Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18962


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUG Lili --HDIEBO
P-lftA A CAPITAL. tt LlSARJiS O.WG SAO E PAW POHTE
Por tres mezua adiantadot
Por seis ditos dem.
Por ntu anuo :deai. .
Jada numero avuiso, do meamo dia.
6^1000
12*000
24,5000
100
-7Z2^
L-EEIA 21 SE "
PARA DENTRO B FORA DA PROVMICIA
Por seis mezes adiantados......... ....
Por nove ditos dem................
Por um anuo dem. ...............
Cada numero avuiso, de dia3 anteriores..........
134500
200000
27*000
100
Propriefrafc*? tft JHanoel Jtptrira i>e -tarta ft Mijos
4mede Prlace <& C,
, silo os nossos agentes
/


O* Srs
de Paria
exclusivos de unnum io e ptt-
bllc jcffes da Franca e Ingla-
terra.
Os Srs. Wnoburne 31 rmanoi.
de Xew-1'ork. Broad Way n.
SOO, sSo os nossos agentes ex-
elusivos de annu .'icios nos
tados-Unidos.
Es-
TELEGRAMMAS
:esvi:: :li:::::li so biasio
RIO DE JANEIRO, 20 de Outubro. (Re-
cebido :ia 5 horaa e 25 minutos da tarde,
pelo cabo submarino).
Foram nomeadMi
Chefe do irafi'Bo da Entrada de Fer-
ro do Recife a Caruar. o Dr. Pire
FerreiraJ
Cbefe de err;o do Prolonganten-
to da Entrada de Ferro de S. Eran-
Clwco, o Dr. Joo Piren Hachado Por-
tella.
Fol nomeado o diere de errao do
Proionsamcnio da Entrada de Ferro
de s. Francince Dr. Alfredo Fernan-
den Dlan. para Igual cargo no da Da-
ala.
Fol aposentado o deiembariador
da Belaeao de Coyas. Manoel Carrl-
Ibo da Conta.
Foram nomeado*: Juiz municipal
e de orpbaon do termo do Crato
na propnela do Cear. o bacbarel
Mu real Garca s Jala naonicipal e de
orpbon do termo de S. Joao do
Principe da menina provincia, o ba-
rharel Vielra Banton.
ss?:;: s a ::-::::- satas
(Espe-; ial para o Diario)
S. PAULO, 19 de Outubro.
MU. HH, II. actbam de aqu ebe-
*
Agencia liaras, filial em Peraambuco,
20 de Outubro He 1886.
1NSTRUCC10 POPULAR
HYGIENE DA HABTQIO
(Extrahid)
D \ BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
se pelas circunstancias econmicas. as casas dos
operarios o calor que serve para operar a cosedura
dos alimentos, de ve uqueeer o quartod' cama pro-
limo.
N'aquellai, onde possa haver duas chamins,
deve ser urna no quarto de cama. Onde puder
haver tres, deve collocar-se a terceira na casa onde
por coa turne se passa a maior parte do dia.
Se a casa nao puder ser aquecida toda por igual
deve fazer-?e com que a transicao das casas mais
quentes para as outras nSo seja brusca em relacAo
a temperatura.
Para que no verao se inant.nha fresco o ar das
habitaces, cOBtume regar o pavimento e conser-
var fechadas as janellas durante as horas de calor
mu intenso.
O primeiro meio deve ser rejeitado, porque pre-
ierivel padecer algara calora respirar um ar ex-
tremamente hmido e talvea infecto.
Para refrescar o ar das habitacoes fizoram se
experiencia* em Pars, ao Conservatorio das Artes
e Officios, e achou-se, que, fazendo passar o ar
atravez de um jacto de agua palverisada nao se
ebtem um abaixamento de temperatura muito su-
perior a 2*.
Experi mentn -se tambem fazer pastar o ar
atravez de reservatorios inetallicos em que circu-
lava a agua fria e gelada ; mas este segundo me-
thodo tem o>inconveniente de exigir apparelbos gi-
gantescos e de muito preco.
Jolgou- se mais econmico ontro : produzir urna
ventilacao continua pelo emprego de chamins que
se levantem a eres metros pouco mais on menos
cima do espigao do telliado ; obtendo urna veloci-
dade de ventilacao de 0m,40 a 0m,50 por segando,
pode calcular-se, que o i>r se renova de todo duas
vezes por ora, conservando-se fresco e puro.
Outro mi-thodo simples e efficaz consiste em ba-
nhar os telhados das casas dpsde manha at ao por
do so), nperacao em que se pode gastar apenas um
metro cubico Vacua por hora por cada com me-
tros qnadrados de superficie de telhado, pro.uuin-
do- de pela evaporacao um importante arreiecisaento
(Contina)
iamanto de 7 de Mar jo de 1857, ao cabo. ",|,r D. Mara Barbosa Chichorro da Motta e seus
de esquadrado 1 regiment de cavallaria filhos C0""40** Perpetua Chichorro da Motta,
xt- ? rt o-? j j com '" annos de idade, Mara das Mercea Cbi-
Vicente Gomes da Silva, ajudante de en- chorro da MotU) com u ann08i Anna da Piedade
fermeiro no hospital militar do Andarahy, Chichorro da Motta, com 12 annos, o Manoel Joao
o que se acha actualmente encarregadt da I !'hiehorro aa Motta, com 7 annos.Cammunicou-
enfermara alli estabelecida para o trata- se M''Peetiw frftonr .. D ,
, *.... ,- O sr. gerente da Companhia Pernambucaua,
ment das pracas do corpo militar de poli- mande conceder passagem r at ao presidio d
cia da corte. Fernando de Noronha, por conta das gratuitas a
Doclarou-SO ao commaodo da escolt mi-11ae governo tem direito ao guarda JoSo Jos da
litar da corte que o soldado do corpa de I fonseca, su a mujher Perpetua Mara dos Praae-
alumnoB da mesma escola Alfredo Joa
quim Carrito, achando-se coropreheddido
as disposicocs do aviso de 21
do Feve-
deve Vter
fARTE 0FFIC1A1
Ministerio do Imperio
Por cartas mperiaes de 12 do corrente
mez foram nomeados:
Senador do Imperio pela provincia de
Minas Oeraes, o conselheiro Candido Luiz
Mara de Oliveira ; presidente da provincia
io Rio Grande do Sul, o desembargador
Miguel Calmon du Pin Almeida; sendo
concedida a exoneracao que pedio do mes
mo cargo o desembargador Henrique Pe-
reira de "Lucena.
Ministerio da fnstlea
Passou se diploma habilitando o bacharel
Jos Theodoro S Barreto Villas-Boas ao
cargo de juiz de direito.
- Ao presidente da provincia da Para-
hyba ezpedio o ministerio da Justina o se-
guinte aviso, com data de 12 do corrente
mez :
Com referencia ao officio desta presi-
dencia n. 205, de 2 do mez findo, declaro
a V. Exc. para o fzer constar ao juiz de
direito da comarca de Mainanguape, em
solueao as du vidas suscita ias pelo respecti-
vo promotor publico:
Que a prohibicao de commerciar impos-
ta no art 2.*, n. 1 do cdigo commercial,
restricta aos juizes municipans e s por
lei pode estender-se aos seus supplentes ;
Que no impedimento por mais de seis
mezes de que trata o art. 6.* 1.* do de
creto o. 4,824 de 22 de Novembro de
2871, nao se comprehende o que relati-
vo a certa e determinada causa como a
suspeicao.
CAPITULO IV
O fri e o calor dentro de cana. He-
tbo.ion brutaen de aaaecimenlo*
B z*iroN. 'cairelan. raizan de
nsua. Fog6es a liaminen. Calo
riferos de ar queme e de vapor.
Procennon de venfr*amento.
(t'onrtnuifo)
Este o mais precioso dos mritos da chami-
n, mas nao o nico.
O calor da ehamiu c ora excitante e forte, ors
tepido e su ia.
' No primeiro casi a tua aceio tnica, estimu*
lante dos ervos ; a cli.inm entilo augmenta as
pulsaeSes e as respiraces, e, excitando a pella a
um tmbalho vive, pralvsa em grande parte os
cloentios.
N xlgumas pessoas, raras, s quaes, por s: rem
ple'.horicas o", por teremdisposicaoparacongeaiVs
>Jo cerebro ou dos intealioos. a proximidadedacba-
miai faz mal: estas devein evitar o approxiinarem
je d'ella, tomando com ccnselheira a experiencia ;
mas para a maior parte da gente a ehamiu til
e para alpumas pessoas pode mesinu ser medicina.
As occasifcsi mais pr^prias para nos aquecermoe
chamn. sijde oanh ao levantar, principalmen-
te ([liando se tem o p-igaiiuo ha bit de dormir ves
tido, e quando estanxs para sabir de casa e n> s
vamos expr a um gru le fri ; n'eate case deve-
nios aquecer nuS ja com o pcoprio tato que levar-
mos para fora, afim dearm/.zenarni08n'elle o calor
suffieiente e i ao sentirnos lao pronunciad a brus
ca mudanca de temperatura.
Devemos appriixjmar-noa tambem da chamin,
uando chega-mos a casa m>;lbados pela ebuva ou
pela geada,o que mais red mmendaver aiuda se
torna, se puderm >s previamente substituir a ruup
hmida pr ouira nxut ..
Urna boa chamin deve satifazcr s aeguintee
condicotj) :
Ter as paredes concavas e brilbantesafimde re-
llectirem p de calor ;
Dar lugar a urna combusro perfeita, stm que a
tiragem seja extensiva ;
Nao introduzr fumo pira dentro de casa ;
Alimentar-se de ar previ urente aquecid ;
'; Utiliaar pra o quecmento da cana ama parte
do > r quent- qae pases pela conducta ;
Ter urna porta registro para ob-tar entrada di.
ar fno, quMado o \arrf est-ja en.neto ;
Ser prvida de nui guarda fogo na frente, para
preservar do f go nao o pavimnnfo mas anda
. fatos das p. ss.as que se approtimareui della.
Nos grandes eeiabeiecim-n'os aqu-cems'-niunas
vetet as diversas salas por meio d. tubos, por onde
patea \apor d'agua omr qii1 nte, que se prodzeu
n um niiioo fot.calorefic>. bW f-ytema de aque-
oimento, posro que nio tenha pvims as vnmag'nB
da ehamiov, t<*na-se eomtudomag'iifice deceno
nraitn mais eeoiKimieo quando ? trate f)e um estw-
belecunento grande, parque as des-p. zas rte insta1-
Iscao des appnrlh. sao de c. rto bem c mpensadak
pelo melboT aproveitam. nto d cld. '
A dutrlbnicao *o calor na* casas deve regular-
... i
Ministerio da Guerra
Por de-retos de 8 do corrente concedeu-
se ao brigadeiro Jos Clarindo de Queiroz
a xoneracao que pedio do cargo de com-
roandante das armas da provincia do Para.
Concedeu-se reforma, de cunformidade
com o disposto na primeira parte no I.*
do art. 9.- da W n. 648 de 18 de Agosto
de 4852, ao capitao aggregado arma de
infantaria Jos Caetano de Souza Cossei-
ro, visto t.-r aido julgado incapaz do sr-
vijo do exercito em nova inspecjSo de sau-
de a que foi submettido.
Foi reformado, na mesma conformidade
o pharmaceutico tenente aggregado ao cor
po de saude do exercito Reiginaldo Jos
de Miran la, visto achar-se doente ha mais
de um anno e ter sido julgado incapaz do
servico do meamo exercito, em nova ins-
peceao de saude a que toi submettido.
O ^. ajadante-gener! mandou agrade-
cer em ordem do da guarnicao ao ma
jor Manoel Rodrigues Bn.gaos! a lealda-
de com que servio durante o commando
interino do I." batalhlo de infantaria.
Apresentaram-se repartiyao do ajudan-
te goman 1 o tenente-coronel Roberto Fer-
reir, ltimamente promovido para eom-
mandante. do 1.- de infantaria, cojo cora-
man I tenente do 3.* batalhao do artilharia Ro-
mualdo de Carvalho Barros, que, conului
do o tempo da licenca que lhe foi conce
dida, foi addido ao 2." regiment da mes-
ma mu para aguardar embarque.
Foi c-ontrntado oDr. JVisN' tto de Cara-
pos Carneiro para servir na guarnio da
provL' ia d G yaz al que all se apre
hent^ wlgum do irurgS-s luilit.res desig-
nados iir* aqu' lia gii^riiigao.
Foi : ti' 'ida ao alt' res honorario do
x rjit.i Antonio P.^-s tu S Barreto, ama
p. 11 Ao qo>* rsoB.1* a qu^ obtuve prefaca
qm nlia equivalente ao sold de sua paten
te, rijo t'-r ti a.n> [nufiJJda por causa de
.-.-o-u.-ir;i, de que foi accoiumettido quando
t zia paaai o .xen;it...e'n operac3e con
tra o -ovprno o Paragu-ay.
Foi -outr tado o parir Jos Stumbo
para B.,r ir .uni uaosUfta na ;ftlflBa mili
t.,r lo Chopim.
F-i ni'11,.lo aMir 10 10* O alferes do
9o Juli C':s*r G.-.,M1.3 da Silva, chegadp
da 'B-.iu.
Foi c.indfdida a .gimtincacao de enfer-
meiro mar ada na iaSj.-lL anifxa ao regu-
reiro do anno prximo passado,
elle alta do posto de furriel.
Pelo ministerio da guerra foi rermwdo
ao de .'stranguiros o diploma e raedalba
commeraorativa da reudigao de Uruga-ya
na pertencenie ao tenente D. Polidoro Esta
der.
Foi arbitrado em 70-> mensacs o sold
do tenente reformado do exercito Jos Joa
quim de Freitas Jnior.
Petmittio-se que o 2* tenente do 3o ba
talhlo de artilharia a p Thomaz Caval
cante de Albuquerque use da espada de
ac, que lhe foi ofF^recida por alguns
alumnos da escola militar da corte.
Foi concedida a cidade do Rio-Grande
por menagem a> alferes de 17 batalhao
de infantaria Cyrillo Bernardino Fernn
des, que est responderdo a consclho de
guerra.
Apresentou se ao quartel general o Io
tenente do 3o batalhao de artilharia Ro-
mualdo de Carvalho Barros, por ter finali-
sado a licenca com que se ach iva.
Assumio o exercicio de quartel-mestro
do Io regiment da cavallaria ligeira o al-
feres Jos Lourenc/) Cysneiro da Costa
Res.
-_^_
Ministerio da Marimba
Tiveraru ordem de passar da aanhoneira Guara
uy para o vapor Amazonas o 1." tenente Joao Ba
ptista das Neves, destacando para as oficinas du
torpedos; para o vapor Purs o 2. tenente Al-
bino Flavip de Miranda Correa ; deste para o en
couracado Javary o macbinista de 3.* classe Pri
mo Antonio Piraiso de Castro, e deste para aquelle
vapor o de igual classe Eduardo Jorge Mois; da
canhoneira Broconnot para o vapor Madeira o fo-
fuitta contractado, Francolino Jos de Faria; e
o cruzador Imperial Marinheiro para o patacho
Aprendiz Marinheiro o goardio Antonio de Oli-
veira.
Apresentou-se no quartel-general, vindo de
Pernambnco, o 2. tenente Francisco 4e Souza
Pinto.
Tiveram ordem de embarcar no cruzador Im-
perial Marinheiro o guardia Joaqaim Fabiano da
Crus ; no cruzador Primeiro de Marco, o guaraiio
Pedro Manoel Victorino da Silva ; e no eucoura-
cado Hete de Setembro o guardiao Jos de S-^ho-
u.
Poi nomeado para embarcar no cruzador Gua
nabara, o 1. tenente Arthnr Jos dos Res Lis-
boa.
0 ajudante genenl ordenou ao commandante
da canbooeira Guarany qae fizesse regressar para
os seus respect vos navios, o guardiao e mais pra-
5s que foram do rebocador Lomba, _evendo pas-
sar para a corveta Nietherohy o macbinista de 3."
classe Paulo Paquet.
Mandou se desembarcar da canhoneira Bracon-
not, o 2. tenente Luiz de Audrade Costa; do va-
por Furs, os foguistas Francisco Castello Vidal e
Antonio om Souza Velho. ,
i' o mandado servir na escola,n. 11 de aprendi-
ses mannheiros, o 2. tenente Luiz de Andrade
Costa.
Foi desligado da escola de aprendizes mari-
nheiros da provincia de Pernambuco 0 menor
Joo Jos da Silva, por inespacidade pby-
sica.
Foi autorisada a directora do Arsenal de Guer-
ra da corte a mandar fazer, as snas oficinas,
em mai. dez reparos dos cashoes de calibre 120,
systema Whitwortb, existentes na fjrtaleza de
Santa Crus, as mesmas modificacoes executadas
em outros canhoes de mesmo systhjma.
-!sr>;ft3s&-------
toverno da Provincia
IXFEMENTE DO DIA 8 D OOTBBO DB 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, em execucao
da lei n 2,395 de 10 de Setembro de 1873, resolve
nomear Augusto Silva para o posto de tenente da
4 ompanhia do 1. batalhao de infantaria do
servico activo da guarda nacional da comarca do
Recife, vago por nilo ter Jos dos Santos Selva
solicitado a patente dentro praso legal.Commu
nicou-sc uo respectivo commaudante superior.
O vice-presioVnte da provincia, attendendo
ao que requereu o subdito bespanhul Miguel Bar-
vede Fernandes, residente neata provincia, resl-
ve, de accordo com o disposto no decreto u. 1,950
de 12 de Juiho de 1871 e usando da aut> ns.fi.
conferida pela lei n. 3,1-10 de 30 de Outubro de
1882, naturalisar o referido subdito h-spanhol Mi-
guel Burvede Fernandes, afim de que p>ssa gisar
de todos os Jircitos, honras e prero^atiyas, que
pela coustituifao ompetem aos cidados brasilei-
ros uaturalisados.
Officios :
Ao commandante das armas. Def'rindo o
reqnerimeoto do auspeccada de \L* batalhao de
infantaria Luiz Manoel de Pina, autjriao V Exc,
4 vista da sua nforuiacio n. 492, de hontem data
da, a conceder-lhe baix* do servico do exercito,
mediante substituto.
An commandante superior da guarda nacio-
nal da comarca do Bom (,'oQselho.Sirva-se V. S.
de informar, 4 vista do setf i fficio de 20 de Setem-
bro tiudo, quaes os ufficiaes que se achiro forja-
dos.
Ao inspector da Theiouraria de Fazenda.
R metro a V. S., para os fius conwuieiires, as
duas inclusas nocas do gaz consumido un Arsena'
de Querr dur*nt o in. z d^ Set-mbro findo, na
quautidada de 7,200 ps cbicos, e rw'in assim -
intorinacao junta, por copia, do engenheiro eocar-
regado das obras militares, de hontem datada, sob
n. 63, relativa ao mesmo consiluio.
Ao mesmo.Segundo a esta Presidencia in-
formju o juiz de orphtos supplente do termo la
Escoda em offiei > de 5 do corrente, o Supremo
Tribunal da Reta co reformou os arbitramentos nos
vafores dos escravos, Jos, de Manuel Antonio d.^s
Santos Das, ft Honorato, de Jos Praoscisco Fer-
relra. libertados p >r conta da 6. quota do fundo
do cmaiicipatao, j.assando a ser de 600 a inde.m-
uiea^lo do prim'iro e a de 900JI a do i"gund...
O quo c.rninunico a V. S. para os hns conve-
nientes. Communicou-se ao respectivo juiz mu-
niciptl.
'Portaras V ""
O Sr. gerente da Companhia Peroambuc.ua,
f.r^a TransporUr ao presidio de Fernando de N*-
ro:iha, p .r conta do Ministerio da Guerra, no V-
pr Giqui, o 1." cirurgio Ur. Francisco Jacntbo
Pereira '/a Motti, qlte vai render no servico do
destaeanieuro all existente ao 2 cirurgiSo Dr.
Euclids Alvos Heqdilo, e bem assim a sua mu-
silaluN ,
res e tres filhas Joanna Carolina da Fonseca, En
frosina Virgem da Fonseca e Amelia Leopoldina
da Fonseca. Communicou-se ao respectivo di-
rector.
O 8r. gerente da Companhia Pernambucana,
Lmande transportar gratuitamente para o presidie
de Fernando de Noronha, cam passagem de proa,
quando para isso se apresentarem Felismina Ma-
ra da C inceiclo, Anna Mara do Sacramento e a
menor Josepha, mulher, sogra e filha do senten-
ciado Manoel Jos do Nascimeuto, ficando sem ef
feto a portara de 13 de Setembro ultimo.Com-
municou-se ao respectivo director.
O Sr. gi ente da Companhia Pernambucana,
mande C5no..jer passagetn r, de ida e volta, at
ao presidio de Fernando de Noronha, no primeiro
ve.por que para all seguir a Luiz Jos da Silva,
por conta das gratuitas a que o governo tem di-
reito.Communicou-se ao respectivo director.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana,
mande transportar opportnnamente com passagem
gratuita de proa para o presidio de Fernando de
Noronha, a Belmira Mana da Silva, mulher du
sentenciado Francisco Luiz de Albuquerque, fi
cando sem effeito a portara de 13 de Setembro ul
timo.
O Sr. gerenta da Companhia Pernambucana,
faga transportar boje bordo do vapor Mandah,
per conta do Ministerio da Justica para a provin-
cia das Alagas, o negociante italiano Jos Jor-
ge, cuja pristo toi aqu e&evtuada a requisiclo do
respectivo juiz do commercio, e bem assim urna
praca de polica que o vai escoltando.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana,
mande dar passagem a r at o presidio de Fer-
nando de Noronha, por conta das gratuitas a qae
o governo tem direito, a D. Pbilomena da Costa
Borges, que para all segu em companhia de sua
irmf casada coui o tenente Bonifacio Antonio
Borba.
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao Limoeiio, d passe de ida e volta, boje,
e por conta da provincia, desta capital cidade
do Limoeiro, ao cabo de esquadra do corpo de po-
lica Jos Ponciano de Macedo, que para all se-
gu a servico.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Oficios :
Ao Dr. juiz de direito das execucoes enmi-
naes do Recife.De ordem do Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia, transmitto a V. S., pan os
fins convenientes, copia do aviso do Ministerio
dos Negocios da Justica de 18 do mez findo, rela-
tivo a admissao de 20 sentenciados do presidio de
Fernando de Noronba. Communicou-se ao res-
pectivo dilector do presidio de Fernando de No-
ronha.
Ao Sr. agente da Companhia Bahiana. S.
Exc. o Sr. vice presidente da provincia, manda
acensar o recebiraento do offieio de V. S., em que
d clara que o vapor Principe do Gro-Par, cha-
gado hontem da Babia e portos de escala, seguir
para os mesnos portos i 11 do corrente, a 4 ho-
ras da tarde. _^_
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 11 DE
OUTUBRO DE 18t6
Antonio Botelho Pinto de Mesquita.
NSo tem lugar, em vista das informa-
c3e8.
B istos & C. Aguardera ordem do go-
verno.
F-lippe Benicio Correia de Figueiredo e
Mame I Carlos Vital.Concedo.
Joao Marqus Ferreira Leal.Iuorme
o Sr. commandante superior da guarda na-
cional comarca do Recife.
JoSo Rodrigues de Moura. Deferido
com o officio desta data ao Thesoure Pro-
vincial.
Jos da Matta Cardim NSo tm lu-
gar, era vista daainforraacoes.
Manoel Goncalves Agr. Requeira ao
governo.
Nuno Alves da Fonseca. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional
da comarca do Recife.
Tributino Jos Pessoa Lama. Conce-
do.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 20 d* Outubro de. 13S6.
O ajudante do porteiro,
Antonio F. da SUveira (arvalho-
. .
Repartico da Polica
SeccSo 2N 1025.-Secretaria da Po-
lica de Pernambu :o, 20 de Outubro de
18^6. Illra. e Exm. Sr.Partecipo a V.
Exc. qu" foram hontem re -.olhidos na Casa
de D teiico os s^guintea individuos :
A' minha ordem, Manoel Jos de Oli-
veira, alienado, at qae se off;reca oppur-
tuni lad de s.-r transferido para o asylo da
Tainarineira; Fr..neisjo Antonio de Mou
ra, Jos de Sant'Anna e Jos Thomaz de
Oliveir, vindos do termo da Victoria como
criminosos.
A' ordem do subdelgalo do Santo An
tnnio, Jlariolioo Victoriano da Silva Ma-
galhaV.*, alienado, atira de. ter destino p*ra
o asylo da Tamarioeira; Jos da Silva
Torr. s e Albino Vi-toruno dos Santos,
por disturbios ; Jo<- Marcelino do Nasci-
in.mto, Joao Francisco de Barros, Vicente
Ferreira de de Brito, Joan Alves dos
S-ntoB, Thoimz Riymundo, Joao Luiz da
Silva, d-.vero Jos Francisco Jos Go-
mes da Silva, por embriaguez e offrns.to
moral publica.
A' onlem do do Io districto de S. Jos,
JoSo Feliciano de Butis e Euzebio Ma^
Duel de AsDUiupgao, por disturbios.
A' or l-m lo lo 2 districto de S. Jos
Joaquim PeJro Alexandrino, por distur-
bios.
A' ordem do do Peres, Antonio Thomaz
de Aqaino, por c-riuno de ferimantos.
Pelo Dr. delegado do 1" districto da ca-
pital, foi remettido ao r. juiz de direito
do 3o dibtrie.to criminal, o inqu;rito poli-
cial a que procodeu aoure o conflicto ba-
viilo ro-hotel Rioamboleie ferimentros pra-
cudos p> lo abo do 2' batalhao de linha
Jos Vieira Lima no capitao Honorio Ce
mentiuo Martins, do mesmo batalhao.
Hoie, s 10 horas da inanha a no caes
J | II. !/
do Ramos, os individuos de nomes Ricar-
do Geminiano de Brito e Jos Francisco
de Sant'Anna, vendedores de cocos; tra-
varara-8ede razSes, dando em resultado o
segundo sabir ferido na cabeca pelo pri-
meiro, em razio de lhe ter arremessado
um coco.
O delinquente pretenden evadir-se ; mis
sendo perseguido pelo clamor publico, foi
preso na ra do Visconde de Inhama
pelos guardas cvicos n. 13 e 117.
A tal respeito procedeu se nos termos
do inquerito po'icial.
Commuoicou-rae o delegado do termo
de Floresta a captvra dos criminosos de
nomes Severino Alves dos Santos e Joao
de tal, conhecido por Joo Tenente, am
bos pronunciados naquelle termo, o primei-
ro em crirae de feriraentos e o segundo no
de tentativa d Ao referido delegado apresentaram se
voluntariamente, por se acharem pronun-
ciados em crimes.de morte e tentativa de
morte, os individuos de nomes Jos Ale-
xandre Go'res de S, Gabriel Gomes Bar-
bosa, Jos Eloy Gomes de S, Antonio
Gomes de Barros, Aureliano de S, Ma
noel Gomes da Silveira Barros, Ricardo
Lopes de Souza Ferraz e C.indido Lopes
Gomes Ferraz,
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leo
muito digno vice-presidente da provincia.
-O chefe de polica, Antonio Domingo
Pinto.
Auto de persuriax fe Has ao Dr.
Eduardo de Barros Faiciio de I cenia, tbenourelro da Ttteaoura-
rla de Fazenda.
Aos 9 das do mez de Setembro do anno do nas-
cimento de Not so Senhor Jesua Chnsto de 1886,
nesta secretaria, presente o -Dr. Antonio Domin-
gos Pinto, juiz de direito e chefe de polica da
provincia, commig7 Abdisio de Vasconcellos, ama-
nuense da secroUria, comparecen Dr. f.Juardo de
Barros Falco de Lacerda, a qu -m o mesmo Dr.
chefe fez as seguintes perguntas :
Perguntado seu nome, idade, nataralidade e
profissao?
Respondeu chamar se Eduardo de Barros Fal-
cSo de Lacerda, ter 52 annos de idade, natural
desta provincia e ser empregado publico
Perguntado o que tem a esclarecer sobre o rou-
bo dado na Thesouraria de Fazenda de que the
sonreiro ?
Responden que indo boje para Thesouraria por
volta de 9 Inris da mauh, antes de entrar em
sua sala dirigio-se ao lugar em quetrabalha o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda, afim i e fal-
lar-lhe sobre negocios relativos a reparticao e que
retirando-se pouco depois para sua sala all en-
controu o servente Silva e escrtvlo da receita e
seu fiel Fialho, o qual pedio-lhe as chaves da por-
ta que separa a sala da casa-forte, bem como a
desta, sendo que ao abrir encontrn a primeira
encostada porm aberta, dirigindo ae a pona da ca-
sa-forte para abril a po- sua vez encontrn-a com
uro instrumento de tatito parecido com urna chave
pelo que chamou immediatamente a atteocao del-
le responden te para o tacto o qual parecendo ex-
traordinario ao respondente mandou immediata-
mente chamar o Sr. inspector d i Thesouraria que
nao se fez esperar e que a pedido do respondente
reclauon immediatamente a preseuca do Sr. Dr.
ch fe de polica, que comparecen logo e tornee -u
a proceder as diligencias qae lhe parecern) mais
acertadas.
Disse mais que na segunda-feira 6 de corrente
ao retirar-se Ja reparticao entrou para a casa-f jr-
te afim de muaar o palitot, sendo icompanbado
pelo sen fiel Francisco de Siqueira Carneiro da
i'unha. que conduzia a caixa do respondente e al-
guns macos de dinhviro do recolhimento da Al-
fand-ga, que fechouo cofre grande e maniou fe-
char a janella e a orta da casa-forte pelo mesmo
fiel que fechou em seguida a do repartimeutoque
fica contiguo da casa-forte, tendo o cuidado de
verificar como costiima estarem as portas efectiva-
mente fechadas, feto o que recebeudo e guardan-
do jis chavea no sacco de camurca retirou-se com
o fi-l Fialho Meando o ontro fiel com os encarre-
gados do carimbe anda por urna hora do costume
e conforme as ordena do inspector aura adiantar
o servico do carimbo de notas di.aceradas.
Perguntado a que horas receben as chaves da
porta da seceo que communica com o corredor?
Respondeu as quatro e mia ou cinco horas como
qu.isi sempre aconteca.
Perguntado se confiava alguines vezes as cha
ves do cofre d casa forte ?
Respondeu quando se achava por motivo de mo-
lestia impossibilitado de apresentar-se na repar-
ticao, cnearn-gava seu filho mais velho Artbur de
Barra Fulclo de Lacerda, de ser o portador de
ditas chaves, afim du poder o Sr. Cardoso ou os
seus fiis abrir o cofre em caso de necessidade,
bendo que -cu dilo fi.ho nunca penetrou na m- sma
casa forte sem ser acompauhado por um dos dous
6; is do respondeate.
f ergantado era que data s- dea o ultim ba-
: lie ?
Respondeu qne o ultimo balanvo semestral t- ve
lugar a 30 le Juoho e que os balancos mensa-s
ou couferencia das caixas etleetuou-su em 31 de
Agosto.
Perguntado se tera ruzoes p-ira ruspeitar de al-
gum empregado snbalrerno de sua repartida i ?
rl-spondea que ai, que forma de to-los bom
conceito teodo apen-s para uotar que o servente
Silva lhe tivesse firmado a principio hairer en-
contrado fechadas to tas as jaelias e posterior
mente disss que a janella da sa.a do theaoureiro
eslava sem a tranca e apenas fechada com o fer-
rolho, pelo que autoris-i cre ',ue elle po Ieria ter
encontrado alguma outra porta aberta e tivessa
rec-io d declarar, todava o tem na conta de
empregado honesto, antigo na reparticao, oceu-
pa-se no carimbo de notas substituidxs e dilacera-
das e nunca foi encontrado em faltas qu-< indi-
casse mprobid^de. <
Perguntado se co'.servava seuipr o c.fre grande
fechad. ?
Reapoudeu que sempre, Salvo quando hsvia pa-
uamntos aNUltsdos psrqu- para os pequeos pa-
gamentos tinn sempre dmheiro em eaixa.
Ferguntado se o cofre t-m trnente as duas
chaves que apresentou ?
Responden qae s tem as duas chaves sendo
urna de cada fechadurs, que assim receoeu da inflo
de sea antecessor o Sr. Caldoso, actual contador
que Broente se trancava o cofre com urna fecha
dura.
Disse mais que as outras csixas ero que tam-
bem se botavam dinhtiiro nunca se feclavarn por
que cc.rtfiava na porta da casa forte
E nada msi disse nem lhe foi pergontado pelo
que mandn o Dr. chefe de polica encerrar o pre-
sente noto em qne se assigna com o respondente,
primeird prnmotor pdblicb Dco Joatfaltn *e Pre
tki Herrnques e as test-tnunhas ubaiio, eeTnnrigo
AWisii do Vascncetros. servido de Cgrlvao o
escrevi e dou f.Antonio Domingo Pinto.-"-
Einartfo d* BarMs Palcio de Lncerda JoSo
Joaqnim de Freirs Henrique?.Joaquim Alfredo
Roifriguea dos Santos. Cmoi estenjanhis, Pedro
, ,,, li o mi m-nifi
.. linliledpi mvno9 '
"I
Affonso de Mello, Francico de Pan!-! Mendonca
Abdisio de Vasconcellos.
Nada mais se continha em dito auto uqui fiel-
mente copiado ao qual me reporto e don f.
Recife 28 de Setembro de 1886.
Eu, Abdisio de Vasconcellos, a:r ..uense'ser-
vindo de escrivao, subscrevo e aseigno. Abdiii"
de Vasconcellos.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 19 DE OUTUBRO DE
1886
Ventura Percira Penna e officio do Dr.
procurador dos eitos.Informe a sec$&o
do contencioso.
Dr. Estevao Cavalcante de Albuquer
que.-Informe o Sr. Dr. administrador do
Consulado.
Augusto Octaviano de Souza e Joaqaim
Jos de Azev>do. Pagese.
Bellarmino Nunes de Almeida, Manoe
Joaquim Pereira, Joao Tenorio de Albu-
querque Cavalcante e Dr. procurador dos
feitos. Haja vista o Sr. Dr. procurador
fiscal.
Joaquim Duarte Simoes & C.Certifi-
que-se.
Marcelino Gomes da Silveida Andrade.
- Escripture-se a divida.
Manoel Xavier Carneiro de Albuquer-
que, vigario Genuino Walfrido de Souza
Gurjab, Pereira Carvalho & C, Francisco
Jos dos Passos Guimaraes e Alfredo Fal-
cSo e outros. Informe o Sr. contador.
Padre Miguel Peres de Azevedo Falco
e Dr. Belxior da Gama Lobo. Registre-
so e fajare-se os assentameutos.
Antonio Goncal ves de Azevedo. Junte
conheciment) de decima do ultimo semes-
tre.
Thomaz Antonio Maj 1 Monteiro.- Fa-
jam-se as notas da portara du licenfa.
DESPACHOS DO DIA 20 DE OUTUBRO
DE 1836
Cas3miro Fernandez & C.Provado
o allegado, venhaoj nos termos regula-
res.
Francisco Goncalves Torres. -Haja vista
o Sr. procurador fiscai.
Monoel Borbosa de Araujo. Satisfaga
a exigencia.
Alfredo Baptista de S, Braz C,
Joanna Baptista da ConceQao e Izidoro
Basto de Oliveira. -Entregue se pela por-
ta.
Irraandade de S. Pedro Apostlo, Emi-
lio Rcbert e outras, officios do Dr. procu-
rodor dos feitos, Thomaz Antonio Guima-
raes, Antonio Fernandes Henriques de Li-
ma e Manoel Joaquim de Azevedo eco.
Informe o Sr. contador.
JoSo Rodrigues de Moura.Ao Sr. con-
tador para conhecimento e ao contencioso
para os devidos fins.
Amalia W. de S Leitao, Registre-se
e facam-se as nota,
ondulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 18 DE OUTCJBRO DE
1886
Bario de Nazareth.Informe a t. seo-
gao.
Manoel Alves Barbosa e Succesores d
Barbosa Lima & CA' 1.' secsao para
os devijos fins.
19
Floriano Peas.)* Valenga. Certifique-se.
Nunes Coimbra & C. e Clarindo do Reg
L*ite.Informe a 1.a secc2o.
Martiniano & C. A' L* seceo para os
devidos fins.
20
JoSo do Reg Barros e Dr. Estfvo Ca-
valcante de Albuquerque.Informe a 1.*
seceo.
Joaquim da Silva Boa-Vista. Dirija-se
ao Thesouro Provincial.
Perera Carneiro & C -A 2.a seceo
para sua sciencia e devidos fias.
iBstrucco Pnblica de Pernam
buco
DESPACHOS DO DIA 18 DE OUTUBRO DE
1886
Thomaz Antonio Maciel Monteiro.Cumprs-se
e registre-se.
Ignacio Vieira de Mello e Vctor V.eira de-
Mello.<2oino requer.
19 -
Dr. Manoel Clementiuo de Oliveira Escorel.
Certifique-se.
Fmieisca Barb sa da Silva.Deferido rom offi-
cio dest. data o Toes uro Pr'incial.
Affonso Monfeiro Pessoa.D-ferido, com oficie
desta data ho Thesouro Provincial.
Artbur Octaviano da Sil 'i Ramos.Deferido,
com officio ao relntor a qn-m t .i distribuido o ma-
uuscroto.
Isinenia Genuino Dian. Informe o delegado
luterano em que da a suppncante assumio o
exercicia da ead ira de Duirfe Dis.
Manoel L.p-s da P-z.-A' 3 seccJo, relator c
Dr. Joa B.priM* Re^uer Co ti.
Joao .VI uricio Hir.-e.Keco.ih cdo e sellado c
documento, '-me.
Mii ei L p s 4- AllniqiKrqiie.A 3 seccao,
reUt .r o t> Jos D'uiz Kara t >.
Se-retaria da nstrUrieSn publica de Per-
nambu.o, 19 dq Outubro de 1886.
O p- rteir.-,
J. Au RECIFt. 21 >E OUTUBRO DE 188
Xotiela d ni
O paqW fiiic'i MaK&w eh- .-u< h-.ntein dos
pono Ho:su. -o' )i Tti'.. -c_u!iit- noticias,
.Um di. .'. >- "U ;. s revenv 8 na srecao
'! i
competente. ,.
Rio du fraila
Otftik -t e te ..:.. Il C a e I I de UotubrO.
W,.d... 3 t ra.li mi .r. en. .n ut. 49 eji
fici^s o.- .ai m- ji 'a e.-c a- n o 's ,
'Ac.iwr.il a") .).. '.: d Kiepbn icaOrtet-
mr'a-p ov'.n o ,.i j.,! .ae utori-ava o
p0d r e.-mus, ..... ... i 4,oO,0(W p de
2ogio ni n's i.> '. c mi- 'i -
" La A'uciiiti e i un- !.. .hc..-i em termos
Mtegoric .mMiJ- o.,.... it rala iK. gene-
ral Sa,.t s ia pr..-iien-,a .. repblica {- tlu.l
Wittfq o. i i







'





1
I


Diario de PernambucoQuinta--feir 21 de Oatubro de 1886
k
osado assim o artigo : O general Santos ui > se
tsseota, nao pode auaentar-se, nem tem motivos
cara ausentar-se.
t> Jornal do Commereio da corte publieou os
oxeantes telegrammas:
lontivido, 12 de Outubro.
Est gravemenente enfermo o Sr. Manoel |L.
Ssaeto. O aeu estado d muito poncaa esperanzas
Oe alval-o. O Dr. Carlos de Castra parti para
Paraguay. O itmtl il Italia, de Montivido,
ingnrn que a vfasesa do pswideote Mximo
Sasttos para a Ewopa negocio decidido.
Lima, 12 de Oatabro.
Reiua grande s^cjk>aa cidade motivada pela
ia expulaio iatBB*diats> x sessio da iissaii) dos debutad--s de 18 de Se-
as bro paseado.
Jtealisaram-se agitados meetinge pro contra a
eiebre congrogacao religiosa.
Buenas-Ayres, 12 de Outubro.
Assumiu boje nesta capital com toda a aolemni-
ade o cargo de presidente o Dr. Miguel Jurez
latan.
O ex presidente, general D. Julio A. Boca,
orcaunciou um discurso no qual lembron de um
modo summ irio os progressos realisados no paiz
florante o ultimo periodo presidencial.
Ueapondea-lbe o Dr. Calman, que, depois dos
gradecimcnt >a e das telic taces do eatylo, expoz
aeu prugramma de goverao, que consistir prin-
~r1ui.ute em manter a pas interior e exterior e
tm promover o desea volvimeuto geral daa institu-
jea e das industrias do paiz. O novo presidente
aooiai-xd, alm disto, que tomava o poder sem
Coa nem prevsncoes contra quem quar que ibsse
s tiavia de goveraar, nao com uo> s partido, mas
.oa todos os nomina de boa voutade, dispostos em
aarxiiiul-o e afirmara prosperidade da repblica e
eiieidade de seus cousidadios.
Estas palavras fora aolbidas pela assembla
.ocas vivos applausos.
Sueos-Ayres, i 3 de Outubro
alla-se com a insistencia da prxima federali-
. .aco do Banco da provincia. As tolhas da oppo-
i $*o mostram-se muito adversas a tal medida, que
ansiderara dever prejudicar consideravelmente os
jstoreeitodo paiz.
A taxa do ouro subi 22 1/2 O/o, com tendencias
as aita.
Moativideo, 13 de Oatubro.
estado do Sr. Manoel,L. Barreto aprrsenta
jjciras melhoras.
Adoeceu o Dr. Manoel Herrera y Obs, ministro
.loa negocios eatrangeiroa da Repblica Oriental.
Unta epidemia de bexigas e de sarampo deela-
.--sa-ee nos arredores da capital. At agora nao
asta muitoa os doenteo atacados; porm tudo faz
taer um augmento dessas doencaa contagiosas.
Por occasiao da inaugurado da linha telepbo
saos terrestre at o rio Amazonas, o presidente da
-trpsblica, general Mximo Santos, mandou um
ISKgramma de felicitaeio a S. M. olmperador.
Ssenos-Ayrea, 14 de Outubro.
A cmara e o senado, reunidos em oongresao,
i sin buje urna lei autorisandu a construccao
le na railway na provincia de Corrientes) e
aaraatindo os juros do capital empregado.
8. Panto
Satas at 14 de Outubro.
Par acto de 12 foi aberto no thesouro provincial
si rdito de 314:547*918 para oocorrer no exerci-
- vigente ao pagamento de diversos eredores da
nrarincia, cujas dividas liquidadas oabiram em
scaroicio findo.
0 Dr. Martiuho Prado Jnior, teve communi-
aa^io de qu-) piovavelaeute no prximo mez de
ffevambro partirio para S. Paulo 400 familias
atacas e allemies.
Safare o Comi PatdUlam de bou tem :
Pelo delegado de polica de Franca do Impe-
-asder alfetea Joaquim Antonio de Jess, foram
apturadoa Manoel Vicente Barbosa e Joaquim Ci-
ug, mandatarios no aasassinato do tenante Jos
Xadrigues da Rocha.
Do inquerito resultou saber-se : que fra
ISgaao, quem disptrou o tiro sobre o assassinado ;
ijoe Manoel Vicente estava armado de nm pao
mea. consumar o erime caso a morte nao fosse
icctaatama ou matar a pautadas o enfelis tenente
.ata*, ai acertasse o tiro dado pjr Cigaao, e que
-(andante Domingos Ribeiro dos Santos.
m 9 Dr. chefe de polica mandou louvar 0 dele-
3m4* daquella cidade pelo modo porque consigui
.arrancar este erime do myateno em que se achava.
Por conta do saldo do trafego da ferro-via de
asatn a Jundiaby remetteu o superintendente
Asreetoria em Londres, a 24 de Set-mbio a quan-
Ha mes prximo udo arrecadarum: aadminw-
sraql- 9:270*670 e as agencias 21:577*3 JO; total
3:848*060.
So igual mez do anuo antepassado arreca laram
vedatinistraco 7:699*970 e as ageuciaa........
*nfcC95*461; t .tal 28:396*134 ; e no do anno pas-
.jb: a a Imioiatracio 8:851*020 e as agencias
SrttS*150 ; total 32:056*170.
Tale a piataes emittidoa ui anno passado......
;*&4*>>20: pagos 8:166*260.
Tietima de terimeutos graves que Iha foram fei-
, a, talleceu oca Bragaoca Adi da Giivaira Do-
allecerain tambem : na capital o professor da
la etdeira de S. Jas dos Barreiros, Gabriel Eu-
^esus de Audrade, c Jaco Ablas; em Pirsoicaba
U. Bita Libinia Martina da Cuaha.
s Quaratingueta, Cicero Brazileiro de Meirel-
^m Souza, 2 tabelliode notas; em Campias D.
Saxatni Martinelli. D. Guilheratina de Campos
Mello, D. Jtanua Mendes de Godoy e Guilber-
ja>x.a Bra ico Marcoades, e em apivarx, Domin-
Hiaa< fieraen
.'Datas at 14 do corrate.
Xa cidade de Alienas, a 24 de Setembro, cabio
Mtiats tempestide, acompanbada de ouraeresos
actos e forte ventana, occorrendo durante segun-
*V>s phenomeno conbecido pela denominaco de
-arava de pedra.
O da immediato amanheceu limpo ; s 5 1/2 da
;srde, porm manifeston-se de novo estes, ultimo
ghenomeno com iotensidade extraordinaria tendo
"janailn por mais de 5 miuu:oa e sendo acompanba-
V) de forte tutao.
O temporal causou grande estrago s casas da
sade, as arvores e plantacdes.
ko de Janeiro
Datas at 15 de Outubro.
Sio hoavera sessea no senado e somente na ca-
snara dos deputados a 12 e 13.
Snas Magestades p&rtiriam no dia 18 do cor-
ansste, as 6 boras da marina, para a provincia de
t>- Paulo, de onde seguidlo para Pocos do Cal-
O Sr. ministro da agricultura acompanbaria os
aaigastos vinjantea em toda a excuraio, que durar
aerea de um mee, teoeionando Suas Magestades
aactar todos os pontos servidos por' viacao frrea
a sor navegacao fluvial.
Ioaugurou-ae no dia 13 o aervico das coramuni-
sa$5es telegraphicaa pela linha terrestre para a ca-
atal do Para bem como para a capital da Repu-
lSM.a Argentina, attingindo assim a rede telegra-
sMeado Estado o deaenvolvimento de 10.610k,3'*5m
Mi ios da extensao total de 18,31 lk576m.
A's 10 e 40 minutos chegou estacao central dos
.msegraphos Sua Mtgest ide o Imperador, aeompa
ainado pelo aeu camarista de semana, chefe de di-
iticio Joa> Mendes Salgado, e, recebido porta do
edificio pelos Srs. presidente do conselho, minia-
fe de imperio, mannha e agricultura, Bario de
Qspanema e varios chefes de servico, dirigiu-sa
navra a sala de desean o, onde 3 apparelhos, serv-
ce pelos telegrapbistas Franeisco Storino, Jos
Xtniz de Carvalho e Marcello Justino de Carvalho
Jonior, trabalhvam directamente para Belem (da-
.ocia de 4,871k,716m), Montevilo e Bu.inos-
Ayres.
Achavam-se presentes, alm de todo o peiisoal
carior da repameo dos telegraphos, os Srs. H.
alaren, ministro plenipotenciario da Repub'ica
Argentina, varios senadores, deputados e repre-
ntantes da imprensa e outras pessoas.
Logo ao aproximar se do apparelho. que traba-
nava para Belin, ditou Sua Hagestade o impera
'dar um telegrama para o presidente da provin-
ta do Para, dirigindo em seguida sutros aos pre-
identes das Repblicas do Uruguay e Argentina.
Os Srs. presidente do conselho, os ministros pre-
sentes, e outras pessoas, telegrapharam pela sua
jos, trocando-se entre esta corte, Belin, Monte-
vi do e Buenos Ayres numerosas congratulaces.
O servico para o norte correu opitmamente .^
Nio tendo sido possivel a principio communicar
ansa Buenos- Ayrea, por defeito das liabas alm de
Orogony, desappareceu aps curto intervallo este
veniente, tornando-se satisfactorio o servico
'recto para a capital da Repblica Argentina e
atittindj a troca de telegrammas.
Sua Mtgestade o Imperador retirou-se s 2 ho-
s, satisfeto pelo bom xito do importante me-
acasreuto.
Begitramos alguas dos telegrammas a que aci-
aja alludimoa.
De Sua Magestade o imperador ao presidente da
provincia do Para.Meus parabens pela inaugu-
raco da linba telegraphica que liga o norte a buI
d rico e vasto territerio da nossa cara patria.
De Sua Magestade o imperador ao presidente da
Repblica Argentina.Regosijo-me por mais eate
facto auspicioso s boas relaces que o Brazil sem-
pre procura manter com os sena visinhos. Minhas
sinceras congratulaces pelo dia de bontem.
De Sua Magestade o imperador ao presidente
do Estado Oriental, general D. Mximo dos San-
tos.R gostjo me por mais este facto auspicioso as
boas retacees que o Braail eempre procura manter
cosa os seus viahtuos. Desejo nao tarde o comptate
reata be ledaaent da sua saude.
Dos 8re presidente do coneelho, e ministros dsT
agricultura, invpstio e marinea ao presidente da
Para, felicitando a provincia pelo importante ae-
Iboramaatt
Do Sr. ministro do imperio agradBS>ndo, em no
me do imperado, as eongratalacel d cmara
municipal de Belm. Do mesmo Sr. ministro ao
presidente da piovncia do Para, ao desembarga-
dor Laeerda, ao Diario do Grao-Par, a praca do
commereio do Para, ao Dr. Santos Campos
varias oessoas de Belm.
Do Sr. ministro da agricultura presidencia do
Para agradecondo congratulaces.
De varios Srs. senalores e deputados, conera-
tulando-se eoss as provincias do Pare Amazona?.
Do Sr. presidente do c nseibo ao da Repblica
Argentiua, saudando-o pela sua aeseocao ao go
verno e manifestando votos para que sua admi-
nistracao, do mesmo modo que a do sen digno ao
tecessor aeja de pas e pro^reaso.
Do Sr. presidente do conselho ao general D. M-
ximo Santos, saudando, apreseotando congratula-
ces e manifestando votos pelo sea prompto resta-
belecimento.
Do Sr. D. Henrique Moreno ao presidente da
Repblica Argentina, saudando-o no aeu e ei
nome dos argentinos residentes nesta corte.
Do Sr. D Henrique Moreno ao ministro W'ilde,
apresentando-lhe ardentes felicitacoes.
Alm de muiros outros, receberam se telegram-
mas do presidente da Republic Oriental para S.
M. o Imperador e para os Srs. presidente do con-
selho e Bario de Capanema, bem como lo presi-
dente da Repblica Argentina para S. M. o Ira
perador, do ministro t. Costa, era nome do presi-
dente da Repblica, para o Sr. Bario de Capane-
ma. Do presidente, chefe de polica e varias auto
ridades de Belm, bem como dos directores das
repartieses telegraphioas das duas repblicas e de
outras moitas pessoas, receberam-se cragratula
coes para S. M- o Imperador, presidente do con-
selho, ministros, senadores e deputados.
Dos nossos c llegas, redactores do Diario de
Belm, Diario do Grio-Par e Provincia do Para -
recebemos as congra:ulac8es que vio publicadaa
na seccio telegraphioa e as quaes respondemos
agradecendo essas manifestacoes e por nossa vez
congratulamo-nos ernn a mprensa da provincia
por tio importante melhoratcento.
Na estacio telegraphica de Belm, achavam-se
presentes no acto d. nangoraeio, o presidente da
provincia, membros da assembla provincial, com
mandante das armas, efficiaes de mar e trra, re-
presentante de todas as tolhas diarias e extraor
dinario concurso de povo.
A reeposta ate presidente do Para ao telegram
ma de S. M. o Imperador, foi a seguiote :
A provincia do Para apresenU a Vossa Ma-
gestade as Kbmenagens do seu profundo respeito
e ao mesmo tempo agradece o impcitanto serv.co
da linba telegrsphics que se inaugura, ollocan-
do-a em correspondencia directa com as mais pro-
vincias do imperio. Interprete destes seutiinentos,
tenho a honra de saudar a V. Magestade e a fa-
milia imperial .
A do presidente da Repblica do Uruguay foi
esta :
Ao inaugurar-se urna nova liaba telegraphica
que poe em contacto direito os pontos mais remotos
do imperio do Brasil com a sua capital e com a
Repblica do Uruguay, compro o dever de felici-
tar a Sua Magestade p>r esse novo progresso, sa
dando ao mesmo tempo o sabio monarcha que com
tanto acert rege os destinos de seu povo, fasen-
do ardentes votos a sua prosperidale pessoal e de
sua Ilustre familia, pelo engrandecimento do im-
perio e pela sincera e real amisade qa-t reinou
sempre entre ambos os pizes, unidos por vncu-
los estreitos de verdadeiro affecto .
Do mesmo presidente do Uruguay ao Sr. presi-
dente d conselho:
Sendo o Bario de Cotegipe um dos mais emi-
nentes estadistas do Brasil, ao inaugurar se urna
linha telegraphica qae poe em communicaciopon-
tos tio atastadas do territorio do imperio, sando
na peasoa do distincto diplmala tados os honv.-ns
polticos dessa naci amiga, fasendo ratos arden
tas para que co.itnue sempre a poltica franca,
nobre e leal que entre ambos os paiz; tem exis-
tido .
Por intermedio do Sr. D. Henrique Moreno di-
rigi o secretario do general Roca, em nome des-
te, que se achava indisposto, cordeaes felicitacoes
a S. M. o Imperador.
Do presidente do Para receben o Sr. ministro do
imperio o seguinte telegramma :
Filbo deesa provincia sio para V. Eic. objec
to de legitimo orgulbe os progressos desta trra
rque tanto tem pugnado congratulo me pois com
Exc. pela inauguracid da li.iba telegraphica
nacional que realisa urna das mais ardentes asp-
rales da provincia .
No mesmo da 13 dora o Jornal do Commereio a
seguinte noticia da rede telegrapbica do Esta-
do :
Hoje, s 10 1/2 horas da manhi, ser inaugu-
rado o servico das communicaces telegrapbicas
pela rede do Estado para a capital do Pari bem
como o servico internacional para a capital da Re-
publica Arg-ntioa.
Com os 318 kilmetros qae vio de Viseu a Be-
lm a rede telegraphica do Estado tem tctualmen
te o desenvolv meneo de 10,610 k 385 m, libando
entre si 175 estaepes por flus da extensio total de
18,311 k 576 m. A extensio da linba entre as es
tacea extremas do norte e do sul do imperio, e
entre cada urna aellas e a central desta corte, a
seguinte :
De 6.120,434 metros entre 8. Luis e Uruguaya-
a na fronteira Argentina.
De 6.576,334 metros entre S. Luis e Jaguardo
na fronteira oriental.
De 6 688,167 metros entre Belm e Jaguaraona
fronteira oriental.
De 7,144,067 metros entre Belm e Jagnario na
fronteira Argentina.
De 2 024,718 metros entre a Corte e Jaguario
na fronteira oriental.
De 2.274,451 metros entre a Corte e Uruguaya-
na na fronteira Argentina.
De 4 097,816 metros entre a Corte e a cidade
de S. Luiz.
De 553,716 metros entre a Corte e a cidade de
Viseu.
De 4,871,716 metros entre a Corte e a cidade de
Belm.
Toda a rede telegraphica do Estado acha-se
as melhores condices de conservacao, prestn-
dole em todo o seu vasto percurso o servico mu
satisfactorio, a despeito de atravessar numerosas
zonas inteimmeate despovoadas, e, em parte nao
pequea, extremamente accidentadas. A eatatia-
tica daa interrupcoea annuaea, comparada a doa
accidentes de igual natureza em outras redes te-
legrapbicas, |.oe a nota a excellencia do material
empregado, a solidez da construccio e a regular i-
dade da organiaacio do importante aervico que ao
Sr. conselbeiro Bario de Capanema coube fundar
e desenvolver com a aptidio e summa actividade
que todos Ibe reconhecemos,
As experiencias repetidas, que nestes ultimoa
diaa tm sido feitaa da estacao central da corte
para todas as estaco-e da linba inclusive aa do
Viseu e Belm, tm dado os resultados que eram
para esperar. Telegrammas directos tm sido ex-
pedidos para as eatacoea extremas do norte e do
sul, bem como entre estas, com a promptidio ere-
gulandade desejaveis ,
Eff-ctuaiain-se no da 13 a pedido do comman-
dante capitio- tenente Aiencaatro Graca, a expe-
riencia aa artilbarta de guerra Maraj >, aob a
direccao do capitio de mar e guerra Baptista, di
rector da reparticao da artilharia do arsenal de
mannha, e foi eate o resultado :
Ao primeiro tiro, com carga mxima do canhio
de E. R. arrebentaram-se 14 eabilhaa, produ-
sindo diversas depressoes no forro de ferro do re-
duct i. Ao primeiro tiro do canhio de B. B. com
carga mxima tambem ao partiram 12 cavilhaa
do estrado e deamontou-ae o canhio, partindo os
massicos dos trablos doscompressores. Alm des-
tas importantissimas avarias, saltaran) aigumaa
tabeas do reducto e houve urna grande ruptura
em urna das taboaa do convs produzida gela que-
da do canhio.
A' vista deete resultado deu o referido direc-
tor por terminada a experiencia
Do que fica exposto v-se que a artilharia des-
ta canhoneira demasiadamente poderosa e que
conven] ubstituil-a.
da ultima data:
Saoia-se que os albos e nicos herdairos do
Conde de Meaquita, dando aatiafacio a vontade e
recommendacao de seu pae, nio s entregaram
immediatamente 21 cartas de liberdade, que en-
contraran! firmadas pelo fallecido conde, como
tambem deliberaram, passar mais 50 cartas de li-
berdade a eecravos e eacravaa incluidoa no inven-
tario e desistiram doa servieoa dos ingenuos a que
tinhain ou tiverein direito.
Mostrara-se assim oa herdeiros do Conde de
Mesquita dignos continuadores desie hornera bem-
fazejo.
A bardo d paquete Sorata parti para
Montevideo, Fernarolii Augusto, deportado por
ordem do enverno imperial, por ter-se provado
pelo inqaWrtso aberto na 3' delegacia do polica
que csrlefl.
D Itaguaby communiesram que o Sr. corone
Aatositf BisiRo, residente naqueBe municipio.
conceda gratuitmn ^e liberdade 8 29 eseravos
seus ; sendo 25 com eoudico de servir por tres
aunas, mediante modiea retribuicio meoaal a ca-
da um, e quatro com a coodifao de prestarem ser-
vicos por quatro anaos.
Em Campos, no dia 11, s 6 1/2 horas da
manhi, cabio asbre a cidade urna tempeatade
aeempanhada de violentas descargas elctricas.
Umi faisca cabio sobre a casa do Sr. Manoel da
Silva, na r>ia das Covas da Areia, estragando II-
geiraraente urna porta e oatra entrn na ataci>
da luz elctrica sendo perfectamente desviada
para a trra pelos apparelhos desviadores.
__ Eis as noticias commerciaes da ultim
Rio, 14 de Outubro de 1886.
O mercado de cambio abri as mesmas con-
dices em que techou hont-.-m, com a taxa banca-
ria de 22 d. sobre Londres, saccando o L mi m
Bank e o Eaglish Baaka 22 1/16 d., contra eaixa
matriz, e foram estas as taxas officiaes do dia.
As tabellas no Commarcial e no do Commer-
eio, e as taxas no London Bank e English Bank,
sio as seguiutes:
Lon i res 22 e 22 1/16 d.
Pars 433 ra por fr., a 90 d/v.
Hamburgo 537 e 536 rs. por m., a 90 d/v.
Italia 438 a 436 is. por lira, a 3 d/v.
Portugal 246 a 245 %, a 3 d/v.
Nova-York 2*300 por dol., visto.
O movimento do dia fo regular sobre Londres,
a 22 d. baneario, 22 1/16, d., dito, caixa matriz,
e a 22 1/8, 22 3/18 e 22 1/4 d., papel particular,
e sobre Franca a 433 ra., baacario, e 43J ri, pa-
pel particular.
Repassou-ae papel bancario aobre Londres a
22 1/8 d.
Na Bolaa o movimeuto foi menos que regular.
Espirito Santo
Datas at 16 de Outubro.
A Provincia do Espirito Santo d estas no-
ticias :
Segundo commuu'cacio que nos enviaram de
Nova Almeida, naufragju no dia 5 do corrente
mez, pelas 9 horaa do dia, na barra d'aquella villa
a lancha denominada Santa Cruz, de oropriedade
do Sr. Jos da Rosa Loureiro, a qual vinha da
villa de Santa Cruz pira esta cidade com carre-
gamento de caf e outros gneros, pertenceute ao
meamo Sr. Loureiro e Joo do Naacimento.
Pde-ae salvar o earregameato de caf devi-
do aos esforoos da tripolacso da lancha Itapemi-
rim, qu ae achava ancorada no porto da villa, doa
marinheiros all matriculados e dos nufragos.
Consto aos qae no lugar dedomiuado Ca-
rangueijo, nfregoezia de Cariacica, a cearense
Isabel, mnlher de Raymundo de tal, tambem cea-
rense, deu 4 luz em diaa do mez paasado a 4
creancas, duas do sexo masculino e duas do fe-
menino, aa quaes morreram aps o nascimento.
A parturiente est sem novidades.
Se taes pas lograssem crear a ninhada do fi-
lhos, deviam ser premiados pela sua fecunddade
pbenomeual.
Victima do beriberi, suecumbio no dia 14,
s 11 horas da noite, o cidadio Augusto Theo-
doro Adnet, legando a viuvez, a orphaudade e a
mais extrema p>breza sua idolatrada esposa e a
aeia caros peonores de seus ardentes affectos pa-
ternaes.
Sentindo-se ha poucoa dias gravemente peiora-
do da molestia, cojos symptomns j alguus mezes
experimentava, tentou melhoras emprehendendo
viagem no primeiro vapor que passou, mas vol
tou dous dias aps quasi agonisaate, aabreviven-
do poucas horas ao seu desemborque.
Dotado de amabilissimo trato e qualidades dis-
tinctaa, o finado goaava de geral eatima e largaa
relacea n'eato cidade e no norte da provincia.
onde residi por quasi todo o tempo de sua estada
n'ella.
Nio ha muitoa mezes fra demittido do cargo
de director do aldeamento do Mutum, emprego
em que preatou excellentea aervi(oa.
Natural doa Estados-Unidos da America do
Norte, veio para eato provincia muito joven, e
aqui n'esta patria que tomn por' sus coostituio
o lar, uniudo-se pele casam -uto a urna filha da
coohecida e respeitavel familia Calmeo.
Sen enterro foi concorrido anexar do mo tem-
po, tendo feito as honras fuoebret a irmandade
da Santa Casa da Misericordia em cujo cemiterio
teve o seu cadver o derradeiro descanoo.
Babia
Datas at 17 de Oatubro.
Nada occorrera de importante.
lagoas
Datas at 19 de Outubro.
Nada tambem occorrea de importante.
EXTERIOR
Correspondencia do Diario de
Pernambuco
PORTUGAL -libbSa, 7 de Oatubro de
1886
Estav aprasado o dia 3 do corrente para se
realizar em Caseaes a ultima regato deste anno,
promovida pela Real Assootacio Naval. O mo
tempo, cocotudo nio o permittio, voltando para o
Tejo muitoa embarcacoea daa que eatavam inscrip-
tas para o certame. Oa vaporea que tinham sabi-
do de Lisboa com oa socios, seus convidados e ou-
tras pessoas, nio paaaaram do Paco d'Arcos. A'
tarde houve repetidas btegaa d'agua e por volta
das 3 1/2 horas da madrugada trovoada e rijos
aguaeeiros.
A regata s se efiectuari para o anno prximo.
Estava para baver um baile no Club de Casd.es,
mas tudo gorou com a inesperada borrasca.
A familia real ainda nio se retiren de Caseaes.
Ha uns poneos de dias que nio tratara quasi os
peridicos de Lisboa, senio d'uma meada de Cri-
mea deslindada pela polica, por occasiao do falle-
cimento d'uma amasia d'um cocheiro. Feito offi-
cialmente a autopsia, descobno-se que a mulber
suecumbira aos estragoa interiores, determinados
pela barbara operacio a que fra submettida pan
ab irtor. Choveram entio as denuncias. A par-
teira que lhe assistira a promover, com o aborto,
a morte da pobre mnlher, foi logo presa. As pes-
quisas da polica deram em resultado o tambem
aerem presas mais duas parteiraa, parece qua aa-
sociadas da primeira para a exploraco dessas in
famias com que as mulberes seduzi tas, tentavam
destaser-s do fruto dos seus erros e da triste si-
tuacio a qae as levara a sua desgraca.
Mais de quinze mulheres, e, entre ellas, algu-
ma casadas, alm daa parteiraa, teem sido coudu-
zidaa Dla polica aoa cataboucos e gabinetes de
detenco do goverao civil. Entre os bomens de-
tidos ha um nrurgiio medico, pela escola medico
cirargica do Funchal, que publieou urna carta nos
jornaes de seganda-teira, 4, protestando a sua in-
nocencia e lastimando-se de que antes do veredie-
lum dos tribunaes se afirme pela imprensa a sua
criminaltdade. As diligencias da polica nio pa
ram. Alguns dos individuos presos j nio estio
incommunickveis e teem sido procurados por suas
familias. Ha episodios cmicos no meio de tudo
isto, que na verdad a ai-cusa um estudo de prever-
sao muito desconsolador. O commiaaario geral,
Sr. Moraea Sarment, inatollou-ae por aigumaa ho
ras em eaaa da parteira, que primeira foi presa, a
figurava all de marido della.
O Sr. Pedroso Lima, adjunto do commiaaario
feral de polica, fasta o papel de criado da casa.
E assim, quando vinham chegando as clientes, o
fingido criado disia-lhes que a senhora estova l
dentro a faser urna operacio, masque podiam tra-
tar com o marido, que era a meama eouaa. Cahi-
ram neste laco urnas tres ou quatro, at que urna
das freguaets, que fora em tempo criada da cozioha
do Sr. Moraea Sarment, logo o conheceu e vio
que era urna esparrella que lhea armavam. Ain-
da aaaim, diaae ao que ta e l foi catrafilada, como
aa precedentes.
Pareco que alm daa drogas, tisanas e hervas
apprehendidas em casa daa parteiraa indiciadas,
em todas se encontraram oa prfidos instrumentos
com que praticavam a celebre operacio da agulha,
com que matavam os fetos, forcando depois as
mus a partos estemporaueoa e dolorosissimos m
que mais da dez haviam suceumbido, ltimamente
as mioa da primeira parteira, que a da ra no-
va da Palma.
Acho intil citar-Ibes nomea, ras e nmeros de
portas e todos os demain pormenores de que as fa-
inas desta ultima semana andam cheias a propo-
sito dos tenebrosos casos. A apparicio de fetos em
barra de lixo vio de escadas e por todos oa cantoa
da cidade, havia se tornado cada vez raaia fre-
quente e at ha poucoa diaa, um bando de gatos,
no telhado de urna caaa da travesea da Esp -ra, foi
visto pelos vizinhos, com o auxilio de um bincu-
lo, a devorar soffregamente nm feto dj meses !
Agora parece ter se encontrado a chave do enig-
ma. Urna especie de companbia de olho vivo nfan-
tecida, eatobelesidoentre varias'Bsrteras de Lisboa,
sera eserapulos, medante 1/9 litas?par as mais po-
bres e" taco su maia libras para as abastadas, flava
solucio'aes3''s iiitrinuadose vefgmhosos lan-es em
que enecntram as mulnefea que se deixaram
cahir nos lacos da seduccio, preferindo por esse
novo e repeliente crime, exonerar se da maternida-
de que as vexava, ou que ira manchar a honra de
suas familias.
Ha casos tambem em que a miseria e a fome le-
vava mulheres oseadas a- sacrificar o fracto do ma-
trimonio legitimo.
Este procesao vai ser curiosiasimo e determinar,
sem duvida, algumas providencias que tendam a
prevenir a perpetracio de toea atteatados. Tem-
ae j eacripto, nestes ltimos dias, columnas e co-
lumnas de conjideraces sociolgicas no jornalis
rao e algom%s bem deprin -ntea acerca do estado
de moralisaoo em que se encontra urna cidade
que est bem loage das condices em que ae en-
contra Paria ou Londres, ou algum deases gran
dea emporioa do luxo e do vicio.
Liaboa, a patriarchal Lisboa a pacato e mo-
desto cidade, onde mal teem chegado os requintes
da civilisacio, parece qae deveria estar isempta,
por muito tempo ainda desees crimes aysthemati-
cos e atros-'s cuja hediondez s encontra explica-
ras aa excep;ionalidade do mei, como por exem-
pf os que ha pouco mais de um anno foram rev-
'as em Lindrea ao mundo inteiro pela Pall
Uill Gazelle.
O que muitos ainda estio para ver em que
embaraces se nao ver a polica de Lisboa, se,
de descoborta em descoberta, no seguimenfo da
complicad 1 fio que est desdobrando, vier a en-
contrar criminosos e vctimas entre as classes in-
fluentes.
Nio ouso afirmar que os eucontre ; mas a jal-
gar pelo que as suas pesqnizas j teem encontra-
do, sacerdotes, deputados, proprietarioa, ete nio
aera para assombrar que os fios da meada levem
mais loage e mais cima os seus achados.
Esquecia-me dizer-lhes que ha perto de seis
mezas urna folha nocturna de Lisboa, as Nevida-
du, recebera urna carta anonyma, parece que de
pessoa impellida pelo remorso, que dava rebate
desta ordem de attentodoa. O jornal cntio fez al-
tas diligencias para obter mais seguros esclareci-
mentos, com o firme proposito de fazer as pesqui-
sas indispeusaveis, por sua conta e risco, sem a
menor intervencio da polica.
A pessoa que escrevera a tal carta nunca mais
deu signal de si, arrependido talvez das primeiras
e fandameatoes revelares que fizera.
A redaccio das Novidades, desengaada entio,
entregou a carta ao commiaaario geral da polica,
que por sua parte, poz os seus agentes em campo
sem que por muito tempo lograsse alcancar infor-
raaces seguras.
A morte da amante do tal cocheiro e o reaulta-
do da autopsia qae poz a polica na verdaleira
pista.
J eatao presas mais duas mulheres na Ribal
deira, concelho de Torrea Vedras._
Escusado ser dizer-lhes quo'dei n'esta missiva
tio larga parte a esta ordem de sucteasos, por es-
tarsm les oceupando tio amplamente a impren-
sa de Lisboa e sendo por taso assampto obligado
de todas as conversacea locaea.
A imprensa de' Liaboa em geral contessa que
esta diligencia policial a mais bem felta, a maia
melindrosa que ae tem effoctuado qui.
Tio bem feta foi ella, que cahiram na rede
pessoas de boa poeicio, dessas qae habitualmeute
costumam escaparse das malhas da polica, e
tio aevera e melindrosa aue a polica, or traba-
Iharbeme com imparcialidad, j esta levando
descomposturas e sendo alvo de insinuacoes pou-
co leses de al.-uaa peridicos.
Emqusnto os presos eram simplesmente des-
granados, faz notar urna folha ministerial que te-
nho presente, tudo ia aa mil maravilhas e a poli-
ca andava bem. Desde, porm, que a rede poli-
cial principiou a apsntar mdicos, empregaroB de
importantes casas commerciaes e amantes de ho-
rneas bem relacionados, entio----- j a policia
exhorbito, representa palhacadaa, attenta contra
liberdadea !
r> Peza-nos ver que n'um caso deates, e em que
o patronato em favor de um dos implicados seria
urna odiosisBima excepcio, a polica seja censu-
rada peta sua integridade e pela honradez e in-
d-pendeneia cora que tem desempenhado tio ar-
dua diligencia.
Se aigam d'esses, por causa de quem se tem
virado Lisboa como debaixo para cima, nio ae
guiase 3 aorte dos outros, talvez menos culpadla,
entio que era merecida a censura, etc., etc.
Est assignado o decreto concedendo crga-
nisacao autnoma, aegundo o novo codio-o admi-
nistr'ativo, aos concelhos do Porto, Quimariss e
Barcellos, que a requereram.
Deram entrada no ministerio das obras pu-
blicas os estados da primeira seceo do camioho
de ferro da Covilhi entre Alcovia e Urjaes. Es-
tio quasi concluidos os estudos da segunda sec-
cio.
No dia 2 deste mez foi assgnada a carta
regia nomeando para o conselho d'Estodo o Sr.
Joio Chriaoatomo de Abreu e Souaa, ministro
d'Eatodo honorario, general de diviaio, par do
reino e um dos vultos mais prepondei antes do
partido proirressisto e a quem mesmo havia sido
i'fferecida a ebefacura do partido, por morte do
Sr. Anselmo Braancamp, honra que recusou, con-
cordando-se depois em sereleito para aquella pre-
sidencia o actual presidente do conselho de minis-
tros, e Sr. conselbeiro Jes Luciano de Castra
O lugar que estova ainda vago no conselho de
Estado era o do fallecido conaelheiro Mendes
Leal.
Foi doa actos miis correctos eato nomeacio.
Consta que est definitivamente resolvida a
faaio daa fabricas de tabacos, a excepcio da
Brigantina- Fechario todaa no da 15 de De-
sembro para reabrirem depota de feitos os balan-
eos. As nicas que ficario a funecionar serio :
no Porto, as fabricas healdade e Portuense ; em
Lisboa, a fabrica de Xabregas. O capital da
nova empresa ser do 7:000 contoa de ris
fortes,
Na Escola medico-cirurgica do Porto ma-
tricularam-se no curso do 1* anno duas Albas do
redactor da Actualiiade, o Sr. Anselmo Evaristo
de Moraes Sarment, .as Sras. D. Laurinda e D.
Amelia.
Parti ha dias para Biarritz onde se abri no
Io de Outubro o congresso internacional de hydro-
logia e de climatologa o Sr. conselbeiro Jos Joa-
uim da Silva Amado, reitor do Lyceu Central do
iiaboa, nomeado pelo goverao, por portara de 22
de Setembro ultimo, representante de Portugal
n'aquelle congresso. Esta aervindo de reitor do
do meamo Lyceu, como por muitoa vezea tem auc-
uedido, o professor maia amigo d'aquelle corpo do-
cente, Luiz Felippe Leite.
Foi transferido do Lyceu de Nizeu,onde era pro-
fessor effectivo, para o de Lisboa, o Dr. Siraoes
Das na cathegoria de aggregado. Dz-ae que
aera nomeado chefe de secretaria n'eate Lyceu, lu-
gar novo que a ultima reforma da inatruccio se-
cundaria creon nos tres lyceus centraes : Lisboa,
Porto e Coimbra. Parece que oa emolumentos
d'eates lugurea, sobretodo em Lisboa, sao impor-
tantes. O Sr. Simoes Dias um escriptor ele-
Sante, o-ador parlamentar dos mais fluentes e
istmeto professor.
Coinecaram a 4 do correte oa exames de in-
atruccio secundaria que a nova lei permitte aos
eatudantea a quem f-Wte a approvacao de ama dis-
ciplina para concluir oa examea daa que cooati-
tuem urna daa classes em que est dividido o qua-
dro daa materias profesaadas nos 1) ceua do reino
e ilhaa.
Foi marcado pelo clauatro pleno da Unver-
sidade de Coimora o da 16 deste mez para a dis-
tribuoslo Sos premios aos alumnos mais distinctos
d'aquelle eatabelecimento acientifico. O dia 16
o doa anuos d'el-rei.
Chegou a Liaboa urna commiaaao da cmara
municipal do Porto, que veio cumprimentor o Sr.
L). Luis I pelo aeu felta regreaao. A eommissio
composto dos senhorea Correia de Barros, Araujo,
Teixeira Duarte.
Chegou a Paria o Sr. conaelheiro Antonio
Au guato de Aguiar na manhi do dia 30 de Setem-
bro ultimo, hoapedando-ee n'um doa melhorea bo-
tis da ra Saint-Honor.
FaUeceu o conde Santa Eulalia. A sua tor-
tuca aobe a 300 contos de ris fortes. Na cate-
dral de Vizcu celebraram-se pomposas exequias
por sua alma. Nio deixou testamento. Parece
qna nio ha herdeiros, o que, todava, nio asae-
vero.
Suecumbio a urna pertinaz enfermidade o 5
mirquez de Pombal, bsneto do grande estadista a
cuja ineomparavel energa se deve a reedificacio
de Liaboa depois da eapantoaa cataatrophe de
1755.
O fallecido marques foi por muitoa annoa cama-
rista d'el-rei D. Fernando. Poucoa mezes lhe ao-
breviveu. A sua morte leva o lucto a grande nu-
mero de lamilla da antiga nobreza.
O fallecido marques, Manoel Joa de Carvalho e
Mello Daun e Lorena, era herdeiro dos ttulos de
conde de Oeiras e S. Thiago.
Casara-se em primeiras nupcias com D. Marga-
rida Manuello, da casa dos condes de Atalaia e
deste casam -nto houve os seguiutes filhos : conde
de Oeiras, Duarte de Carvalho, duas meninas, to-
dos estes j fallecidos, e mais os Srs. : conde de
S. Tbiago e'Jos de Carvalho.
Casou em segundas nupcias com a Exma. Sra.
D. Mara Rita de Castello Branco, actual mar-
quesa, filha de D. Joio de Castello Branco, da
casa de Bellas, ha vendo deste segundo enlace, va-
rios filhos.
O marques ha pouco sofirera a perda de um dos
seus filhos do aegundo matrimonio. A morte d'el -
rei D. Femado fez-lhe grande abalo porque era
muito estimado por aquelle mallograda principe a
quem o marquez dedica va tambem a mais leal af-
feicio.
A doenca que o auceumbio, foi um acirrho no ea
tomago. Foi aeu medico aaaiatente o Dr. D. An-
tonio de Lencastro (Louzi).
O marquez era um chela de familia exemplar.
Poucas vezes ia cmara dos pares. Morreu na
sua casa da ra Fermosa.
Tem passado muito mal de saude o Sr. Vis-
coodedeS. Marcal (Thomaz Quintino Antuoes),
socio do Sr. Eduardo Coelho na fuudacio e pro-
priedade do Diario de Noticias- Repetidos he-
moptises lhe tem posto a vida em risco. Ha piu-
cos dias ouvi que o Ilustre enfermo experimen-
tava alguns atlivioa, sem comtudo estar livre de
palian.
O digno par do reino Carlos Bento da Silva,
que tem estado gravemente enfermo em Cintra,
vai melhor, dizem. Antes assim.
O Sr. cende de Casal Ribeiro, que ainda est
em Franca, creio que n'uma estacao Tbemuldos
Pyriaeoa, acceitou o lugar de miniairo portuguez
em Madrid. E' sabido que em Marjo da 1881
quando o gabine'e progresaiato p2dio a sua dema-
si, o 3r. conde de Casal Ribeiro, que entio se
eneontrava em Madrid na qualidade de ministro
plenipotenciario de Portugal, pedio logo a sua exo-
neracioe retirou-se d'aquslla corte.
Foi ehvado a coade do Calhariz de Bemfica,
com graadeza, o Sr. Visconde do mesmo titulo.
Este titular foi por muitos annns director geral do
ministerio da faseuda.
Falleceu ha poucos dias o Rved. Manoel
Francisco Queimado, e&pellio e esmoler-mr da
casa real. Era beneficiado da S de Lisboa e com-
mendador da Conceicio.
Conato que o substitu-* em capellao e esmo'.ler-
mr da caaa real o Revd. Antonio de Almeiia, que
era capellio de el-rei D. Fernando.
Um conaelheiro portuguez( residente em
Londres escreVo ao Commereio Minho o se-
guate cora retalio aos boatos de casamento de
sua alteza o Sr. infante D. Afiouso :
Com respeto ao fallado casamento do princi-
pe D. Atiouso, o seguinte a versio mais correc-
ta que eu o pude obter :
Dz-ae que o casamento foi fallado quando o
rei visitou Sigmaringen, por occasiio de celebra -
rem-ae aa bodaa de prata do principe e da prin-
cesa de Hohenzollern infanta D. Antonia, de
Portugal).
A noiva, a princeza Hcnriette filha do conde
de Flandrea, que possue urna enorme fortuna, e
qne, nao obstante isse, asaaz econmico e fre -
quente pouco a aociedade em virtude da sua mo
leatia, poia o coade muito aurdo.
Falleceu a 28 do passado, depois do marti-
rio de uica loucura muito prolongada o conaelhei-
ro Jacintho Augusto de Freitas e Oliveira que
era contador geral do tribunal de contos, desde o
movimento de 19 de Maio de 1870.
Nascera a 17 de Junho de 1835.
Servio alguns aunos na armada real como aspi-
rante e guarda marinha.
Em 1861 concorrera aos lagares do funciona-
lismo civil, deixando a carreira naval.
Em 1858 havia se formado em mathematica na
uaiversidade da Coimbra, tendo ganbo os primei -
ros annoa da facnldade de phloacphia com appro-
vacio plena.
Deixou a carreira da marinha, porque lhe naa
quizeram contar como tempo de servico activo os
annns que estadara em Coimbra com aproveito-
mento.
Nio coaseguindo obter no concurso um dos lu-
garea de 1" otficial do ministerio do reino a qae
se oppozera em concurso, foi pesaoalmenteexpor
oa seus aggravoa a el-rei D. Pedro V.
Apezar da affavel recepcao que o mallogrado
soberano lhe tet, nio logrju alcancar a reparacio
que julgava aer lhe devida.
Em 1862 voltou de novo a concurso para 2* of-
ficial da direccao geral de inatruccio publica e
tendo sido despachado, pedio logo a sua transfe-
rencia para o ministerio das ooras publicas, don-
de sabio em 1870, como fica dito mais cima, para
o lugar de conta lor geral da 2* contadoria do tri-
bunal de contos, o que lhe deu o titulo do conse-
lho de sua magestade, nica distinecio honorfica
que poaauia.
Datam de 1861 os trabalboa polticos de Frei
tas e Oliveira.
Coltaborou na Liberdade com Jos Estevao, que
era o seu modelo.
Em 1875 fundou o Fgaro, que pouco durou.
Mais tarde coltaborou s-iccesaivamente e com
assiduidade no Portutua, Partido UonsMmntc,
Revoluco de Setembro, Districto de Aveiro, Diario
Ilustrado, Lanterna e no Espectro da Granja.
Publieou o Esboco histrico sobre Jos Estevao
e mais tres ou quatro opsculos.
Em 1868 loi eleito depurado pelo circulo de Ar-
ganil; pelo de Loaoda no triennio seguinte e em
1882 pelo circulo de Quilimane.
Foi oradoi flaente, irascivel mas independen-
tsaimo.
Como jornaliato foi escriptor nervoso, relatante,
viril, segando o descreve o seu biograpbo o Sr.
Luiz Augusto Palmeirim.
Ha dous aunos entrou a manifestar urna certa
incoherencia entre os seus actos e as suas pala-
vras, urna irritabilidade doentia, precursora da
grande fatalidade.
A las da razio apagn-se-lhe dentro em pou-
co.
O misero allucinado disparou contra si um tiro
de revolver.
Nio suecumbio, mas dos ferimentos foi curado
em Itibafolea !
Estava dondo varrido, furioso por vezea.
O director do hoapital dos alienados Dr. Cra-
veiro permittio haver dona mezes que o doeote
sahisae do hoapital e vieaae acabar oa seus diaa
para casa de seu infelis pai e acolber-se ao affecto
de sua consternada esposa e abeucoar os quatro
orpbioa que deixa c oeste mundo.
Eia como o meu velbo amigo Palmeirim concine
o seu esboco biograpbico :
< Se Freitas e Oliveira houvease sabido esqu
var ae s luctaa da poltica, de crer que o mar-
tyrologio de Rilhafollea nio houvesse registrado o
seu nome a par de tantos outros nomes s Ilustres
pela sua immensa desventura.
Por diversos caminos, teve e
de Lopes de Mendonca que tonto
tras patrias.
E' desconsolador tudo isto.
A desditosa vuva de Freitas e
brinha de Jos Estevao Coel. o de
No da 30 de Setembro ultimo
ao mar a canhoneira Zambese.
A'a 3 da tarde chegou a Caseaes, na corveta
Affonso de Albuquerquc sua magestade el-re.
A corveta allemi, quando a Affonso de Albuquer-
que lbe parou em freate, aalvou com 21 tiros.
Os ministros da marinha, guerra e eatrangei-
ros, c6rte e officiaes da armada, esperava o re no
Arsenal.
A' hora marcada (4 da tarde) a canhoneira e-
guia aem transtorno pela carreira abaixo, indo
fluctuar serenamente naa aguaa do Tejo.
O mestre de carpinteiroa a pedido do ministro
da marinha foi agraciado por el-rei eom o habito
de Chriato. ; '
A Zambeze de madeira do Brasil, de canilbo
nacional, teca e ferro. Mftde 34, 0 de cimpri
ment; 8", 0 de bocea, 5",68 de pootal e 3>,50 de
calado e 352 toneladas de dealocamento. Oa paiea
uddem rec-ber mantimento para 120 pracas de
guarnicio durante 2 meaea da viagam e ag<...da
para 30 dias. Tem 3 metros e apparelho de lugre-
barca e machina de systhema eompoand de accio
directa, da forca nominal de 100 cavallos. O seu
armamento constar de ama bocea de fogo de
0,15 a meio navio e duas menores de Armatrong
montadas a amuradas aobre reparos automticos.
Est torrada a cobre e o aeu hlice, de bronze,
pode fazer 140 rotocoes por minuto. O riaco do
Sr. conde de Linhares.
Partem brevemente para o Zaire o trans-
porte frica, canhoneiraa Cacongo e Massabi e a
barca Cabinda.
A bordo do frico ir o capitio-tenente Sr. Ne-
vea Ferreira, governador do Congo; e a bordo de
ama daa canhoneiraa o Sr. visconde da Silva Car-
valho, capitio-tenente e secretorio d'aquelle go-
verao.
O mmiatro da marinha ordenou que ae facam os
trabalhos preliminares na carreira oriental do ar-
senal para a construccio de urna nova canhoneira.
pelo modelo das canhoneiraa Liberal e Zaire, fei-
tos em Inglaterra. E' provavel quo a primeira
cavilha seja batida no fim de Outubro eorrente e
que ao novo barco ae d o nome de Cubango.
O ministro da marinha tenciona mandar cons-
truir no noaao arsenal um brigue escola.
P. S.J appareceram herdeiros aoa bens do
sonde de Santa Eulalia, fallecido ab atstalo. Se-
gundo ae affirma, apreaentaram-se ha das no tri-
bunal, para aerem confirmados, embora nio fossem
proclamados editos, legtimos herdeiros de falle-
cido fidalgo, os Mellos de Carveaies, conhecidos
pela alcunba de Loiros de Caivernies, que se
sube serem filhos naturaes de um tio do conde.
Um d'estes Mellos barbeiro, nao tem filhos, e
tio pobre que se diz nio ter com que taca a sua
babilitacio. Alguem lbe acudir... com boa uaura.
j ae v.
O motivo porque foi a Pariz o Sr. conaelheiro
Antonio Augusto de Aguiar, porque tinha de
asaiatir aoa trabalboa da ommiaaio chamada do
metro, que se rene annualmente n'aquella cidade
em Outubro.
A eleicio do Sr. Aguiar foi por unanimidad" e
este facto laongeiro prov bem o grande spreco
em que tido pelas aummidades que conatituem a
commiaaa >. Alera disso o nosso sabio compatriota
foi escolhdo para substituir o primeiro d'este se- '
culo, o celebre Duaus (Joio Baptista) o autor da
Pailosophia da chimica, obra notavel que lhe va-
leu a honra de ser eleito secretario perpetuo da
Academia fraaceza.
A eommissio fuucciomi sob a presidencia do
distiuito general de engenharia hespanhola o Sr.
I baes.
O Sr. Dupirchy (Joio Alexis Daupkn) a
quem foi ltimamente conterido o titulo de Bario
de Duparchy, como j ihes communiquei, um
dos actaaes erapreiteiros do porto de Leixoes, con-
trator do camiuho de ferro da Beira Alta e actual
empreiteiro do camiuho de ferro de Torres Vedras
a Afarellos.
O Sr. Gaspar Lobo de Soaza Machado, abas-
tado oroprietorio do conseibo de Gruimariea, fsi
agraciado com o titulo de Vscrade do Paco de
Nerspereira, em duas vidas, verificando-so a se-
gunda vida, desde j em aeu filho. o Sr. Joio Ma-
chado Cardoao do Amaral de Menezes.
O distincto otficial do estado maior de enge-
nharia, o Sr. Antonio Joa de Avila (aobrinho do
duque de Avila j fallecido) parte esta a-imana
para Berlim, onde vai represe >tar Portugal no
Congresso internacioaal de Geodesia.
Diz-se que serio dissolvidas aa cortes em No-
vembro prximo. E' bom por de quarentena este
boato.

desgranado fim
honrara as let-
Oliveira so-
Magalbies.
foi laucada
atviSTA DIARIA
Porto Infeccionado e porto* ris-
pe i ionKecebemos hentem o seguate para pu-
blicar :
Reparticio geral dos telegraphos. Recite,
18 de Outubro de 188G. Ao presidente de Per-
nambuco. Declaro infeccionado cholera porto
Malaga e suspeitos demaia portos hespaahoes en-
tre Gibraltar e Cabo Palos. Navios procedentes
Malaga spoderio ser recebidoa provincias depois
de fazerem quarentena Ilha Grande. Serio su-
jeitos quarentena meama Ilha navios procedentes
portos suspeitos dados bypotheaes ari. 135 regu-
lameato.Ministro do Imperio.
Collectoria da Boa-VistaPor porta-
ra da presidencia de 19 do corrente e sob pro-
posta do Thesouro foi creada, de conformidade
com o diaposto nos arts. 2 e 3 do regulamento
de 7 de Julho de 1879, urna collectoria de rendas
provincaea no municipio de Boa- Vista, que ficar
segregada da de Petrolina e ter por districto
olleci.or.il o territorio da respectiva comarca.
Tribunal do Jiirj- do Heoife O reo
Sebastiio Farreira Lima que comparecen hontem
a este Tribunal, requereu fosse addiads o julga-
meoto por nio ter comparecido o seu ad v 'gado, o
que sendo deferido pelo presidente do Tribunal e
achaado-se a hora adiantada, deixou de baver ses-
aio.
Tambem proeedeu-se no paco da Cmara Muni-
cipal ao sorteio doa 48 jurados que tm de servir
na 6* sesso ordinaria convocada paro o dia-15
de Novembro prximo, o qual recabio nos cida-
dioa seguintes:
Freguetia do Recife
Francisco Jos de Souza.
Jos Pedro de Castro.
Baltbaaar Joa dsa liis.
Antonio Joaquim Ferreira.
Freguezia de Santo Antonio
Joaquim Ferreira Ramos Sobrinho.
Joio do Araujo Ceaar.
Joa Pedro de Asis Campos.
Manoel Pinto de Mello Gomes.
Autonio de Borba Coutiaho.
Jos Xavier Faustino Ramos Jnior.
Dr. Francisco Jacintho de Sampaio.
Jos Francisco de Almeida.
Freguetia de S. Josi
Luiz Eloy de Mirauda Dario.
Joio Joa Borbosa da Silva Jnior.
Flix de Franca Lum Freguetia da Boa- Vista
Dr. Cicero Odn Peregrino da Silva.
Lindolpho Olympio doa Res Campello.
Francisco Jeronymo de Albuquerque Maranhao.
Manoel Odorico Correia de Araujo,
Joaquim Bernardo Falcio.
Dr. Joio Baptista Regu -ira Cesta.
Philomeno Getulio Correia de Araujo.
Joaquim Hugulins da Silva Fragoso.
Francisco Gomes de Miranda Leal.
Luiz de Pauta Lopes.
Autonio Basilio da Silva Guimaries.
Mathias Velloso Pires.
Sebastiio Manoel do Reg Barros.
Francisco Antonio de Menezes.
Augusto Pinto de Lemos.
Jos Ferre'ra da Cruz Vieira.
Jos Aoastocio Ferreira da Costa.
Joio da Silva Furia
freguezia da Graja
Francisco Rufino Vctor Pereira.
Jos Augusto Rodrigues.
Henrique da Fonseca Coutinho,
Dr. Antonio Anuas Jacome Pires.
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
Jos Francisco da Josta.
Salustiano Bezerra Baptista.
Candido Goncalves Torres.
Augusto Jos (roncal 'es Leaaa.
Freguezia de Afogados
Francisco Zacaras de Moraes.
Freguezia do P6eo
Eduardo Dubenx.
Affonso Moreira Temporal.
Jorge de Abreu Lopes.
Francisco de Paula e Silva.
Freguetia de S. Lourenco
Juliio Ferraz Daltro.
Conselho LiiterarloFuuccionou hon-
tem, em aessao ordinaria, aob a presidencia do
Dr. inspector geral.
Entrou em julgamento o procesao iniciado con-
tra o professor Laontino Pimentel Angetim, por
denuncia do delegado litterario de S. Pedro de
Ourcury.
Lidoa o rotatorio dos autos e a defeza daquelis
professor, foi ubmettido votocio o parecer da
3* seccio, relator o Dr. Antonio Justino, conclua-
lo pela abso.vicie.Approvado.
Foi apresentado tambem um parecer da la sei-
ci, relator o Dr. Ayres de Albuquerque Gama,
aobre o abaixo aasignado doa proprietarioa e mo-
radores do lugar Tacuruba, pedindo a creaoio de
urna cadeira de inatruccio primaria naquelta loca-
lidade, conduindo pelo indeferimento, visto nio
ter sido aatiafeita a exigencia do art. 38 do regu-
lamento de 6 de Fevereiro de 1885.Appro-
vado.
jlbertacaoO Sr. major Manoel Heraclito
de AlOuquerque, agricultor do do termo de Ipoju-
ca em commemoracio ao seu anniversario natali-
cio', alfoniou aem onus algum o sea escrave Fran-
\
i
L
1
1
i


BM^
Diario de PerfianbocoQaiato-fcra 21 de Outubro de 1886
11
aneo, de 50 annos, aolteiro, natarsj do Rio-Gran
de do Norte.
E' oca acto digno de louvor.
eaadure e depuUdoi gernei-No
paquete nacional Mandos chegou hontem da corte
oa Srs. desembargador Heunque Pereira de Lu-
cena, deputado geral pelo 7 districto desta pro-
vincia.
No meamo paquete segueta os deputados
geraes fcrs. Ora. Aug uto Olimpio Gomes de Cas-
tro, Lus: Antoni) Oomingues da Silva e Manoel
Jos Riteiro da Cun na, pelo Maranho ; couego
'Joo L. da Guata Aguiar, pelo Para e Dr. Jayme
de Albox uerqun Rom., pelo Piauhy.
Para o Para seguem tambera no referido
K>quete os senadores daquclla provincia conege
anoelJos de Siqutira Mendes e Dr. Antonio
Joaquim Gomes do Amara).
Dr. HoNcoao-Chegou hontem no paquete
nacional Manos, do Rio de Janeiro, onde estava
ha mezes com liecnca, o nosso amigo commenda-
dador Dr. Pedro de Atbayde Lobo Meacoso, digno
inspector da sade de porto desta provincia.
Felicitamol-o.
Banal di Vanea J est construido
O novo ramal da Vanea e as partidas dos trena,
do dia 24 do corrente em diante aero regaladas
por tabellas collocadat em todas as estaquea. Os
precos da j passageos estilo em urna tabella, que
publicamos em outro lugar.
Vapor da EuropaPor falta de espaco
deixamos de inaerir na folba de boje todas aa no-
ticias de que fui portador o vapor francez Ville
de Victoria, limitando nos apenas publicaco
da carta do nosso correspondente de Lisboa.
Rcuuiau socialHa boje a seguinte:
Do Recreio Infantil Nove de Agosto, 1 bora
da tarde, na respectiva sede (Instituto Acade-
mizo).
Sania CanaEn:rou de mez no hospital dos
lazaros o mordomo Francisco Augusto Pereira da
Costa, i
Gripkns"od este titulo comeoou apubl-
ear-se na corte, urna nova revista litteraria, hu-
morstica e Ilustrada, que se publica irupreteri-
velmente todos os sabbados.
Est tscripta com muito gosto. As caricaturas
sao magnificas.
Desejanda-lhe longa e prospera existencia,
agradecemos sua Ilustrada redacyo o mimo
que nos fez de uin exemplar.
A Eatarae-Deate excellente jornal de mo-
das parisieusee, dedicadas as senboras brasilei-
ras. recebemos hontem o u. 19 de 15 do eorrente
mez.
Como de costume traz uin figurino colorido,
urna estn pa de moldea e bordados e diversas
gravuras intercaladas no texto.
Ferlnento leveA's 10 horas da macha
e no caes do Ramos, o crioulo Ricardo Giminiano
de Britto, que ja ba lempos se achava intrigado
com d caboclo Jos Franci.cp de tiant'Anna, al-
tercando com cate, feri-o na regiao coronal direita
com um coco, fructa, que sobre elle jogara, sendo
aps perseguido pelo clamor publico e preso na
ra do Viscoode de Inhama, pelo que depois de
ter sido lavrado o competente auto de flagrancia
foirecoihido O isa de Detenco.
O Dr. Io delegado de polica da capital prose-
gue nos termos do inquerto, e o offendido toi vis-
toriado pelos Drs. Jos Jcaquim de Souza e Au-
gusto da Costa Gomes, que declararam ser leve
o ferimeuto
Lanterna MaricaDstribuo-se hontem
o n. 169 deste peridico hvre e humuristico.
T (teatro de variedades Hoje cstra
n'este theatro a corapanhia lyrica-comica de ope-
retas fraucezas, da qual empresario o Sr. Ri-
chard.
Oiulioiro O vapor Virapama, sabido para
os portos do norte levou para diversos 6":030.
Thescaro Provincial Paga-se hoje
nesta repartida) os ordenados das profeaaoras de
2" entrais, correspondente ao mez de Agosto
proxinio pascado.
A quenlo milit*r=0 Paiz, da corte, pu-
blicou o. eeguintea tclegrammas :
Porto Alegre, 12 de Cutubro.
A officialidade da ala esquerda do batalhao de
engenhtiros adherio as manifestscoes dos outros
corpos.
Os mili ares censervam a mesma attitude reso-
luta, esperando soluco tavoravel do conselho su-
premo militar, que abranja o caso do tenente-co
ronel Madureira. Mostrando-se solidarios com
esse official
A pr tekco do govtVno nessa solucSo produz
mo cffeito.
Coritiba, 12 de. Ou;ubro.
Os officiaes da gi.arnico desta cidade dirig -
ram urna caita no marechal Deodoro, adherindo
aopretcato do tenente-coronel Madureira.
Ferio Alegre, 13 de Outubro.
Causou aqui grunde satisfacSo a noticia de ter
o ministro da marinha revogado o sen recente
aviso a respeito de discusso na imprensa pelos
ofticiaea de mariuli i.
Esperase que o su proceiimento s>ja imitado
p;lo 8r. ministro da guerra, casaanJo os effeitos
aos actos relativos aos coronis Madureia e Cu-
nha Mattoa.
Porto Alegre, 14 de Outubro.
O general Ocdorc conuaa a mauter a mesma
attitude decorosa efirmt que asumi desde o
principio da queste militar.
.:,Todos o cuetes das guarnieres e militares in-
fluentes pio seu prestigio, p< rinanecem immuta-
veis na resoluco que adoptaram, aguardando a
satisfato completa das suas reclamaces.
A commisso representativa dos militares par-
ticipou federacao que ella vai formular umpro-
tresto contra os discursos preferidos ao parlamen-
to pelo senador Silveira Hartos e pelo deputado
Candido de OUseira, esperando igualmente conh
cer o texto das resolocoee adoptadas pcloi seua
enmaradas do ll:o de Janeiro.
O Viscunde de Pelotas autorisou a Fedederacao
a declarar que inaum a mesma at'itude resoluta,
divergindo das ideas ahi sustentadas pelo seu,.dor
Silveiro Martina.
O coronel Madureira receben a ordem do dia,
da qual consta a sua repiekeusao ; reiterou o seu
pedido de demiaso e receben ordem de reunirse
ao seu corpj. .
Esta expobto o rico lbum que Ihe val ser cffi-
recido, e cuja entrega solemne tera lugar logo
que chegue a esta capital.
A guarnicao de Uruguayauna enviou urna men-
sagem de felicitacoes ao general Visconde de Pe-
lotas, e consta-me que tambem por telfgramma
ou carta vai ser dirigido um agradecimento ao
principal redactor do Paiz. por haver brilhante-
mentfl sustentada na impreusa a.causa dos mili-
tares, defendendo a sua honra eos seus direitos.
O redactar chefe, da mesma folha recebeu hon-
tem o seguate tmiegramma :
A Quintino B.cayuva.
Uruguayana, 14 de Outubro.
0 6 batalhio abraca-o por haver tomado a de
fexa dos brios e des direitos do exercitoCoronel
Cabral.
Facdldade de Dlreito do Herir
Ao director d'esta Fa?uldade, txpedio o ministerio
('n impeno o seguate aviso, com data de 12 do
crreme :
Com o offieio de 22 do SetPmbro prximo pasta-
do envioa-me V. S. copia da proposta que o Dr.
JoSo Vieira de Araujo apresentou congregacao
e esta approvou, afim de consultar o governo se
a aeeumu aclo de cadeiras na Faculdade de-
ri. 4,623 da 5 de Novembro de 1870, em caja con-
f irmidade os presidentes das coamissoes julga-
dorss dos exames de preparatorios serio Bornea-
dos d'entre os lentes das faculdades de direito,
declaro a V. S. que, smente no caso de que da
r "alizaco dos ditos examesmea preparatorios no
mez de Novembro resulte aemelhante inconvenien-
te, podero alies ficar adiados para quando nada-
re m os do curso superior. >
(Pe expedido idntico aviso ao director interi-
no da Faculdade de Direito do Recifs.)
Preparatorios para aaaatrlenla
naa faculdade* de medicinaEm data
de 14 o ministerio de imperio expedio ao inspector
geral de inatruccaa primaria e secundaria do mu-
nicipio da corte o seguate aviso :
Findando no prximo mez o praso marcado
no art. 562 dos estatutos das faculdades de me-
dicina relativamente exigencia dos preparato-
rios de allemao, trigonometra rectilnea e ele-
mentos de physica, chimica e historia natural,
necessaroj, nos termos do art. 372 dos ditos esta-
tutos, para a matricula na 1.* serie des cursos
das mesmas faculdades, cumpre qae eom a das
disciplinas de quo tratam as disposicoes concer-
nentes aos exames geraea de preparatorios e se
abra a inicripcao para os d'aquellas materias.
Por esta occasio declaro a Vmc que os exa-
mes de trigonometra rectilnea, pbysica, chimica
e historia natural deverao fazer-se na ordem em
que estas materias se mencionam no plano de
estudos- do imperial collegio de Pedro I ; bem
asaim, nao comprehendendo o programma de 8 de
Janeiro ultimo os novos preparatorios, aos respe-
ctivos exames, apphca-se desde j a disposico do
art. 1. 3." do decreto n. 9,647 de 2 do corrente,
para o tiin de serem prestados segundo o program-
ma do ensino do referido colegio.
Inacrlpc&o para cisnes prepara-
toriosAo inspector geral deinstrueco prima-
ria e secundaria do municipio da corte expedio o
ministerio do imperio o seguinte aviso, com data
de 12 do corrente ; ,
No edital d'essa inspectora, publieado no Dia-
rio Official de hojo para a inscripclo dos candida-
tos aos exames geraes de preparatorios a que se
tem de proceder na forma do decreto u 9,647 da
2 do corrente mez, omittio-se a declaracio de que,
conforme foi resolvido pelo aviso de 9, o exame de
philosophia fija independente dos de linguas ; ou-
trosim, declarou-ae que as approvacoes as mate-
ras de que depende a admissao a alguna exames
Litteratura
Jornacs e revistas
Direito
Historia
Lingistica
Philosophia
Historia natural
Geographia
Encyclopedia
Poltica e adminiatra(<)
Mathematicas
Chimica e pbysica
Medicina
Economa poltica
Relgiao
Total
IB, Vsi. 1.598
1.532 1.532
816 1.085
887 45S
226 277
122 135
97 97
92 104
87 104
84 90
75 77
44 48
24 34
20 31
19 19
5.162 5.623
a
devem ser provadas com as respectivas certidoea
juntas aos requerimentos para a inscripcao, o que gulamento de 3 de Fevereiro de 1886.
Contrario letra expressa e ao espirito do art. 1 ueiro18861 vol.
Relaco das obras offereeidss a esta repartilo
durante o trimestre de Julho a Setembro do cor-
rente anno :
Pela Imprensa Nacional:
Colleccao de decretos, cartas imperiaes e al va-
ras do Imperio do Brasil, de 1825. Rio de Janei-
ro18851 vol.
Estrada de ferro D. Pedro II. Be gulamento
fara os despachantes na estrada de ferro D. Pedro
[. Rio de Janeiro18861 folheto.
Regulamento para ganhadores. Rio de Janeiio
18861 folheto.
Estatutos da sociedade em commandita por ac-
coes. Jos Antonio Filgueiras & C. Rio de Ja-
neiro18861 folheto.
Estatutos da sociedade anonyma Condilaria A-
mericana. Rio de Janeiro18861 folheto.
Faeuldade de Medicina do Rio de Janeiro. Pon-
tos para as theses do- alumnos que teem de dou-
torar-se no anno de 1887. Rio de Janeiro1886
1 folheto.
Escola Normal Programmas das diversas ca-
deiras do curso da mesma Escola. Rio do Janeiro
18838 tolhetos.
A eleicao do 3o districto do Piauhy e o Sr. se-
nador Saraiva. Discurso proferido na sesso de
5 de Jnnho de 1886, pelo Dr. A. Coelhe Rodri-
gues- Rio de Janeiro18861 folheto.
Tabellas da Amazon Steam Navigation Compa-
ny Limited, relativas a fretes, passagens, distan-
cias, escalas e demoras as linhas de Belm a Ma-
ndos, a Macap e a Baio, approvadas pelo Minis-
terio da Agricultura. Rio de Janeiro18861
folheto.
Dr. Jos Loureoco. A febre > marella e o re-
Rio de Ja-
i.....-------------.-
vem os ternes cathedraticos ser preferidos aos
sabstimtns em face do aviso n. 272 de 10 de Ju-
lb..: de 1877.
Em resposta, declaro a V. S. que a referida
consulta est resolvida pelo citado aviso, em coj
conformidade para a indicada accumulscao, que,
CJtno servico obrigatoro, Incumbe propri e ex-
clusivamente aos ltimos d'aquelles funeciona-
rios, 03 prisaciros nio teem em regra pr'ferencia,
a qoal, entretanto, se verificar eom retoco ao
catheJratico qu, pretenojeado eneartegar-se^ da
regencia cumulativa de outra cadeira, for conside-
rado (la esngregaclo miis apto para leecwul-a,
do quo qualquer dos substitutos em exercico.
Exanaes geraes de preparatorios
O ministeri) do imperio dirigi em data de 14
ao director da Faculdade de Direito de 8. Paulo
o seguinte aviso :
rr Remetto a Y. S. alguna exemp'ares do decre
to n. 5,647 de 2 do corrente, alterando varias dis-
poaicas relativas aos exames gema de prepara
torios, afim de nie o meamo decreto e exi-cute
a'eas ftculdade nos termos do art. 4 I. parte
5 3*.
Por esta ocaasiSo tambem remetto a V. 8.,
para os fins conveaientes, um exemplar do aviao
cnculsr q na preseate data ei(eco aaa '*-
dentes de provincia sjohre a ex decraso.
jUvsodo sidu extu'balecido o preceito do sa-
pradito desteto 3." do art. 4.* com o fim de evi
tar que se prejudiqae o servico dos actos do cur -
ao superior, attenta a tisposico, qae Clstti^S _
esa rigor, da ultima parte do art. 2.' do decreto Qidas pelas materias seguate!
8. do citado decreto, segundo o qual a exigencia
da Iludida approvacao nao deve verificar-se em
referencia inacripcao, maa sim quando o candi-
dato houver de ser admiltido aos ex mes.
Haja portanto Vmc. de mandar rectificar aquel-
lo edital nos termo da presante aviso.
Fondo de exnaacipacao Por tonta
d'efte fundo foram recentemente manumittidos :
Na proviacia do Rio de Janeiro, municipio de
Rezende, 24 escravos, mediante a indtmnizaco
de 14:0004. Preco medio das alforriaa, fraccoes
desprezadas, 5^7:0001') .
Na previncia de 8. Paulo, municipios da ca-
pital, Queluz e Santa Rita do Paraso, 9 escravos
por 5:739. Preco medio, fraccoes desprezadas
637*000.
as provincias de Minas Geraes, municipio
de Alfenas, 13 escravos por 7:975, inclusive pe-
culios na importancia de 1:475. Preco medio,
fraccoes desprezadaa, 613000.
Aposentacao de magistrados No
Diario Official foi publicado a 23 o decreto n.
3,309, de 9 do corrente mez, que declara os venci-
mentoa que devem perceber os magistrados que fo
rem aposentados, nos termos dos s'JilOelldo
art 26da le n. 2,033, de 20 de Setembro de 1871,
e torna obrigatoria a aposentteao. completando o
magistrado 75 annoa de idade ; nos seguintes ter-
mos :
Art. 1" Aos magistrados que forem aposentados,
noa termes dos 10 e 11 do art. 29 da le n.
2,033, de 20 de Setembro de 1871, se abonar,
alm do ordenado, m-'tade da gratifica cao, se con-
taren) mais de 35 anuos de servico, 3 teda a gra-
tifL-i.co, se contarem maia de 40, comtanto que
em um e outro caso tenhain completado 70 anuos
de idade.
1 Ao desembargador e ao ministro do su-
premo tribunal de justica se abonarao o ordenado
e netade da gratifie^co, ou todos oa vencimeutos
do cargo anterior, para a apojentacao, se nao con-
tarem no que tativerem excrcendo mais do tres
anuos de nifs eff.'ctivo.
Ao juiz de diieito, porm, s se eoncederao as
mencionadas vantagens se tiver mais de 10 cubos
de exercicio.
| 2 A aposenta, ao aera obrigatoria, comple-
tando o magistrado 75 annoa de idade, guardadas
as disposicoes desta le, quanto aos vencimentos.
Art/2 Ficam revogadas asdispisco^sern con-
trario.
Artos do poder ejecutivoNo Diario
Offinial de 12 foi publicado o decreto u 9,657 de
11 do corrente mez, assim religido :
li conhecendo que na publicacao inserida ni
Diario Official de 30 de Junho deste anno, do re-
gulamento da escola naval, annexo ao decreto n.
9,611, de 26 do mesm i mez e anno, deram-se in-
ejrreecoes na numfracij dos artigjs desde o de n.
55, que d> ve ser 53, at ao ultimo de n. 137, que
deve ter 135, alteradosno mesmo sentido os inter-
mediarios, motivando esse engao a citae i errada
que faz o art. 100 do art 1U4, que deve ser 102 ;
e tambem que no texto do paragrapbo nico do
art. 94 que por aquella razio passa a ser 92, deve
er-se serio computadas por inteiro co ns as que
forem 'dadas nos cursos em vez de aerito al
dicionadas por inteiro s que torem dadas nos cur-
aos e filialmente que no texto do art. 119 da
mesin-i p.iblicacio, ora 117, sahio impresso al-
guna ''os quaes serviflo quando deve ser al-
guna dos qaaes podero servir Hei por bem
determinar, para couhecimento de todos a quem
interessar, que s devem observar as referidascor-
receoes.
ova matricula dos escravosA'
presidencia da provincia de Minas Geraes dirigi
o ministerio da agricultura, a 5 do corrente, o se-
guint; aviao :
I ha. e Exm. SrDeclaro a V. Exc.cmTespos-
ta no seu offieio de 1 do mez fiado, que cate minis-
terio approva a solucao dada consulta do col-
lector das rendas do municipio de Caldas, relati-
vamente aos escravos Jos e Justino, que no livro
da antiga matricula teem a nota de libertis, man
dando V. Exc. que o dito collector ulo aceite
para a nova matricula os uomes de taca indivi-
duos, salvo se Ihes for contraria a seutenca Ja re-
iacio do diatricto, no processo de liberdade por
elles intentado contra Jos Antonio Ferraz de
Souza Osono.
Dcus guarde a V. Exc.A. da Silva Prado.
Libertos seaiageosrlos-A' presidencia
da provincia de Pernambuco dirigi o ministerio
da agricultura, a 5 do corrente, o seguinte aviso :
Illra. e Eira. Sr.So municipio de Jaboato, se-
gundo consta do offieio de V. Exc, de 28 de Ju-
nho, e mais papis que o acompanbaram, auccedeu
que o juiz de direito, havendo declarado Uvres os
escravos cuja relaco lbe fora resnettida pelo col-
lector das rendas, como tendo attingido a idade
de 60 husos, appareceram ossenhres dealgnus
destea e reclamaran! contra o acto, juntanao como
prova aa matreulaa doa ditoa escravoa, por onde
se via quu estes sao tinham anida attiugidoa ida-
de da lei. ... ,,
A explicacSe desta divergencia dada por clles
que o collector, feita a averbacao de taesescr-
voa, nio transcreveu a idade somente das matri-
culas originaes, accresceatou-lhe o tempo decur-
rido dasde a data destas at a da averbacao; e,
ao relacionar agora os escravos, ajuntou idade
j asaim accreacida mais 14 anuos, donde resultou
a duplcate ale tempo e a eoose^uente 'levscao da
idade doa ditos escravoa.
O collector nao contesta a allegacao senao na
parle em que Ihe attribuido o primeiro accres-
eentamento da idade, asa, seganda affirma, foi
feito pelos proprios seuhoree ; concorda em que
alguns de taes escravos teriam realmeate idade
inferior que Ihes msreoa, atas resaciaaou-os qmb
os outroB, considerando qoeaas senbores preja*
cades casera taeil mei > de provr a idade doa es-
cravos com a apiaseniaoao das matricalas.
Conaubando o juis de diroito a da orpaios se
deve proceder adiniuistrativaisente, tomando co
nbeeiraesto das reciassacOes, e julsjando-as pro-
ceden tea ou nao, i vala dss provas, oa deuai e>ue
os prrjadcados naonato ao* meios ordinarios ao
juizo contesaisao, sWclaiu a Y. Kxc. que o equivo-
co 4e que se tr*,t" deve ser rectificado adihiois-
trativamente pelo dito hlia. vista da matriea+as
que o c rtifiauem d verdaae do allesado.
Deus guarde a V Exc.. da Silva Prado.
snnilatneea Fravineal. Fresjuenta-
ram esta repartico durante o trimestre de Julbo
a Setembro do corrate sano 4,266 leitores, qae
conaoltaram 5,162 obrasen bfiTi volames, dlstri-
Colleccao das leis e decisoea do governo do Im-
perio do Brasil, de 1825. Rio de Janeiro1886
1 vol.
Primeiraa licoes de cousas por N. A. Calkins,
vertido pelo conselheiro Ruy Barbosa. Rio de Ja
aeiro18861 vol.
Consultas da eeccao de Fasenda do Conselho de
Estado. Vol. 10'; annos de 18801882. Rio de
Janeiro1886-1 vol.
Orcamento da receta e despeza do Imperio para
o exercico de 1887 a 1888.Rio de Janeiro
18861 vol.
Relatorios dos Ministerios do Imperio, Justifa,
Agricultura, Guerra, Marinha, Fazenda e Estran-
gairos, do anno de 1886. Rio de Janeiro1866
7 vol.
Pelo Exm. Sr. conselheiro Franklin Doria :
Eleico do 3 districto do Piauhy. Discurso
proferido na Cmara doa Deputados em 24 de
Maio de 1886, por Franklin Doria. Rio de Janei-
ro18861 folheto.
Pelo Instituto Archeologico c Geogrsphico Per-
nambucano :
Revista do Instituto Archeologico e Geographi-
co Pernambucano, sesso especial de 9 de Maio de
1886. Junho de 1886. Recile18861 vol.
Pela typographia do Jornal do Recife :
Execucao comuTcial. Exequentea Joo Quin-
tno de Meaezes Galbardo e mais herdeiros do
commendador Francisco Aecioli de Gouveia Lias
Ejecutados o Dr. Amaro Carneiro Bezerra Caval-
cante e sua mulher. Embargantes terceiroa o te-
nente-corunel Jos Flix da Silveira Vralla e sua
mulher. Pernambuco18861 folbahv
Pelo Sr. Dr. Cecilano Mamede Alves Ferreira:
Companhia do Beberibe. Relatorio apresentado
asscuilo'ca geral doa accionistas, em sesso ordi
nana do anno de 1886, pelo director gerente Ce-
ciliano Mamede Alves Ferreira. Pernambuco
18861 folheto.
Pelo Sr. Gaspar Regueira Costa :
Alm niak litterario para o anno de 18S6. Re-
cife 18851 vol-.
Pela redaego da Rerlst" Vhohxhnicn :
O l3 n. da mesma Revista.
Pela Presidencia desta provinei :
Pablicacdes do Archivo Publico do Imperio sob
a direceo doDr- Joaquim Pires Machado Portella.
Rio de Janeiro1886-1 vol.
Pela Sociedade de Geographia do Ro de Ja-
neiro :
Estatutos da Sociedade de Geographia do Rio
de Janeiro, approvadoa em assembla geral de 12
de Abril de 188*3. Rio de Janeiro18861 fo-
lheto.
Revista da Sociedade de Jeographia do Rio de
Janeiro. Tomo 2, 2o boletim. Anno de 1886.
Ria de Janeiro18861 folheto.
Pelo Sr. director da secretaria da Cmara dos
Srs. Deputados :
Annaes da Cmara dos Srs Deputados do ana
de 1886. Io e 2o vil. Rio de Janeiro18862
vol.
Pelo Sr. Antonio Beraldo de Lima Meades :
Almau-.k administrativo, mercantil, industrial e
agrcola da provincia de Pernambuco, para o anno
de 1886. Recife1886-1 vol.
Pelo Sr. Joaquim F. de Midciros :
Afinan .k administrativo, industrial e commer-
cal da cidada do Recife para 1886. Pernambuco
18861 rol.
Palo Sr. Dr. Jos J. Al vea de Albuquerque :
Le protestantisme compar au catholicisme etc.,
par Jacqnes Balmes. 6* el. Paria18603
vol.
Organs&tion au travail, par Louis Blanc. 9"
ed. Pars18501 vol.
Corneille et son temps, par M. Guixot. Paria,
1854, 1 vol.
Theologias dogmticas in syst3ma redactas
pars priora Fr. Petro M. Gaszaniea, 6* idem. Ve-
netiis, 1839, l vol.
Theologias dogmticas in systema redactas
pars altera a Fr. Josepho Bertiere. Venetii,
1839, 1 vol.
Tratado de economa politiea pelo Dr. Pedro
Autranda Matta Albuquerque. Recife, 1856-186o,
1 vol.
Lettres aur l'organiaation du travail, par o'he-
vslier. aria, 1818, 1 vol.
dem, idem. Rd. de 1850, 1 vol.
Dea thories de lenteudement humaine daa
l'antiqut, par E. Chauvit Caen, 1885, l vol.
Le socialiame devant le vieux monde ou le vi-
vaut devant les morta, par V. Conaiderant. Paria,
1850, 1 vol.
La ijuestion del'or, par E. Lavassuer. Pana,
1850, 1 vol.
Reforma eleitoral. Eleic'.o directa. Collercilo
de diversos artigos sobre a eleicao directa, dos
qaaes sao autores diversos eacriptores, etc., etc.,
pelo Dr. Antonio Herculano de Sonza Bandaira.
rteclfe, 1862, 1 vol.
Qu.otoes de philosophia contudas n> progiam-
ina adoptado pa<-a os examea do bacbarelado em
ielrasni Uoiversidade de Pars, por A. Charma,
irado;-.: 1 i do francez pelo Dr. A. H de Souza
Bandeira. PVrnuinbaoo. 140, 4 vol.
Coda civil mis en harmonio avoo le droit cora-
nsereial auvi d'un conmeataire du contrat de
cotnmission par M. Emite Cadra, etc. Paria,
1845, i vol.
La rvolutiou da 24 Fevrier, par M. Dunoyir
Paris, 1849. 1 vol.
Da la rpartition, dea riebesses ou de la justice
distributivo en economa soeialc, etc., par F. Vi-
dal. Pars, 1846,1 vol.
Commentaire du Code Pasa! et des lois de la
presea, ete., etc., par M Paaoal Bosain. Paris,
1845, l vol.
Commentaire dala legislatiou comsserciale, etc.,
etc, par M. Paaoal Bonaia. Paris, 1845, 1 vol.
Le Portugal >t sea eolosiee, par Charles Vogel.
Pari, 1860, 1 vol.
Geneviewe, hstoire d'one servante, par de La-
martine. Parie> 1851, 1 vol.
O Oaiono, oiiaecso de poeeias de Antouio Fe-
liciano de Gastlho. Lisboa, 1863, 1 vol.
Pfciloaophe Oatholiqae da ristotre, os l'hst-iire
expliqu.-, etc., esc., par le Baroa Alexandre Gui-
rand. Paris, 1839, 2 vola.
Des vicisitudes politiquea da l'Isslie daaa sea
rapports avec la i1 ranee, par M. Anatole do la
Forge. Pars, 1860, 2 vo'.e.
Ideui, idem, 2 vote.
Traite de i'orgaoiMtioa de la compteoco et aa
la procdure es matire contentieuse adminutra-
tiva daaa teara rapsorss avoo le drait civil, par
M. Serrigoy. Rarjs, 1861, 2 veis.
Lord Palmerston, 1'Angteterre et le cootinent
par le Comte de Fiequelmont. Paris. 1860-1862,
2 vols.
Traite complet das maladies dos femmes, etc.,
par Colonbat de l'lsre. Paris. 1848, 3 vols.
Cours d'cooomie politiquo, ate., par M. Mieher
Chevalieur. Rdig par M. A. Brolt. Pars,
1842,1844 e 1850, 3 vola.
Espirita del siglo, por D. Francisco Martnez
de la Rosa. Paria, 1844, 9 volamos.
La Kocit Franoaiae au 17 sicle d'apra le
graud cyrus de Mlle. de Scudery, par M. Victor
Cousin. Paris, 1858, 2 vols.
Do la dcadence de l'Angleterre, par Ledru-
Rolla. Paria, 1850, 2 vols.
Breviarium Romanam. etc., etc. Michliaias,
1861, 4 vols.
Dictioaaaire general de medicine et cirurgie v-
trinaires, etc., etc., par M. M. Leeox, Rey, Tisae-
raat, Tabourin Paris, 1850, 1 vol.
The iateraational eaglish aad freach dictioaary
by L. Simith and H. Hamilton, etc. Paris, 1850,
1 vol.
De la libert au travail, par Charles Dunoyer.
Paris, 1846, 1 vol.
Memoires d'outre-tombo, par M. le Veomte de
Chateaubriand. Paris, 1848-1850, 12 vols.
De la cosmogooie de Moise compare aux faits
gologques, par Marcel do Serres. Paris, 1881,
2 vols.
De l'humaait, de son principe, et de son ave-
air, etc., etc., par Fierre Lsroux. Paris, 1855.
2 vols.
Histore chronologque et dogmatique des con-
cites de la Chrtieat, depuis le concite de Jeru-
salm, etc. par M. Roisselet de Sauclirea. Paria,
1844-1845, 6 vols.
La socit et les gouvernements de l'Europe de-
puis la chute de Louis-Philippe jusqu'i la pr-
sidence de Louis-Napolen Bonaparte, par M.
Capefigue. Paris, 1849 4 vols.
Philosophie des lois au point de vue chrtien,
p^r M. L. Bautain, etc. Paris, 1863, 4 vol.
His'toire des principes, des institutions et de
lois, pendant la rvolntion Francaise depuis 1289
jusqu'a 1804, par Laferrire. Paris, 1851-1852,
1 vol.
Clment d'Alexandrie, sa doctrine et sa polmi-
qne, par l'abb J. Cognat. Paris, 1859, 1
vol.
Traite lmentaire du jeu des echecs, par Le
L. de Baeierot. Paria, 1 vol.
Dictionnaire analytique d'conomie politique,
par M. Gamilk. Paris, 1826, 1 vol.
Histore de Portugal et de ses coloniea, par
Augusto Bouchot. Paris, 1854,1 vol.
Saraiva e Castinho, a proposite de Ovidio, por
A. R. Saraiva. Lisboa, 1862, 1 vol.
Le ministre de M. Tbiers, les Chambres et
l'oppositioa deM. Guizot. Paris, 1836, 1 val.
Diccionario geograpbico abreviado de Portugal
e suas possessoes ultramarinas, etc., etc., por um
Flaviense, etc., dado a luz por Antonio Fernandas
Pereira. Porte, 1852, 1 vol.
Elementes de derecho mercantil de Espafii, por
el Dr. D. Eustaquio Laso. Ma'.riJ, 1849,
1 vol.
Etude sur le syatme colonial, par M. le Comte
A. de Chazelles. Paris, 1860, 1 vol.
Directora das obras de coaserva-
co dos portosBoletim meteorolgica do
dia 19 de Outubro de 1886 :
Horas O a s.g 0 1L Barmetro a Tunso do vapor 49 1
O S
a h 3
H a
6 m. 257 75902 18.73 76
9 28-6 760-38 18.45 63
12 290 759-54 19.09 64
3 t. 28-7 758"45 19.09 64
6 267 758-14 19.05 73
Temperatura mxima293.
Dita mnima255.
Evaporaco em 24 horas : ao sol6'"8, som-
bra13.
Chava0,>3.
Direeco do vento: SE de meia noite at 7
50 rninatos da tarde; ESE at 8 horas e 30 mi-
nutos da tarde ; SE at 10 horas e 40 minutos ;
E e ESE alternadamente at 11 horas e 20 minu-
tos -, ESE e SE alternadamente at meia noite.
Velocid.ide mia do vento 0,n>79 por segundo.
Nebulosidade media: entre 0,4 e 0,5.
l^eliAra.- Eftectuar-se-bio:
Hoje :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na rOa da Uniao
n. 31, de boas e variados movis ; s 2 horas da
tarde, de 2 vaccas, 1 bezerra tourina, carro e boi
manso.
Peto agente Gusmao, s 11 horas, 4 ra do
Mrquez de Olinda n. 19, de movei3 e fazendas.
Pelo agente Brito, s 10 e 1/2 horas na ra de
Pedro Alfonso n. 43, de movis, miudezas e fa-
zendas.
Amanh :
Pe o agente l into, s 11 horas, na ra do Bom
Jess a. 43, de fazendas avariadas.
Pelo agente Silveira, s 10 1/2 horas, na ra da
Alegra n. 40, de movis, louc is, vidros e qua-
dros.
Peto agente Pestaa, s 11 horas, na ra do
Vigario n. 12, de movis, piano e fnmo.
issas fnebres.Sero celebradas-:
Hoje :
A's 9 horas, na capella do engenho Giqui na
Kscada, pela alma do coronel Frnncieea Manoel
Wanderley ; s 8 horas, na ordem 3* do S. Fran-
cisco pela de D. Mara Pastora Farias da Costa.
Amanh :
A's 8 horas, na ordem terceira de S. Francisco
pela alma de D. Mara Pastora Farias da Costa e
s 7 1/2 na matriz de Santo Autonio ; s 9 horas
na capella do engenho Giqui, e de Nossa Senbo-
ra da Penha de Goyanna p'la alma do coronel
Francisco Manoel Wand2rley; s 8 horas, na
matriz de Santo-Antonio, pela de D. Bernardina
de Senna Lemos ; s 7 horas, na igreja doCarmo,
pela de Ernesto Soares de Azevedo ; s 8 horas,
na capella do engenho Ribeiro, pela alma do co-
ronel Francisco Manoel Wanderley Lina,
Sabbado:
A's, 7 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
de D. Isabel Joaquina Tavares.
Pssageiros Cbegadoa doa portos do sul ao
vapor nacional Mandos :
Desembargador Hanriquo Pereira de Lacena e
sua familia, Dr. Pedro de Athayde. Lobo Mosco-
so, Lino R Braga e sua senhura, Joo Jos Al-
ves Teixeira, Manoel Pereira, Dr. Josephiuo F.
da Silva e sua si ahora, Manoel Ignacio da Silva
a 1 filha, Luiz Rolb, Gandencio Alves Teixeira,
Cbristiano Bcrnardino Gomes, Ignacio Francisco
de Oliveirs, cmygdid Pareirs, Jos Antonio Ri-
beiro, Manoel Antonio de Souza Chaves, Francis-
co Xavier Pinhoiro, Joo Pedro d'Assumpco,
sargento Francisco Xatier, cabo Autonio Joa-
quim Gonfalves, pracas, anspecadae Manoel Go-
mas de Souza, Joo Victorino e Jos Monteiro da
SKa, soldados Firmino Jos Vieira, Lupercino
Pereira Ramos, Idalino Paschoal Baptista, Ma-
noel R. Tavares, Antonio Joaqaim uior, Manoel Francisco da Hora e Joo Joaquim
dos Santos, Dr. Americo Carneiro dos Passos,
Joo Bernardo do Reg Antonio R. Cosme, Mi-
guel Vi la Nova, Jayme de Almeida Azevedo,
Luiz Justina de Oliveira Fernandos, Dr. Antonio
Teixeira de Aguiar, D. Marieta de Aguiar, Dr.
Manoel Augenio Prados, cugeaheiro J. C. Wolff,
D. Anna de Aleacar Guimares, D. Laura de
Vasconccllos de Pederneirae, Manoel B. de Vas-
concellos, D. Antonia Maria de Campos, 0.^ Ma
ria Thereza de Jess Marques Campos, Joo da
Costa, Jcrge Varejao, Quintn* da Conoeic.i, Fe-
lismiua Mana da Conceico, Antouio Pereira da
8.Iva, Apiigio Vieira da Costa, Nicolao AAves
Rodrigues, Vicente Gomes Mariz e Manoel Jos
de Barros Wanderley.
Chegadvs do Havre no vapor francez Ville
de Victoria:
A. A da Rosa, sua senhora e 1 filho u 14 pes-
sos da companhia de operetas francesas.
Sa sidos pava oa pertos do aorta no vapor
Pirapama :
Afrodizio de Barros e aua secbora, Manoel Cus-
todio P. Ferreira, vigario Manoel Pereira, 2 ir-
os), 1 irmo e 1 criado, Nicolao Brue, Antero
Pessoa, Joo Frpo, D. Juan Bassoa, Domingos
C. do Nascimento, Francisco Loureiro do Carva-
llo, sua seuhora, sua sii al criado, Franciaco
Dantas 0vlcante, Curios Lalsy, Nicolao Mato-
raado, Paschoal B., Francisco Petrocelli, Paulo
Ferraro, Vicante Faiaoha, 4 criminosos e 4 pea-
fas.
operarse* cirsasjsjsssasForam prafie
das no hospital Podro II, no dia SO do corren, as.
aefeQntes:
Pelo Dr. Malaquias:
Hematcele por causa trsnmilica, pela iaciso
e raspagasa da tuniaa.
P>-lo Dr. Fernn dea Barros :
Posthotomia pelo processo de Ricord por phi-
mosis.
Casa de DetencoMovimento dos pre-
sos do dia 19 de Outubro :
Existan] presos 289, entraran) 20, sahiram 11,
existem 298.
A saber :
Nacionaea, 272, mulhcres 4, estrangeiros 8, os-
era vos sentenciados 4, proces lado 1, ditos de cor-
recoao 9.Total 298.
Arracoados 250, sendo : bons 241, doentes 9
Total 250.
Moimeato da enfermara :
Teve baia :
Fortunato Francisco da Silva.
Teve alta :
Jos Jeronymo dos Santos.
Lotera da provinciaHoje, 5* feira, 21
do corrente, ao meio dia, so extrahir a 6.* parte
da 1. lotera em beneficio da Santa Casa da
Misericordia do Recife, pelo novo plano appro-
vado.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceico dos Militares ser feita a extraeco
pelo systema da machina Ficht
LoteraA 6' parte da 1* lotera da provn
cia, em beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recife, pelo novo plano, cujo premio grande
100:000^00^, ser extrahida hoje 21 do corren
te, principando a extraccao ao meio dia.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera Extraordlarla do Yplran
ga-0 4. e ultimo sorteio das 4. e 5. series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000/000, ser extrahida no dia 30 de Outu-
bro.
Acham-se expostos venda os restos dos hi-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marco
n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da corteA 3* parte da 300* lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:0004
ser extrahida hoje 21 de Outubro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna roa Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera do stloA 4* parte da lotera
n. 365, do novo plano, do premio de 100:000/000,
ser extrahida no da .. de Outnbro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
aiadooro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 72 rezes para o consumo I
do dia 20 de Outubro.
Sendo: 56 rezes pertencentsa Oliveira Castro,
4 C, e 15 a diversos. >
Mercado Municipal de *. JosO
movimento deste Mercado no dia 20 do corrente
foi o seguinte:
Entraram :
28 bota pesando 4,117 kilos.
900 kilos de peixe a 20 res
80 cargas de farinha a 200 res
29 ditas de fructas diversas a 300
5 taboleiros a 200 ris
17 Suinos a 200 res
Foram ocenpados :
241/2 columnas a 600 ris
23 compartimentos de farinha a
500 ris.
23 ditos de comida a 500 ris
63 ditos do legumes a 400 ris
16 ditos do snino a 700 ris
12 ditos de treasuras a 600 ria
10 talhos a 2/
2 dito a 1/
A Oliveira Castro & C.:
54 talhos a 1 res
2 talhos a 500 ris
Deve ter sido arrecadada neste dia
a quantia de
Rendimento dos diaa 1 a 19 de Outu-
bro
da attitude inslita <- m dt-putado incapaz d*
comprehender a responaabilidade de seu crgo, la-
grande difirenos, e nos, aceitando a primeira, ro-
pellimo8 sobranceiramente a segunda, por ser is-
compativel com a nossa prrsonalidade e os nossoe
brios.
Disciplinado e obediente tetasempreeidoo eaer-
cito, meamo qnando, com prudencia, nao sr prests
a servir de instrumento eleitoral como o quera*
certos ministros.
Insubordinado, inconsequente, Ilgico, mostre-
se S. Exc, guando nos primeiros das da acto*
sesao, criticava ua adminstraco do Exm. Sr
conselheiro Junqueira actos cuja pratica maugu
rou na sua ephemera e funesta passa gem peto,
pasta da guerra.
Os fructos da es taca o de v mol o aS. Exc.
Indisciplinado, inconseqnente, Ilgico mostron-
se S. Exc. nao puninda os insubordinados daquel-
le batalhao, limitando se a mandal-os para o Ama
zonse, e nao tendo sequer a coragetn de, como mi-
nistro, fazer-lher sentir a sua insabordinacSo.
Que papel fez S. Exc. reconheeendo como tm~
nistro eesa insubordinaco e b boje vindo denut
cial-a ao parlamento ? lato, Sr. deputado, entre
nos os insubordinados, os sediciosos, chama-se co-
barda : e, engaado aodou V. Exc. acreditando
que poda impunemente assaear injurias a umgrn-
po de officiaes, que, pela distancia que se ceban: I
da corte, nao lbe podenam dar prompta respostu
Convenca-se, Sr. deputado, que as suas pretea-
Coes polticas jamis sero obtidas a troco danossr
honra, da nossa dignidade. Procure aa portas de
senado por ootros meios ; aconselhamos-lhe mea
mo qu? se faca conservador ; a epncha propsia
para essa transformaco e mais urna traico na.
o incompatibilisaria para o cargo a que aspira V.
Exc, que passou desapercebido'pela paata da guer-
ra, porque o exercito e grande parte do paiz j c
reputavn um poltico eem criterio.
Agarre-se ao ministerio, incense-o, j que pelas
- regides polticas a sua cutaco baixou, mat

alta
18*000
8/700
1/000
3/4 0
14/70)
11/500
11/500
25/200
11/200
7/200
20OO0
2/000
54/000
1/000
205/400
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos do dia :
Carue verde a 320 e 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sainos a 560e 640 ria idem.
Karinha de 240 a 320 ris % cuia.
Milho de 260 a 32) ris idem.
Feijo de 560 a 640 idem.
CemUeaso paibllco.Obituario do dia 19
de Outubrp^,;,,.
Virginia, Pernambuco, 4 mezes, Santo Antonio ;
espasmo.
Paulino Antonio Barros, Pernambuco, 55 an-
nos, viuvo, S. Jos ; hemorrhagia cerebral.
Angelina Mara dos Pmzerea, Pernambuco, 70
annos, aolteira, Boa Viata; cachexia senil.
Joanna Cecilia Leite Lima, Psrnambuco, 70
annos, viuva, Graca ; decrepitude.
Adelina Dorotha Pereira da Cunba, Pernambu-
co, 16 annos, solteira, Boa-Viata ; tuberculoa pul-
monares.
Francisco, Pernambuco, 7 mezes, Boa-Vista;
broncho-pnenmoma.
Luiza Rosa Maria da Coneeice, ignora-so a
naturalidade, 52 annos, ignora-se o estado, Boa-
nao intente fazer da nossa reputuco arma de con-
quista para V cadeira senatorial
A' hora em que formulamos este prutrsto sabe-
mos que no senado ataca a general Deodoro e todc
o exercito o sonador Gaspar Silveira Martina.
S. Exc. i o hontem de todas as 'pochas; serra
fila do Sr. Candido de Oliveira, nao Ihe responde-
mos, porque j sabemos de quanto capaz quande
opposicionista e quando se trata de um inimigo ps>
litico.
Ao Ilustre general Deodoro nunca S. Exc. per-
doar o ter-lbe este general infligido a mais tre-
menda das catastropbes polticas de que se tenbr
exemplo.
S. Exc. falla, poie, como smpre a lincung m de
despeito c por isso nao Ihe respondemos.
Nos excesaoa da sua furia poltica S. Exc. nsse
responaavel pelo que profere.
Rio de Janeiro, 6 de Outubro de 1886.
2 lente Manoel Ucba Rodrigues.
2* tcnente Eduardo Goncalves Ribeiro.
Alteres Mauricio Antonio de Lmos.
2o tenente Joo Teixeira de Sampaio.
Alferea-alumno Timotheo de Faria Corrcia Filhc
Capitao Gabripl de Souza Pereira Botafogo.
tfinfin Alferea-a'umno Servando de Loyola e Suva.
' Alferes-alumno Octavio da Fonteca.
2o tenente Felinto Alcino Braga Cavalcante.
Alferes-alumno Joo Manoel Bruce Jnior.
2o tenente Marcos Franco Rabello.
Alferes-alumno Ivo do Prado Monte Pires c.-
Franca.
Alferes-alumno Adolpho Augusto de Oliveirr..
Galvo.
Alferes Manoel Minervino.
Alteres-alumno Pedro Ferreira Netto.
2o tenente Benjamn Liberato Barroso.
Alferes-alumno Godofredn de Mello Barreto.
2" te .cute Corlla:.o de Carvalbo e Silva.
Alteres Cicero Franklin de Vasconcellos Monteirc-
Alferes-alumno Jos de Calazinse Silva.
Alfeies alumno Antonio Francisco Carneiro Mor
teiro.
Alferes-alumno Jercnymo Villela Tavares.
2o tenente Joaquim Mximo Madureira e S.
"ena Filho
ite.
j Alferes alumno Joo Gualberto de Mattos.
Alferes alumno Fabio Patricio de Azambuji.
1 tenente Olympio de Carvalho Fonaeca.
2o tenente Arthur Hennqnede Oliveira Barbost.
Alferes-alumno Raphael de Menezes.
2" tenente Francisco Emilio Paes Barre "o.
Alferes-alumno Joaquim Balthizar de Abren So-
dr.
Capitn Demoerito Ferreira da Silva.
All'eres-alumuo Jos Marques Guinares.
Alferes-alumno Francisco Sergio de Oliveira.
Alteres-alumno Amphiloquio de Azevedo.
Alferes-alumno Joa da C'Jnha Pires.
Alteres-alumno Jos Goncalves de A'meida.
2 tenente Joo Luiz r*ires de Castro.
Alferee-alumno Manoel Luiz de Mello Xunes.
Alteres-alumno Jor^e Octaviano da Silva Pereira
2 tenente Tristo de Ale .car Araripe.
Alfercs-alumuo Antonio Flix de Souza Amoric
1 tenente Peisilio de Carvalho Fon seca.
Alf'-res-iilumno Francisco Mendes da Silva.
Alfe i o Ludgero Jos da Cruz.
Alferes Jos Florencio de Carvalho.
Alferes Joo de Souza Franco.
Tenente Raytnundo Antonio Femauaes de Mi-
randa.
-..._. I Alferes-alumno Adolpho Peu
d:\IWiiM j 2, tcn-nte Fabio Barret. Le
4:165/820


/.
Exercito
o resumo, publicado no Diario
dr
Vista; paralysia. ,..! Alferes Scrvilio Jos Goncalves.
Manoella Mana aos Praieres, Pernambuco, 40 c -^ Hermes RodrJ ,a d4 Foa30l,H_
annos, solteira, S. Jos ; esfalfaCao. | Aifer>,g Antonio Bl)rges d>; Athayde Jnior.
Alferes Chrianim Guedes Ferreira.
Alferes Leopoldo de Souza Salles.
! Alferes alumno Augusto Maria Sis&on.
2o tenente Garibaldino de Faria Correia.
Alteres-alumno Jos Carl-.s Teixeira.
Alferea-alumno Frederco Luiz Rossanyi.
Alferes-alumno Lauro Sevrioo Muller.
Alteres alumno Jos llevilacqua.
Capito Joa de Vasconcellos.
2o tenente Jos Maria de Beaurepaire Pinto Pe.
xcto.
2" tenente Feliciano Benjamn de 3ouza Aguiar
Alferes Vicente Franco.
1 tenente Antonio Jos de Slqueira.
Alferes Innocencio Fabricio Ferreira de Mattc-
Alteres Beoedict Marcelino de Araujo.
Tenente Jayme Benvolo.
Tenente Joo Candido de Aguiar Bello.
Alferes Agri;ola Guanabara.
Alferes Manoel Joaquim Ayres do Nascimento.
Alferes-alumno Marcal Figueira.
Io tenente Adel Barreto Pinto.
1 tenente Augusto X'menes de Villeroy.
> tenente Joi Camilio Ferreira Rebello Junio:
2o tenente Antonio Baptista da Costa Jnior.
2o teneutt Osear Miranda.
2 tenente Leopoldo Rangel.
Io tenente Jos Carlos da Silva Telles.
2o tenente Lindolpbo Libamo Moreira Serra.
Tenente Jos Joaquim Lapa do Nascimento.
2o tenente Vctor Hugo de Paula.
Capito Francisco de Paula Ferreira Gomes.
Alferes Sebastio Basilio Pyrrho.
Alferes Pedro Carolino de Almeida.
Capilo Innocencio Serzedelo Correia.
2 tenente Alvaro Fiuza de Castro.
Tente Flix Barreto Munz Telles.
Alferes Fredcrico Ribas de Menezes.
Capito Antonio Moreira Cesar.
Capitao Joo Barreto Picaneo da Costa.
Alferes Joac Bonifacio de Anirade Vandeili.
Tenente Francisco Victor da Fonseca e Silva.
2o tenente Carlos Jorge Calhciros de Lima.
Caoitao commendador Autoaio Carlos da Silva*
Pisagibe.
Tenente Manorl Joaquim Pereira.
Tenente Olegario Herculano da Silveira Pinto.
Alferes Messias Ludgero de -liveira Vallado.
2o tenente Thomaz Cavalcante de Alouquerque,
Alfares Joo Jos de Britto.
(Do PaiM de 9 de Outubro.)
I
i
Ao lermos
Noticias do hontem, do discurso pronunciado na
Cmara dos Deputado3 pelo Sr. Candido de Oli-
veira, ahi deparamos com urna phrase altamente
affrontosa aos brios di officialidade do 3o batalhao
de artilheria. phrase contra a qual nao podemos
deixar de protestar.
E' preciso qne aquelles que julgam que as in-
munidades parlamentares autorisam a insultar,
percam esta esperanca ; neceasario quo se eon-
venfam de qne a tribuna da cmara nao o redu-
cto da covardia, cm que se devem fortificar aquel-
lea que nao tem a coragem preciaa para externar ca
fra aqoil'o que pensara. Este ayatema novo de
prcrogativas oarlaiuentare?, que se pretende esta-
belecer, nos nao aceitamos, e temos a certeza de
que f o aceii -rao aquelles que, pele seu estado
de decadencia moral, nao podem arrastar a res-
pousabilidade de seus actos.
Hontem ers o Sr. Simplicio do Rezende que,
nos extravasamentos de sua paixo partidaria,
dava-nos o exemplo do mais extremo descommedi-
mentode linguagem, insultando em sua honra a um
coronel ; hsje apparece-nos na tribuna o Sr. Can-
dido de Oliveira, afrontando o carcter de um ge-
neral e a diguidade da officialidade de um corpo ;
o que ser aiivu.ia ?
Nosso prot 'o pois, nadiavel.
Ante re aiencii des ataques que se fasem
nossa corpci io, nao podemos conservar noa ina -
ctivos. Sena >.m crime.
Entre as div.i as cUases que formam a nossa
sociedade, urna liste, coja independencia, ncom-
prebendida por e. toa homena que naa a tem, o
motivo dos con'inaos botes que esses horneas Ihe
atiram. Esta a < liase militar, que certos pol-
ticos aesabusados quereip reduzir, transformando-a
em irapM de caudilhos politicos ou cabes eleito
raes.
A esse intento, degradante para^ a corporaco
militar, ella jmaia se prestar. Nenhum monte-
po obrigatorio, oenbuin aviso sabido do cerebro
fecundo de S. Exc. conseguir o abandono de sua
dignidade, e sacrificio de sua honra.
Diz o Sr. Candido de Oliveira no seu discurso,
que os officiaes do 3 batalhao de artilheria foram
para all tranaferidoe por inaubordinacao.
Nesss affirmaco vemos claramente patenteados
o carcter e os intuitos de S. Exc. Opposicio-
nista intransigente, visando mais o effeito que a
aeriedade que ieve ter nm representante da sacio,
8. Exc. uo recua diante doa meios, comtanto que
eeasiga oa fias ; e assim pensando agachado por
tras das suas pretendidas immnaidadea, sis da
tribuna da cmara inverdades e insultes contra os
merabros da elnssc militar. D-safiamos, pois, S.
Exc. a indicar quaes os officias quo para aquella
ba-albao tran-feno por insubordinaco.
Oexercito. Sr. deputado, nao est disposto a tra
gsr em silaueio os insultos que lie. torem lasca-
dos em roifu
E' j tsispo de acabar por usas vez aom essaa
tentativa* repetidas com qsa-sa pretende raduaTa
esasse saiiiur obedieortis paasiva, tal orno en-
teadem S. Eaa. e ueus collegas.
basaos obaOMistea, ssssas disciplinado, quando l
se trata de caiapri.' aa lela racionaos a quu esta-
mos sujeitos ; mas, entio essa< obedivoaia aquel-
la a paasiva que de oes sa exige, quando se
qaercumprir avieos dictados palas conaaquencias




Alistamento eleitoral
Nos editaes publicados no principio deste me-
pela impren ja A l'rovincia os juizes convidaras?.,
oa requerenea a justar s suas peticGos oa deeot-
mentos exigidos pela lei para podVrem ser alis-
tad oa.
Sabemos agora que esacs requerimentcs foram.
eacregues no dia 30 de Setembro, reas que a ellf3
nao toi junta prava ese renda !!
Os juizes nao podiain recebar taes requerimen-
tos sem a prova de renda, pirque sein esta iiiaguen.
podo ser admittido rej,iMrer sen listMiiiementi
a que se deprehende des arts. 25 e 2ii o R-"
a. 3213 du 13 de Agosto da 1886.
A disposico do art. 29 citado peo art. 36 v
poda rcferir-se acno adacuwenUs U Ua.w*ttt-
resa o sao ao qaw se rKtvr'i i p*ova d rend
orno-, pois, ri^eeoeram oa juises rsejoansasasDr;
para o ais-amento eieiroaul, ans u'riles appasssn-
e um i documento ? !
Os juizes iiue aasun procesaras, commettera*.^
nma iilegplidada,. porque istimporta o cnSBsm OJHsxr
ILE6IVEL
I


Diario de PernambiuoQuintafcira 21 de Outubro de
KJE6
-=s

fc
prorogar o praso para o recebimento dos requeri-
inentos e documentos (att. 28), o que nio te pode
lser.
O nico* doc: i utos que podem 01 june exi-
gir por ediUl n-j praso da 10 diaa sao os de que
tratam os paragrapbos do citado art. 26. _
Isto nao urna novidade, nem urna opinio indi-
vidual : sim a de um tribunal iuteiro, como va-
mos moatmr com a transcripco de dous *^S^
daos que foram publicados no Direito vol. XXX
paga. 407 e 408.
Eil-os :
O cidado comprebendido na 1* parte
do art. 14 do Reg. n. 8213 deve pro-
var a renda legal por meio de proces-
8o summarie, afim de poder ser alis-
tado.
Recurso eleitoral n. 514
Accordao em reluci, etc.
Que vistos e relatados estes autos, negain pro-
vimento ao recurso, porquanto, estando o recur-
rente comprebendido na 1* parte do art. 14 do de-
creto n. 8213 de 13 de Agosto de 1881, era india-
pensavel, para ser incluido no aliatamento de elei-
ores a prova da renda por meio do proceaso aum -
mario exigido no 1 do citado artigo; sendo que
cite procesto i que cotulitue um dos documentos, com
que deve ser requerido o alistamento, 4 do citado
artigo.
Custas legaea.
Ble, 19 de Dezembro de 1882.Tavare- Bastos,
presidente. Carneiro de Campas.Asevedo.F.
Mariani. Alencar Araripe. Queiros Barros.
Gouveia. -Norberto dos Santos. -Paiva Teixeira.
B. Duarte.Aquino e tfastro.Leal.Ovidio
de Lsureiro.
Do recurso interposto em tempo, to
mado por termo e asaignado pelo re-
crreme se conhece, embora sem previo
despacho do juiz.
A prova de renda, funndada no
valor locativo de terrenos de lavoura,
deve ser dada em processo summario e
especial, antes de requerido o alista-
meato.
Recuno eleitoral n. 523
Accordao em relaclo que, conhecendo do recurso
4 fl. 2, interposto em tempo, tomado por termo la-
vrado pelo escrivao e asaignado pelo recrrante,
embora sem previo despacho do juiz respectivo
attento o dispasto no 1" do art. 74 do Reg. n.
8213, negam provimcnto ao mesmo recurso, para
que subsista de-'is2o que denegan o alistamento
do recorrente viste nao ter sido dada em processo
summario e especial a prova da renda fundada no
valor locativa de terrenos de lavoura, antes de re
querida, como foi a fl. 9, a incluso do reclamante
no alistamento eleitoral, segundo prescreve o ci-
tado Reg. arts. 14 e 26, com referencia ao cap.
2* do mesmo regulameeto.
Custas na fsrma da lei.
Rio, 19 de Desembride 1882.T. Bastos, pre-
sidente.Aquino e Castro. Paiva Teixeira.
Ovidio de Loureiro, vencido.Leal. Bandeira
Duarte, vencido.Carneiro de Campos.P. Ma-
riani.Gouveia.AU ncar Araripe.Pindahyba
de Mattos. Azevedo.Norberto dos Santos.
Negocios de l*ernaniburo
DESFALQUE DA THESOURARIA
(... fragmentos de urna carta rectbida do
Recife datada de Io do crvente. .)
< O Jos Marianno contina a defender com vi-
gor a boa presa ; mas vai achando resistencia.
O que se tem feto bastante para levar evi-
dencia o disforc do desfalque.
t Alguna depoimentos do inspector (4) sao con-
sideraveimente contradictorios, e deram causa a
ser prohibida a entrada delle na Thesouraria, on-
de estova abusando da influencia que anda tem
sobre subalternos.
< Sao nota veis os desaccordos em qu esto, nos
interrogatorios, o inspector e tbeaoureiro.
KJ Este foi transferido da prisao em que se acha
va, muito a contragosto do pessoal da Provin-
cia. '
Das diligencias procedidas at luje, do que
ha e do que se achou, o novo procurador fiscal deu
parecer que faz luz: muito conviria ser c.nhe
cido do publico ahi.
< Agora tem de ser remettido ao juiz do 2> dis-
tricto o inquerito para se proceder criminalmente.
Mas... tu sabes quem o juis...
< O que nao podeio contestar que o cobre es
tavaem circulaco desde Novembro do auno pas-
sado.
(Do Jornal do Commercio, de 12 de Outubro de
1886).
guido com as mais honrosas manifestacoes de
apreoo ao meu piocedimento, por terem a iafelici-
dade de ver o sen partido representado na im-
prensa da provincia por um jornal to indigno.
Est satisfeito o meu proposito ; pois tenho da-
do a nica resposta, que julgo digna, a todo quan-
to de mim diese, su possa dizer o mesmo jor-
nal.
Recite, 20 de Outubro de 1886.
Olympio Marques.
Agradeeimcnto
De \olta da cidade de Garanhuns, onde estive
durante cinco meses, em procura de minha sade,
nao me licito conscrvar-mejilencioso s< m que
manifest pe imprensa grande parte das pes-
soas residentes n'aquella cidade, o meu reco-
ohecimento de gralido, pelas J llanezas e affs-
bilidades com que sempre diguaram-se da tra-
tar-me.
Summum en te penhorado confesso-me pela pro-
va de consideracao o pelo bom acolhimento que
me deram aquellas pesaos, em cojo numero me-
recen especial mencao o digno promotor publico
da comarca o Dr. Lydio Marianno de Albuquer-
que, que, cem a sua Ilustre familia, exceden-se
as honras e finesas que sempre me tomn dis-
pensadas ; o honrado juiz de direito Dr. Joaquim
ClIIio Cintra e o Sr. capitn Manoel Thomas de
Villa-Nova, que por suas acostumadas beneve-
lenoias nao menos me julgaram merecedor de
tantas honras.
Son portanto grato a todos com quem entretive
relaces de amisade n'aquella cidade t com espe
cialidade a estes tres distioctos e honestos cava-
Iheiros, cojos nomes ser-me ho eternamente gra-
vados na memoria.
Recife, 20 de Outubro de 1886.
Pedro Augusto de Olivara.
Em um mnibus em que nos anhavamos
vimos entrar urna senbora trazendo um fi-
Iho nos bracos. Causava d a vista da po-
bre crianza, cuja faca esteva coberta de
placas, de pstulas e croatas, donde corra
um pus misturado de sangue. Os passa
geiros, encarando-a com nojo, trataram de
eoxotar as moscas que voavam em torno
delles, depois de pousarem sobre as pstu-
las da crianca. E triste ver tantas crian-
cas em tal estado, tanto mais triste quan-
to absurdo dizer-se que esta molestia
deve curar-s* sem nenhuma medicaco
Nada mais fcil do que evitar s criancas
e as propris mais a repugnancia que ins-
pira semelhante molestia ; bastara alguna
frascos do zarope de Rabao iodado de Cri-
mault, cujos resultados sao infalliveis.
Cmara Municipal
A lei deve ser igual para todos.
Pergunta se, portanto, em que artigo de lei se
tuudou o proprietario da refiuaco de caf moidu
na ra Direita n. 30, para ter o sen estabeleci
ment aberto ao domingo.
J nao ha fiscal ? !... ou o dito protegido
Se a voz do povo a vos da verdade, o Trico-
fe ro de- Barry est frente da class inteira
dos preparauos que teem por objecto a conserva-
cao, o melhoramunto, a punticacu do cab lio. Nao
est considerado por ambos os sexos coreo o non
plus ultra dos artigos de toilette, nao s exalta-
do por todo o globo pela eficacia em I impar, em-
belltcer conse var e vitolisar o cabello ; seoao que
em milhares de milbares de familias considerando
o nico remedio rpido, inoffensivo, infallivel contra
as iofl mmacoes, manchas e erupedes do couro ca-
belluio elassificadas entre as molestias cutneas.
443
As preparacdei deapresivelsu ape-
nas de ordinario esto em voga por algum tempo,
porm a sua prolonga cao geralmente de pouca
duracao eembreve passa; em quanto que um grande
antidot > por excellencia como o Peitoral de Ana-
cahuita um constante e per jetuo beneficio publi-
co, um verdadeiro thesouro iaesgotavel. Pode-se
asseverar como um axioma incontestavel,que qual
quer classe de osse, constipacao ou catarrho, se
allivia e cura mediante o seu uso dentro do tapa-
So de poucos das, e s vezea dentro em poucas
horas.
Os b ron chites declarados incuraveis pelos mdi-
cos, se alliviam e as veses se curam em urna sema-
na, com esta preciosa e exccllente preparaco ve-
getal ; a melhor e a maisexcelleote de todas quan-
tas andam em voga Robusteca e vigorisa os or-
eaos da respira cao; faz expedir todas as mucosi-
dades e a phlegma; cura a asthma chronica ; n'uma
palavra nao ha nem existe um s caso de desar-
ranjo ou molestia dos orgaos pulmonares ou da gar-
ganta, que nao sejam curados logo primeira dose
e geralmente fieam permanentemente curados.
Como gabantia contra as falsificares, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp venham
estampados em lettras transpare es no papel
do livrinho que serve de envoltorio cada gar
rafa,
Acha-se venda ein todas as boticas e tojas de
perfumaras
Agentes em Pernambuco, Henry Poster 4 C,
ra do Commercio n. 9.
Caridadu !
Bate Bate 1 Ba'e, at que abram a porta.
Palavras do Nosso Bom Deus.
Sinto bastante acanbamento, todas as vezes
que me dirijo a vos ; e isto por nao vos poder
provar o justo motivo de michas suppli ;as.
Ah Si eu podesse accommodar em um cesto
ou bandeja as mil e tantas orphasinhas abrigadas
nos 18 recolhimentos de caridade, eu vos apresen-
taria ellas de porta em porto, para vos examinar-
des a maueira com que luctam com as amarguras
da pobreza e da miseria. Receio at, que vos
Quatro filustres mdicos brasl
lelrOS residentes na Impor d,* econonl,ia prpria ; porque o attestado de fo-
Ihas nenhum valor Um, por nao ser jurado, como
tanta eldadc de Pelotas
Dr. Miguel Rodrigues Barceos, vice
presidente da provin ia, medico da Santa
Casa de Misericordia, condecorado pelos
governos da Alleraanha, de Portugal e da
Italia.
Dr. Vicente Cypriano da Maiu, medico
da Cmara Municipal, commissario vacci-
nador da mesma, capitn cirurgiao-mr do
commando superior da guarda nacional do
municipio, delegado da sade publica, etc,
Dr. Serafim los Rodrigues de Araujo,
ex-inedico da Cmara Municipal, ex-dele
gado da sau'de qublica, cavalleiro da im-
perial ordem da Rosa, etc.
Dr. Octaclio Aristdes Cmara, medico
honseopatha, cirurgio honorario da ..mia-
da nacionol, etc.
Attesto que o xarope Peitord, de
Cambar, preparado pelo Sr. Jos Alvares
de Souza Soares, estabelecido nesla cida
de, goza de propriedades emolientes e fa-
cilita a um excellente meio para alliviar e curar a
tosse quando convenientemonto pres-
cripto.
O referido verdade e o afirmo sob f
de meu grao.
Pelotas, 27 de Fevereiro de 1884.Dr.
Miguel Rodrigues Barceos.
Atteeto que o PeiXoral de Cambar
do Sr. Jos Alvares de Souza Soares, pre-
parado de urna arvore aromtica deuomi-
nada CAMBARA' que vegeta na Serra
dos Tapes, desta provincia, um excel-
lente balsmico e expectorante, e como tal
o tenho expregado sempre com bom resul-
tado nos affec(3es pulmonares.
O o referido verdade e o juro sob a f
de meu grao.
Pelotas, 28 de Fevereiro de 1884.
Dr. Vicente Cyprirno da Maia.
Attesto que o Peitoral de Cambar,
preparado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soares, um excedente medicamento era-
pregado com muito bons resultados
um annu, na Estrada de JoSo de Barros, e viver
exige a lei. O r.rimeiro sigoatario do recibo de
folhas 6 deve demonstrar a sua competencia, pira
firmal-o.
Requerente.Ricardo Jacintho de Abreu Reg.
No primeiro andar do predio n. 24 do pateo do
Carmo mora o escrivao Tibuicio, e nao o reque-
rente, como prova o attestado junto.
Requerente Joo Francisco Goncalves Cruz.
A renda do requerente est no caso de ser julga-
da provada.
Requerente Joio Goocalves da Silva.A renda
do supplicante est no caso de ser julgada pro-
vada.
Requerente Augusto Nery Carneiro Monteiro.
Na casa a. 167 da ra da Aurora nao mora o re-
querente. Essa casa est techada, ha um auno,
corro prova o ettestado junto.
Requere i te Lcovigildo Samuel de Lima.O re-
cibo de tolhas 6 nao tem valer, por nao estar de-
monstrada a competencia do seu signatario, para
firmal-o.
Requerente Manoel Cardoso do Carmo. Na
casa n. 2 do besco de Santo Amaro mora Pedro
Alvcs Barbosa, e nao o requerente.
Requerente Vicente Fernaades Pimenta.O re-
querente nao mora no primeiro andar do predio
o. 17 da ra da Roda. Bsse primeiro andar est
sem morador, como prova o attestado junto.
Requerente Jos J*aquim Alves Jnior.O re-
cibo de folhas 5 nj tem volor algum.
n .s
faria urna tal impressao e compunco que mo ai- j molestias broncho pulmonares.
nscava a voltar de tarde para o convento onde y __ ji : ___.. i
me aga.alho. com urna carioca carretada de es j P0r '"J!, P*"61 Pre8ente 1Ue
molar, soffrendo talvez muito o boi que a arras-; assigno em t de meu grao.
tasse at a portara do mesmo convento. Pelotas, 38 do Fevereiro de 1884.
Ao publico
Quando interp -lle o jornal Provincia, j previa
a resposta que havia de ter.
O que quiz simplesmente foi levar convieco
de alguns, que ainda tinham alguma duvida, a so-
lidariedade do orgao do partido liberal com o des-
falque da Thesouraria. agxrrando-o, por assim di-
zer, em flagrante delicio :
Nao me resto, pois, agora senilo vencer o nojo e
dar psames aos liberaes honestos, muitos dos
quaea, por palavras e por cscripto, me tem distin-
COMMERCIO
Bolsa coMincrclal
buco
de rernam-
por algumos das altas potencias da actuali-
dade ? ...
Ser em visto de documentos mauhosos, adrede
preparados para encobrir a qualidade real do es-
tabelecimento, que este f;liz negociante gosa de
privilegia exclusivo ? 1...
Estes tactos e estas excepcoes feitas em favor
de favoritos, do o pessiuio resultado de se nao
saber para quem se iasem as leis.
Esto casa urna fabrie* de caf para cujo fim
tem ahi machimismo a vapor, mo pode, portanto,
ser sentada daquillo a que todos os outros ven
dedores de caf esto sujeitos.
A le igual para todos.
A' Cmara Municipal pedimos providecias afim
da que termine este abujo
Ou todos feeham. ou direito livre de ca a um
fazer o que melhor entender
Um que fecha.
Actualmente nao ba quem ignore, qoe o ferro
faz parte integrante do sangue e que a maior
parte das molestias conhecidas sob o nome de
anemia, cblorose, caimbras do estomago o lym-
phatismo provm da sua falta ou diminuieao.
Introduzir rpidamente no sangue o ferro que
Ihe falta e combater a prisio do ventre sao as
vantagens que Ibe falta e combater a priso do
ventie sao as vantagens que offerece aos mdi-
cos o Ferro Girara approvado pela Academia
de Medicina de Pars e admittido na Russia.
Ah Que gloria para mlm, e felicidade para
vs se o sempre chorado padre-mestre Ibiapina
instituidor d'aquelles recolbimentos podese appa-
iicur no meio de vs a pedir o que eu vos peco !
Abi eeti; as pravas desde as serras da Babia at
as partas do Maranbao para altestarera os sacri-
Scios, amarguras, suores, trabalbos, tribulacoes e
contrariedades que padeces para poder des vial-as
do caminno da perdicao, e prepralas com todas
as prendas que deve saber urna indi de familia
Dr. Serafim Jos Rodrigues de Araujo.
Attesto que o Peiloral de Cambar,
preparado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soares, tem urna aceito especial sobre a
mucosa das vias respiratorias, enrando ou
alliviando niuitas molestias destas mesmas
vas, o que prova cabalmente a sua crescen-
procura e aceitacao, que ainda nao teve
na scciedade, para assim poderem ser uteis a si, producto algum ofiL-inal nesta provincia,
familia, patria e ao co ; assim tamb.m outros | 0 referido verdade, o que afirmo em
Nao ba quem nao se queixe do invern, que d
lugar aos resfriamentos, catarrhos, bronchites e
outras molestias do peito. Desde que o mal se
declara, compre combattel-o. Todas essas en
termidades curam-se rpidamente com o Xarope
de hypophosphito de cal de Orimault & C, hojv
aprtgoado como o un ico - cer a toise, a ditficuldade.^Je respirar e os suores
nocturnos, restituiodo a sade perdida aos pobres
doentes.
muitos benefieios plantados por elle em sua pas-
sagein, como por exemplo : matrizes, capellas, ce-
miterios, estradas e acudes, e at internatos de
meninos de que nunca vos fallei, e que agora me
escapa da penna. Permitti, irmos e irmes,
que eu aqu exclame abysmado, e diga : Oh
aojo de humildade Oh aojo de pureza Oh anjo
de alegra Oh aojo de bondade e de caridad1;
oculto em urna batina velba epreto Crde,
todos vos que lerdes, ou ouvir Jes ler estas lettras,
que eu M reputara o mais feliz dos filhjs de
Ado si ainda Ibe podesse beijar os ps ao menos
urna tas ueste desterro onde vivemos amargando
neceados e por causa delles derramand prantos.
Coutinuae, se quizerdes, a mandar voaeos duun-
tivos nos seguintrs pontos : es;riptorios do Dia-
rio de Pernambuco e Jornal do Recife, e na casa
commercial dos Srs. Braga Quines &. O, ua
do Mrquez de OI inda n 60 e na Boa-Vista ao
K -v i. Sr. Vigario Augusto e em Olinda ao Revd.
Sr. Conego Dr. Maia.
Deus e Mara ijaotissima u todi.s recompen-
sarao.
Recife, 16 de Outubro de 1886.
lrmao Ignacio.
Murtiinfa de collegio
O professor particular Julio Soares de Azeve-
do, participa ao respeitavel publico em geral, que
mudou o seu Collegio Emulaco da ra da matriz
da Boa-Vista, para a ra Velba n. 36.
Contina a receber alumnos, internos, externos
e meiu-pensionistos, pelo que espera merecer a
mesma proteccSo do distinct povo pernambucan?,
e em geral de todos os filhos do imperio da Santa
Craz.
Ra Velha n. 36
fallo Honre* de Azevedo
f do meu grao.
Pelotas, 28 de Fevereiro de 1884. Dr
Octaclio A Cmara.
nicos agentes e depsitos geraes em
Pernambuco
FRANCISCO MANOLL DA SILUA & C.
Ra Mrquez de Olloda n. 23
N 9. A Emulsao de Scott fortifica e
desenvolve o systema osseo e nervoso das
criancas debis e rachiticas, e nSo ba nada
que possa se comparar este remedio ti >
agradavel a reconstituate para a cura das
doencas devidas a m condicSo de sangue
e debilidade do corpo.
Sociedade Auxiliadora da Agrj-
cultara de Pernambneo
(oimiuo Administrativo Pleno
De orden do Illm. Sr. vicegerente. Dr. Paulo
de Amorim Salgado, faco publico, que se acha
marcada, pata o da 27 do corrate, urna sesso
extraordinaria do Conselho Administrativo Pleno,
no qual deliberar-ta-ha cam os inembros presen-
tes, de aecrdo com o art 30 dos estatutos da
Sociedade, sendo o principal fim da reuniio, a
procura e apresentacao dos meios, que por ven-
tura posaam existir, de evitar a ruina completa,
com que a baixa do prec> dos assucares nos gran-
des mercados consumidores e o principio de rea
lisacao dos plenos financeires do actual Minis-
tro da Pazeuda esto ameacando a lavoura da
canna
A sessao ter lugar na slo social, a 1 hora da
tarde e sao convidados pira n'ella tomarem parte
tidos os membros do cmselho e-nitos e de jure.
Recife, 20 de Outubro de 1886.
Henrique Augusto iUet.
Secretario geral.
OnnlalB Provl cial
Commando das Armas
E' chamado ao qnartel general, afim de ser ins-
peccionado de sa le. por ordem do Ministerio da
Guerra, o soldado refbr ado Joo Joaquim de
Albuquerque, que requeren para ser admittido no
Asylo de Invlidos da Patria.
Secretaria do ( ommando das Armas de Per-
nambuco, 20 de Outubro de 1886.
Francisco C. Pessoa de Lacerda,
________^ Coronel secretario.
Veneravel ordem ter-
ceira do Carmo
O pravedor do altor dos Passo3, ibaixo assig-
nado, declar.i nada dever em relaoo a festa do
Seohor Bom Jess dos Pasaos, celebrada nes;a
ordem terceira do Carmo no da 17 do corrate e
se alguem julgar-se credor aprsente suas contas
nopraso de tres das, ra Direita n. 3, segunda
un jar.
Ordem terceira do Carmo, 21 de Outubro de
'886.
Francisco Augusto da Fonseca e Silva.
Kirada de ferro do Beclfe ao S.
Francisco
AVISO
Dindo-se o caso de, a titulo de amostras para a
pra^a do Commercio, serem tiradas grandesquan-
tidades de alguinas mercadorias, transportadas
por esta estrada, apezar das eclamacoes feitas
directamente contra esta pratica a alguns nteres-
sados, a principiar desta data s se consentir ti-
rar amostras das mesmas mercadorias depois de
r.-alisada a sua entrega aos respectivos destina-
tarios ou seus delegados, isto depois de recolhi-
dos os coohecimentos, e isto em virtnde do qrje
dispoe o art. 88 do regulamento em vigor nesta
estrada.
Cabo, 18 deVOutubro de 1886.
Wells Hood,
Superintendente.
Joaquim Tranquilino de Lemos Duaate.
Ra de S. Jorge
Casa terrea
EDITAES
RECIPE, 20 DE OUTUBRO T)E 18S.
As tres horas da tarde
t'otace* Ki'f.cia'i
Cambie sobre Para, 60 d/v. com 1 10 0/0 de des-
cont-
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C O. Alcoforade.
atlNiMEiNlua PBLICOS
Mea ae Outubro de 1886
ALFANDEQA
De la 19
dem dt 20
raoviaciu.
De la 19
Monde 20
680:807*978
31:6824233
78.557>277
6:136*324
Tcia
BcnsanoaiAD< 1 a 19
Uein d 20
Cobsolado PaovuiciaL De 1 a 19
dem de 20
Kacm dbayiaob Me 1 a 19
dem ou 20
712:490/211
81:6931601
797:183*812
41:2224913
4:653*644
45:8764557
19:1794310
1:175*801
20:3554111
11:3494315
4694158
11:8184503
DESPACHOS DEIMPORTACAO
Vapor nacional Mandos, entrado dos portos do
sul, no dia 20 do crrante e consignado ao Vis-
conde de Itoqui do Norte, manifestou :
Carga do Rio de Janeiro
Baoalhao 144 canas a Mftndes Lima & C.
Bilbar 2 volumes a Mendes Jnior & C.
Couros 2 volumes aos mesaos.
Chapeos J caixao a Carvalho Iimao C. 1 a
Raphsel Das & O. '
Cal 100 sacecs a Paiva Valente, 50 a Augusto
i igueirdo 4 C.
Fajendas 4 caixas a Liz Antonio Sequeira.
Fumo 50 /alomes ordem, 32 a Joo Vctor
Alven Matheus t C, 30 a Sodr da Motta & Fi-
lho, dito em folha 6 fardos a Esuaty Banks.
Mercadorias diversas j volumes ao estacionario
do telegrapbo, 1 a Manoel M. Fiuza.
Machinas 4 volumes a H. Stolzenbaek & C.
Panno de algodo 10 fardos a Rodrigues Lima
z C, 10 a Onerra Se Fernandes, 16 a H. Burle
& C, 10 a Machado & Pereira.
Queijos 4 volumes ordem.
Xarope de cambar 19 caixas a Francisco Ma-
noel da Silva C.
Vinno 25|5 ordem.
Carga da Baha
Aseite 16 barris ordem.
' Charutos 1 i caixes ordem, 3 a Costo Lima
& C, 1 a Rodrigues de Paria A C., 7 a Jos An-
tonio dos Santos.
Chapeos 7 caixes ordem.
Fio de algodo 20 saceos a Duarte & C, 26
ordem.
Panno de algodo 213 fardos ordem, 15 a Fer-
reira & lrmao.
Vapor francs VMe de Santos, entrado dos por-
tos do sul no dia 19 do correte e consignado a
Augusto Frederico de Oliveira < C, manifes-
tou :
Charnros 2 caixes a Alra>ida Machado & C.
Oaf 550 saceos a Pereira Carneiro & C.
Parinha de trigo 30 barricas a Mendes Lima
&C.
Toucinbo 5 volumes a Pereira Caraeiro &,C.
DESPACHOS DE EXPORTAgA
Em 19 de Outubro de 1886
Para o extenar
N vapor allemo Rosario, carregaram :
Para Uambnrgo, Borstelmann de C. 100 fardos
com 20.269 kilos de algodo.
Na barca inglexa Brinkburn, carregou :
Psra Hallitax, M. J. da Rocha 900 saceos com
67,500 kilos de assncar mascavado.
na barca norueguense Lootpring, carrega-
ram :
Para New-York, J. 8. Loyo & Pilho 1,540 sac-
eos com 115,500 kilos de assucar mascavado.
No Idgar norueguense Potmos, carregaram;
Para New York, Amorim Irmos & C. 1,800
saceos com 135,000 kilos de assncar mascavado.
No patacho por.uguez Commercio, carrega-
ram :
Par Lisboa, C de Faiia Tavares 50 pranchdes
de amare! lo.
Para o Porto, Maia & Resende 141 couros espi-
chados com 987 kilos.
Para o interior
alcool; P. Alves & C. 5 barricas c-m 200 kilos de
assucar br&ncs.
Para o Natal, P. Vives & C. 4 barricas com
240 kilos de assucar efinado e 6 ditas com 391
ditos de dito mascavado.
No hiate nacional Apody, carregaram :
Para Mossor, E. C. Beltro & lrmao 14 barri-
cas eotn 759 kilos de assucar mascavado
No hiate nacional Correio do Natal, carre-
garam :
-Para o Natal, P. Alves & C. 13 barricas com
1,090 kilos de assucar refinado.
Ka barcaca Aurora 2a, carregou :
Para Maco, J. L. da Silva 8 barricas com 206
los de assncar efinado.
Para Mossor, J L. da Silva 3 barricas com
206 kiles de assucar branca e 1 dita com 70 ditos
de dito refinado.
Na barcaca Phenix, carregar m :
Para Parabyb*. E. C. Beltro & lrmao 6 bar
ricas com 805 kilos de assucar branco ; A. R.
Branco 25 saceos com 1,400 kilos de assucar mas
cavado.
Na barcaca Graciada, carregaram :
Para Mamanguape, P. Ai ves & C. 10 barricas
com 600 kilos de assucar refinado.
Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Sr. coneclheiro director in-
terino, se declara que para fiel eiecucao des arts.
2- do decreto n. 4 '.30, de 3 de Outubro de 1869,
art. 6* da portara do Ministerio do Imperio de
4 de_Maio de 1856, do aviso do mesmo Ministerio
a. 477 de 6 de Novembro de 1868, abaixo trans-
cripto, eevitar-se os abusos que a tal respeto se
tem dado, s sero aceitas d'ora em diante para
a inscripeo a exame de preparatorios os attesta-
dos de habilitacito que torem paseados por directo-
res de collegios e professores pblicos ou particu-
lares das respectivas materias legalmentc autori-
sndas e taabem daquellas pessoas que pela Di-
rectora da Faculdade tiverem sido noineados para
i exames de alguma das materias, devendo a attes-
' taco neste caso versar smente sebre a materia
em que tiverem examinado.
N.
N.
N.
N
M.
N.
N
57.
61.
63.
71.

273KX)0
'1833000
771,5000
2736000
297,5000
2135000
2730uO
i-
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 20
Havre por escala 17 dias, vspor fran-
cez Ville de Victoria, de 1,775 tonela-
das, commandante J. Simonet, equipa-
gem 43, carga varios gneros; a Au-
gusto F. de Oliveira, & C
Rio de Janeiro por escala5 dias vapor
Copia.N. 477.-3 Secco.Rio de Janeiro.
Ministerio dos Negocios do Imperio, em >>,do
Novembro de 1886.Em oficio datado de 7 de
mez rindo, consulta V. S. :
Se deve ser attendida a petico do estu-
daute que requer exame de preparatorios, quando
na attestaco que exhibir de ha ver estudado a
materia do mesmo exame nao se declarar que foi
esta objecto de um curso regular, dirigido por
professor legalmente sutorisado para o ensino;
2* Se alm dos professores devidamente ha
bilitados podem os hachareis em direito, doutores
em medicina, ou estudantis das Faculdades pas-
sar toes attestacer.
Em resposta declaro a V. S. :
1 Qoe deve ser attendido o requerimento
instruido eom attestaco assignada por pessoa
competentemente habilitada para o rnsno da
materia do exame, sende sufficiente, porm, a de-
claraco de que o eatudante est em termos de
sujeitar-se ao exame que requer ;
2' Que nao pode passar semelhante attestaco
! seno o professor legalmente habilitado, com ex-
I cluso de qualquer outro individuo, embora gra
I duado em alguma Faculdade ou nella matri-
culado.
- -. Deus guarde a V. S.Paulino Josi Soares
de Soutst, Sr. director da Faculdade de Medicina
da Babia.
Declarase mais que pordeciso do Exm. Sr.
ministro do imperio em telegramma de 18 do cor-
rente, o exame de historia t depende do de por-
Iiem
Sobrado
Casa tejrea
113. dem.
115. dem
125. dem
Travessa para a Fundicjio
N. 8. Oas terrea 960000
N. 10. dem 960000
N. 14. dem !20?00J
N. 1. dem 960000
Ra dos Gurarapes
N. 12. Casa terrea 1800000
N. 18. dem 2730000
N. 90. Sobrado 800000J
N. 98. Casa terrea 3930000
N. 7. dem 1680000
N. 49 A. dem 2400000
N. 57. dem 2970000
Travessa do Occidente
N. 7. Sobradinho e mei'aguas 1:3920000
Travessa dos Gurarapes
N. 2. Casa terrea 1680000
Travessa da Praja de Pedro II
N.
N.
N.
N.
3. Casa terrea 1080000
5. dem 1200000
7. dem com sota 3660000
iBarSo do Triumpbo
39. Casa terrea
2130000
16
Correio geral
Malas a expedirse hoje
Pelo vapor nacional Vanaos, esta administrarlo
| expede malas para os portos do norte, recebendo
1 impresEOS e objectos a registrar at 2 horas da
I tarde, e cartas ordinarias at 3 horas ou 3 1 2
: com porte duplo.
Administraco dos correios de Pernambuio, 21
de Outubro de 1836. O administrador,
Affc*-', do Reg Bistres.
Ia SeccSo do Consulado Provincial,
de Outubro de 1886.
O che fe,
J. X. C, de Barros Campeo.
Estrada de ferro dt Recife a
Caxang___________________________
A \ Iso ao publico | Santa Jasa da Misericordia do
Achando- se construido o novo ramal at a Var- laCCIIC
sea, as partidas dos trens para todas as linhas i ^>or e8ta secretaria sao chamados os parentes
desta companbia do da 24 de Outubro em diante, | ?u protectores das menores constantes da relaco
sero reguladas pela nava tabella que acha-se col- | '"fra, para que as vas recolher ao collegio das
locada em todas as estacoes e pode ser procurada ; erphs.
pelos assignautes no escriptorio da companhia.
Os precos para o novo ramal at a Varzea sao
os seguintes :
M
D
5* a
i l
st
l i
a S
ft l
e
a
a
5'
n
i

3
a


o
H
3
* 3 rt
S.3 |
osv< _
< T
a
<
P
nacional Mandos, de 1,999 toneladas,1 tu8ne. 4 .,.....,..
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife,
20 de Outubro de 1886.
O secretario,
carregs-
No lugar nacional Tigre, carregaram :
Psra o Bio Grande do Bol, J. M. Dias 150
saceos com 11,250 kilos de assucar branco e 50
ditos com 3,750 ditos de dito mascavado ; Maia
Si Resende 300 saceos com 22,500 kilos de assu-
car branco e 100 ditos com 7,500 ditos de dito
mascavado.
= No lugar nacional Marinho 7*
ram :
Para o Rio Grande do Sul, F. A. de Asevedo
170 saceos com 12,750 kilos de assucar branco e
30 ditos com 2,250 ditos de dito mascavado ; M.
F. da Cunha 75 saceos com 5,625 kilos de assucar
branco e 35 ditos com 2,625 ditos de dito masca-
vado.
No vapor nacional Pirapama, carregaram :
Psra Camossim, F. de Axevedo 2 barricas com
286_ kilos de assucar refinado; E. C. Beltro r.
Irmo 6 barricas com 360 kilos de assucar refina-
do ; Bouquajrrol Freres 1 barril com 95 litros de '
commandante Guilherme Waddington,
equipagem 60, carga varios gneros; a
Visconde de Itaqui do Norte.
Port Esabeth 29 dias, barca sueca -Wr,
de 468 toneladas, captio N. Th. Pyk,
equipagem 11, em lastro; a H. Lund-
grin & C.
Navios saludos no mesmo dia
Havre por escala|Vapor francez Ville de
Pernambuco, commandante A. Chaoerel,
carga varios gneros.
GuaroBarca sueca Nore, capitio N. Th
Pyk, em lastro.
Baha per ccalaVapor naeional Mrquez
de Caxias, commandante Felippe Ro-
drigues da Nova, carga varios gneros.
Camossimpor escalaVapor nacional
Pirapama, commandante Francisco de
Carvalho, carga varios generos-
Jos Honorio Bezerra de Meneses.
VAPORES ESPERADOS
Hildegard
Finance
Allianca
Britannia
Para
La Plata
Equateur
Cear
Sculptor
Arena
Portuente
de Buenos-Ayres hoje
do sul hoje
de New-Port-Nowi amanh
da Europa a 23
do norte a 23
da Europa f a 24
do sul a 25
do sul a 27
de Liverpool a 28
do sol a 29
de New-York a 29
' PROMOTOR PUBLICO DR. OLIVEIRA K8
COREL
Pareceres sobre alistamento eleitoral
Requerente Jos Antonio Goocalves Pires.A
renda do supplicante est no caso de ser julgada
provada.
Requerente Manoel Barreto de Mello Assum-
pcao.Na casa n. 40 J da ra de Luis do Reg
mora Jos Paulino da Silva, empregado no Asylo
de Mendicdade, e nao o requerente, como provam
I os documentos juntos.
Requerente Severino Lyra. O requerente
i morador rus dos Pires, e nao no pateo da Santa
! Crns, como prova o attestado junto.
Requerente Frederico Affonso Ferreira.0 in-
Suilino do segundo andar do predio n. 43 da ra
s Imperatriz Francisco Moreira Dias, empre-
gad i no Arsenal de Marinha, como prova o attes-
tado jinto.
Requerente Frederico Affonso Ferreira.O in-
Suilino do segundo andar do predio n. 43 da ra
a Imperatriz Francisco Moreira Dias, empre-
gado no Arsenal de Marinha, como prova o attes-
tado junto.
Requerente Joaquim Luiz Vieira.O inquilino
da casa n. 14 da ra do Bario de S. Borja Fre-
derico Lu'Z Vioira, e nio o requerente, como pro-
' va o attestado junto.
Requerente Joo Vieira de Albuquerque Fraga.
O requerente nao provou morar, ha mais de
1

1
<*>
o

8!
Q
5"
*
8S!
Q
5"
2
w
i
H
j
Escriptorio da companhia,
1886.
20 de Outubro de
H. W. Stoneheioer Bird,
Gerente.
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. inspector desta repart*
94o, faco publico que no dia 21 do corrente mez
paga-se a classe de 2a entrancia de professoras,
relativamente ao mez de Agosto prozimo passado.
Pagadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, em 20 de Outubro de 1886.
O escrivao da despesa,
Silvino A. Rodrigues.
Devoro particular 'de !*. 8. da Con
celcAo Ion arllxiac
Esta corporaco vein agradecer /Sos distinctos
professores que se prestaram gemosamente, para
o funeral celebrado na igreja de S. Jos de Riba-
Mar hontem, por alma do nosso ez-mestre de ca-
pella, Leocadio da Silva Santa Clara, tambem
a slgumas pessoas que comparecern!.
Ok(k-
t
Yia-sacra da igreja Saeta Cruz
A commisso Horneada pela mes geral da mes-
ma confraria para tratarem da realisaco da con-
strueco de catacumbas no cemiterio publico de
Santo Amaro, tendo conseguido da Lima. Cmara
Municipal a compra do terreno no mesmo cemiterio,
cjnvida aoa senbores artistas que queiram c tar a factura da 10 pares de catacumbas para adul-
tos e os pares pequeos que forem possivel sobre
as mesma grandes de conform'dade com a planta
do Illm. Sr. Dr. engenbeiro e regulamento do mes-
mo cemiterio, apre'-entarem ss suas prepostas eor-
camentos at o dia 24 do corrente, na ra da San-
ta Cruz n. 3.
Recife 18 de Outubro de 1886.
A cam.ri municipal da cidade ae Olinda
e seu termo, em virtude da lei, faz constar a
Krlayao das differencas para ruis en quem conv-er e int contrada no valor locativo dos prouis ur- i do disposto nos arts. 75 e 76 da lei provincial n.
baos da freguezia do Ricif-, que esto I 1515 ,de 4 de.A"')8t0 de,188 (disposico persia-
.-_ i *, nente) que uingncm podera abrir ou continuar a
sujetos ao imposto de dcima, relativo ao ter ^ cagagde nPg0CI0 0Q de outr qua,qaer
a loo/, pelolancador I mster, seja qual for a sua denominacao, sem pri-
meiro obter da mesma cmara o respectivo alvar
delicenci, o qual nao ser concedido s.-m que o
impetraute prsve haver pago os competentes im-
pastos naciolues e municipal, para cujo fim se
acha designado o praso de 60 dias, a contar da
prest nte data, fiado esse praso, os donos ou admi-
nistradores das referidas casas que nao tiverem
os alvaraes, sero multados em motado do valor
dos inesmos.
Pac da cmara municipal lv Olinda, 1 de Ou-
tubro de 1886
Bario de Tacaruna,
Presidente.
Jos Pigueira Curado,
_____________________ Sf cretario.
Arsenal de Marinha
De ordem do Exm. Sr- chefe de divao Jos
Manoel Picaneo d_ Costa, iuspecior desta arse-
nal e capito do porto desta provincia, convido
aos senbores abaixo mencionadas, para no praso
de dous dias, contados da presente data, compa-
recerem na secretaria desta napecco, afim de
assignarem o contrato do conselho de compras da
sesso de 12 d > corrente mez.
Maia Silva & B.
Jos dos Santos Oliveira.
Joo R drigues de Meura.
Joaquim Alves da Silva Santos.
Jos Rufino Clmaco da Silva.
Beltro & Costa.
Antonio Duarte de Figueiredo.
Francisco Manoel da Silva C.
Secretaria da inspecco do Arsenal de Marinha
de Pernambuco, 19 de Outubo de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Azevedo.
\
-
1

Relacao das orphs a que se refere o edital
Supra
1 Mara, filha de Joanna Baptiata de Jess.
2 Emilia, filha de Feliciana Vieira da Rocha
Falcao.
3 Carolina, filha de Antonia Diniz Bandeira
de Mello.
Josepha, filha de Hermiaa Correia de Barros
Waldetrudes.
dem de Magdalena de Araujo Cavalcante.
Virginia, idem de Mara Francisca da Purifica-
co.
Josephina, idem da mesma.
Francisca, dem de Claudina [Mara do Nasci-
mento.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 13 de Setembro de 1885.
O escrivao.
_______________Pedro Rodrigues de Souza.
Companhia do Beberibe
Previne se aos senheres concessionarios de pea-
nas d'agua, que principiou-se a fazer a lmpeta
das incrusta cues do interior de urna das linhas de
eacanamento, para ligaco deste aos novos e
funccionamento das novas obras, pelo que em al-
guns dias. nao seguidos, durante a'gumas horas,
haver diminuicSo no fornecimento d'agna, mas
nao sifirero desfalque na totaldade d'agua por-
que a bomba a vspor trabalhir a noite nos refe-
rides dias, tantas horas supplementares quan tas
forem necessarias preencher a differenca.
Escriptorio da companhia do Beberibe. em 16
de Outubro de 1886.
Ceciliano Mamede,
______________________Directar gerente.
C C E.
Club roinniereial Enlerpe
SARAO EM 6 DE NOVEMBRO DE 1886
1 anniversario da installaco da banda
musical
Solemnisando-se o 1' anniversario da iostalla-
co da banda musical deste cluo, com um sarao
daasaute na noite de 6 de Novembro prximo,
queiram os senhores socios dar snas notas de con-
vites ao abaixo assignado, nesta secretaria, das
8 s 10 horas da noite.
Secretaria do "Inb Cemmercial Euterpe, 15 de
Outubro de 1886.O 1 secretario,
Francisco Lima.
Companhia Brasflelra de Xave-
gaco a Vapor
A agencia de ta companhia nesta cidade preci-
sa de contratar o fornecimento de carne verde e
gado em p para os vapores da mesma companhia
em sua passagem por este porto.
Recife, 18 de Outubro de 1886.
k

t
_sV
ii i,, i.....


II t
Diario de Pernambncotyuinta--leira 21 de Outubro de 1886
Companhia de EdificacOes
O escriptorio desta
companhia acha-se in*
stallado na praga da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os das
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucQes e reconstruc-
c,6es.
Recebe-se informa-
c,es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios^ a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio s.e encontraro as
amostras dos produc-
tos da o I aria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da mesraa
Companhia.
\rremalaeao em Onda
,uinta-feira 21 do correute, depoig da audien-
cia do Dr. juiz de direito de orphos, rao nova-
mente A praca os seguintfS bens, pertencentes ao
espolio de Miguel Archaojo de Barros :
Um sirio na estrada da Madcira, avaliado por
8OO1OOX.
Uma cus;- *>a estrada de Mara Simplicia, ava-
hada pex "DO.
Olin' Otubro de 1886.
MARTIMOS
Paeifle Sieam fiavigaion Company
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Britanna
:spe:
pa at o dia 24 de Oo-
tubro, e seguir de-
pois da demora do eos-
;ume para a
Baha, Rio de lanelro, nonio
. video e Valparaso
Para carga, passagens, encommendas e dio-
heiro a frete tracta -e com os
AGENTES
Wllson Sons A c .. Limited
I. 14- RA DO OOMMERCIO N. 14
rorupanhia liahlaoa de navega
f ao a Vapor
Macei, Villa Nova, tenedo, Aracaj,
Estancia e Baha
O VAPOR
Marinho Visconde
' Commandante J. J. Coelho
E' esperado dos oortop aci
ma ate o dia 26 de Outubro
e regressar .cara os mea-
mos, depois da demora docos-
tume.
Para caiga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete 'racta-se na agencia
7Ra do Vigario7
Domingos Alves Ma heos
LEILOES
<" i a vii i,. e* tiis* \.|
res uuiiihis
linha mensal
0 paquete Equateur
Commandante Lecointve
PAVILHAO
situado ira
CAMPO DAS PRINCFZAS
AO LADO DO T1IEATRO
EHPREZA M. & B.
Grande Coopto Gwstm
greg.:cao zoolgica
SOB A DIRECgAO DE
HILARIO DE ALMEIDA
Quinta-feira 21 de Onlubro
EST&EA
COBRA
qual ser apresentada ao publico pela sympath
i artista
D. Carolina de Almeida
Da grande
Aproveitem
ltimos
08
! Aproveitora 1
espectculos I
AO PAVILHAO
pwecos
5 entradas
Camarotes com
Cadeiras
Gentes
Cadeiras para cranos
Geral dem, idem
10000
2*000
1*000
1*000
*.%o
AVISO
O espectculo entrar s 8 1(2 Loras da
noite.
Haver bonds para Femandcs Vieira, Magda-
lena, e Afogados.
THEATRO
DE
VAKISDABES
Sabbado 23 do crrente
A's 8 l|t horas da noite
Estra da companhia
Lyrico-comica de operetas francezas
Regento de orchestra: de Mirecky-En-
saiador: Garcon
Id coq en jupons
n 1 acteMgsiquede Mr. deC
par Mr. Garcon el Madame Str
INTERMEDES
aynete en 1 acteMqsiqnede Mr. deCbassaigne
joue par Mr. Garcon el Madame Straiwille
RomaneeChausnnnettetyrolienne Monologue
par toute la compagnie
Di tornee sor le zinc
pochade par toute la troupe
LBL GABETS DE GAL ME
OPERETTE EM 1 ACTE
Paroles de Mey d'Orfeuilmusique
Bernicat
PERSONAGENS
de
Le barn de Croustignac
Lveill
Cornuchet
Simplice
Mariotte
Mame Sahuche
Mr. de Rava me (cadet)
(cadet)
par M. M. Oven
par Valere
par Garcon
par madame Ltfleuro
par madame Valdi
par madame Stainville
par madame Lesaye
par madame Blanda
par madame Leo
pREgos
Camarotes com 5 entradas 10*r
Cadeiras e galera 2J000
Plateas 1*500
Entrada geral na jardim (tbeatro aberto) 1*000
Os bilhetes desde ja veo da em casa de Coar-
tes Piuym 4 C, na raa .do Commercio n. 24, Re-
cife e ne escriptorio do theatro no dia do espect-
culo.
E' esperado dos portos do
sul no dE 25 do correte,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de tudas
as classes que ba lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualqoer tempo.
Faz-se abatimento de 15 /0 em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garem 4 passagens inteiras.
Por excepcao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambera, d'eate abati-
mento.
Os vales postaes b se dUe at e dia 23 pages
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
afrete: tracta-se com o
AGENTE
Augnste Lab lie
9 RA DO COMMERCIO9
Quinta-feira 21 de ve ter (lugar o leilao de
bous movis, finos crystaes, electropate e mais
objectos existente* na casa da ra da Union. 31,
conforme o annuncio em entro lugar desta co-
lumna.
Sexta-feira, 23, ter lugar o leilao de duas
cairas grandes, avariadas, sendo uma com fa-
zendas de linbo e outra com miudozas.
Agente Pestaa
Leilao
De liquidaco de diversos movis, excellente pia-
no, candieiros a gaz, um cofre francs, grande
quaotidade de louca, pares de jarros, diversas lata,
com fumo em corda avarad a, barricas com fumo
picado, e outros amitos objectos que estarlo vis-
ta dos Srs. compradores.
Sextafeira 22 de Outubro
A's 11 horas
No armazem da ra do Vigario n. 12
O agente Pestaa, far leilao dos objectos cima
mencionados por cunta e risco de quem pertencer,
para fecbamento de contas.
Menino fgido
Desde o dia 15 do corrmte fugio do poder de
seu pai, o menor Vicente Cardinal, italiano, com
15 annes de idade, com um metro e ciueoenta cen-
tmetros de altura, rosto comprido, calca e camisa
branca, descalco, levando um chapeo preto de
massa. And iva vendendo bilhetes. Quem o achar
ou der noticias delle, poder derigir-se a ra da
Oneeico n. b' (armazem de Jos Alabama) que
ser gratificado.
Recife. 18 de Outubro de 1086.
O pai do menor.
Miguel Cardinal.
AUentfto
Leilao
Leilao
CompsuL?a lira* Ilelra de Xa?c-
gseSoa Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Gomes
E' esperado dos portos do
norte ate o dia de 24 Outu-
bro e depois da demora in-
dispensavel, seguir para
os f-tna do sul.
Recebe
tambein carga para Santa Catharina,
Grande d > Sul, Pelotas e Porto Alegrp,frete mo-
dic .
Para carga, passgens,
ratase na agencia
PRACA DO CORPO
encommendas valores e
SANTO N 9.
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Commandante !
tenente OuUherme Wad-
dington
E' esperado dos portos do sui
at o dia 21 da Outubro, e
seguir depois da demora n-
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas valeres
racta-se na agencia
PRACA DO CORPO SANTO N. 9
Inued SUtes & Brasil I11IS.8.C
0 paquete Fnance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 21 de Outubro
depois da demora necessaria
seguir para
Haranho, Para, Barbados, S.
Thomaz e Siew- York
Para carga, paaaagens, a encommendas tracta-
se com oa
AGENTES
0 novo nw Alllanca
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 22 de Ou-
tubro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha, Rio de Janeiro. Monte-
vdeo e Buenos-Ajres
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forsler & C.
N. 8 RA DO COMkEKClO N. 8.
/ andar
ROYALMAILSTEAM PACKET
COMPANY
Vapor La Plata
E' esperado daEuropa no dia
24 oo 25 do corrente, seguin-
do depois da demora necesaa
ra para
Baha, Rio de Janeiro Monte
video e Buenos Ayres
Este vapor Iraz simplesmente
passageiros e mala& e inmedia-
tamente segar depois do desem-
barque dos mesnios.
0 paquete Neva
esperado
do snl no dia 29 de
corrente seguinlo
depois da demora
necessaria para
Lisboa e Sonthamptou
Para passagens. fretes, etc., tract* c w os
CONSIGNATARIOS
Adamson liowic & C.
Leilao
Em continua^o
De ricos consolos dourados com indos espelbos,
moldura domada, espelbos ovaes e quadrados, qua-
dros com paisagens, movis de diversas qualida-
des, miudezaa, jarros, fazendaa e ama oalanca
nova para armaren) de assucar.
Qu.inta-Jeira 21 do corrente
A'a 11 horas
.Yo armazem da ra do Mrquez
deOlluda n. 1
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmo
Leilao
De faaendas, miadezas, mobihas, guarda loucas,
guarda vestidos, mesas elsticas, toilettes, secre-
tarias, cadeiras de balance de junco, faia, ama-
relio e Jacaranda, cadeiras de guaruicao, jardinei-
ras de Jacaranda e amarello, sof*, marquezoea,
camas, laminhas, berros, quadros, jarros, espelhos,
candier i6 e moitos outros artigos, no armazem da
ra de Pedro ASonso n. 43.
Agente Brito
Quinta feira, i do corrate
10 12 horas
as
de duas vaccaa e uma bezerra furrinas, uma car-
roca e um boi manso.
tilinta feira. *1 de Outubro
A's 2 horas da tarde
Em frente casa da ra da Uoiao n. 31, por
occasio do leilao de movis, louca, vidros, cris-
t' es, espelhis e ja:roe para flores.
Segundo leilao
Da armaco, ntencilios e mei cadorias do esta-
belecimento de molha ios da ra do Mrquez de
Olinda n. 51, e de um rancho na estrada do Ca-
xang, conhecido pelo rancho do Sabino e de divi-
das na importancia de 29:999*615.
Seita-feira '9 do corrente
A's 11 horas
Na ra do Mrquez de Olinda n. 51
O agente Modesto Baptista por mandado e
com assistencia do Ezm. Sr. Dr. juiz do commer-
cio e a requerimento do Dr. curador fiscal da
massa fallida de Jos de Azevedo Braga 4 C.,
far leilu do que cima se declara, garantiodo-se
ao comprador as chaves da casa.
Leilao
da caiza marca 8 & C n. 3, descarregado do va-
por francez Vle de Macei com avaria d'agua do
mar, contendo 14 pecas de panno de linbo para
lences, guardanapos, toalhas, e bramante.
Sexta-feira, '9 do corrente
A's 11 horas
Ra do Bom Jess n. 43.
O agente Pinto levar a leilao por autorisa^ao
do Sr. cnsul de Franca, em presenta do seu
cnanceller, e por conta e risco de quem pertencer
a caixa com as azendas cima mencionadas com
avaria d'agua do mar.
Em conliniiifio
Leilao
de tranc s de la e seda, meias psra senhora gra-
vatas, sapatoe de tranca e de tapeto para hoinens
e senhoras, (tudo variado.)
De bons movis, finos crysaes, objectos
de electro-pate, espelhos, passaros e
plantas.
A saber:
,ENTRADA
Um porta-chapeo de sol, 2 cadeiras-espregui-
cadeiras, 2 ditas de palha, 5 quadros, 4 ettagers,
4 jarros para flores e 1 pendente a gaz.
SALA DE VISITA
Uia piano forte e novo de Stuttgart, 1 linda mo-
bilia de Jacaranda, com dunckerques, (massica) 1
cadeira para piano, 1 estante psra msicas, 1 Se-
rafina americana com excellentes vozes, 1 etpelho
oval grande, 2 ditos dourados p .ra consolos, 1
candieiro de crystal com 2 bracos, 8 capiteis, 8
jarros, 4 casticaes com mangas lavradas, 2 jarros
de alabastro, 1 tapete de sof, G ditos de porta, 1
esteira branca forro de sala e 4 escarradeiras
grandes.
PRIMEIRO QUARTO
Uma cama Iraucesa de Jacaranda, 1 commoda
de Jacaranda com tampo de pedra, 1 espelho oval,
1 toillet, 2 jarros finos, 4 cadeiras de fantasa, 6
cadeiras de jubco, 1 machina de costara e 2 ca-
bidos.
SEGUNDO QUARTO
Usa quadro grande, 1 cama de ferro, 1 mesa de
cama, 1 lavatorio com pedra e espelho, 1 guarda-
roupa, 2 cabides torneados, 1 mesa e tentos para
jogo, 1 panno para mesa e esteira de quadros farro
dos quartos.
SALA DE JANTAR
Uma mesa elstica com 6 taboas, 1 panno para
mesa, 1 guarda-louca envidracado, 2 aparadores
com rmanos e taiupos de pedra, 2 ditos tornea-
dos, 1 guaida-comida com rame, 1 quartmheira e
quartinhas, 1 sof de amarello, 2 cadeiras de ba-
lance, 18 ditas de guarnicSo, 1 lavatorio na pa-
rede, 1 reUgio de parede, 2 ettagers, 2 jarros, 1
machina para limpar facas, 1 quadro grande, 4
menores, loucas, vidros, copos, clices, garrafas,
compoteiras, bandejas, 1 candieiro a gaz com 3
bicos.
ELECTRO-PLATE
Um apparelho para cha com 5 pecas, 1 salva, 1
urna, 1 galheteiro, 2 porta-fatias, 1 porta-gelo, 1
porta-licor, 4 cobertas para pratos, 4 porta-gar-
rafas, 4 porta-biscouts, fructeiras, 1 porta-carto,
1 tympano. eolheres e garios.
m viveiro, diversos passaros, flores, plantas,
crotos, 1 veado, 1 oseada de abrir, mesas, cadeiras
avulsas, formas para bolos, flandres, trem de co-
zinha e mais acceasorios de casa de familia.
QINTA-FEIRA 21 DO CORRENTE
Na casa da ra da Unio n. 31
O agente Pinto, legalmente antorsado, levar a
leilao os movis, louca, vidros, eleetro-plate e mais
objectos, cima mencionados, existentes na easa
da ra da Unio n. 31.
Os referidos movis e mais objectos tornam-se
recommendados pelo seu ptimo estado de conser-
vacio, solidez e gosto.
O leilao principiar s 10 1/2 horas em ponto,
por serem muitos e differentes os lotes.
A entrega efiectuar-se-ha em acto continuo e
em 24 horas.
Do movis, loucas, vidros e quadros
Sexta feira. ** do corrente
A's 10 1/2 horas
Na casa terrea sita a ra da Alegra n. 40
Constando do seguiute :
Uma mobilia de amarello a Luis XV, pintada
de preto, consolos e jardineira com pedra, 1 dita
de amarello, consolos com tampo de madeira, 1
piano do fabricante Bord, 1 estrado e cadeira para
o mesmo, 2 pares de finos jarros, lanteraas, 2 jar-
ros para centro le mesa, 2 cadeiras de balanco de
junco, novas, 2 espreguicadeiras com tapete, 2
tete mabile, 1 espelho, 1 cama, 1 marqueso, mesa
para juntar, 1 toucador, 2 lavatorios, 6 cadeiras
de guarnifio, 1 mesa para jantur, dita para al
mofo, copos, garrufas,,quadros, eserrradeiras, trem
de coainha e mais movis patentes no acto do
leilao.
O agente Silveira, devidamente autorisade, le-
var a letfijo o referidos movis pertencentes
ama familia que mudou de residencia.
Ate
emjao
Vende-se uma tarema no povoado de S. Bene-
dicto, em Beberibe, entrada d'Aguasinha, estrada
commercial, com bastantes coinmodos para fami-
lia ; quem pretender dirjase mestna ou ra
da Unio n. 54, taverna, que achara com quem
tratar, e o motivo se dir.
/
Vende-se ama armacao envidracada, propria
para fazendas oo mulhados, em perfeito estado; a
tratar na ra da Tmperatriz n. 52.
Ao Commercio
Joaquim Cavalho & C, declaram tai- comprado
ao Sr. Francisco Das Marques, o seu estabeleci-
mento de molhados, sito ra de Felippe Cama-
rao n. 37, livre e desembaracado de qualqjer
orna,
Quem se julgar creor do referido estabeleci-
mento, queira apresentar seas ttulos ns prazo de
tres das a contar da data do presente annun-
cio.
Recif.-, 20 do Outubro de 1886.
0 Capricho la Moda
l.o.ja de chapeos para senhoras
e criancas
Mudou-se para a ra do Barao da Victoria
(antiga ra Nova n. 28 )
O. Mara
da
AVISOS DIVERSOS
Alaga-se casas a 8O0
Ihos, junto de S. Goncallo :
Imperatrs n. 56.
no becco dos Coe-
a tratar na ra ds
Pede-se aos abaixo notados, o favor de vir
oa mandarem ra do Mrquez de Olinda n. 51.
Pedro Siqueira, Alfandega.
Frederico Vieira.
Manoel, do Banco.
Alaga-se os andares superiores do predio n.
51 raa do Imperador, com excellentes accommo-
dsces para familia : a tratar com N. I. Lidstone,
ra do CommeTcio n. 10.
Alaga-se a casa da ra do Pilar n. 37, com
6 quartos, 4 salas, cosinha e apparelho fra, re-
construida, catada e pintada de novo ; a tratar
na ra da Imperatriz n. 56.
Alaga se uma casa na Estancia, com bas-
tantes coinmodos e grande sitio ; a tratar na ra
do Mrquez de Olinda n. 40.
Precisa-se de um criado para copeiro e cui-
dar de um jardim pequeo ; a tratar na ra do
Bom Jess n. 52.
Francisco Xavier da Silva Gaimares, tendo
perdido ama cautella do Monte de Soccorro, sob
n. doze mil e tantos, de um relogio da ouro, vem
prevenir ao Sr. gerente que s entregue o objecto
ou saldo que por ventura pusra ter ficado, tendo
ido a leilao, ao seu legitimo dono. Recife, 16 de
Outubro de 1886.
Francisco Xavier da Silva Guimares.
=a Comprase 2 ou 3 casas pequeas, que sejam
as freguesias de Santo Antonio ou S. Jos at o
2 districto, ou mesmo na freguezia da Boa-Vis-
ta : a tratar na raa do Padre Maaiz n. 1, outr'ora
jua de Santa Rita nova, taverna.
Precisa-se de ama uma para andar com duas
ciiancas, lavar e eogommar para as mesmas ; na
ra la Aurora n. 81, 1 andar.
Precisa se de nm criado par casa de fami-
lia ; a tratar na rna do Baro da Victoria numero
39, loja.__________________________________
Aluga se a metade da casa n. 99 ra do
Visconde de Goyanna, antiga do Cotovcllo, por
84000 mensaes; quem a pretender dirija-se
mesma, que achara com quem tratar.
Aluga-se a excellente casa de vivenda, cem
ptimas accommodaces para numerosa familia,
que foi do fallecido corretor Oliveira ; a tntar na
Torre, aa mesma casa, ou no Recife, raa do Com-
mercio n. 46, pavimento terreo.
Precisa-se de um menino para criado
ta-se na raa da Florentina n. 2.
tra
Desencaminhoa-se urna cautella do Monte
de Soccorro n. 12129 ; quem a tiver achado quei-
ra fazer o favor de levar ra da Alegra nu-
mero 4.
Ma eogenhooa de Bemfica, ra Real da
Torre n. 23, precisa-se de dois empregados que
saibam tirar leiie.
Alaga-se a casa terrea n. 82 do pateo do
Terco, caiadi e pintada de novo ; a tratar em
Fra de Portas, ra do Pilar n. 56, taverna, at
11 horas da manha, oa depois das 4 horas da
tarde.
Boa larca do Rosario n. 1$
Aluga-se o 1- e 2- andar ; a tratar na ra da
Aurora n. I, 2- andar.
Marca
Registrada
Cal virgem de Jaguaribe
Abri-se roa do Bom Jess ?. 23,
uro armazem onde se vende constantemen-
te a superior cal virgem de Jaguaribe,
acondicionada em barricas proprias para o
fabrico do assucar.
Esta cal, em nada inferior que nos
vem do estrangeiro, vendida pelo preco
fizo de 6(5000 a barrica por contracto que
fez o Sr. Vicente Nascimento com o Sr.
Jos Costa Pereira proprietario do engenho
Jaguaribe, cujas pedreiras lbe d o nome
' encarregado da venda nicamente
tiesta cidade o Sr. SebastiSo Bezerra,
com escriptorio raa do Bom Jess n. 23.
Caixeiro
i recisa-se de um caixeiro com pratica de ta-
verna, que d fiador de sua conducta : a tratar
na rui estreita do Rosario n. 4-A.
Etisrominarteir*1
Precisa-se de urna ama que engomme com per-
fei^So ; na ra do Marqqez do Herval n. 10.
Precisase
cao
Costureira
de orna
pessoa que cosa com perfei-
na ra do Marqaez do Herval n. 10.
Attenc,o
Nao pomada, nao pbantasia, bom ver para
crer. No pateo do Paraizo n. 13, pavimento ter-
ree, lava-se e engomroa se com to lo o esmero e
promptidao ; c quanto aos precos nao ha rival.
E' com o presidente
A companhia da estrada d ferro que est se-
guindo com o ramal da Varzea est inutilisando
uma estrada publica com um aterro que nao era
preciso. Assim Acarnos impossibilitado eem po-
derosos transitar para o coi redor de S. Joo e
para o rio.
Providencias.
*atora Furia*
Coala
Coronel Candido Jos da Costa (ausente), An-
tonio Baptista Nogueira. D Thcreza da Costa
Kogneira, suas irmes e irmos (ausentes), convi-
dam aos seus parentes e amigos para assistirem
as missas que mandam resar por alma de sua
milito presada e nunca esquecida esposa, aogra e
mi, D Maria Pastora Farias da Costa, na ordem
terceira de S. Francisco, pelas 8 horas da manha
do dia 22 do corrente, stimo dia do sea passamen-
to, agradecendo desde j todos aqaelles que
concorrerem a este acto de caridade.

Coronel Francisco Manoel
Wanderley
Florismuudo Marques Lins e sua malher con-
vidam aos seus parentes e amigos para assistirem
a missa, que per alma do seu presado sogro epai
o coronel Francisco Manoel Wanderley. mandam
celebrar na cabella do engenbo Giquii, na Esca-
da, s 9 horas da manh do dia 22 do corrente, e
por este acto de religiao e csridade se confessam
eternamente gratos.
Criado
Precisase de
n. 29 A.
um ; tratar aa roa da UniJj
Compra-se uma
boa e envidracada
Arma^o

para molhados, sendo inuito
: i ra ds Unio n. 54.
Atten^o
n. Bernardina de Sena liento*
Emilio Perc.ra de Abreu, D."Auelia Rosa de
Lemos Abreu, Dr. Vicente Simes Pereira Lemos
(ausente) e Dr. Manoel Joa Pereirs de Mello,
manife8tam sua eterna gratidao todas as pessoas
quo sedignaram %companhir os restos mortaes de
sua omito presada sogra, mi e irm, D. Bernar-
dina de Sena Lemo, sua ultima morada, e de
novo rogam todos os parentes e amigos a cati-
dade de assistirem a missa que mandam celebrar
na matriz de Santo Antonio, s 8 horas do dia 22,
stimo do seu passamento
Atteno
Pede-se ao 8r. Joaquim Ferreira da Cunha Son-
to Maior, mestre d-! meninos, que, negocio de
seu int.TPsse, appareca ra do Coronel Suassu-
na n. 149, 1 andar.
Ernesto Soare* de Asevedo
Maximilla Augusta de Moraes Azevedo, Maria
Emilia Soares de Azevedo, Alberto Soares do A-
zevedo Sobrinho, irmos e cuahados, sinceramente
a^radecem do intimo d'alma aos parentes e ami-
gos que lhes prestaram a subida finesa de acom-
panharem at su4 ultima morada os restos mor-
taes de seu presado esposo, pai, irmo e canhado,
Ernesto Soares de Azevedo, e isto sem que pre-
cedesse convites, pelo que mais immorredonra se
torna a sua gratidao : rogando lhes agora o cari
doso obsequio de assistirem a missa que pelo re-
pouso de sua alma ser celebrada sexta-feira 22
do carrente, s 7 horas da manha, na igreja de
N. S. do Carino, stimo dia de seu infeliz passa-
mento ; e reiterando os agradec mentos por mais
case acto de religiao e verdadeira amizade, se Ibes
confessam suinmamente gratos.
DOS
Cabellelrciros e barbeiros
A maioria dos cabelleireiros nesta cida-
de vai endereyar Cmara Municipal uma
representaro, pedindo que seja estendida
sua class-; a disposirao que ordenou o fe-
cbamento das portas de seus estabeleci-
mentos, aos domingos.
Parece-nos que a Cmara nao se dever
julgar incompetente para tomar conheci-
mento dessa representarlo e resolver so-
bre ella, desde que sero os proprios do-
nos de cabelleirarias os representantes da
referida medida. Demais, a Cmara poder
ordenar o fechamento requerido, com a
obrigagilo para os representantes de pedi-
rem a Assembla Provincial a racticacao
desso acto.
Para os cabelleireiros e barbeiros, em
geral, claro que a medida reclamada
nao poder servir de prejuizo, desde qu:
fr observada por todos. E assim, os ar-
tistas pertencentes respectiva classe go-
zaro de um dia, que todo ser consagra-
do ao descanco e instruccSo.
Convidase, portanto, todos os barbeiros
e cabelleir :iros estabelecidos assignarem
a alludida representaco, para o que vai
sabir ra uma commissao composta Jde
tres membros da classe.
>:


k-
I


A viuva, tilhos, genios, oras e eneados, anda
dominados pela desagradavel impresso que lhes
eausou a morte do seo bom marido, pai. sogro e
padrasto, o coronel Francisco Manoel Wanderley
Lins, fallecido a 16 do correte, agradecen! cor-
dialmente todas as pessoas que se digoaram
a-ompanhar os seus restos mortses ao cemiteno
publico da villa de Gamelloira, e pedem de novo
o obsequio de assistirem a missa do stimo dia,
que mandam celebrar por seu eterno repouso, na
igreja matriz de N. S. da Penha da mesma villa,
s 9 horas da manh do dia 22 do corrente, e con-
fessam-pe gratos.
Este remedio precioso tem gocado da accelt
{o publica durante cincoenta c sete annos. com-
ecando-se 8 sua manufactura e venda em 1837.
Sua popularidade e venda nunca forao to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
offerece a melhor prora dn sua eficacia marav-
hosa.
Nao hesitamos a dizer que nSo tem deicado
em caso alguin de extirpar os vermes, quer em
crearlas quer em adultos, que se acharo aflic-
tos destes inimigos da rida humana.
Nao debamos de receber constantemente
attestaces de mdicos em faror da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsifcaces, de
son que deve o comprador ter muo cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
Veraiiftgc fle B.A. FAHIESTOCt


ks f0O:OOOS000
Soeledade 5 de Onlubro
Esta sociedade convida a todos os seus aasocia-
dos, parentes e amigos do nosso finado socio, Je-
iiino Oetavlano da Silva ttoncalvesj,
comparecerem na sexta-feira 22 do corrente,
para assistir a missa do trigessimo dia de sea
passamento, que mandamos rezar oa igreja do Li-
vramento pelas 7 horas da manh.
Recife, aO de Outubro de 1886.
O secretario,
Martiniano Cruz.
Isabel
Tavaresi
Joaquina
Leopoldina Carolina Quinteiro, Francisca Emi-
lia Martios, Isabel Emilia Ferreirs, Claudico Jos
Feliz, Miguel Bernardo Quint-iro e Jos Isidoro
Martins, filhos e genros 'la finada Isabel Joaquina
Tavares, agradecem de coracao todos aquelles
que se dignaran) acompanhar at o cemiterio pu-
blico os restos mortaes de sna presada mi 3 so-
gra, e pelo presente convidam todos os parentes e
amigos assistirem as missas que por alma da
mesma finada mandam celebrar na matriz da Boa
Vista, s 7 horas da manh do da 23 do corrente,
stimo do passamento.
16-K.ua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus ven-
turosos bilhetes garantidos os premios 8u-
guintes: 1 dezena do n. 18751 a 18760, 1
dezena do 2" premoio, 10581 a 10590 e
duas mais de 500,$, nos ns. 8482 e 2396
da 5 parte da Ia lotera.
Convida-se aos possuidores a virem rece-
ber sem descont algum.
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos ca ti1 parte da 1' lotera da
provincia em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife que se extrahir
quinta feira 12 do corrente.
Presos
1 Vigsimo 10000
Sendo qnantldade superior
a Hiftiooo
A dezena 9000
Joaquim Pires da Silva'
Coronel Franetaco Manoel Han-
derlsy l.lnr
O Baro de Serinhem manda no dia 22 do cor-
rente, s 8 horas da manh, resar uma missa na
capella de seu engenho Ribeiro, stimo dia do
passamento de seu presado cunhado, o coronel
Francisco Manoel Wanderley Lins ; e para esse
acto de reliro, pede e agradece o com pare ci-
mento dos parentes e amigos,
L*B 100:000^000
25ra Primeiro de Marfo25
Os abaixo assignados tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos os ns.
1,130 com a sorte de 10:0000000, 6,276
com 4:0000, 4,625 cem 2:0000, 4,603
com 2:0000. 13,455 com 2:0000, 11,391
com 1:0000, 1.002 com 1:0000, 15,111
com 1.0000, ,793 com 5000, 4,766
com 5000, 4,134 com 5000, 10,736 com
5000. 5,449 com 5000, 11,266 com 5000,
da o.* parte* da 1.' lotera da Santa Casa,
que se acabou de extrahir, convidam oa
possuidores a virem receber integralmente.
A charo-se expostos vendaos afortunados
bilhetes garantidos da 6.a parte da 1.a lo-
tera a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se extrahir quinta-
feira 21 do corrente.
Preco
1 vigsimo 10000
Ka porcia de too* par cima
1 vigessimo 0900
Mar*tnt Fhvt & C.
i ari
*
I





I
I
.

6
Diajrio de PeruaiubiuoHuiuta-teira 21 de Outubro de 1886
pei
.toral" Cerej.
de Ayer Jq
(Ayivs CherryrVtaral)
Paia \ oa k Cmmuta.
rSSE.ASTHMA,BRO\CITE.
Cooueluchl ouTosa Convulsiva
Tsica ePulmonar.
.-,.i- < ). JCAYlllCI.Ui.<- M.u[Elh
Alng-a-se
ara es-
immtr-
predio n. 140 a ra Imperial, proprio pa
abelecimento fabril : a tratar na roa do Co
10 n. 34, com J. I. de Medeiroa Reg-
Aluga-se barate
Ra do Bom Jess n. 47, 1.* andar.
Ra de Lomas Valentinas n. 4, com sotao.
Largo do Mercado a. 17, loja com agua.
As caaasda ra do Coronel Suassuna n. 141
Casa terrea da travesa de S. Jos n. 23.
Ra da Baixa Verde n. 5, sitio com viveiro
TraU-ae na roa do Commercio n. 5, 1' andar
escriptorio de Silva Guimares & C.
Ra Visconde de Qoyanna N. 79
Aluga-se
t casa n 1 ra Lembranca do Gomes, em Santo
imaro, tem agua : a tratar na ra da Imperatriz-
i, 32, 1. andar.
a loja do sobrado nc>
tratar no 1- andar.
Aluga-se
largo de S. Pe 1ro n. 4
Pastillias yermitugas
de Nering
o melhor especifico contra vermes : deposito cen-
tral em casa de Paria Sobrinho & (]., ra do Mar.
quei de Ulinda n. 41,
Aluga
-se
o 2* andar roa de Lomos Valentinas
oito do Terco; a tratar no 1 andar.
n. 100, no
Alnguel barato
Aluga-se o importante 1 andar coa muito bons
commodos, roa da Rada n. 17 ; a tratar no lar-
go do Mercado n. 12.
Ama
Precisa-ae de urna ama
prar ; na ra do Cotovello
para cosinhar e com-
129.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pequea
familia; tratar na ra de Paysand a. 19, Pas-
sagem da Magdalena.
Precisase de urna ama para todo servico de
casa de pequea familia ; a tratar na na da Ma-
triz da Boa-Vista n. 3.
Ama
Precisa-se de urna ama para eooiahar
prar ; na rna do CotoveHo a. 189._________ ~+
Precisa-se de urna asna pata cosnrliar, qae seja
perita e qae durnis em casa do patrio ; na ra
de Riacbuelto n. 57, portae de ferro*
~% mm %
Na praca do Conde d'Eu n. 7, 2- andar, preci-
sa-ee de urna ama que cosinhe bem, para casa de
tamilia.
AMAS
Precisarte de urna ama para cosinbar e outra
para tratar-de enancas e mais servicos de casa ;
na ra da Aurora o. 81. 2- andar.
triado
Precisa-se de um criado de 14 a 18 anuos : a
tratar na ra do Paysand n. 19, Passagem da
Magdalena.
PIM0 ""D~WfiT
de 3X9, 4X9 e 3X12 ; vndese na serrara a va-
por de Climaco da Silva, caes Vinte Dons de No-
vembro n. 6.
Taverna
Boa noqni^ifSo
Joaquim Qotocalves Cascao, acbando se daente
e precisando retirar se para Europa, vende sen
esWbelecimentu a ra de Thom de Sonsa n. 4,4
ou admitte um socio que entra com algum capital :
a tratar na mesma.
Corso preparatorios
O bacbarel Franciseo Uorreia L. Bdbrinho tem
aborto um cursa de aritbmetica, algebra e geome
tria : na ra da Matriz n. 7.
Luz brilhante, sem Fumo
OLEO AROMTICO
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
MARTHWU BASTOS
Pemamhueo
NUMERO TELPHqNICO : N 38
Agua florida.- Extrabida de flores bra-
sileiras pelo seu delicado perfume, suavida-
de e Bas propriedades benficas, excede
a tudo que ueste genero tem epparecido de
mais celebre.
Tnico americano. E' a primeira das
preparacSes para a conservarlo dos ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias espillares, faz nascer os cabellos,
impede que embraDquecam e tem agrande
vantagem de tornar livres de habitante as
cabecas dos qae os usam.
Oleo vegetal* Compcsto com vegetal
innocente, preparado para amaciar, for-
tificar e dar brilho aos cabellos.
Agua dentifricia. Excellente remedio
contra a carie dos dentes, fortifica as gen
gives e faz desapparecer o mo hlito.
Vende-se as principaes casas desta c-
dade e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 161.
TELEPHONE N 33
Tricofero de Barry
Oarante-se que faz nas-
cer ecrescer o cabello anda
aoa mais earvM, cura a
tinha e a caspa e reraove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de enibranqne-
cer, e inaUivelmento o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
''* Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
eritrina! usada pelo inventor em
1H29. 'o unieo perfume no mun-
do que tem u approvacao official de
um Govemo. Tem duas vezes
rusia fragrancia que qnalquer outra
luraodolirodo tempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradare! na
lenco. E' duas veras uiais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. R E' especifico contra a
fronxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
dumaies.
lampe le Vida ie Reuter No. 2.
a3TTES DE TTSAL-O.
CIPOTS DE SAL-0
kpodi
scrofulas, Syphilis, Pendas Escrofulosas,
Afleccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludocom perdaido Cabello, e de todas as do-
encasdoSangue^Figado, e Rns. Garante-se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangus
e restaura e renova o systema inteiro. .u
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian
e para a cura das moles-
i da pelle de todas as especies
em todos oS periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
------------i -------------------;--------------------------------------_
KANANGAdoJAPAO
RfGAUD y C, Perfumistas
PARS 8, Ru Vivienne, 8, PARZ8
--------------r ------------
$glia ie 0kfl$lg, a locfio a mais refrige
rente, a que mais vigor d pelle, e que mais bronquea
cutis, perfumando-a delicatamente.
jgXtrCtO de $dndHg, auavlsaimo amtocraco,
1 perfume para o lenco.
hanta, faz crescer e impede de cair.
^bOXlte de Knailg, 0 mais agradare! e macio,
conserva cutis sua nacarada transparencia.
JpS de 0nIlg, branqueao a tez dando-lhe elegante
cor mate e a preservao de sardas.
Depsito nos principa* Perfumara
PHOSPHATO de FERRO
de
Pharmaceutico, Doutor em Sciencias, Inspector da Academia
Approvado pela Junta de HygJene do Ro-de-Janeiro
t --------------------
Esta solugao, que foi admittida na Pharmacopa Francesa (Edigao
de 4884), clara, lmpida, anlogas urna agua mineral ferruginosa
concentrada, o nico dos ferruginosos, que, assemelhando-se
composifao dos glbulos do sangue, tem a grande vantagem de obrar como
reparador e reconstituinte dos ossos e do sangue. Sem fatigar
jamis o estomago, sem enegrecer os dentes, sempre de grande van-
tagem para combater as dores de estomago, as cores paludas, a
anemia, a pobresa do sangue, aleucorrba, a irregularidade
da menstruacaoe outras indisposigoesaqueestosujeitas assenhoras,
as mocas na idade da puberdade e as creancas debis, anmicas e
sem appetite. .............
Deposito em Paria, 8, ru Vivienne e na principaes Pharmacias e Drogaras.
INJECQO DE GRIMAULT E C
Preparad* oom as folias do Maoo
Approvida pela Jnnta d'Hygiene do Rio-de-Janeiro.
Esta InjeccSo preparada com as folhas do Matico do Per para a cura
da blennorrhagia, adquiri em pouco tempo urna reputacfto universal por
ser a nica innocente, contendo apenas vestigios de ses adstringentes, que
se encontrau em outras em grande quantidade. Em poucos dias ella acaba
com os corrimentos mais dolorosos e mais rebeldes.
Deposito em Pars, 8, Ru Vivienne, 8
Cada trauco leva a marca de fabrica, a firma e o sello da nosan casa.

rrrfKSM
UTBh'Se'1"70

\si aKpecUira^ade fvoris as tucc\'a iios 01, o.-...1- k
?MfeCTiI4 em tM* ie S. K4rC. Tf, i -1* R -1.:.^ B
tey.mlfiriOicm J*srmaml-uco: jC&jj'"- ..
--.
SEM CHE1R0 NEM GOSTO DOS LEOS ORDINARIOS
on TERRA-MOVA
de FIGADOS Frescos [
.^^BACALHAL'-L
11.
r
fcflfc % -' s
eru aira a ITolestias de ...
Bronquitis, PriaBs de Ventre, Toeses ehronieau, Aieo<:dc& eEctouIosas.
s*lo-A-~m l JZs'.Liciit frt^xjcep'
MOtl-'IC li.SClA. Ejciffa-ee no roalo
< Castialiaxia, PiU..^, e <
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Plulas purlfcb o S\ajiiue, corrgem todas as desortltms de Estomago e ?
dos Intestinos. ,
Fortalecem a saude das poostitugoes delicadas, e sao d'um valer inc-vel para tod nfennidades I
peculiares ao sexo feminind em toda; as edades. Para os meninos aim como tambem para as 1
, -pessoas de Idade avanzada a sua efficacia e incontestaveL
Ims ncdicat >Jo .rpiul4 nante no Estabdedmento do Professor l6r.W)*AV,
78, NEW OXFOHE STREET (antes 53S, Oxfcrd Btrest), L3KSB8,
K vendernse em todas as pharmacijL. do universo.
ItT 0$ compradores sSo convidados re spet osa mente a examinar os rtulos do cada cffisa e Pote X n*o tetan ft
dr';ao, 533, Oxford Street, sio falslficacoei.
Apolices pro\inc.aesde7 0|0
Compra-se apohon provinciars ; db rua Duque
de Caxias n. 46, loja.
Pinho resina
de 3X7 at 3X12.
Piniw Drait (da Siteda)
de 3X7 at 3X12.
Cimento inglez
VENDEM
Fnsff Irmos A t.

T
Em caa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franca e do Extrangeiro
s e ([or a Attz especial
OH. PAY,
Eu.a tie la. !Peki:K,
PRRP.VaAPA COM BISMUTHO
I>erfurn-iPla

Capuoga
Aluga da Amisade, por pre^o commodo a tratar na rna
velha de Diinta Rita n. 14. sobrado, das 8 horas da
manha a 1 da tarde.
Atlencio
A r*.xriooirao Central convida o^exo foio
para osea booiio sor tmenlo de gravatas, lencos,
meias, collarinhvs e punhos, asim como tem db
ezpleodido e squesito ortiaaento de pprfumee
raros : oa ra larga do Rosario o. 38, Dannio
Lima A C.
Calderciro e macliinislas
I a
Na Usina Pinto, em Iiibeirao. precisa-se con-
tratar dons machinittas e nrn caldeireiro qae tra-
balhem em oobre e ferro : quem eiltvm em condi-
coes de servir venha Ribeiro pela estrada de
trro do Becif ao S. Francisco, que achara com
quem tratar.
Ao commercio
O abano asaignado. na qaalHade de procura
dor doB herdeiros do finado Antonio Jos Rodri-
gues de Scuza, declara ao respeiuvel corpo com-
mercial, que o Sr. Veriato Sevenmio G mes de
Castro deixou de fazer parto da firma Jote Augus-
to dos Santos & C, da qual fazia parte co no so-
cio commanditario e nico capitalista o mesino
finado, e dito Sr. Csatro como socio de industria,
figaado todo o olivo *e pussivo h orgj d*s ber-
deh-os do dito nado. Becife, 11 de Ootubro de
1886.
Manoe| Martin: Fbbs.
""TVWTTIL
Maooel fiVvMvSwa Ramos, agente de lo-
car^Ses, cobranzas, compras, vendas e io-
dicac5es ntei, raudoc ana residentia e es-
criptorio de sja empreza -Agencia Pro-
freasiva l'croarubucana para a ra das
lores n. 18, parta larga).
Madaoiscilc Cotinha
Ainda ceiitii. >; rfla d.-> Unpcntr n. 55, 2"
andar, onde su.: ..unfias iregirvtas podern eu-
contral-a jara comprar Ihe os tnthalbos, qoe como
modista destfof'-uha, como sajau, tuili-ttes e pen-
taados de todo gosto. da aacordo com os figorinos
modernos
Exccllciite inorada na
Torre
Al'ica-se urna casn com commndos tufficirntcs
f!ii'ia iiumero-a, ifc>B>. |;rd0de f-itio e. jardhn,
to fresca e alegre, a tDnrfrtn r:n, em cojo
porto termina a linha dos boiuis, uudo na mar-
gem oppns'a dn rio, a rataicao dn T.irre. da com-
paubia dos tri!ho8 urbanos do livcif.- CaxaDg :
a tratar im imito, iuh do Coa roercio a. 40, |ia-
vimrn'i terrea ,, .,
[J
Criado
Taberna
Vende-se :una tuveraa na eatrt-da dos AfHictoa
n. 20-A. propria para priaaipiante, -erm commo-
dos para familia e por preeo muito tavoravel.
Fiambres semosso
De 1, 2. 3. 4 e 5 libras, prnprioa pura nnobe,
receberam uuva maesa a Ju*4 aPeraaudeo Lima a
C, ruu Nova n. 9.
Pillas purgaiivas c depurativas
de CMjpanlii
Estas i ilolas, cuju {^eprncfio puramente ve
eb>l, tcem sida por mais de 20 anuos apr-iveitadas
som os me'hores rebultados nas s^wntos moles-
tias : affeccies da -elle e dofigudo, ypriilis. bu
b5es, esc-rofulaa, i liagas inveteradas, erisipelas
gonorrhaa.
mi" do nM a
Como purgativas: tome-se de3 a t p;r da, .<
oendo-se apes oada dse um ip;>uco dagua o.,c-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : toaoe-e itoi pilla ajauUH
Ettas pilulus, de invenci dos pliaraiaceotict
Almeida Audmde 6z Filhos, tecm veridicCum dut
4rs. mdicos para aua-aoerbor garanta, tornndo-
le mais reeowondaveis, por serein um segure
purgativo e de pouca dieta, p<4o que poden, ser
jaadas em viagem.
ACHAM-SE A' VNA
^ droKitria de Karta Mubrinbu dV C.
Al BA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Precisa se de um cri .Jo de 12 a 14 annos, que
tenha boa conducta ; a tratar na ra do Bom
Jesos (au'iga da Cruz) r. ".8.
Cocheira da ra da liuperatriz
n. 29
TELEPHONE N. 189
O abaix> assignado avisa aos sen amigos, fre-
pueses e ao publico em geral que o Sr. Delfiuo de
Asuvedo Villarouca despedid.se da administraco
de sua cocheira, A ra Ja Imperatriz n. 21, desde
o da 9 d > ce+teofe, *eirt} prestadoodas n contas,
nViindo a mesma sendo administrada pelo Sr. An-
tonio Joaquim Moreira, u carga de quem su acba
tambem a cebranca ; espera, pois, merecer a mes-
ma confianza dos seus freguezos.
Recife, 18 de Outubro de 1886.
Ititl Pedro Rodriguen da Silva
Feitor
Precisa-se ''e um feitor partuguea, para traba-
bar em um sitio, dando-ae ^rrterestfe no caes d .
U>m; auliia o. ', escriptorio
Precisa-se de um caxeiro com jrati'a cerno-
- Ihados ; na ra d 'Femaffdei Vi. ira n 24.
Taixeiro
Caixeiros
Hotel de Bebcribe
JoSoda Silva Villauova, propietario des-
se aprazivel estabelecimento, situado na
melhor casa da povoacSo de Beberibe,
previne aos seus numerosos freguezes que,
o ter competentemente remontado este
anno, e prompto para attender os mais ar-
gentes gostos.
A grande concurrencia com a qual foi
honrado a festa paseada, animou-o a nao s
crear novas coromodidades para os seus
hospedes e aquilinos, como tambem a am-
pliar a serie de jogos e passatempos que
serao mi occnsiao em que o calor afugentar
do Recite naciuoaes e estrangeiros em bus-
ca do sr do campo, em nenhuma parte
mais ameno que alli, a mais bonita e fran-
ca digresso. P*r;i que se a v alie da mo
dicidade dos prejos, toma a liberdade de
offerecer aos seus numerosos freguezes a
presente tabella, que soffrer descont
quando se tratar de familias ou de ajustes
por atacado.
Tabella dos precos do hotel
Dormina em quarto separado, rom di-
reito ao banho, refresco e cat pela ma-
cha H.
lmcco, contendo dous pratos segundo
a lista, um copo de vinho, caf ou cha,
etc. 1.
Jantar, tres pratos segundo a lista, so-
bremesa, um copo de vinho de pasto, e
caf 10500.
E' O CASO DE EXPERIMENTAR PARA JULGAB !
Jogos de jardins.
Jogos do saino.
Divertimentos ao ar livre.
Concertos era tecto enzuto.
Inaugurarlo do Club das Corridas.
Msica gratis.
Surprezas, mysterios.
Boa palestra e... tuti quanti...
A' Beberibe rapazeada, A' Beberibe,
olhem bem (isto muito em segredo) o Villa-
nova s nao gosta DO PIADO !
PovoacSo de Beberibe, 5 de Outubro
de 1886.
Jo3o da Silva ViUanova.
Tintar i Mu
PARA TINGIR A
Barba eos cabellos
sta tintura tinge a barba e os cabellas instan-
tneamente, dando-lhes urna bonita cor preta e
natural, inofensiva, o seu uso simples o muito
rpido Vnnde-se na botica francesa e drogara
de Rjubuayrol Freres, successores de A. Caors,
ra do Bom Jess (antiga da Crui) n. 22.
Aviso
Telephon .03
0 abaixo assignado scientifica aos seus amigos,
freguezes, commercio e a quem mais interessar
possa, qne o Sr. Antonio Joaquim Moreira deixou
de ser empregado da cocheira da ra de Santo
Amaro n. 1, por sua livre e espontanea vontade,
desde o da 16 do corrente me*. O mesmo abaixo
assignado avisa que desde o dia cima referido
os nicos, na sua ausencia, encarregados de re-
ceber suas contas, sao os seus antigos emprega-
doB, Domingos Gougaives da Silva e Jos da
Hora. Recife, 16 de Outubro de 1886.
J. C Freitas.
Attendit!
Boqueta da ultima invenco, para casamentos,
etc., etc., de Jos Samuel Botelho ; a tratar na
ra do Baro da Victoria, loja n. 20, e ra da
Cadeia ao Recife, ioja n. 43.
A na para cozinhar
Na ra de Riachue-
lo n. 17, precisa-se
de urna mulher que
saiba cozinhar.
I
Tornero nota
Frilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
tlachlnisnio completo para en
genhos de indos os taannos
Systema aperfeijoado
EtpecificacZtB e prego no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
X. & -Ra do Commercio
N. B Alm do cima B c C, tem cathalogos de
ii' implementos m cessarios agricultura, como
uiubem machinas para descarocar algodao, moi
r.hos para caf, trigo, arroz e milho; cerca de fer-
ro galvanisado exeellcnte e mdico em preco, pes
a nenhuma pode trepai-a, ncm animal que-
iral a.
XAROPE ,'
DE HYPOPHOSPHTO DE CAL
Fmnregados com tanto exilo para curar a
pL^hisica e as molestiar. tcJiercoissac,
'vendeint* nicamente cm frascos quars-
dos coraonomedo doutor CHUacnni cobre
e vi.ir.
3ob a Influor.cia dos lypopio^filtos a
.tosse diminuo, o appetite augmenta, as for-
'Ifas tornwa vir, os suores nocturnos cessio,
e o doonte goza de um bem estar desusado.
Os hj^opkosphilos que leto a marca
lie fabrica da pharmnrvt SWAKN,
i2, ru Cafiohone. Pnriz, sio os un-
es reconnecidos e recommerid.ido* pelo
J>' CHURCHILL, nut de stiss propriedades curativas.
\ Preco : 4 trancos por 'rasco em rrv.:<;-i-
Vendeu-st uai principad P/>a> mciat.
asna
AdtnlnlttracSo : PAKIZ, $, Boulctard Montmtrtn.
GRANDE GRIXtX Affecfeiljmphaticas.loen-
cu das ras digestivas,obslrnc;es ao fijado edohaco
obslrucccs nsceraes, eoncreoes calculosas da bila.
HOPITAL. ADecc/wsdas msdigcslitasiiicOTncio-
des do estomago, digcsto dillicil, inappetearia,
ga.-trjlgbs ijifefM.
CLESTINS Affeccoesdosrins.'ia httle* arci->,
r :. i, ,;ia g U,dfebfltSS,alfa .
HAUTERIVS '
concrecqid i o i i.i i .i i. siaBls,aiosaiunra(
EUfiUCE 6ML ta FOiiIE la UF;

Em Piw&mouco, a Ar>5 i \m -
SULZEF. KC-1 CtJN. 85. rnidl Cns.

i

1 l'
g^^Jardim das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendcndo-se acabar cora as plantas qHe estao
em Vasos n'este jariim, vendem-se os sapotiseirns,
muito grandes, e dando fructo a 200, laia*
geras. muito grandes, para enxertar, u 6*000 a
Uuza, e sapotiseiros mais pequeos por barato
preco.
SMLSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
thpophosphilos de cal e soda
pprovada pela Junta de Hy
glene e autorizada pelo
governo
E' o melhor remedio at hojo descoberto para a
iltiica broucbltea ecrupliulaM. ra
i tiItin. anemia. < ebllidadc em geral.
deOnxo*, toaae < iiroora e affeccoea
da pello e da arara-anta
E" muito superior ao oleo simples de figado de
* iacslho, porque, alm do ter cheiro e sabor agr-
daveis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
"ritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituinti s dos hypophospbitos. A' venda na
irogarias e boticas.
Deposito em'Pernambuco
HM.WW'*j
MORSONs PEPSINA
RMlio MalTBl e agradavri
PARA COBATTER A ^
INDIGESTAD
Sob a iorma do
FRASCOS. POS
NC&OBjXOS.
VENDE-SE no UUHDO INTEIRO.
PREPARADOS DE
Pepsina Morson
Muito ncommendtfis
pela principaes Mdicos.
MORSON & SON
Sontbiapton Row, Rus. LONOON
IHHIPPJII11. h pjnwppjp
teptsitirioseB Ptrnambuco : FruCM. da SILVA & O*.

Fumo desflado do Bio-I\ovo
i


I
DE

Bazar k Rna do Rom lenun n. *s
Xeste estabelecimentoencontra se sempre gran-
de sortimrnto de especiara passaros e gaolas,
nacionaes e estraogeiras, fmews de diversas qua-
lidades, balainbos para ninhns de canarios do
imperio, jarros e cestos de timb, tivbulbo muito
aperfeicoado, a saborosa pimenta em conserva em
lindes fra.tquit)09 viudos da America, pelo burato
preco da 120 rs. cada um, c outros multas gne-
ros, que se tornam enfadonno mencionar, tudo por
precos midicos.
Athnco
Froitas Suya &
O melhor e o niain paro que tem
indo a eiiln praca
NICOS IMPORTADORES
Costa Lia-a & C. Ra do Arooriru n. 87.
Almeida Machado & ''.. Ru?. da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio dos Sr.iit..s Ra do Mrquez
de Olinda n. 5 e ra Primeiro de Marco
n. 3._____________
Pintura domestica
PHARMACJA DE
Mermes de Souza Pereira & C,
Success-i'i's
Uecebeu grande aortiiiiirt elesta excelrcnte
tDta de todas as cores e emjatiu de 1 a 5 libras,
que continuaui a vender po ce mmodo preco.
Qualquer pessoa (menino, ou criado) pinta com
perfeicao.
Com esta tinta podem M.fre com pouco dispen-
dio conservar suas casas srnrpre limpas.
fina do um te OJaa i
k


Avio
Pr.cisa se de dom tair.iros, sendo um de 18
20 nono* de ida ie, pnrluguec cm naciunal. a nutro
de 12 a M annos de idade, preferindo se nacio-
nal ; a tratar c-un o Simes ra do Visconde de
Goyni a n. 1, tnvri-jB.
.___-k----------------------------- -,.r .i ii n
Costiireiras
Precisa se de boas coittureias para camisa* ;
na ra do Uangrl n. 68.
Aluga-se rm urna casa de familia, um quarto a
algums eohw,i viuv oa sou.-ira, qae seja de
conducta mora'lisaiJa ; trata se na rna do Mr-
quez do Herval n. 182.
Pcitoral de cambar
Agentes e depositarios geraes o FEANCISCO "M. DA SILVA 4 C.
o ii. aimasem de drogas ra do Marques de
Olinda o. 23. Precos : Frasco a#600, 1/2 duaia
13JKKX) e duaia UiOOO.
Costarn
Na r'ia dn imperador n. 55, 2 andar, precisa-
se de costureims.
Cal de Lisboa
muito nova ; vendem Palmeira & C ,
do Ruiario a. 37.
PU larga
A Sra. D. Ust'm a rebauja Cavalcaate de Albo-
querque, m*i da Exm. Sr. Baroneza de Vera
Croa, senbora do engenhj Mc/ojoue, qurira ter a
bond,.de de inaudir ptgxr a Jos Feliciano de
Naear th a quantia de 3.000f e tantos de xarque
que Ihe remetteu para alimentacao de sua fabri-
ca na engenbo TaanUpe de Flotes, lem dissa
qoands seu filho JoSo Cavaleanre oi para Eurora
e qpie ficou a Jever-lhe urna letra de 2:0000(JOi}
tasto, proveniente anda de urque, elle foi a sua
casa fazer-lhe ver isto, assim como se devia con-
tinuar a mandar xarque para pupprir a sua fabri-
ca, e su.-is palavras foram estas, que ainda hoje
nao ai nega, o senbor pode f.iiuuuar a mandar
porque a sua divida est s uura, poiquanto se
meu filho morrer na Europa eu Ihe pagara, e se
eu morrer primeiro hIi esta meu filho para Ihe
pagar, palavras estas que coui,'sou a outras pes-
soas, que mais tinha dito ; blqgc disto a tr.* taro-
neza uva e rica e na te'" filhos, nao neceasita
portanto que a Sr> D. t por meios menos
proprios accumule fortuna pma Ihe deixar de he-
anci. Esta divida alem de tudo urna divida
rroveniente de xarque para alimentacao d%t*
pbricaenac deve ser igual as outras que V. Exc.
faixou de pagar. )
i un
t


Diario de PernambncoQuinta-feira 21 de Outnbro de 1886
GraliOca-se
quem entregar no 2- andar do predio n. 19
ra las Trincbtiraa, tres chavea de cofre, sendo
doas menores e urna maior, aa aoaes foram perdi-
das na mesma roa na noite de 25 do corrente.
Criado copeire
Precisa-se de um de
14 a 16 annos, na ra
de Riachuelo n. 17.
Elixir carminativo e Ionice do
pharmaceuco Ve as
Remedio que cura dyspepsias, gastralgias e to-
das as perturbacdes ligadas desairan jos de es-
tomago e intestinos. Aconselhado por varios cli
nicos dos mais conceituados desta cidade, acha-sf
i venda ezclusiv mente na pharmacia americana
de A. s. eras & C, ra Duque de Casias nu-
mem 57. ____________^
Novo porto do carvo
Bnn do Narqses do Henal t
Tendo um consumidor completado o nnmero de
60 barricas, receben um vigsimo da 3" parte da
lotera da corte n- 11890, e se Ihe coober a eorte
grande podwvir receber os ccm nmeros de bi-
flietvs, de conformidad* com o annuncio. Neste
porto vende-se muito bom carvao a 720 rs. a bar-
rica, e aceitauwe reclamncoes dos fregueses,
quando nao frrent bem servidos na qualidade do
carvo, e nos fretes dos conductores.___________
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro com pratica de mo-
hados : a tratar na ra Imperial n. 158
VENDAS
__ Vende se duas paites do engenho Forno da
Cal, em Olinda. no val. r de 6:000*, ou permuta-
se por eos no Recite, ou sitio em eberibe, que
fique a margem do rio ; muito frtil para canas e
tudo quanto lavouras, boa baixa para capim,
aitio de coquei ros, grande pedreira para o fabrico
de ca!, bom barro para tijolo e telha, matas para
enha, grande proporcdes para criar, para o que
tem bom parto, que onde sustentase todo o
gado e vaccas de leite desta cidade ; a traUr no
mesmo sitio defronte da igreja de N. S. do Gua-
dalupe. _____
~~ Vende se a casa de molbados sita roa Di-
reita dos Afogados n. 16 : a tratar na aesma^__
""^- Vende-se urna letra de 4:700*000, qae tem
toda segnranca e hypo'heca em na ineeoho muito
bou, perto desta cidade, p< lo abatiment* maia la-
?oravel, cnjo pagamento quem comprar a dita
letra nao tardar em receber, pois que os bens
teem de ir a praca ; a tritar no Caminho Novo
n. 128, das 6 da manha at s 9 ou entio no caso
de nao achar a pessoa em casa rlepois dessa hora
deixar o nome e murada para, ser procurado.
ptimo negocio
Vende-se a casa terrea sita ra Imperial n
294, nova, em cbo proprio, tendo commodoa para
urna regular familia, por barato preco; quem pre-
tendcl a dima-se ra do Apo'lo n. 43, primeiro
andar, oade achara com quem tratar.
Fazendas traecas
4
6f50>
jooe
800
1#800
50D
1*500
800
1*2
2*KX.
lfOD
40U
200
80' AO NUME80
IO ra da Imperalrlz
Loia do* barateiroi
Alheiro & C, ra da Imperatris n. 40, ven-
dem nm bonito sortimento de todas eetis fasendas
abaiio mencionadas, eem competencia de precos,
A 8ABEH :
AlgodaoPac' de lgedoainho com 20
jardas, pelo"" barato proco de 3*800,
f, 4*00, 4* 0, 5J, 5*500 e
MadapolSoPecas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at
Camisas de meia com liatras, pelo barato
preco de
Ditas branc es e cruas, de 1* at
Cregnella francesa, faxenda multo encor-
nada, propria para lencoes, toalhaa e
ceroulas, vara 400 rs. e
Cereu aa da mesma, muito bem feitas,
a 1*200 e
Colletiuhos ('a mesma
Bramante francs de algodSo, muito en-
cornada, com 10 palmos de largura,
metro
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2*500e
Atoalhado adamascado para toalhaa de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
droes delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs.
Todaa estas fazendas baratissimas, na oochecide
loja de Albeiro & C, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodao entestado pa-
ra eiifocs
A 90o rs>. e i *ooo o metro
Vende-se na loja dos baratearos da Boa-Vista
godo para lencoes de um s panno, com 9 pal-
>s de larpuraa 900 rs., e dito cmb 10 palmos a
00 o metru, assim coma dito trancado paro
malhas de mesa, com 9 palmos oe largara a 1*200
a etro. lsto na lja de Alheiro ct C, eaquina
do ecco dos Ferreiros.
MERINOS PKETOS
A 1*200,1*400, 1*600, 1*800 e 2* o corado
A heiro & C, ra da Imperatris n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acim
dito. pechincha : na loja da esquina do bec-
00 di s Ferreiros.
Eapartllho*
Na loja da ra da Imperatris n. 40 vcude-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 5*OO0, assim como nm sortimento de ronpas
de casimiras, brins, etc., jto aa loja da esquin*
da becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3* o covado
Alheiro & C, ra da Imperatris n. 40, veo
dem nm elegante sortimento de casemras ingle-
sas, de duas larguras, com o- padroes mais deli
"cados para coa turne, e ven dem pelo barato precc
de 2*800 e 3f o covado ; assim como se enearre-
Sm de mandar faser costumes de casemira a
t, sendo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pechincha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO .LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porco de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 32(
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a loo ra. a peca
A roa da Imperatris n. 40, vende-Be pecas de
bordado, doos metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartio eom 50 pecas, sorti-
das, por 5|, aproveitem a pechincha ; aa loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Tea dea toce aoffrela do pello 1
TJaai o melbor lemedio, que o PEITORAL
DE CAMBARA', e veris como vosso sonriment
desapparece Vende-se na drogara dos nicos
agentes e depositarios genes na provincia, Fran-
cisco Hanoel da Silva C, rna do Mrquez de
Olinda n. 23._______________________________
Oleo de mocot
Sui erior e sem falsifieacio : vende Luis Jos
da Silva Guimares, rna do Commercio n. 5.
abriolet e victoria
Vende-se um cabriolet e urna victoria em per-
eito estado de conservacSo e por preco mdico :
na cocheira n. 16 4 ra do Duque de Casias.
A RevoluQo
A' ra Duqne de Caxias, resolveu vender
os seguintes artigos com 25 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Cachemira bordada de seda a 1*500 / co-
vado.
Merinos de cores a 900 ra., 1*000 e 1*200 o co-
vado
Merinos pretos a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Velludilhos lisos e lavrados a 1*000 e 1*200 o
covado.
Palha de seda a 800 rs. o covado.
Lis com listrinhas a 600 rs. o covado.
Giosdenapoles pretos a 1*800, 2*000 e 2*500 o
covado.
Setins damass a 320 rs. o covado.
Zephiros com desenhos modernos a 240 rs. o
covado.
Linhos escossees a 240 rs. o covado.
Que com bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Zephires lisos a 100 ris o covado.
Ditos listrados a 200 rii o covado.
Chitas finas a 240, 280, 300 e 320 ris o co-
vado.
Cretones finos a 360, 400 e 440 ris o co-
vado.
Baptistas finas a 200 ris o covado.
Nansuc finas com 3 padrees lindos a 300 ris o
covado.
Lis com mselas de seda a 700 res o covado.
Setinetaa com desenhos lindos a 320, 360, 400 e
440 ris o covado.
Ditas lavradas a 500 res o covado.
Dias lisas a 400 e 500 ris o covado.
Fustoes de cores a 320 rs. o cavado.
,~ Enxovaes para baptisado de 9*000 a 18*000
um.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Ditas brancas a 1*800 urna.
Cobertas de ganga a 2*800 urna.
Lencoes brancos a 1*800 um.
Lencos de 1*200 a 2*000 a duzia.
Toalhaa felpudas a 4*000 e 6*000 a duzia.
Bramante de 3 larguras a 900 ris a vara.
Dito de 4 ditas a lJzOO a dita.
Dito de linho a 2*000 a dita.
Cobertores de la a 4*500 e 7*000 nm.
Fecbs de la a 2*000, 3*000, 3*500, 4*000,
e;4*500, 5*000 e 6*500 um.
Chales finos de 5*000 a 9*000 um.
H Setins macao a 800 e 1*200 o covado.
Cortinados bordkdos a 7*000, 9*000 e 16*000 o
Camisas nacionaes
A SstSOO. 3SOOO e *500
32^: Loja rna da Imperatris = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjnhot d linho como de algodio, pelos
barates p*e\os de 2*500, 3* e 4*, sendo tesends
muito nvelbor do que as que veem do estrangeiro e
tatiitu mala bem feitas, por serem cortadas por
um bom artista, especialmente eamiseiro, tambero
se manda faser por encommendas, a vantade das
fregueses : na nova loja da ra da Imperatris n.
Si, de Ferreh-a da 8ilva.
Ao32
Nova loja de fa/r'as
* Rna da Inpe = 3*
DE
FERREIRA DA Sx^VA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
poitavel publico cm variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, que se vendem poi
precos baratissimos, assim como um bom sorti
ment de roupas para homens, e tambem se man
da faser por encommendas, p r ter um bom mos-
tr altaiate e completo sortimento de pannos finot
casemiras e brins, etc
*
-a*
7*001
10*001
12*001
12*(XX
5*50t
6*50)
8*001
3*001
1*601
l*OU
par.
6*000
Espartilhos de otmraoa a 4*000, 5*500,
e 7*500 um.
Guardanapos de linho a 4*000 a duzia.
Madapoloes gemina de ovo e pelle de ovo a
6*500 a peca.
Camisas de meia a 800, 1*000, 1*500 e 2*000
urna.
Seroulas de bramante a 1* e 1*400 nma.
Flanella branca a 400 ris o covado.
Casemira diagonal a 1*800 e 2*500 o covado.
Cortes de casemira a 3*000, 5*000 6*000 e
7*000 nm.
Camisas de linho a 30*000 a dosia.
Brim pardo a 320, 360, 440 e 500 ris I co-
vado.
Linn com salpicos a 500 rs. o covado.
Fustoes brancos a 369, 440 500 e 640 ris o
covadu. i
Panno da casta a 1*400 e 1*600 o covado.
Dito admascado a 1*800 o covado.
Eaguiio amarello e pardo a 500 rs. o covado.
Cortinados de crochet a 24*000 o par.
Benrique da Silva Mortira.
Maduro
V inlio puro da uva
O que pode Iwver de melbor para mesa, em
barra e a rvtalho I Pocas Mendes A C, a rna
estreita do I\jbot 9.
e nonas
Encontrarlo sempre na Graciosa, ra do Cres-
po n. 7, nma variada colleccio de objectos pro-
prioa para casamento, como sejam :
Capellas com veos, de 5* a 25*000.
Gnnaldas de fioree de larangeira a 5* e 6*.
uigas de seda bra ca a lf e 2*000.
Lavas de pellica branca para senhora a 2*500
o par.
Ditas de dito para bomem a 8* o par.
Meias a bertas de fio de Escossia para senhora a
*OOOopar.
Ditas de seda branca para senhora a 8*000.
Ditas de fio de Escossia, brancas, para bomem
a 1*500.
Leqnes brancos de setim, de 6*, 10* e 15*000.
Gravatas brancas de cambraia a 800 rs.
Ditas ditas com laco a 1*000.
Ditas de setim branco a 1*500.
_________Poarte t C._________
Pechinchas!
Sao aa te u lo le* arme denlllta
mente nao eniraro no prximo na
laaeo
Adrairem!
Bonito sortimento de mariposas e rastes, cores
firmes, a 240 e 320 rs. o covado 1
Nansoks de cores mimosas a 180, 200 e 320 rs. o
dito!
Linhoa escoceses, novidades em padrdes, a 200 e
240 rs. o dito !
Setinetaa, as mais finas que tem vindo, a 320 e
360 rs. o dito !
Cretones franceses a 260, 280 e 320 rs. o dito .'
Sargelim diagonal, todas as coree, a 240 rs. o
dito '
Ponelinas de cores, a 160 e 240 rs., listras de se-
da, barato !
Lazinhas modernas, a 440 e 500 rs. o dito!
Cachemiras, Indos gostos, a 600 e 700 rs. o dito !
Renda indiana (imitac&o), linda fazenda, a 700 rs.
o dito!
rlanda, delicados desenhos, nm metro de largura,
a 800 rs. o dito !
Merinos e cachemiras, pretas e de cores, a 900 rs.,
1* e 1*200 o dito!
Setim macan, todas as cores, a 800 e 1* o dito I
Veludilbo de todas as cores, lisosebordados, al*
e 1*200 o dito !
Casemiras inglesas, de cores, a 1*200 e 1*400 o
dito !
Cheriots, preto e azul, a 2*500, 3* e 3*500 o
dito I
Casrmira diagonal, a 1*800 o dito 1
Panno ingles superior, preto a asnl, a 2*200 e
4* o dito!
Pecas de eaguiio para casaquinhos, a 3*500 e
4*!
dem de superior algedo, a 4*, 20 ida l
dem de madapoloes americanos, a 4*500, 5* e
6*, 24 ids I
Para as Exmas. noivas, lindas grioaldas e veos,
por 12* e 15* 1
Ricos cortinados, todo bardado, complete, por
9*!
Lindas gnarnicoes de crochets, cadeiras e sof, a
8*1
Superior bramante de algodio, quatro larguras, a
900,1* e 1*100 o metro !
Atoalhado bordado a 1*400 e 1*800 o dito I
Pannos de difierentes cores para mesa a 600,1*200
e1*600 o covadoI
Cobertas de cretones, lindos padroes, a 3*800 e
4*.
Lencoes de bramante (cama de casal) a 2* um I
Coisas francesas, de cores, a 2*, e 6* superiores I
Lencos de cores, lindos desenhot, a 2* a dosia !
Seroulas bordadas, de bramante, a 16* a dita !
Meias inglesas, brancas e de cores, a 3*200 e 6*
a dita.
Cambraia bordada, branca, a 6* e 7*, as mtlhorca
que tem vindo 1
Sortimento completo de sedinbas de cores, groade-
naples, filos bordados, crep, mantilhas, capas
de li, Sebos.
CnamadoaTemoe pesaoal habilitado.
Venda em iroMO-Deeeootoa da praca.
Ra Duque de Caxias-5
GarHoiio a CnnJia & G.
Boa da Imperatris:
Loja de Perora da Suva
Neste estabelecimento vende-se as ronpas aba
ro mencionadas, que sao ba- i ,,,ss.
Palitots pretos de t">r".. aiagonaes e
acolchoados, senuo tazendas muiio en-
cornadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cerdio muito,
bem foitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorito preto, acoleboado,
sendo fazenda mnitr encorpada
Ditos de casemira de corea, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de maleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Ceroulas de greguellaa para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Colletinho de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos dt
linho e de algodio, meias cruas e collarinhea, etc
to na loja aa *ua da Imperatris n. 3i
es, aetlsaetas e la alunan a KO
rs* o covado
Na loja da rna da Imperatris n. 32, vende-*
um grande sortimento de fustoes brancos a 60*
rs. o covado, lasinhas lavradas de torta-core
fcsenda bonita para vestidos a 500 rs. o covado
e setinetaa lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. i covado, pechincha : na loj.
do Pereira da Silva.
tiiodaoilnho francs para lence
00 r.. e IsVlOO
Na loja da roa da Imperatris a. 82, vende-a
superiores algodiosinhos franceses com 8, 9 e K
palmos de largura, proprios para lencoes de un
so panno pelo barato preco de 900 rs. e 1*000 >
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, as
sim como superior bramante de quatro largura*
para lencoes. a 1*500 o metro, barato na loj
da Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A i*. Afroe e o*
Na nova loja da rna da Imperatris n. 32, m
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardo, a 4*000, dita
de molesqnim a 4*500 e ditos de gorgorito pretc
emitando casemira, a 6*, aio muito baratos ; n*
oja do Pereira da Silva. ________
"'FloTida
Ra Hoque de Casias IOS
Chama-te a attencio das Exmas. familias para
os prucos seguintes :
Luvas de seda preta a 1*000 o par.
Cintos a 1*508.
Punhoe e eollarinhos de cores para bomem a
1*000.
dem para senhora a 1*500.
Grampos mvisiveis a 60 rs. o masso.
Lavas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Suspensorios para menino a 500 rs.
dem americanos para homem a 3*.
Meias de Escossia para crianca a 240 rs. o par.
Leqnes de papel eom corrente al*.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n, 5 a 400 rs. o
metro.
Lencos de eaguiio a 1*500 a dusia.
Albuns de 1*500, ?*, 3*, at 8*.
Ramea de flores finas a 1*500.
Lavas de Escossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 n., 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. nm.
Rosetas de brilhantes chimicos a 200 rs. o par.
Gnarnicoes de dem idem a 500 ra
Anquinhas de 1*500, 2*, 2*500 e 3* nma.
Plisss de 2 a 3 ordens a 400, 500 e 600 rs.
Bicos de cores com 12 jardas e 2 1/2 dedos de
largura a 3* a peca.
dem com 4 dedos a 4*500 a
Espartilbo Boa Figura a 4*
dem La Fignrine a 5*000.
Bicoa de alencon com 4 e 5 dedos de largura a
2*500 a peca.
dem estreitinhos com 10 metros a 800 e 1/000
WHISKY
BOYAL BLEND marca V1ADO
Este escolente Whisky Esceesea preferive
ao cognac ou agurdenle de canna, para fortifica'
3 corpo.
Vende-se a retalho nos tu Iheres armasens
siolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cujo ao-
me e emblema sio registrados para todo o BrasL
_______BROWNS & C, agentes________
Novas lsinhas
A 3 SO e 400 res o covado
Acaban) de chegar para a loia da ra da Im-
peratris n. 32, um grande e bonito sortimento de
lisinhas de cores para vestidos, sendo fazenda de
omita phantasia, com cores claras e escuras, e li-
qnidam-se a 320 e 400 reis o covado, por ha ver
grande porcao na loja de Pereira da Silva.
Malvasia
Yinlio proprio para senhoras
Em barra e a retalho : Pocas Mendes & C,
ra estreita do Rosario n. 9.
Tecidos de linho
A 500 rs. o covado
Na loja da ra da Impt-ratris n. 32, vende-se
nm bonito sortimento de fazendas de linho para
vestidos, tendo largura de chita fr inceza, com
muito bonitas cores e palminhas bordadas, pe-
chincha a 500 reis o covado, na loja ae Pereira da
Silva.________________________'____________
Papoula & (i.
N. 18BM n GaDneH 18
Tem
Luvas de pellica, pelle de cao, camnrea, seda fio
d'Escossia e casemira.
Agua florida e Tricofero de Barry.
Saboneta diversos e curativo de Reuter.
Cambraias lisas, bordadas eabertas.
Camisas e ceroulas de flanella e meia de la.
Camisas sem eollarinhos e sem punhos s/c e/p
c/c e c/p.
Collarinhos. punhos, meias, plastrons, mantas,
gravatas de laco.
Lencos, espartilhos, penteadores em cambraia,
vestidos d cambraia bordados, boleas tapetes, fi-
zas ds seda e de li, casacas elsticos, casacas de
casemira greoadine de seda e todas de seda.
Alpacas de seda a 600 rs o covado.
Telephone 500.
VAPOR
e moenda
Vende-se nm bom vapor e moenda com pouco
Timb-ass, muito
OS
Ca*
OB
V2
oa
Cfe-
Cft
02
Chapeos e ehapelinas
36 A40PBAQA DA L1EPE1EIA--36 A 40
B. S. CAEVALH0 & C.
ProprieUrios deste bem conhecido estabeleci nento putecipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das priocipaes casas em Paria e Mancbester o que de melbor e de
apurado goso ba em ehapelinas e chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabricas de Qamburgo o que ha de melbor em cha-
peos para homens e criaocas, e milito* outros artigo concernentea
chapelaria.
Flores artificiaes para ornamento de salas.
SO
52

7Z

<^s
a peca.
Pente
Pentes para coco com inscripeSo.
Para toilet
'Sabio'de aria a 320 rs. um.
dem phenicado a 500 rs. um.
dem alcatrio a 500 rs.
dem de amendoa a 300 rs.
dem dealface al Agua celeste a 24000.
Agua divina a 1J500.
Agua Florida a 1*000.
Mac .eos de seda a 100 rs.
Meias brancas para senhora a 3f a dusia.
BARBOSA & SANTOS ____
Cocheira a venda
Vende-se urna cocheira com bons carros depas-
aeio, bem localisada e afregueaada, por preco mui-
to mdico em razio de seu dono nao poder admi-
nistrar por ter de faser nma viagem : os preten-
dentes achario com qnem tratar rna do Duque
de Casias n. 47.
V iuvos e viuvas
Poderao ir Graciosa, ra do Crespo n. 7,
que achario sempre artigos proprios para lato,
taea como :
Leqnes pretos de papel, setineta e setim.
Votas, brincos, pnlseiras broches pretos.
Meias pretas, fitas, bicoa de linho, l e seda
pretos.
Guarnices para camisa de homem.
Cadeias de fita, retros e metal, pretas.
Meias pretas para criancas.
li uarle fc C.
uso ; a vSr no engenho
da estacio do mesmo nome
mperador a. 48, 1* andar.
perto
a tratar na rna da
4 Vencedora
Rna da Imperatriz 82
J. M. Leaos Iluarte
Neste estabelecimento encontrar o publico
sempre nm completo sortimento de miudesas e
objectos de moda e phantasia, e grande espoeicio
de brinqnodes para crianca, per preco sem com-
petencia, a saber :
Leqnes de diversas qualidades.
Socos para crianea.
Chaposinhos e sapatinhos para baptisado.
Enxovaes completos para baptisado.
Bicos de todas as qualidades e cores.
Sortimento completo de fitas, cores e qualidades.
Punhos e collarinhos para homens e senhoras.
Completo sortimento He li de todas as cores a
2800 a libra.
Espartilhos.
Grande sortimento de meias brancas e de cores
para homens, senhoras e meninos.
Perfumaras de todas as qualidades.
Objectos de plaqu : broches, pulseiras, briosos,
voltas, alfinetes e mais artigos.
Velas de cera e bogias de todos os tamanhos.
BXSSjSSSBJ
De seda, braco inteiro.
dem, meio braco.
dem, de 2, 3 e 4 botoes.
dem de Escossia.
dem preta, de 2, 3 e 4 botoes.
Lua le pellica
A 1500 o par, e mais urna infinidade de arti-
gos qne seria enfadonno enumerar.
O proprietano dcste estabelecimento convida
sens fregueses e especialmente as Exmas. fami-
lias para visitarem o seu estabelecimento, e ava-
liarem o qne acirn-. fica dito.
82Ra da Imperatris82
FABRICA DE CIGARROS
DE
M E 17 R O N & C.
MEURON d C. partecipam aoa fumantes e apreciadores dos seus cigarros,
qne os podem encontrar as casas seguintes :
Reclfe
Meuron & C, ra d Madre de Deas n. 7.
Charles Plnyn dt C, praca do Commercio.
Joao Martina da Silva, pra^a do Chaco n. 21.
Jos Pinto da Costa Sobrinbo, ra do Bario do Triumpbo n. 35.
Manto Antonio
Jos Joaquim Alves, ra do Baro da Victoria n. 69.
Joo Affonso Torres, ra do Imperador n. 65.
Nunes Pedroza & C, ra da Penha n. 32.
Boa vista
Joaquim Antonio de Vasconcellos, ra da Aurora n. 81.
Arthur Maces, ra da Aurora n. 85.
Manoel Lins Ribeiro, ra do Rosario n. 51.
Recife, 20 de Outnbro de 1886.

GRANDE
Novidades do Expoalc&o Central. 6
ros lana do Roarlo n. IN
Meias de fio dn Escossia, pura senhora 14800
Ditas cruas e brancas, para senhora, rs. 800
Extracto Port'viene 2*000
dem Theodoro 24000
Boqoet Carlos Qomea 2W00
dem Quarany 2*000
Linbas para machina, rs. 80
Meias, fio de seda 600
Bordados por to io o preco.
Giposlco Central
Boa larga do Rosario numero 88
Luz elctrica
Vende-se um appaielho de illuminaco elctri-
ca, contando um dynimo Siemens, machina a
vapor, urna lampada de arco, eom ntensidade de
2,000 velas, e dnas de 1,000 velas cada ama, com
os competentes lampela, fioa elctricos, soladores
e de mais accessorios, tude experimentado e em
boas condieftes de conservacio : a tratar no es-
criptorio da compautria do Beberibe, rna do Im
peraaor n. 71.
Expsito central roa larga do
Rosario n. 58
Dsmiio Lima & C, ciamam a attencio das
Exmas. familias para os precos aegointea :
Carretela de 200 jardas & 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 e 3*000.
Fita n. 80 para faxa a 2*500.
Leqnes recatas e D. Jbannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lnbin, grandes, a 2*000.
Leques i D. Lucinda Celho a 6*000.
Toalhas felpada a 500 600, e 1*000.
Dusia de meias para homem a 8|000.
Ditas para senhoras a 3*000.
Lavas de sMa a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodio a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de eordio prra vestido a 20 rs.
visiveis grandes a 320 rs.
Grampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6f500.
Ricas bolcinhas de madreperola de 1*500 6*.
Li para bordar 2*800.
Urna capella e vio de 15*000, por 12*000.
Um eapelho de mol lora por 5*500.
Urna pulaeira de fita par 1*20D.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna noneca grande de cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSIQO CENTRAL
38Roa Larga do Rosario38
Serrara a vapor
Caes lo C'apibarlbe n. 18
N'esta serrara encontrarlo os senhores fregue-
ies, um grande sortimento de pirthj de resina de
inco a des metros de comprimen e de 0,08 a
',24 de esquadtvs Garante-se preco mais como-
(o do que em outra qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
PdIio de Riga
Acaba de chegar pelo brigne Atalanta nm com-
fueto sortimento de pinho de Riga da melhor qua-
idade e de diversas dimeneoes, como sejam:
4 X 12
4X9
X 12
e tabeas da mesma eaadeira de 1 e 11/2 polle-
gadas.
Vendem MATHUES AUSTIN & C, i ra do
jConlmercio .18; X andar, ou no caes do Apollo
n. 51, por precos commodoa.

Os proprietarioa do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeita^el PUBLICO qne receberam ua
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tan
bem relogioe de todas as qualidades. Avisam tambem que continuara a receber po:
todos os vapores vindg da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en
outra qualquer parte.
MIGUEL WOLPP & C.
N. 4RA DO
Compra-se ouro e prata velba.
CABUG----lf. 4

COROAS
MORTLARIAS
A loia He cera aa raa Depe fie Ganas 1.119 receoea
smenlo sortimento e coroas lunarias, desde o qne na de si-
ties at ao Dior o mais rico, tanto em gosto como em oflalidae.
Gollocant-sa os ticos GRATIS a roetafle s compradores.
Quanto a precos desafiam toda com-
petencia.
-


"f-

GOlWVITBs
JOSEPH KRAUSE ft C.
Acabam de augmentar e sen j bem conhecid
mporlante eslabelecimenlo roa 1
de marro o. % eom mais
nm salde no Io andar luxuosamente prepa-
rad e provida de ama expesi-
fastV asraa de prata ds Porto eetoetrt-pMt
des Mis afamados fabnraales de
mondo inteiro.
envida, pois. as Exmas. ramillas, sens nume-
rosos .amigos e fregoezes a visitarem
o sen eslabelecimenlo. alm de
apreciaren a grandeza bou gosto con qoe
nao obstante a grande
despeza, o adornaran, en honra
desta provincia. ;
ACM ABITO DAS 7 A'S DA NOITE
a
9
m
S

(
i


s
Diario de Pcrnambuco-~tyiiiita--feira 21 de Outubro de 18S6
*J
ASSEIBLEA GERAL
E1VADO
DISCURSO PRONUNCIADO NA SES
SaO DE 29 DE SETEMBRO DE 1886
(Continuado)
O Sr. ministro da fazenda (continuando).
S. Exc, para afirmar o que disse, soc-
correu-se a dous argumento principaes,
isto que tant> oio era a superabun-
dancia do papel que fazia a sua deprecia
gao, que essa superabundancia nao existia
nos bancos, isto as caixas doi raesraos
banco.; no a denotavam. O segundo
argumento c que, dada a mesma quant--
dade de p.ipel-moeda, o cambio sobe e
desee cora oscillagSes rpidas e notaveis.
Sr. presidente, o facto apresentado pelo
nobre senador quanto s caixas dos ban-
cos tein a mais natural explicado.
Na verdade S. Exc. tocou era uro ponto
que ao publico parece extraordinario.
Para aecusar a superabundancia de papel,
elle procura o balango dos bancos e ve
que a quantidade do ppele pequea;
>

mas como superabundante se nao o ;-
mos? per^unta tambem S. Exc.
Na cmara dos deputados procurei ex-
plicar este facto e apontei o caso oecorrido
em 1878, depoia da importante emissao
que fez entilo o ministro da fazenda, erais-
sSo que foi autorisada no valer le......
60,000:000-5, mas que realizou se no de
40,000:000$ e fez se quasi repentinamen-
te. Isto nio aconteceu nem com os.....
50,000:000,5 do teropo ao ministerio 3 de
Agosto, de fez parle) o distincto senador
por Minas, nem com o qua fez o Vis onde
de Itaborahy na emissao de 22,000:0000,
que realizou em 1868 e 1869.
En 1878 a emissao toi feita quasi que
bruscamente...
O Sr. Affouso Celso: Nlo apoiedo. V.
Exc. est engaado.
O Sr. Ministro da Fazenda : Com isto
" quero diz-r que ella fos3e feita de urna
6 vez, mas em quatro oa seis raezes, isto
, estando o thesouro em grande deficien-
cia de recursos por causa da necessi iade
de auxiliar as provincias do norte assola
das pela secca, nao se recorreu a outro
iaeio aeno a este.
O que aconteceu ? A caixa do Banco
co Brazil elevou-se repentinamente quan-
tia de 22,700:0005 algarismo a que nunca
havia attingido at entilo nena depois attin
rio. A adrainistragao do banco, vendo
crescer a quantidade de dinheiro pelo qual
pagava juros, reduzio a taxa este, mas o
dinheiro continuou a accumular-se no ban-
resolvendo entao a administradlo nao
Eis como se explica o facto a que o no*
ore senador por Minas-Garaes se referi.
O Sr. Alfonso Celso : Nao omprehen-
do a anplicacao do argumento de V. Exo.
miaba opinio.
O Sr. ministro da fazenda : Vou an-
da insistir em outro exemplo que deu o
nobre senador, relativo a este raesrao fa<-to
econmico, que servio de base sua argu-
mentac&o que o excesso de p loel-moeda,
a existir divari* ser viaivel as caixas dos
bancos.
S. Exc. declarou que a caixa do Banco
lo Brasil nao contioha no principio deste
anno sen io de dous a tres mil chotos. O
goveroo emittio 7,030:0000; entretanto,
ella conservau-se com o mesmo algarismo,
o cambio nlo soffrau com essa emissao,
mesmo apezar della veio a subir.
Ora, o nobre senador sabe que a subida
do cambio oestes ltimos terapos, nSo obs-
tante a emissao, deu-se por outras causas
muito naturaes, como silo : o desenvolv
me-ito coinmercial, o volume das operagoes
em geral, a confianza que renascen desde
certo tempo; e anda mais. nessa occasilo
tinbam-se dado factos que inspirbaos se-
guranza ao coramercio, isto dous em-
prestimos, realizados quasi ao mesmo tem-
po, e a conversao das apolicea.
Observe o senada o facto que occorreu
O Banco do Brasil nunca pode ter em
caixa 3,000:0000, regulava por 2,000 e
tantos contos, e eu devo declarar que nes
ta quantia figuravam muitas vezes, como
ha muitos annos se tem feito, bilhetes do
thesouro vencidos naquelle dia, que repre-
sentavam dinheiro, mas que effectivameote
n3o erara moeda. Por consequencia nem
urna operac&o de que ninguem antes cog- o fim dos estadistas que dirigiram a fazeo-
tm, como se disse naquella cmara e nes-Ida publica, e o proposito do parlamento,
co,
- pagar juro algum. Os aeposifantes, po-
rm, nao baviam de ficar sem interessa
para os seus capitaes, trataram de eropre-
i galos como melhor podiara e foram pouco
a pouco retirando os. Algum tempo de
1 pois aquella sorama tinha diminu ' papel-rooeda tinha-e incorporado no prego
dos gneros, das merendonas, em summa,
de todos os artigos da praga e do mercado,
de mode que por etta razio nao produzio
oa seus effeitos inmediatamente conforme o
nobre senador notoa : a baixa do cambi,
a baixa do juro e a alta dos ttulos nao se
deram inmediatamente por este facto, de
ser retido nos bancos o excesso do papel;
mas deram-se d'ahi ; pouco, de modo qu>
o relatorio do ministerio do fazenda, nesse
anno, notando a baixa do cambio realisada
algum tempo depois, declara que se deu o
facto, contra o ger 1 especUtiva, e eu digo
segundo a geral espectativa.
O Sr. Silvoira Martina: -Tinha outra
referencia ; V. Exc. nao coroqrebendeu o
que est escripto no relatorio.
O Sr. ministro da fazenda : E' verda-
de que o papel-moeda nlo fez o seu effei-
to logo, porque anda estava accumulado
nos cofres dos bancos, raas ose^itoi se
deram com o maior rigor. Se iosse exacto
que, dado excesso de papel na circulado,
devessem sempre existir grandes sommas
accumula las nos cofres dos bancos, o re-
gimen do papel-moeda seria o mais per-
feto, pois com elle se evitariao as cnses
comroerciaes. Na verdade, toda a crise se
inicia por urna fuga, por um desappareci-
mento de raoela; mas, desde que com o
papel-moeda devera o* bancos t>r em cai-
xa grandes sommas, as crisea estaran
avitadas. O absurdo desta doutrina prora
que o papel, embjra exeessivo, pode nao
ser visivel as caixas dos bancos. A
nao ser assim a circulag5o ex lusiva do
oapel seria o r-gioan o mais perfeito.
os 2,000:0000 existiara no banco ; o go-
verno entregou 7,000:0000, e ainda assim
a caixa nao subi da m-sma sorama.
Pois bem, o governo retirou os......
7,000:0000, quando a caixa do banco es-
tava con 11,000:0000, deveria baixar, e
effectivamente naquelle momento baixou ;
mas j est outra vez com 11,000:0000,
isto porque o governo deixou de buscar
dinh-iro constantemente e estitaio os ca-
pitaes praga.
Entretanto essa razio a que o nobre se-
nador pela Babia se refera, e tambem cons-
ta do relatorio do >r. conselhuiro Lfayet-
te, de que o dinhsiro desapparecia dos
bancos porque fugia para o noito por cau-
sa das safras de assucar e da exportagao
da barracba; n5.> continuou agora, ombo-
ra continuem as safras de assucar e a ex-
portlo da borracha; o dinheiro nao sa-
bio antes rc-nue cada vez mais para o ban-
co, de sorte que elle boje tem urna quan-
tidade de dinheiro que nunca teve durante
muitos anni 8, e no emtanto i quantidade
de p-pel-moeda conserva-ae a raesma ou
menor do que foi ha pouco.
Nao o augmento da quantidado de pa-
pel-moeda as caixas dos bancos que de-
nuncia o seu excesso ou a sua escassez
como moio circulante. A escassez que se
l no rgimen do papel-moeda inconver-
tivel momentnea e para esses casos
existe a lei de Julho de 1885, porque, nao
havendo banco emissor que suppra em
poca eerta urna determinada somma, pode
darse o caso de escassez repentina.
Volto discussao que e tinha annun-
ciado relativa nossa historia fioanceira
Pego ao senado desculpa para urna expo-
sigSo que poder talvez parecer ociosa e
que vai ser longa, mas procurarei resumir
o mais possivel.
Vou citar opiniSas do homens muito co-
nhecidos e que j desappareceram da ace-
a poltica, e aa providencias por elles
lembradas ; vou tambem recordar a opi-
niao do muitos distinctos estadistas que ta-
zem ainda parte desta Ilustre corporagao,
e alguna me estilo honrando com sua at-
tengSo.
Eu tinha dito que aquillo que me pro-
ponho a fazer, o mesmo a que se propu-
zeram quasi todos os ministros daf-iz-nda,
o mesmo que se acha em todos oa hvroa
de sciencia econmica. Vou provar estas
proposigocs.
Repugaa-me fazer citagvos, n5o costu-
rao discutir uestes termos : entendo que
os assumptos scientificos davem ser discu-
tidos possuindo-se os principios da aciencia
e as opini3as doe autores, mas jogando-se
com aquelles 8 com estas e applicando-se
aos factos Occerrentes sem apparato scien-
tifico, nem pretencaa de erudito.
Proced desta maneira, com relagao a
este assurapti), na cmara dos deputados,
mas, como se ao acoesa de qu^r?r fazer
ta, -quero provar que estou de accordo com
o que seropro pensaram no Brasil todos os
homens importantes que geriram a paata
da fazenda ..
O Sr. Jos Bonifacio : E que nao con-
seguram.
O Sr. ministro da fazenda : Nao con-
seguirn!, porque faltou porseveranga nos
nos planos adoptados. E' preciso que nos
c< nv.-ngaraos desta verdade, porque a con-
secugao deste desidertum nao depende de
ura hornera, mas de um sysema qua deve
ser observado, na> obstante as mudangas
que se possara operar no p-ssoal da admi
nistrago do Estado.
Repetr-lhe-hei que sua inconverti-
blidade, imposaibilidade em que nos acha
mos, o todos conhecem, de desempenhar a
promessa constante das cdulas do Thesou-
ro de pagar em ouro, e ao serem apresen
tadas, a quantia que representan] pela qual
sao recebidas e servera como instrumento
de prrauta.
Sr. presidente, nao pois, nlo ple
ser a depreciagao, alias infelizmente incon-
testavel, da nossa moeda fiduciaria a causa
principal da baixa lo cambio, que tantos
prejuizos nos causa, porque Be fra nao se
dariam os factos que deixo ass'gnaUdos.
Sr. presidente, a nconvertibiliiade a
consequencia infallivel da superabundan-
cia; sem superabundancia a inconve.rtibili-
dado nao existira. Esta vem apenas tor
nar aquella passivel.
Nao querendo citar exeraplos estranhos,
desde que os temos em nosso paiz, vou
lembrar alguas aos nobres senadores.
Em 186-1, I o governo enten leu que o
Banco do Brazil devia exceder o limite
marcad > pela sua lei orgnica para a erais-
lo de 8Us notas : mas como estas ntas

FOLHETIH
j& mm$>

EMMA KOSA
fi
Sus pobr doente repetio elle.
Sim, meu caro-
Pirenta su ?
NSo... nao... urna historia ou
antes ara romance. Imagine que se trata
de ama menina que meu irraSo e eu salva-
mos e re iolhemos.
DE Angjlae Leo estremecern.
Urna menina T balbucicu a herva-
naria, cujo coragao batia com ftrga.
Sim, senhora ; urna pebre menina en-
cantadora e oajn jnteressante, que uns mi-
seraveis quizeram assassinar.
*- Jeu Deps meu Dens i disse n-
gela, se fosoe... se eu ousasse crer. Se-
nhora, em nome dn Deus, diga*-:ue como
se chama essa menina!
S.iphia Rignult langou u terrogago a Reaato. ,
Pw Responder s^nhora, minha
querida S iphfs, raspondeu este* cOva Vi va
cda.e. Procuramos urna casa cujas janl-
las dio para a ra de Nevera, for tras
i a vi 1 raga de,, una dessaa janellas vimos
ha pou-o appbrecer filha da s -nhjr.,
urna menina (lente, que dcsappateceu ha
cinco dias. Ora/'vo.c fallou-nos de ama
jt>ve* dounte, que voes salvaran! e reoo-
Iheram e s su*s paladas despertaram as
nos*s esnurangas.
O sed nome. raiuha senhora ? per
guatou Sopliii.
A h' rvanaria ia responder.
Kanato nao lhe leu tempo.
Foi com a senhora, disse elle, qne
seu mano estev* comprometti 'o no n -g,-
ci do assassinato do caminho de trro de
Lyao.
Entilo a Sra. Bernier ? disse Sj
phia, muito admirada
A irraa de Osear Rig; ult murmu-
rou Angela, nao menos estupefacta.
Ah I minha senhora, dase vivamen-
te Sonbia, apertando as suas as maos tr-
mulas da h-rvanaria, agradeg, ab-ngoe ao
meu ir.no, meu pobre Osear I Foi <-ll
quem ssWou a saa filha!
Minha filha 1 Miaba filha .. elle
salvo minha filba ? | '
POR
ZAVIES DE MIEFiY
(Continuagf'O do n. 941 )
XIX
Sophia olhou para Angela Bernier e
LeSo, respondeu por ligeira inclinagao de
cabega ao campamento deste e tornou em
fom secco e com ar de despeito :
Pois bem, deixo-o com as suns^re-
. oceupages, meu caro, e estimarci qua ache
o que procura com tanto zelo-
a-se afastando.
Renato, qae teve nma idea sbita, cha-
mou a.
Minha querida Sophia !
Que ? perguntoa a Moga voltan-
do-se.
Conhece alguem nesta roa ?
A sua perganta indiscreta. Entre-
tanto, vou responder : Conheco aqu meu
irmao, e neste momento estou muito in-
quieta a seu respeito. Desde hontem que
nao volto para casa. Pelo menos nao ev
_ lava l quando ba pouco mandei Marietta.
Talvez esteja agora. Vou ver isso e visi-
tar a minha-pobre doente.
Renato fez ura movimento brusco.
seriara apresentadas ao troco e o Banco nao
podia trocalas por ouro, o governo decre
tou o curso forgado Logo, ah temos i
curso forgbdo como consequencia da supe-
rabundancia, ou por outra, est determi-
nando a inconvertibilidade.
Era 1866, o gabinete em que comegou a
saa brilhante carreira administrativa o no-
bre senador a quem respondo teve de emit-
tir 50.000:00001 de papel-moeda.
Sr. presidente, comagarai dando conhe-
cimento ao senado das palavras que no seu
relatorio aserio o Ilstralo estadista Ber
nario de Vasconoellos em 1832, e coraego
por este nome ponqu foi elle o autor da
lei de 1840 que estabeleceu o padrao mo-
netario. Esta lei foi referendada por Hol-
landa Cavalcante, Visconde de Albuquer-
que, que nao teve parte nella, pois foi da
exclusiva iniciativa do estadista cujo nome
mencionei :
Para a reforma do systema monetario
dous sZo os maio8 qua os economistas in-
glezes, que se achavam en idnticas cir
cumstancias, deacobriram, e um dos quaes
foi adoptados palo parlamento. Em 1814
urna libra esterlina papel compra va 108
grammas de ouro fino em lugar de 148,
que continha a antiga libra. Foi, pois, o
primeiro meio proposto cunhar libras es-
terlinas de ouro ou prata com o valor cor-
respondente quelle a que tinha cahtdo a
libra esterlina em papel. Foi o segredo ro-
dzir o numero de libras esterlinas papal
at que seu valor subisse ao par da antiga
Hora esterlina, isto que com a de papel
se comprasse a quantidade de ouro neces-
sario para fabricar urna moeda segundo a
antiga tarifa.
J est aqui exactamente o principio
suppresso da quantidade de papel-moeda
neceasaria para fazel-o subir ao par da moe
da metlica. O senado vai ver que isto
antigo, que nunca se attribuio a deprescia-
go a essa superabundancia de papel-
moeda.
O Sr. Dantas : Em principio estamos
todos deacedrdo; na bypothese que ba
divergencia.
O Sr. Ministro da Fazenda: A lei de
8 de Outubro de 1833 estabeleceu o pa-
drao monetario de 20000 por oitava de
ouro de 22 quilates e ereou um banco de
circulagao.
Devo lembrar ao senado um facto muito
notavel qae se dea at 1846 e que domina
toda a historia financeira at essa poca e
todas as opinioes d aquelles que se propu-
nham roelhorar as coasas do Brazil.
Taes eram aa oScillagSes do cambio e as
depreciagoes rpidas e bruscas da moeda
desde a nossa independencia at 1816, que
nao era tanto raerguar o *alor la moeda
que se abata, como faaar parar essa de-
preciagSo.
J sa julgava grande resultado, grande
favor sustar a depressao, porque, como o
senado sabe, em 1814 o cambio sobre Lon-
dres era de 95 d. por mil ris. Influio
tambera nisto a depreciagao, da moeda in-
gleza nessa poca. Poao-depoia o cam-
bio descia de 55 para subir logo aps a 70
e d -soer de novo em 1822 a 45, vindo em
oseillagScs constantes at 20 em 1831, para
re -rguer-se immediatamente at 45.
Resumirei o qu^ disse o relatorio apre
sentado pelo Sr. Candido Jos de Araujo
Vianna, visconde de Sapucahy :
a O governo auhava que a lei de 8 de
Outubro n5o dava bastante garantia aos so-
cios, lembrava novos favores e aconselhava
que a renda dos fundos concedidos fossa
regularmente appli.-ada amortisagao do
papel circulante eraquanto nao se creasse o
banco, para o qual s^rura taes fuios trans-
feridos. Assim se utilisaria desde logo ca-
pita-s accumulados sera interesse, appli
cando-08 ao mesm > fim que a lei teve em
vista, sto a amortisagao lo papal e a
permanencia do padrao monetario.
Isto insiste da masma forma na reti-
rada do pap'd-raoeda por superabundante
En 1835, diz o ministro da fazenda, Ma-
noel do Nasciraonto Castro e Silva:
Toda a medida conducente a restabe-
lecor o crdito do papel-moela e approxi-
mal-o do valor da moeda forte ser a mais
proficua; n5o julgo impossivcl o remedio e
sim diffi tultoso de conseguir.
a Frmalo o systema monetario, extin-
gara-se as ditferengas existentes entre o
papel era circulagao; seja este papel repu-
tado provisorio e estabelega-s -lhe urna
certa amortisagao, consiga-se legalmente a
sua concurrencia ao par, ou approximada-
raente, da moeda forte, e, desd- logo ou
em tempa dado, o nosso meio circulante fi
cara dessassombrado de ameagadoras cri-
ses.
E' o mesmo systema de amortizagao do
papel-moeda para garantir-lhe o valor.
A lei de 6 de Outubro de 1835 diz o se-
gunte :
i Art. 12. A naglo reconhece como di
vida publica o valor das notas que por esta
le se manda emittir e se obriga sua in-
fallivel amortizagao.
a Estas notas correrlo era todo o Im-
peli, tanto as estagoes publicas, como
as transaegoes particulares.
< Art. 13. Ficam applicados amortiza-
gao de papel-moeda :
1. Desde o 1." de Julho do 1836 em
diaote os rapostos destinados a um novo
banco pela lei de 8 de Outubro de 1833.
a 2." O producto da moeda de cobre
recolhida e que se recolher restante de
troco, sendo vendida depois de cortada ou
fundida.
t 3.* A sobra da renda geral no fim de
cada anno ti ianceiro.
E' esta a prmeira lei em que apparece
o facto de mandar se applicar ao resgate
do papel-raoeda as sobras de receita.
Em 1836, dizia ainda no relatorio da fa-
zenda o mesmo ministro. Castro e Silva :
Estou convencido de que a emissao de
pequeas raoedas de prata, sendo obriga-
do o seu curso nos pagamentos de 100 rs.
a 10, deixando o cobre para o saldo das
fracgSes abaixo de 100 rs., faria desappa-
recer de urna vez es nconenientes desta
ultima moe la, e com a regular amortiza-
gao do papel, acreditido elle, e por aso
mesmo attrahidos os metaes nobres cir-
culagao, melhoraria, quaato podo desojar-
se, o nosso meio circulante.
< Estabelecida esta marcha, que eviden-
temente diminue a massa de papel-moeda,
augmentando a da circulagao metallica,
chegara necesariamente em pouco tempo
a massa gerul do meio circulante ao ponto
de seu necessario equilibrio com os valores
reaes que elle deve representar, entao j
nao urgir anecessidade da total extinegao
do papel; porque nesta bypothese, o seu
valor s r necessariamante ao par da moe-
da metallica, o emquanto o nao for por
qua ha mais do que convm a representa-
gao dos valores raes.
A lei de 11 de Outubro de 1837 foi pro-
mulgada em virtudc destis opinioes. Eis
o seu texto :
serSo de 20:0000, e dellas se deduzirlo
8,{ para amortizagao do papel, alen dos
1 rera concedidas.
Quando o numero das loteras conce-
didas, ou que se concederem, fr menor de
12 cada anno, completar-se ha sempre este
numero, extrahindo-se as que forem para
isso necessarias, e deasas deduzindo se todo
o beneficio dos 20[0 favor da amorti-
sagao.
a Art. 3.- O producto dos irapostos, ren-
das dos dous artigos antecedentes, e dos
declarados as leis de 8 de Outubro de
1833, terao a applicagao seguinte:
a Depois do golpeado, no fim a cada
trimestre, o papel-moeda, em que impor-
tarem os ditos irapostos e rendas, o the-
souro, e, por intermedio deste, as thasiu
rarias provinciaes, o reraetterSo caixa
da amortizag3o.
A junta da caixa da amortizagao pro-
Se nlo fossa Osear, ha cinco dias que
estara morta.
Relia est em casa delle V
*m, senhora, e J que vou prodi-
galisar-lhe OS raeus cuidados.
LeSo, cuja eraocao violenta fazia-o der-
ramar lagrimas, gaguejou:
Eu estava. certo de que Erama Rosa
nao esiava morta.
Oh I como a senhora felicitou-me
exclaraou Angela. Como testemunhar-lhe
o meu reconhacimento Levc-me depressa
para junto de minha filha, en o supplco.
Venha, minha senhora.
Sophia tomou o brago da pobre mai;
que caminl.ava, perguutou :
e Eiro ella est doente ? bem doen-
te ? .
Bem incommodada, ao menos, respon.
leu a'moga, nao querendo revelar a gravi-
tln terrival do Erama Rosa, aoieagada i> rder a vista. Mas, accrescentou ella, o
prazar de b'al-a ser para ella o melhor
dos remedios e ha de apressar a sua cura.
On Deus a ouga 1
Roaato e Lefio seguiam as duas mu Le-
ras.
Depois de alguns passos, Sophia parou.
E' nesta casa, disse ella a Angela.
A bervauaria titubeou.
A emogao a aniquilaba.
Coragem, minha senhora, tornou So-
phia.
i- u a tinha para soffrar, n3o a tenho
para a al gria.
Felizmente a alegra nao mata. A
8edhor* vai ser feliz.
Os nBsos quatro persongns entraram
no corre or da casa.
D- ve o os explicar o apparecimento de
Erama Rom na janella que dava para a
ra de Nevers
O 1 tor star Umbrado de quo Mariet-
ta, a criada de Sophia, tinha ido casa da
ra Gungau i ver se o irmao da sua ama ,
tinha voltado. Timbera estar lembrado
de que, endo abano a porta do quarto de
Erama Rosa e tendo visto a menina dor-
usindo profundamente, ella retirou se sem
Art. 2. Todas as loteras concedidas
ceder queima do papel, que for assim
remettido, con toda a public.idade, era dia
e hora anteriormente marcados.
Art. 4." Logo que esta lei tor publica-
do, ter o destino do artigo antecedente,
o papel-moeda, em que importarem as
apolices da divida publica, compradas cm
observancia da lei de 6 de Outubro de
1835, as quaes o governo far vender; e
tara o mesmo destino o que for comprado
com o .producto dos impostes e rendas qi
ainda se nlo tverera erapregado, na for-
ma da mesma lei.
Art. 5.' Ser3o publicadas repetidas
vezes nos peridico-, as c'asses de valores,
e, sendo possivel, os nmeros do papel-moe-
da; que tor queimado, em eonformidade
do art. 3.-
Art. 6." Logo que o valor do papel
moeda seja igual ao do padr3o monetario,
ser o producto dos impostos e rendas, dos
artigos antecedentes, empregado em fundos
pblicos, at que a assembla geral legis-
lativa Ibes assigne o conveniente destino, o
Em 1844 estabeleceu a le' de 13 de
Noveuibro o meamo fundo espacial para
resgatar as notas e amortizagao gradativa
do papel-moeda. Da 1842 a 1844 nao se
oceuparam os relatorios da fazenda deste
assumpto. Em 1845, Manoel Alves Bran-
co, um dos mais distinctos homens de es-
tado do Brasil, e dos mais conhecedores
deste assumpto, propoz, entre outras me-
didas incumbir o Banco Mercantil do es
tabelecimento de uina caixa que realizas
se gradualmente a retirada do papel cir-
culante, de modo que o cambio nao bai-
xasse de 27.
Finalmente veio a lei de 11 de Setem-
hro de 1846 que marcou o padrao mone-
tario. Esta lei que muito conhecida, dis-
poe o seguinte em sua intagra :
Art. 1." Do I.- de Janeiro de 1847
em diante, ou antes, si fr possivel, sarao
recebidas as estagoes publicas as moedas
de ouro de 22 quilates na razao de -1-S por
citavA, e as de prata na razao que o go-
verno determinar. Esta disposigao ter lu-
gar nos pagamentos entre particulares.
* Art. 2.- O governo autorisado a re-
tirar da circulagao a somma de papel-moe-
da que for neeessaria para eleval-o ao va-
lor do artigo antecedente, e nelle conser-
val-o; e para este fim poder fazer ao
operagoes de crdito que forem iudispensa-
veis.
a Art. 3.- Ser3o observadas as con ven-
gues sobre pagamentos. >
Depois desta poca o padr3o monetario
nao foi mais alterado por lei, mas nunca
pode conservar estabilidade por urna lon-
ga serie de annos.
Era 1850 o Ilustre ministro da fazen-
da, o Sr. Viscoade de Itaborahy, apreciou
esta lei e explicou os motivos, a que o no-
bre senador pela Baha nao se referi hon-
tem no seu importante discurso, pelos quaes
o systema de retirar parcialmente papel
moeda nao foi executado. Esta parte do
relatorio do Visconde de Itaborahy mere-
ce ser lida. Lerei alguns trechos, pedin
do ao senado licenga para inaluil os inte-
gralmente no meu discurso, porque os saos
principios econmicos estao expostos com
claresa e exactidao.
O Sr. Dantas : Mas para o fim que me
propuz, o que li bastou no que foi por
mira proprio copiado.
O Sr. Ministro da Fazenda:A lei
mandava tirar da circulagao a quantidade
de papel moeda neeessaria para conservar
o padr3o legal; isto sempre o mesmo
principio, a superabundancia causa da de-
preciacSo, a retirada meio de elevar o va-
lor. Eis aqui as palavras do nobre Vis-
conde :
.............................n.....
a Releva, porm, observar que para con-
seguir-so o fim (elevar o valor da moeda
ao padrSo legal), qua se teve em vista nes-
sa lei, era indispensavel : Io, conservar
sempre a relagao que ent3o exiatia entre a
somma do papel circulante e a massa das
transa.gSas, em que tinha de representar
como agenta ; 2o, que a fraude nSo pu-
dosse introduzir na circulagao papel falso,
que comraunicando seu descrdito ao ver-
dadeiro, lhe fizesse perder a qualidade de
agente de eirculagao reconhecido o aceito
por todos. A nitava condigSo era fcil de
preencher era quanto fo3sera prosperas as
circunstancias do paiz. Se a massa das
transa' g3as augmentasse, o maior somma
de meio circulante se tornasse por isso ne-
eessaria, affluiri'a espontneamente a moe-
dra metlica para restabellecer o equilibrio
da cireulagSo. E o phenomeno de que
foraos testeinunhas em 1847 e principio de
1848. Se, porm, um de3ses transtornos,
a que se d o nome de crise3 commerciaes
viesse entorpecer ou diminuir as transac-
g3s, ah estava o art. 2o da mesma lei,
que viitorisava o governo a fazer as ope-
ragoes do crditos udispensaveis para neu-
tra Usar-lhe o effeito que podesse ter so-
bre o valor do meio circulante. Forga
todavia, confassar que esse remedio apro-
nriado urna crise pouco intensa e pass?.-
geira, seria ineffi:az, quando o nosso com-
raercio ou o dos Estados com quem temos
mais relagSas soffresse urna comraogao t5o
violenta, como a que teve lugar em 1848.
Os emprestimos a que se quizesse entao
recorrer, ainda quando nao fossa imposivel
realzalos, aggravariam demasiadamente
os encargos do thesouro.
a E' porm fra de duvida que se desd?
1846 se tivesse comegado a resgatar algum
papel, como o aconselhava a prudencia, e
era ict mgiio da lei, muio menor teria sido
a baixa do cambio e menos sensiveis os
effeitos da crise no qua toca ao meio circu-
lante.
a Quanto 2a condigao, conservaram-se
as disposigSes da legislarlo anterior, e os
factos attestam que ella nao suficiente
para reprimir a audacia dos falsificadores.
a Do que levo dito sobre este assumpto,
manifesta-se qual o meio que entendo
mais apropriadopara fixar o curso do nosso
meio circulante.
a Tenho f em qua consolidar-se-ha ca-
da vez mais no Brasil a paz e ordem pu-
blica, que sa v3o gradualmente restabela-
cendo nos Estados do velho mundo: afian-
gam-m'o o bom senso do nosso povo, a af-
f'i.ilo qud com tanta razao consagram s
astituiges patrias, a facilidade de obter
meios de subsistencia nesta trra abengoa-
da, o por fim a ligiXo dos dolorosos resulta-
dos que os genios das revolugoes tm pro-
duzido em outros paizes; e neste presup-
posto tenho para mira que, ajudados de
melhor fiscalisagao no arrecadar de nossas
rendas, e da economa compativel com as
mais urgentes necessidades do servigo pu
blico, podemos comegar desde j, bem que
lentamente, a resgatar o papel-moeda, dan-
do, ao par e passo que o fizermos, maoi
estabilidade ao que ficar na circulagao
a Entendo, pois, que de vemos fazer o
perag >8 de crdito com que regatemos em
breve prazo todos os bilhetes de 1 e 2$,
os quaes serilo substitu ios por cunhos de
prata do mesmo valor, e continuemos a
pratica do mesmo modo com os outros bi-
lhetes, dando sempre preferencia s classes
de menor valor.
a Para esse tira convem estabelecer em
lei que se tire animalmente da circulagao
a quantia de quinheotos a mil contos de
ris de papel; deixando todavia ao gover-
no a faculdade de resgatar ainda maior
sorama, se as circumstancias do thesouro o
permittirem...
a Sei que estas meiidas, como quaes-
quer outras que tendam ao mesmo fim, de-
fazer barulho, para nao perturbar o seu
so ua no.
A menina, fatigada pela longa ineomnia
do coraego da noite, dormio ainda cerca de
urna hora.
Quando acordou, todos os objectos que
a cercavara appareceram-Ihe mergulhados
em profunda escurido.
Ainda nSo dia, disse ella de si pa-
ra si. Vou tentar dormir finda. Isso tal-
vez acalme a terrivel dor de cabega qu"
sinto.
E, convidando o sorano, apoioa a cabe-
ga dorida no travesseiro.
XX
Nao conseguio dormir.
Emma Rosa achava longos os minutos,
quando ouvio dar horas o pequeo relogio
do seu quarto.
Prestou attengo e onvio o nsartello ba-
ter nove vezes.
Nove horas! murmurou a menina
sentando-ss bruscamente na cama, sao no-
ve horas I Estarei sonhando ? A's nove
horas, mesmo nesta estacao, ha muito que
dia.
Esfregou os olhos.
En torno della reina va a eseurido
Erama Rosa sentio ura calafrio, o urna
idea t-rrivel passou-lhe pelo cerebro.
N3o, disse ella de si para si, procu
rando repellir essa idea, nao, impossi
vi 1! O mal nao pode ter progredido t3o
rapi'lamente. O veo $estendido ante os
raeus olhos ainda hontem era transparen-
te. Be o relogio deu nove horas, foi por
que est desarrancado. Demais, talvez eu
ooitasso mal. Eu ia adormeoendo. E' noi-
te fechada. Oh qu ro ver. .. quero ter
certeza I
(.oni a mao esqaerda procurou na mesa
eollocada parto da sua cama um yasinhode
louga cheio de phosphoros.
Tomou um e efregou-o na parede.
O phosphoro stalou e um cheiro vio-
lente de enxofre fez Emma Rosa tossir.
Evid-ntemente, o phosphoro ardia, mas
a pobre menina nao via a luz.
Sentio urna sensagJo de calor vivo, e de-
pois, de queimadura : a chamma invisivel
queimava-lhe os dedos.
Ella largou o ph sphoro, que cabio no
chao, onde apagou-se.
Meia leuca, entao, Emma Rosa saltou
da cama, trmula, de bragos estendidos,
procurando a janella, que encontrn logo.
As suas mos afastaram as cortinas.
Encostou o rosto nos vidros.
Foi de.balde.
Fra, como dentro, escuridSo compacta,
noite impenetravel.
Foi nesse momento que Angela, da casa
era frente, vio pela priraeira vez appare-
cer a filha.
Em presenga dessas trevas opacas, Em-
ma Rosa, cujo susto crescia, reouou.
Cega I balbuc'ou ella. Est tudo
acabado ) Estou cega !
Nenhuma lagrima cahio-lhe dos olhos.
Um sorriso de estranho amargor contra
hio-lhe os labios.
Felizmente, continuou ella, nao ser
por muito teropo. A morte vale cero v.--
zes mais do qu tal vida, e Deus ter
compaixao de mira, h de livrar-me. Sinto
que h-i de morrer brevemente.
A febre f^zia fervor o sangue as veas
de Emma Rosa ; urna especie de delirio
apederava-se do seu espirito.
Morrer, brevemente, continuou ella
ao cabo de um instante. Por que nao mor-
rer j ? Deus, a qutra nunca ofendi, Deus,
a quem amo e adoro, nao me pode con
demnar a soffrer assim. Seria demasiada
crueldade.
A ii.feliz menina, completamente drsvai-
rada, procurou a roupa s apalpadellas e
comegou a vestir se.
Nesse momento Angela, da janella de
Lefto gritava :
Minha filha I minha filha I minha fi-
lha I
Emma Rosa estava no fundo do quarto
e nao ouvia nada ; mas, qnerendo ter urna
ultima prova, approximou-se da jaoeila e
levantou as cortinas, quasi esperan lo que
a muralua de trevas ia cahir.
raan"Iara sacrificios pecuniarios ; mas nac
s as exigem os nteresaes do paiz, a mo
ral publica e os deveres de todo governo
regular, mas estou ainda convencido de
que esses sacrificios sero amplamente com-
pensados pelo excitamento favoravel que
produrao na industria e commeruo, e pelo
augmento da riqueza publica, que dahi ha
de provir.

(Cotinna)
Pela segunda vez, Angela revia sua fi-
lba, e, ao mesmo tempo que ell., Renato
e Leao, que at entao acreditavam na bal-
lucinagao da pobre mai, a entreviam tam-
bem.
Afastando se de novo da janella, Emma
disse d a si para si:
Sim, estou mesmo cega Adeas vi-
da A morte chmame 1
Deirou-ae cahir de joelhoa.
Aa 1 grimas, dessa vez, sabiram-lhe das
palpebras, velando os olhos j sem vista.
Querida mai, balbuciou ella levan-
tando as miios para o co, vou l para ci-
ma. Perda-me, mai, como Deus mesmo
ha de pardoar me, mas a coragem e a for-
ja faltam-me para viver sem ti e cega. Eu
s tinha dous amores no coragao, tu e
Leao. Os dous faltam-me, p-ra qae ar-
rasiar assim por mais teropo urna existen
cia odiosa ? Estou s no mundo e sem vis-
ta. Entrando no tmulo nao fago senao
mudar de solidiio e de trevas. O meu ul-
timo pensamento e o meu ubimo adeus su-
premo sao para ti, minha mai e para L-o
Um longo solugo sabio do peito opprini-
do de Emma Rosa. ,
Ajoi-lhada, orou tongamente, pedindo
perdilo a Deus pela falta que ia commetter,
rogando que a recebesse, mesclando as
tuas 8upplica8 o nome de sua mai e o de
Le3o.
Sbitamente levantou se.
Agora tenho forgas, disse ella de si
para si, posso caminhar. Hei de acbar o
caminho at o rio, e se perder-me, o pri-
meiro transente n3 ha de recusar guiar
me.
Precurou a porta, que nao tardou a en
contrar, e ia abril-a, quando ouvio o ran
ger da chave na fechadura da porta di
. ntrada.
Ao mesmo tempo cbegou-lhe aos ouvi-
dos o ruido de voees e de passos.
(Continuar se-ha.)




Typ. do Diario ra Duque de Caxias n. 42.
.1
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET3JIUA2V_DRR0M9 INGEST_TIME 2014-05-19T19:59:32Z PACKAGE AA00011611_18962
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES