Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18827


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.. -vX^-..

f
/
ANNO LXVi NUMERO 207
SKCT A-FEI8A 12 DE SETEMBRO DE 1890
DIARIO DE PERNAMBUG
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Propriedade de Mano el Figueira de Faria efe Filhos
PARA DENTRO E FORA DO ESTADO
Por tres meses adiantados. .
Por seis ditos idem......
Por um anuo idem. .....
Cada numero avulso, do mesmo da.
6)5000
12^000
23O00
0100
Os Srs. Amede Prince & C.
de Pars, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e publica-
res na Franca e Inglaterra.
Por seis mezes adiantados. 13)9500
Por nove ditos idem. ..... 2O000
Por um anuo idem...... 26#000
Cada numero avulso, de dias anteriores. 0100
TELEGRAMAS
V&1\\: rABTIGLAB so eiasi:
LISBOA, 10 de Setembro. '
Ha grave dessidencia entre os ministros
da justiga e de estrangeiros a proposito
do convenio celebrado com a Inglaterra.
A situagio poltica melindrosa.
A solucSo da cris) parece que ser a
queda do governo ou a adrpcSo de medi-
das de excepcSo aos direitos conatitucio-
nacs.
Os jornaes liberaes aconselbam ao go-
verno que seja muito enrgico.
MONTEVIDE'O, 10 de Setembro.
Est imminente ama crise ministerial.
MinlMU-rlo da Junlloa
Foram nomeados desears rgadores : da rea-
co de beln), o juiz de direito Francisco Lulz
; Correia de Andrade ; da de Cuyab, o juiz de
1 direito Virgilio Alves de Lima Gordilbo.
Foi removido para a da Fortaleza o desembar
' gador da do Maraobo, Joaquim Barbosa Lima.
i Foi aposentado om o ordenado por inteiro o
desembirgador da da Fortaleza Adelino Anto-
nio de Luaa Freir.
Foi nomeado juiz de direito da comarca de
Palmeira dos Indios, as Alagoas, o bacliare
Petronillo de S. Cruz Oliveira.
Foram removidos: o juiz de direito Frede
rico Ferreira Franca, da comarca de Palmeira
' dos Indios, de 1* entrela para a de Alagoas,
I de 2a, ambas no Estado dcste nome, e o juiz
Francisco Lopes de Castro, da comarca de I tapa-
tica, 3* entrancia, para a vara dos feitos da fa
[zenda da capital, ambas na Babia.
Foi nomeado coronel commandante snpe
rior da guarda nacional da comarca de Pacatu
ba, no Estado do Cear, o cidadao Joo Carlos
da Costa Pioheiro.
Foi reformado no mesmo posto o coronel
commandante superior da guarda nacional da
comarca de Pacatuba. no Estado do Cear, Fran-
cisco Bernardino de Vasconcellos.
das
de
INSTRDCqO POPDLAR
os nomos \mim\i
POB
Ministerio da Hartaba
Por decreto de 4 de Setembro foi promov io a
capitSo tenente o Io tenente Jos Antonio Tupi
nimba, chefe do corpo pbarmacetico da ar-
mada.
Por decreto da mesma data foi reformado
o i" tenente da armada Jos Lopes Pereira
Babia.
ARSTIDES KOGER
PRIMEIRA PARTE
l'ma excur CAPITULO II
O raminbo directo
(ContinuacSo)
Ha nada mais aaboroso qac o fructo prohibido ?
A vossas excellencias, especialmente o per-
gaoto, minbas curiosas leitoras ?... Certamente
que nao ; pois nao assim ? Aposto que vossas
excelleQCias se nao desdenharao de passeiar um
minuto a sna vista pelo mysterioso paiz do invi-
sivel e do desconhecido 1
Talvez to po-ico Ibes pese de entreabrir essa
porta opaca, atraz da qual se achara acumulados
tantos segredos emaravilins ; e eston certo de
que, em todo o ca30, vossas excellencias se nao
queixiro de mim por haver tido momentnea-
mente a ousadia de centuplicar a forga de pene-
trago dos lindos olhos, ja to vivos e penetran-
tes, com a sua propna forja I
Antes de principiar esta vlagem pbantastica,
tUfto e necessario que vos d a conhecer, meus
charos leitores, o instrumento maravilboso, que
(leve transportar nos.em um abrir e fechar d'olhos,
ao mundo dos invislveis.
Se de um lance de vi3ta, e sem vo3 prevenir,
vos conduzi3se por entre os seres infinitamente
pequeos ; e se demasiado solicito por vos [azar
admirar estes extraordinarios seres, exclamas-
te desde logo : Olbae por aqui vede por aili I
abri bera os olhos I dilatae as papillas obser-
vue l contemplae I etc. podenei3 talvez tomar-
me por um mgico, ou antes, por um allucinado,
o que seria injusto da vossa parte, e bastante des-
agradavel para mira.
Assim, pois, permiltir-rae beis que vos tome
pela mao e vo3 faca seguir pouco a pouco o ca-
minho que conduz ao paiz myslerioso,laonde nos
dirigimos.
Deixae primeiro que vos mostr este pequeo
disco de crystal. redondo como urna moeda de
dous juartos, convexo no centro como urna gran-
de leotilba, e lmpido como um diamante.
O nome deste disco de crystal, to original-
mente tal hado, acabamos agora me3mo de pro-
nancial-o, comparando-o com o pequeo grao
leguminoso, pelo qual Esu vendeu a Jacob o
seu direito de progenitura.
Este nome urna lente.
Queira V. Exc. approximal a dos olhos, mima
b -lia letora, e olhe para a ponta rosada do seu
(l -do rainimo. Quj ibe parece ?
Apesto que vae julgar me muito mal educado;
mas. ap. zar do grande desejo que tenho de Ibe
ser agradavel. nao posso dizer llie que, visto
desta sorte, 6 bonito o seu dedo mnimo ; porque
o vejo enorme, rugoso, soleado de profundas
verrugas, crivado de buracos como umaescuma-
deira." E' um dedo de Gargantua (1) simples-
nunte, e nao o dedo de urna nieaima.
E por que esta sbita metamorfrose ?
PoraM esta transformafiSo instantnea do bello
oborrivel ? m .____,
Onde est a fada malenca, que nos faz- estas
partidas ? ,
Bis aqui a fada E' esse pedaco de crystal,
a'ravez do qual penetra a nossa vista ; esse pe-
daco de crvslal que augmenta o poder dessa
mesma vista e multiplica a sua forja ptnetraute
e extensiva. ,
(Continua).
(1) E' sabido que com este nome designa o es
riptor satyrico francez Rabelais um g'gante, na
asu attjn intitulada Ponta gruel.___________
Ministerio da Paseada
Aos inspectores de Tbesourarias dirigi o mi-
nistro da fazenda, em data de 1 e Setembro, a
seguinte circular:
Ruy Barbosa, presidente do tribunal do the-
souro nacional, ordena aos Srs. inspectores das
tbesourarias de fazenda que remettam, com toda
a urgencia, ao mesmo thesouro o orcamento da
receita e despezs das ditas tbesourarias e repar-
tieres a ellas subordinadas para o prximo
exercicio de 1891, atim de que se possaorgani-
sar o orcamento geral da receita e despeza da
Repblica para o referido exercicio.Ruy Bar-
bosa.
CircularAos inspectores das lliesourarias foi
dirigida em data de 3 de Setembro a seguinte
emenda :
Ruy Barbosa, presidente do tribunal do trie
souro nacional, ordena aos Srs. inspectores das
lliesourarias de fazenda que, nos pedidos de
supprimento de fundos observem, sem discre-
pancia, as in&trargOes que Ibes foram dadas pe-
la directora geral da contabildade, em 12 de
Julho de 1887.Buy Barbosa.
O Sr. ministro da fazenda expedio em 3 de
Setembro a seguinte portara, relativa aos con-
cursos para empregos de fazenda :
Ruy Barbosa, presidente do tribunal do the-
souro nacional, ordena que no exame a que se
refere a ultima parte doart. 3 do decreto n.
10,349, de 14 de Setembr j de 1889, que regulou
os concursos para empregos de fazenda se ob
serve o seguinte questionario :
PrincipiosIo I lea geral do direito. Direito
publico; particular. Direito publico interno, ex-
terno. Direito administrativo. Direito fiscal.
2* Idea geral de lei. Leis naturas s, positivas-
Leis que reconhecem ou sanecionam direitos
naturaes, que prescrevem ou regulam obriga-
gGes sociaes; exemplos de urnas e outras.
3 Leis polticas; fundamentaes ; administra-
tivas ; fiscaes, exemplos.
4 Leis ; decretos; regulamentos; portaras ;
instrucgOes; avisos ; ordens ; decisOes ; circula
res; sentido que se liga a cada urna dessas ex
pressOes.
5* Retroacgo das leis, disposigOes interpre
lativas; disposigOes que estabelecem direito
novo. Abrogago, derrogacao e revogagSo das
leis.
ApplicagOes Administrago da fazenda 6
Fazenda publica ou nacioaal ; sua definigo e
administradlo leis que a regulavam na metro-
pole e no Brazil antes da constituijao imperial;
lei que a organiseu no Imperio depois do syste
ma constitucional; id.s capitaes dessa lei.
7a Aquem compete actualmente a alta admi-
nistraca< da fazenda; attribuic.3es principaes
das autoridades competentes.
8 Administradlo da fazenda nos estados.
AttriliuicOes das juntas de fazenda. Do juizo dos
feitos, sua organisagao, sei-s fins e meios de
aefij.
9 Agentes subordinados s tbesourarias c
suas principaes attribuicOes na administrado da
fazenda.
10. RelacOes entre o thesouro nacional e s
tbesourarias de fazenda. AttribuicOes dos go-
vernadores dos estados em materia fiscal.
Arrecaiacao ios rendas publicas. 11. Rendas
publicas e sua delinico. Contribuices directas
e indirectas ; classificacjio dos i rapos tos do
nosso actual systema de accordocom estas duas
catbegoras.
12. Autoridades que inspeccionara e dirgem
a arrecadaco das rendas e suas principaes
attribuic?8 ueste particular.
13. Estages enearregadas da arrecadaco das
rendas na capital federal; nos estados. Rece-
bedores das rendas internas e suas attribuicOes.
14. Espbera de aegao das alfandegas e mesas
PARTE OFFICIAL
Gorerno do Estado de Pernambaco
3.a secjo. Palacio do Governo do Estado de Per-
nambuco, em 10 de Setembro de 1890.
O desembargador Baro de Lacena, governador do
Estado de Pernambuco : n ., n
Attendendo o que requereu Heanque Cecilio Bar-
retto de Almeida, actual serventuario dos oficios de
contador e distribuidor do juizo dos feitos da fasenda.
Considerando que a divisSo mais natural dos refe-
ridos oficios a que separa as funcjSes de contador das
de distribuidor, o que o decreto deste governo de 8 do
corrente mez 2o determinou por falta da annuoncia do
referido serventuario, agora prestada ;
Usando das attribuis5es que lbe conferem os decretos
d 7 de 20 e de 23 de Novembro de 1889, resol ve publi-
car o seguinte decreto :
Decreto
Art. 1. Fica separado do officio de contador e de
distribuidor do juizo doe feitos da fazenda nacional deste
Estado e da municipalidade dn Recife, constituindo assim
dous oficios destinados para a contagem e distribuicao
das causas que correm pelo referido juizo.
Art. 2. Fica alterado pelo presente o decreto da 8
do corrente mez e revogidaz as dispoaicSes em con-
trario.
O secretario do gorerno faca pubhcar o presente
decreto, expedindo as ordens o communcac^es necessa
ras. ,
Bario de Lucma.
de reodas para garanta da boa arrecadago
rendas.
13. Da arrecadago tas rendas por meio
contracto.
Distribuicao das rendas publicas.16. A quem
compete. AttribuicOes do thesouro. Limites
da competencia das tbesourarias e das demais
estagOes de fazenda encarregados da distribuigo
das rendas.
17. Dj.-p-zas com a divida publica interna e
externa, amortisagOes, juros, estagOes encarre-
gadas deste eervigo.
18. Ajuda de custo ; casos em que deve ser
concedida.
19. Em presumo do cofre dos orphaos ; juros.
Depsitos das caixas econmicas ; capitalisa
gao ; pagamento dos jaros.
20. Despezas que as tbesourarias podem
effectuar embota nao tenham quota especificada
na distribuigo annual de crditos. Despezas
correntf 8 ; de exercicios fiados; processos de
liquidac&o.
Ftscalisacao das rendas. 21. Autoridades en-
carregadas da fiscalisago das rendas. Attribu
gOes geraes da aotordade judiciana, como fiscal
das rendas. Necessidade da fiscalUagao.
22. Tomada de cootas. AttribuigOes do the-
souro, como tribunal de contas. Directora geral
da tomada de contas e suas attribuicOes princi-
paes.
23. AttribuigOes das tbesourarias como esta-
gOes encarregadas de tomar contas aos respon-
saveis por dinh 'iros ou valores da naci.
24. Prescripcao da divida passiva da nagio.
25. Das multas. A multa imposta ou pena ?
Estudo dos diferentes casos em que deve ser
imposta a multa. Autoridades competentes para
a sua comminag&o.
DiviesosThesouro! e thesourarias-i. Co
braiga da divida activa : disposigOes geraes.
2/. HabilitagOes percepcao de meio sold.
Disposicoes qwkuIdeas geraes sobre a tarifa
28. Orgamento, balango, composigao legal dos
orgamentos e balaogos geraes da nago, bases
para este servico.
29. Credit03: ordinario, extraordinario, espe-
cial, supplementar. Distribuigo delles s tbe-
sourarias dos estados. Crditos que podem ser
abertos pelos governadores dos estados-
30. Fiangas em immoveis, apolices, dlnbeiro,
processo respectivo.
Alfandegas.31. Ideas geraes sobre a tarifa :
gneros sujeitos a direitos ; isentos de direitos ;
valor official ; razio dos direitos ; peso bruto ;
taxa ; peso liquido legal; liquido real; abati-
mentos ; formalidades necessarias a um despa
cbo de consumo.
32. De despacho por factura : mercadorias su
jeitas a direitos ad valoren ; processo do des-
pacho ; impugnagao ; arbitramento ; asseme-
ihaco
33. Conferencia das mercadorias; mercadorias
que podem passar por urna s conferencia ; casos
em que applicavel a multa de direitos em do-
bro ou de 1 % a 5 %
34. Dos recursos e sua divis&o : casos em
que cabera o ordinario ; o da revista ; autori
dades ad quem ; lgidas das thesourarias e al-
fandegas ; prazos ; perempgao ; efleito do
recurso.
35. Dos manifcstos e sua conferencia.
Observac5es0 exame de legislago constar
de duas provas : escripia e oral.
Na prova escrip'a, o primeiro candidato in
scripto tirar sorte um dos ponto3 deste pro
gramma, o qual ser desenvolvido por todos os
que fizerem exame nesse da, de modo claro e
citando fe as disposigOes iegaes que regem a
materia. Cada citago falsa ou falta de citag&o
ser onsiderada eomo erro.
O que commetter mais de seis erros ser inha
bililado e nao poder entrar em prova oral.
A prova que ti ver de quatro a seis erro*, ter
a nota soffritel, a que tiver de nm a tres, boa.
A nota ptima reservada para os que nao
commetterem erro algum.
No julgamento sero levadas era conta a or
thographia e a redaego.
Na prova oral, cada candidato discorrer ou
ser argido durante o tempo legal sobre o pon
to que a sorte lhe designar. Ruy Barbosa
Costa, JjsPereira de Azevedo, Lourengo Justi-
niano daTava Ribeiro, Oeoclecio Ferreira da
Cruz, CaniHdo Jos da Silva, Joo Antonio Ne-
pomuceno, conbecido por Berardo e anacleto
Jos da Cruz.
Pelo delegado do Io districto de Rio For-
moso, foi remettido ao juizo competente o inque-
rito policial, a que procedeu contra Joo Anto-
nio de Sant'Anna, por crime de ferto de cavallos.
Pelo delegado do districto da Catende foi
tambera retfUKdo ao juizo competente o inque
rito a que proceden contra Hanoel Ferreira de
Lucena, conbecido por Manoel Amaro, por crime
de ferimeolos praticados na pessoa de Hanoel
Ferreira da Silva.
C cidadao Seraim Ferreira Pinto assumio
em da' de hontera, na qualidade de Io supplen-
te, o ejercicio da subdelegacia do districto da
Torre.
Sade e fraternidadeAo cidadSo des
embargador BarSo de Lucena, muito digno
governador do Estado de Pernambuco.
O chefe de polica, Antonio de Olinda
Almeida Calateante.
DESPACHOS DO
DA 10 DE
1890
8ETEMBR0 DE
Companhia de Fiago e Tecidos de Pernambu-
co.Deferido, com officio d'esta data ao inspector
da Thesouraria de Fazenda.
Carlos Adolpho de Avellar Alchorne.Iodefe
rido.
Tenente-coronel Francisco Pedro Boulitreau.
Informe o inspector do Thesouro do Estado.
Tenente Florentino Cavalcante de Albuquer
que.Enlregue-se, mediante recibo.
Francisco Gomee asteilo.Informe o inspe
ctor do Tesouro do Estado.
Francisco de Lerao3 Vasconcello3.Indefe-
nao.
Generosa Herculina de Barros Correia.Infor
me o inspector do Thesonro do Estado.
Tenente Honorio Tavares Sannbo.Informe o
commandante superior da guarda nacional da
comarca de Caruar.
Teoente Henrique Cecilio Barreto de Almeida.
Deferido com o decreto d'esta data.
Henrique Alves de Souza.Informe o com-
mandante do Corpo de Polica.
Bacbarel Julio Augusto da Cunba Guimares-
Aprsente o peticionario o titulo com que ser-
via, para ser apostillado.
Jjaquim Felippe da Costa.Sm, devendo pa-
gar o porte na Repartigo dos Crrelos.
O mesmo.dem.
Jos Joaquim Zacbarias.Remettido ao Sr. ca
pito do porto para attender.
Joaquim Odorico Correia de Araujo.Remet-
tido ao Sr. capitao do porto para attender.
Jos Ignacio da Cunha Rabello.Sim.
Manoel Camello de Paula Lius.Informe com
urgencia o Sr. inspector da Thesouraria de Fa-
zenda.
Mara Firmina da Conceico.Informe o gene-
ral conmandante das armas.
Manoel dos Santos Siqueira. Eocaminhe se,
pagando o interessado o porte na Repartigo dos
Correios.
Procopia Rosa de Jess.Indeferido. O alo
guel da casa da peticionaria s poderia ser pago
na razo de 11 000 mensaes, se ti vase precedi-
do contracto, devidamente approvado por este
governo.
Saturnina Mequilina Lopes da Cruz.Informe
o inspector do Thesouro do Estado.
Secretaria do Estado de Pernambuco,
11 de Setembro de 1890.
O porteiro,
H. M. da Silva.
Repart?io da Polica
2. seceso.N. 206Secretaria de Po-
licia do Estado de Pernambuco, 11 de
Setembro de 1890.
Cidadao governador.Participo vos que foram
bontem recoibido3 Casa de Dctengo os indi
viduos de nomes Manoel Joaquim do Nascimento,
conbecido por eco, Herculano Jos do Espirito
Santo, Manoel Atoanaiio, Manoel Jos deAraojo,
Maooel Antonio do Nascimento Craz, Fionsmun-
do Caparos*, Francisco Joo Ceciliano, Jos Gui-
Iherme de Sant'Anna, JoSo Vicente Ferreira da
Tbeioaro do Estado de Pernambaco
DESPACHOS DO DA 10 DE SETEMBRO
DE 1890
Joaquim Tranquillino de Lemos Duarte,
Walfrido Barreto de Mello Reg e Da-
vino Almeida Bastos.Registre-se e fa
cam-se as devidas notas.
Manoel Clementino Correia de Mello
e Manoel Valerio da Silva GuimarScs.
Informe o Dr. contador.
Hemeterio Maciel da Silva, Jos Fran-
cisco de Moraes e Silva e Henriqueta
Amelia de Menezes Lvra.Hija vista o
Dr. procurador fiscal.
Inspectora tteral da lnattrnerao Pa
bi.ca do Estado de Pernambaco
despachos do da 11 de setembro
di 1890
Carlos Adolpho de Avelar Alcorne.
Como requer
Augusta Elvira Ucho*.A esta inspe-
ctora falta competencia para conceder
prorogacSo de prazo de licenga.
Becebederla do Estado de Pernam
buco
DESPACHOS DO DA 11 DE SETEMBRO DE
1890
Francisco Sotter e Antonio Francis co
Pestae Certilique-se.
Leal & IrmSo.Indeferido.
Mara Jos do Espirito Santo. Requei-
ra ao Dr. inspector do Thesouro do Es-
tado.
Constantino Ribeiro & O.A* Io sc-
elo para os fins de vi dos.
Manoel Francisco Pestaa.A' Ia sec-
580 para attender.
Adolpho & C. e Moreira & IrmSo.
A Ia secgSo para os fins devidos.
Joaquim de Deus Gooc vives.Informe
a Ia secgSo.
EXTERIOR
EUROPA
Pelo paquete inglez Magdalena, entrado bon-
tem da Europa, tivemos folbas que, de Lisboa,
alcangam a 31 de Agosto lindo.
Eis o que aellas colhemos :
Portugal
Sua Magestade el rei sentira-ae encommodado
em 22 de Agosto depois de assistir festa do
raltypaper.
O encommodo, porm, ceder aos cuidados
mdicos que lbe foram dispensados.
Eis o texto do tratado anglo luzo, relativo
quest&o africana:
Sua Magestade Fidelsima el-rei de Portugal
e dos Algarves, etc.. etc., etc., e Sua Magesta-
de a Rainba do Reino Un.do da ran-Bretanba e
Irlanda, lruperatnz da India, etc., etc., etc., ani-
mados do desejo de estreitar os vnculos de
amisade que unem as duas oagOes, e regular le
commum accordo differentes assumptos relati-
vos s suas respectivas espheras de influencia
em frica, resolveram levar a effeito um tratado
para esse fim, e nomearam seus plenipotencia-
rios, a saber:
Sua Magestade Fidelissima el rei de Portugal
e dos Algarves a Augusto Cesar Barjona de
Freitas, do ccnselho de Sua Magestade e do a'es
tado, par do reino, ministro e secretario d'esta-
do honorario, gran cruz de Cbristo, e gran-cruz
de differentes otdens ettrangeiras, enviado ex-
traordinario e ministro plenipotenciario de Sua
Magestade Fidelissima junto de ua Magestade
Britaonica, etc.; e
Sua Magestade a Rainha do Reino Unido da
Gran Bretaaha e Irlanda, Imperatriz da India,
ao muito il.U8tre Robert Arihur Talbot Gascoyne
Cecil, marquez de Salisbury, conde de Salisbu-
ry, visconde Crasborne, baro Cecil, par di
Reino Unido, cavallaro da mais nobre ordem da
Jarreteira, membro do mais ilustre conselho
privado de Sua Migestade, principal secretario
de eetado dos negocios estrangeiros de Sua Ma-
gestade, etc. :
Os qnaes depois de haverem trocado os seus
respectivos plenos poderes, que acbaram em
boa e devida forma, convieram nos seguintes
arligos :
Artigo I. A Gran-Bretanha obriga-se a reco
nbecr como sujeitos ao dominio de Portugal,
na frica oriental, os territorios abaixo delimi
lados, a saber:
1. Ao norte por urna linba que seguir o cur-
so do rio Rovuma desde a sua foz at con-
fluencia do ro M'Singe e dahi para oeste o pa-
rllelo at margem do lago Nyassa.
2. A oeste por urna linha que, partiudo do
ponto onde a referida fronteira encentra o lago
Nyassa, segu a costa leste deste lago dirigi
do-se ao sul al ao parellelo 13 30'. Dcsto pon
lo a linba dirigindo se ao sueste alcanga a costa
leste do lago Cbita, segu esta costa e vai di
rectamente costaiesie do lago Cbilwa, ou Sbi-
wa. A fronteira contina por esta costa at ao
seu ponto extremo sueste e prolongase em li
nha recta at ao mais oriental affluente do Ru,
segu este affluente e depois o thalweg do Ru
at sua continencia com o Chire. Dalli diri-
ge-se em linha recta at um ponto situado a
meio camioho entre Tete e os rpidos da Cara
Bassa (Kabra Bassa). A estagao do Zambo
com Tima zona de 10 milbas inglezas de raio na-
margem septentrional licar sob o dominio por
tuguez. -ao ser, porm, cedida a qualquer
outra potencia, sem cooseutltnento previo da
GranBre lanba.
Art. II. Ao sul do Zambeze, os territorios com-
prebendidos na espbera de influencia portugue-
sa sao delimitados por urna linba qne, partindo
de um ponto em freetc da extremidade occiden-
tal do raio de 10 milbas inglezas a oeste do
Zumbo, segu para o sul at ao parallelo 16 e
por este at encontrar o meridiano 31" leste (de
Greenwicb) e dalli dirige se directamente para
leste at intersecgo do rio Maze com o 33"
de longitude. A fronteira seguindo este meri-
diano para o sul at alcangar o parallelo 18 30'
corre neste paralello para oeste at ao affluente
Masheke do rio Save ou Sabi e desee pelo thal-
weg deste afflueu'.e e pelo do Save at sua
confluencia com o ro Lunde ou Luote, de onde
alcanga directamente o ponto nordeste da fron
telra da repblica da frica do Sul.
Dahi confnnde-se com a fronteira oriental
desta repblica e com a do paiz dos Swazis at
ao rio Maputo.
Portugal obriga se a nao ceder os seus terri-
torios ao sul do Zambeze a qualquer outra po
tencia sem o conseutimento previo da Gran-Bre-
tanha.
Art. III. A Gran-Bretanba obriga-se a nao se
oppor expansSo da espbera de influencia de
Portugal, ao sul da Bahia de Lourengo Marques
(Delagoa Bay), at urna liaba que seguir o pa-
rallelo da confluencia do ro Pongola com o rio
Maputo at ao mar.
Portugal obriga-se a nao ceder o territorio
delimitado pelo presente artigo a qualquer outra
potencia sem coosentimento da Gr-Bretanha.
Art. IV. Fica entendido que a linba divisoria
occidental, que separa as espheras de influencia
poriugueza e brltannica na frica central, se-
guir, partindo dos rpidos de Calima, o thalw g
do alto Zambeze at confluencia deste ro com
o rio Kabompo e d'abi o thaiw 'g do Kabompo.
O territorio assim reconhecido a Portugal nao
ser cedido a .nenhuma outra potencia sem o
consentimento da Gr-Bretanha.
Fica entendido por urna e outra parte que este
artigo nao affectar de modo algum os direitos
actuaes de qualquer ontro estado Sob esta
reserva a Gr-Bretanha nao se oppor expan-
sSo da espbera da influencia portugueza alm
destes limites.
Art. V. Portugal reconhece como compreben-
didos na espbera de influencia da Gr Bretanha,
ao norte do Zambeze, os territorios que se estn-
dem da fronteira descripta pelo artigo prece
dente al ao lago Nyassa. bem como as libas
situadas neste lago ao sul do parallelo 11 30',
at linba tragada pelo artigo I, com excepgo
do Zumbo e de urna zona de 10 milhas inglezas
de raio em volta deste.
Art. VI. Portugal reconhece como eompre-
hendidos na esphera de Intiuencia da Gr Bre-
tanha ao sul do Zambeze, os territorios delimi-
tados ateste e a nordeste pela linha descripta
no art. II.
Art. VII. Todas es linbas de demarcado tra-
gadas pelos art3. I a VI podero ser rectificadas
por commum accordo das duas potedeias, segun-
do as exigencias locaes.
Art. VIII. A3 duas potenciasobrigam-sea nao
iotervir, fazer acquisicOes, concluir tratados ou
acceitar qual raer direito de soberana ou
protectorado ns espheras urna da outra, taes
como sao reconhecidas nos arts. I a VI.
Fica entendido que nenbum direito de sobe-
rana poder ser exercido na espbera de influen
cia de' cada urna das potencias por qualquer
associago ou particular subdito da outra, sem
que esta tenba prestado o seu assentimento.
Art. IX A3 concesses commerciaes ou de
minas, bem como os direitos a bens immoveis
possuid03 por associagoes ou particulares de
urna das potencias, cuja validade seja devida-
mente provada, sero garantidas na esphera da
outra.
Fica entendido que as referidas concesses
devero ser exploradas em conformidade com as
leis e regulamentos locaes.
O desaccordo suscitado entre os dous governps,
quer por causa da validade das concessOes qner
relativamente ao carcter equitativo ou adequado
das referidas leis e reglamelos, ser resolvido
pela arbitragem de um jurisconsulto de naci
ndlidade portugueza.
Art. X Os missionarios de Portugal e da Gr
Bretanha gosaro de completa protecgo em
lodosos territorios africanos sujeitos soberana
ou influencia de qualquer das duas potencias.
E expresamente garantida a tolerancia reli
giosa, o livre exercicio de todos 03 cultos e o do
ensioo religioso.
Art- XI. As duas potencias obrigtm-se a
garantir ao commercio a mais completa Uberdade
as suas respectivas e;pberas definidas pelos
arts. la VI. A navegago dos lagos, ros e
canaes, bem como a dos portos dessas aguas,
ser livre para ambas as bandeiras ; e nSo ser
permellido nenbum tratamento diferencial cora
relago a transporte e cabotagem. As merca
dorias de qualquer procedencia s podero ser
sujeitas a direitcs sem carcter differencial,
meado exigidos directamente palas necessida
des da administrago ou suppresso do trafico
da escravatura. segundo as disposigOes do acto
da conferencia de Bruxellas, ou para occorrer a
despezas determinadas pelo interesse do com
mercio ; sao prohibidos os direitos de transito;
nem se confedera monopolio ou privilegio de
qualquer especie em materia commercial. Os
subditos de cada urna das duas potencias pode
rao livreniente estabelecer se nos territorios
situados as espheras de influencia da outra.
Portugal reserva a excluso dos seus portos
da costa oriental dajapplicago das disposigOes
do acto geral da conferencia de Barlim concer
nenies zona collocada sob o rgimen da Uber-
dade commercial, e da applicago das di.-pos
gjs do paragrapbo precedente. Mantem ontro-
sim a reserva de excluir os seus port03 da costa
occidental das referidas disposigOes do paragra-
pho anterior.
Portugal obriga-se, porm, a nao impor qual-
qner direito de transito excedente a 3 por C3n-
to sobre as mercadorias qu2 transitem para o
interior ou para fra do paiz, por va fluvial ou
terrestre, entre a C03ta e a esphera de influen-
cia britaonica. Este direito nao ter em Cbsoal
gum carcter differencial e nao exceder os di
reitos da alfandega cobrados sobre as mes.nas
mercadorias aos portos cima mencionados.
Fica entendido que nos termos deste artigo,
os subditos e as mercadorias das duas poten-
cias, atravesando o Zambeze em qualquer pon-
to do seu curso e passando para isso pelos djs
tridos situados as margeos deste rio. gosar >
da mais completa liberdide de transitar sem
nenbum impedimento e sera pagamento de di-
reitos de transito.
Fica, outrosim, entendido que Portugal ter a
faculdade de fazer construir estradas, caminbos
de ferro, pontes e linhas telegraphicas atravez os
territorios ao norte do Zambeze reservados
influencia britannica, n'uma zona de 20 milbas
inglezas sobre a margem norte do Zimbeze.
Cada urna das duas potencias ter a mesma fa
culdade n'uma zona de 10 milhas inglezas as sul
do Zambeze desde Tete at a sua confluencia
com o Chob; e entre os limites de urna zona
de lgnaes dimemOes estendendo se do nordeste
da espbera britannica situada ao sul do Zumbe
ze ate zona cima delimitada. As duas r cien-
cias tero o direito de comprar nestas zonas, em
condignes equitativas, o terreno necessario para
estas emprezas e ser-Ibes bao concedidas todas
as facilidades iudispensaveis. Igualmente ibes
sera facilitada, dentro dos limites cima deter-
minados, a construego de pontes e caes sobre o
rio, para uso do commercio e navegago. Todos
os materiaes destinados construego de estra-
das, caminbos de ferro, pontes e linhas telegra-
phicas sero isentos de direitos de importago.
Os desaccordos entre os dous goveraos susci-
tados acerca da execugo das respectivas obri-
gagOes por virtude do disposto no paragrapho
precedente sero resollidos pela arbitragem de
dous peritos, respectivamente nomeados porca-
da urna das potencias, es qnaes escolhero um
terceiro, cuja deciso ser definitiva, quando
houver divergencia ntreos ious primeiros. Se
os dous peritos nao concordaren! na escolha do
arbitre ser este escolhido por urna potencia
neutra.
Art. XII. A navegago do Zambeze e do Chi-
re, sem excepgo de qualquer das ramiflcagOes
e sahidas destes ros, ser inleiramente livre pa-
ra 03 cavioB de todas as nagOes.
Art. XIII. Os navios mercantes das duas po
tencias, carregados ou em lastro, gosarSo da
mesma liberdade de navegago no Zambeze,
suas ramiflcagOes e sabidas, tanto para o trans-
porte de mercadorias como para o de viajantes.
No exercicio desta navegago, os subditos e
s bandeiras de ambas as nagOes sero tratados
a todos os respeitos com perfeita igualdade, tan-
to para a navegago directa do mar largo para
os portos interiores do Zambeze e vice-versa,
como para a grande e pequea cabotagem, e pa
ra o servico de pequeas embarcagOes no per-
curso do rio. Conseguintemente em todo o per-
curso e embocaduras do Zambeze, nao haver
tratamento differencial paraos subditos das duas
potencias ; nem ser concedido privilegio exclu-
sivo de navegago a companbias, corpor-cOes
ou particulares.
A navegago do Zambeze nao ser suieita a
3ualquer restriego ou onus nicamente basea-
08 no facto da navegago. Nem esta ser one-
rada por motivo de desembarque, deposito, di-
viso de carga 00 arribada forgada.
Os navios e as mercadorias transitando sobre
o Zambeze em toda a sna extenso nao sero
sujeitos a direitos de transito, qualquer que seja
a sua procedencia ou destino. Nao se estabelece-
r qualqner onns maritimo 00 fluvial baseado
sobre o facto da navegago, nem qualquer di-
reito sobre as mercadorias que se encontrem a
b Kdo dos navios. S podero ser cobradas la-
xas ou direitos que tiverem o carcter de retri-
buigo por servigos rrestados navegago pro-
priamente dita. As tarifas destas laxas ou direi-
tos nao comportaro qualquer tratamento dif-
ferencial.
Os tffluentes do Zambeze sero para todos 03
effeitos submettidos ao mesmo rgimen que o ro
de que sao tributarios.
As estradas, veredas, caminbos de ferro ou ca-
naes lateraes que possam vir a ser construidos
com o fim especial de supprir a innavegabilida-
de e as imperfeigOes da via fluvial em certas sec-
goes de percurso do Zambeze, dos seus anuien-
tes, ramificages e sabidas, sero considerados,
na sua qnalidade de meios de eommunicago,
como dependencias deste rio e sero igualmente
abertos ao trafego das duas potencias. Nao po
dero cobrar se nestas estradas, carainhos de
ferro e canaes, como se nio cobrara no rio, se-
oo as taxas calculadas sobre as despezas de
construego, conservago e explorago e sobre
os beneficios devidos aos promotores destas em-
presas. Qaanto s taxas destes direitos, os es-
trangeiros e os nacionaes dos respectivos terri-
torios sero tratados com inteira igualdade.
Portugal obriga-se a applicar os principios de
liberdade de navegago, enunciados no presente
artigo, parte das aguas do Zambeze, dos seus
afluentes, ramiflcagOes e sahidas que estiverem
sob a sua soberana, protectorado ou influencia.
Os regulamentos que estabelecer para a seguran-
ga e fiscalisago da navegago sero elaborados
de modo a facilitar tanto quanto seja possivel a
circulago dos navios mercantes.
A Gr Bretanha acceita, sob as mesmas reser-
vas e em termos idnticos, as obrigagOes assu-
mids nos artigos precedentes, qvanto parte
das aguas do Zambeze, dos seus afluentes, ra-
miflcagOes e sahidas que estiverem sob a sua so-
berana, protectorado ou influencia.
As que3t0es qne vierem a suscitar se acerca
das disposigOes do presente artigo sero sub-
mettidas a urna commisso mixta.
No caso de desaccordo, recorrer se ha arbi-
tragem.
Um outro rgimen para a administrago e po-
lica do Zambeze poder ser substituido s dis-
posigOes cima referidas pelo commum accordo
das potencias marginaes.
A pedido da Gr-Bretanha, Portugal arrenda-
r a urna companhia 10 acres de trra durante
cem anuos, situados na embocadura do Chinde
e destinados s necessidades da baldeaco. A
trra, assim arrendada, nao ser fortificada em
caso algum.
Art. XIV. No interesse das dua3 potencias,
Portugal obriga-se a conceder s mercadorias
de qualquer especie inteira liberdade de transi-
to entre a esphera de influencia britannica e o
porto da Beira (babia do Pungue) e as facilida-
des necessarias para o melboramento das vias
de eommunicago, e obriga se tarabem a fazer
construir um camioho de ferro oara o servigo
desta regio, no praso que os estudos fixarem,
os quaes devero concluir se com a mxima bre-
vidade. Um engenheiro nomeado pelo governa
britannico far parte da commisso destes estu-
do?, que comegaro no praso de quatro mezes
depois da asignatura desta convengo. No caso
cm que estas condigOes nao sejam exactamente
cumpridas, Portugal obriga-se a conceder, no
mais curto praso, a urna companhia m xta com
directores portuguezes e bntannicos, e com sede
em Lisboa e em Londres, a construego deste
caminho de ferro com as facilidades necessarias
para a acquisigo de terrenos, corte de madei-
ras e livre importago do que respeita a mate-
riaes e mo de obra.
Fica entendido que as mercadorias em transi-
to nao sero sujeitas, nem nos portos de entrada-
nem nos de exportarlo a qualquer direito superior
ao mximo de 3 por cento, lixado no art. XI
Fica ou'rosim entendido que as mesmas dis-
posigOes relativas s mercadorias em transito
sero igualmente applicadas ao Limpopo, ao
Save e a todos os ouros rios navegaveis que
correm na direceo da costa, das espheras por-
tuguezas na frica oriental e occidental, ex-
cepgo do Zambeze.
Art. XV. Portugal e a G. Bretanha obrigam-
se a facilitar as communica0;8 telegraphicas
as suas respectivas e-pheras de influencia.
As disposigOes do art. XIV referentes con-
struego de um camlobo de ferro partindo do
porto da Bera e dirigindo se para o interior,
sero igualmente applicaveis a todos os respei -
tos construego de urna linba telegraphica en-
tre a casta e a espb9ra de influencia britannica
situada ao sul do Zambeze. As questO.s qua se
suscitarem acerca dos pontos de partida e ter-
minago desta linha, ou outras secundarias,
quando nao poderem ser resol vidas de commum
accordo, sero decididas por arbitrsgera-de pe-
ritos e as condig0e3 proscriptas.
Portugal obriga se a manter o servigo telegra-
phico entre a costa e o Ru. Este servigo ser
aberto aos subd tos das duas potencias sem
qaalquer tratamento differencial.
Portugal e a Gr Bretanha obrigam se a ga-
rantir todas as facilidades necessarias para'a li-
gago das linhas telegraphic.s construidas na3
suas respectivas espheras.
As questOes acerca da igago e estabeleci
ment de tarifas de transito e outro* eucargos,
quando nao forem resolvidas de comma.n t
I
i


:

"1
":?


i


Diario de Peroambuco--Sexta-f eir 12 (ta Setcmbro de H90


''<
cordo, serio decididas pelaatnsirage de pe
ritos, as condijoes prescrtptas.
Art. XVI. Ai fuestoes nao essaesicadas no
artigos anteriores, qa* se snecitarasa eatoe os
dous governo* acerca desta coirsanco, ser*
submettidas 4 artitraasc
Art. XVII. 4 atesensa convenci aera ratifica
da. e as ratifteacOes serlo trocadas tai Londres,
a j mais curto preso poecnel.
Em testemonho de qat ot-aasptattfos stenipo
tenciarios assig oaram a psaasaaxacvtacao, e
Ihe paseram o sello das soas armae.
Feito em duplicado em Londres, aos SO das
do mes de Agosto do anno de Nosso St-un r Je
sus Christo de 1890- (L. S.) Barjona de
Freitas.
L ?e no fijar*, de Pars, a proposito desse
tratado : .. -
Portugal alcancou a realtsacio de um dos
seus desideratos: d'aqoi em diante, as suas
duas posses30es das costas occidental e oriental
do continente africano podero communicar pelo
canal do Zambexe.
E' isso om ponto capital e que constttue um
concessao imprtenle de lord Saliabury.
L te no Jornal dos Debates :
A mareosa iogleza unnime em approvar
a convenci anglo-portugueza, asaunada no
da *)-
Foram ja publicado os teus artigos e deve se
jreconbecer tjue, para, todo o espirito moarcial
esta convengia lera pouco por onde se Ihe pegue
para a critica.
So exame de um accordo. como este que aca-
ba do ser concluido entre a Gra Brelanba e
Portugal, nao se deve procurar em qoe ponto
as aspiracOes, os sonbos cbimencos ui-smo.
j se soliou esta palavra,foram iludidos ou
em que panto eertos poojectos se toruam irreali
saveis.
E' necessario mais depressa considerar quaes
foram as concessoes feitas e obtidas de um lado
e do oulro. Encarado debaixo deste peoto de
vista o accordo aoglo-poriugu z dos mais sa
tisfactorios, dos mais justos e faz a maior bcnra
a que o negociou e concloio, a lord Saltabury
como ao Sr. Barjona de Freitis.
Q jando no mez de Fevereiro, o mioistro de
Portugal tomn sobre si a pesada responsabili-
dada de reatar as negociaces no ponto em qoe
liona hcado depeis da inlimaco commiaatoria
dirigida pela loglaterra a Portugal, a si uiacao era
das mais delicadas.
SsUvam todos os tos cortados; foi preciso re
tomal-os am por um, lgales, e isto em ctrcum
stancias de urna gran e difficuldadc. A logia
trra, cujas ameac>s tinham produzido o seu tf
feito, e que tinha o campo livre no Alto Cbire,
ni i eslava nada disposia a tratar; ella linba,
peio contrario, todo o inters.' em deixar ir
as cousas e em invocar depois os factos consum
mados.
Mmta gen le em Londres penson qoe a sita
t ^ era. iuexlricavel e que o Foretgn Office nao
caaseatiria em fazer a menor concessao. Has
avia, comtudo, para a Inglaterra urna obngacao
mora 1 de tratar com Portugal, e o qae lord Sa
lisbury comprehendea logo
? Gra Bretanba, forte e poderosa, no poda
oio deva abasar da sua posbjo para esmagar
e bumilhar um paiz pequeo na verdade, mas
oda o patriotismo ardente e onde os espiritos
fciciUaet se exaltan).
As negociacOes foram, portento, recomecadas
cana o resultado que se sabe.
A ooaveaco regula a mais diflicil das tres
auasloas africanas, que lord Salisbury leve este
aoao. Portugal faz o'ella boa figura e alcanca
concescOes que tenam parecido imposeiveis, ha
alguos mezes.
Ha, pote, todo o motivo de esperar que o par
Vaawnto portugus ratificara' o accordo,. con
cluinio, grasas ao espirito conciliador de lord
Salisbury e ao lacto, habilidade e fertill
aade de recursos empr gados pelo Sr. Barjona
de Fruilas, qualidadea as quaes o Standard dVs
la raanha presla homen. gem, considerando as
como uaia preciosa garanta para o futuro.
Fallecer:: o depniado e "ugenheiro Lou
renco Malheiro ; o capnalisia coimbreuse Manoel
omingos Rioeiro a o Mrquez de Ficaibo ; o ti
algo Femando Leite; e o general reformado An-
tonia Mara C?morino.
Ue|ianhu
Alm-do cholera murbus, que lem fetlo mais
estragos na Heepaobay appareceu em Madrid a
epidemia de- varilas, que ja lem ceifado vidas.
s*ra*fa
Em Toulon liseraro se^no porfo experiencias
de aerostacao a borda da batera flicluaote a
implacable, arranjada especialmente para esse
Im.
Depois de ebeio o bateo, fes se a asceosao em
preseoca dos offlciaes, dos marir-beiros e dos as
pirantes.
O balao elevou-se a 4 020 metros, estando o
lempo utn pouco escuro. Eslava seguro.a.bordo
do implacable por um pequeo cabo metlico em
torno do qual eslava, enrolado um telephone
commumeando com o navio.
Fez Be a descida ao cabo de tres quartos de
hora.
INTERIOR
SUL DO BRAZIL
Pelo paquete Aconcagua, hontem
gadu do sul, tivemos as seguintes
che
noti
Eatado do Bio ranil do Sul
Datas at 30 de Agosto :
L se no Diario do Rio Grande, tran-
scripto de urna carta de Mout-video :
c O c >mmercio importador d'esta capi
tal est atravessandi urna grande crias,
por caus. das medidas tomadas coutra o
contrabando Da fronteira do Rio-Grande.
A casa La.vma.un & lieiner nao vende
boje 20 "/, d que venda a casa Gon-
ealez & <. acaboa com a casa que tinbta
em P*ri8 eicarregada. de comprar para o
nosso Rio Grande.
Alm deesas ha mais tra casas m crise
e quatro quebradas.
Tolas ellas fasiam negocio quasi exdu
enrmente com o Rio Grande e cujas mer
eadorias eram-abi introdusidas'por contra-
bando.
Gomo este tem, soffrido muito com ae
medida postas em execuyao ltimamente,
estas cssfls soffrem por sua parte nos seus
interesses, e at na sua existencia.
Imagine-se por isto a importancia dos
BSTvioos que ao nosso Rio Grande t n
prestado os Dra Roy BarboM, Ramiro
Boj-cellos e Menandro Perry.
O Dr, Ramiro Barcellos tem sido infla-
aivel, nSo cedendo a cousa nenhuma que
possa prejudioar a eBcaeia das medidas
tepressoras do contrabando.
"O commercio importador desse Estado
deve-Ihe immensos servicos. >
L se na mesma folha :
t As noticias qne recebemos da cam-
panos nao sao nada lisonjeiras, diz a Pa-
tria de Pelotas.
A mortandade de gado tem augmenta
do conaideravelmente com as ultimas ebu-
vas e geadas.
Diz mais um tpico da carta que temos
rea ente:
c A magreza nos anrmaes vacnos o-ca-
valiares extrema; se isto continuar, os
fasendeiros terao graves prejuiaos.
Basad* de Mata catbaria*
D.tas ai 29 do Agosto :
Sobre a commocio terrestre sentida, na
capital a 13 do passado diz o Joma/ do
Cimmercio, do Desterro.
c Pelas informacSea qus nos foram obse-
quiosamente transstissidaa de diversos pon-
tos deste Estado, podemos affinnar qne a
eommoclo terrestre sentida n'esta capital
na manha de 13 do correte, nao fui pro-
dusida por mamfestacio alguma volcnica.
O phenomeno, qne tronxe naturalmente
parte
m
DO
asn nao pssjssnt brea*! maior
da nosas papalaj**, doras a sua
simpssamsata aatrada de em
seio da asssaospswsa terrestre e a se* eb-
sequente axplosas.
O eaale aamnanicoshae alo si asente s
nossa i&a amo aisdt a diversos pontos de
continente. No ugar denomnalo Alferes
ou vio se um* grande enotscao o que nos
leva a crr quo a explosSo do meteoro
ier-se-hia produzido nZo longo d'ahi As
ondas sonoris propagaram-se at c refor
cadas pelos chos das mootsohas, assim
como as vibrayQes terrestres nascidas de
um to violento abalo.
Ha cero de 30 anuos qae tomos teste-
munbus da um desses almiraveia pheno-
meno csmicos. Era j no.t:, qusndo
sbitamente vio se o espaco invadido por
urna luz braoc e intensa, c .jos raios di-
vergiam de um blido que em rpida tra-
jectoria o cort .va. Logo em seguida urna
So* ssete Bcutn Enitnr- P*mam-
oase y.......si e <^*essl a Cmm-: e
da*:
t Teado Sr*. Jorge da CesU Fran-
co, Lees Aagusto de agalhise, t- 1>
Borges, Alfredo Prisco Barbosa s Sarao
de Mosquita obsse csaassle par* tmo-r-
poraresn o Baa* EsMMor Ae P*ruam
buco, com a eaaisssW de SO.OKhtK) >d.
mediante a clausula de effeetnar o em-
prestimo de que necessita aquelle estado,
foi declarado em effeito pe'o segii^te
despacho dado pelo Sr. ministro da fa
zonda em data de 4 do correte mes:
Ten lo-me communicado os coaces-
sionarios n';o poderem effeetnar o em
prestimo lg-do a esta o cesslo. c>mo
clausura fuu lamenta declaros decebi-
dos do direilo de incorporadlo do Banco
Emiasor de Peroambuco. >
3ob o titulo Engenhos rentrae de
Peroambuco escreveu a mestna folha
ln
recinr mesiee
cjuvierem
easas swvoiaateres
esssHlLtartos en iitqai
medonha explosao ouviose. O pnico fo* de 5 :
Keral, talvez nao tanto pelo facto como
pela prophecia unnunciada por aqaelles
das de que o muLdo ia em breve aca-
bar ae.
Nio deixa de ser, entretanto, um par
go para nos a exp'osSo e fragmeutaclo do
una destes astros minsculos colhidos pola
Terra em sua rbita, mas se porventura
nos dessem a escolher entre eltes e os
tremores de trra devidos a aceces volc:
nicas, nao hesitaramos um instante em
optar por aquelles, porque pouco extensa
a rea que e!ls podem damnificar; ao
pas8J que as ondas ssmicas, propagndo-
se a distanc as cons deraveis e dotadas de
grande amplitude, tragam quasi sensprd
em sua rpida p-issagem os mais desoa
dores quadros.
Fel amento, a regiio que habitamos pa-
rece, e julgar pelo passado, estar iseota
destas terriveis catastrophes, que to fre-
queutemente se reproduzem do lado do
ocano Pacific >. *
L se no Jo nal do Commercio de 26 :
c Hontem, quando diversas pessoas que
tinham assistido a missa de anniversano,
em intencao do pranteado cidado Jos
Joaquim Veiga, esperavam na igieja mar
tria deota capital que cessasse a chuva
torrencial que desabava acompanhada de
pedras, o inturior ctrass templo servio de
theitrc a urna oceurrensia desastrada e la
mentavel.
Foi o caso qne urna faisca elctrica que
em urna das torres dessa
precipi:ou se
gre)
do lado direito, escalndola e
penetrando na porta principal, fulminou ao
menor Frederico Poli, de nove annos, que
tora tambem assistir referida missa, a
raadado de seu pai, o italiano Jacomo
Poli, conractante da conBtrnc;ao do asylo
de alienados, e que se achava encostado a
porta, vista nSo querer, por sua ves, ex
per se chuva.
Entretanto, a providencia houve por
bem de evitar as proporjSes ainda mais
lamentaveis e desastradas que a precipita
efio dessa faisca, ou faiscas, podena deter-
minar, visto que a deolaracftj desse phe-
nomeno occjrrendo a poucos passop de
distancia, das passoaa qne se achavam ns
eneje e que con*tav*m das familias do
Iludido finado e do cidadao Fabio Anto-
nio de Faria e do nosso f.migo Lyo Bar
bus:, e urna das suas irmas, a. nenhuma
d'ellas, felizmente, attingio nem offeodeu.
O cidado Lydio Barbosa aohava-se en
tao tSo approximado do menor Frederico
Poli que este, quando foifnlmiuado, oahio a
seus ps, e se ease nosso referido amig i
experimentou um fbrtirsimo abalo e o em-
bate de urna poroao de areia e barro lau-
cado dos locaes das paredes onde a faisca
attingio e que se estendera pelo assoalho
at ao altar-mr, nSo soffreu comtudo ne-
nhuma contusao.
A faisca causou estr.-gos na torre c as
paredes e portas da frente e lateraes da
igreja. >
Noticia A Voz, da Laguna:
c Sepulton.se em um dos -iias do msz
paeeado, na freguesia da Jagu.runs, neste
municipio, JoXo Teixeira Fernandos, com
a idade de 105 anuos.
Deixou 10 filhos, 47 netos, 32 bisnetos
e 5 tataranetos.
Sucumbi, na capital, D. Luisa Mara
Jacquea,.respeitavei pngenitora da nume-
rosa familia Jacques
EeS*d* de tjii
Datas at W de Agosto :
L-ee na Gazeta Ooyana :
c Em Crixs nao ha mais agua. Os
ros alli ou esto seceos ou cortados. As
poucas cacimbas abertasestao secoando a
olhos vistos w-
< E' horrivel! As poputaces estao
inmigrando para os pontos em qus exis-
ten! rio3, brejos ou lagc -.s.
-Oom o xodo que se est operando
as rocas serSo abandonadas, devendo se
seguir naturalmente a fume, a miseria e
o extermisio de urna populadlo digna di
methor sorte. >
Com o titulo Norte do Estado l-se na*
mesma f jlha :
e As-cartas que do norte temos rece
bido pintam com cores negras' a> desolada
situacto da popu'acSes que esto sendo
dizimadas por fsbres de meo oaraoter
Sem os recursos da medicina, sem que
possam eneoatrar-remedos, ae viot mas,
s centenas, presas da epidemia e da
fome, perecem depois de urna agona lenta
e doloroso.
E' neeesssrio que o governo tome
urna providencia n?ase sentido, de levar
lenitivo a tantos desgrajsdd*e arrancar
das garras da morte a tantos cidadaos
cuja vid i nos ilovo ser muito cara. >
L se na Oazeta Qoyana de 16 do
passado :
c O tenente Eduardo Arthur Scrates,
ajudaute da commissao da linha talegra
phiea, seguio a 11 para o arraiai da Bio-
Claro, afim de proceder ao reconheeimen-
to expedido das duas estradas que ligam
esie ponto capital, a&m de habilitar o
cheieda mencionada oommie** escolhr.
da mais conveniente construccjto do tro-
cho da linha teiegraph.ca, que tem de
unir esees tious pontos.
Verificar- taso bem quaes os trsbalhisa
cxecutHria se para melheramento deesas
estradas, os recursos quo apresentam
c Mais urna concessao importante p a tiaasformaclo da industria assucareirs
acaba de ser feita pelo ministerio da agri-
cultura. Por decreto n. 704 de 30 de
Agosto ultimo obteve o engeoheiro Ao
tonio Fialho, ou a companhia que orga-
nisir, garanta do juro de 6 (, sobre o
capital de 6,500:J00|5 para fuodaco de
nove engenhos eentraes n> estado de
Peroambuco.
< A garanta perdurar por 25 annos,
sendo de 750:000:) o mximo capiUl de
cada urna das fabricas, salvo urna a que
ee far t&o somonte applicavel a garanta
sobre UO: .000. Oito das faoricas pode
r3o ser apparalhadas para trabwhar pelo
processo d* d.ffusSo 250 toneladas de
canoa por da, durante a safra calculada
em cem das, e a do capital de 500:00 0
ter capacidade para trabalhar diaria
mente 1)0 tonel adae.
S;r construida urna fabrica rm cada
um dos municipios de Agua Preta, Escala,
Vctor a, Jaboatao, Gemelleira, Barreiros
Rio Formoso, Goyanna e Palmar s.
t Para inaugurafao das obras ser3o
divididos os engentaos em tres grupos,
devendo effectaar sa a das obras do pr -
meiro dentro de 24 mezes, do segundo
dentro da 36 e do terceiro dentro de 48
meses*
e O- eoncessionsrio, ou a> companhia,
ser responsavel pelo effctivo foro- c-
ment da materia p ima contractad -, sob
pena de ser suspensa a garanta, a nao
elevar-se o meemo fornecimento pelo me-
nos metade da. sua imporuncia toral,
isto : a 12,500 touetatlas por safra para
cada um dos engenhos de maior typo e a
7,500 para a fabrica de typo menor.
Para estabeleciment de ncleos co
loniaes destinados a aupprir de canoa os
engenhos eentraes, sarao < utorgados ao
c'Hieessi .oario os favores do decreto n.
528 de 28 de Junho ultimo
< Nao ha rauitos das registramos va
liosa concessao de engenhos centiaes, re
validada a favor de Haupt & C. e vario*
uutras concesa5e*anlogas tem sid ulti
mmente decretadas para diverajs estados
por virtude do acto recente que elevou de
30 para 6J,OOO:OO0 o eapital que, efecti-
vamente empregado em- tues favores, pod
r auxiliado, me liante garanta de i ir >s.
Taes 3ooC3Ssd*3S ten sid subordina
das ao rgimen do decreto n. 10,393 de 9
de Outubro de 1889, quo nao s elevou
de 15 para 25 annos o pfa>> da garanta
mas constituio capital de movipaento para
o custeio das fabricas, deduzilo da total
importancia garantida, e por outras dife-
rentes disposioSes ampliou os favores at
entilo outorgados s empresas de tal ge
noro, facilitando-lhes a crganisaoSo e por
tal mjio proporciouando industria asSu
careira seguro meio do adiantar a obra da
radical transtormacao do que notoriamente
necessita.
No da 6 ccrescentou a citada folha:
O engenho central) a que hontem nos
referimos, conced o ao bacharel Bento
Jos da Custa, medante garanta do juro
ae 6 "(, sobre o capital mximo de res
75 l:0M}, ser situado no municipio de
Ipoj ica, do EitauV de Pernambuw, e,
apparelhado pira applica,ao do methodo
da diffusao, dever ter capacidade pera,
pelo mnimum, trabalhar diariamente 25l'
toneladas d canna durante a safra calcu-
lada em 100 das.
< O concesionario, ou a ompanbia que
organisar, ser responsavel, not terraOs
do decreto n. 710 de 2 do correte, pela
tffoctividade do supprimento da materia
prime- contractida, sob pena de ser suepen
dida a garanta ds juros a dar-se, que o
mesmo supprimento nSo atti.ija metad da
impertaacia total, isto : a 12,500 tone
ladas por safra, s-lv > caso de forca maior
comprovido e reconhecido'a jnizo- de g
verno.
Ipojuca um dos municipios assuc
rf.iros de Pornembac de mais activa pro-
due.ao, havead') sido dos prinreiros onde,
ha mais de 3) annos, fram' intfoduzidos
na fabricaoao do assucar apparelhos me
vidos por vupir e dos- mais aperfeijoadis
entao om us. Contam-se all numerosos
rugen aos de assUcar; goza do as suSs
terra de boa tama pela aptidao com que
se preetass cultura- da canoa.
Veio juntar-se esta a1 mUit .s oulrs
co.icvseSes anlogas que, teado por theatro
de opera^ds o Eitacto de PernambucO,
baodesem davida contribuir ef&sazoiente
para a-tri.n-f*riiraoao da indo.tria prepon
dernte niquclla pirtc do Brasil par:a
qual ha alli de sjbejo elemeitos n-itu-
raes. >
Bst*do da Babia
Sao destituidas de interesse as noticias
deste Estado.
REVISTA DIARIA
Oflcsea gvermtdor do Estado expiedlo
os se?uinie!:
i" seecA-j -Palacio do governo do Eslado
ue Peroambaco, em 11 oVSetarbTO de 1S90
o teeoo ?e: crrenle, em qu represetitsis cont a o proced
ment da \igario pudre Jo Prancrseo di St'va
Bo:>;etf, o auri, nos tormos i: voseo communi
caco, im cnostantes stenrroea eleiloraes- pila
freguem sob sua admmislracio eclesiestica.
em f*11,r pagawda contra o governo, que elle clas-
'silicii uu' i ni migo da repblica e proles
seu testscM s proximidadas para os mis, ,g s,,gun0 cor.,.f nio c.asentir, ainsn oom sa
crrffcio d;' v.da que se proced, a eletfao naa
r ip-HIa e rit'ites de sua jurisdirg&a.
teres di jommisoio.
0rg.ir.i*3r planta das duas estradas,
na eacila de urna por cincoenta
mil fa-: Declaio vos, como mais prompta sotseSo,
l i r hiII ifinnrilivlii i-ULilie nn neA ^Allln
_'aue. se o'iireile sacerdote iasistir no prsosito
ttsdoa aeompaabar da mamona, com .^ ^^r diflculdadcs ao governo, cumpreao-
todc.s us observacS s necessarias.
Capital Federal
Datas at 6 de Setembro :
de causar
pr; si'ieute da Intendencia municipal desse ter
idj indicar novos edificios para o processo e.ei-
i toral de 15 do corrente, podendo a sua desi-
Sslee Tratersde.{Aesint4o) Ba
roVsV LuanaAo mi nmoiolpal o teraro de
fflssaaWlwu
-4fut"t-s mutaudis i ntendeosio muntt pal
Js^smi Jardim mtufi o ttiesmo smasete em
rusas t ao sju ff&'m d*> fll.
fhramotur puosMca-Por so'Urisngo
vrTHHds, uo E-ituiio de m lo ronenip M exu-
n>Teio, u pedido, o promi tor publico a coruar
cade Triumpho, ba:harel Jos Igna:io da Cunha
Rbfilo.
Bleieaa de coafrarla -Hije, -s 4 l/
horas lia larde, .lo.vein reunir-se o irmandade ^'o Senhor dos Paaso^, no respectivo
coDsistuno .lo Corpa Sanio, para o liin te pr.ice-
Jerem fl* gao dos seus novo* func iuu sno-
pa"M o a no ompro osal de 1891.
ternaesaePor nao ter sido possivel en
tr^gir, nos Uias|7 e 8 Jo correnie, lodas as pren
das orteadas no Bazar de Caridade. por occaaio
da k rmesse havida no largo do Arsenal d^
Guerra, ero he ieli:io do hospital de Smta tu
da e das viuvas pobres da idade, reuova-se
depois ite amanha, 14 do corrente, essj fete
c m lodo o b ilb > dos das anteriores, terrai
uando i'om om leilio das prendas nao pro tura
das e de objsctos oflsrecidos pelo^ b.irr^qu-'iriis
em beneficio Jas pessoas e instituto a ima in
dicados.
A fSStS, que cornegar s 4 horas da tarde ter
minan as 9 horas da noite. 0 iaro i-siar em-
baudeirado e sera illuminado a biro- de gas e a
luz elctrica. Tocardo diversas bandas de mU
sica.
-era urna nella Ruta, ebeia de attrac ivos at,
porque via Hns altamente humanitarios.
OfTert* k serosa-A agencia g-*ral do Ir.
Tlieoiiure Jusl, estaoel ci >a ao largo do Corpo
Santo n 2, brindon oittem o Basar da Oartdaa*
com 80 premios de valor superior a mil res cada
um d'elles.
A commissao do trazar espera agenciar ottres
donativos at domingo, para enriquecer a expo
sicio que rejara p ra a tarde d'es-e lia, os su-
graudj barraca qu^fkou de p n i largo do Ar
seal de Guerra.
Paquetes nreajl-'tro* Segundo ai-so-
telfgr.iptticO r. c -o los pelo agriiln d > L'oyl &ra
zileiro n-st.- Alado, O paquete Alagas KSteVi
hontem da P^raby^a. pelo qu- dev-- chgar li ije
a Pe namburn. m t utn 40 .>je mesm>>para o ?ul.
e o paquete Espirito Stnto, t.-ndo sah I > do Rio
ie Janeiro a to lo Brrente, eve tocar en Per
oaiiinu-o no da 17.
Muale de toccoiro -Poi rinsfendo pira
Odiaifiuo corrente Dsez o leilm i.- iotas qM
devia eff ctuar se Donfera no M.int.- de So \ ori-r.
Caeansento oj vil -Em ao li -n do ju z
tos casamento- foram iionam ap-egoados DSJBB
gumles proclamas :
Priineiro D Lvncio Mixiimaoo dos Santo,
soldado do corpa de p Hiela, con Virgolma Illiada
dos Saoios, morador.-.; em S. Ja- e solletres.
demD.i Joo Pedro das Neves corn U. Anrta
Stqueiloa das Heves, moradores na freguezia do
Recife e solteiros.
Segunda U J -( I! i/. I i Slva com Ilalina
Virginia de "arralbo Franca, moradores em P050
da Panella e solteiros.
fiera De RobeitoParaizo dosS-intos. cabo da
Comparthiade B.imivinn, viuvo iom Amelia Pe-
reira dos Santo?, soiteira, moradores em Santo
Antonio.
demD Minoel doBoatflin, morador na B'a-
Visla, com Francisca B nta de Olivelra, morado
ra no Collegio daSOroUas, em Oltuda, ? ilteiros
Congresso I.itC.-rario Sul America
noE.i: ses-ao'exiraorlinaria buccions boje as
1 horas da lar le eS3a sooiedade, p.ira proceder
eleicAo definitiva da sua directora
Club rdr* 9. doa -Com as i-tencia de 40 socios, funo
cioojo nontcm ess-; c'ab, deliberando n'essa ses
ao aceitar a chapa ofli :ial do p;.ri'do republica-
no, com a excliiao do cantidato D' Lui7.de Ai
drate. xubstiluinii.) op lo Dr. Ji.qunn N.b.ic .
E-ia exoiusj) "o; ueterrama la pela sorte. 1
que procedeu se pira ter lugar a mclu-fo do
cao adato do club.
Wervico militarE' hoja su1- i 1 do da
o cidadao" raarjor do 2o batlbad. e faz a ron/a
de vi3tta ociitadao tenente Attlayde.
O 2- balalhao dar a guar-iigao da cidade
menas a guarda Ue palacio, que dada pela bd
feria de artilharla.
FeaUvIdade r'eTiKloSa -Celebra se, 11 .
prxima domingo fldo corrente, a tradiccional
festa de Njssa Ssnbora do Livramento, em snft
igreja deat'i cidade ; e conslarA de vsperas So
lemnes no sabbado, missa na madrugada db re-
terida domingo, e pelas 10 oras e. me.a Torca,
missa solemne com sCrmao ao Evangelhu pelo
Revm. arcediago Dr. Luis Fransiseo de Arauio,
Reioura logo depois da missa da festa, e Te
De.'in, preceden lo sefmao pelo Revm. Frei Ari
gusto da Immaculad Cinceigao Alves.
A orebestra, sob a direceo d hbil pr<..fes
sor Jao Ply^ir.io Soire9 Rosas, execot ira as
Vesperas e a missa grande do maestro Santo"!
Piolo, o Credo do maestro Toma3so Canes??, e
finalmente o Te Dettm grande de Lim 1.
Ein todos os ac(03 tocar\ urna bin 11 m li-
tar.
duno Esse novo pa jucte, pertenecnte
Companhia ae NavegacAo Norte Sul, sabio no
dia 1 do corrente pela manb de Inglaterra com
destino ao Rio de Jineiro.
Nesl'vlageto deve tocar neste no=ao frorto
por escala, conforme lelegramma.
Ktvue aud-AenerlealaeRoceb-mos o
n. 267 de 24 de Agosto ultimo, cojos es riptos
constam do seguate summario :
Negocios argentinos. A circular do banco
russo e francez soare osacontecimenios de Buu
nos-Ayres e o programla do novo presidente
a Repblica Argentina.Projecto de uaifkacSo
dos regulimeolos das Alfandegas e de creacao
de ama agencia de oformages co.mmerciaes
dos paizes -inericanos em Washington Com
pacba franceza dss camiabos de ferro argenti-
nos.Companhia francesa dos caminb js de fer-
ro de Sinta F.Correio da America Revista
econoiniea.R'vistaliaaneeira.As ultimas no
ticias.-Annaocios, ste.
Eurnona f/*eMld*de -Segn lo 11 j'i-
ciou o Jarnel de Commercio, de 4 do corrente, o
Sr. ministro da instrucc&o publica reeolveu qde
fetsetn admittidos os alumnos Ja facultase de
direito de>ta cidade de Recife aos examesv para
os quaes se haviam- inscripto em Fevereiro'e
Margo do corrente auno, sem prejaizo dos exd-
mes doannos immediatos, qoe poderSo-tatri-
bem prestar
Cunee, tu -No sabbado proxkno faz o pre-
feseor Jorge Vctor Jnior um concert vocal e
instrumental nos salces do Club Internacional,
as 8 horas da noite.
B> e.-te o seu programma :
Primeira parte.F. Cbopin. Scherzo op. 3<,
J. Vctor. Meyerbeer, Pardon de Ploermet, ro-
mance de baryleooG. Comolelti. Solo de flao-
taOandiOo Pilbo. T. Mertei. Eigensinnig ro
manee de 'soprano Me; L. Medeiros. Walla-
c-, grande poMr deconceno (2*)J. Vistor.
Segunda parte.D. Mirco. VariacOea-sobre
um caoio venezianoMi Bandeira Filfto. P.
Tosli Memoiresd'AaonrG Comolelti. Solo
le violino.:\ ^salino de-Mello. E. Dorand,
Cimme- vnigtaas melodaMme. L. M deros.
G. Piern. Fantaisie-ballet, dous pianosAm-
roBarretoe Jirg. Vctor.
sssslMatSBMBn**--No dia 4 do corrente fal
ieceu o ciasao .AUr;u Roseado Santiago, contra
mestre das oflkinas de sapstaria ds fabrica de
Braga e S
Sobre 0's u-fretro foi, por seas coiapanbei
ros, collocadauma rica- cora de violeta e amor
perfoito, articiaes.
Era o fallecido ura homem honesto e Irabs-
Ibador
Repe turio de Medicina Dosisnesrl
Recebemos de-Panz, onde se publica, o nu
mero de Agosto dessa revista,que traz p)r sus-
mario:
Chronique, par le docteur Rousseau Ce qui
ci!)|:hc las mdecinen renode faire de la
'dosimirie.. lulroduttion des mdicaments do-
siuitriques dans les lablissemeuis de bienfa-
sance. E-icor^ la chiru-gie d'atrtrefois el la cbi-
rurgie d'aujourd'hoi. Deantaionie': La grande
prface de- Dujmdia-Beasnoetz; Forroalatre de
tneiapeu'iqoe applique. De la- jugulalioo des
maladiee-. iufeeiienses. Le*-maladies dtphterii-
ques eo ItaUe< LrUre do dooteur.. Kricb sor le
cDolAra ea Essaejae. Toajours les alcaloide e
la dosimtrir, par le doeteur Bourdoa. Eludes
cliniques: Hvre permciease (auito), per le do-
cteur Govrd; FtMs clioiques. Lettres d'AM
magne. Correspondance. Intrts profession-
nels. Variets. Bibliog spbie.
Mabre ama nova tatalca* do dlr toSob este titulo e intelligente academ co
Prado Smnaale. e.ssidoo c illseorsdor do Jor
nal do eflr>, peoticou, em 2* edfcao, orna cri
te losa ssonograaeia sobre o esptalo das
QuesiOe Ttevnles do Dr Toblae Ba-reto que tea
a mesis efigrapae.
Grat is pete dehesdesa da offerta concitamos o
talectof 1 wsr^ipaoo a proseguir na senda que
Ido vaniaii>*ftm*ntii vai tiilhaodo.
Ordedt sm Noesna aestara de car
mu 10 fe *#!Depois a'amauna, comiogo
14 10 correte, pelas 4 horas da larde, tem lu-
gar a b 'ic.'io sol-mae das imagens da cipelia
mor dessa 0) dem, a qual re ai-ha ricamente
preparada, gracas aos esforcos da respectiva
mesa regedora du corrente anuo
Toce rio depois do acto diversas bandas de
msicas marciaes.
a'.- demats ordena religiosas, contrarias e ir
maodades sol -.ita aquella mesa que mandem
dar repiques em suas respectivas Igrej ts n > o-
cas'o em que fOr celebrado o mesmo acto, que
sera aiauneiado po- u na solva ue l tiros.
. ompauhada com multas girndolas de f.-gu-
les.
a* aaao de direito Boje s 11 horas do
dia, na sala 06* auno da P..uldada de D.reito.
devem reuoir se os lumnos do 5 anno aflin de
iratarem de assumpto que o interessa.
Vocciaa publica Hjniem na inspeelo
na de bygieae loram va -cinad-is 6 pessoas.
Occoparam se n'ess.: servico o Dr. inspector
e seu ajudante.
nmilii 10 Vaccinieo Municipal -Pelos
Drs. direciure seu substituto auxiliar vacci
naram-se hootem nesse instituto 86 pessoas.com
iy 1 pba t rada directamente de urna vltella de 6
11 ezes.
No mesmo instituto foram distribuidos 32 tu-
bosdelympha vacciniea animal.
Vaciiiaco tlireoa Teve lugar I1011
tem oa sede jo lustitu o Vaccinieo Municipal a
5a sessao d3 vaccinago publica com lyrapha ex
trali d i directamente de ama vit-iia de 6 mezes
de uade, offerecida para ease servico pelo Dr.
Pe etti.
As postulas vaccneas se arhivam em perfei-
to desenvolvimeuto. foroe.cendo I y 11 ola asan-
te para vaiTin.iQao de 8i pessoas: sendo o maior
numero de vadinados criancas.
Assiadirara ao servigo diversas cncos de-11
capital e uutras pes-oa- interessadas; s.odo dis
tribuido grande numero de tubos com a referida
ly.upba e a restante recolbida para o servico do
in ii" I ,-: !u >.
Foi ole strvico feito pelos Drs. Bastos de Ol
reir a Vieira da Cuohi, dire.-ior e substituto
do referido Instituto.
Tribunal d* durr do MeclfeHin-
te, u lu suOmettido a julgamento u'esle Triounal
o leo MaiL.il Machado da Silva, pronunciado pelo
Dr. J laquim da Costa Ribeiro, juiz lie direim do
t. dislnclo, como imurso no sn. 201 do c&digo
criminal e aceusado como autor dos fermentos
que no da 19 de Agosto do anno passado, De
ra do Torres da freguezia do Recife, soffreu Ma-
nuel Bo f co do Nascimento.
A's 11 lloras da manh, presentes 37 juizes de
fCtO, foi abe-la a se-so sob a preside cia do
referido Dr. juiz de direito, oceupaodo a tribu
na da aecusago o Or, Joo Evangelista da Frota
Vasooncelloo, z.' promotor publico.
Foram sorteados para compor o conseibo de
sentenca os seguintes juizes de facto :
Jos Cavalcaote Ribeiro da Sirva-.
Amonto Pereira Bas'O?.
Antonio Gomes Leal.
Antonio Ferreira de 'arvalho.
Antonio Leonardo Menezes d'Amorim.
Jos Manaooo de Barros avalcanle.
Trajano Altpio de Carvalho Mondonga.
Joao Carnei.-o da Silva Reg.
Francisco L ero da Silva Coss.
Ur. Antouto Vilruvio Pinto Bande.ra Aceoy de
Vasconeellos.
Ant mo da Silva Faria.
Fraen o de Paula Marques D iusio aiief.t-i o acadmico Joao Pacifi n
Ferreira ios Santos e de acord w as deci-
rOe- 00 ju y. qoe negou p n 6 votos a autora do
ii hetp. foi u reo a 'sol'M-j a coo'leiunadaa tu
ten ieD;ia i.a- -usas.
Termmou o julgamento i hora da tarde, (i
cando adiada a sess&o para hoje as 10 horas.
Oireetorl* das osrsi *e cuntert. -
o d,> eerioee PernaoSnceRe
, 10 de Balasete de 1890.
Boletun meteorolgico
Antonio Berna-do de Olivelra, Carmelo Goa-
calves AJvares. Le Buzec Marle Prancois, Jeaa
Blanchad e George Josepb.
beiidea -Eflecioar-se hao os seguintes :
Hoje :
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, a travesea
do Corpo Santo n. 17, de urna casa em Fernaa-
de* Vieira.
Pelo agiote Pinto, s li 1/2 horas, ruada
Bom J sus n. 49, de saceos com arroz, movis,
louc-is e vidros.
Prlo agente Alfredo Guimares, s 11 boraj,
ra do Boro Jess n. 44 de fazeodas avana-
das.
Amanb :
Pelo gente Siiveira s 11 horas, rna Bs-
tr iu do Rosario 0. 8. de predios e terr/oos.
Helo agente Goxrao, as II horas, a roa Mr-
quez de 0 in M 11 56. de mojil.as de Jacaranda,
muuos ootros objectos, ai>Dd<'zas, puiseiras,
^rochis, etc.
Pelo agente Bruo, s 10 1/2 horas, ra de
Padre Floriano u 41, da armago e mais pertea-
cas oa taverne ni ..xtat-iite.
aisaea fueHibrea-Serao celebrabas :
H je:
A s 7 horas, no convento do Carmo, pela alma
de. D *nna Pessoa de FisueirOa Faria.
Amaobi :
A's 8 horas, na igreja do E-pirilo Santo, pela
alma de Rudolpho Olyupio Gued -s de L-icerda ;
.-< 8 noras, no convenio de S. Francisco, pela al-
ma do ba -tiaret Joaqui n Guennes da Silva Mel-
lo ; as 8 oras, na igreja de t. Goncalo, pela
alma de D Leopoldina de Ba ros Campello ; s
7 e 1|2 horas, na igreja da Madre de Deus. pela
alma de D Mara Clementioa Campos ; s 8 ho-
ras, oa matriz da Boa Vista, pela alma de Nono
Guedes Pereira.
Hospital de Santa gueda-O movi-
raenio d<-ste estaot lecimento (para variolosos)
do da 10 de Setembro, foi o segointe:
Exiliara 278
tintraraui 7
Falleceram ti
Exist in 277
17
20
3
488
enfermaras
Hon. itai Pedro II0 movimento deste
e.-i-.bc-lec memo d<-. candade, dn dia 9 de Seters-
oro foi o seguiole :
Entra rara
Sa iiraui
Falleceram
Existem
Foram visitadas as respectivas
pelos Drs. :
o-(os 1 s 8.
M-ath-us Vazs 9 If.
Cysneiro s 10.
Fer. eir Velloso s 9 i|2.
Birardo s H.
Maluquias s 10 i4
Hay mundo Baudeiras9 l\\.
EstevSo Casakante ? 8 l|4.
Sinoeg arbosa as 9 1|2.
O OiroVgisV dentista iVuinaPompilio s 8 1|2
Horas.
u paarmaceutico enlrou s 9 1)4 horas da ma-
nila e sabio s 2 da ta rde.
0 i-ajudante do pliarma-eutico entrou s 7l|l
da inanb e s.hto s 6 11 tarde.
( i' dito entrou s 0 l|2 da manh e sahioi
6 da taro-
L,oi riu do tintado de Pernambnee
A 19* serie da 1* loieria Oeste Estado, ber ex-
trahida impreterivelaiente no dia 23 deSelembrt
yterga feira), 1 hora da larde no consistorio da
igreja de Nossa Senhora da Rosario, de Santa
Antonio.
oi4-rla do Estado do firam-Par
A 3* serie da 42* loteria cujo premio gran-
de de 60:OOM000 sera extrahida amanb 13 de
Setembro (sabbado).
Luiertit do aranbao A 3" serie
da lotera deste Estado, cujo premio randa
de 300:iHW;000, sera extrai-la no dia 24 de
Setembro fraarta fe:, a)
CMMUNICADOS
llora?'
8 m.i
9
t
3 t'.
6
8 si 3
l
Barmetro J-*
__________t______
a

a
23.o;
as',4
26\2,
25',0,
762-04
763-11
762-11
761-02
761-31
18.17,
19.04'
18,73
17,81
17,22
91
91
76
77
0
_
Temperatura mximaS6,p50.
ii'a minim-aW.K
vaporacn *,ii V horas : a sombra2*,4
;,iuta -x,9.
Dtrecy; do vento : SE s 6. 9 e 12 b iras da
manila-, ESE 3 3 horas e SSE s 6 horas da
tarde.
Velodaade media do veflto-3 -03 p'r **
NebWosidade media0.-5S.
Holetim do porto
...... ^1 _____-_'
II
r 3 a 1
I
L'ttS'
aorae
JAiitir.
MB'10 de Setembr 829 da manh
M i 2 -32 da tarde
M. 8-44.
MI'11 de Setembr: 247 da maoha
I
Q-,59
2 -.02
0-.72
-,13
intendencia MiMilcipul do BecITe -
Rendmeato do dia 10 de Setenr-
bro
Seldb do dia* anterior
Dependen-se no dt 10
Em poder do procurador
No Bafteo Sul Americano
806/430
24:391*35
28:197*780
90#99i
\oTmJm
6:106*786
19:000*000
25:106*786
Coa* de Detenfio -Movimento dos pre-
sos da Casa de Detenco do Recife. Estado de
Peroambuco, em 10 de SetembrdT tetNOT
Existiam 502, entraram 15, es**,- eill
tem 511.
A saber: ~ o
Nacionae8 47a, marbetes 8; estrangeirf 28.
-Total 511
Arracoado 417
3ona 409
Doentea 16.
Loncos 2
-Total 427.
Morneuto o* enfermarte
Teve b-iixa:
Antonio Vieira da RUCbS.
raaeaa-eiroer1-Crngados da Boropa no va-
por ingles JossWeaa t
Archibald Oito Charles Fell, Alice Ehzabelb
Mary Fell. Elisa Fell, Thomaz Roberto Fenton,
Thomaz Carr, Thomsz Henbow, PBilips Frank
Danner, Joseph Aborlanage, Michael Klail, Car-
los Augusto Maiae sua seobora, Antonio Ricar
do Matheus Ferreira, Joanoa Mara Ferreira, Pe-
dro Marinbo, Mana Mrinho e Olympla Marioho,
Epiphanio Goocalves da Silva e Gregorio Gomes
Maia.
Sabidos para o sul no mesmo vaper :
Jos Joaquim da Costa Maia, Antonio Jos
Guimares Jnior, Antonio Carlos Palbare; Ma-
ra Amalia Amado, M.' Beck e Gasuo de-Poli.
Chegados do sul no' vapor ingles Aconcar
gui :
Adriano MuUier. Francisco Tavares d Aqu
no, Laura J1 Silva, Dalila Ferreira el fllhe,
Virginio Manoel Mnria suaaena*r*-e8 Whos.
Sahidos para a Europa no mesmo vapor :
Joo Fernandes Barros, Mr. George Wiodsor,
Umbelino Das e Francisco Jooe.
Sabidos para o. norte no vaiof americano
Ftsaace:
Dr. Amonio Carlos de Amada Bettria, ana se-
nhora. t filhos e 1 criada, Mme. George Nind.
Sahidos para o sol no vapor francez Cor
doba:
Ponto final
Ora, gracas a Dos I 0 Jornal do Refcoa-
cluio. afina!, o estafado iocidnt, em que raelhor
(8KI nose ter enrolvido
Gemerara os prelos, publicaran] se estirados
artigo.', immensos cartazes, andou em jogo um
pdnhado de nomes proprioi, mas, em ultima ana-
lyse, fijaram de p todas as nossasasseveragoes.
Nio valia a pena taato desperdicia para lo pouct
resultado.
E o Ilustre orgo opposictonisla, concluindt,
retirou se da arena com uos ares e urnas baso-
as de quem tlnha feito bi lisura... Qje faca
muito bom proveitb ao con'.emporaneo cesa docs
illuso em que finge estar. Desde que nada mais
temo3 a responder, n&o ter mos a crueldade de
tiral o do ledo engao d'alma ern que parece ex-
tasiar se.
Com relico ao nosso desinleresse e indepen-
dencia comprebendemos que nao resta ao Joras!
diftec-fe outro recurso senSj ogrypho. aa ausea-
cia de um fado qualquer. Quem escreve estas
linhas nunca andou saltando de um' partido para
outro, nunca audoo e^corregando de junto de
urna para junio de ootra admiuistrago, nunca
tirn o mais leve proveilo da poltica nem para
si nem para os seus, nunca negociou com as po-
sices em que se tem adiado e cm o ir.siigio
que ellas Ihes t em dado. A' b <;<.'/ idla
E ahi fica o ponto fioal.
fjggesi
Elei^o
No dia 15 do corrento proceder se-ha
em todo o Estado a leicXo dos represen-
tantes ao congress), que dever reunir aa
em 15 de Noveaibro vindouro, na Capital
Federal.
E' de esperar que todos os cidadss,
tend cm vista o grandioso fira dessa
eleigao, que vem trazer nos a consolidocaa
da nova raima de governa, concrm" as
utrfe,- dando assim mais urna prova da
patrrotismo que Ihes recjnhecido e qua
tanto os distingue.
A chapa dos candidatos, e que consulta
todos os matizes polticos, a seguinte a
parafeflu pedimos o'towenrso de todos os
Para senadores
MarechalJos Semeao de Oliveira.
Capitao tenente Frederico Gailhermu a
Sonsa Serrano.
Dr. Jos Hyg no Duarte Pereira.
Para depuutdos
Major Dr. Vicente Antonio do Espirita
Santo.
Major Dr. Joao de Siqueira Cavalcante.
Dr. Joaquim Jos de Almeiia Pernam-
buco.
Dr. Annibal Falcao.
De Raymando Bandeira.
Luis de Andrade.
Bellarmino Carneiro.
Dr. Antonio Alves Pereira de Lyra.
Dt. Jos Marianno Carneiro da Cunha.
Dr. Andr Cavalcante de Albuq 1 erque.
Dr. Jos Nicolao Tlentiao de Carvalho.
Dr. Jos Vicenta Meira ds Vasconeellos.
Dr. Joao Juveucio Ferreira de Aguiar.
Dr. Joao Barbalho Uch > Cavalcante.
Conselheiro Francisco d Assis Rosa e
Silva.
Conselheiro Antonio Goncalves Ferreira.
I Dr. J080 Vieira de Aranjo.
&
'





,-.;
;-- '"'?


'"/ ? -/. ;" ,;,
*p


w.*.'T**';**\^y"~' l*>~-' --.**' ?-^5S5E^SS';lK!tt-*-"- **<
Diario de Pernambuco--Sexia-feira 12 de Setembro de
IHDICACOES OTIS
lieos
O Dr. Simplicio MavignUr. Clnica me
dico cirargica. Especialidades : molestias
oimouares e partos. Ra Marques de
Olinda b. 27, 1. andar, consultas das 11
as 2 horas e na Casa Forte (Pooo da Pa-
nella) das 6 s 9 da mana* tarde.
Chamados por esorpto. Telephone n. 392.
O Dr. Lobo Motete- d consalta ero
aua casa roa da Gloria n. 39, das 10
horas da manhl 4 1 da tarde. Aohando-
ee fra do servico publico offerece se para
acudir a qualquer chamado com prompti-
o para fora da cidade. Espeeialidade :
operacSes, partos e molestias de senhoras
e de meninos.
Dr. Matheus Voz, medico. Consulto-
rio : raa do Imperador n 42, 1. andar.
Consultas das 12 s 2 horas da tarde.
Residencia, ra do Pires n. 27. Encar-
rega-se do tratamento das molestias de
olttos.
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio roa Nova n 32, onde pode ser en
contrado do meio dia as 2 horas e fora
destas horas ra do Bario de S. Borj;
n 22. Espe vialidadesmolestia de crian
L, senhoras e parto. Telephooe n. 326
casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 6
da onsultas medico-cirurgicas todos os dia*
das 8 ao meio dia, menos nos domingos i
das santificados.
Dr. Freitai Cruimaraet, medico, tem
se consultorio na ra Duque de Caxias
n. 57, I." andar; d consultas nos dias uteit
das 11 1 hora da tarde e reside no Ca-
ueiro n. 4, onde atiende a chamados em
qualquer hora do dia e da noite. Telepho
ae n. 292.
Dr. Joaquim Lomeiro medico e parte:
ro, consultorio ra do Cabug u. 14
1.a andar de 12 s 2 da tarde; residencie
ao Monteiro.
Dr. Castro Jess medico e operador,
Pratica a lavagem do tero quando e ce-
rne aconaelhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em su& risidencia ra i<
8om Jess (antiga da Cruz n. 23, 1.'
andar. Telephone n. 389
ur. Joao Pauloespecialista em par
os, molestias de senhoras e de criancas,
com pratica nos hospitaas de Paria e de
Vienna d'Austria, d consultas de 1 s 3
horas da tarde, ra do Bario da Victo
ra n. 60, l. andar, e reside na estrada
dos Afflictos n. 30, junto esiacio do Es
pinbeiro. Chamados a qualquer hora. Te
lephone n 467, na residencia.
Advogado*
O baeharel Joaquim Ihtago da Fonseeo
tem seu escriptorio de advogado ruade
Imperador n. 14, 1. andar.
aeeullata
Dr. Ferrara, com pratica aos priac
pees hospitaes e clnica de Paria e Lon-
dres, consultas todos os dias das i
horasdao meio-dia. Consultorio o resi
denota roa Larga do ftos&rio o. ~H>
Dr. Barreto Sampaio, oceulista, d con-
sultas de 1 s 4 horas nj 1.a andar c;
casa ra Bario da Victoria n. 51. Resi-
dencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra
da pela ra da Saudade n. 25.
Dragarla
Faria Sobrinho efe C,droguista por ata-
jado, ra do Marques de Olinda a. 41.
Francisco Mancel taos de todas aa especialidad? >harm*
oeuticas, tintas, drogas, prodnet/ china
cas e medicamentos homeopata roa de
Mrquez de Oimda n. 23.
A IWotre Dame le rari
Previne se as Exmas. familias que cha-
garam j muitos artigos de apurado gosto
eseolhidos por Madame Koblet actualmente
em Pars. Exposicao diaria. Ra do
Cabug o. 1 A.
razSes, o brioso eleitorado de Pernambu-
co a suffrsgsr os nomos gloriosos de dous
pernambaesnoa distinctissimos : o
CON8KLHEIBO FBAMCISCO DE A88U O* E
SILVA E O
eOSSELHEIBO AHTOHIO OOS^ALVES FEH
BEBA
Temit.
PBL1CAC0ES A PEDIDO
Candidaturas e Candidatos
CGNSELHUBOS E08A B bILVA B GONQALVES
FEBBE1BA
Os dous nomes, que servem de subti-
tulo ao presente artigo, nio pricisam de
palavras encomisticas para merecerem os
sufragios unnimes do eleitorado Pernam
bucauo.
Esses conspicuos e notabilsimos cida-
dios serlo e.titos, ganhario urna victoria
esplendida, nSo porque figurera na lista
(.facial, nio porque os seus nomes envol
vm os desejos dos aJtos poderes polticos,
mas por symbolisarem a tradicao conserva-
dora, sempre necessaria em t dos os cor
pos collectivos, em toda e qualquer ag
gremiacio humana.
Oa conselheiros francisco de 8818
BOFA E SILVA E ANTONIO OON3ALVE8 FBB
BEiByso torcas icd'spensaveis para o
bom encaminha ment dos negocios pbli-
cos, tem, promptos a ouvirem os seus pru-
dentsimos conselhos numerosissimoB ami-
gos, firmes e decididos, espalhados, dis-
seminados por todo o Estado de Pernam
bueo.

Comtftniinis'ro, no gabinete libertador
presidido pelo benemrito e inesquecivel
pernambucano o conselheiro JoSo Alfredo
Corroa de Oliveira, o primeiro se roos-
troa um espirito altanado, trabalhsd^r e
oonsciencioso, agindo por conta propria,
sem suggestoes extranhas, pi aticando jus
tica e tomando o mais vivo interesse
pelos negocios da sua pasta, e pelos me-
lhorementos necessarios 0 engrandec
ment do torrSo brasileiro em que nss-
eeu.
Carcter rijo e namoldavel elle con
quisten de tal modo as sympatbias e adhe
s5es do eleitorado do antigo 10 districto
desta ex-provincia, que, anda na eleicip
de 31 de Agoste, atravez do circulo de
ferro erguido pelo Sr. de Ouro Preto,
conseguio ser eleito deputado, embora
qaizesse se presentar, qual outro Ora
cho. com um diploma f*lao o Sr. Loaren
50 de S, auxiliado por seu mentor e au
etor responsavel das scenas luctulentas da
Matriz S. Jos.
O segundo, como presidente de Minas
Geraes e deputado geral, teve repetidissi-
mas ccasioes de pateatear os seus eleva-
dissimos dotes, gerindo com subido crite
ro os servicos inherentes as tunecoes
que Ibe eram commettidaa.

Conjuramos, em vista de todas essas
A* eleitorado de Peni
Tendo tomado algoma parte dos formidaveis
acontecimentos que, ltimamente, se tm dado
em nossa patria, e occupa&do, de ba multo, om
posto na imprensa Ilumnense, nao pensava, to
davia, etn elevar as minhas vistas ate i repre-
sentado nacional, quando aps a abolicao e a
repblica, alguna amigos coinecaram a instar
commigo, neate sentido.
Nao tioha, porm, sabido da attitode reserva
da e m que sempre me mantve, sustentando
com entnusiasmo e sacrificio as boas cansas e
dando me por feliz com velas triamphantes,
quando em fina de Jnano recebi -.onvite formal
do meu amigo .e ehefe republicano Dr. Martin?
Jnior, para entrar aa chapa que o partido orga
nisava em pernambaco, sendo obrigado a tomar
urna resoluco sobre o assompto.
Mostrando a carta do illastre moco a diverso?
amigos, alguns dos quaes altamente collocados.
foram lodoa accordes em qce nao sO devia acei.
tar o honroso convite, como faor commanic?-
cSo imjiedidta dessa resomcao.
A 3 de/olho, pots, enviei ao Dr. MartlnsJa-
nior o seguinte telegramma .
Respondo a vosea carta de Si : pernam
bncano que se orgulha da ana trra natal, Ai
looga data tenbo procurado servir '.todas as boas
causas do paiz e do nosso estado. Terei como
sabida honra fazer parte da chapa governista, t,
sendo eleito, approvar a Constitoicao, votar do
Marechal Deodoro para presidente da repblica
e envidar os esforcos ao meu alcance pelos me
Iboramentos moraes e materiaes de que carece
Pernambnco. O meo programma ser : Tu o
pela Repblica, tudo por Pernambuco. Agrade
co a lembranca do men nome e tico vossa dis
posico e dos nossos conterrneos.*
No dia seguinte recebi telegramma do Ur
Martins Jnior, seguintes termos :
Peliciio vos por vossa declaracj, aceitando
candidatura.
Sobrevindo a estes acontecimentos a mudan-
ca poltica qae todos oohecem, jo govetnodo
novo Estado, aba ti ve me de dar passo algum em
re; cao a este aseump'.o, quando a 11 de Agosto
recebi do mea amigo Dr. Joo Barbollio, com
municaco de haver sido o meu nome incluido
pelo Ilustre governador na chapa do Es ade, e
pedindo me resposta sobre a minba acquiescen
cia.
Sabia eu que os Drs. Martina Jnior e Ambro
lio Machado, convidados para fazerem parte da
fotura representado, nao tinham concordado
nisso por moliv.s que respeito, mas que destja
va v," affasiados na presente opporianidad e,
nao desesperando da conciliacao, entend me
com o meu amigo e cole o resolvemos fazer um appello aos dous filus-
tres republicanos, para que accedessem a en
irar na chapa, fortalecendo a represeatago do
no8.:o Estado:
Expedimos-ibes, pots, o seguale telegramma :
Sendo nosso mximo empenbo auxiliar a
marcha do patritico governo provisorio, vimos
solicitar-vos, instantemente, que accedaes ao
pedido de oceupardes na chapa eleiloral os lu-
gares a nos destinados, concorreado assim para
que se sanem completamente as diffi:aldades
que embaracam a marcha do goverao e podem
perturbar o progresso e engrandecimeoto do
nosso Estado.
Picaremos desvanecidos de coucorrer por
esse modo para a forca e prestigio das insiituices
e vos prestareis assignalado servico patria,
trazendo o concurso dos vossos nomes causa da
consolidacao da repblica.Bellarmino Carnei
ro.Luiz de Andradt.
No dia seguinte tivemos resposta dos dous il-
ustre* republicaaos. declarando-nos nao pode
rem acceitar o nosso alvitre, pelas rzoes que ex
punbam, accresceotando Martins Jnior que li
caria satisfeito de nao recusarmos nos os luga
res que nos haviam sido conferidos, ficando as
sira resolvida a questao.
Pelo que expuz, vm os meus Ilustres con
terraneos, que, de accordo com o meu pa88ado_
pro urei dar o concurso de que dispuoba causa
da umo dos pernambucanos e da consolida-
cao da Repblica, sem ioquerir ae as consecuen-
cias me seriam, pessoalmente, favoraveis ou r re
judiciaes.
N'es3e mesmo empenbo continuarei sempre.
A' visa, pois, das daclaraces que cima t
cam, creio nao ter mais nada a dizer aos meus
comprovincianos, senao que commigo podem
contar, incoadicioualmente, para ludo qaanto
seja o engr^idecimeoto da Repblica Brazileira
e a gloria do florescente Estado de Pernam
buco.
Taes ao as minhas ideas e a ellas me conser
varei fiel gar-mundo ao eleitorado de Pernam
boco, qne receberei com o maior acal? ment as
suas resolucOes sobre o assompto, sejam ellas
quaes forem e protestando, anda urna vez, o
meu devotado amor Ierra bemdita em qne vi
a luz e que desejo attioja as maiores prosperi
dades, sob o rgimen republicano, guiada pelo
patriotismo e pelo talento dos seos lhos mais
llustres.
Capital Federal, 28 de Agosto de 1890.
La de Andrade.
CASO-SS A 2112 HZSmO DE 1589
TRIBUTO m HOMKNAGKM
EHOHIA
DE
ANNA P. DE FIGUEIROA FARIA
NO
Trigsimo da do sea falleclmento
S
Seu esposo e enteados curvam-se sobre sua sepultura e
desfolham urna SAUDADE
Recife, ii de Setembro de 1890.
*.*
ProgNiiBa da soire arlisliea SS .t 2SZ."ZZZ
Em bcneflcodoincansavelprofessor no Dim.0 g pernambuco de 20 de Jtilho
JULIO SOARKS DK AZBYDO -i-.
E tanto mais sinto me hsongeade por
essa fineza, quando certo a ninguem ter
pedido, por nSj ser menos veridi -o que
pedir confianca confisslo de ai > me -
recel a.
Longe d'elhibir programma ao eleito
rado le Pernambuco, como procedem os
que supplicdip, proponho me tio emento
a synthetiaar o que sou e pens, no in
tuito de todos procederem consciencioaa
mente no attinente proposta dos meus
irmios de armas, em vista do inabalavel
que em mim reside.
Na crenca do que o rgimen decabido
poda facer a felicidade da minha Patria,
4.Pcesia por um particular, acompanhameoto ^, monarchista at 1886, quando o ga-
3-Rae&n Meloda pela Exrna. Sra. D. Loiat I bnete, de 20 de Agosto creou a Questio
de Mrdeiros.
DOMINGO. 14 DO CBRENTE
/ hora da nolle
BOA DO H08PICIO N. 3
1." pare
t.#Hyaoo Nacional.
>.*Sympbonia a piano forte.
3.*-Guaraoy, Cancio do Aventoreiros, por Co
moleta.
4.A Repblica Brazileira, pelo beneficiado,
poesa.
5.* tVExtasf? pela eximia cantora a Exm. Sra.
D. Luiza de Mcdeiroe.
6.*Comedia Visionaria, Os netos de Satans.
15 minutos de intervallo
l.0 Pobre e o Rico, pelo beneficiado, poesa.
i.0Valsa a piano forte.
3.*Memoires d'amoor, pelo eximio cantor, Co-
molelli.
6."-Apotheose, A
vtvo.)
pela
Deusa da Cartdad
quadro
Chapa combinadla
PARA SENADORES
A
Dr. Ambrosio Machado da
valcante.
Dr.
Cunha Ca-
Aos propietarios
Urna peasoa competentemente habilita-
da e conhecida, encarrega se, por con-
tractos ou empreitadas, da constraccio ou
concertes de qualquer obra e de qualquer
naturesa que seja, grande ou pequea, na
cidode e arrabaldes, por mdicas condi-
ySes ; e b im assim se encarrega de caia-
coO', pinturas, calcadas, muros, etc., etc.;
tratar na ra do Cotovello n. 139, e
attende a qualquer chamado. Tambera
trata de mudancas e condueles de mate
riaes par> qualquer obra, para o que dia
pSe de boas carracas e gado.
Cidade de Pelotas
Atiesto que o Peitoral de Cambar,
preparado pelo Sr. Jos Alvares de Sonsa
Soares, um excelletite medicamento,
empregado com muito bons resultados as
molestias broDcho-pulmonares.
Dr. Seraphim J. R. de Arujo.
(A firma est recoahecida).
Bernardo Jos da Cmara.
Dr. Joaquim Saldanha Marinho.
PABA DEPDTADOS
A
Dr. Albino Goncalves Meira de Vas-
concellos.
Dr. Antonio Hermenegildo de Castro.
Dr. Antonio Goncalves Ferreira.
Dr. Antonio Alves Pereira de Lyra.
B
Bario de Arariba-
Bellarmino Carneiro.
F
Dr. Francisco de Assis Rosa e Silva.
9
Dr. Jos Isidoro Martina Jnior.
Dr. Joaquim Jos de Almeida Pernam-
buco.
Dr. Joio Barbalho Uchoa Cvales nte.
Dr. Jos Nicolao Tolentino de Car
valho.
Dr. Joo Vieira de Araujo.
Dr. Jos Vicente Meira de Vascon-
cellos.
Dr. Major Joio de Siqueira Cavalcante.
Dr. Joo Juvencio Ferreira de Aguiar.
E.
Luiz de Andrade.
V
Dr. Major Vicente do Espirito Santo.
do
Aos
meus conterrneos
Mili ar, que terminou com a mocito
senado em 18 de Margo de 1887...
Nessa occasiio, desliguei me, sem res-
triccSes, em espirito do rgimen decebi-
do. B porque o modus vivendi de fami-
lia nio me permittisse abandonar a vida
publica, soffri em perseguicSes o que a
outrem nio desejo, ao ponto de, com sar
casmo, burlar se-me o direito perfeito e
escripto proraocio, fasendo-ae-me pre
terir pelo systema do nepotismo.
Na maior effervescencia das iniquida-
des do governo contra minha classe, di
rigi-me algumas vexes a um nosso grande
conterrneo, esse inoorruptivel cidadio a
quem venero por seu carcter, para der
ramar lhe no coraoio os amargores que
me tran aborda va m em prol da causa de-
mocrtica.
E urna das veaes, com o recato que
me devia presidir em face de um estadista
de nobre o frrea tempera, perguntei ao
illu8tre patricio: t V. Exc. nSo acha qae,
as condiedes de nossa Patria, tendo o
ezercito deBcancado armas, a Repblica
est porta ? >
A.0 que respondeu me o librrimo con
terraneoeu, Sr. Pimentel, sem de
longe ser capas de atraicoar o mea lugar
no Imperio, nutro vivas sympath as pela
Repblica; mas nio espere sua apparicio
porqne somos oriundos de portuguezes
cujo lemma morrer pela lei, pela grei
epelo rei. *
Nessa resposta do Ilustre fiiho dos he
res dos Ouararapes, etc., fallando a um
patricio que, entretanto, era soldado, pre
valeceu o estadista om sua lealdade, oo-
cultando externar todo o seu pensa-
mento, pois, nio ha duvidar, o eminente
ministro bem conhecia que atrophia
realista dos nossos nclitos avs lusitanos
oppnnham se o abrasado sangue e o es-
pirito livre do Indio do Brazil em nos,
felizmente, preponderantes. E eu, que
j assim pensava, dando a Repblica
queda
annos
reate da lei sem que sinta enfraquecer-se
a impresoindivel cobesio fraternal.
B, nio ba duvidar, ou o Brasil se diri
gira ao seu grandioso destino integrado,
ou ficar reduzido a miseras Republique-
tas, mais precarias do qne algumas do
Pacfico.
Pens que da unida-e legal b6 deve
exceptuar se as ampias prsrogativaa dos
municipios, como equilibradores democr-
ticos, e- mais ainda para serem centros de
resistencia a tyraunetes, qne p ssim appt-
recer de futuro.
E' conviccSo minha tambenr que, urna
vez approvada a '."onstituicSo a consoli-
dada a Repblica, cumpre ao Coogresso
cogitar da serte das claases trabalhadoras;
essa honrada gente, d'onde procedo, qae
tantas dores sotfre em si encio, pelo egos-
mo dos mais espertes, e que sera sempre
sao os mais digm-s entre nos.
Em surama, pareee-me orgeate a con
feccSo do cdigo penal para o exer^ito e
a armada, por ser, o que possuimos, dos
tempos coloniaes, unta velharia indigesta,
contradictoria e esparsa em um ocano de
avisos insensatos dos ministros do antigo
rgimen.
No coojuncto do exposto tenho me este-
reotyp ido aos olhos dos meas conterrneos
qae nio me conheciam porventura.
Si as condigoes immutaveis do ideal
que, em aun pnresa, concentro no espirito,
merecer eu o mandato de honrado- eleito-
rado pernambucano, terei nisso a maior
honra ; e, por meu turno, procurarei mos-
trarme na altura da credencial qae me
fr conferida pelo glorioso Estado, ende vi
a luz, quaesquer que sejam os sacrificios
de mim exigidos pelo dever :vico.
De nutro modo, porem, fico satisfeito
oom a simples gentilesa dos meus dignos
oompanheiros do Club Militar, o qne,
as, nio pouoo ao meu reconhecimento.
Curityba, Agosto 12 de 1890.
.oronel Antonio Oomee Pimentel.
Manual Mercantil
Acaba de sabir loa a undcima edi'cle
doMANUAL MERCANTIL-de Vere>
diano Carvalho, consignando todas m alte-
racSes dadas as lei e osos commerciaes
do Brasil at 1890.
Este livro, o mais em vog no commer-
cio brasileiro, como prova o numero de
edicSes esgotadas, venda se em teda as
lvrarias da Capital Federal e dos estado
do Brazil. Brochuna, 54000,
Mudanca d'escriptorio de
advogado
0 advogado Luiz Lopes Cistello Branco avisa,
qne mudoa o sea escriptorio para o Ia andar do
sobrado n. 14 da aatiga travessa da roe das Cr-
zes, aoje Duque de Caxias, onde poder ser pro-
curado As horas do costume.
5 de Setembro de 890.
Luiz Lopes CatteUo Bronco.
Para deputados a Consti-
tuinte.
1. Dr. Annibal Falclo.
2. Desembargador Manoel Clementino
Carneiro da Cunha.
3. Dr. Felippe de Figueiroa Faria.
4. Dr. Jos Maria Ramos Gurjio.
5. Dr. Joilo Juvencio Ferreira de
Aguiar.
6. Bario de Calar.
7. Dr. Joo Francisco Teixeira,
8. Dr. Ambrosio Machado da Cunha
Cavalcante.
9. Conselheiro Joaquim Correa de
Araujo.
10. Dr. Manoel da Trindade Peretti.
11. Dr. Jos Mariano Carneiro daCu-
nha.
1?. Dr. Gaspar de Drummond.
13. Alfredo Falcio.
14 Dr. Joaquim Jos de Almeida Per-
nambuco .
15. Coronel Elias Gomes de Souza.
16. Dr. Joaquim Tavares de Mello Bar-
reto.
17. Dr. JoSo 'Augusto do Reg Bar-
ros.
Bazar da caridade
A commissao d'este bazar conta com a indul-
gencia da Intendencia Municipal para poder fa
zer a sua ultima festa na noite de 11, domingo,
no largo do Arsenal, comecando as 8 1/1 da
tarde.
Esse largo ser Iluminado loz elctrica e
se permiir, fra da zona reservada ao bazar,
que se colicquem mesas e bancos para vender
sorvetes, doces e bebidas.
At domingo, s 3 boras da tarde, as pessoaa
bemfazejas psdero enviar prendas, mimos, do-
ces, bolos, dores e todo quanto possa ser troca-
do por bilhe.es de 1*000 e de 500 res, casa
do Sr. director do Arsenal de Guerra, qae pro-
tege esta festa de caridade com verdadeira dedi-
caco.
Auna Pessoa de Figueiroa
Parla
TR1GK9IMO DIA
Marianno de Figueiroa Faria e seus
filhos, couvidam aos seus amigos e parentes
para assistirem as missas do trigessimo
dia do fallecimento de su presada esposa,
madrasta e tia Anna Pessoa de Figueiroa
Faria, a qual ter lugar pelas 7 horas da
man ha do dia 12 .o corren te no cen vento
de Nossa Senhora do Carmo, e desde j
agradecem do ntimo de seus coracoes.
Barra Mansa
O Peitoral do Cambar, importante pra-
parado IIIm. Sr. J. A de Souza Soares,
de Pelotas, possue propriedodes haiearni
cas pronunciada, e exerce influencia be-
nfica em todas as affecebes catan haus}
principalmente as do appareiho respira-
torio e genito urinario.
As anec8es catharraes do larynge, dos><
bronchios da bexiga, quando primitiva,
cedem promptaaente ao aso reiterado da
Peitoral de Cambar.
As secretes muco-purulentas, aympto-
maticas da tuberculose pulmonar, modi-
ficam se vantajosamen^e, tornando mais
desembaracado o campo da hematose pul-
monar.
E', portante, o Peitoral de Camba*,
nm heroico meio preventivo e um auxiliar
no tratamento da fysica pulmonar, tio-
reqaente no Rrazil. a
Dr. Uria da A. Silveira,
(A_firma est reconhecida.)
tnacahulta Peitoral
As curas prodasidas pela composicio da
Anacahuite peitoral^ sao realmente mi-
agrosas.
Don Clemente Silva, qne reside na roa
do Estado, Santiago do Chile, escreve aos
nossos agentes em dita cidade, qne, ha-
vendo soffrido atrozmente de asthma, pele
espaco de mais de sete araos, sem qae
medico algum jamis lhe houvesie pro-
porcionado o menor all vi o ; decidi se fi-
nalmente a tomar da composicio de ana-
cahuite peitoral, e depois de haver apenas
tomado dous frascos descobrio com sor-
preza, que a grande oppressio do peite
havia quasi completamente desapparecido.
No entente foi continuando a faaer
aso delle e no fim de tres mezes se acho
perfeitameute curado, com grande assom-
bro e satisfacio de todos os seas prente!
e amigos, os quaes j haviam perdido a
esperances de jamis velo bom.
Disse tambera que desde entio a esta
parte o tem recoremendado a um grande
numero de seas conhecidos que Boffriam
de differentea fcffecc.5ss pulmonares ti
frequentes as costas do mar Pacifico, na
America do Sal, e qae seus bons resulta-
dos tm sido universaes.
Como garanta contra as falsificaoocs
observe-se bem que os nomes de Lanunaa
& Kerr p venham estampados en lettras
transparentes no papel do livrinho qae
serve de envoltorio a cada garrafa.
Acha-se de venda em todas as boticas
drogaras.
II
!
porta, tivo a felicidade de ver a
ao eleitorado de peenambuco dos governos pouco mais de dous
Retirado de Pernambuco, aesde minha passados apea s.
juventude, ha 33 annos nio ttve a ventu- j Eis, pois, como e porque sou republi
ra de um ensejo para prestar tradicio- cano convicto, sem a pretenco de ser
nal trra do meu berco os servicos locaes histrico comouns, ou ante-historiejs como
que de coracio lhe dedicara, si residase outros parece apregoarem se.
em seu maternal reg 90, como tenho i Do exposto se deduz que sou ligado
prestado longe della em prol da commu-' aos chefes da revblacSo por mo'o insus-
nhio brasileira, guiando me sempre pelas | peito, visto tel os acompanhado em todos
record.c5es gloriosas da trra dos meas ios terrenos, coio notorio.
maiores. Entendo que nos trabalhos da Consti
Assim, pois, recolhido minha obscu-; tuinte deve se ter todo o cuidado para
ridade nesta capital, no espinhoso serviso' consorciar a mxima autonoma dos esta-
da profisBio que abracei, fui agradavel-' dos indisselabilidade da Federaco, visto
mente sarprehendido pelos jornaes do' como sou unionista intransigente.
meu Recio vendo-me apresentado aos
ele 1 torea da trra natal, pela bondosa es
pontaneidade dos meus irmioa de armas
do Club Militar dessa capital para me
ser conferido mandato dos meas patricios
do Cong e8so Nacional.
Neste intuito, entre ontros po tos, pens
que a magistratura deve ser federal e nio
regional; ella o cerebro, guarda dos di
reitos e deveres da communhio concre-
tdsalos as leis do Congresso, como o
exercito e a armada nacionaes sio o pode-
Sem a velleidade de_merecer a honra de roso braco do nosso querido collosso re-
que fui alvo, faltara ao dever de cava-1 nascente das ruinas em que o abysmaram.
lheiro e pernambacano, ai nio confeasasse I Nio fcil que o braaileixo, passando
o muito que me galardoou o oonceito a de um estado a outro, soffra aceces diffe-
Dr. Bastos de Oliveira
Medico operador e parteiro, tem o sea
consultorio ra do Mrquez de Olinda
n. 1, Io andar, onde pode ser procurado
todos os diaa otis, das 12 s 3 horas da
tarde.
Chamadoa a qualquer hora em sua re
sidencia, ra do Hospicio n. 46.
Telephone n. 365.
Seminario de Olinda
Previne-se a todos aquellos que se
acham em debito, pela estada de seus
filhos, no Seminario, que procurem sldalo
quanto antes si nio quizerem ser ajui-
zados.
Na cidade do Recife podem entenderse
com o Dr. Jos Diniz, ra 15 de
Novembro (antiga Imperador) h. 55 1.
andar, e em Olinda com o retor.
io publico
Tendo eu sciencia de que algumas pes-
soas aproveitam as garrafas vasias com
etiquetas de vinhos de minha caaa, para
venderem outros vinhos a titulo do Bom
Pal he te e Bom Collares que rece
bo directamente e bem assim outras qua
hdades, chamo a attenco do publico e es-
pecialmente dos apreciadores de meus vi-
nhos, para que nao se deixem Iludir e
aviso os de que s devem considerar como
verdadeiros os que comprarem em meo
proprio estabelecimento ; a mnito qne nio
vendo a casas retalhadoras e por isso ia
sisto para que ob senhores compradores
notem o que deixo dito.
Recife, 16 de agosto de 1890.
Paulino de Oliveira 3faia.
MEDICO HOMEPATA
)Dr. Baltitar da Silveira)
Espeeialidadefebres, molestia
das enancas, dos orgios respirato-
rios e das senhoras.
Presta- se a qualquer chamado para
era da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
roa do Bario da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Dentes
Ter nina a borrivel dor de dentes usando
o excellente preparado de Manoel Cardoso
Jnior.
As cartas que lhe tem sido dirigidas
pelos jornaes de maior circulaco, attestam
a eficacia.
Depsitos :
Drogara dos Sra. Francisco Manoel da
Silva & C, raa do Mrquez de Olinda
n. 23.
Pharmacia Martins, ra Duque da
Caxias n. 88.
Pharmacia Oriental, i. ra Estreita de
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, roa da
Bario da V'ctoria n. 14.
Pharmacia Imperatriz, roa da Impe-
ratriz n. 49,
\i
Medico
DR. TAVARES DE MELLO
formado pela Faculda Je do Rio de Janeiro,
tendo-se dedicado com espeeialidade
tberapeutica moderna das molestias- de
pelle e syphilis, na polyclinica geral, a
cargo do Dr. Silva Araujo, onde servio
como seu ajudante ; d consultas de 12 s
3 boras no largo do Corno Santo n. 15,1*
andar, e recebe chamados a qualquer hora
em sua retidencia, largo da Paz n. U,
Afogados.
S&tv
i
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata oom especiali-
iade de molestias de senhoras e creanaa.
Consultorio e residencia ra da impo-
atrizn. 18, Io andar.
Consulte de 8 s 10 da manfiS.
Chamados (por esorpto) qualquer he".
TBLKPHONB N. 226
I
*

i
.:-



%
s-t-n



I
-}
-I


Diario de Pernambuco--Sexta-feir 12 de Setembro de 1890
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volt de sua vi- \
gem Europa, di consultas de
1 as 4 horas da tarde, no 1*
andar da casa n. 51 a ra do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Dr. Coelho Leite
participa a seus clientes e amigos que mpdoo
asua resifncia para a rna Bario da Victoria n.
>! K dndar, e contioa a dar consultas de 1 f
$ as da tarde, no seo consultorio, ra Duque
de Caxias u. 57.
A's familias
Ensino de primeiras lettras, por- ,
tugue, francs e inglez; pelas j
residencias dos alumnos, dentro \
da cidade e em seus arrabaldes :
a tratar na roa do Imperador n.
75, 2 andar.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWUNSON, for
mado pela Universidade de Maryland noi
Estados-Unidos, tem aberto o seu cnsul
torio, na ra BarSo do Victoria 18, Io an
dar
LjiaultM das 10 as 4 horas da tarde.
{i
{
Leonor Porto
Ra Larga do Rosarlo nn-j j
Mero t )(
SEGUNDO ANDAR Y
Continua a executar os mais difficeis j I
tigurinos recebidos de Londres, Panz,<
Lisboa e Rio de Janeiro. I)
Prima em perfeicio de costuras, em i j
em brevidade, modicidaue em precos ej J
fino gosto. IJ
CAJH DE SEGRO
Elixir sedativo e anti-rheumatico, formula
do pharmaceutico Herma de 8ouza
Pereira.
SKM MERCURIO
Approvado pela Inspectora Geral de
Hygiene "$
Este poderoso medicamento ji bem co
nhecido ha mais de 10 annos e cujos ma
ravilhosos efiFeitos tem sido at 'estados por
muitos mdicos e numerosos doentes, cura
radicalmente os bhbha-'ISMOS, ebtsi
PELAS, 8YPHILI8 S8CBOrLA8 e todas as
molestias que teem por origem a impuresa
do sangue. .
O verdadeiro e mais antigoAttxtr at
COMMERCIO
Revista do Mercado
RhCIKK, 11 DE 8ETFMBEO DE 18S0.
Mouve algum negoci i no mercado de cam
Dios e realzara se vendas de algodo do ser
tao.
Bolsa
jotacOe officiaes da junta dos cob-
BETOBE8
Reeile. 1 i ae Setembro ie 1890
'ambio sobre Londres, .90 d/v. d. por U,
o banco.
Cambio sobre Lisboa, a vis la 145 0/0 de premio,
do baaeo.
o nresidente,
Antonio Leona do Hodrigues.
Pelo secretario.
Augusto P. de Lemos
Cambio
PBA^A DO BECIFE
Os bMMM adopiaram 32 pela ruanba, mostran
do pouca vontade de saccar a rsta taxa.
Mais Urde recusaran) alguna saccar a 22, cffe
eoenJo oEoglisb quella taxa para qu^ntia? pe
quenas.
Fecbou o aereado a Si 7 8 bencario nom.nal.
PBA(A DO RIO DE JAKEIBO
Adrio c nerwdo a ti banr.ario, ficaodo frouxo
ais (arde a 21 8
Tendencia dividosa.
Algod*
Forana Tendidos alguas pequeos lotes do de
1* sorte do serlao e boas procedencias a "1700
per 15 kitos.
A exporUco fsita pela alfandega neste mes at
o da 10, consto de 21.695 kilos, para o interior
As entradas veriflcadas^at a dala de boje so
bem g 4.o4* saceos, sendo por :
Barcadas ....
Vapores .....
immaes.
7ia-ferrea de Caruar*.
Via-ferrea de S. Francisco,
/ia-ferrea do Limoeiro
Somma.
186 Saccas
1 962
420
168
46 .
1553
4 345 8 as
Asfiucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associacao Commereial Agrcola, foram
m seffuintes:
Brinco..... 3*200 a 3*8 8
Snenos..... 2*700 a 2*800
ascavado purgado <<60y a 1*700
Bntos ... 200 a 1*4W
Rtame..... 900 a 1*100
Aesportacio feita pela alfandega neste mes at
odia 10, doconstou del.926.816kilos sendo 126
para o exterior e 1 326 690 para o interior.
A* entradas veriflcpdaa al a lata de boje so-
bem 8 1 905 saceos, sendo por:
Barcacas..... 1 848 Saceos
aStaee..... 252 .
Via-ajrreade Caruar. 58
VS-ferrea de S. Francisco.
fta-ferrea de Limoeiro 336
Somma.
2.903 Sao. o s
Cauros
Goaroe salgados 370 ris, e os verde* a 245
tm. ___
A guarde ate
loa-ae a 88/000, por pipa de 480 Utroe.
AlCOOl
Ceu-ae a *J00por pipa de 480 Utroe.
oabeca de negro o da formula do pbar-
macectico Hermes de Soasa Pereira, e
para aras ti a dos consumidores tras elle
em seus rotulo e envolueros o retrato do
autor.
Vndese a varejo em todas as phar
macias e em atacado na pharmacia Fer-
reira, praca de Maciel Pinheiro, n. 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, rus do
Marque de Olinda, n. 23.
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro
1 46Boa do BarSo da Victoria46
(DEFBONTE DA PHABMACIA PINHO)
Onde tem consultorio e resi-
dencia i podendo sr encontrado e
recebendo chamados 4 qualquer bora
do dia e da noite.
Especialidades : partos, febres, moles-
tias de senboras e dos pnlmes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
races de estreitamentos e mais soffri-
mentos da uretra-
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. 394
I
AS VICTIMAS DAS FKBRES
O Elixir (I-febril Cardoio, appro
vrado em 21 de Marco deste anno pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, vem boje
apresentar-se bumauidade soffredora do mun
do inteiro, como taboa de salvacao que ao infe-
liz naufrag lhe enriada por mo omnipotente!
O Elixir tl-frbrll Cardoao, appli
cado em muitissimos easos de febres, tem, como
eor milagre, levantado do lelto da dor a comple-
op moribundos.
Este remedio, composto somente de vegetaes
e inteiramente inoffensivo, ainda mesmo na mais
mimosa e tenra crianca.
As senboras, no estado de paridas, ou no pe
i odo de incommodos naturaes, podem usal o
,'m receio algum.
Depsitos
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silv
4 C, ra Marquet de Olinda n. 23.
Pharmacia Marlins, ra Duque de Cax:a
q 88.
Pharmacia Oriental, ra Estrevta do Rosarle
n. 3
Pbarnlacia Alfredo Ferreira, ra do Barao da
Victoria n. 14. [
Pharmacia Imperatrii, ra dalmperatrii
q. 49.
Depuoiio nerai em cas do autor
anoel Cardoxo Jnior. 4 tum
entreita do arlo n. *
Agestados
Scieatiflcamos ao respeitavel publico que alm
dos atteslados a que damos publicidade boje,
foram curados 400 variolosos.
Pedimos aos incrdulos para irem examinar
os tratados pelo Elixir aoti febril.
Dos innmeros attestados que temo3, damo
em seguida principio a sua publicacao ; e iste
oastart para que sejam conhecidas as virtudes
do Elixir anti febril Cardoso.
N.~71
Recife, 10 de Agosto de 1890.
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.
No intuito de lhe agradecer o obsequio
que me prestou, forneceodo me gratuita
mente o Elixir Anti febril Cardoso, pro-
ducto de sua manipulado,*p ra applical-o
no tratamento de um meu amigo, venho
expor :he co'm verdade o resultado e feliz
Me
Cota-se a 55*000 por pipa de itw liiros.
navios % descarga
Barca nacional Marta Augeiina, xarque.
arca nornegense Leciathan, carvao.
Baca iugleza Selma, carvao
Barca inglesa Gloamin, carvao.
Barca noruegaense >'orona carvSo.
Barca norueguense P. S. Munch, carvao.
Barca norueguease Soez, carvao.
Barca norua^uease Capitain Dan, carvao.
Barca rossa Jopan, madeira.
Brigue allemao Edilh Jtarv, carvao.
B.-igue inglez Endynion, crvo.
Escuna allemiohann. xarque.
Escuna nacional Pelotas, xarque.
Galera inglesa Argonene, trigo em grao.
Lugar naclnnal Loyo, xarque.
Lugar sueco Cari, xarque.
Patacho norneguense Rabbi, xarque
'atacho eueco Siri, xarque.
Patacho bollandez Apene, xarque.
Patacho norueruense Henrik Wergtland, xarque.
Paula da 4lfaadeca
KM.W1 DI 8 a 13 DI SBTEMBR0 DS 1890
ssucar retinado (kilo) .... 260
Assucar branco (kilo) .... 220
'ssucar mascavado kilo) ... 100
?gurdente........ 170
Alcool (tro)....... 390
vrroz com casca (kilo i ... 80
Igodo (ko)....... 440
Bagas de mamonas (kilo) ... 120
Borracha (kilo)...... 1JI0O
Crneos de algodao..... 15
Couros seceos espichados (kilo) 390
Couros seceos salgados (kilo) 330
Couros verdes (kilo)..... 200
Cacao (kilo)....... 400
Ccf boa (kilo) ...... SOS
Cafrestolho (kilo)..... 000
Carnauba (kilo ... 400
-arocos de algodao (kilo) 220
' arvo de pedra de Cardiu (ton.) 16*000
Fanniia de mandioca (litro; ... 60
Kolbas de iaborandy (ko) ... 300
Gencbra (litro)...... 200
traxa......... 380
Jaborandy........ 2'O
Mel lUtro)....... 80
Milho (kilo....... 65
Pao Brasil (kilo)...... 35
Phosphato de cal (valor da tonelala) I0J000
soia (meios)....... 21500
Sement de carnauba (arroba) 15
Importacao
Barca norueguense Reith, entrada de
Hambnrgo em 8 o consignada a JoSo de
Aquino Fonseca.
Alcatrao 10 barris ordem.
Cerveja 240 caixas a Fernandes &
Irraaos, 120 a Sonsa Basto Arnorim & C,
80 ordem. Cemento 150 berrcas a
Bltar Oliveira & C, 500 ordem, 2oO a
Albino STa & C 200 a Prente Vianna.
Carvao de pedra 10 toneladas a Beltrao
& Costa.
D.ogas 8 volumes a F#ia Sobrinho
d C.
Ervilhaa 10 garrafoes ordem. Eetapin
3 caixas a Albino Silva & C*
Frascos 300 volumes a A. D. Simes
363 a Francisco Manoel da Silva & C-,
529 ordem.
G-rraf3es 650 ordem. Gecebra 150
caixas a Fernandes & Irmlcs, 20 ordem.
Louca 30 grades a Fernacdes & Irmlos,
2) a Joaqiim Ferreira de Carvalho & C ,
50 e 1 caixa a J. de Macedo.
Madeira de pinho 1000 pranchS.s aos
conbigaatarios. Mercadoras 11 volumes
ordem.
Pianos 6 caixSes a H. Vogeley. Pi-
menta 25 saceos a Fernandes & Irmlos.
Phosphoros ISO caixoes orden, 10 a
CosU Lia C, 50 a Fernandos & Ir-
xito, que com adniracSo tirei na appli
cSo do mesmo elixir.
Tendo o meu vizinho e amigo Luia de
Franca Barros Pimentel, de 40 annos de
idade e morador a ra da DetencSo n. 33
H, a 31 de Julho prximo paseado, sido
accommettido por urna febre violentissima
aoompanhada de grandes vmitos succes
sivos. d6r de cabeja e por todo o eorpo,
le o levaram a um extraordinario estado
Je prostracSo e delirios, a ponto de cau-
sar grandes receios a sua familia; e como
nada tivesse feito ceder o eBlade em que
se achava, e nem mostrasse elle menor
signal no carpo que determinaase serem
varilas, e por j se passarem 6 dias nes-
se grande estado receei que fosse urna fe
bre de mo caractor, e por sho aconse
lhei e appliquei o remedio que V. S. to
genorosamente me forneceu.
Procurei fazer a applicacao do medica-
mento na altura do mal, e por isso -dei
logo na primeira dse 30 gotas do elixir
em urna colherada d'agua, e preparei d
ses na razSo de 15 gotas para serem da-
das de 1 em 1 hora, resultando que 3
horas depois, as varilas erara manifestas
pois o meu amigo principiou a tiear cober-
to dolas; e logo em seguida declinou a
febre, desappareceram os vmitos e deli
rios, e diminuio o seu estado de prostra
cSo.
Acontecen, porra, que, tendo elle con-
tinuando a tomar as dses na prescripsao
cima, no fim de dous dias dosconfiou pjr
ver que as bexigas nlo cresciam aem em
uumero neiu ^m tamanho, e por isso man-
dn chamar o Sr. Paula, tratador horneeo-
pathico, que o examinando deolarou ha-
verem bexigas deprimidas e quo eram
ns, pelo que applicou remedio para que
estas sahissem.
D'isso que acabo de dizer tive sciencia
e fiquei satisfeito porque eu via, que o
meu amigo j i estava n'uma grande e
avantajada melhora, comparado o sen an-
terior estado, e mesmo por nao ser eu en-
tendido em curativos, pois ficava elle en
trege aos cuidados de pessoa habilitada
para o seu tratamento.
Mas, qual nSo foi o meu ospanto e ao
mesmo tempo alegra, logo no dia seguin
te ao da mudanca do remedio, quande m -
procurou um dos filhos do meu amigo
doente, de nome Manael de Barros Pi
mentel, empregado na casa de cabellerei
ro do Sr. Qeroncio a ra qo Cabug,
para me dizer qae o remedio ltimamente
applicado nada tinha conseguido, pois as
varilas estavam seccando, e o pai nao
senta o menor incommodo que se podes
se desconfiar dessa secca repentina..
Fui ver o doente, c fiquei de veras sor-
prendido a vista da realidad, nao me
restando, entretanto, menor duvida que o
phenomeno era o resultado do seu prepa-
rado Anti febril. E como nSo se fizesse
preciso para e completo restabelecimento
mais que de um depurativo, aconselhei o
arsnico, e j nesta data em que dou
a V. S. este testemunho publico, isto ,
.1 dias de todo o curso da terrwd moles
ta, o meu amigo at acha de p e se pre
parando para sua vida de trabalho.
Todo o exposto a pura verdade e de
muito fcil syndcancia, fe peco aqui li-
cenca para lhe dizer com toda a franquezo,
maos, 10 a Lopes de Magalhes, 20 a
Domingos Crua A C, 10 a Silva Marques
4 C, 15 a Domingos Ferreira da Silva, 10
a Antonio R. da Cesta d C, 10 a Gom-?*
& Pereira, 5 a Joaqum Felippe & Aguiar.
Papel de embrulho 1140 fardos ordm,
501 a J. de Macedo. Ppel5o 12 fardos
a Alves Maia & C.
Vellas 5 grades ordem. Vidros para
vidracas 80 caixs a Albmo Silva & C.
Vapor americano Ftnance entrado dos
Portos do Snl e u 8 e consignado a H.
Forster & C.
Caf 183 saccas a D ..mingos Cruz & C.
105 a Figueiredo Costa d t. Chapeos 12
caixas a Antonio P. C. da Silva & C, 2 a
A. de Brito & C, 2 a Joaquina Qoncal-
ves & C Canela 1 caixa a Alves da Costa
& Filho, 1 a Fonseca do Faria & C, 1 a
J. B de Carvalho.
Fio de algodao 52 saceos a Joao Fran-
cisco Leite.
Fumo 5 volumes a Costa Lima & C,
10 a Santos 4 C, 64 a Azevedo 4 C,
10 a J. B. dos Reis, 8 a Pereira de Faria
4 C, 6 a Fraga Rocha 4 C, 1 a or
dem, 1 a Esnaty d 3., 2 a Figueiredo
Costa 4 C.
Mallas 1 volume a Domingos J. An'u-
nes Guimarftes.
Matsis 303 caixas a Paulino de Ovei
ra Maia.
Pipas 3 a Pereira Carnero d C.
Panno de algodAo 10 fardos erdem, 10
a Pinto C. da Silva, 4 a Silveira 4 C,
30 a Rodrigues Lima 4 C, 30 a Guerra
4 Fen andes, 15 a Albino Arnorim & C.
Saceos 25 fardos a Artbur CascSe d C.
Xarque 397 fardos a Baltar Oliveira
4 C.
Vapor aacional Beberibe, entrado dos por os
do su I em 8 Jo corrale e consignado Com
panhia Pernambucana-
Cbupo 2 caixoes a II .chado C elho.
Co<:na e alcairao 10 volumes a Francico Ma
noel da Silva & C.
Cale 28 saceos a Joaquim Ferreira de Carvalho
& C, 60 a Ferreira Rodrigues & C, 142 a Fer-
nandes & Irmaos, 381 a Domingo- Crnz & C. 280
a Scuzi Basto Arnorim & C, 40 a Figueiredo Cos-
ta & C. 1*5 a Paiva Valcnte & C, 43 a Jos Joa-
quim Alves & C, 110 a Juio Fernandes de al-
meida, 111 a Manoel dos Santo? rjuje.
Fumo 18 volumes a Azevedo C.
Massa. 160 iaixas a Paiva Vatente a C.
Panno de agodao 10 fardos a Barrozo & Ir-
maos, 10 a aacbado Coelbo, 20a Albino Arnorim
& C, 15 a Andrade Lopes m C, 20 a Mot a *
Filho.
Xarque 122 fardos a Arnorim Irmaos & C.
i&portaco
cure. 10 dc betembbo di 1890
i*ora o exterior
No vapor francez Paranoiua, para o Havre,
carregou :
A. Labille, 2,000 couro; sa'gados verdee com
42,000 kilos.
Nj vapor inglez Aconcagua, para Llver
pool, carregoa:
Rossbacb Broihers, 52 volumes com 4,000 kilos
de borracha e 70 dttos de cateas de angico.
"ara o interior
No vapor fransez Crdoba, para Santos,
car egaram :
M. Arnorim, 200 saceos com 12,000 kilos de
assucar mascavado.
S. Guimartes 4 C, 350 sacos coca 21,000kilos
de assucar mascavado.
H. T. Leite, 500 sacco3 com 30,000 kilos de
assucar msscavaJo.
Para Rio de Janeiro, carregaora:
que nSo um reclame que eu procu-
ro fazer em iavor -do seu preparado,
mas sim, em be n da humanidade soffre-
dora, que muito dove entristecer diante do
egoismo mal comprehendido; assim dos
incrdulos, po: terea at hoje despresado
o benficos effeitos do remedio que cora
certeza, visto os numerosos exemplos, te-
ra evitado a propagacSo da peste, na alta
escola em que o vemos, e o grande nume
ro de victimas que os jornaes annunciam
todos os dias.
Agora rstame agradecer lhe a gentile-
za de me haver fornecido gratuita-
mente o remedio com o qiial pude salvar
um amigo, e pedir que continu a facilitar
aos necessitados, como at hoje tem feito,
arira de que esses ao abrigo da protec$ao
de V. S. escapem a acjae do inimigo que
com certeza os leva a morte.
Nada mais do qua de V. S.
Venerador, obrigado e amigo,
Joao Quintella de Fontes Braga.
N. 72
Afogados, 8 de Agosto de 1890.
Ao cidadSo Manoel Ctr'oBO.
Tendo sido no dia 8 de Agosto atacado
de varilas o meu filh > de nome Miguel
Brasiliano dos Santos, com 5 annos de
idade, e me achando falta de recursos, e
sabendo que o Sr. Antonio Francis o das
(.'hagas dava o milagroso Elixir Anti-
Febril ; fui na sua casa, rogueilbe que
tratasse por caridade o meu filhinho, to
moa logo em consideragao o tratamento
que acha-se restabelecido da terrivel mo-
lestia, rogo vos aos Srs. para offerecer este
attestado.
Moradora no Giquia, dita ca?adepalha.
Sua humilde criada.
A rogo de Carolina Joaquina Maria da
ConceicSo.
Joao LeitSo dos Santos.
N.~73
Afogados, 7 de Agosto de 1890.
CidadSo Manoel Cardoso Jnior.
Tendo no dia 11 de Julho bido ataca
dos de varilas os meus filhos de nomes
Bernardina Caetana Lins, com 15 annos
de idade, Lenidas Francisco de Deus,
m 12 annos e JoSo Francisco de Al-
o-eida, com 8 annos, vendme bastaate
constrangida sem saber o qne fizesse, eis
quando enviado pelo Creador appareceu-
me em minha casa o Sr. Antonio Francis-
co das Cbagas, aconselhon me que fizesse
uso de seu Elixir Anti-Febril, applicando
elle proprio repetidas dozes de seu tao
maravilloso remedio, que em menos de
um mea se acham todos restabeleoidos.
Offerecendo-lhe esto afim do Sr. Ma-
noel Cardoso dar-lhe o uso que lhe con-
vier, declaro que moro na ra de S. Mi-
gad n. 9 e spproveito a occasiao para
Essignar-me de Vmc.
Saa humilde criada e obrigada
A rogo de Joanna Francisca Caetana
Lins.
Jo3o Francisco Regs L.
N. 74
Torre, 1 de Setembro.
Sr. Manuel Cardoso Jnior.
Supponho prestar nm tervico aoe t;nj
pobre mulher minha visinha, reputada j
moribunda.
A varila foi confluente. A accSo o
remedio, quando mais enrgica se torno u
fui no periodo de suporacao das postulas
acompanh&da de delirio, impossibilidade
de tomar alimentadlo, extremidades fras
e inercia e resfriamento da parte inferior
do corpo.
Convndo, pode utilisar se deste como
entender.
Accrecento que a doeite hoje quem
trata do oatros variolosos da familia.
Seu venerador e amigo
Jeronymo M. Pereira de Carpalho.
N. 75
Ao cidadao Manoel Cardoso Jnior.
Tendo sido acommettida de varilas
minba filha Elisa, de 10 mezes de idade,
que a conselho de um amigo fiz applicajJo
do s?n Elixir, d'onde tirei um esplendido
resultado, tanto que as varilas urnas cu-
che ram e outras porporcao que iam
sahindo iam quebrando, seccando, portanto
s tenho a agradecer ao Sr. Cardoso o
prompto tratamento do ssu Exir.
Pode o Sr. Cardoao fazer deste msu
attestado o uso que lhe convier.
Ra de Snta Tnereza, n 9.
Recife, 18 de Agosto de 1890.
Raymundo Mar'a Moreira.
Estao sellados e recoahecidos.
EBITAES
diios, alias j bem firmados, doaeeu Elixir Ae7_; ec^a ^^^.^.3 0i quiTteiras 23.
U. (,.di> .A*nnKlinn nnt.ip.iandn filie av ac nmi. mA ni fl;,-.nl.i rtn nrnfpfKar
e sobre tudo ao'publico, noticiando que
foi ella por mim applicado a ama variolosa,
P. Pinto* C~ 5 pipas cjm 2,400 litros de
alcoal.
Para Porto-Alegre, carregou :
F. M. de Moura, 5 pipas com i,35 litro de
agurdente.
No vapor nacional Una, para Babia, carre
garam:
E. C. B.-ltro 4 Ir.nio, 20 saceos som 1,200
kilos de assu-ar elioado.
Amonra Irmlos 4 C. 230 saceos com 18./o
kilos de assucar brando.
Para Aracaj, carreaaram :
Guimaraes 4 Valente, 50) saceos com farinha
J; inandioi-a.
.No vapor americano Allianca, para Santos.
carregou :
M. T. L?ile, 1,38o saceos cou 05,100 k'.los de
assucar mascavado.
Para Baha, carreeou
J. F. Monteiro. 50 barricas com 3.000 kil3 dc
assicar retinado.
Para Rio de Janeiro, carregon
V. da Silveira, 290 sacco con 17,400 kilos de
assucar mascavado.
N) vapor aaericano Fnance para o Para
carreeou : .,..,
M. F. Martin3, O barricas com 10,920 kilos
dc assucar branco.
No biate Camelia, para o Natal, carregou:
J. J. da Silva Campo?, 10 barricas com 600
kilos de assucar Branco.
Nj biate Crrelo dt fatuo, pira o Natal,
carregaram : ,
J J. da Silva Campos, 5 barricas com 110 k los
de assucar rcnado, 5 ditas com 300 ditos de dito
b.-aoco e 10 ditas com 300 ditos de dito masca
vado. .
Guimaraes 4 Valente, 500 saceos com far.nha
de mandioca. .
Nabarcaja Jaita, pira S. Latz, carreza
V. CosU 4 C, 8 caixas com 64 litros de ge
nebra.
Na barraca Flor de Mara, para Mamangua
pe, carregou : ,nn,.,
A. da Silva Carvalho, 20 saceos com 400 ki.os
de li j de algodao.
Na barcaca Cruzro, para Parahyba, car
regaram .,,..
A D. SmOes C, 10 caixas com 100 litros de
genebra.
Rendinentoa pblicos
MKI DB SBTEIIBUO
Alfandega
Renda treral :
Do aia 1 a 10 285777*390
dem de 11 26:370*836
Renda do Estado de Pernambuco
Oo dia 1 a 10 45:212*254
dem de 11 6 828*123
312 148*226
Somma total
52 040*377
364:188*603
0 Dr. Hisbello Florentino Correia de Mello, juiz
de direito da comarca especial de Iguarass,
em virtude da ei, etc.
Fago saber que. tendo arrecaddo por es!e
juizo o espolio de Antonio Alves de B-rros, que
falhceu sea testamento nem herdeiros presen-
tes, por este edltal s chantados os que se jal
garem com direito a her..nca, para justificaren!
perante este juizo a qualiiie de herdeiros, isto
dentro de 30 dia?, a contar Jesta data.
E para que cheque io conieMmeato de quera
interessa' possa, mandei passur este edital, que
ser pub!i:ado pela imprensa da capital deste
Estadoeaflixado uo lugar docostuae.
Dado e passado oesta villa de lguaras, aos
9 de Setembro de 1S90.
En, Cosme D.miSo B^ndeira de Mello, e;cn-
vo de auseote, o escrevi.
Hibello Florentino Correia de Mello.
1. secca}. Secretaria do coveroo do Estado de
Pernambuco, em 9 de Setembro de 1890
F.g) publico a quem interessar possa. que se
acha nesla secretaria a portara do Ministerio da
Guerra de 23 de Agosto limio, concedendo liceo
ca ao cp tao reformado d-j exercilo Francisco
Teixeira dc Carvatbo, para residir neste Estado.
0 secretario,
Sophrcuio E. da Paz Portella.
Dislricto de paz de Santo Antonio dividido em
9 ser/es, a saber:
A i.* seccSo comprehenda os quarteires le
e funeciomr no Puco Municipal.
A 2 serco comprebende es qnarlcire3 3, 4,
5, 6 e 7 e funcci.nar no Ly:eu de Artes e Cili-
cios.
A 3 seccSo coraprehende os quirtenoes 8, 9.
10 e 13 e funecionar no theatro Santa Isabel.
A 4.* comprt'heodc os quarteires 11 e 12 e
funecionar na-Faculdadc de Direi'.o.
A 5 eecjij conprehende os quarleirOes 14
15, e 16 e funecionar ni escola do Calabougo.
A 6. seceso romprehemle os quarteir5es 16
17. 18, 19, 20, 21 e 2J e funecionar na Escola
Modelo.
25 e 26 e tunecionar na escola do professor
Amando ra dos Osbqs n. 2..____________
Hovi'ineato doporto
Navios entrados no dia 11
Suutha optoii e escala t4 dias, vapor
inglez cM-igdalens, de 2865 tonela-
das, cjinmandante P. R-iusell, equi-
pa^em 14), eir varios gneros, a
^Amor'm Irmaos vS C.
Valparaizo e escala 22 das, vapor in-
glez Aconcagua*, de 2623 toneladas,
commandante Waddilow, equipagain
91, carga varios gneros, a Wilson Sons
& :\
Nvvi 8 sahidos no mesmo dia
Buenos Ayres e escala Vapor inglez
Magdalena, com-nand carga varios gneros.
Liverpool e escalaVapor inglez Acon-
cagua, cimmandante Waddilow, carga
varios gneros.
Barbados = Barca norneguense tStatsmi-
nister Selmer, capitSo L. Lydorsen,
em lastro.
Rio Grande do Norte Patacho inglez
Plover, capitSo J. Jaooing, em la3
tro.
Santos e escala Vapor francez Crdo-
ba, commandante A. Daret, cargo va
ros gneros.
Obsrvaclo
Procidente de Buenos Ayres tundeou
00 L-marao o vapor francez Charente
e cao communicou com a trra, e entrar
hoje para o ancoradouro interno.
'creado Municipal de S. Jos
O movimento deste mercado no dia 10 de Setem-
bro foi o segrate :
Entraram:
47 bois pesando 6,855 kilos.
514 kilos de peixe a 20 res 10*880
1 cargas con farinha a 208 rs. 200
22 ditas de fructas d.versas a 300 rs. 6*600
31 columnas a 600 rs. 18600
78 taboleiros a 200 rs. Id/600
5 sumos a 200 rs. 1*00
i escriptorio a 300 rs. c 300
66 compartimentos com faricua a 500 33*000
28 ditos de comidas a 500 rs.
96 ditos de legames e fozcudas a
400 rs.
13 ditos de sumos a 700 re.
9 ditos de fressuras a 600 rs.
14 ditos de camares a 200 rs.
52 talos a 2*
Bendimento de 1 a 9
14*000
38*400
9*100
5400
2*8 0
104*000
259*880
2.266 >820
2 526*700
Segunda seceo da Alfandega de Pernambuco,
11 de Setembro de 1890
. O tnesoureiroFlorencio Domin^ues.
O chefe da seccaoD. J. da Fonseca.
Rccebedorla do Estado de
Pcrnaaabuco
Uo dia 1 a 10 39:009*787
dem dc 11 241*503
39.251*290
Recifo Draiaage
Do dia 1 a 10 35:898*044
dem de 11 3:518*185
39:426*229
DloJheiro
BKCEBIDO
Pelo vapor americano Fioance. para :
Banco de Pernambuco 200.000*1000
Precos do da:
Carne verde de 200 a 480 ris o ki>'
Sumos de 560 a 640 reis dem.
Carnero de 640 a 800 idem.
Farinha de 440 a 540 ris a cuia.
Milho le 300 a 340 ris idem.
Feiiao de 600 a 700 idem
Vaporea a eatrar
MEZ DE SETEMBRO
Sul.......... CJvd............. 12
Sul........... Paranagu........ 12
Norte......... Allianca.......... 12
Norte......... Alaaoas........... 12
Sul........... Mrquez de Caxias 13
Europa...... Ville de Cear..... 15
Sul........... Pernambuco....... 16
Hamburgo .... Pernambuco....... 18
Norte....... Capua............ 20
Liverpool..... Actor............ 20
Sul.......... Espirito Santo..... 26
Norte........ Maranho......... 26
Europa....... La Plata.......... 17
Sul......... Trent............ 29
Vaporea a aahlr
HEZ DB SBTEHBBO
Sul..........Alagos........... 12 as S b.
santos e esc AUianga.......... 12 as 3 b.
A 8. sercSo comprehende os quarteires 24>
27, 28 e 29 e funecionar na casa terrea ra de
Marcilio Das n.35.
A 9.' secfio comprebende os quarteires 30,
31 e 32 e funecionar na Escola Noraal.
Dislricto de paz do Recife cu S. Frei Pedro
Goncalvcs, dividido em 3secc5es, a saber :
A seccSo comprehende os quarteirOes 1, 2,
3, 4, 5, 7, 8, 9, 11. e 21 e funecionar no arma-
zem da Compannia Pernambucana.
A 2. seccao comprehende os quarteires 6,
10, 12, 13,14, 15, 13, 19 e 22 e funecionar no
Arsenal de Marinha.
A 3. seccao comprehende os quarteires 17,
18 e 20, e funecionar no 1." andar roa do Ba-
rao do Triumpbo n. 15, por cima do escriptorio
dos Srs Bowman & C.
Districio de paz de S. Jos, dividido em 8
secces sendo 6' no 1 districlo policial e duas
no 2 districto policial, saber: A i seccSo
do 1 dislricto comprehenJe os quarteirOes i, 2,
3, 4, 5. 6, 7, lie 15, e Tunecionar na esta cao
nova da estrada de ferro, Recife a S. Francisco.
A 2' seccSo do Io districto fuoccionar na es-
cola do professor Benjamn ra do Dique ou
Carocas n. 24 e comprehende os quarteires 8,
9, 10.12, 13,14. 17 e 26.
A 3* seccao do Io dislricto comprehende os;
quarteires 18, 19, 20, 21, 22, 28 e funecionar.
na escola da professora Donalilla Julia ra do-
Padre Muniz i. 70.
A 4* seccSo do 1 dislricto comprehende os
quarteirOes 23, 24. 25, 27. 29, 30 e 32 e funecio-
nar na escola do professor Pedro Lemos ra
de DarthoUmeu n. 67. andar terreo.
A 5* seccao do Io disficto comprehende so
qnarteirOes 31, 33, 34, 35. 36 e 37 e funeciona-
r na '-s'aro nova da estrada le Caruai.
A 6 seccao do 1 districto comprehende os
quarteires 38 39, 41 e 42 funecionar na es-
tao vi Uia de Caruar ra de S. Joao.
A I* seccao do 2o districto comprehende os
quarteires 1, 2, 3, 4 e 5 e, funecionar na esco-
la do professor CuzRibeiro ra 89, outr'ora
Imperial, n. 157.
a 2 seccao do 2 districto comprehende os
quarteires 6, 7, 8, 9 10 e funecionar na es-
cola da professora D Caiolina, ra 89, outr'ora
Imperial n. 236.
Io districto de paz da fregueza de Afoga-
dos dividido em duas secces,' a saber: A 1*
destas secces romprehendd 01 quarteires 1, 2
e 3 e funecionar na escola do professor Torres
no.largo da Pz n. 70; ou ra Direita.
A 2 seccao do Io istricto conprehende 03
quarteirOes 4, 5,6, 7, 8,9, 10.11, 12 e 13. o
luQCciona: nc iheatrinho do Club Dramtico
Afogadeuse ra de S. Miguol.
O 2: districto de paz de Af 'gados dividido
em duas secces, saber :
A l* sect,ao comprehende os quarteires, 1, 2
e 4 e funecionar na escola" da professora D.
Maria Aula no largo i!os Remedios confronte a
greja.
A 2* seccao comprehende os quarteires 3 e 5,
e funecionar na escola do professor Chrisiovao
00 Largo do conselheiro J0S0 Alfredo.
O 3 dislricto de paz de Afogados, tem urna s
seccao e funecionar na escola da profeisora pe
bca D. Maria hialina, no Peres.
Di.-tricto de paz da Uoa Vitta, dividido em 10
secces, sen lo 8 do 1 districto policial e duas
no 2- districto policial desta fn-guezia, a saber :
A 1* seccao do 1- districto comprebende os
quirteiiOes 1-. 2 5- e-6- e funecionar no Pajo
da AfscoQbla Provincial, exlincta.
A 2* seccao do 1- distiieto comprebende es
qu*rteiie8 3-, 7 e 8-, e funecionar no The-
souro do Estado.
A3' seguido 1- districto comprehende os
quartei:'8 4, 9 e 10. e funxionar as officinas
da estrada de ferro do Re.ife a Caxangi. .^>
A 4* seccao do 1- districto comprehende 03
quarteires 11, 13 e i, e funecionar no arma-
zem n. 28 Praca de Maciel Pinheiro, defronte
do Jardim.
A 5* sesco do V districto comprehenle os
quarteires 12, 14, 15 e 23, e funecionar na es-
cola do professor Flix Valii3, ra do Leao
Coroa'lo n. 11.
A 6a seccao /lo 1- districlo comprehend-i os
quarteires )6. 17, 18 e 21 e funecionar na es-
cola do professor Ricardo de Medeiros, ra do
Racmelo n. 13.
A 7' sergio dol- distrido comprehende os
quartehes 19 e 20 e fuoccionar na escola do
professor Machado, ra dc Fernandes Vieira
n. 48.
A S' seceo do 1 dislricto comprehende 03
quarteii Oes 23 e 24 e funcionar na escolada
Propagadoia, ra do Pires o. 18.
A 1" seceo do 2 districto policial compre-
hende os quarteii.s I, 2. 3 4. 5 e 6. e funecic-
nar no andar terreo do predio n. 30, ra do
capito Lima.
A 2'sor odo2 diflricto policial compre-
tMUe 03 qu...'teiies 7, 8, 9 e 10, e funecionar
no and.r terreo do predio n. 111, ra do Viz-
conde do Rio Bran:o.
Districto de paz da Graga dividido em 4
uceos, sendo dua3 no 1- districto policial e
dUoS no 2- dislricto policio, saber :
i* seccSo do 1- districto comprehende os quar-
teires 1, 2,3, 4, 3 e 6, e fuuccionar na sede da
Sociedade Musical em frente a matriz.
A 2 sCc5o do i- districto comprehende os
quarteires 7, 8, 9, 10, 11 e 12 e funecionar na
escola da p ofesora 0. Paul n 1, ra da Baixa
Verde n. 7.
Al* secca > do 2o districto policial comprc-
henJe os quarteirOes 1, i, 3, 4, 5. 6, 7, 8 e 9, e
funecionar na estaco da Eocruzilhada dos Tr-
inos Urbaoos de linda.
A 2 seceo do 2o dislricto pilicial compre-
bende os quarteires 10,11,12, 13, 14, 15 e 16
e funecionar ni escola di professor Antonio
Vieira no Espinheiro n. 6.
Districlo de Paz da Yarzea dividido em dos
3eece9, a saber:
A 1" ecco comprebende 03 quarteires 1, 2,
3, 4, 5, 6, e 7 u funecionar na escola publica 1 o
Largo da Matriz.
A 2 seccSo comprebende 03 quarteires 8, 9,
10, 11, 12,13 e 14 e funecionar na escola pu-
blica do sexo feminino na povoago deCaxan^*
Districto ic paz do Pogo da Panella, dividido
em 4 secces, a saber:
A sercSo comprehende os quarteires 1,2 e
3, e funecionar na igreja de N. S. da Sade.
A 2* scead comprehende os quarteires 5, 9,
11,12. 13,15 e 16, e funccijnar na capella da
Casa Forte. ^*
A 3" secgo comprehende os quarteires 4, 7 e
10 e fonccionar na capella de Apipucos.
A 4* seccao comprehende 03 quarteires 8,14
c 17 e funecionar na caja da Sociedade Propa-
gadora no Monteiro.
Outrofim, convida a todos os cidados qualiG-
cados eletores a darem os seus votos as mezas
das secces correspondentes ao districto e quar-
teiro indicados em seus ttulos, defeudo para
isso ahi comparecerem com elles no dia f5.de
See 1 bre docorrenle auno s lO-bojasem ponto
da manli, munidos de duas rndpsTicljds,
escripias em papel commum, urna com roBilo
Para senadores e a outra com o rotuloFa-a
deputados, devendo esta conter 17 nomes dos
cidados que eicolherem para deputados, tal'
com 3 nomes apenas dos que escoMiefefla-pwa
senadores. "
Paco da Intendencia Municipal do RiC.fe, em
30 de Agosto de 1890.
Presidente,
Antonio de Souza Pinto.
Secretario,
Joaquim Jos Ferreira da Rocha.
t

y
l:V '

*m y

>

I
.
I
:
V-
9
i

.
\%
DECLARACOES
Hippodromo do Cam-
po Grande
Em reuniao desta directora foram mu
tados os seguiutes jockeys.
Luis Pereira em 2000000 mil ris de
conformidade com o art. 52 nico do
cdigo de corridas, Jos Marcelino em
lOOiJOOO, de coafirmidaie com o art. 48.
Antonio Mera, Jos Marcelino e Amaro
Marcelino em 500000 cada um, de con-
formidade com o art. 51 4. pelo mo
comportamento no ensilhamento.
Secretaria do Hippodromo do Campo
Grande, 11 de Setembro de 1890.
Albino Fernandes de Azevedo,
Ser viudo de secretario.
r -
a#


t
Diario de Pernambuco--Sexta-feir 11 de Setembro de 1890

DERBY
ss
1
-
CLUB
PERNAMBUCO
PROJEOTO DE IN8CRIPCA0
Para a 14.a corrida a realizar-se em 2 i de
setembro de 1890
Concluir corrida com a ascencao
DO
Arrojado aeronauta
e paraquedista o Sr. STANLEY SPENCER no seu balito procurando mais ama vez
satisfazer aos pedidos do generoso povo perr.ainI)Ucano.
*
1. v\Vv\,Q CONSOLACO OOO metros. Animaes de Pernambuco, qae
nao tenham ganho no Derby em 1890 e eguas de Pernambuco. Pre-
mios : 200(5000 ao primeiro, 40(>000 so segando e 20i5OO0 ao terceiro.
."."lk^^lS; PRADO DA ESTANCIA -1.6O0 Metros. Animaes nacionaes
at meio sangue, que na > tenham ganho no Derby u'ese ultimo mez.
Premios: 3UO0OOO ao primeiro, 6O1KXX) ao segundo e 305000 ao
terceiro.
1W&9 EMULACAO -l.SOO metros. Animae3 de Pernambuco Pre-
mios : 200)5000 ao primeiro, 4t$000 ao segundo e 20f5O00 ao terceiro.
4- ^Yfc^iS ANIMACAO l.OOO metros. Animaes de Pernambuco que
nao tenham ganho em distancia superior a 850 metros n 1 Derby. Pre-
mio : 200)5000 ao primeiro, 40&000 ao segundo e 20^000 ao terceiro.
V: v\v.VQ -INTERNACIONAL] 1,ttOO metros. .Animaes de qualquer
paiz. Premios : 400|$0C0 ao primeiro, 100)5000 ao segundo c 40000
ao terceiro.
^\^S>9 PROSPERIDADE l.OOO metros. Animaes de Pernambu-
co que nao tenham ganho em distancia superio" a 800 metros nos pra-
dos do Recite. Premios : 2000000 ao primeiro, 40)5000 ao segundo
e 20^000 ao terceiro.
Observacoes
Nenhum pareo se realizar sem que se inscrevam e corram pelo menos tres
animaes de propietarios differentes.
A inscripcito encerrar-se-ha terca-feira, 16 do corrente, s 6 horas da tarde
na secretaria do Derby Club, ra Duque de Caxias n. 22, l.9 andar.
O SECRETARIO,
Manoel Medeiros.
wm wmmmmL
CONCERT VOCAL E INSTRUMENTAL
so",:::::::::::: victos ranos
Sabbado 20 de Setembro de 1890
PEOGRAMMA
PRIMEIRA PARTE
1. %WH%.....Scherzo op. 31.....J. Vctor
^\%&%^%%'%--Viriou de Ploermel
romance*de bartono.... O. Comoletti.
.............'... Solo de flauta...... Candido Fho.
^ ^VS^\ Eigensinnig. Romaa-
ce de soprano..........Mme. L Medelrot.
yi\t\W*\.....Grande Polka de con-
cert. (2.*)...........J. Vctor.
SEGUNDA PARTE
^ ^a.^^%5......VariacSes sobre um
canto veneziano......M. Bandtira Filho.
^\^%S%\.......Memorie d'Amor... G. Comoletti.
...............Solo de violino..... Dr. Paulino de Mello.
%, "V$\\%^-----Comme vingt ans
meloda............... Mme. L'. Medeiros.
%, I^Va^.....Fantaisie-ballet. Dous
pianos......... ...... Amaro Barretto e
Jorge Vctor.
s 8 horas
2
3.
4.
(J.
T.
8.
9.
10
Recife Drainage
RelacSo dos concertos feitos nos apparclhos
no mez de Agosto do corrente anno de
conformidade com o art. 10 do contracto
e 2." do art. 15 do regulamento de 12
de Janeiro de 1872.
Recife
Alfandega 8(3150
Mrquez de Olinda n. 18 20580
Bom Jess n. 40 3730
Dita n. 48 2)5580
Dita n. 9 4,5000
Dita n. 17 2(5580
Dita n. 35 6)5750
Commercio n. 2 2)5500
Dita n. 22 2)5580
Dita n 32 21,5690
Dita n. 13 12(5530
Largo do Corpo Santo n. 2 3)5730
Dito n. 11 5)5320
Thom de Souza n- 2 2)5580
Dita n. 14 2)5580
Becco do Abren n. 4 2)5580
Dito n. 6 2500
Mariz e Barros n. 2 20500
Amorim n. 29 5*090
Dita n 45 4-3940
Moeda n. 29 20580
Dita n. 41 150320
Madre de Deus n, 32 160980
Domingos Jos Martins n. 64 20580
Dita n. 130 30650
Dita n. 138 20580
Dita n. 1 20580
Traveasa do Campello n. 1 130020
Becoo Largo n. 9 20580
Dita n. 31 30730
Travesea para o Corpo Santo n. 5 20580
Mascates n. 10 20500
Dita n. 9 60870
Dita r>. 15 40380
Restaurcao n. 16 20500
Dita n. 38 50550
D. Maria Cesar n. 16 20650
Di a n. 17 20580
Dita n. 21 20580
Visconde de Itaparica n. 8 40010
Travcssa do Areial n. 4 60650
S. Jorge n. 45 50500
Ditan. 139 403O
Travessa para a Fundicao n. 8 30730
Guararapes n. 35 50200
Dita n. 49 20500
Travessa de Praca de Pedro I n. 7 40480
Dita n. 9 50090
Barao do Triumpho n. 82 25580
Dita n. 31 70440
Dita n. 81 40350
Caes do Brum n. 59 20500
Largo do Arsenal (apparelho) 20500
Largo d'Assembla (apparelho) 30650
Santo Antonio
Vidal de Negreiros n 62 30950
Dita n. 126 20500
Dita n. 186 20500
Dita n, 202 170010
Dita n. 11 50500
Dita n. 27 140650
Travessa do Frata n. 18 20450
AssumpcSo n. 14 20500
Djmingos Theotonio n. 37 70610
Padre Florianu n. 16 40550
Ditan. 57 2050
Forte n. 6 100530
Ditan. 12 601oO
Antonio Hecriqu-s n. 23 80690
Noguoira n. 10 20500
Santa Rita n. 46 20500
Dita n. 78 30650
Padre Muniz n. 13 20500
S Jos n. 20 40300
Dita n. 54 20500
Travessa de S. Jos n. 14 40450
Travessa da Fraia (Forte) n. 14 20700
Fortaleza das Cinco Pontas 40750
Travessa do Peixolo n. 4 30730
Ypiranga n. 9 190860
Luiz de Mendonca n. 22 100400
Hoi Vista
4

Come 9 ara
mi tuto
I

Club Dramtico Familiar
SABBADO, 13 DE SETEMBRO
Espectculo particular
Com o imponente drama em 1 prologo
e 5 actos, intitulado
0 JDIZ MAXWELL
ou
FORCA POR FORCA
Realisa esta soc.edade urna magoifisa
soire dramtica.
Programma no dia do espectculo
Vigario Tenorio i" andar n. 15 25*000
Dita S andar n. 25 20*000
Dita leja n. 27 15*000
Domingos Jos Martins, terrea n. 16 20*000
Ditan. 118 166M
Dita f andar o. 132 15*000
Dita andar n. 132 15*000
Uompanbia Pernambucana loja n. 30 15*000
Bureos, terrea n. 21 14*000
Lapan 2 14/000
Becco do Abreu 2o andar n. 2 8*000
anidor da Detenco n. 4 6*000

Derby Club de Per-
nambuco
Adirect.>:ia deda scciedade previne aos se-
nbores oroprietarios di:nimats nacional- e
osLraagaro-. qae ai ulterior deliberacao Cea
sen vigor o 2 do art. 23 do cdigo m-
das do Prado da BstaDia.
Secretaria do Derby Club d Pern;ms*o, W
de Setembro de 1890-0 fecretario,
Manct'I Medeiros.
^A_ ______ .....--------......
Irmandade
DE
N. 0. ao Bom Parto, erecta na Igreja
de a. Jos de Riba-Mar deafe Es-
tado
De ordem do irmao jaiz, conviJo aos irmo?
que estiTerera nogo^ do eeu direito a compare-
cerem no domingo, 14 do cerrent*, pelas 10 ho
ras Ja maalia era dojm coMifltono, a'ira e
rrnnirTnQjjin|-ii a-sembl! freral para c-leger
fQaaoioT03 funcciooario* que lm de reger o
m eomproinissal de 1890 a 1891.
Recife, 10 de Setembro de 1890.
O secretario,
Manoel L?ao de Mello.
I Delegaciada Inspectora Ge-
ral das Trras e Coloni-
sacaO
Nesta delegada recebem-se, at o dia 20 do
correnle, propostas em carta fechada, p*ra a
onstruccio de 50 cafas de colonos, nos totes
rsticos do ncleo Suassuna, na comarca de Ja
boatao.
Os pretndanles pode;o desde jvir examinar
nesta repartico as plantas, desenos e orcamen-
tos, assim como informa:-se das demats condi
toes do contracta.
I Delegada da Inspectora Geral das Trras e
Co'.onisacao, em 9 de Setembro de 1890.
O delegado,
Manoel AugostoTerreira da Silva.
Dita n
Dita n.
Dita n.
Dita n.
Dita n.
R. D. C.
Hecreto Dramtico Coelneaae
De ordem do cirector, convido a todos os so-
cios a c imparecerem a sesso extraordinaria no
dia 14 do corrente, na roa da Santa Crux n. 52
ao .'<-io dia em ponto ; aquelle que do compa-
recer ser punido com o art. 9 de nossos esta-
tutos.O 2- secretario,
______ Benicio Oliveira.________
Monte de Soccorro
de Pernambuco
(tbanifebencia de leilXo)
De ordem do conaelho fiscal, aviso aos
Srs. mutuarios, que fica transferido, para
o dia 26 do corrente, definitivamente, o
leilSo de joias, annunciado para amsnbl.
Recife, 10 de Setembro do 1890.
0 gerente,
Ftlino D. Ferreira Coelho.____
Ttm secretarla da aata Casase !
serlcsrdla alaras* se as sefdlateo
Roas :
Sale de Setembro n. 14
Restanraco n. 25
Oitt n. 27
Amorim 1* andar n. 23
Dita t* andar n. 23
Dita annaxesj a. 64
40*030
15*060
15*000
18*000
15*000
30*000
Estrada de Ferro Sul de
Pernambuco
Edita!
D ordom di director eagenheiro em
che fe, recebem-se propobtss, at o dia 20
a 1 hora da tarde, no (escriptorio central
em Palmares, para o fornecimento de
300 dormentea de madeira de lei para
pontee das seguintes dimensSes :
50 de 3.-00* 0 m20X 0.B35
100 de 3."0(W 0.-26X0 2
100 de 3.-00X 0.-23X 0.m29
50 de 3.n,0OX0.B3X0.m2O
Esses dormentea serao perfeitamente
s2cs, rectos, serrados as quatro taces, de
topos em esquadria e das seguintes ma-
deiras : aroeira, braoa, oiticica, pao fer
ro, pao carga, louro cheiroio e aogclim
margoso
Palmares 4 de Setembro de 1890.
Julio Cesar Barjona da Silva.
Secretario.
Obras de melhora ment do
porto
No escriptorio da empresa de obras publicas
no Brasil, i roa do Lomsercio n. 13, recete se
do dia 15 do corrente un diante, propostas para
o fornecimento de qualquer quaotidade de viras
de madeira de lei de Om, 20 x Om, 20. O.n, 25 x
Om. 23 e Om, 30 x Om, 30 de esquadria e de di
versos comprimentos at 16m.
^Oj proponentes deverio declarar o piejo por
metro correte em relacao a cada esquadria,
indicando at que comprtmento refere se cada
So serao acceita* vigas de inberiba prtta,
massarandooa e sapocaia, qoe sejam bem linnei
ras e de quina vira.
Recife, I de Setembro de 1800.
A. Braa da Cnnba,
0 Representante da empresa-
Imperador n. 54
Dita n. 1
19
23
27
49
57
1. de M.rco n. 9 ,
Duque de Oaxiaa n. 4
Dita n. 28
Dita n. 32
Dita n. 21 ,
Saboga n. 12
Ditan. 1
Dita n. 7
Dita o. 11
BarSo da Victoria n. 16
Dita n. 54
Dita n. 23
Dita n. 39
Dita n. 49
Dita n. 59
Trincheiras n. 10
Dita n. 46
Dita n. 7
Dita n. 9
Dita r. 17
Ditan. 23
Larangeiraa n. 18
Dita o. 26
Dita n. 3
Largo do Paraso n. 29
Dito n. 31
Larga do Rosario n. 20
Dita n. 11
Estreita do Rosario n. 1
Dita n. 33
S. Francisco n 26
Dita n. 9
Palacio do Ooverno
Patos n. 16
Calabozo Velho n. 35
Becco da Matriz n. 3
Travessa da Matriz n. 2
Travessa daB Flores n. 4
1. Becco da Camba n. 5
Dita n. 7
2* Becco da'Cambda n. 5
Travessa do Canso n. 10
Dita n. 16
Fogo n. 39
Travessa do Livramento n- 9
Livramento n. 7
Dita n. 15
Difa n. 25
Ditan. 31
Viscocde de Inhauma a. 5
Pedro Affonso n. 63
Marc.lio Das n. 40
Dita n. 46
Dita n 68
Dita n 91
Santa The reza n. 40
24 de Vlaio n. 3
Travessa da Concordia o. 2 A
Dita n. 18
Palma n. 11
Mrquez do Herv.l n. 10
Dita n. 29
2 Becco da Cadeia Nova n. 6
S. Jos
Marcilio Dias n. 112
Dita n. 121
Dita n. 127
Lernas Valentinas b. 48
Dita n. 78
Coronel Suassuna n. 69
Dita n. 105
Dita n.113
S. Joao n 10 A
Dita n. 9
Palma n. 82
Dita n. 84
Dita n. 86
Ditan. 75
Marques do Herval n. 217
24 de Maio n. 56
Dias Cardoso n. 99
Passo da Patria n. 2
Padre Nobrega n. 31
Dito d. 33
Dito n. 61
a
25580
49,5960
144730
133130
30650
16410
23500
3*560
3339 D
23660
93160
53050
3*650
250J
93860
33650
123150
93850
33850-*
33950
23500
13650
235C0
33850
35850
23500
2500
23500
23700
35950
33850
93250
339X)
33810
23500
13330
23500
63480
53650
43300
3*S!50
33850
63650
53500
23510
23580
35650
24500
6*650
4515)
25500
33910
1C5880
25500
65250
25500
65500
235340
3*650
2*50
25500
2*;".00
55O50
155890
45351
43800
531(0
35700
53960
53400
73000
2550
5*050
23500
33650
25*540
2*110
5*000
2*50
2*500
25500
12*150
17*850
10*660
23500
2*500
7*53)
16*640
9*800
2*500
2*500
Iroperatriz n. 4 3*850
Dita n 34 4*850
Dita n. 66 10*200
Dito n. 13 6*100
Dita u. 45 4*450
Dito n. 49 2*990
Dito n. 53 41*690
ConceisaD n. 21 3*650
Tambi n, 4 53090
Vizconde de Albuqnerque n- 140 8*000
Dita n. 115 9*720
Dito n. 123 3,5650
Aurora n. 21 12*100
Ponte Velba n. 44 3*260
Conde da Boa Visto n. 24 B 3650
Dita n. 11 A. 6*270
Dita n. 31 2*150
Riachuello n. 59 5*670
Hospicio n. 2 5*370
Oite n. 23 3*650
Dito d. 65 5*130
Dita n. 69 3*650
Camarao n. 13 3*650
Rozario n. 34 35650
Gervasio Pires n. 26 33650
Dita n. 97 4*050
Travetsa do Palacio do Bisspo n. 13 3*650
Praca da Santa Cruz n. 14 5*050
Dita n. 24 13*300
S. Goncalo n. 29 2*500
Coelhos n. 17 5*700
Travessa do Veras n. 10 5*990
Alegra n. 48 2*500
Barao de S Borja n. 6 3*850
Dita n. 53 3*650
Dita n. 5J 3*650
Visconde de Goyanna n. 69 3*659
Dita n. 143 3*650
Recife, 10 da Setembro de 1890.
Mackintoch.
lUi tecretana da Intendencia Municipal
do Recife se faz publico, de ordem do presidente
da mesma Intendencia, que dol* at o dia ii
Je Setembro, no pavimento terreo do Paco Mu-
nicipal, das 10 hor. s da manbS As 4 da tarde,
em todos os dias ulcis, o secretario entregar
aos proprios cidadaos alistados eleitores uu aos
seus procuradores especiaes o seu titulo de elei-
tor do districto de paz da freguezia de Sanio
Antonio somenta, devendo es dos outros distnc-
tos do municipio ir recebel os do 1- juiz de paz
do seu respectivo districto, conforme resolveu
em 9 do corrente o ministro e secretario de es-
tado dos negocios do interior.
Secre'ana da Intendencia Municipal do Recife,
30 de Agosto de 1890.
O secretario,
Joaquim Jos Ferreira da Rocha.
Concursos de 1.a e 2.- en-
trancia
De ordem do Dr. inspector, faco pu-
blico que, no dia 1 de utubro prximo
vindouro, proceder-83 ha nesta tnesoura-
ria a concursos de 1.a e 2 entrancia, os
quaes serao regulados pelo Decreto n. 10
e 349 de 14 de Setembro de 1889, que
dispoe o seguinte :
Art. 2.
< As material do concurso para os la
gares de primeira entrancia serao:
Grammatica da lingua nacional (ortho-
graphia, analyse e redaccSc);
Grammatica das linguas, francesa e in-
gloza (leitura, tradcelo e analyse);
Aritbmetica e suas applicacoes ao com
mercio e s repart s3es de Fasenda;
Algebra at as equagSes do 2." gHo ;
Escripturajao mercantil por partidas
dobradas. >
Ait. 3.'
As materias do concurso para os em-
pregue de segn la entrancia serao :
LegislacSo de Fazenda ;
Praiica de repar^So.
O exame ss far, salvo a hypotfaese
do art. 28, por nm questionario que ser
publicado pelo Thesouro. >
Art. 4.
a Os candidatos a emprego de primeira
entrancia, que quizerem gosar da vanto
gena Indicada no art. 45 das leis, das alfandegae, deverao prestar
tambem pro va pUi:a de que sabem :
1. Fular correctamente pelo menos as
inguas franceza e ingleza;
2." S:ereometria, a eometria, theoria e
pratica dos metbodos e uso dos instru-
mentos modernos de arqueacio de navios.
Art. 10
Para que sejam admittidos ao exame
de primeira eutrancia, os candidatos pro
vario perinte a commissSo :
1.* Que teem mais de dezoito e menos
de 25 an.-.os de idbde ;
2 Que tao de bom procedimento
Do mesmo m'do, para a inscripcSo
no concurso de segunda entrancia, os can
didatos deverao apresentar commiseao:
1. Certidao d ponto de sua repartijSo;
2 Aitestodo do competente ebefe so-
bre a sua aptidSo para o servico publico.
Ai*. 28
c Os actuaes eropregados de primeira
entrancia nao poderao ser nomeados para
lugares de segunda sem dar prova plena
de que sabem, cao s a pratica da repar-
tilo em que servirem, mais tambem as
a ateras designadas no art. 2..
t Oh que nilo se habilitaren! dentro de
dous annos contados da dato deste Decre-
to, cnsiderar-se hlo desligados do ser
vi90 da Fazenda. >
Como se v, serlo admittidos ao refe-
rido concurso do primeira entrancia nlo
so os actuaea eihpregadoa qoe anda nao
tenham se habilitado de conformidade com
o rgimen estobelecido pelo ultimo Begn
lamento, cima referido e cojas iapoai-
c3ea vao em parte tranaeriptat, coato
toflibem os cidados que pretenderem em-
pregos de primeira entrancia.
Quanto ao questionario de que trata a
ultima parte do art. 3.', deve elle constar
das instruceSes que de accordo com o que
foi declarado pelo Sr. ministro da Fazen-
da em telegramma de 2 do corrente, fo
ram expedidas em 28 de Junho prximo
fiado e brevemente serao inviadas a este
Estado.
Tnesouraria de Fazenda do Estado de
Pernambuco, 7 de Julho pe 1890.
O secretario da junta.
Dr. Antonio Jos de Sonta'Anna.
Veneravel
Irmandade do Senhor Bom
Jess dos Passos
Eleirtto
De confo-midade com o compromisso que nos
rege, convido todos os nostos irmaoa a com pa-
receres em nosso consistorio, na matriz do Cor-
po Santo, sexta feira 12 do corrente, pelas 4 1/2
oras da tarde, am de em mesa geral elegermos
os funecionarios para o anno compromissal de
1891. Recife, 9 de Setembro de 1890.
O escrivao,
_____ Odorico da Cmara.______
AVISO
0 eleitores que entregaram seus ttulos a
commissao municipal revisora do alistamento
elei'-oral do municipio do Recife, podem vir rece-
be! os nesta secretaria em qualquer dia til das
10 boras da manba s 4 da tarde.
Secretaria da Intendencia Municipal do Recife,
em 26 de Agosto de 1890.
O secretario,
Joaquim Jos Ferreira da Rocba.
PBONDAS
Em prol das viii vas neces-
silailas e do hospital
de Sania gueda
Ultima festa
NO LARGO DO
ARSENAL DE GUERRA
Onde tocaro succes-
sivamente duas ban-
das de msica
\a tarde c noile de domingo
14 d$ S$mkro
No*tendo todas as
pessas que recebe-
ram bilhetes do Bazar
de prendas em favor
das viuvas e variolosos
mandado buscar os
premios correspon-
dentes aos nmeros
dos m&mos bilhetes,
a commissao entarre-
gada do mesmo bazar
deliberou effectuar
urna ultima festa no
largo do Arsenal de
Guerra, com o fim de
effectuar a enrrega,
sendo que perdero o
direito as mesmas
prendas aquellas pes-
sas que nao as retira-
ren! n'aquelle dia e se
rao vendidas com al-
guns objectos ultima-
mente offerecidos por
al guns barraqueiros,
devendo seu producto
ser despendido com os
pobres emesmolas de
1 $000, sendo encarre-
gado desta distribui-
do a Exma. Sra. D.
Ignez Angelina Mar-
tins da Silveira, sogra
do muito digno hispe-
et r do Arsenal deMa-
rinha, a qual marcar
dia, hora e lugar em
que deve effetuar-se a
entrega distas esmo-
las.
Na tarde e noite de
domingo, 14 do cor-
rente ser offerecido
da barraca denomina-
da Caridade bebidas,
sor vetes e doces, sen-
do o producto liquido
aplicado s esmolas aos
pobres.
MARTIMOS
Royal Mail Steam Packe!
Company
O vapor Clyde
E' esperado do sul no dia'13 de Se-
tembro segnindo depois da demora
necessaria para
S. Tcente, Lisboa, vlg. e Son-
thamptou
Lisboa, Vigo e Santnampton
Reduccao de passagens
Ida lia evo1.'..i
V Lisboa 1* classe t 20 i 30
i' Sontbampton i' clase 28 42
Camarotes reservados pa. a os pissageiros dt
Pernambuco.
Parapassagen?, fretes. encommendas, trata-sa
otn os
AGENTES
Amorim Irmos & C
N.3Roa do Bon JessN3.
sis? t
i ipfsr
Llojd Brasileiro
PORTOS DO NORTE
O vapor Alagos
Comraandante Joao Maria Pessoa
E' esperado do portos do or
te ai o dia 13 Se Setembro e de-
pois da demora indispensavel
_______Jseguir para os portos do su),
recebendo carga bardear no Rto de Janeiro:
para Sanios, Camona, Iguape, Paraca gn, Anto-
nma, S. Francisco, Itajahy, Santa Catharina, Rio
Grande, Pelotas e Porto Alegre..
As encommendas serao recebidas at 1 hora
da tarde do dia da sabida, no trapiche Rarbosa
no largo do Corpo Santo n. 11.
Para carga, encommendas, passagens e va!o-
es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=S
lo andar
Uriited States and Brazil
M. S. S. C.
O vapor AUianca
E'esperado deNewYork-
ato dia 12 de Setembro
o qual depois da d-
me ra necessaria seguir
___________para a
Billa, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di-
heiro a frete : trata-se com .-
AGENTE
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
Io andar
Jompanhia Bahiana de Na-
vega^ao a Vapor
MaceJ, Vla-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Baha
O VAPOR
Mrquez de Caxias
Commandante Moraes
E' esperado dos portos cima
at o dia 13 de Setembro regres-
Bando para os mesmos depois da
__________jdemora do costme.
Para carga, passagens, encommendas e dinhe-
o a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario17
COMI'tMIIt PEB\4HBlC,i*
DE
aregaco costelra por vapor
Para Fernando de Koronba
O vapor Beberibe
Commandante Fabio Rio
."SnAk Segu no dia i7 de Setembro s 12
ggUf BgLhoras da mano. Rca>t carga at o
ana^Bda IB e pags.-igi^ at as lOaeras
da manba do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12________________
CHARGEURS REUNS
Companhia rranreM
DE
Vavcgaco a vapor
Ginha quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro*
Santos.
O vapor Paranagu
Commandante Delieas
Espera-se dos portos do sol at
o da 12 de Setembro, segnindo
depois da indispensayel demora
ara o Havre.
Entrar no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rapide
i offerece excellentes commodos e ptimo pas-
ladio.
As passagens poderao ser tomadas de ante-
nao.
Recebe carga, encommendas e passageiros
jara os quaes tem excellentes accommodacoes.
Para carga, passagem, encommendas e di-
aheiro a frete trata-se com o AGENTE.
O vapor
Ville do Cear
Commandante Lainey
E'esperado da Europa at o ;!ia
15 de Setembro segnindo depoia
da indispensavel demora para
Macei, Babia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-seaos Srs. importadores de carga peles
'aporee desta linha, queiram apresenar dentro
ie 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
{ualquer reclamacao concernente a volumes que
wrTentora tenham seguido para os nortes do
    teECias necessarias. -
    : aaW

    ::S,
    *


    Diario de Pernambuco-Sexta-feira 12 de Setembro de 890




    f
    Expirado o referido praso a companbia nao
    runnaiihililti BOT extravio.
    iGra aTpBsageiJB, encommendas e dJ
    9BA DO COMMERCIO-
    -
    LE1L0ES
    Sexta feira. 12, deve ter logar s 101 \i horas o
    lelio de saceos com arroz.
    A's 11 'tf muitos e difTereutes movis de es !
    cnptorlo c de casa de familia, existentes no ar-
    imzem da roa do Rom Jess n. 45
    'O leilo'e nrovei^ tignras de biscuit, obje-
    ctos de electro-piale, quadros e espelbos, annun-
    dado por intervenco do ageute Pinto, para sab-
    fedo 13 do correte, deve er logar na casa da
    rqarfa.Uoi.ao n. 15.
    -'TJfcmiqgo, 14, deve ter logar o leilo dos
    objectos ofterecidos para 6 bazar de prendas
    existentes di Barraca de caridade uo largo do
    Arsenal de Guerra.
    Leilo
    De fazendas a variad as
    Huje, 12 de Setembro
    A's 11 horas
    No Io andar do sobrado da roa do Bom
    Jess n. 44
    Por intervengo do agente
    Alfredo Guimaraes
    Agente Pestaa
    Ultimo leilo
    Da casa terrea Bita roa de Joao Fernaodes
    Vieira n. 50, remiendo 204 mensaes
    fteita felra, I do corrate
    A's 11 horas em ponto
    No armazem iravessa do Corpo Santo n. 27
    O agente Pestaa, amorisado, vender a quem
    Oais aer, a casa terrea cima mencionada, edifi-
    cada em terreno proprio com os segointes com
    modos : 2 salas, 2 quartos, cosinba fra. quin-
    tal murado e com cacimba.
    Leilo
    de 30 saceos com arroz a variado
    Sendo t* mccoi marca triangulo
    ti A e arco g*C.
    ftexla-felra. 11 do corrate
    A's 10 i [2 horas
    No armazem da i'ompankia Pernambucana
    0 agente Pinto levara a leilo, por conta e
    risco Se quem |rtencer 30 saceos com arroz,
    escarregadas de bordo do vapor inglez Editor.
    com avaria d'agua do mar, e existente no arma-
    zem da Companhia Pernambucana.__________
    Leilo
    de ama secretaria commoda com tampo de pe-
    dra, de mobilia, candteiros a gaz, espelbos
    mesa elstica, camas, chicaras e pires, pratos,,
    jellas e muitos movis, qae serao vendidos ao
    correr do martello.
    Urna baianta. 1 carteira, 1 repartimento de
    escriptorio formas para assucar e 2 caixas com
    cbammes, 150 saceos e 180 fardos de alfafa.
    Sexta-felra, i* do corrate
    A's 11 1|2 horas
    Agente Pinto
    Ra dp Bom Jess n. 46________
    Leilo
    De movis, e-pelhos dourados, quadros, candtei-
    ros a gaz, figuras de biscuit, objectos de arte,
    pratos etiinezes, objectos de electro-plate, pal
    metras e crotons.
    A saber :
    Urna mobilia a Luiz XV com 1 safa, 2 donker-
    ques. 4 cadeiras de bragos e 18 de guarnlco, 3
    pares az carbnico, i lindos jarros para flores. 2 can-
    eiroi a gaz com i torcidas, 8 quadros, 8 eta
    geres, 1 tapete de FOf, 1 esteira forro de sala.
    Seis figuras de bis< un, 2 ricos vasos de faian
    ca, de Limoges, sobre ps de bronze, 4 vasos
    com plantas, mesinbas de pbantasia, 1 carteira
    para senhora, 4 cadeiras de abrir, com tapete, 2
    orta-jornaes, 2 estantes, 2casticaes com figura,
    porta cartes, jarros de alabastro.
    Doas camas de Brable novas e igoaes, 2 copu-
    las, 1 marquezo, 1 cama para menino, 1 berco
    de balaustre, 7 frascos enfeites de toilette, 1
    porta-alflnete, 6 casticaes, 2 cabtdese 1 lavato-
    rio.
    Urna cama franceza, 1 lavatorio, 1 mesa de
    cama, 3 globos, 6 qoadros, 2 caixas para lavas,
    1 commoda, 2 porta chapeos e 1 marqueza.
    Urna mesa elstica, 24 cadeiras de junco bran-
    co, 1 aparador, 1 mesa com ps torneados. 1
    guarda louca. 1 espelbo grande, 1 qoartinbeira,
    tonca para cb e jamar, copos, clices, garrafas,
    compoteiras, chicaras, pires e pratos avulsos.
    Dm porta-queijo 1 porta gelo, 1 galbeleiro, 4
    licoreiros, 1 porta-conserva, 1 lamparina, 2 abat
    jours, 3 g ebos, 3 frocteiras de pedra, 6 qoadros
    24 anneis para goardanapos e ootros objectos
    de electro pate e 1 registro a gaz.
    Doos carrinbos para criancas, 1 cadeira com
    rosca e muitos outros objectos.
    Sabbado. 13 do crrente
    Agente Pinto
    Na casa roa da Unio n. 15
    O leilo principiar s 10 1/2 horas. ,
    Entrega em acto continuo.
    ?gente Silveira
    2 leilo
    De predios e terrenos
    Sabbado, 13 do corrate
    A's 11 horas
    No armazem roa estrena do Rosario n. 8.
    O agente cima, por mandado e com assisten
    ca do Exm. Sr. Dr. joiz da provedoria, a reqoe
    rimento da ia ventaran te de Flix Jos Felicio.
    levar a leilo :
    Dm terreno na travessa do Pires, junto casa
    i. 29, morado, com alicerce para casa, medindo
    de frente 6 metros e 30 centmetros e de funao
    27 metros e 30 centmetros.
    Duas mei'agoas de pedra e cal, com porta e
    C nella, dentro do terreno cima, medindo 3 me
    os e 20 centmetros de trente e de fondo 2 me
    Iros e 91 contimetros.
    Dm terreno n travessa do Atalbo n. 3, com
    frente par casa, com porta e jaoella, medin
    do d frente 4 metros e 80 centmetros e de
    fundo 12 metros e 80 centmetros.
    Cinco mei'agoas de pedra e cal dentro do ter
    reno cima, com porta e janella, medindo de
    frente 3 metros e 40 centmetros e de fondo 2
    metros e 50 centmetros.
    Leilo
    De orna factura contendo lindas pulseras e
    broche de prata, guaroices douradas e de prata
    para camisas, geladeira, bidet e cigarreiras fi-
    nas.
    Sabbado 13 co co'rente
    A's 11 horas
    No 2' andar ra do Marques de Olinda
    n.56 /
    Por occasiao do leilo de movis, etc.
    Por intervenga do agente
    tiusmao
    Leilo
    De orna mobilia (de Jacaranda completa com
    tampo de pedra, 1 e.-pelho oval grande rom
    moldara doorada. 1 piano forte, orna cama fran-
    seza para casal, orna mobilia de janeo completa,
    neta rrobilia de amarado, 2 qoadros a oleo,
    ama meta elstica, urna quarttnbeira alta, 2
    aparadores, meia commoda, 1 guarda comidas.
    urna mesa para jaolar, 1 lavatorio com pedra,
    urna mesa de mogno ara centro de sal (gosto
    amigo), 8 cadeiras de junco novas com bracojl
    banneiro com curisco, 1 tbear, lencas tlMk,
    resto de miudezas e 1 lastro de rame novo
    para cuma
    Sabbado 13 do torrente
    A's 11 horas
    No 2- andar do sobrado ra do Marquen
    de tinda n. 56
    Em continuacao
    De resto de orna factura de objectos novos e
    de gosto
    Como sejam :
    De 2 grandes tapetes avelludados para forro
    de sala, mesas para fumantes, tmpanos, charo
    teiras, etc.
    POR INTERVENCO DO AGENTE
    Cusmo
    Leilo
    Agente Brito
    De urna armaco envidracada, bataneas, co-
    fre, can-eiro; pipas, depsitos' e grande sorli-
    ment de gneros de molhados todos novos e
    de Ia qualidade, nma machina de costura e al-
    guna movis ao correr de martello.
    Garante se a casa.
    Ra do Padre Floriano n. 41
    Sabbado 13 do corrente
    A's 1012 horas
    AVISOS DIVERSOS
    Alagaar se casas caiada e pintadas son a
    nos fuds de S. Goncalo, a 8* ; tratar na ra da
    mperatriz n. 76.
    O iuiz de direilo Joao Baptista Gitirana
    Costa encarrega-se de contrahir emprestimos
    com o Banco de Crdito Real de Peroambuco
    para os senhores agricultores deste Estado,
    adiantando as despesas, mediante mdica retri-
    buico. Po Borja n. 48.
    Peco so Sr. Francisco Jos da Costa Ferrei-
    ra, praticante do Correio, que tenba a bondade
    de vir entregar me as segointes notas do The
    souro Nacional, da estampa seguinte : sene 8.'
    sob o n. 60047, ontra 60648, e seguem outras
    que o senhor receben desde 25 de Seteu bro de
    1889, e at agor nao o tem feito ; se oestes tres
    da* nao vier roa da Palma o. 109, procura re i
    os recursos na autoridade.
    Mara A. S.
    Pede se ao Sr. Tbomaz dariodo de Paula
    Rocha o obsequio de vir ra Baro de S. borja
    a fallar com Francisco A. de Mendonca.
    Na ra dalmperatriz n. 36, 1- andar, pre
    param-se bandejas para bailes e casan.entos,
    presuntos de fiambre, peros, empadas, bolo* de
    diversas qoalidades, muito bem feltos, bollnbos
    para cha. Na mesma casa precisa se fle ama
    perfeita engommadeira para roupa de homem
    Dous milagres
    Illm. Sr. D. Carlos -Tomei o aeu re-
    medio o Elixir M. Morato e foi com
    elle que pude sarar das boubas que soffria
    ha muito tempo e que deBCorocoava por
    nunca melhorar ; um meo visinho que
    tambem soffre j largou de todo que lhe
    receitaram e est tomando o seu meamo
    remedio.
    Agradecido pelo conselho e aou obrga
    dissimo.
    Santos.
    Albino Jos Couto.
    Illm. Sr. D. Carlos. Eu e todos de
    casa, faz muito tempo, que eoffremos hu-
    mores de boubas, com dieta sem resulta-
    dos. Fizemos uso agora do Elixir M.
    Morato, propagado por D. Carlos, e
    sarmos completamente.
    O remedio, alm de ser muito bom,
    ainda tem bom gosto, pois as coianyas
    bebiam com facilidade, misturado com
    agua.
    Sap.
    Firmino Agui.
    Rtlojoaria David
    Ra do Cabug n. 14
    Este no?o estabelecimento de relojoaria
    acaba de receber um grande sortimento de
    relogioa de ouro, prata e nikel, da impor-
    tante labrica americanoWalthan Mass,ver
    dadeira especial idade em perfeicSo e re-
    gulamentoinfallivel, e se vendem por presos
    mdicos. Asa mcomo relogios de parede e
    de cima de mesa, com despertador o que
    ha de mais elegante.
    Convidam se as pessoas que quizerem
    um relogio de contianca a virem a eate
    estabelecimento que capricha em vender
    relogios dos melhorea fabricantes, com o
    fim de bem servir os seus amigos e fre-
    guezes.
    Ra do Cabug n. 14
    Cautelas do Monte de Se
    corro
    Comprase Cntelas do Monte de Soc
    corro de qualquer joia, brhantea e relo-
    gios, paga-se bem na rna do Cabng n
    n. 14. Loja de relojoeiro.
    Alugi
    a-se
    o 2- andar do tobrado n. 18 do pateo do Terco,
    com 2 salas, 2 quartos, terraco, apparelbo e co
    sinba fra ; a tratar com o ininilino do I" an
    dar do mesmo predio.
    Vinlio Madura
    Pelo ultimo vapor recebemos urna importan!
    remessa do delicioso vinho maduro, analysad*
    pela junta de hyciene da Capital Federal
    0 IflNHO MADURO, puro da ova, o melhoi
    que tem vindo ao mercado, so neste estaneleci
    ment ae encon:ra
    SEMENTES NOVAS de ores e hsrtalicas co
    todas as qoalidades.
    AZFJTE poro de oliveira em latinbas de mek
    i3um litro.
    Em bebidas finas, como sejam : champagne
    cidra, vinbos Bordeaux, Porto, Douro, Chamber
    tim, licores de diversas qualidades, nao temot
    rival.
    Queijos de todas as qoalidades e o apreciadt
    /equeijo em latas.
    Emfun, completo sortimento de gneros dt
    primeira qualidade para urna boa despensa e o
    precos sem coa petencia
    Ra eatreita do Rosario numero 9
    Po^as pendes & (.
    TelepkoM4*|
    Cera
    Vende-se na roa do Cabog n. 2, segundo a
    qualidade, de 1*000 a 14500 a libra, e sendo de
    arroba para cima faz se na de 2.a o descont de
    30 0/0 e na de 1.' de 20 0/0. Pedimos, portante,
    a todas as pessoas qne precisaren) deste genero
    a virem verificar a qualidade, pois dessa forma
    qoe poderao avaliar qoal a melhor. No mesmo
    estabelecimento tem om completo sortimento de
    fazendas qoe se vendem por pregoa sem compe-
    tencia, para liquidar^_______ __
    Atten^o
    Moreira & Irmao, soccessores pr prietarios do
    antigo e acreditado estabelecimento de molhados
    sito roa Pedro Abnso n. 62, participara ao
    respeitavel publico e aos seus distingos fregoe-
    zes, qne modaram o mesmo estabelecimento
    para a mesmt rna n. 43, onde esperam receber,
    como d'antes, as snas ordens.
    Moreira 4 Irmo, Succcssores
    Ra Pedro Affonso 43
    Ama deleite
    Precisa se alagar ama ama de leite ; na ra
    Marcilio Das o. 131, 1- andar.
    Criado
    P ecisa ge de om criado ; no largo da Penha
    n. 33, hotel._______________________________
    Compram-se patacoes
    portngoezes, bespanhes, etc., etc.; a tratar na
    rea do Commereio n 32. pagase bem.
    Acquisicao
    Vende se urna boa casa de negocio com pe-
    queo capital de fondo, em urna das primeiras
    ras coromerciaes e aloguel barato, 30 compra-
    dor se dir o motivo da venda ; a tratar na roa
    velba de Santa Bita n. 39. *
    R. H DBSINA & C.
    Roa Mrquez de OH oda a. lt
    Armazem de cerveja, vi-
    nhos? champagne, licores,
    cognac, agua mineral, con-
    servas, etc., etc. nico
    deposito da afamada cer-
    veja Phcenix de Dortmuud
    e do chocolate Ph. Suchard
    de Neuchatel.
    Agencia da grande fabri-
    ca de charutos Dannetnann
    &C, S. Flix (Baha).
    Os productos d'estas ulti-
    mas duas fabricas foram pre-
    miados com a medalha de
    Ouro na Exposi^ao Univer-
    sal de Pariz, em 1889.
    t
    a. A>uaa Joaqalaa da Coala
    jBflif*-finir
    Manoel Feliz Gitirana, Joao Baptista Gitirana
    Costa, Antonio Francisco Pereira Gitirana, Mana
    Claudina Gitirana, Emilia Gi'.iraca dos Santos,
    Fr^ncitco Antonio de Oliveira Santo?, Mara de
    Freitas da Luz Gitirana, Anna Clara SerrSo Gi-
    tirana, Elizada Loz Gitirana, <0: Gitirana. Jos
    Cesarte Gitirana, Mara Prescilla Gitirana, Hera
    cite Gitirana, Antonio Gitirana, Heliodoro Gitira
    na, Virgilio Gitirana, Rodolpho d Alouquerqoe
    Araujo, Petronillo da Sania Cruz Oliveira, Mari
    Gitirana de Araujo, folia Santa Cruz Oliveira
    Gitirana, Anna Pereira Gitirana, Manoel Feliz
    Gitirana Filbo e Antonio Feliz Gitirana, agrade-
    cemdo inttmo d'alma s pessoas qoe se digna-
    ran) acempannar ao cemiteno pnbhco os restos
    m irtaes da soa prezada mi, ?9gra e av, e de
    novo convidam a todos os pafentes e amigos
    para assiBtirem as missas qne por soa alma
    maodam rezar s 7 horas do da 15 do correte,
    stimo do sen fallecimeoto, na matriz da Boa
    Vista igreja da Gloria e as matrizes de Palma-
    res, Bonito a Quipap.______________________
    Leopoldina de Barros Campeiio
    Antobio Jeronymo da Silva Campe I lo, Ladislao
    Rodrigues da Silva Campello, Tbeodora da Silva
    Campello, Clementina Mara da Conceico, Tbo-
    maz Antonio de Barros Campel o,Mana Francisca
    de Barros Campello e Emiliana da Silva Campello,
    pai. tos, irmos e primos, agradecen) a todas as
    pessoas que se dignaram companhar at a uiti
    ma morada os restos mortaes de sua sempre
    chorada Giba, sobrinha. irmS e prima, Leopoldi-
    na de Barros Campello, alumna mestra titulada
    pela Escola Normal; e de oovo as convidam,
    assim como aos pareles e collegas da finada,
    para assistirem as missas que mandam celebrar
    na igreja de S. Gonca o, s 8 horas do da 13,
    stimo do seu passamento. Desde j confessam
    se agradecidos. _________________________
    Per 30*000
    Aluga-se o i- andar com grande ,-oto, bonita
    vista e fresco, ra nova de Santa Rita n. 41 :
    a tratar na padaria junto.

    90Ra 1. de Margo20
    Para senhoras
    Etamines rendados.
    Vole8 de 1S.
    Cachemiras de lista
    Cretones voiles.
    Zephyr de quaJro.
    L Amazonas.
    Foulard de algodSo.
    Zephyr de ramagem.
    Setim do JapSo.
    Linn de ramagem.
    Setim de cores.
    Voiles de algodao.
    Cortes de zephyr (bordados).
    Cortes de camb aia (bordados)
    Cortes de setineta (duas cores).
    E muitos outros artigos.
    Em compras maiores ter direito a um
    exemplar de msica a escolha.
    AMARAL & C.
    Atten^o
    Jos Pinto Tavares Aranha, faz .-cente ao pu-
    blico que. do dia 13 do cor-ente mez de Agosto
    por diante, ter diligencias para passageiros, a
    p rtir da cidade de Goyanna paa a estaco de
    Brauna, s 9 horas da maoh dos das quarta e
    quinta, sendo o ponto de portida ra do Ma-
    recba Deodoro (antiga Direita) da mesma cida-
    de. na pharmacia do Sr. Francelino Ferreira
    Oespo, onde vendera se as passagens a preco de
    800<) ida e volta, devendo ser a volta de Brau-
    na para Goyanna s ti horas e 20 minutos da
    manb nos das de sabbado e domingo.
    Os Srs. passageiros da cidade do Recife en-
    contrado passagens venda em casa do Sr.
    Aotonio Angosto dos Santos Porto, na praca da
    Independencia n. 37.
    Outrosim, tem na mesma estaco de Brauna,
    a qualqoer bora* carro- nvolsos disposico de
    quem queira alugar por conta propria tanto para
    Goyanna com para Itamb e Pilar da Parabyba,
    mediante ajuste; e tem tambem diligencias de
    passagens de ida e \olta para Goyanninba a
    preco de 44000.
    Goyanna, 7 de Agosto de 1890.
    20Ra 1. de Margo20
    PARA PRESENTES
    Acaba de receber o que ha de mais
    lindo em caixas de perfumaras, as novi-
    dades mais recentes de Paria, as caixas
    sao todas forradas de setim.
    E' um rico frsente qoe se pode offe
    recer a qualquer pesada, sem risco de ha-
    ver cousaa mais bonitas.
    PRECOS RESUMIDOS
    Amaral db C.
    Lopes & Araujo
    Para eogenhos
    Continuara a ter em seu estabelecimenta gran-
    de deposito das mer:adonas abaixo declaradas,
    onde os Illms. senhores de engeobos podero
    se supprir para a nova safra, a prefos sem com-
    petencia.
    Cal nova de Lisboa.
    Dita de Jaguanbe.
    Oleo de moeot.
    Azeite de coco.
    Dito de peixe.
    Ditodecarrapato.
    Pixe em latas.
    Graxa em bexigas.
    Gaxta delteho.
    Potassa da Rossia.
    Ra do Livramento n. 38
    Mara Clame tina Campo
    Manoel Moreira Campos, soa luulber, tilhos,
    ora e neta, agradecem a todcs aquellas pessoas
    que se dignaram acompanhar ao cemiterio pu-
    blico os restos mortaes de sna estremosa filba,
    irmS, caoba la e ta, Mara Clementina Campos,
    e rogara a todos os seos pareles e pessoas de
    soa amizade, o caridoso obsequio de assistirem
    as missas do stimo dia, qne mandam rezar na
    igreja da Madre de Deas, sabbado 13 do corren-
    te, pelas 7 1/2 boras da manb. pelo qne desde
    j antecipam sua reconhecida gratido.
    t
    Barnarel Joaquim tiuenne da
    Silva Mello
    Primeiro anniversario
    A familia do finado bacbarel Joaqcim Guennes
    da Silva Mello convida aos seus prenles e ami-
    gos e aos de sen sempre saudoso e nanea asss
    pranteado esposo, Hlho, entiado, pai e sogro,
    para asufctirem as missas que por sua alma se-
    rn celebradas no convento de S. Fraociseo, s
    8 boras da manb do dia 13 de Setembro, 1 -
    anniversario do seu fallecimento._____________
    f
    R oii.iK. oi.mpo fiaedei de
    Lurerda
    No dia 13 do correte (sabbado), pelas 8 boras
    da manb, tem lagar urna missa por alma de
    Rodolpho Olympio Goedes de Lacerda, trigsimo
    da do seu fallecimento ; sao convidado* os ami-
    gos do mesmo finado, a sua xma. familia e
    prente?, para este acto de caridade e religio,
    Eelo que ser grato* o amigo que a manda cele-
    rar na igreja do Espirito Santo.______________
    t
    Nano Guedea Pereira
    Jos Ignacio Guedes Pereira, sua mulher e ti-
    lhos, o Dr. Luis de S Lima, sua molber e filho?,
    e o conego Dr. Adaocto Aorelio de Miranda Hen
    riques, convidam aos seus prenles e amigos
    para assistirem a missa que por alma do sen
    nrezado irmo. cnohado, conconbado, to e pri-
    mo, mandam rezar na matriz da Boa Vista, sab-
    bado 13 docorrente, pelas 8 horas da manb.
    '*
    mtureiro
    Precisa-se de om bom lintuteiro para divar
    sas cores ; a tratar na roa da Croz n. 42.
    Aluga-se barato na Passagedi
    0 z.a andar e solo ra do Bemtica n. 5,
    endo agua, banbo, grnade quintal e porto de
    dopembarque no fundo, alm de muitos commo-
    des; a tratar na Pharmacia Conceico, roa
    Mrquez de Olinda.________________________
    Attengo
    Os proprietarios do antigo e acreditado arma
    zem do Lima, sito ra Baro da Vi :toria n. 3.
    participam ao respeitavel publico e aos seos
    distinctos freguezes, que tnnsferiram tempora-
    riamente seu armazem para a mesma ra n 9,
    continuando da mesma forma a receberem suas
    ordens para Ibes servir com o costnmado e 1:3
    bitual desempenbo.
    Jos Fernaodes Lina C,
    Roa Baro da victoria u. f>
    Telephone323
    Preciosa descoberta
    Impeildos por um vivo sentimeoto e grande
    8atFfaco participamos ao respeitavel poblico
    qut- a cervejaLa Rosa Alemana continua fa-
    zendo milagrosos progressos.
    MSes de familia de alta importancia e consi
    derajo garanten) por experiencia propria que
    de us das depois do parto zerara uso da cerxcja
    La Rosa Alemana apparecedno-lbes abun
    dante amamentacSo para seas extremosos filhos.
    Grande razao tiveram as celebridapes chimiers
    e doatores em medicioa sbreos importan.
    atlesiados a saber :
    Diz o Dr. P H. Wernier :
    Tenbo por moitas vezes examinado no labo-
    ratorio publico a cerveja La Rosa Alemana
    e nao encontr materia cbimica e sin urna gi-
    gantesca preparaco d>- substancias que repre-
    sentara urna valiosa riqueza para a alimentago.
    A' venda em todos os estabtlecimentos de mo-
    teados.
    NICOS IMPORTADORES
    lachado, Pinto i C.
    Vende-se
    a taverna bem afregoez:;da, no becco do Lo^to
    n. 14, a o motivo se dir ao comprador. ____
    Obras de vimes
    Recebemos neste ultimo vapor grande e com
    pleto sortimento. come aej'am :
    Cestas para compras, tamanbes diversos.
    Balaios para roupa engommada.
    Balates para roopa soja.
    Costureiro.
    Acafatea.
    Bonitos bercoselinda8 ca.
    POQAS MEDES C.
    Ra estreita do Rosario n. 9
    Junio aartffd
    Alujase barato
    o 1 andar n. 126 e3- andar o. 124 ra de
    Domingos Jos Mart ns, tem muitos commedos :
    a traUr na pharmacia Conceico, ra Mrquez
    de Olinda.
    REMEDIO DO Di). AYER
    CONTRA
    AS sezOes ou maleitas.
    O Remidi do Dr. Ayer, descoberta
    vegetal qne nao contera a quina aera o
    arsnico, nem tiopouco ontro Ingrediente
    nocivo, om remedio hrfalivel e prompto
    para toda a qualidade de febres intermit-
    ientes od maleitas. Seus effeitos sao per-
    manentes e certos e nenhum mal abso-
    lutamente pode advir do seo emprego.
    Da mesma forma torna-se 9 melhor
    remedio possivel para todas amatlaa
    doencas qne provm' dog effeitos dos
    miasmas, que se desenvolvera nos lagares
    pantanosos e infectados, e que geraliaante
    caracterisSo-se pelas affccOes do
    figatlo e do baco.
    O BmucDio de Ayer curar sempre,
    mesmo nos casos peiores, toda a vez que
    fr empregado convenientemente e se-
    gundo as direccoes.
    PREPARADO PELO
    DR. J. C. AYiR & CA.,
    LowelL Mass.. Est.-Unidoa.
    rOENCAS
    -DCv-
    ttPIl
    \M
    m.
    ESTOMAGO
    -E UO
    I1GA0.
    BBISTQi
    PDRaMETE YEGETiES
    'jo o melhor Purgante e o Remedit
    oai c.caz co;itia os ditos male;
    Re0nlafi7am a Digesto
    PURIFICAM A BILIS
    e curam radicalmente
    A DISPEPSIA.
    Ama
    MAIS DE 10:000 CIRAS
    TIHTUB* BIYIHA
    ItCSTS BO anSUlATISlO
    DORES DE DENTES
    PBEPABADO INICAMENTE
    POR CALA8AN8 & C.NA BABIA
    Medicamento heroico contra os rheoma-
    tsmos, incha^dea, dores sciaticas, nevral-
    rias, dormencia, etc., empregai)do-se em
    tomentacSea sobre os lugares affectadoa,
    Cara o beri-beri, aa paralysiaa e as dores
    de dentea.
    Todos os frascos levam direccSea para
    oso d'este medicamento admiravel.
    Pre^o 1)5200. Descont de urna dtuis
    am diante. ____
    DEPOSITO NO RECIFE
    Francisco Manoel da Silva 4 C. ra
    Marques de Olinda n. 23
    Romances franceze
    A 500 rs. o volume, ven-
    de-sem no escriptorio deste
    Diario.
    Pao centeio
    Mello & Bisel tendo receido nova remessa dt
    farinna centeio, avisa aoa seus fregneies q
    ontinuam a fabricar este delicioso pao centeic
    odas as tercas e sextas-feiras ; na rna arga de
    Rosario u. 40._________________ _________
    Libras esterlinas
    Vendem-se na ra do Com-
    mereio n. 26,1. andar.
    Cosinheiro
    Precisa-se de um cosinheiro ; na rna de Pay
    nada n.i9._________________________________
    's almas c rido sas
    Mara Candida Wanderle; Antran, vinva do
    empregado publico Candido Autran da Matta Al-
    buquerqne, moradora na travessa da Piedade n
    5, Undo em sua con-panhia tres mocas solteiras,
    de quem nico arrimo, acbando se gravemente
    doente dos olhos. sem enrhergar mais, vem im
    plorar das almas caridosas um soccorro pelo
    amor de Deus, para poder manarse.__________
    Milita attengo
    No becco dos Ferreiros n. 6, pregueia-se ba-
    bados e recorta se de todas as larguras________
    Tnico de Campean
    (Restaurador vegetal dos cabellos)
    Dentrt- tudas as preparacoes congeneres que
    detidamente propalam seus effeitos, nao surgi
    ainda urna que alcancasse o xito do Camacan,
    que pela sua composigao assaa poderosa e sua-
    ve, tem a propriedade exclusiva de curar e pre
    servar os cabellos de todos os malea da calvict
    que poBoam sobrevir-lhe Composto somente
    por Jos Gomes de Amorim (cuccessor de Mar
    tins & Bas os) e prendado na exposicio de Pan?
    de 1889, o Camacan foi submetiido a longas ex
    perieoclas, as quaes deram maravilhosos resnl
    t^dos : a venda em todas as lojas de perfuma
    as e no deposito gerai da fabrica i ra da Au
    rora o. 163.
    Precisase de urna ama para cosinhar em casa
    de familia ; a tratar ua ra do Cotovello nnme-
    ro4._____________________________________
    Ama para meninos
    Precisase de urna, de boas cestnmes, para
    tomar conta de dous meninos ; a tratar na roa
    do Cabula n. 14, de meio dia at S boras.
    Precisa se de urna que saiba cotinbar com per-
    feicao ; roa dj Livramento n. 84, loja._______
    Ama
    Precisa se de urna ama pura cosinhar eea-
    gommar; a tratar na rna larga do Rosario nu-
    mero 9, relojoaria. ____ ______
    Ama
    Precisa se de urna ama para cosinba ; na pra-
    ca da Boa-Vista n. 32, J- andar._____________
    Ama le leite
    Preciaa ae de urna que tenha bom leite
    e seja sadia : a tratar na ra do Hospicit
    n. 6.
    Cosinheira e copeiro
    Precisa se de urna excedente cosiobelra e de
    um bom copeiro, matriculados e que deem attes
    tados de conducta ; na ra da Aurora n. 37, se
    gundo andar. ___________________________
    Compram-se
    Diarios, Jorcaes e Provincias (papeiej em bom
    estado, grandes e pequeas quantldades ; em
    ca?a de Franco & C, pateo da Penha o. 8.
    Simples cartao
    . andar do n. S5
    Ludnvina Conrado mudou-se da ra do Pires
    para a de 1- de Margo, onde contina a preparar
    bouquets para casamentos, capellas mortuarias
    e mais artigos concernentes a sna proflssSo de
    florista. 9__________________
    Oleo Silva
    O verdadeiro restaurador do cabello, experl
    mentando se o seu benfico resultado dentro de
    30 dias de uso successivo. As suas virtudes
    sao: evitar a queda do cabello, promover o seu
    crescimento e destruir as caspas, a par de nm
    perfume agradavel.
    Vendam:
    Fabrica Camacan, ra Larga do Rosario n. 60.
    A Florida (miudeas) ra Duque de Caxias
    n. 103.
    O Novo Mundo (miudexas) ra Barao da Vi-
    ctoria n. 24.
    Proco1$000
    Ai ugue barato
    Visconde de Goyanna n. 169.
    Ra do Bom Jess n. 47, 2. andar
    Ra de Lombas Valentina n. 4
    Pedro Affonso, armazem n. 46.
    Ra Aguazinhas em Beberibe n. 7
    Ra Itaparica n 43 1." andar.
    Travessa do 1 armo, > n. 10.
    Largo do Mercado n- 17, loja.
    Ra do Calabouco o. 4, dem.
    A ratar i roa de C mercio n. 6, L- anda
    corieiro ca Silva Guimaraes A C '_____
    Taverna

    Ama

    Precisa se de urna ama para cosinba ; a tratar
    na rna Duqne de Caxias n. 86, 3j andar.
    Amas
    No sobrado n. 61 da ra do Mar-
    juez do Herval, precisa-se de urna ama
    Que coinlie bem, e de urna criada para
    ...,dar com criangas
    Ama
    No Corredor do Bispo n. 21, precisa se de urna
    ama para andar com enanca e queira sahir da
    cidade

    Cop
    eiro
    Precisase de um menir para o servigo de
    copeiro ; a tratar na casa n. 5 da estrada de
    Fernandes Vieira.___________________________
    Toonico Ju-Mutamba
    Est nico, preparado com plantas de pra-
    prledades conbecidas pelo nosso publico,
    melhor de tedas as preparajoes at boje desea-
    bertas para impedir a queda dos cabellos, dissi-
    par as caspas e es conservar no mais forros
    estado, alm de ser um magnifico perfume para
    a toillete.
    Encontra-se venda em todas as prncipaet
    pharmacias e lojas de miudezas.
    Duzia 10*000 Vidro l*00i
    Deposito
    Pharamcia Martina, Ra Duque de Caixas n. W
    i
    ioja) Blesd marca VIAJOMi
    Este excellente Whisky Escoces pre-
    ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
    para fortificar o corpo.
    Vende-ae a ratalho coa melkorea arma-
    sena de molhados.
    Pede Roy al Blend marca Y lado.
    cujo nome e emblema sao registrados pan
    todo Brasil.
    BROWNS 4 O., agente.
    De Sorocaba
    Declaro que soffri muito tempo, fazendo
    uso, de medicamentos sem resultado, t,
    usando tres dias apenas daInjeccao M.
    Morato sarei completamente de urna
    chronica gonorrha que me atormentava.
    Faja uso deste como convier.
    Antonio F. Fontoura.
    Est reconhecida a firma pelo tabelliao
    Agentes ''jpositarios em Pernambuco
    Francisco M. da Silva &. C, ra Maquee
    de Olinda a. 23.
    -
    F. J. da Costa Ferreira
    Pede se ao sr. Francisco Jos da Costa Ferrei-
    ra, prt;;:aate do Correio, que n&o abuse da pro-
    teceo que diz ter, veBba restituir o que recebe,
    nao se trata de divida, pense bem e veja qne ja
    ex iate urna orden).
    Hortelao portikguez
    Precisa-se de un> hortelao que enlenda de ten
    nu.-'er ; a tratar na ra Burilo da Victoria afir
    meio 9.
    VAIS
    ____ JMK
    *** *5LRV Vsnde-se e:n toda 3 jar"
    9Bsea

    Pinho, pinho, pin]^
    Nao bamais falta, ebegou um grande carrega-
    ment de pin to, o verdadeiro pinho Suecia, d
    primeira qualidade, proprio para constrnecae,
    vende-se oa bem conbecida serrara a vapor, de
    Climaco da Silva,ao caes 22 de Novembro nu-
    mero 24.
    "
    Vende se urna bem sfreguezada taverna no
    pateo do Terco n. 55, esta livre e desern|baraca
    da, e o motivo da venda ee dir ao comprado/
    Criado
    Precisase de um criado ; na ra do Livra-
    mento n. 24, fabrica a vapor.________________
    Oaixeiro
    Precisa-se de um caixeiro com bem pralicaa
    balcao ; na ra Augusta n. 258.
    Biscoutos de Vienna
    Esplendido e variado sortimento, em latinhas
    e pacotes, o que ha de mais novidade neste ge-
    ne: o, acaba de receber o
    Armazem do Lima
    9 Ba BarSe da Victoria 9
    Telephone- 3*3
    Vende-se barato
    Farello, saceos coro 42 kilos, 1#90#
    Milbo novo, cuia, rs. 32#
    Dito velbo a280rs. e 24
    _________Largo do Mercado n. lt
    Vende se um bom sitio de coqueires, no logar
    Jang, em Pao Amarello, aa snl da fortaleza : a
    tratar na praga Maciel Pintairo (sntipa Cond
    d"Eu) n. 19.
    - -<"



    r
    ':
    '

    .
    *
    I
    i
    icario de Pernambii^o-Sexia-feira 12 de Setembro de *89
    -** I 1y_a
    Mi

    CHEGARAM
    Os mosqmteiros americanos
    Com 118920 e carntel conforme a estampa
    Precos : l2#ooo, l4#ooo e I6# 00 de cores
    F&zenndas baratas
    hitas claras finas, a 200 e 240 rs.
    Ca8sa8 de palminhaa de cores a 120 rs. e
    cortes com 9 metros a 1A600.
    Linhcs M quadrimos a 100 rs.
    Zefiros largos a 200 re.
    Voiles pbantasia a 200 e 240 rs.
    retoes francezes a 320 rs.
    Laos de qaadrinbos a 100 e 200 re.
    ltadapolao americano, 20 varas a 6:000.
    Morim lavado a cAbOO a peo* com 10
    varas.
    MadapoIIo, com 1 metro de largo, 20 va
    ras G0OO.
    Algodaozinho muito bom a 4)5000, 4)5oOO
    e 55000.
    Miudeaaa
    %'ende-se ni is barato
    Bieos e rendas, brancas e de todas as c*
    res a 2)5000 a peca.
    Bab*doa bordados a 500 re. a pe$H.
    Entremeios bordados desde 500 re. a peca
    com 3 metros.
    Luvas de seda brancas, pretas e todas as
    cores de 2, 3 e 4 botona, a 25000.
    Luvas de peca branca a 2|$000.
    (-'apellas com veos de blonde de seda des-
    de 60000.
    Meias uirreiidadas brancas p; ra senhor a
    8 0 re
    Meias cruas de cores lisas e brancas com
    palmas a todo preco.
    Bramante com 4 larguras a 700, 800 e Fichus prates.dos pequeos a 500 re., e
    1,5000 o me ro. i grandes 100'0.
    Bramante de linho, 10 palmos de largura, | Lencos brancos abainhado a 1(5200, 10600
    a 10600. 1 2000 a duzia.
    Atoalhado b rdado, 8 palmos de largo, a Lenco* d crCff 10300 a'duzia.
    1J300. Baleias V2*JQ rs*. a'dua.
    Panno da Costa para toalha de mesa a'Arcos a 10 re. o metro.
    10000 e 10200 o cavado. | Fitas, phantBsia e chamalotadas desde
    Cortinados de crochet para portas e ja>! 400 re. o metro, t.->das as c6rr e p-etaB,
    nellas a 7000 o par. tem largura* 5, 9, 12.
    Cortinados bordados para cama ou janella. Mayos com 12 pecas de rita branca chi-
    a 60000 o par. ceza a 320 rs.
    Cortinados de cores, novidade, a 10600 o; Extractos finos americanos desde 10000.
    metro. I Sabonetes finos para pannos e sardas a
    Gnardanapos finos a 10800 e 20000. 800 re.
    Oleado par-t meza grande ou pequea a Thesouras finas com mola que dobra a
    40500 cada quadro.
    Brim pardo a 280 rs. o covado.
    Brim de cores a 240 rs. p-ra meninos.
    Camisas para senhora a 30500.
    Cssacos ou pente adores a 2500.
    10500.
    Lapiseiros de ouro fino a 10500.
    Pentes pbantasia para cabello por 400 rs.
    Pegadores de tranca.
    'Florea para cabellos, chapeos e vestidos a
    CoTlarinhos de linuo e alg. dao a 50000 al 1(5000, 10500 ramo.
    duzia. j Crochets para cadeiras e sof guarnilo
    Tanipos de fronhas grandes e pequeas a a 70000
    10500 o par. Toalha* ferpuldas a 40000, 50000 e 60000
    Babados com 4 1/2 metros de tamaoho a
    10200 a peca.
    Bodes para'dormir a 30jOO.
    Boleas de tapetes grandes a 40000 e
    40500.
    Camisas brancas finas para meninos a
    300000 a duzia.
    sisa de meia desde 900 re.
    a duzia; para banho a 10500.
    Tarlatana branca, verde, azul, rosa e en
    carnada a 700 rs.
    Fil de linho liso, salpico, palmas borda-
    da*
    Leques para meninos a 500 re. e finos a
    30000.
    Leques de gases a 10, 10500 e 20000,
    Camisas de flanella de cores desde 10800. i Espartilhos a 40000, 50000 e 6#X0, to-
    Coletes de flanella brancos coa manga e dos os tamanhos.
    am eHa. Meias cruas e de cores para meninos a
    Lerdos fraiiee*e8 de labj-rintho a 10.00 e 30000.
    ctrrfbordad a 500 rs. Ligas, phantasia a 10000 o par.
    Guard-p americano de todos os tama- Sargelim de todas as coras a 200.
    nhos a 40OuO. Crinohna branca, pret, cor de chumbo e
    Collarinhos, peitos e punhos de celluiloid,- de caf a 400 re ^^
    nrtito til aus viajantes; preco mais ha- Cambraia de forro, preta e branca a 200
    jglo. i riB e com duas larguras a 400 re.
    E muitoS artigos que se ofcrecem ao Majos de conta* de cores, qualquer qt
    comprador por qualquer prego. se deseje a 500 ra.
    Loja das lastras Azues
    61-RA DUQUE D GAXIAS-61'
    L. T. PIVIR em PARS
    Novo O L- E O Extra-Fino
    CWQfm W JAFO
    m
    250:000 #00 O
    M
    :|\i k /\; TPV; a- gE^t ii
    I w I'
    Lotera flGrSoPara
    Prontio ntaior 6G:000$tt8t
    Extraccj' alfernadtnente todos os sab
    bados. Billletes a venda as casan do eos-
    turne:
    INJECTION CADET
    Cffacerta em 3 das sem mitro medicamento
    PARS 9, Routevard Denaii, 7 PARS
    Depsitos em todas as principaes Pharmacias e Drogara
    LOJA DO POVO
    f f Ra 1* de Marco II
    CRAJf0E ItOVIDADE
    Esta nova loja contina a ter um grande eortment e sempre pechincha, em
    precog ninguem I he pode rxeerJer, capncha na exactidlo da quaidade e as nedidat
    de ana* fazendas, que poden* 8*' comprad* por qualquer crianca. Muitas de sua.
    tazenda8 sfto recebidaa dlrefaiMtete da Europa.
    Descont de 10 |tf eWcon pras de 200000 paMPcrtia.
    Oraode sortimento'dB1 fatendas de phantasia din* i. J ao O 8. Pedro.
    Voile de 18 e algod'j< lindos desenho, a 24^1:
    LSa imitacSo de cachemira a 240 rs.
    Chitas de OO, 20 e 240 rs. o covado.
    Si-tmetaa de core1, desenhos lindos' a 300 rs o covado.
    Zephyros lindos r'120, 160 e 200 rt. o covado.
    Cortes de cMMflfta de 30500 e 60000.
    dem de costumei e de case mira de cor a 120000.
    dem den idem preta fina, a 140000.
    Ricos asacos de Jersey, bordados, a 600(0.
    Toile de seda de 10600 o covado a 660 ra.
    Granadine de seda, de 10&OO o cov>-do a 800 ra.
    Merino preto a 5 Dito de cor, liso, a 40 rs. o covado.
    PARA CRIANZAS
    Redes de cores, pechinc.'a! a 36000.
    Vestuarios de Jersey, a 60000 e 70000.
    Capinbas e j&quetas de malha para enanca, a 10000, 10500 e 20000.
    Brins de cores, covado 00 rs.
    Merinos Invr-.doe, lindos desenhos, toalha* felpe** tttgt defeito para to lencos de algodSo com barra grande a duzia a 10600, bramante de nbo e algodSo
    toalhados, cortinados, colchas, fichus chales, sedas, setins brancos e de cores f
    oiles, lindos deeenhosNo vidtdcs I
    N. 21
    Fazendas baratas para acabar, por metade de seu -valor
    Na ra do Crespo u. 31
    Gomo sejam:
    Voiles de cores, ramgens e desenhos novo3, a 200 ra. o covado.
    Aistinnes de cores. lisos, quadros e listras, para vestido e roupas de crianea,
    fazenda nova e cores fizas, a 28o re o covado.
    Zeptrrres de cores, a 120, 160 e 200 ra. o covado.
    Percales' de cores, lindos desenhos, a 280 ra. o covado.
    Lmon enf itado, padr8-'s miudinhos, a 320 rs o covado.
    rg<-ndy>de cores, ramagens da mada, a 70 re. o covado.
    Olindin8, desenlio, de folht>gem, a 500 re. o covado.
    Cachemiras de cores para vertidos, fasenda franceza, diversas cores, combina-
    eo, lisas e quadros. ltimos figurinos, a 10000 o covado; duas larguras, sSo de
    20400.
    Capinhas hespanholas, pretas e creme, seda, a 30000 ama
    Vestuarios de Jarcey para crianf a; n'este artigo temos grande sortimento e
    vendemos a preco de 40000 a 80000.
    Voiles assetinados, imitacSo de seda, a 240 ra. o eovado.
    Danass, a mais linda fasenda para vestido a 800 ra. o covado.
    Aventaos para senhoras, completa novidade, todos bordados a matiz e moda
    segundo os ltimos figurinos, a 10500 um.
    Vestuarios de Cambraia e fustao, todos bordados, para meninos a 60600 e
    800.0, sao de 205000.
    Sargelim de cores e branca a 200 rs. o covado
    Cestas de vime e palba, da 30, 40, 50, 60, 70 e 80000.
    Capas pretas enfeitadas para senheras, de merino, cachemira, seda e damasal,
    de 200000 a 5!-0UOO, urna
    L3s, cachemiras, merinos pretos e de cores, que liquidamos por todo preco ,
    bem iiBim grande sortimento de outres fazendas qu vedemos a: preco mdico.
    NA RA DO CRESPO N. 21
    , uuuua cuaiea, eu, senas uraauua e ae cores e
    des !
    Falta de Foreas, 'Doeneas do Estoniano
    ^^^ Anemia, Febres, etc. ^^^r^^T*.
    1j\p
    de


    SADE PARA TODOS.
    V

    NTO WOLLOWAY
    O Ungento os Hol!ow~y um remeHio !nfa!lTel para os males de pernas e do peito; tambem pai
    3 as erida nt:g.is clisg?.s e uV eras. E firm a6 para a ?ota e rheumatismo e par\ todas ax enem .
    JiSAes ce pei.c n3o .se r.-conhece eg"aa!
    P&r-z es male* de 'ganta, bftncitet r?sfr:'wzritos e fosees. \
    TamoTes niz n^inclas e todas a; molestias da pelle n" ieu esBkenta t para a, rnembros,
    ^ r.ptrah(?os iuncturric recias, obra a>ui. pv. encanto.
    '--sas r.-.cinr.s lija ;.,-ep r.rl u .rnete no s'.abe!":im^nto do r'.ossor HOLtxWAV,
    t. RE* n::Fv; t 2 taatsi t>?, pacfwd St^eci), Loaniss,
    V ::; t-.i*33 ai; har.mcas do itrivcso-
    >.Jf*H ce ^>raor : 'o oavidao rcspeittWSiMMl e. e^ira^nar n 2 ft*S- Sfi fio teCT =
    ' oirccSMH 533. Oscrd Street, fio Ciltk90n.
    i
    Peitorai de Cambar
    Os innmeros e valiosos atteatados medico e particulare e
    favor d'este preparado, do Sr. Souza Soaros, de Pe'otas; os mais altos
    premiosmedalhas de ourocom que foi distinguido ; a sua approva-
    cao por urna sabia junta, como a de Bygiene publica do Rio de Ja-
    neiro; a autoriaac& de aeu nao era todo o Brazil por decreto do
    governo central; o teu coDSumjno extraordinario e sempre progressivo;
    a sua fabrica especial fundada no grande estabelecimento Agrcola In-
    dustrial do Parque Pelotence, ezpreBsamente criado para esse effeito,
    em Pelotas, honrado com a visita de notaveis personagens nacionaes e
    estrangeiros, sSo merecimentoa que e os adquirem preparados muito
    importantes e rconhecidamente efficazes como o Peitoral de Cambar,
    tornando-se um remedio garantido.
    Vende-se, ao prejo de 20500 o frasco, 130OOO meia duzia e
    240000 a duzia, em* todas as boas pharmacias e drogaras da capital.
    SSo nicos agentes e depositarios no Estado de Pernambuco
    Francisco M. da Silva & C.
    I*A MRQUEZ DE- OL5A
    SABIO DSMiOTO
    DR. RIEDEL
    A melhop preparacao hjgieriica para clarear c coiiserva
    ^ fcr%,trr .
    Approvada pela junta de bygiene do Rio de Janeiro, com marca registrad*
    ra todos os Estados Unidos do Brasil.
    YKNOI-SK AS SKfidlNTIS GASAS:
    Maia Sobrinh & C.
    Castro Medtros & C.
    Doartfe 4 C.
    Pedro Atrtunes' C.
    Joao Bezerra' 9 C.
    Netto Campos &' C.
    Manol Joaquim Ribeiro & C.
    Msia- e Silva Barbosa Skntoi.
    Barros & C.
    tuina Pompilio.
    Nunes FonscaA' C.
    Jfanoel Vi?a evs.
    Moot CaYaotftf J&nior.
    MahOel"Clt'{ & C.
    P8poola & Ba9ts.
    Ribeiro & Almelda.
    Antonio D. de Lima & C.
    Sabffcb Pinlio & C-
    Jo5o Ramos."
    Beposito por atacado
    THEO. JUST
    Largt) do Corpo Satito
    aa mmwHiATii
    (Carn aulolUrel Pbo*ptato% oo Pcptona phosphatadj}
    ALIMENTO DOS ENFERMtJSQUE SE ACW^A'|W8SIwL;i6'BE'OI
    DISRIR
    Restabek'ce o ap..
    pUKUtr, vtllaeatao o a.s/refeit ('.cbtUaSas. .,
    infe das tumch, dos ttncfS, S COS IDO^^J'X'JBS IX>
    l o Peo, do Mies, da Anemia, da Pato di Saap, i^
    Devise'EXIolf FIUHA CATILLOH ponut
    firnn ClTiaM i > nlra a> tljira 1b U Academii di D Sftr CAT1LL0N t o ttu* Icrcecd*r t'HSMTAES'de VSSOZ
    v^tTnmo JTErnlitiTttie 3 tm mi irtln vi TarlM iniIactM hhIm^
    ARIZ.S.B* ST-MABTm, E EM TODAS AS PRINCIPAES PHARMACIAS.
    *****
    Vinho puro de Santarm
    Va quinta do Barral
    Os proprietaris do Armazem Central, ru
    do Cabug n. 11, avisam aos seus distinctos fre-
    uezes e ao respeitavel publico que recebera
    aova remessa deste especial vinho, o qual N
    recommendapor ser puro da uva, e s serete-
    Iba em seu armazera.
    Joaquim ChristovSo & C.
    Telepbone 447
    DE
    SOLUCAO e CAPSULAS
    Antipyrina do Br
    v a
    Lunrido pela Facala3.de de Medicina de Puris. PreziO Montyon.
    0 Melhor Remedio contra a Enxaqueca.
    A Verdadeira Solucao de Antipirina do Dr Giin nossue urna poderosa
    aegao para acalmar as dOres de : Lumbagos, Torticolis, Neuralgia, Seiatiea, ilens-
    truag&o difficil, Clicas violenta e os Accessos de Gota e de Rheumatismo.
    A Antipyrina pode ser considerada scientificamente como o medica-
    mento mais poderoso contra a dr. > (Ac*JemitdasSchnc.iS.Se<-,ode1SdeAbrld18ti7).
    Dosk : Tome-se cada dia de 2 4 collires da Vdadlra Solucao de
    Antipyrina do Dor Clin.
    NOTA.As Capsulas de Antipyrina doDor Clin sao destinadas as pessoas
    que nao podem tomar a Solucao.
    CA8A CI4N 6 0a KM PARIZ, E rHABMACIAg1^1_______a
    Centro Sportivo
    A'ruado CommerCio'n. 28
    Aveia branca, sacco de 80 kilos 14*000.
    Feno ioglez Tardo d 100 Kilos 16*000.
    Alfar., em fardos pequeos a 60 res o kilo.
    Pilulas, depurativas, forlifieativaa e aperitivas
    de Mere o mais afiliado veterinario d a mondo
    11000
    Chicotes de baleia a 6*000.
    Embrocation (black mixture) e liruraenl Ge
    naud a 2*000.
    Selins inylezes, peso 800 grammas, proprios
    para grandes |iremios.
    VeDdem
    f r>stft & Ferriande s
    ^iiiiiiiiTiiiiitniniiniTfMinumpiiwinilitU
    2 sfEUf.-i.rfA^aOvno'
    3 IJ lfiin-iicVrV VnUfiHttca de
    3 Pa'is 1S7H-1SS9-
    3 Mmi, BlilOMi ;D fili na tfkWtt\m
    ^SL iuitiihltiiiiiiiimMuni'tiiiiiiiiiHMiUiliiuiliiitiitinuuiiit(.i:i iiitiiii:u:;:ii.i;:t:(iuilil fmy
    ~
    PAPEL RIGOLLOT
    M08TARDA EM FOLHAB para SINAPI8M08
    INOIIPENSAVEL AS FAMILIAS
    E AOS VIAJANTES
    Usada do mundo inteiro.
    NADA DE
    VERDADEIRA
    que nao leva a
    FIRMA
    atrs
    O malo
    slmpee,
    o mata
    commodo
    e
    o mais
    effloaz
    dos
    Revulsivos.
    EXIGIR
    ata MABCA
    para evitar
    Contrafmcce.
    M^^ttWW
    pars
    Pharmaciij
    VICTORIA, 24
    ^ieixas de enXe^; &
    6rl'.;s (j??aa?a.)
    Depsitos em totlas .:. vendas
    d- ccriicsnv':: -
    Caixer:
    Preisa se de um caixeiro com pratica de mo-
    IbadB'eqce tf abono da conducta, pr.-fere se
    portoguez; no largo do Paraizo n. 14. _
    sStaFclertaii
    rerola de Essencia purm
    de Santal
    TVPIKRil'IIH
    4P0LL0
    Montad c os n tf^Mios* proprios
    para a* ex^cu^o de
    qualtjuei obra fj))t)-
    grt pfamty desde a mais
    fcil mais difficiL
    3--PBAC1 DA CONCORDIAS
    Junto Corapanhia
    de Bombeiros
    TKINSON
    PERFUMARLA INGLEZA
    Exceda todu m' perfume exquisito.
    lnocmparayel par refrescar e smviiar A
    pelie e pola. iiificodiTcl pscolh da
    Perfumes pasa'a leu^-o. Artigos noTOl
    pncarailoa peles Inventora exclul-
    ranate.
    fnonM-M Ct O"*01 **"
    crjnfeJ s Fabricants
    J. Sx E. ATKINSON
    34 Od Bo;id Street, Londres
    Uno tic Fr.brit Imi" Bm bruie"
    eobro um Lyra de ooro "
    com ndortoo B toulldud.
    A etaeneia pnra de Santal tem sido expeit
    alentada com o maior succeaso pelas celebri-
    dades da Europa e da America. E inoffensiva,
    mesmo & doae elevada, e nao oeeasiona nem
    diarrheas, nem dores de estomago, nem arotoa
    Orno produtem freqnen temen te ai preparacOea
    4a copahfi.
    A essenela para de Santal, lio exala ebeiro re
    Tevsdor.
    As perola de Santal do L> ClerUn, prepara-
    das com a approvaclo da Academia de Medi-
    eina de Parla, contm esaentia pora, e ana effi-
    eacidade certa aos corrimentos contagiosos,
    equentamentos e todas as inflammaooes ou ea-
    tarrboe dos'orgles genrfo-nrinarof. ^^.
    Podem aer tomadas a todos os perload* da
    blanorrhagia. Tomando as perolae de Santal do
    1> Ciertan, os doentes sao *eradfl de t a
    producto que mereca toda oonfiantja. Bmftr
    Ytmdt-m M asir parte das
    Vende =e a (averna da ra do Progresar n.
    10. propri'a par? pricipi ote ; a tratar com 0
    dono n roa do t'aysrid'n. 30,.ou na msma.
    Vend se a casa com.filio d. 191-A 4 rn
    Vifcnde de Ooyahna. edlncada em terreq.pra-
    pri-i, cora mtiito- ooro i odo, eolao corrido coa
    janell para o o;!So frent> de azulejo, portfio 6
    jafdm ao i' do unirlos tora, agua encanada, t
    iodo murado ; tr-ia se na mesma cata, das I
    boras em diantr.
    Mercearia
    Vende-'se a muilo nfregueza^a mercearia da
    ra da Concordia n 165 ; a tratar na merma.
    -----_-
    Vende-s-e
    urna boa marbiaa de numerar, um repa.rtmenja
    Mrainaretib para p?cnp!orio e ni importante
    !0fre prova de fago, e que foi da aoliga tbesou-
    -aria das loteras ; a tratar aa roa Marque! de
    OJinda n. i, primeiro andar.


    3&


    8
    Uiario de Pernam? Sexfa-eira 12 *le Selembro de 1890

    s
    i


    i

    H-i
    m
    GRA
    DE ARHAZE

    M
    m

    LOUV
    FRANCISCO GURGEL & IRMO
    Esta importante loja de modas, completamente reformada, tem n'estes ltimos dias recebido um variadissimo sortimento de
    tecidos de phantasia, escrupulosamente escolhido por um dos socios actualmente em Pars, os quaes dam-nos urna perfeita idea da ultima
    phafre da moda, em meio das variadas mutacoes dos progressos sociaes. Os seus proprietarios nao poupam esfor^os afim de bem servir
    ao publico em -eral e especialmente as Exmas. familias a quem rogam a fineza de suas visitas a to importante estabelecimento.
    Naimpossfbilidadede mencionar-se todos os artigos deque secompe este incomparavel sortimento notam todava os seguintes: ,
    Ricos enxovaes para baptisados e casamentos. | Rendas e bicos de differentes larguras e qualidades.
    Lindissimos tecidos de phantasia para bailes, theatros, passeio, etc.
    Bonitos cortes de !, seda, linho, e levantine ; inteiramente novidade.
    *Sedas pretas lavradas e ccm chamalote para todos os presos.
    Surahs pretos e de cores de differentes qualidades.
    Riquissimas capas e pellerinas, pretas e de cores para senhoras.
    Guarnicoes de no vos modelos para vestidos.
    Luvas, leques, chapeos de sol, espartilhos, sahidas detheatro e urna
    innidade de meias de seda, fio da Escocia, algodo, etc.
    RESUMIDO
    MAngo
    PB. PABLOS BBTTBNCORT
    sUMrTlliill I ClMIi
    GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
    Elixir anti-rhi-umaticu, anti syphilitico e empregado em todas aa molestias de
    pelle, ery8 pella, darthros oa empigens, beri-beri, anthrazes ou carbuncales, cancros
    venreos, fendas canc-rofas, ulceras, gooorrheas chronicas, boubas, bubes, escrfu-
    las e todas as doencas que dependem da impureza do sangue.
    Este remedio superior a todos os outros do seu gonero, o que est provado
    pela preferencia e acceitacSo que lbe d o publico.
    Um frasco 3#000, urna duzia 30#000.
    wqm i mil, I1BA i HMIRRI
    TONI' O FKBRIrUGO E DESOBSTRUENTE
    Empregado na debilidade geral, doencas do estomago, convaleseencas dapoi
    do parto, febres palustres, molestias do figado e bajo, falta de appetite, anemia, chlo-
    rose, crps paludas ou falta de sangue e doencas nervosas.
    E' um reconstituinte de energa, aromtico e agradavel ao paladar.
    Um frasco 3$, urna duzia 30j>000
    MECCAI BETTENCOIRT
    AHTI~BLKHOBBHASIA
    Gura radical em seis das
    Empregada com ptimo resultado o< s corrimentOB agudos ou chronicos da
    orethra ou vagina, leucorha ou flores brancas. Este medicamento de urna grande
    fficacia,
    Um frasco 1#500, urna duzia 15#000.
    aiias, menstruales difficeis, debilidade geral, cores paludas e todas as vezes que Be
    uer fortificar o organismo e dar desenvolvimiento ao systema osseo e muscular,
    onvm s pessoas ou senhoras que criam para tornar o leite mais nutritivo e robus-
    tecer as enancas. Este remedio superior a todos os tnicos estrangeiros que se
    annunciam por ahi.
    m frasco 3#000, urna duzia 30#000
    Xarope d jaramacar composto
    GRANDE PEITORAL
    Tratamento e curativo de todas ai molestias do peito e da garganta, defluxo,
    osses simples e convulsas, coqueluche, constipares, asthma, bronchite, catarrho
    'hronicn e tsica pulmonar e do larynge.
    E' o primeiro peitoral que se conhece at boje na medicina.
    Um frasco 2|500, urna duzia 24$000

    CA.ROBINA
    O GRANDE PRIFIGAnOH DQ SAMOUE, ,.
    O emprego da CAROBINA deve dirigirse a combater as seguintes molestias:
    aa diversas formas das doencas chronicas, os desengaados, Boffrimentos do tero,
    iffeccSes cancerosas, beri-beri, escrfulas, tumores brancos, ulceras chronicas, effec-
    5es vonors rebeldes, paralysias, molestias do oora$So, da garganta, rheumatiamo
    ehronico e gottoso, molestias de pelle, assim como todas as enfermidades derivadas
    da impureza do sangue.
    Um frasco 3$000, urna duzia 30#000
    nicos exportadores
    COMPANHIA E PRODUCTOS MEDICNAE8
    31--RUA DOS OURIYES-31
    RIO DE J \ MI IIO
    Vendas em grosso e a retalho em Per na m buco
    Francisco Manoel da Silva & C.
    VENHO TNICO
    Com lacto-phosphato de cal e ferro, coca, cascas de laranjas amargas e quina.
    O melbor remedio que se tem formulado pela 'combinaclo destes heroicos
    medicamentos. Empregado no tratamento das molestias do peito, do estomago, ano-
    Superior vinho de Al-
    cobaca
    O acreditado e autigo armazem do Lim par-
    ticipa ao publico e aos seus freguezes que acabt
    de receber urna nova remessa deste especial
    vinho, escolhido propriamente pelo chefe desU
    casa, tornndose recommendado por ser puro .
    de boa qualldade.
    Jos Fernandes Lima & C, ra Barao da Vic-
    toria n. 9
    Telephone 323
    FOLHETIM
    ffiM msmm
    POB
    PAULO D'lCRElONT
    TERCEIRA PARTE
    A filha adoptiva
    (CoatinuaeSo do n. 205)
    vn
    FOOO E GELO
    Oh dizes isso com ar muito desde-
    nhoo I... Urna filha de marquesa, c >m
    milhoes ao seu dispor, nlo p'ra ahi urna
    oousa toa e h3o precisa
    perder a cabeg...
    Sabes perfeita mente se estimo o nosso fi-
    )lho. Tanto como tu ? nao verdade ?..
    !E, d-pois, nlo sou nenbum tolo, pelo me
    1 n ib o que supponho... Pois bem, vi essas
    damas de perto durante todo este invern.
    IA mSi to boa, tSo honesta como tu,
    [com menoB simplicidade, certo. Quanto
    I moca, urna rapariga muito seria e que
    ama Mauricio, rorcoso levar isso em li-
    nha de conta... Quando a tiveres ensinado
    a tratar de tudo, como Henriqueta, vers
    que dona de casa ella se tornar... E,
    alm disso, que queres tu fazer? O rapaz
    est apaixonado ; e, se for preciso renun-
    ciar menina d'Argelles, elle renunciar
    porque bom, mas far loucuras.
    Laura solucava, abalada pelo que Rose
    lin Ihe dizia de Mauricio, cuja vontade ar-
    dente e tenaz ella conbecia perfeitamente,
    mas sentindo desmoronar-so em sua alma
    todo o sen sonho de felicidades, to tonga-
    mente, tilo caramente acariciado.
    Escuta, disse ella de repente ao ma-
    rido, amo muito o meu Minou para que o
    fi>ca jamis infeliz, e se me for demons
    trado que a sua felicidade nSo pode ser
    satisteita senSo por esse casamento, en con-
    sent rei nelle.
    Roselin tomou ambas as mos de Laura :
    Ah eu sabia perfeitamente que tu
    fazer mnguem' era8 melhor creaura deste mundo, gra-
    cas a Deas !
    Caate, conhecoas e nada desta vi- Epera, anda nlo acabei, e tenho
    da me to antipaibico como estas duas tambem condicSes a impor.
    mulheres, com os seus olhares mos, as i __ F Ha.
    suas maneiras provocantes e as suas toilet-1 Em primeiro lugar, sabes qual era
    tei extravagantes. I o meu ideal, e como da orphi, ccllocada
    > Julgastc as mal. Ellas sao, ao con-, outr'ora no berco da nossa pobre morta,
    trario, encantadora, de maneiras adora- eu qUeri8 fjaer minha verdadeira filha,
    veis e boas, e extremamente honestas... dando a como esposa a meu filho.
    E' preciso vel-as na intimidado par* jal- im, mas isso nSo passava de um
    g*l-- sonho. As duas criancas, criadas juntas,
    Foste entao casa dellas, para fal-' amam-se como irmlo e irmS.
    laiea'assim ?
    De certo que fui, e mutas vezes at.
    Foi Mauricio quem te levou l ?
    Quem entlo baria de ser ? Escuta-
    me Laurinha, abandona aa tuaa prevengSes.
    ~ Isso o que julgaa.
    E nio me engao quanto a Mauri-
    cio.
    __E quanto a Henriqueta ? Ama o como
    irml, esa rapariga seria e concentrada,
    que nSo falls nunca as suas impressSes
    mas que n2o pensa senlo nelle e treme
    tanto quando o v ?... Esperei que nao.
    Fiz mais... Ajudei com todas as minhas
    forjas a desenvolver outro sentimento no
    coracSo de minha filha... NSo se parece
    com as ontras, a minha Souriquette, e nSo
    se abre com peasoa algumav Mas vou in-
    terrogal a. redir-lhe-hei com tanto amor,
    que ella ha de fallar, sobretodo se n3o
    suspeitar de nada.
    E entilo, se ella te disser que ama
    Mauricio, que fars tu, que deeidirs ?...
    Laura levantou se ; jis olbos brilhavam-
    lhd sob as lagrimas, como brilha o pri-
    meiro ra o de sol sob as ultimas nuvens,
    passada a tempestado.
    Oh se o amasse, exclamo ella, se
    eu tivesse essa felicidade... nSo sei o que
    faria, mas supplicaria tanto a meu filho
    que reflectisse, que pensasse no thesouro
    que se acha ao alcance da sua mSo; en-
    contrara t2o bellas palavras para con-
    vncelo de que nSo ha nada t2o bello, tSo
    terno,tSo bom como a minha Soariquette...
    e alm disso pediria tanto a Deus, que
    me dsse eloquencia e persuasSo, como
    tenho ternura e amor, que elle ouyiria ge
    me permittiria converter Mauricio ao que
    eu desejo, ao que eu quero 1...
    Roselin, abalado pelo calor que Laura
    dera s suas palavras, com os olhos rasos
    de lagrimas, murmurou :
    Faze o que quizeres, tu s a raz3o
    personificada ; mas toma' sentido, nao sa-
    crifiques teu filho, o verdadeiro (rugios
    tuas eutranhas, por essa crianza que, afi-
    nal de contas, nSo nos nada !...
    Nada, Vallauris. Oh! cala-te !...
    Ella nos ama tanto !...
    N'um canto do gabinete escuro contiguo
    ao quarto .de Laura, no qual se dava esta
    conversarlo, Henriqueta Vallauris, encos-
    tada parede, mais morta do que viva,
    nSo perder urna ajilaba das palavras pro
    nuociadas.
    De repente dea alguna pasaos para fra,
    mais vaporosa que ama sombra, mas to
    Agua maraviliiosa
    Com a applicacSo desta agua, quem soffrer de
    espinhas, pannos, sardas e vermelhidao do ros
    to, ficar perfeitamente curado, reconhecendo-a
    desse modo, coiro nico especifico efficaz. Alm
    deeses effeitos, tem ella a propriedade de, tor-
    nando a cutis limpa, dar lbe a cor natural. A
    cada vidro que custa 1 000, acom pacha a respe-
    ctiva indicaco do uso.
    nico deposito
    Drogara de Faria Sobrinho & C, ra
    Mrquez de Ohnda n. 41
    pallida, t2o branca, tSo descorada, que
    dir se hia chegado o seu derradeiro mo-
    mento.
    Nos seus olhos, rodeados de profundas
    olheiras, lia-se invencivel vontade.
    Oh sim, mamSi adorada, querida
    santa que me adoptou e criou, eu te amo,
    murmurou ella, levando ambas as mos
    ao coraclo; tens razio, e vou provar t'o.
    Dirigi-se ao pequeo quarto que oceu-
    pava no extremo da casa, e do qual divi-
    sava-se o bello mar azul a perder de vista
    as suas ondularles elegantes, coroadas
    de diamantes, emquanto sobre as plagas
    as vagas vinham morrer com suave ruido
    montono, semelhante ao farfalbar das se-
    das.
    Fechou-se por dentro, e, approximando
    se de um pequeo movel, abro-o com
    urna chavesinha que nunca a abandonava
    Entlo, de urna gaveta interior, tirou
    alguns objectos muidos, um lene., um
    medalhlo, urna photographia.
    Durante alguns instantes contcmplou a
    photographia representando Mauricio com
    o uniforme da escola de Saint-Cyr; apoiou
    os labios no medalhSo, no qual havia urna
    mecha des cabellos castanhos do mancebo,
    e, lancando resolutamente tudo na chamin,
    em que ardia viva claridade.
    Urna irml nlo precisa de semelhan-
    tes reliquias, disse ella olhando para as
    chammas a devorarem as pequeas presas.
    O sacrificio, porm, n3o estava anda
    consummado, e um grande canfrangimento
    de coraclo a accommetteu.
    Tivera a coragem de queimar aquellos
    objectos, que haviam pertencido a elle, o
    seu amor, o seu noivo ideal, sempre que
    rido, sempro adorado. E i agora, de re-
    pente, coma arrependia se da sua cora-
    gem 1...
    Infeliz que ella era... estava acabado;
    nlo tinha mais nada, nada neste mundo t...
    E, desesperada, com o sentimento de
    urna so lidio eterna, que nada d'ahi por
    diante poderia amenisar, com um vacuo
    enorme, semelhante a um antro negro, no
    Vndese
    Kerozene.
    Dito inexplosivel (luz dia-
    mante).
    Phosphoros.
    Breu.
    Velas de stearina.
    Alcatrao da Suecia.
    Cimento em l\2 barricas e
    inteiras.
    Soda caustica com 70 graos.
    Sebo e graxa do Rio Grande
    do Sal, em pipas e bar-
    ricas.
    Na roa do Encantamento n. 9 e
    Caes do Apollo n 17
    Os Barateiros! !
    E' s neste estabelecimento que pde-
    se encontrar fazendas finas de gostos lin-
    dissimos | or pregos razoaveis, como se-
    jam:
    Voiles de II, padrees inteiramunte no-1
    vos, merinos idem, idem, cachemiras la-
    vradas, o que pode haver de mais lindo
    em gostos.
    Cambraias da China, idem catitas, idem
    com salpicos c lisas, Victoria e transpa-
    rentes, grande sortimento de crotones
    (padrSes de voile) de gostos attrahentes-
    Crepe da China, inteira novidade.
    Etamines de cores, lisos e rendados.
    FustSes b.-^ncos. Linons com barra, o
    que ha de mais rico para vestidos, chitas
    idem, idem e muitos outros tecidos a phan-
    tasia.
    Lis de quadros a 200 rs.
    Merinos idem, azenda de 800 rs., por
    240.
    qual a sua vida inteira acabava de abys-
    mar se, foi cahir solucante, quasi morta,
    aos ps do seu leito.
    Na sua pessoa, porm, velavam, urna
    energa a toda prova, um sentimento do
    dever cima de tudo, urna grandeza, urna
    nobreza capazes de fazer lhe tudo aceitar.
    Ah sou covarde! disse ella levan-
    tando-se ao cabo de alguns minutos,; se
    eu chorar, mamSi o ver e comprehender
    o amor que domina me o coraglo. NSo,
    nSo, preciso fazer o sacrificio inteiro ...
    A tua felicidade primeiro, meu Minou.. -
    Quanto a mim, pouco importa; e, urna
    vez que para seres feliz forjoso calcar o
    coraclo da tua pobre Souriquette, anda,
    calca-o, serei corajosa, ninguem ver o
    meu supplicio !...
    Approximou-se entSo resolutamente do
    seu grande {toilette de marmore branco,
    lavou meticulosamente os olhos e o rosto,
    fazendo appello a toda a sua coragem para
    recalcar no intimo a fonte inesgotsvel das
    Bas lagrimas, sempre promptas a jorrar
    de novo.
    Ao jantar, um milagre de energia fez
    com que ella se mostrasse no estado ordi-
    nario, um pouco mais pallida somonte.
    Laura cercou-a de mil carinhos, de mil
    desvelos.
    Quando Vallauris deitou-se, ella foi tsr
    com a rapariga.
    Esta espera va-a .
    Apezar disso, o seu coraclo cerrou-se
    dolorosamente: a tSo temida explicaclo
    approximava se.
    Saberia ella calar-se, oceultar ao per-
    spicaz olhar de Laura a horrivel chaga do
    sea corceo, dar-lhe as respoBtas conve-
    nientes, enganal-a e mentir ?...
    Que supplicio para ella, que nunca tinha
    faltado verdade I...
    Mas era preciso. A felicidade daqaella
    boa gente que a havia criado, a de Mau-
    ricio, sobretodo, to santamente, to ge
    nerosamente amado, nlo estavam acaso
    em jogo I
    Sabea o que me veio diier ten pai ?
    Voiles de I e algodlo a 240 rs. o co
    vado
    Zepnyros de cores a 320 rs. o covado.
    Merinos de urna argura a 280 rs. o co-
    vado
    Baptista republicana a 200 rs. o co-
    vado.
    Madapollo americano a 55000 a pega.
    Variado sortimento de setnetas e cre-
    tones, para chambres.
    Grande e variado sortimento de chitas
    claras, de cOres e escuras. dem chama-
    lot, padrSes exquisitos. dem voiles, gos-
    tos inteiramente novos. Casacos de Jer-
    sey para senhoras, vestuarios idem, para
    crianzas. Toalhas felpudas para rosto e
    banho, brancas e de cores. Grande sor
    timento de aventaos, idem, idem de ba-
    beiros, para enancas.
    Para horaens
    Grande 5orfimento de camisas de fia-
    nolis, nho e algodlo.
    dem de coliarinhos de linho e cellu-
    loide de cachemiras pretas e de cores, en-
    tre ellas destacam-se as de 7^000 o corte,
    para costumes. s
    Alm das mercadorias que cima dicta-
    mos, temos um esplendido sortimeoto de
    cestas de palha e chagrn e muitos ou-
    tros artigos que seria enfadonho mencio-
    nar.
    E' s nos barateiros!!
    A' RA Io DE MARgO N. 1
    Bernardino Campos i .
    Vende-so urna pharmacia com todos
    os seus pertences, grande sortimento de
    drogas, todas novas, local muito bom,
    armaclo de amarello, envidragada e en-
    vernisada e muito afreguezada; quem
    pretender dirija se a Villa do Bonito,
    casa de Francisco Joviniano de Mello, que
    ahi encontrar com quem tratar, e fazer
    todo e qualqner negecio, sendo a dinheiro
    ou a prazo com garanta.
    Bonito, 27 de Agosto de 18C9.
    perguntou-lhe Laura queima roupa, afim
    de nlo deixar-lhe tempo de preparar-se,
    e de sorprender o que a Sra. Vallauris
    julgava a ser a primeira impressao de Hen-
    riqueta ...
    Nada de grave, sem duvida, respon-
    deu rapariga com urna palpitadlo de cora-
    clo capaz de mtala, mas to calma e to
    impassivel como sa a sua propria vida nlo
    estivesse em jogo. Talvez que as encom-
    mendas nao deixem mos a medir, ou que
    os modelos foram alterados...
    Nao nessa ordem de ideas... Mi-
    nou quer se casar com urna moca da qual
    se diz '.cucamente apaixonado.
    Henriqueta teve a sublime coragem de
    Borrir divinamente.
    O pobre Minou murmurou ella. Elle
    vai entao darme urna irmS.... Tanto
    melhor, sempre desejei isso.
    Comquanto, porm, nem o menor estre-
    mecimento agitasse a rapariga; comquanto
    nem o menor tremor lhe fizesse mover os
    labios muito brancos, Laura nlo se deixou
    Iludir por aquella calma extraordinaria.
    Tomou as mos da filha, e attrahindoa
    violentamente a si :
    Ests fallando verdade ? exclamou
    ella. Esse casamento mesmo um praz<. r
    e urna felicidade para o teu coraclo ?...
    Se a sua noiva digna delle, e nao
    o pode deixar de ser, visto que elle escc-
    lheu-a o ama-a, Bim, tenho prazer em ver
    meu irmlo casar se.
    Teu irmlo !.. Teu irmlo !... Eu
    que tanto havia esperado que Mauricio
    fosse para a minha querida filha mais do
    que um irmlo !...
    As palpebras da infeliz rapariga bateram
    imperceptivelmente.
    Veria ella espe fugitivo estremecimento,
    ou antes... o sea coraclo maternal adi-
    vinharia o intoleravel soffrimento da filha ?
    O caso que, tomando a sbitamente nos
    bracos, Laura exclamou :
    (Continua.)
    Typ. Diarto, Ru? nuque de Gaxiaa n. U




    .*.,

    i
    *

    j
    4. -,
    I -


    . -
    -1"-'
    I.;'
    fcf-'


    {

    1 .' T


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDLMNUEK9_12TV8D INGEST_TIME 2014-05-19T19:04:21Z PACKAGE AA00011611_18827
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES