Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18999


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO LX NMEBO

*,
-
'

'

PAHl A CAPITAL E LUGARES OXDE WAO SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantadoe H|^^| ^^^^^^^^^H^B^^H 6)0000
Por seis ditos idein
Por um anno doai.....
Cada numero avulso, do meimo da
120000
24^000
0100
QOABTA-FEfiA 3 JE MARCO DE 1886
PARA DENTRO E PORA DA PROVDCIA
Por seis mezes adiantados......... ....
Por nove ditos dem................
Por um anno dem................
Cada numero avulso, de das aateriores..........
130500
200000
270000
0100
PERNAMBUGO
/
Pxcfehtot te JHatwel -igudra t>e -feria & Mijos
____TELEGRAMAS____
ssa:::: pancula:, a: biabi-T
RIO DE JANEIRO, 2 do Muyo, a
12 horas e 45 minutos da tarde. (Re-
ceido 1 hora e 45 minutos da tarde,
pela linha terrestre).
Pora ni promovido na Necretmrla
do Ministerio da Marinha i
A' director de eccao. o 1. onlclal
Cario .tmtriru do Bel t
a* 1." ofllclal. o Som Casimiro
do Con lot
A' t. olHcirtl. o amanuense Jo*
arla da Uva Leal.
__ ii aposentado o director de
secro da dita Secretaria majuelo de
Oliveira Pinto.
Fallecern* i o sub-gerente do
JORNAL DO COMMEBCIO Adet. e a es-
posa do Dr. Teixelra de Mottsta.
ssavigo da a&snc.a satas
(Especial para o Diario)
MONTEVIDEO, 1." de Margo.
A assemblea .eral elegen presi-
dente da Bepunlica D. Francisco
Antonio Vidal.
PARS, 1. de Margo.
Mr. Pastear leu hoje a Academia
de Medicina um relatorio relatlvoja
360 cura ohtlda em pe6as ata-
cadas de hydrophotola.
PARS, 2 de Margo.
Foi nomeado governador civil da
Cocnlnt Ulna Mr. Pilipplni.
Agonciu Havas, filial em Pernambuco,
2 de Marco de 1886.
INSTRDCCiO POPULAR
economa poltica
l Extrahido)
DA BIBUOTQECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(Contmuacdo)
CAPITULO I
V>r6r preliminares
Utixid.deComo J dissemos, condico indis-
pensavel da riqueza o ser til Vamos agora,
depois de apresentarmos a noco das necesidades
do homem, formular a definilo de utilidade. As
comm ididades, Oeus ou partes da riqueza podem
consistir uas innumeraveis materias que a nature-
za poe uossa diiposico no mundo, e que nos
aproveitaims de modos diversissimos : podem tam-
bem consistir em ervicos que outros homens nos
prestara en troca de servieos nosso, ou nostraba-
lho que aeren t c.i porni era trocade vantagens
conDfoIiiM* m He fsriiec-iinss. Utilidade a
prop'rieiade, que Misa a coisas, os servicos ou o
trab.ilh>, de serviiem, directamente ou indirecta-
mente, ai ii.)3sks necesidades. Entre riqueza e
utilidadj ha a seguiute diffirenca : a pnmeira
d'aqnellas palavras exprime o objecto em que re-
side a qiuli-Ud desig.ia. la pela segunda. A uti-
lidade po le ser uJiuiaeidU sob diversos aspeetis,
segundo 03 obejecto m bem om que reside. As-
sim, diz-se natural ou produzda. E' natural,
Sui-ido existe esp mtaneam-nte nos objectos ; pro-
uzida, quando apparece nelles pelo eaforco e pelo
trabalho do Inraem. Tambem.se diz gratuita e
nao gratuita. Est no primeiro caso a que pro-
duzda exclusivamente pela natureza, a que se d
nos objectos que nao sao susceptiveis deapropria
Cio ou que, sendo della snsceptveis, esto ao dis-
p>r de toda a gente, porque ninguem s<) presta a
tazer o menor sacrificio em tr-ca do qu : est ^ ao
seu alcance, sem difliculdade nem iucoinmodo. Tal
a utilidade do ar, que toda a gente respira sua
voutade, a da agua que todos podem tirar dos nos
etc. Torna-sC, prcn, a utilidade onerosa, ou
dexa de ser gratuita, quando, sendo produsida
pelo trabalho do homem, reside n'um objecto apro
priavcl, e que existe em quan'idade limitada, ou
em que se d a raridade. N'este caso tornase
propriedade de quera a produzir e puder fazer
della objecto de transaeco c >ra oatrem. A utili-
nao gratuita adquiru assim a quantidade de e
permutavel e fica constituindo ura valor. Anda
a utilidade pode ser directa ou indirecta, E' di
recta, quanJo se funia na posibilidade de urna
applicaco Immediata das eoiaas satisfaeao das
nossas necessidades,tal como applicaco do pito
& necessidade de comrr, sentida pelo homem. E'
indirecta, quando os objectos em que reside nao
9S0 senao nm meio de nos proporcionar o que
propno para a "satisfaca) dus nossas necessidades
?ue elles por si mesmos uo sao capases de satis-
azer. Exernplo : um homem possue dous pea ;
com umd'elles sacia fome, aproveitando a utili-
dade directa do pao ; ;om o outro faz urna per *>
taclo, troca-o por um pouco de vinho com que sa-
tisfaz a necessidade de beber, e aproveita lhe a
utilidade indirecta. ,
(Lontinu a).

_JARTE OFFICAL.._
fcoverno Ja Provincia
LU A DDIT AMENTO |a0 EXPE DIENTE DO DA 19 DE FE -
VEBEIBO DE 1886
O presidente da provincia ordena se rectifi-
que o titulo respectivo do delegado nomeado por
portara de 28 de Janeiro fiado, para o d'stricto
litterario de Tamandar, o qual o bacharel Tbo-
maz Caldas Lina. Communicou se ao inspector
geral da instruc9ao publica.
Ae director interino da Faculdade de Direi-
to do Heeife.Transmiti a V. Exe.. afim de que
faca constar ao lente dessa Faculdede, Dr. Jos
<
Hygino Duarte Pereira, a copia inclusa do aviso
n. 464, de 30 de Janeiro findo, do Ministerio dos
Negocios do Imperio, referente ^ommUsao, de
que se acha incumbido as Europa, o referido lente.
Ao conselheiro presidente do Instituto Ar-
cheologico Geographico Pernambncano.Trans-
muto a V. Exe., para os devidos effeitos, a copia
iuclusa do aviso n. 464, de 30 de Janeiro fiado, do
Ministerio dos Negocios do Imperio, referente
commssSo, de que se acha incumbido na Europa,
o lente da Faculdade de Direito, Dr. Jos Hygino
Duarte Pereira.Communicou-se ao inspector da
Thesouraria de Fazenda.
"~" Aa presidente e membros da mesa eleitoral
da Ia seccao di parochia da Santo Antonio do Re
cife. Devolvo a Vmcs. as actas da eleicao a que
se procedeu no dia8 do corren te, annexas ao seu
officio sem data, afim de serem concertadas e con-
feridas por tabellio publico.
EXPEDIENTE DO DA 20 DE PEVEREIBO BE 1886
Actos
O presidente da proviucia tendo em consi-
dracao o que representou o commandante do
corpo de polica nos orHcios as. 86, 127 e 146, de
30 de Janeiro findo, de 9 e 16 do coirene mez,
contra os officiaes daquelle corpo, tenente Joo
Ribeiro Mont^rroyos, Jos Paulo Maciel de Car-
valho, Joao Peres Ferreira e alferes Jos Teren-
cio de Barros Araujo, pelo facto de terem, na qua-
lidade de commandantes interinos de corapanhias,
pago o sold das respectivas pracas com descont
de 3 o/0, quando haviam recebido as apolices des-
tinadas ao mesmo pagamente com descont de
Resolve mandar submetter os mesmos officiaei a
conselho de investigaco, do qual farSofparte como
presidente o major graduado Esevao Jos Ferraz,
coaoyogaes os capites Joo Justiniano da Rocha,
Manoel Anselmo Pereira Quimares e o tenente
Sebastiio Gon;alves da Costa, servindo de auditor
o 2* promotor publico da comarca do Recife, Dr.
Manoel Clementiao de Oliveira Eacorel =Remet-
teu-se copia ao commandante do corpo de polica
e communicou-se ao commandante das armas e ao
2* promotor publico e ao major EstevJo Jos Fer-
raz.
O presidente da provincia attendeudo ao que
requeren o juiz municipal do termo de SerinhSem,
bacharel Benjamn Rodrigues de Frats Caraccio-
lo, resolve conceder-lhe 3 mezes de tcenla com
ordenado integral para tratar de saa saude, deven-
do o petecionario entrar no goao da referida (cen-
ca no praso de 15 dias.
O presidente da provincia resolve exonerar
Jos Francisco Ribeiro Pessoa do cargo de pro-
motor publico da comarca de Flores, visto ter sido
nomeado para o lugar de juis municipal do teimo
da mesma densminacao.Communicoa-se ao juiz
de direito.
O presidente da provincia resolve remover
da comarca de Palmares para a de Flores, o pro -
motor publico, bacharel Luis Jos Pereira Simes,
devendo assumir o exercicio nc praso de 30 dias.
O presidente da Drovincia resolve nomear o
bacharel Arthur da Silva Reg para o lugar de
promotor publico da comarca de Palmares, deven-
do assumir o exercicio no piaso de 15 dias.Com
municou-se ae nomeado.
O presidente da provincia attendeudo ao que
requereu o subdito portuguez, Jos Luiz Fernan-
des, residente nesta provincia, resolve, de accordo
cora o disposte no decreto n. 1,950, de 12 de Ju-
lho de 1871, e usando da autorisacio conferida
pelo hrt. 14 da lei n. 3,140, de 30 de Outubro de
1882, naturalisar o subdito portugus, Jos Luiz
Fernandos, isa de que possa gosar de todos os
direitos, honras e prerogativas, que pela Consti-
tuido competem aos cidadaos brasileiroe natura-
usados.
OrHcios :
Ao inspector do Arsenal de Variuha.Man-
de V. Exe. por a disposicao do director do Arse-
nal de Gue:ra, conforme solcitou em officio n. 189,
de hontem datado, urna lancha afim de coaduzir
3uatro reparos e o cofre que se destinara fortaleza
o Brum.Communicou-se ao director do Arsenal
de Guerra.
Ao commandante do corpo de polica.Pro-
videncie V. S. para que destaquem quatro pra-
cas em Laga de Gatos e tres no povoado Belem
de Maria, devendo V. S., se nao houver for^a dis-
pooivel no quartel, retirar a que fr sufficienle
dos destacamentos que entender.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda
Communico a V. S., para os fins convenientes, que
exonerei hoje o bacharel Jos Francisco Ribeiro
Pesaos do cargo de promotor publico da comarca
de Flores, visto ter sido nomeado para o lugar de
juiz municipal do termo da mesma denominaba.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os fins
convenientes, que remov hoje para a comarca de
Flores o promotor publico de Palmares, bacharel
Luiz Jos Pereira Simoes.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fias
convenientes, que nomeei hoje o bacharel Arthur
da Silva Reg para o cargo de promotor publico
da comarca de Palmares.
Ao mesmo.Declaro a V. S., em solucao ao
expendido na sua ntormaQao de 3) d ? Janeiro ul-
timo, n. 70, que a despeza de 174010 constante da
inclusa conta e proveniente da illuminaco da ca-
sa da guarda do palacio desta Presidencia no mez
de Descmbro do anno passado, deve ser satisfeita
por conta da verba demezas de corpos e quar-
teisdo Ministerio da Guerra, em vista do aviso
de 26 de Novemb-o de 1883, do qual se rematteu
copia a essa Thesouraria em 8 de Janeiro de
1884.
Ao mesmo.Remetto a V. S, para os devi-
dos fias, copia do aviso de 19 de Janeiro prximo
passado, sob n. 3J0, expedita pelo Ministerio do
Imperio, autorisaodo o pagamento da quantia de
9^3*940 a Francisco Manoel da Silva & C. e a
Rouquayrol Freres, proveniente de drogas forne-
cidos a, repartifo da aade dos portos para desin
fecciio de navias, a q je se refere a ordem do The-
souro Nacional n. 29 de 29 do dito mez de Jane!
ro Communicou-se ao inspector da saie do
porto.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Em
soluto ao exposto no s'u officio de 21 de Dezem-
bro ultimo, n. 397, declaro a Vmc. que o tbesourei-
ro das loteras a favor da educacjlo de ingenuos da
Colonia Isabel, acha se obrgado ao descon',0 de-
terminado pelo 59 art. 2o da lei do orcamento
vigente, visto p^rceb'r a porcenttjem de 10 "/0 a
que se refere o mesmo paragrapho.
Ao mesmoPara os fins convenientes cm-
cnunico a Vmc. que a 16 do correute /alleceu a
professora da cadeira de Surubim, Maphalda Au-
gusta r'ereira, segundo participou-me a inspecto-
riageral da Instrucfo Publica em officio n. 58 de
18( do mesmo mez.
Poitarias:
Recommendo Cunara Manicipal do Recife
que informe com toda a urgencia sobre o assump-
to das representaces juntas do juiz e Jo escrivo
de paz da freguezia de S. Jos do Recife, decla-
rando :
1." Quaes foram os cidadaos votados e juramen-
tadas, e em que ordem, juiz de paz da referida
freguezia.
2.0 Quaes foram os mmediatts era votos aquel-
lesjuizes.
3. Que vagas tem se dado durante o quadrien-
nio e por que motivo tem sido preenchidas.
4 O aotivo por que anda nao f>i preenchida
a vaga resultante do fa'lecimetto do cidadao Apri-
gio Jos da Silva.
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco mande conceder passagens
de 3a classe, que serao opportunameot' desconta-
das das gratuitas a que o governo tem direito, da
estsc'io das Cinco Pontas de Una, a um cabo e
seis pracas do corpo de polica.
O Sr. enesrregado do prolongamento da es-
trada de ferro do Recife ao S. Francisco, na esta-
co de Una, mande conceder passagem de 3a clas-
se per conta da provincia, at Canbotinho, a um
cabo e cinco pracas do corpo de polica, que vio
destacar em Palmeira de Garanhans.
EXPEDIENTE DO DA 24 DE PEVIBE1B0 DE 1886
Actos :
O presidente da provincia de couformidade
com as propostas do Dr- chefe de polica era ofi-
cios os.185 e 186, de hontem datados resolve exone-
rar a pedido o alferes Paulino Antonio de Siuza
Ayres do cargo de delegado do termo de S. Bento,
e nomeal o para exercer igual cargo no termo de
Quipap. ,
O presidente da provincia de cooformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em officio
n. 183 da hontem datado, resolve exonerara pedi-
do o capita Jos Lopes da Silva Zaza, do cargo
delegado do termo de Quipap.
O presidente da Drovincia de conformidadacora
a proposta do Dr. chefe de polica em officio n. 183
de bootem datado, resolve nomear Manoel Joo
de Sousaptra o lugar do 2 suppleate do delega-
do do termo de Quipap em substituido de Diogo
Henrique de Souza que nao aceitou a nomeaco.
O presidente da provincia de contormidade
com a propjsta do Dr. chefe de polica constante
do officio n. 172 de 20 do correte mez, resolve no-
mear Jos Al ves Barbosa para, o lugar de de 2a
supplente do subdelegado do 2 districto da Boa-
Vista ficando exonerado o aetual Joo Carlos Ca-
valcante de Albuquerque.
O presidente da provincia attendendo ao que
requeren Generosa Maria Ramos Guimarcs, pro-
fessora contractada da cadeira de ensino primario
de Santa Cruz de Taquaretinga, resolve conceder-
lhe nos termos do art. 7 5a da instruccoeB de
29 de Janeiro de 1 884, um moz de licenca para
tratar de sua saude onde lhe convicr.
O presidente da provincia attendando ao que
requereu o subdito portugus M .noel Bernardino
Vital, residente nesta provincia, resolve de accor-
do com o disposto no decreto n. 1950 de 12 de
Julho de 1871, e usando da autorisaclo conferida
pelo art. 14 da lei n. 3,140, de 30 de Outubro de
1882, naturalisar o referido subdito portugus Ma-
noel Bernardino Vital, afim de que possa gosar de
todos os direitos honras c prerogativas que pela
constituido competem aos cidadaOs brasileiros na
turalisados.
O presidente da provincia resolve de accor-
do com a proposta contida no officio do inspector
do Tnesouro de 22 do correte, n. 486, nomear o
promotor publico bacharel Arthur da Silva Reg,
para exercer o cargo de ajudanto do procurador
dos feitos da fazenda provincial no districto da
collectoria de Palmares.
Officios :
Ao commandante do corpo de polica.Ao
Dr. chefe de polica mande V.S. apresentar nodia
26 do correte, as 11 horas da manhl urna escolta
de quatro pracas e um cabo afim de conduzir at
o termo de Aguts Bellas, os criminosos Antonio
Joa inim Cavalcante, conhecido por Antonio fino e
Luiz Gomes da Silva.Communicou-se ao Dr.
chete de .polica.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Remetto a V. S. pira os fins convenientes, copia
do aviso do Ministerio da Marinhade 15 do corren-
te n. 224 relativo concesso de crdito verba
hospitaes do actual exercicio.
Ao mesmo.Nos termos da sua nformaco
de 20 do correte n. 111 mande V. S. pagar a im-
portancia de 29J4U0 proveniente dotelegramma de
3ue trata o incluso documento transmittido a 16
este mez pelo commandante da daviso de cruja-
dores," Luiz Mara Piquet, ao da corveta Primeiro
de Afargo, no Para, de ordem do quartel general de
marioha.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Re-
metto a Vmc. para os fias coavenientes copia do
aviso do Ministerio da Agricultura Commercio e
Obras Publicas de 13 do torrente, n. 4, relativo ao
pagamento do imposto cobrado pela Collectoria de
racarat sobre o gado abatido para consumo do
pessoal da estrada de ferro de Paulo Affonao, a
que se refere a nformaco desse The wuro de 29
de Dezembro ultimo n, 412.
Ao engenbeiro chefe da Reparticodas Obras
Publicas.A' vista da nformaco n. 29 presta-
da p->r Vmc. em 21 do crrante, acerca do facto
de ha ver Alfonso de Albuquerque Maranho aban-
donado a obra da ponte de Porto de Pedras de
que contratante, autoriso a rescidir, nos termos
do art. 56 do regulamonto de 24 de Fevereiro de
1874, o rer pectivo contracto e man lar concluir a
obra por administradlo, costa do referido Affon-
ao Maranho.Commuuiou-se ao Thesouro Pro.
vincial.
Aa inspector geral da Instrucfo Publica.
Declaro a Vmc, em resposta ao seu officio n. 60,
de 19 do corrente mez, que sem dispendio algom
por parte da provincia, pode o professor Gaspar
Antonio dos Ruis, abrir um curso nocturno gra-
tuito.
Ao 2' promotor publico da comarca do Re-
cife.Transmiti, em original, o relatorio da com
missi- encarregada de inspeccionar o corpo de po-
lica, afim de Vmc. verificar com a possivel brevi-
dade a quera cabe a respsnsabilidade do extravio
do fardamento do mesmo corpo e faser effectiva a
criminalidad e responsabilidade d'aquelles que se
acharem culpados.
Ao juiz de direito da comarca Jo Limoeiro.
Segundo ioformou o engenheiro chete da Repar-
tilo das Obras Publicas, em 13 do corrente, de-
clarei em ,'22 Cmara respectiva, esta.em con-
cluidos os repiros precisos na casa que serve de
cadeia e paco municipal, e autorisei a tranaterea-
cia dos movis para o pavimento superior da dita
casa, onde tem de installar-se a 15 de Marco a ses-
so do jury que Vmc. se refere no officio de 18,
tambem do corrente, que assim fica respondido.
Ao juiz de direito da comarca de Palmares.
irva-se Vmc. de prestar as informayoas que es-
tivereui a seu alcance sobre a veracidade do appa-
recimento de tebre amarella n'essa cidade.
Ao Dr. Joo Maria Sevo. medico da colonii
Isabel.Intorrae Vmc. o que lhe constar sobre o
apparecimento de febro amarella, na cidade de
Palmares.
Porta ra i:
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco, sirva se de fazer tras-
portar da estaco das Cinco-Puntas a de Una, por
conta dos passes gratuitos a que o governo tem
direito, urna escolta composta de 1 cabo de es-
quadrs e 4 pracas do corpo de policia e bem assim
aos criminosos de nomes Antonio Joaquim Caval-
cante, conhecido x>r Antonio Fino, e Luiz Gomes
da Silva.
__ O Sr. enesrregado do prolongamento da es-
trada de ferro do Recife ao S. Francisco, na esta-
co de Palmares, mande transportar por conta da
provincia, da estaco de Una a de Canhotinho,
urna escolta composta de 1 cabo de esquadra e 4
pracas do corpo de policia, e bem assim aos crimi
nosos Antouio Joaqnim Cavalcante, conhecido por
Antonio Fino, e Luiz Gomes da Silva,
O Sr. gerente da Compauhia Pernambucana
mande dar passagem pro i, at o presidio de Fer-
nando de Noronha, na primeira opportunidade,
Rosal i na Maria de Jess, raulher do sentenciado
Manoel Francisco de Novaes, por conta das gra-
tuitas que o goveruo tem direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar paasagens 4 r, at o porto de S- Sal
vador, no vapor que seguir para o sul a 26 do cor-
rente, a Syndulpho Mvhberk Lima, cor conta das
gratuitas a que o governo tem direito.
EXPEDIENTE DO DA 25 DE FEVEBBIBO DE 1886
Acto.'
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em officio
n. 184, de 23 do corrente, resolve nomear Joo
Pereira de Mesqmta e Manoel Joaquim do Nasci-
mento Santiago para os lugares de 2- e 3- suppl an-
tes do subdelegado do districto de Queimaias no
termo do Quipap, ficando exonerados os actuaes
Jos Francisco da Silva e Rufino Vieira do Lu-
cena.
Oficies :
Ae inspector do Arsenai de Marinha. De
conformidade com o aviso do Ministerio da Mari-
nha, de 17 do corrente, remetto a V. Exe. o inclu-
so rol da equipagem da escuna nacional Angeta,
que pasiou a ser propriedade cstrangeira.
Ac Dr. chefe de policia.Declaro a V. S. em
solucoikos seus officios ns. 33 e 114 de 12 de Jar
neiro fiado e 5 do corrente que a vista das infor-
marles prestadas pilo inspector do Thesouro Pro-
vincial em 25 do leferido mez de Janeiro e em 13
do cwrente, sob ns. 419 e 474. appiovo a locaco
da casa de Mancel Martina Campos sita na fre-
guesta do Poco da Panel la para servir de quartel
do respectivo destacamento pelo aluguel mensal
de vintef cinco mil lii, a contar de 10 do j re-
ferido mez de Janeiro, orna vez que o proprieta-
rio preste te a faser as necewarias accommo
coes.
Ao commandante do corpo de policia. Auto-
riso V. S. a excluir definitivamente do corpo de
seu comaiando o soldado Manoel Jos de Lima de
quem trata no seu officio n. 158, de 20 do corren-
te mez.
Ao governaior do Bispade. Para satisfa-
cer a urna requisifo da presidencia de S. Paulo,
sollicito de V. Rvma. se sirva de providenciar pa-
ra que seja-me enviada ama certido de baptismo
do preso pobre Jos Viceite, ex-eacravo de D.
Seonorinha Rodrigues da Sil /a, nascido na paro-
chia de Fazenda Grande, desta provincia.
= Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S. para os fius convenientes, que o
capito do corpo de engenheiros Gregorio Tbau-
maturgo de Azcvedo, por officio de hontem, part-
cipou- me haver assumido o lugar de engenheiro
oncarregado das obras militaros, desta provincia,
para o qual foi nomeado por portara do Ministerio
da Guerra, de 23 de Nuvembro do anno passado.
Ao mesmo.Da conformidade com o aviso
do Ministerio da Marinha de 17 do corrente, re-
metto a V. S. afim de ser entregue a alfandega o
incluso passaporte da escuna nacional Anguita,
qne paisou a propriedade cstrangeira.
= Ao meamo. Declaro a V. S. para os fins
convenientes, que autorisei ao director do Arse-^
nal de Guerra a mandar satisfazer o incluso pe-
dido, por copia, de artigos de fardamento qae pa-
ra seu us> faz o alferes do 2' batalho de infanta-
ra Joo Ayres da Silva Maura.
- Ao mesma.O Ministerio da Marioha, em
aviso de 18 do corrente, determina que esaa the-
souraria informe qual a somma precisa para ac-
quisico de fardamento destinado a escola de
aprendaos marinheiros desta provincia at o fim
do exercicio, afim de resolver sobre o crdito pa-
ra semelhante despesa.
O que faco constar a V. S. para os devidos fins.
Ae mesmo.Tendo sido concedido pela or-
dem do Thesouro Nacional n. 16, le 14 dsjane-
ro findo.o crdito de 5:000J por conta do corren-
te exercicio, sendo 1:000/a rubrica 18- equipa-
ment para concertos de arreios c 4:000/ a 20
despesas de corpos e quarteis para a compra de
25 cavallos, mande V. S. conforme determina o
Ministerio da Guerra, em aviso de 17 do corrente,
proceder a annullaco do crdito de igual quan-
tia aborto sob rjsponsabilidade desta presidencia,
segundo tratou essa thcsojraria em officio a. 5 de
1S do asBUsaka mez de Janeiro.
Ao mesmo. Sciente do qae V. S. expoz no
8'u officio d. 114, de 22 do corrente mez, recom-
mendo-lhe que, mediaate concurrencia publica,
Eroinova a compra dos animaes de que trata o so-
redito officio e foram requisitados pelo director
do presidio de Fernando de Noionha.
Ao mesmo. Declaro a V. S. conforme re-
commendou-me o Ministerio do Imperio em aviso
de 19 deste mez, sob n. 710, que o Rvm. bispo de
Olinda tem direito a congrua correspondente a to-
do o tempo em que esteve ausente desta provin-
cia, visto ter ido a corte em ser vico de sua dioce-
se e com annuenca do governo.
Ao mesmo. Segundo communicou-me em
aviso de 15 do arrente o Ministerio da Fazenda
expedio ordem nesta data para que regiesse a
respectiva repartico 3 2' escripturario dessa The-
souraria, Saturnino Justo de Argollo Castro, que
se acha servindo como addido na alfandega da
Babia, o que lhedeiiaro para os devidos fins.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De
accordo com a nformaco prestada por V nc. em
19 do corrente, sob n. 482, autoras o a mandar
pagar a Joaquim Liurcnco de Barros, arrema-
tante da obra de reoonstruc?o da cadeia de Li-
moeiro a quantia de 1:684/320 j deduzida a res
ponsabilidade do estylo, importancia da ultima
prestaco da mesma obra e das supplementares
segundo o certificado que devolvo, passado pela
repartico das Obras Publicas em 13 desto mez.
Communicou-se a repartico das Obras Pu-
blicas.
Ao mesmo.Mande Vmc. entregar ao thc-
soureiro da repartico das Obras Publica a
quantia do 10:054/ constante do pedido junto,
para socorrer as despezas a cargo da mesma re-
partico no mez de Janeiro ultimo.
Ao mesmo.Designo o procurador fiscal des-
se Thesouro, bacharel Manoel Nicolao Regueira
Pinto de Souza, para promover a especialisaco
das hypothecas legaes da fazenda provincial, fi
cando assim satisfeita a requisico de Vmc. cons
tante do officio de 17 deste mez, sob n. 479.
Ao director do Arsenal da Guerra.Mande
Vmc. satislazer o incluso pedido de artigos de
fardamento, que, para seu uso, faz o alferes do 2
batalho de infantaria, Joo Ayres da Silva Mou-
ra. Communicou-se a'j commandante das armas.
Ao mesmo. Envi a Vine, o incluso ter-
mo de abertura do volume remettido pela aten
dencia da Suerra, contend) 2,00) saceos de lila
amiantina, de que trata o seu officio n. 199, de 15
do corrate.
Ao director da Coloni Isabel. Informe V.
Revna. a respailo da extensa), conrrontacoe',
bemfeitorias, qualidade e preco das trras de que
trata o officio desaa directora de 18 de Dezembro
ultimo, para conhecimento da Assembla Legisla
Uva Provincial a q- n competa autorisar a des
pesa com a aequiaico de taes trras.
Portaras :
O Sr. agente da Companhia Brasileira man
de transportar corte por conta do Ministerio do
Imperio o caixo que cem esta portaria ser a pre-
sentada cratendo p'antas medicinaes.
O sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar por coa'.a de Autouio Ferreira
Nobrega os geaeros mencionados na inclusa re a-
ce.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Oficios :
A' Assembla Provincial. De ordem do
Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia trans-
mittoa V. S. as actas constantes da relac-to jun-
ta remettidas pelas respectivas mesas eleitorses
com destino a essa Assembla.
Ao capito do corpo de eogeuheiro Gregorio
Thauraaturgo de Azevcdo. De ordem do Lxm
Sr. conselheiro presidente da provincia aecuao
recebido o oficio de hontem datado em que V. S.
participa haver assumido o exercicio do lugir de
engenheiro encarregado das obras militares, desta
provincia.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
De ordem do Eira. Si. conselheiro presidente da
provincia remetto a V. S. oito ordena, reado sete
do Tbeaouro Nacional de ns. 38 a 44 e ama do
Ministerio da Guerra de 17 do corrate mez.
Ao sec-i tirio d i Assembla Provincial.De
vincia transmiti a V. S., afim de que se sirva de
submetter, opportunamente, consideradlo dessa
Assembla, o oficio junto por copia de 10 do cor-
rente mez, em que a Cmara Municipal de S. Ben-
to solicita o preciso crdito dos cofres provinciaes
para se lhe pagar o que despeadeu com o concer-
t do cercado do acaldo publico.
Do officio tambem junto por copia de 29 de Se-
tembro de 1884, consta o modo porque foi effectua-
do aquelle concert.
Ae mesmo. Da ordem do Exm. Sr. conse-
lheiro presidente da provincia transmiti a V. S.,
40 exemplares do relatorio ora que o Exm. Sr.
desembargador Luiz Correa de Queiroz Barros
entregou ao mesmo Exm. Sr. presidente a adrai-
nistraco da provincia em 27 de Outubro do anno
findo.
Ao inspector do Thesouro Provincial. O
Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia man-
da declarar que nos termos das informacoes pres-
tadas por V. S., cm officio de 25 de Janeiro findo
e 13 do corrente, sob ns. 449 e 471, foi approvada
a locaco da casa de Manoel Martin3 Campos, si-
ta na freguezia do PofO da Panella, p;lo aluguel
mensal de 252000, a contar de 10 do referido mez
de Janeiro, para servir de quartel do respectivo
destacamento, urna v z que o proprietario presta-
se a fazer as necessarias accommodacoes.
Ao inspector da Sade Publica. Para se-
rem convenientemente distribuido, transmiti a
V. S., de ordem do Exm. Sr. coiselheiro presiden-
te da provincia, 12 exemplares do opsculo pro-
philario e tratamento do cholera morbus, remet-
tidos pela Secretaria de Estado dos Negocios do
Imperio.
A' Cmara Municipal de S. Beato.O Exm.
Sr. conselheiro presideote da provincia manda
communicar a Cmara Municipal de S. Beato, que
hoje maadou remetter, afim de ser opportunamen-
te submettido consideradlo da Assembla Legis-
lativa Provincial, copia do seu officio de 10 do cor
rente mez, relativo ao pagamento pelos cofres pro-
vinciaes do que a mesma cmara despea dea com o
concert do cercado do aijude publico.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DE-4 DE MAKCO
de 1886 C
Adolpho Jos de Araujo.Sim, com ordeoado.
Francisco de Pinho Bsrges.Sim, a coatar do
prximo semestre em diante.
Bacharel Jos Climaco do Espirito Santo. De
ferdocem officio de hoje a Thesouraria de Fa-
zenda.
Maria Leopoldiaa Pedrosa.Sim, mediante re-
cibo.
Manoel Joaquim Gonfalves.Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Tenente Manoel Carnei.o Machado FreirFor-
neca-se.
Secretaria da presidencia de Pernambu-
co, em 2 de Margo de 1886.
O porteiro,
7. L. Viegas.
Repartico da Polica
Secgao 2. N. 219.Secretaria de Po-
licia de Pemambuco, 2 de Margo de 1886.
Illm. e Exm. Sr. Participo a V. Exe.
que foram hontem recolhidos na Casa de
Dctenglo os seguintes individuos :
A' ordem do Dr. delegado do Io districto da ca-
pital, Antonio Lourenco dos Santos, por crme de
de roubo.
A' ordem do subdelegado de Santo Antouio,
Leoncio Quintdiano de Salles, por disturbios.
A' ordem do do Io districto de S. Jos, Joaquina
Maria da Conceico, por disturbios.
Hontem, pela manh, foi encontrado junto a pon-
te da Boa-Vista o cadver de um recemnascido, o
qual depois de vistariado fui mandado sepultat.
No da 20 do mez findo foi presa e recolhido na
cadeia do termo da Pedra o individua de nome
Francisco Rodrigues, morad sr no lugar denomi-
nado 'luerra, por haver se apesgado e morto, con-
tra a vontade de seu dono, urna r?z pertenecnte a
Theotonio Jos.
A tal respeito procede-se nos termos da lei.
Pelo subdelegado do districto da Torre foi re-
mettido ao juiz competante o inquerito policial a
que procedeu contra Jos Franciseo Gomes da Sil-
va, pelo crime de rapto e defloramento praticado
na men^r Mara da Jonceiclo das Floras, filha le-
gitima de Wenceslao Lopes de Oliveira e Anna
Maria da Conceico.
O delegado do termo da Pao d'Alho, em officio
de 28 do mez findo, relata com mais minuciosidade
o desacato de que foi victima o Dr. juiz de direito
da comarca, na madrugada de 27 e a que me re-
fer em a parte desse meomo dia.
Diz a citada autoridade que logo que te ve co
nhecimento do occorrido, dirigio-se a casa do Dr.
juiz de direito, onde j *e achavam muitas pessoaa
do povo.
As portel e a parede da frente da casa eatavam
impregnadas de pixe, n tando-se anda era urna das
partas a broca de urna bala proveniente do tiro que
dispararan).
As pessoas presentes foram unnimes era apon-
tar o individuo de nom A lelin > Candidjda Cunha
oficial dejustica dojuizo de paz, como^autor do
desacato. \
E, realmente, diririndo se o delegado aompa-
nhado do esmmandante do destacamento, diversas
pessoas e pracas de policia casa de Adeli io, ah
eacontrou, dentro de urna gamella e molhado, um
palitot com algumas manchas de peixe que atiesta*
va exhuberantemente a culpabilidade de Adelioo,
pelo que i-A preso, lavrando-se no mesmo instante
termo de flagrancia, por ter sido o delinquente per-
seguido pelo clamor publico.
O delegado fez as ailigencias da lei ejconcluio
o inquerito, que teve o conveniente destino, do
qual nao se infere que Adelino, tenha cumplices.
Deus guarde a V. Exe. IH.-n. e Exm.
Sr. conselheiro Jos Fernandes da Costa
Pereira Jnior, rauito digno presidente da
provincia. O chafe de poli';ia/\.lntVmtb
Domingos Pinto.
C o mu todo das
Armas
DAS
DE MAR50
COMMASDO
Io
AR-
DE
QUARTEL GENERAL DO
MAS DE PERSAMBL'CO,
1886
Ordem do dia n. 75
Fago publico para conhecimento da
gaarnigo que apresentou-se hoje a este
quartel-general, por ter concluido hontem
30 dias de licenga p ira tratamento de sua
SAU'ie, em prorogagao da com que se acha-
va n-sta provincia o Illm. Sr. coronel com-
mandante do Io batalhilo de infantera,
addido ao 14 da mesma arma Joaquim
Cavalcante de Albuquerque Bello, que fica
aguardando embarque para a corte. Por
esta occasiao me grato declarar que du-
rante a minha passada e presente admi-
ntragao militar nesta provincia o mesmo
Illm. Sr. coronel houve-se no commando
do referido 14 batalho de infantera, do
qual foi transferido, com toda a distincglo
Outro sim, que a 27 do passado apresen
tou se a este quartel-general, vindo da pro-
vincia da Bahia o Sr. alferes do citado 14
ao sec-eino a 1 AssemDiea r<-ovmciai.1 ... \r .
rrdem do Exm. Sr. eonselheiro presidente da pro- batalho Vicente Magno Aunes.
(Assignado). O brigadeiro, Agoslinho Marques
de S, commandante das armas.Conforme.O
tenente Joaquim Jorge de Mello Filho, ajudante
de ordens interino e encarregado do detalhe.
Thesouro provincial
DESPACHOS DO DIA 1 DE MARCO
Joaquim Jos da Silva Moreira.Infor-
me o Sr. Dr. administrador do Consulado.
Dr. Felippe de Figueiroa Faria. -Ao
Sr. contador qara mandar passar portaria
de entrega.
Adelaide Rosalina Bittencourt. Faga ta-
se as natas da portaria de licenga.
Cootas do Corpo de Policia e Bellarmi-
no Fernandes da Cunha Almeida Junte
copia das informagSes.
Ponto da Escola Normal.Ao Sr. pa-
gador para os devidos fins. .
Joao Vctor Al ves Matheus d C. Vola-
te ao Sr. Dr. procurador fiscal.
Quitcra Bezerra de Vasconcelbs. Ao
Consulado pora attender.
Peregrino Affonso Ferreira.Ao Sr.
Dr. procurador fiscal para attender. nao
havendo inconveniente.
Dr. Felippe de Figueiroa Faria.En-
ttegue-se a quantia em deposito. t
Senhorinha Maria de Oliveira Mello e
Catharna Engena de Carvalho Paos de
Andraie.Certifiqese.
Pret e folha da Guarda Cvica. Enca-
minhe-se.
Delphim Lipes da Cruz, director da
Escola Normal, Dr. Augusto Carneiro
Monteiro o outro, Antonio Pedro da Silva,
Augusto Octaviano de Souza, promotor
publico de Floresta. Informe o o Sr. con-
tador.
Manoel Antonio dos Santos Fontes.
Entregese pela porta.
Nicolao Machado Freir.Certifique-se.
- 2
Dr. Hermogenes Scrates Tareres de
Vasconcellos, Januario Nunes de Souza e
Pedro Manoel de Carralho. Informe o
Sr. contador.
Miguel Rodrigues Este ves. Certifi-
que-se.
Luiza Amelia Drummond. Fagam se
as notas da portaria de licenga.
Francisco Cavalcante de Albuquerque
e Companhia de Santa Thereza. Haja
vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Pret e folhas do corpo de Policia.
Exaraine-se.
Manoel Ferreira.Satisfaga a exigen-
cia do Sr. Dr. contador.
Francisco Gongalves Torres.Ao Sr.
Dr. procurador fiscal para attender nao
haveado inconveniente.
Mara Jacintha Pereira e Henrique Ca-
valcante & C. Informe o Sr. Dr. admi-
nistrador do Consulado.
Luiz Filippe dos Santos Porto. Escrip-
tura se a divida.
Manoel Antonio dos Santos Porto.
D se na forma requerida.
Ponto do Instituto Vaccinieo.Ao'Sr.
pagador para os devidos fins.
Machado, Lope3 > C. Ao Consulado
para attender.
Consulado Provineial
DESPACHOS DO DIA 2 DE MARCO
Relagao dos navios que sahiram sem
pagar imposto. A' l* secgao para mandar
proceder cobranga por intermedio dos
Srs. cobradores.
Machado & Pereira.A" 2a secgao.
Baptista & Santos.A' 1" secgao para
os dafidos fins. y
Joaquim Jos da Silva Moreira, Arantes
& C. e Alvcs de Britto & C.Informe a
Ia secgao.
Manoel da Cunha Saldanha. Certifi
que-se.
Quimares Fonseca & C Informe a Ia
se cgao.
Vicente Alves Pereira. Informe a 1'
secgao.
Camara~MunicipaI
DESPACHOS DA SESSAO DE 27 DE FEVEREIRO
DE 1886
Pelo Sr. vereador commissario de poli-
cia :
Comraisso dos featejos carnavalescos da roa
do Livramento, pedndo lieenca para armar core -
to e collocar pjstea na alludida rna.Como ee-
quer, apresentando previamente lieenca das Obras
Publicas.
Ernesto Arcelino de Barros Franco, psdindo li-
eenca para mandar cinalisar gaz para sua casa n.
52 a ra da matriz da Boa- Vista.Como requer.
Jote Leocadio Dantas de Oliveira, para proce-
der eScavaeo na ra do Vsconde de Inhanma,
e concertar o encanamento d'agua da casa n. 1
alludida rna.Id m.
DESPACHO DO DIA 1." DO CORRENTE
Pelo Sr. Cussy do Reg, commissario dos
mercados :
Basilio Rodrigues de Freitas, creador de gado
no lugar denominado Pe r* Tapada, pedindo que
seja-lhe concedidos no mercado de S. Jos, quatro
dos melhores talhos que estiverem desoecupados,
afim de abastecer de carnes verdes ao municipio.
Ao administrador para fornecer ao aupplicante
quatro tainos da seceo do sul.
Pelo Rom. Sr. Padre Mello vereador
commissario de edificacZes : $
Antonio Pinheiro de Carvalho, pedindo lieenca
para mandar substituir caibros do oito de sua
casa de n. 2 A roa Real da Torre freguezia de
Afogados, bem como tomar pequeos rebocos no
mesmo oito.Pagos os impostos, concede-se de
contormidade com as posturas.
Antonio Cesar de Mello Falco, para mandar
enllocar rotulas em duas portas de sua casa de n.
263 ra Imperial e concertar o capote da mes-
ma ao lado do poente.Aprsente ordem do res*
pectivo dono da casa, visto dizer o engenheiro que
a casa nao pertence ao sapplicante.
Antonio Gomes de Miranda Leal, para mandar
reteibar e embocar as biqueiras do telhado de sua
casa n. 29 i ra Estreita do Rosario.Pagos os
m postes, eoncede-se de contormidade com as
postnras(e ultima parte do parecer do engenheiro,
para a qual chamo a atteuco do fiscal, a quem
dever ser apresentada a petico.
Bernardino da Costa Campos, para mandar ti-





LJfWD


Biam f PcrnainbucuCuarta feira 3 de Mar$o 1886






xer urna dependencia no interior de seo preuio n.
9 roa da Conquista ; bem como retelhar o mes-
mo, fazendo algum retoque no interior e exterior e
tomar goteiras no de n. 28 ra Nova de Santa
Bita.Pagos os impostes, concede-se de eonfor-
midade com as postur s t- parecer.
RBario de Petrolina, replicando, satisfaz a exi-
gencia -lontida no parecer do eDgenheiro, decla-
rando que fica recuada quareuta palmos, a casa
Sue pretende edificar em seu terreno roa do
[oepicio, cuja lieenca solicita.Pag* osimpoe-
tos concfde ae Vaton&rmidade oaa-ae peetoras e
parecer do ensjtssheir.
Bernardino de Soso Duarto, atado lwencai
para mandar aeer eornij e par sjaatD, laarnar
as aguas, trada nT'Aias portas em jaaellaa,*
correr o telhado eobatltuindu ripae eaibrot e ra-
xer pequeo rebocos parciaes na oaaa n. 4 ra'
de Joo do Reg.Na forma da le" parte do pa-(
Carlota Bulamqui Megalhea para mandar to-
mar goteiras e rebojos em sua casa n. 15 ra
Padre Floriauo.Siin, dan io pr via scieojia ao
fiscal quanto ao retclhamento, quanto porm aos
rebocos nao sendo pequeos pee nova 1 cenca
para pagar os mpostos.
Francisca Candida d. Si-va, replicando pede que
aeja lhe concedida licenca para abrir orna janella
aa casa n. 55 ruj Velha de Santa Rita Pa
gos os imposto, concede ge de conformidade com
as posturas, lieenea. somente para abrir nma ja-
nella.
Joaquim Martins Moreira, replicando, satisfax a
. jueia do interior despacho, declarando qile a
expresa) correr o telhado qu; einpregou na su
inicial peticio, com referencia as suaa casas de
n. 26 a 32 a ra Imperial, no a utido de tom.tr
goteiras.Sim, dando previa sciencia aofiscal.
Jos Paulo Botelho, pedindo lcenca para man-
dar tomar goteiras na sua casa n. 62 a roa das
Pernarabucanas fregueza da Graca.Stm, dando
previa sciencia ao fiscal.
Jacntho Pacheco Pontes, para mandar cobrir o
lade posterior de sua meiagua n. 6 ao Ct.os do
Capibaribe, raxer nm quarto e coBinha, abrir nma
janelia e recuar a porta, afim de collocal-a de ac-
curek) com as posturas.Pagos es iuipostos. con
cede-se de conformidade com as posturas e pare-
cer.
Ricardo Jos (Jemes da Las, para mandar con
certar o cano de eagoto das aguas pluriaes de
ana casa n. 18 a ra do Jarditn fregueza de S.
Jos. Pagos os impostes concede-se.
Secretaria da jamara Municipal do Re
cife, 2 de Mai-90 de 1886.
O porteiro,
Leopoldino C. Ferreirada Silva.
INTERIOR
A poltica do Rio da Prata
(Da Vanguarda, da corte, de 23 de fevereiro)
O movimeuto revolucionario no Estado Oriental,
guma sensacio em certos cii culos polticos desta
corte, e assuttou um pouco o uosto commercio de
grosso trato que j tivera noticia ila invaaio, em
principio da semana ultima. Talvex se tcmesse
que esta nova mudanca de vistas no acenaria de
nossos visinbos do sul, podease de algumu forma
envclvor o governo brasileiro, uu que os nossos
interesses chamassem a9 forcas nacionaes, maia
urna vez, a qualquer mauifestacio armada.
Nao sabemos qual ser a poltica do governo
imperial nesta emergencia ; mas fasemos-lbes n-
teira justica acreditands que se cingir simples
posicin de espectador imparcial, em quanto as lu
tas intestinas dos partidos nao se converterem em
aggressoes aos intereases externos. A convuesao
qu agita o Estado Oriental uiais uuia phase desse
periodo de transicio porque estio passaudo as na
roes democrticas sul-americanas, & < xcepcio do
Chile. Se este notavel e Ilustrado paix escapa
-lei cemmum, porque teui a felicidade dapos-
snir grandes elementos conservadores, urna classe
media tortemente constituida e urna opinio-ca-
tholica esclarecida e dominante, que tem servido
sempre de ponto de apo o contra as tentativas
des radicaes.
Tend nos a feiicidade de possuir urna consti-
tuictao modelo, que perdura ha 60 anuos, um go-
verno estavel, que deu-nes a gunldade civil e
poltica, nma organisacao econmica que torna o
ooaso crdito externo igual ao das pruneiraa aa-
.;oes do mundo, compete-nos, diaute desaa ebutico
terrrvel das naces rudimentares deste contiuente,
conservar nos impassiveis, a'. que chegue a hora
de nossa legitima e geral influencia.
Todas as tendeadas deseas uaces dilaceradas.
opprimidas, d pauperadas pelas gitocoas repu-
blicanas, sao, ba muitos anuos, dirigidas no sentid
de procurar um governo centralisado, forte de ini-
ciativa civilisadora, que pon-ha termo a anarchia
e ao federalismo. D'ani at a fomacio de alguna
estados monarebicos em nosso continente, a dis-
tancia nao grande, e at l, cumpre-nos cons r
var a maior ncutralidade no meio dessas foccoea
que sueceasvament': eoiquistam mu poder ephe-
mero.
Causa riso ver o applauso de nossos radicaes a
certos progressoa paremos, a certos syinotjmts
do aaiantamento dos estados republicanos, com
se essas ephemeras conquistas nao proviesaom da
eatabilidade que os gocrnos militares, ern o ter-
ror das armas, inspitam por breve tempo as fac
.oes exaltadas. Anida ha pouco tivuinoa no Es
t ido Oriental e na Repblica Argentina exe-nplos
f jgitivos de certa ordem e ailantomento, roa3 de-
vidos ene gia dos dous generaes que presidiara
a essas repblicas. Apenas app oxmou-*e o ter-
mo legal de suas presidencias, em vez da respeito
a constituicS -a, da obediencia opinio popular,
surgi em um i das repblicas a iu vasio da cau
dilhagetn, e na o ira foi preciso que o partido e ;-
tbeiico se c ligasse com os outios elementos con-
servadores, para conseguir que os ra.lic.tes uio es-
palbassem pelo pais o morticinio, a revol.coea
raina financeira.
Estes exemplos de perto, rep longe uo Per, no Equador, na Columbia, ein Ve
nesuela ; e ainda na qiiasi totalidade das rep-
blicas sul-americanas na chegara a hora dos go-
vercos cetaveis, da propriedade solida, da segu-
ranca individual, emquanto a ivgeneracao laoral,
o fortalecimento das crencas nao permi'tirnm o
respparecimento dos governos monarebicos.
Entretauto, para nos, dentro da configuradlo
pbysica de nosso territorio, iquem do Rio da Prata
ama visinhanca ineommoda efatigante, cata tur-
bulencia da Estado Oriental. A maior parte do
solo pertence a nossos concidadaos, gran lea iute-
resses de outra naturesa Uasbem sio partiihados
pela immigrasilo hrasileira, e de certo, estas vic-
timas passivas de revoljcee continuas t: injus:i
caveis, devem ter saudades do tempo era que o
Imperio era natural e leg ti mmente limitado
pelo ;Rio > Frata. Talvex fosse uin erro ter
abandonado esta parte de nosso territorio.
E', portante, ponto para us assente, que os
interesses permanentes da naci exigem qne nos
onservemos como espectadores neutraes da lata
evolutiva do Rio da Prata.
ilepublca Oriental
(Do PaU, da corte, de 21 de Fevereiro)
Sao graves as noticias telegraph'.cas utimameu-
recebJaa do Estado Oriental.
Finalmente, esgotad^a todas at combinaeoes
xiliticas entre as parcialidades reciprocamente
hostia, apaixona las e intolerantes, aeceude-se de
novo, no territorio da infeliz Repblica, a guerra
ivil com todo o cortejo dos seu naturaes trans-
ornos.
Nao se pode precisar bem o carcter da uova
rvolucio levada a effeito, mais ou menos, do mes-
mu modo porque toa sido realisadas as revolucea
anteriores.
Desta como das outras vezes a organisacao idos
planos e das forcas revolucionarios foi effectuada
pelos emigradoi orientaes homisiados no Repibii-
l Argentina e ioragidos da patria, ou pelas amea-
jas do poder ou pela taita de garantas para a
sua seguranza individual.
No elemento revolucionario e as hostes lava-
doras, nao ba desta ves o colorido accentuado da
opposic&o de um partido contra outro partido,
cono aatigarnente se den alternati vament-; com
os Manos e es colorado*, ou orne entre na se di-
ra, cosa os conservadores e liberaes.
o agrupamente qne hoje representa a reaitten-
via patritica contra o pode.- estabelecido na Re-
publica Oriental, fignram nao somente coLoraos
dieeidentes como Manan.
O pregramma ostensivo dess fosa -a e.i-ni-
nacao da influencia pessoal do general Santan aa
eleicio do seu futuro sneceasor, yer osrsider*-se
qne o que ele pretende e tem forjado nada me-
nee do que o prolongamento da arcia do seo po-
der, preparadas as cousas de modo qae el e volte
peseoalmente a occapar a saprema magistratura,
perpetuando-se-por esse modo no governo do Es-
tado. ... ,
No meio Av* revolncionaeos, ha um grupo de
cidadios eminentes, que, vencidos ha v> titos an-
nos, representara na sociedade poltica da Repu
blica Oriental o elemento d^t resistencia civil con-
tra o predominio da caudilbagem militar, que tem
sido o cancro do governo desea Kepublica.
Entrando, porm. na revolucao, e rao natural,
muitos generaes, e figurando at como chete su
premo da revolueio o gen ral Ant-dond?, avten -
tal le sarigwa, mas eidodio argenlino, e at ha
.prmeo aecupaailo na fcierarch a-militar da iOsslte
deraejw umto> posto, nao serA tal vez tosaantrio
auppcr que,asa*olucio fiual dti osrise que Hro'"
>ac inaniiata, venha o poder a crfhir de neWB ame
vaos desee ea de algum outro caaf- militar, caev-
tinuando os itistat a repraaensarem o aaaal M
pnto Aoisssaert Santos fasem se as-mala seria a in-
crepar-Oes, e tees sao ellas qae ala nowuiiiiiitaw
a reprodusil-as, porque, apezar de nio termos ca-
rcter official, isso nos levara a inmiscuir nos nos
assumptos da poltica interna dos nossos visin s,
o que nio est as conveniencias da nossa patria,
que temos o lerer do respei'.irt
Ellas, p>rm, attingem muito immediatamente
mais o caraetei priTuito do cnhidao e do funcBfo-
nario do que o seu carcter poltico e autoritario.
Isso explica tal vez a animad veraio pessoal, que
o caracterstico do movimento revolucionario que
agora se inicia e cuja terminaciu, seja qual f-ir,
vai deixar anda dividida a familia oriental por
odios o reaentiinentos profundos, difficeis de :.pa
gar-se.
Em todo o caso, quer eomo brasileires, quer como
americanos e iutoressados no xito das doutrinas
democrticas e do governo representativo no seio
doi povos do nueso continente, deploramos profun-
damente situacao violenta dos negocios da Re-
publica Oriental, cujo progresso e cuja prosp ri-
dade na la tem a ganhar, e antes muito a perder,
com tio frequentes e su? ssivos abalos.
atviSTA DIARIA
loiembli'ii Provincial Funccioaou
hontem esta Asa- inbla em 1.* sessio preparatoria,
tendo comparecido 28 Sra. candidatos diploma
dos; oceupando a cadeir: da presidencia o Sr.
Dr. Ratis e Silva, e a seu convite as de 1.' e 2.*
secretarios os Srs. Drs. Barros Barrete Jnior e
Sophronio Portella.
Os 28 senhores presentes enviaram mesa os
seus respectivos diplomas, que turara relacionados
pela mesma.
Procedendo-se eleicio das duas commiseoes
de verificacio de podares oram eleitos : para a
primeira os Srs. Gomos Prente, Regueira Costa
e Luiz de Andrada e para a secunda os Srs. Jos
Manonl, Domingues da Silva e Sophronio Portel-
la, orando pela ordem o Sr. Jos Mara.
O Sr. presidente declarou que se achavam sobre
a mesa c iam ser remedidla as commisses nomea-
das diversos papis e documentos concernentes
eleicio.
O Sr. 1. secretario d. u conta dos eferidos pa-
pis e documentos que sio os seguintes :
Cente e cincoenta e oto actas de mesas eleito-
rnea e vinte e um da juntos apuradora? ;
Um officio do secretario do goveruo, reraetten-
d* 13 actas de meis eleitoraes do 1. eserutiuio. e
13 do '!. de diversos districtes ;
Dous protestos contra a eleicio da freguezia do
Poco da Pauella, sendo um a-signado peio cida-
dio Francisco Jos (uedes de Lacerda e entro
por diversos eleitores.
Em seguida levanten -ae a sessio.
iromlorian pstbllettaFi exonerado
do cargo de promotor publico d comarca de Flo-
res, por acto da presidencia da provincia de 20 de
Fevereiro rindo, o bacbarel Jos Francisco liibei-
ro Pessoa, visto ter sido nomeado juiz municipal
do termo da mesma denosainacio.
Por portara da raeatna prosidencii de igual
data:
Foi removido da comarca do Palmares para a
de Flores, o promotor publico, bacbarel Luiz Jos
Pereira Simoe.-; ^
Foi noaieado o bavharel Arthur da Sil 'a Reg
para o cargo de promotor publico da comarca de
Palmarea.
AutortdsMte policitUPor acto da presi-
dencia de hontem data la, rol dispensado do car-
go de subdelegada da parcehi a de Santo Anteuio
do-nVecife, o capitao Pranciac da Racha Pasaos
Lina, e noineaJo para substtuil-o o traen te Han-
nque Cecilio Barrete de Almeida.
Kleiro provincial Sio conheoidos mais
os seguintes resultados da elegio procedida no '13
distrieto, em 2 escrutinio, para dous depatados
provincia es.
VMa-Mla
Kxporincio de Pernsmbaro No
proxiran findo mes de Fevereiro toram ex portados
pela Alfan lega, os seguintes gneros :
AstucarExterior
Interior
5.810.824 kil
6.152.950 .
Total 11.963.774
A IgodaoExterior
Interior
Total
Ar/imrdtate -Exterior
steterior
AlctM ante
CYsa JE
Esi
Seceos
Verdes
AfeiExterior
Interior
635.682 kil.
11*-.610 .
754.292
6.420 I
192.869
199J89
Total
Total
BorrachaExterior
Carocoi de algodao -Ex-
terior
Interior
Total
de oitideaEx-
carnaidta Exte-
91.056 .
105.000
197.526 .
7.840 litros
188.5140 .
113.380
3.375 kil.
203.400 kil.
83.520 .
286.920
Carocas
tericr
Cera de
ror
1.870 kil.
3S.014 kil.
Chapeo de carnauba In-
terior
Ceos Interior
Cardas de embiraInte-
rior
Couriuhos -Exterior
Farinlu de man
diocaExterior
Interior
Total 6 bar. e
Feij SoInterior
Oraixa Interior
La barriguda -Exterior
MadeirasInterior 37 pran-
choes e
MedicamentosExterior
Interior
86
32.200
fardos
2.000 pecas
41.999
6 barricas
24.592 saocos
24.592 .
30 saceos
600 kil.
5.351 kil.
3 taboaa
2 cairas
224
23 voluinea
128 latas
1.710 saceos
34 kil.
S3
6:3 kil.
2l> mol nos
1.200
850,5 kil.
345.000 litros
610 meioa
5 400 kil.
12.000
35 duzas
Bario de Caiar
Souza Ferraz
Major Solonio
Souz i Ferraz
Bario de Caiar
Bario de Caiar
Major Solonio
S Banlo de Caiar
Major Solonio
Bario de Caiar
Major Soiouio
Floresta
Ourioury
Exa
Granito
12
12
8
80
35
28
14
1
23
11
30
12
Miio Interior
Ouro velho.Exterior
Prata velha Exterior
Paiaa de seda Exti rior
Polka de carnaubaInterior
Patearos seceos Exterior
RapInterior
SalInterior
SolaInterior
SeboInterior
Trapos Exterior
Vassouras Interior
Calculando essa exportaci? pelos valores me
dios dos differentes artigos no mes findo, tem-se o
a iguinte:
Assucar, 24912 por .'5 kilg. 2.322:567*316
Algodao, i 6i80 por 15 kil. 384:463*210
Agurdente, A 71*000 por pipa 31:477*780
Alcool, 127*500 por pipa 1:426*725
Cataros espichados, 742,5 res
por kilo 1:046*325
Cauro tecos, 702,5 reis por kil. 63:9664840
Couros verdes, 412,5 por kil. 1 ):31U500
JZ. 48*500 por pipa 11:455*70 I
Borracha, i 8*00J por 15 kil. 1:800*000
Carocas de algodao, i 100 reis
por kil. 28:692*000
Caroeos de oilieica 200*000
i.hapeos de carnauba 2:001*000
Cera de carnauba, 6*500 por
15 kil. 14:168*690
C'co, 60 reis um 1:832*000
Corda de embira 16 *090
Couriahos, A K > *000 o ente 41 .-099*000
Farinha de mandioca, 4*100
por aaeco 100:851*800
Fei/o, 10*250 o saceo 102*500
Graixa, 6*200 por 15 kil. 4*000
L barriguda, 8*000 por 15
kil. 2:828*0,0
.Uudetra* l;900*00>
Medicamentos 7:800*000
Milo, 62, rea por kil. 6:412*500
Ouro velho, 2*000 a oitava 37:925*920
Prata velha. 200 r. a oitava 3:513*760
Paiua de sida, 1 por kil. 693*000
1-aUia de carnauba 300*000
Paitaros seceos, 500 reis 600*000
Rap, 2*000 por kil. 01*000
Sal, 650 reis por 100 1 ros 2:242*500
Sebo, 4 6*800 por 15 kil. 2:4*8*000
Sola, 4*650 o meio 2:836*500
Trapos 500*000
Vastouras 50*000
Boa Vina
Major Solonio 21
Sou>-a Ferras (em separado) 7
Resumo da votacao co-ibeeida falttodo apenas
a collegios de Tacarat. Salgueirc, Leopoldina,
Petrel i ii.-'e Belmoato:
Bario de Cai. ri -129
Mnjor Solonio Soarea de Mallo 122
Capitio !'. S. de So isa Perras 96
Tendo o ultimo maia 7 era separado.
ttegundo dlHlriclo -Hontem, no Paco da
Aaaembla Provincial, reanio-se a janta apuradora
do 2 distrieto, para o frn de sornmar os votos da
eleicio para um deputado geral, em 2.* wcrutini?.
A junta ehegoj a e^te resultado :
Dr Jos Marianno Carneiro da Cuaba 880 e 7
em separado.
(Jouaelh-'iro Theedoro Machado Freir Pereira
da Silva 849 e 14 era separado.
Era vista do que, expedio diploma ao Sr. Dr.
Jos Marianno Carneiro da Cunha, votando nesse
aeutido todos os membros presentes.
Paltaram a reuniio os presidentes das mesa.
Drs. Eugenio Moscoso, Silva Reg e Mirabeau.
Tribunal do ory do BecireEm
sessio de boutem deste Tribunal, foi aubrautido a
jul^amonto o rj Firmino i'arneiro de Lacerda,
pronunciado no art. 192 combinado com os arta.
5 e 35 do eo 'no criminal e aecusado como cum-
plice do aesaaainato do preto, escravo de Qaoden-
cio Lopes de Araujo, de nome Severo, perpetrado
na noite dv 2 de fevereiro de 1883, no Parna-
meirtm.
Fnnecionou na aecusacio o 2 promotor da co-
marca, Dr Oliveira Esoorel, pir achar-se impe-
dido o 1" promotor, e produzio a defest do reo o
Dr. Luiz Druinmond.
Em vista da8 decisoas do jury, foi o reo absol-
v do, appeilando o prcsideu'.e do jury para o Tri-
bunal da Relacio.
EapectaeuloN.Ha hoje j seguintes :
No theatro das Variedades da Nova Hamburgo,
m beneficio da actriz Apolonia Silva, com as co-
me dios Abeacoado Progreteo e Sogra nem pitada.
No Theatro de Olinda, iin beneficio da viuva
e orpbios d> alferes Apolinario Luiz de Carvalbo,
eom as comedias Um marido victima da modas e
A orden resomnar, e as poesas Os voluntarios da
norte e A fetta e a caridade.
KelalorioAgradecemos o mimo que rece-
ben os de um exemplar mpresso do Relatoro da
Companba de Seguros Martimos e Terrestres Io-
demnisadora, relativo as operaooes de 1885.
Ca ai de JogoPor ordem do Sr. Dr. che-
le de polica ioram ante-hontem cercadas 4 casas
de jogos de parada e azar, sitas urna no pateo de
S. Pedro, outra na ra do Coronel Suasauna, e
duas na rua-d-; Marcilio Dius, antiga roa Direi-
U.
A polica apprehendeu os apetrecht bellicos:
i-aralhos, cartas, dados, etc etc., e tambem apri-
ionon os amone da tota t dados, que todos io-
ram eonduxidos a secretaria de palela.
Aili, depois de admoeatodos, foram postea em
lber dade.
O caso tez attrahir muitos curiosos, por entre os
quaes patsaram os cty'o cabisbaixos e envergo-
naados.
Perro-visa de Carautrav Durante os tres
das do carnaval vigorar na ferro-via de (Jamar
nma tabella especial de trena, a qual vai publica-
da n'outro lugar deste Diario.
commiesio de recepeaoRufino
era sesaio de 26 do paa-
de
Total 3.082:522*166
Lycen de Ai le e OOIcion Reuaum-
se, em cengregacio. amanhi pelas 6 horas da tar-
de, os professores do Lyceu de Artes e Officios.
ovlminio do porta do Rerlfe.
Foi- o seguate o movimento do porto do Recife no
iries de Fevereiro prximo findo :
Entraram do Exterior
li V. pores, lotando 2:710 toneladas.
Si Navios de vela, lotando 8:817 >
Entraram dos portos do Imperio
18 Vapores, lotando 19:712 toneladas.
89 Navios de vela, loUudo 7:975 >
Dando para total das entradas
86 Vapores, lotando 46:422 toneladas.
70 Navios de vela, btando 16:792
Sahiram para o Exterior
12 Vapores.
SO Navios de vela.
Sahiram para os portos do Imperio
25 Vapores.
39 Navios de vela.
Dando para total das sahi as
37 Vapores.
69 Navios de v.la.
N. B.Naa entradas comprebende-se um vapor
de guerra dos portos do Imperio, e as sabidas um
vapor de guerra para o ex erior.
Pateo do Terco A commiasio para os
fest joa carua\ atracos compoe-se dos Srs.: capi-
tio Jos do Reg Lima, B. Mira, Manocl Pnbei-
ro, J. Ttixeira Bastos, L. Brandio e Augusta
Lima.
Fenmenio levea Foi ante-bontem re-
comido ao hospital Pedro II, por ordem do Sr.
subdelegado do 3 distrieto de Afogados, (Peres)
o pardo Henrique Fernandes Lopes, de 21 anuos
de idade e filho desta provincia, afim de ser tra-
tado de duat facadas, nma na regiio abdominal do
lado esquerdo e outra do mesmo lado da renal, am-
bas porm ligeiras por ocenparem pouco espaco,
nio paseando da pelle e de algumas fibras mus-
culares
Dis elle com a maior ingenuidade que no domin-
go, fatigado dos trabalhos da semana, fdra dormir
urna sonata na casa de Mara Guilhermioa da
Conceicio, sua conhecida e moradora as Areiaa,
quando inopinadamente, appareceu o pardo conhe-
cido por f ico, que tinha sua paixao pela cuja e
Ihe deu aquellas ticada.
0 criminoso evadi se.
(rlmenlo -Ante-hontem, as H oras da
noite, no predio n. 20, pavimento terreo do pateo
do Carmo, Philomen* Augusta de Meira e Joaqui-
na de tal travaram luto cam Elsebiua da Silva
Peres, sahindo esta ferida c:m tres facadas no
braco esquerdo.
O rao ve 1 do crime foram ciumes.
As denquentes fugiram, e a polica chegou
tarde.
c.Club 1." de Fevereiro.Procedou-se a
s sica da directora deste Club, a qual ficou as-
'm constituida :
PresidenteNonoso de Barros.
Vice-presidenteJoaquim Taciano.
1." S-oretarioAntonio Duarte.
2. DitoAntonio Colas.
Orador -A'fredo dos Reis.
1. PiocuradorUrcetino de Sonsa.
2.o DitoJoaquim Barbosa.
3. DitoAngelo Rogerio.
TbeioureircAntonio do Bomfim.
FiscalFrancisco Nevss.
Mestre-sala Emygdio dos Santot.
Presidente
Celestino.
Foram empjssados
sado.
Mortal idade No Comiterio Publico
Santo Amaro foram sepultados em fevereiro :
De 1886 241 corpos
De 1885 237
De 1884 270 .
De 1883 275
De 1882 279 .
A media diaria dos aaterraatentos no prximo
findo mez du fevereiro foi de 8.61 corpos.
Qa das de maior numufo ate enterrara-utos fo-
rain : 9 e 12 em que houae uaatorae.; 7 em
Baata trese ; e 1 c 25 em qae bou ve dase.
'fteuiiaa de menor nasneaoUte entorramentoo
raa-. 114 e 21 em quedioave fluetro ; 16,-JB e 27
eintsus h-iuve eineo; e 5,tae23om quadtou-ve
tata
taitox Crloiiassava lanos no Jornal do
Commercio da corte :
E' notoria o importante servico que pres'ou ao
Estado e humanidad. o Sr. J. Barbota Roori-
guea, re alisan io varias viagenss ina.g.'iis do Rio
Jauap .ry, na provincia do A nazonas, com o in
tuito de chimar ao gremio da civliaacio a nume-
rosa tribu dos indios Crichinis que all habita, ha
longos annos, e, por muito fvop>, trours em so-
bresalto a vi'la de Moura e outras localidades pe-
lo tetnir d*8 duias represalias dos solvu il ts ou-
tra a prrseguicio de que tm sido victim is. Era
longo relatoro, recenteraente publicado, deu con-
ta o Sr. Barbosa Rodrig es da arrojada empreza
e dos seus rebultados, at sorprendentes. Com ef-
feito, cnsul de varias fontes que, aps aqudlas
viagens, occorreram auspiciosos indicios de se ha-
verem dissipado as prevences que fazinn conai-
d->rar a mencionada tribu orno imraiga implaca-
vel e irreconciliavel da gente civlisada.
De entio em dian e numerosos selvicolas moa-
traram se amiu I daraenta na villa de Moura e
nas suaa circumvizinhancas, chegando e retiran-
do-so em boa ordem, sem que nenbum desacato,
nffensa ou ameaca perturba&se as relacoes inci-
pientes da tribu com a gente dis povoidoa. Pou-
co a pouco, segundo tem sido affirraade, consolida-
va se a connanoa reciproca, fax-ndo presumir
que a obra encelada chegara sem eatorvos i com
pleta pacifica^io dos Crichans.
Chegou nos, entretanto, a noticia ds atienta
dos eorametf idoa na villa de Mouia por indios
Crichans. O facto tem sido diversamente com-
mentado pela im renaa do \-nazonaa, havendo
quem lhe conteste a sumtna gr.ivi lado que outros
eucarecem e sendo alti-rnativaotente imputada,
ora pervereidale da ndole inlirni'el dos sel-
vicolas, ora a mis tratos inflingidos a estes. E'
impossivel formar juizo seguro no meio de iufor-
ratco:a tio contradi -torias, e, quunt i it us, ni i
para ser invocado o triste ontecimrato emde-
aabono du e.itliechese n m dos merjtoros cafjrcM
empresa i < n 'r.te intuito pelo Sr. Barbosa Rodri-
gues. Por atara naa'laan eateehase, aaria impra-
tivclque, em pcriudot'io curto, lograsae ella abran
dar de tal maueira a iu 1 de doj uuraerosos indivi-
duoa de tribu al impedir usutUBSaoiite toda a
selvagana da parte destea.
Foi-nos r-.nettida, e registramis eom praier,
a coin-.nuuic.icao offi -i.-tl que, a 19 de Jiurir. ro-
in-iteu p-esideneia do Am-izonaa o Sr. alferes
Bibiano de Freitas, comman lante recenteraente
nomeado do desta-nsnt) de Usara. Vemos por es-
sa communicacao que, nos dias 15 e X6, varios in-
dios apptrcceram na villa, em numero de 26, e le-
pte de trocarern cora os habitantes arcos e fle-
chas p>r artigos de c-mwer'.io, deixaram pacifi-
camente a Dovoacio, sera que a nenhuma queixa
houveasem da domotivo.
Este facto serve a mostrar que, sent to.loa,
pelo menos grande numero dos selvicolas do Jaua-
pery poderia receber saudavel influencia de c ite-
ch se regu'ar .
TimbaubaEscrevem-nos eom data de 27
do mez findo:
Aschuvas, embora irregulares, que te do ltimamente por estas remides, vio dando napo-
ranc ts agricultura e vida aos campos, '-tinha ba
p,ueo devastados por um sol abrasador.
Craza aos eoa que ellis continuwi, porque
esta comarca, qae nio goaa de tranquillidade, por-
que nella permanece ainda una elem"utos de per
turbicio, vindos da situacao poltica passada, ca-
rece ao menos deque se amercie a Provino ucia
Divina.
A victoria aqu obtida pelo partido dominan-
te gerou un despeitss, que estio Drocurando dei-
abato em procesaos meramente polticos, dos qoaes
serio dadas noticias opportunaraente-
Por fallar'n-t victoria aqu obtida pelo partido
conservador, oeeonw-me dar a noticia, queainda
nio foi dada, da visita feta a esta comarca, no da
15 do corrento mez, pelo Dr Juvenco de Aguar,
deputado cleito pelo 4 distrieto eleitoral desta
provincia.
Foi urna festa esplendida. O illustre depu-
t >do, que vinha acompanhado por mu'tos amigos
de Ooyanna e de Nossa Senhora do O', foi recebi-
di, urna legna de distaneia desta cidade, por
crescido aamero de cavalleiros, todos eleitores da
qui, de Cruaagy e S. Vicente; e, encorporadoa em
numero superior a ortenta, foram recebidos s por-
tas da cidade por mu tos outros a migo j e por orna
banda de msica, e aasim ehegaram at casa do
prestimoso vigario Augusto Cabral de Vaaeoncel-
los, onde foi servido um lar te banquete, em que
e trocaram, na melhor crordialidade e com o maior
entfaasiasmo, maitos brindes, entre os quaes men-
cionaremos o do meerao vigario ao Dr. Juvenco
de Aguiar; o deste ao eteitonado de Timbauba,
Cruaney e S. Vicente; o do Dr. Nilo ao mesmo
eleitorado, em nome do de Ooyanna; o do Dr. Ju-
venco de Aguiar kos Drs. l llarraino c Loureaco
Beserra; o do Dr. Samuel Correii a> eleitorade de
I tamb; o do Sr. Francisco Maranhio aos eleto-
radoa de N M i Sonhor a d O' e d^ Tju;u;)tp>,
e, rinalraente, o brinde de h inra a> coiuelheiD
Joi) Alfredi pdi Dr. Juvenco de Aguar.
Dirao'. i o b tu u ae ioj tv i a msica onatan-
leoaeate e su'in n asa rea ianumeraa gyraadolaa
de fogietea.
A'inite tev ; lu ir i n i Ht | lie p t'in- i o i n I i ir i.'lin.uriii It ;ilil-
tomando i palavra, ao raolh 're n-.-i i tolos casa
Ido Rvm. vigirio, o Drs. Nilo de Mirandae Ju-
venc > do Ag liar, q e proiui.'i.ir.iin boetoa dis-
cursos, sendo caloroa-tineate applaudidoa.
No dia segoiiite retiraram-se os Ilustres hos-
ped-s, deixinio n tu as memores impresa" fs e pro-
(undaa saudades
Os amigos politicos do Dr. Juvencio de Aguiar
depoHttjm tanta contiane, i nos seus merecimentos
e dedieacio. que esperara de seus esforcos mal hora
aas condicoes normaes desta comarca
Sio tombem estas as n is-as esperanzas pes-
soaes.
Bapeetaculo oilioao Lemos no Globo
de Madrid :
Muito mal tallara d: nossas corridas os es-
trangeiros, e ha sem e n'arg i, no i pases que bla-
sonara de cultivados, espectculo inuite maia re-
pugnantes e horriveis.
A ara delles (muit> em voga e entre allemiea
e uglezes) a; referera i>s jornaos norte ameri-
oano8.
Em principio do auno se verificou ante os alum-
nos do collegio Havard, de Cambridge (Massa-
ehuaetU um sanguinolento combate cutre um ca-
ehono e cincoenta ratos.
Um dos alumnos, dono d'um cachorrinho ra-
toeiro, porm muito bravo, apostou 200 pesos co-
mo em meia hora o ci dava conta daa rtLtas.
Aceitado o convite e dada publicidade ao fac-
to, marcoa-ac o local e hora, cora o qual acudi ao
recuto numerosa mullida).
Dentro do urna gran le jaula, posta no meio
do circulo, apparocerain os cincoenta roedores,
contra os quaes se soltou I >go o cachorrinho.
Este que nio peaava maia que trez libras,
laucon-se com furia a ,bre o inimigo e em menos
de cinco minutos, poz a oito ou n fru de com
bate.
Nio estovara ocioaos entretanto oa ratos, cu
jos agudissiraos den tes tra dea vara, por tedas as par
tes a pelle do canino.
Te ve o cachorro um mmente de debilidtde e
aeu amo chegou a receiar de perder a apoata
Casa Pella-A soite de 200:000* ds lote-
ra de Mace que coube ao n. 15305 da 17 parte
da 11" lotera, extrahids hontem, 2 do corrate, foi
vendida na casa do Sr. Santos Porto.
Quem seria o felizardo ?
Alagoa de BaixoEm 20 do correte es-
creveu-nos o nossa correspondente o segointe i
Estio a completar-se dous annos sem que so-
bre esta villa, e seus mais prximos sitios, teoha
cabido mu s chuva, qae, ao menos, faca brotar
rama para oa gados e animaes cavallarea e nos d
agua potavel para o consumo, em aabstituicio
de pettima qatlidade, quasi ptrida, que nos te ero.
fornecido as asquerosas cacimbas do rio Moxoto;
tal tem sido o completo abandono em ao se
acham, tem o menor zelo por parte de quem lhe
compete Familias ha, com grande numero de
peeeoas, de ambos os sexos, que se acham em com-
pleto estad i de nudez, impoasibilitadas de emigra-
ran para lugares mais coramilis vil, en busca
de serricos e alienantes, nio Ihea sendo rasrao
pormittido apparecer aqu, na; eatradaa, ou Bjes-
mo n >i aitioa onde ainda pouco h i para ni i ao
suceumbir a foroe!
E' o caso do bradarmos por soccorro para m
sas nfelizea creaturas, pois j nio pod m mala es-
capar daa garras do tremendo inimigo, que aa tora
cercado por todos oa lados. Como tranauarem,
completamente n*?!...
Queirara Vs. Ss., Sra. relam irjs lo Diario, jun-
tar aeua clamores ais uijuj, em prol de tantos
iofelizea sobre oa quaea tonto tem pesado os rigo-
res da aorta, auto S. Ex;, o Sr. eonseiheiro presi-
dente da provincia, afim de ver moa s pode surgir
urna e(fi;as providencia em t ries taes, que dea-
appar^caesae hirror de que viraos de fallar.
Nio ha de nsaaa parte o menor interesse em
exaggerar noticias, e ahi eatio a cmara e maisau
toridad is losaos que podero dizer se sao ou nio
essas as frequ^ntea reclam igo3 que n is teera v;n
do di cert >a aitioa do torro >. Aguardamos as sa
bias providencias do governo, e sobretodo aa que
nos posiara vir dos cia, euviadaa pelo Divino
Criador.
Eis o quaiiro afflictivo que temos por frente,
entre a capada e a parede, com vulgarraea e
se diz!
Na grande distancia ero que estamos da tiste
d de Pesqueira (22 leguas!..), ondo poloriarais
encontrar afgana recursos elfieazes, que debellas-
sera parte do nossos males, falto-uoa o principal, j
quj o dinheiro e as vias d: eonduefio, que nos i
sidado em cara de heregef fiulara-se aj cbej4-
1 ts -n ris ida3 o grac-yos.
Afoira, aos djniugos, anda prosegue de ea-
volta coro as rnaats, e pirtanti eaterrid, uo sa-
grado, a eabee* de burro !!...
Aaylo de Mcndicidade O movimento
d'este eatabeleciinento de caridade no mez de
Fevereiro foi o seguinte :
Existiam Entraram Homens 66 9 Mulheres 120 4
Sahiram 75 9 124 9
Ex i a tem Nas enfermarlas: Existiam Entraram 66 19 5 115 33 2
Tiveram alto Falleceram 24 i 20 1 35 5 *_ 30 5
Existem: Nas enfermaras Nos dormitorios 19 47 25 90
66
115
Total 181.
Escolas de instruccio primaria no Asylo :
Foram freque atadas por 15 alumnos, inclusive
transportassero os gneros alimenticios a temp> 8 o _. ,|03 CBe,3
cora a d.ivida presteza, circurastancias eataa que | J
sraenteteim sido vencidas p los que aoezardos Una drama em Cyon. Lemos no dnde-
pezares- trozem-aos, por especial favor, d'alli pendant des basses-Pyrente de Lign :
pira veuierera-nos, aqu, pelos malo mdicospre- \ Sigunla feira tarde, s 9 horas, no quartei-
cos de 2*000 a cua de farinha; l*280ado railbo ; i rio da ttuidottere, uia chamado Tony Ouignais.
2*000 pela de feijio ; 240 res pr eada rapado- que persegu vimente depois de iminenao tmpo
rnhi, e aasim por dianto, e cwuforuw ai negras: de suas aaaiduidadej a Maderooiselle Malleaieux, a
regr.ts da uzura!. eap.-rava ni paaaagem e, aobre uroa nova recuaa,
- Nada ui.ii juato, louvavel e meamo bonrjao, i puxou ura revolver e dsparou sobre a desgraciada,
par os que vivera de seus t.rabilhos agrcolas e tue lhe alcaucou o pe3coco e cahio. A' bulha da
comroerciaea, que tiram uro lacro prop ireional :t detonacio, dona bonrbeiroa de guarda sahiram do
aeua labores, mas quiudo esse. lucw ouvereda-se pasti-e .piifram duter o tata saino; mas eatc
pelo espinhoao e degradante trilh) da uzura, abii- ap-ontoo s.bre ellea a sua arma e deseogatilhou
Joniado seus verdadeiro3 eixoa, causan* horror, O clarira Parmontier cihio fendo de urna bala na
a eterno odio aos eapeculadores das.albeias miae- coxa: o borob-in Vallet, pai de familia, recebeu
ras. Estamos entregese essos vis parsitas. I p>r sua vez, qui:oa-roupa, urna bala que peuc-
Continuaremos a rogar a Deua, por sua santa Iroa no peito e fo : alojar no figado. O facciaora
fugio, seudo perseguido pela mu ti J >.
c Uin t ti B iquinot, tentando aga-ral-", recebeu
um* bala que, muito felizmente, toeon muito de
leve o peito. oua soldados, chamados DebrigeoD,
do 22 r-gimento de lihha, [e Nicolet, do 99, tea-
taram por sua vez obstar a fgida de Guignais ;
__ ._ ______.-!- I.! k ...;... ."^ annnlbl. Han 1 i 1 .1
misericordia, e a S. Exc. o Sr. couselh :ro presi-
dente da provincia, por providencias.
Entretanto, forca dizel o por amor verda-
de, que a maior parte desse povo, aasim ex posta
miseria, nio ae tero dado ao furto pira re.uir-se,
ao contraro prefere extinguir-ae pelafom" a pr-i
tiear ura crime, talvez juatificavei ante tio tome- mis o r:sultalo ro o primeiro recobei uro* bala
roso paiuol! Nio queremos dixjr com iaso, que aa barriga da perna, e o segundo no lado do
aqui, u.'sta gloriosa trra, ni) s; furto; nio: oa peito.
que toero por habito o conitaut: fa.-to d
o >J 's e
O as-assin.' 'endi
eonsagaid l retuijiar-se uo
de alguma couaa mais, anda continuara gracas, di- sea domieflio, ni terceiro andar da casa Je u. 13
xem elloa, a or.clo de S Rty.njn lo, que diz- d i ru i de Chartres, a multidio, qae o tiuha tegui-
olb uo cea roio uo mundo. . cerero a hi bitaca i, engrosaada pelos que pas-
J se a-ha cutre us o houraio e dig.ro pn s tvain pela ra O faeinoroso abri a janella,
frsaitr Jos B. Ja Cunba Moreiirt, que por inuom- apiesentou-se e gritou :
modos ero sua aalc havia retirado se, com.sua Ah! queris saber o roeu nome, eu vos faco
Exra.:. cspiaa, pa a ci lado da Escada, onde tem ver como en nu chamo e dsparou um sexto
aeu ve-aerando aogro, durante oa dias feriados, tiro de rev.dver para a ra. A bala veio rocar na
Eata localidad.: muito luera com a estada de Uo face de um menino sem feril o e se achatou sobre
ilustrad i preceptor, p>rquc -alm das luzes e-ola- a calf-ida Guardas da piz correram e cercaram
res que v.ti f," [ueotemento incatin lo a > a >.el es a casa, mas Tony (uignais ameacava matar quera
pinto de seos ui amana, administra, quasi sempre, ae aproxmasse del le. Tmhi aa algibeiras cheias
e grrttuta,-neute aeaa rero dios oroiB patios a po- de cartucho e o viara cirregar a arma. A mul-
pitlaaSo em geral, quaado para Uso procurado, tio esustoda sa retirou- Etnm, por volta das
mxime agoraquo toera appareeido defluxis, algu dez horas e meia, depois de ter por muito tempo
mas tebres e outros mcomraodoa. devidos i Cita- or muito tempo parlamentado em um corredor
ci excepcional era que nos achiraos. estreito, e ter declarado que visto] 4 ter eominet-
Prosegue iiulteravel a ordem e U-auqullade tido um crime, quena anda matar mais alguem,
publica,upiatlger.asAtascadas -nas constan- Guignais foi agarrado sracas iim de seus visi-
tes aipaiibas acouixabaa e d'alguna urobiiaque nhos. Este crapregou um subterfugio, lhe dase
coro o pur milagro j vio appareoendo. Nada inai i que estova s, que a polica tinha deacido, e obte-
uatural, que duas cabecea ae encontrera no acto
de arabas, e ao mesmo tempo so dirijaui a um s
ponto onde eati, atirado p:los ventos, a inureba
quxabioha e oeurugadourob, mas como a necas-
ve aaaim a abertura da porta.
As feridns de Vetlet e e Nieoliet sao raeito
r.ives.
O assassiu > tem 23 annos de idade.
tlfandesra de PeraambucoDamos era seguida o mappa demo nstrativo do rendimen
da Alfendega de Pemambuco, durante o m z de Fevereiro de 1886, comparado com o igual mez do
anno de 1885.
DHNOMINaOAO DAS SENDAS
Importacao
Direitos de consumo
Acideoiiaos de 50 %
Augmento de 10%.
Expediente de 5%. .
Aj-mazenagem......
Capatazia.......
Imposto de 40 % sobre fumo.
Despachos martimos
Imposto de pharocs. .
Dito de dcas.....
zportaci!o
Direitos de 9/,.....
dem de 7 %......
dem de 5 o/0......
Interior
Sello por verbas.....
Dito adhesivo.....
Imposto de tranaro. de propriedade
Extraordinaria
Multas.......
Depotitos
Deposito de diversas origens.
Coatribuiciio de carida de
Somma.....
1886
1885
352:0623431
175:992*590
35:198*021!
5:139*628'
6:497*468
2:195*116
I
4:480*000
953*100
8:806185
32*143
54:719*990
93*000|
115*000
1:288*809
2:818*013
2:912*115
654:239*104
329:826*7371
164:876*885
32:976*3!
5:662*155
7:147*856
2:189*33
6-5OOO
4:500*000
1:328*680
7:019*613
1*932]
61:601*444
1:315*000
4*000
761*510
2:770*76
2:020*0^5
DIFFERENQA8
624:067*277
Para mais
22:235*694
11:115*705
2J28H43
i
I
5*780
*
3
1:786*572
30*211
t
35*000
*
lllOOl
527*299
47*287
892*090
39.009*781
Para menos
*
* .

522*532
650*388
*
66*000
20*000
375*580
t
*
6:881*454
*
322*000
*
8:837*954
RECAPITULAQAO
DENOMIXAQO das sendas Importocjio....... Despacho martimo..... Exportacio ..."*.... Interior........ Extraordinaria...... 677:085*749^ 5:433*100 63:558*318 1:14350011 1:288*809 5:730*128 ;- -r------- 542:744*347 5:828*680 68:62l';)8I I:319*00 761*510 4:790*751 34:341*402 527*299 939*377 * 395*580 5:064*671 176*000 4 *
Total...... 654:239*104 62-1:067*277 35:808*078 5:S36*251
2* seceso da Alfandega de Pernambuco, 1 de Marco de 1886.O chefe, Domingos Joaquim da
Fonseca.O escripturarira Odilon Coelho da Silva.
Leildea.EtFc'uar-se-hao :
Hoje :
Pelo agente Pestaa, a 11 horas, no armaaem
do Aunes, de ceblas e chouri$a8.
Peo agente Brito, s 11 horas, na ra do Impe-
rador n. 46, de dividas e de um sitio no Porto da
Madeira.
Peto agente Silveira, s 10 e 1/2 he ras, ra das
Triucheiras n. 16, de movis, loucit, vidros e qua-
dros.
do agente Gusmdo. s 11 horas, na ra das
Trncheiras n. 22, de movis, loucas, vidros, etc.
Amanhi :
Pelo agente Alfredo Guixiardes, a 10 e 1/2 ho-
ras, na ru a da Amisade n. 1, do movis, louca, vi-
dros, etc.
Peto agente Brito, s 11 horas, na ra do Impe-
rador n. 16, de dividas.
Peto agente Burlamaqui, a 11 horas, na ra do
Imperador n. 22, de predios.
Peto agente Gusmdo, s 11 horas, na ra do Im-
perador n. 30, do eatabeleciinento tbi sito.
Sexto feira :
Peto agente Gutmao, s 11 horas, na ra do Mar-
ques de Olinda n. 18, de bisnagas e dividas.
Peto agente Brito, s 11 horas, na ra do Vis-
c lude de luhauma n. 43, de movis, loucas, vidros,
etc.
Peto agente Silveira, s 11 horas, na ra do
Imperador n. 16, de sitio.
Missas fnoelire.Serio celebradas :
Ho|e :
A's 7 horas, no Corp-8anto, por alma de Joio
de Souzae SA; s 7 horas, na Penha, por alma de
D. Julia Rodrigues dos Santos ; s 7 1/2 horas, na
capella do engenho Aripib, por alma de Hercu-
lano de Barros e Silva.
Amanhi :
A's 7 1/2 horas, na matrii da Boa-Vista, por
alma de Guilherme Dowaley.
Sexta-feira :
A'a 8 horas, no Carmo, per alma do coronel
i Francisco Manoel de Souza Oliveira; s 8 horas,
! na matriz do Cabo, por alma de Jos Paulo do
Reg Barreto ; s 8 horas, em 8. Francisco de Se-
rinnaem na matriz de Rio Forraoso, por alma do
coronel Francisco Manoel de Souza Oliveira.
| Sabbado :
A's 7 1/2 horas, no Carmo, por alma de Miguel
Moreira de Souza Maia.
Pasaageiroa. Chegado do Para no vaper
ingles Therezina : i
Deocleciano Pereira da Silva.
Chorrados de T imandar no vapor nacional
Mandahu' :
Presciano B. > Accioly Lina e 1 criado.
Chegad > do aul no vapor inglez Galicia :
Arthur Rocha.
Chegado do Porto na barca portuguesa Mt-
nho :
Henrique Lourenco.
Cava do UetencdoMovimento dos pre-
sos na dia 1. de Marco :
Existiam presos 316, entraram 6, jthiram 9,
existem 312.
A aabei:
Nacionaes 287, mulheres 5, estrangeiroa 5, es-
sravos sentenciados e proceatados 9, ditos de eor-
reooio 6.Total 312.
v
<
-i
^
I ItsJB


'.-:*"?
4
Diario de Pernambaco(Ju Ha-fcira de Marfo de *886
m
\

Arracoaloa 300, ieadu : boas 293, doeute* 7.
Toa*1 300.
Mvimento dm enfermara :
Teve baixa :
Antonio Jos dos Santos.
Teve alta:
Pedxo nervino de Freitas Cavalcaute.
Lotera da provnola Quinta-feira 4
de Marco, se extra.iir latera n. 41, em bene-
ficio da matriz do Garauhuns.
No consistorio da igreja de Nosaa Senhora da
Coneeicio dos Militaras, sa achario expostas aa
ornas e as esphems arrum idas ein ord'em nunv'
rica, apreoiacao do publico.
botera lo lo A 3- parte da lotera u.
195, do uovo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrabida no dia 3 do Marco.
Os bilhe'es achirn-ae A venda na Casa da For-
tuna & ra Primuiro de Marco.
liOleri* KxtraordinarCa do Vp-|
rangaO 4 e ul:irao sorte io das 4 e 5 seresi
desta importante lotera, cujo .naior premio de
150:000*000, ser extahida a 9 de Abr.l.
Acham-aeexposto a vendaos restos des bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marco
p 23.
Lotera do Ce ara de OOtOOoSooo -
A' 6 serie d'esta grande lotera, cujo maior pre-
mio de 250:0*000, se extrahir impreter vel-
mente hojo 3 de marco, as 2 horas da tar-
di.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera de acolo de SOOiOOOaOOO
A 18* parte da 11" lotera, cujo premio grande
6 de 200:000*0'. \ pelo novo plano, ser extrabida
impreterivente uo dia 9 da marco s 11 horas da
manh.
Bilhetes a von la iu Casa VA\z U praca da In-
depeneia ns. 37 e 39. A
Lotera de MaceloPor telegramma re-
cebido pela Caat Feliz, sabe se qu-, na 17 parte
da 11a lotera extrahida em 2 do co -rente, toram
premiados os seguintes nmeros :
15.3 201:000*000
1.938 4O:O00,.0O0
19.444 20:(O0*(iO0
20.946 10:000*000
36.552 5:000*000
393 2:0 10*000
1.574 2:000*000
6.810 2:000*000
12.664 2:000*000
20.122 2:000*000
22.187 2:0(-0*000
22.736 2:000*000
22.924 2:0001000
35.369 2:000*1)00
Premio* de liOOOS
.881 3.069 4.511 5.872 5.992 7.234
11.226 12.550 13.712 15.775 17.162 17.972
18.735 19.79 23.264 24.249 32.002 32.838
32.880 3'i : i 38 417 39.721 39.804
ipproslmi coe*>
15.304 4:000*000
15.306 4:000*000
1.937 2:000*000
1.939 2:00*COO
19.413 1:350*'KX
19.415 1:350*000
Os nmeros de 15.3 >1 a 15.400, excepto o da
sorte grand-, esto premiados eoun 400*.
Os numer.a da 1.901 2.000, excepto o pre-
mio de 40:OO0iO0J, estao prenmdos eou 200*.
OsnJineros de 19.4 ll 19.500, excepto o que
labio > premio de 20:000*000 esto premiados com
100*.
Todas as centn IS euj 9 dous algarism >s termi-
nartm em esta>premiadas com 100*, inclusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros que terrainarem em 5 e
estao premiados com 0*.
Mercado Municipal sta *. Jie.-U
movimento dest i M re id i-io dia 2 do corrente,
foi o seguin te:
Kntraram :
32 bou pesando 4.169 Iciloa
260 kilos de ocixe a 20 ris 5*200
15 taboleir.* a 5WO res 3*100
78 cargas de farinha a 200 rea 15*600
9 ditas de trucas diversas x 300
ris 2*700
11 S linos a 2X) ris 2*200
Forain oceupados :
21 columnas a 600 ris 12*600
44 tainos de carne verde a l*UU0 44*00il
20 ditos de ditos a 2* 40*000
40 compartimentos de taiinhu. e en
midas a 500 ris 20*000
61 dito* de leguiaes a 400 ris 24*400
16 comoartimcnt.33 de Ruino a 700
ris 11*200
12 ditos de rressuras a 600 ris 7*200
178*100
abatidas
reies para o cornu-
do dia 1
De ve ter sido arree liada neste dia a
quautia de
Preoos do dia :
Carne verde a 403 e 560 lis o kilo
Suinos a 500 60) ris idem.
(Jarneiro a 800 e 1* ris idem.
Fariuh-i de 32 ) a 641 ris a cuU
Milbo de 240 a 400 ris dem.
Fetjio de 610 a l*d0 ris iden.
atadour Publico. Foram
no Matadouro di Cabanga 54
mo do dia 26 do correte mea
Ceoaiterio aaitlicoObtuari >
do correte:
Arce l i na, branca, Pernambuco. 2 mezes S. Jos;
convnlscs.
a Elvira Maria Diolinda, parda, Pernan buco, 22
anuos, casada, Recite ; phthysica.
Um feto, Ptrnambuco, Boa-Vista; nasceu
morto.
Manoel Hartencio de Oliveira, pardo, Pernam-
baco, 46 annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos
pulm mares.
Maria Francisca da/ Silva, parda, Pernambuco,
39 annos. casada, Afogados ; bronchite.
Caiharina do Senna Santos, branca, Pernambu-
co, 47 annos s.dteir i. S. Jos ; entente.
Mignel Moreira de Souza Maia, branco, Portu-
gal, 72 annos, viuvo, Santa Antonio ; bronco-pneu-
moni.
Artbur Francisco de Senua, Pernambuco, 90
annos, viuvo, S. J os; cachexa
Das recemnascid o, Boa-Vista ; remettido pelo
rubdelegado.
Um feto, Santo Antonio ; idem pelo delegado.
CHRONIC JDDICIARIA
l ril>iiu;il da Helaco
SESSO ORDINARIA KM 2 DE MABgo
DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. 8B. CONSELHEIRO
QISTINO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
As hoi aa do costuuio, presentes os Sra. desem -
bargadoi s em numero legal, loi aberta a sessao,
depoisde lida e approvada a. aeta da antecedente.
Distribuidos e pausados os fetos deram-ae os
segrate*
JL'LUAHENTOS
ubeas corpus
Pacientes .
Jjuiz Joaquim de Fieitas.Mandou-se ouvir o
Dr. chefe de polica e o juiz de direito de Tim-
beaba.
Malina Cordeiro da Silva e Manoel Frade de
Ferias. Vlandou se soltar contra os votos dos Srs.
desembargadores Pires Goncal 'es, Pires Ferreira
e Oliveira Maciel.
Manoel Joaquim de Andr.ide e Vsscoecellos,
G BKag Gomes da Silva e Joao Doarte Pereira
Lima. -Maudou-se tuvir o juiz de direito das exe-
CUi.6 '8.
Recursos eleitorae
De Bananeiras -ttecorrente Ascendino Candi-
do das Neves, recorrido Justino Americo de Faria.
Relator o Sr.conselheiro Araujo Jorge. Deu-se
provmento, unaaimemente.
De BananeirasRecrtente Ascendino Candido
daa Neves, recen-ido Antonio Agapito de Fariae
Relator o Sr. conselheiro Queiroc Barros.Den-
te provmento, unnimemente.
Da Victoria Kec irrente Jos Felippe de Pao-
la, recorrido o juizo. Relator o Sr. deeeaiberga-
dor Toaoano Barreto.Negoe-se provmento, ana
nimetoente.
De-Bananeiras leeorreete Jos Lopes Pessoe
da Costa, recorrido Lindelpho Americo Ferren
Grillo. Relator o Sr. deeambargador Buarqoe
LimaDeu-se proriaaato ao recurso, u
mente.
De JaboatoR-corrente Amaro Fnnseca ce
Alouquerque, reaorrido Augusto Oeaar da Cuuh
Relator o 8r. desembargador Oliveira Maciel.
Nao se tomou eonhecimento do recurso, unanim
mente.
Recursos crimes
De S. JooReeorrepte o juizo, tecorrido Ma-
neel Galdinodoe Santos. Relator o Sr. oonselhei-
'o Freitaa Honriqoes. Adjuntos os Sre. desem-
bargadores Pires Ferreira e conwlbeiro Queire
Barros.= Negou-se provmento, unnimemente.
Do PombalRecrrante o jnieo, recorrido Fran
cisco Jos Vctor. Relator o 8n desembargador
Buarque Lima. Adjuntos os Srs. desembargado -
res Monteiro da Andrade e Alve3 Ribeiro.Nb
gou-se provmento, unnimemente.
De CamaragibeReeorrente o juio, recorrido
Julio Cesar de Menezes. Relator o Sr. des
embargador Toscano Barreto. Adjuntos os Srs.
conselbeir) Queiroz Barros e desembargador Pi-
res Gjncalves. -Negou-ae pavimento, unnime-
mente.
De Nazaretb Recorrente o juizo, recorrido
Joo Manoel da Silva. Relator o Sr. desembarga-
dor Tose loo Barreto. Adjuntos os Srs. desem.-'
bargadores Alves Ribeiro e Pires Ferreira.
Negou-se pro'intento, unnimemente, e decretou-
se i. responsabilidade do subdelegada que prendeu
o paciente.
Do Reeife- Recorrente o juizo, recorrido Manoe
Luir Blanco. Relator o Sr. desembargador Oli-
veira Miici 1 Adjuntos "S Srs. desembargadores
Buarque Lima e Monteiro da Andrade Ne-
gju-se provimcntD, unnimemente.
Do PenedoRecorrente o juizo, recorrido Ma-
noel Torquato dos Santos. Relator o Sr. desem-
bargador Oliveira Maciel. Adjuntos os Srs. des-
embargadores Toscano Barreto e conselheiro Fre-
tas Henriquis.Negou-se proviuiento, unnime-
mente.
Do RecifeRecorrente o joizo, r:3orrio J'lo
Fernandes das Neves. Relator o Sr. desembar-
gad r Pires Ferreira. Adjuntos os Srs desem-
bargadores Pires Goncalves e conselheiro Quei-
roz Barros. Negou-se provimnto, unnimemen-
te, e decr-'tou-se a responsabilidade do subdele-
gad) Francelno Augusto de Hollanda Chacn,
contra o voto do Sr. desembargador Pires Gjn-
calvi-8.
Do RecifeRecorrente o juizo, recorrido Cap
tulino Lniz de Franca. Rjlator o Sr. desembar-
gador Mouteirj de Andrade. Adjunto* os Srs.
conselheiro Queiroz Barros e desembargador Buar-
que Lima.Negou se provinento, unnimemente.
De CururipeRecorrente o juizo, recorrido Joa-
quim Ferreira Ferro. Relator o Sr. desembar
gaior Pirs Goncalves. Adjuntos os Sra. desem-
bargadores Alves Ribeiro e Moiteirode Andrade.
Negou-se p-ovimento, unnimemente.
Da Eseada Recorrente o juiz), recorrido Ma-
noel Pedro Alejandrino de Almeida. Relator o
Sr. desembargador Alves Ribeiro. Adjuntos os
Srs. desi mhargattares Toscano Barreto e O iveira
Maciel. Negou se provmento e decretou-se a
responsabilidade do subdelegado, innimemente.
Aggravo de petico
Do conmercio do RocifeAggravante Francis-
co Goncalv. s Torres, aggravado Ladislao Gomes
do Reg. Relator o Sr. desembargador Pires
Ferreira. Adjunta* os Srs. desembargadores Pi-
res Goncalves e Toscano Barreto.Negou-se pro-
vimento, unan-mente.
PA88AGENS
Do Sr. conselheiro Freitas Henriquos ao Sr.
onse h aro Queiroz Barros :
Appellaces crimes
De Pao d'AlboAppellante o promotor, appel-
lado Lupicino Francisco Cvale inte.
Di Nazareth -Appellante Joaquim EulalioGo-
mes da Cunba. appellada a justica.
O r. cooaelhero Araujo Jorge couw procura
or da cora e promotor da justica deu parecer
nos seguiotes fetos :
Appullacdes crimes
Do RecifeAppellante o juizo, appellado Luit
Francisco de Carvalho.
De Palmares Appellante o juizo, appellado
Joo Meades de Barros.
De Alaga do Monteiro Appellante o juizo,
appellado Thzmaz Bezerra da -ilva.
De AtalaiaAppellante o juizo, appellado Fe-
lippe Moreira da Silva.
De Aguas Bellas Appellante o juixo, appel
lado Estaco Jos Corris.
De Bezerros Appellante o juizo, appellado
L lureutino Jos da Silva.
De PalmaresAppellante o juizo, appellado
Manoel Rufino de arvalho.
De S. Bento Appellante Mauoel Francisca de
Sousa, appellada a justica.
Di Sr. desembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. desembirgador Pires Goncalves :
App Uaca> civel
Da EseadaApp-llante O. Ckmentina Pessoa
de Oliveira, appellada Gertrudes, por sen curador.
Appeilacao crime
De S. Bento Appellante Joaquina. Ferreira ds
Santos, appellada a justica.
Dj Sr. desemb irgador Pires Goncalves ao Sr.
desembargidor Alves Ribeiro :
Appellacoes civeis
De Goyanua Appellante o juizo, appellada
Luiza, escrava.
Do Recife Appellante Francisco da Rocha,
appellado Antonio Pnt) Osorio.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. conselheiro procurador da co-
ra e promotor da justica :
Appeilacao crime
De PalmaresAppellante o juizo, appellado
Francisco Victorino de Oliveira.
Appeilacao civel
De AreaAppellante Antonio Gomes de An-
drade, appellado Francisco Antonio Casullo.
Com vista s partes :
Appeilacao civel
De AssemblaAppellante Jos Alves Paes
do Bomfim, appellado Leoneneio Novaes de Cas-
tro.
DISTREBigOES
Recursos crimes
Ao Sr. conselheiro Freitas Hcnrques :
Do PombalRecorrente o juizo, recorrido Joo
Sabino.
Ao Sr. conse'heiro Queiroz Barros :
De Pao d'AlboRecorrente o jnizo, recorrido
Francisco Vidal de Aranba Montenegro, delegado
de polic;a.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De Bom JrrdimRecorrente o juizo, recorrido
Joaquim de Freitas Leo do Amaral.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
Do RecifeRecorrente o juiz, recorrido Ber-
nab Lina Caldae.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel :
De Campia Grande Recorrente o juizo, re-
corrido Antonio Francisco C utinho de Lyra.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De TaquaretngaRecorrente o juizo, recorr
do capitai Alejandre Manoel Bezerra.
Ao Sr. desembargad or Monteiro de Andrade :
De Alaga Grande Recorrente o juizo, recor-
rico Herculaoo Bezerra da Silva.
Ao Sr. desembargador Pires Goncalves :
Do Recife^Recorrente o 2J promotor, recorrid
Manoel Mendonca Ribeiro.
AoSr. desembargador Alves Ribeiro :
Do ReeeRecorrente o juizo, recorrido
mingos da Silva Torres.
Appellacoes crimes
lo Sr. desembargador Toscano Baireto :
Do PossdhI Appeosute o juizo, appellado Ai.
cionilo Bezerra de Brito.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel :
Do Passo Appellante D. Jeaquina do Reg
Lins, nppe'lado Jos Lpoldo de Mendonca Ucha.
Eueerrou-s a :esso as 2 horas da tarde.
Diario de Soua* Noguera & C, copiad, r de
Amaral & Innio dito de II. Burle C, dito de
Mendes Lima DESPACHOS
Peticoe:
De Albino Aaovedo & C, par., que se arehlve a
prerogaco de contrato de sociedade em nome col
lectivo que sob dita firma celebraram Ant nio
Femandes dos Santos e Albino Fernandes de
Azevedo, com o capital de 16:306*811 para a con-
tinuaco do commercio do gneros de estiva por
grosso e a retalho nssta prac a ra do Bario de
S. Borja n. 54. A antiga firma era Antonio F.t-
nanles dos Santos & CSoja archivada.
De Manoel Joaojuim Ferreira da S va, Jos
Gomes de Pinho e Francisco Jos Vieira, para que
seja archivado o contrato de sociedade em nome
collectivo que cel braram sob a firma de Manoel
Joaquim Ferreira da Silva e C, com o capital de
15:000* para o cooomercio de compra e venda de
assucar e sua refi aco ra do Viseonde de Pe-
lotas a. 3.Satisfacara o parecer fiscal.
De Joajuim Ferreira da SiUa e Guilberme
Gomes Pinto para que se archive o contrato de
socied ide em a >ine collectivo sob a firma de Joa-
quim Ferreira da Silva & C, con o capital de
10:0"0* para o comin.'rcio de refiuaco de assu-
ear ra de S. Sebastio n. 4, da praca de Olinda.
Archive se na forma ia lei.
)e Jos de Souza Rodrigese Manoel de Souza
Izevedo Pires, para aue se archive o contrate de
sociedade em nome collectivo que celebraram sob
a firma de Jos Rodrigues 4 C. com o capital de
9;000* para a continuaco do commercio de sec-
eos e molhados travesss do Queimado n. 3, que
pertenciaa firma Azevedo, Rodrigues & C. Seja
archivado.
De Lopes oc Abreu para que seja archivado o
distrato de sociedade da qual eram socios Manoel
Alves Lopes e Manoel Fernandes de Abreu, fi-
caudo o ex socio Lopes de posse do activo e do
estabelecimento de mercearia sito estrada de
Luiz do Reg n. 40 F e obrigado pelo paasivo da
extiucta sociedade.Archve-se.
De Jos Nogueira de Souza para que se d bai
xa no registro das nomeacoes de seus caixeiros
Manoel Gregorio da Silva e Joaquim Pinheiro da
Silva.Como requer. N
Da Carlos Lourenco Gomes e Gregorio Gomes
Maia para que se archive o distracto de sooiedade
da rma C. Gomes Maia Se C, retir ndo se o ex-
socio Carlos pago e satisfeito de seu capital e lu-
cros e ficando o outro socio Gregorio de posse do
estabelecimento de assncar sito ra do Viseonde
de Itaparca ns. 38 e 40 e do activo, e abrigado
pelo passivo da extincta sociedade. -Archive-se
na forma da lei.
De Jos da Costa Caseiro 8c C. para que 8f d
baixa no registro da noneaco de seu ex-caixoiro
Manoel Jos da Silva. -Como pedem, pago o sello
da baixa.
De Francisco Martina Gomes de C. para que se
archive o contrato de sociedade em nome collecti-
vo nos termos da primeira parte do art. 318 do
cdigo commercal que sob dita firma celebraram
dito Gomes e Bemvenuto Cvalcaote de Mello,
com o capital de 15:603*720 para o commercio de
compra e venda de miudezas a reulho ra da
Imperatriz n. 86. Archivo-se na forma da lei.
Nada mais havendo a despachar, o Illin Sr
commendador presidente encerrou a sessao as 11
horas e 15 minutos da manh.
INDICARES DTEIS
Medico
Conanltorio medico clrnrgico Pedro de .*iiwliy.lt' Loho oscozo a
ra da Cllorla n. 39.
O doui'jr HMona tl ctioaaltaa tolos os
iiaa nto&t, das 7 s 10 horas da xnanh.a,
Este laraitorio ot'urt'je 1 ooiuiaodiil..
ie He poder cada .'ounte ser ouvido o ex-
ninado, em ser presenciado por eutc<
De uieio dia s 8 iioras da tarde ser o
Dr. Mosoozo encontrad.) no torrero p.ra
\ do Corameroie, ont'e t'uncciona a ibs
pec9lo de sadc do porto. Para qnalqu r
lestes dous pontos poderlo ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
Dr. Miguel Themudo roalou s a consul-
torio mlico e residencia para a ra Nova
n. 7, 1. andar, endo d consultas das 12
horas s 3 da tarde e recebe chamados a
bualqter hora. Espaciadades partos, fe-
bres, syphilis e molestias do pulmao e co-
racio.
Dr. Barreto Sampaio JA consultas d> 1
s 4 horas da tarde, ra do Bar.lo da
Victoria n. 45, 2 andar, residencia ra
io Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Advocado
Jodio Francisco leixeira tem o seu es-
eriptorio ra do Imperador n. 42, 1.
adar pode ser procurad j em sua profis-
sao, das 10 l hora da arde.
O bacharel Benjanim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1." an lar.
Jos Bernardo Oalvao AlcoJorado J-
nior contina no exeroicio .' sua profisso
de advogado, e pode ser piocurado no es
erij." >rio de seu pai, ra 1. de Mar9o
n. 4, 1. andar, das 10 horas da manh2
s "> da tarde.
ilenrique MUet. Ra do Imperador n.
2-'. 1. andar. Encarrega-so de questSes
na- o carcas prximas as linhas terreas.
Jr, Oliveira Escorel, 2. promotor pu-
b!O, tem seu escriptorio de advogaci. aa
ni 1 Primeiro de Marco n. 2.
Jos Bandeira de Mello advogado
r.; 1 do Imperador n. 37.
trocarla
Faria, oortnAo & C, droguata* pJ
tacado. Ra Mrquez de Olind n. 41.
Francisco Manad da Soa A C, depo
arios de tod^s aa especialid^ides pharma
ticas, tintas, drogas, producto chimice
< medicamentos homoBooaticos, ra n Mar
, tea de Olinda a 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e ojjicina de campia
tie Francisco dos Santos Ma:clo, caes de
'ipibariie n. 28. 'eeM grande estbale
imento, o primeiro'da provincia a'oste ge
' iero, compra-se e vende-se madeiras de
i odas as qualidades, serra-se madeiras de
i onta alheia, assimeomo sepreparam obras
; lo car apira por machina e por presos sem
competencia.
Mu llanca
O bacharel Pedro Oaudiano Ratis e Sil
va, mudou sua residencia da Estrada de
J0S0 de Barros para a ra Vlha dB Santa
Rita n. 29:
para um melhoramento, pnra um remertio ou neces-
sidade, para desenvolvimento do trabalho qumdu
elle va prosperu, e nao para tentativas arriscadas
ou caras experiencias a que so se deve laucar e
anda eom cautella, a industria que esta milito
bem.
Mas, urna industria que, como a nossa agricul-
tura, est hon -radissima, que tudo o que ganha
para pagar juros e s vezej neo isto. sem nem
amortisar o capital, pastando mal os industriosos,
soffrendo muitas vezes grandes pri vacos, ou com
proraettendo-se muito mais se as nSo querem sof-
frer; apartados pelos credorea, e muitos at execu-
tados, neste caso todo o dinh aro empresta lo s
para pagarem os mais cautelosos ou prudentes.
A maior par-e destes meamos, vendo se desafo-
gados, o tendo dinheiro de barato juro, se jul-
garo salvos, e continu ndo as caums da ruina,
do novo se arruinarlo. S p.ra algu.n raro, tilo
prudente a t feliz que d em alguma fonte, como
veia de ouro, p ider safar se do desastre.
Para tod ts ns mais. para a grand 1 generalidade,
persistindo as mesmas causas de noasn ruina, a
facililade de tomar dinheiro, a tranquilidad, des-
canco d'alma de ser o juro barato (o barato de 8
ou 9, ou 10 0/0) tudo is o no fim de eontas, muito
maior ruiua nos trar i, a cada um dos agricultores,
e desta ruina o tremendo estouro desta bancaria, o
d'ahi a bancarota i) .stido que pe is bancos se
tem fjinpromettido. '
(uaulo as outras udustras, ellas s nasoem,
visto quasi que nao as temos, n melh>r dirams
visto qoe nao as temos, as industrias s nascem
quando o paiz prospera, quando cada um procura
fazer o inelhor emprego de suas pequeas econo-
mas que vio coavertendo em tapitaes e os aug-
mentando.
Ora isto nio se pode dar, onde tuio immensa
mente caro, onde tudo augtn nta le preco todos os
das, onde a vida terrivelmente cara, no emt.nto
que os lucros nio augm< i.tain, ao m 'nos corres-
pondentemente, no emtanto que vivemos o temos
necessidade de acompanhal a tanto ou quauto.
dentro dos esplendores da civlisayi > do seculo.
Porque porm, crescem todos os das os precos
de todas as cousas, no emtanto que os lucros de
cada um nio augmentam e a* contrario dminuem?
. E' nisto que. est a causa de nossa ruina, o que
o effeito de outras causas, em cuja endagacio
entramos no pastado artigo, e outras c-. usas que
mais directamente anda concorrom paraa.noww
ruina, para a nossa miseria.
No paiz em que a iu lustria aaci nal est cm
ruina, em que a nica in lurfria lucrativa dos
estrangeiros, a gente eaiaaUe, a gente de trato
mais ou menos fino carece de viver e s vive do3
cofres pblicos.
D'abi a raultiplicidade de cargos pblicos para
oceupar infindade de pessoas desoecupadas a po-
ltica de cada partido no poier s c insistente em
arranjar cada um seus amigos e parantes, cosa in-
teiro despreso e abandono dos n-gocios pblicos.
D'ahi nio podetn aahir estadista? nem represen-
tantes que se oceupem da causa publica, todos os
representantes oceapadoa em arranj r os qae p >r
elles trabalharam as eleiooes E sem eV.es ae
des -urarem de si, esses representantes arranjain
as grandes patotas ein que figurara terceires que
ao anua socios.
Tudo isto sio pesados encargos para o tbesouro,
e mais os infindos cargos remunerados, e mais as
aposentadoras de homens validos que pesam so-
bre o thesouro por urna vida longa, para rem oceu-
par uovob eargos e receber ajudt de custo e mais
outra pela remocao; aposentadoras que sao faeili-
tad8 para abrir esp.coa nomeacio de outros.
Tudo isto carrega o ornamento da des eza de
um peso tio enorme, quo produz uecessariamente
a miseria geral, pelos impetos enormes sobmilha-
res de ttulos.
D'ahi a caresta de todas as cousas, cujo alto
preco nao aproveita a> vendedor, porque tod3 es-
tilo oneradas deeses utijbares de impostosj co-
brados.
Dest i caresta, desta miseria resulta a diminui-
cio do consumo, e portiinto da arrecala^io dos
iinpo=t'JB, a.diminuicao da receita, os dficits cada
vez maieres, os 11 ovos emprestimos. as novas em-
Ses do papel inoeda, os nuvos e mais pesadas im-
postos para tornar tudo anda mais caro, para tor-
nar a miseria m.ior.
Na verdade, em um paiz aem industria, assim
gemendo sob o peso da raisena geral, cuja nica
industria rendosa perteuce ao eatrangeiro, vend-
se todo o anuo se transportarem fundos para lora,
fundos que sio todo o saldo da produccio, dedu-
zidas as despezas da vida geral mente mseravel.
que se passa, em um paiz nestas condiccoes der -
rainar s todo o auno mais impostos, nio mais
abatel o, mais eemagal-o, mais tritralo?
O resultado augmentar a miseria, diminuir
progressivamente o consumo e portanto a reeeitu
de estado.
Os estados augmentara a sua receita pelo des-
envolvimento da riqueza, da industria. Eatio po
dMB soffrer algum novo imposto, mas de molo que
nio mortifique alguma io lustria. Porm, exigir
mais e mais do um paiz que se estorce cada dia
mais o m .is as vascas da raiberia, em que seus
cidada >s cstio todos oceupados em solicitar car-
gos pblicos para viver, e nestas coodicoes des-
tampar-se ailharee de potes de dinheiro. od-recea-
dc-o por juro barato, s pode isto produzr avau-
ar-ss em turbas toda a gente que poder ckegar a
ellss para soldar toda essa immensa quebradeira,
para fazel-a maior em pouco tempo.
A questao ou antes o remedio, nio offerecer
dinheiro barato a um povo miseravcl e abatido,
um povo que s tem aspiracio do cargo publico,
um povo que nio tem principio da industria, que
anda ni< a ensuiou. A questao, o remedio pri-
meiro fazer reverter para este povo a nica in-
dustria, que gran le o vast, a nica que arre-
cada todos os lucros d trabalho deduzido o con-
sumo.
O dinheiro barato da bancaria nio pode pois
salvar da ruina a agricultura, arruinada por cau-
sas que continuam a exauril-a, e menos dar nas-
cimento a outras industrias, a que s aproveita o
dinheiro a joro emprestado, quando vem em auxi-
lio de capitaes pruprios d'onde nasceram, como me
lhor veremos no artigo seguinte.
Marco1886.
Alfonso de A'iuquergue Mello.
111 na Cominerelal da cldade do
Recife
ACTA DA SESSO DE 25 DE FEVEREIRO
DE 1886
raMIDBRCIA DO IU.M. SR. COMMESDADOB AUTOVO
OOMXS DE MIAKDi LEAL
Secretario, Dr. Julio Gaiinaraes
A's 10 horas da manh declarou-se aberta a
sessio, estando presentes os Srs. deputados Olin-
to Bastos, commendador Lopes Machado, e Bel -
trio Jnior e suppleute Hermino de Figneiredo*
Lida, foi approvada a acta da sessio anterior.
Fez-se a leitura do seguinte
x soarra
Ofieiee :
De 20 do corrate, da Junta dos Corrstoree desta
praca, remotteifio o boletim da* cotaoOes oSciaes
de 15 a 20 do corrente mez.Para o archivo.
Ofiieio de 5 do corrente da Junta Commercal
de Pi to Alegre, aceusando o recebimento de of-
ficio de 1 de Janeiro ultimo.Para o archivo.
Diarioe oMeiaes de ds, 48 a 47.
Feram dismbaides rubrica os seguate* li-
vros :
PDBLIGACOES A PEDIDC
A ruina flnanceira e a miseria
do paiz
ZXIX
O PROJECTO DA COMMISSAO PARA A COKVER
Slo DO PAPEL-HORDA EM OURO
16-
Nio tomando emprestado nma industria arrui-
nada, > arruinada na immensa maioria de seus
cultores, como o est de ba muito a nossa agrcola,
que ella se ha de levantar, por mais barato que
sejam os juros. Continuando as causas que a
abatan, nio ha santo que I he acenda, nem di-
nheiro a juro que lhe d remedio; porque esse
dinheiro so vem entio Iludir os seus recursos,
augmentar as suas despasas, augmentar os em-
pregos da industria, aem resnltaao que d para
capital e juros, deixando saldo.
S toma dinheiro emprestado com vantageni,
quem est bem, e isto quando o fas com toda a
cautella, na qaantia estrictamente noeessaria
Ao commercio
Mesla data acibei com o raen estabelecimento
sito a ra da Imperatriz n. 78, nada devendo nesta
praca; quem se julgar ineu credor apnesente-ee
ra da G loria n. 150.
Recife, 2 de Marco de 1886.
Joao da Suva Camdes.
Ave Libertas
Tendo viudo seciedzde o Sr. Vistor Tiburtino
de Oliveira, com procuracao bastante para, liber-
tar a escravsada Joanna, propriedade de Antonio
Joriio da Silva, de Cacimbinha, em Caruar, ro
ga-se a quem souber dola quo faca a caridade de
dar noticia ou trszel-a para receber sua carta de
liberdade.
Recife, 1 de Marco de 1886.
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas maraes industrias e rotul >s das
suas preparacoes ua junta commerciai do Rio de,
Janeiro de conf rradade com as preecripcoes das
leis do imperio do Brasil, declarara e particip ira
aos interessaios, que como nicos propricarj*
tem direito exclusivo de usar as marcis indus-
triaes e rtulos relacionados com manufactura,
tabricaeao e venda das s gn es prepara :s ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
I'attilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de baealho de Linmu 4 Kemf.
Emulsio de ole) de figado de baealho com hy-
pophosphtes, de Ltnmtm & K.imp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portanto, perseguirao a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaos e
rtulos, procurando quo aojara castigados com tod 1
a severidade da lei.
Tarabem i-caatelamos o publico enalta todos
aquelles que intentara subitimir as nosaas prepa-
raeoe.j acuna m ucionadas C un artigos falsificad is
que levam rtulos ou marcas industria "s que imi-
tara as nosaas.
Lanman & Kemp
Cajurubeba
Manoel Joaquim das Trevis .Vrinh>, pharmi-
ceutieo, commiasario vaejnad >r di cilal-' li
Victon 1, 1 o i 1 r 1 -ii I) la ^ 1 1 l-i 11 i iu al
e encarrogado da pa u acia do presiiu d Per-
naudo de Noronha, provincia Jj PcraainblS).
Atr 'ato que o preparad 1 Cajurubeb 1 do Sr. Fir-
m;no Caadid) de Figiiire'la, applie il > 1 > pr sdi >
te Fernando de -oroiha oelo li tineto e Ilustra-
dor"0 crurgio d> eorpo de aaade do ex'rcito D.-.
Jlo Alexandre de Sexas, obteve f diz r-.mita lo
as arteeeea rheumaticas e ouras molestias do
systesaa puraieuto. ff do es per ar qu 1 esta fl ira
brasiletra bem cenhecida, eom estus tbnrapeuti-
eos ser mais um agont l que t-m le favorece-- a
humanidad''.
Como brasileiro de coragio orgulhi-me de ob-
servar mais este orepirido nos annaes pharm a
couticos.
Em f da verdad o pa'so a pr 1 ente ; poiendo
V. S. fazer s ua > que lie approver.
Recite 21 do Janeiro de 1886.
Manoel Joaquim das Trenas Marinko.
A firma: estava reconhecida.
Ao distinclo eleilorado do 6*.
districlo
Agora que rae ebegoa as maos > diploma de de-
pota io Assembla Provincial, eleito por esse
6 districto com urna maioria 145 votos, facto
este que priva cabal e eloqueatemente ter sido
aympathica, e bem acolhiia a minia canil iatura,
cumpro um Je ver sagrado manifestando pela im-
prensa, ja que o ra-u eatali de saude nao per-
rait'e que o faca por outr* molo mais significa-
tivo, o meu sincero e etern re ronhecimento pela
honra e confianza de que me achoa digni.
No'exeretcio do homeao mandato-, que rao c in-
ferido, raostrarei a boa vou:a ie, que ac'ua em meu
espirito, de promover, quauto puder, o bem da
provincia, principalmente o do dstricto, que me
esco'heu para um dos seus representantes.
Espero e peco in -amo com instancia aos meus
comprovincianos o seu auxilio ueste meu intuito,
l-mbraado-.n c indican io-rne qu esquer me'ho-
rau'iitoa. beneficios ou provideneias, que piasam
ser deliberadas pola Assembla Provincial a bem
dos habitantes de qualquer das localidades da
provincia.
R-~fe, 2 de marco de 1886.
l'dro Oaudiano de Ratis e Silva.
Prejudicial ao cabello
X. 3IO
E' por certo urna grande loucura o cerrar-s os
peros do crneo com leos e pomadas gordureutas
e espessas que impedem a livre evaporaba qne
to easencial para a sanidade do cali lio.
R-freaque-ae e vvifiqne-se a cutcula frequen-
temente com o- Tnico Oriental, o qual prompta-
m .aite absorvido c conduzido asraizes dos cabellos
^asimilando se perteitamente eom elles.
Fazei isto duas vezes ao dia, c o vosso cabello
nunca cahir, nem tornar se ha aseso, asp-'ro ou
dure. O tnico contm partes eompostas de vege-
taes que na chimica sao equivalentes a mesn?a ma
teria das fibras, por oasequencia acha-se admi-
ravel e philoaophicamente adaptado para o fim
que se destina.
Agestes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ua do Commercio n. 8.
--------------------5J>W'------------------
Fados e nio palatns
Ao$ que se desejan tratar sem compromelter a
laude com preparados mineralgicos.
Nesta typograpbia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathioas para ino-
fensiva cera das seguintes molestias : estomtico,
ainda mesmo bronjhitico; eiysipela, enxaquecas ;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
toase convalsa, falta de menstruacao ; cmaras de
aangue : eatericos ou rnetxite ; dores de deates ou
nevralgias, metrorrugia; vermfugos, deaticio e
convulso.'s das crianzas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratan se escrofulosos esa qualquer
grao e gommatosos.
OCULISTA.
Ir. Barreto Mampaio, medico sculis
ex ch fe de dioica do Dr. de Weeher, daceasula
tas de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Bar-
la Victoria n. 45, segundo andar, exceptnos do-
mingos s das saiictificadoB. Residenciama de
Riachuelo n. 17, en uto da ra dos Pires.
C, lleinn
Usinas de cobre, iat3o e bronce e de
m.
Qolitaer Ufer a. 9 Berlirn S. O.
Espeef alldade:
C(mstruc(ilo de raachi-
'is e apparelhos
para fatuicas de aasacar, destillay3es e re-
tina^Ses com todos os aporfeooameatoe
moderaos.
INSTALLAQA DE:
Engentaos ie assucar completos
EstabeleeitujnU filial a. Havana sob a
inesrna firma de C. Heek nann.
'3 S l i lx ricio n. 17.
Unieos representantes
Haupt Gebra'der
EIO HE JANEIRO
Para informaeSes dijijamse ai
Pohlman &C
to io Citurio 110
LIHORiTOHI' HOMfEOPITHlCe
DE
FREDERICO CHAVES JNIOR
MEDICO Z PHARMACECTICO nOXOEOPATUICO
Ra do Bario da Victoria n. 39, !. andar
^^3k
Oculista
Dr. Ferreira da Sdva,
sultao das 9 ao meio dia.
con-
Resi-
dencia e consultorio,
Larg i do li laario.
D.
20
ra
ED1TAES
Editaln.7 9
O inspector g*r.il Ua instruccao publica manda
fazer constar a quen nter sMi, que em virtnde
de determiiiaca< da presidencia de 13 do corrente
mez, se acha prorog-.drf por 30 dias, a coutar da-
que.i data, o prazo marcado para a inscripejlo
dos in lividuos qu pretenderem entrar em concur-
so para o provmento da cad'.ra da lngua inglesa
do (jymnaaio Pernambucano, devendo os sniores
candidatos ter em vista as disposico;s dos artigos
76 1 i; 77, 78 1 2*. 79 e 82 do regu-
lamento orgnico do ensino publico, transcriptos
juoedital n. 723 de 14 de Janeiro prximo pas-
sado.
Secretaria da instrucao publica de Pernambu-
co, 27 de Feverviro de 86,O secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvao.
1 Seclo.Sef tarta da P.ilcia de Pernam-
buco, em 1 de Marco de 1886. Edital.-Achando-
se recolhidos Casa de Detencao os eacravos Jo-
s, de Man el Clementino Alves, Rosendo da Luz,
de Manoel Qesn s da "-ilva, Silvestre, de Felicia-
no de tal, Areelino, de Jos Mendes dos Santos
Vieira e Pedro.de Antonio ds San'.cs Coelho,
assim o faco publico de ordem do Illm. Sr. Dr.
chefe de polica, afiui iiu que sejam reclamados
por seus senbores dentro do praso de vinte
dias que lli-'s fica marcado sob pena de
sereno considerados abandonados e e itregues ao
juiz competente.
Secretara da PolL-ia de Pernambuco, em 1 de
Mar^o de 1886.
O secretario,
Joaquim Francisco de Arruda.
Dr instilo Hewriques
Costa
sasaa da Unio n. 15
sultas das 11 s 2 bwas.
Chamados a qualquer hora.
TVlepbone numero-54.
i>
Dr. Silva Brito, medico clnico do Maranhio
tendo pratteado ltimamente nos printipaes hos-
ditaes de Pars e de Vieuna d'Austria, onde dedi-
cou-ee especialmente a partos, molestias de mu-
Iherea e de criancas,offerece sene servicia ao res-
peitavel publico desta cidade, onde fixou sua resi-
dencia.
Pede ser procurado do meio da s 3 horas da
tarde noseu consultorio ra larga do Eesario
n. 26,1 andar, e emoura quakprr hora do da
ou da noite ra da Imperatriz n. 73, sua resi-
dencia.
Empresa Telephonica Bourgard
Tendo deparado no Pas, fblha que se publica
no Rio de Janeiro, com um telegramma, que d'aqui
(ora expedido, dizendo ter o Exm. Sr. conselheiro
Costa Pereira Jnior, mandado interceptar no
dia 16 de Fevereiro prximo psasado a commuqi-
cacio telephonica para a freguezia do Monteiro,
cumpre-me declarar na qialidade de g-rente desea
empiesa, que inexacta -melbante noticia.
Recife, Io de Marco de 1886.
Antonio do Carmo Almeida.
x MtVw frite
Medico parte!ro e operador
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59
1 andar
Resienca ma do Pam l 15
CHAMADOS POR E8CRIPTO
O bacharel Francisco Crrela
Lima obrlnho
parteeipa aos Srs. estudantes qoe tem
aberto um cursa de Arilhraetica,. Algebra
e Greametria, ua. ra de S. Borja, antiga
de Sebo n. 12.
BDItO
Tem o seu escriptorio a ra do Marques de
Olinda n. 53 das 12 As 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
ntaras e criancas.
------------------- 0 Dr. Adelino Antonio de Luna Freir,
otiicial da imperial Ordem da Rosa, com-
mendador da Ordem Militar de Nosso
Senhor Jess Cbristo de Portugal, juiz
de direito, de orpb&oa e ausentes nesta
cidade do Recite e seu termo capital da
provincia de Pernambuco por Sua Ma-
gestado o Imperador, etc.
Faco saber aos que o presente edital vlrcm ou
d'elle tiverein. noticia, que na andieneia de 9 de
Mar^o do cerrente anno, na respectiva sala, ir a
pregao para ser arrematado por veuda, a quem
mais der, servinde de base o preco do abate da
quinta parte dos bens seguintes :
Um sobrado de andar e sotio ra de D. Maris
i Cesar, na freguezia de S. Fr. Pedro Goofalves,sob
n. 28, em solo proprio, cam 25 metros e 2 centime-
Itros de vio, 211 metres e 30 eentimetros de fundo,
pavimento terreo em armazero, onde ha 2 portas
de frente, urna das quaes d asceneao para o so-
biado, 3 janellas, 2 ea^as, 4 quartos e terraco, no
referido sobrado 1 sal, 2 qeastos e cosinba ne-so-
tio ; predio |Ue carece de coneertos 5:000^, valor
que causa para que o das partes ah pertencen-
tea ao espolio invintariado seja de 3:747735,aba-
tendo-se a quinta parte, vai praca no valor de
2:9984188. Outro de um andar e sotar na mesma
ra e freguezia, sob n. 30, carecedor de serios re-
paros, em solo proprio, eom 4 metros e 60 cent-
metros de vio, 20 metros e 30 centmetros de fun-
do, pavimento terreo em sali, onde hi. 3 portas,
urna das quaes de serventa das escadas.fpelas
quaes ascende se ao referido sobrado e ao de n.28,
2 portas sobre varanda de furro, 2 salas e 3 quar-
tos no segnndo pavimento, 1 sala, 3 quartos e co-
rintia no sotio, 6:000, valor que causa para
que o das partes ah poasuidas pelo espolio inven-
tariado seja de 2:500, indo praca com abate da
quinta parte fica com o valor de 1:^00*, cujas
partes pertencem ao espolio inventariado de Do-
mingos Jos da Cunba Lnges e vio praca a re-
querimento do invmtarante Jos Carlos Marinbo,
para pagamento de dividas e custas.
E para constar lavrou-se o preseute, que ser
publicado pela imprensa e afiliado no lugar do
costume.
Dado e pasead nesta cidade do Recife, aos 27
de Fe ereiro de 1886.
Eu, Olavo Antonio Frrreira, escrivao, o fis es-
crever e subacrevo.
Adelino A. de Luna Freir.
Advogado
bacharel Jeronymo Materno Pereira de Car-
valho, tendo deixado o cargo de juiz substituto dos
feitos da fasenda, advoga nesta capital e fera
della e tem seu escriptorio ra Duque de Caxias
n. 55, onde pode ser procurado das 10 horas da
manhi s 3 da tarde, e fra destas em sua resi-
dencia ra de Domingos Theotonio n. 39, a
qualquer hora.
Gonullorio medico-eirarglco
O Dr. Estevio Csvaleante de Alboquerque con-
tinua a dar consulta medico cirurgicas, na rus
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio da is 4
horas da tarde. Paras? demais eonsuHa e ts -
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
a. 53, 1* andar.
Ns. telephonicos : do oonsultorie 95 e residencia
186.
EspecialidadesPartos, molestias de crean
cas, d'utero e seus annexoa.
O Dr Thomaz Ghrcea Prannos Montene-
gro, presidenta dajunta apuradora do 2-
datticto.
Faz saber a quera interesaar possa que proce-
dendo se hoje a apuelo geral dos votos da elei-
co que em segundo escrutinio se proceden no dia
16 de fevereiro ultimo para um deputado Assem-
bla Geral deu o seguinte resultado:
Dr. Jos Mariano Cameiro da Cunba 886 votos
e 7 em separado.
Conaelheiio T'-e doro Machado Freir Pereira
da Silva 819 e 14 em separado.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina i voto.
Joio A. A de Carvalho, 1 voto.
Rm branco 4 sdalas.
Pelo que resolveu a junta expedir diploma ao Dr
Jos Marianno Cameiro da Cunha.
O presente ser affixado no lugar do costume e
publicado pe'a imprensa.
Paco da Assembla Provincial 2 demarco de
1886.
Eu, Jos Francisco Ribeiro Machado, secretario
escrevi.
Thsmaz Garcez Paranhoa Montenegro.

ILEGfVEL




Diario de PernambucoQuarta-feira 3 de Mar?o de 1886


DECLARACOES
Companhia Amphitrite
A direcoao da companhia Amphitrite convida
o senhores accionistas para a renoiao da assem-
bla geral, afim de apreciarem ai respectivas
contas e elegerem os futuros nombras da eominii-
a&o fiscal. 1 reuniSo se eftectuar no sali da
ABflociacao Commercial Beneficeute no da 11 ae
marco prximo, as 11 horas da manh.
Pela companbia Amphitrite,
^ Os directores,
A. M. de Amorim.
M. .1. da Silva Guimares.
Joaquim Lopes Machado.
COMPANHIA
PernaMfeueana de Xavegaco
Costelra por vapor
Os senhores accionistas sao convidados a se
reunirem na sede da companhia no dia 18 do Cr-
rente ao meio dia, afim de lhes ser apresentado o
relatorio e balauco da companhia do anno prximo
findo, e bem assim elegerem, o presidente e secre-
tario da tssembla geral, commissSo de exame de
contas e conselho de direccio.
Recife, 2 de Marco de 86.
Manoel J. de Amorim.
W. W. Eobillard.
P. P Saaoders Brothers & C.
Arthur B. D&llas.
Imperial sociedade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaes
De ordera do nosso irmao director, convido a
todos os irmaos que se acham nos gosos de seus
direitos se reunirem em nossa sede na sexta
reir 5 do corrente, pelas 6 horas da tarde, afim
de ter lagar a assembla geral do mes findo, vis-
to nao se ter reunido num ro legal ao dia apre-
sado.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liberaes de Pernambuco, em 3 de
Marco de 1886.O Io secretario,
Jos Castor de A. Souza
Pe ordem do Illm. Sr. inspector, taco publico
qne perante a sessao da junta do dia 4 de marco
prximo vindouro, se iecebem propistas em cartas
techadas, para a compra de um touro, um jumen-
to e um carneiro que se tornam necessarios ao
presi io de Fernando de Noronh, para a procria-
co da raca aesses animaes alli existente.
Secretaria da Thesoararia de Faienia 0r -
nambueo, 27 de Pevereiro de 86.
O secretario,
Luis Emygdio Pinheiro da Cmara.
TScsoararia de Fazenda
De ordem do Dlm. Sr. inspector, faco publico
que perante a sessao da junta, de 4 de marco vin-
douro, recebem-se propoetas para o arrendamento
por tres annea, do armaxem n 7, sito no Forte do
Mattos, pertencente Faxenda Nacional.
A chave do referido armazem se acha n?sta re-
particao e ser dada a quem o quiser examinar.
Thesouraria da Fazenda da Pernambuco, 27 de
Fevereiro de 1886. -O secretario,
Luis Emygdio P. da Cmara.
"Pacific Sleam taigation Com-
pany
Para facilitar aas senhores viajantes que dese-
jarem assistir a exposico colonial de Londres no i rente vigorar extraordinariamente nesta estrada
corrente anno, esta sgencia fari a redcelo ae-. 0 siguite horario :
guinte, a principiar do Io de marcD 31 de julho
prximo futuro.
1 classe, ida e volta para Inglaterra, bilhetes
validos por seis mezea i 36. 15. 0.
Estrada de ferro do
Recife a Caruar
De ordem do Illm. Sr. director faco publico que
durante os tres dias do carnaval 7, 8 e 9 do cor-
DE MAN1IA
Companhia Phenix Pernamba-
cana
Os senhores accionistas sao convidados para a
assembla geral ordinaria, que dever ter lugar
no dia 10 de marco prximo, a 1 hora da tarde, no
eferiptorio da companhia, ra do Commercio a
38 A convocacao tem por fim :
Deliberar sobre o inventario e contas da admi-
nistrac&o.
Proceder as eleicoes de que trata a pnmeira
parte do 2 do art. 30 dos estatutos.
Pernambuco, 22 de fevereiro de 86.
Pela companhia Phenix Pernambuca na,
Os admin stradores,
Luiz Daprat.
Manoel (ornes de Mattos.
Joao Jos Rodrigues Mendes.
Fregaezia da Boa-Vista
l dlstricto
CARNAVAL
Chamo a attencao de quem interegsar p.'ssa
pars os artigos abaixo transcriptos das posturas
monicipacs:
^ Lei n. 1,129
Art. 70. Fica prohibido n'este municipio o
brinquedo de entrudo com agua ou outra qualquer
substancia de qualquer maneira qce se empregue:
os infractores pagarao a multi d3 15* ou soffrerao
8 dias de prisao. .
Art. 71. Fica prohibida a venda de limas de
chairo: os infractores, alm de as perderem, pa-
garao 4*000 de multa.
Art. 72. Fica prohibido andar qualquer pessoa
mascarada na3 ras oVste municipio anda que
seja vestida a carcter: os contraventores pagarao
30*000 e soffrer-) 8 dias de prisao. Esta prohi-
bicao compiehendo os tres dias de carnaval, nao
excedendo de 8 horas da noite.
Art. 126. Nnguem poder abrir buracos, fszer
escavacoes as ras ou em paredes de eJificios
pblicos ou particular* s, sem licenca da Cmara
quando for para objecto de festejos, podando a
licenca ser concedida sob a obrigacao de se con-
servar luz em iampeoes as noites de escuro para
aviso ao publico.
Acabado o festejo, deverao ser tapados os bura-
cos, de modo que a ra ou paredes fiquem com)
dantcs estavam, sob pena de 20*000 de mulla e
de se fazerem os reparos a cueto dn autor ou au-
tores dos festejo.
O fiscal,
Francisco Antonio Branddo Cavalcante.
Litelp ds raros
Tendo de se entregar n dia 25 de marco vin-
douro algumas cartas de liberdade, coovida-se aos
interessados a comparecerem at o dia 8 do mes-
mo mez de marco, do meio dia at s 3 horas da
tarde, na ra do Vigario n. 4, 1 andar, onde en-
contrarlo com quem tratar. Recife, 21 de feve-
reiro de 86. ______
Estacoes
Recito .
Tigipi .
Jaboato
Recife .
Tigipi .
Jaboato
Recife
Tigipi .
Jaboato
Morenos
Tapers .
Victoria.
o
7.35
7.53
9.20
9.38
10.18
10.38
11.11
11.41
12.15
7.15
7.37
9.00
9.22
10.00
10.22
10 45
11.15
11.45
Estacbcs
Jaboato
Tigipi .
Recife
Jaboato
Tigipi .
Recife .
Victoria.
Tapera .
Morenos
Jaboato
Tigipi .
Rec:fe .
8.21
8.43
10. T8
10.38
3.25
3.55
4.22
4.52
5.14
-o
1
8.05
8.23
10.00
10.20
2.55
3.30
4.00
4.30
4.54
DE TAHDE
Ettacdcs
Cmara Huiipl
BS. 216. Secretaria da cmara municipal do
Recife, 2 de Marco de 36.Illm. Sr.De ordem
do Illm. Sr. vereador commissario de polica, cha-
mo sua attencao para o abusivo costume de se
faier da praca de Ped<-o 1 corador de rcupa la-
vada, chibando esse abuso a tal estado de colloca
rem as bacas e estenderem dita roupa as gaiolas
que circulam as arvores ahi plantadas. Sr. fiscal
da freguezia do Recife.O secretario,
Francco de Asis P. Rocha.
COMMERCIO
Bolsr commerclal de Pernam
buco
Uecife, 2 de Marco de 1886
Ab tres horas da tarde
CotaeSe officiaes
Accoes da companhia de seguros Phenix Pernam-
bucana do valor realisado de 200*000
335* cada urna.
Accoes da companhia de Santa Thereza, do valor
realissdo de 50* a 42* cada ama.
Apolices provinciaes de 7 0/0 do valor de 1:000*
ao par.
Na hora du bolsa
Vedeam-se :
10 accoes da compantia Phenix.
10 accoes da companhia de Santo Thereza.
3 apolices provinciaes.
P. J. Pinto,
Presidente.
vJandido C. G. Alcof Secretario.
Recife
Tigipi .
Jaboato
Recife .
Tigipi .
Jab:ato
Reeife .
Tigipi .
Jaboato
Recife .
Tig pi .
Jaboato
Recife .
Tigipi .
Jaboato
Recife .
Tigipi .
Jaboato
Recife .
Tigipi .
Jaboato
4
O
12.20
12.38
2.20
2.38
4.50
5.08
5.50
6.11
6.50
7.11
7.50
8.11
8.50
9.11
o
1
5.
12.00
12.22
2.001
2.22
4.03
4.52
5.30
5.55
6.30
6.55
Estacte
7 30
7.55
8.03
8.55
Jaboato
Tigipi .
Recite .
Jaboato
Tigipi .
Recite
Jaboato
Tigipi .
Recife .
Jaboato
Tigipi .
Recife .
Jaboato
Tigipi .
Recife .
Jaboato
Tigipi .
Recife .
Jaboato
Recife .
3'
i
1.16
1.38
3.16
3.38
5.46
6.10
6.46
7.10
7.46
8.10
8.46
9.10
9.46
10.10
"O
concedido para a conservaco dos cadveres nel.
las inhumados.
Dial deMaio do 1886.
Pergentino de Miranda PimentelSanta Rita
n. 6 ao norte.
Dia 3
Leonor Mara do Couto Belmont Cmara n.
23 A.
- Dia 6
Manoel da Fonseca da Costo Campos Crmo
n. 14 de l.'.
- Da 7
Domingos Jo iquim Ribeiro SoaresCarmo n.
25 ao norte.
Joanna dos Sactos VillacaCmara n. 1.
- Dia 8
Mara do Patrociuio da Rocha Livramento n.
16 de 2.'.
Da 10 -
Rosa do Nascimcnto Accioly LinsCmara n.
5(N).
Fiera Minervina do Reg Barros Cmara n.
19 (N).
Dia 11
Bernardo de Souza Leo Filho Cmara n. 16
ao nascente.
Dia 12
Francisca Delphina de Mello Galvo Santo Rita
n. 15 de 1.
Da 13 -
Josepha Mara da Rosa LopesS. S. do Recife
n. 11 ao poente.
Mara Carlota de Olveira Santos S.-Cmara
n. 6.
Dia 14 -
Capitulina de Jess Soares=Chagas n. 2.
Dia 15
Vctor Cysneiro de MelloPassos n. 1 ao po
ente.
Manoel Amaro da Costo Cabral-Cmara n. 6
ao poente.
Ormida Leopoldina c SouzaSanta Rita, n. 21
de l..
Dia 17 -
Oamiaua Landelina Pereira-SS. de S. n. 11
ao n< rt.
_ Da )8 -
Manoel Rodrigues das NevesEspirito Santo
n. 3 de 1..
Anna Joaquina de Olveira Quintella Santo
Rito n. 3 de 1.'.
Manoel Rodrigues Pereira Jnior Lu n. 89 A.
Da 19
Jos Ferrera Gomes da SilvaCmara n. 39 A.
Dia 20
Francisco Jos de Araujo -Terco n. 68.
Da 22
Jos Francisco de Salles Dutra Cmara n. 17
ao nascente.
Dia 23 -
Celso Augusto Pereira da Costa-Cmara n. 16
ao poente .
Gulhermina Pulcheria de Lima Mello-So. de
S. Jos n. 10 ao norte.
Milano Barbosa da SilvaS- Benedicto n. 20.
Dia 24 -
Domingos da Costa MoraesLuz n. 16.
Juvenal Jos da SilvaCmara n. 12 (NJ.
Simplicio Rodrigues Campello--dem n. 11 (N).
Dia 25
Martinha Beserra de VasconcellosCongrega-
cao n. 7 ao norte.
^ Dia 26
Joanna Florinda de Guarni Lobo VitalSanto
Antonio n. 30 (N).
Dia 27 -
Ida! i na Mara da Conceico Chagas n. 4.
Da 28 -
Severino Jos da CostoTerco n. 87.
Cemiterio Publico do Recite, 27 de Fevereiro
de 1886.
O administrador,
Jos Maa de Araujo.
COMPANHIA DE SEGUROS
CONTRA I'0.0
Nortb British & Mercantile
CAPITAL
:000.000 de libras Merlina*
A GEN ES
Admson Howie& C.
I.oniion aad Brasilia:) Bank
Limited
Ra do Commerci? n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N-
Porto, ra dos Ingleze.__________________
SEGUROS
martimos contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ra do Commercio n. 38
Obras Publicas
De ordem do Illm. 8r. engenheiro chefe e di-
rector da reparticao das Obras Publicas, faco pu-
blico que, em virtude da autorisaco do Eim. Sr.
coaselheiro presidente da provincia, no dia 12 do
corrente, ao meio dia, recebe-se nesto reparticao
p/opostas para a execuco dos reparos urgentes
da ponte de Motocolomb, oreados em l:950f.
O orcamento e mas condicSes do contrato se
acham nesto secretaria para serem examinados
pelos senh .r s pretendentes.
Secretoria da Reparticao das Obras Publicas, 1
de Marco de 1866.
O secretario,
Joao Joaqun de Siqueira Varejao.
1.00
1.18
3.00
3.18
5.30
5.50
6.30
6.50
7.30
7.50
8.30
8.50
9.30
9.50
Secretaria do prolongamento da estrada de fer-
ro do Recife ao S. Francisco e estrada de ferro
do Recife a Caruar.
Recife, 2 de Marco de 1886.
O secretario interino,
Francisco Goma de Araujo
MuiO Poico iii Mi
De ordem da Illma. Cmara faz se sciente as
pessoas interessadas ijue nos dias abaizo declara-
dos sero abortas as catacumbas tambem inira
mencionadas que nesse dia terminam o praso final
?^ENDIMENTOS PUBLICO!-
Mes de Marco de 186
tuimiusai0 1 Kucia de 2 24:379,441 27:279,636
51:659/13
Ka-''0*'*D X i.m de 2 3:5344428 1.6:878*312
;i 10:412*740
C ^VLArf aOVMPlU- !' 1 Hec He 2 3-320685 7:675*758
10:996*443
U.tir ubi**D* 1 dem de 3 { 3:312*931 8:704j854
12:017*285
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Vapor nacional Ipojuca, ootrado dos por-
tos do norte ea> 27 de Fevereiro e coasig-
nado Companhia Peraambucana, mani-
festou:
Algodao 76 saccas or lem.
Courinhos 20 fardos a H. Nu :'. & C.,
6 a J. Krause & C,
Cera de carnauba 4 barricasi ordem,
5 saceos a H. Nucsch d C,
Couros salgados seceos 105 a H. Nueach
d C.
Esteiras d palha 50 molbos a Gomes
de Mattos Irmaos.
Pennas de Emma 1 caixa a H. Nuescb
4C,
Lugre eorueguense Zephir, entrado de
Harnburgo em 27 de Fevereiro e consigna-
do a H. Peteraen d C, manifeateu :
Azul ultramar 6 caixas a Otto Bobres
Suceessor, 20 ordem.
Alcatrao 20 barris e 20j2 ditos a Bel-
tro d Costa.
Barras de ferro 279 e 736 feixes or-
dem.
Cimento 3,240 barricas ordem, 400 a
Orestes Travassos & C.
Cerveja 55 caixas ordem, 50 a H.
Nuesch & C.
Fio 2 caixas e 1 fardo a Vianna Castro
6 C
CarvSo para ferreiro 10 toneladas a
Reifi Santas.
Oenebra 65 caixas a Souza Bastos
Amorim d C, 20 a Femandes da Costo
ftC.
GarrafSea vaaios 1,400 a Bernet & C.
Mercadorias diversas 1 volume a Otto
Bobres Succeasor, 1 ordem, 2 a Olvei-
ra Basto d C, 1 a Netto Campos & C.
Fanos 2 caixSes a H. Vogelley.
I'bospboros 10 caixSis a Fernandos da
OMtaC.
SBGIBOS
CONTRA FOGO
The Liverpool & London & Glob
insiriume mmm\
4C.
C. C. E.
Club Conimereial Eolerpe
sro em O de Marco de issa
De novo scientifico aos Illms. Srs. socios que
realisar-se-ha o sarao que nes proporciona esto so-
ciedade na noite de 6 do corrente mez. Os Illms.
Srs. socios qaeiram procurar seus ingresios em
mo do Sr. theseureiro.
Secretaria do Club Commercial Euterpe, Reci-
fe, 27 de Pevereiro do 1886.O 2o secretorio, Joa-
quim Lt&o,
(ompanliia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda em 1855
CAPITAL 1,000:000,
SINISTROS PAGOS
Al Si de dezembro de 1884
Martimos..... I,0:000$000
Terrestres,. 3.0:000$000
44-lina do (omraereio-
(OMPANHIA
m:
Imperial
DE
SECt'ROS contra FOCO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Toxos baixas
Promplo pagamento de prejuisot
CAPITAL
Rg. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
i N. Ba do Commercio N. 5
EMPBEZ1 D GiZ
Pede-se aos Senho
res consummidores que
queiram azer qualquer
comunicaco ou recla-
naaco, seja esta eita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva lf
veira, e quand > for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tas Car.valho.
Todos os recibos desd
empreza dvero ser pas-
sadoseintalescaiuiba-
dose firmados polo b)i-
xo assignado sem oque
nao tero valor alguaa.
___GeorgeWiadsjr,
Hania Casa de~Mlerlcordla d
Reeife
Na secretaria da Santa Chs -le Miaorieor lia de
Recife arrendam-se por espaco de um i tres n
nos, as casas abaixo declaradas :
Ra da Moeda n. 45, 240*000
[dem-dem n.49 -^t'KX)
Ra do Bom Jess n. 13, 1- and,.r 3 050(Ki
Idemn. 20, loja 16*00'
dem idem n. 29, 1" andar -'tos U
Ra dos Burgos n. 27 216*000
Ra da Madre de Deus n. 10-A li*0O0
Caes da Alfandega armazem n. 1 1:600*000
Ra do Mrquez de Olinda n. 53, 2o
andar 507*000
*ua da Guia n. 25 200
Becco do Abreu n. 2, loja 48j000
Ra do Visconde de Itaparca n 24,
pavimento terreo, 1* e 2* audar. por 1:0003000
Ra das Calcadas n. 32 200*000
Secretaria da 8anta Casa de Misericordia do
Recite, 6 de fevereiro de 1886.
O eseriv.to,
Pedro hodriaue* de Soiua
Arsenal le Guerra
O conselho econmico das companhias de apren-
dices artfices e operarios militares, precisa con-
tratar os objectos abaixo declarados '.
Galo de prata de um fruo
Tranca de dita
Cordao de 12 encarnada
Hollanda de forro
Aniagem para enterlella
Botoes de metal branco, gran es
Ditos de dito pequeos
Ditos de d.to amarello, grandes
Ditos de dito idem pequeos
Ditos de os8o branco para calcas e camisas
Ditos de dito para blusas
Ditos de dito pequeos, pan ditas
Colchctes pretos, pres
Botos de 0*80 preto para calcas
Chita adamascada para cobertas
Boncts de servico
Ditos a Cavaignuc
Ditos dito com gallo branco, para msico
CintuiO'j, conforme o m jjVIIo do arseuai
Luvas de fio de Escocia, Daros
Platinas do cordo de 1;1, pares
Gravatas de sola en ernisada
Sapatcs, pares
Pratcs rasos e fundos
Facas e garfos
Chicaras e pires
Colheres para sopa
Ditas para cha
Panella de ferro para 50 pracas
Dita de dito para 20 ditas
Esc.vinhas para hmpar dentes
Tesourinhas para aparar uuhas
Os pretendentes devengo apresentar suas pro-
postas nesta secretara at as 1 boras da niaaha
do dia 4 .do corrente, sendo taes propostas cm
carta fechada, cam declaracao de se sujeitarem
multa de 20 0(0, caso recusem assignar o contra-
to, devendo todos os artigo* serem postes dentro
do estabelecimento, a cusa do arrematante.
Secretariado Arsenal de Guerra de Pernambu-
co, Io de Marco de 1886. O secretario,
J. Francit co Ribeiro Machado.
Papel para embrulho 260 fardos a Ber-
net & C, 7 caixas ordem.
Rotin 2 fardos ordera.
Vapor ingles La Plata, entrado dejBnenos-Ayres
no dia 1 de Marco e consifenado a Adamson Howie
& C, manifestou :
Xarque 953 fardos a Amorim Irmaos 4 C, 827
a Maia St, Rexende.
Lugre ingles Sumbeau, entrado de Terra Nova,
no dia 1 de Marco e consignado a Saunders Bro-
thers & C, manifestou :
Bacalho 3,046 barric.s c 461 ire>as ditas aos
con signa taries.
Barca portuguesa Minho, entrada do Porto no
da 1 de Marco e consignad a Jos da Silva
Loyo & Filho, manifestou :
Axeitona 1 barril a Manoel J. Ribeiro.
Arcos de pao para navio 3 grades a Beltrio &
Costa.
Aseite de olveira 1 barril e 2 caixas a Cunha
Irmss & C
Archotej 5 tardos a Beltrio & Costa.
Agua mineral 1 caixa a A. L. de Magalhaes
Basto
Azulejos 223 caixas a B. Danrte Campos & C.
Albos 114 cinastrasa Domingos Al ves Malheus,
135 a F. G. de Araujo, 170 a-F. B. Pinto Guima-
rae', 35 a J. J. Alves & C, 200 a Silva Guina-
res C, 50 a J. F. de Almeida, 62 a Pva Va-
lente & C, 100 a A. D. Cameiro Vianna.
Batuques 1 sacco a F. R. Pinto Guimares.
(,'ordas 6 fardos a C. C. da Costa Morera & C.
Capachos 1 fardo a W. Halliday & C, la D.
Jos Ferrera.
Conservas 1 caixa a A. C. de Vasconoellos.
Feijio 60 saceos a F. G. de Araujo, 30 a Duar-
te 4 C, 2u a Alheiro Olveira & C, 100 a Domin -
gos Alves Matheus, 50 a J. Morera & C, 80 4
ordem, 30 a J. F. de Almeida, 50 a A. D. dos
Santos, 50 a Ferrera Carneir.
Fsrragens 7 voluaes a Domingos Alves Ma-
theus, 8 a Rodrigues de Faria 4 C., 7 a Wlliam
Halliday & C, 6 a Almeida Machado & C, 8 a
Prente Vianna 4 C, 3 a Vianna Castro k C, 7
ordem, 1 a Res & Santos.
Folhas de louro 11 saceos a F. G. de Araujo,
11 a Duarte 4 C, 6 a F. R. Pinto Gumaraes.
Gatos de ferro para navios 2 barrieaa a Beltrio
4 Costa.
Linha 1 caixa a W. Halliday & C.
Pregos 37 barricas a Rodrigues de Faria 4 C,
11 a W. Halliday & C, 3 a Beltrio 4 Costa, 69
a Almeida Machado & C, 25 a Domingos Alves
Matheus, 15 a Joio F. de Almeida,'11 a Vianna
Castro 4 C. 78 i ordem, 28 a Res St Santos.
Peneiras 2 fardos a W. Hallidsy 4 C, 2
ordem, 3 a F. M. da Silva & C
Pedra de louxa 1 a Silva Guimar.vs 4 C.
Palitos para dentes 3 caixas a Jos Joaquim Al-
ves & C, 5 a F. R. Pinto Gumarii-s, 1 a Joao
F. de Almeida.
Rolhas 23 fardos a F. R. Pinto GVmiraes, 14 a
Orestes, Travassos 4 C, 17 a Jote Candido de
Moraes.
Salpicos 5 caixas a F. G. de Ar.ujj, 2 a A.
F. dos Santos, 4 a Vitllo Ferrera & C, 1 a Pau-
lino de Olveira Maa.
Vinho 1 pipa a Luiz G. de Amorim, 145 e 54/10
a Cunha Irmaos 4 C, 1 e 4|4 a Serra 4 Santos,
6, 30,5 e lOilO a F. G. de Araujo, 2 e 55 a An-
toaioF de Lima e Silva, 3(10 a ordem, 10i5 a
Adamson Howie t C, 5i6 a Manoel D. da Silva
Guimares. 1(10 a F. da Silva Maia, 11|4 a Pau-
lino de Oliveira Maia, lOilO a A. D. de Sotua,
2(5 a A. F. dos Santos, 5|5 a Jos de Oliveira
Campos, 1|2 pipa a J. Howie, 1[10 a B. A. de
Souza, 1|5 a Souza Basto, Amorim 4 C, 5[5 e
lOilO a Nones Fonseca & C, 505 caima a Cu-
nha Irmaos 4 O, 500 a F. R. Pinto Guimares,
113 a Rallar Oliveira 4 C., 165 ordem, 250 a
Ferrera Rodrigues 4 C, 126 a Domingos Alves
Matheus, 105 a Alberto Rodrigues Brama, 10 a
Paulino de Oliveira Maia, 4 a A. Jos Pereira
da Silva, 8 a J. J. Marques, 100 a Joaquim
Duarte Simoes 4 C.
Vimes 2,500 Hacas a M. J. Gomes de Amorim,
500 a Antonio F. Simoes da Silva.
Patache nacional Pelotetue, entrado de
Pelota*, no dia Io de margo, e consignado
a Balthar Oliveira & C, manifestou:
Xarque 180,000 kilos ordem.
Brigue dinamarquez Haahet, entrado do
Rio Grande do Sul nv, Io de marco, e con-
signado a Balthar Oliveira 4 C, manifes-
tou :
Graza 35 pipas, dita em bexigat 1,500
kilos.
Sebo 120 barricas.
Xarque 30,000 kilos ordem.
22,40
9,60
72,00
118,00
21,00
144
48
216
54
750
216
54
18
608
LOO.OO
60
s
30
30
30
20
100
48
4o
48
12
12
1
1
50
4
THEATRO DE OLINDA
Sociedade Dramtica Mclpomene
Ollndense
QABTA-FEIRA 3 DE MARCO
Espjctaculo em beneficio da viuva e filhos do
capitao Apolinario Luiz de Carvalho.
1 parte
Linda symphonia pela orchestra.
2 parte
A importante poesa trgica pela dstincta actriz
Rosa Manhonca
Ost voluntario* da anorte
3 parte
A graciosa comedia
l m marido victima da modas
4 parte
A linda poesa de Thomaz Ribeiro
A renta e a caridade
5" parte
A comeda em 1 acto, que serapre desafia h lari-
dade
A ordem reiomnar
Terminar o espectculo a representacao de
urna linda scena cmica pelo festejado actor
Lyra.
Trem depois do espectculo, do Varadouro
Aurora
Comecar s 8 1(2.
MARTIMOS
THEATRO
DE
VARIEDADES
Oini! la-cim. 3 de Marro
llU,\IIKO ESPECTAILO!
MITEOEENTHE$ltS10!
F-iSTA ARTSTICA DA ACTRIZ PERSAMBUCASA
pqlhi. Silva
Depos qiii a (irchestra tivrr ejecutado a bella
Tinph'iaM di opera Giovanni d'Arc, subir sce-
na prU primeir' vz n'este tbeatro a espirituosa
comedia cm 1 acto, original du liangel de Lima .
!
Patacho nacional Alvaro,
Santa Catharina, no dia 1
entrado de
de marco e
desempenhada pela jovon actriz rernambucana
I"i.ou ilvi v o -cy:iipithico actor Lyb.
Seeue-se a reprcsentuca da c'.iistoaa c;me hh
em Ssvctol lo Horacio Sun1 s :
Sogra! Ncm pintada!!
Tinauio par'.o a UESEt 1CIADA, a actriz
D. Felisjun.v, c os actores Adolsto Peres, At m-
so Oliveiba e o amadjr Soza.
A binla de miisiea do 2o batalhao de infanta-
n-.\ Piicr.isamcnte cedida pelo seu digno cjmman-
dante, tacar nj lerraco do ilieatro.
Aos s^us collegas que graciosamente tomam
parte na sua frrt* artistic* ; ao digno comman-
dante do 2 baUlliiio, e aos s us convidados, desde
j antecipa os feus ^agradecimentos e eterno reco-
nbecimento.
Em um dos intervalos a BENEFICIADA ir
eos camarotes c trisas comprimentar os seus eon-
v idados
O resto
theatro.
Camarotes
Cadeiras de 1
Galeras
dos bilhetes veud>
a in. i:
105000
3000
24000
F
D.tas de 2>
Entrada
ido
84000
240jO
14000
Bonds como de costume e trem at Appucos.
Por tercm adoecido dous amadores da sociedade
dramtica Nova Thalia, a BENEFICIADA foi
obrigada a mudar o programma da sua festa ar-
tistsca, esperando por esse motivo ser desculpada
pelos seus convidados.
consignarlo a Amoritu Irmaos & C, mani-
festou :
Farinha do man lioca 5,000 saceos, dita
a granel 13,800 litros aos consignatarios.
lli.tti nacional Deus te Guarde, entrado
de Maco e Mossor no dia Io de margo,
e consignado a Bartholomeu Lourenjo, ma-
nifestou :
Algodo 500 saceos a L. A. de Si-
queira.
Sal 192 alqueires ao consignatario.
Hiate nacional Jeriquity, entrado de
Maco, no dia Io de margo e consignado
a Manoel Joaquim Pessoa, manifestou :
Cera de carnauba 14 saceos a Cunha
Irmaos & C.
Sal 25,600 litros ao consignatario.
DESPACHOS DE EXPORTAQAO
Em 1 de Marco de 1886
rara o exterior
No lugar norueguensa Patruos, carregou :
Para o Bltico, Bors elman & C. 500 fardos
com 91,896 kilos de algodao.
No vapor ingles Therexina, carregou :
Para Liverpool, J. Pater & C. 10,500 saccoa
com 787,500 kilos de assncar mascavado.
No navio sueco Prima, carregou :
Para Hu I, C. P. de Lemas 10,000 kilos de ca-
ncos d3 algodao.
Na barca portngueza Novo Silencio, cirre-
gou :
Para Lisboa,
com 996 kilos.
A. C. da Silva 83 couros salgados
rara o Interior
Na patacho hollandez Zurdich, carregou :
Para Pelotas, Maia de Rezende 200 barricas
com 21,093 kilos de aasucar branco.
No histe nacional 6'. BarthoUmeo, carre-
gou :
Para Moatoro, P. Carneiro & C. 3,500 saceos
com farinha de mandioca ; S. Nogueira ditos idem.
__ No hiate nacional Deus te Guie, carregou :
Para Aracaty, P, Cameiro ft C. 280 saceos com
farinha de mandioca.
Companhia Kra>.flclra de ave-
gsco a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Commandante 1' tenente Guilherme Wad'
dington
E' esperado dos portos do sul
at o dia 7 do crrente, e
seguir depois da demora in-
dispcnsavel, para os portos
do norte at Mauos.
Para carga, passagena, encommendm valores
tracta-se na agencia
N. 46 RA DO COMMERCIO N. 46
PORTOS DO SUL
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Gomes
E' esperado dos portos do
norte at o dia 5 de mar-
co, e depois da demora in-
dispensavel, seguir para
os portos do sul.
Recebe tambem carga pa-
ra Kantos, Pelotas e Rio Grande de Sul, frete m-
dico.
CHARGEllS REVEIS
C ompaahla Franceza de Navega-
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
ste \mer Ville de Bahia
E' esperado da Europa at
dia -9 de Marco, se-
uindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
hia. Rio Vamos.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p'los
rapores desta lnha,queiran> apresentar dentro de 6
dias a contur do da descarga das alvareng.. |uat>
quer rcclamayao concernente a volumes, qa por
ventura tenham seguido para os portos do sul.afim
de se podercm dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido pra:o a companhia nao se
responsabiliza por extravos.
Uccebe carga, encommendas e passageiro? para
is quaes tem cicel lentes accomodacoes.
Augusto F. de Oliveira &(,
ACEXTEN
42 -RA DO COMMERCIO -42
(OnPWIIIi: DES! HESS AGE'
RES maritimes
LINIIA MENSAL
0 paquete Gronde
Commandante Minier
Espera-se da Eu-
ropa no dia 6 de
M a r c o, seguin-
do depois da de-
mora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Babia, Rio de Janeiro e Monte-
tevido
Lpmbra-s3 ros senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agf-ncia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne se aos senhores recebedores de merca-
dorias que s se attender as reclamacoes por fal-
tas nos volumes que forem reconhscidas na occa-
sio da descaiga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se com o agente
iuguste Labille
9 RA DO COMMERCIO9
No hiate nacional Flor do Jardim, carra-
gou
Para Macahyba, P. Carneiro & C. 1,000 saceos
com farinha de mandioca.
Fara Guarapes, P. Carneiro & C. 1,000 saceos
com farinha de mandioca.
No hiate nacional Adelina, carregou :
Para o Natal, M. A norim 100 saceos com fari-
nha de mandioca.
Na barcaca Flor de Maa, carregou :
I Para Mamanguape, Amorim Irmaos & C 400
saceos com farinha de mandioca.
Na barcaca Cecilia, carregou :
Para P. de Alagoas, D. Gouveia 20,000
de sal.
Na barcaca Lindo Paquete, carregou
Para P. de Alagoas, D. Gomes 22.000
de sal.
litros
litros
MOVIMENTO DO PORTO
Navio entrado no dia 2
Santa Catharina29 dias, patacho hol-
landez Anna, de 202 toneladas, capitao
L Stut, equipagem 7, carga farinha de
msndiica ; a ordem.
Navio sahidos no mesmo dia
Rio Grande do NorteHyate nacional
Fiordo Jardim, capitao Joaquim Jos
dos Santos, carga farinha de mandioca.
New-York -Brigue inglez EUen Greaves,
capitSo R. Pritchard, carga assucar.
Camocim Brigae sueco Fritz, capito L.
Fillstcn, om lastro.
Barb-dos -Lugar americano Hauraham,
capitao E. W. Cook*>o, em lastro.
VAPORES ESPERADOS
Marinho Visconde da Bahia amanhS
Para do norte a 5
Gironde da Europa a 6 .
Mandos dn sul a 8
Ville de Bahia da Europa a 9
Pernambuco _.,_ do norte a 12
Finance de New-Port-News a 12
Etbt da Europa a 12
Espirito Santo do sul a 16
Tomar do sul a 16
Hamburg de Harnburgo a 20
Neva do sul a 24



Diario de Pernambucotyuarta--feira 3 de Margo de 1886
m

w


s.
navega
Companftiia Bahiasa de
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Araeaj,
Estancia e Baha
Marioho Visconde
Comrnandante J. J. Codho
' esperado dos oonop ici-
ma at o dia 6 do corrate,
e regressara cara os _r.es-
i mos, depois da demora do cos-
turne.
Para carga, lassagena, encommenda e dinheir o
a fret'j 'racta-iie na agencia
7ttua do Vigario-7
Domingos 4lws Malheos
lUHIMMIIt Pi;fl\AiHC\
DE
\avegaco Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parhyha, Natal, Macan, Mossor, Ara-
caty e Cear
0 vapor Ipojuca ^
Scguc no dia 5 de
Mari;o, e 5 horas da
-tarde.
Recebe carga at o
Pdia 4.
Encommcnlaa, passagens e dinbeiro a frete at
;is 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Compankia Perrambucana
n. 12
LEILOES
O leilo de miudeea, perfumaras, fite ros, bal-
do e mais salvados do incendio da loja da ra do
Mrquez de Olinda n. 49, contina boje por inter-
vencito do agente Pinto, no 1 andar do predio da
mesma ra n. 51.
I eilao
(En contlnuaeo)
Das miudezas, fazendas, perfumarlas, bal-
co, fiteiroa, armacao, e mais objectos
salvados do incendio da loja do miudezas
da ra do Mrquez de Olinda n. 49.
Quarta feira, 3 do eorrente
No i andar do sobrado da ra do Mr-
quez de Olinda n. 51
O agente Pinto levar a leilil >, por conta e risco
de quem pertencer, em lotes a vontade dos com-
pradores, os objectos j cima mencionados, no 1
andar da ra do Mrquez de Olinda n. 51.
\A'a 10 1|2 horas
Leilao
De orna mobilia de amarillo, cama franceza, com-
moda, marques..-), apara tor, cabidas, mesas para
jantar, quadros, jarros, louca, vidros e inultos
outros objectos de oso domestico, e existentes
no predio n. 22, da ra das Triocheiras.
Qu?ta felra, 3 do eorrente
A's 11 horas
POR INTERVENCaO DO AGENTE
(jiismo
Leilao
Iniled Siales & Brasil Mail S. S. C.
O paquete Finance
Espcra-se de New-Port-
News.at o dia 12 de Marco,
o qual seguir desos da de-
mora necessaria para a
Baha e Itio de Janeiro
Para carga, passagens, encomiendas e dinheiro
frete, tracta-.se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
N. 8. RUADOCOMMfcltClO N. 8
t* andar
lloval Mail Steam Packet
Compauy
Reduecao de passagens
Bilhetes especiacs se-
ro emit i dos desde 14
demarco at o fin de
julho offerecendo faci
lidades aos senliores
viajantes para visitar
a exposifo colonial
em Londres, de 186.
ida e volta de Per-
nambuco a Sonthamp-
on, primeira elasse,
com o prazo de 6 me-
zcs libras sterlinas 36,
15, 0.____________
Pacific Steam Navigaon
Company
Tara facilitar aos
Srs. viajantes que de-
sejarem assistir ex-
posico colonial de
Loareis no eorrente
anno, esta agencia fa-
r a reduepo segua-
te, a principiar do 1.
de Marpo a 31 de Ju-
lho prximo futuro:
1.a elasse, ida e vol-
ta para Inglaterra, bi-
lhetes validos por seis
mezes. 36:15:0 libras
esterlinas.
AGENTES
Wlln 8ni & Coipy Limited.
14r-Raa do Commereio14
Agente Pestaa
Leilo
De 40 caixas cotu ceblas e 5 ditas cora
chouricas
Quarta-felra 3 de marco
A'S 11 HORAS
Na porta do acmaztm do Sr. Annes
O agente Pestaa competeiiteaieute autorisado
levar a leilao os gneros cima declarados.
Leilo
Di iras, lop, vidros n piros
<|narta-felra, 3 do correte
A's 10 1\2 horas
Sobrado sito ra das Trincheira-. n. 16
O asente Silveira utorisado por ama familia
que retirou-sc para o Rio de Janeiro levar a lei-
lo es seguintes movis :
Urna mobilia de Jacaranda completa com tampo
de pedra em perfeito estado, 1 cama franceza de
Jacaranda, 1 dita envernisada de preto, 1 guarda
vestido, 1 lavatorio com pedra, 1 commoda de Jaca-
randa, 1 mesa elstica, 2 apparadores, 1 marqueza,
cadeiras de guarnico, 2 consolos, 1 quartinneira,
1 sof, 2 cadeiras de braca de junco, 1 enminha
para cris oca, 2 cabides, 1 banco para costura, 1
machina pxra costura. 1 par de jarros, 1 tapete,
quadros, 1 santuario, 1 relogio e mais mm-is de
uso domestico.
Do urna e.ccllente armacao de amarcllo envi-
dracada o toda forrada, chapeos de sol e algmas
miudezas, existentes na loja da ra do Impera-
dor n. 30.
Quinta-feira4 do eorrente as 11 horas
Per latervenco do agente
4. ii m fio
Leilo
urna ama que eng>
a tratar ra de Pedro
ommme com
Affonso
Precisa-se de
umita perfeico;
n. 46 A- _______________
Aluga-se a 8/ urnas meias aguas com re"
partimentos, na travessa das Barreiras, becco do
Aquino ; a tratar na ra do Cotovello n. 25.
A fabrica Vendme precisa de officiaes de
cigarreiros. _______________
Aluga-se o 2- andar do sobrado n. 1 do pa-
teo do Terco, o 1 do de n. 19 na da Penna. o
1 do de n. 18 ra Direita, o 1 do de n. 66
mesma ua, o 1 do de n 35 travessa de S.
Jos, o 1 31 ra estreita do Rosario ; os terre-
nos de ns. 26 ra Duque de Caxiaa, 1 do pateo
do Terco, a casa n 26 ra de Nunes Maunado,
no Espinheiro, com b >ns commodos : a tratar na
ra do Hospicio u. 3;.
Vende-se a armacao da casa de molhados
praca de Pedro II t. 6, propri para continuar
rom o mesmo negocio ou outro qualqucr, na fre-
guezia de Santo Antonio ; a tratar na mesma.

Vende-se
urna casa con um terreno, tend< 200 palmos de
trente e 300 de fundo, todo arborisado e plantado,
na Torre, ra da Conceicao n. 2, junto a liona dos
bonds ; a tratar na mesma.
do dividas na importancia de 78:366(5889,
pertencentes ruass:i de Joaquim Mon-
teiro da Cruz
O agente Brito, a mandado do Exm. Sr Dr.
juiz de direito especial do commercio e a requeri-
mento do administrador da referida massa, levar
leilo as divida cimas, constando a maior par-
e em lettras de diversos, como podero se: exa-
minadas cin p ider do -nesmo agente.
Quiuta-feir 4 de margo
i A's 11 horas
Ba do Imperador n. 16
Ledo
De um sitio com casa de pedra o cal, de-
nominada Mangueira, sito no Porto da
Madeira.
Ag
O agente cima, a mandado do Exm. Sr. Dr.
juiz de direito e da provedoria, com sua presenca
e a requerimento de Manoel Ferreira inventarian-
tc dos bens de Jos Vicente Godiuho, vender em
leilo referid sitio e casa, medindo a casa cer-
ca de 8 metres de largura e 12 e meio de fondo,
con 3 pjrtas do frente, oitfio livre com 1 porta e
o sitio 41 metros de frente e os fundos at o rio,
existindo no mesmo 2 casas em ruinas e muitas
arvori's de fructo.
Quaria-feira 3 de Marfu
A' 11 horas
ltua do Imperador n. 16
Agente Burlamaqui
Leilo
De um importante sobrado ra estreita
do Rosario n. 35, em solo proprio
Bom emprego de capital
Quinta-feira, 4 de Marco
A's 11 horas
No armazem raa do Imperador d. 22
O agente Burlamaqui por mandado e assisten-
eia do Illm. e Exm. Sr. Dr. jiiz de orphos e au-
torisacao dos consenhores do predio cima, ven-
der a leilo o sobrado cima mencionado. O re-
farido sobrado acha-se beui cnservado e renden-
do annuslmente 840.
Os Srs. jireteudentes desde j podero ex iminar
o dito sobrado.
Leilo
De errea de duzentas dutias de bisnagat su-
periores, as quacs sero vendidas em lotes a von-
tade dos compradores.
Sexta-feira as 11 horas, no armazem da ra
do Mrquez de Olinda n. 18.
Por intervenciio do agente Gusmo.
Leilo
De 1 piano, movis, 1 boi e carroca e algumss
obras de ouro.
. O agente Biitto, autorisado por urna familia que
se retirou para o campo, far leilo do seguinte :
Um piano, 1 porta msica, urna mobilia de Ja-
caranda quasi nova com 1 sof, 2 consolos, 2
cadeiras de braco, 2 de balando e 12 d>.- guarnicao,
1 toilet de magno, 1 cama franceza, 1 guarda-ves-
tido, meia cemmoda de amarcllo, 1 caminha para
creanca, 2 marquezes, 1 mesa elstica de 3 ta-
boas, 1 mobilia de amarello, 2 aparadores, 1 ca-
bide columna e 1 de parede, 1 cadeira de bailan-
do, G dejunco novas, candieiro de kerosene, jar-
ros, ladternas, escarradeira, 1 relogio e outros
objectos.
sc\.. lelra S de Mareo
as 11 horas
Ra do Rangel n. 43 1. andar
Terceiro leilo
Do sitio do Arraial, ra Paulino o Silva,
(estacSo da Mangabeira de Baixo)
Sexta feira. & do correte
As 11 horas
A' ruado Imperador n. i
pelo agente Silveira, par mandado e com assisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de orphos e ausentes, e
a requerimento de I). Honorata Mara do Sacra-
mento, inventariante de Joaquim Martina Gomes.
Aluga-se .barato
o sobrado e soto ao largo da Detenco n. 67,
com muitos commodos para familia, bastante ale-
jado, etc ; a tratar na ra larga do Rosario nu-
mero 34.
Leilao
Das dividas activas na roportaucia de
32:430(5840, pertencentes massa falli-
da de Joaquim Ferreira Campos & C.
Sexta ftira 5 do eorrente
\'s 11 horas
No armazem da ra do'Mnrquez de Olinda
n. 18
O agente Gusmo, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio, c xe-
Juerimento do administrador da massa fallida de
oaquim Ferreira Campos & C, far leilo das
dividas cima mencionadas, pertencentes referi-
da massa, cujo leilo ser effectuado com asisten-
cia do mesmo administrador da massa fallida, e
podendo os pretendientes examinar o inventario que
se acha em poder do mesmo agente.
AVISOS DIVERSOS
Leilo
Cear
Segu no dia 6 do correoje para o porto cima,
o hiato Deu U Guarde, tendo metade do seu car-
regamento prompto: para o resto, trata .e na ra
da Madre de Deus n. 8.
Lisboa
De importantes moveii, crystaes, espelhos,
quadros, vidros e apparclho da electro-
pate, tudo em perfeito estado de con-
servacao.
Quinta feira. 4 de Mareo
Ra da Amisade n. 1 primeira portao ao
lado da linha de ferro
A saber :
Sala de visita
Urna mobilia de junco composta de 1 sof, 2 ca
deiras de bracos, 2 de bal*neo, 18 de guarnicao o
2 censlos com podra, 1 importante piano comple-
tamente novo, dt fabricante Carl-ergeal-em casel,
1 estrado c i cadeira para menino, 1 grande cs-
pelbo oval, 2 pares de jarros, 2 ditos de alabastro,
com sanefar, 1 tapete grande=couro de onca, 4
ditos menores c 2 esearradeiras.
Primeiro quarto
Urna cama franceza do Jacaranda, 1 banca, 1
cabide, 1 tapete de pello, 1 commoda, 1 redoma de
vidro, 1 bidel e 1 escarradeira.
Segundo quarto
Um toillet de Jacaranda, 1 guarda roupa, 1 jar-
dineira de junco com pedra, 2 cantonciras de mo-
gno, 1 m&rquezo e 1 escarradei-ia.
Terceiro quarto
Um marquezio, 1 lavatorio, 1 espreguicadeira,
cadeir as, 2 bancas, 2 qnadros e 1 topete.
Quarto quarto
Urna cama par soltciro, 1 lavatorio, 1 guarda-
visos, 1 ees a, 1 baca. 2 esearradeiras e 1 can-
dieiro.
Sala de jaotar
Urna mesa elstica com 6 taboar, 2 guardas-
loucas, 1 guarda-comida, 2 aparadores com pedras,
2 ditos torneadas, 12 cadeiras de junco, 12 ditas
de amarello, 1 quartinheia, 2 bandejas, 1 relogio
de parede, 1 jarra para agna, 1 porta fructas de
madeiras e muitos outros objectos.
Por interveneo do agente
Alfredo (.maraes
A's 10 1/2 horas da manila partir do arco de
Santo Antonio um trem que dar passagem gratis
aos concurrentes ao leilo.
Aluga-se casas a 8*003, no beceo dos Coe-
Ihos, junto de S. Gcncalo : a tratar na ra da Im-
peratriz n. 56.
= Os hachareis Antonio Justino de Sonsa e
Pedro Affcnso de Mello mndaram o seu escripto-
rio para a ra Duque de Caxias n. 54, 1 andar
onde continuain a exercer a sua profisso de ad-
vogados. __________________^^
Padaria
Por barato prego vende-se na ra da Impera-
tris n. 14, loja, um bom cylindro americano e to-
dos os uteneihos necessanos urna padaria, se
achando tudo em perfeito estado de eonservaco.
Viva o carnaval
Vivan, os castellanos da ra dos
Guararapes
A commisso desto castello tem por firn festejar
os tres dias de carnaval, enfeitando a dita ra
em frente ao castello, vem pan isso pedir o espe-
cial favor aos moradores da mesma ra, perto ao
castello, para tomar todo o interesse para mais
brilhantismo da festa e alegra das familias.
Sendo os senhores da eonmisso :
Clementino Francisco de Barros.
Cosme Antonio Rodrigues.
Cosme Francisco Pereira.
Manoel de Souza Mafra.
Julio Marcolmo da Silva.
Constantino F. do Nascimento.
Joaquim Goncalves Vianna.
Felippe Beniguo Camaro.
Joo Lina da Silva.
Bento Joaquim Rodrigues. ______^^^^^^^
Aluga-es barato
Urna casa na ra do Rio (Torre), com commo-
dos para familia ; a tratar na ra larga do Rosa-
rio n. 31. ______________
ALBEKTO HENSCHEL & C.
:;>Rl\ DO B\l(\0 D4 VICT0RIA--S2
O bem acreditado estabelecimento pbotographico -allemito, acabada augman-
tar as suas galeras no gosto das mais sumptosas casas d'esto geneio, como de Pars,
Londres e Berlio, onde o rcspeitavel publico encontrar os mais ap< rfeicoados trabalhos
pelo systema mais moderno e mais apreciado.
Para dar mais impulso sua casa e assim melhor satisfazer as mas difficeis
exigencias, acab do contractar o eximio pintor o Sr. Perdinand Fiereck, chegado re-
centemente da Corte do Imperio, onde adquiri grande norae, alm do bom crdito qae
j gozou em 1877 quando aqui este/.e na mesma casa.
Roga-se s Exraas. familias e mais pessoas o obsequio de honrar com suas
visitas a este grandioso estabelecimento, onde existe urna magnifica exposicao de suas
prodceles artsticas e onde encontr. rilo lhanez.i no trato, perfeicSo nos trabalhos e
modicidade nos pregos.
C. Barza,
Getente.
Coronel Franclaro Manoel de
Mouxa Ollveira
Rosa Emilia da Fonseca Oliveira, Amelia de
Oliveira, Antoaia Emilia de Oliveira, Constantina
de Oliveira, Emilia de Oliveira, Maria do Carmo
Oliveira, Francisca Emilia de Oliveira, Francisco
Manoel de Souza Oliveira, Octaviano Lins Wan-
derley Chaves, Francisco das Chagas Oliveira,
viuva, filbas, fi ho o genros do coronel Francisco
Manoel de Souza Oliveira, agradecem do intimo
d'alma todas as pessoas que com tanta dedioaco
se dignaram visitar constantemente durante sua
molestia, e acompanharam os seus restos mortaes
sha ultima morada. Convidam aos parentcs e
amigos do mesmo finado assistirem a missa que
mandam celebrar no dia 5 do correte, stimo da
do seu passamento, no convento de S. Francisco,
em Serinhem o na igreja matriz do Rio Formasie
Igualmente convidam aos amiges do finado, re-
sidentes nesta cidade, assistirem a missa que
lambem mendam celebrar no referido dia, na ma-
triz de Santo Antonio, s 8 horas da manh.
Segu com brevidadeo brigue pjrtuguez 'ote-
rano, recebe carga a frete: a tratar com Pereira
Carneiro & O., ra do Commercio n. 6, 1" an-
4*r.__________________________________
Para Hamburge
Recebe car;a a frete a barca brasileira Nova
Sympothia ; a tra,ar com Balthar Oliveira C.
Mossor
Segu para o porto cima o hyate S. Bartho-
lomeu tem parto do seu carregamento ; para ores-
to que lhe falta recebe a fretes commodos, a tra-
tratar com Bi.rtholomen Lourenco
Recite. 26 de Fevf reiro de 1886^____________
Lisboa e Porto
A barca portugueza Noemia, recebe carga a
frete ; trata- ie com Amorim Irmos ft C.
Vvenle Burlamaqui
2. leilao definitivo
De um sobrado do dous andares n. 61,
ra do Visconde de Itaparica, outr'ora
ra do Apollo.
luala feira. 4 do corrate
A's 11 horas era ponto
No armem A raa do Imperador
n. 9
O agente Burlamaqui, prr mandado e assistencia
do Illm. e Exm. Sr. Dr. juis de direito privativo
de orphos, levar a leilo o sobrado com bastan-
tes commodos, sito ra do Visctnde de Itaparica
n. 61, para pagamonto de impostos qne o mesmo
(leve. ...
Os Ss. pretondentes desde j podero ir exami-
nar o dito sobrado.
Aula mixta particular de instrueco prima-
ria, Deodata Ancua Ferreir. da Svd, ra Vi-
dal de Negreiros n. al._________________________
Aluga-se a casa com sota, toda caiada e
pintada de novo, sita ra da Fundico n. 8, em
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mrquez e
Olinda n. 8, lithographia. ______
AIuga>sc o armazem da ra do Mrquez de
Olinda n. 18 ; a tratar com Par nte Vianna &
Companhia
Aluga-se a caca com sota, toda caiada e
pinta la de novo, sita ma ds Fuudico n. 8, em
Santo Amaro ; a tratar na ra do Mar^uez de
Olinda n. 8, lithograhia.___________^^^^^^^^
= Aluga-se a casa do pateo de S. Pedro Novo,
em Olinda, n. 2, onde estove o Dr. Pitonga, do 1"
de marco at o 1* de setembro, tambem se aluga
um marto dentro do sitio, muito bom ; a tratar
no Caminho Novo n. 128. Tambem se vende por
preco muito em conta, ou permuta-se por apolices
da companhia de Olinda urna parte da casa na
ra da Impcratriz, que est eempre alugada ; a
tratar na mesma casa
------
= Na ra da Capunga (hoja Joaquim Nabuco)
n. 9, aluga-ie quartos mobiliados, indupendentes,
tambem se fornece coa. ida, querendo ; a casa
de familia csirangeira, flla-sc francez, ingles e
hespanhol ; a tratar na mesma, ou ra Nova nu-
mero 21.____________________________^^^
Os bilhe.es de um cavallo e urna carroca
correr com a ultima de Janeiro prximo pasaado e
transferidos para a ultima lotera de fevereiro, fi-
cam sem valoi algum, deixando assim de correr
em raza > da pequea extraccao dos meamos b-
Ihcles, ficando o direito alguns possuidores de
bilhetes que j tonha pago, a haverem seu di-
nheiro.
Pede-se pesso" que, por ngano, levou um
baba de sois, brochado com o rotuloLuiz Lave-
nre Wanderleyvindo no vapor Baha, o favor
de indicar onde se azh i, na ra do Livramento n.
12, e ser gratificado._____________.
I'recisa-se de uina cosinheira e mais al_um
servico em casa de pequea familia, na ra da
Aurora n. 81, Io andar.
Precisa-so
tris n. 41.
Miguel Moreira de Sonsa Mala
Maria do Carmo Mi>. da Porciuncula agradece
do intimo d'alma todas as pessoas que se digna-
ram acompanhar os restos monaes de seu idola-
trado pai, Miguel Moreira de Souza Maia ; e de
novo convida as mesmas pessoas para assistirem
as missas que se celebrarn na igreja de N. S. do
Carmo, no dia 6 do correte, s 7 1/2 horas da
manh ; confesando desde j a sua eterna gra-
tida por este acto de religio e candada.
(iailherme Dowsley
Quinta feira 4 do eorrente ser celebrada na
matriz da Boa Vista, pelas 7 1/2 horas da manh,
urna missa por alma de Guilherme Djwsley, tri-
gsimo dia do seu fallecimeuto.__________^^^^
ROQUAYROL HIERES
PASTILHAS
De ANGELtM & MENTRUZ
C
m
%
u
5*
as
2
e-i
5_~
5_>
O Remedio mels effiai e
Se$uro que se tem dexoberto ate
hoe pare iipeflir M lonbrlges-

9S
OJ
J
de urna am, na ra da Impera-
Precisa se um menino de 11 a 14 annos pira
servico interno cm casa de pequea familia, na
ra da Aurori n. 81, Io andar. ^^^^^__
Precisa se de nina pessoa perfeitamente h -
bilitada para tomar conta da adminiatracao de
urna padaria. dando bom conbecimento de sna
conducta : ple dlrigir-se rna ds Bemfi:a n. 7,
para tratar._________________
Aluga-se urna casa e armacao, na esirada
de Luiz do Reg, junto ao barraco ; a tratar
com Francelina Mana dos Santas. ________
Permuta-ie urna casa com pequeo sitio e
muito boa agua em um dos melhores lugares do
Arraial, independente de qnalquer negocio d e
ou recebe-se : na praca da Independencia nme-
ros 14 e 16.
1.4 [HIZ
4os4:000$000
itii.ni:11:* r.4tti*iiDO
^ra^a da independen-
cia ns. 37e 39
A:ham-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 41*, parte da lotera a benefici)
da matriz de Garanhuns, que so extrahir
ao dia 4 de Mar;o.
Preeos
Bilhete inteiro
Meio
Quarto
cb porcio de 1005000
cima
Bilhete inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto 875
Antonio Augusto dos Sontet Pert*.
4*000
2*000
1*000
para

ce
TU
ce
H3
O
O
ci
O
ce
g
CU
ce


E
O
ce
fe

ce
O
Q
Eugjehio Marques de Hollahda.

laxa*
1 c X/t^x4M^yvetxto'At< c Rheumatierno .Cancros,Bobas.bnptgens
e todas as molestias quelenho eua ongem
na impureza do sangue devida a s^philie.
"U**v
HMMaNiTM
vW*n.jyetyi**i0 cortee- .y,wx Oxc
*veuitet i

ABOftATORIO
*
-&&f&^-
CUTRAl OtTrBOOUCTOSlIOlCIUI
IW ua. de Visoonde do Rio Bra-noo
O
o
P

O
P9

i
=
O
O
O
0
S
P
O
CL
P
GC
1-*
T
o
fie
re
09
HWA0 BARATAS
Na bem condecida loja da ra Primeiro de
Margo n. 20
JINTO DO LOIVRE
Grande sortimento de madapol5es de 41500, 5*, 5*500, 6*, ti*500, 7*, /
75500 e 8000
Algod5es brancos, superiores qualidades, do 4*, 4*500, 5*. 5*500, 6* e
6*500.
Saperiores cretones de 320 a 500 o covado.
Batstes, lindro padr5es, a 200 e 320 rs. o covado.
Fu8t<5es brancos de novos desenhos a 440 e 500 ra. o covado.
Cobertas de garjga, forradas, do dous pannos a 3*500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrdes, a 3*000.
Lencoes de bramante, de linho de 2* a 4*000 a um.
Ditos de algodSo de 1,800 a 2*500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 5*000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 2*000 urna.
Lenjos de algodSo de 1*800 a 2*200 a duzia.
Ditos de algod3o, com barra, a 2*400 a duzia.
Brim pardo, claro, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Dito traacado, lona, a 1*, l*t00 e 1*200 o metro.
Cortes de vestido de cretone de 20* por 8*000.
Guardanapos de linho de 3*500 a 0* a duzia.
Grande variedade de anqunhas de 2* a 5*000.
Meias cruas para homem a 5*, 6*, e 7*000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 5* a 10*000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 2*500 o covado.
Algodao-trancado de duas larguras a 1*300 a vara. _,i/v*_\
Bramante de algodSo, de qnatro larguras, de 1*500, 1*800 e 2000 a vara.
Dito de linho dem dem de 2*, 2*500 3* e 4*000 a vara.
Lequea de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 1*000.
Merino preto e azul a 1*400 rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Velbutinas de todas as cores a 1*000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales do algodao a 1*200, 1*400, 1*600 e 2000.
Guarda p de brim de linho pardo a 4*, 5* e 6$000.
Oxford p-ra camisas, lindos padr3es, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Costumes para banhos do mar a 8* e 10*000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 8* 10*, 12, 14 e 16*000 o par,
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadorcs de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para homem e
meninos, para o quo temos um hbil official o um grande sortimento de pannos, brins,
casemiras, etc.
Quem precisar de alguna artigo bom e barato, dever visitar de preferencia
eBte antigo e acreditado estabelecimento.
) i
M Primeiro te Marco i. 20



-'







6
Diario de Pernambiuwi(tuarta-t'eira 3 de Mareo de 1886
\lnga-se barato
e 2.* andar travesea do Campellofn. 1
) armasem da roa do Boto Jess a 47.
1 casa terrea n. 18 da ra do Nogueira.
A casa terrea n. 23 oa travesa de S. Jos,
iloja da roa do Calabouco n. 4.
acata da ra do Viscoude de Goyanna u
l easa da Baixa Verde n 1 B Capungs.
i tratar no Largo do Corpo Santo n. 19,1* an
79.
\lU
iga-se
j ajrande sobrado n. 461 da ra Imperial, caiado e
n'-ado ; a tratar na ra do R ingel n. 58
Aluga-se
par 84000 urna casa eoui ala e 2 quartos, e sor-
redor servindo de quintal, no becco do Fund* n.
5, freguezia da Boa-Vista ; a tratar na ra de
Santa Thorexa n. 3a
Alga-se
barato a can tenca, cauda e pintada, ra de
S. Jorge n. 40, com 4 quartos, 2 salas, solea, co
naba fra,. copiar, quintal, cacimba ; a tratar
com Siqueira Ferr&s 4 C, ra d > Amo -im n. 66.
-''*na
?0 Ia i -*. < Altiva
i-se
karata a toja n. i 17, a ra de Marcilio Dias.
ra-se
AIii;;
_ casa tei rea com sitio, adan te da estacao do
Canipo Grande, com commodos para familia, todo
arborisado, por prreo eommodo ; a tratar no sitio
junto, a quaiquer hora
A uga-se
A casa dn ra di Marqaei do Herval n. 147 ; a
tratar na ra da Praia n. 6.
Para cosinhar
Precisa-se de una ama de ha conducta, para
casa defau'.a ; na ra do Viscinde de Goyanna
a. 219 (Manguinho).
Ama
rrecisa se de urna si para lavar e engoni-
na travessa d. s Pires n. 5 (Geriquity).
Precisase de urna ama .para cosinhar e com-
prar ; na roa nova de.anm Bita n. 47.
Ama de leitfe*
P ecisa se de ddii una d leite se-nkfilaoa : aa
ra do Mrquez do Ut rval u. 14.
JBr 8f ."^fc
Qo de Productos Vegetaes
^'NCllAS caspas
Lt-AS Moleatip* Capillares.
J/IARTINS & BASTOS
Venezianas
Compra se de dusB i quatro venesianas de ma-
deira, com corrente de metal, das moderan s, com
pouco uso ; ne piimeiro andar n. 22, ra larga
do Rosario.
Vdvogado
1|
Na praca do Conde d'Eo n. 7 segundo andar,
preeisa-ee de urna sas boa coeiuheira e de- boa
conducta, para casaade pequea familia.
Ajia p*ra cwiiapr
Ns>praca di C od* d'Kfi n. 4, 1- andar. Be
precisa de urna mulfcer de meia idada?j par cosi-
nhar, fazir compraa e algn serv-iea de caaa-tie
pequea tami.ia.
"-"recisa-se de urna ama que. cnsnha. besa, para
cata de familia pequea ; ua,raa Nova n. 13.
O bacharel Pedro Gaudiano de Ratis e Silva
mudou sua residencia da estrada de Joo de Bar-
ros para a ra velha de Santa Rita n. 89
A luga-Se urna casa pe-
quea
Na ra de S. Francisco n. 1, freguezia de San-
to Antonio.
No becco do Fundao n. 5,freguesia da Boa-Vis-
ta : a tratar na ra de Santa Tbereza n. 32, de
manha at meio dia.
IGUARASSU
K> .88.-200
(H!h Frac aet > Xa-
vrar Pites Barre tof
peda 4.a vez rogad a
v ir ou mandar a ra do
Mferquez de Olinda n.
5tt, dar umprimento
ao numero cima.
una
Precisa se de urna para engomraar e cosinhar
em casa de pouca familia, dando Sanca de sua
conducta : trata no pateo- da San/a Crua
b. 18
km
Precisa-se de una para eosiarhar e comprar
ra dr v'isconde de Gi \ma
Precisa se dr urna ama para cusa de timilia
a tnui'.c- Visconde ie Goyrmna n. 46.
Ani.
Precisa-se de
teiro ; so pateo
umarama para casa de rapaz sol-
eo Paraso n 18, taverna.
Anas
Precisa-*e de
tra para aaar
de cara de fami
n. 14, 2* andar.
Precisa se de
de p"uca famili
numero 16.
dual amas, urna cosinheirc ou-
eom duss'criancas e mais servico
lia ; a tratar na ra do Imperador
Ama
urna asa para cosinhar em casa
i ; a trbtnr na ra da Saudade
Vina rara engommado
Na na do Bemfica,
sitio em frente da es
trada que v> para os
Remedios, se precisa
de una iMulher, forra
ou escrava, para lazer
en^iiuiiados e algum
servido de casa de fa
milia. ____________
Quero ten?
' nurn e prala : compra se ouru, prata e
oedras preciosas, por maior preco que em outra
i.ua.quer parte : uo 1 andar n. 22 a ra larga do
Rosario, antiga dos Qnarteis, das 10 horas as 2 da
-arde, dins uteis.
Cosinheiro
Na ra do Vicario a. 17, s-- precisa de um co-
nnbeiro
Liquidadlo de chapeos para se-
nhoras
ende-se pelos seguintesprecos : de 15# a 20#
ra do Crespo n. 17. lina.
Viva o carnaval
Comprase vestuarios novos e usados ; na ra
da Insperatriz n. 78. __________^^___^___
Na cidade da Escuda
cansawi-se onrt>, prata, patacoes nacionaes e es-
traogeiroe, e m edas de onre ; na ra do Com
mercio n. 19, estabeleeiaiento de Antonio Fran-
cisco d Araujo Costa.
Escola par cu lar
Be iDMtrncrfts primsrla para o sexo
mn< ulin*
3s Rua da Mut-it da Boa Vist<**-34
0 abaizo asaignado participa ao Ilustrada pu-
blico desta capital, que atrio saa caceia particular
de instruccao prim ria para o sexo rnaacnao.
roa da Matriz oa Boa-Vista n. 34, onde esssera
damente se dedica ao eniino de eeus alumnos.
O grao da escola consta : ler,escr> ver e contar,
dessobo linear, bistsT'a patria nocerde trncez.
Gnate umr.pidc sdiantamenlo eraseus alum-
nos, pelo seu systema de ensiai, o qual uma< pa-
ciencia Ilimitada, um amor inviolavel e unra-.es-
n.erada dsdicaejki- ao entino, fazendo com que os
seus decipulos abraoem e amem de coracao as let-
tras, aos ivro, e ao estudo, guiando cj no cami-
nho da intelligencia, da honra e da dignMade,
aro de que vsaham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religiao e da le, e um rerdsBteiro
cidadao brasileiro.
Espera, pois, merecer a confian aa e proteecar
do dittincto povo peroambuoano, e em partcula:
tem f robusta em to ios o pas e uteres de me
amos que queiram sprovaitairinn rpido adiaata-
mento de seus filhos e utatados.
Com quantc ouwwta ssja mta tentativa, todava
espera que es seus ioi-ansaveis esforcos, e os seus
purs desejo, sejam coreados com a feliz appro-
vacio de todos os filhos do imperio da Santa Cruz.
MeDtalidade2#000 pagos adiantados, no acto
da matricula.
Horario das 9 horas da manha as 2 da tarde.
Recebe meninos internos e meio-pensionistas
por mentalidades razoaveis e lecciona per casas
particulares a ambos os sexos.
Jnlln *rcie A/fvrdo
34-RA DA MATRIZ DA BOA VISTA34
Ao publico
A verdadeira e beai enhecidaifomma de mata
rana e arsrufs, preparada porJshsoyma Coussei-
ro, ven ie-se em pscotes de libras e meias, nos
seguintes lugares, por ora : boa-Vista, ra da
Auroran... stabeleoimeata de Sr. Joaquim de
Vasconcelles ; ruada In.peratriz n.2, dos Sra Mu-
noel Moreira R beiro 4 l'., e na da Baro da Vic
toria, no doe Srs Pailo Jos Alves & C.
Satisfaz se quaiquer encoininenda deste genero,
com perfeicio e modicidade. ra do Riachuelo
n. 39.
PILLAS
Fexirxa.orixs.oBi
JURUBEBA1
BARTHOLEO a C
Phrm. Perajmu
l^sHWlMailsst>glraa de san fnJ
^BSacifirir a. Etsaig-naturs
.
fae*)* &?c' ;:U;
1% tm w*^ >^^ Wk Hk:#?** m "*'
1
^
^- .
. I; ,- AP6 *> -^ ^- ,
-K**-"' '. .',.|-

SABONETEdeALCATRAO
FABA A TOILETTB, OS BAHHOS CUIDADOS A DAB AS CRIAHCAS
Este SABOSETB, r*rda PWOLESTIAS DA PCLL.E
SAPO CARBONIS 0ETERGENS
j vossas enancas con o HAfit i.iKHONIS DETKitUKKS aflm de proteuel-os contra
o SARmMPO, si VARILA e a FCBRE ESCARLATINA
Kstes SABOXF.TF.S sfio rceoiiimcndados pelo Corpo medico lntelro porque prevlnem as
MOLESTIAS EPIDMICAS e CONTAGIOSAS e te adapto a quaiquer clima
M*HCA lili KABHICA NOS KNVOLKHOS K NOS V\f.S
esipsi-to sreral 17V. "V. 'WRIGHT SZ. O*, Southwark, LONDRES
Eian. Fernambuco Pran- 3VC. Aa. SILVA & C*.
' L.AAWhiiii '- ,-AMBnealia r "iWiSSSl^ H > arlAA -t B1LDICAKE: ,. nal -olo al'-avo,, U^umJo oo.i. $c*a0 xito ha
u. iis de ZO asnos pelos mclhores Mdicos de Parlz. cura os Defiuxo, Gr%i>e, Totte,
AorM de Gar r \ m /VTI5B
8
A\enji TUril
,-y
Os abaizo assiguados, tendo adoptado e regis-
trado a marca industrial como do desinho i cima
?e coeformidade nom as prescrip^oes das leis em
tigor declarara ao publico e particularmente aos
eus numerosos fregueses, qae d'ora em diante
odos os productos qze thirem de saa botica le-
varo a diu marea :< rr.o garantia de sua origem
legitima preceden'h.
Roa icijiiisifiiii
Vende n- a nJatrs de vinagre e cerveja ra
Ja Senzah n 12, |io:- pre^o muito barato, por seu
lono ter de retirar-se tem muitos utensilios para
fabricar quaiquer ciii-se de bebidas ; a tratar com
Eduardo Mareros un inesma, ou *o Entroncamento,
asa do fir. Carpinteiio Suuza.
Adiado
O meuKv a quem ti.it-.- um instrumento de ci-
rurgia, pue procralo M ra Dt-que de Csxias
n. 18, 1 andar, que datdo os sigoaea certas 1 pa-
gando as despezss, se 1 te entregar____________
Borracha para limas
Seceberam Rodrigues de Faria ft C, e teem
ara Tender em ten armazem roa de Maris e
'arree a. 11, esquine ds ra do Amorira.
do
*m

n
Laureado pela Academia de Medicina
Cavalheiro da Legio de Honra
UQ;fHATOd.CAL GHELt-^
&&
o&
O Phosphato de cal a substancia mineral mais abundante do organismo e toda ves que sua
quantldade normal dlmlnuc resulta umaalTocco oivanict grave.
Mats de cinco mil curas, a mor parte justltlcada pelos Professores e Medico da.< Faculdaiies
forao obtidas ultiinamcnte e ilzerao com que o Xttrope do D' Rr.inrMier fosso ciassllicailo
como o especule mais seguro contra a Tsica pulmonar, Broncblte "tronica. Anemia
Kactaitlsmo, Xlebilldade do Organismo. 0 Xavope to !>' Reinvitlier administrado
diariamente as crlancas facilita a dentlco e o cresclni-nto i as mes e amas de leite torna o
leite melhor; lmpede a carie e queda dos denles tao frecuentes depois da preaUez.
Depoalto: Pharmacia VXSaaTQVa, 8, PUee de la Magdeleine, PAtn.
Em Pernambuco: FRAJI* Jf. ta Sil, VA Si f, a nai principan Phtrmaciat a Drofiriaa.
.^aeM,>r Jwit(*-.?--*.**5*v-^~^-.-
Cura rmpitlm e errta pelo
ARSENIATO OURO DVNAMISADO
do rtoutor ADDISOIV
dm Chioroee, Anemia, todu m Molestias do Systems ntrroso, ssniiin ss ^
mal* nbeldas, Moles'Jas chronlcas doe PulmOei, oto., sto.
Ai miloraj IlloatraoOsa medicas lm sttasledo o poder oaisUto denla madlOMmass askru
o primeiro o mat enirgieo dot rtconstdutnua
O FRASCO > 'RANGOS (1S nuu>CA| y^
Too* /ratea am nao trouxer alarcatt Fabrica registrada aulgruitura*-??J'*lm F'**1*
deve ser rigoroaosaente reousac'D. S^y2^ rfwfa
as .fenesnoaart. as. _/
Cs osito em Pernambuco : FRAN" M. da SI UVA & C*.
-rmrmr-rn n p wmrm-armrvrm a- ->-
....... .
P"!^! Kfi tpdqa :s Hlln 9 Cabelioirf
...


-
-* -
'" "" I
.: V F v.m
VINHOgilbertSEGUIN
FEBRFUGO FORTIFICANTE 8fl("Ofsoo pela Acadami de Hadiciin drParit
a es
Sessenta anuos de Experiencia
le de bom xito tem demonstrado a efflcacia ineontestavel deste VOTO, qnr como anti-t
[ai'tastsee para cortar as Febree e evitar o seu reappareclmento. qur como fortificante as'
\Oonraleacenyas, Xtebtlldade de aanyue. Taita de Menitruaeia, Znappetencla, Ptyse |
i dalo >ls, Snrermldadee nervosas, Debilidad* causada pela edade ou por excelsos,
far FisaJn, 9U9 conten mal principien activoi do que o preparada aimilarta, rende-es por prseo mt <
Seo as deve objeotar contra o presa am rala da raoonhacida afeacla do madioamaatt.
1TJEV, 378, ra Satnt-Honor. PARS
Depositarios em Pernamtmco FRAK- M. da SILVA e C.
OLEO 1 RGUEIRO-CLARO
de FIGADO D BACALHAO
do D^ DE J ON G H
OavALHCIRO DA ORDCM DE LEOPOLDO OA BLGICA.
v."."LHElhO DA LCOiXo DE HONRA DE FRANCA,
OOMMCNDADv" >* ORDEM DE CHRISTO DE PORTUGAL
Reoonhecido pelas primeiras autoridades medicas como
lncontesUvelmeute o mais puro, o de gosto mais agradavel,
e o mais cfflcaz de todos
Contra a TSICA e as MOLESTIAS de PEIT0, ,
a DEBILIDADB GERAt, o EMMAGRECIMENTO das CRIA10AS,
RACHITIS e todas as ArfECf OES ESCR0TTJL0SAS.
US?~ Vsnde-se SOMKME am garrafas que levao na capsula o
sello s a assignatura do D' DE J0NGH s a assignatura de
NSAR, HARFORD A C. Cautela con as Imitaces.
OBCK COdBMMos. NSAR, HARFORDI C. 2iG, HiQb HolDorn, Londres.
Vindi-b tm todas as principaet Pharmaoiaa do Mundo.
Catarro chrorHco ta bsxiga
irritaban o uanal ato untra
Molestias de orostatc.
i incontinencia da Urina,
Arsn na urina, ate.
WA ?3 N, Pharmaceutico-Cr-. rr:'
nu ouaGLawt, t, PARS
MORSOIs PEPSINA
RBgfJto IntaHel e ?gra*iei
PtPA COUBArii It A
INDIGESTAD
Sob a forma de
FRASCOS, POS
0U GLBULOS.
VENCESEn* HUNDO INTEIftO.
I KM'AI: K>.
Muito reccimendadas
pelos pWftopaaj Medien.
ORSON eV SON
SontlisplaatoT, ftaiseM-Sqaara
UONOON
DWJsiUrios es Pernambuco : FrurM. la SILVA m C
DAY& MARTIN
Fornecadoretde Sua Majeitade a Rainha da Inglaterra,
do Bxerclto e da Marlnbt britannlca.
GRAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXAe.PASTANCTUOSA
OLEO para ABBXZ0S
E Udo o gaa i nsc sur i o paras mMutsafis st cerri
ss* todu is KraM.
DEPOSITO OKRAL BU LONDRES:
7, High Holbotta, 97
slasansii: las** H. IA mu fc f.
Ao publico
Urna senbora habilitada se offerece leccionai
srimeiras lettras e trabalbos de agulha em colle-
prestimos precisar, pode dirigirse ra do Co-
-onel Suassuna n. 72.
Leonor Porto
n 45
Ra do Imperador
Primeiro andar
Contina a execntar os mais diiceis
figuriuos recebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro. -
Prima em perfficSo de costura, em bre
vidade, modicidade eoi grecos e fino
gosto.

Coi.ipra-sc c paga-
se mais do que em ou-
tra quaiquer parte bem
como
de quaiquer qualidade.
Na ra io Imperador
ii. 32, loja de jotas.
Julio Fuerstemberg.
Mudou ih residencia
O Dr Maduro, medico parteiro, mudou sua re-
sid n.iti pira a ra da Imperatriz n. 88, esquina
la d H'jspieiu, 2o andar, onde s-r tncontrado a
quaiquer bota da Bflte,
Borracha espeeial
para limas ; receben a mereenria de Goncalo os
da tsma, ra do Padre Floriano n. 41.
}
W
4^
K
\
?


^ tfy
PlLULAS
* TO0AS OS U?OS
Prgame as Familias.
Branca
(ioslumes de casemira
A 30* e 35*
Na nova loja da ra da Imperatris n. 32, rece-
beu-se um grande strlimento de finissimas case-
miras inglesas oe cores claras e escuras, que se
venden or precj muiro em eonta, assim como das
mesaias se nundam faser costums por medida,
s-ndo ds paleto! facco a 3 A0D0, e de fraque a
3" ; assim coui > ,1c superior flanella ingliza de
cor asu1 escura, a 30A e 35, a tamb m das mes-
mas fasendas se manda fazer quaiquer peca avul-
sa, grande pechincha ; na nova loja de Pereira
da Silva. ___ _______________
Advocados
Manoel Netto e B^venutj Lob > ; ra Duque de
"axias n. 75, entrada pelo pateo do Oollegio.
BISNAGAS
Emilio Roberto aca-
ba de rece!>er as afa-
madas bisnag'as fran-
cezas, as quaes vende
em grosso e a retalho.
w>mi mmm
17-Rua do Bar^o da Victoria-17
Compra-se
A Historia da Re-
volu^o de .848, pelo
Dezembargador F i-
gueira de Mello; no
escriptorio deste Dia-
rio, 2 andar predio n.
42 da ra Duque de
Casias.
/
O ubaixo firmado, mudando sua residencia desta
capital para a do Rio de Janeiro, deixa exposta
venda sua pbarmacia a na do R.uigel n. 48, e
para o que faculta poderes especiaes aa *r. Jos
Caetano Baptista dos Sauroa esUbelecido ra
d> Crespo n. 7 (Gallo Vigilante), para vendel-a de
accordo com o preteudente, e bem assim reci ber
dividas qie nSo foram resgntaaa.". Recife, 2? de
fevereiro de 86.
Joaquim E. Cotia.
RELOJOARU
ALLEM
Prav do Coas-
Iheiro Salda-
nho M.-irinho
n. 4.
Aniga da Ma-
triz de Santo
Antonio nume
io 4.
Tendo eu aberlo urna of&Vina de relo-
joaria com o titulo cima recommendo-
me ao respeitavel publico para fazer
quaiquer trabalho, at o mais difficil na
miaba arte, como j prove como em-
pregado da relojoanaregulador da
marinhaonde Irabalhei os ltimos
(lous annos, prometi presos mdicos e
promptido
Cario Fuerst.
Cava I lo fur ado
Furtaram ant- -hontem da porta da taverna n
37 da ra do Rangel, sto emquanto o cargu< iro
entrn para comprar uns gneros, um cavallo can
csssunes, com os signaes seguintes: rudado qua-
si pedrs, castrado, um pouco curto, arrasta os
ps,por ter soffrido de rengue, com os ferros do
lado esquerdo C c do digeito P.
Rog-se portante, a quem o deseokrir, leeal-o
a ra do Imperador n. 16 que se recompensara
generosamente.
D. Anninha tai i'inbora
Om du8 eriancas, Miguel e lf' io,
Em 23 d- Fevsreiro de 87,
Sem recei'j e sem medo.
. D. Anninb i fifi enibora
Sem sobreaso e sem espanto,
A 23 de Fevit-iro de 86,
O m tres contos e tanto. ^
D. Anninha fui enbora,
Em companbia de um uagano?
J tem idade s il'rivi 1,
Passa de 41^anno.
Quem esta descobrir dirija se piaca do Con-
de d'Eu n. 12, que ser gratificado com 50*000.
PlLULAS
JURUBEBA
BARTHOLOMEOtC*
Pnarm. Pernambuco
l Curio as Seaies, c todas as Tobro |
Intermitiente.
15 ANNOS OE SUCCMSO!
BJacioir a. asaiona'tvixsiy
E' tini sber-sc
Declaro que nao se entend- c ni nigo O chama-
do dos Srs. Ase ve lo Braga A (.'.. no dis 28 da
Fevereiro.
Recife, 1 de Mareo de 1836
A.l Iph l L'-Snl- d Si Vi.
k. de \mm i c.
M d9 Bom-Jesas 118
(ANTIOA DA CRUZ)
Oasa de tominis >es
Grande e vaiiado sortimento ae amos-
rae c cataiogea de prodnnoltes dr. AUema-
>ha, Franja, Ing!ater talia e Estado-Unidos.
N. B. Informa^Ses sobre raachinismoi
friclas. Hitas vwr? engenhos > nt!-.:ear
ooibas, etc. par:, aaitn o'ttraa 'oa,
binas e utensilios
Joe Paulo de Mego Brrelo
A sociedade Re reio Dramtico Santo Agosti-
nbo do Cabo, manda, no dia 5 do correte, oa
matriz da cidade do Cabo, rosar urna missa por
alma do soci? Jos Pau o do llego Bu .. to, con-
vidando pora asst'r a esto acto di: -arid ide e
religigo aos parentes e amigos do tinado.
Ilerrulano de Barros* e Uta
A viuva, filhos, erteados, padrasto, mai, irmos
o cuneados de Hercnlano de Barros e Silva, fall
cido no povoadoCanhotinh-), convidam aos mais
patntese amigas ds mesmo finado para assisti-
rem as missas queem sufiVagiode sua alma serlo
resadas na capells do engenho Aripibu" no dia 3
de marco preximo 7o de seu falleeiraento manifes-
tando desde j o seu reconheeimecto j,or ej!e acto
de cridada e rdipii.
alos Paulo do Rogo Brrelo
Mara da Conceicao Lins do R< go, Mana Anua
(-nenor), Mara Anna di Rega Cavalcanle da. Aa.
buquerque, Florentino Cicateante do Albuquer*
que e Clarindo Herinrt.) Lina, nulher, filha,. irma
e cunhadosdo finado Jos 1'auio do Reg Brre-
te, cordial ment' agradecem s p -sjoas (ne se dig-
narain acompanbar sepultara os >eus restos
mortaes ; e de novo cenvidam ks mesmas pesooas
e amigos para a missa que mundano celebrar na
matriz da cidade do Cabo, As 8 horas da inanhi
do dia 5 do correte otea, stimo 'i seu f.illeci
ment.
Julia Bodrlajaea loa Sanios
Antonio Jos Rodrigu-s d- Sousa e sua esposa
mandam resar alRUirns BMSMH i-r alma de sua
eempre lembrad-t liiha Julia Rodnirues dos San-
tos, na igreja da ordem ttreeira i' Jarmo, s 8
horas da manh, e na igreja de >: da Peana,
s 7 horas, no dia 3 do corrente, 2" anniversario
do seu fslleeimento.______________________
mmmmmWktamBmm}^: 29BBa*saHalaaaai
Coronel l'riu '-o Mauool de
san o Oilveira
Gaspar de Druiuam! > Gaspar de Di ummoud
Filho mandam cdaBrar na i.:iej. du Carmo, s 8
horas da leaiihi do da 5 reposase elirao do-sea amigo > e tron! Fruteases
Manoel de Souaa e Oliveira. Para esse acto de
caridade convidam os parentes e amigos do fi-
nado.
V
liEBrfL


"*'"
" 44' *
Diario de PerDambuco--:Uuarta -feira 3 de Mar$o de 1886
Si .
>
i
f
Este remedio precioso tero potado da acceita.
tao publica durante cineoenta e sete annos, com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1627.
Sua popularidadc e venda nunca forSo tao exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
offcrece a melhor prova da sua eficacia mar vi I-
bosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem deixadn
em caso algum de extirpar os vermes, quer eni
creancas quer em adukos, que se acharo afflic-
tos destes kiimigos da vida humana.
Nao deixamos de recebar conitaiHte
attestacoes de mdicos em favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificaseis, de
sorte que deve o comprador ter muio cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
^ermific fie B. A. FAHNEST9CK.
. -

:^i
-
-

P :
! 1 gfjg
: t - _-r-
m isla siil
|i*i
- i* lili
1*2 r. 5 s = t
= _* ' 3

fifi
O iTc*""
i'B -5 " ~ r

- 0 - ; 1
--* 81 "
~r> le e
si
t 0 i 1
r< -: E
-> ~ ~ -
3 l
a 2
al
h
;
sil iiocnnvv
05 ESPECFICOS veterinarios
H0ME0PATHIC0S3=i
Tff HUMPHREY.
Para a cura de todas as doencas de
Camilos, Gado, Carneiros, Caes, Por-
0Mj Aves
Tem sido nsado com feliz resultado po-
Facendeiros, Criadores de gado, (Jar-
ros-ferris, etc., etc.
CVrtiiraao e atado pelo (rareno d*
Estados IMMm.
|y Envia-se Folhetos e Caitoe* gratis.
HUMPHREY'S MEDICINE 0.
Especifico Homeopathlco d*
HumplireyNo.28.
Usado ha jo imnos. O nico remedio efficax para
Debilidad Nervosa, FraquezaVital
e^u t^ill, por tal^t levo tiIbalho uu outra caaaas.
$1 por jrrala, ou cinco garraCue l ganaiaoc pa,
$5.00, ooro americano.
, A'vnda roe todos os DaocoiSTAS. Tamban
envia-ae pelo correo pelo preso do oosBune.
" ,11-e a "Humplarejit Hcmeopathle
9Fulton
Di ri|a
Medicine Co." 10 I
on SU >"ew-York.
QUILL
EMBPOIDERY SILK.
(Seda de Bordar.)
QUILLBUTTON-HOLE TWIST
(Retrox de Seda para tascar.)
Julgando ter de; grande tatilirlarle dos negociante da
America do Sul, terem nos de seda e retrox prepara-
dos em material rnats leve do que sejini ina iide
o, estamos promptos a forccr para exportado
nos de seda, retroa de seda e seda de bordar, da
todas as qualidide, pseparada em lancedcaras de
papel ou efe peonas como cima representado.
Temos iodos os lamanos de fio preso e mais de
quinhentos cores. a
Dinja-ae* "Bramard k Armaurong Co."
6ci Market Street, 469 Bsoadway,
Pluladdphia, l). S. A. New-York, V. S. A.
(AMIMIOS DEFEftitO
PORTATEIS
DE
&
Criado
Preeisa-se de uro, para casa de pouca familia ;
a tratar na ra do Mrquez de Ofinda n. 6.
Para advocado
Aluga o a sita do 1- andar a rna Duque de
Caxiaa n. SI, tratar na leja.________
Precisa-se de urna pro-
fesara
A aenbora estrangeira que estiver proficiente-
mente habilitada e quier enainar n eacrever e a
tallar com perfeieao as linguas francesa, alloma e
inulesa, a:aim como a dar liceg de geographia,
bietoria c piano, a urna menina de 11 annos de
idade, a qual tem j principios de todos esses es-
tados endo pessoa de boa educaco e com intes-
tado de sea merecimento, pode dirig.r-se i. cana
u. 199 ra do Viseonde de Goyanna (Mangui
nho), ou indicar a sua murada para se efiectuar
um contrato que a authorise it desempenhar o en-
cargo de proessora. _____
Kegente
Precisa-ee de utea senhora de boa conduct. que
quein tomar conta de urna casa de um moco viu-
vo; a tratar na travessa das Cruaes n. 8.
Viagens ao centro
De Olinda parte t >d.s ua sabbados, 4s 4 hora*
da tarde, para Itamb por Iguarass e Goyt.una,
urna diligencia ; paesagens a tratar na ra iu de
Marco n. 1, no Recito. Viagens avulsas cm tiual-
quer dia, e para qualquer parte a tratar no mes
mo lugar. ______________________
Filis
Fax-se filha, eommuns e de formas, e Tende-se
dece de caj secc e de caldo, ambos bem acondi-
cionados em latas, proprias para presentes : na
ra da Matrix da Boa-Vista n. ?.
Precisa-se
de urna ama ; na ra larga do Rosario n. 38, pri
meiro andar.
Para cosinhar
Na ra de Joaquim Nabuco n. 3. entrada da
Cupunga, precisa-se de urna urna com urgencis,^
Cosinheiro
?rttiaa-ap de um c sinheiro ; a tratar na iua
e Paysand n. 19 (Passagem da Magdalena), ou
1:1 do Commercio n. 44. ^^^^^^
e setioetae lisas mnito largas, tendo de todas as
cores, a 500 re. ovado pichincha : na loj .
do Pereira Ja Silva. a^^sv
crinen preto* a l'.OO f}f#MV
Veod-oe meriua pr tja de duas larguras para
vestidos e roupas para meninos a 1S200 e 1600
o ovado, e stine&mr setim preto para enfeitas a
l'#600. a>sim cono chiras pretal, tant-i lisas como
de lavoures brancos, de 340 a' 920 rs.; na nova
laja de Pereira da Silva ra da Imperatris nu-
mero 32.
a.lKodaoxiiitio francei para lensje
a OOrN., 1# e ltttOO
Na luja da ra da Imperatris n. 32, vende-se
superiores algodaozinhos franceses eom 8, 9 e 10
palmos de largura, proprios para lencees de uro
s panno pelo barat preco de 900 rs. e ltlOOO o
metro, e dito trancado pa a toalhas a 14280, as
sim como auperior bramante de quatro larguraa
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na loj a
do Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A *. 4#KOO e O*
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, se
vende um variado sortimento de vestuarios pro-
prios para meninos, sendo de patosinho e calci-
nba curta, fritos de brirn pardo, a 4*000, ditos
de moleaquim a 42500 e ditos de gorgorito prato,
emitando caaeuiira, a 6*, sao muito baratos ; na
oja do Pereira d 1 Silva.
Fazendas finas e modas
* .*..= Rua do C abriga B
J Bastos fc v.
(TELEPHONE 359)
Avisam as Exmaa. familias que receberam de
Pariz:
Lindissimos cortes para veatidos com tecidos da
mais t alpitante novidade como sejum: Etamine
com b' rlado a retroz, seda crua bordada a capri-
cho, Cachomire com enfeits bordados a fil
Moda 1886
Valentionne en ecorce d'arbre.
Primorosa eacolha cm vestidos <:om 20 metros ds
la ligeira, tecido ainda nao conbecido qni.
Cores e desenbos novissimas n..s seguintes fa-
zendas de seda, l e algodSo. Etamine, Hurab. Se-
tim, Failles, Linn. Toile d'alsace, Cachemires.
Explendido sortimento
Em leques, luvas, espartilhos, laoos, lavalrre*.
meias, lences e muitos outros artigos que se ven
dem por precos sem competencia.
co de 100 rs., 00 em carta o tom 50 prcas, sorti-
daa, por 5J, aprv> tem a pecbincha ; na loja da
esquina do beeco dos Fvrreiros.
Fusles de setlneta a 500 rs o
ovado
Alhetro Se V. rua da Impi'ratriz ven-
dem um bonito sortimento de fustScs brancos pelo
baratinbo preco de 400 e 500 rs. o eovado, assim
setinetas lisas, tendo de todas as cores a 600 rs. o
ovado ; na loja da esquina do beceo do Fer-
reiros.
Canarios dAlemanlia
DE
C. Brandimi I ler
Vende-se na rua do Imperador n. 22. O men
mo ompra oncas, giboa, tamandas banderra o
eorcodilos. __________________________
A 240 rs. o mlho
Vende-se no armazerr. Travassos, palba de car-
nauba; caes da Companhia Pernambucana.
WHISKY
BOYAL BLEND marca VlADO
Este excellente Whisky Escesset preterrv
ao migMe ou agurdente de canna, para fortific
o C'irpo.
Vende-sf a retalho noa melhores armazens <
nolbados.
Pede ROY AL BLEND marca VlADO cujo m
me e emhl"ina sSo registrados para todo o Braz
UROWN8 fe O., agentes
Aluga-se o ebradinho do be^co do Qu'bo
(Afotrado.), com quintal jrrande e diversa* pes de
fructeiras ; a trstar ni rua de Martillo Diar. nu-
mero 106. ^^____
l ni rnbruiho contendo msicas
Pede-se a quem foi entregue por engao, ou
acbou um maaso de muaicas com endereco a Be
larmino da Costa Donrado, o favor de entregar no
eaeriptwio do Dr. Alcoforado A rua 1 de arco
n 4, que aera recompeuaado.___________^_
Ao Carnaval!!!
DralumbranK' expossieao de coaitu-
ne. mascaras. caliellelra, etc..
QuLia-teira, 4 de Marco de 1886, s 7 horas da
noite na rua do Duque de Caxias n. 25
O popular Aawelaaa, ja bem conbecido do
publico desta eapital em materia carnavalesca,
exhibir no dia e hora cima indicados a sua im-
portante exposicao onde os amantes da folia en-
contraro para alujrar magnficos vestuanoa des-
de 500 ris ate 50*, nte s para cavalleiros como
tambem psara aenlioras e eswontrando quem em
sua casa se fr vestir os necesaanos maodoa.
Pagamenlo adlantado*
VEBDAS
- Vende se um sitio ae cosjneiros, com grande
estensao de terreno, boa casa de vivenda, bem
localisado, no lugar da praia do N. 8. do O' de
Marau.uape, da comarca de Olinda ; a tratar na
rua do Rangel n. 9, padaria.____________________
Em vista dos grandes progressos da idea de que
se gloriam as naces civilisadas, o commorcio
deve ae inp.nhiir <-?se pro^resso, visto que elle
o mavis 1 'ir si el> ment do engrandeeimento das
na<,-. ; 1 tu ata rio que annuneiam
-.' LBT1MS CAPITAO ft"C.
1 I,'.1:1 1 otreita do Rosario 1
Qraud" a rlimento de gneros alimenticios, es-
coihu d. lUues, oa annunciantes teem sempre
maia cuidado, para bem servir os seus numerosos
fregu es L^mbramos, p is, o proverbio :
Quem nao ex < > menta, nao sai e
Vtnh..m v Queijos, flamengo e de Minas.
Fiambres ingleses.
Chocolate francs Menier.
Dito do Maranbao.
Fructos seceos, como :
i':'.ssas, auiPdoa-, figos, etc.
Ditas nac naca.
Doce de todas as qualidades.
Bolachinha inglesa.
Semcates uovas de hortalicas.
EspecialiHde etn
Vinhos finos do Porto, Madeira e Shery.
Ditos da Figneira e de pasto.
Cognac de diversos autores.
Vinhos toincn?, como :
Absintho.
Vermoatb, etc.
Licores de tod.-.s as qualidades.
Champagne.
Cerveja de diversas marcas.
Bem assim :
AraruU fina em paeotes.
Cha verde e preto.
Dito perola.
Especialissimo matte do Paran, em p.
Aiada mais :
Ovas de peixe.
Sardinhas de Lisboa em Salmoura.
Vendem Martina Capitaj & C, roa estreita de
Rosario B. 1. _
AOS AGRICULTORES
Formicida capancma (Verdadeiro) para extisse-
go completa da formiga saura. Vendem Martins
,pitao ft C, rua estreita do Rosario n. 1.
SAO AS SEGUINTES PARA, ACABAR
SO-Roa Duque de Caxias--59
Toaile de nice, lindas cores, IB, 14400 o eo-
vado.
Damac de seda bureada alio dito.
Stidaa bordadas, tinas, a 1*800 c 2* o dito.
St'tim Maso de todas as ores, a 1* e 14400 o
dito.
Dito dito preto, a 1*200, 1*500 e 2* o dito.
Cachemiras para vestidos, al/ e 1*400 o dito
G. rgurinas matiz:iil>is de todas as cores, a 400
e 500 rs. o dito.
Setinetas lavradas e lisas de todas as cores, a
MX) e 560 rs. o dito.
Faile com lindas cores, a 460 e 640 rs. o dito.
Mirina pretos a 1*. 1*200, 1*400 e 2* o dito.
La de qundrii'hos, con lindas a 700 rs. o dito
Di i a de todas as cores, a 400 e 560 rs. o dito.
Popelinas de seda a 300 n 320rs. o dito.
Alpac a lisas, finas, a 360 e 460 ra. o dito.
Futitao de corea para menino, a 320 e-S^Ors. o
dito.
Casemirss pretas a 2* 2*200 o dito.
Ditas de cores a 1*500 e 2fi o dito.
Dit-.s ditas finas,ingleHB, a 3*500 e 4*
Cortea de casemiras eom toque de mofo, a 2*800
e3*4D0. ^^
Ditos e dita perfeitoe, finas, a 6*500, 7*500 e
10*.
Damasco de la com 8 palmos de largara, a 21
o eovado.
Dito de algodao i 600 rs. o dito.
Dito brino' bardado a 500 o metro.
Atoalhndo de Hubo fino, alio dito.
Cortes v easen.ta a 1*400, 1*800 e *
PiSbs d.- pellucia, 6 Ditos arrendados, a 2*500, 3*500 o 4*500.
Ditos de 6da, lidas cores, a 3* e 3/500.
Chales de easnnira, a 8*500. 51500 e 7*.
Ditos de algotia<\H 1*. c 1/800.
Colchas de cores a 1 *50U e 2*.
Ditas porte guezas (muito grandes) a 12/ e 14/
Ditas de ervliet a 1C/, 12 e 15/
Caprllascom v' (para noivael a 10/ e '6/.
Enxoviies para biiizn'ln, a 10/ e 14/.
Camisas para senhoru, a 3/500 e 5/.
Saias dem idem, bordadas, a 4/ ec s/500.
Toalbas de labenntho ricas (para baptisado) a
60/ e 80/.
Cretones aara vestidos, lindos padrees, a 280.
360 e 440 rs.' o eovado.
Chitas claras, finas, a 240 e 280 rs. o dito.
A* raa Duqsie de Oaxla n. 5
Uro i Gubi&G.
Refinado
Vende-se urna refinacSo muito afreguezada, e
oa merhor loeai desU cidade, auto para venda
em retalho como em grosso : a tratar oa rua Vi-
dal de Negreiros, padaria n. 147.________________ !
Camisas nacionaes
A SftKOO. SttOOO e S/500
32 = Loja rua da Imperatris = 32
Vndese neste novo estabelecimento trm gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber
turas e punhos de linho como de algodSo, pelos
baratea precos de 2/500, 3/ c 4/, sendo tasenda
muito melhor to qu" as que veem do eetrangeiro e
mnite mais bem feitas, por serem cortada por
wn bcra artista, especialmente caraiaeiro, tambem
ge manda faser pur encommndas, a v.ntade dos
fregueses : na nova loja da rua da Imperatris n.
3 de Ferreira da Silva.
DE BRUXELLAI
Constructores do melhor material pare
^aminhos de ferro industriaos. Fomecedo
res dos Arsenaes e caminbos de ferro de
-stado belga, do Governo colonial das In
lias Neerlandesas, etc., etc., etc., etc.
Vas frreas prtate!* -desmon
cavis xas, trilhos de ferro e de ac, por
precos inferiores as de qualquer outro sys-
tPtna, sendo mais duraveis e m s prati
iOB.
Pequeas loeomotlvas wago-
aetes especiaes prra fabricas, ezploracSee
agrcolas, aterros, minas e engenhos de
assucar.
Estabeleuidas no centro do um paiz qu?.
prodnz ferro e age as mais econmica?
leondiyoes, as oficinas de Verharren & de
Jager, alm da sua situacao em urna loca
idade onde a' raao di; obra barata, go-
sam da vantagern de ter urna organisacSc
seria e especial para a construcaao de ca-
minhos de ferro ao alcance de todos. Os
seos precos desafian! a qualquer concur-
rencia.
Para informacSes circumstanciadas din
jam se a
JTheo. *l ust
2 LAEO DO CORPO SANTO 2.
Remetiera se catlogos Ilustrados quem
pedir. _____________________^^
Compra-se
Urna moenda usada em pi-rfeito estado; quem a
tiver annuncie pt* este jornaL
"MDSTA
Rua
n. 3
da Peala
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeia fi
gurinos recebidos de Pars e Rio de Ja
neiro.
Prima em pcrfeiylo de costara, em bre
vidade, motliciciade era precos e fino gosto
Ao32
3
Nova loja de fazendas
bS Rna da imperatriz = -i%
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um variado sortimento de faxen-
das de todas as qualidades, que ae vendem por
precos baratissimos, assim como um bom Bati-
mento de roupas para houens, e tambem se man-
da tazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc
How para boiens
Roa da Imperairlz 39
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupta abai-
xo mencionadas, que sao baratiaaimaa.
Palitots pretoa de gorgorito diagonaea e
acolchoados, sendo fazendas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordo, mnito
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fasenda muito melhor
Ditos de flanella azul, sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados
Caifas de gorgorito preto, icolchoado,
sendo fazenda muito ene arpada
Ditoa de casemia de cores, sendo muito
bem feitas .
Ditas de Amella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de mule>kim e
de brim pardo a 2/, 2/500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito Dem feitas al/200 e
Colletinhoa de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos de
linho e de algodSo, meiaa cruaa e eollarinhea, etc.
Isto na loja oa rua da Imperatriz n. 32
Riseados largos
a too r. o eovado
Na loja da rua da Imper..triz n. 32, vendem se
riscadinhos prsprioa para roupaa de meninos e
veatidos, pelo barato prreo de 200 rs. o corado,
tendo quas largura de chita francesa, e ass-m
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o cova
do, e ditas escuras a 240 : ,'.,',,, na
loja o Pereira da Silva.
Paate*. aetiaetaa e laalsshaa a SOO
rs o eovado
Na loja da rua da Imperatriz n. 32, vende-se
um grande sortimento de fuatoes brancos a 800
rs. o eovado, Usinhas lavradas de forta-cores,
f senda bonito para vestidos a 500 r. o eovado,
'/COO
10/000
12/000
12/000
5/500
6/500
8/000
3/000
1/600
1/000
O
ven-
6J508
12/000
800
iwoo
500
1/500
8001
1/380
5\J8t
1|800
400
200
Fazendas brancas
SO' AO NUMESO
lo rua da Imperatriz =
Loja do barateiroe
Albeiro & C, rua da Imperatriz n. 40,
dem um bonito sortimento de todas estos fazendas
abaixo mencionadas, sem ompetencia de precos,
A SABER:
AlgodoPercas de algodozinbo com 20
tardas, pelos baratos precos de 9/900,
4|, 4/500, 4/900, 5|, 5/500 e
MadapolaoPecas de madapolao com 24
jardas a 4/500, 5/, 6/ at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas braae >a e croas, de 1/ at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propina para lencoes, toalhas e
e-roulas, vara 400 re. e
Ceroulas da inesma, muito bem feitas,
a 1/200 e
Colletiuhos r'a mesma
Bramante francez de aigodao, muito en-
corpada com 10 palmes de largara,
metro
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2/500e
Atoaihado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drdes delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ba de mais delicaio so
marcado, rs.
Todas estas fazendas baratiaeimas, na conhecida
loja de Alheiro & C esquina do becco
dos ?erreiros
Algodo entestado pa-
ra lencoes
A t*Oo ra. e l*000 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Visto
algodao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
mos de largura a 900 rs., e dito com 10 palmos a
IgOOO o metro, assim com. dito trancado para
toalhas de mesa, eom 9 palmos de largura a 1/200
o metro. Isto na 1*ja de Albeiro 6t C, esquina
do becco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1/2CV/400, 1/600, 1*800 e 2/ o eovado
Alh. iro f^C, rua da Imperatris n. 40, ven-
dem muito bons merinos pretos pelo preco cima
dito. E' peehineha : ua loja da esquina do bee-
co dos Ferreiros.
Kspartilhas
A 5J000
Na loja da rua da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bona espartilhos para aenhora, pelo preco
de 5/000, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2/800 e 3/ o eovado
Alheiro & C, rua da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o padres mais deli-
cados para coatume, e vendem pelo barato preco
de 2/800 e 3J o eovado ; assim como se encarre-
gam de m'.ndar fnser costumes de casemira a
30, sendo de palutot sacoo, e 35/ de fraque,
grande pech ncha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 is. o eovado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo Ion, por estar com princi-
pio de toque de inof.i, pelo barato pr'00 de 380
rs. o eovado, grande peehineha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado a loo r*. a pees
A rua da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
brdalo, dous metros cada peca, pelo barato, pre-
A Revoluco
O 4S da rua Duque de Caxias, desejando ven-
der muito, resolveu vender fazendas por menos
36 */o de en valor.
Ver para acreditar
Setiaa maedos, de cores, 1 /400, por 800 rie
eovado.
Mariposa fina de cor a 240 ria o novado.
Renda aberta da China a 240 ria o eovado.
Cretones finos nacionaes a 240 ris o eovado.
Setinetas lisas e finas a 400 ris o covade.
Alpacas de cores a 860 ris o yvao.
Linhos escosseses proprios para vestidos a 240
ris o eovado.
Leques Juannita a 800 ris Um.
Lencos brancos finos de 1/200 a 2/ a dosis.
Camisas de linho mnito finas pelo preco dimi-
nuto de 30j a duzia.
Cobertas forradas a 2/800 um*.
Colchas brancas e de cores a 1/800-
Bramante de tres largaras a 900 ria.
Dito de quatro ditas a 1/200.
Toalbas felpudaa para rosto a 4/500 a duzia.
- Madapolao pelle de ovo, finissimo, a 6/500 a
Camisas para senhora a 2/500 urna.
Lencos de seda a 500 tia um.
Redes bamburguezas de cores a 10/ urna.
Ditas ditas brancas, com varantas, a 15/ urna.
Cortes de casemira de cores finos de 4/500 a
10/000
Casemira fina de wres, intestada, a 2/ o eovado.
Flanella americana a 1/000 ris o cavado.
E mais urna intinidade de artigos baratissimos
ine nao deixar de comprar que os vir.
HenriQB fla Silva Moreira
Expsito Central
Damiao Lima A C. intitularam o estabeleci-
mento em liquidacap da rua larga do Rosario n.
88, por EXPOSIQAO CENTRAL para aaaim se
tornar bem conbecido de todos, pelo que chama a
attencao especial das Exmas. familias nara os
pcecos seguintes :
Metros de plica a
Bonccas inquebraveis
Metros dearquinhes 120 e
Pecas de bordados finos a 300 e
Garrafas com agua florida a 700 e
Frascos de oleo oriza por
Fita parfacha, n. 80
Carretais de 20C jardas a
loviseveie grandes a
Ditos menores a
Briiiquedus para meninos 00, 300 e
Caixiiihaa para presente a 2*500 e
Meios fio de seda para senbhoia a 1/ e
LS para bordar de 3/800 e
Fita chineza o inaco
Dito de algodSylito
Masainhoa de grampoa a
Macaquinb s acrobat-ers a
Botoes, fitas, leques, perfumaras, bengalas, te
souras e mitro muitos artigaa que e cora a vista
ua Exp nielo -1 itr larga do Rosario n. 38.
400
1/500
160
400
1*000
liO'.O
3/000
8'
320
300
500
3/000
1/200
3/000
360
240
20
Hil)
ESPLENDIDO SORTIMEMO
DE
RENDAS OU BICOS
beu
0 que ha de mais gosto neste genero, rece-
EXP0SFA0N1TEBSAL
DE
EMILIO ROBERTO
17-Rua io Baro da Victoria17
RODA DA FORTUNA
200:000*1 mo
PRESOS EM PORgO
Dezenas..... I0|000
Vigessimos .... 1^000
EM RETALHO
Dezenas..... 11^000
Vigsimos .... I|I00
CORRE TODAS AS TERiArvFEIRAS
6-BHALAUSA BOB0SAIO3*.
TINTURARA
Tiras bordadas
A lito, to, sao e too rs
Para o carnaval
S na uova loja n 32 A tua da Imperatriz, ae
vende um grande aortimento de b mitas tiras bor-
dadas, proprias para enfeites, aen io largas e es-
treitas, pelos baratisaimoa precos de 100,120,160
e 200 rs tendo dous metros cada peca, grande
peehineha. Asai n como um bom aortimento de
ganga amarilla, verles e rncarnadas. qne se
vendem barat" : na l.ja de Pereira da Silva, *
rua da Imperatris n. 32.
SCCESS0R
2o Itiiii de Nalhias de Albuqiierque 2o
(WTIliA RIA D4S FLORES)
Tinge e fmpajcom a raaior perfeieo toda a qualidade de estofo, e fazenda*
em pecas ou e:n obms, chapeos de feltro ou de p^lha, tira o mofo rlaa fazendas; k* o
trabslho eto por inefo 'le machinismr ap8rVH;oenl<, at hoje r-oni ecido.
Tintura preta uas torcas e seztas-t'eiras.
Tinta de cores e lavagem todos os das.
.^^^^^^-^^ -
rande e bem montada ofiicina de ailaiale
DE
PEDR0ZM;
N. 41Rua do Barao da Victoria N 41
Neste bem conbecido estabelecimento, se encontrar um lindo e variado sor
timento de pannos, casenjiras, brins, camisa?, punhos, collarmbos, meias, gr&vatas,
tudo importarlo das melhores f.-.brieas de Paris, Londres e AH- i^n'- ; parn berr
ervirem aos sjus amigos e fregu-.zes, os proprietarios deat"! gr..aio =u>..l tm na direccao dos trabalhos da ofiicina habis artistas, e que no curto espaco do 24
horas, preparara um terde roupa de qualuerfazenda.
Rna do Raro da Victoria n. 41
(PRECOS SEM COMPETENCIA.


Liquidan) o seguinle;
Mais barato do que em casa dos dignos
collejas
EsguiSes para camisas e cisaquinhos de senlioras a 4-> e 4\>00 a pefa
Saias bordadas a 35, 4$ e 55000 urna !
Camisas bordadas pera senhoras a 5*000 e 35000 urna !
dem sem punhos, sem collarinhos, para hornero, a 425 a duzia !
Meias inglezas superiores a 45 e 5;)00 a lita !
dem inglezas para snhoras 45 e 65001', cruas de 165 por 12500? ?
Crochets guarnicaa completa por 85000 I
Damascos duas larguras para colxas a 25000 o eovado !
Popelines branoas a 500 rs. o eovado proprias para noivas.
Merinos pretos duas larguras a 15, 15200 e 15500 o eovado I
Bramantes de linho superior a 25000 o metro!
Lences de dito, panno, de casal, a 25000 um I
Cobertas de ganga cretones, idem 35000 urna !
Serri.has, superiores borlados a 15600 a duzia!
Cortes de meia casemira para calja a 15400 !
dem de casemiras inglezas a 35 e 4i>000 um 1
Cambraias Victorias e transparentes a 3.->200 e 35800 a peca !
Fibs para meninas a 15500 e 2)5000 um !
Cortinados bordados alje 105000 o pt.r!
Grinaldas e veos para noivas a 105 e 155000.
Cretones superiores a 320 e 360 rs. o eovado !
59RuaDu jiie de Caxias59

Os proprietarios do muito conbecido estabeleL-iiueotu ienuminado
MUSEU DE JOIAS
sito a rua do Cabug n. 4, commumeam ao respeita-el PUBLICO que receberam orn
erando Bortimenlo de joias ias mais modernas e des mais apurados gostos, 'orno tan
bem relogios de todas as qualades. Avisam tambem que -obtinuain a recebar par
todos os vapores viudos da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que em
outra qualquer parte.
MIGL WOLFF & C.


N. 4RUA DO
Compra-se ouro e prata velha.
CABUG----N. 4
IPIHMI 1
F iaa i J. -------- ~


1*


8
Diario de Pcrnambucotyuarta--feira 3 de Mareo de 1S86
LITTEBATuM
OS FILHOS
DO
BANDXDO
IOH
s.
C&HVS?

CUARTA FAH72
as grutas d'Etretat
( Continuadlo do n. 49 )
XXI
a cost'issio
Sa eu pedir o sangue da tnulher que
amares, sacrificars essa mulher ?
Sacrifical-a-hei !
Confiaste-me todos os teus planos 7
Todos!
Alastre Eudes ele vou se.
Mea filho, disite elle nSo falta tua
obra senSo urna cousa 1
Qual ?
O terapo, esse dar-t'o-hei.
Cointudo, meu pai, Bomos dous ?
Sos I repoadeu o velho sem a menor
hesitacao.
EutSo coute commigo para sustentar
miabas promeasas e nSo oe embarace cora
cousa alguma. NJo volte as costas. Parta
estanoite para Rouen, aonde poder che-
gar o mais tarde at amauba tarde. L
encontrar novas quo lhe euviarei.
Assim fallando, Roynold, que desde al-
guna instantes pareca interrogar vida-
mente o borisonte tempestuoso na direc-
c3o de leste; Reynoli approximou se da
abertura communicando com a orla da flo-
resta e fea um gcsto'de satisfagao.
Em urna bora, disso elle voltando-
se para o velho, estarei aqui com Aldab,
que meu pai levar; porque Ricardo teve
bom xito, La Chesnaye foi preso.
Como'? disso mestre Eudes carai
nbando.
Reynold estendeu r mao para
resta.
V disse eMe, por cima destas arvo-
res aquelle ciarlo avorraelhado que pare-
ce allumiar o co, e que n*o provena dos
relmpagos ?
Vejo, dise o veiho.
Fste darilo o signal convencionado
entre mim e Ricardo, e pro va-me que se
cumprio a primeira parte dos meus pla-
nos. O capitao La Chesnaye foi preso, e,
fosse que Mercurio matasse Humberto,
fosse que um ou outro esteja a estas ho-
ras desfigurado pelo Ricardo, nenhum po
rigo existe do lado da semelhanca. Agora,
meu pai, s me chamo o conde de Ber-
ESC !
Aonde vas? ^rguntou mestre Eu
des, vendo sea filho fazer um movimento
para deixar o pardbiro em que estavam.
Nao preciso mais do que ir buscar
Aldab, para que parta dentro de urna ho-
ra com as equipageus que Ricardo lhe pre-
parou? Nio se necessita mais do que eu,
conde de Bernac, solt a ininha noiva ra-
-nfaia-petd capitiU L* Chesnaye, c que
reconduzia Diana a seu pai? Espere-me,
pal, no decurso de urna hora estarei ae
volta Vou as rrutas.
E Reynold, erabrlbaodo se na sua ca-
pa, precipitarse no caminho lodoso.
XXII
O DESPOJO
A occasio em que Reynold deixaya o
seu pai corresponda minuto por minuto
aquella em que deixamos Aldah e Diana
estupefactas e sem torgas as grutas se-
cretas, vendo esmigalhar-se a porta, que
nicamente as aspara va do perigo que as,
amoacava e que anda ignoravam.
Recordam-se que Diana, louca, tinha
tambado o ramo de coral, que se cobrara
rolando o sobrado do laboratorio. Aldah,
atterrada, affastara-se, deixando escapar
um grito de d>.
Neste momento a porta esmigalhara-so
com as machadadas repetidas.
Eram Camalero, os giriautes e os ban-
didos que se arrojavam s grutas secretas
em busca dos thesouros de La Chesnaye.
Excitados hbilmente pelas palavras de
Camalero o linguagem do grande coesro,
animados polo seu instincto de rapia, nSo
tendo perigo algum serio a derribar para
contentar os seus dosejos de pilhagem, os
giriantes tinham-se completamente enleva-
do pela noticia falsa ou verdadeira espa-
lbada por Fl6r-de-Macieira da definitiva
captura do capitao La Chesnaye.
A heranca do chefe dos bandidos offere-
cia bello e largo despojo aos filhos do pa
teo do3 Milagros, e de um s e mesmo
pulo haviam se precipitado, atropollando
se, aper'.ando-se para seren os primeiros a
chegar junto dessas riquezas de que lho
acabavam de fazerum quadro tSo provoca-
dor
Machados, picaretas, alavancas, chu-
gos batiam a um tempo na porta tio h-
bilmente fechada pelos cuidados de Hum-
berto, e a inadeira, j o dissemos, ceder
depois de ter offorecido urna heroica resis-
tencia.
A onda dos assaltautes rolou como urna
corrente no interior das grutas secretas,
espolhando-se em todos os pontos com a
rapidez de urna cheia as montanhas.
Gritos de alegra, hurras de esperances,
rugidos de adrairagao, formavam um rae-
donho concert nbafando o ruido da tem-
pestado .
Comtudo a pri neira fileira, ou para me-
lhor dizer a primeira onda de3sa torrente
humana parou sbitamente e operou um
movimento de ressaca, que fez retroceder
os primeios.
Os corpos deitadoa e inanimados das
duas jo vena acabavam de ferir a vista dos
giriantes.
Que Uto ? exclamou Pedro o Assas-
sino que marcha? 1 na trente.
- Mulheres disse Tallebot o corcunda
inclinndose.
90 nu a cintura de Aliah, interpoz-se igual
mente entre a filha adoptiva de Van Hel-
mout e o amigo de Jehan da Forca.
Estes dous protectores eram Camaleao e
o grande coesre.
Parte do ohefe repetiu o priraeiro
designando Aldah.
Parte do chefe repetiu o segundo
designando Diana.
Camalero dirigir so aos bandidos e o
grande coesre aos giriantes. Bandidos e
giriantes recuaram. Esta escoria da socio-
dale, que transgreda com tanto amor as
leis do reino, era incapaz de desconhocer
as proprias leis que tinha feito.
Parte do chefe era um direito recoaha-
cido seinpre como in jo atesta vel, Em to-
das as operagoes cumpridas era uso o che-
fe tomar para si, antes da partilha, o lote
que lhe convinha.
Assim, repetimos, giriantes e bandidos
recuaram perante o direito da posse que
queriam ter, CaraaleSo e o grande coesre,
sobre a pessoa das duas jovens.
t Aos thesouros I gritou CamaleSo, que-
rendo immadiataraonte dar um outro cur-
so aos pansamentos de seus corapanhei-
ros.
Aos thesouros 1 berraram os girian-
tes.
Ali! ali I continuou Canfabao, desi
guando suceassivameute os tras comparti-
mentos da gruta secreta que precedente
mente descrevamos.
Os giriantes e os bandidos precipitaran!
se, inva lindo os lugares designados sua
avidez. Durante alguns minutos foi urna
balburdia terrivel. Borulbo dos machados
feriado os movis, gritos de alegra, cla-
mores de adrairagSo, teir metlico ; era
urna scena como nao poderiam soahar as
imaginables mais ardentes, urna misturada
a nSo se reconhecer nada no centro desses
bracos que levantavam, das pernas que se
cruzavam, dessas cabecas de expressSes
differentes, de3sescorp:s baixando-se, cur-
vando-se com movimentos rpidos e frene
ticos.
Estes, depois de urna tarrivel jornada,
depois do ataque sanguinolento, s estes
podiam fazer urna idea do espectculo
que entilo apresen ta va esta parte das gru
tas.
Caraab&o nao engaara os seus corapa-
nheiros; indicara-Ibes bem os lugares on-
flo-
E jovens accresoentou Sulpicio das I e La Chesnaye encerrava os saus thesou-
Pernas Tortas. j r08.
E lindas! berrou Jehan da Forca.
__Ui... Que bora... fazera parte do
thesouro de Li Chesnaye, gritou Mathias.
E por consequencia da sua heranga,
disse Jacques.
Cala-te 1 replicou Tallebot o Corcun
da, isto vera a proposito : ha rauito tempo
qua desejava... casar-ma I
Liadinhas como as cousas lindas !...
di isa Jehan da Forca esfrogando as raaos.
Esto mortas perguntou um bau
dido.
NJo, raspondeu Tallebot, que acaba-
va de levantar o corpo de Diana entre
seus bracos e que pozara a ralo sobre o
coragSo di joven ; est apenas desma-
iada !
E a outra? ajuntou Jacque designan-
do AId*h.
Entilo neces8ario baptisalas como
filhas do pateo Milagros, gritou Pedro o
Assassino.
Valeu! exclamou a assembla.
Filhas da psqueua Chamma disse
Jehsu.
Filhas dos giriantes replicou Talle-
bob.
Sira 1 sira gritarara todos.
Tallebot levantou a altura da sua bocea
as faces da tilha do preboste de Paris.
Mis o giriante nao teve tempo de levar
Ouro, prata, podras, preciosas, perolas,
tayas de ouro, finalmente toda essa rique-
za, que ouvimos Raynold avaliar em mais
de qifitro railln"! js, esta va ali maree dos
giriantes e dos bandidos.
A alegra tornava-se em delirio, as ac-
clamayocs furiosas trocavam se e nao ti-
nham nada de humano. Eram os demonios
com a sua presa.
E comtudo se estes horneas, que se era-
purravam sobre esses quatro railhSas espa-
lhados entre suas ralos, tivessem suspeita-
do a existencia do duplo dessa so rama for-
mdavel as cavernas para elles desconhe-
cidas; se tivessem ouvido a conversa qui
Reynold e seu pai tinham a esta mesma
hora; se Uvas-era assistido revelacio
desse segredo conhecido somente por mes-
tre Eudes o pelo falso conde de Bernac,
sem duvida que essa alegra sa metamor-
phosearia em frenes o essas exelamacSes
se teriara tornado em demencia.
Mas fosse que Camaleao ignorasse esta
parte dos segredos de Reynold e de mes-
tre ~
cia
giriantes esse segredo importante, e que
reservasse s para ello os milhocs, nilo da-
se nada nem fez nada para provocar a
descoserla dessas riquezas inauditas.
Eraquanto o saque oceupava todos os
bracos e aniraava todos 03 espiritas, Ca-
maleao e o grande coesre nao hcarara im-
moveis, mas todas as suas occupacSea os-
tavam concentradas na passoa das duas
mulheres. A um sigaal do tenante do La
Chesnaye, o re dos giriantes agarrara Dia
na o tinha-a transportado para a grande
gruta aonde 03 baniidos estavara ordina-
riamente ; mas quo a scena que se passa-
va as grutas secretas tornava absoluta
mente deserta.
Camaleao lavando Aldah seguir o seu
companheiro.
Entilo, disse o grande coesra depon-
do sbre o solo hunido ainia da raalvasia
derramada polos giriantes, o corpo elegan
te que sustantiva inerte entre os seus bra-
cos ; entilo, esta quo me pertenee ?
E', responleu Camaleao.
Bem esse arranjo nao me convra.
Porque ?...
Porqu) querj a outra !
o giriante designava Aldah.
Porque? perguntou CaraaleSo.
SirapIe3mento pirque a escolhaste.
Quo te importa quo eu a prefir-i ?
Imprtame muito.
Mas porque ?
Porque, como tu a cscolhaste, evi-
dente que fizaste a melhor escolha.
Engaaste, disse framente Cama-
leao.
Entao, tanto peor para mim. Tro-
quemos.
Nao quero.
E eu quero.
Hein ? disse Camaleao, oujo rosto se
empurpureou sob a acglo d'uma colera ar-
dente.
Disse quo quera ossi mulher o tela
hei, rapetio o rei dos giriantes.
Esolhi 03ti mu'her e pertenec-me,
eiclamou Caraalelo.
Toma sentido I tu s o tente de
La Chesnaye, verdada, mas nao tens
aqui senlo dez homens da quadrilha de La
Chesnaye. Ora, eu sou o rei dos giriantes
e tenho trinta giriantes promptos a obede
cer-me !
Sou o mais forte, tonho o direito da
escolhor; e escolho esta, repito-te, sera sa-
bar o quo olla ; mis porque estou certo
qua me dar dez vezes mais que a outra.
Est claro?
Camaleao no raspondeu. O bandido
nao tinha preferido Aldah, os nosso3 lcito-
res o sabem, senao pilo tor posto ao cor-
rente dos sagredos dos tras irmaos palas
confidencias do Catharina, conhecia a exis-
tencia do tUesouro ib Van Helmont, e tam-
bera quaria d'essa thesouro.
Do mesmo modo que Reynold, pausava
que Aldah catre suas :n5os seria o meio
seguro de chegar ao fin desejado.
O grande coosro, elle, nada sabia, mas
assim como o dizia, o seu intaresse de ban-
dido puaha-o na pista do raalhor dos ne-
gocios.
Em prasenca de urna proposiclo tilo sv
biaraente formulada, Camaleao procurou
rpidamente o mo do subtrair se s von-
tedes do gran le coesre/ o esse meio, nao o
eucoatrara instantaoeamente senao na vio-
lencia. Percur.-onio aprassadamanta a gru
ta com um olhar iaterrogador e verileando
a solidao, dotou-se entre o giriato c a
abertura da galera por onde ambos aca-
bavam de penetrar na grande sala, cortan
do assim toda a comraunicaeao entre o
A' galera onde so dirigir Camaleao,
cngaram os gritos dos giriantes que se
confudiara na pilhagem. Por aquella que
se abria utraz do grande coesre abysma-
vam so 03 mugidos da tempestada.
XXIII
TEAID01E8
Os giriantes, finalmente, excitados pela
aos labiosea fronte da casta donzella. Dois pilhagem formidavel qus acabavam de rea-
bris nervosos lho arranoaram o seu pre- Usar, interrojavam as tapessarias, as pare
cioso fardo e o repelliram brutalmente pa- des na esperanja, sem duvida, de deseo
ira jraz. brir alguma nova fortuna.
Ao mesmo tempa a multid&o afastouse' Mas arrancadas as tapaciras que co-
e um seguudo persoaagem, lancando-se briam as paredes, nada indicava bom xito
para Jacques, que apirtav com o seu bra- [ para as buscas feitas por todos os lados.

FOLHETIM
A FILHA DO SINEIRO
grande coesre o sous subditos.
Eudes, tasse que conhecendo a existan- -Com gesto rpido fez brilhar ao do cima
desse thesouro nio quizesse confiar aoa de sua cabaca a lamina aguda e ameaca-
segredo importante, e que dora de urna comprida adig-i.
O grande coesre nlo pastanejou. Pu-
xando um grande alfanga passado acintura,
puz-se em guarda.
A tea com modo disse elle. Antes
esta meio do que um outro I
Os dous homens fioarara um momenti
ameacando-se cora o olhar, o corpo meio
inclinado, e milo prestas a ferir.
Os corpos iuanimados das duas jovens,
do que urna era o praco do combate, ja-
ziam entre elles.
__ E Uso nlo ha de tardar rauito, se Faubreguette sentio fri nos ossos. Era
nlo trouxestes vveres. I pre :iso que esse scelerado fosse feiticeiro
Que ganhavoc coma rainha raorte ? para ter adivinhado o projecto de confron
Primeiramente, terei o prazer de des-
erabaracar-me de um espio. E, depois, tu
fazes pi.rte de um bando de gente que que-
ro exterminar at o ultimo, somente com o
POR
:::::;::::
tacao que os tres defensores de Sacha aca-
bavam de adoptar com Rosa Verlira, e
era muito capaz de aproveitar essa vanta-
gra para um laco a Sacha e menina que
fim de impedir que raetta o nariz nos nos- devia acorapanhal-o.
O bora rapaz, porra, voltou logo a si e
comprehendeu que era melhor dissimular a
(Continuativo do n. 49)
Entao, meu rapaz, disse essa voz
zombeteira, queras apanhar-me e fui eu
quem te apanhou. E' resultado de qurer
policar. Atacaste a quem mais forte do
que tu e ahi ests preso. Ah ah l corc-
eas a coraprehender que eu sci mudar de
cara vontade, 6 um pouco tarde. Devias
ter-rae conhecido quando eu te abria apor-
ta da ra. Podas ter fgido.
Entao voc que. .
Sira, eu que estava sentado parto
de ti o do teu amigo na casa de pasto onde
almocarara. Eu os tinha seguido desde a
ra Cassette o na casa de pasto ouvi tudo
Juando disserara, porque nao sou mais sur
o do que tu. Quando eu soube p ira onde
dorias ir ao sahir, part calado, toraei ura
cairo e choguei aqui tres quartos de horas
antes de ti. Tive tempo de vestir-rae de
criado, e se agora rao vs vestido como
um pobre velho, porque quiz provar te
que s imbcil. E' urna brincadeira.
Fabrcguette nao tinha a menor vontade
de rir. Tinha vontade de atirar se gar
ganta desae isiseravel, mas poda.apaas
passar a ralo pelo postigo o o trataate ti-
nha o cuidado de conservarse fi-a do seu
alcance.
Bem disse o preso era voz suffocada
pela colera, doixei rae apanhar, claro que
Bao sahirei raais d'aqui se voc nSo rao ti-
rr.r. Mas isso alo rae diz o que VJi vai
fazer.
Deves descinliar.
Nada, por isso pergunto.
Pois bem, ests na ratoeira e vou
deixar-te ahi. j
At que eu morra de fome ? |
sos negocios.
Nao comprehendo, murmurou Fabre-
guette, que comprehendia perfeitamente.
- Nao te f acas de tolo. Sabes perfeita-
mente de que se trata. Tu e alguns outros
idiotas entendera que devera incoramodar
um hornera quo nSo se importa com voces,
porque nem sabia que existiam. Voces pro
tendiam simplesraente envial-o guilhoti-
na ; elle tem o direito do defenderse e ha
de custar lhes caro tel-o atacado. Mas, nao
coratigo que ello est raais zangado, e
se quizeres podars sahir da posicao criti-
ca em que te raetteste tolamente.
E' urna transacyo que est me pro-
pondo ?
- Nlo estou autorisado a fazel-o; mas,
talvez tome a responsabililade de soltar-
te, se...
Que preciso fazer para isso ?
Oh! quasinada. E: preciso ajudar-
me a p5r-rae a m;"lo no menino.
O menino ? balbuciou Fabrcguette.
Que menino ?
Outra vez! exclamou o horrendo ve-
lho. Fica sabendo, urna vez por todas,
que eu conheco a voces todos e que conhe-
90 tambera os seus proje:tas e para isso
preciso do menino
Pira raatal-b nao assim ?
Que te importa ? Nao tea filho.
Pouco o conhec;s e p les nol o entregar.
Eu I Esqueie quo estou preso.
Isso n2o obsti que nos informes qual
a disposiclo interior da cas > era que ella
est.
Nlo a conhego.
Essa casa corapSj se de tr E' rrapos8vel quo n3o saibas ora qual delles
dorrae o menino.
E sa cu dissesse, iriara arrebtalo
note ?
Talvez ; mas eu preferira erapregar
processo menos violento. Poderias, por
exemplo, escrever a Venadee que o esperas
aqui cora o menino.
-- Peusa qua aU viria ?
Sim, se lho esereve>806 quo desco-
briite o hemarn que eile procura e que po-
des luostral-o ao menino para ver so elle
o conhece.
sua indignacao, fingir mesmo annuir s exi-
gencias do cumplice do assassino, afim de
ganhar tampo. Nao tinha perdido a espe-
ranga de fugir e quera saber rauita cousa
qua ainda n3o sabia.
Eraquanto reflactia, o ti atante que o ti-
nha preso tirou a cabellera, a barba posti
ga, os oculos azues e tomou o ar e a attitu
de de um mordorao.
Ah exclamou Fabreguetta, pode ga-
bar-se de ter talento para disfargar-se.
Ainda tens muita cousa que ver, se
chegarraos a um accardo, disse esse perso
nagera singular ; e o que tens de melhor a
fazer por te do lado dos mais fortes. Cora
os tous associados da ra Cassette s podes
apanhar pancada, ao passo que, se nos ser-
vires bem, fareraos a tua fortuna. O pa-
trilo tora o brago coraprdo, e ouro que se
pode medir s ps.
O seu patrita ? Diga antes o seu ami-
go. Ent3o quer fazer-rae crer qua ape-
nas um criado ?
Pouco importa o qua soa. Autorisa
ram-rae a a dizer o qua estou dizon-
do, o acho bora que aceites o que te estou
pro pondo.
E' a unici probabilida lo que ta rost de
salvar a pelle.
E' justamente o que quero ; mas urna
carta rainha nao produziri* o eflfeito que
vo: supooe. Meriadec nunca vio a rainha
lettra ; pensar qua a rainha assignatura
falsa e nao ee ha de raover.
Isso dependo do modo por que radi-
giras o bilhete que te pago qu* escrovas-
E a ti competo inventar una hitoria que
esse velho doudo acredite. Inventa raeios
do os chamar para aqui ura apis outro. E
quando todos forera entregu :s, nao s ta
soltaremos, mas ninda te pagronlos b;ra.
Proinotter e cunprir sSo cousas di-
versas. Quo garanta tenho cu que voces
n8o me hao do supprirair a mim tambora ?
A rainha palavra devo bastar. Alora
disso, se recusas, sers suppriraido raais d<-
pressa. Entre a certeza de raorrer de fo-
rae e a esperanca de sahir daqu, n.o ha
que hesitar. Decida.
Repentinamente Camaleao, cncheu-se de
animo, como se quizesse avangar ; mas urna
sbita reflexao lho atravesaou o espirito.
Metteu a adaga na bainha, serenou o espi-
rito, e sorrindo s para aquelle que acaba-
va de araeagar :
Sou raais doido do qua tu disso elle.
Queros esta mulher? Bora l Guarda-a.
Somente quero qua saibas o que recusas.
Esta, e Camaleao desigdava Diana, esta e
a menina d'Aumont.
A filha do preboste de Paris? excla-
mou o grande coesro guardando igualmen
to o seu alfange.
Ella!
Palavra?
Affirmo-te !
Diabo!... valo raiis entSo do que
eu pensava I
Valo mil pistoUas, qua o pii d'ella te
dar, pondo-te debaixo da sua proteegao
para o futuro e 03 crimes qua tens feito o
fars ficarilo impunes.
Isso verdade murmurou o girian-
te. Mas, replicou elle, quem a outra ?
Ainda nao sei, respondeu Camaleao ;
um jogo. Se ella o que eu julgo, Ya-
le um thesouro; se me engao, nada vale 1
Se queres combater, combateremos ; se te
matar, sarao ambas s para mim ; se me
matares, serao tuas, mas como tu nada sa-
bes, nada podes bzer. Entao, entre a in-
certeza, escolhe! mas avia-te. Nao es-
quegas que apezar do capitao na voltar,
pode tornar do novo o velho, e elle ter-
rivel as sua3 coleras I
O grande coesre pareceu hesitar um
momento ; depois, cncolhendo os hom-
bros :
Guardo a filha do preboste disse
elle.
Entao, exclamou Camaleao, chama
os teus homens e deixeraos as grutas. Vai
amanhecendo.
O rei dos giriantes tirou um grande api-
to peadurado ao pescogo, e levaado-o aos
labios, tirou delle ura som agudo e pro-
longado.
Camaleao baixou se para tomar Aldah
em seus bragos ; mas, fosse que o apito
sonoro a tivesse tirado do seu desmaio ti-
vasse acabado por effeito natural, Aldah
abri os olhoa.
Vendo o rosto de Camaleao nelinar-se
para ella, deu um grito rouco e levan tou-
sa de um pulo.
Soccorro a mira Diana Dia-
na gritava ella correndo pela grua.
A filha do preboste levantou-sa, levan
do as raaos fronte para desviar o cabello
qu 1 lhe cabria o rosto.
Assim que apercobau o grande coesra,
carao Aldah apercebara Camaleao, semi-
gela la de susto, voltou-sa para traz.
Diana 1 Diana! gritava Aldah.
Diana levantou-se.
Estamos perdidas, minha irraa! dis-
se ella precipitando se nos bragos de sua
companheira.
Ribo de macaco gritou o grande
coesre, eis as pombas que baten as azas.
Camaleao cncamiuhou-se at um dos
balotes, e tirando um pedago de panno,
partio-o oib dous, guardou um o atirou
cora o ontro para o giriante.
Amordaga-a I disse ello, senao nun-
ca acabaremos l
O grande coesre agirrou Diana e Ca-
maleao, quiz tambera suster Aldah, mas a
joven ainda lhe escapou. O bandido sol-
tou urna terrivel blasphemia.
Aldah precipitou se na galera que com-
municava com as gratas secretas, mas deu
u.u grito agudo o voltou-se para traz; os
giriantes, chamados pelo seu chefe,3"volta-
vam grande gruta.
Aldah quiz fugir pelo lado opposto, mas
CamaleSo agarrou-a entro sous bracos.
A joven, readquirindo novas forgas no seu
voiente desespero, tentou ovadir-so. En-
tilo prncipou entre esta homem o esta
mulher urna luta cuja soiugao nao era du-
vidosa.
Aldah torca os seus bfagos, volta va o
- Mas preciso dar-me terapo para re-
flectir e inventar urna combinacSo ; voc
pansa que fcil apanhar tres homens que
estao prevenidos e urna mulher quo n3o
tola ? porque supponho que tambera quer a
menina.
__ Queremos o menino o todos aquelles
que o viram.
E havemos de tl-os, ainda que tu nao
nos ajudes. Mas, has de ajudar-nos o nao
s tao talo que nao descubras um meio.
Dou-te quarenta e oito horas.
Depois de amanha tarde virei ver o
que as tuas meditagSes te suggeriram.
E vai deixar-ma aqui sem luz o sera
viveros ?
- Nao deves te .jueixar. Has de re
flectir muito melhor na escuridao, porque
nao ters distracg"5;s ; na minha prxima
visita trarei papel, penna o tinta; tu m'a
recitars, porque ters tido tempo de apren-
del-as de cor ; se me conver, tu a escre-
vers logo, eu a maadarei levar e se Me-
riadeo cabir no lago fioars livre, depois
que me deres garantas, porque urna vez
solt poderias trahir-me.
- Garantas Qua entende por isso ?
- Hei de fazer-te assignar urna decla-
ragao pela qual confessars qua da tua li-
vre vootade, e por dinheiro, rae iadicaste o
meio de apoderar-me do raeoino e do seu
protector. A quantia ser especificada, dez
rail francos, que te pagarei logo quo Me-
riadoc e o pequeo estiverera em meu po-
dor.. Nao teaoo a pretengao de apanhar
todos os aossos ioimigos de urna vez. Os
outros vira raais tarde. Ves que sou raj
a >avel.
Era de mai't.
Fabreguette stourou.
se comido, mas a col.ra
ganta a elb gritou ao seu carcereiro, mos-
trando lhe o punho :
Miseravel! ousas propor rae vender-
te por dez rail francos a vida de ura meni-
no o a vida da ura hornera bom !
__ Achas que nao bastante, meu ca-
ro, disse o.tratante ve-stido e preto. Vou
at doze rail, se a cousa for bem pUne-
jada. 1
- Cala-te, acelerado. Ainda quando
rae offerecesses u a railhao, eu n8o trabi-
ria os meus amigos. Podes deixar rae
morrr de forao, qua nada conseguirs \lo
mira; e o trataate do toa amigo, esse falso
raarqoez, nio esoapar justiga; esta
noite ello ser denuaciado e araanha ser
preso.
seu corpo, dava gritos de ra va; Cama-
leao agarrava-a o, levantando-a da trra,
anniquilava toda a tentativa de resistencia.
Os giriantes olhavam esta scona terrivel
com urna indifferenga misturada de pra-
zer.
Durante este tempo, o grande coesre -
acabara de amarrar a pobre Diana que
no poda tentar o menor movimento.
Espere I disso o grande coesre vindo
em soccorro do Camaleao, e com as sua3
maos poderosas agarrou Aldah.
Os giriantes, cantando, gritando, ap-
plaudicdo, formavam circulo em roda dos
dous homen3 e das duas mulheres. Esta
8ceua, que n3o apresentava perigo algum
era paca elles, uem para seu chefe, prin-
cipiava a divertil-os. Alguns, voltando
aos toneis de malvasia meio despejados e
abandonados precedentemenfe para oorrer
aos thesouros do capitao, diziamos, ti-
nhara-se mettido pela bebida, o a embria-
guez da alegra reunida do viaho exci-
ta va ainda mais as suas paixoes de ani-
maos ferozes.
Camaleao deixara escapar, durante a
luta, o pedago de panno com a ajuda do
qual quera amordagar Aldah. D dxando
a joven as raaos do grande coesre, abai-
xou-se para apanhar o objecto cahido;
mas, na occasao em quo se levantava,
coou urna grande detonagSo as grutas,
um silvo sinistro retii por cima da sua
fronte, o grande coesre rolou no solo, e
Aldab escapou-se-lhe das maos.
Temos traic3o, meus me3tres gritou
no mesmo instante urna voz estridenie.
CaraaleSo, 03 giriantes, 03 bandidos, es-
tupefactas, voltaram-so com um s movi-
mento.
Em frente delles, no limar da galera
que conduzia para fra, estava ura ho-
mem vestido de velludo preto o trazendo
preza dos hombros urna capa vermelha.
Este homem, cujo rosto dssapparecia
debaixo de um floresta de cabellos pretos
e barba de igual cor, estava immovel, urna
pistola ainda furaegante na mo direita,
urna outra pistola engatilbada na mao e-
querda.
L Chesnaye murmurou Comabao.
O capitao ? disseram os giriantes e
os bandidos com terror.
La Ches laye deu um passo para diante,
largou a pistola com a ajuda da qual aca-
bava de ferir o craueo do grande coesre,
e tirou urna outra posta cintura.
Traidores disse elle em voz firme
e breve, quem os impellio para traigilo r
Ninguem respondeu.
La Chesnaye deu um passo para a fren-
te : achou-se cara a cara com Pedro o As-
sassino.
Responde disse elle. Quem os im-
pellio traiglo I Designa o traidor 1
O giriante recuou, La Chesnaye levan-
tou a sua pistola altura da cara de Pe-
dro.
O nome do traidor ?
Reinou silencio... La Chesnaye deu
ao gatilho : Pedro o Assassino rolou a seus
ps.
Os giriantes e os bandidos abafaram
um grito de raiva.
O nome do traidor'? disse elle amel-
gando Tallebot o Corcunda com a segunda
pistolla, responde !
Camaleao respondeu o giriante.
Amarrera-n'o e entreguem-m'o / orde-
nou o capitao.
Houve um momento de hesitagiio geral-
Eftectvamente os giriantes e os bandidos
no estavam dispostas a obedecer.
Voa avisar
Agradego a iaformag3o.
a esse caro marquez.
Fabreguette corapreheudeu que tinha
soltado palavras imprudentes, mas n3o es-
tava mais em si e continuou a objurgar o
seu carcereiro, que approximava-se da aber-
tura.
Vai animal fedorento I nao quero mais
ver a tua ignobil cara de Judas.
t cuspio-lhe no rosto.
- Entao, morro, imbcil, disse o ho-
mem de preto, erguendo bruscamente a
portinha quefechava herme'icaraenteo pos-
tigo.
Nada mais restava a Fabreguette senao
esperar a raorte nessa raasmorra sem sahi-
da.
E que morte I
VI
em urna
Veidire
At entao tinha
subi lhe gar
Emquanto Fabreguetta cal ia
armadilha bem preparada, Rosa
empregava raelhor o seu terapo.
Em Pariz pode-so fozer rauita cousa era
ura dia-; bastou lho uraa tardo para fazer
a sua mudanga e para instalbr uraa offici-
na de florista na sala que Meriadec poz
sua disposigSo. Ella estava era sua casa e
s lhe restava recoraegar a vida de opera-
ra laboriosa.
Ainda tinha achato terapo para levar
Sacha e postar-so cora elle era frente
porta do club dos Campos Elyseos, era um
carro da praca, desde s cinco horas at s
sete horas. Paulo Constantinowch, porra,
u3o appareceu, e quaado voltou dessa ex-
pedido, que fallou, Sacha havia declarado
que nao tornarla l.
No dia seguinte, Rosa o bvou ao Hotei"
Dieu, oodo tinha do ver o pai, quo achou
era rauito rao estado.
O velho alcoolsado tinha voltado a sido
ataque que o havia fulminado, mas ainda
estava cora o kdo direito paralysado o n3o
tinha recobrado completamente o uso
palavra. A perna funecionava com diffi-
culdade, o ello apenas pronuaciava pala-
vras inintelligiveis. Daubra>, entretanto,
aftrraou que elle viveria muito terapo, o
nao desesperava da vl-o completamente
restabebeido.
Sacha portou-so muito bora durante essa
visita e Diubrac, admirado de o ver all,
tinha-o festejado.
S-icha, que nSo sabia nada, convidou-o
para almogar com elle era casa de Meria-
dec; o interao nao se fez rogar para ncei
Ur e acorapanhar Rosa Verdire at ra
(Continua.)
Cassette, onde o b-irao os recebeu de bra-
cos abertos.
Nao faltou cordialidade, nem mesmo ale-
gra nessa refeigilo matinal.
Nada teria faltado a essa testa intima se
o jovial artista de .barrete vermelho para
all tivesse levado o seu contingente de ale-
gra.
Mas Fabreguette n3o appareceu, com-
quanto tivesse promettido na vespara ir,
diariamente, ao meio-dia, conferenciar com
os seus alliados.
Em vilo o esperaran! at urna hora, o
Daubrac lastimou a negligencia desse pin-
tor, que nSo era poatual. L'aubrac devia
terse lerabrado de que o tiuha deixado no
momento em que elle tomava o caminho da
ra Marbeu e que talvez tivesse aconteci-
do alguma desgraga ao pintor durante essa
expedigao arriscada. Nao se lembrou disso
e annunciou que ira antes do fim do dia
procralo na oaa mansarda da ra da Hu-
chette, onde, sem duvida, estava dormindo,
era vez de apresentar-se em casa do barita,
como havia sido corabmado.
Fallou se tambera no capitao, que nSo ti-
nha promettido voltar e ao qual era pre-
ciso cora muoicar os incidentes da campa-
nha aberta havia viate e quatro horas.
Ainda n3o tinham nada de novo a contar-
lhe e alm disso elle pareca desojar que
nao fossem sua casa.
Resolverara, pois, escrever-lhe, quando
fosse necessario, porque as cousss ainda
estavam ex. lamente no mesmo ponto qua
na vespera.
Meriadec n3o tinha recebido, como es-
perava, outra citago para comparecer pe-
rante o magistrado quo o havia mandado
chamar.
O mesmo succedeu cora Daubrai o Rosa
Verdire e dahi concluiram um pouco Jo-
vianamente, que o processo tiaha sido aban-
donado. Levantou se a sessSo, porque a
,u menina disse que precisava sahir as tres
da- horas para levar a uraa loja da ra Rivoh
ura trabalho que tinha apenas tempo de
acabar.
. A senhora quer fazer rae o favor de
rrostrar como so fazem flores artificiaos T
disse-lhe Daubra:. Eu nao tenho a menor
ila.
De boa vontade, dissa Rosa : se qui-
zar acorapanhar-rao at sala que o Sr. de
Meriadec permitio-me transformar em ofii-
cina.
(Continuarse-ka.)
V

(

%
Typ- do Diario rua Duque de Caiiaa n.42.

mil 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQDAJVXES_3ZL7VD INGEST_TIME 2014-05-19T19:40:56Z PACKAGE AA00011611_18999
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES