Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18751

Full Text
.
QNT-FEIRA 4 DE ABRIL BE 1889
L
PARA A CAPITAL E LIGAREN OVDE !%AO SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantados.......'........ 61JOOO
Por sois ditos idein................ 120000
Por um anno idem................ 23)5000
Cada numero avulao, do mesmo dia. ... 0100
DIARIO DE
Trcprkdade de ZMancd 3%:
PARA l)E.\TRO E PORA DA PROTOCIA
Por seis mezes adiantados .'.->...........
Por nove ditos idem. .'..............
Por um anuo idem... ........f 26*J000
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 0100
RNAMBUGO
Uc Paria S SHfyos
Os Srs. Amede Prin-
ee & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annuncios
epublicapoes na Fran-
ca e Inglaterra.
por
INSTRCCiO POPULAR
AS GRANDESIHEMOES
NTIGAS B MODERNAS
KAS
Sciancias. industrias s artes
POP.
XI
O ntirrowopi
(ContinuagSo)
ft lente sene hoje aos naturalista? para obser-
v, coni fraca ampliago as diferentes partes do
carpo dos animaes ou das plautas. Os minera-
logistas, os pbysicos, os chimicos empregam-no
presentemente "para observar a forma dos crys-
taes, demasiadamente pequeo para serem vistos
simplesmente cora a vista desarmada.
Deu-sc durante certo lempo o nome de micros-
copio de Raspail ao microscopio himples, isto
a urna lente ligada a urna haste meiallica munida
de um pona opjecto, o qual podia fixar-se em
differentcs alturas aquella baste, pnr meio de un
parafuso. Isto nao era mais do qHe o microsco-
pio dt que se haviam servido como cima disse-
raos. os pnmeiros observadores, en.re outro
Leuwenhoeck e Suwammerdara.
O microscopio simples, qualquer que fura
poder refrngeme da lente e seu grao de curva
tura, nao pode amplificar os objectos mais de
cincenta vezes em diametro.
) emprego das leutes ampliatorias re
urna epocha mui remota. Com effeito 8O1.
se multo cedo a effeito de m^lincagao que p
duztm os cornos translcidos terminados
superficies esphericas. As redomasinhas de vi-
no, os globos cneios dagua outras substancias
diaphanas e refringeotes, eram usados pelos an-
tigs para amplificara escripia e para gravar os
camafeus. Xo seculo XIV usaram-se lentes, ou
vidros lapidados em forma espherica, para as
obras de certas prolissoes, como relojoaria, gra-
vura, etc. .Com estes vidros lapidados foram
constituidos os primeiros microscopios simples,
ue que se servirn] os anatomistas Louwcnhcoek,
Suwaramerdam e Lyonnet.
Microscopio composto.Este microscopio
formado pela reunio de duas lentes de desiguaes
dimensOes : a menor o objectivo e a maior o
ocular.
O primeiro microscopio composto, isto for-
mado de duas lentes combinadas, foi construido
em 1390 pelo hollandez Zacbarias Zansz ou Jan-
sen. Outros attribuem-n'o a Gornelio Drebbel
(1572), sabio hollandez, ao qual se atlribue tam-
bera a descoberta do thermometro.
O microscopio que Jansen apresentou, em
1590, a Carlos Alberto, archiduque da Austria,
tinh dous metros de comprido, e era muito in-
commodo. Este instrumento foi depois aperfei-
coado por Galileu e Roberto Hooke. Mas para
produzr amplilicagoes consideraveis, era precia
so usar" lentes muito fortes, isto que refractas-
sem fortemente a !uz.
guando os physicos quizeram ampliar os ob-
jectos mais de ceto e cincenta a duzentas ve-
zes em dimetro, viram se embargados por um
obstculo que pareceu intransponivel e nao dei-
xou progredir a scieucia durante mais de du-
zeutos annos. Vamos vr se podemos fazer
conlprchender a nafureza do tal obstculo,
guando a luz se refracta ao passaijjtariuii para
ro meio, por exemplo, do-ar pawii:
vidro, loare tambem outra
gefcoaipf
a luz
cores : roso, ailado,
amarello. alaranjado e vermelho. Todos
jfonoV
Tamben
os va
as. E-
posigao
s. cores
va dos
observado estas cores no arco,
se observam quando a luz que
sos de crystal, os colora de mil
emfim em virtude desta mesma
que se assimilbam a diamenles
as gottas de orvalho suspensas
prados.
Por effeito desla decomposigo da luz pelo vi-
dros das lentes, guante mais amplihearem os
microscopios, por outra, quauto mais ampliado-
ras forem as suas lentes, tanto mais coloradas e
confusas as imagens que produzirem. N'ewlou
julgou impossivel obter imagens ntidas esera
cores, a seu ver, lentes que nao produzissem
imagens irisadas, ou, como se eosturam chamar
lentes achromalicas eram impossiveis.
Comtudo um ptico de Londres, chamado Dol-
lond, eonsesuip, em 1757, construir lentes achro-
maticas. Chegoua este resultado juxlapoodo
duas lentes, urna biconvexa de crown-glass, e
outra concava convexa de flint glass. Mas so em
1821 que estas lentes, j de ha muito applica-
das a outros iotrumentos pticos, foram utilisa
das para construir microscopios por M. Selligue.
D'entao por diante augraentou rpidamente a
forca ampliadora do microscopio. Por fim che-
go-se a urna amplilicago de mil e duzentos
emjdiametro.
(Contina)
-
or da Thesouraria de Fazeuda.
lente da provincia manda re
u inclusa ordem do Thesouro N'a-
10 da Assembla Legislativa
em do Esm. Sr. presidente
milto a V. S. para os Bus con-
da receta e despeza do exer-
{$68 e o orgaruento para o de 1889
% 1819 48UHHtt|MciDal gfi
,^,vr"?^Rhrpito mtBi'rmimmo-
resta.O Exn>. 8r. presidente dr. provincia man-
azul claro d rccoinmendar a \". S. que preste a informaco
requisitada por despacho de 21 deDezembro ul-
timo, sobre o requerimento do tenente-coronel
Pau-lo Seranbim de Souza Ferraz, acenca da re-
visan dejiRdos, que se procedeu n'essa comarca
no da t ffe Novembro do anno passado.
Igual aos merabros da junta revisora de
quaiilicacode jurados da comarca de Floresta.
- Aos memoras da commissao liquidadora
das contas da estrada de ferro do Recife ao Li-
mooiro.De ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia communico a V. S. que tiveram heje
destino conveniente os documentos que acompa-
niiaram o seu officio de 20 do corrente.
___._______-.______i___
PARTE OFFICIiL
CiOVER^O OA Pl% l\< I \
LE >". 1975
Inuocencio Marques de Aranjo Ges, bacharel em sciencia?
jurdicas e sociaes pela Faculdade do Recife, deputado Assem-
bla Geral pela provincia da Rahia e presidente da de Pernam-
buco:
Fago saber a lodos es seos habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincia! decretou e eu sanccionei a resolugao se-,
iuinte: ...
Art. !.' Fica concedida isenco exclusiva uo* mpostos pro-
rinciaes e municipaes existentes, e dos que lenham de ser crea-
dos no eapco de quinze annos, s diversas qualidades de couro,
cemo-Bejam: pellica, camurca, cordovao, marroquim, pergami-
abo, etc., preparados de peles de cabras e carneiros. na fabrica
que J. C. Levy, ou a companhia pelo mesmo organisada, fundar
nesta cidade u seus suburdios
Art. 2.* Gosaro de igual favor todos osmalcriaes, utensilios,
ajachiniimos. o edificio e mais dependencias que forem construi-
dos para a mnna fc.brica e para o alojamento de operarios.
Art. 3. Os preparados da fabrica devem ser taes que se
arestem a ser aproveitadjs como materia prima para a industria
nacional, nao osando da isenco de direitos os que forem feitos
de couro de boi.
Art. i." Para que se tornan effectivos os favores concedidos
aos productos da fabrica, dever o concessionaro logo que ella
tenha 6ido mon'ada. provar, a juizo de prolissionaes nomeados
pelo presidente da provincia, que possue todos os-apparelhos,
e machinisraos nc-cessarios para o fabrico das diversas qualida-
iades de couros e com capacidade para preparar, pelo menos,
Vinte mil peles raensalmente.
Art. 5' Emquando gosar dos favores concedidos o conces-
sionario, ou a companhia que explorar a fabrica, ser obrigado a
fornecer gratuitamente alimentado, vestuario e iostruccao pro-
fesional a vinte orphos apresentados pelo presidente da provin-
cia, que ir preenchendo as vagas dos que comecarem a ganhar
qualquer salario que tornem dispensavel aque le favor.
Art 6." O pessoal thechnico profissional estrangeiro empre-
ndo na fabrica ser substituido dentro de tres annos. por pes-
.^oal nacional habilitado; os demaeis operarios serto todos na-
cionaes. .
Art. 7." Ficatu rc-vogauas as dis(tosicoes em conlrano.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conheci-
nento e execujo da presente resolugo pertencer, que a cuin-
pram ejfacam cumprir to inteiramente como nella se contm.
O secretario interino da presidencia desta provincia a faga
imprimir, publicar e corr r. .,..
Palacio da lresidencia de Pernarabuco. 1 de Abril de 1889,
68. da Independa e do Imperio.
L. S. Insocet.w Marqum de Abacjo Goes.
Sellada e publicada a presente rcsolucSo nesta secretaria da
Presidencia de Pernambuco, em 1 de Abril de 1881.
O secretario interuo.
Ianoel Joaquint Silccira.
LE N. 1.976
Innocencio Marques de Araujo Ges, bacharel em sciencias
jurdicas e sociaes pela Faculdade do Recife, deputado Assem
bl-a Geral pela provincia da Babia e presidente da de Pernam-
buco :
Fago saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial decretou e eu sanccionei a resolugo sc-
guinte:
Art. 1." Fica approvada na parte civil a reforma eliertuada
em 31 de Agiste de 1884 no compromisso da irmandade de S.
Renedicto erecta na igreja do Rosario da cidade de Goyanna.
Art. 2." Revogam-se as disposicOes em contrario.
Mando, portanto, a lodas as autoridades a quem o cooheci-
mento e execucao da presente resolugo pertencer, que a cum-
pram e fagam cumprir tao inteiramente como nella se centm.
O secretario interino da presidencia desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 2 de Abril de 1889,
68." da Iadepencia e do Impsrio.
L. S. Innocwuo Masques de Aa*uo Gss.
. Sellada e publicada a preseute resolugfto nes* Secrciaria da
Presidencia de Pernambuco, aos 2 de Abnl de 1889.
O secretario interino,
ManoA looqium Stltrim.
LE R. 1,977
Innocencio Marques de Araujo Ges, bacharel em ciencias
jurdicas e sociaes pela Faculdade do Recife, deputado Assem-
bla Geral pela provincia da Baha e presidente da de Pernam-
buco :
Fago saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial decretou e eu sanecionei a resolugo se-
guinte :
Art. 1. Fica o presidente da provincia autonsado a contrac-
tar com Jos Herm'llo Cavalcante Lins, ou com melhores vanta-
cens offerecer, a construeco de urna estrada de rodagem, que
partindo de Quipap ou S. Renedicto, tenha por ponto terminal a
villa de Panellas, mediante orgamento drganisado pela Reparti-
co das Obras Publicas.
Art. i." O contractante ter direito, logo que comecarem os
trabalhos da estrada, a um pedagio de 20 reis por animal que por
ella transitar e at que a provincia possa resgatr a estrada.
Art. 3." Ficam revogadas as disposiges em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conheci-
mento e execugo da presente resolugo pertencer que a cum-
pram e fagam cumprir to inteiramente como nella se contm.
O secretario interino da presidencia desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 2 de Abril de 1889,
68." da Independencia e do Imperio
L S. I>"' C.ncio MaBOu-- vr. Ahai ju Ges.
Seilada e publicada a presente resolugo nesta Secretaria da
Presidencia de Pernambuco, aos 2 de Abril de 1889.
O secretario interino. ,
JfincW Joaquim Sitreiw\.
EXPEDIENTE DO DU 22
Actos
DE MVXCO DE 1889
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o Dr. Manoel Clementino de Oli-
veira Escore!, lente substituto da Faculdade de
Direito do Recile, resolve conceder-lhe tres u.e-
zes de licenga com venc mentos na forma da le,
para tratar de suasaude onde Ihe convier.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Telesphoro Lopes de Siqueira, pro-
fessor da cadeira de ensino primario de Ouricu-
ry, tondo em vista a informaco n. 91 de hon-
tem datada do insp-ctor gerala instrueco pu-
bSca e o attestado medico exhibido, resolve con-
ceder ao peticionario tres mezes de licenga com
ordenado a contar do 1 do corrente, pora tratar
de sua saude onde Ihe convier.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Thereza Porfiria de Jess e Silva,
professora da 1* cadeira de ensino primario do
sexo masculino de Santo Amaro das Salinas, e
iendo em vista a inforraagio n. 76 de 7 do cor-
rente mez, do inspector geral da iostruccoiJu-
blic;., resolve jubilar a peticionaria com a pen-
to correspondente aos vencimentos de que tra-
tam os arts. 180 4 e 181 combinado com o
art. IM do regulamento de 18 de Janeiro de
1888. visto contar mais de 25 annos de effectivo
exercicio no magisterio publico.
O presidente da provincia resolve remover
a professora Maria do Rosario Pinheiro, de 3
entrancia. regendo a cadeira mixta do iiquia,
de t- entrancia, para a 1- do sexo masculino de
Santo Amaro das Salinas, de 3a entrancia, vaga
pela jubilaco concedida professora Thereza
Porua de" Jess e Silva. -Communicou-se ao
inspector geral da instruego publica.
O presidente da provincia, de confoynida-
de com a proposta do administrador dos correios
em effici de hontem. sob n. 261, resolve nos
termos da lei n* 2794 de 20 de Outubro de 1877,
exonerar Manod Paulino Vieira de Mello do
cargo de agente do correio da cidade do Limoei-
ro, e nomearRcrardoGomes de Rrito para exep
cer o dito cargo.
.Resolve outrosiui, de accordo com a mesma
pota exonerar, a pedido, Clara Cavalcante
Albnquerq_ue Lima do lugar de agente do
la estaro dos Prazeres, na estrada de
i Recife ao S. Francisco, e norm-ar Leo
^^Hda Cunha, para substitdil-aGom-
ad administrador dos correios.
mndante das armas interino.
V..S., para seu conbecimento e
^atundo consta de aviso do
110 do corrente. foi, por
arde
Ao Dr. chefe de polica interino.Autonso
o administrador da Casa de Detengo a collocar
quarenta barras as cellulas dos andares terreos
dos ratos sul e leste daquelle estabeleciniento,
vista do que representa no oflicio junto por copia
ao de V. S., de hontem datado, sob n. 289, que
assim tica respondido. Remetteu se copia ao
inspector do Thesouro Provincial.
Ao inspector da Thesourana de Fazenda.
'Com a informago junta por copia de 20 do
corrente n. 302. do engenheiro encarregado das
obras militares, remeti a V. S., paraos devidos
tos, as inclusas notas dogaz consumido durante
o mez de Fevereiro lindo c;m a illuminago da
enfermara militar e dos quarteis da companhia
de cavallaria e dos batalhOes e 14' de infar-
tara.Communicou se ao commaudaule das
armas.
Ao commaadante superior da guarda na-
cional dn comarca de Iguarass.Respondo ao
oflicio de V. S. de 18 do corrente, autorisando-o
a mandar abrir e rubricar novos livros para a
esesipturago da guarda nacional sob seu com-
mando.
Ao inspector do Arsenal de Marinha inte-
rinoDeclaro a Vmc. em resposta ao seu oftl
ci n. 37 de 20 do corrente que fica approvado
o seu acto concedendo carta de primeiro prati-
co das barras c porto desta provincia ao segun-
do Manoel Estevo de Oliveira a vista do expos-
to no citado oflicio.
Ao director do Arsenal de Guerra interino
Constando de aviso do Ministerio da Guerra de
6 do corrente ter sido approvada a nomeago
feita por essa directora do escrevente de 2' clas-
se Francisco Luiz rtarreto de Almeidapara exer-
cer interinamente o lugar de porleiro desse es-
tabelecimento, em substituigo do respectivo
serventuano Emilio Rosendo da Silva que falle
ceu ; assim o declaro a Vmc. para seu cnheci-
meutoe devidos lins. -Communicou-se ao ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Ao meswo. Mande Vmc. fornecer ao al-
teres a ldido ao batalho de jnfantana Jos Vie-
gas da Silva, na forma das disposiges em vi-
gor as pecas le Tardamente consumes do inclu-
so pedido. Communicon-se ao inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Ao gerente da empresa de illuminago a
gaz do Recife. Declaro a Vmc. que o arbitro
de-^mpatador do valor dado s obras dessa em-
pres apresentou em 18 do corrente o sm laudo
dando m-sma impresa o valor de 998:777*328.
Ao juiz 'Je as, presidente da junta de ahi-
tamente militar da parochia d Santo Agosti-
nho.-Teudo sido pelo Dr. ebefe de n.licu mte-
rno, secundo consta deoBcio n. 286 de i
datado, expedidas as necessaria- ordene
'de serem apresentadas a jum
ir dessa parochia as lisias de que
inico do art 14 do regulamento de 27
^toamendo a Vine, em
resposta ao sea oflicio de 18 do corrente que t'a
ca reunir a mesma junta afiui de encetar os res-
pectivos trabalhos.
Portaras: *
Os Srs. agentes da Companhia Rrasileira
de Navegacao fagam transportar a provincia do
Ceara por conta do Ministerio da Guerra a fami-
lia do tenente-coronel do corpo de estado-maior
de classe Joo Nepomuceno de Medeiros Mal-
let, composta de suas lilhas Emilia Pardal Mal-
let de 17 annos de idade e Anna Pardal Mallet
de 16 annos.
Os Srs. agentes da Companhia Brasileira
fagam transportar a corte, por conta do Ministe-
rio da Guerra, o major Honorio Clementino Mar-
tins que p ra all segu allm de reunir-se ao 19
batalho de infamara a que pertence.
Ao reierido ollicial acompanha sua mulher
Theolinda Miranda dos Santos Martins, um t<-
lho menor de nomc Antonio e um creado de no
me Honorio.Oflciou-se ao inspector da I he
souraria de Fazenda para mandar ajustar con
tas ao mencionado major e communicou-se ao
commandante das armes.
t- O r. gerente da Companhia Pernambnca
na de Naveag8o faga transportar por conta do
Ministerio da Guerra, a provincia da Parahyba.
para onde segu alim de reunir-se ao 27 bata-
lho de infamara a que pertence, o alfercs Pe-
dro Alexandrino Beckman, sua mulher Maria da
Penha Beckman e um creado de nome Joao.
Ofliciou se a Thesouraria de Fazenda para ajus-
tar contas ao referido alferes e communicou-se
aq commandante das armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
de Navegago a vapor mande dar passagens de r
at Penedo, no primeiro vapor que seguir para
os pprtos do sul, ao bacharel Antonio Correia de
Araujo, sua senhora e a dous menores, e de
proa a um criado e urna criada,'todos por conta
das gratuitas a que o governo tein direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernamoucana
de Navegago a vapor mande dar passagem de
r at a Parahyba, no vapor que segu para o
norte a 26 do corrente, ao bacharel Francisco
Jos Meira Sobnnlio. por conta das gratuitas a que
o governo tem direito.
.0 Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a<>. Francisco faga transportar por
conta da provincia e com direito a bagagem, da
enlacio das Cinco Pontas a de Una o preso Joa-.
qunn Severino Leite e duas pragas do corpo de
polica que o couduzeiu para o termo de S. Ren-
to-
EXPEDIENTE DO DR. SECKETABIO
SJOfliciOS :
Ao Dr. chefe de polica. Sua Exc. o Sr.
presidente fc provincia manda declarar a V. S.,
em resposta ao seu officio de hontem datado, n.
289. que nao possivel attender ao pedido do
delegado do termo de Iogaseira por falta de pes-
soal.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 2 DE
ABKIL DE 1889 V
Alferes Antonio i.ordeiro de Mendonga.Re-
mettido ao Sr. commandante superior da guarda
nacional das comarcas de Ronito a Bezersos para
mandar passar a guia, de que trata o artigo 45
do decreto n. 1130, de 12 de Margo de 1853.
Capito Antonio Celestino Franco de S. Sa-
tisfaga o supplicante o disposto no artigo 45 do
decreto n. 1.130 de 12 de Marco de 1853.
Antonio Dantas de Oliveira. -Recorra s auto-
ridades locae3.
Bailar, Oliveira & C Dse ccrtido.
Ephrem Muniz Teixeira Gumares. Nao tem
lugar o que requer. i
Brigadeiro Francisco Joaquim Pe reir Lobo.
Fornega-se.
Hermelindo de Almeida Alcoforado.Eatre
gue-se mediante recibo.
Major Justino Rodrigues da Silveira. Forne-
ca-se.
O mesmo.Fornega-se.
Major Joc Victorino de Paiva.Estando pen-
dente de despacho meu urna precatona do Dr.
juiz de direito do civel em favor de Adriano Jor-
do, e sobre a qual mandei ouvir o deserabarga-
dor procurador da cora, aguarde o supplican-
te a deciso respectiva, antes da qual nao pode
ser tomada em cousideragao a mate.ia d'ela pe-
tictO. *
1. tenente Jonathas de Mello Barretto. Remet-
alo ao Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda
para mandar abonar.
Padre, Dr. JeronymoThom da SilvaInforme
Sr. inspector do Thesouro Provincial.
Coronel Joo Evangelista Nery da Fonseca.
Prejudicado, a vista da informago.
Joaquina Donilla da Silva Goelho.Informe o
Sr. adaamistrador do Theatro de Sania Isabel.
JdsTIntonio jta"Mtta Guiraares.-Dcffrido
vista da informaciio
Manoel Fonseca de Medeirps.-Entregue-seme-
diante recibo.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, 3 e Abril de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
_
Kcp:irtl?o da Pttlicia
2.a seccSo.N. 327Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 3 de Abr! de 1889.
Illm. e Exm. Sr.Participo V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
DetencSo os seguintes individuos :
A' minua ordetn, Joo Martins de Oliveira e
Arthur Antonio de S Rarreto, por disturbios.
A' ordem do Dr. delegado do l1 districto da
capital, Antonio de Oliveira Nascimento, Vctor
Leandro Pereira Leite, Margarida Liberata Af-
fonso Lourenca Maria do Rosario e Mathildes
Anna Pereira Lemos, por disturbios ; e Arthur
Alexandrino de Souza, como vagabundo.
A' ordem do subdelegado do' districto da
freguezia de S. Jos, Marcionilla Maria da Con-
ceigo, por offensas moral publica; e Antonio
Pinto lieite, por embriaguez.
A' ordem i'o do 2" districto. Jos Theodoro
Carneiro da Silva e Manoel Carneiro da Silva,
por diatnrbios.
O delegado do termo de Tacarat participou-
me ter capturado o criminoso de nomc Candido
Ferreira Gomes, all pronunciado as penas do
art. 205 do cdigo criminal.
Communica o delegado do terreo de Booi Con
sel no, que no dia 25 do mez passado, no lugar
Sitio Riacho d'uquelle termo, o individuo de no-
me Euzebio Jos de Araujo, assassinou com um
tiro a Antonio Candido dos Santos, logrando
evadir-se logo anos o crime.
O subdelegado do districto tomou conbeci-
mento do facto, e abri o competente inquerito
que j leve c conveniente destino.
No dia 9 do mez passado, no lugar Cajueiro
do termo de Buique, o individuo Antonio Mar
ques" de Mello, assassinou com tres'tacadas a
Jos Lopes de Carvalno, evadindo-se em segui-
da, apresentando-se posteriormente ao delegado
respectivo que o fez recolber a cadeia publica.
Acerca do facto, procedeu-sc nos termos da
le. .
Communica o subdelegado do 2 districto da
freguezia da Boa-Vista que dirigise hontem ao
Cemiterio Publico de Santo Amaro, acompanha-
do dos mdicos da polica, allm de se proceder
a vistoria em urna ossada humana rearado do
rio Capibaribe, em frente do Gymnasio Pernam-
bucano, declarando quelles facultativos nao ter
sido possivel recouhecer a causn da morte, po-
dendo apenas aflirmar que pertencia a mesma
ossada a um homein de cor branca, represen-
tando ter de 20 a 25 annos de idade.
O'referido subdelegado mandou proceder a
competente inhumaco.
Participou me,'o delegado do termo de Afoga-
do de Iugazeira, que no dia f8 do mez passado,
apresentou-se e foi recolliido a cadeia publica o
individuo de nome Prxedes Jos Romeu, all
pronunciado n..s penas do art. 192 do cdigo cri-
minal. .
No da 1' do corrente. reaSsumio oexercicio
do cargo de delegado de Nazarctn,.o cidado
Manoel Estellila de Oliveira Mello.
Pelo subdelegado do districto de Pindoba do
termo de Timbaba, foi capturada Antonia Ma-
ria da Conceigao. conhecida por Antonia oe Bn-
lo, all pronuuciada por crime do fenmentos
graves. .
Communica o subdelegado da freguezu de
Santo Antonio, que houtein cerca de. 4 horas da
tarde, na ra de Santo Amaro, trovando se de
razOes os individuos de nomes Adriano de tal e
Jos Correia da Silva resultou dejlas sabir Jos
Correia' da Silva fnrido gravemente com tres la-
cadas, logrando evadir-se logo aps o crime,
seu offensor.
Aquejla auloridade lomando conhecimento do*
facto, fez transportar'o oifeudido para o hospital
Pedro U, afhh de ser medicado e tratado, c
abri o competente inquerito. _
Pelo delegado do termo de lpojuca. foram ap-
prehendidos quatro cavallos furtados em poder
de Joaquim Barbosa, que. evadio-se.
Procedeu-se a respeito nos termos da lei.
Durante o mez de Margo ultimo, foram por
esta repartigo remettidos para o hospital Pedro
II 41 desvalidos, para o dos Lazaros 1, para o
de Santa gueda 1; para o Asylo de Mendicida-
de 5, para o Hospicio de Alienados 6 e com des-
tinos a escola de aprendizes marinheiros 7 me-
nores abandonados.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, muito digno presidente da provin-
DIARIO DE PERNAMBUCO
Na execugSo da portaria, nao nos con-
sta que fossem excedidos os seus limites, j
nem violadas disposic3et expresaas do di-,
reito internacional com prohlbic&o de
deacao da farinba de um vapor para
y~ O. chefe de poia \tftpp% /***. r-^K*-- strangeiw.
Cavalcante d explcito sobre a alluso :l baldeacSes p- j
hibidaa, para que possamos tomar em eon
sideracSo essa parte do seu artigo.
Nao estamos de modo algum esquecido
da Iegislaco nacional e a ligio que pre- f
tendeu dar-nos o contemporneo inap-
plicavel ao caso.
Certamente ninguem, como fez o colle-
ga, ousar amrinar que do facto da lei su-
jeitar a approvaQao do governo, o acto
dos presidentes para abertura de crediton
supplemeutares e extraordinarios, pde-
se lgicamente concluir, que sobre a por-
tara de 21 de Margo devia o governo tr
j externado o seu vertdictum e que o acto
de que se trata tinha necessariamente de
ser sujeito a approvacao do governo. .
Na legislacSo nacional, de que o colle-
ga nao pode estar esquecido, encontrar
actos do poder executivo, semelhaotes ao
da portaria de 21 de Margo, que nunca fo-
ram considerados como urna suspensao
de garantas constitucionaes.
Pode agora o correr ao contemporneo
outros muitos motivos para julgar-se ha-
.bilitado a censurar o Exm. Sr. Dr. Arau-
jo GWes por ter expedido a portaria de
21 de Margo, mas o certo que at o dia
30 do mesmo mez o collega nada tinha a
oppor ao acto presidencial sob o ponto de
vista da legalidade. ,
Fique registrado que o silencio do con-
temporneo foi devido aos dous referidos
motivos, e que nao foi fundado em quid,
quer delles que, hoje contra a opiniSo go-
ralraente acceita, quebrou o seu proposi-
tal silencio para atacar o acto da adminis-
trado.
RECIFE, 4 DE ABRIL DE 1889.
A questo da farJnha
Voltou hontem o Jornal do Recife a tratar
deita questao, renovando em grande parte
a argumentagao j produzida e que de-
mos resposta conveniente.
Attribaio-nos o contemporneo Ihe ha-
vermos levantado um falso testeniunho,
quando cscrevemos, que o proprio Jornal
reconhecia a procedencia do acto provin-
cial.
Se assim nos pronunciamos, foi fir-
mados no que escreveo o contemporneo
em sua edigao de 30 do mez passado :
nao fovws dos que applaudiram, mas tam-
bem nao censuramos aportara.
Desde que se afiirma nio se ter ap-
plaudido nem tambem censurado un acto,
nao se ter implcitamente reconhecido que
esse afto procedente?
Publicada a portara de 21 de Margo,
o Contemporneo lmitou-se a ^noticiar no
da 23 do mesmo mez a medida prohibiti-
va da exportagao da farinha sem apre-
ciaguo alguma, quando toda a imprensa
applaudia a providencia tomada pela ad-
ministragac. -
.Essa explicagao do estranhavel silencio
do Jornal, posto que admissivel, nao jua-
tifcava o seu procedimento. .
Passaram-se dias e o contemporneo,
comprchendendo a falha de sua posigao,
veio cumprir o seu dever, desculpando-se
do seu tardo apparecimento com a decla-
rago de estar aguardando o desenvolv-
ment pratieo do acto presidencial e o co-
nhecimento extteto do estado do mercado do
genero, cuja exportagao fura prohibida.
Nao temos que apreciar as motivos jus-
tificativos do silencio do contemporaneoi
mas basta o grosso bem senso para eviden-
ciar, que, em face e por forga dos moti-
vos allegados, o Jornal reconheoeu a pro-
cedencia da portaria, ao menos M et in
quantum aguardara o desenvolvmento
pratieo do mesma e conhecia o estado do
mercado.
Para o contemporneo, portanto, a le-
galidade do acto e'a competencia da ad-
ministragao estavam lora de toda a con-
testaglo.
Considerada, pois. a portaria em si
mesma, o collega julgou-a inatacavel, fi-
cando salvo somente o seu desenvolvmon-
to pratieo e o estado do mercado.
Em 23 do mez rindo, dia seguinte ao
da publicagSo da portaria, foi publicada
urna estatistica do estado do mercado da
farinha, c j antes cartas do interior, que
tambem tiveram publicidades davam co-
nhecimento do que esta va occor rendo as
firas a respeito do commerco desse ge-
nero.
Em 30 do mesmo mez o Jornal que-
brou o seu proposital silencio; mas entre
as consderagSes que fez a respeito do
acto presidencial, nenhuma fundamentou-
ae noostado do mercado, para censrfrar a
portaria.
Parece que o contemporneo, informan-
do-se com exactidSo do estado do merca-
do, reconheceu que este era tal, qae au-
torisava a providencia tomada, tanto as-
sim que a sua argumentagao nSo se en-
carreiron nesse terreno para chegar as
censuras, que posteriormente fezj
Reata o desenvolvmento pratieo d=do a
portara.
Essc desenvolvmento foi mo ?
Excedeu os limites marcados, na mesma
portaria ?
Para ser lgico e estar de accordo com
os motivos determinantes do seu silencio,
esta devia ser a questSo principal para o
contemporneo.
Mas nao ; o collega deixando de lado as
condigSes, que estabeleceu, 'considerou o
acto da administracSo, como extra-legal ou
antes inconstitucional.
NSo precisamos combater o modo pelo
qual foi a questao considerada pelo con-
temporneo sob este* ponto de vista,
que, em nossa edegao de 31 de Margo,
j mostramos a sem raaao do collega.
VARIEDADES

'X
Depois da -aissa
Varaos missa e depois iremos almogar no
Globo. *
Eis o que ficou convenconado em casa da fa-
milia Gongalves na vespera da missa do stimo
dia do Pestaa.
A familia Gongalves, muito conhecida no bairro
do Bio Comprido, onde mora ha 15 annos, com-
pe-se 3o Sr. Gongalves. estabelecido com casa
de ferragens roa Direita; da Sra. D. Barbara,
conhecida da visinhanga pela Barbinha; de duas
lilhas. Luiza e Marocas, e de urna cunhada sol-
terona, a Anacida, que tornou-se o terror do
bairro pela maneira desapiedada por que corta
o lombo do prximo e principalmente das prxi-
mas, com urna lingua chata e aliada, como o sa-
br de um policial.
Nao podemos faltar missa, dizia a Bar- '
binha. O Pestaa foi muito amigo de meu pai.
Voc ainda er em amigos ? Elle era amigo
de papai. porque preeisava delle.
Oh Adela, com quem foi que nos acha-
raos quando papai falleceu
Eu nao quero fallar mal, Deus me perdoe,
mas quando me lembro da serte da pobre Can-
il in!'ii... Prometter casamento a moga. .
Dizem que foi ella quem naO quiz, tilia.
Qual, Marocas. 0 traste foi elle.
Est bem. Anacida, deixa o homem que
j raorreu.
No dia seguinte a familia Gongalves, toda de
preto, com ar compungido, assislio contricta-
meote missa que a viuva Pestaa, para suffra-
gar a alma do sen nunca ass pranteado ma-
rido, mandara rezar na igreja de S. Francisco dt
Paular
O templo est chcio.
A viuva Pestaa, com a cabeca cofeerta pelo
longo veo frreto. l est junto ao altar-mr a so-
lugar, cercada de amigos e convidados, uns a
olharem indfferenterante para as alfaias da
igreja, outros a pensarem em seus negocios,
outros a puxarem o relogio e desejaado arden-
temente que a missa se acabe, para cumprirem
a formalidade do aperto de mo ou do abraco,
outros a conversarem acerca dos aconteciraentos
do da. coramentados pelos jornaes, e todos ves-
tidos de negro, que o svmbolo da dor e do
luto. ,
Nos aliares lateraes dizem-se outras inissas
para sulTragar a alma de outros detentes.
A mesma secna.
Os mesmos convidados, cobertos de luto, esj
nerando impacientemente pelos comprimentos
familia do hnado.
Ao terminar urna missa, ou vera se gritos de
dor.
E' urna mi infeliz, que lamenta a perda irre-
paravel de um hlbo ou a consorte que chora peto
companhero idolatrado.
E os ciirumstautes abracam lizenilo-lhe pa-
lavrns banaes de consol.
Tenha paciencia.
Esta a ordem do mundo.
E' o eaminlb de nos todos.
. Mojo por mini, amanh por ti.
Alguns at clioram f
E dei.Nam o templo depois de se desenven-
cilharem com grande dilculdade da i husma de
pobres c mendigos, que encho a porta principal..
Tudo quanto acabo de. dizer foi OMjue pratlcou
a familia Gongalves.
A Ananed desfez-se em condoleatas para
a imlitosa viuva. Exaii.ni as virtudes o
Pestaa, invocando as amigas i
ii Goncalves abragou-a comp
\ liilunha choron.
E h Maracas e a Lniza sahiraa
us odios verqjelhos.
A^c llegar ra Aade.;
bme. E a
Se almoi.
Nao, i
come _
E l f 'ram t
A' mesa tai urna I


.



JLflHl'
1U 1*C A 'ix\.
-'
i
I V.11 ct
de /VbriL
S9
MB
.eolharem muito
opado
Iria, recomraendando
quecesse do pirao.
0 Goncalvea, hornera pralico, coaimeu bifes
om batatas.
Com que appeiite todos devoravam
Coitada
incoase lave!
da viuva,' dizia a Barbinha, est
ventad!1, nunca amseaiqae cttawentiette
tanto a rao**-do empadre.
0 Pestae era ae^adie do4tancalves.
Ora, apesto ew> como d'aqai a dias j.i
se lembraie deM.obsi.'rv;va a Adela, pe-
lindo em !<]a.pieo* a > ciado.
Vira*com<>es!avaaKquMitamente vestida
a filha do Passos ?
Ah ocal po-iisJ9liaroaas. Quera eslava
eenio mate^wtiri caaaMMfttdudas^estn u o
vestido preto muito surrado, -era' a mufber do
Symphronio. Este peixe ensopado est muito
"beat feto. Faz o favor de passar-me a fariuha,
titia Anacleta.
E a Luizinha ria-se, lembrando-se da inulher
do tal Symphronio e de ouiras cousas engragadas
qtnrtntoa riste:na igreja.
1884
seguales proj
do di sticio : n. 20 de 1889
(vi;-i Santa'Bita a Itamb); n. 19 de
1889 (jubilaco do profussor Francisco da Silva
Miranda), ambos era 1* discussao : o. t de 1889
_ (ramal da via-ferrea de Pedra Firme a Belm de
CapniiWl|ilTHtodiru3atoa 136 de - me*MeomuFfc*e Idinoem^, em Ia diaeesso;
a. 3tt d4*8V (posturas do Kecife) em 2' dis-
cussao: n. 33 >Ju 18H8 labolindo o imposto do
diziuio; en -' saaMBi, tendo orado nela-ordem
os Srs. ttruniii. :m Jui Marianno; n. il de
.1887 (fabrica : ii-n em discussao; n.
138 de 1888 i: :itt> ,lecemilerio de t a-
nella udo orado os Srs
Drummand \la Jos Mari Ma-
nanninuad jattfiuiout partido d aquelle Si
Com Franqueza, leitor, nao 6 melhor chorar o
seas no intimo Taima, ou em familia, sc-m an-
nuncios, sem pompa, loge dos estranhos e in-
differentes 1
FRANCA Juniob.
...
PER8AIBUC0
Bstrada de Ferro de Kihelro
ao Bonito
ASSEMBLA GERAL ORDINARIA
ACTA DA SESSO ORDINARIA DA ASSMBLA
GEBAL DOS ACCIONISTAS. DA ESTRADA DE
FERRO DE EIBEDJAO AO BONITO
Aos vinte e dois dias do mez de Marco de 1889,
aeescriptorio da sociedade, achando-se presentes
os accionistas Joaquim da Costa Mireira, Izidro
Wamterley Lins, Dr. Joo de Oliveira, Jos Alves
da Silva. Domingos Joaquim Ferreira Cruz, coro
nel Jos Bellarmino Pereira de Mello, Maria Lu-
cida Pereira de Mello, Antonia Pereira de Mello,
Joo Liberato, Dr. Jos Eustaquio Ferraira Jaco-
. bina, Baro de Serinhem, Jos Villa-Verde Cuna,
Joan Manoei de Barros e Silva, Sebastio Lopas
Guimares. Joo Silveira Carneiro da Cunha,
Antonio Joaquim dvalcaute de Albuquerque, e
Graciliauo Octavio da Cruz Martina, representan-
do todos noventa e seis votos com setecentas ses-
sentae nove aeros, assummdo a presidencia o
Dr. Joo de Oveira, vice-presidente eleito, e de-
ciaron aberta a presente sesso ordinaria d'as-
sembla geral.
Em seguida deu-se a palavra ao sr. director
gerente, que procedeu a leitura do relatorio, que
posto em discussao foi approvado, bem como a
acta da ultima sesso.
Procedendo o 1." secretario a leitura do pare-
cer da commisso fiscal, que conclue pedindo
ne se consigne na presente um voto de agrade-
cimento ao dinector gerente, opinando para que
seja autorisada a actual directora a contraliir
um empreslimo a prazo longo at a quantia que
t'or precisa para a concluso das obras da empr -
s, dando por garanta as mesmas obras, por
quauto julga ser de necessidade a prorapta ter-
minacao da linha; submettido a discussao foi
este-parecer approvado por unanimidade, sendo
em virtude de proposta do accionista Jos Eusta
quio Ferreira Jacobina, acceito o alvitre indicado.
Hcando, por tanto, a directora, autorisada a
t'azer todas as ojierages de crdito que julgar
necessarias para a cbntinuacao e concluso dos
trabalhos da empresa, ludo de accordo cora o
referido parecer d commisso fiscal.
Em acto continuo procedeu-se a eleico oVae-
sembla geral e commisso fiscal que assim lica
ram compotas Assembla gerai, prndente,
Dr. Joo de Oliveira com 52 votos ; vice-prsiden-
te, cominendador Manoei da Silva Maia com 31
vote; 1." secretario, Joo Silveira Carneiro da
Cunha com 86 votos; 2.* secretario, Dr. Jos
Eustaquio Ferreira Jacobina com 27 votes. Outi-
veram mais:-Para presidente, commendador
Beruardiuo Cuines de Carvalho, 34 votos ; para
vicepresidente, Dr. Joo de Oliveira, 30 votos
coauueudador Bernardino Gomes de Carvalho, a
votos; Antonio Joaquim Cavalcante de Albuquer-
que, 5 votos; Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jaco-
bina, 4 votos: para 2.* secretario, Izidoro Wan
derley Lins, 12 votos.
Para .veotiimisso liscal foram eletos os Srs.
Joaquim Onto Bastos, Graciliano Octavio da
CruzMariins. Domingos Joaquim Ferreira Cruz,
Joo Manoei de Barros e Silva e Sebastio Lopes
Guimares, lodos com 81 votos, excepto o ultimo
e o segundo que obtiveram 80 votos cada um.
Foram mais votados:Dr. Jos Eustaquio I ei-
reir Jacobina, tom votos; Antonio Joaquim
.' Cavalcanle de Albuquerque, cora 5-votOS : 0 Jos
., Soares de Seixas, cora 4 votos.
. te levantou a sesso.
E eu, Joo Silveira Carneiro da Cunha, seere-
por mim asaignada e p-.-lo presidente.
Joao de Oliveira,
Presidente
Joo Silrrira Carneiro da Cunha,
Secretario.
deputado um requerimeuo de adiamento da dis-
ctisso por 24 horas.
Approvou-se em 1* discussao o projecto n. 18
de 1889 (terrenos do engenho Jaguaribe).
Em 3* discussao, seudo reraeltido commis-
slo de redaeso, approjou-se o projecto n. 3
de tiOlnpefwiB O Escndai.
Encerroa se sendo apoida mais urna eraeiiJa
sob n. 2, u. 3/ discussw do projecto n. 103 de
1888 (lempo de servioo Jo major Tamborirai, nao
se votando por dalia de numero.
Adiou-se a 1* discussao 4o projecto a. 109 de
1888 (agua para Bom Conselho).
A ordem do da : 2" discussao do projecto
u. 136 de 1888 ; 3- dos de ns. 226 de 183. 11 de
1887, 33 c W8 de lf88, 9 de 1889 ; discussu
das leis nao sauccionadas a que se i'ui'erem os
pareceres ii-. 6 a li de i89 e eonliuuagao da
anterior.
Carpo de iuacbUtiMtaii da armada
Foram promendos a machi pistas de 4 classe
da armada os segualo pcatiuankta de machi
Lust Lati do j&isciintaaa Paseos arteso, Ber-
nardo Joaquim de Mallos, Alberto Marinho dos
Sanios, Huberto de Oliveira Bordes, Heurique
Bueno de Oliveira Sainpaio, Jos Gomes Brrelo
Juaitr, Henri me Felis das Sanies, Adero Jos
da Cosa, Joaquim Jos de Andradej Thomaz ';i-
nbeiro dos Santos, Jos Jesu* de Carvalho, Gui
Iberme Lins dos Goimares Peixato Camet,
Joo arlos Alves de -iqueira e Amelio Bernardo
da Silva.
(narria nacional -Por portara de 27 de
Marco prximo findo, foi privado do posto na
forma do art 65 Io da lei n. 602 de i 9 de Se-
tembro de 1850, o major reformado da guarda
nacional da comarca da Cachoeira, na provincia
da Baha, Manoei Alves Masca: nbas, visto nao
ter solicitado a respectiva patente no prazo
legal.
Per porta ria de 23 do raesmo mez :
Foi declarado sem effeito o decreto de 11 de
Abril do anno prximo passado na parte em que
nomeou o cidado Ismael Americo de Andrade
para o posto de tenenie-coronel-commaudaiiie
do 5 batalho de infartara da guarda nacional
da capital da provincia da Babia, visto nao ter
aceitado a nomeacao.
Foi transferido para o servico da raserrao
teni-nte coronel-coiumandanic do 53 balaUo
de iufantaria da guarda uacioual da comarca de
Cimbres, na (iro\nncia de l'enurnbuco, Manoei
Ignacio da Silva Azevedo, (cando aggregado ao
9o batalho da reserva da dita comarca..
A eeca do norte .V presidencia do
'iauhy foi concedido o crdito de 0:00i5 ali.n
de occorrer com soccorros s victimas da secca
que tem reinado na provincia.
Foram tambem approvados os crditos
abortos pela presidencia do Cear, sob sua res-
ponsabihdade, e na importancia total de.....-
l29:34*5C0, para occorrer despezas occasio
nadas pela secca que tem (Wgeliade a pro-
vincia.
NoccorroM punliroN no Maranliao
Foram approvados os crditos abertos pela pre-
sidencia do Maranbo, sob sua responsabilidade
e na importancia total de : 14 J640 para oceprrer
ao tratamento de indigentes acco-umeUidos de
varila na apital e na villa de Santa Helena, bem
como a.co;nedorias e passagens concebidas u
cearenses que deviam esiabelecer-se na lavoara
do interior da mesma provincia.
\<(o da prefridenria da provincia
Por actos de 21 de Margo lindo
Foi considerada sera elleito a portarla de 13 do
mesmo mez, na parte relativa a noineaeo de
Amaro Bezerra ^arinho Falco para o posto de
alferes da 3 companh.a do 10' batalho oe in
funlaria da guara uacional deJaboatao.
Foi exonerado o eugenlieiroMizael Domnguefl
da Silva do lugar de liscal da estrada de ferro
do Bibeiro ao Bonito.
Foi nomeado o engenheiro Lu,iz Marques de
Albhquerque Maranho para exercer o lugar de
liscal da estrad;: le. ferro do Ribe,iro ao Bonito.
Foi nomeado Jos Olegario Cavalcante. Tara o
posto ue alferes da 3- rompanhia do 50" bata-
lho de infaotara da guarda nacional L- Jaboa-
tao.
Foi nomeado Livino Brasiliense do llego Bar-
ros, para o posto de teuenM da 8" comianhiado
10 batalho de iufantaria da guarda nacional de
Jahoato.
Fci exoneraio a pedido Antonio Jo3 Ferreira
ada e"apurada a votado o Sr. presiden- Franca,' da cargo.de delegado literario de San-
,___._.... ...'.>; in (.1117 Maiiihicara e oco Fundo.
ta Cruz', Mandacjiia e oro Fundo,
'i-oi exonerado a pedido Jos Arualdu
de Cas-
K en Joao silveira i.arueiro na i-uimu, ot-:ic- w i.wuuu ,. r-------------- -
tark das^mbla geral, Uvrei a presente que vai tro Fe.tosa do cargo de adjunte do promotor pu-
"*..:_ ......._...i Z.i- n.n.-,fanio h u-ii p Otiricurv. no termo do E\u.
REVISTA DIARIA
Awaembla Frovncial Funccionou
iiontem spb a presidencia do Exm. Sr. Baro de
Caia tendo comparecido 32 Srs. deputa-
^los.'
Foi4ida e approvada sem debate a acia na
~so antecedente.
- Con parecendo o Sr.- Baro de Itapissuma, as-
stonio a eadeira presid.ncial.
O Sr. 1." secretario procedeu leitura do se-
grate expediente :
m nmcio do secretario do govern, o ramn-
rucando j ha ver remeftidoao Thescnro 1Y
cial para os devidos lins, a relago nominal dos
Srs.lleputados o ponto dos empregados desla
['aria relativos ao mez de Marco:-Intei-
rida.
Outro do mesmo. commuuicando que upportu-
namenle sero enviados alguns exemplares im-
ressos ?obre o arbitramiento das obras da em
presa degaz desta cidde.A quera fez a requi-
c'ina petico d.-. Sel.aslio Bezerra da Albu-
querque. requerendo o pagamento do aluguel de
sua casa que servio de quartel. em Batalha, ter-
mo de Munbeca.jA' commisso de orfaraenio
provincial. '
Ouira >lo baliarel Manoei Gom< pa
gador do Thesouro Provincial, reqirendo um
anno de licenca com todos os veucimenlos para
tratar de. sua saud A' comnissao de petigoes.
Adiou-se a pedido do Sr Jos Maria a dliCUS-
so da nioc.V) do Sr. Jos Marianno, por este
aehar se ausente. .
>pprovou->e. depois de .orarein os Srs. Jos
Cordeiro. Tavares Netto, Ferreira Jacobina e Ro-
goberlo Barbosa, para urna espovayo pessoal o
requ- Jo Sr. Jos Maria sobre persegui-
i-Jardim ao major Crios Leitao,
por 10 minutos a reque-
rime ni..
: do dia.
Ap, debat 9 pare
ue de leis ao sanecio
10b ns. 6: H i Jarundo o Si Joo Augusto ter
* votado contra o de n. 7.
pareceres :
. 6 tah'
nwturu-' i.. b\enco a
^K !'.
i i-la do Kecife : n. 10
idio e aju-
ijria*deHiitlnlo.-
blico de Onricu'ry, no termo do Ex.
Foi designado' armazemdos negocianle< An
selmo Lima tinados ao presidio de Fernando de .Noronba.
Conwelbo liMcrarioHonlem fum
nou esle Conselho sob a presidencia do Dr. ins-
DC lor geral.
Em substiiui;o ao Dr. Rodolpho Albuquernue
tomou posse do cargo de roembro do Cons llio
o Dr. Cicero Peregrino. .
Foi eleito o Dr. Jos Din z para assistir por
parte do Conselho Lilteraaio ao couurso que
Se* realizar se n dia 5 do corrente.
Foram apresiiitados os seguintes pareceres :
Da 3' seccao relator o Dr. J. Diniz, Bocre o pro
cesso disciplinar instaurado contra os prdTMSO
res- contraclados de Seria Branca. Jod Jos da
Bocha Pita e Genoveva Ferreira de Quetroi Pit-
ia, concluindo pela absolvico. Appro'vailo.
Da mesma seceo e relator, sobre o rei|Ueri-
menio da professora jubilada Porfiria Je-
Baplista da Silveira. pedindo para |ur seja in-
cluida em -cus veucimenlos a atkkmaao de
mrito concluindo que a supplicaiite est no ca-
so de seratleinlid -Approvado.
Da nesaia sacrSe e relatar, sol re o eaaen-
mento do professor Sizenando Hilario Ranos,
pedindo tambera que seja Desacatada en. sua ju-
bilacao a gratilieac."io de mrito. -Adiado re-
querimeato do professor Wanderley.
Da raesraa seceo, relator o Dr. Kegueira Cos-
ta sobre o requerimi-nto da professora C
Joaquina de Lima Rues, tambera pedindo que
em suajubilaco seja computada ag
de mrito.Adiado a requerimento do pro!
WaiKk-rley.
Proei*oE' boje que se realiza a pro
cisso la trasladaco da imagem do Senhoi
Passos !o Carpo -unto para o Carra>. -
cooduzida era charola.
Amanh i a mesma imagem era
s 4 horas da tarde, havesdo
o io recolner-se da no Corpo Santo.
Kwtatna da liberdade No sabbado
ultimo reunise a ooaM a da
coaati uuniento (-orameni-
iefioem Olinda, tehdo comparecido oslllms.
Alves Ribeiro, Dr. J
concellos,Dr. Jos AustregesHIo Rodrigu* s Lima,
Dr. Antonio BstevSo de Oliveira, l lino
de Sonra Dia-. Dr. Jo Joaquim bu-
queri rado,
Dr. Jos dos I > capito rortunato
de Sampiio. Jos Guilh-nne da Silva I)
Calixto Jos de Mello e, Antouio Pereii
Abe," MO que
ivamoSr. i Jos Candido Pe
ir, Dr. Albino M
ivalcaote, cap
Castro Vilella e capito Lapa Jum
iballios. foram
cae do ra.'ira-.ienio ah
a -ua ina''!.u..'-

tinda\

eliberado que
, primeara lotera de
em Maio prximo, e
restantes.
0 Sr. engenheiro SimOes aprese
detalhada de iodos os impressos que foram col
locados dentro da caixaembulj
idMiHiearu-pedraa^fMkada ooan lampa
ra* aeado-da-*efcat il'.-'.larando ao ,,eama
tasp*paa>*>do> -os imprfssa-jfaram. :.".ies J-
atit aaaw*aolloaaaasro*ol.,
laminas de climaau>ma)r..
e dpoi.s em si'-Ja, lacradoio envolucro, e raetti-
zjaoo qu<* fna- soldada: decla-
rando-ao mes:noein|)o.Be ar-prneira pedra j
ftaaeuiadj tkavu n'unia.eaiNar-2menta la e pin-
tada a piche nos aUturaa^la maaamunto.
aaK'oiaamaaa]^aaDlaiaapoaa<*wtiMaaresenia-
dase extrahissem duas copias que seriara re-
mettidas urna ao Instituto Histrico Pernambu-
eano e outra a Cmara Municipal deOlinda, con-
junctameine-com urna copia -autbeatiei da acta
do assentamento da primeira pedra c urna pho-
tographia do projecto.
daimaiu haviwdo-a tratan levantaila a
seso Picando desigado o dia *fWdo corrente
(quinla-feia) para aproxima reuniao, no lugar
e hora do costume.
Tribunal do Jury do Kcrire Foi hon-
lem. submettido a julgaraento o vio Francisco
.Buyniundo de Mello prouHnciado no art. 269 lo
Cod. Crim. porque no dia 26 de Janeiro do anno
passado, na freguezia la Gaaga, tirn para si
contra u vontade de seu dono, por raeio de vio-
lencias., diversos objeclos pertencentes a- Maria
da Paa Antonia lo Monte. *,"
,A's il horas da manha, presentes !7 junes de
fado, foi aberta a se>sio sob a presideaoia lo
Dr. Joaquim da Costa itibeiro, juiz de direito do
Io distncto criminal, oerapando a tribuna da ac-
cusago o Dr. AII'oiisj OliadaMi Kibeiro de Sou-
za, 2" promotor publico la viaprc i,: ada lel'esa
o Dr. Jerouymo Materno PereiVoe arvalho, ad
vogado dos presos pobres.
- Fuuociooaram no eo ..-.'lio ti'- senl 'inja os SC
guintes jui3es Je faci :
Frederico Heurique da Silveira Tavora.
Antonio Soares da Rocha o Silva.
Dr. Argemiro Alves Arxa.
Manoei Felippe Piracntel. "
Thomaz- da Gam Lobo.
Joo Carolino do Xascimento.
Epiphanio de Luna Freir.
Vanete Francisco de Paula Mafra.
Thomaz Carneiro da Cunha.
Di-. Manoei Hartan Rusa Jnior.
Antonio Ignacio do Reg Medelros.
Francisco de Carvalho Paes de Andrade.
Interrogado o reo, confessou a autoria do
crirae.
Feita pelo capito Florencio Rodrigues de Mi-
randa Fran;o. vscrivao privativo do jury, a lei-
tura lo processo, foi dada a palavra ao Dr. pro-
molor que, desenvolvendo a aecusaco, pedio
para o >v6 as penas do- gra mximo do art. 269
do Cod. Crim. por ter concorrido na pratica do
crime a cireumstancia asgravanle do ar!. l(i
"
O patrono do reo, negando ter elle praticado
as violencias coustantes do auto de vistoria, pe-
dio a perempgo da causa.
0 jury reconheceu por unauiniida ie de votos
que o reo tiruu para si coalla a matada do dono
os objetos relacionados no processo e negou por
oito votos as violencias coiislantc* lo auto de
corno de ilelicto, sendo em rista d'estas decisoes
julgada perempta a acensago c condenmida a
municipalidade as mstas.
A sessiio foi adiada para boje s 10 hora.-, de-
vendo ser julgado o reo Manoei Joaquim da
Si| va.
Viagem de N. A. R o Conde d'Eu-
Escreveram ao Jornil do Commercio, da corte:
Jpanema, 23 de Marro.t'', volia de Botuca-
t, una das cidades flagelladas pela epidemia da
varila, aqu chegou s 9 da noite S. A. R. o
C nde d'Eu. acompanhado pelos Srs. Baro de
Cprumb, ajudaute-general da armada : com-
mendador Pereira Jnior, director da estrada de
ferro Sorocabana ; commendador Gcorge Oet'.e-
rer, inspector geral da linha ; -commendador
A'faya Jnior. Aguardavam a iiodada uo bene
meriio principe os Srs. leaentc coronel Dr. Joa-
quim de Souza Moras, eminente director da fa
brica de ferro de Ipanenia : o seu ajudante, en-
genheiro Leanuro Dupr ; o Dr. Paulo BoitouI e
o sabio professor da Escola Polvtechuica Dr. W
Michler.
Apos pequeo repousp, foi servido ao prin-
cipe, sua comitiva e s pessoas cima mencio-
nadas lauto jantar olTerecido pelo Dr J. Mursa.
Durante a sua breve pousada, S. A. P.cil
:eu diversos lebr.'raini^as de Santos e de S.
Paulo, dando conta do estado da epidemia, e ex-
pedio outros, um dos quaes ao presidente da
provincia ceicade objeclo do estado sanitario.
A's 10 e 1/2 horas da noite, parti para S.
Paulo o comboio, levando S. A. Real e sua comi-
tiva. A estacao de Ipanema mostrava se visto-
samente adornada e illurqinada o gtomo, chivan-
do se partida do comboio eulhusiasticos "ivas
a S. A. Real, a Suas Magestades Imperiaes e a -.
A. I. a Sra. D. babel.
O comboio que onduzio Sua Alteza a Botu-
eaii parti de S. Paulo s 9 da noite de 22, che-
mndo Victoria s 8 da manha de 23. Naquel-
]a cidade- visilou S. A. o hospital dos variolosos,
miando o estado de abandono em que estes se
ahavain. dando acertadas providencias arbem
(testes infelizes.
O principe deixa em toda a parte iraprrsso
muito favorave pela sua amenidade. justeza de
observaces e de-velado iuteressi pela, sande
publica." Esta sua penosa viagem tem sido de-
vidameul consideada por iodos os homens.de
caracfto. __
Evpertaculo No dia 10 do corrente no
thealro anta Isabel realisar-se-ha um espect-
culo dramtico em beneficio de urna pobre viu
va. a Sr.i.T). Joaquina Donilla da -ilva Coelho
Diversos artistas, compadecidos das necessida-
des porque est passando a beneficiada, presta-
rara-se de boa vontade e gratuitamente a auxi-
liaba uo empenbo de conseguir alguns recur-
sos.
) lr.:na eseolliido intitula-se Portuguezes r
ncem em 5 actos e 7 quadros do escriptor
po'iu^uez Borges Avellar.
Tomam parte na representaco a artista Rosa
Majitioaea e alguns mocos do Club Familiar,
comando se entre -stes o eximio amador Anto-
nio Moraes.
.MkMNinatoN-Eni 2o le Marco, no sitio
Riacho, do termo de Bom Conreino, Euzehio Jos
de Araujo assassmou com um tiro a Antonio
Candido dos Santos, logrando evadir-se.
Em 9 de Maico, no lugar Cajueiro, do ter-
mo de Buique, Antonio Marques le Mello assa6-
smou com tres facadas Jos Lopes le Carva-
lho, evadindo-se lepois do en e.
Posteriormente apresentou se o criminoso ao
delegado do termo, que o fez recolber priso.
0*adavA que hontem noticiamos- lersido
retirada lo rio Capibaribe, em frente do liym-
nasio Pernambucano. foi ante-hontem uiesmo
examinada no ceinilerio publico pelos m-
dicos da polica, que apenas poderam 'reconbe
cer pertencer ella um hornera de cor branca,
representando ter*Je 20 2o annos de idade.
FalleeimeaU Escreveram-nos :
. Falleceu no dia l" do corrente o decano dos
guardas da Alfandega desta cidade Joo Dinix e
Silva, contando 76 airaos de idale c S$ le servi-
restados ao Estado > i em prego cima re-
ferido.
Era o-finado probo a toda prova ; pois. -lu
rante este longo temp de servico nunca soffreu
lor pena, o que raro en i pregados
Ba classe xerceu tambera os lu
jodante de cnferent e de fiscal !e trapiche,
os quaes desempeabou a conten che-
fes cotn a mesma hnuradez e assiduidade, que
lhe era proverbial, alm disto mereceu senijire
i.lr. tinham r<--
lacOes deamisade, sabend impor.se tanto quan-
to era bastante ao rsspeito evido entre seus
coflegas.
E tanto assim verdade .que entre
col legas e os oliciaes de descarga re-olverain
oiTerecer-lhe osen retrato, o que ellectuaram ha
Yde 2 annos. o qual conservase confronte
ugar onde e aquelle macrobio da
la mona da Alfandi .
H p -m|ire muito fiel nas par-
tido conservador, ao qual | tes ser-
vicos como voluntar. ugo de 1848.
, Dei aior pobreza nu-
merosa '
rilho8 e u nome
honrado e proa*
t'aculdade de Direito-
hontem :
2 anno
Alalina Sones de Lima, iiaplcsmentc.
Hermelo de Barros Pimentel. idem.
-ar a defeza de tli-
iiaehari'l JoSo Elysio.
KmolaN~P*ara distribuir por viuvas po
bres, enviou-nos o honrado Sr. commendador
Joseph Krause a quantia de 13i0, agenciada
tresSero celebradas :,
tkacommisso papulaa; Bsaarregada de nromo
ra brinde a 8. Exa*<*>-pra8idenle da pro-
vincia.
A mesma commiisae resalveo nao continuar
MMigenciac da siiaseciogao cumecada e desii-
uou s viuvas a quantiaarrecadada ne-priineiro
dia de seus trabalhos.
Bistribuiuos a jeferiK. quantia dOjnHguintc
modo:
Merraelinda Sctte
iBMtfaria Aullan .h;k
D. Alexandrina Maria da CoiiCticO 2iO0O
D. Dinbelina Vnes Duira 2000
D. Estephania Lins 2*0"0
D. tiaria Franciscada ''(Meeteo 2000
D. Isabel Xavier de Albuquerque iOOO
Paquete Orenoque Hontem ao cahirda-
turde-ehegoB-da aBropn o-panticte francez Ore-
noque da Companhiafri' ifess'ig<'ri.:$ Mariliw.
qual, leudo sahido de Lisboa a i de Marco, fex
urna explendida viagem.
A hora adiaolada em que recebemosV uossa
correspondencia nao nos permitte dar boje as
noticias irazidas pelo referida paquete, o que fa-
rcinos amanh.
Mcrvieo. militarEst ..idos boje
paca superior do dia o Sr. capao Pedro Velho.
VHra ronda menor um subalterno de caval.aria.
- A RUarnifao da cidade dada luije pelo
14 batalho de infantarja. .
Exislem e.n tratar'ir i
litar 39 pracas dos corpos de -.
Vai seguir para o termo le Ouricary urna
foraflbi-i0 balalhiio de iufantaria. aim le all
ilepirflob o commailo do Sr. alferca do mes-
".iio Fraacis o Alfonso do Reg Barros.
J Sob a presidencia do Sr. capitn Francisco
Antonio de S Bureta Juuior. funocioaatl hon-
tem o conselho de tnvestigaco a que responde
o capito do 2" da mesma anua, Januario da
Silva Assumpeo.
No requerimento do soldado do destaca-
menlo do 10'' regiment de catUaria, Alfredo
Jo.- da Silva Pires, deu S. Exc. o 3r. tenente-
coronei commamlanle das armas, o seguinte des-
pacho: Aguanh' a licenca..
Xa qualidade de addido foi mandado ser-
vir no batalho de infamara o Sr. tente do
li" da mesma arma, Jos Joaquim de Agotar.
Hoje, s 5 horas da tarde, dever adiar-se
em frente igreja de S. Frei Pedro Goucalves
do Recife. urna guarda de honra do 2' batalho
de infamara, alim de acompanhar a imagem do
Senlior Bom Jess los Passos.
nanliojlaiiuiliiio -Conimuni-aram-nos o
seguinte em data de hontem :
Hoje. :s 6 horas da raanh, passava o Sr.
Spill r cora sua esposa pela ra Estrella do Ro-
sario e i.i atravej ando pelo oil;i."> de um do
lirados, cuja Erante d para a ra Duque de Ca-
xias, sobre ambos despejaran) do se-uudo andar
aguas secvidas, (cando itteralmente molhados.
Nao lia -I esculpas para se nelhante proeedi-
menta, de*rdo i boratos de pouco asseio
Xo haver juem possa cohibir tees abu-
sos?
Nociedade I uio e KietlraM Reune-
sc baje, s 10 horas da manha, esta socied-.de.
em assembla geral. ua praca de D. Pedro U n-
73, andar, alim de proceder a elei;o de sua
nova directora.
AwAtoriaco 6\>:.3kttier::U Aercola
do Pcrnamb^ Tendose procedido hoje
a eleico da directora d'esta .associacSo para o
anno do 1889 a 189). foram elcilos os Srs.-:
PresiileiileTenente coronel Francisco Faustino
de Brito.
Vice-pi-esidente- Capito Francisco Jos Jayme
Galvo.
1 secretarioDr. Francisco de Barros Lins.
2o secretarioKernardino Puntual.
Thesoureiro Jos Dias Alvares Quental.
ijmimisso Je conta::Commendador Francisco
Ribeiro Pinto Guimai es, Jos Ferreira Mar-
ques e Joaquim Jos Martina.
Kfttraaa te rorro de stiboirao a Bo-
nitoReunida em 22 de Marco rindo, a assem-
bla geral dos Srs. accionistas desta comparvhia
para assistirem leitura do parecer fiscal, do
relatorio da directora e a lomada das contas do
anno lindo a 31 de Dezembro de 1887, sob a vi-
ce- -presidelicia do Sr. Dr. Joo de Oliveira, pro-
ceileu-se eleico da nova mesa da assembla
geral senta eletos os seguintes accionistas :
Presidente da assembla geralDr. Joo le
Oliveira.
Vice-prcsideute -Commendador Manoei da Sil-
va Maia
Io Secretario Major Joo Silveira da
Cunha.
2o SecretarioDr. Jos Eustaquio Ferreira Ja-
cobina.
Commisso fiscal Joaquim Oliulo Bastos,
Graciliano Octavio da C. Martins. Domingos Joa-
quim Ferreira Cruz, Joo Manoei de Barros e
Silva e Sebastio Lopes Guimares.
Club Iliterario llai n Jniorlie
une-se hoje i do correnle este club, em sua s-
de, na travessa das-Flores n. 3, s 2 horas da
tarde, para .ralarda posse de sua directora.
Monte-Pio do Voluntarios da Pa-
tria Esta associago se reunir hoje as o ho-
ras da tarde em assembla geral, para tratar-se
de negocios sociaes e urgentes .
Directora daa obran de connerva-
i o dos Parto* de PernambucoReci-
fe. 2 de Abril de 1889.
Boletim meteorolgico
pela alma de
D. Maria da Penlia Coriolaflo da Silva ; t> S l/S
horas, na matriz da Escada, Dla alma de Ma-
noei Joaquim de narros.
- Amanh : -
As8 horas, na matriz de Santo Antonio, pela
alraa.de D. Rita de Cassia M. das Candeias s
7 horas, na ordem terceira de S. Fraucis co, pela
alma de D. Mariana de Faria Botelho.
Caiad j i Hk ten^aoMov meato dos pre
sos da Ciifa de-Detenco lo dia 2 de Abril de
1889!
ExifltiamWifl; entratam lo; sabiram22; exis
terji 471.
A saber:
Nacjoanes Jid: mulheres 17 : estrangeiros 22
-Total 471.
Arrancados 410.
Bos 390.
Doentes 18.
Luucos 2.Total 410.
Movimeutoda enfermaria
Tiveram alta:
Jos Quedes de Arroda.
Jos Mansinho do Nascimento.
Tiveram baixa :
Jo>Fraiicisi-c Fi-rreira Gomes.
Joo Correa de Lima.
Manoei Barbosa do Nascimento.
Jos Cesario de Meilo.
Foram visitados os presos desta stabeleci-
mento por 20o pessoas, sendo 100 homeiis e 10o
mulheres.
UoMpital Pedro II O uiovimenio i-sn
eslabelecimenlo de daridade, no da 2 de. Abril
foi o seguinte :
Entraram 26
Sahiram 7
Falleceram 5
Existem 634
Foram visitadas as re;pectivas enfermaras
polos Drs.:
Moscoso 8, Cysneiro s 10 l|i, Barros Sohri-
oho as 7 1(4, Beraroe s i 1. Malaquias s 8 3A
Estevu Cavalcante s 9 1|2, SimOes Baroosa s
9 1(4.
O Dr. I'ontual iii compareceu.
Gjeinirgio dentista Nuina Pompilio s 8 lj4
horas
O pharmaceutico entrou s 8 ir2 da manh e
saiiio s 4 da tarde.
0 ajudante do pharmaceutico entrou s 7 1|2
da manli e sabio s 2 horas da tarde.
I,olera do Grao ParaEis os premios
da 3.* serie da 27.' lotera do Grao-Para, ex-
(rahida em 3 de Abril de 1889:
prepriedade, rmoetraai;
a influencia de ncleo
focos de produecSo e centros de vid
cola. Esolha de immigrantes e di
zelosa sao todavia requisitos a que com
atteader com summa discrieSo para que a
primeira tentativa de tal genero 2o ac
rete transtornos queembarguem o obra da
coIonisacSo na laboriosa provincia.
* A emaneipacao ^prematura d*a!g
^dos nossos antigos ncleos coloniaes or-
peccu-Ihea o desepvolvimento, este:
o esforcos que bem.diverso result
diam er.-nos dudo. A experiencia adqui-
rida afastar-nos-lia deste erro. Ncleos
coloniaea nao devero, ser entregues ^B
mesmos ilutes que na realidade tenhaFal-
eangado condic3es de vida propriu, autno-
ma e adependente. A este respeito o sa-
bio plano io regulamento le 10 de Ja-
neiro de 1867 (urna das inelhorcs obras
da administra52o do Brasil) serd itiui pro-
veitoTJ&iuente consultado. Os nossos gran-
des estaUeiecimentos coloniaes, aquelles
que liaior honra nos fazeui, foram ,asa*
dos nos moldes d'aquello acto.
A -provincia de Pernarabuco, porem,
nao deve circumscrever o seu pl :o de
uiiigraao fundayao de um ou de al-
2450 60:000*000
.-144 8:000*000
4770 3:0005000
135 l:20000'i
UM 1:200.5000
ArPROXIM-^CiES
600*000
6003000
300*000
300^000
:80i000
180*000
com 600*000 os seguintes
"o 4> 73
Horas _g o tic Barmetro a 0 Tenso do vapor es 13 1 s S
6 m. 26-4 760-98 21,94 8
9 28 -8 761-88 22,11 74
12 29-1 761-38 22,82 74
3 1. 30---4 760-24 21,69 67
6 28-7 761 "441 20.24 69
t'empe'atura mxima 31u,00.
Dita rainiraa. 26",0O.
Evap jrai.uo em 24 horasce sol: 8-.I i; som-
bra: 36.
Chuva-2,-2.
Direcco do vento : SSE, SE, ESE e E varia-
veis durante todo o dia.
Velocidadc media do vento: 3- 43 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0,65.
Boletim do porto
2449
2451
5143
5145
4769
4771
Estio premiados
nmeros:
700 26 3283 3753
Esto premiados eoi'300*000 os-seguintes
nmeros :
124 ol 1123 1695 3663
Esto premiados com 120*000 os seguintes
nmeros:
2441 2442 2243 2444 3445 2446
S447 2448 21:9
Esto premiados com 60*00 os seguintes
nmeros:
5t4l 5142 5149 W45 5146 3147
3148 5149 oloO
Esto premiados com 30*000 os seguintes
nmeros :
4761 4762 4763 4764 4765 4766
47G7 4768 4769
Todos os nmeros terminados em 50 eslo pre-
miados com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminailos em 44 eslo pre-
miados com 60*O.'O. excepto o Ja sorte imme-
diata
Todos os nmeros terminados em 70 esto pre-
miados com 30*000.
Todos os nmeros terminados em 0 esto
premiados com 30*000, excepto os terminados
era 50.
Todos os nmeros terminados em 4 esto
premiados coin 3o*000, excepto os terminados
em 44.
A seguinte lateria corre uo dia 11 de Abril
com o plano de 120:0C0*000. ,
Lotera do tiram-Fara-A 5' parte du
24* lotera, dessa provincia, cujo premio grande t
120:000*000, -erextrahida, no dia 11. do cor-
rente.
Cemtterio PublicoObituario do dia 2
le Abril de 1889 :
Umbelina Mara de Albuquerque. Itio Grande
do Norte, 70 annos, viuva, Boa-Vista; cachexia
senil.
Jesuina Rodrigues dos Santos, Pernambuco 20
annos, solteira, Recife ; laryugite.
Gregorio Honorio da Silva, (Piauhy, 62 annos,
casado. Boa-Vista ; aneurysma da aorta.
Domingos Vieira, Rio Grande do Norte, 8' an-
nos, viuvo, Boa-Vista; ser.ilidade.
Jacintha Joaquina Sarment, Pernambuco, 70
annos, viuva, Boa-Vista; gastrite chronica.
Pedro, Pernambuco, 8 raezes, Santo Antonio ;
athrepsia.
Manoei Marianno da Costa, Portugal, 35 annos,
solteiro, Graca; hepatite.
Augusta Dmirte, Portugal, 28 annos, solteira,
Boa-Vista; ttano.
Manoei, Pernambuco, 7 dias, Boa-Vista; in-
viabilidade.
Jos Antonio de S, Parahyba, 20 annos, sol-
teiro, Boa-Vista; pneumona aguda.
Mara Joaquina das Neves,Pernambuco, Pan-
nos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Alano, Pernambuco, 2 annos. Boa-Vista; phi-
matose pulmonar.
Um feto, Pernambuco, Boa-Vista ; inviabiii-
dade.
Manoei, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista;
bronchite.
guns ncleos coloniaes. Xa b-.-ra de izirla
circular de 27 de Dezembro est loquea-
do vasto projecto que cumprc ter muito
m atteneSo. Nao ha razao para que nao
se tor^e exequivel em Pernambuco, c s-
siiu^pa. Bahia e em outras. provincias, o
systema com tamarilla fortuna iniciado e
p ist> por obra em Si. Paulo. A lavoura
de Pernambuco antecipou-sc a utilisar em
grnd escala o tmbalho lvre iiuciopal.
Ao trabalho livre devia a provincyi, no*
dominio da escravidao, tres quintas partes
da sua produeco total. Esta bella tra-
dicao parece assegurar que > braco
traogeiro nao experimentar granae tirri-
cnldade em acchmar-se na economa rural
de Pernambuco, tao predisposta d>- onga
data para o salario, para a empreituda e
para a parceria.
*
Do Fr.rro Carril de Santiago de 0
passado extrahimos o seguinte : lima
das festas mais formosas e syinpathiens fui
o bauquijte offereeido hontem por S. A. o
principe D. Augusto, aos .Srs. ministro de
tstadi*, intendente e alcaide municipal de
\alparaizo o a varios membros do exer-
cito e da marlnba chilena c da sociedade I
de Va paraizo.
O (Jlub Valparaizo, em ne sc-walisou
a cela, estava adornado com muito gsto.
As columnas, portas, moldures c corni-
jas foram cobertas de flores o, fo'liagens;
arvores trop cajs aformoseavam a escada
c a entrada do salao e bandeiras nacio-
naes e biasileiras entrelacadas c eoiu mui-
ta arte dispostas nas paredes da salao de
juntar completavam a ornamentagao.
No centro da mesa, direlta do princi-
pe, sentaram se
tro do interior,
das Espinoza, ministro da justica e .us-
trueyao publica; em frente sentaram se os
Srs. ; oiTeia de Araujo, ministro do Bra-
sil; Sancber, intendente" de Valparaso,

o Sr. Barros Luco, iinis
e esquerda o Sr. Barra-
Pernambuco, 47 annos,
feure perniciosa coma-
o
t 3 a
B. M.
P M.
B. M.
!'. M.
Dia
de Abril
de Abril
lloras
II40 da manh
6 -00 da tarde
013 da manh
6-18
Altura
0-.32
2*,51
0-,43
2-43
leiloeElTectuar-se hao os seguintes :
Hoje :
Pelo agente Pinto, s 10 horas, m estacao
do Limoe.ro, do algodo salvado.do incendio;
s 11 horas, na ra da Soledade o 66, de mo-
vis, livros, espetaos e urna vacca toujina com
cria.
Pelo agente Bruto, s 10 1,2 horas, ra
lo Rangel n. 48, de movis, fazea as e miodezas.
Pelo agente Alfredo Guimares, s 11 horas,
ra do Vigario o. 23, de cascos vazios, reparli-
mento e fenameotas.
Pelo agente Gusmo, as 11 horas, ra Mr-
quez de Olioda n. 48, de ps de cacao.
Amanhi :
I* agente Brillo,, as 10 1/2 horas, i roa Bella
n- 39, .; gneros da U
sita.
Pelo agenie Stepple, as 11 horas, ra da
Aurora n. 41, de movis, loucas linas e grossas.
Pdo agente P 11 horas, ra Mar-
que/, de Oi.iida ii. 44, de predios livres e desem-
baraca.los.
Pelo agente Modesto Baplista, s 11 horas,
amboa do Carao n de movis, rout;
mais obji'Ctos-
Pe
batai
ra Mar-
isas com
Jo3o Gomes Lourciro,
casado, Santo Antonio;
tosa.
Jos, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos; denti-
yo.
Antonio, Pernambuco,.8 mezes. S. Jos; con-
vulses.
Filomena, Pernambuco, 7 mezes, Boa-Vista;
convulsoes.
Maria, Pernambuco, Boa-Vista ; ao nascer. '
Um pouco de tudo
L-se no Jornal do Commercio da corte,
de 25 Marco :
Noticiou-nos, ba lias, o aosso correspon-
dente de Pernambuco que a presidenc a da
provincia, tendo feito acquisicSo do enge-
nho Suassuna para fundacSo do priniei-
ro ncleo de immigrantes estrange:ros,
tao smente aguarda a chegada de compe-
tente engenheiro que se encarregue da
medicSo-e demarcacSo de lotes, construc-
ao de gilpSes e casas provisorias e outros
servida, preparatorios. Csta. requisigSo
acaba de ser >.atisfeita pela remocSo do
engenheiro Jacintho Adolplio de Aguiar
Pantoja do cargo de chefe da commisso
de trras na provincia do Espirito-Santo
para o de auxiliar da inspectora, especial
de trras e colonisacSo na de Pernam-
buco, pagando a servir aquelle Cargo o
engenheiro Al redo .fos Nabuco de Arau-
jo Freitas que' se achava servindo como
fiscal da estrada de ferro de Campos a
Carangola.
. Bem situadas om reacSo aos merca-
dos de consumo e exportacao, servidas por
abundante aguada e gozando de b8a repu-
tacao quanto fertilidade, as trras do en
genh) Suassuna parecem assegurar ao pri-
melro ncleo de Pernambuco, pelo lado
-,ondio3e8 naturaes, elementos
peridade. Centenas d
ras podem all dar e:
direita; e Uribe, contra-almirante c com-^
mandante g-eraj da Marinha, esquerda.
A' direita do principe, depois do ministro
do interior, seguiam se Osear Viel, contra-
almirante; Polycarpo Toro, capitiio de cor-
veta; Cu3tol6 Mello, commandante do cro-
zador Almirante Barroso; Alejo Barrios,
1." alcaide municipal; Rodrigues e Sam-
paio, officiacs do '^Barroso; esquerda,
depois do ministro da justica, Joo de
Dios Rodrigues, capito de corveta; Di>
go Dubl de Almeida, coronel do exerito
e commandante da artilharia da cosa;
Arturo Wi son, capito de fragata, Oevs,
Vicente Zegers e Castilho, cnsul do Bra-
sil.
A' direita do ministro brasileiro, depoia
do intendente, Vidal Gormag, capito de
navio e chefe da majoria> geral do depar-
tamento da marinha; Gandaro, : :.'.c-
coronel e ajudante particular do presiden-
te da repblica; Ricardo Vicona, i.ten-
dente geral do exercito e armada ; Le! <,
iiimediato do Barroso; Ricardo Bc&ugcfcw
cy, capito de corveta ; e esquerda; de-
pois do contra almirante Uribe, Domingas
Salamanca, capito de fragata; Man' e! R,
Barabona, coronel e ajudante particular de
presidente; Guilherme Biost G .. a, Ja-
mes Villanueva, superintendeiue das al-
fandega ; L. Ramn Guttierrez c Augus-
to Viollier. Nas cabeceiras esfcivnm o te-
nente Fonseca Neves, do Barroso, e Bar-
bosa vice-consid do Brasil eco Santiaga.
Pouco depois das 7 da noite cotttecott o
banquete e ao abrir-se o champagne come-,
caram os brindes, sendo o prinieiro do
principe D. Augusto, que offereceu o ban-
quete, nos segnintes termos :
SonhoresProcurei reunir aqr.i os re-
presentantes das diversas corpora$5es do
Estado e da sociedade chilena que ten
manifestado os seus sentimentos de alte
apreco para com S. M. o Imperador, a
officialidade do Almirante Barroso e o
Brasfl em geral.
Asseguro-vos, senhores, que guardo
em meu coraco essas pravas de estima
como um thesouro sagrado para i;nha
gratido.
Em seguida fallaram : o ministro brasilei-
ro saudando o commandante Mello ; o mi-
nistro do interioi saudando as glorias dajl
marinha brasileira e amizade reciproca
do Brasil e Chile; commandante Mello
marinha chilena; o almhu..j Uribe
amizade das duas marinhas ; D. Vicente .
Zegers indestrucfivel uniSo dos dous
povos ; o ministro do Brasil ao Sr. liiest j
Gana, que respondeu nos seguint
jnos : As palavras que acaba de profe-
rir o Sr. ministro do Brazil impel!e-me a
dar-lhe prompta resposa.
E' certo qne, em poca muito ^i^H
da, coube-me a honra de rep
minha patria na corto do Br;
conTessar que alli cheguei pre^
se coadunava com o meu esp.
cano o ser representante *i
pero regidp per ir.
' aptivado, porin, pri^^^H
esplendor e exhuberancia
e seduzido depois pelo
.talidade ben
tilhos daqi Uqei-
me a estudar saa^^H

>
(
i


Dia
Pernamhi
de Abril 1889

pa
ai:
afasta-se para
heio de regosijo,
i retiro, onde vive esquecido,
|xtasiar-se com o espectculo das
\m espigas e unir sua dbil voz,
iigne, aos cnticos de alegra
lotos povos que beindizem a abundan-
peco que me acompanheis,
~io duvido, fareis de todo coracao,
uui copo p;jra que os governos de
as nacBes, inspirando-se nos senti-
jnehoje uaem o Brazil e o Chile,
i fraternal affecto, traduzara em factos
suas nobres e generosas aspiracoes em
bem do progresso, de engrandeciruento,
a paz e da felicidade de toda a Ame-
.rica.
, Outros brindes foram anda levantados,
acabando o banquete, em -que reinou a
jnaior cordiadada e alegra, depois das
11 horas danoite.
INDICARES DTEIS
Hedieos
J)r. Cerqueira Leite, tem o seu escripto
rio ab-rto ama Duque de Caxias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
te em Ma residencia 4 ra Bario de S.
Borja n. 22. Especialidades molestias
desenliaras e enancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Louneiro medico e partei-
o, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sumpaio d consultas de
meio-rlia s 3 horas no 1.a andar da casa
roa do Baro da Victoria, n. 51. Resi-
^ieneia ra Sete de Setembro n. 54, en-
~trad> pela ra da Saudade n. 25.
Dr. i astro Jess medico e operador.-
Pi;.iica i !av;>grnB do utero quando e co-
mo aconseibaoa. Consultas das 11 as
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.a
andar.
Dr. Rlitlro de Br to d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de axias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr Alvares Guimard.es, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cora-
do, pulmSes,. figado, estomago e intesti-
nos e tainbein s afeccoes das enancas.
Reside praca do Conde d'Eu, n. 28, e
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
Dr. Joao Paulo, especialista em partos,
molestias de senhoras c de enancas, com
pratica nos hospitaes de Pars o de Vien-
na d'Austria, d consultas de 1 s 3 ho-
ras da tarde em sua residencia ra do
Barao da Victoria n. 1.- andar. Cha-
mados a qualquer hora.
Advocado*
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
pode svr procurado ra do Imperador
n. 71, 1." andar.
O Dr. H. Milet mudou o seu escripto-
torio de advocada, para a ra do Impera-
dor n. 46, 1* andar, sala da frente.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e oficina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes de
Capibaribe n. 23. Este grande estabtle-
cimento4 o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende inadeiras de todas
as quididades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dora-
aetenciaPernarnbuco.
Drogara
Furia Sobrinho & C, droguista por ata-
cad", ra do Mrquez de Olinda n. 41.
/ musco Manoel da Silva & C, deposi-
tario? de todas as especialidades pbarma-
eattticos, tintas, drogas, productos chimi-
cas c medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olmda n. 23.
COMHONICADOS
A qiicsto da farinha
Nao exacto, como lioje afurma o advogado
iaflinstre A=sociac.o Coramercial Beneficente
qu'* S Exe. o Sr. presidente da provincia, obe
de-1 lo i dura le da necessidade, se tlzesse com-
prador 'le farinha de mandioca (e at eflectuasse
tr&Mactjoea pessoalmente) para exportal-a de Per-
nara!.:r e igualmente inexacto que tenbga
OMnpra.11 urna partida de farinha por 6* c outra
por 7#<''. quando ella^ eslava u 4*300.
A verdade, furo o simples, esta :
A prudencia do Cear, em meiudos de Ma;o
Iflcgr '.'. u urna respeitavel casa comrnerciat
do Rcifp uutoriaanaoa compra- algumas mil
saccas da farinha por coala dos soccorre ;*>3 k*
mintns ;u secca daquella provincia.
Essa ordeaj, motivada peio alto preco daquel-
le gener- aa Fortaleza, oude, nao obstante exis-
urem cerca de 37.000 sacco*. o? especuladores
tralk-.iviiiii com a fome do povo essa ordeiu.
airemos, uo fot cumiwida por notffH que nao
vem a ponto discutir: corrompendo-se, e che-
gando ao conhecimeuto daquelle-- especuladores
por' a'uaia i' o Recife, levou-os
padirem seus correspondentes daquiqnecom
o at M.'iO o
sacc i.
.- O corresponden ecifr atirai-am-se
.-. o proco
da ... '. ia. que i-.-'.: .
max; i: ehcgou a 84.'i0
de 6.0011 << ;;do observar
para onde ai
im-se igual-
as por virtud'- r| \s rdees expedi-
fara epmpras scala, por
? burlou-se a ordi-:: >^r.iphica do pre-
ibra-
"dinario de
mundi : que, se^i
assez
meados de
It psito rn:>\*
Commucicada essa portara ao pre.-identi
Cear, este achou-a acertadissima, sem duvida
porque os seus planos de soceprro tinbam sido
burlados pelos especuladores, e elle desejava fa-
vorecer aos famintos, entregues s garra? dos
ditos especuladores
Assim fazendo, o "digno presidente do Cear.
das depois pedio ao seu collega de Pernarnbuco
que. por conta d03 ja fallados soccorros, Iba re-
mettesse 8,000 saceos de farinha. E, tendo bai-
lado os precos do genero aqui, j em conse-
quencia da portara, j por terem entrado do in-
terior da provincia e dos portos do sul algOBf
mil saceos, pelo que o deposito uo Recife era
superior 23 mil saceos; o digno presidente
de Pernambnco nJo trepidou em satisfazer o pe-
dido daquelle seu collega.
Como o T'Z, porrn ? Incumbi das compras
agentes commerciacs, e estes deram satisfa-
ctorio desempenho incumbencia, fazendo se-
guir a encommenda para o Cear ; fazendo-se
ludo to clara e publicamente quanto poda ser,
pois que, atm de mer*encSo deqwrttes fra-
tes, a farinha foi despachada as repartic-es
competentes e foi segurada contra .iscos mar-
timos.
Assim, evidente que o digno presidente da
provincia uo obedeetu dura necessidade de fa-
zer-se comprador dessa tnercadoria. mas, sim,
procurou satisfazer pelo melhor modo jiossivel
ao pedido do presidente do Cear, sem prejudi-
car a populacao pobre do Recife. pois que os
6C00 saceos remettidos para aquella provincia
uo desfalcaram o stock de 21 de Marco, boje ainda de mais de 1S 000 saceos, como era
naquella data.
Nao e (unhem exacto; dissemos e repetimos,
que fosse comprada por 6 e 7 o sacco, farinha
que eslava ne^oriada i 4*500.
O dono de urna partida desse genero, nao po-
dendo dar-lhe prompta sabida para o consummo
ou exp rtacfio, incumbi um amigo de procu-
rar venda para os 1,800 saceos que constituiam
dita partida, em deposito n'uma eslaco de fer-
ro-via; e esse amigo, tendo obtido apenas a of-
(erta de 41500 por sacco, foi entender-se cora o
proprietario da dita farinha, que nao coareio
nesse preco por achal o baixo e nao reraunera-
dor.
Ficou ik'ss p o negocio, como consta de um
auto de perguutas que respondeo o referido
amigo e intermediario; e, pois, 6. inexacto que
eslivesse negociada a sobre dita partida de Fa-
rinha a prego de 45300 por' sacco, visto como
nao podia o intermediario fechar o negocio sera
audiencia do proprietario da farinha, como de
facto nao fediou.
A remessa de farinha para o Cear, limitada
como foj 6:000 saceos, por modo nenhum, en-
tretanto, inquina de vicio as nossas assercoes
anteriores de que baria escassez do genero e de
que eslavum extinctos os rotados, como couti-
uuam a adirmar as noticias do interior da pro-
vincia .
Havia. e ha escassez do genero, e disso pro-
va ineoncussa o preco alto porque continua elle
ser vendido. As entradas do interiore do sul
nao tem sido to grandes que facam desappa-
recer os receios,
A quest* continua a ser, pois, de ".-cassez
e conicuaiitantemente de condolencia pelas clas-
ses menos favorecidas da fortuna. m isso
est em oposicao aemessa de 6:000 saceos de
farinha para o Cear.
Essa remessa, j o disseinos fez-se sera dam.
uo para a populacao do .Recife, que pode com-
prar ai:. Ja boje a farinha pelos mesraos precos
de 24 '30 de Marco, nos mercados municipaes.
Ficam assim respondidos os novos pontos de
accusacSo trazidos lume na imprensa pelo ad-
vogado da illustre Assooiaco Commercial Bene-
ficente. O mais que cofttem o seu artigo deho-
je sao repeticOes de argumentos j refutados, e
algumas malvolas insiauacOes. que mo que-
remos, nem devenios tomar em consideracao.
, 1 rque o Sr.- Loyo
ao sogro de umtilbo do Sr. presidente docooselho.
attentar contra somraa de capitaes, que, nada
lo cora as revolutoes polticas; desviaram-se
;itro em prego, elica rara, confiados no repre-
sentante comtnum, espera daempreza do porto
de Pernarnbuco ?
Mas nao foi so o oorto do-Recife, mas a garan-
ta de juras para tres engenhoa centenes.
B* falsa a allegago no seu todo.
O que o governo concedeu ao Sr. Loyo foi ga-
ranta de juros para um engeuho central, o isto
mesrao obrigando-o a coudices enerosissimas
O Sr. Loyo requereu gorantia para tres enge-
nhos contraes, na sua provincia, onde elle por
si e |K-la sua familia tem grandes ligages coin-a
industria assucareira.
O governo defenolhe o requerimento nesteg
termos :
A garautia de jures ser dada para o primeiro
enirenho .central, e tornndose nominal pura este ;
ra para a organisacao do segundo, e desla
na mesma hypothese do primeiro passar ao
terceiro.
.Oque o gowerao fez, que um favor qu>
faz ordinariamente, foi emprestar o seuendoss-i
a idoneidade do emprezario, para que elle orga-
nisasse empreza.
Onde est aqui a lse dos cofres publicu
o favor escandaloso, a, excepeo odiosa |iar.i o
alim do presidente do conselbo.
Para demonstral o era preciso demonstrar que
o Sr. Loyo era um pobreto. din arruinado, que
precisando de crdito publico para calafetar a
sua fortuna, ou que se prestando a sor testa de
ferro de urna commandita. obtinha favores sem
ter idoneidade I, gal.
Mas os opposicioaislas nao provam isto. SSo
os primeros a confessar que a posico coramer-
cial do Sr. Loyo e o estado de sua fortuua era
tal qu. basta va para attrahir os melbores enla-
ces polticos, e no entanto, quando ninguem foi
preterido, quaudo nao se fez questo poltica ou
pessoal, como prova a concesso ao lerao de
ltapissuma, liberal c presidente da assembiea
pernambucana : quando n3o possivcl negar a
idoneidade doSr. Loyo. conver.tem a concesso
f.'ita a este em impudor ministerial s porque o
ministerioJilS negou alteutatoriaraente, em norae
do parentesco, pao e agua ao concurrente
acensado.
Porque nao pediram antes urna le. privando
ilo direito decontractar com o Estado todo aquel-
le que tenha relacoes de parentesco, atinidade.
ou amisade cora pesso qae possa vir a ;er pre
sidente do constflho ?
Querendo lea forera decretar a excommu-
nhao do Sr. Loyo, :i opposicio- eontesta-lbe o
direito, e taxa de imunralidade a sua entrada
as concurrencias publicas.
A presidencia de Minas Geraes, a exemplo do
que fizeram outra prorracias, e aproveitando-
se do crdito despertado para o Brazil era todo o
mundo, pf la lei de 13 uc Maio, que o encami-
nhou para o verdaleiro rgimen industrial, de-
libero contrahir uriyemprestimo para regola-
mmmmm
I.USTBK POETISA A EXIA. SEA. D.
AKNA AIiESANrm
A' memoria de mlnha esposa
Tenho arrastado o peso da existencia,
Sob o jago da angustia, vaoillante,
Em meio de nail provas, dolorosas,
N'um martyrio constante.
Assim no mundo, exposto a mil contrastes.
A revezes sem conta, fui vivendo,
At o dia em que sonra o golpe
Mais rispido e tremendo.
Foi-.-e-me a vida toda no-mar yrio
D'aquclia que eu araei, que ind'hoje adoro:
Fiquei na-iHuvez, entregue ao luto,
As lagrimas que choro.
Kesta-me a solidao, embora em meio
Do mundo social, d'essa mentira,.
D'osse artefacto vil em que dos homens
A vaidade delira.
Resta-me a dr, terrivel companheira,
E os filhinhos sem ma', e a saudade...
Met titulo boje a assignalar me a vida
Viuvez e orphandade.
rizar as suas linany
Chamou concurrencia para este tim e teve
entre us propostas apresentadas, urna dos ban
queiros Henry Buray C. o banco Allianea
do Porto,e oLoodon Coanty Bank de Londres,
ao prego de 92 1/32, 8 de juros e um de
ainortisacSo. Esta proposta foi presentada pelo
Sr. Loyo. na qualid.de de procurador dos pro-
poaentes.
Ora. esta proposta !otrecia pcovincia.de .. A '
Minas (eraes urna dill'ereucade l e \'i a favor
de seus cofres, comparada com o emprestimo
da Babia fito pelobr. Visconde.de Ptgneiredo,
o linanceiro mais acclamado de nossa trra.
0 emprestimo foi feito publicamente, em con
currenoia, com toda a logaliJade, ouvido o con-
selheiro Rosario, um mostr e urna honra, e no
emtanto porque o presidente de Minos contracta
com os banqueiros, que mais vantagens Ihe of-
fereceram, clamase que 6 urna immoralidade,
que deseemos ao rgimen da .falta de pudor!
E para dar a batalba chama-se at o Sr. Af-
fonso Penna, o ministro da agricultura que as-
sigoou o contracto de gaz com o Sr. Brianthe,
que foi pedir aos banqueiros de Pariz um milho
para comprar influencias polticas do Brazil.
Mas o Sr. Loyo s appareceu agora, coito o
gabinete. 10 de Mareo.
E' mais urna falsdade.
O Sr. Loyo j havia entrado na concurrencia
para o porto de Pernarnbuco e requerido enge-
nlios centraes, durante a gabinete 20 de Agosto.
O nico facto novo o do emprestimo, o que
de todo o ponto natural, porque havendo feito
relacoes cora os grandes mercados monetarios
para aquellas emprezas nada mais natural do
que, merecendo contianca aos banqueiros, ser
por elles encarregado de dar Ihes emprego aos
capitaes em nossa trra.
Desde que o emprestimo de Minas Geraes
prora que o mediador, longe de sobrecarregar
i? paiz, faz cora q"ue elle obtenha maiores van-
tagens, que eorrespondam ao alargamento. do
seu creditr ; uesde que o mediador nos d em-
prestimos muito memores que o do proprio Sr.
O bom senso do povo lnes far justiga inteira; viscoude de Figueiredo, porqne considerar-se
e nao sero de certo os cantos do advogado da
illustre corporaco que desviarao o povo dos
seu elevados sentimenlos.
0 povo sabe perfeitamente quera, nessa ques-
to da farinha, est do seu lado ou em oposiQ.no
aos seus interesses.
Para elle appellimos confiados, e de certo.
elle reconhecer com nseo que nao a admi-
nistrago quem especula cora a sua fome, com
a sua miseria.
3 de Abr! de 1889.
Wu-sos.
PlBUi;UMS 4 PEDIDO
Mente
Estamos fartos de santidades, cevadas cm ron-
ventos de freirs.
l'odem, certo, af i velar com arte a mascara de
Tarfufo, e por algum tempoimbair aingenuida-
de das multidoes como o personagem de Mo-
liere, o marido cranlo, mas fatalmente a yerda-
de se far ver apezar de todos os manejos e
todos os discursos iuflammados de indignac&o
Te rita,
pois da canooisaco de fazendeirismo a dif-
faraacao do Sr. presidente do conseibo
- Ha lgica em tal procedimeuto, a virtude da-
queUes precisa de tomar a honra deste.
Aos factos.
Era primeiro preciso eslabelecer ura princi-
pios se um prente de ministro est por este
nico facto inhibido de contractar com o go-
verno.
Em segundo lugar se a simples afinidad? cora
um presidente de cooselho inhabilita o.indi-
viduo ao gozo dos direitos roramuns do cidadS
Oemos nao ser preciso grande eiudigo i^i-
gleza para demonstrar a improcedencia de tal
rigor.
Nem uas leis, nem o>s factos est entre nos,
e eotre os povos civilisados. escripia semelbante
prohihico.
Entretanto os otiposicionisla^ lizerani. do pa-
renteco do Sr. Lo\o com u filbo do Si presidente
do causeJho. a ped'ra de escndalo contra o mi
nisterio.
Desde uiuio o Sr. Loyo. cuja -influencia mone-
ara na (iraca de Periiaoibuc.' pode ser dea
trada. era solicitado para cocacrer a execuco
das obras do parto de Perhambaeo. Poderetnos
(i'aqui appejlar al para u hon ran-
no': para que elle digas* era oo nao pensamen-
dida a por
to da provincia realisa:
pernambucarios
preferencia qualquer seulimenio partida
0 Sr. Loyo apresentou, con: ouiros capilah
proposta nara a cons trucha o Jo porto do Recife
e isto e:n tempo do ministerio Cotegipe, duranle
o qual foram abertas as proposta.- o se fez o es-
cudo d'ellas.
nind'i inopinadamente a ministerio, ficou
para esse gabinete resolver, se devia ou nao
lirmar o cotra^to t percorri los os tramites le-
a coucesso ao Sr. Lovo
iui, a in.moralidade 4 Onde cata o
ministerio emacceilr a proposta do -r.
Lovo que. pela sua posicao commercial e pela sua
i. representa capitaes peruarabncanos
i urna obra instatitf mente reclama-
provincia
om s
um i rime a sua presenca ao lado dos financeiros
do paiz ?
Pois havia a provincia de contractar por mais,
s porque a proposta mais vantajosa era a do
Sr. Loyo.
De oude parte a accuaaco ? Do Sbculades e
da Tribuna Liberal.
O Noridades o orgo do Sr. Belizario do syn-
dicato do ministerio que entregou o paiz ao Sr.
Visconde de Figueiredo, niembro daquella em-
preza desastrada : aoSr. Visconde d<: Figueire-
do, que apezar do seu talento, e da sa aptido,
havia, com os seus companheiros, visto pericli-
tar a sua toriuna. abalar se o seu crdito nesla
praga e que durante o dominio do seu ex-socio,
segundo voz publicu. chegou ao ponto de ser,
pelo Banco Internacional, o endossante do cr-
dito do Brazil em Londres.
A Tribuna Liberal o orgao do Sr. Affonso
Celso, que foi justamente o introductor liuancei-
ro do Sr. Visconde de Figueiredo, nos grandes
contractos do Estado, e isto sem levar em conta
as relacoes de parentesco que havia entre o il-
lustre I razileiro e membros preeminentes da si-
tuac5o.
Em urna palavra : ninguem exiranhou que o
Sr. Visconde de Figueiredo tivesse sido em va-
res ministerios liberaes e no ultimo bicuaio a
uoidade financeira d i nossa patria, j coutrac-
tanlo emprestimos, j abr nao costa *corrente,
em que, n5o tomar o dinheiro, importara no pa-
gamento de 1 .; j negociando estradas de fer-
ro ; j saccando sobre as thesouranas; hoje ex
tranba se, mas. insulta-se o ministerio, porqne
o Sr. Loyo coiitracuu o porto de Peroarabuco,
teve garanta para um engenho central, e accei-
tou a procuracjio de banqueiros idneos para o
emprestimo de Minas.
Cliaraa-se a estas concesses, as mais impor-
tantes obtidas em concurrencia publica, patota,
e a tuda essa historia clandestina do passado sej
d o breve de moralidade absoluia.
E' urna indignidad* da parte de quera, deven-
do olhar para o passado, acceita o que vern de
oppusicionistas paixonados e sem escrpulo, e
repele sem maisexame as suas injurias i
Simelhi.te procediraento igual ao daquelle
que. ouvindo em bocea de meretriz o insulto a
urna familia honrada, o imprimase, como certi-
dao da deshonestidad!- da victima.
E fallara em cauda, sem' lerabrar o proverbio.
Deve de feko ter doido muito ao Sr. Joao '1-
fredo o insulto de hoje, porque o macaco velbo
que o aggredio, araarrou a canda as grades do
convento da Ajuda e balouQou-se com todo o
impulso diffamaioro da opposicio, para no ba-
lanco cravar-lhea indias eos dentes.
(Da C/dade do Rio de 27 de MarQO.)
obra por meio de eapi-
e se i residi a esta
HH a: B^BHBV
Agradt cimento
AO ILLM. SR. DR. CkELOS KTtKCOL'BT
Pelo presente deelavo a querr, possa in-
teriissar que aebanrlo-me doente de um es-
treitamentn da Airethra inilie.ar.im-me o Sr
Dr. Bettecourt e, procurand"-o no seu.
consulto! io, fui operado pelo !ys,
sem dr, fican.dft logo bom e radicalmente
curado do estreitamento.
Agrndeeo do alto da .imprensa a impor-
tante cura que fez-me este illu-tre. faculta-
tivo e que archive mais este attestado- nos
seas triumphos diarios.
\ Becite, 9 do Ma
Laurentino JesdaSve
Co%io se fossem. poucs os combates
Que me tem flagellado, outro mais forte,
Recebi-o inda ba pduco: era marcada
Da cara esposa a morte.
E tu, do co onde mraortal reside
Minha esposa gentil, aeu doce encanto,
Acolhe ninhas lagrimas sentidas,
lien copioso pranto.
Atol he o meu tributo d amisade :
D'eterno amor oblacao perenne :
N'elle tua memoria hoje levanto
Monumento solemne.
Por mim, por nossos filhos to queridos,
Ora a Deus l no co perpetuamente,
Em quanto, unido a elles neste mundo
Choro por ti ausente.
Sabes quanto te amc-i, ainda te amo
Atravez do sepulchro! o adeus extremo
Recebe-o tu no canto de minh alma
Que desprender nao temo.
E' o ailoii.s do amargiuvido esposo
Que s viven por ti, a saudade,
E a minha afflicc3o, neste desterro.
De triste soledade.
Julio JSoares de Azete.o.
Juizo de orphos de Gamelleira
ENGENHOS A PBACA
No dia 16 do corrente irlo praca por
triennal arrendamento os engenhosLinda-
Flor. Fldr do LimSo e axias, sitos na
comarca da Escada, termo de G-amelleira.
Sao de ptima procucco, tiu muita mat
ta e de fcil transporte para os productos.
As condigSes do arrendamento constara
do edital de praca affixado na porta da
Cmara de Gamelleira e do respectivo
cartorio.
Por todos os motivos offerecem vanta-
gem.
--------------^-------------
Patrimonio Regaard
A commisso noraeada pelo Instituto Bene-
ficente dos ofliciaes da Guarda Nacional, afim
de agenciar donativos entre os sbcios existen-
tes na freguezia de S. Jos, para a familia do
seu infeliz consorcio tenente Pedro Regaard. as-
sassinado na ra do Imperador na noite de 9
para 10 da mez de Fevereiro. obteve os seguin-
tes donativos que se^ichan em poder do the-
sourero do mes no Instituto.
A saber : ^^
Sebastiao M. B Pvrraho :A000
I'edro Macelo 0
Heliodoro Candido Rabello 5*000
loaquim de M. Raposo 2*000
Antonio Fernandes de Albuquerque
Augusto Leopoldino da Silva 3fO90
Francisco de Assis F. Magalbes i<000
Jos T. de Britto Macedo 2*000
Maooel J. F. Barros 2*080
Um capito 1*000
C.L. 1*000
Vicente F. da Costa Lima 1*000
Alexandn dos Santos Silva 14000
Um official 300
Henedino R. iN'ogueira Lima 3*000
Um companheiro 2*000
Francisco das Chagas Monte i *00
Adelino Augusto P. de Albuquerque 1*000
Antonio Baptista de Araujo 1 000
Antonio Carlos Borromeodo? Santos 1*000
Miguel Jos dos Prazeres 3*000
Belarmino LourenQO da Silva. 5*000
Paulo Tobas Martrale 4*000
Francisco Flix de Mellu 1*000
* W500
45*000
Presidente,
Heimillo Coutitho.
Recebi do Sr. tenente pv-i :>nte da commis
sao da freguezia de S. Jos, relativo a donativos
adqueridos para a familia do fallecido lenle
Pedro Regaard, a quantia de quarenta e. cinco
mil ris quelica em meu poder at que seja re-
mettida.
Recife. 2 de Abril de 18s9.
Heliodoro Candido Rabellu.
Tbesoureiro.
Victoria i de Abril
Todos nesta cidade ticamos sorprehen-
didos com a noticia dada pelo. Jornal do
Recife e Provincia de haver-se constituido
o diretorio republicanos em nitm^rosa e
animada reuruao, nesta cidade.
Como ? Pois que de nada aqui se soube !
E' verdado que m Dr. Ambrosio e seu
irino coronel Manoel 'Cavaleante. conhe-
cido por Min'ij'&qui estiveram no sabbado
(30) e retirnraiu se hontem. Andaram pela
feira e em algumas lojas e nuda mais
Porqne nao publicam os nornes do- ao-
vosadhe-
Do tul directorio sabemos que o Dr. Jos
de Barros foi convidado para presidente
de urna coisa qualquer, a qne se deu o
nome de directorio, mas esse cavalheiro
recusou-s; porque como medico nao de-
sejn 'envolver-so em poltica activa. O co-
ronel Min e Joo de S bin republica-
da celebre reuniSo'da Escada. Othe-
soureiro Severino Ferreira de Mello um
republicano antigo, e bem conhecidoj pois
qn nos dia* de destino sempre sabia as
ras a dar viras a repblica. 'Francisco
Qoveia.de Queiroz o dono de urna qui-
tanda ,a ra da Imperatria onde de louga
dataj>regia* repblica.
E... quem mai.-
Venhhmos nomes: o mais um onbus-
te nauseante.
Um da hccattmbe.
Notas do sntimento
Os bandido da naora
* Nao. ha tentara
Como ser tolo,
Qne o ter" milo
E mal sem otra !
Em todo o mundo nunca houve tolo to tolo,
como o pedante ; neste generp nao ha tao gran
de nesta trra como esse bobo do iora'i', que se
improa todo como um garnis para fazer pedi-
dos de autoridade, dar conselhos de quem quer
fallar ainda sem saber aue asneira mais diga.
Este pedante ainda mais besta que o mestre,
o tal andante das aventuras da Venda Grande, e
s por isto j o excede;-pais o mestre diz de
si as suas asneiras, d trato men e profe-
r!-as, nao se apadrinha cora as transcripc5es,
nSo se impe como o discpulo to suiente
pela autoridade das eminencias que va citando.
Importarme hia pouco que esse bobo profe-
rase tantas asneiras, fosse assim pedante a
mais nao poder, to raivoso contra mira, lingin-
do. calma me atirasse tantas e mais patadas.
Que perdemos eu e o publico com estas, asneirasJ
Mas que tuda isto para, fazendo-se grande
cousa, dizur que nao ka Deus, como diz citando
ditos alheins, e, meldor ainda, que este povo
todo cora Deus nao se importa, para os mais
tilos que elles pensarem, eada um por si, que
com effeito ninguem se importa com Deus< nem
eurDeus er.
Nao v o pedante que em quanto houver gente
que desmanche a Igur de um bestalbo', que
nao sahendo nada, nem mesuro as bestiues
alheias doutrinas, que nao sabe dizu1 e-s tras-
ladar, nopodein pegar nem a ninguem sedu-
ir, as toleimas das taes eminencias os seus ar-
reaiessos contra Deus, o seu desgasto da moral
do Evangelho ?
Qual porm o fim destes baudidos. contra
Deus, pregando contra a mora!, para nos dar
a moral dos monos, como diz o pedante que ba
de ser a do futuro f
E' para urna cousa muito seria,- para faze-
rcm-se celebres, nolaveis. giMibarem fama e,
portanto, dinheiro.
Mas se tem talento, pode conseguir ludo isto
pelo I rabal lio
Ma. ah que est o btts?ilisx talento a tra-
balho.
Em regra o pedante nao tem talento ; um
phosphoro, s tem audacia com alguma vivaci
dade e s vezes nem esta. Mas, ainda que nao
Ihe falte talento, o pedante oecessanamente
preguicoso..
Nao 6 que todo pedante tenha, como muitos
teem, preguica de pegar no livro e at na pen-
na, como o grande talento do Sr. Tobas (que,
do que d'elle tenho lido, nunca vi traducido em
expressio essa grande farca).
Ah rro ha preguica de pegar no livro ou na
penna ; mas ba outra preguica, o que o faz um
pedante to vistoso, que d azo a todos e os
maiores ridiculos de que se tem feito objecto, e
tal como anda ninguenros spffreu-iiesie Braz
inteiro -s o grande philosopno sergipaoo.
0 Sr. Tjbias morre no livre e com a penna,
mas elle quando l, quando discorre escreven-
do, ainda megmo que seja alleuio. nao d
seria attenco ao que l nem ao qne discorre ;
porque est oceupado e preoecupado de um ob-
jecto obsubjectiwj de si mesmo, de si to
emente.
Elle dizEu sou ludo por consegunt* que
estou leudo est em erro, porque nao fui eu
quem o disse ; porlanto digo qualquer outra cou-
sa, que o que eu dlsscr necessariamente cer-
to, nois que de mim sabe. Mas essa sucia de
backartite doutores do Braz uo ma entendem
porque sao todos burros, pois se nao o foram.
cada vez que eu pozesse o p na ra seria acom-
panhado pelas multidoes. e calorosamente vi-
ctoriado; mas apenas meia duzia de Lurros
anda maiores que os outros que vi vem a dizer
vir
Pois que imperta ? Escrevo-sempre ; quan-
do os burros se rifem do que digo, eu como
mamo para.......
O Sr. Tobas, pois, nao pansa as cousas de
que se quer oceupar, porque muito mais fcil
o ce upar a sua a! ten cao na contera ptago de sua
pessoa do q e n'outro qualquer objecto. princi
plmente as materias e pontos mais dimeeis.
E' por isto que o r. Tobas louva o orgulho
e dizsou orgulhoso ; c vitupera a modestia e
diz que ella o que as mocas feias exigem das
bonitas (ora isto nao ter urna aduella de me-
nos) ; por isto que unalysando o art. 10 do c-
digo penal, esteve to longe de corapreheudel-o,
e fez to grosseiras e miseras criticas, que eu
cmfparte analys-i pala imprensa o que o datxeu
em silencio, "trabaiho quando me for possivcl.
E' por isto que rahdo de inveja da fama do
grande Vasconcellos que deixou o grande mo-
numento da legislaco triminal do Brazil, diz
que o autor do cdigo nada foi, e quer provar
essa pequeoina dentada de sua inveja, com a
tal sua anda mais pequeoina analyse do art. 10.
De todo o trabaiho e esforco deste mundo nao
ha nenhum to grande romo o de dar toda e
prolongada attenco aos pontos costosos da
sciencia, de qualquer assumpto: toda attenco
para se comprehender as cousas ou descobril-as
de todos o maior trabaiho do espirito.
Eis ah porque se pedante ; porque nao se
tera a coragem de trabalhar; porque muito
mais commodo distrahir-se a gente cora as cousas
leves: e para se ganhar celebridade, arranja-se
um palavriado, um tom de autoridade, tomndo-
se por ponto de mira a negaco de Deus e se diz :
Sr. Millet.
Sr. Affonso
Um pedido!
E pensa um bobo deste que empasina a al-
tuem
S na trra onde nao ha gente.
Qnando Tobics cora toda aquella couraca e ar-
rogancia, nao empasinou e raurchou, quanto
mais este pobre diabo -que diz que nao vale al
pena discutir commgo e vai-me dar urnas alb
neiladas.
E quaes sao ellas 1
E' urna transcripto de um
Eminente.
E quem esse eminente ?
E" ura que nao quer Deus, pois confenta-se
com a hypothese da materia, que sem voatade
nem intelligencia, produzio o hornera com intel-
igencia e vontade, faseudo lucia pela vida, a
moral e o direito, sem Deus nem co : sem ca-
samento como cousa santa, mas como ajnnta-
mento puro fructo do instincto animal.
E viva a sociedade e a moral'dos bandidos
monos, como a chama o trausenptor da. eminen-
tes tiradas.
E este bandido dissera que nao discuta com -
migo (o que gauho nisto?) porque eu Ihe cha-
mara bandido ; mas que a entrar na discusso
do casamento civil.
Respondi-lbe que viesse sem medo, se nao
tintia a coragem dos propagandistas, que eu rae
abateria ; agora diz que eu' o provoquei dis-
cusso, mas que elle nao vera porque urna pleia-
de de bandidos como elle, contra o casamento
e contra Deus, cousas estas do espirito atra-
zado da gente vlba.
Ora, liaver nada de maior pedantismo ?
E quando estes bandidos forera vemos, o que
vira?
E o materialismo, a negaco de Deus de hoje.
pedante ?
De seculo a seculo a sceiicia d grandes pas-
sos. como tod" 'liacaminha ; mas o eaiainhar da
bcieiicia nao andar de diante para traz e de
detraz para diante. nao derrocar os principios
porque sao velhos. porque teria de derrocar de
novo quando os novos vierem a ser velhos A
consequencia seria o septicismo. uo haveria
scieucia, nem verdaue em cousa alguma.
Este proceder, porm, serve para os pedantes;
porque nada Ibes importa a si-iescia nem a ver-
datte i o que querem urna novidade que tra-
gam e apregoem com ares de inoracan, para sp
celebrisarem, embor.i todos os absurdo- i
neiras que proram : ludo confiados in que o
numero dos tolos e portant. muito mais tolos do
que elles, infinito.
E o que o Sr. Pinheiro Chagas. cno um
bandido, fazendo propaganda contra as coasas
mais sagradas deste poyo, para quem escreve,
atacando as fsuas crencas em que efle tem as-
cente o mais seguro conforto, as suas mais cha-
ras esperancas, 6 insultando assim J B'. to
bandido como um salteador, como vos todos
monstros humanos!
Estas com raedo-o dizesqut- eu te venca epor
isto me aconselhas que nao gaste o mea di-
nheiro
Pedante Salan pedindo a&chnBhJo que. nao q,
persiga !
Est certo que ue e vencer-te. como a todos
rpropagai
contra Dec
ment, e he de- vencerte poraua Deus o tfktt-
Hei de lancar te por trra, pr-te o p ;
coco, fazer-te deitar fra um-palmo de I
isto sem gastar Um vintera na imprensa, comort
sem gstalo tenbo escripto. para.quasi toda.
principaes folhas d'a'qui desde i844 e at por
muitas vezes para o Jornal do Commercio^a es-
tando eu no Rio ou remetiendo d'aqui o1 tra-
baiho.
Ataca me/espemea. d poupas, como de-teu
melbor gosto fr, que eu nao fago caso e menos
de um pedante que nada sabe dizer de si.
um.atheu que com isto s pode darme gloria
porque pizei-p, esmagucio; mas as couaas
santas, as sagradas crencas deste povo. nao
toques, pedante, nem a tua pleiade de'bandidos
pedantes; porque eu perseguirei a todos, at
s norias do inferno ou s cellulas do asylo de
Tamarineira.
E este bobo ainda tem a coragem de fallar eiu,
lenga lenga.
J nSo cacange ?
E aquelle teu pedaemho de "cacange que eu
te transcreoi, que fizeste d'elle ?
Quera quer que .. i.
Vieste buscar l, fazendo-te sablcho, mus
sem dizer como, nem em que, e sahiste tosquea-
do. E' sempre o que acontece aos pedantes.
Recife, 2 de Abril de 1889.
Affonso de Albuquerque MHlo. i.
Despedida^
Jos da Silva Moraes. tendo de retirar-se para
Portugal por incommodos e sua sade e nao
dispondo de tempo para despedir-se de seus"
amigos e freguezes faz pelo presente eJTereqen-.
do-Ins os limitados prestimos no mesmo reino.
Outro assim julga nada de ver nesta praya e
nem fra d'ea mas se alguem julgar-secredor
queira apresentar-se para ser pago, e nao se
i esponsabilisa por qualquer debito contrabido
desta data em diuntr.
Recife, 1 de Abril de 1889.

I

I
Despedida
Jos Counho da Molla Ferreira e sua t-.-posa
Anna Carolina Arelas Ferreira, tendo de retirar-
se para Europa pela prestsn d sua viagem e
nao dispondo de tempo para despedirse de seus
pa rentes e amigos, o faz pelo presente offerecen-
do-lhes, os limitados prestimos
Recife, 2 de Abril de 1889. { '
O melhor e mai fcil meio de pre-
venir o futuro para i e paraon >
seus < o eguro de vida na >ov
' Yorli
(New-York Life Insurance Company) .
Gompanhiu de seguros de vida-.e. montepo d >s
Estados Unidos da America.
Capital realisad* : /.
184,000:000*000
Deposito no Thesouro vmMa A4
200:000000
Para prospectos e informacoe9.com o Sr.Tbeo
Cbristiansen. cerrespondentc da corapanhfa em
ernambuco. ou com Julio Guimaraes, agente
eeral
Elixir depura
tvoveg
Formula de Angelirio Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy .,
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julbo de 1887.
Este depurativo de grandeefficacia as me- ..,
lestias sv-philiticas e impureza do saogue ; assim
como em todas as molestias das senhoras.
Tem curado radicalmente muitas pessoas ao-
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os adultos temaro qutro colheres das de
sopa pela manh e quatro noite. As criancas
de 1 a 5 annos tomaro urna colher pela manH
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. Be-
vero tomar banbos fro ou momo pela manh
noite. Resguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva & G., ra do Mrquez de .
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental a ra Estr<-
ta do Rosario n. 3.
O autor deste preparado poae. ser procurado
na ra do Baro da Victoria n. 37,, onde ser en*
contrado para dar toda e qualquer expliearo
que for precisa.
Beriberi
N. 53
Recife, 6.4*.Juabo-de 1883. Illm. Sr.- Anse-
lmo Jos dos Santos Andrade Tendo soffhdo
de um ataque de beriberi. e tomando sen eli
xir depurativo e restaurador, para diversas ma- .
stlas, obtive grande melbora em meus soffri-
mentos, sendo que apenas tomei duas fjinaiaaii ii
assim como a diversas pessoas que tambem sof-
friam da mesma molestia, tambem foram cura- ,
das evidentemente.
Pode usar desta minha carta como Ihe convjer. ,
Dispondo de quem-se confessa de V. S. amigo \ ,
attencioeo
Canito Florencio Rodrigues de Miranda Franco.
N. 34
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Vou- Ihe dar urna satisfaco da qual nSo me pos-
so aflastar. Tendo eu sido accommettido de urna .
encbacao, juntamente urna demencia que os me
dicos me desenganaram ser beriberi,. a qual me
foi preciso embarcar para a Europa, isto em 14-
de Agosto de 1883, estando l 14 mezes ; c sen-
do-me preciso voltar em das do mez de Marco
do corrente anno, lui accommettido de novo, e
tendo informagoes do seu elixir depurativo, to-
mei quatro garrafas, que foi bastante para me
restabelecer do terrivel mal que tanto me per-
segua, que at hoje mais nao me voltou.
Primeiro dou gracas a Deus, segundo ao seu .'
elixir depurativo.
Recife, 14 de Julbo de 1888.
Manoel Joao Lobato.
N. 55
illm. Sr. Angel no Jos dos Santos Andrade
Amigo e Sr.Esta tem por fim avisar e agra-
decer a V.S., que o remedio pedido por mira
do seu preparado elixir puriucador do saogue,
deu bom resultado ; apphcado a urna senhora
Siue sonra horrivelmente da madre, j sentindo
ora do seu lugar, ora no estomago, outr'ota em
nm lado e outro do corno : de modo que estafa
de cama, e soffrendo iochaco nos ps, pernas
at a barriga, e somente urna garrafa do sea pre-
parado dru plena saude mesma seuhora.
Sem mais assumpto.
De Vine, amigo e obngado
Emeioiio Francisco de Rezende.
Barra de Bod Conyo, 2." de Agosto de 1888-
Estavam selladas e reconliecidas as firmas pelo
tabellio.

w.
Foica-. ores, sangue novo e rico, msculos e
lecido Lo as priineiras manifestacoes.
sensiveis e visiveis do us< da Emulso de Lan-
man ; Kemp depois de um periodo de nfer-
midade. aeraacraco. fraqueza empobrecimento
do sangtte
V. por i.-; que a Emulso dj- LanmanJc K.emp
msiderada como a melhor Je todas : na sua
composico entrara os meili elementos,-e o Oleo de Figado de Bacalho
forma sua base ( o mais puro e rico que-pode
firoduzir.. Noruega, onde os agentes da casa fa-'
me faem a esrolha com especial esni
i imciiai e ficareis convencirli.
Cirurgio Dentista
DR. ROBEBT P. RAWLI
mado pel^ Universida
Estados-Unid
torio, na ra Bar*
dar.
Consultas d
m


Perambut
w
i
l
I
I
;
I
CMDEXUDO
x, ixiixx/xj 7n
jue (,'ip data de 10 de Junho de 1388 escreveu o reputado clinico
s A. da Silveira, residente em Barra Mansa, provincia do Rio de Janei-
em rela^ao a um precioso preparado, que grande to aceitaeo oncontra hoje na
America do Sol.'
i O Peitobal de Cambara', importante preparado do Mm. Sr. J. Alves
S. Soares, de Polotas, posaue propriedades balsmicas pronunciadas, e exerce in-
fluencia benfica em todas as affecc3es catbarraes, principalmente nos do apparelho
respiratorio e genito-urinario. As affeccSes catbarraes do larynge, dos broncbios e da
bexiga, quando primitivas, cedein promptamente ao uso reiterado do Peitoral de
Cambaba'.
As secretos muco-purulentas, symptomaticas da tuberculose pulmonar,
modificam-se vantajmmente, tornando mais desembarazado o campo da hematose
pulmonar.
< ', portanto o Peitkkal de Cambara', um heroico meio preventivo' e
om auxiliar no tratamento da tysica pulmonar, tao frequente no Brasil.
Em nossa longa pratica temos tirado extraordinarios resultados da tintu-
ra do Cambar, no curativo das feridas recentes, obtendo quasi sempre uniao por
primeira intensao, pelo que deduzo que o Peitoral de Cambara' encerra principios
altamente anti-scepticos, virtudes therapeuticas procuradas, hoje, para combater-se
as molestias da causa parasitaria, cmo socm ser a maior parte das affec^S'es broncho-
pulmonares e genito-urinarias.
Brilhante resultado
Eu abaixo assignado, morador a ra
Paula Brto n. 25, no Rio de Janeiro, de-
seando prestar urna homenagem verda-
dpiornando, ao mesmo tempo, publicas
as virtudes do Peitoral de Cambar, vc-
nho declarar que,,empregando esse impor-
tante medicamento em urna lhinha de 5
annos de idade, preza de urna terrivel
tese convulsa ou coqueluche, ha j dous
meses, e depois de applicados outros me-
dicamentos, obtive o mais agradavel re-
sultado para o meu coracao de pai, at en-
tlo afflicto pela crueldade da molestia de
minha flhinha, dando4hc o afamado Pei-
toral de Cambar do Illm. Sr. Jos Alva-
res de Souza Soares, de Pelotas, que,
eom dous vidros apenas, produziu tilo bri-
lhante resultado.
Felicitando ao autor de tao virtuoso pre-
parado desejo que este attestado verdadeiro
aproveite aos que, como a minha filhiaha,
sejam atacados de to terrivel enfermi-
dade.
Jos Carlos Coimbrade Gouveia.
Dr. Nstor Cava! cante
Medico
OFFERECE OS SEUS SERVICOS EMPALMARE
Eiposlcio Lu versal de 1*8
Segundo a carta que nos escrevem nos-
sos correspondentes, os Srs. Amde
Prince 4 C," o Pavilhao do Guatemala
onde elles acabam de organisar urna sala
de leitura de todos os principaes jomacs
das Americas do Centro, do Sul, das An-
tilhas e do Extremo-Oriente c urna cons-
truccSo de madeira muito bonita.
Este pavilhao acha-se situado direita
da Torre Eiffel, pelo lado direito e de-
fronte da parte cent al do I alacio das Ar-
fes Liberaes. Est perto de todas as sec-
coe8 das Repblicas Americanas e do Im-
perio do Brasil cujos riquissimos palacios
alo de constituir, por sem duvida, urna
das maiores attraccoes da Expos^ao.
Aos nossos patricios recommendamos
encarecidamente que visitem no Pavilhao
de Guatemala a mstallaco dos nossos
correspondentes, Srs. Amde Prince &
C, devida ao obsequio do Ilustre com-
missario geral do Guatemala.
---------------1 sopee---------------
EXPSITION UNIVERSAL DE 1889.
- Segn nos escriben nuestros correspon-
sales, los Srs Antdc Prince y C.
el Pabeon de Guatemala, en donde han
organizado un gabinete de lectura de los
principales pridices de las Americas del
Centro, del Sud, de las Antillas y del Ex-
tremo-Oriente es una construccin de ma-
deraje las mas lindas.
Est situado dicho pabelln a mano
derecha de la Torre de Eiffel, del lado
derecho y en frente de la parte central
del Palacio de los Artes liberales. Se en-
cuentra a proximidad de todas las seccio-
nes de las Repblicas de las Americas y
del imperio del Brazil, quienes han cons-
truido palacios que rivalizan de riqueza,
na
yores
atracciones
que sern una de las
de la Exposicin.
Encomendamos particularmente a nues-
tros compatriotas que visiten, en el Pa-
beon de Guatemala, la instalacin que han
hecho nuestros corresponsales, ftrs iB-
de rlnce y C gracias a la amabili-
dad del seor comisario general de Gua-
temala.
(S-
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhazar da Silveira)
Especialidade-r-febres, molestias
das' enancas, dos orgios respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVIStO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BaiSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
til e agradaveJ
O Peitoral de Cambar, alm da sua
utilidade na cura das molestias broncho-
pulmonares, possue prazer agradavel e
bem tolerado pelas creancas, em cujas en-
fermedades tambem se applica com gran-
de proveito.
Pensao Acadmica
' Esta casa de ensSo situada no anicnu
bftirro da Boa^Vitta, ra da Iniperatriz
n. 15 2o e 3o anc'ares, contina a receher
pensionistas, que mediante a mensalidade
de 505, ter2o com o maior asseio c regu-
laridades comida abundante, commodos
agradaveis, excellente banho c criado.
COHMERCIO
Revista do Mercado
Recite, 3 de abbil de 1889.
Pequeo mo vi ni cuto na praca.
No mercado de cambios foram ITectuadaspe-
quenas transaccoes.
' Na Bolsa foram vendidas 5 apolices provinciaes
do valor de 1.000*000 cada urna, ao par.
Cambio
Por ser dia de mala para Europa, houvc pou-
60 movimento, .sendo noininacs as cotaces de 27
3/4 bancario e 27 15/16 pa ticular.
As ultimas noticias, recebidas do Rio davam
coma um pouro frouxo o mercado a 27 7,8 ban-
cario, faltando fetlras particulares.

TABELLAS AFHIXADAS
- ---1

n
S.'

-.
i*.

-

g
a
o
-
2.
<
Herm. Petersen & C. gr.
Reichenstr 29/31
H1HIRCO
Participam aos scus numerosos amigos que
para facilitar aos compradores de ultramar tem
completado em sua casa um -rico sortimento de
amostras de todos os argos allemes, o que re-
commendam aos seus amigos que acabam de
visitar a Europa.
mdIca
Manoel da Cunha Lobo
mudou o seu estal>elecimen-
t de fazendas para o novo
predio n. 35 da ra Mrquez
de Olinda', contiguo a antiga
casa.
Recife, 30 de Marco de
1889.
Bolsa
JOTACUE* OFFICIAE8 DA JUNTA DOS COK
RETOBES
Recife, 3 ae Abril de J889
Apolices provinciaes, juros de 7 0.0, valor de
1:0,0*. ao par.
Ciunbio tabre Rio Grande do Sul, 90 d/v. com
3 0/0 de descont.
Cambio sobre Pelotas, 90 d/v. com 3 0/0 de des-
cont.
'aninio sobre Londres, 90 div. 27 3 4 d. por
(000. do banco.
Na Bolsa Venderam-sc
5 apolices provinciaes de 1;00*.
O presidente,
Candido C. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algodo
Nao constou vendas.
A exportacio feita pela alfandega no dia 1 de
corrente attingio a 50.57H 1/2 kilos para o exte
rior.
As entradas verificadas em Marco (indo, ja co-
nbecidas sobem a 30.130 saccas, sendo_ por:
t
i
s


, . . .
. ' i* s
- * "-J __ " i3
s 1* --
- t *- *<. 3
* . -
. te < g"
> h J. S
- c
;*
*- -^ -; - i
- te 8]
i^ u 9
c '* '- 1 Si
1* -4 . i < i i i-
-te *- ic 1C . \
35 -> * ^ ri B l
g
Barcacas.
Vapores
nimaes ...--
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro' .
Somma-
Assacar
Os precos pagos ao agricultor^
woindo u Associaco Commerciai
ns seguintes:
Brancos .....
Someno.....
Uascavado purgado .
bruto.
Kctame.....
Colonia Isabel.:
Branco !...
"oiiieno
avado .
L sina Pinto:
llranco !'
. f
\ Someno .
Mascava lo .
5.679 Saccas
1.^62
10.203 .
.OiO
:t Ui
6 902
30 130 Saccas
por 15 kilos, se-
Agricola, foram
32O0 a 32800
U900 a 2*100
1*400 a 1*500
1*100 a. 1*200
800 a 1*000
4*100
2*8*
1*500
3*900
1*600
4*000
24300
3 000
14500
il
A exportacio, feita pela alfandega cm 1 do cor-
rente. subi a t>6.208 kilos para o interior.
As entradas verificadas em Marco lindo, ja
mnliet-i las sobem a 110.006 a o por:
922 Sacco.-
Aguas alcalinas mineraes de Mon-
dariz en Pontevedra, na Hes
panha
ESPECIALIDADES
para molestias de estomago, tees como : dispep
sia gastralgia, catharro ehrenico do estomago;
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, tees como: enfarta-
mento do figado. ictericia, clculos biliares, rlia clironica, etc., etc.
Molestias das vas urinarias, tees como: das-
t.jses-uricas, cathaTO vesical, diabetes sacarina,
albuminuria e gotta. '
as anemias, chlorosis, psoriasis, nrumgns,
dores arlriticas e mutras maltas molesias.
As aguas alcalinas de Mondaria nascem de ro-
chas granticas na temperatura de 180 centgra-
das, sao claras, incoloros d cheiro parecido um
pouco aos de ovos cosidos, sabor alcalino, pro-
duzindo um ligeiro sabor picante na occasiao de
tomar-se. Ellas sio clasificadas no numero
das alcalinas e bi-carbonatadas de soda.
Estas agua* achamse venda no cstabelcci-
mento do Sr. Antonio Affonso SimOes, sito ra
Visconde de Goyanna n. 1 (quatro cantos;, em
Ba-Vista.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de elinica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meia dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto, nos
domingos e das santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela na da
Saudade n. 25.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
- Operador, parteiro trata com especiali-
dad o de molestias de senhoras c creancas.
Consultorio c residencia ra da impe-
ra triz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da raanha.
Chanftidos (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
j Bacharel Antonio Wilru- j
vio Pinto Bandeira (
< Pode ser procurado ra do Imperador >
) ( n. 71, andar \ I
CollegioMeira
Este collegio abri suas aulas desde Ja-
neiro prximo findo.
Ensinamse nelle todos os preparatorios
que constituem o curso preparatorio as
facilidades do imperio, e o seu pessoal do-
cente o mais habilitado que se pode de
sejr.
Contina a funecionar a aula primaria
que poder receber alumnos da mais ten-
ra idade, pois 0 dirigida por duasfilhas do
director, das quac? urna aluinnu do 5.-
auno da Faeuldadc de Direito do Rccife.
Desde o l.- do corrente est aborta a
ula de alloman, ein que se ensillar a tra-
duzir c fallar cssa liugua.
O professor respectivo ser o Sr. Sidney
Schiefler. ,
Os estudantcs, que quizerem frequentur
esta aula, pagal-a-ho separadamente da
mensalidade do collegio.
O director do eollegio Meira espera p
mximo apoio dos pnes de familia que d
sejam o real aproreitamentode seus fillios,
pois que tem sempre tido por programm^
dar aos alumnos, que lhes sao confiados una
verdadeira instruceho a par de urna boa
cducaoSo moral.
O resultado dos exames fcitos nolim do
anno passado a prova mais evidente em
favor do collegio Meira.
Dos ciucocnta c cinco exames fui tos pe-,
los alumnos deste collegio, inclusive mu de
iillemao na Babia, apenas tres foram in-
fructifen.
Kecebem-se alumnos internos, mcio-pen
sionistas e externos.
Ra do Iuiperatriz n. 63, 2." andar.
Rccife, 18 de Mareo de 1"8.
O director,
.lfcco Hmenino Meira de Vasconcelloi.
Oculista
' Dr. J. Correa de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de elinica
ophthalmologica dos Drs. Wecker e Panas
em Pars e do professor Hirschberg em
Berlim, tendo regressado de sua excursSo
s provincias do norte, demora-se alguns
mezes nesta capital, no exercicio de sua
especial idade.
Consultorio e residencia ra di Barao
da Victoria n. '23 1" andar. Entrada pela
Camboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
aos pobres.
\t
Medico operador parteiro

ii
!
( l Ba larga do Rooariu
(Por cima do Annel de Ouro
| Onde tem consultorio e r *i
' dencia i podendo ser encontrailo e
I recebendo chamarlos a qualquer hora
} do dia e da noilc.
: Efpecialidades : Partos, febres, nicles-
( lias de senhoras e .Ips pulmOes, sypliilis
j mi geral. cura rpida e completa e ope-
' races de estreitaraentos e mais solri-
uintos da uretra.
Acode de prorapto a chamados
tora, qualquer distancia.
Telephone n 3 94
II
]>ara
FERSET BRANCA.
nicos introductores no
Brasil
Hnrp M\\m & IriH
S. PAULO.
Para commissoes endere-
^ar-se a dita casa, que tam-
bem deseja ceder a exclusi-
va para toda, a provyicia de
Pernambuco.
O verdadeiro Fernet Bran-
ca bebida muito saudavel
e febrfuga.
EDITAES
O Dr. Jos Antonio Correia da Silva,
cavalheiro da Ordeui de Christo, com-
mendador da Real Ordcm Militar Por-
tugueza de Nossa da onceicJIo da Vil-
la Vicosa, juiz de direito de orphaos
da Comarca de Olinda, por S. M. o
Imperador, a quem Deais guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital
virem e delle noticia tiVerem, que. por
parte de Joaquim Antonio de Miranda,
me foi digida a peticao do theor scgiiin-
tc:
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz de orphaos
de Olinda.Diz .Joaquim Antonio de Mi-
randa, que haveudo arrematado perante
V. S. a propriedade Tab, sita na fre-
guezia de Taquara, provincia da Parahy-
ba, pertencentc ao espolio do coronel
Joao de S Cavalcante de Albuquerque,
requer o supplicaute, para'garanta de seu
direito, que V. Exc, depositado o pro-
ducto do bem que o supplicante arromar
ton, mande, de accordo com a Ord. livro
4 titulo (i, pnssar editaes, chamando todos
aquellos a quem tor obriga propriedade, para, no prazo que lhes for
marcado, pugnarem pelos seus dircitos.
Nestes termos pede a V. Exc. deferi-
mento E R. Me.Oi.nda, 27 de Feverci-
ro de 1889.Joaquim Antonio de Miran-
da. (Estara sellada.)
Em a qual peticao profer o despacho
do theor seguinte:
FeiWo depo acano ae verificar,
passe-se o edital as cond9Scs alludidas,
com o prazo de 30 dias, ticando as^im de-
ferido o presente requerimento, que #er
junto aos autos. Olinda, 27 de Fevereiro
de 1889.Correia da Silva.
E mais nao continha dito despacho
aqui fielmente copiado, e por forca do mes-
mo despacho, o respectivo escrivao fez
passar o presente edital, pelo qual e seu
theor sSo chamados aqu elles a quem tor
obrigada a mencionada propriedade Tab,
para, no prazo de 30 dias pagarem pelos
seus direitos.
E para que chegue ao conhecimento
de todos, mandei passar o presente, que
ser affixado no lugar do costume e pu-
bb'cado pete, imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Olinda,
aos 28 de Fevereiro de 1889.
Eu Joao Theodomiro da Costa Montei-
ro, escrivao do civel no impedimento do
de orphaos, o escrevi.
Jos Antonio Correia da Silva.
Relac&o das differencas para mais encon-
tradas no valor locativo dos predios
urbanos, situados na freguezia do Foco
da Panella, que estilo sujeitos ao im-
posto de decima, relativo ao exercicio
de 1889, pelo lancador Joaquim'Tran-
quilino de Lemos Duarte
Estrada d'agua Fra
6 A. Julio Muniz Tavares
Vh-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Ljmoeiro
So rama.
8.957
'i."i.2f>l
:j.:>3
o.cut Saceos
Cota-so os sal
de 12 kilos.
Couros
ados seceos a 370 ris na basi-
Agurdente
Cota-se a 88/000, por pipa de 48-' litros.
Aleool
Cota-se a lCoUOO por pipa de i80 litros.
II el
Cote-sc a o000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega
NKU11A mi id UK ABRIL 1)8 i'8 9
Vide o Otario de 31 de Mitro
\iwUts earga
Briguc po tugci Aitrt-iai. para o Porto,
biliar nacional Lot/u, para Pelotes.
l*ateclio nacional Munuho 7U, para Pelotas.
Patacho allemao Auna, para Hio Grande do Sul.
Vapor iagtez Asbhrook, para Liverpool.
navios desearga
llarca^ueca Eiba, carvo.
L('f,'ar inglez Vidonin. bacalho.
Lt^r americano Hobert Y Barr farinha de trigo
Logar inglez Aureola, baeallio.
Lugar iflglea Rosina, bacalho
LAaar americano EJitord A. Sancfrft, varios g-
neros.
Patacho hespanbol Joven Pura, surque!
Patacho allemito Aalon. xarque.
I'itacho hollandez Engetla. xnrquc.
Patacho nacional Munteire J xurio geocros.
rm-*ortaeo
Vapor inglez Cmela, entrarlo do Itio Grande
do Sul c escala, cm 3 do corrente e consignado
u Pereira arneiro & C, manifestou :
Bagres wrcos 50 amarrados a Costa Fer-
nandes, 6 a Joaquim da Sfha Carneiro, 1 a Mate
.* Rezende.
Caro 100 saceos a l'aiva Valente t C.
Peijao o' sarcos a Traga Uoclia i C. Farioha
de mandioca K) saceos aos consignatarios, 300
a Fraga Rocha.* C. Da du Irigo 710 barricas
il ordem. Foges de ierro e pertebCes 13 volu-
mes a Miranda .m souza.
Massa alimenticia oO cais a Paiva Vilente
& C. Mercadoras diversas i volumes ordem.
Oleo de moclo GOcaixas a Amarim Irmaos
itC.
Panno 166 lanos a diversos..
Tainbaa to barris a Coste A Fufoandes
l'ereira de Faria ''... 83 a Maia Rezende.
jCar^ue i s al. da Silva Carneiro,1&
21 ditas com _
Himburgo em ditas com 8,400 ditos de dito refinado.
3 do corrente e consignado a Borsteluiann C ,
iiianil'eslou:
Amostras li vilumes a diversos.
> arras de ferro 50 e 43 fexes a ordem.
Ceneja 7l.cuixas ordem. Chapeos 1 caixao
a C. Wachsinanii, 1 a Guimaraes Lardoso & C,
i a Joscph Lalham, 3 a Au:onio Jos Maia. Cal-
cados 1 caixao i Joscph L.itham, l a Thomaz de
Carvalho. Charutos I caixn a ordem.
Drogas 3 cu i xas a Francisco Manoel da Silva
i C, 3 a R. de Drosina C
Ferragcns 1 volunte ordem, 1 a C. Wachs
man, i a Antonio Piulo da Silva & C, 1 ao
Jornal do Recife, l a Francisco Manoel da Silva
& C, 3 a Mai i e Silva 4 C, a Fonscca &
C, 1 a M. J. Ribuiro 4i:,;i Salazar & C..
M r.adorias diversas ti voluuies ordjm, 1 a
B. Duarte Campos 4C. 3 a C. wachsmann, 2 a
Maia e" Silva, t a Pereira de Azevedo Irino,
1 a Prente Viauna4 C, i a Auonio J M. Gui-
maraes & C, 3 a Antonio Duarte Carneiro Vian-
na, 1 a F. R. da Silva C, I i M. J. Ribeiro 4
C, 1 a IL de Drusina C, 1 a Antonio Luiz
Guiinararjs. Machinas de costura 3 caixas a
Antonio D. Lima a C, t a ordem. 3 a Antonio
Duarie Carneiro Viunna Movis 3 caixes a
Carvalho Jnior 4 Lcrte, i a Aoiiso Moreira
u C.
Pinceis 1 caixa a Faria Sobnnho 4 C.
Palatina o caixas a C. Feniandes 4 C. Per-
tcnces para machinas urna, caixa a V. Neesen,
1 ordem. Papel 18 laidos ordem, 3 a Gui-
maraes Cardoso ., ? a Fernandos .v Irmaos,
10' a Azevedo 4 C. Phosphoros 10 caixOes a
Joaquim Duarte Simos C.
Rolhas i saceos ordem.
Tecidos diversos 3 volumes a Olinto Jardim
4 C, 9 ordem, i a Francisco Gurgel 4 Irmao,
i a Goncalvcs Cunha 4 C, 2 a A. Vieira 4 C,
3 a Silveira C, 3 a Joaquim Goncalves r C.
i a Vendes & C, 3 a Radrigoes Lima 4 C. Tin-
tad e irapressao 6 barris ao Jornal do Rccife.
Tiritas .1 barricas a Maia o Silva 4 C.
Vidros, 10 caixas ordem.
Exportae
r.ECIFB, i OE ABRir. DE 1889
Para o exterior
Xo ''apor allemio Valparaizo, carregaram :
para Hamburgo. C. Marques 3 barricas eom
170 kilos de borracha Pohlmao 4C. 29 saceos
com |.997 kilos de cera vegetal.
No vapor allcmfro Cassius, carregaram :
Pan Liverpool, J. II. Boxwell o,00o saceos
cosa 375.001) kilos de assucar mascavado; Julio
4 Iroi&o 277 saceos com 20,775 kilos de assucar
mascavado.
So vapor inglez Ashbrock, carregaram :
Para o Bltico, Borstelmann 4 C. 6i0 fardos
com 105,729 kilos de algodSo.
Pfira o interior
No vapor allemao Rio, carregaram :
Par Santos, P. Carneiro 4 C. 300 saceos com
18,000 kilos de assucar mascavado.
Na barcaca Sol-Fixo, carregar;
Para Maco, B. Torreao Jnior 4 barricas com
ucnr brunco e 2 ditas com 104
; dp dito refinado ; J. J. 'la Silva Campos 20
as com 1,500 kiic
1,605 ditos de dito b
N.
N. 14 A. Antonio Felizardo de
Amorim
Estrada do Arraial
N. 24. Capitulino Candido LTchOa
de Gusmao
N. 34. Ricardo Jos Gomes da
Luz
N. 4G. Juvencio Aureliano da
Cunha Cezar
X. 52. Clemente Nuncs Pachec
N. 58. O mesmo
N. G4. A. Domingos Gomes
Correia
N. I A. Emilia Francisca Tei-
xeira Alianu
N. 1 B. Pedro Allain
N. 17 B. Companhia de Trilhos
do Recife Caxanga
N. 27 F. M-noel DamiJto
Estrada do Brejo
N. 22. Pedro Allain
N- 7. Joaquina Maria da Con-
ce52r)
N. 11 B. Pedro Flix do Sacra-
meuto
X. 11 C. Joaquim Jos de Al-
meida
N. 13 C. Josepha Marinho Pes-
soa de Mello
X. 13 B. Liz Goncalvcs Pi-
nheiro
. 15. Romos Bott
Ra do Costa
N. 1 D. Florentino Luiz do Monte
Travcssa de S. Joao
X, 3. Antonio de Souza Cabral
Ra de S. Joao
N. o A. Alcxandre Pedro das
Xcves
X. 7 D. Manoel Francisco do
Xaseimento
N. 7 B. Maria Odoria da Con-
ceieSo
N. 7 C A mesilla
X. 4. Abel da Rocha Pereira
Ra da Harmona
X. 8. rsula Maria da Concei-
tjio
X. 12. Riti Maria da Conceieao
X. 9. Guilhermina Lins Wander-
M
.Lravessa do Cemiterio
X. G. Manoel Martins Campos
X. O mesmo
X. 10, O mesmo
X. 12. O mesmo
Becco do Arraial
N. 7 B. Senhorinha Ignacia de
Freitas
12HJQW
12O^O0tJ
IMI-V.KHI
240.->000
3000d
240sWU()
180^000
30.)iOU<)
5O00O
50J$IJ(X)
OJtXKl'
9G->!XHJ
30O5C
240;>0M
1205000
1445000
725XI0
1300060
144500
725000
24050.K)
i
725000
1205000
1205000
15G5000
1805000
GO5O00
1445000
1325000
132r5000
132*lK'io
!32ijOOO
845000
Reudimentos publieos
MEZ DR AlllL
Alfandega
RcnJa geral
Do dia 1 a 2
dem de 3
69:916*102
27:2004578
Renda prorucial :
Do dia 1 2
dem de 3
7:664*093
5:651*374
97:110*6811
11:315*467
Somma total
seceao da Alfandega,
108:4324147
3 de Abril de
Segunda
1889.
O thesoureiro Flerencio Domingnes.
chefe da serbio-Cicero B. de Mello.
Rcccbedoria Geral
Do dia 1 a 2 3:7214491
dem de 3 .1:434499*
5:1564489
Recebcdoria provincial
De dia 1 a 2
dem de 3
739*755
1484336
888 091
Rccife Urainage
Do dia I a 2 2:7394072
dem de 3 1384904
2:8774976
Mercado Municipal de S. Jone
O movimento deste mercado no dia 2 de
Abril foi o seguinte:
Entraran) :
26 bois pesando 3,817 kilos.
231 kilos de peixe a 20 ris 4*620
42 cargas com farinha, miluo e fci-
jao a 200 ris 8*400
3 ditas de fructes diversas u 300
ris 900
10 taboleiros a 200 ris 2*000
13 suinos a 200 ris 25600
16 matulos com tegumes a 200 ris 3*200
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris 164200
1 escriptorio a 300 ris 300
25 compartimentos de farinha a 500
ris 124500
25 ditos de comidas a 500 ris 12*500
74 ditos de legumes e fazendasa 400
ris 294600
19 ditos de suinos a 700 ris 134300
9 ditos de fressuras a 600 ris 544'
31 tainos a 2* 62*000
Estrada do Encanan
X. 28 P. Francisca do Rergo
Barres 1205000
X. 30 B. Zelina Maria Bandeira
ou Manoel Jeronymo Vieira 192000*
X. 19 G. Jovino r ereira de Hol-
landa 1205000
X. 19 I. O mesmo 1205000
Travesea do Marques
X- 4. Christiani & Irmao 1805000
X. 3 A. Joaquim Rocha 1205000
Estrada da Via-ferrea do Limdeiro
N. 18. Manoel Joaquim da Ro-
cha 605000
X. 2 X. 22. \ntonio Pedade 60000
X. 24. Pedro Allain 965000
E. 11. Jos Eleuterio da Silva 605000
Parnanierini
X. 2. Sebastiao Antonio-do Reg 5005000
X. 6. Jos Francisco de Ges
, Cavalcante 7205000
Estrada de Sant'Anna
X. 5 B. Manoel Sotolino 2405000
X. 7. O mesmo 18500O
X. 11: Pamphilo Julio da Costa
Cabral 2165000
X. 41. Francisca de Paula Cabral 1445'JOO
Sant'Anna do Dentro
X! 4 D. Estanislao Augusto Ma-
chado da Paz I2O5OOO
Ra da Casa Forte
Juvontina Amelia Carnei-
^ 10 Monteiro 1205000
X. 10. Francisco Joaquim Ca-
valcante 1205000
X. 16. Miquelina Francisca da
Silva 1205000
Xi 18. Joao Cavalcante de Al-
buquerque 845000
Ru da Casa Forte
X. 5. Gustavo Lesiaseno Furta-
do de Mendonca 8005000
X. 59. Maria Cesar dos Santos e
outro I205OOO
X. 65. Maria Damiana da Con-
ceica 965000
Travessa da ra da Casa Forte
X. 6 B. Miguel Antonio Coelho 1505000
X. 9. Basilio Magno da Silva
Guimaraes 1445000
X. 10. O mesmo 2405000
X. 17. .Francisco de Souza llego
Monteiro 1685000
Ra Real
X. 3 A. Mana Thereza da Con-
ceico 605000
X. 7 A. Maria Antonia de As-
snmpcao Villela 845000
Ra da Poeira
X. 2 A. Figueiiedo & Irmao c
outros 2005000
Estrada do Monteiro
X. 6. Manoel Ramos Correia 168:5000
X. 12. O mesmo 1685000
X. 16. Maria Isidora do Espiri-
to Santo 1445000
X. 43. Joao Virissimo de Lacer-
da I2O5OOO
X. 57. Joao Francisco Antun es e
outros 3605000
Estrada para o Erige 11 ho
. 54. Manoel Lourenyo da Sil-
va 605000
XI. 31. Felicia Cesarlo de Mello 965000
Dous Irmaos
X. 3. Urbano sabino de Paula
Costa 365000 '
Kstrada de Macaco
X. 4. Jes Francisco do Reg 100500O
X. 6. Herdeiros de Miguel Joa-
quim do Reg Barros 1005000
N. 8. Fabio Ripo 1005000
X. 11. Miguel Joaquim do Reg
Barro* 1000000
X. 15. Herdeiros do raesmo 1095000
X. 17. Os mcsiQOs 1005000,
Travessa deD. Fclicidade
X. 6. Pedro Jos Vieira 15Q50OO
Ra da Aniisade
X. 2. .Manoel Joaquim de Al-
meida
X. 4. Jos Hespanhol
X. G. Theotonio
Sautos
X. 1. Luiz Francisco
de Barros
Hodrigues
dos
Amando
725000
965000
G05000
725000
Rendimento do da 1 do cor-
rente
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos de dia:
Oarne verde de 320 a 560 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 12000 reis idem.
Suiaos de 560 a 640
173*520
1924380
366*040
^arinha de 600 a 800 reis a cute.
Miluo de 360 a 400 reis idem.
'eJ:'jo de 900 a "*60J idem.
Matadonro publico
Neste estebeleciraento fotam abatidas para o
consumo de hoje 76 reces pertencentcs a diver-
sos, marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE ABBIL
Norte......... Para............. 5
Europa>....... Aconcagua........ 7
8ul........... Alagos........... 7
Europa....... ViUe d S. Nicolao.. 10
tml........... Finance .......... 11
Movimento do porto
Navios entrados no dia 3
Hamburgo e escala 20 dias, vapor allemao Rio,
de 1,276 toneladas, commandante W. Wicb-
man, equipagem 41, carga varios gneros; a
Borstemann & C.
Rio-Grantle do Sul e escala12 dias, vapor in-
glez Cometa, de 718 toneladas, commandante
. D. w. Ogg, equipagem 30, carga varios gene-
ros ; a Pereira Carneiro C.
Dordreoht (Hollanda)50 dias, barca norueguen-
se Crown, de 655 toneladas, capitao H. N.
Danielseo,. equiparem 13, carga trilhos de
ferro; a estrada de ferro do prolengamento.
Cardiff49 dias, barca norueguense Midana,
de 462 toneladas, capitao S. Nicolaisen, equi-
pagem 10, carga fcarvo de pedra; a Amorim
Irmaos & C.
Porto37 dias, patacho nacional Joven Correia,
de 199 toneladas, capitao Manoel Gomes Pie
dade, equipagem 9. carga varios gneros; a
Amorim Irmaos & C.
Rio Grande do Sul35 dias, barca nacional Ma-
ria Angelina, de 225 toneladas, capitao Manoel
J.iaquim Mendes, equipagem 10, carga xarque:
a Jos da Silva boyo at Filhos.
Branswick50 dias, origue hespanhol Soberano,
de 317 toneladas, capitao Izidro Maristeni,
equipagem 12, carga madeira de pinho; a
Amorim Irm^s C.
Rio de Janeiro-19 dias, patacho nacional Indw-
trihl, de 203 toneladas, capitao Manoel A. An-
drade,equipagem 8, carga varios gneros: a
S Leito C.
Rosario de Santa F 47 dias, barca ingleza
Maud Scamell, de 593 toneladas, capitao Tbo-
mas 0. Bell, equipagem 11, em lastro; or-
dem.
Bordeaux e escala-14 dias, vapor francez 1
noque, de 2,459 toneladas, commandante Mor
temard, equipagem 125, carga vari
ros; a Augusto Labille.
Sahidos no mesmo dia^
Bordeaux e escalaVapor francea
mandante Jesegabel; carga
.savannahBarca noruegnense 1
Knudsen; em lastro.
Rio Grami
to Benu.



jL/idriu
tic

JTCi
nambucoQuinta-feira 4 de Abril de 1889
a Recele
Marro de 1889.
O elfefe,
fermn Jfirabeaux de Azevedk Soares
Confraria
- Senhor BoTn Jess da Via
Sacra d;i i nreja da Santa
De ordem da mesa regedora desta confraria,
comido a todos o.s nosos irmos eomparece-
rem em nossa igreja, paramentados de seus h-
bitos, na sesta-feira o <:lo corrente, pelas :t horas
da tarde, para ncompanharmos a proeissao do
Senhor Bom Jess dos assos no seu trajelo do
convento de N. S. do Carino para sua sede na
matriz do Corpo Santo, e no domingo 7 do cor-
rente, s 2 i/2 horas da larde, para acompauhar-
mos a proeissao de Senhor Bom Jess Uos Pas-
sos e J. S. da Soledade ao encontr, que tem de
sahir de nossa igreja e fazer o seu trajelo na
nossa freguezia.
Consistoria da eonlraiia do Senhor Bom Jess
da Via Sacra, na igreja da Santa Cruz, 3 de
Abril de 1889.
O escrivo,
M. D. da Silva._
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector desta re-
partico, fago publico que no dia 4 do correte
mez paga se aos prossores de 1.* entrancia,
com relagao ao.s seus vencimentos do mez de
Fevereiro prximo tindo, que deixaram de rece-
ber no mez de Marco ultimo por insufficiencia
da renda.
r-.Pagadoria do Thesouro Provincial, 3 de Abril
de 1889.O escrivo,
Silvino Antonio Rodrigues.
IRMANDADE
.I>A
loriowa Nenkora Mmt'tnna da ire
ja da Manta Cruz.
De ordem do nosso caris si mu i ruo juiz, c
em.virtnde de resolucJo da mea regedora, con
yidu a todos os nossos carissimos irmos para
comparecerera no respectivo consistorio pelas 3
horas da tarde do dia 7 deste mez, aflu de eu-
corporados acompanharmos a proeissao do En-
contr, que tem de sahir desta igreja, para a
qual tivemos convite da confraria da Via Sacra.
-s Consistorio da rmandade da Gloriosa San-
t'Anna, erecta na igreja da Santa Cruz, 3 de
Abril de 1889.O secretario,
% Antonio Alvc Vilella.
Veneravel irmandaae das
Almas da freguezia de S.
Fr. Pedro Goncalves
De ordem da mesa regedor?, convido a todos
os irnt s desta v werave irmandade para com
parecerem no consistorio, s 3 horas da tarde de
3 do correte, afim de encorporados, acompa-
nharmos a proeissao do Senhi.r Bota Jess dos
Passos. que ter lugar no iBdicado dia.
Consistorio da veneravel irmandade das .timas
do Recife, 2 de Abril de 1889.
O escrivo,
F. Costa.
A rsenal de Guerra
AlistaMtnto de voluntarlos para
batalho naval
De ordem do Illm. Sr. capitO-tenente Rodrigo
Nuno da Costa, inspector d'eate Arsenal e capi-
tao do porto d'esta provincia, fago publico que,
em observancia circular do Ministerio da Ma-
riuha n. 581 de 21 de Margo ultimo, acha se
aberto o ilistaraento de cidados as circumstan
cias de terem praca no batalho naval, perce-
hendo cada uin, alera dos respectivos vencimen-
tos, o premio de 4005000, de conformidade com
o art. 3* da lei n. 336" de 21 de Agosto de
1889.
lnspeceo do Arsenal de Marinha de Pernara-
i)uco, 3 de Abril de 1889.
, O secretario,
Antonio da SUra Aznedn.
Irmandade do Di vi no Espiri-
to-Santo do Recife
De ordem da mesa regedora convido a todos
os nossos charissimos irmos a compnrom-em
em nossa igreja, sexta-feira o do correnie. pelas
2 horas da tarde, afim de encorporados aeonipa-
oharmos a solemne proeissao do Senlior Bom le
sus dos Passos, que sahir do Convento de Nossa
Senliora do Carino para a sua sede, matriz do
Corpo Santo.
Consistorio, 2 de Abril d 1889.
o escrivo interino,
Antonio Mogalhcs da Silva.
Contraria de S. Jos da Ago-
na
De ordem do nosso iruio provedor. convido
a todos os nossos irmos para comparecerem
em nosso consistorio pelas 3 horas da tarde dos
dias 3, 7 e 12, para encorporados acom'panhar-
nius as procissts do Senhor Bom Jess dos
Passos, Encontr e Triumpho, para as qaes fo-
mos convidados. Recife, 2 de Abril de 1889.
Jos de Alencar,
Secretario.
Derbv Glub de Pernambuco
Para cnhecimento dos interessados, faro pu-
blico que so sero permittidos os cotejos de ani-
maes na raia do Derby, de manha at as 10 ho-
ras, e a tarde das 3 horas em diante.
Recife, 30 de Margo de 1889.O gerente,
Henrique Schutcl.
Veneravel ordem 3.a deN. S.
do Carmo do Recife
De ordem da mesa regedora desta veneravel
ordem, convido a"s nossos carissimos irmos a
comparecerem em a nossa igreja, munidos com
os seus respectivos hbitos, sexta-feira 5 do cor-
rente, pelas 3 horas da tarde, afim de encorpo-
rados. acompanharmos a proeissao do Senhor
Bom Jess dos Passos. do convento de N. S. do
Carmo para sua sede, matriz do Corpo Santo.
f-ecretaria da veneravel ordem 3.' de N. S. do
Carmo, 3 de Abril do 1889.-0 secretario,
Jos'1 Castor de Al Souza.
Celestial confraiia da Santis-
sima Trindade
De ordem do carissimo irmio provedor. con-
vido a todos os nossos carissimos irmao? a com-
parecerem em nosso consistorio domingo 7 do
corren te, pelas 3 horas da tarde, afim de encor-
porados, acompanharmos a solemnsima proeis-
sao do Encontr, que satura da igreja Santa
Cruz, para a qual tomos gentilmente convidados.
Secretarla da celestial confraria da Santsima
Trindade, 2 de Abril de 1889 O sacretario,
Joo A. Gosende.
Capitana do porto
De ordem do Hice- Sr. capilo tonentc Rodri-
go Nono da Costa, inspector deste Arsenal e ca-
pito do porto desta provincia, fago publico o
aviso aos navegantes abaixo transcripto :
UiniHK rio da Mariana Repartlcao
de pnaroettAvino ao navegan-
te*
PHAROL DE S. JOAO DA BARRA
l'o?. e margem direita do rio Parahyba
PROVINCIA DO RIO DE JANEIRO
ItltUII
(! de 1889)
Do dia 10 de Abril prximo vindouro em dian-
te ser exhibida da foze margem direita do rio
Parahyba, porto de S. Joo da Barra, provincia
do Rio de Janeiro, urna luz branca e fin, illu-
rainando todo o horisonte.
O apparelho de luz dioptrico aa 6* ordem,
e a luz produzida pela combusto do oleo mi
neral.
O plano focal eleva-se 13.*0 ao nivel do mar,
e a luz ser visivel da distancia de 12 milhas,
com tempo claro.
. A columna sobre que nssentam a lanterna e
respectivo apparelho de luz provida de urna
plataforma semicircular, escada lateral e pin-
tada de tranco.
Posigo geographica
Lat. 2l'-38-40" S.
' J Long 2o 8'-u0" E. Rio- de Janeiro.
. 41 2' 20" O. Grw.
. 13"-22'-30" O. Pariz
Rpartiro de phures, Rio de Janeiro, 27 de
Fevereiro de 1889.
Pedro Benjamn de Ceraueira Lima,
Capitn de fragata, director geral.
Capitana do porto de Pernambuco, 1* de Abril
Ae 1889.
O "secretario,
Antonio da-S'lcir Az'eredo.
Instituto Areheologico e Geogra-
phico Peroanbucano
Quinta-feira 4 do urente, a hora do costume.
rennir selia esta associaeao para a posse dos
membros de sua mesa administrativa ltima-
mente eleita.
Secretaria do Instituto, 2 de Abril de 1889.
Raptista Regoeira,
_________ -1- secretario.
Veneravel irmandade do Se-
, nhor Bom Jess dos Pas-
sos
Pelo presente convido a todos os nossos caros
irmos a comparecerem no convento de N. S. do
Carmo, sexta-feira 5 de Abril, pelas 3 horas da
tarde, afim de eneorporados, acompanharmos a
Sacrosanta Imagcm de nosso Divino Padroeiro.
em solemne pnocisso para nossa sede, matriz
do Corpo ^aoto. Recife, 31 de Marco de 1889
O escrivo,
Manoel Moreira Campos Jnior.
Banco de Crdito Real de
Pernambuco
Este estabeleciraento, de conformidade com o
art. 34 dos estatutos, paga o se 5." dividendo,
relativo ao semestte lindo em 31 de Dezembro
do anno prximo passado a razo de 3 0/0 so-
bre o valor das entradas realisadas do capital,
ou 54000 por arcao, todos os dias uteis, desde
as 10 horas da manha s i da tarde, em sua sede
ra do Commercio n. 34.
Recife, 23 de Marco de 1889.
O gerente,
Mo Fernandes Lopes.
S. R. J.
woeiedade Recreativa Juveatude
Sarao bimestral em 28 de Abril
Os senhores socios podere procurar seus in-
gressos em mo do thesoureiro ; convites- na
secretaria desta sociedade, nao se admite ag-
gregados.
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
1 de Abril de 1889.-0 2- secretario.
A. F. Lopes.
Irmandade da Gloriosa Se-
nhora Sant'Anna da igreja
da Madre de Deus.
Por deliberaco do irmo provedor, sao convi-
dados todos os nossos charos irmos a compa-
recerem na igreja da Madre de Deus, sexta-feira
"i do corrente, pelas 3 horas da tu-de. para en-
corporados acompanharmos a trasladaco do Se-
nhor Rom Jess dos r assos, do convento do "ar-
mo para a sua sede na matriz do Corpo Santo,
'para cujo fiui tivemos convite.
Consistorio da ihtiandade da Gloriosa Senhora
Sant'Anna na igreja da Madre de Deus, 2 de Abril
de 1889.
O esenvao,
Joo Alves Pimentel.
decretarla da Veneravel Ordem
3.a do Seraphieo Patrlareha
. Francisco no Recife. em 9
de Abril de 1 *.
De ordem do charissimo irmo ministro convi-
do todos os nossos charissimos irmos em ge-
ral a comparecerem no dia de sexta-feira o do
ente m^z, pelas 21/2 horas da tarde, em nos-
sa igreja, afim de revestidos com seus hbitos,
irmos em eongregago acompanhar a proeissao
>ennor Bom Jess dos Passos, quo sahir do
vento de Nossa Senliora do Carmo pra a soa
na matriz 'lo Corpo Santo no lic-ile.
Jos Clcmentiutf Henrique- da Silva,
Ex-mimstro secretario.
1
banco HTsmuom
DO
JD Juii*&>0 jLJL
Capital
0,000:0004
dem realisado 19.000:000*
A eaixa filial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
L0ND0N..(Baneo Internacional
)do Brasil,
London office.
( London A C ounly
( Banking Company L."1
PARS......(Banqne de Pars t des
Monte de Soceorro He Per-
nambuco
ado etecluar'-sc neste mez a prescripcao
Jos das caulellas vendidas em leilo de
>84de ns. 7.133,7.13, 7.-209. 7.219,
185, 7 '.17. 7.'3t 7.476,
606, 7.610. 7.G.;V "
V, 7.79, 7.797.
loa f"
7.709, 7.720,
7,827, 7.855,
Ham burgo..
Berlim.......
Bremen.....
Frankfurt
sur Main...
Antuerpia..
Roma........\
Genova......1
aples.....I
MilSo e ma8 >
340 cida-i
desde Ita-]
lia.........../
Madrid......
Barcelona..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona.
Valen cia e
outras ci-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
narias......
Lisboa
Porto e mais
cidades do
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
NovaYork.
Pays-Bas
Deutsche Bank.
Bank d'Anvcrs.
Banca Genrale e suas
agencias.
Bance Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
G. Amsink & C.
Compra Saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinbeiro om conta corrente de
movimento com joros na rozilo de 2 "/,
ao
anno e por ]
cionadoB..
a t razo a juros conven-
J. Westh
Pede-se aos Senho-
res oonsummidores
que queiram fazer
qualquer eomniunica-
^o ou reclamac,o, se-
asta feitano escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n.
21), onde tambem se re-
ceber qualquer conta
que queiram pag*ar.
Os'uUicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando Tor preciso o
Sr. Antonio Martins
Carvalho.
Todos %os recibos
desta empr eza de verao
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, semoque
nao tero valor algrun.
George Windsor,
Gerente
CONTRA FOGO
The Liverpool London & Globe
HTSUHA1TCE CDMPAITT
SLACnSr., SSE2HAM & C.
Ra do Commercio n. 3
SANTA CASA
CASA* PARA 1LI JAR
Hua da Moeda n. 49, armazem 240000
dem do Vipario Tenorio n. 27, laja 2404000
dem idemu. 22, 3." andar 8000
dem idem n. 5, i andar 360000
dem do BispoSardinliu n. 3, i." e 2.
andares e soto 4005000
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
n. 44 8:1315000
dem do Bom Jess n. 29, i. andar 2404000
dem de Domingos Jos Martins n. 136,
loja e \ andar 4005000
dem de Tiioim- de Souza n. 14, Io andar 200.5000
idem do aro da Victoria n. 41, ar-
mazem 1:2005000
Idem Imperial n. 131, casa terrea 360*000
Travessa rte S. IVdro n. 2, casa terrea 3605000
S. Louronco da Malla 604000
cruz", ouro baixo, i salva e 2 casticaes
de" prata.
17032 1 I>aliteiro e 12 eolheres para sopa, de
grata.
17033 1 Gargaritilna, I volta de ouro, 1 tran-
celim, 2 cruzes el-par de brincos, ouro
de lei.
17036 1 Pulsoira, 1 par de brincos, 1 trancelim
e dedal, ouro de lei.
1 Rerlo, ouro de lei.
170'. 1
17042
1
1704o
17051
INDEMNISADOR A
Compaiiliia de Seguros
MARTIMOS e terrestres
i:slulx-l<-< i CAPITAL l,00O:000|0O0
SINISTROS PAGOS
At 31 de Dezembro de i 884
Martimos.. 1.110:000|000
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
Conipanhia de Seguros .
Jiielia* t *i*bi*
AGENTE
Miguel Jos Alves
IV. 1Roa do Bom Ji'Sii-\. 9
seguros martimos e terrestres
.Vestes ltimos seguros 6 a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados semp-
cSo de pagamento de premio em cada stimo
anuo, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 15 por cento em favor dos segurados.
London & Brasilian Bank
Limited
Roa do Covimercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do njesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capcllistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
Imperial
DH
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadera
Taxa baixas
Prompto pagamento de prejuizot.
CAPITAL
Rs. I .000:000*000
AGENTE
BROMAS A C.
N. 5RA DO COMMERCION. 5
Companljta tft Seamos
misa ro:-o
NORTHERN
de Londres e Aberdaen
Posiro finanecira ("Dezembro de 1885)
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accnmulados 3-134,348
Reeelta animal :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John H. Boxinell.
Monte de Soceorro de
Pernambuco
-il' leilo de jolas
Este estalieleeiment fani leiluo no dia 11 do
corrente, por intermedio do agente Martins, em
sua sede, ra do Bom Jess n. 32, s 11 horas
da manos, dos objectos que nao forem resgata-
dos at a vespera, constantes das seguintes cau-
teflas, \encida8 de Agosto Novembro de 1887;
a dinheiro de coutado : <
14907 1 Volta de ouro com medalha. 2 pulsei-
ras, 2 conloes, 1 trancelim. :t pares de
brincos, 1 allinete, 2 aunis, 4 moedi-
nhas ouro de lei, urna salva de praia
de lei.
15818 1 Corrente c cinete para relogio., 1 par de
argolOes, 1 allinete de ouro para retra-
to e 1 medalha ouro de lei, 2 relogios
de ouro.
15933 1 Correte de ouro'com cabellos para re-
logio, 2 pares de brincos, 2 ditos de
rozetas, i cordo, 2 voltas de trance-
lim, ouro, teteias, 3 botes, 2 encasto
res e 1 annel- ouro de lei, 2 moedinlias
de ouro, dollars, 1 relogio de ouro, 1
palitejro, 3 comeres para cha, de prata.
16027 24 Colheres para sopa, 24 ditas para cha,
3 conchas grandes, 24 garios, 24 cabos
para facas e 1 par de trinchantes, tude
de prata de lei.
16302 1 Salva pequea, 1 tigclla, 1 copo, 17 co
Iheres para sopa e 14 ditas para cha,
prata baixa.
16453 1 Escrvaninha, prata baixa.
16458 1 Medalha de ouro. contendo brilhantes.
16691 1 Salva, 23 colheres para sopa, 17 ditas
para cha e i dita para assucar, prata de
lei.
16699 6 BotOes de curo com brilhantes.
16703 1 Par de rozetas de ouro com brilhantes.
16708 1 Relogio de ouro de lei.
16713 1 Broche de ouro com camaphen de co-
ral, 1 corrente e sinetc de ouro para re-
logio.
16715 I Salva, prata de lei.
16717 1 Par de rozetas de ouro com esmeral-
das circuladas de brilhantes, 1 par de
brincos com ditos, 1 par de brincos
com brilhantes, pequeas commendas,
1 cruz com brilhantes e 1 fio de perolas.
16720 1 Pulseira, 1 medalha, 3 pares de brin-
cos e 1 dito de rozetas, ouro de lei.
16744 1 Adereco de ouro, contendo 1 pulseira,
1 broche, 1 par de rozetas cravejadas
de brilhantes c diamantes, 1 volta de
ouro contendo 1 pera cravejada com
brilhantes e diamantes.
16745 1 Annet de ouro com um brilbante peque-
no, 2 brilhantes sob-papel, 1 allinete
com 4 ditos e 3 rabins, 2 alfiletes, 1
pulseira.. 2 medalhas, 1 vorta de ouro,
2 correntes para relogio, f cordo, 1
bentinho de ouro, 1 cruz ouro dejlei, 1
moeda de ouro.
16747 1 Corrente de ouro para relogio e 2 tran-
celins, ouro de lei.
16749 1 Par de brincos,. 4 aunis e 1 cruz, ouro
de lei.
16750 1 Cordo, 1 allinete, 1 par de brincos, 1
dito de rozetas ouro de lei.
16758 1 Corrente de ouro para relogio, ouro de
lei.
16763 I' Pulseiras de ouro, 2 voltas, 1 medalha,
1 corrente e medalha para relogio, 1
broche, 2 pares de tirincos, ouro de lei.
16777 1 Trancelim ouro de lei, 1 emblema do
Espirito Santo e 1 liga, ouro baixo.
16797 1 Par de rozetas de ouro com 2 brilhan-
tes pequeos.
16810 2 Bol Oes de ouro com brilhantes.
17099
17102
17113
17114
17117
17131
Corwnte para medalha (para senhora),
'ira, I par de brincos e 1 dedal,
!- lei, 1 relogio de ouro para se-
l para rolosio, 2 pares de brin-
ui;o ue lei, 10 inoedinhas de ouro
otoes.
Corrente e 1 sinete para relogio, ouro
de el.
I7C58 2 Hiles, i pares de brincos, ouro de
, lei.
17062 1 Anne! de ouro com brilhantes pequeos
e 1 relogio (de senhora) de ouro.
17070 1 Correntio, 1 corrente para relogio fal-
lando chave, 1 moeda de ouro com ar-
gola c 1 relogio de ouro, tudo ouro de
lei.
17082 1 Corrente e medalha para relogio e 2 an-
neis, curo di I-;.
17090 1 Pulseira, 1 par de brincos, 1 luneta e 1
a'nnel ouro de lei, 1 volta de conlao e 2
teteias, ouro baixo.
17091 1 Volta de ouro com medalha, i medalha
de ouro com ago c I annel, ouro de
lej.
Relogio de ouro de lei.
t ar de rosetas de ouro com brilhantes
pequeos e 1 grampo de ouro.
17112 1 Corrente para ioIojo, I par de brinco,
2 anneis e i relogios. ouro de lei.
RdogiO de ouro de lei.
Traucelins, i cordo, 1 redoma e 1
cruz, ouro de lei. I, cordo de ouro
baixo.
Relogio. ouro de lei.
Par de rosetas de ouro com 2 brilhan-
tes, i cruz com ditos, 2 aunis com di-
tos o 1 fo de perolas.
17139 1 Annel de ouro com brilhantes peque-
nos, 1 trancelim, 1 medalha, 1 alfinetc,
3 pares de brinco, 1 dito de rosetas, 1
peca de pulseira c 5 anneis, ouro de
Relbgio de ouro (com argola de prata).
Par de botes, ouro de lei.
Pulseira, 1 allinete. 2 trancelins, 1 cor-
do e 1 medalha pequea, ouro de
le.
Corrente para relogio. ouro de lei.
Corrente e siuete para relogio, ouro
de lei.
17168 1 Hrociie de ouro para retrato, contendo
1 corrente de brilhantes, 1 par de brin-
cos com brilhante. 2 botos com ditos,
nceis com ditos.
17169 1 Cruz de ouro com-7 brilhantes peque-
nos. par de rosetas om 2 brilhantes,
1 diij om 6 ditos, 2 anneis com bri-
lhantej e 2 los de perolas.
17185 1 Par de rosetas de ouro com 2 brilhan-
tes, i ann :l com 3 ditos, 1 cruz com
dito, 1 fio de perolas e I pulseira com
diamante, ouro de lei.
Relogio, ouro de lei.
Corrente para relogio, ouro de lei, 2
moedinhas em boto e 1 relogio, ouro
do lei.
17216 1 Annel de ouro cora 1 pequeo bri-
lbante, 1 volta de ouro e 3 anneis, ouro
de lei, 1 volta de cordo, 1 annel e i
par de boies (incompleto) ouro baixo.
17233 1 Cor.ente e medalha para relogio, 1 tran-
celim, 1 cruz. 2 peras de brinco, 5 te-
teyas de ouro, 3 anneis e 1 par de bo-
tes ouro de lei. v
17239 2 Pares Je rozetas com brilhantes peque-
nos, 1 cruz com ditos, 1 pulseira, 1
Pacific St;e? ra Navigation
Cod pany
STRATTSOFM^GELLAN UNE
O paquete Aconcagua
Espera-seda Europa at o-dia
7 de Abril e seguir depois
da demora do costume para Val-
paraso por
Baha, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
jheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons & C, Limited
14RA DO COMMERCIO^-14
17141
17161
17164
17166
17167
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado da Europa no
dia Abril de e segui-
r depois da demora ne-
cessaria paca .
Baha, Rio de Janeiro, Buenos-Ayrv t
' Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
rias que so se attender a reclamages por fal-
tas, nos volumes, que forem ,reconhecida3 na
occasio da descarga, assim como deverao den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem q\ialquer reclamaco con-
cernentes a volumes que porventura tenham se-
guido para os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necessarias.
!:* imqut-K- iiun
elertrtca.
tinado h Iim'
Para carga, passagens, encommendas
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE.
Augttste Labille
Ra do Commercio !
e di-
9
17190
17215
2pa-
16804
16808
SEGUROS
martimos coma fogo
Companhia Phenis. Per-
naubueana
RA DO COMMERCiO N. 38
SEGURO COXTRA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 3.000:000*
AGENTES
R.DEDRUSiActC.
13Ra Mrquez de Olinda13
Relogio ouro de lei.
Pulseiras, 1 allinete. 1 par de rosetas,
2 anneis ouro de lei, 1 trancelim, 1 an-
nel. 1 cruz, ouro baixo.
16810 1 Volta de ouro, 1 medalha, 1 relogio, ou-
ro de lei.
16821 1 Corrente de ouro de lei para relogio.
16838 1 medalha de ouro de lei com nix.
1684o 1 Par de rozetas de ouro com brilhantes
c 1 annel com ditos.
16850 1 i ulseira de ouro com brilhantes c sa-
hyras.
raocelim, 1 volta de dito, 1 moeda de
ouro com laco, 1 pulseira pequea, ou-
ro de lei.
10858 1 Volta de trancelim, 1 rozeta. 1 annel
ouro de lei, 2 pares de brincos e 1 cruz
ouro de lei.
16862 1 Cordo, 1 medalha. 5 aunis, 2 botOes,
1 leteia, ouro de le, 1 par de brincos e
1 annel, ouro baixo.
16865 1 Par de rozetas de ouro com brilhantes,
1 pulseira, 1 dita de broche, 1 par de
brincos cravejados de perolas, ouro de
lei.
16873 1 Trancelim e i liga, ouro de lei.
16875 1 Relogio ouro de lei.
16878 1 Trancelim e 2 relogios, ouro de lei.
16883 3 Pares de brincos, 1 dito de rozetas, 1
cordo e 1 annel ouro de lei.
16895 2 Pares de brincos era vejados de brilhan-
tes pequeos.
16898 2 Pares de brincos, 6 anneis e 3 botOes,
ouro de lei
16907 I Medalha com diamantes, 6 botOes com
erlas, ouro de lei, 24 garios, 24 ca-
os com facas, 2 .pares de trinchantes,
tudo de prata de lei.
16911 1 Pulseira, ouro de lei.
16915 1 Annel de ouro com 1 brilhante.
16917 1 Pulseira, ouro de lei.
16922 1 Laco de ouro de lei.
1693112 Colheres para sopa, prata baixa.
16939 2 Broches, 2 pares de brincos, 1 dito de
roseta, i trancelim, 1 medalha e 1 livela.
ouro de lei. .
16940 2 Voltas de trancelim, 3 teteias de ouro,
3 pares de-rosetas, 3 anneis, ouro de
lei, 1 bra'celletc com coral, ouro baixo.
1 Trancelim, ouro de lei.
16947
10952
i
Annel de ouro com 1 pequeo brilhante
e 1 par de brincos, ouro de lei.
16953 1 Par de brincos, 1 volta de ouro, 6 an-
neis, 1 teteia, ouro de lei.
16972 1 Pulseira, 1 allinete, 1 par de rosetas
ouro de lei.
16979 1 Corrente dupla com medalha para relo-
gio, ouro de lei. i
16982 2 Pulseiras, t correntao, 1 allinete, 1 tran-
celim, t par de brincos, 4 pegas de dito,
1 par de rosetas, ouro de lei, 1 pulseira,
ouro baixo.
1 Pulseira in6ompleta. 1 volta de ouro, 1
cordo, 1 medalha, 1 allinete, 1 par de
brincos, ouro de lei.
1 Relogio de ouro para senhora.
1 Annel de ouro com 1 brilhant<;.
16992 i Annel de ouro cora 1 brilhante, 1 pul-
seira, 1 volta de ouro e 1 medalna, ouro
de lei.
17026 i Cruz de ouro com nm crucificado, ouro
de lei.
17031 1 TraocelBi e 1 cordo, ouro de -lei, 1
16984
16985'
16987
volta de ouro com medalha, 2 cerrntes
para relogio, 1 volta de trancelim e 1 re-
logio de ouro para senhora,- ouro de
le.
17240 1 Par de rojetas de ouro com brilhantes.
1 annel com 5 ditos e 1 dito com 1
dito.
17254 1 Volta de trancelim, 1 medalha e
res de brincos ouro de lei.
17264 1 Corrente para relogio. ouro de lei.
17269 2 Correntes, 2 medalhas de ouro para re-
logio, ouro de lei.
17270 3 Pulseras, 1 medalba e 1 dedal de ouro
de lei.
17273 12 Colheres para sopa, 12 ditas para cha e
2 conchas grandes prata baixa.
17280 2 Pulseiras, 1 volta de ouro, 2 botOes e 1
alfincite, ouro de lei.
17283 1 Coco de prata para agua.
172S4 1 Trancelim, 1 par de rozetas ouro de lei,
2 colheres para sopa e 1 dita para cha,
de prata.
17289 1 Cordio, ouro de lei.
17-90 1 Trancelim, ouro de lei.
17292 1 Pulseira, 1 par de brincos, 1 cruz de
ouro cravejada de diamantes, 1 salva, 1
paliteiro, 13 colheres para cha, prata
de lei.
17293 i Pulseira, 1 broxe, 1 par de brincos de
ouro de lei, contendo brilhantes.
17294 1 Annel de ouro com brilhantes,! dito com
um rubim e circulo de brilhantes.
17295 4 Casticaes. 1 prato thesoura (para vella)
Prato de lei, 1 vaso d prata baixa.
ar de rosetas de ouro com 2 brilhantes
c um botao com 1 dito.
17303 1 Pulseira, 1 allinete, 2 pares de brincos,
1 luneta, 1 trancelim, 2 anneis ouro de
lei, 1 gargontilha, 1 pulseira e 1 alune-
te, ouro baixo.
17304 1 Alfinete, 1 pulseira, 1 par de brincos, 1
dito de rozetas incompleto ouro de lei,
4 colheres para cha.
17306 1 Par de rozetas de ouro com 2 brilhantes,
1 medalha Je ouro com 1 dito, 2 pul-
seiras ouro i lei.
W309 1 Pulseira, 1 p;-r de argoles e 2 voltas
de tranceln ouro de lei.
17310 1 Par de roze:,t3 de ouro cora 2 brilhantes,
1 cruz de o ro com ditos pequeos,
1 (lo de per -las. 1 vapor, 1 pateiro,
casticaes pequeos, 6 colheres para sopa,
f ditas para cha. de prata.
17311 1 Broxe de ouro cora perolas, 1 volta
de trancelim, i emblema da Conceico,
1 medalhu, pequea, 1 moedinha de ou-
ro, tudo ouro de lei.
17313 IgCordo, 1 medalha, 1 alfinete, 1 cruz, de
ouro de lei.
17317 1 Salva de prata de lei.
1731& 1 Par de casticaes prata de lei.
173i 9 1 Par de rozetas de ouro com perolas, ru-
bim, 1 medalha ouro de lei.
17320 1 Jarro e bacia e 1 salva grande, prata de
lei.
17321 1 Relogio de ouro para senhora.
1732218 Colheres para cha, prata de lei.
i'323 1 Cordo, 1 allinete, 1 par de rozetas ouro
de lei.
17324 1 Trancelim, 2 voltas de dito, 2 pares de
rozetas, 1 annel e 2 moedinhas, tudo
ouro de lei.
17325 I Corrente para relogio ouro de lei, 1 re-
agio de ouro e 1 figura de prata.
17327 2 Anneis de ouro coma brilhantes, 1 dito
com 1 esmeralda e pequeos brilhantes,
13 trancelins. 2 conloes, 1 pulceira de
requififes, 2 pares de botOes, 1 cruz,*! |
annel ouro de Ij, 1 par de rozetas e 1
cruz cravejadas de diamantes.
17328 1 Annel de ouro cora i brilhante.
17331 2 Medalhas e 1 annel com diamante ouro.
de le'.
17336 1 Volta de euro de lei.
17338 3 Pares de brincos, 1 dito de argolOes, 1
volta de ouro e 1 medalha ouro de lei, 1
colheira de prata.
17342 1 Pulceira ouro de lei.
17346 i Cruz de ouro cora 6 brilhantes c 1 volta
de trancelim.
17344 1 Broche de ouro com brabantes.
17349 1 Paliteiro c 13 colheres para cha, prata
de lei.
17350 1 Corrente dupla para relogio ouro de lei.
17:152 Trancelim grosso, ditos linos. 1 cor-
do e 1 medalha, .2 cruzes curo de lei, 1
trancelim uro baixo.
17355 1 Pulceira de ouro com 1 brilhante peque-
ro, 1 trancelim a 1 corrente de ouro para
relogio, ouro de lei.
17363 t Annel e 1 'alfinete ouro de lei.
17368 1 Allinete, 2 medaljias, i pares de brincos
e i volta de cordo, ouro. de lei.
Recife, 7 de Marco He 1889.
O gerente, .
Felino D. Ferreita Coefho.
Royal Mail Sream Packet
Companhia
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
/U|S, Espera-se da Europa at o dia 12 oe
KAbril, segurado depois da demo-
^^^^ra do costnme para
Bahia. Rio de Janeiro e santo*}
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor La Plata
Commandante A. H. Dyke
E' esperada do sul no dia 14 de
Abril e seguindo depois da demora
necessariapara
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reducc&o de passagens
Ida Ida e volta
A' Lisboa 1* classe t 20 30
A' Southampton classe 28 42
Camarotes reservados para os pass^eiros de
Pernambuco.
Emquanto vigorar a quarenteoa imposta oa
Repblica Argentina, aos vapores e nanos pro-
cetes do Brasil, os vapores desta companqia nao
aceitarao passageiros nem carga para Buenos-
Ayres.
Para passagens, fretes, encommendas,- trata-se
com os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhia Brasileira de
NavegacaQ Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E* esperado dos portos do norte at
o dia 5 de Abril e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
i As encommendas sero recebidas no trapiche
Barbosa ate 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens. encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joao Mara Pessoa*
' esperado dos portos do sol at o
dia 7 de Abril e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Manos.
As encommendas so serao recebidas na agen-
ia at 1 hora da tarde de dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
1 andar
CHARGEtES REUNS
Francesa
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
Companbla
DE
\avcga^5o
jinba quinzenal entre
Pernambuco, Babia,
Santos.
O vapor
VilledeSan Nicols
Commandaute Henry
E'esperado da Europa at o dia 11
de Abril, seguindo depois dair.-
,dispensavel demora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelss
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
'qualquer reclamaco concernente i volumes qc
porventura tenham seguido para 03 partOB do
sul afim de se podei- dar a tempo as prov-
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao ;
responsaDilisa por extravie
Para carga, passagens, encommendas e
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Augusle Labille
9RA DO COMMERCIO9
Piloto
hespanbolSofc.
America precisa d um f
at Ene

'


S
r


Diario de PernamhucoQuinia*feira 4 de

*
I.

f
45 da roa do Hom
^^jn em 1860; e daquellu hora
a de sua resideucia ra do
i 35.
oTelFio dos mch
os livros e raais objectos da
Gregorio-Gomes Maia ra da Sol-
is iO 1/i horas em ponto deve
ler icilao de 100 raucas coia batatsc
frai 11 horas, a armado r pi rtnnrn
Mrquez de Olinda n. 33, 1 hora
da.lanl'..', em um s lote lodo-; os objectos exis-
tente- 3Q arruazem da ra Mrquez de Olinda
---------- '-----------------------------------------------------------------------------------------------------*
Leilo
Em ontlauaeiio
Da fabrica de bebidas
. AS H HORAS
Hq|sif4-de Abril >
Constando de cascos vasios, fernamentas para
tenoeii > pronta para cartas, repartimento de es-
crptoru). toieiSj garrafas com cognac, balangas.
mes.s lira trabalno, banco para tanoeiro,garra-
fas vasias, rtulos para differentes bebidas e mai
tos outros artigos que sefo vendidos ao correr
do raartello no estabelecimento da ra do Vjga-
rio n. 2.-.
Por infervencSo do agente
Alfredo GuirnarSes
Leilo
De urna vacca toui\ua com cria
Nova e leiteira
Ao nt'io lia
Por CcasiStt doleildO de movis e mais objeeki*
A ra da waleade a. MI
Agente Pinto
ultim
a es-
urmario,
1 mesa com Je^co, gran-
mais mi.
Ra Mrquez de O/inda n. 33
Em differentes lotes a vontaJe dos compra-
dores.
9e\a-feira 5 do correte
A's 11 horas em ponto
O agente Pinto contina no dia 5 do correte
o leilo, comecado no da 3, na leja da ra Mar-
que de, Olinda u. 33.
Leilo
Leilo
De 1000 p9 de cacao alborio viudo das
Antilhas
Quiita-feira 4 do corren te
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48
O agente Gusnio far leilo dos ps de raco
cima'meicionados e chama a attenco do 9rs.
agricultores, visto nao haver nesta provincia
est;>. c-pecie, os quaes, serao vendidos em
lotes .
Fin coniinuii'o
gero vendidas diversas mobilias de janeo, ja-
caru-id e amarello, inoris avulsos, fazendas.
iudezas, bebidas, Janeai, vidros e roupasfei1a9.
Leilo
De moris, livros de litteratura. espelhos,. f
jarros e tapetes
AMbrt .- .1
Urna menina' de junco preto a Luiz XV com 1
sof, 2 co.isolos, i cadeiras de bracos e 12 de
Siarnico. 1 espelho oval dourado, grande. 1
to menor, 4 quadros com tinas grasuras. 2 es
Rregmcndeiras, 9 randftiros gaz, jarros para
ores, l lapete de sof, 3 ditos de porta e 2 es-
carradeir-v
Orna cuma. 1 guarda-roupa, 1 commoda, 4 cor-
tinado, ? cabides torneados, 2 camas de lona. 1
mesa redonda; 1 toilet, 4 mesas de abrir, 1 es
tante envidracada. 1
sea.
de amitos e differentes objectos existentes no
armaicui dafiua Marque de Olinda n. 5. ludo
em um s lote serv'indo de base a oll'erta obliila.
Torna-se enfado ninar a quanlidade
e qualidade dos ibjectos.
tte\ta-ftira & do corrate
A' 1 hoia da tarde
Agente Flrft o
No arm*:' :i a Mrquez de Olinda
_________n. 62_________________
Agente Silveira
Leilo
De movis
ftexta-feira a do corrate
No 1. aii'hir do bteco do Peixt Frito
n. 3
O agente Silveira or mandada e com asis-
tencia do E\;n. Sr. Dr. juiz de ausentes, e a re-
aucrimento do cnsul de Portupal, levar a lei-
lo o c.-poli de Antonio Pereira da Rocha
Bastos, constando de:
Duas estantes, 1 p^atilhera, 2 tamboretes, i
commoda, 1 lavatorio, baca e jarro, 1 cadeira
de balanco. 1 dita de sipo, 10 cadeiras de guar-
riico (Jacaranda). 1 sota, 1 espelho, 1 caixinha
com escova. 1 candieiro,' 1-mesaredonda, 1 dita
parajar;iar.
Em contIo:ir;lo
Loucas. vidros. jarros ciis movis patentes
no acto do leilo.
Leilo
De 1 msbilia de janeo. 1 dita preta, 1 cama de
casa!. 1 amia commoda, i raarqnezoes, 4 etagers,
lavatorios. 1 mesa de jaaUr, 1 aparador, ca-
deiras. baiiquinhes, 1 mesa de 2 gavetas, can-
dieiros tarros, copos, cauces, e outros objectos
de casa de familia.
Sexta-feira 3 do correte
A's 11 horas
XA t.AMBOA.nO CARM
Avenir Modesto Baptista
Agente Buramaqui
Leilo
Urna raesa, 1 guarda-louca, 1 sof, 12 cadeiras
de guamiro. 1 dita de balanco, 1 panno de
Besa, louca. vidros e outros objectos.
Muo.s e diversos Livros de li llera tur .>
Agente Pinto
Quinta-feira 4 do corrate
A's 11 horas
Na casa da ra da Soledad* n. 66, era que
morouno Sr. Gregorio Gomes Maia
Sabbado, 6 do corrate
.va libara
A' ra Imperial, palacete- qu do Valdevino 4s> plvora
De bons. nevos e- moderno* movis
o agente acim, por conta e ordem do Sr. Jo-
s da Silva Rudrigues, qoe-seretrrou para a Eu-
ropa com sua Exma. familia, far leilo dos mo-
vis seguiptes :
Dnas mobilias moaVrnoa, sendo uma de junco
corapletamentr nova, 1 espelho grande com mol-
ecrelaria e 1 cadeira aeidpra dourada. 1 biftclerja de metal fino, corti-
nados, jarros, tapeten, quadros.t toilet. guarda-
vestido, lavatorios com lampos de pedra, cama
para casal com colch:To ocirpola. m'sa de cabe-
ceira e castieal fino, cat'^ras^s juoo para sala
de jantar. mesa elstica, guarda-louca. appare-
lhos para cii e jantar, jico cre de ferro pro-
va de fogo eguarnecidoJensKBoira. relogio de
parede. trem de costaba, coaptoto muitos ou-
tros rticos que estario i wafctdo irs. licitan-
tes, os quaes terao passagem gratis em um bond,
que segnir.no raesmo da, sftie 12 horas da
manh
Leilo
Do algodo a granel, salvado do incendio na
olte de 27 de Marco na estayo do Brum da
entrada de ierro do Recie ao Limoeiro.
Qninta-feira 4 de Abril
A's 1C hor em ponto e na referida es-
tacSo.
Ci agente 'into, levar a leilo por conta e
risco de quem pertencer o algodi existente na
3 da roa t Brum e salvado do incendio
loite I) lia 27 de Marco prximo passade-
Agente Brtto
Leilo
be l irmafd delouro envidrbala, com bal-
cao de a.:iare'lo enverniaado, 1 liteiro de ama-
relio, batanea, pesos, medidas e rauito bons ge-
itiolliados existentes na casa sita ra
ujte-se a casa.
exi a-felra. 5 do corrate
A's 10 1\2 horas
Agente Stepple
Leilo
De Hn8 movis, loucas
'lomadas pun juniar e alinoeo
He%: :e-felra do eorrrnr
A's 11 bonts
No nobrtida ra da Auroro t. 41
0 agp.nli- M.-phle, far leilo, dos tnom- -
ai-' io Ao linado r. Pedro
Aff< : o -fel 1 le iiierimeiito do invedta-
. andado do Kmd. Sr. Dr. jt:iz de
diroilo k orpbjSos u au-en'es. constan-li> om i.n^jn .ir pinns duas mobilias de
rsmii a inedallics com encost de
palha. iur*t 'astica. una importante t ama^e
] ''.: al, commoda-'. mesas, cadeira
en, [latentes no acto do
leilo.
Agente Pestaa
Grande leilo
*? iprc-dfax MvrcK e deeaibnra
rada
SEXTA-* EIRA 5 DO COKHEXTE
A's 11 horas em ponto
No armazem' ra Marque* de Olinda
n. 44
a *
Urna ca&autatrea, sita ra* da Palma n. 11,
rendendo mensa! 2J000.
Urna dita sita ra do Tambi n. 3, rendendo
000.
Orna dita, sita a raesma ra n. 21, rendendo
mvm meaaL
Uma dita-sita a" ra de Lomas Valentinas n.-4.
com 2 randeisotos.. renden do 354 mensaes.
Uma dita, sita ao Corredor do Bispo n. 48. ren-
dendo 2510W ideo.
Uma dita sita na Vidal de Negreiros n 43,
leudo 30*000 idem.
Pestaa vender livre e desembara-
a declarados.
2/ lefr
Das di-, u. ero ttulos eoontas.de ivro,
na ini^.r: mcia do 4&:s6&73U, -perten
centes ao es
Medeii"
Mabhado c eorrene
A's l i h.r.v i
KANDK LQ'IBAt
Na Loja das Estrellas
56---Ru Diqve.de CftxisS8
Telephoae u. to
Este bem eonhecido estebelecnnento acaba
de pasear por urna grande reforma,
sende ligado intariormente com a
casa contigua do n. 68 no intuito
de serem despachados todos os seus
freguezes com mxima brevidade
possivel, resolreu fazer grande II-
qoldaeo i todos os saldos que
. ricaram du balanyo, por menos
50 r. do seu valor, cujos artigos
passamos a demonstrar:
Artigo de le
Esguiao, peca, a 3(5500.
Madapolao com um metro de largura de
145 por 7,JO0O.
dem idem americano de 8fi por 50000.
AlgodSo marca T, especial, muito largo,
de 70 por 50000.
Bramantes, pegas, por 70000.
Atoalhados, lindos desenhos, duas largu-
ras, a 10 e 10200 o metro.
G uardanapos de 40 por 20000 a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o me-
tro. :
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 10500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a 10,
e 10200 a duzia.
Toalhas de fustao, qualidade super ior.a
30 e 40000 a duzia.
Cretones para doberta a 240 rs.
Colchas acolchoadas, brancas e de cores a
20000.
Lences de bramantes a 20000.
Chales escocezes a 10000.
E outros muitos artigos que deixam de
ser mencionados e que se vendem coro
igual abatimento
Tecldos de alta novidade
PARA VESTIDOS DE SENHORAS
Linhos pardos para vestidos a 300 e 320
Sedas com quadros e listras de 10800 p'or
800 rs. .
Setins de seda, todas as cores, de....
10200 por 500 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cores, de 500 por
240 rs.
Tuaile de Vichy, de 240 por 160 e 80 rs.
Nonsuks, desenhos novos de 240 por
120 rs.
Cretones claros e escaros com lindissimos
desenhos de 440 por 240 rs. 1.800
PEgAS!
Merinos de quadros, grande variedade de
padrBes, de 500 por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Fustes de cor, de quadros e outros dse
nhos muito lindos, de 500 por 160 rs
Sedas Felippmas, de 500 por 200 rs.
E muitos outros tecidos para vestido,
em algodao, linho, la e sedas que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 [t.
Coofcceo
Vestidos fe i tos de Casera ira ricamente
bordados de 800 por 50 e 300.
Ditos para armar de 60, 80 e 100.
Ditos brancos bordados em cartao, aU/i no-
vidade a 80 e 100.
Guarnieres de colarinhos e punhos para
senhora por 10 e 10200.
Capotas (preparadas na corte) de 200 por
90 e 100
Gollinhas e punhos para menino de 3 a
8 annos.
Vestuarios e roupinhas para crianjas, por
50, 60, 80 e 100, e Jersey, casemira e
a i'rim.
.Sai:. bordadas a 20 e -30.
m* cjenen- Enx0VHes baptisado com collares ele-
pe" de Jo*c* Jacnho dej tricos ^ ^ ^
i Luvas de seda meio brago e qualquer ta-
manho a 10500 o par.
.l.-ir. idem de Escocia a 10 e 10500.
%o arnazfat -snaa aW dHaaaaaa
de Olla^n a. 4
0 i-. '.ite Gnsmao, antorisao pr-r doich> do
E.x Sr< Dr. jui d di reto do uror.ii >-> < re-
3ur .i,i-ri!.,- d. admi'i;-'rolo'do eso io ijh Jo-
acintho v MeJeiros, (ari ieiUwoea .si-tuca
do misino juiz. das- 4ida8 .virm me;- ''l;i-,
poiiendoos Srs. C08|)radews,*amin}' rea
{Oes que se acham em ede do iw-rj ; n'.e.
AVISOS DIVERSOS
Alipa-sc o pavimento terarfl 1 andar e
sotso 'io predio s:to pr*9>1 do *-"nd:-1 d'Be n.
86. eein iommodos pa' MiihNtt'oeabrade da
ra Rr'io de S. Borja :. ti. ',-o oumindos pe-
ra ruimeeqej familia ; itralaf m rea da \um-
r* ii. iS.
. Aloga-K o eoi-rado ty Mi rot da Koda
com ii.jii? commodos c rauito fresco, todo pinta-
tina* e do lenofb e forrado a papel as salas ; a tratar
. ja do Cabuga n. 10, loja. "
Vknw-sc atan ila ra da^oweicde da
roa i --a ; o sobrada da InuntSU) d'.'.ivra-
n. 10. c o sotfto da mu -i Boda n. i3 :
ni ra do Brum n. 62, andar.
. A'oga-W um h' ii *itio ntt !k-.i rasa, pala-
da ttpialada; no Arraial (ii^a'Arnurell.: : a tra-
i na Pedro Alfonso n. IS.
Alnga rv nann a tj$0tX) no neceo do- Can-
bos. JUO' Ite S. 'ioncalloja :ratai' na ruada
mpeatriz u. i>6.
Precisase follar com IMni. Sr. major lew
Marcelino Al ves da Fons- actual ti d da fre-
gueziade Alofrados. m ', da Co;n|intaia Per-
namliucjoa ii 10 A
deas inlieira
lamli'a pr<\-- -.- de urr<
l'.'r(.-.i-Si
que cosiabe bea ;
criado e de uma criada >
tice
Leilo

xas com batatas francezas, no-
negadas polo, ultimo vapor
exta-clra- a do frremte
2 horas em pont<
?gente Pinto
rtmte da
:raoo e de urna criad i mi a s. rviec
i da bjperatri dar
- nfferea'-se. uir/i icniorJ
meai soltciro ou viuv. ti ndo Iwbililacn da can
de Cunilia. preft-riu fira nacida-
de na ra da Roda a Id, achara com quem
tratar.
Ao comiiiercio
Os abaixo*as8ignados declaram que Desta data
dissolyeram amigavelmente a sociedade que ti-
nbam ao estabelecioento de calcados ra Mr-
quez de Olinda n. 49, que gyrava sob a razao
social de Maia, Rodrigues A C- ricando o socio
Joaquim Rodrigues da Cuuha Paz, que se retira
pago e satisteito de seo capital e lucros, exone-
rado de toda e qualquer responsabiiidade que se
eossa prender a dita Arma, e o activo e passivo
do mesmo estabelecimeoto, que continuara agy-
rar spb a mesma firma, a cargo do socio Joa-
quim Oveira Maia. Recife. 2" de Marco de
889
Joaquim Oliveira Maia.
Joaquim Rodrigues da Cunba Paz.
Ama
Precisa-se de uma ama para lavar, e engom-
mar na ra Formosa n, 373
Ama
Precisa-se de uma ama que cosinlie bem e,
faca mus gerrico de uma casa de p<;quea fa-
S< breiudos impermeaveis de borracha de
700 e 800, por 300 e 400.
Capas o pellerinas de cachemiras ottoma-
na ricamente enfeitadas de vidnlhos a
250 e 300. .
dem idem do renda, seda, damasco e
gurgurao. tanto para phantasia como
para commodidade a 380 e 400.
Velludos de seda e algodao de muitas co-
res.
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda., algo-
dao e linho, com um metro de largura.
Setins Maco de todas as cores a 750 e
800 rs.
E muitos outros artigos de confecoes
como sejam mantilletes de blonds, sabidas
de ba.es, leques transparentes e de phan-
tasia, e outros muitos mais, que se ven-
dem com o mesmo abatimento de 50 b.
Para noateas
Casimiras inglczas com duas larguras, de
30500 por 10200. i
Ditas cf>r de caf e azul, de 20500 por
80U rs.
Cortes de seda paracollete, de 120OCO por
3000(1 .- 3->500.
Ditos de velludo e fustao a 10 e 10200.
Meias inglezas com fio de seda, de 120
por 60000 a duzia.
l'aletots, de 70 por 40OO.
Camisas com um pequeo toque de mofo
a 10600 uma.
tvollaiinhos, modelo moderno,. a 0OOO a
duzia.
Camisas inglezas com collarinhos e pu-
nhos. sem collarinhos e sem punhos a
360000 a duzia.
Brins pardos de linho a 240, 280, 320,
360 e 400 rs.
Dito branco de linho n. 6 a 10200 a vara.
Lindos cortes de casimira inglesa, de 60
80, 100 e 120 a 40, 60, 80 e 100000.
Sobretudos impermeaveis de borracha, para
hnmens, de 700 % 800 por 300 e 400.
Ceru:.:..- franeexas, de 380 por 240000
' a duz;;<.
Paletots j[ed seda^ completos de feitosd
casemira, malas para, viagem, ebo^as e
.tapete e um completo e vanadissimo sor-
timento de cheviots, casimiras francezas
inglezas, pretas e de cores de padrees in-
teiramente novos e que se vendem com o
mesmo abatimento de 50 [0 de seu valor.
Refalaos
Aproveitem a grande quantidade e
pelos precos, em sedas pretas e de cores,
gorgores/ setins,- las, merins> zepb.yros,
linhos, chitas, raadapoloes e algodaosi-
nbos.
E muitas outras pechinchas que s se
encoqtram na
REDUCCO DE
21-KlAIinCR
OLiYERA CAMPOS & 0. tendo de receber bre-
veniente um sortimento de artig-osnovos benita novidade, resolveram
fazer uma grande reducc,o nos presos dos artigeos abaixo menciona-
dos, para os quaes chamam a attenco das suas Exmas. freguezas.
Linhos para vestido padrSes modernos a 160 rs. o covado.
Cretones francezes, c6res claras, a 260 rs. o dito.
Merinos de c6res, duas larguras, a 500 rs. o dito.
Ditos de cores, lavrados, de 20000 a 10000 o dito.
Las de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 rs. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito.
Fustao branco de 400 e 500 rs. o dito.
Mursolina branca para casacosa 500 rs. o dit>
Zephir de cor, listas e cjoadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gestos, a 600 rs. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito..
tamines arrendados, de c6res, de 800 a 500 re. o dito.
Flor de Italia em quadrinhos, a 500 rs. 6 de 900 rs.
Mursolinas de cor, do listas, a 400 rs. o dito.
Cortas de cambraja bordados transparente c tapado, de 150000
e 200000 por 90000 e 120000 ad urn.
L.nao, padroes em quadros,-a 440 rst o covado.
Nanzukes padroes mimosos, de 280^1*. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 800 rs. o dito.
Merino preto fino, de 20000 al0OOO 6 covado>'i
Sctim Maco de todas corea, a 900 rs. o dito.
Brim fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 30000 a peca.
Mantas hespanholas, de seda preta 30000 uma.
Espartilhos, o que ha de melhor, de- 40000, 5000, 60009
70000 um.
Fiohs de cor arrendados, de 10000 um.
Capinhas hespanholas de cor a 20000 uma.
Fichs de seda, muito lindos, a 30000 um.
Sargelim diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.'
Casacos de cambraia branca bordados, 30000 e 4000 um.
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 20000 a 30000 o par.
Lences de linho do Porto, a 40000 um.
Ditos grandes para cama francoza. a 60000 um.
Colchas de cor. de 20000 a50600 uma.
Fichs, sortimento completo, de 20000 a 60000 um.
Lencos de linho com barrinha a 20000 uma duzia.
Camisas francezas, de 240000 e 366000 a duzia.
Meias cras para homen, de 46000, 55000 e 60000-a duzia.
Ditas brancas cras e de cores paira senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para enancas.
Cliambres de cretone, de 50000 e 60000 um.
Cortes de casemira de cor, de 60000 a 80000 um.
Cortes de fustao para coilete, de ItfOOO, 1^500 e 20000 um.
Camisas inglesas de franella, 13 pura, a 50000 uma.
Alm de outros artigos que deisamos de mencionar.
21"Ra {lo Crespo -21
ALUNFAT&RSON&C.
MJli BMftO TIULIPHO-44 .
Machinas a vapor
Moeidas.
Rodas dagua.
Taixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sera cravacao
Arados.
^fc
ENOENHBBtO E -CONSTRUCTOR
DE
ROBERTO WEISS
FRANCFORT S/MENO iahmhon e ferr
Eslabelecimptito especial por.forneciffleuto de carainhos de
a?o iransportaveis, e fixos montados coraplelos para posicao
asism como
CADEIRINHA COM RODAS, VAGONETES, DE
TAIPAES LOCOMOTRrAS, GRAS, ETC.
manpijo f, rado
i uso: agrigola, plantagoes, armazens, minas.
+w.luslras, selvas e campos militares, etc.
t:\poiii !
f
liix-i. Stwri dow Naiiioa
Zuc.iii,- Fr;ificisco dos Santos e seos lllo>
sao iiiuiiu i:r..to' Aquellas pessoas que acompa-
ubaram ao cemiterio poblico os restos moran
de.su;.' i'iditosa uprczadU&ima consorte euiiti,
Icik'7. UarSat iiu ianlo, -e aproveit.iin c
euseio para convidar a todos os ?eus amigos
se dignarem issisiir as missas do swimo da
que. | uso eterno da raesma Ruada -
ro rek'iin.o..- as 7 ooras'do da ftO-Cq
na igieju HeS Pwro dos Clrigos e com u que
rauito penl).ir;;du carao para com iquelles qu-
concorrerem a 3seacte0ectu)itia f
la
D. Hila d' C-..u
tajiii-ins
Joao Hermenep Cindeias ag'idece a
todas as pessoas que lizeram o piedoso ub*equio
de acompaihar o enterro de sua idolatrada fi-
Iba, D. Rita de Cassia Mamede das Candeias, e
convida as mesmas e a todas as pessoas de sua
amizade para- para assistirem a? missas que por
alma da mencionada sua filha, manda celebrar
na matriz de anto Antonio desta cidade. no dia
5 de Abril corrento, s 8 horas^do dia.
PASTttHASftPALlNGI
Coa Ciltnto d Potista Alcttro
J^iailii|iuJarttraihi||tiMpnMiM joBridi
Batas Pcisthas substituem com
vantagemosgargarejos e seemprot-am
' om xito contra as affecedes da
garganta, inlammagao dasamyg-
dalas, Bleerr.cao das genrvivrs,
aphtas. rouquido e extincca-i dia
voz. Tomadas no comeco de mu de-
flexo, de urna Nonchite, quimil .-i
molestia se tem dcclar5fdi/,fm"iliUi!ii a
ex. 'ctorcicTco e susiaui a otreira da
ufl.uiHiini.-o. Sao indispensavei- ans.
fumantes pela pre<"ii.'* xto alcution.
qic purifica o lialitji e cmbale os
efleitos d fumo, e sao muito a; i"- ;
ciada- pelos caniorea, prefeasorer-,
advogados e i.:- .-!.!.n-ef.. -. ir:: ':-.. i-
tarem u secrc- S
varemabocca bwiiida e fr.-r.i. fe-
paz*ano:m. co a
Deposite -i PAHIS. 3, j;-.!.. Vliraui
t
ltenla o
Loja das Estrellas
16, Pfl-j'r-
Bteiro andar.
15b', 58Ra do Duque de Caxiaa56, 58
Anua Marta do Livramento
Mara do Carmo, Harina da Rosa, Hermelia-
da JFraneisca da Rosa, Adelaide Macrina da
Rosa e Galdino Lopes da Rosa, filos e netos de
Anna Mara do LiTrmenlo convidara aos.Beus
parentes e amigos para assistirem a missa que
mandam celebrar no convento de S. Francisco-,
de seu t anniversaro s 8 fcoras daaaanhS de
6 do corrate.
t
No armazem da ra do Amorim n. 60, vande-
se ,-uperior vinho de mesa pelo mdico prego de
7 o sarrafac de 3 caadas (volteado o casco).
A elle antes que se acabe.
Bilhar
Vende-se um novo e em perteito estado, com
todos os pertences, do systema moderno, e do
fabricante Tujaque : a tratar no armazem n. 3*
da ra do Apolle.
Companhia Ferro Carril de
Perna albuco
Paga os juros das obrigacoes garantidas, cou-
pons n. 15. Ra Baro do Triumpho.
Cosinheira
Precisa-se de uma boa cosinheira e que tam-
bem faca o serrico de compras, para casa de pe-
?llena familia, paga-se bem ; a-tratar na ra do
jSug4.!6, loja.
Casas
ariauaa ele Parla Botoiao
Celebrara--e missas s 7 horas de dia 5 do
AJuga-sa a-cusa terrea n. 64- ra di Hospicio
cisco, 1 auniversario do falleciraento de Ma- com bons coaaodes, >utra ra de Joio Fer-
rianna de FariaRotelfao. ^ nandes Vidira n. 60 ; a tratar na roa Barao daJ
aaaaaaaaaaaWaaaaaaaaaVaaaaav
A FLORIDA
Esta bem conhecida casa, previne aos
seus numerosos freguezes e freguezas que
contina a servil-os, como dantes, em to-
das as suas mais extraordinarias exigen-
cias, para o que substitiuo a sua antiga
ar.nago por outra que mais expansiva, of-
ferece muito maior accommoda^oes as in-
nmeras fazendas de que se acha boje
provida, aonde s Exmas senheras encon-
trarao tudo quanto o rigor da moda exigir
para um toilette completo, desde o maior
chiquisme at as mais Simples.
Venham verificar por si mesrao par*
i creditarem.
Para a quaresma
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e *de ^algodao com e sea
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestid.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para Fiomern a 30000 e 40(\0
a duzia.
Lencos de linho em caixinhas a 30Q0- a
dita.
Meias para hornera, duzia a 4^*KX).
dem para senhora, duzia a 4 Lindos leques transparentes de gaze a
3i5000 um.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
2.-55O0 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
12000, 17000 e 19*000 o par,algims
de cores.
Ditos para janelks a 7*000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
1*000.
Ditos para sof a 2*000.
Plastons e regatae de gosto.
Espelhos com tres palmos de coim>riinento
a 4*000.
Capellas com veo para noiva a 6*000 e
8*000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de efires a 2*000 a peca.
Ditos de seda brancos e do cores.
Lindos enxovaes baptisados a 8* 10* e
12*000.
Toucas de setim para baptisado a 3*. 4* e
55000.
Eximctos e leos de d:ver.i>> fabr'caute?.
Lin!..-: de machina, ca.pie. n 40 rs. o ca'
-rittfj.
Lindos ramos de tCres a 4*000 un.
Collarinhos e punhos eelluloide.
Cranth' -ortimento de titas moden -.
Bal>:.:s a 2 Pastas i 1*000 e 2*000.
Porta-letti-as e porta-sedulas a ~2MA>V.
"Arquetes para chapeos e ohapelinas v
l*(t).
LiadKS fitas ii. \-J para chapir.s. .
lavas de soda, cano comprido a S*00 n
par.
Ditas de seda para crcanca a 1*000.
Dita para moca ''- i >''>' o par.
Grande snrtintento de jarros para toilette.
sanct'iark) e consoleos.
Lindos ienges de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabera e segurar
chapeo.
Esparrlho8'pra creanca a 4* e 4*500.
Ditos para senhora a 4*, 4*500, 5*000 e
6*000.
Grande ortimento de eabonetes de 200 a'
1*500 um.
Estojo com faca, garfo e colher, proprio
para creanca.
Bengallas eom flauta a .1*500
Meiaa de 15 para homens e senhoras.
Linhat, douradas para fazer crochet.
Lindas fitas para facha a 2*, 3* e 4*(
o metro.
Lindos leques de setim para easamento..
Grande sortimento- de leques de setim
de papel de todas as efires.*
Suspensorios americanos a 2*0*
Lindos desenhos para talagan^.
Finas1 carteiras para aJgibt <
3 e 3*600 urna
#

{

k



nu
uo
rernamb
lia IW
de 1889
LAIN DE PARS
*** PERFUMARA DE LUXO, Roa de la Paix, 15 ##*
AMIBOS A MODA ESPECIALMENTE SBC0MMENDAD08
_ tOflStUJ
Oran* saponcea [Ambrosial crtme) para a i>arba. Creme de Morangoe e Crooa de Paptao p \m ^,
i cut tboida cristalllsada e fluida para dar lustro aos cabellos e a barba. Agua Athanianao e Agua IMM,
cuidados da caeca. Agua da Chypco e Agua de Cadrato para o toucadot. Aloool doOoohlaaria e de Agtao
a bocea. Perfumee para o lonco : Hellotroplo braneo, Imperial Roaso, Prltt da Heepanna, MOHOii.
botes c -iricho, Balsamo esseacini de Vlolettes, Imperial do Brasil. P de Cypria para
OsJeit iperial RU88A, raa o toilette.
pan lar airara
a Duque d Caxias-

Cortee de cretones em.cartao com figurino e enfeito8r a 8U00.
Idm de cachimiras.' bordadas, a 25Q0P, sao de 400000.
Setim preto, a 15000, 15200 e 15800% covado, verdadeiro Macio.
Grosdenaples pretos, verdadeiro Deon, a 25/200 o dito.
.Merinos pretos, duas larguras, a 500, 800, 15000 e 15500.
Mantilhas pretas, a 15200, 35000 e 55000.
Casacos de cachimira pretos, a 30->000.
Fil bordado, a 800 rs. o covado. pa^a veos e enfeitos.
Velludilhos de to*: >!J rs. o dito.
Zefirbs de cores, a 80, 100 e 160 rs. o dito.
Linon8 de cures, a 200 rs. o dito.
Tecidos diversos em cores, a 240 e 300 rs. o dito.
Fustoes brancos bordados, a 360, 40Q, e 460 rs. o dito.
Lindas setinetas, a 200 rs. o dito, aproveitem.
Cretones niagoiticos, tmi metro de largura, a 280 rs. o dita.
Chitas, bom sortiroento em cores firmes, a 200 rs. o ditc.
Rendas austracas para vestidos a 500 rs o dito.
Cambraias bordadas, a 4fr~)('-0, cora 10 jardas,
dem Victoria, a 25500 e 35000, com 10 ditas.
Madapolao superior, a 65000, com 24 ditas
Algodtes nacionaes, a 35000 e 35500 com 20 ditas.
Rieas guarnieres de crochet, a 75000 e 85000.
Toalhas de labyrintho para baptisados a 255000 e 305000.
dem grandes para rosto a 45000 a duzia.
Cernidas de bramante, a 120000 dita.
Meias inglezas superiores a 35000 e 55000.
Camisas inglezas e francezas a 305000 e 365000.
. Cortinados bordados a 65000 e 85000 o par.
Lences de bramante a 158Q0.
Cobertas de ganga, dous pannos a 25800.
Redes superiores, a 105000, sao de 155000.
Pannos para mesa a 15100 e 1-5400 o covado.
Atoalhados bordados, a 15200 o metro.
Bramantes de algodao, a 700, 900 e 15000 o -dito,
dem de puro linho, a 15600 o dito.
Casimiras em cortea, a 2500G, 35000 e 55000.
Sargelins diagonal, a 200 e 220 rs. o covado..
As vendas em ^rosso tem o descont de 14
PEREHt & &MMMES
MARCA de FABRICA
Peptonas Pepsicas
de CHAPOTEAT
Pharmaceutico do 1* Clasae
Approvadau pe Junta de Eygiene do Rio d* Janeiro.
Emprtgadas nos Hospitaes de Paiis e nos de Murinha.
A Peptona o producto da digestao da carne de vacca pela pepsina de
Ghapoteat extrahida do estomago do carneiro e transformada em um ali-
mento soluvel, immediatamente assimavel, que vae ter a todos os pontos do
organismo por meio da circulaoo renosa, e alimenta os doentes sem fatigar-
lhe? o estomago.
0 Vinho de Peptona da Chapoteaut por isso indicado as molestias que
tem por causa as ms digestOes, as afeccoes do ligado, dos intestinos, as
gastrites, na anemia, na chlorose; as molestias do peito, na dysenteria
dos paizes quemes, as dijestoea difficeis e laboriosas. Este Vinho alimenta as
creatinas, que nao supportao a comida, augmenta a secrecac de leite das pessoas
que criao e torna-o mals neo; IDrtinca os reAoi c taranta prnu>otamente as fr.rcas
doa convalescenles.
A Conserva de Peptona de Chapoteaut, qt pode sef empreada interna-
mente e em"lysteres, tem o poder de alimentar djrante mezes os doentes mais
graves, come os tsicos, que nao possao tolerar alimento alguna, os cancerosos, ot
que soffrem da be^ga, dos rins e da medulla espinhal.
Em razio de sua pureza, esta Peptona
do Sr. PASTEUR.
Deposito era Paris, 8, ra Vivienne
a uniea empregada no laboratorio
e as principaes Pharmacias
? ???>
'???<
>?????????????
MORRHUOL de CHAPOTEAUT
V
O Morrrrool contm iodos os principios que en trio na composiefio do oleo de
flgado de bacalho, excepto a materia gordurosa. 0 oleo, como sabem todos,
desagradavel pelo seu ebeiro e seu sabor, muitas vezes rejeitado pelo estomago e
provoca a diarrha. O Morrhuol pelo contrario bem acceito pelos doentes, e
actualmente, nos hospitaes e em todos os estabelecimentos de caridade, e na clnica
civil, os mdicos felicitao-se por ter encontrado no Morrhuol um medicamento,
que desperta o appetite, acaba com a tosse e os suores nocturnos, restitue
aos tsicos as cores perdidas, augmenta-Ibes as torcas, melhorando considera-
velmente o seu estado. 0 Morrhuol, que as creancas tomao sem a menor difflcul-
dade, modifica promptamente a sua constituicao, quando ellas sao debela e
lymphaticas e sujeitas a resfriamentos.
O Morrhuol, que um producto em tudo difirante dos chamados extractos
de figa lo de bacalho, encontra-se encerrado em capsulas redondas, oada urna
das quaes representa 25 vezea seu peso de oleo escuro, que os mdicos
reconbecem ser o mais rico de principios activos.
PARS, 8, Ru Vivienne, e em vias as Pharmacia*.
r
k SEMANA SANTA
ACABA DE RECEBER
LOJA DAS ESTRELLAS
S< e d8~Ba Duque de Caxias~56 e 38
Riqusimas capas a peerinas a 105000 e 155000.
Snrak de seda preta a 15200 o corado-
Gorgorao de seda, superior qualidade, a 25000 o covado.
f'bamalte preto, ultima novidade, a 25500 o covado.
Etamines pretas, lindissimos desenbos, a 400 e OO rs. o fcovado,
Cachemiras pretas lisas e lavradas a 600, 800 e 15200 o covado.
Rendas pretas bespanholas a 35000 e 45000.
Mantilbas hespanholasnovidade.
E outros muitos artigos proprios para a quaresma.
Recommenda-se a leitura do nosso annnncioLIQUIDACAQ.
. TELEPHONE 210
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor Clin
Latinado di Ficuldade de V >dicna de Ptris. Premio Uont/on
As Capsulas do Doutor CLIw ao Bromureto de Gamphora empregao-se
as Molestias, as de Cerebro e contra a affeccOes seguintes:
Aothma, Isomnia, Palpitagoes do C-.acao, Epilepsia, Ealluci.-go,
Tonteiras, Hemicrania, Afeccoes das via*; urinarias et para calmar toda
especie de excitacao.
HB urna explicacio deulhada aoomptnhk cada Fruto.
Exigir a Verdadeiras Capsulas ao Bromureto de Camphora te CLlf & C'S
de PAPJS, que se encontrlo em easa dot Droguista et Pham.icettlicoe.
A litigo estabelecimento de ferragens
DE
EEKKERA GMBAES & C.
Kd-Riia Duque de Ca\ias86
ratte soxtimmto btfmn%en$, cutelarias,
t muitos ortivos artigas a saber :
Cobre em folha.
Ferro sortido.
. Cimento Portlant
e outros-marcas.
Bombas de ferro e bronze
Canos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta presso
Machinas e vapores
para algodao.
Candieiros elctricos.
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
longa existencia1 a garanta |mais sefiur para os que pro-
curarem honral-o com a suaconganca.
PRESOS SEM COMPETENCIA
Descontos d costume
(Qescoberta gnteressantissima
' ( PSIVTLEQIAD A '
ORIZA
rearares
/.PRESENTADOS DEBAIX0 DA FORMA DE LAP1S (12 IltlSS KiriB)
Basta csjrcgar levemente os para perfuma! os'
(a Cutis, Roupa, Papel para Cartas, etc.)
. L. LEQ-EASTD, mecedor da Ccrto d: Cuasia
J/er.de-se em
I
207, RA SAINT-HONO^E. PARS
locifs as prii.paes fitMluatariat, Phsrmaeiu s Drogaras do mundo.
MANDARE l>r. PaMS O CATAXOUO .T.CfllTIlADO FAV- Di: POI
AO N. 20.
(JUNTO
Gazes de cores a 500 rs."o covado.
Fustao braneo a 360 e rs. o covado.
Brins de c6res a 280 rs. o covado.
Baleias pretas a 260 a rs. a dnzia.
Colchas de cores a 2ft e 3(JOO0 urna.
Cumbraias bordadas a 4fJ000 a peca.
Luyas de seda a 2J e 2500 o par.
Leos brancos a 1(5200 c 1^800 a duzia.
Oretoneade Alsace & 360 rs. o covado.
Atoalhado bordado a 1(5200 o metro.
Brim pardo a 280 rs. o covado.
Linhos de quadros a 280 rs. o covado.
Bramante tranjado a 800 rs. o metro.
Espartilhoscouraca a 5(5000 um.
Chales adam aseados a 25500 um.
Cortinados bordados a 6(5000 o par.
Merino do cores, a 500 rs. o covado.
Ceroulas de bramante a 14(5 a dnzia.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Chachemiras lisas e listra de combinacoes
a 1(5200 o covado.
Cambraia Victoria a 25900 a peca.
Bramante de linho a l|570O o metro.
i Toalhas para banho a 1|$500 urna.
Tapetes grandes a 13JO00 um.
Ceroulas de linho a 34#000 a duzia.
Cretones francezes a 400 rs. e covado.
Leques transparentes a 2(5500 um.
Alpacas de quadro a 600 rs. o covado.
Camisas brancas para meninos.
Sabidas de baile a 1|5000 urna.
Cretones de cSres a 240 rs. o covado. ,
Percales fi as a 200 rs. o covado
Nansok cores xas a 240 o dito.
Las escossezas a 260 ru. o dito.
Alpacas indianas a 320 rs. e covado.
AO LOVRE)
Popelina branca 00 e 10000 o covado
Bicos matisados a 2(5500 e 30000 a peca.
Panno da costa adamascado.
Regatas de cores a 10000 urna.
Sargelim de cores a 200 n. o covado.
Crenolina, preta e branca, a 400 rs.
Chambres, de crep a 50000, e 60000 um.
Cachemiras de quadros a 260 rs. e covado.
Guaraico de crochet coia matizes.
Grinaldas para noivas.
Setim de cores a 800 rs. o covado.
Cachemiras de duas larguras a 800 rs.
Cortes de linn em cartao a 100 e 120000.
Camisas allemSes a 360000 a duzia.
Cachemira de. duas larguras a 800 rs. o
covado.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Linhos de quadros a 80 rs. o dito
Bramante trancados a 10000 o metro.
Meias para horneas a 30600 a duzia.
GuaraicSo de-- ereobe*, brancas.
Extracto Port-Veine a 10400
Alpacas mescladas a 600 rs. o covado.
Entretella para camisas a 800 rs.
PARA A CUARESMA
Merino preto de 800 at 10800 o covado.
Setins pretos de 10000 at 10400 o dito.
Crep inglez (de seda) a 20000 o dito.
Fichs pretos a 20500 e 30000 um.
Luvas pretas a 20500 e 30000- o par.
Cheviots pretos a 30000 o covado.
Casimira preta a 20000 o dito.
Renda hespanhola a 30000.
Bicos pretos, todos os precos.
Regatas pretas a 10500 urna.
Na ra Primeiro de Marco o. 20
CASA DE C'OXPI %M *
AMARAL Se C.
Pl LULAS
OuENpAS
-DO- .
ESTOMAGO'
-E DO-
HGDO.
DtMfllLl
'l
Ptra o tratamnto e prompta cura da
Molestias do estomago e doi
intestinos, molestias do ligado,
dispepsia, indigestSes, clicas,
nauseas, diarrha, prlso do
ventre, falta de appetite, incom-
modoK depois da comida, enxa-
quecas e dores de cabeca chroni-
cas, rheumatismo e uevralgias,
molestias da pelle, molestias pe-
ridicas das senhoras, e, alera
destas, muitos outras enfermidades que se
elassifleo debaixo de urna inflnidade de
noraes, todas porm, oriundas da mesms
causa, a saber;
Desarranjos dos orgSos de di-
gestSo e assimilacSo,
donde provm a impureza e o enfraqueci-
inento do sangue, com a debilidade e con-
gesto de todos os orgaos ritaes do sys-
tema.
Procurem-8e
AS PILLAS CATHARTICAS DE AYER,
PREPARADAS PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Est.-1 nidos.
Dspomto ttwyyfc
PURAMENTE. YEGETAES
melhor Purgante e o Remedie
-i? eHcaz contra os ditoft males.
Rogalarizain a DigesUo
PURIF.ICAM A BILIS
j e curam radicalmente
\ DISPEPSIA.
Telegramma
Vejam e admirem!
S o 55 ra Duque de Caxias pod
vender pelos precos que
Alu2ra-se
o 2- andar da casa ra da Aurora n. 81, junto
a estacao da estrada de ferro de Olnda, com
grandes commodos pura familia, gaz e agua en-
canados ; a tratar no escriptorin de Sebastiao
de Barros I arreto, & ra do Bom Jess n. 16,
primeiro andar.
o 2
Olinda : a tratar
Rosario n. 22.
Aluga-se
andar do predio n. 30, ra Mrquez de
no i andar da ra larga do
Alusa-se
a casa do berco da rVmoba n. 3 (Rccife) cora i
quartos e quintal, es. catada e pintada; a tra-
tar na ra Direita u. 43, sobrado.
Aluffie- barato
Baixa Verde ns. l-C e 3.
Ra Viscondc de Itannrican. 43.
Ra Visconde de Pelotas n. 5.
Largo do Corpo Sanio n. l:. 2o andar.
Ra do Boin-Jesus n. 37, 3- andar.
Ra do alabouco n. 4 loja.
Ra do Coronel Suussuna (quarlo) n.
Ra de S. Jos n. 74.
A tratar ra do ComnHercio n. 3, 1
esenptorio de Silva Goimaraes 4 C.
I'recisa-se de urna ama perita engommadeira :
a liatar na travessa de Joo de Barros n. 43.
Ama
PrecLa-se de urna ama
Je enancas, e que durma
ta rua Ama
Precisa-se para o serrico de casa de urna s
Eessoa, de urna ama ; na roa Direita n. 45. so-
rado..
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar para
casa de familia, preferc-se idpsa c que durma
em casa de seus patrOes : a tratar na ra do
Livramento n. 1.
Boa engommadeira
Na ra do Sebo n.'22, precisase de urna boa
engommadeira.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 a 12 annos
a tratar na ra da Florentina n. 34.
abaixo raencio- *
namos.
Amor da China, novidade em padroes, a
200 rs. o covado.
Fustoes brancos a 360 e 500 rs. o ce-
vado.
Velbutinas de todas as cores a.800 rs. o
covado. E' barato!
Casados e capas para senhoras, o que
ha de mais novo e barato.
Cortes, de seda, padr3e& lindos e precos
razoaveis.
Madapolao com 1 metro* de largura a
6<5 a peca.
Zefiros a 80, 170, 200, 240 e 400. r*.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado
Tecidos arrendados a 400 e 500 rs. o
covado.
Brins de cores a'320 rs. o covado.
Cortinados de crochet, cousa chic e
preco' barato.
Cambraia Victoria a 20800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o
co-vado.
Guardanapos bons a 15800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 2)5 o metro.
Luvas de seda a 2)5 e 3)5 o par. >
Espartilhos couraga a 4<5, 5J5 e 6)5 um.
Merinos pretos e de cores, urna varie-
dade immensa em pregos e qualidades.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toalhas felpudas, grande reduocao .em
precos em vista da grande quantidade.
*Enxovaes parabaptisados o que i ha de
mais moderno e por pouco preeo, ,0)5000.
Col has de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho. >
_ Atoalhado para mesa a 1)5 e 1)5800*
muito fino.
Collarinhos e punhos de linho e algodao
e por preco barato,
que ejigomme e trate' Babados e entremeios, grande sorti-
em cas3 dos patrOes : | ment.
Madapolao pelle de oy por 6)5 a peca.
Esgui2o pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna grando varedade em lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que haude mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 56 urna.
Leques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
t
arrmizem.
B.
andar.

::
Cosinheiro
na ra do Pay-
Precisa-se de um cosinheiro
sand n. 19.
*dMfe****A-JMM^***ftftftft3
Tratamento Reconstituate

ELIXIR DOHAMP
COM EXTRACTO
de Figado de liuealhtn
Quina e C'acu

Cada frasco d'este,
ELIXIR contam (
principios depurativos
tnicosdum litro da oleo i
de figado de bacalhu e i
um litro da vinho de Quina, i
Tem Gobre o oleo da
figado de bacalhu 3 van-
tagem da accelerar as
funecoes do estomago
em lugar de as perturbar,
e de despertar o appetite. A
Este Medicamento, de sabor e gsto
Tmuito agradaveis, obteve o melhor suc-
^cesso- em Franca para combater :
ANEMIA, CHLOROSE,
AFFECCES dos BRONCHIS
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
320 rs. o covado.
' Cretones trancados, finos, a 320 rs. 4
covado, para acabar.
Cascmiras de cores e pretas um grande
sortimento em qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de may bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por preoos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 1j5600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e .r>00 rt o
covado.
Cortes de vestido de cachemira eom vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordado.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha da
mais gosto e por preco razoavel a ^OOO
pe 5a.
Dita com salpicos a 4 e 5)5000 a peca.
Colchas argentinas a 6)5)500 urna.
Ditas de 2,5, 3)5, 4(5 e 5fJ000.
Bramantes de algodao e linho
de todos
de coro
Cpzioheira
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem, para
casa de pequea familia, que durma em casa
dos patres; na ra Conde da Boa-Vista n. 24-F,
portao de ferro
Boba perdida
Pede-se encarecidamente pessoa que aehflr
urna bolsa de couro nreto. rontend grande por-
cao de contas e billiei -a ama
do Imperador n. 2, que ser gratificada com ge-
ade.
>---->
Camellas 4o Monte de joceorro
*e cartellas do Mente de
nr joia, brilhantes e relo;
Praca da I
Depsito geral em PARS :
DTJOHAMP, 15, ra 48 Poitou
Em Pemamtmco .
1"^. rln SILVA n Q*^
e-r-> r..co

engenho Penanduba, em Jaboatao. EstSo ex-
cellfntes papa o agouue, e pn-tere-se a quem
os comprar todos.
, Serrara a vapor
Caes do Gapibaribe
Tem para vender di meas sendo um,:
propria para engenhos ccniracs ou estrada
torca do peo. Tea
ubas gra
Tudo se vende por precos commodos.
-
Cosinbeifa
Precisa-se c iqne
sinLe
Ao commercio
0 abaixo assigoado retirndose para a Eu-
ropa alim de tratar de suh saude, deixa en.car-c
recado de lodos os seus negocios os Sr.'. loa- f
quim da Costa Main c Silva.'AdolpHollenriquei
Griado
' r^cisa-se de um criado ; na ra do Paysand
numero 19.
Aviso aos Srs. marchantes
No engeobo Sete Ranchos, freguezia da Esca-
da. existem 40 bois gordos para jereje ven-
daos, qpem os quiaer comprar poder ir velos Dray e Jos Costa da Silva Maj e na adminis- f
irao do Limoeiro, no seu trasJao de sua COclieira o SrJtVceliiK
Vieira, com quem os Bwa se podero entender, coijttfiuando a
a mesma conlia;
1 de Abril de 889.
Jos da SUi:' Maraes.
os precos.
Grande sortimento em fichs
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna quantidade de artigos que so
vendo-se, se acredita, pelo que pedem que
comparecam.
Do-se amostras sem penhor.
Setinetas Usas de todas as coros a 10P
rs. o covado. Silo muito largas.
Roupa feita e por medida.
55 RA DUQUE DE CAXIAS
FER1WESDEAZEVED04C
1
k :^
!
CIGAPOS INDIANOS
preparados com S CANNABIS INDICA
F GRJMAULT e C", MT de Paris
t JuU da Hjgiat tt lis-si-JiMin.
Gons^ituem a preparacSo a mais
efficaz <^ue se connece para combater
a asthhia, a oppressao, as ofo-
cafsJsT a toase nervoa, oa oa-
tarrjb.os e a Btr"1"*-
Oaatate ai PAM1B, a. Rom Vtrtawmtt
^HAISENF^
PE1
Administrando ii
SOtHUl
z (modulo Xe> J3rui
ESALP
..nica.,
(^aiirvlii
v i /3 I
?L


**.

3 ns ai de colas
asdignas de toda f.
tentar os u-
:ados por
Papel de forro
la. gabinete e corredor, esplendido aorti-
livraria Contempornea.
Quadros
coni bellissinias oleo>raphias, obiectos
adorno de sala e para presentes, tudo rncontr .-
se na livraria Contempornea, ra de Marro
numero 2.
Malas de viagem
roupa de seuhora e de hornera, propria de
camarote e caminlio, de fi-m>, bolsas, chap
binculo?, ele. etc. artigos muito K
baratos na livraria Contempornea.
Iostrumentos de msica
i banda e orebestra, realejos, caixinha-
1.2 e 6 pega.-, para enanca ; na livraria I
> ranea. ._________ __________
nia
para
Attendam
l'ma sentara pcrfeiamenle habilitada a lee-
lar portuguez e francez assim como todos os
t.abalhos em bardados e flores de todos os gOB-
tos e especies, offerece-se para ir a casa das
familias que nao quizereni mandar suas filhas
pora as aulas : assim como tambera ir rendir
an de alguina familia abastada que qut..
a mais comraodidadc de suas fllhas. Aman. -
i ^a-sc conduca honesta, prudente e moralisada
m precisar pode dirigirse a ruado Barao ( ona loja de fazendas l'ariz na America tm-
mero 16.
Cura-se fcilmente
As infiaininacao do larynge cura-se f-
cilmente cm alguna frascos do Peitoral de
Cambar.
Os agentes,
Francisco M. da Silva & C.
Preeisa-se de
ta cozinheira
casa de pouca familia:
a tractor na ra da So-
ledade n. 82. .
Ao publico
. No dia 3 de Marco pelas 9 horas da analta
pouco tcais ou menbs no lugar denominado' Co-
aueiro da Trindade, o cidado Fabio de Farias.
iru/uido-se a casa do Sr. Francisco Gomes t*ac-
derley, para cobrar-lheaqUHntia de *, da qual
Ine era devedor, este respondeu que oto pagan,
armou-se de urna faca de ponta e arreniessou lbe
d versas facadas. O offendido, pacilico e desar-
mado e que tralava de correr de seu aggressor.
poude-desviar-se do roesmo. Pacto este pn
ciado pelos visinhos e pessoas que se chavam
n occanao.
Engenho Pagao
"ende-se o engenho Pago, d'stnnle tres le-
gos da cidade da Victoria. O engenho pude sa-
rejar at 2.000 pies, as trras estao descaoca-
d tem bastantes vaneas e bom cercado, me
com o rio Pirapama ; a easa de caldeira toda
de tijolo e piedra, a casa de purgar e a de viven
dt sao de taipa que com algum concert podem
dorar ainda por muitos annos. EsteCBgenho
be conhecido pelo assucar que fabrica: quera
pretender cmpralo, pode dirigirse ra do
Imperador n. 81, escriptorio de commisscs
Attenco
Pede se o especial favor aos Srs. Leopoldo
Guedes Alcoforado, cobrador de dividas da casa
do Sr. Dr. Sabino Antonio da Rocha Samico c
O empregados do correio desta cidade Antonio
dos Santos Jdrge, Jos Alfonso dos Santos Lima
. o official do exercito Pedro de Barros Falcao
*! virem ra velha de Santa Rita n. 83 pagar
o que devem, sob pena de serem semprc cnama-
or_este jornal.
cisa-sc de urna ama para cosinhar e mais
kum servico, em casa de pequea familia ; na
Inda Aurora n. 81, i- andar.
Costu reir
..
Aluga-se
asa da ra das Barrenas o. 10
aaWDuque de Caxias n 46.
a tratar na

FOLPSTII
SEM MI
POR
Ch,

P
m
pre-
Attene.fo
O abuixo assignado. i seu nome na
lista dos devedores da massa fallida de Jos Ja
cintho de Medeiros, e nada devendo, coma prova
com o seu recibo cree se icba em seu poder. ,
Recife. i de Abril de 1889.
Eduardo Marques Moi-t.
Acqoes entre amibos
As aeces do cavallo RekmpagJ e um relogio
de nickel que de,viam correr amanha.ticam trans
feridas para a ultima deste mez, Reci/e. 2 de
Abril delf!
As maes de familias
QUERIS VOSSOS FII.HOfc SEMPRE SADIOS ?
Administrat-lhes o xarope ou a .
Pilulas Yermipurgalivas
DO DR. CALASAIWS
' ptimas preparacoes de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsro completa, sem
dores nem ineommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(das cbeakcas e dos adultos)
SEIS ANNOS DE SUCCESS!!
Estas excellentes preparac3es nao ne-
ce&sitam de purgativos como auxiliares,
visto serem purgativas por si mesmas.
As pessoas que tn vermes sentem c-
licas, tem constantemente carrhas, indis-
posicSo, sensacao de corpes que se movein
nos intestinos, endurecimecto do ventre, e
s veaes, vmitos. RangVn. -s dente, qnan-
do dormeni, algumas c pessoas expeliera
vermes com as fezes ou com as materias
dos vmitos. As criancas apresentam as
pupillas dilatadas e inapete;
As pilulas levam impresso o nome do
DR. CALASANS e silo cor de rosa.
1 caixa de pilulas 10200
1 vidro de varope 1-5200
k- AS PRINCIPAES DROGARAS E
l'HARMACIAS
VENDAS
Vende-se
urna mobilia d Jacaranda, tendo 1 duzia de ca-
deiras de guamicio 2 ditas de bracos, 2 conso-
los, I sof, 1 bid. 1 lavatorio com pedra, 1 com-
moda de Jacaranda. 2 aparade ?s de amarello, 1
mesa elstica de (5 taboas ; que; i pretender qu.il-
3uer destes objectos dirija se ra do Imoera-
or n. 31, S- andar, das 10 as 3 horas da tarde
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
giiezes em geral que reeebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuaclo do cambio favoravel.
Convem que experiraentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
Rojal filend marca VIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalno nos re-: Inores arma-
zens de molhados.
Pede Rojal Blend marca Vlado
cujo nome e emblema sao registrados para
todo BraziL
BROWNS Ci, agentes.
Para oDerbj
Carlos Sinden reeebeu grande aortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por prejos sem competencia.
Reeebeu tambera collarinhos e punhos
de borracha de formatos novos.
48EDA BARAO DAVICJOBIA 48
de^smrcm
Da Quinta do Barral
. Chegou a primeira remessa deste especial vi-
3ho pira o Armazeiu Central de gneros alimen-
ticios a ra Jo Cabuga n. 11, o qual se torna re-
Dommendado pela sua pureza t-boa qualidade:
manda-se em casa dos distinctos fregueaas >re
de frete, para nualquer ponto da cidade
Ra do Cabug n. 11
Telephone n. 447
Joaquim Clirislovao I C. .
Eng$nko
Arrenda-se um engenho de pequeas propor-
coes, d agua, e com safra criada a tratar na ra
do Bom Jess n. 23.
Craveiros brancos
Vende se 60 ps muito bonitos, bem como
urna pequea bomba de repucho, com o respec-
tivo encanarnento : a tratar ua ra da Conceicao
numero 31.
Sempre novidades de Pars
NA
KEVOLCA DE 48
A' ra nfique de Caxias n. 4S
N'este cstabelccimento de fazendas
nao s costumam annunciar a rcalidade,
como tambem vendem por menos 30 %
do que em outra qualquer casa, como j
havemos provado aos nossos freguezes.
Nansuk de todas as cores a 120 tt. o
covado. *
Cretones a prado, fcsend:: epeoal a
240 rs. o dito.
Setineta preta com pequeo defeite a
240 rs. o dito.
Merinos pretos a 800, 1*000, 1*200 e
liJSOO o dito.
Cambraia com salpicos brancos e de cores,
a 4|J000 a peca.
Setins de toda a? cores a 800 rs. o co-
vado.
Cortinados para cama a GdOOO o par.
Capellas com veos para neivas a 8$000
urna.
Espartilhos de couraca a 3-5000, 45000 e
5)5000 um.
Saias bordadas, novidade, a 3*000 urna.
Esguiao com duas larguras a 3*200 a peja.
Fichs de retroz de todas as creos e pre-
tos de 1*000 para cima.
Pannos de crochet para cadeira a 1*000 e
para sof a 2*000 um.
Algodaosinho com 20 jardas a 4*000 e
4*500 a peca.
MadapolSo Ba-Vista. verdadeiro, a 5i*000
a pe^a.
Merinos lios e de quadros a 200 rs. o
covado.
Cortes para vestidos em cartao, novidade,
a 7*000, 9*000, 10*000 e 12*000 um
Mantilhas pi-etas de seda a 5* e 7* urna.
Zefiros encorpados com 70 centmetros de
largura a 240 rs. o covado.
Renda da China a 240 rs. o dito.
Lencos de cores, imitacao de seda,
1-5800 a duzia.
Organdis, fazenda de phantasia muito lar-
ga, a 40i) rs. o covado.
Sarglim de todas as cores a 200 c 240 rs.
o dito.
Enchovaes para baptizados de todos os
preeos.
Brins de linho de cores fixas e garantidas
a 600 o covado. ~
Bramante branco para !en<;os a 800 rs. o
Toalhas' para rosto' a 200, 300, 400 e
500 rs. urna-
Cobertores finos de la, com pequeo sujo,
de 54000 par 2*500 um.
Cortes de fustao para colete, garante-se
as cores, a 1)*000 um.
Cambraia suissa de 14*000 por 7^000 a
peca
S na Revoluta de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
A LOJA MAIS BARATKIRA
PAMZ 'AMERCA
AZEVEDO, IRMaO & V.
16Ra do B. da Victoria16
200 TMqfabnoOO
Tendo recebido directamente da Europa
grande Portimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo e preeos sem com-
petencia, t
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamiues, pretos, de la e 12 seda. ,
Damass de seda pura.
Merinos pretas de^OO, 1*000 e U2QQ.
< 'rinoline preta e branca a 400.
Sarglim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 1*500, com 10
palmos.
Toalbas para banho a lflXX) e 15500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a lfJOOO.
MadapolSo trancado a 9*000 a pe5a.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 7*000.
Dito Ba-Vista, verdardeiro, a 6*000.
Fichs de 13 e seda 1*0^)0.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraca a 4*000 e 5*000.
Colchas de fustao a 2*000 e 3*000.
Capellas para noiva com veo bordado a
6*000.
Tdalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 1*500.
Renda de 12, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 13*000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 1*000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama a
10*000.
Chitas de cures a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 1*000.
Extracto Rita Sangal a 2*000.
Velbutin'a de quadvo a 800 e 10900.
GuarnijUes, pretas, de vidrilhos.
Bieos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola 4/5000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 2*000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
'Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite'
Grande sortment1 de chapos de sol:
Setineta para coberta a 6o0 rs.
Cortes de collecte d seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
3XTAO GDFC
Vende-se
Se andarmos sempre neste galope,
depressa chegaremos casa de Martinha,
observou a Sra. Lur*;au.
rapaz
mora
^
::::: nmm:
80' NO MUNDO
(Continuacao don. 7 5)
CAPITULO I
Buho boa* < raur
L/m poney muito pequeo, de pello
groase e comprido, esperava "a um canto
jngido a urna carreta sem tolda.
Um rapaz de cerca de dezoito annos.
de rosto fino e audaz, vestido do blusa
aeul e tendo cabeca um barrete de se
da preta, achava-se de p a alguna pasaos,
encostado negligentemente cerca que
margeava o caminhs.
Ao aspecto da leitcira, elle approximou-
fle muito vivamente :
A Sra. Lureau, nao verdade ? per-
guntou elle viajante.
Sim, respondeu esta.
O rapaz pegou no pequeo volme que
a excallente mulher carregava n'uma mao
eniquank) com a outra sustentava a crian-
9a-
-r- Martinha Fresnay, nossa visinha
mais prxima, pedio-me para vir bscala,
fiase o mancebo. Suba, um pedacinho
p i casa della.
havia j collocado o pequeo em-
que encerrava. a modesta bagageiq
jante debaizo do 'banco de madeira
e vehculo e ajudou a Sra. Lureau
a pequea.
- esto ao lado da leiteira, e,
lando um ruidoso
Ella mudou-se, disso o
agora mais longe.
Julgava-a nn casa antiga
Ella l estava. Mas a "Martinha, ou-
tr'ora a moca mais linda e mais sacudida
da trra, teve a m lembranja de casar-
se com urna cousa toa, Euzebio Fres-
nay. Ella andou pelas fciraa, jogou e
divertio-se mais doque permittia a sua
bolsa. Deste modo o modeBto peculio de
Martinha, em vez de crescer, fundio-se co-
mo a nev ao sol. E tao bem fundido fi-
cou, que ha cinco annos appareceram os
meirinhos e carregarara com tudo. Euze-
bio Fresnay teve com isso to grande des-
gosto e sentio-se t2o hnmilnado, que jurou
corrigir-se e trabalhar. O Sr. de Romil-
ly, un excellente homem, cuja filha a
Martinha arramentou, deu-lhes entlo urna
pequea herdade, muito boa e fcil de cul-
tivar.
Pobre Martinha! suspirn a Sra.
Lureau, estou vendo que teve os seus
contratempos !... E^a nao me disse nada
disto.
A carreta deixara de sofiVer os solavan-
cos das pedras ponteagudas da aldeia para
correr sobre o macadam mais regular da
estrada.
Bijou desenvolvia aiSo um trote igual,
muito rpido, com o pescoyo um pouco es-
ticado, as orelhas hirias.
O rapaz proseguio ao cabo de alguns se-
gundos de silencio:
Ole se os revezee da Sra. Fresnay
fos8em s cases !...
Ella soffre ento outros ainda ?
Pois n2o! Euzebio nao se corregi
tal, ao contrario. Ao cabo de dois mezes,
desprezou de novo o trabalho para aturar-
se, vida de ocibsidade e sobretudo ca-
^furtiva. N5o se ouvia mais fallar se-
nSoSas boas pecas que lie pregava aos
guardafcd Sr. Romilly. Este, furioso
por ver igos desse modo os beneficios
que tinha feto, expubou Ea-.sbio da sua
herdade, apezak do atarease que lhe :ns-
pirava Martinha.
Coitada o *
filhos?
Teve um rapaz, q^c morrea de febre
typhoide aos doze, anuos. Quando sabio
da herdade, entregou-seN, corajosamente ao
trabalho, azendo o se j" qUI e
amanha acola. Oh!' ni Ita traba-
lho, porque ella tem bo( 5o. Mas
o patife do mando coal| bebia-Ine
tudo proporclo "que ellJ^gbaTa.
Que ^leste de hoiiien I
o estabelecimeuto de molhados sito ra do
Bom Jess n. 29, antiga da Cruz, est bem sor-
tido c afreguezado ; a tratar no mesmo.
Que e possa Tender por este
pr e fos
Zefiros muito largos a 160 rs. o co-
vado.
< hitas batistes a 120 rs. o covado.
Popelines'de cores a 180 rs. o covado.
Setinetas muito largas a 360 rs. o co-
vado.
L3s finas a 200 rs. o covado.
Ditas de quadros a 240 rs. o covado.
Setim muito bom a 1*200 o covado.
Bramante de linho com 4 larguras.
Dito de dito e algod2 a 1*400 a vara.'
(ambraias cora salpicos db cor e bran-
cos a 4i50OO a pe?a.
Toalha6 felpudas a 300 rs.
Cortes de vestido em cartSo com todos
os preparos a 8(5000.
Fichs felpudos, muito granas, a 500.
Madapolao americano a 5*000 a peca.
Meias casemiras de cores proprias para
roupas de menino a 1*000 o covado.
. Cambraia Victoria com 10 jardas a
2^800 a peca.
Merinos pretos a 800 c 1*500 o co-
vado.
Flanel'a branca a 500 rs. o covado.
Camisas francezs a 2**000.
Ditas de cretone a 1*700.
Colchas de'cores a 1)5800.
Cortes de Duraque para colete.
Ditos de fustao para colete.
Ditos de casemira para calca e para
costume, o mais moderno que ha no mer-
cado.
Grande sortimento de chales de casemi-
ra por pre5s baratissimos.
Dito dito de gravatas para homem, pu-
nhos e collarinhos, chapeos, ceroulas, ca-
misas de meia e muitos outros artigos.
Vende-se em grosso com desecnto de
14%.
Yenham ver para crer
A casa tem por signl bandeira encar-
nada com 13 no meio.
Vcnham com f, 2o tenham receio.
RA VISCO.NDE DE IXHAMA
GoiNjahes Santos &C-
Terreno
Bom para coudelaria ra Mrquez do Her-
val 80 e 82 ; para ver. na casa ao pe, e tratar
na ra Mrquez de Olindan. 2. Tem coeneira.
Bom^emprego de capital
Vende-se duas casintas na ra do Mangue ns.
24 e 28 por preoo rommodo : a tratar na mesma
ran. 26, ___
Pao centeio
Mello & Biset, ansam ao respeitavel publico,
que todas as tercas sextas-feiras, tem este sa-
ooroso pao; ra larga do Rosario n. 40.!______
la de seda a
a -pura de 2.
2
Armacao
Vende-se urna armacao de amareljo enverni-
sada e eavidracada, propria para qualquer nego-
cio, ra Viscoude de Inharaa, outr'ora Ran
geln. 19, e garaate-se a chave da dita casa. Na
mesnw adiarlo con quera ti
f A rma^o nova
Vende se a armacao, fazendas c mais utensi-
lios, inclusive um cofre de Milners, do estabele-
cimento sito ra do Rangel n. 13 A, garantin-
do-se as chaves ao comprador. ____
Alambique
Vndese um alambique de tamanho regular e
em perfeito estado, com a competente raspadei-
ra, propria para engenho; a tratar na fabrica de
vinagre ra Baro do Tnumpho n. 75.
-, della? Tem
E' verdade. Felizmente o malvado
est agora sombra.
Como assim 'i
Nao sabe entilo ?
Nao sei de cousa alguma, a nao ser
que Martinha Bissires era urna de mi-
nhas amigas de infancia, que guardava
recordajSes della como excellente e bon-
dosa creatura. Soube do seu casamento,
soube tambem que nao era feliz, e entuo
escrevi-lhe perguntando se quera enearre-
gar-se da criacao de urna orphanzinha.
Ella respondeu-me que nesta occasiao isso
seria at um favor, sem dar-me outros
pormenores sobre a sua situacSo. Vim
entao. Como e porque Euzebio Fresnay
est sombra, como o senhor disse ?
Elle atirou sobre um uos guardas
do bario de Sint-Voast, a quem matou
quasi. Foi seguro e condeinnado a cinco
annos de prisSo, ha cerca de um mez. Isso
urna felicidade para a mulher, que fica
livrerdelle; mas, desgracadamente, elle
volt ara...
A Sra. Lureau suspirou. *
Penswu no bom marido que tinha en-
contrado, to socegado, to econmico/
levantando-se incessantemente antes de
romper o dia para o trabalho ; pensou no
quanto o seu pequeo commercio havia
prosperado, permittindo-lhes livrar-se de
embarazos e manter tartamente a sua pe-
quena familia, e comparando a sua vida
da pobre Martinha, tao victimada pelos
desgostos e entretanto tao corajosa c tao
honesta; a leiteira julgou-se duplamente
feliz.
Myriades de andorinhas voavam no es-
paco, imperceptveis, pois estavam altu-
ra prodigiosa que annuncia o bom tempo ;
a paysagem ere esplendida; o centeio e
o trigo e8taVam ainda de p; alm dos
valados. a multidao de floreszinhas emba-
ladas pelas brizas frescas da manha era-
baLamavara o ambiente ; as perdizes, ao
canto dos pequeos bosques, comec^fam a
chamar-semutuamente, masfugiam ao me-
nor ruido, assustadase esquivas.
Dentro em pouco, depois de urna subi-
da miis ingreme, appareceu urna floresta,
envolta nos tenues veos das brumas matu-
tinas.
Ainda muito longe ? perguntou a
Sra. Lureau.
Mais meia.hora de viagem apenas,
respondeu o rapaz. Vamos atravessarum
pequeo bosque e l chegaremos.
Effectivamente Bijou corria mais veloz
sobre o tapete de hervaa, debaixo da rede
de galhos folhudos, comprehondendo sem
duvida que approximava-se do seu des-
tino.'
Ao cabo de alguns instantes, os carva-
lhos, os olmos e.os castanheiros desappa-
ceram para dar lugar a outros campos de
centeio e aveia, a pastagens cheias de ga-
do, cujas campainhas tilintavam ao menor
movimento ; aos pomares de macieiras,
debaixo das quaes pastavam melanclica-
mente os poldros, acompanhados das res-
pectivas mais : s pequeas aldeias, no
meio das quaes erguiam-se os rsticos
campanarios.
Olhe, disse de repente o rapaz que
a conduzia, aqui est Villers-Feuillu ; l
atrs oca a casa da Martinha Fresnav.
A carreta subi um camiho muito in-
greme, margeado de choupanas construi-
das de tijolos ligados entre si por friso de
cal, como sao quasi todas as construejoes
da trra, e entrn na pequea aldeia, urna
das mais pittorescas da Normandia, com
as suas casas mettidas n'um oasis de ver-
dura, as suas arvores de elevado vulto e
de frondosa iolhagem e os seus prados
cortados de regatos e de lagos, que per-
dem-se de vista.
Ao ruido da carreta, alguns rostos cu-
riosos appareceram s portas c janellas, e
atrs das cercas de espinheiros cercando
pomares cheioa de arvores fructferas,
viam-se raparigas que comprimentavam o
rapaz com sorriso familiar.
. Bom dia, Flix, diziam quasi todas.
A carreta passou em frente igreja,
que apresentava altivamente sobre as fran-
cas frondosas do bosque visinho a sua tor-
re ponteaguda, e cuja flecha ousada era
encimada por um gallo dourado, que gy-
rava merc dos ventos ; depois Flix
abandonou a estrada qne atravessava a
aldeia de um extremo ao outro, para en-
trar n'um estreito caminho de terreno ac-
cidentado, e onde mais fortes do que nun
ca foram os solavaocos da carreta.
Una grande cerca mal conservada,
margeava o atalho ; mal podia se passar
por entre a redo de silvas floridas, trepa-
deiras bravias, framboezeiras de mil ramos
espinhosos.
Depois, pouco a pouco, trnsposto o pe-
queo morro, a paysagem mudou; o ter-
reno tornou-se mais pedregoso, secco, co-
berto de espinhos agrestes, giestaa d flo-
ree amarellas, pequeos tojos roxos, mui-
to rasteiros, magros grupos de pinheiros
rachiticos, agitados pelos ventos do mar,
n5o muito distante, e cujo cheiro acre sen-
tia-se desde pouco.
Finalmente, n'uma nesga de terreno,
urna pobre casinha coberta de palha dese-
nhou o seu bumilde vulto.
Aqui est a casa de Martinha, disse
Flix. Chegmos. M
Mercearia
Vende-se urna mercearia das melhores nos
arrabaldes da Boa-Vista ; paia informacOes. na
na do Socego n. 33. tavema. ~___________
Movis
Vende-se urna cama para-casal, um marquezo
e um berco, tudo em bom estado : a ver e tra-
tar na praca do Conde d'Eu u.7. -
Milho
superior, proprio para sement ; vende-se no
trapiche de Felisberto Fiuza. caes da Compaa
Pernambucana.
os capitalistas
Vende-se os bem conhecidos e .extensos ar-
mazens n. 51. caes do Apollo, incluindo dous
sobrados ns. t6 e 108 ra de Domingos Josfi
Martias.
Estes armazens sSo bera situados era frente da
nova-ponte Buarque de Macedo e tem capacida-
de para,9.000 a 10,000 barricas de farinha do tri-
go ou outra mercadoria em proporcao.
A' tratar com Mathei'? Austin C, n. 18, ra
do Commercia.
Fazendas pre
Cachen! ras arrendadas de
guras tecido novidade, a 2#000
Merinos pretos infeitados de
a 8<)Q, 1^000 o l.-|r
Crep inglezaPra enfeitos de
a lf>200.
Rendas he
Oorgoro
40000.-
Velludos de seda, lisos, com
e ramagens, a 4)5000.
Yelludilho bordado a contas.
desenhos a 1^600.
Filo de seda bordado a 1-5200,
Veos e mantilhas com rendas a 4
e 5^000.
Capas e visitas, de gorgovSo, de renV
das ou cachemira, enfeitadas a rendas com
vidnlho a 250000 e 30,5000.
Bieos de seda com lindos desenhos dV
4^500 a 65000 a peca com 10 metros.
Teeidos de novidade
Cortes de vestido bordados, em cH|
tao, de linda.- corea a 105000.
Vestidos braneds bordados para no*
vas a 185000.
Teeidos arrendados cores creme, Uk,
azul celeste e branco a 400 rs.
L.inhos jAantasiados, tecido com umi-
ta largura a 500 rs., em listras e qua-
dros.
Setins de Maco, todas as cre#"to-
inais salmao, lilas e bronzeado a 800. ,
Cambraias brancas bordadas a 45000
a peca.
G'jzes de seda com tos prateados e
douradoscores: rosa, azul e creme, a
15000.
MadapolSo trancado, peca com
varas a 65000.
FAZENDAS ESPECJAES
Btistes de cores finas a
240 re.
Chitas finas claras miudinhas
240 rs.
Cretones' franceses, verda
320 rs.
vlorlu de listras azis es
12o fino largo com 20 varas a 651
.Madapolao americano muito
sem ,omina a 85000 a peca.
Bramante de 4 larguras a
15000 o metro.
Guardanapos superiores a lfl
duzia,
Cortinados bordados a 55500J
e de crochet a 105000.
Croehet para sof e cadeira*
eos, um completo 05500, para salajp"
Mosqilltelros americanos com ar-
ma?ao a 125000. |
Alcatifas para forro de salas e gabi-
nete a 15200.
TECIOS MAIS BARATOS
Me i'i nos de duas larguras, qualquer
cor a 440 rs. '
Linhos lisos e de quadrinhos a 80 e
100 rs- --ift
Blco braneo e de cores deBde. .600
a peca at 25500.
Colchas de fustao de cores 2^000-
e 35000.
Toalhas acolchoadas a 35000 a duzia.
Luvas de seda, bordadas, qualquer cor
a 25000 e 25500.
Leqnes de penns e transparentes
de 15500 a 65000.
E muitas fazendas que se d por qual-
quer preco. "
D-se descont a quem comprar de
205000 para cima,
Troca-se a fazenda vendida se por qual-.
quer motivo nSo for de muito agrado para
quem for comprada
Lajas das Listras Azues
ErFectivamente, como que de motu-pro-
prio, Bijou parou, e no lindar da pobre
choupana appareceu urna mulher quaren-
tona.
Era ainda forte e vigorosa, com os seus
olhos temos e bons, Iluminando um rosto
muito corado, crestado pelas intemperies
das estacoes e o continuo trabalho do ar
livre.
Researam dous gritos :
Sylvana !
Martinha .
E as duas mulhercs cahiram nos bracos
urna da outra.
Depois, lembrando-sc de repente do
conductor da carreta, a Sra. Lureau vol-
tou-se e deslisou-lhe na mao urna moeda7.
O senhor conduzio-me maravillosa-
mente, disse ella, tome isto como prova
de reconhecimento.
Nao, nao, disse vivamente o rapaz ;
o" que fiz foi em attencao visinha, urna
senhora tao boa !...
E' a mesma cousa, aceite sempre ;
na sua idade urna moedazinha nunca faz
mal.
Evidentemente, comquanto bom rapaz,
a moeda fazia-lhe certo arranjo, e nao foi
preciso insistir muito para que a acei-
tasse.
Tirou o seu barrete de seda.
Para lhe ser agradavel entao, disse
elle.
Sim, sim, beber miaba sade.
E quando virei bscala?
Amanha de manha.
Est entendido e muito obrigado.
E te preveniremos se houver trans-
ferencia, Flix, disse Martinha, visto que
s tao gentil.
Na se ncommode, Sra. Fresnay.
E afastou-se com Bijou, emquanto as
duas amigas franqueavam a, porta da po-
bre choupana.
Ella era bem pobre, na verdade.
E o Sr. de Romilly sc\ a dera a Marti-
nha porque era-lhe impossivel tirar partido
della} situada como se achava naquella
regiao inculta, crestada peda ventos do
ocano e tao distante de todos os meos
de cominunicafo.
Martinha, porm, era corajosa, havia-a
aceitado assim mesmo, reflectindo que
desse modo nSo teria mais que pagar alu-
guel e nao recuando diante do sacrificio
de sahir antes de romper o dia para as
aldeias e os campos em que t rabal ha va.
'Pobre infeliz!... Pow diversa
zcs, gracas ao patife d marido, os mei-
rinhos tinham-lhe feito visitas.
Do seu interior, outr'ora tao
dor, tao asseiado, tao comp
Bj
Ir
restavam senSo urna cama e um miseravel
colchao, urna mesinha de pinho e tres ban-
cos de pao.
Mas o chao estava sempre cuidadosa-
mente varrido, os vidros achavam-se t5o
claros como crystal, c todo o interior,
comquanto indicasse srdida miseria, era
de um asseio raro.
Onde est a pequea que eu tenho
que criar ? perguntou ella Sra. Lu-
reau.
Eil-a, respondeu a leiteira.
E levantou o chale de xadrez cinzento,
preto e branco, que oceultava a pobre or-
Pha- ,
Appareceu entao um rostosinho branco
e rosado, ?Tendo no qucixo, debaixo de
urna bocea tao pequea e tao fresca como
urna cereja, urna covinha que pareca un
pequeo ninho onde dviam aninhar-se os
beijos. '
Recebendo o. ar no rosto, a pequea
abri dous olhos tao azues e tao puros
como os myosotis que riem a beira dos
regatos.
. Em vez^porm, de chorar, ella sorrio
e agitou es bracos com o pequeos pa-
nhos cerrados. '
Como bella exclamou Martinha
Fresnay; parece um anjinho do bom
Deus !... Vem, meu thesouro, ,vem...
NSo sers criada aqu no ouro e as sen-
das, mas ters quem goste de ti!...
E isso o essencial, disse a Sra. ;
Lureau, depondo na mesa a mamadeira, o
bocado de leite que restava n'um
as poucas roupinhas dadas por Ad
encerradas no pequeo embrulho.
Emquanto Martinha cobria de
orphazinhaj a leiteira continuo :
Apora fallemos de negocios,,
apraz.
De corto, replicou a outra
embaracada.
Queres entao encarregar-te da pa-
quena ?
Oh de muito boa vontade. Estoo
livre durante cinco annos pelo menos, sj
at l, a menos que eu morra, ninguip
poder:) impedirme de crial-a.
Quanto quereB tu por esse>
annos?
A alde corou.
Nao sei, respdndeu ella.
Escute ; vou fallar e proce
tigo como meu costume.
na mesa; veremos dep
gar a accord^.
provtf^^^^^^H