Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18759

Full Text
!N


Jl

ANNO LXV-NUMERO jj__________
PARA A fLt'PITAL K LltARE OXE MAO SE PAA PORTE
Por tres meses idiantados............... 60000
Por seis ditos idem................ 12i5OO0
Por um anno idem................ 230000
Cada numero avulso, do mesmo dia..... ... 0100
DIARIO DE
SABBADO 13 DE ABRE BE 1889
PARA DEATRO E PORA DA PHO VI\C IA
Por seis mezes adiantados.............. 130500
Por nove ditos idem................ 200000
Porumannoidem................ 260000
Cada numero avulao, de das anteriores ......... 0100
NAMBUCO
i
Tropriedade de Manoel 3vguefo&.de ZFaria # dnl^os
Os Sis. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annuncios
epublicaqdes ua Fran-
ca e Inglaterra.
IHSIRCCIO POPULAR
AS GRANDES l\VENfOES
ANTIGS E MOBKRNAS
NA8
Sciencias. industrias e artes
POR
xn
O huromriro
(Continuacao)
Esta experiencia importante, foi praticada em
20 de Setembro de 16)8, por '-rier, e deu o re-
sultado previsto pelo genio de Pascal. Na f ral da
do Puy de Dome, a altura do mercurio no tubo
de Torricelli, era de vinte e seis pollegadag e
tres linhas e meia ; no cimo do monte esta altu-
ra nao era mais do que 23 pollegadas e duas li-
abas ; baria por tanto tres pollegadas e linha e
meia de ihfferenca, entre as alturas do mercurio
na fralda e no cume do monte.
Esta magnifica experiencia foi repetida logo
depois em Pars, pelo proprio Pascal, oqual,
teodo medido a altura do mercurio no tubo de
Torricelli. no pe e no cimo da torre de Saint Jac-
ques la Bouchene, que ento tinba vinte e tres
toezas d'altura, achou urna difiereuca de mais de
duas linhas. entre estas duas medidas. Pura per-
petuar a lembranca desta experiencia celeDre,
maedou a cidade de Paris erigir em 1856, a es-
tatua de Pascal, na torre da mesma igreja situa-
da na ra de Rivoli.
Estas experiencias de Pascal, estabeleciam
com evidencia completa, o lacto da presso do
tr. e davam expcaco de um grande phenome-
n, natural, como por excmplo : a ascensao da
agua no tubo das bombas, o jogo do sipbo o do
lolle, da seringa etc.
* O tubo de Torricelli que Pascal liavia empre-
gado em suas immortaes experiencias, foi usado
a partir desta epocha, e sem modih'cago alguma
em sua forma, como meio de medir a presso do
ar atmospnerico. Este in-ii-unWii'n. a que hoje
se chama barmetro, nao dTere nada, na e-sen-
cia, d'aquelle de que usaram Torricelli e Pascal.
Dao-se ao barmetro duas disposiges difieren-
tes, ambas as quaes foraui usadas por Pascal :
coBstruem-se os barmetros de tinae de-sipbao;
estes sao mais commodos para uso e traitsoorte.
Barmetro de tina,Para construir um baro
metro de tina, toma-se um tubo de vidro de cer-
ca de oitenta centmetros de comprido. s obre
cinco a seis milmetro? de dimetro interior, e
fechado em urna das extremidades. Eocbe-se
quasi meto de mercurio, e colloca se .era urna
grelha inclinada e aquecida com carvao em bra-
za. 0 mercurio entra a ferver e ladea de si em
virtude desta fervora, a "equena quantidade de
ar e humidade que encerrava. Depois do mrr-
curio arrefecer. ewhe-se totalmente o tubo com
mercurio e faz-se ferver esta segunda columna
sara aquecer a porco frvida ; por este meio
expeliese todo o ar e toda a humidade que
adneriam ao metal e ao vidro.
Estando j o tubo bem purgado d'ar e humi-
dade, virase de bocea para baixo, tapando o
com o dedo, e introduz-se em urna tina de mer-
curio bem se eco. Como o ar foi expulso do tubo
Ec-lo mercurio, que o cnchia totalmente, este
aixa no tubo e mantem se nelle a um certo ni-
vel, cima do qual nao existe ar nem corpo al-
gara ; este o vacuo baromtrico.
O tubo e a tina em que aquelle repousa, lixam-
se vertical mente a urna pranclieta de madeira,
que contem urna escala, dividida em millimetros
e destinada a indicar, muito exactamente, a altu
ra da columna liquida, relativamente, ao nivel
do mercurio na tina. Esta altura representa t
mede a presso feita pelo ar atmospherico, poi<
o efieito deste apparelho nao outro. A altura
media da columna mercurial, que varia confor-
me o estado da atmosphera. e de setenta e seis
centmetro' ; pode variar, cm o mesmo lugar e
a nma altura nao superior ao nivel do mar, entre
seiecentos e cincoen'a a netecentos e setenta e
cinco millimetros.
(Contina)
gao de batalhlo do mesmo servico da re
serva com a designarlo de 19.
Nao foiam agraciados os seguintes
reos:
Francisco Ferreira de Souza, condem-
nado pena de 20 anoos de pris&o com
trabalho em conformidade das decisSes do
jury do termo de Baturit, na provincia
do Cear, por crime de homicidio..
Antonio d^Smt Cavbante, cen-
* flemnado pena ele' 4 'annos de*gais na
ilha de Fernando de Noronha e malta cor-
respondente A metade do tempo, em vir-
tude da sentenca do juiz de direito da co-
marca de Panellas, na provincia de Per-
eamhuco, por crime de introducc&o de no-
tas falsas.
Jos Felippe de Figueiredo, condemna-
do pena de gales porpetuas, em confor-
midade das decisSes do jury do termo de
Agua-Preta, na mesma provincia, por cri
me de homicidio.
Antonio Justiniano Barbosa de Lima,
condemnado pena de priso perpetua,
em conformidade das decisSes do jury do
termo de S. Jos de Mipib, na provincia
do Rio Grande do Norte, por crime de ho-
micidio.
PARTE OFFICIAL
Ministerio do imperio
O Ministerio do Imperio declarou aos
presidentes: da provincia das Alagas que
pelos officios ns. 12 e 16, de 21 de Fe-
vereiro e 12 de Marco ultimo ficou scien-
te de haver aborto, sob sua responsabili-
dade. pela verba Soccorros pblicos
do exercicio de 1889, um crdito na im-
portancia total de 7:0230310 para paga-
mento das despezas com o tratamento de
indigentes accommettidos de varilas em
diversos pontos da provioeia ; ao da Babia,
em solacio dos oficios ns. 9 e 35 de 31
de Janeiro e 13 de Marco ltimos, que fi-
ca concedido pela verba c lnspectoria Ge-
ral de Sade dos Portos do oxercicio de
1889, o augmento de crdito de 4:7880,
que solicitou afira de occorrer durante o
exercicio ao pagamento com o pessoal da
lancha a vapor ao servico das visitas ssni
tarias do porto, devendo, portanto, ser
annullado o crdito de 1:1970000 aberto
para pagamento dessa despeza no trimes-
tre de Janeiro a Marco do corrente anno.
-------------^--------------
Ministerio da Justlea
Por dacreto de 1 do corrente ereou se o
oommando superior da guarda nacional na
comarca de Jaguaribe-mirim, na provincia
do Cea
Este commando se compara de treB ba-
talhau de servico activo, de seis compa
nbias cada um, os quaes terao as designa
cJJes de fil., 62 e 63., de um batahao
de reserva de igual numero de. companhias
Ministerio da Fazenda
Foi nomeado 1. escripturio da Thesou-
raria de Fazenda de Pernambaco o 1. la
de S. Paulo, Manoel do Nasciraento Mo-
re ira.
Foi nomeado 1.* escripturario da
Thesouraria de S. Paulo o 1." da de Per-
nambuco, Jos Mara da Silva Portilho.
Ministerio da Guerra
O major Manoel Euphrasio dos Santos
Santos Dias teve ordem de ir fiscal isar
provisoriamente o 25." batahao de infan-
tera.
O brigadeiro Jos de Almeida Bar
reto, inspector do 1. regiment de caval-
laria, foi nomeado para continuar a ins-
peegao do 10." batahao encetada pelo ma-
rechal Deodoro.
Governo da pro t neta
BXP IHNTE DO DIA 10 DE MARCO DE 1889
Actos :
O presidente da provincia resolve, de con-
formidade com a proposta do Dr. che fe de poli-
ca, em officio de noiiiem datado a. 315, exone-
rar, a pedw o. Florencio Al ves More ira Jordio
do cargo de 2 supplente do subdelegado do dis-
tricto de S. Caetano da Raposa, do termo de Ca-
ruar : e nomear, para snbstituil-o, o cidado
Jos Franklin de Andradt.
o presidente da provincia resolve.. de ac-
cordo com a proposta do Dr. chefe de policia,
em oflicio de hontem datado, sob n. 315, exone-
rar Manoel Apolinario dos Santos, do cargo de
3o supplente do subdelegado do districto de S.
Caetano da Raposa, do termo de. Caruar; e no-
mear para substituil-o, o cidado Manoel Flo-
rencio da Costa.
O presidente da provincia attendendo ao
que requeren Jos Paulino da Silva Filho pro-
tessor de ensino primario de Ipotinga, tendo em
vista a informacao do inspector geral da ins-
trureo publica, sob n. 94, e o attestado medico
exhibido, resolve conceder-lhe, a contar de 1 de
Abril, tres meaes de licenca, com ordenado,
para tratar de sua siude, onde lhe convier.
O presidente da provintia resolve remo-
ver a professora de 1* eiitrancia Emilia Olympia
Telles Bezerra, da cadeira de Agua fria de 1
entrancia em Olinda, para a de 2" entrancia de
ensino mixto de Giqui.
O presidente da orovincia resolve remover
a'professora Maris Julia Monteiro Lopes, de ca-
deira de colonia Isabel para a de ensino mixto
de Agua Fra de Olinda.
8 presidente da provincia resolve remover
a professora Joaquina Alves de Carvalho Veras,
da cadeira de Praia dos Carneiros para a de en-
sino mixto de Colonia Iabel.
Officios:
Ao ministro plenipotenciario do Brasil em
Londres. Tenho a honra de remetter a V. Exc.
0 balaucete da receita e despeza da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco, concernente ao
mez de Fevereiro ultimo, acompanhado do de-
vido deseovolvimento e de copia da acta da ses-
sio em que os commissarios do governo proce-
dern! o exame das respectivas coalas.
Reitero a V. Exc. os protestos de minha alta
estima e consideracSo. Communicou-i>e aos
membros da commissao de contas da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco.
Ao commandante das armas interino.
Faga V. S. seguir para a provincia do Cear o
Io lente Jonathas de Mello Brrelo, nomeado
para a escola alli creada, segundo consta de of
ficio do ajudante general do exercito, de 20 do
crrente, sob o. 1,924.
Ao Dr. chefe de policia. Das duas rela-
c6es que V. S. traustnittio-me cora o seu officio
de 20 do corrente mez, sob n. 282 consta que
existem actualmente na Casa de Detengo 68
presos que, tendo sido requisitados do presidio
de Fernando de Noronha, onde cumprem sen-
tenca para diligencias judiciarias, podem desde
j rgressar para all e li7 que se achara de-
nitivamente condemnados a curaprir pena no
referido presidio.
A simples referencia do facto basta para evi-
denciar a sua anomala e tornar patente a ne-
cessidade da adopc 10 de providencias efficazes,
que facam desapparecel-a sem perda de lempo.
No officio do administrador daquelle eslabe
lecimento, que V. S. submetteu miuha coik
denco, faxendo-o acompanhar do? esclarec
mistos, que sobre o assumpto exig em 13 des-
te mez. est calculada a despeza mensal, feita
pelos cofres desta provincia, com o sustento,
vestuario e curativo dos referidos presos em
quantia superior a 2:500*000.
Occorre ainda que a permanencia delles na
('asa de Detengo traz como consequencias ine-
vitaveis pnjuizo ao rgimen e ecoao.mado es-
tabelecimento e dos proprios senteuciadjs, lis
[ue se acbamera priso ilifferante da que mes
o df8iguada em Beotea)
Convindo, portanto, remediar aos males aqui
apontados e a outros de facii ifituicao, reton
mendo-lhe que o'iariise, com a coadjuva{|aodo
1 promotor iubiico da comarca denla ra ni tal. c
remeta-me com urgencia una re .cao nominal
dos preso-" condemnados detinitivamenli a cu n
pnr sentenca no referido presidio, com h.-eri
minacfio da qualidade das penas e tempo de sua
durac.m
Ao me-mo.-Declaro a V S., em resposte
ao seu officio de 28 do corrente mez. sob n. 311.
que np-provo o contracto de locacao cele irado
entre o delegado do termo de Alaga de Baro
e F't-quiel Cursino Magalhies Nunes, cerca de
_ servir de
um predio a este perteneente, para
com a design.cao de 17., e de nma 8ec-'quarU., e radeia naquena ocalidade, pelo alu-
guel de 15* mensaes.Communicou-se ao inspe-
ctor do Tbesouro Provincial.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda. -
Paraos fins convenientes, communico a V. S,
que o Revin. governador do hispado. segundo
participou me em officio de hontem datado, exo
nerou, a pedido, a 18 do corrente o Revm. Ame-
rico -kiares de Novaes e Mello Avcllius. do car-
>o de vigurio encominendado da (reguezia de
Santo Afilan da Victoria, e a 24 do mesmo mez.
o Revd. bacliurel Manoel cavalcanti de As'wBe
ierra de Virtieses ia d Caajutlnio. v
*Ao mesmoCommunico a V. s., para os
llns convenientes, que no dia 26 do corrennt
mea, o bacharel Vitalio Conleiro Lins presrou
juramento e as.-umio o exercMo do cargo de
juiz substituto da comarca da Victoria, para o
qual foi nomeado por decreto de 9 do mesmo
mez
Ao Dr. juiz de direito do 2a districto en
minal da comarca desta capital. Em officio de
27 de Fevereiro findo, sob n. 76, presta V. S. as
inforuiacoes que exig em 20 d'aquelle mez,
para p ner resolver sobre a remoco, solicitada
por y. S., do sentenciado Jos Rodrigues de
Souza Magalhes, da i asa de Detencao para a
cadeia da cidade de Tiinhauba.
Renovando o pedido, affirma que as providen-
cias para se effectuar a remoco de sua exclusi-
va competencia, cbeme smentc expedir as
otdens aecessarias para que a requi-ico lenha
a devida execucao; e descorrendo largamente
sobre o assumpto, indica como Atada rentos
principis da sua opimo os arls. 416 e 421 do
rejulamento n 120 de 31 del neiro de 1842 e
mais os avisos do ministerio dos negocios da
justica de 23 de Outubro de 182 e 9 desse mes
mo mez do anno passado.
Com a autoridade que lhe d o cargo e vista
da conviccao que inanifesla, era de esperar que
ontros fossem os seus argumentos; porquanm,
tendo invocado em seo auxilio o principio da
sua competencia, que materia $tni jnris, ne-
nliuuia disposico legal, entretanto, citou que
conlirme de mido positivo e incontioverso a at-
tribuco que V. S. quer exercer e, o que mai3
, com excluso absoluta do poder administra-
tivo.
Effectivamente, nem osarttgos citados, ne n as
disposicOes a que se referem as duas al'udidas
decisoes do ministerio da justica commettem aos
juizes executores de sentencas a attribuiQo de
removerem de urnas para outras prises, ainda
que sejam da mesma provincia, reos definitiva-
mente condemnados.
0 art. 414 do regularaento n. 120 piescreve as
obrigagoes do juiz e do escrivo das execuc&es
e tambera do carcereiro, quando tenham de
executar penas de priso simples ; o art. 421
determina que ao juizo em que existir o proces-
80 principal communique autoridade a quem
houverem sido remettidos os condemnados, a
soltura, o bito, a fuga ou qualquer interrupeo
que elles tiverem na execucao das penas: os
artigos do regulamento n. 120, que serviram de
fundamento para os dous citados avisos, refe-
rem-se ao modo por que devem ser executadas
as sentencas dos tribun es criminaes.
Como deve wiber V. S.. o pnneipio estatuido
pela leiflslaco criminal do paiz que os eu-
tenciados devem permanecer as prises desi-
gnadas em suas sentent as at que. por qualquer
dos modos admittidos em direito, terminem as
penas que ib.es foram impostas.
Esta regra tem. certo, soffride excepgo,
mas to smeote em casos especialissunos,
quando urge attender circumstancias creadas
por po.iderosas conveniencias de ordem publi-
ca, ou pelas que concernem conservacio da
vida dos condemnados.
Por taes motivos foi que o governo desta pro-
vincia resolveu remover da Casa de Detencao
para o presidio de Fernando de Noronha sen-
tenciados, e at mesmo individuos que nao erara,
mas que se achavam presos naquelle estabeleci-
mento.
Este precedente, que V. S. cita, provavelmen-
te como um argumento em apoio de sua opmio
cotraproducente porque a medida foi determi-
nada pela autoridade administrativa, e quando
nao o fosse, nao tem, nem pode ter appiicacao
ao reo Jos Rodrigues de Souza Magalhes, pois
que notorio que na Casa de Detencao, ao tem-
po em que se effectuaram reraocoes de presos
para a ilha de Fernando, grassava com intensi-
dad.,- o beriberi, molestia contagiosa, de marcha
rpida, que alli eslava fazendo grande mortan-
oade e at causando serias apprehensoes aos
mdicos e maioria dos habitantes desta ca-
pital.
Os facultativos que investig&ram as causas do
mal, attribuiram-nas, pondo de parte outras de
somenas importancia excessiva agglomera-
cao de presos, inactividade em que alli jaziam,
e aconselharam como medida indispensavel e
inadiavel para a extinecao, ou, pelo menos, para
attenuaco das perniciosas consequencias da mo-
lestia a nrompta remoco dos individuos que es-
tavam delli accommettidos, devendo emprehen-
der viagem marititi;a.
Nao existindo nesta provincia estabelecimea-
to que estivesse to de accordo com as prescri-
PQes medicas, deu a presidencia da provincia
preferencia ao presidio, e avisadamente o fez,
pois que presos transferidos provisoriamente
para a ilha de Fernando, curavam-se em quasi
sua totaudade, restabeleceudo-se muitos somon-
te com a viagem.
E convera notar que para se lomar < ssa pro-
videncia, nao era preciso a intervenco da au-
toridade do juiz executor de sentencas, porque
eotao, como agora, tratava se de assumpto de
exclusiva competencia do poder administrativo.
A inspecQo e econoifia das prises nao se
achain a cargo das autoridades judiciarias. mas
siin das administrativas, cabendo a suprema fis-
calisaco do servico aos presidentes de provin-
cia.
Este prei-eito decorre dos arts. 144 a 170 do
regulamento n. '120 de 21 de Janeiro de 1842 e
da 1. i n. 38 de 3 de Outubro de 1834.
Os individuos por qualquer motivo recomidos
s casas de priso, esto sujetos aos respectivos
retro lamen tos.
No da Casa de Detencao, expedido em 18 de
Marco de 1885, nao ha um so artijjo que conllra
ao juiz executor de sentenca a attribuiciio que
V. S. quer exercer.
A' vista de todas estas deixo de tomar as
providencias solicitadas para se effectuar a re
itioc-io do sentenciado bouza Magalhes N .o
ha tiesta recusa inovago de suas atlribuices.
Reconh^co e mauterei sempre liten a inde-
pendencia do poder judiciano; mas qualquer
ene seja o concito que se faca da indepeo le-
en do mesmo poder, nao conceliivel n ru to-
leravel ir at a consequencia de se ensioear,
como fez V. S., qne nao rae era perraillido exi
gir Ih esiiareriiiientos para poder rmotre
j.ii neg mo de administracuo ju li
qual tenw legitima interferencia, e anda
id- inquerir d >s motivos que levaraui a recoift
'ii ni i h que me iiiformasse, si o senleoe
em i|ue.-tao li aia sido reqnisilado pelo juiz mu
nicipal ile Timbaha, termo onue foi elle con
demnado.
ilo assim resollido o assumpto de seu
'Hado oflicio, concedo a autorisaco que V. S
aolictou para dar-Ole a publicidale qu
der conveniente.
Ao Dr. juiz de direito do 4 districto cri ni-
nal da comarca do Recife.Evio a V. S. a pe-
e crlido do pro'.
me-liio devolvidas, do '.e nenciad i Fran
Lino de Freitas Barbosa, atira de prestar a in-
exigida palo aviso circular do Ministe
;aci(.s da Ju.-tica n. 287 de 28 de Ju
"o era vista o disposto no aviso
rio em 22 d Outubro de 1886.
ter o referido sentenciado nter-
posto recurso de graga da pena de 16 annos de
ffats e multa correspondente metade do tem
po, a anal lhe foi imiiosta por esse juizo em 16
de Mato de 1887.
Ayinspector do Thespuro provincial. -
T< ndojm vibU a inforii.aco, junta por copia,
ifrestdO|Oe tipOetor geral da w{ptfaC'fl dr
instru-cao publica, autoriso Vine, a nRUnlH-
nar a gratificaro, de que trata o art. 142 do re
gulamento de 18 de Janeiro de 1888, em favor
da menor Joanna Amelia da Cunha, filha da fal-
lecida Amelia Santa Rosa Cunha, professora que
foi da S cadeira de instrueco primaria da fre-
guezia de Santo Antonio. Remetto lhe os docu-
mentos exhibidos por Joo Francisco da Cunha
tutor d# mesma menor.
Ao inspector geral da instruccSo publica.
Providencie Vmc. no sentido de ser intimado
o professor Manoel Carlos Vital para que com-
pareca neste palacio a 3 de Abril vindouro ao
meio dia, afim de ser inspeccionado pela junta
medica, visto eslar soffreudo das faculdades
mentaes segundo informou me Vmc.-Officiou-
se aos membros da junta medica.
Ao fiscal da Companhia Recife Drainage.
Em resposta ao seu officio de 25 do corrente mez
declaro que, satisfazeodo o pedido do Revm. go-
vernador do bispado, concedo permisso para ser
entroncado no encanamento feito ltimamente
para o quarlel de policia o ramal projectado
p..ra e servico dos apparelbos da Recife Draina-
ge, que vo ser enllocados no palacio episcopal
d* Soledade.Ccmmunicou-se ao inspector do
Thesouro Provincial.
Aojuiz de paz, presidente da junta de alis
lamento militar na parochia de Santo Antonio
io Cabo de Santo Agostinho.Em resposta ao
seu ofiHo de 28 do Corrente declaro a vmc que
j foi nomeado subdelegado para o districto
dessa parochia, rumprindo que Vmc. faja reu-
nir a junta de alistamento militar alim de ence-
lar os respectivos trabalhos.
Portara :
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco faca transportar da
estagio de Una a de inco Pontas, por coota da
provincia e com direito a bagagera a 10 pracas
do corpo policial e 6 criminosos vindos do ter-
mo de Bom Conselho.
i:\i-EDIENTE DO DR. SECBBTABIC
Officios :
Ao Dr. juiz municipal do termo de Pao
d'Alho.O Exm Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que nesta data pro vi-
dencion no sentido de ser satisfeito o pedido
constante de seu officio, a que respondo, de 28
do Corrente mez.
Ao Rt. jiz substituto da comarca da Vic-
toria.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda aecu^ar o recebimento do officio de V. S.,
datado de 27 do corrente mez, e recommendo-
llie que remeta a certido do seu exercicio.
Ao gerente da < ompauhia Pernambucana
de Navegaco. O Exm. Sr. presidente da pro
vlncia manda acensar o receoimento do officio
de hontem datado em que V. S. communica qne
foi transferida para hoje s 5 horas da tarde, a
sabida do vapor Mandah, para os portos do snl
al Aracaj, por nlo ter sido recebida toda a
carga engajada.
ll^DE
DESPACHOS UA PRESIDENCIA DO DIA
ABBIL DE 1889
Tcnente Alfredo Leal Ferreira.Infor-
me o Sr. commandante superior da guarda
nacional da comarca do Recife.
Antonio Vieira de Barros.Entrege-
se medante recibo.
Tenente Albino Leite de Farias.Pre-
judicado, por estar feita a obra segundo,
informou o fiscal da companhia.
Custodia Mara da Conceijao. NSo tem
lugar.
Elvira Olympia de Jess. D-se.
Flix de Jess Mara.Informe o Sr.
Dr. juiz de direito do 2. districto criminal
da comarca do Recife.
Gerente da Estrada de Ferro do Recife
a CaxangRemetta-se ao engenheiro fis-
cal 62 passes impressos para indemnisa-
co das passagens concedidas.
Joe Silvmo de Albuquerque Maranho.
Informe o Sr. director 'geral de obras
publicas
Alfcres Joaquim Quirino Villarim ~N2o
tem lugnr [ vista da informacio da The-
souraria de Fazenda.
Alferes Luiz Bezerra dos Santos. Con-
cedo.
Mara Victoria do Espirito-Santo.Pro-
ve que casada.
Pereira Ferreira & C.Concedo.
CapitSo Pedro Barreto de Gusmao.
Informe o Sr. commandante superior da
guarda nacional da comarca do Recife.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
,12 de Abril de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
ce
lici
que
rtb.
Reptirticao da Polica
seccao.N. 377Secretaria de Po-
|e Pernambuco, 12 de Abril de 1889.
e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
foram hontem recomidos Casa de
Detencao os seguintes individuos :
A' iniuha ordem, Manoel Tavares de Lima, co-
iilu-ciilo por Manoel Vigario, vindo do termo de
Ipuju a, all pronunciado as penas do art. 193
do cdigo criminal.
A' ordem do Dr. delegado do 2" districto da
capital. Joo Vasco Marinho da Silva, poroffen
sas moral publica,
A' ordem do subdelegado do Io districto da
freguezia de S. Jos, Antonio Jos Ferreira, por
embriaeuez e disturbio?.
A' or lem do do 2" districto da freguezia da
Boa-Vista, Antonio Joaquim Ferreira da Silva
por infraeco de posturas.
Pelo delegado do termo c Jaboato f i rcmei-
tido aojuizo competente, o inquento policial
orocedido contra Manoel Monteiro de F it,.-,
pelo eriine de ferimentos graves, prali-ados na
.i de too Jos Marrano,
p.irticipou-mc o oficial externo d ;sta repar-
tirn ter h miera fallec lo de tubrculos pulmo-
i b rdo do vapor ademan empinas, o
slusse de nome Godifredo fie
lor Rainbol de Wu'.iorde. .
Commuaica o delegado do termo de S.
Lourenco da Metta, que n dia 6 do correle,
pelas 8 horas da noto, entenas do engenho"
Ulinga daquelle termo os individuos de noraes
Jos Antonio de tal e out os .-spam-aram e feri-
FranciscoJ Uitonio Merlina, logrando era-
direm-se. ps o crime.
.0(1 -legado lomando fo ilv-ci i mto do faci
fez procedi-r u vislorii, i o> p3ritos
leves os ferimeulos.
Procederam a respeto nos termos da lei.
No da 6 do corrente, o delegado do termo de
Bom Jardim, acompanhado do Dr. promotor pu-
blico, do escrivo e carcereiro, fez a visita na
cadeia publica.
Nenhuma reclainacSo recebeu dos presos nella
existentes,
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
(loes, muto digno presidente da provin-
cia. O chfe de policia interino, Daro
avaoantt do Reg JfQwtf&erqut.
--------------?-------------
Reeebedoria Provincial
DESPACHOS DO DIA 11 DE ABBIL DE 1889
Geminiano Infante Lumachi Miguis e Paulo
Manoel de Hollanda.Informe a 1* seceo.
Romo Gil ft C.A' 1 seceo para os devidos
tina.
Fernandes de Oveira & C, Manoel Rodrigues
da Silva.A' t* seceo.
- 12 -
Carlos Joo de Souza Correia, Joo da Fonse-
ca, Silvestre Baptista de Santa Rosa, Mara Lu-
cinda Ferreira Cunha, Joo Soares da Rocha e
outro, Albino Cruz & C. Rita Mara da Concei-
co, Manoel Lourenco da Silva, Eustaquio Ma-
noel Carminondas, Manoel Gongalves Nogueira,
Izabel Maria do 'armo, Joo do Prado Martios
Ribeiro.Deferido em vista das informaces.
Hermenegildo Joaquim de Oveira Baduem
Indeferido em vista das informaces.
Junta administrativa da Santa Lasa de Mise-
ricordia.A' 1* seceo para atleoder ao que re-
S|uer o supplicante de accordo com as suas in-
ormacoes.
Eruesto 4 Leopoldo. Certifique se o que con-
star.
Jorge da Paz Teixeira Lima. Certifiqtie-se.
JoSo Jos do Carmo.Informe a 1* seccao.
Augusto Puarte Leal. A' t" seceo paraos
devidos Bus
para senado
Buenos-Ayres.
casamento ci-
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 13 DE ABRfL DE 1889
noticias do Pacifico, Rio da
Prata c Sal do Imperio
Tivemos hontem do sul as seguintes noticias :
Pacifico
Na corte foram publicados estes telegram-
mas:
Valp raizo, 8 de Abril.
No dia 5 do corrente inaugurarse-a, com a
presenca do presidente da repuolica. a Univer-
sid; de Catholica.
Valparaizo, 4 de Abril.
O ministro brasileiro Dr. Correia de Araujo
apresentou as suas credenciaes ao presidente da
repblica.
Rio da Prata
Foram igualmente publicados na corte estes
telegrammas :
Buenos-Ayrrs, 31 de Marco.
Effeetuaram-se hoje s eleicOes
res e deputados na provincia de
Coinecar amanh a vigorar o
vil.
Montevideo, 31 de Marco.
Falleceu o advogado Vigil.
Buenos-Ayres, 1 de Abril.
O premio de ouro 60 "|,.
as eleicoes para senadores e deputados rea-
lisadas na provincia de Buenos-Ayres venceram
os goveroistas.
A provincia de San Juan produzio sessenta
mil bordalezas de vinbo.
A Tribuna Nacional diz que o general Cama-
cho prepara urna revoluco na Bolivia.
0 Sr. Gutirrez bi nomeado mioistro da o-
livia aqui.
0 Club de Esgrima vai edificar um hotel.
A Alfandega renden no mez ultimo quatro mi-
lhes de pesos.
Montevideo, 1 de Abril.
Celebrou-se um officio solemne em honra s
victimas da batalha de Quebracho.
Buenos-Ayres, 2 de Abril.
Projecta se aqui um tneeting para protestar
contra os precos da empreza de Esgot03.
O Instituto Geograpnico vai abrir concurso
sobre a melhor historia geographica argentina
O Sr. Luiz Varella foi nomeado ministro da
suprema corle federal.
Foi suppriinida a observago imposta s pro-
cedencias do Paraguav e Matto-Grosso.
2 de Abril.
O premio do ouro S 1|2 0|0.
O Dr. Varella, ministro da fazenda. publicou
um artigo defendendo os decretos relativos
agiotagem do ouro em moeda.
Montevideo, 2 de Abril.
O gdverao aceitn a renuncia do Sr. Gonzalo
Ramrez do cargo de ministro na Repblica Ar-
gentina.
Est substituindo-o interinamente o cnsul
Frias.
A commissao da cmara dos deputados en-
carregada de examinar a mensageui apresentada
contra o governo por terse recasado a explicar
o exeesso das despezas evenluaes, apresentou o
sen parecer, rejeitando-a.
Iuaugurou-se o theatro Polytheatua.
O Dr. B. Caymari fundou o Banco nio de
Crdito.
Buenos-Ayres 3 de Abril.
O premio do ouro 59 %.
A Prensa refutou hoja o artigo do Dr. Varella,
ministro da fazenda.
Montevideo, 3 de Abril.
O governo comprou os campos que perten-
ciam a Companhia Pastoril.
Buenos Ayres, 4 de Abril.
O premio de ouro de 59 12 0/0.
O Sr. Baldomero Buldstrup foi nomeado cn-
sul na Dinamarca.
Montevideo, 4 de Abril.
Os Srs. Bernardo Caimary e Benjamim Victo-
ria bateram-se a espada, Rcando ambos feridos
O Brasilje a Bcpublica Argentina trocaram os
tratados e regulamentos sanitarios.
Rio Grande do Snl
Datas at 29 de Marco :
Sob a epigraphe Contrabando, o Diario do Rut
Grande, em data de 27. transcreve da Foao da
Tarde da capital o segrate trecho de urna cor-
respondencia de Uruguayana:
Passo a relatar o episodio interessantissimo
da apprehenso de um valioso contrabando in-
troduzdo na cidade, e no qual mais urna vez os
guardas Recaes representaram de cavalleiros da
triste figura.
No dia 17 de Fevereiro findo, s 8 horas da
licite, o guarda Coulo, j mnito condecido como
um modelo, estando de ser\ico, charaou dous tea
i inheiros dos escaleres da aduana e seis da ma-
naba de guerra, e disse-lhes que tinha ampatpite
de que nessa noto den-ra catear na cid ide -
gum contrabando, condan|e-(i8 para apprehen-
uelo. dividiiuo iguahnenf^ bolo, depoi
galfflente liquiJad.
de le-
A propnsti f
- Cora effeito, an I
para o cetniteno w
oitos mariiii
Seriara i lio I
dex car.
. O tal *n
f*zer fogo
do navio de
te aceita.
loite, seguirem
o guarda e os
n de emboscada.
qnaudo appareceram
trabando.
n un'' distancia, mandou
te) e os mannh-'iros
eclararam que seria melhor
deixar que as carretas se approximassem mais.
A cousa alguma attedeu o valeote fiscal das ren-
da.- publicas. O fogo surgi. A'vista disto, os po-
bres uiarinheiros carrcganim sobre as carretas,
uorera foram rechagados.
" Os contrabandistas, em numero superior a
trnta, fizcrain tenaz resistencia. Foi ferid gra-
vemente uo conflicto um marinheiro dos esca-
leres da alfaudega, servindo este ferimeato de
base para o guarda Cou-o ordenar a retirada da
forja.
O lircOeio foi tal, auealarmou a populacip.
- A cffiltr estavaV^MB|M|aMitaMme ama
patrulha de 15 guardas fiscaes, montados, qjae
estacionava a urna quadra de distancia do con-
flicto, nao acudi em auxilio jde seus compa-
nheiros t
As carretas eotraram na cidade, e os man -
nheiros por ordem do guarda renraram-se. -i
Ao clarear do dia 18, um dos marinheirqg
de guerra que, no conflicto, hara perdido a bai
nha do sabr, eunvidou os companheiros para
irem procural a. Ao chegarem ao local onde se
tinlia dado o tiroteio, divisaram urna carreta cat-
maranhada no rame de um cercado e guarda-
da por tres hsmens. Acommetterem a carreta,
foi obra de um segundo. Os individuos fugi-
ram. pois cstavam bem montados.
Conduziram a carroca para a alfandega. As
rodas estavam devidaraente envolvidas em pan-
no, cordas e pellegos para que nao tizessem na
rulho.
O tal guarda quera rehabilitar se com esaa
fnrea, porque, segundo voz coi rente, sabia
perfeitamente do que ia suceeder e nao deu a
respectiva parte para ser devidaraente auxilia-
do
Lemos na Ordem do Jaguaro, em data de2
Consta-nos que hontem repetio-ae as pra
cas do 3 batalbo de infantaria um phenomene
eccorrido ha mais ou menos dous annos. quan-
do o povo andava alarmado, esperando por mo
mentos a risita do terrivel viajor do Ganges.
Uns chamaran) cholerina, outros attribuiam jk.
preparaco de refeico ou do caf, e diziam o-
tros que o mal provinha da qualidade inferior
dos gneros alimenticios de que se serviram na-
quelle da.
O caso que hontem, dizem-nos, numere
superior a 20 pracas baixaram enfermara,
sentindo vmitos e um mal-estar semexplicacSo
plausivel.
Algumas pracas de 12 batalho, que esta-
vam aqui de pussagem fr rain ao quartel e 9
deltas, que comeram a refeico, foram acommet-
tidas do mesmo mal.
Limitamo-nos a registrar o facto sem entrar
em commentarios norque, completamente alheit-
materia se i en tilica, muitas vezes vale mais ca-
lar do que commetter erros absurdos.
Indagamos se no 2 regiment tinha aconte-
cido o mesmo, visto ser um s fornecedor para
os dous corpos, e soubemos que nada occorrea
alli; pelo que se v que a causa nao provm de
defeto nos gneros .
No dia 19, na cidade do Rio Grande, Manoel
Goncalves de 'ssurapco, empregado da Compa-
nhia de fiareis Mrbanos, por motivos de okiaie.
vibrou profundo golpe de faca em Apolinaria de
Castro Pantoja, que falleceu em consecuencia de
hemorrhagia.
0 criminoso foi preso.
Os Srs. Reingantz & '..da mesma cidade,
vo offerecer ao governo o edificio em que de-
via ser estabelecida urna fabrica de velas steari-
na. idea esta que nao realizara, por motivo da
redueco dos direitos de importajo sobre aquel-
le producto
A' Gazeta Mercantil communicaram de As
sumpeo qne as autoridades paraguayas iuipu
zeram quarentena de 15 dias ao vapor Latario
{jac, em viagem para Matto-Grosso, lema doen
tes de febre amarella.
A Gazeta Mercantil da cidade do Rio-Gran-
de, em data de 29, diz terem fallecido na enfer-..
maria militar do Jaguaro algumas das trnta
Eracas do 37 batalho de infantaria, as quaes, -
aixaram mesma enfermara apresentando
symptomas de envenenamento.
Das pracas em tratamento no Rio-Grande ha
algumas que esto em perigo de vida.
Em rwguayanna projecta-se a formacode
urna associaco para regenerar as races bovina
e ca val lar.
No dia 21 do mez passado, na altura dos
Tapes, em viagem de 1 orto-Alegre para o Rio-
Grande, naufragou o hiate Santa RUa sendo
preciso encalbal o na praia para salvar a tripo-
tago.
Por motivo da execucao da tarifa especial
foram dirigidos ao Sr. ministro da fazenda os
telegrammas seguintes :
Da Associaco Commercial de Porto-Alegre.
Comegou hoje a ser executada a tarifa especial.
Orgo legitimo do coramercio, esta Associaco
agradece a V. Exc. to importante medida em
beneficio do Estado e do comraercio licito da
provincia. Joao Areti, presidente.-Marra ter-
nura secretario.
Da Associaco Commercial de PelotasA As-
sociaco Commercial desta praga, felicitaudo V.
Exc. pela execugo da tarifa especial na provin-
cia a raaior aspirago do seu commercio, reco-
nbecida agradece a cooperaco de V. Exc
Francisco Nunes da Silva, presidente. Alberto R.
Rosa, secretario.
Foram mais publicados na corte estes tele-
grammas :
Rio-Grande. 31 de Marco.
Operarios de todas as classes fizeram urna ma-
nifestago contra a execugo da nova tarifa es-
pecial, exigindo a intervenco da municipalidade
perante o governo, alim de que este estafo-leca
as taxas reduzidas dos artigos de produeco na-
cional, to menoscabada aqui. quan-io nutras
provincias esto favorecidas cora tarifa movel.
Rio-Grande, 1 de Abril.
Resultado da eleigo : Diana 1.088; Villano-
va 890. Falla alguma votaco que nao altera.
O commercio e a populago muito satisfeitos
com a tarifa especial.
0 Baro de Sobral, ebegado sabbado do Rio
de Janeiro, violou a quarentena, desembarcando
e segurado para Pelotas.
Minas eraf*
Datas at 1 de Abril :
Na manh de 14 de Margo, no districto de
S. Jos da Pedra Bonita, termo da Poute Nova,
Joaquim Jos Goncalves, armado de urna espin-
garda de dous canos e de um faco. dirigise
a um rancho, onde resida Manoel Tliomaz de
Almeida. e intimando-o a que o desoecupasse,
em acto continuo, sem esperar pela resposta,
desfechou contra elle um tiro. Almeida atirou
tambera contra o seu aggressor que, apenar de *
ferido por 25 bagos de chumbo, agarrou-o, mas*
elle deu lhe ainda 6 faca-las que determinaran)
a morte immediata, evadindo se era seguida.
Chegarara no dia 30 Cainpanha, dejiois de
terem terminado os seus ira'ialhos. os engetihet-
eos i'ncarregados di exploraeao definitiva da '
estrada de ferro que. deve lindar n'aquella ci-
dade.
Foram recebidos com grande demonsiraco
de regosijo.
Foi designado odia 27 de Main, a!i n de se
proceder eleigo senatorial na provincia de Mi-
Ba-Geraes, para pee. nchi.nenio da vasa exis-
tente por ter fallecido o Sr. setiador Evaristo
Ferreira da Veiga.
s. Paulo
Datas al 4 de Ahed.
Ni dia 28
de Botucal, e a 29 enlraram os tr

r' ~

14.


Diario de PernambucoSabbado 13 de Abril de J H9


a abertura do tratpgo.
do Dcscalvad i o St.
Antonio Viera 1 ID ura tiro de dentro
de um quintal, na oecnsi.io em que aquelle to
conservavoo* porta da casa-do Sr. Ma-
noel Heorique.
O projectil nio atiingio o Sr. Antonio Vieira.
Fot preso pelo delegado do polica de Santo
Antonio da Caenoeira. Joo Norberto da Silvei-
ra, o famigerado Tijiinoso.Jiid'raucitiKMtk
Paula, vul,ro Joao Vicente,
!o to ter dfc. JaattduOhampafpno
art. 19:i do codijjocninhl.
O commeaudor Jas Bnart*. Rodriajov.s,
vicecnsul porrugue/., eorrespou leudo aa> pello feito peloaspeoor de liygiene, proiaetleu
contribuir menHaitnente com a./(uiutia deaMO*
para u fun 'acode un Iw.s|>m, poaendo o lo-
spentor de hygiene 'lar a referida ojaastfia aap-
plicdco que eutanriurr
uih milboes de litros d'.igua.
tos a auajueiilar o abasleciiueiUo d* *-
Sale.
As manifestacocs com que foi acolhido o illus
Irado e activo eugeuheiro, nao siguifteavam
tanto a gratido por utn beneficio recebido como
a satisfaco que experimenta serure a auna po-
pular quando v coroados de. feliz xito os ras
gos arrojados. Corapreheude-se fcilmente esse
nthu-iasiuo publico, que aceita os fados setn
liur"' mtttian iltmnl.! frtuininile, e, man
i pnaoe*JttttvMfSamktos notoaaotaudazeauBar
i tato recooai awn dia motado maieres obstacows;
porque-b* eutprelieniiianMUoa a tal ponto auitiH-
rareis que >o o tenhir*Tetial>08,.despeiH4eiMlo
ialelligcncia, energa e rjemtveaaca, coaatitius
fitaJn giorio-u.
u 'lia soguete a cidade de Petaopolis recea-
rom ruidosas acclaiiaooes-oe jubilo e colmad*
flores S. A. o Conde dTfiu, que acabava dor.per-
correr a parte da provincia de S. I'aaaooa d
Na villa de Araaprnra. deu-atwOni desas*^ niel epidemia; rompendo com foria, ceifando
assim descrilo por um correspondente da Pro
rincta de S. Paulo :
Hontem, em a villa de 'raquara, s7 doras
da manha, distante dessa \ illa dez minutos, nas
oficinas do cidadao Ignacio Praga, achando se
de.passeio a Sra Mancilla, esposa dnlazen-
deiro Benedicto Faleo. moslrou a inesma dese-
'oa de ver a machina e moinlio traba Iba rem.
Nao tendo millin proiuplo fez o Sr. Ignacio
afanen B foi satisfacer, o desejo da visitante.
Soltando a agua na na lima, procurou ella
conheeer os movimentus das transuiisscs, pe
, diodo ao mesmo Sr. Ignacio pura moslrar-lhe
.at pa.-sugem um pouco aperlada, obaervau-
do-JUe o or. Igiucio todo o cuidado ; faxenda
en tao a infeliz sen hora ollar roa lliinha rae-
i or, sbitamente foi apauliada por una das ro-
jas. Meando todo o corpo em pedacos.
Conheceu se omento que era ura corpo bu-
ano por ler tirado sem-moer urna das mitos.
tkj Trislissiina scona ver chorar marido e mais 10
'.ilb isique licata na orphaudade.
A compunliia da estrada de ferro de Santos
a Jundiahy endorecou urna circular as demais
comfiaohias de vias-ferreas da provincia, atim
de qaftvaaonstinem aos expedidores de caf a
idiinihutco temporaria das remessas para Santos,
alenioio estado em que se aeha aquella pnicj
i sor elTbito da epidemia reinante.
Ameama circular adduz que muito demora-*
ao uservico de descaiga na estaco do Santos,
em cono a retirada do caf dos armaxens da
inesiua icslacao. onde actualmente existem nao
Hiea is-dii 312 wagoos carregados de caf.
A colonia italiana de Campias nomeott
Mmacouiiiiissio para percorrer diversas danta
o interior, com o litu de obter donativos para
tatciMonl dos enfermos da epidemia, e o Ctr-
rolo Ualiani Uinti vai est.belecer urna enferm.i-
ria no scu edilicio para tralameiilo dos affe-
j;Ltdos,
* Foi publicarlo na corle este telegramma :
S. Paulo, i de Abril
Gracc impar. alidade e justica do ex-presi-
dene du proviiici.i. Dr. Pedro Vtente de Azeve-
do, foi Iwje celebrado contracto para as aovas
unirs de bonds na capital, de que san cooces-
saonarios Vctor Nolliuian A Feruando Desmou-
lin.
vidas inlerroinpenu a actividade social, espa
Ihava o susto e a desolacao.
A espontanea resolu^ao, que tomou o Sr.
Conde d'Eu, de ir a Santos e a outros pontos da
provincia de S. Paulo, flagellados pela epidemia,
loi-lbe ioapirada. .-era duvida pela coavicctde
que lia deveres. que as leis positivas nao pres
crevem", nas que coavences sociaes tacita en>
bra, iiopoem anda com n.aior forga., Sem
carcter Uicial, mas como ciladao de posi<,ao
ele\-ida para quera nao podia ser indiffeiente o
soffriuieuio publico, o Sr. Conde d*Eu coiupre-
hendeu que a sua preseaca no ineio do porigo
seria um estimulo |iara os unimos .batidos, um riara de ser colhi.los por urna cuiuini*sao que ti
exeinplo de abuegaco que despertaria iraiiaces.
E, na simples carcter di- cidado que se uiteFessa
pela sorte de seus semelhaiiles, elle pode trans- desertas distancias, com riscos e periaias de to
exreder a 100 rata al<> as extremas da cidade
As linhas partera do centro da cidade e vao
paribos imr>erlantes bairrosda Bella Vista eBoui
Retiro, passando esta ultima pelos Campos Ely
nb*. -
,i Parabens ao benen-rto paulista que assiun-i-
ta. a sua honrada a Iministrayo com raais esse
relevante servico capital de sua provincia.
Rio do Jan.-iro
Datas at 5 de Abril.
Nesse dia devia reunirse, s H horas, na se-
cretaria do imperio, sol a presidencia do respe-
divo ministro, a secQao dos negocios ci imperio
da conselho de estadofpara ser ouvida sobre o
emprestuno de 5.000:ii00 da ramaramunici-
pal da corte, autorisado pido parlamento.
E' este o pessoal com que o cruzador Gua-
sbara sahio em viagein de instruccao :
iCrJaimandante, o capitn de mare guerra Fe-
lippe Firmino Rodrigues Chaves ; immediatn.o
vapitiki do fragata Francisco Forjaz ile Lacerda ;
instnlotor, o Io tenente Fian isco Marques Pe-
reiraeSouza ; os 1~ lenles Iaidgiro Bento da
Cunha MolU e Silvio Pellico Belchior, os 2~ te-
aenles Agoslinho Jos da Silva. Mauoel da Silva
Lopes., Afitonio Coutinho Gomes Pereira, Silvi-,
nato de vicnra, Francisco Burlaraaqoi Gastello
Bronco, Joaquini de Albuquerque Cerejo, Albcr
to de Barros Raja Cabaglia. Aberico da Flores-
ta. Miranda, Luiz HenriqueNoronha, Frederico
Ja Cruz Secco, e Eugenio Eloy de Andrade C-
mara ; guardns-marinha, Alfredo CordovR Petit,
Francisco de Barios Brrelo, Octacilio Nunes de
AJmeida, /Ifredo Osear Short, Augusto Heleno
Peteica, Alypio Augusto Dias Colona, Mario Jay
me:*i Silrein, Carlos Augusto Guimaraes, Col
latino erreira do Valle, Joo Huet de Bacellar
Pinto Guedes, Abdon Ferreira Caminha e Felinto
Perry- Jnior; mdicos, o 1 cimrgifio do corpo
de -.saudc Dr. Antonio Ferreira da Silva, e o 2o
Dr.' Joo Pinto do Coulo ; pharmaceutico Carlos
Ramos; macbinisias o ci 1* classe, Joaquim
Fiaacisco da Silva e o 2' Innocencio Jos de
Crvalho: o official de fazenda.de^' classe Ma-
nat Jos Pacheco : e mais 1 mestre, 3 guar-
diaes, 2 carpinlciros, 1 calafate. I escreveote, 2
enzioheiros, l liel, 2 enfermeiros. 6 machinistis
da i5 classe e 7 praticantes, 26 oraras do;bata-
Ihao naval, 2 cabos de esquadra, 1 inferior e 180
mpri i,;c- marinheiros:
L-se no Jornal do Commercto de 4 :
p Sr. ruinfsJro da guerra eutregou hontem ao
Srconsellieiro Portella, director do archivo pu-
blico, um riquissimo lbum ollerecido pelas se-
nboras paraguayas a Francisco Solano Lpez.
Este lbum eslava ba muitos anuos guardado
na Recreara do arsenal de guerra da corte.
As lapw sao de ouio e com a seguinte inscri-
pjao : Lfl hija* dr la Patria 24 de Julio e Bina allegoria com tres damas, em plano infe-
rior, duas despojando se das suas joias e alfaias
entregando a una em plano superior, que re-
gistra na historia patria estas generosas aceces.
' Contera as actas manuscriptas da asseinbl* de
senboras qoedeiiberou a dadiva, as de todos os
municipios adhereates e a do acto da entrega,
e um cloquete e fantico protesto de enthusias-
mo.e airprovacao ao procedimento de Lpez.
EstealliumVst dentro de urna bella caixa.de
ovo e |irata em forma de livro. em que ha bons
trabalhos de buril ; a prime-ira tampa tem duas
laminas, urna ae ouro e cutra de prata com r-
nalos de alto relevo, no meio um elegante c;cu
do com esta dedicatoria Mhewe americano
Las paraguayas agradecidas ; na face interna tem
o acampamento do Paso dePuc.
Xa outra tampa dos rne-mos metaea ha os se-
gninies dizeres Ofrenda ij pronancimiento na-
A cianal de la ciududau-u paraguayasl8b7 Al
beiimterit) Marixal Lpez ~ Vira la Repblica del
Paraguay.
Babia
Dalas at 10 de Abril :
No dia 3 abrio-se com as solemnidades 'do es-
tylo as.eosc ordinaria da Assearbta Provincial.
L se no Jornal ieNotktai de 3 :
. A'ha se entre nos o Sr. J. S. Klein como re-
presentante de" duas mil c qutnheiilas familias
ongaras, snissas e artemacs. que decejam for
mar um ncleo colonial em ierras deata provin
cia. ,
Finalmente pliega urna occasiao ele dar-e
o grande passo par. i colonisagao. Trata se
de* inmigrante-- espontneos, todas l
que pode'm forma'- urna pequea cidade
tanto e-tabelecer in Ce pro)
para esta pro\ _.
Logo que recebemos a v.sita do sr. Klein
omon ier cwii; o da provincia, ao qual
xpnzemos todas" as vanla^ens de semelhante
immigracao. _.
O Sr Klein vai ter com o Dr. Dionisio Mar-
Mas, din-cfor das trras e cnlonUeco, de quen.
esperamos tudon.vt.i ..ue-tao palpitante.
Teretnos occaxiao anda de nos oceupar
tieate impuriarite assumpto.
initiir s autoridades competentes avisos e .-ug-
gerir providencias para minoracao do solfrimeulo
publico.
E tanto raais merecedora de louvor foi*ssa
digresso do Sr. inmled'Eu pel regs'io devas-
tada, quanto o ameacava alii a morle mesquiniu
e isolada em algum leito infecto.
Digna igualmente de per isni registrada foi a
serenidade cora que caminliuram para os cam-
pos da afllicv^o aqHelles voluntarios da morle
que constituirum a humanitaria associacao da
Cruz Hr iich. Sobre o fundo escuro das pagi-i
nas luctuosas que narrarem a Male chrooica da
epidemia em S. Paulo, a c uz alvi nitente recor-
dar, para honra da frateruidade hiimuna. os si>
leiicioso* sa^rilicios desses lionw-ns eheios a
abneaaco que foram levar soccorros e consola-
co aos que soffriarn. E emquanto nao repele os
tioines de todos esses benemritos, a grutidao
popular guarda j com piedosa saudade os in
que receberam a morte all mesura onde iam
levar a vida.
Nao se apaga do coracSo humano mao grado
os esforcos do individualismo que debalde lenta
arvorar-se em systema philosophico e poltico,
o do<-e sentunenio da fraiemi lude. Fui pos-
suida dcstesentimentoque a populaco da nossa
eidade acompanhou com seus applausos a bella
(esta realizada no quartel do corpo de boinbei-
ros. Esles obscuros hroes, que tem merecida-
mente grangeado as syinpaibias do povo* rece-
beram na semana a nata do Sr. ministro da
Autoridades policiae"or portara da
PreaidecMli da Provincia de U oproposfado Dr-
chefe de poli cia de 10 do correte foram nomea-

Para n kgar de subdelegado do districto. da
1 delegada de Serinhaem Antonio Pereira da
Rocbu, em substituicao de Gaspar Cavalcante Pe-
res Campeilo, que foi exonerad. -
Para o lugar de 2o supplente do districto de
Loretu do termo de Muribeca, Idelfonso Feneloo
aaaaatanodo porque o qoer s^aew er de -AUMaacerque Mello9*m ralMtiiuicaO'de Mu
lemenie. quandera conaamsio ao*IBaaiHdoCavalcanto. quafoi-exoneaado.
ramo lugar vago daJ* su apente AotoniaBas
Biro.
Caialidatura Ficou- non ter- resefrida
paaatMrapresenlantes do partMataanseraiia'or, reu-
nidos para esse Hm. a-candi Mata doconseraei-
ro Dr. Munoel do NaiementanMiicliado|l'ortla
para psajenchimento da vaga, aberta natCaawra
lemporaaia pelo falleiwniwdo Rento C
limo dafeantos Ramo*.
Revista (IlustrataRecebemos e agr
de<%mos o n. 542 desia importante e conhe.ida
folha caricata que se publica na corte e da quai
propnrtario o Sr. Angelo Agostini.
Coast'lheiro Vuiio-I Portella S)
vapor francez Villede Maceta, chegou hontem da
Rima O ExtH: Sr. conselhciro Manoel do Nas-
cunenio Machado Portella, ex-presidente d'a
jue'1.1 provincia.
S. Exe., ao desembarcar no Arsenal de Mari-
nha, foi recebido por crescido numero de ami?
gos, q e oacdmpai.liaramat a casa de residen-
cia de seu cuohado o .Sr. Pedro Pinto, onde se
hospedou.
Alli foi servido um profuso almofo, sendo tro-
cados muitos blindes.
Saoihimos ao illustre comprovmciarjo pela sua
boa lin la
Keuiiluo mitsirnl Paula Gome*
, Hoje, s 7 lloras da noite, nos sales duLyceu
Luusoante cora as ideas que sobre tSo impor-t r,,e Artes eoHcs, re iligar-se-ha -a 17* reuniio
Me ramo de servico aventei peranto a assera^ rnasical do Sr. F. de Puna Gomes, pianista, em
quena-) elle toma parte1 como tambera
referida provincia, sendo que laes ordens ac.,
bam de ser expedidas.
Sera que de forma alguma eu pretenda eu/ra-
quecer o meri o de seminante providencia, dic-
tada, estou c-rlo, pelo desvelo cora que o ciiarto
ministerio procura conheeer e utilisar os recar-
sos naturaes existentes era caJa urna das pro-
vincias, que lio receberao anda o neceaaano
desenvolviineiuo, presumo que ser-me-ha per-
mi Uido observar que o que o ministerio da agrt-
cult
inei_^
de enganlairaiiiliUr tem de. aUrader de fre-
ereiiBBj maaaiBps de oatra e limito divwaa or-
dera ubk; drtdaaainaro a sua organisacao-, de
todo opaaaa destiere-sario.
Sao sacBCienienente conbi-ead is, deadaaaanito
e nao datdgora, as regi>a; ean i|ae existen os
serinajaesda sypkonia elstica, assim coaaaaa ri-
ipi i saadlr -; e nein mais e preciso pensar em
utilisafae* paoaau.- j e*to sendo expoai'i-
dr/siiialmenle, ^e nao na escala a que se pode
chegar no futuro naquella era que pqssivel no
preseate.
Taea serio^aeB,ao norte, e os anundonteshar-
vaes, ao sul daquella provincia, foram os dous
assu nptos que mais me prenderam a altencSo
daaaase a uiulia recente adminstraco, tanto
raaisJigando-.se uo primeiro a questo da-xate-
ebese de varias tribus de Indios, urnas ja niau-
sas, outras. bravias. Posso, portan.o, dar ao
ministerio da agricultura, se o respectivo mi-
nistro o quizer, todos os esclarecimenlos de que
se possa. precisar a respeito, com a vaulagem de
serein .noilo'mais promptos duque ns,quete-
vesse de ir pen.orrer remotas e extunsissi i as
regioes.sej)aradas urnas das outras por.longas e
da a especie de que aqu nao se pothj.ffcer jus
ta apreciacAo.
Entre as condices vantajosas para o punticoJ agricultura, que quiz pesoalmente entregar a
icou estalx-lecido que o p.-eco das pnssayens nao qualro dentre elles as ven
INTERIOR
(Jornal do Commtrcio)
31 de Margo de 1889.
A populaco desto capital recebeu con de-
mODStraees de regosijo, nos pritueiros das da
semana.' < Paulo de Frontn, que
refressava do interior depois de ttr, uo brevis-
simo-frazo de seis dias, encanunO.au) para os
eOes com que o governo imperial aacignalara
actos de dedw-aco por elles pratiradoe.
Ao eiiliegar ot> siuaes da disliuceSov tao bel
lamente cmiqoiatada. cotn raaao (liasen o ^repre-
sentante do governo que traduza naquelle mo-
mento os simtuueiitii da popJacu d'esta c--
pitil; com razo, sim, porque o pvo tem visto
os bombairos do Rio de Janeiro, despertados
pelo estridente toque de cometa, corremn pre.-
surosos, alegres quasi, aos lunares or,de layra
ineendio : ah cessa a alacridade e a precipita-
gao ; reina a ordem e a disciplina, e aos varia-
dos sons da corneta de cetn aquelles bomens aas
abysmos do fogo, sobera a alturas vertiginosas,
atravessam Uries por sobre medonhos precipi-
cios e cercados de labaredas, soffbeados i lo
fumo, e com igual serenidade salvam inulheres.
criancas, vidas preciosas ou insignilhanues-pb
jecto.-, que constuem a riqueza do pobre.
E quando o incendio est dominado pela in-
teligencia e pela coragem, os bombeiros, que
salvaram vidas e fortanas do Rio de Janeiro, si-
lenciosos e molestos, umitas vezes tremendo de
fro sob as r.'.upas hmidas, outras vezes cooru
sos e feridos. voltao ao quartel. onde dah a pou-
cp pode de novo despertal-os o clangor estridente
da corneta
Merecedora de applanso foi. portanto, a ini-
ciativa do Sr. ministro da acricullura indo pes-
soalmente, em acto publico solemne, manaa-s-
tar aos bravos do corpo de bombeiros a gratido
do povo fluminense.
Outra iniciativa do gorerno que merece ser
lembrada nesla resenta foi a que tomn o Sr
ministro do imperio instituindo o servico da in-
speceo hygienica nas casas de ensino.
Lrvida a realiz;ic;o com perseveranca, esta
providencia ser um beneficio de incalculaveis
rebultados.
Mais do que em outros paizes, a popolago es-
colar requer entre nos especiaes cuidados. Sao
dignas de altenco as condiees de situacio, de
luz, ventillacao e asseio das casas de ensino ;
mas inaior solicitude anda reclama o modo de
distribuico do ensinp que sujeita o corpo dbil
e a intelligencia incipiente da crianca a esforcoa
prolongados e superiores A melbor vontade.
Convencido, como parece estar o Sr. miuistro
do imperio, da necessidade de considerar lam-
bem por este aspecto a hygiene das casas de edu-
cago, de espenr que sua atteneo se volte so-
licita para um estabelecimento de inslrucco.
que entre todos se distingue nela cruoldade com
que se apodera de todo o tempo dos podres, ac-
4-umuiando na mais absurda das combinagOcs
disciplinas heterogneas.
Esse eslabelecimento o collegio de Pedro II.
rujo prograinma de ensino parece organisado
cora 0 lira especial de afastar d'alli os alumnos
que quizerem aprender.
Dentro de poucos dias sero abertas as aulas
desse collegio e provaveknente tenlar-se ha
ainda fazer vigorar o impossivel prigramma, que
dos proprios prolessores j merecen completa
reprovacao.
Mas nr>o queremos terminar hoje com patovrus
de desanimo.
A pubhcacao que n aba de ser feila, de al-
guns dados relativos -situa^ao do Ihesouro na-
cional desperta com razo fagueiras esperancas.
Da nossa divida publica, que augmentara no
anno passado de cerca de 60,0<3i>*0o 5000, con-
seguimos resgatar em um anao mais de. .. -
30,000:000*000: para as despejas que tm de
ser effectuadas no exterior ser applicada a
maior paite do producto do ultimo emprestimo.
que anda deixar importante saldo, licando as-
sim as nossas pracas livres da eoncu-rancia io
governo no mercado de cambio; capitaca euro-
peus, contando com empiego segnro e remune-
rador no nosso paiz. procurara.-1!! os sob a forma
de moeda metalca e outros capujes raais pre-
ciosos, os que sao representados pela corrate
immigratona, espalluon-se gradaalmeiite pelo
nosse vasto territorio.
Esta face brilhartte tem certainente o sea re-
verso : urna colheita pequea do nosso principal
poilucto; escassez provavel de gneros araen-
tictos ; sabida de valores corres noadentea aos
juros c aiiort-aye ,mda- oa-
tras.
Compre, ponra, oso osa esq nos de um
factor po leroso e sempre acli-.o. ..sen.
menta natont, mvcacaed de tm -n/. nas con-
d i Rrail.
aKraanio este m -^to se opera.
pao se cooservar inactiva a previso do iilus
Hado Sr. rainist-o da azen 'a. de algo is. na espuns&o le afguns '.i-
tulos de iccita B jiitivi em co biiae. iinin
.-it iQlrar tdeaarotaa para own-
actn me-
'-a, como
INDLfcTiil
S
*cring;ics de
Na GazetUlia
que o miii
cbtei' dados positivuM
za e meios de utilisac,-
0-ii/0,. Marco lelo
lito dt'
iTIU-
gaes (Siipu-:ia c.loftico) 'Hijo
pi-oducto fui examinado i di
qnalidade prlo Dr. Miel; do da
gut-r.'a a exfx-ilicao das ordens neces-aias para
que aquella refrito aoja coBvenieutemeute ex-
plorada pela engenliaria militar que se aeha na
tanti
nla.provincial, em sua ultima sesso, lancei de
preferencia as miunus vistas para as cabeceiras
de Afinos, onde, por ordem minba, o alferes
Luiz Terrot, em Setembro do anno pasaado,ha-
via feito. nesse sentido urna tentativa de resulta-
do mmto espe ancoso, em relagoaos dios Ta'
pankuwis, considerados muito ferozes e at an-
li-opopbagos o que pareceu aquello ofcial ine-
xacto.
Ifeaat proposito raandei oosteriormente, para
Diamantina, como comenandante de ura pequeo
destacamento nutro official, com recommeBila-
cftoniL) -o de repelircom pacieBlc perseveranea
aquella lentativa, procurando pacificar, ou pelo
menos canter aquelles individuos, facitando
assim o servido de alguns seriugueiros, que j
trabalham o s margeos do Rie-Preto, como tam-
bera de manier e animar os Bakuhires na ex-
ploraco a qu^ se eatregan com bom xito nos
seringaes do Rio Verde, o qual, como aquelle, 6
jTiiente do .Arinos.
Lifelizmenle, a retirada dos batalhes da ca-
pital para Corumb, onde devein ser orgauisa-
das as brigadas de observaco, acarrelando o
recolbimenio de lodos os destacamentos .do in-
terior, nullificou o meo plano, que s quando as
cousas voltarem ao anterior estado, poder ser
levado a effeito; visto como ludo em Mito-
Grosso, ate mesmo a calecbese que rnr umita
gente Puf.si.lerada minera espiritual, que. deve
ser couiiada aos bispos. s poile ser levado a
effeito com a inlervenco do soldado.
A esse tempo, outro destacamento devera ser
maulado para as cachoeiras do Juruenaou po-
ximamenicdistante cousa de 50 leguas, raais
ou menos de Diamantino, e onde a tribu bravia
dos Nambiquaras persegue os Portis, mansos e
em inteiro contacto comnosco, os quaes anima-
dos, principalmente, por um preslimoso cidado
que com elles commercia e convive, o eap;to
Jos Marcelino da Silva Prado estao ltimamen-
te se entregando com empenho que de notar
explorarao da seringa e da poaia que existen)
naquella regio, levando o producto de suas co-
lheitas. que fazem descer em canoas, ao merca-
do de S. Luiz de Caceres ; ao passo que 08 Ra-
kahiris e outros seriugueiros, que trabalham nas
cabeceiras do Arinos, levam a sua borracha
costas de bois para Cuyab.
Esta borracha, que tratada com pedra hume.
coagula conservando a cor branca ; aquella, pre-
parada por meio da fumigaco, toma a conneci-
da cor preta. e raelhor reputada nos mercados
consumidores, o que devido uniforoclaue de
sua condensago, que nao permute .os intersti-
cios aquasos que prejudicam a conservaco da
branca,.alias preferivei e- procurada para ceos
misteres, por nao precisar de ser alvejada por
processos chimicos.
De ambas tenho araostnn, aue pnderei offere-
cer a S. Exc. o Sr. ministro da agricultura, an-
da mais por me parecer se me nao faina a me
moiia, que as experiencias do Dr Michlcrno
foram na Syphoma elstica, mas em borracha
extrahida da mangabeira, que existe em larga
extenso ao sul da provincia, prinripalmente do
Valle do Caracol, affluente do Apa, at Dou-
rados.
Mas ludo isto conhecido, e nem ser preriso
que alli v urna cemmisso de engenheiros para
dizer o que valera aquelles extensos mangabaes,
que arias sao urna riqueza que podo ser explora-
da com proveito.
Seo Ministerio da Agricultura quizer tambem
nformacoes a esse respeito, posso da'-as de
prompto, tendo vista urna carta topographica
daquella regio, que foi organisada e me foi
offerecida por pessoa que. por obsequio, incum-
bio-se de darme intormacOes sobre o melhqr
tragado de urna estrada que facilite a communi-
cago entre a foz do Apa e os destacamentos
que temos em S. Carlos e Relia-Vista, na parte
superior desse rio, idea esta que j tiveoccasio
de submerter ao conhecimenio de S. Exc. o Sr.
ministro da guerra, mostrando a importancia que
pai a nos tem a foz daquelle rio, e quanto con-
vm es'abelecer alli um posto militar era outras
eoiulicese com fim muito differente do pequeo
destacamento que alli existe.
Em concluso, e para nao aflastar-nie do pro
psito com que escrevo estas linhas :
tiqueo Ministerio da Agricultura deseja co-
nheeer por intermedio da engenliarla militar, em
Mato-Gro so j conheddo.
Mello Rbgo.
Rio, 30 de Margo de 1889.
Assembla Provincial Na houve
hontem sessSo por terera comparecido apenas
10 Srs. deputados.
A reuniao foi presidida pelo Exm. Sr. Rariio
de Rapissuma.
O Sr. Io secretario proceden leitara do se-
guinte expediente :
Urna petigo de Vicente Ferreira de .\raujo
Lima, prefessor publico de Meringabas.oa co
marca da Victoria, nquerendo o paga-nen
5i que se.lhe deve de expediente e altjauuaT.
casa de sua escola.A'cemmisso de ol
to provincial.
Outra de Justino Jos Ferreira Luna, ex-^aca
da cmara municipal de Rom Jardim. requeren
do que se consigne quota de 1364 qoe lhe deve
a referida cmara.A' comroiss de nrcamento
raunieijial.
Foram a imprimir os seguintes projectos, pre-
los de parecer da sommiaaao de pelioSes:
N. t"i. -C ncedendo licenca com ordenado a
iociaes.
N. 36. un euge-
nho de typo menor na vjlle de Japaranduba e
i 'leo de' typo menor no de Tapirassi.
i suiiila di.-solveu-se a reumo.
Artos da presidenci da provincia
Por actos de 30 de Margo fin
Foi exonerad.- a pedido Florencio Alvea Morei-
ra Joiil io do cargo de. 2.- supptente do subdel-
galo ilo districto de S. Caetanu da Raposa em
Caruani e nomead para subs'.ituil-o Jos Frank
liui de A
Foi exonerado >'aui.el Apolinario dos Santos
do cargo de 3." supplente do subdelegado du
ituuricto de S C '. da Raposa em taruar i
iiOiiieau* p.i aiiustioii-u a-uel Plotc-mMo da
Costa.
Korau me/.es ra licenca ao pro-
tesaor pollk-o I is Paulino da Siva Filho
Fui removida a profesara de 2* eutrancia
Emilia Olympia Tiles Becerra da cadeira de
Anna-Fria de L* entrancia era Olimia para a de
2. eutrancia en Giqui.
Foi remonda a professora Mara Julia Montei-
ru i. pe.= la cadeira da Colonia iaaliel para a de
AK'na Fra.
Foi removida a prot-ssora Jotquina Al ves de
Crvalho Veras da cadeira da Praia dos Carnei-
ros para a da Colonia Isabel,
parte como tambem a
guns de seos alumnos.
Cada um*delles exhibir a sua ultima msi-
ca de I cao, desde o mais atrazado at o mais
adiantaio.
Eis o vanado programma, que tem de ser
executado oeste certamen ue pianistas :
1." AHierti H. op. 26. Elisire d'amore, fanta-<
sia a 2 pianos 8 mos. Beatriz e Arlhur L.
Oliveira,.Therev.a Moreirae Alipio Caseao.
2." VolkmannF. R. -op. 11. O Cuco eo Vian-
dante a 4 raaos.Laura Silva e P. Gomes.
3. Rattmann J. L. op. 309. Ma charmante-
fantasa valsa Alipio asco.
4." Pierit. G.op. 14. Pastoral. Emilia L. L.
d' Imeida.
5." ScIiwh-a. W. op. 13. Idylte.Emilia L. L.
d'Almeida.
6. RalT. J. -op. 7o. Fleurette. Emilia Gomes'
Ferreira.
7. Webi-r.op. 10. Rondo a 4 mos Julieta
'arrol e P. Gomes.
8. Saint. Saens.Meiinelto- da Rainha Anna.--
Maria U. C. Lobo.
9. Schilnacher. -op. 24. Tablian. Maria U.
C. Lobo.
i. Bache. F. Edw.op. 26. Rondo. Adidia
Fe? reir.
11* Rummel. JRondo- a la valse a 2 pianos G
mos.Amelia, Julia e Mara Rio
Inteir-Ho de 10 minutos
12.* Verdi. Aida-fant. arranj. a 2 pianos 8 mos
por Fassauotli.Frailis, a e Julia Pinueiro,
Ludovina Lobato e Marta Lobo.
13." Heller. St.op. 16. Folha d'Album. Zul-
mira B P. Silva.
t4. Raumganner Wop 18. ("aprice em F.
ZulmiraB P. Silva.
lo. Massenel. Nuits d'Espagne air de balela
4 mos. Maria Fonseca e P. Gomes
t6.' illeter. A.op. 12, Salonstueke. Julia
Pintieiro.
17." Loredano P.Visione caprice. Julia Pi-
nheiro.
18.- Jadussnhn.'S. op. 26. Air de ballet.Lu-
do* ina Lobato.
19." Chamioude. Cop. 38. Marine. Ludovina
Lobato
20. Ruiiinstein. A. op. 3. Meloda em F.
Francisca Pinheico.
2." (miar.I. B.op. 16. 1* gavotta. Francis-
ca Plnbeiro
22. Loeschhoro.'-op. 31. Altarme d'amoor.
Leopoldina llrino.
23.* Cbabfier. Espana-Rupsodia a 2 panos 4
mos.Ludovina Lobato e A. Schiappe.
24.** Tschaikowsky.-^op. 3. Romance sem pala
vras.Alf. Scnrappe.
2o." Damcke. B. op, 32. Chaconne. Alf.
Schiappe.
26." Nicolai D.D:eLustigen Veiber ven Wmd-
sor, ouvertora a 2 pianos 8 mos.Leopoldi-
na Brillo e Maria Lobo, Thereza e ManaL. F.
Rioeiro.
Terminar s 9 i 2 horas da nnite.
Rio traode do Horte> Ti vemos foihas
do Rio Grande do Norte at 9 do corrente. Eis
o que ellas referera :
Sob o titulo de Inverna escreveu a (lazeta 4o
Natal de 6:
A calamidade passou Sao por demais sa-
tisfactorios, as noticias que todos os dias chegain
a esta capital sobre copiosashuvas que vo ca-
hindo em todo o agreste e serto de nossa pro-
vincia a contar do dia 21 de Marco ate hoje.
Considera-se o invern seguro, calculndo-
se com bons fundamentos que ser superior ao
do anno passado.
Agora mesmo, ao tracarmos, alegremente,
estas linhas, recebemos do interior urna carta
de 30 de Margo ultimo em que se nos diz :
i acaben.- I Estamos salvos. Chovas pesa-
das por todo o centro. Ros eheios por toda a
parte. O de Mossoro est de harreira barrei-
ra ; o do Ass desceu al Maca i alagando tudo.
Imaginera o alegro do povo, ameacado de pe-
recer fome!
Agora curapre que os bomens completem a
graga divina, exercendo a caridade, acudindo
depressa s justas reclamagoes dos que pedem
semenles para seus trabamos agrcolas. Lera-
brem-se lodos do seguinte conceilo : feliz
quem o pronto enchugu.
L se no Correio do fatal de 9 :
No trem extraordinario da ferro-via do Na-
tal Nova Cruz, que parti desta cidade para- o
interior a 6 do corre:'e. seguio em viagem de
recreio at a cidade de Canguarentama o Exm.
Sr. D. Jos .Marcelino da Rosa e Silva, digno pre-
sidente da provincia, sendo acora iianhado pelo
Dr. secretario, Dr. Amynthas Barros e caminen
dores Jos Gervasio de Araorim Garca e Joa-
quim Guilde-mo de Souza Caldas.
Naquella cidade foi S. Exc. recebido por dis-
tinctoscavalleiros entre os quaes nchava-se o il-
lustre juiz municipal do termo Dr. Jo3 Alexandre
de Ainorim Garca nosso presado amigo, que com
a gentilesn de seu carcter offereeeu aprasivel
hospedagem illustre comitiva. .
S. Exc. o Sr. Dr. Jos Marcelino, depois de
haver visitado a cad ia.e alguns outros edificios
pblicos rVressou capital aoanoitecer daquel-
le mesmo da.
ajMociedade l.ilH rarii Cionc*,l%es
klas Funccionou hohteaa, eni 6esso erdina
ria, essa corporaco.
Tendo o socio honorario Christovo de H.
Borges Ucha, olTerlado bibhoojeca 53 volu
mes, foi-lhe expedido o diploma de socio nene
mrito.
Recebendo a sociedade a infausta noticia
do fallecimento do Dr. TheopdiloDias, sobrinlu
do iuiiiiortal poeta Antonio Goncalves !>ias, re-
solveu laucar na acta um voto de profundo pe-
m e suspender todos os trabalhos sociaes du-
raote oito das: devendo, portanto, haver ses-
so no dia 2 do correte, s horas do coslume.
S batajlno de infantariuAo ter-
minar botem o exame da escripturago da se-
cretaria e ila renarlico do quartel-raestre, o Sr.
major commaudante ititi-rino do 2 batallio de
uifantaria baixou n seguinte ordem do dia regi
mental:
Commaudo interino do 2 baMho de infarrta-
na, nas Cinco Ponas, em IVrnmnbucu, 11 de
Abril de 1889.- irdem do da 0. SISO. -Or.cluii-
j.i i).j'- same qu- ? i u->
cao da ie.inicio i,, quarteJ secreta
ria desle corpo, teaho a immeasa wiisfaeJo de
lotivur aos di Iteres loO Af-
fonso de Mello, qcirlel me-ilre, e Mauoel S das
tiao da Bocha Lin,-Filho. secretario,eaos seus di-
gnos auxiliares eailele -a geiitj ijuarti-l-nc
PomDilu|Ju''r.'1' deCaBOBOs, I"
deAlbdquerqiieMariins Pereirac l" dito JosMa-
rianuo A. de Moraes, pelo esmerado zelo, recu-
nheeida aptido e invejavel talento com que
desera|M'iiharain as fuucges dos cargos que
exercem.
A e\a. ta observancia no cumprimento de de
\eivs e a briosa altivez de carcter, que sao o
apanagio de cao Ilustres companbeirosf fazem
comqne meorgalhe de commaodal-os, e mere
cera que os cerque de lodas as attenges, dis-
tinguindo-os com a minha illimitada confianga.
Os honrosos precedentes. que tm, o valor de-
spus mritos e o acrisolado amor disciplina e
subordnacao, podem e devem servir de estimu-
lo e exemplo aos que se deaicatn a nobre e la-
boriosa carreira das armas.
Sendo esse o raeu juizo, cumpro apenas uro
dever tornando-o-fiublico, no que obedaco aos
impulsos de mioaaconseencia e aos-dtetames
da iustiga.
(Assignadof.Jto Aagusto da Serra Mar-
tin*, majopconraaaaante iaierino. ,
Espa na ilias M mil rara dizer de S.
Lourengod*4fcitta.iue, cerca de/8ioraa-danou-
te de 6 do corren, em (erras do enfrena Utin-
ga d'aquelMi'Wiino.-Jas Oii9todi0ilet.il ooutros^
espancaramreritai a Frasciseo Antonio Mar-
tins, evadin4sBrposorime.
A autoridade policial competente abri inque-
rito a respeito.
Tribunal iioJiirv do BeclfuFunccio-
nou ante-hontein este tribunal com a presenga
de 38 juizes de facto, sob a presidencia do Dr.
Joaquini da Costa Ribeiro, juiz de diretodo l."
districto.
Foram subfrretridds a-jurgiunantn os reos Igna-
cio Paes Je Sonza Gima Kilho. Salvador 6ncal.
ves Braga, J-sumn de A/.evedo Costa, Braziliano
Cavalcanie ile Alhnqtierqne Junirr. e Francisco
Antonio da Silva, proiiunaados or lespacho do
l)r. juiz de direito do 2.- districto, o primeiro no
art. 269 do.Cdigo <"riinar,ejas demais no mes-
mo arl 269'combinado com ^s arta 6>fc 1." e 33
do dito Cdigo e aecusados, aquelle, de haver
penetrado com 'outros individuos, na note de 7
de Juluo do anno passado. no Vstabelecimcnto
cmnmercial.de Antonio Jos Maia C. sito a
ra do Bvht) da Victoria os. 34e3&. d'onaV row
baram 69 dnzias e 10 chapeos Je maesa, UOdii
pal ha do Clrile, 24 bonets e 2 revolverse tudo. na
iirjioi-tancia de 2:884 100, e estes, de baverera
pariilliado do producto do roulio recebendo ene-
gociando os chapees quo saban) ou linnain mo
ti vos para sauer que haviam sido obtidos por
meios criminosos era rasan da qualidadedas pes-
sas de quera os receberam.
OjUry.de sentenca compoz-se- dos segnnte3'
juizes de facto:
Antonio Alves Vilelh,
Jeronymo Jocundo da Silveira Mendonga,
Fredenco Hi-nrique da Silveira Tavora.
r-, Manoel Martina Finza Jnior.
Franei'co Antonio d'Oliveira e Silva.
M.reos Prancis-o de Paula Reis.
Vicente Teixeira -Coimbra.
Pedro Luiz d'Oliveira.
Auwoio Soares da Rocha e Silva.
Bernardo Ferreira Loureiro.
Jorge do Reg Biptist.!.
Salvador Ayres d'Almeida Fretas.
Deferido ao jury de sentenca o juramento le-
al e in'crni-.'ados oa reos disse Souza Gama Fi
lio, que era natural desta provincia, de 18 asnos
de idade, solteiro e artista ;
Que atiribiia a acrussig.;'w a iuimisade de Ame
rico Vespucio comsieo esua ftnnilia, nada leadoj
a allegar contra as testemunhas que juraram no
processo
Responden o reo Jesarino Cosa que era natu-
ral dota provincia. de-32annos deidade, casado
c coiniiicrrniiitc: l
Que iieuhuma parte tomou no roubo de cha-
peos que soffrerara os negociante Maia C. e
que o i'ah cunten .o chapeos que-se diz ter a
polica apiireliendido^no lhe p-rtencia.
O reo Brasiliano dsso que era natural da Pa-
rahyba, de 21 anuos de dade, solteiro e nego-
ciante ;
Que nao receben objecf js do roubo e nenhuma
transacio fez relativa a laes objectos.
O reo Silva respondeu que era natural de Por-
tugal, de 38 annos de idade, solteiro e artista ;
Que era completamente- extranho ao facto cri-
minoso de que se trata, nao tendo comprado mer-
cado'ias roubadas ;
Finalmente disse o reo Salvador, natural de
Portugal, de 30 annos de idade, casado e com-
merciante, que o seu advogado dedatiria & sua
defeza expondo as provas de sua innocencia.
Concluidos os interrogatorios fez o escario do
Tribunal, capitao Florencio Bodrigues de Miran-
da Franco, a leitora do processo da formago da
culpa, terminando s 3 horas da tardo.
Km -eguida pedio a palavrao Dr. Alfonso Olio -
lase Bibeiro de Souza, 2o promotor publico da
comarca aue produzo a aecusaco.
Leudo ae novo o libello, expozas provas ecir-
cumstancias que sustentavam a responsabilidade
criminal dos aecusados e pedio a condemnago
do reo Gama Filho nas penas do grao mximo
do art. 269 do cdigo criminal por terera concur-
rido as aggravantes dos 1" e 17 do art. 46. e
a dos outros reos nas penas do mesmo artigo
combinado com os arligos 6J e 3o do dito
cdigo.
Finda a aecusago as 4 1/2 horas da tarde foi
suspensa a sesso e reaberta raeia hora depois.
Occuparam successivamente a tribuna da de-
feza o Dr. Joao Francisco Teixeira, advogado do
reo Goncalves Braga e curador do reo Gama Fi-
lho. das o horas da tarde s 8 da noite; o Dr.
Luiz Emigdio Rodrigues Vianna, patrono do reo
Brasiliano, at 8 1/2; o Dr. Vicente Ferrer de
Barros Wanderey raujo, defensor do roo Silva,
at 9 horas; e'riuauneiite o Dr. Jos Mara de
Albuquerque Mello, por parte do reo Costa,
das 9 s IJ 1/2 horas da. noite.
Nao nos possivel resumir todos os argumen-
tos dos advogados que negaram a existencia do
delicio, allegando ter sido o roubo simulado.
Subi de novo tribuna o Dr. promotor que
replicando bateu os argumentos ua defeza e in-
sisti pela condemnago dos reos nas penas pe-
didas no libello.
Finda a replica as duas horas da madrugada
voltou de novo a tribuna da defeza o Dr. Tei-
xeira e ti-eplicou os argumentos contrarios.
Terminados os debates e declarndolo jury que
estava esclarecido para julgar a causa o Dr. juiz
de direito resumi os argumentos da aecusago
e aVfeza e p"opoz as qtiestes de factos eguintes :
Quanto ao reo Souza Gama Filho :
r. 0 reo em 7 de Julho de 1888 n'esta cidade,
tirasse para si contra a vontade dos dorios 24
boneta de seda, dous revol vers, 69 duzias de cha-
peos de raassa e mais 10 chapeos da mesma qua
iidade e 200 de palha do Chile, objectos estes
periencentes ao eslabelecimento commercial de
Antonio Jos Maia & C. ?
i: O reo para tirar ditos objectos empregou
ns violencias de que trata a vtstoria constante de
fls. 7 e8 dos-autos ?
3. O criine foi commettido a noite ?
4*. O.rej commetteu o crime ajustando-se para
cs*e fim cora oulrem 1
5". Existi-m clrcumslancias atlenuantes em fa
vor do reo ?
Quanto ao reo Braziliano:
1. O reo recebeu parte do total de 838 cha
peal de massa e 200 de palha do Chile perten-
eentes a Antonio Jos Maia t C. sabendo que ti-
nliam sido tirados do eslabelecimento c ou.mer-
cial dos donos contra a vontade desles em 7 de
Julho de 1888, nesta cidade ?
2". Os referidos chapeos haviam sido tirados
do dito eslabelecimento mediante o emprego de
violencias de que trata a vistoria oonstante de
fls. 7 e 8 dos autos?
3'. Existem circumstancias attonuantes em fa-
vor Jilo reo ?
Iguaesa estes ltimos, foram propostos outros
quesitos relativos aos reos Silva, Costa e Salva-
dor.
I horas e 10 minutes recolheu-se o conse-
lho a sala das conferencias vollando sala pu-
bica as .'i e meia da manila, e tendo respondido,
nao. as piimeiras qoeatfica das aareraad serien,
declarando prejudiedas as demais quesloes. O
juiz de direiro publicou sua seiitenca ab-olven-
do os reos e coiidemnanilo umuuici| aliilade nas
cu-las a appellou para 0 Tribunal da Relaco
nos termos do art. 79'la le de 3 de Dezeinbro
de 4841, da ddalo relativa ao reo Salvador Gon-
galves Braga.
Tenniuou o irjlgaiuento as 6 horas da manh.
Foi encerrada a sesso.
lptpr*nia Reeei>einos 'i corte
Primeiro f:..ciculo de om folheto Aacsf*. C-
vica pelo Dr Mello Moraes Filho.
E' utn irabalho de propaganda republicana,
como diz o autor, feito em follietins da Tribuna
Liberal.
Fascculo de Margo lindo da Itensti ao uaser-
nitmio da corte, com e.-te stiuiinario:
Ongeiu dos meteoritos.Esbogo da enmato-
lo Brazil.
A propos du Livre nouveau de M. Hirn, inti-
tul: Coustiiution del'Espac- tve-le.
sideracOes inecanicas de um exame de meteori-
tos.Aspecto do ceo durante omez de Abril de
1889.
i Revista cliifilfclofica doniez d Fevereiro de
1889.
Diario meteorolgico do raez de Fevereiro de
1889.-Resumo das observagOes meteorolgicas
feitas no Imperial Observalonono mez de Feve-
reiro de 1889. Jomal meteorolgico do mez de
Fevereiro de 1889 em-Santa-Cruz. -Resumo das
observagOes meteorolgicas feitas no mez de Ja-
neiro de 1889 era Santa Cruz.
Pruria sogaada-feira, 15 do corrente, pelas 6 horas da
raaiih, saldr da matriz do Corpo Santo o San-
tissimo Sacramento em solemne procisso aos
enfermos.
<.'nmara**Ecreveram-nos em 31 de Marco
prximo lindo :
O Club Litterario Caruarnense. em sesso
extraordinaria de 17 do fluente, peranie numero
legal de socios e de accordo com os seus esta-
Wtos, procedena eleigflo/para a nova directora
que deve funecionar no corrente anno lectivo,
resultando tereui sido ele-.tos:
Presidente o Sr. deputado provincial com-
memlador Manoel Rodrigues Porto.
Vice-presidenteSydronio Pi da Silveira
Vidal.
Thesoureiro Capitao Claudino Augusto de
LugO:-.
OradorDr. juiz municipal Luiz Zacaras
de Lima.
1Q secretarioCapitao Vicente Ferrer de Al-
buquerqne.
2- dito Professor publico Jos Francisco
Florencio de Souza
Vice-secretarios-Pedro Antonio de Souza
Trro e Jos Antonio de Mello e Silva.
Foi designado o dia 2o do mesmo mez para
a posse da nova directora, visto ser esse uia a
do aofliversari da sua iustallago.
- No'dia 25, em sesso solemne, achauJo-se
elegantem-nte decorado o salo do mesmo club
e presente grande numero de socios, convida-
dos e senhoras da mais alia sociedade carua-
ruense, leve lugar a posse da nova direc'oria,
sendo lido pelo ex presidente, Dr. Estevo de
Lacerda. o seu relatorio do estado ecou&mico
d'esta asuiciaeo.
Em seguida usaram da palavra o professor
Jos Francisco Florencio ue Souza, orador da
directora transada, e Dr. Luiz Zacaras de
Lima, orador da nova directora, tocando em to-
dos oe actos urna bunda de msica marcial, e,
terminada a sesso, leve lugar no salo do mes-
rao cluli. um animadissimo sarao daigante, ao
qual concorreu grande numero de familias da
nossa nielhor sociedade, terminando o mesmo
sarao s o horas da manh do dia seguinte.
Esmola fuienia -0 uiend igo Jos G unes
do Nasriment lembrou-se hon tem de ir igre-
ja de Nossa Senhora da Peuha, participar das
esraol s que os Hevms. capuchinlios costumam
distribuir s sexias-feiras.
Receida a e retirara se Js Gomes muito satsfeito, quando
a chegar no 'argj da igreja. una mulher de
nome Maria, ponhecida por Maria douda, eres-
eendo, sera duvida, os olhos- na parca esmola,
procura ariebatal-a o que fcilmente consegue,
pela (listracgao em que se aci.ava Jos Gomes.
Veudo-sc Jo^- Gomes roubado exprobra o pro-
rrtlimentod e Maria douda ; esta, porm, nao sa-
lisfeita com a ma acgo que bavia platicado,
apanda urna pedra e aura-a comanla lonja so-
bre Josi* Gomes, que alfangando os -Libios supe-
rior e inferior os offendeu gravemente.
Jos Gomes foi transportado ao hospital Pe-
dro IJL, quanto iffensora, deu s de tilla Diogo.
Ser ico militar Este designados boje
para superiorato da o Sr. major Alves.e de ronda
menor um subalterno de cavallaria.
(T.0 batallio dar a guarnigo da cidade.
A gu..rda de Palacio coinmaiidada boje pelo
alferes 'arlos Augusto de.Almeida Soares.
A da Thesouraria eoinraandada hoje pelo al-
feres Antonio Joaquim olho dos Santos.
Na enfermara militar existem 47 pragas em
tratatnento.
O presidente datproviacia concedeu permisso
para apresentar substituto ao soldado d 2." ba-
talho Luiz Jos Correia de S.
Segundo coininunicago da repartigo do aju-
dante general em ollicio sob n. 2 226 de 2 do cor-
rente, o conseibo supremo militar de justiga con
firmou a sentenga do conselho de guerra, que
absolveu o alferes do 14. batallio de infantaria
Antonio Joaquim Colho dos Santos, que se aeha*
va nesta cidade,.
Funccionou hontem no quartel general o con-
selho de investigago a que esto sujeitos oe Srs.
cadetes Medeiros Sobrinbo, Erasmo Cesar, e Bar-
tholomeu Wanderley, sob a presidencia do Sr.
capitao Jos Roma de Abro Lima.
Nos requerimentos dos soldadosde 14. tata-
1ho de infantaria Antonio Franceiinrilos Sanios
Alexandre Jos dos Santos, deu o Exm. Sr. co-
ronel commaudante das armas os despachos se-
rrantes : ao primeiro, indeferido em vista das
disposigOes em vigor, e ao segundo como pede
devendo ser incluido na primeira vaga.
Directora dan obran de conserva-
r don Portn de PernambucoReci-
f. 11 de Abril de 1889.
Roletim meteorolgico
Horas III
2om
.a
H
(ib. 26 -2
9 29-4
12 30-1
3 t. 29-C
6 28-4
Barmetro a
0"
739-69
760*99
760-98
759-68
759-83
Tenso
do vapor
18,57
19.77
19.47
19 13
18.93
9
cS
-a
s
9
K-
71
63
62
a
66
Temperatura mxima30,50.
Dita mnima 26,25.
Evaporagao em 24 horasao sol: 9*,.0 som-
bra: 3.1.
Chuvanulla.
Direcco do vento : variavel de SE a Endu-
rante todo o dia.
Velocidade media do vento: 2^,71 por se-
cundo-
XebaJosidade media: 0,28.
Bolelim do porto
3 A-a i Dia Horas Altura
1- 43 da tarde 8 8 o i 7 da manh
P. M. B. M. P. M. 11 de Abril 12 de Abril 2-10 0-,63 i-.iO
Kiuni., MOi-iail llavera domingo a se-
ganie:
Do Monte-Pio Typographico Pernambucano. s
10 horas da manha. na sede social ra do Co-
ronel Suassuna n. 41,2 andar, em sessSo de as-
sembla geral extraordinaria.
lieiioenEffectuar-se nao os segutntes :
Hoje :
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Vicario n. 9, de movis e um carro de quatrO
rodas.
Pelo agente Tinto, s 11 horas, ra Mar--
quez de Olinda n. 33, de urna armago, dous
bale,'-, movis e mais nm carro de quatro
roda-.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra Mar-
que/, de alinda n. 44, de movis de diversas qua-
lldadi
Pelo agente Alfredo Guimariic?. s h |,oras 4
ra do Bom Jess n. 49, de urna casa.
- Seguoda-feira :
Pelo agente tiusmao, s 0 1/2 horas, ra
do Imperador n. 23, de movis, espelhos, pian*
e crystoes.
aajMHtai fu areHreSero celebradas :
Hoje :
A"s 7 12 horas, na matriz da Boa-Vista, peta
alma de Miguel A. Petrocelle.
Segunda-feira :
A' Bhora*. oa uiatri'de Santo Antonio pal*
anua de Prancisio (omes de Araujo : oa ornent
3 le S. Francisco pela alma de D^ Francisca
Lui.'.a de Mello : s 7 i/2 horas, na matriz do
Boa-Vista, pela alma de Antonio da SilvaiRa->
tnos Neves s 7 1/2 horas, ua matriz de Sa
to Antonio, pela alraa'de Bento de
maraes Jnior; s 7 1/2 horas.
Ma Ir de Dana, pela alma de Maaotl
Ayres.
Pa**8<'ir
francea Ville
Cons
diado 1
. \


v.
Cnegados do sul no vapor
] do Nascimenlo Ma^
Chora, 2 tubos e 2 criados-


Diario da Jferaambacon^Sbbftdoo 13 de A bril -. de 18SQ
-
o modo nao terias salvo aquelle rapa-
m*+ A^fo C st. Sa. sho desenterrado por ti .oto. o tea es-

>
<
deste cstabeleci-
14
9
6
615
enfermarlas
Sahidos para o Europa no mesmo vapor :
Fernandas de Azevcdo e sua sentara.
Sebastio .Mestrinho, SUvino .Pinto Guimates,
loao Carlos Guiterres, sua seniora e 4 ftlhos,
Dr. Jos de Barros e 1 criado, e danos! F. Mer-
cs.
Chegado* 4o norte no v por nacional Um:
Capitulin > Loureiro, sua sonhoia, 4 lilhos e 1
criado, Ovidio Pereira, Ismael C. Duarte Ribei-
ro e sua se ahora e Constantino Pereira Magu-
ite) e suasenh >ra.
Can* i* BetfiwM-Morinento dos pro-
sos da &sa de Detenco do dia 11 de Abril de
1889.
Exis'iam 494; entraram4; salram 7 : exis-
tem 491
A saber:
Nacionaes 459 ; raulheres 17 ; enrangeiros 22.
-Toul 491
A iracondos 424
Boris 403.
Doentes 19.
Leucos 2. -Total 423.
Movimento da enfermara
Tiveram haixa:
Odilon Jos de Santa Anna.
Vicente Gouies da Costa.
Jos Fran risco dos Santos.
Falleceu :
Jos Francisco de Mello.
Foram visitados os presos
ment por 159 pessoas, sendo 46 homens e 113
mull
HiHipital Pedro II O movimento desle
esUbelecimento de daridade, no dia 11 de Abril
foio seguinte :
Entraram
Sahna
Falleceram
Esisleui
Foram visitadas as respectivas
petos Drs.:
Hoscoso as 8 1(4, Cysneiro as 12, Barros Sobri-
nho as 6, llerardo as 10, alaquias as 8 1|4, Es-
tevo Cavalcante as 9, Stmoes Baruosa s 91[2
horas.
O Dr. Pontual nao comparecen.
O cirurgio dentista Numa Porapilio as 8 i\\
horas.
O pharmaceutico eatrou id 81 2 da manha e
sanio as 4 da tarde.
0 ajuduute rio pharmaceutico entrou as 7 1|4
da manha e sanio as 4 horas da tarde.
Loivria do tiram-rnr-A 4 parte da
27* lotera, dessa provincia, cujo premio grande t
60:001)000, era extrahida, no da 16 do cor-
rele.
Cemiterio PublicoObituario do dia 11
de Abril de 188!) :
Estevao da Casta Dias, Pernamb ico, 20 ahnos,
solteiro, Bi Vista; pneumona.
Antonio Jos da Costa Guimaraes, Pernambuco,
33|annos, solteiro, Afolados; hepalite.
ntonio Alexan Ir Teixeira da Souza, Cear,
St annos, casa lo, Recife ; comocao cerebral.
Paulo Siuiiili. Hollanda, 47 anuos, solteiro. Boa
Vista; gaslro iulerite.
Joao Francisco da Silva. Rio Grande do Norte,
78 annos, solteiro. Bi-Vista; brotichite.
Tliom izia da CDSta, frica, 70 annos, viuva,
Ba-Visla ; pneumona.
Auna Mina da oticeicao, Parah;ha, 23 annos.
solteira, Boa Vista ; entente.
Jos Francisco de Mello, Ceara, 34 annos, ca-
sa 'o, Santo Antonio : beriberi.
^Francisco de Assis, Pernambuco, 2' annos, sol-
teiro. Santo Antonio; heraorthagia.
Tiiereza de Jess Santos, Perna ubuoo, ":', an-
nos, solteira. S.Jos; hemorrhagia cerebral.
Padre Sesostres Ab Ion Freir deCarvalho, Pa-
rahjba, 50 annos. Graca ; encephalite.
Manoel, Pernambuco. 2 dias, Afogados: t-
tano.
Um feto. Pernambuco. Graya.
Esteplumia. Pernambuco, 13 annos. solteira,
Boa-Vista ; tubereulos pulmonares.
pinhaco e deixar-se levar por ti ao claus-
tro do hospital.
.........e e
i Tambem lem orgulko e sem es-
perar um agradecimento, assim fieste por
doze annos. Ti ve a honra de conhecer-te
em S. jBurnardo. Respeitosamente como
convinha, tirei o meu chapeo diantc de ti.
Ahi brinca vas entao com os companheiros,
como os tigres jogam entre si. Quiz fazer
comtigo mais estreita relaclo, mas tu res-
mungaste, porque nao me conhecias. Mas
eu conhecia a tua fama, o teu nome e a
tua bell* reputac3o. Se tivesse sido infeliz
n3o terias rosnado comigo.
Hoje o teu corpo embalsamado est
no Museu de Berne. Fez bem a cidade
que te acolheu e te manteve at o ti.n,
quanco ficoste velho e incapaz de servir a
humanidade.
Quem v em Berne o teu corpo em-
balsamado, tira o chapeo e compra o teu
retrato e o suspende n'um retabulo, de-
baixo d'um vidro, s paredes do seu quar-
to, e compra tambem o retrato do rapa-
sinho sobre o teu espinhaco quando esla-
vas com elle porta do convento e toca-
vas a sineta, e o mostra aos meninos, aos
discpulos e diz: Vai e faze como fez
este bom Samaritano, e precipita da ja-
nclla os retratos de Robespierre, de Marat,
de Hannibal. de Mellino e de outros ban-
didos, afim de que a joven generosidade
aprenda com os c-es aquillo que nao apren-
deu com os liomens.
Se resulta, entretanto, dos factos que o
autor do crime foi hypnotieado involunta-
riamente, evidentemente neste caso elle
fim instrumento involuntario doihypno-
tiaador, e nao tem nenhuma responsabtdu-
de moral, a qual recabe todasobre aquello
que lhe suggerio a idea criminosa. Se,
pois, fosaem necessarias experiencias para
tins judiciarios ou scieutificos, a lei deve-
ria cercal-as de toda a precaucao possivel,
e em todo o caso obstar que se suggerisse
a idea de nm delicio.
Quem mais de.ejar saber, lela o odier-
no volume de um reputado cultor desta
materia.
Achara na Solution du probhma de la
suggastion hypnotirue de Amadeo Limeni-
no o necessarlo para dar-lhe urna comple-
ta noy3o dese iuteressane phenomeno.
Meneies de Aeaujo,appeUadoLodoico de Mello
CHRONICA JDIC1AR1A
*
* *
\< campo
Aqui o ether puro se ad:laQa ..
Nao sobe esta blasphemia de fumaba
Das cidades p'ra o co,
E trra como o insecto friorento
Dentro da flor azul do firmamento,
Cujo calis pendeu ..
Castbo Al ve*
Eis-me em teu seio agreste, oh casta natureza I
Aqui sinto banhar-me a luz da liberdade
E, tange do' bulicio elemo da cidade,
Entfo fo-me feliz na paz desta tristeza.
Como bollo este co?... Meu Deus quanta pureza
N'estes ares genlis da amena soledade!.
Tudo sublime encanto, aromas, flicidade,
Desde a nuvem dourada as flores da deveza !
Oh nlnho meu querido oh placida ventura
Doce enlevo que a mente estremeca outr'ora
E um Unitivo dava aos transes da amargura !
Mas ai! tudo mudou Proscripto vivo agora
La onde das paixes se accende a febre impura
E do tedio o furor sdenlo rae devora !
Tribunal da Relami
SESSO ORDINARIA EM 12 DE ABRIL
Dti 1889
PKESIDEXCIA DO EXM. 8R. CO8KLHEIRO
QINTISO DE M1HANDA
Secretario, Dr. Virgilio oelho
A's horas do eos turne presentes os Srs. dcs-
embargadores em numero legal foi aberta a
ses-ao depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
Ll rn pouco de tudo
Anbal, segundo o poeta Innoccncio Fru-
gonj, subia o Moncenisio armado de ferro
como Ruggero e Sacripante ras grandes
jornadas, e quando chegou ao cume levan-
tou
ferocemente la viniera bruna.
Se algum dos seus sequases lhe tivesse
dito que viria um dia em que o homem
nao tena jamis neeossidade de subir e des-
cer as montanhas, que aquella montanha
de que cstavam agora no cume seria per-
furada ao nivel da planicie para dar pas-
sagem a grandes carros, nao puchados por
cava!los ou outros animaos, mas cujas ro-
das girariam com rapidez vertiginosa
forca d'agua fervendo ; o grande capitao
teria responpido provavelmente como em
certos improvisos de bom humor Garibaldi
responda algumas vezes a Fr. Pantaleao.
As montanhas sao agora perfuradas, e
a obra generosa dos caes de S. Bernardo
e ds outros caes alpinos est para nao ser
mais necessaria.
Mas a historia recordar sempre aquel-
le* mongos sublimes que passivam asper-
rima vida entre os gelos so com a compa-
nha daquelles cSes que adestravam a pro-
cura* o homcm derrabado pelo furaeSo,
prximo a morrer, a suspendel-o, a aju-
dal-o, e achar modo de salval-o.
Aquelles homens generosos, ardentes
no sentimento do bem, grandes pelo con-
tinuo sacrificio e pela incomparavel sim-
^eidade com que exerciam incessante-
mente os milagros mais excelsos de amor
pelo prximo, permanecerab na memoria
dos homens venerados e aben';oados.
Um naturalista, Scheitlin, disse aBarry,
o maior dos caes de S. Bernardo, pala-
vras que mrecem ser referidas, ao me-
nos para d ioMMNr que os naturalistas
nSo s.lo sempre t3o crueis qnanto pare-
eem, EH-as
O melhoi- cao que se conhece nio
o que aciirdava o guarda da Acropoli de
Corintho. nem o que, como diz Bezerillo,
!acrt>& centenares de americanos ns,
ara 0 cao do carn:eeiro que o acompa-
nhou aisustado atravez da grand-; selva
o'v-c'ira, neic oc. do Druydens. que ao
bigaal do tu dono cahio e salteadores, estiangulou alguns e salvou
vida do dono; nem anda o que annim-
eM que o filho do moleiro t'nha cahido
nag-.ia: i:c:i o cao de Apolonia que preci-
pitou-ke n<> rio do alto da ponte e arrebatou
da morte urna menina que se afogava: nem
o de d"Alibi oy, que aggredio furioso o as-
aassino do dono, c o fez em pedaeos na pre-
vena do rei; nem o do Benvenuto Celli-
ni, que despertou o ourives qnando que
riam rjnbar niaa jotas. O melhor cao <
JCLOAHENTOS
Recursos eleiioraes
De Souza -R> correte Joo da Silva Almeida,
recorrido ojui?o. Relator o Sr. desembargador
Buarque Lima. Mandou se a urna diligencia,
contra os votos dos Srs. desembargadores Ol
veira Andrade, Toscano Barreta e Buarqne Lima
De Souza Recurrente lunocertcio de Suuza
Bandeira. recorrido o juizo. Relator oSr. des-
embargador Dellino Cavalcanle.dem, idem.
De Souza Racorre.le Francisco Jos Nonato,
recorrido o juizo. Relator o Sr. desembarga
dor Dellino Cavalcante Ideo, idem.
De SouzaRecurrente Maioel de Souza Xa-
zatvth, recorrido o jizo. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Ferreira.-dem, dem.
De Souza -Recorrente Prxedes de Souza Na-
zareth recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Monteiro de Andrade.Mem, idem.
De Souza -Recorrente Jos da Silva Nazareth,
recorrido o jaizo. Relator o Sr. desembargador
Pires Goncalves. dem, idem.
De SouzaRecorrente Manoel Al"es da N'o
brega Jnior, recorrido o juizo Relator o -r.
desembargador ;Sllva Rogo. dem, i'lem.
De Porto Calvo Recorrente Pedro Nolasco
Buarque de Gusmo, recorrido Primo Jos Mar-
celino. Relator o Sr. desembargador Alves Ri-
beiro. leu-se piovimento, unnimemente.
De Porto Calvo Reeorreote Augusto Caval-
cante de Albuquerque Lins, recorrido o juizo.
Relator o Sr. desembargador Olivera Andrade.
Negou-se provimento, unnimemente.
Aggravo de peticao
Do Recife-Aggravantes Deliniro Augusto da
Cruz Gouveia e outros, aggravaJo Jos Lopes da
Cisla. Relator o Sr. desembargador Silva
Reg. Adjuntos os Srs. desembargadores Pi-
res Ferreira e Tavares de Vascoocellos. Ne-
gou-se provimento contra o vol do relator.
Rectiti cac.o
Do Recife-Aggravante Joao Goncalves de
Souza Beirao, aggravado o juizo. Relator o Sr.
desembargador Tavares de Vasconcellos. Ad-
juntos os Srs. desembargadores Olivera An-
drade e Silva Reg.Negou-se provimento, un-
nimemente.
Aggravo de instrumento
Da EscadaAgjjravante a companliia Usina
Pinto, aggravado Domingos Theodoro Siqueira.
Relator o Sr. desembargador Buarque Lima-
Adjuntos os Srs. desembargadores Pires Goii-
calve-e Dellino Cavalcante. -Deu-se provimen-
to, unnimemente.
Prorogaco de inventario
Inventariante Thora Bibeiro dos SantosEm
diligencia.
AppellacOes crimes
De AtalaiaAppellatite o juizo, appellao Jo-
s i-rancisco Rosa. Relator o Sr. desembargador
Buarque Lima. Man-lou-se a novj jury, unni-
memente.
De Jaboatao Appellante o promotor publico,
appellado Floriano Josdo Nascinieuio Relator
o Sr. desembargador Alves Ribeiro. Confir-
mou-se a serilenca, contra w volas dos Srs. des-
embargadores Silva Reg, Oliveira Andrade,
Tavares d Vasconcellos e Dellino Cavalcante.
mandndose responsabilisar o escrivo Jo5o
Evangelista de Souza.
De Alag > do MonteiroAppcllante o juizo,
appellado Angelo Alves Feitoza. Relator o Sr.
desembargador Buarque Lima. Mandou-se a
novo jury, unnimemente.
Deliamb Appellante o juizo. apellado Joo
Jjs de Freitas. Relator o Sr. desembargador
Tsscaio Brrelo.-Maodoa-se a novo jury, un-
nimemente.
De OlinJaAppellante Luiz Izidoro de Mace-
do Pereira Braga, appellada a juslica. Relator
o Sr. desembargador Buarque Lima.Mandou-
se a novo jury, unnimemente.
De Campia Grande -Appellante JoSo Jos de
cjrebro, nao podeni darlMacedo appellado Sal vino Marcolino de Olivei-
' ra. Relator o Sr. desembargado!' Dellino Caval-
canteMandou se a novo jury, unnimemente.
Do Recife Appellante Caetano Luiz da Silva,
appellada a justica. Relator o Sr. desembarga-
dor Buarque Lima. Confirmou-sc a sentenca,
unnimemente.
fio RecifeAppellante Antbeogeoes Corma
Maia. appelladas Joanna Maria da Conceicao e
a justica Relato.- o Sr. desembargador Silva
Reg.Conlirmou se a sentenga, unnimemente.
Appellagoes civeis
Do Recife-Appellante a estrada de ferro do
Recife a Caxanga, appellada a corapaolva Ferro
Carril. Relator e Sr. desembargador Pires
Ferreira. Revisores os Srs. desembargadores
Monteiro de Aadrade e Pires Gongalvcs: -Fo-
ram desprezados os embargos, unnimemente.
Do RecifeAppdlantes Abrantcs & C, appel-
lado Antonio Gomes Pereira Jnior. Relator o
Sr. desembargador Pires Goncalves. Revisores
os |Srs. desembargadores Tavares de Vascoa
cellos e Olhrfira Andrade.Conlirrr.ou-se a son-
lenca, unnimemente.
Do RecifeAppellante a fazenda proincil.
appellado o ponente-coronel Francisco Goncal-
ves Torres. Relator o Sr. desembargador Mui-
t iro de Andrade. Revisares os Sr?. desembar-
gadores Alves Bibeiro e Tavares de Vascon-
cellos. Contirmou-se a sentenca, unnime
menle.
Miinoel encalcante de Melle Filho.
Janeiro de 1889.
***
Procuremos exa.uinar o hypnotismo
que tendo lefado alguns espirites debis
para urna especie de mysticismo, acabou
por ter o nome de etpiritiemo.
Todos sabem ser o hypnotismo um som-
no obtido artificialmente, porm, bem di-
verso do somno natural.
De facto este produzido pela retirada
de urna parte consideravel do aanguc do
cerebro, sendo que, durante o somco natu-
ral, os facilidades activas do v'orpo e da
alma estao em descanso, mas nao em es-
tado de anesthesia, tanto j| verdade que o
mnimo contacto nos faz despertar.
Kntretanto o somno hypnotico produ-
zido pela retirada do fluido nervoso dos
sentidos exteriores c daperipheria; e a con-
>tcquencia natural deste facto est na com-
pleta anesthesia dos sentido physicos.
A suggestSo a coramunioaeao de ideas,
suggeridas ao paciente sob forma de or-
den, em quanto elle se acha no estado de
hypinotisacao, e temos excraplos admira-
veis da exactidao cora que um $ujvito exe-
enta urna ordera que lhe tendo sido dada
amitos dias antes, no estado de hypnotisa-
cao, elle devia curaprir precisamente na-
quelle dia.
Como as ideas que se insuflara a um
ser humano hypnotisado nao podem dar
aos sentidos nenhuma impressio, claro
que os ervos capillares da peripheria e
certa mente o Barry, o santo de S. Ber
aardo!
* Sim, Barry, 0 niaior dos caos, e <
matar dos animaos!
Tu foste um grande 'oao-hoinem com
um cometo nuente para os infelizes:
vaste a vida a mais de quarenta homens.
Sahindo do claustro com a canastri-
nha de pSo, doce o forte corieal ao pos-
coco, tu fote a tempestade, com o des-
faier da nev, de dia era dia, a procurar
os intericados, aquclles que a massa de
eve cobria : s os chamaste vida, e se
te a-haste com pouca pQssibilidade, cor-
rete 90 cisal afim 'de que viessera com
!dar~t os frades do mosteiro. Ao
tvnro. tBlate resurgir.
ps. a aj ii
contrario^
dos sentidos externos nao funecionam mais
tendo o fluido cesaado de cirular.
Por consequencia, elles nao produzem
urna senSagao, nao sao susceptiveisde ser
assirailaveis ao
lugar a sonhos ; mas flcain solados, e sa-
hem do cerebro^ n<> teoipo determinado
pelo hypnotisadf.
Durante este intervallo, o mjeito nao pode
nem sonhar e nem pensar na ordem rece-
ida, mas no dia e na hora indicada, com
admiravel precisao, elle o executa, ainda
que possa ser de carcter criminoso, e,
completo o facto, nao fica nelle o menor
vestigio, elle esquece a idea suggerida e
o acto completo.
E isto natural,, aois que todas as fa-
culdades d'alma estavam em estado de re-
pouso no momento am que foi communi-
cada a idea.
Estes factos demonstrara que o hypino-
tico pode vir a ser instrumento criminoso
de urna tcrrivel precisao, tanto mais ter-
rivel, quaato immediaUmeute depois de
completo o acto ell# esquece tudo : o im-
pulso e o somnp hypnotico que a provo-
ooi.
Muit-w assassifloa teem tentado achar
urna jntifici?ao nos seus dehetos. protes-
tando que (i idea lhes foi suggerida: por
fim os delinquentcs acabariam por achar
neste facto urna excusa, os juizes nlo sa-
beriam como julgar, e nao haveria mais
seguranza para ninguem na nossa socieda-
de corrupta.
E j era muit-is Estados, como na Ger-
mania, temendo-se que a snggeatio hypno-
tica possa ser perigosa para a seguranca
dos cidad&os- oram prohibidas as reprc-
senta^oes de hypnotismo.
Mas hoje que se conhece scientifica
mente o estad physiologico do hypnotisa-
do, a causti e os efleitos da suggestSo cri-
minosa, a lei podertl e de ver intervir de
manaira crlicaz.
Est providu que para hyponotisar e
necessario quasi sempre o eonsentimento
do paciente, logo parece que quem se sub-
metteu voluntariamente a suggestao, deve
ser coiuplt Umente responsavel por seua
actos, po.s que elle evideatemente recor-
ren a este ineio para procurar a impuni-
dade ou ao menos una justiflcacao ao seu
delicto, e deve ser iguahne-nte punido o
hypnotisador como cumpliee. Isto sena
it conforme aos principios da vigente le-
Aedo
Mandou-se descer ao juizo a qu
Appellacao enme
Do LimoeiroAppelinte o juizo, appelrados
Beraldo Jos Martins e outio.
DISTIUBCiguES i
Recursos crirae
Ao Sr desembargador Tavares de Vascon-
cellos :
l'e Palmares Recorrente o juizo, recorrido
Flix de Almeida.
Ao Sr. desembargador Oliveira Andrade I
De Areia Recorrente o juizo, recorrido Rufi-
no Jos da Cosa.
Ao Sr. desembargador Silva Reg :
DeAlagado MynteiroRecorrente o juizo,
reccrrido Francisco Jos da Molla.
. Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De Alaga do MonteiroRecorrente o juizo.
recorrido Antonio Francisco de Moraes.
Ao Sr.desembargador Toscano Barrlo :
De Palmares Recorrente o juizo, recorrido
Lucas Jos Evangelista Ferreira.
Ao Sr. desembargador Dclttoo Cavalcante :
De MaceloRecorrente o subdelegado Jacin-
iho Jos de Souza Athayde, recorrido-o'juizo.
Appellacs crimes
Ao Sr. desembargador Delirad Cavalcante :
Da VictoriaAppellante o juizo, appellado
Jos Justino.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De Alagda do M utoiro Anpellante Viccme
Ferreira da Paz, appellada a justica.
o Sr. desembar;:ador Monteiro de Andrade :
DeAlagado MonteiroAppellante Luiz Ale
landre (o*s, appell da a justica. ^
Ao Sr. djssembargador AjVes Ribciro :
De GoyaDiiaAppellante o julao. a|pellad
Raymundo Luiz Pereira.
Ao .vr. .desembargador Tavares de Vascon
cellos:
De GoyannaAppellante o juizo, appellado
Firmino Ignacio Ferreira da Silva.
AoSr. desembargador Oliveira Andrade :
De AtalayaAppellante o juizo, appellado
Manoel (Jraciano e outros.
Ao ibargader Silva Rogo :
De BerfTos -Appellante o promotor publico,
appellado Manoel Quirino Santiago.
Appellagao commercial
Ao Sr. desembargador Pires Goncalves :
Do RecifeAppellante Eugenia Carpinteiro y
Esteces, appellado Antonio Jos Ferreira Mon-
teiro.
Appellaco'es civeis
A o Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Da ParahybaAppellanles Agostinho Louren-
co Porto e outros, appellados"^s herdeiros de
Bernardo Norat.
Ao Sr desembargador Tavares de Vascon
cellos :
Do RecifeAppcllante Jos Soares do Amural,
appellada a viuva de Joaquim Jos de Seixas.
Encerrou-se a sessao a 1 hora e 14 da larde.
COMMUNICADOS
Partido Csnsenador
Ao eleltorado do 1 Io distrieto
No din 22 do corrente mez deve efFec-
tuar-se a cle55o, que se vai proceder,
nesse dnstricto, para preenchimento da
vaga ^erta na cmara temporaria pelo
prematuro infausto falleciraento do Dr.
Bento i "eciliano dos Santos Ramos.
Os abaixo assignados, em nome do par-
tido conservador desta provincia, consulta-
eresses deste, de accordo com o
stre chefe, e confiados na vossa
esmentida disciplina partidaria,
apresentar a candidatura do
iro Dr. Manoel do Nascimento
Machajo Portella.
Tendo julgado indispensaveis a audien"
ca e acquiescencia do illustre candidato, o
que acaba de realisar-se depois de sua che-
gada a esta cidade, de volta da provincia da
Bahia, de cuja administracao solicitoueebte-
vo dispeusa do governo imperial, os abaixo
assignados vem colloear essa candidatura
sob o amparo do vosso decidido empenho
a ajuera e leal coadjuvacSo.
Nao parecendo necessario relembrar ao
patritico eleitorado do 11 districto os al-
tos merecimentos e longos e bons servicos
do conselheiro Dr. Manoel do Nascimento
Machado Portella exhibidos aquelles e
prestados estes no interesse do paiz e,
particularmente, desta provincia e do par
tido conservador, os abaixo assignados,
confiando a candidatura, que agora recom-
mendam, vossa dedca;ao e aos vossos
smITragios, esperam que nao recusareis a
honra de ser esse districto representado
por tilo illustre pernambucano, cujos ta-
lentos e cuja palavra serUo de maior pro-
veito para os interesses de nossa provincia
e para a causa do nosso partido.
Recife 12 de Abril de 1889.
Joaquim Jos de Oliveira Andrade.
Joao Juvencio Ferreira de Aguiar.
Jos Bernardo Galvao Aleo forado.
Felippc de Figueiroa Faria.
Barita de Aracagy.
Alfredo Correia de Oliveira.
Henrique Marques de H. Cavalcante.
1NDICAGES TEIS
ha o caso anlogo
Sobeate,en homem de dtlicado sentir,^ delictos commttidoa em estado de
fazer-te perceber pela tua campaixao, de eiabrftgue;j; deliberadamente contruhida.
gislacao penal, em que
a
Du Sr. dd IP"0 B rret0 ao Sr.
dcsembuH Meante:
crimes
De Penedi/ Appcllante Joo Pereira dos San-
tos Boto, appellado Francisco Victorino de San-
t'Anaa. '
De Pao d'Alhol ppellante o juizo, appellados
Joao Francisco de Lyra e outro.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade
ao Sr. desembargador Pires Goncalves :
Embargos iofringentes
Do Recife Embargantes Zulzer Kauffmann
C. emburgado Jos Joaquim da Tosa Maia.
.joSr. desembargador Alves Ribairo :
Appcllagao crime
Do Recife Appellante o promotor publico
appellados Antonio Marcelino de Souza e outros
Do Sr. desembargador Tavares de Vasioncel
los ao Sr. desemhaTvador Oliveira Andra le
AppeMacOes crimes
De Paulo Alfonso -Appellanle o juizo, ap
pellado Antonio Jos dos Santos.
Do Sr. desembargador Oliveira Andrade ao
Sr. deaerabaigador Silva Reg :
AppellacOes crimes
Do LimoeiroAppellante o juizo, appellados
Jos Paulo de Moma e outro.
Do Catle do Rocha Appellante Honorato
Vieira de Mello, appellada a justica
Embargos infringentes
Do Recife -Embergante Miguel Jos Barboza
Guraaraes, embargado Joaquim Soare3 Neves.
DILIGENCIAS
Com vista s partes :
Appellacao civei
De Gojanoa-Appellante JX Mara da* Dores
Mdicos
[ Cerqucira Leite. tem o seu escripti-
_. rtorua Duque de Caxias n./74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
te em sua residencia ra Barao de.S.
Borja n. 22. Especialidades molestias
deaenhoras e enancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Louteiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. ( astro Jess medico e operador.
Pratica a lavag^m do otero quando e co-
mo aeonselhada. Consultas daa 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jesus (antiga da Cruz) n. 23, 1.'
andar.
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.* andar da casa
ra do Barita da Victoria, n. 61. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
r. Rihro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de axias n. 46, poden-
do ser procurado para chamades na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr Alvares Ouimar3es, cliegado da
corte, dedica-se medicina era geral, e
com especialidade s molestias do cor-
ceo, pubniJes, figado, estomago e intesti-
no!
iReeide praca do te.m < consultoaib na *ua do BorunJesus
(antiga d'Cruz), n. '45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas Telephone
o. 381.
Oicllata
Dr. Ferreira. ebm pratica nos pvinci-
paos hospitaes e clnica de Paris e Lon
dr es, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio c resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20.
drogados
O bacharel Witruvio Pinte Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
a. 71, 1.- andar.
O Dr. H. liltt mudou o seu escripto
torio de advocacia, para a ra do Impera
dor n. 46, 1* andar, sala da frente.
Servarla a vapor
Serrara a vapor e ojioma de atropina
de Francisco dos Santos Blacedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande eetabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualtdades, eerra- madeiras de cont
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por pregos Sem dom-
pefieociaPerHarubuco.
Drogara
Furia Sobrinho & ,'., droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Onda n. 41.
Francisco Manoel da Sa& C, deposi
tarios de todas as especialidades pharma-
cewticas, tintas, drogas, productos chimi
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Onda n. 2$.
rl'BLIpES 4 PEDID'
Ao* UlmM. Un, i nm pectur da Tbewou-
i'iiriade la 'iiil^t e Dr. procurador
floral.
Tenho. como proprietario do predio n. 23 da
ra de S Jorge, provado que o rnesrao predio
nao 6 foreiro inarinhi. mas sim a particular
eia virtude de aecode reivindica^ao proposta c
vencida por Jos Joaquim do Refio Marros contra
a Fazenda Nacional, que se havm apoderado dos
terrenos de Pora de Portas, e que fizium parle
do vinculo de Santo Amaro.
Prove tudo isso com ccrlidao exlrahida dos
autos daquella acao, com escripluras, formal de
parlilha, e outros documentos, que nSo s flze
rara a prova, a que me referi, como anda a de
que taes terrenos perleoceram )iosleriwoliiiBte a
Joaquim Lopes de Almeida, porcesso de Reg
Barros, o qual requereu e obteve que a Fazenda
abrisse mo de taes terrenos, e charaasse por
eoital. que tambem juntei, aos posseiros, para
recolhcrem seus tilulos de marinna e reconhe:
cerera o senhorio de Lopes de Almeida.
No edilal da Fazenda se chama a Jos da Sil-
va Neves, proprierarta daqoelle predio, que
hoje m> perience, o qual, por forca da sentenca,
Srue passou em juk'ado, e por foica do editad
oreiro a Joaquim Lopes, a quem paguei foros, e
depois a Ismael GuimarSes, que comprara o di
reno daquelle.
Entretanto foi penhorado pela Farenda o meu
predio n. 71 na alludida rna. e para pagamento
de foros do predio n. 2 i movendose a execucao
em nome de Silva Neves.
Oppuzme a execucao, viudo com embargos,
e depois de disculil os, opinou o Dr. procurador
fiscal pelo procedimenlo administrativo na liqui-
darlo do meu direito, em face do decreto n-
9.H.
Requer, pois a Thesouraria, provando com
certides extrahidas dos autos, a justica do meu
direito de nao ser devedor a Fazenda, pois que o
predio que foi do execulado Silva Neves, e hoje
me pertence, foreiro o particular em virtue
da aeclo na qual foi vencedor Reg Barros, e o
edital da Fazenda isso reconhecendo abrindo
rao do direito que devia assistir-lhe.
Entretanto o meu reqoeriracnto, que foi feito
h bastante tetnpo nSo teve anda despacho, por-
quanto alguem que me tem m vontade, o est
demorando, e manda-me recados que eu pagarei
quer queira quer nao!
E isso se pretende realisar, pois se vai levar
meu predio a praca para pagamento do que nao
devo.
Rogo, pois, aos Idms. Srs. inspector e procu-
rador fiscal que tomem em considerac/io o qne
acabo de narrar, e dm andamento ao meu re-
querimento. que est documentado, impedindo
assim o caminho que vai levando caprichos mal
entendidos.
Recife, 10 de Abril de 1889.
Francisco de Mello Cavalcante de Alhiiqueripte.
Club Gupim
Teve lugar ante-hontem, 11, a reuniao
annunciada para tratar-so da distribui^o
das medalhas. A sessao foi muito concorri-
da, pois estiverao presentes muitos socios
e auxiliares. Deixaram de comparecer,
com participacao, os socios ns. 43, 58, 79,
17, 721, 523, 2009, 114, 12, 8 e 92: e
os auxiliares ns. 685, 640, 629, 671, 602,
699, 805, 899, 869, 999, 1023 e 822.
Foi lavrado, na acta, um voto de pesar
pelo prematuro passamento dos distinctos
socios ns. 7, 15, 64, e 80 e dos nao me
nos distinctos auxiliares ns. 600,604, 624,
809 e 900. Depois de discutidos e appro-
vados todos os requerimentos e todas as
propostas apresentadas, levantou-se a ses-
sao s 6 horas da tarde.
13 de Abril de 1889.
*W
jwg
UM APERTADO ABRACO
EM
35 s3y&.
X
X
X
)(
X
X
X
)(
fe 13-4-89.
Pelo eu 3 anaiversario
D o seu reconhecido
amigo
Ribeiro da Silva.
)(
)(
)(
)(
)(
X
)(
X
,&m
\ol I ili-.tricio detn provincia
Sou candidato eleicSo geral na vaga
deixada no 11 districto desta provincia
pelo fallecimento do meu presado 3migo,
Dr. Bento (,'eciliano dos Santos Ramos.
A minha apresentacao assenta princi-
palmente na esperanca em que estou, de
que essa a vontade do districto ao qual
confio minha eleigao em nome das ideas
conservadoras, acreditando ainda urna vez
que meus patricios e amigos satvarSo a
eleicSo do dia 22.
Recife, 6 de Abril de 1889.
Apolinario F. de Albuquerque Marankao
----------geees-------
A ttengo
Os abaixo assignados, scientificain a
seus amigos e freguezes, que s em seu
antigo estabelecimedto sita ru do Ba-
rao da Victoria n. 3, (antiga ra Nova)
que receberita sua ordens, para lhes
servir com o costianado e habitual des-
empenho; e nenhum outro estabeleci-
mento tm, quer proprio e quer filial,
alm do cima referido.
Recife, 5 de Abril de 1889.
Jos Fernqndes Lima & C.
Cinco'C hagas
DE
Deas Nosso Senhor
Jesus Chnsto
Contiu e tambem corrente ns. 'f4, 6f e 77
Julgou e relaetou a carta aos adjunt
Exm. Sr. desembargador Domingos Alves |
Ribeiro.
V. Exc. nSo tem o paito lirapc como -i
disse ao deixar o trera s duas seahoras
formosas a quem dava obraeo na oecas<2o
em que eu passava e sem' duvida\para eu
ouvr assim : quero morrer com mea, peUo
limoo como o-meu nobre amigo- Jos-Bat-
fueio-j e eu com prudencia respond as-
sim dizendo: dvido Exm. Sr.
Agora que estou a caminho lhe per^n-
to o seguiste: aquella lavas alviesimae
nao estao manchadas pelo- vicio ? foi- coa a
consciencia pura que proeurou a caduca
okDENA^Xo DO reino, essa carunehoE e
dspresada de portugal e como ta|. inter^
dicta para um paiz novo como o brazil,
que tem o cdigo c immereal e criminal,
ue para o facto sao os competentes^Exin.
que p
Sr.?
Ora quem recto de conscieo',n3o
procede como '-'. Exc. acaba de proceder,
que despreza a luz: para acobertar-se .com
trevas, sim Senhor; ordenar, deligeneios '
na publicaqSo do feito, Iludir o publico
que fica peneandese vai proceder a algum
esclarecimento para os juizes jnlgarem a
finl Rxtl. Sr. (
Ordenar em accordao que se desemtra-
nhe- da carta tud* quanto est escripto de
folhas 7 a 40. nao 6 pertender esclarecer
a justica; querer julgar por 6 folhas
obscuras, para salvar aojuiz e a aleada
estelionataria a rinal com um accordao sem
base par.i o proceguimento d reparAfSo
Exm. Sr.
Os documentos de folhas 6 em diante
constituem o libelo crime at para o tribu-
nal da relaclo, e foi sobre tudo o que V.
Exc. teve em vista salvar ; -porm a justi-
co tem de fazer-se, e eu a annuneiei ea
1884 e 18?5 para o paiz e sahia do'pri-
me iro districto de Pernambuco Exm. Sr.
O que eu entao nao annnnciei, foi, que
sahia de minha casa para todo o paiz a
moralidade ; o que entao nao disse digo-o
agora e j fica dito Exm. Sr.
Essa carta foi a explorar consciencias
de juizes, mas j tcavao duas concertadas
pelo segundo escrivo, para nao me rugi-
remos da aleada commercial por alguma
das malhas da rede sem arraee ; pois quan-
do o uiz nao -conscede aggravo est pre-
zianeiro de oficio perante a le Exm. Sr.
As duas bem arrigimentadas vao seguir
de pois dessa julgada, por que fica o cam-
po dos Onze bem descuberto para eu mar-
cluir com as duas colunas sobre elle e to- '
malo, e com ellas lvalo presioneiro para
o Rio de Janeiro Exm. Sr.
Se o campo ordenar a entrega do mate-
rial, recebo, e os deixo continuar no aper-
feicoamento, e procigo c erabaixo no tfa-
balho; o trabalho ade ser COMPLETO E
perfeipo Exm. Sr.
Por que existe em cartorio a ultima
conquistada ao juiz no dia 8 forca, an-
tes que elle lece o que V. Exc. leu na
carta, porque depois me dava aggravoz-e
nimca me permitirla lugar para carta, co-
nhecedor do meu plano, como agora j
conhece mais o Sr. Dr. Altino; obtida
como foi essa carta, espero para o final a
fim de ser armada com pessas que vao
dessidir de tudo c de forma, atranstornar
a cabeea at aos juizes prevenidos, como
V. Exc. no meu pencar Exm. Sr.
Aguardo pois os acontecimentos empu-
nhando j a bandeira da victoria que
me nlo pode mais ser apprehendida pelas
forcas impotentes da algada commercial e
relacao,"nem do supremo tribunal de jus-
tica e ministerio da mesma Exm. Sr.
desembargador Domingos Alves Ribeiro.

*
Profilguei e apoiei verbalmente o acto
do Exm. Sr. presidente da provincia, com
re!aao prohibicao da exportacao da la-
rinha; da mesma forma proced com as
casas commerciaes, que se viram um pou1-
quinho deiconsidepadas senao aggredidas
e at afron adas ou ultrajodas.
O que e estranhei, mas' nSo tratei nun-
ca de esclarecer foi o procedimento do
Exm. Sr. Baro de Casa Forte na condi-
cao de presidente da directora da Asso-
ciagSo (ommereial Reneficente; man in-
da estranhei, e tambem me callei, a deb-
beracSo que tomou a directora para dous
fins, onde andou, para um com acert,
mas devia ser com limites o deliberado, e
para o outro com a mxima leviandade no
meu modo de pensar andou.
A deliberacao de soccorrer-se da im-
prensa para retirar das casas as afrontas
de que estavam sen^B victimas, era pre-
cisa, mas esses artigos devia* ser de um
a tres, e escriptos por urna commissSo de-
signada pela directora, e esta, depois ana-
lysa-los com nitidez antes de serem remet
tidos redaccao da folha para fazer pu-
blicar.
NSo era caso de usa corporacSo que
goza de titulo de primeira em ordem no
progresso da provincia e paiz, valerse do
miuistro da fazenda. e nem convocar os
associados.
Hovve preeipitacao em demasa, sem
reparar o que podia sobre vir e>n taea cn-
diepes, que podiain tornarse funestas, ou
desconsideracao para toda a classe nao
envolvida, e como de facto afinal a Asso-
cia$ao commercial ficou um pouquinho
desme.ralisada.
Um nico homem me punha em reser-
va e mais v.m artigo, e eu os aguardava;
ueio o hon -m, mas ainda espere pelo ar-
tigo que h e chegou.
O homein o primeiro commerciante
da praca, o Sr. Adolpho Pereira Carneiro,
chefe da casa respeitabilissima de Pereira
Carneiro & C que, com a maior d gnida-
de se defendeu pessoalmente, e tambem da
mesma forma defendeu sua casa; nao es-
perava nutra oousa do homem que estu-
deveom avidez alguns annos no commer-
cio e com quem mantive relaces, u ob-
via estudado na resolu5ao que tomou em
ir pessoalmente entender-se com o Exm.
Sr. presidente da provincia, apenas acom-
panhado de um amigo particular de ara-
bos : conquistou a palma... at em di-
plomacia perante ella.
A praca que tem ainda destes homens,
nSo Be abate, e pelo contrario se exalta''
I


Diario de PernambucoSabbado 13 de Abril de 1889
SP
mas preciso que se apresentem para...
o conselho, que de ve tolher ou ordenar
directora para deliberar em casos idn-
ticos.
Se a directora da Associacao Commer-
cial continuar a permittir publioacoes, se
desmoralisa ao ponto de ser preciso pe-
direm os membros a demissao; e dere dis-
pensar o advogado comprometedor della e
de toda a Associacao, mesmo porque nao
tem quest3es no t8ro, economisem o hono-
rario perqu com 1:000)5000 sefaz alguma
beneficencia, e se ensina um advogado a
saber sl-.
Estou comprometido com os propieta-
rios do Jornal do Recife por causa de
urna defeza pequea que me recusaram
publicar, e fizeram pouco o quanio se po-
da fazer minba pessoa, e com magua
lbe dirgi afinal o autographo das idas e
rindas officina com o mesmo sinete em
carta; nessa carta pedi a pubhcacao den-
tro de tres dias, sob pena de, minia pen-
na valer um jornal, e a minha pessoa urna
candidatura.
Chegou a poca' porque o artigo do
Jornal sabio boje, um me apresento a
combater o artigo da redaccao do Jornal
do Recife e os demais que ella, insensata-
mente fizer, atacando o primeiro estad s
ta e seu gverno, a principiar pelo acto do
Ilustre dignissimo delegado presidente
da provincia, o Exm. Sr. Dr. Innocencio
Marques de Araujo Ges.
Contino s nesta parte trazendo sem-
pre os nmeros e a epigraphe da presente.
Recife, 11 de Abril de 1889.
Antonw Francisco Corga.
Aguas alcalinas miaeraes de lon-
darz em Poalevedra, na Hes-
Outra forma para uso externo segundo a pre-
scripcao do mesmo sabio autor, o Ungento de
Aveleira Mgica do Dr. C C Bristol, valiosissi-
bo quando se deseje a absorpeo cutnea inme-
diata, e em casos de certas enferm dudes ou af-
feccoes locaes externas as qoaes se requer um
emoliente ao mesmo tempo que um resolvente
Especial em casos de almorreimas.
nicos propretarios e fabricantes, Lanman &
Kemp.Ncw-York.
rQ<
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com uspeciali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratrizn 18, Io andar.
Consultas de 8 as 10 da manhS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHOSE N. 226
91
i
Bacharel Antonio Witru-
vio Pinto Bandeira
Pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1 andar
Cirurgio Dentista
DE. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Marvland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra lia rao do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
ESPECIALIDADES
para molestias de estomago, taes como: dispep
sia gastralgia, catharro chronico do estomago,
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, taes como: enfarta-
mento do ligado, ictericia, clculos biliares, diar-
rha chronica, etc., etc.
Molestias das vas urinarias, taes como : dias-
teses-uricas, cathaTo vesical, diabetes sacarina,
albuminuria e gotta.
as anemias, chlorosis, psoriasis, prunigos,
dores artrticas e mutras muitas molestias.
As aguas alcalinas de Mondariz nascem de ro-
chas granticas na temperatura de 180 centgra-
dos, sao claras, iocolores de cheiro parecido um
pouco aos de ovos cosidos, sabor alcalino, pro-
duzindo um ligeiro sabor picante na occasio de
lornar-se. Ellas sao elassifleadas no numero
das alcalinas e bi-carbonatadas de soda.
Estas aguas aclram-se venda no estabeleci-
mento do Sr. Antonio Affonso Simoes, sito ra
Visconde de Goyanha n. 1 (quatrn cantos), em
Ila- Vista. I*
Dr. Joao Paulo
Especialista em partos molestias de se-
nhoras e de criancas, com pratica nos
hospitaes de Paris e de Vienna d'Austra,
consultas de 1 s 3 horas em sua resi-
dencia ra do Barita da Victoria n. 59,
1.- andar. Chamados qualquer hora.
MEDICO HOMEPATA
.V
[l
j)Dr. Ballhazar da Silveira
Especial i dadefebres, molestias
1 das criancas, dos orgSos respirato- \
ros e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pbarmacia do Dr. Sabino,
a ra do Barita da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
FEJtMBT BK;N.A
iulriMlndws no
Hiirmii Dil'Aip & Iran
S. PAULO
Para commissoes endere-
car-seadita casa, que tam-
bem desej ceder a exclusi-
va para toda a provincia de
Pernambuco.
O verdadeiro Fernet Bran-
ca bebida muito san da ve!
e febrfuga.
Oculista
Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de clnica
ophthalmologica dos Drs. Wecker e Panas
em Pars e do professor Hirschberg em
Berlim, tendo regressado de sua excureSo
s provincias do norte, demora-se alguns
mezes nesta capital, no exerccio de sua
especial idade.
Consultorio e residencia ra do Barita
da Victoria n. 23 Io andar. Entrada pela
Gamboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
aos pobres.
Vias urinarias, molestias do tero,
operacSes elctricas
::.. CABIOS I2TTUC0UBT
ESPECIALISTA
com pratica de pahis e lo.ndrbs
Estreitamento da urethra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dr;
hydroceles sem injeceo (cura radical);
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas d\:
mei dia s 3 horas da tarde, no
1 andar da casa n. 51 ra do
Barita da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Residencia ra Scte de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Herm. Petersen & C. gr.
Reichenstr 29/31
IH1MM IH.O
Participara aos seus numerosos amigos que
para facilitar aos compradores de ultramar tem
completado em sua casa um rico sortimento de
amostras de todos os rticos allcmes, oque re-
wmmendara aoi aras amigos que acabam de
Chilar a Europa.
ferdas e ulceras chronicas, com garan
ta de cura rpido ; podras da bexiga,
( tistulas e lieraorrhoidas ; syphilis. go-
,,' norrbas, pelo metbodo das instillacoes;
i molestias da garganta e do peito pelas
' athmospheras medicamentosas. on-
( sullas e operacoes das 12 as 3 horas da*
< tarde.
( RA DO MRQUEZ DE OLINDA N. 34.
2 ANDAR
R-Hid<-n<-ia uu Torre
;!
Aviso aos nossos leltores
Os nossos leitores que visilarem Taris
durante a Exposicao j sabem que pode-
I rao 1er os ltimos nmeros recem-cnega-
; dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Prince & C, 36, r a Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na exposicao
noPavilhao da Repblica de Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de por
graciosamente urna sala com varanda
disposieo dos mesmos senhores.
Para se evitar qualquer confusao, os
nossos amigos que quizerem receber a
sua correspondencia em casa dos Srs.
Amd rnce & '., devem mandar diri-
gil-a ra Lafayette, n. 36, por ser a
sede do servico especialmente organisado
para sso.
COMMERCIO
lie vista do Mercado
Recife, 12 DB ABRIL DK 889.
O movimenlo limiiou-se a transan-Oes no mer-
cado de cambios c no de algodo.
Camino
O English Bank e o Internacional continuaran}
a-saccar a 27 3/4 ot uieio da, quondo recosa-
mm dar acuna de 5 8 d.
Papel particular Coi passado a 27 7 8, sendo
p- corado a esta taxa e no Hm do dia nao heuve
inrfis" papel na praca cima de 27 3,4,
Mercado frouxo.
As ultimas noticia- do llio, com dala de 8d0
torrente, dao 27 5/8 c 27 3/4 bancario.
la falti de panel particular.
TABULLAS AFF1XADAS
Collegio Meira
Este collegio abri suas aulas desde Ja-
neiro prximo lindo.
Ensnam-se nelle todos os preparatorios
que constituem o curso preparatorio as
faculdades do imperio, e o sen pessoal do-
cente o mais habilitado que se pode de
sejar.
Contina a funecionar a aula primaria
que poder receber alumnos da mais ten-
ra idade, pois dirigida por duas flhas do
director, das quaer tuna alunina 3o 5.*
anno da Faculdade de Direito do Recife.
Desde o l.- do oorrente est aberta a
aula de allem3o, em que se ensinar a tra-
duzir e a fallar essa liugua.
O professor respectivo ser O Sr. Sidney
Schiefler.
Os estudantes, que quizerem frequentar
esta aula, pagal-a-ho separadamente da
mensalidade do collegio.
O director do collegio Meira espera o
mximo apoio dos pacs de familia que de-
8cjam o real aprorcitaiuentode seus filhos,
pois que tem senipre tido por programma
dar aos alumnos, que Ihes sao confiados urna
verdadeira instruccao a par de urna boa
educacao moral.
O resultado dos exames feitos no fin do
anno passado >' a prova mais evidente om
favor do eoHegio Meira.
Dos cncoenta u cinco exames feitos pe-
los alumnos deste collegio, inclusive um de
allemo na Bahia, apenas tres foram in-
fructferos.
Recebem-se alumnos internos, meio-pen
sionistas e externos.
Ra do Iinpcnitriz n. >>'}, 2.- andar.
Recife, 18 de Marco de 1*89.
O director,
Aecencio iinervino Meira de Vasconcellos.
Bolsa
dos coa-
T y >- - W '_- =S- -z z^~
i m O Vi t b
* a. o s a "I 3
3 c. 3. 3 n 5" c-c p IB
-r- -5 -. 3 ' * "
' ' T o * * * J
* ' ' 1 *>
* *

v
- x 8
. ; _ ^j ti
** 0 -> o
* -1 f X 3 P'
i

TAQUES OFF1CIAK8 DA JUNTA
RETORES
Hrcife. 12 c Abril de 18&J
Nao liouve.
O presidente,
Candido C. G. Afcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
%lodo
0 mercado continua tirme. Tem havido al-
guuia procura, vulendo o de 1" sorte do aerto
de 6*400 a 6*o0.
A exportacao fcita pela atfandega neste mi-z
at o da 10, attingio a 337.975 I i kilos para o
exterior.
As entradas verilicadas at a data de boje so-
bem a 7.18 suecas, sendo por:
987 Suecas
03
2007
370 .
783
2.261
AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que vayan a
Pars mientras la Exposicin; saben ya que
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de los
Srs. .ftmdc PrJncc y c. sea en
el gabinete de lectura instalado- pj- dichos
corresponsales, en el Pabelln dla Rophli-
ca de Guatemala, en donde el comisario
general de Guatemala lia puesto graciosa-
mente a li disposicin de dichos Srs.
Imde PrJncc y C, una sala con
terrado.
i ara evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citados Svs.
Amde Prinrc y V. debern hacerlo
36 ru Lafayette, en donde estar espe-
cialmente organizado ese servico. (2)
Pao d'Alho
Constando ao abaixo assignado que o Sr.
Antonio Pereira da Luz Barbosa, instancia do
seu genro Joao Francisco da Silva Carneiro, ne-
gociara com elle a parte que tinba no engenbo
Lucal, transmittindo-lbe assim e dominio que
tinha em dito engenho; e como o mesmo Sr.
Antonio Pereira esteja a dever-mea quantia de
430* de renda de urna parte, que possuo no re-
ferido engenbo (como consta de letra do arren-
damcnlo); venho protestar contra dita venda, ou
antes contra esse arruino, fornicado sera duvida
pelo mesmo Sr. Silva Carneiro (seu genio !)
Sroraelteudo em tocio lempo fazer valer o meu
ireito contra essa illegul iruosacco.
Recife, 11 de Abril de 18-9.
Padre Vicenta de Stoura ViuconcMos.
Un habitante do Rio de Ja-
neiro
O que se vai lr, e que recommendamos
attencSo do publico, traz a assignatura
de um dos associados da firma Manoel Joa-
quim Moreira & C, estabelecidos com urna
importante fundico, no Rio de Janeiro, a
ra S. Pedro'ns. 302 a 312.
lllm. Sr. Jos Alvares de Souza Soa-
res Pelotas. Communico-lhe, com a ma-
ior satisfacSo, que o seu xarope Peitoral
de Cambar remedio effieaz contra a
coqueluche, pois tive occasio de empre-
gnl-o em fmulos de minha casa, que se
aehavam atacados daquella terrivel moles-
tia e da qual ficaram, cm poucos das, cu-
rados.
i le V. S. fazer o uso que lhe convier
desta minha communicacao, para gloria e
renome do seu Peitoral de Cambar. >
Americo Salvatori. t
Dr. Nstor Cavalcante
Medico
)FFERECE OS SEUS SEKVICOS EM PALMABE
Dr. Firmo Xavier
Medleo e operador
D consultas das II as 2 horas em seu con-
sultorio a ra da Imperalriz n 30 !* andar e
tem sua residencia na cidade do Cabo, onde po-
de ser procurado das 6 da tarde as 9 da manila.
m--------
Maravilhosos effeitos!
Tendea tosse ou soffreis do peito?...
NSo perca! 8 tempo : tomai o Peitoral
de Cambar, que o nico remedio effieaz
para as molestias do larynge, bronchios e
pulmoes.
Com o uso deste poderoso medicamento
debellam-se as tosses as mais impertinentes
e rebeldes e tambem desupparecem as op-
pressoes, dores do peito e alteracoes da
voz ;eessam as espectoraedes songinolentas
e os escarros de sangue; em pouco tem-
pe, desenvolve-se o appetite, as foryas
perdidas reapparecem, e em urna palavra,
os enfermos sentem urna niudanca muito
notavel, por assim dizer, reanimain-se e
escapara de urna morte certa !
O governo imperial, depois daAPPKOVA-
(X.0 do Peitoral de Cambar pela Exina.
junta central de hygiene publica auctokisoc
o seu consumo em todo o Brazil por de-
creto imperial de 30 de Junho de 1884.
A academia nacional de Pariz e o jury
da exposicao brazileira-allem. de 1881,
ennferram ao auctor de tao grande e pre-
ciosa descoberta as suas HfCOAUiAS DE Ia
CLASSE (de ouro).
Examinai que a marca da fabrica e a
firma do auctor J. Alvares de S. Soa-
res se achem nos rtulos que circulara a
rolha e gargalo de cada fraseo, como ga-
ranta contra as muitas falsificaeoes e imi-
tares que por toda parte apparecem.
Este precioso medicamento vende-se em
casados agentes Francisco Manoel da Sil-
va & O, a ra Mrquez de Oiinda n. 23.
EDITAES
Vi-ferrea de Caruar.
Va-terrea de S. Pruncis:o.
Via-ferrea do Limoeiro
Soir.c:a.
2.681 .
12 36
73*
25.469 Saceos
O Dr. Jos Antonio orreia da Silva,
cavalheirc da Ordera de Christo, com-
mendador da Real Ordem Militar Por-
ttigueza de Nossa da ouceico da Vil-
la Vicosa, juiz de direito de orphaos
da Comarca de Oliuda, por S. M. o
Imperador, a quera Dcus guarde, etc.
Fa50 saber aos que o presente cdital
virem e delle noticia tiverem, que. por
psrte de Joaquira Antonio de Miranda,
me foi dijigida a peticao do theor seguin-
te:
lllm. e Exm. Sr. Dr. uiz de orphaos
do Oiinda.Diz Joaquim Antonio de Mi-
randa, que havendo arrematado perante
V. S. a propriedade Tab, sita na fre-
guezia de Taquara, provincia da Parahy-
ba, e pertencente ao espolio do coronel
Joao de S Cavalcante de Albuquerque,
requer o supplicante, para garanta de seu
direito, que V. Exc, depositado o pro-
ducto do bem que o supplicante arrema-
tou, mande, de accordo com a Ord. livro
4 ttulo 6, passar editaos, chamando todos
aquellos a quem for obrigada aquella
propriedade, para, no prazo que lhes for
marcado, pugnarem pelos seus direitos.
' Nestes termos pede a V. Exc. deferi-
nento E R. Me.Oi.nda, 27 de Feverei-
ro de 1889.Joaquim Antonio de Miran-
da. (Estar sellada.)
Em a qual peticao profer o despacho
do theor seguinte;
Feito o deposito como acaoo ae verificar,
passe-se o edital as condcSes alludidas,
com o prazo de 30 das, ficando assim de-
ferido o presente requerimento, que ser
junto aos autos. Oiinda, 27 de Fevereiro
de 1889.Correia da Silva.
E mais nao continua dito despacho
aqu fielmente copiado, e por forca do mes-
mo despacho, o respectivo escrivo fez
passar o presente edital, pelo qual e seu
theor sao chamados aquelles a quem for
obrigada a mencionada propriedade Tab,
para, no prazo de 30 dias pagarem pelos
seus direitos.
E para que chegue ao conhecimento
de todos, mandei passar o presente, que
ser affixado no lugar do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Oiinda,
aos 28 de Fevereiro de 1889.
Eu Joo Theodomiro da Costa Montei-
ro, escrivo do civel no impedimento do
de orphaos, o escrevi.
Jos Antonio Crrela da Silva.
DECLARARES
Burearas.
Vapores .
mniaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Va-fcrrca de Limoeiro
Somma.
7 ;I8 Saecas
a?
' -* * > M w 1-5- i ??
i ! < 1 .
* -a * 3D 1 35

.; 's.
aa f rY
W ^a
3F u ^ c: L. I
ar a x " *~ " '.
*! -*- -J -.i X 1
14 ^1 ai l -
3 IX ex |
4 i 3
.*
t>*
X $- ** ^1 2 --i 00 pe .
Asiicnr
Os precos pagos ao agricultor, por ib kilos, se-
cundo a Associacao Commerciu! Agrcola, foram
os seguintes:
Broncos..... 3*200 a 3f&00
Someno..... 1*900 a 25100
Masca vado purgado 1*400 a 1500
bruto. 1*100 a 1*200
Ketame..... *800 a 1*000
Colonia Isabel: j_
Branco 4*100
. f 2*8*)
3 1*500
Someno .' 3*900
Mascavado .... 1*600
Usina Pinto:
Hranco l 4W
t* 2*300
Someno .... 3*000
Mascavado 1*301
A cxporlagio, fcita pela alfandepa neste inez al
p da 10, subi a 1.757.134 kilos, sendo 1.096.515
para o exterior e 660.619 para o interior. .
As entradas verificadas at a data de boje so-
ben a 25.479 saceos, sendo por
Bareucas .... 8.200 Saceos
Vapores..... ......
Aniraies.... 1 276
Conros
Coia-se es salgados seceos a 370 ris, ua base
de 12 kilos.
Agnardeuic
Cota-se a 880!X'. por pipa Akool
Cota-se a 163*00 por pipa de UN litros.
el
Cota-se a 50*000 por pipa de i80 litios.
Paula da atfandega
EMANA 8 A 13 l>K AMHI, ob 18S9
Vide o Diario de 1 dr Abril
\avlos carga
Brgue po luguez Adrl-iw. para o l'orto.
Patacho nacional Indaseruii, para Villa Nova.
i
\avIos a descarga
Barca sueca Etba, carv&o. .
Barca nacional Marn Aag-Uau, urque.
Bara norueguense Um! >na. earvo
Barca bespanhola Constancia, carvao.
Lugar inglez Vidunia. bacullto.
Ligar ingli/. Rostan, liacallio.
Lugar americano Elaard A. Sunches, varios as-
neros.
Patacho bespanbol 'oven Puta, xarque.
Patacho ailemSo Anin. xari|ue.
Pjlucho hnllandez Engrila xnrque.
Patacho nacional Mentiru 2 talaos gneros.
Patucho nacional Indui'rinl, varios eneros.
Patache nacional Juren Curir,,. varios ganaros.
ItHportaro
Vapor fraucex Ytik i js\tm, entrado do Rio
de Janeiro e escala, cm 12 do crrenle e con-
signado a AugUtO Lulrilhv iii.niilVsUiii :
Charutos (,caixio a Jjj"juitn Bernardo dos Res
* C.
Haasag aliiiieiiiicja; 50 cnxas a uimaraes
Rocha & (".., JOOrft Auiohiii Inuos 4 C.,W0a
Mcndes Lima v t:
Tapioca 10 sa
Vapor nacional t
norte, na Blasma d i
Pernanibucaiia ; n.
lo cm ra
Pellos de cabra
Sabao 10 cai:;as
. >dia & C.
..do dos portns do
ignado a Com'paubja
r;vporacao
HBCU'B. 11 OR ABRIL DB 1889
Para o exterior
No va|K)r francez Ville de Mareta, cari-ega-
4-uiii:
Para. Paris, Julio & Irmo 1 caixa com 10 kilos
de ervas lucdiciuaes.
No vapor americano Vinaace, carregaram :
P-ra New-York, Abe. Mein C. 37,510 pellos
de cabro ; The Keen Sutterle 4 C. 34,800 pelles
de cabro.
Para o interior
Nu patacho portligue/. Monleuo 2 carre-
gon :
Para Uto Grande do Sul, A. Guimares 680
barricas cem 55,183 kilos de assucar brauco e
20 ditas com 1,800 ditos de dito mascavado.
No vapor austraco Zeeltu, carregarom :
Para Santos, P. Carneiro & C. 3,536 saceos com
212,160 kilos de assucar branco e 3.300 ditos
com 198; 00 ditos de dito mascavado.
No hiale nacional Gtrtqaitij, carregaram :
Para Parnahyba, E. C. Berik) & Irino 31
barris com 2,880 litros de agurdente.
No hiate nacional Deas tc'Qnarde, carrega-
ram :
i'ara Aracaly, P. Pinto & C. 10 barris com 900
litros dcinel."
Para Acarvhu, M Borgcs dt C. 20 barris r,on
1,600 liti-us de niel, 10 ditos com UHOditos de
agurdente e lo saceos com 00 iciia#Krinil!io ;
H. Oliveira 10 saceos com 600 kitoa-de milbo. '
Xo vapor nucioiirl Jugnaribe, eanegaram :
Para Ceara, M. A. Senta a C. 10 borneas com
600 kilos de assucar refinado.
Para Mossor, Amorim Irmaos 4 C. 1 barrica
com 80 kilos de assucar branco. 1 dita com 67
ditos de dito retinado e 1 caixa com 15 kilos de
doce.
Na barcaca D. SinJt. carregaram :
Para Natal, E C. Beltrao & Irrao 20 barricas
com 1,160 kilos de assucar refinado.
Rcndi meatos pblicos
O Dr. Manoel Caldas Barreto, juiz de di-
reito da comarca especial de Palmares,
por Sua Magestade o Iraperader, a queui
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente odital
de 20 das de prgalo e o de praya virem.
3ue por este juizo, lindos que sejam os
itos pregos e praas, tem de ser arre-
matados a quem mais der e raaior lance
offerecer, no da 11 de Maio prximo fu-
turo 1 hora da tarde na casa da Cmara
Municipal de Plmales, o arrendamento
por 9 annos 9 mezes e 2 dias, do enge-
uho Venturoao deste tormo, moentc e cor-
rentc, motor d'agua, com capacidade para
sat'rejar 2.000 paes de assucar, duas leguas
distante da Estacao, mattas, casa de vi-
venda e de moradoras, em bom estado,
ttido de tejlo, inclnsivc a obra do enge-
nho; tendo por base um 1:4005000, cujas
rundas foram penhoradas a Domingos do
Rosario Lins, em .execucao que lhe move
Manoel Das da Silva Guiraaraes, a re-
quermente do mesmo exequente, cujo ar-
rendataento comecar em Maio do corrente
anno a Maio de 1899. Dando o arrema-
tante fianca idnea que garanta nao a o
preco do arrendamento' como a conserva-
eao das obras e bemfeifonas E assim
serao os ditos arrendaraentos arrematados
a quem mais der e maior lance offerecer,
no dia e hora a cima indicados.
para que chegue a noticia de todos,
mando ao porteiro do juizo ifKxe o pre
sent no lugar do costume c que passe a
respectiva certidao.
Dada e passada n'esta cidade de Palma-
res, no 1." da de Abril d anno do Nas-
cimento de Noaso Scnhor Jess Christo de
1889.
Eu. Pedro Severo da Costa Leite, es-
crivo o escrevi.
Estava sellada com urna estampilha do
valor de 400 rs., inntlisada pela forma
seguinte: -
Palmares, 1 de Abril de lfc89.
Caldas Barreto.
Nada mais consta va em dito edital
a cima transcripto, do qual fiz extrahir
o presente traslado, que confer, e por
adiar conforme o subscrevi e assigno.
Agua-Pre ta, 1 de Abril de 1889.
Pedro Severo da Costa Leite.
Recebedoria Wr.ii
Do dia 1 a II 17:825*237
dem de 12 1:994*414
Recebedoria Provincial
RelacSo dos novos estabelecimentos n
exercicio de 1889, e d'aquellea em cujas
firmas houve alteraeao, sujeitos ao paga-
mento dos impostos de 3 |0 sobre o gyro
commercial a rotalho e 20 0i0 sobre in-
dustria e profissao conforme a lei n. 1884,
e verificacao feita pelo langador Lemos
Duarte, incumbido da collecta da freguezia
de Santo Antonio.
Ra Cooselbeiro Piretti
N. 48- Almeida Rang.'l C, taverna
Ra General Abreu e Lima
N. 6. Jos Ferreira da Silva A C,
idem
Ra Mathias de Albuquerque
N. 35. Jos Ferreira da Cunha, co-
cheira
Ra Paulino Cmara
N. |4. Joo Marlins C, taveroa
Largo do Carmo
N. 13. Joo D. da Silva P. Almeida
Guimaraes, casa mortuaria
Ra do Livramenlo
N. 14. Joo Fernandes Ferreira & C,
loja de chapeos
N. 32. Albino Moreira & C, loja de
(asentas
N. 38. Lopes 4 Araujo, taveroa
N. 3. Antonio de Paiva Ferreira, loja
de calcados
N. 7. Manoel Joo Gomes de Mi-
randa, idem
N. 11. Emilia Ferreira da Cunba So
brinha, idem
N. 19. Bernardino da Costa Maia,&C,
idem
N. 23. Chrystovo Jos de A. Guima-
Junior, idem
N. 33. Nicanor Avelino Alves de
Aroujo. idem
N. 37. Alves de Brito & C, deposito
de fazendas
N. 39. Santos Seuna 4 C, loja de
raleados
Ru da Penha
Ns. 6 e 8. Lopes Magalhes 4 C, ta-
veroa
Ra Visconde de Inhauma
N. 24. J. Teixeiro 4 C. loja de fa-
zendas
N. 30. Benevides Gongalves Barbosa,
averna
N. 'A. Francisco Joaquim Ribeiro de
Brito, agencia de leilflo
S. 56. Farias C, loja de cigarros
N. 62 A. Oliveira Castro 4 C, acou-
gue
N. 15. Manoel Jos Gomes, taveroa
N. 27. Joo Antonio Gozende, loja de
fazeodas
N. 31 Rodolpho Cavalcante de Albu-
querque, idem .
N. 31 A. Magalhcs Pinheiro 4 C,
taverna
N. 35 Res 4 C, loja de l'azendas
N. 41. Antonio Goealves Dias, ta-
verna
N. 55. Ernesto Guimares 4 C, idem
N. 61. Antonio Pinheiro de Carvaluo
Silva 4 C, idem
N. 63. Marques 4 Molla, idem
Ra Pedro Affonso
N 4. Sal Marques tt Santos 4 C,
anir.i/.rin de xarque
N. 6. Jos Francisco 4 C, idem
N. 16. Jos Gomes Saraiva, idem
N. 46. Manoel de Souza Azevedo,
idem
N. 46 A. Manoel Joaquim Pereira J-
nior, dem
N. 50 Jos Baptista Machado, idem
Ns. 62 e 6*. Moreira 4 Irmo, ta-
verna
N. 68. Bolelho 4 C. armazein de xar-
que
N. 70. Francisco Jos Rodrigues Pra-
ca. idem 72* 00
N. 76. Emilio Luiz Pereira, dem 60*080
Ns. 80 e 82. .-ilva 4 Santos, taverna 180<000
N. 1 Os mesmos, idem 90*000
N. 2. Arthur Balbioo dos Santos, ar-
mazem de sal 72*000
N. 17. Joo da Silva Baplisla, ofcna
de marcineiro 241000
Ns. 39 c 41. Jos Daniel Primo 4 C,
armazem de xarque 120*000
N. 55. Ribeiro Guimares 4 C, ar-
mazem de sal 45*000
N. 13. Almeida 4 Filhos, deposito 90*000
Travesea do Arsenal de Guerra
N. 3. Neesen 4 C. depsitos de lu-
^ros 90*000
N. 3.4. Vctor Neesen, officina de bene-
liciur algodo 200*000
N. 7. Jos Francisco do Reg MeJIo,
armazem de algodo 72*000
N. 9. Antonio da Costa Teixeira, ta-
verna 60*000
N. 13. Francisco Moreira da Costa, ar-
mazem de xarque 90*000
N. 15. Herculano Mara da Silva Oli-
veira, armazem de algodo 90*000 '
Segunda tr*\essa, d Praia
N. 2. Francisco Antonio de Albuquer-
que Mello, armazem de algodo
Terceira travessa da Praia
N. 12. Francisco Gom;alvesMoura.of-
licina de encerado 40*08t
72*000
108*000
80*000
90*000
24*00
240*000
120*000
180*000
180*000
90*000
90*000
90*000
72*000
80*000
120*000
60*000
180*000
60*000
120*000
80*000
36*000
24*000
90*00
81*908
90*-00
78*!' 0
120*000
90*00 >
90S0-J0
90000
72*000
180*060
180*000
90*000
72/000
60*000
45*000
117*000
90*000

19:819*651
Recebedoria provincial
De da I a II 56:402*747
dem do 12 960*729
57:36!*476
Recife Draiaage
Do dia la II 5:90>*425
dem de 12 l"4*75o
RenLi gerai :
Do dia i a 11
dem de 12
MEZ DG ABBIL
Atfandega
305:C82i065
30:01233C
Renda provincial
Do dia 1.a 11 31:709*300
dem de 12
2:870*814
335:094401
34:580*114
6:005*175
Mercado Municipal de *. lON
O movimenlo deste mercado no dia 11 de Abri
foi o seguinte:
Entrarom :
30 bois pesando 5,019 kilos.
354 kilos de peixe a 20 ris 7*080
111 cargas com farinha a 200
ris 22*200
2 ditas com fejo a 200 ris 400
10 ditas com milho a 200 ris 2*000
7 ditas de fructas diversas a 300
res 2*100
11 tabolciros a 200 ris 2*200
16 suinos a 200 ruis 3*200
22 matulos com legumes a 200 ris 4*400
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris 16*200
1 escriplorio a 300 ris 300
26 compartimentos de farinha a 50'J
ris 13*000
28 ditos de comidas a 500 ris 142000
81 ditos de legumes e fazendasa 400
ris 32*400
18 ditos de suinos a 700 ris 12i600
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*4'Kl
30 tullios aM' 60*01X1
Vapores a entrar
SIKZ DE ABRIL
Pul........... Finance .........
Europa....... Elbe ....:........
Sul........... La Plata.........
Norte......... M'iiu'ws
13
13
li
. 14
Europa....... Cremon.......... 15
17
I
ti
26
- 27
28
Sul........... Pernambuco .
Norte......... Allianca ..
Norte......... Moran liao
Europa....... Seta.....
Sul........... Para.....
Sul........... Tomar...
Vapores a sabir
MEZ DE ABRIL
Santos e esc. Ville de S. Nicolao.. 13 as
Bucnos-Ayres. Elbe............... 13 as
Ceara e esc... Jaguaribe........ 13 as
New-York-----Finnce........... 13 as
Havre e esc Ville de Macelo.. .. 13 as
Antuerpia La Plata.......... 14 as
Rio e esc-----Manos.....
14 as
Fernando
Una
i h.
4h.
5 h.
4 h.
4 h.
4 h.
5 h.
15 as 12 h.
Somma total 369:674*5151
Segunda sccrito da Atfandegh. 12 de Abril de
1889.
I n thcfonpeiro-Plerencio Domingues.
0 ebefe da seceso -Cicero B. de Mello.
Rendimento dos dios 1 10 do cr-
reme
foi arrecadado liquido at- boje
Precos do dia:
Carne verde de 200 a 560 res o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 590 a 720 reis a cuia
Milho de 400 a 440 reis idem.
> ;o de 900 a l*60'J idem.
197*480
1.814*400
2:011*880
Maadouro publico
Neste estabelecimento fotam abatidas paro o
I consumo de hoje 34Tczea perteacentes a diver-
I sos marchantes.
Movimento do porto
Navios entrados no da 12
Havre e escala21 dias, vapor francez Ville dt
3, Nicols, de 1,556 toneladas, commandante
J Henry, equipagem 34, carga varios gneros;
a Augusto Labilie.
Ro de Janeiro e Bahia-7 dias, vapor francez
VUte de Macei, de 1,775 toneladas, comman-
dante Lenormand, equipagem 41, carga varios
goaeros : a Augusto Labilie.
Cear e escala6 dias, vapor nacional Una, de
268 toneladas, commandante Serafim da Silva,
equipagem 20, carga varios gneros; a Com-
panhia Pernambucaoa.
Babia5 dias, patacho nacional Alvaro, de 138
toneladas, capito Domiogos Gomes de Frei-
las, equipagem 10, carga vanos gneros; a
Pereira Carnein C.
Santos e escala8 e meio dias, vapor ausfriaco
Thisbe, de 1.848 toneladas, coramaodarle Ro-
dovich, equipagem 53, carga varios gneros;
a H Forsler <* C. N
Terra Nova34 dias, lugar ioglet Sumbeam, le
195 toneladas, capito Richaid Woolgar, equi-
pagem 9 carga bacalho; a Johnston Patcr
. rater & C.
Cardiff41 dias, barca norueguense Fortuna,
de 429 toneladas, capito F. J. Christiansea,.
equipagem 11, carga earvo de pedra; or-
dem.
Saludos no mesmo dia
Havre e escola Vapor francez Vtle de Mace',
commandante Lenormand; carga varios
eros
Trieste e escala-Vapor austraco Thisbe, Ce
mandaste Rodovich; carga varios gneros.
Babia e escalaVapor nacional S- Francisco,
commandante Joaquim da Silva Percir;
ga varios gneros.
i
\1
i
,'
.
'<:







Diario de PernambucoSabbado 13 de Abril de 889
*
I
N. 4.
Nova da Praia
Vctor Neesen, annaiem de al-
. 15o
N.lX. Francisco Antonio de Albuquer-
que Mello, idem
N. 38A. Kraacisco Xavier dos Fantos
C, idem
Ra Marcilio Dias
N. 2. Alipio de Franca Mello, officiua
de fumleiro
N. 26. Ribeiro Guimares 4 C, ta-
verna
N. 36. Ricardo Dias da Cunha, olfici-
cinade fonileiro
N. 23. Joaquini Marlins dos Sanios.
taverna
N. 37. Manoel Antonio da Silva.jjffi-
cina de funeiro
51. JoSo Carolmo do Nacimeuto, of-
flcina de selleiro
.N. 53. Pinlio 4 C, deposito de seceos
N. 69. Joao Pedro da Motta, officina
de fonileiro
N. 77. Manoel Bernab Deus Dias,
idem
Largo de S. Pedro
N. 2. Manoel de Azevedo Andrade, ta-
verna
N. 6. Santiago 4 C, idem
Ra do Coronel Suassuna
N. I. Jos da Silva, taverna
Ra de Santa Thereza
N. 60. Joaquim Nicolao Ferreira, acou-
goe
Travessa do Pocinho
N. 3i.'Albino Joaquim.Coellio Pacheco,
taverna
Travessa da Concordia
N. 9. Angelo Cesar, loja de miudezas
Ra Felippe Camarao
N. ii. Joao Manoel Borges. deposito
N. 4. Joaquim dos Santos Souza C ,
taverna.
Ra Marqaez do Herval
N. 25. Oliveira Castro C, acougue
N. 31. Felismino Ferreira das Chagas,
armazem de materiaes
N. 73. Silva Azevedo 4 C, taverna
Roa da Cadeia Nova
N. i. Rodrigues Ferreira, deposito
N. 9. Silva 4 Costa, idem.
N. 17. Jos Joaquim Martin?, taverna
130*00
120*000
150*000
401000
72*000
30*000
120*000
24*000
24*000
43*000
30*000
30*000
72*000
43*000
601000
60*000
20*000
36*000
43*200
43*200
36*000
90*000
72*000
30*000
36*000
36*000
i sen-fio da Recebederia Provincial, 9 de
Abril de 1889.
O chefe.
Jefiersnn Mirabeau de Azevedo Soares.
Irmandade do Senhor Bou
f esa* das Chagas
Pelo presente convido aos innaos desta ir-
mandade para comparecerem em o consistorio
as 2 horas da tarde no Domingo de Ramos 14
do frrente, para encorporados salariaos em pro-
cisso do Padroeiro que dever t<*r lugar o sahi
meato, hora cima indicada. O trajete ser
o seguinte :
Ao sahir lado esquerdo da igreja at o ex-
tremo do pateo, fazendo ngulo at encontrar a
direita, ras Larga do Rosario e a Estreita, Praga
de Pedro II, mas do Imperador, Francisco Ja-
cintho, Duqoe de Caxias, Marcilio Dias, Vidal de
Negreiros, Coronel Suassuna, Pateo do Carmo,
ras Paulino Cmara. Malhias de Albuquerque,
l)r. Ivo Miquilino, Baro da Victoria, < abug,
Larga do Rosario ao recolher.
Consistorio, 11 de Abril de 1889.
O secretario,
1ldeftm*o Florentino da Costa Ribeiro.
Arsenal de Guerra
O eonselhu de compras des te arsenal,
receba propostas no da 16 da corrente
at as 11 horas da marina, para a compra
dos artigos seguintes:
Algodaosinho com 82 centmetros de lar-
gura, metros 5,025.
Algodao de listra para calcas, metro, 83,98.
AlgodSo em rama, kilos, 43.
Aniagem, metros, 422.
Alcatifa ou tapete de 8 metros de com-
primento e 7 de largura, 1.
Alcatifa ou tapete de 3 metros de compri-
men to e 1 1[2 de largura, 1.
Bonets de servico interno, 221.
lonets de panno msela, cora galao, para
msicos, 27.
Bonete para sargento-ajudante- e quartel-
mestre, 2.
Bandas de 12 para inferiores, 29.
Brim branco liso para leaces e toalhas.
metros, 53.
Brim branco liso para calcas, 2,450.
Brim escuro de linlio trancado, metros,
2,549.
Chitas para caigan, metros, 14,82.
'adargo de algodao de 3 centmetros de
largura, metros 48.
Cobertas de chita, 6.
Chinellas de couro, pares, 25.
Colx8es choios de la, 3.
Charlateiras para sargento-ajudante e quar-
tel-mestre (p.), 2.
Charlateiras para msicos (pares), 27
Galao prteado de 1 friso, metros, 4,32.
Galio prteado de 2 frisos, metros, 38,88.
GraVatas de couro encarnado, 221.
Ganga encarnada, metros, 50,78.
Holtanda de forro, metros, 1,916.
Lenos de chitas 1,077.
Madapoln ou morim, metros, 10.
Meias de 12, pares, 4.
Meias de algodito, pares, 464.
Mantas de 12 cinsentas, 2.
Panno msela pnra fardamento de mus
eos, metros, 89,10.
Panno escarate francez, metros, 46.
Sargelim de cor, metros, 6,70.
Sapatos de couro de bezeno, pares,
Travesseiros cheios de la, 4.
Para fardamento de officiaes
Madapoln francez, metros, 88.
Casimira encarnada de superior qualida
de, metros, 5.
Baeta azul, metros, 10.
Brim escuro de linho trancado de superior
qualidade, metros, 8.
Para o quartel-general
Oasticaes de metal branco com
SaB> 4> ,
Copos de vidros para agua, o.
Lavatorio de ferro, pintado, com porten-
ees, de louca, 1.
Lavatorio de ferro, pintado, sem perton-
ces, 1.
Orines de ferro agatha, com tampo, 2.
Bandeijas para copos, 2.
Bilhas de barro com prato, 1.
Reposteiro de panno com cerda impe-
ra!, 1.
Talha de barro com tampa e torneira,
Tmpanos de metal, 1,
C'adeiras de Jacaranda com assento de pa-
lhinha, 6.
A'uontolias de folha, 3.
Cadenas de Jacaranda, 4.
Escrivaninha de vidro. 1.
Fuuil de folha, 1.
Oleado para paiol, 1.
leraoa de pinho para canoa, 2.
Pm de ferro, 3, ,
Hyssops, 1.
Nao serio tomadas em ronsideracto as
propostas que nio forem feitas de accor-
Jo com o art. 64 do rcgulainento de 19
de Outnbro de 1872, -m duplicata com re-
ferencia a um s- artigo, mencionando o
orne do proponente, a indicao da
ommercal, o preco de cada um artigo..
numero e marca dasf amostras, deelara-
c2< expresa de sujeitarem-se a multa de
| no caso de recasar assignar o oontra-
cto, e bem como as de que tratam os ar-
tigos. 87 e 88 do citado regulamento.
As amostras dos artigos cima indica-
dos acham-se nesta secretaria, para se-
ren examinados pelos proponentes.
Os jprasos que forem concedidos pelo
coiselho, serlo improrogaveis.
Secretaria do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, em 12 de Abril de 1889.
O secretario,
Jote Francisco Ribeiro Machado.
A rsenal de Marinha
Alistamrnto de voluntarles para
batalho naval
De ordem do Illm. Sr. capitao- teen te Rodrigo
Nuno da Costa, inspector d'este Arsenal e capi-
tao do porto d'esta provincia, fago publico que,
em observancia a circular do Ministerio da Ma-
rinha n. 381 de 21 de Marco ultimo, acha-se
aberto o alistamento de cidadaos as circumstan
cias de tercm praca no batalho naval, perce-,
bendo cada um, alm dos respectivos venciuien-'
tos, o premio de 400*000, de conformidade com
o art. 3 da lei n. 3367 de 21 de Agosto de
1889.
Inspeccao do Arsenal de Marinha de Pernam-
buco, 3 de Abril de 1889.
O secretario,
A'tonio da Silca Azecedo.
1.* seccio.Secretaria da presidencia de Per-
nambuco. 12 de Abril de 188'.. Faro publico,
para os d-vidos lins, que acham-se nesta secre-
taria as patentes imperiaes dos coronis com-
mandantes superiores das comarcas do Rrejo da
Madre de Deus Caruar e imbres, Geminiauo
do Reg Mnciel, Antonio da Sil.a Florencio e
Ttiomaz de Araujo e Albuquerque : dos ter.en-
tes-coroneis commandantes do 34." e 33. bata
Ihes das comarcas de Palmares e Cimbres, Ma-
noel da Rocha Luis e Manoel Coelbo Lins de Al-
buquerque N; e dos mejores commandantes da
9. seccao de reserva e 4.* esquadro de cavalla-
ria oas de Goynnna e Cimbres, Manoel de Bnio
Camello da Veiga e Joaquim Francisco Gallindo.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silvcira.
492.
1,
C ompanhia de edifica-
cao
As3ctnbla geral ordinaria no da 22 de
Abril de 1889
De ordem da directora, commonico aos se-
nhores accionistas da companhia de edilicacao,
qne ba de rea'isar-se a assembla geral ordina-
ria deste anno no da 22 do crrante mez, pra-
ca Pedro 2- n. 77, 1- andar. As 11 horas da
manh. Nesta ssemblea ler-se h&o o parecer
da commissao tiscal e o relatorio da directora,
relativos aos negocios sociaes em 1888 e cum-
plir se ha quanto nos estatutos prescreve se
acerca das assemblas geraes ordinarias. Reci-
fe, 3 de Abril de 1889.
Ricardo Menezes,
Arente.
Thesouraria do correio de
Pernambuco, 1. de Abril
de 1889
Cartas com valor
No praso de trinta dias serio devolvidas s
suas procedencias as cartas abaixo mencionadas,
cujos destinatarios nio as tera reclamado:
Antonio Evaristo da Cruz Geuveia.
Florencia Rodrigues da Silva.
Pereira Caraeiro & C.
O Thesoureiro,
M. Marn Pires.
mMANDDE"
DO
S*. turru- I da fr*ui-*a dr H.
Fr, Pi-drn koiiralif do Beelfe
Pelo presente convido* a todos os nossos irmos
a comparecerem nos dias segunda-feira 15, pe-
las 6 horas da manh, sexta-feira 19, pelas 4 ho-
ras da tarde, e domingo 21, pelas 6 horas da
manh, para acompanharmos as procissoes do
Senhor aos enfermos. Enterro e Ressureico que
teem de sahir de nossa igreja matnz, e bem as-
sim o comparecimeato em todos os actos da Se-
mana Santa. Rccife. 13 de Abril de 1889.
H da Silva Loyo,
Escrivao.
QUE SE REALIZAR
Domingo 14 de Abril
bornes
T
i
e
relio*
Viliira
1M.

Cor da veMt-
mrnla
Proprlotrot
Io pare HarmonlPrimeira turma900 metros Animaes daprovincia que nao tenham
ganho em 1889 nesta ou maior distancia. Premios : 250* ao 1, 60* ao 2 e 23* ao 3*
llPedreira
'Fanfar...
3
4
Recebedoria de Rendas In-
ternas Geraes
Imposto predial
O administrador da Recebedoria faz publico
que no dia 30 do corrente mez termina o prazo
para a cobranra, livre de multa, do imposto pre
dial, a que esto sujeitos os predios pertencen-
tes corporases de mo raerta. companbias ou
sociedades anonymas e qualquer sociedade pia.
bei.eticente ou religiosa, relativo ao primeiro
semestre do exeicicio corrente, depois do que
ser cobrado com a multa de 10 0/0.
Recebedoria, 12 de Abril de 1889.
Alexamlre le S. Pereira do Carmo.
BASCO imi"C!0M
DO
Jo Ju>*c^*>o J. JL
Capital o.oo:ooo*
dem realisado it,000:000*
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
LONDON.. (Bae* l nternaclonal
< do Brasil,
' ( London office.
( London 4fc C'ountv
( Banking Company L.w
PARS......(Banque de Pars ti des
Pays-Bas
Deutsche Bank.
> Bank d'Anvers.
i Banca Genrale e 6uas
agencias.
Banco Hipotecario de
Esjiana e sitas agen-
?ia6.
Hambuigo..
Berlim.......
Bremen.....
Frank fmt
sur Main-
Antuerpia ..
Boma........
Genova......
aples.....
Milaoeniais
340 ci (la-
des de Ita-
lia...........
Madrid......
Barcelona ..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona.
Valen ca e
ou tras c i-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
narias......
Lisboa......
Porto e mais
cidades de
Portugal c
Uas.......
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
NovaYork. G. Amsink & C.
Compra saques sobre qur.lquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razao de 2 /0 ao
auno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, H Uliam M Westber.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & Rver
Plata, Limited.
()
Corsario
Tupy...
ero ...
Atheu. .
*..
rete
Arreda.....
Sneca .....
Chatim.. .<*)
Jagurao -----
Piramon.....
Cerbero ....
Rorboleta (*)
Rodado
Baio........
Rodado -----
Cas tan no
R. castanho
Casta nho

R. pedrez...
Baio........
Castanho....
Alazao.....
M. douradilho
Pernamb..
54
56
56
56
52
56
54
56
54
:6
6
56
56
52
H
Grenat.............
Riscado.............
Encarnado e preto-.
Rosae preto ...".....
Encarnado e branco..
Azul e branco......
Azul e amareUo.....
Kncarnado..........
Violeta eouro-
2 pareoCompeMaeAo1,200 metros Animaes nacionaes de meio
ganharamem maior distancia. Premios : 400* ao 1.", 80* ao2.'
Mandarina..
Minerva
Risette.....
Mimosa.....
Saltarelle...
Rusilho.. .
Douradilho.
Zaino.....
Alazao. ...
Preto......
S. Paulo.. 54
c 52
R. de Jane. 52
S. Paulo 48
Paran . 54
Violeta e ouro
Azul e grenat..
Grenat e ouro.
Grenat e azul..
Azul e ouro...
Cood. V. Amerieaia.
R. C.
J. F, S.
Francisco C. R. R. 1
H. (i. L. C.
A. F. C.
C. 0.
C. D. M.
Maia Chrysostomo.
M. P.
C.C.
A. M. S.
J. C. L.
N. N. T.
M. R.
sanguo que inda nao
e 40* ao 3.
. Bastos.
Coudelaria Cruzeiro.
Coud. Rrazileira.
Coud. Parnamerim.
Coud. Internacional.
3. Pareol e Janeiro. 1,400 metros.Animaes de qualquer paiz que ainda nao tenham
Diana.......| 3
Cinira
Salvatus
Hamilcar
Venus
ganho nos prados do Recite
Alaz
Premios : 500* a f 100* a fWf a 3.
13 lAIaza
4| .
4 1 <
5 iPreto
4 "Caslai
Franca ...
Inglaterra.
Franca ...
Inglaterra
laiilia 'Franca ...
48
50
52
54
50
Azul c ouro ......
Branco, pret. e ene.
Grenat e azul
Azul e ouro.
Coud. Internacional.
P. J.
F. Siqueira Bastos.
.Azul e ouro......... Coudelaria Exigencia.
Coud. Internacional.
4." Pareo laapreonn renwakucaw
nao tenham ganho n'esta ou maior distancia
ao 2" e 30* ao 3o
1,200 metros. Animaes da provincia que ainda
este anno. Premios : 300* ao 1, 60*
Capricho-----
Good- mo r-
ning.....
Orion.......
Sneca .....
J-parte ....
Pirraca.....
Cyclone.....
Roldo.....
Waterloo ...
Serid......
Rodado
Pedrez-----
Russo pedrez
Alazao......
Castanho
Rodado -----
Baio........
Alazao......
Castanho
Pernamb .
54
54
52
54
54
54
52
54
54
54
Grenat..............
Verde e amarello
AmareUo e azul.....
Grenat eouro........
Encarnado e ouro-----
Azul e ouro.......
Preto e lyrio ...
Branco e encarnado-
Branco e azul .......
F. F.
Rufino Cardos.
T. M. A.
M. P.
J. L. S. Filho.
F. F.
S. B.
A. P.
A. L.
Coudelaria
o.' Pareo.Prado Peraambuctio
6004 ao 1,
1,700 metros. Animues de qualquer paiz.
120* ao 2. e 60* ao 3.*
Pyranga.
Premios
Diana...
Salvatus.
Mimosa .
Aspasia -
Vesper
3
4
31
3
4
Alaz
Franca ..
S. Paulo..
Inglaterra.
5">
Azul e ouro......... Coud.'Intemacional.
Azule grenat .
48 Atol, branoo e ene...
Azur e ouro.........
Ouro e branco.......
F. S. Bastos.
Coud. Paroamerini.
Guimares 4 C.
Coudelaria Emulajo.
6 pareo1 *e Jalao1.100 metros Animaes nacionaes dmenos de meio sangue. Pre-
mios : 300* ao 1. 60* ao 2 e 30* ao 3a
Moncorvo
Cometa..
Aynior .
Fgaro...
Favorita .
Recife. .
Hamlet..
Rodado ..
Alazao
Castanho.
Chita.....
Zaina .
Castanho.
Alazn
S. Paulo .. 52
54
U 64
R.G.doSul 54
S Paulo .. 54
R. de Jane. 56
S. Paulo .- 48
Azul, branco e ene...
Violeta c ouro.......
Ene, branco e azul.
Azul listrado.......
Violeta e ouro......
Verde e amarello....
Violeta eoaro......
C. Fernandes.
Coud. LuzoBrazileira.
A. M.
J. 8. 4 Bastos.
Maia 4 Chrysostomo
S. P.
Coudelaria Cruzeiro.
7." PareoI"rly Club Oe Prmamkuro 1,400 metros. Animaes da provincia. Pre-
mios : 350* ao 1., 100* ao 2. e 35* ao 3.
Exposicoex
Oberon ..
Ashaverus ex
Zig......
Monitor.....
Templar.. .
Arumary-----
Arlindo 2...
Baio
Russo pedrez
Russo......
Rodado
Alazao......
Castanho
Pernamb.
56
54
54
58
58
54
Azul listrado
Grenat e rosa .
Rosa e preto ..
Azule branco
Violeta e ouro
Azul e grenat
J. B.
Codelaria Capunga.
Coud. Pernambucana.
J. M.
F. Siqueira 4 Bastos.
J. t.
8*Pareo HarmonaSegunda turma 900 metrosAnimaes da provincia que nao i.enham
ganho em 1889 nesta ou maior distancia. Premios : 250* ao l-, 60* ao % e 25* ao3.
Arat 2. -.. 8
General..... 5
Cndor. .. 6
Piraructi ... 4
Cavallicoque. 4
Granito. ... 5
3
Si bemol 2
Orange..... 5
Advance .* 8
Ferrabraz 2." 3
Guanabara .. 5
Veloz ..... 6
Pyrilampo .. 5
Jatobi......
Alazao
Rusilho
Baio......
Rodado..
Russo
Rodado .
Cardo ...
Alazao
Castanho.
Baio.....
Mellado...
Russo.
Cardo .
Alaziio...
Pernamb..
52
56
56
54
54
56
52
50
56
52
52
56
56
56
56
Encarnado e preto ..
Branco e preto .
Encarnado e branco..
Grenat c ouro......
Verde e amarello.. -
Azul c ouro........
Preto e rosa.......
Preto, encaro, e ouro
Grenat.
Ouro ...
J L. S. F.
J. B.
R.C.
J. F.
Coudelaria Itamb.
C.O.
S. B.
Coudelaria Itamb.
A. J.A.J.
F. P.
P. J.
M. Mcndonca.
M. T.
E. M. F.
F. P.
(*) Montado por amador.
OBSERVACES
s
acnar-se no
ensilhamento
Os animaes inscriptos para o primeiro pareo devera
9 horas da mnbS.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no ensilhamento
urna hora antes da determinada para o pareo em que tiver de correr.
Os forfaits serao recebidos at sabbado, 13 do corrente, s i horas da tarde.
O animal inscripto em mais de um pareo que deixar de correr no primeiro,
nao correr no segundo.
Qualquer reclamae^o sobre corridas dever ser presentada por escripto
directora.
HORARIO
^
Encerramento da venda de poules
l.6 pareo.- -11.
2* 11.50 .
3.e i 12.50.
4. a 1.50
5. c 2.30.
6. <
7/ c 4. .
8.o < 4.50.
Corridas
11. 10"
12.
1.
2
2.40
3.30
4.10
5.
Reeife, 11 de Abril de 1889.
O SECRETARIO,
Francisco de Souza Reisf
OBRBY CLUB
Dffi
PERNAMBUCO
ni i mam

\
3.'
*.'
Para a 10/ corrida
Em 21 de Abril de 1889
VIMtaV" CONSOLACAO 800 metros. Animaes da provincia que an-
da nao tenham ganho no Derby n'esta ou maior distancia e nos oo-
tros prados do Recife, em distancia maior de 850 metros. Premios
250-JOOO ao primerio-, 5O|}000 ao segundo e' 25)5000 ao terceiro.
l^kW& OMSIUM 900 metros. Animaes de menos de meio sangue.
Premios : 3005000 ao primeiro, 60000ao segundo, e 30i5000 ao terceiro.
^VfcfcS PROSPERIDADEl.SOO metros. Animaes da provincia que
anda nao tenham ganho no Derby, em maior distancia. Premios : 2504000
ao primeiro 50)5000 ao segundo e 25)5000 ao terceiro.
^kVfc INTERNACIONAL l.JOO metros. Animaes de qualquer
paiz, que ainda .nao tenham ganho no Derby em maior distancia. Pre-
mios : 600)5000 ao primeiro, 120)5000 ao segundo e 600000 ao terceiro.
t*%W PROVINCIA DE PERNAMBUCO 1.900 metros. Animaes
da provincia. Premios: 300)5000 ao primeiro, 60)5000 ao segundo e
30)5000 ao terceiro.
'lt'MI. A'ELOCIDADE -l.OOO metros. Animaes at puro sangue.
Premios : 4003000, ao primeiro, 80)5000 ao segundo e 40)5000 ao terceiro.
?VA^S COMPENSACO metros. Animaes nacionaes at meio
sangue que nio tenham ganho n'esta distancia Premios: 300)5000 ao
primeiro, 605000 ao segundo e 30(5000 ao terceiro.
Observacoes
S serao aceitas para cada pareo as quinze propostas que primeiro foranv
lidas.
Cada enveloppc dever conter urna s proposta.
A' directora reserva-se o direito de alterar a ordem dos pareos na organis*-
cSo do programla.
A inscripeo incerrar-se-ha segunda-feira, 15 do corrente s 6 horas da tar-
de, na secretaria do Derby praca de Saldanha Marinho n. 2, 1. andar.
O GERENTE,
UIMtKit i: NCHITKL.


S. R. M.
Sociedade Recreativa Blocidade
De ordem do Sr. presidente, convido aos se-
obores socios para comparecerem na sede so-
cial no da 14, s 3 horas da tarde, para em as-
sembla geral proceder-se a eleie&o para a nova
directora.
Secretaria da Sociedade Recreitiva Mocidade,
10 de Abril de 1889. 0 1; secretario,
Jos Mara da i.osta Reg.
Administrado dos Crelos de
Pernambuco, 1 de abril de
1889
Relaco da correspondencia registrada,
sem valor, que existe n'esta repartigSo, por
nao terem sido encontrados sea destina-
tarios.
Anna Ferreira de Araujo, 2.
Anna Alves Ferreira de Araujo. ___
Angelina Nunes.
Alfredo Semprez.
Antonio de Siqueira Cavalcanti, Dr.
Antonio Jos dos Santos.
Belmiro Jos da Suva, 2.
Bernardino Francisco de Araujo.
Bento Magalhaes.
Francisco de Santa Isabel.
Francisca Adelina das Chagas.
Felismina,
Fernandes, Filho & C.
Franz Emil Amstein.
Joao Correia da Silva Jnior.
JoSo Evangelista da Frota e Vasconcellos.
Joao Francisco de Arruda Falcao.
JoSo Rodriges Cantoso.
Joaquim Augusto Alvares.
Joaquim Abrantes Pinlieiio.
Jos Joaquim Penna.
Jos Mara Alves da Costa Carvalhal.
Jos Luiz do Monte.
Jos Euclides do Monte Coelho.
JoSo (Rocha;..
Lamberty.
Margarida (Ao cuidado de Maximiano Ri-
beiro de Araujo).
Marcelino Jos Fesnanaes.
Mara Serpa Pinto Pessa.
Matheus Simoes, i'.
Manoel Joaquim dos Santos.
Manoel Timotheo Barbosa.
Manoel de Souza.
Manoel Francisco Ribeiro.
Porfirio Marques de Meneaes.
Pedro Jos da Silva Vasconcellos.
Vncenzo Filandi.
Vicente Guilher;*: da Ponte.
O 2. offieial,
Antonio Diibmx.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------..... .............--..........-
IN DEMNIS AD ORA
Companhia de Segaros
MARTIMOS E TERRESTRES
EMtabeleclda em ISS5
CAPITAL l,0OO:0O0$00a
SIMSTROS PAGOS
At 31 deDezeaabrode 1884
Martimos.. 1,110:000$000
Terrestres. 316:000^000
44Ra do Commercio44
Companhia de Seguros
AGENTE
Club Cu pira
Devendo ter iug;' no da \ de Maio prximo
a distribuicao das medalbaa deste Club, sao con-
vidadas todas as pe^sous que foram socios e que
com tanta abnegad e tantos sacriiicios traba-
lharam em favor da eniancipaeo dos cscravisa-
dos do Brazil ;. rein uo dia U do cor-
rente s i hora* d-t larde na ra do Viaario n.
4 Io andar, dA tratar se uessa distribuicao.
SANTA CASA
CASAS PARA ALUC1R
Ra da Moeda n. 49, armazem 2i0000
Idem do Vigario Tenorio n. 27. laja 2401000
dem idem n. 22, 3." andar 80*000
dem idem n. 2o, i.' andar :J6000o
dem do BispoSardinha a. 3. I." e 2."
andares e soto 4004000
Idem do Mrquez do Oliuda, sobrado
n. 44 2:1314000
dem do Bom Jess n. 29. 1 andar. 2404000
dem de Domingos Jos Martms Q. 13b,
loia e Io andar 4004000
dem de Tliom de Souza n. 14, Io andar 3004000
dem do Baro da Victoria n. 44, ar-
niaem 1:2005000
dem Imperial d. 151, casa terrea 3605000
Travessa de S. Pedro n. 2, casa terrea 3604000
S. Lourenco da Malta 604000
\.........SEGUROS.........
martimos comba Foa
Companhia Phenlx Per-
asuihneana
RA DO COMMERCIO N. 3
Miguel Jos Alves
2V. 9Itua do Bom Jesun-V *
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companbia
nesta praca que concede aos Srs. segurados ismp-
C2o de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de lo por cento em favor dos segurados
> SB0DB0&
CONTRA POGO
Tbe Liverpool & London k Globe
msuRAsrcs cdmpaity
SLAessm, mim: c.
Ra do Commercio n. 3
.

Companljia e &t$axo8
S3SI3A FOS-0
NOBTHSBN
de Londres e Aberdaen
Posifdo Gnanceira ('Dezembro de 1885J
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Receita aanual :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John II. Boxinell.
X
.i
i
i

SEI.IRH CONTRA FOGO
Rojal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGENTES
R.DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca-
xas do mesnio banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capelstas n. 75. N
Porto, ra dos Inglezes.
Companhia
Imperial
DE
Seguros contra Fosa
EST: 1803
Edificios e mercado'.-ias
Tazas batean
Prompto pagamento de prejtiizos. '
I APITAL
lis. I .000:000.^000
AGENTE
BBOUMi A C.
X. 5RA DO COMMERCION. 5
Horas da Semana Santa
Sob o titulo cima acba'se venda Da Livra-
ria Classica sila ra do Bora Jess u. 36, esta
importante obrinha. indi^pensa".
que tpon de assistjr


6
HMo-.deiP(rnarbtieo-~Sbbiido 13-de AWil de 880

ai

fe
United States and Brazil
S.C.J.
0**por aUlianca
E' esperado dos portos do
norte ate o dia 21 de Abril
o qual depis ira necessaria seguir
ira a
Bakia, llio de iaaH'iro e Santos
Para carga,
heiroa Irete
eiieoiniuen i- rom os
AGENTES
8Rua do Commercio8
1* andar
Pacific Sietm Navigation
Company
STRAFTSOFMAGELLAN LINE
O paquete Galicia

_-
-X-
MARTIMOS
.....____.
COHPWHIA l'K\AMl<>4
DE
Wavegaco costeira por vapor
PORTOS DO 20RTE
Panxhyba, Natal, Mamo, Moshoa, Araca-
ty e Cear
O vapor Jagiiaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 13 do corrate s
5 horas da tarde. Recebe car
a at o dia 12.
Encommeadas, passapens e diofieiros afrete,
ate as 3 horas da arde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
o 'XJaes da Companhia Pemambucana
n. 12
" COMPvVWHA PlWNH BtJCAN ~
DE
VaTegaco costeira por Vapor
Para Fernando ilrWoiilui
O vapor Una
Commandante Seraphim da Silva
Segu no dia 15 de Abril s H2
horas da manlia. Recebe carga at o
^dial4.
Passasens at s 10 horas do di da saluda.
ESCRIPTORIO
Ao Can da Companhia Pernamlnicana
n. 12
Rojal Mail Steam Packet
Companhia
O vapor La Plata
Commandante A. H. Dyke
E' esperado dosnl no dia 14 de
Abril, esegnindo depois da demora
aecessaria para
te, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reduccao de passagens
Ida da e volta
A-Lisboa 1 dasse a 20 30
A' Southampton 1- classe t 2- f 42
Camarotes reservados para os passajreiros de
Pernamboco.
Emquanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Acgentina, aos vapores e navios pro
cetes do Brasil, 06 vapores dsta companqia nao
aceitaran passageiroa nem carga para Buenos-
Ayre8/
Para passagens, fretes, encommendas, trata -se
enm o?
AGENTES
Amorirn Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Pede-se^aos^-Seidio-
re^ ^cre s{
qtie qweiram fazer
qualquer comrounica-
cao ou reclamado, se- ^ Bemy Forster & c
ja esta feitano-.eserip-
toro desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambem se r e-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-]
res externos sao ps Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r? e Manoel Antonio
da. Silva Oliveira,
quando for preciso o
Sr. Antonio Martins
Carvalhe.
Todos os recibos
desta empreza de vero
ser passadn em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, sem o que
np tero valor algnm.
George Windsor,
Gerente
e di-
Espera-se do sul at o dia
22 do corrente e seguir,
depois da demora do costu-
me para Liverpool por
I Jsboa, Bordea e Plymoiilh
Para carga, passageiros, encommendas e di-
uieiro a frete : trata-se enm os
AGENTAS
Wilson, Sons & C, Limited
14RA DO ('OHMERCIO14
(amossim
tingue oestes pouco.s dias o hiate DtmteGuie.
recebe carga ; a tratar na ra da Madre de Deus
n 8, ou ca< s do Lojo coui o m<.-1re.
LEILOES
Oafrnte tiusm^oiavisa que o leilao aor-
reganiento daJbiWi nueza Alerte fi adiado
para terca-feira 16 do crrente. Amanh sahi-
r o annunrio cirenmstanciadamente do mesuio
carregimeiito. __________
?gente Pestaa
Leilao
Dos movis, loucas, diversos caxilhns de ama
relio, um cofre pro va de fogo e muitos objectos
ahaixo declarados.
Sabbado 13 do corrate
A's 11 horas em ponto
Xo armazem ra do Viarquez de Olinda
n. \4
Urna mesa plstica coni 7 tabeas, 2 camas
para casal, %4tm -para menino, 1 dita dtr-ferro
larga, 1 dita pequea, 1 espelho grande, 1.guar-
da-comida, 2 consolos de amareo, 12 cadeiras
de dita, 1 cama, 2 mesas redondas, 2 bancas, 1
mesa de cosinha, apparelho decantar, 1 dito de
almoco, copos, clices, .'Trufas, talheres, copos
de barro, lanternaa,. vMan'e e outros ohjectos
que sero vendido* ao comer o raariello.
Terceiro e ultimo
Leilao
De urna linda armacao envklracada com 2
balcOes, candieiros e arandelas gaz.
Em lotes vontade dos compradores
Mesas, carlejras, armaeftes inglezas, globos e
differentes movis.
Sabbado 13 do corrente
A's 11 toras
\ti:\TK pisto
Na loja a ra Marauez de Olinda o. 3% tupi a I
est para alugar se.
Gabinete
.Urna mobilia de bamb womfuaroicp de aje-
tal, com R cadeiras de. guarnicao, 2 ditas de braco
etarta de nogno, 2 lindas agua
radon-.- carvtlho. 1 cadi 2 q
dros a ,i, i forro de eteir |0S|
de sol.
Quartos
;Uma cuma fraoctza de iacaraodaRdM||iaj|
caeceira de cama, 1 toilet de nogueira com
espelho c tampo de pedra preja, 2 jarros, dive
objectos para toilet, 1 marquezo 1 lavatorio,
I guurnico para lavatorio, 1 garrafa e copo para
dito, 1 espreguicadeira de junco, forro de estei-
ras e arandellas.
Sala de jantar
Urna mobilia austraca com 12 cadeiras de
guarnicao, 2 ditas de bracos, 1 sof e t consolos
com pedra, 1 mesa elstica com 6 tabeas, 1 uar-
A FLUttltH
aos
la-luca, 2 aparadores com espelhos, 1 guarda-
comidas, 1 cadeira de vime, 1 relogio de iiarede,
1 apparelho de porcelana para jantar, 1 dito de
dito com flores para almogo. 1 faqueiro de elec-
tro-plate 1 galheteiro de electro-piale, 2 fruc-
teiras de vidro le coras, i machina para caf,
copos, clices, porta-queijo, talheres de cabo de
inrfim, conmoteiras, tacas [ara champagne, co-
Ihers, garfas de electro-piale e muitos outros
objectos*uia egtarao patentes no acto do leilao.
O agente Gnsmao aulorsado por urna familia
que retirou-se, far leilao dos objectos cima
descriptos, os quaes se tornam recoawicndaveis
por serem de gosto e quasi novos.
Leilao
De 45 encapados com camgroes frseos o 8
caixas com presuntos inglezes
Terea-feira III do correte
A'S 10 1(2 HORAS
Agente Pinto
Km continuaco
I eilo
De 9 grozas com thesouras de 5, 5 li2 e
6 polegadas
AVISOS DIVERSOS
Aluga se urna bea casa com suflicientes
cominodos para urna familia, com sitio e peque
na ba;xa de capim, ra do aldeiriro ; urna
outi'.i ra da Mangueira, com 4 quartos, cosi-
nha fora quintal, cacimba com boa agua de be
ber, todas por prec>s razoaveis : a tratar no Cal
deireiro ou no escriptorio do-eonseWleiro Afcefo'
rado.
Aluga-'se o^o nado n. 46 ra d.i Hoda
com boas coinmodos e-motla freaee, todo piatu
do de novo e forrado a papel as salas ; a tratar
na ra do Cabug n. K, Joja.
Alagarse barato a casa n. 4 roa Prindeza
Isabel, com bastantes'commodos p;ira cqllegio
ou para grande f.iuiilja, com agua gz e muito
frei.a ; a tratar na ra da Aorora r>. 8,".
A'ugase um bom sitio com boa casa, caia-
dac pialada, no Arraial (Casa^A-Tuorella;; a tra-
tar na ra l'edro Allboeo n.
AJuga se casas a
hos, junto de S. Gonca
mperatriz n. 56.
1 no becco dos Coe-
; a tratar na ra da
Aluga-se ou.veode-se o sitio do Moodego
o. 153, ra Visconde de Goyanna : a tratar
com L. de Moraes Gomes Ferreira.
Precisa se de um cosiobeiro ou eosinheira
de boa conducta, que durma em casa ; na Ponte
reira .
Leilao
de 1 mobilia deamarelto eatalbada, com 12 ca-
deiras de guarnicao, 4 ditas de bracos, I sof e
2 consolos com pdra, 1 mobilia de junco com
encost de palbu, com 12 cadeiras de guarnicao,
2 ditas de bracos, 1 sof e 2 consolos com pe-
dra, 4 quadros. 2 pares de tagers, 4 jarros. 1
candteiro para gaz kerosene, 2 escarradeiras. 1
cama franceza para casal, I commoda, 1 mar-
quezao largo. 1 dito estreKo, meia commoda,
mesa para jantar, Igguarda louca, O cadeiras, 1
sof, 1 quartm'u-ira. apparelhos de louca. para
almoco e jantar, garrafas.para vdIio, copos, c-
lices, colheres. talheres, bandeijas e outros ob-
jectos.
Sabbado, 13 do corrente
\'h if koras
No 2" andar do sobrado ra do Vigario-
n. 9
- Precisa se de urna ama para engommar
sa ra de S. Goncalo n. 20.
Precisa-se faltar ao Sr. Manoel loaquim de
Mattos ra do Pilar n. 36. _
Furtaram ao amanhecer do dia 9 do cor-
rente mez, do engenho Bom Destino de termo
de G.mi -lli'i a, tres cavallos, um russo, lamanho
regular, j velho, carnudo. oteiro e com climas
compridas, com o ferro em, um dos quartos di-
rcitos, imitanlo urna cruz; outro russ jveiho,
nagro, ceg de um olho c ameacado de culbarro,
inulto maltratado de eangalha; e finalmente um
i;ardao pequeo quasi poltra, audador baixo e
com urna bellide no olho direito, leudo em um
dos quartos um R. Pede-se as pessoas que de-
rem noticias certas destes cavailos ou apprehn-
Idjrcui, que os leven ao referido engenho ou ao
engeabo Prado da mesma freguezia, proprieda-
de do Sr. Francisco Pinheiro de Menezes, que
sero recompensadas.
Cosinheira e copeira
Precisa se de urna boa cosinheira e de una
copeini : na praga doCtunVd'Eu n. -12. segundo
andar
Leilao
Cempanhia Brasileira de
Navega^ao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' asasrario dos pertos do sul at i.
dia 17 de Abnle seguindo depois
'da demora indispe:isavei para
portos ilu norte ate Manaos.
As encommendas m sero recebida-1 Da age
iaai 1 h#rada-tarde dadia da sabida.
Paracarga, encominendas. passagens e valo
tea tratase com os
AGESTES
PCfliTOS DO SUL
O vapor Manos
Commandante o Io tenente Guilherme
Waddington
E' (perado dos portos do norte atr
odia 14de Abril e depon da de-
'mora indispensavel segoi- paraos
portos do sul
As encommena cebidas no trapiche
Barbosa at 1 hora da tarde do dia da ahida.
Para car runenrtas e valo-
res trata-sejao)
Pereira Carneiro & C.
=R-ta do Conmercio=*6
1 aadar
De um carro de 4 rodas, quasi novo, para
carregar na cscadlnha, 1 vaeca iouriua
prenhe de 7 mezes e 1 carro de 4 rodas
para pas6eio.
Sabbado 13 do corrale
As 11 hora
Em rr>nic ao obrado la ra do Vi-
ajarlo ii. O
Por occasio de leilao de movis, loucas e
vidros
Por intervenco do
Agente Gusmao
2" leilao
Ama
Precisa se de uina ama que saiba egomtnar,
cosinhar e lavar, para casa de urna so pessoa,
que durma em casa do patrio e que nao tenba
lillios : na ra Direita n. 45, sobrado, se dir
quetii que precisa.
Ama de leite
Precisase de urna ama de leite : a tratar na
ra Barao da Victoria n. 34, nova agencia de
movis.
Peixedeviveiro
B0 t^iora-menino, estrada velba. porlo o. 7,
V'-nde-se. a eseolh.dos compradores, quarla,
quinta e sexta-feira santa, das 6 s 9 horas da
manh

Da casa terrea sita ao largo de S. Pedro
n. 14
Sabbado 13 do corrente
A's 11 horas
Xo armazem ra do Bom Jesas u. i'-'
O agente Alfredo Guimares, noi madadv eI up> ]
assistencia do lllm. Exm. Sr. Dr. juiz de direito
da provedoria do capellas c residuos lev;.r.i a
leilao a ca^a terrea cima mencionada, pe (Vi-
cente ao espolio do Uado cenego Manoel da
Vera Crn, sen indo le ba.-e a olTerta de 2;450J.
itio na Magdalena
Veo lo--*.un sitio ma do Bcmfica n. 28
na ra do Imperador n. '>. livraria.
de ;:.c;irand;i
hfi rV'ellia ii. 107.
Vende-se
e um bid ; a tratar na
i
aixeiro
Leilao
De urn carro de 4 rodas, co-
ber^o
Mabbado 1S do correte
Ao meio dia
Aliente Pinto
Em frente a lujada na Marques de Olin-
da n. 33 ,
Pelo lado de detraz.
Grande leilao
De ;n >u-is .|>' pli,.a::sia. piano. '< ,'
teii i-, lastre-i de cryil .i ot^msti
mi i.' ~. porcelanas, crystae* Hi
o d'1 esleirs. ,
efunda feira 8 5 do correal e
A's iO I
No 1* ciinLir do sobrado ; rua
do Iiii|)f:ra!orii. $8
do :
Sala d. v: -1' .i
JT/hi ol*ili> auslriaca com|frisos dourada,
com H) 1 i ; .- com '..i.i,.i i de pedia, I
do fabricante KAl'l'S,
1 espelho oval grande, t canto-
-. 2 jardi'ieia- com s
i kiniante. V jarros fin">, i escardei-
iieiro bega. i ees las j>ara fl'iri
lequ-
ol clnnetes para parede, l enrciias
para pai I corlinadi
das, S reposlerros e 1 cortinado de damas
lastre de crystal para gaieartwnico. e 1 forro de
esleir de sala.
lYv .-.i-(.- ib- um menino de l anuo"1,
na rua de D. Maria Osar n. 4.
para
DE
Agrio, Jo c Cambar do \orte
preparado por
bakholomei^;.
'C'fa^WORK*
Vm Baattliaanta atbTiiaa :i afficacia pnta
a cura da respjr.iet'i e jni lando a essa prec
jiatiH M nSe oienos conlii-.-d-.s .\i,:\ .
Canil norte, cujos ea%itO balsami
el* tciu .-i'!" i'bservados por longo toiUjA,]
torna--'' o nossn xarope de mmuao. .tc>.\ e
i \ m:\ra no no te a primeir.) reeomiuon-
dado para a cura das diversas moieatiai
das :- respiratoiri*, desde ;t- phaiyngitc
ou nal da garganta at o taberpatoae,
ia !j--i!<-liites fcathar-
ias.
O* amimoro.- attestodas qae romos e
curas eoiwegaidjp |">'" poderoso pre-
prad nos autorjaan a recomflMBdar o 9eu
uso de preferencia a qualquer outro.
Deposko geral
ni A KM ACIA E JBOGAttlA
,'!4--Kl'A UASt DO OSAKKi 34
PKR\.tRI'l'l
Bata bem couhecida casa, previne
scua nuiaeroaos fragaeaes a freguezas que
contma-a servil-os, como dantes, em to-
das as suas ruis extraordinarias exigen-
cias, para o que substituio a sua antiga
armacao por outra que mais expansiva, of-
ferece muito maior accommodaeoes as in-
nmeras l'azendas de que se acha boje
provida, aonde as Exmas aenhoras encon-
trarSo tudo quanto o rigor da moda exigir
para um toilette completo, -desde o maior
chiquisma at as mais simples
Venham verificar por si mesmo para
acreditarem.
Para a quaresma
OalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de Beda c de algodSo com e sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e d Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarhihos para hornera a 3)5000 e 44000
a duzia.
I>n90s de linho em caisinhaa aj 3)JO0O a
'dita.
Meias para hornera, duzia a 4000.
dem para senhora, duzia a 4i5000.
Lindos leques transparentes de gaze a
30000 um.
Grande sortimento de porta-retractos de
pellucia.
Finas pnlseiras americanas a 4$, 65 e
84000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
.24500 a 3O00 o par.
Cortinados todos de erochet para cama.a
125O00, 175000 e 195000 o paraguas,
de cores.
Ditos para janellas a 7^000,
Pannos de crochet para cadeiras la 800 e
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de.gosto..
Espelhos com tres palana* de comprimonto
a 45000.
Gapellas cora veo para jiorVa a 65000 e
: 85000.
Gnnaldas e jamos d# aeda. i^ue*ha de
mcihor.
Renda hespanhola de div.ersas cores.
Bicos brancos e de cores a 250OO a peca.
Ditos de seda brancos e de cores.
Extractos e leos de diversos fabricantes.
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car
ritel.
Lindos ramos de flores a.45000ana.
Collarinhos e pnnhos celluloide.
Grande sortimento de. titas modernas.
Baleias a 280 rs. a duiia. I
Pastas a 15000 e 25000. \
Porta-lettras e porta-sednlis a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinas a
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 o
par.
Ditas de seda para creanca a 15000.
Dita para moca a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lindos len503 de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, i &5000 e
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 a
15500 um.
Estojo com faca, garfo e colher, propric
para crean?a.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de la para homens e senhosaa.
Linhas douradas para t'azer crochet.
Lindas fitas para facha a 25, 35 e 450tA>
o metro.
Lindos leques de setim para easamentp.
< irando sortimento de leques de setim
de papel de .todas as edres.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finaa acteirw* para algibai**.d? ir W
3 e 35500 urna.
Seda preta
desoneriorqualidade-a-aoOO- o cavado : ven
dem .Noroadaa 4l, rua da Imperatriz n. 11.
alfaiataria.
Ti-anaere-se
as acetes entre amigos da toja de barbeiro fe
Timbaiba para a-mrtnta parte da serie 27 de
60:000*xlo Griojar.______________
Aproveitem o cambio
Carlos ginden recaheu pelo ultimo vapor {rran-
de sortinjento de camisas inglezas de superior
qualidade, assim como camisas de meia, Je la e
merifld, meias de dirersas (fualidades asm
como grande sortimento de vestuarios para me-
ninos, que est vendendo por precos sem com-
petencia.
Cosinheira
Precisa-se de urna ama para cosinhar e mais
algdtn servico, em casa de pequea familia ; na
rua da Aurora n. 81, i- andar.
Engommadeira
Precisa-se de urna perfeita engommadeira : a
tratar no largo do Pnraizo n. 14.
Cosinheira
Precisa-se de urna que co-
sinhe bem no 3. andar, d^
typographia do Diario,
Por I|
Aluga-se a loja do sobrado rua de Lomas Va-
lentinas n. 30, caiada e pintada de nova; a,tra-
tar na rua Primeira de Marco n. 7 A, Livraria.
Para escriptorio ou morada
derapazes
, Aluga-se a metade de um i- andar rua das
Pnues (Duque de Caxias) ; a tratar na praca da
independencia n. 14.
^gostinho & IrmoH
Collar de Ouro
3- % Rua do Cabnga 3-A
Como fizessemos urna grande reforma em o
nosso eslabelecimento, tizemos tambem reduc-
cao nos precos de nossas joias de ouro, prata e
briihantes. Pedeni a seu~ amigos e freguezes a
vjrem comprar lindos objectos com pouco di-
nbeiro. ompra-se euro, prata e brilhantes em
obras servidas, e paga-se bem. Concertam-se
relogios, obras de ouro e prata cummodamente.
Caiitellas do Moole de Soeeorro
Compra-se cameitas I dSiMonte as Scccorro di
qualquer joia, brilhantes e relogios; paga-si
bem a 4'raea da Independencia n. loja u-
lyiojooiro
Aviso aos Srs. marchantes
Xo engenho Seto Ranchos, freguezia da Esca-
da, existeui iO be i* gordos para serem ven-
didos, qnem gs qaiser oeniprar< poder Ir tl-os
6 eutttdr-e coqn o Bario do Limoeiro, no seu
gwfiv PdoaaBba, em iaboatio. tinta ei
cellentes para o agougue, e prefere-se a quem
os comprar todos.
t
Fraucimo Ciuedea de Araiij.
A directora do Monte Pi I ortuguez manda
rezar urna missa e memento por alma do seu
finado socio installador Francisco Guedes de
Araujo, segunda feira lo do corrente, trigsimo
dia de seu fallecimcnto, para cujo acto de re-
gio e caridade, que teid lugar uaquelle dia
pelas 8 horas da onanba na matriz de Santo An-
tonio. Convida ao* senhores socios, a familia c
amigos do tinado.
Secretaria do Monte Fio Portugucz. 10'de Abril
de 1889.0 2- secretario,
Manoel F. Velloso.
t
Rua DHque de Caxias n. io;
Bolea perdida
Pede-se encarecidamente pessoa que achou
urna b cao de contas e bilbetes. o favor de levaUa raa
do Imperador n. 2, que ser gratillcada com ge-
nenjsjdade. ..
FOlUACALVlClfi
COM 0 EMPREGO DA
MTAMBA
PBl'AliADO EM TOVICO K POMADA l'OR
Garntese a cura da calvicie, qi.ua
DOS CAItELI/>S, caspas e mcvuai.sias na
ealH-'ca.
Vendc-.-e na loja (Je eabeUeireird de
ODILON &ilB3iO
i IKna da Jinppratriz J>
FranclHoa Ioniza de Mello
Theotonio Flix de Mello, suas filhas, seu fi-
lho, genros e netos, agradecem intimamente a
todas as pessoas que se dignaran) tondazir ul-
tima morada os restos nortaes de sua chorada
esposa, mi, sogra e av, Francisca Luiza de
Mella ; e de novo convidan) a todos os prenles
e pessoas de sua amizade para prestaren) ainda
mais una vez o acto de caridade em assistirem
as_mssas que-teem de ser celebradas na Vene-
ravel-Onlem i-* de S. Francisco, no dia 15 do
corrente, *s 7 l^'ltoras da manhfi, setim do
seu pa-saueiito.-pekique di-sde ji se coofetsan
eternamente gratos.

Bento de FreltaM Ciulmare
Jnior
Segundo anniversario
Bento de Freitas Guimares e Maa Aurelia
Rodrigues Guimares mandara celebrar urna
missa no dia 15 do corrente, 2. anniversario do
fallecimento do seu nunca esquecido filho Bento
de Freitas Guimares Jnior, s 7 1/2 horas, na
nratriz de Santo Antonio, para o que rogam aos
seus pareates e amigos o caridoso obsequio de
assistil-n. nntpcipaifdo seos agradecimentos.
Atleiiilnni
(Juta soanoni perfeiameiite habilitada a lee-
j-Jonar puiuigiwz vlr assim como t idos os
Irabalbas em :.- los especies oflrce-se |Wfa ir a casa das
familias que n.lo quizerem mandar su-'S filhas
para a.- nula.- : assim como tamoeo ir rcalir
lia casa de algtima funili.i abaaiia que qaeira
para mais e.miiiiodidadc de suus "Jhas. Alliaa
. coadncia lonesta, prudente e moralisada ;
qaeni pude iltrjfnp^sr rua ib Parto da
fazendas l'.iriz mi BMMJcM nu-
meio 10.
Baliti d<-solicauinliado
Pede-se a quem li vi ; levdo por "Ogao UUi
bahu de coum cojii a man p<>r esi-npin mu pa-
nza. \indo no vapor S.
; "ni <:t uliima iageiii do Sul. o lavor
de o declarar no e-'-iiptono da Coinpaulmi Per-
nainbuer.na on na-rua do Imperad.ir :i. 7:J,
[rinceta Isabel n. 8.
LIQUIDAR \0
t
Antonio da Kilvw Humus Vic*
Urania K:mos Nevcs e ngostino da Silva
Xeves convidam aos seus prenles e amigos pa-
ra assistirem as raissas que inandam rezar no
da 15 do correte, s 7 1/2 horas da manh. na
(nalriz da Boa-Vista. 2- anniversario do passa-
neiito de seu piezado lilho e irmo Antonio da
Silva Ramos lleve*. Desde j summamente rc-
rouhecidos. ogrsdeieiB a considersco dispen-
sada por aqueljes que euinpaiecerem a esse acto
de regio e caridade.__________________
t
Cosinlieira
l'i< risase de urna cosinheira para (amias
tranyeira de ti is; na rua l.deM;
n. 23, amiga do Crespo, loja, se informar.
Para a Semana Santa
Capas, visitas.
guarnecidos de renda e vidrilhos.
Ottoimmes c sedas pret;
Presos lavejavels
Ateer do madamc FiV>jNV .SILVA
ba tarXo da victoria n. 15 ,
(Cobrado)
Terreno
Bom para coudelaria rua Mrquez do Her-
val 80 c 82 ; para ver, na casa ao pe, e tratar
na rua Mrquez de Olinda n. 2o. Tem coebeira
Hunoil CardoM .Ijn-o
Jo-' F. Carnoso Avies e seus irinus convi
dain seus patentes e"amigos para assistirem urna
missa qui- mandaiii pesar, na igreja da Mad-e de
Di-lis. as 7 I i horas da manh de segunda feira,
\5 menti. de seu mui prt-sado pai Manoel Cardoso
Ayn-
Afliecipadamente agradeven a todos qia sa
dignan'in a comparecer a este acto de re:
caridade.
larmisiaBai
t
HlE3ael A. P^trocellc
Fnjncisco seos Irinftos econtinrtos
convidinn aos seus pai entese amigos
tirem a missa que inaialam eelrbiar mi Matriz da
luantele^es reamente Boa-Vista, pelo tri-e-ia.o diado l'.ilecimnlo dw
seu presado par, > 7 12 horas da manh do da
l: doi corrente.______________________
Mivufl Wilino U<- BarruN fr'nlco
Manoel Silvino de Barros Falco. sua mulhcr
e Hihos. < onvidam aos seus rateos e prenles
para assistirem a urna missa que mandam rezar
na matriz d Boa-Vista s 8.horas da manh do
dia l do corren^ limo do fallecimento
de seu preadissitoo c .-empre prantcado lilho e
irmoj Miguel Silvino dr Barros Falco. pelo
3ue dosde j se conl'essaiu summamente aca-
ecidos.
tiRANHK LTQ'
Na Loja das Estrellas
56-Ru Duque de Cxis~58
Telephone n. lo
Esle bem conhecido estabelecimento acaba
de passar por urna grande reforma,
sendo ligado interiormente coi a
casa contigua do n. 08 no intuito
de serem despachados todos os seos
freguezes com mxima brevidade
possivel, resolveu fazer grande II-
[iiidaco q todos os saldos que
ricaram d: balanco, por menos
50 [- do seu valor, enjos artigos
passaraos a demonstrar:
Artigos de le
Esguio, pe9a, a 3f>500.
Madapolo com um metro de largura de
145 por 70000
dem idem americano de 85 por 55000.
Algodao marca T, especial, muito largo,
de 70 por 50000.
Bramantes, pecas, por 70000.
Atoalhados, lindos desenhos, duae largu-
ras, a 10 e 10200 o metro.
Guardanapos de 40 por 20000 a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o me-
tro.
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 10500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a^l0,
e 10200 a duzia.
Toalhas de fustao, qualidade superior,a
30 e 40000 a duzia.
Cretones para coberta a 240 rs.
Colchas acolchoadas, brancas e de cores a
20000.
Lenc/es de bramantes a 20000.
Chales, escocezes a 10000.
E outros muitos artigos que deixam de
ser mencionados e que se vendem com
igual abatimento
Teeidos de alta novidade
PAKA VESIIDOS DE SKNHOBAfi
Linhos pardos para vestidos a 300 e 320
Sedas com quadros e listrs de 10800 por
800 rs.
Setns de seda, todas as cores, de....
10200 por 500 e 320 re.
Merinos lisos, todas cores, de 500 por
240 rs.
Tuaile de Vichy, de 240 por 160 e 80 re.
Xonsuks, desenhos Pnovos de 240 por
120 re.
Cretones claros e escuros com lindissimos
desenhos de 440 por 240 re. 1-800
PECAS!
Merinos de quadros, grande variedade de
padrSes, de 50U por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240. re.
pechincha !
Fustoes de cor, de quadros e outro3 dse
nhos muito lindos, de. 500 por 160 rs
Sedas Felippmas, de 500 por 200 rs.
E muitos outros teeidos para vestido,
em algodao, linho, la e sedas que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 jt.
C oofeco
Vestidos feitos de Casemira ricamente
bordados de 800 por 50 e 300.
Ditos para armar de 60, 80 e 100.
Ditos brancos bordados em cartao, alta no'
vidade a 80 e 100.
Guarnicoes de colariuhos e punhos para
senhora por 10 e 10200.
Capotas (preparadas na corte) de 200 por
90 e 100
GoUinhae e punhos para menino de 3 a
8 annos.
Vestuarios e ronpinhas para criancas, por
j :50, 60, 80 e 100, e Jersey, casemira e
de brim.
Saias bordadas a 20 e 30.
Enxovaes para baptisado com^collares ele-
trieos por 50.
Luvas de seda meio bra50 e qualquer ta-
manho a 10500 o par.
dem idem de Escocia a 10 e 10500.
Sobretudos impermeaveis de borracha de
700 e 800, por 300 e 400.
Capas e pellerinas de cachemiras ottoma-
n,i ricamente enfeitadas de vidrilhos a
250 e 300.
dem idem de renda, seda, damasco e
gurgurSo, tanto para phantasia como
para commodidade a 380 e 400.
Velludos de seda e algodao de muitas co-
res, i
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda, algo-
dao c linho, com um metro de largura.
Setins Maco de todas as cores a 750 e
800 re.
E muitos outros artigos de confeccSes
como sejam mantilletes de blonds, sahidas
de bailes, leques transparentes e de phan-
tasia, e outros muitos mais, que se ven-
dem com o mesmo abatimento de 50 0.
Para horneis
Casimiras inglezas com duas larguras, de
30500 por 10200.
Ditas cor de caf e azul, de 2 vOO por
800 rs.
Cortes de seda para collete, de 120000 por
30000 e 30500.
Ditos, 4e velludo e fustao a 10 e 10200.
Meias inglezas com fio de seda, de 120
por 60000 a duzia.
Paletots, de 70 por 40000.
Camisas com um pequeo toque de moo
a 10600 urna.
Collarinhos, modelo moderno, a 50000 a
duzia.
Camisas inglezas com collarinhos e pn-
nhos, sem collarinhos e sem punhos a
360000 a duzia.
Brins pardos de linho a 240, 280, 320,
360 e 400 re.
Dito branco de linho n. 6 a 10200 a Yara.
Lindos cortes de casimira ingleza, de 60
80, 100 e 120 a 40, 60, 80 e 100000.
Sobretudos impermeaveis de borracha, para
homens, de 700 e 800 por 300 c 400.
Ceroulas francezas, de 380 por 24000o
a duzia.
Paletots de seda, completos de feitos d
casemira, malas para viagem, e boleas e
tapete c um completo e yanadissimo I sor-
timento de cheviots, casimiras francezas
inglezas. pretas e de cores de padrees in-
teiramentc novos e que se vendem com o
mesmo abatimento de 50 [0 de seu valor.
Il aJhos
Aproveitem a grande quantidade
pelos precna, em sedas pretas e de cor
gorgorSes, setins, las, merinos; zephyr
linhos, chita, madapolSes e algmdM
nhos.
E umitas nutras pechincha. t:ie ^ **
encontram na
Loja dasEstreas
5t,v58Hua do Deque de Canas56, 58

\
>.
' %
i
/

i
%


Diario de PernambucoSabbado
13
*
U45
Abril de 1889

Antigo estabelecimento de ferragens
DE
GDfAMES &'C.
A
M -Rua Duque de axias-86
ran&e sortimento -ftifmagen*, cnttis,
t muitos ontnxs artiga* a saber:
Cobre em folha.
Ferro sortido.
Cimento Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro e bronze
Canos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta presso
Machinas e vapores
para algodao.
Candieiros elctricos*
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
tonga existencia a garanta mais sefiura para os que pro-
curaren! honral-o com a sua conganca.
-TRENOS SBM COMPETENCIA
Descontos do costume
ANEMIA
AS VaftDADKIRAS CHLOROSE
PILLAS DE VALLET
NAO SAO PRATEADAS
" ?AtLLIlT impifo mxx prt*> m
A maior parta do* nwd ico* eonooifd io con a Academia de medecino ero que,
las men-rcm a presrsocia que se Ibes di sobre os outros trrrngrtn niinai.
Existen numeror s tmitaats das
i^ Exiif' em eaia extremidad* do fras-
cm un-, a?! tmpressu em ocatso coa.
e*w.
a'eoaiaa
* **MttTim* ^^ ^r U/S*^ 0 ff na jaeo, Paria.
Venda na msior parte das phanr->cla8
IUIlWtmftllimiHHiHtfM'>>"'mMMPMVr'"ill"IMIIIirt.lMlttlMllll.l.lMitUM^.1tMfr
^^.ZKXsnOJ^S DP3.3ETJLS
BARATAS
Cachemiras pretas.
Crep preto e inglez
Bicos preto s de seda.
Setins Maco pretos.
Regatas de setim preto.
Luvas de seda preta.
Casemiras pretas*
Crenolina preta.
Merinos pretos.
Fichis pretos.
Nt ra Priracini de Jlsrc i. 20
(1*1 DB < OXF! \ \f
AMAIl&L Se
C
Capsulas de Quinina de Felletier
aoje nao ha ojuen ignore que Metiere o Inventor da Oninina 0 que asa
marca de fabrica.foi adoptada por todos os mdicos, por ser inteiramente para,
contra as Enxaquecas, as Nevralgias, os Accessos de lebre, contra as
Pebres intermittentee e paludosas, a Gota e Rbenmatismo, e os Suores
nocturnos. Cada capsula, da grossura de tima ervilha, contm 10 centi- /""\
grammas de sulfato, e nella 16-se KU.ETIER. Estas capsulas tem aociofiaumB
mais prompta e mais segura do qoe ss pilulas s confeilos, e enenlimwV y
mais fcilmente do que as hostias.
Vendem-se em frascos de 10, 90, 30,100, 900,500 e 1000 capsulas, r o tnico
sis poderoso que se conhece. Urna oapsuls somente representa om erando
mais
copo de vinho de quina.
IXAROPE de HTPOPHOSPHITO de CAL
de GRIMALT & C"
Affravada pala Junta da Hvgiana da Bia da Japairc
Fazendo-8 uso deste Xarope, calmSo-se os aecessoa de toase,!
desapparecern os suores nocturnos, goza-se de um somno re-
parador, desperta-se o appetite, e o doente, augmentando suas foras,
apresenta o aspecto de quera gosa boa sade. Os mdicos recommen-
do que se tome ao mest>o tempo as Pastilhas peitoraes de
sueco de alface e agua d 2ouro cerejo de GRIMALT e C\
que constituem os dois calmares mais inolensivos da materia medica.''
O* traacca ornea, qaa confa esta Xarop*. 8o de> ana* bil* cor de roa
lavSo m marca de) &'oric >, o aillo a a fnna da noasat neiirai
Dsmsiu m Pars, 8, Rui Vivienne, e as prianipaei Pharmaciai e Drsgsriaj.
:>'%!<-^Kn
,-OPE PHEIJIC0 os ifljlt
J&* Pharmaceuticoem Pars **i#
O aodo Phenloo 4 o principio activo dos aieatrfies expurgados de todo qaaato
BfM dM7aaa*sl s saa abaorpoio. ese sera oom difticuldade.
oto s forma de xarope, e um especifico elflcax contra as Doenoas do paito,
ofclU. Aamaa. Ronquido. Taaae. Coqualacb e Orippe. Produi oe
lores rasaiisaos para as preasoes ooncsdss s fallar multo.
H: em tedas as principa Phannaelaa do Brasil a de Portugal
laathocas
59Ra Duque de Caxias59
ADMIRE
Cortee de cretones em esrtao com figurino e enfeitos, a 8(5000.
dem de cachimiras bordadas, a 256000, sao de 40)5000.
Setim preto, a 1(5000, 1)5200 e 1.5800 o covado, verdadeiro Maco.
GTosdenaples pretos, verdadeiro Len, a 2(5200 o dito.
Merinos pretos, duas larguras, a 5u0, 800, 1,5000 e 1(5600.
Mantilhas pretas, a 15200, 30OO<) e 6,5000.
Casacos de oachimira pretos, a 3000(10.
Fil bordado, a 800 rs. o covado, para veos e enfeitos.
Velludillios de todas as cores, a 800 rs. o dito.
Zefiros de cores, a KO, 100 e 16U rs. o dito
Linons de cores, a 200 rs. o dito.
TecidoB diversos em cre6, a 240 e 300 rs. o dito.
Fustdes brancos bordados, a 360, 400 e 460 rs. o dito.
Lindas setinetat, a 200 rs. o dito, aprovertem;
Cretones magnficos, am metro de largura, a 280 rs. o dito.
Chitas, bom sortimento em cores firmes, a 200 rs. o ditc.
Rendas auatriaeaa para vestidos a 500- rs. o dito.
Cambrsuas bordadas, a 4tJ6< '0, com 10 jardas.
dem Victoria, a 2*500 e 30000, com 10 ditas.
Madapolao superior, a OtlO, coro 24 ditas
Algodoes nacionaes, a 3(5 Ricas guarnieres de crochet, a 70080 o 80OOiv
Toalhaa de labyrintho para baptisados a 250000 e 300000.
dem grandes para rosto a 40OOU a dusia.
Ceroalas de bramante, a 120000 a dita.
Meias inglezas superiores a 30000 e 50000.
Camisas inglezas e francezaa a 300000 e 360000.
Cortinados bordados a 60000 e 86000 o par.
Lenees de bramante a 10800.
Cobertas de sega, dotu pasaos a 20800-.
Redes supenorer, a 100000, sao de 150000.
Pannos para mesa a 10100 e 10400 o covado.
Atoalhados bordados, a 10200 o metro.
Bramantes de algodao, a 700, 900 e 10000 o dito.
dem de puro liaho, a 10600 o dito.
Casimiras em cortes, a 20OOC, 30000 e 50000.
Sargeiins diagond, a 200 e 220 rs. o covado.
As vendas em grosso tem o descont de 14 [0
PEBEIEA 4 HACALHlES
OsGRANULOSVcBSo^^doDPAPILLAUD
eomtituwn o Vnfarado ftwnlawi
mai* ffioaz mprjdo p*lu lummldidn mwjlou o*m xito ha man d
Contra a Amemia, Chtmraat (Peles, couleurt), Nevralgiat, d^heeSf *m fmUe,
WLATORIO FAVOBAVEL POR PAUTE DA aCaBBina DE MEDICINA DB PAHIZ
Citjt-m toDrt cttt truco o non-e da M. Monanier a* /.. Papillau*.
imano oaax< g*hinnaolm OIQOW, V, ra Coq-Hroa, PAJUZ
Em PernaatkaKO t PRAN" U. da SIX.VA C\
___________ fdalfcari
IS.COO tr.
*mfcARQOHB. PaermaesaMUeo^aV------"" PAIUS, VIBNNE, HIGB, te.
O Quina-Larocha mee i um qualqutr preparada, parm a multada i* iraham q.
Wmgaaraaaamiauiar at mas altas TtamptniO do Estada. O
Deposito es PARS, 8, rea Tivienno, s as principa Pharmacias s Droeartes.

11ER1L
ILLlNfAreUSONSC.
44-IUA IIARAO DO TltltHPH044
Machinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'agua.
Taixas rundidas e batidas.
Tai xas batidas sem cravacao
Arados.
Horticultura
Mr. IVIlo; horticultor francez, cora impor-
tantes ctabfciecirnentos em Angers, acaba de
cegar a esta capi-.il rom urna grande Tariedade
de plantas diversas em estado de seren tras-
plantada?, como sejam:
Camelias Magnolias, Azalea?, Jasmin do Cabo
panach, Hortentia vermelha, Roseiras noas va-
riedades, Lynos, Oablias etc., etc., vinhas e ar-
vores fructiferdS.
Vendetn-8e ra da Imperalriz n. 6 (loja)
precos moderados.
Cozinheira
Prerisa-se de orna ama que cosinhe betn, para
casa de pequea familia, que durma em casa
dos patres; na ra Conde da Boa-Vista n. 4-F
portao de ferro
Goiabada pura
E' na rna Vidal de Kegreiros n 112, onde ven-
de-se o excelleote doce de gciaba u la0U a
lata ; ha tambem dequulidades mau baix>s por
nwoos preco, e encarrega-se de enco.
para doce9 de otitras fructas dopaiz, (raranlindo
qualidades eepeciaes, havendo abatimento em
porgao.
Cosinheiro
Precisa-se de um cosjnbeiro : na ra do Pav-
sand n. 19.
Ao eommercio
Alfredo Lopes & C, participam que o
Sr. Agostinho Vieira de Miranda deixon
nesta "data de ser seu empregado.
Reoife, 6 de Abril de 1889.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZ/r
KxcaOo todas as ontraa pelo ten
jur'iim'- Wyriaftft,
Afamada
31 de GOLOKl de 1THHSBI
InoTniHrBTel pelo **> perfume e im
!e todoa oh pro-
lid03 tOb O. BU3SKI
. wra..
Encontr se t/n >sj de todos ot.*ja-
Ftjricinte*
4. E. ATKINSON
34, Od Bond Stre*t, Londraa
JCsrc doFabt r* Un(*"R -abraaca"
n.h.e nrua Ljra le Q
oom aaaswoo as totalizada.
Casa
>luga-se o i- and.T do sobrado n. 27, ru
radon, tora bolla couimoilos ea^'ua ; a
tratar no uiesmo andar.
VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
Preparado sob bases scientiicas
PpT810'^* para o fin de
beneficiar os cabellos, restaurar
a cor, impedir a queda, e promo-
ver seu vico e abundante cresci-
mento.
Esta apurada e excellente preparacSo,
sem duvlda o melhor remedio at hoje
conliecliio para os dfferwites defeitos da
caboUadora, merece a intima attenco de
todas as pesaoas qne tm tido a infelici-
dade de perder em parte este mais rico
ornamento natural da physionomia.
Com o sea emprego inteligente tem-se
conseguido resaltados realmente sorpren-
dentes. Em muitos casos, porm nio
sempre, a proprla calvicie tem sido curada
permanentemente.
Sempre se consegu' fuier parar a queda
do cabellos; emquanto que para opentea-
ao das senioras, o objecto mais til
mais agradarel que se pode empregar.
peepahaik) rrao
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est.-Unidos.
A' venda as lojas de armariabo e per-
tumarias.
tjptaco oes^
PARA O CABELLO.
Augmenta, Aformosea
E PAZ CEESCEH O CABBT.LO
com assombrosa rapidez.
Criado
DEPOSITO GEKAJ
**
Alu:
2ra-se
o 2- andar da casa ra da Aurora n. 81, junto
a estacao da estrada de ferro de Oiinda, com
grandes commodos para familia, gaz e agua en-
canados ; a tratar no escriptorin de Sebastiao
de Barros Harreto. ra do Bom Jess n. 16,
priraeiro andar.
Alug-a-se
a casa ra da Amiadc n. 40 (Capunga), com
bom quintal e cacimba de excellente agua, ea
travessa da Pyndoba (Recife) n. 30, com quin
tal, esti limpa, catada e pintada ; a tratar na
rua Direita n. 45, sobrado.
Precisa-se de um criado ; na rua do Pafsandn
numero 19.
Aluga
-se
o 2- andar do predio n. 30, a rua Mrquez de
Oiinda : a tratar no 1 andar da rua larga do
Rosario n. 22.
Aluga-se
o pavimento terreo do predio site rna do Bom
Jess n. 15, proprio para escriptorio por ter gra-
des, eabinete, etc.: a tra'ar na mesma rua n. 4,
escriptorio.
Alug-ue barato
Baixa Verde ns. 1-C.
Rua Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Rua Vital de Negreiros n. 45.
Rua do Bom-Je3U8 n. 57, 3o andar.
Rua do Cal.ibouco n. 4 loja.
Rua do Coronel Suaasuna (quarto) n. B.
Rua de S. Jos n. 74.
A tralar rua do Commercio n. 5, i andar,
escriptorio de Silva Guimares C.
Precisa-se de uma.ama para casa de duas pes-
soaa-, a tratar na rua da Concordia n. 143, po-
dara.
Ama
Precisase de urna ama para cosinhar e mais
servicos de casa ; a trata: na rua Jo Cotovello
Quinero 34.
Ama
Na rua da Matriz da Bdu-Vista o. 26, I an-
dar, precisase de urna ama qua cosinhe bem
pin casa die pequea familia.
Ama
Precisa-se de urna ama. que saiba cosinhar e
engommar, para casa de pequea familia e que
durma em casa dos patroes ; na rua Barao de
S. Borja n. 39. ________________________
Cosiulieira
Precisa se de ama boa cosiohejra e que tam-
bero, faca o servico de compras, pra casa de pe-
quea familia, paga-se bem ; a tratar na rua do
Cabu- n. 16 o;.i.
TIIOe XAROPE de QUIAe FERRO
a MSAULT C\ pk~- #a Parla
iatnram tus JtaUt H/ilf a tto-4a-*aaan
Oraca *a suas propriadadea tnicae repa-
radora, astas preparados profluzem os me-
Iboras reaultado quanJo empreado contra
a ala.a oMoro* a leooorvha, as un, conaecuuva a eaaas eufermidade. o
lii|iiil.....e outras molestia* provenientes
da Bomtama do hoom. Eicllando
da infciii do aaftem Excitando o appettie,
amulando o organismo, e raoonsutuindo os
8ioa e o sanirue, o vinho xarope d
QUIN a FEBBO da OKIMAOLT C. tS**-
mHmtm rafUimmti a* creancaa debis a
mocas paludas anmicas, cortio o Ugetros
accessos U febre. svnrgnm e suor tarmaos
os sucres notttrnit Sao da malo efllcacla
naa ttarraias reUliu. ftcUltao a marena das
eouaalesetneas ti'UcrU i sustenta as atOos.
QtrVjriwi
~m pa.rs, e, uva.
VIVIKTTItK
AVISO
Chamamos os nossos de-
vedores para liquidaren* as
importancias de seus dbi-
tos at o dia 25 do cor-
rente sob pena de declarar-
mos os nomes pelos jornaes.
Recife, 11 de Abril de
1889.
Alheiro, Oliveira 4r C.
IEMEdeBMOTI
de RiaSALT i C, nttmkmatitti
(Gticas. Diarrha, Dysantera)
ni o ub-nitrato
sta eextre-
nL.uasmLM stura com agua
JaJHVa^HHwieiio leite inspido,
nin jssucar, ou em assucar, as
c. c-ji.v.is, lio i-cio como o a com prazer. E' um remedio poderoso
contra as clicas, as diarrnas, a dy-
senteria do.-, paizes quentes,as dore
d'estomacjo.asgaatrites gastralgias
n lcerages do intestino. Suaaccao
niiiravilhosa para combater a diarrhea
preoarnora do Cholera.
Cada frasco acompanhado de ama
colher de osso, que medida exacta
para a sua applicacao. A dose de duas,
'iiiatro at aeis colheres para os adultos;
^ara as creancas, ella 6 de meia colher.
Em 8. T^ua Vivienne.
Telegramma
Vejam e admirem!
Sii o 55 rua Duque de Caxias podt
vender pelos preyos que abaixo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padrees, a
200 rs. o covado.
Fustoes brancos a 360 e 500 rs. o co-
vado.
Velbutinas de todas as cores a 800 rs. o
covado. E' barato!
Cas :os e capas para senhoras, o que
ha de mais novo e barato.
Cortes de seda, padroes lindos e precos
razoaveis.
Madapolao com 1 metro da largura s
60 a peca.
Zefiros a 80, 170, 200, 240 e 400 rs.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado
. Tecidos arrendados a 400 e 500 rs. o
covado.
Brins de cores a 320 rs. o covado.
Cortinados de crochet, cousa chic e
preco barate.
Cambraia Victoria a 2t?800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargeiins de todas as cores a 200 rs. o
co-vado.
Guardanapo8 bons a 1J800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 25 o metro.
Luvas de seda a 20 e 30 o par.
Espartilbos couraca a 40, 5$ e 60 um
Merinos pretos e de cores, urna mrie-
dade immensa em precos e qualidades.
Setfns de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toalbas felpudas, grande reduccKo em
pre$os em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha de
mais moderno e por pouco preco, 100000
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglesas com e sem collarinho
Atoahado para mesa a 10 e 10800
muito fino.
Collarinhos e punhos de linho e algodao
e por preco barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 60 a peca.
Esguiio pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna grando variedade em lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 50 urna.
Leques de setim muito chic.
Linn bordado com qsadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento eni qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de mais bonito, s
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 10600 o me-
ro.
Brins pardos a 320, 400 e 500 rs. o
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos d linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais gosto e por preco razoavel a 80000 a
peca-
Dita com salpicos a 40 e 50000 a peca.
Colchas argentinas a 60000 urna.
Ditas de 20, 30, 40 e 50000
Bramantes de algodao e linho de todo
os presos.
Grande sortimento em fich de. core*
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques para noivas.
Bicos de cores muito chic
Alm do que acabamos de annunciar.
temos urna quantidade de arbgos que so
vendo-se, se acredita, pelo que pedemique
comparecarn. :/
Dao-se amostras sem- penhor. ;:
Setinetas lisas de todas a corea -a'.40?
rs. o covado. Sao muito largas.
Roupa ieita e por medida.
55 RUA DUQUE DE CAXLAW
FERMIIESDEAZEEDOIC
NENHU1YIA
Pasta pcitoral tem adquirido f ra\ mil nientfa
i" q-.i a da PASTA da NAF de DELANGRB-
NIER. rua Vivienne, 63. Par.s.
A *ua roya uniars'il fl bastado '
1 Na j-.ia poderosa efficticia ooatra w Mtm-
moa (OomtipaOc), Bruii b I i,. IrritaeOes do peito e4a
-uiguiaa; eOracia eata, Toriaoada por *0 metios dta
lloHnitaes de Paris.
i- Na ana ampertoriHade incantratetvt
iila pL-lot ua;ml>ru ua Academia de Moti|^>eB
tarta.
I aoalTies de ehitnleoa da Facnlitade de Pata
rao que nao coutinlu opio nom anea ate
opm, taea romo Morphia e Oodeiaa, remedioa em,
i^oa r*i. U'iu co.ihecidoa.-
TACO -" '- rltutoe antheuticoa qnc reeommendao a
I rt-O 6TA o o XAROPE de NAF oaa-
stes titulo, uao forao ooaeafla*
- iui, qner autifro, quer.recente.
Ttuat-te u. i Dricipaet Pharaaeas 4a Inte httam/


8
Diario de PurnambecoSabhndo 13 de Abril de 1889
I


IA1S DE 10:000 CUBAS
M 8'IW
iBSSVKATISHO
E DeDENTES
PREPARADO NICAMENTE
eoa tjiLASirs & c.na baha
Medicamento roico contra os rheuraa-
tismoe, chacSes-, dures aciaticas, nevral-
gias, doritteocia. etc., empregawdo-se em
fomentacoV i sobre os lugares affectados
fceri, as paralysias e as dores
de den tes.
Todos os frascos levam direcg8es para
uso d'este medicamento admiravel.
Prego 1*200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECD7E
Francisco Manoel da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n. 23
Queris curar-vos ?
Se queris curar-vos da vossa tosse ou
da vossa rouqnidSo, tomae o Peitoral de
Cambar, que Acaris logo curado.
Os agentes,
Francisco Manoel da SUva & C.
tten^o
O agente de leiloes Pestaa acha-se autorisa-
do a vender casas terreas e sobrados edificados
as principaes ras desta cidade ; a tratar uu
ra Mrquez de Pijada n. 44.
Caixeiro
Precisase de um caix iro de 42 a 46 annos,
Jue tenha pratiea de militados e que d fiador
e sua conducta ; na ra da Guia n. 4i.
AVISO
O abaixo as.-ignado relirando-se temporaria-
mente para Europa, declara ao publico e espe-
cialmente aocorpo commenial desta praca que
deixa como seus procuradores Manoel Soares da
Silva, francisco Antonio da Silva Mai- e Jos
Lhacon, na ordeni em que esto collocados ; ou-
tro sira, pede dt -,.ulpa de. pela presteza de sua
viagem nao ter se despedido pessoalmente d;s
pessoas que o honravam cora sua amizade, offe
recendo seos limitados prestimos onde se a^oar.
Recife, 4) de Abril He 4889.
Joeo Femantes de Asevedo Valonguetro.
OttO
UKIV"- 1878
Croiide Ckfalier i
EXPOSITIOIt
lidiie d'Or
ui rus Mftt Rtampuia
PERFUMARA
n
ESPECIAL
LACTEINA
E. COUDRAY
alud* pela* (MtbriA.d WJica? de Pm
MU TOJAS M CCESSITDES DO l.tlTADM
PRODUCTOS e:pecias
S UNda HOZ d; UCTEli p.'ra bianquetr a pelte.
SIBll de ItCTEnA tari t tcoesor.
TE e P SiBil d- L1CTEU1 nw a barba.
FII11* de UCTIIIt para a kllrza dus cabillos.
ISBA de UCTE1MA fara o toiiradur.
El de UCKOU pa a embeliezar m obcUos.
E-SMCU de UCTtim para fc-nrcu.
F* e AEBA BEHT.FRICIOS de UCTTDll.
CROE UCTElll th m.da tem da petl*.------
UCTEUDA para branq'icar a priu.
EITEI aTMM C MME KA FAKIC
pars 13. rae Eighiei. 13 pars}
"-----"* todat m Partainariai. Pbarlttelaj A
Cabellrwrfu rl> America. X
Expeimentae
A bronchite e a coqueluche curam-se
maravilhoBamente por mel do Peitoral de
Cambar, que s vende em casa dos agen-
tes Franeisco Manoel da Silva Se C. e em
todas as boas pharmacias e drogaras des-
ta capital.
Experimentae !
Para jornaes
Papel formato Diario, 500 felbas
Papel de forro
de sala, gfamete e corredor, esplendido sorti-
mento nt. livraria Contempornea.
Quadros
cora bellissimas oleographias, obiectos para
adorno de sal* e para presentes, tudo encontra-
se na livraria Contempornea, ra i de Marco
numero J.
Malas de viagem
para roupade senhora e de homem, propria de
camarote e caminho de ferro, bolsas, cnapelei-
ras, binculo.-, etc. etc. artigos rauito bou3 e
baratos na livraria Contempornea.
Instrumentos de msica
para banda e orcliestra, realejos, caixiohas com
4, 2 e 6 pegas, para cn..nca ; na livraria Con-
tempornea.
Uui mogo habilitado propoe-se aleccionar pri
meiras letras, portugus trance* pratiea e theo-
ncamente e arithnietica, em qualquer engenho.
Para informngoes dirijam se roa Marcilio Dias
n. 84, escriptorio, ou a ra do Imperador n. 84,
I andar, escriptorio (sala de detraz).
Farinha de mandioca
Retalha-se na ra do Torres n. 6, por prego
mais commodo que era outra qualquer parte.
Attemjo
O abaixo assipnado, tendo visto seu nome na
lista dos devedores da massa fallida de Jos Ja
cimlio de Medeiros, e nada devendo, como prova
com o seo recibo que se icha em seu poder.
Recife, 2 de Abril de 4889.
Eduardo Marques Monteiro.
Attencao
No armazem da ra do Amorira n. 60, vende
se superior vinlio de mesa pelo mdico prego de
74 o garrafao de 3 caadas (voltando o casco)
A elle antes que se acabe.
Caixeiro e ama
Precisa-se de um eaixeiro que tenha bastante
platica de molhados, de 44 a 16 annos, e que
fi fiador de sua conducta, e de urna ama para
servigo de &'S i de familia ; a tratar na ra Vis-
conde de Govanna n. 245
Triado
Precisase deum rapaz de 44 a 45 annos
travessa do Corpo Santo e 27.
na
VERIJAS
1 os capitalistas
Vende-se os bem conbecidos extensos ar-
mazens n. 51. caes do Apollo, incluindo dous
sobrados ns. 4' 6 e 408 ra de Domingos Jos
Martina.
Estes armazens soboin situados em frente da
nova ponte Buarqne de Macedo e tem capad da-
de para 9.000 a 40,000 barricas de farinha de tri-
go ou outra mercadoria em proporgao.
A' tratar com M.Hheep Austin ai C, n. 48, ra
do Comraercte. __________________
Pao centeio
Mello & Biset, avisarr ao respeitavel publico
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
iioroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
Vaccas taurinas
Vende-se tres vaccas tounnas, sendo doas
paridas e una solteira, por prego commodo ; a
traL.r com Antonio Pongalves de Oliveira, no
Remedio.
Vende-se
urna ca=acom annaco e diversos gneros, vre
de impostos 8 desembaracada. propria para
principiante, ra de S Bom Jess n. 39, ami-
ga ra da Cruz, a raio da venda se expor ao
comprador, pechincha. ___ _
Dito dito Jornal, 400 folhas
Dito dito Provincia, 400 folhas
Vende-se na fabrica Caxias
74500
5*000
44500
Vende se excellentes peixes de viveiro
nos dias de quarta, quinta e sexta-feira
santa, nos Afogados, no sitio Boa-Vista,
outr'ora do Caj ; a entrada do sitio fica
defronte fabrica de sabao do Sr. Santos
|"Xr ujo.
FOLFETIH
SEM MAI
POK
paulo wmmt
SO' NO MUNDO
(Continua$au don. 8 2)
CAPITULO V
A carta p Percorreu as linhas seguintes :
Querida Sra. Lureau.J desespera-
ra de poder enviar-lhe um sold, to di Si-
en e dura a vida aqu, quando succe-
eu-me urna felicidade inesperada.
f O mea patrao deu-me cem dollars de
rratificagao, troco-os por ama nota fran-
cesa de quinhentos francos e remetto-a
immediatamente para a pobre orpbazinha
ie que o seu coragao generoso quiz en-
tarregar-se. Agradego-lhe ainda o que
tiver a bondade de fazer por ella, sobre-
indo se conseguir fazel-a honesta e boa
como a senhora.
t Quanto a mim, vivo s, muilo in-
feliz, lamentando mais do que nunca a fal-
ta da miaba pobre mulher, arrependendo-
me sobretudo de haver dcixado o lugar
nde vivemos untos. A minha saudade
sera l mais viva e dar-me-hia mais co-
ragem.
Cedi a um momento de desespero
viudo para aqui; momento que sem du-
vida muito tarde para resgatar hoje. Ah!
e ou podesse voltar para junto da senho-
ra, como nao o faria i inmediatamente, e
com que prazer nao a ternaria a ver!...
Trabalhar por trabalhar, sempre mellu.r
taz.ol-o com gente que falle a mesma lin-
gos que nos.
'i Falle algumas vezes a minha nlha de
seu infeliz pai, tao triste c tSo s no mun-
do, e recebam, tanto a senhora como o
bom Sr. Ivireau, os piotestos da mais pro-
funda gratid&o e da mais viva amisade de
Eugenio Gaget.*
Martinha Fresnay tinha razao: a carta
nao trazia o enderego do expeditor, nem
tuto pouco eslava datada.
Por felicidade, o carimbo do correio
havia supprido.
Eram linhas de am homem desanima-
do, infeliz, provavelmente devorado pelos
remoraos e pelo arrependimento.
Urna intuieSo disse a Pedro que aquella
carta e os quinheotoe francos que ella con-
tinha eram ao raesmo tempo em adeos.
Depois disso, Eugenio Gages n2o es-
creveria mais, nao dara mais signal de
vida.
Voltaria sob outro nome ?...
Era incerto e sso dependa! absoluta-
mente do grao de amor paternal quo con-
tivesse o coragao do miseravel.
Nao se podia, portante, estabelecer pre-
visao alguma sobre esse ponto.
Que pena nao esUr aqui o enderego,
disse o Sr. de Sauves, conservando a car-
ta na mao. Esse homem infeliz, nao
gosta da trra em que est, e eu o toma-
ra com tanto prazer...
E' bem triste para elle efectivamen-
te, senhor, redarguio a camponeza, tanto
mais quanto a Sra. Lureau diz que elle
muito bom homem. Mas talvez escreva
ainda, e que dessa vez diga para onde
se lhe pode responder.
Se se dr isso, quer ter a bondade
de prevenir-me ?
fjom muito gosto,' senhor.
Nesse interim, desojo contribuir para
a criaean desta menina. Aqni tem para
ajudal-a um pouco. E mais tarde, quan-
do for para o convento, pedirei Sra. de
Romilly que vele por ella.
Pedro havia dep.ato alguns laizes sobre
a mesa.
Proseguio, emquanto a Martinha desfa-
zia-se em agradecimentos :
Vou guardar esta carta ; mais tarde
dal a-hei a pequea, se Eugenio Gages nao
voltar.
A Martinha nao se admirou sequer desse
desejo; nao tinha necessidade alguma da
carta, e alm disso, quizessse embora
guardal-a, n3o ousaria talvez pedil-a ao
Sr. de Sauves.
O ee.genheiro levantou-se e sahio.
Chegado casa da Sra. de Romilly,
contou-lhe urna parte da verdtide.
Procurara outr'ora fazer bem a um dos
3eus operarios. A mulher. delle era urna
creaturaperfeita, que morrera dando luz
urna menina no mesrao da em que Adelia
tivera a sua.
Esta coincidencia fazia com que irmaoe
Vinho puro de Sentaren
Da Quinta do Barral
Chegou a pnmeira remessa deste especial vi-
aho para o Armazem Central de gneros alimen-
ticios a ra do Cabuga n. 44, o qual se torna re-
oomroendado pela sua pureza e boa qualidade,
manda-se em casa dos distiactos frepezes vre
de frete, para qualquer ponto da cidade.
Raa do Cabugn. 11
Telephone n.
Joaquim Christovo
447
iVlercearia
Vende-sel urna mercearia das meihores no
arrabaldes da Boa-Vista ; paia informages, na
ra do Socego n. 33, taverca.
Sempre navidades de Pars
HA
REVOLUCO DE 48
.4" raa Duque de Caxias n. 48
N'estc estabe ecimento de fazendas
nao s costumain annunciar a realidade,
como tambem vendem por menos 30 '/
do que em outra qualquer casa, como j
havemos provado aos nossos fregueses.
Nansuk de todas as cores a 130 W. o
covado.
Cretones a prado, fazenda especial a
240 rs. o dito.
Setineta preta com pequeo defeito a
240 rs. o dito.
Merinos pretos a 809, 1)5000, 1*200 e
10500 o dito.
Cambraia com salpicos braacos e de cores,
a 4*000 a pega.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Cortinados para cama a 6*000 o par.
Capellas com veos para neivaa a 8*000
urna.
Espartilhos de couraga a 3*000, 40000 e
5*000 um.
Saias bordadas, novidade, a 3*000 urna.
Esguiao com duas larguras a 3*200 a peca.
Fichas de retroz de toda.- as cores e pre-
tos de 1*000 para cima.
Pannos de crochet para cadeira a 1*000 e
para sof a 2*000 um.
Algodosinho com 20 jardas a 4*000 e
4*500 a pega.
Madapolao Boa-Vista, verdadeiro, a 5*000
a pega.
Merinos lisos e de quadros a 200 rs. o
covado.
Cortes para vestidos em cartSo, novidade,
a 7*UOO, 9*000, 10*000 e 12*000 um
Mantilhas pretas de seda a 5* e 7* urna.
Zefiros encorpados com 70 centmetros de
largura a 240 rs. o covado.
Renda da China a 240 rs. o dito.
Lencos de cores. hnitacSo de seda, a
1*800 a duzia.
Organdis, fazenda de phantasia muito lar-
ga, a 40J rs. o covado.
Sargelim de todas as cSres a 200 e 240 rs.
o dito
Enchovaes para baptisados de todos os
pregos.
Brins de linho de cores fixas e garantidas
a 6 O o covado.
Bramante branco para lengs i $00 rs. o
metro.
Toalhas para rosto a 200, 300, 400 e
500 rs. urna.
Cobertores finos de 1S, com pequeo sujo,
de 56000 par 2*500 um.
Cortes de fustao para colete, garante-se
as cores, a 1*000 um.
Cambraia suissa de 14*000 por 7*000 a
peya
S Da Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
Cal de Lisboa
Vende-se boa cal : na roa Visconde de Itapa-
rica n. 4i, outDora ra do Apollo.
irma se interessassem pela orphlzinha, e
era ella que Pedro tinha ido ver em casa
de Martinha Fresnay, onde o pai, quando
partir para a America, a havia dentado
para criar.
Nao podia escolher mplhor, declarou
a Sra. de Romilly ; Ma-^ha i urna mu-
lher excellente e honest At 4 vol^a do
patife do maoido, a menir- -*qjrA criada
por ella como urna verdad, a princesa.
Depois, ha de ser differente.
Nessa occasiSo, ao que parece, a
crianca de ve ser collocada n'um convento
dos arredores. Demais, querida tia, disse
Pedro com certa emogao, devo confessar-
Ihe urna cousa ?
Diga, 8im.
L'ontei comsigo para velar pela pe-
quena, pois que riHnb irma e *u nao c
poderemos fazer por nos mesmos.
Tudo quanto era bondade e caridade
seduzia tanto a Sra. de Romilly, que ella
aceitou incontinente a trela.
Estendeu a mao ao engenheiro.
Est combinado. di*e ella. E as-
socio-me alegremente sua-^pa obra.
Mas todava debaixo de aum coSlicJto, ac
crescentou a exeileate afebora com am
bom sorriso e os olbos brilhantes.
Qual ?
Adoro Roberto, que se parece com
minha querida irma. Ha de trasel-o aqui
muitas vezes.
Oh! quantas quizer. Aqni o seu
corpo franzino fortifiearse-ha no ar puro
dos campos. O seu coragao, param, for-
mar-se-ha melhor anda, ao clUacto de
creaturas boas como as desta casa!
O curso da vida ordinaria vultou sua
regulardade na usina da ra fo Belle-
vle.
Pedro de Sauves tivera a cautella de
nada dizer a sua irm, na,) s quanto
estada da filha de Eugenio Gages na Nor-
nandia como quanto prova que adqui-
rir em casa de Martinha Frosn-ty de que
o miBcravel nao morrera em Philadelphia
no dia 14 de Setembro, pois que no dia
20 remetiera a carta recebida pela Sra.
Lureau.
Reflectio que, oceultando-se Eugenio e
tendo elle mudado cortamente de nome e
de personalidade, todas as pesqnizas no
sentido de descobril-o nao podiam, nao
deviam abortar.
Oa, Adelia, com o seu carcter impe-
tuoso e apaixonado, nao coiuprehendena
nem os adiaiuentos nem a prudencia, #e a
certeza, mas certeza absoluta, substituase
nella o simples preseatimentu que tinha
da existencia de Eugenio Gages.
Havia de querer partir inmediatamente
A LOJA MAIS BARATEIM
PARIZ N'AMERICA
AZEVEDO, IRMaO A O.
IB Ra do B. da Victoria16
200- Tslepkone -200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo e pregos sem com-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qnalidades.
Etamines, pretos, de 11 e 12 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 1*000 e 1*200.
rinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 20 rs.
Bramante de linho a 1*500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 1*000 e 1*500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de i e seda 2 larguras a 1*000.
Madapolao trancado a 9*000 a peca.
Dito globo a 7*000 a dita
Dito camiseiro a 7*000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 6*000.
Fichs de la e seda 1*000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos couraca a 4*000 e 5*000.
Colchas de fustao a 2*000 e 3*000.
Capellas para noiva com veo bordado a
6*000.
Toalhas de cSres para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 1*500.
Renda de la, preta, para quaresma.
; ano verde para bilhar.
Tapetes para sof a 13*000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 1*000.
Camisas de flanella a 5*000.
Cortinados de crochet para cama a
10*000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 1*000.
Extracto Rita Sangal a 2*000.
Velbutina de quadro a 800 e 1*900.
GuarnigSes, pretas,;de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 4*0o0.
Capachos de edeo.
Luvas de seda a 2*000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da <"osta para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol.
Setineta para coberta a 600 re.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
_________TELEPHONE 20()__________
Vende-se
o estabelecimento de molhados sito ra doi
Bom Jess n. 29, antiga da Cnw. esta bem sor-
tido e afreguezado ; a tratar no mesmo.
Armacjao
Vende-se urna armagSo de amarillo enverni-
sada e envidragada, propria para qualquer nego-
cio, ra Viscoade de Inhama, outr'ora Ran
gel n. 49, e garaate-se a chave da dita casa. Na
mesma acharo com quem tratar.
A rmago nova
Veade se a armago, fazendas e mais utensi-
lios, inclusive um cofre de Milners, do estabele-
cimento sito ra do Rangel n. 43A, garantin-
do-se as chaves ao comprador.____________
lambique
Vndese um alambique de tamanho regular c
em perfeito estado, com a competente raspadei-
ra, propria para engenho; a tratar na fabrica de
vinafrre ra Baro doTnumpho n. 75.
para a America, talvez installar-se em Phi-
ladelphia.
Ora, tudo isso nenhum resultado pratico
produziria.
A faculdade de ganhar dinheiro para
alcancar fim desejado mais tarde, se
hodvesse meios de colher indicios dahi a
alguns annos, era dirigir a industria, des-
envolvendo, e nao descuidar e abandonar
o commarcio para correr atr.s de urna chi-
mera.
Nao prqnunciou, portanto, urna nica
palavra sobre a sua nova descoberta, e
voltou ao trabalho com um ardor, urna
softreguidao, urna perseveranga que ultra-
passavam o que tinha feito at entao.
Martinha Fresnay, apezar de sua pro-
messa, nao lhe escreveu que houvesse no-
ticias de Gages, e a Sra. Lureau, a quem
va de quando em quando, affirmava-lhe
quejo miseravel nao dera mais signal de
vida.
Nao me engae i, pensou entilo o Sr.
de Sauves: : os quinhentos francos eram
um adeos. Se o assassiaa de Jorge vol-
tar algum dia Franga, ser com e nome
e rosto ovos.
Chegou o anno terrivel de 70.
Pedro alistou-se logo n'um dos rgi-
men tos, no qual nSo tardou a subir ao pos-
to de capitao.
Mais tarde, depois da guerra, de onde
teve a felicidade de voltar sem ter sido fe-
rido, comquanto cumprisse vaporosamente
o seu dever ; depois da Communa, esta
outra guerra mil vezes mais cruel que a
priraeira, as usinas reabriram-se, os tra-
balhos recomegaram pouco a pouco, os
negocios voltaram ao seu movimento or-
dinario.
Por urna felicidade providencial, a casa
da ra de Belleville nao soffrera cousa al-
Ao passo que em torno della se viara
nao piucos desastres e ruinas, a fabrica
couservara-se de p, muda, fra, mas sem
urna avaria.
Adela, verdade, nao a tinha deixado
senao ornis tardepossvel,e nao emigrara
par, o interior de Pariz senao quando a
situagio em sua casa tornara-se completa-
mente perigosa.
Pouco a pouco as grandes casas do bair-
ro Saint Aiiioiiie rccoiuogaram os seustra-
balhos de marcenara, e abundaram nova-
mente as encommendt em casa do Sr. de
S;;il\'eS.
A crise era cruel, mas com ordem muita
ecouomia, urna boa direegao do pessoal,
consegtuo-se atravessal-a, e, mais do que
nunca, irmao e irma foram autorizados a
esperar que jo conforto e depois a for-1
Que se possa Teuer uor estes
p r e f a
Zefiros muito largos a 160 rs. o co-
vado.
( bitas batiates a 120 rs. o covado.
Popelines de cores a 180 rs. covado.
Setinetas muito largas a 360 rs. o co-
vado.
Las finas a 200 rs. o covado.
Ditas de quadros a 240 rs. o covado.
Setim muito bom a 1*200 o covado.
Bramante de linho com 4 larguras.
Dito de dito e algodac a 1*400 a vara.
' aabraias com salpicos do cor e bran-
cos a 4*000 a pega.
Toalbas felpudas a 300 rs.
Cortes de vestido em cartto com todos
os preparos a 8*000.
Fichas felpudos, muito grandes, 500.
Madapolao americano a 5*000 a pega.
Meias casemiras de cores proprias para
roupas de menino a 1*000 o covado.
Cambraia Victoria com 10 jardas a
2*800 a pega.
Merinos pretos a 800 e 1*500 co-
vado.
Flanel a branca a 500 rs. o coVado.
Camisas francezas a 2* 00.
Ditas de eretone a 1*700.
Colchas de cores a 1*800.
Cortes ae Duraque para colete.
Ditos de fustao para colete.
Ditos de casemira para caiga e para
costme, o mais moderno que ha no iner^
cado.
Grande sortimento de chales de casemi-
ra por pregos baratissimos.
Dito dito de gravatas para homem, pu-
nhos e collarinhos, chapeos, ceroulas, ca-
misas de meia e muitos outros artigos.
Vende-se em grosso com desecnto de
14 o.
Venham ver para crer
A casa tem por signal.bandeira encar-
nada com 13 no meio.
Venham com f, nao tenham receio.
RA VISCONDE DE INHAMA
Gon^alves Santos & C-
s'.'lBBT
nomasu_____
G**^ OLERY Vsns-se em toda oart
Engenho Pago
Vende-se o engenho PagSo, d-stanle tres te-
guas da cidade da Victoria. O engenho pode sa-
frejar al S.000 pfed, as trras estao descanca
das, tem bastantes varzens e bom cercado, me
com o rio Pirapama ; a easa de caMeira 6 toda
de tijolo e pedra, a casa de pii'gar e a de \iveo
da sao de taipa que com aumrn concert podem
durar ainda por muitos annos. Este eagenho
bem conhecido pelo asquear que fabrica : quem
pretender corapral-o, pode dirigir-se a ra do
Imperador n. 81, escriptorio de commissOes.
niSEf
Rojal Bienil marea HADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
fervel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos meihores arma-
zens de molhados.
Pede Royal Blead marca Viado
cujo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
BROWKS & C, agentes.
E' vender barato]
Feijao a 1 100 a cuia.
Farinha a 500 rs. a dita.
Milho bom a 400 rs. a dita.
12.
S quem pode vender no Largo do mercado n.
Gomes Ferreira efe G.
tuna coroariam os seus perseverantes es-
forgos.
Faziain, alias, por isso, e Adelia torna-
ra-se verdadeira associada de Pedro, in-
cumbida da correspondencia, de receber
os freguezes, de entenderse com os for-
necedores, da contabilidade e da caixa.
Nesse interim Georgina crescia, aos cui-
dados de Susana, e era inquestionavel-
mente a mais bella menina qne se pode-
riaver, morena, com admiraveis olhos in-
8ondaveis, muito acariciadores as vezes,
auasi sempre autoritarios e duros.
Nao era, porpn, de admirar que a pe-
quena fosse um pouco despota, fazendo-
lhc todos, desde Roberto at Suzana, as
menores voutades !
CAPITULO VI
A orpta
Decorraam maltes annos.
N'uraa gmnde sala, muito largB, muito
alta, muito comprida' juftto a mesas es-
trellas, estao meninas -entadas, eom cos-
turas brancas em mao,
Reina grande silencio : nSo se ouve se-
nao o tic-tac regular das machinas de eos
tura alinhadas todas do mesmo lado, de-
baixo das inmensas janellas abortas, c
pelas qnaes penetra a brisa tepida e im-
pregnada dof suaves odores da primavera
e dos perfames acres do mar, cujo ruido
montono ouve-se ao Ionge.
N'um pulpito collocado sobre um estra-
do est iustallada urna religiosa. E' muito
velha, curvada, mas no rosto enrugado os
seus olhos claros continuara brilhantes e
percorrem com grande actividade toda a
classe, procurando, olhando, vigiando to-
do aquello pequeo mundo de cabegas lou-
ras, rostos rosados, frescos, admiravel-
mente gentis, de quem era mai.
Quasi a seus pies, trabalha urna joven
religiosa.
Est extremamente paluda e tem as
faces muito brancas as macas rubras, de
tao doloroso presagio. Alm disso, como
que para e "ufirmar esse augurio de luto,
urna pequea tosse secca, muito profunda,
diacera-lhe de quando em quando o peito,
cuja larga tnica branca nao consegue dis-
simular-lhe a magreza.
De cada vez que a moca tosse assim, a
madre S. Raphaelporque, continu a ser
ella a directora do asylo orphanologico
inclinase affectuosamente no seu pulpito
e pergunta:
Magdalena, minha querida filha, es-|
tas nratto incommodad
A Loja das Lislras zoes
A' RA DUQUE DE CAXIAS S. 61
Vende mais barato
Fazendas preta
Cachemiras arrendadas de duas lar-
guras tecido novidade, a 2*000 e 2*500.
HcrlBS pretos nfeitados de pura 15
a 800, 1*000 e 1*200.
Crep inglez para enfeitos de vestido
a 1*200.
Rendas hespanhola de seda a 5*000,
Gorgoreo de seda pura de 2*000 a
40000.
Velludos de seda, lisos, com pinta*
e ramagens, a 4*0QO.
Velludilho bordado a contas. lindos
desenhos a 1*600.
Fil de seda bordado a 1*200,
Veos e mantilhas com rendas a 4*000
e 5*000.
Capas c visitas, de gorgorito, de ren-
das ou cachemira, enfeitadas a rendas com
vidnlho a 25*000 e 30*000.
Bicos de seda com lindos desenhos de
4*500 a 6* Teeidos de novidade
Cortes de vestido bordados, em car-
tao, de lindas corea a 10*000.
Vestidos brancos bordados para noi-
vas a 18*100.
Teeidos arrendados cores creme, rosa,
azul celeste e branco a 400 rs.
Linos phantasiados, tecido com mni-
ta largura a 500 rs., em listras e qua-
dros.
Setins de M.-co, todas as cores e
mais salmo, lilas e bronzeado a 800.
Cambraias brancas bordadas a 4*000
a pega.
Gizes de seda com Sos prateados e
douradoscores: rosa,'azul e creme, a
1*000.
Madapolao trancado, pega com 20
varas a 6*000.
FAZENDAS ESPECIAES
Batistes de cores finas a 120 a
240 rs
Chitas finas claras miudinhas a 200 e
240 rs.
Cretones franceses, verdadeiros a
320 rs.
Morim de lislras aznes madapo-
lao fino largo con 20 varas a 6*000.
BadapolSo americano muito largo,
sem omu.a a 8*000 a peca.
Bramante de 4 larguras a 700 e
1*000 o metro.
Guardanapos superiores a 1*800 a
duzia,
Cortinados bordados a 5*500, 7*000
c de crochet a 10*000.
Crochet para sof e cadeiras de bra-
cos, um completo 6*500, para sala.
Mosquil el ros americanos com ar-
magao a 12*000.
Alcatifas para forro de salas e gabi-
nete a 1*200..
TECIDOS MAIS BARATOS
Merinos de duas largaras, qualquer
cor a 440 rs.
Linhos lisos e de qaadrinhos a 80 e
iOO rs.
Bico branco e de cores desde 600
a pega at 2*500.
Colchas de fustao de cores a 2*000
e 3*000.
Toalhas acolchoadas a 3*000 a duzia.
Luvas de seda, bordadas, qualqner cor
a 2*000 e 2*500.
I.equcs de pennas e transparentes
de 1*500 a 6*000.
E muitas fazendas que so d por qual-
quer prego.
D-se descont a quem comprar de
20*000 para cima,
Troea-se a fazenda vendida se por qual-
quer motivo no for de muito agrado para
quem fr comprada
Lojas das Listras Aznes
irma Magdalena dos Anjos, responde, er-
guendo para a religiosa os olhos fundos,
brilhantes de febre.
Nao, minha mSi, tanto como de cos-
tume; obligada. Sinto-me somonte nm
pouco sufocada.
A um acesso de tosse mais forte do
que os outros, urna menina, que desde um
instante, sentada ao lado da doente, dava
signaes de impaciencia e de pezar nao
d88mulados, levantou-se vivamente:
Minha mai, disse ella madre S.
Raphael, fiz hoje mais dez casas de ca-
misa do que a minha tarefa; estou li-
vre ?
A directora sorrio.
Sempre a mais corajosa, senao a mais
ajuizada, minha Clotilde, disse ella ami-
gamente. Estdireito. Mas porque que-
res estar vre e o qo teas a pedir-me ?
Porque vejo no fundo dos teus olhos,. nos
quaes leio perfeitamente. que desojas al-
guma cousa.
Nao se engaaou, mamii.
O que enpo?
O doutor commendou que a ma-
mai Magdalena pavasiasse de quando em
quxndo debaixo dos grandes pinheiros. O
sol est quente, o ar nao fri, per-
mitta me que a acompanhe ; isso far-lhe-
ha bem.
. Vai, minha filha. Mas nao a dei-
xes fatigarse; tem bastante cuidado com
ella.
Os olhos da orph$ tiveram urna incri-
vel intensidade de expressao.
Oh minha mSi! murmurou ella em
tom de doce censura, preciso por ven-
tura tal recommendacSo quando se trata
d'etia ?
A palavra ella, sobretudo, havia sido
dita com uma emogao simples e profunda,
extraordinaria n'uma crianga daquella ida-
de.
A iim signal da directora, Magdalena
de Bovcs levantou-se e acompanhou me-
nina at uma das grandes portas, alm
das quaes avistavam-se as primeiras rama-
gens de um parque magnifico.
Caminbram um instante sem pronon-
car palavra; smente a menina pegara na
mao do doente e descangara-a sobre o sea
braco, caminhando devagarinho no* seu
o uiiudo, porque tudo inquietava-a,
oarando de quando em quando para
un os seu8 grandes olhos oxpres-
. cheios de m affecto sem nome, mas
no tundo dos quaes tremiam lagrimas.
(Contnur-$e-hq)
r-"
P'
X
E Magdalena de Boves convertida em' T^Tdo/^iwra Duque de Caxias n. U.

L