
d? -eus Inreotores oa Ar*,Dte d-"tes.
AGUA DE COLONIA DE ATKINSON
sem rival pelo sea perfume e sua concentradlo.
Kxcti" todas os productos similares vendidos
sob o metno nome
AGUA FLORIDA DE ATKINSON
delicada perlume para o leseo astillado de
urna fscolba exquisita.
EkmU i-se el Cua de UJM N Netci uto f Fibricutei
J. E. ATKINSON
M. Cid BHMfc Mr*tt. Io4m&
Marca de Fabrica Urna Rosa branca
sobre nana Lsira de Ouro. "
r
mm\\V\\\>rv^^
i CREME de YOGEOT
Bspeomhdaie de Casis
C JUSTIN DEYILLEBICHOT
SXJOXT (COMOr) Traaga.
19 Wrdalhaa nu ErzotleOu de :
PARIZ 1855, 1860, 186? (Eitosicao Dilrertai)
DIJO! 1ISS (XMalna dt Honra), 1863
L0IDBE3, M1C0B 1158 BORDEiX 1859, 1865
08B6 MM BESAN(0S, TROTES 1813
foWHWlM'BPerntmbiKO : Tranc" M. da SrXVA C"
HH
.,, ijaBJ
r 3%j I IrVAPn
Dolraxoe. Griwpe. Krcacbites,
Jrrtaooas do Pelto, o SAROPS < -PASTA peitoral
de KAF i; icDELANGREJJTETF. toda n efficacia certa
eTeriflclpMDtac.
Sea t^io, Mtrfhima meui Ortuicas affectada de Tosse "ii Conuclucbe.
PARIH, rtt Vieienne. S. tAMIS
di todas a Muaaueus
V^DO.
8Psmra
abarao-se as Cas
a Cim- natiti .;
"ss san y wfi n ni P enracae
: OS OS EX>TO
E. SAIX '.'. 330r
1 -' .v. & C".
f
ASA FELIZ
os 100:0001060
siLHiiMJb;^ ;4ft&v*uoo
fe^a da independen
cia ns. 37 e 39
Acham-se venda oa felizes bilhetes
garantidos do novo plano da 1 parte da Ia
lotera a beneficio da Santa Casa de-Mi-
sericordia do ReciK que se extrahir
16 do cbrente.
Precoa
De cada vigessimo 10000
Em porgao de ]00> para cima 900
Antonio Augiuco s fiante* Port
Preciaa-Be de um cosiabeiro : na ra Duque de
Caxias n. 66._____
Caxanit
Alupsm-Ba qoHrtos mobhadosa 15 mensses,
nc antigo h(.t de Cniung, Hesita c.mo tambem
commodos coui cosinha e dependencias para fami-
lia : a tratar na ra Primeiro de Marco n. 25 loja
de joias.______________________
Aen^o
O abaixo assignado, tendo contratado comprar
ao Sr. Mancel Ferreira de Paula a sua taverna da
estrada dos Aflictos n. 5-A, livw e desembara-
cada de qualquer onuH, previno a quem se ju'-
gar prejudicado para, no praso de trea da, a
contar de hoje, apreseniar sua reclatnacao. Ke-
cife, 11 de setembro "de 1886
Antonio Fernaodes de Albuquerque.
Vende-6e diversas taboas de pinh* e louro e
um compartimento p*ra iscriptono com duas DOf-
tinbae, encame uto *gaz co -. candieiro simples :
a tratar na ra das Flores, casa de gaiolas.
~ Tavcraa
Vende-se nma tivern : tratar na ra do
Camarao n. 17.

Capachos e esparto
Pint.ido-. d- diversos tamaulios. vend i s-m comp<'tci'cia Mirtina Capito & C. Bula
armnz n: de m"lbd08 tum ettreit do Rosario
aumero 1.
Do respf ila'f el constb lillerario
C nvidaui s i pree'uM ..ttinc^o pr o artigo
MfaJhip illn ii r*i ri-r ft- TT7T g" ultimo, epigra
phado : In.-frn co Pub'n-a.
R-.-iif^, 1 oV Ser ntbru te 1886.
Boa acqiiisiciii
Para q-em quitn yankar dinbeiro
N'uaia das prim-ipii. n .uui- O' -'" cidaae, liego
cia-ai- urna psdmia io '.s pcrrencjis e em
firf'1 (H- c do Conde d'Eu n. 1S.
Mal
vasia
Vinho proprin para senhoras
Em barris e a reti.lho : P-cas Mendes & C,
ra estreita do Rosaiio n. 9.
Vende-se
um moinho grande com pouco uso, para moer ca-
f : na ua larga do Rosario n. 12.
Vende-se
Um cofre prova de
bgo. do fabricante
Milner.
A entender-se com
o agente Martns.
GRANDE
lia
Expsito central ra larga do
Rosario d. "8
Damiao Lima & C, chamam a attenca das
Ezmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 20U jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a, 600 rs.
Ditas de um palmo a 25O0 e 3000.
Fita n. 80 para faxa a 2*500.
Leqves regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Culho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e l*i00.
Duzia de meis para h'mem a 3JI000.
Ditas para senhor>s a 9*060.
Luvaa de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinbob de nho a 5()0 rs.
Ditos de algoso a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 2U rs.
Pecas de cordu pa/a vestido a 20 re.
hvisiv. is grandes a 320 rs.
rampos invioiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6J500.
Ricas bolcinhas de madrperola de 1*500 6*.
La para bordar 2*800.
Urna cspella e veo de 15*000, por 12*000.
Um espelho de mol iura por 5*500.
Urna pulseira de fita per 1*200.
Pliss a 400 600 rt>.
Uma boncea guande ie ceta por 2*500 a 3*000.
NA EXPOSigAO CENTRAL
58Hua Larga do Rwvsario38
Nonteiro
Vende-se ou arrenda-se auuualmente uma boa
casa eom bastantes commodos para familia, tendo
agua e gaz eucaaados, com um b >m quintal todo
murado, com algumas arvnrea fructiferas e com
sabida para o ri>, por preco muito razoarel:
quem precisar oiriji'.-se ra Duque de Caxias n.
117, que achara c m quem tratar.
Para Dgenhos
Cal nova de Lisb.si.
Potassa da Russia.
Oleo de moc 10.
Azeite de Garrapato.
Graxi em bexigas.
Veudem Atirantes & C,
anuero 48.
ru, d.i Bom Jess
WHISKY
OVAL BUM iAOO
Est- esedkiste VVhisky "mim i preferiv
. m unarr.eu.e d>' ('una, para fortifi< -
i enrpv.
Vfud.-bi i r Ih. res rmateos
eio'hndoa.
Pede HOY AL L.ENO aurt* VlAUOcujom
me -' -mblei/ia & rvgistradna para fido o Brati
rlOOW | .res
Tecidtis e inlio
A Oi> rs. 0 corado
Na loj* da ra da l.i.p rtns n. 32, vende se
um bonita sortimento de tazendns de linhi para
vestidos, 'endo largura de chita fnuceza, com
Mito bonitas cor--a e palminbas bordadas, pe-
chiueha a 600 res o cu vado, na lija ce P. reir da
Silva.
Novas ls.nbas
A seo e 400 rea o corado
Acubam de chegr (>ara a loj i da rila da Im-
perntriz n 32, um grande e bonito sortimento da
iaembas de c< res pu.n vestidua, sendo f-zenda de
muita pbantasia, em cores claras e escaras, e li-
qaidam se a 320 e 400 icis o covado, por haver
grande porcao na loja de Pereira da Silva.
Fazendas branca
s
SO' AO NUMEiO
4o ra da Imperairtz = 4o
Loja dos bamteirot
Albeiro & C, a>ua da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito Bortimento de todas estns fazendas
abaixo mencionadas, cem competencia de precos,
a saber :
AlgpdaoPecas de lgodaosinho com 20
jardas, pelo- barato preco de 8*800,
40, 4*500, 4* >,, bS, 6*500 e 9&0,
MadapolaoPecas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at 12*000
Camisas de meia com hstras, pelo barato
preee de 800
Ditas brancs e cruas, de 1* at 1*800
Creguella francesa, fazenda mu lo encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
CToulas, vara 400 rs. e 600
Ceroulaa da mpsma, muito bem fetae,
a 1*200 e AOO
Colletinhos r'a mesma 800
Bramante fraocez de algodao, muito ou-
corpado com 10 palmos de largara,
m T.ro 1*2
Dito de iinbo inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e S/JJt-
Atoaihado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J800
Cretones e chitas, claras e escuras, ps-
drOes delicados, d 240 rs. at 4UU
Eaptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 200
Todae estas fazendas baratissimas, na cnuhecida
loja de Alheiro & O, esquin i do becco
dos Ferreiros
\lgodae entestado pa-
ra lenfoes
A OOo rs. e 1*000 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
odao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larpuraa 900 rs., e dito eom 10 palmos a
00 o niatro, assim com dito trancado para
na Ibas di mesa, eom 9 palmos ae largura a 1*200
i otro. lato na leja de Alheiro do ecco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400,1*600, 1*800 e 2* o covado
A heiro & C, a ra da Imperatris n. 40, ven
d-m muito bons merinos pretos pelo preco cima
dito. E' pechincha : na loja da esquina dq bec-
co di s Ferreiros.
Esprrllhos
Na loja da ra da Imperatris n. 40 vcjide-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3 o covadt>~-
Alheiro & C, ra da Imperatriz a. 40, ven
dem um elegante, sortimento de casetniras ingle-
zas. de dna8 larguras, com o padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato precc
de 2*800 e 31 o covade ; assim como se encarre-
gam de mandar facer costumea de casemira a
30-', seDdo de paletot sacco, e 36* de fraque,
grande pechincha : na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 33('
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
qu;na do becco dos Ferreiros.
Bordado* a lOO ru. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao com 50 pecas, sortir
das, por 5J, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
A Kevoluco
A' ra Ouejue de Caxi*, ruaolveu a vender
04 seguintes artigos eon 25 /o de W8-
no8 do que era outra qualquer parte.
Setins damass a 36Q rs. o covado.
Gorgonoas de liatrinhas a 360 rs. o covadq.
Las cora listrinhas a 640 rs. o covado.
Fustoes de edres a 320 rs. e covado.
Merinos de erea a 900 rs 1*000 e 1*200 o co-
vado
Merinos pretos a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Velludiibos lisos e lavrados a 1*000 e 1*200 o
covado.
Paiha de seda a 800 rs. o covado.
Oachemira bordada de seda a 1*500 o co-
vado,
La escoseesas a 500 rs. o covado.
Cambraia com salpicas a 6* rs. a peca.
Chitas escuras e claras a 240 rs. o covado.
Lmbos escossee8 a 240 rs. o covado.
Las com bolinhaB a 640 e 500 rs. o cavada
Gaze com bolineas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Linn com salpicus a 500 rs. o covado.
Giosdcoaples pretos a 1*800, 2*000 e 2*500 o
covado.
Zepbiros listrados a 200 rs. o covado.
Cretones finos a 30, o60, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Setinetas medemas a 360, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Fustao branca a 320, 360, 400, 440, 500, 560,
600 e 800 rs. o covadu.
Setinetas lisas a 400 ra. o covadq.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella de cor a 40 rs. o covado.
Flanella branca a 400 e 1*000 o covado.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 7*500
um.
Chales de casemira finos a 9*000 um.
Fecbs de IS a 2*000, 3*000, 4*000, 5*000
e 6*000 um.
Tapetes para ianella, piano, sof e cama a 4*,
6*0 0, 7*000, 8*000 e 24*000 um.
Esguio amarello e pardo a 500 ra. o covadp.
Casacos de laia a 1* 00 um.
Lencoes brancas a 1*8 Brim prateado a 60C r. o covado.
Timoes para meniuos de 4 a 5 annos a 5*000
um.
Lencos a 2*000 is. a duzia-
Colchas brancas a 1*800 uma.
Setis maco de cores 800, 1*200, 1*400,1*600
e 2*000 o covadu.
Setinetas brancas a 500 e 560 rs. o covado.
Cortiuaaos bord-dos a 7*000, 9*000 e 16*000 o
P*Capellas e vaos a lOOOO e 14*000 ama.
Colchas bordadas a 5*000, 6*000, 7*000 e 8*0i0
uma.
Espartilhos de ciuraoa a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*000 um.
Cortes de la para vestidos a 20*0 0 um.
Algodao com duaB larguras a 800 rs. o me-
tro.
Cortes de cam-mira P*ra calca a 3*000 um.
Bramante de linh a 1*800 o mi-tro.
Dito de algod> a 1J200 o m-tro.
Toalhas ielpudas a 4*000 e 6*000 a duzia.
Camisas naeionaes
a tsoo. aaooo e s*50o
32^= Loja ra da Imperatris = 32
Vende-se aeste novo estahelecimento um gran-
de BorurjvTito de camisas brancas, tanto de aber-
turas e p jnhos de Iinbo como de algodao, pelos
barates presos de 2*500, 3* e 4*, sendo tasenda
muitomelhor do qne as que veem do eetrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortadas por
um bom artista, especialmente camiseiro, tamben.
ae manda fazer por encommcudas, a v mtade des
freguezes : na nova loja da roa da Iciperatria n
3.-, de Ferreira da Silva.
Ao 32
loja
Nova loja de fazr "as
&* Boa da Impe = 3t
DE
FERREffiA DA Sx^VA
Neste novo estabelecimento encontrar o ree-
p:itavel publico om variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, qae se vendem p.-.i
precos baratissimos, assim como om bom sorti
ment de roupas para homene, e tamben se man
da tazer por encommendas, p r ter um bom mes-
be altaiate e completo sortimento de pannos finofc.
casemiras e brins, etc.
31Roa da Imperasrla as
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupus aba
tu mencionadas, que aao ba~ .i.as.
Palitots pretos de l-t'-o. aiagonaes e
acolchoados, senao tazenaas muito en-
corpadas, e forrados 7*001
Ditos de casemira preta, dr eordSo muito,
bem feitoa e forrados 10*001
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*001
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadera, e forrados 12KK
Caifas de gorgorito preto, acolchoado,
sendo fazenda muitc encorpada 5*50
Ditos de casemita de cores, sendo muito
bem f.-itas UN
Ditas de flanella ingleza verdsdeira, e
muito bem feitas 8*001
Ditas de brim de Angola, de mnleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*00<
Ceroulaa de gn-guellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1 200 e 1*60<
Colletinhos do greguella muito lem feios l*OOt
Assim como um bom sortimento de lencos dt
l'nho e de algodao, meias cruas o collarinbes. ef.
Igto na loja aa ma da Imperatriz n. 35
de, etineta e lslnha* a KO
ro, o covado
Na loja da ra da Imp-ratriz n. 32, veade-s
um grande sortimento de ustoeB brancos a 6G<
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-coret
fVsenda bonita para vestidos a 500 r. o covadi.
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas a
cores, a 500 s. i covado. pechincha : na loj.,
do Pereira da Silva.
tlcfldiiozinbo francez para lence
a 900rM.. t e 1* Na laja da ra da Imperatris o. 32, vendos
superiores alg idozinjioa franqezea com 8, 9 e 1'
palmos de largura, proprioa para leucea de un
s panno pelo barato preco de 900 rs e 1*000 i
metro, e dito trancado pa- a toalhas a 1*280, at
sim como superior bramante de quatro largura
para lencoes, a 1*500 o metro, barato n Ion
do Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A 40. liso* e 0
Na nova loja da ra da Imperatris n. 32,
vende um variado sortimento de vestuarios pr*
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, dita
de molesquim a 4*500 e ditos de gorgorito prett
emitando osemira, a 6*, sao muito barates ;
oia do Pereira da Silva.
'____________________________________ M ------- I
Grande liquidado
NA
i a Camacan
DOMESTIC
Sao reconbecioas ser as naia
elegantes, as mais durareis e
em todos os sentidos.
AS MELHORBS
Para prefos, e circulares como
illustrajoes de todos os estyios, diri
jam se
Domestic ScwingMachine C.
NEW YOR, U. S. A.
Loj
Predios
Ha um sortimento variado de
Azulfj francezes
de padres uuvts e multo soli-ius a
80*000 o uniheiro
Na loja de Louca de
J. DE A. VE1GA & C.
Ru Unga do Kusario
Maduro
Vinho puro d uva
O que pode haver de melhor para mesa, em
barris e a r talhu : Poces M de* fc C, 4 roa
estreita do R aario n- 9.___________________
Mi, tiolos 8 teltes
Vende Candido Thiago da Costa Mello em sen
deposito 4 ra Imperial n. 322, olariaTelepbone
n 221.
Avisamos ao r81 -itftWi publico e espeoialmen-
te as Exmas- familias que atamos liquidando
os artigos de miudezas, existente.8 n ste estabele-
cimento com 60 0/0 dmenos. As Exmas. fami-
lias encontzarao bom sortimento e boas pechinchas
SB- todos os artJgoa, como sejam : bicos brancos
finos, a 3*800, 4*500, 4*800, 5*, 6* e 8*000 a
peca, com 11 metros, ditos de cores a 4S500, 5*,
7* e 8* a peca, bicos pretos com vidrilho, alfnete
a 60 rs. a carta, agulhas finas a 80 rs. o papel,
caixinha com alfineti a 120 rs., pacote com. tres
sabonetes finos por 400 te., um pao de sabpnete
fino a 800 rs., garrafa com agua florida verdadri-
ra a 500 e 800 rs., 1*000 e 1*300, barcias a 300
rs. a duzia, lindo sortimento de tspartilbo a
4*500, 6* e *000, dem \im de lavas finas,
bolsas de couro a 1 *500, 5*, 6* e 7*000, meias
finas para senhora a 700 rs o par, oleo risa ver-
dadero a 900 rs. o frasco, agua de colonia fina a
1* o frasco, linha de machina a 900 rs. a duzia.
Alen) deste annuncio temos amitos artigos que
as Exmas. familias verao melhor com a presenca
< Duque de Caxias n. 66. ____________
Cabriole!
Vende-se um em perteito estado e por preco
eommodo; tratar na ra lnje de Caxias n. 47
Pouco capital
' Vende-se o estahelecimento de molhados ra
de S. JoSo n. 5, de pouco capital, bm local, alu-
guel de casa barato, negocio proprio para prin-
cipiante, d-se livre e desembaracado, conforme
o ajuste : a tratar no mesmo.
VAPOR
e iuoenda
Vende-se um bom vapor e moenda com pouco
uso ; a ver no engenho Timb ass. muito perto
da estsoao ao metmo nome ; a tratar oa ra u
mperador n. 48, 1 andar. _j___________
^ e. entes de flores
das mais bonitas qualdae,8 que se encoctrarr no
estrangeiro, receberam Martins CapiSo A C-, e
vendem por precos commodos em eeu armazem &
ra estrr-.ta d" Rosario n. 1.______^^^^^^^^
Almanack da provincia
1886
lm rolume com 498 paginas
2^000
A'venda na casa editora. Liviaria Parisiense
n. 7 A, ma Primelro de Marco n. 7 A, Industrial
Econmica de G. Lap<>rt & C. e Caruoao Ayres.
Saipcftes e vinln verde branco e
lino
Receben Antinio Duarte rq du U^o n. 54,
confrtrve a estaca : tornaiu-:e recou:meuda-eis
estes artig s por ter recebioo de cusa particular
de Portugal, razao por qe garante ser especia'i
dade ; assim como tein carne e queijys do sertao
por preco muito mdico ; o mesmu viuho tamoem
se vende em cosa de B'roanlin i Duarte ra da
Florentina ua. i e 3, em retalbo e ancoras. Na
meama compra-se uma balanza decima), grinde.
Seraphina
Vende-se uma -erapbi ia novameqte remontada,
propria par* i^reja ; a tratar c. m J^oncio & Mu-
uis 4 ra da Imperatris n. 43. ______
Boa acquisiclo
Vende-se a armacao e be%ui(eitorias da loja. de
fazendas ra do Lwraroento n. 10, com grn-
tia da Casa, par ter o proprierano da estabeleci-
mento ae retirar-s par fra da cidade ; tratar
na mesma loja.
Aos 1.000I000S000
200:0 0
000
100:000^00
Em fav< r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extracco: no i 15 iiDnilnro e-1886.
0 thesoumro, Francisco Gonfalves Torres
o f e R
ALAGOAS
C0RREN0DIA14DESETEMBK0
llBAraBIVli! INTRnuF::riVEL! #
O portador que possuirum
vigsimo desta importan te lo
teria est habilitado a tirar........
10:006^000.
Os bilhetes acham-sea' ven-
da na Casa Feliz, praca d In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 14 de Setem-
bro 1886, sem falta
CARNEIRO M CUOTA M.
GRANDES B0VIDADES
Explendido sortimento Jafl rodhores tecidos em 12 para vestidos, ciesde 400,
500 rs at 1^000 e 15200 o covado!
Cachemiras de uma s cor, duas larguras, a 10000, 10400 e 10800.
Lindos desenhos-em failes, a 460 e 500 rs., o covado !
Bonita escolha em setins de cores, desde 800 rs. a 20000 o dito !
Merinos de todas as cures e preto, sortimento se.m competencia, desde 900 rs. a
10000: do melhor que. se possa desejar.
EsguiSo pardo e amarello para vestido a 460, 500 e 600 rs. o covado 1
Ri-quissimos cortinados, todos bordados, para cama ae casal a 90000, para ja-
DC Veludilhos de todas as cores a 10000, 10200 e 10500, o covado I
Guarnios de trchete para cadeiras e sof a 80000.
Meias arrendadas para senhoras a 80000, a duzia !
Camisas inglezas para homem a 360000, a duzia I
Cheviots pretos superiores a 30500 e 40000, o covado 0.^ infn
Lindos chapos para senhoras a 60000 e 80000 e para mancas a 30dOO e 40000.
Luvas de seda, leques, colarinhos, 6chs, l<-nens de seda e muitos artigos que
serao lembrados pres-nca das Exm88jet0ra^T.. _
59Ra Duque de Caxias 59
ESPLENDIDO RESTAURAINT
Esto aereo,ta o cbtabeleL-imento, ltimamente mdborado, est em condi55ei
de servir ao mais peate hospede, para o que tem ;^*^^ V"^^?
e restaurant, encontrndo-se n'este, alm
das mais exquisitas iguarias, a grande novi-
dade
1
Ostras ebeias |orlogueza
(nica casa que as prepara) em todas as quartas e sextas-feira*, de 11 hofl da aa-
nhS em diantc.
PRECOS RESUM DI 81 MOS
A actual gerencia dp Sr. IZIDORO ALVES PITG^.
I|ua da Madre de Deus n. 3


bucoTcr?a--feira 14 de Setenibro de 1886

ASSEMBLEA GERAL
CMARA DO DEPITADOS
SESSAO EM 25 DE AGOSTO DE 1886
PRESIDENCIA DO SB. GOMES DE CASTRO 1."
VICE-PRESIDENTE
(Continuado)
E' assira que ella diz que as obras pa-
rarain, toi esperando a approvagao dos
30i0 pelo parlamento e alm disso diz quo
dispendeu 800:000?$ em despezas prelimi-
nares e que portanto teni direito a haver
metade pela resciso do contrato dos qua-
tro engenhos contraes.
Pensa que aleria a pena pagar a quan-
tia para cessar a garantia do juro, se j
duas vezes no tivesse caducado a conces-
so.
Pede que haja toda a fisealisago, en-
tende que cada engenho eleve ter um fis-
cal, porqui un para omitas engenhos, os
abusos nao se pod"tn conter. ,
Cuncluiado, declara quo ha de tratar
em oocasio oppirtun da estrada de ferro
da Balda a S. Francisco sobre a qual te-
ve grande influencia a advocada adminis-
trativa.
O *r. Torres Portugal lamenta
que no oreament da gricultura nao ti-
vessero sido consignadas verbas para al-
gnns servijos necessarios para e sua pro-
vincia, que tilo privada tera sido de pro
teegao, esperando, porem, ser mais feliz
na prxima sessXo.
Agradece o acolhimeoto que tem rece-
bido do Sr. ministro da agricultura em re-
iagao ao porto de sua provincia, cuja exe-
cucSo tem 3. Exc. procurado activar.
Aproveitando a largueza do debato, dis-
cute as eleigBes da provincia do Cear o
trata de oxplicar os factos defendendo os
seus amigos que tem sido aecusados.
A dissussao ficar adiada pela hora.
RECEITA
Entra em 2a discussao o seguinte pare-
cer da commissao do orcamento, conver-
tendo em projecto, a proposta do ministe-
rio dafazeuda sobro a receita geral do im-
perio :
Segundo a proposta do governo apre-
sentada em Maio de 1885, calculando e
oreando a receita geral do imperio para o
exercicio de 1886 1837, consignando to-
das as verbas fixadas em l"i e que offe-
recera recursos ao thesouro, p importancia
total do exercicio deve attingir a somraa
de 132,881:6005. alm de 1,300:000$
com applicagao especial emancipagao do
elemento servil.
Ou se tome por base o quantum da ar
recadago verificada nos tres ltimos exer-
cicio8 conhecidos, em eonformida le do qua
determina o art. 34 da le de 23 de outu-
bro de 1843 ; ou como ltimamente tem
praticado o thesouro, se precisar para o
calculo a apresentaco da renda do ultimo
exercicio quHado, que Ihe pareceu offere-
cer rnaior approxiraagao da verdade ;
certo que as verbas importaco e expor-
taco a renda deve ficar abaixo da quantia
oreada,
Os dados fornidos pelo exercicio de
1884-1885 d"uunciam urna dominuicSo
da receita geral em cerca de 15,000:000)5,
particularmente as verbas referidas. As
causas sao bastantes conho:idas, e nao pre-
cizam ser mencionadas. A cris que atra-
vessa o paiz. acarretou redcelo de pro
ductos nacionaes exportados, quer na sua
quantidade, quer nos seus valores, e igual-
mente urna diminuiclo notavel na importa-
cao de mercadoria eatrangeiras, como o
provam as tabellas praticadas oficialmente.
Como, todava, se tem consideravelmen
te melhorado a situagd de entilo para c,
em presenga dos balancos mensaes rece
bidos, e se manifesta tendencia clara para
readquirir-se marcha progressiva e favora-
vel da renda, parece commissao que po-
de formar um calculo medio, de modo a
attingir a maior exaetidao.
Mesmo assira, pois, nao poderiam as
duas. mencionadas verbas calcular-se se-
gundo a proposta do governo, si a com-
missao, com a exeepglo la exportago que
FOLHETIM
DE
EMMA SOSA
POR
nmi de ohiect

cos.su;: se ai&OLO
(Continuacao do n. 208)
IV
Proli approxunou-se do aparador, tirou
de urna gaveta urna faca de trinchar, ex-
perimentou a ponta no dedo e sem pala-
vra, pola na mesa, diante de Luigi.
Este olhou suecessivament para a faca
e para o italiano.
l8so urna instigagao ? perguntou
elle.
- E' um modo como qualquer outro de
acabar com isso.
Luigi repellio a arma.
Naa! replicou elle. Nada de san-
gue Tudo, menos isso. s
Ento, descobre um meio.
E' difficil achar o meio, mas reflec-
tindo talvez venha alguma idea. Por era-
quanto nao ha nada a tentar. Os habi-
tantes desta torra, os burguezes da vizi
nbanca podem passar ao 'voltar para as
anas casas. Fiquemos quietos. E' o mais
prudente. Temos tempo, rauito tempo.
A proveitemol-o para jantar. Dou lho
o exemplo.
E dizendo as ultimas palavras, Luigi
entou-se mesa.
Angelo o imitoa.
Dame a beber, disse elle, apresen-
tando o seu copo, que esvasiou de um tra
go logo que o armeiro o encheu.
Depois de comer um pastel, encheu elle
mesmo o copo segunda vez e bebeu de um
trago, como o outro.
lamenta nao poder reduzir em impostos
para animar a prodcelo nacional, nao tra-
ta sse de melborar agora a da importagao,
e ou^ras verbas susceptiveis do augmento
no intuito de elevar a receita, e equilibrad -
a com a despeza o mais possivel.
Foi, portanto, o primeiro pensaraento da
commissao retocar o systema de imposigio,
cora metiendo para isso sacrificios indispen-
saveis, que reclama do paiz.
Nao possivel continuarm>s sob o re-
gimen aterrador de dficits constantes.
Reduzir a despeza o mais imperioso de-
/er do parlamento e do g>verno. Do par-
lamento muito depende, e o seu patriotis-
mo o dev inspirar. Do governo muito
mais ainda depende, porque a execuyao
podo e deve corrrigir ac de masias da de-
libeiago, quando anda es apem ao parla-
mento. Tanto mais urgente se torna a ne-
cessidade de economas, quanto nao se po-
de exigir do paiz augmento do impostos,
anies de se lhe provar que se eortivam as
despezas pnblicas o mais possivel, mais
se nao poder realizar. Carecemos de arri-
piar carreira, o seguir o exemplo das na-
cSes, que como os Estados Unidos, Ingla-
terra e Italia nao admittem dficit nos seus
orcamentos, porque o desiquilibrio estorva
todos os progressos, perturba e anarchisa a
marcha da administragao, e prepara um fu-
turo carregado de tempestades
A despeza pedida pela proposta do go-
verno em Maio de 1885 para o exercicio
de 18S6 a 1887, importava em........
14,838:51O01O2, alm de mais de cerca
de 7,000:000$ necesarios para pagamen-
to de juros e dividendos da divida publica,
que se nao haviam calculado devidamente
(tabella A) e em continuago e conclusao
de obras era andamento (tabella C-)
Entretanto s pedia para a receita.....
132,831:0000 A commissXo do orcamen-
to conseguio reduegoes de mais de.......
5,000:0000, em varias verbas dos minis-
terios do imperio, justica, marinha, guerra,
fazenda e agricultura.
Espera ainda do parlamento que maiores
economas decrete. Tom confianca no go-
verno em que na execugao das desp-zas
publicas mais economas se pratiquera, de
modo reduzir a despeza, como seu ri-
goroso dever porque indispensavel parar
despezas extraordinarias com eraprehenii-
raeutos novos, embora se afigurem produc-
tivos, guardndoos para opportuuidaies
mais prosperas e contentando-se com ter-
minar os que necessitarem ser concluidos,
e isto mesmo, segando as forgas do The-
souro. Um s pensaraento cumpre animar
a administragao em todos os seus ramos, a
economa; urna s idea e solidaria, de mo-
do que urna s repartigao nao cause de-
sequilibrio, afast-ndo-se do programma da
economa, devendo haver a maior e mais
lgica harmona de vistas.
Na verba importagao pensa a commissao
que se podem conseguir maiores vantagens,
e por isso prop3e rever as tarifas das al-
fandegas corrigidos os valores officiaes que
defenrem dos pregos do mercado; refor-
mar e alterar as respectivas classificago'es,
modificando as razoea dos direitos que pa-
gara alguus gneros cuja situago coramer
cial tem varia lo nos ltimos annos com o de-
senvolvimento da produego nacional; re-
ver a tabella dos gneros livres direitos de
consumo, que o silo tambera do expedien-
te ; e restringir as isengoes, de quo rauito
se tem abusado.
Revendo-se igualmente o regulamento do
sello fixo e proporcional, afim de corrigir
os defeitoa e omissSes que se tem reconhe-
cido na pratica, e o de industrias e profis-
sSes em que se notara laounas e desigual-
dades, incluindo nelle urna inposigaojat 50
res por litro, sobre bebidas alcoolioas, fa-
bricadas no paiz e destinadas ao seu con-
sumo, poder-se-bia obter elevagao aprecia-
vel da receita.
Sobre a propossa do governo que a
commissao tem de formular as modifi ba-
gaes, emendas e additivos que lhe pare-
cem neceasarios, e que propoem se conver-
ta em projecto de lei.
Alm das verbas da proposta lembra em
primeiro lugar a commissao que nao pode
Evidentemente, procura va atordoar-se.
Faltava-lhe o sangue fri habitual.
Como voltaremos para Pariz ? per-
guntou elle ao cumplice.
A' p, est claro respondeu este.
A' hora e a que tudo -stiver terminado,
nSo haver mais trens de Brie Cont Ro-
bert ; e alm disso seria tolico apparecer-
mos em urna eslagSo por estes lados. Vol-
taremos para Pariz, seguindo as margens
do Marno at Charenton.
Pela terceira vez Angelo encheu e esva-
siou o seu copo.
Que sede! disse Luigi, sorrindo.
Acaso ests com febre ?
Nc sei o que tenbo. Nao eston no
meu estado normal. Precisava de alguma
jousa que me reanimasae. Foi pana nao
teres ti Era intil. Eu vi licores em um ar-
mario.
E o armeiro, levantando se, abri um
armario praticado na parede e delle tirou
duas garrafaa pelo meio, urna de agur-
dente e outra de rham.
Proli tomou a garrafa de rhum e vi-
rou-a at en'ihcr tres quartas partes do seu
copo e absorveu o liquido alcooiico de um
s trago, como fizer com o vinho.
Os seus olhos tristes e vacillantes desde
que chegou quinta de la Pie, tomaran
logo um brilho singular, como lucilos no
fundo de arcadas superciliares cercadas de
bistre.
A embriaguez, urna embriaguez da-
quellas de ouiros terapos, cemegava a su
bir-lhe ao c rebro.
Est beb<"ndo de mais disse-ihe Lui-
gi. Lerabre se de que precisamos de tola
a nossa calma, de toda a nossa presenga
de espirito.
Proli respondeu, encolhendo os hom-
bros :
Ora essa I Tenbo bobido muito mais
do que isso. Tnho esvasi:o chopes d*
cerveja ch'-ios de absinthio puro. Nada
pJe embrigar-me. Sou iovulneravul.
E com ar de desafio, dei'ou no copo no-
va dse ao al -ool.
Luigi nao aventurou mais nenhuma re-
flexao e concluio tranquillamente o seu
jantar.
Corra o tempo.
De repente Proli olhou para o relogio.
Dez horas, disse elle em voz tao mu-
dada que fez o armeiro estremecer, ho-
ra. ..
Resolveu alguma cousa ?
deixar de incluir-se o imposto addicional
ere .do pela lei de 28 de seterabro de 1885,
'.oa applicagilo especial a eraanjipagao do
elemento servil, e oolonisagao, que nao
fora entao lembrada pelo governo, por nao
se haver ainda estabelecido ; e nova atori-
zago para continuar-se a cobranza sobre
vencimentos e subsidios, conforme o exige
o art. 8* da lei 3,018 de 5 de Novembro
de 1830.
Reservando-se para maiores explieag3es
quando se abrir a discussao publica em c-
mara, e aceitando a propos.a em sua quasi
integrdade, addita-lhe a commissao as se-
guiutes moditicag3e8 :
Io
Accrescente-8e ao paragrapho relativo
renda com applicagao especial :
Importancia correspondente quota de
2(3 da taxa addicional da 5 [0, conforme
a lei n. 3,270 de 28 de Setembro da 1885,
art. 2o 3, Ia e 2' partes, 3,103:0330338.
A's despezas de coloaisagao.
Importancia relativa quota de Ii3 da
taxa addicional de que trata a mesma M
n. 3,270, art. 2" 3, 3" e 4* partes,. .
1,514:0000000.
2.
O art. 2.*, conforme a proposta.
3.'
O paragrapho nico (como na proposta),
suppriraida, porm, a ultima phrase Se
no uso. etc.
4.
O art. 3.* como a proposta.
5.a
O art. 4. como na proposta.
6.a
L'omo art. 5.:
A isengo de direitos de importagao con-
cedida a quaesquer e mprezas por lei ou
contrato entende-se restricta aos artigos
especialmente proprios para a realisago
das mesmas oraprezas. Nao serao compre-
hendidos na isengSo de direitos os artigos
necessarios ao custeio de eraprezas que nao
gozarem desta favor, em virtude de dispo
sigilo expressa por lei ou contrato.
as concessSes quo ainda se fizerem, o
governo determinar o prazo de duragao
da isengao de direitos e espeficar os arti
gos favorecidos, com declaragao os que
continuarem a gozar do mesmo favor de-
pois de completo o capital de construccao e
installado o servigo da empreza.
7.a
Como .rt. 6." :
E' o governo autorisado:
Para rever a tarifa das anfandegas, re-
formando ou alterando as respectivas clas-
sidcagSes, podendo para esse fim :
1. Corrigir os valores officiaes que di-
fferirera dos pregos correspondentes das
mercadorias na ctualidade.
2. Modificar as raz3es dos direitos que
pagilo alguns gneros, cuja situago com-
mercial tem variado nos ltimos annos
cora o desenvolvimento da prolucgSo nacio-
nal, dimiauiado-se as razoes dos raosmos
direitos sobre as materias primas indispen-
savea a industrias que estejam muito tri-
butadas.
3. Langar direitos de impoitago sobre
o sal comraum nao excedentes de 10 rs.
por litro.
4. Consolidar as taxas da tarifa, o
imposto addiciooal de 60 Q[, no intuito de
facilitar o processo do despacho das mer-
caduras e simplificar aescripturago a car-
go das alfandegas, reduzindo se animal-
mente as referidas taxas, como fr deter-
minado pelas leis de orcamento. w
5. Rever a tabella dos gneros livres
de direitos de consumo que o sao tambera
dos de expediente excluindo-se os que es
tejam em condigoes de prescindir desse
favor.
8.
Como art. 7.:
Fica o governo autoi'sado para rever o
regulamento do sello fizo e proporcional,
afim de corrigir os d.ifeitos ou oraissSes
que se tm reconbeci lo na pratica, e bem
assim para fazer um augmento razoavel
ns taxas dos diplom is, apostillas e outros
ttulos mencionados na tabella O, ficando
approvadas as tabellas annexas aos decre-
Sim. Ainda me resta algum narcti-
co. Como essa menina nao o quiz tomar
por bem, ha de tomal-o forga. Nos dous
fcilmente venceremos urna crianga.
Bem murmurou Luigi, levantndo-
se, nm pouco paludo, mas calmo. Que
preeiso fazer ?
Angelo tinba tirado do bolso o frasqui
nbo.
Simplesmente, segural-a emquanto eu
a obrigar a beber.
Que tempo levar para produzir el-
feto ?...
Como a dse muito forte, o effeito
ser quasi instantneo.
Luigi sahi da sala de jantar e dirigio-se
porta da de visitas, que abri.
Proli seguia-o lvido, de olhos brilhan-
tes, mas caminhando com passo firme.
Os dous homens entraram na sala onde
eslava Emma Rosa.
A meniua mcrgnlhada em profunda mo-
ditagao, estremeceu ouvindo pasaos e le-
vantou se vivamente.
- Minha ini chegou T perguntou ella.
O armeiro afastou-se sem responder,
descibrin'io Angelo, que avangou dous as
sos e ficou em plena luz.
Emma Rosa olnou-o, soltou um grito de
espanto o recuou at a parede.
Ah recooheeeu-me! disse Proli
em voz rouca, camiohan lo para ella.
O assassino de Jayme Bernier, ga-
gu-jou a iuf-liz menina, que j quiz matar-
me I Ah estou perdida I
Completamente desvairada pelo terror,
lia quiz dirigir-si para urna porta.
Eutre ella e essa porta esrava Luigi, qne
a s gur m pelos puohos e a arrastou at o
canap.
Emma Rosa, nao tendo mais forga p ra
gritar, para chamar soc jorro, cahio de cos-
tas.
Proli correu para ella.
Cora urna mo abri lhe brftalmente a
bocea, com o risco de quebrar lhe as man-
dbulas, com a outra d<-sp jou nella o coo-
teudo Jo sen frasquinho e fechou-a lo
go.
A de^peito dos esforgos desesperado* de
MDiDa Rosa, a deglutigao operou se instan-
tneamente.
O corpo da menina abateu se.
A sua cabega cahio inerte no espaldar
do canap.
Um desmato 1 murmurou Proli. O
effeito do narctico continuar a syncope..
Tudo vai o melhor pouivel.
AA314 de 25 de Outubro de 1884 e
n. 9,360 de 17 de Janeiro de 1885.
9.'
Como art. 8.":
Fica o governo autorisado para cobrar o
imposto de 1 0| sobre o valor das obriga-
c3eS ou ttulos de prelagao, qualquer qua
seja a sua denominagao, emittidos por com-
panhia e sociedades anonymas no acto da
emissao.
1. Os ttulos tiestas especies j emiti-
tidos pagarao a metade do imposto por
occasiao de seren rescatados ou amorti
sados.
2." Este imposto ser cobrado nica-
mente na cidade do Rio de Janeiro e ap-
phcado conclusao das obrae de edificio
da praca do commer.io da mesma cida le.
10
Como art. 9. :
Fica o governo autorisado para crear um
imposto, at 50 rs. por litro, sobre as be-
bidas aicoolicas artificiaos fabricadas no paiz
e destinadas ao seu consuno.
11
Como art. 10:
Fica o governo autorisado para rever o
regulamento do imposto de industrias e
profiss3ss e liarraonisal-o com a disposigao
do artigo antecedente, no quo lhe for ap-
plioavel.
12
Como art. 11
O imposto sobre patentes de privilegios
passar a ser cobrado como sello, sendo
eliminado do orgamcuto da receita o res-
pectivo titulo.
13
Como art. 12:
FormarSo um s titulo do capitulo ex-
portagSo as rendas de 2 1[2 0r* da plvora,
de i lj2 0| de ouro em barra e de 1 0f
dos diamantes.
14
Como art. 13:
Os oryamentos da receita e despeza do
Imperio para o exercicio de 18861887,
regero tambera o primeiro semestre de
1887 1888. Naa futuras propostas o anuo
financeiro dever coincidir com o anno ci-
vil.
15
Como art. 14:
Os empregados que houverem feito con-
curso para |. entrancia das alfandegas do
Imperio, que na ultima reforma de 1876
j contavam mais de dez anns de servigo
as mosmas repartirles, podero ser pro-
movidos para lugares de entrancia superior
independentemente de novas provas de
habilitagSo em concurso.
16
Como art. 15 :
Continha em vigor a autorisagao do
1. art. 7. da lei n. 3,230 de 3 de Setem-
bro de 1884, relativamente ao resgate
das estradas de ferro da Babia Ala-
goinhas, e a de Recife S. Francisco in-
cluindo o ramal do Timb.
17
Como art. 16 :
O abatimento de que trata o art. 5. da
da lei de 6 de Outubro de 1885 far-se-h
de hora em diante na seguinte proporgo :
2 /0 nos tres primeiros mezes que de-
correr em depois do prazo marcado pela
junta administrativa da caixa da amortisa-
g3o para a substiiuigo sem descont ;
4 /0 nos outros tres mezes;
6 /0 nos tres mezes seguintes ;
8 /0 nos outro tres metes;
5 /0 mensaes depois de fiado o primei-
ro anuo de resgate com abatimento.
A junta administrativa da caixa poder,
se for necessario, prorogar o prazo da subs-
tituiglo sem descont nos termos da legis-
laco vigente.
18
Como art. 17 :
Contina a cobranga do impjsto sobre
subsidios e vencimentos.
Com os additivos e modifcag3es apo-
sentadas pela commissao, poder-se-hia, em
presenga das despezas votadas no orga-
mento em rolagSo s diversas repartig3es,
em que se divide o servigo publico, decla-
rar que o equilibrio orgamentario se esta-
beleceria e at talvez a receita apreaenta-
ria saldo lisongeiro, so os gastos exigidos
pela tabella C (obras publicas em anda-
mento!, nao ameagasaem a todo o intante
desorganis3r a situago.
O presente orgamento a commissao pro
p3e que se estenda a 18 mezes incluindo-se
o exercicio financeiro no auno civil, e, por-
tanto, duravel at 31 de Dczembro de
1887. Nao pode a receita rsceber nos
primeiros 12 mezes calculados de Julho de
1886 a 30 de Junho de 1837 todos os be
neficios resultantes dos additivos da com-
missao, porque alm de tres ou quatro
primeiros, em quo nao sao elles executa-
dos, nos seguintes nao obtcrSo ainda
toda a elasticidade, que com o correr do
tempo devem conseguir. A renda de Ju-
lho de 1887, a Dezembro dever ser su-
perior, proporgoes guardadas ao semes-
tre antecedente. Pde-se assim calcular
que de Julho de 1886 a Julho de 1887
ainda se verifique algum dficit. Se, po-
rm, o governo effectuar as necessarias eco
nomias dependentes da administragao, se
nSo se atirar a novas emprehendimentos
de obras publicas, se nao exagerar as des-
pezas com a conclusao dos actuaes serv-
gos, alm das sominas annuas fixadas, de-
*e-8e e pde-se contar que produzir.ao as
idai da commissao seus resultados natu
raes, do equilibrar a despeza, e mesmo de
crear e applioar a venda ordinaria do im
posto do sello ao servigo especial do reco-
Ihimento gradual do papel-raoeda, cuja su-
perabundancia mais que tudo concorre para
as oscilicBes constantes e rpidas baixas
de cambio, que o mais profundo cancro
que corroe as entranhas do paiz, atraza-o
extraordinariamente na sua marcha, e acar
reta um prejuzo annuo enorme, quasi-
incalculavel, ao Thesonro, ao comraercio e
aos particulares, de modo que quasquer sa-
crificios para o debellar sao necessarios e
muito compensarlo os males d'elles resul-
tantes.
Sala das commissoes, 4 de Agosto de
1886. Pereira da Silva. Carlos Peixoto,
com restricgSo quauto ao art. 6., 3..
Mattoso Cmara.Henrique.Silva Ta-
vires. Guahy. Rodrigues Alves. Lou-
renco de Albnquerque, vencido quanto
applicagao do imposto sobre os ttulos de
j.relagilo.
PROPOSTA DA RECEITA
1886-1887
Art. 1. A receita geral do Imperio
orgada na quantia de 132,881:6000000 e
ser realizada com o producto do que se
arrecadar dentro do exercicio da presente
lei, sob os ttulos abaixo designados :
ORD INARIA
Importacdo
Direitos de importagao
para consumo 74,000:0000000
Expediente dos gneros
livres de direitos de
consumo 700:0000000
dem das capatazias 27O:OOO0JOO
Armazenagera 1.200:0000000
Despacho mar it irnos
Imposto de phares 300:0000000
dem da dca 110:0000000
Exportando
Direitos de exportago
dos gneros nacionaes 18.000:0000000
dem de 2 1/2 / da
plvora fabricada por
conta do governo, o
dos metaes preciosos
em p, pinha, barra
ou em obras 30:0000000
dem de 1 1/2 % do
ouro cm barra fundi-
do na Casa daMoeda 2:0000000
dem de 1 % dos dia-
mantes 8:0000000
Interior
Juros das acgSes das es-
tradas de ferro da Ba-
ha e Pernambuco 140:0000000
Renda da Estrada de
Ferro D. Pedro U 12.500:00000000
Dita das estradas de
P!
Atirou o fr squinho vaziona lago ds mar-
more do fogo, onde se quebrou em mil
pedagos.
Tres quartas partes do trabalho est fei
to, disse o armeiro. Fique aqu e espre-
me.
-- Onde vais ?
Vou por o coup.
Para que ? Bastar atirar o corpo no
Marno.
-- Que erro essa seu Tenbo a minha
i lea... E' preciso que a justiga nao posso
desconfiar de um crime, quaudo o corp
tor encontrado e que os mais finnos creiam
em um desastre.
Que queres fazer ?
E' intil explicar-lhe, porque ver lo-
go com os proprios olhos.
E sem esperar mais perguntas, Luigi sa-
bio da casa, deixando Proli junto ao cor-
po inanimado de Emma Rosa.
Voltou dez minutos depois.
Ajude-me, disse elle. A pequea nao
muito pezada, mas daqui ao portao urna
caminbada... Eu seguro-a pelos ps, vo-
t segure-a pelos hombros, e a caminho !
Os dous homens levantaram a menina
sem sentidos e a carregaram at o carro,
que estava prorapto, parto da cocheira.
Luigi teve o cuidado de abrir a porta de
anterao.
Dnitarara Emma Rosa sobre as almofa-
eas, e elle depois abri o porto, tomou a
egua pelo freio e a le vou at margen)
a cabega virada para o rio Mam), cujas
aguas lodosas eorriam com um ruido sins
tro.
Proli tinha empurrado grade, mas sera
fchala.
De repente Luigi parou e escutou na di-
recg&o do caminho que liga a villa de la
Pie a S-iint-Maur des Fosss.
Que ha perguntou o doutor.
Ruido de passos. Ougo correr. Al
guem vem para este lado.
Entilo anda depressa I replicou Pa
roli trmulo. Acaba oom isso 1 Vao nos
sorprehender.
Luigi tinha tirado um caivete do bolso.
Abri o e approximou-se da egua e ser-
vio se da ponta para feril-a na anca.
O sangue correu.
O animal assim martyrisado relinchn de
dor e saltou para a frente.
Do primeiro impulso chegou beira da
margem e o terreno faltou-lhe debaixo das
mos.
Ouvio-se um estalo surdo, depois cavallo
ferro custeadas polo
Estado
Dita do correio geral
Dito dos telegraphos
elctricos
Dita da Casa da Moeda
Dita da Imprensa Na-
cional e Diario Ojfi.
cial
Dita da lythographia
militar
Dita da fabrica da pl-
vora.
~> ita da fabrica de ferro
de S. Joo de Ypa-
nema.
Dita dos aasenaes
Dita da oasa de cor-
re-gao.
Dita do imperial eolle-
gio da Pedro II
Dita do instituto dos Sur-
dos-SIudos.
Dita das matriculas nos
estabelecimentos de
nstrucgo superior.
Dita dos proprios nacio-
naes.
Dita dos terrenos dia-
mantinos.
Foros de terrenos e de
marinhas, excepto os
do municipios da cor-
te, e productos da
venda de posses ou
dominios uteis dos
terrenos de marinhas,
nes termos das ante-
riores leis do orga-
mento.
800:0000000 1.600:0000000
1.000:00000000 30:0000000
525:0000000
5000000
1:5000000 <
70:000f000 20:0000000 i
40:0000000
60:0000000 y
3:5000000

360:0000000
140:0000000
18:0000000
10:0000000
Laudemios nSo compre-hendidos os proveni-entos das vendas dos terrenos de marinhas da corte. 15:0000000
Vendas de trras publicas. 100:0000000
Premios de depsitos pblicos. 15:0000000
Concesso de pennas d'agua. Sello do papel. 700:0000000 5,000:0000000
Impostos de transmis-
sao de propriedade.
Dito de industrias e
proissoes.
Dito de transporte.
Dito predial.
Dito sobre o subsidio e
vencimentos.
Dito sobre datas mino-
raos.
Dito sobre patentes e
privilegios.
Dito do gado.
Cobranga da divida ac-
tiva.
1,500:0000000
3,500:0000000
300:0000000
3,500:0000000
520:0000000
1000000
3:0000000
250:0000000
700:0000000
EXTRAORDINARIA
para o
da Mari-
ContribuigSo
Monte-Po
nha.
Indemnisago'es.
Juros de capitaes na-
cionaes.
Venda de gneros e
proprios nacionaes.
Receita eventual.
40:0000000
400.0000000
300:0000000
100:0000000
1,000:0000000
132,881:6000000
(Continua).
e carro rolaram as aguas protundas que
os sorveram.
Approximou-se o ruido de passos indica-
do por Luigi.
Eis ah um trabalho bem feito, disse
o piemontez, mas creio que tempo de fu-
gir" ,
Luigi correu pelo caminho de sirga ao
longo da margem, do lado da ponte de Cr-
teil.
Proli assustado o seguio.
Nesse mom nto um homem e urna mu-
lher appareceram, emergndo das trovas,
ambos sem folego, arfando como depois de
urna corrida longa e rpida.
A despeito da temperatura rigorosa
grandes gottas de suor molbavam-lhe os
rostos.
Os recem-chegados eram Osear Rigault,
o ex-mascate, e a grande Sophia, sua ir-
m.
Osear parou.
Ouvi o relinchar de um cavallo, disse
elle, depois um estalo, como se atirassem
urna cama de um sexto andar na calgada,
e depois o ruido de alguma cousa pesada
que cahia na aguai Vi sombras desappare-
cerem. Pareciam lugir.
Sophia tinha corrido at entrada do
jardim da sua casa.
O portao est apenas encostado! ex
clamou ella. O postigo est aberto I
'Cntrou no pateo e dirigio-se cocheira.
O ex mscate nao a seguio. Obedecen-
do a urna curiosidade invencivel, desceu a
rampa ingreme e relvada da margem, alva
com a geada.
De repente soltou urna exclamago de
sorpreza.
Um corpo inanimado, o corpo de urna
muliier, cuja parte inferior estava mergu-
Ihada no Mamo, estendido a seus ps.
Charaou com todas as forgas :
Suba Sophia !
Mas Sophia nSo podia ouvil-o.
Vendo a cocheira aberta, allumiada pela
lanterna que Luigi, na precipitago da sua
fuga, nao tinha se lembrado de apagar ;
verificando o desapparecimento do coup,
as descoofiangas despertadas no seu espiri-
to pela narrago de Osear, tinham-se con-
vertido logo em certeza.
Urna quadrilha de salteadores saqueava
a sua propriedade.
A porta do vestbulo, entreaberta, dei-
xava passar urna luz frica, que cahia so-
bre os primeiros degros da escada exte-
rior,
Sem mesmo lembrar-se do grande peri-
go qub podia correr cabindo no meio dos
saqueadores, a moga correu para o lado da
casa, subi os degros da escada e en-
trou.
Entretanto, Osear Rigault, vendo que a
irmS nao responda ao seu chamado, de-
brugou-se sobre o corpo inanimado da mu-
lher.
Essa mulher, ou antes essa menina, os
nossos leitores j o tero comprehendido,
era Emma Rosa, que, pela segunda vez, es-
capou raorte por urna especie de mila-
gro.
Esse milagre, entretanto, era mais appa-
rente do que real, e a sua salvag3o expli-
ca-se de modo muito simples.
O leitor estar lembrado de que a por-
tinhola do lado esquerdo do coup, cuja fe-
cbadura tinna urna mola muito traca, abra-
se por si, com o menor abalo.
Ora, no momento do choque terrivel que
o coup soffreu quando a egua com a anca
picada a golpes de caivete, saltou do alto
da margem, arrastando o carro para as
aguas profundas, a portinhola gyrou sobre
os gonzos e a filha de Angela Bernier foi
langada fra.
Do cavallo e do coup nenbum vesti-
gio.
S Emma Rosa, desfallecida, estava es-
tendida no solo duro.
Osear tomou-lhe um dos punhos e achou-o
fri como o marmore.
Com effeito murmurou elle. Parece
que ella est morta I Haveria um assassi-
nato ?
A sua mo apalpou o busto da menina,
parou do lado esquerdo do peito; sentio o
corago bater fracamente, e continuou :
NSo .. ella ainda est viva. Mas
creio que se a gente nao chegasso em seu
auxilio, ella acharia dffiouldade em sal-
var-se.
O irmo de Sophia era vigoroso.
Tomando nos bragos o corpo de Emnw
Rosa, levautou-a, encostou-se ao hombro e
procurou de novo o caminho de sirga, o
ue qSo conseguio sem alguma difficulda-
e, porque o
talude da margem n2o era
l
facifde subir carregando-se um peso.
Afiqal chegou ao alto, no momento em
que Sophia, reapparecendo no portan, cha-
mava por sua vez ;
Osear i Osear 1
__Aqu estou, respondeu o ex-mascate.
(Continuar te-ha.)
ra Duque de Carias a. 48.
i
Tjrp. do


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZV3TKTEM_AKPBWY INGEST_TIME 2014-05-19T17:42:00Z PACKAGE AA00011611_19058
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES