Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19055


This item is only available as the following downloads:


Full Text
HMEfifl 201
c ,,a,nr -- ------- -
*
K
PARA A CAPITAL K JLKiARJSS OIDE NAO HE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantadoa ... ........ 6^n
Por seis ditos idem...... ......... 1 ?yn
Por um anuo idea................. 24^
Cada numero avulso, do mesmo da............ #10"
DIARIO DE
SETA--MBA 10 Di SEflBtO DE 1886
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoa............... 13)5500
Por nove ditos idem................. 20*000
Por um anno dem.................. 27($OOt?
Cada numero avulso, de das anteriores........... 100
NAMDUGO
Pr0pru>af te JRaiuel JFigurira be /aria ft -filljus
O* Srs. tniedee Prince A C,
de Paria, sil: os nossos agente*
exclusivos de annnnciai e pu-
blic ces da Franca e Ingla-
terra.
Os Srs. Wasburne Dmanos.
de New-Vork. Broad Way n.
S90. sao os nossos agentes ex-
clusivo de annu dos nos Es
(atlos-1 nidos.
t
TELEGRAMAS
SESV Halo** SO DIABIO
RIO DE JANEIRO, 9 de Set3mbro, s
5 horas e 45 minutos da tarde. (Recebi-
do s 7 horas e 10 minutos, pelo cabo sub-
marino).
O conwelbeiro Tbeodoro Machado.
tratando boje da 3.a dlscuNo da
recella geral do imperio, pronun-
cloa iiui importante dlMCtirso.
8. Exc. falln relativamente a nitaa-
eio II ii anee ira do imperio e tas pro-
vincia e especialmente, sobre O
impostos da provincia de Pcrnam-
baco. tendo sido apoiado peta de-
pntaco da mesma provincia.
2*7150 a .m um *
(Especial para o Diario)
SOFA, 7 de Setembro.
O overo blgaro scienlifleon a
Bussia de que o principe de Batien-
berg addicara. e na mesma comma-
icaco pede ao governo do Czar que
salvaguarde.a autonoma da Bulga-
ria e dos interesses do pais em ge-
1*1.
S. PETERSBURGO, 7 de Setembro.
As aguas dai nascenies sao geralmente aguas
potaveis de boa quulidade, quando as caadas do
solo que t>m percorrido lhes nao produziram al-
teracao. Sao as que devem ser preferidas para
o abas'ecimeoto das povoacoes. Manteem urna
temperatura e urna composico cons tantes ; duran-
(e o trajectotem-se-lhes ineorpnrada urna sufficien-
te quantidade de ar ; e esto menos sujtitas s
causas de impureza que alteram as des ros e das
ribeiras.
As aguas dos ros e das ribeiras sao excellentes,
emquanto nao teem recebido no sen leito as impu-
rezas provenientes das suas margena. A' medida
que as industrias se v Jo desenvol vendo, estas aguas
atravessando os gran ies centros de populaco n de
trabalho, vao-se tornando cada vez menos puras,
purqae, conservndose constante a sua massa, vai
pelo coiitrario augmentando successivamente a
quantidade de materias extranhas que recebem.
(Contina).
?ARTE OFFICliL
Ministerio da Guerra
Por decreto de 28 da Agosto forara pro-
movidos na arma de inafotaria as officiaes
abaixo declarados :
2o batalhao. A capitao, o tenento Anto-
nio Ignacio de Alluquerquo Xivier, para
a 5a companhia, por estudos.
3o batalhXo,A major graduado, o ca-
pitao Manoel Jos Fernandos Ribeiro.
4o batalhao. A capitao, o tenenta JoSo
de Almeida Senna, para a 31 companhia,
por antiguidade.
14 batalnao.=A coronel commandante,
o coronel graduado Frederico Christiano
Buys, por antiguidade.
18 batalnao. A capitao, o tenante
Porfirio Francisco Rosa, para a 6a com-
paaliia, por antiguidade.
19 batalhao.:\ tenentes*da arma, os
alferes Augusto Cesar Gaspar, por anti-
guidade ; Olivio Hermano c'ardoso, idem ;
Francisco da Paula Rodrigues Barcellos
Filho, por estudos ; Antonio Caetano da
Silva Jnior, idem.
For decretos da mesma data foram trans-
feridos : para 2' classe do exercito, de
contoriuidade com a immediata e imperial
resoluco de 1 de Abril de 1871, o capitao
do 7 batalhao de infantaria, Joaquim Car-
doso do Aguiar, visto ter sido julgado inca-
paz do servido do mesmo exercito.
Para a 1* companhia de infantaria, o ca-
pitao do 18 da mesma arma Fioresmundo
ollatino dos Reis Araujo Ges.
Para a arma de infantaria, nos termos
do art. 6o da lei n. 1,143 de 11 da Se-
governo russo responden ao go- tembro de 1861, e conforme pedio, o alfe-
lerno blgaro que proceder segun-
do os acontecimeutos supervenien-
tes, mas que. em em todo caso, acei-
ta a autonoma da Bulgaria.
BERLIM, 8 de Setembro.
A abertura do parlamento allemo
ettVrtuar se lia em 10 do corrente.
SOFA, 8 de Setembro.
principe de Battenberg abdlcou
e JA sabio de Sola.
Ntamboulow, uoulKourovv ekara-
velovr foram nomeados regentes do
principado.
Agencia Ha vas, filial em Pernambuco,
9 de Setembro de 1886.
1NSIRCCA0 POPULAR
(Exirnhido)
DA BIIiUOTHKCA DO POVO E DAS ESCOLAS
CAPITULO IV
aui ani HiDtni:
Agua potavelChama se agua potavel a
que pela sua coippos'vito e mais qualidades, pode
aer usada como bebida ordinaria. Deve teros se-
guintes caracteres : ser lmpida, nao ter cheiro,
ter um Babor agradavel, ser leve, ser fresca no ve-
rao e nao inuito fra no invern, dissolver o sab i o
em formar grumos, coser bem os legumes, nao
conter meteras orgnicas e possuir em dissoluca
m quantidade conveniente dear, de acido carbo
ico e de substancias mineraes.
A Agua destillada, a qual pela destillacSo pri-
vada de todas substancias extranhas, agradavel
ao paladar,e, exposta atmospbera por algum
lempo, principalmente se a agitarmos, fca sufficien
temente arejada. Os modernos aperfeicoamontos
dos apparelbos destinatarios permittem que se
aproveite a agua do mar para bebida as loogas
viagens. O uso da agua destillada torna-se necea-
tano as localidades em que impossivel obter-se
a potavel ; mas elle preiudicial para so seguir
constantemente, porque o organismo tem necesai-
dade das substancias extranhas que a agua pota-
telcontm.
As aguas estaqnadas sao inconvenientes para a
alimentaco, porque conteem grandes quantidades
de materia orgnica, quagi seirpre em decorapusi
cao, o que altamente nocivo. O mesmo pode di
zer-se da agoa do lages. Taes aguas, quando
aouver necessidade indispensavel de se usarem,
devem ser filtradas, corregidas com alumen (5
oentigrammas por litro), temperadas com vioho
M aleo ol, oue isso ser o melhurfrvidas.
As aguas devidas fusilo do qelo tambem nao
conven), porque nao fo suficientemente minera-
litadas e a rejadas ; sao de digesto difficil e pio-
vocam incommodos gstricos o intestinaes.
As aguas da chuva bao verdal*iras aguas dis-
tilladaa. Kecolhidas antes de tocaren o solo, sao
bastante puras. Asprimeiras que cahem conteem
geralmente muita materia orgnica, da que esta va
suspensa na atmospbara e que ellas precipitaram.
Para que possam ser bem digeridas e sejam uta-
das sem inconveniente, devem juntar-se-lhes os
taes que lhes al tato. Com tu do em Vienna d' Aus-
tria, em Constantinopla e em Cadix faz-se uso com
um destas aguas, sem se lhes reconhecerem des
Tanta gons.
A* aguas dos pojos variam'em qualidades, segun-
do as tuas ongens as carnadas de terreno que
ten atravessado. Teem qoasi todas em dissolue,o
grandes quantidades Oe materias inorgnicas, que
torsam o teu uso inconveniente.
res do 2 regiment de cavallaria ligeira
Leopoldo Jos Ortiz da Silva.
Tiv.ram ordein do continuar aggrfg
dos at findar o anno, o capitao de caval-
laria Delfiao Albino Goocalves e o tenente
da mesma arma Cosario dos Anjos Graja.
For m transferidos do 8o batalhao de in-
fantaria para o 20 da mesma arma o al-
feres Arthur Adacto Pereira de Mello, e
do 5o regiment de cavallaria para o 2' da
mesma arma Jos Joaquim Caxias.
Apresentou se ao quartel general o al-
ferea de cavallaria Ceopoldo Jos Ortiz da
Silva, vindo do snl: ficou addido ao 16
batalhao de infantaria.
Permittio-se que o capellao-tenente do
oorpo ecclesiastico do exercito, padre Ger-
mano Antenor de Araujo, em viagem do
Piuuhy para as Alagoas, demore-se um
mez nc Cear, attento o resultado da ins
peccSo de saude a que foi submettido.
Mandou-se submetter inspecyao de
saude a que foi submettido.
Mandou-se submetter inspeccSo do
saude o alferes do 10 batalhao de infanta-
ria Myrtbaristides Fortuna.
O capitao do corpo de estado-maior de
1* classe Vicente Antonio do Espirito San-
to, apresentou na reparticao do ajudante
general certidao passada pela secretaria da
faculdade de direito do Recife, da qual
consta que a 5 de Novambro de 1883 foi-
lhe conferido o grao de bacharel em scion-
cias jurdicas e sociaes.
Em nspecc&o de saude, os capitles do
2o de infantaria Antonio Francisco de Mel-
lo, e do 18 Antonio Jos da Silva Vivei-
ros, foram julgados iaeapazea do aervieo
do exercito.
Ministerio da f ostlca
Por portara de 28 de Agosto foi no-
meado J"s da Fons-)ca e Silva para o lu-
gar de pharmaceutico do presidid de Fer-
nando de Nuronha.
Ministerio do Imperio
Foi perdoda a Antonio Jos Oourado
da Silva a penna de um mez de prisao e
multa correspondsnto ruetade do tempo,
a que esta va condemna lo pelo juiz de di-
reito da comraarca do Limo-iro, na provin.
cia de Pernambuco, por criine da injurias
verbaes.
Foi nomeado praticante do Observatorio
Astronmico o 2o tenente de artilturia ba-
charel Joao do R go Barros.
Ministerio da Agricultura
Foram noiu-adi para a estrada de fer-
ro D Pedro II: fiel oe 2a i-.lasae o auxi-
liar Francisco M-mcos Leal V-dlim ; auxi-
liar Domingos Mi.ttarana, e despachante
Joaquim Vieira do Llouto.
Foi exonerado do commando da canho-
neira Lamegn o capitao-t nente Josa Mar-
ques M-nie0o.
Foraui nomeados p'.ra embarcarem na
flotilha do Aito-Uruguay o Io tenente Joao
Antonio de Miranda Ni lsn ; na cai'honei-
ra Lamego, R y mundo Jos Ferreira do
Valle.; no cruzador Primeiro de Marqa
O machinista de 3* elasaa Mauoel da Silva
Netto, e na corveta Nitkeruhy o de 4* cas
se Jos Basileu Alves Pinna.
Tiveram ordem de desembarcar do cru-
zador Trujano o 2o tenente Raymundo
Jos Ferreira do valle e do Purn's o 1
tenente Joao Antonio de Miranda Nielsen.
Tiveram ordem de passar para o cruza-
dor Trajano : do encouracado Solimdes 10
imperiaes marinheiros e 8 foguistas con-
tratados ; do encourayado Ste de Setem-
bro ; imperiaes marinheiros e 3 foguistas
contratados ; do encourayado Javary 5 im-
periaes luarinbeiros ; e do vapor Pttrtt' 1
paticante de machinista.
Do encouracado Aquidabam para o So-
timbes vio passar 2 guardas-marinha, e
do encouracado SotimZes para o cruzador
Guanabara 1 official.
Foram promovidos a mesttes do corpo
de ofciaes-marinheiros da armada da 1*
classe o da 2a Bellarmino Pereira do Rosa-
no' e da 2* classe os guardiSes Nephitali
Alves da Silva. Liberato Jos Rodrigues e
Antonio Vieira.
Foi nomeado commandante da canho-
neira Lamego o Io tenente Jos Manoel
Pereira de Sampaio.
Permi;tio se que o imperial marinheiro
de Ia classe, Joao Francisco de Almeida,
preste exarae para ser admittido no corpo
de officiaes marinheiros.
overu da provincia
DESPACHOS DA PBE8IDENCIA DO DA 6 DE-
SETEMBBO DE 18t6
Anna Amalia Barbosa ia Silva. Con-
cedo.
Antonio Sim3es de Almeida.Informe
o Sr. inspector do Shesouro Provincial.
Caetane Ignacio de Medeiros Reg.
Sim, com os vencimentos a que tiver di-
reito.
Cosme Jos Barbosa.Sim pagando as
comedorias.
Dalvino da Fonseca Lyra.Remettido
junta medica provincial, a quem o sup-
plicante se apreseotar para ser inspeccio-
nado.
Fraocelina Mauriua da Silva e Albuquer-
que. -Concedo, na forma da lei.
Gonzalo Attico Lima. Encaminhe-se.
Horacio Barbato Accioly. D-se.
Joao Jos da Silva. Informe o Sr.
commandante da Escola de Aprendizes
Marinheiros.
Jos Muniz Teixeira Guimaraes. Io-
deferido, em vista do parecer da junta me-
dica provincial.
Joaquim Pedro Pereira. Informe o Sr.
Dr. chefe de Polica.
Pacifio Paulino Malaquias,Concedo,
sendo a aula gratuita ; e nao tendo o sup-
plicanle.-ns futuro direito a indemnisajao
alguma.
Severino Lyra.Sim.
Silella Pereira da Silva. Informe o Sr.
director da Colonia Isabel.
Vicente Ferreira Honorato. Deferido
coa o offi io que dirijo hoje ao director do
Presidio.
Secretaria da presidencia de Pernambu-
co 9 de Setembro de 1886.
O ajudante do porteiro,
Antonio F. da Sveira Carvalho.
Reparticao da Polica
Seccao 2." N. 881. Secretara da Poli-
ca de Pernambuco, 9 de Setembro de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que nos tres ltimos das foram recolhidos
Casa de Detenyao os seguintes indivi-
duos :
No da 6:
A' ruinha ordem, Joaquim Cordeiro do Reg,
remettido pelo delegado do termo de Olinda, co-
mo alienado, afim de ter destino para o asylo da
Tamarineira.
A' ordem do subdelegado do Recife, Eduardo
Monleiro, por embriaguez, Jolien Jansen, re-
quisica do cnsul da Suecia ; Manoel Luiz de
Franca e Prudencio dos Santos Costa, por uso de
armas drfezas.
A' ordem do de Santo Antonio, Joao Joaquim
Fernandas, Ladislao de Freitas Albuquerque,
Francisco Pereira de Souza, Manoel Francisco
dos Santos, Jos de Barros Lima, Manoel, conbe-
cido por Garrote, Salustiano Vieira de Alcntara
e Tranquillino Francisco dos Santos, por distur-
bios e uso de armas defezas.
A' ordem do do Io dtricto de S. Jos, Jos
Antouio de Paula, por disturbios e uso de armas
detez>s ; Fi aasco de Salles Cavalcanti, por dis-
turbios ; Manoel Tbeodoro das Chagas, por dis-
turbios, disposicao do Dr. delegado do 1 dis-
tricto da cap'-tal ; e Joao Alves dos Shntos, por
disturbios, a miuha disposico.
A' ordem do do 1" distncto da Boa-Vista, Fran-
cis -o Jos de Lima, Francisco Leonardo de Paula
e Silva, Frauciscj Xavier do Reg, Silvino Fran-
cisco da Silva, Placido Jos Antonio, Severiano
Venancio, Jos Antonio dos Anjos e Joao Severino
dos Santos, por uso de armas defezas ; Raphael
Tarares dos Santos e Silva, Raphael Felippe Ne-
ry e Antouio Silva, por disturbios.
A' ordem do do 2 diatricto da Boa Vista, Ber-
nardina Romao dos Santos, por disturoios.
A' ordem do do i" districto da liracja, Antonia
Francisco do Nascimeuto, por disturbios e oso de
armas defezas.
No dia 7 :
A' minha ordem, Manoel dos Reis de Sant'An-
na, por disturbios.
A' ordem do Or. juiz de direito do 3o districto
criminal, Lourcuco Garca, por crime de femea-
tos graves.
A' ordem do subdelegado do 2 districto de S.
Jes, Job Autonio do Sacramento, por disturbios.
A' ordem ^o do 1 districto da Boa-Vista, Joa-
quim Diouizio, por embri..gu-z e disturbios.
A' ordem do de Afogados, Joaquim Gomes da
Silva, por disturbios.
A' oriem do do 1 districto da Gracn, Eduardo,
escravo do Vmunde da Silva Loyo, por crime de
rapto, s disposicao do Dr. delegado do 2 districto
da capital.
No di. 8:
A' minha ordem, Joaquim Goncalves, vind da
Victoria com > alieuad, anua de ter destino para o
Aey:o d* T-inanoeira, Joo de tal, Joao Jos Pe-
ni ra, Mauoel Felippe Eneas, /cente de tal e Ma-
noel Astonio Bi-serra, viudo de Agna-Preta como
criminosos
A ordem do Dr. delegado do Io districto da ca
pital, Belunro de tal, por disturbios.
A' ordem do subdelegado do Rocife, Galdino
Jos da Suva e Luis Francisco Doniingues da
Silva, miuha dispsico; Bertholiuo L .pes de
Souza. por embriagues; Antonio Joaquim de
SantAuna e Manuel Ferreira da Silva, por uso de
arma detetas.
A' ordem do de Santo Antonio, Silvestre Ribe-
ro de Albuqtferque, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do 1 districto de S. Jos, Maxi-
raiano Pereira da Cunha, por disturbios.
Na madrugada de 6 do corrente f jram os la-
rapios casa em quo reside D. Isabel Ezydia Pog-
gi do Figoeiredo, no 1 districto do Podada Pa-
nella, e arrumbando a porta do olto que deita
para a sala d jantar, ahi penetrar un e briram
diversos babas, d'onde tiraram 4 anneis com bri-
Ihantes, se ido um delles com brilbante grande
circulado de uutros pequeos ; 1 dito de ouro com
cabello; 1 di'.o cora pedras e a kttra E; urna ro-
seta de ouro cjm 1 brilbante no centro e as pon-
tas, bastante pequeos, formando urna estrella; 1
trancelim grnde com passadoresnaltado de azul,
para relogio; 1 apparelho ompoat) de urna pul-
seira, 1 par p brincos e 1 alnete com pedras,
tudo de ouro, com a firma I E. P. F.; ma pul
seira de ouro, fita larga, simples; urna medalha
grande, do ouro, com 1 diamante; 1 cacho de ca-
bello louro, encastoado em ouro: 1 par de brincos
pequeos, com perolas e sem os piugente;: ama
salva grande de prat.i; 12 colheies grandes, de
prata, para sopa: 14 ditas pequeas, de prata
para cha; urna c&ixa de tartaruga com frisos dt
ouro, para rap; 2 chapeos novos, eufeitados da
encarnado, para senhora; 2 ditos de teltro liso,
para menina; 2 cortes de vestido de cretone
brauco com listras rxo-claras; 2 ditos de fastao,
sendo 1 com listras pardas e outro cor de rosa ;
urna c meia peca de madapol) fino ; 1 casaco de
merino preto enteitado de vidrilh > preto; urna cai-
xinha de madreperola, contendo 2000J em sedu-
las e diversas moedinbas de prata; urna caixinha
de estampa, contendo frascos com extractos; urna
caixinha com argola de latao, para cha; 1 leque ;
1 boto de ouro com esmalte azul e as iniciis M
A. F.; diversos pedacos de madapolao; porcio de
labyrintho para fronba; diversas pecas de ouro,
pequeas e quebradas, e algumas pe^as de baba-
dos bordados, entremeios, rendas, bicos e talhos
de crochet para camisa.
O subdelegado do dtricto fez a competente vis-
toria e procedeu diversas diligencias para des-
cobrimento dos autores do crims.
Hontem, 1 hora e 3/1 da tarde, quando
possava pela ra do Bario da Victoria o gu rda
n. 11 conduzmdo o preso de nome Jos Francisco
Gomes Cardeal, um individuo, cujo nome ignora-se,
agarrou-o inesperadamente, emquanto o preso o
desarma va
Aos apitos de alarma acudiram algumas pracas
que se achavam de ponto as immediacoes, as
quaes, com bastante esforco conseguirn manter
a ordem, qn j estava sendo perturbada por di-
versor paisanos improvisados em defensores do
preso.
Foi mister os guardas Ian$irein ino do grao
de forca maior, para a dispersao dos paisanos,
do que result >n sahirem levementa feridos os do
ns. 5, 11 e 28.
O aggressor, aproveifanJo-se da confuso, poz-
se em tuga, seuio o preso recolhido na Casa de
Detencao.
No dia 4 do corrente, 1 hora da tarde, o
trem da va frrea de Caxang, que part) da es-
tacao do Monteiro paea a de Pedra Mole, ao che-
gar curva que fiea alm da taverna n. I do Mon-
teiro, apanhou a O. Henriqueta Galvao, a quem
atirou no chao, paseando a roda da machina so-
bre o p tsquerdo.
A refei^d* senhora ficou com o p bastante mal-
tratado, atode'dous dedos esmagaios.
Informa-me o subdelegado do districto que ne-
nhuma culpabilidade houve da parte do machi-
nista, que tendo a pitado e mesmo gritado para
que a senhora se affastasse, parou o trem, com
bastante esforco, na occasio em que nao era mais
possivel evitar'o choque.
Communicou-me o delegado do termo de Leo-
dina, que no dia 9 do mez findo e no lugar de
nominado Tncumt, quatro leguas distante da
villa de Floresta, um individuo conhecido por
Joa Tenentedisparara um tiro d emboscada
na praca de polica de nome Jos Alves Vianna,
que segua destacada para Petrolina.
A praca foi ferida as costas por um caroco de
chumbo, empregando-se os demais no capote e na
parte inferior da carabina, que conjuzia, e ficou
inutilsada.
A tal respeito procedeu-se nos termos da lei.
Ante-hontem, sil horas da noire e no dis-
tricto da Magdalena, o individuo de nome Amaro
Joaquim de Aqnino travando-se de razes com
Antonio Gomes da Silva, viga da corva da Tor-
re, resultou sahir lerido levemente noolho esquer
do, em rat&o de urna garrafa que lhe atirara Ha
noel Gomes da Silva, filho do dito Antonio Go-
mes.
Contra o delinquente, que evadio-se, procedeu
se nos ulteriores termos da lei.
Pelo subdelegado do districto da Magdate
na foram remettidas a esta repart:cao duas facas
de pontae um punhal, tomados a individuos des-
erdeiros.
O cidadao Affunso de HollanJa Albuquer-
que Maranhio assumio em data de 5 do corrate,
na qualidade de Io supplente, o exercieio da de-
legada do termo de Nazareth.
__ Tambem no dia 16 do mez findo assumio o
alferes do corpo de polica, Jos Felippe Gomes
Jnior, o exercieio do cargo de delegado do ter-
mo de Leopoldina.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao
muito digno vice-presidente da provincia,
-O chefe de polica, Antonio Domingos
Pinto.
DIARIO DE PERBAHMieO
RECIFE, 10 DE SETEMBKO DE 1886
Noticias do sal do imperio
O vapor francez Ville de Cear, eut.i.do ante-
hontem, foi portador daa seguint.s noticias, ajm
das ofiiciaes que publicamos na respectiva seceo :
H. Pedro do B*o Orande do Sal
Datas at 26 de Agosto.
O Artista publica o segumte :
Horacio Goncalves da Silva, carroceiro, casa-
do, com 38 aonos de idade, foi preso no dia 16 do
corrente e recolhido ao quartel da forca policial
da capital, onde est' ve iucommunicavel.
Attiibuia-se a Horacio o desencaminho de
urna mala vinda na vespera plo vapor da Mar-
gem Interrogado sobre o facto, negou que t-
vesse culpa ou coparticipa^io no mesmo. A po-
lica, porm, que nao queria abandonar 0 infeliz
seu: tentar todos os *eeuraes para nrraucar-lhe a
coufissao do um ci imv; que nao proticra, condu
zio-o para um pirao no mesmo edificio onde est
aquartellada a torca.
Ahi puzeram-lhe em torn? da cabeca um ins-
trumento com o qual a comprimiram, dando Ho-
racio gritos dedor. A tudo respjndiam-lhd que
coniossasse o crime.
Horacio, innocente em tudo, nada tinha a
confeesar. Os barbaros execut -ros da ordem da
autoridad, porm, que nao desaninnram.
< Pilo contrario, toram apenando mais e mais
o torniquete em torno da caneca do infelis at que
esse perdeasa completamente os sentidos !
Quando vlram que o homein esuva perdido,
retiraram-lhe o instrumento da cabeca e loi reco-
lhido ao xadrez, sempre sem sentidos.
Cbegada a noite o subdelegado do 1.'districto
mandou levar Horacio para a Santa Casa de Mise
ricordia, na qual foi recolhido moribundo, com o
rostD e cabeca deformidoi pela inchacao, e sem
daraccordo de si, morreado oouco depoi?.
No da 20 f-iz-ae' a autopsia e os peritos de-
clararan qao a causa di mirte t6ra meningo ence-
phalite.
O masmo jornal pifare oute/ fdeto que diz ter-
se dado tamb'm na capital :
Enasto de Carvalho Oliveira, m~.90.de 22
aonos de idade, de bonito aspecto e boa complei-
?ao p fysica, foi rec ilhido morto Santa Casa de
Misericordia no dia 1. de Julho prximo pussa-
do, e sepultado no mesmo dia por ordem da auto -
ridade.
Este moc) entrn pira a Misericordia o foi
inhumado como suicida, segundo declaracao do
subdelegado do 2. districto, um tal Augusto
Beeksr.
Fez-se tamb :m o exame cadavrico e sezundo
o mesin i jornal delle resultou a convicio de que
nao houvera suicidio, mas sim assassiuato, indi-
cando-se Francisco do Nsscimento como autor do
crime-
No 6 districto de Ba^ toi fendo grave-
mente o Sr. Franklm Xavier do Moraes, pelo seu
irinio Lafayete Xivier de Moraos, que lhe dispa-
rou um tiro de pistola.
Frank'in mesmo depus deferido, dea dous tiros
em Laf.ye.te, que erraram a alvo.
De Sant'Anna do Livramento fu?io o Sr.
Manoel Luiz Osorio Jnior, a quem o Tribunal da
Relacao mandou submetter a novo julgamento pe-
rante o jury.
Em D. Pedrito comecou a inquirifao de tes-
temunhas no processo instaurado pelo juiz munici-
pal do termo, Sr. Di. Basilio Ribeiro Dantas, con-
tra Jos M noel F.rpo, administrador da mesa de
rendas geraes daquella villa, indiciado em crim:
de estellionato.
Pelo juiz de direito foi negada a ordem pre-
ventiva de habeas-corpus que o Sr. Firpo requere -
ra, em vista de estar am*a ado de prisao.
Fallecern! : em Bag, o fazendero Manoel
Jos da Rosa ; no Livramento, o Sr Manoel Bal-
duino Boldeo ; na villa do Triumpho,.Nicolao Rai-
neri ; e na capital, o adjunto do praf-ssor do Ar-
senal de Guerra J is Pereira Lisboa e o antigo
solicitador actual delegad de pjlicia Joo Pe-
reira Maciel.
Paran
Datas at 24 de Agosto.
O Dezenove de Dezembro de 24 diz o se-
ga inte :
A folha official, em sui edicao de hejo, noticia
0 inciaeute que acaba de dar se na va frrea, o
que determinou a baldeac o de mercadorias, na
rampa do morro no kilmetro 65, onde se produzio
urna nova funda.
O direCor da estrada, emoffieio de 21 do cor-
rente, dirigido ao Dr. eagenheiro fiscal, diz que
depois da passag m do S, 1 na ponte provisoria
d.> kil. 65, cabio sobre ella urna pedra de 025 de
dimetro, mais .u menos, causando algum damno
n'uma travessa, escapando de ser victima o car-
piuteiro Ferreira, que all se achava trabalhando,
continuando a cahir pedrinhas de tempo em teui-
p i, o que significa que a rampa em cima da pan-
te nao est segura como se sab' que nunca es-
teve, o qu'< torna a p.ssagem sempre perigosa
uesse ponto em das de chuva.
Declara, por fim, que nao assume a respmsabi-
1 idade por esses acontecimeutos, por isso que
impiseivel prever a queda d'ssas podras, estaudo
todo o morro na rampa composta de pedras snltas
fracamente ligadas com outras, e j duraute me-
zes expostas aeco da atmospbera.
segundo a dita folha. parram s 7 horas da
mauh em trem expr -sso para o lugar indicado, S.
Exc o Sr. Dr. vicepresidente da provincia, Dr.
eugenheiro fiscal e director da comptnhia.
Rio de Janeiro
Datas at 1* de Setembro.
No senado em sessio de 31 de Agosto, foi li-
do o decreto pror gando as sosso corpo legis-
lativo at 15 de Setembro do corrate auno.
Aps a leitura do expediente, o Sr. Luiz Felip
pe ooteve a palavra para reclamar sobre a altera-
cao de alguns apartes que v n no seu discurso,
ltimamente publicada. O Sr. presidente declarou
que seriam feras as rectificaco-s aponr.adas.
O Sr. Jos Bento, reclamou por nao encontrar
mencionado o seu nome entte os senadores que
compareceram aesso de 29.
Foi lido, e sem debate approvado um parecer da
commissao de instruvcao publica pediudo que se
ouca o goverao sob.e a representaclo do Dr. M.
Marques de Carvalho, para a creacSo de um cur-
so de chimica complementar da Facu.dade de Me-
dicina.
O Sr. Viriato de Medeiros jastifieou uno reque-
rimento para que por intermedio do ministerio da
agricultura, commercio e obras publicas se infor-
me no senado:
1* Se foram approvados os estudos apresenta
dos por A. L. Alexander, representante da Com-
pauhia Pedro I Railway Limited, para aesnstruc-
cao da estrada de ferro do mclhoramento do porto
da provincia de Santa Catharina a Porto-Alegre,
no Rio-Grande do Sul;
2o o caso negativo, qual a reclamacSo, se al-
guma existe, por parte da companhia o quaes os
t-Tin.s e advogados eocarregados pi rante o gover-
no para tornar valilaa dita reclam.co ;
3 Quaes os empreiteiros que apresentou a com-
panhia para a conatrucQao da mesma estrada ;
4o Finalmente, qu-il o orcameuto da companhia
pira a couatruccao des'a estrada e qual a do en-
genhe.ro encarregado pe o goverao de fiscalisar
os estudos fatua pelo engenheiro representante da
compauhia. O requerimento seado apoiado e posto
em discuasi, f i sem debate approvado.
O Sr. Ignacio Martin jaatificou um requenmen-
t para que, por intermedio do miuisterio da jas
tifa se pi-Ca a seguiute iuf >nnaco :
Se | eot prenchido o cargo de supplente do
juiz iLuuicioal de o (Vluan), por ter sido o ca-
pitao Autooio Albino Jo,, de Suz illegalmente
demittid elo presidente d- provincia. Foi apoia-
do o requerimento e sem debate appiovado.
Passando I parte da ordem do dia, foram vo
tadas as propoatas juutamente com as emendas, or-
ean lo as desp-zas dos ministerios de estraugeiros,
imperio, guerra e manuba, e a que. fiza a forca
naval para 1887.
Foram rejeitadas as emendas que maudaya sup-
primir oa premios para a eacoia polyt-chuica e a
que eqo.ipartva os vencimentos des empregados
da bisara dos deputad'>s aos do senado.
Houve urna questSo deord ra. na qual tomaran:
parto os Srs. presdeme do eonseih.), Cruz Macha-
do e ministro lo imperio.
Na 3* discusso do orcamento da m irinha o Sr.
de Ltoiare apresentou urna emenda que fi apoia-
da e entrou m ducuaso. Orou o Sr. Alfonso Cel-
so, que raaudou uieaa a segu.nte emenda : Se
parete a emnia approvada em 2* discussio pa-
ra que seja ouvida a corninisso de manuba e
guerra sobre a reforma da escola naval, devendo
a mesma uoinimsso apreseutar as bases da refor-
ma, nao se proveiido as no.as cad-iras.
Depois d afumas palavras dos Srs. ministro
da justi a, Aff.nsO Celso e de L,maie foi a emeu-
da appmvada, tcaudo a discusso encerrada.
60b j titulo Senador Ohicborro da_o Jornal
do Commercio de 1 do corrente esU noticia :
Hontem pela inanli quando se diriga para o
senado, o Sr. conaelheiro Chichorro da Gama, que
estivera ligeirameute ind-apoato nc domiugo, f 1
accoimnet-ido de urna syncope no largo da Lapa.
Oa Srs. Viseando de Paranagu e couselheiro
Don, qao paasavam entao p-r aqueile largo,
acompanbaram o conaelheiro Chichorro, que vol-
tou para a oasa de sua residencia
A mesma folha d esta noticia em 31:
Tivemos mais as seguintes ntormacoes 1
a terrivel scena occorrida no botequim n. 57 4t
ra do General Pedra, ntreos dous irmos Lia
da Suva Ramos e Carlas da Silva Ramos, de fot
demos hontem noticia.
Luiz e Carlos eram dous irmos de tempeet e
carcter differentes; Luiz era pouco amigo dotot-
balho, provocador e mo; Carlos estava empregn-
do na estrada de ferro D. Pedro II; era trabaikt-
dor e bom.
Tinham mi, que encontrava todo o arrimos
Carlos e era maltratada constantemente por Lor
O pricedimento de Laiz dava lugar a constta-
tes rizas entre elle e sea irmo, qua exoroboc*
seu mo carcter.
ltimamente augmentou-se o odio entre t
dous irmos amavain a mesma mulher ; L3it,f*a
tinha um ciume deverador de Carlos, procuraba*.
cada passi provocal-o.
Ante-h)utem os dous irmos encoatraracn-ae
no botequim da ra General Pedra a. 57. L
piovocou Carlos, chamou-o bebado, e, como Cuta
replicasse, deu Ibe eato urna bofetada. Os dast
travaram luta ; Luiz, que trazia no bolso unta fa-
ca, era vou-a ao peito de Carlos e deu lhe vanta
golpea, deizaudo-o banhado em sangue, e evadc-.
do-se.
O cadver de Carlos da Silva Ramos f >i ka
tem autopsiado no necroterio pelo Dr. Thjirc
C lelho, que verificou que a morte foi devida a te
ferimento inciso de tres centmetro!:, junto aottec-
num, penetrante pelo intervallo iuter costal it
segunda e terceira costella direita, tendo atraves-
sado a espessura d> lbulo medio do pu'.maa t-
| reito a a auricila direita do cora^o.
Algumas horas dep us de praticado o criaae, c
assassiuo Luiz da Silva Ramos apresentou se ac
quartel de Estacio de S, enfragou-se prisa* e
coufessou o criine, dizendo que nao tinha ferAa
sea irmo com iuteug' de matal-o.
O subdelegado d, 2 districto de Sant'Anta,
a quem Luiz foi apresantado, mandou recolhel-
casa de deteaflo .
Na noite de 29 de Agisto fallsceu na faze-
da do Pao Grande, no Paty d> Alferes, D. Aata-
ni > Ludsviaa Maacarenhas, pertencente a faouic
Ribeiro da Avellar. Era nimiamente caridosae
esmoler e muito estimada por quaatos a coaJte-
ciam.
Falleceu a 30, s 2 horas da tarde, aa su.
fazenda denominada Cachamb, e sepultac-ee
hontem s 11 horas da maub no c-jinit t i dt c-
dade da Parahyba do Sul, o corooel Jjs Pimtt
Tavares, imp irtaute fazenduirc da provincia
Rio de Janeiro.
O coronel Tavares foi commandante superiar
da guarda nacional do municipio de Itaguahy, -
de exerceu varios cargos d-< eleico popular, pete
.que o governo imperial condecorou o com os b.az-
t is da Rosa e Cbristo.
Era h >mem muito estimado palo seu carcter*
sentimentos humanitarios, tornando-se uotavei
nelle o modo Ihano e affavel com que tratara t
todos.
As repartieres fiscaes rendsram no mes s-
timo :
Alfandega 4,048:901*931
Mesmo mez de 1885 3,297:801*725
Reeebedoria 445:45b*6it
Mesmo mea de 1885 395:351*5
Mesa Proviuci! 405:442*641
Mesmo mez de 1885 127:149*36}
Eis as uoricias commerciaes da ultima data:
Rio, 31 de Agosto de 1880.
O mercado de cambio abri as mesmas coa di-
vo 's em que fechou hontem, com a taza de 21 3/
d. s >bre L ni tres, sen lo no Liudon Bank e Ea-
glish Bank coutra caix.i matriz, e no Cimm ireial
e no do Comm -rcio para operacoei ao balco : e
foi esta a taxa do dia.
As tab lias bancarias foram as seguintes :
Lon ires 21 3/8 d.
Paria 447 rs por fr., a 90 d/v.
Htoiburio 559 rs. por m a 90 d/v.
Italia 450 e 452 is. por lira, a 3 d/v.
Portugal 253 e 254 %, a 3 d/v.
Nova-York 2*370 por dol., vista.
O mi'Vimeuto do dia foi pequeo sobre Londres,
a 21 3/8 d., bancario, caixa aatriz, e a 21 1/2
21 9/16 d., papel particular.
Repasa iu-se papel baocario sobre Londres
21 7/16 d.
Na Bolsa o movimeuto toi meaos que regalar.
Noticias da Europa
O paquete nh z Elbe tronxe-nos hontem folhac
de Lisboa, alcMicaudo a 28 de Agosto,
Oque de mais imp rtante aellas eacontraaot
sao os seguintes telegrammas :
t'aris, 21 de Agosto a-te.
A Libert ci saber qua o conselho de estae
dar provimento ao recurso do duque de Aumal,
e annular a portarla do ministro da guerra qe
o mandou nscar do? quadros do exprcito.
A maior parte dos conselhos geraes encerraraa
honteoi as suas sessoes. Nao occorreu nehum aci-
den te.
Ha certa eff-rvescencia do Sahara argelino. Af
tropas vo reduxir obediencia a tribu dos Oule
Jellah.
Londres, 21 de Agosto, neite.
O circulo de Burtun elegeu deputado o Se.
Eversch-s, candidato eladstoniano, contra o Sr.
Hady, conservador,
Por Leith foi tambem eleito o gladstoniaai
Furgusson, contra o liberal unionista Jek.
Assegura-se que o Sr. Gladstone ir Baviee
o mais breve que oossa.
A Saint-James uazette er que est prestes a
rebentar graode tempestado na peninsu lados Bal-
kns ; n'este caso enlende que o papel da Ingla-
terra deve ser juntar-se s outras potencias, para
impor a paz ao csar.
Dz-m noticias de SaratnrfF que perto de Rey-
noie ardeu o vapor Vora Olga, perteucendo no -
nistro 2(i0 nessoas.
NeW Ynk, 21 de Agosto, noite.
As inundaeea diairuiram completamente t
aldia de Vane no estado da Sonora.
Roma, 21 de Agosto noite.
O ministro de Hespanha dirigi presidenei
da HBBociacu da imprensa italiana urna carta
muito crdeal comiuunicando lhe as ntencp--s e
diaposic s do ministro dos negocios estrangeiro
o Sr. Moret a f-.voi dos jornaiistas it.lanos qae
forem a Hespanha.
A carta diz qua sero recebid w em Barcelona
MadiiJ como irmos, e vern quinto o povo hos-
panhol des-ja apertar oa lacos tradicciouaes que
tanUs vicissitud a e glorias communs formarast
entre os dois p^izes.
A repblica de Colombia ratificou o protocolo
de de Maio acerca da reclamaco da Italia.
Consti:ntin pa, 21 de Ag-.sto, noite.
Depois de fechada a bolsa baixou o consolidad
turco, em censequencia do c.rrer o boato da
deposic o do principe Alexandre da Bulgaria.
Lond es, 22 de Agosto, de manh.
A mamfestaco que se devia ff ctuar hoje e
Trafalgar Square, toi adiad para o dia 20.
Eiu Belfast houv.- h mti m socego.
O Freemans Journal xffirma que os liberaef
unionistas mostrain-se j descontentes c>-m as
recentes deciaracoes miuistenaes a respeito da
Irlanda.
Paris, 22 de Agosto, noite.
A Patrie publica hoje urna carta do P""1^?8
Vctor ao deputaJo bonspartista o Sr. Jolibou,
declarando qua o partido do imperio, sempre forte,
est aberto e franco a todos para defender OS
grandes principios sociaes.
S Petersburgo, 22 de Agosto, tarde.
Os jornaes publicara urna nota commumcada

MUTILADO


<>
Diario de PerniHiibiwoSexta-feira 10 At Setembro t 1886



,i, que escejara alterad* as relacoes
4*1 ou qual patencia, e declarando qoe aada
p a receiar qua essas relacoes srjain per-
t las, nem o goveruo imperial moditicou a aua
I principe Alexandre da Bulgaria est destro-
* preBo. Orgaus>u-se urna regencia para
r r o principado.
_ Beilim, 22 de Agosto, a ooite.
41 ''ot e a Gazeta de Colonia confirmam a noti-
jada depodeto e espulato do principe Alexandre
H aflg> na, e comtu Jo preaumaui que nao ser
nnetarbad* a pas da Europa.
Madrid, 23 de Agosta, de manai.
*) j ornaes de Madrid lamen'.ara a mor do
uautro portugus o Sr. (Sendas Leal.
Sagres, 28 de Agosto, s 11 bras e 15 m-
:ountea da mauba.
flUc encalhada na peaia da Escada, 0 railhas
mesarte de S Ymnaui,, vapor iaglez Josepk Fe-
derara : Votte para Lom-Palanka e traga
J Duraue o praBO d referida commissto ser
abonado ao dito late o sea vencimeato. o que
^Tav'emunde, 26 de Agosto, s 7 boras 50 V.^Exc. far constar 4 Tbesourari* de fV
Franco de S,
Kew-York, 23 do Agosto, de manha.
Orre o boato de ter rebeutado urna revolucao
linduras.
___ Londres, 23 de Agosto, de manha.
Cuitarme um despacho recebido pelo Times,
te a revolmjto blgara eanaw pr ifusris.
i em Vienna, em Beriiui, e que a deposicto
laocpe Alexaoure por forma algama resul-
Mf da utrevista de Gasteia.
Wi^- da diplomacia russa; mas resta saber co-
gB" Aileinanha e a Austria tomaram a revolucto
Migara, qo.e a Rusiia provocou sen o eonsenti -
aettj dos dous imperios.
___O 8tandard le a por iuipossiv! que tal em-
K eenha sido executada sen connivencia da
rta e ta AlUunaoha.
& Daily News diz que da deposicao do princi-
pe Atexaudre eem eonentimsnto da Turqua
.Gu 4e resultar graves difficuldades internacw-
9*2? Chronicl* ruputa gravemente amouea-
da p*z da Europa.
___ O governo previsorio blgaro pubtieoa urna
gmarinamq&o ao paiz disendii que o principe Ale-
*--------* --;- militares Bul-
minutos .
(Offieial) : -El-Rei acaba de desembarcar, sen
do recebido pelos reueraes de Tresckow e d
Rauco e pelo coronel Schachten, representando
sua magestade o imperador Guilberme. Saa ma-
eeatade par:e n'um comboio esp 'Cial para Berlim,
ende dever chagar a 1 bara da tarde.
Paris, 25 de Agosta, a tarda.
Poram mandados sabir de Fraapa um padre
protesta** iogtex e om bario allsuto, pir bave
imm puuaes uaa protesto cootra a aapulso dada-;
d' \umato.
_ S. lUljnfcwgo, de Agosto, 4 tarda.
O principe Ateaandw de Bttetjerg, qw ehe-
{^n baattno a Beo, bboo oiib p*r* **-
ra por Volatobisk < J.ris*pe Ao vaikiaix
r pristo. Os taMM faNpUMriM lok_ si-
tuacao da atgaTTa sto p-lo menos m-*jenm.
O principe di Bismirck annunciou omcialmente
que tenciona ir a FranzensbadvisitaroSr.de
Giera. ,
Roms, 25 de Agosto, tarde.
Os iomaes catholicos publicara hoje o texto aa
TinriaTT ;f"'l no dia 23 eatre o Vaticano
a Portugal, acerca do padroado da India.
Lnds 25 de Agosto, tarde,
ha para Munich o br. 0
re prestou graod-s servicns
rta, mas as qoeatSea polirieas no tomn na
ja onta a situnca da Bulgaria como estado
abero as bs relacoes com a Rusaia. e fi isto
ceSernoa indiepensavel a sua dispoBicao.
< principe Alexandre est retido preso em Lom
CMUnka, mas ser brevemente posto em liberdade
^9ub taaido para tora da fronteira.
L ndrrs, 23 A 'osto, ao meio dta.
Xcias de Sofia referem que se den assim o
jfrflp J------'-*" ....
* noite de 20 a residencia do principe Alexan-
Aeia 8ofia foi subtamente cercada pelas tropas
jiiiar J o n os alumnos da esco a militar, e o
arottciee onduzdo por urna escolta 4 frnteira,
ifar-:- de haver dado a su i deraisso per escripto.
itrtuio-st immediatamente um governo provi-
grr'r, toado sua f.-eote monsenhor C emente, de-
H1j metropolitano do exarea, na qual'dadc do
pTtirar tenente do principe. Os outros mimbras do
_,ul_iLi gao os S.-s Z mk ff Sti janofF, todos con-
rea e partidarios da Rusaia.
Aidade de Sofia f> logo declarada em estado
efe itio.
SemHn, 23 de Agosto, a tarde.
A iticia da revolucao de Sjfia causa viva io-
oces -m Belgrado. E' certa a mobilisacao
, iara substituir o principe Alexandre de
ft*Suber no tbrono balgarj o principe Ale-
SMre d'Oldembargo.
___ Lindres, 24 da Agosto, de manha.
A Times diz que est ehegado o conflicto dos
esses mglezes e russos. Despachos de So
aiuneiam qae as gaarnicoes de Widdin,
ta e Ptewua recuszm obediencia ao n ivo
o blgaro.
___ S. Petersburgo, 24 de Agosto, de manha.
A noticia da revorci ia Balgaria foi recebi-
.OBi enthusiasm no aeampameutj deKrasnoc-
tbt joniaes russos dizem qne nada fas suppor
mw a Ro-sia tome parte na pacifreaco da Balga-
w ^ Ifeooie Vremi'i npla que se mande um
-Aaaoeiauario russo Bulgaria para restablecer a
___Paria, 24 de Agosto, noite.
&m contrario do que dia um j itanH da manba,
S*-. Julio Grevy, preo'dente da repblica, est
4^MaX)t savde.
ilesnacDos de Vienna annunciam qae o ser-
*ta m a; populaco da Roroelia oriental se prooun-
^i. favor do principe Alexandre. Em Sofia
scM'uo-se conflictos entre os adversarios es
ertidaripe do principe depxsto.
__ &. Petersburgo,- 24 de Asrosto, tarde.
41 lornal de S. PHemburgo previ urna inter-
^Hacao rnasa na Bulgaria, se- l rebentarem des-
aftvfMt
__fnnstantinopra, 24 de Agosto, tarde.
A Porta expedio urna circniar s potencias, na
m>sia! d-'dara quf proceder de accordo com ellas
fdbttivamente aos negocios da Balgaria.
JBst ib"'l. ceu-se em Tirnova um segundo gover-
oc* provisorio blgaro a favor do principe Ale-
saadre.
__ New York. 24 de Aros!, de tarde,
^erade o jornalistH americano Ontting.
t?4ii reprimida a revaluco em H mdaras, sendo
flBVf43 OS chefel.
___ Bucharest,' 24 de Agost, manha.
iiate que leva o prncipe Alexandre da Bul
acta, aportou a Crturgevo ; ms continuou a sua
farota Corneja a acreditar-se que o novo go
-era ha'gar) deu ordem para o oesembarcarem
^Baserritori i russo.
___ \_ mdner, 25 de AgostP, do manha.
CeaXioD u esta noite na comara dos communs a
fa- da resposta ao discurso da corda. Oj
jBa. Gladstone e Pftrncll crhicaram as propostas
db w>o. Entre o Sr. Gladstone e lord Chur
4 eu-se um vivo incidente.
___ Phillipp"polis, 25 de Agosto, de tarde.
A cautra revoluf aooi'ida plo exercito, pro-
4gBrta'4l novmeut.e prineipf- das Bulgarias o prin-
dpr, Alex ii Ir de Bart.-nberg.
___ Bucharest, 24 Ue Agtoto, tarde.
<} biate qae leva o principe Alexandre continua
Vinrr'f1" o I anubio. SnpfGe-se qae o desembar-
^Y," '- (ia I>e.s3arabia rol
soeiitnram u-sord na m nofia, sobre a q >al
eit>,i-iii marchar varias guarnicoea junta-
lmim1' com tropas rumelistas.
___ L>iidres, 26 de Ag-st'. demanhS.
O'S um despacho d- 1) irirs-.a.it para o Stan-
que o piincip Alexandre da Bulgariasegne
^oal u-iite viagem para acuella cidadepelas vias
l^wmd .Galicia.
___. Sacha, eat, 25 de Agosto, de noite.
t ar chai palatino da Bulgaria parti a en
.Bttfrwse. com o prin :ipd Alexandre com a missao
4Asi idal-o a. volUr para a Bulgaria.
___ H, 25 de Agosto, n^ite.
O Sr >'o'l lf. ministro Aa* negoci :s t&trangei-
os, riftio urna circular aos agentes das p.iten-
tjca. participando Ibes a constituicao do goveruu
^ioif-stando a espranga de qua aa potencias
*jue niicedam apoio e jonfianca.
___ Landres, 25 de Agosto, ao meio di a.
A. amara dos communs approvou a projeeto de
%l qae manda i-roeeaer a um inquerito sobre os
ifivturbios de Belfast.
Wain ann-xadas Ing^atarra no da i deste
aa ;ts ilhaa K.-rmadec, ua Polynesia.
O- Standarte cita o principe Valdemar, da
0*BaMaarea, como um dos candidatos ao tbrono da
JBatjaria, e diz que se falla n'uma conferencia di
-aaa BerHm, 25 de Agost tarde.
41 re de Portugal leve chegar manha urna
, 4a tarde a ft-rlim, onde permanecer at do-
A legac.) portugueza com o general
ttOM'-h e o tenent.- ioronel Sch- nten partiram ata
h para Lubei-k afim de reerber o rei.
proirramma das testas era honra do sua m -
todr o eeguinte Amanh gran le jantar no
Mriaeio do imperador, em seguida baver especta
( de gala na Opera sexta-feira, o re visitar
asVcSm. ha vendo depoia jaatar de gala, e represen-
(ia aa Opera. No aabbado cacada as propric -
al** do principe'imperial.
Vienn8. 25 de Agnsto, tanto.
A N>va Iraprens* Livre publica ata deapa-
^B de Kalafa, eom a date da 24 anaunciando
Ac*aido derribado o governo provisorio bvigaro,
jmu'H e delegado metropolitano moaseohor Clcsaaa-
*:eom os Srs. Gru;eff e Zaokoff, e restabatocid o
Ii|l. ministerio Karavetoff.
Ptefiram deputacoes para diverso poatoe, afim
dfe proeurarem tracer a Bufia o prinoip Alexan-
Baebarest, 25 de Agosto,-de mano.
Aftraia-ae que o cosnBaadaato do hiato qae
leva ptmeipe da Salgan, ao etogai a Beto te-
para Sofia': Chagaai a- stoai, onde
instruccoes e que de Sofia lbe respon-
Partio esta manh para
Chegou Bayrenth a esquadra inglesa do Me-
diterrneo.
S-ifia, 25 io Agosto, de tarde.
O governo provisorio deu a sua demissao. u
Sr. Karaveloff taz urna proclamacao, declarando
qae assume > nresencia do governo eom o >r.
htambuloff como regente e ss ministros segamres:
toiloff, dos negocios estiangeiros ; Redostiv ,
do interior ; GreckofF, da fazenda ; Orochakoff da
justc; Manff, da guerra; Jovandoff, da
struccao publica.
Reina tranqnillidado completa.
Londres, 2b de Agosto, tarde.
0 banco de Inelaterra elevou hoje a taxa do seu
descont 3 1/2 0/0.
Berlim. 26 de Ag09to, tarde.
El rei de Portugal chegou a esta corte pela urna
hora da tarde. Na estaco do caminho de ferro,
que estava ricamente adornada com bandeiras
p.rtuguezas, allems e prussianas, esperavam sua
mag-stade el rei o imperador GuiHlerme, o prin-
cipe imperial, o principe Guilherinr, os principes
de Saxe Meiningen e Leopoldo de Hobenzodern. e
muiros generaes. Fazia a guarda de honra urna
eompanhia da guarda prussiana Quando chegou
o comb.io, o imperador approxtmau-se da carrua^
gem real e abracou tres vezes el re D. Luiz. O
principe imperial e o principe Guilherme abra? i-
ram tambem el-rai. qua ficon visivelmente conmo-
vido aom este acolhimento cordial. El-re nper-
tou depois a mi a toios os outros principes e acs
generaes ; em seguida passou por diante da tropa,
cuja banda tocou o hynrho nacional partngnez.
El-rc metten-se ento com o imperador no
coeh
de gala, pnxudo por quadro cavallos, e pr entre as
acclamajoea da multidSo dirigio-.iH.a.) pico r ai.
onde foi recebido pela imperatria com extrema cor-
dealidadc. El-rei almocou em seguida no palacio
com o imperador, e foi depois visitar os augustos
personageiw, que Ihe pmgaram iinmediatamente a
visita Pelas 5 hora hoave um jantar de famiHa,
ao qnal ajistiram todos os membros da familia
real presentes em Berlim. El-rei e o imperador
ssistiram essa noite, na Opera recita do Lo* mj-
gnn, e amanha irao a TempJhof presencear as
man ibras da guarda prussiana.
Londres, 36 de Agosto, tarde.
A linguagem dos jornaes inglezes rauito ve-
hemente contra a Russia.
Repetiram se hontem deaordenti grave em Bei-
fast.
Paris. 26 do Agosto, noite.
0 presidente da repblica, o Sr. Julio Grevy,
que veio hoje a Paris, regressar a Mont-sous
Vaadrey logo depois do consduo de gaijrnete. Pa-
iree nao terem fundamento oa eommentarioa qiie
attribuom certa gravidade a esta vinda do Sr.
Givy a Pars. .
DeDachos de Vienna confirmam que o prinei-
ce" Alexandre de Battenberg vai para Darmstadi,
onde est a sua familia. As potencias aiuda nV>
empenharam uenhnma acc3o diplomtica. Sup-
pc-se que queetlo blgara sera resolvida na
prxima entrevista do prineipe dt Bismark e db'
Sr. de Giers em Frantensbad; aonde o primeiro
chegou hoje.
Darmstadt, 26 de Agosto, noite.
Parti para Brealau o principe Luiz de Batten-
berg.
Pranzensbsd, 26 de Agosto, noite.
O prncipe de Bismarck e o Sr. de Gi.-rs rive-
ram hoje urna larga conferencia. Depois do jan-
tar sppareceram janella, e alli estiveram por
muito tempe conversando com grande vivaci-
dade.
Paria, 27 de Agesto, de maah.
0 Sr. Julio Grtvy presidir amanba ao co*'se-
ibo de ministros.
Attirma-se que a conde Pfebvre de Behaine,
representante rta republiea franceza no Vaticano,
recebeu ordem de retirar-se de Roma.
Londres, 27 de Agosto, de manha.
N* Cmara los Communs honve esta noite viva;
disraaato por causa da pro: osta do Sr. Russell pe
dindo s prorogaco da Cmara para obter expli-
is complementaren do gpverno acerca da mis-
sao do general Btill'-rna Irlanda.
S. Pete-rsburgo, 26' de Agosto, a noite.
Corre que o general D.lgorouki vai faaar um in-
qjerito sbreos aconteeimentos da Bulgaria, eqne
prtelo para aquello principado inuitos officiaes
llissns com o general Sralypine jue tomar o coin-
inimdo do exercito blgaro.
Constantinopla, 26 do Agosto, noite.
Aasevera-se que o principe AU-xandre de Bat
.eiiberg parti quarta feira para Vienna .s ib i
gaarda de nm otficial roaso, o que ter de jurar
que nao torna a Bulgaria, ou de voltar para a
Ruaia.
As potencias declaram que precisavam de inf,>r-
invo"'S autonsado antes de respouder nota dn
Sub'.i.ee Porta.
Bachar Jorre com todas as reservas o boato de que, al-
iruns dias antes do rapto do principe Alexa-.idre,
foi n^tad^ em Sitia a presenoa de certos indivi-
duos que dizem perteucer Crus vermelha da
Rassia, o quo depois eoatoa pertencrem a tercei-
r i SMtito da polica de S. Petersburgo.
A circular rusea s potencias diz que o governo
do czar di-sap|(rova a deposico do principe Ai<-
xandre. e favorece a reacao a seu favor, er" po
sa, que elle deva espontneamente renovar a sua
ab ieacao para dar lugar a que se componha dt-
iimtiva e lealmente o equilibrio no Oriente.
INTERIOR
zend
Oaasgaardi a V. Exc F.
Sr. presidente da provincia de P-rua nau-'o
Eti virtuie desto acto do governo o lente Ba-
guio para aommissao de qm fora mcunbido palo
governo provincial ; e achava-aa na Europa quin-
ao em 24 le Julh de 1885 c presidente de Per -
namMHo dirigs ao gjverno o s:guiute. olfljio :
Palacio 4 Preidaaeia de P runnbueo, em
29 da Jalas 4* 1885. Illm. e Ex:n. Sr.nea*
dend-> a a* reqorea O I)r. Joa^uim .1 Albu
querqSM WBR-os 'Guimart^s, lente sub faculdato 4t direito, e tendo em vista o exposto
pela 'Wmasararra de Psenla, em offioio, jaiit < por
eopia,44* ds c.-.rreoto, ia 854, resolv n)e, de
ccor4so o eeret. 2,84 de 1* de Pevsreiro
4* 1844, abrir Ma red da saportoaeia de ...
7W9*8 r%<^eufwew"- te ftfhrterio a
ca-go de V. Exc, exercicio vigente, para ter lu-
|tar o pagamento mensa!, a contar di presenta mes
de Juihi a O-suasro prxima viudouro, da grati-
ficacio na importancia do 1331333, qae vence o
referido lent', em virtude de achar-su substitum-
d-i ao asp-'Ctivo late caUnidratioo, De. Josa Uy
gini Diarte Pereira, qa est n v Eunpt com-
missiooado pelo governo Fazaado esta coiamu-,
nicaflo a V. Exe., esparo a approvacSo do mea
acto.
o D'.ai guarde a V. EreIllm. e Exm. Sr.
conselbeiro Joai Florentino Meh-a de Vasconce-
los, ministro e secretario de estado dos negocios
d > imperio Jodo Rodrigues Chave.
0 ex-ministro do imperio o honrado senador pela
Parahyba o Sr. Meira de Vaseoncellos dirigi ao
presidente de Pernambuco o seguinte offtei i em
data de 12 de Agosto de 1835 :
Ministerio ios Ne?icios i Imperio. Rio de
in- Janeiro, 12 de Agosto de 1885Illm. e Exm Sr.
-Deelaro a V. Exc, em resposta ao seu officio n.
71 de 24 de .'ulh> nodo, qae fioa approvado o ere-
dito de 7994998 qu^ V. Exc. abri, sob sua res-
ponsabilidada, afim de oecorrer ao pagamento da
gratificHcio mensal de 1331333 que compete, a
contal do dito mes da Julho a Dezerabro prximo
futuro, ao Dr. Joiquim d Aibuqa -rque Barros
Gaimares, lente substituto da Paculdade d'' Di-
reito do Recife, por estar regendo a 3' cadeira do
5* Sn> em subsrituieao do lente cathedratieo Dr.
Jos Ily^ino Duarte Pereire, quo sa aeha em
commis^aj iia E ir.ua ; de vend, p >rai, a roferi-
du desp"za ser levada s sobras da propria verba
Pessial do ensia i das facaldsdes de direit d)
exercicio de 1^8 >-1886, e nilo verbaE .-entuaes
por cuj eodtll foi ab-rto o mencionad) crdito.
0 que /. Exe. far eoastar Thesouraria de Fa-
zenda.
D 'in ^a-arde a T. Etc. J. F. Meira de Vas-
eoncellos.Sr. presidente da provincia de Pernam-
buco. o
Achando-me eu j no direceto da repartiQao
bje a mea cargo, recebi o seguinte aviso do mi-
nisterio da fazenda :
Ministerio dos Negocios As fazenda. Rio ce
Janeiro, 7 de OatuOro le 1885.Oommuuico a V.
Etc., para providenciar como entender acertado,
;i nao pode ser cumprido o aviso n. 2899 desse
ministerio de 12 d- Agosto ultimo, qu* approva o
crdito de 799J99S aborto pela presidencia da
provincia de Pertmmb'ico, para pagar a gratifica-
co re' nsal de I33333 que competa ao 1-nte sob-
stituto da Faculdade de Dir, ito do Re.cife, Dr
Joaquim de Albuquerque Barros Gaimares, p 'i
eatar regendo a 3 cadeira do 5o anno. em substi-
MJcto do lente cathedratieo, Dr. Jos Hygiuo
Duarte Pereira, qae se acha em commiiso na
Europa, porgue despeza do lente quo est sendo
substituido deve ser paga pela dita provincia,
que o man i .u Eiropa, e o seu vencimentn qite
deixa de ser pago pelo Th sorrro passar ao sub
stituto que exerce o lugar, sem que d'ahi resulte
desfalque verba e consignacao votad* para o
oessoal.
o Dus gaarde a V Etc. F. Belisario Soa-
res de Soiaa.A. S. Exc. o Sr. Bario de Ma-
mor.
E n virtu-le deste viso a secretaria do imperio
presrou as seiuint"S inforoscoes :
a A d'spazi, que ora entenie o ministerio da
faz-nda dever Sur paga palos cofres da provincia,
correu durante o exercicio p&ssado p>r conta do
ministerio do impari i, e uosta conformidade^ fVi
approvado o ere lito do que so trata. A' vista,
porm. db qne expua aquella ministerio neste av -
a-, coiivjn ouvir-8e sabr o aaaatnpto a 2 direc-
tora, afim de coohecer-se a datares da' comaiis-
5o ein que se acha na Europa o lento da faould-
dededireiro do ft cfe, Dr. Son Hygiuo DuArt.
P reir. 3 directora, 12 de Oatubro de II
Pedro Quedes Visto Sti&ori.
As inform ices da 2* directora sao aa segan-
tes :
Junto os papis relatWos 4 coram-ssto do len-
te Dr. Jos Hygiuo Duarte Pereira, d&a quaes
consta que duranr^ a masma commissao ella per-
ceber os vencimentos de lente pelo ministerio db
imp-rio, alm da subven?to provincial. Em 17
de Outubro de 1885. Moreira Sampaio.
Visfc', e accrasceuto jue o Dr. Jos H. Duar-
te Pereira est encarregado pela presidencia da
provincia de Pernambuco, com permissto do mi
nisteno do 'nperio e sobre proosta do Instituto
Archeologico Geograpaico Pernambucano, de ex-
trahir copias dos documentos officiaes eaiatuntes
as archivos e blbliothecas da Hilland* c relati
vos s lutas d"s holiand-zes no Brasil. Em 21 de
Oatubro d- 1885 Candido A. C. de Rosa.
A 3* directora, informando de uavo, dlsse o se-
guinte :
A' vista do que fiea exposte e do que consta
dos papis juntos, S Exc. se dignar resolver se'
a despeza de que se trata deve continuar a correr
oor conra do ministerio do imperio, ou se deve ser
por conta da provincia, cjiuo eutende o mioisteri i
da faceuda n-ste aviso, afim da se responder ao
mearon aviso 3 direaton i, 21' de Outubro de 1885
Pedro Guedes.
O director dessa the3ouraria alditou as seguiu-
tes ponderacoes :
< O encargo que o ministerio do impurio tomn
de pagar os veuoimautos da uji laute da faculda-
de, que se acha Ion do imperio em c^mmissao
compl. tameate estraaha ao eosino da ficul.laie
uo pie continuar, tito sei quaesoa fundamen-
tos do aofo do ministerio do imperio, porque nao
encontr entre os pioeis inforuiacoes. Mas, em
todo o caso, si naquella pica o governo podia.
ait;udendo naturalmente ao interesse que da com-
inissto podia resultar para o paz autorisar-se
lea en par conta dos cofres geraes ; a h ]
isso vedado pela dispoaicao di 2o do art. 2U da
i.i ii. 3,229 de 3 de Stembro de 1884, que pro
hibe imputar se a qualquer rubrica do orgamento,
des.wza que oeila uto estoja c imprebendida. se-
gundo as tabellas explicativas da propost* do go-
verno : e realin-nle am-i imputacto de d'Spe-
za a verba Pessoa- do enwuo dai faauldades de
direit pagar-so por ella oa vencimeatos de U'.n
lente que se acha fra do ex reie-io c>- servico
ciinpletainente BSttaafao, V. Etc. resolver o que
julgar mais aceitado. Em 13 da Novembro de
1685.Midosi. i'ump'e aiuda accresceatar que
desse acto iem at resultado augm-'nto do desp
sa com a aubstit'.ncto do commisii mado, confir-
me se v des oficios inclusos da presidacn 1*
l'iiiiseslwn! di H en Unlsmhrir i- 1884) dol
de Jane ao e de 24 de JuHij do oorrenta anoo.
Midosi.
Deltas inf/rmaces consta : Io que, so era licita
a deiibcrac dos px-ministros do imperio, o hon-
rado senador pelo Vl.ranhao e > uobre senador
pela Parahybi, hoje isso velado expressameute
por lei, com dsinoustrou o paree ir da secretaria.
Em virt-ide desta iiifiriincaj expadi em N>
ve.nbro de 1885, o seguate avisi ao presdeme
de Peraainbu^o:
Rio de Janeiro, 28 de Novembro de 1&85.
Ill.ii. < Exm. Sr. -Em alutain-nto ao ui-u SW
de 12 de Agosto ultimo, declaro a V. Exc.
que, ato p "dend > contiuuar a correr p>r caita do
mtnisierio a meu cargo o pagamanto dos venoi-
ineutos ds lause da faoukUde de direito do Rrci-
fe, Dr. J." Hyym Dunrte Pereira, qua se aeha
ua Europa em eommiswXo dessa provioeta, resolv
qa, a eonr do 1 de D-zembro prximo em
diimte e sao a referida dospes* ; i venda, po*taB-
V<, ser aunulfeda do crdito de 79^493:', abertu
sib respoosabilidade dessa presidencia a verb
Bseosaaesdo eaeroieio de 186-188& approva-
do pelo citado atieo. a quantia de I3il33, con-
e inient gralifkacto d* aubstitata di oMimH-
lente r. Joaquim de Albuqnerqot* Barros Guima
raes, relativa aosobrodita m<^ de Desembro ; o
f. Exe. far constar 4 tswsonrana d- fas- u-
Dm guarde a V. fita -bario de Hammi.
prestdeutoda prosiawa d* Pernambuce.
E ao mtaiatsro dajasauda oingio- tambeasi a
segumte aviso:
Illa e-Bsueita.V vistodo que V. Bfcc. ex-
pos em sea viss de T do Outabro fia qae, a contar do Ittde'Ofesossbro prximo em dtan-
te cesse a despeza com o pagamento dos
aeotos do lente da faculdade de direito do Raci-
fe, Dr. Jos Hygiuo Duarte Pereira, que se acha
na Europa em commissto da proviucii. de Per-
nambuco, devnio, portaoto, ser aaoullada do
crdito de 7994999, aberto sob respoasabilidade
la (irasi 1-ncia d* in'sraa provincia verba
Eventuaes; approvado por avisome9te miniare .
rio, de 12 de Agosto ultimo, do exercicio de 1885-
I88\ a quantia de 1 i3<333, concernen! grati-
ficaca> do substituto do lente Dr. Joiquim de
Albuqaerqae Brro8 Guimaries, o refer lo mes
de Dembro.
O qae communico a V. Et, ira resposta ao
mendo-iado aviso da 7 4e Oseebr i, ri>gaii4-4ke
se digae expedir ordem neste tortid i theMsM-
ris Ae fazenda.
A' vista das pecas senada tfi qae eu nao SMn4ei retirar da BaTpi
o le* ; lie polia coulBJuar (4, u ih* dari a li-
cenos qe elle preeisasse, eoia tkMo qs a deape-
za 4ene Vencimeuto, qa* Tllft t" un .. ; > para
eatar na Eanpa, corressa por conta da proviucia
d Peraambuco ; qua eu nao podia fazor o con-
trario, o s*n*d'< rsewthece, desde qae a lei m'o
prohiba expressameute.
Portento, ereio que me tenlio justificado plena-
meate to aun as asa inasattada, nim prova de.
m v ntade instroccto publica, e especialmente
Comm'ssto em que estava o 3r. Dr. Jos Hy-
gino, na Europa.
Addu/.ire.i ao que acabo de expir o seguate :
retirando-se da Europa aquella lente, porque o
presidente de Pernambuco enten lia que oto devia
mandar abonar veneiraentos por cinta da provin-
cia, recoinmendou-me elle de l, por intermedio
do Iustituto Areheologico Pernambu;ano, o Sr.
Hingmaan, chafa de aeceto do real archivo de
Haya, que Ihe tiaha prestado graada auxilio na
eommissto era que se chava, diseado-me que esse
eavaiheiro era digdo de moa prora de reaonheci
meato por parte do governo imperial. Ni m
dem irei, Sr. presideate, em atteadnr aopalit)
daquelle instituto, e por decreto de 19 de Junhi
de 1836 coaferi o grao de cavallalro da ordem da
Rasa ao Sr. Hin^minn.
Portanto, j v o senado que eu, longe de ter
m vootade commissto om que se achara o Dr.
Jos Hygtno, prestava-lhe a dovida attencao. por-
que, repito, soa o primeiro qoe, com os meus il-
lustres antecessores, reconheea a importancia da
eomnaissto em que aquella late se achava na Eu-
ropa; o qua eu uao podia era proceder contra a le'
expressa, mandando abonar-iha vencimeatos de
lame, quando a lei m'o prohiba.
KtviSTA DIARIA
faenado
BISCUB80 PBONUSCIADO PKLO EXM. SB. MI-
NISTRO DO IMPERIO
O fir. Baro de Uamur (presidente do
imperio)Sr. presidente, r-endo-inc esqaeci lo hon
ti-m, quaudo respoadi ao nobre senador pelo \1 a-
r.inhto. de tomar em considerucio as 'ibservwoes
que aqu fizera o nobre seoador por Pernambuco.
alim de prestar as iutormaces exigidas pr S.
Exc. acerca da commisso i-m qne estava na En
ropa o lente da facntdu 1e do Recife Dr. Jos Hy-
gino, tomei acrora a ;alavra para esclarecer o se-
nado sobre este ponto, o que julgo tanto mas ne-
cesario quanto certo qoe naquella provincia le-
'antou-se grande celeuma por ter eu determinado
que a-4sse o pagamento dos veneiroentos que
p lo miuiste.-io do imperio pererbia aquelle lente,
que se achava na Europa; celeuma injusta, como
o senado vai ver, porque o meo proeedimento a
Cite respeiti foi correcto, e para proval-o ap-nas
limitarme hei i ler toda a correspondencia otficial
havida com relac>a este assumpto.
Por ella demonstrarei que nao podia proceder
de modo di verse, e que por consequencia fieare
de-todo jastificado da impatk>9o de queror nter-
romper a commisso, que soa o primeiro a reco-
nhecer muito importante, em quo aquella lente se
aehava na Europa.
O primeiro acto officiat a este respeito aro
aviso do nobre senador peto Maranhto quando
ministro do impeno dirigido ao presidente'de Par-
naoifcico.
Miuist jno des negeeios do imperio, em 6 la
Agoste de 1884.Illm. e Exm. SrDeelaro a V.
Exc., en resposta ao toa odlcio d- 9 do mee Sudo 'qu*V\Exe. far constar_4 dsosooraria
que permiti ao lente da Paculdade d Dirsito do
Rectfe, Dr. los Hygino Daasto Pereira. aeseilar
a commisso de qua V. Rae. o eaearregaa, sob
proposta do Instituto Archeologico e Ge graphico
Pernambuoano, de ir HsH>da extrahir copras
dos documentos officiaes existentes aos archivos e
bibliotbecas daquelle pas, re aritos s latas dos
hollandexes no Brasil.
da.
Tribunal do Jnry do Rectre Pune-
ctouou bontera eom a presenoa de numero legal
de juizes de facto, senlo julgado o reo Jos Anto-
nio de M .lia (sent ociad o).
Achava-se elle pronunciado no artigo 193 do c-
digo criminal e foi tbsorridd appeianio o presi-
dwat; do jury para o superior TribUaal da Rila
cao.
Promovcu a defez o Dr. Luz Emygdio Rodri-
gues Vianna. >
Boiibo aa Thesoararia de FuSeu
daHjntera, s 9 1/2 horas d manha. descobri)
o Sr. Dr. Eduardo de Barros Paleto de Lacerda,
theaoureiro da Tiiesonnria de Pazenda, que eita-
vam abertas to s a porta do ijuart i, como tam
be a a grade de ferro da casa fort., onde existe o
cofre.
Iiamediatamente tratou de dar parte do oecor-
rido ao Sr. commeadador Kiily, inspector daquel-
la reparticto ; e, depois da chegare.m os Exm;.
rs1. Drs. presidente da provincia echefe de poli-
ca, bem como diversas pessoas gradas, verificou-
se baverem sido toread s as referidas p .rtas, as
sim como a do cofre, estando o pavimento da casa
forte alastrado de cdulas. Achou-s : um aacco
clreio de dotas e dbus vasios.
Tambem foi' encontrada urna cacada de cordas,
limas, gazas, erramenta, un coto de vela stea-
riua, 3 pontas de cigarros e phosphoroa.
N'essa oecasito foram interrogadas diversos
einp regados.
Proceden Jo-se a um balan en, que terminen quasi
s 5 boras da tarde, verificou se haver um des-
falque de 793:1454387 e em dio huiro apenas.....
447:420*1460.
At a hora era que escrevemos, 8 e 1/2 da noite,
continuam na Secretaria da Policia os interroga-
torios a di versas pessoas.
Ai oda oto nos posaivel ooojecturar como so
realisou tao audacioso crime.
Opporthnamente duremos eanhacimento- dos por-
menoiea d'elle aos nossoa leitorea.
Nobre o proco baixo da ussocar-
Hoje, l hora da tarde, deve effectuar-se urna re-
uuio, convocada pela Directora da Aasociacto
Commercial Benfficeflte, para tratar da questo
Jo baixo preco do assobar.
Sobre este assumpto o iltostrado Sr. Dr. Ii A.
Milet dirigio-nos a segainte aomraunicaco, oque
Ihe agradecemos, na qnal se acha exposto o esta-
do da-qaastao, e, cromis, serii 1 id com attenca' '
Sociedade Auxiliadora da Agricultura de P<:r-
ii moneo, 9 de Setembio de 1886.Illm. Srs re-
dactares da Revista Diaria.Diante da descona >-
ladera perspectiva, que ffereccm, a principal o
quasi nica industria d'e-ita provincia, os nfimos
preces doassacar nos grandes mercatos da Europa
e America do Norte, e da pouca probabilidadeque
.xiste de vel-os sabir na presenta safra, oemsequer
at cobrirem oa gastos da produecto, a Dlreotoria
da Benemrita Aasociacto Commercial Beneficeuta
i'esta cidade do Recife resolveu, em sua sessao de
ti de correte, solicitar dos poderes pblicos a
suspeuao temporaria Jos direitos de expoctacto e
uns algmnaa medidas tendentes aminorar os ma-
les qu i nos ameacam ; e na mesma occ isio cou-
vi lou a Superintendencia d'esta Sociedade, 3 pa-
rece-me que tambem a Directora da Assne acto
(jomineici ,1 Agrcola, para deliberaren juntas
acerca dos meios conducentes ao fim cima indi
caio.
Devendo a reunio das tres Directoras veri-
fica! sa Hinnnha, 1 b ra da tarde, no salo da
Associacto Coinm rcia', juliro nilo ser fra de pro-
posito dar aes seu leitores algunas iuformacii ,
que os habilitem a apreciar a ateosidade do mal,
assim cjmo a urgencia de oppor Ihe algum lini-
tivo e a opportuoiuade da resolacto tomada pela
Directeria da Benemrita \ssojiaij4o.
Cnudo, em 21 de Setembro do anuo prximo
passado, endarecai rudaecto d'essa sua bem e0u-
eeituida folha, eom o mappa da casa Dud k de
Witt it C, da Amstarda n, relativo s probabili-
dades da produce! i do assucar de IJetteraba nos
diversos paizesda Europ na safra de 1885 a 1886,
as miuhai pravisdes pna^oaes ancroa dos preeos
que obteriam os noseos assucares dorante dita sa
Ira, o mercado aiuda soffria o einpasam 'lito eu-
-ado pelas oitocentas mil toneladas de assueares
premiados atora los aO consumo estrangeiro pelo
Imperio Allemo e os depsitos excediam de um
miihio de toneladas. Comtu lo, a persp- cti va de
um dficit quasi certo le maia de quinhentas m>l
toneladas na produccao europa e os progressos do
eonsumo, com qu sa coutaVa, j haviam acta lo
f .voravclineu'e 3i>bre o* preeoa, e os oossos assu-
eares bruto?, qie tinliam ehegado ao principio do
anuo a dar se por 9 schillings o quintal inglez, j
obtinham de 12 a 13 sefailliags.
Suppuiitta-s geralmoote, que a ver flear-se
o previsto dficit, que at entilo nao passava de
previno Oasaada. apenas'sobre a dimiuuico das
superficies planeadas, o pracos iriam submdu f
os depsitos dimiiiuindo, at ficarera redunds, ao
comecar a safra actual, s propor oeo doa arui09
inleriores plethora. l'.rtmdo d'esta^ basis e
c iBtondo com a persistencia do cambio uaa imme-
..aco.' de 18 d., foi que lei com provavjl a. su-
bida do pr.'co do nossa assucar bruto at 2 JtO
por ai roba e a. sua p'rmaneucia no principio aa
safra aetu il.
A primeira pasta do taes pei-o realizsa-
se compluinuwiite ; o dficit de qmaheuiias mil
toaaiaias v-nfie.'U-se e os psecos subir o, embora
m n is do quo uu supjuaha, p os uto lograram pas-
ear de 24300 ; mas o consumo nto augmentou ; a
permanencia de d pxistos, seuopoe superiores aos
do auno preeodentr, mostrum que aiuda memo
con a rediMcto de qajnh'mtaw mil tooeludas a
produecto exceda s necessidades doeanswno ;
a logo no primeiro quartel do correo aouo-tor-
unu a msmifsstar-se inu biixa, que se nao f-z
motfo mal ase i.ossos agneotoores, cuto mor parte
acabara de moer, e acharara um* onnp asueto no
alto preco do assacas purgado, eaosou avallado
pcojiMzu a3 exportadores de aesoear bruto.
E'itrutaoto, chagados 03 mezes de- abril e
.\laio os plantadores debetWraba, em toda a. Eu-
ropa, com excepeao apenas da Rusaia, nem por
sao duninuirumas saos ptoatoees, e ato augsoeu-
t iraia-a, em proporcto soparior a 20* por eooto,
de tal ionnai que embota, as cireumstaocia ut-
tnospheriiras nto tonham aido mtolo tavoraveis e
as betterabaa sejaio emi eral cuitas- e torosas,
conta-se com urna safra superior paseada. Po'
venci- isso e por cansa da permanencia de deposites de
assucar seinpre superior um milhto de tonela-
das, a baixa tem piogredido, faltaodo-lhe muito
pouc para ohegir ao limite extremo de d presdo
attingida em 1884 1885, pois o preco offerecido
h je no no880 m -rcado pelas casas exportadoras
corresponde ao de 10 scbili'ags por quintal in-
glez, aabando-8e d'esta forma muito iufenor ao
cuate da prodaecto para o geral doa ooss .8 agri
calares, qua nao pidem, sam gr iodo p .-juizo,
veoder os teus assueares por menos de 100 ris o
kilo, e teem hoja de dil o p r 70 ris. Por ta-a
pru^is, emNjra augmentados dos 25 pir eeoto que
represntala o luero dos nossot exp irtadorea, oa
impostes, fretes a eommissoes, os propros pro luc-
torea de asuoetr de betteraba aoffrmn prejaizo e
terto que restringir aua producijao s proporcea
do cousumo. M ia isso para o f atoro ; por ora,
gracai aos premios, a prejaiso nto 4 av.iltedo ;
batterabaa piaatuda sers transformada em as-
sucar a este rendido pelo preco qas eneontrar 00
merend. Os presos podrSo soiiir ; mas mutO
poaco ; e oo parece que aa presente safra elies
possam, em ca-o algam, meaos o de um cataclys-
mo csmico, exceder de 12 schillinga, que, ao cam
bio actual (kl d.), repreaea'a.Ti para os nos3os ex-
portadores apenas 1468 e para os nos os agrieul
tores, qanndo maito, 1*300.
E' verdade. que se o Exm. Sr. Belisario qui-
zesse adiar para poca mas opportun. suas expe-
riencias sobre o cambio e deixir de sustentat-o
artifioialmento 2 oa 3 d. cima do nivel natural,
resaltante di estad* da nosst coate da traosac-
coes interuaeiouaes, o qual parees ser boje de 18
d. oa pouco meaos, com a venda peridica das
cambiaos da nonao ultimo emprejtimo extern >. p>i-
deriam os noaa.a exportadores, eom o preco de
2 achillings por quintal, compiar aos armasena
ros cada arroba de bruto por l(Ji>8, e estes dar
aos noasos agricultores cerca de 15500, que Dspu
3 'iitain pou:o mais ou menos o actual cuate da
p'oducco. Maa ambas as hypoth-'ses ato filhaa do
optimisma e por ora a realidad com a qual esta
mos a braco o preco de 70 ris pr k lo, os de
psitos da Europa aborrotados, ama safra de bet-
teraba maior que a precedente e o nosso govern >
empenhado em fazer subir o cambio !
a Os leitores poderlo tirar as conclusoes, ee Vv.
Ss. me fizerem o obsequio de acolher a presenta
carta na Revis'a Diaria, como espero e agradeco.
Sou cun estima, Srs. reiaeror'sDi Vv. -s
venerador e criado obrigado, Htnriqut Augusto
Milet, Secretario Geral da Sociedade Auxilia-
dora.
Falieclmento. Hontim pela manha, fal-
Icceu da molestia, qae h 1 mezes o prostrara no
leito da dr, olate eath-dratio da nossa Faul-
dade da Direito, Dr. Graciliano de Pau.a Bap-
tista.
O fallecido era nosso comprovinciano e contava
cerca de 15 annos de idade
Homem estudioso e serio, era respitado e esti-
mado por todos os seus alumnos e por qmaatos o
conbeciam.
Pertencia ao putido conservador e presidir a
provincia do Piauhy.
Na 21 legislatura da nos3% Aaaembla Provin-
cial foi eleito deputado pelo Io districto.
0 seu cadver foi no mesmo da tarde sepul-
tada no Cemiterio Publico de Santo Amaro.
A' sn'a desolada esposa e irmos upresentamos
nossas condolencias.
Oalro falieolmento.Communicim-nos:
Plleceu aa segunda feira, 6 do correte, na
cidade de Nazarotb, o major Ignacio Vieira de
Mello, na avancada idade de 72 annos, victima de
di la tacto d'aorta.
r O finado exercia o cargo de escrvto de or-
phoa na respectiva comarca. Militavu as fileiras
do partido conservador.
Pertojento leve. No sabbado, pelas II
botas da noite, no corredor da Torre, districto da
Magdalena, Amaro Joaquim de Aqurno, travaodo-
se de razoes com Antonio Gomes da Silva, vig:a
da estrada de forro do Recife Caxang.na curva
do mesmo corredor, foi levemente frido por Sa-
noel Gomes da Silva, filho do referido Antonio Go-
mes, que achando-se dentro de casa e ouvindo a
artercago,'sanio e atirou-lhe urna garrafa, faaendo
um ferimento sobre o olhi esquerdo.
O d'elioqaeate poz-se em fuga, e o offendido foi
vistoriado pelo incansavel Dr.Snuza, a mandado
da respectiva autoridude, que tomou conhecimento
do faoto.
Oalro foriaueato leveEm Tacaratii,
pouco distante de Floresta, um individuo alcunha-
db'Jotlo Tenente dsparoa am tiro da revolver ua
praca de polica da nome Jlo Alves Vianna.
0 projectil attiamo levemente praca, poia s<5
um caroco de chumbo ferio a as costas._
A'autondade respectiva tomou conhecimeato do
facto.
Atada outroA'sll horas da noite,de terca-
;ira 7 da eorronte, no 2' districto de Afogados,
o individuo de nome Amaro Joa ,uim de Aqiino
trav >u- se de razoes com Antonio Gomes da Silva,
qoe o ferio levemente.
Paculdade de Isiretio -Os alumnos do
2o anuo dessa Faculdade resolveram temar luto
por 8 das era signal de senti.nento pelo fallec-
nanto d" sen digno meatre e amigo Dr. Gracan
de P direito eeclesiaBtico.
Accldeate So dia 4 do corrate, 1 hora
di tarde, o trem da via frrea do Recite a Ch-
xang, segundo do Monteiro para a Pedra Molle,
ao chegar a curva que fiea alem da taberna^ai. 1
do Minteiro, 1 p nhm a D. Heuriqneta (lalvio, a
quera derriban, passando-lhe a roda da machina
sobre o p esquerdo, ficando com dous dedos
de le esmagados.
Nao hoave culpa do maehiniata.
Raubu-Ni madrugada da ti do crrante a
citsse 111 lustrioea resolveu visitara casa de D.
Isabel Egydia Poggi de Figueiredo e por meio de
arrombamento praticado na pared-", que Icita
para a sala de jaatar, poderam penetrar no inte
nor da casa de onde aubtrahiram muitas pecas
de ouro e muitos outros objacto de valor, poo-
do-aa ao fresco, em st guida.
A autoridade procede 1108 termos da lei.
Conflicto Qa .rta-feira, 8 do correte m-z,
quando u guarda 11. 11 conduzia preso Francisco
Gomes Cardeal, foi por um individuo d-seonheci-
do ag^reiiido emquanto o preso desarmava o seu
conduetbr.
Aos grites de alarma aoeudiram os guardas das
imraediaOH qu', fiilismiiiO-, poderam restaba-
lec r a ordem, que se ia p -rturbaodo por causa da
intervencto de outros puisauos qua coiicorreram
Iota
Iiscurito.Recebemos um folhuto impresso,
contaudo o dmcurs 1 proferido em 11 de Agiste ul-
timo, ua sessio magna co nmemorativa do 59a an
nivers-.rio dos Cursos Jurdicos, pelo acadmico d>
! auno da Faeuld.de da Direito desta cidade,
Raymuodo .VIelchiades Alvar.-s da C uta.
Agradecemos a offerta que nos fes o seu autor
de um exerap ar irapr- ss 1.
Theaoiro Provincial-----Hoje e araanha
pagaai se as BIIMuoa 3 e entrelas de profes
ssres, reUf.iv Msate ao mes de Ju'ho ultimo.
Illntieiro___Os vaporea Cear Jaguaribe
tro.iaeram para esta pnca 3.082*100 pira di
versos.
~j primeiro levou d'aqui as sommaa seguintes
C-ar 41:5995420
Maraalito 50 OJ
pHra 250:400400
^jFolha da Victoria. -Com cato titulo co-
anoau a pubncai-se ua cidade da Vietoria um j ir-
nnl, orgto das ideas livres.
Reccomos os loas primiroi nmeros.
Desoja-nos-Ihe lmga e prospera existencia.
Foianna* de tnennert Oa drs. G.
Laport 01 C, livreiros ra do Imperador, rece-
berain h lutera estas bam couhecidaa e acreditadas
fjlhinhas di corte.
Como de crteme, tem urna grande variedade
deltas.
Aceito louvavel e meritoriaOommu-
aicarara-ao o aeguiute:
Aeham se entre n o irmto Fraacise > Ma-
ra da Aasum. oo e as recomidas Taeodora Ma-
fia de Jess e Richil Maria de Jess, da casa do
caridade de Campia Graade, na Parahyba, aoto-
risados por S. Exc Rvma. o Sr. bspo diocesano a
pedirera esmolas e dooavos oeste capital e em
OUnda para manuteooto da referida casa de ca-
ridade, tuudada seguadi os estatutos do Rvd. Dr.
Jos Antooio de Maria Ibiapiaa, oode exi--tem di-
versas recoihidaa e ao educadas omitas menmaa
orpbto o dvualidaa.
,' de esparar que os briosso e caritativos povos
reuifanse e olindeuae, condoidos da p-nosa soate
Jaque la orphs indigentes, enteaderto anda esta
vez a rato beuifazeja, concorreado cada um-con-
fonno a saa ganerusirikde e posses oom o aben-
rajado obulo da casidade ; tanto mais que Deu
considera como feita a Si a esmola qoe se d ao
pobra e nos prometto mesmo nesta vida o cntu-
plo por um.
tr, Breaul. De Paria recebemos hontem o
a. 128 deste correio da America do Sal.
E' este o sea sammario :
Brsil. -M. B. Echos de partout Chroai-
qae parisienu-?.Alnea Desprez. L'emigratiou
au Brsil La Fayetto Nwveau syst oa de
dcortcation da caf Nouvellea loeomitives de
chemias de fer La reforma des consulats en Bel-
giqu .Revue de la presse Nouvelles du Brsil.
Pacifique et La Plata.Hcroiogie.Telegram-
mes.Iuimigratiou aa Brsil,Les Tribu ations
d'an eolia ala doaane.R?vue financiera.Z.
Rsvue comm -reale I). Rorf.M luvemeut mari-
Cime.Mais >ns reco-nmandes. Annonces. >
Ue \oiiveaa MondeDeste hebiomada-
aario, jh) dos dous mundos e sul-amaricauo, re-
cebemos o n. 69.
Perro-Fia Conde il'Ku- Por aviso de
24 le Ag.sto delibarou o Ministerio da Agricul-
tura reformar o de 8 de Wirco ultimo, quanto s
gratifieacoes dadas peto sapermtendente da supra-
manctonid eompanlna ao oaixa e pagador, bem
como na parte coaceraeote aos ordenados pagos as
enganheiro chafe da locomocto, durante o quatro
mezes em que 8a achou liceuceado, devendj as
m '8ma3 despezaa ser incluidas as de eutaio.
Perro via do Becife a S. Pranciaco
Ao fiscal deot i ferro-va declarou o M.u ->:er
da Agricultura, por aviso de 21 de Agosto, que o
governo imperial nao s considera naceitavel a
propita do superintendente para aitgm-'iito des
vencimeirtos do pessual, mas julga necessario,
vista das cradicoes econmicas da estrada, reiuzir
o msm> p"ssual e os ordnnad.is qu^ ora percebe.
\otnx falas O Diario do Rio Grande pu-
blica o seguate :
Di -. a Patria de Montevideo que urna carta
e p->asoa criteriora, da Bueoos-Ayrea, garante-
Ihe que ehegaram e anda est ivaui no da 18
uaquolla cidade una individuos que seteu-'m para a
proviaota do Rio Grande do Sul pir Uru"ayina,
coffl o Sm criminoso de passarem all e ma>8 c da-
rles da frouteira urna grande quantiade de notas
falsas.
As notas ato de diversos valores, de 5j000,
at 20 I000, da ultima estainpi, emissao do go-
verno do Brasil.
Coaturas do Arsenal de (aerra-
Hoje tara lugar no Arsenal, o pagamento das cos-
turas feitas as 1" e 2' quiuzenas de Maio e 1< de
Junbo ultimo.
Vapor CliqniPor ordem superior foi
transferida, de hoje para o dia 12, ao me:o dia, a
sahida deste vapir para Fernando de Noronha.
Banbos frosOccupemo-nos hoje dos ba-
chos d'agu 1 tria, visto nos termos oceupado com
os d'agua quecte, e por estar a approximar-se a
estafo em que a bygiene 03 recomraenda.
A acfo mais importante dos banhos fros a
subtraccio do calor do nosso corpo. Esto, subtrac-
,to torna-se mais intensa e rpida, quanto mais
differente for a temperatuoa d'agua, da do corpr*.
Em seguid* a isto, o banho fri e-serce no princi-
pio ama at-fto tnica sobre o organismo ; duraa-
do por mais tempo produz urna se.nsacao ingrata,
acorapanhada da apertos 00 pcito e de caimbras
e oueeessi -ament de congestoes as visceras do
carpo, as quaes podem tornar-se fataea. Portante
os banhos nao devem ser de longa duracilo, por-
que tornaat-sa debilitantes. Sahind-se d'um ba-
nho fro ope-a-je a expontenea rcacoao, que re-
conduz gradualmente as funecoes reculares do or-
ganismo e t imbeiii a um hgeiro augmento da sua
actividade. Sobre os effeitos dos banhos frios tra-
ta especialmente a bydropathia.
Em geral bastara 3 ou 4 minutos de duracto
para o banho tria, afim da obter-se boas effeitos, e
toraa-se melhor repetir intervallo as immerbies
de que aquella de prolngalas por muito tempo.
Os bauhos fros tornam-ee melhoras, quando nao
se permanece por algum tempo immuvel uellea,
mas se est em continuo movimento. Ellas de or-
dinario ae toroam noa rios, ou em torrentes bas-
tante profundas e rpidas, a que ae ajunta o mo-
vimento.
Os banhos fros sao uteis s possoas robustas,
sobre as qiaes obrara como tnicos, e por isso sao
recommendados pela hygiene, priucipalm nte no
verto acompanhaios om a natacto. Sao entretaa-
to damaosos s peisoaa delicadas ou achacadas,
como igualmente aos meninos em idade muito tea-
r; e em gerai os bannos frios nao poderlo ser
tomados por individuos doentes, senao aegnnds
consentimento do medico. Devem iguaimeate
abster-se delles todos -quelles affectados dedieu-
ca do carabao e dos pulmes ; aquelles qua estas
aujeitos a coagestoes cerebraes, a vertigens, a es-
pasmos, a epilepsia, palpitacoas, nervosidades, tu-
bercuiosc, etc. Os ba.ni.os frios devem absoluta-
mente ser prohibidas s mntheres grvidas, prin-
cipalmente se predispostas ao aborto, como tam-
bem as raulheres devero abster-se delles durante
a poca das menstiuacoes.
O biabo fresco obra com o fri, porra em grto
menos intense; elle aos d urna sensacto de oea
estar ; a actividade vital torna-se acelerada e
maia fcil: o individuo ad-^uire maia robustez.
Os banhos frios se j res tam em modo moiro accom-
modados para temperar o calor excessivo do ve-
rto.
Entre os banhos frios e frescos s 1 devem nume-
rar os banho' de mar os qaaes sSo usados tanto
com o fira hyg enico como medico, como o prova-
remos em o prximo artigo.
A la no marO3 Sr. H. Foi e E. Serosia
xaram, cora o auxilio de um apparelho phot 'gra-
phico, caja chapa era de gelatina bramada, a prs-
fundidade do mar at onde penetran os raio ds
sol. As experiencias verificaram-se prximo de
fiza bordo do aviso francez Le-Corse.
As chapas estiveram des minutos ao meio da
cora ceu claro, a ama profuodidede de 400 metros
Gem eff :to algum.
A 390 metros, podia observar-se ligeiramenta o
effeito da luz ; a 230 metros de Cprofundidade, as
chapas ennegrecan!- se completamente.
As experiencias repatiram-se s S horas e tris-
te minutos da manha, com ceu encoberto, podeu-
do-se observar a luz a 350 metros de protuddida-
de; depoia do sol poste, a maior profundidad
que a luz alcancou foi de 270 metros.
Memorias do trasteo BosslO emi-
nente trgico Ernesto Kisji acha-se actualmente
em Berlim, dando a ultima de mu o as suaa Me-
morias.
Com > o artista a quera ee pode applicar a
phrase homrica de qua vio umitas cidades e
couhecen oa coatumes dos hoireus de esperar
que as Memorias do actor contenh un interesaaa-
ces matenaes, especialmente porque visiteo todas
as graudes oapitaea do mundo.
q lvro, que ser posto venda brevemente,
contera entre muitas cousas, um autographs du
d aventurado rei da Baviera.
Em urna carta autigraptia, L'iiz II convidnu
Emento Rossi a visitar M .-naco, afim de dar urna
representacto, d'aquellas que m lia agradavam aa
uionarcha, urna repreaentacao para elle s, iste ,
sem publico da especia algama.
Responden-' he R033 :
Sai tenho dovida em declamar, sem estipen-
I10 algum diaute de um milho Je espectadores:
mas nem por um milho representara diaotc de
um i-idividuo ap as.
o ouro nos Estado* l'.iidos0 relatsrio
lo director ia NM io in 1 da calcula em......
31 800:lKX) dollars a prodaLcIo do ouro nos Esta-
dos U lidos, durante o auno de 1885. Heuve, pois,
um augmento da um milho sobre a prodcelo de
1884, A prodaecao de prata, em 1885, calculada
.lo a taxa monetaria, avallada om.......
51.600:000; tinha sido de 48.800:000 dallan no
ultimo auno.
O relatono do director avalia o total do ouro
em raueda, exiateote nos Estados Unidos, no pri-
meiro de Janeiro de 1886. em 533:486:453 dolars;
o da prata era 218 250:761 doliars.e o da rnoeda
amada* em 75.034:111.
Unirmccao publica em FrancaO
niiuistrj Ua iustrueco publica, em Franca, fixsu
* d ta de 3 l de DezeinOro de 1887 para a adja-
vacto do premio Vulto, O prao oara a apianan
tacao dos trabalhos termina a 30 de Julho do mes-
mo anno. O premio da quantia de 50:000 frs.
que aera conferido ao autor que fieer a descoberta
la utilisacto da etectricidade de umr naneira
economio p*ra alcana dos s^guintes casos : como
or gem de calor, do las, de accao chimica, de as-
teada mechaoica, como meio de tranamissto de
despacho ou de tritaavnto de doeoc*.
icneral roureel.-Falleceu no seu cas-
tello da frouteira o geueral Fourcet, que durante
muitos anuos commaudou a divisao militar dos al-
tes e baixos Pyrineus, residinio offieialmeute aa
B.yona, desde a ultima guerra franco-aHema de
1871 e 1871.
O gaueral Pouroet, que hsera as campeabas da
Crimea, Italia, Mxico e Franca, toi o famoso fiseal
do tribunal militar que julgou em Versailles o in-
feliz macecbal dasaine, sendo nemeado seuadsr.

1
'>
Pelos grandes sarviecs prestados pelo ganeral
Poureet, dorante a ultima guerra civil u Hesaa-
nha, auxiliando com suaa tropas o transito peto
territorio francs pasa aa divisoes de Loma, Ms-
rionea, Bianco e Martioes Campos, o governo be-
l mmno


Mari de yerttarntom--Sexta-leira 10 de Setembro de 1886
3
panhol nomeoB ma.a,ttB de Arnegay, a conde-
corou o com a graa-cnia da Laglo de Honra.
t,rorrUMinUluri na \llema-
nna__ Um decreto Uo imperador veio regular a
aoBCurreaon doi omciaes pruseiaooe naa corrida
publica* de CHvallos.
Os uiciiH Bao podem toiaar parte naa carridas
seuio com os seas uniformes ; coratudo, pan oa
steeple chases, o ca9aco vermeiho periniuido.
E" probibjdo aos i.fficiaes :
Correr cum jockeys oa com cavalheiros que te-
QUam corrido com jockey desde o primeiro da de
Julho de 1886 ; ...
Montar oavallos oujos proprietanoa nao aejam
recebiooa na aociedade doe officiaes ;
Aceitar iiidemniaacuea pe-utuiaru*inesmo sob
a forma de deapea* de viag.m quando montem
avalloa peitBBtaqceptea <" ,PeMf8 ; ..
Associarem-ae, par* terem eavalios de corr.da,
eom pessoa* de eaaicao abaiaio da aua.
Os jogoa de asar, bem como as apostas de gran-
des Miomas, quo dao nossa sr pagas de proai
pto sao strictamente prohibidas.
As apostas, mesmo de pequeas sommas, com
pessoaa que nao sao iguaes dusofficiaee, principal-
mente com boorkmakers, sao prohibidas.
Para se ser membro da commissao diiectora de
roa sociedade de corridas, tolo o oficial eleito
deve obter aporovacao da sua eleico pelo eom-
mandauu- do seu regiment.
O chefe de equitaea > militar, com uro certo nu-
mero de officiaes escoihidos por elle, e acceites
pelo imperador, forinarao urna coinmissao perroa-
nente ae vigilancia para tudo que se refere a con-
currencia dos officiaes as corridas publicas
Tarifa, da wlaca frreaAo fiscal
da ferro-via do Natal N .va Crus expedio o mi-
nisterio da agricultura, 24 do corrente, o aeguio-
t.' aviso: ., ,,
Emeonfirmacaodo telegramma dirigido a Vmc.
em data de 20 do corrente mez, declaro-lhe, para
os devilos fins, que fie* approvadaa proposta qu
acompanhou o seu oficio de 1 de Julho prximo
paesido, relativa teduccao da tarifa para o
transporte do assuc-a- c a'goiao, e cujos fretes se-
rlo cobrados do seguinte mido :
IAstuoar destinado (xportacio:
1. Procedente de S. Jos ou de qu-lquer outra
estacao situada ao sul desta, independeutemente
da distancia percorrida, luO ris por 15 kilogram-
1 L-.
2 De Cajupiranga para slatal, 70 ris por 15
kilogrammas.
3." D. Cajupiranga para Pitimbu, 40 ris por
15 kilogrammas.
IIAlgodao :
I. Procedente de Goyanraha, ou de qualquer
stacto ao sul desta. udepeudeutemente da dis-
tancia percorrida, 150 rU por 15 kilogrammas.
2. De S. Jos para Natal, 100 ris por 15 kilo-
grammas.
Ao ulgodao em earoco, destinado fabrica de
tecidos do Natal, poder -se-ha conceder abatimen-
to nos precos ac.ma estabelecidos, at 25 /,.
Em concluso, faco-lbe sentir que se torna in
dispineavcl sua inrbrinacao seinpre que trantmit-
tir qualquer pronosta a este ministerio, o qual, a
reaoeito da de que ora se trata, teve necessidade
de colh.-r informacoes altunde para resolver com
eonhecunento de causa.
Deus guarie a Vine.A. da Silva Prado.
A redueco das tarifas la viac;i< rft" a, diz o
Jornal do Commero da edrt, objecto pelo quaJ
luit'i nos tem a empeuhado, porque acreditamos
aa eficacia de srmelhanre providencia para a uti-
lisaco de zonas que, ora intuitos, d;vero natu
ramente contribuir para alimentar) do trxfego
das linhaa, desde q-ie o pequeo custo do trans-
porte dos productos actuar como incentivo ex-
pansao do trabalh
Bem ou mal planejadaa, o que nao agera oc-
asio de examinar, as uossaa vas frreas pare-
em ter sido destin das em rrande parte, nao a
aperfeic'ar as eom;iunicnccws dos centros produc-
tores com os seus mercados e emporios, servindo
por este modo o trabalho j orgaosade. mas siin
a promover tal organisacaoin territorios que, pela
auantidade mnima dos seus productos, uio pos-
sucrr at agora elementos sutS ientes o tr^f-go
de estradas de ferro. Nao qne a taes terrirorios
fltein condic-s naturaes de riqueaa; faltam-lbes
brac s. faltam Ibes trabalh", falta-lhes o poderoso
factor humano sem o qual a trra inerte, anda
quando a natureza se desenrranha em producto
espontaneas, como no iu. menso valle do Amazo-
nas.
Em eemelhnntes condico s, de ninguem des-
onheeidas, mas que na pratiea pnueo ou nada
teem ii fluido para fazer Considerar no ujeieeid
grao a quettao do custo d.'8 transportes, intuiti-
va a eeessidade de proftiuda revieo das tarifas
Sao se coaduncm s cir U'nBtancias de cada zona
eta materia a unifbrmidade consttne grave er-
ro. A extrema differenca das eoodices econmi-
cas das diversas localidades deve determinar tari-
fas tambem diffeienciaeB.
Por nao terem sido observados estes princi-
pios, ou por que o reghaen da garanta de juros
oonstranga nest. parte a accau iidministraBiva,
erto que algumas das nosaas vas-terreas, aps
Taos annos de trafego, aioda nao lograram le-
DEllar a competencia qne soflrem dos meio rudi-
mentarios de transporte. Ao longo das vias-fer-
reas, emquanto a locomotiva arrasta consideravel
peso mirto, animaf s e carros de traeco animada
vo e vin carregados de producto e aereado-
rias.
Para nada encarecer; nao defarr;aremos qup
em toda a parte do mundo a viacao apeiteic>ada
tem de lutar nos primeiros tempos cora a resisten-
cia da uannea, favorecida pela organiaacao dos in-
teresses empenhados no material primitivo dos
transpoites. Afeitos a fazerem transportar seus
productos a costas de animaes e em vehculos
spropriados, natural que muitos agriculr rea,
dispondo de taes meios, mantenbam por algum
tempo o aystema de que sempre osaram, at que
por ulbeia experiencia se convencm do seu des-
acert Tal resistencia, porm, no se proloaga
eno pelo tempo nece3sario aquella esp-riencav
Desde que as vantage.ns do transporte peta via-
ferrea nao podem entrar ta davida, ina-ress-
de cad-t um acorda e cessa a nsanca, porque nin-
guem paeferir transporte oneroso e expojto a
avarias a.) que n) ofFerecer taes inconvenientes.
Quando a competencia perdura por largo pe-
riodo, coa rit e em outras, s na tarifa pode ser achada a
explieaco da anomala. Ninguem resiste pela
astultice de resistir, mas por mstigaco do inte-
resse. Pede affi.mar-se, portento, que para algu-
nas regioes e via$ao frrea nao tmn producido es
seus naturaes resultados, devido falsa nocao de
que, o alto custo do transporte compensado pela
celendade e segnranca- Bste erro merece ser
combatido por que a verdade que o custo coos-
tiitae a primeira eoadicao, a coudieaV) priacitai-
mente attendivel na qaestao do transporte dos pro-
ductos. Na maioria dos casos o agricultor nao te-
r intereses em qne os seos pro fuetes cbegnooi
acceleradamente aos mercados. Tera sempre in
tertresae, porss, na medieidade do preco do trane-
p.'rte.
Proclama de cHiarnlo-Foi procla-
mado na matriz de Santos Antonio, no da 8 do
correte o aeguinte :
Mai>oel Alvee Vilella com Mana do Carmo N i-
gueira de Sonza.
| HiiMpial PorlaicaeiO movimento das
enfermara deste hospital dn ante a semana fiu foi o seguinte :
ikistram etu tratantento...... 14
Entr.iram................... 8
22
a
i
. 19
22
Entrn de semana o Sr. mordomo Jos Mara
da frilva Fernandes.
I Amanha :
Pefc agen-e Pestaa, i 11 horas, na ra do
Vigano Tenorio n. 12, de predios.
Pelo agente Sveira, as 11 horas, a ra esfreita
do R .sari i o. 24, de predi.
Humo funere. 8rf4o eakuVadHS :
Hoje :
M'a 1 e 9 horas na matris Ch Cabo c as 8 hovas
na matriz de Gami lleira, pela ala do bavaarel
Joaqnoii Francisco Paes Baireto.
Amaobi:
A's 8 horas, na matriz do frirpo-Santo pela alma
de Flav i Augusto de Barros.
Pasasieireo, htgados da Europa no va
por ingles Etbe:
Carlos Robinson, Alexasder *fc. VHy, Bva'riee
Howe, Florenee Howe, Jos Lea* de & asa iu
nior, Jos Marques da Silveira, Marra do t.'arm .
Rosa da hilveira, Antonio Pate Meod Francis-
co Marqn-s da Silveira, Antouio da Costa Maciel,
P. Esnaty, Joseph Esnaty, Josi Duarte Pinto da
Silva, AutouioCabaleiro e Antoaie Rodrigues.
Habidos para o sul no mesure vapor:
Jame Morgan, Anna Silva, Man >1 Gomes Ri-
fa iro, Thomasia Gomes das Aujo, Octave IX 1-
bauy, Jos de Oveira Bastos, Joio Baptista Res
e Van der Boseche.
S.ihidos ptra o norte no vapor Ctara :
Mara da Conceicao e 2 criadas, Mauoel Pioto
Ribeiro, Joaquim Augusto do Couto, Serafim dos
Santos Oliveira, Felicio Thaia. R sa Trabyra,
Mara S-nhonuha, Alfonso de Albuquerque, Pedro
F. de Santa Rosa Aacooio J. dos Santos,Beojmin
Francisco Nunea, Joaojoj Farseint Maneta, Fran-
cisco Lombardo e sua senhora, Maria Eufrosna
do Rfgo Batros o 1 filba, Jo3 ;. de U. Aaevedo,
Evangeliua de Aguiar Mello, Roque de Paula
Barbosa, Maria da Penha Pereira da Costa, Pedro
Maszei, Hermn Niemeyer, Maria Rosa do Nasci
ment, W. J. Johuson, Jos Havens, Jos Pereir*
de Miranda Cuoba, Angelo H .veaa e Alexandre
Sergio.
Sahidos para o sul no vapor americano Ad-
vance:
Pastor Oliveira, Maria Van de Velde, M. buzan
M. Porte-, Beraurdiu Barbosa, Dr. Jos Macado
Castro Raballo, J. Castello-Braooo, Antonio da
Silveira e Jos Nobre da C P. Vianna.
Causa t* Uetencao-Movimento dos pre-
ios no dia 8 de Setembro :
Existiam presos 338, entraran) 14, aahiram 9,
existem 343.
A saber:
Nacionaes 316, mulheres 4, estrant;eiros 9, es-
iravos sentenciados 3, processados 4, ditos de cer-
reccao 7.Total 343.
Arracoados 286, sendo : bons 268, doentea 18
Total 286
Movimento da enfermara :
Teve baixa :
Romana, escrava de Joao Francisco de Arroda.
Lotera de McelePor telegramma re-
cebido pela Casa Feliz, sbese qu, na 6.
parte da 13 lotera extrahida em 7 de Setembro
toran premiados os seguintes nmeros :
Liberata Mana da Silva, Pernambuco, 12 an
nos, Bolteira, Recite ; tysica
Joao Pereira da Costa, Peroambaeo, 32 annos,
casa io, Bi'lm ; tysica.
Lniz, Pernambuoo, 2 dia*. Santo Antaaio; con-
vulsoes.
Sunborinht Bruno da Conceicao, Pernambuco,
60 annos, solteira, Santo Antonio ; congesto ce-
rebral.
Mana Alexandrina da Gloria, Rio Grande do
Norte, 26 anuos, solteira, Boa-Vista; tubrculos
pulmonares.
Z oharias Pereira, Pernambuoo, 70 annos, sol-
teiro, Boa-Viac* ; hemorrhagia cerabral.
Manoel Ferraira da Ramos, Pernambueo, 30
annos, casado, Boa Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Frsnel Bran, Allemanba, 35 annos, solteiro, Boa-
Vista t efcorbnto.
Secundina, Pernambuco, 23 annos, solteira, Bos-
Vi ta ; tubrculos pulmonar' s.
Dr. Graciliano de Paula Btptistu, Pernam-
buco, 45 annos, casado, Boa-Vista ; cachexia can-
cerosa.
Jos Alves Pioto, Portugal, 25 annos, casado
Recife; congesto pulmonar.
Adelaide Leopoldina Lop s de Oliveira, Per-
nambuco, 32 annos, solteira, Graca: tubrculos
pulmonares.
Urna crianca do sexo femenino, 1 ernambuco, S.
Jos; nasceu morta.
Ignacio de Franca Barbosa, Pernambuco, 32
annos, solteiro, Boa-Vista ; f-bre perniciosa.
padre e do su Fula Achates, o pasquineiro ; urna i aue deseja colher informaooes do -r. gerente, que
6.876 200:000*000
29.765 4O:000000
8.341 20:0005000
18.670 10:000*000
26.662 5:000*000
7.118 2:0004000
10 464 2:000#U.l0
11.5D3 2:000#000
18.778 2:000*000
20.503 2:000000
20.504 2:000*000
25.054 2:0(10*000
25.105 2:000*000
31.325 2:000*000
INDICACOES DTEIS
da
Sahiram curadas......
Mleert.............
Ficarn em tratametMo.
Ns. Pesetas
12918 2,500
143n4 2,500
16358 2,500
18507 2,500
19361 2.500
23733 2,50
23165 2,500
23167 2,500
24999 2,500
113H5 1,550
11387 1,550
Frcmlos de ltOOOA
3 030 4.763 5.093 5.863 7.3 2 10.274
11.284 11.814 15.190 19.115 19.456 19.676
20.838 21.280 25.>57 25.939 29.242 30.840
31.163 33.109 33.339 33.533 33.814
Approxiaarftea
6.875 4-000*000
6.877 4:000*000
29 764 2:000*000
29.766 2:000*000
8.340 1:300*000
8.34. 1:300*000
Os nmeros de 6.801 a 6.900, excepto
sorte grande, estn premiados com 400*.
Os nmeros de 29.701 a 29.800, excepto o pre-
mio de 40:000*000, esto premiados com 200*.
Todas as centenas cujos dous algarismos termi-
nan ra em 90, esto premiadas com 100*, inclusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros que terminarem em O e 5
estao premiados, com 20*
Lotera de MadridRelacao dos nme-
ros mais pi emiados na txtraccao da lotera que se
verificou hoje, 25 de Agosto :
Ns. Pesetas V
23166 80,000
11386 40.000
18732 20,000
1U120 5,000
2684 2,000
5563 2,500
63 5 2,500
9H09 2,5 0
10771 2,00
11250 2.500
11263 -,500
Lotera da provincia Quinta-feira,
16 do correnre, so eztrah- a 1." parte da 1. lo-
tera em beneficio da Santa Casa de Misericor-
dia do Recite, pelo novo plano approvado.
No coBaistorio da igrata de Nosaa Senhora da
Conceigo dos Militarea aera teitz a extraccao
pelo syatema da machina Fich.
Lotera de Macelo de COOsOOOftOOO
A 7* p..rtes da l'i* lotera, cujo premio
grande de 290:000*, pelo novo plano, aera ex
trbida impreterivelmente no dia 14 de Setembro,
s 11 horas da man ha.
Bilbetes a venda na Casa Feliz da pr&ca da la
dependencia ns 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Reda da For
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera o BioA 2 parte da lotera
n .365, do novo plano, do premio de 100:000*000.
ser extrahida no dia .. de Setembro.
Os bilbetes acham-se venda na Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham se venda na praca da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Lotera da c-orte A 3 parte da 199 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:000*,
ser extrahida hoje 10 de Setembre.
Os bilbetes ach .m-se venda na Casa da For-
tuna ra ("rimeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na prac* da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera Extraordlarla do Vpirau-
jca\ O 4. ealtiiao sorteio das 4. e 5." series
desta importante lotera, cuja maior premio de
15OrO00*W0O, ser extrahida brevemente.
Acham se expostos venda os cestos dos hi-
tes aa Cusa da Fortuna ra Primeiro de Marco
n 23.
Haiadonro PublicoForam abatidas no
Matad' uro da Cabanga 64 rezes para o consume
do dia 10 de Setembro.
Seudo: 49 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
Jj C-, e 15 a dh>eras.
Mercado Municipal de 8. Jos-O
movimento deste Mercado nos das 7, 8 e 9 do
corrente, foi o saguinae :
Entraran] ;
1191/2 bois pesando 16452 kilos.
850 kdos de peiie a 20 ris 170 0
27 cargas de f-.rinha a 200 ris 53*400
6S ditas de fructas diversas a 300 rs. 18*9n0
16 tabniairoa a 200 ris 3*200
35 Sam .s a 200 ris 7*000
Foram occu jados :
45 eninsanas a 600 raa 27*000
80 c iiipartmentoe de frinha a
580 ris. 40***}
59 ditos d* comida a 500 ris 29*500
2091/2 dito* de legume.-. a 400 ris f3*8O0
48 ditos de sninoa 700 rie 38*60i
32 ditos ie tressuraa 600 ris 19*200
31 taiaoa a 24 62*tXHi
9 ditos a 1* 9*000
A Olivsira Castro & C.:
162 tadh* a 15 ris 162OO0
6 talhos a 500 ris Oeve ter sido arrecadada nestes das 3*000

a qaantia de 568*600
rtendiineiitj dos dias 1 a 6 de S-tem-
bro 1:171*540
Foi arrecadado liquido at hoje 1:710*140
r-rt-fua do di :
Carne venl a 40 e 409 ris o kilo.
ft o a 560 e 64 rt idem.
Carneiro i 720 8^0 ris idem.
h'ari.ba de 240 a 320 ris a cuia.
Milhe de 240 3o ris idem.
F ojao 500 a 640 dem-
Ceiniteno puitllco.Obituario do dia 7
de Setembro:
M^ria Alie.- lhuquerque Fieh, Pernamhueo,
19 arra i, solteira, S Jos ; taberculos puluioua-
' .
Maria Archanja Per-ira, Pernambuco, 31 an-
nos, solteira, Boa-Vista; toaerenloa pulmona
res
Mane! Matheus Ferre-a, PeraaraOueo, 40 an-
n, viuvi Boa Vista; tab>redos pulmonares.
J .>. ares Bar.uu*, Beraambuco, 30 anuos,
solf' ira, Hoa-Vist, 3 rubreuios polan-iBares.
Man >1 Jorge-lo N-.aeiinei.to, Pernambuco, 70
sanos, solteiro, Recfe ; e.nero do estomago.
Bt-uedicto, Pe nmtiud., 44 a io*, sotteiro, Boa-
Vista ; edtma da gl te.
Silvano, Parnasabaeo, 6 nseaaa, 8. Jos; entero
eolito.
Medico*
Conaultorlo nsedico-cirurflco do Dr.
Pedro de Artanyde Lobo Hoscoio
ra da Gloria n. 89.
0 doutor Moacozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da maoha'
Este cQasuitoria oflferece a coiamodidb
de de poder cada doente ser ouvido e ex
minado, sem ser presenciado por outr.
De meio dia s 3 horas da tarde ser i
Dr. Moscozo encontrado ao trrelo pra
ya do Commercio, onde funcciona a ms
peceo de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poderlo ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
O Dr. Arthur Imbaisahy, medico oceu-
lista, recentemente chegado, esta cid de,
d consultas todjs os dias, das 8 s 10
horas da manh3, sendo gratis aos pobres.
no 1. andar do pr.-dio n. 8, largo da
Santa Cruz.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser procurado qualquer hora do dia
ou da noite. Consultas : de 1 s 3 horas
da tarde. E*pecialidade : molestias e ope-
racoes dos orgSos genitourinarios do Lo-
men e da mulher.
Dr. Barreta Sampaio mudou sea consul-
torio do 2.a andar da casa n. 45, a ra do
Baro da Victoria, para o 1." andar, da
casa n. 51, raesma ra, como consta do
seu annuncio inserto na seceo compe-
tente. Residencia a ra Seta de Setem-
bro n. 34.
O Dr. Joao Pardo mudou sua residen-
cia e consultorio para a ra do Barao da
Victoria n. 18, 1. andar.
Advocado
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Impejador n. 73, 1." andar.
O Dr. Henrique Millet tem o seu es-
criptorio de advog icia ra do Imperador
n. 22, 1." andar.
Tabelli&o
O Bacharel Amaro Fonseca de Albuquer-
que, tabelliao do notas interino nesta capi-
tal, comruunica so respeitavel publ -o qu
abri seu escriptorio no pavimento terreo
do predio n. 4, sito a ra do Coronel Fran-
cisco Jacintho, outr'ora de S. Francisco,
onde, com solicitude e mxima l^aMade,
est prompto para deserapenhar as fuoc-
coea de sea cargo. Reside na freguezia
da Boa-Vista, ra do Coronel Laraenha n.
30 (outr'ora dos Prazeres) para onde, fra
das horas do expediente de seu escriptorio,
deverao derigir-se os chamados, para fac-
tura e approvncao de testamentos.
Conaultorlo ailopatlco -doalmetrlco
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em sea consultorio ra
do Baro da Victoria n. 7, 1. andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades partos, febres, syphilis,
molestias do pulmo e do coracao.
Dr. Lopes Pessoa Mlico.Residen
cia a ra de D. Pedro la. 9, onde pode
ser procurado at s 9 horas da roanh.
Consultorio ra do Bom-Jesus n. 37 1.
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
atrasarla
Francisco Manoel da Siha & C. depo-
ntarios de todas as especialidades pharnib
cauticas, tintas, drogas, productos chimicx
e medicamentos homceopaticoB, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapino
le Francisco dos antos Macedo, cae* do
Capibarine n. 28. N'este granda estiba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-s e vndese madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como sepreparam obraf
de carapira por machina e por precos cea:
OIT" wfn'.a.
trocarla
Faria Sobrinho & C-, droguistas por at-
taoado, raa do Marqu z de Olinda n. 41.
HiBlUJACOtS A fEitIDO
Barre! ros
Pedro de Barros Wanda-ley e o padre
Christovdo do Bago Barros.
Urna vez que S. Exc. Rvioa. o Sr. Binpo Dio-
cesano se tem tornado surdo aos reclamos levan-
tado n^sta reguezia, contra o proeeiiitnento irre-
gular de seu paiocbo o padre Christovao do Reg
Barros ; urna ves que nao calaran em aeu aono
*B affirmacoes nutorisadas de ma r- aresentaiite da
antoridaile publica, que, confi do n- juslica, se-
gumdo os uitis saos precei; s evng lie os e tudo
ando paraevitaro escndalo, piocurou enten-
der se coin S. Exc. e I he expoz verbalmente o es-
tado de desmuraliaaeao a que fem descido aqu-lle
padre, pediiido nina providencia para o cas urna
ves uue a fa t* d conveniente censura ieui serv
ii., ii.' neentiTo para as suas m p*ix5es, nao du-
vidand > deeUrar que, como resposta s qaeiza
e otra ei externadas, S. ExC. Ihe aeoajelbara qoa
se preparaase p ira entrar no proKBat eoacu so
dest* fregui zia, em qu elle ser nfallivelmente
collado; uina vez qu- o paire Christovao, publ
cauda n i Jurn l do Recite de 13 de Julho, a ent
pu'lida e incompleta (Mfcaa, nao se e-iqueceu de
o. ni, iiualilK-audo-me de tmpio :pllida d. fesu,
porque toda ella se estribi m vor, o*e piedade, que aMata o r > eonveaeida-, do-
euu enlos graeios >s, qu-- aera ao m no- sao a si di-
11; Jos, u.as a um terceiro, p-la iutaitiva razan de
qu.- o algos nao poder jamis enteuJ.r-se e VictuB ;d t sa incompleta, poiqu nao se Irm-
broa*negar (lanto pode a coaacienii), as demais
argu-c I de itas graVissrmaB, que me toram iib-
puladan ; urna ves que a calumnia Isn'to V m alca-
d.. o r-eu ei.II ., que acred t* ter attingido os d
graos do palacio episcopal, sendo o in.-u n .m^ o
ponto uojectivo da diftamacao por parte d'aqnelle
ve, fioalmaute, que aquella duatidade siamesa oa
son lev.r o mea oome unte 3. Exc. o Sr. Dr che-
fe d. polica, attribuindo-me a pratiea de uro acto
infamante ; acbo-ioe h je no rigoroso dever le, de-
feud.-ndo a minha repotavo, nico bem que pos
suo, exir execracio publica o mea aecusador,
aquella padre, nixa deshonra a sooiedale em que
vive, que manchi a mi que aperta, que noda a
santidade do altar, de que se approxima!
Nao quero, porm, deelamar. Pa'a o raeu in-
tuito n. preciso mais do que faxer minhis as ac-
cusacota cuntidas no artigo publicado uo Diarij
de Pernambuco, sob o pseudouymo 0 Pedreiro
Asis.
Nao sei quem foi o autor d'aqnelle artigo, nSo
quera mesmo sabel-o ; mas hoje aceito a paterni
dade delle, somente pira o fim de poder, do alto
da imprens, provocar o Sr padre Christovao do
Reg Barros para que me chame a reaponsabili-
dade pelas aecusacoes gravissimas, que alli lhe
foram imputadas.
Quero, portanto, provar, se fr necesaario, que
o padre Christovao foi o d'florador da fi ha do in-
teliz pedreiro Asis, o qual com lagrimas nos
olbos tem contado a sua desdita a dezeuaa de pes-
soas, iaspirando-lh-s smcera compaixio.
D ffendendo-se de tao terrivel aucusa^ao o pa-
dre Christovao exhibi em sua paluda e incomple-
ta deiesa urna carta asignada pelo desventarado
pai da viotima, o qual, si de faoto eacreveu-a,
flo sem duvida inconscientemente ou aob a act-
ala da ameaca ; porquanta nao crivel que o fi-
zesse para innocentar o padre que, abuaaado de
sua eouanca, entrn no recesa-) de seu lar domes-
tico para, qual lobo voraz, devorar a innocente
vietima. Admira, at um cyniamo revultante,
vir o padre Christovao negar um faeto not rio
nesta comarca e cujos episodios elle mesmo- eonfes
sou pessoa fidedigna Nao seria mclhor que o
padre dissesse : peza-ine de lio grande pecca-
Quero provar quB o padre Christovao mandou
espancar urna pobre mnlher, a qual como m ze
losissima se oppuzera a que esse desalmado pastor
saciaase sua voraciJade em detrimento da honra
de sua innocente filha.
Essa herona foi brbaramente espancada por
dous ou mais guarda-costas do padre Christovao
e apresentou-sn banhada em sangue ao Sr. teuen-
te-corouel Jos Pelippe, delegado de polica de en-
tao, pedindo-lhe providencias. O tenante-coronel
Jos Felippe, por atbaos que nao vem ao caso
c mfesaar, nao quiz finccionar e passou o BKetci-
cio ao respectivo supplente, que durmi sobre o
caso.
A carta que o tenente-cornnol Jos Felippe con-
cedeu, por mero f*vor, ao Sr. de Graiharde, cunha-
do do padre Cdristovo. nao prova cousa alguma :
nella declara o tenente coronel Jos Felippenao
se lembrar de se lhe ter apresentado, durante o
tempo que exerc u a delegacia de Barreiros, mu-
lher alguma. qneixando-se de ter sido espancada
pelo padre hnstovo. Mas quem nao v o artifi-
cio ahi empregado?
E' verdade que o padre nao espancou com suas
preprias mos ; porm mandou que os seus sequa
zes C8pancassem ou surrassea a virtuosa m, que
teve a coraren) de deffender o nico tbesouro, que
sua filha poasna :a honra.
Na occasio em que apresentou se ao Sr. tenen-
te-coronel Jos Felippe esaa infeliz mulher, esta-
vam presentes outras pessoas, que ouviram aa
queixas da victima, e o proprio Sr. Jos Felippe
referi esse faci a diversas p.-ssoas, que, sendo
preciso, esto promptas a declarares.
Quero provar que o padre Christovao vender
toda a p-ata que encontruu na matriz da fregue-
zia de Una, nao obstante tero juiz de cap 'lias lhe
negado, por despaeh), autorisago para esse fim.
Quero provar que o padre Christovao tem dito
sob compradores d'aquella prata que nao .e re-
e-iem da restitui^o que, no caso, a lei manda fa-
zer ; porque seu acto encootrou approvaco por
parte do Sr. Bispo, o que nao se pode admittir:
poia seria approvaco de urna illegalidade, ap-
provaco de urna d-fraudaco feita ao Estado, ap-
provaco de um crime !
Quero provar que o Sr. padre Chr'stovo foi
constrangido a mudar-se da casa de -ua rea'den-
cia, aioda que figurando outros pretextos ; porque
um seu visinbo, homem pundonoroso e digno, le-
vado pelo de8esp.ro, foi at o interioi de seu do-
micilio ameacal-o, armado dn um puuhal, porque
aquello padre ha va procralo, por vezes. desr^s
peitar a habitaco de nm prente do ag^ressor,
pessoa bemquista e cuja familia mereeedorr. de
t. da a consideraco.
Ao outro raeu co denunciante, Clementino Frei-
r, aqu couh cido pelo bichare! pasquinein,
s me orec-rre dizer-lhe que, emquanto uo aunul
lar o < fieito jurdico do reconhecimeuto de sua let-
tra nos immundos pasquina, aqu distribuidos, nao
tem direito de esperar respost minha aos conti-
nuados iusultos, que me dirige no Rebate, do qu .1
hoje digno collaborador, depois que firam repel-
lidas as suas celebres carias, sem porte. E' que
ha individuos de espirito to curto, de sentimen
tos to baixos, que sao vaidosos at da miseria,
em que se chafurdam. Com o intuit i de que se
acredit que diapoem de talento, nao duvidam ex-
pr em saa nud- z toda a sua torpeza moral!
Conclnindo, como um brado de indigna cao pro
voco, desafio mesmo, a que o padr^ Christovao do
Reg Barros me chame ante os tribunaes crimi-
naes para que eu d provas dos meus assertos.
E essa miuha deliberaco principalmente mo-
tivada, forca dizel-o, pela convieco intima de
qne nenhuma providencia mais espero do outro
tribunal, a que porventura elle j devera ter sido
chumado.
Barreiros, 30 de Julho de 1886.
Pedro de Barros Wanderley.
nao deve ser snspeit ao articulista; ven ha pois este
desbragado rabiscaJor certificar-se que assignala-
do servie i foi essa prestado pelo Exm. Sr. Dr
Ignacio Joaqun), reforida Jompanbia, e declare-o
sem rebufo e sem pejo, j que to pouco teve para
avinivar urna inverdade.
Si ba crime, on gloria no fseto de haver-ae em-
pedrado a estrada d Boa Vianem, nein um, nom
outra cabe ao Exm. Sr. Dr. Ignacio Joaquim, e
sim ao finado Baro de Villa Bella, que coneorreu
para esse melbramento publico. O que porm ha
outra indigna mentira, o grande malicia de
quem aehou motivo par i deturpsr ama aeco alias
boa, cousiderando-a m, somente porque a suppoz
praticada por seu desafFeeto.
A derrubada que o Exm. Sr. Dr. Ignacio Joa
quim tem feito em mais de cinco mezesde sua mo-
ralisada ad uinistraco pode bem ser apreciada e
avahada pelos hom-ns honestos e criteriosos.
O articulista de Palmares, pois, ou mal infor-
mado, ou propjsiralment", faltou verdade vergo-
nhesamente tres vefes em dez linhas de sua car-
responde ocia.
tas
Promotor de Cabrot
O abaizo assignado, embarcando-
pelas 4 horas da t. rde no vapor Jagucmt,
uoia destino comarca de Cabrob- T~fl*r
vae exercer o cargo de promottnr j]nWi ay
e nao t'ndo tempo de despedir-se da
os seus amigos, vem i'azel-o pela h>i
sa, offerecendo-lhes alli os seus frucc* ,
vicos. ro
R-cifa, 10 Setembro 1886.
Lydio Alerano Bandeira de Mello FM+.
TAVAliElS DE MELLO, GENRO A C
previaem ao publico que movem pelo juizo
do couvnercio dssta sidade aejao por quan-
tia avaltada, contra o propriotario do en-
gsnho ConceicSo Veta, no termo de Ipo-
juca, pelo que nao ser licita qualquer
trausaeco sobre o referido engenho, ou
acerca de ama escriptura de hypotheca
que se diz existir no mesmo.
Deapedtda
Severino Rodrigues de Aaevedo e Silva, caixeiro
da casa Samuel Power Johnston & C., sendo for-
cado, por molestia, a retirar-se desta capital, e nao
jodeudo despedir-se pessoalmente de todos os
seus amigos, o faz pelo presente,-offerecendo-lhes
seus prestimos na eidade de Limoeiro.
Recife, 7 de Setembro de 1886.
A Provincia e os editaos
Depois que a Cmara Municipal contractou a
pubiicacao do s'-u expediente com a Provincia.
deixando o Diario de l'ernamhuco, que a fazia com
o maior ent -no e presteza, tem sido aquella C-
mara victiini das uiabruras e inorosidade do seu
orgo, suifrendo, por conseguinte, grande pr> ju:z >
os municipes, que esto presos Cmara cam ne
gocios serios e que a todos devem interesar. E
para prova do que atfirmamos est o facto de nao
se ter pnblicado at esta d.ta os editaes da elei-
co de algumas freguezia, e entre outras ha o da
2* seceo do Pncj da Panilla (Casa-Forte), cujo
presidente tendo-se retirado antes de terminar os
trabalho*, par incommodo de sade, devia ser
substituido ni forma da lei ; e 0>t isto desejamos
sabir quem assiguou o edita!, ou quem substituio
o an'erior presidente.
E' preciso por-se os pontos nos i i i... !
Becife, 9 de Setembro de 1886.
Os quarenta votos do Poco.
rasa de commis^e
DE
5. LAFOiIE l C.
.olivado soja \oso Senhor
lesus i hiislo
COPU DA CAKTA DO BEVDM. PADRE MESTRB
DB. JOS ANTONIO DE MARA IBIAPINA
Enearrego o irmo Ignacio para pedir esmolas c
promov-r todo o bem, em auatentuco das Santas
Casas de Caridade e Misericordia.
Convm saber que as Santas Casas principia
ram a estbele er-se de 1862 para c, e o fim de
sua instituico receber orpns pobres e desvali-
das; educal-as e doutrinal-as no Santo Espirito
de Deus e as prendas que deve sab-r urna mi
de familia na socie.iade, depois casal-as e d. tal -as
conforme as circumstanciai das casas. Tnmbem
ha bospitaes para receber e tratar hoinens e mu-
lheres pobres at o seu restabelecimento: sendo
todas as despezas teitas pela instituico. Assim
se tem eitabelecido deioito recolhimentos para or-
phs, e dous hospital a coa ommodos pra grande
numero de enfermos de ambos os sexos.
E' o padre Ibiapina que vos pede cata esmola
pelo amor de Deus.
Lembrai-vos, chrisiaos : a eamola apaga o pec-
cado e faz acbar miaericordia na presenta de
Deus; no dia de juizo, quando Deus julgar o mun-
do, dir para us da direa : Vinde, beinditoa, de
Meu Eterno Pai, vmde r. ceber o preaiio da gloria
que vus eai preparada ; porque tivefume, vos me
oestes de com r ; tive tie, vos me dstes que be-
ber; estive n, vos me vestistes; estive enfermo,
vos me curast.s; estive abandonado, vos me ais
parastes. Aqui Ib.- perguotro os escolbi ios :
S-nhur, quaudo foi que vos vm is assim? Res-
ponder Jess Chr8to com muito amor : Totas
as ve s que vos na trra soceorrestes aos meus
pobres e amados fibos. a mim foi que me soceor-
restes : agora o tempo da recompeus ..
Christos dai es olas daquillo que puderdes.
as Santas Casa ha mil e tantas pessoas, e to-
do este povo resa todos os dias pelos seus bemfei-
tores.
f'anta F, 2 de N.vembrode 1882.
Pa Ir Jos Antonio de Harta Ibiapina.
Segu se a recom.nen.lHco do arceOiapo, do
bispo, do governadnr do bnpido, o visto de muitos
vigarios, e o cui-ipetente i-ello.
Rccehem-ae as ilontrmas no escriptorio do Dia
rio de Pernambuco, Jornal do Recife e casa c nn-
m-rcial dos Srs Braga, Gomes & C, ra do Mr-
quez de Olinda n. 50.
Irmo Ignacio.
Tres Mentiras resoltantes em
dez Unha .a Provincia de
3 de Netembro.
Um d< sabusa.io rab eador l d^ Palmares que
asaigna-seA alma do irmo cahe a'ogunliz
que o hravi r r. Ignacio Joaqi i.n, O h mein qae
j fes dous assign lados servi^.s esta proviu-
cia (cuiicesi-oea Couipanbia de B-beribe, da
qual era director e accionista, e o eiopedramento
da estaeao de Boa-Visgem ao povoad>, ooe
tem urna casa e costuro passar oa colores do
esto) fui talhado para contiaotr aa derrubada,
tstC
Ora, a Companhia de Beaeribe tem sua sede
n'eata ci lade, alli fcil a accesso a qaem quer
\uo ba mclhor reruedi para a
molcMtia do pello, que o Peltu-
ral de Cambar de S. boarea. de
Pella*. (4).
Tratando de uoi caso de tysica pulmo-
nar, diz era urna carta o Sr. Delfim F. de
Vasconcelos, acreditado t'az-ndeiro em D.
Peirit), (Rio Grande do Sul).
Desanmalo, e sem saber mais o quo
fazer, fui instalo por um amigo a dar
minha doente o elogiado Peitoral de Cam-
bar e confesso 'jue nunca vi remedio
to maravilhoso, pois foi o que salvou mi-
nha filha de urna morte certa, n
O Sr. J Soares Gomes, respeitavel
cnsul de Portugal em Paranagu, re'e-
riado-se a urna bronchite de mo carcter,
diz tambem em carta :
t Minha rauiher acha-se perfeitamente
restabelecida de saa grave cnl'.-r ui lade
com o uso do quatro vidros de Peitoral de
Cambar tendo antes -xp 'rirnerit .do, sem-
pre intilmente, talvez tiacoenta remelios
diversos.
Sr. Defira Jos Rodrigues, fnzpndei-
ro em Santa Victoria, tiesta o seguinte :
c Eu abaiso assignado uttesto, a bem da
huraenidade, que urna tiln minha, que
soffria por mais de quatro annos de athraa
e outras molestias do peito fii raucamente
curada pelo maravilhoso Petoral de Cam-
bar doSr. Alvares de S. Soares, de
Pelotas.
O acreditado fazenleiro, residente
em Itaqui, Sr. B-lizario P-reira do Athay-
de, em cart dirigida ao Sr. Antonio Dias
de F. Valle, diz :
Sendo V. S. o sub-agente nesta ei-
dade do Peitoral de Cambar, dirijo lhe a
presente, afra de attestar que, suifrendo
minha mulher ha muitos annos de astbra i,
s ngo^a, e com o uso do r.-t rido medica-
mento, ficou radicalmente turada.
Eis o que tambem attnsta o Sr. Do-
rain pos de Jess Braz, negociante em Ja-
guarao:
< Eu sbaixo assignado attesto que, sof
frendo dous tilhos meus de bronchites, fi-
caram completamente curados com o co-
ndecido Peitoral de Cambar, descoberta
e preparaco do Sr. Alvares de S. Soares,
d Peloias.
Muitissi'iios outros attestados e declara
g8ea encontrarn-.se no folheto que acompa-
nha cada frasco.
nicos agentes e depositarios geraes em
Pernambuco, Francisco M. da Silva Kua do Mrquez de Olinda na. 23.
Jtt. Ra do Imperador, 1*
Mandam vir dos mercad, s estrsngeiros aan
genero de mercado ras em eondicoes muito si
alm de api sao representantes de ai versa <
productoras para ns quaes lecebem eni-i
aem commlaao Bcnbnnaa. vieda>' aa
meresdorias, conhecimentos, facturas e eeiiaa
poodsnciK directamente das fabricas par ca-Sn.
clientes, gosaudo estes das maiores vaiiTiiyiaa,
descontos prazos; entre essaa fabricas n*ti
A orledade vincola de Boi
associacao de grandes propnetariua de vs
para evitar a fraude e expor a venda
puros.
I.ouil Frcrea di C, de Bordeaui foi
de conservas alimenticias e do afamado
Lott.
tieorues Wecaiin de C. de Coguac ; _
do asa que se oceupa especialmente nv
gnac.
Pellaaler dt Aragn, de Grasse; Sibrira
de leos volareis, essencias, extractos, cheiros, aaaav
erogaras, pbarmactase perfumistas, bulcasentada
E. Alziari.
Fourmainlreanx. de Desvres, fabriiiial
nzulejos para casas.
Berln Tmsler, viilros, Irascos e vasilbame para pbarmaciaa n
garas; especialidade de frascos esmerilbados; ai
commendamoa os novos precos muito esumiera.
D. Ilutinel. de Pars, fornecimentaa pam
pliotographia, como sefam: carmes braaeoa a jn.
pressos, drogas e aparelbos etc etc.
Bel*alette. de Boulogf e s-Mer; fabrica, i
formas para calcados.
A. Lecomle di C. de Pars: labra 4
instrumento, de msica.
wociedaae don fabrlcanlea de f>mm
crlana, de Vieizon.
E. Hara dt C, fabrica de placas de
esmaltado para nomes de mas, numeraria
casas, indicacoes de escriptorios, etc etc,
dores da ci Jad: de Paris e nutras.
C. Teiaen di C. fabrica de ladrflhoa ava-
saicos.
A companbia de Flsea Iiilles ande-
nal para engenhos, machinas fixus e kcomoin,
mat Tal rodante para estrada de ferro, pantana
outras construeQoes de ferro.
* Sociedade Cooperativa Calaarar-
aal. do que fazem parte hije mi.it de cinecean
das prneipaes fabricas franceses de que opuaiau-
namente annunciaremos s nomes.
Obras Publicas
Pede-se ao digno chefe da repartico das
Obras Publi as, a fineza de man lar exa-
minar o canoo Baastpe das aguas pluviaes,
no largo do mercado de S. Jos; visto
que os moradores entre o becco de S. Po-
dro e travessa da Penha, nao podjra mais
supportar o ftido das aguas ptridas, dia
riaraente depositadas.
Ser isso urna >bra de caridade feita por
V. S. aos moradores da ra Marcilio
Diaa.
Um dos cujos.
Ao publico
O Dr. Gtyrqaeira mudou o seu consulto-
rio para a ra Duque de Casias n. 74,
(antiga do Queimado.
Protesto a Cas4us
Pey9 a V. S. qu* rectifique a pro pst-
elo que ventiluu em sea artigo de 5 de
Agosto do corrente anno; pois foram fal
sas as inainu i(,3- qu-i se tenho familia 1 beral no 8o districto,
eoratudo, tambem tenho conservadora, cu
)b ideas adher antes de encetar a minha
vida publica, como poderao attestar al-
guna amigos liberaes do mesmo diatrioto,
8: Sto i* impelirlo.
Florea, 23 de Agosto de 4886.
Joao Quintiliano de Azevedo t Swa.
Agua Florid\ de Murruy k lan
Existe por certo urna qualidade altamente
tarii suave e deleitavel na deliciosa flagras
iesta agua popular que de tao grande or
serve ao toucador.
El:a como por encanto nos faz lembrar o dala-
bido incens florido de v rao ou a imitacao da m
favonio tom de msica antigc, o qaai por vtulaaa
uos taz recordar aquellas sceoas j pasaaaaa, nK-
rantc os quaes ouvunol-o pela vez primeira.' Kaa-
pintualisaute e delieaoo como o aroma da geoiuna
agua de Colonia, e com tudo o seu pi rfume nana
profundo e durad .uro e a sua fragrancia naaaav
muda nem enfraiiuece, como aeonttce com oa aa
perfumes extrahidos e compostos de i leoa valana.
As seuboraa as quaes geralmente scffrem da na-
res nervosas de ca&eca lhe dao a preferencia a *-
da e qualquer urna outra applicacao local. eanat>
um excelleute meio de alliviar as dr^s ; e em i
lidad- de um perfume para o quarto de ua
e'le por sem duvida eminentemente refri)
e agradavel.
Rol. rim i-no* tao tmente quanto a Agtm fmi-
da de Murray di Lanman. Quanto as imita ~
sao ellas despresiveis e nao merecem a ma i
inencao.
Como oabastia contra as falsificacoes,
se bem que os nomes de Lanman & Kemp-'
estampados ein lettras traneparentta uo papel n
hvrinbo que serve de envoltorio cada garran
Acha-se venda em todas aa boticas e lojesan
perfumaras.
A^eutes em Pernambuco, Henrj Fondea VCL
rua do Commercio n. 9.
O suave e rico ambiente exhalado pela Agaua
rio-ida de llar ry nao pode nunca esqsecnVa
que o tiver gosado urna vez. E' mmeoaaBMnant
mais fina, mais suave e mais agradavel den
qualquer nutro artigo jamis (fferecido coaaa aanav
de agua fijrida. Fortalece e refresca aoa debeasar
delicad.s, aclara'e robustece as faculdadea na
taes, habilitando o caneado exhausto a peasareana
elaceaa, fallar com verbosidade e escrevezr anas
energa preeisao. Nenbuma outra das caaasada
gia8 fl indas tem taes effeitos, nem exeree in-
fluencia alguma benfica sobre ae fatuidades aaeav
tnea ou phyaicas. A Agua Florida de nna*-
ry a nica da sua especie, que preparada se-
gunda a formula original usada pelo inventaren
1829, e e ta a razao porque tao difierentedn
todas as outras e to superior a ellas todas. .
Peuoral de Cambar (3)
Descoberta e preparaco de Alvares dL
Soares, de Pelotas
Approvado pela Exina Junta Central de Hyge-
ue Publica, autorisado pelo governo imperial, ana-
miado com as medalhas de ouro da Academia na-
cional de Paris e Exposiclo Brasileira Altees* n
1881, e rodeado de valiosos attestados medieee m
de muitos outros do pessoas curadas de : tetana
simples, bronchites, asthma, rouquido, tiaieafpel-
mouar, coqueluche, escarrus de sangue, ete.. .
Precos naa agencias :Frasees 2^500, nana
dusia 130(I0 e dusia 24*000.
Preeos na8 sub-agencias :Frasco 2*800, naa
dusia 15000 e dus i 28*000. _
Agentes depositarios g. raes nesta proiintu
FRANClt O MAMOEL Da SILVA iMS,
ra Mrquez de Olinda n. 23.
Mais ama Tez
O abaixo sssiiruado, s. co da firma ccrcnr.erei
de Medeiros 4 C, cr.m livraria roa Primeiro de
Marco n. 7 A, declara que nenbuma parte teman
predio ra do Hospicio n. 1, o qual sgirana
nuncado (.ara ir praca, por execucao da Faena-
da, para pagamento de imooet. a, conforme a tdB-
tal pnblicado no Diario de Pernambuco.
Recite, 6 de Setembro de 1886.
Francisco dos Santos Neves.
N. 10. Recommenda-se a EmulaSa e*
Scott aos doentes do peito, da garganta
dos pulm5e8; aos anmicos, debis e en-
crofulosos, e a todos os }ue precisen fa
nm bom reconstitu ote.
A Emuisao nao tem igual para repasar-
as forcas dos debis o enfraquecidoa-
Df. Giwlm Me
Mu:un o
Tem o seu escriptorio a ra Duque de Ca*-
xiaa n. 74, daa 12 as 2 horas da tarde, e desda
Sora era diante em aua residencia roa da San-
ta Crus n. 10. Especialidades, molestias de a*~
uhoras e -rancaa, telepbone n. 3*6.
Dr. Fernandes Barros.
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia < 3 horac
Residencia rna da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
ILE^p

m


Diario de PernambucoSexta-feira 10 de Setembro de 1SE6
*
EDITAES
9 Bbutor Joaqun da Costa Bibeiro,
nade direito do civol desta cidade dt
%> ife e seu termo, capital da provmcio
" de Pernambuco por Sua Ma gestado Ira-
aerial e Constitucional o Senhor D. Pe-
ta II, a quem Deas guarde, etc., etc.
Faco saber aos que o presente edital vi
3M ou delle noticia tivereo que fiados os
te das de pregues e as pracas da le,
& audiencia deste juizo do da 16 de
Oatnbro prximo vindouro, irio a praca
arr veda a quem mais der e raaior lance
erecer os bens abaixo mencionados que
Ion penhorados para pagamento do prin-
*!, juros e custas da execucao civel que
me iuizo e cartorio do escnvJo que o
sente subscreve uove D. Umbejina
Escocia Borges Diniz contra os herdairos
Jlo de Brito Correia, cujoa bens coos-
fc 'da avaliacSo do theor e maneira se-
50
com
dous
con-
imba
mais
e hora
a casa terrea ra das Trincheiras
b. SI freguezia de Santo Antonio, com
ios. 'portas de frente, duas salas, dous
nrtos, cosinha fra, quintal murado e es
Sba, medindo de frente 3 metros e c
HBtimetros e de fundos 14 metros e
ratsmetros, avaliada por 1:800)5000.
Urna casa terrea, tneia-agua, no segundo
eceo da Camboa do Carmo, seb o n. 8,
teado porte e janella, um* sala, nm qjarto
wredor, medindo de frente 4 metros e
centmetros e de fundos 4 metros e do
jentmetroB, avaliada por 2000000.
Urna casa terrea ra de S. Miguel,
feeguezia de afogados, sob o n. 13,
arrta e janella de frente, duas salas,
artos, cosinha fra e um quartinho
o a cosinha, quintal em aberto, cac
Lria, medindo de frente 4 metros e 40
Smetros e de fundo 12meteos e 6o
aeitimetros, avaliada por 5O0UUU.
E assim serao s bens cima menciona-
ba arrematados por venda a quem
ere maior lance offereeer no
j indicado. .
E para que chegue a noticia a todos
aasdei passar o presente edital que ser
afeado no lugar do costume e publicado
ek imprensa.
Dado e passado nesta cidade do K cite,
tm dias do mez de Setembro de 188b.
Eu Felicissimo de Azevedo Mello, escri-
bi fiz escrever e sobs revi.
Kecife, 6 de Setembro de 1886.
Joaquim da Costa R'beiro.
2' seccSo.Secretaria da presidencia de
Pernambuco, 6 de Setembro de 1386.
EditalDe ordem do Exm Sr. Vice-pre-
eidente da} provincia e em observancia do
disposto n> art. 257 do Decreto n. 9,4 20
de 28 de Abril de 1885, faco publico o
edital abaixo transcripto, pondo em con
curso com o prazo do 60 dias. os oficios
de tebelliao do publico judicial e notas e
sais cartorios annexos do termo de Ta-
ynretinga. O secretario, Pedro Francia-
ao Correia de Oli eir.
EDITAL
O fcaeharel Jos Tavares daCunha e Mello,
juiz de diraito da comarca de Taqua-
retinga, por Decreto Imperial.
Faz saber a todos a quem possa nte-
Tmaar este edital, que nao tendo at hoje
akto prvido effectivamente nesta comarca
fficio de tebelliao de notes e judicial to
mu! estao annexos os cartorios
vi de orphaos, civel e crime, ausentes,
apellas e residuos, commercio e jury
i*cuc3es criminaes e registro gerl dai
typothecas, todos creados pela le provin-
sial n. 1,316 de 4 de Fevereiro de 1879,
de conformidade com o.rt. 152 do De-
creto n. 9,420 de 28 de Abril de 188o,
Sea aberto concurso para provimento de
todos elles por espa$o de 60 dias, que
eorrerSc desta data, devendo dentro desse
tempo os pretenderes aos mencionados
fficios, aqui servidos por um funecionano,
presentar seus requerimentos, os quaes
dererao ser datados e asignados pelos pre-
tendentes ou seus procuradores e instruidos
om auto de exame de sufficiencia, folh*
Mtrida, certidio de exame d* liogua por-
tnguoza, e arithmetica, crrtido de idade
e attestado medico de capacidade pbysha,
e no oaso de ser maior de trinte annoa de
ter satisfeito a obrigacao da lei n. 2,556
de 26 de Setembro de 1874 e man docu-
mentos, que os meamos pretendentes j jil-
earen) necessarios, tudo devidamentc sella-
do e conforme os arte. 164 e 210 do cha-
co decreto de 1885 e outros em vigor.
E para que chegue ao conhecimento de
todos ser affixado porta da casa das
audiencias deste juizo e lugar do costume
Expedida e publicada neete villa de Ta
qnaretinga, aos 31 dias do mez de Agosto
de 1886.
Eu, Guilherme Duque Bezarra, escri-
vo interino, o escrevi. Jos Tavares da
Cunhae Mello.
E mais se nao continha em dito edital
que fielmente copiei do proprio criginal, ao
qual me reporto e dou f.
Taquaretinga, 31 de Agosto de 1886.
O escrivo interino, Guilherme Duque Be-
zerra.
CERTIDAO
Certifico que hoje pelas 11 horas da ma-
nhl affixei edital na porte da casa da C-
mara e audiencias do juiz de direito, abrin-
do concurso para provimento do officio de
tabelliao e notas e mais offi;ios a elle an-
nexos. O referido verdade e dou f.
Villa de Taquaretinga, 31 de Agosto do
1886.O porteiro interino, Flix Jos do
Reg Brrelo. #
E mais se nao continha em dita certido
que fielmente copiei do original que fica
archivado em meu cartorio.
Taquaretinga, 31 de Agosto de 1886.
O escriv2o interino, Guilherme Duque Be
Cidada de Caruar, 19 de Agosto de 1886.
Eu, Antonio Rodrigue Braeileiro Carvalhaes,
escrivSo do jnry, que o escrevi.Agostinho de
Carvalho Das Lima. )
E nada mais se continha em dito edital, que fiel-
mente copiei do proprio original, ao qual me re-
porto, don f.
Caruar, 19 d<- Agosto de 1886.Antonio Eo-
pngues Braaileiro Carvalhaes, escrivo do jury1
qae o escrevi.
4 CERTIDAO
Certifico qae em virtnde da ordem do jniz de
direito da comarca de Cmaro affixei o edital pon-
do em concurso o lugar de eecnvo do jury e exe-
cuces criminaes do termo de S. Bento no da 21
io mes de Agosto de 1886 nos termos do art. 158
d Dec. n. 9420 de 28 de Abril de 1885; do qae
dou f.
Villa de S. Bento, 21 de Agosto de 1886.
Eu, Christovo da Rocha Paula Cavalcanti, por-
teiro do auditorio.
DECLARARES
Edital n.
O administrador do Consulado Provincial de-
clara, para conhecimento dos senhores tabellies
e esc'rives, que da data desta public&co em
diante nenhuma alienaco, cesso < u traapasso de
propriedade urbana poder ser effectuada sem o
previo pagamento int gral do imposto da dcima,
relativamente ao corrente exercicio de 1886 a
1887, sob pena de multa, na forma do art 39 do
regulamento de 4 de Jultao de 1879.
Consulado Provincial de Pernambuco, 2 de
Setembro de 1886.
F. A. de Carvalho Moura.
Companliia Santa Ther za
Emprexaria do abailerlmenlo
d'asaa e las 6 Ollnda
Dividendo
Por deliberaclo da directora fica marcado o
da 13 do coi rente para nelle se comrcar o paga
ment do 15 divide ido da cempanhia, a razo de
6 0/0. O pagamento, como de costnme, t effec-
tuar pelo 8r. thesonreiro no 2 andar da casa n.
73 ra do Imperador, das 8 horas da aanh 4s
2 da tarde at o dia 18, e dahi em todos os dias
uteis das 8 s 10 da man i.
Escriptono do gerente, 6 de Setembro de 1886.
A. Pereira Simes-
zerra.
Gdital n. 746
Caixas econmicas escolares
De ordem do inspector geral da nstruccSo pu-
blica chama-ee a attencAo dos professores que
teodo un tuas escolas caixas econmicas eacM lares,
hao deixado de cumprir o disposto no art. 104 5
do regiment das escolas publicas para o disposto
no final do referido paragrapho relativamente
remesas da lista de inscripcoes mensaes esta
secretaria. ...
Secretaria da instruccao publica de Pernam-
buco, 21 de Setembro de 1886.=0 secretarle,
Pergentino S. de Aranjo Galvito.
ODr. Manoel da Silva Reg,
da ordem da Rosa e juiz
inicial da
de direito da
provedoria de capellas e residuos da co-
marca do Rtcife e seu termo em Pernam-
buco, por S. M. o imperador o Sr. D.
Pedro II.
Faco saber que estando em juio D. Mara Fran
cisca dos Anjos Curado para provar o direito que
tem posee e dominio do vinculo S. Sebastie, ou
Curado, instituido por Salvador Carado Vidal :
pelo presente sao chamados os interesaados, para,
na forma da lei allegarem o seu direito.
E para constar mandei passar este edital, que
ser publicado pela mprensa, e affixado n> lugar
do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recite aos 3 de
Setembro de 1886.
Eu, Fiancisco de Siqueira Cavalcanti, esciivao
subscrevi.
Manoel da Suva Bgeo.
2. seceoSecretaria da Presidencia de Per-
nambuco, .m 3 de Setembro de 1836.De ordem
do Exm. Sr. vice presidente da provincia e em ob
servancia do art. 157 do Dec n. 9420 de 28 ae
Abril de 1885, faco publicar o edital abaixo tran-
scripto pondo em concurso a serventa^ vitalicia dos
oficios de escrivo do jury e ezecucus criminaes
do termo de S. Bento, comarca de Caruar.Ser-
vindo de secretario, Emiliano Ernesto de Mello
Tamborim
EDITAL
O Dr. Agostinho de Carvalho Dias Lima, oficial da
Imperial rd. m da Ros, cavalheiro da Real Or-
dem Portuguesa de Nosso Senhor Jess Christo.
e juis de direito da comarca de Caruar, pro-
vincia de Pernambuco por Sua Magestade Im-
perial, a quem Deus guarde, etc:
Faz aber que estando vago o ufficio de escri-
vo d. jury e das execucoes criminaes do termo de
S. Bento, creado pelo art. 20 da le de 3 de De-
zembro de 1844, na forma prescripta no art. 11 d*
Dec. n. 817 de 30 de Agosto de 1851, convida os
pretendentes ao referido officio a a presen tarein no
praso de sessenta dias, a contar d'esta data, o
S'Us requerimentos devidairente instruidos e pre-
parados de conformidarie com os Decrs. ns. 817 de
30 de Agosto de 1851, 8276 de 15 de Outubro de
1881, 8523 de 13 de Agosto d 1882 e 9420 de 28
de Abril de 1885.
E para que chegue a* conhecimento de todos,
mandou afilar o presente e remetter urna capia ao
Exm. Sr. presidente da provincia para ordenar a
sua publicaco pela imprensa.
COMMERCIO
iMoina commerclal de
buco
Pernam
O Dr- Feliciano do Reg Barros Araojo,
juiz municipal do termo de Ipojuca da
comarca do Cabo, por Sua Msgeatade o
Imperador a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente editsl virem e
d'elle noticia tiverem, que, depois dos pregoes e
pracas do estylo, no dia 22 de setembro vindouro,
s 11 horas da manha, na salla das audiencias
deste juiso, se vender em praca publica a quem
msior lance offereeer, os bens seguintes:
O engenho Tapera, com suns obras e bemfei-
torias, moente e corrente animaes.'com diversas
casas de moradores, limitando se ao norte com os
engenhos Donrado e Darangonza, ao sul com o
engenho Pindoba, leste eom o engenbo Sac-x e
ao poente com os engenhos Darangonsa e Anmby,
avallado por 45:000*; a safra pendente a foice,
avaliada por 7:600*000.
Urna mobilia de amarello, composta de 1 sof,
1 mesa redonda, 2 consolos, 2 cadeirai de balauco,
2 de bracos e 12 de guarnicao, avaliada por 80-
Um relogio de parede em bom estado, aValiado
por 10*000. 9
Urna mesa de jantar, de amarello, avahado por
OOOO. nM .
Dous carros avaliados por 80*000; e os bois:
Delicado, de cambo por 40*; Boa-Fama, dem,
por 40*, Guariba, dem, por 35*. Cafanga, dem,
por 50*, Veneno, idem, idem, por 25*000. Caite,
dem, por 30*, Moleque, idem, por 40*, Cordavo,
dem, por 40*. Bnlhante, de coce, por 40*, Malan
guinho, de coicc, por 25*000, Deputado, idem, por
40, Sebir, idem, por 40*000, Marujo, idem, por
50*, Paixola, idem, por 45*, Desafio, dem, por
45, 1 novilbo bfalo, lavrado, por 80*, 1 vacca
de nome Menina, por 40*, outra de nome C*xita,
por 35*, outra de nome Condesas, avahada por
22*, outra de nome Pintadinha, por 35*000; e o
gado cavallar seguinte : EguasBacur, com
una cria, p^r 40*, Medalha, por 50*, Pintadinha,
por 30*. Carrssnana, cora urna cria da raca muar,
por 70*, Andor'inha, por 30*, Alegra, com urna
cria da raca rauar.por 50*, Montanha, por 50*000,
Cigarra, por 30*, Piotasilgo por 30*, Cambraia
por 30*, Rolinha por 40*, Courana por 30* e Te-
legrapho por 30*000; e os cavallos : Macaco, cas-
trado, por 30*. Cassoieti, inteiro, por 30*, Caxito,
bastante velho e castrado por 15*, e Sebola, cas-
trado por 40*000 ; e as dividas activas seguin-
tCri *
Urna letra da quantia de 700*000, vencida em
13 de Marco de Id83, aceita por Gemido de Souza
Cabral. ,. ,
Outra da quantia de 567*000, vencida em igual
data, e aceita por Jos de Souz* Cabral.
Gura de 200*000, vencida em 20 d Dezembro
de 1881 e aceita por Antonio Francisco Xavier
X' menea. ,
Outra de 107*000, vencida em 1 de Janeiro de
1884 e aceita por Antonio Joaquim PimenteL
E taes bens pertencentes ao espolio d* Jes Ca-
valcante de Souza Leao, vo a praca a requer-
ment do inventariare Domingos Cavalcante de
de Souza Leo para pagamento de dividas.
Quem quizer laucar sobre taes bens, poder din-
gir-se ao inventaran te, no engenho Cachoeira,
afim de que Ihe os mostr para seren vistos.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente que ser affixado no lu-
gar do costume
Ipojuca, 24 de Agosto de 1886.
Eu, Porfirio Alves da Silva escrivo, o escrevi.
Feliciano do Reg Barro* Araujo.
Estava pellado com urna estampilha de 400 res
e legalmente inutilisada.
Conforme com o original; dou f.
Escrevi e assigno. "
Villa de Noasa Senhora d O' da Ipojuca, 24 de
Agosto de 1886.
O escrivo, "orfirio Alves da Silva.
Feliciano do Reg Barro ravjo.
Santa Casa da Misericordia do
Reelfe
Por esta secretara sao chamados os parentes
ou protectores das menores constantes da relaco
infra, que vo ser recolhdas ao collegio das or-
phs.
Relaco das orphs abaixo inscriptas, que nesta
data vo ser admittidas no collegio das orphs
1 Ricarda, filha de Antonia Marcelina de
Oliveira.
6 Mara, filha de Eugenia Mara de Oliveira
Lagos.
7 Leopoldina, idem idem idem.
8 Guilhermina, sobrinh de Francelina Bri -
gida Soares.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonsa.
IRI.4ND1DE
DAS
Almas do Recife
De ordem da mesa regedora desta irmandade,
convido a todos os nessos carissimos irmos a
comparecerem no respectivo contistoro no domin-
go 12 do corrente, s 11 horas da manh, afim de
que, reunidos, possa ter lugar a sesso de mesa
geral, convocada na forma do art. 19 do nosso
compromisso, para deliberur-se sobre diversas
propostas relativas aos predios do patrimonio da
ref.rida irmaniade, e bem assim, para ser auto-
rsado o concert de que necessita o orgo da
igreja.
Secretaria da I. das Almas, erecta na matrm d*
Corpo Santo, 7 de Setembro de 1886.
O escrivo,
Jos Alves Cavalcante._______
Alfandega de Pernam-
buco
De ordem do Illm. Sr inspector da Alfandega,
scieutifico a qaem intereasar possa, quo a partir
do dia 1 de Setembro prximo viudouro, fica
inaugurado o 1 posto fiscal no antigo Forte do
Pico entrada da barra, onde devero atracar
tanto na ida como na volta todos os vehculos que
forem ou verem do lamaro, ficando no entant a
cargo da barca de vigia estacionada ao lado do
caes da Liogoeta e que servir de 2- posto fiscal
todo movimento de pequea cabotagem, que c. m-
prebendo a entrada e sahida das lanchas, bal ca-
cas e canoas que navegam entre portos da pro-
vincia.
Guardamoria da Alfandega de Pernambuco, 24
de Agosto de 18860 guarda-mor,
Jos Augusto de Asevedo.Marqnes.
Aviso aos navegantes
Pharol Mucurype
Provincia do Cear
De ordem do Exm. Sr. chefe de dvso, Jos
Manoel Picaneo da C sta, inspector deste arsenal
e es pito do porto desta provincia, jaco constar
que segunda otelegramma do Sr. c-apito do por-
to da provinca do Cear, acha-se restabeleoida a
luz do pharol de Mucurype daquella prov n ia,
cuj lu branca e lampeja de 30 em 30 segundos
Inspecco do arsenal de marnha de Pernambu-
co, 9 de Setembro de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Azevedo.
De ordem do Exm. Sr. cooselheiro director in-
terino, fa90 pnblico qae de conformidade com o
aviso imperial de 18 de Outubro de 1860, sero
suspensos amanh os trabalhos lectivo* desta fa-
culd'tde, em couseqnencia de ter fallecido hontem
o lente cathedratico Dr. Grac.liano de Paula Bap-
tista.
Secretaria da Faenldade de Direito do Rscife,
9 de Setembro de 1886.O secretario,
Jos Honorio B. de Menezes.
SOCIEDADE
Monte fio Brasileiro
De ordem do extincto director desta sociedade,
convido pela segunda vez aos socios da mesma,
que se considerara quites at e anno de 1880, para
se reunirem no edificio n. 55 ra da Imperatriz,
s 10 horas da manh do dia 12 deste mez, jara
tratar-se sobre assumpto da mencionada sociedade.
O 1* secretaria,
Mauoel de Miranda Castro.
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. inspector desta repart-
cao, faco publico que nos das 10 e 11 do corrente
pagam-se as classes de 3' e 2* entrancias de pro-
fessores, relativamente ao mez de Julho prximo
passado.
ragadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 9 de Setembro de 1886.
O escrivo da despeca,
Si I vino A. Rodrigues.
Thesouraria de Fazenda
No dia 10 do correte sero pagas no arsenal
de guerra s costureras das 1" e 2 quiozenas de
Maio e 1* de Junbo deste mez.
Thesouraria de Faz-nda de Pernambuco, 9 d,
Setembro de 1886. O 3 escrpturario,
J. H. Oliveira Ainaral.
Empreza Telephonica Botar-
ga rd
BELAgaO DOS NOVOS ASSIGNANTSS QB
COLLOCARAM APPARELHOS TELEPHONICOS
DEPOIS DA LISTA N. 8.
Mez de Agosto
A
458 Antonio Jos da Coste Araujo.
Regulador da Marinha, ra Larga do Ro-
sario.
460Augusto Neeseu Residencia, ra
Formosa.
425ArseDal de Guerra Caes do Ra-
mos.
322Almeida Duarte & CArmazem
de fazendas, ra Duque de Cazias.
132 Goncalves & IrmSo Ra Mr-
quez de Olinda.
344 Abrantes&C*.Armazem de mo-
lhados, ra do Bom Jess.
t OMI'tMIIt Dt NEGUROJi
NORTHERN
de LOndre* e (berdeen
PolriB fluanrelra (l)eirmbro 1*85)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumulados 3.134,34 Beceila annual i
D premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John H- Boxwell
BA COUHERDOCIO W. 1 A\II B
GOMPANHA DESEGROS
CONTRA FOCiO
Nortb British & Mercantile
CAPITAL
t.*ooo.ooo de libras sterllau
A GEN TES
A domson Howie & C.
ECIFE, 9 DE SETEMBRO ^)E 188e.
As tres horas da tarde
Cotacu officiaet
Catiras hypothecaras do banco de crdito real de
Pernambuco. do valer de lOOfOuO a 93*
cada urna, ex-juroa.
Ka hora da bolsa
Vendeam-se :
14 letras hypothecarias do banco de crdito
:eal de Pernambuco.
US ditas idem.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforado.
oflNDiM&NTOS PBLICOS
Ha e Setembro de 1886
ALFANDEGA
De 1 a6
Mea dt 9
Xm* raoviaciu.
Del a6
Mem de 9
151:404*918
30:671*199
17:175*374
2:559*485
185:076*117
22:734*859
Total
Jomoiaoo paoviaciAL De 1 a 6
dem de 9
Hcin dratsaobi'e 1 a 6
dem de 9
207:810*976
6:483*669
852*700
7:336*368
7:553*628
1:986*263
9:539*891
DESPACHOS DE IMPORTACO
Vapor americano Advance, entrado de
Few-York e escalas no dia 7 do corrente
e eonsignado a Henry Forster & C, ma-
nifestou :
Carga de New-York
Amostras 3 voluntes a diversos.
Armas 1 caixa a J. Azevedo.
Bomba 1 caixa a Albino Silva & C.
Breu 50 barricas Paiva Valente & C.
Banha 477 barra ordem, 50 a Fer
nandes da Costa & C, 50 a Joaquim Duar
te Sim3es C, 50 a Souza Basto, Amo-
ro & d., 50 a J.'So Fernandes de Almei-
da, 50 a Domingos Ferreira da Silva & C,
50 a Soares de Aroaral Iruiao, 50 a Fer-
nandes IrmSo, 25 a Moraes & Marques,
25 a Thomaz Times.
Cerveja 20 barricas ordem.
Capsulas 1 caixa a J. Azevedo.
Cha 1 caixa aos consignatarios.
Candieiros 2 caixas a Vianna Castro
d C, 2 ordem.
Drogas 12 volumes a Eugenio & Vieira,
11 a M. A. Veras & C, 10 a Oliveira
Barbosa Suc^essor.
Farinba de trigo 400 barricas a Julio &
IrmSo.
Kerozena 150 caixas a ordem.
Maizena 50 caixas a Joaquim Duar-
te Sim3es & C, 50 a JoSo Fernandes de
Almeida, 100 a Paiva Valente & C, 150
ordem.
Machinas para descarocar algodao 18
csixas a Albino Silva & C.
Mercadorias diversas 1 volume a Julio
I/mao, 1 a Abe Stein & C, 4 a A. D.
Cameiro Vianna, 3 a Albino Silva A C,
1 a Monhard Huber & C, 3 a GuimarJes
Cardoso & C
Oleo de sementes de algodSo 8 barris a
Manoel AlveB Barbosa Succcssor.
Pregos 29 caixas a Albino Silva A C,
100 ordem.
Perfumara 29 caixas a A. D. Cameiro
Vianna.
Piano 1 caixao a Abe Stein & C.
Pontcira 1 caixa a J. A. Dias.
Remos 16 a BeltrSo & Costa.
R-logios 4 volumes a Bedel & David.
Tecidos diversos 10 fardos a Julio &
IrmSo, 10 ordem, 3 a A. Vieira & C.
Toucinho 164 barra ordem, 20 a An-
tonio Jos Soares & C, 20 a Souza Bas-
tos, Amoro & C, 10 a Thomaz Times,
40 a Paiva Valente A C, 30 a Jos Fer-
nandos de Almeida, 20 a Domingos Fer-
reira da Silva A C, 30 a Soares do Ama-
ral A Irmlos, 30 a Moraes A Marques,
25 a Fernandes A IrmAo.
Carga do MaranbSo
Gomira de mandioca 28 paneiros a
Maia & Rezende, 58 a Luiz Goncalves da
Silva A Pinto.
Tapioca 17 paneiros a Maia A Rezende.
Palhabote americano M. A. Gray, en-
trado de Baltimore no dia 7 do corrente e
Colonia Agrcola Orpha-
nologica Isabel
Scientifice aos tutores ou parentes de menores
que obtiverem despachos tavoraves da presiden
cia da provincia para admiss?o dos mesmos ueste
instituto, qne deverao aguardar previo annuncio
desta directora pelo jornal oficial para tal reali-
sacao, sujeitando-se a recouduairem os mesmos,
se antes disto o fizerem.
Secretaria da Col mia Aercola Asphanologica
Isabel, 6 de Setembro de 1886.
O director,
Fr. Fideles.
i.ondoa and Itrasilian Ba
Limited
Ra do Commercio n. 32
"acca por todos os vapores sobre as ca
do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N-
Porto, ra dos Inglezea.
(OMPANHIA
Jmperia
SEGUROS contra lOtO
EST: 1803
Edificios e mercadoriat
Taxas baixa
Prompio pagamento de prejuitot
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. *>Ra do CommercioN 5.
consignado a Johnston Pater & C, ma-
nifestou :
Farinba de trigo 4,200 barricas or-
dem.
Patacho inglez Tber, entrado de Hali-
fax no dia 7 do eorreote e consignado a
Saunders Brothers A Cj manifestou :
Bacalho 2,241 barricas, 29 caixas e
120 meias ditas ordem.
Madeira de pinho 2,232 pecas a ordem.
Hiate nacional D. Antonia, entrado do
Araeaty no dia 9 do corrente e consignado
a Bartholomeu Lourenco, manifestou :
AlgodJlo 161 saceos a Maia A Rezende,
103 a Rodrigues Lima A C.
Esteiras de palha 14 volumes a Jo Jo V.
Alves Matl.cus A C, 9 a Costa Lima A C
Vapor inglez Elbe, entrado dos p*tos da Eu-
ropa no dia 9 do corrente e consignado a Adam-
son Howie & C, manifestou :
Amostras 43 volumes a diversos.
Chapeos 2 caxes a Alfonso Oliveira & C.
Carne em conserva 2 barris ordem.
Calcado 2 caixoes a F. Barbosa & C.
Cabos 2 volumes ordem.
Cha 5 grades a Ferreira de Carvalho & C, 4 a
Esnaty Rodrigues 6c, C, 1 caixa ordem.
Encerado 1 caixa ordem.
Lona 2 fardos ordem.
Livros 1 volume a P. Regby, 1 a F. Goodchild,
1 a A. Ferreira.
Materiaes para telephone 9 volumes B. bub-
marine Telegraph Compauy.
Mercadorias diversas 1 volume a Browns & C,
2 a Joaquim Medeiros, 1 a A. Harty, 1 a Guima-
rSes & Perman, 1 a A. de C. C. Leite, 1 a H. Nu-
esch & C, 1 a Pohlman 4 C, 2 a Companhia de
Beberibe, 2 a J. A. Thon, 3 a Stover & Son, 6 *
ordem.
Presuntos 5 caixas a Saunders Brothers & U, l
ordem.
Provsea 2 caixas ordem.
PerfumBria.2 caixas a Gumares Cardoso & C.
Queijos 24 caixas a J. B. de Carvalho, 7 a A-
lheiro Oliveira & C, 6 a Guimaraes Rocha St C,
10 a Fernandes da Costa & C, 16 a Francisco
Quedes de Araujo, 10 ordem, 10 a Ferreira Ro-
drigues & C, 12 a Rosa & Queiroi.
Tapet gel de Amaral & C
Tecidos diversos 289 volumes ordem, 1 a Bo-
drigo de Carvalho & C., 9 a Narciso Maia & C.,
26 a Goncalves Irmo & C, 15 a Olinto, Jardim
& C, 10 % A. Vieira & C, 8 a Loureiro Maia 4
C, 2 a C. Sinen.20a Joaquim Agostinho fe C,
10 aos consignatarios, 18 a Guerr & Fernandes,
16 a Machado fe Pereira, 1 a Francisco Gurge'
do Amaral 4 C, 2 a Alves de Brit*. & C, *>
a Luis Antonio Siqueira, 6 a Albino Amoro &
C, 3 a Andrs.de Lopes 4 C.
Tinta 3 volumes a Joo W. de Medeiros.
Velas 4 caixas a ordem.
Vidroa 29 volumes orden.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 8
Santos 25 dias, patacho norueguense
Parry, de 17i toneladas, capitSo Jacob,
Salvsen, equipagem 7, em lastro; a H.
Lundgrin A C.
Santos por escala10 dias, vapor francez
Vle de Cear, de 1,775 toneladas, com-
mandante E. Dupont, equipagem 44,
carga varios gneros ; a Augusto F. de
Oliveira A C.
Navios sahidos no mesmo dia
Manos por escalaVapor nacional Cear,
commandante Guilherme Pacheco, carga
varios gneros.
Rio de Janeiro por escalaVapor ameri-
cano Advance, commandante Jas Lord,
carga varios gneros.
CearBarca portugueza Mara Caiolina,
capltao Jos F. de C. Sampaio, carga
varios gneros.
Navios entrados no dia 9
Southampton por escala16 dias, vapor
inglez Elbe, de 1,772 toneladas, com-
mandante W' Gillies, carga varios g-
neros ; a Adamson Howie A C.
Araeaty15 dias, byate nacional D. An-
tonia, de 63 toneladas, roestre Lauren-
tino F. da Costa, carga algodo; a Bar-
tholomeu Lourenjo.
Aracaj por escala7 dias, vapor nacional
Mandahu, de 222 toneladas, comman-
dante Domingos H. Mafra, equipagem
19, carga varios gneros : Companhia
Pernambucana.
Navios sahidos no mesmo dia
Buenos-Ayres por escalaVapor inglez
Elbe, commandante W. Gillies, carga
varios gneros.
Havre por escalaVapor francez Vle de
Cear, commandante E. Dupont, carga
varios gneros.
Maco -Vapor inglez Orator, comman-
dante J. G. Jones, carga varios gene-
ros.
461 Companhia Ferro-Carril-Escrip-
torio, ra Bar3o do Triumpbo.
B
431Eduardo Martnez A C\ -Refina-
$0, Praca do Conde d'Eu.
1.
261London A Braziliun Batk, Limi-
ted, ra do Commercio.

457 Sociedade Recreativa Juventude
Pateo de S. Pedro.
V
314-Valente A IrmSo RefinaoSo, ra
Marcilio Dias.
Z
459 Zeferino Valente A C*. Arma-
zem oe molhados, Caes 22 de Novembro.
Recife, 31 de Agosto de 1886.
O gerente,
Carmo Almeida.
Santa casa
Na secietara da santa casa de misericordia do
Recife arrendam-se pe.- es paco de um tres an-
nos, as casas abaixo d>claradas :
Ra da Moeda n 45, por 20 mensaes.
Id-.in idem n. 49, 204 idem.
Ra do Bom Jess n 13, 2' andar, 20* dem.
Dita da Logueta n. 14 I" andar, 16660 idem.
dem idem 2 dito. 15* idem.
Ra do Burgos n. 'S^ idem.
Dita do Encantamento n. 11,1- atdar, 20J0C0
idem.
Dita da Madre de Deus n. 10-A, armazem,
154, idem.
dem idem n. 12, 404 idem.
Ra da Guia n. 25, 164660 idem.
Dita da Senzalla-velha n. 132, 2- andar, 154
idem.
Dita da Detenclo n. 3 (dentre do quadro) 104
idem.
Hem idem, 8J000 dem.
Ra do Bario de S. Borja n. 3, 254 dem.
Dita do Vsconde de Itaparica, n... 2- andar
e sotSo, 35 idem.
Dita do Mrquez de Olinda n. 53, 2- andar,
404 idem.
Caes da 41f- ndega n. 1.____________________
Wfiitial As Regatas
Kilhete para a regata
Os socios deste club podero man lar receber os
seus bilhetes para a rebata do dia 12 do corrente.
na sede do club, do dia 9 em diante, Jas 7 s 9
horas da ncite.
Recife, 6 de Setembro de 1886.
P. C. Caaanova,
2- secretri.
Gompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda em
CAPITAL 1,000:000$
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Haritiinos..... 1,110:0011^1100
Terrestres,.- 316:0008000
4 -Ra do < omiuerelo
le
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS -N.
Segaron marlilmo e lerrenlres
Ne=tes ltimos a uuica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seguradrs isempcao de paga
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao d'conto de cerca de 16 por cento em
favor dos seguiados. ____
SEGUROS
martimos contra fogo
Companhia Phenl\ Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
VAPORES ESPERADOS
Stefanie
Mandos
Thaks
Valparaso
Mondego
Rosario
Bata
Valparaso
Espirito Santo
Neva
Congo
Para
Tomar
de Trieste
do norte
de Liverpool
do sul
do sul
de Hamburgo
do sol
du sul
do norte
da Europa
do sul
do ral
do sul
hoje
a 13
a 13
a 13
a 14
a 16
a 17
a 18
a 23
a 24
a 25
a a?
a 29
Cha preto
As qualidadcs mc-
lhores emais escolhi-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 rna do
Barao da Victoria.
Receben de impor-
tacao directa e vende
mais barato do qne em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
proprias para botis e
casas de familia.
Companhia de EdiflcacOes
O escriptorio desta
companhia acha-se in-
stallado na pra^a da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
truces e reconstruc-
Qes.
Recebe-se informa-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
do Taquary, pro-
SB6SB0&
CONTRA FOGO
Ihe Liverpool & London & (ilo
insumame compam
i a
ca
priedade da mesma
companhia.
MARTIMOS
HamBnrg-SBflamBrtaiiiscB
DampfschinTahrts-Gesellschal
O vapor Rio
Esperase de HAMBURGO,
via LISBOA, at o dial6 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
msws^m


i

Diario de PernanibucoSexta- feir 10 de Setembro de 1886
0 vapor Valparaizo
E' esperado do portos do
buI at o dia 18 de Setembro
depois da demora necessaria
seguir para
Lisboa e Ilamburgo
Para carga, pasagens e encommendas e dintaei-
ro a frete tracta-ae com os
Consignatarios
Borstelmann & C.
RUADO VIGARIO N. S
1* andav
PaeiDc Sieam ^aiigalion tonipan}
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Valparaizo
Espera-se do portos
do sul at o dia 13 de
Setembro seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora docostume.
Este paqnele e os que dora
em diante seguirem tocaro em
Plyiouth, o qne facilitar che-
garem os passageiros com mata
brevidade a Londres.
Ha ver tambera abatimentc no preco das pas-
sagens.
Para carga, passagens, e encommendas, traer-
se com os
AGENTES
Wllson Sons N. 14- RUADOCOMMERCIO N. 14
A SABER:
Um piano pe Blondel & Wignes, urna mobilu
de Jacaranda com 1 sof, 2 conslos, 2 cadeirms de
bracos e 12 de guarnicao; 2 cadeiras de hilan-
za, 2 dita de bracos 2 eap-lhos dourados gran-
dts. 1 iardiaeira, 4 jarros pira flores, pannos de
crochet, tapetes para s f, escarradeiras, capiteis
e vaso para fl res, 12 quadros com passaros, ea-
teira nova para forro de sala e 2 serpentinas de
crystl.
Urna cama franceza de Jacaranda, 1 cpula, 1
toilette, lavatorio com vlvula, 1 carteira pequea,
1 mesa da cama, guarda-vestido, 1 commoda, 1
colo, 6 cadeiras e 1 marquen.
Um marqu.'zao, 6 caderas, 1 commoda, secre-
taria com aegrwdo, 2 cabidas torneados, 2 casti-
caes com mangas, 1 relogio e 1 dispertador.
Urna mesa elstica com 6 taboas, 1 guarda-lou-
ca, euviaracado, 1 aparador com armario, 2 apa
raderes torneados, 1 quartinheira, 4 resfriadei-
ras, 1 so, 18 cadeiras de guarmeao, cadeiras de
balanco, 1 relogio de parede, 1 licoreiro, appare-
lhos de porcelana para chejantar. copos, clices,
parraras, compoteiras, porta-queijo, galheteiro, ta-
iberes, colheres, jarras, vidros, mesa e taboa para
engommar. trem de cosinha e mais accessonos de
casa de familia.
SEXTA FEIRA, IODO CORRENTE
Ra 1." de Mar<0 n. 7, 2." audar
Archias Lindolpho da Silva Mafra, tendo de fe-
ser urna viagem Europa com sua familia, faz
lei.lao por intervencio do agente Pinto, de movis,
porcelanas, crystaes, passaros e mais objectos exis-
tentes na casi* em que residi, 2. andar do sobra-
do da na 1." de Marco n. 7, em frente da loja do
Sr. Krause.
Os referidos movis acbam se em bom estado de
conserva cao.
O leilo principiar s 10 horas.
Leilo
de
Agente Pestaa
Leilo
D03 excellentes predios que pelo seu esta-
do de conservarlo e bons rendiraentos
chamam a attencao dos Srs. comprado-
res
DEFINITIVA ENTREGA
Sabbado 11 do corrale
, A's 11 horas em ponto
WaTegaca costelra por ipor Nq armazem e 8?encia de leil3es da rua
do Vigario n. 12
O agente Pestaa, bastante autorissdo, entre-
gar os predios abaixo mencionados pelas offertas
obtidas no oltiuio leilo, caso nao ache melhor
preco.
De um sobrado de 2 andares n>a da Compa-
nhia Pernambucana n. 20, antigo becco das Boias
(Recife), com 2 salas, 3 quartos, cosinha fora, em
cada andar, 2 lojas do pavimenta terreo, em soto
foreiro, rendendo annualmente. 756000; offerta
obtida 3:60f>.
Um sobrado de um andar rua Nova de Santa
Rita n. 56, com 2 salas, 2 quartos, cosinha fora e
terraco, no pavimento terreo os meamos commo-
dos, quintal, cacimba e apparelho, em solo pro-
drio, rendendo annualmente 480J000 ; offerta ob-
tida 2:300$.
Urna casa terrea mesma rua n. 58, com 2 sa-
las, 3 quartos, soto interno, cosinha fora, quin-
tal, cacimba e apparelho, em solo Droprio, renden-
do 267*000; offerta obtida 1:730*.
Urna dita terrea mesma rua n. 60, com 2 sa-
las, 2 quartos, cosinha interna, apparelho, peque-
no quintal e cacimba m;ieira, em solo foreiro,
rendendo 192*000; offerta de 1:000*.
Urna dita terrea rua dos Patos n. 3, com 2
salas, 1 quarto, apparelho e pequeo quintal, em
solo proprio, rendendo 144*000; offerta 645*.
Urna dita ao Corredor do Bispo n. 18, com 2
salas, 2 quartos, cosinha, apparelho, quintal com
cacimba, em solo proprio, rende 300* ; offerta ob-
tida 1:855*.
Urna dita rua do Rosario da Boa-Vista n. 11,
onde se acba um importante taverna, rende 300*;
ofierta obtida 2:195*.
Urna dita rua de Limas Valentinas n. 4, com
2 sotoa, 2 salas, 2 quartos, cosiaha, quintal, ap-
parelho, cacimba, rendendo 300* ; offerta obtida
1:998*-
Urna dita travessr de 8. Jos n. 23, com 2
salas, 3 q-iartos, quintal, cacimba apparelho, cosi-
nha, em solo proprio, rendendo 300* ; offerta ob-
tida 2:190*.
ToJos estes predios acham-se livres e desem-
barazados de todo e qualquer onus, e para qual-
quer informacio a tractar com o mesmo agente.
de terrenos com bailas do capim, olaria, casas
pedra e cal em Apipucos
e ama parte na propriedade era
commum Apipucos no valor de 1:918*608,
A saber :
Um grande terreno no ZangSo com plantas de
capim propria para o invern, com olaria parte
nova e parte detereorada e ama meia agua de
pedra e cal contigua mesma olaria,
Um outro terreno denominado liba, com planta
de capim propria para o invern, que outr'ora fe-
lia parte do terruo cima;
Anda um ontro dito com planta de capim pro-
pria para o verao, eonhecido por baixa do Moc.
Urna casa de tijolo e cal, n, 21, na estrada de
Apipucos para Caxang, com um outro terreno,
em o qual um grande alicerce para ama ou duas
casas.
Urna parte na proprit dade em commum Apipa-
eos, no valor de 1:918*608.
Quinta-rer* 16 de Setembro
A's 1 i horas
Caixeiro
Precisase de um caixeiro de 12 annos, com
pratica de Uverna ; na rua das Trincheiras nu-
mero 23.
Pouco capital
Vende-se o estahelecimento de molhados rua
de 8. JoSo n. 5, de pouco capital, bm local, alu
guel de casa barato, negocio proprio para prin-
cipiante, d-se livre e desembarazado, conforme
o ajuste : a tratar no mesmo.
Agente Pinto
Em seu escripterio rua do Bom Jess
n. 43
Leilo
De livros, entre os quaes differentes obras de
dirtito e literatura
Quinta felra IO do corrente
As 11 Iwras e meia
Agente Pinto
Rua do Bom Jess n. 43
Leilo
diHPtMIll PEBiVAMa&JCANA
DE
Fernando de Noronha
0 vapor Giqui
Commandante Lobo
Segu no dia 10 de
Setembro, pelas 12 ho-
-ras da manh.
Recebe carga at o
Pdia 9.
Ene miineiiilas, passagens e dinbeiros frete at
s 10 horas da manh do dia 10.
ESCRIPTORIO
eaua a. f*________
~oMPAMHU PKBHH8U. .*
DE
Vavegaco Costelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Bahia
O vapor Jaguaribe
Commandante Costa
Segu no dia 10 di
Setembro, s 5 horas
-da tarde.
Recebe carga at o
Pdia 9.
Encommendas, passag,, s dinheiro a frete ate
*8 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucana
n. 12
BOYAL 1AIL STEAM PACkET
C01PANY
0 paquete Mondego
esperado
do snl no dia 14 de
enrrente seguinio
depois da demora
necessaria para
. Vicente, Lisboa, Vigo e Sou
thamplon
Para passagens, fretes, etc., tract" c m CB
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & i>.
Comprala Oraiilelra de %*re
gscoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Baha
Cammandante Silverio Antonio da Silva
E' esperado dos portos do sui
at o dia 16 de Setembro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommeBda e valores
racta-se na agencia
11Ruado Commercio11
PORTOS DO SUL
0 vapor Manos
Commandante 1- tenente Ouilherme Wad-
dington
E' esperado dos vrtos do
norte at o dia 13 de Setem-
bro e depois da demora in-
dispensavel, seguir para
os p'i/s do sol.
Recebe tambem carga para Santos, Pelotas
e Grande d > Sul, frete modic .
Para carga, passgens, encommendas valores e
irata-se na agencia
N. 11 RUA DO COMMEROIO N. 11
Para o Cear e Maranhao
Segu com brevidade para os portos cima a
barca portugueza Harta Carolina, para o resto da
carga que |lhe falta, tata-se com os consignata-
rios Jos da Silva Loyo & Filho.
Parae Porto cor Lisboa"
Segu com brevidade para os portos cima a
barca portngueaa AUianga : para o resto da carga
e passageiros, trata se com os consignatarios Jos
da Silva Loyo 4 Filbo.
Leilo
De fazendas, miudezas, gneros de estiva e loucas
Agente Brito
Vender mais os seguintes movis: secretarias,
guarda-vestidos, guarda-lenca, mesa elstica, me-
sas de amarello e louro, cama franceza, marque-
zes, sof, marquezas, quartiubeiras, cabide de
columnas, 2 cadeiras de balanco, cadeiras de pao
cargo e amarello, 1 candieiro para kerosene, l co-
fre, 1 lavotorio com pedra, jarros, casticaes, 2 es-
tantes para livros, quadros, copos, patos e ontroe
objectos.
No armazem rua de Pedro Affonso n. 43
ftabbado, 11 do corrale
A> 10 1/2 horas em ponto_________
Leilo
LE1L0ES
__ Hoje (10) deve ter lugar o leilo dos mo-
vis, crystaes, porcelana, quadros e passaros can-
tadores, no segando andar do sobrado da roa Pri
meiro de Marco a. 7.
Quinta-feira (16) deve ter lugar o de livros,
terrenos com bautas de capim e casas em Api-
pucos.
Conformo o annuncio na columna dos leiloes,
no vclta do vapor Giqui de Fernando de Noro-
nha. deve ter lugar o leilo da barca italiana
Luixia V, tal qual se acha no lugar do sinistro,
bem como os salvados viodos d'alli no mesmo
vapor.___________ _^ _______
Leilo
De movis, louca, crystaes, espelhos, qua-
dros, objectOB de plectro pate e passaros
cantadores.
De q i airo mei'aguas rua do Socego os.
63, 64, 65 e 65 A
Sabbado 11 do corrente
A's 11 horas
Xa rna estrella do Rosario
n *4
O agente Silveira, por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz da provedoria, e a requer-
ment do inventariante de Josepba de Farias Ra-
poso, levar a leilo 4 mei'aguas rua do So-
cego sob na. 61, 63, 65 e 65 A.
Os Srs. pretendentes desde j podem exa-
minar.
Em continuado
O mesmo agente levar a leilo 1 sitio com boa
casa e bastantes commodos n. 2 cm Apipucos, em
terreno proprio.
Um dito sob n. 4 em terreno proprio, no mesmo
lugar.
Oxs Srs. pretendentes podem examinar.
Agente Silveira
Leilo
Sabbado, 11 de Setembro
Ao mcio da
Na rua estreita do Rosario n. 24.
O agente cima, por alvare assistencia do lllm.
e Exm. Sr. Dr. juis da provedoria de capel las e
residuos, levar a leilo metade da casa terrea n.
2 rua da Alegra, o solo a rua do Baro da Victo-
ria onde esto edificados o sobrado pertencente a
Joaquim Antonio dos Santos Andrade, e o da casa
terrea n. 8 do Io becco da Camboa do Carmo, o
solo onde -ssenta as cases terreas ns. 44, 46, e
48 da rua da Glora, o solo onde assentaram as
casas de ns. 73, 75 e 79 a rua Velha, bens perten-
centes ao accervo de Antonio Martinsde Carvalho
Azevedo.
Leilo
Da refinacao sita rua do Visconde de Goyan-
na n. 217, (Msngunho) pertencente a massa fal
hda de Manoel arpenteiro ft Souza.
Constando de caldeiraa grandes de cobre, ditas
menores, balancos grandes com pesos, carteira,
mocho, bancas, I filtro de cobre, 1 fogao com 8
boceas para cosinhar assuc*r, barricas vazias,
saceos de panno, ditos de papel, corredores, ras-
pas, bancos pura bater sssucar, carvo cook e ani-
mal, caixoes para depsitos, urna porco de taboas
para depsitos de assncar, encanamento e bicos de
Terea fefra, t de Seleoibro
A's 11 horas
0 agente Gusmo
Autorisado por mandado di Exm. Sr. juiz de
direito (lo commercio, a reqnerimente do Dr. cu-
rador fiscal da massa fallida de Manoel Carpen ai-
ro St Souza. far leilo com assistencia do mesmo
juiz dos objectos cima medciouados pertencentes
a referida massa.
Do casco, mastros reaes e mais perton^as
da barca italiana
tal qual se acha na ilha da Rata, 6 milhas
distante de Fernando de Noronha
O agente Pinto far leilo, por autorisacSo do
Sr. cnsul de Italia, com licenca do Sr. inspector
da Alfandega e com assistencia do empregado da
mesma que para esse fim for nomeado, e por con
ta e rieco de quem pertencer, do casco, mastros
reaes e mais per'encas da barca italiana Luigia
V, tal qual se acha na ilha da Rata, onde naufra-
gara na sua ultima viagem de Cadix para Buenos-
Ayres.
Em conlinuafao
vender-se-ha os botes, remos e cabretante, sal-
vados da mesma barca, existentes na Alfand ega,
bem como as velas, cabos e mais pertencas da
mesma barca, qne devem vir p^lo vapor Gii/'ii
da Companhia Pernambucana.
Hoje, 10 deve partir o vapor Giqui para Fer-
nando de Noronha.
AVISOS M'v'MSOS
obra do Porto,
i moderno, que
ni- ro corrente,
iu o aviso do
. i importancia
As acedes dr :\?< > le .....t
cravejada do c.-ji TSi is o t i: >..i
cornam com -J -0.0.... ui tkii
acham-se inLt las de accor Dr. chefe de polica ; restituiado
aos que j pagaram.
Aluga-so casas a 8jOCO no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na rua da
Imperatris n. 56.
Aluga-se quatro casas na rua Imperial ns.
102, 104, 132 e 136, caiadas e pintadas, com com-
modos para familia, e precos razoavel: a tratar no
Recife, caes do Apollo n. 45, ou na mesma rua
n. 130, at as 9 horas ou das 4 em diante.
Precisa-se de urna perfecta cosiuheira, para
casa de familia : a tratar na la do Baro da
Victoria n. 39, luja.
Precisa-se de urna ui.stra para morar com
urna familia que reside aqui na cidade, encarre-
gando-se da educaco de duas criancas : a tratar
na rua de Luiz do Reg n. 25. nde se daro os
detalhes do contrato.
para cosinhar ; a
na estaco da Ja-
Precisa se de urna ama
tratar no sitio do Sr. Valonea,
queira.
Vende se urna armaco com as suas perten-
cas ; rua da Aurora n. 151.
= Alugaeo i' andar do sobrado n. 9, rua
do Coronel Suassuna, recentemente preparado : a
tratar na rua do Imperador n. 14, 1- andar.
Aluga-se o sobrado de um andar e suto
com muitos commodos e bem preparado, na rua
dos Guararapes n. 48 : a tratar na roa do Impe-
rador n. 16, 1' andar.
Aluga-so urna sala com mobilia, em lugar
muito ameno, a algum estrangeiro sem familia,
que goste de pernoitar fra da cidade, sendo pes-
soa idnea de conducta affiancada, tambem se
vendem pos de flores de diversas qualidades : a
tratar na raa da Mrquez do Herval n. 23, loja.
Offerece-se urna seuhora para encarregar-se
dos servicoa de urna casa que seja camposta de
urna ou duaa pessoaa ; na raa da Ponte velha nu-
mero 11.
A KevoluQo
A, M.. -5S
A rua Duque de Caxias, resolveu a vender
os seguintcs artigos com 25 % de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Setins damass a 360 rs. o covado.
Gorgonnas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Las com listrinhas a 640 rs. o covado.
Fustoes de cores a 320 ra. e covado.
Merinos de cores a 900 rs., 1*000 e 1*200 o co-
vado
Merinos pretos a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*i'00 o covado.
Velludilhos lisos e lavrados a 1*000 e 1*200 o
covado.
Palha de seda a 800 rs. o covado.
Cachemira bordada de seda a 1*500 o co-
vadD.
Las escossezas a 500 rs. o covado.
Cambraia com salpicos a 600 rs. a peca.
Chitas escuras e claras a 240 rs. o covado.
Linhos escossees a 240 rs. o covado.
Las com bohnbas a 640 e 500 rs. o cavado.
Gaze com bolinbas de velludo a 800 ra. o co-
vado.
Linn com salpicos a 500 rs. o covado.
Giosdcnaples pretos a 1*800, 2*000 e 2*500 o
covado.
Zephiros l8trados a 200 rs. o covado.
Cretones fiaos a 320, 360, 400 e 440 ra. o co-
vado.
Setinetas modernas a 360, 400 e 440 ra. o co-
vado.
Fusto branco a 320, 360, 400, 440, 500, 660,
600 e 800 rs. o covadu.
Setinetas lisas a 400 rs. o covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella de cor a 40 l rs. o covado.
Flanella branca a 400 e 1*000 o covada.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 7*500
um.
Chales de casemira finos a 9*000 um.
Fechs de l a 2*000, 3*000, 4*000, 5*000
e 6*000 um.
Tapetes para janella, piano, sof e cama a 4*,
6*0U0, 7*000, 8*000 o 24*000 um.
Esguio amarello e pardo a 500 rs. o covado.
Casacos de laia a 1 i' 00 um.
Lencoes brancos a 2*000 a dozia.
Brim prateado a 60C rs. o covado.
Timos para meninos de 4 a 5 annos a 5*000
um.
Lencos a 1*800 is. um.
Colchas brancas a 1*800 urna.
Setins maco de cores 800, 1*200, 1*400,1*600
e 2*000 o covado.
Setinetas brancas a 500 e 560 rs. o covado.
Cortinados bordados a 7*000, 9*000 e 16*000 o
par.
Capellas e veos a 101000 e 14*000 urna.
Colchas bordadas a 5*000,6*000, 7*000 e 8*000
urna.
Espartilhos de oura^a a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*000 nm.
Cortea de la para vestidos a 20*O'0 um.
Algodo com duas largaras a 800 rs.
tro.
Cortes de caaemira para calca a 3*000 um.
Toalhas telpudas a 4*000 e 6*000 a duzia.
CASA DE MODAS
Fazendas finas
oMo m artigos jara sealias, atam Ai
J.BASTOS&C.
2 A-Rua do Cabug--2 B
Sedas de cores em cortes de 20 metros com as rendas de seda para enfeites.
Sedas com bordado de alta novidade.
Gorgorito de seda, qualidade especial, cores ciel, rose, marinhe, lontre, heijt
lilaz, tabore, brenze, lontre e grenat.
Gorgorao branco para noiva.
Faille branca para dita.
Damass ottomane branco.
Grioaldas de cera, o que ba de melhor.
Veos e fiil, em pega, para noiva.
Leque de madreperola com rendas.
Meias brancas de seda..
Colchas de damasco de seda.
Ditas de Guipour e crochet.
Cortinados de crochet.
Cate res com bordadosAncoralindissima combinacjto para vestido
inteiramente novidade.
ESCOLHipO A CAPRICHO
Robes mi confeccionesvestido meio preparados, em seda, 13, tecidos novos
algodSo, de 155000 a 650OOO.
o me-
Vende-se
um moinho grande com pouco uso, para moer ca-
f : na ua larga do Rosario n. 12.
Aos 100:0008000
O solicitador Lydio Alerano Bandeira de
Mello, participa s pessoas de sua amizade, assim
como aos seus constituintes e pessoas qu lhe qui-
serem fallar, que mudou sua residencia da rua
nova de Santa Rita para a rua do Mrquez do
Herval (antiga da Concordia), 2- andar do pro
dio n. 34, onde deve ser procurado.
Urna senho ra de boa moral tem para alugar
em sua casa um quarto, perx que seja.alguma
sentara idosa e de boa co'iducta. A mesma se
nhora offerece para turnar sob sua responsabi-
idade a educaco de algumas meninas que este-
jara no caso de baverem perdido mi ou pai, pos
tem as precisas qualidades para bem deaempenhar
esae magisterio : trata-ae na rua do Mrquez de
Herval, ca8a n. 182.
Precisa-se de um official
do Livramento n. 17.
Barbeiro
de barbeiro : na rua
FARLNHA LCTEA
DE
MT L
16-E.ua do Cabug-16
O abaixo assignado tem exposto ven-
da os seus venturosos bilhetes garantidos
da Io lotera do novo plano.
Presos
i Vigsimo 1)J000
Sendo qnantidade superior
a 10 0:000
A dezena 9000
Joaquim Pires da Silva-
Colleretes para senhoradoctorease, em fustao e cretones; grande moda.
Visitescapas enfeitadas ricamente a passementerie e rendas.
LUVAS DE SEDA
Com e sem dedos, ultima moda.
Bolsas de
couro da Russia de diversos tamanhos.
Perfumaras fnissimas, grande sortimento.
Leques de seda e setim, modernos.
Tecidos de algodSo para vestidos ligeiro e econmicos
E' difficil encontrar melhor sortimento do que acaba de chegar e que vende-
se barato. Padres novissimos.
2 A-RUA DO GABGA-2 B
(Telephone n. 359)
-

I>2
Joaquim Ferreira da Silva, Jos Gomes de P-
nho, Francisco Jos Vieira, irmo e socios de Ma-
noel Joaquim Ferreira da Silva, fallecido em Por-
tugal, mandam ressr urna missa pelo seu eterno
descanco, na igreja da Santa Cruz no dia 11 d
corrente, sabbado s 7 heras da manh; para isso
couvidam a todos os seus amigos a nsaistirem a
este acto de religo, e desde j se conteseam sum-
mamente agradecidos.________^__^^_^^__^
t
MARCA REGIS1RADA
is eos DS sueco
21 recompensas, das quaes 8 diplomas de honra
e 8 medalhas de ouro.
Certificados numerosos das primeiras autorida-
des medicas.
Alimento completo para crian niiRN de pello
Supre a inpufficiencia do leite materno, facilita
deaamamentaco e a digesto fcil.
Emprega-se tambem vautajosamente para adul-
tos como alimento para estmagos debilitados.
CHICO DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
PARA TODO O IMPERIO
31 C-RUA DE S. PEDRO31 C
Rio de Janeiro
Commendador Antonio los
Rodrigue* de lonia
Mara Joanna Fiuza de Souza, Mara do Carmo
Rodrigues da Silva, Antonio Jos Rodrigues de
Souza Jnior, Henrique Rodrigues de Souza e
Joaquim Pires da Silva, agradecem cordialmente
todos aquelles que se dignaram acompanhar ao
cemiterio publico os restos mortaea do seu caro e
presado esposo, pai e sogro, commendador Anto-
nio Jos Rodrigues de Souza, e convidam nova-
mente a tolos oa seus paren tea e amigos para as-
I sUtirem as inisaas que mandam celebrar segunda-
! feira 13 do corrente, s 8 horas da manh, na
ordem terceira de N. S. do Carmo, stimo dia de
seu fallec ment, pelo que se confeasam agrade
cidoa. _________^_^^

Aliento
Compra se urna casa terrea em bem estado, naa
freguesiaa de Boa Viata na -anto Antonio, e que
seu preco nao exceda a 1:000* ; a tratar no pateo
da Santa Cruz n. 2, taverna. _________
Aluga-se
o segundo andar do sobrado rua do Vigario n.
5, com bons commodos para familia, com agua,
caiado e pintado : a tratar no armazem do caes
do Apello n. 47.
Flavio AnguNto de Barros
Francisco Joo de Barros, Francisco Joo de
Barros Jnior, Manoel Vicente de Barros (ausen-
te), Dr. Antonio Joaquim de Barros Sobrinho e
Alfredo Flaviano do Barros, tendo recebido a
inespersda c infausta noticia do fallecimento na
Bahia (em viagem do Rio de Janeiro para o Re-
cife) do seu presado filho e irmo Flavio Augusta
de Barros, mandam celebrar urna missa per alma
deste finado no sabbado 11 do corrente, stimo dia
do seu passamento, s 8. horas da manh, na igre-
ja do Corpa Santo ; e para este acto de caridade,
convidam eeus parentea e amigos, antecipando-
lhea desde j o seu eterno reconhecimente.
arla Lnlaa Bandeira de Mello
No da 12, s 8 horas do da, resar-se-1 a orna
missa na matriz da Boa-Viste pelo repouso eterno
de Mara Luisa Bandeira de Mello, filha do con-
selheiro Dr. Joo Capiatrano Bandeira de Mello.
Convida-se aos parentea e amigos da finada e seus
pas, para asaistirem a esae acto de caridade.
a
ce*
z&
&
Chapeos o chapenas
36 A40-PBAQADA INDEENDEIA.....36 A 40
B. S. CARVALHO & C.
Proprietarios deste bem eonhecido estabelecimento pajtecipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas em Pars e Manchester o que de melhor e de
apurado gosto ha em chapelinas e chapeos pura senhoras e meninas
e da3 primeiras fabricas de Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para homens e crianzas, e muitob outros artigos concernentes
cbapelara.
Flores artificiaes para ornamento de salas.
O
tX2
SO
a*

5T
se
Grande e bem montada ofiicina de alfaiate
DE
PEDROZA & C.
N. 41Rua do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem eonhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor-
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravatas,
tudo importado das raelhores fabricas de Pars, Londres e Allemanha; e para ben-
servirem aos seus amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimento
tm na direccSo dos trabalhos da oficina habis artistas, e que no curto espajo
horas, preparara um terde roupa de qualquer fazenda.
Rua do Baro da Victoria n. 41
(PREQOS SEM COMPETENCIA)____________________:
FDICO GERAL
ALLANPATERSNaC
N. 44--Ru 1 do Bruin-N. 44
JUNTO A E^ M(JA0 DOS B0NDS
Tem para vender, por pre^ mdicos, as Beguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSes de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos
Moendas de 10 a 40 pollegadas de paraiura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-8e de concertas, e assentamento de machinismo e execuiam qual-
tarbalho com perfeicao e presteza.
Chales de algodSo a 1,5200, 1<1400, 10600 e 2JO00.
Costumes para banhos de mar a 8$ e 100000.
doDPAPILLAUD
ha mt <
0sGRANULOSafnetb,S5sn?-
oontiium o Preparado ferradnoso
mal* frioaz tmprutdo pli lummidad! m.dio com nrto
a ANNO
Coittr* Atmta, CKUtrome {PUi eouleun), Sevrnlfiaa, Afrt***' ***"*
RkLATORIO FAVOR A VEL POB P*TB 0A ACADEMIA DE HEDICWA DE PAW1
Eilji-u tobrt otd fruco o iwnt dt B. ttoutnier S> L. '^M*'** ,_
Deposito obial : Ilx*urxtt*M:tL*. OIOOIV, 25. rua ComlUl*r, PARIZ
Em Pernambuco : FRAN" M. da SILVA C*.


6
Diario a!e PerimnilmcoScAti-lciru tO de Setejiibro de 1886
J>^
& y^
>'<&
4r&
y
O VlSr efe
Cabello
Ayer
(Aycr's Ilair Vigor)
;ecS:UUB
KtEMSXfeSaiKIUL
; futa cabuo,
TORNAIIDO-0
KACIO. FLEXIVEl E LUSTROSO
| PmanX 5laDrJC>v[RtOAJo:i>bXs-.i.
luz brilhante, sem Fumo
oleoIromtico
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
Alujase
i predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
abelecimeoto fabril : a tratar na ra do Commer-
cio u. 34, cm J. I- de Medeiroa Reg___________
Aluga-se barato
ua ViscoDde de Goyanna N. 79
Roa do Calabuuco N 4 luja
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
Roa da Baixa Verde n. 5.
Casa terrea da travessa de S. Jos n. 23.
TraU-se na ra do Commercio n. 5, V andar
ecriptorio de Silva Guimarea & C.____________
Aim-n
mu sala propria para escript-ino
3om Jess n. 38, andar. _____
na ra
do
Aluga-sc
* casa n 1 ra Lembrancs do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na ra* da Imperatnz
a. 32, 1. andar.
Aluga-se
as aaaas da ra do Visconde de Goyanna ns. 159
e 167, com agua e gaz : a tratar uo largo do Cor-
pa Santo n. 19. esc iptorio._____________________
Aluga-
L-Se
a sala de detraz do 1 'andar ra Primeiro de
Mareo n. 18, muito propria para eacriptorio de
qaalquer natureza : a tratar na loja de mesmo
predio._______________
MARTXNS* BASTOS
Pernathbuco
NUMERO TELEPHONICO : N* 33
Agua florida- Extrahida de flores bra-
sileira pelo sea delicado perfume, suavida-
de e bd.'s propriedadea benficas, excede
a tuda que neste genero tem apparecido de
raais celebre.
Tnico americano.- E' a primeira 'das
preparacoes para a tcnservacSo dos ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias capillares, faz nascer os cabellos,
impede que einbranquegam e tem agrande
vant^gern de tornar livres de habitantes as
cabecas 01--0 vegetal- Compcsto com vegetal
innocente, preparado p.ra m aciar, for-
tificar e dar brilho aos cabellos.
Agua dentifricia. Exc lente remedio
cintra a carie dos dentes, fortifica as gen-
gives e faz desapparecer o n o balito.
Vend -se tas principaes casas dcsta ci-
dade e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 161.
TFLEPHONE N 33
Preei'a-se de urna ama para cosinbar, eoutra,
menina, para cuidar de urna crianca ; na rna
Real n. 20, Casa Forte.
Na praca do Conde d'En n. 7, segundo
preoisa-se de urna cosinheira para casa
ni a.
anda
de i**
Ama
Precisa-se do ua.a ama para todo serviee, e que
dunna em casa dos patrocs : na ra do Riachuello
o. 57, portaode ferro. _
-Villa
Precisa-se de urna, smente para cosinhar, em
Fernaades Vieira, sitio n. 7, casa de azulejo ama-
relio.__________________________________________
Ama
Precisa-se de urna ama que cosinhe, para easa
de familia : na ra da Praia n. 34.
Serrara a vapor
Caes do CapSbarlbe n. 9 5
N'esta serrara encoatraro os > nbores fregue-
ses, um grande sortimento de pi-h j de resina de
ciaco a dez metros de comprimenco e de 0,08 a
),24 de esquadros Garante ee preco mais cmo-
do do que em <,utra qualquer parte.
Francisco dor Santo* Macedo.
Criado
Pracisa-se de um criado de 14 a 19 annot ; a
tratar na ra do Commercio n. 44, ou Paysand
a. 19 (Passagem da Mgdalena)
Boa ici|iiisni()
Para ajucm qaizer ganbar llnheiro
N'uma das principaba .uas dt-sta cidade, nego-
cia se urna padaria ci>m todas ss pertencas e em
perfrito eatado de c inservacao : a tratar na praca
4o Conde d'Eu n. 19.
Caixeiro
Na padaria do Sr. Sampaio ra da Ceucordia,
se diz quem precisa de um caixeiro de 14 a 16
aun s, i-oin prHtica de taveina, dan lo conbecimen-
to de sua conducta.
Caxang
Alugam-se quaitos m >hi hados a 15$ mensses,
ao antigo hotel de Casanga, assim o mo ti-."ibem
cammodus com cocinha e d. pendencias para fami-
lia : a tratar na ra Primeiro de Marco n. 25. loja
de joma _________________^____
Modista
Mara Angelita
Executa ei.in toda a primean, brevidade e mo-
dicid-di- em pr- coa qua quer trabalbo de eos
tara, pelos tnais m d. rnos figurii.os recebidos de
Londres, Pari* t Rio de Jneiro, assim como taz
Ciases a 20 is. o metro. Reideucia, ra do
atqu z de Oiinda n 51, 2- andar.
PIMO llb R1G4
de 3X9. 4X9 f : yar de dimaco da Silva, caes Vinte Dous de .So
reabro p. 6. ________
Assucar especia5
Joaquim S lgueiral & C pro. nefarios da mais
n montada reiiuaco d.u oda>e, scieatiBuuo
publico i m wml espe ialmKute ao commer
___i, que um tempri- lt-to sertinento de
assucxres, Unto etj Carleo como refiuados, de 1",
2 e 3* >rte, e especial refina lo con ovo, o me
Ikor que se ene-Mitra no mercado, e rodem de
SDmpto satisf^ier qualquer f dido qua Ibes seja
to, fiois pira isso tem aempre um graude depo-
io. Garai.tem a boa exe< uvo e limpez* 4e Beut
roductos Ti! phone n. 445 -
Ulna JUJrela 1
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
oer ecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabaca. Positiva-
mente impede o cabello j
de cahir on de embronqno-
cer, e infallivelmente o
torna epesso, macio, lus
troso c abundante.
, \i'kl*
A?ua Florida de Barry
Prparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approv9lo ofcial de
um Governo. Tem dos vezes
mais fragranciaqne qualquer ontra
ednmodobro dotempo. E'muito
mais rica, suave e tcliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
l permanente e agradavel na
len^o. E' duas vezas mais refres-
canto no bonbo o no quarto do
doentc. A E' especifico ontra a
froimdfio e debilidade. jura as
dores de cabec;a, os cansacos e os
I desmaios.
Xarope ie Tia le Eenter No. 2.
UTTTS DE SiL-O. D1POI8 DE TJ8AL-0.
Cara positiva e radical de todas as formas de
aacrofulas, Sypbilis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue JPigado, e Bins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
e restaura e renova o systema inteiro.
Sabao Curativo de Reuier
Para o Banho, Toilette, Crian.
cas para a cura das moles-
fias da pelle de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito era Perpambu^o casa de
Fiao ieco Manoel da Silvn & C.
THES0URAR1A
DAti
vwm th mm
Aclia-se venda a Ia parte da Ia lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericord a do
Reeife qur se extrahir quinta-feira, 16 do cor-
rate pelo segninte
24,000 bilhetes a 160000
Beneficio, sello e commiB-
sao......
WWu 4i MCB
3c4:0U000
314:940^000'
,2
a centena em que sabir
o terceiro premio
69:0600000; 2 Approxim a 9 3 e a de
2:0000000 para o pri-
meiro premio
Ditas de 1:000^000
100:0000000! para o segundo premio
30:0000000! 2 Ditos de 6500000 para
10:0000000 o terceiro premio .
4:00 !&000 2,400 premios de 200000
14:0000000 para todos os algans-
10:0000000 mos finaes do primuro
8:0000000 premio ....
2,400 Premios de 200000
para todos os algaris-
mos finaes do segundo
premio.....
Oleo de inoeotd
Superior e sem folsificacao vende Lu z Jos da
Silva Ouiroare?, raa do Commercio n- 5
Casa
1:
filial ra do Ca-
ra n. 12
bugi
19:0000000
1 Premio de.
1 Dito de ... .
1 Dito de .^ .
1 Dito de ... .
7 Ditos de 2:0000000 .
10 Ditos de 1:0000000 .
16 Dito de 5UO0i'OO .
99 Ditos de 2UO0OOOpara
a centena em que sabir
o primeiro premio
99 Ditos de 1000000 para
a centena em que sa-
hir o segundo pn-mio
99 Ditos de 600000 para
Case a tirninieSo do segundo premio seja igual a do primeiro paasar M nu-
mero immediatamente superior
Esta lotera divdese era 20 partes e os bilhetes en \i cada um,
Os premios maiores de 2000000 em uada parte e.^tao saj -i:os no imp:>sti pro-
vincial de 15[0 e 5f0 add'cional sobre o referido imposto.
EXTRA' 9AO PELA MACHINA FICHET
Theourria das loteri.-s, 7 de Setembr.i do 1886.
Augusto Octaviano de ouza,
Thesoureiro.
9:9000000 5,140 Premios
5:9400000
.4:0000000
2:00000 0
1:3000000
4:O0Or5OOO
48:0000000
314:940 000
Cal lirgem de .huuaribe
A'ri" boj ra do B.-m J>sus n. 23,
um arm. zem onde se v-n le constxntemen-
te a Biin rior cal virgi-in dn J^guaribe,
aconrli' inuada em barri-;* projirias para o
fabrico no .'issuear.
Est;. tai, em nada nferi- r que nos
vem do 1 striigeiro, vend'a p-lo prefo
fixo da ti0OOO a b; rric p r oi trncto que
f z 11 Sr. Vicente Nabi-iinento '-om o Sr.
Jos Ci'8'a Pereira propri' i^-riu d<> engt-nho
Jaguarib-, uj, s p'-dr' in s lh" o Dom
k.' en..rregado da vvaoa ini-amente
nesta cidade o Sr Sebstiio B-zerra,
com esiripturio ra j ti 23.
Ppenla & (].
N. Mi ^0 Cehu- 18
Tem
Luvhs de pellica, pelle de ta can.urca, seda fio
d'Ewi tsm e casemira.
Ayua florida e Tricofero de Iiny.
ai b nt-t. diverso c cura iv da ii uto.
C*aibniaj lit.i, bordadns im 1
i aiuira e ceroulas de iiin iln a u<< ia de 13.
Camirau sem. collariiihos "e stm i.uuhos t/c c/p
c/c c/p.
C'ollai mil s puobes, meias, p!Mefrons, marolas,
gravata& O- lafo.
Leov-, espartilhos, peat^adnn h em esmbraia,
vestid* g iif cambraia bordad boleas tapetrs, fi-
is d- hea e de i, casacas elsticos, casaca de
casrmira greoadine de teda lodi-s de seda.
Alpacas da aada a 600 ra o oovado.
^^151515151515151515151515151!
VINHO E GRAGEAS .. VIVIEN
EXTRACTO NATURAL DE FIGADO DE BACALHO
Premiado on medalhas de Ouro l'ravta\
PELA ACAC2MIA NACIONAL
Ordenadla no nospltaes da Franca, America, Inglaterra, Tlnaala, ata.
A'iministrar sob forma mui fcil e agradavel todos os elementos curativo do ola*
evitando assim o chairo e sabor nauseosos d'este; slem d'iaao esi preciosa preparaeta
tem urna superioridade incontestavel sobre o oleo porque pode aer usada durante as
grandes calores em quanio o uso daquelle impossivel, tal o eminente servico prestada
p.1 o Doutor VI V1EN a experiencia tem confirmado o bom xito O'esta producto.
Bxifrir a firma do inventor H. VIVIEN em duas cores ao rede.* do carsara de oada
jd;ra.d oou o SaUt de auiao dos Fabricantes jo, bodevari Strasbourg, em PARS.
Receberaro nucamente um esplendido
sortimeijto de chapeos de sol de todas as
qualidades, para aenhora, lisos e bordados,
grande variedade em cores ; e para horcem
grande variedade em cabos inteiramente
no/os, chapeos para crianyas, chegar no-
vo sortimento.
N. \j. Fabricara-se e concertam-se cha-
peos de todas as qualidades, com perfei
gao e rapidez a maior possivel; pois co
bre-se um chapeo em menos de urna hora.
Amostras levam se em qualquer parto.
Vende -se en gross e a retalho
Casa de campo
Aloga-se urna easa com accommodacSea para
urna familia regular, muito perto do rio e da es-
taco do caminbo de ferro : a tratar na ra Pri-
meiro de Marco n. 20
ISLSAO
DE
SCOTT
UE OLEO PURO DE
Fiffado de mcalho
COM
(lypophosphitos de cal e soda
4*ppi*ovada pela iunta de Ilj
giene c antori.tada pelo
governo
E' o melber rem dio at hijo decobe-to para a
tlalra bronchltea. escrophula. ra-
chiiis. anftuin. eltilitiadr em iserai.
deODiun, lo..' clirus-ira e i.ll. cte
da pello e da aaraaiila.
E' muito supirior ao 0U0 simples de figade de
oacalbo, porque, alm de ter ch'iro e sabor agra-
iaveis, possue todas as virtudes uiedicini.es e bu -
Titiva 00 oleo, alm dai prop itdadfS tnicas
reconstituintrs dos hypophospbitos. A' venda nai
rugaras c boticas.
Deposito em Pernambuco
Os Crinies do Reeife
Romance por Joo B. P. Crt Real.
Sob a epigrephe (.rimes do heeife. se publica-
rao em fascculo es tegHintes romaxc- s i
Aa filman d Sanio amaro
Narrato de um sanguinolento iacto praticada
por um ni gecianti- drsta praca, qui- sob o falso
motivo do adulterio aeeaseinou sua esposa.
II
Cadater da Una do Pina
Nsrracao t-1 do assussinato de nma mulher vi-
ctima de infundadas suspeitas, segundo se espa-
lhou entSo ; mas que fioalmente descobrio se ter
sefindo um riqoroso castigo.
III
O* SorianiUulim
Narraclo de um assassinato, que impressionou
a populacao desta cidade e cujo resultadojoi
roubo de urna grande tortura.
IV
Oh Cena pan beiroa da Ka pa da de Feo
Historia da viagaoca de uioa das victimas da
rei'/tifo praieira, onde se patenteiam tactos ata
boje desiiouhecidos do publico, mas cuja narraca
se acba confirmada |.or documentos origiuaes ent
poder do autor.
V
A rompanbla do Uro*
Narraco de um tacto criminoso, praticado pela
eou panhia do olho vivo, que deu em resultado
lnvar para Fernando de Norroha o seu ebefe.
Neste romance se psti'nteia nao s a giria usada
entre elles, e descoubecida do povo, como tambem
o seu eodigx: Todos estes romances se acham li-
gados uns com os outros, ora plo enredo, ora pelos
personagens. Assigna-se as livrarias : Fran-
cesa, Industri11, Fluminense, Quintas, as taba-
carias Havnneza (Reeife) Bourgard (Boa-Vista),
Restaurant Doria, e na loja do Sr. Lomos roa
da Imperatriz.
ea Tww*rwwmr*nr
Cura rpida e arta pelo
ARSENIATOdeOURO DYNAMISADO
do Doutor A.IDDISOIV
ds Cbiorose, Anemia, todas aa Molestias do Systen.a nervoso, nomo as
mais rsbeidea. Molestias hronicaa dos PulmSea, etc., ate.
Ai maiares Ulastiscoes medicas tero attestailo o poder curativo dente medicamaoto dwitenm-u'u
o primeiro t o mai4 enrgico dos reconstituirle*.
O fRASCO : a FRANCOS |SU FHAM^A)
11 Todo frasco gu* nao trouxer a Marta dave ser rigorosamente recusado. >v^-^ ds(s
_ ___ _____ ._"_^_~"__~T!T_ ___..___^ _._ *** y^ Producto
I.
AKIS, Pharmacia OattTW, aav Boctaccbaoul, SS.
Deposito em Pemambuco : FRAN M. da
I
Em casa de todos os Perfumistas e Gabelleireiros
da Franca e do Extrangeiro
-^ A DTC! O T
gas de glrde Arroz especial
PRBPARADO COM DISMUTHO
Perfumista
czz. r-flL^v,
^^.leiS, R-u.a de la. Paix, 9, F AJRIS
tstj MES1CAMENTO de um gusto agradavel, adoptada com grande xito ha
ais de 20 anua pelos me]huras Mdicos de Parlz, cura os De/liixot, *'i<>e, loste,
t) Goroanta. Catarro vuinumtsr. Irnlonoe* d mo. das VtttJ lrinori^s e la txxtQU.
mais
,'_
XARO
_m do Ka
_-_ _E
0o**t_Es
_ ____ |_f _____,!
Laureado pela Academia de Medicina.
Ioq
Caialbciro da Leg.o de Honra

^ATOdsCAL C3-
.__3C_-wavW'*
XJ^0^
O Phosphato de oal c a substancia mineral mais Dundante do organismo a-toda va aja sua
quanUdnde normal dimlnuo resalla urna affecrae ir.amci grave. __..___ ___ ___,__,__.
s_ua 5a cinco mil curas, a mor parte jus -.os Hr..h-ssore3. a Medlcoada* Pac uJdade-'
foro obtldas uiUmamcuU: e zoriucoi u.100 JC:iropt ,lo O- KeiisaWf f- Ini_____"
como o cspcclco uials seguro coctia a Tsica pulmonar, Sro-iqbita ronic. *^^
Kachitiuao. Debilldado do Organismo. O iHio/'f to IS>< Keatvill.er aflMiMparaao
diai'ianient i as enancas ladina a donugau a o cresol.nouto: lias ma-js. a auiafl a- leit tora o
iulle niolhc; lmpe le a carie e cueda dos deoles tao irequenieo depols da premie.
Em Pernambutv VRA W" 91.
a, 8. paos da la Maa*asa*ae. MM*.
Sil, VA et I"!!1
SABONETEdeALCATRAO
.ABA A TOI1.ETTB. OS BANBOS B COlDADOa A DAS AS CRIAI.CAS
Bata 0ABOKETM. ver+*ut*lro nntimeptirm, 6 o mala effloas para a cara da toda*
aa.oi.a'jeT'A^ Di PEULE
SAPO CARB0NIS DETERGENS
ootsu* Vrutncas oih o >ji ...i* i.Mti.Jifl eyrm de yutei/tints contra
o SRAMPO, a. VARILA a FEBRE ESCARLATINA
Bstea aAHOSICTKH asa r. coinmeiidaiios pelo Corpo medico latro porque prerlrem aa
MOLESTIA.. EPIDMICAS a CONTAGIOSAS e se adajito a qualquer e"ma.
MARGA DK KAUI.ICA .'--,S l'.NVOLUKHOS B SOS PiKS
X>e_M>sdo c/avral : "W. 'V. VITSEIOUT E. CT, Southwsrlt. LONDRES
_____ Farp s.mb i tic"Ts/:. da f^^T .~*r ^ v- CV'._______
^ ffKT^aF-------T 1S 1 *~~liia-||l> '' aSataa*aAAA Pelo. _SB;S SSPIt
CPPHtSSilO
UTiii'ci'urii
aspira-*c a Naiaj que pea. "'" ?^____* utrvos<'-facai
s axpeclorpaft e raonsa fi>...o u orifaos reai.iratorov
T,-_r r,m _!____, naa rasa a> K<*f>IC f t. ruat i-l*ara, e.D
Qffoncnmem **?****: ##4 L". __'***''*
lo j seutiores Qe engeuli ti o&lros
Tomeui nota
IVillios para en^enhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
nachpismo completo para en
genhos de t < ds os tamanhos
Systema aperfeicoado
Especificares e presos no escriptorio do
agentes
Browns & C.
IV. a Roa do Commercio
N. B *.lm do cima B & C, tem cathnlogos da
mv implementos necessarios agricultura, coma
ambem muebinas para desean car lgodo, mei-
ohos para cat, trigo, arroz e milho; cerca de fer-
ro galvanisado excellcnte e mdico em preco, pes-
soa nenhuma pode trepa!-a, ncm animal que-
bral a.
If^^Jirdiiu das plantas
MONDEGO N. 80
Pretcndendo-se acub-tr cem as plantas que estao
em Vasos nVste jariim, vandim-se os saputiseiros,
muito grandes, e dando fructu a 2O>0, lana,
geiras, muitu grandes, para enxerfar, a 6000 a
duziu, e sapotiaeiros mais pequem-s por barata
preco.
(I
Precisa se de urna preta d>' conducta affitncada
para veiid r na ra : a tritar na ra do Coronel
Suassuna n. 104, andai\___________
Sement de carrapato
Compra-re A Fabrica App.lln. ____
Finho restar
de 3X7 al 3X12.
Pinho hranco (da Suecia)
de 3X7 at 3X12.
Cimento inglez
VENDEM
IVDiC a Irmos & C
Aluga-se


a casa terrea da rus Visconde de A'buquerque a.
170, caiada e pintada de novo ; a tratar no largo
do Corpo Santo c. 4, 1 andar.
Yictor Grand n
avisa aos si us fn-guezes e amigos que resolvea
fzer grande reduccao de pr. eos n is seus rela-
gios de ouro e di- prata, cadeias de ouro a outroi
diversos artig 8 de ielojoaria e lun taria existen-
tes no seu estara-.li'cimeuto, ra do Mrquez da
Olinda n. 26, Recite.
UUl
..s lOOiOINWNlO
i^raija da independen-
cia ns. 37 e 39
Acham-se venda os fezes bilheteB
garantidos do novo plano da ia parte da 1*
lotera a beneficio da Santa Casa de Mi-
sericordia do Re ife, que m extrahir a
16 do corrente.
Preco
De cada vigessimo IjjOOO
Em porjao da ]00$ para cima 900
Autirtiiti Auquxui don Sant-a h'oHo
Caixeiro
Precisa-se de um menino com pratica de molha-
i dos, de 11 a 14 anuos dn idadr, e que d conheci-
mentos de sua conducta as casas on c tem sido
empregado, prefere se portoguez : ra do toga
n. 20.
>++*,+++*++*+.*++4 M1HI4MH
MORSON s PEPSINA
Bemetlto lnlaillvel e agradayel
PARA COMBATrt.lt A
INDIGESTAD
Sob a forma de
FRASCOS, POS
OS GLBULOS.
VENDE-SEnoVUNOO IHTEIR0.
1'UKI'AHADoS IK
Pc.psiuu Joi-xon
Muito recommendadas
pelos pnnoipae; Mdicos.
MORSON & SON
SoulUmpion Ro', Bus.-eIl-Si)uir
LONDON
|payaiM|iniipiai-tfynaoic^njf*'-^' -i%j*ujt.
BDOsitsriosea Pernambrco : Franc'M. da SILVA & C
DAY& MARTIN
Fornecedores da Sua llajttttde a Rsiihi da Intitttrra,
do Ettroito a .-> Harlnha brltanaha.
RAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXA.pastaUNCTUOSA
OLEO para -1EBBI0S
t tudo o aui i nacesurls para;' mint* i'fii *a
son todas as turmas.
DEPOSITO QERAL EM LONDRES:
, High notborn, 91
lahrwabtM: n_H I.UBLH*a.
De Fgado de Bacalhau Pancretico
DE DEFRE8NE
TODOS OS QUE PADECEM MOLESTIAS DO PEITO
Derem lar o aeguinte
Este oleo tem o aspecto de um creme branco
que se pode diluir no leite, cha, chocolate ou
caf. Possue todas as virtudes e propriedadea
de lo precioso remedio, e tambem toma-se sem
repugnancia al.uma pelos doentes mais deli-
cados ; gracas a efficaz addico da Panera-
atina, chega no estomago, digerido de tudo,
e nunca provoca nauseas nem dirirr ea.
Depois de um seinnumero de experiencia
pra'icadas nos hospitaes da Corte, este medica-
meuto obteve a approvacao dos mdicos da Fa-
euldade de Paris. Hoie em dia. todos os medi
eos receitam o Oleo de Figado Pancre-
tico de Defresne, como nico remedie
psra curar radicalmento:
iTMfBATMS.no, RACHITIBMM
TSICA rVLMOSAK
e mais affeccoes que impedem os effeitos aa
nulrifo e assimilaco.
EM XODAS AS PHARMACIA8
AAAA*****A***ltA**<**< O*
DOENCASdoESJQMAGO
ESI3ESTES DIPFIC1I8
Bnpspsias, Gisirnlgi s, Anemia,
Perda de appntite, Vmitos, Diarrhen,
u.ide das Criancas
\ 3B8UB HBU>
ElUXIRGREZ
TNICO-DIGESTIVO
com 'tuina, Coeu e Pepmina
Adoptado era todos os Hospitaes
MEDALHAS AS EXPOS'QflFP
PARS,r i-a Brayere,34, c em todas as Pharmacias.
NICA H TNICA
Dt F1I-I--0*. Uf. FitalUl.
tSTANTANEApar. orba. MOBADAterti" oscaoaUo*
84 uin faS*9i >om prapir. I b. ini^i
m iiKgaai. i sua Cor primitiva
Ispos'-'igeril m Pars: PTIUOI, i?, mi tir -iif, PUB
a Ptrsamo-c: FBAN M. da SILVA c.
Precisn-se de um cosinbeiro : n ra Duque da-
Caxias n. 68.
Criada
Precisa-se de urna criada psra eosiabar : na
ra do Bario da Viit ria n. 9.
(osinheiro
Pr- eisa-se de um cosinbeiro : m ra do Seba
numero 26.
Ama
Precisn-se de uros amn para pequea familia :
a tratar na ra de Pedr> Affinso n. '1^_________
Fullinlnis
De LaemmeFt
Para 188*
CHEGARAM as afamadas ftlarjlbae de Lnem-
m rt : 1 Recreativa, 'Trovador, 3 Div rtimenta
.1.' -alao, 4 Histories, 5 Moralista, 6 Jugador, 1
Cumica. 8 Romancista, 9 Cupioo, '0 J..r lineiro,
11 \!aco>i-a. 1 Cliaradista, 13 Sonho-, 14 Dra-
mtica, 15 Conto3 moraea, 16 divertida, 17 Thaa-
tml e mais oito ontros, e vendem-se na casada
G LAPORTE c C.
46Rna do Imperador46
(Grandes abalimentos as vendas em grosso)
i

sal
aaBaaBLal



liiario de Pemamhiic..-Sextafeira 10 deifetembro d I8S6
\
i
XARBFfdeBUC.HU
ADEL
k reo! as
iSiStofliS ORDIARIiS
wscialmdm;
Catarro ctfonto da bsxiga,
Irritaba do canal de urstr*,
molestias de orostata,
i /tcontln.9ncia da Url*$,
rala na urina, etc.
'&WANN, Pharmaceutico-Chimtoo.
'PERFUMAR!* 00 MUDO ^EOiN
DELETTREZ
64, 86, Ra Rleher, 54, 56
CREAQO PARIZ NOVA
SUAV1DADE
concentrando
, CREME OSMHEDIA
'SABNETE, EXTRACTO |
,406^ *0 TOUCADOR
POS DE ARROZ
COSMTICO, BRUJiANTJNA.
OZjEO, POMMADA. VINAGRE
> ttmf
A Perturaaria OSMHEDIA assegura aos
Plibktbs f ieis
nvtBiaie firma i (gir um tgttl
Ep3t5rse^nffl>.P HAH~ M. da SILVA C".
Bom negocio para prin-
cipiante
Vendo se um estabelecimento de molhsdoa, en
bo lo -sudada debta cidsde, proprio pura qual-
qu r principiante por ser de pouc capital e ter a
asa commodoa para familia : a tratar na roa Di
reita n. 23. ______________
ParaiTfesi de fltossa Senhora da
Peelia
O Pedro Antones & C receberam grande va
riedade en le mes por 'oaoa os precos e provam
com os seguntes b--qo.ee de papel a 300, 600 el#.
Ditos de setineta a 1580U e 2*.
Bonitos leqnes di-pbanoe, ultima novidade a
Cempleto sortimento em ditos de seda, para 3f
e 54 at 16#. .
E' indiapensavel um para fazer o completo de
nma toilette. _. .. .
Vende a Nova Eap^ranca n. 53 ra Duque de
Casias de Pedro Achines C
Bonitas c largas fitas para um elegante laco.
Boas e commodas luvas de seda, em todas ae
6 res, por precos que agradam
Guarnico.'s de vidrilhos de cores para enfeites
de veatidoe, de diversas cores e moitosoutros ar
tigos que agam as maveis leitoraa e que com
urna honrosa vuita a loja-P. dro Antunes & .,
poderao convenecrem-se do que fica exposto
Crande vriedarte em calongan
Receberam o Pedro Antones & C, e vendem
por todo porecoas interessantes enancas Nao ee
faz questit de preco-63 ra Duque de Caxias-
Nova Esperanca-_________________
Fazeuilas brancas
SO' A O NMEO
ua da Imperairfz
6J50
124001
800
14800
500
140u
800
143
5080*
1|800
40u
200
Taverna
Vende-se urna tiverna
Camnrao n. 17.
tratar na roa do
Malvasia
Vinho proprio para senhoras
Mendes & C,
Em barris e a retalho : P> cas
roa estreita do Kosaiio n. 9.
Predio
Viwcunde do Bom Retiro
O Visconde de Tabat:npa, sentido pel^ faileci-
ent de b> u presado amigo, o Visconde do Bom
Setiro, manda Miar por sua a'ma urna missa na
aaatriz ia Boa-Vista, sabbado 11 do corrente,
pelas 8 1/2 horas do maiiba, trigsimo dia de seu
passam- nto.
Para Bsistirem a este acto teligicso, convida
aos prente e amigos do Ilustre morto e aos
i 'lis. a tftd-B RTitpeoM a Him grat'ilito.

Dr. Joaqnlm Francisco Paes
Brrelo
O deseirbargador Quintino de Miranda, no dia
jO, pelas 7 1/2 horas da manh, manda celebrar
a igr-ja Santa Cruz urna missa por alma do Dr.
Jotquim Francisco Paes Brrelo, finado marire
4e sua soVrinh'i, D. Mara Antonia de Miranda
Barrero ; pede para esse acto religioso a asis
tencia dos parentes e amigos dj finado e das seus,
tom anticipado affran'ecimento.
TWqumFitriotit de Mellu Barr-t'<, sua mu-
lher, seus pas, manos e tos, convidara seus pa-
rentes e amigos do fallecido bacbarel Joaquim
Francisco Paes Barreta, para assistirem a nma
missa do uetiic" din, que por alma de sen fallecido
cunhado e ami^.', manda.r celebrar na matriz de
Gamelleira no dia aexta-feira 10 do corrente, as 8
lloras da nvanha.______________________
s
Ha nm sortimento variado de
Azulejos francezes
de padroes nuvos e muito solidos a
804000 o milheiro
Na loia de Louca de
J. D A. VE1GA & C.
Rwi larga do Rosario
nginlio
Vende-se. compra se e recebe-se por venda
moendas, vapores e rodetes usados, em perfei o
astado : na roa larga do Rosario n. 11._________
Maduro
Vinho puro da uva
AOS
100:00^000
mim S42____
23-rna Primeiro de Iarc-23
O abaixo ^asignado tm exposto ven-
da oa seus afortunados bilhetes garanti-
dos da 1.a parte da 1.a lotera da Santa
Casa de Misericordia do Recife, pelo novo
plano, que se extrahir quinta-feira 16 do
orrente.
PRECOS
1 vigsimo lflOOO
Es porqt* de 1OO0 pa*~ eli
l vigessimo $900
Manad Martina Fitiza.
O qne pode haver de melbor para mesa, em
barra e a retalho : Poc-s Mendes C, roa
reita do Rosario n. 9. __________^_________
Jaboato
Vende-se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem atreguezados, e prometiendo anda
maior negocio fer com a ida das officinai da es-
trada de ferro de Caruar, prximo mesrna es-
toco, onde ficam situados es estabelecimentos
cima, arrendando-se as casas a pesso* que pre-
tender : a trutar em Jaboato, confronte ao hotel
Glotx^______________
VAPOR
t ra da Impera ir!
Loja do* barataros
Alheiro & C, a ra da Iunperntric n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de rodas estts fasendat
abaixo mencionadas, cem competencia de precos,
A SABER:
AlgodSoPec9B de lgodaoainho com 20
jardas, pelor barato prevo de 34800,
4|, 44500, 44 t, 6, 54500 e
MsdapoloPecas de madapolao com 24
jardas a 44500, 54. 64 ate
Omisas de meia com Ustras, pelo barato
prego de
Ditas brancui e croas, de 14 at
Creguella francesa, fazenda ciuito encor-
pada, propria para lencoes, toslhas e
c-roulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da naesma, muits bem fetas,
a 14200 e
Colletinhos ra mesma
Bramante francee de algodao, multo e-
corpada. com 10 palmos de largura,
m-tro
Dito de linbo inglcz, de 4 larguras, me-
tro a 24500 i
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, d 240 rs. at
Eaptista, o que ha de mais delicado nc
mercado, rs.
Todas estas fazenda baratissimas, na eo^hecida
loja de Alheiro & C, esquin do becco
dos ferreiros
llgod^ entestado pa-
ra lenfoes
A DOo rn. e 1*000 o metro
Vende-eo na loja dos barateiros da Boa-Vista
rodao para lencoes de um s panno, com 9 pai-
s de iarpurau 900 rs., e dito com 10 palmos a
l!0 o metro, assim com dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos ae largura a 14200
i otro, lsto na Uja de Alheiro & C, esquina
do eeco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 14200,14400, 14600, 1*800 e 24 o covado
A heiro & C, roa da Imperatrix n. 40, ven
den mnito bons merinos pretos pelo preco acimt
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di a Ferreiros.
Espartllhos
Na loja da roa da Imperatrix n. 40 vcude-se
muito bons espartllhos para senhora, pelo preco
de 54O00, assim como Unj sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 24800 e 3i o covado
Alheiro & C, roa da Imperatrix n. 40, Ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
tas, de duas larguras, com o- padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barate prect
de 24800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar faaer costumes de casemira a
30, sendo de paletot sacco, e 354 de traque,
grande pechincha : na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque d mofo, pelo barato preco de 32(
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado* a lOO rn. a peca
A roa da Imperatrix n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto com 50 pecas, sorti-
das, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do beeso dos Ferreiros.________________
e moenda
----------------------------
entes de llores
Vende-se um ndiisimo casal de canarios alie
mes com do- filhos smelliantes, j tnni crssci-
dos, esa um importante viveiro : no pateo de S.
Pedro d. 4, loja.
la
VENDAS
__ Vende-se diversas taboas de pinh 1 louro e
am compartimento pura escriptono com duas por-
tinhaf, ncanam. nto -i^az co.:> eandieiro simples :
a tratar n:i ra das Flores, casa d gaiolas.
4ti^Ci.
Tende-se nma propriedade com 250 bracas d
trra 1 m.ia legoa de fundo, tendo grande casa
e viv nda, casa de rancho e casa para negocio
am riacho rresco t.a traseira da cas'i, qne proiuz
toda plaitaci) em tempo de verao, muito bm
para negocia, criaco e agricultura, sendo dita
proprii-dadc no lugar de Pedia Tapada, distante
quatro legoas da estacilo do Limoeiro, e ahi acha-
ra com quem tratar. ________^_^__
Plvora, tiiolos e el&as
Vende Candido Thiago da Costa Mello em sen
deposito raa Imperial n. 322, olanaTelepnone
m. 21.
Vende-se ou arrenda-se annoalmente urna b"a
asa com bastantes commodos para familia, tendo
agua e g'.z encanados, com um b m ,umt il (o4c
snurad.', com algumas arvores fruetif rus e cot:
ahiia para o rio, por prec muito razoavel:
tjuern precisar oirija-se roa Duqm- de Caxias n.
117, que achara com quem tratar.
Para ngentos
Cal nova de Lisboa.
Potas da Russia.
Oleo de mocot.
Axi-itc de carrapato.
Graxa em bexigas.
Vend-. m Adrantes 4 C,
-Beri 48.
Vende-se um bom vapor e moenda com poueo
Uso a ver no engenbo Timb ass. muito perto
da estacio do mesme uome ; a tratar na roa d
mperador n. 48, 1 andar.
das mais bonitas qualidades que se encontram no
estrangeiro, receberam Martins Capillo t C, e
vendem por precos commodos em seu armaaem a
roa estreita do Rosario n. 1. ^^^^^^^^^^^
Almanack da provincia
1886
Um Tolume com JUB paginas
2000
A' venda na casa editora. Livrarla Parisiense
o. 7 A, roa Primelro de Marco n. 7 A, Industrial
Econmica de G. Laport & C. e Cardoso Ayres.
Tecidos de linho
A o o rs. o covado
Na loja da ra da Imp ratita n. 32, vende-se
um bonito sortimento de fazendas de linhD para
vestidos, rendo largura de chita frtncexa, com
muito bonitas cores e palminhas bordadas, pe-
chincha a 500 reis o covado, na loja oe Pereira da
Silva. __________
Novas iseiihs
A 38 c 400 refs o covado
Acabam de chr-gr para a loj 1 da roa da Im-
peratriz a 32, um grande e bonito sortimento de
lsinbas de eres pata vestidos, sendo f*zenda de
muita phantasi, cum cores claras e escaras, e li-
quidara se a 320 e 400 eis o covado. por haver
grande porcuo ua loja de Pereira da Silva.______
Recebemos oeste ultimo
v;it,nr
Semenles novasd hurlalices
%ssimcomo
OBRAS DE VIME
Como scj'tm:
Cestos para compraB de diversos tamanhos
Bandejas para roupa engoramada
Balaioia p ra roupa suja ,
ir/os
B,
e ga
raa do Bom Jesls
WHISKY
ROY AL BLESD marca ViAO
Este excel lente WbiBky Sscoses* preferv
ao cognac ou aguarden.* de caima, para tortifiet
o corpo.
Vendr-se a retalho nos h. inores armazens
olbadot.
Pede BOYAL BLEND marca V1ALX) cujo n
M e emblema s> registrados para todo o Braat
BROWN8 & C, agentes
Itiii'g para facas
B- reos
CoBde988
Costureiros
. ladeiras
Voadores para meninos aprt-n^ererQ aan
lar.
O especial vioho Figaeira puro sem a
Denor coroposiyao.
Vinho do Porto engarrafado, o que pode
'ir ao mercado de ni*is especial.
Tamancos do Port>> para senhora.
P(!AS MBJDES & C.
Roa Estreita Oleo para maita*
Vende-*e nos epositos da fbrea Apollo, a
lOJOcO, latas do 24 garrafas.
ttan^io
Vend-M nmlt pTfe d enfeenh< teiterfo, fr-
gue.zia de Iguamst : a tratar no ateo i*. Santa
Crox n. 3, taverna.
Expsita central roa larga do
Rosario n. 58
Damiao Lima ft C, cba'mam a attenca das
Exmas. familias para os precos segamtes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 24500 3JU00.
Fita h. 80 para faxa a 2#500.
Leqves regatas e D. Joanuita a 1#000.
Frascos e extractos de Lobin, grandes, a 2#000.
L-ques D. Lucinda Colho a 6#(KX).
Toalhas felpudas a 500 600, e 1/tOO.
Duzia de meias para h> m>-m a 3|000.
Ditas para senhore a 3#000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1#000.
Colannhos de linho a 500 rs.
Ditos de algooao a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a JO rs.
visiv. is grandes a 320 rs.
rampos invisiveis a 60 rB.
Um leque de setim (novidade) a 6|500.
Ricas bolcinhas de madreperola de 1*500 6/.
La para bordar a 2*800.
Urna capella e veo do 15000, por 12*000.
Um espelho de mol Inra por 5*500.
Urna puls< ira de fita per 1*200.
Fuste a 400 e 600 rs.
Urna boueca grande ie c|ra por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSICAO CENTRAL
58Koa Larga do Rusario58
Florida
Loja de iniudezas
Rna do lluque de CxIas n 103
Os proprieta ri- s deste grande estabelecunento
de miudezas, modas e para accommodar os interes-
ses da poca, tem reoolvido venderem po' meuos
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 6 0 rs.
Luras de pellica a 2*5<>0 o par.
Linha de carritei branca e de cores a 30 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustSo bordado para enanca a
3*000.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Bleias a 360 rs. a duzia
Haspas para anquinhas a 120 rs. o getro.
Bicos com tres dedos de largura al*500 e 1*800
Lmha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderoo.
Fita cdineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1*500 a ddzia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4* e 5*
a P'ta.
Urna caixa cem tres sabonctes desenhando ama
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores Dar senhora a l*ouu o
Salpicos e vinho vrdlraiico e
tino
Recebeu Antonio Duarte roa da Un i So n. 54,
confronte a estaca : tornain-e recommenda\ei8
este* artlg s por ter recebioo de casa particular
de Portugal, rasao por q" garante ser especia'i
dade ; assim como tem caroe e qneijys do sertio
por preco muito m dico ; o mesmo vinho tam bem
se veude em cusa de B-rnardino Duarte a ra da
Pforentina ns. 1 e 3-', em retalho e ancora. Na
mesma compm-Be urna balanca decimal, grande.
SeraphB
Vende-se nma erapH a novamente remcotafla,
pmpria para igreja ; a tratar com Leoncrt Mu-
s roa da Imperatrix n. 43.
Camisas nacionaes
A steoo. sooo S*5O0
S2-= Lija k ra da Imperatrix = 32
Veude-se neste novo esfahelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber
turas e pjnhos de linho como de algodao, pelos
baratos precos de 2*500, 3* e 4*, sendo tascada
muito melhor rio que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem fritas, por serem cortada por
um b. m artista, especialmente camiseiro, tamben,
se manda faxer por encommendas, a v mtade dot
fregueses : na nova loja da ra da Imperatrix n
3., de Ferreira da Silva.
Ao32
Rova loja de faze- Jas
a\9 Ra da Impe = 3;
DE
FERREIRA DA Si^VA
Nebte novo estabelecimento encontrara o re-
p itavel publico cm variado sortimento de fazen-
das de tod,is as qualidades, que se vendem por
precos baratiseimos, assim como um bom sorti
atento de roupas para hoincns, e tamboril se man
da faxer por encommendas, p r ter um bom mos-
tr altaiate e completo sortimento de pannos finos
casemiras e brins, etc.
um puras
88Roa da Imperatrlc *
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupas aba)
xo mencionadas, que sio ba- ^as.
Palitots pretos de :*' aiagonaes e
acolchoados, senuo tazendas muito en-
corpadas, e forrados 7*001
Ditos de casemira preta, de cotdSo muito,
bem feitos e forrados 10*001
Ditos de dita, axenda muito melbor 12*00
Ditos de flanella asul sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 12*00<
Calcas de gorgorao preto, colchoado,
sendo fazenda muitr encorpada 5*5(f
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem fritas 6*50i
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas 8*0(X
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*001
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem fetas a 1*200 e 1*60
Colletinhu de greguella muito bem feitos 1*01*
As9im como um bom sortimento de leos dt
l'nho e de algodSo, meias croas e collarinhes, ett
Isto na loja oa roa da Imperatriz n. 3*<
6e, etfnetas e lxnba* a SO
r*. o covado
Na loja da roa da Imperatrix n. 32, vende-s
um grande sortimento de fustdes braneos a 5C>
rs. o covado, lozinhas lavradas de furta-cores
ft-zenda bonita para vestidos a 500 rs. o covadr,
e setinetas lisas mnito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. > covado, pechincha : na loj.
do Pereira da Silva.
tlKoilaozinbo francex para lence
a MOra., 1# e l#COO
Na loja da roa da Imperatrix n. 32, vende-a
superiores algxlaozinhos francezes com 8, 9 e l1
palmos de largura, proprios para lences de un
s panno pelo barato preco de 900 rs e 1*000 .
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, a
sim como superior bramante de quatro largura
para lencoes, a 1*500 o metro, barato na loj
d Pereira da Silva.
Roupa para meninos
A 1*. 4*500 e 4
Na nova loja da roa da Imperatris n. 32,
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e cale)
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, dito
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgorao preto
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; n
oja do Pereira da Silva. __________
Garaeiro la 'cntet
Liquidara os seguintes artigos mi barato que em
outra parte, visto serem alguns comprados em
leile a saber:
Lindos cretones claros a 240 e 280 rs., o co-
vado. ,
Palles de nbvos gosts a 400 500 rs. o dito.
Linons com palmas de 15 a 800 rs. o dito.
dem com salpicos a 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas com litra de i eda a 280 e 320 rs, o
dito para acabar.
Esgaiao pado para vertidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Sitinetas, nsvdades, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de 12, largura de 2 metros, proprio
para panno 8 de piano a 1*800 o covado ; de cores
proprias para mesas a 1*500 e 1*600 o iito.
Merinos pretos para luto, 2 larguras a 900, 1*,
1*200 e 1*500 o dito.
dem de tudas as cores a 1* e 1 *200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padrees inteiramente
nevos a 1**00, 1*600 e 1800 o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
2* o dito.
Atoalhado trancado e boriado a 1*400 e 1*500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem de puro linho a 2* o dito.
dem de urna largura a 500 rs. o dito.
Goarni?oes de crochets para" sofi e cXdeaa a
8*.
Riquissimas eolias de dito a 12* e 14*.
Lindaa grinaldaa e veos para Exmas. uoivas a
14*.
Cortinados bordados a 6*500 e 10* o par.
dem em pecas com 12 jarda?, novos desenhos a
9*.
Toalhas felpudas de cores, para rosto, a 7*500
a duz-i.
Meias inglezas, croas a 3*500, 4* e 6* a dita.
dem arrendadas para senbor i a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dita.
Camisas superioies francezas a 38* e 42* a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2*oOO e 3*.
Lences de bramantes, grandes a 2*.
Chales de casemira, dem, a 2*, 3* e 5*
Curtes de casemira inglexa a 3*. 4* e5*.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3* e 3*500 o
covado.
Vendas em gtronao, danoN deaeonto
da prora
59=Rua Duque de Caxias=59
Carneiro da lunha & L
DOMESTIC
Sao reconheciaas ser as
legantes, as mais dorarais e
em todos os sentidos.
AS MBLHORBS
Para prejos, e circulares
illustracSes de todos os estylos, firi-
jam se
Domestic Seving Machine 4 C.
NEWYOR, U. S. A.
Aos i.ooo:ooosooo
200:0 oiooo
IIMI:(MlllSO(H
(IsHll LITllIi
DE 3 8TEI0S
Em favir dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extraccao: no flia 15 fieDezeiro lili.
0 thesoureiro, Francisco Gonfalvcs Torres
BANHOS DE MAR
Superiores costumes de excellenle fazenda p;i
Para senhoras...... lO^OO*
Para homens...... 8$00t
Para crianzas...... 5#0W
Promptamente prepara-se qnalquer eos-
turne para o qu<5 temos os m*lhoi es tecidos.
No mesmo ostabelecimento se continuar
a encontrar constantemente verdadeiras pe-
chinchas.
M Pruio ae Margo i. 20
JUOTO DO LOUVRE
Telephone n. IliK
FABRJCA 0 CIGARROS
BE l^EURON 'B O^

MARCA Dt FABRICA RE0ISTRABA -----..
RIOoeWWEIRO- BAHA; PERMA"KBC0^
m/T w~~n At t p^rticipam aos seus freguezes e ao pnblic* ea
iTXeiirwIl Vi) v>. g,.rajj que tnn(io resolvido fabricar novanemte
cigarros e fnmos desti;ulo, coro a narca da fabrica aeiroa reproduzida e coaspa-
tentemente registrada aliarse babilados par vender, de boje em diante, as segiiatei
qualidades :
Grande i iquidacaO
NA
Loja Ca macan
AvisMiu a ao rcspiitavel publico e especialmen-
te s Esoiis. familias que estamos liquiduudo
os artigos de miudezas existentes n ste estabele-
cimento com 50 0/0 de nv-nos As Exmas. fami-
lias encontrao bom aortimeute e boas pt-chinchas
em todos "8 artigos, c> in' ejm : bicos braneos
finos, a 380, 45O0, 4*800, 5*. 6* e 8*0(0 a
peca, com 11 metros, dits de cores a 4j5(X), 5*
7* c 8* a pee, bicos pretos com vidrilbo, alfinete
n 60 rs. a carta, gulbM8 finas a 80 rs. o pxpel,
caixinha com alfinete a 120 rs., pacote com tres
paboiiete finos p^r 400 rs., um pAo d>' sabunete
fino a 800 rs, garrafa com agua n rida verdad' i-
ra a 500 r- 800 rs 1*000 e 13U0, baleias a 300
rs a duia, lindo sortimento de < spartilho a
4*500, 6* e 8*000, dem dem de luvas finas,
S. Isas de crniro a 1 *fi00,' 5*. 6* e 7*000, meiss
nas par Benbora a 700 rs o pr, oleo ansa ver-
dadeiro a 900 rs. o frasco, agua de colonia fina a
l*o irasco, linba de machina a 900 rs. a duzia.
Alem deste annuncio tesaos muitos artigos que
as Exmas. familias vero melbor com a presenca
t Duque de Caxias n. 66.______________
BARBACENA
POMBA
RIO NOVO .
GOYANOS .
CAPORAL MERON
FLOR OE VIRGINIA
Cigarros
Superiores a 65000 o milheiro
Elegantes 7^5O
Especiaes 9J00 t
Mimosos 90000
Faforilos 6,5151)0 c
Deliciosos 8^200
Floresta
Vnde-Bej diversas partes oo engenbo Floresta,
no Rio Formoso, ori mz se qaslquer ontro neg
co : a tratar Da ra do Imperador n. 8(J, primei-
ro sndar.
Gabrlet
Vende-se am era perteit estado a por prefo
oommodo; tratar na raa l>niae de Caxias n. 47
Compras por atacado 5 %-',e d''si'onto
Fnmos desMos ptn cachimbo e cigarros em pacoles
Di: IOS CillAIlflAK
CAPORAL MEURON a 500 rs. rada parte
FLOR DE VIRGINIA a 500 rs. i em de*.
Garante se que tedos os -eus cigarros, de qualquer das denominares aeise,
assim nomo os fumos desfiados, sSo fabricados cor fumo escolhido de qOaBciesle
superior.
Aceio e acondicionami'.nto eoean d- especial attenjao.
rifiTin n Inrr.i i imn Tlfinin'1
I'-. C aUOnulClOlulllK.IlLiJ H U' c^J^< mi oblujuv.
Cada otasse de 20 ci&arrus lera oa Donle:ra
ESPLENDIDO RESTARANT
Este acreditado estabelecimento, ltimamente memorado, esta em coif^ts
de servir ao mais exigente hospede, para o que tem magnificas salas., qartos, baaamw
e reataurant, encontrndose n'oste, alm das mais exquisitas iguarias, a grande nvi-
dade
Ostras cHias orlugneza
(nica casa qoe as prepara) em toda3 as qusrtas e sextas-feiras, de l oras a aa-
nbS em diante.
PE^CiS ttSlilI U> I S S M O S
A actual gerencia do Sr. IZlOORO ALVES PITLO.
RuadjiMadredeDensR.3
/


.-. ----~
Diario de PcrnambucoSexto-fcira 10 de Setembro de 1886
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DO DEPUTA DO*
SESSAO EM 23 DE AGOSTO DE 1886
FRKrDENCIA DO S GOMES DE CASTRO 1.
VICE-PBE&DENTE
(Continuadlo)
Kequeiro qua, por intermedio do Mi-
nisterio da Guerra, se pego informales
acerca das arbitrariedades coinmetti as
pelo coramandante da fortaleza da Barra-
Orar de, em S.nt, lente Elydio Fer-
ando da Silveir, contra as quaes energi-
amente tem protestado a iraprensa d a-
uella cidade.
Sala das senSes, 23 de Agosto ue
1886.-Affonso Celso Junto*.
Vai imprimir para entrar na ordem
dos trabalhos o projecto sobre venda,
aforamento e concessao gratuita de trras
devolutaa com a parecer das eommisaSe
reunidas de fazenda e especial nomeada
interpor parecer proposta do go-
para
remo.
O Sr. Rodrigo Silva (pela ordem) re-
quer e a cmara approva qne s<-ja dada a
ordem do dia de amanha o projecto sobre
aposentadoria de magistrado.
O Sr. Rosa e Silva manda mesa
duas representares da directora da As-
sociacao Commercial Ben^tcente de Per-
nambuco; urna solicitando um ere uto
para as obras do melhoramento do porto da
mesma provincia, que remettida s com-
missoes de obras publicas e de orcamento;
e outra, representando contra a permanen-
cia do imposto denominado de gyro com-
mercial cobrado na Alfand-ga, creado pela
respectiva Asaembla provincial, que re-
mettida coraaiisso de assembleas pro-
vinciaes.
O orador faz alguraas observares para
demonstrar a necessidade que tem a pro-
vincia de Pernambuco da ser attendida nos
pontos a que se referen as representagoas,
para as quaes chama a attengao do go-
verno ^,.
ORDEM DO DIA
ORNAMENTO DA FAZENDA
Contina a 3.a discussao do projecto
fisando a despeza do ministerio da fazen-
da no exereiiio de 1886-188*.
O Sr. Rodrigo Silva (pela ordem) propoe
e a cmara approva o encerramento da
discussao.
O Sr. Costa Pereira (pela ordem) pedio
a palavra para requerer que fosse discutida
em sessao secreta, na forma do art. 17
do regiment, a emenda, aprasentada pela
comraissao do orgamento, mandando pagar
70,000 nos concessionarios da estrada
de ferro da Victoria Natividade.
O Sr. Presidente diz que nao pode acei-
tar o raquerimento do nobre deputado por
ser isso contrario ao regiment.
Procede se votagao e approvado o
projeeto com as emendas publicadas no
Jornal do Commercio do dia
seguintes:
Ao numero
da coramissao sobro exdelos fiados, ac-
crescente-se 18:569*791, proveniente de
dividas liquidada, nao pagas, pertencentes
sos diversos eredorea constantes da rea cao
n. 30 app-nsa ao relatorio ultimo do Mi-
nisterio da Fazenda.
Ao art 2." da proposta accreseenta-se
os substituida a tab da A annexa pro-
poeta para 1886 -1887 pela A da proposta
de 1887-1888.
Ao art. 4. proposta, era vez de
11,478:9665216 diga-se ll,o66:9665214,
accresoentando se-substitu I* a t .bella A
d* proposta de 1886-1887 pla A junta
agricultura cora a quantia correspondente
a 70,000 para pagamento dos concessio-
narios da estrada de ferro Victoria Na-
tividade, era virtude do eeroto n. 9,415
de 18 de Anril de 1885.
Ao | 12. Imprensa Nacional e Dia-
rio Ofjicial, reduza se 20:0005 pedidos
para pessoal c material de gravara.
a Augmenta so a verba do art. 4o eramais
600:000)5, para pagamento da estrada de
ferro D. Pedro II, da Itabira em diante.
Faca-s na tabella C a respetiva altera-
cao
O governo mandar proceder a in-
querito, e o apresontar na prxima sessao
legislativa, sobre a conveniencia de trans-
ferir a propri-.dade oa *. exploragao das
estradas de ferro do Estado para a indus-
tria privada e os methodos que daverao ser
preferidos nesta operagao.
Fi:a o governo autorsado para effec-
tuar o resgate da estrada do ferro do Ro-
cife a S. Francisco, de conformidado com
as clausulas constante dos contractos ce-
lebrados para construidlo na mesma es-
trada.
< Sub-emeada da comraissao :
Fazendo-se a autorisagao extensiva
estrada de tarro da Babia ao S. Fran-
cisco.
Accrescente-se no lugar conveniente da
tabella C : Garanta de juros para o pro-
longamento da estrada de ferro Conde
d'Eu at Cabedello, na provincia da Para-
hyOa-, 48:0005000. >
A emenda relativa a pagamente d.;
70,000 aos concessionarios da estrada de
ferro da Viitoria Natividad* foi appro-
vada por 55 votos, contra 25, em votado
nominal, requerida pelo Sr. Coelho de Al-
meida.
O projecto assim adoptado, foi remetti-
do coramissao de oriniento.
CRDITO AO MINISTERIO DO IMPEPIO
Centiua a 2a discussao do art. 3o pro-
jecto coicedendo ao ministerio do imperio
J ... nru\K _____ _U-= An
um crdito de 125:0005, para obras do
,ruz.
niaradouro em Santa C
O Sr. Candido Je Oliveira diz
que, se o seu proposito fosse fazer ficar
sera effeito a autorisagao votara a favor do
crdito, porque cora o artigo redigido
como est isto o que se dar. Diz o ar-
tigo que" o governo fica autorisado a fazer
operagoes do crdito s depois de reconhe-
cer que nao ha saldo.
O crdito de aetualidade, as obras
estao sendo feitas e nacessario pagal-as ;
no entanto a autorsacao manda guardar a
operagao de crdito, do qual deve sahir
esse pagamento, para o fira do exercicio.
Nao apresenta emenda para que nao
aconteca o que se deu uo crdito do minis
terio da marinha, que apresentada para re-
gularidade da autorisagao foi rejetada s
porque parti da opposigao.
Ninguem mais pedindo a palavra en-
cenada a discussao.
Posto a votos o art. 3o, approvado.
Entra em discussao o art. 4r
Ningue:n pedindo a palavra, encerrada
i verba 81 do projecto a discusslo e posto \ votos approvado,
passaa o o projecto 3a discussao.
O Sr. Rodrigo Silva requ*r e a cmara
approva a dispensa de intersticio para que
o projecto entre na sesso seguinte em 3*
discussao.
CRDITO AO MINISTERIO DA AGRICULTURA
Contina a 2 dis ussao do crdito espe-
cial de 186:2345 o ministerio da agricul
tura, p^ra indemnisago de terrenos des-
apr ppriados no morro do Senado e ra do
Visconde de Itauna.
o Mr. Antonio Prado (ministjo
da agr ahora) eomega respondendo ao Sr.
ao parecer da comraissao em 2.* discussao Can .ido de Oliveira, que aobou ser o cr-
dito que se discute urna prova de purita-
e nismo conservador. Aceita a qualificago,
ella pr >va que o governo quiz proceder re-
gularmente, po8 reconhecendo a Justina
e mais as
com mais 88:0005000.
A' verba 31 accrescente-se -inclusiv
1:5005 para pagamento devido ao ajudan-
te do auditor de guerra na provincia de
Pernambuco. # |
Accrescente se no projecto Art. b.
Ficam revogadas as disposigoes em con-
trario.
Augmente-so a verba de 700:0005
dos crditos especiaea do ministerio da
le reclamaos que Ihe foram dirig las,
nilo quiz aatisf-zel-as seo vir pedir ao par-
lamento os tneios necesaarios.
NJo foi, de ceno, outro]o puritanismo de
outros governos que at mandaram pagar
soramas avultadas sem nada pedir ao cor
po legislativo.
Aproveita a occasiSo para justificar a
emenda que foi approvada, consigaaudo
70,000 libras esterlinas para pagamento
aos coacessionerios da estrada le ferro de
Victoria a Natividale, que era um cora-
promisso tomado pelo ministro da agricul-
tura, do ministerio de que fez parte o Sr.
Candido de Oliveira, que solidario nos ac-
tos desse ministerio, vota no entanto contra
a emenda que d ao governo os meios
de saldar esse coniproraUso psrqun assim
como os particulares o sao, tambera o
governo responsavtl pelos contritos que
faz-
Nao sabe como qualificar o proce liraen-
to do ministro quo celebra o contrato s -ru
tornal o depjndonte do parlamento nom ao
menos para a vot.ic.ao dos tunios.
Desoja saber se poda e governo, diaate
do8 principios jurdicos, diante da justica
dzer: Nao vos pago porque o ministro
qne contratou coravoseo praticou urna i 11o-
galidade, exborbitoi da autorisuyao qua
Ibe foi dada.
Quinto ao crdito era diacusso, nao o
teria combatido o Sr. Candido de Oliveira
se o tivesse estudado, e para mostrar a in-
justicia dos apreciacoes feitas, le todos os
documentos relativos coneess&o, os re-
querimentos fditos pelo concessionario Dr.
Possidonio Carvalbo Mireira e daqualles a
quera cedeu a oxecujao dos trabalhos, os
despachos que obtiverara de diversos mi-
nistroa, o aviao approvando os planos e
mandando oomoyar as obras e bem assim a
clausula que d aos contratantes direito a
indemnisacao pelos particulares ou pelo
governo por obras que raandassem execu-
tar.
Recorda que os trabalhos ficaram sus-
pensos era virtude de um recurso que foi
ao conselho de estado, e portanto soffreram
03 contratantes prejuizoa e pediram indem-
nisacao polas despezas leitas e pelos tra-
hos exeoutados.
Era preciso examinar primeiro se tinham
elles direito a essa indemnisacao, depois a
quanto montara ella.
Foram ouvidas as reparticSes compe-
tentes e reconhecido o dir-ito e mandaudo-
se depois examinar os trabalhos feitos e
verificado o que tinham dispendido, vista
disto foi apresentada a proposta de crdito,
pois o governo entendeu que nao podia sa-
tisfazer a reolumacao sem ter do corpo le-
gislativo os meios para fazel-o.
Da exposicao que fez resulta que o pri-
meiro despacho foi do Sr. Candido do Oli
veira nos actos do ministerio.
A indemnisacao firma se em dous pontos:
no aviso do governo, que mandou executar
as obras que deviam ser pagas, nao pelo
contrato, mas pelo theor do aviso que as
mandn executar, ou entao est firmada na
clausula 3.a da priraeira concessao.
O Sr. Candido de Oliveira an-
tes de discutir o crdito vai defender o mi-
nisterio a que perteaceu de urna aggressao
que lhe foi feita, tanto mais grave quanto
parti ella de um membro do poder execu-
tivo, accrescendo que o exemplo trazido
pelo Sr. ministro da agricultura nao tem
applicacSo ao caso.
Faz o histrico da autorsacao concedida
ao governo para entrar em aecrdo com os
concesionarios de eogenhos contraes e ea-
tradaa de ferro cora garantas de juros, era
virtude d'ella o ministerio eutrou era accor-
do com os concessionarios da estrada de
ferro da Victoria Natividade, nao depen-
da do poder legislativo.
O Governo tinha no decreto da autor-
sacao o titulo para fazer o contrato e por
isso era excusada a declaracao des8a de-
claracao dessa dependencia no contrato ce-
lebrado. Fez-se o contrato : no emtanto
em 1885, appareee urna emenda revogando
aquella auor8acao e mandando o governo
pagar s os eatudoa feito8. Portanto, o
acto qua foi to duramente qualifioado pelo
Sr. ministro deixou de existir deade a no^a
deliberadlo do parlamento.
A emenda, conaignando as 70,000 libras,
a consagraco do contrato feito pelo Mi-
nistro da agricultura de entao. Assim, a
qualificaoo dada pelo Sr. ministro, se cabe
ao ministerio de 20 do Agosto, que re-
sus-itu hoje a qufstao saltando por cima
da propra le de 1885.
SjNo houve incoherencia de sua parte
como o nobre ministro notou, devia votar
hoja contra a meada, porque entre ella e
o contrato do Carneiro da Rocha, est o
qne a cmara resolveu era 1885, que deli-
mitou a autorsacao.
Sa o nobre ministro foi feliz na excava-
5I0 histrica, no foi infeliz na excavacao
histrica, n5o foi menos na defeza do cr-
dito.
IOuvio a leitura dos documentos, e mais
conven :ido anda dcou de que o acta do
nobre ministro nSo assenta nara nos funda-
mentos da lei, era as norraat do direito,
nem nos factos que allegou.
Relata o que se passou sobro comrais-
sao do Dr. Carvalho Moreira, trata de de-
monstrar que s elle ou empresa por elle
organisada, podiara ter direito aos favores
do decreto da con;essao e aos concecidos
posteriormente pelo poder legislativo.
Pondera que aquellos a quem se quer
pagar nao foram reconhecidoa concessiona-
rios e o aviso a que sa referi o nobre ra
nstro pelo qual foram approvadas as plan-
tas, nao importa autorsacao para fazor
obras.
O nobro ministro devia dizer aos peti-
cionarios que quera lhes encomraendou o
serraSo que lhes pagasse, porque uera em
relacao aos terrenos era s berafeitoriss
t n elles direito indemnisacao.
A proposta falla em pagamento de terre-
nos e o parecer falla em servicos bora
que isto fique bem claroporque no ten-
do sido declarada a caducidade da concea-
silo qua privilegio do Dr. Carvalho Mo
reir, pode elle depois de tarem sido pagos
os peticionarios, vir reclamar tarabem paga-
mento de terrenos que lhe pertencem.
O interesse particular nao se abate, a
cada indeferiraento surge re.claraacao mais
enrgica, at encontrar governo ou parla-
mento condescendente.
Vote a cmara o crdito ; mas fique certa
que nao o governo, a situagao que se
compromette, e o partido liberal quo n2o
quer o poder, desoja um governo forte que
sustente os principios conservadores defen
didos sempre pelos chefes do partido.
raeiroque procedeu-ae impensadamente e
depois porque nao quer que se diga que
rancorreu para aggravar com maiorea,. os
j graveB embarajos com que luta o paiz.
A discuasao fica addiadu pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia
para 24.
FOLHETIH
DE
EMM EOS
POR
Wm DE .3NTEO
c:i.isua:: n si&lc
(ContinuacGo do n. 206)
I
Olhe I disse-lhe o magistrado com ar
de triuraph, se fosse powivel, depois do
achado do canhenbo, duvi lar anda da cul-
pabiiidade de Angela Bernier, a duvida
nao poderia mais subsistir h>je.
B'ez-se alguma descoberta 1
Sim, desco^rta de importancia ca-
pital.
Qual ?
Oihe.
E o juiz de instruccao indicou as letras
reunidas, formando palavras, de qne o che-
fe da 8-guranca tomou immadiatamente co-
nhecimento.
Que diz a isso ? perguntou o Sr. de
Gevrey.
Digo que essa gente muito fina :
preciso prender o cumplice.
Lalvez possamos ter um meiodechc
gar a elle, foi por isso que o rnandei cha
mar. O pacote destinado hervanaria foi
levado priaao por um entregador, que
preciso descobrir e que ha de dizer algu-
Ift COU83.
V mandar os sens agentes procurar.
Preciso desse entregador, porque por in-
termedio dellc espero chegar ao cumplice.
O chefe da seguranza deixou o juiz de
instruccao.
Urna hora depois todos os agentes da
brigada recebiam ordem de procurar o en-
tregador que tinha levado prisao de S.
Lzaro ura pacote dirigido
nier.
a Angela Ber-

*
Leao Leroyer tinha sido obrigado a vol-
tar para a casa do Sr. M gret, correspon-
dente de seu pai.
Tendo ficado para almocar ra de Ri
voli, o futuro estudante demorou-se era
corapanhia do notario o terapo necessario
pi>ra entenderse cora elle a reapeito das
horas que podia consagrar ao estudo pra-
tico do officio de tabelliao, seguindo ao
mearoo tempo com assiduidadeos cursos da
escola ue direito.
Vot, meu caro, s coraegar a tra-
balhar depois das ferias do Anno Bom, da-
se o Sr. Magret ao tlho de seu amigo ve-
Iho. Daqui ai l, visite Pariz, divirta-
8o razoavt-lraente como um rapaz de juizo,
como, aupponho que depois, raaos
obra Da manoa nos cursos ; tarde no
cartorio. Ah ficar at cinco horas, e
ooite, cora o seu amigo Renato Dharville,
ho de estuiar os seus livros, afim de se
prnpararein para os seu3 futuros exames...
Muito satisfeito com as disposicoes evi
d^nteraente benvolas do correspondente
de seu pai, L*-lo deixou o Sr. Magret e
foi ru* do Never, aura de a'li encontrar
Ranato, qua o esperava e devia acompa-
uhal o casa de Angela Bernier.
J era tarde, e do bairro Dauphine a
Batigoolles o passeio longo.
O o dous mocos eatraram em um carro e
foram ra das Damas.
A' entrada da ra, do lado da avenida
de Clichy despediram o carro, querendo
fazer o resto do caminho p.
Leao senta o coracao bater lhe com ex
trema violencia.
Elle tinha tomado urna grando resolu
cao, a de confeaaar Sra. Angela o seu
amor p >r Erama Rosa pedir-lhe a mo
da menina, nao para logo, mas para a po-
ca, aiada indecisa, era que pelo trabalho
ella tiveaae creado para ai urna poscao in-
dependente.
Ora, ninguem faz semelhante confisaao,
ninguem faz ura pedido deaaes, sem sentir
urna emocao terrivel.
Os dous amigos seguiram juntos pola
calcada, procurando com o olhar o estaba
le cimento da Sra. Angela.
EU-nos no nnmero 114, diese Rena-
to, deve ser duas casas mais abaixo.
Os seas olhares alcancarm o numero
O Sr. Lonreneo de Albuqner-
qiie nao vai discutir o crdito, mas sira
justificar a sua assigaatura na emenda au-
torisando o pagamento da setenta mil li-
bras esterlinas aos concessionarios da es-
trada de ferro da Victoria Natividade.
Fazendo o histrico da autorsacao, diz
que nao pode dixar de qualificar de inte
liz o acto do ex-ministro que fez o contrato
com os concessionarios.
Recorda que foi ura dos q^e assignou a
emenda mandando pagar s os estudos o
que foi approvada como recordou o Sr.
Candido de Olivoira; mas o Sr. ministro
da agricultura demonstrou tao cabalmente
a conveniencia da emenda qua foi appro-
vada autorisando o pagamento das setanta
mil libras. Tendo votado o anno passado
pela outra emenda porque votou agora a
favor deata? Votou porque havia grande
inconveniencia em adiar a decisao, porqu>
antes de partidario brasileiro e porque
embora entenda que pode crear erabaracos
a ura governo adversario ou amigo nao os
pode crear ao paiz.
Deste deaagradavel incidente devemnas-
cer duaa proveitosas lijSes, a 1.a para qu
o poder legislativo teaha mais criterio em
conceder autorsacao e a 2.a.para que o
parlamento tenba mais cuidado quando re-
solver importantes questSes.
O orjamento apresentado em virtude da
rescisao do contrato toi escandaloso e o no-
bre ministro devia proceder como o actual
em relacao as estradas de ferro do Ro
Orando e obrigar os concessionarios a su-
jeitar-se a) orcamento feito na secretaria da
agricultura.
A cmara anterior o que devera ter feito,
era approvar o acto do ministro erespon-
sabilisal-o.
NJo pretende conciliar o que inconci
liavel; o seu voto de agora nao ost de
accordo com o do anno passado. mas isto
se explica porque est convencidopri-
110 e Renato contauou, indicando a tabo-
leta por cima de urna loja :
E' allHervanaria.Chegamos ao
fim e...
Mas, nao concluio a phrase.
Tinha notado que as janellas da loja es-
tavam fechadas.
Instintivamente voltou-se para Leao.
Este, paludo como ura morto, tinha ob-
servado a mesma cousa : balbuciou em voz
trmula :
A loja est fechada... presinto urna
desgraca...
E elle enxugou as gottas de suor que lhe
orvalhavam a fronte.
Que desgraca pode ter havido ? per -
guntou Renato Dharville, qurendo ani-
mar o amigo. Nenhuma... Nao ha nada
a receiar. '
Se Emma Rosa tiver morrido 1
Ora essa Ests iouco I Eli* deixou
Saint Jlien du Sault em plena convalas-
cenga... Dave estar boa.
E' preciso saber... perguntar.
O porteiro nos ha de informar. En-
tremos.
Le3o mal podia andar, tanto a angustia
que lhe raagoava o coracao paralysava-lhe
as toreas.
Vamos, tem energa tornou Re-
nato.
Tu s um horaem, que diabo !
vas cahir em pasmaceira como urna
lher. Suppondo que houesse urna
graca, o que nao creio, seria preciso acei-
tal-a cora coragera, tem ta deixares aba-
ter. Vem. Vamos sab?r o que ha.
Obedecendo como p ie voz do amigo,
Leo reagio contra a emojao que o esma-
gttva e seguio Renato.
Este entrou no corredor da casa.
No tundo desse corredor estava o quar-
to do porteiro.
Renato abri a porta, emquanto o filho
do tabello de Dijon ficava encostado pa
rede.
Sendo o porteiro erapregado de urna re-
particao publica, como muitos dos seus col-
lfgas, sua mulber estava s, fazendo func
cionar activamente urna machiaa de costu-
ra, parto de fogareiro cheio de coke, no
qual fervia urna odorfera sopa de repo-
lho.
Ella ergueu a cabeja, mas sem inter-
romper o sau trabalho.
Entilo a loja da hervanaria est fe-
Nao
mu-
des-
SESSAO EM 21 DE AOOSTO DE 1886
PRESIDENCIA DO SR. GOMES DE CASTRO 1*
VICE PRESIDENTE
Ao meio da comeca a :hamada, que
termina ao meio-dia e dez minutos.
Abre-se a sessao.
E' lida a acta da sessao anterior.
O Sr. Costa Pereira leu na acta publica-
da no Diario Official que o orador e o
Sr.,Rodrigo Silva pediram a palavra ao
mesrao tempo. Issc nao exacto, porque
o orador pedio a palavra logo que o Sr.
presidente anounciou que o orcamento da
fazenda estava em discussao e o Sr. Ro-
drigo Silva pedio depois.
Lavantou se smente para lavrar o seu
protesto.
O Sr. Rodrigo Silva (para urna explica-
co pos3oal) teve a lealdade anta-hontem
de avisar ao Sr. Costa Pereire, que ia pe-
dir no dia seguinte o encerramento da dis-
cussao do oramento da fazenda. O ora-
dor coatuma avisar mesmo aos membros da
opposicao antes de requerer o encerramen-
to das discus83es.
Havia quatro oradores inscriptos antes
do Sr. Costa Pereira, e claro que o or-
camento da fazenda no podia continuar
indefinidamente era disausaSo. A cmara
julgue, pois, se o orador procedeu ou nEo
com lealdade.
Ninguem mais pedindo a palavra, d-se
a acta por approvada.
O S. 1 Secretario d conta do expe-
diente.
Sao lidos e approvados os seguintes pa-
receres :
Da comraissao de fazenda :
Indeferin lo a pretencao de Paulo Perei-
ra de Carvolho, pedindo dispensa do im-
posto de industria o profissao.
Enviando ao governo, para informar, a
peticao do tenente honorario do exercito
Cesario Jos Alexandrno dos Santos, soli-
citando o pagamento de 5605
Pedindo ao thesouio, pelo ministerio da
fazenda, os seus pareceres e decis3es fun-
damentadas, sobre a pretencao de Antonio
Eustamio Largachi, ex-the30ureiro da al-
fandega de Santos.
Das coramisBoes de fazenda pensiles e
ordenados :
Autorisando o governo a conceder ao
deserabargador da Relacao de S. Paulo,
Mario Antonio Rodrigues de Souza, um
anno de licen9a com ordenado, para tratar
de sua saude.
Teve segunda leitura o projecto do Sr.
Coelho Rodrigues, sobre contratos do go-
verno com estrangeiros.
E' lida e fica sobre a mesa para ser re-
mettido comraissao especial, que deve
ser eleita na prxima se.-sao, a seguinte
denuncia :
a Augustos e dignisaimos Srs. represen-
tantes da nacao.
Usando do direito que me confero o
art. 8o da lei Ia de 15 de Outubro de
1827, venho denunciar-vos o ex-ministro
da agricultura, commercio e obras publi
cas, conselheiro Antonio Carneiro da Ro
cha, como incurso as penas do art. 6o,
1 da meama lei, pelos actos que praticou
e contratos que celebrou relativos cons-
truc5lo da estrada de tarro da Victoria
Natividade com Waring Brothers; e re-
queiro que se proceda nos termos ulterio-
res, para ser decretada a aecusacao do re-
ferido conselheiro Antonio Carneiro da
Rocha, deixando de offerecer os documen-
tos comprobatorios do crime por constarem
de actos pblicos conhecidos desta augusta
cmara.
Sala das sessSes, 23 de Agosto de
1886.-0 deputado Antonio Co-dho Rodri-
gues.
E' lida o fica sobre a mesa para ter 2a
leitura na priraeira sessao, o seguinte pro-
jecto :
t A assembla geral resolve :
Art. 1. Fica o governo autorisado a
mandar proceder aos estudos definitivos
para o melhoramento da barra da Laguna,
na provincia de Santa Catharina, e igual-
mente construir urna estrada para earguei-
ros, entre o ponto terminal da ferro va D.
Thereza Christim, no Tubarilo e o muni-
cipio de Lages.
o Art. 2.a As despezas com esto traba-
lho serao feitas por conta da verbaObras
publicas -, do ministerio da agricultura,
e nao dever exceder de 80:0005 repara-
damente entre os estudoi da barra e a
constru :93o da estrada.
t Art. 3." Ficam revogadas as disposi-
gSes em contrario.
Pajo da cmara, em 24 de Agosto de
1886. Pinto Lima.
Vcm mesa, lido, apoiado, entra em
discussao e adiado por pedir a palavra o
Sr. Luiz Moreira, o seguinte requeri-
mento :
Requeiro que, por intermedio do mi-
nisterio da justica, se solicitem do governo
as seguintes informa9oes :
1. O juiz de diriito do Porto Calvo es-
t pronunciado por algum crime, que o
sujeito prisao?
2.* Sabe o governo que o mesmo juii
foi em sua residencia cercado pelo delega-
do de poli, ia do municipio, acompanhado
de for9a ?
3. Que providencias estao tomadas para
a garanta da liburdaie da primeira auto-
ridade da comarca ?
Sala das sessoes, 24 da Agosto de 1886.
Candido de Oliveira. t
O r. Clinha Leito volta tribu-
na depois de muitos annos para tratar da
instruccao publica a^surapto que sempre
considerou da maior importancia e cada
vez mais se convence de que nao ha as-
bumpto mais digno da atleu9io do parla
ment.
Desta vez nao trata da materia sraente
't
chada, rainha senhora ? disse-lhe Renato
Dharville, para entrar era materia.
Sim, senhor, intelizmente, respondeu
ella.
Todos os raembros da Lalo tremiam.
E receio que nunca mais se abra,
contiuou a porteira.
Nunca mais! repetio Renato, entao
houve alguma desgraya ?
Urna grande desgraya, senhor, a maior
de todas. Olhe, quando a justiya mette o
nariz nos neg ios da gente, a peior das
desolayoes, est-se quusi perdida 1
A iust9a Mas entao que tinha a
justica a fazer em casa da Sra. Angela '?
Ah senhor, a infeliz foi presa.
LeSo, estupefacto, exclamou:
Presa! a Sra. Angela est presa,
posaivel ?
Assim senhor.
Mas com que pretexto ?
E' aecusada de cumplicidade em um
assassinato.
- Isso urna insensatez I E' mons-
truoao! E' urna calumnia infame !
No bairro todos pensam como o se-
nhor, porque a Sra. Angela era muito es-
timada, repliiou a porteira. Ninguem dizia
mal della, e isso raro. Mas parece que
em casa della acharam provas.
- Provas ? repetio L-So espantado.
Sim, senhor, provas do rime. Entao
a justica, qua tinha viudo dar urna busca,
levou a pobre raulher, ha j alguns dias.
Horneas da le mandaram fechar a loja ira-
inedia'amente e le varara as llaves.
M .8 a filha ? a filha da Sra. Ange-
la ? perguntou Leao em voz sibilante, por-
que a o.uoyS'.i apertava-lbe a garganta e o
sttffocava.
- Puzeram-n'a na ra, senhor 1 Enxo-
tarara a da sua casa !
O tno90 sontio um calafrio.
Enxotaram-a da sua casa! gagu-jou
elle. Mas ella estava doeate.
Tambara nao houve no bairro quam
nao bradasse contra esses homens da lei.
Accuaavam-os da crualdade. Entretanto,
p.reoe que a lei assim o exige e que urna
cas* de nervanaria no pode fijar aberta
quando o don> nao est presente. Ora, o
aposento da Sra Angela s tinha entrada
pela loja, portanto era preciso fechar tu lo.
Mas, emfira, para onde foi a infeliz
mmina? Onde est ella? Pego-lbe que me
responda, minha senhora 1 Nao a curio
sidade que me instiga. Tenho o maior in-
o que lhe supplico que
teresse em saber
me diga.
A menina Emma Rosa foi recolhida,
meu senhor, pela velha criada da mal....
urna creatura digna e honesta, que esteve
muito tempo ao servijo da Sra. Angela.
Sem duvida em casa desta que o senhor
ha de encontral-a.
- Onde mora essa boa mulher ?
Muito perto daqui, na casa ao lado...
no numero 108.
O seu nomo?
Catharina.
Oh I obrigado, minha senhora, obri-
gado 1 Acaba de preatar-me um servigo
i m menso I exclamou Leao Leroyer ; de-
pois accrescentou, dirigindo-se a Renato
Dharville : Venha, meu amigo, quero ver
a menina Erama Rosa. Quero vel-a som
perda de um minuto...
E arrastou o mogo, um pouco menos
commovido, mas to impressionado como
elle pela noticia que tinham obtido.
Nesse mesmo dia, s tres horas, Catha-
rina, voltando do seu trabalho, ficou pro-
fundamente admirada de nao encontrar
mais na sua mansarda a filha de Angela
Bernier.
Essa adrairacSo, porm, nao durou muito.
Catharina disse de si para si que teriam
vin.10 de novo procurar a menina para le
val a ao Palacio da Justiga, por ordem do
juiz de instruegao.
' Entretanto urna cousa obstava a que ella
se tranquillisasse completamente.
Nao podia explicar porque a chave da
porta ficou na fechadura.
Por que foi que Erama Rosa quando sa-
hio -nao deixou a chave no quarto da por-
teira, pravenindo que ia ausentar se T
Catharina desceu para perguntar por-
teira.
Esta respondeu que nao sraente a me-
nina nao tinha entrado no seu quarto, mas
que a nao tinha visto sabir,
A velha criada sentio que a sua pertur-
bayo e a sua inquietacao voltavam.
Perguntou aoa vizinhos, interrogou os
legistas da viziohanga.
Ninguem sabia de nada.
S o vendedor de castmhas em frente
vio parar ura carro amar ello em trente
porta do numero 108 e urna menina entrar
nelle.
Essa particularidade tranquillisou nova-
mente a Catharina, fazendo-a crer que a
primeira supposigau era veriadeira.
por conta propria, mas em nome do go-
verno, porque o nobre ministro do impe-
rio pedio-lhe que apresentasse o projecto
que vai mandar mesa. Tendo sido en-
carregado de organisar esse projecto, acei-
tou a tarefa com o maior prazer, dande
assim ao ministerio urna prova do seu sin-
cero apoio.
Tomou por base o parecer da commis-
sio nomeada pelo nobre ministro, modifi-
cando algumas clausulas. O trabalho da
coramissao tem ainda o mereciraento de
ter sido presidido pelo Ilustre estadista
que o paiz ainda prantsia o Sr. Viscon-
de de Bom Retiro.
O projecto nao abrange a reforma com-
pleta do ensinr, trata bmente do ensino
primario e secundario. Sobre o ensine
superior talvez o nobre ministro ainda te-
nha de apresentar um projecto.
Limita-8e o projecto a apresentar as ba-
ses para a reorganisagao do ensino prima-
rio e secundario, para o desenvolvimento
da instruegao publica as provincias e a
elevagao do ensino secundario em todo
imperio.
Sobre estas pontos faz o orador algu-
mas consideragSes para mostrar a conve
niencia da adopyo do projecto.
(Por ser extenso nao nos posaivel dar
hoje o projecto que teve primeira leitura
ficando sobre a mesa para ter segunda lei-
tura na seguinte sesso.)
ORDEM DO DIA
DECRETO DO MINISTERIO DA MARINHA
Continua a 3.a discussao do projecto
abrindo uui crdito de 39:7905010 ao mi-
nisterio da marinha para despezas das ver-
bas Corpo da Armada e classes anne-
xas e Munig3--8 Navaes- no exerci-
cio de 1884-1885.
Ninguem pedindo a palavra encerrada
a discussao.
Posto a votos o projecto approvado e
remettido commisso de redacgSo.
DECRETO AO MINISTERIO DA AGRICULTITRA
Continua a 3. discussao do projecte
abrindo um crdito de 125:0005 ao minis-
terio do imperio para obras do mata loare
de Santa Cruz. (Continba)
Com certeza Emma Rosa tinha s ihide
de casa com os agentes enviados pelas au-
toridades para leval a de carro, como da
primeirra vez.
A menina no tardar a voltar, disse
ella de si para si.
E coraegou a preparar o jantar.
Deram quatro horas, depois quatre e
roeia e depois cinco.
Havia muito tinha anoitecido e a menina
nao voltava.
Quando onvio o tyrapano do relogio soar
cinco vezas, Catharina foi tomada de um
susto, que em vo esforgou-se por bani.
Por que nlo traziam Emma Rosa?
Teria ella ficado mais doente no Pala-
cio da Justica.
Teriam a levado para o hospital ?
Teriam a prendido, como j o haviar
feito com a mai, innocente como ella ?
Catharina fazia a si mesma estas per-
guntas e naturalmente nlo as podia res-
ponder.
Nao sabia que pensar ; as suas angus-
tias redobravam de intensidade medida
que o tempo corra.
De repente esUeraeceu.
Tinham batido porta.
c Eil-a, afiual! pansou a pobre criada,
alliviada do um peso immenso.
Correu a abrir.
Dous desconhecidos, Leo Leroyer e Re-
nato Dharville esta vara porta.
Ella recuou com a mesma rapidez ees
quo tinha avangado.
Esses mogos, sem duvida, tinham se en-
gaado.
Leao curapriraentou a boa mulher e per-
guntou lhe :
E' a senhora que se chama a Sra.
Catharina ?
Sim, senhor.
Foi a senhora, por consequencia,
quem teve a humanidade de dar aaylo
menina E nraa Rosa, filha da Sra. Angela
Bernier ? .
Fazendo isso, s cumpri o meu do-
ver, senhor, porque essa querida menina
n3o tinha seno eu no mundo para velar
por ella e para amala. Tambam Deas
sabe que eu a amo de todo o coragao.
(Continuar te-ha.)
<.
Typ. do Diario roa Duque de Caxiaa a. 4i.
bmBbI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMBHO6P1E_HCKPUT INGEST_TIME 2014-05-19T19:59:15Z PACKAGE AA00011611_19055
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES