Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18719


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIC Lili IDIBBO 29?




FAKl A CAPITAL E LIGARE* O.^DE S.IO SE PAGA PORTE
,1
j
Por tres mezes adiantados
Por seia ditos dem......
Por un anuo dem......
3ada camero avulso, do mesmo da.
60000
120000
24,5000
(5100
IEfi(!l--FEIEA 28 SE M18E EE 1
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantado.....
Por nove ditos idem.......
Por um aimo dem. ......
"Cada numero avulso, do dias anteriores.
13,550
200000
275006"
J1UO
DIARIO DE
Pr0prieita>e ite JItatwel Jiguetra t>e Jara & -fuljo*
"aa^aaaaaaaaa
O Srs. A medro Prinee C.%
de Pars, silo os nossos ajenies
exclusivos de an miados e pu-
blic \v6es da Franca e Ingla-
terra.
Aviso
.A os Srs. subscriptores deste Diario avi-
sa a respectiva direccao igue, do 4. de
Janeiro prximo em diante, far-se-ha a ar-
recsadacao das assignaturas pela forma se-
^uinte :
Na cidade do Recife e lagares para onde
oao se paga porte. 6$O00 por trimestre,
adiantado ou durante o 1.* mez do mesmo
trimestre, 65500 nos 2. e 3. mezes.
No tim do trimestre ser suspensa a re-
cessa do Diario aos que nao tiverem sa-
tisfeito o seu debito.
Fora da cidade, nos lugares para onde
se fazem as remessas pelocorreio, 135500
por semestre, pago as mesmas corrugos
cima.
Aos que quizerem pagar o anrjo adan
tado, far-se-ba o abate de 10000, para to-
dos os assignantes.
TELEGRAMAS
deve faaer brevemente ana vingem
ao Er>po
GENOVA, 26 de Dezembro.
O -presidente do Uruguay, gene-
ral B. Sailmo Santos, acaba de che-
gar a ema cidade.
BENOS-AYRES, 27 de Dezembro.
Xa* ultima* ti hora deram-ne
aqu, e em todas a* cidade* que nos
rerrara, 56 casos notot e 33 bitos
de cbolera-morbns.
Em Mendoza o numero de casos
ovos Coi de OO e o de bitos AO.
Agencia Ha va?, filial em Parpara buco,
27 oe Dezembro de 1886.
*

S7ICC fASKUS 13 DUSlt
iBSTRDCqO POPULAR
0 CHLESA E SESIBI1UN5
(Conferenciado profesor J.J.Rodrigues)
(Extrahiio)
DA 1UBLI0THECA DO POYO E DAS ESCOLAS
( Co n l in te ac o )
Nao sei bem quacs os fundamentos experimen"
taes de tal supposico.
San sei at ineamo se ella tem a paternidade
que ibe attribuem.
Parece-ine porem, que, para que de tal diastase
derive a morte dentro de poucas horas, se torna
O juiz da direito Licinio Alfredo da Sil-
va, a pedido, da comarca de Breves, de
3.* entrancia, na provincia do Para para
a de S. Joao da Barra, de igual entrancia,
na do Rio de Janeiro.
O juiz de direito Caetano Augusto da
Gama Orqueirn, da comarca do Rio San-
to Antonio, de 1.a entrancia, para a de
Muriah de 2.a, ambas na provincia de
Minas-Gcraes.
0 juiz de direito Manoel Dias de Aqu-
no e Castro, a pedido, da comarca de Pas-
sos para a do Rio Santo Antonio, ambas
de 1.a entrancia, na referida provincia.
O juiz de direito Adalberto Elpidio de
tenente Jos Moreira Queiros, e do 3o de ar-
tilharia p para o 3o regiment da mesma
arma o 2* tenente Alvaro Marques Mar-
tina que. ficar aggregado ao dito rpgimen
to at que all sa d urna
posto.
vaga de seu
Ministerio da Mariana
i o Horneado Joao Baptista Muniz Mo-
reira, escrevente das afficinas de machinas
do arsenal de marinha do Para.
Foi expedido o seguinte aviso ao ca-
pit5 do parto das Alagoas, em 15 do cor-
rente :
S. M. o* Imperador, por immediata re-
Albuquerque Figueiredo, da comarca de soluto de 11 deste mez, conformndose
Chique-Chique, de 1.a entrancia, na pro- com o parecer da secao de guerra e ma-
vincia da Babia, para a do Rio-Pardo, de'rmn do conselho de estado, enunciado
RIO DE JANEIRO, 27 de Dezembro, I preciso que o respectivos microbios sejam, mais do
11 horas e 10 minutos da manhS. (Rece-
bido s 12 horas e 30 minutos da tarde, pelo
cabo submarino). .
Foi exonerado do cargo de presi-
dente da provincia de Hias Cieraes.
i sen pedido, o desembargador Fran-
cisco de Parla Lemon, wendo nomea-
do para snbstilull o o Dr. Carlos Au-
gusto de Oiiveira Figueircdo.
Foram nomeados : *
Oesembargador da Relaco de lie
lm. o juls de direito da enmarca de
l.rena. em s. Paulo. Dr. las Anto-
nio Bodrigues ;
Juiz de direito da comarca de i'a-
caral. em Pernambuco. o bacbarel
fose Xovae de Soasa Carvalbo:
luiz Mubstitute da comarca de Olin -
da. na mesnaa provincia, o bacbarel
Marcollno. Dorncllas Cansara t
luiz municipal e de orpbaos dos
'ermos reunidos do Principe ierra
Segra, no Rio Grande do Korte, o
bacbarel Aladim Araujo.
Foram removidos :
na comarca de Tacaratu'. em Per-
nambuco. para a de ligia, no Para,
o juiz de direito. bacbarel Jos Fiel
de Jeaun .eltc i
na comarca de rea, na Parabvba.
para a de Viamfiu. no Hio brande do
siul. o juiz de direito. bacbarel los
Jai mino de Nouza :
lio* termo reunid de Va r ge as
brande.Itaplcuru'e unjatuba para
o de Coronta e S. i.ni/ Vonaaga. am-
bos na provincia do Haranbo.o Juiz
municipal e de or lia o, bacbarel
Genf dicto Pereira l.cile.
Foi declarada nem licito a re-
moras do Dr. Soncnlo Paes de Aze-
veds Faro para a comarca de Vlamao
no llii brande do Mol. sendo ibe de-
nigna Ja a comarca de Atea, na Para
lijha. para nVUa le eaerciclo.
Foi reconduzido no cargo de juiz
municipal e de orpbos do termo de
Iguatu' e *. Ualbeon. no Cear ba-
cbarel Francisco Rodrigues de Llana
Bastos.
Frtllercrnm: Jcronvmo Bandei-
a de Mello, embregado na Secreta-
ria do Imperio, e o bacbarel Candido
Pereira Bonteiro. ebefe de sereno da
secretarla da Guerra.
que o costme, nmeros e acclimadoi as visceras
do enfermo, cu cutio que, naquelles iristiesiraos
caso?, o microbio o segregue anormalmente, em
dsea exaggcradas, a sua costumada e mephitica
elabon.cio. t
Sem comprometter aqui em coisa alguma a mi-
nha minscula autoridade limitme a contar-vos
o que li, guardando as reservas que o caso exige.
Accrescentarsi no tmtanto que, se a memoria
me alo illude, n'algum ou alguna casos de cholera
fulminante, em certas autopsias, appareceram me-
nos microbios do que seria para suppr em con-
formidade com os effeitos, to engeuhosamente ex-
plicados pelo investigador allemao.
Caneados cemo decerto estis, de me onvirdes
rsclusivaraente fallar de microbios mais ou menos
cholencos, tempo, meua senhores, de nos oceu-
parmos agora doo preventivos e desinfectantes con
que nos propomos combatel os.
Formar esta nova palestra a segunda parte
desta ccDlerencia.
Se excluirme as quarentenas e outras medidas
de igual vigor e opportunidade, esta a magna
q'iestuo do da.
To seria e to grave, to complexa e to mal
estudada (permitta sc-me que o diga,e refiro-me
nesta parto ao que se est fasendo l fora], que
etou em dise -vos que se alglta|P^RBqkrtKtro
rir-se de desinfecoe e fumigacoes, ao microbio
cholenco, ante o qual, pela maior pirto das vezes,
ellas nio passam de urna farca de contestavel hu-
morismo !
E' prefandamente complicada esta cspectalissi-
noa aciencia dos preventivos e desinfectantes,
complicada sob o ponto de vista tbeorico, difficil
e confusa sob o ponto de vista pratico.
Para nao embaracar, Dorm, demasiado a meada
que me propuz desfnz r, fallar vos-bei por ora de
preventivos,embora conbeca que esta classifica-
i,io devras convencional, pois, se os preventi-
vos podem, deixar desinfectantes, os desinfectan-
, tes podem quasi aempre, ser utilisados como pre-
ventivos.
Os melbores pr. venti vos contra o microbio du
mao carcter, seja elle qual fore a receita nao
minha,resumem se, em tempo de epidemia, e at
fra delle, em muito aceio individual c publico si-
zudo corpporta ment, boa saude de corpo e alma,
e a precisa coragem para que a preoecupaco do
choltra se nao torne, taita dcste, quasi to las-
timosa como a enfermidade que gera e alimenta o
SUatO.
Nao porm, to fcil, como parece, a existen-
cia do aceio.
Os municipios sao em regra, os priraeiros a dar
o mo exemplo ;o que nao sei bem se a snjida-
de municipal sommatorio das sujidades indivi-
duaes, ou consequmeia dellas, ou se os municipes,
fores de se sujarem na ra, acabam por prescin-
dir da limpeza em casa.
Sem me pieccrapnr com esta meticulosa questo
de causas e effeito, o que penas sei (e o que
nete momeuto mais me cumpre averiguar) que
poucas cidadss de primeira ordem baver na Eu-
ropa, to sujas e infecas como a nossa boa cidade,
que a capital de todo o reino.
E, no emtamo o aceio boje urna parte inde-
clinavel da nossa educafo, tanto physica como
moral c social Estreitainente vinculado saude
do corpo, delie dependen? esses aiinoa a mais de
vid Dj-iia, que podem separar os limpos dos eu-
xovalhados.
Kigorosameule, mea senhores, o individuo que
pouco aseia.lo... nao pode der-se completa
neate civilitado.
(CoUtMuA
sa..5.
IL

S47AS
(Especial >*r* o Dtttr')
BUEXOS-YRES, 20 de Dezembro. j
epidemia do cnolera-morbns ap-
parecen na cidade de S. Luiz.
LONDRES, 2 brande numer de jornaes Ingleses
desapprovnm completamente os mo-
tivo dado pelo cbanceller do Ibe-
>uro parademittir-se de uso func-
ees.
A TIMI-'S diz que o Mrquez de Ilar-
lington ubtltuir lord Cburcbil no
gabinete.
O Mr. Cbamberlain. proferludo nm
discurso u'unsa reunido publica, cob-
vidon Mr. bladntoue a provocar
na reconstilulco do grupo do 11-
heraes na(Camara dos Comnanna.
ROMA, 2(5 de Dezembro.
M. o principe berdelro da Italia
igual entrancia, na provincia de Miaas-Qo-
raes.
Foi designada a comarca de Cab^-Frio,
da 2.a entrancia, na provincia do Rio d"
Janeiro, para nela ter exercicio o juiz de
direito Jos Antonio (jromes.
Ao presidente da provincia de S.
Paulo, expedio o miouterio da justi(a o
seguinio aviso, com data de 14 do corren-
te mez:
Coto o officio n. 333 de 8 de Julho
ultimo, transmittio essa presidencia a con-
sulta do curador geral ds orphaos e promo-
tor publico da comarca de !v Joao do Rio
Claro acerca das diffiuldaJes que encontra
para exercer os dous cargos nos processos
da que tratao os arts. 4. e 7. do decre-
to n. 9,602 de 12 de Junho deste anno.
a Em resposta, declaro a V. Exo. :
< 1. Que continua em vigir o art. 92
do decreto n. 9.420 de 22 de Abril de
I88, que, de contbrinidt.de com a doutrina
dos avisos deste ministerio n. 115 de 27
de Abril do 1855, n. 13 de 15 de Janeiro
de 1858, n. 647 de 3 de Outubro de 1878
e n. 655 de 14 de Outubro de 1879, man-
da preferir os promotores pblicos as no-
meacSes provisorias para o cargo de curador
geral, nos termos em que a lei nao tenha
creado esse cargo;
2. Que nos impedimentos que possSo
dar se, no caso de ter o funecionario de
exercer o seu offieta sobre actos da que
eoparticipou na qualidade de promotor ou
na de curador, de Ver na primeira destas
hypotheses, ser substituido por curador ge-
ral ad hoc, que o juiz nomear, e na se-
gunda, pelo adjunto ou por pessoa idnea
que o juiz nomear, de conformidade com o
7. e 8.o da lei n. 2033 de 20
art.
l.lj
- "
?ABTE FFItm
Ministerio da Jnstica
- Por decreto de 14 do correte foram
nemeados desembargadores:
Du relacao da Fortaleza o juiz de direi-
to Joaquim Jos de Oiiveira Audrade, ti
cando sem tffeito a sua anterior nomeacao
para a relaco de beln; da da corto o
juiz de direito cooselbciro Bento Luiz Je
Oiiveira Lisboa, juiz de direito da comar-
ca de Pasaos, na provincia do Minas Gei
raes, o bacbarel Saturnino Amando da Sil-
veira.
Foi exonerado, a pedido, o jWVjj de di-
reito Antonio Pedro Ferreira Lima do
cargo de chefe de polica da provincia de
Minas-Geraes, e norneado para o mesmo
cargo na mesma provincia u juiz de direito
Levindo Ferreira Lope.
F-T*m removidos :
O desembargador Antonio Augusto da
Silva, a pedido, da relacaode S. Luiz para
a da corte;
O juiz de direito Antonio Joaquim de
Macedo Soares, da comarca de Cabo-Fro,
de 2.1 entrancia, na provincia do Rio de
Janeiro, para a 2 vara commercial d
cCrte, de .* entrancia ;
O juiz de direito Carlos Jos Pereira
Bastos, da comarca de S. Joo da Barra,
de 2.1 entrancia^ para a de Campos, de
3.a, ambss na provincia do Rio de Janei-
ro:
de Setembro do 1871 ;
t 3. Que, no caso de provir o impedi-
mento da iniciativa ou inierverjcao do pro-
motor em causa ou processo no qual deve
0 orphao ou alguem a elle equiparado ser
assistido do curador geral, como acontece
nos processos a que se refere o art. 4.
18 do regulamento n. 9602 de 12 de Ju-
nho ultimo, compre que o juiz nomeie um
curador geral de orphaos.
Ministerio da Agricultura
Por portara de 15 do corrente foi
concedida a exonera$So pedida pelo enge-
nheiro Benjamn Fracklin de Albuquerque
Lima, de cargo de chefe da commissao de
melhoramentos do Rio Parahyba.
Por portaras de 10 do corrente : Foi
norneado o engenheiro Affonso Carneiro de
Oiiveira Soares para o lugar de ebefe de
scelo da estrada de ferro de Porto-Alegre
a Uruguayana, com o vencimento que Ihe
competir.
Foi removido o engenheiro HeDrque
Theberge do lugar de engenheiro residen;
te da estrada de ferro de Baturit, que foi
extincto pelo decreto n. 9,667 de 16 de
Outubro ultimo, para o lugar de chefe do
trafego e da locomojao da estrada de ferro
de Paulo Affonso, com os vencimentos que
Ihe commetirem.
Em 10 do correte foi expedido o se-
guinte aviso ao presidenta da provincia de
Pernambuco.
t Illm. e Exm. Sr. Em resposta ao
officio de V. Exc. de 11 de Setembro pro
ximo passado, transmitiendo a este minis-
terio o podido feito ao superintendente da
estrada de forro do Recife ao S. Francis-
co peh directora da tatrada de ferro dg
Rib rao ao Bonito, para que Ihe S'-jaro
concedidos diversos favores, declaro a V.
Exc. para os devidos tina, que sement
approvo o abaiim oto de 50 0j nos fretes
de transporte do material destinado cons
trucjito da dita ferro-va. Quant<> s raodi-
ficaedns na cstacao do Ribeirao, autoriso
as despezas que forcm opportunamenta ne-
cessarias paru o assentamento do desvio e
construccjto da plautafrma, at s qaantia
de 5:6l)5500 tudo da accordo cora a in-
oPina5o do engenheiro fiscal daquella fer-
ro-via.
Deus guarde V Etc. A- da Sdva
Prado.
Mluisicrio da ftuerra
Foram trausf ndos oa arma de infanta
ra : para o 9* batalhao o alferea da cora
panliia do Rio Grande do Norte, Gonjelo
Barca; para o 15* o alteres da mesma
conipanla, Jos J 18 o alferes 0o 15, Gregorio Alcery de
Souz Cune ao ; e para a companhia do
Rio-Graudo do Norte o alferea do 9o, Ho
raco da Rocha e Silva e o do 15, Luia
Lovellar L te.
Man'iou-se que srjam desligados do
10 de infaotaria e se reunam aos corpoa
a qne pertcncem, o tenente Antonio Cae-
tano da Silva Jnior e o alferea Julio Ce-
sar Gomes da Silva, este do 9o e aquello
do 16* da mesma arma.
Foram transferidos do 6* batalhao
1 de infaauria p..ra o da mesma arma o
em 2 do Outubro do corrente anno, sobre
a duvida suscitada por V. S., a saber :
se ac estrangeiros permittido possuirem
alvorengas e vapores de reboque, empre-
gad-ja
no
trafego
do rorto em proveito
pronrio, manda declarar-lhe para os d evi-
dos effeitos :
1 Que o vapor nao, que se empreguo no serv50 iatenor
dos portes e ros navegaveis, por excel-
encia urna embarcagao do trafego do por-
to, i como til tem todos os privilegios, ao
mesmo tempo que est sujeita a todas as
prescrpc3es constantes do regulamento das
capitanas dos portes.
2.* Que pode qualquer estrangeiro do
micliado no imperio, solada ou collectiva-
mente, possuir embarcajSes do trafego do
porto, afim de aproveitar-se da liberdade
que as leis Ihe facultam, de communicar
as fcguas interiores do paiz, o, portanto,
-lhe licito tambem utilisar taes embarca-
<;3ea em proveito proprio.
3. Que toda a embarcasSo do trafego
dos port03 e ros navegaveis, qualquer que
seja o seu peoprietaiio, essencialmente
urna embarcacao nacional, e, por conse-
guate, n3o pode em caso algum, iyar ou-
tra bandeira que nao seja a que tda
como emblema na nacao.
Deus guarde a V. S.Samad Wallace
MSc-Dcwdl.
Repartlco da Policia
2 SeccaoN. 1254.Secretaria da Po-
licia de Pernambuco, 27 de Dezembro de
1886.- Illm. e Exm. Sr.Partecipo a V.
Exc. que foram recolhidos Casa de De
tencao os seguintes individuos :
No da 24 :
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio
Getulves de Oiiveira, coma vagabundo.
A uVdein do do l'cri8tfiCT> de S Jos. Jrge-
Borgeg da Fonseca, Laurindo Ferrcr Onca
Biasiliuo Demetrio, por disturbios.
A' ordem do de Belm, Antonia de Carvalbo,
preso cji flagrante por crime do ferimentos.
No dia 25 :
A' ordem do subdelegado 'de Santo Antonio,
Antonio Lopes, menor, com destino a escola de
aprendizes irarinbeiros.
A' ordem do do 1" districtode S. Jos, Antonio
Joaquim Izidro, Euzebio Manotl d Aisumpcao,
Francisco de Souza Ferraz, Jos Liucio da Silv,
Joao Bernardo Ramos e Joao Jone Felismino, por
disturbios.
No dia 26 :
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Anto
nio de Souz", Lino Jos de Sant'Anoa, Manoel
Brss, Francisco do Espirito Santo, Leopoldino
Flix da Silva e JoSo Antonio dos Santos, como
vagabundos ; e Jobn Castle, por disturbios.
A' ordem do do Io distnets de S. Jos, Antonio
Pedro do Nascimento, prego em flagrante por en-
OM de ferimentos e eapancamento.
A' ordem do do 2o district da Boa-Vista,
Pri.ncisco Salviauo, preso cm flagrante por crime
de ferimentos.
A' ordem do do Arraial, Joanna Luiza Soares,
por disturbios.
Communicou- me o subdelegado do Io distrcto
de S. Jos, que na noite de 24 do correte no es-
tabeleeimento de molhados de Rocha Pereira &
C, i rus de S. Joo n. 12, foram subtrahidas di-
versas mercaduras no valor de 300/.
O subdelegado respectivo compareceu ao lugar
e as averigaaces a que procedeu reconbeceu
que nenbuma violencia bou ve, supppndo-se que os
ladroes ficarsm dentro do estabelecimento.
A aatoridade policial tomou conbecimento do
facto e prosrgue as diligencias recommeodadas
por lei.
Em officio de 16 do corrente, communicou-me o
subdelegado de Palmeira, que na noite d'aquelle
dia e no lagar Cbapo de Palba d'aquelle termo,
Manoel Gomes da Silva, ferio gravemente com 3
tacadas a Jos Rodrigues dos Santos e a nm filbo
deste de noae Joao Rodrigues dos Santos, falte-
erado mementos depois Joo Rodrigues e conser-
vando se o outra em trataaento,
O assssaino foi preso
A autoridade local proiegue nos termos da le.
C'jmmun cou-me o delegado de Cabrob que em
data de 8 do correte foi preso o criminoso Angelo
de ?al, prenunciado naquelle termo pelo crime
previsto no art. 193 combinado com o art 34 do
codito criminal.
A priso foi eectoada pelo cabo Severiano
Nones da Silva, que z parte do destacamento
all estacionado.
O subdelegado do districto da Torre, em data de
hontem, avisa-me que fes rcme-sa ao Dr. juis de
direito do 3* diatncto criminal do inquerito poli
cial procedido contra Antonio Thjina de tal i
Uavmnndd de tal pelo crime ie ferimentos leyes
pmtiados em Frrmino Lourenco da Silva Leite.
n j iugar Taquaiy do mesmo districto.
O cidado Alfonso Moreira Temporal, commu-
nicou me que tm data de 24 do corrente reassu-
mio o exercicio do cargo de subdelegado do 1"
districto do Po;o da Pancha.
D'-us guarde a V Exc. Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicenta de Azevcdo, muito
digno presidente da provincia. O chefo de
policia, Antonio Domingos Pinto.
Consulado provincial
DESPACHOS UO DIA 27 DE DEZEMBRO DK
I8a6
Joao d Barros Falcao de LaceHa, Fer-
rrira Ro'"rigU"S d C. Carneiro de Souza
Cavalcante. A 1.* aoccSo para oa devi-
dos 6ns.
Sonsa Martkrho 4 C, Leoriano Pereira
Campos, J"Xo Germano do Kspirito Santo,
Eduardo UenriqUS Geni, Antonio do Car
rao Ferreira, Autoon Jos Bittencort. In-
forme a 1 seccto.
Cramer. Frey & C. informe a 1. sec-
cSo
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 2B DE DEZEMBRO DE 1886.
noticias do sal do. Imperio
O vapor francez ViUe de Cear, entrado do sul
25 do corrente, trouxe as seguintes noticias e as
que congtam da rubrica Parle Official.
Illa (iraode do Mal
Datas at 12 de Dezembro :
Do Diario do Hio Grande, de 11. extrabimos
o seguinte :
Peza-nos dizer, qne as instruccoes do gover
no, relativamente guarda das nossas fronteirss,
n:lo tin sido rigorosamente observadas.
Nos jornaes do interior, que temos vista,
vemos que frequentemeote passam pessoas e cu-
sas das repblicas visinbas para o nosso territo-
rio.
Vejamos o que diz, por exemplo, o Guarany,
em relajo frouteira de Uruguayana: A nos-
sa cidade contina em estado de sitio mantendo a
mais rigorosa incommunicabiiidade com as duas
repblicas visinhis. Nao se creia. porm, que as
enrgicas medidas sanitarias postas cm execoco
nesta cidade sao religiosamente observadas, nem
que as nossas rela^es com os portos estrangeiros
do littoral tstejam completamente cortadas. Tal
crenca seria nimiamente ingenua. O interesse pri-
vado, que sempre se sobrepe ao publico interesse,
tem creado mil meios engenhosos para Iludir a
vigilancia das autoridades, c assim como impos-
sivel evitar a entrada de mercadorias Je contra-
bando em a nossa extensa fronteira, muito mais
difficil sena evitar o contrabando ao cholera, que
tem a seu favor poder introduzir-se dentro de um
enveloppe ou turre as dobras de um jornal, se nao
encontrar outro conducto para as sitas iovasoes.
> Por su lado, diz um collega do Jagusro :
A despeito de toda a vigilancia exorcid* em nos-
sa linha divisoria, constantemente est passando
gente desta cidade para a visinba villa de Artigas
e d'alli para c. Eutretanto alarde* b por ahi que
O cordo sanitario est rigorosamente formado e
figealisado a
' Por sua vez diz tambem o nosso estimavel col-
leha do Diario de Bag; i que o que se denomina
cordo sanitario du uusda fronteira, nao passa de
tenue fio de linha, incapaz de resistir aos debis
estorbos de urna enanca. *
E accrescenta : Com tffeito, os acontecimen-
tos 'i'.n demonstrado que, alm do mal que vem
produzir as pessoas que ainda respeitam a lei,
porque le, e dos graves prejuizos que tem espa-
ntado, o destacamento Ue torcas militares na fron-
teira deste municipio nao tem at agn producido
cutro resultado seoo mostrar mais urna vez como
se brinca neste paiz cem as cousas mais serias, e
quanto fcil aog privilegiados patentear que a lei
nao a mesma p.ra a totalidade dos individuos.
A presidencia da provincia nomeou urna commis-
sao composta doj membros da junta de hygiene
publica, do coronel Julio Anacido Falcao da Fro-
ta e do tenente-coronel Cato Augusto dos Santos
Roxo para txaminar e dar parecer acerca da agua
fornecida pela companhia hydraulica Porto-Ale-
grense.
Os jornaes da capital publican), recebido da Cruz
AWa, o seguinte tele ^ramma :
tVpulaeo deeta villa 'ilarmada. Evaristo J-
nior, adjunto do promotor publico, Paiva, escrivo
da collectoria, e o sargento da for$a policial, to-
dos armados, airombaram o cartorio dcsta villa,
na noite de 5, e roubaram o autos crimes tm que
sao rcs Maeoado e EvariKo pai.
Pedimos providencias.
O Cidado, de Sant'Anna do Livramento, refere
o seguinte :
Na noite de 20 do passado o Sr. Eustacbio
Bittenconrt, redactor e proprietario desta fo ba, foi
sorpreendido por violentos golpeB de machado vi-
bradas contra urna janella do edificio da typogra-
phia. O estrepito de macbadadas e o tiuir da v -
dragara que se desfazia em pedacos, o advertiram
de que se acbava diante de um assalto nocturno,
plauejado e executado com todas as regras da boa
estratgica.
Preparou se para reccbtr condignamente o
audaz e imprevisto inimigo. Este nao te fez espe-
rar. Tendo arrumbado a janelia, penetrou com um
facao em punho uo iutenor do edificio, que se acha
vais escuras.
Accendeu nm phosphnro, no intuito certamen-
te de asjeahorear ge de visu do campo de combate,
mas, nesga occasioo Sr. Eotaquio den Ihe um tiro
de revolver, que nao foi perdido. O individuo as-
saltante sentindo-se ferido, desfechou, s cgas,
varios golpes de facc, coaseguindo empastelar umi
los typos poz se ao fresco pela janelia arrom-
bada, deixando um rasto de sangue em sea pas-
eagem.
Em Santa Victoria, pelas cinco horag da tar-
de do dia 24 do passado (Novembn<), em campos
do Sr. Jaciutho Dias de Oiiveira, duag li gus
distante degta villa, toi barbarimente assassinatu
o inditoso moco Arthur Mello, filhj do uosso amigo
Sr. Urbano Jos de M>'l:o.
Na c dade de Cachjeira :
Foi preso ante-hontem s 5 horas da tarde o
tenente-corouel Zeteriao Adolpho Charas, que tra
zia a populaco desta cidade em constante sobre-
salto, j por temer suas amea^as qne eram repeti-
das de bocea em bocea, j por ter sciencia que cm
outros lugare onde residi aquelle tenente-coronel
praticra toda sorte de de tropelas. Ultimanen-
te coostou que. dirigira-se elle a uuia ferrara,
estabelecida nesta ciiade, e fez oncoanneuds de
51 hincas.
Denunciado policia esta tratou de averiaguar
se tinba fundamento esse boato, fasendo ir sua
presenta o fe. reno iueuicbdo daquella ardua
inigso. Iuterrogado, coufessuu este ger verdica
a noticia propalada, accrescentaudo. que ja tioha
proinpta urna das tantas langas eocommeudadas,
entregando a polica
A' vista do exposo, o Sr. tenente Genuino Moa-
teiro de Albuquerque, coinmaodante da 8 te^o po-
licial e delgalo de polui dette termo, d'rigi
um miuuci expendo-1 be o occorrido.
Esse offieio foi respondido ante-hontem por te-
legramma pelo Sr. ebefe de policia, no qual orde
nava a priso do tenente coronel Cliaro, onde
tambem dizia estar prouunci-ido cm Pedrito
c,mo iocurso no art. 193 do Cdigo Criminal (ho-
micidio) .
Foi geral o contontamento ao saber-se que. esta-
va effectuada esta priao.
Junto ao quartel tuas sdjaceucias viam-se
grupos reunidos, onda cominentava-se o tacto.
O preso foi condusido para a capital da pro-
vincia.
__ A Alfandega de Porto-Alegre, rendeu no
mes fiado 284:311*037.
Sania Calliiinni
Datas at 14 Je Dezt-uibro :
Em (raropalla, no dia 5 do corrente me, i
5 horas da in.mh, Luciano, escravo dos orpb'is
do finado Porfirio Pereira da Silva, moralor iieata
Iregueia, Ueu urna tacada em Bouilacio Miguel
Reos, que fieou uiorlalmentn terido na regiao um-
bilical e com os utestiuus fra, fallecen Jo alguma-
horas depois.
i\o Paula
Datas at 19 de Uezeuibro :
A locomotiva do Mogyaua.l* transpoz o Sapu-
caby inintn, isto j pouetrou uo municipio da
Frauca. Os tnlhus esto quatro kilmetros aquem
do rio. Trautlbaui no asgentaioento de trnhos
Cerca de 150 pessoas.
Eito concluidos o trabalhos de exploracao
da estrada de ferro du Piohalense, e trata-se da
t-ncorpuraco da compahi*.
Urna quadrilha de ladros, que erra polos
lados da Iut ba, asialtou as faz-ndag dog Srg.
M tuoel da Siiveira Prauco Dnnasio e Bento Frau-
co de Godoy Lima, roubando a este nma
aquello um poros.
, Foi capturado no Jah e remettio jaaia
Campias o criminoso Antonjp Rodrigues Ja Setas,
vulgo Antonio Pedro, autor de um assasMW* cat
S. Jos do Pinbal.
No bairro do Pres.distante seis fegtnw ie
Piracacicaba, per occasio de una festivjaiv
houve grave desordem em urna venda de Jos ft-
res, em que se acharara envolvidos o menor Pires.
o menor Francisco, filbo de Jos Rodrigues deTs-
ledo e Joo de tal, morador na Scrri Negra.
Trocaram se tiros de ganucha, sabindo o sneoor
Franeisco gravemente ferido por um tiro 1***-
chade por Joo de tal.
i Na fazenda Capivary, municipio de Cnaffi
nhos, estando o escravo Joaquim a trbala
beira do rio, teve urna syncope e cahindo Bra(*si
morreu afogado.
Hio de fanelro
Datas at 20 de Dezembro :
As principaes noticias constam da carta d*
nosso Correspondente, publicada na rnbiie* an-
terior .
Em 13 do corrente, o Tribunal do Tbeseav
nao approvou o acto, de que recorren ex-ofit*
inspector da Thesouraria de Pernambuco, es <-
ficiin.127, de 11 de Junho ultimo, feto*/*K
dando provimento ao recurso de Domingos *
Silve Torres que tendo arrematado en pr*t fe
portas da Alfandega, urna porsao de barrica eca
farinba de trigo avariada, recusou-se depoia en-
trar com o imparte da arrema'aco, apessr de fe-
timado, m>ndou considerar nulia e iosubsistesite a
mesma arrecadaco, e alliviou igualmente o reecr-
reote da multa imposta pelo inspector *- Aitsa-
dega pela demora bavida
Sobre o Presidio de Fernando leaos no Jor-
nal do Commercio de 18 :
< O Sr. ministro da justica requisiton dodaam-
rinha um navio para partir immediatameate ana
Fernando de Noronha, e euppoe-se que c
designado seja a canhoneira Parnakyba.
o Ao mesmo tempo entendeo-se S. Exe.
seu colleja da agricultura para mandar oifar
quanto se pode despender cun o assentasseato de
um cabo telegri>pbico que v do Presidio de Fer-
nando de Noronha ao ponto mais proaiotc da
costa.
Babia
Datas at 24 de Dtzembro :
No dia 18 teve lugar a colasao dogrfe de dsu
tor em sciencias medicas aos alumnos da Ftnl-
dade de Medicina.
L-mos no Diario de Noticias de 16 s
O Sr. Dr. ebefe de polica receben btje asa
tilegramma do delegado de Camam, no onfelae
communica achar-se tundeado no lugar o
ao Tubaro, um navio a desembarcar eoore*
gados, que alguem diz terem vindo de
Ayres.
Diz mais o telegramma que o trro
lhou-se pela populaco e que ella espeta a* 8.
S. d as providencias que o caso reqer.
A este respeito cjmmunica-nos o t"r. Tfr. in-
spector de bygione, que sendo Ihe reqvasife
desembxique de alguns couros, tsmbeni algi
na Barra Grande, disiante quatro legua da
las de Camam e Marab, S. 8. ordeafca t
fossem elleb depositados no ponto indkafe, asas
do lado do ocano, afim d que as pequen pa-
voacoeg da Barra Grande e Campinho fie* -
vres dos perniciosos tffeifos que dos referidos asa-.
ros podeaseui ir a resultar.
i Sero os couros a que se fefre o deJagafe
de Camam os mesmos de que nos talla o 8. Dr.
inspector da hygiene ?
Lemos na mesma folha de 21 :
Ao entrar esta maiih" no nosso porto
por italiano, procedente do sul, foi pe'a anaJfeNM
ra Truripe iutimada a parar, intimafo a
receu nao querer attender, sendo por iiso _
rtfor^aal-a com um tiro
O vapor vinha de Montevideo.
a Apenas parou foi Ihe intimado pela ZVatsae
para tundear fra da barra e ahi esperar tfont-
quer deliberacao, ao que o cerrmandante se reea-
sou pretextando falta de carvo c manoseando aa
sentido de fundear no quadro.
Por fim, < m virtude d? nova intiasefey vana
de bordo e sahio barra fra.
\oici;* da Earopa
O paquete ing!ez Nevo, entrado da EajopaaSS
do corrente, trouxe datas que de Lisboa akaafita
a 13, adiantando cinco dias s trazida pala a-
togonia.
Alm dis de Portugal, constantes, d artaa
nosso correspondente de Lisboa, publicada aa ra-
bnca Exterior, eig as demais noticias :
Henpanta
Escreve sobre esse paiz o nosso cwn
de Lisooa, era 13 do corrente :
D a feivo caracterstica no estado
nimos em H' spanha o trecho seguine
carta de Madrid.
> As perguntas dos oposicionistas, i
qoe de lodos os lados se dirigem ao gabia
g.sta pod>m se formular syuthetisar-se, n"i
perguntas.
Estam' s seguros,?
Kespoud.-r o governo Dla segnraDj
dem 1
D'itar-nos-hemiis cora a monarebiae a
rem js cara a repblica ?
Movem-se os izabelinos ?
Esto descontentes os artilheiros ?
Repet'r-se-ho os acoutecimentos de ISr d* to-
teuibro ?
Ser eerto que niio faltara os Villas-Casap t
us capilea Caseros?
Velar o miuis'ro d^ intericr ?
S' r o minist o oroitco ou negro ? .
Fizi'm o jogo republiea ou a Canozas C
Ter-i as tropas uuoa boa diociplin ?
Emtim isto est por tal forma, u'un
lo grande de que mida se colligir, pos
que s d iraagioacao.
O paiz soffn calado e resigus-se com a
mas nao vn jouge odia em que mande to
antos ''arcantes. j
__ Pelo tribunal compet nte foi mandadam4obt
a junta directora do centro zorril'sta por tar >-
raado alguus acoord^s, que foram cenjiAiraaaj
uieu.i legaea.
__ O elemeuto Salm-ron pote eccderr-a
eompletameiiti^ separado de zorrilista, eap^randa-
sfl apeuas a reuuio das juutaa gepaes-p
publico.
Um novo desprendimeut>', oo qualquc
escndalo evidenciara, c m toda a clare
interior que mina as torvas republicanas.
A ramha regente deadn 20 do iv
dia im que termuiou olucto, teic dado+pDa.
seins, uums vezes s, outras acompanbada^ar
Alfonso XIII e Beiis irmos. couservaadt ar
aquelle aspocto recolhi lo e serio que
drsde a morte de seu marido.
A viveza do ciliar, um dos s^us casassrirstaJS.
est h'je um pouco esmorecida.
O lueto contina guardando realga a a cada-
ral distiucyo.
O cura Galeote ufio subir eota. eertaa a
patbulo, porque quaud tfousj XII oltotna a
primeira pedra da penitenciaria, assigaeu aw
tranco uui indulto de pena rto morte, en I da
priineiro reo que sotfresse pma capital.
E quein haVia de diser eut) que um eoaaaavi
de aproveitar esta grar;a !
A fesu religiosa, que pelo corpo derti!sa>e
anuualmen'e dedicado sua protector SanlaBat-
oara, celeb.ou se este anno na igreja de S. Jaa-
nymo, e em desosada pampa.
Asaistio s.ia magestade a raiuba reglare.- tjsr
f ii reiebida jfi/M do teroB'o por *
^
z <*
L
tm
]
riama \


V.

Diario de PernaibucoTcrfa-feira 28 At Oezembro de 1886
'\



da officiaea de t xias as gradua^ies, que a cauda-
rio i tribu res;rvaa.
D. Cbris-tina vesta de seda preta, com mauti-
Iha de laocicis. Era acompanhada p-la sua cama-
r-ira-mr, a dtritieza de Medina de lia Torres, e
pilos gaiieraes Echngue e Cordoaa.
Ofliciou o Sr. bispo de la Habana, e presidian)
o acto o Br. Sagasta e o director da artilbaria ;
vendo se mi igreja oa capitaes generaos Srs Con-
cha, Qnezada e Jovel'ar, c grajete numero qV offi
ciaes goueraes, superiores o odaos.
yarre p Lanar pete e. rpo
de urt lh-i.-H, tnai.cam parte n'cata soleaanidae.
cantando a crmde aaiasa de-Roaemi.
Gnyarre no S. errares de Uaunod foi aablioae.
Durante maas diaen preoceupOvio, d*a senuo-
ras foi adquirir in errtao lie mswile pira esta
grande l" aliviando meio religiosa, asmo prorana. .
Pode imaginar-8*', porta ni o, como Mura apiibado
0 templo de forra .suras mundanas.
Ocorpode animara, para obsequiar oa 8re.
Gayarre e Lab a o, mand-u fabricar, em Toledo,
duE s magnificas espadas, cjm punhos de ouro, das
chamadas de recazo (poca de Philippe II.)
Os admiradores de Gsy.rro contnm, qae elle
far luzir a sua na opera o Duque Alba, que deve
"venarte.
A's i) 1/2 horas da inauha de 8 do corrate, o al-
ie Retela Ulegraphoc ao governador da pro-
vincia oe (ilue.lva) participan io-lhe que no quar-
tel ua guarda civil se tinham ouvido tiros.
Imraediatamente parti pira all o covorndor,
n'uui comboio especial das. minas de Rio Tiuto, e
tomou conheciineoto do seguinto :
Uai guarda civil chamado Marianno Meo, n'um
momento de rxaltacSo, sem que se saiba o motivo
matou o medico D. Andrea Ramrez Cruzado e
urna mulhrr qne serv no quartel. desfeehaudo
eu algaida contra o cabo e guardas, que felizmente
nao ficaiam ftidos.
Depois de nina pequea lucta conseguio-se do-
minar e prendero criminoso.
0 cummandaute da guarda civil qneacompauhou
invernador ordenou a viuda do um ofHcial p.ira
instruir o procesan.
A's oito horas ca no iv. regresin o governador
capital, fi-.ando tra Niebla o comninndaute da
guarda civil, e o official encarregado ae iustruir
o precesso, tendo-se removido os eaflavarne.
O criminoso ser toad izido para a eadada da
capital, por nao reunir a da villa as cundios do
eeguranea necessaria.'.
A povoaci.', uos primeiroa mementos, assnarou-
ae bastante pjr deaeonhecer o motivo dos tiros
disparados no qrisrtel
O m.mstro di jostic", Sr. Alomo Nlarraaan,
apresentuu ha pomo cm cartea um projecto de le
aJerea io jury, tendo permiss jnlgar os ei
di parricidio, asstissnato, homicidio, infantecidio,
ihnUMrtC, attentados contra menores e contra
o pudor, ronoo c ira violencia, incendios, delicto*
elcinraeg e abusos deliberdudc ue imprensa, aen-
do exatuidos da sua competencia os errees contra
as autoridades e os prucess-'s intentados contra
estas.
Serii gratuitas as fuDeco 3 de jurados. Para
exereel-asser indispensavel a quaiidade de c-
dadao bispanh-ii, 30 auno* c mp!. t s de dude, aet
acular, th te de tamiliu. domiciliado ao munici-
pio, saber ler e escrever, figurar n lista d> con
trrbwoiea Sirectas, ou posBuir^ura dipl m i acad-
mica ou profeasimal, cargo publico de retribnicio superior :(X>0 pa-
letas. Us jurados fanccioiiaril dur-jite trez me-
. Onda jury ser c Vabca compre regutrar, como syinptoma do9
mais Meeutuaiios de progresso na conquist i das
idis moderoas, qne o goveruo do pt:z avisinh.ija
entuboou negociavoes cora a Santa S para o es-
taJK'cimeuto rio casamento civil.
A Publicidad, de Granada, diz que torna a cir-
cular o boato de que a epidemia de cholera reap-
parceeu cni Malaga. Por informacoes que c-.nai-
derani-se verdade-ras, sabe que se deram alguus
casos na goarnieSo daqueiU praea.
j Franca
No sabbado 11 de Dczecbn achava-se definiti-
vamente orgauisado 0 ovo ministerio francez.
Os Srs. Oranet, Milland, Uoulnnger, l)ev-.!lec
almiranre Aabe, conseivam as pastas que tiuham
no gabiaett trunsaco.
O sr. Sarrien patsa do interior para o da jui-
O snadoi D.iuphur substitie o Sr. Sadi Car-
nal, na fazeuaa.
O Sr. Berthenot, instruejao publica.
Presidente do conaelho o .Sr. Goblet com a pis-
ta do interior, com a dos cultos e iut'.rinuraeote
com a dos cstran -iros, e-n quanto ni) ebegar o
Sr. Bl!."t, ministro le Franca ein Lisboa, que M
diz ter j ac-'itado ofiicialuieiite ettn ultima.
O pieeidente do eontelho leu cmara a decla-
racao inli. sttri'i!. O novo r-abinete aceita a pol-
tica esternajde Frtycinet, e bu inferior addiar
as questoea polticas, proinoveudoreformas fiscaes,
4 iliariin n rrwmrrnr'rn
Podio tres duodcimos provi.o.-io e annuueiou
laaMJHC Jhs cmaras para Janeiro Seui) u-
to discutii'o o nrcamento.
A sesao de 11 i.a eainava dos depuUdo3 foi re-
cegada, mas muito fra.
A crisis foi ial)jri.->sa.
Histjrieino-i os faetoa e tratemos de acompa-
nhar es aeontecimeatoa,
V i o; semnossi ultima revista qu" em teguida
a votacao contraria ao gabin> te f.-aouez, MOMO m
este nc m.nisterio dos negocios eat angur..s. An-
ts (ii sra reuniaooSr.de Fr*ycinit decliri na
tan algana amig -s que a su opiniaiera,
qne o eubinete devia pedir a demissao.
A reuniao doconselh o de imuisiroa durcu apo-
das quatro e meia s 5 horas da tarde. Como
todos es ministres estavain res.lvldos a Votar pe-
taaiaai uid ch^gou a b.-.ver disenaso acerca
M assunipto.
Tr.t .rmado do que se paasava, o presidente da
repblica manaoa pedir ao Sr. l'r< yeinet e aos re
tantea ministros que. s- dirigiaaem immediatamen-
te ao palacio Oa presidencia.
Reunidos os miustros com o Sr. Grevy, o Sr.
Freyeluet ezpoz ao presidente da repblica o ge*
ib iva ae se pissar na cmara, isse que pre-
ferencia acs seus collegna, Ihe enmpria derx.ir o
poder, porque nem tintn forOM pan. govornar no
interior nem autoriilde para cncauiuhar nj ex-
terior as mnltiplicadas e dlfficeia n;gocia^oas que
esinvam euttlioladas.
O presidente do cooseihoiqbistiu na importancia
da votacao, pnueip-.iine'it<' c m o symptoma do
estado da Camal a, onde j nao havia mai.ria go-
vernamintal.
O Sr. de Freycinet disse que nao podendo con-
tar com o apoiu da muiona t Ib;: restava icti-
rar-se.
ios osmembros do gabinete confirmaran) as
de.cl iracoes do presidente do cons-lho e nnanimi-
m>-nre cnnfituuramn proposita de demissoes.
O Sr Grenez ins para qr" ni i insistisse na deuiissao; pmdrou os
sjecjgos a criie as circunstancias uctuaes, com a
livso da eamara e no fim do anno, com o t>rga-
m. rito por votar, e nao dando a cmara nenhuma
indiceo para"rjue se resolv* a eriae. O Sr. de
Preyeiaet resisriu a todaB as instanciss e o presi-
dente da repobiica nao teve remedio seuao dar a
detnissao ao ministerio.
Por cada dia qne ia passaado sem se resolver
esta laboriosa crise, raais urna decepc") e inais um
novo perico para a Repblica.
Assun o mostrou recouhecer toda a imprensa
frunceza, ao derigr as suas censuras eos seus ma-
quis s roenoriaa republicanas, que seguiram a
parte reaccin ira c demolidoia da cmara, HMH
eabsndo como seu concureo o prestigio do governo
e do parlamento, que o prestigio oa Franca in-
trira.
A direita, cora o auxilio poderoso de 89 votos
rcpabhcana, conseguu ao mesmo tempo a snpres-
si das subprefeiiuras e a desr.rganisa(o do mi-
nisterio, que so considera insubstituivel cm face
da attiturie turbulenta e aividida da cmara.
Nos prioietros momentos da crise fallou se d'um
gabin te Fl-quet u Clemeuceau, e disae-se ^ue
nenbum uestes elequcutes tribunos estavam dis-
postos a acceitar o poder, em vista das difficul
dades qne as minoras podiam oppor marcha do
governo.
Asseguroo-sp depois qne a nica cslvacao era
uaa ministerio Fli.qnet; etn seguida, disse-se que
se organisaii, um ministerio de negocios e por
ultimo, ailinfci'.va se agora que se formara um
gabinete presidido pT Goblet, ministro da ins-
trueco publica do ministerio demissionario teman-
do parte n'elle o Sr. Fr*ycuiet, ehefe da situacao
traiuacta e o general Boalanger.
D leiiur d..s jorn.ics franceses da diversas nu-
men colline-se que a votacao da cmara, que
obngou o gabinete Freycinet a demittir-se, foi
to mal receida pela opiuio publica, qne nenhum
dos grupos parlamentares que cencorreram para o
cheque ouseu gloriar-sa do sen feto. A propria
direiu, iuteressada em desorganiasr a repblica,
nao seach.u a vontade diante das descriminscoea
dos adversarios, qne Ihe diziam como o JournaZ
des Dbate:
A direita nao refiectiu se convinha a h^ramis
polticos, qne se dizem depositarios das boas ta-
dicoes do governo, assocUr-sc a urna medida com i
essa que ella votoo de accordo com a extrema es-
querda,
Nao n-fl ictia qne lhe nao nerteueia a ella atten-
tar centra urua organieuco administrativa proc-
dent.; d'uuia poc moiiarchics, e que. os monar-
cbistas seasiM-e raspeitanun moq-onito estiveraiu no
poder.
S&a qjis v4r o perico de navegar as leis mais
torsaans por aneio u'auw rocosa pura e saaples
de credita, on a partid qne s pode tirar afaawe
proOBdeirteapplic*udo o ama aaaumptJi sjme lia
iniris temstfwito.
Kao eb*ervou, siqaar, que se pr'w iva do dn-afco
de protesas;ontaasssoaacesaai. si aaajsaha a rir
applicado ajn;aj asa dos carikaa.
Nao viu. emiodo sato, sents *>o) ns-jo dse
CoUigar mais una vez com a extrema eaquerda e
provocar urna crise ministerial: a s-us olhos todos
os in'eresses desaparecer.m diante d'este capri-
cho
Esta bom fundamentada aecusacao nao encon-
trou tepica couvinueut : a direitu 1 i mi ton te a
desculpar se com as transigencias do gabinete CJtn
a esquerda, a que-ui ella as se lig-u para a
votacao. c a protestar qae nao /asta opposicio eyt-
tcmatica.
Einq un uto extrerai eaqnerda, o cu procedi-
meuto foi tambem apieeiado com jus'a acrimonia.
Nim sequer se preoccopuu (disse-lhe a Pas)
de saber que skuacAo, talrez sem exemplo, ia
crear com o kcu voto, pjrque final eis-nas aqu,
(e iib ministros nao retiran m a demissio, seui g>
verno, sem ornamento a na quasi impossi'oilidade
de ors-an!sar uir. minisierio e de encontrar urna
rnaiori que lhe d vida.
Ea extrema esq i rajos a estas aecn-
sa^es pjrque, depois de auerta a crise, mostrou
so embarcenla, quasi desnorteada, sem saber o
que'havia de fazor, de.ejosa, ern parta de pjiur
corri^ir o mal feto. Alguna ioi seus hou^-ns
OMia aensatoa, eossB qosai tojos es da esquti-da
radical, cngara* a harir esforcossinc ros em fa-
vor d'uina epaeiliaotoc o iniaistcri Freyeme-,
parece, p ir u. 0U6 l ste lustreestadista MU acre
ditou na tirm-zt de tal ocnciliagio ou nao qfliz
ir ns con lices com noe Ih'a offerenin, e
illiairann e os seus amigas rompern
auertamente com elle. Roinperam, pru, proeu
rundo alijar de si a reaponsabilidade de rompi-
miento, poiqua OiaasaaaBanai disse n'uma renmo da
ex'rcma eaqnerda :
DeixJino* ms do correr a;raz da esquiva Grs
lalha, que fugio para os salguriraes
Em mamo, a crise deixo.i perpiexoa todos ns
grupos inlaillasiliai na conservagio da repblica,
porqi-ea situaca crala pjre.ll i em naktnmlaaaa-
te difiieilima. Onde n>;uf.-ag.ra D gabinete Frey-
ciuet mal se cotr.prehenda que por-CJSO navegar
cum scgurancA qualquer ontra jiii^aia ministe-
rial. A extraaaa ranjiaardu. que pode'A i (rrhanr o
ministerio c m auxilio da direila, ua\ ;rru,io
parlaineu'a:' re'.i.'ivaaiente insiynifieSMlse, e Iws-
taV'.-itie : U i8 numrica para o imp
de form-ii- situacao. Nem inasmo tmlia din itq a
cnanotarioar a sttnaaia ine 6e ionnass-t ou m in-
fliir n' lia p.d- rosaueute, ten :o-se desiuet -r.sado
com a loria dada do sea procedimento ; ern. pois
natural que a combiaaco Floquet ae Baalogr
como cffectiv mciife se malagrou.
Mas Basto q"~ ai nhaurii una se p) leria ima-
ginar com -arnntias serias ce estabili Jade, porque
a verdad* que a cxcess:va divisa i dos partaMa
dentro do parlameuto nunca peraiittii concen-
trar urna inajiia solida, e por isso o gabinete Go
bler, nao 6 nem p_.de ser auuio expediente tronsi-
tori para atteadef s exigencias do moin-
Esse gabinete ter parmiasaa, naiaiala,
por termo crise qne sobresaltava nsespirit s,
fazer votar a oi\ainenro, niaulcr a ordcui e a paz,
du es,i j, uta a ja nagncias; mas a poltica fran-
cesa j.i nao i o lera ii-r ficanexn ea sjnimlo nato for
dissolvio o paila manto, m- dida etta em que j se
fa^la como iiidispensavel. Se nessas novas ele-
e& i aaoatrnreaa que iraz das divia>*a parlumea-
tares cii-fe urna correle de opinii instante con
sist'ntepira impor s outraa alguma-i das frac-
toes repblioanaa, a Franca podeta anda ter das
de paz e praaperidade s-imbra da repblica ; se
pelo eontruri ', aaaaa elei-.C-ea provarein que as di-
VisOS d ) p-i. lamento r-presentavaiu .". xnarchia
moral da uavao, de crer que dentro em pjue i a
historia fraueeza n'gistre novas .xpri.incias po-
lticas, seguidas de outras e outras h curto prazo.
Picar definitivamente resolvila a cn.-e?
E' lijito duvidar. Nein o homem poltico que
foi posto frente do gov.rno tein torci proprw c
prestigio para dominar as diEculdaiies da ai.ua-
5I0, nem o estado dos partidos pormitte esperar
delles o uce.irdo U',e-,S8aro para se formar em
volta do novo ministerio urna maioria de gov- ru..
O Sr. Gob!et bSo um vulto pootiwi, na accep-
eio nue se deve dar a este qualificati o. Fez
aeaipre uina figarii muito secuuJara. E s8 sah'o
luakia obecoridade e se tornou distincto pela
guerra :iu. fez a Gambetta nos ltimos lempos da
vida do grande uibuuo. Alin disso p.ilo eeu ge-
nio aeecOi doro, brusco, nao gosa de muitas sym-
|rsthiftf Geana s* ha de esperar que- el!', eoin es-
t..s quadades consiga remar r veitosaineute
contra a ciar que assoberbou o Sr. de Freycinet
que alias dBJWDna n'nnia flexibilidad.? eemanej-
raa de proeeasos tmin'niemente prnpria para
concertar ::s divies do partido republicano?
O ina! est nessas dvisoes, rom as quaes exalo
rain para es eens fina partidarios os grupos mo-
narchics. E nio fe Ibes pede extranai que o
fai^im. As fraccoes monarebicas dimoem de 180
, e nianohram Bnidaa e Mi mea
Urna doalacasio d 83 voto republicanaa snf-
ticiuie. com aquella votaco, para por tm cheque
inalqucr ministerio. Ora, partido republicano
divide-so em Matan esquerdo eu direita republi-
cana, uuiuo das esquerdas 03 opportunistat, ex-
trema esquerda e esquerda radical. Isto afora
outras sub'iivits, que, ern al/uns casos, produ-
zem resultados tunsstos. A extrema esquerda e
a esq'ierda radical detejtum os upportunistas e
centro esquerdo ; e estes teem o c nvencimento de
que a repobiica licar irremediavelmente perdida
logo que se forme urna situacao francamente ra-
dical. Ser o imperio da Cunmuna.
'aqui a extrauM diffienldade de organiaar mi-
nisterio de conciliaco e progr.nnmade conciiacao.
Abenevoier.ciados prim. iros das apeaas urna to-
lerancia, on urna expectativa.
Desde que o ministerio se inclina acccnltiada-
meute para um ou outru lado, ou deixa de ae 111-
c.aar como cada um deseja, enmeca a guerra
aberta. Dentro em pouco rebeiit 1 crise, porque
as iraccoes da direta l esto de atalaya part da-
rtm o apoio dos 180 votos fraccomais impacien-
te ou irrequieta. O* radica, s alliam-se mis fa
ci;mentc com ellas do que transiges com os oppor-
tunis'as. E a-sim vao augmentando a ansrehia.
A poltica de dssidencia e de intransigencia, em
que s" tmpenham, nao mSos dos grupea roonar-
cbicos, urna poltica de demolieo republicana.
Foi por isto que succumbio o Sr. rreyeinet, como
ba de succuinbir o Sr. Goblet, que a todos os res-
pteos vale muito menos do que el.'e.
I'ergunta-se : porque naodi&solvida a cmara?
A resposta tambem pouco favoravel para pres-
tigio das iostitaicoes republicanas em Fianja.
Jepnis da vivOrosa reaccSo dirigida po. Gam-
betta contra o chimado 16 de Maio, da em que o
ruerechal de Mac-Mahon disanivea a cmara, nao
tornoa a usar se d faculdade da disioluco.
Creou-se assiin a emiiipotcncia do parlamenta-
rismo, e us tristicjioj* ifleitos delta abi se estad
vendo.
importancia excepcional. Por i^so toma um peuo-
so encargo de responsabilidades o que, a acceitar.
cbamaroento do Sr. Floquet, presidente da c-
mara, que era muito do agrado dos radicaes, mal
logroa-se principalmente p .r motivos de poltica
inVTiiacional.
Ainda no tempo do segundo imperio, quaudo oe-
tev -. em Paria o imperador da. Russia pai do actual,
o Sr. Floquet, en*ao simplesadvogado, assignalou-
se com ius po6trophe violentae insnltuosa coutra
9 czar u'uma inanifestaco publica contra esto so-
berano. A ofioiisa niij foi esqucciila e o fiiho
herdou os Bggravos do pai. O embuixador da
iiua.i* Kinen assistio :'s reOpcoes, queo Sr. Fio-
quet da aunara.
O JfsXtit, flne pos em relevo estes precedentes,
chapa* alSruiarque o euaoaixador da Rusta fixi -
ra nanitar ro Sr. Grevy que sajn iminedtat.ainen
te 4t Frunea sp a Sr. Floquet toase iuouibi lo un
osejuaiaar goawna, Ora a potieacteraa de al-
lianca entro ai Franca o Kussia. ..
Outro Bymptoma que nao passou Qesapercebilo :
Em todas as c.-moinae.-s ministeriae.a, ainda ns
mais variadas, entrn semprecomo titular obriga-
do da poeta da gerrao general Boalanger, que re-
presenta a reorjanisacao militsr, a caeigia, a luta
B talvss 3 t-:iieuciK8 de guerra. .
Intcreasou-se muito a opiinao publica em
Franca com u crise que tanto uatea a resolver su
que a podemos oouaidorar definitivamente resol-
vida ?
Diga se a verdade, nnquclle pala h. plitic* s
preoecupa vivamente a opiui.to quando em qualquer
crise se acha compromettido a idea patritica. Do
contrario, tudo se passa no meio da maior indiffe-
renca. C'ce Veteraelk Elague, exclamaui os pa-
risienses e pussam a outro asaumpto.
Nao foi porm as-im qne diz'am ou pensavam
quando cahio o gabinete Ferry ae .ia aes*ninte
ao* desastres de Tonkin e derrota d, Lang Sou.
E01 oeoaaiooe taca, todo o publico ae seatr como
que poHSUJo da febre da disr.usslo Jurante os dis
da crise.
D'esta vez, nao so passaram a coiaot iissim e
mais attesy.10 deu a gente de faris queda das
primeiras ueves sobre u grande {capital, Jo que
queda do ministerio Faoeynct.
NiiiiiH ii
11 ii ni.....1....... 1 .......1 su ni ia
a Ruisia pretende fazer de Copenbagaa a Lase : mallograraai, finalmente val avante este empre-
das snas operacOts navaes.
Rumnlat
A 7 de Dezembro, no banquete commmorativo
que ee den -<>m S. Petersburgo, para celebrar o
anniversario da instituicao da U'dem de 8. Jor-
ge, o czar, voltando-se para o embaixador da Al-
lem nhi, levuntou um brinde ao imperador Goi-
lherme, como decano dos cavalleirse.
A formn, ha-poucos das, o Tempe que a quee-
tao do Egypto ser resolv da de um modo pacifico,
sendo concedida pela Inglaterra urna parte
Franca na administracao d'aquollo paiz.
luformam do Cairo que o eoudc de Aanasr da-
claruu nos ommissarios iogleoes, da divida punli-
ca ogypcia que a Franca aia yodara entrar n'um
anear .i a respeto de refoaaaM na diniutaoraco
enpria, aenao depois de JhhmIo o pri,bj 4 com-
paas, retirada das tropas brHannieaai.
JsWoi desmentida a uotoia dada pelo jornal n-
glez The Obteroer de que a Inglaterra j respon-
der aos pedidos da Franca, acerca dj Egypto e
do canal de Suez.
Os jou:-cs inglezes l-jclaram que a Inglaterra
responder a Sublime Porta, coaio j respondeu
Franca, gne imWt ejncluir 1 sua tarefa no fipy -
to, e que o uielh ir meio de adiantar a completa
retirada das tropas britannicas do t. n itono
eeyucio nada fazer que possa contrariar
Inrafa
Conforme noticias expedidas de Zanzbar, pare-
ce que rjinir-bey oceupa urna cxcellente posico
no Sida', fendo oabieettido aa tribus rebeldes
t prxima das margena do Nilo Branco, c es-
tando atesaaa em^cominunicivao com este rio per
meio de barcos Vajear.
Esta noticia tem causado grande alvoroco no
.'., porque prova que se nao fosee a fatal in-
tl teueia da Inglaterra, o Egypto poda ennaervar
o imperio do Soido.
Oriente
Cliegou h Iula-Pefth a deputac'u blgara, que
foi muito vii-t riada p"los (Studantes. A deputa-
(,'o pouco se desataron n'aquella eiaadc, segundo
pan Vienna d'Auatnu.
Antes de chegar i Hmig'iii, a depfltacao tinli 1
sido recebida pelo re Miln em Belgrado.
Em Sofi eonatavn que Gid'OHU-iffendi deca-
Chegoo Roma no diu 7 r.e Dezembro a cx-im | rou ao noverno BOigaaso que a Suulime Porta con
pnananta Eagenia^ que ped.. kaaoiedUtsunenre uaia nognio fzer meonbneer por vali.ias todas s deci
audiencia ao Papa. eOes da grande sobrante, co.n 11 condlC/dea de O cardeal ..'aeob ui, que continua muito enfermo I stja formudo um niins:. rio mixto e designado ..
licouca para deixur o cargo de-secretario de, principe de Mingrclia para soberano'da Bulgaria.
Estado; mas o pepa ert iliesiasH a n' gar Iha I Parece que e governil bnJejnrn responden que
est promptj a taasrflrar pora innli ladea, mas que
a scolba do soberano prtente grande a-
bla, e uj se ;; este eapa como principe de Has-
graba,
L .inciuta-se, eutrclan: o Times de que nao pro-
i-rrida a qiestai da Bulgaria.
Nao Bamitie a candidatura do principe de Mi
greli, mus dudara absurdo o boato de qae h Ia-
gienctM mi i-' intrigando para 1 lo d..
or.ncipe de Baltaobarg.
li.iinlo o Sr. .\t.-iev h. hoj nego-
cias eatrnngeicoa da Ilutar rticinon a Ga '.-
baa-effendi que tinba entregado aos representan
danio-lb; um auxiliar co"n o litulo de pr-acirc-
fario.
O T'mps publi'-'HVa ha das urna nter^ssante u .-
ticia de Roma, relativamente ao que se e=t pee-
.,1 !.i no Vaticano.
Secundo .. c.ri-, uj-on ier.te da folhi parisiense
Si'.a Sintuiaie aso Cicealar aos govern a da Ba-
viera, de Portugal, da Hes.anha e da Austria-
Huu ria
Nao se sabe a razo)z o Tempeporga
nao dirigi iirurJrrionte ao governo franc"? ; tai
vez se EeceiC ipil! o nosso governo nio uie.-t.e tau-
tos mI I psl I i iteressj. do paj sdo.
Seia nomo for a circular enviada palo Pioatem tes .las po .urdas unvt copa i 1 te egramua d
Os republicanos conservadores quera n dar re-
medio a este estado de coitas, mas tarde. Nao
Ih^s importara quebrar essi tradicao da omnipo-
tencia e inviolabilidade parlarmentr ; mas o paiz
nao respondera aos seus d- sejos. Os republica-
nos teem perdiio successivamente terieno na opi-
nio publica ; e esta auarchia parlamentar e im-
potencia de governo mais concorrem para Ihes ti
rar forjas.
Se bouvesse agoraeleicoes geraes dizuma folha
das mais autorisadas que temos presente, mais
que provavel que os JsO vetos das fraecoes mo-
narchicas subissem a 200, o que dara um aggra-
vamento de 40 sobre o deeeqqilibrio actual, Au
j.mtnta--ia o mal, porque nao possivel esperar
que os deputac'oa rtpublcanos sahissem himoge-
neos.
Por isse, nao recorre o presidente da repblica
diaso-ucao que, em qualquer outro paiz, seria
o expediente mus adequado para se por termo a
urna crise, que tao gravemente comprometa a
marcha e aecao do governo francez.
E por isao tambem os jurases monarchicos
instara pela dissolucao, provocando os republica-
nos a que lancera uio deste recurso. De aobejo
sabem qne, com elle, S tero a gaobar.
Tal a situscio poltica da Franca.
A pasta dos negocios estrangeiros tem agora
per Sra p' era evid 1 ia, diffisaida-
dM a 11, e qoe do .iia para da se MggraV-
raaa entre :. igreja e Italia.
O pup-i chega a dizer qu os acee.tecimentos
dsmonslrarara ja a impossibidarfe de suaseutar
em Roma o s-.berano pontfice no lado de outro
soberano.
-e Babeas coir, tal linguagem, cuja en"rga
n'trap^ssa medida habitual, se futa dspor os
espirito.! pura urna partida eventual do pipa da
.i .-:e Ef-r.i a. ou re se qiiizer siniplesmenie inti-
mi :nr o gonerne italiano c preparar usann uf eami-
uho para certas reivindica" o_'s.
Inslnterrn
A 8 de Dezcmbr 1 relabraran os unionistas libe-
BWSS cm Wilsrooms (L'iidrerl urna reuniao pesad
sol i presidencia do m iquez de Holtington ; pete
pronuncion um decurso iamentandoo aileaG
m presenca di .-.^itKQao da Irlanda, eonservn o
Br. Gladatone, sen i> corto que o velhxestadista,
nao pr..ferio urna s palavra com o tiin de accal-
mar o estado de excitacao c 13 habitantes d'aqnel
la iba.
0 Sr. Bright enviou reuniao urna carta de-
Donciando os projectos de Gladston e sobre a
Irlanda.
Puieco fra de drettn que a maniato dos libe-
ra. unionistas decilio continuar n a,-oiar o un-
nisterio 1 misi 1 aail r.
1 Sr. Goschen e o marqoea de Hartington enn-
servaram noe seus d.scurso? a alliauja do Sr. Giu-
Uatone eoo os irUotii-xea.
No banquete de qnuta-fjira (9) no*tlubci;ndr-
vador, o niarqnez deft'alisbnry disse que o bauque-
t" celebrado na veapera pelos liberaes unionistas
provou qne este-, mantoem perfeito accordo com o
gabinete a respeito da quesillo mais uopaxtaale di
DBonarcbia britnica e a sua separsco doSr. Gla
dpt nc um incirament. psra que o partido con-
Borvadov continu a sustentar e depender os prin-
cipios fundamentaos da constitaico.
tlk'mnnlin
as duas primeiras Msd3ea do Rcichstag, eon-
sagradas.ii ..iscussao de s.-lenato miiitur, o minis-
tro da amenai nio aeereacenton euuza algmna s
eoneideraes em qno se busein o projecto.
O goveino allemao insiste sm que a for^ji nn-
imricii KpCcseala mu por cero da populacao du-
rante o periodo de eete anuos.
I'ura justificar o augmeiit, o Sr. de Schell.-ndorf
reforio-se situaclo militar das prteociaa estran-
geiras promettendo fazer a commisso revelaeoes
que a resolvera u dar parecer favor-.vel.
O Sr. Rtchter, chela do partido progressis'a,
couitiateu o setenato, def-'ndendo a redcelo do
servico militar a dous anuos.
O Sr. Whindtbarsf, chefe dos ultramontanos,
decan a qu. m seni o llegas esto diepostns a fa-
cilitar ao goverr. 103 recui sos necessario para a
sesuranca do imps- io.
Usou em seguid:; a p ilavra o conde de Moltke,
aaiattndo mais ciremnstancias da poltica externa,
que obrigam o governo, com magua sua, a empre-
ar para deteza do paiz recursos qne poderiara
ap;dicar-se com maior utilidadeao desenvolvimen-
to da riqueza interna.
Toda a Europa accrescentou o Ilustre general,
espera com as armas na ni'.; para qualquer lado
qu nos vi.Itemos, vemos os visiaho* arelados de
tal modo que qualqner paiz por mais rico que S'ja
diti jii nnte pode com os encargos militares.
Estasituaeiio nao pode prolongar se; c necessa-
rio urna toluvao prompta e po. isso o governo ap-
pressa-se a pedir o augmento do exercito, ainda
antes de terminar o actual setenato.
Tratou em seguida o teld marechal de demons-
trar a snperioridade numrica do exercito francez
e a proposito deste facto, referi se aos cons<-lbos
que dera -o governo allemao para que politicimeu-
ti trafasse de se approximar da Franca.
Disse qne esta aproximaco seria rasoavel. e uo
t um beneficio para os dous paizes, mi tambem
'una ga.autia para a paz da Europa ; mas se nao
eia licito soi.liar com esta allianc,a, ce quem era a
colpa ?
Havia muito tempo que a opinio publica em
Franca reclamava com vrhemuicia restitnicao de
duas provincias esencialmente alems, que nun-
ca seriatn cidades e por isso o accordo seria im-
popsivel.
A allianca franerza seria de grande importancia
para es alleincs ; mas na propria vida privada
era necessario nao c\ntar com o apoio de estra-
ohos.
Um grande estado devia existir pela sua pro-
pxia l'-irca.
Depua de tractar-se dss ccndi;oes econmicas
d s pr. jectos, o conde de Moltbe terminou com as
seguiates paiavras.
" Se regeitassemos o pioject", tomaramos a
responsobilidade das d. sgrscas de urna invazo
estrangeira.
Cora erntje diffionldade rea lis amos a unidade
allem ; mister uiant. l-a e proar, alm disso,
que estamos unidos
Todos sabem que nSo aspiramos a novas con-
quistas.
Qae saibam tambem que queremos conservar o
que possuimos o que decididos a todo, estamos
sufficieutemente preparados.
O boato de ser iuevitavcl a guerra entre a Fran-
ca e a Allemanba, attribuida ao principe de Ho-
b- i.sollern, reproduzido pelos jornaes da opposiv-i >
e levado tribnoa da cmara pelo depurado .lo-
nesco, foi boje desmentido pelo ministro dos nego-
cios estrangeiros, duendo que urna invencio ca-
lumniada.
Ilnamarca
O governo dinamarqnez tem j elaborado nm
projecto de le augmentando o tffectivo do exer-
cito.
Os jornaes da Noruega lai dito ltimamente
que a Dinamarca recebe dinheiro da Russia para
augmentar s fortificar,oes de Copenhague, porque
vizir com roe pealo Bnoddatnta de prue'pe
de Miri:reli.i, o coiumi-'Sjrio turco aiAtrOU-ae miu-
to irrita /
Os circuios diplomticos suppoem quej. ::>>'',vo
do lal ltscoutentamento que a Su'ilme Porta
sedera assiin vir a saber qi- o tc-u enviado modi-
fica arbitrariamente os documentos que c eucarre-
g.-tdo de iransmiif.r.
Disto que rica dito se conchas que a questia da
Bulgaria cada da no offereoe nonas snrpmxee.
Desla vez a Sublime Porta que se anenrri .'ou
do papel de pHcoicadora, a querer proteg-T os la-
t seneas da Kussia.
C.1110 se ve, a Porta que aconsellui aos bnign-
ros iiue aceiteiii .ara soberano o principo de Mm-
grelia, naiatldata da corte de o. fetersonrg ', 1 tle-
receu 10, em troca dossa aeeitaejio, o recouhn-i-
mento d->s actos da lobram.
E' grande o alcance ia intervenciio ottoman 1 c
ha ueste tacto mais grvida de do que p.-uncir
vista parece t.-r, pnrquauto se a Kussia a a Tur-
qua etiuiti. ament se alaiem, poi.-i.i do um
da para o outro desequilibrar a d lauca europea
fazendo-a inclinar para o lado da Russia. Nao
pode a Iugiat- rra deseoniceer o perigo e por iss..
vi coutemporisaudo, ofiereceudo 1-Vare* a in-
gerencia na ndmiuUtraco das iiuancas egypc as,
comtanto qae a repblica nao a obrigue a eva-
cuar o teintorio do Ettypto n'um praso fixo, ou
mesmo pas->o que na Birinaniu trxta o gabinete
inglez de compor us suaa forana o continen! m
achar-ae to divididas com at agora.
Eolailat Ciiiili>
O relatorio do ministro dn hxonda da Uuio
America prope a Si.ppies^o dos din-toa de en
trada das materias prMDoa, eupecia'.meute das lis
e a reducen. dos direitos sobre os lanificios ; o
iniuistro est persuadido de que c-uleuares de 011
tros artigos deveriarn ser exeinplos de din-tus de
entrada, maa nao apia a abolifilo dos direitue
tabre us assucures, us bebidas alcoolicus e os ta-
bacos .
Dizem do Ntw-York que os tenianes ese lha
ram para seu chefe o Sr. 'Donavau Rozza, e nao
tratar de excitar o Cnnad e a Australia coutra a
Inglaterra.
CorrespondencSa do Diarlo de
Peruambuco
PORTUGAL Lisboa, 13 de Dezembro
de 188G
A 10 deste mez fez um anno que a assembla
geral do partido progressat 1, em que estavam de-
legados de todos o seus centros, escolheu por
uuaniaoidade para seu chote, o ir. couselheiro Jo?
Luciano de Castro, na vaga que nVixnra u morte
do consolheiro Auselmo Jos Braancamp. A i.n-
prensa progressista recordando sssa data fz votos
para que o pacto de concordia, que ueasa mt-sma
assembla se tormou, persista scinpre to inque-
brantado como ate aqui, e para que o partido con-
tinu a merecer a conauca da naci e da coroa
pela sua firmesa nos principios liberaes e p:;asua
dedicaco aos intt-resses pblicos.
E' esperado em Lisboa o celebre explorador de
Bra:za. Dirige-se ao Gabo.
O governo recebeu um telegramraa de Mocam
bique informando que o regulo Gungunhaua, ar-
rependido de haver consentido na guerra ou i.-
haver antorisado, e asacatado com os resultados
delta, manifestara aos Srs. Paiva do Andrade e
Cisaleiro Alegra desejo de conferenciar eoin o
secretario geral Almeida, que j all estuve por
duas vezes. Neste sentido inanlou um emissario.
Parece que. Guugunhana so rao,tra alin disso dis-
posto a aceitar todas as nossus iuiposiyoes.
Na academia real das sciencias, h uve quinta-
tir.i, 9, noite, ausso presidida por sua mages-
tade el rei.
O Sr. Vilbeoa Barbosa fez o elogio fnebre do
finado acadmico o couselheiro Meudes Leal. O
Sr. Conde de Ficalho participon que alguna cava-
llieiros de Serpa resoiveram erigir um monumento
memoria do grande naturalista e distincto Irte-
rato, o abbde Crtela da Serra.
Suaroagesiade apoiou'em seu nome e no da aca-
demia to elevado projecto e prometteu a sua
coadjuvaco.
Foi tambem resolvido que se escreveese a b 1-
grapbia do abbade Serra, ticando incumbido desse
trabalhoo Sr. Oonle de Ficalho.
Passaudo-;e depois eleico de fui:ccionarios
para o auno de 1887, foram eleitos para vice pre-
sidente da academia o Sr. Conde de Ficalho, para
secretario o geral o Sr Latino Coelho, para vice-
secretario o Si. Pinheiro Cliagas, para thesoureiro
o Sr. Hatt Pegado, para inspector da bibliothe
ca o Sr. Vilhcna Barbosa e para a commisso re-
visara os Srs. Dr. Silva Amado e Silveira da
Motta.
A sesso foi muito concorrida.
A ser na noite de domingo 1 do corrate, e deve
celebra r-se na sala da bibliotheca.
Ser lido o elogio acadmico do finado presiden-
te da acadenia, el-r-i D. Fernando. O acad-
mico encarregado do elogio o Sr. Visconde de
Be nal cu n for.
Comecaram ha poneos das as reunios, no
ministerio da justica, da commisso encarregada
da reviso do cdigo c.unmercial.
A 15 de^te mea l* anniversario do passa-
mento de el ni D. Fernando. Ha ver exequias
na S por sua alma.
El-rei tenciona assistir aquella acto religioso.
Foi coberta em Londres, Pars, Bruxellas,
Berln e Hamburgoa subscrpeopara o cabosuo-
manno dos Acores.
Deiois de quareuta e duaa concessoes que se
heudimento.
O praso para 11 construccSo desta linha, que
terminava ueste, ,'tnez, "foi prorogado ;por mais 8
mezes. A compnuhia acaba de orgaaisar-se ; c,
cimo se v, paree que com excellentes auspicios.
Esto mrlhorainen'o ser para nos da mais alta
importancia commercial e poltica.
Entre os directores d* companhia contam-se
dous cavalheiro portugueses : sao os -=rs. Baro
da Costa Ricci, e Antonio Augusto de Auuiar.
Corre que o Sr. ministro da guerra tenciona
crear umr. escola normal de esgrima, a que con-
correrao officiaea do exercito, que desojarem habi-
litar-se para uieslres d'armaa, indo depois para os
eorpos iustruir 00 demais otticiaes.
Fallecen repentinamente o Sr. .los de Geu-
ve.ia sori, juis de direitoda comarca do Fuudo.
O fallecido era um juiz iot rregim 1 e muito con-
siderado pela su houestidade, iliustracjio e probi-
dad-
Era irino doSr. Viscoode do Vida M ida, vogal
do tribunal de coutas.
Tambem succmnbio um filho do ilustre pro-
tcssjr o Sr. Th vphl.i Braga. .
F..i muito oncorrido o funeral. A' beira da
'pul-lira proiiiocou um sentido discurso o Sr.
Ur. Ifanoei de Arraga.
Fallecen a 10, de madrugada, Pedro de Al-
cautara Cbratiuno director geral chefe da tacby-
graphia da cmara dos parca. Era muito bem-
quisto .1 profundamente dedicado causa liberal.
Prca too relevautes servir; s ao gremio luztaao em
conjuiicturas das mus diOieeie.
Foi agraciado com 1 carta de conaelho o Sr.
Dr. Tenreiro, governador civil substituto de Lis-
boa. '
0 g.verno aolieilou da Santa um titulo de
1) spo mpatibuein deiium para o novo prciado de
Mozambique, a exe.i po rio que se tem feto com
"JtfTt d..a aeus Onteee.-sor-'B.
.'.ais um j. juador e cst- agora ein t'irfu
ga!. O Sr. Annelun Ju.-iior, quinto nni'eta de di-
reto, proiiiii-ilie.,11 sa a j"n-.r 40 dia?, tomando
anonas de 12 im l'J li ras uina eolber de tizona de
Zilhman, modificada pelo Asss -!e Faro. Reser-
va-se a llberdadede bebw agua de L.urdes, c to-
1 dia do aeu jemm, u.n eWM0 de
viuho dn Mndeim.
A < xperi.-i.ci-. 1 or unjo resulta 1. t .da a cidade
se intu easa vivam-nte, principala no prximo
d rning 111- ia noite, epO'a de laj/i lauto juntar
quo os con luc-piilof do Sr. Arn lin lhe etferecetn
110 hotel dos CuM.iii 14 Perro. 0 jjuador a :n-
primetteTse a Creqneatsx, eorao .i eoaiume, s
ansa .-.ni---, aa oaniiaj rio eejmpaiihadas pelo
presidente da e imii.-i-.siio itt vigilancia, rec 4 lien-
'Ciit.s n Ib eata-i pre-
parando lu eiiticio do e.\ti:icto cuaWi n: '.-
T.iere.',a.
Ojej ji'ior, por pn Kcieia, afi 1 eon ote ere ser
1, ao priacipiar 1 expn seao ves-
tido.
Sua mag-.-! .de 1 -re., r,i ;i ,!',-/.:; a prii.-cza
D /'.::i--i:.i, o prtnc "> ..- 8re. int>n
1>. Aiue-t.i e ; '. -.;-.,n nidia Id, -i
meio da, no o. i, onde t rara c ..-.r.
Deve ser I'- ,. i .. r ':, e.
as acaso i de lie G
de L aboa, a qae se i al ?. i h > i i|-.ite n i ti
; ;-. i arl s, sen iut ,-e. r-ii das Srs. Sepa Pinto e Augusto Cardos .
ch fe da exp ..;_;.. ae lago Nyaosi.
El-eei e-itre/.n a Seroi Pint ms iii-d ai..s de
hoima .la Sj de Liiiioi enaatncninmtivas da iraveaais de Ben-
:;a-i!i e DK. iu. I'r li-ld s i .n gestada '. r.-i,
assistiudo n nnilia rea!, c fomta i -,i 'cialni-uitc .
coiivi-Jaioa os carpa diplomtico e conenlar, aa
presidan ias das enmariss legislativas, .s in.lus-
tres de estado, aa presidencias dos Tribi-4*-'a so-
perivree, > oerdwl patrian-ha, o e imtnnadauKe
geral da arma i', a gesasml da divisan codas
guardas iauBe junta geral e da e.uara municipal, os directores
geiaes das secretarius, a junta consultiva di ul-
tramar, e a i .z -i- se Bueninentar i imprenat. as
ssoviiiyoea acientifieaa, aa escolas saperiores, o
a.tilinaiio das uiasaVaa tiltiainarinis, Ks-asaocia-
coes eomrnerciacs .!e Lisboa e Porto, a real asso-
iavilo te agricultura t a da industria, y. olKciali-
dade dos eorpos na guarnir;l > e a dos navis de
guerm, etc. Ex-rc -m r. tunecoVs presidenciaes
os Srs. ministro da marinea, Henrque de Macedo,
o presidente .1' sociadnde, couselheiro. Agvar.
Em volta da ae.ii lia ee-.n lugares reservados
para a direceo, coinmisso central .e africana,
presidentes h m irarios, einseibo central e asnal-
d ntes e vicepresidentes das seeeoes. e o testo da
assem lea geral oucup-tr 0 sarao, formado pela
juineao do pnlCO O da platea.
O Sr. Bretin y Vedra. consu! do Mxico em
Lisboa, depositen ante-boutera, no tnimsterio dos
negocios estrangeiros, por parte di seu governo,
a ratificar;! > io acto addtcioual de Lisboa cou-
vencio do I." de Junli> de 1878.
Sao espemdos em Lishoi o principe j iponez
Koiuatzu e sua esposa. Depois de peroovrseo .
as principis cidades, permanecero cin Lisboa
durante algum tempo.
Tau.bem est para ehegar a esta capital a foi-
mosa iluqueza de Medinacli, ornamento da corte
de Hespanha para se reetsbeleesr de urna eufer-
raidade que ltimamente te aggravara.
Consta em Lnoa que Siiis Altezas os prin-
cipes itnperiacb do Brazil partulo do Rio de Ja-
neiro com destino Europv, no paquete de U de
Janeiro.
Suus Altezas demorar-se-ho qninz-i das em
Lisboa, seguiudo depois para Franca, Allemanba,
etc.
J est posta ven ia a traduccio do /n-
/i?rno de Dante. O traductor da Divina Comedia
do inmortal porta fljreatuo o erudito braziloiro,
monsenhor Pinto Campos.
O ultimo boletim commercial e finaneeiro do
Economista, folha regeneradora no fundo, mac iin-
parcial n'esta ordem de os-moptoj. dizia :
Tudo contina em alta : inscrpccs, aecea
e obri^acoss de eorapanhias e bancos, exceptuan-
do, 4>em entendido, os papis wiueros. ,
O Comi dt Manlia, jornal regenerador, tam-
bem cscreve por esta forma sobre a alta, progres-
siva e sem precedentes, dos nissos fundos:
o Os fundos prtuguezes sobem e esta hojea
mais de 5G. AfEaucam-nos que ch'-garilo a 60, e
temos com isso o mximo prnzer. O que nos ga-
rante que elles subiro a 60 o telo prophetisado
hi um mez a Sr. Paulo Leroy-Bcaulicu, n'um ar-
tigo do Economiele frnjate.
O Sr. Paulo Leroy-Beaulieu um economista
francez de pnmeira orSern, e boje um dos dire-
ctoies dos caminhos de ferro portugueses Foi um
dos membros francezes que o syudicato qnetomou
de asealto a direceo d'esses caminhos chamou a
si para lhe darem tortja e autondade.
Ora o Sr. Paulo Leroy-Beaulieu, que nem
sempre se mostrara muito eympathico s tinancas
portuguezas, que eetabelecia mesmo como principio
geral que era urna naca- fioanceiramente perdida
e que tmha de tirar da sua receita urna somini
desde a sahida do ultimo paquete mais impres-
eiouon a populacao e mesmo a imprensa de Lis-
bos, foi o casamento de urna fiha dama modista,
celebrada em trinta mil reclamos a tanto por linha
as folhas da capital desde muitos annos Sra.
D. Qeeilla de Almeida Fernandas. ,
Seu marido o comraendador Marcos Mara Fer-
nandes que Jeu voga Maison de Frunce, si-
tuada n'um modesto primero andar da travessa
de Sauta Justa n. 6i, com a febre dos ununc'os
repetidos, repisarlos, BMltiplicals em todos os
peridicas da cidade c provincias com enorme es-
palhafao.
Sua til ha D. Lsura Placida do Almeida Fer-
uandes, forra..** o ntelligente menina de 21 an-
uos, tem levado a sua vida a fazer figura ni s re-
clamos do csinbelecmento dos pas, que desde
pequenina a fizeram entrajar de anginhos nss
Lu orino, ao
Farpas de Ramalho Ortigao o Eca de Quer ,z.
Cemecou a crescr, iiabilitou te para faer
exame de instruccao primaria, tu approvada
creio inesm que at com distneco : uovos elo-
gias, creanc* esperancosa, pieeosidade da
sua intelngencia, eolicitudo tos pas e indi-
reetamente ao estubeluei.ocnto de modas da tra-
vessa rio Santa Justa n. 61, Ia andar.
Nao u c record ee 03 felices progenitores de
D. L-iura deriim uma soire por essa oceaaiSo,;
convidarara.se uessa ou u'oulia, possoas inflaents
da politici, iotaveia as letras, ete, etc., e fos-
sem l ou nao foasem, a questo toda consista
em que os nomes aessas notabilidades figarassem
pelos noticiarlos que deacreviaco a festa.
Da instruccao primaria paa?ou a fazer exames
no Lyc'en e noOjuservatorio Real de Lisboa e iliga-
;e a verdade tel-os todos com bom xito a joven
D Laura, completando os dons cursos.
E incrivel, porm, 'o seu BUmoro de panegyrico
ex; geradi.-siir.o-i cora que a unoreMa por soiicita-
Cjo do eomm ndador Marcos Mana Fernandos i.i
paohudo iquclles progresaos litterarios.
mpsienea ac*ntificos da joven uspirante. ad-
liii-^iio na osela medico eirurgica, p<;is era isso
o que india se dizla e apregoava.
Cliegou mesmo a cursar aulas as preparato-
ria.^ 11.1 Escola '.'yte: iiiiea, inacr.ao prosegnio.
Ko eatnute sffeicoou-se-rbe nm wocoibonimeo-
dadur d- Vianna do C-alcllu, Vieira Aa
rece abastarlo.
Pedio a mo da talara'Ota menini a sens pais
qne en to ae achnvam era digresso de reereio
pelo Miuho.
Nada mais naturifl.
Ora, ae uVvesss eate r'cto sido logo pelo
Pj annuneiedb.estrepito un :it.; em t-dasfo-
lha de Lisbianonf as bjperboU's.dp Matme, n
desenlace teta sido dos mus vulgares.
Mas o amxmaeio novicia dizia que os padrinhos
naris, o min>atra du obraa publicas, n mi-
: r, 11 inariiih-i. nenapistro do catado nonorav-
rii Sr. Pn 1 n Chagua, o Sr. Dr. Cunha Beim
' '' '' de Sdcmbro, o Sr. Eaper-
goera,-efe, ira seis, nem mais nem me-
nos, 1 ., -. o de Dcsembro, pelos lluras
:- tarde, na 1. ':.. Slartyres, e-n pl no
Chindo, :-'.', : ira da 10a frrgazE. para dar
1,1 -1 ineoSa, a ora sm que ter-
: :- foatj !.. \' ,s:, .v-i.ho.-a dn
o o cortejo real, os mi-
padriirboa teriau de assistir o casamento
ile Feranades com os seus fardaihoes de'
gala.
AlrarocnikM a cidade qne toda II* sabia de
er e salteada to tabead 1 de moltipricacao
de en-o:n-o- repechados 0 oarlapa ices chrjuicas
di Maieoa de ranee'.
E par* Boaic aja ia, por ama dabrura typojra-
;" 1 parece, a noticia rep.-oizida no
iorual do Commereio de 6 ou 7 do corrente, sabio
em um treciio d'outra noticia intercalado, por
forma nue depois da ii.irn- do Sr. eonsellie-ro Hea-
r-qne de Macedo. ministro na inarinha seguiam-
se astas pslavraa, pouco nsaia ou menos : ... mu-
nido de urna utfruima com qne pretenda jurar-
le a pirra. A polica, porm, accuindo liorou
da vrrima a pobre... e segaiam-ae oa nomes dea
outr.s p.dnunis. eaifin o resto da noticia-pro.
gramma do grao le acootecimeuto nupcial da fi-
ha de HarCOS M.ria.
Lisboa acornando rie mniih, d com a noticia
do Jurnal do Commereio seu, trea v.aes cuidando
que estavu a Bonfaar e deaatua s gargalna
Se al all tiubs f;ito m inuteneao do ir ver o
casamento, desdo que o ministro da ir.arinha 'ia
munido de urna cerrnma jurn logo aos driises
nao faltar a lis MI I lia a I il espetacu'.o.
Foi o caso que um tal Macedo (homouymo do
Ilustre ministro, mais vadio e desordeiro) tora
preso em igrante por '-er querido aggredir tima
pobre rapariga ero aquclid .' instruin.-nto prfj-
raute.
Diabruras----- typographic'is, ea todo o caso,
urna tomada da noticia policial entrara pela com-
pusioao da'..otra notioli) C d'ahi o riso de todos os
leitores do Jornal, do Commereio. que sao a Baixa
cm peso pelo monos, h a mande honorabli da rc-
iaccao no da sepilite (omenda peior que o so-
ntstoj os chistes e chuscos das folhas da noite, o
diacho, u'uma trra como esta, que afioal de con-
fas 8.- impressima por estas cousas futeis e de
Boalheiro c:m qualquer cidade sita do pro-
vincia.
Chegado o grande dia comecou-se a eneher se a
igreja dos Martyres, principalmente de s-nhoras,
muitas d'ellas quera faltar ao casamento unnunciado com taes
excentricidades. as mas, desde a travessa de
Sana Justa at ao fim d i Ciliado, apezar da chava
mindinha e do lamafai borroroao havia apenas no
meio do Macadum espseo livro pira o transito de
carruagens e vehculos.
Tudo o mais catara apunado de euriosos que
nio tinham tido lunar dentro da igreja. A's ja-
nelias viam-se familias iuterss, a fra as visitas,
as conh cidas, e at mesmo, creio, as pessoas que
sem a menor con vi venc i com os danos da casa,
iatn bater porta e pedir per muito favor e espe-
cial aere um cantina- na vareada.
O coit-jo f.z-se esperar. Eram 3 horas, e quan-
i ms, currocas, archeiros que vinham du S.
vendedores ambulantes, carros com tnobilas pas-
sa vam, eram ja por si asaumpto para epi;rKm.aas,
dichotes e chaluca mais fia a ou grossa dos cir-
cumstautes que a p firme resistiam em astaciou ir
c esperar a psssagem do noivado.
Finalmente com;'earam a desfiliar as carruageos,
com os padrinhos c convidados entre os quaes ni..
vnham as dos ministros, nem o ontros ca'va-
Iheiroa influentes, porqae todos ultimz hora de-
ram parte de doente... Atraz vinha a carrua-
rem envidracada da noira, levando o cjchiro
Aires de la re nja no piugalim, o que muito ajudou
a alegrar a mnltidSo, posto que o facto na > seja
aqui nteiramente novo. No templo graude bor-
b riuho, follaeia, riso, pessoas empoleiradas nos
tochiros, nos pulpitos por coda a parte.cmin.
Nao Ihes posso deserever a tro^a, a galhofa que
J* jt
,-r-no
qta
taoavultada como a qne rlris tiramos para paga- desd-j a sbila de easa acompauhau o cotejo, as
ment doj JUI03 da nossa divida, passou agora a liberdades que so pcrmittiram os (roeistas dentro
1. f,;ader-bos, e anda bem que assim acontecen. e frl du templo, a avalanche de gracolas, de dic-
terios c apupos com que as carruagens era rece-
bados pela turba.
Chegava a gente a oavergonhsr-se d'aquillo
tu >o, c com a id- ia de um estrangeiro qualuuer o
pieseaci*3se!
Depois de celebrado o acto, os noivos e padri-
nhos, que foram uas caviheiro- a quem os psis
dos noivos convidaran ultima hora para sub-
stituir os pri cetros, tiveram de sabir pelas portas
lateraes. A polica "m numero de 40 ptacaa que
naviam sido reqnisitadas na vespera pelo Sr. com-
mendador Marcos Alaria Fernandes, cootiveram
muitos cxces303, mas nao poderam impedir a mais
monumental chacota que tem visto Lisboa ; nem o
governador civil, nem o governo quizeram tomar
a responsabilidad' de mandar correr pela caval
I Tice municipal dando cargas em pessoas muitas
d'-.dlas apeaas curiosas e innocentes d'aquelles in-
sultos, que s assim se tera dissipado o enormis-
sissimo ajuntamento.
Os jomase do dia seguate contaram que os noi-
vos tinham partido noite pelo caminho de ferro
para o Porto e que at mesmo na gare de Santa
Apolonia a troca os perseguio cruelmente. O noivo
por fim diz-se que at chorara. As chroncas
de todos os peridicos. Os pontos nos i i de Br-
dalo Piflhetro, o Pimpao de Alfredo Ribeiro, as
folhas burlescas, as senas, as republicanas, as mo-
uarchicas, tudo descreveu a bhmbochata com in-
ciiveis pilherius e faeccas.
Urnas trocavam ainda, continuando a mangacao
collcssal da vespera ; outras moralisavam o caso o
deitavam aa culpas paspalhied incorrigtvel de
muitos annos do proprietarb da Maison de Franee;
Otttraa diziam verdades amargas e increpavam a
polica de ter consentido aquella bexigada depri-
mente para o decoro da capital, como increpa-
riain ee dsse cargas de cavsllaricc no pvo e
acutilasse como fez em Junho depois das restas do>
casamento do Principe Real.
Bom qle so faca justica a urna naco tantas
ve7es calumniada ou mal apreciada.
O Sr. ueruy-Beaulieu, pois, escreveu ha coisa
de um mez um artigo acerca das tinancas portu-
guezae, artigo extremamente lisougeiro para ai,
e, em que aHirma, como dissemos, que os fundos
poruguozes ho de chegar a 60.
Contamos que a prophecia so rease.e estamos
aimejando pela viuda d'essa, noticia to altamente
tav.ravel ao nosso crdito. J estamos em mais
de 56, approxiinamo-uos de 57, e bem possivel
que o mez nao termine sem chegarmos aos cubi-
cados 60.
Duemos isso porque temos plena confianca as
propbecias do Sr. Paulo Leroy-Beaulieu.
Os fundos camnham serenamente para esse
algarismo, sem haver abalo que os perturbe. Des-
cerara um pouco os funds inglezes, e es portu-
uezes subiram. V-se que as nossas finanzas
inspirara absoluta completa confianca, e anda
oe n que assim
Foi muito concorrido o funeral, que hontem
se realisou, do Sr. Vicente Jorge da Castro, pro-
prietano da importante typographia Castro & Ir-
ino, estabelecida ha muitos anuda em casa pro-
pria na ra da Cruz de Pao, hoje, ra do Duque
de Saldanha.
Foi no seu estab'lecimento que so imprimiram os
13 voluines do Archivo Vtitdresco de qae o falle-
cido, c sea iranio, que tambera j nao existe, fo-
ram oa fundadores.
Muitas outras obras de valia all se editaram,
como as de Nicolao Tolentinb, s ib a direceo de
Jos de Torres, que a m irte cerrn quando tanto
anda se poda esperar do seu talento, actvidade
luterana e erodicco profunda.
O honrado industrial qae hoatem se sepulfou
gozava tle muitas sympathias e muitas sao as
pessoas que deplorara a sua perda.
Parece imposaivel, mas o acontecimento que
I

;
. t

1
\M
mam i
l KEGlVl


^Ag^j^lg
Diario de Peroamlnico---Tcrpa -feira Z8 de Dezembro de 1886
3

*
C^nt-i llies, mena amigo*, oirnis resumidamento
que ore f>i poseivel nua "' di* 8 de
Dezembro fizia parecer que eetavamoa era tetes-
feira girdif, e nio ni oral iw, uera fue. > maij coin-
inentan.s. O que lea posso asargurar que
noifp as palhaee* do cireo andav&m dizendo (arfa
das Cus par* os outros, sacian lo verrumas dos
boicot, pri movendo grande hiluiidade na publico,
e qse ja se est preparando para um nos nossos
theatros inais populan s ama revista do anno ein
que i peripeciis do casamento Fernandes !
Anfe-h ontein cieo-ee en S. Carlos pela po-
meira vez a opera de Bizet Os pescadores de pero-
las. O malogrado maestro inuito apreciado j
em Lisb desda que se ouvio aqu a Carmen, de
que n'esta poca se lein t-, oto a reprise com grande
uceis). A op- ra nova agradon uiuito moa com-
poaicao .rigiaalisainia < era extremo deliea'
bretud em alguna rrh-3. No s u conjuueto,
apezar da magnifica exejucao que teve p ir Valero
(tenor) Ern-stiea Bandaaai (sopran;) Vidal (b-
xo) i rece que pOBsa estar muito tempo
em scena, porque Ihe t.tltam as condicefi que ten
as operas do grande reportorio, a que o nosso pu-
blio se habituou.
L.
pontos o outras despexa.A' eommiaeao de c
Out.a de (iuilberme Thom da Costa Revoredo,
arremataat" de iinpostoa munielpaes de Limoero,
Assembla Provincial
S> SESSO EM 14 DE DEZEMBRO DE 1886
MaSIMdKU do bxm. sb. db. jo?e manoel de
B.VEKOS WAHDEBLEY
(Coiicl'isao)
O *r. Uawpar le Ilrummunil (Nao
devoiveu seu discurso.)
Vera i mesa e fie?, para ser opportnmimeifte li-
do. apoiado e discutido o segrate requenmeuto :
Requeiro que por intermedio da presidencia,
r.ntlm*.< 1,. I -..... *.l \f 11 ,.l>. HU I ^fiM'lll'liMiH; .V.
ornamento municipal.
E' lido, apoiado e julgadoobjacto de deliberacao
indo a imprimir um projecto ob n. 107 conceden-
do um anno dr -ou um terco da
protessora publica deCh.t de (Jarpiua, D. Arga-
mira Goilhermin. Peitisa Hrekeufeld.
ntina a diseussa) do requerimeuto do Sr.
Praxode* Pitanga, pedindo iuf.irmacoss sobre o
pncedimento do destacamento volante no centro
provincia.
O Mr. Praxedea Patanga-Sr. presiden-
te, corto, como eatou, de que o requeriraeoto uno
ser approvado pola casa, o havendo o raeu Ilus-
tre companheiro dedistricto procurado justit
procednneato do governo em relacao ao assumpto
de que me o?cu,ei; convencido de que S. Exc.
ter eito presidencia a coiraouieac-Lo do
a que me refer na discurso que profer hont-'n-,
esperando que o governo da proviucia tomar em
censideracao as oOservaco 'a pjr rnim taitas, peco
a retirada do rciuerimento.
Consultada a casa, consent na retirada do ru-
queriuiento.
' (Continua.)
Ificendlo.No da:
v.rbalin da frtguei da
Varaea, en trros da ongenbo do Dr.-LaM Line,
foi incendiada totalmente eri cousequenci* de fogo
requeres*} um abate de 25 /. A,' comuliMao de qae se ibo commiiuicra di urnas capoeiras que
etviSTA DIARIA
se solicite da (jamara Municipal informaces so
hre o seguiute:se por ordem da Cam ra Mu-
nicip'il que te fita em varios pont >s da cidade de-
posito de lixo.S. R.(x. Drummond.
OEDESI DO DA
E' rejurado o requerimento do Sr. Jos Mana,
pedindo o adiameuto ca discusio do projacto u.
103 deste anuo.
Contiui a diseusBo doprojecto n. 103.
O Sr. Prxedes Pitauga enva mesa a si-
guite emenda, que o Sr. presiaente declara nao
pod-r aceitar, por eonter materia referente ao
quadro do cxercicio lido.
N. 2.Que sej.i pago o que se dever pro-
tessora da villa de 'ores, resultante da differen-
va ue seus vcncimfnlos. e que j M ncha raga-
brisada pelo Thesooro Provincial e que devia ser
presentada no quadro da divida paasva, votm-
uo-se para isso a qtiantia de 00S ou GO em
quanto monta esse debito.Dr. Pitanga.
O Sr. Praxedew Pianga (pela ordem)
Sr. presidente, esta divida de que trata a ini-
nha emenda nao est ompreheodda no quadro
da divida passiva ; nao est compreheudida iu
quairo de exercicio fiado. Esta dmda-frie ser
perft-tamente atteodida agora. Portanto, ni ve-
jo inmiv i para que mesa deise de aceitar a mi-
nba eme.di.
O Sr. PieaidcnteNi^te caso bem.
Aceitu eineo Ja, opeiada e totra em dis -us-
VM o pii.jecto.
Em seguida vm mesa, sao lidas, apoiadas e
entrara em discusto com o projecto as seguintcs
emi'n
N. .i. substitutivo aoart. 2" 29 da le n. 1S60.
2: pjr c id lotera, ou parte das de ou-
tras proviucias qua foreai vendid..s u'esli ; ni)
podeudo os bilbetes carimbados por urna casa ser
vendidos em cutra. sem que tenhuin pago igual-
mente este imposto.
> Os Contrateptoree pagarn um multa de
1:0005 por ca.ia vez, e em f\lta ser pa
com 30 dian de p.6o. Jos Maria.Aodr Das.
Joo de Oliveira.Jjveacto Mariz.
X. 4. 1:200 para pag imcnto do cirurgiao
deatitt* u.> Hospital Pedro II J.s Mara.
N. Supprioi.i-ae o 39 do art. 2. Jos
Mari*.
N, 6. Sapprima-M o 38 do art. 2." J^'
Maria.
K. 7. Diminua 8 na verbaExpediente da
secretaria da presidencia 80^5. Jos Hara.
N. 8. Comprem-se de preferencia para as es-
c;i:3 publicas os Iivros de Liudelino R>cha.
Mari-i.
N. 9. Mitque-se Urna Verba de 5.-000J para
eucaernsgo doa livros da Bibliotbeca Provincial.
Jo Mara.
N. 10. Diininuaia-se 600 na verltaExpe-
diente da Escola Normal.Jos Maria.
S. 11. F.cam sem iffeito as .utonsacoes co-
udas na lei n 1860, que nao tenham aiio ex'.-rii-
tadas por actos ou contractos da adminiairaco.
i Jaeobioa.
N. 1. Pica o presidente da provincia auto -
bisado a effectuar o pagamento dos crditos con-
tra a presidencia p^r hlugueis de casa, entrados
e serricoa prestadas, (ijbitase3ses que tenham s-
do liquidados nos exercicios p. ssadoe. Fcrreira
Jacobina- *
Ven me3a, lido c apoiado, deixand > de vo-
tar-se por flta de numero t> seguinte requer-
inento :
Requeiro o adiamento da discuso por 48
horas, ira quinto se imprimem as emendas apre-
seatadas na sessao de h j". Joo de Oiiveira.
O Kr.Joit 'Inri(Nao dovo.vcu seu dis-
curso.)
O *r. Joo Ue Oiiveira(Nao devoiveu
o tea ducarco.j
ftio idos, apoiados e sen debate approvados
durante o discuisj p.-ueedente, para o que foi in-
terrompido os seguintes requerimentos :
Requeiro proogaco da sess) at 1/2 bo
ras da tarde, para votar-se o projrctj de proro-
gativa do orcainento em 2* didcusso.S. R.
jucalves Perreira.
Reqneiro a prorogacao da sesso por mais 4
boras para votar-se o projecto de prorogativa em
2* dscus3<*o.S. R(Joncalves Femira.
O Sr. presidente levanta a a-siao s il 1/2 ho-
ras da noite. designando a seguinte ordem ao da :
toutuiuicio da antecedente.
1' SESSAO EM 15 DE DEZEMBRO DE 1886
presidencia do exm. sr. dr. j. se max')2i. dc babeos
wiihuhi
oa brese a sesso--Le i tura e approvr.cao
da acta.Expediente.Discussodo
reqii'rimento ao Sr. Prxedes Pitan-
ga. Rcquerimento e discurso do Sr.
(,'osta Ribciro.Requerimcutos dos
Sis. Drummond e Ferreira Jacobina.
--Dicurso dos Srs. Ferreira Jaco-
bina e (joncalves Ferreira.Reque-
riinento do Sr. Costa Ribeiro e dis-
eUfOM dos Srs. Goucalves Ferreira e
Cesta Ribeiro.Ordem do daVo-
tao do rcqui rimento do Sr. JoSo
de Oiiveira.2' discusso doprojec-
to n. 103. Requerimento do Sr.
UODcalvi-a Ferreira.Eucerramento
da discusso e vota.,o do projecto
n. 103.Hequermento do Sr. Rosa
e Silva.Discusso do projecto n.
11, deste sobo, e requerimenlo do
Sr. Ferreira Jacobina.Discurso do
Sr, Ralis e Silva.Oscuseo do pro-
jecto n. .r)0 deste anno.Discurso do
Sr. Tit:s e Silva. Levanta-se a
;es--So.
Ao inci) dia, feit chamada e vcriando se
estarcm presentes os Srs. Julio do Barros* Ratis e
Silva, Jo de Olivera, Juvencio Maris, Goncal-
ves Ferreira, Amara!, Joo de S, Barres Wan-
(lerley, Luiz de Anirada, R;Jrigacs Porto, Costa
Ribeiro, Lourenca de S, Affonsc, Ljstosa, Do
mingues da Silva, Soares de Amorin, Reg Bar-
ros, Augusto Frankliu, Rosa e Silva, Ferreira Vel-
loso, Gomes Prente, Ferreira Jacobina, Jos Ma-
ria, Barros Brrelo Jnior, Drummond, Prxedes
Pitanga, Herrulaiio Bandnira e Sopbrooio Portel-
la, o Sr. presidente declara aberta a sesso.
t^oaspareceiu depois o< Srs. Rogoberto, Costa
Gomes, R- Rueira Costa, Bario de Caiar e Anto-
nio Vctor.
Faltara os Br*. Visconde de Tabatinga, Bar>
t&e Itapissuna. Coelhj d3 Moraes, And: Das,
<'oustantino da Albu]uerqa, Solonio de Mello e
.,> Alvrs.
E' lida e sem debate approvad a acta di ses-
sao antee
.Sr. 1* secretario proede ieitma do seguiute
EXTBDIENTB
Um oficio do secretario do governo comrauni
cando qua por partana de 15 fra prorogada a
actual sesso extraordinaria at 18 -, de Aurrusto Octaviano de Souza,
thisoteiro das loterhis d proviucia, expondo o
estado precario dua mee mas e requerendo augroeu-
o da comanseas que percebe, aniioui;o de ira-
Tlieairo de %'arledadeTsve lugu
nest'- (be*tro, na noite de 24 do cerrente, o se-
gundo espectacul i da Comptnhia lyrica comica-
italiaua. cora a sceoa birlesca D Ckeco morlo de
Jome, a opereta As mullteres guerreiras, finalisaa-
do eom o otermeaio Hornea e Julieta.
A primeira te ve como interprete o Sr. Carlos
Chrstopboli, que com g-ando uaturaldade e gra.
ca desemepnhou a dteilima parte de D. Checo,
sendo por ss bostanti- apjiaudido
Na segunda, alm dos deraais artistas qi to
maram parte sobresahiram o Sr. Milone, Nagbel,
Cnristopbjli ; sendo, porin. digna dos maiores
applausis, como foi a Sra. Springer, j pea gra-
c com que desempeuhou a parte de Fifi, j pela
segnrauca e orreceo com quo cintou a ana das
Vcapers Scibeunes.
Na terceira parte, comquanto fosse 0 inter-
medio sem inereciraeuto artstico, os artistas que
o interpretarara desez:penharam-n'o com geial
agraJ i.
11 ge, d a compaubia a sua terceia recita,
e i.n^urainos-lhe urna enchente completa.
Tbeatro Guaran) em laboalo-Na j
sexta feira 31 deste mez ser levado sceua no
theatro Huarany da cidade de Jaboato o dr.i i
original brazileiro cm 4 actos intitulado Vferselem.
O espectculo em beneficio do autor do referi-
do drama, oue uellu represeutar, bem como i:ui
grupo de amadores.
llavera depois de terminado o espectacalo trem
para esta capital.
Ir'allccimeiitoA's t horas da noite de an-
te bonte n faileceu de urna polyfibiose arterial o
Dr. Meudo de S B.irr. to Sampaio, abastado agri-
cultor da comarca de Palmares, hbil advogado do
foro d'alli, e homem summament: estimado por
todoi quantos o coiiheciam.
Natu.-al do Cear, contava apenas 47 aonos de
idade. Apezar de baver cegado ha 8 anuos, tend*
tudo envidado, mas em vio, para recobrar a vista,
a sua resiguaco era admiravcl e bempre agrada-
vel e espirituosa a sua couversacao.
O cadav-r : >i hontem tarde e.nluiiio em trem
especial para a estadio de Cuyambuca, em cuj
cape lia ser i boje pela tnank celebradas ese-
qma-, s^ndo om segu la o corpo dado sepultura
uo C''miterio do eogenho Cuyunbuca, onde r.'pou-
sam os membros oa familia do Bario de Palmares,
'jii.- o a sogro do finado.
A os pareles di fallecido aprusentamoj uossas
oondjieiieias.
Tren TacadaNa n ate de 16 do corren" ,
no logar Ohapode Palba, do dstricto policial de
('alujeo .i. Manuel Gomes da Silva ferio grave-
mente com tres lacadas a Jos Bsdrigaea dos
.Santos, c un filho desto do mesmo^njms o qu.il
o i.-ioinectos dopd*
O '.ssassino foi preso.
Cai tura de crlittlno o m Cabrob,
no da 8 corrente, tai capturad o criminoso An-
gelo de tal, pronunciado no aitigo 193 comb.nado
com o artigo 34 do codigj crimin .1.
Para pasmar a reata Dura na a
n.ite de 21 do corronte, foraiu subtrahilas do ea-
tabeleeimento de molbadoa dos Srs. Richa Pereir*
& C, a ra de S. Jalo a. 12, do Io dstricto da
firegaaata i-' S. Jos, diversas mercadorias, cojo
valor estimado em 300J.
Os lairoes parece que ficarara all durante a
noite e, tiveram tempo de fazer tarta proviofio
pata pissar a festa mais commoiameute.
A aulordade policial respectiva tomou cjube-
cimeuto do facto.
Comitanbia de edifleaco 11 je. ao
meio da, nevera reunir-se os acciouistas d'esta
compauhia afim de procederem el:it;j do seu
director-gerente.
A reunio ter iugar no largo de Pedro II n. 77
I.* audar, pira on le foi transterido ]0 cscriptorio
dessa companhia.
v erro va de Caruart N'wta eoro-
va, entre as estacoea do Recite, I'egipi e Jaboa-
to, viajaram 5,484 passagiiroa, nos d3 24, 25 c
ti d coi rente, produxindo a reuda de..........
1:767*580.
Bannoa de mar com OlindaNo peu-
samento de bem servir s pessoas que, sem pj-
derem ir residir era Oiinda, precisara tomar banbos
de mar, a gerencia da ferro-via de Olinda resolveu
estiibelecer asignaturas especiae para as via-
gen dos oanhistas razio ae 10!J0 mc-nsnes.
ssa sssignatura s d direito a viajare* os
que a tomarcm num trem especial que partir di
esUcio da ra da Aurora s 5 horas da inanhi e
no trem oriiuirio de 5 1/2 horas da m&nbi de
todos os das, poiendo regresear no trem ordiaario
das 6 1/2 horas qu n'ura especial, que largar do
pateo do O.rmo em Olinda s 7 horas da mauh.
Foi esa' nma boa resoiucio da gerencia, que
assira presta um servico ao publico, pugnando ao
raesrao terapo pelo aeu interesse.
.ellao de prenda* Conforme noticia-
mos ha das, ifiectuou se ante-hontem ao lado da
estaclo d) Carino em Olinda e em um p>.vlho
all existeute, o leiiio de prendas adquiridas pela
commissio de seuhoras, com o tira de coadjuvareni
i l eui.struco da igreja de Nossa Seobora do
Carmo.
un as pr .xiisidads d: mesma easa.
Nadase salvou. Nao bouve desgracasfelizmente
purm Joio Gunlberco que esta va douute de Cama
quasi era victima.
Ferlincnto grave.Ante-hontcm s5ho>
ras da tarde ua ra do L'iftt, o:n Bant i Amaro das
Salinas, Frunc seo le S Vianna, fenu com ama
faeada a Feliuto Vaz ae Lima nas costellas do
lado direito.
O ofensor foi pre*> p.o flagrante delie.to a o of-
tendido recolhi-lo o Hospital Pedro II sendo o
farimercto grave.
O offensor luetava com um individuo e o off#n-
did i iu Jo apazigual-09 recebeu o feriineuto.
Prosegue-se uo inquerito.
Itinnelro.O paquete Espirito Santo trouxe
Jo Norte para dirers*'47:8224505.
O vapor Caravellas trouxe do Sul para di -
versos 1:858*000.
O paquete ifcva lsvon pira Montevideo
1:0VK)500i.
W.tm transita.O paquott Veya, iaahuiw
i* tomados em Pernaiobueo, levou 214 pasaageiros
para o Sal.
Cadete \m presia* O cidadio Joio
Baptsta Raym-indo, haveiido-su divertido bastan-
te na vespera e da do Natal, enterrando-se nos
eajs e etc., no dia seguinte, domingo, anlauduU
que devia dar aova feico ao seu divertimenro.
Com este fim, poa c ibeca um cbapo armado,
vestio se de cadete e noite bmbm a transitar
pela ra do Fogo, e, como um vtrdadeiro Marte
Cupido, eil-o a faxer das suas, iotiraidando as
Cameliasque all residen.
Knontrando-o o Sr. cadete Padilha e nao o ru-
couheeendo como legitimo militar, prenden-" e en-
viou-o para o quartel do 14 baUlhio da iufau-
taria.
Afiretentado houtem ao Exin. Sr. brigadeiro
commanaante das armas, esta autoridade enviou-
o ao Sr. Dr. chete de polica, que por sua vezo
retnc-'t-u para a Casa de Deten^o.
BnrliarldadeAo Sr. Dr. chefa de polica
apreseutou-sc boutem, ferido ua cabeca, o indivi-
duo de nume Mar.'jimo Fraiuiso de Paula, mo-
rador ua povoavaj de Duarte Coelho, e eontou
que, estando no sabbaio, s 2 horas da tarde, a
tomar um banho, no lugar Pexiu.ioa, fra eapun-
cado por dous individuos, que iara n'uma c.ioo.i.
um dos quaes o inspector de quarteirio Manoel
de Lyra, que o prenden, couduzmio-o para a ca-
deia do Oluda.
Marcono allcgou que naja fizera para merecer
tio cruel castigo ncm tio iuiqua prisin.
O Sr. Dr. chefe do polica inaudcu apresental-
o ao Sr. Dr. delegado do 1 dstricto afim de to-
mar coohecimento do fact.
Hontcm mesmo foi vistorado o offendido pelo
Sr. Dr. Bsicbior da Gama Lobo, que declarou le-
ves os 1'erimentE.
A Princesa Imperial e o Conde
d'Ku.O Diario de Noticias da Babia, publicou
este telegrarama:
Rio, 21 s 2 horas da tarde.
Foi dcmiitid > o 2" escrpturario da Ti?sou-
raria de Fazenda da Babia, Salvador Brazilio
Campos.
Partera no da 5 de Janeiro para Liverpool,
a bordo do paqueto oglea Valparaso, da linba do
Pacfico, SS. AA. a Serenissima Princesa Imperial
e o Sr. Conde d'Eu.
oeda faina. A referida folha publican
tarabm este telegrarama :
Monteviuo, 20 s 10 boras.
.i Descobrio-se nesta cidade urna granda fabrica
de moeda falsa, cujos associados davam-s: co fa-
brico da moeda de prata brasileira.
A polica eftectuou j a pristo de varas pos-
soas e prosogue activamente no descobrimeuto e
captura de outras, autoras e cumohees no crirae.
lireotorla da obran do conaerv*-
cao doa porioNlioletim meteorolgico d
d'i 126 d- Dezembro de 1886 :
S o , -a
lora- 11 Barmetro a Tenao do vapor m "O
t 1 i 0 a
3 M a
H- s
G m. 263 758-39 18.73 73
9 29 6 759ni27 18.63 60
12 300 7,8m77 18.97 80
3 t. 29-1 75740 18.15 62
6 275 ;;>7"i;:j 17.65 O.o
Esteve concorridissimo nio s pelos do lugar,
como tambem pelos dos de diversas pont, que
para all afiufrem nos trena da via-ferrea.
Urna banda de musica de amadores all tocou
desde as 5 boral da tarde at s 8 boras da noite,
reinando a melhor ordem nio so all c.mo^no re-
gresso par 8 Recife.
H-.ver ainda mais outros lees, que o julgar
pelo resultado"do dente-hontem, corresponderao
aos desojes da esmmiBsio. >
An colouian porlnsuezns -*- O a. 11
d'esta revista illustrada, dedicada aos* interesees
africanos, contm:
Os acontocimentos de Mozambique.Tratado
com a China.Questoss archeologieas peninsu-
lares, M. F. Ribeiro.As nossas gravaras: Aa
expedicoea e os transportes no interior da frica
Central; A caca ag gazeilas nos sertoes da frica
Central; Urna pitt resca paisagem no rio Luando,
amienta do Alto CunzaGraves inforrancoes a
re^peito de Mogimbique.Factos da ultima re
volt a da biixa 'Zambezia em 1881, Caldas Xavier.
Correspondencias : Loanaa, Cscongo, Ilha do
Prineipe e Loureneo Marques.Annuneios.
PerimentOM leve*Ante-hontem s 11
horas da inanhi e no pateo do Terco, o cajrega-
dor a'agua pardo e da nome Antouio Pereira do
Nasciut-nto, travou se de raz5es com o pardo Jos
Jorge da Silva e espancou-o com um eieeta na
cabeca, espadua e ante-braco esquerdos, t'eriodo-o
levemeute.
O criminoso foi preso em flagrante delicio e re
colhido Casa de Detencao.
Deu causa a este facto querer o ferido receber,
mas nao querer Antonio pagar Ihe, 80 ris quo lhu
a VH' I c.
Tte*e*Recebemos e agradecemos ao Sr.
Dr. Antonio Cavalcanti Pina, nesso comprovin-
ciano, que nol o offertou, um exemplar das TUcses
que, em 31 de Agosto desto huno, apres'ntou Pa-
culaade de M d cia da Babia, e. parante a mesma
sustentou em 7 do expirante mea, sendo apprva-
das eom distioccao.
A dissertaco sobre um panto de medicina le-
gal e toxycologiaheraeza pbyoiologica e patno-
logica em referencia medicina legal.
Hulvailes,No dia 26 do corrente, tarde
deilarau fogo a urna campia o qual se commu-
nicou ao canoa vial do portoguez Carlos de tal, mo-
rador no Bogeos > do Meioda f. eguezia da Varrea.
Deram-se providencias e tio bem que se inter-
rempeu a commuuicacao a outros cannaviaea.
Temperatura mxima31,0.
Dita mnima26*,0.
Evaporacio em 24 hjras ao sol : 8m,l ; som-
bra : 4 ,6.
Chuvanulla.
Direccao do vento : SE todo odia.
Velocidade media do vento : 2n>,23 por segundo.
Nebulosidade media : entre 0,4 e 0.5.
Exame* primario* -No dia 6 do corrente
tiveram lugar os exames uai escolas publicas do
sexo masculino e femenino no pcvoado da Ba-
Viagem, fregueza de A togados, regida a do sexo
femenino pela prolessora D. Maria Emygdia de
Almci ta Monteiro, e a do masculino pelo p-ofegsor
Joaquim Manoel de Oiiveira e Silva, fizeram exa-
mes os rcope ctivos alumnos c aiumnag, geoda exa-
minadores dos meninos os profeesores : o da mes-
ma e Isidoro Marinho Cesar, e daa meuinas
prof:ss >ra da escola e o professor Joaquim Ma-
noel de Oiiveira e Silva, seb a presidencia do de-
legado litteraro, alferes Libanio Prezidio de Car-
valho, conforme as formalidades do novo regimen-
t, foi este o resultado :
Sexo masculino
1 grao
Miguel Arcbanjo de Almeida Nobre, pouco adan
tado.
Jo: Ciodoaldo Monteiro, adiantado.
2.* grao
Joe FelTppe dos Santos e Flix Ferreira da
Paixio, adiantado?,
Sexo femenino
Guilbermina Candida Monteiro, muito adian-
tada
Isabel Evangelina de Almeida Monteir?, Anto-
nia Ferbonia da Conceicao, Mareolina de Barros
Feij, Josephioa Oricula de Sant'Annae Casemira
de Albuquerque Melio, adiantadas.
Na escola publica do sexo masculino de Cam-
pe-Alegre, regida pelo professor Joio Alberto Go-
mes, foram submettidos a exame de 1. grao no dia
S do correute, sob a presidencia do delegado Ilite-
rario, o Sr. tsente Francisco Antonio Monteiro
dos Santos Bethel, servindo de examinadores A i-
tonio Beilarmino dos Santos Leal, professor publi-
co da villa de Correntes, e o professor da cadeira,
oa geguintes alumnos : Miguel GomegFalcio c
Oariolano Alvea da Cunha, ambos os quaes ob-
tiveratn a nota de muito adiantados.
5. Batalliao de Infantarla. Lemas
t no Jornal do Commercio, da corte, de 17 do cor-
rente :
Por telegramma recebido h ntem da cidade de
S. Luiz do Maranbo, sabemos que, leude o pre.
sidente da provincia, Dr. Jo= Bento de Arar.jo,
censurado em officu o commandante do 5 Ijata-
lhio do iefaiitaria, tenente-coronel Severano de
Siqueia D^tro, por causa de actos de indjsciplina
do batalhaoT-TK teoente coronel devolvon o otfico
aberto com ua resposU desreepeitnaa ao presi-
dente, que/a ao mesmo tempo comman iante das
armas. Bm outro oflicio ordenan..Ihe este quo ti-
xease entqega do commando ao capitao mais auti-
go, Jorgei( Moreira, quo se deriarou prompeo para
assumir a commando, por estar o major em servico
na provincia do Pisuhy, e embarcasse para esta,
corte.
Etc respagta o tonente-coronel deelarou nio
obdecer a semelliaute ordem emquanto nio togge
ella dada pelo .Ministerio da Guerra; 18 officiaps,
ittaa d'agua pota vel,
(te cinco a cinc i minutoc.
* E' avultado o numero de peggis, que vio dia-
riamente vigilar aquello luzar, onde toaos estudara
a cansa e decid ;m pelos effeitps, pror mpendo em
altas vor.es E' um milagre.
O espaciador ou rom -uo e. i approximar se,
detm os pasaos pela maltdio de objectos espar-
aos que Ihe attrahe a vista e chamara a attencio.
Aquelle: objectos (mulcaa, pannos e etc.), perten-
aeram doentes, que se raatabaleceraui pelo toque
a'aquella agua na parta afT.-ctii i.
Commova o encanta ao observador aq jellas co-
lumnas de novos levitas, umaa succidendo iou-
tras, toing sileucioaag c>m afronte curva e de ins-
tante a instante ouviudo se o nome Je glorioio
Santo Amaro ; que proferido com a f do verda-
deiro chrigtio !.....
CompoMicuo cnimica do harnea .
Sob o ponto de vista chimco o hoinara orapoe-se
de 13 elementos dos quaes cinco sasasM e oito so-
lidos.
Se referirmos a oomposico chiraica do homem
ao pago medio total de 70kdogramma3, acharemos
que se frm i, na raaior parto e oxygeoi > existen-
te no estado de coiopressio extrama. Com effeito,
um h un -ra de 70 kilagrammaa enc-rra 44 de oxy-
genio, cujj volume, pjr si s, temperatura ordi-
naria, excedera 28 metros cbicos. O hydrogenio
Saint na composico po* peso menor, menos de 7
k>loi:rau>irias. mas no estado lvro oacuparia paito
de 80 metros cubicos. Os tres restantes gazes sao
o azote (1.7a kilogra.nmas),o chloro (0,8 kiiogram-
mas) e o flor (0,1 kilogramms).
Entre os solidos, ocarvio appareae frente dos
metaloides (22 kilogrammas), d<.-pra vem o phos-
phoro (0,8 kilogramo**), e o eaxifre (0,1 kilo-
gramma).
No homem nio ha metaes preciosos, o o Iron,
dando estes aponfamentos, nota que a miueracio
do homem nio enriquecera neuhuraa empreza O
metal mais abundante o caicimn (1.75 klogram
mas), ano i o pjtassium (0,'8 koogram.na). o so-
diura Qfit kilogrammi), o magnsimo (0,05 kda-
gramma/ e, einfim o ferro (0,045 kilo^ramma).
Em ultima auaiyse eis o que um chmico poda-
ra tirar do hornea. Escusa Jo ser dizer que estes
13 elementos esti> combinados entre si, da modos
muitos variados e formando compastos cuja enu-
meracio encheria um livrn.
O papo muscowita. Conta o FrancL
fuster Pj'.itnna, que ha das, a filha m-.is nova do
czar Atcxaodre III praticoa urna travesura de
mo gosto, que obrigou o soberano a mandar cha-
mar ao palacio c artista dramtica Viandow, a
quem disse :
Volte esta n-te, com um disfarce qua infun-
da modo para o apreseu'.ar a minha lhi, dizju-
do-lhe que sois Pipo o que roubaes as enancas
ms que Bal sao i.b iienea aos pas.
O actor comparecen eff-.'ctivaue it: 00 palacio
desempanhaudo o gen papel conforma a /citado do
ciar.
D'ahi por di-inte, sempre que a criauca faza
alguma uialdadc, maudava-se chamar o Papua,
que a trazia ordem.
Esta nova hbil idade do acror circu iu por S.
Petersburgo, a p^nto do artista ser chamado para
o mesmo fim, pelas familias mus aristocrticas da
capital.
Ha poucos diaa. tornou a ser chamado ao pala-
cio com o fim de metter raedo joven princeza.
Mas Oats, ao vel-o, exclamou com a raaior seren-
dade do mundo :
Nao me mettes rnedo, nio; j te conheco.
O raeu rjno disse-rae que eras um actor, que vi-
skaa aqui para eu estar quieta. Repioo te que aio
imitis oa t- us tstorco.', porque sei que s um ho-
mem de carne < osso como oa mais !.
O caar, em vista d'este fracasso, pensa sobre
ontro meiu para por coaro s mi!jadea da archi-
diioueziuha.
teiieaEffectuar-se-ho:
lioje :
Peic agave Pestaa, s IL horas, na ra do Vi-
gario n. 12, de predios.
Peo agente Gnsmo, s 11 horas, na ra dos
Gu-.trarape* u. 10, de predios.
Pelo UffVOt Martins, s 10 horas, no Monte de
Socorro, de joias.
Pelo agente Brito, s 11 horas, rua de Pedro
Affouao u. 4J, defaseujas, miudezas, movis, et^.,
etc.
Amanha :
Pelo agente Burlamaqui, ^8 9 1/2 horas, na lar
go do Arsenal de Mariana, da sacaos com assucar
Quinta-feira :
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, na rua Th-
m de Souzi n. 8, do botei ah sito.
Haladouro PaltllcoForam abatidas nr
Matadouro da Cabanga 82 reaes para o eonaiiino
do dia 28 de Dezembro.
Sendo: 61 rezegpatteoeaotas Oiiveira Cuatro,
& <,'. e 13 a diversos.
ercaiio Ilanicipal rt tfnaav-.<)
moviinent deste Mercado nos diaa 24 a 27 Ja cor-
rente foi o seguinte :
Entraran ;
135 b.ns pesando 20:727 kii
847 kilos de peixe 2) isia 165940
120 cargas de farinha a 2iW ris 210 0
14 ditas da fructas diversas a 3 12 taboleiros a 200 red 2400
82 Sumos a 200 ris 16^400
Foram oceusados :
901/2 columnas a 600 rig 54300
83 compartimentos de farinha
500 ris. 41#500
49 ditos de comida a 500 ria 24J50O
245 ditos de tegataea a 400 rio 98000
64 ditos da anio a V"0 ris 4!5S i
41 ditos de tresauras a 600 ris 24fi600
41 taihos a :'. 80j
17 talbos a U 17900
A Oiiveira Castro C.:
216 taihos a \ ris 216J0O
8 talhoa a 5'XI ris 4J000
l)evu ter sido anecadada nestes dias
a oaantia de
Readuoeata doa dias 1 a 23 de Do-
aemnro
f'oi srreesdsdo liquido at hoje
Preeoa do da :
Carue verde 160 a 56.) ris o kilo.
Carueiro do 72:) a lOOO rig dem.
Snnoi de 560 a 800 r-Sis idem.
668*610
4:488*020
5:1561660
do dia 23
viuva, Boa-
teudo ana anata o capitio Olyrapio Ferraz fo- Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da la
ram a palacio para fallar com o presidente, que
nio os recebeu, mandando dizer pelo seu ajudaute
de ordena que, ae tinham alguma reclamaco a fa-
zer, se dirigissem por egeriptoe individualmente.
Consta-nos que a Sr. ministro da guerra logo
que teve conhecimeoto dcites factos providenciou
para seren cumprdas as ordens do presidente-
corainandante das armas da provincia do M ir o
nlio, devaudo o teoente-coronel Daltro passar in-
mediatamente o commando, e recolher-6e a esta
cine pelo p-quet oue faoja-deve pissar p-doporto
de S. Luiz. o
Fbula* de La Pontaine.Recebemos
oa tascicuU s us. 16, 17 e Ib deata obra, edieco
p iiliiitunaa. il'ustrada por Gustavo Dor.
Cada fascculo traz urna finissimaestaaip'i, alm
de utr -.s intercaladas no texto.
KerinhemEscrevem-nos em 22 do cor-
rente :
Na distancia de quatro kilometrua ao aul desta
villa, eem trras do engenbo Tinoco, npp neceo no
cimo do monteGrua ios morios* raiz de urna
Pelo agente Pinto, s 11 boma, em traste a As-
cal, de carvio da pe-Ir-..
Misaa* raneares.Serio celebradas:
Araanha :
A's 7 1|2 horas, no Carmo, por alma de Anto-
nio Pereira da Saiapaio; s 8 1[2 horas, na ma-
triz de Santo Antonio, por alma de D. I launa
Monteiro de Queiroz Peixoto; s 7 horas, no Es-
pirito-Santo, por alma de Doaatila Aunes Jacome
Pires.
Pa**ajreirosChegidos da Enroja no va-
por inglez Neva:
Wliam Tugmau, Chas Briggs, William Stal-
laad.ll, Mauucl Daasa, Antsmo I. da Figueiiio
Paiva, Rodrigo Lopag da Olivein e Fraueisco
Maria de Barros.
Sabidis para os portos do sul no rassmo va-
por :
Raphael Florencio do Oiiveira, Dr. G. Gomes
Vinhas, Manoel J. Gomes, Justodio Ferreira
Motitii-ho. sua genhora a 2 fiibos. 4oao Caalcante
de Mello Junior e H. Sheu3toue Rjberto.
Operacdes cirurarlea*Foram pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 2 ? de Dezm'oro,
as seguintes:
Pelo Dr. falaquias:
Amputa'.'o do dedo indicador esquerdo, pelo
methodo circular ua 1 phalange indicada por es-
magameato.
Posthotoiuia pelo proce3so de Ricord reclmala
por pbimosis e cancros, cauterisacu polo tbermo
cauterio
Pelo Dr. Jco Paulo :
Posthotoma pelo proeessoRicord indicada por
phimosis congenita cm criauca
Caita de Itlencao Movimeuto dos pre-
sas do da 26 de Deaembro :
Existiera presos 370, enttj ram 10.Existcm
380.
Naciouaes 352, muiherej, 7, estr.mgeiros 10, ea-
cravoa sentenciados 6, proceaaado 1, ditos de cor-
recio 4Total 380.
Arracoios 315, aendo: bona 329, doentes 16,
To-.al 345.
Movimento da enfermarla :
Tiveram alto
Manojl Jos Dionizio.
Mano'l do Carino e Souza.
Manoel Tbomaz de Aquino.
Ignucia Teixeira dos Santos.
IjoAeria do ro-ParaA 3 parte ies-
ta rotera ser extrahida terca-feira, 28 do cor-
r-jite.
Bilhe'os veuda ni Casa do Ouro, rua da Ba-
rio da Victoria n. 40.
Lotera Bxtraordiarla do Vpiran-
ga -O i." i ultimo sorteio daa 4. e 5." series
desta imprtame lotoria, cujo maior premio de
150:000*0 JO, ser extrahida no dia 30 de Dezem-
bro, iinpret rivaknente.
Achara seexptos vonda os reatos dos bilbe-
tes na Casa da Fortuna rua Primeiro de Maree
a. 23.
Tambem achara-se veuda na praca da Inde-
dendencia ns. 37 e 39-
Lotera de Macei de SOOiOOOSOOO
__A 15* partea da 14 lotera, cujo premio
grande de 20:000, pelo novo plano, ser ex-
trahida mpretenvelmeate no da 28 de Dezembro
a 11 h tu da inanhi.
r'arinha de 20) a 320 'is a cuia.
Milho da 260 a 320 r.s idm.
F jas de 560 a 640 dem.
Cemiterio PublicoObituario
de Di-zmnbrj do 1*)86 :
Fran-isca, Pernambuca, 60 anuos,
Vista ; heinoi-rhagia.
Maria -imoa d- Ojserieso, I'arahyba, 28 aasM,
Jolteim, Boa-Vista; elephiutiaseg.
Lucio da Cruz CordeiVo, Pcruarabuco, 70 anuos,
casado, Oraos; baribari.
Basalina Correia de Mello, Pernambuco, 40an-
nos. Boa-Vista; cancro uterino.
Zulmira, Pe.-nambuco, 9 anuos, Alagados ; ca-
rie do osso temporal.
Tecla Pinto Martins, Peni trabuco. 30 anno3, ca-
sado, Santo-Antonio ; tubrculos pulmonares.
24
Antonio Pereira Sampaio, Portugal, 78 anuo,
casad.-1, Santo-Antonio; cancro do estomago.
Idalina Monteiro da Queiroz Peixoto, Pernara-
buao, 46 anuos, casada, Afogidos; ulcera do es-
tomago.
Braziauo Alvos Moraes, Peroambuco, 14 bu-
nos, casado, Sinto-Autonio; tubjrculos pulmo-
nares. |
Luiza Jaciutba do Rosario, PernambucS, 19 au-
nos, casada, Boa-Vista; tsica.
Joaquim Felippe de Maltas, Portugal, 44 an-
nos, eolteiro, Poco ; tiaios.
Argemira, Pernarabuco, 3 meze3, Boa-Vista ;
anazarca
Manoel Jos Correia, Peruimbuco, 70 annoa,
viuva, Boa-Vista; gastro interto.
T-rcza Maria de Jess, Pernarabuco, 35 an-
noa. Casaos, Boa-Vista; dia.r'nj;.
Jo> Fraaciscj do Naaciimnto, Pcrnambuco)/39
anuos, esasOO, Graca ; escorbut >.
Maris, Pernarabuco, 9 m.-zas,cisad-, Santo-An-
tonio ; couvulsoea.
25
Maria Baptista Fernandes, Pernarabuco, 18 an-
uos, soltei.-a, Ar.ig.Jos; tubercul'ose.
Nicolao Machado Freir, Pernarabuco. 06 an-
uos, casado, Santo-Antonio; dilatacio da aorta.
Aalbiquiuu, Pe.rnatr.bueo, 2 mezas, S. Jos ;
convulsoes.
26
Ignacio Jo iq-nm Ja Rocha, Portugal, 54 anuos,
eolteiro, Boa-ufa ; tab-irentoae.
Riphael Viacondc, Pernarabuco, 16 acnos, sol-
tero, Boa-Vista ; leueria.
Um fato, Peruarnbueo, Boa-Vigta.
Fo'tuuHfi Maria Ja Co.iceicao, Pernambuco, 24
annns, solteira, B.a-Vista; tubrculos pulmonares.
Thereza Mari* -le Jess, Pernambuco, 25 ..li-
nos, solteira, Boa-Vista; diarrhea.
Manoel Francisco, P.-rnambuco, 19 anuos, ca-
sado. Boa-Vista; albuminuria.
Francisco Braz Antonio, 26 auno., solteiro, B;a
Vista; tubjiculus puim'uares.
Candida Maria da Cooeeicio, Pernambuco, 35
anuos, solteira, B>a-Vista; tuborculoo pil.no-
narea.
ao ncgiico de cambiaea. O bncj da crdito real*
nao obstante baver encelado ha pouco as guas ope-
raedea, vae prestando ser vicos reaes lavoura.
ais nao pode presta.- t-.'dos os de que eil n
Slt.-l :.et;lHimeiite.
Urge quiioi nosaoaagrcqltoces ii:-hin.n > tys-
tniiii do fabrico do assucar, para poderera lu
cora os productores ej'r.nigeiroo ; mas os n
machiuisiiio- s-Io caros, e i.s capitacs escasseam,
porque o crdito neata riovineia extremamente
re-t.iict. i. (
O governo hollandez, para favorecer ilha de
Java, onde a baixa dos preeoa do assucar tambem
determinon urna crise ari, lerabrou-se, entre ou-
tros alvitiea, de estabelo :er um banco nacional.
com o fim de auxiliar og plantadores da san
as aerauis claeses intereasadas no principal era -
merejo da mesma ilha.
E' de um estabe,ecm-n:> de tal ordem quo 1*0.
nambuco carece. Prf-eisainos de um banco a
alargandu o crdito, facilite as transaccoaa ni I
Basta e o augmento da praduefio agrcola. Dgaiu
os Ihcorieos o quo quizerem, mas urna instituir >
em taes coaJiyoes, desde que tosse honesta eeri-
terisamentadmin8trada,longe deofFereeerqa".-!
'^ii-'i' peng.ia, aeria um iminaoso bem nas trist,>-s
condii;oes en qae aos achiraos: abusas non tollit
usum.
E' ;ndiapen3avel adoptar as in^tituicoes s cir-
cuinstanciaa do meio. Aqulo que roeouhecida-
mento :icoii7enieute ua EVaooa ou ua Inglaterra,
pode ser tilissiiOo no Brasil o uic;-verga.
Deaenganem-se os nossos dir. clores polticos :
h situacio Kravs9m,i, e exige remedid prom:.-
tos e enrgicos. Se o profundo mal-estar presen-
te se prolongar por mais ura ou dous anuos,
ser licito prever at onde poder ir o jqiesapgru
publico. O qua at agora ae po te alfirmar s ,n
afirouta da fustiga, e antea de inteira harmona
com ella, que os nossos movernos, seja qual fr a
poltica dominante, em Vez de favorecerem o pro-
gresso nacional, Ihe vio cada vez creando oairee
ojiba.-a5o3.
Ainla ha poueog dias a Aaaoeiacjaa Commercial
B nefieente de Pernambuco diri rio um telegram-
ma ao Sr. isi.iisfro d'i fazenda, solicitando a pr.-
rogafio do praso para recolhiroento das sedulas.
Entendcu aquella Associ-co que a falta de num-
rario nesta praca era en. parte devido toasUe
recolhimenio, cuj termo i-atava marcado paralo
da 31 do corrente. ^
Em regposta ao telegramma, proraetteu o ini-
niatro qae pelo primeiro vapor re r.etteria cont e
oitenta contos e cem pelo segundo, como se a in-
significancia de duzentos contos de ris podease
remediar a falta que se Ihe fez sentir !
Veremos at onde chegario tais e tio frequen-
tes aberrares do criterio admuis:ativo.
Entretanto, i.ecessario que o commercio e a
agricultura se unam fortementc para protestar
contra o abandono a que o governo geral quer
condemnar esta provincia, que n'outras epccbns
sempre teve a energa necessaria para fazer-se
respailar.
CosfggHKl.
PAIt OS EXMS. SRS. DESEMBARGADORES DA
BBLA$20 DE PERNAMBUCO E MINISTRO
DA JUSTINA LERE1I E ADMIRARES!.
trs. reductores. Se uu juiz honrado,
que julga coin conciencia, s leudo liant.i
: si a lei, observanJo-a nas seua julgados
onhecio na so.-.iedad co.ao um juiz i:i-
louvores de seus
dependencia ns. 37 e 39.
Lotera da corteA parte da 202* lo-
tera da corte, cujo premio erando de 100:000
extrahida ao dia .. de Dezembro.
Oa bilbetes ach im-so vendana Casa da For-
luua rua Prisuiro de M ryo n. 23.
Tambem acham-se veuda na prac& da Inde-
pendencia ng. 37 e 39.
...K ra ta OoA 2 parte da lotera
re plano, do premio de 10:000CKX),
gst-s eatraWs no-lia .. de Jeseubro.
Os bilbetes acham-se venda na Casa da For-
tuna rua Primeiro de Marco.
Tambem acham-se vende na praca da nae-
pen.leucia ns. 37 e 39.
lirande lotera da provinciaA 8*
serie dcst lotera em beneficio dos ingenuos da
Colonia Isabel, cujo premio grande 210:000^000,
ser extrahidauo da 3 de Janeiro, s 4 boras
da tar :e.
Oa bilhetes aAani-so venda na Reda da For-
ra rua barga do Rosario D. 3'i.
PCBLHJICOES A PEDIDO
O norte abandonado
nij
Tem sido verdaderamente infeliz, esta provin-
cia Os disperdicios do dioheiro sio taes e tan-
tos, que compuagem o anio dos que menos as poa-
sam uiteressar pelos destinos desta populaco.
A ponte Buarque de Macedo tem, at agora,
apenas quatro ou seis pilares construidos. Poig o
p..uco que all est j custou mua de atusjeatos
conten de reis nos cofres pblicos !
Ha tempos inaudou-se fazer urna draga cci cujo
casco ao gastaran approximadamente cncoeata
saotof de ris, para afinal ser vendida por am e
tanto!
Q.; ni penaa neasea esbanj'.mcntoa phc ;ome-
n u-s, e v ao gaeamo tempo o mo estado daa pos-
tes, do calcameuto, e a miseria doa edificios pbli-
cos n'.'jta cidudo, nao poio deixar de dizer que o
patriotismo abaodonou de toda a couscieucia per-
nambucana.
Nao ha davida que a principal caua doa malea
que denunciamos, est nu miaeravel politicau-era,
cujas megquiuhas luctas sio entre nos um engodo
para a maioria doa espritus. As clientelaa parti-
darias ton aram-ae poiypos enormes que absorveu
o raelbor da riqueza publica. A pregui^a nata,
farecida pelas coudices de ura paiz e n qu_- muita
gente vivo pela nica qunlidade de eleitor, tem
teito da empregomaaia um doenca aocial verda-
deiramente temeroaa, pelaa proporjoeg do aeu dea-
envolvimento.
E" tempo, porm, de que os bomcua da bol voa-
tade e amor patria reajam tenazmente contra
to anormal estado de cousas. As propriaa diffi-
culdades financeiras e econmicas que actual-
mente, e como nunca, assoberbam a vida publica
e >articulnr uata provincia, eato pedindo instan
temente essa reacio benfica.
Com tffeito, a agricultura e o commercio de Per-
nambuco nunca 8j seDtiram dominados por uraa
erise igual que presentemente eato experimen-
tando.
Era j um grande mal para a nossa praya a in-
crivel baixa doa preeoa do assucar e do algodio,
aggravada pela elevagio do cus tu dos fretes de 17
para 37 sb.. era consequeucia do fechamento dos
portos platinos. Mas a esse mal veio juntar-se o
da falla extrema de dinheiro, falta que chegou ao
ponto de nio poderem os bancos aqui existentes
tomar cambiaea aobre aa outras pracas do imperio.
E entretanto o cambio, apezar de tio ms cir-
cumstaaciaa, val constantemente aubindo, quando,
nonnalmeate, deva acontecer o contrario, porqus
elle o tbermometro exacto das condices de ri-
queza dos osiasa E' causa deaae facto estranbo
a intervencao indebita do nosso ministro da fa-
zenda, que, p r inexplicavel van?loria, quer a tod j
o transe elevar o cambio, embra com sacrificio
das-duas mais importantes eiaases do paizo com-
m^o e a iavoura.
Esta reconbecida a iusufneieneia do nosso nume-
rario para satisfazer as necesaidadea de colheitaa
excepcionalmente abundantes, como sao as actuaes
do assucar e do algodio em diversas provincias do
norte. E se aquelle Sr. ministro persistir no seu
proposito de retirar aunualmente da circalacio
cinco mil contos de moeda papel, segundo a auto-
riaacio que pedin ao parlamento, a crise se accen-
tuur cada vez com mais gravidade, at obrigar o
governo a fazer novia emissoes da mesma moeda.
Os nossos boraeus do estado sacrifican, de ordi-
nario, os interessea naciouaes mais respeitapeta a
thdunas arbitrarias e vis. A experiencia adquiri-
da, a pratica doa negicios locaes vale para elles
menos f,ne a futilidade de certas do'.itrinas, que
as expausea de subjetivismo extravagante que
mellen muitos dos livros escriptoa no estrangeiro
sob a nspiraco da v i lesamente denomnala sci-
enc'a da'economiapoltica
Cu p-.iz novo, como o Brasil, carece sobre tado
de degenvoivimento de crdito. E cssa necessi-
dade mais aensivel no norte que ra s-no no su
do imperio, porqasonorte s tem riquezas l.teates,
e nio cuita com a proteccio g>/eru.tiva.
Esta provincia nao pide progedir, tendo smei-te
dous baocos iugl.zg, cujas tranaaccoos se lunitam
tegro, e merecedor do3
jurisdiccionadoa, por ser elle a garanta da
seus bons, honra e digaidade, com maioria
do razio aquelle quo apartando-se do o-
minho que u lei io trilhou, colea aos p ,
s guindose pelos seus instinctos perver-
sos, deve ser coahecido dessa mesma 80-
ciedade, para ser ezpellido della, e fiuar
na fronte estampado o estigma de prevari-
cador. Nesta ultima bypothese est eo i
prehemlido o energmeno juiz municipal do
Triutiipho r!a provincia de Pernambuco,
bacharcl Francisco Jos Si eir Sobrinio,
por isso venho bojeociupar aa columnas ao
seu conceituado Jornal para levar ao co-
uheciiBento dos poderes pblicos a3 arbi-
trariedades, e violencias pratiuadas por
este ba-harei, que a3ba-3e revest lodo car-
g de juiz municipal d.-sie infeliz termo,
para que o gi.-oruo toma ua divida consi-
deraeao, a provideneii como o cuso ra
quer.
T'?nJo Joio Bczerra L ;te obtido a seu
favor accordao da Reln^So no Siquestr
feito pe. juiz muaijipal de entao, em vis-
ta da appellaco que interpoz do despacho
do Ur. juiz de diraito da comarca que
icandou iicar sem effeito o sequestro r
querido contra a inventariane, sua ma-
drasta D. Philadelpha E. ce Camp -s, a
inventario de seu fiuado pai Manoel B :-
zerra L^ite, e tando o sbaixo aseignudo
comprado a mesma antes do primitivo bc-
questro 45 rezes, visto estar ella de posse
de seus buns, por senteuc^ do juiz de di-
reito que hoaaologou as pirtillias, o cele
bra municipal ileira Sobrinho contra a
expressa disposiyo do accordo qu- sus-
tentou o sequestro j eito, renovou o mes-
mo, o mandou sequestrar bens de terceiro,
que nio tiuhara o ferro da inventariantf,
uem nunca forai della, como acontecen
com bens do abaixo assignado, que tendo
comprado 15 vacuas, 20 novilhotes e 10
garrotes, apreaentou o cliente do juiz mn-
nicpal urna lista de 91 rezes, exigindo
mais produccao, rendimento, e tudo quan-
to Ihe suggerio a sua escaldada imaginario,
aproveitando-se para isso o juiz e advoga-
do da ignorancia do escrivio, e do juiz do
termo aa Conceicao do Panc da Porahy-
ba, mandou fazer soquestro em duas lazen-
das do abaixo assignado, e effectivamenie
soquestraram i naginariamente 177 rezes.
visto que nao pegarau urna s rez, como
manda a lei, e para o que dera o juiz e
advo^aijo ao escrivo daqaello termo, no-
tas dafbdos os termos que tiaha de fazer,
e do despacho de indeformertto, que aquel-
le juiz tinha de dar. se por acaso eu re-
queresse psra allegar o raeu direito, como
succedeu, trancando depois nesto foro aa
portas da defina, que foi necessario aggra-
var para o juiz de direito para me aerea
a bertas.
No correr da demanda representou p-ft
audiencia quo presidia o papel de advoga-
do redigindo contestado e depoiraento3 de
testemuahas do sequestrante, suspenden
meu advogado par.i eu nao ter quem defen
desse meus direitos, mandou o escrivao ex-
trahir copia da sustenta9ao dos embargos,
remetteu ao promotor publioo para denun-
cial-o, e por iim quando vieram os autos a
rnim para arasoar o final, o que fiz, expro-
bando lho as violencias que fizera contra a
minha propriedade como juiz e advogado,
mandou tambem extrahir copia d razSes
que aasignei para a pr9motoria publica da-
nunciar-me por crimo de calumnias e in
juri.is. Nao obstante todo esse seu modo
de proceder, este energmeno juiz na vara
de direito, na qualidade de 1.' substitu
julgou minha questao, dospresando-sa eui-
batgos, o que era de esperar de um \wz
ciuio, advogado, o meu ioimig), de cuja
decisao appellei pira o tribunal da relajao,
onde espero encontrar a justiya qae me
asisto. Este juiz e advogalo tem 0*U
com o depositario do imaginario sequestro,
como j fiz ver pela sua irregularidade,
oar.i ir as minhas fazendas citu*das n
Pe.rahyba pegar ex abrupto meus gados,
terral os com o ferro S, sob pretexto, isto



4
Diario de PernanibucoTerca-cira 2S de Dezcnibrode l-c6




i
i
I
jjandepois extra vial-o, pois o fallado de
awataro no garante en gados, que ae diz
uajawtrados, o que no tem realisado pela
u~af m i i que teoho f sito bascada na ord.
d le 4 tiL 58.
cabo de inquirir as testemunhas
a apresentauas no processo a que
lo por orime de calumnias e lujaras,
prove exuberantemente com docu
dois dos quaes assignados pelo
jmprio bacbarel Meira Sobrinbo, e depoi-
naaira de quatro teste nunhas que este ba-
rbare! era juiz, advogado, e prevaricador,
que a Hizendo do bra;o e cutellb deu ao
iva MLanoel Pereira *_iit!, conhecido por
LuCso, pena milito menor, do que aquella
ae S&r\ imposta p^lo jury, subindo o ci
wmmo a tal ponto que remetteu o reo para
a eadeta de Florea declarando no offi:io
pena atada menos di que aquella que elle
proprio impuzora ; que horror II!!
Depjis do ju'.gamento do mcu processo
het de tirar por certidao todos os doeu-
memUm, qua juntei e depoiinentos d..s tes-
teoMnhas para denunciar deste inqualifica-
el jnz perante as autoridades ompoten-
fta. para que eeja laucado fora do quadro
d& aMg8tr*tura um juiz como o baeharel
Praacisco J?s Meira Sobrinho, vergonha
da Jacta, o eaoaraeo da sociednde, cujos
afeen, meatos deixo de publical os aguardan-
da bb". para na oceasiao de um memorial
aae voh dirigir a S. M. o 'Impera-Jor, fa-
se! a.
Se tm processo para o processado o
aaataeraa a elle lanzado pela achilo, orais-
aao criminosa perpetrada, para mim o
presente processo, que respondo, urna glo
ra por me proporcionar inais urna vez oc
eaaiXo de castigar os homens corruptos,
jorsfisal-oe, e arrancar a viseira de meus
perseguidores, sahindo para a sociedad
afcro como no tribunal entrei, timado as
palabras do Evangelho, Deus super omnia.
Terminando peco desculpa ao publico de
ter aecupado a sua attenciio com um ho-
ama do carcter do bacbarel Meira So-
letaba, s digno do desprezo publico pelos
can actos arbitrarios e violentos e ser elle
a iatagem viva da corrupcJto.
Tampho, 13 de Dezembro de 1886.
Jersmymo Theodorio da Silva Loureiro.
Fallencia Lew

O publico que tem lido as publicac5es do Sr.
Dtr. Batevio de Oliveira enha a bondade de at-
mmtm.
Amelle doutor apregoa bem alto a sua energa ;
aaasaSo e lembrade que est taxandode it legues,
injurate a, escandalosos, etc., actos que j praticou
car fcypotheses Dteirgmente identicae.
Ak aeguem-se duas certidoca que o provam ex-
anbeeaateincnte.
Kmesto alachado Freir Pereira da Silva, oBcial
ae aiceito especial do commercio d'esta cidade
do B-cife por Sua Magestade Imperial e Coo-
lafrional o Senb r D. Pedro II, a quem Deus
gaardeete.
Certifico que dos autos de fallencia de Jorge
Iia^i ni consta o seguiute, que foi o credor Adol
paMfStoizeoiback quem requereu a fallencia, que
a adtaajado* constituidos por esse credor foram os
Sha- Antonio Etevao de Oliveira e Duarte Este-
*&> 4e Oliveira, sendo quem assipnou a peticSo
"lal o Or. Antonio EstevS) de Oliveira quo a
. da abertura da fallencia toi a 23 de D.-z.m-
>de tSel, que o credor elt-ito depositario foi o
(ociante Adolpho Stolseiiback e finalcente que
a peipV) e'drspacho sa > do tlieor seguate :
Lm. tir. Dr. juiz de direito do totnmtreio.O
aneaarcl Antonio' Estevio de Oliveira curador fis-
cal da massa fallida do Jorge Juugman vem re-
aMcsr a V. S. dgnese du mandar vcuder em le -
m paatco o estab leciment j de pbarmacia p -rten-
caaAe a dita maesa aqualestja avaliada. atienta
aaMoileata inconveniencia de conservaren)-se as
oereaioriaa ate a deliberaco da concordata que
talado poesa vir a faser poi que oeste caso ser
gn*d-- o prejuiz> resultante da deterioraco das
iTragonas. Nestes termos pede deferimento.
K.R.M. Recite 12 de Janeiro de 1882 Este-
va de Cliveira.
Hadada na forma da lei.
Despacho-i ii, por intermedio do agente Sur
I do eorrente anuo, quanto ao quarto item que os
credores eleitoa depositarios foram os meamos
Porto e Santiago, certifico finalmente que a peti-
cio de fl. 763 e sen despacho sao do theor ae-
guinte:
Illm. Exm. Sr. Dr. juis de direito da vara es-
pecial do commercio.Diz o curador fiscal da
massa fallida de J. C. Levy 4 C. que, consietindo
o;- bens da massa em mercadonas de fcil deterio-
r.,co, vem requerer a V. Exc. digne-se mandar
que seja feito leUajda Pharmacia e Drogara per-
tt'Dceiites a massa, dignando-se V. Exc designar
um leiloeiro para o dito m. E' impossivel sem
grave prejuizo para os credores adiar por mais
tempo semelhante providencia, attendendo-ae a
natureza das mercadorias, cojo leilao se requer.
Nestes termos pede a V. Exc. deferiment. E. R- M.
Recife, 19 de Novembro de 1886. Dr. Jos Joa-
qun) Seaora.'
(Sellada legalmente).
DespachoComo requer, e desigut o agente
Guarni. Recife, 20 de Novembro de 1886. -Moo
tenegr.
E' o que se contm em dita peticSo e despacho
e os proprios autos me reporto e dou f.
Recife, 23 de Dezembro de 1886.
Jos Frnnklin de Alenenr Lima.
/c^N
(Honorio l.ontf da *ilva .-
Fragoso
2o AXN1VEKSARIO DE SED IN-
FAUSTO PASSAMENTO
Sobre sua veneranda lousa
derrama urna lagrim
do
eterna saudade...
um
Alt.GO.
23 de Dezembro de 1886.
naa lacrima de pan-
lente amlnii-
DERRAMO TRISTEMENTE
Sobre o sarcophago de minha
pranteada n extremosa
madrinha
D. BlaWM FBASCISCA X. DOS
KE13
Hoje. 1.- anaivemrlo do
MH infausto passamento
261286.
Cand'do T. dos Reit. qI
seguraram as melboras da doente, e 0 aso conti-
nuado operoa urna cura radical !
Esse miraculoso successo na cura de ama tao
tcrrivel entermidade, referido em urna carta im-
pressa dos opsculos que acompaobam o medica-
mento.
nicos agentes e depositarios geraes nesta pro-
vinciaFraneisco Maooel da Silva &C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
< oi.i.i:<-io
DE
\. S. das Victorias
O H1111 do Uoaplclo IO
As elasses comecarJo de novo a 10 de Janeiro
do 1887.
A baronesa d'Herpent tem a honra de commu-
nicar aos pas e tutores de suas discipulas que ella
toma a si a dirceco do Collcgio, em razio de sna
filba, Mme. Blanche ficar por algum tempo noR.o
de Janeiro, junto de seu filho menor que reclama
os si'us cuidados.
Mme. Blanche, obrigada de fazer esta ausencia,
apresenta s familias de suas discipulas muitos
agradecimentos, pelas demonstra(5es de amizade
que d'eilas recebeu e das quaes sempre se lembra-
r com gratidao
O Collegio recebe pensionistas, meio-pensionis-
tas e externas.
O Damero das internas ser limitado at 12.
Na ultima quinta-feira do mez ter lugar no
Collegio um pequeo soire de recitado, de mus
ca e dansa com o fim Je desenvolver as meninas
os hbitos da sociedade na qual devem viver mais
tarde.
A direciora,
Baroneza L. V. d'Herpent.
A asma a on&rmidade da velhice e s*
bem que seja considerada como um privi-
legio de ljng^vidade, nSo ha duvda que
um privilegio por demais incommodo e do-
loroso.
Os ataques dcixam oa doentes sem socc-
go, a sufTocayilo espantosa, a insomnia
tenaz. Existe porm, um meio facilissiino
de acnullar oj ataques reduzindo os sim-
ples ameaQas, fumar os cigarros indios
Grimault & C, que contm o cannabis in-
dio, principio activo de Canhamo da India,
sem rival as enfermidades das vas res-
piratoria0.
Inglez
e fraiicez
Cursos theoricos ou praticos, conforme prefer-
rem os senhores interessados. Ra da Aurora a.
19, 2- andar.
N. 4. Todos os ue{tm tomado a Eraulso
do S'.'Ott, rjcouhjcem a sua superioridade
sobre os outros remedios empregados at
hoje para a cura da tsica pulmonar, escr-
fulas, racbitif, anemia e debilidade em ge-
e reoonsti-
Inslitutioii Franpise de
Demoiselles
Ra do Bu ro de S. Borja n 50
(aatiga do Sebo)
O aro leciifo Mi collegio
em 10 ni J
DECLARACOES
1881
A directora,
Z. Adour.
va\. As suas virtudes sanativas
tuintcs sao maravillosas.
Externato St. laiiz
Roa do Imperador d. 55, 2. andar.
Coro o nome cima abrir-se-ha 110 dia 15 de Ja-
neiro do anno prximo futuro de 1887, um estabele-
cimento de educado, or.de ensinar-se-hito todas
as materias do curso de preparatorios, havendo
tambem um curso nocturno ds mesmas materias,
e um outro commercial, no qual ensinar se-ha s
mente francs e inglez. theorica o praticamentc
senda este das 9 a 1(11/2 da noite.
Ettatuloa
Art. 1. Oa paca, totoral ou correspondentes,
deverao acompanhar o estudante "> dia da mit ri-
cura, para nao t matricula!-o, como tambem para
tomar conheciinento do r 'gimen diauipliaar do es-
tabelocimento.
i Aquelles que oSo tiverem quem os apre-
cata, tambem serfo aceitos matricula.
Art. O pagamento da matricula ser feito
:nen aal e adiantadamente a comecar da occasido
da m atricuia.
1." Por cada matricula pagar o estucante
5JUG0, havendo u:na differenQa de confirmidide
com o numero de materias que eetudar no estibe -
lecimento.
Art 3.* Cada au'a constar de 1 1/2 hora, sen-
do urna para tomar a lid > do dia aatecedeute e
tneia para explicar a do dia segninte.
Art. 4 Ne haver aulas s quintas-feiraa,
porm todos os alumnos devem comparecer no cs-
tabelecimento n'estes dias hora de suas respec-
tivas ulas, para urna aabbatioa, segundo a qual
os directores daro attestados na poca dos exa
mes.
No estabelecioento encentrara) os Srs. pais
correspondentes ou tutores e os Srs estudantes os
estatutos como accrescentamento de tudo mais
que nqui se omitte e que 03 scientificaro do que
houver de mais particular, e bem assim da con-
veniencia do methodo n'eate cstabelecimento em-
nregado.
Os directores,
Z,utz J. de F. e O. Sobrinho.
Augusto J. C. Braga.
de S. Luiz Goazaga
Companhia de edifi-
cado
ASSEMBLE'A GERAL EXTRA-
ORDINARIA
Na forma do art. 25 do estatutos, s3o convida-
dos os Srs. accionistas, para no dia 28 do corrent
ao meio dia,se reunirem na sede da Companhia, no
largo Pedro II n. 77, 1. andar, afim de em assem-
bla geral, se proceder a eleicao, do director geren-
te, visto baver pedido a sua d misaao desee cargo
o accionista que o exeroia.
Recife, 13 de Dezembro de 1886.
Gustavo Anlunet,
Gerente interino.
Estrada de ferro de.
Ribeir.i Bonito
De ordem da directora sao convidados os se-
nhores accionistas a r colberem do Lundon & Bra
silinn Bank, no praso de 60 dias, a contar de
boje, a terecira entrada de 10 % do valor nomi-
nal de suas accea.
No escriptorio da empreza serao distribuidas
ocios senhores accionistas as suas accoes, median-
te a exhibido das cautellas dos recolhimentos da
1', 2 e 3 entradas. Recife, 5 de Novembro de
1886.O gerente,
Hypolito V. Pederneiras.
E?irada de ferro do Rc-
c!fe Caruar
De ordem do Illm. Sr. director, (*-> publico que
0 tremP 2qne partia da estado do Cascavel
s 2 horas el: minutos da tarde, partir agora a
1 hora, partindo de Pombos a 1 e 28, e da Vic-
toria as 3 e 46.
Secretaria do proloogamenlo da estrada de fer-
ro do Recito ao S. Francisco e estrada de ferro do
Recife Caruac, 23 de Dezembro de 1886.Pe-
lo secretario
O 1" escripturario,
Vitaliano P. Ribeiro de Souza.
Servido de vaccinaco
Da ordem do Sr. Dr. inapector de bygiene, faco
publico que ficam desgnalos os dias de segunda e
quarta-feira de todas as scm-inis s 10 hi.ras da
manb para ter lugar o servico de vaccinado na
inspectora de bygicne ra do Birilo da Victoria
n. 82, 1. andar, para onde foi transferida a mestra
repartico.
Iuspectoria do hygi.'ue de Pcrnambaco. t de
Dezembro de 18St.
O secietario,
Gtiilherme Daarle.
77
Com este titulo fundei no dia 15 de Novembro,
na ra do Hospicio n. 55 um estabeltrciinento des-
tinado instruccao primaria e secundaria de mc-
Kegnranra non aillos e lugareM In- nios.
salubres Abalancar-se a emprezas deas 1 ordem em poa,
330(Como a que atravtasamos, incontcstavelmcnte
O uso da Salsaparrilha de Bristol, tem efectua grande ouaadia e temeridad^. Antevi perfeita-
do vasos admiraveia de sezoea, tercans, ebres bi- mi-nte as dirKeulda les com que havia de iutar, os
liosas, calefrios, febres remteutea e outras mo- mil obstculos que se me antolbariam no camin)),
latina causadas pelas nocivas exhalaces do ter mus, apezar de prever tudo isao. nao me foi possi-
raaa < da aguas cstagnadas. Referem-3" casos ; vel resistir ao desejo de contribuir com o mcu pe-
occorridos nos vales do Misaissipi e do Oliio e ca queno contingente para a grande obra do lcvauta-
todas as partes da California, para os quaes, de- ment da instiucd".
pois de se hiver em^rvgado intructuosamente os I Eusinam-ae no collegio as seguintes materias :
talentos dos mdicos 08 mais experimentndos, este lei tura, calligraphia, portuguez, fraocez, inglez,
grande r.-staurativo e conservador da sadc, nao
comente esalojou a molestia, como tamben) reg-
netou completamente o doente, daudo-lbe segundo
disae ero individuo qu: se havia salvado das gar-
ras da morte ni va vida, oovo vigor, e tornan
do-o invulneravel contra os efivitoa da nialaria,
E atis se au continha em ditas pecas aqu
wmtm bem e fielmente copiadas, tudo de conformi-
aarfe coa que resa a pefld > retro.
Recite, 23 de Dez-mbro de 1886.
tfafci rtevo e dou f.
Kmetto Machado Freir Pereira da Silo*.
Jma Prntitlin de Alinear Lima, emeial da Im-
(etiai Ordem da Rosa, condecorado com as me-
dMiHiiii de mrito militar e a geral peU cainpa-
! Psragaay, tnaj.u- honorario do rxercito 1- 1
^serivo do jnizo especial do commercio do Re-
k por S. M. I.
Certico em vista dos autos de fallencia da tir-
ara C. Levy & C, quanto ao primeiro item da
]tefac&> retro que a fallencia da dita firma toi re-
por Porto e Santiago, quanto ao segundo
1 ojse o advogado constituido por aquelles cre-
1 e que assigoou a potido fui o Dr. Jos Joa-
1 Seaora; quanto ao terc-iro tem qae a aber-
1 x faileneia foi por sentenca de 11 de Agosto
Rio Grande do Norte
\o Exm. ministro da Justina
O Dr. Fabio Cabral de Oliveira, juiz municipal
do termo de Maco, n'esta provincia, entrando no
exercicio da vara de direito, convo -oa jury, au-
diencias especiaes e atropelou andamento dos pro-
cesaos, era que era Pierre, seu cunhade, envolvido
e em menos de 30 dias estava o dito seu cimbado,
Pedro Ferreira de Souza, conhecidoper Pierre
absolvido dos crimes e juntamente seus cum-
pliera ; e mais outros ro6 envolvidos no roab >
de Mana Lunga, oin outro cuubado do Dr. Fabio
de nome Jos Virgolino. foram todos abaolvidog.
A sxhida do Dr. Vital, de Maco, trouxe um ju-
bileu para os criminosos cunbad.is e protegidos do
Dr. Fabio.
Que horror !
Atienda o governo.
Maco, Novembro ae 1836.
italiano, latim, geographia, historia, arilhmetica,
geometra, algebra, pbilosopliia, rhetorica, msica
vocal, piano, flauta, rabeca gymnastica, deeenho
e conversado das liugoaa: Irsuueza, inglez 1 c
taana.
A casa em que se acha o collegio nao pode ser
expoai(oes e todas as mais Dtlaenciaa perniciosas >n .19 adaptada para esae tim : satisfaz cabalmente
COMMERCIO
Pernae?
commercial de
buco
\ ECIFE, 27 DE DEZEMBRO ^)E 188o.
As tres horas da tarde
Cotacoet oficioM
Viakauve.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. ti. Alcuiurado.
P1LICS
DOtENTUS
Mi de Dezembro de 188G
ALFAM'LGA
rCOVIBCISL
Usta'24
tiemt 4eZ
ic^i
700:369^107
42.55330.t
12341.! 4070
'J:Utf512
742:922416
132.69058
UirnruluNO successo (S)
Urna filba do Sr. Pirjiino Francisco Machado,
fazendeiro no Ibicuhy, Rio Grande do Sal, estava
desengaada pelos ine.'icos que a declararan) af-
fectada de ama tytica pulmonar em estado bas-
taute adjuntado.
A sua familia, profundamente consternada, teve
a feliz leinbranea de experimentar o PEITORAL
DE CAMBARA', descoberta e preparad'1 do Sr.
Alvares S. Soares, de Pelotas.
Alguna frases d'este precioso medicis'nto as-
Alfandi-ga de Pernambuco, 7 de Dezcmbr> de
18S0.
Os conterentes,
Salvador A. de A. Freitas.
E. M. Pestaa
DESPACHOS DE IMPORTADO
Vapor nacional Caravella*. entrado da Babia no
dia 25 do correte e cooaiguado a Domingos Ai-
ves Math-us, manifestou :
Algodo23saccas a J. II. BoxwjII, l a
Justo Teixeira &. C, 1S a H. Nues-h & C.
Guaros f algados seceos 150 ao consignatario.
Milho 30.) saceos a U. Nuesch & C, 200 or-
dem.
Pelles 30 amarrados a H. Nuesch & C 1 ao
consignatario.
JIsFACHUS I)K KXFORTACAO
Em 24 de Dezembro de 1885
il" mu clima insalubre 1' doentio.
Para a cura das molestias ulcerosas e crupti-
vei? o nico e derradeiro remedio infallivel.
Acha-se venda em todas as boticas *. lojas de
perfumara
Agentes em Pcrnambaco, Henry Foster ft C ,
roa do Commercio o. 9.
O Xarope de Vida de Reufer V 9.
Este grande remedio poderoso alterativo e pode
roso touico : como alterativo muda c carcter de
todas as aecreces mrbidas, neatralisa o veneno
da escrfula, da typhilia, do caocro, etc. Domim
a abrasadora iufUmmado das febres e cooges-
toes, mitiga e extingue o ardor das erupcies cu-
taneis. Estimula os orgaos glandulares becrcto-
rio?, o fijado, os ria, a pelle a fnneciunarem na-
turalmente, habilitando assim o ystema a expellir
os varios productos damaosos introduzdos na cir-
cu'ad-i un resultado da docDca.
Consultorio medico-
Pedro II, n. Ti pri-
meiro andar conser-
vndole aberto das 9
horas da manb s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
tructores e reconstruc-
c,es.
Recebe-se informa-
qes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
jNo mes mo escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da m e s m a
companhia.
EMPREZA D GAZ
Pedc-se aos Senho*
res consummidores que
Loteriade 4000 eolitos IW* azer qualquer
comunicaco ou recla-
ma?'), seja esta eita no
za na do mperadorn0
A grande lotera de 400 crtotoa, era 3 sorteios,
fica transfdiida para o dia 14 de M.io viodouri, '
impreterivclment'', nos termos to despacho do !
Exm. Sr. presidente, de hoje.
Tnesonraria das L'terias p'ira o fundo de .
o^xfLVmn,lisdaCoh'"ah* O theaonreiro,
Francisco GoncalvcaToires.
LoeFiTda Colonia babel !9, bde tambem se re-
J^^^Ti^^l:fPosa,niceber? qualquer conta
venda. *
Corre no dis, 3 de Jaoeiio as 4 horas da tarde.
Thesouraria das loteras para o fundo da eman-
cipado e og-nuos da Colonia Isabel, 23 de De-
ctmbro de 188G.
O tbesoureiro,
Francieco Goncahes Torrea.
do
a t idas as exigeacias de estaos leciraeutos desaa
oideta.
Como resido com minha familia estou em con-
dli^ea de receber meninos de mais tenra idade, aos
quaes dSo faltarao de certo cuidadoa e solicitudes.
Confiado na boa voutade dos Sr. pais de fa-
milia para ellcs appcllo esperando ane me coadju-
vario na ardua e difficil tan fa da educad" de
a cus filboe.
Keabrir-se-ho as aulas a 7 de Janeiro vindouro
Keeife, 19 de Dezembro do 188(5.
Padre Manuel Lobato Carneiro da Cunha.
liA- 1 a 24
C iWiirn eaonvaiALOa 1
laVtai de 27
IVTIG^----'.>0 l 11 24
ende 27
875:612*998
42:084*768
556*531
a 24
42:6414299
51:245*862
4:310/381
55:556/243
9:644*510
150*203
9:794*713
-lTEMACO DA PAUTA
ua a semana de 27 de Dezembro de 1886
a 1 de Janeiro de 1886
Barre alterado.
Para o exterior
* No patacho holiandes Alida, carr gou :
Para Hall, C. P. do Lcmos 10,000 kilos de ca-
rolos de algodao.
No vapor inglez Cearense, carregaram :
Para L;verpool, J. Pater & C. 918 saccas com
61,496 kilos de algodao,
Na barca norurgueaze S. Jueph, carrega-
rm :
Para Liverpool, J. Pater & C. 233 saccas c.-.in
18,891 kilos de algodao.
No vapor inglez Jesmond, carregaram :
Para Liverpool, J Pater & C. 248 suecas com
22,328 kilos de algodao ; J. H. Boxwell 600
saccas ciii 46,380 kilos de algodao; Julio & Ir-
ma 2,000 saceos ora 150,000 kilos de assucar
mascavado ; F. Catco & Fnho 1,500 saceos eom
112,500 kilos de assucar mascavado ; 1'. Vianna
t O. 1, 00 saceos com 127,50j kilos de assucar
mascavado.
No vapor fraoees Ville de Cear, carregoa :
Para o Havre, Kouquayrol Fieres 2 caixas xa-
ropes.
t*ara o interior
No vapor rancez Ville de Pernambuco, car-
regaram :
Para bantos, Bailar Irmics & C. 200 saceos
com 12,00(1 kiloa de assucar branco e 600 ditos
cora 36,000 ditos de dito mascavado.
Para o Rio de Janeiro, H. Burle & C. 300
secas cern 21,434 kilo* de algodao.
No vapor nacional Aymiri, carregara r :
Para Pelotas, F. H. da -.uva de C. 20 caixas
com 720 kilos de o eo de ricius.
cirurgico
O Dr. Castro Jess, contando mais de 12 aooot
de escrupulosa observacao, reabre consultorio nes-
ta cidade. rna do Bom Jess (amiga da Gru
a. 23, i. andar.
lloras de consultas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demais horas da noite ser encontrado no
sitio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por-
tan esquerda, alm do pono do Dr. Cosme.
Para Porto-Alegre, F. M. da Silva 4 C. 30 cai-
xas com 1.000 kiloa de oleo do rieiuo ; P. Carnei-
ro & C. 200 88CC0B com 15,900 kilos de asaucar
branco, 100 ditas com 7,500 ditos de dito masca-
vado e 1 caixo com 311 ditos de doce.
Par o Rio Grande do Sul, P. Carneiro & C 10
saceos com 750 kilos de aassucar mascavado.
No lugar nacional Sarah. carregaram :
Para o Para, J. S. Ix>yo & Flho 900 barricas
com 57,256 kilos de assucar branca
No vapor inelez Author, carregaram :
Pitra Sanfor, A. Onimarea 450 saceos com
27,000 k'lus de assucar mascavado ; V. Valenfe *
C. 80 saccas com 7,201 kilos de algodao; G. Reg
1 caixa coa 60 kilos de doce.
No vapor nacional Espirito Santo, carrega
ram :
Para o Rio de Janeiro, H. Burle A C. 100
saccas com 8,145 kilos de algndo ; R. Valente
200 saceos com milho ; F. da Silva 4 volumes
com 420 kilos de la de carneiro.
Para a Babia, A. H. Branco 1 caixa com 80
kilos de doce.
Licor depurativo vegetal iofo'o
DO
Mcdho QuiutcUa
Este notabilsimo depurante que vem precedi-
do de tao grande fama infalliv'-l na cura de todas
as (loencas syphiliticas, escrofulosas, rheumatica
e de pelle, cjum tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das i', chronicas, cancros gyphiliticos, inflamma
ees visceracs, d'olhoa, or.vidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diatbericns, assim como na alopecia ou qa.da
do cabello, e as doencas determinadas por satu-
racan mercurial. Dao-se gratis folhetos onde se
encentrara numerosas exp ciencias (citas com este
especifico nos hospitaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revenOPr.
Deposito em casa de Faria Sobrinho ILC
Ra do Mrquez de Olinda n. 41.
que queiram pagar.
Os nicos cobradoras
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Santa Casa de Misericordia
Hecife
Ajanta administrativa da santa casa de mise-
ricordia do Recife contina a receber propostas
para o fornecimento de assucar de 1, 2' e 3" or- !
te, e turbimdo pulverisado ou nao palvcrisado, | l n n\(l il Cliro
para os estabolecimeutos a seu cargo, no trimestre j AJlUulU Ud jllVu
de Janeiro Marco viudouro. *~"
%its deetSj BM apresenudas at dia i veira, e quando or pre-
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 22 de Dezembro do 1886.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
isa s S=3 35 ^_ ^
tr
Recife a (Ha a Ba! MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 25
Southampton por escala 15 1/2 dias, va-
por nglez Neva, de 1774 toneladas,
commandante L. R. Dickinson, equi-
pagem 96, carga varios gneros, a A-
dam8on Huwie &C.
Santos por escala6 dias, vapor francs
Ville do Cear, de 1699 toneladas, com-
mandante E. Dupont, equipagem 42,
carga varios gneros, a Augusto F. do
Oliveira dC.
S. Vicente7 dias, vapor inglez Sir Gar-
net Wolsilcy, da 1477 toneladas, com-
mandante David Moagan, equipagem 27
era lastro, a Boxwell & C.
Penedo por escala 2 1|2 dias, vapor/na-
cional Caravellas, de 350 toneladas,
commandante Juaquiru A. R. de Alattos,
equipgeiii 23, carga varios gneros a
Domingos Alves Matheus.
Navios sahidos no mesmo dia
Buenos Ayres por escalas Vapor inglez
Neva, commandante L. Dickinson, car-
ga varios gneros-
Havre por escalaVapor francez Ville
do Cear, commandante Dupont, carga
varios gneros.
SantoB por esc?laVapor francez Vxtte de
Pernambuco, commandante A. Chanche-
rel, carga varios generos.
Rio de Janeiro Vapor nglez Author,
commandante R. Buddler, carga varios
generos.
New York Patacho inglez Artos, capitn
A. Robertsen, carga assucar.
Navios entrados no dia 26
Rio de Janeiro14 dia*, barca ingleza,
Chandernagor, de 687 toneladas, capitao
A. Atterool, aquipagem 14, em lastro a
H. Lundgren & .
Babia 15 dias, Iu'gar nacional Vieira, de
250 toneladas, capitao JoSo de Deus
Vieira, equipagem 9, em lastro a Aino-
rim Irma is & C.
Navio sahido no mesmo dia
Rio Grande do Sul -Escuna Dinamarque-
sa Waiorg, capitSo F. B. Albertsen
carga asquear.
Navio sahido no dia 27
Rio Grande o SulPatacho hollandez Ber-
nardo Godelif. capitSo W. Soppkens,
carga assucar.
lianhos de Olinda
Em vista de reclatnac,:io de varios frequentado-
res doa banbos salgados das praias de Olinda, iin-
possibilitados de irem actualmente morar naquella
cidade, resolvea a directora desta companhia,
crear ama asignatura mensa I especialmente para
os banbistas, dando direito a urna viagem redon-
da por dia, me.dianta o pagamento de 104000.
Aaaignatura que come$ar a vigorar do dia 1 de
Janeiro de 1887 at segundo aviso ; sendo que,
para maior vantagem ser expedido desse dia em
diante um trem extraordinario sahindo da ra da
Aurora s horas da madrugada, parando apenas
as eataees em que exiatirem assignantes, e vol-
tando na mesma couformidade s 7 horas, de Olin-
da. Os senhores banbistas teio tambem o direito
do ir pelo trem ordinario das 5 1/2 do Recife, as-
sim como de voltar pelo trem ordinario das 6 1/2
de Olinda ; sendo que nos trens extraordinarios
sera j tambem admittidaa
ciso o Sr. Antonio Mar-
Sqs Car.valho.
Durante a auzencia
doabaixoassignado na
lU Europa todos o s recibos
dessa empreza deve-
rao serpassados cmta-
loes carimbados e fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que nao
te rao valor algum.
George Windsor,
COIIMYIIIA DE SEGUROS
XORTIIERN
de LOndres e ilierileen
Poairae flnancelra (Dezembro 188&)
as pa'sagens avulsas da
1 classe da nosaa tabella.
Escriptono da companhia, 24 de Dezembro de Capital oubsclipto
1886.O gerente. Fundos accumulados
A. Pereira Simdes. i Becelta annaal i


3.000.000
3.134.34S
VAPORES ESPERADOS
Cearense de New-York
Cear d sul
Stefunie de Trieste
Maat Ci*:! de Misericordia do1
Recife
Por esta secretaria sao chamados os parentes
ou protectores das menores abaixo declaradas,
para at o dia 31 do correte apresental-as no
collegio das orphas, arim de serem ahi admittidaa,
visto serem as pnmeiras inscriptas no respectivo
quadro :
1 Alice, filha de Marianna Pires de Souza.
2 Ermelinda, dem de Francisca Mauneia de
Sjna.
3 Mara, dem de Antonia Marcelina de Oli-
veira.
4 Julia, dem de Joecpba W.Diniz.
5 Arcelina, dem de Josepha Maria da Concei-
co.
6 Mara, idem de Candida Olympia de Mede-
roa Araujo.
Di premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
O AGENTE,
John. H- Boxwell
Hl'.* COMMEBDOCIO X. S 1MUH
577,330
191,000
132,000-
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N.
Seguro* inarillsHoa e erre-aire-
Neatea ultimo a nmea coaapanhia aesta praca
7 Marcioailla, dem de Maria Sopbia do Reg i que concede aos Srs. scgnradi s isempciode paga-
I ment de premio em eada stimo anno, o aaja
do | equivale ao descont de esrea d 15 por oento em
i avor dos eeguradoe.
Barros.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia
Recife, 16 de Dezembro de 1886.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
hoje
hoje
hoje
Janeiro de 1887
Ville de Macsi
Finance
Niger
Mandos
Euclid
Sully
Baha
Aliianca
Ville de Santos
Trent
Pernambuco
Para
Aconcagua
Niger
La Plata
Cear
Pernambuco
Espirito Santo
Trent
do sul a 1
do sal a 3
da Europa a 3
do norte a 3
de- Liverpool H 5
do Havre a 6
do sal a 7
de New-Port-News a 7
do Havre a 9
da Europa a 10
do norte a 13
do sul arl7
da Europa a 21
do mi a 21
da Europa a 24
do norte a 24
de Hamburgo a 25
do sal a 27
do sul a 29
Thegouraria de Fa-
zenda
De ordem do Illa1. Sr. inspector, avisa-se acs
interessados, que a partir de hoje at 31 do cor-!
rente, paga-se nesta reparticSo a segunda quin-
zena do mez de Junho, excroicio de 1885-1886, s !
castureiras do Arsenal de Guerra, qua trabalba-
rm na mesma qninzena.
Thesouraria de Fazenda de Pcrnambaco, 27 de
Dezembro de 1886.O secretario,
Luiz Emydio P. da Cama.
(Jompanhia
JMPERIA L
Companhia de Edicacoes
O escriptorio desta
MECIUROS contka FOCO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Tazas baixas
Promplo pagamento de prejuixoa
CAPITAL
fa. 16,000:000,1000
Agentes
BROWNS & C.
N. hRa do CommercioN. 5
London and lirasilian Ka
Limited
Ra do Commercio n. 32
i i Sacca por todos os vapores sobre as ca-
COIUpanillct aCtia-Se lU" sa* do mesmo banco em Portugal, sendo
.. i____l _____i j j mb Lisboa, roa dos Capellistaa n 75 No
StaladO nO largO dejPorto.ruadoa Ingleze:
f



'T



i

l




f lama i
i


-*,
Diario de PeraambncoTerfa-feira 28 de Dezembro de 188

SEGUROS
TARITIMOS CONTRA FOGO
companhia Phenlx Per-
nambucaoa
Ruado Commercio n. 8
The Liverpool & London 4 Glob
INSURRA^CE COMPANl
Saite Broters k C.
Companliia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelelda em 1 *55
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
Ate 31 de dezembro de i884
laritimos..... 1,110:0008000
Terrestres,. 316:000^000
*i-Bna do Corninerelo
CONTRA FOGO
lortb Brilish & Mcrcantile
CAPITAL
0:OOO.OOo de libras slerlloaa
A G E N 7 E S
Adomson ilowic & C.
COMPANI1IA PEBNAHVlCAiV*
DE
Aaoegucao t-'ostelra or Vapor
PORTOS DO'NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
O vapor Jaguaribe
Commandante Baptista
IH n ,. .
Segu no da o de
Janeiro, s 5 horae
da tarde. Recebe
[carga at o da 4.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Periaml"inana
n. 12
ooa
THEATRO
DE
CHARtiEMS M
< onipauhia Franceza de Siavega-
c5o a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
Pernambuco, Baha, Rio do Janeiro c
Santoa
Steamer vi fle Macelo
Espera-se dos D:>rtos de
sul at o dia 2 de Janeirc
seguindo depois da indis-
pcnsavel demora pura o lia
rc.
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerecc excellentes comniodoa e ptimo passa-
dio.
As passagens podero ser tomada* de aniemn.
Recebe carga eucommendas e pacsageiros pora
os quaes tem ezcellentes accoimnodacoes.
Companhia The Central, Silgar Faetones of Brasil
Limited, sendo qae 3(0 saetas depositadas no ar-
mazeni da eumpanhia, 977 no armazem de Fonseca
Irmaos & C, 5000 no armazem H Stollzemback
e 2615 no trapiche de Alfredo Baltar. cujos assu
cares sero vendidos pelas respectivas amoetras,
eui un cu em maia lotes a vontade dos Srs. lici-
tantes. ______________________^^
Terceiro e ultimo leilo delin.livo
Oe autigo hotel e hospedara, denominado
Estrella do Norte, sito ra de Thom
de Souza n. 8, antigo becco da Lin-
gueta
A retalho ou a vontade dos compradores, com ga-
ranta das chaves
Quinta felra^ 3o de Dezembro
A's 11 horas
Contando i
da armaco, balco, 1 grande tanque de ferro
para deposito d'agua, cama franceza, marquezo,
camas de ferro, ditas de lona, duas grandes mesas
com tampo de podra, ditas redondas, espelbos,
quadros, relogios de parede, commoda, laucas, be-
bidas, trem de cozinba, roupas para cama e rnui-
tos outros objectos.
' Por intervenqUo do agente
Gusmo
STEAMER
Sully
~T
Companhia
Lyrica de operetas, italiana
.Dirigida pelo distincto actor cmico
9.a Recita
ljnrada cora a preserva do Exro. Sr. pre-
sidente da provincia
Te^a
HOJE
Mra, 28 de Dezembro
Mascotte
O papel de Minino XI ser desempenbado
f.-atit oelcbre actor
rezare Ficarra
Trem pura Apipucos e bonds para Magdalena,
.rVa-oandes Vifira e Atog-d<>s.
A*H N lloras e I.
A esmpanhia segu impreterivelmente para o
Xaranho no prximo vapor nacional (7 de Janei-
ro de 188.).
Cinco son especenlos
MARTIMOS
The l S.4BHSS i; J
O paquete Finance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 3 de Janeiro
depois da demora neceasaria
seguir para
aranho. Para, Barbados, S.
Thomaz e .\e\vYork
Pan, carga, passagens, e enconimendas tracta-
*. com os
AGENTES
E' esperado da Europa
n dia ti de Janeiro, se-
guindo depois da indispen
savel demora para a Ma-
ula. Bio te Janeiro
e Santo.
Roga-se aos Srs. iir.portadorijj de carga p -los
vapores deeta linha,qnciram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng 11:-
quer reclamacao coucernente a volumes, que po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.atirr
de ee poderem dar a tempo aa providencias necei-
rias.
Expirado o referido praso a companhia nSo se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageirss para
os quaes tem exccllentes accomodacocs.
Augusto F. de Oiveira & (
AGENTEN
4G RIJA DO COMMERCIO-46
Leilo
Agente Pinto
taima reir 30 do rorrete
Deve ter lugar por intervenco do agente Pinto
0 leilo de 334 toneladas de carvao de pedra em
dous lotes em frc.ite Associaco Commercial.
Leilo
Da fazendas, miudezas, 1 mobilia de pao carea,
1 guarda vestidos, camas, lantenias, jarros, 1 re-
logio de r are de, muitos movis avulsos e diversos
objectos.
Terqa-feira do 28 torrente
No ariDazeru da ra do Pedro Affonso n. 43
i
i gente Britto
Lcilfto
Para
O briguc nacional Sarah, tendo a muicr pari-
da carga eugajuda, segu para o porto ucima at
24 do correte impreterivelmeate. Para alguma
carga que lhe falta, trata-se din os coosignata-
ri ia Fonseca Irmaos z C
Para Pelotas
Segu com toda a brevidad* para o portj cima
o patacho noruegnense Byfoged Chrittie, por ser
a m-iior parte da earga rngajdda : para o resto
trata-se com W. W Robilhard.
Ifecif.', 23 de Dezembro de 188G.
De 334 toneladas de carvao de pedra, car-
regaraento do brigue norueguense llcor,
sendo 154 toneladas de carvao de Car-
diff e 180 patente.
Qtiiota felra, SO do corrente
A's 11 horas
Em frente a Associaco Commercial
O agente Pinto, levar a leilo, a r. querimento
de Rcis & Santos, e por despacho do Exm. Sr.
Dr. juiz de direito especial do commercio, todo o
carregamento do brigue norueguense Alkor, tal
qual se acba a bordo do mesmo navio tundeado
n'este porto; sendo que o dito carvao foi arres-
tado a Companhia The Central Sugar Faetones
of Brasil Limited.
O referido leilo ter lugar s 11 horas do dia
30 do corrente, na sala da entrada da Associaco
Commercial Beneficente.
brilharites.
par de brincos e urna
LELUES
0 pi Alliai(a
Espera-se de N-'w-Port
News, at o dia 7 de Ja-
neiro o qual seguir depois
da demora neceasaria para a
labia, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e dinbeiro
s trcie, tracta-se com os
AGENTES
lienry Forster & C.
%. 8 RUADO COMMERCIO N.-8
! andar
-\
I u
ompaabla Bahiana de navega-
cao a Vapor
Haeeio, Villa Nova, Pcnedo, Aracaj,
Estancia e Baha
O vapor Caravellas
Commandante Rbello
Segu mpreterivel-
uente para os portos
aciina no dia 30do cor-
-rente, as 4 horas da
tarde. Recebe carga
Pnicamente at o 1/2
do dia 30.
Para, caiga, passagens, encommendas e dinhciio
a fret-t tracta-se na agencia
7tina do Vigario 7
Dominas Alvos Ma hens
RES HAtlTIMES
LINIIA MENSAL
O paquete Niger
Commandante Banle
Espera-se da Eu-
ropa no dia 3 de
Janeiro seguin-
do depois da de-
Imera do costume
para o Rio de Ja-
ro, tocando na
Babia
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
aa efasses que ha lugares reservadas para esta
sgmcia, que podem tomar em qualqner tempo.
Previne se ao ssenhores rccebed,ores de merca
dorias que s seattender as reclamacoes por fal-
tas aos volumes que forem recunhecidas na occa
aada descarga. .. .
Para carga, passagens, encommendas e dinneiro
afrete: tracta-se com o
AGENTE
bagaste Lab He
9 RA DO COMMERCIO -9
Agente Pestaa
Excellente emprego de capital
Leilo
De 2 iinpoitiut" a sitios, 2 casas terreas e 2 ter-
renos pertcncentes ao expolio do sbito portuguez
Antonio da Silva Puntea Guimarea :
O agente Pestaa autorisado pelo Exm. Sr. Dr.
juiz de direito, de orpbos e ausentes e a requeri-
miento do I.lm. Sr. Viceute Nunes Tavares, eucar-
regado do Consulado de Portugal vender em leilo
com assitencis dos meamos senhores.
TERCA-FEIRA, 28 DO CORRENTE
A's 11 horas
Ra do Vigario Tenorio n. 12
O seguinte :
Um excellente sitio n. 7, na estiada de Belm,
terreno proprio com 300 palmos de trente e 560 de
fundos com diversas arvores fructiteras, boa casa
de pe Ira e cal mediado 30 palmos de frente e 6t
de fuaos, quartos para criado, estribaraecacim-
ba com boa agua de beber.
Um dito no lugar denominado Salgadinho n. 12,
foreira Santa Casa de Misericordia do Recite
(as Saliuas da frrgnetia de S. Pedro Martyr em
Olinds) medindo 75 metros de extenc>, limitando
com a margei do rio de Beberibe, muitas arvores
fructferas e excellente casa de vivenda.
Um terreeo com 212 palmos de frente e 6(0 de
fundo, foreiro Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, na mesma estrada de Belm, limitando ao
norte com trras de Mara Felippa e ao sul com a
primeira ma projectada.
Um dito tambem foreiro Santa Casa de Mi-
sericordia, annexo denoo>inado Campo Alegre, com
166 palmos de frente e 600 de fundo.
Urna casa terrea de pedra e cal ra do Bom
Gosto, ao lado da igreja de N. S da Paz n. 17 em
(Afogadosj com 1 purtac janella de frente, 2 salas,
' quartos, cosmba tora, cacimba, qnarto para
criados e quintal murado, tendo 20 palmos de fren-
te e 60 de fundo.
Urna dita a roa de S, Pedro Martyr, na cidade
de Olinda, n. 100, com 2 portas e 3 janellas de
frente, 2 salas, 1 gabinete, 5 quart >s, cacimba fra
e quintal murado; para qualquer inforinaco a tratar
com o mesmo agente.
30~o
De 2 casss terreas sita ra dos Guara-
rapes ns. 10 e 12, frt-guezia do Recife,
tendo cada urna 3 portas do frente, me-
dindo 27 1/2 palmos de frente e 80 di-
tos de fundo, com accommoclagjes, gran-
de quintal e cacimba.
Terca-lera do corrente
A's 11 horas
Na ra dos Guararapes n. 10
O agente Guema, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio e a re-
querimento de Antonio Loiz Baptista curador de
. Francisca Bernardina da Couceii.-.'io Carval h,
levar a 3" leilo, com assisteoua do mesmo juo,
as casas cima mencionadas.
O leilo ser tflctuado as mesmas casas, po-
dendo desdeji serein examinsdas.
Leilo
da armaco, balan,a, peao, medidas, canteiros,
candieiros, e canamento de gaz e diversas garra-
fas vas.as, existentes na taverna sita ra da
Palma n. 71, com garantias das chaves.
Quarta-feira, O do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENCAO DO AGENTE
(iiisnio
Agentes (usmo c Bnrlamaqui
Leilo
luarta feira, t do corrente
A's 9 e nieia horas da manhcL
Em frente a Associaco Commrcial Agr-
cola, no largo do Arsenal de Marinha,
de 8952 saccas com assucares
Os agentes cima venderlo com assistencia e
ardem do Exm. Sr. Dr. juiz especial do commcr
co, a requerimento do Viseonde de Campo Alegre,
e outros, os assucares cima dio, arrestados a
Terceiro leilo
Da importante pharmacia e drogara sita
ra do Barao da Victoria n. 2*>, perten-
cente a massa fallida de J. C. Lery & C.
Sexta-felra, 31 do corrente
A's 11 horas
O sgente Cusma > autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de dir ito do commercio e a re-
querimento do Dr. curador fiscal da massa fallida
de J. C. Levy 4 C., levar a terceiro tjilo, com
a8sistencia do mesmo juiz, a armaco, mercado-
rias, cofre inglez e utensilios existentes na phar-
macia cima referida, pertencentes mesma mas-
sa, podendo ser examinado o mandado em poder
do mesmo agente.
Monte e tono i Pemamnco
I I II \> DE JOIVS
O conseibo fiscal, attendendo ao grande numero
de cautelas nao rescatadas, e nao eonvinda ex-
pul as venda contra os iateresses do istabeleci-
mento e dos respectivos mutuarios, faz publico
que fica trans rido para efiectuar-se no dia 28
deste mrz o leilo annunciado para o dia 15.
Estarn em expesicao tres dias antes.
11.632Um auuel de ouro com brilhante, urna
pulseira, urna corrente e medalhaparare-
logio, ouro de lei.
11.633Um par de rosetas e um annel com bri-
llantes.
11.645Urna pulseira de ouro com brilhantet.
11.705Um relogio oura de lei.
11.976Urna correte para relogio ouro de lei,
um relogio de ouro e nm paliteiro prata
de lei.
11.981Urna pulseira ouro de lei.
12.010Um par de rosetas de ouro eom brillan-
tes.
12.022Urna pulseira ouro de lei.
12.107Um< pulseira de ouro com brilhantes,
quatro anneis com ditos, nm correntio
de ouro para relogio, urna gargantilba|
urna pulseira, dous broches, dous pares
de brincos ouro de lei, um relogio de
ouro.
12.302Um annel de ouro com um brilhante,
duas coreas de oura de lei, urna moeda
de ouro com laco, um cordo e um cora-
cao de ouro, ouro baixo.
12.306Cinco anneis ouro de le.
12.336Um annel de ouro com brilhante.
12.349Um annel com brilhantet.
12.362Um cordo o urna me da Ib a, ouro de lei.
12.370Um trancelim e um annel ouro de lei.
12.376Dous trancelins, duas medalbas e duas
cruzes, ouro de lei, 13 colberes para cha,
e um marac prata baixa.
12.381Um relogio, ouro de lei.
12.387Um relogio ouro de lei.
12.392Urna volta de traucelim e tres toteias,
ouro de lei.
12.402 Urna corrate e medalba, para relogio,
ouro de lei.
12.405Um par de brincos de ouro com brilhan-
tes
12.406Urna pulseira, um alfinete, um par de
brincos de ouro com perolas c esmeral-
das, ouro de lei.
12.407Urna salva prata de le.
12.408 Urna pulseira de ouro com brilhante,
urna volta de ouro com laco e urna tneda-
Iha, ouro de lei.
12 409Um broche p8ra retrato com brilban-
tes.
12.412Urna corrente dupla para relogio ouro de
lei,
12.431Urna coi rente para relogio ouro de lei.
12.438Um cordo ouro de lei.
12.439Urna redoma ouro de lei.
12.444Urna corrente e inedalha para relogir,
ouro e platina, urna dita ouro de lei.
12 449Urna corrente dupla com medalba e um
relogio, ouro de lei.
12.46247 moedas de prata de differentes valo-
res.
12.463Duas pulaeiras, um par de bi incoa, urna
volta de trancelim, nina moedinha de ou-
ro com laco, e dous annua, ouro de lei.
12 467Um par de rozetas de ouro com brilhan-
tes.
12.473Um trancelim, urna medalha, um alfine-
te e dous anneis, ouro do lei.
12.486Urna corrente o medalba para relogio
ouro de lei.
12.497Um traucehm ouro de lei.
12.501Urna corrente dupla com medalha para
relogio, duas pulseiras, tres pares de
brincos, duas medalhas, iuas tnocdinbas
de ouro com laco, tres anneis, urna volta
de contas de ouro com cinco teteias, ouro
de lei.
12.505Tres anneis de curo com brilhantes, um
trancelim, ouro de lei, nm cordo e din
annel ouro baixo.
12.511Um alfinete e um par de brincos ouro de
lei.
12.525Urna cruz com brilhantes e urna volta de
trancel'm, ouro de lei.
12.531Urna medalha, um emblema do Espirito-
* Santo e 4 anneis, ouro de lei.
12.532Urna corrente e um relogio ouro de
lei.
12.551Urna volta de ouro para benhora.
12.652Duas correntes e urna medalba para re-
logio e tres botoes, ouro de lei.
12.561Urna volta de perolas e urna cruz crave-
ja'da de diamantes.
12.583Urna pulseira e dous botoes, curo de
lei.
12.584Dous casticaes com anglicas nm palitei-
ro, 18 colheres para sopa, 28 ditas pa-
ra cha e urna dita panr-'-irroz, prata de
lei.
12.595Urna corrento para relogio (incompleta),
ouro de lei.
12.596Um par de botes para punho, ouro de
lei.
12.603Um par de esporas de prata.
12.614--Um oceulo de ouro, urna volta de tran-
celim, urna moedinha, um par de rozetas,
ouro de lei, um fio de cantas de onro, um
emblema do Espirito-Santo, e um par de
botoes ouro de lei.
12.621Um annel de ouro com um brilhaute
grande.
12.622Um ann aro com brilhantes e urna
pulceira, uro de lei.
12.628Um trancelim ouro de lei.
12.633Dous botoes de ouro com brilhantes e um
annel com dito.
12.636Urna escrivania, prata baixa.
12.669Urna pulceira, ouro de le.
12.672-Um par de rozetas de ouro cem dous bri-
lhantes, dous anneis com ditos, um dito
com dito e rubios.
12.697Um alfinete e um par de rozetas, ouro de
lei.
12.704Um par de rozetas de ouro com dous bri-
lhantes e nma cruz com ditos.
r2.714Urna pulceira, um alfinete, urramedalba,
um par de brincos, um dito de rozetas
ouro de lei.
12.717Urna corrente psra relogio, c um relogio,
tudo prata de lei.
12.719Urna volta de trancelim um cordo, urna
cruz, um par de brincos, um dito de ro-
zetas, doud alfinctes e urna redoma edous
anneis de ouro.
12.724Um trancelim e urna cruz ouro de le.
12.726Uma medalha ouro de lei, duas cruzes
ouro baixo, um calix com colber, um pa-
liteiro e urna salva de prata.
12.742Uma corrente para relogio e 4 anneis ou-
ro de lei.
12.746Um alfiuete quatro bitoss um trancelim
dous cordoes ouro de lei e seismoediuhas
de ouro em botoes.
12.749Um relogio de ouro para scnbora.
12.755 Um trancelim, uma volta de dito, duas
medalhas, um cordo e um annel ouro de
lei.
12.757Um cordo ouro de lei.
12.764Uma medalba ouro de lei. f
12.765Um relogio ouro de lei.
12.771Uma cruz de ouro com '<
12.771Uma pulseira, um
figa, ouro de lei.
12.779Um relogio ouro de lei.
12.788Um relogio de ouro.
12.790Um par de brincos e uma medalha curo
de lei.
12.792Dous pares de brincos, um alfinete pe-
queo, um casto, dous anneis com pe-
dias e uma figa de ouro de lei; um alfi-
nete, um casto ouro baixo.
12.793Uma corrente para relogio (incompleta)
c um relogio, ouro de lei.
12.802Uma pulseira ouro de lei.
12.841Uma carrete e medalha para relogio e
um annel, ouro de lei.
12.847Um annel ouro de lei com brilhaute.
12.855Um par de rozetas de ouro com brilhan-
tes.
12.870Dous relogios ouro de lei.
12.871Um trancelim e uma cruz, ouro de lei.
12.873Um par de rozetas e quatro botoes ouro
de lei, e um paliteiro de prata de lei.
12.878Uma medalba de nix, contendo brilhan-
tes.
12.888Um par de brincos, um alfinete, uma vol-
ta de trancelim e um cordo, ouro de
lei.
12.912Dous botoes de ouro cam brilhantes.
12.914Urna pulseira ouro de lei.
12.918Um paliteiro prata de lei, treze colheres
para sopa, dezeseis ditas para cb, prata
baixa.
12.922Um alfinete e treo rozetas, ouro de lei,
uma pulseira ouro baixo.
12.935Uma corrente para relogio, un. par de | rador n. 55.
rozetas e um annel, ouro de lei.
12.936Urna corrente c medalha para relogio
ouro de lei.
12.S37Uma pulseira e um trancelim, ouro de
lei.
12.950Uma corrente para relogio e um relogic
de ouro de lei.
12.953Dous anneis de ouro com brilhantes,
urna moeda de ouro Ib., uma dita de 20
francos, uma dita de 10 e quatro dol-
lars.
12.955Um relogio curo de le para senhora.
12.960Duas correntes e duas medalhas para
relogio e duas(palseiras, ouro de lei.
12.965Urna corrente para relogio, ouro de le.
nm relogio de ouro.
12.978Um trancelim ouro de lei, uma cruz ou-
ro baixo.
12.980Um annel de ouro com brilhante.
12.988Uma medalha, um par de brincos e um
dito de botes, ouro de lei.
12.999Um annel de ouro com um brilhante e
dous rubios.
13014. Um par de rozetas c um annel contendo
brilhantes, uma pulseira, ouro de lei, um
relogio, ouro de lei.
13016.Uma pulseira, uma corrente e medalha
para relogio, uma volta de ouro, um t. an-
cellim, uma medalha, uma dita pequea,
um par de brincos, ouro de lei.
13017-Um par de brincos, uma medalha, dois
anneis, ouro de lei ; sete ditos, uro
baixo.
13019.Uma corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
13024. Um relogio, ouro de lei.
13026.Um alfiuete para retrato, uma medalha,
um traucellrm, dois pares de brincos, um
annel, oura de lei.
13038.Tres aifiueies, um par de brincos, um de
rozetas, ouro de le; uma pulseira, um
par de rozetas, ouro baixo : um marac e
nm grampo de prata.
13040.Duas pulseiras, dois trancellins, ouro de
lei ; um cordo, ouro baixo.
1-3044.Urna corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
13045.Duas pulseiras, dois pares de brincos, um
dito de rozetas e um dedal, ouro de lei.
13(58.Um trancellim, um alfinete, dois pares
de brincos, tres anneis e urna cruz, ouro
de lei.
13067.Uma volta de ouro com medalha, dois
trancellins pequeos, dois pares de brin-
cos, um dito da rezetas, uma moeda de
bi, com laco' um emblema do Espirito
Santo, um auuel, um e mcio par de be-
toes, ouro de lei.
13069.Uma volta de ouro e uma medalha, curo
de lei.
13076.Uma volta de trancellim, ouro de lei. <
13079. Uma corrente para relogio, ouro da lei.
13u80.Um par de buncos do oun com brilhan-
tes pequeos e tres anneis com ditos.
13038.Uma corrente, medalha e nm relogio, ouro
de lei.
13091.Um annel de ouro com pequeo brilhante
uma coi rente e siuete pura relogio, seis
botes, ouro de lei.
13092.Um cordo e um redoma, ouro de 16 ki-
latCB.
13097.Uma pulseira, um alfinete e utn par
brincos, ouro de lei.
Recife, 23 de Dezembro de 1886.
O gerente e guarda-livros,
Felino D. Ferreira Coelho.
Precisase de uma boa eosinheira, para casa
de familia, e que durma em casa ; a tratar na
roa do Baro da Victoria n. 39, loja
Aluga se o 2- andar da casa n. 8 ra da
Imperatriz, excellente morada ; trata-se na ra
do Imperador n. 61, 1- andar.
Alnga-se casas a 840CO no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Gonca'lo : a tratar na ra ds
Imperatriz n. 66.
Precisa-sc de uma ama para casa
familia ; na ra dos Martyrios n. 15S.
de
pouca
Recebe-Be encommendas de pastis para os
dias de Natal, Anmo Bom e Reis, e faz-se com
perfeico c decio-o petisco vatap ; na ra da
Matriz da Boa-Vista n. 3.
Aluga-se o 2- e 3- a jdar na ra do Baro
da Victoria n. 52 ; a tratar na mesma casa, no
1- andar.
Precisa-se saber noticias e informaces so
bre Francisco Prez, francs, nascido no departa-
mento dos Baixos Pyreneus, com cerca de 35 au-
nos de idade, o qual veio para esta provincia ha
alguns annos, c consta que daqui seguio para a
Parahyba Agradece-se quaesquer informaces
dadas no escriptorio de Maia & Rezende, roa do
Commercio n. 38, 1 andar, entrada pela ra do
Torres.
t O abaixo asaigoado faz sciente ao respeita i
xel corpo commerci 1 que comprou ao Sr. Joo
Goncalves Souza Beiro o scu estabelccimento de
bilbar, livre e desembarazado, ra Duque de
Caxias n. 34, Recife, 30 de Dezembro de 1886.
Joo B. da Silva Gcimaics.
, Ama de leite
Precisa-se de uma
boa ama de leite; nc
3o andar do predio n.
42 da ra Duque de
Caxias por cima da ty-
pographia do Diario.
Caixeiro
Precisa-se de um cxeiro de 12 14 ann:s,
com pratica de taverna e que d fiador sua con-
ducta ; na ra das Trincheirat> n. 23.
Sem dieta escm niodifi-
capoes de costantes
Laboratorio central, ru do Viconde L
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra da Regente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo pliar
maceulico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvados pelas juntas de bygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de mbiribina
_ Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
tes e promove as ejecces difficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, reconstitue os hydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e inutamba
Muito recommtndado na bronchiie, na hemo;-
tyse e as tosses agudas ou chronicas. .
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
_ E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
nismo, na fysica.
Pilulas ante-peridicas, preparadas coro
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermittentes, re-
mitientes e perniciosas.
Vinho de jurubeba simples e tambem fst-
ruginosi, preparados cm vinho de caj
Efficazes as iuflanimaces do figado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado as convalescencaB das parturientes
urtico antefebril.
Francisco Manoel da Silva &G.
RA MRQUEZ DE OLDDA
ttenfio
Vende-se uma magnifica vacca tourina com
cria ; a tratar na Ponte de Ucha n. 10.
Cofi
re
Vende-83 um importante cofre, prova do fogo,
do fabricante Milners, sem ter defeito ; a tratar
na ra Duque de Caxias n. 2, taverna.
Cosinheira
Precisa-se de uma cosinheira
nandes Vicirs n. 3.
na ra da Fer-
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica de mo-
lhados ; a tratar na ra Duque de Caxias n. 30.
Aos snhoies directores de col-
legio *
Oficrcce-se uma pessoa habilitada para leccio-
nar tacbygrapbia pelo systema do professor Se-
bastio Mtstrinho, ao qual consegeio estabeleer
regrag que methodizassem o estudo, em vista das
quaes garante proveitoso adiar.tamento.
Lecciona tambem particu'rmente, podendo
quem se quizer utilisar dos swm servicos, deixar
carta fechada enderecada A. M.. em mo do Sr.
Euzebio, no armazem de msicas ra do Impe
Este remedio precioso tem gozado da acceHA
to publica durante cincoenta c sete annos. cor.'
ecando-se :. sua manufactura c venda em 1627.,
Sua popuiaridade e venda nunca forSo t3o exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
cfferece a tnelhor prova da sua efficacia maravi!-
hosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem dewado
cm caso lgum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer era adultos, que se acharo afilie-
tos destes inimijos da vida humana.
Nao deixamos de reetber constantemente
a-.tesiaces do mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obiido por este
remedi, tem apparecido varias falsificaces, de
sortc que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
VermifucG ib B. A. FAHNESTflCK
de
AVISOS DIVERSOS
A cautella do Monte de Soceorro da provin-
cia de Pernambuco eob u. 12,412, foi perdida, e
quem a acbar queira dirigii -se ra da Unio
numero 68.
Precisa-se, para a provincia do Cear, de
uma criada p< tratar de criancas ; a tratar na praca de Pedro
II n. 75, 1 andar:_____________________________
Aluga-se o 1- andar e sotao ra do Coro-
nel Saassuna n. 278, com commodos para grande
familia, caiadoe pintado de novo, com aguae gaz;
a tratar no Chora-meninos com Jos Antonio Mar-
qu-'s, si'io junto capella, ou na ra do Commer-
cio n 46, armacm.
Pulseira
Das galerita da igreja de Santa Rita ra do
Imperador, perdeu-se na noite de festa uma pul-
seira de ouro, chata : gratifica-se b ;:? a quem
a entregar ra do Imperador n. 43, 2- andar
(collegio americano).
Gratifcase
a quem achou um tobretudo de borracha na esta-
co do trem na roa da Aurora e o qu'zer entregar
ra do Vigario n. 10, armazem ; assim como um
leque que foi perdido de Oiinda Goyanna.
Criado
Precisa-se de um criado para cisa de familia,
dundo fiador sua conducta ; pode tratar ra
estrrita do Rosario n. 8.
Caixeiro
Precisa-se de um menino de 10 i 12 annos,
com pratica de taverna ; na ra do Mrquez do
Herval n. 73.
Ao commercio
Joo Nones Ferreira Coimbrs. nico represen-
tante da firma Nones Coimbra & C, declara ao
respeitavel corpo do commercio dcsta praca, que
o estabelecimento da ra do Mrquez de Olinda
n. 47, fica desta data em di ante pertencente ex-
clusivamente a seu rtnSo o Sr. Antonio Nunes
Ferreira Coimbra, em virtn : de trausaccao que
o.im esta te*. Recite, 24 de !>esembrode 1886.
iiil
Vende-se a taveraa bem -.freguezada. no Forte
do Mattos, o motivo da vcn"a se dir ao compra-
dor : a tratar n ra |de M&fl e Barros u. 9.
I>. iditiina Monteiro de Qnelroz
Pelelo
Luiz Leopoldo dos Guimaraes Peixjtoxe^scns
filhos, Libanio Lopes Moreira, Francisco d As-
sis Fernandes Vianna, D. Antn i) de fados Pei-
xoto de Albuquerque e seus filhss, D. Candida
Peixoto de Albuquerque e seu filho, Philomeno H.
dos Guimaraes Peix to e D. Anna dos Guimaraes
Peixoto, marido, filhos. irmaos, cuihados e sobri-
nhos da finada D. Idana Monteiro de Queiroz
Peixoto, agradeeem do intimo d'alma s pessoae
que se dignarain de acumpanhar os seus restos
mortacs ultima morad i ; e de novo convidara
aos seus parentes e amigos a assistirem as miseas
que pelo eterno repouso de sua alma mandare re-
sar na quarta-feira 29. s 8 1/2 horas da manha.
na matriz de Santo Antonio, e desde j agrade-
eem este outre acto de rebgiao e caridade.
CtSirjrjs3C,a>a*iii as-ks
*.
Antonio Pereirn Sampno '"'gis
Jos Mues Teixeira, genre do finado, e Anto-
nio Jos Ferreira Refinador, seu especial amigo e
testamenteiro, agradeeem todas as pessoas que
lhes fizeram o caridoso obsequio de acompanhar
os restos mortaes ao eemiterio psbtico ; e de novo
os couvidam para a missa rio ftimo da, que ser,
celebrada no convento do Carme no dia 29 do
corrente, s 7 1/J horn3 da manh.
> *" --mQMtaow
Precisa-se de uma ama para eosi^har e ce ;om-
mar ; na ra do Barf..> da Victoria u '" pr-iaeiro
andar.
Ama
Precisa-se de uma mm puta cono :.i:
vessa oos Pires n. 5 (Geriq'iiry).
na tra-
ima
Precisase de orna
boar, que seja de idade
numero 14.
ensa-
la Sal
D. Joanna Crrela de Oiveira
Andrade
Antonio V'ieira da Rocha, summamente grato
anda memoria qe D. Joanna Correa de Oivei-
ra Andrade, manda celebrar uma missa na ordem
terceira de S. Francisco, pelas 8 horas da manh
do dia 29 do corrente, pelo R-vm. Sr. Fr. Augus-
to da Immaculada Conceico Alves, digno prega-
dor da capella impenal, e roga a todos os paren-
tea e amigos daquella v-eneravel senhora, o obse-
quia de hunrart-m c un su i presencas este modes-
to acto de earidadp reJigiAe.
Mu
Precisas ; do r.m n|>.ir-: 1 ''"'~*.4M|f_Mc -,::!ia
crianca ; na ra Re*. "' .<
Ama
Precisa se de uma ama
tratar na ra Velha n. 75
. ar : a
Ajaeio Lilis e J. C Cbaaoe convidara aos ami-
gos da finada D. Idana M. dos Guimaraes Pei-
xoto para assistirem a missa que pir alma da
finada mandara resar na matriz de Cabo, s 7
beraB do dia '9.
AU BON MARCHE
Rua Duque de Caxias31
PARA ACABMi
Ter mtn [Wijnena ftsla o Irgiiez que alingir o gasto de ($

'



m*-
*



I
'


I
6
ili&rio de l*v?wMimm-*Tcr^a-icira 28 de Dezenibro de 1886
"sChmyPectaral)
Pasa a cm\ oz QMsnrAfflES,
Astiima.Bkonchite,
Coqu:iuche OuTosSlCofiVJLSIVA
Tsica Pulmonar.
Aluga-se
para recolher algodao ou outro qualqucr genero o
predio da ra da MoeJa n. 85 ; a tratar na ra
Pritoeiro da Marco a. 20.
Aln
g-a-se
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es
tabelecimeato fabril : a tratar na roa do Commer-
oij n. 84, com J. I. de sfedeira Reg.
Aluga se barato
Ra do Nogueira n, 13.
Ra do Calabouca d. 4, loja.
Travessa de S. Jos a 23.
As casasda ra di. Cstsstnl Suassuna n. 141
Largo do Corpo Santo o. 13, 2.a andar.
Casa da roa do Tambii n. 21.
IYata-se na ra do Comraercio n. 5, 1B andar
aicrptorio de Silva GaimarSes & C.
Aluga-se
o 2' andar da na estreita do Rosario o. 32, tem
eommodos para familia e tem agua ; a tratar na
ra da Imperatrii n. 16, 1 andar.
t
Alug
a-se
o 2* andar e terreo do-sobrado n. 35 travessa de
S. Jos ; o 1 e tarreo do de n. 2? ra de Vidal
de Negreiros ; o 1 do de n. 25 ra verba de
Santa Rita ; o 1- do den. 34 ra cstreifa do
Rosario ; o 1 do de n. 24 roa do AragSo ; a
casa n. 35 ra da Viracao, todos limpos : a tra-
tar na ra do Hospicia n. 33.
urna sala propria
Bom Jess n. 38, 1
AJuga-se .
pra escriptorh
andar.
na ra do
Aluga-se
o terceiro andar do predio n. 60, roa do Barfio
da Victoria, a tractar no andar tcneo do mesmo.
Ama
Precisa-se de urna coainbeira para casa de pe-
quena familia ", a tratar na estrada nova de Ca-
zang, no sitio do Sr. Va lenca, ou no escriptorio
d'este Diario.
Ama
Precisa-se de urna ama perfeita cosinbeira ; a
tratar na ra do Cabug n. 14, 1- andar, do meio
dia as 2 da tarde.
200:000$
Lotera de Alag-as
Extraer-Terpa felra *8
do correte
Intransferivel
Bilhetes venca na cssa feliz, Praga
da Independencia ns. 37 c 39.
Falsi'j acoes
Para evitar falsificaces cum referencia ss co-
nhecido PEITORAL DE CAMBABA, deve exi
giree este preparado com a firma do auctorAr-
vares de S. Soares en rotulo circulando aro-
Iba do frasco e a marca da fabrica nos involtorios,
cirulada pelo nome dos agentes e depvzitarius,
gerai-s em Pernambuco Francisco Manoel da
Silva & C ra do Mrquez de Olinda n 23
Costureir a franceza
Mroe. Fanny Silva, chegada ltimamente de
Buenos-Ayres, participa as Eimas. familias que
acaba de abrir o seu atelier ra do Imperador
n. 50, 1' andar, onde aguarda as ordens das fa-
irilias que queiram honrar co > sua confianca.
Tendo occupndo em Paria o lugar de 1* corta-
dora da Chsa Werth, no Rio de Janeiro, idntico
lugar na i creditada casa de modas Notrc Dame de
Paris e em Buenos-Ayres no importan te atelier,
na cidade de Londres, ach se habilitada a satis-
facer s pessoas mais turneis de contentar.
Faz qualquer vestido, quer para bai'e on pas-
seio, sabidas de baile, capas, pardessus, confec-
ciona ronpa branca, enzovaes pi>ra casamento,
enfeita chapeos, etc. Recebe directamente de
Paris e Londres ot jernaes e moldes. Precoa m-
dicos.
Plalas purgars e depurativas
de (ampanha
Latas pilulas, cuj- preparttcio puramente ve
getal, tci'm sidj por mais deiannos at;rjrcitada6
com os meibores rebultados as secuintes mol' s-
tias : affeccoes da i>c-lie e du ligado, ayphilis, bou
boca, escrfulas, chagss inveteradas, erysipelas e
gciiorrhas.
Modo Cuino pnrgativas: teine-ae de 3 a >> p~r dia, be-
Bcndo-se aps cada dej um p-juco d'agua Moca-
da, cb ou caldo.
Como reguladoras : to'me-se nw pilula no juntar
Eetas pilulas, d-- dos pharmaceuticof
Almeida Andrade 4t F>(hos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para si garanta, tornande-
e mais recommer. r serem um eegute
purgativo e de pones dieta, pelo que peden aer
aadas em vi; neni.
ACHAM-SE A' VENDA
"* drocaria <>o Furia Wortrinho *
l -BOA DO MAKQUKZ DE OUSDA -41
Luz brilhante, sem Fumo
oleoaratico
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
MABTXNS BASTOS
Pernambuco
NUMERO TELPHONICO : W 3
Agua florida.- Extra bu) a de flores bra-
sileiras pelo sen delicado perfume, suavida-
de e suas propriedadea benficas, excede
a tndo que ueste geneio tem appsrecido de
mais celebre.
Tnico americano.- E' a primeira das
preparares para a < onservacSo dos ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias cnpiflares, faz nancer oa cabellos,
impede que embranquecaru e tem a grsnde
vantagem de torear livrea de habitantes as
cabecasdos qao os usara.
Oleo vegetal- Compcsto com vegbjal
innocente, preparado para amaciar, for-
tificar e dar brilho aos cabellos.
Agua detifricia. Excllente remedio
contra a carie dos dentes, fortifica as gen
gives e faz desapparecer o mo balito.
Vende-se as principaes casas desta ci-
dade e na fabrica de cieos regetaes ra
da Aurora n. 161.
TELEPHONE N 33
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cerecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa o removo
todas as impurezas do cas-
co da cabera. Positiva-
mente iinpade o c:'
de cahiron .le embranque-
oer, e inlallivclmente o
torne ospesso, maeio, lus-
troso e abundante.
V/Attu^
Agua florida de Barry
Preparada sefrunda a formula
orinnal usada pelo inventor em
1-J'i. E'o uni perfume no mun-
i!o que tem a acprovaeo ofcial de
um Govemo. Tem duas vezes
mal aaeraada rne qusiquer otstra
eduraodolro do teinpo. E'muito
uiais rice., suave a nelioiosa. E'
milito mais linr. la. E'
mais perm.inente e agradavel no
ec^o. E' dons vezas mais refres-
canto no banho o no qunrto do
'lente. E" especifico contra a
frouxida.' e demudada. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e oa
.Irsmr.ios.
Xarope ie Tiia Je Beitr Ns. 2.
ASTES DB SL-O. DCPO^S, DF: T7SAlr-i
Cura positiva e radical de todas as formas de
jscrofulas, Syphilis, Feridos Escrofulosas,
AffecySes, Cutneas e as do Courc Cabel-
ludocom perdado Cabello, e de todas as do-
ncas do Sangne^Figado, e Eins. Gn,r.inte-sa
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
restaura a reno va o systema intsiro. 0
Sabao Curativo de Reuer
????????4
Peptonas Ppsicas
de CHAPOTEAUT
Pharmaceutico de X* Claass
--------
Apprcvad' fel* Jauta d'Hygieoe do Rio- de-Janeiro. Empregada aos
Sospitaes de Pars e nos de Marnha
A Peptona o producto de dlgestao da carne de vacca pela pepsina de Chapotead
extrahida do estomago do carneiro e transformada em um alimento soluvel, imme-
diatamente assinrilavel, que vae ter a todos os pontos do organismo por meio da
oirculacao venosa, e alimenta os doentes sem fatigar-lhes o estomago.
O Vnho de Peptona de Chapoteant por isso indicado as molestias que
tem por causa as ms digestSes, as aiiecc5es do figado, dos intestinos, as
gastrites, na anemia, na colorse; as molestias do peito, na dysenteria
dos paizes quentes, as digestes difficeU e labootas. Este Vinho alimenta as
cranlas, que nao supportao a comida, augmenta a aecrecao do leite das pessoas
que criao e torna-o mais rico; fortifica os velhoi e le\^nta promptamente as forcas
dos comalescente*.
A Conserva de Peptona de Chapoteant, que pode ser empregada interna
mente e em olysteres, tem o poder de alimentar durante mezes os doentes mais
graves, como os tsicos, que nao possao tolerar alimento algum, os cancerosos, os
que 6offrem da bexiga, dos rins e da medalla espinhal.
M' prteito nao confundir ai PEPTONAS DE CHAPOTEAUT com outro* febrisadat
com carne de cavallo e vegetae* fermentado.
Deposito em Paris, 8, Rae Vivienne e as principaes Pharmacias.
J
8ANDAL<
Avprorado pola Junta d'Hyglsne do Rio-de-Janeiro
Snpprime a Gopahifaa, ns Gubebas e as injecgoes.
Cora em 48 horas todo e qmlquer corrimento. E' da maior
effic-icia cQoes da uexiga, torna as urinas chiras por mais
turvas ai: Depcnito t-.m Pars. 8, roe Vivionne.
Capunga
200:000$OOO
DA 5a PARTE DA 1* LOTERA
BEffiFGIO DA SANTA CASA DE IISSRICOMA
Terfa-feira 28 do correnle
AO MEIO DIA
Esta lotera, por algum tempo retirada da circulacao, devii'.o a grande guerra que
lhe promoveram, como do dominio publico, vera novamente tomar o seu lugar de
urna das vantajosas loteras do Imperio.
O agente pedo ao respeitavel publico a sua benvola ttenoio pare o plano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado nos Joruet b i.-npresso no ver-,
so dos respectivos bilhetes. O plano desta lotera o nico que em 50.000 nmeros
distribue
12.436 premios, ou quasi a quarta parte !
Ainda mais : esta a nica lotera que. premia todos os nmeros cujes dous al-
garismos finaes forem iguaes aos dos
ATRO PREVI10S MAIORES
200:000^000
40:0005000
20:000,5000
I0:000,j(000
A K.tREfi :
100 s duas letras finaes do premio do......................
G05 s asa 1 itraa rinaes 50 s du-.is letras finaes fio premio dn......................
40$ s .'iijn letras finaes do premio Tamben s;o premiados todos os nmeros das centonas dos quatro primeiros
premios.
Alm destes, tem esta lotera grande quantidade do outros premios de bastante
importanca. E' tamb^m esta a nica lotera que garanta que n comprar 100 nme-
ros de terminacSes difivrentes 32 1/2 % indepeudento dos premios avahados que
possam sahir na pxtrac5.-io.
TODOS OS PIIEMIOS SAO PAGOS SEM DESCOMO
A's extracjSes sSo feitas em edificio publico e sr.b mais severa fis';alisacao por
parte das nutoridades.
Os bilhetes achara se venda na agencia e em todas as casas, em Santos, SSo
Paulo, Campias, Rio Grande, Bahia, Cear, Maraohao, Para, Amazonas e eai Per-
nambuco rua Nova n. 40 CASA DO OURO.
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto da Bocha Moatgiro Sallo
23lioa de Irusuaya
O ti
Para o Banho, Toilette, Crian
Sis e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Non plus ultra
Surprcnd-nte e nunca viudo a este mercado do
vinho poro de uva sem a mnima composicSo, de-
nominado
Maduro
proprio paia nx-si ; e esco'bi'la especialmente pelo
socio na ultima viagem que ftz aoa lugares vinha-
teims de P.-rtugal
Chegou ambrm o acreditado
Malvazia
vinbo propri > para eOIHtitlltf6et debef*, especial-
mente para MBhoraa< Este vinbo q'ie rantn ap
provaco trm tido, k p'nt.) de htiver tal tu, demos
as ordens precisas :^fim d sbegar-BOS remes-
sas, tantas quantas Kt-ui MMMIHM psra con-
sumo.
VINHO
TNICO-NUTRITIVO
COM PEPTONA
Carn-i assirr.ilavelj
FERRO E LACTO-FHOSPHATO DE CAL NATURAES
Sondo o Vinho Defresne d'um gosto de.icioso, tam-
bem 6 o nico reconstituinte natural e completo.
o mais precioso de todos os tnicos; sob a sua
influencia, desvanecem-se os accidentes febris, renasce
- ip|)etite,fortaleoeni-se os msculos e voltam as forcas.
iuprega-secom xito contra a inappetencia.os cres-
cimentos rpidos, cor.valescencas. molestias do
estomago (Gastralgia, Gastritis e Dysenteria), e
fi debilidade, a anemia e consumpeo
V, DEFRESNE : Parnecsdor dos flcspitaes. Pars, Autor da Pancreatim
^^________, todas as
pharmacias
Alnga-se um sitio c.m arvores de fiucto c cssa
pintada de novo, un tiav.ssa d..s Pernambncan
n. 1 ; a tratur na ra da Concordia n. 57.
fum M. da SIUVA e. C*.
JUNTO
Be
Criado
Precisa-se de nm crudo He 12 a 15 f.nnsa ie
dade, que gaiha k Ti:ma cousa, e
que d conheciment de sua conducta ; aa rna lo
Koc Jess n. 28.
tostureiras
Preciaa-se de perfei'x*, e braa corpinheinw, pa-
ga-ie bom cr cuaadi apresentar-os
alo ebtaado no caso i.edi.io ; no atelier da roa de
Imperador o, 50, 1. andar.
cm todos os vaporcB_8ement'8 novas do hortalicaa ;
83''m como :sro de blcoervilbase
-rata cta India.
Obras de vime
Nova remcpsa rm CESTAS PARA COMPRA.
Condenas c issafales
Baiaios un ronpa siija
(ladeiraa e -berfos.
Pocas En&m & .
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 9
Sla para alagar
Alnga-se por rrodico pr co a safa da fronte do
1- anear ra Durpie rl Caxia9 n. 3(1 ; a tratar
na padaria p^r ba j l
Fura eiromiiar
Precifa se d engommar e outros
servicoe deuest eos : no 3- ndar do predio n. 42,
i roa Duque de ma da typographia
do Diario.
ALLAN PATEHSO
. 44R t do Bram-K 44
a e^ f a(jao dos mm
Tem para vender, por pre<_ mdicos, as Begoiotaa ferragena:
Tachas fuqdidos, batidaa e caldesdu.
Cri- e diversos tamanbea.
Radas de espora, idem, idem.
Ditas angolares, dem, id.-
Varandas de Perro batid''.
Ditas de dito foadido, de liados laadsJBV
Porta6d fornalha.
Bancos d? ferro com serra circo):
Gradeainr.iito para iardim.
Vapores i de ''., 4, 6 e 8 o...
Moaniias dn I a 40 poli ra
Rodas d'agoa, aystema L'-nndro.
Eccarrenm-ae de uonuertee, aatenlami ato ce nutobiniaan
trr.baio com perfeicSo e prestesa.
a eiauia quai
ELIXIR
(IHgestiv o#w Pepsina, Masa? t t'h*oruretom alcalinos)
CONTR* AS
MOLESTIAS do ESTOMAGO e dos INTESTINOS
Oer tnnos de successa demonstrarlo a superitrldi'e dests mlicamente san excitar o wosite e taier digerir- COU :
DYSPEPSIA VMITOS f DYSENTERIA
ACIDEZ
ESTOMAGO
CLICAS
-^| /." w ihor rec:ni.si it :c ti/i >- mm a* l'PSS'ifiH fi/frin/in
DIARRHEA
VA3UX, Ph.!). ru Lo PaUtler. fc-e-rlis en Pr raAN" M. da Sir.VA le O".
0P?RE8S0
ClTlii'i-i'lBK
Tale; iHt
na o aj noso, facilita
1sp!ra-c a faas'-T" aue penetra uo pello
t expectoraafl e Ja?orla aa fuiccrtca Oo ortf-Gs respiratorio.
TiafT esa infusan na eaaa 4e *. BsriG. 11, i -Lasare, em Parta
%x ifMrm
Aos senhores de eng@-
IllO
que qnizeicm vender formas de ferro j4 servida*
tenhim a b^ndade de comparecer na ra da Im
perariz n. SI, tavprna.
Casa para alugar
O 2- e 3- andar da ra< larp-i do Boaarfo n.87,
esquina defronre da igreis, juntos e separados ; a
tratar no pavimento ti re-, Pregr sso Central.
lt'32, Bordoacx: MBdalht da Brome;
fclo.s M;73//i3 ce PraU; Roche-
oit: !c/icZo 4a R'ddiha 4a Prata,
inrfsmooe' -.183.Arasterdam:
enalta te Ptal'. ootirada. 1885,
Exv>sicaoz r.ibalho: Adm!tz lo
-
Alimenta.ce.o Rica
ir ;r!_T';iiC3 iSAaiM t jasssas.
lSa\ rsi.rw o melhor auxtar
da a:..:: ndnlias.
Kxpcrlic ata lace '.'.i'ociies,
Hospil;.
. m de
Caau-itis.< si: Intes-
tinos, 5?rs3-; iJc e'bal'les, e
.
ra a yro-
tuc&o ila !.
ETiJ. k:, M : A V2SH
FhmrmaetttSi :.:.:-. ttmmlfrtanH
fe:,*.' ^i/ciC%
.-_
v, Ulysse ROY, nlvfrs 0 a
mQPQUBT,SUrGs

ZJd
PASTILHAS
\NGELIM & MENTRUZ
V PflTinrac enanttoo roa Visites iu ssbrcj
tleBIsfoc.................aliOfraaxci
:. En'ocio'.uEDSonciaitCc'jna' 100fr3c
PArfuxDCSpAratodoaosXJicora ja 100 rara..:
i CssenoladcfiiiDmondaTa'ia. os Sfraeooi
Depositarios em fernambuco t
p-ra-ncia-w- %&. 00**
6O0*
seo i?,
tp
as
39
as
ss
lsri M
PARA TINGIR A
c os cabe!
Esta tintura tinge a barba e os cabellos ins-
tantneamente, daado-lhc3 uina bonita cor
e natural, j inofensivo o seu uso simples e
rpido.
Vende-se na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Rouqur-yrol Freres, Meeeeaores de A
CAORS, ra do om-Jesu* antig^ da Qrot
n. 22.
tai
m
es

es
!>
O Remctlio mais efficaz
Seguro que se tsrn o'esccberto ate
hoje para erpeU/r as on brigz*.
K00.LAY0L FRE11ES
*
~*d Kedlha de Ouro na L-:tc-i0o universa) 1S78 #"
IWnalffil
fcaO
amafc i>m*.
T\*!

O

i
S0
>
F

dio ao norto ?
a bella alvura vapo-
rosa jue iez a repita;o
das Bel/ezas da ntisuiJzr-s.
L. PANAFtEU & C
Par, ra Sochcchousrt, /O.
eptsitiri-isen Pernanibuoo : Frane"M.!iSILVA Gl
aa j >w wi i w uaBaaJ>w"">t
Elixir (arciiiahoc inico k
.hv'mmim Ve as
Remedio tfae i na YipepfB, (jaitralgisti e j
das as perrotba>ei frgad .s dus>!rranjo3 de ee-
toniago r i'.:-. '...-. Acooselbado por varios c
nieos d-js twt etweeitasdoa desta cidade, acha-st-'
nda aclocivmente na pharmacia americana
da A. Si, .tras fe (;., ;i ru:i Duqne de Casias nn-
i mt-'rt -F7.

o
O
0
co
-
es

6-
m ^ -^^AOo DO PHARWAC^
ElSMIO IflMQWSMflalfiDA.'
^ fheumat ie mo. C aeros, Bobas, lmpi|ens
etodafias molestias quetenhti aua origem
na impureza do sarigue de vida a syphilis
9
3
<
P -=5
5g
=
ff-
s
P
3
O

O

USO MUA JHIUTOS
^t^sjeic-jror va. (.mfr-^n* c LnUivytbado >j met
a.
-reuijet te,
Aof//^ao
CS
85
ce
cy

<-aa3a
fASOf)/lTOBIO^EITfiai Df fiOOuCTOS^EDICIHAE
0AFtORABffA8iiEtRAi
\ ua de Vise onde do Rio B naneo 1$
RIME -JAJK1KO------
^9

Jt
TV

S
c
mal *
I
o
Ssm chairo nem
os*.o dos Glecs de Fijados do Bacallui ordinarios
9 FIGADOS FRESO*. I
HfG
: Molasttas do Peito, ,i Tislc;t,
Bronquitis, PnsSes de Ver-.trc, Tosas chronicas, AftocQSes escrofulosas.
A^VEPITNeU. BKpa-so r..> rotulo o ssi.o-Azul to JEsiao /Janeczi
3CGG, Ph.umxeeutico, 2, roa tono, PARS, c principaes i'hnrmacia.
Pastilhas vermfugas
de Nr ring
lo meibor espeerfica entra virmn : de
| tral em ca.a de Paria SoBfinho quez de Olinda n. 41.
INSECTiCiDA GALZV
DESTRTJigAO INFALUVEL
ie Persorejos, Pulgas, Plothoz, KoscmS, Ten6br0erl
Trapes, Formlgn, Lagartas, Borgulhot, ete.
0 kilo, 1J tr.; 100 gr. pelo crrelo, l'H.
'*BRIG*:71.eoarsd,HerbooviUa.sil.YO
-arfPVHHai

\m
i!
M
.
,
- _
1
i


t


I
i

"T
l
-j
)
Diario de PenuunbncoTer^a-fera 28 de Dczembro de 1886
Especial
O melhor aeeuoir r< fioado que 6e fabrica eoi
Pernsmbuco.
Joaquim 'algm iral # C, ra Direita n. 22.
>hu)e ii. 445.
A evolugo
Cosinheiro
Precisa pi: (U um cosinheiro :
do Cororuercio a. 44.
a tratar na ra
Caj
Magnifico asjuci.r turbinado, roprio psia f
bricar o < W ii caj crys. -1-a lo.
Joaqun Salcr.eiral & C ru Diiuis. u. 22
Ti'h'pho li. 445
i'salB cartas
Maria do Livramento, volti oct.ig-nDaria ep-
perrima, pede ha nlrna cariciosas que liie aii.n.Ie
urna esmola pelo amor de Urna. Mora uo b- c- d
do Bernardo n. 51. E' iim* obra da cariiiae.
_____ _.i..... __________!
VENDAS
* .Vende-so o cstabeleciimno de molinillos sito
prac> do Conde d'Eu n. 15; a frutar n ui'smo.
Liquidado de tiinde
asmo!!!
59Kua DnoB He Gaxias- -59
Lindissimos risc-diulios a 160 e 200 ra. o co-
vado !
Nansuk, cores firmes, a 1G0 o dito !
Crt't-'nes elarja e escuroe a 24 e 280 o dito !
Popelinas coni listss de seda a 240 e 2fc0 !
supon res para erianca a 2 u duzia !
uardHnc.pos de liuho bardados a 35 a dita.
AtoaUhan Lso,2 largaras, v. l20.l o metro!
Bramantes superiorea 900 e l20U o dito!
dem de puro linhi u 26 o dilo !
>i finetas li.as e bordadas a 4'..0 o covado !
ielalhea de setiu3 a tedas que se liquidain por
metade do custo.
Satien mai-.'.o do cores a 800 e 14 o covado !
Popelina tte seda branca a 000 r. o dito de
800 rs.
Panuos de differentes cores para mesa a 6'0,
1*200 e U600 o coi
DaotasciM e Uta pira boi, 2 metros de lar-
gura, 14800 o oito!
CiWtbliea ascetin-..! .-. ideii!, a ovO O dit<- de
l*5.c
l.iriii coas lindas paisagens pura il uubioa .-.
400 is. o dito.
( iros de cu se mira inglesa a o>500, 4500 e
6*0,U.
Clivts tupo: lotos a 3* o covado. 2larguius
a 1 $bOO e 2400 o dito.
i". ada aa ei h ana aiul, a 1^400 o dito !
I u-lius de 1 a oOu < 80.
Cl. us decaaemira bordado a seda a 6 sao
de 15 cada um.
Capug de la detodaa as cores a 3, 4 e5.
Eagaiea pan nao* a 45 4*500 a peca.
apollo americana a 5.5 < 0. 24 jardas.
Can iaaa para arabo** (a%o bordad;..-) u 3500 e
j.
aa de excellente faxroda a 355: 0 a 45.
:n criaucas, de 155, para
aca.br, a 75 a 85.
C ; tes de late a 25 !
Braam de chita, br.m, los
e re o Ii'ui biisto.
l.i i i pura crwncae 35.
ld.-in p..r* h. uhoraa, de 125 e 155. para liqui-
dar, a 6 e <>.
50Ra Duque de Caxias89
Garneiro fia Gmititi & G.
A' ra Duque de Coxiaa, resolveu vender
os segui rites artigoa com 30 /0 de me-
cos do que eifl outra qualquer parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a 15500 o covado.
Mirins de cores finos, a 900 e 1*200 o co-
vado.
D:tns prelos a 15200, 1*400, 1*600, 1*800 e
25000 o covado.
Las mesclaaas de seda a 60G ris o covado.
Ditas com liatriobas de seda a 560 ris o dito.
Ditas com bclinhas a 600 ris o dito.
. Lindas alpacas de cores a 440 ris o covado.
Las com quadrinbos, a 400 ris o covado.
fGaze com oohuha de velludo a 800 ris o co-
vado.
Setiin raaco lavrado a 1*300 o covado.
Seda pillia a 000 ris o covado.
Ditas de cures de 25 por 1*000 o covado.
Setim maeo lifo a 800 e 1*200 o dito.
(iros de aples pieto a 1*800, 2*000 e 2*500
o covado.
"Intinciaaa isas a 320 e 400 rs. o dito.
Ditas de quadr.nhos a H20 rs. o dito.
Ditas pretas fiuas, a 500 rs. o dito.
Fustocs brancos e de cores a 320,400 440,
COe800ra_. o <
Z' phiros finos, escosstzes, a 500 rs. dito.
Zephiros de quadriubos a 180, 200 e 240 ris o
covado.
Zepliin.s lisos a ljOOO o dito.
Alpacao de cor para palitot, a 1*000 o dito.
Velludilhos lisos a lavradoe a 1*000 o evado.
Cretones finissimes a 240, 260 e 240 e 300 ris
O dito.
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 440 ris o dito.
Colchas brancas a 15800 urna.
Seda eic ss. za a 360 rs. o covado.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Diti.s de crochet a 8*500 dita.
Camisas bordadas para boaaem a 305000 a du-
ia.
Ditas pata senhj:as a 30*000 a dita.
Cortea de casimra finos de 35 a 8*000 um.
Casacos de laia a 1000 um.
Picbs de retroz a 15000 um.
Ditos, de pe lucia a 65500 um, (bordados).
Cachi-mira de cor a 156G0 o covado.
Flaneli'a americana a 14400 o dito.
Cortinados bord.dos a 65000'e 7*000 o par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Meias p'ira h.,meus de 2*400 a *l.'00 a dn-
sw.
Ditas para senboras de 3*000 a 12*000 a du-
WHISKY
I
m m mx
de 3X9, 4X9 e. 3X12 ; vndese na s. rraria a va-
por de Ciimaco da Silva, caes Vate Dous de So-
vembro p. '1. ___________________
Coeheira venda
Vende-se urna coeheira com bons carros de
passeic, b'.'m localisada e afreguezada, por preQo
muito mdico cm razao de sen dono nao poder
administrar por ter de fazer ama vingem ; os pre-
tendentes acharao com qurm tratar ra Duque
de Caxias p. 47.______________________
Oleo para machinas
Em latas contendo cinco galoes, a 9*000 ; ven-
de-se nos depsitos da fabrica Apollo.
Mantilhetas > tedi r 6*000 um.
Eaparthoa de- c^oraca a 4*000, 5*000, -iCKX)
7,5500 im.
Toilett para baptiaado a 9*000 e 125000 um.
Leacw braaeof < com barra a 25000 a duzia.
Aaqaiiihaa a 15800 rs. uir:.
Brim de liono de c r a 10:J0 a vara.
Dito pardo a 15000 a dita.
Esguio amaicllo e pardo a 500 ris o covado.
Chaira Je Dira lisos a 1800 um.
Ditos estampados a 3J000, .'5500 e 4*000 um.
Cortes da cachemira para vestidos a 185000
um.
Urdes H&mburgu'z-is a 10*000 urna.
Panno de crocher para cadeiraa. sota a 1*000,
1*200, 1*600 e 25000 um.
Heiirique 'la Silva Moreira.
0 Chinelo Turco
Loja de calcados eslrangciros
118 ll'Falil k G.
O Ra do Br?.o da VictoriaHJ. O
Este bem acreditado estabelecimento acaba de
fazer ucquisicao do mais variado e sorprehendente
aurtimento de calcados dos mclhores fabricantes
dos diversos paixea da Europa, quer para homens,
quer para seuboras crianzas.
A grande quautidade de calcados, sua varieda-
i'e eni nmeros, formas e materiaes, reunidas /
elegancia, gostoe, solidez e pcrfeir;ao do trabalhc
nao squectudo a delicadeza e siiid-ridade do trato,
as eommodidades do estabelecimento, e a mcdici-
dade dos precns, ofFerecera aos concurrentes toda
vantagem na c-eoilia e certeza de que sahiro em
tudo prrfeitamente saf isfeiti a.
Solicitamos, pois, das Ezmas. familuis e do res-
peitavel publico em geral, a honra e urna visita
ao nos80 estabelecimento, consejos de que sero
contentes de nossa uposiyo.
Ver para crcr
Ao Chiaelo Turco
<> ituuiio Baro da VictoriaN. O
KOYAL BLEND marea VJADO
Esto excellente Whisky pretcnv
so cognac ou aguarden^ de canua, paia forjnos
) oorpo.
Vende-se a retalho nos > thsres armaren
no I hados.
l5ede BOYAL BLEND marca VIADO eujo m
me e emblema sao registrados para todo o Bra
BROWN8 & C, agentes
Capital bem empre-
gado
VeDde se a importante taverna 8ta ra d?.
Guia n. 57, por seu dono ter de retirar se por in-
commodes de sade ; a tratar na mesma.
Exposi^-o Central
Em Ii<|iiida'o
A' ra larga do Rosario n. 38
Damiao Lima mercadorias, ehamam a attencao do respeitavcl
publico em geral:
Pecas do bordados, Palma, a 2*500 e 3*.
Luvas de seda rendadas a 2*500.
Leques de 400, 500. 600 e 800 rs.
Ricos broches (novidade) 2*.
Pulseiras lindas a 1* e 1**00.
Lionas de 200 Ys. a 80 rs.
Bonitos PUstrons a 500, 1* e 2*.
Meias de cores para senhera de 500 a 1*500.
Lencos .ie seda a 1*200.
Bengalas a 1*.
Mantas de seda a 1* e 1*500.
Pecas de bordados a 320 rs.
La para bordar a 2*800.
Agua Florida a 700, 800 e 1*.
Objectos para presentes a 3* c 4*.
Collarinbos modernos a 400 rs.
Bicos, utas, perfumaras, botoes, espartilhos, es-
pelhos e rcuitos outros artigas sem competencia.
Xa ICxpoalro Central & ra larga
do Roarlo n, 38
DA
COLONIA ISABEL
^a^^^^,n#^4a^^^^^^^^r>r><^rVVA^^^^^VVV>s*m
SROGMCHITES, TOSSES, Catarros Pulmonares,
DEFLUXOS, Molestias do Peito, TSICA, Asmas

CliHA HPIDi K CERTA PULAS
Gottas Livoniennes
ss
TROUETTE-PERRET
COM CREOSOTE de PAI, ALCATBAO Ae SOEUEQA e BALSAMO te TOLO
Este preparado, infallivel para curar radicalmente todas as Moleatiaa das Vas
respiratorias, recommendado pelas Notabilidades medicas como o nico efflcac.
o nico medicamento que alem de nao fatigar o estomago, o fortifica, noonstitue a despena
o appetite : duas gottas pela manhi e i tarde bastam para triumphar dos casos maJs rtbeldes.
DEVE-8E EXIOIR O SELLO DE OABAMTIA DO OOVERHO FRANGES
Deposito principal: TROUETTE-PERRET, 264. boalev- Voltaire. PABIS
ODo/toiero Pei-namouco.-yjtAlf-M. da SXX.VA* C-.iaai prmcipjtsFarmac:ai
*fifiiinrinnnnfirififirrr*i---------rrrrr fra~a*v>raatjti/u
Aos 1.000:
200:000*000
100:0001000
LOTERA
Eni favor dos ingenuos da iiolonia Orphanologica Isabel
DA
PROVINCIA DRPERNAMBUC0
SExipacca a 14 e ido e 1887
0 thcsu?cirPraiicisco Uonr^alrcs Torres
0 man Simplet, o m/ Rtalio o mtit Etktz doi REVULSIVOS
INDISPENSAVBr:, aua FAIiTTJAB aoa TTaJAIlTES
USADO NO MUNDO INTEIRO
t\ Oawa BlfiOHOr peda aoa Snr^d. Medios compradora* rae xijauai
VERDAOEIRO PAPEL RIGOLLOT
pu em cada taca
t tm cada folba,
rro? txrtpta
em Tinta incamtd
o
so
-e
Presentes para a festa
Xo armaiem de Vanconcclloa. a roa
da Aurora u. SS, enconlra-ae:
Bonitxs caizas com passas, diversos tsmunaos,
c'ir .s adornadas com sed.
.legantes cartoes com dec?s seceos e crystali-
sados, em calda, Utas e frascos.
C_n'< tos, uvas brancas, doce de goiaba e ge-
leas.
Fiambres, carne do eertao, linguas afiambra-
das, seccas, de morae em silinauri.
Ovas de pi'ixe, figos, amendoas, nozea e casta-
nha, variado sortimento de biscoutos finoa, e os
mais reconimenduveis para doentcs, nao guaca.
Vinhos fines do Porto, D. Laiz, reserva, mus-
eatel e lagrima cbrisii, Bordeauz c Collares, quei-
jos K ndrinos, bastiupue, pluym, prato, etc., etc.
Cb vrrde imperial e preto fino, verdadeira
gomma de araruta e matarana.
A' florida
Ra tiuque de CaxJas a. 103
Chama te a atten^ao das Ezmas. familias para
os pri.cos segointea :
I'uv^s fle seda pretil a l^OOO^o par.
Cintos a 1600.
Luvas d.' pellica por 250O.
2 caixiis de papel e envclopes 800 rs.
Luvas de se& cor granada a ', 2|I5UI) e 3/
o par.
Suspensorios p ra menino a 500 rs.
dem amer.canos para bomem a 3f.
Meias de Escossia para crianza a 240 rs. o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuus de 1 500, 21, 3, at 8.
Ramcs de flores finas a 14500.
Luvas de Escossia para meuina, lisas e borda-
das, a 800 elfo par.
Porta-retrato a 500 n., l, 1*500 e 2,5.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 8<') rs. um.
Kosetas de brilbantee cbimicos a 200 rs. o par.
Guarnc.ocs de idem idem a 500 rs.
Aoquinhas de l*.V.-0, 2, 2*500 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 nrdens a 400, 500 e 600 rs,
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
Idea; La Figurine'a 5000.
dem estreitiokos com 10 metros a 800 e 1*000
a peca.
Pentco para coe com inscrip^ao.
Babadores com pintora e insenp^oes a 5C0 ra.
Para toilet
Sabio de areih n 320 rs. um.
dem pbenicado a 500 is. uuj.
dem alcatrao a 500 rs.
dem de ameodoa a 300 rs.
ldtmdealfaee a 1*000.
Agua celeste a 2*000.
Agua divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Maceos de seda a 100 ra.
Meias brancas para senhora a 3* a duaia.
Estojos para crochet a .$000 rs.
Linhas para crochet cor de crcme 200 r3.
Liabas para crocb: t de seda mesclada 300 rs.
Bico de cores % 5, e \ dedos
de largara a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
BARBOSA & SANTOS
Grande reforma n!.
Realmente foi grande a que se fez ni Loja dos
Barateiros.
Ra da Impcairli n. 4o
E sao os nicos que tem as seguintes especia-
lidades .'!!...
La e alpacas, grande e importante sortimento,
e lindissimos padroes, o mais tino e aparado gosto
que tem viudo, e p?r preco baratissimn, de 500 600,
700. 800e 1*000,0 covado, porm fino e bom !...
Querem ver ?... aparecam !!!...
Ezmas. senhoras !!...
T. mos um lindicsimo sortimento de iailbe, que
a vista agrada a mais excepcional fregueza ; isto
por menos do que em outra quulquer cata ; s n.
40!....
Pois custa 600 rs. o covado.
Temos mais > indos sortimento de fas!oes a 500
rs. o cevado.
(bitas finas, especialidade, porque houve gosto
a escolba, e vende se por 240, 280, 320, 360,400
5< 0 rs. o covado, 6 n. 40.
Tambem temos II!...
Lindos padroes em bnptista de 180 a 200 rs. o
covado.
Cambraia victoria o transparente finas e boas
de 3*300 a 8000 a peca.
Brim bronco de linho especialidade de 1*500 a
3*500 a vara 6 pechincba !
Brim pardos lizos e trancados de 700 a 1*600 a
vara, apn.veitem festa II I...
Mofases: m grande sortimento a vontade do tre-
qoes, vende-te de 400 a 560 o covado, venham !...
Si-metas II!... esplendido e importante sorti-
mento nesse artigo, sendo brancas, pretas e de co-
res, lavradaa e lizas, o que se pode desejar em bom,
vende se de 400 a 6()0 o covado.
Temos mais !. .
Casemira de todas as qualidades e cores, e a-
zemos costumes de 3 a 60*00, barato e em
covados de 2*500, cousa fina e que a todos agra-
dara, apptrevMm !
Acrediten) ?...
Venham ver, para crer !!!...
Madapolaode 1 qualidado de 4*500,', 5*500,
6*:)00, 7*500, 8500 e 10* a peca, e que ba de
ineibor.
Algodao de 3*500 a 7*500 e 8*000 a peca tem
20 jardae.
Camisas de meia de corea e brancas de 800 a
1*800 e 2*000.
Colcha de lindos desenhos a 4*0C0, casta6*000
em outras < asas.
Pai nos d a costa do melbor que ha custa apenas
2*750, o metro, pchincba !
Bramante .de linbo a 1*800 a vara, 10 palmos,
para a cabar
dem dealgnds a 1*300, palmos tambem 6 bom.
Algodao e.nfestado, 10 palmos a 900 rs. o metro,
muito bom para Imces.
Alf m das fazenlas ja mencionadas temos muitos
artigos de modas cun atja, leques de tino gosto,
gravatae, colarinhos, puulios, meias etc. etc.
Alhdro &C.
RA DA IMPERATRIZ N. 40
0
EXTRACQO SEMANAL
7.a parte da 24.a
CORRE
No dia 3 de Janeiro de 1887
liitransfermi l Mtm&fmnll
POETADOE DE UM VIGSIMO ESTA' HABILITADO A TIRAR
12:00S$200
Esta lotera est garantida, alm da fianza, por um deposito
no Banco Rural do Mo *Sc Janeiro equivalente ao premio grande
de cada serie.
BILHETES A' VENDA
XA
ROBA DA FORTUITA
50-Ra Larga do Rosario56
Bernardina Lopes Alheiro.
EXTRACCAO
7.'
DA
fcrie da 24 lotera que se extrir na igreja da (lonceicao dos Militares
EM 3 DE JANEIRO*AS 4 HORAS
SOB O SEGUISTE
9P* WXLa r%L IX CP
PARA EXTRACCAO DE LOTERAS NESTA PROVINCIA
DA
COLONIA ISABEL
COiCEOiS PELS LE PnO.INCIIL I. MI, E .PPRIHOfl PELO El. S8. VIQE PnESIOENIE Di PROVINCIA
POR ACIO Dt l DE SETEMD DE 1886
4o,ooo bi'hetes em vigsimos a l$ooo..... 800:000$
Despezas
1 premio de,
i dito de .
i dito de .
i dilo de .
i dito de .
9 ditos de.......2:000$
23 dilos Ue.......i:U00#
400 ditos de 100$ para todas as centenas, cujos dous algarismos
forem ignaes aos dous ltimos do primeiro premio inclusive
1 dito de 1:000$ para a sorte, cujo numero na extraccao for mais alto
1 dito de 1:000$ para a sorte, cujo numero for mais baixo
99 ditos de 400$ para toda a centena do Io premio
99 ditos de 200$ idem idem do 2 premio
99 dilos de 100$ idem idem do 3o premio
2 apps. de 4:000$ para o Io premio
2 ditas de 3:000$ para o 2' dito
2 ditas de 2:000$ para o 3o dito
2 ditas de 1:100$ para o 4o dito
2 ditas de 850$ para o 5o dito
4,000 terminacSes de 24$ para o 1" premio inclusive
4,000 tcrminacSes de 24$ para o 2o premio inclusive
H8;8oo$
681:2o4
240:0001
40:000*
20:000*
10.-000
5:000*
18:000*
23:000*
40:000*
1:000*
1:000*
39:600*
19:800*
9:900*
8:000*
6:000*
4:000*
2:200*
1:700*
96:000*
96:000*
681:200*
Esta lotera ser dividida em 20 series de 4,000 dezenas. Quando as terminales do 1.' e 2.' premios toreo
iguaes, a d'este passar ao algarismo immedlatamente superior. De9 pausa a 0e de 0a1. Os premios sao
pagos sem descont algum.
0 premio grande de cada serie acha-se garantido por um deposito equivalente e igual quantia no Banca
Rural do Rio de Janeiro.
17 de Dezembrode 1886.
.O THSOREIRO,
francisco Goncalves Torres.
y ItBWH 1
t


Diario de PernumbucoTcrfa-feira ?8 de Dezembro de 1
UTTERATDi


i


XAVIER OE
TRADUCgAO
DE
P1LEIIMO DE IIKIA
{Continuaqao)
CAPITULO XVI
A BELZEBUTH E LEONTINA
c Mas um anjo !... Um verdadeiro an-
jo !... nunca encoatrei pessoa tSoperfeita ....
Vamos, miaba forinosa menina, venba sen-
tarse junto do fogao, e aquega bem do
pressa esses lindos pesinhas de Gata-Bor-
ralheira.
Ah Havemos ser duas amigas como
nao ha outras cm todo o mundo 1 En sin-
to j que a estimo louoameate !...
E a Belzehuth acompanhava de um sem
numero do caricias esta in<-xgo'avel cor-
rente de palavras.
ILin?l Que finura I... murmurou
Galimand, dando urna cotovelada no seu
amigo Lenidas.
- Ah a verdade que, replicou este
ultimo, tem a lingua desembarazada.
O que dizes tu, Lenidas ?
Digo, Galimand, que urna aspertalho-
na d'aquella ordem dispor da pequeoa
to fcilmente, como nos bebemos um copo
de vnho, tu e eu; e a enanca nao ver
senao fogo por toda a parte !
Emquanto se troeavam estas palavras en
tre os dois infames, Leontina, aturdida pela
turbulenta loquacidade da' Belzebuth, nao
sadiia o que responder.
Esta, sem so inquietar com o silencio da
pobre rapariga, proseguiu :
Vamos, minha lindinha, vamos, mi-
nha, pombnba sem UA, tire depressa o
seu mantelete e o seu chapeo... esteja
vontade...
E, juntando a accao s palavras, a Bel
zebuth tirou rpidamente o chapeo o o
mantelete de Leontina, e soltou grandes
exolainages de admirado e arrebatamien-
to, ao ver a sua estatura e os seus magn-
ficos cabellos.
0-alimani, muito encantado, e muito de-
sejoso de provr a Leontina que o trata-
vam com toda a intimidad* naquella casa,
ioterrorapeu o xtasi da Belzebuth, excla-
mando em tom galanteador!
Entao minha comadre, nao se ofrwe-
' ce urna gota de absintho aos amigos para
abrirem o apetite, para que possara fcil-
mente f azer honra aos petiscos ?
Tem rasSo, respondeu a Belzebuth,
dissimulando urna careta de descontento-
ment, porque a sem cerimonia de Gali-
mand nao lhe agradava seno muito me-
diocremente.
Tocou urna compainha e disse criada
que se apresentou :
Traze absintho para estes senhores.
Emquanto os dous homens preparavam a
perniciosa bebida que todos os das fas
mais victimas que o arcenico ou o acetato
de morphina, a Belzebuth adrairava-se t'n
petto da pouca adroircyilo manifestada pela
desventurada menina em p.esenga dos ex -
plendores da casa em que esta va.
Esta casa (> quarto de dormir da Bel-
zebuth) estova efectivamente mobiliada
com grande riqueza.
As cadeiras, sophs e bancos cobertos
por um estofo cor de ouro, deatacavara-se
brilhantemente sobre o tapete verinelho.
O relogio e os candelabros, inteiramente
dourados, affectavam as pretenciosas for-
mas e o estylo delicado de Luiz XV.
O leito era uaa imitaclo de Boule.
G guarda vestidos era exactamente o
4nesmo.
Sobre o papel carmesim que forrava as
paredes, quatro mediocres copias de Bou-
cher, OBtentavam cm quadros sobrecarre-
gados de ornamentos as formas grosseiraa
das suas Venus obscenas.
Urna triplica eadeia prateada suspenda
do centro do tecto urna lampada do alabas-
tro, cujos releves representavam aceas
amorosas.
Entilo, o que diz de tudo isto, minha
lindinha ? perguntou a Belzebuth a Leon-
tina que, como sabemos j, pareca indiffe-
rente a todas estas roaravlhas.
Tudo muito bello, minha senhora,
respondeu a infeliz creanca.
Nunca tinha visto nada semelhante,
nao verdade ?
- Nunca.
Seria muito feliz, imagino eu, se ti
vesse um quarto mobiliado assim?.. .
Nao tenho a menor idea de ambicio-
nar tanto luxo.
Pobre amorzinlio I... E porque nao
tem essa ambicao ?
Se a tivesse, no era isto o que de-
sejaria. Os movis fazem por acaso a fe-
licidade ?
Ora essa !... Mas contribaem muito
para ella, pelo menos.
Nao sei como.
E' ingenua, simples e gentil I... ex-
clamou a Belzebuth com enthusiasmo;
inacreditavel urna verdadeiri joial...
Depois de urna pausa, continuou :
E, diga-me una cousa, minha queri-
da : O que faz a felicidade ?
Leontina suspirou.
Coragao que suspira nao tem o que
deseja, disse a Belzebuth rindo. E' conhe-
cido como o lobobranco, miaba bella ; mas
suspirar nao responder. Vamo8, falle-me
com franqueza, sou sua amiga, deixe-me
ver o que se passa na sua imaginacao.
Oh Deus meu, minha senhora, bal-
buciou Leontina, parece-me que para mim
a felicidade seria muito fcil e pouco exi-
gente. NSo tenbo grandes necessidades
nem grandes desejos. O luxo nao me se-
duz. O que faria d'elle ?... Viver tran-
quilamente de um trabalho honesto, em
modesta obscuridade, eis tudo quanto me
era necessario para viver ieliz.
Contentase realmente com muito pou-
co, minha queridinha, exclamou a Belze-
buth com urna gargalhada comprimida e
irnica, com muito pouca cousa, realmen
te...
Bem sei que nao, porque, apesar de
lhe pare :er pouco nao posso obtel-o.
Quando nao temos a experiencia^da
Apoderava-se de todo o seu ser immen-
sa tristeza ; o seu coragao pareca querer
estalar-lbe ; groasas lagrimas lhe humede-
can! as longaa pestaas, o cahiam urna a
urna sobre as suas liadas faces.
Debalde perguntava a si propria de que
poda provir aquella agona, semelhante
agona do moribundo.
Debalde dizia a si propria que era louca
em dexar-se prostar d'aquelle modo por
urna dor sem causa, e curvar a fronte sob
aquelle receio sem motivo.
Como urna rapariga phtyaica que v ap-
proximar-se a sua ultima hora, tinha sau-
dades da vida, no emtanto to triste para
ella.
Tinha saudade doe raios do sol.
Tinha saudades do atelier de Mauricio
Torcy.
E, de minuto para minuto, chegava a
dzer com urna coovicc&o mais desespera-
da, que tudo estava acabado para ella, e
quo nao tornara a ver nem o sol, cujos
raios a aqueciam, nem o artista, cujas pa-
lavras consoladoras lhe faziam palpitar o
coracao.
Neste momento a Belzebuth entrou no
quarto.
CAPITULO XVII
A CEIA
- Para a mesa Para a mesa disse
a Belzebuth, a sopa est servida, nao a
deixemos arrefecer.
Lenidas e Galimand deram um grito
de enthusiasmo.
A Bolzebut deu o braco a Leontina; e
Ievou-a comsigo.
Os dous amigos deram tambem o braco
um ao outro, e seguram as duas mulheres
executondo urna polka grotesca.
A sala de jantar tinha essa ornamenta-
gao pretenciosa e odiosamante burgueza
quese encootrava em tudo quanto havia
no quarto da Belzebuth.
A mesa, as tagires e as cadeiras eram
de acaj esculpido, madeira infame, e que
nao podemos deixar de votar justa exe-
craco da posteridade por ser a madeira
mais estimada dos portairos de Pars e das
raparigas deshonestas.
Um grande abat-jour, il!usfrado com
burlescas figuras chinezas, concentrava os
raios luminosos de urna lampada de Cr-
cel suspensa do tecto.
Mas o conjunuto do servico, sob o ponto
de vista da senhora Belzebut e de muita
gente infinitamente mais estimavel do que
esta matrona, constitua o nec plus ultra do
luxo o do bom gosto.
Vinhos de muitas qnalidades e de todas
A digna matrona saboreava com volup-
tuosia&de os manjares.
Comprehende se fcilmente que urna boa
eeia servida a Lenidas o Galimand nao
podia deixar de obter os seus suffragios, e
foi o que aoonteceu.
Se o gosto da Belzebuth pareca exclu-
sivo o muito pouco vulgar a respeito das
iguarias, nao o era no que dizia respeito a
vinhos.
A frasqueira podia passar por urna das
mais irreprehensiveis. Os melhores vinhos
all estavam representdos.
Parece-nos intil dzer que Lenidas e
Galimand se sentiam iufiutainento decidi-
dos a fazer todas as honras aos vinhos da
Belzebuth.
Esta ultima nao pareca muito disposta
tambem a impor-lhes a lei da inoderagao,
o as numerosas garrafas espalhadas sobre
a mesa pareciam paraphrasear eloquente-
mente e antigo proverbio muito conhecido
dos bebarroes :
Quando o vnho asta despejado pre-
ciso bebel o !...
Logo que se completou a inatallagao dos
nossos quatro personados, a Belzebuth,
perfeitaracnte convencida que Lenidas e
Galimand nao deixariain de servirse de
tudo o que quizessem, pensou so em Leon-
tina de modo muito particular e muito at-
toncioao.
Vejamos, minia lindinha, lhe disse
ella, de que vinho hei de offereeer-lhe ?
Prefere Borgonha ou quer Bordoaux ?
... Sao ambos exeellenteB.
- N3o quero nem ura nem outro, min-
ha sesenhora...
E porque, meu thesouro ?
Na., bebo vnho,
O qua bebe entao?
Agua.
A que loucura 1 O seu esto mago
deve resentir-se desse habito.
Tenho umo sade excellente.
Por forga; se assim nao fssse j ha
muito tempo que a teria matado esse r-
gimen Nunca beber vinho! Oh Deus
meu !...
Nao gosto, minha senhora.
Em casa de seu pai Lenidas, onde
detestavel, coraprehende-se ; mas aqu
um caso muito differenta I...
(Contina)
pragas, ou para melhor dizer todo o exer-
cito, que do momento ganhoa o ntrinchei-
ramento inimgo, observei que o major
Francisco de Lima e Silva commandante
do 34 de voluntarios da patria na frente
de seu corpo influa e animava os soldados
com umita coragem e sangue fro ; fazendo
menguo de recommendal-o especialmente
como um dos bravos do -a corpo do exer-
cito. *
No dia 22 combateu por espago de seis
horas debaixo das trincheiras de Carupai-
ty do onda voltou a cinco horas da tarde,
poia foram baldadoa os nossos exforgos pa-
ra tomar nesae da easa fortaleza.
J como tenente-coronui e commandan-
do o 9 de infantaria, conquistou urna co-
ra do louros, abrindo profundos claros as
fileiraa inmigas no combate do Protero-
Ovelha em 9 de Outubro de 1867 e no
combate do Taby de 2 de Novembro.
A 10 do Feverero de 18G8 acha-se no
combate do Estabelecimento, a 6 de Do-
zombro passa o Itorr e a II morto a
espada na batalha de Avahy quando tes-
ta de seu corpo carregava sobre o inimi-
g-
Tenente-Coronel Jom da Rocha
(ialto
Tomou parte no combat de Jatahy em
17 do Agosto de 1865 e pelo modo que ahi
se houve foi comeado Cavalleiro da Or-
dem do Cruzeiro e no anno seguate, cora-
batendo em 21 de Maio foi morto.
Este homem que entrou na vida comba-
tendo, expondo os seus das aos azares da
guerra teve por leito lie morte o campo de
batalha, digan leito de
ros.
todos os guerre-
Teaente Coroael Ciuwtavo Adolplio
de Meaeze
Fez parto do estado-maior do general
Gongalves Fontes nos ataques de Curusu'
e Curupaity havendo se sempre com cal-
ma e bravura.
Este oficial era da guarda nacional e
falleceu no hospital fluctuante Onze de Ju-
nho a 27 de Abril de 1867.
VAfilEMDES
Calou se.
FOLHETIM
0 OOKCNM
POR
::::: r:v:
SEGUNDA PARTE
3 FAL4C13 SE SS7S33
(Contnuago do n. 298)
XII
Onde > rnrcunrtn Me r convidar
para o baile da corle
As suas espadas anda estao boas ?
pergnntou Gonzaga.
Cada vez melhor?*, respondeu o gas
cao.
E ae servigo de vossa alteza, accres-
centou o normando, fazendo urna reveren-
<\x
Est bem, dase Gonzaga.
E voltou-lhe as costas.
Aqu est um homem que sabe fallar
inurraurou Cocardasse.
Gonzaga fez signal a Peyrolles para que
se approximasse. Foram ambos para junto
da porta de sabida.
Gonzaga aeabava de rasgar a tolha da
sua carteira, onde tinha escripto as infor-
magSesdada por D >na Cruz.
No momento em que ectregava esse pa-
pel ao facttum, o rosto do confunda ap-
pareceu por tras da porta entreaberta.
Ninguem o via, e elle bem o sabia, por-
que osolhos brilhavam-lhe com ama intelli
gencia extraordinaria e toda a sua physio-
nomia mudava de aspecto. Vendo Gon-
zaga e a sua alma damnada conversando
a uous passos delle, o corennda laneou-se
vivamente para tras e encostou o ouvido
abertura da porto.
Eis o que ouvio primeiro : PeyroUei so-
tado. Ha de mudar de pensar.
Duvido, m:nha senhora.
Sou eu que lh'o afirmo.
Leontina nilo queria discutir.
A Belzebuth eontinuon:
. Moga, formosa, seductora tanto quan-
to possivel ser, nao a obscuridade que
lhe falta, a luz, o brilho.
Parece-se com as violetas que se oc-
cultam sob as hervas, e que nao dcxam
de sentir so alegres quando figuram nos
mais lindos ramilhetes entre as rosas e as
camelias.
Nao sei se sao alegres; mas sei que
as colhem antes de as collocarem nos ra-
milhetes de que talla, e que no dia seguinte
esto emmurchecidas e mortaa. Ser esta
a felicidade, minha senhora ?
Hein ? I... murmurou a Belzebuth
em aparte, a pequea forte em argumen
tos !...
Depos accreBcentou mentalmente:
intil tentar vencel-a pelos senti-
mentos, recorramos, poia, aos grandes
meios.
Pens que vamos para a mesa, disae
ella em seguida; vou dar urna viata de
olhos cozinha, e recoramendar que no
deixem qutimar o assado...
E a B-dzebuth sahio do quarto.
Durante a sua curta ausencia, Galimand
e Lenidas nao trataram senao de beber
absintho com muda e religiosa voluptuosi-
dade.
Quanto a Leontina, junto do fogao, sen-
tia um mal estar inexplicavel.
letrava com difficuldade as palavras traga,
das a lapis por seu amo.
Ra do Chantre, dizia elle, urna mo-
ga chamada aurora.
Causava ruedo a expresado que tomou o
rosto do corcunda.
Um Ininp'jj sinistro passou-lhe pelos
olhos.
Sabe dizia elle comsigo. j Mas co-
mo o sabe ?
Comprehende ? disse Gonzaga.
Sim, coroprehendo, respondeu Pey
rolles; j sorte I
As pessoas da minha tempera taa a
sua estrella, replR-ou Gonzaga
Para onde se ha de levar a moga ?
Para o pavilhao de Dona Croa.
O corcunda bateu na testo.
cigana murmurou elle ; mas co-
mo ple ella tambem sabel-o ?
Basta raptal-a? dizia naquelle i
ment PeyrohVs
N da de barulbo, respondeu Gooza-
go; nao estamos em posigao de nos metter
em embarages.
O artificio e a astucia sao o teu forte,
amigo Pryrclles. Nao ina dirigira a ti se
se tratasse de duellos. O nosso hornera
deve hnbitar aquella casa ; sou capaz de
i> postar.
Lgardre I
com visvel terror.
Nao affruntars aquelle mata momos
A primeira cousa saber se elle est au-
sente, e apostara de bom grado como est
t'ra m's'o momento.
Outr'ora gostav* de beber.
Se est ausente, eis aqui um plano
muito simples : toma esta carta...
Gonzaga entregou ao seu facttum urna
das duas cartas de convite para o baile do
regente, reservadas para Saldanha e Faen-
za.
Arranjars, proseguio elle, um ves-
tuario de baile, novo e elegante, igual
qufllo que en".ommndei para Dona Cruz.
Ters urna Iit ira prompta na ra doCban
tie apresent-r te-has m casa da moga, em
no me .la proprio Lagar ire.
E' jogar a vida, disse o Sr. de Poy-
ro'les.
Ora, adeus 1 bastam o vestido e as
joias para tornal-a louca ; s dirs urna pa-
lavra : t Lagardre mandou lhe isto e es-
pera-a.
Mo expediente disse ama voz as
pera entre os dons; a moga nao se me-
chera.
vida, temos ideas absurdas a proposito deJa9C5res brilhavam como pedras preciosas
em fu sao as garrafas facetadas.
E' necessario ser franco e sincero,
exclamou Galimand, parando no limiar, e
compenetrado de extraordinaria commo-
eiio ; ouso svangar que isto desgosta at
as baixellas mais ricas de todas as testas
coroadas do universo. O que dizes a isto,
Lenidas ?...
Ah com mil diabos replicou o ve-
lho modelo, digo que estou assim a modos
deslumhrado.
Meus pobres amigos, disse a Belze-
buth com fingida modestia, nao se exto-
aiem por tao pouco ; nao vale a pena ; te-
nho dez vezes melher que tudo isto nos
meus armarios.
E' imposaivel 1 murmt'.raram os dous
homens.
Sim, meus velhos, e reaervo-o para
melhores occasiSes... quando recebo gen-
te de certa ordem, por exemplo, a*ores-
centou a Belzebuth, sem deitar mo sen-
tido. .
Afinal, os seus convivas, apressemo-nos
em dizel o, no pensaram um s instante
em se i'ormalisar eom a phrasa incidente.
A susceptiblidade dos dous amigos dif-
ficilmente dispertava, especialmente em
frente de urna boa meza hem servida.
Cada um tomou o seu lugar, e a Belze
buth faz sentar Leontina ao seu lado.
A refeigio foi excellente.
As velbas extremamente viciosas sao em
geral, e talvez sem excepgao, espantosa-
mente gulosas. Todos os vicios se jun-
tara.
murmurou o facttum
Resumo da campanha com o
Paraguay, seguida dos nonies
dos brasilelros mais dfstinctos
morios durante a guerra.
POB MELCHIZEDECH d'aLBCQCERQUE UMV
(Continuagao)
Tenente-Coronel Pereira Valente
O tenente coronel entilo major Jos Tho-
maz de Almeida Pereira Valente, comman-
dande o l* batalho de artil hara distin-
guiu-se na batalha de 24 de Maio por seu
valor e energa.
Esteve t .rabem nos combates de Sauce
e Bouqueron nui 16 e 18 de Julhode 1866,
portando-se sempre como verdadeiro mili-
tar que era.
Adquerindo graves padecmentos n'essa
guerra que tornou o seu nome glorioso, fal-
leceu a 12 de outubro de 1867.
Tenente Coronel Franclwco de Una
e Silva
Como capitao commandante d urna com-
panhia do 6* de infantaria, deu, na gran-
de batalha deTujuty provas de que era
um bravn e ent.-udido oficial. .
No posto de mujor commandante do
34 de voluntarios tomn parte no ataque
de Curusu' em 3 de Setcmbro de 186ti
portou-se bisarramente merecendo os elo-
gios de muitos commaodantes e entre elles
o Bar&o de Porto Alegre e o tenente-coro-
nol Astrogildo, que vio de perto as bravu-
ras por elle praticadas, exprimindo-se as
sim a seu respeito :
... N'esta occasiilo debaixo da fusila
ria inimiga, quando avangaram todas ss
Tcnente-Cornnel Apoilonlo Pere
Campello Jacomc da fiama
Seguo para o Paraguay com o 2 corpo
de voluntarios pernambucanos quo na cam-
panha tomou o numero 30.
Tomou parte na batalha do Estero Bella-
co e foi elogiado pelo general Ozorio pe-
la presteza e regularidade, quo apresentou
o seu corpo ao desenvolver-se em linha pa-
ra carregar sobre o inimgo.
Vinte dois das depois tomou parte na
batalha de Tujuty e ahi se houvo da raes-
ma form i que na batalha de 2 de Maio,
sendo elogiado pela calma com que dirigi
o seu batalhito.
Pouco depois de hegar ao theatro da
guerra, para onde havia marchado no pos-
to de major, foi promovido a tenente coro-
nel por servigos relevantes.
A 16 de Julho entrou de novo no com-
bate no Sauce e a 18 do niesmo mez e an-
no (1866) no de Bouque ron.
Apollonio, diz Pereira da Costa, tomou
parte anda em muitos outros movimentos,
tigurou as aegoes de Tujuty, Cu, e Pan-
Cu e emfim atacado e cercado em suas li-
nhas avangadas, conseguio, gragas sua
coragem e intrepidez e ao arrojo com que
fez manobrar o seu batalhao,debellar o ini-
mgo, salvar a si e aos seus, conquistando
assim urna victoria inmensa... >
Adoecendo, retirou-se para a sua pro-
vincia (Pernambuco) onde falleceu no dia
6 de Novembro de 1868.
tardo nSo a dentro do bosque, como fon*
delle, dirigindo vivo fogo par." as columnas
de infantaria que desciam o monte e pas-
sando de um a outro bosque sobre as car-
retas quo tambem atravessaram a segunda
bocaina, consegundo incendiar todas a
munigoes, que continham estas e necessa-
aariamente causar grandes estragos n'es-
sus columnas... o
Durante todo es3e tempo de combate r
capitao Carlos de Magalhes mostrou-se
sempre nfatigavel.
Por Decreto de 1 de Junho de 1867 foi
promovido a major para o mesme regi-
ment.
A 18 de Janeiro de 1868 foi elevado zo
posto de tenente coronel pelos servigos pre-
stados ao ex-rcito om operaglo pelo gene-
ral em chefe.
Tomando parte nos combates ferdos no-
Chaco re^ebeu diversos ferimentcs e delles
fallecen a 28 de Julho do 1868.
Era natural da provincia de Minas Ge-
raes.
lo Tenente Bernardinode Sena
Madureira
Achava-se na Europa estudando e sa-
bendo do rompimento da guerra entre o
Brasil e o Paraguy, pedio logo para voltar
e seguiu para o theatro das pele jas como
membro da commisso de engenheiros.
Prestou relevantes servigos, distinguin-
do-ae sobre tudo noProtero-Ofelha a Taby"
em 29 de Outubro e 2 de Novembro e fal-
leceu a 17 deste em 1867 do cbolera-mor-
bus.
Capitao de fragata Augusto Xetto d*>
Hendoora
Nasceu na cidado do Rccife a 4 de Agoa-
o de 1834 e assntou pr.igi de aspirante
a guarda maruha em 1 de Agosto de
1848.
Quando estudanta distinguu-sa muito n
Escola de Marinha por sua applicago o bom
comportamento. Sahindo da escola dis-
tingui se sempre as commisaoes de que
era encarregado de3empenhando-as com
zelo e apti io.
Rompendo a campanha com o Paraguay
immediatamente marchou para o theatro da
Peyrolles saltou para o lado.
^Gonzaga ag rrou na espada.
Com os diabos I disse de longe Co-
cardasse : veja, froi Passcpoil, veja aquelle
homnculo t
Ah! respondeu Passepol, se a natu-
reza me desfavoresse daquelle modo, e fos-
se preciso renunciar esperinga de agra-
dar s bellas, atten'.aria contra os meus
das.
Peyrolles comegou a rr, como todos os
poltroes que lm muito medo.
Esopo II, por alcunha Joas excla-
mou elle.
Ainda esta creatura I disse Gonzaga
com mo i tumor. Alugando a casa do meu
cao, julgas ter comprado direito de per-
correr o meu palacio ? O que vns fazer
aqui ?
E o senhor, perguntou imprudente
mente o corcunda, o que vii fazer ?
Estava all um adversario, segundo o co-
racao de Peyrolles.
Meu caro Esop? disse elle pondo-
se em guarda, vamos ensinar-lhe, desde
j, o perigo que se corre envolvendo-se
em negocios alheios.
Gonzaga olhava para o lado dos dous
bravos. Taato peior para Esopo II, por
alcunha Jooas, se elle se tinha lembrado
de escutar s portas Mas, naquelle mo-
mento, a attengo de Gonzaga foi di a t r-
bida pela conducta bizarra e verdadera-
mente audaciosa do homnculo, que tirou
sem ceremonia das mos de Peyrolles as
cartas de concite que acabavam de entre-
gar lhe.
- O que fazes, tratante ? exclamou
Gonzaga
O corcunda tirou aocegadamente do seu
bolso a penna e o seu tinteira.
Est louco I disse Peyrolles.
Nada I nada disse Esopo II, que
collooou um joelho em trra e installou-se
o mais commodamente quo pode para es-
crever.
Leia disse elle com um tom de
triumpho, levantndose.
E estendeu o papel a Gonzaga.
Este leu :
Querida filha. Eises eofeites (3o en-
viados por mim. Quiz fazer-te urna sor-
preza. Trnese bella ; urna liteira e dous
lacaios iro de minha parte buscal-a para
conduzil-a ao baile, onde a esperarei.
Henrique de Lagardre. o
Cocardasse Jnior e Passepoil, col loca-
dos muito longe para ouvr, seguiam com
o olhar aquella siena e nao comprehendiam
couaa alguma.
Com a breca disse o gascao, Sua
Alteza tem o ar de um ar de um homem
que foi engaado.
Mas aquelle corcunda, continuou o nor-
mando, olha lhe para o rosto I Desta vez,
como ria primeira, record-rae que j vi
aquelles olhos em alguma parte.
Cocardasse encolheu os hombros e disse
S me oceupo com homens que te-
nham mais de cinco ps de altura.
Eu tenho apenas cinco ps exactos,
observou Passepoil.
Cocardasse Jnior estendeu lhe a mao e
pronunciou estas benvolas p.tlavras :
Urna vz por todas, meu velbo, re-
corda-te que tu s exjepgo de regra
Com a breca a amizade um prisma de
crystal, atravez do qual te vejo braneo, ro-
sado e mais bonito que Cupido, filho nico
de Venus, sahindo do seio das ondas.
Passepjil em reconhecimento apertou a
mao que elle Iho estenda.
Era exacto, Gonzaga pareca um homem
assombrado. Olhava {para Esopo II por
alcunha Joas, com urna especie de ter
ror.
Que quer dizer isso ? murmurou ella.
Quer dizer, replicou o corcunda, que
com este bilhote a moga ter confianga.
Adivinhaste entao a minha inten-
gao ? _
Compreheadi que queria agarrar a
m>ga
E sabes a que se arrisca quem sor
prendo- certos segredos ?
Arrisca-se a ganhar muito, respon-
deu o i orcunda, esfregando as raaos.
Gonzaga e Peyrolles trocaram ura olhar.
Ma-, oisse Gonzaga em voz baixa,
esse escrip'o ?
Tenho as mnhas habilidades, respon-
deu Esopo II, garanto lhe a imitocSo per-
feta. Basta-rae ver urna vez a letra de
um homem.
Oh 1 isso pode levar-te muito longe !
e o hornera...
Oh o hornero, interrorapeu o cor-
cunda rindo, muito grnete eu sou mui-
to pequeo : n2o o posso imitar.
Conheces l'o ?
Muito.
Como o conheces ?
Rclagdes de negocios.
Podes dar-nos alguroas nformagoes ?
Urna nica : deu hontsm duas esto-
cadas ; amanha ha de dar outras duas.
Tenente-Coronel Antonio Carlos de
MagalheN
Como capilo commandante da 3a bate-
ra do Ia rigimento de artilharia a cavallo,
concorreu para o esplendido triumpho que
tanto fez admirar esse regiment no dia 24
de Maio.
Con mandando a mesma batera fez gran-
des estragos as columnas inmigas, no dia
16 de Julho em Sauce tmetralhando des-
de s 6 horas da raanha at s 6 horas da
Achando-se no ataque do Paysandu'',
foi elogiado pelo Almirante Visconde de
Taraandar e por aviso de 25 de Fevereiro
foi novamente elogiado nao s pelo valor
que mostrou no combate contra a dita ci-
dade, como pela energa e perseveranga
com quo resisti s ordens com que quize-
ram arrancar do seu poder os prisioneiros
a que desarmara, compromettendo-se a sal-
vpr-lbes a vida, o que cmprio por honra
sua e da bandeira nacional.
Depois do nosso exercito haver feito o
inimigo abaudouar o nosso territorio e re-
colher-se ao Paraguay, fijou Augusto Net-
to de Meadonga, estacionado em Corrien-
tes.
Desgostoso por ver-so longe do theatro
dos combates, elle que era fantico pela
gloria nacional, pediu e obteve tres int^zes
de licenga, nao para retirarse do Rio da
Prata, porm para fretar um barco sua
custa, subir o Paran, apresentar-se ao Al-
mirante Tamandar e pedir o seu lugar de
honra no maio dos bravos.
O Almranta entregou lhe a caahonera
Greenhalg, na qual assistio passagem do
nosso exercito para a margem paraguaya
e tomou parte no combate como Itapiru' no
dia 17 de Abril de 1866.
Ainda na mesma canhoneira acbou-se
nos das 2, 3 e 22 de Setembro no3 terri-
veis bombardeos do Curuzu' e Curupaity.
Fassando a commandar o Mariz e Bar-
ros anda dis'.ii guiu-se em muitas aegoea
e no dia 9 de Dezembro de 1868 sendo or-
denado o reconhecimento de Anguatura Net-
to de Mondonga no seu encouragado quiz
aer o primeiro a affrontar o inimigo. Uraa-
bala atirada da fortaleza inimiga partime
o crneo e matou-o.
Contam os que estavam ao seu lado que
elles cahira sorrindo. *J
Peyrolles estremeceu dos ps cabega.
Gonzaga disse :
Ha boas pristes nos subterrneos do
meu palacio.
O corcunda nao fez caso do sear amea-
gador, e respondeu :
- Terreno perdido. Mande fazer ade-
gas e alugue-as aos mercaores de vinho.
Descoofio que s um espio.
Triste idea. O homem em questo
n3o tem um es.'udo de seu, e o senhor
millionario. Quer que lh'o entregue ?
Gonzaga airegalou os olhos.
D-me essa carta, replicou Esopo II,
mostrando o ultimo convite que Gonzaga
tinha na mao.
*ara que ?
Hei de fazer bom uso dellas. Dal-a-
hei ao homem, e o homem cumprir a pro-
me?84 que aqui lhe fiz em seu nome. Vai
ao baile do regente.
Por Deus I exclamou Gonzaga, deves
ser um infernal patife I
Oh oh I disse o corcunda com um
ar de modestia, ainda os ha maiores.
Por que tanto empenho em servir-
me ? j
Sou assim, muito dedicado aquelles
que me agradara.
E uj tivemos a felicidade de agra-
dar-te -!
Muito.
Foi para mostrar-nos de mais perto
a tua dedicaco que pagaste dez mil escu-
dos ?
Pela casa do cao ? iaterrompeu o
corcunda ; l isso nSo, se faz favor I espe-
culagSes, negocios de dinheiro.
Depois aceres ;eutou rindo :
O corcunda morreu, viva o corcun-
da : Esopo I ganhou um inilbao e meio de
baixo do um velho guarda chuva ; eu ao
menos tenho o meu escriptoro.
Gonzaga fez signal a Cocardasse e a
Passtpoil, que se approximaram arrastando
as espadas.
Que gente esta ? perguntou Jo-
nas.
Gente que te vai acompanhar, se eu
aceitar.
O corcunda cumpri nentou ceremoniosa-
mente.
Um sen criado, disse elle ; entao reca-
sa os meus servigos. Meus caros senhores,
accreacentou elle dirigiudo-se aos dous bra
vos ; nao vale a pena incommodar o seu
adelo, nao iremos juntos.
EutreUnto, diese Gonzaga com ar de
(ContinO-
ameaga : Nao ha que dizer ; o senhor eo-
nhece to bem como eu. E' brusco, ex-
cessivamente brusco, poder-se hia mesmo
dizer brutal, se viessem em minha compa-
nhia destes evadidos da forca.
Picaro, disse Cocardasse indignado.
P8-se faltar deste modo delicade-
za ? accrescentou Passepoil.
Quero agir s ou nSo fago cousa al-
guma, coneluio Esopo II com um tom pe-
remptorio.
Gonzaga e Peyrolles consutaram-se.
S queres a tua corcunda, disse
primeiro, gracejando. 4
O corcunda cumprimentou e respondeu :
Do mesmo modo que os bravos que-
rem a sua espada, o meu gaoha pao.
E respondes por t, disse Gonzaga,
olhando para elle fixamente. Compreheu--
des, serve-me fielmente, e sers recompen-
sado ; no caso contrario .. NSo acaboa 9
aprcsentou-lhe o carto.
O corcunda pegou nclle e dirigise par.
a4 porta recuando.
Cumprimentava ds tres em tres pasaos e~
dizia :
A confianga de Sua Alteza hnra-
me. Esta noite, Alteza, ouvir fallar da
mira.
E como a um signal di-fargadb de Gon-
zaga, Cocardasse e Passepoil se dispozes-
sem a acompanhal-o...
Devagar,. diso elle, de vagar I E as
oossas convengocs ?
Afastou Cocardasse e Passepoil com ama-
das miios, que por certo nilo jul^avarc tSo
vigorosas, cumprimentou pela ultima vez e-
transpoz a porta.
Cocardasse e Passepoil quizeram e-
guil o. Elle deu-lhes com a porta tta cara.
sua perseguigao,
Quando s ihiram em
corredor estava vasio.
Depressa disse o Sr. de Ganzagar
dirigiudo-se a Peyrolles : cerquen a casa
da ra do Chantre em menos de meta do
hora, e o resto como comDnamos.
P-li ra Quincampoix, deserta aquella
hora, ia o corcunda trauteando.
Os fundos estxvam era baixa, nmr-
murou. Os diaoo* me levero se sabia on-
de ia buscar os convitas e vestuario da
bailo.
F1M DA SEGUNDA PARTE.
Typ. do Diario ru Uuque de Caima a. a
*
r mw i
i
?
.
>?
\
i

\

t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWSU2JBMT_OUMM9K INGEST_TIME 2014-06-23T22:47:04Z PACKAGE AA00011611_18719
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES