Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18789

Full Text

r
i



I.
'

i
> ;
1
*
NNO LXVI- NUMERO 43
*-W
/ '..-. .. '
SABBAD 22 CE FEVEREIRO 1)1 1890

'*
PARA" A CAPITAL E LUGARES ONDE- KA* E PAA PORTE
' Ti
Por tres meses adantados.
Por seis ditos id era.
Por um anno idem.
Cada numero avulso, do mesmo
Propriedade de Mano el Figueira de Faria cft?
Os Srs. Amede Prince & C.
de Pars, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios e publica-,
coes n*'Franca e Inglaterra.
Filhos
.
TELEGRAMAS
S3BVI50 MTIKla 30 HABI
s 4 horas e 30 minutos da tafde.

Form nomcados:
Intendente da guerra; o coronel Mallet;
Confe.-ente di AlfaqfUga do Pernambu-
co, Francisco Perdigao d'OIiYeira. .
Foram publicados decretos:
Creando o Lloyd Brazileiroj
Estabelecendo que os ca.-gos de presi-
dentes do Supremo Tribunal de Justica e
das Relajos de districto ejam preenchi-
dos por elicito entre os msmbros de cada
eorporacSo; *
Permittindo a livre venda na Capital
Federal das loteras dos Estados, concedi-
das antes deste decreto;
Creando na Capital Fede-al duas varas
de juizes dos casamentos.
Seguio para o Norte no paquete na-
cional o ex-senador Soares Brando.
JA AC-3SCIA 2AVAS
ROMA, 20 de Fevereiro.
O Duque de aple*, pri cipe herdei-
6*000
120000
230OO
" 100
m
PARA DENTRO E FORA DO ESTADO
Por seis mezes adianUdo3. 13)5500
"Por nove ditos idem...... 20*000
Por um anno idem. ... 26*000
Cada numero avulso, de dias anteriores. 0100


.
. -
i


- i -
de um throao caducoT|ue~ se apresentava ante e
nova ordem das c usas ; erara todas as injusti-
cia do pausado, todos os privilegios de raca e
todos os abusos do poder, cireuradado de foguei-
ras, de esbirros, de ex con. ajunques para aba far
o pensa.uento e trucidar a cooscieoeia ; ora
finalmente, a voz da America pedifldo logar en-
RIO DE JANEIRO, 21 de Fevereiro,1 tre as. nacoe civiiisa las, e reinvindicando para
seus (linos o direito de'ser livre e e desfraldar
aos qaatro venios a sna bandeira..
Entretanto a corte portugueza, vendo se acre-
mente censurada e cojnmenlddos severamente os
seus actos, deu oedens terminaifes e impoz as
penas mais severas aos que jMredjBZHsem o Cor-
reio Brazense no Rio de Janeiro ; mas tuiotoi
em^o. 0 pampbleto patritico appare ia em
toda a parte, invada os proprios sales do pala
ci de s. Christovo, o gabinete de D. Jeo VI,
os aposentos das princ zas e de suas damas, con
tra as quaes verberava ousadas accusacOes. Era
o ariete contra aquella corte oais relaxada que
perversa, que apezar dos bons desejos do rei
nao poda fazer mais, porque ruis looge nao iam
os sens conbecimentos. As palavras do jornal
de Hypolito penetravam em toda a cidade, as
ideas novas apossavam se de todos os nimos,
como.os raios de luz penetrara por todas as Mo-
chas de um aposento fechado.
Vendo pois que nada consegua cora as soas
medidas repressivas, o governo de D. Joo VI
tra too de fundar em Londres um peridico em
oppo-ico a> Correio Brasilieme, destinado prin
cipalmente a combater as anas proposicei li-
brrimas concernentes ao Brazil. Creoo se en-
to o Investigador Portuguez em Inglaterra, mas
com tao m fortuna e cora redactores to venae,
que o goverao teve de suspeoder a soa publica-
cao confessando-se veocido parante o grande jor
nalista brazileiro.
A propaganda de Hypolito em prol daiodepen
deocia la patria era to efficaz que calava nes
espirites mais adiantados da Europa. Nao se
limitava o infatigavel publicista a condemnar por
WWTFP fl AP-2SCI IAVA1 ""OJ e ignorante apoltica portugueza, nem
i&AVl^W Ua UdflUA UkVA a demonstrar os erros e desmandos da corte.
Hbil economista e grande conhecedor da politi
ca do velho continente, desperiava o iotere3se
das naces europeas comprovando as vaotageiis
que ellas colhenam da independencia do Brazil,
principalmente as naces mercantes, publicanflo
para isso eslatistica do movimento da prodoccao
e popolaco brazileira, que a forca de pacientes
investigacoes elle mesmo organisava ; dava eon-
ta da importico e exoortaco dos portos fran-
queados s naces amigas de Portugal, patentea
ra a fecundad ide do solo, a riqueza de seus pro-
ductos naturaes, e os grandes proventos daagri
cultura ; o que tudo moito contriboio para o
apoiy que os patriotas americanos eocontraram
sempre na Europa.
O Correio Braztlteue pois a urna sagrada
onde se guardara todas as datas para a histeria
do Brazil duraote aquelle psriodo interessantis-1
j simo da gestaco de ama grande independencia,
Hypolito foi o athleta ratelieetoal d'aquella evo-
lugo. Com uma vontade de ferro, com ama
energa suprema e coman valor inquebrantavel
elle decidi, qoal outro Lenidas a morrer as
TiuTiuop:las la idea, e nio descansan um so
momento, desde 1809 at 18ii am que vio co
roados os seos esrbrcos.com a mais brante
victoria, pois a 7 de Setembro desse ultimo anno
o principe D. Pedro lancou s margens do Ypi-
ranga o grito de Ipdepi-nlencia ou Morte que
repercut lo desde o Prala at o Amazonas, foi
acariar alegremente 03 ouvidos de heculeo bala
Ihidor acampado as margns do Tamisa.
Era 18f3 Hypolito /os da Costa Pereira pu-
blicou o 29' volume do C*rreto Brasiense, des-
pedrado se dos leitores c dando por rinda a sua
gloriosa missao. Nunca o jorualisme abracou
mais nob/e causa, e nanea tambem jornalista
algum alcaocou miior triumpho. Poda depdr a
penna. estava escripta a sua epopeia eo seu nome
atiralo aos viudoaros, jamis podena perecer ;
embora tenha momentneamente cnido em tao
injusto esquecimanto, esse nome sera sempre
para o Brazil a mais fulgente das suas estrellas.
(.Contina)
ro da Italia
Oriente.
partir
em viagem para o
BUDAPESTE, 20 de Fevereiro.
As exequias nacionaes em honra do Da-
que de Andrassy te -So logar amanhS.
O Imperador Francisco Jos assistir. .
Agencia Havas, filia! em Pernambuco,
21 de Fevereiro de 1890.
IHSTRUCCiO POPULAR
LiTKirfnnsiLsiSA
NOS
TEMPOS GOLONIAKS
POE
Y&\^ft9 ltt>H
* JUUteratura Brasileira do scalo
XVI mo cometo do XIX
ESBOgO HISTRICO
VI
CCoBtinuagSo)
Brotavam as ideas das columnas do seu peri-
dico como ama torrente avassaladora, com todo
o impeto do enlhusiasmo, com toda a conviegao
do direito, com toda a verdade da sciencia. Era
a patria opprimida encadeiada ao escabello da
PARTE OFFICIAL

Governo da Provincia
RELITORIOeom qne o Exm. Sr. eonselheiro Haaoel Aires
de Arrojo entregla a admialstracSo da provincia
ao Exm. Sr. Dr. Sigismundo Antonio Goncalres
en 1* de Vovembro do 1S99.
(Continuado)
Tendo diversos moradores do ncleo Saassuna e outros requerido a compra de
lotes rsticos n'essa propriedade, exped em 20 de Setembro o seguinte oflicio ao en-
renheirp inspector nter.no:
> 5.a scelo. Palacio da Presinela de Pernambuco, em 20 de setembro de
g9(jl.Tendo em coosideracSo qne muitos nacionaes se acham sem trras para as
suas plantajSes, tendo sido sempre oceupados nos trabalhos da lavoura, inerecendo do
governo os tavores que devem garantir sua manutenslo e de suas familias, e atten-
endo qne muitos teem solicitado comprar lotes na fazenda Suassuna, residindo ha
muito tempo n'essa propriedade onde possuem casas e plantacSes, trazendo-lhes pre-
juizo a Bimples colheiU sem poderem fazer novas plantac5es, e sendo de beneficio
ommum localisal-cs ; accrescendo que entre os requerentes encontra se ex-prayas do
exercito voluntarios da patria com direito ao prazo de trras determinado na le,
em qual'quer das colonias do Estado, auteriso V. S a desgnar-lhes os Despectivos
lotes, com clausulan garantidoras para o roteamento das trras e pagamento de sua
importancia, recebendo-a mensalmente dos que se propuzerem a fazer e annualmente
dos demais, para o que se expedir ttulos provisorios, que, findo o pagamento, serao
ubstituidos pelos definitivos, convndos que fiquem rezervado 50 lotes rsticos e 100
urbanos, devendo verificarse as despezaa effectuadas e dividas proporcionalmente
egundo a rea e natureza das trras, afim de fixar se o preso de cada lote. >
Estes individuos sao os seguintes :
Joao Bernardo Lanatte, que foi attendido pelo aviso do Ministerio da Agri-
cultura de 5 de Outubro, somente um lote.
Levino Braaliense do Reg Barros.
Capitao Joaquim Ramoo da Silva Moreira.
Emiliano Britto de Araujo Novdfc.
Cesario Qoncalves dos Santos.
Dr. Antonio de Barros Cavalcante.
Dr. Jos Flix da Cunha Menezes.
Manoel' da Rosa Lima.
Augusto Cerne ro de Albuquerque Lacerda.
Manoel Xavier Carneiro da Cunha Filho.
Joaquim Alves do Nascimenio.
Matbias Jos dos Sonto..
Jo5o Francisco dts Cliag.s.
Joaquim Xavier Carneiro Lacerda.
Manoel Chacn.
Francisco Forera da Costa.
Jovino Jos de Sant'Anna.
Manoel Feroandes de Sant'Anna.
Antonio Vtente Ferreira Chaves.
Francisco t'arueiro de* Albuquerque Filho.
Domingos Francisco da Cunha.
Jos de Barros Araujo. I
Francisco Xavier Carneiro da Cunha. \
Latino Cesario de Mello. -
Manoel Cavalcante de Mello Filho.
Joao Xavier Carneiro de Albuquerque.

S
to a Augusto Xa-
Francisco de Salles Abreu.
Elisiario Antonio dos Santos.
Francisca Antonio Angelo Monteiro.
Jos Fran isco' de ^ouza Guedes.
Jos.Ferreira da Silva.
O mesmo.
Joaquim Marcello de Oliveira.
Joao Evangelista de Souza.
Jos R. de Mraes. ..^
Manoel Joaquim Gomes. >
Em 27 de Setempro mandel proceder do mesmo modo
ver Carneiro da Cunha.
Jos Bezerra de Barros Cavahjante, Francisco Pereira de Lyra, Thomaz Jos
de Souza. JoSo Baptista Gomos Perra, oborvawl 8%* o-que expoz. o engenheiro
Thaumaturgo em offcio de 21, isto que Jos Becerra de Brm "Cavalcante nao
podia obter o lote n. 18,'requerido anteriormente por Joaquim Xavier Carneiro de
Lacerda, era Jol Baptista Gomes Pereira o de n. 93, tambem requerido por Jos
Ferreira da Sirva; e em epochas posteiiores qnanto a Antonio Leopoldino Arantes,
Fiavio Jos Bezerra Cavalcante, Manoel Antonio Soares, Joaquim Irineu das Chagas
Bezerra, Antonio Jos de Andrade, Jo3o Gualberto do Nascimento, Jos do Espirito-
Santo e Silva, Manoel'*SavaIcante de MellonTenente Francisco de Paula" Mifra, Joa
quim Ramos da Silva Moreira, Jos Pgdro Alexandre Bezerra, Felismino Thomaz da
Aquino, Dr. Baliarmino Dias Gcmdim, Dr. Syraphronio Eutichiniano da Kz Port -11.*.
Manoel Barbosa Bezerra Cavalcante, Antonio Miguel Cqrrcia Gomes, Henrique Fran-
cisco da Silva, Joaquim Emygdio Carneiro de Albuquerque, Francisco Dativo de
Mraes, Laurindo* Jos de GusmSo, Jos Carlos Vital, Augusto Laforse, Joaquim
Thomaz de Araujo, Manoel Paulino da Silva, Joao Guilherme Dantas, Antonio Jos
da Costa Araujo, Candido Ladislao de Azevedo e Luiz C. Cholowiccki.
EstSo demarcados na Colonia Suassuna 55 lotes e por demarcar 45, todos
rsticos.
Dos lotes urbanos j esto promptoe 100 8
Est reconstruida a antiga casa de vi venda e feitos os devidos acrese irnos ;
construiram-se 4 casas para residencia; e estao em cornejo duas outras para deposito
e oficinas da Colonia* Est quasi prompta a estrada de rodagem e a ponte que
liga a colonia a cidade, tem j dous pegoes construidos. Estao tambem promptos os
aterros e desaterros precisos. -
Por f.'.lta de crdito estao suspensos quasi todos os trabalhos.
Existem grande quantidade de materiaes lenhosos e de alvenaria j pagos.
Na hospedara da Jaqneira est construido metade do edificio, faltando o re-
boco, caiaco, pintura e ladrilho, assim como a collocaclo de portas e grades.
Despendeu-se desde ff de Agosto at agora com a colonia Suassuna 29:857^920,
sendo 20:7460761 de material e 9:llliJ160 de pessoal; com a hospedara da Ja-
qneira 18:0050310, sendo 9:8920300 de material e 8:11301)10 de pessoal. Houve
mais outras despezaa geraes na importancia de 2720110.
Segundo informou o alludido engenheiro em officio de 11 do corrente, verifi-
cou elle que no comeco de Outubro ou antes deca-se o desaparec ment de materiaes
e utensilios pertencentes a hospedara da Jaqueira, sendo indignados pela prova tes-
temunhal como culpados Julio Girard, Domingos Oliveira, Joao Baptista, Ludgero
Bsncauste, Antonio de Freitas e outros ; pelo que descontou-lhes vencimentos e fe
ras, na importancia de 2310500, que mandei recofher a Thesouraria de Fazenda.
, N'aquella mesma data ordenei ao 2." promotor pnblico que proceda contra os
culpados na forma da lei, e mande-lhe o inquerito feito pelo delegado do 2. distriato.
THEATRO SANTA ISABEL
A 19 de Setembro conced esse thaatro por 40 dias ao bacharel Joaquim
Mara Carneiro Vilell, sem contribuijao pecuniaria, para fazer_representar a co
mda op".r-)tii denominada Bertholeza. sem preiuipo.de concessSes anteriores, pudendo
n'esse periodo ter lugar outras concessSes ; com u ftlRtisula de serem as vistas e pannos
novos entregues ao administrador para fazerem parte do material do theatro, d nao
ser alterado qualquer dos pannos e objectos a e5te pertencentes e de ser o 6. espec-
tculo dado em beneficio das obras do mesmo theatro.
(Continua.),
CJoverno do Estado de Pernam- -'* ^o.-us pagar a multa e as cusas do proces-
h .._ so, sob pena de penhora.
M i 1 l. ae, alm da multa o contraventor ti ver
xpsDiBXTB do nu 4 di FBvBBguto DE 1890 sido condftmnado a piiso, ser esta ordenada
Actos : inoonmenti por meio de outro mandado.
" n. _~Tf S 2." o mandado sera transcripto o theor da
0 marechal goveruador do Estado de Pernam- g^nca condemnatoria.
buco resolve que, para boa execucao do art. 4 da Art 9 QuaDdo a eXe3Uc5o consistir na rea-
porUna de 27 de Dezembro do anno passado, li8a5a0 de U{n acW imp08l^ ^Jo pena, na de
se observe o seguate : ____ molicao de um predio, porexemplo, o presiden-
Art. !. Qaaodo o rafractor nao souber escre- ^^ a) ^ndi0y pra30 /So8T para 0
verou nao poder assignar o auto de que trata cutoprin)eQ10 do mesmo acto,
a regra 1 do art. 4 da citada portara ser esse A 10# Pa88ada8 a9 2i norag 8em que 8e ha
auto assignado por tres testemunhas, fazendo-se erjectua(l0 0 pagamento, o presidente, era vis-
nelle mencao dessa circumstancia oannn ta da certidao doescrivo. mandar proceder a
i. Do mesmo modo se proceder, se o con-, b#ra em ,anl08 beQ8 dQ contraveGtor quan.
traventor, sabendo e podendo escrever, nao qui- ,og biStem 8al3facao da3 maltas e Cus-
zer assignar o dito auto. ta8 do Dr0CeSS0.
2. O infractor que se recos.r a braecer M Ar, ^ A pennora 8eri proee33ada sarama-
indicaS6es necessams sua qualificaco, 6er r3Jinjameate designando o presidente um dos
nao obstante processado, e soffrer o dobro das ,B,aaore8 bem Como o leiloeiro que tiver de
penas em que tiver incorrido. proceder venda dos bens penhoradas, seja
Art. 2. Nojulgameato das rarraegoes mun--^, for a natureza destes, nomeando o exec-
cipaes se observara este processo :___ | tdd0 0 oa{m ava|iador deitro de dous dias, con
1. Verificada por pregad.a presenca do ^^ d inlimaC0 da pcnhora, sob pena de no
fractor no Paco do uraselho de Intendencia, no mear presidenle imbo3 os avaliadores.
dia e hora que tiverem sido designados no auto ,0 No as0 de de3acc0rdo eutre os avalia-
deinfraccoou era citaco P"tenor, jN"* |ioW a media dos dous valores divergentes se
dente do referido cooseiho proceder a leitara a ,0p ioben pPnnor2do fazendo-se
do mesmo auto, ouvindoem seguida a defcia do ^ igso 0 competente calculo,
contraventor, que poder apresentat-a por es- K 2 A veQda 3e efectuar oito dias depois da
criptoeproval.adocuraentulmente.oupormeio^^. a eceiead0 ^mg^g por tre8 dias
de testeoiunhas apresentadas na mesma audien- ggj publicar o expediente da Intenden-
cia, e enjo numero nao poder exceder de tres. \
O presidente poder se o julgar neces- j 3 ge Q0 primeiro iei|ao nao houver con,pra.
sasio, ouvir as testemunhas do auto de infracgao, dQ annunciar.8B.na segundo para cinco dias de*
e quera o lavrou, na mesma audiencia ou n outra abatimento de Tinte por cento de ava-
que designar, hcando desde logo, neste caso, Kaca
citado o infractor para comparecer anovaau |i0 Seainda da 3eganda veznSo apparece-
diencia. comprador, far-se-ha terceiro leilao tres dias
3. De tudo o que se passar na audiencia se depis, entregando-se os bens a quem mais of
lavrar um s auto, que ser assignado pelo ferecer.
presidente, contraventor e pela3 testemunhas, | a O arrematante dos bens ser obrigado a
se as nouver, escreveodo se no mesmo auto re- j entrar para os cofres mnnicipaes com a respec
sumidamente o depoimento dessas testemanhas. i tiva importancia no prazo de 24 horas sob pena
Art 3." Se o contraventor nao apparecer no de pnsao.
cooseiho da Intendencia no dia enoia para que j g qo Se os bens nao forera Vendios, ser a
tiver sido citado, nem n-andar escusa relevante, penhora convertida em priso.
devidamente provada, ser julgado revelia, era | g 7 para esse tira o presidente dividir a im-
vista do auto de infraeco. Apresentaia e aecei- p0ftancia total da multa e das custas por cinco
ta a escusa, ser de novo intimado para compa- mi res, indicando o quocieote, despresadas as

recer no dia e hora marcados pelo presidente.
Este me-mo procedimentoserooservado, quan
do, por qualquer motivo, deixe o presidente de
dar audiencia no di", e hora designados.
Art. 4. Proferida a sentenca dentro de dez
dias depois da audiencia, se a parle condemna-
da qnizer recorrer para o Conselho de Intenden
cia, fal o-ha verbalmenle perante o escrivo, ou
fraccoes, o numero dos dias de prisao, que em
caso alsum passar de trinta.
g 8' Tambera se converter a importancia da
multa e custas em priso, quando nao forem en-
contrados bens do contraventor ou se jalgarem
precedentes os embargos ae tercero senhor e
pos?uidor qne forem oppostos penhora.
g 9o A converso da pena de malta em prisao
em requerimeoto dirigido ao presidente, no pra- lera igualmente lugar, sem dependencia de p-o-
zo de cinco das improrogavew, contados da in-. ce38o do.' arts. 10 e 11, quando o infractor in-
timaco do julgam-to, a qual se far sob pre-. correr alternativamente em uma dessas penas.
gao no caso de revelia. j e deixar de satisfazer a primeira no prazo em
8 i. O re-cr^ente dever apresentar no car !que Ihe campria fazel-o.
torio da Iutendencia, e no prazo de tres dias Art. 12. O processo dos embargos a que allu
aps a internos cao do recurso, az suas raze-< de o g 8 do artigo antecedeute, nicos adm,s
de defeza e os documentos que tiver, sob pena siveis na execuco, ser sumraanssimo. apre
di ser julgado .ie aenhum effeito pelo presiden
Ue o recurso interposto.
2o J recurso ser sempre suspensiva ese
processar aos prdprios autos. Nelie nao se
ouvirao mais testemunhas.
Art. 5." Apreentado o recurso ao Conselho de
Int-rjdencia designar este um de seus mera
br pirajrelatar verbalmemte o feito no di.i^do
julgamenio. Attecisao sera la\rada pelo relator
e as- guada por todos os julgalorcs.
Art 6. O presidente na poder votar no jul-
Karaento do re'-n'PO, e no raso de empate, a
decisao se reputar favoravel ao recorrente.
Art. 7.' O presidente sera o u tico jais com
pelete para dar .xecucJo aos julgamentos por
Uif.aCi.ao -le pasturas muaicipaes, qua;quer que
seja o valor das multas ou objectos sohre que
versem os mesmos julgamentos.
rt. 8 a execacio correr nos propnos au-
tos da infraeco e se iniciar por simples man-
dado, sendo este intimado ao lOQfctSr para em
sentando o embargante o seu requerimento com
a exposigo do que julgar a bem do seu direito,
e rastruindo o logo com as provas que tiver.
g i Se a prova for testemunhal, o presidente
designar audiencia para ouvir as testemunhas,
observada a disposigo do 3o do art. 2' do pre
gente regulameato.
2o Da sentenca que jolgar improcedeote os
embargos de terceiro senhor e pos uidor haver
recu'SO para o Conelho de Intendencia pela
memi forma determ'.uada para o recurso do in-
fractor.
Art. 13. F.ndo o prazo do art. 9,'sem qae o
contraventor tenua effectuado o acto que lhe foi
imposto como peoa, o presidente, em vista da
respectiva certidao, mandar proceder a elle,
passaodo se mandado paraO p3gamento das rus-
tas e despezas fetas com a execuco da peoa
D'ah em diante m proceder de cooformidade
com o que nestergplamento Qca estabelecido
para a executo em geral.
Art'. 14 Servir de escrivojno processo e jal
gaiente de infraeco de posturas municipaes
bem como na respectiva execuco, o secretario
da Intendencia, ou outra qualquer pessoa pelo
presidente designada, sarvindo de porteiro e
uffi..'iae- de justica os guarda riscaes indicados
pelo mesmo presiJente^a^este nao preferir of
Bciaes do foro desta cidjjgl
Art. 15 Perante o BR110 de Intendencia
servir ile esenvao eBHrvauente o secretario
ou seu substituto legal
Art. 16. O contador do juizo ser o presiden-
te da Intendencia
Art. 17. Para a> contagem dos autos se obser
vara o decreto n. 5737 de 2 de Setembro de 1874,
no que for applicavel.
Art. 18 As custas que forera contadas a qua
quer empregado da Intendenta que servir de
escrivo, pjrteiro ou ofiical de justiga, caro
fazendo parle darenda eventual do municipio.
nico. A mesma dispo3ico preralecc para
as que forem contadas ao presidente.
Ari. 10. 0 presente regulameato ser* subsi
diado, nos casos onssos, pela legislaco em vi-
gor na Repblica Brasileira.
0 marechal governador do Estado, resolve
por conveniencia do servigo publico e de accor
Jo com a proposta do Dr. chefe de polica em
oflicio de Io do corrente, sob n. 197, determinar
que o territorio comprehendido no 6o districto
da comarca da Victoria, perteuca d'ora en^ulian
te ao Io districto, defronte a cotite, lnclusjve a
estrada nova Giqui e Caja.Fizeras-s'e as ne-
cesarias commuoicac6es.
dem tendo em vista o expD3tft pelo in
spector da Thesouraria de Fazenda em* oflicio de
3 do correle, sob n. 97, com referencia ao facto
de ter sido effectuado indevidamente o pagamen-
to da penso de 36^000, Joaquina Rodrigues
Maia Fialho, viuva oalfares do exercito, Fran-
cisco da Silva-Fiulbo, resolve de accordo com o
art. 5- 8, dajei o. 38 de 3 de Outubro de 1814
suspender do exercicio de suas funeces ao 2'
escripturario*da mesma thesouraria, Heliodoro
lyrino de Oliveira Coragem, e determinar que
seja o mencionado oficio remettido por copia ao
1 promotojkBublico d'esta capital, atim de pro
ceder nos tenhos da lei Reraetteu se copia do
referido officio de 3 do corrente ao 1 promotor
publico d'esta comarca afim de proceder nos ter
raos da leie comraunicou-ie ao inspector da Tus-
sourarta de Fazenda.
dem, attendendo ao que requereu Jos
Osias de Paula Hjinem e tendo em rista o expos
to pelo inspector do Thesouro, em officio do 23
de Janeiro Ando, n. 70, resolve considerar sem
effeito a portara de 18 de Outubro do anno pas
sudo, pelo qual foi nomeado Pbiloraeno Norberto
Gomes de Souza, para e exercero cargo de col-
lector das rendas do mesmo Estado, no munici
pi de Bom Jardim, visto nao ter elle solicitado
o respectivo titulo, devendo continuar a exercer
o dito cargo o referido Jos Osias de Paula Ho-
mem. qae pela mencionada portara bavia sido
exonerado. Communicou-se ao inspector do
Thesouro lo Estado.
IJem, attendendo ao que requeren Maria
Jos Pessoa Ayres. professora da cadeira de en-
sino primario de Muruabeba, tendo em vista a
informaco 0. 12 do iospector geral da rastrueco
publica e o parecer da junta mediea, resolve coa
celer a peticionaria, a coalar de 16 de Jaoeiro
lindo, tres mezes de licenca com ordnalo para
tratar de sua saule onde lhe coovier.
dem atteadendo ao que requereu o padre
Simao de Azevedo Campos, vigario collado da
fregaezia de Nossa Senhora da Paz de Afogados
e tendo em vista a informaco prestada pelo io
spector da Toesooraria de Fazenda em oflicio de
1* lo .correte, n. 93, resolve, de accordo com o
decreto n. 2884 du 1' de Fereireiro de. 1862, abrir
um crdito da imporanca ae 150 000 verba
< Culto Publico do Ministerio do Interior, exer-
cicio de 1889, arim de occorrer ao pagamento da
congrua veocida pelo mesmo vigario nos mezes
de Outubro a Deiembro do anno passa.lo.Re
metteu-se copia ao inspector da Thesouraria de
Fazenda.
Officios :
Ao Dr. cefe de polica.- Em additamento
ao meu oflicio de 31 de Janeiro lindo, remetto-
vos, para os devidos iins, cincoenta exemplares
impresjos do decreto expelido por este governo
em 29 d'aquelle mez sobre extravio de loteras
d'este Estado.
dem, ao inspector do Thesouro do Estado,
remetiendo cincoenta*exjemplaVe3 do referido de-
creto, a Intendencia Municipal 30 a a Thesoura
ra de Fazenda 10.
A'junta da Santa Casa de Misericordia.
Mediante as condieftes constante do termo an-
nexo por copia ao officio n. 324 de 29 de Janeiro
lindo, declaro vosauefica approvadj o contracto
celebrado com Henrique Cosme dos Girares
Peixoto, para exercerjo lugar de porteiro do Asylo
de Meadicidade.
Ao inspector da Thessuraria de Fazenda.
Mandai ajustar contas ao alferes Arthur Gomes
de Carvalho que segu para o Rio de Janeiro
Communicou-se ao secretario do commando das
armas.
Ao mesmo. Declaro vos que ficamjuatif
cadas as fallas de exercicio lo juiz municipal do
termo de Bom Conselho, a que vos referistes em
officio de hontem datado, sob n. 96.
Ao mesmo.Recommendo vos que depois
de processadas, mandis satisf izer as inclusas
contas na importancia de 80. relativas ferias
dos empregados que de 27 a 31 de Jaoeiro lindo
e de 1 a 2 do corrente mez, estiveram adminis-
trando e vigiando as obras do edificio destinado
a Faculdade de Direito.
Ao ine-;no.Communico-vos que o juiz de
direito da comarca da Victoria, bacbarel Joa
quim Cordeiro Coelho Ciotra em 30 de Jaoeiro
Irado entrou na gozo dejara mez de licenct,
que era 18obteve do presidente do Tribunal da
Relaco para tratar de sua saie. Na mesma
data foi substituido pelo respectivo juiz substi
tuto.
Ao mesmo. Para os devidos no> remelte-
vos os inclusos papis relativos a uma peticj
de D Benedicta Pioto de Araujo Rabello, viuva
do major Jos Pioto de \raujo Rabello, dingiia
ao ministerio da Guerra.
Ao iospector do Arsenal de Guerra. Au
toriso vos a mandar foroecer o incluso pedido
paraillumioaco da fortaleza do trura.
Ao mes:no.A' vista da vossa informaco
n. 247 de 23 d Dezembro ultimo, autoriso-vo-*
a mandar fornecer ao 14 batalhao de infontaria
o incluso pedido de pecas de frdaraento desti
nado a re;rjtas no eusino.Fizerara se as ne
ceisarias communicac5es
23 A'o mesmo.Conforme solicitis era offi 10
n. 60, de 23 de Janeiro ultimo, autonso ms a
comprar administrativaraenie dez barris de pl-
vora lina, dez reinas de papel wa t) 150 L
Ibas de papel ca.-io para o coof-c oname ti
dos cartuchos embalados para carab-nas a Me
ni. urna vez qu" pira pagamente li referida
desjria calculada em 3U04. ei'Stfl crod^r, s--
gundi declara a Tnesouraria de Ka'.ei la em
officio n. 91 de l do corrente.C mmuajeoo-se
ao inspector da ToesHurana deF.izenl'
Ao i'ispector do Tasouro do E-' 1). -V :
termos de vossa iafonnaco 11. 73 le -5 '- Ja
neiio liado, auteriso vos a oaaudiH pag-ir *
inclusa c,;nrl oa importaneia de 17>90;. uro*
mente de depezus feitas cora o ener aneu ,
do 8 1 lado do corpo de po!< la. Au-|i:c:0 Jo^
d'A;sum:>so, fallecido na cidade ,da Escala. -
Comuiuoicou-se ao commaodante do corpo.
Ao presidente e raais membros da Inten-
dencia Municipal do Recife. -ConvOra que me
informis, com brevidade, se foram pagos do
exercicio de 1888 era diante, os foros dos terre-
nos alagados do Hospicio, de que sao proprie-
tarios JoseGomes Lea', Biro de Aguas Bellas,
Jos da Silva Loyo Jnior, viuva de Antonio Pe-
reira da Canha, Dr. Joo Maria Seve, Antonio
Goncalves Ferreira Casco, Francisco de Miran-
da Leal Seve, Antonio Maria Leal Seve e Ante
nio Gomes de Miranda Leal.
Ao cldado engenheiro Alfredo Lisboa.
Tendo a cmmisso eocariegada da co^strueco
do passeio publico-3 de Maioreclamado pela
oecessidade ae verillcar-se desde ja o estado
actual dos terrenos particulares alagados, vial-
dhos aos pontos habitados no largo do Hospicio,
os quaes devaai ser aterrados afim de qae se
recoaheg o valor primitivo delles, recommeo
do-vos que providenciis quanto antes ao senti-
do de ser calculada a despeza a fater com o
respectivo atierro, trazendo oppjrtauameote ao
meu conhe. imeuto o resaltado dessa avali,.Qo.
Ao director das obras publicas geraes.
ommunico-vos que o ministerio da agricultura.
segundo tele^rastma de nontem, auterisou o
crdito de l:015WQu*para pagamento do servico
de caoalisaco de gaz na ponte Bairque de Ma-
cedo. -,
dem idem a repirtigo d 3 obras publicas
do Estado e a Thesouraria de Fazenda.
Ao inspector ger! da iustracco publica.
Coovm que providenciis no sentido de ser
pela cmmisso oomeada em 21 de Dezembro
ultimo examinado era portuguez e arithmetica,
at a theoria das proporcOes, o cidado Joaquim
Francisco de Miranda pretndeme ao officio de
justica.
Portaras:
Declaro a Inteodeocia Municipal deGaranhuns,
era resposta ao seu oflicio de 30 de Janeiro An-
do, que as attribuicOes conferidas pela portara
de 27 de Dezembro ultimo s podem ser ejer-
cidas pela Intendeocia Municipal do Recife, ca-
liendo a essa intendencia as de que trata a le
de Io de Oatubro de 1823, at que sejam expe-
didas por este governo instrueces a respeito.
Os Srs. agentes da Compaohia Brasileira
de Navegaco facam transportar ao Rio de Ja-
neiro, por conta do minisi rio da guerra, o 2*
cadete aidido 00 2' batalhao de iofaotaria, Ed-
mundo Lopes de Mendooca.Commuoicou se
ao se -retarte do commando das arm 13
Os Srs. agentes da Compaahia Brasileira
de Navegaco mande dar pass; gem, por conta
do ministerio da guerra, at o Estado do Rio de
Janeiro ao 1 cadete Raymundo Bayma da Serra
Martins alumno da respectiva escola militar.
dem por conta io mioisterio da guerra at
ao Estado de Alago is, ao 2" cadete Emilio de
Carvalbo Montenegro. -Commuoicou se a secre-
taria do commando das armas.
Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de Navegaco mindera dar passagem, por conta
do ministerio da marrana, at o Estado do Rio
de Janeiro aos 'voluntarios Cosme Pereira dos
Santos, Flix Xavier de Sant'Anna, Franciscj
Felizardo da Costa Hrrique Flix da Silva e
lesaino Jos Joaquim de Almeida, com destino
ao batalhao naval. Communicou-S3 ao inspec-
tor do Arsenal de Mariana.
Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
de Navegaco man.lera dar passageos, por con-
ta do ministerio da guerra, at o Estado do Ro
de Jaoeir., s pracas constantes da relacao jun-
ta por copia.Gommuaicou se ao secretario do
commando das armas.
O Sr. supenoteodeote da estrada de ferro
do Recife ao S. Fraocisco d passageos, por con-
ta do Estado, com direito a bagagem. da estaco
de Palmares de Cinco Pontas, a cinco pracas
de polica que se recohe ao respectivo quartel,
e mulher de uma dellas.
O Sr. superintendente da es'rada de ferro
do Recife ao S. Francieco d passagem at Pal-
mares, cora direito a bagagem, por conta do Es-
tado, a duas pracas de polica que all vo des-
tacar, e mulher de uma dellas.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco faca traosportar da
estaco das Cinco Pontas a do Cabo, em carro
de 2* classe, por coota do ministerio da mari-
nha, o operario de 3* classe Benigno Jos de Fi -
gueiredo e o aprendiz de 2a classe Gabino Anto-
tio Vieira da Cunha, que vo concertar a cpula
jo pharol all existente. Comrauoicou-se ao ins-
pector do Arseual de Marinha.
O Sr. superioteodeote da estrada de farro
do Recife ao S. Praocisco d passagem de ida e
volta, por conta do Estado, a uma praca qae se-
gu para o Cabo, a servico.
dem.D passagem,. por conta do Estado,
at Una, a praca de polica Salustianro Felismino
Ba;bosa, que destaa para Alagoa de Baixo,
providenciaodo quanto ao traosporte do farda-
mente qae a referida praca coaduz.
Mutats mutandis ao encarregado da estaco
de Pa'.mares para dar passagem dalli at Gara-
nhuiis.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officio:
O marechal governador do E-tad) manda re-
metter-vos a inclusa ordem do Tribunal do The-
souro Macional n. 12 de 24 de Janeiro lindo.
Edital !
De ordem do marechal governador do Estado
fago publico, para os devidos effeitos, Ojedital
abaixo transcripto, pondo em concurso o officio
de escrivo de crphos, ause.ites e de 1 tabel-
liao do termo de Iguarass.
O Secretario,
Antonio I,'aacio de Mesqu ta Neves
0 Dr. Hishello Florentino Correia de Mello, juiz
de direito desta comarca especial de Iguaras-
& do Estado de Pernambuco, em virtude da
le, etc.
Fago saber pelo presente edital, que acha-se
em oncurso.com o p-azo de 30 das, contados
da data presente edicai de accordo com o art.
! do Decr. n. 3.322 de 14 de Julho de 1887, o
officio de escrivo ae orphos ausente e de Io
tabeluaode notas deste termo e cornaca de
Iguarass, creado pelo Decr,de 3^ de Dezembro
de 1834 e lei provincial n. 1,127 de 18 de Junho
de 1873, vago nelo fallecimiento do respectivo
servenmario Maximiano Francisco Duarte Ja-
oior.
O- preteadeoies a serventa vitalicia lo mes-
rao officio devem apresentar-se devidamente ha-
bilitados no prazo r-fendo, observando em tudo
a.> lisposicOes te Decr. n. 9,420 de 28 de Abril
aelS8i.
E para quj che .ne 10 conheciaj' i-tes,
mandei passar o presente, qne ser aflua lo no
tugar do costuaie e pubeado pela imp isa.
Dado e passate nesta villa de lguaias>, sede
da comarca do mesn nome. aos 28 I. Janeiro
'e 1890 ,. ,
E miis nao confino* e.n dte ediiai qpi oel-
ra-ntH opmdo d p'-opno original, ao qual ms
reporto
Ej Jo 1 de < '-' (atera o
escrevi 1* i--- 1 i
C rtifico qu ffi v
Ea. po i-ir > 1
Ignaras i 11 rio
Vdia 'I g'^ir 1-
Joiquira XWe>- Das
de Soiu.i Costa.
.1 el i| do JU' d)U f.
Himnos desia vina d
-- i-ev p assig'i.i
ti t J ra-iro de 1890.
de Albuquerque.
EM ADHITAMBNTO A'S UE8P4CHOS DO DU
9 Dfc. JASElllO 1>S l90
Aurelia do Pra io H i.mo da CuuIh S.rai03
Remettido os m-ra.o- id ooraraissoincumoida


X
'': r ",? *

?
1
- *i

I
. -

-



'..._
'

-



2
Diario de Pernamhu <<>--
I



w
(le examinar os actos relativos a nomeagio e re-
mocao de profeBsores a que se refere a portarla
e 31 de Detembro Ando.
Antonio Manoel Pesaea de Araojo Simf me-
diaule recibo.
Dr Antonio Joaquim de Barros Sobrinho.
Mantenho o acto de -19 de Novembro ultimo rela-
tivo reducgo dos vencimentos dos uocciona
rio da Santa Gasa, a quem declarei que a referi-
da reducgo Cevia ser feita a contar do Io do
correte mei.
Francisco Manoel da Silva CKequeiram
ao governo federal provisorio.
Francellino Augusto de Hol tanda Chacn lo
forme o inspector do Thesouro do Estado.
Francisco Justiniano de Castro Rebullo -Defe-
rido com o officio de boje a Thesouraria de Fa-
zcnda.
Gomes de Mallos Irmao.Deferido com officio
de hoje ao inspector da Alfandega.
Herculaao Hygino Nunes Bandiira-Informe o
inspector do Tnesouro do Estado
Henil 11 lu Lydio Alcoferado Lima.Nao existe
vaga cadeira alloma de 2* entrancia e quand 3
existisse cabia o peticionario aguardar o proces-
so rstabelecido nos arts. 164 a 166 do regula
me ito de 18 de Janeiro de 1888
Joao Ferreira de OliveiraAo cidadao Dr. che
fe d policia para attender se nao houver incon-
veniente.
Jos da Sunha Teixeira Sim, com os fenci-
meatos que liver direito.
Jos Geraldo de LimaAo com mandante do
;orpo de policia, se nao houver inconvenite
Jovina da Miranda Veras. Sim, mediaute re-
cibo.
Joo Garneiro de AlbuquerqueInforme a In
'.endeuda Municipal do Recife.
los de Souza Aguiar ir CEntreguem se os
documentos mediante recibo.
Leonardo Kuhu. Sim, pagando o porte na re-
partigo dos correios.
Liberata Leopoldina Vital.Infarme o inspec-
tor do Thesouro do Estado.
Lua Duprat.Ao cidadao inspector da Alfan-
dega para informar.*
Luiz Duprat.Sim.
Luiz Ouprat.Sun.
Bacbarel Luiz Zacbarias de Lima.Encami
be se. paga do o iuteressado o porte na repar
cao do9 correios.
Minoel Tavares de Oliveira e outros.Ao Dr
iuiz de direito do 2o districlo criminal para in-
formar. .
Manoel Francisco da Silva e outros.Informe
inspector da Tnesoura ia de Fazenda
Manuel Joaquim do Nascment.Informe o
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Manoel Accioly Santiago Ramos.Informe o in-
spector do Arsenal de Marioha.
BactuFcl Manoel Joaquim Machado Jnior.
Inform o 3pector da Thesouraria de Fazenda.
Prente Vianna&C. Informe o director do
Arsenal deGuena.
Samuel Martins.Deferido com officio de hoje
j Tnesourana de Fazenda.
Tobas Gabriel de Oliveira.Concedo dous me-
zes de hcenca com o ordenado.
Padre Zeterino Ferreira Velloso.Informe o
inspector d Thesouraria deFaieuda.
EM ADDITAMENTO AOS DESPACHOS A 8BCRE -
TABIA DO OOVEENO DO ESTADO DE PEE
NAMBUCO DO DA 10 DE JANEIBO DE
1>9U
Anna 0. de Almeida Pessoa.Remetlido
commisso incumbida de rever o orcamento do
E.-Uilo.
Abaixo assignados de costureiras do Arenal
de Guerra.-Informe o inspector da Tbesoururia
de Fazenda.
Vigario Augusto Franklin Moreira da Silva
laforuiu O inspector da Thesouraria de Fazenda.
Antonio Aquilino Campos.Informe o inspec
tor do Thesouro do Estado.
Abaixo assignados de moradores nos lugares
Cordeiro e Ipotinga.Informe o cidadao eng^*
nln-iro fiscal da estrada ue ferro do Recife a La
xang.
Bacoarel Estevao Carneiro Cavalcaote de Al-
amjuerque Laceria.Iuforme o inspector da
re'.-nu.ana de Fazenda.
Francisco Pinto de Magalhaes.-Ii.forme o in-
spertor da Thesouraria de Fazenda.
Fielden Brothers.-Informe o inspector da The
souraria da Fazenda.
Fielden Broibers.Informe o inspector da The-
touraria de Fazenda.
Flix Cavalcante de Albuquerque.Informe n
Sr. pmvedor da Santa Casa de Misericordia do
Reeife.
F-lismino Alvos Cordero.Informe o director
da Colonia Isabel.
FieUen Brothers. Informe o Sr. inspector da
Thc.-.ouraria de Fazenda.
Joo Ignacio Ribeiro Roma.Informe o in
gpeclor Ja Thesouraria de Faz-nda
James Faastone e outros. -Nao ha que defe'ir
visio eo lu peloueerrto de 7 do correte, ari
:]", a todos os individuos cabe o direito de s-
conslituirem e viverem conectivamente, -egon lo
0 seu credo h a sua disciplina, aein intervenga^
do poder publico.
Jos Joaquim Pereirada ".osta Braga. Rempt
tilo ao inspector do Thesouro do Estado para
afender ao suoplieanle.
Manuel An-iy Santiago Ranos.Informe o
inspector do Arsenal de Marmhu.
Manoel Hrnnque Waoderley. Sirva o pe'icio
nanocom o titu o de sua anterior oumeago. o
u 1 dever ser apostillado de onformidade com
a i>oriaria d'este noverno de 29 de NoV'-inDro
ultimo qne o nome"U para o cargo de aju lao
do procurador dos Feitos da Fazenda do Estado
no municipio de Palmares; nao tend < de pagar
r.ovos e vrlhn< direitos de arrordo com o art
ft da lei n. 244 de 16 de Junho de 1849.
liara Candida de Figuer do Sanios. Infor
me o inspector geral da Instru cao Publica.
EM ADDITAHEXTO AO DESPACHO DO DA 11
UE JANE IB DE 1890
Abaixo assignados. emprimados no comraer
rio de G'.iyaon..Informe a Cmara Municipal
de G'Yanii...
A lieiro Ferreira v CInforme o inspec or
da T.ie.-our. na de Fazenda.
An onio Jo quim Pereira e Mirrellino Gomes
Tu an s.Iuforme o commandante da fortaleza
do Brum.
Campos Filho 4 C. Informe o inspector Ja
Alfandega.
p.aiharel Estevio Carneiro Caval -ante de Al
btq>rque Lacerda- Informe o in pector da
Tu sou ana de Fazenda.
Gotfbennina de Barros Falcao.-Nao ha que
d. I ir. visto qup feacham nesia capital a peti
donara e sens tres lilhos, segundo informa o
coiDmi ndante do coi no de polica.
Germino Luiz Nunes. Junte os documentos
que nao vierto an' exoe a petico dirigida ao ci-
d. dio ministro da guerra, como allega o reque
rido
Juo de Moraes Martras Fllho.Ioforme o in-
spector da Thesouraria de Fazenda.
J se Domutgues Maia. -Informe o inspector
du Tne.souraria de Fazenda.
Jo quim Manoel de Oliveira e Silva.Preju
airado em vMa do acto de 2i> de Nivembro u
f.mo, qoe considerou sem effeito a jubilago do
peticionario. .
Kacharel Joaquim Theodoro Cysneiro de Ai-
Lu uerque. Junte o titulo.
Liberata Ambrosina dos Santo Res.Sim.
. :;oe recibo. '
Bacbarel Luiz Barbalho ch6a Cavalcante.
1 nuc o inspector da Thesouraria de Fazenda.
B cftarel Mixuel dos Auio* Barros. -Informe
o msMCtor da Tnesouraria de Fazenda.
Miiia Cordeiro de esquita Lima. -Iotorme o
rugedor do Gyraoasio Pernambucano.
Pareute Viaaoa & C. Informe o Dr. cbefe de
rJRodrignes Carvalho CAguarde a conces
-:. do crdito.
Vicente Ferreu-a de.Araujo Lima.Como re-
DESPACHOS DA SECRETARIA DO GOVEBNI
DO ESTADO DB PKRKAMBDCO,20 DB FE-
VEBEIBu DB 189o .
A lolpho Cesar da Suya.Remeitido ao inspe-
ctor da Alfan ega para attender.
Bacbarel Aaacto Prederico de Siqueira Caval-
. r.,te Foram justificada*, em lempo, as fallas de
cxeroieio a que allude o sapplicante.
Antonio Pelix do Masctmeala-Ao Dr. juiz du
dir^.tu da comarca de Tac ira i para informar.
Padre. Aotero EsUnislao Ounque de Vascoa-
cellosInforme o inspector da Tnesoumria de
Paseada.
Autuio Fernandes de Carvalho. -D.rija-se ao
administrador dos correios qu>reod.
Bemvioda Isidoria do Amoaro Informe o ci
dadao fiscal da Companbia Recife Draioage.
Empresa da via frrea BiOei ao a BonitoEo-
cansmhe se, pagando a eupresa o porte no Cor
reio e porte do votame rsoleado -Bstudos da
mesma empresa.
Espendiao Al ves de Sqoeira. -Dirija se ao Dr.
chefe de polica ou ao engenheiro director da es
irada de Ierro de Ciruaru, qu'-rendo.
Ignacio Alexandnno Caneca.- Ao Dr. juiz dj
direito da comarca de S. Loureoco da Mattu para
in formar.
Joo Jicintho de Medeiros Resende.Inf rme
o cidadao fiscal da Companbia Recife Drainage
Padre Joaqui a da Cunba 'avallante.Informe
o inspector do Tnes turo do Estado.
Jos ue Barroi Lins Waoderley.-Sim, com re
cibo.
Padre Joao Eo^s Ferreira Campos.Informe o
inspector da Thesouraria de F.zenda.
Luiz Cordtiro Bernardes.Remettido ao cida-
dao director da Asseirbla Legislativa para en
tregar, se houver, med inte recibo.
'.Manoel Gongahes de Siqueira.Ao Dr. juiz de
direit da comarca d* S. Beoto ara informar.
Medeiros AC Deferido com officio de boje ao
Thesouro do Estado.
Bacharel Manoel de SiqueiraSim, mediante
recibo.
Manoel Lins Carlos Tavares.Segundo consta
de offi'io da Tnes correte im^. stb u. 149. le 15 de Janeiro findo
foi exuedida a competente guia suspenderlo a
consignafo estah leeidavpelo peticionario ao te-
neute Framisc" Evaristo de Souz^, a qual .- foi
paga al 31 de Dvzetubro do auno passado.
Manoel Xavier Carneiro Pessoa.Passe porta
na nome.iiido o peticionario pira exercer c car
go de ajud inte do procupa lor do* fulos da fa-
zenda no Estallo n.> municipio de Tacarat.
Ou Fell.-Encaminhe se.
Bacbarel Ped o de Alcntara Peixoto le Miran
da Veras. Sim, com recito.
Sebasliau Cynllo Go ues Penna. -Nao tero lo
g-ir o pedido de remb^o. aorquinto o peticiooa
rio foi exonerado do argo de que se diz inves-
tido, na portina de 7 de Oulubro do ann > pas
sado : accrescendo que a collertodia de ManPeca
foi por acto de 15 de Dezembro do mesmo" inno
annexada a de Jaboalo.
Th- Great Western of Brasil Railway Limited.
Informe o inspector do Tnesouro do E.-lada.
S ere ana d governo do lsta .o de Per
nambuco, 2 i de Fevereiro de 1890.
O porteiro,
H. M. da Silva.
Repartidlo da Pollel
2.* secc2o.N. 41 .Secretaria de P< -
ca do Estado de Pernambuco, 21 de Fe
rereiro de 1890.
Cidalo.Participo vos que foram bontem re-
comidos a Casa de Di tenco us i idivi inos de
nomes Conrado Jo do Monte, Leocadia Miria
da Cooceicao, Rila Maa la Couceiftb Manoel
Jos d Nascnnenti, Cassiano de F anca Bez-r
ra. Antonio Fgoeiredo le Alauqui-rque, Geron
co Jos da Silva, Pedro Nolasco da SUva. Jos
Nogueira da ^ilva, conhecido por Champ igne.
Jos Antonio de Oliveira e Jos Floriano da
Suva.
Hontem, s 7 1 1 horas da noite segua
pela Es.rada Nova o almocreve de nome Joao
Salvador do Nascimenio, quan lo ao chegar a
eslaco de Iputinga o animal que tno itava es
paniou se, levaodo-o de enconiro a um dos
carros.
O animal morn-u imm"dtalamente e Nasci
menio leudo sido cjnduzdo para o hospital Pe
dro II. ao cnegar a e.-iayao da ra do Sol expi
mu em consequencia dos fenmentos que rece-
ra na cabeya.
Informa-me o subdelegado do districto da
Vanea, jue das diligencias a que pro -eJeu so
bre o faci, verifica se a nao culpabilidade do
macQiuisti que diriga o trem.
Comiuunicou me o delegado do temo ds
Jatoba de Tacarat, que no da 7 do corrente
ao chegar ao lugai deominado Praia Grande,
maig -in do rio S. Fiancuco, urna muiher ce
uouie Ma'ia Joaquina de Jess e encontrando-se
com Franeiseo J^s le Si>uza e Bernarnino de
iai, lOri por rases individuos aggredida e e-
paiicada baibarnuenie.
Uiu dos deiinquentes. o de nome Francisco
Jo-i- de Souza, foi rerolhido a eadea, diligeu
ciando o d-legado a pnsao de Bernardino que
pare e ter segu .0 para o ti-rmo visinho.
Contra us deiinquentes abrio-se inquerito.
Pelo delegado no termo do Cabo me foram
communicadas as prisOes dos individuos de no
nes Justino de Oliveira e Eleuteno Vicente da
F niseca, este por en me de fuo e aquelle por
haver tentado contra a honra de urna menor,
penetrando alta noite na casa e'm que ella re
side.
Estao amos respoudendo a inquerito.
O Dr. deleg do do termo de Ohnda retnet
leu ao juizo competente o.s inquentus policiaes
a que piocedeu, por Liime de ferimentos, con
tra os individuos de nome Cypnauo Justino Fer
reir e J"3o Teucrio.
Entrar, m em ex rcicio:
Henr.que de Ba> ros Cavalcaote. subdelegido
doiii-tie o do irraial, na qualidade de 1 sup
pente.
Biaz Rozcndo Carneiro de Albuquerque. sub
delegado do 4" districto do termo do Cabo.
Fraucisco Lins de Souza Couto, subdelegado
lo districto d-.-Tigipi, na qualidade de 1* sup
pente.
Justino Marques de S, delegado de Tacarat
na qualioade de 3supplente.
Havenuo grande urgencia em por se em
ex--cucao a dislnbuicao regional da orea de po
iiiia, aiim de satisfazer reclamuoes instantes
as autoridades locaes c necessidade u> publi-
co servidotenbo recommen lado ao comtnan
daate do corpo que nao retarde um minuto essa
di6tribuico, distrahindo sejdesse ever.
II.vendo necessidade de bater, prendere
muti isrir os criminosos que vagam livremente
nesie Estado, ameacanno 4 orden) punlicaedi-
reitos dos cidados tenbo insistido no pedido
|ue por circular liz as autor da les judicianas
uos nomes e signaes caractersticos dos indivi
unos pronunciados em seus term >s ou comar-
cas, e como ilguus juizes de direito, mal cun
pieiiendendo os seus neveres na actual ocea
siao, procurara crear difficuldades a accio poli
cial, anda ufluenciados por hbitos antigos,
pego a interveucao le vossa autondade par
taes preteueO-s dr.-apparecerem.
As autoridades policiaes servem por patrio
li-mo nao sao pagas, era remuneradas :-*-por
iso deve se louvar ana iulengao dos seos
actos e corngir os seus excessos pela demisso
que uuraiisa.
Sade e fraternidade. Ao mareohal
Jo8 Simeao de Oliveira, raai digno go-
bernador provisorio do Estado de- Per
lambucoO Chefe de polica, Antonio
intimes Riba.
Thesouro do Estado de
Peraasjtbuco
DESPACHOS DO DU 18 DE FEVEBEIBO DE
1890
Jos Carneiro de Andcade, Antonio d..s
hagas Rodrigues Machado, officio do cin-
mondante do corpo de policia sob n. 148,
Mana Lnerata da Si.va Fortes, Maria
Clara de Mello Figueira, Joaquim Jos de
Moura, portvria de cenca de Clarn ia
(jruimares Ribeiro Mschado, Alexandre
Carlos de Carvalho, officio do ajudante do
procurador dos feitos de Ignarass, padre
Marcellino Vieira da Silva Sobrinho, Tho
me Joaquim do Reg Barros, officio do di
rector geral das Obras Publicas sob n. 25,
Adolpho Firmo de Oliveira, officio do col
lector de Palm tres, Maria Cintra Lima e
officio do escrivo da collectoria de Ta-
quaretinga.Ao cidadao Dr. contador.
Francisco Cordeiro Fonseca de Medei
roe. Registre se e facam-se as devidas
notas.
Jos Soverino, notas do collector de
Pao d'Alho, Argemiro Leedegari
na 3ntns, contas do loatuttu'
reth, JIi B iptista Ui Oliweira,
Lindo!pho Oympi do Rei Uai
ficio do director do Arsenal: d
des te EsteV- safe n. hO, offi.:tO do
geral das Obras Publica aob n. 116, com-
n andante de sorpo de po I iota asare- prea
t tcoes de contas refeicotes ae mea de De-
semoro ultimo, Lopes- Mag* hes A C.
H*j vista o Dr. procurador fiscal.
Francisco Manoel da Silva <& O., officio
do Dr. procurador dos feitos da azenda
sob n. 44, idem idem sob n. 47. A' sec-
cSo do Contencioso.
Anna Joaquina da Motta Silveira Vol-
te ao cidadSi collect r de Pao d'Alho para
satisfazer a exigencia da < ontadoria.
Officio do director da Iostrucgao Publi-
ca sob n. 25Ao cidad3o thesoureiro pa-
ra oa devidos fins.
Jos Torres ampos de Medeiros.In-
forme o administrador da Recebedoria.
Da 19
Antonio Pe-eira da Rocha, JoSo Wal-
fredo de Medeiros, Officio do Director das
Obras Publicas, sob n. 26, dem do Col-
lectora de Paaelhs, dem do mesmo, sob
n." 18, Maria Leopoldina de Moura Re-
zende, Portara de licenca de Maria Igna
ca de Jess, Riymundo Bernardo Las-
serre, Clrigo Jo Carlea Marinho, Can
dido F rm no de Mello Leno, Abaixo as
signados embregados da Casa de Deten
9*0, Adriana Felici. Ma:iei, Padre Antonio
do Moute e Silva.Ao cidadao Dr. 'on
tadwr.
Jos Severino de Almeida Pedrosa,
Registre-se e fugam-se as devidas notas
Antonia R sa de Carvalho R?gtstre-se
e tacam s>- ; s devidaa notas.
Manoel Lopes de Aibuq lerque. Regis-
re se e facam se as devidns notns
Contas do collecto- de N zareth, refe
rente ao exercicio de 1888.H-ja vista o
Dr. Procurador FscmI.
Tenente coronel Francisco jlopcalves
Torres.Recolhid* a importancia dos m
postos a que o peticionario obrigado,
como resolveu a junta em sessao le 12
de Julho de 1889, sera sujeita a mesma
jauta a presente peticSo.
Pedro Secundino Barbosa di Silva.
Informe a seccao do Contencioso.
Anatolio da Costa Reg Monteiro.
Sim.
Clara Mari* da "Jonceicao Miranda.
Ao redada porteiro.
< rfficio do Presidente do Gremio dos
Protessores Primarios deste Estado.-Ao
cidadao tesoureiro para os devos fins.
Antonio Hermino de Senna.Recolhid-
a quantia de que 8e trata, submettere a
preten5ao do peticionario decisao da
junta.
Recebedoria d Retado de Per-
nambueo
DESPACHOS DO U1A 18 i>E FEVEBEIRO DE
1890
Manoel Moreira Campos.A' i.' seceo para
os lins devidos*
19
Maria Teodora Lias e outra.Sim em vista
das infotm.ies .
Joaquina Maria da (".onceicao. Deferida em
vista das inforuiaces y .
-20 7u
Pedro Francisco de Paula Baptista e Das Monteiro -Informe a f. secgao.
nanoel Francisco do Nasctmento.A' I." sec-
eo para os lins devidos.
Viuva de Benedicto Gomes de Oliveira.Sim..
em vista das informacOes.
fhereza outinho viuva do Dr. Symphronio.-
Defendo de accordo com as iiioruiaces.
Deltino Lopes da Cruz. Defe-ido em vista das
informales.
2 inspectora geral da Instrucco
publica do astado de Pernaoi
buco.
DE8PACH0S DO DA 20 DE FEVEBEIBO DE
1890
Manoel Figueira do Nascimento.Justifico.
- 21 -
Francisc Cintra Lim-i 'orno requer.
Adelaide Rusalina titleniout Baroosa.Enca-
ra in he se.
o, nos mesmos
e finalmente na
sobe a 922 por
.- Segund oa maopas es'atisti -os do com
m%ftio relativos ao anno de 1817os l-
timos publicados>s nmeros nelles con-
tidos fornecem elementos para apreciarem
se as rela5e8 commerciaes entre Portugal
e a Ioglaterra; o d'ahi conbecer-se a po-
sicao econmica daquella respectivamente
a esta nac&o.
Eis os nmeros alludidos :
Navegaco de longo c:rso
Numere' Tonelagem
total Tonelagem Navios dos navios
de navios total ingleses inglezea
5:841 3,395:506 1:347 1,068:659
Importacao para consammo
Import&cao total Importacao
de productos inglezea
37:418 cop.tos 12:4 >1 contos
Importagilo dat princip:ies mate-
rias primas orignari. s da Inglaterra
4:465 contos
Importaclo das machinas industriaes
procedentes de Inglaterra
48 J contos
E xportacan
Exportado total Exporta^ao
para Inglaterra
21:239 contos 6:7t3 eontos
Reexportacao
Reezporta^ki total Reexportacao
para Inglaterra
4:235 1:118 contos
Transito internacional
Total do transito Transito
com a Inglaterra
2:449 contos 1:237 contos
h: porucao de ouro e prata em moeda e
em barra
Total da moeda Importacao
importada de Inglaterra
5:030 contos 4:642 contos
Totalidade do commercio
Total do commereio Total do commercio
externo inclusive com a Inglaterra
a moeda inclusive a moeda
7J.371 26,211
Combinados estes nmeros resulta que
oa navios inglezes entrara por 23 por cen-
to na totalidade dos que demandara os
portos portugueses, representando por ou
tro lado a sua tonelagem 31 por cento da
medicSo geral.
A relacJlo entre o total doa valoree das
ras importadas de Inglaterra e
pakes de 33 por eento. '
n(SkO entre o ti-tal dos valoree
rtaMos para Inglaterra e dos que sao
do para outros paizes de 31,8 por
sendo pir outro lado de 54 por
cento a re'acSo entre os nmeros do com
merciod* importaba eexportacaa de Por-
tugal con aquelle paiz.'
Por outro lado a reexportacao, para. In-
glaterra, dos productos d >a colonias tttin
Se 26 por cento da totalidade desee ramo
e commercio.
No transito a relacao
termos, de 50 pur cento,
moeda de ouro e prata
cento.
E computando os nmeros summarios
representando a importacao, exportado e
transito, incluindo a moeda que urna
mercad )ria eomo qualquer ou ra, en on-
tram-se as transac(3es com a Inglaterra
figurando com 37 por cento do total das
do commercio portugus externo.
1MHSTKIAS E ARTES
No correr do ultimo anno foram concedidas loa
patentes de invencao nos termos da lei n. 3129
de 14 de Outubro de 1882 que, substituindu a de
28 de Agosto le 1830, adopiou principios uni
versalmente acceitos ao rea da garanta da pro
priedadedos inventos industriaes.
A estatisliea d'este servigo patenteia o forte
impulso qae Ihe fot dalo pelo rgimen decretado
eml882.
Ao passo que de 1811 a 1882. periodo maior
de meio seculo, foram tao smente concedidas no
Brazil 677 patentes de inveoco, coitam-se 875
as ou'orgadas nos sete annos decorndos de 188J
a 1S89.
Os seguintes algarismos, referentes con-
es.-io de taes patentes, indicara at certo
ponto a expansao que se lera operado na nossa
vida industrial. "
Rgimen da In de 1830
De 1831 a 18.15 1
De 18: a 1840 y
De 184t a 1815 1
De 1846 a 1*50 lo
De 1851 a 1855 10
D. 1856 a 1860 27
1) 1861 a 865 41
De 4866 a 1870 63
De 1871 a i>.f5 61
De 1876 a 1880 i9i
De 1881 a 1882 140
Regmea da lei de 1882
De 18-3 a 1889 815
Estes algarismos f zem um total actual de
1481
As patentes de invencao zarantem por 15 an-
nos a propriedade e uso exclusivo das invencOes
e deseobertas, seodo obrigados os concessiooa
rios ao pagamento das laxas seguintes : de 20
iih|o primeiro anno de 30'-f>>0 pelo se de 400ti0 [>elo terceiio, augmeutando-se lOiOO
em cada anao por todo o lempo que durar o pn
vllegm.
0 nao pagamento irap >rtaa ra lucid ide da pa
tente e, portanio, a perda do direito de proprie
dade do invento.
Paia garanta internacional d'este direito fun
(iou-se entre diversas nacoea. com o concurso do
Brazil. a Uoio da Propriedade Iudustrial. tendo
p-ir lira nao so asseyurar o oso do mesmo di
reito mas cooperar para qu: a ie.risl;ieo uni-
versal adopte, quando possivel. principios un
formes que se fajara applicaveis em toda a rea
cotnprehendida na Umo.
' mais urna tentativa para a unidade esolida-
riedude dos ijteresses econmicos dos povos.
0 Dr. Parsoo, inventor in,'lez, noticia ter fa-
bricado diamantes artiliciaes
Para este effeito hfa as duas exlremidades de
urna baste de carva j, de.puig de naverem passadn
por especial prepirayao, a urna machina dynamo
cuja crreme leva o carvo altissima incanJes
cenca.
Forma se ento urna carnada de pequen >s
crystaes, que apreseniam todas as qualidades tui-
racterieucas do da uante e podeui servir para
corlar briihuntes.
0 Sr. comraendador Jos arlos de Carvalho,
engenheiro fiscal ceniraes, entregou hontem ao Sr. ministro da
agricultura o reatorio a respeito do servijo qu
Ine foi condado em dala de 8 de M io do anno
pmximo passado.
N'este importante trabalho o Sr Carvalho re
vela, como srnipre, competencia, espirito de ob
servaco e independencia nc exposicao dos
factos.
Os assumptos principaes do relatorio sao :
Noticia sobre a iadusina assucarreira em al*
guns Estados do norte lo Brasil.
Histrico das conces-es de enu'enhos centraes
par o 2" dislricto desde t76 at 1889.
Consider ces sobre as ultimas cuncessoes e
ujos contractos felizmente i ao foram anda as-
-ijnados pelo ministro da agricultura.
Fabricas ceutraes nos Estados das Alagoas,
Seri-ipe, Babia e Espirito Santo.
Pro-luec de assucar no Estado da Baha.
Mappa das flucua^Oes do piego dos assucare*
no mercado da Bania durante as safras de 1884
85 e 1888-89.
REVISTA DIARIA
Tribunal do Jury oo tcfc-ifu -i-.. .
hontem suimeitioos a juigaiuento neste tribunal
os reos Fumino Francisco Ilud igues e TiDurcio
Francisco Rodiigues, pronunciados no art 193
lo eodigo criminal, por despacho do Dr. juiz de
direito io 2 districto. como autores do assassi-
uato de que fui victima Manoel Severino de Bar
ros, praca do c /rpo d polica, em 23 de Julho
de 1888 no districto da Boa Viagem.
A's H huras da manha, presentes .16 juize; de
faci, foi Derla a sessao sob a presidencia do
do Dr Jos da Costa Ribeiro, juiz de direito do
Ia (lisiric o, jccupanuoa tribona da aecusacao o
Dr. Meurique Augu-to de Albuquerque Milet, 1
promotor publico da comarca.
Foram sorteados para couipor o jury de sea*
(.liga Os jurados segrales :
ii.i.Ion Coclho da Silba.
Ju i Po da Silva Valcnga.
Antonio Pereira Bastos
Luiz Emygdio Pintieiro da Cmara,
Anioniu Carneiro loingues Campello.
Cnistovao de Barro? &>mes Porto.
Jos Pedro Alexandnno Bezerra.
J laquiui Albino de Gusm&o.
Jo Goncaives Torre i
Miguel Angelo uo Nascimento Fe i tosa
J.nino Cassiano Maia e Silva.
Telemaco Cavalcante de Mello.
laterrogados os reos, respondeu Firtn no Ro-
drigues que era natural oeste Estado, de 3*1 an
uos de ida.le, caado, agricultor e analp abeio ;
Que oo tomou parle no assassinato de qae
se ir tii altnbuiudo a aecusagaj que se Ihe faz,
a perseguido que Ibe mova o seu destiffecio
Dr. Fulgencio,
Que liualmi-nte con ti ca as testemunbas processo, seudo a de noin- Deodato sua inimiga.
TiburciouRodrigues disse que era natural des
te Estado, de 24 annos do idade, solteiro, agri-
cultor e analph-beto;
Que nada tiuba a allegar contra as testemo
nh.is que juraram no processo, attnbuia a acc i
gaco a pi-rseaugo movida por pessoa que Ibe
tmiia iuimisade por motivos particulares, qae
era innocente do cruue que se Ihe imputava.
Concluidos os inerrogatonos, fez o escnv&o
Miranda Franco a leitur<> do processo de forma-
cao da culpa e ultimas res^ostas dos acensados.
0 Dr. promotor pabhco allegando terem os
reos praticado o crime a noite e com superiori
dade em forjas e armas, de maoeira que o of
feodido nao podia|detendir-se com probabilidad!-
de repellir a offensa, pedio a coademaacao dos
me *mos as penas do grao mximo do artigo
193 do cdigo criminal
ueduiu adatan o Dr Luiz Drammond, que
negou a antora lo delicio e pedio a absolvtgo
dos acensados. r.
pe
, De conform dade com as decisdes do jury, que
negou a autora do delicio, por unanimidade de
votos quanto a Firmino Rodrigues e por 10. vo
t is quanto a Tiburcio Rolriues, foram ditos
reos absolvidos e coodemnada a municipalidade
as cusas do Mocesa.
Foi levantadla sesso s 6 horas da tarde e
adiad i para hoje s 10 huras.
i ourVrenea O i Ilustre chefe" republica-
no Dr. Mar ins Jun or, realisar. no> domingo 23
1 hora da taAe, no theatro Santa Isabel,urna
conferencia poltica.
AccidenteAntehontm quando o trem das
7 huras e 29 minutos da Qoi'e, da Companhia
Brazilian Sireet Railway, descia da Varzea. a i
passar entre as estacos do Caxang e Iputiaga
f>i o macbinista quo diriia o trem, sorpreben
dido com a cnrrida de um cava lo que era mon
tado peloalmocrave Joo Salvador do Nascimeo
to, e antes qae o referido trem tivesse cotnple
lamente parado, arrojou se o animal sobre um
dos carros de 1* classe, de modo iSo desagrado
qne o cavalh cabio mort eo cavalleiro ine
anda tinna vida, foi condolido para*o Recife,
espirando ao chegar aestacidade ; attnbue. se
tao fatal resultado a grande pancada dada pelo
animal de encontr ao carro de que fallamos.
Pela vistoria veriricou se que Joo Salvaaor s
tiuha um ferimento na fronie e a policia toman
do contiecimeato do fado prosegue na forma le-
gal.
Joao Salvador era homem de cerca de 40 an
nos, casado e morador no Bom Jardim i,ia onde
regressava.
cadver coaduzido no mesmo trem foi *de
p sitado na matriz de Santo >ntonio.
Sanio Amaro Com a cosiumada pompa
foi antebontem basteada a bandeira ue Santo
Amaro, tocando durante o acto duas bandas de
msica e havendo enorme concurrencia de povo.
Amanlii ter lugar a festa que a julgar pelo
programma que val na outra seceo publicado,
nao desmerecer era nada dos anuos aulerio*es
e por certo atrahir innmeros devotos.
ConcertEra presenca de numeroso ees
colindo audiioi-io realisou se anle-honlem a noi
te, nos sal Oes do Club Internacional, o cone.ert >
que ltimamente orj-anisou o Sr. Amar Barre
to, couhecido e intelligente prefessor de piano
e canto, auxiliado por algumas de suas dignas
discipulas e com o concurso de habis amado
res e do prof.ssor o Sr. G Comoletti.
O programma distribuido oa ocecasiao, foi
cumprido rsca e coinpunha se le lindos tre
Chus, que tiver. ra a mais perfeita execugo por
parte dos que delles se incumb'ram, merecendo
or sso serem todos mudo applaudidos pelo .u
ditorio, que sahio salisfeito com as agradav<-is
horas que Ibe proporcionou o dis.incto profes
sur.
Eis o programma executad j.
! Beethoven -Alegro da S mala, em f, para
violino e piano, peljs Srs Dr. Paulino de Mel
lo e Amaro Brrelo.
2* MeyerbeerDinorab. Romanza, pelo S
G. Comoletti.
3" LaCiimeNnclurne Havanais pelas Exma.-.
DD. Cbnstin.i Fioravante e Anna Cavalcante
4* Lisst Transcription du Huoleito, pela
Exra Sra. D Lnper-iaiia de SDZa.
5" Tost:Rusa. peloD\ A. B-lt o.
6 Ardui L'Esia.-i, pela Exma. Sra. D. Amia
Ca vafeante
7 Litolff Fiieuse. pelo Sr. J. Tasso.
8" traa Sernala, pan cauto, piano e vio
lino. Exma. Sra D. Christiua Frioravame, Ama-
ro Brrelo e Dr. Paulino de Mello.
i' TostiM-mone d'amour, peluSr. G Co
mnletll.
t' Raff Poik-i d- la Keine pela Exma. Sra
D M. Uel ste L. de Cas.
3" C GomeSalvator Rosa, Ana, pelo D .
Arruda neliro.
4' Fau-eB recuse, pjra violinoe piano,
lo Dr. Paulina de Mello e A. Birrelo
5" DieuierValse ue Concert, pelo Sr A Se
hiappe.
6' TostiVision', pelo Sr. A. Barreto, acom
paubado a piano e vinlmo
7* Coopin-Nocturna e Reinecke olero. pe-
la Exma Sra. D. Mana de Siqueira.
8' Mercad.nteQuaturo. la opera II Gmra
melo, pelas Exma. Sra. DD. Chrislina Fiora-
vante e Aona Cavalcaate e pelos Srs. Dr. A' Bel
tro e G. Comoletti.
Ocbalxo das Ttlha -Recebemos por
ofBciusidaUe da Livrana Quimas o 3o e. ultimo
voiume desse bello rom.rice de Affouso de
Earr.
Agradecendo a reiterago do obsequio, damos
ao mesmo lempo aviso da chegada do referido
voiume aos apreciadores do mimoso escnploi
francs.
niMit fnebre Hoje, s 7 e 1/2 hora-
da manh, na igrea matriz desta freguezia dr
Santo Anlonio, faz celebrar o Institu i Beneii
cente dos fhcia-s ia Guarda Nacional, urna
mis a em sulTrao do seu fallecido membro, ca
pito Antonio de AraojO Marques.
emana IIlustrada Recebemos o n.
576 desse impoiiaute peridico, que acaba de
Chegar respectiva agencia, oude podero os
as-i^naiue.s mandal o rec>-ber desde j.
Companbia Alacoaaa de Fiaco e
TecldOMNo da 28 do crtente termina o
prazo oe n a izago da 9* entrada de 10 % sobre
o capital subscripto la referida compaiihia.
Os Srs. iuaseriptores a realizarlo no Banco
de Pernambuco, para isso autorisado.
lilmoeiroDessa cidade commnnicam nos
que a colouia portugueza d'alli, em presenga du
conflicto levantado pela Inglaterra, dirigi a bou
rada directora Uo labioete Portugus de Leitu
ra desta capital o seguate oflicio:
A' digua directora do Ganiaete Portuguez
de Leitura de Pernambuco.A colonia portu
Kueza abaixo a.isign te Li uoeiro. lem a honra de levar ao cooheci-
luento de Vv. Ss. e dos mais membros da cota-
insso central execuiiva que, seotindo-se in-
flunmados pelo santo amor da patria to vil-
neme ultrajado, vem pelo preseote prestar sua
franca aheso s resolug&es que a mesma com-
misso tiver de tomar com relagao ao conflido
enire sua cara patria c a espoliadora Inglaterra,
de qu m com inuio acert disse ha bem pou -o
lempo um distincto e-criptor: Os inglezes too
os espolidores mais abominaveis que leem a .apa-
recido uo mundo, e se o mundo soubesse todas
as njusugas semeadas pelo globo por taes m
g i-z-s to soberbos com os seus guineos e com
o seu poler naval, nao hveria na linguagem
dos homens suficientes insultos para Ihes atira<
cara !
A colooia reunida nomsou os Srs. Jos Au
gusio Rosado de Oliveira e Joaquim Francisco
Barbosa pa. a agenciarem donativos; os qoaes, lo
go que sejara recebidos, faro delles entrega a
essa directora.'
Liinoeiro, 7 de Fevereiro de 1890Jos
Auu?to Rosano d'Oliveira, Anlonio Geraldo
C elno, Auusto Serginho, Joo Fia icisco Bar
bosa, M moel H. Villa Real, Manoel A. de Souza
Ribeiro, Francisco Carneiro da Junha, Joo Cr-
rela d'Oliveira Lima, Antonio P. de M. Hastos.
Bento P. da Silva Braga, Fraucisco Fernandeu
Salsa, Thoraaz Soares e Figueiredo, Joaquim
Coelbo, Manuel Felippe Cocino, Antonio Jos
-orrea. Jos Fernandes Salsa, francisco de
Souza Braga Jos Joaquim Chaves, Augusto de
Son/.a e SI va.
BaiuiKUN vista -ACompanbiaPernam-
bui ana dt Navegago Costeira a Vapor e a em-
presa da estrada de ferro de Ribeiro a Bonito.
>m em seus esenptorios apreciaco dos res
pectivi.s accionistas o balango de anas opera-
gOes a relagao IOS mesmos accionistas e a lista
das transferencias de aeges, com referencia ao
a..u i flfidii ltimamente.
A patria -Est em distribuigao o n. 7 des-
le peridico cujo exemplar recebemos agrade-
idos.
Justa reclamaco Os moradores da
segunda travessa da ra ao Principe, vulgo Cis-
co, instara por urna providencia no sentido de
ser n all mmediatamente collocados appare
nos de lirnpeza, visto qae, existiado em dita
travessa, alm dos predios, cerca de sessenta e
untos caseb'es, e nao tendo estes as precisas
aee. mmodag&es, sao, pelos seus morad res. lan
gados em monturo junto aos maros dos riferidos
predios, o lixo e o resultado da defecagap.
Devido a est^go calmosa principalmente, tetn
isto determinado a conversan daqu lies'monta-
ros em focos de infeccOes insalubres, donde des
orendendo se gazes mephiticos. tm viciado o
ar e bastantemente alterado a ealubridade de lu-
trar, dando occasio ao apparecimento de febres
de mao carcter.
Istu posto, a providencia pedida nao fra de
pro iosito, e portanto urge por satifago.
Venda de airado -Peraote a Thesoura
ra de Fazenda, no aia 17 do correte, i*las 11
horas da manh, procede se a venda de 12,513
pares de sapatos fabricados no presidio de Fer-
nando de Noronha.
Ese cagalo acba-se em deposito no Arsensl
de Guerra, e ah podero examnalo os preten-
dentes a sua acquisigao.
IV&o me esqueras Mimosa walsa para
piano, mais mimosamente inspirada sua au-
tora a Exm. ira. D. Otympia Rabello acaba de
ser ediciada pela casa Hrealle A G. proporcionan-
do a -sim apreciacio do publico orna produccSo,
cuja h .rmonia arrebata-a alma.
Fomos presenteados com um exemplar dessa
produegio, e se isso nos impO um agradeci-
mento, a gentileza com que nos foi feito o pre-
sente pela Exma. Sra. D Oiympia Rabello obli-
ga nos a dal-o, nao como mera cortesa, mas co-
mo um tributo gostosaraeote salisfeito.
FalleelmentoNa 3* le ra ul ima falleceo
a interessante jovem Mana da Penha Maciel ^o-
breira, victima de urna alTecjo pulmonar, cuja
mtensilade zombou- d, s meios tberapeuticos
apresados para debellal-a
A jovem lina la, que mal coatava 16 annos, era
tilha do Sr. Silvino Sobreira, eserpturano da
alfandega este Estado.
Carnaval no Mmoeiro A respeito,
dam nos a seguate noticia:
Esteve importante e espirituoso o carnaval
nesta cidade cora aboligo do p, da agua etc.,
iranquillidade iualtera la.
Club diversos percorreram as ruis da cidade,
e na terca-feira, a cmara municipal foi trazida
critica acre ecrua, por ventura inconveniente
na firma.
Enre os clubs o Naval Carnavalesco primos
manif-stam nte.
As ras acharam se ornadas; tocaran) diver-
sas msicas;- hotive illuminuco a giorno e bai
les de mascaras.
Sem mel de errar, podemos ailirmar que,
dessa cidade, seguiu se esJa no brilho e oidem
com que ceicou o seu carnaval.
Larapio audaaAnteh mtem. por entre
9 e 10 horas da noite, ora larapio aproveitando-se
uo eosejo de achar-se a familia do professo- Dor-
nella Cmara em urna das salas do 2" andar da
P'e ilo n.77 a ra do Imperador onde reside o mes-
mo professor, penetr >u em um dos quarlo*-; e ah
ahnodo um bah arrecaodu em Carcter de
gente da repartigo do Ol'm vvo, turtds as joias
da tilbado profesor Dorn.-lla Cunara, e fu la-
vrar o compe gote termo de apprebenso no
iresco em que se poz.
Como o caso nao era de coairahando por ter
raercadoria appreheiilida pago os lireilos de
enireda em lempo, o lono iaterpoi reenrgo pa-
ra a polica, e a *ua petigfi i Corre us lran~itos
das indaaages de praxe.
Club de Santo Amaro das Saimi
Iteaiizi-u se ho-itei. 20 do orrene a se.-s de
inrayuraci d'esse me mu repa licano cuna o
omoareciniento de 18 ci'ad s residenies no 2"
districto policial da f^gueiia da Boa Vsta.
Coinecaram os tribalhos por mu exposigfto
feia p-lo cidadao Antonio de S-u/.a Pinto, que
-\ ilii ou os motivos ia reuinu, sendo hdo ta
lliiio do chefe do pai i- r.-ou'.l'c-imi em Per-
i nibuco. o l)r. Marlms Jnior, no qual era o
m-smo Souza Piulo juma nenie com i-OtriS ci-
lados d'aquelie districto. aotorisadoa promover
a nrganisagao do club.
Em seguida foram lelos os respectivos estatu-
to- e appravadog. com um adduivo ulT'recide
pelo cida.lii i M n ci Juaqiiim da Cosa llamns.
Foi oVpois eieita por aedamagto a mesa da
ass*mbea geral. ficatido assim compnsta :
PresidenteD'. Francisco Xavier Gu des Pe-
eira.
Vice-presidenle Dr. Ignacio Alcebiades Vel-
loso.
SecretariosDr. Jos vfaria de Araujo e Clys-
Ansumindo a mesa a direcgo dos Irabalhos,
procedeu se desd" logo eleigo, por eseruliaio
secreto, dos membms da directora e da com-
inissfto de exame de contas, sendo eleitos nara a
directora :
PresidenteDr. Anlonio de Souza Pinto.
Viee presidenteMajor Luiz Aufiu^to Cuelho
I o ira.
Io secretarioDr. Jos Julio Fernandes Barros.
2o secretario -'.ustavo da Silva Aniones.
. IhesoureiroManoel Joaquim da Costa Ra-
mos.
A comrBtsso de. exame deeontas- ficou consti-
tuida pelos cidados :
J iSo de Assis P'-reira Rocha, presidente.
Tito Livio Soares.
J .s de Maeedo.
Hotel Internacional EfTectua se boje
efTec.tivainente a abertura dt-sse grande hotel.
Contavam os seus dignos proprietanos fazer
nessa mesma occasio a inau^uiaco oflicial de
seu estabelecimento; mas adiam n'a para mais
tarde, urna vez que nao conseguiram que Ibes
cliegasse da Europa a tempo diferentes objectoa
que nc (.sanamente fazein parle do programma
d'essa sua festa.
^ouo RamosK> e cida'o cora entbele-
cimento a Praga da Independencia, ns 24 e 26,
eoviou nos um cartao-annuncio, do quul Consta a
eapedali lade : sellos para rartws e para joniaes,
carlas-bilhetes. recados, bilhetes-c .mas para en-
cjmmendas. podando portanto no mesmo esta-
beiecim nlo sellarem se cartas e jornaes com a
fa-ilidade de lancarem se na primeira caixa
postal.
liOteriasl>e telegramma particular exDedi-
do hontem do Rio de Janeiro pesafla deca ci-
dade, consta ter o governo provisorio baixada
um decreto estabelecendo liDerdade para a ven-
da bilbe'es de quaes^uer loienas na Capital Fe-
deral.
Hara Hamburgo -De hoje em diante,aos
aliados lOUMOgiM. (ergas e quintas feras. ha-
vera, diversdes proporcionadas ao publico nessa
estahelecim'-nio industrial e racreativo.
Club Ordem e ProaressoEi < a acta
da iiisull gao do Club O^deme Piogrem, lunda-
10 oa cida le de G .iaetiun-:
Ne auno de 1^90. aos D> deFev< reiro. nesta
cidade de Garanbuns, em casa da residencia de
i.iado -maro Aagusto de Barros Corroa,, pr-
senos os cidad >s abaixo assignad s, em nume-
ro de 12 e considerando qu a cnnmtuicj po-
ltica do imperio disnunha que o imperador era
perpetua e a su- pesa ia inviolavel e sigr.uhe que
nao estava sujeita a respons'ibihiade a'guiwi ea
proclamago da repblica no da 15 di- Novem-
b.-o do auno prximo passado e sua geral aoei-
lago provaram sociedade que tudo sm) era
ama burla ; que ponderando se bem a direccaa
que ao paiz imprimi esse imperador estribada
n'n senado oraposio de membros tambem et-
tatieios e esco'hiios por elle, se forga o a reco-
nhecer que a repblica nos, em todo caso, uat
oem porque oeste rgimen, ao menas, o go-
verno uo lo oneroso oajo, a reforma dos
costume> possivel e a gual lade parante a lei
mu realisavel; que por ccnseguin:e fr* da
duvid;. que cada cidadao deve traba bar quanto
couber em suas forgas pelo desenvolviniei to e
aperfeicpamento da repblica; que para esse
n ogresso. para qae o brasil cresga e occope ea-
ire as nagOes o lagar qae a natureza Ibe des i-
ioo, sao neci-ssidad-s i n declina veis : propagar
a instruego cvica ; noadmitlir aos cargos pu-
blico- civis, polticos ou militares seno queot
verdadeiramente o merecer j)or seas talentos e
vi tudes ; que tambem por eonsequencia dever
de cada cidadao trabalhar quanto couber em
suaS.forgas para satisfaco dessas necessidades ;
r-'si'Iveram unnimemente conslituirem te desde
j n'um club qde se denominar Ordem e Pro-
gressoque adopta como suas leis orgnicas,
lm das duas concus5es supra mencionadas,
os seguiutes corollanos: a) procurar cumpnr e
fazer cutnpri* nesta comarca as teis videntes,
b) nao admittir como socio seno quem for pre-
posto por um ou mais membros e approvado pela
metade e mais ura dos membros presentes; c)
eliminar como indigno, com as formalidades da
coronario b o membro que se bandear (evada
por inieresse pessoal seu ; d) que cada um dos
socios ou membros entrar para cofre do club
com a mensalidade de 1*000; e) qu i c club te-
r um presidente, um vice presidente, um 1 se-
cretario, am 2* dito e um thes-.-ureio f) que a
presidente dirigir os trabalbos, nao tera vota
se nao para desempatar, e assignara o'expediea-
te ; o secretario lavrar as actas das sessacs na
livro competente qae sero assignadas pelos
membros presentes e escrever e encaminhaia
todo man expediente; c o thesoureiro ter sob
seu poder e guarda o cofre e far escrtptm-a^u
referente, apresentando um batanete na prima-
ra sessao de cada mez ; g) o presidente dever
oomear em tempo opponuno omacommissao do
tres membros para dar parecer sobre o merec-
mento de cada am dos candidatos aos cargos
peiittcos e sabnietter esse parecer a aparova-
co do club ; h) qne os membros|do club sao se-
UdarioB e portanto cada um mdividnalmeate
;
jj
. '<'
i
l
' f
..y i
i


K' ,
Oan de PefnamhiHroSabbado 22 de Fevereiro de 1890
A

-
'
I
-
Jt

_ loa respeitai as re->oluc6es do clgb, aio-
ia esrao aquellas m que tiver sido vencido;
i) que o club tc urna sesso por semana, s
quiotas-feiras. salvo urgencia, e, para a conse-
cocao deseus ditos ros, empregar todos os
meios de que poder dispor nao prohibidos por
tei; j) que seja o presid -nte o Dr. Bernardino
Maranhao. o ice presidente o cidadao Amaru
Augusto de. Cirros Crrela, o Io secretario o ha
Sito .M plelo Marques Galvao, o 2 dito capitao
sdro Ivo da Silva e o thesoureiro > cidadao Vic
torino Alwes aonlero, que servirlo emquanto o
club por dous largos de seas merabros nao re
solver o contrario.
Do que, para constar, lavrei a presente acta
que tolos assignam.
Bu. Napol'o Marques Galvao, secretario a
escrevi e assiguo.Bernarrtino Maranhao, joris
ta. Amaro cus i de Barros Correia. com
merciante Francisco Xavier da Silva, cora
meroiame.Aulonio Paes da Silva Sonto, agn
cultor-Pedro Ivo da Silva corainerciaote.
Pascoal Lope-- Wira di; Almeida commerciao
teH nnque T'-lles Portado, criador.Antonio
CarJeai de A evedo, agricultor. Jos-- Telles
Furtado coiuinerciante.Victorino Al.es Mon
teiro, .-oinm-rcMnii'. Jos Ovidio Mnniz Falco,
coKnneruante.Napoleo Marques Galvao, com
aerciante.
ttervlro mili lar -E' hoje superior dodia
O eUa'lao capuo edro Velho, a ronda de visi
ta feia pnr ura sunalterno de cavada a. e o
2* b-iiaihao d a guarnico da cidade. o official
e o comiuaiMante da guarda de palacio, sendo
Bata formada de forra de anilhana.
ro or Jena 10 ;io 2o de mfanta-ia que man
de com urgen :ia substituir na comm todo da
forca que hoje seguio para o interior do Esta
do o cid-do -Ifrres Manoel Bglerophonte de
Lima que tem de seguir a oportonidarte pa
ra o E-ia-io -la Paratiyba, por ter sido transfe-
rido para o 27 da mesraa arma, conforme con-
sta do t''l-^rnii!aj do ministerio da guerra da
tado de 20 'lo do correte.
Espanramenio No lugar Praia Grande,
a margeiu do no S Prancisco, foi agg/e^ida e
brbaramente espan ala Mara Joaquim de Je-
us pelos individuos PrancUco Jo- de Soma e
lernardiao de tal Este fugie e aquelle foi pre-
so
O delegado de Jatob de Tacarat, a rajo ter-
mo perteuce aquelle lugar do enme abri in
querito.
Prla*e No termo do Cabo foram presos
Justiuo ii Onveira e Eleuterio Vicente da fon
seca, i ni i este por crime de furto e aquel
le por tentar contra a honra de urna menor.
!ir-'iorii dan oorai Ir- cuairr*>-
!*o e, 20 de Fevereiro de 1890
Boletim meteorolgico
""
Jo#, Pernaaiboco, 6 meses, S. Jos: teuoo
infantil. H
Maria, Pemambuco, 10 mezes. Boa Vista ; ac-
cesso pernicioso.
Mara Ribeiro Alves, Pemambuco, 62 anuos,
viuva,'Ounaa; gastro entente.
Josephioa Mara lo Nascimento, Pernambuco,
69 annos, aoltcira, S. Jos ; athomo generali
sado.
Manoel Joaquim de P Marinho, Pernao>buco,
60 annos, casado, Boa Vista; bemorrhagia ce-
rebral.
Jos, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista ; inna
nigo.
Beato, Pernambuco, 10 meses, S. Jos; atre
psia.
Ttiomaz. Pernambuco. 21 mezes S Jos ; bel-
mimnera.
Hennina Maria da Conceigao, Pernambuc o, 23
annos. .iolteira. Boa-Vis a ; infrago sypnun K.
Jo- Amonio do Sacramento. Peroam iuco, 60
annos viuvo. S. Jos; hemorrbagia cerebral,
Um feto do sexo masculiuo, Pernambuco, S
Jos ; nascido morto.
UM POUCO DE TDO
Horas
6
9
a
3
ti
m.
tu
5I
26.C
J7M
30 ,1
30'3
28,/
Barmetro a
0
738-20
758-43
T59-24
757-43
757-40
Teinueraiura mxima31,0.
Dita luiniiua -25. 25.
Evaporagao em 24 horas : ao sol 6,-5 ;
ornara--4-5
G -uva 2 -6.
Direcgao do veno : E com interrupgoes de
BSE, SE e ENE turante todo o dia.
Vi-iocidade media do vento2-26 por se
gucao.
Nebulosidade media0.-46.
Boletim do porto
|s3 Das Horas Altu i
B. M-P. M. M. f. M 20 1 de Fever. a de Fever. 11 5-11 6 -II da manhl -39 da larde 57 05 da manba 0-29 2-87 0-.20 2-,67
Os jornaes oceupam se muito do prin
cipe Amadeu em commemoracao de suas
qualidades.
O lmporeial diz que elle foi um principe
austero, summarne te leal, essencialmente
corajoso e serenamente fro nos perigos.
Foi o madello dos res no throno de Hes
panlia e manteve fielmente o juramento
constitucional sera paixSo poltica. Em
seus actos nunca influio o medo, ouvindo
sempre a todas as opinioes e jamaia dn-
do a-rhas a intrigas de camarilbas. ,
O Liberal diz nSo existir na historia
moderna um ontro exemplo de tanto ca
valleiriamo quanto teve o rei Amadeu.
cuja conducta em Hespanha foi sempre no-
bilissima, s >bretudo porque sendo o pri
meiro magistrado da naglo, abdicou a Co-
rda sem que urna s gotta de sangue f s
se derramada. Koi um principe caridoso
e democrtico por temperamento, pois que
os seus gostos erara simples. O povo h s
panhol participa vivamente da dr produ
zida pela morte do principe Amadeu.
A Iberia declara que a Hespanha con-
siderou sempre Amadeu como um principe
llustre, fiel aos seus empenh s, e estricto
observador dos seus deveres
O Globo disse que nao obtante contra-
rio poltica de Amadeu, reconhece n'elle
um principe que toi sempre leal, cavallei-
roso, cheio de respeito lei e fiel pala
vra dada a qual para elle era objecto de
verdadeiro culto
0 Globo accrescenta que Amadeu mor
reu na flor da idade, mais que expirou
com a consciencia de ter preen^hido o sau
de ver e de deixar na Hespanha e Italia
uma memoria respeitada.
Toda a imp-ensa fez elog os anlogos
ao princip Ama leu, tendo a noticia de
sua morte to repentina produzido grande
impressio na opiniHo publica.
A rain* a regente enviou ao rei e a
princeza Letizia affectuoaos despachos de
condolencia.
Appellagoes crimes
DayieMna Appeltante o juiso, appellado
Jo.-b Peres Campello.
Do Raifti AppelUnte Antonio Leonardo Ba-
tam, ppellada a justiga.
Appellagao civel
e pas.ando em frene d capit2ov olou
para elle tixamento, e'iapois parando :
Capitao... ? cham'oi trea.
O official se aproximou, guardando a
distancia estabelacida pelo regnlameliaX k^f5,P^Ap^1^s J^Ifn,TPin
"<^m> coutro, appellado Manoel Basilio da Silva.
DilGENCIAS
Com vista s partes :
Appellagoes commerciaes
DeGoyanna Appellante Joao Cavalcanle de
Arruda Cmara, appellada D. Harmelinda Mana
de Jess.
Mas pertodis-e o Rei.
Depoia em voz baixa :
mascara
vos
um miseravel
sois major. ..
quem revelar a
Bella
Mas ser
noticia.
Sobre a minha honra, Magestade,
isto ser segredo antre nosrespondeu o
offi ial, sentindo se all viads de um peso
enorme.
Passou um anno, durante o qual a pro
moco do capitao foi realmente um se-
gredo entre o Rm e elle, que todos os dia
contiauava a prestar o seu servigo de ca
pitao.
No anniversario do factp, costumada
revista, foi lida a segrate ordem do dia:
< O capitao X .. promovido ao pos-
to de major coro antiguidade desde o anuo
o, e tem de I
para o carnaval de Berlim.
icenca quatro mezes
SPORT
Berby Club de l'proamlmto
Amanb tem lugar a 4* corrida do trado da
Estancia.
Os nossos palpites sao os reguintes :'-.
1." pareo1. Pombo Preto,2.* Talispher.
Azar^ Bonaparte.
2. pareo \." Galiio2. Minerva.
AzarFluminense.
i.' pareo -1." Colosso -2." Haranguapc
Asar. Despota.
4 pareo -1. Stella 2.. Ida.
AzarCoruja.
5. pareo1." Vesper 2. Africana.
Azar-Cyoira.
6." pareo i." Caubyi. Sans-Souci.
Azar Maranguape.
pareo -1 "Eiffel.
Azar Africana.
7.
Hlppodroaio do Campo i- rande
Ja foi apri'sentado o prograrama para a cor-
rida, que tem de dar essa socie lacle no dia 2 de
Margo prximo.
A respectiva ins;ripgao encerra se no dia 25
do corren te.

Pela directora do Prodb Pernambucano foram
suspensos por 30 das os jockeya Pedro AJxau-
drino e Joao Carlos.
0 fundameito nu suspenso foi oo terem os
mesmos jockeys disputado regularmente a cor-
rida lo 5 pareo, em que montaram Good Mor
ning e Monitor.
CHRONICA JDICIARIA
L.*ii6o* Effictuar-se ho os seguintes :
Hije : .
Pelo agente Silveira, as 12 horas, a ra do
Imperador n. 12. de tres .parta de um sobrado.
Segunda-feira:
Pelo ageute B no, s il horas, ra Du
Se de Caxias n 69, de b ms predios ; e i ra
ga do Rosario n. 1, as 10 e 1/2 hjras, da ta
verna e geneos ah existentes.
Mi na* fnebre*Serao celebradas :
H.je:
A's 8 horas, as matrizes de Santo Antonio e
Pogo iia Paneha, pela alma de Antonio Jrooy
no de 0 ivi-ira ; as 7 e meia horas, na matriz
da B ia-Vi-ta, pe a alma ie Antonio de Arauj*
Marques ; < 7 e 1/2, na igrej'i do Espirito San
to, pea alma de Carlos de Medios ; as 8 hoias,
ta Ord-m Terceira de S. Francisco, pela alma
e D Carlota B. dos Santos Bourgard.
Segunda feira :
A's 7 horas no convento do Carmo pela alma
de J <- Caetano Baptista dos Santos ; s 8 ho
ras, na matriz da Boa Vista, pela alma de D.
Anna'la Silva F>-rreira.
Pasaeiro* -Chtgados de Fernando de
Noronha no vapor nacional Jacuhype :
Clau lio Dubeux, Antonio Leouarao de Mene-
%s Amornu, Manael Jos de liveira Lima Ju
aior. Aui;u.-te Bonoehon, Manoel Pedro da Silva,
Leonor Mana de Oliveira Carvalho, An'brosioa
Alzira de Carvalho, Jos Luis Peres de Carvalho,
Philomeja Mana da Couceijo, eraardino Mon
teiro oe Almeida, 1 cadete. 11 pragas de lidha.
12 sentenciados, padre Francisco A. de Brillo
antas, 4 mulbeies e 5 filaos.
.a ir iirirura..aovuneoto oos pr
aos da Cana de Detengo do Recife, estad)
de Pernambuco, em 20 deFevereiio de i890
Exi-tiam 450 ; entraram 12; sahiram 13; ex
tem 449.
A saOer:
Nacionae- 416 ; omitieres 27; estrangeiros 6 ;
Total 449
Arragoado- 401. -
Bons 373.
Doente- 15.
Loucos 7.
Loucas 6
-Total 401.
Movimento oa enfermarla
Ti ve rara alta :
Andr Cardt so dos Santos.
Manoel Demetrio da Paixo
Foram visitados os presos deste estabeleci
memo por 179 pessoas, sendo horneas 62 e mu
iieres 117.
tiuspuai Pedro II U movimeti" Q ste
tstabelecimento decahdade, do dis 19 nf Fe
eiro foi o seguinte:
12
10
t
401
as respectivas enfermar
Entraram
Sahiram
PrJIeceu
Existem
Poram visitadas
pelos Drs.
Homobo s 81/4.
Cyeneirc s 9 1/4.
bano.-SO'ioiius7.
Malaquiar s9.
Potitua!"es9.
Benirdo s 11.
Stmoes Barbosa s 10 1/2.
O Dr. sievao Cavaicanie Bao compareceu.
cirurgio dentista .Nuina fompiUo as 8 1/4
horas.
O phartnaceutico entrn as 8 Ij2 da ma b e
;. h>o s 2 da tarde.
aiuuante do pbanDaceotico entrbu a- 7 1/2
a ino s 5 oras da ta^i*
Lotera Irnordinaria da capital
federal -A 3* part >> rande lotera, cuja
sort^ gran le de 100:000000, era delinilava
mente extrahida hoje 22 do correte (sab
dado).
lu >i>-ria da tiran-Para-A 3> parte, di
Vt' lotera, cujo premio fraude de O: era -xtranida uo dia 26 le Fevereiro (quarta
feira)
Cemiterte publicoObituario do dia 20
de Prvereiro :
Joaquina Liurenga <-e Lima, Pernambuco, 71
annos, solteira Afogados; <*aorro do - Mana da cenha Maciel Sobreira, Pernambuco
Manos, solteira, S.Jos; tubrculos pulmo
ares.
E' tida hoje c^mo um facto histrico a
legenda de um dos Rotluchild, que asis
tio a batalha de Waterloo e em seguida
ao d senlaee do combate tio rpidamente
quanto o pennitti -m os meios de commu
n i cacao d'aquelle tempo, se apresentou em
Inglaterra para comprar na B >lsa tod-ts as
acedes e consolidados e a inscripcSes da
renda.
arecc no entretantoestuiando-se as
descocerasqi.e os factos se passaram
por forma iifferente.
O conde Stanhope, amigo intimo de
Weliington, o ven redor de Waterloo, con-
ta a historia um pouco divers un-nte.
Rothscbild nao estava na Blgica n'a-
quelle momento ;mas um dos seus agen
tes e confidentes sechava em 'Jand, onde
Luiz XV II esperava com a sua familia a
ultima jalavra do canh&o. Ora, ess- con
fidente de K ithschild, p i-san do pela frente
do castello em que ha vita va o re de Fran-
9a, vio por un a grande janella do pavi
ment terreo um official russo, que estava a
entregar lhe um prego; e que o re len-
do-o iremia de emoclo, e logo depois se
atirou sobre o sota, ao passo que toda a
familia entregava-se as demonstracSes da
alegra mais viva e manifesta.
agente comprehendeo que a batalha
tinha sido vencida po; Welliggton : nao
deo esta noticia a pessoa alguma, guardou
o maior silencio e parti rpidamente para
Londres. Ahi tratou de procurar a Raths
child e sem perder um minuto de tempo,
apresentaram-se ambos na Bolsa, onde fi
zeram as operaedes collossaes que consti
tuem a legenda, entre duas e tres horas
da tarde.
O raensageiro de Welliogton quando che
gou Londres com a grande noticia erao
dez horas da noife.
Aquellas poucas horas bastarara a Ro
thachilde para ganhar milhSes !

Ei s urna ancdota histrica de Frederico
da Ruasia.
Em Berlim diva se um ba le de masca-
caras, e a elle devia ass stir Frederico o
trande; o qual tinha prohibido aos offi-
Ciaes de cavailaria que a elles fossem.
Es-ava o re assentado no sen gabinete
em Poatdam, e d'ahi observava por um
espelho. todos aquebes, que passavam pela
ponte, que ligava a residencia rea: c
pital, quando vio um official que a atra-
vessava.
Aquelle vai ao bailedisse coms.go
o rei. &st bein.
Urna hora depois, o re fez a sua en
trada na Opera, o reconheceu disfarcado
com o vestu .rio de um nobre venesiano, >
efficial culpado de desobediencia.
Vai direito elle e lhe diz :
Bella mascarasinha, eu te conheco.
O official, ao ouvt a voz do rei, eacre
m. ceu ; Udavia respondeu :
Mas eu nao te conheco.
Ta i o cap.tao...
Si l, mas eu estou a ui sem licen-
9a; p acuelle que me trthir, ser um mi
seravel.
O rei inonleu os beicos : e le nao espe
r.va certamente esta evasiva, mas respon
deu promptamente.:
Te don a minha palavra que iste
permanecer m segredo entre nos dous.
O < racial deixou immeduttmente o bai
lo, persuadido de que lhe aguardava urna
puuic&o e talvez a demisaSo.
..Joratudo na manba segrate apresen-
tou se com a cst imada pontualidade
revista real em Lnstgarten ; a qual Fre-
derico nao se fez e o pera* envdjwnparecer,
Tribunal da Rela<-o
SESSO OBDLNARIA EM 21 DE FEVEREI-
RO DE 1890
PRESIDENCIA DO CIDADAO DESEMBABGADOR
QUINTINO DE MIRANDA
Secretarte, o cidadao Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costume, presentes os cidados
desembargadores em nuiuejo legal, foi aberta a
wktiinn n Anmn .1 .. I j i .-. r. ^. ^ .-. i J .^ a ni ^- j_______
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
t cdeme.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
>s seguintes
JLOAMKSTOS
Habeas-corpus
Pacientes:
Joao Francisco Damasceno. Mandou se sol
tar, unnimemente, votando o desembargador
Alves Ribeiro pela respoosabilidade da auton
da le que preodeu o paciente.
Jos Paulo de Carvalho. Mandou se ouvir o
Dr. chefe de polica.
Antonio Cesar fiamos de Oliveira.MandoA-se
ouvir o juiz de direito do 4." distrcto e a auto-
i i .adc policial.
Recurso crime
De CamaragibeRecrreme o juizo, recorri-
do Antonio Jos Barbosa. Relator o desembar-
ador Alves Ribeiro Negou-se provimento,
unnimemente.
Aggravos depetico
De Olila Agravante Fre Jos de Santa Ju
lia Boielho, aggravdo ojuizo. Relator o des
eiubir dor Pires Ferreira. Adjuntos os des
embargadores Almeida Santos e Alves Ribeiro.
- Nao se toiiiou conhecimeuto por nao ser caso
de agrav3.
3o R^eife Afgravantes aria Christioa do
Carino e ojtro, agravado o juizo. Relator o
desembartrador Monteiro de Andrade. Adjuntos
os desembargadores Visconde de Jaguanbe e
Alves Ribeiro. Deu-se provimento contra o
voto do relator.
Appellagoes crimes
De Pao d'AlhoAppellante o promotor publi
co, appellado Adolpbo Francisco de Almeida.
Relator o desembargador Oliveira Andrade. -
Mandoo-se a novo jury, unnimemente.
Do Brejo de Areia Appellante Joaquim Ca
lixt, da Silva, ippellada a justiga. Relator o
desembar^aJor Dellino Cavalcante.Mandou-se
a novo jury, unnimemente.
De Peoras de Fouo Appellante o juizo, ap-
pellado Prudencio Ferreir* ie Lima Relator o
desembargador Pires Ferreira. Mandou-se i
novo jury unnimemente.
Do Inga Appellante Jos lexaodre da Sil
va, appellada a justiga. Relator o desembarga-
dor Alves Ribeiro. Reformoo-se a senteoga
para o mnimo do art. 257 do cdigo criminal,
contra os votos dos desembargadores Alves Ri
beiro. Tavares de'Vasconcelos e Monteiro de
Andrade.
Appellago commercial
Da Parahyba Appellante Pedro (Saptisti dos
Santos, appellado Jos de Ohveira Dini Rela-
to- o lesembargador Monteiro de Andrade Re
visores os desembargad'res Pires Gongalves e
Alves Ribeiro. Contiriiou se a sentenja contra
o voto do relator.
PASSAGENS
Do desembargador Dellino Cavalcante ao des-
embargador Pires Ferreira :
Appellago crime
De Camaina GrandeAppellante o juizo, ap-
pellalo R 3-mo de Arrud. Cmara.
Do denembargador Pires Ferreira ao lesem-
bargador Monteiro de Andrade :
Appellago crime
De CajazeirasAppelUnte o juizo, appellado
Amonio Hemique da Silva.
O desembargador Pires Gongalves, cotno pro-
motor da justiga e procurador da fazenda deu
uarecer nos seguintes feitos :
Appellagoes crimes
De Goyanoa Appellante o juizo, appellado
Jos Joaquim de Hnto.
De J..i) i.ito Appellante Manoel Francisco
Ferreira (i. mes aepellada a justiga.
Do Re ifr Appellante Aut >nio Francisco da
Silva ippelluda a jn-iii.a.
Appellago civel
De om Conseibu Appellaole Lourengo Te-
norio Villa Nova, appellada Uualuina Olympia
de nliveira RamOS.
Do desembargador Tavares de Vaseoncellos
ao desembargador Oliveira Andrade:
Appellagoes civeis
Do Pilar Appeianie Fr ucisco Ignacio Car-
doso, appellado Praucisco Ignacio Cardoso. J-
nior.
De Panellas -Appellante Jos Soares da Silva
Lyra, appellado Jis Matheu Je Oliveira Gui-
ina'eB.
Do desembargador Oliveira Andrade ao des-
embargador Silva Reg :
Appe lago crime
Do Brej.Appellante o juizo, appellado Bel-
larminu da Suva e Vaseoncellos.
Appellago commercial
Do Recife ippellantes a viuva e herdeiroa de
Francisco Manuel de Souza Oliveira, appellados
Tavares de Mello Genro a C.
Do desembargador Almeida Santos ao desem-
bargador Visconde de Jaguaribe; i I
Do Recife AppUTante Dr. Hyppolito Velloso
Pederneiras, appellado Dr Jos Gongalves Pinto.
Do RecifeAppellantes Frrei-a da Cruz 4 C.
appellados Monhurd Huber 4 C.
D-I8TBIBUI96E.8
Recurso crime
Ao desembargador Tavares de Vaseoncellos :
De Olinda Rocorrehte o juizo, recorrid Ma
noel Pedro da Silva.
Aggravos de petigo
Ao desembargador Pires Gongalves :
Do Recife Aggravante Jos Pe reir de An
drade, aggravado Jos Ferreira Pinto de Maga-
IMM
>o desembargador Alves Ribeiro :
Do Recife Aggravantes Oliveira Tavares *
C, aggiavados Augusto de Figueiredo A C.
Aggravo de instruminlo
Ao desembargador Pires Ferreira :
De TaquareiingaAggravante Seralim Gomes
Barbosa, aggravado Mjnoel Florentino Bezerra
Cavalcanle.
Appellago crime
Ao desembargador Almeida Santos :
Da Gloria de GoitAppellante Jos Severino
da Silva, appellada a justiga.
Appellago civel
A o desembargador Aires Ribeiro :
De Cabaeeiras Appellante Joaquim Camello
de Andrade Lima, appellado Lucindo Jos de
Andrade.
Encerrou-se a sesso i hora da tarde.
J11 ota Com me re a I do estad j de
eroanihiK-o
ACfA DA SESOlfe 13 DE FEVEREIRO
DE 1890
PaaSIDENClA 00 CID ADO ANTONIO G0M8S DE MIRAN-
DA LEAL
i Secrttaao, o cidadao Dr. Julio Guimaraes
A's 10 horas da manh dedarou se aberta a
sesso, estando presentes os cidados deputados
(linto Bastos, Herminio deFigneiredo e fupplen
te Paula Lopes, faltando com participago ver
bal o Sr. Jeputado BeltrSo Jnior.
Li la, foi approvada a.acta da sesso antece-
dente.
Fez-sc a leiture do sguinte
EXPEDIENTE
Offios :
De 23 d Janeiro, do presidente da Junta Com
mercia da Capital Federal, communicando ter
eassumido o exercicio do seu cargo.Para' o
archivo.
De 28 do mesmo mez, do presidente da Junta
otninercial da Capital Federal, em resposta ao
de 9.Seja archivado.
De 28 do correte, da Junta dos Corretorej
desta praga, remettendo o boletim das cotagdes
ofllciaes de 3 a 8 do presente mez.-Archive se.
orain distribuidos rubrica 03 seguintes li
vros ; -
Diario W London Brazilian Bank, limited,
dilo de'Doraingos Gomes de Amorim, copiado
res (ii da Pereira Carneiro 4 C.
DESPACHOS
PetigGes :
De Joaquim Alves da Silva Jnior c Bento
Jos de Almeida, para que se archive o contra-
cto de soedade de capital e industria sob a
rma de Joaqun) Alves da Silva Jnior & C,
com o capital de 1:427390, para o conarnerao
de m.libados oesta praga ra do Qeneral Abreu
e Lima o. 5 Archive se, na forma dafei.
Da Companbia PernambucaSa, de Navegago
Costeira por Vapor, para que seja archivada a
acta da sesso extraordinaria da assembla ge
ral dos 8gs accionistas. Pago o sello addicio-
nal, regi8tfese e archive-se.
Da rnr-s.ua companhia, para que se archive os
seus estatutos, alterados em sesso da assem-
blareraJ dos seinr_accjoajsJas. Pago o sello
uilil/'ion.t do arcftittato. sejamarchivados.
D8 Francisco de..nKPngaiv.es ..Ferreira,
para que se registre a procuraco que lhe pas-
sou D Ismenia Amelia de Mattos Lima, para
promover todos os seus negocios judiciaes e ex-
tra judiciaes.Regstrese.
De Rodrigues Fragoso 4 C., para que seja ar
chivado o contracto de sociedade em oome col-
lectivo que sob dita firma zelebraram Jos Ro-
drigues Fragoso e Antonio Alfonso dos Santos,
com o capital de 22:700630, para o cominero o
de fazendas a retalho nesta praga, ra do Li-
vramenton. 4.Seja registrado.
De Antonio Leonardo Rodrigues, para que
se registre o conheciment do imposto de cor-
retor geral desta praga.Registre-se.
De Albino Amorim 4 C, de cuja firma sao so-
cios Adriano Rodrigues da Costa, Jos Azevedo
os Santos e Antonio Azevedo dos Santos, para
que seja archivado o contracto em norre cone-
ctivo que celebraram com o capital de 140:000*
para a continuago do cbmmercio de fazendas
importadas e compradas nesta praga, coja sede
ra Duque de Caxias 94. Archive-se, na
fOrma da lei.
De Hermann Lundgren, tendo comprado a
barca allem Frz Schimidt, que passa a deno
minar se Belty, solicita que se mande passar a
competente carta de registro.Prestado o jura-
mento, na forma da lei, passe-se a carta.
Participago da secretaria, de ter oagentc,
leiloes Thomaz Jos de Gusmo pgwt qua
de 24*100 de costas contadas no summario nesta
data archivado.
Prestou juramento Hermann Lundgren para
attengo da carta de registro da barca Belty, que
foi assignada.
Nada mais bavendo a despachar, o Sr. com
raen dador presidente encerrou a sesso s 11
horas e 1/4 da manh.
de cVianyas. Reside roa de Fernandos j maz Sigismundo de Almeida Barros, que
Vieira n. 23, e tem consultorio na roa do' conhece, e todas me affirmaram que nao ei
Bon-Jesus (antiga da Croa), n. 45, onde
d consultas do meio-dia a 3 horas. Te
ephqne n. 31.
dvogados
O baehard Joaquim Ihiago da Fonseca
em seu escriptorio de advogado roa do
imperador n. 14, 1. andar.
O baehard Bonifacio do Aragao Faria
ciocha contina a advogar. Escriptorio
ta do Imperador n. 46., 1. andar.
O baehard Petronilho de Santa Cruz Oli-
veira, encarrega se de levantar empresti-
mos perante Banco do Brazil para auxi-
io da lavoura. Escriptorio roa do Impe-
rador n. 69, 1. andar. Residencia sitio
na Jaqueira, prximo estayao.
Occuiisla
Dr. Ferreira. com pratica nos pnnci-
iaes hospitaes e clicica de Pars e Loe
ires, consultas todos os das das
lorasdao meio-dia. Consultorio e re3i-
lencia roa Larga do Rosario o. 20-
Dr. Barreto Smpalo, ocenlista, d con-
mltas de 1 s 4 horas no 1." andar da
asa ra Baro da Victoria n. 51. Resi-
tencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra-
la pela ra da Saudade n. 2.
Drogara
Faria Sobrinho & ., droguista por ata
jado, roa do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manad da Silva & C, deposi
arios de todaa as especialidades pnarma-
euticas, tintas, drogas, productos chimi
as e medicamentos homeopticos, roa de
vfarqtiez de Olinda n. 23.
Tinta de eserever
A melhor a tinta Victoria, vende-so a
)0O rs. meia garrafa e' a 800 rs. urna gar-
rafa inteira na Livrara Comtemporanea
ie Ramiro M. Costa, ra Io. de Marco n.
.', loja de ferragens de Albino da Silva
i C, roa da cadeia n. 42; loja de ferra-
jens de Brandao & C, ra Duque de Ca-
tias n. 46.
PUBLICARES A PEDIDO
AOS
nao nos conhecem
que
Somos nos o delegado e 1 supplente do 2
dlslricto d'esla capital, e aos que nao nos conhe
cem offerecemos os documentos abai?o, por si
sos bastantes para mostrarem a falsidade das
impatages que nos foram feitas.
Recite. 21 de Fevereiro de 1890.
Francisco Xavier Guedes Pereira.
Luiz de S Lima.
Recife, 19 de Fevereiro de 1890.
Cidadao Antonio Martiniano Veras.Tendo vos
vos adiado, no desempenho dos vossos deveres
de autoridade policial do Io districto, na fabrica
de cerveja denominadaNova Hainburgona
noite de domingo 16 do correte, por occasio
do baile de mascaras que all teve lugar, vos ro-
gamos que, a bera da verdade, vos digneis a
responder, ao p d'esta. aos quesitos seguintes :
Io E' exacto que, n'essa noite, nos pedistes ou
nos autorisastes a policiar all, emquanto iris fa-
zer outro tanto no Theatro Santo Antonio, onde
havia tambera baile de mascaras r
V E' exacto que tenhamos nos all ti avado
cora, blguem ditcusso em vozes altas eem lingaa-
gewum. pouco impropria de pessoas investidas de
caracteres de agentes policiaes f
3 E' exacto que, na vendo nos dirigido para o
barracao onde se dansava e fazendo do chapeo sol violdo tenhamos gingado e feilo piruetas a
par das mulheres de vida licenciosa que all se
achavam, provocando commentarios acres de pes-
soas que foram por isso atti anidas ao lugar f
4" E' exacto que un dos soldados que nos
acompanhavam, convidou-nos a sahir, chegando
mesmo apuxar-nos pelo braco, resisti do nos e
gritando Viva o pandega f
5o E' exacto que diriaindonos depois para o
centro do jardim, ahi pulamos no meto de especta-
dores que gritavamolha a polica no fatuo ?
6 E' exacto que ainda na sakida, junto aopor-
to do caes de Santa Isabel, continuamos n'esse
procedimento que *; nos attrioue ?
7o Finalmente, j nos vistes ebrios, ou tivestes
noticia de que all ou em nutra qualquer parte
nos tenhamus embriagado ?
Agradecendo, desde j, a vossa resposta e pe-
dindo autorisago para fazer d'ella o uso que nos
convier, subscrevemo-nos com a mais distincta
considerago e profunda estima
Vossos, atientes amigos e criados obrigados.
Francisco Xavier Guedes Pereira.Luiz de S
Lima.
exactos.
Esta pergnota era escusada, porque sel
Bao incapaces de praticar urna acgp m, mal
meu dever de autoridade me aconselhava
escrupuloso, desde que tinha de ser ouvido"
respeito do;v''gc-
Podem fazer de minha resposta o uso que loes
convier.
Recife, 21 de Fevereiro de 1890.
Manoel Francisco de Barros Reg.
Recife, 19 de Fevereiro de 1890.Cidadao -
Tendo vos vos achado na fabrica de cerveja de-
nominada Nova Hamburgo, na noite de dotningt
16 do correte, por occasio do baile de mas-
caras que alli teve lugar, vos rogamos que, a
bem da verdade, vos digneis de responder, ao p
desta, aos quesitos seguintes:
i. E' exacto que nesta noite tenhamos nos
travado alli com alguam discussdo em vozes altas
e em Imguagem um pouco impropria de pessoas
investidas do carcter de agentes policiaes t
2 E' exacto que, havendo nos dirigido para t
barracao onde se dansava, e fazendo dos chapeos
de sel violao tenhamos gingado e feito piruetas a
par das mulheres de vida licenciosa que alli se
achavam. provocando commentarios acres ie pes-
soa* que foram por isso attrahidas ao lugar 1
'X E' exacto que um des soldados que no?
appmpanuavam, convido nos a sahir. chegand
mesmo a puxar nos pelo brat]o, resistilo nos e
gritando Pira a pamlega ?
4 E' exacto que, dirigindo-nos depois para o
centra do jardim, ahi pulamos no meio de espe-
ctadores que gritavamo/uza polica no ganso t
o.' E' exacto que anda na sahida, junto a
portao do caes de Santa lzabel, continuamos nesse
procedimento que se nos attribue ?
6. Finalmente nos vistes ebrios ou j tivesteg
noticia de que alli ou em qualquer outra parla
nos tenhamos embriagado '.
Agradecendo. desde j, a vossa resposta e pe-
dindo-vos autorisago para fazer della o uso que
nos convier, subscrevemo nos com a mais dis-
tincta considerago,
Vossos alientos veneradores e criados obrigado?
Francisco X- Guedes Pereira.Luiz de S
Lima.
Correligionarios e amigos Drs. Luiz de S Lima
e Francisco Xavier Guedes Pereira. Respondo
negativamente a todos os quesitos que me diri-
gistes na carta supra.
Podis fazer d'esta resposta o uso que vos con-
vier.
Recife, !1 de Fevereiro de 1890.
Sade e fraternidade.Antonio Martiniano Ve-
ras.
INDICACOES TEIS
Mdicos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio roa Nova n. 32, onde pode ser en-
contrado do meio dia s 2 horas e fora
destas horas roa do BarSo de S. Borja
n. 22. Espe aUdadesmolestia de enan-
cas, senhoras e parto. Telephone n. 326
da casa de residencia.
Dr. S Pereira, roa da imperatriz n. 8,
d consultas medico-cirurgicas todos os das
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia roa de
80m Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.'
andar. Telephone n. 389
Dr. Joaquim Lowreiro medico e partei
ro, consultorio roa do Cabug a. 14,
l. andar de 12 s 2 da tarde; residencis
ao Monteiro.
O Dr. Simplicio tylavignier.Clnica me
dico-cirargica. Especialidades : moler .a.-
Sulmonares e partos. RuadoMarqu- < de
'linda n. 27, 1. andar. Consultas uas 11
is 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
aella) das 6 s 9 horas da manhS e i
ardfl Teleshone n. 392
Dr. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no l. an-
dar a roa Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados, na sua
residencia, a ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Alves Guimaraes, dedica-Be me-
dicina em geral, e com especialidade s
molestias do coracSo, pulmoes, ligado, es-
tomago e intestinos e tambera, s affecySes
Recife, 19 de Fevereiro de 1890.
Cidadao Dr. Francisco Manoel de Barros Re-
'go.Teodo vos, no desempenho dos vossos de-
veres de autoridade policial do 1" districto, vos
achado na fabrica de cerveja denominadaNova
Hamburgona noite de domingo 16 do crreme,
por occasio do baile de mascaras que alli teve
lugar, vos rogamos que, a bem da verdade, vos
dignis de responder, ao p d'esta, aos quesitos
seguintes:
! E' exacto que n'essa noite o subdelegado
cidadao Veras nos pedio ou nos autorisou a po-
liciar alli, emquanto ia fazer outro tanto no Thea-
tro Santo Antonio, onde havia tambera baile de
mascaras.
2 E' exacto que tenhamos nos alli travado
com alguem discussao em altas vozes e em lingua-
gem um pouco impropria de pessoas revestidas do
Iparacter de agentes policiaes ?
< 3o E' exacto que, havendo nos dirigido para o
barrar o onde se dansava e fazendo dos chapeos de
sol violao, tenhamos gingado e feito piruetas a par
das mulheres de vida licenciosa que all se achavam,
provocmndo commentarios acres de pessoas que foram
por isso attrahidas ao lugar f
4 E' exacto que um dos soldados que nos
acompanhavam, eonvtdou nos a sahir, chegando
mesmo a putar-nos pelo braco, resistindo nos e
gritandoViva a pandega f
5 E' exacto qoe dirigindo-nos depois para o
centro do jardim ahi pulamos no meio de especta-
dores que gritavamolha a polica no ganso ?
6' E' exacto que anda na sahida, j tao do caes de Santa Isabel, continuamos n'esse
procedimento que se nos attribue 1
7" Finalmente, j nos vistes ebrios ou tivestes
noticia de que alli ou em outra qualquer parte
nos tenhamos embriagado?
Agradecendo, desde j, a vossa resposla e pe-
dindo autorisago para fazer d'ella o uso que nos
convier, subscrevemOs-nos com profunda estima
e muito alta considerago
Vossos collegas e amigos, veneradores e
criados obrigadosFrancisco X. Guedes Pereira
Luiz de S Lima.
Bine. Srs. Drs. Francisco X. Guedes Pereira e
LuU de S Lima. Em resposta vossa carta de-
claro que nao me conslou cou-a alguma sobre
os factos indicados nos 7 quesitos e tiquei sor-
prehendido, quando li naPrtwmcia de 18 do cor-
rente o artigo so!> a epigraphe Escandaloso,
porque tetrao assislido os bailes de mascaras do
theati-o de Santo Antonio durante as noites de
13, 16. 17 e 18 do correte, desde 9 horas da
noite at s 2 horas da madrugada, e estado al
5um tempo na Nova Hamourg, antes e depois
e minba assisteucia em Santo Antonio para fa-
zer s hir os retardatarios, nao ouvi ninguem
conversar sobre toes factos, o que seria muito
natural, porque ordinariamente se oceupam mais
dos factos reprovados, aquelles que os testernu-
nham lomando assim mais pblicos; depois de
ler o referido artigo perguntei a diversas pessoas
que estiveram na Nova Hamburgo se eram exa-
ctos oe factos, entre estas ao mea sobrinho Tho-
Illms. Srs. Drs. Francisco X. Guedes Pereira e
Luiz de.S Lima.-Respondendo a carta de Yv.
Ss. ae hoje datada, tenho a dizer que electiva-
mente estive na noite de 16 do correte na Nova
Hamburgo onde cheguii pouco depois de 9 no
ras retirando me cerca de 11.
Logo que entre:, dirigi me para o pavilho
onde encootrei Vv. Ss. e afastando-me desse lu-
gar nao ti ve mais occasio de encontrar Vv Ss.
Nao vi nem me constou, durante o tempo que
esve naquelle estahelecimento, qne houvesiem
Vv. Ss. praticalo os factos constantes dos itens
da referida carta
Polem Vv, Ss. fazerera desta o uso que julga-
rem conveniente De Vv. S3. collega, atiento e
obrigado.intonio Domingos Pinto.
Cidados Drs. Guedes Pereira e S Lima.21
de Fevereiro de 1890Em resposta a vossa car-
ta de hontera, tenno a declarar-vos o sguinte .
Nao exacto lerdea travado na primeira noite
de carnaval, discussao com pessoa alguma na
Nova Hamburgo e muito menos terdes vos por-
tado de modo improprio de pessoas investida!
do carreter de agente de polica.
Aflirmo nao terdes dansado no barracao da
mesma cervejaria n?m tSo pouco terdes gingado
e feito piruetas a par de mulheres de vida li-
cenciosa e pi-r conseguinte nao possivel ter-se
dado commentarios sobre um facto que lo
existe.
Nao fostes convidado e ainda menos puxado
por vossas ordenangas, pois suppondo mesmo
que tal se dsse, como militar que sou, estando
ao meu lado saberia cumprir meu dever manten-
do a disciplina.
Quanto ao quarto e quinto quesitos .merecem
a mesma f que os outrossao inteiramente fal-
sos.
Respondendo ao 6o e ultimo dos quesitos que
me propuzestes, posso garantir nunca vos ter
visto embriagado em parte alguma.
Tenho-vos no maior conceito, podendo dar
testemunho de vossa dedicago e interesse pelo
servigo publico, onde leudes empregado vossa
maior actividade e zelo na manutengao de erdem
publica e finalmente enmprido tielmente os de-
veres do cargo que feJizaiMite ,vos foram confia-
dos.
Podis dispor desta como vos convier.Vos-
so attencioso, venerador, criado e obrigado
Americo d'Andrade Almada.
Cidados Francisco Xavier Guedes Pereira e
Luiz de Sa Lima.Recebi a vossa carta, e em
referencia aos seus quisitos, tenho a responder,
Sue no domingo de carnaval estive na Nova
amburgo das 9 horas para s 10 at 1|4 para
meia noite, quando retirei rae, nao vi se prati-
carem durante todo este tempo actos reprova-
dos, nem to pouco aquelles de que tratam os
seus quesitos. nem mesmo ouvir dizelojpor-
quanto se taes actos tivessem occorrido, se tor-
nariam notorios, como vulgarmente acontece.
E' o quanto posso responder e podem fazer
da presente o uso que Ibes convier.
21290. Vosso attencioso, venerador e
criadoJos Joao d'Amorim.
Recife, 21 de Fevereiro de 1890. Cidadao
Drs. Francisco Guedes Pereira e Luis (te S Li-
ma.Respondo aos ciuco pnmeiros quesitos de
vossa carta de 19 do correte nos seguintes ter-
mos :
Estive na noite de domingo, 16 do correte,
na fabrica Nova Hamburgo, desde 9 1[2 horas
at 11 horas da noite, e por esse tempo per-
correndo o jardim deasa fabrica e suas depen-
dencias, exposta ao publico e Uve occasio de
ver um grupo de mogos e entre elles o Sr. Dr.
Manfredo Barata e seu irmo aos qaaes bem co
nhego. servindo-se de cerveja.
Soube ento que abi se achavam os cavalhei-
ros a quem agora respondo sendo distes com*
dos demais correcta a maneira de proceder.
Por nenhum vi praticar nesse, ou em outro
lugar da fabrica.os actos que se comprehendem
nos referidos quesitos.
Termino a minba resposta declarando que nem
se quer julgo procedente o vosso 6 quisito pois
que nao po.-so razoavelmente suppor que sejam
investidos do carcter de autoridade individuos
capazes de se embriagar.
Podis fazer uso da minha resposta.Sou vos-
so obrigado.Joo Jos Amorim.
Cidados Drs. Francisco Xavier Guedes Perei-
ra e Luiz de S Lima. Respondendo vossa
carta de hontem, e em abono da verdade; cum-
pre dizer que, com outras pessoas qualificadas
da nossa sociedade, fui no da 16 do corrente,
noite, fabrica de cerveja -Nova Hamburgs, e
abi entrei, mais ou menos s 9 1/2 horas, e l
permanec at 11 1/2 horas ; quando com al-
guna desses mesmos amigos que me acompanha-
vam, nos retiramos para nossas casas ; durante
o lempo que ahi permanec, nao vi e nao me
constou qoe caso algum se desse referente vos
ou polica, e portanto para mim estranho o
que me perguntais nos 1., 2., 3.. 4. e 5.* pon-
tos de vossa carta ; quanto ao 6.. direi que vos
conheco como homens moralisados, e que nunca
vos vi nem me consta terdes sido merecedores
de qualquer suspeita em vosso coraportamento
de bomens dignos de toda a considerago e res-
peito.
Podis, cidados, fazer o uso que vos aprou-
ver desta minha resposta.
Sade e fraternidade. Andr Maria Pi-
nheiro.
Recife, 20 de Fevereiro-1890.
Illustres cidados Drs. Francisco Xavier Gue-
des Pereira e Luiz de S Lima.Tendo entrado
na Nova Hamburgo, em vessa companhia e na
de outras pessoas gradas de noss sociedade, l
permanec at cerca de 10 horas isso na noite
de 16 do corrente.
Durante o curto espago de lempo qne me-
deou da nossa chegada sabida, t> > vos vi pra-
ticar os actos altamente escandalosos que vos se
imputados.
Outrosim,sempre reconhen em vos (como
attestaro todos os que teem rea ;es com vosco).
dous cavalueiros de fino trato, serios e erite-
riosos.
D'esta minha resposta fareis o uso que enten-
derdes conveniente.
Vosso amigo e collega obriga.Jrtim Joa-
quim Thiago da Fonseca.
Recife, 19 de Fevereiro de 1890.

.
**
^


^rr-


Diario'de Pernambuco--Sabbado 22 de Feyereiro de 1890







i

j 10 de Fevereiro
francisco Xavier Guedes
Lima.Presente vossa estimavet carta, de 19 do
Drrente. e sciente de sea cootedo, respondo
Concorri ao baile da Nova Hainburgo no da-
lo* do correte, e durante lempo que l estive,
fue foi at cerca de 11 e 1/2 horas da noite,
nada presenciei da polica ou de quera, era ca-
rcter da mesma se apresentasse. qur no bar
racio ou botequim da dita Neva Hamburgo que
se podesse considerar indecoroso, ou mesrao ex-
orbitante ; podendo usar, como entenderdes, do
nue tica dito.
Vosso atiento veneradjt e criadoJ. Raposo.
Cidados Drs Francisco X. Guedes Pereira e
Luiz de S Lima. Achando-me presente, na
noite de 16 do correte, na Nova Hamburgo, so
posso responder, a bem da verdade, a todos os
quesitos de vossa carta pela negativa.
Cabe me accrescentar que nunca tive informa
cOes que desabonassem o vosso carcter e vossa
conducta moral, fazendo de vos o melbor con-
ceito possivel.
Autoriso vos a fazer desta o uso que melbor
vos convier.
Subscrevendo me cora estima e considerado,
Francisco Soares Quintas.
Rea fe, SO de Fevereiro de 1890.
Cidados Drs. Guedes e S Lima.Em respos
la a vossa carta em que me propoodes quesitos
relativos a fados passados na nile de 16 do
correte, na Nova Hamburgo, tenho a dizer vos
que es ti ve oesse estabelecimento at 1 e 1/2 hora
a madrugada da referida noite e nem vi algum
de vos durante este tempo, nem mesmo ouvi di-
zer se qualquer cousa relativa a vossas pessoas.
Ficam assim respondidos negativamente todos
os quesitos de vossa carta, podendo fazer o uso
que vos convier dessa minha resposta.
8em outro assumpto,
Amigo, criado e obligado,
Alfredo Luiz Goncalves Ferreira.
Cidados Drs. Francisco Xavier Guedes Perei-
r* e Luiz de S Lima. -Estive das 9 s 10 e 1/4
4a noite de 16, Da fabrica Nova Hamburgo, jun-
tamente com outras pessoas, que retiravam se
do Club Internacional.
Er.-.m elles: Dr. Antonio Domingos Pinto, An-
dr Maria Pinbeiro. Dr. J. de Souza Reis, Joo
Raposo, commendador Joo Amorim, e Jos Joa
quim da Costa Maia.
Conversei comvosco e affirmo que nao vi em
enhu:n de vos o menor signal de embriaguez,
anda mesmo em inicio.
Alguna de meus compaaheiros tambem con-
versaran! comvosco e uada notaram.
Por isso respondo aos vossos quesitos :
Ao prmeiro, negativamente.
Ao segundo, dem.
Ao terceiro, idem.
Ao qoarto, idem.
Ao qninto, idem.
Ao sexto, nunca vos vi ebrios, nem jamis
tive noticia de que vos embriagastes.
Podis fazer de minba resposta o uso qne vos
convier.
Vosso collega,
Dr. Ferrer.
Recife, 90 de Fevereiro de 1890
Recife, 21 de Fevereiro de 1890. Srs. Drs.
Francisco Xavier Guedes Pereira e Luiz de S
Lima.Em resposta vossa carta de 19, tenbo
a dizer-vos :
qu, na noite de domingo ultimo, 16 do cor
rente, entre 9 e 1/2 e 11 horas da noite, tempo
em qne permanec na cervejaria Nova Hambur-
go, nao presenciei nenbum dos factos, a que se
referem os quesitos a 5o de vossa carta ;
que, nunca vos vi, nem tive noticia de terdes
icado em estalo de embriaguez.
Fica aisim respondida a vossa carta, e desta
minha resposta podis fazer o uso que vos
aprazrr.
Subscrevo me com toda a estima.
Altento venerador e criado,
Jos Joaquim da Cesta Ma:a.
de 1*90. Cidados viogaacas, abrindo lucta mesmo com o homens
Pereir e Luiz de S mas, morigerados como o vigario Douettes
nico republicano do Trumpho, e com o pro
prio commandante do destacamento, Rodolpho
Campos, que negou-se terminantemente a com
metter as arbitrariedades exigidas por S S.
Indignado o povo triumphense com o procedi-
mento de S. S., dirigi ao cidado governador
diversas represeotajes e do abaixo assignado
qne* boje publicamos, pedindo a demisso de
urna auioridade to arbitraria.
Este abaixo assignado e outros representares
que deixamos nesta typographla nao foram en-
tregues ao cidado governador porque, teodo so-
mente por flm livrar o povo triumphense das
arbitrariedades do Sr. Loureiro, chegaram depois
de sua demisso.
Elle nao imaginario como.o de S. S.. cujas
firmas nem ao menos foram reconheridas; e
Triumpho
No Jrna do Beeife de 15 mandn o Sr. Lou
reiro onblicar um abaixo assignado arranjado <
O qual aprsente se ao publico como vctima rer0
de perieguico iujustas. I
E? verdade que S. S. aotinathisado pela quasi
totalidade da populacho do Triumpho, e a razo
aisso muito simples.
Liberal de todos os tempos e liberal exaltads-
imo e perseguidor, o Sr. Loureiro loso que as-
omio o exercicio de delegado d'aquelle termo
desedvolveu a sua poltica de perseguices e
i podiam ser porque mu tos'dos signatarios
delle nao moram no Triumpho.
Cidado governador deste Estado de Pernara-
buco. -Os abaixo assignados proprietarios, ne
gociantes, agricultores e artistas residentes neste
termo de Triumpho, comarca de Villa Bella, Es-
tado de Pernambuco, no uso de um direito que
Ihes concedido, vem respeitosamente repre-
sentar-vos contra a nomeaco do cidado Jero-
aymo Tbeotonio da Silva Loureiro para o cargo
de delegado de polica deste Termo do Trium-
pho, digno de melbor s< rte, e pedem permissio
para expar-vos anda que suscinlamente, os
motivos qne deter.uinaram a presente represen
tefo.
Cidado go-ernador, com sorpreza viram os
abaixo assignados ebegar a esta cidade no da
23 do crrante, de volU dessa capital o cidado
Jeronymo Tneotomo da Silva Loureiro investido
do importante cargo de delegado de polica deste
iafeliz termo, e. no da seguinte assumindo o
exercicio d'aquelle cargo inauguran sua poltica
de paz. fraternidad* e conciliafo por elle to pre
misada.
A noite ordenou que urna grande ronda n-
zesse o servico da cidade, levando a panos de
freo aquelles que se desviassem da senda do
deter.
Effectirameute na noite deste mesmo da,
quando os circumstantes assistiam a Missa de
Natal, foi esta cidade testemnnha de urna scena
de canabalismo, mandada por em execuco por
aquelle desalmado delegado.
Era o caso de estar sendo espancado e espal-
deado, um cidado de nome Pedro Sobrinho,
e horas depois foi desarmado e maltratado o es-
tafeta Joo Severiano da Silva na occasio em
que procurava segu' com as malas do centro do
Estado, que sem haver commettido a mais leve
infracco de lei, tora o prmeiro destes condu
zidos a cadeia debaixo de urna boa sova, cujos
gritos e gemidos alarmaran a todos que ah se
acbavam chamando a attenco do cidado Dr.
juiz de direito interino da comarca, qne imme
diatamente dirigise a cadeia e reprehenden
severamente os autores d'aquelle criminoso pro-
cedimento.
E:s aqu, cidado governador, a quem se ar-ba
entregue os destinos da polica deste termo I E'
a um hornera do jaez do eidado Jeronymo Tbeo
tomo da Silva Loureiro, de mos prece 'entes.
que tem contra si as desatTeige, quasi feral-
mente dos povos deste e dos termos yisinbos. *j
Poder vantajosamente fazer a polica deste
lugar quem tem necessidade de ser policiado?
Poder satisfacteriameote acompanbar com
lealdade os deveres d'aquelle cargo o partidario
frentico e intransigente da situaco decahida
que s por mera especulaco e amt) fo rio poder
adberio a causa do partido republicano ?
Haver sinceridade no homem aue de volia da
capital vubzarisava que o Governo Federal havia
mandado ruzlar 21 pracas, causando com esta,
noticia desagradavel impresso aos que dt1
.inham noticia t
E' este o procedimento do actual delegado e
polica deste termo.
Os representantes, para mas cor-oborar a im
possibilidade de exercer o cidado Jerooymrf
Tneotonio da Silva Loureiro o carao de delegado
deste termo, bastara ipontar dous factos :
A senhora do Sr. Loureiro, cora provas bera
fuodadas, est sendo aecusada pelo facto do as
sassinato de Pedro ex-escravo do mesmo Lou
reiro cujea assassinato toi occasinado ne sitio
Pedreiras da propriedade do referido Silva Lou
Desl'arte, seria necessario, que sobre tudo que
se acaba de expor, se tomasse exactas in or-
macoes
Os abaixos assignados tinham justos motivos
para acreditar, que com o advento do partido re
publicano. e extincjo da velha mooarcbia, urna
nova era vinha renascer no paiz, e firmes nesta
crenca adberiram franca, e espontneamente a
nova forma de governo inaugurada no paiz, a
qoal tem como sy nbolo a legenda Liberdade
e Fra'.ernidade.
Portento, cidado gevernador, os abaixo as-
si equidade com que costumais pautar vossos actos,
esperam, que reconsiderando o acto de vosso
antecessor, vos digneis exonerar aquelle cidado
do cargo de delegado de polica deste termo, e
nomear auna pessoa, que rena as qualilades
necessarias. para o bom desempenho d'aquelle
honroso cargo, no que fareis, ao povo trium-
phense, ura acto de recta justica.
Saude e Fraternidade.
Cidade do Triumpho, 30 de Dezembro de 1889.
M-moei de Bouza Mooteiro, negociante.
Emilio da Silva Costa, negociante.
Jos Balcabino Goncalves Lima.
Joo Bfzerra Leite.
Isaas Goocalves Lima, negociante."
Jos Luiz da Silva, negociante,
Antonio Benitio Ferreira Lima.
Antonio Cesar de Lima.
Manoel Goncalves Lima, negociante.
Deodato de Souza Mooteiro, caxeiro.
Pedro Aquilones d'Arbores, artista.
Manoel de Hara e Souza Guerra, agricultor.
Biaz Francisco da Costa, caixeiro.
Feneloo Cesar Goocalves Lima, negociante.
Manoel das Virgens Lima, agricultor.
Antonio Florentino Pereira de Mello, agricultor.
Antonio Faustino de Andrade, agricultor artista.
Antonio Francisco Lima, agricultor.
Manoel Pereira Pimtntel, idem.
Joaquim de Queiroz Viaona, idem.
Claudio Jovino de Novaes, artista.
Joo Rodrigues de Souza, agricultor.
Martinho J is de Moura, dem.
Filomeno Nostom de Andrade, idem.
Jos Rodrigues da Silva, idem.
Joo Goncalves de Araujo Lima, dem-.
Aristteles Goncalves Lima, idem'-
Benjamn do Nascimento Wanderley, negoc ante.
Severiano Gomes Ferreira, agricultor.
Francisco Goncalves Lima, negociante*.
Manoel Antonio da Suva, artista.
Wenceslao Ferreira da Silva, agricultor.
Jos de Souza Mooteiro, idem,
Manoel Paulino do Nascimento. negociante
Antonio Xaner Bezerra, dem.
Joaquim Jos de Novaes, agricultor.
Antonio Alves Preira, dem.
Joaquim Alves le Moura, idem.
Joo Norato da Cruz, idem.
Leonel Alves Pereira, idem
Joo Alves Pereira, dem.
M.n-olino Alvea Pereira, idem.
i;osin Benedicto Alves Pereira; idem.
loaqnira Alves Pereira'idem.
Manoel Alves Pereira, idem.
Francisco de Mello Barbosa, idem.
Jos Antonio de Lima, idem.
Antonio Gonzaga de Mello, idem.
Joo Jos dos Santos, dem.
Joa mira Antonio de Lima, idem.
Saturnino Cordeiro de Magalbes, idem.
Hiriendo de Souza Guerra, idem.
Joo Cordeiro de Souza, dem.
Antouia de Souz Guerra, idem.
Jo3 de Souza Pereira Jnior, !idem.
Jos Cursioo de Souza Leite, dem.
Jas Moreno de Vasconcdlos, idem. <
Vicente Ferreira de Araujo, idem.
Joo Goncalves de Queiroz, neg iante.
Jos Bernardino da Silva Granja, artista.
Joaquim Freir da Costa, agricultor.
Agostiobo Feitoza de Souza, idem.
Ray-nundo Rodrigues dos Santos, idem.
Pedro Alexandrino de Figueira, dem.
Jos Lopes do Silva, idem.
Joo de Souza Leite, idem.
Agostinbo Alves Pereira, dem.
Jos Olegario de Souza, dem.
Licinio Alvec da Silva Granja, idem.
Candido Correia Lima,- idem.
Francisco Jos dos Santos, idem.
Vicente-Correia Lima, idem.
Francisco Manoel de Lima, idem.
Henrique Filippe dos Santos, idem.
ementino Furtado do Nascimento, idem.
Antonio Florencio de Souza, idem.
Jos Francisco de Lima, dem.
Alexandrino de Souza Guerra, negociante.
Genesio Urquiza de Siqueira Campos, idem.
Clandino Goocalves Lima, criador.
Jos Vital de Souza, idem.
Luiz Antonio Ribeiro de Figueredo, artista.
Joaquim da Cunha Cabral, negociante.
Carlos Ferreira da Costa, agricultor.
Bonifacio de Souza Ferraz, dem.
Joo Lino de Almeida Barros, dem.
Martiniano Ferreira da Silva, idem.
Antonio Raymundo de Sonza.
Wenceslao da Fooseca Correia, negociante.
Manoel Antonio de Souza Diniz, idem.
Jos Alves da Cunha, agricultor.
(Estavam reconhecidas as assignaturas supra
na forma da lei )
Notas de sentimento
Deus

ftj irancisco" Mendes de Andrade.
COMERCIO
Revista do Mercado
RaCSRj 21 DE FEVEBEIRO DE 18tX).
Hcave algum movimento no mercado de cam
bios, maniendo se os outros parados.
Soisa
JOTAguKS OFFICIAES DA JUNTA DOS COK
BETOEE8
Recife. 21 de feeereiro de 18!,0
Sambio sobre Londres. 90 d/v. 24 d. per 10080,
do banco.
O oresidente,
Antonio Leona *do Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Cambio
PBAC.A DO EECIFE
Os bancos adoptaram pela manh a laxa no-
minal de 2.13/4, saccando, porm, mais tarde o
English e o Banco de Pernambuco a 24 d. para
dinhdro prompto.
Nao foi offendo papel particular.
PBA5A DO BIO DE JlNEIBO
A taxa em geral foi 24 d. bancario, saccando
o London a 24 1/16 sobre a cai\a matriz.
Houve negocio em papel particular a 24 1/8.
TABELLAS AFFTXADA8
4


T
c
B.
a
w

3.
i
o
ao
a.
a
a.
B
a-
o
3
cr
es
o
I .
\

%
Se
*
o

g

2.
8 S

X
11-odo
Nao constou vendas.
A exportaco feta pela alfandega neste mez at
o da 19. constou de 1.409.216 kilos, seado.......
1.258.030 para o exterior e 151.186 para o inte-
rior.
As entradas verificadas at a data de b.ije so-
bem a 20.915 saetas, sendo por:
Barcacas..... 3-i0S Saccas
Taporea..... 176
E anda o ferimeoto producido em um indivi
do por um Uro d pistola disparado por nm
Blho do citado Loureir de nome Zenon, dera.n
em resultado que esto sendo processados no
termo da Conceico do Pianc Ao Estado da
Parahyba do Norte, nao so a mulber do cidado
Loureiro, como diversas pessoas de sua familia
VnimaeB..... 6.901
V;a-ferrea de Caruaru. 1.600
Va-ferreade S. Francisru. 2 rf
Via-ferrea deLimoeiro 6.063
Somma.
Assucar
20.923 Saccas
Os precos pagos ao agricultor, por 16 kilos, -
s seeuintes:
Tginas..... **000 a 4*600
-{raneo..... 4*000 a 6JIM>.'
Smenos..... Sil' a 340..0
Mascavado purgado 1/830 a OjO
rutos U600 a 2*000
R^ame..... 1*100 a 1*3 Ki
A exportaco feta pela alfandega neste mez at
o da 19. constou de 10.09I.41J kilos, sendo 172
para j exterior e 10.091.241 paraeinterier.
As entradas verificadas at a data de boje c-
bem a 115.033 rceos sendo por:
barcacas ....
Vapores.....
Animaes....
Via-ferrea de Caruart.
7ia-ferrea de S. Francisco,
/ia-ferrea do Limoeiro
Somma.
5,0.968 Saceos

5.160
6483 t
o 33S '
7.090
115.033 :Sccob
^CCOI
Couros
Couros salgados 370 res, e es verde* a 2J0
ris.
,/r
/ Aguardeate
Cota-se a 100*000, por pipa de 480 litros.
/
AleooJ
Cota-se a 200*000 per pipje 480 litros^
Cota-se a 55*000 por pipa de 480 litros.
Paula da Alfaneca
SKWAHA DI 17 A 22 DB PEV%BIO DB 1890
Vide o Diario de 16 dJfPevereiro
\avlos t descarga
larca nacional Beltj. varios seeros.
Barca americana Fred W. tarlon, algodo.
Barca sueca Balder, carvo.
Barca allem Schuam, varios gneros.
Brigue inglez Tulbot, bacalho
Patacho nacional U. Anna, farello.
Importado
Hiate nacional Deus te Salve, entrado de Ma-
cio em 20 do correte e consignado a Bartbolo-
meu Lourenco, manifestou:
Sal 38,400 litros ordem.
Hiale nacional Apody, chegado de Mossor em
20 do crrante e consignado a Antonio da Silva
Campos, manifestou:
Sal 200 alqueires ordem.
Exportaco
RrCIE, 20 DB FEVEBElHO DB 1890
Para o exterior
Nj vapor amencano Allianca, para N*w-
Yoik. carregaram :
Abe Slem 4 C 64,300 pelles de cab.a.
fara o mterior
No vapor nacional Una, para Cear, carre-
garam :
Amorim Irmos & C, 6 barris com 576 litros
de mel.
P. Alves 4 C, 130 saceos com 9,750 kilos de
assucar branco e 20 barris com 1,200 litros de
mel.
Maia Rezende, 65 barricas com 7 210 kilo
i \
:osrae de Magalbes, agricultor.
Vicente Sabino de Magalhes, idem.
Antonio Pereira do Nascimento, idem.
Joio andido de Lima, idem.
Possidonio Medeiros de Guimares, idem.
Kldrcntino Pereira da Silva, idem.
Jos de Souza Almeida, idem.
Satyro Gomes da Silva, idem.
Francisco Leonilo de Magalbes, idem.
Joo da Costa T idem.
Manoel da Costa Ferreira, idem.
Jo- Monteiro de Magalbes, idem.
Manoel Mariinc de S, idem.
Francisco Pcixoto de Maria, idem.
Antonio Germano da Costa, iiem.
Joaquim Pereira da Silva, idem.
Hr-nrique Correia Lima, idem.
Roberto Salustiano Pereira, idem
Joaquim Rodrigues da Fonseca, idem.
Manoel Ignacio da Silva, idem.
Francisco Nunes Gjuveia, dem.
de assucar branco e 80 volumes ram 6,918 ditos
de dito mascavado.
Para Aracaty, carregaram : ....
F. M. da Silva 4 C, 1 calxa com 40 kilos de
oleo de ricino.
P. Alves C, 33 barricas com 3,691 kilos de
assucar branco.
Na barca nacional Bslty, para Rio de Ja
neiro, carregaram : ..,
A. V. de Barros, 500 saceos com 30.000 kilos
de assucar mascavado.
.4. C. Moreira Das, 15 pipas com 7,200 litio
de agurdente. .
- No lugar inglez Creyhouni, para Rio Gran
e do Sul, carreaou :
A. Guimares, 800 barricas com 75,322 kilos
du assucar branco.
No Iftgar nacional Loyo, paca Rao Grande
do Sul, carregaram :
Amorim Irmos 4 C, 910 saceos com 68,250
kilos de assucar branco.
R. Pessoa, 200 saceos com 15,000 ki'.os de
assucar branco.
No cnler aguarary, para Maco, arre
gou :
M. J. Pessoa, 10 saceos com farinha de man-
dioca.
- No cter Olivara, para Mossor, carrega-
ram :
A. da Silva Medeiros, 10 barricas com 600
kilos de assucar mascavado e 1 barril com 90
I ui-d agurdente.
da Silva, 22 barris com 1,000 litros de
o hiate Keriquily,
Oliveira 4 C, 7 barricas
assucar refinado.
para Natal, carrega-
com 487 kilos de
Reudimeutos pblicos
Renda eral
Do da 1 a 20
dem de 21
MBZ DB PKVBREIBO
Alfandega
573:651*486
24457*435
' ;
Renda do Estado de Pernambuco
598:108*911
Do da 1 a 20
idem de 21
120.190*248
3919*036
124:109*284
Somma total 722:218*205
Segunda seceo da Alfandega de Pernambuco,
21 de Fevereiro de 1890.
O thesoureiroFlorencio Domingues.
O chefe da seceoCicero B. de Mello.
Reeebedorla geral
Do da i a 20
idem de 21
36:455*265
4:466*280
40.921*345
ktecebedor a do Estado de
Pernambuco
Do cia 1 a 20
Iium de 21
20:907*492
1:924*055
22.811*547
I&ecifc- Oral i
Do dia 1 a 20 2:921*754
dem de 21 315*380
age
3:237*134
Mercado Municipal de S. *os
O ,:.ovimento deste mercado no dia 20 de Fe-
vereiro foi o seguinte :
Entraram :
17 1/2 bois pesando 2,255 kilos.
e a Repblica
n
Vamos a entrar em o nosso assumpto, j que
to longa digresso nos levou todo o paseado ar
ligo.
Occupava me dos correligionarios da rep-
blica que foram os maiores agitadores dos ulti
idos tempos da monarchia, parque lamentara in
por ser eu to republicano, nao sendo como
elles, atheu, e peior anda, por ser ebristo e ca
tbolico.
Sao elles de tres especies, estes senhores que
netram a Dens e que portante sao seos inimigos.
Elles sao ons perversos, ontro3 tolos, e os l-
timos sao os cegos no meio das luzes, das. letr.s
que cultivara, reaes ou inculcadas.
As duas primeiras especies sao dos inimigos
de Deus, que propagan: e pratkv.au de publico o
atheismo.
Destas a primeira dos perversos, os maiores
e mais terriveis inimigos da sociedade, de toda
a humanidade, que a querera sem Deus, sera o
seu amor, sem o seu temor, para depr.ival-a e
elles a explorares fcilmente para sua lascivia
e todos os polutos prazeres.
Os tolos sao os pedantes, innocentes, que, nada
saben lo, fallara por ouvirem fallar os perversos,
esses que elles tejn era coala de sabios, para
como taes serera tambem tidos.
A outra especie de lbeos nao perversa,
porque, embora por seu orgulho, nao encontr
Deus em suas pesquisas, julgando assim o ho-
rnera o prmeiro dos entes que a materia, era
sua forja expoitanea, creara, concedem que as
sociedades humanas, ao menos anda por agora,
nao podem vi ver sem Deua.
Nao sao estes os pt-rversos anda, porque do
em sua vida prava de su i moralidade, qual s
podem ser adaptados os seus sentimentos, por
tercra sido educados nos principios da moral;
porque essa educa rao leve1 por base o principio
de ura poder divin, o temor e o amor d*, Deua.
Por mais raoralisados, porm, qne sejam os desta
especie de atheus. sao iacapazes de resistir s
(grandes.tenta;6cs, s fortes presses.
Elles s podem ser homens de bem, emquanto
^)ara islo nao for preciso fazer um sacrificio.
No entanto sc tambem inimigos de Bvus, em
bora sem a tolice e a perversidade dos outres :
porque juliam os homens deuses; porquanto se
Julgara, os nicos entes de inteigeocla e von-
larie
Assim como o homem tem intelligencia e me
morh. limitadas, nao pode baver outro ente
s<*melhante a elle, de intelligencia e memoria
absoluta. Assim como elle pratica sus aceces
segundo essa vontade, nao pode haver outro
ente de vontade absoluta, de vontade sem limite
E' como pensam os inimigos de Deus, os que
uo sao os perver os porque receberara de seus
pas educaco sob o pnacisro do temor e do
amor de D*-us.
Elles se julgara os priraeiros entes, mas nao
se comprehenriem nem explicar se poden, nem
como a natureza,digo mu, que para elles a
materia uo creada)nao explicara como a
745 kilos de peixe a 20 ris
'49 cargas con farinha a 200 rs.
8 ditas de fructas d versas a 300 rs.
33 1/2 columnas a 600 rs.
72 taboleiros a 200 rs,
11 suinos a 200 rs.
1 e8criptorio a 300 rs.
60 compartimentos com farinha a 500
rs.
28 ditos de comidas a 500 rs.
99 ditos de legumes e fazendas a
400 rs.
17 ditos de suinos a 700 rs.
9 ditos de fressuras a 600 rs.
.10 ditos de camares a 200 rs.
29 talhos a 2*
144900
95SO0
2*100
20*100
14*400
2*200
300
30*000
14*000
39*600
11*900
54400
2*000
38*000
Reodimento de 1 a 19 do crrente
225000
4:275*420
4:500*420
Precos do dia:
Carne verde de 3 SO a 480 ris o kilo.
Suinos de 520 a 560 ris dem;
Carneiro de 640 a 800 idem
farinha de 480 a 560 ris a cuia.
Milho de 420 a 490 ris idem
Fcuo de 900 a 1*200 dem.
Vapores a entrar
HEZ DE FEVEREIRO
8ul.......... p. do Grao Para... 22
Sul........... AlUanga.......... 2*
24
25
26
26
r,
26
26
27
27
4 h.
5 h.
4 h
5 h
10 h
4 h
5 b
4 h
Norte......... Espirito Santo
Norte........ Ptrapama.........
Sul........... Vle de Pernambuco.
Sul..,........ Brania..........
Europa...... VMe de Baha.....
Europa....... Esnol.............
Europa....... Szechenye.........
None......... Advance..........
Sul........... Manos...........
Vapores a sabir
MEZ DE FEVEREIRO
Babia e esc... P. da Grao Para... 24 as
Sul.......... Espirito Santo...... 24 as
New-York-----Allianca-----."..... 25 as
Baha e esc .. Jacahype..........' 26 as
Lverpool.....Brttania.......... 26 as
Sant03 e esc.. Esnol............. 27 as
Norte.......Mandos.......... 27 as
Santos e esc Advance.......... 28 as
BANCO Sl'L-AMEHiaSO
Capital 20,000:000^000
33Ra do Commercio38
Desconta letras e coatas assiguadas.
Adianta dinheiro sobre cauco de ttulos e
mercaderas e abre centas correntes com garan-
ta oos "mesmos effeitos.
Recebe em Deposito ttulos e valores.
Faz movimento de ,'undos de praca a praga e
concede cartas de crdito, abono e nanga.
Paga em conta crrante de movimento 3 % a
anno.
Recebe dinheiro a prazo fixo ou por aviso.a
juro convencionado.
E faz outras operacOes bancarias.
Movimento do porto
1 Navio entrado no da 21
Fernand) de Noronha40 horas, vapor nacional
Jacuhype, de 382 toneladas, commandante Es-
toves Jnior, equipagem 30, em lastro; a Com-
panhia Pernambucana.
Navio sahido no mesmo dia
BarbadosBarca americana S. R. Lyman, capi
to A, Pinkham, em lastro.
materia bruta sem intelligencia nem vontade,
pode organisar. o humem, por exeraplo.
Como Bemhatellfgencia nem vontade. ella forma
o homem com cada origem para sen nm, o cora
cao para receber o sangne que Ibe fornece o es
toraago, apparelho cbiraico, que o extrabe da
alimentaco, assim da agua como dos manjares,
os denles para triturar a alimentaco e prepa-
ral-a para a digestao do estomago : o paladar
para excitar o apptite a aceitar as iguarias ; a
fome e a sede para obngar o rnraem, todo o
animal a alimentarse e a prever se dos meios
pelo trabalho; os pulmoes para purificar o san
gue pelo oxigenio que este apparelho extrabe do
ar, o qual o recrbe de sesuodo a segundo pela
respiraco, esta funeco espontanea do organis-
mo, como muitas outras.
A circulado do sangue que, impellido pelo
coraco para as arterias, a levar a alimentaco e
a vida a cada parte componente do corpo, volta
pelos outros vasos depois de ter prestado este
servigo, a se juntar e purificarse de novo nos
pulines com o novo sangue.
A lingua para dizer a oalavra e commuaicar o
5ensamento e formaros lagos que constituem os
rneos em sociedade.
O mechanismo do o -gao da vista, que o homem
qoaodo quer augmentar-lhe* forca, faz ou con
strue um instrumento a imitaco do mesmo or-
go.
Como sem vontade e intelligencia construir,
pois, o olho, com todo o mechaoismo com que e
cranoslo, sem o qual nao preencher a o seu
lira?
Como anda col locar a luz sem a qual o meca-
nismo do olho seria intil, nem vi vera a planta ?
Como construir o ouvido com o pirfeitoma-
chanisrao, sem o qual oo proiuziria elle a au-
digo 1
Como tudo isso sem iatelligencia e vontade ?
Como produzira a materia este orgSo sera o
ar que preeochs anda outros lins, por outros
etleitos que prodoz, o da purilicacao do sao jue
pela respiraco, a cbamma, a alimentaco do
fogo, a pressao para o equilibrio dos corpos, o
ar que embebe a agua e suspende e eleva os
vapores, sustenta e conduza3 nuvens, pelo calor
do sol que o rarefaz e forma pelo desequilibrio
suas mu correntes, corad as dos mares e as dos
ocanos pela mesma causal
Como a combinara j de todos estes phenomc
nos, sea, a creaco'dessas pecas de tanto equi
librio, cora as virtudes adaptadas a taes fins,
sem um tira proposio, sem uaia vontade sem a
i niel li .'enca dcllas ?
Analysc quem sabe o organismo que eu nao
si u nedico. nao sei anatoma nem as demais
sciencias pelas quass se explica lodo este me
enanismo cora que construido o lionera, e di
gara me como pode essa construr.gu dar se pela
a cao espontanea da raaterii, sem urna vonudi-
manifesta, de urna intenco, de um a :io. de ura
lira?
Varaos de vagar neste lo grandioso como ne
ees-ario assumpto; pois que nesta trra de roa
cacos, que era tudo lera sido at boje e uo sei
quando deixar de ser, nesta trra d macacos
e de preguica de cultu-a seria das letras, s se
quer inculcar saber swii trabalho nem amor ad
estudo.
Vamos combater os perversos, confundir os
presurapfosos, espancar o? impostores, desven
dar os ogos que de tod.i esta tarefa a parle
mais diffil ; porque sera Deus nao ba sent
raen'o era amor, nao ba virtu le alguma moral
ou cvica, nao ha n-ra pjdor, nem sociedade bu
mana alguma.
Varaes, pois, de vagar. (
Recife-Feereira, 1890.
Affonso de Albuquerque Vello.
Adeus a Goyanna
Offerejida a meus paes, roaos, amigos
e a briosa mocidade govanuense
(IMITACAO)
Adeus Goyanna, adeus Banhado e pranto
Triste.e penoso, qual da c'ruja o canto,
Me separo de ti;
Vendo sandoso, o barco era novas salsas
Buscando novos cos, e novas plagas,
Plagas que nunca vi.
Adeus Goyanna, adeus E' meia noile ;
A mansa brisa fiorma com seu acoite
U'a saudosa cauco ;
O mar enta um hyrano de saudades
E ao co unido l na iramensidade
Contempla a criago.
Adeus, Goyanna, adeus! Por sobre o monte
Como de loura virge' a pura fronte
Risonha a la ;,pp'rece ;
E, qual gentil donzella val formosa
Beijar a linda foote que medroza
Murmura doce prece.
Adeus, Goyanna qu'rida. adeus I Nao se,
S'inda ditoso, alegre gosarei
Ver teus dourados cos;
Adens meus paes. amitros, mocidade
E meus irmos adeus I... qu' atroz saudade-
Deus, Goyanna, adeus I
Candido Duarte.
Auxilios lavoura
Pereira arneiro & C. continuara, autorisados
pelo Banco do Brasil, A conceder emprestimos
i lavoura das provincias de Pernambuco, Ala-
goas,Parahyba c Rio Grande do Norte, mediante
as condiges de que os interessados serao infor-
mados no escriptorio ra do Commercio n. 6
das 11 horas da manh as 2 da tarde.
Fallecimeota
Victima de urna contago intestinal fallecen
em sua fazenda Gado Biabo da comarca de S.
Beoto, no da 14 do crrante as 10 horas da
noite, o cidado Lino Ribeiro d'Andrade.
A sua norte causou geral e desagradavel sen-
sago aos habitantes u'aquella comarca, onde
era DasUnte ertimado e contava grande numera
de amigos, quesoube conquistar pelas excellen-
tes qualidades deque era dotado. A sociedade,
em cura seio abrra.se ura vacuo dfficil de ser
preenchido, muito perdeu com o seu desappa-
reciraeato, pjrque a ella sempre prestou muitos
e valiosos servigos.
O cidado Lino era exemplar e estremoso pai
de familia. Como amigo nunca outro Ibe exce-
deu em dedicago. Como candoso a sua bolsa
eslava sempre aberta aos necessitados, nunca
regateando um obulo ao indigente que a ella re-
corra, sendo que era por isso considerado pai
da pobreza. ,
Gasava elle em (im de legitima influenda,
pelo que a sua casa era quasi que diariamente
frequeotada, nao ; por amigos como por desco-
ohecidos que locavam em sua fizenda encontran-
do sempre a mais franca e leal hospitalidade.
\o sen sabimento compareceram o Dr juiz de
direito da comarca, professor publico, muitos
amigos e pesso?s gradas da localidade Ao
deicer o cadver ao tmulo o pretessorlpublico
Paula Rocha recitou um eloqueute discurso no
qual patenteou as virtudes que ornamentavam o
carcter de lo dislincto quo prestimoso ci-
dado
Paz a su'alma e os mais sentidos pezames a
sua desolada familia.
Collegio de Nussa Senhora
da Piedade
Na Ladeira do Varadouro em Olinda
n. 31
Directora Slargarida Alves
Vianna
Este collegio. de educacSo paro o sexo
feminino e meninos de tenra idade, abri
as suas aulas no dia 15 do mez passado
continua a admittiralumnas internas, meio-
pensionistas e externas, mediante urna
mdica pensao.
A casa em que elle'funcciona, rene to-
das as condiges hygienieas, sendo bea
a alimeata9So que se d s jovens educan-
das.
A par da educagSo physica, a moral ea
inteilectual estSo cargo da directora e
de um corpo docente habilitado.
Ensiaam se primeiras letras, hnguas por-
tuguesa, franceza e ingleza, arithmetica,
geographia, msica, piano e canto, alm de
costura uhil, bordados, etc.
S5o pn>fessore8 d collegio os Dra. JaS
Baptista Begueira Costa, Cicero Odn Pe-
regrino da Silva, a Ex na. D. Angela Gui-
inarSes e o maestro Candido Filho
\3o naja equivoco
N fji o abaixo assignado, servente da se-
cretaria da extincta Asserabla Legislativa Pro-
vincial deste Estado, quem foi recolhido Casa
de Deteogo oo dia 18 deste mez ; segundo o of-
flcio de 19 do mesrao, do cidado Dr. cnefe de
polica, outro de igual nome. lsto declaro
para evitar qualquer duvida que possa apparu-
cer.
Recife, 21 de Fevereiro de 1890.
Sarcolino los dos Santos.
Ao commercio
Jos Antonio Pilro, nico representante da
firma Jos Antonio Pilro A Irmo, communica
ao respeitayel corpo do commercio que desde o
Io de Janeiro do corFente anno admitlio 'para
socios de sua casa commercial Praga da Inde-
pendencia ns. 31. 33 e 35. oa Srs. Francisco de
Azevedo Pilro e Joaquim d'Oliveira Maio, con
turnando o negocio sob a antiga firma, da qual
ficam todos responsaveis.
Recife0 21 de Fevereiro de 1890.
Boa Viagem
O abaixo assignado declara ao rcspeitavel pu
buco que pessoa alguma compre a propriedade
Malta Cavallo, em Boa Viagem, nem os objectos
da casa e movis a Sra. L'-'onarda de Siqueira
Cavalcante, porque esta senhora nada ahi lera e
nem nada ahi po3sue, porquanto esto nullas as
compras e os compradores me ho de restituir
nem s os objectos e movis raptados pela mesma
senhora como a propriedade, c desde j pede ao
r. subdelegado qne examine estes negocios
por allf^BOrquc ih consta que j ha objectos
vendidos e lhe pede que Ih'os restilua.
. t Padre Francisco los Alves.
Cidadaja governador
Os operarios das^aapatazias d'Alfandega nao
esquecem nunca o beneficio que V. Exc se
dignou fazer-Ibes, considerando validos os das
estabelecides como feriados neste Estado.
Asim, pois, agradecen! cordialmenle e fazem
arden tes votos pela saude e prosperidade do
eminente cidado general Jo3 Simeo de Oli-
veira
Recife, 212-90.
Os operarios das capatazias do Estado de Per-
nambuco.
Dr. Silva Leal
CLNICA MEDICO CIBUBGICA
Consultorio e residencia rna do Livramento
n. 6 Io andar. Consultas das 11 s 3 .horas da
tarde. Chamados a qualquer hora, por escripto
Prngramma
da testa do glorioso Santo Amaro ds Sa-
linas que se venera em sua capella das
Salinas.
Cuinta-feira, 20 do corrente, pelas
horas da tarde, ao som das bandas musi
caes do 2o balalhao de infantera e da
dos menores de Arsenal de Guerra, Ber
hasteado o estandarte, comejando em se-
guida o Triduo, que terminar queiman-
do-se um pequeo, mas bem elaborado fo-
go artificial e subirSo aos ares lindos
aerstatos.
Sabbado 22, ao maio dia, urna salva de
vinte e um tiros, diversas gyrandolas de
logo do ar os raaviosos sons de escolbi-
das pecas exeutadas pela banda do 2o ba-
talliSu annun ianto a vespera da festa do
Glorioso Santo Amaro.
Ao toque d'alvorada do dia 23, urna ao-
va salva e diversas gyrandolas estrugindo
os ares despertarlo os habitantes de Santo
Amaro das Salinas annunciando-lhes o dia
em que se celebra a festa do seu glorioso
padroeiro.
A's 11 horas do dia comegar a festa,
o ruciando o Rvm. Sr. vi gario Augusto
Franklin Moreira da Silva; ao evangelbo
oceup; r a tribuna sagrada o eloquente
pregador Rvd. padre Manoel Antonio Al-
vares da Cunha, que em brilhante discur-
so far o panegyrico da solemmdade.
A o .'diestra acha-se cargo do nosso ir-
mlo protessor Lydio P. Santiago d'Oli-
veira.
Antes e depois da festa a banda de mu-
sica do 2o batalhao desempenhar escolia-
das pegas, subindo ao ar uica salva e di-
versas gyrandolas, bem como soltarse ha
um lindo balao.
A' tarde, no espagoso largo da capella
que se achara vistosamente embandeirado,
estar expesta concurrencia dos fiis de-
votos urna bem preparada kermesse de im-
portantes e lindas prendas, offertadas pe-
los devotos do glorioso Santo Amaro, para
o seu producto ser applicado mesma
festa.
SerSo executados tambem diversos e ar-
riscados trabalhos gymnasticos da escola
moderna, saltos mortaes, luta romana e
equilibrio, por habis artistas, em cujos
intervallos tecar lindas pecaB do seu re-
pertorio a mesma banda de msica, subin-
do ao ar lindos aerstatos.
A's 7 horas da noite entrar a ladainha
solemne precedida de sermao, pelo mesmo
pregador da festa. t .
Em seguida sera arreado o estandarte,
que ser entregue nova juiza.
Terminar esta grande festa se que-
mando um grande e variado fogo artificial
feito a capricho e com a ascengo de um
Boberbo aerstato que fender os ares des-
prendendo chammas elctricas.
O grande pateo ser Iluminado por di-
versos focos de elctrica, tornando se as-
sim de effeito deslumbrante.
A companhia Ferro Carril expedir car-
ros extraordinarios durante o dia, augmen-
tando os tarde e noite.
Consistorio, 19 de Fevereiro de 1890.
O secretario,
A. M. da Silva.
O advogado Jos Antonio de
Magalbes Bastos, voltou para o
sou antigo escriptorio ra
Duque de Caxias, n. 66, 1.
andar.
u
v
Ai
-
.' v.
.
f .

t
'
' ""
ttm


I
'
'


i
Diario de PerpambucoSabbado 22 de Fevereiro de 1890
Grande Cervejaria i TDr. Alfredo Gaspar
Caf Jardini
Departamento &* ftmv* II nm
burgo
A O PUBLICO
A administrado deste. vasto estabelecimento
industrial e recreativo, se confessa eummamea
.te para com o Ilustrado, sera, re brioso publico
desta capital, pela espontaneidade com que af-
fluio aos festejos nos quatro das do carnaval
deste anuo.
E, sendo enormissima a concurrencia, alta-
mente louvavel o modo digno e correcto por que
se bouveram as illuslres autoridades para a ma-
nutenco da boa ordem, que era nada foi altera-
da, pelo que ihes igualmente grata.
De boje, 22 de Fevereiro em dianle, e a pedi-
do geral da illustre mocidade pernambucana,
baver diariamente variadas aiversOes, eitre as
quaes e sempre que desejarem aos
Sabbados,
Domingos,
Tercas e
Quintas-feiras
Esplendidos bailes e patinacao. e tudo isto com
entrada gratis /
para o que, se acba mensalmente contrariada a
excellente banda de msica do Arseual de Guer-
ra.
Servico deReslaurant sempre a contento.
Bebidas geladas e refrescos, tudo de 1* qua-
lldade.
Portas francas e livres entradas a todas as
pessoas que se acharem regularmente vestidas.
Pede se que, para boa ordem do servico, que
tanto importa a commodidade do respeitavel pu
Mico, que seja manlido o regulamento policial.
AVISO
A administraco deste estabelecimento fran
queando snas portas ao publico para todos os
festejos que all se promovam fo-a dos dias de
carnaval, o faz no intuito de conciliar seus de
sejos oe bem servir e ser agradavel, mxime
na poca lifflcil que se atravtssa e n'uma cida-
de que a primeira do norte dos Estados-Uni
dos do Bras I, e em que este estabelecimento 6
o nico que est as condices e capacidade
como ponto de distracces.para todas as classes
sociaes, 'Jiesmo as m nos abastadas.
A' No va Hamburgo!
Ao Caf Jardim!!
E viva a briosa e ilustrada mocidade pernam-
bucana 11
Bronehlte aguda ou chroica
O Peitoral de Cambar o melhor rr-
medio.
V. 3 1
Salsaparrllha de Brlstol
Trinta annos de triumphntes resulta-
dos teem outorgado este antisptico ve-
getal urna reputado incommensuravel-
mente superior todos quantos se conhe-
cem para a cura das escrfulas e de todas
as mais claeses de enfermidades ulcerosas
e eruptivas. Os mdicos os mais acredi-
tados e experien'es, os periodistas e os
escriptores de medicina, sao testemunhas
vivas de sua eficacia quasi maravilhosa
Tem salvado e contina a salvar as vidas
e os membros de milhares de pessas
Ella at o dia de boje nunca foi adminis
trada]em vao, nem at raesmo nesses casos
reputados como desesperados ou incura
veis. E, o nico remedio para as escr-
fulas, erysipela, herpes, cbagas as per-
nas, abscessos, cancros, tumores, enfermi-
dades sypbiliticas e mercuriaes, e toda a
casta de erupc.oes cutneas.
Acha-se venda em todas as partes do
mundo, em todas as principaes lojas de
drogas e boticas.
Tuhcrcalose pulmonar
Cura garantida pelo Peitoral de Cam
bar.
S>r. Sanares
be ilcito
Medico formado pela
Faculdade do Rio de
Janeiro, tendo-se dedi-
cado com especialidade
j therapeutica moderna
'das molestias de pelk
e syphilis, na PoHclini- i
ca geral da corte, cargo
do Dr. Silva Araujo,
onde servio como seu
ajudante ; d consultas
de meio dia s 3 horas,
no 1. andar da casan.
15 do largo do Corpo
Santo, e recebe chama-
dos a 'qualquer hora em
sua residencia, ra do
Visconde de Coyanna
d. 1*5.
*;

MEDICO '
Operador, parteiro trata com especiali
dado de molestias de senboras e ereancas
Consultorio e residencia na da impe
ratris n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhS.
Chamados (por escripto) a qualquer hora
TELBPHONB S. 226
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, ecusta,
ex-chefe de clinica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no 1*
andar da casa n. 51 4 ra do
Baro da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Sctem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Ingles e Francez
Cursos ra da Aurora, n. 37, 2.' an
dar.
Advocada crime
RIBEIRO DA SILVA, defende perante o
jury de Palmares, Agua-Preta. Samelleira,
Escada, Jaboato, Naiareth. Victoria, Tim-
ban ba e as comarcas visinhas s vas
frreas.
Pode ser procurado ra i* de Marco
n. 7 A.Livraria Parisiense.

MEDICO HOMEPATA
Dr. Balthaza? da Silveira
Especial idadefebre, molestias
das enancas, dos orgaos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
aum
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Bario da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
I
Leonor Porto
Ra Larga do Rosarlo nu-j
mero )
SEGUNDO ANDAR V
Contina a executar os mais difficeis j i
figurines receidos de Londres, Pariz,< .
Lisboa e Rio de Janeiro. IJ
Prima em perfeicSo de costaras, em i 1
em brevidade, modicidade em precos
fino gosto.
c>;cx:
gffF
0 Dr. Eroiirio Ctilinhft,
de volU de sua vagem a Europa, on-
de se dedicou especialmente ao es-
udo das molestias do systema ner-
voso, lixou sua residencia e consul-
torio ra da Aurore, n. 8*.
Consultas de meio dia s 2 horas.
TELEPHONE N. 367

is&*-.
==m
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
nado pela Universidade de Maryland not
* atados-Unidos,tem aberto o seu cnsul
torio, na ra Bario do Victoria 18, 1* s
lar. V
Consultas das 10 s 4 Waa da tarde.
an-
i
Advpgado
2S.-WL0SCALS0BES0SA
Mu Jo o seu escriptorio para a ra do
Imprwior n. 32. pr.meiro andar, onde
pode ser procurado de 10 da manh s
i da tarde.
K
Residencia Roa Imperial n. 148
TelepKrae n. 102.
&-----------------^
JULIO SOASES SS AZEVEJO
PROFES80K PARTICULAR
Lecciona primeiras lettras, em casas
particulares a ambos os sexos, qner na
cidade, quer fora della, por precos :a-
soaveis.
Pide ser procurado todos os dias das
3 horas da tarde em diante, no becco
das Barreiras n. 23, defronte do Dr.
Curio-
Garante um rpido adiaatamento.
Tosse convulsa! coqueluche
Nao deis enanca sena o Peitoral de
Oambar.

EDITAES
Em virtude do que dispoe o art. 66 do re-
gulamento que baixou com o decreto n. 9.554 de
3 de Fevereiro de 1886. a Inspectora Geral de
Hygiene faz publico, pelo praso ie 8 dia?, que o
cidado Salustiano Beierra de Pontes Ihe diripio
a seguinle pellco, cora documentos que satisfa-
zem as exigencias do art. 65 do citado regla-
melo :
Diz Salustiano Bezerra de Pontes, que, ten
do a necessaria pralica de botica, vem solicitar
de V. Exc. a necessaria licenea para que possa
abrir um estabelerimento dessa natureza na
villa de Ouricury, do Estado de Pernambuco.
Como veri V. Exc. dos documentos juntos,
nao s o fupplicante se mostra habilitado para
o Hm requerido, como prova a falta de botica
naquella localidade. em lugar central, e alias
populoso.
O documento que respeito ofivrecc. e um
iticslado da respectiva Cmara Municipal. E
a3sim preenchidas as mais formalidades legaes
que no caso se requerem, o supplicante pede
deferimento.E. R. M. salustiano Bezeira ie
Pontet. Corte, 20 de Outubro de 1889 Sobre
umi estampilha de 200 rs.
E declara que, se nesse prszo, nenhum phar
maceutico formado lhe communicar ou Iaspe-
ctoria de Hjgiene do Estado de Pernambuco, a
resoluto de esubelecer pharmacia na citada
localidade, conceder aopratico a 0s*;a reque-
Inspectoria Geral de Hygien, 9 de Janeiro de
1890Dr. Pedro Alfonso ie Capxho, secretario
0 onselno da Intendencia' Municipal de Olinda
em virtude da !ei, etc.
Faz constar a todo3 os pofsuidores de terre
nos foreiros a esta Intendencia, nao s os que
se acham situados no inuni :ipio de Olinda, como
nos outros municipios, qut lhes fica marcado o
proso.de 30 dias, para virem a secretaria desta
mesma Intendencia recolherem todos seus de
bitos provenientes de foros, sob as penas da
lei-
E para que cheeue ao conhecimento de todos,
mandn affixar o presente edital, na porta do
edificio e publicar pelo Dtarw.
Paco da Intendencia Municipal de Olinda, u
de Fevereiro de 1890. .
Dr. Albino L. Meira de Vasconcelos,
Presidente.
Jos Marcolino da Fonsecf. Manguinho,
Secretario.
O conselho de Intendencia Municipal
da cidade de Olinda, em virtude da
lei etc.
Fas constar a quem interessar possa
que estar em hasta publica para ser ar-
rematado por aforamento, nos das 27 do
corrente, 6 e 13 de Mar?o prximo vm-
douro, o terreno sito na travessa de S.
Pedro Apostlo, por traz do acougue pu
blico, tendo as seguintes dimensSea : lado
do Nascente (frenti') 22 metros e 50 cen-
timetros, fundo 17 metros e 30 centmetros
a encontrar os pan dSes do acougue pu-
blico, sob a base de 20 ris o palmo,
sendo o proponente obrigado a trazer dita
travessa em completo asseio.
Os pretendenles poderlo comparecemos
referidos dias no Pago da Intendencia
Municipal deste cidade.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandn publicar o presente edital
pelo Diario e afxar na porta do edificio.
Pago da Intendencia Municipal de Ohn
da, 20 de Fevereiro, de 1890
Dr. Albino OonQid<:e8 M. de Vasconcelios.
Presidente.
Jos Marcolino da Fonseca Manguinho.
Derby Club de Per-
nambuco
De accordo com o art 16 2- dos estatutos,
f ao convidados os senbores accionistas a se
reunirem em assembla geral no dia 14 de cor
\ rente, ao meio dia, na secretaria da sociedade,
ama do Imperador n. 2a, 1- andar, afim de
tomarem conhecimento de urna proposta cobre
interesse flnanceiro da sociedade.
Secretaria do Derby. Clnb de Pernambnco, 17
de Fevereiro de 1890.
O secretario,
Jos de Olwetra Castro.
Obras Publicas
De ordem do cidado engeobeiro director e em
virtude da autonsacao do cidado marechal go-
vernador d'cstc Estado, comida em officb de 15
do correnle, fajo cubltco que no dia 15 de Margo
prximo vindouro recebem se propostas, emear
tas fechadas, competentemente selladas e com as
respectivas lirmas recoohecidas, para a execuclo
dos reparos do agude do povoado de L>goa do
Carro, na comarca de Nazaretb, orgadas em
2:206*705.
As propostas devero declarar o prego pelo
quai se obrigam os licitantes a executar a obra,
como o local de sua residencia e as habilitagoes
que possuam para dirigir os trabamos, as quaes
serSoabrtas ao meio dia. em presenta dos pro
ponentes.
Havendo duas pu mais propostas em completa
iguldade de condigoes, serao chamados os pro
ponentes para declarar quaes as moditicagOes
que fazem. atim de celebrar se o contracto com
aquplle que Ozer modificagoes mais vantajosas
Nao scrao acceitas as propostas nos seguintes
casos : %
1* As que excederem dos precos do orga
ment.
2o As que no forem orgaoisadas de accordo
cora o presente edital. ^
3 As que no offerecerem garantas exi-
gidas.
4* As que se basearem sobre os presos das
propostas dos outros concurrentes.
5* As que forem apresentadas por pessoas que
ja tenbara deixado de cumprir contractos cele
brados com a repartigo.
O orgamento relativo a obra, as clausulas ge-
raes e e^peciaes do contracto e mais condigOes
serao franqueadas n'esta secretaria ao exame dos
concurrentes.
Para concorrer praga cima dever&o os lici-.
tantea depositar n'esta repartilo, na \espera do
dia da arrematagao, das 9 s 3 horas da tarde, a
quantia de 110*333, equivalente a 5 % do valor
do respectivo orgamento.
Secretarla da Directora de Obras Publicas, em
19 de Fevereiro de 1890.
0 engenbeiro ajudante.
A. Reg Netto. .
S. R. C.
ciedade Recreativa Commerclal
Assembla extraordinaria em23 do corrente-
De ordem do cidado presidente, sao con-i
dados a compareserem s 4 horas da tarde te
domingo 23 do actual, os cidados consocios,
arim de procederem a eleigo da nova direc'.orfe.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
cial, 21 de Fevereiro de 1890.
0 1 secretario,
Arlbunio Vieira

Companhia Alagoana
de Fia cao e Tecido$
onvidamos aos senhores subscriptores desta
companhia para, de acord com os arta. 9 e 10
dos estatutos, realisarea at o dia 28 de Feve-
reiro a nona entrada na razo de 10 0/0 do valor
de suas aceces, no Banco de Pernambuco.
Macei, 6 de Fevereiro de 1890.
Os directores,
Jos Teix- ira Machado.
Jo^ Januario P. -e Carvalho.
Propicio Pedroso Barreto.
A REALISAR-SE NO
Dia 23 de Fevereiro de 1890
at-
Nomei
o
B
5
ellos

Natura- e
lid.
X
Cor da vesti-
menta
Proprieiarioa
aolacao800 metrosAnimaes de Pe-nambuco que nao teoham ganbo
Premios : 150*000 ae 1.. 301 ao 2. e 15*000 ao 3.'.
Pareo Co
nos prados do Recite em 1890.
Hercules
Don, ex Ma
rat........
Pekuin......
Bonaparte -..
T.lispher. ..
Donavan
Pombo Preto.
Phariseu----
Tary........
Qood m o r-
J hing.......
Petit-Maitre
Rodado
Castanho...
Rodado, i...
SS*::
Castanho
Mellado.*.,..
Rodado.......

Pera.

*
55
55
55
57
55
57
57
55
55
55
55
Verdee amarello....
Lyrio eouro.........
Verde e encarnado...
Ene. preto branco.
Grenat eouro........
Escarate e ouro.....
Branco......*.......
Branco e preto......
Branco.............
Grenat..............
Azul e encarnado ....
Jos Caetano Pinto.
Coudelaria S. Jorge.
Lu'z ir Tin i I indo.
Joaquim L. da Silveira.
Jos N. da Silva.
Frederico Allwood.
Coudelaria Victoria.
Gabriel H. Araujo.
A. Jos Pereira.
Rufino Cardoso.
Jos M. de L. Duarte.
C. C.
%." PareoPrado da 'tanoia1.800 metros. Animaes nacionaes at meio sangue.
Premfcfl'': 250*000 ao 1.-, 504000 ao 2." e 25*000 ao 3-*
( Favorita.....
Cometa.....
Fluminense.
Galilo.....
Minerva.....
Mandarim .
Buy Blas .
Zaina ... .
Alazo.y,
Alazb.iy
Rosilho-
Alazo.
Rio de Jan. 54
S. Paulo... 56
56
56
i
56
56
Azule ouro.......X.
Preto e ouro.........
Preto e ouro.........
Azul e ouro........
Azul, branco e encar. -
Rosa e preto........
Antonio Ramos.
A- C. Albuqnerque.
Joaquim da Rocha.
Coud. Frateraidade.
Coud. Cruseiro.
Cruzeiro.
Coud. Paulista.
M
4.* pareo Protpertiflide-850 metros. Animaes de Pernambuco que nao tenham gnho
no Derby em maior distancia.
Rodado
Premios: 268*600 ao Io, 40* ao 2 e 20*000 ao 3."
Colosso......
Dspota
Humilde.....
Pluto.......
Bonaparte...
Maranguape.
Boa-Vista....
Russo pedrez
Hodado......
s
Alazo..
Baio-...
55
M 55
* 55
m 55
B 57
59
55
Preto e bonet ene___
Branco e bonet ene...
BraftcU' e encarnado.
Pretp' e branco......
Ene. preto e branco
Branco........7...X
J. C. H. Cavalcante.

7. do Nascimento.
Manoel J. de Anirade.
Joaquim L. da Silveira.
Azul e amarello...... Bento B. da F. Filho.
Jos J. dos S. Jnior.
4. Pareo -Bnaalaco-800*metros Eguas de Pernambuco. Premios : 150* a 1, 30* a
2- e 15* a 3."
1

4
l 5
Odalisca.....
stella......
Ida.........
Fantina.....
Coruja......
Pampa......
Zaina.......
Rodada.....
Castanha
Rodada. ....
iPern.....I 53
1,53
: J|
. [Encarnado e branco..
IGrenat-----...*.----
fro e ouro.......
franco............
I Coruja............
Bre
Antonio J. Monea.
Rufino Cardoso.
Coudelaria S. Jorge.
M. P. de Al buque-que.
Heanque Gibson.
5. PareoVeloeldade1200 metros.Ebas estrangeiras.
a .e MfOOO a 3. *
Alaz.......Inglaterra 54
Premios : 400*000 a 1. 80*
Cynira...
Vesper ..
Dondon..
Africana
Zaina negro-
Zaina.......
R. da Prata
58.
59
56
Preto kr. e encarnado.
OuTo e branco......
E. e ouro em listas. -
Rosa e preto.......
I. L. G. Penna Jnior.
Coud. Emulago.
Coud. Alhaoga.
Coud. Paulista.
Club Commercial Euterpe
Sarao em 22 do corrente
Ingressos na sede do Clnb, das 6 s 10 horas
da noite. Nao se admitte apgregados.
Secretaria -do Clnb Commercial Euterpe, 21
de Fevereiro de 1890.-0 1 secretario,
Antonio Soare3.______
Institito Beneficente dos Offlciaes
da Cnerda Nacional
De ordem do cidado presidente, convido aos
senhores socios, prenles e amigos do fallecido
capito Antonio de Aranjo Marques, para assis-
tirem a urna mise que o Instituto manda cele-
brar no da 22 do corrente, s 7 i/2 horas da
manh, na matriz de Santo Autonio, e por cnio
motivo desde j agradece a todos, esse acto de
religio e candade.
Recife, 20 de Fevereiro de 1890.
O i. secretario,
Gaspar A. dos Reis
Empreza da estrada de ferro
/ de Ribeirao aBoito, es-
criptorio central no Re-
cife^fc*
De accordo com o -estatuido no art. 16 do de-
creto do governo provisorio de 17 de Janeiro
lindo, se declara q neste escriptorio se acha a
diposicao doa senhores accionistas, o bataneo
das contas da empreza do anno prximo paisa-
do, a relagSo dos enhores accionistas e a lista
das transferencias deaeges vencidas nmesmo
anno. Recife, 10 de Fevereiro de 1890.
Jos Bellarmino Pereira de Mello,
Gerente.
THEVTRO

DE
6." PareoAalasacoi 080 metrosAnimaes de Pernambuco. Premios: 200* ao Io,
40* ao 2o e 20* ao 3*
Maranguape. Alazo......jPern
1
5
3
4 Tupy..
5 Pombo Preto.
6Ba-Vitta....
Sans-souci...
Cauby
Baio
Castanho
Baio.........
Zaino.......
Baio........
55
55
55
55
55
00
Azul e amarello......
Ouro e branco.......
Azul e encarnado
Encarnado e branco..
Branco..............
Bento B. da F. Filho
D. A. t. L. de Mattos.
Alfredo Marques.
Francisco C. Rezende.
Coudelaria Victoria.
J. J. dos Santos Jnior.
7." Pareo-internacional-1450 metros-Animaes de qualquer paiz. Premios : 400*
ao Io, 80* ao 2, e 40* ao 3.
SABBADO 22
ESPLENDIDO BAILE
O que?... Alada
anda, sim sesiior
Eis a razo:Tendo corrido to bem os qua-
tro bailes carnavalescos dados neste theatro
O actor Augusto Peres
esolveu ainda mais nma vez proporcionar aos
amantes das folias carnavalescas um formida-
vel
Enterro dos ossos
e espera que os mesmos sobreditos cujos supra
Mencionados, concorrero com suas amaveis pre-
sentas, atim de na melhor paz e harmona fazercm
as ultimas delicias d'estes saloes.
0 theatro acha se da mesma maneira decorado,
e a mesma ORCHESTRa far as honras da
oite. *.;'
AO THEATRO
A' FOLIA
AO PRAZER
Cavalbeiros 1*000
Damas gratis.
Principiar s 9 horas.
Africana....
Salvatus...
Eiffel.....
6 (Zaina........IR. da Prataj 54 |Rosa e preto.........iCoud. Paulista.
6 Alazo......Franga..... 56 Azuleouro..........[Coudelaria Cruzeiro.
..| I 54 IV. eouro em listras. ICoudelana Eiffel.
4 IZaino.
Arremata c,o
No dia 7 de Fevereiro ser arrematado o enge-
nho Jaguaribe, sito no termo da Escada, por
20:000* ; quem quizer fazer acquisigo de urna
boa propriedade, che^ada a occasio Muito
commodo por distar meia legua da cidade, ter-
reno muito frtil e contiguo ao engenho central
de Firmeza.
A praga ser na casa das audiencias pelas 9
horas da manh do indicado dia cima.
Fica transferida essa praga para o dia 12jdo
corrente, por impedimento do juiz substituto que
funecionou no fei'o. j
Nao podendo ter lugar a praga designada para
o dia 12 foi de novo transferida para o dia 25
do corrente as mesmas horas.__________I
Thesouraria de Fazendas
VENDA DE CALQADO
De ordem do Sr. inspector e de conforraidade
com o ofcio do cidado Governador do Estado,
d 15 do correrte, scrao vendidos em basta pn
blica no da 27 do corrente, s 11 horas da ma-
nh, perante a justa de Fazenda desta Thesou
raria, 12,513 pares de sapatos fabricados no
presi lio de Fernando de Norenha os quaes se
achara deposita os no Arsenal de Guerra, onde
podero ser examinados pelos ioteressados.
Thesouraria de Fazenda do Estado de Per
nrmbuco, 21 de Fevereiro de 890.
0 secretario da junta,
Dr. Antonio Joi de Sant'Anna.
Obras publicas
De ordem do cidado eogenheiro director e em
virtude da autorisagaO do cidado marecbal go-
vernador d'este Estado, de 19 do corrente, lago
publico que no dia 15 de Margo prximo vindou-
ro recebem se propostas em cartas fechadas para
a execugio dos reparos da ponte do Pontal na
ilha de Itamarac, oreados em 4:065*187.
As propostas devem s?r competentemente sel-
ladas, assignadas pelos licitantes com as firmas
reconhecias e devero declarar o prego pelo
qual se obrigam a executar a obra, como o local
de sua residencia e as babilitages que possuam
para dirigir os trabamos, as q-iaes serao abertas
ao meio dia em presenga dos proponentes.
Havendo duas ou mais propostas em completa
iguldade de condigOes sero chamados os pro-
ponentes para declarar quaes as modilkac5es
que fazem afim de celebrar-se o contracto com
aquelle que maiores vantagens offerecer.
N5o sero acceitas as propostas nos Beguintes
casos:
1. As que excederem dos pregos do orga-
mento ;
2. As que nao forem orgaoisadas de accordo
com o presente edital:
3" As que nao offerecerem as garantas exigi-
das ;
4.' As que se basearem sobre os pregos das
propestas dos outros concurrentes;
5. As que forem apresentadas por pessoas
que j tenham' duixado de cumprir contractos
celebrados coa a repartigo.
0 orgamento e mais condgCes do contracto
achamse n'esta secretaria, onde pojem ser exa
minados peles pretendeotcs.
Para concner praga cima, devero os lici-
tantes depositar n'esta repartigo, na vespera do
dia da arrematagao. das 9 s 3 horas da tarde, a
quantia de 203*259, equivalente a 5'|. do valor
do respectivo orcamento.
Secretaria da Directora das Obras Publicas
em 21 de Fevereiro de 1890.
0 engenheiro ajudante,
A. Reg Netto.
03BSDe3a,vjLg03es
Os animaes inscriptos para o f pareo devem\char-se no ensilhamento s
1[2 horas da manha
O primeiro paieo sera reaiisaao as
Os forfait* s terJo receidos at sabbado '2
O primeiro paieo sera realisado s 11 horas, impreterivelmente.
.-x u:j-----tx ..VI..J- > 0 corrente, at 3 horas da
tarde.
O expediente desta corrida encerrar-se-ha sabbado, 22 de Fevereiro de 1890
as 3 horas da tarde.
O SECRETARIO,
MARTIMOS
____________
CAMPO GRANDE

IV;
A
TL
PROJECTO M INSCMPCAO
Para a 11 corrida a reaiisar-se DomingOr 2 de
Marco ^il\I89l,W
> EMULAOAO 800 metro% Eguas Jde Pernambuco^ podendo
entrar pequiras at lm, 30m no mnjo.
15^ao
.nimaes' oe
f
150)5000 ao pri-
.
PREMIOS
i, 305000 ao segundo e 15iJ080jao terceiro.
PAREO ENSAIO 800 metros. Animaes'le Pernambueo qde nao tenham
ganho n'estes 4 mezes no Hippodrom.* premios : 20CiJQP0 ao pri-
3-
.
e.
9.
meiro, 40^000 ao segundo e 201000 o l^ceiro.
PAREO IMPRENSA 1.100 metros. Animaes de, PernambDCO. premios
200i5(>00 ao primeiro, 40(5000 ao segundo e 201000 ao terceiro.
PAREO TRILHOS URBANOS 1.400 metros Animaes nacionaes de mi
sangue. premios: 3OO0GOO ao primeiro, 60(5O0Q'ao segundo'e
ao terceiro.
PAREOVELOCIDADE 850 metros. Anpiaes pungas que nao tenham
ganho em 1890 no Hippodromo. PREMIOS : 200)5000 aoVprimeiro,
40)5000 ao segundo 20)J0O0ao terceiro.
PAREO HIPPODROMO X) CAMPO GRANDE 1.609 metros. Ani-
maes de qualquer paiz. premi< s : 500)5003 ao primeiro, 100)5000
ao segundo e 50)5000 ao terceiro.
PARE*) ANIM \CO 850 metros. Animaes de Pernambuco que nao te-
nham ganho em distancia superior a 900 metros nos prados do Recife.
premios : 200/5000 ao primeiro, 40)5000 ao segundo e 20)5000 ao
terceiro.
Observacoes
Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam corrram pelo menos cinco
animaes de tres proprietarios differentes.
Nao serao acceitas as propostas que nao vierem acampanhadas das respectivas
entradas. ,
A directora reserva o direito de alterar a collocagao dos pareos.
A inscripc2o encerrar-se-ha terca feira, 25 do corrente, s 6 horas da tarde
na secretaria do Hippodromo, ra do Imperador n. 55, 1. andar.
Recife, 21 de Fevereiro de 1890.
O SECRETARIO,
Souza Carvalho.
COMPANHIA PEBNAHIl'CANA
DE
avegaco coste!ra por vapor
PORTOS DO SUL
Sacei, Penedo, Aracaju e Baha
O yapor Jacuhjpe
Commandante Esteves
Segu no dia 26 de Fevereiro s
5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 25.
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12____________^_
Pacific Steam Navigation
Compaa
STRAITSOFMAGELLAN LDE
O paquete Britania
Espera-se do sul at o dia
26 de Fevereiro e seguir,
depois da demora do costn-
me para Liverpool por
Lisboa, Bordeara e Plymouth
Para carga, passageiros, encommendas e di-
aheiro a freie: trata-se com os
AGENTES
WiisoD, Sons & C, Limited
14RA DO COMMERCIO14
Roy al Mail Steam Packet
Company
O paquete Trent
Espera-se da Europa at o dia i d >
.Margo, seguindo depois da demo-
ra do costume para
Balda, Rio de Janeiro. Mantos.
Montevideo e Buenos-Ajres
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor Tamar
E' esperado do sul no dia 2 de Mar-
vereiro, seguindo depois da demora
necessaria para
Lisboa, Yigo, Santhampton e Antuerpia
Rduccao de passagtns
Ida Ida e volta
A. Lisboa 1* classe 4 20 30
k outhamptonl'classe tK SU
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-ee
eos os
AGENTES
\:morim Irmos & C.
N. 3Ra do Bon JessN. 3
4

*
t

m

">
'



"
-% *'


Diario de feri.amhino--Sabbado 22 *ie Fevereiro de J890
^
i
;
CHARGEURS REUNS*
Cnp>akU
DE
\avejcacio a vapor
Liaba quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro *
Santo*.
O vapor
Ville de Babia
Commandante Esnol
E" esperado da Europa at o dia
26 de Fevereiro segundo depois
ia i r> dispensa ve 1 demora para a
ua, tiio de Janeiro e Santos
ftoga-se os Srs. Importadores de carga peler
vapores desta linha, queiram apreseatar dentn
de 6 das a contar do da descarga das alvarenga*
qnalquer reclamar ao conoernentea volnmes que
porveutara teaham seguido para os portos do
snl afim de se podei dar a lempo as previ
dencias oecessarias.
Expirado o reierido praio a companhia nao se
reaponsaDilisa por extravos.
Para carga, passagens, encqmmendas e di
abeiro a frete : trata-se com c
4ugisle Labille
< RA DO OOMMEROIO 9
Companhia BrasiJeira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO SUL
Vapor Espirito-Santo
Commandante (arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do oor
te*at o dia 54 de Fevereiro e de-
pois da demora indispensavel
seguir para ot portos do su!
lo cu. iuuieuda8 sero recebidas so trapicb*
lirbosa at I bora da tarde do dia da sahidA
Para carga, passagens, e ncommendas e valo-
res rata-ae com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor IVfanos
Commandante o Io tenente Guilherme
Waddington
E' esperado dos portos do snl
ate da 27 de Fevereiro e se-
'tuindo depoit da demora indis-
Spensavel para of portos do nor-
;e ale ji.u,... .
As encommendas s serio recebidas na agen
ca ata 1 bora da tarde; do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo
es irata-se com os
Pereira Carneiro & C.
*=Rua do Commercio=fi
lo andar
Jompanhia Bahiana de Na-
vegado Vapor
Macei, V illa-Nova, Penedo, Araca-
j> Estancia e Babia
O VAPOR
Principie do Grao-Para
Commandante Lacerda
Seguir para os
portos cima
indicado no dia
24 do crreme as
4 horas da tarde
PanTcarga. passagens, encommendas e dinbei
*t a frete trata-se com o
AGENTE
'j'edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17
Uoited States and Brazil
M.S.S.C.
O vapor Allianqa
E' esperado dos portos ao
sul at o dia 24 se Feverei-
ro o qual depois da de
mora necessana seguir
para o
aranhio, Para, Barbados. 8.
Thoaaaz, Martlalque e \ew-
York.
Para passagens carga, encommendas e di-
Aeiro a frete. trata-se : com os AGENTES.
. O vapor A d van ce
E' esperado de NewYork
at o dia 27 de Fevereirc
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
aTshla. Rio de Janeiro e Manioc
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a frete trata-se com os
Heory Forster & C.
8Ra do Commoeiar8
1* andar
Agente Brito
Leilao
Da taverna e gneros sita ra Larga do
Rosar o n 1
0 agente cima, a mandado do llusire cidado
Dr. juiz de direito especial do commercio e a
rt-qut-i nnenio du cidado Jjs Joaquim >a marcos
levar a leilao a urmacio e mais geoems exis-
tentes na taverna silo a ra Larga do Rosario
D. 1, em um t- lote, ou retobadamente.
Meguada-felra, *4 do corrate
A's 101/2 horas em ponto
Agente Slepple
2. leilao definitivo
De mu to bous ctsas terreaa em boas fre-
guezias de Santo Antonio, e Boa Vista
Terca-fel ra S5 do corrale
A's 11 horas em punto
No armazem ra do Imperador n. 39
O agente Stepple por mandudo e assisteucia
do Exm. Sr. Dr juiz le dreito privativo de or
pbos e aus ntes, a requerale.ito du tmor da
menor Mana Isabel de Mor.es Viegas. levara a
leilao :
Duas casas terreas de ns. 24 26, ra de
Paulino Cmara, ouir'oru Gamboa do Carino
com com modos-para fau ilia.
Duas casa- terreas de ns. 3 e 41 ra da
Conceicao, freguezia da Boa Vista; todas estas
em solo loreiro.
Os Srs. preiendent+s desde j podem exami-
nar as referidas casas.
$0 ORpyj,
PARA O CABELLO.
AVISOS DIVERSOS
ie urna boa cosinheira
armazem.
Precisa-se
do Vigario o. 5
Precisa se de orna ama ;
n. 19, fabrica
na ra
na ruadoRangel
Precisa-se de ama boa cosinheira ; a tra
tar na ra da Soledarie n. 82.
Precisa se de urna ama para cuidar de
criancas ; no Comiobo Novo, defronte da es
taco.
Precisa-se deum caixeiro com pratica e de
boa conducta ; na ra Visconde de Inbantna n
41. aniiga do Ranee ^_______
Precisase de um copeiro
sandu n. 19
na ra do Pay
A luga-se a casa n. 83 ra do Hospicio,
em buril estado e commodos para grande fa
milia.___________________________
Alugam se casas calada e pintadas no-
ando? de S Goncalo, a 84000; a tratar na ra
la Imperatrir n. *6._______
Alugam se o 1- e 2- andares da casa n. 43i
ra Visconde de Inbama, com agua e com
modos para familia ; as chaves no andar terreo.
Faz se negocio com a loja da ra do Cabu-
g n. 2-C, propna para miudezas, deposito,
joias ou outro qnalquer negocio, ptima locali
dade ; a tratar na mesma.
No corredor do Bi*po n. 21, precisa se de
urna ama para andar com urna cruncinba.
Santos Lima, a pessoa ainda est a es
pera. ________ _____________
0. D A. A. A., ha oais de ciaco metes que
manda esp-rar e ainda se e-t i espera.
0 Sr. Joaquim Heuriques de S Barreto
ficou de apparecer, boje j sao 21, e nada; lan
ca semao deste meio porque nao se pule fallar
na reparlico e nem se acba em casa.
Attencao
Compramse algumas aeeoe- dacompanhia da
estrada de erro do Recife i O inda e neberibe ;
na ra I).re.a n. 81, te dir queui quer.
Pedid
Pede se ao Sr. Augusto Stepple para levar no
vamenle a leilao a cara do Caxog.
Muitos pretendentes.
diliio
Perfeito e em boa saccaria, vende-se por me
nos do que em ouira qualquer parte ; no arma-
zem n 2 na Companbia rernambucana.
Convento do G'armo
Deixou de .-er cobrador dos foro- do convento
do Carmo do Kecife desde o da 20 do correte
mez usr M.noel Candi o Viegas. Carmo do
Recife 21 de Fevereiro de 18SK). Fr. Aloerto de
Santa Augusta Cabral de Va&cocicellos,
Vigain provincial.
Augmenta, Aformosea
FAZ CRESCER O CABELLO
com assombrosa rapidez.
Bolas de bilhar
(S onca)
Vende-u se na loja de msicas e instrumentos
ra Nova n. 13
Mnita atteiicSo
No becco dos Ferreiros n. 6. pregela se
recorta-se babados d<- todas as larguras.
Boa cosinheira
( Somente para os dias uteis )
Precisa se de urna, que compre e durma rora
do csiabeler.imento ; na ra Nova n. 13.
Valiosa riqueza
Mnto respetosamente a presen tara s vossa
recoohecidd'prudencia e pn.fond sabedoria a
noticia de que a cervejaLa Rosa Almaoa
infallivel na cura da enepaqueca e ataqnes he
morrboidaes e corrimeolos : venda Macharlo
& C, em grosso e a retalbo em todos os estabe
lecimentos.
8iiro $ Prata
Arthur & Desiderio com-
prajn e pagam bem.
05 Ra do Cabug3
Excellente morada
Aluga se barato, ra do Hospital Pedro 2
no lugar do C elhos, urna casa aseobradada
com agna. amitos rommodos. muito fresca e
junto oo banbo salgad). a tratar com J aquiu
Moreira leis, das 8 s 10 boras da manb, o
qual aluga tambero alli casas de 6#. 8# e 104
Cosinheira
Precisase de urna cosinheira ; na ua Conde
da Boa Vista n. 99, Caminho N vo.
Para ourives ou cigarreiro
Vende se um balean com dius flteiros e duas
tablelas ; a tratar na roa das Trincheiras n. 3.
flfc
Ana d Mllv Ferrelra
A familia da finada Anua da Silva Ferreira
convida aos p rentes e amigos para assistirem a
missa, que pelo descanco eterno d'alm* da mes-
ma fin da manda alebrar na matiz da i-oa
Vi >ia, pelas h ho as da maoha 24 do corr-ite, trigsimo dia d> fail-c iij ut 4
Attencao
Vende n se duas ;a^as terreas com bons com
modo para familia, a roa do Sjcego ; a tratar
na ra da Santa C uz n. 36.
Protesto
LEILOES
Leilao
Agente Britto
De 1 importante arnmcao de amarello,
envidrafada, e das L.zeodas constantes
na mesma a saber:
AlgodOes, bros, madapolaes, caxemiras, chi
as. cretones, cambraias, seiiros, atoalhados de
Inho e alg do. cobertores, cobertas, meias para
omens, ti ulheres e meninos, esparflbos Qa-
aella, costumes de caxemira e brim. colchas,
amtires, roupa feita. cortinados, merinos, al-
pecas, ceroulas. 1 espelbo. 2aodieiras para ke-
"ene, amerj.-atios, e (mira- mu>ta fazendas.
SABBADO 21 DB FBVERE1RJ
A's 10 1/2 horas
Ra Duque de < axias n. 69
Agente Silveira
1.* leiUo das tres partes do sobrado sito
travessa do Pocinh n. 26
ftabbado, < do corrate
A's 12 horas
No armazem ra do Imperador n 2
O agente Mlveira. por man lado e com assis-
Mocia iin lllm. Sr. Dr. juiz de orphaos e a re
fuerimenio ila i i. v. niariane de Setiast ao lo
ornes l'enn.i levara a 2* leilao as tres partes
ao referido rotirailo.
Leilao
DK BONS HBEDIO>*
0 ajenie linio, a uiantaili^dn nlustre cidad
r. juiz iiicivet, ni sBa uresenca e a requer
Bteni.i .i,, I) M.n iel J...-|U >n K Esteves, in-
veoun..ote do, ens deixa'Ms por s*os tinados
pas levara a leilao o cobrado de 2 andares -
na lui|.e ial n 6 novo, com fie ,ie oe azulejo."
SOlo pr.ipno.
Em s _u i.i leva mii- os suiii'-3 :
1 asa lerrea ama Joao Femandes Veira
a. 60.
i ileeiaw parle no sobrado de 1 andar ra
ais Tineii.ir.i- o 16.
18 inejam.a' < ni um te reno murado, rom OS
H 54 56 a na iie J.ao Pernan aouv 14O4OH0.
i b.a --.. tr-nile na Boa Viaem, rna da
Asrcra, solo prop'io
Mabbado 99 de FeTerelro
A's 11 horas
Ra uuqae de Calas o. 69
0 abaixo :>8stgnado protesta contra a venda
do extabelecimeoUi de molhados sito na estrada
do Espiobeiro. pertenceite aos Srs Ferreia
Pia(a & C, visto que sou lamb-in credor. Re
cife, 21 de Fevereiro de 1890.
Antonio Fernandes Ramos.
Ao publico
e ao Or. teuic atrita
Nao tendo nos incumbi'io o Sr. agente Brit >
a fazer leil o da armacao e fuzendas na casa da
ra Duque de uas as n. 69. onde s rnos estabe
lecidos. amo esta aonunciado no Diario e Jor
nal do Recife, pro estamos '-un ira o referido
annuncio ; e zaaa ?eja entano de S. S., como
suppomus, rogamos-lbe mais cuidado na redac-
co dus annuocios de leiloes de que o incum
birem. Recife, 2i de Fevereiro de 190.
Rodrigo Carvalbo & C.
t
Cario* de atedela
Jos de Medie.s. Alexandre de Meuicis, Fra
cisco de Mediis Jnior Alexandre Loses de
Medicis e sua mulher. Cesar Lopes de M> di i- e
Kodriues Lina <* *'.. agradecem a to las as oes-
soas que acompanharam os restos mnrtaes de
seu irmao primo e auiiito, Cario de Med cis. e
de novo as convidam a assistirem as mi por sua alma maodam rezar amanba 22 de Fe-
vereiro, as 7 1/2 boras na igreja do Divino
Espirito Santo e por este acto de religlo e
caridade se confessam desde j summamente
Hratos____________________________________
Pl LULAS
rara o tratanunto t prsmpio otra at
Molestias do estomago e dos
intestinos, molestias do ligado,
disi>epsia, indigestOes, clicas,
nauseas, diarrnea, prisao do
ventre, falta de appetite, Incom-
modos depois da comida, enxa-
quecas e dores de cabeca chroni-
cas, rheumatismo e nevralgias,
molestias da pelle, molestias pe-
ridicas das senhoras, c, alera
destas, maltas outras enfermiiladcsque se
elassifleo debaiio d urna iuflnidade de
nomes, todas porm, oriundas da mesma
causa, a saber;
Desarranjos dos orffftos de di-
gestfio e assimilaego,
donde provm a impureza e o enfraqueci-
mento do sangne, com a debilidade e con-
gestio de todos os orgos vitaes do sys-
tema.
Frocurem-se
AS PILULAS CATHARTICAS DE AYER,
PRIPARADAS PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowcll, Mass., Est.-Unidos.
Datfoadb Oaata
kmk
Precisa-Be de um i a.na para cosinha ; no pa-
t o do Livrame to n. 36
Ama
Precisa-se de urna ama para cuidar de urna
enanca; no largo da 'traga, casa caiada de
amarello.
Ama
Precisa se de urna ama para
urna casa de pequea fau ilia ;
de S. Joao, taverna do Sr Abel.
to 'o servigo de
a tratar na ra
A na
precisa se de u'a ama para casa de familia
composta de duas pessow somente. para cosi-
nhar e sabir ra ; na ra do Cuideireiro n. 4,
sobrado.
Ama
No becco da Lingoetu n. 6 precisa-se de urna
ama para casa e pequea familia, para cosi-
nbar.
A ni
i
Precisa se de urna rosinheira ou cosinheiro
bum, para casa de familia ; a tratar na ruado
Cabug n. i4. de meio dia al 2 horas,________
A na
Prerisa-se de urna ama que cosinhe e engom
oe com perfeico, para duas pessoas ; na labn
ca ra da Florentina n. 36.
Ama
Na ra da Soledade n. 52. precisa se de urna
ama para cosinhar e raais servidos de casa, e de
um m> nio para cri.ido. _________
Ama
Precisa-se de urna ama para aidar com crian-
gas : a tratar na ra la Umao n. 13.
Amas
Na ra Mrquez do Herval o. 61, sobrado,
pecsa-si- de urna eos nheira e de urna criadi
nba oara andar com um menino.
Ams
Precisa-se de urna para eogommar eoutros
servidos, e urna utra par. comprar e cosinhar:
na ra da Unio o 13.
TratameDlo radical em 6 dla.*>
DAS
BLENOKRHAOIAS AGAc
ou
CHROIVICAS
(VULGO PURGAgO)
DO HOMEH OI DA HI'LIIEM
E laeorrhas o flores brancas
Pilulas Resino Balsmicas
E
lnjecco Ant-Blenorrha^ea
PREPARADOS POR CALASANS 4 C
PRODUCTOS APPEOVAD08 PELA
INSPECTORA OERAL DE HY6DSNE
Urna serie de brilhantcs e innmeras es
periencias, coroadas sempre de bom exitt
durante dez annos, assignala a estes dout
medicamentos, usados com a dieta e dosa
gens proscriptas, o primeiro lugar entre ot
medicamentos estudados e preconisadot
para curar estas terriveis molestias.
As pilulas sao supportadas pelo estoma
go o mais delicado, pois que ellas nao im
pedem nem difficultam as funeyoes destt
orgSo.
A injeccSo anti-blenorrbagica nSo ab
solutamente irritante e por isso nao tem c
inconveniente das actualmente empregadat
e nao produz estreitamentos.
Nao publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que te
mos recebido para nao offender aos nossos
Caixeiro
, Precisa-se de um caixeiro com pratica de pa-
daria ; a tratar no pal i do Teco n. 40._______
Cosinheira
Precisa se de. urna cosinheira, na roa Viscoa-
de de Goyanna n. 4.
Aviso
Paulino de Oliveira Maia, nico importador
nesie estado do importante cognac Phaton,
tendo enonlrado em diversas casas retalnadora
as garrafas d'elle com ootro cognac ordioarissi-
mo fabricado nesta cidado. vem declarar ao pu-
blico e especialmente aos ap/eciadores do Pha-
ton. que devem exigir as garrafas que forera
i cerca ias por urna rede de fino rame de lata
I arrematada no fundo da garrafa com urna pasta
de chumbo .e com urna chapa tambem de
chumbo no meio da dia garrafa com a mar-
ca da casa La miau Fils, de Boideaux, a rolha
nr. rea ila a fogo rom o mesmo dstico, urna
capsula de chumbo verde e amarello com a
seguinte gravaco no alto : Landau Fils te
um passaro no mar) Bordeaux, sendo o rotuis
quadrado com igual inscripco e no gargalf*
ma etiqueta verde com duas estrellas.
Vende-se
urna mobilia de jara randa, composta de 12 ca-
deiras de guarnijao. 2 de bracos, 4 consolos cora
, tampo de pedra, I sof, i cadeiras de lona, i
me.-a de amarell> elstica, 2 aparadores da ines-
. ma madeira. 1 sof. 2 espreguicadciras, 1 guar-
da louca de amarello, 2 comn das de Jacaranda.
1 toilet de junco, 10 cadeiras de junco, 1 cadelra
de amarello, de balanco, 1 mesa para jogo. 3
marquezes, 10 quadros proprios para sala, 1
mesa de oinho para jantar, 1 lavatorio de jaca-
clientes, muitos dos quaes sao pessoas mu ; randa com pedra. 1 dito de amarello. 1 mesa
to conhecidas e altamente coUocadas. Para cosinha, 1 diu pequea de amarello, 3 ca-
Empregada como artigo de toilet part deiras deamarell 4 de lona- '
cular excellente preservativo contra
molestias secretas.
Modifica e faz desapparecer o mo chein
das regras.
Preparados por Calasans & C, Phar
macia Imperial, Babia.
DEPOSITO NO RECITE
Francisco Manuel da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
Gasa
Aluga-se por preyo mdico urna boa casa ;
sita na ra Luiz do Reg o 33, com quintal ex- .
tenso e arb irisado a tratar no largo do Pom-.
bal n. 1.
deira, ( guarda-comida, 1 mesa de amarell*
para escrever, 2 consolos de jaiarand com tam-
po de pedra ; a tratar na ra da iDperatriz n.
14 3- andar.
Precisa-se
) de um criado de 14 a 16 annos, para
pouca familia, e que venda na ra ; a
ra Marrillo Oias n. 131, 2* andar.
casa de
ratar na
'ataces velhos
Compra-te na ra do Cabug n. 14, relojra-
ria David.
Ferrador
Joao Ferreira Gomes, ferrador da coudelaria
Temeraria, Ierra cavallos de corrida a 64000, e
nao a 5000", dinheir j a vista.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira ; naruaVelha
numero 137.
Canarios
No a>mazem da ra de Pedro Affonso n. 6, ha
para vender grande porco de im portantes ca-
narios be I .ras e allemes. cujas precos razoaveis
se farc contorae a qual ade dos mesmos.
Para cobren cas
Urna petsoa habilitada e que d garantas, se
offerece para fazer conrancas de alugueis e ou-
tras quaesq'ier; quem pretender procure no
esenptorio do Dmrio, que se diri quem .
un i ni
PELO
Dr. Abilio Cesar Borges
BAR Al) DE 1IA. AlillUS
NOVA EDICAO
Correcta e augmentada de 32 pequeos e interessantes artigos sobre conbe-
cimentos elementares muito uteis para enriquecer a memoria e a intelligencia dos
meninos com grande copia de termos e de ideas, e para despertar nos mesmos o es-
pirito de observacSo.
NOVO PRIMEIRO LIYROM HESMO AUTOR
Completamente reformadoe o terceiro Iivro, a venda com grandes abate-
cimentos na
Livraria de F. P. Boulitreau
Successor de ti L.apri A C.
46Ra do Imperador- -46
Amas
Precisa-se de duus amas, sendo urna para cu
siiihar e a cuta para sala ; a tratar ni ra Du-
que de Casias ns. 62 e 64.
t
Antonio de Araujo Marquen
Anoa Cordeiro de Aiaujo Marques, mi e ir
ruaos, agradecem a todos aquelles que se ig-
naram acompannar os restos mortaes de sen
prez;, do mando, cenro e cu a hado sua ultima
morada, e veem de novo pedir aos seus paren
tes c amigos, assim <-omo a.-s parentes e amiao-
do fall ci io. para assistirem as missas que man
dam rezar na matriz da Boa Vista, no ola 22 do
cr rente tetimo do seu pagamento, pe|.j que
ilesde jh se c-niessam sninmameute gratos.
Anis
Precisa se de urna co-mheira, e rma ootra
para andar con duas crianzas na ra Conde
da Boa-Vista n. TO. nttgo Caminho Novo.
AJn^a-s
o 2-andar e pavimenta terreo do-obrado sito
ra do Imperador ti. 27 a tratar na ra Fr-
mosa n. 8.
luga-se
l
Uhina Carass
N(8 abaixo assignados, pronrietarios da Usina
Caiass, em Barreiros, atiestamos que o Sr.
Emilio Dol, engeoheiro a casa Mariolle Pin
guet, de 6'. Quentiu. Franca, e represe it.nte da
dita casa como succes-or do Sr. Tbejdole Bro
cheton cumprio fielmente todas as obrigacoes
cootruc ads por seu predece.-sor sobre mate
nal. qnalidade. capacida to d)! apparelhos. bem assim termos veri lirado
o reodimento das cao as e no.. qualidade4os
productos Recife, 21 de Fevereiro de 18a0.
Cunta Va .concellos & C
A o commercio
O abaixo assutnado declara que desde o dia
19 do i-orr nte deixou de ser sau empregado o
r. zidoro Al ves Pitlo, pelo que nai seres
pmanlifa por qnalquer transa (ao feita pelo
uieJmo. Re.-ife, 22 de Fevereiro de 1890.
Matiue. A ves Pitlo.
Candida unir de Oliveira
nato
! annive sano
Domingos Teixeira Basto seus Albos, genros
e notas, convidam aos seus prenles e pessoa-
amigas p ra ssistirem a- mi-sas que manoam
rezar por alma de sua mulher. mi si.yra
^Candida G(.me> de Oliveira Basto, na igreja d
Soledade, s 7 1/2 horas do da 26 do corr- nt..
I- anniversario de seu fell cimento Conf
-. m se agradecidos.
\o commercio
A ilonio Ger.ildo Cuelho participa ao publico e
com espe itdidaiie ao commercio, 1|ue da- esta dala deixaram de ,-er seus empregados os
Srs Ruhno Hermog-nes do R-ko Freir e va-
a I Ferreira dos Sanio Pnneulel. Limoeiro
20 de Fevereiro de 18U0.
Sitio
Vend! se um sitio ora prop rc&es par urna
familia regular, rom toas as i-oiuuir didades f
tran8|iorie peito da cidade, s.idio, basiame ter-
leim e bem a tatuado a rasa nova ; infor-
magOs a ra da Umao n. 54
_^.,
i osinheira
Precisa se de urna que cosinhe bem. seja ma-
triculada e que durma era casa dos patioes, para
ea-a de familia, na roa Conde da Boa-Vista, n
24 F portao dr ferro._______________________
Ra Mrquez de Olinda
Sr. Luiz Ferreira da Cruz j est disposto a
pagar sua letra? J faz anno e meio.

t
t
Jote
O O
Caetano Bapilata
ll|li
Francisca Cordeiro Bapi su dos Santos mi e
irmos convidam ais seus auiio> e uaruiiies
assim como aos parentes e amigos do seu talle
cido marido, em e cunhido para'assistirem
a missa que maodam rezar pelo nescanco de
suj alma, no da 24 do crrenle, oo cunve.iio do
Carmo, s 7 hora* damanhS, pe o que desde ja
e confessam gratos
Tkereza de leftus Fonsec
O inajur J s Marcel no Alves da Fon
seca e seus tilhos, agradecem do intimo
d'alma a tod que tiversm a b idde de acouipanhar
at o cemiterio de Santo Amaro, us res os
moitaesdesu^ muitu pregad e et-t-emecid-*
tilha e irmS Theiezade Jesus Fonfeca,
e os convidam para uvirem a missa qu
pelo eterno desc^n.o de sua alma, man
dum resar no da 'Jo d crrente mes,
pe I-a 7 horas d manha, na igreja dus
Remedios; e por este acto e reiigiito e
caridade Be cotifeiso summamente pe-
n horada*.
Carlota D. du Maulo* Inu- gard
lo Uopidu biurcina e sua urna rouvn m
aos parei.tes eami*!0> para as>istireii) a- tni-sas
di stimo di- do na amento de sua prezada
mi La ordem 3 de S Francisco, sabbadu 22
do crreme, s 8 horas.
o sobrado da ra ervasio Pires n. 18, com
agua e gaz a tratar com Temporal Filhos,
ra do Bom Jesns n. 57. ____________
Aluga-se
a rasa n. 121 a ra da aurora, com commodos
para grande familia, tendo agua e gaz, jardim
bem plantado e u ais mn grande quintal mura-
do ; a tratar na ra Duque de Casias n. 74, 1'
andar. ____________^_________
a Jugam se
duas casas em O'in la. sendo urna na rnadeS-
Hento n 3, e oujra na roa Ib rao de Tacaruna n.
27 ; a iraiar em Olnda com oSr. Francisco Pa
heco Suares, ma de S Bento n 17, e no Re
cife, ra Maaquez de Olioda n. 41. armazem.
Alugam se
as duas pequeas casa" a travessa da ra Bella
ns 14 e 16, est pintadas e atadas de novo ;
tratar na ru. larga d i Rasar io n. 34, botica.
[\a Loja das Tres Portas
(AO 20)-f ^!?B^=g31-(AO 20)
Urna duzia. de lencos finos, em caixa, por j Urna peca de cambraia de salpicos braa-
2i5500. eos e de cores por 45000.
Urna peca de esguiUo de algodSo bom porjUm metro de atoalhado de linbo parda
AJu^fiie barato
Ra da Roda ns. 58 e 60
Largo do Mercado loja u. 17.
Becco do Campello n. 1,1* andar
Loja do -utiraiio do becco do Calabouco n. 4
Kua do Nogueira n. 13.
Vtsconde Goyanna n. 163 com agua e gaz.
Traversa do armo, loja n. 10.
Becc" do Tambi n. 2l
^ tratar .. rus iit Counuerio u. S, 1* ane^
scriptono de Silva iuirnara A C.
p A M eu^ao
OSr. Francisco viaiiotl da S Iva Gu-mo pre
c sa appareci-r a m i Duq ie le Cax.as n 25.
Atlengdo
Vendem se piie. fui eugenhos Tamoat
ine.iim e i oque i ru, itus na 'marca da Victo
ra ; b m como o 8>ar -i" d nm andar n. 57 da
. lia 1 upen. I da me- na ci la ; a tratar na ra
lara do Rosario n. 10 1 andar.
i
I ra do
Precisa se de um ciado pira sitio ; a tratar
no Mjnieini Ccisa do Sr Candido Al oforado. oo
na ra da lmp>-ral' iz n. 9, 2- andar, de meio
dia s 3 horas da la de,

VMit-UMbMlHrtS
SV55O0.
Urna peca de cambraia Victoria regular
por 25800.
Urna grinalda e veo para uoiva por 75000,
85 00 e 95O0U.
Um espartilho fino com um toque de mofo
de 125000 por 5500.
Urna duzia de metas finas para homem
por 5500t', 65*00 e 75000.
Um chambre de cretone, cores fixas, a
45500, 55000, 65000 e 7 000.
Urna Guarnico de crochet braneo e ma-
t isa do por 7500o.
Um colcha de cor por 25000.
Urna sahida de baile por 25000.
Um covado de cachemira de listra de 25
por 15200 (duas larguras).
Una duzia de ceroulas de bramante de
algodao por 145 K>i.
Um corte de cambraia bordada por 1850 0
( branco)
Um covado de cretone voile por 40U rs.,
barato.
Urna toalha para banho 15500.
Um covado de fustao branco, padroes bo-
nitos, a 360 e 6i>0 rs
Urna duzia de toalhas para rosto por
H55u0, 4 *)00 e &00d
Um leque transparente por 25>00.
Uiua peua.de mada^olao americano com
24 jardas por 650.
Um covado de fia. ella branca por 400 rs.,
de la.
Urna peca de bico brnco, .cor lisa, mati
sado e creme por 25oO e H50o0.
Urna duzia ne camisas ailemaes por 365
C' m e sem collarinbo
Um cortinato de crochet para janella por
75000.
com matizes brancos a 35000.
Urna duzia de meias de senhora, em caixai
de madeira, por 1250uO.
Um corte de Hubo bordado com matizo
de cor por 1350(X).
Um covado de fus tito para roupa de ho-
mem a 800 rs.
Urna duzia de lencos com barras por
15300, barato.
Um covado de chevioth preto 25000.
Urna camisa de flanella, qualidade regalar
a 255"0.
Um metro de bramante de linho, quatr
larguras a 15600.
Um covado de gaze arrendada de urna si
cor por 5<0 rs.
Um covado de 13 amazonas por 400 rs.,
bonita.
Um casaco de Jersey ricamrnte bordad
por 65'X'O.
Um vestido para menino 45>00.
Um palitnt de seda palha 85000.
Um palitnt d alpaca prata 45500.
U guarda-p para homem 65000.
Um c rte de metim em cart3es, alta no-
vidade a 75 OO.
Um metro de bramante de algodao, qn-
tro larguras, a 15100 e 15200.
Um covado de brim pardo 280 rs.
Um c vado de crep para coberta 600 rs.
Um covado de crep de 13, 240 rs.
Um ovado de renda hespanhola con a
metr. de largura 25000.
Um covado de panno da Costa 15 00,
15* 0, 158U e 158v0.
Um metro de atoalhado branco lavrado pT
152 0.
Um truardi-p para sei.hora 105030.
Um paiitot de brim pardo 450y.
Extractos de diversos fabricantes.
Kalendarios com perfumaras.
Oaixas com perfumaras.
Roupas para banhos salgados.
J
20Ra .1.*
Jiint > ao
F tas de tod b a c es e largnras.
oreados e entremeios.
Luvas de seda.
i'lastons de cores.
e Margo20
Ittu.re
AMAliAL & C.



', *


*.




,\


.
\

*
Lliario de Pernambu*.<>- Sabbado 22 de Fevereiro H# 890
iLUirATuunic.
44-41* B4R 0H0TIIIMM4
IfaohiDa a vapor
MoHM-ias.
Rodas dagua.
Taifas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravacac
Arados.
LESTIAS do
iGngt Tiwat-Cirli>ai LE BBDK. UuiiHlMMtitMf i
ZIFCBMffiAPt%roh*^A UE fm.Ni, HinMuMlwt.Pan.Matss.nitaBBi.kl.tmtM
'lerxm.tar.o etn /raaElOT : VUlf* *. te 6U.VA T.
FABRICA DE LIVROS DE ESCRIPTURAfAO
INOAOIMIACAO MtfTAOAt

fflANOEL J. DE CQlRANDA
sa^?lis >_a& &?&
RA -*- DUQUE DE CAXIAS -*- 39 *
NUMERO TELEPHONICO 194
? 39
I
%
THES0DR0 DAS MIS VERDADEIROS
TINTURARA
8-lna de lathi s d'AIbiqnerquiN antiga ra das Flores2S
Tn"e e limpa cm a maior perteicao toda a qualidade de estofo e tazendas ere
Mofas oa em obras, chapos de feltros 011 de palha, tira o mofo de fazendas; todo <
tnbalho feito por meio de machinismo aperfeic>ado, at hoje conhecido
Tintura preta as te-cas e sextas feira tinta de cores e lavagem todos os dias

SAD? PAA TODOS.
PI LULAS HOLLOWAY
kt, r-iiuias puriflcao o Sangue, corrigen) Mas as Jesordems de Estomago s
tos lnt* Fortaleccm a saude das constituyes delicadas, e sao d'um valor incrivel paia todas as oifermidades J
peculiares ao sexo feminino em todas as edades. Para rs meninos assim como tambero para as
pessoas de idade avancada a sua efficacia e incontesiaveL
ssas medicina so pr wwa.< sement no Esubelecimento do Profes-or Hiillowav,
i8, HSW OXFORD STBEET (antes 533, Oxford Street), LO*DBES,
t vendemse em coda as pharmaclas do universo.
^TO. moradores convidrdo* re>penosamote a examinar 01 rtulos de cada caixa e Pote se nao teoca
w ^ direcsao, 533, Oxford Street, sao ralsUicaooes.
240 rs. o cev^do
Crotones lisos, francezes. cores fixas, pechincha! por 240 rs. o
'ambraia de cor, florzinhas e ramagens, a 24* rs. o dito.
covado.
Cambraias com menos larguras a i60 rs o covado.
Lautines de cor, padroes linios com um mero de largura, a 320 rs. o dito.
Cachemiras lisas e achamalotadas para vistido a 2'0 ra. o dito.
Vanedade de ar'igos que se vendem por todo preco.
2i- RA DO CRtSPO21
OLIVEIRA CAMPOS & C.
COLLARES ROYER
Electro-Magnticos
Ditos "Collares anodrmos de deouco" costra as
CONVOLSES
I Pili FACILITAR 1 DEUTICO liS CRUK1S
OsCOLLARES ROYER.conhecidos hamais
de 26 annos, sao os nicos que preserva.
realmente as creancasdas CON VULSES
ajadando ao metmo lempo a dentifo.
Para evitar aa Fulaificacdes e aa lmltacoes. istja-se que ca&m
nc ?fi?i..'0 marc'da l~abrtca la-irpem e o verdadetro nomt
F&0I11U.NG1A du CaAfilJAS ROYER, PharmaceuUco, 225,rua Saint-Mar Un,em PARS
VINHO
RtcttUdo
para
rtconttltuir
regenerar
0 organttmo
arruinado t debellar
Anemia, Chlorosis,
d Sangue, FluxO Bronco, Debi
Hitad*, Amenorrhea, Molestias do
Figado, ate. -_
Tnico Febrfugo Regenerador
QTJri Boga
Eifracfo de Carne
Hypophotphlto
PAEIS, Eoolevard de Strasbonrg, 50
em todas aa pharma :ias
J0HANN0
*
('ompleto sortimento de chapeos, capotas e gorros de fantaaia em todas a.'
qoalidfedes.
Fitas, rendas e bicc de seda e algodao de todas as cores.
Florea, plumas, passaros, algrtte e bijoiitcrfes para enfeites.
Chpele d "e'ura e castor, os mais modernos, para homens e meninos.
Recebe por todos os vapores as prime iras novidades de artigos de sei
genere de negocio.
Raphael Das & C.
2 Ra do Baro da Victoria 2
5011,800 e \%m o covado
21.RA DO CRESPO21
Merino preto trancado, duas 1,-rguras, la pura, de 500, 8 0 e 10000 o covado-
Dit- 1 vrado." preto, com ramagem, padrSes de voe a 102UO 0 dito; fa-
enii de 2 4 0.
Cachemira preta para casacos, duas larguras de 25000 e 25500 o dito.
Na RA DO CRESPO N. 21
Oliveira Campas & C
. s>^ain nm**'**'****'*****
VINHO MARIAN1 ;
OC COO DO PER
o vnraa aizab-i troa sue axyannMauao no* noapivea st Nrls. .
,hsmii> cum xtlo para emuhauv a AmsU
I
; a-T-a..vf*ss,r
tu. mmmmmmm
*~** vnaa-flssx
_
LOJA DO POVO
11Ra l, de Marco11
PASTILHAS digestivas ra^rlcada,? em
Vichy coi i os Sue.s e.v ruinaos das FonCes. Sao
de -gobl aijradavc-1 o a sua ccao e corta cou-
'.ra a Azta c oc Digestoes di I ficis-
SAES BE VICHT PARA BANHOS. Um rolo para um banbo, para a: pessoas que nao podem Ir a Vichy.
Para evitar as tmiacots exigir em todos os productos a
MARCA T3A OOACP. r>E VICHY
Em Perruiri'juco, o Prodnrtos soiiom sebio-e em casas de SULZfiR dt ROECMLIN,
35. ras da Croa; ~ Auo. lasH-LE.
Com este titulo acaba da abrir urna loja de fazeeda ra 1." de Marco n. 11 e
m proprietario convida o publico d'esta cida->e e de lora a apreciar o seu BELLO
imento. Muitas de suas fazendas sao recebidas directamente.
GRANDE NOVIDADE
Descont1 | para as compras a retalh-. do 2U5000 ptra cima.
Chites de 180, 2(K) e 220 ra. o covado.
Laa lisas, imitacao de cachemira, a 2'0 rs.
Dius lavradas, idem id m a 240 rs.
Z-phir com 75 centmetros, de largura de 80 rs. por OJO rs.
Ditos com 70 idem idem de 2"0 rs.
Ditos com 6 idem idem de 16 rs.
Corte de casemira ingleza de 35500 e 650' 0.
dem de casineta de cor de'1510 a 15400.
dem de fustS" para collete a 25400.
Um c ropleto sortiraento de fiebs. chales, capas para senhoraa, espartilh.>s,
aacias e casemira, cheviot d agonal, pret s e de cores, brins brancos e de ores, ca
isas, ceroulas, totlhas, bramante, atoaihado de 1 nho, panno da (,'osta, camisas de
flkuiella e rriiit"s ontr'-s artia;- a que enfandonho mencionar.
GILHERME CARNKffiO DA CUMA
Xarope e Pasta de Berth
UM Pharaacantioo, Lauraado paloa Hoajutaaa ate Paria.
OXaropeeaPastaBerthdeCociiHaptsra.pbssuemumaeincaciaincontestavel
nos casos de Delluxoa, Bronchites, Catarro, Asma, Molestias da Gar-
ganta, Tnaomnias, Toase nervosa e exhaustante das Molestias do Paito e
para acalmar aa Irritacdes de qualquer natureza. As pessoas que usam do
Xarope ou da Pasta Berth experimentao um somno calmo e reparador que
nanea sesruido de peso na eabeea, peda de appetlte, nem de constipacao.
as receitas especifique-se bem Xarvp* ou Pasta Berth e como garanta exija-
se a staasiomatara Berth e o Sello Aaul do Estado Prancea.
Pariz Casa ClalM A O* e por inttrmtiio de qualquer pharmaeia.
MARAVILHA CURATIVA
DO CaXr.BBJ
Dr. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
AFFSOVADA E LICENCIADA
pela Insportorio tirrnl de llycicuc do
Imperio da llrazil.
A Maravlllia Curativa remedio prornpto
para as Pisaduras, Machucaduras Cotusocs, Tor
enduras. Cortaduras, ou Laccracoas. AlIIvia a dor.
(tanca o sanguo, taz parar o uiHanimacAo. KKlua
e Inchacil", tlruodebooramento,efazsaavaterida
como por encanto. ,
A Maravilha Curativa i alllvlo promptoe
cura ra|>IUa pura vuclmauuras, escaldadura.", e
Viiri ni tuiur j do Sol, e 6 superior a qualquer outro
remedio.
A Maravilha Curativa tmpafravel para
todas as Bemoi rbaKus seja do Nariz, das uaaptsaa,
dos Pulruoes. do stomaf:o, ou ar Hcmorrhoiuas ou
Almorrelmascura.ieuipree nurMia ralba.
A Maravilha CuratlaranmadUrtoprompto
nara Dor de Denles, de ouvidos, da lace. Inriiscao
da Fare e Nevralgla.
A Maravilha Curativa oreenrsoprornpto
o precioso uara Ut,ros rlu'Uinutlcas, Al-ijao. Dore
PJgklcz lias Juntas ou Peraas.
A >lnrn> ilhn Caraliva eo grande remedio
rara EsqulDenda, AnRina. AmyKdalim luchadas ou
liiflammadassempre seguro, sempre cfflcaz.
A Maravilha Curativa de mnlto valo
como injeccao para o Catarro, a Lcucirrbea ou aa
Flores Brancas, e outros corrnentos debilitantes.
A Maravilha Curativa Impsgavel para
curar L'lreras. Cbagas antlpis. Apostemas, Pauarl-
clos. Callos, Frtelras. Joaretes e Tumores.
A Maravilha Cnrativaivinedloprompto
I>ara DlarrUea simples, e de Dlarrbea cnronlca.
A Maravilha Curativa ox.-enent<- as
EstrebarbiB e Cava liarle*, para Torcederas. Drea,
Pisadurase Esfoladuras. 'oarutes, Lacuracues, ac.
Especialidades do Dr. HoasphreTs.
Remedios Esperiflros.
f'uRDODto Maravllhoao,
Remedias r^rphilltlcoB,
ReaacdloB Vetorinarioa,
O Manual do Dr. rlumphrejs 144 paginas sobre as
Enfermldadcs e modo de cralas so da gratis, pede-
so ao seu boticario ou L
HUMPHKEV8' MKCICIKE CO.,
109 Fultea Sireet, KEV YOEK.
nico deposito para vendas em
grosso na imperial drogara de F.
Manoel da Silva 4 0.. ra Mr-
quez de Oliuda n. 23.
especficos
DO CELEBRE
Br. Humphreys e Nova York.
Em uso mate de SO annos, simples, seguros^em-
r-aaai e baratos. A venC.a as erogarlas e Pnar-
iiacias prtncipaes e mala garantidas do Mundo.
No. CURA
i Pebre, Congestao, InnammacOes ........
2 Febree Clica causadas por lx>nihrtgas....
. iolica.ChoroelnsomniadasCrlanas......
i lliarrheadeCrtau^as c Atultos...........
5. llrNi-nceria, DCres do Barriga, CoUcabiliosa
0 i'iilerinn. Colern-Morbo, Vmitos ...........
" Tu-, i onstiua o. KouquWao, Broncblte.
1),.r u<] lienrea e de Cara, o Kevrateia
9. OnrdeCabecn, Euchaijueva, Vertfcem.. .
'O '. \ i ut'iibh, Indigestao, PrlsOo de Ven&e.. ..
IpSSSU da Uegra. Escasa ou Demo-
l Leucorrbeai 'ores Brancas, Reara profusa
B. f'riiap. Toase Rouca. DUBculdadede Itespircr
il. iiere*r.ru;icoth Errsipela ..-^........
ti Kl.-.uiiiiino U,.resrlieuni.-iiicas..........
o. [v aies. .11 alelta. Febm lntermlttente........
;i licmori'hoidiji, Almorreiinaa. Internas ou
exlernas, simples ou sangrentas..,...
U. Ophthnlirrio.oiw-ftaoosoamaamai.da.
1. Cm nrro, ajurto on chronlco. peauxo........
3. Coouelr-he, Toi.sc espasmodiea.............
l. A ua, Tiracuo duiiemtoso .. .^............
. r-uiipurvv.io dsif os.Surdoi ...........
O. KerolnlaH, luchacoceeulcera.............
l. liebilidiide gera., ou physica ......
35. iv.irope5iB, 1 "'imulsx;ocs Cuida*
3S. Ki.iiMi ItSarina
Male*-tii
, .,;.usea. Vmitos. ..
crriaavlaah Clculos ou Peor
na ucxia............................Y",
SS. Impotencia, Dlillldade rrima seaBaaL.
20. ("'auriiilin--. n Bocea, ou Apnta .........
80. Incontinencia de Oarluo. Ourlnara na
Cuiufl .....................................
81 MfDBIruo';i.i ilclr.rosa. Prurito^.....:...
SI il'ilPM'n-. i-;i .'or.-icSo. PBlpltaefles. etc..
:a ,, lew. la, ai cadoeo, oottaeoral, Baile de
s.vlto .._............................
Bl. I>iphtheria. Mal maligno de aarsanta^.....
IS. CongestoesChronlcas, Dor de Canee....
O Manual do Dr. Humphreys. 144 paginas sobro
as Enf ermldades e o modo di cural-os. se da graos,
oedeapao seu bot leerlo os a
HrTMPHREY' MEDICINE CO.,
10 Fullea Street, NEW YORK.
nico deposit o para vendas em
grosso na imperial droga ra de F.
Manoel da Silva 4 O, ra Mr-
quez de 01 inda n. 23
Casa emOlindn
Cdese a quem preM-ar de banhus salpadot
urna cas na praia de S. Francisco, perto di
mar a casa tem c immodo T"""a arande fami-
lia ; a tratar no escripion > do Diurto.
Cozinheira
Precisa se de ama boa tusinht-ira para farc
lia que esta temporariaiiipn'p em CaxanKa; >
trata do esc -iptorio da companbia de bonds
2. andar para alujar
Aluga-si o st'gond andar do predi
n. 4 da ra do Vigario Tbeuorio a tn.
ctar no pavimento terreo do mesmo,
Patacoes
Compra se patacoes e outras moedas de oun
la ; no arrxazem roa do Commercio n. 4. f
"o8iheira
Precisa se de urna ama para cozinhar
no 3." andar do predio n. 42 da ra Du
3.
ue de Casias, por cima da typographi
Attenco
Para cobranca de alneoeis de predios e ho-
norarios demedeos offervee se um hornern bas-
ontemeDte coBhecido ne-ta praca, e que lam
bem ure.-ta flanea em predios para g-irantia das
robi angas que tizer. Nesta tvpograpbia se dir
quem .
Boa acquisicao
Aluga se a casa ra do Rangel n 63 c ven
de se a armacno nella existente, propria para
laverna ; a tratar no largo da Aifandega nume
rol*
Azultj
L.S
Com lindissimas core^ e desenhos variadissi
raos, encontra M' para vender um gran'le sort
ment dease artigo, proprios para frente de ca
sas, corredores, cosinhas e baoheiror; por pre
jos sem competencia oa ra do Visconde d>
Gt^yanna n io
Cinco por cent
Conam se alug ei? de casas com 3 0 0 e d)
vidas no interior da orovincia com 10 0/0, daa
do se ca'-a n ta a ambas ; na ra da Palma no
mero 4.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA'
Excede todas u outras pelo sen
perfume exquisito.
Agua i ramada de
LAYMDA INGLEZA de ATKINSON
outros muitos oonhecidos perfumes
poli -.na qualidade e odor deleitavel e
exqirlsito.
Pasta Orienta!Denles Atkiosoc
sem riral p*ra olTejar e embelecer os
deutes e preservar as genglvas.
Encontrase tm Ctsa ca todos os Neth
dantos e Fabricante
J. E ATKINSON
24, Od Bond Street, Londres
amanada Fab-w Uina" Ko-abruaca"
obre .ji Lyra de Ooro "
loro aderepo na totaHdada.
Cosinheiro
Precisa se de um -osinheiro ou cosinbeira ; >
ra o PiOfresso p. .
VENDAS
Ve.idem se dous eabnolets de dna< rodas
com arreos e um delles todo preparado de me
tal princip muit i flao, um rylindro d^ padaria
e masseira, e outros utensilios para a n esma :
traa se em Ulmda, estrada da Flores a, casa
d plvora.
- Vendem se na ra "Reai d Torre n 21
terrenos aos palmos ou em lotes, as-im como
pipa?-, toneu e cubos.
Farello superior, 42 kilos
S#j00 o sacet
Vetide

Pao centeio
Mello 4 Biset tendo receido nova remessa de
farinha centeio, avii-a aos seos freguezes que
contiouaui a fabricar este delicioso pao centeio
todas as legas e sextas-feiras ; na ra larga 10
Rosario n 40_______________
A Igreja e o Estado
Vende-se a obra completa de Ganga
nelli 8"b o titulo cima, encadernada, por
25fJ''00, e diversos volumes ; no escripto
rio des'o Pifio se dir q"' m vende.
Pd. Rog,
^^^B^aaaaaaaaaBam^B^B^^H^B^^H^'BB'^^^e
medicamento approvado pelaAca-
_ demia de Medicina de Pariz, o
verdadeiro purgante das senboras, das
enancas e das pessoas de constituicao deli-
cada. Com um vidro de P de Rog, fcil a
levar comsigo por toda parte, pode-se preparar
na occasiio necessana, urna limonada de
gosto agradavel e muito refrigerante.
O P de Rog conserva-se infinitamente sem
e alterar.
Emprega-se' o, deitando o contedo do
vidro em raeia garrafa d'agua, deixando em
contacto durante urna hora, ou melhor da
noite para o dia; rolhar a garrafa se desejar-se
ter urna limonada gazosa.
Fabricae venda por atacado: CasaL. Frere,
roa Jacob, 19, Paria. 1 varejo, em quasi
(odas as pharmacias de todos os pases.
Superior vi nho de \l~
colmea
u acreditado e antlgo armazem ao Lima par
ucipa ao publico e aos seus freguezes que acaps
le receber uuia nuva remessa deste especia
'ntiu, escolbido prupnameBte pelo chefe desu
asa, tornando-se recommendado por ser pon
de boa qualidade Jo.- Fernandes Lima 4 C
n;i Baro iN Victoria numero 3. Telenhone.143
Deposito da Companhia de
Fiaf.ao e Tecidos de Per-
nambuco
Nste deposi'o ra do Bom Je^us n. 42
vndese porpregis r, zoavei- e condigOes da
praca brins di kleodaO de cores e algiidaeWnh8
de diveisa qualidade^. e fcimbem lo dealgudao
em Bovellos.
do Diario.
Venda vantajos?
i
,Vet.de-se o pataee'e ao lado a igreja do
Bswtiin, em Olidda, com mai'o< commoios,
frrsep. noa vista, tem um pequeo sitio com
muita.< fructeirus e cacimb-i oiu aaoa abundan
ie e baja, T mbein se fz negocio com qunm
queira taaei o- reuarosquep ci-a. de-conmo
no .ili guel ; qu>-fP preteu h eul irda se com i
Iilm Sr. Sebastin Manuel dj Regu Barros, i ra
oo Imperador n 81.
PIAM
Vende- e um ptimo pia-
no, quasi novo, to au orFe-
li(peH'jnri(^ueHerv; a tra-
tar na ru da Imperairiz n.
14, loja de comisaria.
AlimentoiCriangas
Para remediar a naquera 33 crianzas,desenvulve
as suas torcas e iireseroal-as as 'lo'-iots i uladt
tenra, os prlnilpais Mdicos d.' Parts. Miembros
da Academia ;te Medleina de Pars, recettao coa
ptimotsito o vurdsJctro
Racah.iot ir* Arabas i> o!su>Frenlr, f Farl
Este agradavel anmuniii.ix)inpastr>coiii suDstiincl ai
vc^'Ctaus nut ri ti vas c fortaU ce loras divi' le.-se i >a eco
nonia tuda.e, pelas suas proprieilades an.depUcaa
aiellioraacomposlgaodoleUedasSLnhorasqueama/
mcnlo. e acorda as Torcas lnguidas do estomago
'il. ru tiiienu, Para. Depmiios oas ftaraariu4a lu*> ana
Cautelas do Monte de So.
corro
Compra-se Cautelas do Monto de Soc
corro de qualquer joia, brilhantes e r> lo-
gio, paga-se bem na roa do Cabug n
;4. u. Loja de relojoeiro.
Nopovoado da Torre
Vndese urna casa neste povoado, de pedia t
cal, ra do Bom Gosto. a tratar na roa do Se*
perador n. 45, loja de bahus do Sr. Guio-
raes.
Fabrica de
PRODUCTOS EN0L0GICO
de Ul.YSSE ROY, em Poitiers (Franga)
EmllePOUST, Suir- & Genrs
1. Perfume enantico doa Vinhos ou aobra) ___
do Medoc................os lOOfrascosi **"*-
S. Ranoio n Esaencia le Cognac, os 100 frascos 600SL
3. Perfumesparaiodoso.-Licoresos 10 frascos SOOat,
4. Esaencia de Rbum ou deTafia, os 100 irascos OQ *k
Em Pernaaruco: FRAM" M. da SIVAkCf.
Sitio
Aiusa-se ou vende se um sitio no Poco a
Panel la, junto a casa do t*i Lourero, todo mo-
rado e com bastan e- fru '.teiras dando frucje,
boa caa com commodos para grsnde familia,
qnartos independentes par. criados, cocheira,
boa agua, perto dos banhos ; quem pretende,
dirjase ao caes da Companbia Pernambncana
n 4, arnazem._____________
ASSUCAR
Na refinatjao do Saiguei-
ral, alm do melhor assucar
refinado, encontra-se tam-
bem o afamado assucar das
usinas, Colonia Isabel
Santa Filonilla. Car -
Ass.
Precps resumido;-.
22Ra Direita22
Gereaes por preco
commodo
Como wjam: mil no. reijao e fu\a>i.
Heves Pedrosa 4 C. teein pata vender a re'-
Ih ou em porcao os artigos cima, ra da Pe-
iilia n. 33, assirn como tamhem vendem farelJs
e 42 kilos a sacca por 2*500
Agua maravillosa
Com a applicaco de.-ta agua quem soffrer de
espinhas. pannos sards, femd;s e vermelb'*
do rosto, fleari perfeitamente curado, reconb*
rendo a, desse modo, como nico especifitt
ef&caz. Alem desses efleitos, tem ella a pra-
ptiedade de, tornando a cutis limpa dar-lhe^
edr natural. A oda vidn quecusta li, acoDt-
>anba a respecti 'a indic;cao do uso.
Abaixo as pomadas
Vendem Fanas Sobrinno 4 C. rua Mrquez e
Oli-'d n 41.___________^^
Bom em prego de capital
Vende-se a grande propriedade conhecida por
Armazem do Rufino, sita ra da Conceiyo *
24, concertada, caiada e pintada de novo, rei-
dendo 105000 mensaes : a tratar com Ferreia
Guimaraes 4 C, a ra Duque de Caxias n. 81,
ou na Capunga, ra das Pernatnbucanas n. 38.
Mercearia Gomparativ.
pa
a
Chegou para ste estatielecimenlo urna nova
11 me.ssa do j muito acreditado e especial i
Vinlio Douro
" qua1 se torna recommendado por ser puro e
o va das melhores procedencias do Uouro, e 3
-e realba neste e.-tabe|icm nto. ra larga de
Kosari n. 20. Marques -ubrinho C
Vapor para engenho
Vende-se urna machina a vapor de forca e
quatro cavallos. e em bom estado ; atratiiril
Ijj.i ae oliveira Campos 4 C, ra 1 de Marfe
numero 21.
_______________________________ .i
Mercearia
Vende-se a da Can boa do Carmo n. 2 ; a tra-
tar na mesma.___________________________
Vi nho puro de Sautarem
Oa quinta do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, a roa
'lo Cabuga n. 11, avisam aos seus distinctos fre-
guezes e ao respeitavel publico que recebera
nova remessa deste especial vinho, o qual se
ticommenda por ser puro da uva, e s se reta-
iba em seu armazem.
Joaquim Christovo & C
Telephone 447
Leite puro
Na estrada de Joo Feraanes Vieira, sitio lo-
o depois das casas novas da direita, vende-as
todos os das leite puro de vaccas tourinas < ds
erra, garante-se a qualidade dn leite_________^
Atten^ao
Vende-se farello do Rio da Prata, con 42 hi-
los, a 2*400 ; na roa Mrquez d i Herval n. 78.
Livraria (onterapora-
nea
initrnmentoa le mollea
Bomnardao, Oombardin, barytono, trompt
trombone, helicn saxaphone carrilon, bombo
Oaizs, pratos clarinitas flautasrabecas, violoea.
realejos, (aixas de msica, etc.. etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corredo
-es
Molduras
louradi s, pretas e aouradas para quadros.
Malas
jara viaeen, diversos formatos, especialmente,
jara rouria de senbora e camarote.
Novidades
iara presentes escnptorio. loocador, etc., ele.
RAMIRO M. COSTA 4 C.
Boa Prlmelro de Barco n. _____
Koyal Klfiid marra VIABO
Bate excellente Whisky Escocez pre-
erivel ao cognac ou airuardente de cana,
nara fortificar o corpo.
Vende-se a retalbo nos melhores arma-
zens de molhadoa.
. Pede Rojal Btend marca Vlade,
ctijo nome e emblema sao registrados para
todo Brasil
BKOWUS A O, agentes.
VERMIFUGE COLME
CHOCOLATE oom SANTONINA
Bf lUJra un aonl M HBII
late ?armilaeatncmmtaa r*
MHtsr snaiwa aaameM iadeUria, J~/
*r anUMturt:
Paria, 36. roa da Templa l m 1




-.1



ni. ,jm^ .'luyi
fna
8
Diario e PrMrabnco-Sabbado 22 de Fevereiro de 1890

,.
'-. PALACETE ERNESTO AMORIM
FROFRIETARIOS :-. CHALIE & C
53-RUA BAR40 DE S. BO:iJA-53
PERNAMBUCO
Situado a 13 minutos do Kecife na linha de bonds da Magdalena
Acaba de abrir-se este estabelecimento que, em vista dos sacrificios dos proprietarios
deve ser o primeiro n'este genero no norte dos Estados Unidos do Brazil.
Os proprietarios nao pouparam cousa alguma para que os servicos da Hospedara
eRestaurant approximem-se o mais possivei dos da Europa e dos Estados-Unidos da
America do Norte. Contrataran! para a direcco technica um especialista, o Sr. Otto
Kern, ex-inspector no Hotel Continental em PARS, e o servieo da cozinha confiado a
um cbefe de cozinha francez queja exerceu a suaprofisso na MAISON DOHEE e casa Gru-
ber, dejParis.
O Hotel Internacional tem um salo de leitura e correspondencia para os seus hospe-
des, aonde se encontrar alm das olhas diarias do paiz, as publicaces mais lidas da Euro-
pa e America do Norte, os avisos martimos e toda sorte de informaces.
O regulamento do Hotel Internacional dos mais severos e garantir toda morali-
dade que deve ser observada n'uma Casa de Penso de primeira ordem.
, PfECOS MDICOBEBIDAS DE PTIMA QIMIDADE
Da penso mensal nicamente aos moradores do Hotel, mas fornece
ALMOCOS JAIVTARES E CEIAS
A dinheiro de contado a presos fixos a la carta.
O Hotel Internacional encarrega-se de FESTAS E BANQUETES para, os quaes est adimirarelmente montado e tem salas especiaes
para este fim.
Desembarque dos passageiros e expedicao das suas bagag-ens-a direcc,o organisou um servido que com a pratica nao deixar
nada a desejar.
Os proprietarios conlam.cc/m a protecc,o de todos e esforzar-sc-ho sempre para manter o seu estabelecimento na altura desta
bella capital do Estado de Pernambuco.
Recife, 22 de Fevereiro de 1890.
E. CHALINE & C.

FOLHETIffl
ODODETGKE
POR
mi\ tessiss
*i:c.l VIIA PARTE
SROR MARA JOSK
(ContinuacSo do n. 42)
O 3r. Diniz apertoa a mo que o Sr.
Mnard lhe estendia, e sentou-se n'um fau
teuil que elle lhe offerecia.
Recebi os seus dous telegrammas,
disse o inspector, e veuho por causa do
negocio de que nellej se trata.
Perfeitamente. Nao imagina quanto
folgo de ter occasiao de fazer um pouo de
polica. Estou aqui ha cimo annos a crear
ferrugem!... O que en pego ao Sr. ins-
pector, que me disculpe de nao lhe ter
enviado mais minuciosas informacSes.
Os seus esclarecimentos foram tao
promptos quanto concludentcs. E eu nao
poda vir ao Mans sem lb'os agradecer ca-
lorosamente.
Bondade sua. Chegou agofe?
Ha um quarto de hora.
anda nlo almocou ?
Anda nao.
Faca-me entSo a honra de aceitar o
meu frugal almoco dos das ordinarios, dis-
te o Sr. Mnard com viracidade. Isso
evitar lhe ha perder tempo, e entao ao ca-
f dir-lhe-hei tudo quanto lhe interessa sa
, ber.
Com todo o gosto, responden o Sr.
Diniz, entre collegas... (O Sr. Mnard
inclinou-Be modestamente), e avista de um
convite tao amavel, seria pone o cortes re-
cusando. Aceito, pois, de todo o mea co-
racSo.
O velho ex-policia tocn a campainha e
um criadito appareceu.
Serve o al moco, ordenon o Sr. M-
nard, 'piscando o olho ao rapaz e ao mes-
mo tempo mettia lhe na mo um papel,
onde escrevera rpidamente :
Dus.8 duzas de ostras.
Ovos quentes.
Um beef com batatas.
Salada.
Queijo Chester.
Doces.
Urna garrafa de Chablis.
Duas de Saint-Julien, 1867.
No papel embrulhara o velho duas moe-
das de vinte francos.
Quando o rapaz ia a retirarse, o pa-
trab gritou-lhe, como se houvera esqne-
cido :
. Olha que has de por dous talheres,
Baptista.
Urna hora depois, o inspector e o agen-
te de negocios tinham j tomado'o seu caf
e subiam de braco dado, como velho ami
gos, a ra de Griroace.
-E' meto dia e tres quartos, dizia o
Sr. Mnard ; pode, pois, apresentar se sem :
receio no convento da Visitaeao. Eu vou i
l aeompanhal-o e, emquanto o senhor es
tiver interrogando sorur Maria Jos, irei
dar urnas voltas e depois encontrar-nos-
hemos em esa do rapazote. Chamam to-
dos Maria Jos aquella senhora; ella, po
rm, nao proessa, simplesmente pen-
sionista professora.
Neate momento chegavam ao p de um
velho"muro, que abrigiva urnas grandes
construceoes e cima do qua! se elevava
a flecha de urna capella encimada por urna
cruz.
As religiosas da ordem da Vistacao,
ainda que severameate enclausuradas, con
sagram-se educaeao de meninas, e o seu
pensionato bastante procurado.
O Sr. Mnard s diixou o seu hospede
quando este puxou a corrente da sineta do
convento.
Abrio-se um postigo, no qual appareceu
a cabeca de urna religiosa.
Sror Maria Jos? perguntou o po-
lica.
O senhor a pessoa que ella-espera
de Pariz ?
Sou, responden o Sr. Diniz..
Entreabrlo-se a porta e o inspector en-
trou no pateo.
A irmS conversa agitou urna campainha,
sfim de avisar as religiosas de que, achan-
do se um estranho no convento, tinham
que abaixar os veos.
Depois conduzio o inspector ao locuto-
rio, pedindo lhe que esperasse all.
Esse locutorio, fro como um tmulo,
com as altas paredes caiadas, onde se des-
tacavam quatro pessimas lithograp. ias co
loridas sobre assumptos do Velho Testa-
mento, era dividido em dous por urna du-
pla grade.
Do lado opposto aquello em que o Sr.
Diniz se achava, estendia-se urna espessa
cortina de sarja verde.
O inspector senttu-se.
Ao cabo de einco minutos sentio gvrar
urna fechndura ; depois a cortina corren
com um ruido estridente, e o polica vio
atravs da grade urna forma branca que se
inclinava para elle.
O Sr. Diniz approximou m.
Era urna mulher alta e magra, a queni
o trajo monacal fazia parecer ainda mjs
alta. *
A tuuca, de grandes abas, enquadrava-
lhe o rosto'de urna pallidez de cera, de
feiV3es finas e delicadas, torturadas pela
d6r e pelas prticas d clauotio.
As oobraueeirias quiyii rectas denot-Vaiii
rara energa ; o nariz aquilino, os labios
um p uco deadenhosos, os olhos grandes,
dava-ihe tudo um ar aristocrtico.
Sror Mana Jos pareca ter quando
muito quarenta annos.
Quando. o inspector se approximou della,
a religiosa cumprimentou de novo, mais
como grande s mhora do que como freir.
ao Sr. Diniz que estou fallando?
Foi da sua parte que me procuraran) ha
dias ?
Sim, minha senhora.
Queira sentar-se e dizer-me primeiro
que tudo, rogo-lh o com instancia, Be o po
bre Sr. Moulin...
Esteja tranquilla, minha senhora, in-
terrompeu o inspector, o Sr. Moulin est
livre de perigo.
Louvado soja Deus murmurou s-
ror Maria Jos profundamente comino-
vida.
Depois de hesitar por alguns segundos,
accrescentou:
prenderam o assassino ?
Ainda nSo!. Apezar de que o Sr. Mou
lin nomeou-me a pessoa de qnem sus
peita.
Oh Fez mal... Nunca se deve ac-
ensar o prximo !
Achava entao preferivel, minha se-
nhora, que elle deixasse a justica desnor-
teada e sujeita a condemnar talvez um in-
nocente ?
' Nao... isso nao Mas de quem
que elle suspeita ?...
-^ Do Sr. conde de Morlac, sen man
do, minha senhora...
O Sr. Diniz receiou ter se excedido,
apezar de haver pronunciado esta obrase
c*om urna precaucSo cheia de deferencia.
Com effeito, sror Maria Jos ergueu
se tao violentamente que fez tombar a ca-
deira.
Ao mesuio tempo affluio-lhe o sangue s
faces, que se tornaram purpureas, e um
soluco lhe embargpu a voz.
Depois chio. de joelhos, com o rosto oc
culto entre as mos crispadas, e murmu-
rou :
Ol 1 Pois o senhor sabe...
O.tr. Diniz, muito commovido, inclinou-
se pira a grade :
Pco-lhe que se- levante, minha se-
nhora, disse-Ihe elle com urna delicadeza
que nao exclua certo tom de autoridade.
T
Eu sei isso e muitas cousas mais ; fi por
isso que aqui vim. Salvei o Sr. Moulin,
e a minha esperanca e o meu desejo sao
tambem slvala senhora de todos os des-
esperos que ha tantos annos a tornam a
mais desgracada das mulheres e das mSis !
A Sra. do Morlac, ao som daquella voz
grave e amigavel, deixou de solucar e er-
gueu-se lentamente.
Quem quer que o senhor seja, sus-
pirou ella, agradeco-lhe de corac&o as suas
boas patarras.
NSo tenha pressa de me agradecer,
minha senhora : queira 1er, primeiro que
tudo, esta carta do Sr. Moulin.
A Sra. de Morlac pegn, tremendo, na
carta que lhe offerecia o Sr. Diniz e abri a.
A' medida que ia lendo, urna pungente
emoefio lha anima va o rosto e lhe fazia ar-
far o seio sob as largas pregas do ha-
bito.
Quando chegou ultima palava, olhou
para o pelicia com tao terrivel snciedade,
que este estremeceu involuntariamente,
apezar de muito acostumado a lances da-
quelles.
E elle nSo lhe disse mais nada ? per-
guntou a religiosa em voz baixa.
Elle ignora esta visita, minha se-
nhora, enao ara euqnem devia trazerasta
carta.
Queira entao explicar-se, supplico-
lh>
O Sr. Diniz narrou entao succintamente
a sror Maria Jos como fora chamado a
verificar o enveeuamento de Natty e de
Branca e em seguida o do Sr. Moulin, de
que maneira encontrara a carta e as in
ducedes que tirara della.*
Mas esses doces tinham sidos com-
prados pelo nosso jardiaeiro n'umJoja da
cidad. *
Mas o veneno fo deitado ao 'vinho.
Que veneno? perguntou a pobre mu-
lher, que estremeca a cadapalavra.
O upas, um toxico das colonias, que
fulmina instantneamente.
Admittoe peco lhe que me perde
a insistenciaque o- Sr. Moulin podesse,
inspirado em reoordacSes crueis. acensar
o Sr. de Morlac de ter commettido um cri-
me tao horrivel, porque encontr a des-
culpa dessa accusacSo n'um passado que eu
e elle conhecemos. Mas o senhor diz-me
que ao mesmo tempo mais duas pessoa?.
foram fulminadas pela mesma m3o e en
n5o vejo...
A correla{3o ? replcou o Sr. Di-
niz. E' precisamente o que motiva o pas-
so qne dei, vindo aqui.
Como assim ?
Suppuz, continuou o polica accen-
tuando as palavras eolhando fixamente pa-
ra a irma Maria Jos, que talvez, dando-
lhe alguns detalhes sobre as outras duas
victimas, a senhora podesse esclarecer a
justica.
A Sra. de Morlac murmurou:
Pergunte, senhor, que eu responde
re o que souber.
Sabe que seu marido foi a Bata vi a !
NSo, nSo sei, respondeu ella fazendo
um esforco desesperado para oceultar ao
seu interlocutor o terror, que lhe causara
aquella simples pergunta.
Ah I... A senhora est certa de que
elle nab tem conhecimento daquella ilha ?
Sim.... talvez.... creio lembrar-
me. balbuciou sror Maria Jos, tor-
nando se lvida.
Finalmente, accrescentou o inspec-
tor com urna implacavel tranquillidade, -
lhe desconhecido o nome de Van-Linden ?
A Sra. de Mora? mordeu os labios ao
ponto de fazer sangue, para reprimir um
grito que lhe ia escapando.
E, agarrando-se grade com ambas as
mos, com o olhar em fogo, ardente, trans-
figurada, perguntou:
- Oh! senhor! senhor De quem falla ?
-- Do Sr. Van-Linden, de Batavia.
E.. esse Sr. Van-Linden?
Foi envenenado como o Sr. Mou-
lin.
A religiosa bateu com a cabeca as gra-
des, que deram um som doloroso e lgu-
bre.
'. (CuKumuar-$eha)
Tyn . "


k\