Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19003


This item is only available as the following downloads:


Full Text

J l


AMO- LU MMERO U
PARA X CAPITAL C LK.1HLH 0\DK *AO SE PACA PORTE
Por tres mozos adiantados
Por seis ditos ideu:.....
Por um auno idtn......
Cada numero avulso, do mesmo da.
6,1000
120000
240000
(5100
001 1 HABQO DE 1886
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por aiia mezes adiantados. ..
Por nove ditos idem......
Por um anuo dem......
Cada numero avulso, de das anteriores.
13*500
20*000
27*000
*W0
DIARIO DE PERNAMBUGO
Ptofxvtobt >e Jttanoel Jigatixfa >e Jara 4 Jtlljo*
TELEGRAMMAS




;
4
!
i
mVIgO DA KJCU 2A7A3
(Especial par o Diario)
ROMA, 5 de Marco, tarde.
A Cantara do Deputado. apa a
di adoptou por tt contra 991 vol
ama inocuo d% ronflanca ao minlt-
nisteiio.
ROMA, 6 de Mar?o, de manba.
A Cmara do Depaiado volou
o orcamenlo para o exercicio pr-
ximo.
MADRID, 6 de Mareo.
Acaba de er celebrado o casa-
mento da Inranta D. Eulalia. Irma
do Uado rei i. Alfonso.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
6 de Marco de 1886.
sapplente, o ezercicio ds subielecaca do districto
da Boa Viagem.
Deus guarde aV. Eso.IIIm. e Ezm.
Sr. conselheiro Jos Fernandos da Costa
Pereira Jnior, muito digno presidente da
provincia. O chafe de poliria, ^fdonio
Domingos Pinto.
INSTRCCIO POPULAR
economa poltica
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(Continatelo)
CAPITULO I
Xoc*e preliminares
Pbopbiedade A posse o o'goso exclusivo de urna
riqueza qualquer (j natural, j produzida) con-
atitue o direito de propriedade, reconhecido e ga-
rantido pelas leia eociaea, e tanto melhor garanti-
do e protegido, quanto mais allantado o estado
de civilisaco. O direito de propriedade o ali-
cerce do edificio social, e um dos principios fun-
damentaes da economa poltica. Tem a sua ori-
gem no interesase individdunl, isto neste instin
cU nativo, que resalta da consciencia da necessi.
dade, instineto que preside conservaco do in-
dividuo e da sua familia e que, mautido pela jus-
ticia (respeito pelo direito do outroe), o univer-
sal motor do genero humano e forma, pela sna
multipcidade, o interesse ^cral 0u social, sem
que esquejamos que outros motivos, mais nobres
anda, para as ac?5es do homem, como sio a con-
sciencia do dever, a amizade, a compaixao, etc.
que n'ura grande numero de csos domnam o in-
teresse. .
LibebdadeA necessidade e o interesse indivi-
dual sao os iacitadores do osforco dotrabaiho da in-
vencao, da previdencia, da economa individual e
da propriedade. Sem elles esmorece ou extngua-
se a act/i fad i do individuo ; a civilzaco e e
vida social eetacionam ou retrogradam. Sio, em-
fim elles o principio motor do desenvolvimento
econmico.
A lei d'este desenvolvimento est na liberdade
do homem, no seu livre arbiti io, sto no livre
desenvolvimento da sua activdade, na responsa-
bilidade, na escolha dos actos conforme as pres-
cripcoes da razo. Nao pode existir liberdade
sem responsabilidade ; e a responsabilidade in-
justa ni) havendo liberdade.
(Contina)
MKE FFICUL
Governo ia Provincia
DESPA'JHOS DA PUESIDENCIA DO DA 5 DE
KABQu DE 1886
Francisco Capituli io dos Santos.-Relevo a
mu a imposta ao recorrente pela collectoria geral
de Caruj.i.
Florentino Sunes ae Mello Informe o Sr. en
genheiro chef da Repartico da> Obras Pu-
blicas.
Joao Dominaos da Silva Pinto de Almeida
Gumaraes.Sim, mediante recibo.
Coronel Jos Thomaz Goncalves.ifeja con-
certada.
Mara Adelaide de Carvalho.Informe o Sr.
inspector geral da Instruccao Publica.
Maria Leopoldina Pedroza.Informe o Sr. di-
rector do Arsenal de Guerra.
Bacbarel Pedro da Cunba Pedroza.- Juitiflco
as faltas. Depois de notado na secc') do archivo
da secretaria da governo, envie-se este requer -
ment ao St. inspector da Thesouraria de Fazenda
para os fins convenientes.
Podro Jos Barbosa.Deferido com officio de
boje ao Sr. brgadeiro cominandunte das armas.
Secretaria da presidencia de Pernambu-
co, e.n 6 de Marco de 1886.
O porU-iro,
J. L. Viegas.
eaeeo
Repartico da Polica
Scelo 2.a N. 235.Secretaria' de Po-
licia de Pernambuco, 6 de Margo de 1886.
Blm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
que foratn hontem recolhidos na Casa de
DetencJo os segables individuos:
A' ordem do Dr. delegado do 1 districto da ca-
pital, Joo Nepomnceao Alves, por embriaguez.
A' ordem do do 1 districto da Boa Vista, Ma-
ria Thoodora da Pas, por crime de ferimentoa; e
Samuel Joaqnim Vanna, por disturbios.
A' ordem do do 2 districto da Graca, Manoel
Procopio Bandcirs, por crime de furto.
A' ordem do do Arraial, Jos Joaquim do San-
t'Anna, por disturbios.
Pelo delegado do termo de Pao d'Albo foi
remettido ao juizo competente o inquerito policial
a que proceden contra Joao Francisco Barbosa
como incurso as penas do art. 257 do cdigo cri-
minal.
AsBumio hontem o ex reicio do cargo de de-
legado do termo de Jaboato, na qualidade de 3
supplente, o capillo Joo Francisco Hemsterio
Portella.
Tambem ante-hontem sesumio o cidadao Li
banio Presidio de Carvalho, na quslidabs de 3*
Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DIA 6 DE HARCO
Manoel Fernandos Velloso, officio do
commandaute do corpo de polica, Manoel
Ferreira e officio do engenheiro chafa da
Repartilo das Obras Publicas.Informe
o Sr. contador.
Idalina dos Sautos L?al.Ragistre-se e
fajara se os asseQtamen'.os.
Manoel Figueirda de Faria & Filaos.
Ao contencioso para cumprir a ordem ra-
fia.
Antonio Muniz Gomes. -Ao Oonsulalo
para attender.
Dr. procurad ir dos feitos. Informe o
Sr. contador.
Coatas da procuradoria dos feitos.
Examnese.
Ponto do Consulado. Ao Sr. pagador
pa ra os devidos fins.
Dr procurador dos feitos. Entrege-
se a quantia de 1:000$ para occorrer as
desposas judiciaes.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO'DIA 6 DE MARCO
Francisco Xavier da Lima, Manoel do
Nascmento S. Bastos, Magalbaes & Mot
ta, JoSo Be zarra & C, Maia e Silva d
C, e Nuesch & C.Sim.
Bernardino Duarte Campos.-Deferido,
de accordo com a informacSo.
Viuva Magalbaes. Iodeferido, em vista
da informacSo.
Irmandade de Nosaa Sonhora da Boa-
Viagen. Deferido, com relaco ao 1* se-
mestre.
Pinto & C. A' 1" seccSo para os devi-
dos fins.
Q. Liport & C.Cumpra-se.
Jos Antonio da Costa e S, D. Anuun-
ciada C. Chaves da Silva e Juvencio Bar-
roso de Mello.-Informe a 1* seccSo.
Prente Vanna & C, o mesmo e Luiz
Antonio de Siqueira.Informe a 2' sec-
cao
Machado & Pereira. A' 2* secgSo.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Reirospecto poltico do anoo
de 18S5
ITALIA E SUISSA
Continuatfo)
0 rei Humberto tinna effectivamcute de optar
entre a dissolugo da cmara e a permanencia
do Sr. Depretis no poder.
Fra do grupo transformista de que chefe e
alma csse veterano das lucias partidarias, seria
diflicil, se no impossivel, encontrar na actual
pnmeira casa do parlamento italiano elementos
de suficiente maioria ministerial. A direita nao
poderia governar sem alijados, e a pentarchia
muito fraca pelo numero para que Ihe seja dado
inaugurar urna situaco exclusivamente sua. Da-
va-se mais que de nova consulta ao paiz lalves
nao salssem modificados os termos do problema
parlamentar. Os eleitores bem podenam ter
sanecionado com os seus votos a composigo da
cmara, tal como ella era, e anda .
Continuou, por consequencia, o governo do Sr.
Depretis, o homem uecessarlo, o arbitro da poli-
tica transalpina, depois que a idade Ihe modifi-
co, o temperamento partidario e o levou a aban-
donar a esquerda, conquistando-1 he a confianca
da cora.
Alijada, portanto, a nao governaraental do peso
do Sr. Mancini, continuou no eme o mesmo pi-
loto, auxiliado pela mesma tripolagao, menos o
ministro dajusticu, o Sr. Pessina, que foi substi-
tuido pelo deputado Tajani. Este resultado da
cnse de junho nao foi de eerto exactamente con-
Ibrme ao principio da solidaricdade ministerial,
pouco antes apregoado. Mas salus populi suprema
tex ext, e sera duvida o digno presidente do con-
selho s continuou na sua espinliosa imsso por
sacrificio patritico.
Realmente, o peso dos annos, e o mo estado
de saude nao Ihe pennitliam talvez mais reunir
ao cargo de primeir mimstro e secretario dos
negocios do reino, a interinidade da pasta dos
estrangeiros, cuja responsabilidade assumio por
no adiar convenieote dar desde logo substituto
ao collcga demissionario.
Aproveitando as ferias do parlamento, o Sr.
Depretis abandonou o doentio clima de Roma,
para ir passar os dias caniculares na Lombardia.
As follias opposicionistas censuraram-llie acre-
mente a resolugao, porquediziam ellas, nao era
do fundo da sua vivenda de Stradella que o ve-
Iho e achacado ministro poderia dirigir a poltica
geral de urna grande naco. E ento os nteres-
res diplomticos da Italia ? Esses accrescen-
tavam as taes folhasdevem ir por agua abaixo,
longe como est o presidente do conselho do pa-
lacio da Consulta, onde uem ao menos deixou um
secretario geral completamente idneo.
E para darem razo sua crttica, lamentavan
que o Sr. Depretis nao estivesse na capital para
prestar sena attengao a um incidente, sem valor,
diga-se a verdade, mas cuja gravidade proposi-
talmente encareciam. Tratava-se de um embargo,
para garanta de divida, feito cin Marselha n'ura
dos vapores de certa compaahia italiana de na-
vegaco. Pois s por isso quera a imprensa da
opposigao a presenca real e perfeita do Sr. De-
pretis na corte da moaarchia!
Eai todo o caso, era preciso que o excessiva -
mente sobrecarregado pnmeiro ministro procu-
rasse alguem que o alliviassc um pouco do peso
que os repetidos ataques d rheumatismo e o
cansago proprio da idade no permittiam que
supportasse s. Esse alguem encontrou-si^ ali-
nal. Foi ao conde de Robilant que coube a he-
ranga do Sr. Mancini. Parece que o subtituto
do professor napolitano nao podia ter,sido mais
idneo. O dito conde pelo que se disse ao
terapo de sua nomeacao, homem competentsi-
mo cm negocios diplomticos. O Sr. Depretis
grangeou, pois, um collega disliucto e que, de
mais a mais, gosa da inteira confianza das cortes
de Vinna c Berln. Referc-se at que o chefe
do gabinete italiano nao foi. oompletaraante livre
na sua escolha, porque esta Ihe havia sido indi-
cada, de modo nsito discreto, sem duvida, mas
nem por isso menos preciso pelos desej'os daquel-
las cortes, para as quaes o conde de Robilant j
persona gratsima, visto que foi um dos que mais
concorrerar para estreitar os lagos de araisade
entre a joven monarclua e os dous grandes impe-
rios da Europa central.
Se o boato verdadeiro, o governo de Roma
conheceu anda urna vez que a allanga austro-
allem o sujeita a obrigages imperiosas, e nao
absolutamente bilateraes, porquanto nao se pode
conceber que a Consulta tenha, em terapo algum,
de intervir com as suas modestas indicages para
a escolha dos successores liwwlimm do conde
Kalnoky ou do principe de Bismarck.
Parlaraentarmente que a entrada do conde
de Robilant para o ministerio nao podia ser bem
acollada. Procurando um collega entre os niem-
bros do corpo diplomtico, e fra do recinto le-
gislativo, burlara o Sr. Depretis umitas ambiges
pessoaes, que Ihe nao perdoaro nunca a decep-
gao que softrerara. O centro direito, eixo da
maioria transformista, e que, depois daevolugao
do presidente do conselho, cada vez mais se dis-
tancia da esquerda propriamente dita, o ce ntro
direito, dizemos, esperava obter para um dos seus
a pasta a que o orgao mais competente desse
grupoa Rassegna preslava, havia muito. espe-
cialissima attengao. A direita, por sua vez, nao
parecia ter abdicado a pretengao a una es pecie
de privilegio que faria do partido dos Srs. Vis-
conti-Venosta e Minghetti o viveiro natural dos
chefes da diplomacia italiana. A esquerda, fi-
nalmente, apesar dos constantes ataques que di-
rigir contra a poltica do Sr. Mancini, nao podia
vel-o sem amargura substituido por um conser-
vador de origem ; porque, bem ajustadas as con-
tas, o ex-ministro dos estrangeiros era um dos
representantes do espirito, tendencias c program-
ma de governo do proprio grupo que tanto o hos-
tilisara.
.No obstante esses descontentamentos, o Sr.
Depretis affrontou heroicamente as lutas parla-
mentares do fim do anno. A opposigao, a que,
porque tem cinco chefes, se d o nome de pen-
tarchia, mostrou as sesses de Dezembro ardor
e vivacjdade verdadeiramente extraordinaria em
face das successivas victorias do governo, vi-
ctorias que eram para desanimal-a, por darem a
conheccr a inutilidade dos seus esforgos.
Um dos assumptos discutidos n'essas sesses
era importantissimo e do mais alto interesse para
os habitantes de certas regios da monarchia ita-
liana. Paocurava-3e estabelecer no paiz a per-
feita equago territorial e o cadastro, o que con-
stitua urna queslo de vida e morte, digamos
assim, para a produego agrcola, demasiado tri-
butada em algumas provincias.
A Italia, posto que unificada sob o sceptro da
casa de Saboia, diz um escriptor, aprsenla aioda
hoje em sua organisago fioanceira c administra-
tiva contradieges que sao heranga do seu passa-
do de fragmentago poltica. Em algumas pro-
vincias do norte e do centro, sobretudo. o cadas-
tro foi regularmente feito pelos governos locaes :
os conlribuintes pagam nessas provincias eleva-
vado imposto territorial, emquanlo em outras,
as do sul com especialidade, onde existe apenas
um simulacro de cadastro, as contribuiges desse
genero sao irrisoriamente insignificantes.
A completa uniformidade nessa materia con-
stitue urna das desiderata da agricultura, anda
nos proprios paizes onde os servigos cadastraes
se realisaram sob o rgimen da cenlralisago.
Os agricultores italianos prejudicados cora a falta
dessa uniformidade, tinham, sem duvida, anda
maior direito para exigil-a como medida de pri-
meira ordem.
Convenceu-se o Sr. Depretis dessa necessidade,
e isto bastou para que propozesse ao corpo le-
gislativo do reino o meio de satisfazel-a. Mu> Be
o projecto nesse sentido apresentado pelo minis-
terio asserubla de Monte Citorio agradara in-
mensamente aos deputados das provincias preju-
dicadas pela desigualdade de contribuigo, os
que representavam as provincias favorecidas,
comquanto nao ousassem oppr-se directamente
a adopgo d'elle, procuravain todava retrdala
e burlal-a, ao menos em parte.
Os debates agitaram-se neste ponto:
Convinha igualar o sobredito imposto em todo
o territorio nacional, augmentando, ou diminuin-
do a respectiva verba de receita do estado ; isto
, elevando a quota dos conlribuintes menos so-
brecarregado s, ou abaixando a dos que o eram
mais?
Os Srs. Depretis e Maglioni tomaram inflexi-
velmentc a defeza dos interesses da fazenda pu-
blica. Segundo elles, era exclusivamente em
beneficio do thesouro que a retoma se devia ef-
ferluar.
Os pentarcho8, posto que nao muito harmoni-
sados no campo das questes econmicas, move-
ran crua guerra ao projecto ministerial. Nao
deixou de ser interessante ver os Srs. Baccarini,
Cnspi, Cairoli, Nicotera e Zanardelli combinarem
esforgos, discursos e votos contra urna reforma
trazida onlem dodiapor iniciativa dealguus i criminaco das receitas e da deduccao d'aquella
desses li"nos deputados. importancia total da renda ordinaria, consttue no
, entretanto recursos c'o anno e tem iipplicacSo s
Tnuniphu. comtudo, a proposta .ministerial, desposas decretadas.
A cmara approvou-a por 2T3 votos contra 168. As receitas componentes daquella somma dedu-
Esse resultado foi extremamente animador para zida individuam-se por sua procedencia da forma
o gabinete. At quando poder o experimenta- | ^^ imposto de n % ad.
do e hbil piemontez resistir aes assaltos repe
lidos e sempre ardentes de seus adversarios f
Tudo para elle nesse ponto depende da disci-
plina de meioria tantojnais diflicil de sustentar,
quanlo .se compe de elementos, cuja uniao
pode ser de um momento para o outro sacri-
ficada as ambiges < despetos pessoaes.
Os progressos do alcoolismo, qe esjo preoc-
cupando a maior parte dos governos europeos,
tambera mereceram em 1883 esmerada attengao
por parte do conselho nacional helvtico e o
levarara a consagrar algumas de suas sesses a
esse gravissimo assuinplo. Solicitado pelas c-
maras para empregar providencias 'ainentes
a restringir o crescente e eicessivo consumo das
bebidas ezperituosas no paiz, inandou antes de
tudo esse couselho proceder a minucioso estudo
de tal materia, o que efectivamente se fez, sendo
as rentados desse profundo exame consignados
em volumoso relatorio.
Segundo dados estatislicas colhidos nesse tra-
balho, o gasto da agurdente raas extenso na
Suissa queem qualquer dos outros estados occi-
dentaes, com excepgo dos Paizes-Baixos e da
Dinamarca. Os dous c meio milhes de habi-
tantes da confederag5o c.onsoraem annualmente
nada menos de viute e sete milhes de litros
d cssa bebida!
Sao couhecidas, demasiado conhecidas, infe-
lizmente, as funestas consequencias do uso inmo-
derado do alcool. Os auctores do relatorio adir-
maram que as ragas dageneram a olhos vistos na
Suissa e que augmenta constantemente o niTmero
de homens incapaies do servigo militar. Sobre
100 alienados suissos, disseram ainda, ii sao
levados a esse estado p'jlo abuso de bebida- es-
pirituosas ; de 100 criminosos lo sao dados ao
vicio da embriaguez. O mesmo victo produz na
confederagSo a media de 234 bitos annuaes o a
maior parte dos seis centos suicidios que all se
verificam com mais ou menos regularidade no
mes mo lapso de tempo,
Era vista do inquerito reconheceu o conselho
federal, e no podia ter sido de outro modo, que
o augmento do numero das tabernas era effeito e
no causa do desenvolvimento do consumo da-
quellas bebidas. As condiges econo micas do
pai sSo a verdadeira razao desse facto lamen-
ta vel. A agurdente tornou-se na Suissa parte
integrante da alimentago das classes desfa-
vorecidas da fortuna. O operario e lavrador
tanto a bebem na primeira taxa que se lhes de-
para, como no seio do lar domestico, onde a
abundancia nao grande, principalmente dejiois
que os gneros alimenticios subiram de prego.
Como devem ser remediados t.o instes males 1
Entendeu o conselho federal que, antes de tudo,
a iniciativa particular que cabe a mais gloriosa
part c nessa humanitaria tarefa, j creando e
m ulplicando as sociedades de consumo, afim
deque as classes trabalhad oras tenham alimen-
tago sadia e barata; j propagando as asso-
ciages de temperanga, as cozinhas po pulares,
etc. Entretanto, de accordo com a commissao
do conselho nacional, elaborou nesse sentido um
projeefo que foi approvado por grande maioria.
O projecto alargava as attribuiges dos go-
vernos dos cantes para reprimirem por diversos
modos, e na medida do possivel, a paralisago
da enfermidade social que a todos preoecupa pro-
fundamente.
Algumas folhas allemes tinham em diversas
occasies protestado contra o asylo que os revo-
lucionarios c anarchistas de tofias as origens en-
con t ravam no territorio da Suissa, Alm disso
alguns crimes notaveis commettidos nesse paiz e
os esclarecimentos colhidos nos respectivos pro-
cessos indica vara que nao eram destituidos de
fundamento as queixas daquellas folhas. Mas
nao era tudo. Pessoas importantes d'entrc o
funecionalismo suisso receberam carias em que se
lhes affirmava queo palacio federal voaria dentro
em pouco pelos ares a forga de dynami te, Isto
agitou muito a opiniio publica em Berne, eo
conselho federal, para satisfaiel-a, mandou pro-
ceder a rigoros oinquerito de que foi encarregado
o Sr. Eduardo Muller. procurador geral da con-
federago.
O relatorio do Sr. Muller foi publicado em
Agosto. Desse trabalho se deduz que o anar-
chismo tem fracas raizes na Suissa, principal-
menle entre os indim e qu e i operarios hel-
vticos alectos s opinies socialistas oecupam-
s em defender os interesses do proletariado de
preferencia pelos uu-ios legaes. O ceutro da or-
ganisago revolucionaria nesse paiz urna asso-
eiagio internacional denommada Arbeiterbund 6
na sua maior parte coraposta de allemes.
(Continua )
dicional, de applicacao aos
estabeleeimentos a cargo da
Santa C isa de Misericordia
Supprimento a Caiza do exerci-
cio de 188485 por omisso
de apolices de 5 "L nos ter-
mos do art. 37 da lei n. 1810
combinado com o art. 10 da
mesma lei.
dem, idem, por rmisso de apo-
lices de 7 % nos termos do
a-t. 9 da le n. 1860.
Producto de renda de algumas
collectorias no exeroiclo ante-
rior e liquidadas no subse-
quente de 1881 85
Restituicoes e reposicoes
92.683*668
7.000*000
1,233.100*000
7.845*759
16.6631533
1,357.282*980
Isto posto, oreada a receita'ordinaria do excrci-
cio fioanceii-o de 188485 em 2,346.457*954, de-
dazidos 20.129^576. em que foi computada a re-
ceita eventual com referencia as suas subdiv>soes
de restituicoes e reposicoes,* consequente que
entre o calculado e o real isado dase urna diffe-
renca para menos n'este na importancia de......
174.614*960 ; o que corresponde a um decresci-
mento na razo 7,442 /,.
E anda comparando-se a arrecadacao da renda
propriamente ordinaria do exercicio de 1883 84,
na importancia de 2,561.857*248, deduzidas as
restituicoes e reposicoes com a do posterior na de
2,171 842(894, verifica se neste urna diminuico
de 390.014*254, equivalente a 15,224 %.
As fontes de que procede a arrecadacao reali-
sada sob a re cao de renda propriame ite ordina-
ria no exercicio de 188485 representara-se as
seguintes verbas da lei do ornamento respecti-
vo :
Direitos de exportacao 682.846*52tt
Imposto de consumo 187.827*338
Imposto sobre transmiseoes de
propriedades 246.810*010
Imposto sobre industrias e pro-
fissoes 1 299.246*874
Impostes laucados 353.841*949
Impostos nao Uncidos 65.397*410
Renda e venda dos proprios pro-
vincaes^ 200*000
Contribuice de Empresas e de
empregados provinciaes
Multas
Emolumentos
Juros
Divida activa
Bens do evento
Receita eventual
Auxilio do cofre geral
Receita no classificada
109.955*971
32.651*199
26.513*913
1.415*973
153.248*450
667*663
12.169*456
48.893*319
57*470
2.m7842*994
INTERIOR
Flnancas da provincia
(Extractos do Relatorio do Dr. inspector do
Tbtsouro Provincial.)
OPERACO DE BECEIT1 DO ANNO DE 1884 85.
Renda ordinaria
Do estudo lo inovimento econmico na constan -
ca do exercicio fiuancciro de 18S485, recinhece-
se que o producto de receiU era rclaeSo a renda or-
dinaria cliegou a somma de 3,529.125*974; a
qual, nao obstante ser o algarism) de toda arre
cadaco do exercicio sob aquellu titulo, nao expri-
me todava um produelo exclusivo de fontrs d-i
renda propra do anno por incluirem se no mesmo
xlgarismo algumas receitas que por extranhas de-
vem ser deduzidas, afim de frisar a importancia
exacta da receita propriamente ordinaria.
Procedida, pois, a ebminaoao dessai receitas,
verifica-se ficar representada em 2,471.842|994 a
renda ordinaria do exercicio.
A quantia de 1,357.282J980. procedente da des-
O decrescimento da renda revelado na sua ar-
recadacao interessa infelizmente' a todas as fontes
principaes de produccao da mesma renda.
Senda addicitmal decima urbana
No anno financeiro prximamente findo de....
188485 a receita addicional decima urbana,
decretada pela lei n. 769, chegou a importancia
de 288.006*006.
Este resultado te ve a seguinte procedencia :
Saldo do anno anterior 20.-682J04
Renda arrecadada 267:323*902
288:106*006
OPBBACES DE DESPEZA DO AUNO DE 1884----85
Deapexa ordinaria
Pelo bataneo da despeza executada no exercicio
financeiro de 188485 verifica-se ter chegado a
sua importancia total a 6.525:271*103, inclusive
a quantia de 309:278*718, valor de despexas nao
cogitadas no orcamento, bem que sejam de na-
tureza ordinaria.
Este valor tem a seguinte procedencia :
Despeza ordinaria 213:141*677
Resttuicae de despesas feitas no
exercicio anterior por collecto-
rias, cujas comas foram liquida-
das no de 188485 4:493*3%
Applicacao especial do producto
do imptsto addicional de 5 /. 94:644*635
309:279*718
A despesa, portanto, de que cogitaram as dis-
posicoes ornamentarias, fot executada na quantia
de 3,295:98.*385 pelos ttulos seguintes :
Assembla Provincial 134:835*081
Secretaria da Presidencia 78:330*667
Instruccao publica 849:444*012
Auxilio industrial 28:000*000
Obras Publicas 182:243*1-3
Seguranca publica 688:944*325
Illuminacao publica 195:629*886
Soccorros de beneficencia 127:360J001
Anecadaco e fiscalisacao das
rendas 316:779*734
Pessoal inactivo 121:425*729
Divida provincial 468:781*308
Culto publico 6:408*686
Publicaces e impressoes 19.884*486
Saade publica 7:153*752
Eventuaes 4:497*363
Restituicoes 5:963*032
3.215:981*385
A despeza extraordinaria, executada na somma
total de 213:441*67?V procedeu da subvencao ao
Instituito Archeologico nos termos do art. tO da
lei n. 1810; do dispendio com a imprcsslo de p-
lices mandadas emittir pela lei n. 1860 ; d) paga-
mento empreza da illuminacao deata cidade por
servicos no anuo anterior ; de pagamento da re-
constrnecao da ponte sobre o rio Ararpe do Meio,
e do pagamento Companhia Brasilian Street
Bcway em auxilio construecoda ponte do por-
to do Lasserre e dos passeios lateraes da ponte da
raa do Sol da A-.i ora.
E pois comparada a despeza realizada na meii
donada importancia de 3.215:931$3S5 com a de-
cretada nade 3 375:164*554 e finalmente com a
oreada na de 3.178:349*873, liquiJ i se c >m refe-
rencia esta um aa emento de 7:*i31*512, e com
relacao aquella um decrescimento de 159:183*169.
E tendo sido a receitarealisada de3.529:125*975
e a despeza executada e satisfeita de.........
3:525:261*103, fecharam-se as operacoes do exer-
cicio com o saldo de 3:864*871 a recolher por
alguns collectores.
Differentes verbas da despeza decretada na le
n. 1,810 em razao da insuficiencia da consigna-
cao, foram accrescidas em datas diversas por cr-
ditos supplemenUres; os quaes son maram na im-
portancia de l 4:298*634, sendo que desta semen-
t foi despendida a quantia de 84:20**LM.
Deapexa addicional dcima urbana
No anno financeiro de 1884-85 a despeza addi-
ci .al 4 decima urbana sobio a importancia de
268:553*501. .
Esta despeza realisou-se pelos seguintes ttulos:
Pagamento a Re*ife Draiaage.Com-
pany, servico prestados 267.985*238
Restituicoes contribuintes, por pa-
gamentos indevidos 568*263
* 268M#701
Da comparacao da receita com a despeza resul-
ta por tanto, um saldo da quantia de 18:452*505
Operagdes da caixa de deposilot
O inovimento de entrada dessa caixa chegou no
correr do anno financeiro de 1884-85 ao total de
817:186*888.* Desta importancia a quantia de
497:615*584 refere-se depsitos propriamente
ditos, e a de 319:565*404 caucoes.
Os depsitos conshtem em lettras no valor de
76:581*364, em dnheiro no de 231:090*120, em
apolices geraes no de 189:900*, em apolices pro-
vinciaes no de 3:000*000, e em objectos no de
44* .00J; e as caucoes em apolices geraes e ttulos
provinciaes na de 178:700*000, em acoses de cem-
panhias na de 80:839*000, e em dnheiro final-
mente na de 2:626*404
Da receita cima indicada faz parte a quaatia
de 358:719*064, correspondente aos saldos que
passiram do exercicio anterior ; da qual a de
104:953*660 pertence depesitos, subdvidida em
44:579*070 de letras, en 57:330*490 de numera-
rio, eem 44*100 de valor de objectos ; e a de
253:765*404 caucoes' constantes de apo'.ices ge-
raes na importancia de 57:400*000, de idnticos
ttulos provinciaes na de 138:900*000, de.accoes
de companbias na de 54:839*000 e de moeda cor-
rente na de 2:6265404.
Do exposto resulta que no periodo financeiro de
que trato, a receita propria foi de 458:061*924,
sendo na parte referente a depsitos de........
392:661 $924, e naqnella correspondente cau-
coes de 65:800*000.
A primeira parte da procedencia da menciona,
da receita compoz-so de letras na import uicia de
32:002*294, de dnheiro na de 173:759*630, e de
apolices provinciaes nade 186:900*000; e a se-
gunda parte constou de apolices provinciaes no
valor de 39:600JOOO, e de accoes de oompanhias no
de 26:000*000.
A despeza que no mesmo periodo executou-se
pela referida caixa montn quantia de........
256:5545385, comprehendendo este algarismo de-
psitos no valor de 199:754*383 e caucoes no de
56:80^*000.
Os depsitos levantados realisaram-se em letras
na quantia de 32:702*814, em apolices provin-
ciaes na de 4:0005000, e em dnheiro na de
163:051*571; e as caucoes que foram desobriga-
das, consiatiram em apolices geraes na importan-
cia de 3:400*000, em apolices provinciaes na de
46:500*000, em accoes de companhas na de
4:300*000 e em dnheiro na de 400*000.
Do balanco definitivo da referida caixa, pdis,
verificou se o saldo de 560:626*603, procedente
de depsitos em 297:861*199 e de caucoes em
262:765*404
A parte do saldo em deposito representa-se em
letras na quantia de 43:878*550, em apolices pro-
vio iaes na de 183:900*000, em valor de objectos
na de 44*100, e em dnheiro na de 680:0380549 ;
e a outra em cauques cotnpoe se de apolices ge-
raes na importancia de 52:609*000, de apolices
provinciaes na de 132:200*000, de accoes de com-
panbias na de 76:339*000, e de moeda correte
na de 2:226*404.
O saldo dos depsitos indicado em numerario
subira a 168:415*409, si ao crdito da caixa nao
fosse levada a quantia de 100:406*860, de que Ihe
devedora a da receita geral do exercicio de 18^1
1872 por 54:000*000, a de 1678-1879 por
177*060 e a de 18841885 por 46:229$800, em
resultado as duas extremas de importancias de
emprestimos por deficiencia da arrecadacao, e a
intermedia de duplcala de passagem de renda de
colectorias, cujo recolhimento Uvera lugar na cai-
xa de depsitos primitivamente, sendo que da
penltima e ultima edices deu-se a' competente
indemnisaco e por conta da primeira levou-se a
debito a quantia de 227*658, depois do encerra-
mento das operacoes da caixa no anoo de que me
oceupo.
Reduzido esse debito a 53:772*312, foi liquida-
do e acha-se contemplado no quadro da divida
passiva, cumprindo portanto que seja decretado o
preciso crdito, afim de estar a admimstraco ha-
bilitada a prever qua'quer emergencia
DIVIDA DA PROVINCIA
Sob este ttulo comprehende nao s o que tem
a provincia a haver dos differentes conlribuintes
da renda provincial, como tambem a responsabi-
lidade que Ihe orre por compromissos diversos a
s.-tisfizer.
E' visto, portanto, que abrange este titulo urna
parte activa e outra passiva ; e qualquer estudo
sobre a divida da provincia nao pode prescindir
de guardar easa forma, que por isso observare
na exposicao e desenvolvimeato deste materia,
que prende se s financas da provincia.
Activa
A arrecadacao da divida activa no exercicio de
188485 fechou-se com o total de 269:396*701.
Este resultado assentou nos seguintes ttulos :
Imposicoea geraes
Calcamenio
Addicional decima
Multa annexa as imposices
Addicional aos impostos
Juros
153:248*450
6:121*262
68:197*395
32:751*199
7:662*422
1:415*973
269:396*701
A divida activa liquidada no mencionado exer-
cicio, e incorporada ao quadro da mesma divida,
chegou a importancia de 1.197:142*160.
Esta totalidade formou-se das seguintes pioce-
dencias :
Imposicoea geraes 278:755*041
Calcameuto 7:781*145
Addiciooal decima 870:625*871
Multa annexa as itnpescoes 26:302*351
Addicional aos impostos 13:937*752
1.197:442*160
A divida activa, cuja obranca tem de promo-
ver -se no presente exercicio de 188586 como
parte da receita nelle decretada, representada na
quantia de 2,563:050*811.
Esta somma compoz se em seus elementos da
forma seguinte :
Imposices geraes 1,494:326863
Calcamento 56:588*864
Addicional decima 870:625*87-
Multa annexa s imposices 75:623*6So
Addicional aos impostos 49:268*496
Juros 16:617*034
--------------------
2.563:050*811
A divida activa liquidada at o anno financeire
encerrado de que trato, representava-se na impor-
tancia de 2.436:739*546.
Esta importancia individualisava-se pelas se-
Kintes verbas :
postees geraes 1:368:829*26'>
Calgamento 54:928*981
Addicional decima 869:922*69."
Multa annexa s imposices 82:033*53!
Addicional aos impostos 42:993*166
Juros 18:033*007
2:436:739*540
Sobre o estado desta divida trata detalhadn-
mente no appenso A o Dr. procurador fisca! ;_ e
verifica-se dahi que na sua importancia muito
pesa a parte referente raposicao addicional, sen-
do certo que urna ,a te da divida geral pura-
mente nominal, j pela insolvabilidade dos contri-
buintes, j pela mudanca e falte de vestigios at
dos devedores, carcteristioo este que mais se
acenta no que concerne s dividas constituidas
as collectorias e no que se prende dbitos rela-
tivos exercicio mais remotos.
l>

-



Diario de PernambucoDomingo 7 de Margo 1886







PaSSXVCi
Segundo o bal neo semestral fechado no ultimo
de Dezembro findo, attingio scmaia de.. .....
6.908:970*911 a divida passiva da provincia, in-
eloaive a quantia de 764.000*000 em raaio da
responsabilidade da fazenda pela emissao de ttu-
los de ana divida fundada, por mcio dos quaes fi-
zeram-se varios adiantamentos na mencionada
quantia, que dever opportunamente ser indemm-
sada pelos responsaveis, q le sao : a caixa da.Ra-
die l5rain.ge Caapnny, por 6a^00ft|s>Com-
panha Santa Xtavesja, por MM Kj "r-
Ignacio de Bhm
Cmara Munseips
Pela naturean o
a divida da provin
consolidada e-flattusnte;
Barrete,-^ 1BB10OIO .
dn'TruaelsL, p-:8:0BW0fc
fon em qu.' i corarntuidn,
divdese msliii al mente esa
e por iaao asase a con-
ideral-a sob.asM dona gniaos claaatcacio
oeste trabslho.
Divusa. consolidad*
A divida fundada provincial tem seo aasento aas
bis ns. 1,115 art. 87, n. 1,141 art. 49, n. 1,786,
art. 23, n. 1.810 art 37 e n. 1,860 art 9; e re-
guiase pelos actos presidenciaes de 4 de Dezem -
bro de 1873, 3 de Setembro de 1874 e 1 de Agosto
de 1884.
Esta divida representada por ttulos em cir-
culoslo por conta dos emprestimos de que tratam
as leia citadas, e realisadjs por emissao de a poli-
ees taza de 7 *[0 e 5 |0.
Pelo balanco fechado em Dezembro ultimo, .a
importancia desta parte da divida provin al re-
presentase em 6 847;2O0*.00O.
Divida fluctuante
Heaberta 10 minutos antes de 1 hora da tarde,
5restaram juramentos 8rs. Bario de Itapissuma,
oao Alves,,Coelho de Moraes e Gomes Prente.
A' 1 hora da tarde, annunciando-se a chegada
de S. Exc. o Sr. conselbeiro presidente da pro-
vincia, sabio a recebel-o a coramissio nomeada
para tal fim.
Entraudo S. Exc. na sala das sesaoes, tomou
assento direita do Sr. presidente da Assembla
e, depois de proceder a le tura do seu rea torio, re-
tire u-se, psssvchidaana formalidades do estelo.
O M-aBeisio de infantar lie linha, ftoido
em frente uawtraeaso Paco emAssembleypres-
tou 4*8. Exc.as llantas do coa tome; sulvsaroo 1
io radia tarde-a fortaleza do'Brwn.
Prestan jrame uto o Sr. Ferreira .Jacobina.
O Br. 1* secretaria deenasrouj>x8Ures-sobiia
mesa duas.satas, sendo una da mesa eleJeoraleie
S. Loureneo -de Tejsmipaiso.e ostra daduflReai
iina,-bam coou> urna da junta apsrraaora.sk) 4" ds-
tricto-A' 1* commissao de verinaacioateipede
Nao estando sobre a misa, deiraram de ser lillas
as actas das sessoes de 4 e 5 do correte.
Oou pda ordem o Sr. Bario de Itapissuma.
Procedendo-se eleiclo da mesa, ficou alia con
stituida pela maneir seguinte, tomando posse os
eleitos;:
Presidente- Dr. Antonio PrarfMeco Correia do
Araujo.
1* vice-presidenteDr. Jos Manoel de Barros
Wanderley.
2 dito Vigario Augusto Franklin Moreira da
Silva.
1 secretario Dr. Francisco de Asis Rosa e
A divida fluctuante da provin a assenta as | Silva.
res diversas que crearam osservicos, eujes paga
lentos nao tiveram lugar no respectivo exerci-
cio fiuanceiro.
Esta divida, no que concerne 8 despezas decre-
tadas e exeeutidas, mas nio pagas no exercicio
correspondente, por qualquer circumstancia, im-
porta na quantia de 7:998869, de accordo eom o
que acha-se liquidado e devidamente escriptucado
at o fias de Dezembro do armo pretrito. Has,
comprehendidos outros ttulos de debito, sobe o
algarismo da divida ao total de 61:770*711, que
se classifica do modo seguinte :
Oradores diversos, por servicos
executados cujo pagamento nao rea-
lisou-se no exercicio findo e ante-
riores
Caixa de depsitos, por empres-
timo feito a caixa da receita geral
de 187171
:998J369
53:772*342
61:770*711
PERNAMBUCO
Assembla Provincial
2 SE88O PREPARATORIA EM 3 DE MAR-
CO DE 1886
rBBSlBENCIA DO EXM. fB. DB. PEDBO OM1DIANO
DE BATS E SILVA.
A's 11 horas e 10 minutos da manhi, presen-
tes os Srs. Costa Ribeiro, Goncalvea Ferreira, Re-
g Barros, Jos Maris, Joao de S, Julio de Bar-
2 dito Dr. Ignacio de Barros Brrelo Jnior.
Snppleotes dos secretarios Drs. Herculano
Bandeira de Mello e SopLronio Eatiquiniano da
Pas Portclla.
O Sr. presidente, na occasio de tomar posse,
agradecen a sua eleicio.
A ordem do da : eleiouo de commissoes.
EntradoA' despaito do que prescrevem as
posturas municipacs relativamente ao funesto brin-
quado do entrudo; despeito dos editis da poli-
ca lembrando aquellas posturas; e despeito tam-
bera dos cstorcos combinados de alguna oidadios,
que, procurando eneaminhar os toigares carnava-
lescos para direccio accommodada ao estado da
nossa civilisacao, tem reagido contra o uso e abu-
so da agua, dos limosa o borrachas, e dos taos ;
o despeito de tndo isso, diaemos, anda em alguna
ponteada cidade sao empregados esses meios atra-
sados de se divertirem oa desabusados embora com
nrejuizo de terceiros.
No Chora Menino, por cxemplo, f jmos nos teste-
munhas presenciaea de sejogarem borrachas oheias
d'agua para os bouds, mottwndo littexauneute al-
guLS passageiros; ena ra Imperial, por informa-
edes que temos por verdicas, sabemos que tambero
se tem abusado desse selvtico diverlimento, tantas
vezes nocivo s suas victimas, algumas das quaes
taem perdido a vida por effeito de uina molhadella
fra de proposito.
E nio s nesses indicados pontea que osee aba
so se pratica; n'outrcs por iguul forma divertm
se os desabusados, semao menos cogitaren!, j nao
diremos do raspeito que devem le, mas do que
Ihes devem infundir os sentimontos humauia-
r os!
Contra taes desabusados todo o rigor policial
roa, Visconde de Tabatinga, Herculano Bandeira, deve ger poueo. e D^a ,[[ que meditar na
Sogoberto, Domingues da Silva, Audr Dias, Ratis
e Silva, Jos Manoel, Barros Barreto Jnior, Jo2o
de Oliveira, Luis da Andrada, Ferreira Jacobina,
Antonio Corroa, Rodrigues Porto, Sophronio Por-
telia, Augusto Fraoklin, Prxedes Pitaoga e Go-
ales Parante, o Sr. presidente declara aberta a
sesaaa
Comparecem depois os Srs. Drumsnond F1II10,
Maximiano Machado, Amaral, Soares de Amsrim,
Costa Gomes, Lourenco de S e Rosa e Sil/a.
Falta o Sr. Regueira Costa.
E' Jida e sem debate approvada a acta da es-
li antecedente.
O 8c. 1 secretario procede leitura do se-
guinte
Exramr
Um ofieio do secretario do goverao, trasmittin-
do outro da mesa eleitoral da parochia da V ieto-
ria.A' commissao de verificacie de poderes.
Sao resoettidbs a mesma cammiasao os diplomas |
das Srs. Baro de LUpiasnma, Dr. Maximiano
Duarte. Dr. Lopes Machado e Dr. Manoel Gon-
ealves Soares de Amorn.
Vem mesa e lido, o seguinte requeriaaento :
liequeremos }ue por intermedio do presiden-
te da provincia se reqoiaitem com urgencia as
acta* da eseicio da Varaea em primeiro e segn-
do seasnliiiinn. besa como as actas do primeiro
escrutinio da primeara se;clo da (iraca 'Santa
Cruz, e as do segundo escrutinio da Soledade, do
Poco da Panella e do Monteiro.
Sala das commissoes, em 3 de Marco de 1686.
Gomes Parate.Luis de Andrada.
O r. orne* PJifesie (Nao devolvea
sen discurso.)
O Sr. J*a> ssra =1 No devolveu son dis-
enrso.)
O *r. CJomesi Prenle -- (Nao dovolvea
seu discurso)
# Sr. PreMidesise.Devo declarar que pus
o requerimento em discossao, e como ninguem pe-
dase a palavra eu o submetti a votacao. Nao te-
nbo culpa de que os Srs. deputados nao o ouvis-
sem.
O Sr. Jos Mara Da propria bancada dos
amigos de V. Exc. dizem que nao ouviram.
O Sr. Presidenta -Todava como alguna' Srs.
deputados reclamam que nao ouviram, vou pdr o
requerimento em discussao.
O 8r. Jos MaraV. Exc. vai polo em dis-
cussao ?
O Sr. PresidenteEst em discuisio.
O Sr. Jos MaraPeco a palavra.
O Sr. PresidenteTem a palavra.
O Sr. Jos Mari (Nao devolveu sea
discurso.)
O Sr. Barro* Barreto Jnior Sr.
presidente, serei breve, tnuito breve mesmo ; ce-
gando consta da acta hoje lida c approvada 15S
authenticas foram remettidas commissao de ve-
rificacao de poderes, sendo que do segondo dis-
tricto foram apenas remettidas 15 quaudo sao 24.
Nada mais tenho a informar.
O Sr. Jom Mara (Nao devolveu seu
discurso. ,
. A discussao fica adiada pela hora e o Sr. presi-
dente levanta a cesso.
Enslish Bank of KioTde Janeiro
(Uaiited)
Capital do Banco em 50,000
accoes de 20 cada urna 1.000,000
Capital realisado...... 500,000
Fundo de reserva...... 180,000
BALANDO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
EM 27 DE FBVEREIBO DE 188G
Activo
Letras descontadas....... 57:797880
Emprestimos e contas caucio- ,.nse,n
nadas.............. 2So:140,J610
Letras a reoeber......... ^^^ft1?
Garantas e valores depositados 407:333,
Mobilia, etc. do banco..... 1:400,
Diversas contas.........1,840:309,
Caixa............... 570:774*760
l'aeciuo
Rs. 3,563:620^280
Contas correntes
simples ....
Deposito a prazo
xo com aviso
e por letras .
525.624*210
1,747:557*750
Letras a pagar
Ttulos em caucSo e deposito
Diversas
2,273:24U960
137,1590
407:333*820
contas. .77..... 871:9065910
Re. 3.552:6204280
S. E. & O.
Pernambuco, 6 de Maico de 1886.
Asgnauoa (1red. GoodchM. accountnt.
MISTA DIAMi___
Annesnala aVrawlaelal------Abrise an-
te-hontem, com aa formalidades do estylo, a 1* ses-
slo ordinaria da 26* legislatura da Assembla
Provincial.
A' aosoStr, qneoi presidida pelo Esm. Sr. Dr.
Ratis e Silva, conpareceram 26 Srs. deputados.
Aomeio da foi aberta, oomeando o Sr. prendan
te sos Srs. Roa* e Sirva, Goncaives Ferreira e
Visconde de Tabatinga. para receberem o Eim.
8r. conselbeiro pros dente da provincia, depois do
que a suspenden at a colgada de 8. Exc.
Detentad o malfaaejo que, s consultando o seu
brutal egosmo, o seu desregrado praser, damni-
fica a sade do-proximo e Ibe tolbo a libordada de
sahir rus. A meditaco na Detencao, anda que
saja porpuucas bsras, um salutar correctivo; e
elledave ser applicado indistinctamente todos
I quantos, contra a lettra da postura municipal, se
derem quelle selvagem brinquedo.
Nao os poupe a polica; e, da resto, todos po-
dem evitar dares e tomares eom ella: basta que
cada qual se respeite bastante para saber respei-
tar 03 outros, guardando os preceitoa legaes e res-
petando as exigencias sooiaes.
tanierwnriaAmaoha fasem 386 anoos
que Pedro Alvares Cabra 1 .embarcou para a dea-
00berta do Brasil.
Sea*#lpo e AlasoaatPelo vaporbahiano
Marinh Vconde recebemas folhna de Bergipe
at 26 de Fovoreiro e de Alagoas at 5 4o cor-
reata.
Esa Sergipe, 15 de Fevereiro, abrio-se com as
solemnidades do estylo a 1' sessio da 27> legisla-
tusa da "Assembla Provincial, auja masa fi'.ou as-
aim constituida:
Presidente, coronsl Joao Dantas Martina dos
Res; 1 viee presidente, capitao Benjamn de
Souza TeHes; 2o vice-presidente, tenentecoronel4
Pedro Aleandrina de tiovssa Te lies ; 1* secreta-
rio, Pelinto Elrsio-do 19aaoaeato ; 2" eratario,^
Candido ferreira. de Jess.
Leaos na Garita da Amemju' de 21 de Fe-
vereiro :
Informa-nos pseos muita comee tente qB a
safra de aesucar na Japaratuba e Cutinguiba nao
exceder esto auno da 4a pa: to la do anno pas-
sado.
E' nima calamidado horrsvel.
A safra do anno passado naqnelles pontos foi
de 484,448 saces ; a deste dever dever ser de
121,112.
Sabemos que por onta da actual j foram
despachados de de Novesnbr) a 12 do oorrente
42,180 saceos, fioando peetnuto a despachar
78,932.
O preco medio do assnoar o anno paseado foi
de 84 rea o kilo ; o deste sata regulando a 155,
isto mais 45,8 .0-
Com este augmento de preco lieario cquiva-
lendo os 121,112 saceos da safra oorrente a 171,581
da do anno passado.
Be forcui sustentados os precos actuaes at
ao fim da exportacio, ser o desfaique da reeeita
do artigoaesucarna Recebedoria, de.........
98:6884067 saente no imposto de 6 /.
Chamamos para isto a uttendao dos Exms.
Srs. diputados provinciaea.
Tj' mis na mesma folba de 25 :
Nao peden Jo o digno Sr. Dr. chefe de polica,
por iucommodo de sale, seguir para a villa da
Capaila, afim de instaurar processo contra os au-
tores dos atlautadns all pntieadus no da 3, re-
sol veu S. Exc. o Sr. presidente designar o Ilustre
Dr. Candi lo de Oliveira Ribeiro para exereer in-
terinamente o referido cirgo, devendo passar-sc
temporariamente pira aquella villa para tratar
do mencionado processo.
O Dr. Candi io Ribeiri aceitn tao importante
cjinmisso, e j seguio para a Capella.
Falleeeu em Aracaj o negociante Francisco
Manoel do Mello e o guarda da mesa de rendas da
Villa do Espiritj Santo, Pompilio Cosar da Hilva
Coelho.
Em Macei, na madrugada de 26 de Feve-
reiro, os presos da cadea t.-ntaram evadir-se.
Aoa repetidos brados de s armas das di-
versas sentioellas, diz o Or6e de 28, e aos gritos
d; os presos vid fugir que partiam do inte-
rior do estabelecmeuto, despertaran os soldados
da guarda que, por ordem do tenente Jos Joa-
quim de Aguiar, toi reforcada com a do quartel
velho de linha e distribuida em cerco ao edificio.
O mesmo Henente com algumas pracas revistou o
exterior da eadeia e depois as prises, afim Je en-
contrar os indicios de tal facto, mas at agora es-
tamos a c'r navio.
Tribunal do Jury do Beclfe.Func-
conou honteni no juicamente do reo Manoel Fe-
lipe dos Santos, o qual pir haver em 20 do Julbo
do anno passadj, tirado para si contra a vontade
de seu dono um encerado pertencente ao proprie-
tar.o dabircaca Phenix, e, quando fngia persegu-
do pelo clamor publico, ter ferido a Manoel Joa-
quim de Sant'Anna, achando se pronunciado nos
arts. 257 e 201 do Cod. Crim.
Foi pelo jury condemnado no mximo do art.201
do Cod. Ciim, penado 1 anno de prisao e multa
correspondente metade do tempo.
Teve por alvogado o dos presos pobres, Dr.
Luiz Emygdio RodiiueB Vianns.
O Dr. promotor publico appellou do julgamento
do reo Javenal Francisco de Almeida, que teve
lugar no da 5.
Faculcfade ele BlrelroFoi o seguinte
o resultado dos actos acadmicos no dia 5 do cor-
rente :
1." anno
Manoel Pereira de Souza, plenamente.
Augusto Vas Ferreira, dem.
Direito eccluiattico
Julio Bellegarde Freir Mariz, plenamente.
Kicol Tolentino dos Santos, idem.
Joao Francisco Teixeira, dem.
2.' anno
CaeUno Jos da Costa e 8ilva, plenamente.
Jilio Pires Ferreira Sobrinho, idem.
Amancio Jos de Sooza, idem.
Soverano Rabello Leite, idem.
Jos Antonio Pessoa de Mello, dem.
Joaqoim Das Lima, idem.
Direito civil (3. serie)
Dr. Jos Flix da Cunha Meneses, plenamente.
Luciano Alves de Brito, simplesmente.
Dous reprovados.
o dia 6 o resultado toi este :
2.o anno
Joaqnim El viro Pereira Magalhaes, plenamente.
Salvador Rosa, idem.
Arthur Jos de Audrade Pinto, idem.
Domingos Alfonso Machado, idem.
Raymundo de Araujo Lima Filho. idem.
Joao Evangelista da Silva Frota, idem.
Henrique Eubank de Mello Tamborim, idem.
Eduardo Alves Guimaraee, idem.
Ijis Seraphico de Aseie arvalho idem.
Joia'Diassao Oliveira. Jurdor, idan.
Jofcde Lanar PaaatMem.
.V'freti*Angus(o (le'ftlcdainoe Mrquec, {Bem.
1' bass Lus>ntanad ca CsBlBD, n
daufestaBttto.aanr:
'Goniiarv8.
do dia 6 :
Historia
Distinccd
Plenamente
Apprc vados
Prova nulla
Serio chamados a exames
ultado
2
4
5
112
de historia no dia
11 de correuie, As 9 horas da manhi :
Jos da Silva Loyo Netto.
Vicente da Silva Porto.
Zenobia Marques Line.
Luiz Cavalcanta Lacerda de Almeida.
Joaquim Jos de Pinho Goncalve.
Zacharias de Araujo Vasconcellos.
Jos da Silva Castro Netto.
Carlos Moreira Res.
VValfrido de Bastos de Oliveira.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro Jnior.
J00 Thom de Saboya e Silva.
Aprigio de Miranda Castro.
B Supplenles
Arthor Goncaives Villela Torres.
Jod Vaso Cabral Netto.
Jas Francisco do Reg Rangel Sobrinho.
Antonio Martiniano Veras.
Antonio Pires Gaivlo.
Arthur Barbalho Uchoa Cavalcante.
Bernardino Jos Alves Maia.
Eduardo de Aquino Fonseca.
Elpidio Barbalho Uchoa Cavalcante.
Francisco da Rocha Salgado.
Gustavo Krause.
Jod Thom Alves Guimares.
Jos Gaspar Loyo.
Pa Para Este paquete nacional,
tendo eahido hontem da Parahyba, deve tocar em
Pernambuco, hoje, em vtatrem para o sul.
Maata Casa de HiiserloordlaA jun-
ta administrativa da Santa Casa de Misericordia
far sua sessio desta semana na quarta-feira 10
do corrrnte mez.
Fenteioaj rarnsvalescos Acham-ao
maL ou menos garbosamente decoradas e endita-
das pira os folgares carnavalescos, as segurntee
ras e pracas:
Parookia de *. Fre Pedro Gongalvrt do Beoife :
ras do Mrquez de Olinda e Bom Jess.
ParocMa de Sonto Antonio : ras do Bario da
Vietoria, Duque de Caxias, lde Marco, parteado
Livramento, ra de Marcilio Dias.
ParocJtia da Boa-Vista : ras da Imperatriz e
Visconde de Pelotas e praca do Hunde d'Eu-
Parochim de 8. Jos": rea de Marcilio Dias e
largo d Terco.
Itelatorlo. O Sr. Dr. Antonio Witruvio
Pinto Bandeira e Aecioly de Vasconcellos, digna
c mostrado inspector do Theaouro Provincial, ob>
seqaiou-noa com nm exemplar impreaso dd relato-
rio que, em 31 de Janeiro findo, apresentou ao
Exm. Sr. conselbeiro presidente da provincia sobre
a sua separncd.
', como sem pro, um trabadlo cuidadosamente
elaborado e bastante instructivo acerca da fhzen -
da yrevineiet.
assanrrA Emprean H.iitae Ronaantiaas,
de Lisboa, est agora editando um lindo romaneo
de F. y Gonzale, O tasleieiro de Madrigal on
taltat o Hti D. SebastiHo. versad portugus; do
Julio Baptista, cujo 1 colume j sabio luz.
Representa a empreza em Pernambuco, o Sr. Jo -
s Pereira Santos, que recebe assignaturas para a
cara, no predio n. 1 da ra, alo Marqacs d'Olinda.
45* juocev. Soma earsa firaiad* com as iai-
oiaes A. P. S. B., se nos pede para chamar a at -
tencad d > fiscal da parochia de Santo Antonio pa
ra o abuso que frecuentemente praticam aa ddnos
de eatabelechnentos commeroiaea, coaserrsmda es
Aas abertos at aeras da noite im* dominfore
dias santificados.
Urna postuca municipal prohibe foTnatarBote "a
pratica de se a>rirem esses eslabelecrarerrtos nos
iudcad.is das : e apenas totera-se que essa uber
tura se taca para luapar e arrumar lojas. Taes
limpezas, psrm. podem-c devem estar terminadas,
no mximo, s 2 horas da tarde, praso fixado s
tavernas para fecharem as soas portas
Ir alm desse hora, em que estes ltimos esta-
belecimentes sao encerrados, exceder todos os
rasoaveis limites da to erancia, um grande abu-
so, tanto mais quanto os que se coueervam abertos
faaem negocio, e isto a teiinad ejesr,nfoipernriite,
e pune eom multa.
E', por tanto, muito justo o pedido que alludi-
mos em cometo ; e o-fiscal da parochia de Sabto
Antonio, bem corno os das demais fregneziaa da
cidade, devem exigir a fiel observancia da postuza
municipal.
Ferimenio tere.Hontem, 'quando se re-
tirara da rna da lino a guarda d honra qne-fez
aa continencias dos eatylos por ooeasiio da aber-
tura da Assembla Provincial, deu-se nm pequeo
conflicto entre diversos oapoeiras, por cansa de
partidas de msica, e um dos toes, de ame Cy-
priano de Souza Viegas, coubecido por Bexiga,
fez um ferimento eom um compssso no lado esquer-
do da face de Jos Raymundo do Reg Barros, de
28 annos de idade, branco e trabalhador de urna
padaria.
A' mandado do subdelegado no 1 districto da
Boa-Vista, foi ferido viste riado pelo Sr. Dr.Jos
Joaquim de Souia, que oonsiderou leve o feri-
meoto.
0 delaquente foi preso em flagrante pelo sub-
delegado referido, e confessou o erme, dizendo que
(i praticara por que o offendido j urna ves o havia
indicado polica como turoulento.
Lnrapio andan mascarada A's 5
horas da manhi.de hontem despertou, no 2 audar
da ca.-a ra Larga do Rosari) n 14, um caix-.i-
ro do Sr. Manoel Joaquim Alves Ribeiro, em ra-
zio de ouvir rumor
Levantando.se encontrou um individuo branco,
mascarado, de calca branca e em mangas de ca-
misa, que procurava fugir levando urna grande
trouxa com roupa.
Atirando-lhe o caixeiro com objectos que achou
mais mi, acobardou-se o ladrad, que traten logo
le fugir pelo mesmo caminho porque viera, isto ,
pelos andaimes de urna casa vsinha, e que est
em concertes na parte posterior.
Nada levou... excepto urna terrina que Ihe que-
braran! ao costado e dous terri veis caohacoes
quando ia deseca-do.
BIMIotheca de <<>> anua. O novi-
inento desta bibliotheca no mez de Fevereiro do
orrente anno, foi o seguinte :
Frequentaram 236 socios, sahiram para leitura
ilcs mesmos 185 volutnes.
Houve as seguintcs offertas :
Pelo socio Manoel Aurelio Tavarcs de Gouveif,
A Dama de Companhia por Xavier de Montepo,
J vol. broc.
Pelo sacio Antonio Goncaives Tavares de Mello,
Malditas, poesas por Verediane de Carvalho, 1
vol. broc.
Pelo 8r. Juventino Marinho, Histeria da Refor-
ma do Dcimo-Sexto Seculo por J. H. Merle d'Au-
bigae, 2 vols. ene
Pelo socio Dr. Manoel Polycarpo Moreira de Aze-
vedo, A Lanterna Mgica.
Pelo socio Coriolano Coura Xavier, um snete
com o sello da Sociedade Lealdade e Beneficen-
cia.
Pelo Sr Manoel Evaristo, A Reforma (Echo
da Igreja Lusitana) colleccio do anno de 1885 e
os recibos no corrente anno.
Pelo Sr. Fortunato Colho Pinheiro, o n. 12 da
Revista Illustrada, As Colonias Portuguesas.
Pelas respectivas ledaccoes 1
01 Recife, Diario de Pernambuco, Jornal do
Recife, A Provincia e O Rebate.
Da Parahyba, O Monitor.
Das Alagas, Diario das Alagos.
Do Rio de Janeiro, A Distraccao.
Do Rio Grande do Norte, A Liberdade.
Van Hvro de Adelalde Kiaitori.- A
celebre trgica est escrevendo um livro que se
publicar mu brevemente em quatro linguas dis-
tinctas.
Sio as memorias da inviolabilidade artista, s
quaes acompanha urna analyse detida acerca do
modo com que devem interpretarse as obras dos
grandes maestros.
A parte anecdtica do livro ser seguramente a
ujai. interessante.
A obra est j muito adiantaTa, e se os Iradu-
tores nd dormirem, tardar muito pouco em ver a
luz publica.
Urna das partes mais encantadoras do livro a
cm que Adelaide Ristori conta sua estada em Pa-
rs, a rivalidade da Rachel e o immanso triumpho
obtido na capital de Franca pela arte italiana.
No livro se falla de litteratos e artistas e de aa
teres do velho e novo continente e acerca de cada
um d'elles d curiosissimos pormenores.
A procedencia-don nu*co. -- Lulli,
sendo muito menino, tocava^guitarra d'uma manei-
vcl, e sendo rapaz dessosiuha da senhora de
afaotpeuser, compoz inspiradissimaa melodas.
iHandel tocava o clavicornio na idade do 8 an-
11je.no palacio do duque-de Baxooia.
u?essgolese contava 33 asaos, qunado exeeotava
na>n9tno pecas de snarica que elle mesmo anaapu-
ila a alijas difficul tasas aaanaiiaram aoa profes-
aorea napolitanos.
Haydn compoz aos 13 annos urna missa.
Mosart tocava aos 3 annos no clavicornio ; aos
4 executava pedacos difBceis com muito gosto e
compunha alguna minuetes; aos 6 se fasia applau-
dir em Munich e em Vienna.
Aos '8 annos "Beethoven era habirhrahno no vio-
lino ; sos 13 compoz tres magnficos quartetos.
Paganini, compoz aos 8 annos urna sonata.
Meyerbeer na idade de 4 annos reproduzia no
piano, acompanhando eom a n.io esquerda, as pi-
cas que tooavum os organistas vagabundas.
Finalmente Schubert eutrou com grande xito e
reputacio no Conservatorio de Vienna quando nd
tinha maiB que II annos de idade.
L.eil6en. Effectuar-se-hd :
Quarta-feira :
Pete agente Modesto Baptista, s 11 horas, no
trapiche Esperenoa, da Companhia Pernambuca-
na de farinha de mandioca.
BInnbw fnebre*.Serio celebradas :
Amanlii :
A's 7 1/2'horas, em S. Pedro do Recife, por alma
do mensenhor Jos Joaquim Camello de Andrade;
s 7 1/2, na igreja de Nossa t^enhera do Terco,
pela de Antonio Cesar de V. Campos.
Terca-feira :
A's 7 1/2 horas, na capella do Cemterio de
Santo Amaro, por alma de D. Mara da Conceicd
Silva Machado.
Club de Regalan Pcrnasabucaao.
Est designado o dia 25 do corrente mez para ter
logar a 2.a regata dus promovidas pelo CKib de
Regatas Pernambuoano.
As possas que quizerem tomar parte nessa re-
gata devem Ir nscrever-se na sede do Club at o
Jia 15, das 7 s 9 horas da noite.
PasmageiroMChegados dos portes do sul
no vapor nacional Marinho Visconde :
Fernandes Rangel Mello, Jos A. Pires Tojal,
Dr. Valentim Mande, C. Guimares, 1 filbo e 1
criada, Geroiniano S. Lins, Dr. Souza Machado,
Manoel Jos Sacramento, Manoel Carvalho, Luis
Silva Lemas, 1 Alvaro Barbalho, Francisco Vieira
de Melln, Daverto Ferreira, Jeronymo Telles, Si-
mio TeHes de Miranda, Antonio Teixeira Fontes,
Joio Ferreira d'Oliveira, Marcolino Silva Araujo,
Jos de Passos Brandio, Clmeno S. Rodrigues,
Joaquim L) nato Pinheiru, Angelina Serpa e 1 fi-
!ho, e Antonio Cancio.
Lotera Ba provistrtaQuinta-feira 11
ddJMarco.se extratair lotera (n. 42, em bene-
ficio da Ordem Terceira do Carmo.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Coneoicio dos Militares, se acharad expostas as
urnas c as espheras arrumadas em ordem num-
rica, apreciacd do publico.
Ajoaerta do Rio A 4"parto da rotera n.
195, do novo plana, do premio de 100.-0004000,
ser extrabida.brevemente.
Os bilhetes cham-se venda aa Casa da For-
tuna A ra Primeiro de .Marco.
Tambem acham-se venda na. praca da Inde-
cia ns. 37 e 39.
tioteraa K-Ktraordiaarla do Vp
rasagaO 4a ultimo sorteio das 4 5* serasi
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:0002000, ser extabida a 9 de Abril.
Acham-se expasto a venda os "testos dos bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Mareo
n. 23.
Colern do Ceara de SOOsOOOiOOO-
A' 7" aerta dienta 'grande lotera, cujo maior pre-
mio de 250:0004000, se extrahir impretca-ivel-
raente no dia 13 de marco, as 2 horas datar
e.
Os bilhutos aokam-ee venda na Casa da Fot-
n)na, ra Primeiro de Marco n. 23.
fioteria de arel de SOOiOOO&MM
A 18"'parte da 11 lotera, de 200:0004000, polo novo plano, ser eattnhida
impreterivente no da 9 da marco s 11 horas da
tnaba.
Bilhetes meada aa Gaea Felia da prnaa da ln
depeneia na. 37 e 39. *
Matadouro Publico. Foram abatidas
no Matadouro da Cabanga 69 rezes para o consu-
mo do dia t do correte mes
Mercado Municipal de S. Jos.O
movimento deste Mercado no dia 6 do corrente,
foi o seguinte:
Entraram :
24 bois pesando 3.268 kilos.
615 kites oe-peixe a 20 reta 12JW0
18 taboleiroa a 200 js 3/6 M)
33 cargas de farinha a 200 ris 6/600
14 ditas de fructas diversas a 300
ris 4/200
9 Sainos n 200 rie 14800
Foram oceupados:
21 columnas a 600 reis 12/600
44 tainos de carne verde a 1/000 444000
6 ditos de ditos n 24 12/000
42 compartimentos de taiinha e co-
midas a 600 ris 21/000
62 ditos de lagunas 400 ris 24/ 800
16 compartimentos de suino a 7u0
ris H/2C0
12 ditos de fressaras a 600 ris 7/200
Victoria n. 45, 2. andar, residencia ra
io Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Joao Francisco Teixeira tem o seu es-
criptorio ra do Imperador n. 42, 1.
ndar pode ser procurado em sua profs
sao, das 10 l hora da tarde.
O hachar el Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. ao lar.
Jos Bernardo Galvuo Alcoforado J-
nior contina no exeroicio o* sua pronssd
de advogado, o pode ser pioeurado no es
ra 1."
10 horas
de Marco
da manha
eriptorio de seu pai,
n. 4, 1. audar, das
s 3 da tarde.
Henrique Milei. Ra do Imperador n.
22, I. andar. Encarrega-se de questoes
as comarcas prximas as linhas farreas.
Dr. Oliveira Escorel, 2. promotor pu-
blico, tem seu escrptorio de advogacia na
ra Primeiro de Margo n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogado -
ra do Imperador n. 37.
nrogarla
Faria, Sobrinho & C., drogustas poi
attacado. Ra Mrquez de Olind n. 41.
Francisco Manoel da Silva dk C, depo
stanos de todas as especialidades pharma
eutioAs, tintas, drogas, productos chimice
e medicamentos homcaopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Herrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes de
Gapibaribe n. 28. N'este grande cstabele
cimento, o primeiro da provincia n'oste ge
ero, compra-so e vende-se madeiras de
todas as qualidades/ serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obras
de carapira por machina e por prego sem
competencia.
Mudanca
O bacharel Pedro Qaudiano Ratis e Sil-
va, mudou sua residencia da Estrada de
Joao de Barros para a ra Velha de Santa
Rita 29.
PUBLICACOES A PEDIDO
Deve ter sido arrecalada neste dia a
quantia do 151/900
Precos do dia :
Carne verde a 320 e 560 lis o kilo.
guios a 500 c 60) ris dem.
Carneiro a 800 e 14 rie idem.
Farinha de 320 a 640 ris a cuia
Milho de 240 a 400 ris idem.
Feijo de 640 h 1/280 ris idem.
Cemlterta publicoObituario do dia 4
do corrente:
Antonio Augaato Das, Pernambuco, 28 annos,
casado, Boa-Vista ; hemate-heludino.
Mara do Carmo de Sant'Anna, Pernambuco, 45
annos, solterra, Boa-Vista ; sarcoma uter'm.
Manoel, Pernambuco, 6 dias, S. Jos ; eclamp-
sia.
Maria Anglica d'Aquino F., Pernambuco, 50
annos, viuva, Olinda; ulceraco intestinal.
Trajano, Pernambuco, 45 anuos, solteiro, Graca;
hepatite.
Thomaz da Hora, Inglaterra, 35 annos, casado,
Ba-Vista; tebre araarella.
Joao Francisco de Paula Machado, Pernambu-
co, 35 annos, solteiro, Boa Vista; gastro hepa-
tite.
Joanns, Pernambuco, 50 annos, Bi-vista ; ra-
mettido pola subdelegara.
INDIC1CG-ES TEIS
Hedacosi
Conaullorlo utedico-cirursico do Or
' Pedro de ACtabyde Lobo Hoscoso A
ra du loria n. .
O doutor Moscoto da consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manha,
Este consultorio offereoe a commodida
de de poder cada t'oente ser ouvido o exa-
minado, sem ser presenciado por. ctro
De meio dia s 3 horas da tarde ser c
Dr. Moscozo encontrado no torreao pra
n do Oommercio, onde funooiona a ns-
pecsSo de sade do porto. Para qualquer
(Testes dous pontos podero sor dirigidos
o chamados por carta as indicadas horas.
Di: Miguel Themudo mulou sia consul-
torio medico e residencia para a ra Nova
o. 7, 1. audar, onde d consultas das 12
horas s 3 da tarde e recebe chamados a
bualquer hora. Especialidadespartos, fe-
toes, syphihs e molestias do pulmo e 00-
raefio.
Dr. Barreto Sampaio d 'consultas de 1
4 horas da tarde, ra do Bario da
O emprestiavos do swverno
III
Sao dous, como temos visto dos telegrammas, os
emprestimos que se agenciam, o de 6 milhoes de
libras na Inglaterra e o de 50:000 eeatos no paiz.
O primeiro dizem os meamos telegramums que
tem por fim resgatar o papel moeda; do destino do
segundo nSj se falla.
Farece que deve -haver engao nisto, porqnanto
abrindo-se um emprestimo de 50:000 contos no
paiz, o qual s se pode realisar em papel moeda,
paiece claro que, recebido este empresiimo e quei-
mado este papel, est concluida a operaco do res-
gatc sem necessida.de e translaco dos 6 milhoes
de libras da Inglaterra para aqui.
Nofec supponha que essa translaco produc o
effeito de iotroduer o ouro no paiz ; porquento,
emquante o cambio nao chegar a 27 como termo
mximo cm suas exeitacoes, a translaco do ouro
para o Brazil ser apenas um passeio para voltar
em poucos das para a sua casa
Verdade que o goverao est devendo nos ban
eos do Brasil, hypothecano e agrcola, tomados
pens que recentemente, devido fraquea da ar
reeada?ao, urna poros de contas que andam por
50s000 senil) mais, se'bem me lembro do que li em
um artigo transcripto do Jornal do Commercio, e
assim talvez seja o emprestimo de 50:000 contos
para, este pagamento e o resgate careca do em-
prestim > inglez : visto que parece difficil alean
cal-o 110 paiz alm dos 50:000 contos; digo diffi-
cil e nao inpossivel ; porquanto, sendo tao grande
a quantdade do nosso raei] circulante, composte
do papel governo, do papel do Banco do Brazil,
das tetras nypothecarias, do papel falso da perfeit. 1
fabricacSo, e nao havendo.'emprego para elle, donde
vem a ana grande deprecacio, parece que s se
I tentando fazer todo o emprestimo no pniz, pader-
'Be-tria coniecer a posfllbilidade de sua realisa^o.
Esta idea rae suggere a rase de ser sesapro
preferivel o emprestimo 110 paiz ao estrani^eiro ;
porquanto assim evitamos maior rcmessa de fon-
dos para pagar os juros na Europa, evitamos aug-
mentar este mal, cujo effeito sao a3 bruscas altera-
res de cambio, cada ves que o goverao concorre
no 'mercado comprando saques para o pagamente
des juros no estrangeiro.
Ainda se tivessemoa a vantagem do obter Ji-
nheiro mais barato na Europa, talvez isto compen-
sasse o mal daquelle effeito; mas a 6 /0,eom 01
descont de 5 */9 na qaantia pedida, ou a 95,
como nos diz nm telegrainma da Europa, essa hy-
potbetiea vantagem desappsrece, pois o dinheiro
a 6 ( no pas marte mais preferivel. E Be eon-
siderarmos que o podemos alcancar a 5 "/o, em
vista do agio com que esto as apoiiees do go
verno, vantagem est a perder de vista no em-
prestimo interno.
O que parece mais corto que o emprestimo de
'Londres nao ter de vir todo para aqui, porque,
tendo o goverao de remetter fundas par a Euro-
pa, afim de satisfazerom-se os nossos eompromis-
sos, bem natural c at necessario que lance mi
de parte deste emprestimo europeu, para este fim,
na deficiencia] em que est de remetter estes fun-
dos, compromettid > como se acha com os n ossos
bancos.
Quem sabe, se, nao obstante a noticia de ser o
emprestimo ingles para o resgate do papel, oe
cambistas nao viram como effeito delle a ausencia
do governo no mercado dos saques, e d'ahijo effeito
da alo/* do cambio ? Talvez actuasse nao s eete
pensamento como tambem a idea do resgate de
urna parte do papel.
Em todo o caso se queremos melhorur nossas ri-
nancas que se vio fundando cada vez mais, nao
pelo resgate de qualquer parte do papel moeda
qae devemos comecar, mas pela conversao dos ju-
ros das apoiiees de 6 para o de 5 /, pelo que o
emprestimo interno deve ser pedido a 5 <>/ como
j disse, redusiudo-sc os tantos rail res das apo-
iiees alibrasao menos seguindo o valor ou taza
do dia.
Mas nao isto s que salvar as Enancas, que
salvar o paiz. Urnas medidas sem outras cora
que se combinem, em lugar de benficas, se tor-
nara desastrosas. Continuemos, pois, a estudar o
assumpto.
Marco 51886.
Affonso de Albuqucraue Mello.
Ao Sr. Cordeiro
Com esta epigraphe vem no Diario de hoje 5'de
.Marco, um qudam... um typo nogento, querendo
que a polica tenha o dom de adivinhar o que qual-
Juer malfeiter (talvez collega do que assigna-se
r. Bobagem) tem de praticar, a taes e taes ho-
ras para impedil-o e prendel-o I ? I Se assim
fosse com certesa nio precisaramos de polica.
Infelizmente, porm, temos um pequeo pessoal de
?cardas cvicos e orienancas, com o qual nao
possvel em urna freguezia tao estensa, haver
patrulhas em tedas as ras e a tedas as horas.
Fique, porm, certo o tal typo, que como subde-
legado activo, deligente, moralisado e cumpridor
da le, nao temos melhor que o actual Illm. Sr. Joa-
quim de (iouveia Cordeiro, e muito superior aos da
passada poltica, pedindo ao mesmo Sr., que nos
desculp'e se offendemos a sira bem conhecid* m>-
destia.
Ba-Vista, 6 de Marco de 1886.
O inimigo dos intrigantes.
ltenlo
Ha certos f-ictos na vida do homem, que eon-
vm dar-lhes publicidade afim de que nao passem
no olvido, e que mostrem ao mesmo tempo a me-
dida do carcter de quem o pratica.
Neste caso est a accio nobre e cavalhoiresca,
que acaba de praticar o muito digno inspector da
linha telegraphica deste districto, o distincto eea-
rensc o Illm. Sr. Jos Joaquim de Oliveira.
Este nobilissmo cavalheiro, tendo captado a
amisade de tedo3 os mossoroenses pelo seu bom
comportamento e fina educaco ; e julgando-se de-
vedor de obsequios reeebidos, acaba de I por em
iratica mais um rasgo de pbilantropia e acryso-
ado patriotirmo por e3ta trra ; offertando c-
mara municipal a planta desta cidade levantada
por elle.
Passando para as columnas deste jornal esta
modesta manifesf-.ico de apreco que lhe trbntam
os mossoroenses ; pedimos venia para dar publici-
dade ao ofEcio que acompanhou a offerta, e junta-
mente a rcsposU com que a cmara municipal
agradeceu to importante trabalho, que embeleza
hoje o paco da msma cmara.
- Fortaleza, 15 de Agosto do 1885. -Illm. Sr.
Tenho a distincta honra de offerecer cmara mu-
nicipal de que so3 digno presidente, ama copia
da planta, por mira levantada, dessa florescente ci
dade.
Meu trabalho insignificante, se bem, porem
traduz a minha gratidao para essa boa trra e
seus estimaveis filbos.
Occorre me tambera dizer que julgnei conve-
niente accrescentar um projecto, que creio deveis
seguir, para o embelcramento da referiSa cidade.
Deus guardo a V. S.Man Sr. presidente da c-
mara municipal da cidade de Mossor.Jos Joa-
quim de Oliveira.
Resposta :
> Fac da camaia municipal de Mossor em
sessio ordinaria de 24 de Outubro de 1885.Te-
mos a honra de aecusar o officio de Y. S., datado
de 15 de Setembro prximo passado, que acompa-
nhou a planta desta cidade accrescentada do plano
de edificaeao, a qual V. S. tao generosamente se
digiisu offereaer a esta enmara ; cumpre-aos dizer
a V. S., que, sentindo-se ella profundamente pe-
nhorada e reconhecida, julgou de seu dever con-
signar na sessio de hoje, com mencio honrosa do
no me de V. S., aquella 'offdlta, dando aasim um
solemne testemunho de sua gratidao por um tra-
balho de reconhecido mrito, importancia e valor.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Jos Joaquim
de Olive-ira, mui digno inspector da linha telegra-
phica deste districto.Os vereadoresRomualdo
L. Galvdo, presidente.Alexandre Soares do Coa-
te.Manoel A. Pinto.Idalino Alves de Oliveira.
Joaquim Zeferino de H. Cavalcante.Simo de
F. Costa.
Receba pois o nobre oidadio os nossos protestos
de subida estima e gratidao..
Mossor, 5 d Dezembro de 1885.
(Do Correio de Natal.)
-----------------^SQ09SS----------------
12 districto
Grato, e sinceramente penhorado p;lo bem aco-
lhimento que teve o meu humilde neme apresen-
tado pelo directorio do partido conservador as
urnas do 12 districto, as eleicoes provinciaea,
venho agradecer aos amigos dos collegios de Ta-
uaretinga, t'esqueira, Cimbres, Aiaga de Baix,
ngazeir*, Flores, S. Jos do Egypto a Triumpho
a sua dedicacao e firma, por meio dos quaes san i
victorioso na luta eleitoral que acabou de terminar
na provincia.
A todos, pois, e a cada um de per si offereoo*
nesta cidade e fra dalla os meus traeos servidos,
des quaes poderio dspor com a maior franqueza.
Recife, 5 de Marco de 1886.
Joao Alves Beterra Cavalcante.
Pao d'Alko
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas mdustriaes e rtulos das
suas preparares na junta commerciai do Rio de,
Janeiro de conf, rm'.dade com as prescripces das
leis do imperio do Brasil, declarara e particip.un
aos interessados, que como nicos proprietarios
tem direit> exclusivo de nsar as marcas indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura,
fabricacao e venda das sguin:es prepnra os ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental,
l'eitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de ligado de bacalho de Lanman & Kemp.
Emuls&o de oleo de ligado de bacalho com by-
pophosphites, de Lanmnm & Kemp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portante, perseguirlo a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaos e
rtulos, procurando que sejam castigados com teda
a severidade da le.
Tambem acautelamos o publico contra, todos
aquellos que intentam substituir as nossas prepa-
racoea cima mencionadas com artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas industriis que imi-
tain as nossas.
Lanman & Kemp.
0 i V. Je VafflEc
d consultas e attende a chamados a qualquer
hora io da ou da noite, em sua residencia, na
oidade do Cabo.
Acaba de se 310 informar, que na folha que
nessa capital se publica sob o tituloA Provin-
ciadando noticia da besuntacao, pxe, feite
na casa da aposentadoria do uiz de direito desta
infeliz comarca, concluio dizendoque se me attri-
buia a mandancia d'aquellc procedimento.
Pelo que, venho protestar contra esta argucao
que nio me poder attingir, em face dos meus actos
nesta comarca, quer como particular e quer como
advogido.
Nio sou capaz de actos tao pequeninos e impro-
prios de homens que se presam e sabem respeitar
o principio de ordem e da autoridade.
O Sr. Faro conhece bem de perto o Magistrado,
que com um dos seus escrivaes convidara ao
oilh'ial de justica Adelioo para me dar nm tiro, e
que a recusa de Adeliuo importou-lhe urna desas-
trosa perseguico:
Que esse magistrado, insistindo no meu assassi-
nato, mandara vir um talcaninauae depois 3
outros individuos, um dos quaes criminoso ueste
termo e no deNazareth, para a exeeucao do
assassiinif'i:
Que, as 7 horas da noite, talvez S. H. se re-
cord, o filho daquelle cscrivio conduzira tr s 1 s
assassinos frente da minha casa, e ah, verifi-
cando que me achav sobre a banca escrevendo,
indicou-ne, mas que felizmente um dos assasinos,
cujo nome em tempo tornarei conhecido, j de
arma engatilhada e na deligencia de disparal-a,
foi impedido na execucilo e immediatamente fu-
giram espavoridos.
J v u leitor, que, sciente como me acho de to-
das estas oceurrencias contra minha propria exis-
tencia, e nio tendo at hoje promovido qualquer
cousa contra os que procurara pdr termo minha
existencia, menos serei capaz de mandar pixar a
casa do Sr. Faro, que nio meu inimigo capital,
tanto que me mandando denunciar por urna fan-
taziada calumnia ao Dr. juiz municipal veio afina!
pronunciar-me!
Felizmente os que me conhecem sabem, que as
luetas sou franco e positivo e nunca representei o
papel de cobarde.
Entretanto, para que se torne conhecid) qual o
mnqistrado que cora seu escrivio tentam terminar
minha existencia, vou requerer o inquerito e mais
diligencias legaes para dolas dar publicidade.
A minha a vaneada idade e zelo pela conserva-
cao de raen crdito me obriga a formular este pro-
testo, e pedir ao tribunal da opimao publica que
aguarde o resultado das diligencias que vou re-
qoerer, para que possa em face d'ullas -ser eu jul-
gado.
Pi d'iho, 5 de Marco de 1886.
Ignacio Leopoldo.
Todas as senhoras
sabea> tye
!V. sis
urna desgraca tegrivej o {stcalenlaval o perderse
o cabello, e gualnvn'c -uo Hm pueem mui-
te9 caso4 a cnlpa sea. 6 Vom m h-iental i urna
preparaco vegetal pum rMSKasxe, l'stioada ex-
pressaraeuta para a 1: ... > e aturmeseamento
d'este grande dora da natureza, e com somonte
ueal-a, se obtera urna basta e vigorosa eabelladu-
ra de suaves, brilhantes e Avivis cabellos annel-
lados.
Milhares de pessoas de ambos os sexos era todas
as partes da America o ul, e as Antilhas. co-
nhecem e attestam este facto.
Se ha ou existen alguna incrdulos ooncernente
s suas virtudes vitaliaadoras e aformoseadoras,
que perguntem aquellas pessoas que o usam dia-
riamente.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster 4 C.
iua do Commercio n. 8.
-
y
CHt



\-


I '
Mario de Pcrnambnc
Itinerario
Da passelata da ocledade Mu.
alca! Unl e Arto, no domin-
go 9 de mareo.
Ras : Augusta, Vidj|l de Nagreiros, Chrstovao
Colombo, Jurda, Domingos Theotonio, travesea
de 8. Jos, taa do mesmo, Nogaeira, Assumpcau,
travesea da Carvalbas, ra de Marcilio Das, Li-
vramento, Du |ue de Caxias, Estreita e Ltrga do
Rosario, Cabug, Biro da Victoria, Imperatriz,
Arago, Santa Crai, S. Goncalo, Visconie de
Qoyanna, ponte. Marque do Herval, travesea do
Monteiro a recolher.
O secretario,
Jado A. de ('arvalho.
A' RRUdoon memoria do mea querido
irmuo Antonio da Milia lioso, no
trlgewlmo dia do vea pa**amcnto.
A dr c lucto sao o mais
valioso epitaphio que se
podo aspirar.
(...)
Completam hoje 30 dias que arrebatado pe* in-
exivel mi da inort de'xou iuconsolavel sua fa-
miliaAntonio da Silva Rogo.
Fatalidade atroi! Oh morte! cruel morte, para
que to cedo apagaste do livro da vida, aquelle
que aiuda hontem aojo o bem maco, contando apo
as 20 anuos, climinhava esp-rangos) na senda da
vid, porque apressando o momento fatal fizeste-o
partir deste mundo de engaos e traicoes para a
manso dos justos?... Oh Deus!... o que deve-
nios fazer?... Desesperar?... porque a morte na
sua incessante marcha ceifou c destruio o filha
querido e o irmo estimado, nao; chorar. .. enlu-
tar-nos designar-nos porque a vida, como o sonho, e
ephemera e passageira. Portanto, charo irmao,
-acebe este tributo de grande sentimento e lem-
branca que couservamos na menta, estas saudades
que desfolhamos sobre o teu tmulo como recor-
daco de verdadeira misado.
Adeus... adeus, irmo.
Hequiescat in pace.
Recife, 7 de Marco de 1886.
Deocledocio F. da Sitva Reg.
miiBstias 18 iiuvmis e
fl- enancas
Dr. Silva Brito, medico clnico do Maranho
tendo praticado ltimamente nos principaes hos-
ditaes de Pars e de Vieuna d'Austria, onde dedi-
cou-se especialmente a partos, molestias de mu-
lheres e de enancas, offerece seus servicos ao res-
peitavel publico desta cidade, onie fixou sua resi-
dencia.
Pode ser procurada do meio da ii 3 horas da
tarde no seu consultorio ra larga do Rosario
n. 26,1 andar, e em outra qualqur hora d> dia
ou da noite ra da Imperatriz n. 73, sua resi-
dencia.
-------------wgfeac'------------
Dr. Carpir Leite
MU I 14 O
Trfrn o seu escriptorio a ra do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e (-naneas.
DECLARACOES
Advogado
bacharel Jcronymo Materno Pereira de Car-
valho, tendo deixado o cargo de juiz substituto dos
feitos da fazenda, advoga nesta capital e fora
della e tem seu escriptorio ra Duque de Caxias
n. 55, onde pode ser procurado das 10 horas da
m .nli;1 s 3 da tarde, e fra destas em sua resi-
denci'i ra de Domingos Theotonio n. 39, a
qualquer hora.
OCULISTA
Dr. Brrelo ttampaio, medico ecuhs
ex-chefe de clnica do Dr. de Wecker, d consula
tas de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Bar-
da Victoria n. 45, segundo andar, excepto nos do-
mingos c dias sanctificados. Residenciara de
Riachuelo n. 17. canto da ra dos Pires.
Companhia Ainphitrite
A direccSo da companhia Amphitrite convida
os senhirea accionistas para a reunio da assem-
b a geral, afin de apreciarem as respectivas
con tas e elegerein os futuros membros da commis-
so fiscal. A reuuiSo se eftectuar no sali da
Assoiiicjlo Cummercial Beneficente no da 11 de
marco prxima, s 11 horas da manh.
Pela companhia Amphitrite,
Os directores,
A. M. de Amorim.
M. J. da Silva Guimaraes.
Joaquim Lopes Machado.
Urna Hbil perafo de Chi-
nirgla.
O embaixador Americano em Vienna,
Mr. Kassm, tera cmrauuicado recente-
mento ao seu govorno urna descripcSo
interessanto da notavel oporacao chirurgk-a
praticada, ha pouco, pelo professor Bil-
ro'h, d'aquella ciclaie. Por certo, a eir-
cumstancia parece maravilhosa; mas
verdade que a citada oparacSo tinha por
fim a reraocao de quasi a terca parte do
estomago humano. Executou se a operacjta
e restabeloieu-se o pacienta, sendo esta a
primeira vez que urna tentativa de tal ge-
aero tivesse tido bora exito na historia do
mundo. Aquella fucanha scientifica ma-
iiifestou se em certo caso de casero do es-
tomago, doenca que geralmente vai acom-
panhada dos seguintes symptomas :
O enfermo careoe quasi inteiramente de
appetite ; sentem-se como que um peso so-
bre o estomaga e s vezes urna sensacao
d vazio no mesmo orgao, a qual causa
um nio estar indisivel; e urna especie de
materia gelatinosa acumula se junto aos
dentes, acompanhada do um gosto desa-
gradavel, principalmente pela manhS. A
nutricio, demorndose no estomago, aug-
mento, era vez de fazer desapparecer aquel-
lo rao estar ; os olhos ticara rojeados de
um circulo lvido, e o seu branco toma
urna cor amarellenta ; e as raaos e os ps
tornain-se viscosos, aunando se cobertos
de um suor fri. O doente sente-se serapre
caneado, e o somno nao Ihe d repouso.
Algum tempo depois, torna-se nervoso e ir-
ritavel, e o seu espirito no v senao tris-
tes presagios. Quaado se levanta brusca-
mente de urna posicao horizontal, sent
vertigens, urna espsciede tontura na cabe-
$a e urna sensacao de syncopo, e cahiria
se nao se apoiasje em alguraa coisa. Ha
priso de ventre; e a p?lle passa sem cau-
sa do calor ao fro. O sangue, espesso e
pesado, circula sm regularidade. Km se-
guida, a nutricio passa com diffi;uldade e
fraquentemente rejeitada, ora deixando
na boca um gosto agro e amargo, ora um
gosto adocicado. 4 estes symptomas ad-
juntm-se quasi serapre as palpitacSes, que
fazera suppor aos doentcs que elles soffrera
de urna molestia do coracSo. Quando o
fim se acerca, o paciente nao pode reter
nutricio alguma, parque a passagem dos
intestinos ou cerrase completamente ou ao
menos est quasi cerrada.
Mas, anda que esta enfermidade cer
tamente assustadora, os afligidos d'aquel-
Fados e nao palavras
Aos que se detejam tratar sem comprometter a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direta n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
anda mesmo bronsbitico; eiysipela, cnxaquecas ;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
tosse convulsa, falta de menstruacao ; cmaras de
sangue : estericos ou uietrite ; dores de dentes ou
nevralging, metrorragia ; vermfugos, dentico e
convulsoes das crianzas ; tudo manipulado de Ser-
vas do pai.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos.
Ao commercio
Nesta data acib'i com o meu estabelecimento
sito a ra da Imperatriz n. 78, nada devendo nesta
praga; quem se julgar meu credor apresente-so
ra da Qloria n. 150.
Recife, 2 de Marco de 1886.
Joao da Silva Camoes.
COMPANHIA
Pernainbiicana de ?f avegaco
Costeira por vapor
Os senhores accionistas sao convid-idos a se
reunirem na sede da companhia no dia 18 do cor-
rente aomeio da, afin de Ibes ser apresentado o
relatorio e balauco da companhia do anuo prximo
findo, e bem assim elegerem o presidente e secre-
tario da assembla geral, commissio de exame de
contas e conselho de direccSo.
Recife, 2 de Marco de 86.
Manoel J. de Amorim.
W. W. Robillard.
P. P Saiindflrs Brothers & C.
Arthur B. Dallas.
Thesonraria de Fazenda
De ordem do Illin. Sr. inspector, faco publico
que no dia 11 do corrente (quinta-feira) pagar-
se-ha no arsenal de guerra s pessoas que costu-
raram para ecsa reparticao na segunda quinzena
de mez de Fevreiro prximo findo.
Thesouraria do Fazenda do Pernambuco, 5 de
Marco de 1886.
J. H. Oliveira Amaral.
d<
240*000
240( KX)
3 04000
216*00)
240*<(K
216*000
180*000
1:600*600
507*000
200*005
48^000
Sania Casa de Misericordia
Recite
Na secretaria da Santa Owsvde MiserieorJia de
Rocife arrendam-se por espaco de um i tres an
nos, as casas abaixo declaradas :
Ra da Moeda n. 45,
dem 'dem n. 49
Sua do Bom Jess n. 13, 1 andar
dem n. 29, loja
dem idem n. 29, 1- andar
Ra dos Burgos n. 27
Roa da Madre de Deus n. 10-A
Caes da Alfandeea armazem n. 1
Ra do Mrquez de Olinda n. 53, 2o
andar
Ra da Guia n. 25
Becco do Abre>i n. 2, ioja
Ra do Visuonde de Itaparica n. 24,
pavimento terreo, 1 e 2 andar, por 1:600*000
Ra das Calcadas u. 32 200*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 6 de fevereiro do 1886.
O escrivSo,
Pedro Hodriaues de Souza
Club de Regatas Pcr-
n a ni h ii cano
Sog inda regata
De ordem do Exm. Sr. O., presidente, convido
as pessoas quo quizereui conjorrer regata que
ter lugar a 25 do corrente, a virem se inscrever
na sede des te club at o dia 16, das 7 s 9 horas
da noite.
Secretaria do Club de Regatas Pernambuc ano
em 6 de Marco de 86/O secretario,
Osear C. Monttiro.
Theatro de Variedades
DA
Tendo de se entregar no dia 25 de marco vin-
douro algumas cartas dd liberdade, couvida-se aos
interessados comparecerem at o dia 8 do mes-
mo mez de marco, do meio dia at s 3 horas da
tarde, na ra do Vigario n. 4, 1- andar, onde cn-
contraro com quem tratar. Recife, 21 de feve-
reiro de 86.
|.(ROKtlOHIO HOMUEOPATHlCO
DE
FREDERICO CHAVES JNIOR
MEDICO E PBAB1IACEUTICO HOMCTOPATHIC0
Ra do Barao da Victoria n. 39, 1. andar
Medico parteiro e operador
Consultorio ra Duque de Caxias n.
Io andar
b'J

:0NTR FOGO
The Liverpool \ loiidonHIob
INSURRA^CE mWKW
&G.
m li Pafsial l15
CHAMADOS POR ESCRIPTO
Dr
Tristao Henriques
Costa
n. 13
Roa 1* llnifto
sultas das 11 s 2 horas.
Chamados a qualquer hora.
Telepbone numero 54.
C^X^3S
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
ED1TAES
Edital n. 80
(2.*pr.5!
De ordem do Illm. Si. Dr. inspector se faz pu-
blico, que s 11 horas do dia 10 do corrente mez,
les symptomas devem tomar animo, porque jierac vendidas em praca, no trapiche Conceico,
de mil casos ha novecentos noventa e nove | as mercadorias abaixo declaradas :
nos quaes os enfermos nlo tem cancro al-
gum aenSo simplesmente dyspepsia, doen-
5a que o verdadeiro systcma de tratamen-
to cura infallivelmente. O remedio mais se-
guro e mais cSfi^az contra esta affecc3o
o Xarope Curativo de Seigel, prepara-
dlo vegetal que vendem todos os pharma-
ceuticos e boticarios do mundo inteiro
e os seus proprietarios, A. J. White, Li-
mited, 17, Farringlon Road, Londres, E.
C. Este Xaropo destroe a causa do mal,
expulsando-a radicalmente da organisacao
physica.
Depositarios na provinci do Rio de Ja-
neiro, Domingue3 Vieira & C, Jo2o Lu:z
Alvez Geo Sanville e & C, G. Francisco
Leandro, e Fonseca e Alves, e em San Si-
mio de Manhuassu, Horacio de Rentus.
Depositar na provincia de Pernambu
cano, Bettencourt e & C, Bartholomeu &
C. J. C. Levy &C. Francisco M* da Sil-
va 4 C. G. Braz dos Santos & C. e Rou-
quaorol IrmSos; em Bello Jardim, Manoel
de Sigueira Cavalcante Arco Verde, e Ma-
noel Cordeiro dos Santos Filho ; em Inde-
pendencia, Antonio Gomes Bsrboza Jr ; em
Palmares, Antonio Cardoso d'Aguiar; e
em Tacaratu, Jos Lowen^ da Silva.
hachareI
Mi
Crrela
Francisco
la Sbrlnho
partecipa aos Srs. estudantes que tem
aberto um curso de Arihmetica, Algebra
e Geometra, ua ra de S. Borja, antiga
de Sebo n. 12,
. Conoltorio medico-eirurg.ee
O Dr. Estevan Cavalcante de Albaquerque con-
tinua a dar consulta medico cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20, 1 andar, de meio da s 4
horas da tarde. Paras? demais consulta e visi-
tas em na residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
Ns. telephonicoa : do consaltorie 95 e residencia
126.
Especialidades Partos, molestia de crean
cas, d'tero e seus onnezos.
Armazem 6
Marca EchoDuas caixas, ns. 5 e 6, vindas de
Soutbampton no vapor ingles 'lmar, entrado em
10 de Fevereiro ultimo, centendo folhinhaa im-
presaas de mais de urna cor pesando liquido legal
432 kilogrammas, abandonadas aos direitos por
Alfredo B. Fugman.
Armazem 1
Marca J A M, Camoesim Quarenta caixas, ns.
7583 7622, i iem de Bordeaux no vapor francez
Niger, idem em 4 de Julho de 1885, consignadas
a r de Araujo, contendo vinte duzias de garrafas
com vinho medicinal nSo especificado (S. Raphael),
pesando liquido legal 130 kilogrammas.
Marca E P AQuarenta ditas, ns. 7543/7582,
dem, idem, idem, idem, contendo vinte dnziai
de garrafas com vinho medicinal nao especifi-
cado (S. Raphael), pesando liquido legal 130 ki-
logrammas.
Marca A J C, CamossimQuarenta ditas, ns.
7663/7702, idem, idem, idea-, idem, contendo vinte
duzias de garrafas com vinho it edicinal, nao espe-
cificado (S. Raphael,) pesando liquido legal 130
kilogrammas.
Marca B XSete caixas, ns. 1/7, idem de Lon
dres no navio inglez W. L. a Fonseca Irmce & C., contendo 35 kilogrammas
de rtulos impressos de urna cor.
Marca H S Urna caixa, um atado de ferrse
tres taboas, formando tres volumes, s/n, que fa-
zem parte de urna prensa, vindos dos portos do
norte no vapor nacional Mandos, idem em 16 idem,
idem, a Hermann Stolrembach.
Sem mai ca Doze cestos de vi me, s/n, para papis
etc., pesando 9 kilogrammas, vindos do Porto na
escuna portuguesa Minho, idem em 25 idem, idem,
a Jos de Azevedo Braga & C.
Bem marcaViute e cinco ditos idem, idem,
pesando 25 kilos.
Sem marcaVinte e cinco ditos, Idem, idem,
idem, idem.
3" seccSo da Alfandcga de Pernambuco, 6 de
Marco de 1886.
O chefe,
Cicero B.de Mello.
Edital o. f
O administrador do Consulado Provincial faz
publico, para eonhecimento dos interessados, que
por ordem do lllm. Sr. Dr. inspector do Thesouro,
fica prorogado at o dia 15 do corrente o prazo
marcado para o pagamento, inaependente de mul-
ta, das annuidades e uiai: servicos da Recife
Drainage Company, relativas ao 1 semestre do
exercicio corrente de 1885-86.
Consulado Provincial de Pernambuco, 6 de
M*rco de 1896.
F. A. de Carvalho Moura.
Gompanliia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
EstabelcJda em 18&5
CAPITAL 1,000:000*
SDISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Martimos..... 1,110:000^000
Terrestres, 3.6:OOO$O0O
44-Ra do Commereio
(]OMPANHIA
Jmperia L
DE
SEGUROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Promplo pagamento de prtjuitoi
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000 "
Agentes
BRO WNS & C.
?> N. Ra do Commercio N. 5
C'OVI'RA 'OC.O
\ortl) British & Mereanle
CAPITAL
trOOO.OOO de libras sterllna*
A GEN ES
Adomson Hewie & C.
London and Brasllian 3i nk
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistaa n 75 N-
Porto, ra dos Inglezeo.
Companhia Pheoix Pernambu-
cana
Os senhores accionistas sao convidados para a
assembla geral ordinaria, que devera ter lugar
no da 10 de marco prximo, a 1 hora da tarde, no
e'criptorio da companhia, ra do Commercio a
39. A oonyocac'ln ttm por fim :
Deliberar sobre o inventario e contas da admi-
nistrado.
Proceder as eleicoes de que trata a primeira
parte do g &> do art. 30 dos estatutos.
Pernambuco, 22 de fevereiro de 86.
Pela companhia Pheniz Pernambucina,
03 admin stradores,
Luiz Duprat.
Manoel ijomes de Mattos.
Joao Jos Rodrigues Meodes.
Club Carnavalesco os Cavalhel
ros da poca
De ordem desta directorio, sahir esto club de
sua sede ra do BarSo da Victoria, s 4 horas
da tarde, nos dias 1" e 31 do carnaval c pe.-cor-
rer.i as seguintes ras :
Flores, Cxbug, Larga do Rosario, Crespo, Caes
do Appollo, Largo do Arsenal, Cruz, Marques de
Olinda, Imperador, Duqio de Caxias, Rangel,
Penha, Livramen'.o, Direta, Pateo do Terca,
Cinco Pontas, Augusta, Pateo do Carmo, Paz.
Palma, Mrquez do Herval, Imperatriz, Matriz,
Ponte Velha, Pateo da Santa Cruz, Barao de S.
Borja, Trempe, Conquista, Cotovello, Santa Cruz,
Ar.-'.giio, Pra^a do ( onde d'Eu, Hospicio, Formoza
Aurora.
Recolhe-se s 9 horas.
Caverna, 5 de marco de 1886.
Pelo secretario,
Manir in.
Os camarotes
coacorrer aos
8O0O
l50O
1,5000
35000
SEGUROS
IttARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenlx Per-
nantbucana
Ra do Commercio n. 38
Commlsso almiiilslrnlla da Ir
manilaile do Kenlior Bom Jess
dan Dores em S. CSonralo
Havendo esta commisso solicitado e obtido do
Exm. e Rvir. Sr. governador do bispado perrais-
sao para expr em procisso a milagrosa imagem
do Senhor Bom Jess dos Pobres Afflictos na
qnarta dnminga da quaresma, 4 de abril, scienti-
fica aos devotos da mesma imagem e aos que qui-
xerem contribuir cm seu obulo para o acto, o
entregarem as respectivas commissoes, as quaes
se acham em exercicio nos lemites da freguezia.
Consistorio em commisso, 1 de Marco de 86.
Agostinho Jacome B. Pesioa,
Secretario da commisso.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro chefe e ai-
rector da reparticao das Obras Publicas, faco pu-
blico que, em virtude da antorisacao do Exm. Sr.
coaselheiro presidente da provincia, no dia 12 do
corrente, ao meio dia, recebe-se nesta reparticao
propostas para a execuco dos reparos urgentes
da ponte de Motocolomb, oreados em 1:950$.
O ornamento c mais condices do contrato se
acham nesta secretaria para srem examinados
pelos senhr 'S pretendentes.
Secretaria da KenarticSo das Obras Publicas, 1
de Marco de 1886.
O secretario,
Joao Joaquim de Siqueira Varejo.
Companhia de edifica
Sao convidados os senhores accionista* da eom-
S&nha de edificaclo para se reunirem ao dia 11
9 corrate, ao meio da, no escriptorio da mesma
companhia, ra do Imperador n. 38, 1' andar,
afim de em assembla geral se proceder a vota-
cao do parecer apresentado pe a commisso no-
meada para avahar a importancia dos bens que
constituem a entrada dos socios que faiian parte
da firma Antun.ee & C., mos termos do art 3' g 2"
da lei n. 3r50 de 4 de novembro de 1882. Recife,
4 de Marco de 86.
EDITAL
rsecc&o.N. 1007.
Secretaria de Poli-
cia de Pcrn&mbuco, 5
de Mar?o de 1886.0
lllm. Srt Dr. cfcefe de
polica, tendo feito pu-
blicar os arte. 70 c 71
das posturas muniei-
paes approvadas pela
lei provincial n. 1129 de
26 de junho de 1873,
com relapo ao brin-
quedo de entrado eom
agua ou outra qual-
quer substancia, man-
da agora fazer scien-
te todos que igual-
mente prohibido aos
mascarados o plati-
caran accoes ou ges-
tos que na opiniao pu-
blica sejam considera-
dos como evidentemen-
te ofTensivos da moral
e dos bons eos turnes;
nao podeudo os mes
mos fascr alluso as
autoridades ou corpora
#oes civis, militares ou
religiosas, ncm aprc-
sentarem-se em trajos
indecentes ou immo-
raes; oque tem por
muito recommendado,
fazendo unir rigoro-
samente os infractores
com as penas dalei.
O Secretario,
Joaquim F. de Arruda.
empresa mmmm
NO
Domingo, 7
Segunda-feira 8
E ter^a, 9 do corrente
Este estabelecimento, no intuito de-proporcionar ao publieo d'esta capital agr-
daveis distracSes no CARNAVAL d'esta anno, resolveu suspender as quatro noites os
espectculos lyrico co:uico-dramticos pira franquear aos (Wevtaali dos bailes os
saldes do elegante thoatrosinho, primorosamente Iluminado e enfeitado.
\viso
S ter ingresso quem so apresentar dcsconterasnto vestido.
superiores e varandas sSo destinados para a3 familias qu: se dignarera
BAILES, cuja ordem e moralidade terSo rigorosamente observadas.
pbei;os s miYBik'auLS
Para cavalhel ros e scuhoras, eom mascaras ou sem ellas
Camarotes superiores (lom posse .....
Varandas. ........
Geraes para os outros compartimentos do theatro, galeras
e jardins idem ......
No Buffet se venderSo ASSIGNATURAS daa geraes para
os quatro bailes por. .
(Bilheteiro-chcfe o Sr. Arantes.)
O estabelecimento estar como sempre abarto nos quatro dias e tranco au> pu-
blico com suas galeras do diversos jogos palos pregos do costume at bora em que o
loque da slneta annunciar a compra de bilhetes em qualquer das duas portas.
Urna commiss.o directora d qual 6 presidente o Sr. Repossi, distincto actor da
companhia italiana, destribuir em cada um dos quafro bailes, premios aos dous mas-
caras de ambos os sexos que mais se destinguirem nos bailes, pela elegancia do ves-
tuario, espirito e principios de boa educasSo.
No quarto baile os premios serao elegantes oas do curo. Havendo desaccor-
do qaanto ao merecimento do mascara para reesber o premio, decidir-se-ha pela sorte
entre aquelles que a commisso houvr designado como distinctos.
Nao convindo vender mais ontrac'as do que as que regularmente comportara o
theatro e dependencias do estabeLcimcnto, o quo importa o bem estar dos dileetanti,
pede-se a quem preferir as assignaturas de 3^000, o obsequio de as comprar no
BUFFET, sabbado, 6 do corrente, at s 3 1/2 horas da tarde.
Se o numero destas assignaturas attingir o total da lotacilo, nao se venderSo de-
pois mais as geraes avulsas.
Para evitar atropello no s:rvijo psde-se aos Srs. frecuentadores o especial obse-
quio de DESPACHARE !il rpidamente os empegados do restaurant, logo que sejam
por elles servidos.
Qualquer reclaniacio raaoavcl ser devi lamente attendida no Buffet.
A regencia da orchestra, quo tocar as melhores e mais escomidas pecas de m-
sica, scri confiada ao hbil professor
SR. AVTOXIO ffAJTIMSi
Roga-se aos Srs. frequentadores a fineza de, no meio do prazer e enthusiasroo
que sempre reina, nestes dias do folganca popular, nanterem a melhor ordem, mode-
racao a decoro, principios de que jamis se deve afftstsr todo homem bem educado.
E para qua chegue ao conhejimento da quam ainda o possa ignorar, faz-ae o presente
programma com a traascripcio do respectivo
_________. JIOILAME^TO 6EI4L
~^^-^_^ DO
THEATRO D, .VARIEDADES
NOVA HAMBURGO

Art. 1
S pernrittido ingreso no theatro a pessoas
que se anbarem decentemente vestidas c munidas
do respectivo bilkete.
*>
' eipressamente prohibido fumar no recinto do
theatro, qur durante o espectculo, qur nos in-
tervallos.

-Durante a representaco, devem os senhores es-
pectadores oceupar os seus respectivos lugares,
sentados, descobertos e silenciosos, como convm
pessoas de boa sociedade; e, s Ihes ser permit-
tido dar signaes de approvacao ou reprovacio em
termos moderados e sem dar cansa de offensa ao
decoro das familias presentes e o respmto que lhes
devido.
S permittido chamar scena os actores para
victorial-03 urna vez em cada acto excepto nos oo-
neficios, que poderao ser chmalos mais vazes,
salvo ordem da autoridade policial que presidir ae
espectculo.
S se poder recitar discursos ou poesas com
sciencia previa da administrado do theatro o de
commu.ii accordo com a autoridade policial que
estiver assistindo representafao.
' expressameate prohibido formar grupos que
mpecam o livre transito nos corredores dos cama-
rotes, cadeiras ou plateas, e, bem assim conversar
nos intervallos demasiado alto e usar gesticulacoes
e palavras grosseiras que possam attrahir a atten- nisacao do respectivo valer.
eliminar ou alterar qualquer periodo, enjo sentide
ee desacerde da ndole do estabelecimento.
t
Ser obrigado o emprezario bem como o director
de scena ou ensaiador a fazer manter dorante oa
ensaios o maior decoro e respeito, entre oa artis-
tas, impedindo-os de attrahir para o theatro a at-
ten^lo das pessoas quo se acharan as diversas
seccoes do estabelecimento. gf
E' oositivamente vedada a entrada na caixa do
theatro, a pessoas estranbas ao corpo scenico, jur
as oecaaioes de ensaio, qur nos espectculos
durante os quaes se conservar fechada a respec-
tiva porta ; para cujo fim ter o empresario um
guarda de sua confianca, o qual dar smen.e en-
trada ao pessoal da companhia.
I*
O director da orchestra ser obrigado a compa-
recer ao theatro com todo o pessoal contratado,
urna hora antes de annunciada para comecar a re-
presentaco, tocando meia hora antes, com peque-
nos intervallos e repetindo qualquer pega, ou tre-
cho exigido pelo publico.
1S
Nao pode o regente ou director da orchestra,
sob qualquer pretexto, dar entrada para o local da
msica senao ao pessoal do quadro, impedindo in-
gresso a qualquer outra pessoa.
14
A pessoa que estragar m >bilia ou qualquer ac-
cessorio do edificio ou de jardim, alm da disposi-
9lo da lei em que incorrer, ser obrigado indem-


f ao geral.
9
O ingresso para e theatre em noites de espect-
culo, ser pela porta da trente, para as cadeiras e
plateas, e para os camarotes e superiores, pelas
duas- oseadas lateraes; em cada nma das quaes se
achara um porteiro incumbido de receber os bi -
lhetes.
8o
Para os camarotes s permittida entrada a nu-
mero de pessoas strictamente igual ao dos assentos
existentes nos mesmos.
Oo
DA EMPREZA O COMPANHIA
O emprezario ser obrigado a fazer annunciar
com antecedencia, a pega qne tver de levar sce-
na, apresentando-a previamente a chefatura de
polica para declarar se pode ou nao sar represen-
tada ; submettendo o respectivo annuncio a apre -
cia<;o do proprctario do theatro, ou a de pessoa
por elle designada, afim de e M
Os contratos feitos entre o proprietario de thea-
tro e qualquer emprezario de companhia, serio re-
gulados e observados segundo o que eatre si toe
estipulado.
16
Os casos nao previstos no presente regniamento
sero resolvidos pela administracao do theatre
ouvida a autoridade policial e de accordo com a
disposicoes do cap. 5C sec^ao 6.* do Beg. a. 1
de 31 de Janeiro de ISi'.
Recife, 14 de Novembro de 1885.
Acgust Kruss,
Saccessores.
Approvo. Secretaria da Polica de Pernambft.
co, 24 de Novembro de 1885.
Antonio Domingos Pinto,
Chefe de Polica.
Club Fluminense
Este club, composto d- mojos artistas, percor-
rer as ras desta cidade, no terceiro dia do car-
naval ; a sua sede no pateo do Para izo.
MARTIMOS
Companhia Bahlana de navega
eo a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Baha
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. J. Codho
Segu impreterivel-
mente para os portos
cima no dia 10 do cor-
tOHPt.Mllt PKH.1AaBtUAA
DE
IVaTegaco Costeira por *"apor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaj, e Babia
O vapor Mandahu
o aia iu uu cor- i ~
rente, s 4 horas da | s 3 horas
tarde. Kecebe carga
ao meio dia do dia
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete t racta-se na agencia
7liua do Vigario-7
Domingos Alves Matheos
Lisboa e Porto
A barca portuguwa Isolinn recebe carga a fre -
te; trata-se cem Silva Guimaraes & C. a ra do
Commercio n. 5.
Segu no dia 10 de
corrente, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia ^9.
Encommendas passagens e dinheiros afrete!
da tai de do dia da sahda.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pemamiu&tta
n. 12
Para Hamburgo
Recebe carga frete a bares,
brasiloira Xova Syrr.palhia : a ti-
tar com Baltar Oliwira A C ,
i
I
jC^i




Diario de PernambucoDomingo 7 de Marpo de 13S6
*
acific Steam Navigation Company
STRAITS OF MAGELLAN LJNE
Paquete Britannia
E' esperado da Euro-
pa at o dia 14 do cor
cente, e seguir para o
pul depois da demora
r g^Jdo eos turne.
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com oa
AGENTES
Wilson Sons A Uauted
N. 14 RA DO COMMERCIO -N. 14
COMPl^HIA rBXAMaUCAlIA
DE
Savegac Costelra por Vapor
Fernando de Noronha
0 vapor Giqui
Segu no dia 12 do
corrente, pelas 12 ha-
rs da manhS.
- Recebe carga at o
Idia 11, e passagens at
las 10 horas da manh
da dia da saluda.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Psrnambucana
________________ n. 12____________________
ROYAL MAIL STEAM PACKET
COMPANY
O paquete Elbe
E' esperado daEuopa bo dia
13 do corrente, seguindo
depois da demora necessa-
ria para
Macei, Baha, Rio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres
O paquete Tama r
esperado
do sul no dia 16 de
marco, seguin lo
Idepois da demora
necessaria par
S. Vicente, Lisboa. Vlgo e Boti-
thampton
para passagens, fretes, etc., tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
A danison lio wic & C.
8Ra do Commercio3
Companhia lira-1 le r;i le Nave
fieo a Vapor
TOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante o captiao de fragata Ped o
H. Duarte
E' esperado dos portos do sul
at o dia 7 do corrente, e
seguir depois da demora in
dispensavel, para os portos
i do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas valores
tracta-se na agencia
N. 46 -RA DO COMMERCIO N7T6
PORTOS DO SUL
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tun2~-0em-7~
E' esperado dos portos do
norte at o dia 7 de mar-
co, e depois da demora in
dispensavel, seguir para
, os portos do sul.
1 Recebe tambem carga pa-
ra Santos, Pelotas e Rio Grande de Sul, frete m-
dico. ________
Lisboa

Segu com brevidade o brigue portuguez Sobe
rano, recebe carga a frete: a tratar com Pereira
Carneiro & C, a ra do Commercio n. 6, 1" an-
dar. ________________________
Para Maranho
Segu brevemente para o porto cima a bar^a
portuguesa Itiuho ; para o resto da carga trata-
se com os consignatarios Jos da Silva Loyo fe
Filho.
COMMERCIO
Bol9 commerclal de Pernam
buco
Secife. 6 de Marc de 1886
As tres horas da taruc
CotacSe offiaei
Accoes da companhia do Beberibe do valor de
1005 ao preco de 150/ cada urna.
Letras hypothecarias do banco d crdito real do
Pernambuco do valer de 100/ 920000
vS, cada orna.
Farinha de mandioca de Santa Catharina, 4/C00
por 80 litros, em 1 do corrente.
Dita de dita, 3/800 por 80 litros, em 4.
Dito de dita de Porto Alegre, 3/200 por 80 litros,
em 5.
Dita de dita de Santa Catharina, 3/900 por 80
litros, om 5.
Dita de dita, 3/700 por 80 litros, em 6.
Dita de dita, 3/800 por 80 litros, em 6.
Dito de dita de Porto-Alegre, 3J200 por 80 litros
em 6.
Na hora da bola*.
Veadeam-se :
45 letras hypothecarias do banco de crdito real
de Pernambuco de 100/000 92/
Offereceram Vender Ctmprar
r' letras hypothecarias do |
banco de crdito real de Per- |
nambuco do valor de 100/ | 96/
P. J. Pinto,
Presidente,
andido C. 6. Alcofjrado,
Secretario.
HENDJMENT0S PUBLICO*
Mes de Marc de 1S6
itfiTuMi-Da 1 5
li-m: de 6
* n _.
a-j!ajJBUD* 14 5
IcVm de 6
Csn-.D? 'ovaciu.-'a l 4 5
Mee- -1c (
Jicrn rrunuoiiDe 1 5
'm de 6
133.051^007
34:800j507
167.851/514
21:265/075
5:069/947
26 335/022
22:593/111
4:438/r>7
27:03U668
24:170561
2:637.327
26:8074888
DESPACHOS DE IMPORTACO
Vapor nacional Mrquez de Caxias, en-
tra lo da Babia e escala em 6 do corrente
COMPANHIA PEB*AMICA*A
DE
NavesacSo eostelra por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Babia
0 vapor S. Francisco
Esperado dos portos cima,
voltar para os meamos logo
que tiver descarregado e re-
cebido a carga que se acha
engajada.
Para o resto da carga que
lho falla, encommendas, passagens e dinheiro a
frete, trata-se g
ESCRDPTORIO
cae* da oJipanhfa rframhn
cana n. 1*
CHARGEIRS REIMS
Companhia Franceza de Navega
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis
00a, Pernambuco, Baha, Rio de J? nciro e
Santos
stemer Ville de Cear
Espera-se dos d **os do
sul at o dia 10 do corrente
seguindo depois da indis-
pensavcl dentera para o Ha-
vre.
Recebe encommendas e pas3ageiros para os
quaes tein eicellentes accomraodacows.
M5-
steamer Ville de Baha
E' esperado da Europa at
o dia 9 de Marco, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba
lila. Ble de Janeiro
e Santo.
Roga-sc aos Srs. importadores de carga p ios
rapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng a:i-
qurr reclamaba concerneute a volumes, que por
v< -ntura tenham seguido para os portos do sul,afiir.
de se poderem dar a tempo aa providencias necea
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Kecebe carga, encommendas e passageiros par
os quaes tem excellentes accomodaces.
Angosto F. de Oiveira &
42-ROA DO COMMERCIO-42
Pacific Steam Navigation
Company
Para facilitar aos
Srs. viajantes que de-
sejarem assistir ex-
posipo colonial de
Londres no corrente
armo, esta agencia fa-
r a redueco seg-uin-
te, a principiar JbA
de Marpo a 31 de Ju-
lho prximo futuro:
1.a classe. ida e vol-
tapara Inglaterra, bi-
lhetes validos por seis
mezes. 36:15:0 libras
esterlinas.
AGENTES
Wilson Seis & Gomoany LiiiM
MRua do Cone-tid-M
e consignado a Domingos Alves Matheus,
luanifestou:
Algodao 123 saccaa a.Ainorim Irraaos
& c.
Assucar 242 sacejs aos meamos.
Colla I barrica a F. M. da Silva C.
Couros salgados seceos 194 ordein,
343 a Pereira Carneiro d C.
Cera 3 barricas a Gomes de Mattos Ir
roSos.
Pelles 37 amarrados a J. H. Boxwell.
Pipas vasias 68 a Pereira d Silva.
lOPedras de amolar 100 ordein.
Sola 60 rolos a Ferreira Rodrigues &C,
4 meios a Domingos Alves Matheus,
Tamancos 4 fardos a Almeida Machado
AC.
Lugre inglez Petunia, entrado de Ter-
ra Nova em 4 do corrente e consignado a
Johnston Pater C, manifestou :
Bacalho 3,252 barricas e 396 meias
ditas aos consignatarios.
DESPACHOS D EXPURTAgAO
Em 5 de Marco de 1886
rara o exterior
No vapor inglez Warrior, carregou :
Para Liverpoal, H. Stolaenbach 1^000 pelles
de cabra ; V. Neesen 72 fardos com 14,158 kilos
de algodao ; J. H. Boxwell 92 saccas com 6,692
ditos de dito e 181 saceos com 13,575 ditos de
assucar masca vado.
No lugar norueguensj Pa'ruot, carregou :
Para o Bltico, Borstelman & C. 350 fardos
com 62,209 kilos de algodao.
Na barc ooraeguensc Glent, carregou :
Pura New-York, P. Carneiro 4 C. 1,(00 saceos
cum 75.000 kilos de assucar mascavado.
No brigue sueco >ygnt, carregou :
Para Hull, C. P. de Lemos 20,000 kilos de ct-
ro,"?3 de algodao.
Na barca nacional Nova Sympatla, carre-
gou :
Para Hamburgo, A. P. Corrcia U caizns vinl.o
medicinal.
rara o Interior
No patacho inglez W. H. B., carregou :
Para o Rio Grande do Sul, P. Carneiro c* C.
300 barricas com 31,010 kilos de assucar branco.
= No brigue nacional D. Franci$ca, carre-
geu :
Para o Para, P. Carneiro Si C. 20 pip>s com
9,400 litros de agurdente ; A. Babia 2 ditas
com 10,560 ditos de dito ; P. Pinto & C- 25 ditas
con 12,000 ditos de dito.
No vapor naeional Manos, carregou :
Para Manos, H. Oiveira 20 barricas com 1,228
kilos de assucar branca.
= No vap^r nacional Para, carregou :
Para o Rio de Janeiro, H. Burle A C. 500 sac-
eas com 35,763 kilos de algodao ; M. 6. da Rosa
600 taceos com milbo ; M. V. A. de Almeida
10,000 cocos, fructa ; F. i. de Andrade Fogge 3
eaixas com 45 kilo de doce.
No vapor ra?inal Jpojuca, earrc-gou :
United States 4 Brasil Mail S. S. C.
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port-
Ne ws.at o dia 12 de Marco,
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Bahia e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinbeiro
frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster k t
N. 8. ~ RUADOCMM-rJiiClO -- N.8
1' andar
Boyal Mail Steam Packet
Company
Reducgo de passagens
Billietes especiacs se-
ro eimttidos desde 14
de mar{> at o fin de
julho offerccciido faci-
lidades aos senhores
viajantes para visitar
a expsito colonial
era Londres, de 186.
Ida e volta de Per-
nambuco a Soutliamp-
011, primeira classe,
com o prazo de 6 me-
zes libras sterlinas 36,
15, 0.
LEILOES
Humo e definitivo leiio
Ao correr do marteo
De toJos os movis, pimos, loucas, vidros, fa-
zendas, 72 duzias de aldpabas de 2 1/3 e 3 polle-
gadas com descanso, jarros, quadros, bandejas,
espelbos e outros muitos artigos que serio vendi-
doc s<:m limite] para desoecupar se o armazem.
4|nar(;i fcira. O Jo corrente
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n, 18
A's 11 horas
POR INTERVENQO DO AGENTE
Gusmao
Leilo
De 525 saceos com farinlia de mandioca
Na Comj anbia Pernambucana n. 6, trapiche
Esperanca
Quarta-feira, 10 do corrente
"""""~-----^fr-i-4 horas
Agite Modesto Bapttsta
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8^1)09, no becco dos Coe-
hog, junto de 8. Goncalo : a tratar na ra da Im-
peratriz n. 56.
m Os hachareis Antonio Justino de Souza e
P. dro Affonso de Mello mudaram o sen escripto
rio para a ra Duque de Caxias n. 54, 1 andar
onde continan) a exercer a sua profisaio de ad-
vocados.
Precisa-se de urna cosinheira mais algum
servico em casa de pequea familia, na ra da
Aurora u. 81, 1 andar.
- Precisa se um menino de 11 a 14 annos para
servico interno em casa de pequea familia, na
ra da Auror i n. 81, 1 andar.
Aluga-se a 8 urnas meias aguas' cm re-
partimentos, na travessa das Uarreiras, becco do
Aquino ; a tratar na ra do Cotovello n. 25.
A fabrica Vendme precisa de officiaes de
cigarreiros^______________
Aluga-se o 2- andar do sobrado n. 1 do pa-
teo do Terco, o 1- do de n. 19 a ra da Penha, o
1 do de n. 18 ra Dircita, o Ia do de n. 66 i
mes.na ra, o 1 do de n 35 travessa de S.
Jos, o 1' 34 ra estreita do Rosario ; os trre-
os de ns. 26 ra Duquo de Caxias. 1 do pateo
do Terco, a casa n 26 ra de Nunes Machado,
no Espinheiro, com b;ns commodos : a fratar na
ra do Hospicio n. 3.
Vende-so a armecao da casa de molhados
praca de Pedro II r.. 6, propria para continuar
i om o mesmo negocio ou outro qualqucr, na fre-
guezia de Santo Antonio ; a tratar na mesma.
Precisa-se de um criado e de um menino de
12 14 annos, para algum servico do casa de pe-
quena familia; na ra do Imperador n. 61, se-
gundo andar.
Precisa se de um criado do 11 ltannos
na run da Aurora n. 81, andar.
Pede-so aos abaixo assignados o favor de
virem ou mandar A ru.i do Mrquez de Olinda n.
51, a mgocio que nS'j ignoran
Jos de Araujo.
Odilon Coeiho da S Iv.i.
Pedro Siqueira, d'Alf.uJegn.
Arthur Dantas.
Luiz Carvalho.
Jos Qolmaties, eaixvira de Lovu i Filho.
Frederico Vieiri.
Augusto Goncalves da Silva.
Manoel Antonio Carneiro de Araujo.
= Aluga se o paviuicn'o terreo d.i travessa da
Bomba n. 4, o dito da do Livramento u. 10 c o
casa do largo do Paraiio n. 3 ; na ra do Apolle
n. 34,1 andar.
= Precisa-se de duas pessoas, para vender fi-
lhj : na ra de Uortas n. 35.
Vende se urna catraia em muito bom esta-
do, propria para servico de passageiros ; a tratar
na praca do G rpo Canto n. 2.
Aluga-se urna es jrava para o servico domes
tico de casa de familia ; a tratr na ra de Ria-
chuello, casa n. 31.
Quem quizer alugar o 1 andar c lejas
do sobrado n. 43 ra da Aurora, pro
cure as chaves em poder dos Srs. Ne-
greros & Irmao, ra do Imperadar nu-
mero 30.
Aluga-sc na Jaqueira urna casa pintada de
novo, com commodos para familia pequea, tem
soten, quintal, banheiro, cacimba e apparelho ; a
tratar na ra do Crespo n. 25, loja de joias.
Ai> com m ere i o
Declaro que foi sem minha auterisa^ao o aviso
que com esta epygrapho publicou neste Diario o
Sr. Joao da Silva Camocg.
Joo Carvalho.
Aluga-sc
barato a casa terrea, caiada e pintada, ra de
S. Jor?e n. 40, com 4 quartos, 2 salas, sotao, co-
stana ora, copiar, quintal e cacimba ; a tntar
com Siqneira t'errat & C, ra d^ Ainorhn ni
mero 66. _______________
Attengo
Previne-se, para evitar que t.Y', quo ai pirfs
dos sobrados ns. 28 e 30 da roa dj L*. Hara Ce-
sar, que se acluin annnciail^ i pan sero.n vo_-
didas era praca do juizo d>- oiphi s, rc,uri-
mento do inventariantc dos bvu* do fina lo Dom.n-
gos Jss da Cun ha Lages, se acham byyotbeca-
das ; e que os herdeirosdedito Ligcs esto sendo
accionados pelo juizo do civel, cartorio do Sr.
Cunha, pnra pagamento dess hypstheca, que se
acha devidamente registrada ; sendo que pro'e3-
ta se fazer valer os direitos que pela legiilacSo
vigente to conferidos aos ciedores hypothec-
rios.
Os bilheles de um cavallo e urna carroca
correr com a ultima de Janeiro prximo passado e
transferidos para a ultima lotera de fevereiro, fi-
cam sem valoi algum, deixando assim do correr
em razo da pquena extraccao dos meamos bi-
Ibetes, ficando o direito alguna possuidores de
bilhetes que j tenhb pago, a baverem scu di-
nheiro.
Para Mossor, J. B. Michillcs 1 volunte co10
15 kilos de doce.
No hiate nacional Deus te Guie, carregou :
Para Aracaty, P. Alves 6t C. 20 barricas com
%8 kilos de assucar branco e 2 ditas com 79
ditos de dito refinado ; Fernandes & IrmSo 17
volumes com 1,208 kilos de assucar branco e 5
barricas com 348 ditos de dito refinado.
No hiite nacional Geriquity, carregou :
Para Mossor, J. J. Moreira 250 saccas com
farinha de mandioca.
Para Maco, P. Pinto 4 C. 5 barris com 480
litroi de agurdente.
mzi Na barcaca Graciosa, carregou :
Para Mamanguape, A. Irinos & C 300 saceos
com farinha de mandioca.
MOVIMENO DO PORTO
Navios entrados no dia 6
Gibraltar e Trieste18 dias, vapor inglez Ola-
n-tvern, de 640 tonelada3, commandante Richard
Davier, equipagem 16 ; carga farinha de trieo,
Uenry FoFstei & C.
Hamburgo 54 das, brigue allemo Otro, de 864
toneladas, capitto H. G. Hayefren, equipagem 8.
carga varios gneros ; Fonseca Irmaos i C.
Babia e escalas -9 dias, vapor nacional Marinho
Viseonde, de 400 toneladas, commandante Jos
Joaquim Coeiho, equipagem 27; carga varios
gneros, Domingos Alves Matocos,
Navios sahidos n> mesmo dia
Mace(5Patacho inglez Hottpur, cacttfto A. .
Moreira ; em lastro.
Ceara -Hyate nacional Da s \'c Guardt, capitao
Antonio A. da Silva ; carga varios gneros.
Aracaty Hyate nacional, Deus te Guie, capir
Jos rVrangy; earga varios gneros.
LiverpoolVapor inglez Theretina, eommandsn
te J. Kemphorne, carga varios gneros.
PelotaE=Patacbo hollandcz Brocdertrouw, capi-
tao B. H Kappen, oarga assucar.
AracatyPatacho ho'.landez Anrw, capitao L
Stunt, ciirga farinha de mandioca.
Barbad jb -Barca americana Wallacc, capitao M.
Comachc, im lastro.
Hull Bar^a sueca Primo, capitao O. Rtzeuburg,
carga varios generor.
Liverpo.ilPatuch norueguensn Plimtoll, capi-
tao F. G. Stcreusen, carga algodao.
Lisboa e Porto Barca portuguoza Novo Silencio,
capitao Jos Josquim da Silva, carga varios
genero3.
Mo8sor<>Hiate nacional S. Burtholomcu, capitao
Jos Antonio de Moura, cirga varios gneros.
Londres Vapor ingle Norteman, commandante
A. H. Lacy, Ciiga apparelhcs telegrsphicos.
Club Symparbia
Este club, composto de mo^cs artistas, percor-
rer as uas desta cidade aconipanlniJo de urat
msica ; a sua sede na ra da Penha.
Ao commercio
Nos abaixo assignados declararos ao Illm. cor-
po do commercio e ao publico que dissolvemoa a
sociedade que tinbamos na casa de molhado?, sita
estrada de Luiz do Reg n. 40 F sob a firma de
Lopes & Abren, em 1 de Fevereiro do corrente
anno, fi .-ando o socio Lopes com o aetivo e passi-
vo, e rece oendo o ex-socio Abrcu sen capital e
lucras, ficando exonerado de qual uer oaus.
Rccifc. 6 de Marco de 86.
Manoel Fernandes de Abrcu.
Manoel Alves Lores.
Ao publieo
Previne-se que ninguem faja tr- xmcca com
urna letra do Vnlor de GOOJ, aceita por inim e ga-
rantida pelo meu irmao vigario Francisco R*y-
mundo da Cunha Pedrosa, a vencer--e a 16 de
agosto do corrente anno, porquaut^ se acha su
jeita a certos onus, cuja nao satisfacao importa o
nao cumprimento dj dtveres, o qo dar lug r tal
vez a procedimento judicial.
E par* que ninguem possa era t .upo algum al-
legar ignorancia, faz-sc a presente eelaracao.
Afogados, 6 de Ma-co de 1886.
Ieuacio da Cunha Pedrosa.
A|g>
Antonio Cesar de V. Cninpoti
Mara Cesar de V- Campos, Jos Cesar Cam-
pos, Dr. Luiz Antosio de Andrada c Man.tl Lins
Paes Barreto convidam aos seus p rentes e ami
g)3 p.nra assistirem a urna missa iJOS mandam
rosar por alma de seu espoEO, irmao e cunhado,
Antonio Cesar de v". Campos, segunda-tea 8 do
correte, as 7 1/2 horas da manhii. na igreja de
N. S. do Terco, pelo que desde j se confessam
qgradreidos.____________________^^^
VAPOKES ESPERADOS
Gironde
Para
Pernambuco
Ville de Boina
Ville de Cear
Manar
Finance
Elle
Espirito Santo
Tamar
Hamburg
Neva
Congo
da Europa
do norte
do sul
da Europa
do sul
do norte
hoje
hoje
amanhl
a 9
a 10
a 12
de New-Port-News a 12
da Europa a 12
do sul 8 16
do. sul a 16
de Hamburgo a 20
do snl 8 24
do sul 25
Corbiuiaiio de Aquijo Fonseca e scus irmos
agradecem a todos os pareatcs e amigos que fize
ram o obsequio de acompanhir ao cemiterio pu-
blico os reste s mertaes de sua ria, Maria Ang-
lica da Fonseca Pereira ; e de novo os convidam
fiara assistirem a mista do stimo da, que ter
ngar na veneravcl ordem terceira de S. Francis-
co, s 8 horas da manh do dia 9 do com nte,
pelo que desde j se coofesaa -. gratos.___________
PILLAS
Ferrug-inosaB
fURl/BEBA^
BARTHOLOMEO a C
Phtrm. Ptrnambuco.
Curio
braacaa,
Btroac&o,
s PeblUdade t Tobream de san rae
Exigir a asiignatur,
Tricofero
de Barry,
!;nrnnr-*r que
uz cretcer o
CABELLO
anda mesmo i-a* taseca
mnlH < alrns, bem cono un*.
cura radlcaliuccce
a TINHA e a CASPA.
PositiTamente im^ede a
Jaeda e o oinbranquecimenw
o CABELLO c em todos os ca
sos o torna invariavelmente
Macio. B-ilhante, Formoso e
Abundante
Emuflobamaisdcoltcntaannoi
e tem nal'T Vfuda que ncnhuic
outm preparado para o cabello en",
toa. aiundo.
^mlmm(.^SbIbIbIbHBDI1BBMBftaiMIlHBaKI
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segundo a fortinl
original usada pelo inventor nc
I anno de 1829.
Tem duas vezes mals Fragrancia
que qualqucr outra.
Dura duas vezes mais tempo.
E'muita mals rica de perfume
mais suave.
E'multo mals Fina e Delicada.
Tem dobrada forca Refrescatlva e
Tnica no Banho.
Fortalece ao Deb.'le ao Caneado.
Cura as Dores de cabeca o os des-
matas. *
E'multlssimo uperior a todas as
outras Aguaj Floridas Actual-
mente venda._________;________ '
Descoberta Injportantigsima.
Puro Oleo de Fgado de Baealbar
COM
IODURETO DE FERRO,
DE '
Barclay S Companhia'
Onra radicalmente c com sepurancaos peores cuao
Je riilhi-ca. BKrofalaa, HlH'uniatVmo, as doenea*'
a Epinba Dorsal, dos Qnadri.- e doaOssos, aslik-
ilammayOcs do Filudo, do Baco e do tero, etc., etc.,
e i si: tu o iiocorpo eufrauneciuo e fatigado o Fea prl*
ciitvo vig.r e orredondado ? is con^rnos. E* certa- r
mente uniii cmride < Puro Oleo do.
'nado do Bacalh .> <>>.- todureto do
Forrode Barclay r < R New York. }
SaFopf ^.e Vida-
de R^
Bi"Mi':n- r* nrrafisatTE
'.... i w L L. I vu'^nl. I ka
-C70 c r.tlir,iravcl puri^lcr.dor de
cacte actva cota oa intestinos"*
c sttSa. c& lias a a peSt
Ce: rulnRvol contra a DblltlsM!e
Kc rvosa, t Dores de Cabe:->. a Dys-
pepsia re o:ces, c contra aa doen-.
cas de or!{;rn Miasmtica ou occa-
sior.ac-as por desordons do flgado
ou pobreza e impureza do sangue.
os. especficos- veterinarios
0ME0PATHIC0S^=
H
_==DE HUMPHREY.
i Para a cura de todas as doencas de
Cavallo-^ Gado, Carneiros, Caes, Por-
ees, Ares.
Tem sido usado com feliz resultado por
Fazendeiros, Criadores de gado, Car-
ros-ferris, etc., etc.
Certificado e usado pelo Gorernodos
Estados Unidos.
17 Envia-se Folhetos e Cartoes gratis.
HMPHREY'S MEDICINE CO.
109 Fulton St. Wew-York.
Especifico Homeopathico de
Humphrey No. 28.
Usado ha 30 annos. O nico remedio cfficaz para
Debilidade Nervosa, Fraqueza Vital
e '|jrostra(ot por excessivo trabalho ou outras causas.
$1 por garran, ou cinco gairalas ei garraiao de pos,
$5.00, ouroamericano.
(1 A'vznda roa todos os Droguistas. Tambera
enviase pelo correo pelo preco do costume.
Dirija-se a Humphrey'* Hameopathio
Medicine Co." 100 Fulton SU New-York.
q"ll isMsffi.r s,lk-
O,LLR^^pia0cL^TWI8T.
Julgando ser de grande utilidade dos negociantes da
America do Sul, terem fies de seda e retror prepara-
dos em material mais leve do que sejam carreieis de
pao, estamos promptos a fomecer para exporta^o
nos de seda, retroz de teda e seda de bordar, de
toda as qualidades, pseparadas em lancederras de
P*f? ou c peonas como cima representado.
Temos todos os lmannos de fio preto e mais de
qumhentos cores. m
. Dirija-sed "Brainerd k Armslxong Co,''
6ai Market Street, 469 Broadway,
Philaddphia, U. S. A. Nest^York, U. S. A.
Esto i 1 portante rstabrle.-ment de relojoaiia,
fundado-pm 1869, est funccionatido agrra ra
larga do Rosario n. 9.
O seu proprietano, encarr gado do regulamen-
to dos r elogias do arsenal de marinha, da compa
nhia dos tr.lhoa urbanos do Recite Olinda e Be-
beribe, da do Recite Caxang, da estrada de
ferro de Carua da companhia ferro-carril de
Pernambuco, da associacao commercial bene6cen>
te b da estrada de ferro do Limoeiro, cercado de
intelligentes e habis auxiliares, concerta e fa-
brica qoalquer peSa para rclogios de algibeira
de parede, de torres de igreja, chronometros ma-
rtimos (dando a marcha), caixas de msica, ap
parclhos electrieos telefrraphicot.
O mrsmo acaba de receber variado sortimonto
de relogios americanos que vende de 71 a 204
para parede, mesa e despertadores de nikel.
Contina a exercer a sua prefissao com selo e
interesse de que Bcmpre deu provas ao respe!-
tavel publico e aos seus collegas, e vende forne-
cimento de qualqner qualidade.
Em frente de seu cstabelecimento se acha col-
locado um relogio, cojos mostradores tambem po-
derao ser vistos pelos paasageiros da- ferro-carril,
tendosenrpreaHOJlA MEDIA DESTA CIDADE,
determinadas pelas suas observar/oes astronom-
as*. Ra larga do Rosario n. 9.
Antonio Jos da Costa Araujo.
CAM1MI0S DE FERttO
PORTATEIS
DE
&
K BRUXELLAI
(Constructores do inelhor material para
caminhos de ferro industriaos. Fornecedo-
res dos Arsenaes e caminhos de ferro do
estado belga, do Governo colonial das In-
dias Neerlandesas, etc., etc., etc., etc.
Vas frreas prtatela -desmon
jareis fixas, trilhos de ferro e de ajo, por
pregos inferiores a de qualquer outro sys-
tema, sendo mais dura veis e uuis prati-
:os.
Pequeas locoiuotivag w-ago-
netes especiaes prra fabricas, exploracSes
agrcolas, atorros, minas e engenhos de
assucar.
Estabelcci'.los no centro de um paiz que
produz ferro e acs as raais econmicas
lcondigoes, as officinas de Verharren & ds
Jager, alm da sua situagao em urna loca-
ulade onde a mSo do obra barata, go-
sara da vantagem de ter urna organisagao
seria c especial para a comtracfSo de ca-
minhos de ferro ao alcance de todos. Os
seus pregos dcsafiam a qualqucr concur-
rencia.
Para infonnagoes circums'.anciadas diri
jr.m se a
Titeo. Ius
2 LAUGO DO COEPO SANTO 2.
Remettem se catlogos Ilustrados quem
p;dir
Viagens ao ecuro
De Oiiuda parte todos os sabbados, s 4 horas
da tarde, para Itamb por Iguarass e Goyanna,
urna diligencia: passagens a tratar na ra Io de
.Margo n. 1, no Recifc. Viagens avulsas em qual-
quer da, c para qualquer parte a tratar no mes
mo lugar.
BOQIAYROL FRERES

PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
Er Grande
oc
35
*JSS
?5

ss
0 Remedio mets effict e
Seguro que se tim tesceberto ate
hoje pera e>P .'// s Lcn trigas.
<3?
-r.
c
32

s
Este remedio precioso tem gozado da aceefta-
3o publica durante cincoenta e sete annos, com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1837.
Sua popularidade e venda nunca forjo to ten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
onerece a melhor prova da sua efficacia maravil-
hosa.
STo hesitamos a dizer que nao tem deixado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em adultos, que se acharo afflic-
tos destes nimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantement
aitestaces de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varas falsicacOes, da
sorte que deve o comprador ter muilo cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
VerniifMC e B. A. FAHNESTOCK.
>
ri


Diario de PernambncoDomingo 7 de Marco de 1886
:000U0
LOTE
DO
CUABA
EXTRACTO NO DA 13 DE NARCO
ANSFERIVEL
O portadorquepossuirdousvigsimosdesta?importante
loleria est habilitado a tirar 25:ooo#>ooo.
Os bilhetes aeham-se a venda na Casa da Fortuna ra
Primeiro de Marco n. 23.
COffiE 13 DE MLROO DE 1886, SEM FALTA.
'ALBEKTO HENSCHEL & G
S2-RU4 DO BARAO DA VICTORIA^
O bem acreditado estabelecimento photographico allemao, acaba da auwnen-
tar as suas galeras no gosto das mais sumptuosas casas d'este geneio, como de raris,
Londres e Berln, onde o rcspeitavel publico encontrar os mais aperfeijoados fipvpalhos
pelo systema mais moderno e mais apreciado.
Para dar mais impulso sua casa e assim melhor satisfazer as mas Jflfceis
exigencias, acaba de contractar o eximio pintor o Sr. Ferdinand Piereck, ehegadf re-
centemeote da Corte do Imperio, onde adquiri grande nome, alm do bom crdito que
j gozou em 1877 guando aqui estece na me3ma casa.
Roga-se s Exraas. familias e mais pessoas o obsequio de honrar oom suas
visitas a este grandioso estabelecimento, onde existe uraa magnifica exposicuo de suas
prodceles artsticas e onde encootrrlto Ihaneza no trato, perfoicao nos trabalhos e
modicidade nos precos.
C. JBarza,
Detente.
ESPLENDIDO SORTIMYTO
DE
Q
[ *
. os
?

***
r&
ce
mm*
W
p^ w
O (M
O
C s
ce
L ^ o
es
L O
O s
ge ^^
*
W 4>
c o
K
U s:
" 0
0) w"
T3
[> ce i
tZ
ce e
b ^^S
O 5=
=
e fifi!
fc
1
o
#>*.
39
faneifyu&c&
Jk- A^A^^4^M4^ixeVt^r/va^to^^
* VRhenmafifitno farvorofe Bobas Impi^ens
e todae as rflt>W9%* tfl ftnflfo eua ortgetn
'na impufiavlb saijgue dtvrrJaa sjphthe
' ,-i.W-1- _.------- -*v-
O
Q
EU6HI0 MARgUESDEHOUAHDA.
*~i,

u


.*
v&ce ec\ot* c&m
d\^aj> &*,
i' ___________ "' ".-'
AtORATORIoVcii

todo XA^O
EtTRAl. DE f ROOUCTOSIlDICI
t
>SlDICI"A.E5
'9 Ra d toeowde do Rio B rano o 1T
1 V0<
HIOI>F
JAMiIKO
o
p
s
O CS
o s.
b
o

FUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON & C
N. 44Ru i do Brum--N. 44
JUNTO A E? M(3A0 DOS BONDS
Tem para vender, por pre* mdicos, as segointes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacfip.E de diversos tamanho*.
Rodas de espora, idein, idem.
Ditas angalai-c, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portas de fornalba.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para j ard ni.
Vapores de forca do 3, 4, 5, 6 e 8 cavadlos
Mocmlas de 10 a 40 pollcgadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, c assentamento de macbinsmo e ezecuism qualqn-
alhn com perfciyao e presteza
RENDAS OU RICOS
0 que ha de mais gosto neste genero, rese-
llen
EXPOSIfiO UNIVERSAL
DE
EMILIO ROBERTO
17Ra do Baro da Victoria17
p
S3
O
3{
(goengas nervosas .
FERRUGINOSO
de Cascas de Laranjas e de Quassia amarga
ao PfOTO-IODURETO de FERRO '
Preparado por J.-P. LAROZE, Pharmaceutico
FASIS 3, Sue des llODl St-aul FAXII
APPROVADO PELA JUNTA DE HYOIENB DO BRAZIL.
O Proio-Iodnreto de Ferro,
bem preparado, bem conservado, prin-
cipalmente no estado liquido, de
todas as preparares ferruginosas, a
ilhoi
:ipi
tnicos, da casca de laranja e da
queproduzos memores resultados.Sob
a influencia do principios amargo c
quassia amarga, o ferro assimilado
tacilmente e produz effeilo prompto
e geral restituindo ao sangue, a forca;
s carnes, a dureza; aoMifferentes
DE
> < i
tecidos, a actividade e energa neces-
sarias s suas funccOes diversas.
Porisso. o Xarope Ferruginoso
de J. P. Laroze, considerado peles
mdicos da Faculdade de Pars, como
o especifico mais acertado para as
Doengas de langor, Chlorose. Ane-
mia, Chlori-Anemia, Fluxos brn-
cos com dixestoes demoradas. Mo-
lestias escorbticas e escrofulosas,
lachitismo, te.
Ho mesmo deposito aoha-i vend os seguintes Productos th /.-P. LAROZ-S
"XAROPE LAROZE
uffSSU TNICO, ANTI-NERVOSO
Contra as Oaatrltes. Oastral'jias, Dyspepsia. Dore* e Ca'mbraa de Estomago.
RADICALMENTE CURADAS COM 0
BRQMURETO LAROZE
XABOPE SED.A.TI"VO
t/ Cascas de Laranjas amargas
com BROMRETO de POTASSIO
APPROVAOO PEI.A JUNTA DB HTGIEXE DO 1IAZTL.
O Bromnreto de Potaaeio de
XAROPE DEPURATIVO^*-*"I0DURET0 DE POTASSIO
Contra at AifeocSes escrofulosas, cancerosas, Tumores braucos, Aoldex de Sangue,
Accidentes syphiliticos secundarlos e terciarios.
XAROPE SEDATIVO Je-"e.lri" BROMRETO DE POTASSIO
Contra Epilepsia, Hyaterico, Dan de 8. Ouy. Insomnla das Crlaneaa dorante a Dentlclo
urmro mm ranas as ato as tmu do iuiil
Laroxe. comn todos os productos
feitos neste estabelecimento, de
urna pureza absoluta, conrcSo indis-
pensavel para que se obtenba cfleilos
dativos e anodynos sobre o sys-
tema nervoso.
Dissolvido no Xarope Laroze de
Cascas de laranjas amargas, este bro-
mureto universalment'' empregado
e exclusivamente receitado pelos mais
celebres mdicos de todas as facul-
dades para combater com certeza :
as afteccoes nervosas do coracto,
da vias digestivas e respiratorias,
as nevralgias, a epilepsia, o hyste-
rico, a danca de S. Guy, a insomnia
das criancas durante a denticSo, em
urna palavra, todas as aileccoes
nervosas.
A LA REINE DES FLE'TRS
Ramalhetes Noyos
L T. P/VERem PARS
. Mascotte
PERFUME PORTE-BONHETJR
RODA DA PORTNT
200:000*000
mm fie mm
PRESOS EM PORqO
Dczenas..... 10^000
Vigcssimos .... IjOOO
EM RETALHO
Dczenas..... II$000
Vigsimos .... 1^100
CORRE TODAS AS TERfAS-FEIRAS
3 SA LASCA P3 BOSAHIO-6^
O3 proprietario do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communic^m ao respeitarel PUBLICO que receberam um
grande sortiraenlo de joiaa das mais modernas e dos mais apurados gostos, cerno tam-
bera relogios do todas as qualidades. Avisam tambera que continuara a recebar por
todos os vapores vindos da Europa, objactos novos e vendem por muito menos que en;
outra qualquer parte.
MIGUL W0LPP & C.
N. 4RA DO CABUG----N. 4
Comprase ouro e prata velha.
I

No mesmo deposito acha-se venda os seguintes Productos de J.-P. UROZE:
XAROPE LAROZE.*?.&TNICO, ANTI-NERVOSO
CoDlra as Gastritis, Gastralgias. Dyspepsia. Dores e Colmbras de estomago.
XAROPE DEPURATIVO4*^rnilIODURETO DE POTASSH)
Conlra a> Afle^cOes ssorota^as. cancerosas. Tumores brancos. Aoldes de sangue.
Accidentes sypbiliticoe secundarios e terciarios.
XAROPE FERRUGIM0S0q'-^,--^PR0TOI0DRETOaFERRO
Anemia, Chloro-Anemla, Cores paluda, Flore ranos, RacbJUsmo.
Extracto de Corylopsis do Japo|
PERFUMES EXQUISITOS :
Ben^uet Zamora Anona dn Bengaie
Cydcn'a Ce Chino
StepharUa dAustralie i
Heliotrope hlai-.cGardenia
Sonqnct de 1'AmiUWlaite F.cse cf KesanUk Polyilor orlentall
Brise de Nice Bouquet oe Reine des Prs, etc.
gtftiil* m Uit u son gistuiu ia miL
Pars, J.-p. LAROZE e C*. Pharmaccatlco,
2, M DES LIOHS-SAIHT-PAUL, 2.
ESSENCIAS CONCENTRADAS (75-V) QUALIQADE EXTRA
Depositoi asi principies Perfumaras, Pbarmacias s Cafceiicreiro da America.
1 IIEEIVI 1
TINTURARA
SCCESS0R
25 Ra de Nalliias de 41buquerque 25
(ANT1G4 l! D4S FLORES)
Tinge d limpa com a maior perfeicao toda a qualidade de estofo, e fazenda em
pe as ou em obras, chapeos de feltro ou de p&lha, tira o mofo das fazendas; todo >
trabal > eito por meio de machinisrao aperfeiQoado, at hoje conhesido.
Tintura preta as terjas e sextas-feiras.
Tinta de cores e lavagem todos os dias. ^^^
Grande e bem montada oflicina k aifaiate
DE
PEDR0ZA& C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor
'jtimento de pannos, caaemiras, brios, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravataa,
lulo importado das melhoree fabricas de Paris, Londres eAHemanha; o para bem
aervirem aos seus amigos e freguezes, os proprietarios dcsto grande estabelecimento
,m na direccSo dos trabalhos da oficina habis artistas, e que no curto espayo de 24
horas, preparara um terde roupa de qualquer f zenda.
Roa do Baro da Victoria n. 41
(PRgOS SEM COMPETENCIA)





t





-. *





6
Diario de Pernambuco---Domingo 7 de Mareo de 1886
Aliga-se barato
O 1. e 2. andares da travesea do Campello n. 1
O armazem do Bom Jess n. 47.
A cus terrea n. 23 da travesa de S. Jos.
Aloja da roa do Calabouco n. 4.
Acasa da ra do Visconde de Goyanna u. 79.
A eaaa da Baixa Verde n. 1 B Capunga,,
A tratar no Largo 9o Corpo Santo n. 19,1* an-
tar. ________________ ^^_____
Alnga-se a casa terrea n, 52 da roa de 8.
Jefe, com dous gabinetes, 2 salas, 3 quartos, por-
teo largo ao lado, com grande quintal alguns
redos, e quarto fra para biabo.
Au'.a mixta particular de insirucc^o prima-
sia, Deodata Amelia Ferreir,- da Suva, ra Vi-
dal de Negreiros n. 21.
Aluga-se o armasem da ra do Mrquez de
Olinda n. 18 ; a tratar com Prente Vianna &
Cmpanhia
A'uga-se barato
o sobrado e aotao ao largo da Detencao n. 67,
eom muitos commodos para familia, bastante ale-
jado, etc ; a tratar na roa larga do Rosario nu
mero 34.
Ahiga-es barato
Urna casa na ra do Rio (Torre), com commo-
dee para familia ; a tratar na ra larga do Rosa-
na n, 84.
Aluga-se
__casa caiada e pintada de novo, com soto
interno, sita a rna do Coronel Suassuna n. 198 .
a -atar uo largo do Corpo Santo n. 4, primeiro
andar.
Aluga-se
quartos mobiliadoe, independentes, ra de Jos
quim Nabuco n. 9, Capunga.
Prenaraco de Productos Vegetaes
PARA
EXTINGO DAS CASPAS
e outras Molestias espillares.
J^IARTI NSTiASTOS
Venezianas
Compra se de dnas 4 ouatro venezianas de ma-
deira, com correntes de metal, das modernas, com
pouco uso ; no primeiro andar n. 23, ra larga
do Rosario._______________
Advogado
Casa na Torre
Aluga-se por preco commodo urna casa na ra
do Rio, dcste pitorasco povoado ; a traiar na ra
larga do Rosario n. 31.
" 25$
Aluga-se urna casa terrea traressa do Princi
pe n. 7 ; a tratar ra da Attracc&o n. 12.
\iua para coiinhar
Na ra do Bem-fica
sitio que fica em fren-
te da entrada dos Re-
medios, se precisa de
umamulher forra ou
escrava para ama de
coxinha.
Ama
rrecisa se de urna ama para lavar e engom-
mar ; na travessa dos Pires n. 5 (Geriquity).
Ama para cosinhar
Na praca do Conde d'Eu n. 4, 1 andar, se
precisa de urna ronlhr de meia idade, para cosi-
nbar, fazer compras e alguai Eervica de casa de
pequea familia. __________________
O bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e Silva
mudou sua residencia da estrada de Joao de Bar-
ros para a rna velha de Santa Rita n. 89._______
Escola par colar
De ina*ruccft primarla para o seio
mnxrulino
34 Ra da Mat'is da Boa-Vista34
O abaixo assignado participa ao Ilustrado pu-
blico desta capiUl, que abri sua escola particular
de instrueco primaria para o sexo masculino, a
ra da Matris da Boa-Vista n. 34, onde esmera-
damente se dedica ao ensino de seus alumnos.
O grao da escola consta : ler.escrever e contar,
desenb linear, histora patria e aecoes de traacez.
Garante uta tapido adiantamento em seus alum-
nos, pelo seu systema de enains, o qual urna pa-
ciencia Ilimitada, nm amor inviolavel e urna es-
merada dedieaeSo ao ensiuo, fazendo com que os
seus decinulos abracen! e amem decoracSo as let-
tras, aos livros, e ao estudo, guiando os no cami-
nho da intelligeaeia, da honra e da dignidade,
afim de que venbam a ser o futuro sustentculo
da patria, da religiao e da lei, e um verdadeiro
cidadao brasileiro.
Espera, pois, merecer a confianca e a proteccao
do diBtincto povo pernambucano, e era particular
tem f robusta em tofos os pau e tutores de me-
ninos que queiram aproveitar um rpido adianta-
mento de seus filhos e tutelados.
Com quanto ousada seja esta tentativa, todava
espera que es seu incansaveis esforcos, e os seus
puros de jejos, sejam coroadoa com a feliz appro-
vii,o de todos os filhos do imperio da Santa Cruz.
Mensalidade2*000 pagos adiantados, no acto
da matricula.
Horario-das 9 horas da macha s 2 da tarde.
Recebe meninos internos e meio-pensionistas
por mensalidades razoaveis e lecciona per casas
particulares a ambos os sexos.
Julio Koa re*de Axewtt
34-RA DA MATRIZ DA BOA VISTA34
Vina
Precisase de urna ama para casa de familia :
na ra do Visconde de Goyanna n. 46.
Ama
l'rfcisa-se de urna ama para casa de rapas sol-
teiro ; no pateo do Paraizo n. 18, taverna.
Bolos
Satisfazse qualquer encommenda deste genero,
com perfeicSo e modieidade, ra do Riachuelo
n. 39.
N8
Precisa ie de duas amas, urna cosinheira o ou-
tra para andar com duas enancas e mais servico
de casa de familia ; a tratar na ra do Imperador
n. 14, 2 andar.____________________________
Oiieiu (em?
O ore c prala : compra se ouro, prata e
pedras preciosas, por maior preco aue em outra
qualquer parte ; no 1 andar n. 22 a ra larga do
Rosario, antiga dos Quarteis, das 10 horas as 2 da
tarde, dias uteis.
Cosinheiro
Na roa do Vigario n. 17, se praciaa de um eo -
naeiro.
qaidafo de chapees, para se-
nhoras
\ende-se pelos roguintes precos : de 15* a 204
a rna do Crespo n. 17, em casa de Mme. Mique-
lina.
Porluguez e 'rancez
Lecciona-se na ra dos Pires n. 103.
Vinho especial para mesa
Acaba de chegar o conhecido e especial vinho
do Porto alvaralbao, proprio para mesa, em eai
xas de 12 garrafas, que se vende a preco mdico ;
nmeo deposito roa do Vigario o. 7, escriptorio
de Domingos Alves Matheus.
E' Branca
D. Anninha foi embora
Com duas enancas, Miguel e Alfredo,
Em 23 de Fevsreiro de 87,
Sera receio e sem medo.
D. Anninha foi embora
Sem sobrsso e sem espanto,
A 23 de Feveieiro de 86,
C m tres contos e tanto.
D. Anninha fui en.bora,
Em companhia de um magano;
J tem idade soffrivl,
Passa de 41 anno.
Quem esta descobrir dirija se praca do Con-
de d'Eu n. 12,venda que ser gratificado com 504-
Para cosinhar
Xa ra de Joaquim Nabuco n. 3. entrada da
Capunga, precisn-se de orna ama com urgencia,
Leonor Porto
> ..^ ___i__j_____
:{>

itu !o Imperador n 45 M
Primeiro andar
i executar os mais difflceis
figurinos r-cbidos de Londres, Pars,
i e Rio de Jan ro.
Prima en; perMclo de costura, em bre-
vidade, modic.dade cm precos c fino
gosto.
l
>"**
Para advogado
Aluga so a sala do 1- andar ra Duque de
xias a. 01, a tratar na I
Advogados
Manoel Netfo e J ib^ ; ra Duque de
Carias n. 75, entrada pelo pateo d> CoUegio.
Os abaixo assignados. tendo adoptado e regis-
trado a marca industrial como do desenho i cima
ve cosformidade com as pretoripcoes da* leis em
sigor declaram ao publico e- particularmente aos
ttus numerosos fregneze?, que dora em diante
odos os productos qae i r.hiram de sua botica le-
varao a dita marca como garanta de sua origem
legitima paacedeacia.
Boa an|iiisi(;ao
'Vende se a fabrica de vinagre e cerveja ra
da Sensata n. 12, por preco muito barato, por seu
dono ter de retirar-sc, tem muitos utensilios para
fabricar qualquer ciatse de bebidas ; a tratar com
Eduardo Martin na mesma, ou so Entroncamento,
casa do Sr. Carpinteiro Soma.
Ltisiagas!
P<5 de ouro
P de prata
P de pe rola
P de gis
E mn grande sortimento de bisnagas em calun-
gas, passarinhos, flores e ontros folguedus pro
prios para o carnaval.
1 RA DO CABUGA 1
M. M. Braga
Viva o carnaval
Compra se vestuarios noves e usados ; na ra
da Imperatriz n. 78.
Coslumes de casemira
A 30 e 3.*
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, rece-
beu-se nm grande ?crtimento de finissimas case-
miras inglezas ce cores claras e escuras, que se
venden or preco muito em conta, assim como das
mesmaa se mandan fazer costum*s por medida,
srndo de palctot caceo h 3' 5000, e de fraque a
y i ; assim como de superior Amella ingleza de
er azul escura, a 30 e 354, e tambom das mes-
mas fazendas se manda fsMT qualquer peca avul-
sa, grande pechincbu ; na nova loja de Pereira
da Silva.
NA EXPOSICAO UNIVERSAL DE 1878
VINHO oe CATILLON
de OLYCERINA e QUINA
O mais poderoio t. r.iro reconstituala presenpto
nos eaios de Dores deatomago. Langor, Anemia
DlabatU. Consump;ao. Febres.
Convaiesceova, Rezultados dos partos, ele.
0 mesmo inho cera U ro. VINHO FERRUGINOSO DE
CATILLON regenerador ir iscellcneia do ungue pobre
e deaeorado. Este vinho f tolerar o ferro por todo
os estomago e nao oeouiuiia priso de veutre
\PtmS. S. ral StIBl-V nct'l de-Pul. -
anc^M. da Silva C'.enaprinci
NICO VINO QUINADO QUE OBTEVE. ESTA
D. Harta da Concel^ao silva
Machado
Primeiro anniverssrin
O capitao Manoel Joaquim Machado c seus filhos
convidara a seus prenles e amigos para assisti-
rem as missas que mandam resar na capella do
cemiterio publico, s 7 1/2 Inras da manh de 9
do corrente mes, p-r alma de sua presadissima e
empre lembrada mulher e mi, Maris da Concei-
?4o Silva Machado, Io anniversario de seu falle-
cimeato. Fsjre8te acto de rcliflfo t caridade le
lente pgradecidos. ____
frUNDA-HERNIARlA ELECTRO MEDICAL'
INVENCAO COM PRIVILEGIO PO ANN08
Dos luuos MARIE, medies* inventores para curar radicalmente as Hernias, mais oa menos earae-
terltados. Ate agora as fundas-herniarias leem sido apenas um simples meio para conler as hernias. O
Ibjuos MARIE, resolferto problema de conler e curar por meio da Funda-herniaria electro-medical
que contrabe os ervos, forlifica-os em abalo nem dores e faraute a enra radical em pouco lempo.
a PARS, 46, rija db l'Abbre-3bc. Deposito em Pernambuco : A. OAOR
Le Monde Potique
ss^. REYISTA d8 PESIA UNIVERSAL datura .
, PH1MEIHO ASMO a S i, o-r AUDO
^Aaao 4WT0^J^3^fl/r.P4.f. *^
O HOWIC POTMRW PPARECF. NO DA 10 DE CADA ME7
(O prmtro Numm samawmi o < I"** a* **
O Monde Potique deve o seu groitde e rpido sitse* d etxSSencin d*
em rtdoo&o, escolhajtuliciosa dos Estados aceompankadoa de tastos em todmt:
m Uonas, aofim elevado que se propSe, permiltindo ao mocos de futuro da
ecdreswem ao lado dos esvriptores mais ilustres de hoje. Cada msf,,^ esta raojrn-
fiem publiatLo tras os svtts leitores o echo fiel do mojimento pfttioo de todm a
parte. O seupraeo gustes torna-a acceuivel todas as bolsas.
D'ora em diar.U o Monde Pottique ser um orate eessarto teths
fuelles que se mienssan a esta filha sublime da imaginario : a V- -T-
r
Extracto Coinposto

Escroliilas c todas as Molestias
provenientes d eliasP para
Dar Vigor ao Corpo
'Purificarlo Sangue.


f
SKM'iBIO DO K 3
STJBQfABIO O K* 1
( poete* franceses co" itcmpormoe (Le-.-ooto
de Lisio) ; I/mU Titraln. Dana I"Ir lger ;
iKtmie s Utl'. Cancoea andaluzaa : Jstt
iluria iil/ertita A poesa contempornea
ua AllemanUa : .feunrd eircirhtl.--Bmine-
tjemv' B.inis.. I Auijttte Birlnltcrg. Chro-
nicaB ir.imui.*, u^-ioal, nrtfatica. Reviste
tdiVdoginpie, Eche.
fiUMXARIO DO N 3
O 'Modelo potico j Bme B'.monl [e*mniic
Edgar Poe'), HturctReflox : PranftisCappr.
Oe poetas rrabcesw ieoi ',1^0'tto
de Lisie), coctkinaclo : Loli Tk-mtt.
thana.-ic Itad Hvuiv-'. Da l'oeta Mala- l
JriMUt Marre. UhronioadnuaiUam. CUro-
oke meaioal. Necrologa [Len Valade),
EeTtoU blbUograpliicu. Bchce.
** -s *-------------* W"
TosTt, o-< Kmeroa Uo ioateadoe com Tiuelas. Ooreee, lettre c:des, e., oom-
nunlSS mi -' '-..... para o ONDE POTique pe'.o 8nr. Teale HOAT. irosta Oa
MeiiiiSMIei de Sevres. Otando Hdalba de Oaro da nMo de Arte deooiaueef.
Os poetiie freneses oGateaporaascs (Leoo* *
do Lisie-, fim : issii* ncrasa. A "'2":r
ceblo : Amerd aUtrUn. Caleoran (Ore-
V>a-*nlo): neetor^sjeaiKi. CnncOes i~lres
da Bohemia : Volenlm KiMr. A sombra
de Corneille : PrsMric PiruU Mistral
(G/Jitorio eo**o premio Vltot: pecr,
i!a Academia fiucssen. IhroaU, ato.
StnOLtJUO DO K 4
O" poeten t Anoeees ccoteenoraneos (BaHa
Prudhosro : Sma-Pien. Alperoto :
arindmryyii. A poesa j liigveda :
/'.-K''-ioiux,Bro6ssoriloCoL'egiod?ranc.
Lagrimes : fatelo. Foi : Aleiit UmU. r.
A poesa portngneen : Merleta Pina. Ctr>
nica artistio, F.srlsU bibUtffiltSSI, Bobos.
Sflaa
PSTlQe lomara bu nasulfico Taiuae coa t* e Bflhs
k tus Eira.
at.Vf' pe*jsm a* ttslt-tttin i mminisirada do Mande FatUnst,
44, RA SEUUI.R, >'M PAH
Cali sH'o da anlgiitm *t mt acceosaaaailo to ws talar sa esept, nle-ssa) W HDec.
9* IMPORTADO Di ** |^ Qy
>^ Nova PERFUMARA Extra-tina
OORYLOPsis col ft PAOl
Ulls...... asCORYlOPSIS do JAP0 f P de arboi. asCORYLOPSIS ic JAPl
nruen.....M CORYLOPSIS doJii*o j biiuarii. so CORYLOPSIS do JPlO
ACkUeTODCABOia*CORYLOPSISo JAP0 I o........CORYLOPSIS do JAP0
un**....... CORYLOPSIS JAPlO poiiii......- CORYLOPSIS iJAPle^
ADIUNISTRACiO
PARII. %,Bott!ssrdMontmrtre,PARIZ
PAETtLHAS DIGESTIVAS fabricadas t
viotay eom os Saes e.vIrahidos das fbntes.B
de gosto agradavel e a suri aceso 6eerUon.
tra a Azta e as BigestSes difflceU.
| SaEl QE IOT PARA BMHOS. Om rolo para aiu banbb, para aa peasoas que nao podem Ir a vtci.y. j
Para evitar es im\to marca t>a. comp. z>e: -vicufr
m reaiLSwnsl es Productos pul s'hio-se em css^ de HARISME.NDY A LABIUA r 4o Cevmewei
?raa
b .ILZER A
Lirvj, :. rut da Crox.
tam
Gotta, Rheumatismo, Dores
Soluqo do Doutor Clin
Laureado da Faculdad de Medicina de Para. Premio Montyon.
A Verdetdeira Solucio CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para cuiar:
As AHeccoes Rheumatismaes agudas e chromcas, o Rheumatismo gottoso,
as Dore articulares e musculares, e todas as vezes que neoessario calmar os
soffrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solucao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
Hi3 Um explleaco detalhada acompanha cada trasto.
Exigir a Verdadsira Solucao de CUN Gie, de PARS, que se enoontra em
^ casa dos Droguistas $ Pharmaeeuticos.____________________d
MSs)SMsMMiiaaq,Mrm
^A PEPTOMS
8ol>anRBaBI>f.,OKA *
anvarado por berreara* de Para, mu *
Mdicamento qae muito contrifcue (n rad-,
Ssfcr as ftinccas 1o estomago, e repslirm a,
difti.Uo, uoicr o etc Ja .'averacer i atJtrMk* i
V docnta.
Ssmnuiaere i*. expar'eiMis etla pelo; v
rBMi Afamaiinai m lirnA d Pii a flaitmc '

HYPOPHC5
oodj^h:
psacbidade emque eslsT.os de r*pro*eiir i
todas as sua cartas, limitanKKios a apta-y
sentar aai a carta dirigida a Sor Defrasc* ]
pr uoi noaativo, cu/o uoma a a fama ou
atoa couhecilos pelo mundo Diediea!.
Va o U JaOet ao Sfcr Defirsae:
sms, a 'JO -ie aacco ( 1 easa o posto de lhe auuJfestar a aa-}
rttofacao qao tive com s wa Faatoaa, ptfau]
rbtns resultados can com ella elcaneei aos<
? c tu graveo em q^e a test en pregada.
e Semore quinao tive de tuti [ na acto-]
rug) csnsad, doente on cora \&s digtc
tCes
a sas preparae,: alluioa oj
djenU,r8ihorBfio-lhe as func;3es digeaU-
at, a Jnnitaa asvlheres idosas, oaerts
senieas menino* racriittcos devam a
saa* ae a da Peptona. Por iss>, iqa.
nonaidero coa nm ndadeiro derer o re 4
ooawasndal-o i os m*s doentos n'o n grande,
numero de eaass.-
TeB^oaratieadocemimedioorraeoda-
rsata W sanos de 191 j 1S0, isriodo osn
trsa a nec^sidade de digerir os alimentos,
, inmediatamente consumidos era menos im- [
Deriosa de que hoje; ento st constitii^oes
i/m mais vigorosas, iiangninea. ensfgicas
<> detada; 4'um robusto poetice, favor* ridas
fr ama rrande bnnda>fa u surcos gas*
frios ;s yatocsm a prompta transc*,aia-
cic dos s'mr-.entos mais refractarios.
, 9 Hoje.porm. qucosesiumagosdabili-
U Jos carecem de erKTgia, 4 rnnvHMettte
lacjar tnic de todas a.- substancias :,e {*-
cilitam a digcstSo, como, tot euBJei, da
toa Pancretiaa.
e O precelto de h;gi6&e mr.is importe ate,
jorm rrais despreis/e este : Giste*
mulo rara reparar muit*. E* este se-'
gretfo da saude, e dtmnte muite temp-' en '
mee.' cstn.r'os tiverann est<- issampo por
principen objeeto; alem d'isso, 1 -ninha si..
tofao de medico na Repaitiyao de Benefl-
eaocia (Testa cidade. sm que os iscrofulcsos
e lympbiueot sbundara fora de tnedida me
permittcM ftztr muitM felir.es lyplKacde
de seus eicel'cntes productos, t
Aeba-se o deposito de to vatao medi-
cameato su Pharmacias e Drogariv J'essa
cidsdC: E'jio cuidar eva recoifiecel-e
nie leeltar as imitacees, aiigin^o gas,
1 rf tdakeVTrf BO BsVrWWKR
O ]' Cln-.s.-oill, .r.itcr da desjobo. \i >.ia
ysaepriedadei r.^.ratva, tfn Hjpopfcos-
ahitos :o trilaraorito a lia o palmona?,
tem a honra do participar aos seu:; c-allegas
jmedico!, que os nicos Hyp>phcapuitas
jreconhsc'.uuo e recoromerJailos por elle
jeo os 'juo .'>repa:'s> o S/r. awann. nbar-
iirasceuhjo, U. ra Cligone, Pati.
> Oh Xaropea da Hypoplioaphitns de
?Soda, tal o Ferro veiiaem-ae cm frascos
iquadrado* toad 1 n nomc lo C Churchill
"ao viro, sua a*sJf;na'ra ao envoltorio s
'na tira d*> panel encirnado .jue cobre a rolhs.
J Cadafraacr. verdad"'.-> Un alem distos
'raarc* d. fabrica da Phs-pms lia Swaitn.
Vendein-
er.1 todac os Pfca-rn cixi.

l^lo*.
Estes
POS
dao ao Rosto
a bella alvura vapo-
rosa que fez a reputaco
das Bellezas da ntlguldade.
L. PANAFIEU C"
Paria, rus, Rochechouart, 70.
tepositiMMen Pernambuco : FraSt-M. 1 SILVA C,
LINIMENTO SNEAU
Vara 01 CAVALIOR
as
SDPPRESSAO
do Foao
e aa
QUEL
di PELLO4
db n**:ck
SBISTrTJa
o FOGO
a
todas ts un
IFPMUfOE
c: & m VTK
JOSEPH KUAUSE 13: c.
Acabara de augmentar o seo j bem conhecido
importante estabeiecimento rna 1
, de marf o n. 6 com mais
nm salo no i andar luxnosamente pepar-
rado e prvido de urna expesi-
{fefc akns deprata Forte e etatofhte
dos mais afamados fabrenles lo
mundo inteiro.
Convida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e fregnezes a visitaren,
o seu estabeiecimento, afim de
apreciarem a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran,, em honra
desta provincia.
GDA-SB ASERTO DiS 1 A'S 8 DA NOITE
m*.
M
as
o ^egumte;
barato do que em casa dos dignos
collegas
EsguiSes para caiuiaaa e casaquinhos de senhoras a 44 e 4>500 a pe9a
Saias bordadas a 3A, 45 e 55000 urna !
Camisas bordadas ptVM aeolicras a 550O e 35000 ama I
dem sem pnaos, sem collarinhos., para homem, a 425 a duza!
Meias inglezas superiores a 45 e 5rJ0OO a dita !
dem inglezas para s-aoras 45 e 5000, cruas de 165 por 12500? ?
Crochets guaraijia eompleta por 85000 I ,
Damascos duas largaras para colisa a 2000 ocovado
Popelines braceas a ^00 rs. o covado proprias para noivas.
MiriuSs pretos duas largnrsa a 15t 15200 c 15500 o covado I
Bramantes da linho luperior a 2^000 o metro!
Lenjes s dite, panno de casal, s 2^000 um
Coberta de ganga crotones, idem 35000 urna!
Ceroulas, superiores aoiviidos a 165000 a duzial
Cortes de meia casemira para caiga a 15400 I
dem de casamiras inglezas a 35 e 45000 am I
Cambraias Victorias e tranapsjeates a 35200 e 35800 a peja!
Fichs para meiunas a 15500 e 25000 um !
Cortinados bardados a 75 c 105000 o par!
Crinaldas evos para noivas a %Q& o J 55000.
Cretones superiores a 320 e 360 ra. o eovado 1

dRuaDaque de Caxias59
* FAZENDAS BARATAS
Na bem conhecida loja da ra Primeiro de
Mar$o n. 20
JUNTO DO LOIVRE
Grande sortimento de madapol3as de
75500 e 85000
Algodoes brancos, superiores qualidades, de 45, 45500,
65500.
45500, 55, 55500, 65, 65500, 75,
55, 55500, 65

A cura fat-se com a meo em S minutas,
sem dor e sem cortar, ne.it raspar o pello.
Pliarm GNEAU, 175,Rua Si-Honor,PARIS i
SaperiOres cretones de 320 a 500 o covado.
Batistes, lindro padrSes, a 200 e 320 r3. o covado.
Fus toes brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, do dou3 pannos a 35500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padroes, a 35000.
Lenjoes de bramante, de linho de 25 a 45000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 25500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 55000 a duzia.
Ditas grandes para banbos a 25000 urna.
Lencos de algodao de 15800 a 25200 a duzia.
Ditos da algodao, com barra, a 25400 a duzia.
Brim pardo, claro, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Dito traacado, lona, a 15, 15i00 e 15200 o metro.
Cortes de vestido de ere tono do 205 por 85000.
Guardanapos do linho de 35500 a 65 a duzia.
Grande variedade de anquinhas de 25 a 55000.
Meias cruas para homem a 55, 65, e 75000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 55 a 105000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 25500 o covado.
.Algodao tranjado de duas larguras a 15300 a vara.
Bramante de algodao, de qn.ttro larguras, de 15&00, 15800 e 2|O0O avara.
Dito do linho idem idem de 25, 25500 35 e 4,5000 a vara.
Leques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 15000.
Merino preto e azul a 15400 rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Velbutinas de todas as cores a 15000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales do algodSo a 15200, 15400, 15fiO0 e 23000.
Guarda p de brim de, linho pardo a 45, 55 e 6|000.
Oxford p..ra camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o lovado.
Costumes para banhos de mar a 85 e 105000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 85 105, 12, 14 e 165000 o par.
Grande sortimento de ropa feita para tntbalhadoros de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qmlquer roupa para hornea e
meninos, para o que temos um hbil official o um gran e sortimento de pannos, brina,
casenfiras, etc.
Quem precisar de algum artigo bom e barato, dever visitar de preferenois
eete aestigo e acreditado estabeiecimento.
Roa Primeiro I Mario 120
mHD
i...


m

Diario de PernambucoDomingo 7 de Alargo de 1886
Mudou O Dr Maduro, medico parteiro, mudou ma re-
sidencia para a roa da Imperatris n. 88, esquina
da do Hospicio, 2o andar, onde aera encontrado a
qualquer hoia da noite.________________
AOS 4:0001000
SILKSIES 5SAU1ID0S
loa Primeiro de Marfo n. 23
O abaixo aasignado tendo vendido nos
seuB afortunados bilhetes garantidos 4
quartoa n. 3530 com a sorte de lOOJfOOO,
alera de outras nortes de 32,5, 165 e 80, d*
(oteria (41.a), que se acabou de eztrahir,
convida aos possuidores a virem rec&ber
na conformidade do costuiae sem desconfa
algara.
''' Acham-se venda os afortunados bi-
lhetes garantidos da 23. parte das loteras
i beneficio da Ordem Terceiro do Carmo
Recite, (42.a), que se excrahir quinta ieira,
11 do corrente.
MptS
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Em qnantidade malor de 1 OOo*
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manad Martins Finta.
RELOJOARIA
ALLEMA
os 4:0001000
BILHETES GABANTIDOS
16-I*a do Cabug-16
O abaizo a&signado vendeu nos seus
venturosos bilhetes garantidos os premio*
seguintes: 1 inteiro com a sorte de 1000
no n. 1242 alera de outros mais de 320,
160 e 80 da lotera n 41.
Convida-se aos possuidores a vir receber
sera descont algum.
Acham-se venda os venturosos bilhe
tes gari ntidos da lotera n. 42a em beneficio
da Ordem Terceira do Carmo do Recife,
que Se extrahir na quinta-feira 11 do
corrente.
Preeos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo qaanfdade superior
a 10 0:000
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0785
Joaquim Pires da Silva.
Ja adcdaEscada
por
l>/i-i
prata,
truuj^os, e moea'as de our
merclo n. 19, esta belecimento
cisco de Araujo Coet a.
; Frascos de oleo oria
I "Fita paracha, n. 80
', Carretela de 200 ardas a
patacoes uanaes yj- ^ 3Veg ^
de Antonio Fran-
O abaixo firmado, mudando sua residencia desta
capital para a do Rio de Janeiro, deixa ^P0"**
venda sua pharmacia ra do Ran^el n. 48, e
para o que faculta poderes especiaes ao *r. Jos
Caetano Baptista dos Santos, estabeieeido roa I
do Crespo n. 7 (Gallo Vigilante), para veadel-a de
accordo com o pretendente, e bem assim receber
dividas -que nao foram resgatadaa. Recife,23
fevereiro de 86.
Joaqun E. Cotia.
IfiiOOO
Alaga se a casa n. G da ra do Riaehnello,
antiga do Destino, na Boa-Vista ; a de n. 6 da
travesea do Freitas, cm S. Je s, por 14/, eaiadas
e pintadas ; as chaves a-ha-se junto e trsta-se
na roa da Guia n. 62, Recife.
Aviso
Compra-se
A Historia da Re-
voluijo de 4848, pelo
Dezembarg-ador Fi-
grieira de Mello; no
escriptorio deste Dia-
rio, 2 andar predio n.
42 da ra Duque de
Caxias.
Ditos menores a
Brinquedos para meninos a 200, 300 e
Caixinhas para presente a 2*500 e
Meios fio de aedapara senhhora a 14 e
Li para bordar de 2/800 e
Fita chineza o maco
Dito de algodaodito 240
Massinhos de grampos a SO
Macaquinhos acrobticos a 100
fiotoes, fitas, loques, perfumaras, bengalas, te-
souras e ontrn muitos artigos que s<5 com a vista
na Exposicao t<- A Revolucao
Fazendas brancas
AO
Praga do Conse- S> ^U| Antiga da Ma-
iheiro Salda- TB WTj tris de Santo
n h o Marinho tp*i t*2fl Antonio nume
n.4. jr*\ B^S ro 4.
Tendo c!t aberto urna officina de relo-
joaria com o titulo cima, recommendo-
me ao respeitavel publico para fazer
qualquer trabalhe, at o mais difficil na
minha arte, como j prove como em-
preado da relojoanaregulador da
marinbaonde trabalhei os ltimos
dous annos, promello presos mdicos
promplidao.
Carlos Fusrst.
' Aluga-se o sebradinho do becoo do Quiabo
(Afotjadoi), com quintal grande e di versee ps de
fructeiras ; a tratar nr ra de Marcilio Das nu-
mero 106.
Ao publico
Urna sen hora habilitada se offerece Icccionau
primeiras lettras e trabalboa de agulba em collc-
gios ou em casas particulares ; qnem de seus
prestimos precisar, pode dirigirse ra do Co-
ronel tusssuna n. 12.
Cosinheiro
Precisa-se de um cosinheiro ; a tratar na rea
e Paysand n. 19 (Passagem da Magdalena), ou
raa do Commercio n. 44.
Borradla especial
para limas ; receben a mercearia de Qeacalo Jos
da Gama, ra do Padre Floriano n. 41.
Viva o carnaval
Vivan os castellanos da nui
tararaes
A commissao deste castello tera por fim festejar
os tres dias de carnaval, enfeitando a dita raa
em frente ao castello, vem par isso pedir o espe-
cial favor aos moradores da mesma ra, perto ao
castello, para tomar todo o interesa--, para mais
brilhant8mo da feata e alegra das familias.
Sendo os senhores da coaimissao :
Clementioo Francisco de Barros.
Cosme Antonio Rodrigues.
Cosme Francisco Pereira.
Manoel de Sousa Mafra.
Julio Marcolino da Silva.
Constantino F. do lascimento.
Joaquim Gonoalves Vianna.
Felippc Benigno Carnario.
Joo Lins da Silva.
liento Joaquim Rodrigues. -____
Emilio Roberto aca-
ba de receber as afa-
madas bisnagas fran-
cezas, as quaes vende
em grosso e a retalho.
E1T0SIQI UNIVERSAL
17-Roa do Bar^o da Victoria17
Precisa-se de um empregado que saiba fallar e
escrever perfeitamente o inglez : tratar na ra
do Commeroio n. 8, armazem.
E' pe chincha
Vende-se um deposito de seceos em pequea
escalla, proprio para princi Jante e bem atrege-
zado ; a tratar no mesmo, sito ao largo do Forte
numero 34.
Ao commercio
u abaizo assignado declaro ae corpo commer-
cial desta piaoa que tenbo justoe contratado com-
prar ao Sr. Manoel Jacintho de Oliveira o seu ea-
tabelecimento de molhadts tito ra da Palma
o. 71, livre e desembarazado de todo e qualquer
onus ; quem se julgar com direito ao mesmo,
queira apresentar-se no prazo de tres dias, a con-
tar desta data. Recife, 3 de marco de 86
____________Manoel Maziniano de Souza
ilate Mra festejos carnava-
I
Grande sortimento de lettras estampadas e car-
tees de todos es tamanbos para annuncios e dis-
ticos. Chama-ae a atteoco dos encarreeados dos
festejos das ras para esta importante descoberta
que tem feito grande rerolucao na america do
norte e em toda a Euro ja. Magestoso effeito.
_______Ra do Cabuga-M. M. Braga.
Ao commercio
Um rapaz de 15 annos e de conducta afianeacla,
se offerece para caixeiro de urna loja ou mesmo
Uveras, pasa es quaes tem bastante pratica :
2uem quizer utilisar-se dos seus servicos dirija-Be
roa Duque de Caxias n. 33. que achara com
quem tratar.
CASAfE LIZ
As4:000$#00
NLHETB1 ABAOTIVO
t*raca da Independen -
cia ns. 37e 39
Acham-se a venda oa felizes bilhetes
garantidos da 42a, parte da lotera a benefici j
do hospital da Ordem 3' do Carmo, que
so extrahir no dia 11 de Margo.
Pre?ON
Bilhete inteiro 4000
Meio 20000
Quarto 1,5000
pernio de 1005000 para
claaa
Bilhete inteiro 8^500
Meio 10750
Quarto 875
Antonio Augusto dos Sant Pcrto.
80' AO NUME ilO
io raa da Imperatrlz
Loja dos barataros
Alheiro & C, a ra da Imperatrz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estas fazendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER :
AlgodaoPecas de algodaozinho com 20
jardas, pelos baratos precos de 34800,
4f, 44500, 44900, 5J, 54500 e
MadapolSoPecas de madapolo com 24
.jardas a 44500, 54, 64 at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas branc is e cruas, d 14 at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, muito bem fetas,
a 14200 e 14500
Colletihos c a mesma 800
Bramante fraacez de algodao, muito en-
cornada, com 10 palmes de largura,
metro 14280!
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me- I
tro a 24500 e 2,J80C
A toalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J800 :
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, de 240 rs. at 400 j
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratsimas, na conhecida
loja de Alheiro & C, esquina do beceo
dos Ferreiros
14000.
84000
so;
320
300
500
000 I O 48 da ra Duque de Caxias, desojando ven-
14300 der muito, resolveu vender fazendas por meaos
34000 26'/o de seu valor.
Ver para acreditar
Setias macios, de cores, 14400, por 800 res
covado.
Mariposa fina de cor a 240 ris o covado.
Renda aborta da China a 240 ris o covado.
Cretones finos naeionaes a 240 rU o covado.
Setinetas lisas e finas a 400 ris o covado.
Alpacas de cores a 360 ris o covado.
Linhos escosseses proprios para vestidos a 240
ris o covado.
Loques Juannita a 800 ris um.
Lencos brancos finos de 1/200 a 24 a duzia.
Camisas de linho muito finas pelo preco dimi-
nuto de 300 a duzia.
| Cobertas forradas a 24800 urna.
Colchas brancas e de cores a 14800.
Bramante de tres larguras a 900 ris.
Dito de quatro ditas a 1/200.
Toalhas felpudas para rosto a 44500 a duzia.
Madapolo pelle de ovo, finissimo, a 64500 a
peca
Camisas para senhora a 24500 urna.
Lencos de seda a 500* is um.
Redes hamburguezas de cores a 104 urna.
Ditas ditas brancas, com varandas, a 154 ama.
Cortes de casemira de cores finos de 44500 a
104000.
Casemira fina de cares, infestada, a 24 o covado.
Flanella americana a 140D0 ris o ovado.
E mais urna ntioidade de artigos baratissmos
que nao deixar de comprar que os vir.
Ao32
Nava laja de fazendas
3S
6f500
124000'
800
1480o
500
t Ra da I-aperattriz
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
peitavei publico um variado sortimento de fazeu-
das de todas as qualidades, que s vendem pst.
precos baratissmos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para homens, e tambem se man-
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tro aUfaiate e completo sortimento de pannos fines,
casemiras e brins, etc.
at-
Henriane i Silva Horera
VENDAS
-Algodao enfestado pa-
ra lenfoes
A 9 Vende-ee na loja dos barateiros da Boa-Vista
algodao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
mos de larguras 900 rs., e dito com 10 palmea a
lfOOO o metro, assim coma dito trancado para
toalhas de mesa, com 9 palmos de largura a 14200
o metro. Isto na laja de Alheiro & C, esquina
do beceo dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 14209,14400, 14600, 14800 e 24 o covado
Alheiro & C, ra da Imperatrz n. 40, ven- Vinhos finos do Porto, Madeira e Shery.
dem muito bons merinos pretos pelo preco cima Ditos da Figueira e de pasto.
dito. E' peehincha : na loja da esquina do bec- Cognac de diversos autores,
co dos Ferreiros. Vinhos tnicos, como :
Kspartilho* ;vSnout0h,etc.
,. A o^Wil I Licores de todas as qualidades.
loja da ra da Imperatrz n. 40 yende-se Champagne.
Em vista dos grandes progressos da idea de que
se gloriam as nacoes civilisadas, o commercio
deve acompanbar esse progresso, visto que elle
o mais poderoso elemento do engrandecimento das
nacoes ; em rieta do que annunciam
MART1N8 CAPITAO & C.
1 Ra estreita do Rosario 1
Grande sortimento de gneros alimenticios, es-
I eolha dos quaes, os annunciantes teem sempre
' maior cuidado, para bem servir os seus numerosos
fregueres. Lem bramos, pois, o proverbio :
Quem nao experimenta, nSosabe.
Venbam ver, pois :
Queijos, flamengo e de Minas.
' Fiambres inglezes.
! Chocolate francez Menicr.
I Dito do Maranho.
Fructos seceos, como :
Passas, amendoas, figos, etc.
Ditas naeionaes.
' Doce de todas as qualidades.
Bolachinha inglesa.
I Semeates novas de hortalicas.
Especial idade em
Ka
Farello
Farello gomoso a 24'00 o sacco
Vianna. no Forte do Mattos.
no trapiche
Vende-se urna casa na Estrada Nova n. 63 : a
tratar nos Atogados, tra\essa de S. Miguel nu-
mero 6.
Aos proprietarios de
alvarenga^
Borstelmann & C, tendo de carregar um navio
com assucar neste porto, solicitam offertas para o
forneehaent) dts alvarengas. Ofertas, por es-
cripto, serie recebidas no escriptorio dos mesmos
at o meio dia de 6 do corrente.
Para transportede
canas
Vende se cerca de tres kilmetros
systema Deeanville com as competentes curvas
para direita e esquerda, eruzamentos, agulhas,
carros, etc., trido de ac, em perfeito estado de
conservaoa ; a tratar na fundicao geral.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escesset preferive
ao cognac ou agurdente de canna, -para fortifie-
o carpo.
Vende-se a retalho nos melheres armazens
olhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo tu-
rne e emblema sao registrados para todo o Brasil
BROWN8 dr. C, agentes
Expsito Central
Damiao Lima ir C. intitularam o estabeleci-
mento em liquidacijp da ra larga do Rosario n.
38, por EXPOSIQAO CENTRAL para assim se
tornar bem conhecido de todos, pelo que chama a
attencSo especial das Exmas. familias oara es
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco Qeryeja de diversas marcas,
de 54OOO, assim como um sortimento de roupas 1 Qem agsjm .
'. de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina ; Araruta fina em pacotes.
1 do beceo dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 24800 e 34 o covado
do t lh d Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven- j
9 dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
cas, de daas larguras, com o* padroee mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 24800 e 3)J o covado ; assim como se encarre- Rosario
gam de mandar facer costumes de casemira a
30?, sendo de plelt sacco"j "e Jo4 de rraS^ e"
Cde pech 1.
Cha verde e preto,
Dito perola.
Especialissimo matte do Paran, em p.
Anda mais :
Ovas de peixe.
Sardinhas de Lisboa em Salmoura.
Vendem Martina Capitao & C, ra estreita d
n. 1.
AOS AGRICULTORES
Po^m^a%TSplnema~tferdadeiro)
ira extinc-
c^o completa da formiga saurar">[^aem
BRM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio da toque de mofo, pelo barato preco de 820
na loja da es- I
Capitao Tavcrna
Vende-se urna taverna bem afreguezada, n'um
dos melhores pontos desta cidade, o que a torna
muito recommendavel ; a tratar na ra do Amo-
im n. 66.
Camisas naeionaes
re^os seguintes :
tetros de plica a
Bonecas inquebraveis
Metros de arquinbos 120 e
Pecas de bordados finos a 300 e
Garrafas com agua florida a 700 e
400
14500
160
400
1/000
rs. o covado, grandetpechncha
quina do beceo dos Feriros.
Bordado* m *00 rtt. m iterai
A ra da Imperatrz n. 40, vende-se pecas de
ordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao com 50 pecas, sorti- ,0 TT' rAi^ *^ao
das, por 5#, aprove.tem a pechinchaT ua loja da VJ* Z *? rU* *- jTVIC a b-^IZ,,* I Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
TrfX tte MU. M J* Bortimento de camisas brancas, tanto delber-
I Iistoes de setlneta a 0 M O (tara8 e punbos de linho cerno de algodao, pelos
OOValo I baratos precos de 24500, 84 e 44, sendo fazenda
Alheiro & C. ra da Imperatriz ven- muito melbor do que as que veem do eatrangeiro e
dem um bonito sortimento de fustoes brancos pelo I muito mais bem feitas, por seren cortada por
baratinho preco de 400 e 500 rs. o covado, assim um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
setinetas lisas, tendo de todas as cores a 500 rs. o se manda facer por encommendas, a vontade dos
ovado ; na loja da esquina do beceo dos Fer- fregueses : na nova loja da ra da Imperatris n.
131, de Ferreira da Silva.
Mam ati Imperairlts-St
Loja de Pertira da Silva
Neste -estabelecimento vende-se as ronpas abai-
xo mencionadas, que sao baratissimas. >
Palitots pretos de gorgorao diagonaes e
acolchoados, sendo fazendas muito en-
corpadas, e forrados T4G80
Ditos de casemira preta, de cotdlo muito,
bem feitos e forrados 104000
Ditos de dita, fazenda muito melhor 124000
Ditos de flanella azul, sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 124990
Calcas de gorgorao preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encornada 54600
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem feitas 64600
Ditas de flanelk inglesa verdadeira, e
muito bem feitas 84000
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 24, 24500 e 340*0
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 14200 e 14600
Colletinhon de greguella muito bem feitos 14000
Assim como um bom sortimento de leos de
linho e de algodo, meias cruas e collarinhes, etc.
Isto na loja ua ra da Imperatriz n. 32
Riscados largos
m tOO ra. o covado
_ Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem se
riscadinhos prsprios para roupas de meninos e
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covado,
tendo quasi largura de chita francesa, e assim
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o eova
do, e ditas escaras a 240 rs., peehincha : aa
loja do Pereira da Silva.
Fuwtex, aetinela e lazinhaw a .1*M
r*. o covado
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vende-se
um grande sortimento de fustoes brancos a 500
rs. o covado, lSsinhas lavradas de furta-cores,
fkcenda bonita para vestidos a 500 rs. o covado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas as
cores, a 500 rs. > covado, peehincha : na loj;
do Pereira da Silva.
Merino* preto* a 1 *O0
Vende-se merinos pretos de duas larguras para
vestidos o roupas para meninos a 14200 e 14600
o covado, e superior setim preto para enfeites a
I45OO, afsim como chitas pretas, tanto lisas como
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na nova
laja de fereira da Silva a ra da Imperatris nu-
mere 32.
leoaaoziniio francs para lencoes
a SOOrs., 1* e 1**00
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-se
superiores aJgodaoainhos francezes com 8, 9 e 10
palmos de largura, proprios para lencoes de um
', s panno pelo barato preco de 900 rs. e 14000 o
metro, e dito trancado pa- a toalhas a 14280, as -
aim como superior bramante de quatro larguras
para lencoes, a 14500 o metro, barato ; na loja
de Pereira da Silva.
Roupa para meninos
A 1*. -tft&OO e 6*
Na nova loja da ra da Imperatriz u. 32, se
vende um vanado sortimento de vestuarios prs-
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci-
nita curta, feitos de brim pardo, a 44000, ditos
de moleequim a 44500 e ditos de gorgorao preto,
emitando casemira, a 64, sao muito baratos : aa
oja do Pereira da Silva.
femlaUiiiis e modas
A. --Ra do CabuK *
J Bastos A C.
(TELEPHONE 359)
Ex
Avisam as
Paria:
Sxmas. familias que receberam de
;s para
cidade
mais palpitante novidade como sejam: Etamne
I com bordado a retroz, seda crua bordada a capri-
cho, Cachemire com enfeites bordados a fil
Moda 1886
Valentionne en ecoree d'arbre.
Primorosa escolha em vestidos com 20 metros da
la ligeira, tecido anda nao conhecido aqui.
Cores e desenhos novissimas as seguintes ta-
zendas de seda, l e algodao. Etamne, Surah. Se-
tim, Failles, Linn. Toile d'alaace, Cachemires.
Explendido sortimento
Em leques, luvas, espartilhos, lagos, lavahrea,
meias, lencoes e muitos outros artigos que se ven-
dem por precos sem competencia.
Viva o caraaval
Aiuaa we e veade-ae
Esplendido sortimente de vestuarios carnava
lescos, trages intriramente novo, em expoaicao
praca da Independencia ns. 24 e 26, para caval-
leiroa e senhorae. Precos razoaveis.
Aos 4:000S000
Aluga-Se urna casa pe-
quena
Na ra de S. Francisco n. 1, freguezia de San-
to Antonio.
No beceo do Fondao n. 5,freguezia da Boa-Vis-
ta : a tratar na roa de Santa Tbereza n. 32, de
manha at meio dia.
Compra-se e paga-
se mais do que em on-
traqiia Iquer parte bem
como
MOEDAS
de qnalqaer qual idade.
Na ra do Imperador
11. 32, loja de jolas.
Julio Fuerstemberg.
y
Rna do Bario la Victoria i.40
e casas do costmne
O abaixo assignado acaba de vender
en seos felizes bilhetes quatro quartoa de
n. 2669 com a sorte de 1:0005000, quatro
ditos de n. 1939 com a sorte de 200(5000
e diversos premios de 32(JO00, 16(5000 e
8,5000.
O mesmo abaixo assignado convida os
possuidores virem receber na conformi-
dade do costume, sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 23.a parte das loteras
oeueficio da Ordem Terceira do Carmo do
Recife (42a) que se extrahir. quinta feira,
11 corrente.
Rrecos
Inteiro 4,5000
Meio 2,5000
Quarto 1,5000
Gai porcao de 1004000 para
- cima
Inteiro 30500
Meio 1*750
Quarto 4875
Joda Joaquim da Costa Leite.
Especialidades!
Todo se vende pelo menos possivell I !
Quem urna vez comprar saber !
4-LARGO DE S. PEDRO 4
Neste estabelecimento acha-sc sempre exposto
venda o especial licor de maracuja em ricas gar-
rafinhas proprias para toilet composto de manga-
bas e mangas o que ba de melhoi neste genero.
No mesmo estabelecimento acha se sempre um
grande sortimento de pasearos e gaiolas de todos
os fabricantes, at proprias para viagens, por ter
cada urna cinco compartimentos.
Tambem se encentra diariamente especiaes fru-
ctas maduras como sejam sapotis, sapotas, man-
gabas, mangas e outras fruetas, e se recebe qual-
quer encommeuda para embarque.
DAS
CORRE NO DIA 9 DE MARCO
O portador que possuir um vigsimo desta importan-
te oteria est habilitado a tirar 10:006$>000
Os bilhetes acham-se a' venda na Casa Feliz,
ndependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 9 de Marco de 1886, sem alta.
praca
da


mu i
m


8
Diario de PcrnambucoDomingo 7 de Margo de 1886




.




i
I
INDUSTRIA E AETES
- xor'a elkoramejios ao fabrl
eo de asnear de canaa
V. Diarios de 17 de Nooembro e 10 de
Dezembro de 1885
III
A DIWUSAO NA ILHA. DE JAVA
O relatarlo da commissao, nomeada em
4-flro do 1883, pelos senhores de enge-
iWb da ilha de Java, reuuidoa oui con-
prado a fabrica sudenburgueza de Mag-
dburgo, cora o competente motor a tranv
missoes de movimento.
As experiencias foram dirigidas por um
profissional o Sr. Van Heumen, vindo da Eu
ropa para o assentamento e dirocgo dos
maquinismos. e deram o resultado raais sa-
tisfactorio ; chegando o corta-cannas suden
burguez, pos*o em movimento por ama pe-
quena maquina de vapor, cujo cyliadro ti
nba apenas Om,30 de dimetro e 0m,5O de
altura, mediante algumas raodificag3es e
addigoV.s que lhe fez experimentar o Sr.
Van lenmen, a fornececer em 22 horas
3200 picola (197.632 kilos) de rodinhas
de 0^,003 de grossura.
O certa cannas francez nito deu iguaes
resultados ; as rodinhas erara perteitas, mas
a quantidade obtida era 22 horas nao ex-
ceda de 1,300 picle (80.288 kilos); a su-
bstituigo das facas embotadas exigia mui-
to mais terapo o trabalho que na maquina
caldo,
esolvida a primoira
resso na villa de Jago!, para experimen-
tar expensas dos meamos, o processo da
diflrasao appcado ao fabrico do assucar do
canna, acaba de ser dado a luz e mostra,
que eu tinha rasSo de sobra para, no ar-
tigo publicado no Diario, de 17 de novem-
bro prximo passado, dizer que embora
se possa considerar resolvido o problema Uema e perdase algum
da possivel applicagao do processo da dif- Em sumraa, estava re
fuste ao fabrico do assucar de canna, os parte do problema, mediante urna d.speza
resultados at hoje obtidos ainda sao mu- de proco mais de 21 contos, (21,288 flo-
to deficiente, ao ponto de vista da receita nns; 18 dos quaas tinham sido gastos cora
nao sao tito decisivos, que os corta-cannas o a viada do profesional.
Entao, como o resto da Ia subscnpgao
nao chegasse para a 2 parte das expe
e despeza, e
qualquer senhor de eugenho, em circuum-
stancias di installar em sua explorago ap-
som correr
ossa,
riencias
parelhos nperfeigoados, p
o risco de avuitados prejuizos, substituir rod.nhaa, racarrea se
das o corta-canna e os diffuso- dos senhores de engenhos e arrecadaram-
a fazerem seas da diffusao das
novamente a bolsa
as moen
r0B -II
Oom effeito, v-se do cima citado rela-
torio cuja data muito recente (outubro
de 1885) que os 21 engenhos da ilha de
Java, nos quaes, segundo a noticia, dada
pelo Journal des fabricante de Sucre de 20
de maio prximo passado, e reproduzida
no ultimo relatorio do Sr. Baro de Bar-
cellos companhia agricola do Campos, a
ser appcado na safra passada o processo
dadiffusao, reduziram se a um s -o de
Djattiwangie, onde j tinham sido experi-
mentados na safra precedente, (1884J dous
carta-cannas, um francez e outro aUemao,
e ensaiou-se, na de 1885, urna batera de
]0 diffusores.
Mais atilados que os nossos
en
ricos,
se mais uns quarenta e tantos contos.
(43,000 florins).
Oom este dinheiro e o que ainda restava
da primeira finta, 03 commissarios coinpra-
ram diffusores, esquentadores, prensas etc.,
engajaram um engenheiro e um maqui-
nista ; e no principio de junho prximo pas-
sado achava se tudo installado, n'ura edi-
ficio de ferro annexo a casa do engenho de
Djattiwangie, onde no dia 15 principiaram
as oxperioncias com dez diffusores.
Como acontece serapre na applicagao de
um processo novo e com pessoal ainda nao
adestrado, deram se varios transtornos, de-
vidos, ora ao corta canoas, ora aos diffu-
sores, ora finalmente a grande quaotidade
Calculou as vantagens da diffusao, como
alias fiaeram o autor do folheto da compa-
nhia Fines Lie, o representante .da mes-
ma companhia no Rio de Janeiro Mr. Bou-
chet e eu mesmo, no meu artigo do Diario
de 10 de dezembro, sera outra base expe-
rimental alera d& analyse dos caldos, qu r
das moendas, quer da diffusao- o por
conseguinte nada adiantou em relacXo a
questao principal-a do rendiraento in-
dustrial, cuja solucSo aiiou para a safra
do oorrente anno, tendo gasto com as ex-
periencias de 1884 e 1885 cerca de 80
contos e contando despender mais uas 20
para compltalas em 1886.
A canna manipulada era taes esparien-
cias dava as moendas, (nao diz o relato-
rio da commissao se foi com ou sem re-
pressao) por cada cem kilos de cannas
73k,95 de caldo e 26k,05 de bagaco. Aa
analyses deram :
a
I
I
Caldo ..
Bagasso
%
16,24
9,36
81,50
42,47

1,66
3
48,17
, d'agua do caldo da diffusao, para cuja va-
sennores > ^ ^ egtayam 8Ufficieates os appa-
genhos, refiro-me aos que intimara do r^ ^ engenho. e 8 n0 mez de agosto
_.;os, cuja bolsa, aberta para despezas fo c0nsegUiu.8e trabalhar com algama
eleitoraes ou de mera oatentagao, perraano-1 Urdad a0 aivtre adoptado, de
ce fechada para qualquer commettimento ^ ,ew ^ ,ho9 de defeCagao e vapo-.
de interesse geral, e quando promovem r ^ q cMq q d(mo diffll80r) depois
congressos, a bem de seus peculiares into-: ^ ^ q ^ 8egUnda vez nos de
re ses, era todos tem a hombndade aen 2, 3 4, e 5 novamente carregados
satisfazor as dispezas por el1 propriosj de ^^
autorisadas, os agricultores da ilha de Java
tinham posto, a despojo dos commissa-
rios eleitos no congresso de Tagal para
onsaiar o processo da diffusao, quantia su-
perior a 30 contos de res (30,000 florins;,
producto da subscripgo aberta por occa-
sio do mesmo congresso.
Quer por nao julgarem dita quantia suf-
ficiente para comprar so logo todo o ma-
qumismo indispensavel a experiencia com-
pleta do novo rocesso, quer por reputa-
rem, e isto cora toda a rasao, o futuro in-
dustrial da diffusao da canna dependente,
antes de tudo, da possibilidade de reduzu-
rapidamente a rodinhas a enorme quan.i-
dade de cannas exigida para o fabrico dia-
rio de um engenho de proporcoes regula-
sto de 150 a 200 tooelada por
Deduzindo-se d'ahi, que cem de cannas
(em peso) con tinham 14,89 de saccharose
71,33 d'agua, 1,23 de saes e assucar in-
vertido e 12,55 de substancia lenhosa.
Dos 14,89 de saocharose contidos na-
quelles 87,45 de caldo, as moendas s
conseguiam extrahir, com a pressao exce-
pcional de 73,95 [0, 12,45, ficando perdi-
dos no bagaco 2,44. Com a diffusao, a
perda era tSo smente de 0,88, ficando
portanto a favor do novo processo um lu-
cro em assucar de 1,56 [ do peso da
canna.
Entretanto, dito lucro de 1,56 [0, quasi
idntico ao que, no folheto da companhia
Fives-Lille, attribuido ao processo da
diffusao comparado ao da extracclo de
74 [0 de caldo pelas moendas trabalhando
com cannas contendo 14,6 [ de assucar, e
ao que calculei, no meu cima citado arti-
do Diario de 10 de Dezembro,
D'esta arte, trabalhouso na rcalidade
cora 16 diffusores e o caldo da diffusSo, ao
sahir do 16 diffusor, comparado ao da
moenda, dava o resultado seguinte :
res
dia, os
commissarios assontaram expen-
Caldo da moen-
da.........
dito dadiffusao
2
10,5
8,8.
3
1,079
1,065

16,94
14,85
S
a.
19. 89,16
16.92,81
As rodinhas, obtidas no trabalho com 10
mentar tilo somonte na safra de l8J&-OftTtfu80res, ainda con'.inham depois de es-
g
para
.^Hteumm aprego^aoscrprenenchen-
do o desejado fim, e caso fossem sasfac-
"torios os resultados obdos, comprar e sen-
tar os diffusores e mais apparelhos acces-
sorios, em ordera de fazel-os funccionar na
safra de 1885.
Nesta conforraidade, raandaram a buro-
gotadas, assucar na proporyao de 0,84 \0
do peso das cannas, alm do 0,046 [0 n'a-
gua de esgoto ; calculou-se, porm, que
com 16 diffusores ficaria a perda total re-
duzida 0,3 [0.
O servico da diffusao nSo foi centinuo ;
alternou com o das moendas, que r^pre-
pa
em setembro de 1883, um dos mem- sentaram papel muito
FOLHETIH
i FILHA 00 SINEIRO
POR
mais importante
comnissSo o Sr. Lucassen, encar na realisacjio "da saffra. Por isso, e tai-
regado de comprar o material necessario vez porque o resultado experimental nao
a primeira parte das experiencias; e ao j correspondeu ao que se esperava, a com-
prin2ipiar a safra de 1884, j se achavam m88a0 nao se animou a dar algansmos
sentados no engenho Djattiwangie, perten- comparados das quantidades de assucar
cents a o'utro mumbro da coramissao o, ebtidas pela diffusSo e pelas moendas, e
Sr O. M. W. Zuwr, um corta-cannas do com maioria de razao das despezas do fa-
systemV francez Oeay e outro allemao, cora- j brico em ambos os processos.____________
dava, para o ti n da discusso que encetou,
1 urna scena theatral justificativa : a revista
completa dos aposentos, que o marido en-
! contraria vazios.
EntSo, mnrmurou e'le, em tom peza-
roso, tomaste ao serio essa ignobil mensa-
gem e vens verificar as allegacSes odiosas
de um tratante que nao conheces. Mere-
cas, realmente, que eu te deixasse acredi-
tar nellas, sendo-me tao fcil convencer-te
de que esse deuunciante mente. Que opi-
niao formas entilo de tua mulher e de mira,
para proceder assim como un commissario
de polica encarregado de verificar um cri-
me em flagrante delicto I
Saint Briac tiuha-se approxiraado da por-
ta e elovava a voz de modo a ser ouvido
por Odetta, se ella ainda l estava.
Creio no que vi, disse framente o
marido. Urna mulher entrou aqui pouco*
instantes antes de mim, e essa mulher a
miuha.
Essa iffirraacSo fez erapallideser Saint-
Briac, que s pGJe balbuciar :
E' impossivel. Sonhaste isso. A co-
lera perturbou-te o espirito e a visto.
Affirmo que urna mulher entrou aqui,
tornou o Sr. de Mlveme com urna caira*
mais terrivel do que um aocesso do furor,
urna mulher vestida de preto, que reconhe-
ci perfeitamente, coraquaute cstivesse de
veo. Eu tinha-me apealo do carro e cn-
trava na avenida d'Antin, quando a vi, ella
vinha do lado do caes, muito depressa, en-
costala s casas ; chegando altura da
porta-cocheira desappireceu.
Engaaste te, sem duvida; mas,
quando isso fosse verdade, r.ada prova que
ella entrou era rainha casa. Nilo sou o nico
morrador dcsta casa. E isso provaria ainda
meuos que era a Sra. de Malvme. Elli
deve estar em casa nesta momento, e se
qaeres verte livre das vi*3as que te per-
turba m, vamos para a tua casa; es'ou
certo de que havemos de encontral a offe
revendo cha s suas amigas ; o seu dia
de roceber, e eu l teria ido, se tu nao ti-
vesses vindo invadirme a casa.
E eu estou certo de que ella aqui es-
t, se j nao teve tempo de fugir.
Por onde ? o meu aposento aSo tem
porta escusa.
E' no andar terreo e tem janallas p>
cannas contendo 15,3 de assucar, ainda
est sujeito, quando apreoiado em moeda,
a correcco devida ao augmento de cora-
bustivel necessario a vaporisaglo da avul-
tada quantidade d'agua que se de?e ac-
crescentar ao caldo para obter a diffnsao.
Este excesso d'agua que, tomando por
base as densidades dos respectivos caldos
da moenda e dos diffusores, achei superior
a 40 kilogrammas por cada cem kilos de
cannas, e o Sr. Bouchet, representante da
companhia Fives-Lille avaliou ser de' 25 a
30 kilos, os commissarios javanezes, sem
dado algum experimental e partindo, se-
gundo parece, da base arbitraria de urna
dilucSo a 20 [ reduzem-no a 15 kilos
d'agua por 100 kilos de cannas o que nao
admissivel.
Da mesma forma, nao procuraram de-
terminar por experiencia directa a quanti-
dade de lenha ou carvilo necessaria para
vaporisai-ofecoTraram aos livros, lerara
que 1 kilo de carvSo evaporava 8 kilos
d'agua, o com este algarismo um tanto hy-
pothetico, o preco do 34 florins por tone-
lada de carvlo e o de 9 florins por picol
de assucar (61 k, 76), calcularam que a
diffusao deixaria, um beneficio liquido supe-
rior a 80f> (80fl)rip8Jorcada Bamoon Bou
ier, (em inglez Baceta francez Bonnier),
medida local de superficie, que corresponde
a 71 aros ou centesimos de hectaro, e se-
gundo dizem os commissarios a urna pro-.
duccSo annual pouco inferior a 50,000 ki-
los de canna.
Semelhante beneficio, do qual ainda se-
ria preciso deduzir a despeza correspon-
dente ao evidente acrcscimo da mo de
obra e de capital, insignificante ; e si
com effeito os engenhos de Java extrahem
hoje com as moendas cerca de 74 cl0 de
caldo, pou>:o teem que lucrar com a diffu-
sao : como, perora, os proprios commissa-
rios confessam, que a oxtraegao de 73,
95 |0 de caldo excepcional, e nao se
deve contar na continuidade de ama safra
com mais de 70 [0, caso em que exces-
so do assucar obtido passaria de 1,56 a
mais de 2 \, como tito bem a perda de
0,88 [0 as rodinhas muito grande, c
por este lado nao ser de extranhar que so
possa ganhar mais uns 0,4 ou 0,5 [0, tai-
vez seja a vantagem da diffusao mu su-
perior a calculada pelos comraissario3, cu
jas apreciaseis a este respeito nao ten
valor algum experimental, e o questo ain-
da pode ser considerada aberta open
question na plirase de um correspondente
do Sugar cae.
Mais algum valor teem as experiencias
feitas pelos commissarios, em ordera do ve
rifcar a possivel utilisacSo do bagaco das
rodinhas para diminuir o gasto de lenha
ou carvao ; mostrando ditas experiencias,
que tal utilisaco dispendiosissima e a
bem dizer impraticavel.
O bagaco das moendas, que sem mais pre-
paro pode ser queimado as fornalhis Qo-
dillot, contera 42,47 [0 d'agua, da qual
deve perdor metado para ser utilisado as
fornalhas ordinarias, que nao admitiera
combuativel com mais do 22,43 [0 de hu-
midade. Ora, resulta das experiencias da
commisslo, que as rodinhas da diffusao,
depois do esoorridas, contm 90 [0 d'agua
e ainda conservara 82[0 depois de sujeitas
a urna pressao enrgica e dispendiosa na
prensa Sellvig e Lange. Nao se obtevo
melhor resultado cora as turbinas (essoreu
ses); depois de turbinadas durante 20 mi-
nutos, na razao de 900 voltas por minuto,
as rodinhas s tinham perdido 6 [, d'a-
gua.
Com o solo resultado foi outro : as rodi-
nhas espalhadas sobre um campo ladri-
lhado e viradas repetidas vezes, offerece-
ram, ao cabo de dous dias, um combuativel
excellente; mas, parra contar se com elle,
fra preciso que nao houvesse chuva du-
rante a colheita da safra, e, para sec-.sr
convenientemente, a carnada de bagaco
deveria ser tao delgada, que a commisslo
avaha em 17 heutares a superficie do cam-
po ladrilhado de que sera preciso dispor
para este fim.
Em summa, a commissao constatou ex-
perimentalmente o que verificava-so em
Ilespanha na mesma occasio, a saber :
1. que a possibilidade de reduzir a ro-
dinhas a canna necessarii ao consumo de
um engenho, apparelhado para aproveitar
de 150 a 200 toneladas por dia, uao era
mais contestavel e nao exigia nem rauita
forca nem muita despeza ;
2. que com ama batera de 16 diffuso-
res podia extrahir se da canna, com perda
diminuta, todo o assucar nella contido ;
3. que o caldo da diifusSo era de certo
menos denso que o das moendas, mas era
mais puro ; no apresentava maor propor-
o de g usse e prestava-se perfeitamente
ao trabalho do fabrico do assucar, embora
com muito maior despeza de combustivel.
Taes resultados sao os mesmos que o
folheto da Companhia Fives-Lille d como
provados pelas experiencias do engenho
Almena.
Quem nSo so contentar com o meu resumo,
achara por extenso dito relatorio as fo-
lhas ncerlandezas e traiuzdo era inglez e
em francez no n; de Fevereiro do Sugar
Cae e nos ns. 1 e 2 do crrante anno do
Journal des fabricante de Sucre.
S me falta agora dar as miabas con-
cIusSjs. Eil-as.
O futuro pertence sem duvida ao pro-
cesso da diffuslo appcado a canna de as-
sucar ; o raais dias menos dias assegurar-
lhe-ha a victoria na luta travada cora a be
terraba; mas elle nilo funecioqa por ora
regularmente e era condic3e3 verdadera-
mente industriars era paiz algum ; os la-
croi que pode proporcionar actual nente
ainda sao duvidosos, pelo menos com os
maquinismos at boje experimentados, e
por isso auho que foi por demais animoso
e talvez imprudente o Sr. Barao de Bar
cellos, quando propoz a installacSo imme-
diata da diffusao no engenho oentral da
Companhia Agricola de Campos.
Nao aei se dita iustall-cao se verificar
no corrente anno; mas caso se torne urna
reahdade, daver o engenho Barcellos,
sob pena de arriscarse a perder a maior
parta(de sua safra, enllocar os corta-carnias,
diffusores e accessorios n'uraa secjao in-
dependente da da moenda e conservar esta
sempre prorapta a funecionar.
Quanto ao processo da raprassao con
embobicjlo, do que tratei nos meu. prece-
dentes artigo*, e so acha mais espalhado
do que eu suppunha, este nao pretende
extrahir da canna todo o assucar que ella
contera; mas nada tem de complicado ou
aleatorio; susceptivel do applicajao in-
mediata e pouco dispendiosa ; d certeza de
lucro; e para quem s extrahe da canna
60[oou pouco mais de caldo, certeza de
lucro mais avultado, que o esperado do pro-
cesso da diffuslo petos que, como em
Djattiwangie, conseguom urna extracjSo
de 70 e at 73,95 "[.
Re.-ifa, 5 de Marco*de 1886.
Henrique Augusto Milet.
:. :*::::::::::
^ Continuas.o do n. 3 3)
VII
Ah isto infame, exclamou elle, de-
pois de 1er rpidamente as primeiras li-
nlias. Quem o patife que propala es'a
calumnia abominavel? Espero que nao acre-
ditaste ; mas, quando eu conhecer esse mi-
seravel. ..
L at o fim.
Saint-Briac voltou vivamente a olha e
disse :
Eu estava certo disto. Nao assignou,
e sabas o caso que ura hornera honrado de-
ve fazer de urna carta anonyma.
Eu nao teria feito o menor caso della,
se nao contivesse urna indicaso precisa :
16, repito.
O capitao bem quizera fugir disso, mas
nao podia recusar, e comecou a decilrar
urna carta "scripta era letra fina, que co-
nheceu primeira vists, por tl-a flato na
ante ve-pera; a letra era do Sr. Pancorbo.
c A mulher, dizia a carta, que faz ha
dias a ascenso das torres de Notre-Darae
com o Sr. de Saint-Briac foi a sua, e se
quer convencer-so disso, v esa tarde, en-
tre tres e quatro horas, casa do capitao.
Ha seis mezes que ella amasia desse ho-
rnera que diz ser seu amigo.
Era clan e precisa como a deraonstra-
50 de ura th'eoreraa da mathematica. Nao
havia meio de fugir de urna accusacSo to
positiva. Era preciso reftala inmediata
mente, e ivfutal-a mediante provas. Saint-
Briac procurou demorar o desfecho. Hugo
evidentemente ia exigir que o cap tilo lhe
mostrasse c pessoa que estava oceulta em
sua casa, e o capitao quera dar a Odetta
tempo para fugir pelo caminho que tinha-
lfae indicado.
Elle esperava que Rjss Verdire, para
sabir, passasse tambara pela janellae guar-
ra o pateo.
Saint-Briac estremeceu. Esse mando ter-
rivel tinha adivinhado, e o amante de Odet-
ta coraejava a receiar nilo poder sahir da
situacjto em que o tinha collocado a impru-
dencia da sua amasia. Entretanto tentou
sahir della, mudando de tom.
Quanto as vantagens pecuniarias, que
poderSo sr auferidas da applicaclo do
processo da diffusSo, os clculos da com-
missao nilo morecem mais aceitagao que
os do folheto, ou o meus, por faltar-
Ibes a 8anc9ao da experiencia e s podem
ser tidos como meras probabilidades.
O nico ponto, eobre o qual o trabalho
dos commissarios derrama alguma luz, o
do aproveitamento do bagaco das rodinhas,
que Mr. Bouchet e outros levam em conta
de combustivel utilisavel ao activo da dif-
fusao, e com o qual nao parace que se
possa contar para reduzir o gasto de lenha
ou carvSo.
Com esta derradeira observajilo, ultimei
a tarefa que me havia imposto, de analy-
sar o relatorio da commissao Javaneza.
Diabo3 levem as tuas desconfianzas
absolutas exclamou elle apoiando com um
gesto de desdm essa resposta. Como nao
qaeres ser convencido, u2o toutarei mais
convencer-te. Cr o que quizeres e deixa-
me em Booego.
As suas injurias nao me artingem, re-
plicou Hugo, sem afastar aa da ua fnez*
altiva. O senhor m'as pagar com o res-
to, porque lhe darei a honra de bater-mo
cora o senhor, e espero mtalo. Mas, que-
ro a sua enmplice, nao sahirai d'aqui sem
ella.
Entilo, tornou o capitao com serie la-
de, movido pela colera: suppta o senhor
que se realmente houvesse urna mulher era
minha casa, eu lh'a entregaria Por quem
me toma o senhor ?
Eu poderia responder: por um trai-
dor, porque scaba de romper, por urna
traigo odiosa, urna araizide de vinte an
nos, mas nilo cora o sanhor que tenho de
haver-rae neste momento. O senhor diz
que est s neste aposento. Provo-o, abrin
do essa porta.
E' o que j teria feito, se o senhor
nao empregasse urna linguagera que nilo
posso tolerar. L'cpois, cora que fira raos-
trar-lhe que a peca ao lado desta sala est
vazia ? O senhor diria que a pessoa que
refugiou-se ahi saltou pala jaoalla. Peco-
lbe que acabemos com isto. Esta scena ri-
dLul* j durou de raais. Polemo-nosda
gollar ura ao outro, sa quizar; nao desojo
outra cousa. Mas, ostou era rainha casa
e peco lhe que saia.
Nilo auto *. ter arran:ado a sua
cumplise do quarto era que ella se ocoulta.
O Sr. de Mlveme, visivelmonto, propa
rava-se para arrombar a porta con ura
pontap, e Saint Briac, exasperado, ia sai- mostrarme a> sanhor. j que me vio, nao
tar-lhe ao pas:ojo, quando um ruido do ca
Saint-Briac, muito menos admirado, ficou
mudo. Inquira de si mesmo: que vai
ella dizer ? A menina entrou de cabeya al-
ta, dirigindo-se ao marido de Odetta :
Fui, eu, senhor, quem veio do caes e
entrou nesta casa. Creio que o vi na ou-
tra extremidade da avenida. O senhor in-
dicou ainda agora urna mulher de veo e
vestida de preto. Reconhece-me ?
Sim, murmurou Mlveme, parece-
rae que foi a senhora, entretanto...
Ainda duvida NSo comprehende por
que o Sr. da Saint-Briac negou oom per-
sistencia que havia urna mulher aqui I Se
elle o tivesse confessado, o senhor teria
exigido vl a, e elle teria recusado enrgi-
camente, porque eu estara perdida, se sou-
bessora que sou a sua amasia.
A senhora exclamou o mar i lo, que
diffiailiHente podia acreditar ora desfecho
tao feliz.
O capitao, ouvindo essa mentira heroica,
tornou urna attitude de oceasiilo, mas ficou
iudo, admirando a dedicagao e a intelli-
gencia des3a menina, que, para salvar urna
mulher que nao devia estimar, aecusava-se
corajosamente da urna falta que nao tinha
comraettido.
Siin, senhor, disse Rosa, sem pesta-
ear, sou a sua amasia, e nao toleraria
qua elle tivesse outra. Por isso pode dei
x u- do exa ninar esse quarto. A mulher
que prosiUM nao est ahi. Nao sei quera
o sjulijr, <", sa 03:ultei-mo quando o sa-
nhor toa ni a campainha, foi parque tara
bam tralu a minha repuUco a salvaguar-
dar e na a na con v m qua os amigos do
Sr. do Siiui-Briac me vejam. Eu ia sabir
pela jan;lla quando ouv a sua voz coleri
ca oentmdi que devia ficar. Ouatou-rae
deira que caba, impedio aos dous de clie-
garem a vas de facto. O ruido parti do
quarto de dormir, e o capitao perguntiva
a si raesrao se Oletta ainla ah ostava.
Ainda persiste era sustantar que ahi
nao eit ninguem ? intarrogou Hugo.
Nao, mas prohibo que entre ahi e juro-
lhe que nao ha de passar, respondeu Saint-
Briac, atiranto para o outro lado da ala o
cachimbo, que ainda tinha na ino.
Aos dous amigos s restava atiraram-sa
como simples raariolas, mas foi-lhes poupa-
da ossa deploravel extreraidade.
A port, ara^acada por um e dafandida
pelo outro, abri se de rpente o Rosa Ver-
dire appareceu em plena luz, de rosto des-
coberto.
O Sr. de Mlveme, attonito, refuou.
aecusar raais a uraa innocintc, porque teui
a infaliciiade de parecer-so coraraigo de
longa. Suppoaho que ostou era presenca
de ura cavaltieiro, o espero que se algum
dia encontrar me, nilo se lembrar de que
j me vio.
Com esta couclusilo de um pequeo dis-
curso que una senhora da raais alta socio
dale nao teria repudiado, a tilba do ex
guarda das toires dirigi ura coraprimento
muito seaco aoSr.de Mlveme e carainhou
para a porta do aposento, depois de estn-
der a rao ao capitao, que nella iraprimio
um beijo Je gratido o que absteve-se de
aaoinpanhar a menina genensa a que OJet-
tc devia a sua salvacao. Jacquos fiaou fa-
ce face com o marido, quefazia uraa figu-
ra singular, e disse cora branlura :
Ainda ests zangado comraigo ? E
UTTERATIIR;
OS FILHOS
DO
POR
a
3UARTA PAHTS^
grutas d'Etretat
( Continuacao do n. 51 )
XXVII
A PEDBA PHILOSOPHAL
1 s
nin
E o velho, com urna energa que
guem acreditara na sua edade avancada,
o velho agarrou pelo braco o sargento do
prebostado e arrastou-o para fora do par-
deiro.
Ambos voltaram direita e se embre-
nharam n'ura bosque a pouca distancia da
floresta que deixavam.
Mestre Eudes c o seu companheiro avan-
javam com passo firme.
O dia resplandeca entao ao de cima da
passagem, e um paludo raio de sol de in-
vern pareca esforcar-se era vo para sec-
car os ramos hmidos das arvores despoja-
das de folhas.
Mestre Eudes e Ricardo caminh>; vara em
linha recta, sem inquietarse dos obstcu-
los materiaes que, a cada inst .nte, se op-
punham su* rpida carreira.
Meatro disse Ricardo parando, j
dia ; o meu vestuario bem conheoido pode
attrahir os olhares ; se nos veam juntos,
eu que o preboste julga estar em Faarap,
as suspeitas nao tardam, c se suspeitarem
de mim, 03 meus servijos tornar-se-hoim-
possiveis.
Fica aqui e C3peia-me I respondeu
nestre Eudes. Se em meia hora nao eati-
ver da volta porque estao as grutas.
EntSo volUrs para Fcamp e esporar
as minhas ordena.
Vou-rao esconder atraz d'esta parede,
disse Ricardo designando um velho panno
de muro meio escangalhado e que, havia
feito provavelmente parte d'uma cerca des-
truida depois pelo tempo ou pelos homens.
O velho fez um signal afirmativo e
principiou a asceago diffiail, emquanto Ri-
cardo se ooaultava oollocando-se atraz do
muro.
Mestre Eudes trepou o penhasco com a
agilidade, energa e ligeireza de um joven.
Era dez minutos franqueou os tres quartos
da distancia que separava a base do curae.
Entao, fosse fadiga, fosse prudencia, pa-
rou, Abaixando-se para a trra, escutou
com attencSo ; depois elevou-se e seguiu o
seu caminho vagarosamente.
Ainda se baixou mais tres vezes para
escutar. Certarnente, o seu ouvido, aper-
oebia um mido.
Carainhando, tremendo, alcanjou a al-
tura do pianalto, muito estreito n'esto si-
tio, que forma o cume dos ; enhascos.
Mestre Eudes parou novamente, e, pon-
do urna das raaos no solo, avancou a ca
beca tendo cuidado de oceultar-se por do-
traz de urna alta mouta. Certarnente o
que elle apercebeu foi sufiijiente ao seu
olhar' penetrante, porque, deixando se es-
corregar, tomou rpidamente, em sentido
op posto, o caminho quo acaba va do per-
correr e dosceu com agilidade e precipita-
co o qua ha pouco subir tao vagarosa-
mente.
Chpgado encosta, voltou-se para to-
dos os lados, lancando rpidamente ura
olhar inquieto, depois, bem convencido que
olhar algum indagador espiava os seus
actos, orreu ate ao muro aonde estava es-
condido Ricardo.
O rosto de mestre Fudes estava pal-
udo.
Que ha, estro ? perguntou Ricardo,
ferido pela mudanca profunda que se ope-
rara na physionomia do seu companheiro.
Segue-me I disse mestre Eudos, sem
responder pergunta do sargento.
Mas necessario que eu volte a F-
cam fez observar Ricardo.
Segue-me, j t'o disse I repetiu o ve-
lho.
Mestre...
Duvidaste alguma vez largar a tua
alabarda e ser reconhecido por todos como
um dos meus ? E' necessario que me sigas,
pois nunca precisei mais do teu braco e
da tua coragem exclamou mestre Eudes
agarrando Ricardo.
Mas, em nome do diabo que ha ?
Se nao formos ao penhasco, estamos
todos perdidos a esta hora, porque os teus
amigos do prebostando guardam n'esta oc-
casio a entrada das grutas Eis porque
Reynold faltou.
Ricardo deu um grito com um duplo
sentimente de anciedade e de clera.
Mas quem revellou a entrada das
grutas ? disse elle esforcando-se para se-
guir a correra rpida do velho.
Nao sei! ... Mercurio, talvez !
Impossivel I elle nao teria entregado
os thesouros!
Quem sabe ? Se elle nao ignora na-
da ... Vera ... vem, j t'o disse 1
Aonde vamos entao, mestre?
Salvar Reynold, se ainda fr tempo !
Mas Reynold est as grutas I
E que mais?
afinal coraprehendes que desconfiaste, sem
razio, de tua mulher e de teu amigo ?
Hugo abri lhe os bracos, e o amante de
Odetta teve a coragem de nao esquivar-se
a esse amplexo, que nao mereca. Quando
um hornera poa um p fra do caminho rec-
to, vai at o tira na via da mentira.
Perdoa-me, murmurou o Sr. de Mal -
reme ; essa carta infame transtomou-me.
Como nao adivinhaste d'onde ella
raio ?
Ainda nilo adivinho.
EntSo esqueseste a conversa que esse
Pancorbo teve coranosco no club ?
Como l seria elle que...
Lambras-te que, depois de ter trava-
do commigo urna conversa banal, de jlarou-
me de reponte qua me tinha visto na ves-
pera atravessar o adro do Notre Dame en-
tre dous policiaes ? Lombras te que occor-
reu-te que esse hornera tao bam informado,
podia ser o assassino ?
E' verdade, murmurou o Sr. de Ml-
veme. Lambro me mesmo que a singular
declaraco desse hornera pareceu-me ser
uraa ameaca disfamada.
E nao te enganavas, apoiou o capi-
tao. Foi uraa espacie da aviso. Como sa
nos dissesse : Daixem do tratar do crirae
de Notre-Dame, seno eu lhes pregarei urna
pega. Hoje imaginou nova combinagao ou
antes ura aparfagoaraento da .riraoira.
Elle saba qua s casado, que sou teu
amigo intimo, que tua mulher oven e
bonita; e disse do si para si : Sa eu pu
der faier erer a essa juiz de instrucco
qua Saint-Briac o amante da Sra. de Ml-
veme, esses scnhore brigarilo e eu ficar .i
livre dos raeu8 peiores inimigos. E' o que
teria acontecido, sa nao tivessos vist> a mi-
nha amasia, que eu tinha ooaultadona ra:u
quarto. Eratira para evitar una desgraga
fui preciso que ella tivesse a intelligencia e
a coragem da raostrar-se, coragem bem ra-
ra, na suaposigao, porque ella nilo daquel-
las que nada tem a perder.
Entilo casada ?
Perraitto qua nao te de nonhuma in
forraagao sobre o seu estado soci il. J nao
lhe custou deixar se vsr e, sa das licenga,
Acaremos nisso.
Era tolo o caso, nada ta impade da
dizer-mo so foi ella quem subi comtigo
galera Je Notre-Darae.
Pansa como quizeres a esse respeito.
EntSo, nao queres resp.raler?
Absolutamente, e admira-me que in-
sistas. Nao oslamos no teu gabinete do
Palacio da Justiga, e aqui tu nao a mais
juiz de instmcgSo. E's Hugo de Malver-
(Continua.)
ne, meu amigo mais intimo, e agora que
nao podes desconfiar que te enganei, nada
tena com os meua amores, isso digo-te mui-
to positivamente.
- Tena razao, dase Mlveme, impres-
sionado por essa linguagem clara e firme.
4Queres examinar todos os cantos e re-
cantos do meu aposento ? perguntou o ca-
pitao sorrindo.
Nao te farei essa injusiga. Nao te
aecuso mais, e pago-te que esquegaa o que
se passou aqui. Eu me lembrarei como
urna licgo, ma3 nunca raais fallarei nisso.
O ietta serapre o ha de ignorar.
Esparo que d'ora em diante nada mais
ha de alterar a nos3a antiga amizade: Con
sentes que te d um conselho ? deixar
que o Sr. de Pan :orbo v fazer-se enforcar
em outra parte.
Nao te prometto isso, disse vivamen-
te o Sr. de Mlveme Sou magistrado e
cumprirei o meu dever at o fim. Mas eu
que te aconselho que nao te metas mais
nesse negocio. Elle j te custou caro e nao
tens por missao instruil-o.
Socega ; nSo tratarei mais delle. Sup-
ponho que vais para casa. Quando toraarei
a ver-te ?
Quando quizerea. Sabes que a nos-
sa casa est aempre aberta para ti.
Trocaram um aperto de mo e^ separr.-
ram-se no limiar dossa porta por ond Odet-
ta entrou em casa do seu amante. J pas-
sou o terapo era que o publico ria doa ma-
ridos, postos em scena por Moliere, e des-
ses dous homens, Hugo de Mlveme nao
era o mais infeliz, porque Saint-Briac fi-
cando s, deixou-se cahir na poltrona em
que a amasia esteve sontada e disse com
gesto desesperado :
Ah I vergonha de raais I tenho hor-
ror de mim mesmo. Eu estimara que esse
assassino me desafiasse para um drjello
queiraa roupa e me desembaragasse da yi-
llosa Verdire sabio da casa do capitao
-ora a morte na alraa. Nao lamentava ter-
se dedicado para preservar de urna catas-
trophe inminente um homem que lhe era
syrapathico, mas nao ousava encarar as
consequencias que a sua deiicaco podia
ter. Nao sabia o uome do marido ao qual
tinha contribuido para engaar, comquanto
tivease ouvido quasi toda a conversa dos
dous homens. Esse nome figurava na car-
ta anonyma que o Sr. de Saint-Briac tinha
lido, mas s com os olhos; nao foi pronun-
ciado em voz alta.
(Continua.)
[yLr di Diario ru Duqm de Cazias a.48,
N
Jt
I MTIUM I
t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV4JB6IIM_KXYQKR INGEST_TIME 2014-05-19T19:46:26Z PACKAGE AA00011611_19003
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES