Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18770

Full Text
ANNO LXV NUMERO 9^
PARA A CAPITAL E Ll'CAREW OXDE \.\0 SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantados............... ifOOO
Por seis ditos dem................ 12 Por um auno idem................ 23)5000
Cada numero avulso, do mesmo dia..... ... 1100
DOMNGi CE ABRIL DE 1889
PARA DE.VTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados ............. 13>J600
Por nove ditos idem................ 20|>000
Pdfrum annoidem......'?...........' 26)1000,
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 0100.
DIARIO DE PERNAMBUCO
*
M
-
Trcprkdade de Manoel Svgueiroa de diaria # 3%tycs
TELEGRAMMAS

3257105 BA mili SAVAS
ROMA, 27 de Abril.
S. M. o Rei da Italia partir para a Al-
lemanha no dia 20 de Maio prximo.
MADRID, 27 de Abril.
JiO Ministerio das financas <*t eotudan-
do o projec o de imposto sobre rendimen-
tos.
Agencia Hayas, fiHal em Pernambuco,
27 de Abril, de $889.
IHSTROCCO POPDLAR
AS GRANDES l\VF\IHES
ARTIGAS E MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
XIV
O vapor
(Continuaciio)
Por um invento capital. Jaymc- Watt realiaon
nesta machina urna economa de tres quartos do
combustivel emprestado. Eru vez de condensar
o vapor mesmo no interior do cylindro. fez cota-, um emprestimdjde 50:0000000 em apolices
interior a
a amortis
o apor luesiuu uu luienur uu ujmiuru, icz wui- i um empresiim ae AJ-.VljfUJUU em
municar o cyiindrp por um cano com urna caixa nhos ^ forem^ ca#*cidade nao i
separada percornda por urna crreme d agua ,' --*= ,
continua : o vapor ia liquefazer-se neste esoaco 21 de Agosto de^P, vigorando
o qual recebcu o nome de coudensador .solado.
Na machina de Newcomen assim melhorada
por Jayme Watt, o vapor so reagia na face infe
rior do embolo, para produzr a oscillagao as-
cendente deste. Com outro invento capital, Watt
criou a machina a vapor de duplo eneito. Em
vez de fazer reagir o vapor t3o gmente na face
inferior do embolo, fei-o reagir em ambas as
faces, de modo que produzisse, s pelo etreito
da sua torca elstica, os movimentos de asceiso
e descenso do embolo. Ranio por este preces-
so toda a intervencao da presso do ar nesta
nova machina, que recebeu, desde entao, da for-
ga elstica do vapor exclusivamente, o seu prin-
cipio d'acco. .
Depois de construir a machina de duplo effeito,
Watt melhorou tamban muito as differentes pe-
cas da machina a vapor. Seca entrar em por-
menores que nos levariam mui longo, bastar
dizer que Walt descobrio successivamente : 1*
o parallelogramo articulado, que serve para
transmittir a balanceiro da machina os Jous
impulsos sucessivos, resultantes da elevacao c
aBnxamento do embolo, 2o a manivella, que
serve para transformar em movimento de rota-
gao do eixo motor o movimenta de vai-vem do
embolo ; 3. o regulador de espheras, que regu-
la a entrada do vapor para o cylindro, nao dei-
xando introduzir-se mais do que o necessario
para o jogo da machina.
For esta reuniao dos meluoramentos c deseo-
bertas, em quanto aos orgos essenciaes e secun-
darios da machina a vapor, que Watt chegou
a inventar quasi todas as pecas da machina a
vapor moderna. Tendo recbido portaDto a forma
e disposigoes mais vantajosas. tanto para a eco-
noma como para eroprego pratico, esta impor-
tante machina espalbou-sc rpidamente pela
Europa, de modo que nos primeiros annos do
presente seculo ja era universalmente usada na
Europa e na America.
Outra descoberta altamente importante uo
modo do emprego do vapor foi feita no coineco
do nosso seculo, a saber : o empregar-sc BOfltts
machinas o vapor em alta pressao.
Que quer dizer vapor em alta pressio.
fContma)
7 Io> P0r cada um dos citados enge-
menor creado pela lei n. 1860, de
e as garantas constantes do art. 16
verificar a capacidade do engenho,
o hypothecado aq Banco de Crdito
PARTE OFFICIAL
prxima
de 11 de
as
gy os
Governo da Provincia
RELATORIO con que o lvm. %r. Rr. Innoeenelo Marque de
iranjo oes. presidente da provincia de Pernam-
buco. passou a admialstraco ao Exm. Sr. Dr.
Ignacio Joaquina de Souza Leo. I viee-presi-
dente.
Rimo. Exm. Sr.
Tendo de seguir para a corte afiui de tomar parte nos trabalhos da
sessio da Assembla Geral, cumpro o dever, em obediencia circular
Morto de 1848, ao passar a V. Exc. a administracao da provincia, de expr
occ.urrencias que se realisaram durante o periodo decorrido de 1 de Marco at hoje,
pediudo a attencSo de V. Exc. para o Relatorio que. ltimamente apreseatei
Assembla Legislatira Provincial.
ASSEMBLiA?*UO^NCIAL ,
JT^i de sanee:onar as geauinte je^uy3e
AimUa ]gistirtivsflbvitiri Mperajjim^jj^bi
^Art. i.. Sao reduzidos 'ffi so, s*>b i denrTM^PVe \
de paz de Pindoba e Cruangj-, da comarca de Timbaba.
Art. 2." Flcam revogadas as disposigSes em coutrario.
Pa50 da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 11 de Marco de
1839.BarSo de Caiar, vice-presidente. Jos Maria de Albuquerque Mello. 1.
secretario.Francisco Phaelante da Cmara, 2. secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
A grande extensao da con arca de Timbaba justifica a necessidade dos dis-
tritos de paz de Pindoba e Cruangj- para mais fcil distribuidlo da justica e maior
Vcommoddade des eleitore.- N3o La perianto, razao para que sejam reduzidos a um
' sob a denominacao de Cruangj aquelles dons districtos; pelo que neg sanecao
presente resolucao.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 19 de Marjo do 1889-
linocencio AJarque$ de Araujo Ges.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve:
Art. 1." Fica o presidente da provincia autorisado a mandar pagar a D. Por-
ti.t Contancia do Mello, 18^000 por forma de oho paginas de 55 linhas de 63 lettras
(eu caracteres oit<>) como coadjuvecao a impressao da biographia de Manoel de
"arvalbo Paes Art. 2. A subvencao ser paga vista de cem exemplares brochadas entre-
nios ao presidente da provincia para Ibes dar destino conveniente.
Art. .'j.* A perfe.icao do trabalho ser averiguada convenientemente
Art. 4." Igual favor nos termos dos artigos antecedentes concedido a Manoel
Innocencio Menna da Costa, para imprimir as notas inditas escripias sobre a revo-
luclo de 1817. por Filippe Menna Calado da Fonseca e passuida em original pelo
mesmo Menna da Costa.
Art. 5.' Sao revogadas as disposicSes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 11 de Marco de
1389.Barao de Caiar, vice-presidente.Jos Maria de Albuquerque -Mello, 1.
secretario.Francisco Phaelante da Cmara Lima, 2." secretario.
Volte Assembla Lehislativa Provincial.
Por vezes tem a As=einbla autonsado despezas idnticas, o que consta de
diversas leis. # .
NSo permittindo, porm. o estado tinaneciro actual da provincia a realisacao
de despezas que nao forem inadiaveis, deixo por esta razio, de sanecionar a presente
resolu5ao.
PaUcio da Presidencio de Pernambuco, em 19 de Mar$o de 1889.
Innocencio Marques de Araujo Ges.
' A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve:
Art. 1." Fica mudada a sede do juizado de paz de Santo Antonio do Para
de Buique para o povoado do mesmo nome.
jftArt. 2." Fcain revogedas as disposic8es em contrario.
KfPaco da Assembla Lelinlativa Provincial de Pernambuco, 11 de Marco de
1889.Ba'rSo de Caiar, vice-presidente.Jos Maria de Albuquerque Mello, 1.
secretario.Francisco Phaelante da Cmara Lima, 2. secretario.
Volte A sembla Legislativa Provincial.
Nenhuma razao de utilidade publica ou commodidade da populacho autonsa
a justificar a mudanca da sede do districto de paz de Santo Antonio do Para
3e Buique para o fpovoado do mesmo nome, pelo que neg sanc?3o presente
resolucao.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 19 de Marco de 1889.
Innocencio Marques de Araujo Ges.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve :
Art. 1. Os engenhos centraes de capacide nao inferior ao typo menor fun-
. dalos sera garantas de juros ou auxilio da provincia, terao direito a um emprestimo
de 50:0000000 em apolices provinciaes de 7 % com a amortisacSo e sob as garan-
contantes do art. 16 da lei provincial n. 1.860 de 1885.
| 1." Esse emprestimo ser recebido depois de fundada a fabrica central e
trincada a sua capacidade por profissional designado pela presidencia.
j J. No ^aso de estar a fabrica central hypotbecada ao Banco de Crdito
\t o mutuario far segnnda hypotheca provincia, se porventura o Banco houver
cnprfstado somente sob um terc;o do valor dos %iateriaes e metade do immov -
Ar'. 2." Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 21 de Mar^o de
.i-. Barao de Caiar, vicepresidente Jos Aria de Albuquerque Mello, Io se-
- Francisco Phaelante iba Cama-a Lima, 2o secretario.
Volte ;As#embIa Legislativa Provincial.
A presan* r solucao confiere a alguna engenhos centraes, fundados sem ga-
ranta de juros oa auxilio da provincia, o direito de obterem do governo provincial
da mesma lei.
No Io providenciase sobre o modo
e no segundo sobre o caso de estar o eng
Real. I
Sendo conhecidos os poucos engenhos centraes fundados em taes condijoes,
manifest que a presente resolucao assunic o carcter de um favor pessoal a seus pro-
pretarios, alguns dos quaes, hypothecaram os proprios engenhos, que, assim grava-
dos por primeira hypotheca, torna Ilusoria a garanta de urna segunda, outorgada
provincia.
Ao governo nao cabe desempenhar a mssao que Ihe assigoala a presente re-
solucao, ainda quande o estado financeiro da provincia desafiasse por sua prosperida-
dc prefen95e8 ainda mais exageradas. -^
Redigida de forma imperativa, (wdM'WRj^wffor um lado, om dirto-aioc--itin. tas na
ciado aquillo que s pod ser considerado como liberalidade da provincia, de maneira
a collocar a administrado na singularissima situacSo de ser obrigada a deferir todas
as pretencoes, sem ter a liberdade de conhecer e avaliar das condic^es de idoneida-
de do pretendente e das garantas offerecidas ; e por outro lado exclue da munificen-
cia provincial os proprietaries que tiverem seus engenhos hypothecados a particula-
res, ou a outros estabelecimentos bancarios, que nao seja o Banco de Crdito Real,
nico em favor do qual a resolusSo sacrifica a precedencia e os*privilegios da pro-
vincia, tornando ainda mais restricto o crculo dos beneficiados.
Do relatorio oflerecido ha poucos dias pela direccab do Banco de Crdito Real
aos seus accionistas consta a relacao das usinas que lhe estilo hvpothecadas e dellas
s aproveitariam o favor desta resolucao das deneminadasCar-Ass, Bamburral,
Bosque e Aripibd'onde v-se que em ultima ana>j-se seriam seus proprietarios os
nicos mutuarios: menos por interesse proprio do que em vantagem ao credor hy-
pothecario.
Emendada no sentido de sera quantia de cincoenta contos considerada como
mximo do auxilio, que por difficuldades transitorias pudesse a juizo do- governo e
depois das indagacues necessarias, ser prestado a qualquer usina da capacidade dos
typos mencionados no art. 16 da lei n. 1,860 de 1885, com eembolso a prazo nun-
ca maior de dous annos e garanta de primeira hj'potheca constituida, cedida ou su-
brogada na forma da lcgislacao em vigor, poderia ser sanecionada a presante resolu-
9J0, por ficarem resguardados os direitos e interesses do Thesouro Provincial.
Nos termos em que se acha, pecca : Io, por prejudicial provincia,; 2o, por
inconstitucional, ^jetofaltar-lhe o carcter de generalidade, sendo evidentemente des-
tinada a favorecrTnBfedo e conhecido numero do pessoas.
Palacio da Presidencia de Pejnambuco, 27 de Marco de 1889,
Innoceiciu turqu-* A Assembla Legislativa Provncialr*3e Pernambuco resolve:
n.245 de 16 de Junho de 1849, que nter-
de
se-
os
Art. nico. Fica revogada a lei n
preta a de n. 82 de 4 de Maio de 1840. .
Sao revogadas as disposicoes em contrario.
Paco d Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 26 de Marco
1889.BarSo de Caiar; vice-presidente.Jos Maria de Albuquerque Mello, 1'
cretario.Francisco Phaelante da Cmara Lima, 2 secretario.
Volte Assemblo Legislativa Provincial.
A revogaco da lei n. 245, de 16 de Junho de 1849, a qual declara estarem
comprehendidos as palavrasempregadoe provinciaes de que trata a lei n. 82 de
4 de Maio de 1840, os empregados da Secretaria da Assembla Provincial, vai pro-
duzr conflictos, que tal vez nao tivessem sido cogitados por occasiao dos debates.
Revogada a referida lei, ticaro privados os empregados da Assembla Pro-
vincial do beneficio da aposentacao, por nao ka ver outra disposicao legal, que pos-
sam'soccorrer-se quando se acharem em eondicSes de obter aquelle favor.
E bem fallivel seria a esperanca que nutrissem de ser attendidos pela propria
Assembla, que, supprimindo a lei n. 245, talvae se repute investida do direito de
aposentar seus empregados prescindindo de sanccSo do presidente da provincia; por-
quano, o*stestavc^eomo este direito, dar ensejo, se for exrcitado, a conflictos
com a adnnistraJo, dos quaes s pode resultar^prejuizo 'real e positivo para os em-
0^>regados assim'posentadosy'cujs peristUjBgdvcxno em defeza de suas attribuij&V"
deixar-de satisfazer.
Quando, ultimamento, foram aposentados
sembla por acto exclusiro da mesma assembla, em menospreso da sanecao do pre-
sidente da provincia foi por meu antecessor expedida urna* ordem ao Thesouro Pro-
vincial para nao pagar os vencimentos dos novos nomeados, assim cumprio-se, sen-
do este procedimento appprovado por aviso do ministerio do imperio n. 234 de 21 de
Janeiro lindo.
Taes conflictos reproduzir-se-hao frequentemente em desvantagem do systema
que nos rege e da boa harmona que deve reinar entre os poderes pblicos. Por to-
das estas razoeB deneg sanecao a presente resolucZo.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 3 de Abril de 1889.
Innocencio Marques de Araujo Ges.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco resolve :
Art. 1." Fica pertencendo ao termo e comarca de Caruar o districto de Ca-
rapots do termo do Brejt?.
Art. 2. Revogam-sv as disposicoes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa frovincial de Pernambuco, 1 de Abril de
1889.Barao de Caiar, vice-presidente. Jos Maria de Albuquerque Mello, Io se-
cretario. Francisco Phaelante da Cmara Lima, 2 secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
Nenhuma razao de utilidade publica ou commodidade da populauSo autonsa
e justifica a necessidade de ficar pertencendo ao termo e comarca de Caroar o dis-
tricto de Carapots do termo do Brejo; polo que neg sancejo a presente resolucSo.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 3 de Abril de 1889.
Innocencio Marques de Araujo Ges.
Contina.)
postono art. 282 do cg. de 2 de Julho
de 1879 e volte, querendo.
Victorino Santos & C. e Urbano Sabi-
no de Paula 'osta.Certifique-se.
Offico do Dr. procurador fiscal sobre o
que allega D. Maria da-Paz na oxeeucao
que move a Fazeuda consta Joaq Cardoso
de Moraes, idem do Jfemo sobre o que
allega a coinpanhia de Fiao/ta e Teeidds,
idem do mesmo sobre o que allega Tito
Livo Soares, dem do mesmo sobre o que
allega Jos Dativo dos Passos Bast-.f, na
execucao que move a Fazenda contra Cus-
todio Jos Vianna, idem do mesmo obre
p que allega Jos Da/iv dos Passos as-
execacao ,^u, mas Fazeuda
contra Jos Gocalvs* rreira ""Cluia-
i*ee.Informe &eecSo do Contencioso.
OfHcio do director das Obras Publicas.
Ao Sr. Dr contador para *s fins conve
nientes.
Banco de Crdito Real de Pernambuco.
Haja vista o Dr. procurador fiscal.]
Marcellino Martina Gestera.A' seccSo
do Contencioso para cumprir o despacho
da Junta.
Manoel Bezerra Cavalcantc de Albu-
querque.Ao Sr. Dr. administrador da
Recebedoria Provincial para cumprir o
despacho da Junta.
Manoel Feliciano Ladislao dos Santos.
Ao Si. Dr. contador para cumprir o dos-
pacho da Junta.
Dr. Jo2o Clodoaldo M. Lopes e Johns-
ton Patcr & CAo Sr. porteiro para to-
mar nota e devolver.
D. Joaquina Ferreira Netto.Ao Sr.
porteiro para entregar ao interessado.
Rosa & Machado e veneravel Ordem 3a
de S. Fraccisco.A' seccSo do Conten-
cioso para cumprir o despacho da Junta.
Joao Antonio de Mello.Certifique-se.
J0A0 Flix da Rosa.Informe o Sr.
Dr. administrador da Recebedoria Pro-
vincial.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 26 DE
ABRIL DE 1889
Bellarmino Jos dos Santos. Ao Sr.
Dr. juiz de direito do 2.- districto crimi-
nal da comarca do Recifc para informar.
Ferreira Leal & C. Encaminhe-se.
Francisco Dias da Rocha. Ao Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda para
informar.
J080 Pedro de Araujo. Ao Dr. chefe
de polica para informar.
Joaquim Cavalcante do Reg Barros.
Ao Sr. Dr. juiz de direito do 2.- districto
criminal da comarca do Recife para in-
formar.
Luiza Eudocia Baptista. Remettido a
junta medica provincial a que ni a suppli-
cante se apresentar para ser inspeccio-
nada.
Capito Manoel Nun6s Correia e tenento
Manoel Dommgues Dias de Queiroz.In-
forme oSr. Dr. juiz de direito da comarca
deTimbaba sobre a ultima parte da petieao.
Mariano Amancio Ferreira. Informe o
Sr Dr. chefe de polica.
Maria Theodora dos Praseres.Sim,
pagaudo as comedorias.
Pharmaceutico Vicente G uedes de Arau-
jo Pereira. Ao Sr. inspector da Thesou-
raria de Fazenda para informar.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, 27 de Abril de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Recebedoria Provincial
DESPACHOS DO DIA 26 DE A15UII. DE
1889
Antonio Ferreira da Silva C, Joo Bezerra 4
* I], Barros C, Manoel Vieira Neves, Ribeiro
Sobrinho & C, Manoel Joaquim Ribeiro & C,
Pedro Antuues &,"'.. Antoniojtodrigues de Souza
4tC.. Jos Cordeiro dos Santos, A. M. Rosa *
C. Graciliano Martins C, Teixeira Miranda 4
C, Maia e Silva & Manoel Gongalves Pereira,
Fernaades de Oliveira C, Manoel Kudrigues
da Silva fcBrandao & C, A M. Veras & C Jos
dos Santos Oliveira, Anonio de Souza Braz. Ma-
noel I.uiz Ferreira & C, Candido Sobral. Lau-
rentino Pires de urvalho, Emilio Pereira de
Abreu, Almeida Puarte & C, Barbse & Santos,
Barbosa Lima ft C, Audrade Lima & Irmo,
Andr Domingos Santos, Manoel Joaquim Anto-
nes Guimares, Guimares & Sobrinho, Jouquim
Bernardo Reis :& C., Miguis A C, Francisca
Pinto de MagalhQes. Henrique Vogelov,|Justino
tres officiaes da Secretaria da As- Ferreira dos Santos, Manoel Colagoift C., Ernes-
to & Leopoldo, Mrtmidno Jos de Campos, Ne-
ves & Salgado, Bartholomeu & C, Successores,
Jos Antonio da M. Guimares, Eustaquio A C.
Joao da Fonseca, JooJda|Costa Cardoso, Joaquim
Antonio Pereira Bastos, Manoel Joaquim dos
Santos Ferreira, Severino Martins, Jacmtho da
Hora Pires, JoseJCardoso de Mello, Albino Ferrei-
ra dos Santos, Jos Luiz Salgado, Jos Rodrigues
Lima, Pedroza & Santos, Palmeira r "., Pedro
Manoel da Trindade, Julio Fuerstemberg, Bento
Machado J& C, Ramiro M. Costa |& C., viuva
do Adoipho Marques dos Saiitss, F. P. Bolitreau,
Successor de G. aporte & C, Joao Rodrigues
da Silva Duarte, Amaral C, Antonio Alfonso
Simes & '., Jos Joaquim de Souza Malta, Jos
Theolonio Dominguess fe C, Joaquim Antonio
de Souza, Antonio Luiz Baptista, Manoel Luiz
Ribero & Filho, Jos Luiz Alves VUella, Netto
Al ves, Ignacio da Silva Teixeira, Jos Ferreira
& C, Jos de Silva Perrira Lisboa, Costa Maia
& Irmos, Dias Silva 4 C, Bruno da Silva Car-
valhoA C, Francisco Ramos da Silva C An-
tonio Maia 4 <'., Moreira Reis & Filho, Prealle
4 C, Augusto Francisco 4 C, Francisco Gurgel
4 Irmo. Campos 4 Ferreira, Jos Thomaz 4 C
Joseph Krause 4 C", Machado 4 Pereira, Guilher-
mino Rodrigues do Monte Lima.Sim.
Jos Joaquim Goncalves de BarrosJ4 C, Lorega
4 C, Neves Cruz C, Goncalves Ferreira 4 C,
Souza Oiiveira y C, Andr Affonso 4 Filho,
Julio Costa &.C., Costa Ramos A C, Antonio Ro-
driguen da Costa, Marcellino Jos Baptista, An-
tonio Ramos 4 C, Antonio Francisco da Cruz
- Deferido.
Casimiro Francisco 4 C, Das & j., Joaiuim
Costa 4 C-, Joaquim Anarleto F. da Silva, Luiz
Jos Salgado 4 C., Carlos Synden, Casco 4 C
Indeferido em vista das informaces.
Bento Machado 4 C, Joaquim Anacleio Fer-
reira da Silva.A' l' seccao |para os devidos
fins.
Antonio Augusto de Vasconcellos. A' !
seccao.
Luiz Jos Salgado 4 C, Albino Ferreira dos
Santos, Joaquim Asadero Ferreira da Silva, An-
dr Affonso 4 Filho, JoaquimCosta 4C Manoel
liomao Correia Araujo, CarlSievers. Tito Livio
de Albuquerque Lima, Avehno Jos Joaquim de
Sant'Anna, Jos Luiz Ferreira da Silva. -Infor-
me a 1* seccSo.
- 27
Antonio LosaDia, Antonio Jos de Azevedo,
Francisco de Azevedo 4 C, Emiliana Alexau-
drina da Silva Santiago, Felicia Maria dos San-
tos Machado, Joao Fernandes Ferreira 4 C. -In-
forme a 1" seccao.
Jovino Felippe Lopes Neves, como alienados at
que teahain conveniente destino, Jos Ignacio
Cavalcante de Albuquerque, vindo do termo de
Pao d'Albo, tambem como alienado.
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife, Jeronymo Leopoldo de Souza. por crime de
ferimentos, e Rosalina Maria de Annunciayao,
por offensas a moral publica.
A' ordem do do i* districto da freguezia de S
Jos, Maria Martiniana da Conceicau, Raymundo
Jos Ignacio, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do 2o districto, Julio Paes Bar-
reto, por disturbios, niinha disposicao, < lin-
dina Luiza dos Santos, por embriaguez e offtn-
sas moral publica.
A' ordem do do 2* districto da freguezia da
Boa-Vista, Luiz Antonio Tavares, por disturbios
A' ordem do da Torre, Joo Mauricio, por dis-
turbios, minha disposicao.
No dia 2i do correntc assumio o exercicio
do cargo de subdelegado do districto da Lu. o
cidadao Thoni Lopes de Castro.
i'elo subdelegado do districto de Grvala,
do termo de Agua Preta, foi remettido ao juizo
competente o iuquerito policial procedido con-
tra Manoel Ferreira de tal, por crime de feri-
mentos.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
r. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provin-
cia. O chefe de polica interino, Daro
Cavalcante do Reg Albuquerque.
ReparticSo da Polica
2.a seccjlo.N. 119Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, :il de Abril de 1889.
Illm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
Detenco os seguintes individuos :
A' minha ordem, Flora Mara da Conceicao,
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 26 DE ABBII. *
DE 189
-Rodolpho Crespo.Nada ha que defe-
rir, em vista das uformag3es.
Offico do chefe de polica relativo ao
detento 0\y rapio Jos de Sa, D. Marga i-i-
da Julia Ferreira Machado. Henrique Flo-
rentino da Silva Santiago.Informo o Sr.
Dr. contador.
Officio do inspector da Alfandega rela-
tivo a Hermann Ltundgien & C.Ao Sr.
archivista para satisfazer.
Jos Paulo Botelbo. Satisfaca o dis-
DIARIO DE FERIilBDCO
RECIFE, 28 DE ABRIL DE yrfy
noticias do Mal
0 paquete nacional Para, chegado hontem do
sul, tendo saludo da aVle um da antes do pa-
quete Gatiua que passou aqui em 26 do cor-
rente, apenas adiantou algunas noticias da pro-
vincia de .
lngna
Datas atSS de Abril.
0 Dr. Toledo Uodswortli ebegara a Macei
e estas a procedendo a vaccinacao.
A varila continuava a assolar a capital e
adjarencias. excedendo o numero dos doentes em
iratamentn a 200.
Foi eleito director do Banco Auxiliar o Sr.
Antonio Justiniano Estevis Jnior.
Constara ao Orbr que candidato eleico
geral pulo i districto, em nome do partido li
beral, o Sr. Dr. Sinimb Jnior
Pallcceu na cidade. do Pilar o capitio Mar-
tiniano Jos Leite da Silva, escrivao de orphos
da Anadia.
Xotlelas da Europa
O paquete inglez Neva, entrado da Europa
ante hontem, trouse datas que de Lisboa alean
cam a 15 do corrente. adianiando 13 dias s tra-
zidas pelo Elbe.
Alem das de Portugal, constantes da carta do
nosso corespondente. publicada na rubrica Ex-
terior, eis parte das demais noticias :
ll<'M>anli;t
Sobre este paiz escreve em 15 do corrente o
nosso correspendente de Lisboa:
Antes de regressar a Madrid, a rainha regente
recebeu em San Sebastian a visita da p.incea
Frederica do Hanwer, c um telegramma affec-
tuoso da ranilla. Esta soberana dirigi outro A
municipalidade de San Sebastian por intermedio
do cmbaixador de Inglaterra, agradecendo i
excellenlt receoco que a Hespanha lhe tinha
LSuVrtBto*''.'iut6flsada"deSai' Sebastian
attribulT^rTr poltico entrevista da rainhf
Victoria rom a rainha regente, indcaos a pro-
babilidade de urna arbitragem da Hespanha noe
letigios pendentes entre a Inglaterra e Marrocos
das questOes do cabo submarino e da soberana
do sultao sobre o cabs Juby. Foi desmentida
pofem esta verso ^
A rainha regente brindou a princesa Beatriz"
da Inglaterra, em San Sebastian, eora as insig-
nias da ordem de Maria Luiza.
Logo que chegou a Madrid a regeB foi com-
primentada pelos ministros e telicifiR (*e!o re-
sultado da sua viagem. ^l
Affrmam os ministeriaes que* o Sr. Sagasta
confia em que poder conjurar a crie (latente),
bavendo conseguido persuajljir o conde de Xi-
quena, que desejava abanaonar a pasta do fo-
mento, e'por conseguinte abrir a erise, a nao se
demittir, e tendo feito certas proraessas ao Sr.
Hartos, para conseguir que elle nao insista na
modilicacao ministerial, que desejava
Em presenca d'este optimismo dos ministe-
riaes. fevantn-se o pessimismo dos opposicio-
nistas; e. segundo este, se o Sr. Marios cedeu
perante as promessas do Sr. SagSta, porque
nao se contenta com urna crise parcial, mas pre-
tende que baja urna crise completa, em que total-
mente se renov o gabinete com homens de sua
inteira conflanca.
Nos circuios ministeriaes commentam-se tam-
bem duas noticias que nao sao destituidas de
interesse : a primeira diz respeito aos trabalhos
que se esto reafisando as altas regies gover-
namentaes, alim de que o Sr. Romero Robledo e
os seus amigos passou a fazer parte do partido
fusionista, a que o Sr. Sagasta preside; a se-
gunda, ao desgosto que uianifestam o Sr. Ga-
mazo e os seus partidarios por nao serem as
promett-da; economas introduziJa*pelo governo
nos novos orcameotos.
Eis aqui um esboco. muito sucointa, da pol-
tica interna do visinhb reino acUss^iente.
0 Sr. Romero Robledo interpeujbihimamente
o governo acerca dos assumptos nBtivos ao rui-
doso processo do crime de Fueucarral: fes algu-
mas aecusacoes, e applaio a aegao popular
destinada a apurar e a esclarecer a verdade. O
ministro da justica respondeu-lhe sobriamente
afBrmando a independencia dos tribunacs, e es-
tranhando que se trousesse para a cmara dos
deputado esse genero de debates, sem prece-
dentes. No dia seguinte. ainda continuou a dis-
disso tomando parte n'ella d Sr. Montero Ros
e c ex-presidente do Supremo Tribunal.
O ministro do remo apresentou cmara
um projecto de lei dsjMilamentando o traoalho. _
dos menores.
Prohibe toda a especie de trabalhos por parte
das cranlas de 9 annos. As de 9 i3 poaero
trabalhar 3 horas dianas, e 8 as creancas dos
13 18.
O projecto estabelece excepcao para os tra-
balhos subterrneos, limpeza de machinas, etc.
A 7 d'este raez, em conselho de ministros, tra-
tou-se novaracnte do exame dos orgamentos. O
ministro da fazenda declarou com grande ener-
ga que era forcoso realisar urna economa de 25
milhOes. Parece que a facilidade em realisar as
economas pedidas pelo ministro Ida fazenda, di-
uiiiiui'ido muito as despezas. Apezar da activi
dade com que se tem trabalhado, o orcamento
geral s poder ser apresentado depois da Pas-
choa, celebrando-se sessoes nocturnas afirn de
facilitar urna rpida discussao do orcamento, si-
multanea urna do sutfragio universal.
Em conselho de ministros foi, por ultimo,
aVprovado o projecto do orcamento do Estado,
eui qu< 6 realizada urna economa de 100:000
pesetas.
O arcebispo de Valladolid foi indicado para
presidir ao eoogresso cathulico, que deve cele-
brar-se em Madrid em fins do corrente Abr!.
Parece, porm, que uo acceitar.
O governador civil de Madrid j deu principio
aos tranalhos de investigaco nos assumptes re-
lativos aos abusos praticados na cmara muni-
cipal. Affirma-se que se encontrarara algumas
irregularidades.
Na conferencia que uttimamente foi celebrada
entre os representantee dos alcools, os deputa-
dos por Madrid, o alcaide e o syndico d'esta ca-
pital, assentou-se em ter urna entrevista com o
ministro da fazenda. para resolver a situacSo,
esperaiido-se que d'ella resultem solugoes pra-
ticas e promptas.
Os representantes dos gremios telegrapharam
aos seus collegas das provincias, para que nada
facam at reconhecer o resultado da sua entre-
vista com o ministro.
Est-se construindo em Carraca um barco
. custo dos donativos dos hespanhoes residentes
no Mxico. Tera o typo de caiihoneira torpe-
deira, com andamento" de 18 imlhas, 900 tone-
ladas de deslocamento e chamar-se-ha Nueva
Espaa, que era a antiga denominago dn M-
xico.
- A sua primeira viagem ser a Vera Cruz,
para saudar as bandeiras mexicana e hespa-
nhofa.
Os carlistas celebraram com grande en-
Ihusiasmo e fervorosa devocao partidaria o 41.'
aniversario natalicio da Pretendente.
Houve leitura de poesas, discursos do presi-
dente do circulo trad'cionalista, onde se le-
brn a festa, o marquez de Cerraloi e remessa
de telegrammas de feheitaco para Veneza a
D. Carlos de Bourbon.
O pensamneto da^colligaco Irepuldicsna,
exposto pelo jornal La Repblica, encontrou o,
mais favoravel acolhiraento, nao s dos peri-
dicos democrticos de Madrid, como dos das
provincias, com duas excepcoes apenas, ton -
tituidas pela fraeco do Sr. i astellar, que a
quer, e da do Sr. Ruiz Zorrilla, o qual pretend'
que, reali-ar-se tal colligago, seja para ella no-
meado chefe o emigrado de Pariz. eousa inipos
sivel. pois que elle s pode aspirar a fazer parte
do directorio que se Qomeia, para organisal-e
primeirameute e para dirii,-o dopois.
cites trabalhos teem produzido o rcsult. do
de terem entrado' n'um periodo de gKUldt mi-
raago nos ltimos dias de Margo, lodos os gru-
pos republicanos, cujos cheles pv ..'em grat
resultados de tal caoipanha, t.iio para a cciH-
gag.'ui, romo para o triumpho dos seas idt
Sr. Castellar trata de conseguir, (diz -e ue
de accordo com o Sr. Marios) que o projecto do
suffragio universal, apresentado p-lo governo,
c aspiragio constante sua, seja posto immedia-
tamen'.e em discussao.
Fazem-se grandes preparativos em Scrvilha
para a? funcgOes da Semana Santa e a famosa
- que se costma celebrar depois. Sao ja

P




feira


Diario de Pernambuco Domingo 28 de Abril de J'*S9
;
ti
ndo* Jrlu
com grande numero os forasteiros que teem
cbegado aquella cidade.
As corte:- suspeuderam a 13 as suas ses-
ses at ao dia 22.
A raiaba regente manfJastou o dselo d
noar no dia It o maior numero- de indultos
concedidos na maman santa.
O ultimo co:isoUjo de ministros Coi sem gran-
de inten
) Sr. Sagast i fez o custuraa lo discurso sobre
a poltica inteiuaamoxterna, (Bail na nanee de-
pois as quest's^a aolualiBde.
Leva granate cania o Se
se inuadagOo'M
A corte ir a 22
at ao lim daJio.
Pnuira
A partida se-Boulanger para a Blgica effec-
luou-se to secretamente que alguna dos sen
partidarios nagoram ainda no dm seguate que
elle* se houvesa'reeatario e\af6rmavn:ii com toda
a convicco que tova urrrffyri*
O que certo que appareceu muita gente
a offerecer-ihe refugios seguros para elle se
occultar.
lioulanger, que chegou a Bruxellas, sob o
mais rigoroso incgnito, hospedou-se no Hotel
ManyiUij dando ndsemn d Sr. lirauu. Aeom-
panhava-o o conde Dillon.
Ninguem. seube de sua eliegada. No dia se-
grale ro a Mons, onde leve urna conferencia
com Rochcfort.
A' tarde volton a Bruxellas, onde o esperavam
algum is sensaborias. Entre boulanyistas, up-
parecerara muitos individuos que nao o erarn. e
qae o apupara:n.
A estada de Boulanger na Blgica tem alli
causado ra impressfio receiando-se um confli-
cto com a Franca.
A Independance belge declara que 0 governo
belga nao pode consentir que o seu territorio se
converta em centro de agitagos polticas contra
o governo da repblica franceza.
Entretanto, a imprensa ministerial franceza
carrega a fundo sobre o Sr. Bruno que natu-
ralmente o sobrignet com que Boulanger hade
ser lixado na historia.
Os jornaes boulangistas invectivara por seu
turno ogoverno com urna tal jolencia que ctie-
gam a ser cmicas.
Segundo affinnam os jornaes boulangistas, o|
general estar pouco te upo na Blgica, para
evitar aquello governo difllculdadcs diplomti-
cas.
Ir em seguida para a Inglaterra aguardando
alli o triumplio que o espera as p.-oximas elei-
efiga.
Em qnanto islo se passa, emquanto o Sr. La-
guerre declarava por intermedio da l'resse que o
governaaquerii crucificar Boulanger, o novo pro-
eurads#da repblica, o Sr. Beaurepaire dispu
nlra-ssfa preceder contra Boulanger. que accu-
sado ue rebelda.
Serao igualmente proeossados os individuos
de alguma importancia no partido chimado na-
cional.
Na sesso do dia i de Abril foi :ipreservado
na enmara dos deputados o pe lulo do procura-
dor geral para ser proeossado o general Bou-
langer, como incurso na infraego de varios ar-
tgos do cdigo penal, por attentado contra o
governo estabelecido.
Tal aprcsentai.'.io levantou uma ver ladeira tem-
pestade, da parte da direita da cmara, distin-
goi.ido se. pelas suas apc-strophes violentas e
insultantes, os Srs. Paulo de Cassagnac, bona-
partista eBaudry de Assosr. realista.
>s iuterrupres e o barulho foram taes, que
nao foi possivel ouvir se a leitura feta pelo pre-
sidente.
Apezar da oppneieSo feroz da direita e dos
kmhmgMtas, i cmara reselveu que immedia-
tamente se reunissem as secges para oouiearem
a cojnmisso. que devia dar parecer sobre o pe-
dido do procurador geral.
A-- secces etegeraai dez membros favoraveis
instaurngo do processo, cun s contrario.
que foi o Sr. Paulo de Cassagnac.
A commisso reuni se logo e resolveu que
fosse autorisado o processo. e o seu parecer,
apeza'- de debate, que a opposigao. da direita
tornou violenta, foi approvado por 333 votos
costra 199.
Durante a discussao foram declarados incor-
sosna, censura regulamentar os Srs. Paulo de
Cassagnac e Buudry d'Asson, em razo das suas
apeetrophes hneJeoosas.
o mesrao dia as secges da cmara clogeram
a commisso que tena de examinar o projecto
de lei votado pelo senado para regular a forma
do processo que deve seguir esla assembla,
quando se cons'itua em alio tribunal de justira.
para julgar os attentados contra a segas-anca do
estado e das instituiros.
OsMBembros elcitos. sao todos favoraveis ao
projeoto, excepto uta, o Sr. Le Hoy.
A fuga ou antes, cniigrago do gesmnl Bou-
langer desconcertou bastante alguns dos seus
mais importantes partidarios.
D'esteaos Srs. Michelin. Tlnebaud
despediram-se j do comit nacional,
cent poltico do bonlangwmo.
o da 8 o governo conimunicou ao senado o
decreto cm que esla assembla convocada,
como alto tribunal de justica, para julnar o ge-
neral e seus cmplice9, e em que dia 12 para a primeira reunido, no palacio do
Luxnm burgo, sede ordinaria do senado.
GPSr. Leo Renaolt pedio para interpellar o
governo-a respeito dos motivos que leve para
promulgar aquelle decr-to.
De accordo com o presidente do conseibo esta
iutarpellacao foi adiada por um mez.
<> Sr Buffet, o coniecido vencedor da dinta,
propoz qne o senado se constituisse em alt
tritMjnal lepois de haver lei regulamentar da
orma do processo. Esla proposicfto fot, po-
rem. rpellida pela questo previa, como incon-
stitucional, por 172 votos contra 77.
Em resultado da votar/'o da cmara dos de
potados, qoe aatorisou a instanrayA do proces-
so, foi imh ti mmente passado pelo tribunal
competenle o mandado de captura contra o ge-
neral, coro a.declara^o de que devera ser preso
logo'qaefponlia p^ no territorio francez.
Em 'Vista da nsoluco da cmara o general
publicou um novo manifest, em que diz ser
victima dos seus inimigos polticos, que o que
rem snjeitar aojulgnmnto de urna jnrisdieco
Je acaso. Affirma que. nos seus actos, prati'ca-
de antes de ser ministro, c que sao aecusados
no libello do procurador geral. sao criminosos,
nesse caso elle tem iwr cmplices os- bomens
pqliticos que o chamaram ao ministerio. Pro-
testa que tem apenas a legitima ambico de ar
ranear a repblica das mos que a aviltam, e
que quor urna repblica honrada, por meio de
exercicio regular do sufl'ngio universal.
Com quanto corita pelos governamentaes,
wno extremo espediente poltico, a constitni-
c*do senado como supremo tribunal dejusti-
a, a iiudtda nao encootrou sympathias noespi
rito publico, que natural e espontneamente rea-
ge contra o cerceamento dos proprios privile-
gios, e contra as medidas de excepeo. No pro-
pno senado a medida foi mal receida, e varios
senadores subiram tribuna para protestar con-
tra tal facto.
obtem de novo a presidencia e emito a Liga
transforma-so n'uma a3ociagjo militante do
boulangismo. A formula de adhesao nova de
cada socio era urna especie de adhesao nao a
uma Liga patritica, neutral da lctu dos parti-
dos mas ao grupo militante 4o boulangismo.
A associago principiou desenvolver-se na
provincia e a crear" comUit locaes por toda parte.
No mes de Agosto ultimo a Liga contava 49
corniles e 128 delegarles.
Em UiMMBarfMMigao da4jia era tnayuili-
MiftaMlo^pBeral Bonteager deva-seex-
ete aos tnbalhos da Liga dos INMrio-
0 senador Montesquieu Fosenzac declarou por
escripto que recusa tomar assento no tribunal
Os monarchicos esto combinando se devem ou
nao comparecer qnando a cmara alta se consti-
tuir em tribunal. Cassagnac, escreveu uma car-
t aconselhando-lhes que tal nao facam.
Os jornaes publicaran) o texto da requisitoria
do procurador geral da repblica contra o sena
dor Naquet, os deputados Laguerre, Turquet e
Laissant, e contra os patriotas Deroulede, Ri-
chard e Galliau. Todos sao accordes de acpo
hostil de natureza a expor o estado a uma de-
clararlo de guerra, de associaco nao autorisa-
da e d sociedade vasta. O procurador geral
faz a historia da Liga dos Patriotas desde o seu
comeco em 1882, fundada por um cont presi-
dido por Henry Mirn. Deroulede era por essa
occasiao um simples delegado. Os estatutos di-
ziam que a associaco tinha por lim obter a re-
visan do tratado de Francfort e a restituico da
AIsacia e Loreua Franca.
At 1887 o governo tolerou a associaco por
que o seu lim patritico tinha o applaus<
poderes pblicos. Mas dessa poca em diante.
o Sr. Deroulede, que era j presidente, comecou
a fazerdescrer a associaco dos seus fins primi-
tivo?. Hifeiidando-se aoge teral Boulanger, i
nisando assaltos s cervejarias allomas e as
das aos chefes do e.xercito, durante a revista de
14 de Julho e no mez'de Dezembro quando o
congress se reunic> em Versaillef. tinha o Sr.
Deroulede tu lo orginisado para se opnorao voto
da assembla se acaso Ferry fosse eleito. Foi
por essa mesraa occasio que se deu a cisio da
Liga.
Mas Deroulede. posto provisoriamente de lado,
I Ins, qm habituada j-.disciplina passiva obede-
AviiJLifjs.-.ndHicaci-.oia engameote s omenlares de Deroulede.
Eram os liauewt que auiaium as proclama-
OOe boulangistas e que iam'denoite despedazar
os cartazos de Jacques. Eramelles que activa-
rain o-movinanto revisionista e faziatu guarda
s unas.
Diiranta as reunios havia mesmo lifmars un-
hiles para fazer barulho as que eram dadas em
favor de Jacques, e applaudir as que eram dadas
por Boulanger. Tudo estava organisado mili
tarmente. Pcdiam-se reforgos pelo telegrapho
de bairro a bairro de Pars, quando uma rouiao
era tremida. De tudo isto a polica apprehen-
(itMiAMtMMiMla*ampajMtivos.
A Liga dos Patriotas transformada por ditn
n'utn instrumento de insurreigo O general
Boulanger prategia-o com 3,000 francos por
inez.
Foram apprebendidos documentos de um pro-
jecto de .'asalto cair.ara e ao Elyscu Emlim o
processo foi curioso e esperava-se que. o epildgo
fosse alm da condt.'m.'iacfio dos reo-, a prisao to
general Boulanger
No julgamenMB em polica correccional, dos
deputados liliados ua Liga dos Patriotas e de
outros directores dalnesma associaco, os aecu-
sados fizoram protestos da sua f republicana e
de que s trabadiavam para fazer uma repblica
pura e immaculada, sem nmliuma das manchas
3ue o parlametitarisiio, lhe imprime. Nao po-
eram, comtudo, negar alguna lacios criminosos
que a aecusa^o llies imputava e se diz terem
sido provados p%los documentos que a invest
gaco policiaj descobrio.
Concluij#prim> iro capitulo da aco do gover-
no fraiirez coiitr.i a cousniracio du boulan^isino
pela sentenra do tribunal correccional,qurcon-
domnou os prineipaes directores da Liga dos Pa-
triotas a 109 francos de multa cada um.
Nao se pUde dizer que a condemnaro Et)ue
muito severa. Recaluo ella sobre a accusac.io
de pertencerem os reos a urna sociedade nao
auiorisada. Quanto de fazerem parte de uma
assocagio secreta, o tribunal deu-a como nao
prorada, fundando-se em que a conversao da
Liga ao seu novo aspecto de sociedade poltica
militante, com a organiaacfto que f \ egora posta
cm evidencia pola nvestigacao policial, que ale
foi varias retes admiltido s reunies da direc-
i.io. que se oirecluaram em sitios l'rancamtnte
ac(!ssiveis. sobre esta secunda aecu-aco, tam-
bein o ministerio publico no havia "insistido
muito.
a insignificante pena a que o tribunal coa-
ileamou os membros da Liga Patritica pi oduzio
moeffeito as hestes niinistcnaes, na; elevou
no couceito publio a magistratura, sobre a qual
o governo tioba lancado urna nodoa de suspeii e
de'-ittindo o Sr. Ronches por elle se nejar a
promover um procesan de tendencias.
o Vnap*. goveroauMHttal puro, acoasellia o
governo a que a prove te a hego que lhe deu o
tribunal, e a que para o futuro reun ie a fazer
aecusaces quando nao toiiba'a? mos olieias de
provas.
Entre os republicanos comer a manil'estar-se
una grande reaecto, se ao contra as persegui-
ges dos boulangistas, pelo menos contra os
meios de que se lem laaaado raa. Ale os pro-
prios jornaes opportunislas coiuegam a reconhe-
cer que o boulangismo nao lem perdido terreno,
aposar das medidas violentas o perseguido:as
empregadas contra elle.
Jtilga-se que necessario apressar os debates
parlamentares, pois que se as cmaras -e con-
servaren] aber'.as mais o. mais se complicar ..
situaco.
Fallase j, tara i'riiw alguiuas (lesnas cumpl-
cardes, em sacrificar o Sr. T/irencl, niai*tro da
justica. e nuindal-o passeiar.
Como tem apaUoaelO ao caso presente a puyase,
de Girardin:
Assim como prohibido, fazer moeda falsa.
assim devia ser prohibido fazer falsa legalidadr..
Foi das mais tempestuosas a sesso de 9 de
Abril da cmara dos deputados em que se dis-
cuti o projecto de lei que constitue o senado
em supremo tribunal.
Acudi enorme multido a presenciar a ses-
so e que os nimos nSo estavam absolutamente
tranquillos.
O Sr. Mline abri a sessao no meio de um
grande tumulto, e acto continuo passou-se or-
dem do dia, entrando em discussao o projecto
salvador da poltica-.. opportunista.
O Sr. Delafone falia contra a urge.ida e diz :
Uma lei como esta deve ser maduramente estu-
dada A maioria quer desembaracar-so de um
homem entregando-o aos seus maiores inimigos.
O Sr. Mline diz : O Sr. nSc tem direito de
injuriar o senado.
O orador faz pouco caso do que diz o presi
dente e continua, passando a defender as com
misses mixtas do tempo do imperio, que proce-
diam com mais equidad* do que os tribunaes re-
volucionarios.
Estadefvsa provoca utn tumulto inaudito.
O Sr. Pichen Isso Um ultraje !
O Sr. MlineOrdem. E a campanilla da pro
sidencia badala como se tivesse a tocar o rebate.
O oradorAs arbitrariedades de hoje juslirl-
cam todas as iniquidades passadas. No meio de
voz ;ria medonha de protestos, o orador termina
pedindo cmara que rejeite o projecto para que
o senado se veja obligado a mandar Boulanger
ante um tribunal ordinario, e assim se evite um
ultraje justica.
Grandes protestos. A maioria berra qne se
d a materia por discutida; e os da direita voci-
feran! que lhe querem usurpar o direito de dis-
cussao !
E a generahdade do projecto votada no meio
de uma algazarra infernal, passando-se ds
cosso dos-artrgos.
Entre outros que fallam na discussao dos arti-
gos. nota-se o brspe de Orleans, o Sr. Frappel,
que diz :
Se Ney tivesse sido julgado por um conselho
de guerra, por certo qne este nfto teria eondem
nado o general qne commandou a retirada de
Mosco*: e continua dizendo que duvida da im-
parcialidade do senado.
0 presidente prohibe aquelle scepticismo ao
prelado de Orleans, mas elle insiste em manifes-
tar que tem todo o direito em duvidar da im-
parcialidade daquea cmara, porque o artigo
da constituigo qne d ao senado poder judicial
est feito contra a cmara dos deputados, o ac-
crescentando : Importa, pois que a cmara
nao forge armas suicidas. > pede qne se retire
da discussao um artigo que vem abrir a ara das
proscripcOes.
E sem discussao, porque os governamentaes
nao disoutem e dizem apenas duas ou tres pala
vras pro forma, japprovar o vergonzoso proje-
cto com que acaba de mancharse a repblica
franceza.
Antes de lomar conla do processo, o senado
j fez saber que se collocar ao lado do governo
contra o general.
Quem se collocar de lado da repblica ?
Apesar da ausenciajdo geoerai-Boulanger, sem-
pre se realisou o projectado banquete de Saint-
Fargeau, a que assistiram urnas mil pessoas.
Correa animado, sendo I ido por Naquet um dis-
curso que o general lhe teiplionara dorante o
dia, de Bruxellas.
Este discurso foi muitas vezes interrompido
pelos applausos. No final, quando Naquet leu o
nome do general, repetiram-se dez vezes os vi-
vas a Bonlanger.
Laguerre levantou-se. e cora a sua ordinaria
eloquencia fez uma saude a Pars, que acaba de
ser deshonrado pelo ultimo voto da cmara, mas
que saboria tirar a desforra.
A multio disperton-fe ao som.de vivas A
Liga dos Patriotas e seus mmbros e dos gritos
de troca ao ministerio.
Os trabalhos da exposicoeotitinuam brilli i-
temente. Mais de 12.000 truL-alliadores c ope-
rarios so acham nesle momento empreados a
dar a ultima derao as galeras vastissitnas do
ampo de Marte e Esplanada dos Invlidos.
No Troeadero deve realisar se uma imporlan-
tissimaexposigo da arte religiosa em Franca, a
exhibico de todas as riquezas das catbedraes e
das abbadias da Franca. S o bispod'Angers,
o deputado orleanista Frappel que nao adberio,
por mesquinlio espirito de partido, ao convite do
commissario do governo.
Os estudantes de Pars dispOem-se para recc-
Iber com grandes demonstrares de sympnthia
os estudantes italianos e os das outras naciona-
lidades que visitarem a c.xposico univei-sal, re-
tribuindo assim o acolhiraento que ruceteram
era Bolonha.
Sucoumbio o Ulustre sabio Clievreul com 103
annos de idade
Ha poucas semanas faliecera-lhe um lilho dt?
sessenta e tantos annos.
maquineUBdo paaewacnltaruqpaila-perda,
Hgaai naaaflli* 'WB'iiBMquaa da wuhice u
inaaKuaHBBBani.
A caauiaaa)os dapatadas votan lioje^ por una.
nimidad*;-. aJrredanw.ds*j8.00 i'mimmm para o
fuaeraliaV aaaio cJianiaaaaalevreul.
aaeiajajaai
O corrospondenanao Vjmps em Bauxellas leve
urna entreviata corneo prncipetia Caauaan Chi-
uiay,1 oiiniatro Itr iiagaain laniaajaiii da
B(Jgta. ^ I
O governo Belga disse-lhe este-tem dous
deveres a cumprir n'este momento : o de protec
roao seu hospede, e o das boas relocfiosjnter-
uacionaes com a nossa visinha. At queponto
estes dous sentimentos possam concihar-se na
situaco actual, impossivel orecial-o por eui-
i|uanto. Comtudo. numerosos precedentes per-
mii'.em provel-o ; basta para isso recordara bis-
toi'ia da residencia de tantos refugiados conhe-
cidos ua Blgica, do conde de Cliambofd, dos
Bonapartes, do duque de Aunmle, dos proscrip-
tos da communa, etc. Al agora a iintude do
general Boulanger tem sido correcta. Talvez
elle tivesse procedido meilior, se se aHatiu.-sso
de publicar os seus maiiileslos ; mas. emiiin. 0
primeiro era uma resposla dada a outro dos
seus adversarios, que considerava como um
principio de perseguirlo. Cotutudo, conven:
que o toro n-fiigiado eajja persuadido de quu
a sua uiliiuile nao deve dar lugar a nenliuuia
perturbacAo, a nenlium queixa fu":idainentada|do
governo francez, com o qual temos boas .rea-
nles, que pretendemos mantea.
A iidepei&itrw teltja, de 7, !i/. q'ie o gene-
ral B julaiger foi visitar o principe Vctor Na-
poleo, com o qual leve uma longa oafcuOcia.
O principe veio desrn rntir a noticia aa liule-
pendtHci, raa osle jornal, apez r da asserrio do
principe, contina aafOrmar a existencia das
nadas
Us centros ofliciosos belgas insistem em que
o governo tem a resoluco de aulorisar a per-
manencia no reino ao general Boulanger. caso
este nao ofenda as leis, ou que o governo fran-
cez nao exija a sua expulso ; euto o conselho
de ministros examinara se tal exptiso devia
ou nao ser determinada.
O secretario do miiiistr i dos negocios eslran
geiros, na visita que fez ao general, oxhortou-o
a que nao di ii'iiliuin pretexto a qualqaer recla-
maeo do governo raneo/..
Receiam-se grandes desastres financeiros na
praca de Anvers por nansa da consideiave! bai-
la nos precos de trigo nos Estados Unidos. J
alli se sucidou o Sr. Vander T-ieli-u, chefe de
iin.i casa importante e tiomem
Tendo jugado r.a alta o liaixa
pletameut.
Slliss
Na SBasa 0 abete do departamento militar iu
formou o con-elho Moral de que, secundo as
proposlas da coinmisso afi jitstilicaros. ser
oeccsuaiiu um crdito siipplomentar de fitO mil
francos para nevos trabaines de l'ortiticacoes no
Piint Caaaatd.
0 earrespondente em Berne de mu UDpoatan-
te jornal ingloz, telegr.iplia-lhe. informando o
de que o representante da Franca naquolla ci
dado i i vera una lean DSafMUBtia cornos ineiii-
oros do COOSelbo federal suisso. os oi.r- ajao
estn resnKidos a |K'roiiltii' que Itoulauger fCSe
residencia no territorio betveuco.
Parece mesmo que, caso as cinuinsUincias O
fnrtcm a isso emprazaro a quo se retire.
Os inoti.is ltimamente havidos em un oVear"
taueuto suisso derain lugar mobilisiro do
regiment 23 e do butalho C8 em Zuricli.
O dia lixado para mobilisaco foi o de 8 de
Marco : ueste mesmo (lia o bata'.ho ivetbcu a
baaeira e |n-eslou juramento na presencu do
consolheiro do estado director militar cantonal
embarcando a 9 para deixar duas CMB|aBfa'as
em outros pontos.
Se a mobiiwayao foi perfoita e nada deixou a
desojar, j nao succedeu o meamo ao snico de.
embarque, no comboio, que foi pessimo.devido
a sua-dirocrm.
Italia
do irredentismo, termo que por elle proprio oi
creado,
A sua eleico deve considerarse como um
protesto contra a poltica da triplico alllanca
e tanto mais digno de notar se quanto certa
que a provincia de Bari est muito longe de se
guir a poltica radical, a que pertence o eleito.
A populaco all geralraenle conservadora, e
ha at eutre ella bastantes clericaes. O resul-
tado do escrutinio foi, pois meramente um pro-
testo de occasio contra-a,politica gembdO'. go
vento; cujos resultados viamrs sa^os^Bibara-
gos econmicos e tioanceiaaMqueMlio afangimio
o iut, poltica cujos douActoaaa piaaaipaes
ssa aullianca com a Altrnasela otaom a Austria
0 a ra vontade manfeaaHlaanraMaMu a Franca.
Deve suppor se qpe ds4aw) o8:0Ih eleito
res que votaram no 9r. Injbnaak-upeoas uns
1 :0QBf sero partidios da ana potiUaa radical e
irreaastista. Os reproientantes aproveHatam
apeaajs o ensejo paiw^e'|iiaauiiv:iiiiaaxooa>r.i a
p ditica do governo,
O resultado dsla cleigo dara muito que
pensar ao ministerio, antes que este se decidsse,
porventurn, a dissolver a cmara-dos deputados.
de
de
nimio estimado,
urruitiou o rom-
C'orr'|>oaideBM-ia do Uiaro
l'ernaiubueo
PORTUGALlisboa, 15 de Abril
1&8
Dizia lhe na miaba ultima que o addiamanto
de dous meses termiuava a 2 do corrento, foi
um lapso ; as cortes reabriram-sc a o.
O plano de ataque da.oppos.ro, que ainda in-
genuamente cuida que as siluuces se derribam
a golpe* de rhetorica, oi couibater o gabinete por
meio de uma iaterpllaco, sobre o caso do pa-
gamento dos 4i9 coutos de ris (fortes) aos re-
presentantes dos amigos caixas do tabaco e sa-
lio, divida reprutada mansa, e que audava espe
rundo asjiudutas gente* desde o reslabelecimeiilo
do rgimen CODStltueional, isto desde 1833 I
Antes de Ibes dar ideia, enibora succiuta, d*esta
cumpantiM parlamentar, cumpre dizer-se que
o-Sr. Joso Lcumo de Castro, presidente dacon-
selbo, comecou por apreoutar, us Juas aasas
do parlamento, os dous ministros novos. Sr
Eduardo Jos Cocido, (obras publicas) e Prede-
rico Hessano Garca (marinha e ultramar) expli-
cando a modilicacao do gabinete, ou recompo-
siyo, que determinou a sabida dos Sis. Emyg-lio
Navarro e Marianno de Carvalho; -quanto ao
primeiro deu :i entender o chefe poliiico da si-
tuaco que a necessidade de anlemporisar com
as xigencias da questo vinicula foi a verdadeira
causa de tor elle abandonado o guindte, o que
fcilmente leacreditou, pois quuesquer modili-
caroS no primitivo contracto da compaullia vi-
ncola do norte eram iucompativeis com a sua
presenca no governo.
Quanto ao Sr. Marianno de Carvalho. fattr-
buio-a o Sr. Jos Luciano de Castro questo
das sellagens (garanta liseal rcgulamemada por
(X|uello estadista contra as audacias do contra-
iiaiido) e i|ce endose levantado astrictas nume-
rosos, o Sr. M. Je Carvalho preferir deixar de
azt-r parte do ministerio para nao crear dilcul-
'dadesao governo.
Esta causa, embora a maioria a reeebesse pea
seu valor osteu-ivo ecora f implieila, nao teve
a iiiesma sacie na opir.io publica.
Escusado dzer que na reuuio iutima da
maioria foram essas as mesmas razos que so
apreseutaram, declarando os dois ministros de
missionarios quo continuariam a apoiar a sita
cao rom todas as suas forjas e recursos.
Efectivamente os ministros demissionarios.
lameos pblicos de grande iniciativa, enorme
tlenlo umita prtca d.>s negocia grande pres-
tigio oratorio, leuacissitnos no tr.ibalbo, e vigo-
rosos, violentos asesoro, quando o julgara oppor-
lunu ou indispensuvel as paginas jornalisticas.
eram a alma da SlUa(ao prograssista e Jicario^niiislerio'em resultado destes
d'ella na
e Susin.
que o
Confirmase a noticia da morte do negus Jofio
da Abyssinia, i'erido mortnlmente no combate
contra os seus uisinhos arabos do sulto.
Depois de varios-revezes soiTridos e dn mu
longo periodo de amarga incerteza, Jos italianos
veem finalmente poranFesi a perspectiva de L>n dos /cad,-.vda maioria r.'genenldora.
ara sua tentativa de astabeleof- O discurso do Sr. Lopo Vaz foi
melhor fotuio pa
ment ua margem do mar Vermelho.
A morte do negns offerece-Ihes probabilidades
muito favoraveis.
Nao s por MassauaJ que a Italia tideab ir
cauinhando para a sua expanso pela margem
occidental daquolemur.
O Sr. Crisp, n'uiu dos seus ltimos discursos
mostrando se partidario de uma poltica expe-
ctante, nao excluio a possibilidade de se apro-
veitarem melhores circumstancias fnturas.
O general BaMi*sera mostrou-se sempre in-
clinado oceupayo de Heren e das eminencias
mais elevadas da" Asmara, que, pelo menos te-
riam a vanlagem de ser urn sanato rium para as
tropas maltratadas pelo rigor da.chuva.
Agora consta que Asmara fci inteiramenle
evacuada pelas forras abyssiuias, e quasi toda a
regio do Tigre oceupada* pelos italianos.
Est oceupando vivamente as attences a si-
luagao que da morle do negus da Ayssinia resul-
tar para a Italia as margens do mar Ver-
melho.
Parece que a Abyssinia, entregue agora s
ambicoes de visinhos auduzes e aventureiros,
deve considerarse em estado de plena dissolu-
ro. Tal circurastancia de molde para permit-
ir que a Italia firme a sua posico era Mas-
souah, c a alargue pelo territorio risiono. Esta-
r, porm, resolvido a (atcl-o o governo ita
llano ?
O Sr. Ciapi, por si, nao liesitana em apro*
veitar a boa feiro que inesperadamente apre-
sentaram as circomslancias, mas tem que pen-
sar na attitude do parlamento, que deixou de
ver com bons olhos a poltica colonial, e aoqual
repugnen sobremaneira todos os augmentes de
drspeza. Nao ha ainda muito que um plano de
accrescentamentos tributarios provocou tae dif-
licnldades parlamemaes, qne produzio uma crise
ministerial.
O ministerio vo-se, piis em embaraoos. l"ara
aproveitaras boas circunstancias que se lhe
deparara agora para o estabelecimento do domi-
nio colonial, v ante si as difficuldades par-
lamentares que acabamos de apontar. Se se vir
na impossibilidade de tirar dallas o conveniente
partido, provvel que outra occasiao se nao-
proporcione to boa, porque, se o imperio da
Abyssinia se reconstituir, e se nao ficar sob o
protectorado italiano, ser um inimigo, e um
inimigo poderoso, porque os estados conslitnin
tes ou reconstituidos por uma revolufo sao de
ordinario muito para temerse.
No senado allndio-se ha das ao caso. O Sr.
Crisp disse apenas a tal respeito o sufiicente
para fazer comprehender a hesitacSo do seu es-
pirito. Se elle podesse proceder por si, e livre
de todas as peias parlamentares, nao hesitara
e a Abyssinia estara dentro de um mez, sub-
mettida ao protectorado italiano. A colonia de
Massouah, que isolada nao tem importancia nem
razo de ser, licaria sendo o cenlro de um ver-
dadeiro imperio : mas o ministerio recela, nao
s do parlamento, mas tambera da opinio pu-
blica, que lhe censuram a tendencia para uma
poltica aventurosa.
Aflirma-se que a Italia vai enviar mais dous
regimontos para Massouah ; o ministro d aguerra
declarou no conselho celebrado a 7 de Abril que
eram precisos 20 railhes de liras para uma ex-
pedico importante Abyssinia, mas o conselho
decidi gastar smente 6milh0es para oceupar c
fortificar Heren e Asmara.
U.n das mais importantes agentes de fundo3
de Genova, o Sr. Cougnard, tendo soffrido pertlas
enormes em resultado da baixa dos ttulos do
ileato de cobre e do Comptoir d'Escompte
E'oz termo existencia, disparando contra a ca-
na espingarda de caca.
Diz-se que o seu passivo enorme.
llealisou-se ha das em Italia urna eleico le-
gislativa suppiementar, cujo resoltado tem alta
signiticaco poltica.
Foi eleito por Bari, cidade importante do anli-
go reino de aples com uma maioria de cerca
de 3:000 votos o Sr. Renato Malteo Imbriani,
que desde ba alguns annos o porta estandarte
sendo valinsisslmos auxiliares drella na eamara
como leader*; e tu imprensa. onde dispetu de
jornaes de combate :
O Diario /'op/ar,gem cuja cabera logo no 1"
deste mez vem o nomo do Sr. Marianno de Car-
valho como director poltico o as WbeiaaaVf (de
Lisboa) e o Jornal da Man/ni. do Itorto) de que (
proprietano c director politioo o Sr. E Na-
varro.
Quanto questo magna, a do pagamento dos
ii contos reputado illegal pela opposigo, o por
multa gente boa que desconfia de tudo e etn
cujo espinto oneticutopotem feito impresse a
poleinicajsostcmada na imprensa das de ligninas
semanas, comecou o ataque na caonara dos de-
putados por una intcrpellayo dS-Sr. Lopo Va/.,
de
cortez/.niodfe
bom quilate.
nulo, cheio de argumenlaco
despido do facriosismi'.
E' preciso advertir que dous dias antes, o Sr
Vicente Monteiro, qne tem sido mn dos mais
considerados sustentculos da siluoro ppogros
sista, e que era o relator do projecto de autor i
M^fl Hr*c 7-90I i-Aiiln- nnrn ifnlf*mai3Pn rd&*
sarao dos 7:200 contos para indemoisaco das
faorisas de trabaco xpropriados peto estabele-
cimento da regle c outras despezar tegaes. puhlicou
em todos os jornaes de Lisboa o olficio que en-
vin ao presidente da cmara dos deputados, no
qual pedia acamara lhe coocedesse a renuncia
da sna cadeira de deputado, e declarava ao mes-
mo tempo que se exonerara do lugar para que
fra nomeado no conselho fiscal da reg^.
mais curioso, porem, que o Sr. Vicente
Monteiro, que sempre mereceu inleira colianga
do governo actaal, que recebera dos dmeos quo
esto no poder a mais significativas provas de
apreco e eonsidfra(jae;individual e poltica, tendo
sido nomeado successivamenle para diversos
lugares da mais alta importancia no funeciona-
lismo, explicava na referida carta o desaccordo
que exista entre elle e o governo sobre certos
actos governativos e nomeadamente sobre o pa-
gamento da indemnisaco aos concessionari
(caixas) do anligo monopolio do tabaco, isto
aos seus representantes, entre os quaes se en
contram prenles ou adherentes seus, indemni-
saro que elle considera -oomo expressamenlc
^.contraria lei que institue a regte e nSocompre-
hendida no texto das suas disposises, decla-
rando solemnemente que na commisso de fa-
zenda da cmara dos deputados nunca se tratara
de semelliaule indemnisaeo. que a dos 449
contos.
Pode-se bem calcular que esta carta foi como
orna bomba que-estourasse aas regies progres-
sistas, a comegar pelo gabinete.
lina foi lia regeneradora tirou muitos milhares
de exemplares daquell carta, suppkmento, fa-
zendo a distribuir por toda parte, gratuita-
mente.
A publicidade foi espantosa. Os commenta
rios da imprensa da opposico acerbos, violen-
tissimos. A imprensa propressista commentou-
a lambem.
Representava-se o signatario della como domi-
nado por grande pnico e cobarda moral, ]que-
rendo fazer honestidade cusa alheia desde que
o apavorara a perspectiva de.ser envolvido o seu
nome na diffamaco com qne os "adversarios do
governo andavam j bestilisando o ministerio
por causa da suppostatramoia dos 449 contos.
Uma da das lolias que apoia o [governo, As
Novidades, fez sentir a mgratidao do Sr. Vicen-
te Monteiro, comparando o seu procedimento ao
de um sicario que apunhalasse pelas costas os seus
amigos, aquel les qne sempre lhe tinham mani-
festado mais affecto, que o hauiara accumulado
de favares e provas de conflanra, etc.
Os artigo furibundos viabam as series, fez se
sentimentalismo cm bario, sobn esta corda,
votou-se o nome de Vicente Monteiro s gemo-
nicas, nos arraiaes progressistas, emquanto a
opposigao se lavava em agua de rosas por lhe
ter cahido do co.aos trarabulhes uma arma
de combate das mais preciosos, fornecida por
um progressista da gemina, pelo proprio relator
da eommissfto de fazenda.
Um achudo!
U:n gaudo malvolo, como nao iraaginain, um
Inema mexgo'.avol para a guerra de iosuuaces
com que o nome do Sr. Marianno de Carvalbo.
ex-ministro da fazenda estava sendo malsinado,
antes e depois da sna exonerago.
Logo no priccipio do discurso do Sr. Lopo
Vaz se fez alivio, aquella carta, ou oHicio em
termos todavia providente do conselho replicou ter em seu po-
der outra carta mas particular do Sr. Vicenie
Monteiro que apresentaria cmara, logo que
obtivesse autonsago daquelle cavalheiro para
a publicar a carta em que se desmentan] asser-
goes das mais graves que se liara no ollicio di-
rigido presidencia da cmara pelo mesmo se-
nnor.
A carta no dia segutnte, emque o (ir. Lopo
Vnt tertnrnou o seu discurso, um discurto mi-
nistro, realmente foi apreseotada peto Sr. Jos
Luciano, -a quem fra-muturestranhado na ves-
pera, que alludisse a ella sem a trazer comsigo.
Ficou resolvido que ambts os documentos
officio e carta, apparecessem no Diario do Go-
verno. e que a carta intima fosse publicados na
su integra.
Os coramentarios da opposico a esta segunda
cari, a que se- deu tambem uma publicidade
enorme, fazem ver que ella bem loage de des-
mentir o que o seu autor dizia no oflicio vem,
polo contrario continuar as suas ulllrmages.
Nao cabe as diinenses d'uma resenhaa tran-
scripcodesses documentos, nem para ah de-
vero ter-'gmnde interesse as hositages dees-
[i rito dasar. Vicente Monteiro, nem as suas tac-
paltes insanas t'nias ao Sr. Jos Luciano em
urna simples misjiivanfio destinada a ser asa*
pressa neranlseatida w porlanient.
A opinio quasi geral que o governo ainda
fieou mais enterrado com a appancao da segun-
da carta, por mais que o Sr. Jos Luciano e
toda a sua imorensa se lenham esforrado por
apresante! a como desmentido da primeira.
Ao Sr. Ljpo Vaz ros: ondeu o Sr. Jos-Lucia-
no, litando com a palavra para o dia segrate.
As g'derias. muito povoadas dos gulosos de-
escndalos, no primeiro dia da nterpellago do
Sr. Lopo Vaz, estavam mais rareadas no segun-
de, e ainda menos repleta q'?audo fal ou o pro
sidente do conselho. *
Estes dous oradores, a quem foi prestada a
inirior attcuco, sendo ouvidos ambos com todo
o sil.-ncio pela cmara pode se dzer que BSg i
taran o assumpto.
Tudo o mais, dab em dianle deixa'-a de ofle-
recer supremo interesse.
Seguio-lhe o Sr. Franco Castello Branco por
parto da minora, qne foi violento, como de
c is'mne. invectivando o governo sem d nem
pif'dade.
Em seguida coube a palavra ao Sr. Marianno
de C rvallio.
E' tai a fluidez oratrica, mas noimaginosa,
deste estadista, sao to cerradjs os seus racioci-
nios, tao claras a3 suas deuionstrages, que o
sea d'scnrso causou profunda impresso pela
sna sorenidade tanto nos seus amigos polticos,
com entre os seus adversarios, que lhe presta-
ram a mais correcta attengao emquanto fallou.
Hoje o Sr. Marianno e Carvalho deve con-
cluir o seu discurso.
Responder llie-ha o Sr. Pinlieiro Cha gas.
J veem os meas amigos que urna batalha
campar.
Xa iuprertsa opposiciouista chama-se ao pa-
gamento dos 4i!) cotilos uma tripotage, traimoia,
ou cousa que o ralba.
O grande argument dos defensores d quella
inderaiiisagao que o Sr. Antonio de Serpa,
pfe>idente d'j Tribunal de Cuntas, poz u visto
na respectiva ordemae pagamento quando alias
na legislugo em vigor que regula a contabili-
dade publica linda todo o direito a rccuial-o se
tal pagameirto lhe parecesse Ilegal.
Ora. como que se etpfica esta duahdade na
circumspeta pe:.-oa do Sr. coiselheiro Uitonio
de Serpa ?
Como chefe do partido regenerador, c^\a i di-
rc"*Wr pofRieode uma foldada opposico, auto-
risa as investidas bravas contra os ministros
que pagaron] aquello crdito antigo dos repre-
sentantes do monopolio do tabaco, e do soban ;
como presidente ilo Triliunal deContas, estibn-
dose mo exercicio do suas Fonogoes supremas,
nao duvida por o visto na ordem de pagamento
quer dizer, aclia o legalis-imo, apezar de nao
ter sido ouvido o procurador gerl da cora e
fazenda. parque o gov rno quiz mostrar com
isso que nao tinha a menor duvida sobre a le-
galidade desse acto.
" Estearguiueuio faz iinnresso lambem o nao
pouca no publico imparcial... se que ainda
existe no publico a imparcialidade.
Agora, pergnutar-me-bao. talvez:cahir o
debates *
Eu sai!
Em fugra os miaiitaros nao caliem, pelo me-
nos aqu, a ijpcs de iketericq, c repito a expres-
^8o.
Cahcm quando menos se espora, por incom-
patibilidades intestinas, por divergencias que
de um momento para o outro se manifestara no
seio dos gabinetes.
Depois, a maioria l est firme no seu posto.
O que uns cntendem qne foi uma reverendis-
sima falcatva. outros esto convencidos que loi
um acto dictaloriado pela mais inconcussa lega-
lidade.
Os que julgam inmaculados os ministros que
licaram e os que sahiam, votam a carga cerrada
e tin a superioridade numrica.
Os outros, que deitararu e estao deitano os
bofes pela bocea fra para provasfo contraro,
sao a minora.
Os desatinos cessaram, por ora.eportanto isto
ha de ter o termo que teve a celebre questo dos
bous Herscnt, que j uinguem della se oceupa-
va a /albir.
A maioria absolveu, os tribunaes arraataram
o assumpto para ao cabo de anno c meio quasi,
declararem que ninguem devia ser pronunciado,
o processo canceUoa-so, e tudo acabon em saala
paz, como nos anligos romane es de Mme. Bade-
dilTe.
Tempestades era copos d'agua e nada mais
As questes agrarias e viniculas e que sao
mais para temer para os ministeriaes.
squecia me dizer Ibes qae a maioria ve*
tou uma proposta do Sr. Navarro, e em virtude
da qual foi recusada a renuncia pedida pelo Sr.
Vicente Monteiro do seu lugar de deputado.
Pelo dizer das folhas progressistas, este par-
tido .quer que o Sr. Vicente Monteiro v a c-
mara para explicar de viva voz as declarages
que fez as suas cartas.
Essa sessao, se o Sr. Vicente Monteiro cahir
m se dar em espectaealo como victima das ag-
gresses dos seus ex-amigos, que deve ser
das mais curiosas!...
Os jornaes republicanos e regeneradores an-
daram toda a semana a annunciarcm meetiug
para hontem (domingo de Ramos) na quinta ou
Retiro daTorrinba, ao norle da avenida da Li-
berdade.
Apezar da cnuva e lamagal chegaram a reu-
nir se all urnas 2,500 pessoas, qne os promoto-
res do comicio se compraziam em calcular em
10,000.
Presidio o Sr. Jos Elias Garca, (vareador
municipal, deputado as cortes, coronel deenge*
nheiros, lente da Escola do Exercito. principal re-
dactor da Democracia Pertufueza, um dos mem-
bros mais salientes da directora do partiuo re-
publicano, e gro-raestre da tnagonaria) sendo ac-
olamado, por proposta ao Sr. Dr. Sebastian de
Magalhes Lima, redactor em chefe do Seculo,
vereador municipal e membro do directorio re-
publicano.
O presidente propoz para secretarios os Srs.
Magalhes Lima e Consiglieri Pedroso, (de-
putado s cortes; ^ex-vereador da municipalida
de de Lisboa, lente do Curso Superior de Let-
tras, director poltico dos Debates e membro do
directorio republicano.).
O publico protestou, porque desejava que to-
dos os matizes do partido republicano cstivessem
representados na mesa.
Por este motivo foi convidado o Sr. Manoel
Luiz de Figueiredo, socialista, e outros indivi-
duos a servirem de secretarios.
No estrado da mesa presidencial estavam al-
guns deputados regeneradores.
Anerta a sessao fallou com grande vene o Sr.
Magalhes Lima, que um rapaz sympathico.
loiro e amahilissimo c fra, mas furibundo co-
mo orador de meelings.
Referia-se aos excessivos dispendios das fes-
tas do casamento do principe real, questo dos
tabacos, questo vinicula, a nao concorrer o
governo oficialmente exposico universal de
Paris, s empresas mineira3 de Mogambique,
dos populares que em tempo o governo raetteu
a bordo do frica hostilisando tambem a oppo-
sigao parlamentar por sua falta de seriedade,
alludindo a violencia de linguagem que se ern-
prega no parlamento, e dando tambem um ab-
nete ao povo por nao ter deitado ainda o go
verno abaixo eoncluiu por apresentar uma re-
presentagao para ser levada s cortes cdhtra os
actos do governo, e ao mesmo tempo contra a
opposigao. ., ,
Segua-se-1 he o Sr. Consiglieri Pedroso que
fez a historia do comicio de Aveiro, Houve
apartes da multido, palmas, diteiwe turva-
ram-se os ares.
Orou logo depois o conhecido Agostinho da
Silva, que julgo ser operario e gosa de crdito
como orador popular.
O seu discurso huraouristico nao so prendeu a
altengo do auditorio, mas teve-o em constante
hilaridade com as suas satyras e conceitos mui-
to a proposito.
Pode-se dizer que a sua verbosidade jocosa
inderanison os circemstantes do encommodo que
tiveram em l ir.
Fallou tambem o Sr. Dr. Manoel de Arriga,
advogado e membro, segundo creio do directo-
rio republicano.
Fez um daquelles floreados discursos que co3-
ttraia proferir neslas occasies. Foi correcto sem
offender ninguem.
Elogiara o povo pelas rasnifestages de vita-
lidade que dava reunindo-se em comicios, ter-
minando por esta sensata reflexo :
Mas agora, faremos bem em auxiliar a op-
posigao para derrubar o governo? Nao sei. Mas
oxal que os que vierem depois. se nao riam de
nos !
Orou em seguida um socialista chamado Fi-
gueietoo. que em todos os meetings diz furiosas
*o arribes contra o capital.
Neste ponto de discurso do Sr. Figuein1 !o,
desabou uma pancada d'agua tremenda, que Doz
quasi tudfl em debandada.
Nao chegaram a fallar os deputados regenera-
dores, que l estavam e mesmo se o fizessem,
talvez (marcase chmfrim e escndalo por-parte
dos socialistas e republicanos, quem tinham
ulludido aos murros as carteiras da cmara,
as mesas quebradas, a falta de seriedade das
opposirOesjiarh'.inen tares etc
Os regeneradores, digasea verdade. foram
alh to maltratados como o governo, e a o;.'inio
Dinecting foi que to bons sao uns como ou-
tros.
Mocalidade : os republicanos empalmara todos
os meetings que se tentaren! fazer mi Lisboa, e
desta vez. confessem os regeneradores que ape-
nas Ibes serviram de trombetas e compar-
sas.
No Diaro do Ooteino de ante hontem foi pu-
blicada uma portara prebibiudo os espclaculcs
pblicos dohypnotismo o de suggesto. Ogo-
verno funda-se no pareeer do conselho geral de
tiygiene no procedimento semclbantc que lm
tilo soiire* este assmupio os governos do outras
nages Jas raais adiautadas.
Celebrou-se no dia 4 no Palacio e CrysaL
do Porto, a sesso solemne dedicada a memoria
Infante D. Henrique.
Discnrsaram os Srs. Dr. Paulo Marcellino,
Joaquim Gongalves e Anloni Candido.
Leu se uma monioriaido Sr. Dr. Alberto 'am-
paio, Recitaram-se jioskis Jos Srs. Luiz de Ma-
^allios. (lilho do grande tribuno Jos Bstevao)
e- Maoof Duarte de Ameida.
. (J pre.sideiite da cmara declarou que a miini-
cioalidado se associava bomenagenido monu-
mento ao infante.
Era urna divida que o Pmto pagara.
.- O monumento estar concluido, no prximo
centenario, em, I894,cra frenle d barra. A" so-
lemnidade assisliram as autoridades, os repre-
sentantes dos diversos jornaes do paiz e grande
numero de senlioras.
O discurso de Antonio Candido, de que en-
encontraro um trecho no Jornal do tommereto
de 12 do crrenle, um primor, tanto pela ele-
vago 'los peosamentos, como pela correcgo da
forma.
A* 8 fe:hou-se o tlicalro de S. Carlos. Hon-
tem, no salan da Trindade houve a primeira
audicao da Flora, ojiera ainda nao ouvida, do
no-so compatriota AdoiphoSanvnel.
Para este ti n tiveram os amigos deste caval-
leiro det|U disar-se para escripurar exprc.-sa-
me.ite alguns artistas estrangeiros para canta-
rera duas' vezes esta opera, com o carcter de
concert.
Nao assisli, mas dizem-mc que maruviou
pelas muitas bellezas que encerra o sparVto.
llavera ainda oulra recita.
E.ti S. Carlos agradou enormemente o O/helo
de Verdi. Pena foi que pozessem em secna es-
ta opera as ultimas semanas ta poca lyrica.
Na festa i.rtistica do actor Brazo foi sce-
na em D. Mara 11 a Estatua do Sr. Lopes de
Mendoncn, laureado autor do Dui\ue de Vizcu.
Este drama 6 rntbefn em verso, esl posto em
secna cura riqueza, agradou tatito ou mais que o
D't'iue de Vizcu. o foi muito bem dosempciihado.
Est era- Lisboa madamoiselle Eioma Otero,
que no ultimo concurso de belleza, que houve
em Nice, obteve o primeiro premio. E' um pr-
tente de formosura, e possue urna bella voz. Fez
ha pouco 20 annos. Esla noite can tara, nos in-
tervallos da zarzuclla que trabulha agora no
theatro da Avenida. Deve attrahir enormissima
endiente.
Sabbado e domingo houve corridas de caval-
los no hippodromo de Belem. De Hespanha vie-
rain alguns lidalgas do sport expressamente para
assis'.ir a estas funeges liyppicas.
A 12, noite, parti no Sud-exprets a prin-
ceza tfeleua d Orleans, com a dama nanceza que
linda vindo aqui a Lisboa com seu mario. o
Mrquez de Lasteyrie para a acompaohar. A
princeza vai directamente a Pariz, segnindo ho-
je para Londres c devrndo chegar nrtssa tarde a
SBaaaalaiav, residencia de seus pas os condes
de Pariz.
No mesmo dia deve tambera alli chegar, de
volta da sua eslada no Oriente, o Dnquc d'Or-
eans. Seu caoba''o, o principe real D. Carlos,
cora dous camaristas foi at froateira (Torre
da9 Vargens). acompanhar a princeza. S. A. a
princeza D. Amelia nao pode sabir do paro
Belem por se adiar levemente incommodad
Disse que est novamente no seu estado inte-
ressante. Muitas pessoas da corte foram 4 gare
despedirse da princeza Helena.
Est j publicado o decreto noraeando go-
vernador geral da India o Sr. consetheiro Vasco
Guedes de Carvalbo Menezes. antigo governador
geral da provincia de Cabo Verde e de Angola,
general de brigada, 2* commandaute d i* divi-
so militar.
Receberam-se boas noticias da expedidlo.
Cardoso ao Nyassa, que tantos cuidados inspi-
ra va em Margo. O governo deu conta Cmara
dos Deputados das noticias recebidas, fallando
congratulatoriamente um dos mais considerados
membros da opposigio e htngando-se lia acta re-
gistro do facto.
Eis era que ellas consstem:
Os telegramraas recebidos pelo gowerne acer-
ca da expedigo dirigida por Antonio Maria Car-,
doso sao dous. Um directo- do explorador,
transmittido de Lourcnco Marques, nutro de Mo-
gambique, Armado pelo governador. No primei-
ro. Cardoso declara ter haver avassallaao nove
reguos, junto s margens do Nyassa, e esperar
para breve a vassallagem de outros mais impor-
tantes. Indica o nome rielles e a latitude em
que demoram, e Cardoso agradeca as providen-
cias tomadas pelo governo, declarando nao care-
cer de soccorro. Esteve no Marral em casa de
Romo de Jesns Maria. No Nyassa, frente da
misso licra o tcnente Leal.
O socego era completo. Cardoso pedia que o
substituissem, para vir a Lisboa conferenciar
com o governo e restabelecer a sade. Aguar-
dava, porm, a chegada do substituto, e as or-
dens do governo.
O telegramma do secretario geral Almeida,
hoje servmdo de governador, communica achar-
se Cardoso em Quelimane, haver dispensado a >
expedigo de Geraldes e reputar desnecessaria '
a de Serpa Pinto. O Sr. Almeida accrescenta
que vai mandar uma embaixada ao regulo Mata-
ca, o mais poderoso entre o Nyassa e Cabo Del-
gado.
J anteriormente a estes dous telegramma3
constara ao governo por um outro de Augusto
Cardoso, expedido de Quelimane. que Antonio
Maria Cardoso dispensara, mandando-os para
Inhambane, os 330 landines, cuja presenga no
Nyassa oflicialmente declarara ser altamente .
prejudicial. Tudo alli conseguir pelos meios
da persuaso, reputava, pois, inconveniente o
em prego da forca.
Prova este facto qual o prestigio do nome
portuguez naqucllas regies..
Ao governo cumpre persistir no caminho en-
celado. A obra de Cardoso carece ser consoli-
dada e ampliada. Sel-o-ha, sem duvida, por elle
proprio e por Seri>a Pinto e Augusto Cardoso.
A misso de Serpa Pinto ne se limitava i ir
em auxilio de Cardoso, auxilio que felizmente
nao foi necessario.
Outra incumbencia c importantissima lhe es-
t confiada. E' de esperar que se desempenha-
r della com o mesmo brio e patriotismo com
que sempre tem procedido. Na minba do i
ueste mez referi-me ao emprehendimento de qne,
extra-ollicialmente constar ter sido eommettido
a Serpa Pinto.
Cada vez mais preciso que Portugal se m-
pooha pela sua influencia e prestigio as
gies do sertao africano.
Ha dias, na reunio u> assembla geral da
Companhia do Crdito Predial Portuguez. foram
votadas as concluses do relatono do cons-lho

*

,
V


Diario de llt3maiul)iM^)IM^Ja^u 2S de Abril :J

de a gencio eleitos
assembla geral o Sr. Conde aY vice-
presidente o Sr. Visconde de Varara-, secretarios
o Sr. Joaquim Iforeira Marqese Joo Henrique
Llrich; paran emiselho de administraco, vo-
gal effectivo. o Sr.. eonselheiro Jos de Saude
Magalhfies Mexia Salema, e vogaes suopientes
os Srs. Joaquim Moreira Marques, Joio Hcnriquc
Ulrieu e Carlos Ferreira dos Santos Silva; para
o conreino fiscal, vogal effectivo o Sr. Viacoflde
da Amaga e vogal supplente o Sr. Mem Rouri
gues de Vasconcellos.
Nao podendo o Caaptoir d'Escompte conti-
nuar a cumprir o seu contracto com o governo
portuguez, que expirava em 30 de Junho, assim
o fizeraui saber os seus liquidatarios proviso
ros ao governo portuguez. Por este motivo en-
trou ha dias em vigor o contracto novo com o
Credit lAforna e o dedil Indwttriel, que so de
via conejar a exeeutar-se em 1 de Julho.
0 coupon das obngages portuguezas comu-
ou j a ser paga em Cariz pelo Credit Lyormtiis,
redit industrie!. Sociel Gnratoe casa Ephrass
& C
No dia 8 d"ste mez passeu pelo tunnel da
via urbana, desde a estago da Rabieha ao Ro-
ci, o primeiro comboio, gastando no percurso
29 minutos. Quando a linha cstiver definitiva
mente assentada, gastara 10 midutos. Fazia
dous anuos que se se tiuha decretado a autorisa-
go para a perfuragj do grandioso tunnel. Nao
houve o mais leve accidente, nem se realisaram
os tristes agouros que se faziam. Vinham as
carruagens os directores, eropreiteiros, pessoal
superior da companhia ilos caminhos de ferro
portuguezes e convidados. Muitas girndolas e
salvas de morteiros aturdiram oh ares quando o
comboio cbegou ao Roci. Os jornalistas Tica
ram muito despeitados contra os empreiteiros
porque vieram em carros de trabalho, improvi
sados em vehculos.
ltimamente foi apresentada em cortes
urna proposta de lei do ministro da guerra (ge-
neral+:astre) regulando as promoges dos ofli
ciaes das diversas armas do exercito.
Outra, reduzindo o quadro da arma de enge-
nharia, e finalmente urna terceira proposta de-
terminando varias disposiees com referencia
aos ofticiaes daquella arma.
Vejo me obligado a concluir esta, que j vai
enorme. Em seguida encontraran, como appen-
so, o 'xtraeto das audiencias do julgamento do
Sr. Visconde de Wildich, ex cnsul geral de
Portugal no Rio de Janeiro, e do Sr. Brandao de
Castro, ex-liiesoureiro do niesmo consulado.
Ambos foram absolvidos.
L.
O benemrito eonselheiro Joio Alfredo
poder, no da 18, dieer tjue todo o-Bra-
zil se curra agradecido diante da sua
synipathica indvidualidade-
O Dr. Joaquina Nabuco, esse que teve
& gloria de ser o Moyss da Aboiiclo
pode dormir tranquillo sobre os impereci
veis loaros qae a sua ooragem, talento,
firmeza e carcter conquistaran).
Que as featas projectadas estejam na
altura do facto conmemorado, eis o que
todos os coragoes patriotas desejam.
Cablos.
REVISTA DIARIA
Alarlo de PemaMbueo Na ausencia
do Dr. Felippe de Figueira Faria, que emba-
cou hontem para a corte, onde vai tomar parte
nos trabalhos parlamentares como deputado pe-
lo 3u districto desta provincia, assumc a cheba
da redaego do Diario de fernambuco o Dr. Joa-
iiui' de AIbuquerque Barros Guimares. digno
lente da Faculdade de Direito. que.oais de urna
vez tern desempenhado aquella missao A conten-
to do leitores a folha e do publico em geral.
Aisembla Provincial Funccionou
hontem sob a presidencia do Exin. Sr. Baro
de Itapissuma, tendo comparecido 27 Srs. depu-
tados.
O Sr. 1." secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente:
Una olncio do secretario do governo, remet-
tenWo o requerimento em que o gerente da Com-
Sandia Pernainbueaaa ipeae o pagamento de
:8464043 proveniente de passagens concedidas
por conta da provincia.A' commisslo de orga-
mento provincial,
Outro do mesmo, remetiendo as informaces
em original que prestou o director engenheiro
em obste do prolongaraento da estrada de ferro
do Recife a Caruar, acerca das construcgOes
das estaces de Afolados e Areias. A quem
fez a requisigao.
Outro do mesmo, remeltendo 40 cxemplares
do relatorio que a esta Assembla apresentdu o
Exm. Sr. Dr. Innocencio Marques de Aiaujo
Ges.-A distribuir.
;|)utro do secretario do governo do Paran, re-
nettendo um exemplar das leis daquella pro
De domingo a domingo
No dia 23 teve lugar nos luxuosos sa-
I3es do club (Jarlos Gomes o concert vo-
cal e instrumental annunciado como des-
pedida do artista Giovani Scolari.
Deliciosamente impressionado por baver
gozado, durante algumas horas, dos dulcs -
siinos effluvios de urna voz harmoniosa e
sytlionica, que imprimia-me n'alma urna
serie de suaves sensages, e que arranca-
va do fundo di> peito as mais sinceras sau-
dagoes, eu fui muito prevenido festa do
distincto Br. Scolari.
Cora tudo a impresslo foi favorabil-
sima ...
Reprodnzir as eraogies, que experimen-
te!, seria um trabalho enorme.
A msica, tal como a comprehendemos
hoje. a arte do prazer e das sensagoes
agradaveis, verdade, mas sobretudo
um poderoso meio de express3o.
E tanto isso exacto que Berlioz per-
gnntava a Alphonse Adam (msico qne t
procurava agradar): Pensaes que se ouve
a 'uusica so por prazer?
Ella'tem por fim nao s>J destrahir agra-
davehitente ao ouvido como tambera produ-
cir em nos emocoes as mais diversas.
Sendo assim, bera se comprchende que
n2o s por distraego, mas tambera (e
principalmente) por necessidade o indivi-
duo, que possue nra eorag3o purificado
pelo cstudo, assiste- s reunios rausicaes
ou nellas toma parte para dar expansao
aos 60us sentiracntos.
A masica tende cada dia, de subjectiva
qne era, a tornarse objectiva, isto a
nao procurar mais como out'ora produzir
urna sensago vaga, porem a precisar um
tom e espectculo defenidos e exprimir
urna paixSo ou um sentiraento.
*
Xa escolha do programma o Sr. Scola-
ri propuruu sqguir estas theorias.
A execug&o corresponde u espectativa,
salieutando se o Dr. Paulino de Mello,
distincto viokraista qne sabe arrancar do
instrumento verdadeira chuva de electri-
santes harmonas e o Sr. Scolari, cuja voz
extensa e voluraosa revela ter conbeci-
ment" dos segredos da arte musical, foi
justamente applaudido.
*
A estas horas ja se acha no vivificante
seio gos q-.ie (leeorrem de ama administra3o
ooascicncfosa e seria, o Exm. Sr. Araujo
Giics.
a* altas regios da vida poltico social
de um pavo que ainda trabalha para a
sua decisiva accentuacSo, deveras nota-
vel o facto de apparecer um individuo,
que desligando-se das influencias meso-
logcas, siga urna rotina firme e pereita-
mente caracterisada.
O Exm. Sr. Araujo Ges, alma aberta
a todos os bons sentimentos de Justina e
equidade, deixon ao cora?ao dos habitan-
tes desta provincia um lugar salentissi-
mo conquistado pela sna conducta na ges-
tSo dos negocios publicas.
#
Approxima se a epocha mais gloriosa
da historia social do Brazil.
O dia 13 de Maio, circumdado das bea-
cSos de una rara opprimda, brevemente
resurgir^ no horisonte deste paiz, para
releiubrar os heroicos feitos, as dedica-
c5es inquebrantaveis dos propagandktas da
redempgao e a sabia previdencia c alto
tino poltico do actual ministerio que, sera
convulc/es, extingui no solo da patria
Os germens corruptores que urna institu-
5S0 conderanada ia lanzando.
Nesse dia, quando a pftti.i rcjhilada
dobrar o joelho, nns nuvens que correrejfl
cleres no firmamento azul !uu< recer, gravado.- era ieftrw M da
parpara do intinito e dooaro .! a r.lr.ir.jia-
gos, o rues inolvidaveif daqnellcs qu
nunca Iransigiram.
A I icivel > Uoj cid;:,
dos abolicionistas da FUha do Xwite, den-
tre os qiiaes >e destaca o vulto Jnior que combaten at (contra a opl.
de muit"8 gio[irieados)o projecto Dantas,por
atrazado a pleiade da Ave Libertas, a cu-
frente, qoal resoluta .Toanne d'Arc,
ve a distinatissima pernambucana Ma
Y*
ria Amelia d- Qucircz, os activos cuputs
que agiun no silencio da noite em prol
aaaa raaaos opprimidos, e urna mu'ti-
do de trabalhadores he je algara tanto ol-
vidados, ho de ser endeosados.
m
rinda promulgadas em 1888. A archivar.
Outro do mesmo, agradeceodo a (remessa dos
annacs desta Assemblc:! de 1888. Inteirada.
Outro do de Minas-Geraes, dem, dem. In-
teirada.
Outro do de Espirito Santo, idem, idem.In-
teirada.
ulro do de Santa JCatharina, idem, idem.
Inteirada.
Outro do mesmo, remetiendo as collecces
das leis e regulamentos diquela provincia de
18S6a 1888.-A archivar.
Um abaixo assignados de moradores de Ca-
tende pedindo consianacao da quota de 400000
iara concert da capella de Sant'Anna d'aquel
e povoado.A'commissio de orcamento pro-
vincial.
Lina petico daemprezade illuminarao a gaz
desta cidade, requereudo a renovaeo de seu
contracto por 4'> annos, mediante varias condi-
cOes.A' commissao de petieOes e ornamento
provincial.
Outra de Benedicto Lzaro de A Ibuquerque
Sobreira, requereudo preferencia no pagamento
do que cstiver a dever a cmara municipal de
Palmares a sociedade de S. Vicente de Paula
llalli.A' commisso de orcamento provincial
Outra do major Francisco Apolonio Bezerra e
Silva, fazendeiro e morador no termo de Becer-
ras, requerendo consignagao de quota para pa-
gamento do premio de 1:000 a que lem direilo
por baver plantado em seu sitio Belm 7,472
cafeeiros.A' commissao de ornamento provin-
cial.
Foram a imprimir dous pareceres da commis
sao de redaeco sobre os projectos ns. 69 de
1888 e 19 deste anno.
Foi tamb-ra a imprimir sob 11. 47. um pro-
jecto precedido de parecer da commissao de le
gislaco, concedendo a gralincaro de mais
4001 aos profeasores que liverem mais de 45
anuos de servico effertivo no seu magisterio
Approfou-se" depoisde orar o Sr. Loumuco
de um requerimento seu. pedindo varias in
formares sobre juizes de paz de Litneeiro, con
Hielos havidos entre o 2o e 3" e araeaga a este
ultimo feita pelo promotor publico.
Approvou-se tambem depcis de orarcm os
>rsTiosi5 Maria e Jos Mariano, que mandou
mesa urna emenda, sendo approvada, um reque-
rimento daquelle Sr. deputado pedindo infor
mcoes sobre a publicac/io da lei n. 1986| que
nao fra votada por cala Assembla.
Passou se ordein do dia.
Entrando em 3* discusslo o projecto n. 20 de
1880 (estrada de ferro de Santa Rita a Itamb)
foi approvada tuna emenda sob n. 2.
Approvou-se em 2* li'-cusso o projecto n.
126 de 1S88 (terrenos do eognho Merepes para
Govaniw) sendo dispensado do intersticio a re-
querimento do Sr. Irineu Macedo.
Foram approvados os pareceres da commis-
sao de exaaae de leis nao sanecionadas ns. 83
art. 888 e 19. 22, 23. 24 e 25 deste anno.
Approvou-se por 19 votos, achaudo-sc presen-
tes 20 Srs. deputados a lei nao sanecionada a
que se refere o parecer da mesma commissao
cima, n. 20dcstc anno (emprestiino a enge-
nhos centraes de capacidade nao inferior ao ty-
po menor fundados sena garanta de juros ou au-
xilio da provincia), sendo emendada de coafor-
midade com a razoes de nao sanego.
Approvaram-sc em 1" discusso os projectos
n. 223 de 1884 icxtinguindo execuces movidas
contra o major Reg Mooteiro e 24 deste no
1 criando um novo districto de paz na parochia
da Escada sendo ambos dispensados dp inters-
ticio, este a requerimento do Sr. Elisiario de
Moraes e aquelle a requerimenlo do Sr. Ferreira
Jacobina.
Travou se um debate pela ordem em que to
maram parte os Srs. Barros Brrelo, Ulysses
Vianna, Crummond c Meira de Vasconcellos.
Procedeu-se votacao das emendas apresenta-
das na 3' de projecto n. 94 de 1888 (orcamento
provincial).
O Sr. Barros Brrelo requereu e obtevo que se
votasse de preferencia a emenda n. 92, orando
pela ordem o Sr. Ulysses Vianna.
O Sr rummonii requereu tambem e obteve
qne a votae&e fosse por partes, orando o Sr. Jos
Mariaimo para una explicaco.
Por filia de.uumero n5o terannou a votapio
dis e,ie:irtaP.
A ordem do dia : continuado da anteceden-
te e mais '.liscussio dos projectos ns. 223 de
l8i e i\ de 188j e da emenda de n. 20 deste
anuo 3* do projecto n. 126 de 1888 e discusso
nnlcn das resoluces a que se referem os pare-
ceres na. 85 de 1*8*, 19. 22. 23, 24 e 25 deste
2n:io.
Krrrralita Comkierclnl- Esta soeie-
dade pretende realisar no dia 5 de Maio prxi-
mo a sua soire trimestral e para ella tem sido
distribuidos niutos convites, nao poupando a
sna digna directora os esforcos ao seu alcance
para da- toas brilho e esplendor mesma soi-
A' 21 .1 p.esideneia da mesma sociedade
Dgraateceana o delicado conviie que nos enviou.
Reprrvf-nfntiteft da nacao Para a
r,-1 h- nd< ijiuar parte nos trabalhos do par-
mi ireuram hontem no paquete A>r os
n0- amigos o compronnrianos, de-
p....,; por esta provincia, Dr. Felippe
,l( j.-,IU .;. Paria. Jo Juvencio Ferreira de
Agutar, '.!<'''! Jo Rio Formoso, Jos Iternar-
rfGal 1 Ateororad 1 b A bato Corn ia de Oli-
O embamoc reallB0O-s na rampa do Arsenal
d;- Mr- 4 '. !uraero?os amigos deslcs re-
prcspniantes d lazer-Hies ha iles-
jjjt,., andas de msica e um rebo-
lo acompanhou es escalares.
io no rnesrao vapor o nosso dis-
ncl no Dr Pedro Beltrao. depu-
I rielo.
- para que prsperos ventos os
conduzam ao seu deslino.
Acto da presidencia da aro lacla
Por actos de 13 do correntermez :
Foi creado um districto policial de subdelega-
da em Beln de Cabroh, eujos limites serao
os da freguezia all creada.
Foi nomeado Jos de S i raujo para o cario
de subdelegado do districto de Beiem em Ca-
brob.
Foi exonerado, a pedido, Isidoro Camello de
Siqueira Cawiicante. do cargo de subdelegado
do 3 districto do termo de Alaga de Baixo
(Jericjta) e nomeado para substiiuil o o actual
1" supplente Joaquim *lvcs de Siqueira Barboza.
Foram nomeados : 1 supplente do mesmo
subdelegado o actual 3 supplente Antonio Al ves
d Siqueira Mello, e para o lugar por este dei
xado o cidadao Joaquim Brazihano de Siqueira.
Foi exonerado Silverio Antunes da Paixao, do
cargo de 2 supplente do mesmo subdelegado e
nomeado para subslituil-o Anselmo Osorio de
Siqueira Campos.
Por officio da mesma data mandou-se The-
souraria de Fazenda pagar a quantia de 8400'
da despeza feita cora o enterramento de 2 pra-
vas do exercito.
Hidrato da Babia Telegrammas parti-
culares de antehontem e que nos foram mostra-
dos, dao o seguinte resultado dos districtos 1*,
2, 3* 'menos 3 collegios) 4*, 5o (menos 6 colle-
gios) 7o (menos 8 collegios) 8, 12- (s 3 colle-
gios) :
Bariio de Guahy 4708
Carneiro da Rocha 4122
Innocencio Ges 4119
Moura 4011
Sodr 3635
Freir 648
Teixeira Soares 231
Ctaegada-Xo paquete Galicia chesou ante-
hontem do Rio de Janeiro o Sr. commendador
Jos da Silva Loyo Filho, acompaiihando-o sua
Exma. familia.
Diversos amigos foram recebel-o, e oacompa-
nharam at casa de sua residencia, no Man-
guinho.
Comprimentamos o nosso amigo.
Ttafatro dr Manto Antonio-No prxi-
mo mez reabrir-se-ha este theatro, depois das
grandes reformas feitas pelos seus novos pro-
prietarios.
Os salces de entrada, botequim e jardim apre-
sentam grandes modificagoes bem vantajosas pa-
ra o publico.
a sala de espectculo tambem soffreu modi-
licaces. tendo o tecto sido forrado, apresentan-
do urna bonita pintura.
O panno de bocea novo e primorosamente
pintado pelo Sr. Chrispim do Amaral.
Os artistas que se achara contractados para a
empresa, que pretende manter espectculos per-
manentes durante a poca mais apropriada para
theatro, sao, alm de outros, os Srs. Joo Rocha,
actor cmico de reconherido merecimento, a
quem o publico e a imprensa|flumineose tecem
os maiores elogios ; Ltiz de Franca, barytono
Commolleti, arlisia j apreciado por nos: Jos
Alexandrino, D. Eugenia de Almeida, Anglica
Franca, Francisca d" Br'tlo, ele.
A peca da estra ser a importante mgica
A Lolena do Diabu, peca que em Lisboa e na
corte deu encheiites successivas.
0 scenario foi todo pintado na Europa, e pro-
duzn magnifico effeito; machinismos, adere-
mos e guarda-roupa s5o todos novo e de muito
gesto.
0 nosso estimado e applaudido artista Carva-
H*o Lisboa foi contractado para director de sce-
na, fazendo a empresa acertada escolha
E' de erar qi>e os artistas Helena Ualsemo
Rodrigues e Eduardo Rodrigues, dando-nos
boas pegas e artistas Je merecimento, nao terao
que arrepender-se dos capitaes queempregaram
no mellioramento do theatro, porque iremos em
breve ter all a r unio da nossa medrar socie-
dade.
1 ni mi sruro -Pelo Sr. Dr. Jos Osorio de
Cerqueira, incansavel inspector da colomsago
n'esla provincia, foi-nos offerecido sob o titulo
A Provincia de Pernambueo um folheto de 90
paginas em oitavo, ntidamente impresso em
Pars e acompnnhado de urna carta chorographi-
ca da provincia.
Traduzdo em diversas linguas. este lvro
destinado distribuico em diversos paizes alini
de tornar condecida a provincia de Pernambu-
eo e estamos convencidos que assim succeder,
tal a clareza com que foi o referido livro es-
cripto, vindo assim a ser um meio que facilita-
r a correte immigratoria.
Agradecemos a ollera.
Monumento rommrmoratlvo da
anoliro em oilndaAs pessoas que se
coiiu.roinetlerain a dar prendas parao bazar que
se effeduar em Olinda, em beneficio do monu-
mento comraemoralivo ahieni construccSo, e que
se inaugurar no dia 12 de Maio, primeiro ani-
versario da liberiaco de toda a comarca, quei-
ram ter a bdndade de remettel-as ao Sr. enge-
nheiro Pereira Simos, na estaco da ra da Au-
rora, ou ao Sr. professor ~ilva Pessoa em Olinda.
!s referidas pessoas recebero com o mesmo agra-
do as prendas que forem remettidas espontnea-
mente pelas Exmas. senboras ou Ilustres cava-
Ihciros que assim queiram concorrer para a crea-
eio do primeiro monumento commemorativo da
diamantina dala em todo o imperio do Brazil.
Igualmente fieam prevenidas as pessoas que ac-
ceitaram bilhetes da Exposieo da Estatua que o
sorleio ser o da primeira foteria de Nictlieroy
do mez de Maio ; sendo que o primeiro premio
ser de/, libras Merlinas, o segundo um par de
eslaluetas de bronze, o terceiro um vaso de tou-
cador c o quarto urna pliotogr phia da esta-
tua. *
Vuiieo tiiioiico Inntrurtivo Esla
sociedade funccionou hontem em assembla ge-
ral, sob a presidencia do Sr. Eleuterio Jos dos
Santos.
Foram lomadas diversas medidas de inleresse
social, entre as qnaes festejarse o dia 13 de
Maio.
onron Communicaro-nas que enlrou
ltimamente para a redacgSo da Familia, revis-
ta paulis tana, exclusivamente cscripta por dis-
tinctas senboras, a nossa comprvincana a Sra.
D. Maria Amelia de Qoeiroz.
Ki-unio aeadeaalca Os alumnos da
Faculdade reuoem-se no dia 29 do correte, s
10 horas da manh. afim de se deeidir qual a
attilude que deve assumir a Escola de Direito
perante a gloriosa data da redempcSo dos cap-
tivos.
iairen*a Recebemos c agradecemos as
seguintes publicaces .
Relatorio do trabalhos da sociedade sporlativa
do Rio de Janeiro, denominada Jockey Club,
apresenladrj pelo Io secretario Lucas da Costa
Fana.
A Estacaojornal de modas que se publica
no Rio de Janeiro.
Como sempre rico e variado era figurinos,
vem este numero do jornal predilecto das senho-
ras brasileiras. Oitenta c um sao os desenhos
que adornara o texto do numero que recebemos
e dous figurinos coloridos com seis lindissimas
tile'les casciras e de passcio.
A FamiliaRevista semanal da qual redac-
or.i Joephina de Azevedo.
Diversos artigos de educacao e de interesse a
familia oriiam o numero 20 que temos a vista.
Hadria da Boa-vista N'essa matriz
priocipiarao na terca-feira, s 6 1|2 horas da
manba, os ejercicios 110 mez Mariano.
iiipur do *ul -Segundo aviso telegrapln-
co. o vi;ioriugle-z Tatuar deve ter deixado hon:
tem o porto da Babia pelo que cuegar aqui
amanJia.
ueiiOenEITeciuar-se iio os segulntes :
Te; ra-feira :
Pelo agente Silveira, s 14 horas, no arma-
zem roa do Imperador n. 45 de urna casa ter-
rea
Pelo i-renle Gusmao, s H horas, defronte da
.le 180 caixas com ba'alas.
Hin:i funefcr'---Sero eelenradas :
Amauli :
As 7 1.'' u i ig/eja do l'araizo e Hos-
pital l'< r alJM do coronel Domingo!
Alves a horas, na Conceieao dos
Milu.'.'-. [M'ta data do coronel Jos Tliomaz
Goor.diMe. as I horas, na Ordem -"i.' de S.
Kra:i j#co. pela alma ile Manoel Jos c Castro
Guimarfii s.

la, na matriz do Monleiro. pela alma
de Alliodo Jos' Antunes Guimares : as 7 horas,
na i. Jos da Boa-Espe-anca, pela alma
de I), liosa ile Viierbo Cavalcantc.
Paagelro-Sabidos para os portos do
sul no vapor Maualat:
D. Mana Nogueira da Silva e ." ilhos, Jos Sil-
vano da Silva, Gaspar Goncalves Silgueira, 1
criada do Dr. Bettencourt
Saludos para Fernando de N.ronha.no va-
por nacioinl Una :
Dr. LuixTavares de Macedo.D.Joaquim Cae-,
las de Casto, sua senhoia e urna Olha.
Gheoidosido sul no vapor nacional Para :
Celso -Mcsirinho, Fausto Jos Porto Vaiente,
Dr.i Jos ta Gunha Teixeira e sna senhora, com-
mendado' Jos Candido de Moraes e sua familia,
Dr. Henrique de B. Wanderley, Guilherme de
Almeida. Maria de Souzr, Francisco C. de Mello
Netes, fenacio Leite de Mello. Juvencio Gomes.
Jos AnDnio Machado, Mathias I'; da Cunha, te-
nenie-coronel Antonio Francisco da Costa e sua
familia, Antonio Ferreira Freitas, Joo Arlhur
Martins, Francisco Xavier Pereira, Silvino A. de
Seixas, Alfredo M. da Costa. Francisco A. P. da
Cunha, Antonio B. S. Castro. Antonio de 0. Bor-
ges, Joio Mendes da Silva, Dr. Augusto Cardoso,
Antonio S. Silva Matta, Frederico, 1 cabo e sua
familia, S prcas, Casimiro Jos da Silva, Manoel
Francisco de Oliveira, coronel Francisco deHol-
landa Carvallio, Raymundo de Seixas, W'ences-
lau Jos Baptista, Alfonso Janny, padre Firmino
Rocnav Dr. Felippe Silva. A. PJbrmann, Manoel
Loureajo, Pedro vlarini. Angelo Gabriel. Francis-
co Jxm de Oliveira, Josefa Bezerra, Rila Maria
Ja Coiceico e Amonio Diogo de Mello.
h"gados do norte no vapor nacional Ja-
gimrik:
Conego Joaquim Antonio de Oliveira, Francis-
ca Souza, Jos Maria F. de Carvalho, Josefa Ma-
ria 4e0liveira, Jos Lima, Joo Pereira da Silva
e Ida lino Baptista de Araujo.
Subidos para a Europa no vapor inglez
Galicia :
Jokn SyraUey, E. C. Levy. A P. de C. Maga-
Ihes, J. Hasslmann, Bello Carmeni, D. Elias
Francisco, sua ?enhara e 4 lilhos.
Chegailos da Europa no vapor francez
Ville do Cear
Julien Bosch. Julien Picard, Leo Maia, Geor
g Pacha c Albcrt Carneo.
Sabidos para o Sul no vapor iuglez Neea :
Dr. A.C. de Oliveira. sua senhora. 3 lilllos e 4
criados, Visconde do Rio Fnrmoso, sua senhora.
1 filba e 5 cri.dos. Dr. Jos B-rnardo Galvao
Alcoforado Jnior, Dr. Felippe de Figueira Fa-
ria, Dr. Joo Juvencio Ferreira de Aguiar e 1
criado, Miss II. C. Wolfe, E. Wolfe, B. Wole,
H. C. Wolfe e 1 criado. Dr. Francisco Porfirio de
Andrade Lima. Jos Candido, Manoel C. Pessa
de Mello. Jos H. Cezar de Albuquerquc Jnior,
Geraldo Miguel Jnior, Dr. Pedro da Cunha Bel
tro, Zeferino Pontual, John Brebber, Jos >'. An
tunes, Jos LeSo, Dr. Annibal FalcSo e VYooces-
lu Jos Baptista.
Directora dan obran de conserva
cao do* Porto de Pernambueo Reci
fe. 26 de Abril de 1889
Boletim meteorolgico
a>
cloras 5 :' asi Barmetro a 0 Tenso do vapor i
S m. 25-1 760*87 21,<>9 89
1) 28 -7 761-93 21,23 72
12 29" -3 761-57 19.77 65
3 t. 29 -4 759"96 19.09 64
6 28-l 760-30 19,71 70
pessoa que nao conhecem, Alm de que
o barSo goza aqu de umita considaracSo
e jpodia ter largara influencia sobre as i-
reetorias.
Hontem, o Sr. Predrioo Youle, ami-
go incansavel do Brazil, qne memoro
das directoras de varias bancos de Lon-
dres e da componhias relacionadas com o
Brazil, deu 00 Barao de Penedo um jan-
tar de despedida no Ccnaervative Club.
Estiveram presentes 40 peseoas, entre el-
las os presidentes das principaes compa-
nliias de via-ferreas, bancos e companbias
que tem interesses no Brasil. Os convi-
vas testemunharain ao barSo o pezar de
vel-o deixar o posto que preencheu por
mais de 25 annos, e nseram-lbe urna ver-
dadeira o vacuo quando o Sr. Youle pro
poz a saude do bario em floente allocuclo,
na qual relatou quasi toda a vida do seu
hospede, desde advogado at hoje.
O barao, commovirlo levantou-se no
fim do jantar para agradecer tantas mos-
tras de sympathia e delicadas attencSes,
o que fez era excellentes termos, manifes-
tando o pesar de deixar a Inglaterra e de
ter de separar-se de amigos que sempre
lhe tributaram maitas provas de conside-
racto.
Mas, sendo soldado Bubmisso dsni-
plna, tinha de conformar-se com as or-
dens do 6eu governo. O barao fallou
com muito tacto. apro7eitando a occasiao,
ao terminar, para assegorar s pessoas
presentes que achariam no seu successor,
Visconde de Arinos, todas as qualidades
de perfeto cavalheiro, e felicitou as com-
panhias, de que o visconie director ex-
ojjicio, pela- agradaveis relacoes que tero
sempre com pessoas de tao honrosos pre-
cedentes, e que ser guiada pelos princi-
pios de justica e do integridade, como
elle tinba eonaciencia de haver spinpre
procedido para com as directoras, sem
nunca falta* ao sentimento de dever para
com o seu governo.
" O bario pretende partir para Pars a
2 de Abril, mas s3o tantas as visitas de
despedida e tantos os convites que duvi-
do possa seguir nesse dia.
" Domingo (24) o Barao e a Baroneza
de Penedo jantam por despedida em Mal-
borough House cora o principe e a pnn-
ceza de Galles.
Temperatura mxima30,00.
Dita minima 25",00.
Evaporaco em 24 horasao sol: 7".2; som
ora: 3-.1.
ChuyaL""3.
Direccao do vento i SE com interrupces de
SSE durante todo o dia. '
Velocidade media do vento : 2" 26 por se-
cundo-
Nebulosidad? media: 0.43.
Boletim do porto
2.2
toa
B. M
P. M.
3. M.
r\ M.
Dia
36 de Abril
2' de Abril
Horas
814 da manh
2-32 di tarde
8-37 -
3 o da manh
Altura
0-.44
2-,40
"-48
2-32
#
Lemos em urna folha estrangeira :
O metal oxistente nos principaes bancos
de emissao da Europa era o seguinte a"o
terminar o anno de 1888 :
Inglaterra, 730 milh5es de francos, qua-
si tudo em ouro.
Franca, 1,016 milhSes em ouro e 1,232
em prata. 'Jf
Imperio Aliento, 1,091,0T( :000, quasi
tudo em ouro.
Austna-Hiiugria, 198 milhSes cm ouro
e 385 em prata.
Hespanha, 67 milhoes em owro e 985
em prata.
Nacional italiano, 210 milhoes em o"ro
e 41 era prata.
Blgica, 40 milhSes em ouro e 50 em
prata-
Total, 6,123 milhoes de francos, dos
quaes dous tergos em oure e um terco em
prata. ^
desambicioso que constrtue eseeneial cmi*
dicSo das ajjrestigacSes de tal genero, *
as quaes o principal papel do observador
achar o que realmente existe na.-natuee*
za sem se preoecupar anteci padamente tas v
dedceles a que pselo encaminhar os
tactos- observados.
CHR0N1CA JDDICIABU
#
* *
ena de Oeleneo-Movimento dos pre-
sos da Casa de Detenc/o do dia 26 de Abril de
1889.
Existiam 461; entraram 11; sahiram 7 ; exis-
tera 463
a c*hpr *
Nacionaes 42); mulheres 22; estrangelros 23
-Total 465.
Arraeoados 428.
Bons 406.
Doentes 20.
Leucos 2.-Tolal 428.
Movimento da enfermara
Tiveram baixa:
'1 beolonio Jos de Freitas.
Antonio Joaquim dos Sanios
Tiveram alta :
Galdiuo Jo> dos Santo?.
Joaquim Talles de Meneze?.
Hospital redro 11 O movimento deste
estabelecimento de daridade, no dia 23 de Abril
foi o seguinte:
Entraram 1*
Sahiram 11
Falleceram 2
Exiatem o9'
Foram visitadas as respectivas enfermarlas
pelos Drs.: .
Moscoso s 8, Barros Sobrinno as /, Berarao as
11. Malaquiass9 1|2, Pontual s9 1|2; Esteyo
Garateante s 8 1(2, Simes Barnosa s 10 ho-
ras.
0 Dr. Cv3neiro nao compareceu.
0 cirurgio dentista Suma Pompilio s 8
O pharmaecutico entrous81|i da manh e
hio s 4 da tarde.
0 ajudante do pharmaceuttco entrou as / 1|2
da mauh e sabio s 3 4(2 horas da tarde.
Lotera do 4r*m-lara~A 6- parte da
27* lotera, dessa provincia, cujo premio grande e
60:000*000, -era extrabida no dia 130 do cor-
rente (terca-feira).
Cemlterlo rnbllco-Obituano dodia 26
de Abril de 1889 : '
Anaslacia da Anninciacao. Pernambueo. w
annos, casada, S. Jos: metrite.
Luiz, Pernambueo, 22 raezes, Graga : vermes.
Esmeraldina, Pernambueo, 2 mezes, Graca ;
abeesso.
Manoel. Pernambueo, 2 mezes, Graca; conges
to cerebral.
Um felo, Pernambueo. S. Jos ; asphixia.
Manoel, Pernambueo, 6 mezes, Boa-Vista;
convulsOes. ....
Antonia da Conceico. Pernambueo, o annos,
casada. Graga: tubrculos pulmores
Maria Antonia, Pernambueo, 29 annos, soltei-
ra. Iraca : tubrculos pulmonares.
Fraucclina Rodrigues Ventura. Pernambueo
26 annos, solleira. Boa Vista : tubrculos pul-
monares. .
Ignez, Pernambueo, 6 das. S. Jos ttano.
Crispira, Pernambueo, 3 annos, S. Jus ; ver-
Josepha Maria da Conceieao, Pernambueo, 18
annos, soHeira. Graga ; tubrculos pulmonares.
Um pouco de tudo
De Londres escreveram em 20 de
Margo passado ao Jornal do Commercie,
da corte, fazendo a seguinte apreciagao a
respeito da remocSo do Visconde de Ari-
nos e do Barita de Penedo : f
... Que o Visconde de Arinos ln de
ter aqu o melhor acolhiruento fra de
toda a questao ; mas. nem por aso deixar
elle de ver-se erabaracado se as compa-
nhias tivercm de entender-.e com elle^ O
Baro de Penedo eontace estas questr
fundo e traz todos os pormenores na pon-
a dos dedos. Alera d?isto, geralraente
beraquifcto pela maneira por que sempre
soube haver se corft todos.
t N2o podemos avaliar com o motivo
que induzo o governo imperial a iucambir
a outrem o resgate das vas frreas brasi-
leiras. As directoras haviam sera duvida
de prestar mais attengao ao ministro com
quem lidam ha tanto terapo do. que a urna
Os Caracas, esta terocissima tribu, es-
palhada no Alto Xing, tem alli praticado
recentemente numerosos cr mes, levando
as anas corre ias at a localidade denomi-
nada Tacuruhy, saqueando barracos, ma-
tando homens e mulheres moffensivas, e
determinando graves damnos ao commer-
cio local da extracgKo da borracha, e de
outros ramos indnstriaes, pelo natural ter-
ror que a toda a populagao incutem as
barbaras proezas. Em um dos assaltos
mostraram-se nao menos de 500 daquelles
selvagens que sSo reputados antropopha-
gos. Tambera os Achipaias, tribu domes-
ticada, saquearam um barracao onde fe-
lizmente nao acharaui ninguem.
Xo ha muito tempo, chogou-nos de re-
mota paragem da provincia de Goyaz no-
ticia igualmente entristecedora. Urna hor-
da de selvagens, accommettendo urna pou-
sada, trucidou brbaramente vanas pes-
soas que alli se achavam empregadas na
industria extractiva.
Se impossivel ser impedir, em tama-
uha extensao occupslda por tribu barba-
ras, factos to lastimosos contra os quaes
notoriamente nulla a acgSo das autori-
dades locaes, cumpre todavia nlo cruzar
os bragss ante espectculos scmelhantes
que, naturalmente terie de roproduzir-se
proporgilo que a actidade industrial pe-
netrar a mais e mais as zonas infestadas
pebs selvicolas. O meio nfto pc>de sor
outro seno a catechese, da qual nao nos
temos inteiramente descurado, mas tam-
bem nSo temos tirado todas as vantagans
que a humanitaria obra pedera dar-nos.
Na provincia de Matto-Grosso taes
correras e aitentados eram, at pouco
tempo, muito "frequentes. Hordas desen
freadas chegaram n3o raro at as portas
das cidades, destrundo lavouras, devas-
tando campos cultivados e trucidando
pessoas. O aldeiaineuto da varias tribus,
e a distribuicao de destacamentos milita-
res pelas parageus ameagadas melhora-
nam consideravelracna aquelle estado de
cousas.
O Sr. Barao de T-ff, recentemente ele
to memoro correspondente da Academia
das Sciencias de Pariz, apresentou aquel-
la douta assembla, na sua sesso de 4 de
Margo, varios exemplares da Revista do
Imperial Obtervatorio do Rio de Janeiro,
8umraariando diversos trabalhos dos quaes
d conta a mesma publicagao e chamando
especialmente a attengao da Academia para
os estudos micrographicos do ar, ultima
mente iniciados por aquelle estabeleci-
mento segundo o methodo empregado por
Miguel para idntica analyse do ar de Pa-
riz. A Academia nao pedera reeeber sera
interesse a noticia de iniciativa de
fua Coaamercial da cidade do -
Reeife
ACTA DA SESSAO DE 2aDE ABRIL
DE 1889
PRESIDENCIA DO ILLM. SR.DEPl'TABO JoiQUIM OUK-
TO BASTOS
Secretario Dr Julio Guimares
A's 10 horas da manh declarou-se aberta a
sesso, estando presentes os Srs. deputados com-
mendador Lopes Macnado, Bellro Jnior e Jatr-
mino de Figueirdo, continuando oimpeaimn-
to do Sr. commendador presidente.
Lda, foi approvada a acta da precedente sesso
e fez-se a halara do seguinte :
HfMBlff
Oflicios :
De 20 do correte, da junta dos corretores
desla praca, remetiendo o boletim das cotagOes
oficiae3 de 15 a 20 do presente mez. Para o
archivo.
Diarios Ofliciaesdo ns. 87 a 97. Sejara archi-
vados.
Foram dislrbuidos a rubrica os livros ae
guintes :
Diario da companhia de trilhos urbano3< do
Recife a Olinda e Beberibe e 6 cooiadores de
Amorim limaos & C.
DESPACHOS
Pcticocs :
De Domingos Jos Antunes Guimares, para
que se registre a iiouiearo de sen caiseiro Adel-
gicio Jos da Silva Pessoa c se d baixa no re-
gistro da nomeaco de seu ex-caixeiro Jos Pe-
reira da Costa.Como requer.
Da companhia Usina Piuto, representada, pelo
respectivo presidente para que sejam ajrciiivados
o bala neo e a relaco nominal, dos seus accio-
uistas, do anno social lindo em 30 de Margo pr-
ximo passado. Sejam archivados.
De Joaquim Costa & ('., para que se d baixa
no registro da nomeago de seu ex-caixeiroJoa-
quira Fernandos, e se registre a que passarain
a Francisco Alexandre"!da Silva Marques.Co-
mo pedem, pago o sello da baixa.
De Luiz Jos Salgado C, idem quanto ao
ex-;aixeiro Silvino Euclides da Silva Castro,
e idem quanto ao caixeiro Jos Paulo de Oli-
veira. Deferida, pago o sello da baixa.
De Bento Machado & C, idere quanto a baixa
de seu ex caixeiro Arlhur Cesa Casado Lima.
D se a baixa pedida.
De Maia Sobrinlio & : .. idem quanto ao seu
ex-caixeiro Alfredo tapial e se registre a no-
meagjqae passaram a Ambrosio Nelson de:
Oliveira.Como pedem.
De Eduardo Marques Montero, commandita-
rio e Manoel Ferreira dar Silva Oliveira, solida-
rio, para que se archive o contracto de socieda-
de em commandita sob a firma de Oliveira &
C, com o capital de fundo em commandita de
5:562500 para o commercio de compra e venda
de assucar retinado e em rama atesta praca,
ra D. Maria Cesar. -Archvese na foima da
lei. .
Nada mais havendo a despachar, o Illm. Sr.
presidente encerrou a sesso s 11 14 horas
do dia.
INDICAQOES TEIS
Hcdlcos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio aberto rua Duque de Caxias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
te em sua rssidencia ra Barao de S.
Borja n. 22. Especialidades molestias
desenhoras e criangas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
l. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
,Dr. -Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo sconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1."
andar. Telephone n. 389
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
ra do BarSo da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete. de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
r. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, nfr 1. an-
dar a ra Duque de I axias n. 46, poden*
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Alvares Guimares, chegado da
corte, dedioa-se medicina em geral, e
com especalidade s molestias do cora-
gaor pulmoes, ligado, estomago e intesti-
nos c tambem s affecgoes das criangas.
Reside praga do Conde d'Eu, n. 28j e
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
Occulista
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Paris e Lon-
dres, consultas todos 03 dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e re3-
d?nc!& r"3 Largp- do R^wrio 9- 20
Advogados
O bacharel Witruvio Pinto Bandeirf,,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1." andar.
O Dr. H. ULilet mudou o seu escripto
torio de advocada, para a ra do Impera
dor n. 46, 1- andar, sala da frente.-
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra maderas de conta
alheia, assim como prepara obras de caca-
pina por machinas e por pregos sera doin-
petencaPernambueo.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Oliada 11. 41.
Francisco Manoel da Silva taros de todas as especialidades pharnin-
eeutieas, tintas, drogas, productos chirei
cas c medicamentos homeopticos, ra i
Mrquez de Olinda a. 23.
1
1
.,




,



VIVO
tal genero n 1 Rio de Janeiro.
A determinayao exacta dos corpsculos
ftaenMRcaa no ar exige observagoes pro-
longadas, mfltaodicameojto dirigidas, e rea-
lizadas em eircmnsl ivaaaaa de tera
po e Je lugar, reclamando esta esphera
de pesquisas surarau discerniranto o espi-
rito rani paciente d- analvoe. K trabalho
longo e diffic, do qual cumpre afaatar
cuidr-dosamente as causas de erroq'i
tas vezes induzera a generalisaedes abre-
viadas prematuras e, por tanto, perigosas.
L'tilissmas deducgHes imprevistas podem,
no emtanto, recompensar o grande labor,' atlbue a meu advogado.
I
M:>.si fallida de Capitalino Ro-
drigues do Passo A C.
A poblicacfio assignadapelos avaluadores Cei-
deirj p Cabrnl nada adianlou, porque o Sr. Eu
geoifl Goetschel no esteve presente ava-
iagao
Estere no estabelecimento, como estiv
Dr. Montenegro, major Franklin, Dr. Milet
reprehemku ao preposlo do avaliador '
quando quiz tirar urna bolga) e outra.
pescas; mas nao assistki demorada ecov'
me*te\,nelle.
E" inteiramente falso,


Diario de Pernambuco-iDomngo 28 de Abril de 1889

O major Franklin um aracter seo e inca-
paz de dizer o que nao ouvio : Jfca. avogado
nao iitte ao maja- Franklin que comWerava ba
lela o furto frito ma*sa, nem que eu fosse digno
de exploroQuo.
Qaaoto ao que discorrem os avaliadores sobre
um arroto, de que nao se fallou bem mostra que
fui rigorosamente verdadeiro.
Deviam accrescentar que a quitagao perento-
riamente julgada valida pelos jurisconsultos...
Wanubhvi, Cabral e CosoKrao 2.". alem de
fraudulentamente obtida, intercalndose pala-
vras com tinta differente, referase aos dbitos
de urna firma social, quando a lettra era do
acceite pessoal de um todo.
Deviam tambem accrescentar que, quando a
justificacao sanio do cartorio para ser julgada, j
acompanhou-a o devedor, com urna petizo co-
brindo a supposta e fraudulenta quilaco; admi-
rando-se muito o Dr. Montenegro de que as
duas cousas chegassem a sua casa simultnea-
mente...
Nao tenham receio os Srs. avaliadores Tanto
quanto em mim couber, faco-lhe|doacao dos ob-
jectos furtados. *
Recife, 28 de Abril de 1889.
Capitulino Rodrigues do Fasso.
Despedida
Embarcando hoje para a Corte, atiin de
tomar parte nos trabalhos parlamentares,
e nao tendo sido possivel despedir-me pes-
soalmente de todas as pessoas que me
honram com a sua amisade, venho fazal-o
pela imprensa, offerecendo todos os ami-
gos os meus diminutos prestimos no Rio
de Janeiro.
Confiando nesses amigos, cujo oavalheris-
mo conheyo por experiencia, espero mere-
cer desculpa pela falta involuntaria em que
incorri, asseverando-lhes que contino,como
d'antes, estars suas ordens, que procu-
rarei cumprir tilo fielmente quanto me for
possivel.
Recife, 27 de Abril de 1889.
Felippe de Figueiru Furia.
AYEKMOE ACM A M TDO
Eis o que em data de 10 de Junho de 1888 escreveu o reputado tfnico
Sr. Dr. rias A. da Silveira, residente em Barra Mansa, provincia do Rio do Janei-
ro, em relacSo a um precioso preparado, que grande tSo aceitac3o cncontra boj* na
America do Sul.
t O Peitoral de Cambaba', importante preparado do Illm. Sr. J. Alves
de S. Soares, de Polotas, pessuc propriedades balsmicas pronunciadas, e exerce in-
fluencia benfica em todas as affeccSes catbarraes, principalmente as do apparelho
respiratorio e genito-urinario. As affeccSes oatharraes do larynge, dos bronchio e da
bexiga, quando primitivas, cedem promptamente ao uso reiterado do Peitobal de
Cambaba'.
As secrecSes muco-purulentas, symptomaticas da tuberculoso pulmonar,
modificam-sc vantajosamente, tornando mais desembaracado o campo da hematoue
pulmonar.
t E', portauto o Peithual de Cambaba' um heroico meio preventivo e
um auxiliar no tratamento da tysica pulmonar, to trequente no Brasil.
Em nossa longa pratica temos tirado extraordinarios resultados da tintu-
ra do Cambar, no curativo das feridas recentes, obtendo quasi sempre unio por
primeira intensSo, pelo que deduzo que o Peitobal de Cambaba encerra principios
altamente anti-scepticos, virtudes therapeuticas procuradai, hoje, para corabater-sc
as molestias da causa parasitaria, como soem ser a maior parte das affeccoes broncho,
pulmonares e genito-urinarias. >
ata
Massa fallida de Capitalino
Rodrigues do Passo & C.
Coustaudo-nos que o fallido Capitulino Rodri
gues do Passo espalha terem os avaliadores da
massa retirado mercaderas no acto da avaliaco.
vimos protestar enrgicamente contra semel'>an-
tes aleivosia propria nicamente de um fallido
que procura equilibrar as faltas de seu bataneo
com tmputacoes calumniosas.
Nos abaixo asignados fonius avaliadores da
massa. A avaliaeao teve lugar era presenca do
fallido, do depositario provisorio hoje effectivo o
Sr. Eugenio Goetscbel, do procurador, do Dr.
curador fiscal. Nada tiremos, uem mesmo fu-
mamos um cigarro pertenecnte massa e appel-
lamos para o depositario e o escrivo do feilo
que estavain prsenles e cerlanicnie nao cotisen-
briam em prevaricaro da nossa parte.
Nao perteneemos a confraria alguma, e nao
nos medimos pelabitola de Capitulino Rodrigues
do Passo.
Recife, 24 de Abril de 11*89
Antonio Barbosa Cordeiro
Flix Sogueira Oibril.
-----------------^-----------------
Arte de cosinhar
rOK
Joao da Malta
Tereeira edico com mais 100 pratos diversos
de cosinha, ornada com o relalo do autor e
assignado com o seu nome
Sera posta venda no da 20 de Abril.
Esta nova edicto, espcialidade que o autor 6
editor, o preco de 800 ris.
Para livreiros tcm abatimento, comprando 6
livros para cima, o guarda portan do hotel da
Ao Illm. Sr. Dr. Augusto da
Costa Gomes
Como pai, ndo posso deixar de vir do alto da
imprensa agradecer solemnemente ao distincto
medico Dr. Costa Gomes, pelo bora tratamento
e desvello que teve para com urna filha minha,
que sucumbira infallivelmente de una febre
interite se nao fosse a solicitudedeste medico,
principe da sciencia que com suasacertadissi-
mas receitas livrou-a de tombar to cedo a
campa.
ei que com isto votf Mr a modestia do Sr.
Dr. Costa Gomes, mas. desculpe o mesmo Sr.,
pois que s nasce do corceo !de um pai que
via linar-se sua querida lilhinba, e hoje a vi} ri-
sonha e bella, aprendendo a bem dizer o nomo
Costa Gomes, que deu nova vida.
Afogados, 26 de Abril de 1889.
Antonio Cruz.
Telegraphista do Recife
Surdez
Despedida
Alvaro Jos I'ereira, reiiraado-.se temporaria-
mente com sua familia para a Europa a trata-
ineuto de saude, c nao Ihe sendo possivel despe-
dir-se pessoalmente de todos os seus amigos e
freguezi-s, o faz por este meio e se confessa
grato a todos que lhe dispensaram amisade e
coadjnvacSo durante onze annos que permane-
g u nesta bella e hospitaleira provincia.
Despedida
Nao tendo podido despedirme pessoalmente
dos meus amigos e parentes, pela rapidez de
minha viageui, o fajo por este meio, pedindo-
lhes desculpa e offerecendo-lhes os raeui servi-
ros na corte, para onde sigo hoje.
Recife, 25 de Abril de 1889.
Bardo de Lacena.
Urna pessoa curada de 23 annos de surdez f
zumbidos nos ouvidos por um remedio simple
enviar gratuitamente a descripeo a quem u
desejar. Nicholson Sigo del Entero 1200Bue-
nos-Ayres.
^-steNlL I A
Cario J. Roberto
PELAS SUAS 22 PRIMAVERAS
Comprimenta edeseja longa vida
de felicidades, o seu reco-
nhecido amigo
ro
Recife, 28 de Abril de 1889.' *
vv
S^^fe
Despedida
Avenida. 5o, Lisboa, de que e
tor, os tem veuda.
Tendo de retirar-me para a capital em virtude
de haver sido nomeado adjunto de urnas das ca
deiras d'alli, o que aceitel para poder iralar de
minha esposa, e nao me sendo possivel despe-
dir-me pessoalmente de todos insta Icalidade,
o faco pela presente oVrccendo alii os meus
fracos prestimos.
Se bem que, de todos eu recebesse um tr to
franco c agradavel, nao posso deixar de mencio-
nar os nomes dos Illms. Srs. : Manoel Peixolo
Pinto, teneute-coronel Francisco Pereira de Car-
valho, capilo Jos Paes de Barros, capito Je-
sumo Brasileiro de Veras, lente SebasliAo
Francisco de Siqueira, teuente Gustavo Antonio
Camello, Revui. padre Manoel Emygdio dtfOli-
veira, alteres Jos Antonio de Moraes, Augusto
Jos de Moraes e coronel Raymuudo Carnudo
dos Passos (de Correles), cujos seiihores lion-
rarani-me sempre com attenres e servicos que
jamis esquecerei, c, onde (fuer que a barca da
vida me conduza, encontrarn sempre um amiao
>. 9
A mulher que Ictu um cabello abundante, un-
doso e luzidio pode orgulhar-se de pussuir om
dos mais ricos altraclhos feniinis-e a que nio
o tem, pode conseguil-o com o uso do Tnico
Oriental.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clinica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meia dia as 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Bacharcl Autonio Wilru-
vo Pinto Bandeira
Pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, i" andar
Aviso aos aossos leitores
Os nossos leitores que visilarem 1 aris
durante a Exposicao j sabem que pode-
rSo 1er os ltimos nmeros recem-cnega-
dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Prince & C, 36, r..a Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na expsito
no PavilhSo da Repblica de Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de por
graciosamente urna sala com varanda
disposigao dos mesmos senhores.
Para se evitar qualquer eonuso, os
nossos amigos que quizerem recebar a
sua correspondencia era casa dos Sis.
Amd rince & >'., devora mandar diri-
gil-a -i ra Lafayette, i:. i$6, por ser a
sede do servi^ especialmente organizado
para
C MEDICO HOMEPATA
jjDr. Balthazar da Silveira
HEspecialidadefiebres, molestia
. das crianzas, dos org3os respirato- <
I \ rios e das senhuras. i
i j Presta-se a qualquer chamado para /
I ( ora da capital. I
|j AVISO
j Todos os chamados devem ser di-
' rgidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Dr. Firmo Xavier
Medico e operador
O consultas das II as 2 horas em sen con-
sultorio ra da Imperatriz n 30 i andar e
tcm sua residencia na cidade do Cabo, onde po-
de r procurado das 6 da tarde as 9 da manila.
Vias urinarias, molestias do uteruj J (
operacSes elctricas {)
[\ 21 CABIOS SSTiasrCSST {'
ESPECIALISTA j'
I i com pratica de paius e londius i
[ \ Estri'itamcnto da urethra curados ra- \ /
l( dicalmcHte pela eleclrolvse, semdr; [)
j hydroceles sem injeegao (cura radical); ( i
< feridas e ulceras chronicas, com garau { J
( lia ile cura rpida ; pedras da bexiga, { j
i ll.-tlas e hcmorrhoidas; syphilis, go- (
) norrheas, pelo methodo das mslillaces; )(
| molestias da garganta e do pcito "pelas
[ allmiospheras medicamentosas, i.'on-
C. gr.
Herm. Peterseu &
Reichenstr 29/31
IIA UBI IICO
Participam aos seus numerosos amigos que
para facilitar aos compradores de ultramar tem
completado em sua casa um rico sortimento de
amostras de todos os arligos allemPS, o que re-
commendam aos seus amigos que acabam de
visitar a Europa.
wsime
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas
Consultorio e. residencia rua da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manh.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHOXE N. 226
pileras meuicametuosas. i.on-
sullas e operagpes das 12 as 3 horas da
tarde.
RA DO MRQUEZ DE OLLNDA N. 34.
2 ANDAR
H-siU'ii Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLTNSON, for-
mado pe!a Universidado de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na rua Barao do Victoria 19, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
EDITAES
1
i
Aguas alcalinas inioeraesde n-
dariz cm Pontevedra, na lles-
?o pode
Os proprie'arios do animal Uphir declaram
que nao leem parte directa uem indirecta sobre
o annuncio, que hoje se paMicoo no Jornal do
Recife a respoito do anima! Zumo: e pedein ao
autor do annuncio. que o lirme com a sua as-
signatura, aliin de poupar intrigas e desgi entre cavalh iros, que se respeilam, e o se
mettem em negocios ilheios.
Recife-274-8!).
propnetano o au- pequeo, 6 verdade, mas que sejulgara grande,
por acaso poder senil os.
I'almeira de Garanhuns, 18 de .Vbril de I8K).
Jos Augusto Porto Curre ro.
se
COHMERCIO
TELECiRAMHA%
Sercigo da Ammeiu Urna
LIVERPCM3L, 26 de Abril.
ASSLL'Mi T<-in-iu-in para Mbr.
O d- rrrnambnro n. O vondi-w a
IS par iniiiiil.
ALGODAO .-Calmo.
O FA1R de Pi-rnanihiidi **> mti a
I 1/4 1. por libra.
VriMli do dia ft:000 fardo*.
SEW-YOBK, 2 ASSUCAR: *us(.ii(a.I...
98 '. Polarinro-'t3 -. por li
Agencia, Hars tilia] em Pernamubeo,
27 de Abril de 1889.
Revista do Mercado
Rkcife, 27 de Airan, de 18S9.
Foi pequeno o movimento na praga.
Todos os mercados niantivrrarn-se inaltera-
dos.
til
agradavel
AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin, saben yaque
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibido sea
ESPECIALIDADES
para molestias de estomago, taes como : dispep
sia gastralgia, catharro ehrenico do estomago,
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, taes como: eufarta-
cn casa de los !HWflto ,lu "gado, ictericia, clculos bilia/es, diar-
8. Amde Prince y C, sea en ** c,lr0",ca' e"'- ,',c-
O Peitoral de Cambar, alm da sua
utilidade na cura das molestias broucli
pulmonares, possue prazer agradavel e
l*oiii tolerado pelas creancas, era cujas en
tenuidades tambem se applica com gran-
de proveito.
Via-frrea de S. Francisco.
Via-frrea deLiinoeiro
Somma.
I.740 .
j.332 .
17.286 Sacea:
CamHia
Os bancos manliveram no balcio a asesina
laxa de hontein, S7 1/8, saccando, porem, a 7
"i 16 reservadamente.
Papel particular foi offerecido su a i7 ."i I (i,
exigindo os bancos 27 3,8.
Xo Rio foi 7 1/i e 27 1,8 baneario.
___________TABHLLAg AFF1XADAS____________
-- r >-5
fr 1
U 5 2.
-- -a
~v P* S ~ ~o r-
r. e- h o s o
s
e
a
I
?
3
e
el gabinete de lectura instalad" por dichos
corresponsales, en el Pabelln de la IlepubU-
cu de fritatemala, en donde c' comisario
general de Guatemala ha puesto graciosa-
mente a la disposicin de dichos fcir.s.
tmedee Prince y C, una sala con
terrado.
Para evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citados Kr8.
Amde Prince y C debern hacerlo
3>! rae LafayMe. en donde estar espe-
cialmontc organizado esc servido. [2)
i 7\7 <
7 73
391 i
.'i.'i 77'J Saceos
t
\'i- frrea de Caniar.
Via-frrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
C'ouros
Cota-se os salgudos seceos a 370 ris, na base
de 12 kilos
Agurdenle
Cota-SC a 88OO, por pipa de i^' litros.
Alcool
Cota-se a i63dti pur pipa de i80 litro.
Mel
Cota-se a 5000 por pipa de 180 litros.
Molestias das vius urinarias, taes como: dias-
teses-ricas, callia^ru vesieal, diabetes sacarina,
ammiiiuiia e gotta.
as anemias, chloiosis, psoriasis, prunigos,
dores artrticas e muirs muirs ruolesnav
As aguas alcalinas de Mondaria nascem de ra-
dias grantica? na temperatura de 180 centgra-
dos, sao claras, incoloros de cheiro parecido um
pouco aos de ovos cosidos, sabor alcalino, pro-
dnzindo um ligeiro sabor picante na occasio de
lOtnnjr-se. Ellas sao classicadas no numero
das alcalinas e bi-carboiialadas de soda.
Estas a-uar ;icliam se i venda no estabeleci-'
ment <\o Sr. Antonio Alfonso Simes, silo rua
Viseonde de Goyaumi u. I (quatra cantos!, em
tta-Vista, c no escriptorio do Sr. Joo Hamos.
0 Dr. Manoel Caldas Barreto, juiz de di
reito da comarca especial de Palmares.,
por Sua Magestadc o Imperador, a
quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital
de 20 dias de pregSo e tres pracas vi-
rem, que por este juizo, lindos que se-
jam os arrematado a quem mais der e maior lan-
ce offereccr, no dia 23 de Maio prximo a
1 hora da tarde, na casa da Cmara Mu-
nicipal da cidade de Palmares, em audien-
cia especial do juiz de orphaos, o arren-
daraento, por um triennio do engenlio Ca-
morisinho, sito no termo de Agua Prcta,
raoentc e corrente, motor a vapor; a re-
querimento do Dr. curador geral de or-
phaos, tende por base a avaliacao annual
de l:G00)5UO0.
Nao se (tdattu lioitaote que nio esteja
legalmente habilitado coni lisura idnea.
E assim ser o dito cngcnli arrendado o
quem mais der c maior lance offereccr na
dia e hora cima in-cados.
E para que a noticia chegue ao conhe-
eimento de todos, manda ao porteiro do
juizo nlrixe o presente no lugar do costu-
me, c que passe a respectiva cortidao.
Eu, Pedro Severo d Costa Leite, es-
crivo, o escrevi. Manoel Caldas Bar-
reto.
E mais se nao continha em dito edital
aqui fielmente copiado, ao que me re-
porto e don f.
Palmares, 11 de Abril de 1889.
O escrivo,
Pedro Lucio da Celta Leite.
DECLARARES
l'raea da Independencia li. I i.
Bolsa
OTAyUES OFFICUES DA JCN'TA DOS COR
RETOKES
Recife. 27 te Abril de SSD
Apolices provinciaes, uros de 7 00, valor de
1:000* ao par.
Sd Bolsa Venderam-se
6 apolices provinciaes de 1:0
PulO II' -
.': luarclo DiiI'i'un.
I'e
I'. J. I'into.
Algodo
Cota-se o Je 1 aorle do seii.o a 6*600. lir-
tm.
A exportacio feita pela alfa idega ueste mi/.
at o da 28, atlingio a l.SfiS.iM ki'<*. seudo
1.730.150,5 para o 7!U para
terior
1
3

*
li si
^4
; B 3 x < t

s;- =
i
es * o
% . :' i 3
x f ZjS b> *a
~S '. :fe f 06 S3 1
;? B)
;, ^ JJ -:l S
'. 5 r '. 8 * * n

%. ?* i
p A ia 1 .v *- z j 2i 1
i s i n a ,
' > C5 8
. ^a g. *5
w *
'. '. : as 1 de -S ^
ai
. * .
.. " " i* g
" " $ O * M ~ 2 i. i
X T. i5 *
Pauta da alfandega
aVAIU u 29 DR UIP.II. i \ K MAIO
Assuear relinado i kilo) ....
tamUU brauco ikilo) ....
Assuear ameavado (kilo)
Alcool (litro).......
ai iH com casca (kilo) ....
Alfodo (kilo) ....
Agurdente........
Borracha (kilo) /*-. .
flosros seceos salgados (kilo) .
''.otiios seceos espiehailos (kilo) .
Couros verdes (kilo).....
Celo (kilo).......
af bom .kilo) ......
Cal reslollio (kilo) .
i'aehaea (litro).......
Carnauba 'kilo)......
i arocos de algodfto (kilo) .
Carvao de pedr de Cardiff ton.) .
Pariuua ch maudiocu iliiro) .
l'olha.s de jahorandy (kilo; .
lienebra (litro)......
Mel i litro ......
Millio (kilo........
l'ao Brasil (kilo)......
Taimados de amarello (duza) .
DE 18o
22t)
20.1
85
:l
50
37^
150
800
3
410
192
100
o50
390
80
2(i0
16
16OXI
8
300
200
70
60
:lo
lOOiOOO
Machado iV I'ereira. 1 a Fonseca Irmaos, 1 a (o
mes de Mallos Irmos.
Mercad./rias diversas 1 \oiume a i. II. Morant,
i a 11 li. Grt-Korv, 1 a M. de Vasconcellos. 1 a
j Rey. J. Mediiley. i a H. de Druzina 4 C, i a
Guimaies Card. so & C,! a Cornpauhia de Be-
beribe, 2 a T. Cbristifiseii, I a II Flecher.
ObjectOS para e;eii|>tono 1 caixa a Londou
Bank i ordeni.
Pilulas 1 caixa a Francisca Manoel & C. l'rovises 17 calxas ordein. Fcrfumsria
1 caixa a T. Jusl.
Oueijus 13 caixas a Joao Fcruandes de AI-
incida.
Tecidos diversos 23 volumes ordem. 15 a
Bci;iet & C. !i a Machado & I'ereira, 8 a Albino
-Vniorim A ('.., i a Rodrigues Lima 4 i;., ti a Ma-
noel Dias da Silva (uiinraes, 2 a A. Vieira&C,
8 a Oliuio Jardim C, 6 a A. Mua & C, 2 a A.
le ,Uiiio & r,. 8 a Joaquim Agostinho & C. 11 a
tuit Antonio Siqueira, 7 a'Goncalvcs Cunta
& C. 10 a G. i Fernandes, 1 a II. de Antonio C.
de \',is..-nucullos.
Wisky 5> caixas a ord"in.
Confraria doSenhor Bom Je-
sus da Va-sacra da greja
da Sania Cruz
Mena si-ral
A mesa remedara dessa confraria convida a
todos seos irmos para comparecerem em nosso
consistorio no dia 3o do corrente. pelas 6 lloras
na tarde, alim de reunidos em numero legal de
mesa geral, couio manda o arl. 40 do compro:
misso'quc nos rege, proceder-se a eleico da
nova mesa reiedora para o anuo comproniissal
de 1889 a 189. de conformidade com os arts.
24 a 31 do mesmo omproinisso.
Consistorio da confraria do Seuhor Bom Jess
da Va-sacra da Igreja da Santa Cruz, 25 de
Abril de 1889.
O escrivo,
Manoel I'amagues da Silva.
As entrad
toen a 17 r
Barracas.
Vapores .
Ammaes
Via-
ijt o-
- '.-ii Suecas
Aasnear
Os precos pa?os ao agricultor, por 15 kilos,
pulido i Associajo Commercial Agrcola, foram
uintes:
Braiwos..... 2* ^ :'*7,i"
no..... 2*000 a 2*200
M;scavado purgado 1*500 a 1*600
bruto. 1*600 a IJSOC
aetame..... 1**00 a t#t0U
A exportacio, feita pela aandega ueste me/, ati1
dla25, subi a->;l,;;..j20.5 kilos, sendo 3.08.01.)
ara o exterior e 28jl.31.o tiara o interior.

para
A3 entradas verificadas at a dala de hoj'
i 55.779 saceos, sendo por:
iras .... 18..
\avio* carga
Lugar nacional Zeqinha, para Pelotas.
Patacho nacional Induserial, para Villa.\o\a.
Patacho nacional Monteiro '2', Para !tio Grande
do -ul.
\avIo* desearga
Barca sueca Eibu, carvo.
Lana nacional Marta Anydina, xarque.
Borueguense Mudana, carvao
Marca hespanhola Constancia, eaivo.
Barca uorueuuense De/mar, carrito.
ir inalct Retina, bacalbao.
Uucar iuglei Maicl/r, haealho.
LOaar porluguel Temeraria, xarque e gorduras.
Patacho nespanbol ocru Pura, xarque. .
Patacho hollandnz Kngettu. xarque.
I'ataelio nacional Juren Coxrem, varios gneros.
Biiiiioi'laea
Paquete ingle/, fou, entrado de Soutbampton
:. em 2tj do andante e consignado a Amo-
ritii Inoao 4 '., manifestou :
- :!'J volumes a dive
i/ Antonio Siqueira. Ca-
ies Irmao 4 C.
m.
Libn. I caixa a J. H. Boxwell, 1 a
andante e consignado ordem,
Patacho noruegaeosc linurant, entrado de Car-
dilF em 26 do
manifestou :
Carvao de pedia, 3o7 toneladas ordem.
Paquete nacional Para, entrado dos poftos do
sul em 27 do corrente, e consignado a Pereira
Carneiro 4 C, manifestou
Aeiie 15 barril a Joao Vicor Alves Mallicus.
2 a Silva Guimaraes 4C.
Gaf I I.'i sacos a Ferrara Rodrigues 4 C. 60
a Fcrnaiules 4 Irmaos, 280 a Paiva Valente 4
C, lOi a Domingos Cruz 4 C. Calcados 1 cai-
xao a Paiva Oliveira a C. Chapeos 1 nixte a
Camino Irmo C, 2 a A. P. Carneiro da
Silva.
Fumo -Jl volumes a H Burle & C, 5 a Jos
Antonio dos Santos. Femgeaa 10 volumes
ordem.
Massas alimenticias 50 caixas a Fernandes 4
Irmaos. Mercaduras diversas 428 volumes aos
consignatarios, 4 ao Arsenal de Guerra.
Panno de algodao 15 fardos a R. de Carvalbo
v L., HO a Machado 4 Pereira, 10 a Rodrigues
Lima 4 C, S a Manoel Collaco 4 C, 25 a Airara-
de Lopes C.
Yuif.o 15 barris a Paiva Valente 4 C.
Xarque 820 fardos a Amorim Irmaos 4 C.
sxportac*
necm, 26 de aubil de 1889
Para o exterior
No vapor inglez Dmmwort. carregaraiu .
Paiu .Sew-York, F. Cascao Filbo 154 saectw
cu ,i l".7Ki) kilos de assuear mas avado.
Xti vapor ingle/. Eudittes. earrcgou :
Para Liverpool, C. K. de Lcmos 4,000 saceos
com 2W.O0O kilos de carolos de algodao.
Para o interior
Xo patacho nacional /. Correia, carreja-
ra in a
Para llio Grande do Sul, Amorim Irmos 4C
75 pipas com 36,000 litros de agurdente.
No vapor francs Ville de Cear, carrega-
ram :
Para Santos. C. Pires 4 C. 577 saceos com
.Vi.G kilos de assuear mascavado.
jacional Hom Jesut, carregaram:
Para Aracaty. Fernandes 4 Irmao 26 barris
com 800 kilos de mel,
.o cter Geriquity, carregaram :
Para Natal, E. C. Bellro 4 Irmao 15 barricas
com 871 kilos de assuear refinado.
Xo vapor nacional Paru, carregaram:
Para Manos, M. F. Marlins 70 barricas com
4474 kilos de assuear branco ; J. de Albuquer-
que 18 volumes com 501 kilos de assuear refina-
do ; H. Burle 4 C 20 barricas com 3,894 kilos de
assuear branco e 20 barris com 1,920 litros de
agurdente ; J. Borues 40 volumes com 2,530
kilos de assuear branco : E. C. Beltro 4 Irmao
10 barris coni 960 litros de agurdente e Jo bar-
ricas com 640 kilos de assuear branco.
Para Para, E. C. Bclti-ao 4irmo 100 barricas
com 3,508 kilos de assuear relinado e 100 ditas
com 4,4W ditos de dito braneo.
Para Ceai, Maia Rezende 5 barricas com
525 kilos de assuear mascavado e 45 ditas com
4,725 ditos de dito branco.
Para MaraHlio. Mua 4 Rezende 20 barricas
om 2,10 Vkilos de assuear mascavado.
Recebedoria ProvScial
Achando-sc definitivamente realisada, confor-
me a relagao abaixo, a collecta do imposto de
reparticao relativa ao exercicio corrente de 1889,
assim o faco publico, de ordem do Illm. Sr. Dr.
administrador, para couhecimento dos nteres-
sados, que noderao no praso improrogavel de 15
dias, contados da dala do presente, apresentar,
para serem devidamente encaminhados ao The-
souro, quaesquer recursos contra a referida col-
lecta ou quaesquer reclamages embem de seus
direitos na forma do art. 33 das instiuccOes de
27 de Julho de 1883.
! seceso da Reccbedoria Provincial, 27 de
Abril Je 1889.
0 ebefe,
Jefftrson Mirabeuu de Azevedo Soares.
IMPOSTO DE INDUSTRIA E PROFISSO
Tabella a que se refere o g 27 do art. 1 da lei
n. 1884.Taxa de reparlico I0:000'*.-Classc
u. I. Casa de cqaimisses e consignases e
cominisses e consignacOes.
Soares Guimaraes C. Recife, rua
Mrquez de Olinda n. 2, 1 diviso 27*322
Flavio Augusto da Silva Freir, idem,
idem n. 38, idem 27*322
Jos Feij de Albuquerque, dem,
idem n. 40. idem 273322
Manoel Campos Jnior, idem, idem n.
3, dem 27*322
Baro da Soledade, dem, Bom-Jesus
n. 15, idem 27*322
Artbur Casciio 4 C, idem, largo do
Corpo Santo n. 6, dem &7*322
Manoel Martins Moreira, idem, Amo-
rim i). 37. idem 27*322
Bento de Freitas Guimaraes, idem,
Viseonde de Itaparica n. 51, idem 27*32:
Joo Florentino Cavalcante de Albu-
querque, idem, Associacao, idem 27*322
Jos Victorino de Paiva, >anto-Anto-
nio 1- de Marco n. 8, idem 27*322
Antonio Hermino de Souza, idem, Co-
ronel Suassuna n. 17, idem 27*329
Custodio de Araujo, idem, largo do
Paraso n. '$0, idem 27*322
Almeida Duarte & C, idem, Duque de
Caxias n. W. idem 27*322
Lopes 4 Araujo, dem, Livramento
n. 38, dem 27*322
Jos Daniel Pereira de Azevedo, idem,
Pedro Alb so n. 40, idem 27*322
Antonio Guilliermmo dos Santos,
idem. Marciho Dhs n. 6. id. m 27*322
Jos Gomes de Oveira Pedade, idem
Pedro Alfonso n. 22, idem 27*322
Joo da Cunba;Vasconcellos,ideni. Li-
vramento n. 28. idem 27*322
Antonio Carneiro R. Campello, idem,
Duque Je i axias n. ;8 275322
Pocas Mendes 4 C.,idem, estreita do
Rosario n.f), idem 27f2
Manoel Bento Borges Cmara, idem,
Livramento n. 16, dem /^^- 27322
Fernandes 4 Primo, idem, idem n.
21, idem 27*321
Lopes Magallnles 4 idem, Teatia n.
8, idem 27o2;.
Viuva Cunha & Gomes, idem, Pedro
Alfonso n. 14, idem 27*322
Joaquim Domingos da Cosa, idem,
Livramento n. 20, idem 27*322
Joo Ramos, dem, praga da Indepen-
dencia n. 20, idem 27*322
Maneel Mara de H.Cavalcante, idem,
Pedio Alfonso. dem 27*322
Jos Paulo Botelho, idem, idem n. 61,
dem *7*323
Lourenyo Ribciro 4 C, idem, idem n.
03. dem 27*322
Moreira 4 Irmo. idem, idem n. 62,
idem 27*322
Joo Joaquim Alves de Albuquerque,
S. Jos. Mrquez do llerval, dem 27*322
Joaquim Domingos da Costa, idem,
Marcilio Dias, dem 27*35
Andr Alfonso de Carvalbo, idem.
Imperial n. 1, dem 27*322
Lauientino Cavalcante, de Albuquer-
que, idem S. Jjsc. idem 27*322
A. A. Pies Barreto, Boa-Vista, S. Jo-
s dem 27*322
Jos Joaquim Moreira, Recite, Mr-
quez de Olinda n. 14. 2 divisao 40*982
Alfredo Alves da Silva Freir, idem,
idem n. IK idem 40*983
Ernesto de Barros Franco, idem, dem
n. I, idem 40*98c
Manoel Cruz. 4 C, idem, idem n. 53,
idem 40*985
Mjdeiros 4 Irmo, idem, idem n. 55,
idem 40a98o
Sebastio de B. Brrelo, dem, Bom-
Jesus n. 18. idem 40*981"
Joo Francisco de Amida, idem, idem
n. 28, idem 40*985
Jos de S Leito. idem, idem n. 28.
idem 40*983
Joaquim Jos.- Rodrigues da Costa,idem
dem n. 38, idem 40*983
Jos Gomes de Moraes Araujo, idem,
idem n. V, dem 10*983
Joo de Meira Lins, dem, dem n.
40. idem 40*963
UJiheiro
UECElllDO
Pelo vapor !*lei -Galicia, para :
Luiz Jos da Silva Guniares
Bernardino Lopes Albeiro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Mandahii,
Penedo
Aracaj
1.100
2.000*000
para :
9.9804420
.53W000
37
4
II
It
cargas com farinha a 200
res
ditas de fructas diversas a 300
ris
ditas com railho a 200 ris
taboleiros a 200 ris
suinos a 200 ris
21 matulos com legumes a 200 ris
Foram oceupados:
28 columnas a 600 ris
l escriptorio a 300 ris
26 compartimentos de farinha a 300
ris
28 ditos de comidas a 500 ris
81 ditos de legumes e fazendasa 400
ris
18 ditos de suinos a 700 ris
9 ditos de fressuras a 600 ris
32 tainos a 2*
7*400-
800
1200
24200
24200
4*200
164800
300
13*000
li*00t)
32*400
12*600
54200
tiUOOO
186*940
4:663*210
.-85O4180
Rendiiucnlos pblicos
MEX DE -Kull.
Alfandega
Rea geral:
Bo dia i a 26
dem de 27
672:353 J2
21:1234407
Renda provincial
Do da 1 a 26
dem de 27
78 :J204698
2 237*077
693:6764733
80:563*778
Segunda
1889.
Somma total 774:240*508
scele da Alfandega, 27 de Abril de
8thi-soureiro -Flcrencio Domingues.
chefe da scelo Cicero B. de Helio.
Iteeehedoria Cieral
Do dia I a 26 33:633*096
dem de 27 -1:390*087
35:223*183
Reecbcdoria provincial
Da dia I a 26 63:008*700
dem de 27 l:07O4"9
G4:079#479
Do dia
dem
Recife O ral u ase
i a 26 10:359*579
de 27 236*135
10:59*734
Mercado Municipal de lose
O movimento deste mercado no dia 26
Abril foi o seguinte :
Entraram :
26 bois pesando 3,992 kilos.
582 kilos de peixe a 20 ris
de

Rendiuiento dos das 1 a 25 do cor-
rente
Foi arreci'.dado liquido at boje
Precos de da:
Carne verde de 280 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 15 reis idem.
Subios de 560 a 640 reis idem.
Farinha de BeO a 640 reis a cuia.
Milito de 400 a 440 reis idem.
WlO de 800 l *201 idem.
Matadoiiro publico
Neste estabelecimento fot am abatidas para o
consumo de hoje 84 retes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
VEZ DE ABRIL
Sul........... Tatuar............ 28
Vapores a sabir
MEZ DE ABRIL
Tantos e ese.. Villr ac Cear..... 28 as 4 h.
Manaos e esc. I'ur............. 28 as 5 b.
Antuerpia ... Turnar........ 28as ib.
Movinictto do porto
navios cntradot no dia 27
Havre e escala20 dias, vapor francez V%Ue de
Cear, de 1 689 toneladas, comraandante E.
Lainey, equipa^m I', carga varios gneros:
a Augusto Lahille.
Rio de Janeiro e escala7 das, vaoor nacin-,
Para, de i 999 toneladas, eoramndante An-
tonio Fe-reira da Silva, equipagem 60, carca
varios gneros: a I'ereira Carntiro 4 C.
Buenos-Avres-13 dias, vapor inglez Hespeiides,
de 1,442 toneladas, eommandantc E. Bell,
equipagem 32, em lastro; a N. J. Lidstone.
Ceara e escala-7 dias, vapor nacional Jag"
be, -de 429 toneladas, commandante Alfredo
Moulelro, equiragem 30, carga varios gene-
ros; Companhia Pernambuea'na.
Saludos no mesmo dia
Buenos-Ayres e escalaVapor iuglez Xeoa, com-
mandante Hoyhs; carga varios gneros.
Barbados Lgr inglez Peggy. capito GBbert
Provee; em lastro.
Aracaj e escalaVapor nacin;
comman Ibuquerqu.-. c.
varios gi
NatalHia
tino F. d teneros.
:-



o
*
Diario de Pernambuco---Domingo 28 de Abril de 1889

go do
I cm
Manoel Amancio ddB Res, idem. Vi-
gario Thenorio n. 4, ulero
Pedro Oso de Cerqueiri, ideni,
idem n. 1", ideni
Beatty Allgeldt C, idem, Mrquez
de Olinda n. 59, idem
Antonio Ignacio do Reg Medeiros,
idem, Vig-ario Thenorio n. 19, idem
Carlos Rabcllo, idem. idcm n. 31,
idem
tesuia&B. de MelKi. idcm, Assccia-
co, idem
Hermenegildo de OliveiiM Badem.
Saalo Antonio, AssooiscSo, idem
Jos Dias Alves Quintal, dem, larga
do Rosario n. 24, idem
SebastiSo Mauoel dj Reg Burros,
idem, Imperador n. 81. idem
Daniel Francisco Pinheiro, idem, Mar-
cilio Dias n. 81, idein
Carlos Sinden, idem, Barto da Vi-
toria n. 48, idem
Jos Lopes Ferreira Maia, S. Jos, Vi-
dal de Negreiros n. 156, idem
Antouio Monjes P. Ja Cunha, idcm,
idem n. 24, idem
Estevo de Gusrao, idcm, Padre Flo-
riano, idem
Joo Jos da Silva, Recife.Bom-Jesu-
n. Si, 3- diviso
Dr. Feliciano Pcntual. idem, idem n.
I. idem t
Miguel Jos Alves, idcm, idem n. 7,
idem
Francisco Antonio de Brillo Rlho,
idem, idem n. H, ulem
Wanderlcy & Bastos, iucm, idcm u.
19, idem
Sebastiao Alves da Silva, idem, idem
n. 45, idem
Alfonso Goadut, idem, Commercio n.
14. idem
Joaquim da Silva Carneiro, idem,
largo do Corpo-Saato n. 13, idem
Bernardino G. de Carvalho, idem,
idem n. 13, idem
Theodoro Just, idem, Vigario Teno-
rio n. 2, idem
Domingos Alves Matbeus em liquida-
cao, idem, idem n. 7
Francisso Isidoro Ribeiro de Carva-
lho, Santo Antonio, estreita do Ro-
sario n. 8, idem
Domingos Ferreira da Silva, Recife,
Iravessa Ja Madre de Deus n. 8,
idem
Almeida Machado, idcm, Madre de
Deus n. 36, idem
Francisco Ribeiro Pinto Guinares,
idem, Baro do Triumpho n. 96,
idem
Fon.oeea Irmos 4 C, idem, idem n.
3, idem
Antonio de Oliveira Maia, idem, Mar-
que de Olinda n. 6. 4 diviso
Mauoel do Nascimcnlo Vieira da ( u-
nha Sobrinho, idem, Bom Jess n.
II, idem
Capitalino C. M. de Gusmo, idem,
dem n. it,idcm
Xicolao Lidston, idcm Commercio
n. 10, dem
Niemeyer & C, idem, idem n. 0,
idem
Francisco J Jayme Gah'o, idem,
idem n. 28. idem
Souza Nogueira C, idem, idem u.
44, idem
Bruwi)s4C, idcm, idem n. a, idcm
Martins 4 C. idem, largo do Corpo
Santo n. II, idem
Joo Vctor Alves Matbeus, Jidem,
idem n. 3, idcm
Moura Borges 4 C, idcm, idem n. 19,
idem
Baro de Nazareth, Santo-Antonio,
Imperador n, 79, idem
G. Laporte, idem, Io de Margo n. 25,
idem
A. P. Carneiro da Silva, Santo Anto-
nio, Duque de Caxias n. 41. idem
Krreira Oliveira 4 Irmos, S. Jos,
Marcilio Dias n. 106, idem
R. Drusina C. Recife, Mrquez de
Olinda n. 13, 3* diviso
(ornes de Mallos Irmos, idcm. idem,
n. 25, dem
A. L. Guimaraes, idem. idem, n. 37,
idem
Bernet 4 C, idcm, Bom Jess n. 50,
idem
Dr. Fabricio Gomes, idem, idem n. II,
idem
H. Lundgren, idem, Commercio ns. 4
e t. idem
Pohloiann C, ilem, idem n. 10,
idem
W. W. RobiliarJ. idem. idem n. 22,
idem
Abe Stein 4 C, idem, idem n. 36,
idem
Blackburu Needhara 4 C, idem, idem
a. 3, idem
Sooza Basto Ainorim 4 C. travessa
Madre de Deus ns. 4 e 6. idem
Luiz Goncalves da Silva Pinto, idcm.
Caes da Companhia n. 6. idem
Sulzer Kautl'iiiann 4 C, idem. Mr-
quez de Olinda n: 34. idem
Domingos Cruz 4 C. idem, traves-
sa da Madte de Deus ns. 9 e II,
idem
Fernandos da Costa & C, idem, Arac-
rim n. 43, idem
Souza Piulieiro 4 C, Santo Antonio,
L. do Carino n. 1. idem
H. J. ennann, Recife, Mrquez de
Olinda, n. 36, 6 diviso
Leal a IrmJo, idem, idem n. 36,
idem
H Burle 4 C, idem idem ns e 9,
idem
Manoel F. Bartholo. idem, Bom Jess
o. 4, idcm
TheodoroCliristiausen, i.1cm, idem n.
12, idem
Ferreira Casco C, dem, idem n.
30, idem
Aioorhn 4 Irmos, idem, idem n. 3.
idem ...
Manoel Joaquim da Rocha, dem, dem
n. 7, idem
Temporal Filhos, dem, idcm n. 57.
idem
Fireira Carneiro 4 C, idem. Com-
mertro n. 6. idcm
llenry Forster 4 i.. idem, idcm n. 8,
dem
J. Alfredo* C. idem, idem n. 14.
dem
Matbeus Austin 4 '".., iilem, idem n.
18, idem
R. H. Conoly 4 C, idcm, idem n. 20.
dem
J. H. Boxwell. idem. dem n. 26,
idem
Maia 4 Rezeode. idem. idein n. 38,
idem
Puntual Rosendo 4 C, idem. idem n.
46, idem
Bostelmanii 4 C, dem, idem n. 3,
dem
Silva Guimaraes 4 C, idem, idem n.
5, dem
Angosto Labille, idem, idem n- 9.
dem
J. Pater 4 C, idcm. idem n- 15,
idcm
Julio 4 Irmlo. idein. Largo do ("orpo
Santo ns. 3 e 7, idem
Francisco Tavares de Mello Go.ues 4
C. idem. dem n, 15 idem
Bailar Oliveira 4 C, idem. Vigario
Tenorio n. 1. idem
Canoa Irmios A C., idem. Madre de
Deus a. 30, idem
Luto Antonio de Siqueira. idem, Mr-
quez de OliDda n. 20, idem
Wilson Sons 4 ('., idem, Conimerao
n. 14, idem
Jos da Silva Loyo 4 rillios, dem L.
da Assembla n. 1, iaem
Laurino de Moraes Pinheiro. Santo
Antonio, 1' de Marco n. 19. dem
Machado 4 Pereira. idcm. Imperador
n 57. idem ., ,
branles C, Recife, Bom Jeeus o..
48, 1* diviso
401983
40*983
40J983
40*983
40*983
40*983
40*983
40*983
40*983
40983
40*983
405983
40*983
40*983
40*983
54*644
54*644
54*644
4*644
544644
543644
:; 1*644
54*644
54*644
54644
54*644
54*644
54*644
54*644
54*644
54*644
81/966
81966
81*966
81*966
81*966
81*966
81*966
,81*966
81906
81*966
81*966
81*966
815966
8U9C6
81*966
1095288
109*288
109*288
109*288
109*288
1094288
109*288
109*288
109288
109*288
109*288
109*288
1*9*288
109*288
109*288
109*288
136*615
I36*I5
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136/015
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
136*615
1364615
136*615
i:(6*615
1:16*015
[36*616
CIRCO CHILENO
ONTO
LARGO DO ARSENAL DE GUERRA
Companhia equestre, gimnstica, acrobtica, coreo-
graphica, japoneza, funanibiilesca, equilibrista facetica e miraien
EMPRESA E DIREC^O DE
HONORIO PALACIOS
H O J
GRANDE F0. A!
BNTH08IAMO : MUSI GERAL!
TKA.BAF.HOS X0V08 ATTKAHENTE8!
DOMINfr)--^ de abril-DlIMIN'GO
D.4S GR.VXDKS E VARIADAS PN'COES
1'iir.i a l hora o t' ta larde outra a 8 e l Que de olhos vendados, e mettido em
S?)
HOJE
1
Atildis asa
um sacco, colloca-se dentro de um enorme
canhSo e d'ahi sahindo a um signal dado, vai em procura de seu companheiro que o
espera na altura de 40 ps ingleses Parece incrivel, porm a verdade !!
Tomam parte tambem neates espectculos as sympathicas
ESTRELLA DO MAR,
ERTRELLA DO SUL,
ESTRELLA DO NORTE,
ESTRELLA DO BRASIL.
PRESOS
Camarotes com 5 entradas 10^000
Cadeiras.........2)J000
Geraes........ 1)5000
9 secretario,
jF. P. da Rocha.
DBRBY CLUB
WiK
PERNAMBUCO
i 1 mmm
):W*015
KHoOi:.
13640$
i:osoi5
13IU615
Para a 11.a corrida
A realisar-se em 5 de Maio de 1889
mu mm imimmmi
t\W& CONSOLACAO 800 metros. Aniraaes da provincia que an-
da nao tenham ganho no Derby n'esta ou maior distancia e nos ou-
tros prados do Recife, em distancia maior de 850 metros. Premios
250)5000 ao primeiro, 50)5000 ao segundo e 256000 ao terceiro.
>%!* VELOCTDADE 1 .OOO metros. Cavallos nacionaes at meio
sangue. Premios: 3005000 ao primeiro, (30,4000 ao segundo e 30)5000
ao terceiro.
^Ik^l, PROSPER1DADE 8O metros. Animaes da provincia que
anda nao tenbam ganho em nenhum dos prados do Recife em maior dis-
tancia. Premios: 250)5000 ao primeiro 50)5000 ao segundo e 256000
ao terceiro.
TMM-HtiNK PREMIO KTERMIOXAL-j.sa* .r...
Animaes de qualquer paiz. Premios: 1:0006000 ao primeiro,
2006000 ao segundo e 1 *\lk1,9 PROVINCIA DE PERNAMBUCO I.O metros. Animaes
da provincia. Premios: 2506000 ao primeiro, 1106000 ao segundo e
256000 ao terceiro.
^Vfel.9 CONCORDIA -1.900 metros. Animaes at meio sangue.
Premios : 3006000 ao primeiro, 606009 ao segundo e 306000 ao terceiro.
f ftitMMPBEW8A PERNAMBUCANA l.tOO metros. Animaes da
provincia que nao tenbam ganho em maior distancia no Derby. Premios :
2506000 ao primeiro, 506000 ao segundo e 25600) ao terceiro.
Observares
Os pareos GRANDE PREMIO INTERNCIONAL, Veloeidade e Concordia,
nao se rcalisarSo sem que inscrevam-se e corram pelo menos cinco animaes.
S ser3o aceitas para cada pareo as quinze propostas que primeiro forem
lidas.
Nao se realisar o pareo que nio contiver tres animaos de proprietarios diffe-
renies.
Cada enveloppe 8 nao vier acoinpanhada da importancia da inscripcSo
A nscripcao incerrar-se-ha segunda-feira, 29 de Abril s G horas da tarde,
na secretaria do Derby i praca de Saldanha Marinho n. 2, 1. andar.
Recife, 25 de Abril de 1889.
O GERENTE,
MIMIhH i: M III III.
:*
..
udoria Proviaciul, 15 de
Abril ie'1889.
tancadores,
Felinto do R- "
Joaquim Tninqulino de Lemos Duarle
Companhia de Edifi
cacao
tsiiDhiia Kiral e^lraordinuriu no
Mm H d- Maio de t^90 eni wesrui
nenio A ordinaria marrada e an-
unnclada para > meamo da.
Para attender quanto possivel aos inte-
resses da companhia e communidade
dos Srs. accionistas, resolveu a directora
da companhia que, cm seguimento as-
sembla ge ral ordinaria que hoje annun-
cia-sc para o dia 8 de Maio prximo fu-
turo, reuna-se urna extraordinaria, no
mesmo local em que se ha de effectuar a
ordinaria. Nesta assembla extraordinaria
descutir-se-ho a conveniencia oun3o con-
veniencia da liquidacao da companhia, se-
gundo a proposta do parecer assignado
peJa maioria da eommissao riscal e publi-
cado nesta folha no dia docorrente mez,
e a possibilidade ou iinpossibilidadc de
do re8organ8ar a companhia segundo o plano
gerente, distribuido em ivulso pelos Srs.
accionistas, oqual ha de ser pelo mesmo
I:i0i0i: apresentado officialmente na reuniao or-
dinaria do dia t* de Maio prximo futuro.
Chama-se a attencito dos Srs. accionis-
tas para os $% 4.-, 7.- e 8.- do art. 15 da
le n. 3160 de 4 de Xoveiubro de 1882.
Recife, 24 de Abril de 1889.
irdo Me.
< 'rente
S. R. G.
Soeiedade Beerealiva Comsaercial
Soin'c trimestral em 5 de Maio
Os senliores socios que queiram tirar convites
para esta soiree devciu procralos em poder do
1- secretario
Ingressos com o recibo do mez de Maio, os
quaes podem ser procurados em poder do Sr.
thesoureiro.
Aggregailos nSo se ulmittem.
Secretaria da Soeirdnde Recreativa Commer-
cial, 3 de Abril de 1889.
O i secretario
______________a raujo Gttimarftes.
SANTA CASA
CASAS PARA AtLI GAR
Ra da .Moeda n. 49, armazem 240*000
dem do Vicario Tenorio n. 27, li>ia 10*000
Idi'iii ulem ii. 22, 2." andar 80#000
Idcm idem idem, 3.* andar 180*000
dem idem n. 25. I. andar 360*000
Idem do Mrquez de Olinda, sobrado
n. 14 2:131*000
dem do Bom Jess n. 29, 1 andar 240*000
dem de Domingos Jos Martms n. 136,
loja e 1 andar 400*000
dem de Thom de Souza -.14,1 andar 200*000
S. Lourenco da Malta casa terrea 60*000
Ra do Mrquez dtj Olinda n. 33.
sobrado 1:200*000
dem do Padre Flotiano a. 65,
casa terna 200*000
dem de S. Bento n. 3 em Olr-
da. idem 240*000
Estrada de Parnameinm sitio 420*000

Frogramma da 18.a corrida
QUE -SE KEALEAR
Domingo. 28 de Abril
luiz de partidaCapito Francisco Solano Molina. >
fuizei de ehegadaDr. Jos Diniz Barrctto, Dr. A. Carneiro de Albuquerque e Dr. Laurino de Moraes
Pinheiro.
luiz de distanciadoJoaquim do Reg Barros.
Iulze de. arehibaneadaDr. Jos Alves Lima, Joao de Oliveira, Francisco da Costa Foffo, Dr.Francisco
do Reg Baptista, Dr. Estevo Cavalcante de Albuquerque, Dr. Jos A. Rodrigues Lima, Augusto Fernan-
des do Reg e Camillo Alves da Silva.
iulzes de ralaAdolpho Mendes Torres, Henrique da Costa Carvalho, Hermes Dias Fernandes e Luiz de
Paula Lopes Jnior.
luiz de pesagemProfessor Francisco C. da Silva Fra-'i.o.__________________________________________
\..m. s
Idadew
Pello*
>aluraliili-
de
l'l'SII
cor da vestimenta
ProprletarioN

Io PareoEnnalo- 11-
lurma)800 metros.Aniraaes da provincia que nSo tenham ganho premios nos prados do Recife.
Premios : 200*000 ao Io, 30*000 ao 2" e 20000 ao 3o
1
2
3
I
5
6
7
8
9
10
ii
12
13
14
18
16
Aratanba......
ognac.......
VinhoBrauco..
Farrabraz0..*
Tbisbe........
Dakar........
Hippogrypho..
Zambo........
Siroco........
Cyclone.......
Chatain.......-
Regedor.......
Bom Jardim...
Arreda......
J-parte.......
Vampiro (ex-
Borburema)..
4 annos..'ltii>so.......Pernambuco
5 -
4
3
3
5
4
4
5
4
5
4
6
Rassd pedrez .
Baio.........
Pedrez........
Castanho......
Rod. castanho..
Castanho......
Cardo........
Rodado ........
Russo pedrez..
Castanbo
Rodado .......
Castanho-.-----
Alazo........
Rodado
53
55
53
50
50
55
53
53
50
53
55
53
55
53
kilos
6rcnat...............
Grenateouro.......-
encarnado e branco
Encarnado e azul.....
Rosa e preto.....~...
Preto, ouro e escossez.
Azul e ouro.........

Encarnado............
Azul e ouro..........
Encarnado...........
R. S.
Bostock.
M. M.
P.A.
A. G. S.
F.
C. O.
F. R. R.
S.B.
S. B.
F. C.
J. M.
G. A.
M. A. C.
Jos Luiz de Souza Filho.
A. S

Io PareoEnsato(2* turma)800 metros. Animaes da provincia que uo tenbam ganho premios nos prados do Recife.
Premios : 200*000 ao 1", 30*000 ao 2 e 20*000 ao 3o
9
10
11
12
13
14
15
16
ItMandriao......
Kiss-me......
Piraruc......
Bon-jour (ex-
Duvido,.. .
Pipi..........
Rocambole
Roy..........
Royal.........
ero.........
Amarylles,...
Petit-inaitre...
Piramon......
Horisonte.....
Jaguarao......
Granito.......
Bostock.......
o annos.-
3
4
5 o
5 f
4
4 -
4
3
3
6
5
5
5
5
4
Baio...
Russo..
Pedrez.
Zaino
i Alazo.- .
Cardo ..
Alazo
Russo ...
Rodado...
Castanho
Rodado -.
Castanho.
Alazo...
Baio.....
[Rodado..
"Castanho
Porn;inibnro-.... -*)-*( kilos A. A.
55 Marrn e encarnado....... Coudelaria Dous Amigos.
63 J. L. S. S.
* 55 - Grenat e ouro............. A.
55 - Azul e branco.............. G. M.
ir 33 . Preto e encarnado......... C. P.
53 . Antonio Martins Pereira.
33 Rosa e ouro............... Coudelana Musical.
30 11. G. L. G.
35 . Coudelaria C. de Venus.
oo Preto ebranco......... J. B.
55 . J. C. L.
* 55 < Branco e encarnado........ Jos B. C.
55 . i A M. S.
55 O.
53 - Encarnado e amare!lo...... D. P.
2o PareoTrllho l roanos1.200 metros. Eguas at puro sangue. Premios : 350*000 1', lf 0*000 2* e 33*000 3*
Favorita.......
Olga..........
Mimosa........
Minerva ......
* lpba........
Es t ephania-----
Cvnira........
6 anuos..
4
3
4 .
6
4
4
Zaina......
Castanha...
Alaz......
Do tirad i I ha.
Alaz.......
Castanha
Alaza.......
S. Paulo.
Inglaterra.
54 kilos.
51
48
81
54
61
61
iMaiu A Chrysostomo.
Branco c ouro.............!M. N. P.
Grenat e azul............. ,J. Bastos.
Azul e grenat.. '...........Coudelaria Cruzeiro.
Ouro e branco.............jDjalina Morcira.
Azul e ouro...............F. Correia.
Encarnado, branco e preto..IPenna Jnior.
3 ParcoPragresse 900 metros-Animaes da provincia.Premios : 230*000 ao 1", 60*000 ao 2 e 23*000 ao 3o
Corsario.
Templar.....
Arumary
Provinciano
Trlha.......
6 annos.
5
5
5
5
Rodado..
*
Alazo...
*
Castanhc
Pernambuco.
">7 kilos
57
55
5o
Azul e branco......
Violeta e ouro......
Azul c grenat. ....
Encarnado e branco.
4o Pareoiapodroma do C
o tirude1.609 metros.Animaes de qualquer paiz.
125* ao 2", e 50* ao 3o
I. F. S.
J.M.
F. Siqueira & Bastos.
A. J. de Moraes.
R.
Premios: 3001 aol,
1
i
i
5
6
7
8
9
!?
l
13
li
|S
trice........
Coupon.......
Han. i I ca-.....
Aspasia.......
Salvatus......
3 annos.
5 "
5
3 -
Zaino..
Alazo.
Prelo...
Alaz .
Alazo.
Inglaterra.....
Franca .......
Inglaterra......
Franca.......
V8 kilos.
54
54
46
51
Azul e ouro-----
Ouro e branco.
Azul e ouro.....
Azul e grenat -
A. Marques.
DjalmaMoreira-
F. Correia.
Guimaraes 4C.
F. S. B.

5. PareoExperlenela1 450 metros Animaes da provincia que ainda nao tenham ganho nesta ou maior distancia em
nenhum dos Prados d'esta capital. Premios : 300*000 ao 1, 80*000 ao 2 e 30*000 ao 3o
Vot........*
Orion..........
Serid........
CycIoHC......
Barnave......
General.......
Azamor........
Flautista.......
Roy..........
Fanfar.........
Pirapama......
Florete........
Pombo-Preto...
Rei de Ouro...
Potos .......
anuos.
Castanho ....
Pedrez .......
Castanho.....
Rodado..
Castanho.....
Rosilho......
Baio........
Castanho.....
Alazo .....
Rodado .....
Castanho.....
Pernambuco
Cachito...
Castanbo.
kilos. Encarnado e preto.
Verde e amarello.
Branco e azul .....
Azul e ouro.......
Encarnado e azul .
Brauco e preto
Rosa e ouro.......
Preto, ouro e escossez.
Verde c rosa.........
!Encarnado e branco...
Azul c branco.......-.
iGrenateouro........'.
Virginio C. Leo.
M. A.
M. G. M.
S.B.
S.N.
J. B.
J. L. S. F.
Coudelaria Musical.
Antonio Martins Pereira.
R.C.
J. G. O. F.
M. L. J.
F. G.
Bostock.
6. PareoImprensa Peraam-nueana1.300 metrosAnimaes nacionaes al meio sangue. Premios: 400*000 ao Io,
150*000 ao 2." e 40*000 ao 3.*
X

Risette.......
Minerva......
Mandarim
Alpha .......
Olga ........
Corcovado ..
5 annos..
4
5
6
4
4
ZaiRa.........
Douradilha...
Rosilho.......
Alaz ...------
Castanha.....
Rio de Janeiro...
S- Paulo........
52 kilos
49
54
32
49
55
Azul e ouro...............
Azul e grenat.............
Violeta e ouro.............
Ouro c branco...........-
Branco e ouro.........
Encarnado e preto.........
Coudelaria Brazileira.
Coudelaria Cruzeiro.
J. B.
Dialma Moreira.
M. N. P.
Coudelaria Paysand.
Rio de Janeiro...
7" PareoDestreza1300 metrosAnimaes da provincia. Premios: 300* ao Io, 73* ao 2' e 30* ao 3*

[Monitor.......I 5 annos..Russo........IPcruambuco.... 54 kilos.
Good-morning. 5 Rodado........I [54
Templar......I 5 { _________J54
Rosa e preto..............(Coudelaria Pernambucana.
Grenat................... |R. Cardoso.
Azul e branco...........IJ. M. ____________J
(*) Montado por amador. t
OBSERVARES "
Pede-se aos Srs. proprietarios o obsequio de terem seus animaes s horas da manhi no ensilhamento,
visto como impreterivelmente ser cumprido o horario.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no ensilhamento 1 hora antes da determinada
para o pareo em que tm de correr.
Osjockeys que nao estiverem matriculados na secretariado Hippodromu o2fl poderao correr, cumprindo-lhes
apresentar as respectivas cadernetas na occasiao da pesagem.
Os forfait8 serio recebidos na forma do artigo 62 do Cdigo de Corridas.
HORARIO
Corridas
1. pareo
2.9 >
&?
4.
b. i
6.
7. >
8.-
11 horas
11
12
1 t
2
3
4 >
4
e 50 an
e 40
e 30
e 20
e 10 .
e 50
Recife. 25 de Abril de 1689.
O secretario, Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.


6


Diario de Pemamfaicofltolniogp 28 Ae Aibril de 18&9
i u. ro piiblira.n*
de Abril le IHS9
Prazo de ^0 e J5 dias
K. 74.-De ordm dojSr. r inspector gerol,
face saber aoa^rafessores feovidos, Gersina
Mara de Barros Correia, para i cadeira doEx ;
Mara da Franca Alencar Oliveira, para a de
Alaga de Cavallos Jos Francisco Florencio de
Soura, para a do Cedro ; Vicente da Silva Mon-
teiro, para a de Preguicas ; e Francisco de Pau-
la Lias de Carvalho, para a do Rio Doce ; que
fica marcado o prazo de 60 dias aos doas ari-
meiros e o de 35 dias sos ltimos, a contarde^
3 do corrente mea, pam assumirenro exeracio
de suas novas cadeiras.
O secretario*
Pergentino Saratva de Arao Galeno.
Prado Peniatafeikcajuo
De conformidade com o$# dosvt. Ifi deue
sos estatutos e em virtude dof jHfjIo-art. 40 sao
convidados os accionistas dauksauaslaMjB paca
lima reuniao de assembla {li iffi.i^ijiBiiin'iii ni i
iara se tratar de reforma dos ts*t\tujQ6 qu<
ligar domingo 28 de Abril eorrarte i -a meie da
na secretaria do Prado Pernambucano. ra do
Imperador n. 83, 1* audar.
Recife. 23 de Abril de.1889.
FmKCQMleikma e,
Companhi de Edifieacao
JUifttMvUa geral ordlaarla em
8 de Mal* de 168
Tend' a maioria dos Srs. accionistas da com-
paonia.de EdiOcacao que concorceram convo-
cacSo 4a aascmblea geral ordinaria marcada, por
Oftkm Auiirectoria da companbia, para o dia 22
S. R. J.
ecreativa Juventud?
Salto trimestral em 28 de Abril
te* para este sarao, na stepttaria ; in-
giessos ena uio do Uiesoureiro
.Nao se tdmitte aggregados.
Secretaria da -ociedade Recreativa Juventude,
6 de Abril de 1889.-0 2- secretario.
A. F. Lopes.
Secretaria da presidencia de Per-
nambuco em 20 de Abril de 1889.
5.1 seccSo.
Por eata secretaria se faz publico para-
conhecimento de quem interessar que o
Exm. Sr. presidente da provincia manda
em cumprimento da lei n. 1917 de 22 de
Marco ultimo, chamar concurrentes, com
o preso de noventa dias, contados da data
do presente edital, para a exploroslo de
onze engenhos centraes, sendo seis detypo
maior cinco de typo menor, sob as ba-
ses constantes dos artigos 1.- e 2.* da ci-
tada lei, concebidos nos seguintes termos :
Art. 1.' Fica o presidente da provincia
aatorisado a contractar com qnem melho-
res vanta-rons offerecer a fundacSo e cx-
ploracao do tniffi sngtiih-r- centraes endo
seis de typo maior e cinco de typo menor,
sob o plano, condiefles e auxilios constan-
tes do artigo 16 da lei provincial n. 1860
del885.
| I.- Dos de typo maior dous serao fun-
dados no municipio do Bonito e os outros
no de Iguarass, Ipojuca, Cabo e Mari-
besa. Os de typo menor serlo fundados
nos municipios de Itamb, Bom Jardim,
Victoria, Jaboatilo e no valle do Atnaragy
da comarca da Escada.
| 2.- Serao considerados de typo niaini
os engenhos centraes que moerem em cem
dias de vinte e cinco a trinta milhoes de
kilogrammas de canna, e de typo menor
es que durante o mesmo tempo moerem
e dose milhoes e quinhentos mil kilo-
grammas a quinze milhoes de kilogrammas
Art. 2.* As coneesaoes para a fundacao
e exploracao dos engenhos de que trata o
artigo antecedente s podero ser feitas
agricultores que residam na zona onde te-
nham de se estabelecer as respectivas fa-
bricas, exceptuado o de Ipojuca que pede-
r ser contractado com o requerente Joa-
quim Ignacio Pessoade Siquera.
O artigo 16 da lei n. 18t0, de que tra
ta o presente edital, assim concebido :
Art. 16. Fica o presidente da provincia
autorisado a contractar com o commerci
ante da praca do Recife Jos da Silva
Loyo Jnior ou com quem raelhores van-
tagens offerecer a fundacao e exploracao,
cesta provincia, de quatro engenhos cen-
traes com capacidade para safrejar cada
:im de 25 .'iO milhoes de kilogrammas de
canna sendo cada qual do custo de. ..
600:000A0(XJ ou oito com capacidade
para safrejar eadft ara de 12 milhoes e
quinhentos mil a 15 inundes de kilogram-
mas de canna sendo nesta hypothese o
custo de 300:000:^000 sob as seguintes
eondicoes:
1." A provincia concorrer com a quan-
tia de 200:000$ ' 100:000f$000 no 2" em apolices ao juro de
7 10 para cada un desses engenhos, sen-
do os juros pagos ao portador pelo propo-
nente ou por quem tomar a si o cstabele-
cimento dos referidos ngenhos c recolhi-
dos ao Tho80uro no fim de cada semestre.
2.a Qpagamento ser feito pela provin-
cia em duas prestacoes, a primeira quan-
do forem apresentados o conhecimento do
embarque, factura e a plice do seguro dos
materiaes cojos documentos serao endos-
sados ordem e ficarao em poder do
The8ouro Provincial, em cauciio da quan-
tia que receber o contractante, a segunda
depois que se acharem os meamos mate-
riaes no local effl que fr estabelccida a
fabrica.
3.a A provincia ter hypotheca sobre
todas as fabricas pare garanta de suas
apolices, isentando, porem, durante 10 an-
nos, o assucar nellas fabricado do imposto
de exportacSo e outros "quaesquer provin-
ciaes ou mnnicipaes que existan ou forem
creados posteriormente.
4.a A provincia ter durante as obras
ura engenheiro fiscal por ella noaieado
enjo ordenado, ser pago pelo proponente
ou por quem o substituir.
3.a A amortisacSo das apolices ser fei-
ta a razao de 10jo annualmente, a con-
tar do anno segoirrte ao em que tiverem
comecado a trabalhar os referidos enge-
nhos, ficando livre ao. proponente o direi-
to de fazer maior amorteaclo se assim
Ihe convier.
Far-se-ha urna emissao de apolices com
a clausula de serem resgatadas annual-
mente e por sorteio.
6.a O contractante n3o poder fazer
cesso de sen contracto seno a agriculto-
res.
7.a O proponente ou quem contractar,
ser obrigadd"a apresetar ao presidente
da provincia uma#planta dos apparelhos
ou machinismos mais aperfeicoados desti-
nados ao engenhos, a qual s ser appro-
vada depois i*e^jr esttninada por urna
commisso de engenheiros, nomcada pelo
mesmo presi**eYt<-.
8.* O contractante dar annualmente no
Thesoun PretVflcial fianca dos juros que
tiver de pagar a provincia pela emisso
applicada das apolices aos engenhos con-
traes.
O secretario interino,
Manoel Joaquim SUveira.
do -lueauairrente, resulvido que tal assembla se
nao peis por Ilegal effcctuar nesse dia, visto
nao liawr decorrido ainda lodo o prazo de um
im-z 4 dtyfiio vemb.ro de 1882 ; resolveu a directoria
^ajkfeaaae como se nao fora feila a convocagfto
ana*nciada para amelle diaaV e que-se fixesae
publico qne a.dexem os &n. accionistas reunir
em assembla geral ordinaria no dia 8 de Maio
prximo futuro, s 11 horas da manh, no eg-
criptorio da companhi, Praga Pedro II n 77,
le andar, assembla esta em que se ha de tratar
de tudo que segundo a supracitada lei, eos esta-
tutos da companbia tem cabimento nella.
Charaa-se a attencao dos Srs. accionistas para
os paragraphos 1. 2, J e 8o do art. 15 da cita-
da le n. 3150 de 4 de Novembro de 1882.
Recife. 24 de Abril de f889.
Ricardo Mentzes.
Gerente.
Contraria
DB
S. Jos d Agona no
convento do Carmo
De ordem do irmao provedor, convido a todos
o nossos irmos para comparecerem em nosso
consistorio, pelas 10 horas da manda de domin-
go 28 do corrente, para em mesa geral elegcrmos
os novos funecionarros que teem de reger esta
corporarfio no anno coipromissal de 1889 a
1890.
Consistorio- -daveonfraria de S. Jos d'Agonia.
25 de Abril de 1889.
0 secretario,
J. Mauricio de Alencur.
SEGURO CONTRA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 1.000:000
AGENTES
R.DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
Cofflpanhia k Seguros
iiitVtimit kt $i*Hvi
AGEKTE
Miguel Jos Ah es
V. 1mun rioBoni Jcm >. t
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguios a nica companhi
aesta praga que concedeaos Sr. segurados semp-
cSo de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale aodesconto annual de cer
ca de 15 |ior cento em favor dos segurados
Campanljia ^ %t%vx**
soniu p:k
NORTHERN
de Londres e Aberdaen
Posigao Gnanccira CDezembro de 1885j
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumulados
Reeelta annual :
De premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
3.134,348
577,330
191,000
32,000
O AGENTE,
John H. Boxindl.
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro di-
rector geral, em virtude da autorsacao de
S. Esc. o Sr. presidente da proviucia de
15 do corrente, faco publico que no dia 5
de Maio prximo futuro, ao meio dia, nes-
ta directoria, recebe-se propostas em car-
tas fechadas, competentemente selladas,
para execucSo dos reparos de que necessi-
tam: o boeiro sobre o riacho Moss, e a
Curva do (axito, na estrada da Victoria,
oreados em 6495,000
O di camn toe mais condicSes do .con-
tracto acham-se nesta secretaria, onde po-
dem ser examinados pelos Srs. pretenden-
tes.
Para concorrer praca cima deverao
os licitantes depositar, no Thesouro Pro-
vincial a qaantia de 32|J450, equivalente
a 5 "[,, do valor do orcamento.
Secretaria da directoria geral das Obras
Publicas de Pcrnambuco, em 20 de Abril
de 1889.
' O engenheiro secretario,
I.vi: Antonio *' CONTRA P060
The Liverpool & London & (lobo
nTSURAITCE CCLIPAITY
SLACSSBL nSBSAU & C.
Ra do Commercio n. 3
INDEMNISAD ORA
Companhi k Segaros
MARTIMOS E TERRESTRES
ENfabelecidaem i55
CAPITAL 1,000:0001000
SISISTROS PAGOS .
At 31 deOesembrodc .1884
Martimos.. 1,110:000,8000
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
IllipM'iill
Hassa fallida de Capiluliuo Ro-
drigues Passo A ('..
, Constando-me que o falli-
lido Capitulino Rodrigues
do Passo. autorisou a procu-
radores seus a receber debi-
to^ activos-da massa com
recibe ante-datados, peco
a todos os devedores que nao
paiiuem cunta algumase no
C( ni recibos visados por mi 111.
ou pelo depositario da mas-
sa. o Sr. Eugenio Goelcliel.
Prc\ino-Ihes, outroim., .que
ainda son curador fiscal por
nao haverem conseguido at
a presente data minha disti-
tui^ao deste cargo e estou
disposto a liquidar taes traus-
acQoes emjuizo competente.
Recife, 24 de Abril de
1889.
Dr. Henrique A. A. Milet.
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mcrcadorias
Taxas bajaas
Prompto pagamento de prejniz'Vi.
CAPITAL
R. I 6.000:000<>>
AOKNTF.
BKV\* A C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as-cai-
gas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
SEGUROS
MARTIMOS Ctt.MRA FOGO
Companhi FhenK Per-
nambueana
RA DO COMMERCIO X. 38

MARTIMOS
Pacific Sfe m Navigation
Companv
STRArTSOFMAG-ELLAN LINE
Paquete Sorata
Esperse da Europa at o dia
3 de Maio c seguir depoi?
da demora do costnnn- para Vu-
"paraio por
BaKn. Rio ac Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encomoiendas e di-
oheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Mson. Sons AL. Limited
14RA DO COMMERCIO14
HlppodroBta d Caaipo Grande
A directoria do prado ;cima previne aos
btlhetca que sulicitareai para
a co: 8 do corrente, serao todo
rimi> js que forem vend'!-
porta, W nao lerio carnbo e erio de cor d-
^V por t ni prevenir abusos que
rn dado.
Vbril de 1889.
Estrada de ferro do
Recife Caruar
i:n mel de resalva
P:(n conheeimento do publico declara-se que.
nao ecuvindo aos interesses tiscaes desta estra-
da a efltft-iade mercadorias por meio de resal-
va? 'jue tendo-se tornado muito frequente da
parto aos destinatarios os conliecimentos de despacho
para fin troca delles-recebercm as expednGes
, do dia I" de Junho em
Oante, nao se far mais entrega de expedicjH
alpumu de mercadorias sena] com a apresenta-
cao de respectivo conlieciment, conforme pre-
screvem as in^imccoes regulamcntarcs da mes-
mi estrada.
A entrega por rneio de resalva ser pe.-mitti-
(U uto somentc em casos excepcpnaes de de-
mora no recebimento dos eonhecimentos ile ex-
pedices de mereadorias de fcil deterioraco
nu d oncomni'-Mla-
torio i trafego no Itcife ii de Abril
Alfredo DiU,
ofcrt'-- ti tr.'fego.
Crrelo Geral

ala n 'pedr-ie boje
ta administra-
' nai ira >s portos do aorte, rece-
a registrar at 12
ordinarias at l hora da
t 'u 1 1/S com porte duplo
Ao : Correios de Pornambueo.
ibrtl d- 1889.
0 administrador,
ATooo do Reg Barros.
Royal Mail Steam Packer
Companhi
O vapor Tamar
E' esperado dosul no dia 28 de
Abril e seguindo depois da demora
necessaria para
Lisboa. Vigo, Woiithampton e
Antuerpia
Reducettb c pasta y mu
Ua daevolt
V Lisboa classe t 30
A'SouthamptonJ'clas>c t t VI
Camarotes reservados jara o: iiassageir:
Pernambuco.
Emquonto vigorar a qarrntena imposta na
ftepubiiea Argentina, aos vapore- c navios pro
cetes do Brasil, os vapores il".-ta cumpanqia nao
aceilarao passageiros nem carga para litienos-
Ayrcs.
"l'ara panmgcn<. !"'' -. MKMiMmidiia, tr;ui-e
com os
AiKN'i'i:.-
Amorhn rinaos & C.
K. .'>Ru do iioiu Jooii!- N. '
Red Cross of Steamers
Vapor Cearense
Pfimraniip rU M-eo^PWPa- Precisa-ac de um caixeiro om pratica de,#
v,ompauuie ae iHessagene* tavwna. na cama do Cam n. 4i.
JUjrrjtimoB
LJOA ME^fiAL
O paquete Npe Commandante Mortemard
Elesperado dos partos do
j% .no dia i de Maio.
seguindo depois da demo-
ro doeosume para Lor-
Beaux, tocando em
Mkftre Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageires de todas as
classes que ha lugares reservados paca esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 0|0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e qne
pagarera 4 passagens inteiras.
Por excepco, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
abatimento.
Os vales posta es s se do at o dia 30 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiroj frete: traa-secom o GENTE.
O paquete Equateur
Commandante Moreau
E'esperado da Europa no
dia 3 Maio de e segui-
r depois da demora ne-
cessaria para
Babia, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qnatquer tempo.
Previoe-se aos Srs. recebedores de mercado-
ras que s se atindela a reclamases por fal-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasiao da descarga, assim como deverao den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualquer reclamacio con-
cernentes a volumes que porventura tenham se-
guido para os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necossanas.
EMm paquete* o illumlnado &
lux elctrica. *
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro 9. frete: trala-se com o
AGENTE
Augu sie-'Labflle
9 Ra do Commercio 9
Quem flver una' menina .>u 'Hias, i B a
10 anuos deidaV e quzer entre-ar aos cuida-
dos de uinu.familia >l engunlio, dirija-se ru
de S. Joao n. 51, atoo dial du Maio proaim
viodouro.
Carimbos de borradla
Vende-se por commodo prejo urna offl-
cina muito bom montada, e com todos os
pertences, para fabricar carimbos de bar-
rocha, inteirw novidade, por tor os mes-
mo8 diversas applicaciJes, trabalho este
anda desconbecido nesta cidade, e no en-
tretanto, cte muito resultado para quem
quizer auferir grandes lucros, obrigando-
se o vendedor a dar, alm c'e diverses
catalagos eom iodos os eselare-
eimeatos as iusi rne<-oos, para
fabricar os referidos ca Inbos
com toda perfeico. sendo o m i >
da venda ter o seu dono de reliiavse para
fra do imperio; informicoes na tyjogra-
pbia deste Jarnal.
Vnde-se por mni'o barato prei.o- grande nu
me de croions dilTcrenles. roseiniB e plantas
a, pefiie'ias : na ra lmppri:il n. 133.__________
Libras ster inms
Vndese noescriptorio de Pe reir Carneiro
4C. roa Para jardim
PAPEL RIGOLLOT
M08TARDA EU F0LHA8 pn SINAM**
IM0I8PEMSAVEL AS FAMILIAS
Usada no mundo inteiro.
NADA DB
VBRDADEIRA
Vwniolevsa'
O mala
simple.
o mal*
commodo
a
o mala
effloas
dos
Revulsivos.
EXIGIR
* MARCA
para vitar
Contrafaoc-
A' Tanda IB odas aa Pharmaciaa
DETOSITO GERAL : AVENUE VICTORIA, 34
PARS
1
I^GarifirlDos do borracha vul-
canisados
Maior fabrica em sen genero, e nica
no imperio, que fornece carimbos de borra-
cha em seis horas
DE HEBMAXN' HIILI SON
Ra do Imperador o. Of) 1" andar
A_i_
Leiteo'
De presuntos e camar3es seceos
l'ma carxa com tesouras, pape! forro de sala,
movis e esptlhos
itreafeira, SO de Abr
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem ra do Bom Jetas n. 4o
Em cimlimiinu
3* e ultimo leilo
da casa e sitio do farro, com nruitos arroredos,
propriedade que foi do Sr. Jos Theodoro Go-
mes.
Agente SUveira
2 leilo
Da casa terrea ra do General Seara
n. 1 (antiga do Jasmin) freguezia da Boa
Vista, em terreno proprio'
Terca-feira 3 do eorrenie
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 45
O agente Silveira por mandado e ct>m assis-"
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de orphSos e a reque-
rimento do tutor do menor Alfredo da Silva
Bra^a. levara a leilo a referida casa.
s Srs. pretendentes podem examinar._____
Leilo
De cerca de 180 caixas com batatas
inglezas
Terca-feira do corrate
A's 11 hora^
No armazem do Sr. Annes defvonte da
Alfandega '
Em. continuacui
De 1 boa vacca tourina com cria
Por intervencad do
A gente Ousmo
Leilo
De 1 mobilia de junco branco, t quadros, 1
relogio de paicde. S jarros para llores, 1 rama
i.
i N
' r
f i 11 i i
com o m-
d'uma casa com-
Prospt'clos einlorma^ooscii-
viamsc a pedido
Encomendas forn da capital s se effec-
tuarSo viudas acompanhadas
porte ou por interiiiedi
mercial desta praca.
Especial i dados : carimbes com e seni
data, exclsior, maffsaado em duas cores,
lapiseras, automatos, relgos, etc., com
carimbos de borracha, como se v no cli-
ch a(m.
30 |0 mais barato do que em putras fa-
bricas do sul do Imperio.
TBABaLHO GABANTIDO
Alimento Criangas
"r* remciar a fraquozn das criancas. desenvilte?
as suas forcas e presescal-ot das iloiacat da idade
Cenr", os principies Mdicos do Parte, mcmtiros
da Academia de Medicina le Paris.reccUao com
ptimo csiio o verdadero
Oaeahost tos Arabas fe Delantrenier, t Varis.
Es toagr;idnv]aiiiDenta,com posto com substancias
veset.-ws nulii ti vasefortaleoedora-divide-sc un eco-
noma mda.c. pelas suas propriedades anoleplicas,
mcllio.iaacoiiiK)Siraodolcitedassenbora.sijueama-
mccUo. e acorda s Torcas lnguidas do estomago
51, rut Ti/ius|, rirn kSBito- nal fbraarisuio luodo eiteira.
ATKiNSON
perfumara wgleza
Excede todaa as oatrma pelo seo
peTnme exquisito.
BiU DE TOILETTE DE LOHBRES
DE ATKINSON
IssaBpsisTel par uitunar c totzet a
pti.c- e pet ini'ScctJivi.'l rfi-olha de
Berfonon pora o Un-v: ArtigH norot
pri|mrr.dos V* luv.uljiei icio*
sssest.
fncw.',-a-j m da de odet oj *-
c .in.'ei a fjnz.r.les
J. A E. ATKINSON
24 Od Bond Street, Londres
SMt4KaMfc Unia^tt^abriun"
cbi-; lun Lyr* a< "
eom odciflcb :J tolflid-.di
Peitoral ^e Cambar
O Peitoral de Cambar est reconbeci-
do como urna descoberta de magna impor-
tancia pnra a huraanidade sofiredora.
Sao numerossimas as caras operadas
por csse maravilhosoro preparado.
tFGrr*" """i'* riTr'tni'T'T """'"""
Santa Casa de Misericordia
do Recife
i
T
Coronel Bomlngom Alve
Hallieus i
A ]unla administrativa far dehrar na preja
do Paraizo, pelas 8 horas -a n^iihado diail Bo
corrente. urna missa cantada pelas exposta.-.
por alma do ex mordomo coronel Domingos Al-
ves Maihcu?. trigsimo dia do seu fallecimcnto.
Para assistir a esse acto, convida aos pren-
les e amigos do fallecido.
Sccrclaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 2i de Abril de 1889.
escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza.




s
f
O. Bom lo lorl < :ini-aui*
Luk LeocadL. l'aes Brrelo < sua mulher Ma-
ra 11. valcaiil !' Barr-t.i. Gerirudci Veicosa
Perrci e sua Hllia. convidaui ao* seus prente*
e amigos para a^psUreuf as uissps ijue por
aima de su-' HfBpre leuibrada u\ue lii.-av. Rosa
de Vilciiin f'.avalcaule, iiianilaui celebrar na ma-
triz d:i cidade da Escada e na reja de S. los
da boa Ksfieranca, terca feira 30 do Corrente, s
7 lioras da iiiunlia, sttiaio di de seu pas?anien-
to, pelo que desde j se coofessam asr.ulecido-
a todos que iseistircui a este acto de religiao e
caridailc.
mi-Ui

Ao jmblico e ao coimnercio
0 abaixo assignado declara ao publico e ao
commercio, que o cslalieleciniPUio amisaria
Americana e que grra sob a firma Res cv C.
lirn-dn Joh- AnliiiM-s -uin;i-
rea
D. Mara Ro?a da (^unlia fiuiraarcs e seus li-
liios cqnvidam a cus prenles c amigos para
assiytirem a missa que por alma de.seu prezudo
esposo e pai, mandam rezar na matriz do Mon-
teiro, s 8 lloras da manh de jerra H-ira 30 da
conente, .limo dia do cu passamento. pol-.
que desde j se aciiam UiiiUKKDtfOte
cidos.
franceza, 1 guarda vestido, 1 loilet, 1 bidat, i ieonn#a.Bbiliiadt a K'in servir na conlecco
lavalorio de madeira, 1 man|ueso, 1 lavatwio '
de ferro cora jarro e bacia 1 cabido elstico, 1
mesa elstica para jantrfr^tl cadeiras de jimeo,
1 baurainha, 1 jarra para agua, loucas, vidros.
tallieres e outros objectos.
No 2- andar do sobrando ra da Madre
de Deus n. 30
Entrada pela ra Barreto Menezes, an-
tiga Cacimba.
tltinrta-feira 1 de Mal*
A's 11 horas
Por interven9So do
Arente Gasmao
*
AVISOS DIVERSOS
Quem nao comprar!
Esta rila que foi tra.^ferida para correr com
a lotera das Alagos, de 3O:U00#. no flm deste
niez de Abiil. em vista da nao est auauricia',o
o dia de correr des'a lotera, tica transferida
para correr coiu a lotera.di Gio-Par, de
60: Abril.
Os amigos que nao paaaMHfl antes da extrac-
cao n;lo lero direito yo prooto.
Para o me de Maio
Aclia se venda na I.IVRARIA CLAsSICA,
ilaa mu do lUun Je-ns n. .>6, duas ini|)orlan-
tisanas obras sob O Lbulos segmnles :
Mez de Maria. Uainlia do
Santissimo'Kosario eo do-
n issimo m<'/ lie i\1;ii<>
As referidas obtt ?3a ioteiranicnie iiflispra
de camisas, si'ioulas, pulios, collaiinlios. pois
que contracton puaspa bastante Itabil ( ara bi ai
servir ao publico, a qnem pede sua proterr.
O mesmo abaixo assignndo ilechira que o Sr.
Joaquim Abi-anl-s l'inbfiro. --renle da mesma
linea Res At >,. seu bastante procurador, en-
cvrrvgado ile receber e paaaar recibos s pes-
etas que estivereui em aebito com o mesmo abai-
xo assignado. Recife. 27 de Abril de 1889.
Alvaro Jos e.tiia.3
Aula publica do sexo mascu-
lino
Km Minio Aiuiti-u dn* Kalina*
Acha-se abena desde o mez a aula publica do sexo inasculino da [ni
ineira cadeira de Santo Aiiwm das Salinas, a
cargo da professora Maria duRo-ai:o Hinbciro.
uUim-rocutc nomcada. pelo ((lie Eioo sc-irnie io
publico com esp cialidade aos ass de faiiiiia
all residentes.
Maria do Rosario Pinlieiic.
acrude-
t
Ama
l*rccisa-*cde-Hnia anta p:. comprar, ttm
aliar u mais serviros douicslicos. para casa de
pequea f.i.mli : (rala se *r velha de Santa
Rila n W.
Coronel .1/. Tanma/ liuuralics
D. Brgida Flora de Obveira Goncatves con *
vida aos amigos c cpispanbcirofi daiinado Roa
do seu marido o coroael Jos Tbomaz Goncal-
ves a assistircm as missas que por sua atina
manda rezar na igreja dat'onecieao dos Milita-
res, na segunda-leira 29 do corrente, s 8 lioras.
l'-anniversario de seta fallccimcnto, e antecipa
sua gratidao a todas a? pcsssa que se digaa-
rem assistir a este acto de candado.

t
Coronel 4o Tliouta/. toiiiHti<'.
Lenidas Tilo de l.ou^iro inunda rezai- uma-
inissa pela arma do tinado rorcaei Jos iiiomas
Gnncalves4ia igreja da Conicico dos Militaaes.
s 8 bol as do da 2*.' do concille, i" aonuersa
rio de seu passamento. pconvida os amigos do
liiiado, seus coinpanliciros d'arnia e sua fann-
i- '
t
Pecisa-ie
de una ama de Icit que *eja -adia: na ra do
Imperador n ti, wu SuaditUc n. 4.
\ eiule-se ou permu-
ta-se
Na vill de lenfvsMr, ha iftiarro Irgo.s da
cidade ae(llinda, \eiideui >e quatro casa-ter-
reas, ritas ra do- i-'i n-cii-o.-. m-cio duas de-
taina i- iteaf d; p' Ira e cl; icmi una ilmssas.
a q'i- f.z '-.-..'ImIi ubi i :\. zens. 93
Coronel OoiuihSos Al".
Malbeiio
Lniz EpipJianio de .-ouza c sua familia man-
dan celebrar inissas pelo eterno repouso do
coronel Domi(igo> Aires Ma heos, na canda do
Hospital l'oitugue.?. s 7 1 2 horas do dia 2 ao
corrente. tiiycsiniu do sen passamento : e can-
vidaai u seus amigos e ba> do tina lo para assis-
trew a ese acto de religiAn,____________

E'esperado dos portos do Para
e New -York at o dia 10 de Maio
oir depfis da necassaria
'demora para os portos cima.
a e encommendas 'rata-se com os
C< iNSIGNATARIOS
Johnston Pater %Sb C.
RA LX> COMMEKCIO N. 15
saveis as pessoas que l.jin mea i .nopo;- '_'- ';oi-' mrf c.-rn dnas portas;
contei l'xlas at ora&c? u versos qno sao colisa-
grado! iie-le mez Vinrcw Mi de heos.
Auga se casan a i>w> :w uecuu uo ..o>.-
bO, jWf-:' de S. Goncallo M roa .la
!ii|.ei'.>ln:'. H. o1'-
Auga-sc oo vende-se o smo do Moaatega
D.133. ma Viscoiide de Goyar.na : a tratar
com L. dcTaorocs Gomes Forn ira.
"__Alaga-se a casa terna eom lotea no pateo
do Terco h.82. e a do befeo do Dique n. 21 por
12000": a tratar a ra do l'ilnr n. 56,
Alaga se 0 sobrado n 'i( ra da Iloda.
com bous oowBMrios niuii iodo pin-
tado de novo e forrado a pap-
ar na rut-doCabug n lu, Ipjii.
de una bo tratar
iL ..
p de una boa
na ra daSoledade n. 82.
: iimo -ponto
par* lie-(.-u>. c i-,.aii: : -idenuia
c lioiel : sondo a-ni'itras li mus comino
dos para familia, situada? to frente
cada.- de-arvorctios de psiWte firsra -.-.fu
ble ; assim i,oi.'io m -oiia-sc ImobHN una w>
clii'jia (po Jea contigua a -. uin.i d.i
gencia cm perfeilo csiado. e U cavallos que faz
viagens de i'liil'i a Iguarass plantas de cu-
pim, cercado, ele ; ou pemui-a se ixiruia casa
Mareo sda na cidade do Kecifc. qu silio em un
arrabal lade. (Juein pnaeader di-
i de Novembro numero 2i. ar
maxeai de pinlip.
t
A Opiniao
o n. lli da fo-
lha inti pibli-
cou iietn
Jotio tome*'I.Muri'iro
A socie tad* Leigos iJarmnliliicoe convida ros
seus rrie-. familia e .aiig- ;ado Jeao
Gon.06 Lou .-iro p;ir: as.-isiirea ; rr,is ,i;,eHo ip.'.e maiyJara ceiebr:' na igreja do Livra-
ae-niu no da 1 de Maio s ; staH
cato.
0 (fcercts.-i io.
Man iza.
t
Hnnpel Jone ,ie Cusli u ,uimn
raes
n amigo de Manoel Jos de Castro Guima-
var urna missa ^ do cor-
rente, na
horas da man:
ti^^^^^^^^^^^H
paren


Diario de PernambcoDominaro 28 de Abril de 1889
*
.
2
Machinas a vapor
Moentlae.
Relas tftigua.
Tai xas fundidas e batidas.
Taixas batidas sen cravacao
Arados.
Calorse,Anemia,Catharro pulmonar,- Bronchitechronlca,
tharro da Bexiga, Pntislca, Tosse conoulsa, Dyspepsia, Palidi*
oraas seminas*, Cattiarros antigs e complicados, ec
H-}ilt>TT
rCC
k^^uj
S^^S?';
CAPSULAS THEVENOT
Tratamento das doeccas do peito
a todos os degros.
Alcatro.
Alcatro Creosotado e Tol.
lOdOfOrmlO (Ether iodoformado).
Creosota loofcrmada.
Creosota ti?, rala.
Oleo de flgaito e acalu creosotado.
Balsmicos creosotados. _____
Depositarios em PEKNA3UCO : ruin W. da SUVA &. Cl.
'
E?'

I
tirgativo Julien
GONFEITO VEGETAL, LAXATIVO E REFRIGERANTE
contra PRISA O DE VENTRE
APPROVADO PELA Jl'NVA CE.NTP.At. DE YCIENE PUBLICA DO BKAZIL
...............-...
Esle purgativo exclusivamente vegetal se apresenta sob a forma de um confeito
aprudavel, qae purga com snavidade sem o menor incommodo. E' admira ve] contra
as ajfecfdm do estomago e do fijado, a ictericia, bilis, pituita, nauseas e gazes. O seu
efleito rpido e henifico na enxaqueea, quando a cabeca est pesada, a bocea
amarga, lingua suja, falta o appetite e a comida repugna, as ichacoes t ventre
causadas por inllammaco intestinal, pois nao irrita os orgos abdominaes. Emim,
as molestias de pelle, usagre e couvuUoesda infancia. O Purgativo Julien resolveu
e difQcil problema de purear as cranlas que nao a sitan! purgativo algn, pois o
pedem como se Tosse urna pastilha de chocolate sabida de confeitaria.
Deposito em Pars, 8, Ra Vivienne, e nat principaes PLarmacias e Drogaras.
(
E' de RkaitM !!!
Os presos abaixo mTVck>riB*los
9 n u i o do Lo ii v r e
Um lindo corte de vestido cora bordado por 105000.
Ura covado de batiste muito fina a 240 rs. r.' barato.
Urna peca de esguiSo de &lg dSo com 10 varas por 30200.
Urna rica colcha imitacao de crochet por 60OUO.
Urna peca de bico matizado por 25500 e 50000. S vendo.
Urna duzia de camisas allemas por 350000. E' pechincha.
Um bonito- corte de setineta com guarnicto por 60500.
Um covado de 13 Amazonas a 440 rs., imitacSo de seda.
Um covado de cachemira de listrns, ou lisas, a 10200.
Urna sahida de baile com bordado a 15000.
Um covado de percale, cores fixas, a 200 rs.
Um covado de tecidos de fantazia, ultima moda, a 500 rs.
Um corte de casemira ingleza por 50500. E' barato.
l'm JBetro de renda hespanhola, todas as cores, por 35000.
Urna duzia de seroulas de bramante por 1500-
Um covado de linn matizado por 600 rs.
Um fich de 13. o que ha de melhor, por 0^000.
Urna peca de madapol3o americano, com'20 varas, 65500.
Um pfeletot de gorgurina, imitacao de seda, por 45500.
Urna linda colcha de damasco de algodao por G05OO.
Um covado de zephyr, o que ha de bonito, por 200 e 240 rs.
Um espartilho couraca com bordados a 55500.
Urna guarnicSo de crochet com niatizes por 70000.
Urna duzia de meias inglezas de 95000 por 65000.
Urna duzia de1 lencos, em caixas, por 20oOO.
Um ovado de merino liso, duas larguras, por 440 rs.
Um paletot de seda palha por 7500.
Urna camisa de huiella americana por 55000.
Urna peca de cambraia Uictoria por 25800.
Urna pega de bordado rauito fino por 700 rs.
Urna pega de cambraia bordada por 45000.
Um tapetev grande para sala por 130000.
Um covado de sargelim diagonal por 200 rs. E' do melhor.
Um covado de fustio branco por 360 rs. Sao bonitos.
Um par de luvas de seda, todas as cores, por 25000.
Um covado d cretone, cores claras, a 240 rs.
Completo sortmento de regatas, puuhos. collarinhos, entre-meios, leques,
tractos, bolsas, costumes para banhos salgadojL bicos lisos e brancos, roupas fetas e
Officina dejplfaiate
$a na Prirociro Marco n. 20
'.%*.. Ol
AMARAL & C.
7
-
ex-

.'c-nc.'j-" 09 ntt>*rror:a fft rtyttsfia do lmo*t\Q to Brulf.
-DEaadDALOCHRM:
de SaT/aresse

Prapi?ra*o .ilgnsa ix&is et.'raax oontra a
XftX OLHSTIAS STESCRETT.A.S
que. cu tar*i$ fttpmti cia l mVAX*. MVS ^- f. ttn C4VCR900U K VA VW. I.KSffl KU A- TKfttZ. em LOiVJRTS.
BRONZE i
ui:
CARDUZO H" IMlAt)
Hita do lrtiao do Trmmpho os. 100, 102 e 104
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem para vender o efiiiote:
VrAP*rt!* de diversos fabricantes para fogo directo ou pnra fogo de agsen-
lamento.
MOEXDAS de todos os tamanho;-.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
1 RIVArnES de dit'erentes tamaitos.
TAIXAS de ferro batido fnndio.
LO'-OMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 oavaHos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de desearooar algodAo.
VARANDAS de ferro fnftdido ( batido.
BOMIJAS de todas as qualidndes com o respectivo encanamento o finalmente
i-nas a> ferra^ens precisas psra a agricultura desta provincia.
ENCARREAM-SE de qualquer concert e mandam buscar por encommen-
la, mediante ajuste previo ou urna mdica commissao qualquer machinismo.
COXTRACTAM f'orncciinento de apparelhos para nslnas, garantindo a boa
ijiiidiilade e bom trabalh dos mesmos, o que podem provar com o boni resultado
.'(ido com as duas USIXAS moniadss ltimamente a 6aber:
Sania Filonifla e Joao Alfredo
Vcndein a preso u a dinheiro com descont.
nk*
I
i
V
GRAGEAS
de OepMMb*. CvS.tt
%:ri!.;a f uro. khkhm*
lUcasric, TereointhiHt.
iNJEGQO
x/iisMza 0 wmi itmtrm
/a
naVMtl
j OHAQEXS FOVITIN, forEo j> priomins ^ua ohtivtnm ,pi>rI?4<
I Mau (UbU) qu aaspuiaav** nos UospiUos. CnriTi aa mtlestlaa aMaMOaV
amia rabalaat aam fatiga oa aatoaaagoa mala *alloartaa
A IMBOOftO FORTIH aam|a raeoenaendada oca i
tnsot pel ittftcUria i Injei* Iaatri* t IfiJ
EQUINA FERRO
^g* Chlorose, Anemia, Debilidade
______Cura das Febrea





VIH0S
TITULADOS
DE
0SSIAN HEHRYI
4Vc> ie oitrnta ti feilcisa di -guti, Uti csOttntUo ai ftco'.t ti Sanaseis.
fel1/ reuntao, n"este preparado, dos dous tnicos pir excellencia. a quima
e o rE2RO, cnnli'.ue um precioso modJcamcnto contfa a cliloroae, vorrt
palUtuM, Anemia, Flores brancas, Vamstituletem /traeos, etc.
PARS, BAIN & POURNIER, 43, ra d'Amsterdam.
DepoilUrlos em MranitHrg FRAII" M. ia SILVA Cb.
?
59Ra Duque de Caxias59
ADMIRE III
Cortes de cretones em cartao com figurino e enfeitos, a 81JOOO.
dem de oaehimiras boi-dadas, a 25^)00, s2o de 40)5000.
Setim preto, a 1)5000, 1200 e 800 o covado, verdadeiro Maco.
Grosdenaples pretos, verdadeiro Len, a 2)J200 o dito.
Merinos pretos, duas larguras, a 500, 800, 1)5000 e 1(5500.
Mantilhas prctas, a 1)5200, 3)5000-e 5,5000.
Casacos de cachimira pretos, a 305000.
Fil bordado, a 800 rs. o covado, para veos e enfeitos.
Velludilhos.de todas as cores, a 800 rs. o dito.
Zefios de cores, a 80, 100 e 160 rs. o dito.
Linons de cores, a 200 rs. o dito.
Tecidos diversos em cores, a 240 e 300 rs. o dito.
FustJes brancos bordados, a 360, 400 e 460 rs. o dito.
Lindas setnetas, a 200 rs. o dito, aproveitem.
Cretones magnficos, nm metro de largura, a 280 rs. o dito.
Chitas, bom sortmento era cores firmes, a 200 rs. o ditc.
Rendas austracas para vestidos a 500 rs. o dito.
Cambraias bordadas, a 4^500, com 10 ardas.
dem Victoria, a 2)5500 e 3)5000, com 10 ditas.
Madanol2o superior, a 6000, com 24 ditas
Algodoes nacionaes, a 3j50O0 e 3)5500 com 20 ditas.
Ricas guarnieres de crochet, a 7)5000 e 8)5000.
Toalhas de labyrintho para baptisados a 25)5000 e 300000.
dem grandes para rosto a 45000 a duzia.
Cerouks de bramante, a 12<5000 a dita.
Meias inglezas superiores a 3)5" XX) e 5)5000.
Camisas inglezas e francezas a 30)5000 e 36)5000.
Cortinados bordados a 6)5000 e 8(5000 o par.
Lences de bramante a 1)5800.
Caberte* de ganga, dous pean a 2,5800.
Redes superiores, a 10*5000, sao de 154000.
Pannos para mesa a 101OO e 1(5400 o covado.
Atoalhados bordados, a 10200 o metro.
Bramantes de algodao, a 700, 900 e 1<>000 o dito.
dem de puro linho, a 1|5600 o dito.
Casimiras em cortes, a 2i500G, 30000 e 50000.
Sargelins diagonal, a 200 e 220 rs. o covade.
As vendas em grosso tem o descont de 14 [,
PEREHtA A HAGALHAES
p iil ll i i iaiaa^aaBawaaw*^"*" ..... i
V Gotta, Rheumatismo, Dores
Solqo do Doutor Clin
Lt/rtado da Faculdade dt Medicina da Pars- Premio Montyon.
A Verdadeira Soluco CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Aileccdes Rheumatismacs agudas e chronicas, o Rheumatiamo gottoso,
as Dores articulare! e musculares, e todas as vezes qae necessario calmar os
soTrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solucao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatiamo,
a Gotta e as Dores.
1U3 Um explicacio detalhada aeompanha cada frasco.
V Exigir a Verdadeira Solacao de CLIN & Cie, de PARS, que se enoontra em
_ coto dos Droguistas e Pharmaceuticos.
JCp5" Atlendite
ot Ssmoel Botefho avisa ao respeltavel pn-
olico que anda continua a fabricar bouquets do
mais afamado gosto, para casamento ou outro
qualquer acto, assim como capellas mortaarias
de perpetua; a tratar na ra Nova n. 20, loja de
miudezas, ou na ra da Cadeia do Recife n. 43,
loja de selleiro.
Cozinheira
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem, para
casa de pequea familia, que durma em casa
dos patroes ; na ra Conde da Boa-Vista n. 24-F,
portao de ferro______________
Engenhos
Arrendam-se os engenhos Cachoeira e Bocea
da Matta da comarca da Victoria, a tratar na ra
do Imperador n. 30,1. andar.
Cosinheira
Precisase de urna coeinheira que seja perita
e nSo saia ra, para casa de familia ; a tratar
na ra do Cabug n. 14, i- andar. Ae meio da
at i horas.
Ci
aixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos de
idade, com pratloa de taverna, e que d fiador
de sua conduca; a tratar na ra Dias Cardoso
n. 60, antiga do Caldeireiro.
Aproveitem o cambio
Carlos Sinden recebeu pelo ultimo vapor gran;
de sortmento de camisas ing'ezas de superior
qualidade, assim como camisas de meta, de la e
meriD, meias de diversas qualidades, assim
como grande sortmento de vestuarios para me-
ninos, que est vendendo Dor precos sem com-
petencia.______________________________________
Attendam
Urna senhora perfeitamente habilitada 'a lec-
cionar portuguez e francez assim como todos os
irabiilhos em bardados e flores de todos os gos-
tos e especies, offerece-se para ir a casa das
familias que nao quizerem mandar suas filhas
para as aulas : assim como tambem ir residir
na casa de algunia familia abastada que queira
para mais commodidade de suas filhas. Aflian
a-sc conducta honesta, prudente e moralsada:
quem precisar pode dirigirse ra do Baro da
Victoria loja de fazendas Pariz na America nu-
mera 16.
REMEDIO DO DR, AYER
CONTRA
AS SEZOES OU MALEITAS.
0 Remedio do Dr. Ayer, descoberte
vegetal que nao cantm a quina nem o
arsnico, era tiopouco outro ingrediente
nocivo, um remedio infallivel e prompto
para toda a qualidade de febres intermit-
ientes ou maieilas. Scus effeitos sao per-
manentes e certos e nenhuin mal abso-
lutamente pode advir do seu emprego.
Da mesma 6rma torna-se o melhor
remedio possivel para todas aquellas
docncas que provra do< effeitos dos
miasmas, que se desenvolvemnos lugares
pantanosos e tnfrotado-;, e que geralmente
caraeteriso-sc pelas affeccSes do
ligado e do baco.
O Remedio db Ayer curar sempre,
mesmo nos casos peiores, to tr empregado convenientemente e se-
gundo u direc^es.
PREPARAttO PELO
DR. J. C. AYjIR & CA,
Cot&ftSah Kst.-Unidos.

Aluga-se
na ra Direila, ..obrado n. 15, as seguintes ca-
sas :
Ra da Gloria n. 96, coui quintal para a ra
da Alegra.
Ra da Amrzadc n. 4", Capunga.
Dita dita n. 30, dem.
Travessa daFundico n. 12, Fra de Portas
Trave'ssa da Pyndoba n. 3, est caiada e pin-
tada.
A
-DE-
0 ItylS Pa^UESITO
DOS
Perfumes do Tocador,
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Monte
NO BAWHO.
Superior a Agua de tsio-
t;ia peln delicadeza de se
atjela t :i durabilidadc .;e
seu perfume
NO LEHfJO.
r*
Terreno
Bom para coudelaria ra Mrquez do Her*
val 80 e 82 ; para ver, na casa ao pe, e irttir
na na Mrquez de Olinda n. 25. Tem cocheira
Cauteilas do Noote de Mtm%
Compra-se cauteilas do Monte de Soccono de
qualquer joia, brilhantes e relogios; faga-se
bt;m na Praga da Independencia n. 22, loja de
ivlojooiro.
Alug-a-se
duas excedentes casas terreas, sitas ra da
Ventura ns. 24 e 32 ao p da estaco da Capun-
ga ; outra sita d travessa dos Guararapes n. 2,
todas em bom estado por precos commodos.
Para as duas primeiras trata-se no sobrado
grande ao p da ponte; e para a ultima na ra
Mrquez de Olinda n. 54.#
Alga-se
o 2- andar da casa ra da Aurora n. 81, junto
a estaco da estrada de ferro de o;nda, com
grandes commodos para familia, gaz e agua en-
canados ; a tratar no escripterio de SebastiSo
de Barros I arreto, ra do Bom Jess n. 16,
primeiro andar.
Aluga-se
o pavimento terreo do predio sito ra do Bom
Jess n. 15, proprio para escriptorio por ter gra
des, gabinete, etc.: a tratar na mesma ra n. 4,
escriptorio.
Aluga-se
a casa sita ra Visconde de Goyanna n. 58,
com agua e gaz, tendo bastantes con.!nodos para
grande familia: a tratar na roa Velha n. 87, das
8 horas da manh s 4 da tarde.
Aluga-se
urna sota pintada e caiada de novo, sita tra-
vessa do Carmo n. 2, com bastantes commodos ;
a tratar na ra Direita n. v:(. taverna.
AlugrHel barato
Baixa verde n. 3.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Baixa Verde ns. 1-C.
Ra Visconde de I tapa rica n. 43, armazem.
Ra Vital de Negreiros n. 45.
Ba do Bom-Jesus n. 57. 3o andar.
Ra do Coronel Suassuna (quarto) n. B.
Largo do Mercado n. 17, loja.
Ra do Coronel Suassuna, qnarto n. A.
A tratar ra do Commercio n. 5,1 andar,
escriptorio de Silva Guimaraes A C.
Modista
Maria Jos Simoes reabri sua casa de modis-
ta, e trabalha por quaesqutT tigurmos da moda.
Reforma-se chapeos a moda, por precos razoa-
veis; na ra da Imperatriz n. 68.
Cosinheira
Precisase de urna cosinheira : na ruado Ran-
gel n. 34, segundo andar.
Ama
Precisa-se de umfc ama para cosinhar ; a tra-
tar ua ra Pedro Alfonso n. 9. .
Ama
Precisa-se de urna ama para todo servico, para
urna familia de duas pessoas : no iargo do Pa-
raizo n. 14 se dir.
km
Precisa-se dttrflaama : na ra Baro da Vic-
toria n. 35.
Ama para engfomi-
mado
No sitio n. 5 da estrada de Joo Fernandes
Vieira, se precisa d urna na para engommar.
Cosinheira
Na rea Pormosa n. 8J precisa-se de urna ccsi-
nheira que durma em casa.
CURA CERTA
de toda* ma AJTeetfea polmi,Jarea
capsulas
Creosotadas1
FdeDr.FOURNIER]
Vnaa PrcnMa*
# tmilfSa Wm 1$K
\, IX1JJ-H A VA7?A DS
., -.i tia nciu>A
pjmt
Todos aquelles que sofirem
| Jo peito, devera experimentar
ss Cnpsu'as do Dr. Fournier.
Dey-isiUrios em Ptmimbuv):
FHtfOlSCO U. d> SILVA a ._____I
Ag-ostinho <& Irmos
Collar de Ouro
a-A Ra do Cabug S-A
Como tizessemos urna grande reforma em c
nosso estabelecimento. tizemos tambem reduc-
cao nos precos de nossas joiae de ouro, prata e
brhantes. Pedem a seus amigos e freguezes a
virem comprar lindos objectos com pouco di-
nheiro. ompra-se ouro, prata e rilhantes em
obras servidas, e paga-ae bem. Coocartaai i
relegie, obfw e ooro e prata emavmm^

A FLORIDA
Esta bem conhecida casa, previne aos
seus numerosos freguezes e freguezas que
contina a servil-os, como dantes, em to-
das as suas mais extraordinarias exigen-
cias, para o que substituio a sna antiga
armaco por outra que mais expansiva, of-
ferece muito maior accommoda^Ses as in-
nmeras fazendas de que se acha hoje
provida, aonde s Exmas senheras encon-
trarao tudo quanto o rigor da moda exigir
para um toilette completo, desde o maior
chiquisme at as mais simples.
Venham verificar por si mesmo para
acreditaren!.
Para a quaresma
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodao com sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda qom e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para hornera a 35000 e 4)5000
a duzia.
Lencos de linho em caixinhas a 3(5000 a
l dita.
Meias para homem, dzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos leques transparentes de gaze a
30000 um.
Grande sortmento de porta-retractos de
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 40, 60 e
80000 o par.
Ditas do phantasia, gosto moderno, de
20500 a 30000 o par.
Tortinados todos de crochet para cama a
120000, 170000 e 190000 o par, alguna
de cores.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a $00 e
10000.
Ditos para sof a 20000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de compnmento
a 40000.
Capellas com veo para noiva a 60000 e
80000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100 e
120000.
Toacas de setim para baptisado a 30, 40 e
50000.
Gnnaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 20O6B- a peca.
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de Afires a 40000 um.
Collarinhos e purihos celluloide.
Grande sortmento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a dozia.
Extractos e leos de diversos fabricantes.
Lmha de machina, claque, a 40 rs. o car-
ritel.
Pastas a 10000 e 20000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 20000.
Arquetes para chapeos e chapelinas a
10500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 2.3000
par.
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctaario e consollos.
Lindos len03 de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 0
60000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 m
10500 um. ^
Estojo com faca, garfb e colher, proprio
para creanca.
Bengallas com nauta a 10500.
Meias de la para homens e senioras.
Tangir dourada para taaer orocUai.
Lindas fitas para racha a 20, SjJ e 4jJ006
o metro.
Lindos leques de setim para easamento.
Grande sortimento de leques de setim e
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteira para algibeire de 1j 9At
3 e 30500 urna.
Ra Duque de Caxias n. 103
Atteno
No armazem da roa lo Amoriat a. 0,
se sBperior vinho de mea pelo iKxttopngo de
7i o garrafao de3 caadas (voitando o casco).
A elle antes que se acabe.
Engenhos arrendar
No dia i de Maie vindouro iro nraca por
triennal arrendamento os engenhos : Linda Flor
e Caxias, perante o juiz de orphaos de Samel-
Icira, comarca da Escada. Os pretendentes po-
dem informar se no eartorio da villa de Gemel-
leira, ou na Escuda com o Dr. Aquilino Porto.
M. T. A. S
Pede-se a este seuhor a boudade
aquel le cordao de ouro que levou, \
tuir aquelle dinheiro da pobre viuva
com outros negocios.

i1^
L

'


Diario de Pernambuco-Dominoo 28 de Abril tl
i
Vinfco poro de Sanlarera
Da Quinta do Barral
Chegon a pnmeira remessa deste especial vi-
ano para o Armazem Centra! de gneros alimen-
ticios a roa do Cabug n. II. o qual ge toma re-
Dommendado pela sua pureza e boa qual idade,
manda-se em casa dos distinrtos freguezes livre
di frete, para qualquer ponto da cidade.
Roa ao Cabula n. 11
Telephone n. 447
Joaqnim Ghristovo & C.
20.4000
Aluga-se a casa n. 16-C ra do Riachuello
(Boa-Vista) antiga do Desuno, a de n. 16-D. por
18M09; as chaves acliam-se junto n. 16 B e
tratarse na ra da Guia u. H.
Papel de forro
de sala, gabinete e corredor, esplendido sorti-
mento na livraria Contempornea.
Quadros
com bellissimas oleographius, biceto.s para
adorno de sala e para presentes, tudo encontra-
se na livraria Contempornea, ra i de Marco
numero S.
Malas deviagem
para roupa de senhora e de Iiomem, pronria de
camarote e caminho de ferro, bolsas, cnapelci-
ra, binculos, etc. etc.. artigos inuito bonse
baratos na livraria Contempornea.
Instrumentos de msica
para banda e orchestra, realejos, caixiiihas com
1, 2 e 6 pecas, para enanca ; na livraria Con-
tempornea.
MAIS DE 10:000 CURAS
HOBTE 20 SSEUUATISUO
DORES E DeDENTES
* AmBimAJ X* OiAiia.
PREPARADO CXICAMENTE
POR CALASANS & C.KA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, inchacces, dores aciaticas, ncvral-
gias, dorniencia. etc., empregaudo-se em
fomentacoes sobre os lugares affectados
Gura o beri-ber, as paralysias e as dores,
de dentes.
Todos os frascos levam direccScs para
uso d'este medicamento admiravel.
Pr-co 10200. Descont de urna duzia
em di ante.
DEPOSITO NO RECIFJ-:
Fralfcisco Manoel da Silva & C. na
Mrquez de Olinda n. 23
C'arro
Vende-se na nadara de .Mello i Hiset a 106
-3. z barrica : na ra larga do Rosario n. 40
Fabrica Bourgnrd
Curta-se fumo a 40 rs. o kilo.
Vendedor de plantas
Precisa-se de urna pessoa para vender plan-
tas : a tratar na Baro da Victoria n, 54, nova
agencia de movis. _
Alten cao
Precisa -se de uma rapariguinha de cor, prefe-
riudo-se orph ou mesmo uma que mo tenha
prenles e que piba fazer algum servido inter-
no, para casa de pouco familia, mediante qual-
quer convengao : a tratar na ra do Rangel n.
15, i- andar, collegio de Santa Lucia
Cabo
O abaixo assignado avisa a ti dos os iteres-
sados qne nao contina a cultivar as trras do
engenho Rosario, e assim nao se responsabilisa
pela renda do u esmo engenho desta data em
diaate. Cabo. 15 de Ahril de 1689.
Calumbo Latino Vieira ele Souza.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada,
propoe se a leccionar em collegios e casas par-
ticulares as segoinies materia : portugus,
francez, msica e piano ; a tratar na ra Vis-
conde de Albuquerque n. 20.
VENDAS
Vende-se um sitio com boa casa de viven-
da. ruis duascasinhas no lugar da estrada nova
de Beberibe (Agua Fria>, contendo um bom par-
id ral e arbonsado com muitas fructeiras de di-
versas qualidades: a tratar na ra Duque ae
Castas n. 30, padaria dos Srs. BeirSo & Almei-
da. oo no rnesm > sitio com seu proprietarioJos
Feppe da F->nseca Taborda.
Arithmetica
DE
Cotinger ou Kotinger
i re.isa-secomprar um volunte, a praca de Pe-
dro II, n. 73, i andar.
Engommadeira
Pcoctat-fiC de uma boa engommadeirii e que
tambem lave : em Fernandes Vieira n. II.
E'bom que leio
Pediln aos nossos freguezes em atraso que
veuliam liquidar suas coritas at o fim do cor-
renle, sob pena de verern seus nomes por exten-
so e declarando o debito
Oliveira & Irmo.
Qualquer
Accesso asthmatico, por mais gnivc que
seja, cede prouiptamente ao uso do Peito-
rai de Cambar.
FOLPSTIM
Rttval
ISKT
Blentl marca VIADO
Este excellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho eos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca Viado,
cujo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
AO TORRADOR
Lima Coutinho & C.
43RA DUQUE DE CAXIAS-43
Defronte da Praclnha da In-
dependencia
Este novo estabelecimento intitulado
AO TORRADOR vende sem competen-
cia, como as Exnias. familias poderSo
analysar pelo seus pre eos.
Lanzinhas de quadros a 60 rs. o covado.
Ditas de ditos a 200, 240 e 280 rs.
Merm de qnadros, bonitos padrfes a
300 rs.
Ditos lisos entestados a 480 rs.
Baptista e nanzuch finos a 140 e 240 rs.
Mariposa branca e de cores a 240 rs.
Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambraia branca bordada a 4)5500 e
45800 a peca.
Dita Victoria, fina, a 20800 e 30500 a
peca.
Seda de Japo, lindissknos padroes a
206 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padroes, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos as cores a 160, 2q
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos finos a 800, 10000,10200
e 10500.
Colchas para cama a 10800, 20000 e
-000.
Cortes de casemira de cor a 20500 e
30000.
Casemira preta, duas larguras, a 10800
20 e 20200.
Madapolao superior com 20 varas a 40
50000 e 50500 a peca.
Dito americano, superior, a 70200 a
peca.
Bramante de algodSo
700 e 10000 o metro.
Dito de linho superior, com
de lagura a 10600, o metro.
Guardanapos de linho e algodf a 20 a
duzia.
Toalhas felpudas a 30 e 40500 a duzia.
Atualhados para mesa, lindissimos pa-
drees, a 10200 e 10800 o metro.
Dito trancado, alvo, a 10000 o metro.
Lencos brancos com barra de cor a 10200
a duzia.
Ditos superiores, de linho e algodao. a
20200 a duzia.
Enxovacs para baptisados, completos, por
todos os precos.
Entremeios e babados bordados por todo
preso.
Bicos de todas as cores para enfeite de
vestidos. ,
Baleias cobertas e descobertas.
Arcos cobertos para anquinha.
Camisas brancas para homens e meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras
Mai'.da-se fazer roupa por medida e da-
se amostras de todas as f'azendas.
Lima Coutinho & C.
para lences a
[palmos

da i
A LOJA MAIS BARATERA
iik-L'iiBim
I0JMJS,___
P*" *LERY
Vende-te em tuda i wt
Eagftho
Vende-se o engenho Pago. distante tres le-
gos da estaco da Escada e menos de tres da
eslucSo da Victoria. O engenho pode safrejar
2 OO paes de assucar. as trras estao descansa-
das, tem bastantes vaneas e bom cercado, me
como rio Pirapama, a casa de caldeira e de tt-
jolo e pedra, a casa de purgar e a de vi venda
so de taipa. Este engenho bem conhecido
pelo bom assucar que fabrica ; quem pretender
compra! o pode dirigirse ao mesmo engenho
ou na do Imperador n. 8, i- andar.
Vende-se
a taverna sita ra do Hospicio n. 6, a qual tem
commodo8 para familia c o aluguel barato, o
motivo da venda se dir ao comprador : a tratar
na mesma.
PARIZ FAMSRCA
AZEVEDO, IRMaO & C.
16Ra do B.da Victoria16
v200 Tilephone200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas o
que Ka de mais novo e precos sem com-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de 12 e 12 seda.
Damas s de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10200.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a ^|600, com 10
palmos. Jfcfr
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Chachemira^pom 2 larguras a 800 rs.
Ditas de I e seda 2 larguras a 10000.
MadapolSo trancado a #0000 a pe9a.
* Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
^Fichs de 13 e seda 10000.
^-Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos courasa a 40000 e 50000.
Olchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toajhas de edres para rosto.
Rendas, comprimen* de saia a 10500.
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama a
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Crotones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
. Velbutina de quadro a 800 e 10900.
GuarnifSes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flan el las de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite'
Grande sortimento de cnapos de sol.
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de c6res.
TELEPHONE 200
Vende-se
urna ou duas tavernas a vontade do comprador,
bem afregut-zadas, ra Imperial n. 279.
Pao centeio
Mello & Biset, avisam ao respeitavel publico.
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
ooroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Mercearia
Vende-se urna mercearia das melhores nos
arrabaldes da Boa-Vista ; paia informaces, na
ra do Socego n. 33. taverna.
Para
jornaes
Papel formato Diario, 300 flhas
Dito dito Jornal, 400 folhas
Dito dito Provincia, 400 folhas
Vende-se na fabrica Caxias
74600
:ixkj
44500
O Dr. Le-
SEM MAI
Que preciso iuientar o processo e Tinham-se levantado todos,
incumbir o Sr. Kelly de r<'presental-os. i val ia retirar-6e.
alcancar Qner ter a bondade de perguntar
tambem ao sea amigo, disse Adelia, que
POR
?a:l: faksswt
IftSatCiS&A PARS
SO' NO MUNDO
(Continua 5 So do n. 9 4)
CAPITULO X
A fultill! ufin
Vejamos primeiro o que elle lhe in-
forma hoje, disse Adelia; se isso nao nos
parecer sufBciente, faremos ura questiona-
rio, que o senhor lhe transmitir. E' pos-
sivel isso, nao verdade ?
Certamente. Eis a carta, ou antes a
traduccao que della hoje s carreiras
na audiencia.
Saccoo do bolso ura pape! e leu, depois
das primeiras parases banaes:
Remetto-lhe um dos productos da easa
Pembroke & Pierce. E'.les acham-se es-
tabelecidos em Nw-Yofk, onde.sito mifito
considerados, ha sete annos e dous me-
zes. *
t Valem hoje um miJhSo e quinhentos
mii dola rs.
Os seus negocios 'deraveis e
tomam cada vez maior volito.
James Pembroke r.a*ceu em New-
York, onde seu pai possue un bello pa-
lacio na 5a avenida.
E' gente muito i .. de hmorabli-
dade geralment proclmala.
Jonathan F'ierc tlho da l.ni
ziania, pertence a uma familia de agri
tores;> ligada por lifos de parentesco i
mado Sr. Peir.brok. sceu em
Nova Orleans.
Na usina den ()pe-
rarios francezes, s< rcecanie
Os prineipaes operar rvam-se all
desde a fondaao do estabelecimento.
animado
no ponto fm ibscrvoi
Ad<'li;i : qu di
Com instruc9oes minhas, elle
calvez resultados inesperados.
Quereri tambem ter a bondade, pe
dio Pedro por seu turno, de saber delle se
lhe seria possivel informar-se do seguinte ?
Dlga.
1.a qual dos dous socios o que for-
necen o invento; 2.* qual fui o capital, em
dinheiro, com que entrou o mesmo : 3.a
finalmente,poder-se-ha ver no registro dos
privilegios sobre que repousa o seu inven-
to, e em que passivel de privilegio o
seu producto ?
O Dr. Leval escreveu tudo isso pro-
porgao que o dizia Pedro de Sauves.
Poder-se-hia tambem perguntar-me,
iuterveio Adelia, que havia escutado seu
irmao com as sobrancelhas franzidas, se
aquelle dos dous socios ao qual pertence o
producto, nao esteve ligado nos tres lti-
mos annos que precedram o seu invento
com um francez qualquer, operario, con-
tra-me8tre ou nao ?
Isso j se passou lia muito tempo,
observou o advogado ; e na America, a fe-
bre que reina em todas as classes da so-
ciedade faz com que se consideren! secu-
los aquillo que para nos nao passa de me-
zo ; imagine, pois, dez annos !...
Pode-se tentar, apezar de tudo, disse
Pedro de Sauves. O Sr. Kelly talvez co-
nbeca algum agente hbil, capaz de che-
gar ao resultado que to vivamente dese-
jamos alcangar.
Sirn^ disse Adelia, peca-lhe que pro-
cure, e se nao conseguir nada, entao...
A viuva interroinpeu-se.
O que? perguntou o Sr. de Sauves,
que tinha grande confianza na sua perspi-
cacia. O que farias ?
- E' segredo, disse ella com um ligei-
ro rubor as faces, naturalmente paludas.
Dir-lhe-hei mais tarde.
Toda a noite passou-se a fallar do pro-
cesso que se ia intentar contra a casa
Pembrke & Pierce e das probabilidades
do ganho da causa que existiam.
.lulgo-as muito grandes, disse o Dr.
Lcval, moa por cautella trate de decom-
por o prodoeto, sc que- p>de fazel-o, e de
saber ao corto se, cano nipponho, tudo
quanto nelle existe poasirel de privilegio
afio foi descoberto pelo senhor se nao
i, em uma palavra, > sea privilegio
que aqnelies americanos considerara em
duplicata.
Trabalharci nisso amanh, e logo
que deseobrir qualquer cousa irei sua
casa dizer-lh'o.
Bem, logo depois escreverei de novo
Kelly.
havia um instante nao intervinha na ion-
versa^ao do advogado e do Sr. de Sauves,
qual c o estado social desses americanos ?
Ser2o casados ?.... Ha quanto tempo ?
Tm filbos 9 Quantos ? E qual a ida-
de desses tilhos 'i
Por que tudo isso ? interrompeu Pe-
comprehendia o fito da ir-
disse, o meu segredo.
Sempre novidades de Pars
NA.
REVOLCAO DE 48
' ra Doqae de Caxias a. 4
N'este estabelecimento de fazendas
nlo s costumam annnnciar a realidade,
como tambem vendem por menos 30 %
do que em outra qualquer casa, como j
havemos provado aos nossos freguezes.
Nansuk de todas as cores a 120 rs. o
covado. .
Cretones a prado, fazenda especial a
240 rs. o dito.
Setineta preta cora pequeo defeito a
240 rs. o dito.
Merinos pretos a 800, 1|>000, 14200 e
10500 o dito.
Cambraia com salpicos brancos e de cores,
a 4^000 a peca.
Setins de todas as cSres a 800 rs. o co-
vado.
Cortinados para cama a 60000 o par.
Capellas com veos para neivas a 80000
uma.
Espartilhos da couraca a 30000, 40000 e
50000 um.
Saias bordadas, novidade, a 30000 uma.
Esguiao com duas larguras a 30200 a peca.
Fichs de retroz de todas as cores e pre-
tos de 10000 para cima.
Pannos de crochet para cadeira a 10000 e
para sof a 20000 um.
Algodaosinho com 20 jardas a 40000 e
40500 a peca.
Madapolao Boa-Vista, verdadeiro, a 50OOQ
a peca.
Merinos lisos e de quadros a 200 rs. o
covado.
Cortes para vestidos em cartao, novidade,
a 70000, 90000, 100000 e 120000 um
Mantilhas pretas de seda a 50 e 70 uma.
Zefiros encorpados com 70 centmetros de
largura a 240 rs. o covado.
Renda da China a 240 rs. o dito.
Lencos de cores, imitaeao de seda, a
10800 a duzia.
Organdis, fazenda de phantasia muito lar-
ga
a 40U rs. o covado.
Sargelim de todas as cores a 200 e 240 rs.
o dito.
Enchovaes para baptisados de todos os
precos.
Brins de linho de cores fixas e garantidas
a 6(J0 o covado.
Bramante branco para lencos a 800 rs. o
metro.
Toalhas para rosto a 200, 300, 400 e
500 rs. uma.
Cobertores finos de 12, com pequeo sujo,
de 50000 par 20500 um.
Cortes de fustao para colete, garante-se
as cores, a 10000 um.
Cambraia suissa de 140000 por 70000 a
peja
SO Da Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
E' vender barato
Feijao a 1$000 a cuia.
Farioha a 500 rs. a dita.
Milho bom a 400 rs. a dita.
S quem pode vender no Largo do mercado n.
12.
Gomes Ferreira cfo G.
4d"
toaoi
Leite puro
eda
a estrada de Jo3o Fernandes Vieira, sitio lo-
(lepois das casas novas da direita, vende-se
os os das leite puro de varea.- tourinas
tetra, garntese a qualidade do leite.
Boa armaco
o
Vende-?"' uma armacao de amarello, nova,
balcao, cabides, bancas, armaces inglezas. lus-
tre, encanamento de gaz e registro, um cofre de
Milners, do estabelecimento de faiendas, sito a
ra do Kangel n. 13-A. com ou sem as mercado-
rias, garanlindo-se as chaves ao comprador. A
casa st desembaracada de impostos.
dro, que n.o
mi.
Ella sorrio.
Calada!
Outro. entao?
Nao, o mesmo.
V. Exc. ser obedecida, minha se-
nhora, responden o Dr. Leval inclinndo-
se diante della.
0 Sr. de Sauves vestio o sea obre-
tudo.
NSo me esperes, disse elle irma,
vou fumar um charuto, acompanhando o
nosso amigo.
1 uando estavam um pouce distante da
casa, e de modo a nao ser ouvido por pes-
soa alguma:
E' absurdo, disse Pedro, o que vou
confessar-lhe, mas parece-me, estou at
certo de haver reconhecido naquelle tin-
teiro o cunho artstico de Eugenio Gages.
Quando elle esteve em nossa casa, dese-
nhava, e bem sofirivelmentc, valha a ver-
dade; submetteu minha apreciacao raui-
tos esbozos, nos quaes, falta de grande
habilidade de desenhista, revelavam-se
muito espirito inventivo e ideas muito pes-
soaes. Compunha subretudo animaes fan-
tsticos, flores extravagantes, ornamentos
caprichosos, mas tudo isso bonito, elegan-
te, com o chic- pariziense impossivel de
encontrar em outra parte e sobretudo com
o cunho manifestamente individual...
Entao ? perguntou o Dr. Leval in-
teressado, vendo que Pedro eallava-se he-
sitante.
Asseguro lhe, continuou o engenhei-
ro, que no tinteiro que o senhor, entre-
gou-me ha pouco ha duas fantasas entre
flores, e qne essas fantasas, essas flores,
tudo isso paree-rac ter sido feito pelo meu
antigo operario.
Ora essa quiz dizer o advogado
Pois entSo pode recordarse, passade tan
to tempo ?.. das morreram
Pedro- parou no meio da roa.
Devo ter anda em ca*a, disse-lhe
elle, os antigos esbocos de Eugenio Ga-
ses, levar-lh'os-hei com o resultado da mi-
nha experiencia, e o senhor proprio me
dir o que vai pensar a reapeito.
Pois n$o. Mas a senhora sua
irm
afirawu me muitas e muitas vezes que o
individuo que nos julgavamos assassino do
Sr. Chaniers tinha morrido em Philadel-
phia.
Talvez !...
Como?... O senbor nao vio o seu
registro de bito na legaco franeeza, da-
tado de 14 de Setembro de 1869 ?
Sim, redarguio Pedro gravemente,
mas vi outra cousa tambem. Outra cousa
de que nunca fallei a Adelia, afim de que
a sua imagnac3o sobreexcitada nao se pn-
zesse a combater moinhos de vento: afim
sobretudo, visto que me via impotente
diante do assassino de seu marido, de dei-
xal-a reconquistar a paz, a sadc e a cal-
ma de que precisava para educar a sua fi-
Iha.
Pode confial-a a mim, sea amigo,
essa outra cousa ?
De muito boa vontade. Mas con-
servar-se-ha mudo para com minha irma,
nao verdade? Porque ella nao perdoa-
ria o meu silencie.
Dou-lhe a minha palavra.
Pois bem, Eugenio Gages, supposto
inorto em 14 de Setembro de 1869, re-
metteu a 20 de Setembro, isto seis das
depois, uma cdula de quinhentos francos
pessoa que so tinha incumbido de man-
dar criar a sua filha.
O advogado estremeceu profuudameute.
Est bem certo disso? perguntou
elle ao engenheiro.
Pos8uo a carta, responden o Sr. de
Sauves, simplesmeate.
E, sem esperar que o advogado 4h'os
pedisse, Pedro contou todos os pormeno-
res da sua entrevista com a Sra. Lureau
e Martinha Fresnay.
Tive durante muito tempo noticias
da orpha, criada na Normandia, disse elle
terminando. Estava firmemente conven-
cido de que os quinhentos francos remetti-
dos por aquelle miseravel eram o ultimo
adeus sua filha. Mas poda sor tambem
que me enganasse, e que ao contrario
elle velasse de longe por ella. Nao, nao
succedeu isso. Nunca mais ouvo-se fallar
nelle.
Que fim levou a crianca ?
Deve estar no seu asvlo orphanolo-
gico, de onde nao sahir, creio eu, senao
quando attingir a maioridade. A Sra. Lu-
reau, a Martinha, a Sra. de Romilly, to-
entao, como nao o julga-
nao procurei mais saber
va necessano,
della.
Talvez tizesse bem em informar se.
Quem sabe se nestes ltimos tempos o
pai nao ter procurado saber noticia da fi-
lha ?
A filha da Sra. de Romillv. com a
qual conservei algumns relay8es, m'o di-
r. Mas, sobretudo, caro amigo, nem uma
palavra de todo isso a rainha irmS.
Pode contar commigo, respondeu o
advogado.
Minha pobre irma! proseguio Pe-
dro, depois de alguns minutos de silencio,
Ha nao deve passar por todas as angus-
tias que lhe dariam a certeza de que Ga-
ges est vivo. J sSo bastantes os des-
gostos que a martyrisam !...
O Dr. Leval estremeceu profunda-
mente .
Desgostos ?.. Sua irma ?... rc-
petio elle ; sim, comprchendo, a lembran-
9a daquella morte tao trgica impressio-
na-a por toda a vida.
Nao, nao smente isso. Adelia
tem eternas saudades do marido : a tal
ponto que, se nao fosse sua filha, ella te-
ria tambem morrido de desespero. Mas
ha dez annos !... E minha irma nao tem
ainda trinta. Ora, qual ser a dr sobre
a qual nessa idade e depois de paseados
tantos annos, o tempo nao tenha lancado o
seu veo ?
Entao o que tem a Sra. Chaniers Z
Um grande suspiro veio morrer nos la-
bios do Sr. de Sauves.
Sua filha! disse elle muito baixo.jjjj
Depois mais alto :
Nao lhe fallara nisso, continuou elle,
se o senhor nao tivesse visto uma amostra
esta noite.
Ora capricho de crianca amima-
da...
Se nlo fosse senao isso !... Infeliz
mente uma enanca sem coracao.
Ser possivel? A filha de uma
creatura como sua irma, e sua sobrinha,
Sr. Pedro ?... Quanto a seu cunhado,
nao o conheci, mas elle era seu amigo,
sua mulher amava-o, est tudo dte.
Jorge era a creatura melhor, mais
leal, mais franca sobretudo que se pode
imaginar. Nelle n3o havia nem um pen-
samento oceulto. Aberta, is claras, era
a sua vida, como a sua intelligencia, como
A Loja das Listras zoes
A RA DUQUE DE^AXIAS N. 61
Vende maisnferato
Fazcadas pretas
t'acheanlras arrendadas de duas lar-
guras M i novidade, a 20000 e205OO.~
Merfms pretos infeitados de pura \Z
a 800, 10OOQ e 10200.
Crep inglez para enfetos de vestido
a 10200.
Rondas hespanhola de seda a 50000.
Ciorgopo de seda pura de 20000 a
40000.
Velludos de seda, lisos, com pintas
e ramagens, a 40000.
Velllidiitio bordadea contas, linde*
desenhos a 10600.
Fil de seda bordado a 10200,
Veos e mantilhas cora rendas a 40000
e 50000.
Capas e visitas, de gorgorito, de ren-
das ou cachemira, enfeitadas a rendas com
vidrilho a 250000 e 300000.
Dleos de seda com lindos desenhos d
40500 a 60000 a peja com 10 metros.
Teeldos de novidade
Cortes de vestido bordados, em car-
tao, de lindas corea a 100000.
Vestidos brancos bordados para noi-
vas a 180000.
Tecidos arrendados cores creme, rosa,
azul celeste e branco a 400 rs.
Unhos phantasiados, tecido com mal-
ta largura a 500 rs., em listras e qua-
droff.
Setins de Maco, todas as cores e
mais salmao, lilas e bronzeado a 800.
Cambraias brancas bordadas a 40000
a peca.
Gazes de seda com fios prateados e
douradnscores: rosa, azul e creme, s
10000.
.Iladapolo trancado, peca com i'
varas a 60000.
FAZENDAS ESPECIAES
Batistes de cores finas a 120
240 rs.
Chitas finas claras miudinhas a 200 e
240 rs.
Cretones franceses, verdadeiros s>
320 rs.
Horini de listras azues madapo-
ln fino largo com 20 varas a 60QO0.
Madapolao americano muito largi,
sem feomroa a 80000 a peca.
Bramante de 4 larguras a 700 o
10000 o metro.
Guardanapos superiores a 10800 a
duzia,
Cortinados bordados a 505OO/70OOC
c de crochet a 100000.
Crochet para sof e cadeiras de bra-
cos, un completo 60500, para sala.
Mosquiteiros americano* com ar-
macao a 120000.
Alcatifas para forro de salas e gabi-
nete a 10200.
TECIDOS MAIS BARATOS
Merinos de duas .larguras, [qualquer
cor a 440 rs.
Untaos lisos e de quadrinlios a 80 e
100 rs.
Bico branco e de cores desde 600
a peca at 20500.
Colchas'de fustao de c6res a 20000
c30000.
Toalhas acolchoadas a 30000 a duzia,
Luvas de seda, bordadas, qualquer c>
a 20000 e 20500.
Leques de pennas c transparente
de 10500 a 60000.
E muitas fazendas que se d por qua-
quer preco.
D-se descont a
200000 para cima.
Troca-so a fazenda vendida se por qual-
quer motivo n3o fr de muito agrado para
qaem fr comprada
Lejas das Listras Azues
deixou, que tera-lhe ensillado tudo
quanto sabe, afim de qne nao seja outro
que eduque o seu dolo, Suzana detes-
tada por ella. Minha irm3, que nao tem
nem um suspiro nem um pensamento que
nao seja consagrado a sua filha, n?to k
pouco estimada por Georgina.
Nunca, apezar do que Sti/.aua lhe diz,
lhe incute, lhe manda fazer. -a menina tem
umif atteneao, uma caricia ou nui beijo
para sua niii. A mim, a nica pessoa
que lhe resiste, ella teme
mas odeia-me ainda mais d<.
tros.
quem comprar ae
e obedece :
que aos ou-
* V
m
as suas aeyes, como as suas mos. E
alegre, araavel, indulgente. Um pouco
orgulhoso talvez, mas Uto bora! Ah! que
irmao querido, que bom companheiro ti-
nha eu nelle !...
Algumas lagrimas subiram ao? olhos
do engenheiro.
Ao cabo de alguns segundos elle pro-
seguid :
A sua filha inteiramente o opposto
deste retrato. E' astuciosa, mentirosa,
desptica para com os fracos, submissa
para com os fortes. E, sobre tttdo isso,
n3o estima nada, nem ninguem. Suzana,
aquella preciosa creatura que nunca a' Typ. do niario_raa Duque de Caxiasn. U.
Nao possivel.
Bem o quizera que assim nao fosse
mas minha irmS tao fraca para com a fi
lha, ella entretanto tao firme e to ener
gica para tudo mais!... Ah! continuou
Pedro com expressao de profundo deses
pero, amo essa filha de Jorge e de Ade-
lia, e tenho immenso pezar por vel-a as-
sim. E nSo ha meio de educal-a, de usar
para com ella do rigor necessario, minha
irmil ficaria doente. Se eu nao a tivesse
visto amamentar Adelia com o proprio
leite, se nao a tivesse visto constante-
mente nos bracos de minha irmS e de Su-
zana, dina que sua ama a havia trocado.
O Dr. Leval tentn consolar o amigo.
Havia muito tempo elle conhecia o mo
natural de Georgina, porque muitas sce-
nas, ainda mais desagradaveis do que a
daquella noite, tinham-se passado na sua
presen$a.
Roberto'remediar todos esses ma-
les daqui a poneos annos, dizia elle.#
h sim, replicou Pedro, bem sei
que esse o sonho de. Adelia, que Ih'o
confiou, pelo que esteu vendo. Ella qui-
zera que os nossos dous tilhos se amassem
e que deste modo cousa alguma se alte-
rasse na nossa vida de familia. Roberto,
que possue j todas as virtudes, seria um
marido ideal, como um filho modelo,
mas Georgina, ah! meu amigo, nunca pe-
der imaginar o quanto a natureza falsa
dessa menina me faz infeliz!
O Dr. Leval nao deixou de dizer atf5j
Sr. de Sauves tudo quanto suggerio-lhc a
affoico que lhe consagrara.
Tantas cousat naquella idade ingrata das
meninas perturWn-as e to nam-as A
agradaveis !...
Depois, repentinamente, passada essa
do-v.gradavel crise, fica-se admirado e en-
cantado de vel-as transformadas em ruo-
c- dedicadas, boas e meiga.
(
'oniinuar-se-ha)

I


i



.



;!/;
- i