Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
AMO Lili -- NJBO 283
PAl&A A CAPITAL. E LUA1USS 0\Di; NAO SE PACA PORTE
Pr tres rnezes adiantadoa ... ........ 6(5000
Por sois ditos idei...... ......... 12^000
Por um anuo idem.............. 24^000
Cada numero avuiso, do mesmo da. ..... 100
ikHIO DE
mX~Wk 10 I DEZHMBKO CE
PARA DEITRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados.........,..... 13 'Por nove ditos idem................. 200000
Por um anno dem................. 27|jKXX?
Cada numero avuiso, de dias aoterioreB........... 5100
NAMBUGO
Proprietade to Jtatwel Jtgurira t Jara & Silbos
%
Os Srs. Atuedc Prince A C
de Pars, sa os nossos agente*
exclusivos de anaiianlos e pu-
bllc.icoes da franca e Ingla-
terra.
>
Aviso
Acs Srs. subscriptores desto Diario avi-
sa a respectiva direccao que, do i. de
Janeiro prximo em diaote, far-se-ha a ar
recadarlo das assignaturas pela forma se
guinte :
Na cidade do Recife e lugares para onde
nao se paga porte. GjOOO por trimestre,
adiantadoou durante o 1.' mea do mesmo
trimestre, 6^500 nos 2. e 3. mezos.
No fim do trimestro ser suspensa a re-
cessa do Diario aos que nao tiverem sa-
tisfeito o seu debito.
Fora da cidade, nos Iug-ires para onde
se fazera as ramessas pelocorreio, 13$500
por semestre, pago as mesmas condicSes
cima.
Aos que quizerom pagar o anno allan-
tado, faz-sa-hao abata da l#000, para to-
dos os assignantes.
TELEGRAMMAS
3387150 U A535CIA IAVAS
(Especial para o Diario)
BUENOS-AYRE3, 9 de Dezerabro, do
rnanhS.
Secundo o bolelins dan diversa
regloes infeccionadas pelo cnolera-
inorbus. verifica -e que. as ullimas
91 hora, dora ni se :ts novo cano*.
e 39 obiloi.
LONDRES; 8 de Desembro, tarde.
O Marques de Ilarllngton. profer n-
do um discurso u'um meeti.no, annun -
riou que eslava definitivamente fe i
ta urna uniiio entre os ministros
liberaos e os conservadores da C-
mara dos Communs.
PARS, 8 de Dezembro, tarde.
O presidente da repblica conflou
ao Sr. lien- .Dldcl. que arelloii. a
missao de formar um novo gabi-
nete.
Agencia Ilavas, filial em Pernambuco,
9 de Dezembro de 1886.
INSTRUCCIO POPULAR
HISTORIA ANTIGA.
(Extrahido)
O 4 BIBLIOTHECA DO POVO K DAS ESCOLAS
V
CAPITULO X
Otj B E OS
(Conlinuacao)
Os ath?niens?s, reeeando cutio ha ver encirrido
persa ; e elle, para segurar as suas conquista?,
marchou em p rseguietto deDirioqua foi mirto
por um traidor do scu proprio exercit), Besso, em
Ecbatana.
Alexandre tomou sob a sua proteceo a familia
de Daro ; marchoj c.iutra Besso, que se fizera
proclamar rei em Bactriana, apoderou-se d'e'.le e
mandou-o matar. A posse do mar Caspio e as es-
tradas militares que abri para Hsrat e para Ni-
chapur patentearam-lhe as-communicacocs com
todos os dt'ff-.'rentes ponto3 da Persia.
Depois da ter assentado tao vasto dominio, re-
sol veu passar India, Atravessou o Indo, alliou-
se com o rei Daxilo e subjugou dffeientes estados
vizinhos deste. Adiantou-se at ao interior da
ludia, onde edificou diversas cidades, preparava-
se para atravessar o Hyphaso, quando as suas
tropas, fartas de tao loago exilio e de tanta pere-
grinarlo, se recusaram a seguil-o c Iha padiram
para voltar a patria. Alexandre annuio a este de
sejo. Depois do seu regresso, anda subjugou os
oxdracos e outros povos, percorreu a Media, e en-
trn cm Ecbatana, oude falleceu o seu favorito
EphestiOD.
(Continua.)
na colera de Alexaudre, raandaram-lha emissarios
i implorar clemencia. ste usou para com elles
de generosidades, da qual comtudo esperava tirar
partido para es teua planos de conquista ; pacifi-
cou a Grecia e reun > em Cormibo deputados de
todas as repblicas he lencas que c nomearam ge-
neral cm ehefd de u:na -xpedfo contra os persas.
Para levar desse modu a iffsitoo plano de seu pai
confiou o governo da Macedonia e da Grecia a
Antipater e parti com um exercito de 30:003 ho-
mans de infantera e 5:00 de cavallaria, i con-
quista da Periia, onde cutio reinava Daro Codo-
mano.
Entao comecou pra Alexandre urna serie de
victorias e de conquistas, que conitituem urna ver-
dadeira epopi. Entrn na Phrygia, depois de
atravessar o Helesponto sein difficuldade; na pas-
sagem do Granico, defendida por um exercito per-
sa de 100:000 humena de infantera e mais de
10:030 de cavallaria, derrotou este, apoderndose
apois de Sardes, quo tra a chave da Alta-Asa.
Epheao, Mileto, Halycaroasso e todas as cidades
ia coatada Asia eutregaram se lbe.
No anno seguinte, para se oppir continuacao
ta* suas conquistas, levantou Daiio um grande
jxercto e resotveu levara guerra ao coracib da
Macedonia, Memnon, se general em chefe, testa
da expedico, tomou as ilbas da Chio e de Lesbos.
Alexandre nao quiz entregar ao acaso de um com-
bate nav^l a gloria at alli alcancada ; abandonou
aos persas o dominio do mar e tez convergir todos
oa seusesforcos para se apoderar dos portos e_ cor-
tar toda cemmunieacao eatre o exercit.) ioimigo e
h Grecia. Tendo subjugado a Lydia, dingio-se
para a Pmphylia sem encontrar obstculos; atra-
vessou a Cappad. ca, foi a Cilicia e Tarso, d'onde
parti ao encontr dj exercito de Daro, que der-
rotou nos dusfiladeiros do Isso. A m5i, mulher e
lhoe de Dario cahiram em seu poder e Alexandre
tratou-os com a maior generosidade.
Apoderou se depos da Phencia, e tomou Tyro
depois de seto meses de cerco. Subjugos. m sw
guida a Jula e tomou Dmasco, onde estavam os
thesouros de Dario. Intentou destruir Jerusalm.
pjr lbe haver recasado vveres ; mas desistie do
ju proposito, em preseBca das supplieas que Iha
.lirigio o snmmo sacerdote Jaddo
Da Juda dirgio-se |Mf> o Egypto, onde bas
ton a sua presenca, para que todas as povoaceVt
sa Ihe eatregasBcm. Foi at a erab lecadura do
Nilo, onde lanQOU es fundamentos da cidade de
Alexandre. Encaminbou se para o Alto-Egypto,
penetrou no deserto e chegou at ao oasis em que
estava estabelecido o templo da Jpiter Ammon, e
onde os sacerdotes lbe concederam o titulo de
filho de Jpiter.
Do Egypto voltou Asia c penetrou na Armenia,
ialo ao encontr de um teresiro exercito de Daro,
que derrotan aperar da grande superioridade nu-
mrica d'este, en'rando trinmphante em B^byl' na.
EtU victoria tomou-c senhor do grande imperio
MRTE 0FFIC1AI.
fiioveruo da Provincia
EXPEDIENTE DO DA 17 DE KOVEMBBO DB 1886
Actos :
O presidente da provincia resolve nomear o
capitSo Raymundo Damaceno Ridriguas para ex-
ercer o cargo de delegado do dstricto littcrario de
Sitios Novo3, em Ouricury.
O presidenta da provincia resolve nomear
Olympio Jos domes para exeicar o cargo de de-
legado do dstricto Iliterario de Serra Branca.
Communicou-se ao inspector garal da instruccao
publica.
O presidenta da provincia, de confom idade
com a proposta Dr chete de policia, em officio n.
1119, da hontem datado, resolve exonerar o capitao
Samuel de Si Montenegro, do cargo de delegado
do termo de Floresta, por ter se recolbido ao corpo
deixando o commando do destacamento que da-
quelle termo fo transferido para Tacarat.Com
municon-se ao Dr. chefe de polica e ao commtn-
dante do orpo de policia.
Officios :
Ao commandante das arana>tafendoos
requerimientos do 2* cadete do 2 batalbao de in-
fantaria Antonio Vidal Pereira da Mandonca e da
anspecada d) 14 da mesma arma, Antonio Joi-
quim Marques da Silva, autonso V. Exc, vista
das suas informaces na. 559 e 560, de hontem da-
tados, a eneeder-lliej baixad servico do exercito
medante substituto.
Ao cosselheiro presidente da relacSoTrans-
miti a V. Exc., para os fins convenientes, copia
das portaras dcsta data determinando a ordam
porque u i prximo anuo de 1887 se subatiturao oa
juizes dedireito e substitutos da comarca do Re-
cite.
Mutatis mutandis, Thesoraria deFazenda.
Ao Dr. Antonio Francisco Pereira de Car-
valho, presidente da provincia do Rio Grande do
Norte.Pelo offico, a que respondo, de 11 do cor-
rente, rico sciente de haver V. Exc. na mesma data
prestado juramento e tomado poaae do cargo de
presidente dessa provincia.
Aprsente a V. Exc. mea4 protestos de estima
e oonsideracTio.
Ao Dr. chefe de policia.Recommcndo a V.
S. que se informe sempre e traga ao meu conheci
ment explicacoes sobre quaesquor queixas ou re
clamacoes que apparecerem noa jornaes da pro-
vincia sobre actos das autoridades poicaes, fazen-
do acompanhal-HS das providenciad tomadas ou re-
clamando pelas que devam ser tomadas no inte-
resse da garantas ndivduaes e tranquilldade
publica.
Ao mesmo.Convm que V. S. providencie
para que, p >r intermedio do delegado do termo do
Cabo, eeja restituida ao preso Liurentino Vitalino
de Mello, a quanta de que alinde o seu oficio de
hontem datado, n. 1117, em falta do pessoa aqu
habilitada para recebel-a.
Ao mesmo.Sirva-se V. 8. demsndar admit-
tir i a fabrica de chapeos estabelecida na ra do
Visconde de Goyanna os orphios menores Manoel
dos Santos Fcrreira e Antonio dos Santos Ferreira,
filbos de Bellarmina Teixeira de Carvalbo, que os
apresentar, aos quaes, como lhe declarou esta
presidencia no oficio de 9 do correte cabem as
vantagens da classula 3a do contrato de 23 de Ju-
lho de 1880, exercida por esta repartilo a conve-
niente vigilancia a favor delles.
Ao inspector da Theiouraria de Faxenda.
Declaro a V. S. para os fins convenientes, que
auterizei o director do Arsenal de Guerra a man-
dar satisiazer o incluso pedido, por copia, de arti-
gos defardamento que, para seu uso. faz o alfe-
re3 do 14* batalhJo de infantaria Urcicno Au-
gusto Vilas Boas.
Ao mesmo.Consta do oficio, que em 27 d )
Outubro ultimo, dirigi a esta presidencia o juiz
municipal e de orphos do termo de Bom Conse-
Iho, have; requisitado que o respectivo collector
geral, Francisco Antonio Tavares, promovesse o
arbitramento dos valores dos esaravos admittidos
pelo dito juiz libertacSo pela 7' quota do fundo
Je emancipacao. em virtude das reclamacas per-
mittidas pelo art. 34 do regulamento de 13 de No-
vertbro de 1872, e que aquelle collector lUe de-
clarara limitava-se a confirmar os accordos fe-
tos rm 16 de Setembro, a respeito dos escravos
coustantes da classificacio approvada por esta
presidencia em 11 de Agosto, pretextando ha-
ver o mencionado juiz decidido taes reclamacoes
lora do praso legal.
Davidamente examinado o q :o expos essa auto-
rdade e os documentos por ella exhibidos, assm
como os que M l na copia remettida ao antecestor
de V. S. com o oficio de 2 de Agosto, e verden-
dose imprecedencia nao b das allegaces lo
cullector, inas anda dai raies que as determi-
naran], visto que este pretende libertai por coala
do Estado, um escravo seu, recommeod a V. S
exoe^a-lhe, com urgencia, terminantes ordena para
que satisfaga sem uemora a requisicSo Jo juiz de
iTphaos, constacte do officto que lhe dirigi em
25 da Outnbro, assegurando-lhx que esta presiden-
cia torna!-i-h. responaavel por qualquer impecilioa
pastos libertac&o, que dev r ter lugar quanto
antes.Remetteu-sa copia ao juiz municipal.
Ao iuape.-t.ir do Thesouro Provincial.Man-
de /me. escripturar no quadro da divida paasiva,
nos termos da iiiformicao desse Thesoun de 4 do
cxrrente, n. 244, a importancia d-- 68*>805 rs. de
vencimentos da pr f.-ssora publica de Malba da
Pedra, Amalia Prudencia Alvea Lima, relativos
i i im-z de O tubro do anno passado, visto acba-
am-se justificadas as faltas de exercicio por ella
dadaa no citado mez.
Ao mesmo. -Mande Vine, escripturar no qua-
dro da divida passiva, de accordo com a informa-
co d SOe T es 'Uro Co u i;uhcui.-,
d aoe T toare le 3 do oirent-, n.243, a
impirtineia de t65 dos itlugueis da casaperten-
cete a Antonio SimOes d* Almeida, e que serve
de quartel a guarda e^viei di freguoxia da Gmci
relativos ao r<-mpo deeorrido de Janere ao ultun
lo anno p.ass.rio, e de que t'ata o incluso docu-
mento
Ao m-sm LD i- riudo o reqoeriineoto a que
allui; a utir-mcao j'iut i, por c ipia, ministrada
boje pe!o engenh'iri cb-f- da liepartigo das
iihr h Pablieaa, reeomaeodo a Vina, que mande
\,**{ B J do C ima l'mt i Moreira a imporran-
cia i l.'W por elle vencida durante os metes d
Aga' a Outubro ultitni, no lagar deencarregado
do MrtieO meteorolgico a cargo da alludida Re
pa.ticao do qual loi ulti-namente exonerado.
Ao dinctor do Arsenal de Guerra.Mande
Vme. satUfazcr o incluso pedid de artigos de
fardamento que. para seu uso, faz o alferes do 14*
batalhao da infantaria Urcicno Augusto Villas-
Boas.C mm-aiicou-ae ao commandante das ar-
mas.
Ao inspector gsral da Instruccao Publica.
Concedo a autorisaco solicitada por Vmc. para
justificar as faltas de exercicio escolar doa pro-
fessores Jos Muniz Teixeira GuimarSes e Rufino
Demetrio de Souza, de que trata em seus officios,
a que espondo, na. 356 e 359, e 13 e 15 do cor-
rente mez.
Ao commandante di Corpo do PolicaFaca
Vmc. regresaar para o dstricto policial de P-
menteras, afira de reassumir o exercicio de sub-
delegado, o capitaj do Corpo de seu commando
Antonio Francisco Cordeiro da Mello.
Ao fiscal da Companhia Racife Drainage.
Daclaro a Vmc. para scu conh:cimento que nesta
data indeferi o requerimento em que o Dr. Este-
vio Cavalcante de Albuquerque padio isencao da
annuidade da apparclhos desaa Companhia na
casa n. 13 do beco do (juiabo, nos excrcicios de
1878 a 1879 era diante, visto que, do conformida-
de com a portara deata presidencia, de 19 de Ou-
tubro de 1874, estilo sujeitas contribuicSo da
animidades na forma do art. 18 da innovacao do
contracto de 18 de Deznmbro de 1865 as casas,
que g zanlo da isencao estabelecida palo art.
17 da dita innovacao p -lo facto de pagar m de-
cima inferior a 13J650 ao mesmo voltassem a
pagar decima inferior, tendo sido anteriormente
collcctada era quanta superior. Communicou-se
ao inspector do Thesouro Provincial.
Ao director dos trabalhos do prolongamento
da estrada de farro do Recife ao Sao Francisco e
estrada de ferro do Recife a Caruar. Sirva so
Vmc. de dispenaar, si a3sim o permttrem os tra-
balhoa dessa commissSo, o engcnhero Gustavo
Mirmoud afira de encarregar-se de servaos da
Colonia Isabel para onda o fara transportar op-
portunamente.
Portaras :
Para resolver sobre o asaumpto do oficio de
10 de correte mez recoramendo Cmara Muni-
cipal de Gamellera que ma rematta copia dos
termos de arrematacas de impostes.
O Sr. agante da Companhia Brasileira mande
conceder pissagem da r at a Parahyba a Celso
Columbano da Coata Silva Dor coata das gratui-
tas a que o governo tem direito no vapor que se-
guir para o norte a 20 do eorrente.
O Sr. gerenta da Companhia Pernambucana
mande transportar gratuitamente com passagem
da r at o porto do Macio no prime iro vapor que
seguir par-a 03 portos do norte o Dr. Vicente Si-
moes Pereira da Lomos.
EXPEDIENTE DO SEC'BETABIO
Officios :
Ao Dr. Gustavo Collaco F. Veras, secreta-
rio da provincia do Cear. Pelo offieio de 12 do
crrante mez tico inteirado de haver V. S. pres-
tado na misma data juramente e tomado pisaa do
cargo de sacretari dessa provincia.
Aprsente 1 V. S. maus protestas de estima e
considera eiio.
Ao agente da Companhia Bahiana. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda acensar
o recebimento do officicio em que V. S. participa
que o vapor Mrquez de Caxias chegado boje da
Baha e escala seguir para os meemos partos no
dia 22 do corrate is 4 horas da tarde.
Aos juizes de direito e substitutos da co-
marca do Recife De ordam do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia transmuto a V. S. para os
fins convenientes, copia das portaras deata data
determinan lo a ordem porque no prximo anno
de 1887 se subatiturao os juizes de direitos da
comarca do Recife.
EXPEDIENTE DO DIA 18 DE KOVEMBBO DE 1886
Actos :
O presidente da provincia, de couformidade com
a proposta do Dr. chefe de policia cm oficio n-
1122, de hontem datado, resolve comear os cda.
daos Antonio Jos da Rocha Braga, Jos Candido
Serpa e Amador de Aranjo Souza Gomes psra os
cargos de subdelegado, 1. e 2.* supplentes, na
ordem em que esto collocados, do dstricto do
Rio Doce, fregnezia de S. Salvador da S de Olnda,
creada por portaras desta data.Communicou-se
ao Dr. chefe do policia.
O presidente da provincia, de conformdade
com a proposta do Dr. chefe de poilca em oficio
n. 1122, de hentem datado, resolve c.ear mais um
dstricto na freguezii da S. Salvador da de
Olnda, o qual, coma dsnomnacao de Rio Doce
tera por limites os do Rio Tapado at a passagem
de Rio Djcc, tubindo pelo rio do Dratido at o
lugar denominado Boldo, e d'ahi descendo em
linha pelo Campo da Santa at encontrar nova-
mente o rio Tapado.
O presidente da provincia, de conformdade
com a proposta do Dr. chefe de polica em oficie
n. 1124 de hontem datado resolve nomear, a pedido
Jos Prente de Oliveira Firmo do cargo de 2.
supplente do subdelegado do 1. dittncto do termo
de Palmares, e nomear para subatituil o o cidado
Joo Felippe Nery Napoleo.
Officios :
Ao administrador do theatro do Santa Izabel.
Declaro a V. S. quo concadi hoje este theatro
a urna companhia franceta para dar um espect-
culo em sen proprio beneficio, na noite de 20 do
correte, metante a contribuido do estylo e
muitas despexas inherentes.
.Yutatia mutandia directora do theatro e ao
inspector do Thesouro Provincial.
- Ao inspector do Theaouro Provincial.Es-
tando em temos a inciusa conta, mande Vmc.
pagar a Fieldem Brothers, a quantia de 365890,
jru'veniente do gaz consumido aom a illuminiCiio
do jardim do Campo das Princezas no met de Se -
tembro fiodo. Communicou-se ao engeuhiro chefe
da repartida* das obras publicas.
Ao mesmo.Declaro a Vmc. em soluco do
seu offiaio n. 258, de 12 do crrente mez. que fica
approvado o contracto da locayao do predio per-
tencente a Vuipiaoo Jos de Mello para servir de
cadeia e quartel no povoado Barra de Jangada,
pelo precti de 10/000 mensaes ea contar do 1. dia
do mez de Janeiro ultimo.Communicou-se ao
Dr ebefe de polica.
Ao inspector de Hygiene. -Chamo a attenco
de Vmc. na parte que lhe disser respeito, para a
circular, constante da copia junta do ministerio
dos negocios do imperio, e recommendo-lhe a fiel
i bservancia da referida circular,
CIBCDLAB
A's cmaras municipaes.Chamo a attencao
da camari inuniipal de... na parte que lhe disser
respeito, para a circular constante do impresso
junto, do ministerio dos negoeios do imperio, e re
co mnendo-lhe a fiel observancia da referida cir-
cular.
Ao presidente da Cmara Municipal de Ga-
mellera Declaro a Vmc. que a ordem desta pre
sidencia constante do offico de 27 de Outubro
fin lo, refere-se son eute eleicao de juizes de pat,
que foi annullada pelo Tribunal da RelacSo, se-
gundo declaran o Exm conselheiro presidente
d'aquelle tribunal. Assim respondo ao seu oficio
de 10 do eorrente met.
Port .ras :
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar transp irte at a provincia do Rio
Grande do Norie, por conta da Ministerio da
ijuerra, no vap .r firapama, ao tenante Francisco
Vic or da Fonseca, que veio da corte, com destino
aquella provincia onde vai servir a disptsicAo da
resp.-ctiva presidencia, e bem assim a sna mulber
D. EIU* Seves da Fonseca e seus filhos Olga, de
nove annoi de idado ; Gastan, de sete ; Elvira, de
cinco, e Carmen, de dous.Communicon-se ao
commandante das armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar provincia do Rio Grande do
Norte, par conta do Ministerio da Guerra, no va-
por Pirapama, dous caixas, medimjo ambos 760
decmetros cbicos, tres fardos, pesando 283 kilos
e 500 grammas, dous caxotcs, medindo 49 dec-
metros cbicos, dous ggos contendo louoa de
bwro e outros artigos medindo 2463 decmetros
cbicos, urna cadeira de Jacaranda de bracos, seis
ditas de gnmica o, cinco lavatorios de ferro, urna
cravera"*?3 medir altura, tres enxadas com cabos,
dous cubos de madeira, duas jarras de madeira,
tres calieiras graides de ferro, urna dita pequea
de dito, dous banlieiros grandes de folha, quatro
caixas de retreta, um miinho da ferro para caf e
um torrador grande de ferro com 'foglo e cupnla
para torrar cjf, tudo com destino companhia
de infantaria e enfermara militar d'aquella pro-
vincia.Communicou-se ao director do Arsenal
de Guerra.
EXPEDIENTE DO SECBETABIO
Oficios :
Ao Io secretario da Assembla Provincial.
D) ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
transmiti a V. S., afim de que se digna da oppor-
tunamcute submctter' consideracao dassa Aasera-
bla. a copia inclusa do aviso-cucular n. 4687 de 30
de Outubro findo do Ministerio dos Negocios do
Imperio, relativo decretadlo de um subsidio para
a inanuteo-ao da alguna filhos desta provincia
que se achura uo caso de serem admittidos no in-
stituto ios zurdos mudoa da corte.
Ao Dr. Manoel da Silva Reg.Por conve-
niencia do servico publico rogo a V. S. de ordem
do Exm. Sr. presidente da pr vincia que se sirva
dispensar doa trabaihoa da actual tessao do jury
ao 1 oficial da secretaria da presidencia, Clemen-
tino Philomeno Iienriques de Souza.
Ao inspector do Thesouro Provincial.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda remet-
ter a V. S. 70 exemplares impresaos daa Icis pro-
vinciaes nnecionadas e publicadas no eorrente
anno, afim de seram distribuidas s collectona3 e
a esse Theaou-o.
Ao Consulado Provincial.O Exm. Sr. pre-
sidente da provincia mandar remetter a V. S.
para os fias convenientes, 8 ejemplares impresaos
as leis proviaci-es saneconadas e publicadas no
eorrente anno.
Ao 8r. Antonio do Reg Barreteo Pinho, 2o
supplente do subdelegado em exercicio do dstric-
to de Bizarra, termo de Bom-Jardim.Da ordem
do Etm. .Sr. presidente da provincia declaro a
V. S. qua nao ha que providenciar sobre o as-
sumpto de seu oficio da 10 do correte em vista
do que consta da informacao do Dr. chefe de po-
lica de boutem datado n. 1,123, inclusa pur
copia ;
Convem, out.o-sim, que V. S. se dirija ao mesmo
Exm. Senhor por intermedio do Dr. chefe de po-
licia.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Flo-
resta.De ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia communico a V. que j se providenciou
sobre o asaumpto do seu oficio de 17 de Outubro
finio substituindo-sa por outra a forca ah desta-
cada.
A' Agencia de Paquetes.De ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia aecuso o rece-
bimento do uffico de hontem na qual communica
haver chegsdo dos partoa do tul, s 6 horas da
u.aulia o vapor Para, tjto seguir para os do
norte hoj, i'j horas da tarde.
EXPEDIEStU DC DIA 29 DE KOVEMBBO DE 1886.
Actos :
O presidente da pro/inca, attendendo ao
que requereu o jnit de nireito da comarca de Ta-
carat, bacharel Jos Fiel de Jess Leite, resolve
conceder-lha tres mezes de licenca, com ordenado
integral, para tratar de sua saude, devendo entrar
no goso da referida liceno* no praso de quarenta
dias.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereo o guarda de Ia classe da Casa de
DetencSo Artbnr Hermes de Moraes e Silva, e
tendo em vista a nformacio do Dr. chefe de po-
licia, constante do offico n. 1116 de 15 do corren-
te, resolve conceder ao peticionario dous mees de
licenca, com o ordenado a que tiver direito, para
tratar de sua saude, devendo entar no goso da
referida licenca no prasi de quarenta dias.
O presidente da provincia, da conformdade
com a propesta do Dr. chefe de policia em offieio
n. 1127. de hontem datado, resolve nomear o ci-
dado Ernesto Ferreira Bello para o lugar de
subdelegado do dstricto de Jatob do termo de
Tacarat.
O presidente da provincia, de conformdade
com a proposta rio Dr chefe de polica em oficio
n. 1127, de hontem datado, resolve nomear os
cidadaos Joao Ridrigues da Silva e Alexandre
da Silva Leal para os cargos de Io e 2 supplen-
tes do subdelegado do dstricto de Jatob do termo
de Tacarat, em substtuico de Trajano Cesar
de Oliveira e Luiz Francisco Souto que nao ac-
ceitaram a nomeaco.
O presidente da provincia, tendo em vista o
despacho proferido no requerimento de Amalia
Prudencia Al ve > Lima, professor da cadeira de
ensino primario de Malhada da Pedra, sobre a
qual versa a informac?.", n. 337 de 21 de Outu
bro findo, do inspector geral da Instruccao Publi-
ca, resolve mandar passar a pre ente portara
concedendo peticionaria trinta das de liceuca
com ordenado, para tratar de sua saude oude lbe
conveir.
O presidente da provincia resolve nomear o
Dr. Antonio Venancio Cavaleanti de Albuquerque
para exercer o cargo de delegado litterario de
Gamellera. Communicou-se ao inspector geral
da Instruccao Publica.
O presidente d* piovincia, indeferindo boj*
o requerimento em quo Francisco Candido de Me-
deiros pede que, com elle seja contractada a con
struccao e exploracao de um caf Restaurante no
terreno existente ao sul do Theatro Santa Isabel
de cujo caf sao cessionarios Cunha 4 C.; consi-
derando vista da informacao prestada pelo Tne-
souro Provincial, em 19 de Outubro findo, que, se
acha esgotado o praso de dous annos estipulado
na clausula 1* do contracto de 18 de Agosto de
1883; considerando que pelos cessionarios CuDha
* C. nao tem sido effectuado servico algum que
demonstre o intento de levar a effeto a construc-
co do edificio de que se trata, resolvo considerar
caduco o referido contracto de 18 de Agosto de
1883.Remettertm se copias deste acto ao inspe-
ctor do Thesouro rtovincal e ao director da Re-
particao das Obras Publicas.
Officios:
Ao conselheiro presidente do Tribunal da
RelacSo do Recife.Sirva-se V. Exc. de provi-
denciar no sentido de ser ministrada a certido do
processo do reo Jos Joaquina de Ca/valho, que
interpoz recurso de graca da pena ce 14 annos de
priso simples, quo lhe toi imposta em 2 de Agos -
co de 1879, em virtude de decisao do jury desta
capital.
Ao Dr. chefe de policia. Declaro a V. S.
para os devidos effeitos e em resposta ao offico de
6 de Outubro ultimo, n. 976, que a irmandade do
S. 8. Sacramente da freguetia de Serinhaem com
pete exhibirlos attestados compr*batorios dos alu-
gueis da casa que serve de qnartel ao destaca-
mento de polica da mesma fregnezia, com decly
relo do preso parque fora contractada, afim de
poder esta presidencia resolver sobre o pegamen-
to de tal despeta.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Nos termos da sua informacao de 13 do eorrente,
n. 799, mande V. S. pagar ao superintendente a
Estrada de Ferro do Recife ao S. Francisco, a
importancia de 10J380 proveniente ds passa-
gens de que tratara as inclusas contas, cffectuadas
nos carros da mesma estrada, durante os metes de
Agosto e Setembro ltimos por conta do Ministe-
rio da Agricultura, Commercio e Obras Publicas.
Communicou-se ao superintendente
Estrada de Ferro.
Ao mesmo.Communico. a V. S., para os
fins convenientes, que no Io dia do eorrente oad-
junte Leovigldo Soares de Mello Avellins, assumio
o exercicio da cargo de promotor publico da co-
marca de Cabrob.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fins
couvenientes, que no dia Io do eorrente mez o ba-
chari-l;Lydio"AIerano Bandeira du Mello deixoi o
exercicio do cargo da promotor pnblcoda comarca
de Cabrob, por ter sido nomeadojuiz municipal
do termo de Januaria.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar in-
demnsar aos interesaadoa, depois de findo o praso
do art. 44 do regiment de 13 do Novembro de
1872, os valores de 21 casravos, constantes da in-
clusa relaci-, libertados em audiencia especial do
juizo de orphos, de 4 do eorrente, no munici uo
de Nazareth, por couta da 7 quota do fundo de
cuiancipacao.Commuoicou-sc ao juiz municipal
respectivo.
Ao mesmo. Remetto a V. S. urna relacao
el.a objectos embarcados cm Londres, no navio
Arrid, com destino a companhia Recife Drainage
c que me foi apresentada pelo respectivo fiscal,
com' offico de 15 do eorrente, afim da serera des-
pachados lvres de direito.Communicou-se ao en-
genheiro fiscal respectivo.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De-
ferindo a peticao, a que allude a informacao desse
Thesouro, de 10 do eorrente, n. 253, auteriao o pa-
gamento da quantia do 92166 que se ticou a de-
ver ao cabo de coneervacao da obras publicas, Ge
minian i Caetano Fernandes da Silva, fallecido a
20 de Setembro ultimo, cumprindo que para levan-
tar aquella quantia prove o peticionario Dr. Vi-
cente Ferrcr de Ba.rea W'.mderley, a qualidade
de tutor da menor Ubaldina, filha do referido cabo,
noa termos da citada informacao. O que declaro
a Vmc. para os devidos effeitos.
Ao mesmo.=Approvo a arrematacio feita
por Jos Elias da Oliveira do fornecimanto de al-
mentacao o dietas aos presoa pobres da Casa de
Detencao, relativo ao trimestre que finda em De-
zembro viodouro, a razo da 420 ris por diaria,
sem abate algum attento o augmente da3 racoes
estabelecidas as novas tabellas em vigor.
O que declaro a Vmc. para os devidos effeitos
e em soluco ao exposto no seu offieio de 11 do cor-
rente, n. 256.
Ao mesmo.Recommendo a Vmc. que f ;ca
organiaar urna relacao de todos os funecionarios
dependeutee ;deasa reparlieSo, que por qualquer
titulo recebem vencimeutos dos cofres pblicos,
com a data de sua nomeac) ouadmiss: ao ser
vico, le ou regulamento qua o autorisou, exercicio,
vencimentos, ordenados, porcentagens, gratifica-
cues ou salarias
Mutatis mutandia ao inspector geral da ins -
trueco publica, ao director da Escala Normal, ao
regedor interino do Gymnasio ernambucano, ao
engeiiliciro director das obras publicas, ao3 admi-
nistradores do Consulado Provincial e Casa de
Deten, o cao director da*Bibliotheca Publica Pro-
vincial.
Ao mesmo.De confermidade coma requi-
sicio do engenheiro chefe da Reparticao daa
Jbras Publicas, em offico de 11 do eorrente, sob
n. 208, mande V nc. entregar, com urgencia, ao
thesoureiro daquella reparticao a quantia de
1:8002000 para a construecio de um passadico pro-
visorio sobre a cambo a dos Arrombadoa na estra-
da de Olnda, attento o pergo que offerece a
ponte que alli se acha, aproveitaudo para essa
obra o material existente, coja despeza dever
correr por conta da consignacao do 30 do art. 1
do ornamento vigente.
Ao mesmo.Ao gerente da companhia Bra-
ailian Street Ralway, mande Vmc. pagar por con-
ta da verba Eventuaes, do eorrente exercicio, a
quantia de 444800, conforme os documentos jun
tos proveniente de passagens dadas nos carros da
estrada de ferro do Recife ao Caxang, no mez de
Setembro ultimo, a requisito de autoridades po-
liches e na falta de passes gratuitos a que sa re-
ferem os accordos de 20 de Janeiro de 1877 a 9
de Julho de 1878. Communicou-se ao engenheiro
fiscal respectivo.
Ao engenheiro director da reparticao da3
Obras Publicas.De accordo com a proposta de
Vmc em offieio de 11 do eorrente sob n. 208 au-
toriso-o a mandar fazer um passadico provisorio
sobre a camboa dos Arrombaios na estrada de
Ol'nda para o que ser aproveitado o material alli
existente, providenciando, desde logo, acerca da
suspensao do transito de vehculos para evitar de
desastres.
Outrotim, nesta data ordenei o inspector do
Thesouro Provincial a mandar entregar com ur-
gencia ao thesoureiro dessa reparticao a quantia
do l:800f para a construeco do dito passadico,
cuja despeza correr por conta da consignacao do
30 do art. 1- do orcamento vigente.
Ao mesmo.Determino a Vmc que faja or-
ganisar um quadro de todas as obras publicas
provinciaes autorisadas e sem andamento, com de
clarac" das verbas em que foram oreadas e mo-
do pelo qual estilo sendo executadas, se p r arre-
matando ou admiaislraco, com declaradlo da le
ou ordem do governo em que se fundaram.
Ao i ispector geral da Instruccao Pnbliaa.
Determino a Vmc. que faca organiaar um quadro
de tedas as cadeiras de instruccao publica provin-
cial, primaria ou secundaria, por municipios e tre-
gneziHS, declarando a le que as creou, data do
provimento e exeicicio dos professores, numero
alumnos matriculados e trequentes e vantagens
dos profesBores, consistente em vencimentos, apo
a-'nt*cio, casa de escola, movis e utensilios.
Ao engenheiro fiscal da c ouop .nhia Recife
Drainage.De acc>rdo com a informacao piesta-
da por Vmc. em 9 do eorrente, nesta data deliro o
requerimento de Mana Jovita de Barros Wander
ley autorisando a suporeaso de um dos dous ap
parelbos existentes no 2- andar e soto do predio
n 15 da ra da Imperatriz, a c ontar do prximo
semestre vindouro em diante.Communicou-se ao
inspector do Thesouro Provincial.
__Aos membros da junta classificadora de es-
cravos do municipio da Gloria do Goit.Appro-
vo a nova classificaca i dos escravos libertandos
p..r conta da 7* quota do fundo de emaneipacao, e
annexa. por copia, ao offieio de Vms. de 10 do
orrence, hontem recebido.
Outrosioi determino que, findo perante o juizo
de orphos fi praso do art. 34 do reg. de 13 de
Novembro de 1872, o qual dever correr da d-t,
em que for ah conhecdo o acto da approvatAo
piomova o agente fiscal, membro dessa junta, al
btrara-i.to dos valores d'aquelles que tiverem de
ser alforriados, na forma do art. 37 do regula-
mento, tendo na maior consideracao 6 diuposto na
ordem circular do Thesouro Nacional de ID de
Julho do 1883, alludida na circular do inspector
.ia Thesouraria de Fazenda de Sr2 de Julho deste
anno, sob n. 20, porquanto, segundo o % 7' do
art. 3- da lei n. 3,270, de 28 de hetembro do anno
passado, coatinuam aquellas diligencias t o eo-
cerramentoda nova matricula, alm deque os pre-
cia da tabella do 3- do art. 1' da cita la le sao
os mximos permittidos para a matricula, mas nao
firmara direito a inderanisaco, em absoluto.Re-
metteu-se copia deste offico ao juiz municipal do
termo indicado.
Portara :
Determino a cmara municipal d>- Iogaznra
expeca as devidas commnoic-epes e d as
da mesma
t EXPEDIENTE DO SECBETABIO
Offico: T3 .
Ao Dr. juiz do direito do 2- dstricto crimi-
nal da comarca do Recife.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, communico a V. _S.
que no seu offieio desta data exarou-se o seguin-
te despacho :
Ao Sr. Dr. chefe de Djlicia para satisfazer a
requsico .
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DU 5 DE
DEZEMBRO DE 18t6
Anastacio Jos de Azcvedo, Bemvnda de Sor.-
za Castro Fetoaa e Mara das Nevcs Guimare.
Aguarle o concurso. ,
Amelia Mara da Conceieio Ramos.Satisfac
o disposte no art. 161 jj 3o do regulamento de 6
de Fevereiro de 1885.
Abaixo assignado de moradores e proprietarioi
do lugar Feitosa. Deferido nos termos da pro-
posta do gerente da estrada de ferro do Racife
Olmda e Beberibe.
Artbur Octaviano da Silva Ramos e Jeo Chry-
sostoma de Mello Cabra!. Nao consta oficialmen-
te a vaga a que se refere.
Emiliana Mara da Conceicao. Iuforme o Sr.
Dr. juiz de direito das execufoes criminaes do
Recife. -
Bacharel Eduardo de Barros Falco de Laeer-
da.Informe c Sr. commandante da corpo da po-
licia.
Francisco Affonso de Oliveira. Nao compete
ao governo o que requer: nos termos do art. 141
do regulamento de 13 de agosto de 1881.
Francisco Antonio Te xeira de Albuquerque.
Iuforme o Sr. inspector do Thesouro Provincial
ouvindo o Dr. procurador fiscal.
Geneso Libania de Albuquerque Monteiro.
Nao pode ser attendido em vista do art. 104 de
regulamento de 6 de Fezereiro de 1885.
Jos Antonio Teixeira Machada.Sim, pago c
porte pelo supplicante.
Jos Rufino de BarrosProvidenciada.
Jos Amando da Cunha.D-se.
Bacharel Joao Baptista Rigueira Costa.In-
forme o Sr. inscector do Thesouro Provincial, ou-
vindo ao Dr. procurador fiscal quanto ao direito.
Luiz Antonio das Cha gas Cravero e Manoel
Rufinojlos Santos. Deferido com offieio ao Sr.
brigadeiro commandante das armas,
i Mara Senhorinha da Silva.Nc- est vaga a
cadeira a que se refere.
Manoel Francisco de Souza.Informe o Sr. Dr.
chefe de'policia.
Rodrigo Jacome Martina Pereira. Confirmo c
despacho de 29 de Setembro findo. Estando em
vigor, nos termos do art. lo da lei n. 1522 de 1861
e artigo nico da le n. 1682 de 1882, o disposte
no art. 5 da lei n. 683 de 5 de Maio de 1866, sea
restriccoes, integralmente; e mandando este ar-
tigo coatar os servicos dos empregados provin-
ciaes que do direito gratificacao, segundo esta
Id, segue-se que para a gratificacao nao se coa-
tam servicos seno de empregados devidamente
provisionados (art. Io da mesma lei) embura'para
a apo8eutadoria nao aconteca o mesmo, computan-
do-se at servicos sem ttulos de noineaco em
reparticao publica provincial ou geral, )art. 54
d. lei n. 1179 de 1875 e 41 da tei n. 1860 de
1885). Se para contagem do servico e do tempo
para a gratificacao a lei mais severa do que
em referencia s aposentadorias, e se nisso ht
defeito, qualquer que elle s ja, defeito da lei,
que nao compete ao interprete, ou a quem execu-
ta corrigir, ampliando favores de um caso para
outro differente.
Thomaz de Aquino Silva Loureiro.Prejudi-
cadt, v.sto o supplicante nao ser operario do Ar-
senal de Guerra.
Capitao Benjamim Am3 Jos da Fonseca.Sa-
tisfaca primeiramente o que est determinado nc
art. 45 do decreto n. 1730 de 12 de Marco de
1853.
Delphina do Nascimento Dantas.Informo o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Fielden Brothers. Informe o Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
Ignacio Marcolino Bezerra do Amaral.-Nesta
data determino que o supplicante fique aggrega-
do ao 11* batalhao de reserva da gualda nacio-
nal das comarcas de Olnda e Iguarass, e que
lhe seja pasaada e entregue a guia de que trata o
art. 45 do decreto n. 1130 de 12 de Margo de 1853.
Outrosim, aprsente o snpplicaute na secretaria
desta presidencia a sna patente afim de ser apos-
tillada.
Joe de Alcntara Velho Barrete Passe por-
tara designando o 2o batalhao de infantaria do
servico activo da guarda naeional da comarca de
Recife para o supplicante ficar a elle aggregado.
Jos Marques Ferreira Leal. = Passe portara
designando o 4 batalhao de infantaria da guarda
nacional da comarca do Recite para o supplicante
fiar a elle aggregado.
Marcionilio da Cunha Machado Pedroaa.In-
forme o Sr. regedor interino do Gymnasio Per-
nambucano. .
Manoel Duarte Pereira.Passe portara desig-
nando o 1 corpo de cavallaria da guarda nacio-
nal da comarca do Recife para o supplicante ser
a elle aggregado. _
Bacharel Vicente P reir do R-go.Informe e
~r. inspector da Tcesouraria de Fazenda.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 7 de Dezembro 1886.
O porteiro,
Franceiino Chacn.
que
providencias 4o estylo, afim de que s proaeda na
dia 22 de Janeiro de 1887 a eleico para junes
de paz dos districtos de S Pedro S. Jos, visto
ter sido anuullada pelo Tribunal da Uelacao do
Recife a que alli teve ltimamente lugar, segundo
declarou a esta presidencia o Exm. Sr. couanhe-
ro presidente d'aquelle tribunal em offieio n. 2,652
de 8 do correte mes.
Commando das Armas
QABTEL GENERAL DO COMMANDO DAS AS-
MAS DE PERNAMBUCO, EM 7 DE DEZEM-
BRO DE 1886
Ordem do dia n. 139
Tendo se aprestado hont-m a este quartel
g neral. viudo da proYucia do Maranho, por ter
sido transferido do 5." hatalho da infantaria para
o 2. da nnesma arma, o Sr. capitn b eliciano
Xv r P: ...re Jnior; assim o faco consta guat-
meo para os fin* convenientes.
( Assigoa.io ) -O brigadeiro Agostmh*
Marques de S, commandante daa armas.
(Conforme) -O tenente Jonquim Jorge
de Mello Filho, ajurtaate de ordene inte-
rino eencarregado do detalhe.
Reparli Seceso 2*N 1192.-Secretaria da Po-
licia de Peroaiubue.o, 9 de Dez"iubro dt
I86. lili, e Exm. Sr. Partecipo a V,
Bxc. que fora.u re mlhi los Gasa de De-
tenudo os aeguiutes individuos :
No dia 7:
A' uiinba ordem, Tertuliano Marques daa Cbs-
gas, Pedro Juli.> Bargas, Mano.-l Antonio Correia,
Terenei.i F.-rnanJ >, Francisco P-rrera Gomes,
Jos JuaquMi Ferr ira. Valerio Fen.ira dr Abou,
Manuel do V.lle, Joao Albino I 'liv ir-.. Ber-
tb.il.no de Oliveira .Santos, Tboinaz Je Aquine
Torres G-mea e Jun Albino Pitanga c m.i sen-
tenciados viudo '! corte com d stiue. <" presidio
do F mo alienado at i)u ^ le iha d at... onvei.'- te.
A' ordem lo aulirlegad.i d i Ree fe I s Joi
G >m-8, pur diiiui bius.
A' '.rdeui do do 1" dutrictei J Jos
Ani ni. de Paula; p r embriaguez e uso le armas
defetas.
A' ordem do du diatrict.. Mu .-I, .. -itwdfl
t
*f~ ttlfctif ""^
1 iami


Diario de PernambncoScxta-fcira 10 de Dezembro de 1886

J
f
JMi Mara*. All m
Medie 8:
A' ordcm do subdelegado do Reetfe, Utas es1
oes da Silva, por diturbios; Jos Ramos, por
iagnei; Jos Francisco do Nascimento e s|a-
__ I Jet, come vagabundos.
A'oidem do do 2' distrieto de 8. Jos, Manoel
lio dos Santos, conhecido por Santinho, par
rbios; e Climaco Leopoldo Franca, per em-
avsagaez e distarbu s
Eos officio de 3 do corrate, communieou me o
delegado de Gra"at, que no dia 30 da mes pas-
aade, foram presos etn llagrante pelo aabi*eleg%*io
de-1* distrieto daeuetio teraao, Pedro Ljean Ir* 4o
Bago, por crime da tarto de eavaues ; Estas Oro
seta da Sirva, por arae de tarto de gado.
i A us na aatoridade cari* o inquerito e proee
it nos tersos da leL
Bontem, as 3 e taea karsts da tarde, aa raa do
oapicio, travarnaa-ae de raxoes e etn seguida lu-
Tanm Aderio Elisiarie de Franca e Estevas d~.
a), einhecido por Can golfea, resultando sah'r Ade-
o-ferido com duas tacadas.
O effeosor evadise e o off.ndido foi recolhido
a hospital Pedro II, alim do ser tratado. Da vis-
i procedida pcloaA)rs. Belchior da Gaia Lo-
e Augusto Coeiho Leite, recouheceu-ee serem
res os ferimentos.
O subdelegado do 1 distrieto da respectiva fre-
na abri o saqaerto. -
Dlus guarde a V. Exc. Ulan. Exra.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, milito
lEgno presidente da provincia. O chefe de
ajaaicia, Antonio Domingos Pinto.
DIARIO DE PERHABBDCO
BCIFE, 10 DE DEZEMBRO DE 1886
'focJa do Pacifico, Rio da
rata c sul do imperio
O paquete americano Adoance, entrado lir otem
a sal, trooxe as seguintes motadas cas que cons-
{ da rubrica Interior :
racimeo
Ka orte foi publicado este teiegramma :
Santiago, 2 de Oeaembro :
O novo ministerio apresentou boje s cmaras o
na programla.
o interior seguir urna poltica liberal, mos-
tm* at-ha rigoroso observador das leis existentes,
t>rsJorcar-se-ha para estabelec-er seria fiscal isa-
~o na admiaistrac&s dos dinbeiros pblicos.
Bio da Prata
Ftrem publicados na corte os seguintes tele-
Mcotcvdo 30 de Novembro :
O general Mximo Santos embarcou hontem, s
- Bnras da noite, n > paquete Nord Amrica, da
oaatpanbia italiana La V=locc.
BUeaos-Ayres, 30 de Novembro :
F*a exptosio a caldeira de urna machina a va-
ya* aa fabrica Tirewords. O accidente deu-se
vado todos os trabalhadores estavsm as ofli-
aaais. Foram victimas dosmetro o uvtchioiata e
Jase tperarics ficando inais cinco gravemente fe-
Os prejnizes matTncs sao consid-raveis.
__ II je nao ae notou diminu;...' sensivel na
saidamia.
Boatevidj, 1 de Dseembro :
Sao h >uve neuhumamanifestaciU depois do en-
anaae do general Santos. A situacio sanitaria
aaetina a ser boa. O coinmercio empenha-se
aavamcn'e junto o governo para que seja levan
jada a prohtbicio da mportacio no Brasil de car-
xa provenientes da Repblica Oriental.
Buenos-Ayres, 1 de Dezembro :
Motn se pequea diminuidlo na intensidade da
Bsttesna. A popnlaclo vai creando animo, vendo
me o flagello nao toma incremento.
Ha capital e numero dos bitos, as ultimas 24
, foi de nove, hayendo apenas alguna casos
No Rosario la i le cora n 27 pesco? s, e em
ra cinco.
Mea tu video, 2 de Dezembro :
Dea-so hontem noite, no grande theatro desta
saade, urna magnifica representlo de gala, cujo
ajasaaeto destinado proporcionar aos exiladas
jafliii mi os muios de voltar patria.
A tunelo foi brilhante e muito concorrida, as -
bocio a ella o presidente general Tajes, os mi
atice e 03 prncipaea cheles militar), e grande
ante do corpo diplomtico.
" As disseneoes polticas vio se acalmando e asi
Maqin sanitaria contina p:rfeita.
OCDOS-Ayrea, 2 de Dezembro :
A epidemia contina a fazer victimas, sendo
jotavel a diminuieio.
Ma eidade os casos ivos foram oito, sendo setc

KSisario deram-so 25 casos e 19 bitos.
Era Cordova houve nove casos e seis mortes.
Mee ontros lugares atacados deramse tmente
je bitos.
Buenos-Ayres, 3 de Doxembro :_
A epidemia contina a fazer victimas, porm
asas menor intensidade.
Ka eidade morreram oito pessoas sobre 16 ata
encava, no Rosario houve 23 casos e 18 cbitos, e
as Cordova deramse 'J casos e 5 mortes.
Paran
Satas at 24 de Novembro :
O Dezeuove de Dezembro de 19 do paasado di a
araatnte noticia :
Ponos hontem sorprendidos pela fatal noticia
aa ter sido brbaramente assaasinado, na casa de
3sa> residencia, no bairro Capiru', distrieto de Vo-
Humiili o Sr. Joao Francisco Antuoes, juiz de
nae em exercicio daqnelle distrieto.
. Nao temos os pormenores do triste acontee'-
-> ; mas, pelas informacous dadas por um in-
i lijan nn Dr. chefe do polica, cuneta que apenas
tawa-se em casa, alm da victima, um eseravo
^nrando, de cuja linguagem gesticular apenas
aoMige que foram dous os assacsinos, e que,
do, a chamado do eseravo, chegaram os vizi -
i j cata va consumido o monstruoso aasassi-
M. Panlo
Datas at 3 de Dezembro :
O machinsia da estrada de ferro Bragan-
cSaar Manoel Quintas foi victima, a 25 do corren-
Jtrie um desastre que poda ter-lhe-sido fatal.
Debrucundo-se na locomotiva para observar a
fiaae, entre as estacoea do Tanque e Aribaia, foi
azambado por um poste telegraphico, produzindo-
Ikr am ferioiento grave na cabeca, atordoado com
3 pancada, cahio, rolando pelo aterro abaixo. E'
0>*egnudo desastre de que elle foi victima, e, o
qac mais, do m;smo modo e peb mesmo mo-
ja.
Sobre um desearrilhimcnto havido entre as
eatates de Cerquilbo e Baetuv.i, na estrada de
Mata SoYocabana, escieveu o engenheiro fiscal
MxVea de Pinto Lima ao Crrelo Paulistano o ee-
ymate :
Com effeito, houve no domingo um descarri-
Muairnti de seis wagi.-s carregados e um vasio.
Ms>Migar onde deu-se o accidente termina-se o
aeitre e o guarda desaparten 03 freios dos w.i-
Ss antes que o macbinists o fizesse com o brexk
toeomotiva, oceasiouando o choque que produ-
descarrilbamento dos wagoes.
A este tacto attribuo a nuica causa da acei-
Jajte, por sso que a linha acha-se em coadices
jagalares para o trafego.
Posso garantir a V. que nao ficou ferido um
lpassageiro, pois Uve informafes minuciosas,
at da administraclo, quer de passageiros, que
saaasram naquelle trem. Devo cambem dizer a
TLanc nao tombou nenhum doj wagoes como atSr
aaaaiao Diario Mercantil.
Domingo ultimo, no bairodo Jaguary, mu-
aaio de Campias, nm oseravo do fazendeiro
tHhniri- Piras d'Avila asaassinou o feitor, suici
oWdo-se em seguida.
Em trras da fazenda do Sr. Paula Vianna,
tipio de Campias, foi descoberto um arran-
ento de quilombolas com capacidade para
l pessoas, mais ou menos.
JToi preso um quilombola all cncoctrade, tor-
ado se necessario o emprego da forca, visto
a elle oppuoha tenas resistencia.
N > da 1 ao meio dia, em urna da* salas do
i d) governo, o Sr. presidente da provincia
taotiega de 25 cartas aos professores que con-
. o curso da Escola Normal.
Refere o Diario de Sorooaba :
Na noite de domingo ultimo desencadeou-ss
atare esta eidade fortiasima tempesta de acompa-
aiuda de lgubre cortejo de faiteas elctricas e
da pedias de tanaanho regular, que, inf--rmara-noi
BjBMram nao pequeos estragos. Arvores abai-
jo>aaros, pequeo* Uilbeiros, etc.
Nao sabemos positivamente o que tenua cau-
sado i lavoura. <
Ogarrotilho e outras pestes teem causado gran-
tMaarejuioa no municipio do Quarehy e parte do
6>Bonito.
* poicos morreen de am pac* nutro momento
ai* estes aniaiaea os qae a peste ataca de pre-
ferencia.
As fdlhas publicadas 3 aa capital refere
que ja esta completo o capital necessario (40:000 j)
para o levantamento do um theatro no Astparo.
Chamar-so-ha Theatro Jlo Caetano e ser edifi-
cado no larga de Santa Crui.
nio de Janeiro
Datas at 4 de Dezembro :
As principaes noticias constan) da carta do nos-
so correspondente, puplicada na rubrica Interior.
LeuMM ao Jorml do Commero de 2 :
O Sr. rnntrianini Prado reuiio hontem a 1
ora da tarae aa secretaria da agricultura a com-
miaalo eie:tiva do Club de En^enharia, noinea~
da para orgtaiaar a sseclo brasileira de traba-
Ihos de estradas de ferro, destinada expotico
in:ernaoiosal, qae deve realiaar-so en Parit em
1887 para celebrar o 50* auniversarlo da iatro-
ducc2o das estradas de Ferro cas Franca.
Presentes 17 meinbrot S. Etc., presidente da
dita commisslo, convido o Sr. Jote Carlot de
Carvlho para oceupar o seu lugar de secretario
geral c declanu inaugurados os trabalbos.
O Sr. Dr. Mello BarretJ, fez a expoticio dos
motivos que levaran) o Club de Engenharia a
aceitar o convite de representar o Brasil na ex
poaiclo projectada e as li^inaia festaa que se de-
vem realizar em Pariz no auno do 1887 para re
cordar a mais notavel melhoramento introduzido
na industria do3 transportes terrestres Expoz
igualmente a razio que teve o club para escolhV
o Sr. ministro da agricultura para presidente da
commiasao executiva.
O Sr. conselheiro Prado applauaio a iniciati
va do Club de Engenharia ; agradeceu o ac'o de
c.irtozia pira ejin a primeira autoridade do mi-
nisterio das obras publicas c deelarou que com-
misaito do Club seriam proporcionados todos os
meio--. para que a sua tarefa fossa bem succedida
e o Brazil dignamente representado no concurso
internacional de 1887.
O Sr. Jos Carlos de Carvalho, em seguida,
apresentou a correspondencia recebida do commit
de Pars, e propoz que te organisasse nesta corte
urna expusiclo previa dos trabalbos que deverlo
torinar u scelo braeiloira.
Q< Appr >vad esta proposta, abri se a discus-
sao sobre o programma que deve ser adoptado ; e
fizeram diversas indicacos os Drs. Pereira Bar-
ros, Ewbank da Cmara, Mello B .rreto e Batim
Pacs Liuic.
O Sr. Dr. Frontn requeren que aorgani-acao
do programma fosse confiada a uir.a commissSa de
tres meuibros e depois submettida approvacuo
da grande commissao.
Vencida, por unanimidade, esta indicacSo, o
Sr. Dr. Mello Barreto propoz foi apprcvadoque
o Sr. presidente designasse os membros que de-
veriam constituir a commissao.
O Sr. conselheiro Prado uomeou os Srs. Drs.
Mello Barreto, Ewbank da Cmara e Jos Carlos
de Carvalho.
O Sr. C.rvalhi pedio qnJ fosse substituido
pelo Sr. D.\ Parreiraa Hurta, por conveniencia de
ordem suoerio.- pan objm e prompto andament)
dos trabalii )3.11 no/a comiciasl i. p)r isso que pela
directora d > Minut-no Ja Agricultura a carg> de
S. S., teriam daserexpjdidasqusi todas as orlens
e a amamlimiit comas adininistraoisdas es-
tradas d^ tcir) d> piiz.
('. r.ii;i"n'e 'iMn 1 reunilo. alen dos referidos
enhores, oj engonlioiros Uoekrane, Texeira Soa-
res, Rrlenak-r, Libsrall, Bicalho, Manoel Mara
do Carvalho, Miguel Lisboa, Parreiras Horta, Mor-
sing, Moraos Jardn e Campos Mello*
Le se na miaran f >lha de 3 :
H mfein. inlvorsario nitalicii deS. M. o Im-
perador, hjuve Te-D'im na capel la imperial. Su
guio-se o cortoj > no pac) da eidade ao uual coji-
pareceram o ministerio, o corpo diplomtico, c-
mara municipal, senadores, magistrados, olfi^iaes-
generaes c superiores da armada e exereito, eom-
maudantes a ofioiaea dos corpos di guarnilo e
do3 navios de g.trra, ch.'fes de reparticojs, diver-
sas commisa M o grande numerj de possots gradas.
') Sr. internuncio apostlico proferio, por par-
te do cerpo diplointico, o seguute discurso :
Senh-ir -So em urna resee vagem, urna pro-
vinoia inteiri test-Java com o iniior enthuaiasm)
vosta presenta all, hije o imperio todo que te
rene em redor do vosso tLron > para celebrar o
aoniveraario do nasciments de Vosaa Magosta lo.
Isto acontece quando a vida do soberano tem
tido inteiramente consagrada ao b:m do seu povo,
porque ontio sobre o mesmo terreno se encontrara
at altas qualidades, as continuas solicitudes, a es-
tima universal da um com o espirito de ordem, a
gentileza de carcter e o amor de outrr.
Seahor, voasos cincoenta e cinco anuos de
reinado disto sao evidente testeraunho e o corpo
diplomtico, associan l:-33 como de costura? as ale
grias de Vosea Magestade, di familia imperial e
do pas vem hoje a vossa augusta presenea com
um duplo fim, felicitar a Vossa Magestade pelo
feliz auuiversirio di vosso nasciinento e fazer vo-
tos para qae a volta desta soiemoidade se renov
anda durante longos annos, pira vosaa gloria e fe-
licitado do imperio.-
Fez n guarda de honra no paco imperial urna
forca do 7 batalhlo do intantaria.
Salvaran) ss fortalezas e os navios de guerra
embandeirarara em arco.
A' noite iiluminaram-se os edificios pub coa
e alguna particulares, destacando-so entro estes o
eseriptorio da Companhia do Haz, cuja illimina
el) era de bello effeito.*
Com a asistencia de Suas Mag alados e Al-
tezas, estando presentes 09 Srs. ministros de Por-
tugal, das Repblicas Argentina e do Chile, se-
cretarios addidos das respectivas legaces, aena-
d ir Corroa monsenhor vigario geral do hispido,
goneraes de mar e trra, fuoccinaros pblicos e
grande numero de senh ires e senhoras,realizou-sc,
hontem, a stima festa da libertacio, promovida
pela cmara municipal, com os donativos para o
Livro de Ouro.
Depoij de execotada pela orchestra urna oa-
vertura de Auber e obtida a imperial venia, pro-
nunciou o presidente, Dr. Pereira Lopes, um dis-
curso anlogo ao acto.
No discurso, diste o Sr. presidente que, alm,
da festa da liberta cao, a Cmara deliberar solem-
nisar o anniversario natalicio de Saa Magestade,
creando urna escola municipal na treguezia do Ja-
earpag'i com a denominaclo de Nossa Senhora
da Conceica.', pedindo venia Sua Magestade
para declaral-a inaugurada.
Seguio-se, por S. A. Imperial, a entrega
de 50 cartas de liberdade, sendo estas a presen-
tadas pe'o -'r. Dr. Costa Ferraz e os libertando!
pelo secretario da commisslo, o Sr. -los Saturni-
no da Costa Pereira. Durante a entrega, canta-
ran) as alumnase adjuntas das es olas municipios
o Hymno da Liberdade.
Em seguida levantan o presidente da Cmara
diversos vivas, qne foram muito correspondidos e
ao som do hymno nacional concluio-se a telemni
dade.
Suas Majestades e Altezas e grande nunero
das pessoas presentes assignaram o termo lavra
do no livro, especialmente creado para estas so-
lemnidades.
Suas Magestades foram recebidas entrada
pela Cmara Municipal encorporada e por ella
acompanbadas tahida.
Na escada formavam alas *s alumnas das es-
colas municipaes, sendo o estandaite da de S.
;ih,ristovio guardado por quatro meninos elegan-
temente uniformisados.
as sete testas da Cmara Municipal foram
libertados 750 eteravos.
i No tagulo tocaram duas bandas de msica,
fazendo urna forca de linha a guarda de honra junto
porta do edificio, e dando as salvas do estylo um
parque de artilharia collocado em frente ao qr.artel
general.
L se na mesma folha de 4 :
O Sr. ministro do imperio recebeu hontem, s 10
horas da noite, o seguinte teiegramma do chefe do
tervico sanitario do Lazareto:
a Estamos com o porto cheio de embarcares
em quarentena. Tem-se feito o postivel para que
o servieo nlo se atraze. Nao ha a menor novidade
no mar nem em trra. Tem se prestado ao gene*
ral Santos todos os obsequios compativeis com o
regulameuto. Mantenho com o maior rigor o so-
lamente das quarentenas, podando garantir a V.
Exc. que neate particular o servieo perfeito.
Pretendo embarcar amanhl no Rio de Janeiro e
Rio Negro os immigrantes para as provincias do
al.
< Fallecen hoje no pavilhlo de 3.* classe urna
ciianca, de coqnelache, e ha na enfermara cinco
dientes de molestias insignificantes. Tudo tran-
quillo.
Datas at 6 de Dezesnbr o:
Lemot na Diario da Baha de 5 :
Hontem ao meio dia, na occasiao em que, de-
pois de ter sabido o elevador, encaminhava-te
aosso di tinelo anigo Dr. Valentim Bittencourt,
taesoureiro da altandega, para a secretaria geral
afino de entregar a somma de 197:551/774, rendi-
sBftt da semana que era conduzdo'em urna lata,
sahio-lhe ao encontr um homem de cor parda, que
procurou apoderar se d'aquella quaotia.
Este individuo, que esta va montado em um ca-
vallo, esporeando o animal deitou-o contra o car-
regador que trazia, derrubou-o o apederando-se
d'ella quiz condnzil-a, o que felizmente nao conse-
guio por ser ella pesada.
M'essc momento approximou-se o Dr. thesou-
t-eiro e lancou se contra o aggressor, que fugio pela
ra doTua-Chapo.
" Immediatamente o digno funecionario fes na
repartilo competeate a entrega integral do di-
oheiro e dirigio-ae depois ao Sr. conselheiro pre-
sidente da ptviaeia, a quem expoz o tacto e p3-
dio proTianaris, basa como ao Dr. chefe de poli -
esa, que as cehaam em palacio, e em seguida
ao Dr. desatado, a quem relatos lambem o occor-
rid.
No aaaaado paesado aquello inesno iulivi
os, taassen montado, procurou eib*rrar contra
o conductor da lata facto que passou qnasi des-
percebido, e que foi attribuid) pelo Dr. Valentim
circumstancia de nlo ser o individuo bom caval-
leiro.
Narrando -a occnrrcncia de hontem, que
realmente grave, pedimos s autoridades compe-
tentes ftevideacias ue sealo de Ber a enadiiecao
do dinheiro da alfaudd^a para a thesouraria feita
com seguranca, de modo a impossibilitar o ex:to
de qualquer tentativa de roubo. *
Escreveram de Caeti' em 10 de Novembro
mesma folha :
No dia 11 do correute mez de Novembro, no
lugar denominado Brejinho, freguezia das Unbu-
ranas, deste termo, Sabino Perein>do Nasei-
mento, acompanbado de uutros individuos, nsul-
tou publicamente o paire Antonio Joaqnira de
Goes, que all tinha ido exercer fuuecoe9 do seu
ministerio e promoveu disturbios que assustaram a
populacio.
Na tarde sVacte mesmo dia, Sabino, sua ama
sa Carolina e os de. sen grupo assassinaratn com
tiros de arn-a de fogo a Vicente, feriram gra-
vemente um fiiho deste e commet'tersin o'jtrcs de-
lictos. Tres dos delaiquentcs, Sabin-, Carolina e
Cyriao forem presos em flagrante delioto por in-
spectores de quarteiriio o pesssas do povo.
Log) que chegou a esta eidade a noticia des-
ses acoutecimentos o delegado de polica ein ex-'r-
cicio, Antonio Joaqun) de Carvalho, parti para
o lugar do delicio, levando seto prac.i do desta-
camento policial, acoinpauhado do vigario Bein-
vindo e do Dr. Jlo Faria. O delegado encon-
tro-J os presos, guardados por paisano.*, qu ji
tinham passado urna noite em claro, vigan! >-os
na casa particular cm que se achavam reco-
Ihidos.
Entregues os presos ao delegado, este, era
vez de mandal-os guardar pelos seus sete poli-
ciacs, distribuio prop-staline.ite as pravas para
urna fin~ida ronla u > arraal, do sorte que, ao
amanhecer do dia seguinte, 03 dous piiucipaes
crimi loaos, Sabino e Carolina, se tinbam eva-
dido.
O delegado nenhumaprovidencia toraou acer-
ca d) crime ; mas arrocadou os bens do Sabiu^,
de quem su constituio procurador.
Nao parou ah. Prendeu, amarrn e algemou
e fez recolher cadeia desta eidade tres pobres ei-
dados, que tinham guardado os presos an'.es da
sua ebegada. *
Correspondencia do Diario de
Pernambnco
RIO DE JANEIRO Corte, 3 de Dezem-
bro de 1886
ScvsiARio : -Falsa noticia da desavenga entre os
ministros. Difliculdadea acarreta-
das pela execuci) da lei de reforma
dos magistrados.Os rretendentes
e os seus protectores. Aborrec-
inentos do Sr. Riheiro da Luz.A
festa do Livro de Ouro pila cmara
municipal.Um d-sejo do Impera-
dor realisado pelo preprietarb do
Pai'z. Telegramraas de Buenos-
Ayres noticiando par* a Europt e
Estados-Unidos a apparcl) do cho-
lera no Rio de Janeiro. Ainda a
questao do collegio Abilio.Eleifln
municipal.' Novos conselheiros de
E tade. -V
Ha das passados dissenos a Gazeta de Poli-
cial q te con?tava haver desharmonia entre os
membros do ministerio, e que com este boato coin-
cidir urna visita do Sr. Paulino ao Sr. Ribeiro,
com o qual se demorara aquella em longa confe-
rencia at horas adantadas da noite. Jtro jornal
tonou immediatamente por motte a crise e a gl -
zou dando como corto que o honrado ministro da
justica tinha rcsolvdo retirar-se do gabinete, e
que aquella visita do Sr. Paulino, como bom pro-
tector, nlo tivera por fim senao ltelo mudar de
resolu;3o. Nao isto exacto.
Que o Sr. Riboiro da Ltz, sotivesse opportuni-
dade de doixar a pasta, o faria sem o menor pe-
tar, creio o eo, e nao porque esteja elle brigtdo
cota os collegas c muito menos com o Sr. presi-
dente do cons hi, ma s porque como i em outra
occHsiao observe, est experimentando mntos
aborrecimentoscom a prebenda que Ihecoube de dar
ox cuelo aova lei de aposentadora dos magis-
trados, e do preencher os claros quo se forem
dando em cada urna das cath gorias do quadro
da magistratura de primeira e segunda ins-
tancia.
Ora, as vagas quu ha) de abrir-se nao cheg'sm
para a d;cima parte dos pretor,lentos ; e nao sio
principalmente as priineiras nomeacoes, os can-
didatos a jalzados de Oireito, o que incommoda o
ministerio : slo as remocds, a collocaclo em mc-
Ihores comarcas de juizes amigos, ou por amigos
recommendados. que caneados de viver em ser
toes e localidad-s remotas, querem obter comarcas
nascipitaes. O mesmo acontece cm os dosem-
bargadores; nnguem quer ir para G^yaz, nem
Matto-ilrosBO, nem mesmo Minase Para. S que-
rem as relajo.-s da Corte, Pernambuco, Babia e
S. Paulo.
As varas especiacs da Corte, slo muito cubif -
das. Sabe-se que duas deltas teem de vagar, e o
numero dos que as pretenden) e com boas recom
mandac s chegaria para quatro vozet mais que
ellas fossem. Nao sao sement juizes de fra,
slo tambem dos das outras varas da Corte que
pretenden) s r para ella removidos.
E aqu cabe dizer que nlo andar errado se por
ventura, quem em ves de ver no Sr. Paulino um me-
diador que ande a coinpr desavengas entre os minis-
tres, ache que aquella visita d'elle ao Sr. Ribeiro
da Luz tem toda relacao com as prctenco-'s de cor-
tos juizes de Oireito da provincia do Rio de Ja-
neiro, inclusive o chefe de' polica, que querem vir
para ulguma de taes varas, assim como um outro
que tem de figurar na lista para deaembargador
e pretende a relaclo da corte. E o que acontece
aqui dase em retaclo s outras provincias.
O Sr. Ribeiro da Luz bem quizera contentar a
todos, porque naturalmente atteocioao, accessi-
vel e bondoso; mas nao pode. Espondo aos ami-
gos as coodicoss em que se acha, as difficuldades
com que lucta, as consideraces a que tem de at -
tender e, sobretodo, a impossibildade material de
dar collocaclo a todos, convence es. Mas nem
por isso elles deixam de ficar tristes, e a tristeza
d'elles communica-se ao honrado ministro, embora
eontinuem todos a querer-se bem.
Nts conferencias mnisteriaes repete-se mais
ou menos a mesma historia. Cada ministro tem
l o seu negocio que corre pela pasta da jastica e
Ihe recommendado da provincia. Mas discte-
se, esclarecem se as oousss, e tudo acaba, quando
muito por t'isteza, mas nlo por briga.
N'estas circunstancias, comprehende-se o abor-
rcimento do actual ministro da justca, aborreci-
ment) causado, nao propriamente pelos amigos
que nao podem deixar de recorrer a elle e a quem
elle tem obrigaclo de onvir e attender, porque vi-
vemos sob o rgimen da transoslo, que outro nlo
o rgimen parlamentar; nlo pelos collegas e es-
pecialmente pelo Sr. presidente do conseibo que
eostuma ser muito delicado com os collegas, nao
os coagiado com exigencias ; mas pela coas mes-
mo em si.
E d'shi vem, talves, dizer a Gazeta de Noticia
de hoje, com ar de pilhera, que o Sr. Ribeiro da
Lu pretende ir a Minas, com liceoca, sendo du-
vidoso que volte anda para o ministerio.
Nao ha por ora fundamento para essa supposi-
cao. E' bam provavel qae o ministerio tenha de
passsr por ama modificaclo ao approxinar-se a
abertura das cmaras, si, como de esperar, fr o
8r. Prado escoltado sanador. Ficar entlo o mi-
nisterio composto de cinco senadores e dous depu-
tados, o que nlo se coaduna com o aosso systema
de governo, embora ten hamos o precedente do ga-
binete de 30 de Maio de 1862, composto da ataco
senadores, um deputado e am militar que nao ca-
sia parte do parlamento. (*) Nlo porm, exem-
plo que deva ser seguido.
Em todo o caso, a haver modifioac. to por esse
motivo, o que parece de razio, que o ministro
que era deputado e passou para o Senado seja o
quo deva retirar-se. Mas isto mesmo nlo pode
servir de regra, e desde j nao se oode prever
qual o ministro que tenha de sabir ; e pir mia>. nlo
acredito que o Sr. Cotegipe consuta em privar-se
do auxilio do Sr. Ribeiro da Luz.
II ntem anniversario natalicio do Imperador,
teve lugar no paco da cmara municipal, com as-
sittencia de Suas Mugestales e Altezas Lmperiaet,
a c istamada festa da lib rucio por conta do Litro
de Ouro, tendo sido entregues 5> cartas de lber -
dados, com as qua<>a ascendem a 750 os libertados
por esas meio nos 18 meses decorridos depois qae
se fes applicaclo do primeiro fuadodo meueionado
Livro.
Kefssa a Gazeta da Tarde de hsatcm e tapeten
P iz s Gsaeta de Noticia de hoja qae Laaere-
dar, perguotando ao presidente da cmara qual o
numero dos libertados e respondendo aquelle que
oram de 50, dissera que *. estimara que livesse
sido de 61, pois tantos erara os que elle comple-
tava.
Cnistou desde hontem que ncbando no escripto-
rio do Vaiz o aea aroprietario, o Sr. Joao Jos dos
Res, filho do Sr. Conde do S. Salvador de Matto-
sinhos o Visconde do mesmo titulo, quando ah
chegou, do volta da festa, o reprter da folha e re
ferio aquelle dito do Imporador, dissera o mesmo
Sr. Res :
Pois bem, que seja feita a vontade do Impe-
rador. Por iniciativa minha coinpletar-ae ha o
numero das libertavojs que Sua Mogeetadc desoja
ver roalieadas no dia do seus annos.
O Paiz desta inanhS ractilica essa noticia, que
repetida pelo Rio de Janeiro.
As mauuiuissoes agora rcalisadas p 'la cam ira
municipil regularam entre OOOOO i 20/000 por
cada libertando. Se o negocio fr cominettido a
ella, e seguirem s mesmo processo, a cousa nao
chegar 3:000030
Ha poucos das telegraphou o ministro bra-
zileiro em Londres ao Sr. Bario de Mamor d-
zendo que telogrammas de Buenos Ayres pira
aquella eidade o para New Yoik noticia vam ter
te manifestado o cholera no Rio de Janeiro. Agora
tambem o nosso ministro em Bruxnllas, o Sr.
V illeueuve, telegrapba ao Sr. presidente do cun-
bcllio dizenio que os joroaes all publicam um te
legramma de N w-Yoik noticiando a apparicio
do cholera aqui.
A ambos eapondeu o governo rr-corainendando
que dcsmentisseni tal noticie, pois o es.ado saai-
laris desta capital ptimo.
Seinelbantes noticias, que nio poce deixar de
sar-nos prejudiciacs sob o ponto de vista das rola
cues o intercsses commorciaes que com usosoffrem
perturbadlo, provin de urna leviandade, ou pre-
cipitadlo do Pii'Z, quo, ha das passados, sob
o titulocholerina ou iniigestaolreferi cm
caso o.'orrido em Cascadura, nos segointes tor-
mos "\xe nao dcixuram de causar impresslo no
publico :
M<-iiit de cholerina, cuja gravidade, e tymptoraas que o
acoTpinluirain, provocaran) da inspectora ger.il
de hygeitH as mais promptas e enrgicas provi-
dencias.
Uas informaces q"e conseguimos ob:er e que
temos por fidedignas, o cato oecorreu assim :
< Na noit: de anle-li mt-m para honto n um
atlemao alojado em casa do um sakhich iro na ra
Ilagualiy daqrelle suburbio, teudo jantado bem e
comido r.'polh), provavelm nte choncroule man do
qu; deera, sentio se indispo-to e tlitmoupara
medical o o Sr. Dr. Francisoo Xavier.
E.se clnico, depois de cxaminal-o e cstudar
os cymp'.omas da molestia, suspoitou ou couven-
ceu-sc do que so tratava de um caso de cholerina
grave e communieou immediatamente o facto ao Sr.
Birii do Ibituruna, iusp.-ctor geral da hygicne
publica.
< 0 Sr. Bario mandou immediatamente ao lugar
o Sr. Dr. Pires de Almeida, delegado da aspee-
i tocia, etc. etc.
Esta segunaa parte ni" est bem contada, como
poitorioriueute verieou se p'la explicaio do Sr.
1 Bar! i do Ibituruna.
O Sr. Pires du Almeida ni) tu Cascadura por
i ordem do inspector da jauta de bygieue. Era dia
da eleicio, e elle ia votar em Inhama, onie est
i qualificado.
Ao passar por Cascadura, saliendo do caso, foi
.examinar o doente, em cuja casa parece que des-
! cobrio uns tantis sgna-s suspetos que o assus
taram. e por isso tomou providencias um tanto
apparatosas, estabeleceu cordio sanitario, e vol
tan i) para a corte communieou o sccorido
junta de hygiene. Esta id dia inmediato tratou
de ex iiniuar c verificar o quo hava d real, para
providenciar como no caso coubesse. alinalo,
porra, j nio se queixava do mais nada se nio de
urna tal ou qual moleza no corpo, reconb :ccndo-se
que a cousa nio passou de urna tremenda indiges-
to produzida pelo repollo e mais accessorios in-
i geridos sem cautella
Nenbuma outra folha tratou do facto se nao
para, A vista das intormacoes da inspectora da
hygieae, afliiinar que a tal cholerina de repolho era
i baila.
Mas o Paiz, para sustentar os seas foros de bem
uif.irraado, voltou a carga, discutir com a junta
I e m istrou que a sua noticia tinha todo o funda-
mento.
Bastou isto para que daqui t legraphasso para
, Buenos-Ayrer, danio a apparicio do cholera, e
dalli, onde conhecida a mi voutade que ha con-
tra nos, transtnittissein logo a notic a para Lon-
dres e Nova-York.
Entretanto, como bem disse o Sr. presidente do
conseibo, o nosso estado sanitaria ptimo-sal-
vos os cas.s de tebres palustres e remitientes que
se dio aqu no cotneco do verlo.
Nio temos tido nem febre amarella. nsm a va-
rila, que eostuma manifestar-se nesta quadra do
anno.
Continua viva a discussi) sobre o collegio
Abilio. e oSr. Coeiho Rodrigues app trece hoje no
Jornal do Commtreio dando explicares a que si
jalga obrgado em virtude de um artigo boje pu
blicado pelo Sr. Rcgiualdo Cimba, em que refere-
se a uma conferencia que com elle tivera.
Anda nio Ihe dei noticia do resultado da elei-
cio municipal, que aqui teve lugar ltimamente.
Dos 18 vereadores ele i tos ness escrutinio 11 sio
conservadores, 7 liberaes e 1 republicano e abol
cionista, o Sr. Jos do latrocinio, que foi de todos
o mais votado, com 247 votos. Mesmo assim, se
tivessemos de ajuizar da forca do partido aboli-
cionista e do republicano, por esse numero de vo-
tos, nm um eleitorado de mais de 7.000 votantes e
quando todos os esforcos se concentraran) na elei-
cio daqtelle candidato, com prejuizo do outro, o
Sr. Ubaldiuo do Amaral, que at se retirou do
pleito, afim de nlo distrahir votos, nlo teriamos
motivos para folioit il-os.
Dos tres elcitos em primeiro escrutinio dous
sao onservadores, p.-lo que contara estes na fu-
tura Cmara Municipal 13 vejadores, e anda
poderlo elevar esse numero a 14jse cousoguirem
eleger mais um correligionario na eleicio que ter
lugar a 18 do corrento para preenchimento da
vaga aberta por tallecimento do terceiro eleito em
1 escrutinio, que era liberal. Anda nao est as-
sentado qual si ja o candidato. Da escolha deste
depende principalmente o xito do pleito.
Falla-se e parece que com fundamento, que
brevemente vr luz a norneaelo dos novos con-
selheiros de Estado. Indicara-so varios nomes :
mas com seguranca s se sabe d tres. Dos ou-
tros ha conjecturas, alias fundados.
O conselho de estado est desfalcado mesmo no
seu pessoal ordinario, que deve sor de 12 membros
polen do be ver ontros tantos extraordinarios. Mas
nunea se completa o numero dos ltimos, mesmo
por nao haver necessidade.
Acontece, porm, que actualmente s existem 11
conselheiros, e destes um, o Sr. Lafayette, est
fora do paiz. Daqui veem que na ultima reunilo
do conselho de estado pleno s se acharara 9, in-
clusive o Sr. Conde d'Eeu, que nao do numero.
(*) Mrquez de Olinda, imperio.
Visconde Maranguape, justica. _
Mrquez de Abrantes, estrangeiros.
Visconde de Albuquerque, fasenda.
Sinimb, agricultura.
Do Lmate, marinha.
Polydoro, guerra.
tviSTA DIARIA
Aeaetmfeia Provincial r'uuocionou
hontem, sob a presidencia do Exm. Rvm. Sr. vi-
gario Augusto Franklin Moreira da Silva, tendo
comparecido 23 Srt deputados.
Fsram lides e spprovadas sem dbete as actas
da sessio de 3 e das reunidos de 4, 6 e 7 do cor-
rente.
O Sr. 1* secretario proceden a leitora do se-
guute expediente:
Um officio do secretario do governo communi-
cando ter tido o conveniente destino o ponto dos
emp regados d'esta Secretaria, rclativ > ao mez de
Novembro ultimoInteirada.
Adiou-se pela hera a discussio de nm requeri-
mento do Sr. Jos Mara, que o justiScou, pedin-
do informaces presidencia da provincia sobre
fs providencias tomadas relativamente captura
de Japiasa, como introductor e passador de moe-
da falsa.
Passou-se ordem do da.
Encerrou-se al* discussio do projecto n. 103
d'estc anno (approvaclo dos actos da presidencia
prorogando a lei do orf amento de 1885 a 1884),
tendo orado os Srs. Costa Ribci o, Prxedes Pi
tanga, Barros Barreto Jnior e Jos Maris, nlo
se votando, por falta de numero, um requet ment
do Sr. Fcrroira Jacobina, para que a diseassio
fique adiada at que a commissao respectiva de
parecer acerca do projecto de orcamento na sauc-
cionado.
Adiou-se a 1' discussio do projecto n. 11 d'este
anno.
A ordena do dia : continuadlo da antecedente
e mais 1 discussio dos projectos ns. 32, 49 e 50,
todos d'este anno
Fncnldatle de DirelioEis o resultado
dos actos de hontem :
1 anno
Jlo Lima Rodrigues, plenamente.
Antonio L'iiz Drummoud da Costi, dem.
Jo;6 Victori.o Domiugues Alvea Maia, dem.
Iiamilton Theodoro de Paula, idem.
Antonio Barbosa Buarqua de Nazareth, simples-
mente.
Jote Jaymc de Miranda, idem.
Seis reprovados.
Uma pro va uuIIh,
2. unno
Mancel Xavier Carne.ro Pessoa, plenamente.
Jos Ferreira Teixeirs, idem,
Joo Gomes Ferreira Velloso, idem.
Jos Teix ira de S, dem.
Antonio Rtdrigues Biyma de Souza. idem.
Rodolpho A berto Silvotra, idem.
Angelo Custodio Baptista, idem.
Luis i'orreia de Queiroz Barros Filho. idem.
Joio Viera de Araujo Correa, simplesmente.
Francisco Torquato Paes Barrctto, dem.
Juo Bolegard Freir Marz, idem.
Jo= Antonio Gonjalvos de Mello, idem.
3 anno
Eneas Cirrilho de Vusconcello?, simplesmente.
Joio Att iitso de Sojza Paraso, idem.
Eut'cbio Brandao da Rocha, dem.
.Manoel Uon^alvos da Silva Pinto, idem.
Cinco reprovados.
Findaram-sc estes cxam'S ordinarios.
Miitricularam ae 200
Plenamente 51
Sun. Teniente 68
Reprovados 28
Levantaram-se da escripia -'
Faltaran) a eacnpta 30
dem a oral. 4
Provas nullas 2
200
5 o anno
Mancel de Carvalho Rumos, plennmonto.
Este recebeu o.grao de bachurel em silencias
jurdicas e soeiaes.
No 1" anuo seilo chamadas a oral os n?.
31, 38, 77, 108, 121, 142, 170, 12, 40, 83, 104, 127,
168, 204, -<59.
Serlo chumados tambem a prova escripta de-
pois de terminada a prova ora', os estudiantes que
se acbam inscriptos a exame extraordinario.
No 3o anno havor chamada dos quu se in-
scroveram para examo cxtraorlnaro.
Examen preparatorio* Hoje haver
exaino de Ge.'graphia, s 10 horas e ser a ulti-
ma chamada.
Tambem far-se ha hoje a ultima turma de
Algebra, s 10 horas da manhi.
Pela 2* e ultima vez serio chamados boj.,
i o meio di i, os alumnos inscriptos para exorne de
Rh'-torcai
Tragedia* do Recif>Publicou-se a
trma n. 31 desle romance, do Dr. Carneiro Vllela.
Gas "o fas dUcarao-K o ttulo de
urna p Ika lund, unpressa e venda no estabele-
cimente do Sr A. J. de Azevedo, ra do Bario
da Victoria n. 13.
Inapsctoria da Alfandegn Deixou
hontem o exercicio do cargo de inspector da Al-
fandega desta provincia, visto ter sido mineado
1" escripturario do Thesouro Nacional, o Dr. Joao
Cruvello Cavaleant'1, que, na prxima segunda-
fcira segu para o sul, no paquete americano es
perado do norte.
O Dr. Cruvello foi u.n bom inspector da Alfan-
dega, um zellador nos interesses fiscos, pois toube
desempanbar-se dos deveres do cargo, levantando
as rendas da repartidlo, algo depreciadas por des-
cuidos anteriores, que nao vem pinto rememorar,
e bem inaugurando e regulatisaado a arrecadacio
dos impoxtos provinciaes, ltimamente commettida
essa repartilo adnanelra.
E tanto o Goverdo Imperial spreeou esses bons
tervtoos que os galardn, dando accesso ao Sr. Dr.
Cruvello, contra quem, despeito de suas exigen-
cias, nunca levautou quexas o oramereio, tanto
este r.sconheceu justas as mesmas exigencias.
Agradecendo a sua visita de despedidas, dese-
jamos Ihe prospera viagem.
Featividade relitrioaa em s;. Gon-
zaloDomingo, 12 do corrate, baver ama
misss stlemne pelas 8 horas da manhi celebrada
a i Senhor Bom Jess dos Pobres Afiitetos, m tan-
ca) dos devotos, e noite uma ladainha cantada
ao mesu o Senhor, havendo antes sermio pregado
pelo Revm. padre fre Augusto da Inmaculada
Conceicio Alves.
ImerenoaRecebemos daorte, onde foram
eJitados pela livraria dos Srs. Soare.9 & Nie-
meyer, ra da Alfanlega n ti :
Elementos de Geographia Moderua. 6' edicio,
por P. de Abren, bvros adoptados pelo governo
imperial e confeccionados de accordo com o pro-
gramma da iostruccio publica.
Elemento! de Arilhmetica, l' edica, por Joao
Jos Luiz Vianna, professor de mathematTas ele-
mentares, e igualmente adoptados pelo governo e
elaborados de accordo com o citado progr: mma.
Noeoe de Geometra Elementar, Ia edicio, por
J. B. A. Coimbra, e semelhantementeorganisados
de conformidade com o alludido e recente pro-
gramma.
Sio tres livrinho3 uteis e necessarios aos estu-
dantes das materias qae elles leccionam.
Agradecemos o mimo.
I,'iin e ferloaentoa crareoV's 3 1/2
horas da tarde de ante-hontsm, travaram-se de
razoes na raa do Hospicio Aderio Elisiaro de
Franca e Estevio de tal, conhecido por Cangalha,
resultando sabir aquelle ferido gravemente com
duas lacada*.
O criminoso evadi se e o offendido foi recolhido
ao hospital Pedro II, oode fallecen hontem.
A briga deu se quando pela referida ra pas-
sara em direccio ao respectivo quartel, a guarda
de honra do 14 batalhlo em regresso da Concei-
cio dos Militares.
Araena 1 de JuerraHoje, 1 hora da
tarde, tem lugar neste estabelecimento a solemne
distribuidlo de premios aos apprendizes artfices
que mais se distinguram durante o anno actual.
DeacarrllbamentoAnte-hontem o trem
da ferro-via do Caxang, que sahio do Recife s
8 horas da noite, por excesso de velocidade, des-
carrilhou na curva da estrada da Torre para o
Zumb.
O descarrlhamento foi 'tal, que at 10 horas
da noite estove all o trafego interrumpido.
Felizmente nio bou ve damno para os passagei-
ros.
Deaabamento Cabio no dia 8, produzin-
do grande estampido, a coberta de um barracio
que se est concertando estrada do Luis do
Reg.
Parte da coberta j estava arruinada e sosten-
a por falta de tempo na tarde de terca-feira 7, se
tinha deixado de concluir o seu arreamento.
Dorara causa a esse siustro as abundantes e
inesperadas chuvas, que cabiram na noite de ter-
ca, e di* de quarta-feira em que teve lugar a que-
da pelas 4 1/2 horas da tarde.
Alta do susto e do prejuizo material, nada maia
ha a lamentar.
Lbertar.oeeNe dia 8 do carrente, Sr.
Joaquim Francisco Ribeiro e sua consorte liber-
taran) sem onus, e em regisijo pelo enlace ma-
trimonial de ama sua nina, os dous nicos eacra-
vos que possuiam, de nomes Joaquim, de 30 an-
nos e Benedicto de 40.
E' nm acto digno de louvor.
lOOannoaTantos viveu Luiza Mara da
Conceicio, sepultada no di, 6 do crrante no Ce-
miterio de Santo Amaro.
Falleceu de decrepitude, era viuva, e mora va na
parochia de Santo Antonio.
ConaerwaaOs Srs. Pedro Vitello & C, es-
tabelecidos na raa do Imperador n. 81, teem uma
boa colleccio de carnes de conservas em latas,
entre as quaes figuram as de rabada de boi, pre-
parada inglesa, e de que nos mandaran) ama
amostra.
E' um bom pitisco, que os apreciadores nio de-
ven) desprezar.
CorrigendaNo discurso do Sr. bario de
Nazareth, ante hontem inserido nesta scelo, con-
ven) corrigr os seguintes erros.
No 5 perodo, em vez de simulara, leia-se
esmolara, e em vez de votado lethargo,
Uia se despertou do lethargo.
No 8 periodo, em ves de pesa, leia-se
pese
N* 10 periodo, em ve de measa, leia-aa
ii sse.
ralleeimeaCoEm Caxang, na casa de
residencia do Sr. Jof Pereira, falleceu de febre
typhca no di t 7 do correute, pelas 4 horas da ma-
nad Jos Letc de Azevedo, quecontava apenas 28
asnos de idade e era natural de Portugal.
O finado era prim iro caixeiro da casa coramer-
ctul dos Srs. Rodrigues Lima S C. que muito o
aprecavam e sontiraui a sua'marte, da mesma
forma que os seus numerosos amigos.
Paz a sua alma.
Fado Bravo') Dr. inspector de bygiene
foi ante hontem a 11 lia do Pina examinar o moda
pelo o,ual so fazia o servieo da Companhia Drayaa-
ge e notou que all a canalisacio estava partida
em di verses pootdS, apreseotando largas fendas,
que entretanto nao da vam sahida as materias re-
caes que por ah deviam passar, visto ser esta ea-
nalifacio a destinada a conduzir as tezes das fre-
guezins da Boa-Vista, St>nto Antouio e S. Jos aos
arrecifes, que bordara o lado do leste daqnella ilha,
para dahi serem nrieinecadas no mar.
Este tacto extraordinario provocou-o a procuraren
que lugar dava-se o exravasamento, '.o que parece
ter conseguido descobrir depois do algumas pes-
quisas, que fez om esc 1er polo rio, pois que ap-o-
xiinmilo te da zona por onde passa a canalisacac,
que partindo da ra Imperial vai ter a ilba, sen-
tiu que do leto dorio se desprendiera gases fti-
dos e nauzcabuudos, denunciadores do derrama-
ment das materias ceaes naquelle ponto.
O Dr inspector do liygieue Oeu parte do occor-
rido ao Exm. Sr. preside'nte da provincia pedindo
que raandasse proceder uma vigorosa scindicancia
para avenguaao da vei dade que a ser como pa-
teco p le trazer KTiV s c. nsequencias.
Pao d'.tlhoNo domingo, 12 do correute
mez. no Iheatro Santa Tltereza, em Pao d'Alho, e
Club Ensato Dtematieo Pao d'Alhense dar nm
especulo em seu beaeficio, levando scena, s H
1/2 Iteras da noite, o drama em 5 actos, Orgulho
abatido e a comedia em 1 acto, Consequencias dr.
um e.pyuvj.
i ;i litmcuto ifo citolera morbas__
A proposito da noticia que ante-hontem transcre-
vcinos sobro o tratameuto antc-septico do cholera
naneas, c3cieveu-noa, no mesmo dia, o Sr. phar
mereutic Veras.
Jl'm ir. redactor. L\ attentamjnta a noticia
que V. S. insero na Rtcitta do seu muito coniei-
tuado Diario de boje sobre o trataincnto do cho-
lera, vertida de La Medicine des fermente, que,
convm saber-se, un jornal de propaganda para
os Bvedieaaventos jiiemeados do r. Declat, au-
tor da referida noticia. Como V. S. vio, era mui
tai ccaai.'S o autor referio-se s preparares
phenica las, e e3sas preparadora de propriedade
^ ao Dr. Deelaf, eucoutram-se em muitas das nsssas
pliannaci.as, o sao constantemente annunciadaB
em todos os j >rtaes d i nosso paiz.
Segundo os novistimos esludos de Clau le Ber-
narl sobre a patlio^enia das molestias, o fermen-
to a causa do todas as aftccoes mrbidas, e
portanto s fpidomia.-. com insior somma de ra-
zio esto incluidas n esse numero. ,\inda mais
pelos recentes estados de Pasteur, a hydrophob'a
esta tuinbem incluida no numero das molestias
micrbicas.
O acido phenico como acido salicylco, como o
acido brico, o pormanganato de potassa, o chlo-
ro, o acido sulfun-so, etc., etc., deven) com pre-
ferencia ser utilisaJos no tratamento de todas as
molestias, cuja origem so attribua a um microbio.
Noj tempos de epidemia, quando o povo fr ;
accommottido, dwe se tambem, a par dos reme-
dios qte se Un intcir, preeavel-o contra outra.
eptemia, quo, da geaero diverso embora, tem
consuquencus mitas vezes mais funestas. Que-
ro referir-me ao chirlat mismo c ama f, que;
guiados pelo proprio interesse, exploran) desapie-
dadamante as tnassas p 'pulares ; e n'este caso o>
verdadeiro Cicero nao com cartezu o que indica
am remedio, mas sim aquelle que faculta os moios
de obtel o de forma mais econmica, usual e de
incoutestaveis effoitos.
Como cima tnostrei, os preparados phenica-
dos da Medicina de fermenta, sio especialidades
cu8tosa3 pelo seu atavo e pela sua origem lon-
ginqua. Paia que se saiba que csses uk-suks re-
medios ap'esentados pelo seu autor, como univer-
salmente efficazea contra le cholera, Fievr. perui-
cienacs, Fievret jann^s Fievre typhoide, carile,
Crupe, D/ienierie, etc., podem ser obtidos por pre-
sos que estao ao alcance de todo mundo, e fabri-
cados opportunamente, transcrevo as formulas
abaixo, cuja identidade nao podejser inquinada de
suspeita, visto como foram extrabidas do onvolu-
cro que encerra os preparados do Dr. Declat.
X irope phenico de Declat: aci io phenico
puro 10 centigr., xarope de assucar ums colber
(15,0): glyco-pheoio de Declat : acido phenico
puro 2, 5, glycerina hydratada 10 % 25,0.
- Temos anda o xarope de phenato de amtno-
niaco c o xarope sulfo-phenico di mesmo autor,
quo exactamente a formula da pharmacopa
francesa.
Todos estes remedios, que o seu autor apre-
ga contra uma infinidade de molestias, cinstara
de um libreto que fii elle publicado em 1883; e
pagina 33 deste libreto eneootra-se a descrip-
ci do methodo do curativo do chilera exacta-
mente igual ao publicado hoje por V. S.
" Sempre de atilaia contra as invasoes, sem
distincflo de bandeira, eu nio poda deixar pas-
sar em silencio, sem dirigir-lite estas linlias, s
quaes dar o destino quejulgar. De V. S., etc.,
etc.Antonia M. 1 ira. >
Sania Casa do Hierieordia do Be-
ClfeEis o pessoal soccorrido por esta Santa.
Casa e existente em 30 do inez fiado, nos se-
guintes estabelecimeutos:
Hospital Pedro H 482
Dito dos Lazaros 3<|
Dito de Santa gueda
Hospicio de Alienados 224
Asylo de Mendicidade 170
Collegio das Orphas 19>
Casa dos Expostos :
Em creacio 127)
Em educacio
213)
34l>
Total 1.454
Hoapltal PorluxaezO movimento das
enfermaras deste hospital na semana finda foi
seguinte :
Existiam em tratamento...... 14
. Entraract.................. 4
Sahiram corados......
Ficam em tratamento.
18
3
... 15
18
Est de semana o Sr. mordomo Manoel Joaquim
Pereira.
natltalo Pbilomatico Re ilisaram-se
dos das 6 e 7 do corrente os exames dos alumnos
do curso primario deste estabelecimeoto, dirigido
pelo bacharel Olintho Vctor.
O resultado dos ditos exames foi o seguiste :
redro Celestino da Silva, approvado com distinc
cao.
Samuel Fritz Swenson, dem.
Arnaldo Mendes Guimaries, plenamente.
Abilio Vctor, idem.
Guillarme W. Swenson, idem.
Jos Antonio Peieira Jnior, dem.
Ral da Costa Martina, idem.
Altredo Honorio G. Texeira, approvado.
Nstor M. H. Cavaleante, idem.
Bellarmino A. Ribeiro, idem,
Joaquim M. H. Cavaleante, idem.
Joaquim de Soasa P. Britte Jnior, idem.
Foram premiados os oitos prim iros e mais o
alumno Alberto Pitta Jordao, encerrando-se assim
os trabalhos deste collegio no corrente anno.
Ca I Marcelino CieloO movimento da
bibliotbeca deste club, no mez fiado foi o se-
guinte :
Sahiram para Ieitara 87 obras em 114 volumes a
entraram 67 em 80 volumes.
Offertas : pelo socio Mello CastroMysterios de
Lisboa, por Alfredo Hocao, 1 vol. ene.
Pelo Dr. Arres GamaA trra da escravidio,
por Stanley, 1 vol. ene, Mimi, por J. Tito, 1 vol.
b;och.
Nocoes de Bellas-Artes, por Ayres Gama, 1 vol.
breca.
i.V


-


Diario de PernambncoSexta-eira 10 de Dezembro de 1886
r
Pelas respectiva* redaeeoen :
iornai do l'ecije, Diario de Pernambuco, e Pro-
vincia.
Eiamr* rimarlon-Na dia 1 do corren-
te, oo a presidencia dj delegado littemrio, cip-
tao Autonio Smico de Lyra e Mello, iffjctua-
ram-ae os examen dos alumno habilitado* pela
profe89ora publica di 3> cadeira do sexo masculi-
na da fregoezia de S. Joa do Racif D Lovi.
gilda Mara da Silva Cord'ro, senda examinador
nomeado o profesar Jao Jas Ribeiro de Mj-
raes.
Em vista das proras escripias e oraes produzi-
da pelo* exauioandoa, e de coaforieidadc coin e
novo regiment, foi este o resultada :
i grao
Olavo Antonio Corris Qaetros, muito adiaa-
tado.
JoSo de Lacena Vital, idem.
Antonio RuSoo da Silva, adia&t do.
JoSo Rufino da Silva, dem.
Natercio Pellica Monta di Almeida, idem.
Paulo Jjs do Souza, idem.
No dia 2 do orrente, tob a presidencia do
delegado literario Dr. Antonio Julin Souza,
na asenta publica do sexo fomia id do Aff 'gado*,
regida pila profeasora D. Digua de Santa ttana
sendo examinador o profoaaar CjTrUta Augusto da
Silva S. Thiag.-1, prentaraui eximo M alumnas
Maria da Carmo Lyra Eitevo, cm 2* gio; c
Amelia Augusta Cabial de Barros coi 1.'
Ambas foram julgado3 adinntadan.
' No dia 6 do correte, eob a presidencia do
delegado Iliterario L)r. Jo Oaorio da Cerqueira,
sendo examina jer o p.-ofessor Augusto Jas M-.u-
rieio Wanderky,. foram BUbmettdoa a exima das
materias qoe constitucm o 1 grao, na f arma do
novo regiment interno das escolas, oa alumnos
da cadeira da Passagem ,i Magdalena, regida
pelo profeasor Cbristovo do Barroi Gau-.a Po.-to,
sendo o resaltada o aegumto :
Muito adiantad >aJ > A:.ta de Oliveira, Se-
veriano Bitolho Pereira o Aihlle Settiny ;
AdianUd jsJos Porto, >' yasea Alvaro da
Cista, Artliur Ludgero asaras** do liveim, Joa-
quina Jo3 do S o Booorato Basa s da Silv .
Pouco adiantado Fraue-:.o Sallo* de Frei-
tas.
No dia 6 do corrent.r tiver.iin lugar oa exa-
ine* das alumnis da esccli publica to svio feme-
nino do Encammento, prendido! pelo respectivo
delegado Iliterario Dr. Salnattaao Jote de Oli-
veira. teodo por examiuado.es o profonsro Jos Luiz
de Franca Turr. s o a professora da cadeira D.
Maria das Merco i Pirra Carr pello.
.Foi esto o resultado :
1 grao
Maria Catharlna ais Chagis c Loopoldioa Ma-
ria da Costa, aliautadas.
No dia 7 do corrate forana eliminados os
alumnos da escolo publica dj Eaeanaiasato. regi-
da pelo profossor Joj Lata d i Fr.ui',-i Torres.
Foi o ajto presidido polo delegado litte.-ario I
o Sr. Dr. Sxtaatiano Jos do Oliveira, tent como
examinadores o Dr. Francisco Sllvcria di Casta
o profeasor da cadeira.
ia o resultado :
1." grio
Jo3 lanooancio di lg> Brrate c Alr.;1o de
Holland.i Cavaleanti, adiantad a.
Sob a presidencia do dt lepada litt'r.iro do
l.u.distrie!a d i fregassi* )& Joa. espiada Anto
47
da Urdo ; ESE e SE alternadamente at 11
da tarde ; E at meia noite.
Velooidade media drenlo : 2,"O pornegondo.
Nebnloaidade media 0,7.
tlaroa de BnlxeE*creveram-n-;* em30
de Nov;mbro fiodo :
c Damos comeco a presente reiterando nossos
respeitos dalts consideracSo e estima a illuatrada
redaccao do Diarto, fazendo rotos pela sua eata-
belidade na ardua arena da impreaaa, em cujas ga-
leras tera tas nebremente ocenpado *eu honroso
posto.
Hontem tivemoa a reuuio do juury, preaidida
pelo Sr. Dr. Jos Jolie, juiz de direito da comar-
ca que p.ro is*o ja ae acba aqu desde a tarde de
27 ; nao ha vendo, poim, procesa03 de vivamente
preparados, conforme maatron ao Tribunal, que
estava conatiruido eom 36 jases de facto, dissolveu
a a.sao, e cfficiou ao delegado para remetter o*
presos cadeia de Peaqueira, por nao inspirar no-
nhurna segurane, para elles a casa que serr de
priao, palo que boje la se vio elles, escoltados,
para a pitorescapintadadaquella cidada. Coi-
tad.s.
Por fallar-tiiea em juiy, surge-nos a lembran-
ca de d.zer-lbes que boceas diversas aaseveram,
que preicndem aupprimr estfrermo, a pretexto de
nao liaver pessoal habilitado para juisea d i facto,
autoridades etc., etc.
Coin effoito, aeria isso admirarel, em p!eno
eoculo das luzea, do progr.-sso e de tudo inaia
quinto forma a gloria de urna nacao livre e civili-
aada retroceder-ae a ponto tal de suprimirse um
term) muito habitado, pjr fazendiiros, agricultores
negociantes, t para satieiaser.se aos commodos e
cap i bol de alguem.
Pel3 lei, sabem Va. Sa., e 08 leitorea, que 08
cidados qualifieadoa eleitorea nao podem deixar
de ser jurados, a;.lvo aquellca que no 1- alistamen
to eutraram sem saberem 1er ncm eacrever,%ypo-
theae em que no trmia nenhum neate collegio. J
O numero dos actuaea eleitorea aaperior ao
lo T, a!m de outras taotoa cidados que por seua
haveres, bous costumes e conhecimentos estilo na
caso do acrjurados.
A localidacic por si recommenda-so aa r8taa
daquelles que a encaram debaixo de son verda-
deiro prisma, tal 6 sua ellegante, o pitoresca edifi-
cacio e aspecto, qoe marcha progresivamente.^
Perguntamoa a viata do que ligeramente fia
expendido ser de jastic anpprimir esta term ?...
Nao toaa ello funecionado ha maia de 2 anuos,
com a regul iridada, mais ou menas, desejavel ?...
E nfim, o govorno far ajustiejado castume,
c<>rto de que confiamos inaito em so.i criteriaao
jiixo.
No dia 27 renlisou-ac aqui o c. nsorcio da tilha
Jo hoatmdo negociante, c proprictario abastado,
capilaa Francisco Gamcrdu-JUlca.
A resp- ito do vigario, vamoa~B meamo.
Calor continua abrasador, e o verao com
todo seu pernicioso cort jo.
As iiut:ridades vaobem.
Rom Cunxellio Eacr;veram-aoa em 29
da S >vembro fin lo :
Urna dohrosa e pertinaz enfermidale, pro^-
taudo-noa no lcita, desvio i nos do humilde poato
que occiipavamas as conceituadas columnas au
Vijrio : razio pela qual, ha dous longss mezes,
nao darno; copia de i;s.
Agora, poim, ji blliviadaa dos nosaos mal-'*,
vamos desabrigiir-nos para com essa Ilustre re-
da comarca, Dr. Miguel dos Anjos Barros, juia
muuiclpa! u inultos outroa cavalheiroa, e todo*
n'ura brado unisono saudaram freaeticamento a
S. Exe.
A'* 6 horas da tarde, ama salva de 21 tiros
annuncion a approximac'Io da comitiva.
Foi um espectculo imponente e grandioso .'
* Carea de 600 carslheiros entra rain pela ra
dos Maityrios, ao mesoio tempo qno urna enorme
multido de peasoas a p, munida cada ama de um
ramo de palmeira, invadram a ra da Maerisor
dia, e todoe se agruparam em freuto casa do
Revd. vigario Cbaga*.
A praca de Pedro II regor^itava de povo, as
janellas e partas das casas nao camportavam os
espectadores.
8. Exc. anda oocupava o seu posto na van-
guarda, e por isso toi o prira ro a apeiar-se.
Urna guarda de honra composta do destaca-
meato policial cammaodada pelo alteres Joao Pe i
xoto Saarea, fes-lhe'aa davidaa continencias, dan-
do em seguida aa tres descargas do cstylo.
Confronto casa do Revd. vigario erguia-su
am Ecffrivi I careta, onde urna banda de msica,
j dirigida pelo profossor Juo Toat.i, rompeu com o
bymno nacional.
o Oa ainos da matriz e callegio faziam echoar
ao looge feativoa repiques, immenaas girndolas
de foguetea feaderam os aros urna nuvem compac-
ta de fl ires e bouqueta choveu sobre S. Exc, c oa
vivas e acclamacoes saban) de todas as boceas.
S. Ex;, em um breve maia tocante e eloquen-
te discursa, agradeceu aos papacacciros as suaa
expontar.eaa e sinceras mauiteatac^iea, c conclua
dando vivas :
A' sua santidad? L-ao XIII.
A' Sua Magostade o Imperad ir.
A' Roligiao Catbolica Rimiiis.
Aos habitantes de Bam-Conselho.
A cada viva de S. Exc. o p.vo corresponda
cm ii.aa .s voz e todos os ramos so ugituvam -para
U> ar. %
Foi urna scena brilhante e por demais sen-
sivel.
E loga em seguida-S. Exc. ficullou a todos
oa circumst intes preaentes o annel a be jar, hon-
ra da qual nenhum ae quiz eaquivar.
A.' noito illumnaram-sc as casas, i groja ma-
triz e col.'egio ; a msica sempro eegruida de gran
de acompanhamento percorreu as principacs ru.,8.
o o povo como que etquecido dos deagostos e pri-
vacoo3 porque ltimamente tem pissaio, regosija-
va-te e comprazia-ss de passuircm s^u seio o sen
querida pastor, que rompendo a cortina do imp.e-
aivel digoou-te proporeionar-no3 tamanh > praaer,
honrando-nos com viaita esraa inhspitas para-
gens.
Na dia 12, ti. Exc. devidamente paramentado,
fez sua entrada solemne na nutrs, tenda condu-
zido debiixo do pilo, em cajas Varas tiveram a
honra de pegar : os Drs. Benlo C'eiliano dos San-
tos Rimo i, Francisco de Castro Rebollo, Miguel
dos Alijas Barros, Augusta Cesar Pereira Caldas,
Augusto Martiniuno S jares Villela, presidente oa
Cunara Muuicipa1, c Joiaa Ferreira Barros, ve-
reador.
O pallio ia circulado por urna guarda de hon-
ra, ainda commanJada pelo aleres Jcao Peixo'o
1 Ao t.-auspr o prestito o pr'm.dro degro d l
ui-a Samico do Lyra Mello, serrindo de cximna- (jsci.j,j cnvi.,nlo Ihes o que de inelhor te^i r co-
lindo a nossa iuaaciavci carteira.
Por hoja limitar-u03-b"mos a doscrevor vi
tita pastoral que S. Etc. Rovm. o Sr. D. Jos Pc-
kira da Silva Barras, nosso preclaro c virtuoso
bispa dtooesaoo, aciba de faser ceta villa,
aguardanJo a roseaba dos diversos factos que
teem suceedido durante o penlo do meamo in-
ri iimenta para envial-a em carta especial no cor-
roio de aotanUL
Na dia 11 da mez paseado, como estava de-
signada, aporto'.l aa nossasplagaa o noaso bondo-
so dio* suaa.
A vala Je S. Exe. a caUa paragens. posto
que j i aaouaciada ha dous nnnos, era g-Talmeut^
repu'aii irr. alisavel, em qaanto a locamotiva po
tocases cm Osrutaw, atte.nto o longo trsjeefo
qoe actualmente mister fazer-se acavall. de
(' na ni-jii, e ao atrazo das obras di
Igrej m .".::. qu; alm de desornarneutada, apc-
3ss eatava Isdrdhsxla e eaiada ti-,parte daca-
pells-mdr.
QumJ-\ parin, rchoin a noticiado embar-
que de S. Ei.'. com direccao a esta parte do his-
pido, o II \ I g nia Chagas appollou pira a re
ligioaidade c philaatropia daa auas ovelhaa, e ea
1 tas, sp zir de ji muito tosquiad^a pe j fisco c
eaccessivaa aeccas, aceudiram ao reclamo do seu
; pastor, e no dia 10, vospsra da ch"gada do- 8.
dor o professor dalpho Siiv'iu Bandol e o da ca-
deira Viotorino Antonio de leaatar i, el-etuaram-
se no dia 7 d i correte es exauMt d i 1.' caJeira
do sexo masculino ua ref ri i fregaeiia,
Em vista das provas eserip M o oraos prodaxi-
das pelos examinan I iceor3o com o regi-
ment interno das aselas, .leu em rc=ultdo o e-
guinte :
1." gl lO
Mancl Thootonio L. da i! n, aiiantado.
Jos Ti.eotoi.il da Silva, leu.
Jos Antonio M.rquos do Sala, ilom.
Rodclpho Poroira do Burga, idem.
Luiz de F. Rlp 3> A: : a.
L'iiz Javentina Pe a, i lena.
a s '-
uaoai G mea le M ti iiutalo.
Terminado o aet* foram premiis pli pr. fea
aor da cadeira os alona i Uanoel Q o c do Mal-
tos, Manuel Theotomo i. sneie Roelii, Lnia
Rapaso do Azevedo e Lnii Jnronoo nrreira
Silva: eate coin naa Diecinario P.'^.'ze o
outroa com livros di i...
"No di* 1 do tortete, ;. i preadeat'u do
gado littorano da 1. distrioto da i de S.
Joa do Recifo, o espitad Antonio -' isswa de Lyra
e Mello, effoetuaram-ae 03 examen a da
1. cadeira da mesma freg z a, regida pctaijpro
featora Ama L. Varejao e 1 lo ex mi- : j.;j ^ depoia de 28'diasde constante trnbalha
nadorca e pr aso.- J \ BsWro ia M rae. uin0 0 a cturoo, vimos concluida a gigantesca
e a_profeascra il 1 cadeira. oara, iao conBguio-8C aterrar, atijo'ar, r bocar
Em vista das prov.ia p iduaidas, ru. i,jfas c
oraes e do accordo cim o ir.v > I'ginicito dos ca
cohs deu o eguiote resultada;
2." grio
Amelia AugUta da Poawea Casta, muita alian-
la da.
Emila do Santa N vos. !I na.
Alexan iir-.a Baptista Bere Filba, id m.
Carolina das Santos Moreira, idr-n-
Adelina Alvos da Goaria, idsm,
Sob a pr m lenca di ros^ec":'. I del fgado lit-
:ia, Dr Franciaoo da A,mu Pereira da Rieha,
effectuaram ao no dia 7 .' eorran'e 11 examas doa
ornaos da escota pablicidi p rselo da Api
ucoa, regid 1 p i a professora Mari 1 di Conocida)
Azevedo.
Serviram do cxaminadare o prfesaor Frnncis-
co Carlos da Silva Pragoao c pratessir.i di ca-
deira.
Depois das prova9 eacr: >ri Inzidaa
peloa examinauda3, passda a e :n n'ssla a fizer a
apuracao das notas obtidas, do aeorda c ira 0 no-
vo regiincnta das escalas, e o reaulcado foi o ae-
guinte :
Io grao
Luiz Dohe.ax, arlianl
Altredo Lopoa Ferreira, i 1 vn.
Maria < ;y apia Cesara da Mello, tjiio adian-
tada.
Anna Rita de Mella, adiants 11.
Rosa Amelia Djmingaer, idem.
;ro
Maria Victoria da S:lvi, II i ni a la.
Proclmalo pelo Dr. delegvdi e re*olt*d ci-
ma, uaaram da pilavra os profesaore Frag sa c
Angosto Wauderl: y, 03 quae* conrratolaado se
com a prefessora peln aiinntamonto do suasaluin-
uas, dirgiram se u estas felieitaiilo-as pelo modo
parque ae houverain e animioJo as ao estillo.
__ No dia 7 do cerrente, mis escotan publicas
de Naaareth do Caba, regida p-1 ptw&naorn*
Joaquim da Cesta Guimaraes e L). Auna C- zar de
Almeida Pasaos, soa a presiitenei* d> Sr. Dr-.
Antonio de Souza L -a i, ^:. ekamin eola do sexa mas uliuo Eugenia hVnfrigaen Sette.
e da do sexo femmino Joaquim di Canta Gu:ina
raes, e prsenle grande rumoro do pessnas gradas
de tralla rasfxia, proceden te 00 ex une cuj >
resultada fai o segante :
l.o grao
Francisco da Silva Lius, adiaatado.
Narcisa Maria da Sacramento, id.ir,
2.' grao 1
Joo Henriquea da Paira, muio adiantado.
Joanna d-i -onna Bindeira, i l*m.
Minervino Ribeiro da Silvo, a liautado-
Ermelinda da Costa Morgad i iom.
3 grao
Vicente Ferreira Ri Luna, eom dlsHorca*.
Fiado o acto oa examina los pronunciaran*
iilgan* disenrno* fizeram bdl-is fnVrtaa, e em se-
guida as alamnaa eaBCaram I jrmao que
tambem pracedeo aoactA, t cuida um bem arran-
cada oreliestra.
Directora an* otor.ia Ui ranser-
euo lio (ortoBotetna mettiirologio d)
i*8 d-' l)i-7-'nv rn 'le [HP.K :___________ ______
Horas
6

12
3
6
t.
Sa
o a-e
tti
Barmetro
T. nato
do vapai
a
o
-a
2>:".
1> 6
W$
2:Vli
70I'"J;.
20.62
'.' I. BU'
ti 8
.si
77
Sa-
ri I
Tempi-ima 11. .nina Z
Ditamia m-.i-'4*
Evaparacaa em 21 hars- ao sol : 3'>\.; *om-
rCbava-C,"'i (send) 4,"'i de incia noite 6
horas da uta ti ha ) ,
Direccaa do vento : SE de tnea na te at 1 h)
ras e 24 minutos da ornaba ; >K ute 4 e 40 da
manba ESB e SE ; -,u0l0 ,
tarde ; E, ESE t admente at 8 e 40
c caiar fado o corpo da matriz, q'Je pelo aeu t*
manho i oonaiderada um do3grandea monumentos
da prorineia, c isto com a insignificante despezi
de 74-'3.
Esta quantla o producto djj donativaa doa
fi'jia, para cuja acquisi?io'nomeou o Revd. vigaiio
duaa eojnmiaeoea : a 1* composta de diversas pes-
soas inrlu 'Utes da loealidade, a qual logo diss 1
i veu le, quando apenas tinha arrecadado a quan-
I ta de 147| e a ontra eontendo nnicamento doua
i memoria : o Dr. Francisco de Castro It.-b.dlo, juiz
de direito da camarc, ero uegociaate alfores Frail-
esco Antonio Tavarcs.
E- iiiiii -crplivel o ardor e enthuaiasino com
que e: tes dous edadaon, ab3trahioda-ae inteira-
mente d >s s-mis 11 gaeios e afifazere, cumpriram o
: religioso man.'.ato, mendigando de parta em porta
I o nb se iato at o momento em que vi-
rana terminada a taa ardua misso.
A li 11;rosa c brilhante recspcSo feita a S. Exc.
! peloa garanhue'ises, veio coma que augmentar o
t rvor ano j transbordava em todo8 os coracSea
1 dos pap iceiroa, pela vinda do ioimiiavel chefe
da groja pornambucana, c todos aguardavam o
felizraom..to em que podessem tributar-lhe suas
ii 11. n-igei..- e affectOB.
Pra asi, ao Htniohec?r do da 11, ji tota a
villa se reaolvia no maia alegre e festivo movi-
mento.
A praca de Pedro II e diveraaa ru*3 foram
loga varrdaa e arborisadau.
Diversas arcos, guarnecido! de oaquiataa c
odoiifcraB flores, eruzavam a estrada por oade S.
Exc. devia paasar.
o Oa cavalleiraa quedeterminaram ir ao encon-
tr C- S. Eio. ehegavam 3 dezeuas de talas aa
directo s e agrupavam-so na porta d Revd. vi
gario Chagas, a cuja frente e cm numera de 280
partiram s S horas da manha para Br jo da
SantiCni. onde chegaram 4 1 har da tarde,
achanda-sc ja ala S. Exc. com a sua comitiv ,
camposti dos Rovda. couegoa Autdnio Fabriciod.
Aranjo Pereira, Antonio Damingues de Vason-
celli-s Aragii-, R-avds. padres Pedro Pacifico do
Barros Hez rra, vigario de Garanlmns, Jalo S;a-
res de Albuqaerquo, capellode Canhotinha, Luiz
Ignacio de Moura, fenente-coronel Antonio Vtatof
i one'a outroa ma tes diversos cavalleiroa.
. A's 4 h'.ras da tardo deu S. Exc, a voz do
i.arelii-, col locando se n vanguarda da comitiva.
Pesad e espjssa ouvcm de po envolva ca-
vadlos e cavallciros, profaodas trevas domiuavam
em toda a cxtens&o d> linhi.
Dorante a viagem, eoeoatrou a comitiva, nqui
e all drwraon arcos ernados de flores, cilOntadoa
de por, qus de todos oa ladoa hfliiia pressuroso
a reeebor bencio do ;ea anuvel e banloso pan*
tor, e ao r.vistal-o cobriam-node Aires par anafre
estrepitosos vivas e acclamafs.
A properolo qua a comitiva oe avisnhava
desta Vtlla 11 >va levas de cavalleros so iho i.eii
gropaodo, de orle n,oa ao descer a aura do Odia
a'Aua ". o numero d'ellea ae elovava acuna de
10) np ruxi i.alimente.
A eataeionavam o Dr. A'Jgceto Ceaar P.
reua Cuidas, promotor publico da comarca, e O
slfei.-a Fri.ii.- sen Autonio Tavarea a alma e vil:
de todo este movimenta.
Eate cidadao, ao reconhece.- 0 migest^sa vul-
to ae 'iiinti; BoeoMn
Exm Sr. D. ioti.Eu o maia hnmil te dos
habitante* da fregnezia de Bom Cnns-llio, t nlu
a dstuu-ta honra da spresentar a V. Ex: 1 -vm 1.
por ii.im a p-l'S fiis citholicoa desta frogu zm,
os coss protestos da alta ostma e consiiertca
n nneasrosao principe da igrej* Olindeimo, ja no
tranaparV. Exe. oslo dcata freguezia, i pi-
M deiiar da manifeatar-lhe o jubil 1 de que
n s aetiamos poasaidos pela felieidade quo uo
d-i sermn risitadoa por V- Exc
Digne se, paie, V. Exc. aceitar as noaaaa sin-
ceras rom "ni gens e congratulare.
Calorolsos viran toram o termino desta enrta
nnam.1, vivaa enthaaiasticamonte correapoudi-
dos por tola a comitiva.
Mais adiante, no nitio Cana-Nova, esperavr.-
0 o Exm. Sr. Dr. Bento Ceeiliano doa Santoa Ra-
moa, deputado geral pelo 11. deata provincia, o
Dr. Franciaco de Castro Repello, juiz- de direito
a 'ro da matriz, repicaran) os sinos, militas giran-
dulas de foguetes subirm ao ar O ao entrar na
igrej* a msica fez logo cuvir o Eoit Sacerdos
Magma.
* Depoia de urna breve oraco subi ao pulpito
oR;vd Luiz Igua -o do Moura, o qual em breves
mas i-loqiieiitea palavraa f.-z ver os intuitas di vi-
sita de S. Eso. a ost* loealidade, c terminado o
aerraao rotTou 89 para a* casa do Revi, vigario,
onde recbeu aa visitas das p'saois grada da o-
marca, conservando-so sempro nccesaivel, ulTivel
o obsequioso a tod03 que o procuravam.
Na da 13, procipiou S. Eic a ada.niotrdr o
Santa t'brsm 1 aos fiis, encerrando-o na da 22,
ao qual eonorreram crea da neta mil poasoas,
appri ximadam-nta.
Durante o BMSKO periodo o numero de cala-
mentos elevauso a 3G7, na raaxi.ni parte deserto-
r-'8 da aroaqc-ibij, suecoleaia oa baptsadj3 cm
inmei'O cono, ponl.-ute.
" Sai incaloulaveia os bonofioi3 prodigaba i
par S. Etc. populacho pabra da CoaMrCl.
As horas que sabravam da renodna em prega-
va-na B. Exe. c o demais clero no coufiaaiooario,
e noite, pelo esp :q de 2 horas, subia ao pa
onde com nonora voz, palavra pean a si va a ant.i-
riaada, proflgava o erro, e enaiuav* as Stiaa que-
ridan ovelhaa 08 escoihos que devia-n evitar para
a coneecuca d seu desidera'hn, a nal vaco
eterna.
3. Exc. ai muitfj Coaijuv.d) na su sagrad
ministerio p 03 c>n"goa Antonio Fabricio do
Araujo r'er.rn, Antonio Domingaes do Vosean
aeUon ArsgSo, Barda. Joa> Boa res de A''ou |.i 1-
qu3, capeliao do Canhiinho, Li'z Ignacio do
Moura, Cicero Jo-qum de Siqui ira Toro?, viga
rio de Agua-Branca, Autonio Soares do M-llo, vi-
gari. de Lago 1 Funda, Jos de FreitiU Machado,
vigario do Matta-Grande, Jaaqure Juvenci da
Amaral, vigario do Corr nt. a, Pedro Pacifico de
Borrn Bexerra, vigario de Qaranoao*, Jone d*
Maia .Mello, vicario da Palmeira doa Indios, Fran-
cisca Antonio da Coala P.ilm-ira, rigara do Que-
brsngulo, Fr. Caetaao do M< asina Sa'orinho, pre
feto da Poiiba, Fr. Clemente do Lioaiaaa, capel-
Ido do rccolbim-nto e Fr. Faustino de Tronto.
No da 11 vaitou S. Exc O reoolbimento de
B >m t-'onaelbo, sendo a:omoanliado par t-do o
clero presente c p laa pessaas gradaa da loealidade.
A'li depoia da celebrucao da minna, coinmun
garam cerca de seasenta r.-co-hili para o que
tiuhatn ida previamente canfoss
Fiada a masa t qu-iodo S. Ese. transpuohi
o carredor do callegio, n educan la Phldnein
. menina de 7 aun 13 de id:d-, promocin u i.
brilhante e longo diacursa, que muitou agra.Lu c
commoveu o auditorio.
Na fim do acto ua Revds. capuchir.b-a offore-
ceram a S. Et?. um lauto alm>so, n> rriqto di
Callegio, ni qual alm aVaS. Eic. raasvaa parte
os.Srs. Drs. Bento Cooiliam das Santoa K .
rr.noisoa de Castra Babrlto, Miguel 1! s Alijo*
Barroso, Augusta Ceaar Ptera'ra Caldas, tuas,
Ezmas. cousortea e outroa oidadioa qoalificadon.
Neata occasiao e por lembranca de aigomaa
Exmaa. aenhoraa, abno-se urna aubseripylo coi
tavor daa orphaa recolhidas, coocirrenda tamb.-m
S. Exc. Rovuia. eom a qnintia de com mil rcia.
No da 1G ainla volt.u :!. Exc. aa OOllegio;
visitando o j-irdm, o cemiterio do estabelcv-iinento
e por ultima a escola do knesmi, aasistindo nos
examos de gcograpliU qus neasa o.-eisi:la prciti
ram algnataa das eduoandaa.
Nidia 17 voltou S. Exc. ao Bom fon?
oade assht'O maaa cantad* *pelo muito digno
prefeita da Penh* Fr. Caetana de Messini, ser
viuio tbe de daoano o Rvd. Fr. Clemente
Cionisse, c de subdiacana o Uvd. tt. Faustini de
Trent), sida o meatre de cerimjiiias o pregador
da tentividade o Rvd. Laz Ig.i o > de Moors,
aesistnda S. Exc. ao solio, p-utifi-alente v. n-
t da, reala cano assistenta U-l. craegj Aata-
nio Dimiiigiiea di Vasoancelloa A l{J.
Cicero Joaqum d-; S ;u .-ir.i T rren. v :i i> d<
Agua Bran
Terminada a miasa S. Ei
mi asa fi-is valtao lo 111 seg itri,
onde, em coinprimento do progt un na,
a ad niniatrar aqaellesaer 1
S. Exc. rec boa e a eon-
ritis : para nm j mtar, na ii 1 1 >. pmo Dr tas-
tr* Beballo ; no di*21, pela Dr. Itent) Rimo*,
para um i iota* na eua Importante c'iaeara d 1 \ 1
bary. o no da 22, um proluso cha, linda pelo Dr.
Castra Rebollo.
To-lis eatea convit?3 taramext^nsivoi :n p"a-
aaaa gradas da loealidade. n duianto a; retat*
foram ir.-eidis diversoa brindes.
Ni dia 20 visitn S. Exo. n ee-n torio pi
blico, o qu il deinara a um kdo.-n tn de d'Stanaia
da matriz.
Na tarde do dia 2.' foi S. E >-. asar si ia
pedid 18 ao pC3SO*l do callegio por cuj > im'iva
disenrsaram S Ext. e o Rvd Fr. Cu-tano
No mosmodia \ tard ali.n I -se -i matriz
replretadn ti-i-, tan e\ Exe. o nermao de
dda.
Oa salutares cons-lhoi do S. Exe. m ama
Iban, a terimia de suaa pi!;vras, 1, mslodi d.
nui voz produsir-un urna tal BSOMBOclo entre O
audit r, qu- nriu S. Exc. p>!e rslon:!or-so c
povo cao'er aa lajri-
-. Por u-tima fez u n brilhaut > Rvd
paioiho da freguezia, re.o.nm 11 liuau- i frati-
dio daa au-ia cvelli s.
. No sabbida, 2!. rclimu-se S. Etc., s-nda
acomp'.nliad) p->r dirernaa p ssons, pro
r I g> que foasem naw Imd 11 .a obras rl 1
trii para aa quaea d-.it m a q-i.-inti
proiucto d*a ff rta* do ebrsma .
S. Exc. Vulta sati-ifei' ido ro le, mis ain
acolhimento que goralmen-c Ihe f >i proligalimo
peloa habitante* desta villa, cm cu jos can
deixa S. Ere. gravado eternamente o aeu uom \
Pliotmsrapbia. palatrrnA Ameri-
ca io Norte contina a 8er o piiz daa grandea
deaeobertaa. E' assim que Grabam-Bell acaba
do inventar a Fholograpkia da palavra.
El* em que eonaiate eata ovengo :
Se ae dirige um jacto de ar aobre ama cham-
an, e se imprimem pulsacoes a eate jacto, por
meio de ondas sonoras produzidas pela roa, estas
pulaacea sao reproduzidas sobro a chamma, que
emite um aom musical; a isto que e chamam
chammas cantantes.
Sei ia por demaia longo explicar por que me-
chaniamo Graham Bell chega a recolher aobre
urna placa photographca asnsibilisada, a imagen)
d'eatas vibraijoee que dao carnadas de capeas ara
ranavel. Basta diser qoe, ae ae interpozer eata
placa a um circuito microphonico estas camadaa
vanadas, formando moutea c valles, fazem variar
a intenaidade da corrate e reproduzem no tele-
pbonc oa aona originaes.
Aqui a phothagraphia que d a imagem do
aom, raaa elaaticidade que faa que ae ouga esta
imagem.
Q'uaea eerao os resultados d'cata deacoberta ? O
futuro o, dir.
Tu n 1-1 do monte SimplnBreve-
mente derem camelar oa trabalhas do tunael do
monte Simpln, que aera o maior de todos que at
hoje so t.-n perforado, poia ter 19 kilmetros de
exten ao, calcnlando-aeoacu cuato em 18,000:000*.
Eate tunael tcm por fim encartar a dittancia
entre aa coatas do Maditerraneo e aa do mar do
Norte, facilitando ao meamo tempo aa communi
cac:ia de Italia com o resto da Earopa.
Com cate tunnel aerio quatro 08 que atrarea-
3am oa Alpes. O primeiro que ae conatruio toi o
do Mou:e Cenia, que tem de cteoslo cerca de 11
kilometroa o caatoo 13,0o'0:00/0U0, o aegando
foi o de S. Gothnrde, que med-i cerca do 14 kilo-
metroa e so cusiou 10,03:000i.03, por cana* doa
sperfeico;montos d ia machiuaa e apparelhos de
perfuraco; e o terceiro, o do Aribrg, quo t me-
d de extenao core* de 10 kilmetros, sendo o seu
cuato muito inferior ao doa anteriores.
Mctie-a* e musgosCom 03 lchens e
musgos, que taato abuadam na Suecia e Noruega,
elabora-ae na fabrica de papel do Jonkopings
urna massa que se etnptega parafazer ciriao, mol-
daras, movis e grande numero de objectos di-
versos.
O processo, que obteve privilegia de inrenyao,
consiste em lavr o musgo em um grande deposito,
sendo depuis lancado para outro receptculo, on-
de 8e Ihe jutitam 3 p. c. de resina e urna quanti
dade do agua aufficiente para converter o musgo
en massa.
Eata massa submotttda necio de doua cy-
Ii 11-Jroa campresaors, gnarnecidoa de tela, o depoia
-juntara so-Ihe ons 20 p. c. de barro da cachimbo
e materias cornica inertea para tingir a massa
como ae dseja, e em seguid 1 faz ae o carto pslo
precesso usual.
A massa pada mode!ar-ae, e oa prodactoa qae
esultam sao tao duros como a madeira. podendo
ser Iraba'liida como eata.
A rmstron'i 7J.U0J Whworth to.700
74k,80 95k,20
G"i,86 124k;09 7">,S6 181k,36
0i",403 0 457 610n,(7 670,55 548,2 579',10 4>"',50 457>,20 ria aer evidentameute a fieito que forneceu os
Oa caiibAesLe-se na Revut Maritime et
Cjloniale no mez pasaado :
A desprito da ameaca da umi accla judicial
por crirao de calumnia ; a d.-sp -ita do desmentido
dirigido ao Tines sobre a pretendida gravidado
1 in avarss sobravindas naa presa do Ajax: e a
doapcito iinlinenta da deolaiac-a solemne feita
pelo ministro da guerra, quo fallou tambem em
uoinn do Duque de Cambridge, commaadante-chete
do mtereitn] de que nao ha va c liega li :io neo
c^nheciaento, caua* neahuma que diminuase a
aua confian9 1 na inteira honetidade de todoa es
llioiaca di servica da artilhari,' o Admiralty and
liarse Guirds Gazetle coiitin* com a me3ioa vio-
lencia a eiora uili a einprel-ndia aimultanenmeate
cantia Elstricko Woowch. Na quo concerne
casa Armstrong, apparecea na folha ingleza, como
paderosa auxiliar, um offiiial brazileiro, que fai in-
cumbido, hi alguna anuas, de acompanhtr na In-
glaterra o armamento da Riachuelo. Este oficial,
que 60 Io tencn'e Gueles, da ttfrh de artilhiria
do Ri 1 d i Janeiro, cscr. ven ama memoria sobre
a tfaii'i -3 do Riach'ieh e sua ulteracla pe!o cys-
l111.1 Armairang, e um exeraplar desta memoria
foi dirig lo do Kioaa Admiralty and Ilorse Guarda
Gazette.
O fornecimento d>3 canhea da Riachuelo moti-
voa ama como concurrencia entre aa casas Arma-
trODg e Wliilworth, a qual apreseutau os aeguin-
t 8 iCjUltadas :
Preca do cinhia fra..
Mixiini do peso da
carga de plvora..
Ccmpriuvnto total do
canmW...........
Peso do projfctri.....
Espessura da chapa
qua devia acr pe c-
trada............
CeleriJado iuisial....
Coleridade a 900'" ...
CeK'idadea2,70G'"..
A caaa Whilwarth de
preferida, e f .i ella com
canh -a do Riachuelo, oa quaea eran typos parti-
culares adoptados par Whilw jf tb, iato : tiuham
o tubo hexagoual.
E' fr* de duvida que o calibre da um caoho
deate typo (22',86), medida de um ngulo ao ou-
tro, um p tuco menor do que o de um canhao do
inclino t imaiili1, porm de soer;a> circilar.
Entretanto, as experioncias 03 canhea Wbit-
ivorth deram oa mdhorea resultado.
Foram cjih effei'o os primi-tros que perfuraram
urna cbap. do forro fundido do dobro da dimonsao
do sen .-.libro, ulravessando, alm disto, um col-
cha de madeira e areia que se julgou rquivaleate
a 12c,7 de forro tuudido. A chapa fra teita pelas
Srs. Joliu, BroW & C, e era do melhar ferro fun-
did 1 que ao conhecia entao. N5) ao tinha empre-
gado, ent.ietanto, o mxima da carga de plvora
ictcrminado no contracto ; empregaram-ae apenas
89k.50 de plvora negra prismtica.
Este b)in reaultada doa canhea Whitworth de-
via contrariar a casa Armstrong; o que facto
quo ella se cffereccu ao governo brazileiro, para
dar raaior coleridade inicial a'a c.uih>a do Ria-
chuelo, transf.rmanio-oa em estriados do typo
Armstrong, c-nn aec?ao circular do meamo calibre.
O teneute Gnedea diz, na sua memoria, que n3o
eom prebendo porque foi tal offerecmento aceito
ano governo, a dcapoito da cppasisao do al
mirante Costa Azevedo, aabeuda-ac cama Elsivick
h 1 va s.-tiafoia oa seus compiomissos anteriores com
\ Italia, a Inglaterr* e a Hoapiiuba. O governo
braz-lero devia a acreditar que o aegraenta da ce-
leri.lade inicial Ir.iria ajgmoato da farca de pona
traeto ; una a caaa Armstrong na 1 tomara nenhum
coinpromisao n reapcito dente ultimo ponto. Oa
aeua direetorca deviam saber que coa o augmento
do calibre do caubSo teria do ser diminuido o com-
primento do projectil, cuja peso n'u Ora licito aug-
mentar, e que o matar dimetro d-sae projectil
oooaaionaria, pela reaietenc a do ar, diminuicJo na
fort/l de peuetrava) ao chegar ao alvo, naa obstaute
ser matar a celerdade inicial. Por iaso nao quize-
rara ellos fazor, com oa caiiboas que t/ansformaraui,
uiunilcooinn naa meamaa cmdices anti r.are
Este* ca-ihoa, dep-ia de transformados, ficaram
cam um clibre de 27c,32 e eom celerdade inicial
>V3 que linham anteriormente.
O tenento Guedes nao se refero a expriencias
1 netraijao a que foasem submettidoa ; maa d
110'i as das que f-'.r.tm foitaa com oa caalis da
liUm, t.riieci.ioa pir Blawlck por menoa
89,73 ) fi-aocus dj que o ousfo doa canhos Whit-
W o-'li.
A caaa Armstrong quiz farer a chapa de 45",
levia servir para aa experiencina, e o governo
brazileiro uceitiu esta cauaifla. A chapa de que
se tr* veanada por um pn-j-ctil compel-
lilo por l7iik,8 de palvora elucolate; maa eate
projeett! quebrou-ae em mil pedamos e toi lmente
a im pulla ogiva! qno ntrivesiou o mastico de
a (M, qu' se achiva pr traz da chipa, e foi ea-
terrer- w na eolehta de madeira.
Em oitra exp'rienca, feiti cam uxa chapa
C unTie1, esta ravhen. mas o projectil nao pcaOtroo,
l.ciirie.Effoc!uar-ae bao:
I loje :
rilo i\u''iite liurlamaqni, a il hars, na rna do
n lar o. 30, do predios,
Pu.'o agente linio, aa 10 boraa, na ra da Mr-
quez de los* n. G, de lazendaa, miudezas, mo-
vis, laucas, vidros, etc.
fe agett'e Pes'nna, lia 11 h.raa, na raa do
.:. 1 l'liciioiiou. la\ de pisaos, inoveia, toncas
as.
Peto agente Gusmo, as 11 horas, li ra do
'.oda n. 19, d..' mjvei, lougis, vi-
dris, 1
Amanlia :
Pe'a ffii'e finio -- 11 horas, na rus di Carao
di Victoria 11. 12, do eatabelcciincnto fhi sita.
a agente Gusmo, s 11 horas, na raa do
Viaoonde de Giyauna n. 217, do ettabelecim?nto
abi sito.
Pelo agente Siveira, s 11 horas, na ra Es-
treita do Roai.no n. 24, de divida.
Miaa fnebre.Ser celebrada:
Aman ha :
A's 7 horas, na matriz do -Mooteiro, pela alma de
Antonio Rodrigues Fernandea.
PaaoasjelronSahidoa para 03 p>rtas da
norte no vapor nacional Mandos:
Joa de Mello, Joao Baptista Siraiva Leo, pa-
dre Franciaco T. Pereir da Coata, Targino Pe-
reira da Costa Filho, Elias F. de Souza Muir, L.
Pamplona, Joa Maria de Menezes Lyra, Bernar-
dino C. A. de Albuquerqae, Dr. Manuel F. de A.
Montenegro, A. B. de Parias Coutuiho, Paurillo
Vietor, Jos Raymnndo do Lago, Cacaceno len-
rque8, Froncisco de Brito Lyra, sua seuhora o
ama filha, Manoel C. de A. Alb.iquerqae, sua cu-
chada e ama menor, Dr. Manoel C. de Gauveia,
Dr. JoSo Moreira de MagalhSes, sua scnhaia e
um filho, Moysa C. de A. Arauja, L. C. Lima e
urna criada, Manoel Nouvel e 1 criado. Jlo Som-
bra, Flora Maria da Coaceico, Manoel Maria Al-
ves, A. R. da Costa, Leonaido O. da Silva Castro,
Benjamn Schw.il C. A. Siveira, Alfredo Ferrci
ra, Antonio Guedes Valente e aua aeubora, Fran-
ciaco Paiva e urna filha, Dr. Joaquim Maria Pi-
olieiro Costa, Agostinho Lourenca Porto, Jos Pe-
reira N.vea Baha e Dr. Justiuano Serpa.
Chcgados do sul n 1 vapor Americano Ad-
vanee:
Maria A. Pereira do R-go, Jacinlha Pen-ira do
Reg, Maria Genoveva e urna ariada, Jos E. Mo
reir Alvea, Bernardina Peioira Barbosa, Eliaa
Antonia, Felppe de Castro, Jos A. de Olveira
e Ricardo Meoezes.
Sahidoa para oa partoa da norte no vapor
Jacuhype :
Deeembargador Adeno Antonia da Luna Fn-ire
e aua familia, Antonio Minerviuo do Moura Soa-
rea, Franciaco Gomos Marques da Fonacca. Joe
A. Costa Barro*, Jo. Eatevao Pereira, Alfredo
Auguato Pereira e 1 criado, Luiz Pessoa de Mello,
Thomaz Peaaoa de Mello, Odilon Ribeiro, J.a
quim Ribeiro, T. J. Hirdiog, D. Joa&sa A. das
Nevea, Muximiano Figueredo, Pedro E. Sallas
Silva, Franciaco Jos da Costa e suiaeuhoi,
Manoel Pire?, Paulo Paes Barreto, Julio M-deiroa,
Gustavo Soares de Pinbo e Maria S.lustiana.
l'roi-lnmni le caaamento Foram
lidos no dia 5 de Dezembro na matriz da B > .-
Viata, oa sguintes :
Cosme Poreira Baatoa com Agoe.li Loira do
Espirito-Santo.
Luiz Ferreira Cruz eom Rita da Cistn Beta 13.
Bacbarel Lua Joto Pereira com L-opodiua
Vegaa.
Antonio de BurgiaPonce de Lean cam Maria
Leopoldina Pereira da Silva.
Bacharel Jos Buarque de Mac 'da com Aibcrti
na dos Santoa Azevedo.
D : ti va dos Santoa Vicira cora Mara da Racha
Montuiro.
Cama de DotencoMovirnento doa pre-
808 do dia 8 do Dezembro :
Exiatam presos ^13, eotr.-ram 7, sahiram 2,
exist.m 354.
A aaber :
Nacionacs 826, muihercs, 5, entrsogeiros 11, ea-
cravoa 8entenciados 5, procesiado 1, ditoa de non
reccao 6.Total 354.
Arracoadoa 321, sendo : bona 309, doenten 12
Total 321.
Naa houvo movimenta na esermaria.
l.o teria Lista doa nmeros premiados na
5a arrio da 21" parte daa loteras em favor dea
ingenuas da Colonia Iaab?l, extrahida no da 9
do correnta
7124
14555
2693
23177
10.58
2C:0;05000
40:0 I
20:00
10:000*001
5:00000tl
Carnero de 720 a 800 reta id
S unos de 560 a 640 reta idean.
rarinha de 240 a 320 res a euia.
Milho de^80 a 320 rie idem.
Feijio de 560 a 640 idem.
faiadonro PublicoForam
Matadouro da Cabanga 58 reze* para
do dia 10 de Dezembro.
Sendo : 44 reze* pertencentsa Oliveira C**srs,
& C, e 14 a diversoa.
Cemiterio publico.Obituario da ata f
de Dezembro :
Laiza Maria da C mceicao, Pernatabues, Iftt
nnnoa, viuva, Santo Antoaio ; decrpitade.
Jos da Penha de Franca, Pcrnambueo. 49 ae
nna, viuva, Boa-Vista ; tubrculos polmonare*.
Victorina Marta do Carmo, Pernambuca, asr-
noa, solteira, Boa-Vista; taberculoa pulmoasraa.
Firmino de Barroa Cimpeli, Pernambasa, S
annos, aolteiro, Baa-Viata; tisiea da laringe.
CapitSo Jos Lucio Los, Pernambuco, 76 aa-
noa, vinvo, S. Joa ; dilatacao da aorta.
Manoel, Pernambuco, Boa-Viata: remetde
pelo sub elegado.
. Jos Fabricio de Mendonca, iguora-so a asta-
ralidade, i lade e estado, t. Jos ; remettio pata
subdelegado.
Anna Maria da Conceicao, igaoraae a natnra-
lidade, dade e estado, Rocife; romettido pelosas-
delegado.
Rogeria Maria de Almeida, Pernambucj, -tt
annos, casada, Boa Vista ; eryaipela.
Maria Vicenca da Conceiclo, Peroimbae*, 5*>
annia v uva, Boa Vista ; dilatorio artica.
Maria do Carmo Mend nct Carvalho, Pern
buco, 23 annos, casada, Poco ; hemorrf
pueperal.
J.a L?ite de Azevedo Renda, PortagaL
anuos, salteiro, Varaea ; tebre typhea.
Franciaco Jrs dos Santoa Chacn, Pernatassmo.
60 nnnoa, caaado, Afogados ; bydropeaia.
Francisco Maria de Oliveira, Pernambueo, SR
annos, sclteira, Afogados ; diebite aguda.
Mara da Conceicao, Pernambuco, 11 anana.
s.lteir, S. Jc8, dyaent' ra.
Joanco, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Viata; ee-
! quelu.-he.
Lucas, Pernambuco, 60 diaa, Recite ; tetsaa.
Alaria do Ciirmo, Pernambuco, 22 annos, aoitet-
rn, Baa-Viata ; tubrculo pulmonar. '.
8
Fortunato, Pernambuco, 8
atareas.
Jos Gomes Carneiro, F'ernambaco,
salteiro, Boa-Viata ; hydropericardio.
Andr .Marques, frica, 70 annos, Boa-Vista,;
cachexia palustre.
J % Narciso da Racha, Pernambuco, :J6 aaaaa,
c.isado, Boa-Viata ; congeatao.
Irin.;u Gooie8 Macedo, Pernambuco, 22 aucoo
aolteiio Boa-Vista ; febre Bpticemi--.
Conatantino G, mea de Souza, Peroambuco, 2
annos, aolteiro, Baa-Vate ; bepatisaciio pulmooac.
Murcolino, Graca ; epilepsia.
Auguato, Pernambuco, 112 aun03, Boa Viata^
febre Bepticemi.
Um feto, remettido pelo subdelegado da Boav-
Vi:ta.

S. J-3
4G aaasn,
Pi:IIL!(].4C0i.S A PEDIDO
Manifest
/
lllm.
1:6004000
1:0J
4:000
4:0001 100
3:000*U00
3:00)000
2:0004000
2:000/001
l:00JlO0
1:000*000
850-
com
PBEMI03 de 2:0005000
961 892 25HT2
2220 10431 3171.,
2507 19530 9-2082
premios de 1:0005000
062 5162 H92 22208 30131
2176 5215 12062 24012 86342
3187 6571 19959 24113 39231
3393 6642 2< 057 21927 .....
1590 8025 2 '975 27683
M. maia alto 9M31
N. mais baixo 662
ArPROXlMA^OES
7123
7125
14534
14536
2094
2696
23176
23178
10057
10509
Oa ns. de 7,101 a 7,200 estla picmiadea
400, excepto o da sorte grande.
Oa na. lo 14.501 a 14,000 ea-2) premiados cam
200, excepto o da sorte de 40 conten.
Os ns. de 2,631 a 2,700 estila premiados com
1004, excepto o da aarte de 20 conloa.
Todas aa centenas, terminada? cm 24, estilo pro-
miadaa com 1003, inclusive a da aarte eraade.
Tod:s oa na. terminados em 1 e 5 cataa premia-
doa com 21. .
Lotera da provincia. Segunda f.-ira 13
de Dezembro, a4 horaa, su extrahir a 13k parte
da 1. lotena em beneficio da Santa Caaa de
Misericordia do Recite, pelo novo plauo nppro-
vado.
No consistorio da igreja de Nosa Scaaora da
Conceifo doa Militares aera feita a extraecio
pelo syatema da machina Fiche'.
liOterla,A 13 parte da l lotera da provic-
cia, em beneficio da Santa Caaa de Misericordia
do Recifo, pelo lavo plano, cujo premio granan "
100:000JW> a:r extrahida no da 13 de ezem
bro.
Os bilhetea garantidos acham-ae venda na
Casa da Fortuna, ra Primeiro de Marca nume-
ro 23.
Tambem acham-ae randa na Caaa Feita,
praca da Independencia ns 37 e 39.
Grande lotera da pros-inciaA G
acrie dcata lotera em beneficio don ingennon da
Colonia Isabel, cuja premio grande 210:0005000,
ser extrahida no dia .. de Dvsombrn.
Oa bilhetea acbam-ne S venda na Koda da For
tuna ra Larga do Roaario n. 36.
Lotera do BloA 2 parte da lotera
o. 366, do novo plano, do premio da 100:000Oi/!,
*er extrahida no da .. de Oexambro.
Oa bilhetea achara se venia na Casa da Foi -
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-ae 4 venda oa praca da nae-
pendencta na. 37 c 39.
Lotera Kmtraordlarla do Vplraii
Ka_0 4.* e ultimo aorteio daa 4. e &.* si-.-!..-
desta importante lotera, cujo matar premia dt
15<):0005000, ser extrahida no da 16 i Desem-
bro.
Acham-se expostoa venda 08 rcatoB dos ti
ea na Casa da Fortuna ra Primeiro de Maret
a. 23.
Tambem acham-se veoda na praea di Inde-
dendencia ns. 37 e 39.
Lotera da rorteA 43 parta da 2 1 lo-
terh da corte, cujo premio grande de lU0:0OOi
ser extrahida no dia 18 de Dezembro.
Osbilhetcs acham-se venda na Caaa da For
tuaa rua Primeiro de Mar\-o 11. 23.
Tambem acham-ae renda na prag! Ja lnd>-
pendencia ns. 37 e 39.
ereado Municipal de #a U
movirnento deate Mercado uo dia 9 do correte
fui o ne^uinte:
Eatraram :
33 boia peaando 4,678 kilos.
238 kilos do peixe a 20 rcia 41G
37 cargas de fariuha a 200 rc3 7*40)
12 ditas do fructas diversas a 300 rs. 3(i'l
2 taboleiros a 200 rea l "
9 Suinasa200i6is 1SOO
Foram oceupados :
25 columnas a 600 rea I5/.0)
22 compartimentoa de fariuha a
500 ris. lUOOi
22 ditos de comida a 500 ria ib
62 ditos de legumea a 400 ria
16 ditos do suiuo a 700 ria fl jM I
11 ditoa de Ireasuraa a 600 r *
lOtalhoaaS 'A ''
4 ditoa a 1* i MI
A Oliveira Caatro & C.:
51 talbaa a 1 rea
2 talhoa a 500 rea la-A*
Devo ter "bido arrecadada nese dia
a quantia de
Rendimento dos dia* 1 a 8 de Dj-
zembro
L-u
Poi arrecadado liquido at h-aje
Precos do dia :
Carne verde da 320 a 430 rii o kib.
17'..
ytj
1:730 .
e Exm. Sr. Dr. Francisao de Ame
Rosa e Silva
Oa abaixo a;signados, eleitorea do municipio 4e
Caruai, do 10' dietricto eleitaral deata prarit-
ca, pelo presente, vem significar a V. Ere, orne
se ncham nlen unente aatiafeitoa aela attitude,
maneira por quo V. Exc. discuti diversoa assams-
toa na curiara doa Sra. deputados, e ranita eapo
cia1 mente sobie o previlegio odioso e incoo8titn;-
conal que veio atropliiar e aniquilar a industrie
pastoril deste municipio, e deata provincia, previ-
I gi > que e'itregou a discripcao de urna cotaya-
nlii.. de meta duzia de especuladores urna elanaC
inieira do homens !abir03oa r hoacstos, r'eduzta-
da oa a terem prejuizoa iucalculaveis a miiade
um aun i.
V. Exc. no seio da representaco aacional asa-
Iraone demonatnw peifeita a projedentemeate a
iuconstitncionalidade da le que creou tr.! preve
go, c oa signatarios agradecidos por este aerric^
que qunlifieain de relevante, vem dar a V. Exe.
um publico leatemunha de seu reeouhecimeate
{jratidao.
Continu V. Exe. a advagar os in'eress.'S &
provincia, e ao districto que o e'.egeu, que aeaantK
encontrar aceitacao, ja na animo dos aigoatnffM,
c at meamo de multas adversarios polticos, se
oSa desconbeeeai o aervico valioso que V. Exc.
p estou a extensa classe de criadorea desta
vieta.
Caruaru', 24 de orembro de 18S6.
Estevo de Lacerda.
Antonio da Silva Florencio.
Francisco uatavo Ferreira e Silva.
Francisco Rodriguea Porto.
.M mi) I Jos de Oliveira.
Augusto Nuuca de Oliveira.
Joo Man ci de Jess Cas.
Joao Nunes de Oliveira.
Sydronio Pi da Siveira Viial.
Vicente Perrer de Albuqucrque.
Aiii ni 1 Nanea de Oliveira.
Laureuio Goncalves de Azevedo.
Sebasri.Io Antonio de Albuquerque
T.burcio Valeriano da Silva Lyra.
Autonio do V'aaeoncelka Flareccio.
Antonio Alvea de Oliveira.
Austerio Rodrigues Brasileiro Carva!!:a.
Mainel Fraucisco da Silva Reg.
Paulino Niean Augnato de L'gos.
iiodop ano Florencio de Sonza e Silva,
Pedro Antonio de Souza F rro.
Jiao Clim-ico da Silva Limcira.
Joao Joaquim da Paixa.
Claudiuo Auguat < de Lage?.
Liuriano Jos de Carvalho.
Joaquim Jo; de Morara.
II -nono Travaaaa S 'brioha.
Eatevao Joaquim de Lima.
JoSo Baptista Nones.
Jlo de Frcitaa Torrea.
Manoel Nastasooo Florencio de VateoaceOca
Jos Albanssio de Frcitaa Florencio.
Florenci > Jote do Naaeimcnto.
Manoel Izidoro da Silva.
Salustiai o Florencio da Siveira.
Jos Theotonio de Aguiar.
Joaquim Francisco Paea de Mello.
Manoel bezerra de Vasconccllos.
Manoel do Valle Pereira.
JoSo Izidro Paen de Lyra.
Man el Jos da Silva Filho.
J i Franciaco de Pontea.
Jos Ferreira Maeiel Duda.
Jote Kmiliauo de Souza Braga;
Franciaco Roberto da Silva.
Joj Francisco da Silva Porto.
Vctalin. Franco Coiho Cavalcacte.
Claadino Ennes Torrea.
J ao Ignacio de Almeida
Fraaninco Canuto de Amorira.
Joaqn'un Haaonl da Silva.
Franciaco Xavier daa Chagas.
Aur. lio Floreucio da allvo Limeira.
U ao Coriblano de Oliveira.
Ilemct. na Joa Florencio de Souza.
AU r. mdre Florencio Jordio.
Joa Florencio de Souia.
Franciaoo Pinheiro Macie'.
Ma-ieel Jo?.quim Femandes da Motta.
Jo .Joaquim de Meira.
Antonii Renovato da Silvs.
J i MCaetano Cr ho da Silva.
I .,'n Fi! reir do Mello Lyra.
ico Cap'.ol na don Santos.
Jo Clemente doa Santos.
Mu n I Apoloaio doa Sanios,
Mantel li mes don Santos.
I Fian rian dea Santos.
F.*n acio Alvea Moreira Jorda.
M.niel Florame da Cesta.
Franciaco Socalo Torrea.
el i'e.naudcs Pmhcir-.
inlmg de Azevedo Lyra.
Aastta 1 J^i de Nogu-ira Mello.
Aten ia Ito Vieir de Mello
FraSHMeo e Asaa Xavier de Lina,
J r Anl ni) Ferreira de Mello.
Antonio Beserra da Silva.
Manoel I!, z -i ra da Silva Salcna.
rra Cavlcaute.
I ,- t mes do Nascimento.
Francisco Martiniano doa Santos,
r 1 U.baa.
Alexindrc Bezerra-
Mirlu ha Gomen Beserra.
O.-taviano de Araujo Aibuquer^ue.

rifiiri



Diario de PeroambucoScxta-teira 10 de Dezcmbro de
13S6


Jote Franklu de Andrade.
.Joaquim Antonio Correa de Vasconcellos.
Miguel Francisco Barbosa.
Feliciano Zeaobio Tortea Qalindo.
Manoel Esteres de Andrada.
Antonio Bezerra de Audrale.
Manoel Elidi da Silva Limeira.
Jos Antonio da Silva.
Jos Alves de Azevedo.
Antonio Mananno da Cruz Leo.
Jb&o Jaaquira Pereira da Silva.
Francisco Jos dos Santos.
Jeo Baptista Num;?.
Manoel Xavier de Olinda."
Jos Rodrigues do Vasconcellos Azevedo.
Rufino Demetrio da Paixlo e Silva.
Francisco Avelino Florencio.
Jos Datra Florencio.
Manoel Joaquim Fernandes da M)tta.
Pedro Alves da Costa Cont.
Joo Ferreira de Moraes.
Jnlio Bezerra da Silva,
erculano Cicero de Oliveira Callado.
Guilherrain) Bezerra da Silva.
Manoel Thomaz de Azevedo.
Alvaro Xavier de Omessa.
Agostinho C'ivalcanti de Albuquerque.
Laurentino Ferreira ("alado.
Isidoro Alvca de Mullo Coate.
Manoel Leoncio Ferreira de Maeedo.
Antonio Fraucisco Florencio de Carvalho.
Manoel Florencio da Silva Jordo.
Joio Francisco de Azevedo e Silva.
Joaquim Nonato de Maeedo.
Estevo Ferreira Calado.
Ag.stinho de Barros Rfgo.
Joo Theotonio de Sobral.
Jote Vicente de Mello.
Antonio Claudino de Sobral.
Manoel Lemos de Moraes.
Manoel Francisca do Naseimento Pipoca.
Jos Joaquim Florentino Mendes.
Alexandre F. rreira da Silva.
Jos Felippe do Reg.
Joo Ignacio da Silva.
Clementino Rodrigues dos Santos.
Francisco Nicolao de Maeedo.
Antonio Ferreira de Moraes.
Miguel Bizerra de Andrade.
Manoel Jos Florencio.
Manoel Thenorio B. da Silva.
Manoel Rodrigues Porto, deputado provincial.
A verdade Iinpoe se
Benjamn Franklin de Albuquerque Lima, ba-
oiarel ein matemticas e scieucias physica, en-
genheiro pela escola central do Rio de Janeiro,
srScial da Imperial Ordera da Rosa, cavalheiro
desta e da do rhristo do Imperio, condecorado
ata a medalha de prata da campanha do Estado
Oriental do Uruguay q com a de passador n. 5 do
Piraguay, etc., etc.
Attesto, em beneficio dos que soffrem de astlm a,
.{ae debelei continuos accessos desta molestia com
c aso do Cajurubba, preparado pelo Sr. Firmino
Candido de Figueircdo.
No exercicio do cargo de engenheiro chefe da
'ommisso de melhoramentos do rio Parnabyba,
ai, em 1882, acommettido de forte bronebite as-
bmatica, reprodnzindo se em terriveis accessos
Jesde que r.panhava qualqucr humidade ou inso-
laco.
Durante cerca de quatro anuos s ffri todas as
torturas dessa terrivel molestia; recorr a todo
que se me prescrevia, obtendo apenas transitorio
allivio. En'retanto tive ao p de mira, durante
siis de um anno, medico qne, alm de profissional
JMtincto, era amigo dedicado.
Estando na corte em Maio deste anno, fui aecn-
oclhado pelo Dr. Silva Ramos para usar do Caja-
rubeba.
O aso dos g alados e sorvetes tinba eoto aggra-
ado os meus soffrimeotos. Nao me era dalo re-
correr a esse apreciado refrigerio dos clisas qnen
es sem eoffrer prolongados accessos de astbma
juffocante.
"* Logo depois do primeiro frasco senti meilloras,
^ue se continuaran! ininterrumpidamente at o de
;imo primeiro, e julgo-me curado por ter mais de
'una vez spanhado fortes iiguaceiroa, sem sentir,
jomo em tal caso sempre senta, terrivel accesso
de astbma.
Devo accrescentar que alm de grande profu
jo de leicencos, que me i.ppareceram pelo corpo,
oenbum outro incommodo soffri, que possa talvcz
ser attribuido ao uso de medicamento.
Corte, 25 de Novembro de 1886.
Benjamn TraiMia de Albuquerque Lima.
(Transcripto do Paiz de 30 de Novembro de
Companbia dos trunos nrbonos
do Recife Varzea
Entao, Sr. gerente, vio S. S. o resultado pro ve-
menta da pafsagem dos trena d'esta companbia, a
toda forca, o que debilde temes at boje pedido
para que seja obstado ?
Nao pederamos boje lastimar urna horrivel des-
iraca e a perda de muitas vida?, se o desencarri-
hamento de ante bontem fosse dado no valle junto
da curva da Estrada-Nova, onde oa Srs. machi-
mbtas parecem querer mostrar a maior velocidade
jne vencem suas locomotivas?
Tal incidente para o Sr. gerente nao foi censa
ilgoma de imponancia, penas urna casuslidade,
ama insign ficancia talvez.
Os pissageircs, estes sim, supportaram a peque-
ia demora de 1 1/2 hora, tempo em que se prepa-
ron o trem para uovamente seguir para a Varzea.
Tudo isto, porm, succede porque o Sr. gerente
despreza a parte do regulamento que obriga i
marcha dos trena em pouca forja as curvas. Pra-
za aos cua que esta influencia de S. S. nao Ibe d
para o futuro algum desgosto, responsabiliaando-o
pelas vidas dos passageiros.
E' incrivel a velocidade com que viajam os trena
de la companhia, mxime, quaudo conduz o com
boyo o corajoso Malaquias.
O Viga.
Sem ti
A' A. Candida
Sem ti sinto minb'alma envolvida
Na crep d'uma ddr que me devora,
E sem lu e sem crenc* a minba vida
Quaudo me vejo sem ti a toda hora.
B
Sem ti, meu astro, minba luz querida,
Que meus passos guia pelo terepo fra;
Sem ti, a rosa mais bella, mais Ihrida,
A virgem mais casta que meu peito adora ;
S m ti e tuaa faces, flores to formosas,
E as lauras tuas trancas perfumoaas....
E esse teu placido e queixoso olnar ;
Sem ti os risos dessa crianca gtacioia.
Sem ti etua falla doce, esnerancosa
Sinto que defiebo ; einto-me mert .1.
Recife, Sctembro de 1886.
Jucisda.
Prograroma
DE
AR-
DA FESTA DA DEVO(,a6 PARTICULAR
N0S8A SENHORA DA CONCEICAO DOS
TISTAS.
No sabbado 11 do corrente, ao meio dia una cal-
va re.I e diversas gyrando'as de toguetes fende-
rao ao ar annunciaudo a vespera do dia em que esta
cerpornjao solemnisa o seu oitavo a.niversario.
No dia 12, as 4 horas da manb baver urna ma
sa na igreja do Livramento em tenco dos fi.'is
d ivotos da divina Senbora da Conceico e urna
banda marcial executar as melbores prcas do teu
repertorio.
As 5 h-.ras ao romper da aurora em frente a se-
de outra salva o girndolas de fgos nnnuucia. a
todos, que o grande da em que esta devoco fes-
teja sua excelsa Pudroeira.
A incsm banda marcia', das 5 horas da tarde
em diante, na tde, far ouvir is harmoniosas pe
cas do scu vasto repertorio al as 10 horas Ja
noute.
As 7 horas da noute ser celebrada a Ladainha
do hbil Maestro Colas cuja orchettra foi confiada
ao ooaso mestre d- capella, o Sr. Thomaz Leandro
M. Filguei.a que executar com toda maestra.
Da armaco est incumbido o hbil armador
Birtholomeu, que :ipresentar mais urna vez aos
seus admiradores o gosto que tem em sua arte.
A tarde e a noute solfarse-ha diversas cales
cobresahindo entre estts um feito a capricho, pelo
nosso incinsuvel devoto Philadelpbo Dias P. Car-
dcal.
A frente da s Je estar modestamente Ilumi-
nada.
A mesa regedori agradece a todas as pessoas
que concorreram para o brilhantismo deste acto
lceife. 9 de Deseipbro de 1886.
O 1. S eretiii
Jos Ans-Imo de Sant'Auua.
Entre os preparados ferruginosos arl-
mittidos na Russia e que oa me lieos r-
ccitam contra a anemia, chlorose, lyrnpha-
tisrao, ernpobreciltiento Jo sangue, r Ferro
Girard approvado pela aer.d mia dfl Medi-
cina do Par;s se recomrnenda pelas suas
qnalidadades tonio: s e reeonstituieScs, ao
ruesmo lempo que fornece aos glbulos
sanguneos o ferro que Ibes falta. Sua nc-
Slo ligeiramcntj laxativa auxilia o orga
nismo a desembara^ar-se das maten is obs-
tructivas e nocivas.
diminuida, mitigada e finalmente, compleUatante
extirpada mediante o uso do oleo puro otetHcinal
de figado de bacalbo, de Lauman & Kemp Es-
pecificamos a preparaeao de Lanmah & Kemp,
poique um artigo puro e legitimo,elaborado com
os figades frescaei do melhor peixe, e cujo grao
de excellencia, nao pode chegar nenhura outro oleo
de figado de bacalbo no mercado, Por estranha
que se nos figure esta asserco, as sete oitavas
partes dos taea suppostos leos de figado de baca-
lbo, s.) adulterados e alguna delles no conteem
urna s pinga que seja do flui lo cujo nome usur-
[nm. A ijde que existe no verdadeiro remedio nao
as encontra em nenbuma d'aquellas falsificaces e
imitace s despresiveis, e por essa mesma razo
tao inteiriun uto imitis. Emquanto que neste ou
tro se cha o grande antidoto para a tysica, bron-
chit'S u todas as enfermidades dos pulmoea e do
figad >, e isto n'uoi estado o mais puro e na forma
a mais agradavl em que a scienciapde apresen-
tal-o ao enfermo.
Nao tem nenhum cheiro desagradavel e conser-
va-so perfeito em todos os climas.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras
Agentes em Pernambuco, Henry Foster & C ,
ra do Commercio n. 9.
Imperial sociedade dos Artistas
Mechanlcos e Llberaes
Prograrnma da festa do 45 anniversano de sua
fundaco, 6o da installafo d* lyceu de artes e
olcioj, abertura da exposicao artistico-indus-
tnal e inauguraco do musen artstico.
A's 11 horas da uianh de domingo 12 do cor-
reate, com a presenea do Exm. o Revm. Sr. bispo
diocesauo, Extns. presidrnte da provincia, com-
mandante daa arm u, Dr. ebefe de polica, outras
autoridades civis e militares e dstinctos cav.ilhti-
ros qne se achara convidados, ser celebrada no
altar da padroeira, no salo de honra do estabs-
1 cimento urna missa em honra a mesma Senhora,
pelo Revm. secretario do bispado padie Dr. Jos
Affons) de Lima e S.
Em seguida a es3c aeto entrar a sesso magna,
tocando nessa occasio a banda do corpo de poli-
ca o hymno s artes, obsequiosamente escripto
para a solemnidadc.
tabelecimento n'estes dias hora de suas respec-
tivas aulas, para urna aabbatina, segundo a qual
os directores daro attestados na poca doi exa
mea.
No estabeleciaento encontrarlo os Srs. pas,
correspondentes ou tutores e oh Srs estudantes os
estatutos como accrescentamento de tudo mais
que aqui se omitte e qae os scientific iro do que
hiuver de mais particular, e bom assim da con-
veniencia do melbodo n'este estabelecimento em-
pregado.
trador da massa fallida de Antoiio Francisco Cor-
s directore,
Luiz J. de F. e O. Sobrinho.
Augusto J. C. Braga.
A EmulsKo de Scott nEo urna
novo, pois ha longo3 annos que
Declarada aborta a sessao, ser dada a palavra te com o uso d 12 vdeos 'este importantissimo
ao orador da casa que far o histrico de todo o
rooviini nto do lyceu de artes e offiuios no corren-
te anno, cabeudo cm seguida a palavra aus de-
mais oradores e representantes das associaces
convidadas na ordem da iuscripco
Terminada a sesso litteraria, ser inaugurado
o uiuseu de artes e aberta a 6a expoaicao de pro-
ductos artsticos e iadustriaet.
Tocara) durante o acto, alera da mencionada
banda do corpo de polica as do 2o e 14 bataihao
de infantaria. ^
lodo o ediflcio acba-se galharda e primorosa-
mente decorada, sendo o principal salo da expo-
qXo illiiininado a luz elctrica e acbar-se-ha
franqueado 80 publico durante a eolemuidade,
tarde c a noite e as seguintes, medante urna re-
tnbuico qualqucr em bcnehcj da iastituicao.
A dirict.na tem envidado todos os esfor^os a
seu alcance para que a solemnidade, pxpisicii >
museu off r. cara iut rejae e desparten) a curiosi
dade do publica pela ua impjrtaucia e pelos be-
neficios e iucremeuto que podem Irazer a classe
dos artistas e particularmente ao deseavolvimento
das artes entre uj.
A diroetoria confia c esprra que todas as auto-
ridades, associai O a e cavalbeiros convidados se
dignen de honrar essa festa dna artes e do pro-
gresa >, comparecen io e animando a com as suas
presencas e auteeip* desdo ji oa seus nnis siuce
ros Bgradecimentoa por semelliaute h ara.
A directora convida tambera a todos os mem-
bros da agsociacii'i, tolas as uas categoriaa,
pa t marem paite no acto.
Oatroaim, pelo a todas as p ssoaa que teim de
rxpr productos para figurarem na exposico o
obaequ I de remetterem nos a! aa 6 horas da tar-
de do dia 11.
Secretaria da Lnperial Sjeiedade dos Artistas
Mchameos e Liberat, 7 de Dezcmbro de '
O secr.-tario,
Jos Castor
N. 2.
remedio
est so usando na Europa, nos Estados
Unidos e muitos outros paizes e tem sem-
pre dado os mclhores resultados na tsica,
as molestias do peito e da garganta e as
bronchites chronicas.
lidc com alencao
Iniportantlssluio dociiiuento
O Sr. Bernardo Jos dos Santos, residente no
Serrito. manicpio de Pelotas, provincia de Rio
Grande do Slu, querendo prestar urna homenagem
verdade, temando publico as virtudes do Pei-
lurnl de Cambar, preciosa descoberta do
Sr. Alvares de S. Soares, de Pelotas, fez publicar
o seguinte importantissimo documento, em diver-
sos jorn es da referida provincia:
Levo ao conhecimento do publico mais um
triumpho alcanzado pelo p.ipular remedioPeito-
ral de Cambardescoberta e preparadlo do Sr-
Alvaros de S. Soares, de Pelotas.
Ilavia seis aunos que urna tosse grave me
aformentava dia e noite, fazendo ltimamente dei-
tar j abundantes escarros de sangue : os pulmes,
com certeza acbavam-se affectados e eu teria in-
fallivelmeutc de suceu.nbir terriveltysica pul-
monar !
Um amigo sabendo do mea estado, cconse-
Ibcu-ine o precioso l'eitoral de Cambar, e somen-
medicamento, consegu curarme radicalmente,
sentindo-me hoje forte e podeudo j entregarme
aa lides de uiinha fazenda do Serrito.
Depois d'eate caso, tenho aeonselhado a mu-
ta gente o Pcitoral de Cambar e todos t.n cc-
Ihido resultados importantes.
Actualmente faz oso d'este preparado, com
milito aproveitamento, minha filha Neufride3, que
tambem se acbava soffrendo do i eito.
Fezenda do Descanco, no Serrito, 24 de Ou-
tubro de 1884.Bernardo Jos dos Santos. lie-
conuc;eco como verdadeira a firma supra. Era
testemunho de verdade, o escrivao de paz. Rol-
dao S. de Gouveia.
nicos agentes e depositarios geraes em Per-
nambuco francisco M. da Silva &. C Rua do
Mrquez detlinda n. 32.
Olinda
l?;8i).
Merecido Iribnto
Professor harry.
Sr. Pode V. juntar o mu nnme lis.'a das !
pessoas que teem experimentado o grane'e valor do |
seu Trlrofero de Barrv para o cabello.
Sempre acbci que c oleoa e as pomadas ras occa-
sicnavam certa aspereza iu cabello, que nos ulti-
mes tres ou quatro auuoa me saina rpidamente c
esta va mudando cor; mas desde qus principiei a
usar o seu tricorcro nao tenho tdi incommodo
nenhum cora a eab ci, e o cubello se me tem pastn
tortee abundante, cora grande assombro de todas
as p'ssoas de minha amisade e conhecimento. Te-
nh invariavelmente acbado que os tfivitos d) seu
tricof-ro sao gcral-nente satistacUrios.
Respcitosamente. etc.
Catharine Underwood,
Pierrepont Hiusc, Brotk^n, N. Y.
Oleo puro medicinal de flaado Dariillio. de Lanman i kemp
40S
Ouvir-se essa tosse secca. cortada e metallica,
que iymptomatica de una pulmes enfermos-, nos
inclinamoa crer que nao ha remedio. Pode ser
COMMERCIO
Holsa coiumerclal
buco
de Pernam-
RECIFE, 9 DE DEZEMBRO VE 188.
Aa tres boru da tarde
('otacfei oficiaos
Cambio sobre Londres. 93 div. 22 lj2d. por lOOJ
do banco.
O presidente-,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. U. Alcoforade.
JaBMllMENTS PBLICOS
Moz de Dczembro de 1886
XtXDA OKllt
De 1 a 7
id 9
ALFANDEGA
218.82GJ622
3 :216674
Patacho dinamarquez Irieda Gaarn, entrado
de Liverpool, no dia 7 do corrente e consignado a
Browos & C manifestou :
Carvo de pedra 260 toneladas aos consigna-
tarios.
iiasro raovmciiL
Del a7
dem de 9
Te: a
35.87290j
5:396a169
256.043/196
41:269t074
casaooaiA
-D- 1 a 7
de 9
J >wduai>o provincial
dem de 9
297:312*270
10:0204913
24 75/411
DI a 7
12.1.6/324
9:165/796
1:605;303
dem de 9
ola?
10:771/099
2:156/180
271/063
2:427/243
DESPACHOS DE 1MPORTAQAO
Lugre nacional Sarah, entrado do Rio de Ja-
icir no dia 7 do corrente e consignado a Fonseca
rmos & C, manifestou :
Barra vatios 150 a Antonio Mara da Silva, 417
i ordem.
Barricas 150 volumet,
Br'gue norueguenbe Frey, entrado do Rio Gran-
le do Sul, no dia 7 do a rreata e consignado a II.
Lund?rem A C, manifest o :
Bagres seceos 16,00c.
Graxa 61 pipas, dita em bexigas 750 kilo*.
Lingoai secca a 2,000.
Mostarda 5 sacos.
Sebe 611 barricas.
Tainha em salavmra 99 birria ordem.
Barca nacional Murinho XIV, entrada da Ba-
ha no dia 8 econsignada a Loyo & Filho, mani-
festou :
Barricas \asas 1,000.
Farinha de mandioca 500 saceos.
Pipas vaaias 150 ordem.
Vapor americano Advance, entrado dos portos
do sul, no dia 9 Jo corrente e consigaado a H.
Forster ce C, manifestou :
Caf 515 saceos a Joaquim Ferreira de Carva-
Iho d C, 509 a D mingo Cruz & C.. 39G a Fer
nandes da Costa & C. 122 a Costa & tfadeiraa,
120 a Paiva Valentc, 70 a Jos JoiqGm Alves &
C-, 50 a Manoel ios Santos Araujo, 50 a Joao
Rogerio M. da Silva, 50 a Augusto Figu-redo
& C.
Fumo 163 volumes a Xavier do Simas & Ir-
mos 153 ordem, 10 a Baltar Irmos & C,
6 a Rodrigues de Fan'a St C, la Cont & C
10 a J. V. Alves Mitheus h C,
Mercadorias diversas 24 volumes ordem, 1 a
Sampao Coeibo & C.
Panno de algodao 100 fardos ordem, 20 a II.
Burle & C, 31 a Ferreira Irraao, 84 a Luiz A.
Sequeira, 6u a Olinto Jardim & C, 50 a Cramer
Frey & C, 11 a J H. Boxwell, 9 a Machado &.
Pen-ira.
Vinagre 1 barril a A. Rodrigues Braneo. ,
Vinho 15 caixaa a Guimaraes Rocha St, C, 12
barris a Baltar Irmos & C.
Lugre inglez Dunure, entrado de Terra-Nova
no da 9 co corrente o consignado a Johnston
Patir & C, manifesten :
Bacalho 2;579 barricas e 630 meias ditas aos
roDsignutanca.
Oll^PACHOS DE EXPUflTAGAO
Em 7 de Dezembro da 1838
Para o exterior
No vapor inglez Merchant, carregaram :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 200 saceis com
16,087 kilos de algodao ; S. Brothers 4 C. 1 caixa
com 3,000 charutos ; L. A. Siqneira 3 caixas om
abacaxis ; lardoso & Irmo 4 barricas com aba
caxis ; A. L. Guimaraes 9 barricas om abacaxis ;
S. lies 19 caixas abacaxis.
Na barca noruegense Union, carregaram :
Para Nw York, F. Caicao & Filo, 1,000 sac-
eos com 75,00J kilos de assuear mascavado.
' .Na barca) americana M. ti. Reed, carrega-
ram :
Para New-York, J. S. Loyo te. Filho 2,520
saceos com 28'.<,i'00 kilos de assuear mascavado.
Na barca italiana D. Lanata, carregaram :
Para New-York, Julio & Ir nao 87 saceos com
6,525 kilos de assuear mascavado ; M. J. da Ro-
cha 6 saceos com 450 kilos do assacar mascavado.
No brigue norueguense Yaarbud, carrega-
ram :
Extcrnato S. T>uiz
Rua do Imperador n. 5 2. 'un i ar.
Com o nome acirnt abrir-^e ba no dia 15 le Ja-
neiro d ) anuo prximo futuro de 1887, um eatat.cle-
cini uto de educaeao, onde eosiuar-se-hio toilas
as materias do curso de prep>ratorio3, haveudo
tambem ura curao nocturno d.-.s meninas materias,
e un outro cominereial, no qual entinar M ha t
mente francs e inglez, theorca o praticamente,
senda c=ts das 9 s l< 1/2 da noite.
Estatutos
Art. 1 Oa paos, tu'.orcs ou correspondentes,
d-voro acompanbnr o estudante no dia da matri-
cula, para nao t inatriculal-o, como tambem para
lomar conhecimento do rgimen disciplinar do es-
tabelecimento.
l o Aquelles que nao tiverex. quem oa apr-
sente, tambem sero aceitos masricula.
Art. 2. O pagamento das matricula ser hito
mensal e adiantadamentc a coincgar da occasio
du matricula.
1. Tor cada matricula pagar o estudanie
5/ia.O, bavendo urna diffeteuc* du conforraidaoe
com o numero de materias que eatudar no eatabe-
lecimento.
Art- 3 o Cada au'a constar de 1 1/2 hora, sen
do urna para tomar a liyao do dia antecedente e
meia para explicar a do da seguinte.
Art. 4 o Nao haver aulas s quintas-feiras
porm todos os alumnos devein comparecer no es-
Para Montevideo, Am riin Irmos & C. 310
barricas com 27,192 kilos de aasucar braneo.
Diversas pessoas que nao podem ser n-
diferentes s grandezas q io ainda restara,
enobora era estado de ruinas, ne6ta cidade,
reuniram-se na cas' da residencia do Exm.
e Rvm. Sr. conego i_r. Luiz Francisco
i Araujo, para o fira de combinarem nos
meios de reporar o rjngestoso te nplo de
N. S. do Carmo hoje.tito arruinado.
Esudadoscs reparas c seneiaes pelo n
telligente e pratico engenheiro architecto,
Dr A. Pereira SimSes. quo do boi von-
tade a ioto se prestou, e est prompto a
dirigir a parto techniea do trabalho, foram
eieilas (las coramisiScs : urna g3ral, con-
posta (lo Dr. H. S. Tararea de Vason
cellos, presidentf, tm-nte Manoel J de
Cs(ro Villela, secretario, paire Julio Ma-
ra do Reg Borros, tiiesoureiro ; e outra
de esmolas, cornposta do descrDbsrgadcr
Ji-3o Fraucisco da Sila Braga, presiden
te, Antonio Eatevao do Oliveira, se reta-
ro, eonego Manoel Joao Gomes, e conege-
Dr. Joaquim Graciano de Araujo.
As cominisso^ trabalham com esffllf
para obter os recursos necessarios effe. -
tividado do intento, que emprehenderare e
de esperar que encontrern apoio e ai i-
maguo da parte de todos aquelles, aos
quaes reconcrem para fim tao piedoso.
NiSe sentido vao dirigir circulares.
EDITAES
Para o Interior
No patacho allemio D. Pedro, carregou :
Para o Rio Grande do Sul, V. T. Coimbra 550
volumes com 42,500 kilos de assuear braneo u 50
saceos com '3.750 ditos de dito mascavado.
No lugar nacional A mella, carregou :
Para Pelotas, J. M. Dias 50 barricas com 3,823
kilos de assuear braneo.
Ni vapor nacional Mando, carregaram :
rar* o Par, Amorim Irmos &. C- 10 pipas
cora -1,800 litros de agurdente; Baltar Irmos &
C. 10 pipis cora 4,800 litros de agurdente e 4.00
saceos e.ra milho ; V. de Itqui do Norte 700
saceos cora milho ; P. Pinto 4 C. 35 pipas com
12,000 litros de agurdente ; J. A da Costa Me-
deiroa 35 barneaa com 1,680 kilos de assuear
braneo ; A. II. da Cofa 35 barricas com 2,888
kilos de assuear refinado ; M. J. Pereira 5 pipas
com .40') litros de agurdente.
I'ai.i Manos, P. Pinto & C- 46 cascos com
4,800 litros ae aguldente ; Amcrnn Irmos & C.
60 barris com 5,760 litros de agurdente.
Para Maranbo, V. de Itaqui do Norte 200 sac-
eos com milho ; J. M. Dias 1 caixa coai 50 1(2
kilos de rap.
No vapor americano Advance, carregou :
Para o Para, F. de Moraes 2 ) pipas com 9,600
litros de agurdente.
Na barcaca Aurora, carregou :
Para Moaeor, J. Paca de Oliveira 28 barricas
com 1,58j kilos de assuear braneo o 2 ditas com
180 ditos le dito refinado.
Na barcada Farofa, carregaram :
Para Parahyba, Rodrigues LimaC. 10 saceos
eoj> 750 kilos de assocur braneo.
No vapor nacional Jacuhype, carregaram :
Para o jfatal, P. Alves k U. l barricas com
840 kilos de assuear refinado.
Para Acarabu, P. Alvea t C. 5 vblumes com
424 kilos de assuear bn no.
Pra Parnabyba, P. Alvea &C. 48 barricas eom
1,536 kilos de assuear refiaad) e 42 ditas com
1,98 ditos de dito braneo.
No vapor francez Ville de Macei, carrega-
ram :
Para Santos, II. Burle S C. 30} saccas com
2,8O0 kilos de algodo, 1,400 saceos com 81,000
ki'os de assuear braneo e 1,100 ditos com 66,000
ditos de dito mascavudo.
Para a Babia, J. M Dias 20) barricas com
22,601 kilos de assuear braneo ; J. A. da Cista
Medeiros 67 barricas com 7,529 kilos de asssucar
braneo.
No vapor nacional Principe do Grao Para,
carregaram :
Para a Babia, Anlrad Lopes & C. 100 scese
cora 7,4U0 kilo de algodo ; Burle C. 54 bar-
ricas com 3,360 kilo? de assuear braneo.
O Di: Thomaz Garcez Paranhos Montene-
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito espedid do commer-
cio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
Faz saber aos que o presente edital virem on
delle tiverem noticia, que por parte do ad.ninis-
ga, foi a este juzo dirigida a petico do theor se-
guate:.
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz de direito especial
do commercio.O bacharel Heorique Augusto de
Albuquerque Milet, administrador da massa falli-
da de Antonio Francisco Corga, depois de haver
annunciado pela imprenaa e convidado os credores
da massa pira apresentarem seus ttulos, afira de
seren classificadoa, organisou a relaclo junta, con-
forme os tituloo apresentados e os autos de ver.fi
cacao de crditos, e a suOmette V Exc. para
classiflcaco dos crditos da massa, a cujos termos
requer que ec proceda. Oa documentos vao anne-
xos. Neutes termos pede a V. Exc. deferimento
E. R. Me.Secif.-, 7 de Dezembro de 1886.'O
administrador, Hiiinque Augusto d: Albuqnerquo
Milet.
- (Sellado legalcente).
E' o que se confiaba era dita petico na qual foi
proferido o seguinte despacho:
Autoada, publique-se por edital, assiguando
aos intere88ad;s o p'azo de 5 das para apresen-
tarem suas reclamates. Recife, 7 de Dezembro
de 1886.Montenegro.
Em virtude deste despacho o respectivo e3Crv2o
aulai'u a petico cora os documentos presentado.
e a relaco dos credores, que do theor seguinte:
< It. laco dos credores da maasa falliJa de; Anto-
nio Francisco Corga, admittidos na classifiea^Io
dos crditos.:
Credor de dominio : D. Francisco Emilia Gus-
mo Ferreira. viuva do coronel Domingos Alfonso
Nery Ferreira. 7:0U05.
Credor hypothecario : Barao de Murbeea,.....
44:980960.
Credor/s chyrographarios: P. II. Tommermau,
45:156831; Lopes & Costa, representado por
Antonio Pri:m da Costa, 8334640; Luiz Monjo
Jnior V C 7:219J612 ; Ivo Antonio de Andrade
Lima. 6:'J84O; Dr. Paulo de Ainnrim Salgado,
4:00J*; Luiza Mara da Conceicao, 2:5000 0;
Fraga R .cha & C, J:817/G10; Beltrao & Costa,
,1:626*530; Jos Faustino Porto, 700; Caetano
Cyriaco da Costa Morrira C, 236; Joaquim
Lupes de Araujo, 82G0f);. Deodato Goncalves
Torres, 38; Braga Gjmes k C, 65660; Fran
ciaco J aquim Gomes da Silva, 5000 ; Somm:
129,7115930.
E' o que se continhi cm dita relacio, que se
acbava legalmente sellada e assignada p: o admi-
nistrador da missa.
E para qic che:un ao onhecimenti da todos
mandou passar o presente edital por cujo theor
chama, eita e hi pir intimados os crodjres da re-
ferida massa, constan? s di relaca) supra para
que no prazo de 5 diaa, eoatados da data da pu
blica() desto, comparccnn ante este juizo con aa
red imaco3s que tiverem :'i hem de seua dreitos,
afii de serem aMend'dj3 na forma da lei.
Dado e | aaaado nesta criado do R-eife, capital
da provincia de PerBtmbaco, aos 9 das de De-
zembro do Auno d> nascinteato de Nosso Seahor
Jess Christo do ISS6.
Eu, Joi Fraok'in de Alencar L.-na, escrivSo, o
subaerevi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
Kditaf 7~9
O admi'ia'iador do Consalado IV.vhcial faz
publico a quem interessar posta, que na forma
do respectivo regulamento ser effeetoado por
esta repartirn, no eepaco de 30 das utei.J, coa-
tados da data defcte, a cobraiiQ-i ind-pendente d-
..ulfa, dos iinpostos de dcima ujbiua e 2") 0(0
sobre a renda dos bens de niz. .e.-tcncentes
corpora^oes de u-> morta. relativos ao 1- semes-
tre do exercicio de 1886 87.
Consulado Proviucial de Pernambuco, 1 de
Dezembro de 18S6.
F. A. de Carvallo Moora.
ODr. Thomaz Garcez I"arenkos Montenegro,
commendador da Imperial Orden da Roso,
juiz de direito especial do commercio dasta
cida te do Rec'fe, capital da provincia de
Pernambuco, por Sun Magestade Impe-
rial e Constitucional, o Sr. D. Pedro II,
a quem Deus guarde, etc.
Faz sab?r as que o preaeute edital virem ou
delie niticia tiverem que se ajbi d-signido o dia
11 do corrente ao meio dia, na sala das audien-
cias, para ter lugar a reunio doj credores da
massa fallida de Gustavo L?sisseiio Furtado de
Mendouca afi n do nomearem administradores a
dita massa e proceder se nos termos da le', certo
os credores que nao ser admittid por procurador
trinque este exhiba proeuracio especial para o
acto, a qual tiiii p ider. se.- conf-rida a d;vedor do
fal ido e que sei havid) o cred.'r que cao ompa-
recer como adhen ntc as resolucoes que tomar a
maioria dos que comparecer :m.
E para que ebegue ao conhecimento de tdos,
ni in.lei passar o presente que ser publicad) pela
aprensa e aluna do no lugir do costume.
Dado e pasando nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 4 das do mez de Dezembro de
1886.
Eu Jos Franklia de Alencar Lima, escrivao o
subscrevi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
Recebedona de rendas geres
No dia 20 do corrente mez, finda-se o praso
para o pagamento dos impostes de industrias e
profiasoes, predial, taza de es.ravos, do exercicio
de 1885-188-5, com a multa de 6 0|0, depois dofc
que ser paRO com attoulta de 10 0|0, seguindo-se
a cobranza cxecutivaX
Reeife, 1 de Deze/ibrVde 1886.
Os recebedores,
Joaquim Hugolino da Silva Fragoso.
Manoel G. Ferreira da Silva Jnior.
Circular n. 27
Thcsooraria de t'aienila de Per-
namtinco, O de nezembro
de issc
O contador, eervindo de iuspectir, da confor-
midade com o officie da presideneia da provincia,
de 30 dn Novembro prximo fiado, o par* cam-
primento do aviso circular do Ministerio da Agri-
cultura, Commercio e Obras Publicas, de 15 do
mesmo rnez, determina aos senhores collectores
geraes da provincia que remettam, no mais curto
praso pisaivel, as relacoea d)9 escravo3 antigja
que, por trre.rn attingdo a ida le di 60 anao',t:n
pasando coudi;S> de Iilr;rfoa, na forma da lei n.
3270, de 28 de Setembro ultimo ; o qie d-ver-
cumprir sob as pen-.8 da lei.
Ojtroaim, determina aoa mesnos seabores col
lectores q'ie rcmc'tam com !ol* urgocia os es-
clarecimentos naceasarioi, pira que est i tbesou-
raria fique habilitada a cnoiprir a segunda parte
do citado offici) da presidencia, remettendo urna
reUco dos munieipioa desta provincia, com de-
claradlo dos qiu se aclinn, pwa o cffeito da ma-
tricula du cscravoi. debaixo da jursdiceao de
Oma s eataejto fiscal, afim de evitarera-se quaes-
quer lasunis na organisac) dos dadoa estatist.cos
relativoa qaolles lb.'rtoa.
Mano I Antonio Cardoso.
Corrcio geral
Malas a expedirse hoje
Pelo vapor Advance, ea'a aJmiuistraco expede
nulas para 03 portos do Maranhi i. Para, Barba-
dos, S. Thmaz e N w York, recebendo impressos
e objetaos a regatrar at 11 hora do dia, e cartas
ordinarias at 12 horas ou 12 1/2 com porte duplo.
Adininistraco dos corrcios de Pernambueo, 10
de Dezembro de lSSi. O administrador,
Affonso do Reg Barres.
Gabinete Portugus de
Leltura
Assembla geral
De ordem dj Exm. Sr. ptesidente, convido aos
seahores aasociados a reunirem-s-3 no prximo d:
mingo, 12 do corrente, na respectiva sed--, palas
11 horas d* dia, para, depois de fera a leitura do
relatoro animal de 18S5-8, se proceder eleico
da coovniss) .le exame de confas.
Secretaria do Gabinete Portngu- z de Leitura
em Pernambuco, 9 de Dezembro de 1886.
Alfredo C. Coisseiro,
2 secretario.
1,.\ do Sup.\ Ard.'.
d Un.*.
Loja Coi'.eiliaco. ao val da rua d) Cabug
Convido os Ilr. a comparecerem segunda-
feira 13 do correte, a 6 horas da tarde, afira de
se proeeder as elejoes.
Recife, 10 deyezembro de 1886.
Frei Caneca 3. .
Secret. .
Ara ;aty 18 dias, hyate nacional Deus te salve, de
101 tonelada?, equipagem 5, mestre Antonio
Jorge do Nasciraeuto, carga algedo; a Bartho-
loineu Lbureoco.
Rio de Janeiro15 das, barca inglez* Douglas,
de 509 toneladas, cnpito \V. W. Crosbey,
equipagem 11, Navios sahidos no mesmo dia
Manos e escalaVapor nacional Manos, ewi-
mandante Guilherme Waddignton, carga va-
rios gneros.
LiverpoolVapor inglez Merchant, commandantc
J. Davies. carga varios gneros.
LiverpoolBarca ingleza Rose ot Devon, capto
A. Davuex, carga algodo.
PelotasLugar nacional Amelia, capito Joao F.
dos II:is, carga assuear.
Navios entrados no dia 9
Babia -IS dias. barca norueguense Agur, de 429
toneladas, capitSo A. Obseo, equipagem 10,
em lastro ; ordem.
Rio de Janeiro-19 dias, barca portugueza Ca-
moes, de 530 toneladas, capto Manoel Fran-
cisco Villar, equipagem 13, carga varios gene-
ros ; a Loyo & C.
Macas7 dias, hyate nacional Bom Jess, de 85
toneladas, mestre Clementino Jos de Maeedo,
eqmpagem 4, carga vanos gneros; a Manoel
Joaquim Pe>soa.
L verpool e escala21 dias, vapor nzlez Author,
de 885 toneladas, commandante R. Buddeel,
equipagem 26, carga varios generes; a Johns-
tou Pater 4 C.
Rio de Janeiro e escala5 das, vapor americano
Advance, de 1,902 toneladas, commandaute J.
Lord, equipagem 63, carga varios gneros ; a
Henry Forster & J.
Nollotk (frica)21 dias, patacho noroegueose I
lodsen, de 287 toneladas, capito A. Jacobsen,
e juipnnem 9, em lastro ; ordem.
Navios sahidos no mesmo dia
ManaesTransporte nacional Puns', comman-
dante capito de fragata Jos Pinto da Luz,
co.iduzindo material de guerra.
Babia e escala Vapor nacional rincipe do Grao
Pun, commandante Jos Fernandes Teixaira,
carga varios gneros.
Macei Barca ingleza Douglas, capito W. W.
Crosbey, em lastro.
Ro Grande do NorteHyate nacional Qiriquity,
mestre J. A. da Silveira, carga varios gene-
ros.
DECLARACfiES
MOVIMKNTO DO PORTO
Navios entrados no dia 8
Terra-Nova36 das, lugar ingles Dunure, de 186
tone adas, capito David Meoriet, equipagem
9, carga bacalho; a Johnston Pater ce C.
Babia 12 das, barca nacional Marinho 14, de
196 toneladas, capito Joo Baptista Mendes,
equipagem 10, era lastro; a L->yo St Filho.
VAPORES ESPERADOS
Magellan
tote
Para
Finance
Rio
Pernambuco
Editor
Patagoiwz
K&pirito Santo
Neva
Baha
do sul hoje
da Europa hoje
do norte a 13
de New-Port News a 13
de Hamburgo a 16
do sul a 17
da Europa a 20
da Europa a 21
do norte a 23
da Europa a 24
do sul a 27
Manta Casa de Misericordia do
Recife
A Illma. junta administrativa desta Santa Casa
contrata, cora quem melbores vantagens offereeer,
o fornecincnto dos generoa abaixo mencionados
para os estabeiecioentos pos, argo da mesma,
durante o trimestre de Janeiro Mateo de 1887,
devendo as propostas serem apresentadas em car-
tas techadas, devidamente selladas, at s 3 horas
da tarde do dia 14 de Dezembro corrente, sujei-
tando-se os proponentes urna multa de 5 /o so
bre o total do fornecimento, se no praso de tres
das n'o comparecer na Secretaria da Santa Casa,
afim de assignar os respectivos contractos :
Aletria, kilo.
Arroz, dem.
AranUa, dem.
Agurdente, litro.
Azeite do oliveira, idem.
Assuear de 1, 2 e 3* sortc e turbinado, kilo.
Baca>bo, idem.
Banha de porco, idem.
Batatas, idem.
Cb, hyssnu, idem.
Dito preto, idem.
Caf em grao, idem.
Carne seceu, idem.
Ceblas, cento.
Faruha de mandioca da trra, litres.
Feijo, idem.
Piimllo, sacca.
Fumo do Rio, kilo.
Gaz, lata.
Dito inexplosivo, idem.
Milho, kilo.
Manteiga francesa, idem.
Potassa, idem.
Rap, idem.
Pao e bolachas para o Recife, idem.
Dito para Olinda, idem.
Sal, litro.
Sabo, kilo.
Tapioca, idem.
Toueinho, idem.
Velas de earnaba, idem.
Ditas stearinas. masao.
Vinagre, litros.
Vinho, tinto, idem.
Dito braneo, idem.
Viubo do Porto, idem.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia
Recife, 9 de Dezembro de 1886.
O dccretaro,
Pedro Rodrigues de Souza.
do
Lvceu de Artes e (Mirtos
De ordem do respeitavel irmo director faco
publico a quem interasear possa, que em vista de
alguna expositores nao terera podido acabar os
productos qne tenncionavam expr e pedircm a
esta directora a transferencia da abertura da 6a
Exposico Artstico Industrial marcada para o
dia 21 do corrente, e como a directora vase que
d'ahi trara bera nao s aos expositores, como tam-
bem Exposico, que se enriquecer de mais
productos, bouve por bem designar nao l a
Exposico, como tambem o seu anniver o dia 12 de Dezembro futuro, esperando que os
seus esforcos sejam coroados do melhor xito pos-
sivel.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liberaes de PcrnambJco, em 19 de
Novembro.
Jos Castor, 1 ecretario.
Arsenal de Guerra
O conselho econmico das companhias de apren-
dizes artiSces e operarios militares, precisa con-
tra erar pa-a o Io semestre do anno vindouro de
1887, esartigos seguintee :
Aa.-ncar braneo refinado de 1" sorte, kilogramma.
Assuear m-sea vinho refinado, idem.
Aletria idem.
Arroz, idem.
Azeite docp, litro.
Bolaehioha de araruta, kilogramma.
Bolacha?, idem.
Bacalbo, dem.
Cha hyaaon, idem.
Caf em grao. idem.
Carne de Xarque, idem.
Carne verde, idem.
Carvo vjgetal, barriea.
Doce de golaba, kilogramma.
Farinha de mandioca, tro.
Feijo mulatinho, id' m.
Frucas faranjas ou bananas), urna.
Frango, um.
Gallinha, urna.
Lenha secca. de boa qualidade, acha.
Manteiga ingleza, kilogramma.
Dita tranceza. idem.
Marmellada, idem.
Macarra^, idem.
Qucijo flimengo, nm.
Sa", litro.
Toueinho, kilogramma.
Vinho do Porto, garrafa.
Vinagre de Lisboa, lit o.
Verduras.
Pes de 150 grainmas, kilogramma.
Ditos de 125 ditas, idem.
Graxa para sapatos, lata.
Esc iva para dar lustro, urna.
Sabo, kilogramma.
Vellas de spermacete, libra.
Cortes de cabellos
Sapatos de couro de bezerro (pires).
Chinelles do couro braneo para a enfermara
(pares).
Meias de algodo (pares), 50.
Lencos de chita (pequeos), 50.
Lavagem e eogommsdo de bluaas de brim ou
tarjetas, calcas de brim braneo, ditas de dito par-
do, lavasen o concert de camisas brancas de al-r
gooosioho, camisolas de brim pardo, ditas do dito
braDCO, para a enfermara, caifas d ceroulas, cobertas de chita, cobertores de l, fro-
nhae, lencoes, lencos, 1 uvas (pares), meias (pares),
toalbas de mesa, ditas de rosto, ditas de mo e
barretes.
S poder concorrer aos fornecimentos anuuu-
ciadoa pelo conselho quem habilitar-se previa-
mente, exbibindo um requerimento dirigido a
mesmo conselho, d. cumento que prove haver pago
cerno negociante rstabelecido, o imposto de casa
commercial relativo ao ultimo semestre ven-
cido.
Os proponentes devero apresentar suas pro-
postas nesta secretaria at s 11 horas da manbl
do dia 13 do corrente, sendo taes propostas em
duplicis, em cartas fechadas, com declaraco
expressa de sujeitar se s seguintes condices :
1* No caso de nao assi norem o contracto pa-
garoa multa de dez por cento.
2* Sendo recusado pela commisso os gneros
contractadss, mandar-se-ha comprar pelo preco
do mercado, ficando o contractante obrigado a in
demnisar, isto at tres vezes, depois do que ficar
rescendido o contracto, pagando o contractante a
multa de 200*000.
Todos os gneros devero ser do primeira quali-
dade.
Secretaria do Arsenal de Guerra da Pernam-
buco, em 6 de Dezembro de 183 >.
O secretario,
Jote Francisco Ribeiro Machado.
Sarao cm 11 de Dezembro
Sao convidados os senhores socios a procurar
os seus ingresaos na sede do club, todas as noites,
a contar do dia 9 do corrente, das 7 s 8 1(2 hora3
da noite, em mo do Sr. thesonreiro.
Secretaria do club Carlos -Gomes, em 7 de
Dezembro de 1886. O 1- secretario,
P. C. Casanova. ___
Arsenal de Guerra
De orden do Illm. Sr. msjor director, distribne-
se costuras nos dias 9, 10 e 11 do corrente mes
s costureiras de ns. 251 300, de conformidade
com os annuncios anteriores.
Secco de costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 7 de Dezembro de 1&56.
Flix Antonio de Alcntara,
Alteres adjunto.

i
i





Diario de Pernambuco-^Scxa-feira 10 de Dezembro de 1886
>
Estrada de ferro de
Ribeirat, Bonito
De ordem da directora so convidados os se-
ohores accionista* a r< colherem no London & Bra
ailian Bank, do praso de 60 dita, a contar de
boje, a terccira entrada de 10% do valor nomi-
nal de anas actes.
No escriptorio da empresa gero distribuidas
"pelos eenhorcs accionistas aa auaa accoes, median-
te a cxhibicao das oiutellas dos recolliimentoa da
1", 2* e 3 entradas Recife, 5 de Novembro de
1886.O gerente,
Hypolito V. Pederneiras.
Arsenal de Guerra
De ordfm do Illm. Sr. majjr director dcste ar-
senal, silo chamadas as coatureiraa matriculadas
desta repartilo para reforman m suaa cartas de
asn ja, at o dia SI d) corrente.
Secretaria do Arsenal de fuerra de Pernamba-
Jos Francisco Ribc.iro .Machado.
Club de Regatas Per-
Lisboa
Segu com brevidada a barca portngueza Pe-
reira Burgas para o reato da carga que falta,
trata-se com Silva Guimarea A C, ra do
Commercio n. 5.
IE1L0E&
No
nambiieano
O conaolho administrativo tend de eflectuar
urna reunas familiar dansante na noite de 18 do
jrrente, e oern assim a luauguracSo do3 jogos
Croquet e Larontenni no dia l'J tambem do eor-
rentr, as 2 horas da tarde, convido os senhorea
ocios qua estiveinn quites, a apresentarem ron
listas do convidados na sede dcste c'ub, das 7 a
9 horas da noite, afim ce se expedirem os respee-
:x>s convites, e recebercm do Sr. thesonreiro scus
ingresaos. Previno que <5 bo expedir convite a
chefe de familia.
Secretarla do Club de Regatas Pernambucano.
em 7 de Dezembro de 1886.U 1- secretario,
Oslar C. Mo'iteiro.
Agente Pestaa
Leilo
de um piano, movis, louca, vidros e joias
Sexta feira 10 do corrente
A's 11 horas
armazem e agencia do leilSes da ra
do Vigario o. \2
O agente Pestaa vndes, por eonta e rieco de
quem pertenc*r e ao correr do martcllo :
Um piano, 1 cofre francez, 1 guarda-vestidos,
1 guarda-pratos, 1 guarda I juca, 1 guaria-roupa,
1 lavatorio, 1 carteira, 1 armario para escriptorio
1 mesa elstica de 4 tabas. 1 cemmoda, 1 com-
moda de Jacaranda nova, diversas luucas,, cao-
dieiros de pendurai, latas com faca-i avariado,
barricas com mate em p, 8 pares de jarros finos.
1 relogio e cadeia de ouro para seuhora, 1 par
de rosetas c ui brilliant s, i barril com vinagre
branco de Lisboa o nitros muitos objectoa que
serio vendidos ao correr do martuilo para fteba-
mento de coutaa.
Na exollente casa defront-: da igreja do Pogo
da Panella, residencia do lllm. Sr. Antonio Jero-
nyaio de Oliveira
Opportunamente acra annunciado com minucio-
sidade os tbjectos e o dia do leilo.
Por intervengo do agente
Gusmo
10
Leilo
fiARITIIOS
tiniled ^ales & Brasil Hail S. ^. C
O paquete Finance
Espcra-se de New-Port
News. Rt o dia 13 de De-
zembro o qual aeguir depois
da demora neceaaaria para a
Habla e Rio de Janeiro i
Para carga, passuireiis, encomincudas edinhoir;
frea, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forsler & C.
S. 8 RUADO C'OMAif.KClO N.
1' andar
De 1 piano, 1 mobilia de Jacaranda com 1 sof,
2 consolos, 4 cadeiras de bracea e 12 de guarni-
cao, 1 meaa redonda, 3 quad.-oj, 1 repelho donra-
do, 1 santuario de Jacaranda, 1 ma para cscrip
torio, 1 catante euvi imc,da, 1 dita com pratelci-
rai para livres, 1 sofci, 6 cadeiras, 1 secretaria e
1 cadtira de mola.
Urna cama franceza, 1 toilet de Jacaranda, 1
guarda-vestido, 1 guarda-roupa, 1 lavatorio, 1
cabide de columna, 1 commeda de Jacaranda e 1
marquesita.
Urna mesa elustics, 1 guarda-I uea, 1 appsra-
dor, 1 sof, 12 cadeiras, 2 consolos, 2 mesas gran-
di s, 1 filtro, 1 jarra, copos, garrafas e outros ar-
tig'os de casa de familia.
Scxta-felra, O do corrente
No primeiro mi Jar da casa de azulejo da ruado
Marques d"hnda n. 51
O agente Pinto levar a leilo oa movis e mus
objecto6 cima unncionados, existentes no primei-
ro andar do sobrado da ra do Mrquez d'Oliuda
n. 51, em que inorou o Sr. Dr. Ossian Sonnet.
O leilo principiar s 10 horas em pouto, por
ter o mesmo agente um outro trnbalho 1 hora da
tarde.
Leilo
MTALIAILSTEA1 PACKET
OMPAKY
O paquete Elbe
cs, camas francezas, marquezoep. 12 cadeiras de
junco avariadas, bercos, commodas, aparadores,
mesas, caiao de phosphor ), espelhoa, copos, c-
lices, facas, colberee, iiiiudezas e muitos outros
artigoe.
Sexta feira. iodo corrente
A's 11 h'jras
No armazem da ra do M irquez de Olinda
n. 19
Por intervencao do agente
Gusmo
E' esperado da Europa no dia
10 do corrente, seguin-
do depois da demora necessa
ra para
Macci, Baha, Rio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres
Para pussagens, fretes, etc., tracta-se u os
CONSIGNATARIOS
Ada nisoii Howie & C.
Co*.ni\l!l> PKRf.lH.1lT.>. 1A
DE
Vavcgacio Cos el ra por Vapor
Fernando de Noronha
O vapor Giqui
Oo m mandante Lobo
Segu no dia 13 de
l)ez"inbro,pelas 12 ho-
ras da manh.
Recebe carga at o
dia 11.
PassagcuS at aa 10 horas da manb do dia da
. irtida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Perrambucana
n. 12
toHiMMin rciniHsitix.i
DE
Mavegaco eos t eir por vapor
rORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracaj
O vapor Jaguaribe
Commandante Baptista
Segu no dia 11 de
Dezembro, s 5 horas
-da tarde.
Becebe carga at o
Pdia, 13.
Enommendas, pass.igcns e dinbeiros frete at
as 3 horas da tarde do din 141
ESCRIPTORIO
nmen da Companhia Peraanbn
cana n. 18
Leilo
De 2 casas terreas
Scxta-feira, f O do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Imperador ?. 30
O agente Burlanuqui por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. julz de direito privativo dn or-
phos e ausentef, a requerimento do inventaran.
te dos bens deixados por Prxedes Francisco Mar-
tina, vender um i casa terrea n. 49 a ra do Mar
quez do H -rv!:I com 1 porta, 2 jancllas, 2 salas, 4
quartos, coiinha externa, soto em sali, tem agua
e gaz encanados, quintal murado, solo foreiro.
Urna dita a ra da Pal.na n. 6, com porto e
janella, terreno fereiro, com cocheira para bois; oa
Srs. pretendentes deadej podem examinaros ditos
predios e para qualquer mformaco o mesmo agen-
te dar.
.Este tstabelecimeuto far leilo no da 15 do
Dezembro prximo, por intermedio do agente Mar-
tina, ra do Bom Jess n. 32, s 11 horas da
manha, dos objictos que nao forem reagatadoa
at a veapera, das s de contado.
Estaro em eiprsico tres das antes.
11.632Um aiiuel de ouro com brilhante, urna
pulseira, urna coirente e medalha para re-
logio, ouro de le.
11.633Um par de roaetaa e um aunel com bri-
lbantea.
11.645Urna puUeira de ouro com brilhante*.
11.705Um relogio ouro do lti.
11.976Urna correte para relogio turo de lei,
um r Jogio de ouro e um paliteiro prata
de lei.
11.981Urna pulaeira ouro de lei.
11.988Um annel do ouro tr.s bjtoes com bri-
lhante*, urna volta de ouro com medalha,
duas correnti-s, do-, medalb s para re-
logio, um par de brincos o acia moedi-
nlias de O'iro em bol s.
12.010Un par de roaetaa de ouro nom brilhan-
te?.
12.022Urna pulseira ouro do lei.
12.035Um aune! de ouro com brilhantea, urna
pulseira, um broche, um par de brincos,
um dedal ouro de lei, urna pulaeira, um
broche, um par de brincos, ouio baixo.
12.107Um pulaeira de curo com brilhantea,
quatro anneis com ditos, um corrento
de ouro para relogio, urna gargantilha,
urna pulseira, dous broches, dona pareB
de brincos ouro de lei, um relogio de
ouro.
12.168Urna cruz de ouro com brilhantea.
12.202Um annel do ouro com brilhantea e tran-
celn, ouro de lei.
12.302Um annel de ouro com um brilhante,
duaa coi.s da onrs de lei, urna moeda
de ouro com laco, um cordSo e um cora-
c3o de ouro, ouro baixo.
12.306Cinco anneis ouro de le.
l.319Duaa pulaeiras, tres broches, um par de
brincos, dona ditos argoloes, <>m dedal,
quatro anneis, ouro de lei, um broche,
dous parea de brincoa, um par de argo-
loea, um de botoea e um annel, ouro bai-
xo, urna salva, um esplendor, urna conehi
para topa e 17 colheres de prata.
12.324Urna volta do ouro com medalha, ouro
do lei.
12.329Um annel de ouro com brilhante, um ro-
sario e urna coi i do ouro, um cor Jilo,
um par de brincos o urna cruz, ouro
baixo.
12.335Um tranceln), urna volta de dito, urna
cruz urna figa, urna moedinha de ouro,
dous anncia c tres rozetas, ouro de lei.
12.336Um annel do ouro com brilhante.
12.346Uin broch", cinco pares dd rozetas, urna
medalha, tres anneis e um loneto, ouro
de lei.
12.349Um annel com bnlhantct.
12.360Um relogio ouro da lei.
12.361Um trancelim e urna medalha. ouro de
lei.
12.362Um cordo e urna medalha, ouro de lei.
12.370Um trancelim e um annel ouro de lei.
12.371Um relogio, ouro de lei.
12.376Dous trancelins, duaa medalhas e duaa
cruzes, ouro de lei, 13 colheres para cha,
e um marac prata baixa.
ouro com um brilhante
Leilo
i:ni continuaco
Ra Direita u. 79
Huje 10 do corrente
A's ti horas
Diversas pecas para sala de jantar, urna mobi-
lia de junco, um porta msicas, commeda, bidet,
toileta diverses, marquezes, berco, relogios, flores
e plumas para chapeca, carteiras. loques, port-tno-
naies, toputes e urna armaco.
Ajenie Modesto Baptista
- '
Dan.pfschilMrts-Gesellschafi
O vapor Rio
2o ieilo
de dividas na importancia de
20:092&885
Sabbado 1 do corrente
s 10 12 horas
N j armazem ra Estreita do Rosario
d. 24
O agente Silveira, por mandado e com assis-
tencia da Exm. Sr, Dr. juiz especial do commer-
cio e a requerimento do administrador da maesa
fallida de Jlo Kufiuu Barbosa, levar a leilo ag
referidas dividb?.
.
Esperase de HAMBURGO,
va LISBOA, at o dial6 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, pasagens e encommendas e dinhei-
to a frete tracta-se com os
Consignatarios
Borstelmann & C.
RUADO VIJARION. 3
1* andar
Pacific Sieam ftavigalion Companj
STRAITS OF MAQELLAN LINE
Paquete Patagonia
E' esperado da Euro-
pa at o dia 19 de De-
-sembro, e seguir dc-
Ipois da demora do eos-
Ptuine para a
Baha, Rio de laneiro. Monte
rldo e Valparalzo
Para carga, paasagens, encommendas e din:
heiro a frea tractn ie cora oa
AGENTES
Wllson Sons *fc C, Limited
N. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
i
.
Para
O navio Sarah, esperdo do Rio de Janeiro,
contrata algums carg para o porto cima ; tra-
ta-sa com os conaigoatarios Fonseca Irmaoi &
Companhia.
4 e ultimo leilo
Da armacao e perten;as da loja da ra do
BarSo da Victoria n. 42
Em diferentes lotes
A saber
Urna armacao cnvidracida e envernizada, com
um baleaj.
Candieiros, arandelas e registros.
Dous espelhoa douradoa grandes
Um relogio, 1 cabide.
Duas armaces inglezas.
Duas mesas grandes para fazendas.
Urna escada e urna quartinhera.
Um repartimento de lacriptorio.
Urna carteira.
Urna secretaria.
Urna mesa c:m armario.
Urna prensa de copiar eartaa.
Urna burra prova de fogo.
Cadciraa e mochos.
Sabbado 11 do corrente
A's 10 1 ['2 Loras
O agente Pinto levar novamente a leilo e em
mdito* e diffreutea lotes, os objectoa cima men-
cionados, pertencentcs mansa de Caetano Ramos
& C, isto por despacho do Exm. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio, em virtude do parecer do
depositario da referida maesa.
Leilo
Da refinado sita ra do Visconde de
Goyanna n. 217, que fui de Manoel Car
pinteiro y Souza.
Constando
de divisOes de ciadeira psra asucar em rama,
caixoea para dito refinado, bancas para trabalho,
4 caldeiraa de cobre com filtros, 21 taeboa de co-
bre, 1 caldeira grande, 1 filtro de cobre, 1 balan-
ca com ptaos, encanamento e bicoa de gas e ou-
tros uteneili s.
Sabbado, 11 do corrente*
A's 11 horas
O agente Gusmo far leilo por conta e naco
de quem pertencer, da refinacao cima menciona-
da, em um ou maia lotes, vontade dos comprado-
res. Garante ee a* chavea da casa.
Grande leilo
De bons movis, excedente piano, porcela-
nas, cryftics e grande quantidado de
plantas para jardim.
12T381Um relogio, curo de lei.
12.337Un relogio ouro de lei.
12.391U o trancelim e urna cruz ouro de lei.
12.392Urna volta de trancelim e tres toteias,
ouro de lei. ,
12.394Uasa pulseira ouro de lei.
12.402-Urna corrente e medalha, para relogio,
ouro de lei.
12.405Um par de brinco de ouro com brilhan-
tea.
12.406Urna pulseira, um alfinete, um par do
brincos de ouro com perolas c esmeral-
das, ouro de lei.
12.407 Urna salva prata de le.
12.408-Urna pulseira de ouro com brilhante,
urna volta de ouro com laco e urna meda-
lha, ouro de lei.
12.409Um broche para retrato com brilhan-
tea.
12.411Urna corrente de ouro, e um relogio curo
de lei.
1.412 Urna corrente dup'a para relogio ouro de
lei,
12.416Dous parea de brincos, dous ditos de ro-
zetas.
12.431Uina coirente para relogio ouro de lei.
12.438Um cordo ouro de lei.
12.439Urna redoma ouro de lei.
12.444Urna conente e medalha para relogir,
ouro e platina, urna dita ouro de lei.
12 449Urna corrente dupla com medalha e uso
relogio, ouro de lei.
12.46247 moedas de prata de diferente* valo-
res.
12.463Duas pulseiras, um par de bi incoa, urna
volta de trancelim, urna moedinha de ou-
ro com laco, e dou* anneis, ouro de lei.
12.467Um par de rezeta* de ouro com brilhan-
tes.
12.472Um annel de ouro com um bri'hante.
12.473Um trancelim, urna medalha, um alun-
te e dous anneis, ouro do lei.
12.486Urna corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
12.497Um trancelim ouro de lei.
12.501Urna corrente dupla com medalha para
relogio, duas pulseiras, tres pases de
brincos, duas medalha*, duas moedinhas
de. ouro com laco, tres anneis, urna volta
de contas de ouro com cinco teteias, ouro
de le.
12.505Tres anneis de ouro com brilhantea, um
trancelim, ouro d_- lei, um cordo e Jtn
annel ouro baixo.
12.510Urna corrente t> medalha, ouro do lei.
12.511Um alfinete c um par de brincos ouro de
lei.
12.517Duas luneta* de ouro, um trancelim, qua-
tro volta* de ditos, um alfinete, duas me-
dalhas, dous pares de brincos, quatro di-
tos de rozetas, um par de botoes, dous
dedaei, dona anneis, um ponteiro e oito
teteias ouro de lei; urna salva, um pili
teiro, "m marac, 25 colheres para copa
e cha e duas caetas de prata.
12.521Um annl de ouro cem um brilhante e
um par de rozetas com ditos.
12.524Dous parea de rozetas de ouro, e ann.-is,
um par de boiots com brilhantes, tres
correntes, duas medalhaa para relogio?,
urna dita para senhora, um par de bo-
toes, ouro do lei, e um relogio de ouro.
12.525Urna cruz com brilhantea a urna volta de
trancelim, ouro de lei.
12.531Urna medalha, um emblema do Espirito-
Santo e 4 an'neis, ouro de lei.
12.532Urna corrente e um relogio ouro de
lei.
12.533 Dous anneis de ouro com brilhante* e um
par de rozetas, um braccllete com requi
ufes, ouro baixo e um par de rozetas ou-
ro diamantes.
12.538Urna pulseira, dous alfinetes, dous an-
neis, ouro de lei.
12.551Urna volta de ouro para senhora.
12.552Duas corrente e urna medalha para re-
logio e trez botoes, ouro de lei.
12.561Urna volta de perolas e urna cruz qrave-
jada de diamantea.
12.583Urna pulseira e dous botoes, ouro de
lei.
12.584Dous castichea com anglicas um palitei-
ro, 18 colheres para sopa, 28 ditas pa-
ra cha e urna dita pira arroz, prata de
lei.
12.594Tres vahas de trancelim ouro de lei, urna
mo.'da do ouro de cinco mil rif, trez
ditas, dollara e um cordo ouro baixo.
12.595Urna corrente para relogio (incompleta),
ouro de lei.
12.596Um par de botoes para punho, ouro do
lei.
12.603Um par de esporas de prata.
12.614--Um cccnlo de ouro, urna volta de tran-
celim, urna moedinha, un par do rozetas,
ouro de lei, um fio de cintas de ouro, um
emblema do Espirito Santo, o um par de
bo'.es ouro do lei.
12.621-Um annel de
grande.
12.622Um annel de ouro com brilhantes e urna
pulceira, ouro de lei.
12.628Um trancelim ouro de lei.
12 630Urna redoma e um cordo ouro baixo.
12.633Dous botoes de ouro com brilhantes e um
annel com dito.
12.636Urna escrivania, prata baixa.
12.6U9Urna pulceira, ouro d3 lu.
12.672 Um par de rozetas de or.ro cem dous bri-
lhantes, dous anneis com ditos, um dito
com dito e rubios.
12.684Dona anneis de ouro com brilhantes.
12.693Um annel de ouro com brilhante.
12.694Um aanel de ouro com um brilhante, um
par de rozetas cravejadas de diamantes,
urna pulceira ouro de lei.
12.697Um alfinete e um par de rozetas, ouro de
lei.
12.704Um par de rozetas de ouro com dous bri-
lhantes e urna cruz com ditos.
X2.714Urna pulceira, um alfinete, urramedalha,
um ptr do brincos, um dito de rozetas
ouro de lei.
12.-717Urna corrente para relogio, c um relogio,
tudo prata de lei.
12.719Urna volta de trancelim um cordo, urna
cruz, um par de brincos, um dito de ro-
zetas, dou alfinetes e urna redoma edous
anneis de ouro.
12.724Um trancelim e urna cruz ouro de le.
12.1-6Urna medalha ouro de lei. duas cruzes
curo baixo, um calix com coiher, um pa-
liteiro e um* salva da prata.
12.742Urna corrente para relogio e 4 anneis ou-
ro de lei.
12.744Urna cruz e tre3 botoes de ouro com bri-
lhantes.
12.746Um alfinete quatro bitoea, um trancelim,
dous cordoes ouro de lei e seiamoedinhas
de ouro em botoes.
12.747Um p*r de rozetas do ouro cravejadas
de brilhantes pequeos e perolas, um an
nel com um pequeo brilhante, urna pul-
aeira ouro de lei.
12.749Um relogio de ouro para senhora.
12.750Um medalho de ouro cravejado de bri-
Ihtntcs, urna pulseira de ours com bri-
lhantes c diamantes, duas medalhas de
ouro com ditos, urna volta de ouro para
senhora, um medalbo ouro de lei, dous
fies de perolas.
12.755-Ua trancelim, urna volta de dito, duas
me Jaibas, um cordo e um annel ouro de
lei.
12.757Um cordo ouro de lei.
12.761Urna medalha ouro de lei.
12.''65Um relogio ouro de lei.
12.771Urna cruz de ouro com brilhantes.
12.771U:na pulseira, um par de brine.os e urna
figa, ouro de lei.
12.779Um relogio ouro de lei.
42.786Um annel de ouro com brilhante, urna
pulseira, um alfinete e um par de brin-
cos, ouro de lei.
12.787Urna medalha e um par de argolas ouro
de lei.
12.788Um relogio de ouro.
12.790Um par de brincos c urna medalha ouro
de lei.
12.792Dous pares de brincos, um alfinete pe-
3ueno, um casto, dous anneis com pe-
ras e urna figa de ouro i'e lei; um alfi-
nete, um casto ouro baixo.
12.793Urna corrente para relogio (incompleta)
e um rologio, ouro de lei.
11 794Um relogio ouro de lei.
12.802Urna pulseira ouro de lei.
12.809Um annel de ouro com brilhante, um di
to de ouro e urna volta do trancelim ouro
de lei.
12.841Urna cirrente e medalha para relogio e
um annel, ouro de lei.
12.847 -Um annel ouro de lei com brilhante.
12.850Urna pulseira, um volta de trancolim,
um par de brincse uma craz ouro do lei.
12.855Um par de rozetas de ouro com brilhan-
tes.
12.870Dous relogios ouro de lei.
12.871Um trancelim e uma cruz, ouro de lei.
12.873Um par de rozetas e quatro botoes ouro
de lei, e u 12.878Uma m-dalha de nix, coutendo brilhan-
tes.
12.888Um par de brincos, um alfinete, uma vol-
ta de trancelim e um cordo, ouro de
lei.
12.889Um anuel de ours com brilhantes, uma
corrate para relogio, um trancelim pe-
queo e um par de brincos, ouro de lei.
12.895Urna pulseira ouro de lei, treze colhes
para cha, prata baixa.
12.912Dous botoes de ouro cim brilhantes.
12.914Uma pulseira ouro de lei.
12.918Um paliteiro prata de lei, treze colheres
para sopa, dezeseis ditas para cha, prata
baixa.
12.922Um alfinete e trro rozetas, ouro de lei,
uma pulseira ouro baixo.
12 924Duas pulseira* e um trancelim, ouro de
lei.
12.935Uma corrente para relogio, un, par de
rozetas e um annel, ouro de lei.
12.936Urna corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
12.937Uma pulseira e um trancelim, ouro de
lei.
12.949Um trancelim, dous par s de botoes para
punhos e um relogio, ouro de lei.
12.950Urna corrente para relogio e um relogio
de ouro de lei.
12.953Dous aunis de ouro com brilhantes.
uma inoeda de ouro Ib, orna dita de 20
francos, uma dita de 10 e quatro dol-
lars.
12.955Um relogio curo de le para senhora.
12.960Duas correntes e duas medalhas para
relogio e duas pulseiras, ouro de lei.
12.965Uma corrente para relogio, ouro de lei,
um relogio de ouro.
12 966Uma correte e medalha para relogio,
ouro de lei.
12.978Um trancelim ouro de lei, uma cruz ou-
ro baixi.
12.980Um annel de ouro com brilhante.
12.987Un par de briucos de ouro e um annel
com brilhantes.'
12.988Urna medaiha, um par de brincos e um
dito de botoes, ouro de lei.
12.989Um alfinete de ouro com brilhantes, uma
vernica, um dedal, uma cruz, ouro de
lei.
12.994 -Uma corrente com porta-ielogio para se-
nhora e um alfinete, ouro de lei.
12.995Uma volta de ouro, urna medallu e uma
Bulseira, ouro de le',
'm annel de ouro cosa um brilhante e
dous rubina.
13.004Uma volta de ouro, um alfinete e um par
do brincos, ouro de ouro de lei.
13.00-Uma volta de cordo, ouro de lei.
13.006Um annel de ouro com brilhante.
130?7.Uma fivella de ouro, um annel cravejado
de diamantes, um par de rozetas com
brilhantes pequeos, ouro de lei.
13013.Urna corrente e medalha para relogio e
um rel-'gio, ouro de lei.
13014. Um par de rozetas e um annel contendo
brilhantes, uma pulseira, ouro de lei, um
relogio, ouro de lei.
13016.Urna pulseira, uma corrente e medalha
para relogio, ums volta de ouro, nm trau-
cellitn, uma medalha, uma dita pequea,
um par de brincos, ouro de lei.
130J7- Um- par de brincos, uma medalha, dos
aunis, curo de lei ; sete ditos, ouro
baixo.
13018.Um cordo, ouro de lei.
13.H9.Uma corrente o medalha para relogio,
ouro de lei.
13024. Um relogio, ouro de lei.
13026.Um aluete para retrato, uma rr.edalha,
um trancellim, dois pares de brincos, um
rmwI, ouro d lei.
13038.Tres alfinetes, um par de brincos, um de
rozetas, ouro de le ; urna pulseira, um
par de rozetas, ouro baix >: um marac e
um grampo de prata.
13040.Duas pulseiras, dois trancellins, ouro de
lei ; um cordo, ouro baixo.
13044.Uma corrente e medalha para relogio,
ouro do lei
13045.Duas pulaeiras, dois pares de brincos, um
dito da rositas e um dedal, ouro de lei.
13C58.Um trancellim, um alfinete, dois pares
de brincos, tres anneis e uma cruz, ouro
da lei.
13061.Uio cordo e uma cruz, ouro baixo.
13067.Uma vota de ouro com medalha, dois
trancellins pequeos, dois pares de brin-
cos, um dito da rosetas, uma moeda de
54, com laco' um emblema do Espirito
Santo, um annel, um e meio par de bo-
toes, ouro de lei.
13069Uma volta de ouro e uma medalha, ouro
de lei.
13073.Um relogio, ouro de lei.
13076.Uma volta de trancellim, ouro de lei.
13079.Uma corrente para relogio, ouro de lei.
13u80. Um par de brincas de ourj com brilhan-
tes pequeos e tres aonei* com ditos.
13088.Uma corrente, medalha e um relogio, ouro
de lei.
13091.Um annel de ouro com pequno brilhante
uma coirente e sinete para relogio, seis
botoes, ouro de lei.,
13092.Um cordo e um redoma, ouro de 16 ki-
lates.
13095.Uma correte e medalha, ouro da lei.
13096.Uma corrente dupla com medalha para
relogio, ouro de lei.
13097.Uma pulseira, um alfinete e um par do
brincos, ouro de lei.
Recife, 27 de Novembro de 1886.
O gerente e guarda-livros,
Felino D. Ferreira Coelho.
Criado
Precisa-se do um rapazito para criado ; na rua
do Sebo n. 25.
ira e
Precisase de na rua de Paysand (Chora-mc-
ninos) n. 20.
Copeiro
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8000 no becco dos Cce-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na rua ds
Imperatriz n. 56.
Offerece-se um homem de meia idade para
proteesir de portugus, latim, francez e geogra-
phia, cem estas habilitaces, para algum engenho
ou em alguma povoacao no interior deasa provin-
cia ; a tratar na loja n. 3, relojoaria auiasa, rua
do Mrquez de Olinda.
Precisa-se de umi ama para tomar conta de
uma casa com tres meoiuos, e que d fiador de ana
conducta : a tratat na rua do lioario n. 41, das
6 horas da manha s 2 da tarde.
Precisa-se de uma bea cosinheira e de um
eriado : na rua dt Aurora n. 109.
Precisas de um copeiro bom e de conducta
afiancada, paga se, bem ; na Passagem da Mag-
dalena, rua do Paysand n. 12.
Ama e criado
Precisa-se de uma ama para czinhar para C883
de pequea familia, c 1 criado de 15 a 20 anuos
dejidadea tratar na rua Estreita do Rosario n. 2.
<
t>e>
INC


PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
Aluga se
Victoria n. 52 ;
meiro andar.
o 3- andar da rua do ttaro da
a tratar na mesma casa no pri -
Precisa se de uma boa cosinheira, para casa
de familia, e que durma em casa ; a tratar na
rua do Baro da Victoria n. 39, loja.
Preci ja-so de bja cosinheira e que seja Iin?
pa ; na tua da Aurora n. 155.
^^---------------------------------------------- _____________________________ i
Prccisa-EC de uma ama para casa de pouca
familia na rua d:s Martyrios n. 156.
Para engomma
Precifa-se de urna amo para engommar e outros
servicos domes* eos : no 3- andar do predio n. 42,;
rua Duque de Caxias pir cima da typographia
do Diario.

^
ira
fs
00
es
O Remedio man efficaz e
Seguro que se tem descoberto ale
ho/e para expe'l/r jj ion trigas.
ROQRl'AYOL FRERES
3
1
Gaiieiro
Precisa-se de i;in menino de 12 a 14 annes cem
pratica de molbtdo e fiador de suu condjesa na
rua Nova de Santa Rita n. 1 A.
Aviso
_ Borstelmann C. participan) ao cirp.i commer-
cial que mudaram o seu escriptorio para a roa do
Commercio n. 3. 1- andar.
Alu^a-sc
o sobrado rua da liba do C.irvalho n. 29, caiado
e pintado de novo, a loja d> sobreda rua das
Larangeiras n. 26, Santa Thereza n. 13, casas na
frepuezia de Santo Antonio, e o 2- andar da rua
do Bom Jess o. 16, -a fregnezia do Recife : a
tratar com o Piuheiro rua Duque do Caxias n.
66, loja de miudezas.
Elixir carminativo c tnico do
pharn.aceii.ico Ve as
Remedio que cura dyspepsias, gastralgias e to-
das as perturbaeoes ligadas desarranjos de es-
tomago e intestinos. Aconselbado por varios c!i
niecs dos mais conceituades desta cidade, acha-se
venda exclusivamente na pharmacia americana
de A. M. veras & C, rua Duque de Caxias na-
ine>*n 57.
ASMA
P** *5LRY Vende-seemtodaip.ru
SMULSAD
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de bacalho
COM
Ama
Precisa se de urca em para cosinhar em casa
de pouca familia : co largo de S. Pedro n. 4, pri-
meiro andar.
Fekoral de Cambar (3)
Descoberta e prepsracjb de Alvares de S.
Soarcs. do Pelotas
Approvado peU Exina Junta Central de Hygie-
ne Publica, aut^risado pelo governo imperial, pre-
miado com as medalhaa de ouro da Academia Na-
cional de Pars e Exposicao Brasileira Allem de
1881, e rodeado de valiosos attestados mdicos e
de muitos outres do pestas curadas de : tosses
simples, bronchites, asthma, rouquidao, tsica pul-
monar, coqueluche, cscarros de eangue, etc.
Preces as agencias :Frasees 2*500, meia
dusia 13J000 e dusia 240C0.
Preces as sub-agenciss :Frasco 2/800, meia
dusia 15*000 e dusii 28*000.
Agentes depositarios geracs nesta provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C,
roa Mrquez de Olinda n. 32
.ajbg taiKf.'SxSZHaHB
soda
i u ^tV);
Manuel Rodrigue*! F<-i nn nni-s
Antonio Rodrigues Fernandcs pelo presente
convida a todes es seus prente* e amigos para
asstirem a inissa. que por alma de seu irmo Ma-
noel Rodrigues Fernandes. manda celebrar na
matriz do Monteiro, pelas 7 horas do dia 11 do
corrente, stimo de seu passamento, pelo que des -
de j agradece.________________________________
de cal e
! ApproTada pela fusila de
giene e antorisada pelo
governo
E' o melbor remedio at hoje descoberto para a
Hulea bronchiles), escropbDla*i ra-
cbltlN. anemia, iienilidadc em cern.
den...<>%, fonsie cbrunlca e asTeceOe
do pello e da argantn.
E' muito superior ho oleo simples de figado de
oacalho, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
da veis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituintes dos bypopbosphitos. A' venda nai
i rogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
tTO
V.I'NHO
MUmMIHS
o;D.rV,al de PARS'
Contondo os rea fermentos
da cligesiao :
Popsini, Diastue e Pancrealina
RECEXTADO ?O TODOS
OS MDICOS, para u DifeitSes
.tarda claboriosas, Dy.pep-i
Isla, CarualKla. OatrtrodyDlaJ
I Qaitraltla, Calmbras de eato-1
' maco. Vomito, Convaleacen-
ca lentas, etc.
Deposito gcrsl : H. VIVIEN
CO, Boul' da Straabonrg, em Paita
TODAS A PHARMACIA*

AU BON MARCH
][Rua Duque de Caxias{
PAR4 acabir
EMililJailiHfMl
tete msbicamkjto ao :un gusto airradavel, adoptada com rrande xito ha
tais de 20 aunas ocios melhores Mdicos de Parlz, cura os Dtfluxo, tripe, Tosk,
wat, i Qmrto*la. Zafarrc vi mamar. In li*t as Mato, das Vas MTinarta* lia i'xi*i.
Liiidaco definitiva
53-HA DO RANGEL-53
Por terminadlo definitiva de negocio e
por mudanza da provincia, vende-sc por todo
prefo, todo sortiniento de fazendas existente
no armazem rua do Rangel n. 53.
VINHO e GRAGEAS douIor VIVIEN
do
e unauoao doutor
Extracto natural de Figado de Bacalho
PREMIADO COM MEDALHAS DE OURO PRATA
pela. Acadeniia Nacional
Ordenados nos Hospitaes de Franca, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
Administrar sob forma mui facile agradavel todos os elementos curativos do oleo evitando
assim o cliofro e sabor nauseosos u'esle: alem d'isso esta preciosa preparacSo tcn uma
superioridade lncontestavel sobre o Oleo porque rodo sor usada durante os grandes calores
em quanto o uso daquelle impossivel. tal e o eminente serrico i tio Doutor
viviaxar: a experiencia tem confirmado o bom xito d'estc producto.
Exigir a firma do Inventor H. yiyuur em duas cOres ao redor do gargalo de cada
garra!
com o Sello da Unio dos Fabricantes.
VARIS SO, Boiilerarrl de Strabtirg, SO
PAHIS


*-

1


I
r

6
Diario e Pernambiieo-~~Sexta--lcira 10 de Dezembro de 1886
Purgante as Familias.
* ,-'- pbOrJCAYttlCUImllIfavbiJi
Aluga-se
a casa teirca da na Auguara d- 274, com bastan-
tes comandos ; a tratar na ruado Apollo u. 51.
a casa n. 3 em Beberibe
M. Reg.
Aluga-se
a tratar cora J. I. de
Altiva -se
o segundo andar da casa ra da Aurori n. 'SI,
junto a ettaeo 3a estiala de ferro de Olinda ; a
tratar na rtia do Commereio a. 15, escriptori de
Scbastiie de Barros Barre t >.
iga-sc
^ predio n. 140 4 rtra Imperial, proprio para es-
abelecimeoto fabril : a tratar na raa do Commer
lio d. 34, com J. I. do Med iiwi lt"o
Aluga-se barato
Raa de Lomas Valentinas n> 4, com sotSo*
Largo do Mt-rcrdu n. 1 T, l ja com agua.
As casasda ra d<. I'.omum Suassuna n. 141
Largo do Corpo Sunto n. 13, 2. andar.
Trata-ae na na do Com murcio n. 1* andar
acriptorio de Silva (uiuviiiic* C.____________
7 Aluga-se barata
O 1* e 2 andana do sobrado rua do Bruna n.
36, cada qual c >oa bstanles commodos para fa-
milia, vista aprasivel o muito an-jado, alugue: ra-
soavel ; trata-se na ra larga do Rosario n. 34,
pharmacia.
Luz brilhante, sem Fumo
oleo"aromatico
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
iraiiV'" '"I
MAP.TINS* BASTOS
JPernambuco
NUMERO TELPHONICO M" 38
Agua florida.- Extral.ida de flores bra-
sileiraa pelo seu delicado perfume, suavida-
deesuas prrpriedadea benficas, excede
a tudo que ueste genero tem apparecido de
mais celebre.
Tnico americano.- E' a primeira das
preparares para a conservado des ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias espillares, faz nascer os cabellos,
i m pede que erobraoquecam e tem a grande
vantagem do tornar livres de habitantes as
cabecas dos qne os usam.
Oleo vegetal* Coropcsto com vegetal
innocente, preparado para amaciar, for-
tificar e dar brilho aos cabellos.
Agua dentifricia. Excellente remedio
contra a carie dos dentes, fortifica as gen-
gives e faz desapparecer o mo hlito.
Vend-so as principaes casas dcsta c
dade e na fabrica de leos vegetacs ra
da Aurora n. 161.
_____ TELEPHOKE N 33
Tricofero de Barry
Garante-se qne faz nas-
eer ecrescer o cabello ainda
aos mais ciItor, cura a
tinba e a etapa e reraevo
todos as Impurezas Jo cas-
co da cabe a. resitirn-
mente iinp*sde o cal
de cahiron de enibranijtie-
cer, e tal :ite o
torne, espesso, mncio, lus-
troso e abundante.
^Myiv.
Aluga-se
o tereeiro anlar ra do Barao da Victoria n.
52; a tratar na meeroa casa, no 1 andar.
Ama
Preeisa-se de urna ama prra fojo o servico de
ama t pessoa ; na ra Velha (Bon-Vis>0 nume-
re 9 .
Ama
Precisa ae de uma cofinbeira para caaa de pe-
quena familu ; a tratar na eatmda una de Ca-
sanga, no sitio do t'r. Yul-nca, o no cscriptorlo
d'este Diario.
Ama
Precisa-se de uma ama pe*fsita cosinheira ; a
tratar na raa do C.bugi n. 14, 1- andar, do meio
dia s 2 da tarde.
Ama
Preciea-sc de urna ama para cotinbar ; na ra
larga do liosbri.) n. 46.
Ama
Preeisa-se de tima ama : na rna da Gnia nu
mero 52,1' andar.
Ao publico
Tclcphonc n. 34*4
Os abaiso asignados preprictario da refinaria
i ra do Coronel Suassuna n. 7, avisa m ao pu-
blico e aos Hrs. freguezea que em bcu modesto
estab leoiinentj encoiilrxriLo acinpre assuear refi-
nado de 1', 2, 3', rtpeeia) e candjr, asainicomo
assuear de carolo de tudas as qualidadei.
Alm de sinceridad'? e agrado eir sena tratos,
encontrarte tarabrm milita moduidade em pre-
cos.
Kecife, 25 de Novembrod* 1886.
Yuiva Barros & Filho
Agua Florida de Barry
Prep i a formula
original usada >c!o inventor em
i;' o nico perfumo no mun-
do qno tem a r. pzovacao oficial de
un (overno. Tem dnas vezes
iiiaisfratranci; qne qualqucr outra
don o doten do tempe-. E'
mais rica, suave a. E'
ninito K.'.is fina a ticada. E"
mais p<. manenfe vel no
lento. E' duris v. refres-
cante no banlio e r.o qna
i --ontra a
fronsidao e debilidad! SCnia as
dores ile cabeen, M -;.nsacoa e 03
desmaios.
Jarope Je Via ie Renter No. I
AJTrES DE VSXIrO. DETOT-S DE USAI^-0.
Cura positiva o radical de todas ns fonn as da
rscrofulas, Sypbis, Ferelas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e a do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas aa do-
eneas do Sangue^Figado, o Itins. Garante-s* _
que purifica, enriquece e vitalisa oSangne ~
restaura e renova o systema inte iro. q '
Sabao CuratiYO de Renter
P^ra passar a ft?sa
Aluga-se orna ptima casa na Boa-Viagem
perto des banhos e com excellente'. accommoda-
cocs para familia, preco razoavel; trata-ie na ra
arffa do Rosario n. 34, pbarmacia.
Portas e jmilas
No escripterio deste Diario se dir q'ieai precies
compar 2 portas de 12 1|2 palmos de altura e
(8 janellas de 8 palmos, tuio de louro ou amarcllo.
~~ Criado
Precisa se de m criado de 12 15 annes le
idade, que saiba 1er e escrever alguma cousa, o
ue d eculiecimeoto de sua conducta ; Da ra lo
!om Jess n. 28.
Barato
Quera quifer comprar tres casaes de cacborr -
obos do reino, brancos, felpudos, sendo nm grande
e dous pequeos, aununcie por este Diario.
E'barato por 4:0()|
Duas casas terreas, reedificadas ltimamente,
uma na ra do Nogueira e outra na ra de llor
tas, rendem annnalmente 700#000 ; trata-se na
Boa-Vista, :ua da MaDgueira n. 7.
EMULSAO DE SCOTT
DE
Criado
Precisa-se de um criado de 14 a 18anncs
ra Impprial n. 17.
U
uiida
Precisa so de uma criada para
ra do Barao da Victoria n. 9.
cosinbar ; na
DAY& MARTIN
Forntctdoru de Sua Uijnttdt i tltht tf >a(/al*rra,
0o nrcito '* Utrlnht britumlci.
GRAIXA brilhante LIQUIDA
GRAIXA.*PASTJ,UNCTUOSA
OLEO para ABREX03
E to do qvi seessurto pan .i inini'witfi *t wsr*
sea todas is fUnm.
DEPOSITO QBRAi. BM LOlQRtB:
7, Hlgh Jol!>orn, 07
Ttll" H. M HLUIH
Marca
Rogislradi
*a&
Cal tirgem de Jaguaribe
Abrise ra um armnzcm onde se vendo constantemen-
te a superior cal virgem de Jaguaribe,
acondicionada cm barricas proprias para o
fabrico do nssucar.
Estri cal, em nada inferior que not
vem do cstrangeiro, vendida pelo pre5o
xo de GfJOOO a barrea por contracto que
fea o Sr. Vicente Nascimento com o Sr.
Jos Costa Pe reir proprictario do engenho
Jaguaribe, cujas pedreiras Iho d o norae
B1 encfirregatio da venda nicamente
nesta cidade o Sr. Sebastiiio Beserra,
cora escriptorio ra do Bom Jess n. 23.
WWWtfVWWWWWWVWWV
PANCREATINA DEFRESNE
Adoptada t>ffinalmente not Baspittti ie Parit
e na tarinka Franeevt,
O mais poderoso d'entro todos os agentes
ingestivos condecidos, a Fancreattnu l*r-
fregu emprega-se seaopre com resultado
provado contra:
raatlo I Oastrttes
Ms dlureatSea Gastralgia
Flatuioocla do estomago
S->mnolencla aps es rofel^Ses
Vmitos determinados pela gravidi
Enfermidados do flgedo
Tomada depols das refeicO^-s desperta c excita
oappt'tedosconvalcscenles, combateedeten
o etnagrecimento dos liseos.
A JPancrcattna Itefresne cm p c era
ftiutat veu'ie-sc e:n todas as pharmacias.
LOTERA
DA PROVINCIA
DO
OLEO PURO DE FIGADO DE BACAHO
E DOS
Approvada pela-Exma. Jimia Central de llygiene Publica do Rio de Janeiro c aulorisa a pe
(overeo Imperial
B' TAO AGR VDAVEL AO PALADAR CONO O LEITE
CURA A
Tsica miar. Mus. bscfob i, racwts ummi MMk em gem, anemia, tos
ctoia a affeccoes io paito e da garganta
Combina, nluroa forma saborosa e agradavei. o oleo de fig,vlo da bacalho e os hypop'nosliitos de cal e soda, e cora
seu uso oblem-se, simultneamente, os effeitos do ambos estes dois valise s e bm cobecidos remedios. A!cm de que c tolerada
assimiladn pelos estmagos mais delicados, o nao causa nem nausea, ncm diarrhoa, como reuitas vcz's acontece com o oso
do oleo simples.
Veja-si a opiniSo de Ilustres mdicos de varios paizes, sobre os resultados obtidos cora o uso da EmulsUo de Scott ;
Attesto ter cinpivgado cora vantajosos
resultados cm doentes do tuberculofc pul-
monar, em minlia casa de sa id, a Emul-
suo de Scott de oleo de ligado de bacalho
com bypophosphitos de cal c soda.
O referido ver la ie e o juro medici.
Rio do Janeiro, l de Outubro to 1834:
Dr. J. latan-).
fide
KTADON l.\IOS
Nova York. 4 de Setembro de 1870.
Sr3. Scott & r>owne. Tciilio reccitad >
na minha pratica particular e nos hosp:-
tacs, a Kmtdsao de Scott de oleo de figa-
do de bscaliuo COM hypophospi^itos, c es-
timo a como uma preparante de grande
valor.
A EmUSe nao u.udn, r.esnio co tempo
de grande caler, e agrada mais :r, paladar
do que qualquer outro prepi rado de leo
que conhcQi
rts Watts, director do serviyo MBI
do hospital de Ch-iity.
lMGE.ATERIt.4
'Boval Free ILsi'al. Gruya Iuu Road
w. 0.
Lindros, 11 de Margo de 1884.
Sr. Scott & BoWfto. Tonho usado
com vnnagens, a Emdsao de Scoit neste
hospital, em casos, nos qusea, oleo sim-
ples de lgalo de bacs3ba So po!i;i ser
otlerado, pois a Ewuh'io Baborosa, cf-
ficaz c nilo se repeto o gosto do oleo.
Chesam Sansn, medico intimo.
VE\I:.5 TIL A
Valencia. Vcnezuell* Io de Junho de
1S84.
Srs. Scott & Bowne. Desde o ultimo
anno estou applicando a EmulsSa de Scott,
a qual tem dado muito bons resultados, pois
almde ser uma effijaz prepara^ao para to-
das as doengas as quaes est indicado o oleo
do figado do bicalho, tomase sem a me-
nor repugnancia, vantrgem immensa sob
todos osrespeitos.
Dr. S. Colom.
KSTOO a.MDflS 9RC09.01I
1B4
Bogot, 4 de Junho de 1881.
Sr. Scott & Bowne. IIn alguna mozos,
csp?rimentci, cm dous djentes a Emtdslo
de Scott. Um padeca desdo multo tempe
de uuia ul.era ea.ropliulosa e o outro tinha
uma atrophia ineipicnte do fijado.
Ambos curr.ram-sc radi luentD eom o
uso da Emulm'i.
Dr. Vicente Prez Bubio.
SIEXICO
O doutor Ernesto M. Hegewich, director,
do hospital de S. Sebes tilo dcsta ci-
dide.
Uertifioa ter usado com bom resultados
a Emuhao de Scolt na escroplmla e na tu-
berculoso, achando-a uiza bi prepara-
cao que dovo sor r-'commendada.
Veracruz, Abril 5 do 1883.
Ernesto M- Hetjewicli.
O abatxo assignados, doutores ero me-
dicina e cirurgia, certitcaiu Rever empre-
ado o continuarem a emprogar a Emuhao
Scott no hospital do carirtade para muihe-
res (S. Francisco de Paeia), encentrando
no dito preparado cxccentcs propriedados
roconstituintcs, assim como o consideramos
do utilidado para as alccQaes do peito,
qr tuberculosas, qur outrs s, pois modi-
fica vantjosamento o organismo as pr-
meiras, emquanto a affeecao nao tem en-
trado no tereeiro periodo, e temos observa-
do as cutras, que eara muitas dellas. Afi*
cr s :entarcmos cm conclus2o, que temos
acalmado algumas vezes c outras alvia-
do a tosse pertinaz, que tanto affl'jo os
rjoentea do peito, com o uso dcsta Em>.d$8o.
Nao duvi lanos, portento, recomraendar a
hito de Scott para todos os casos, em
que cstj;:n indicados torios os outros ole03
ie ligado de bacalho, e particularmente
uaquelles a que nos referimos. E par
constar onde convenha, passaiios o presen-
te ra Sabana, aos 14 de Fc-verciro de
1832.
Dr. Sicolas Garbullo y Gutirrez,
Dr. Nicols Jos Guilarrez.
OEIT3 RICO
C
o
Srs.
Das, 30 de Junho de 1884.
Scott & Bowne. Tenho a satis-
fac3o de participai" a V. S., que tenho
receitado, muitos dos neos doentes, a
Eniuhio de Scott, tendo obtido, em todos
os casos, os mais favoraveis resultados.
EUta efficaa preparado, pela sua forma
agradavei c seu bom cheiro e gosto, veio
oncher o vasio, que nota va-so de um me-
menta que, tendo por baso o oleo de
figado de bacalho, nao nprosentasse osin-
convonientea dcsto, (sobre tudo pelas crian-
casl devido ao seu cheiro repugnante a
gosto desagradare!.
Dr. Domingo Cabrera,
Deposito cm casa de Francisco Manocl da SilvaRa
de Olinda u- 23.
uez
Profesara
Urna senfa ra que ensina primeiras lettrs.
desecho, piano, flores, bcrJados e todos os trnb:i-
lhoi de agaiba, prope-se a h-ccioiisr em eseat
particolares por mdico prri;o, garantsado grande
adiint-menlo do suan diacipulas : quera deaejir
ntiliear-se di? seua iOttcob, queira dirigir su *
ra do Caldi'ireuo n. .', I" hiniur, oude achara
com quem tratar.
Ufflsacerdote
Precisa-se c'o um s.i'erdote para eo'ebrar urna
misaa de Nk'*I Da togenho S Migue', distanto da
estacao de Cyi.mbm.-a lego < mei, oFereie-sc
a joia de 700wl>. dando-aa c^nnui-cSo da mtMna
estaca> para o*ngulio 0 frtoto qu nao
estiver coiriprcrr.el'iiio e q-iizor acaitw H escreva p:ira u inmmn ricronlio, ao Sr. Antonia
Vedro da Cotta, estafo u (.'. vaesbee*, at o dia
Dezembro.
PeRFUHARIi 0 OELETTREZ
S4, 56, Ra RiOhor, 54, 56
CREACO PARJZ NOVA
SiEM
-*-
SUAVIDADE
Coacentra^ao
CREMk csmmAi
rro\
AOL'.l 1>(j TO
P3 os ARROZ
COSMTICO, JBRILHA.NT1A.
OZ.MO, POtdtSADA, VINAGRE
k Perturaaria OSMHEDIA assegura aos
Clientes Fbis
iaratidi iltru t (ir lia i/ti
sTTvAacw
Para o Banho, Toilette, Crian.
8as e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito
HPARA
CONCEDIDA PAHA A COS3TKUCCAO DE UJI
NOVO HOSPITAL PABA A SANTA CASA
DE MISERICORDIA DE HELE.M
EXTRAC^AO SEMANAL
EMMISSAO 50.0() ILHETES DE 20*000,
EXTtAHlDOS E.M V1GES1MAB HARTES
em Pernambu'.o casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
DOSdESJAfia
EIIQESTOES miFFIOSIM
yspepsia* Gaslrnigi >s, Anemia,
Perda de A apetite, Vomites, Diarrhea,
Deboade d3 Griai
~Ja\ SEGIJBA. 8 RAr.; PRLO
1
1
I
1
4
1(1
20
yo
Premio
TNICO-DIGESTIVO
cenn QniBMt? Coif t 'fpsinn
Adoptado er..i todos cr, Hcspif.aes
HEOALiU: HAS i
PARS, r bfctyte.M,MmtektuiitmKiu.
Por 22:000 rs.
Aluga Hi- .i : in'ar 8 ro it- LltDIM
Valrnlinas n 0 ; n ir.slar n.i iuh fruncir de
Marco n. 7-A. I.\ra:.
OSr.C.iallH^
*iretiic io fonini i tnrtam&f
E' h-u,hHo ra UoquD ri<- HUM i) (il, (Mis
tratar d m g .c <> n I n i i ir l nal, o* m-
num ar si:h in'rada para 8-r pc.cu'hdo
Olindi
para cetena du 1.
premio.....
09 para a Cfutena du 2."
premia.....
90 o para a centena do 3.8
i remio.....
99 para n ctnti na d > 4
premio..... .
400 pira todos os mime- \jf p
400 roe cujos dois iiiii s 2.* p
49!) algarirmos sejain i- t.* p
409 guseena tenninae^es do 4. p
2 aproximacu-s do 1 pr-mi <
2 S.
9 3
2 4
4000 tra>in(wri d > Io
4<90 .2"
Total 1213 pirmios
far 30 de Outnbn, re i
20:0' i
40:00
20!C00
Kl.OOO
:(K)0.
2:000*
J:000
do
Cfe:
^Xs;,
REINVILLIER
Laureado pela Academia de Medicina
osi>
Cavslhetro da Legio de Honra
Hato
deCAL
OESXj-^
.T^
O0
O phosphato de cal 6 a subitnea mineral mais abundante do organismo e toda vex que sua
Quantld.-ule normal ilimlnue resulta iiiuanTx-cSa orgnica grave.
Mais do cinco mil curas, a mor parle isUlAada pelos l'rofejsores e Mdicos das Faculdades
roiuc ODUaas Ultlm > com que o Xnrnpe to D- Itcinvtllirr rosse classlIlcaUo
como o espoClflCO iro OOBira a Tsica pulinouar, Bronchltp- rbronlca. Anemia,
Racbitismo, Deblda diariamente as crlaiva.- facilita a dcnticSo c o creschncnto:as maes e amas do lelle loras o
leltc mcliior; impede' a caria e queda dus denles lo Irequentes depois da prenhez.
Em Perr
Deposito: Pharmacia VIBEI*Qt73, 8, Placa de la Magdeleine, PAKXZ.
onaclpist Pnarmac/as Drofit.
Aviso
Os i bi,ixoasgncdrs seieninTam ao publico c
e va, qic disso veram amigaveloiente a sociedade
que tinbam ni est-ileleciminto de refnacio de
i^etuear, sito ra Vida! de Negreiros ns 46 c48,
oee cyravn sob a rasSo social de Jeao Antonio
Frvneifco Alves A C, sshindo o s?eio Joaquim
SilVestrc Tn'xcira pwo e tatisfeito do seu capital
e lucro?, fieand* o activo e passivo da exiincta
firma a c rgo do rx- socio Joao Antooio Francisco
Alves, lob coja finra individual contina o gyro
io irotmi n gocio. Kecife, 30 de Novemhro de
1S8U.
Joao Antonio Francise? AItss.
Joaquim filvestre Teixeira.
SPENSSRfO miLLERET
DBUee, scL-t lfgarivas i^Baiio das c
J'ur '(i-sificacdes,
>'or,estamp
i cdi suspensorio.
FHBE DE T0E03 03 SYSTE8
l-S PARA VA.-.IZES
WILESET.LECO-: Bor.PjriS, ?,r.J.-J.HMMMi|
nt:-.l^niADO
200
100/
50i
40*
100*
JO,
506
40*
:000*
800*
4(0f
J i '.>
20*
20
de 5!
ring
o melhor prpnJfieQ Sintra vertr.is : deposito cen-
tral em e:u.i de Faria Sobriubo 6c C ma do Mr-
quez de Olindn n. ti.
CcsnliCTO
Mil]
ONICAH TANICW
Uc 1-J.LIi. ut F.L.IOU
rHSTA::TANEAp.riabart. J ROUMivi.....
m Uv:n. f sua Cor primitiva
tWltliril ra Paris: rilXIOll,?. ni i !ir; nm, PiaJ
< VsihUn..c* : FRAU" M da 8U.V nS>
Aloca sn ra 104 Vintc pi ero urna
boa eM mi' I) mr ii m : i h .11 -
d ) se i : inuds, e m
peit i da Mio haiiho sal-
dos,
cad s : :i :i,.t. i o ps eo di Coi
3- andi.r.
P >
w
auto n. 17,

llEt
cor-
au-
- TCJOAJ
LESTIAS VAS DBDABIS
9ff'Kl*.lMM
ra chrQnico absziga,
Irritars do -anai de unir,
Molestias de prstata,
fiont/ner.cta ta Urie.
Arela na urina, etc.
&WAsVW, Pharrr,3ceutco-Ch:meo, \
Arreinulaco
So rente, depois da
dienra do Dr.juiz mu-
nicipal do termo de
Ipjuea ser arrerafi-
lado de venda o enge-
nho Tapera avaliado
por eincoenta eontos
de res.
\pproximandc-sc o fim do ano e desc-
jando aprcscnttir aos nossos bons e benvolos pl ... #
frcigiiezes um sortinicii(o completamente novo, ^W^__vwffliigs
liquidamos a p ceos baratissimos ama grande
variedade de artigos e tecidos de seda, 13,
Hallo e aIguais cortes de casemira, ditos em
pe?as, algodos,madapoIocs,tOiiIbas felpudas
para rosto e baulio e muitos outros artigos
que nao deixarao convir.
Cosiumes de excellente fazndas para
senhoras 100(0.
Ditos ditos ditos para homens 8#000.
Ditos ditos ditos para crianf as 5|000.
iro de Marco i. 20
Precisa re de ':n eosinbeiro ; a tratar na ra
do Paysaiidi'i n. l. Pkscagni da Magdalens,
VERMIFGE COLMET
CHOCOLATE com SANTONINA
IlFAUJVEl pira distni.- as LOSBaifiAS
h Vermfugo i ncoEesilids *b ([i [/\P
su saber agradavei e eoBsenajie ialelalila.
Exigir a as!/naara : (J \U "S
Parte Ja1* COLIET-a' AABI. tafien-*"* FRAlt-W.fljSn.TAe"!
rYitoral de cambar
'1 s r i!,-p fir.ri's peines n1 sta prr.Tincia
--UANCISCO V, DA SILVA & C.
i
Agente* o dr
Pl
crin flUMiz-m de drogas rua do Marauei de
Olinda 1.. I.
l'.re 1: Ruca 2*580, 1 2 iu
1300) e daziu24j0U0
JUNTO 1)0 LOVR
Para oscriplorio
Ah..;)! o andar terreo n. 18 tua dj Boa
J.ene : n lrfar i a m gtt rut n 1>.
&**r*999VW9V\J\J9ISVV9imit99WW9U9Vm9lii999Vy99Www^^m9vwnL
Em Olinda
SAB^NEsTEdeALGATRAQ
PABA A TOUETTS, OS BANHOS C OUinADOS A P*R As CBIANCA8
Es!e 8ABOXKTE, ceritiileiro niitinrptico, o mala eflloaa para a cura da todai as
rSOl-KSTtAS Da PELLE
SAPO CARBNIS DETERGENS
r.acui vouas t'riawat ruta o r>AVO VAitMOMMH DI ii:ut.t:\s a/lm de proteuei-oi contra
o 6ARAIBPO, a VARILA a m. FEBRE ESCARLATINA
Estes SABOXKTE8 su'io rocommcndailos polo Corpo medli lnlelro porcruo nrertneni as
MOLESTIAS EPIDMICAS e CONTAGIOSAS e w adaptdo a avaiouer clima.
MARCA OH PADIIICA NOS BNVOLDEROS B HOS PaKS
Depoadto weral: "W. V. WHIO.^T Se C, Soutbwark, LONDRES
Em. Peraambuco : Pran 3VT. da. STXVA r '
" *......t"",nr".................... -ni ir--- in T
Alnea-s* i ithrado de ani andar e I], junto
idj; a ti atar na ras
I'ii.iuir.) de Mr^T n 17, 1 i ..

ralo
AIi' p ras* ferra ru i do VifCiinde da
"ii|'.i- i-, '. 6, (? fi li > 3 rommod 9, cacimba
ipin.i. gruiicV, cun p .1 i i-i > rs > camaina da
[Alcgiu: airaiar uaiu u>ta d- Sinta Sita o.
11; si brado.
SiiTiiteigo jiolhiiirleza
Iinprr'nda iinienuirntc p->r Cbarl?8 PInyn 4JC.
:i rna 4o C-mnircio n. 24, Reeife.

.

D^ED

-
4
i
^
^
I
- %f




'VBMMMM
Diario de PcruambncoSexla-feira 10 de Dezembro de IS86

VENDAS
Vende fe um pequeo estabelecuneoto de
saolfcados em urna das melhores loealidadva : a
tratar na rna da Detmcio r>. 19'
Vende se o cstabeleclinemo de molkiados aito
6 prC* do Conde d'Eu n. 15; a ti atar n memo
Vende se
aa deposito com poueoa fundo, bem afregurzado,
proprio para priueipiante : a tratar na ra do
Coronel Suaasuna n. yi O motivo da venda ie
dir so comprador.
Serrara a vapor
Caes do Capibarfbe n. S
Westa serrara encontrarlo os sfnhores fregue-
ses, om grande sortimecto de piobj de repina de
ateo a des metros de compnmenco e de 0,08 a
t\M de esquadros Garante-se preco mais como-
As lo que em outra qnalquer parte.
Francisco dar Santcs Macedo.______
Vende-se
O kotel e bo pedira Estrella do Norte, na Lin-
gseta. O proprietario deste hotel tendo de reti-
rar-se para fVa desta cidade, vendo o aeu esta-
belecimento por preco bastante commodo ; trata-
ae no mesmo, ra Tbom de Sousa u. 8.
WHISKY
ROY AL BLEND marca V1ADO
Este excelleute Whisky Escossos preferir
vo cognac ou agurdenle c'e canoa, para fortifica1
o eorpo.
Vende-se a retalho nos h> Iberes armazens
aolbados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo r*-
se e emblema sao registrados para todo o Brasi
BROWNS '*t C, atrenres
Cocheira venda
Veodc-se urna cocheira eom bons carros de
passeio, bem localisada e afreguezadi., por preco
aito mdico, em razio de seu dono nao poder ad-
aioistrer por ter de fazer urna viagem : os pre-
teodentes adiarlo com quem tratar ra Duque
de Cazias n. 47.
Oleo para machinas
Em latas contendo cinco galoes, a 9/000 ; ven- J
de-aeuoa depsitos da fabrica Apollo. I
A' Florida
Roa Duque de Casias n f 03
Chama te a aitenco daa Ezmti. familias para
os procos seguiutes :
Luvas do seda preta a 1/000 o par.
Cintos a 1*500.
Luvas de peluca por 2*500.
2 caizas de papel e envelopes 800 rs.
Lavas de sede cor granada a 2/, 2*500 e 8/
o par.
Suspensorios pira menino a 500 rs.
dem amer.canos para homem a 3*.
lletas de Escossia para crianca a 240 rs. o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Aibuns de 1*500, 2*, 3/, at 8*.
Ramcs de flores finas a 1*500.
Luyas de Escossia para meaiaa, lis&s e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rv, 1*. 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. om.
Rosetas de brilhantes chimicos b 200 rs. o par.
Oaarnucs de dem dem a 500 rs.
Anquiubas de l/.VU, 2*, 2*500 e 3* urna.
Plsss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
dem estreitinbos eom 10 metros a 800 e 1*000
a peca.
Pentes para coco com inscripcao.
Babadores com pintura e insenpeoes a 5C0 rs.
Para toilct
Sabio de areia a 320 rs. um.
dem pbemeado a 500 rs. um.
dem alcatrlo a 500 rs.
dem de amendoa a 300 rs.
dem dealface a 1*000.
Agua celeste a 2*000.
Agua divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Maceos de seda a 100 rs.
Meias brancas para senbora a 3* a duiia.
Estojos para crochet a .$000 rs.
Linbas para crochet cor de crema 200 r.
Linhas para crochet do seda mescUda 300 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
BARBOSA & SANTOS
PIMO DE RIGA
Je 3X9, 4X9 e 3X12 ; vende-se na serrara a va
por de Climaco da Silva, caes Vinte Dous de -No-
reabro p. 6.
Purgativo Julien
CONFEIT0 VEGETAL, LAXATIVO E REFRIGERANTE
contra PRISO DE VENTRE
Approvado pela Junta central pe Hygiene publica do Brazil
Este purgativo exclusivamente vegetal se aprsenla sob a forma de um confeito agra-
davel.que purga com suavidade sem o menor incommodo. E' admiravel contra as a/feccoes
do estomago e do figado, a fafsririii, bilis, pituita, nauseas e gazes. O seu elleito rpido
e benfico na enxaqueca, quando a eabeca esi petada, a bocea amatga, lingua tuja,
falta o appetite e a comida repugna, as inchacbes de ventre causadas por infiammacao
intestinal, pois nao irrita, as orgaos abdominaes. Kmfim, as molestias de pelle, usagre e
aowjulses da infancia. Purgativo Julien resol veu o difficil problema de purgar as
creancas que nao acceitam purgativo algn, pois o pedem como se fosse urna pastilha
de chocolate sahida de confeitaria.
Deposito em Pars, 8, Ra Vivienne, e as principaes Pharmacias e Drogaras.
CAMEIRO DA CNIIA ir C.
Pedem as Exilias. Iciloras 5 minutos de alien i o para os se-
gaintes artigos, alias karalisslmos!
Bonitos sorlimentos de merinos de todas as cores, a G00 rs. o covado 1
Linda escolha das roelhorea cachemires, a 500, 600 e 700 rs. o dito !
dem idem de quadroe, novidade, duaa largaras, a lpGOO e lfJBOO o dito I
Setinetas de phantasis, a 400 e 500 rs. o dito !
Caxemires felpudas, duas largura*, a 1^000 o dito 1
Limons com palmas de seda, a 800 rs. o dito !
Merinos pretos, desde 900 rs. a 2*300, o dito I cor garantida.
Lindos vestuarios do la para crianzas a 7j$500 e 80000.
Ricas guarnc3?s de crochets para cadeira e sof, pir 8)5000
Velludinhos de todas as cores, a 1000 e 1^200 o covado !
Setins Maco, verdadeiro, a 800 e 1)5000 o dito !
Luvas de seda de todas as (Oras, a 2000 1
Lques de phantasia, a 1)5000 e 1)5500 1
Meias para enancas, a 2500 a duzia I
Esguiao para casaquinhos, a 46000 e 4)55000, dez jardas !
t '.arobiaia branca bordada, a G5000 e 85000 a peca!
Actoalhados, bramantes para todos os precos ; algedSes, madapoloes bara-
tissimos o muitoB outros artigos que se liquidara por menos que em outras partes.
59Ra Duque de Caxias59
VERDADEIRO T T} FiAV LIQUIDO
PURGATIVO Lll U IPILULAS
nciemi
NARMgi OTTIN
El DE LB MI
Os Purgativos Le Roy justlflcam
sua reputacao secular e aua supeno-
ndade por niilhares de curas; hoje sao
adoptados por toda a parte, de preferencia
a qualouer outro para cura rpida e pouco
PUROATIF LE Bynonerosa'daf
nwTiu FditATiTi m codb tomsstaf 4WOLE8TIA8 CHRONICAS
mal conbecidas, mal curadas, e consideradas sem
razao como incuraver",. Nao existe medicacSo mais
cfflca contra os humores, pituitas ou hiles alterada
que provocam ou entreteem estas longas affeccoes; nao
ua reconslituinte mais enrgico contra as reincidencias.
Aflm de evitar as CoatxafacBes:
Se devt recusar como inefficat ou perigoto qualquer Purgativo
rJje Boy liquido ou em pilulas que nao sah da | si
rl'harmacia Cottin, geswo do Cirurgiao JjK Boy | Ru de Seine
re nao traxndo a asmgnrtura ao lado sobre o rotulo. PARI8
Ruede
DOMESTIC
Sao reconheciaas ser as mai
idcgantes, as mais duravei
em todos os sentidos.
AS MELHORES
Para precos, e circulares come
illustracSes de todos os estylos, diri
jam se
| Domesc Sewng Machine 4C
NEW-YOR, U. S. A.
Telephoiie n. 158
VINHOgilbertSEGUIN
A.pr>ro-e>lsv Aoadamia d SCedloixisv da ^rsuagai
AIS DE SESSCNTA ANNOS DI EXPERIENCIA
yjnhfi de urna eflicacia incontestavel como Antiperiodico para cortar as Febreu,
e como Fortificante as Convale*cettfas, Debilidade do Sangue,
'mi* m difflceis,
Enfemtldades nervomu, Debilidade.
Pharmacia O. SEGUIN, 378, ra Saint-Honor, PARS
Deposilanos em Pemamlmco : FRAN H. da SILVA O.
Leitura para senhorar
Brolhcs nikeldos dourados a 2000.
Bunitos grampus dourados a 500 rea o maco.
Esplendido sortimento de galoes de vidrilbo.
Grande varedade de legues de sitim, a 4000.
Frisadores americauos pa.a cabello a 3C00 o
maco.
Ketas de phantasia para cabello.
Bonita colleccSo de plsss a 400 res.
Brineos, imitscao de brilbante, a 500 res.
Aventaes bordados para chancas a 2#000. '
Chapeos de fusto e setirn para crianzas
Sapa toa de merino e setim dem, idem.
Meias brancas e de cores, fio de Escocia.
Pomada de voxelina do diversas qaalidades.
babonetes finos de vozelina c alface.
Extractos fiuos de Pinaud, Guerlaine Lubin.
Lindas bolsas de cour e velludo.
Fechas de la para senhora a 1*5300.
Sapatos de casemra preta a '01)0.
Tesouras para costura, de 400 ris a 3J000.
Pacotes de p<5 de arroz a 300 ris.
Fitas de todas as qualidades e cores.
Immensa varedade de boiocs de phantasia.
E milhares de objectos pr^prios para tornar urna
senbora elegante, e muitos outros indispensaveis
para uso das familias, tudo por precos admiravel-
mente mdicos.
Na Graciosa
Ra do Crespo a. 9
_________Duarte & C.______________
Grande reforma !.
Realmente foi grande a que se fez n* Loja dos
Bara tetra*.
Ilun da Imperalrli a. 40
E sao os nicos que tcm as seguintes especia-
lidades !!i...
Le alpacas, grande e importante sortimento,
e lindis8mos padroes, o mais tino e apurado gosto
que tcm vjndo, e por preco baratissimo, de 000 600,
700, 800e M000, o covado, porm fino e bom !...
Querem ver ?... aparecam !!!...
Exmas. aenboras !...
Trmos um lindissimo sortimento de failhe, que
a vista agrada a mais excepcionar freguesa ; isto
por menos do que em outra qualquer casa ; s n.
40!....
Pois custa 600 rs. o covado.
Temos mais lindos sortimento de fustes a 500
rs. o cor ido.
Chitas 5as, especialidad!-, porque houve gosto
na escolh ., e vende-se por 240, 280, 320, 360,400
e oou te. o covado, n. 40.
Tambera temos!!!...
Lindos padroes em baptista de 180 a 200 rs. o
covado.
Cambraa victoria e transparente finas e boas
de 3*300 a 800 a peca
Brun branco de linho especialidade de 1(1500 a
3*500 a vara pechincha !
Brim pardos lizos e trancados de 700 a 1*600 a
vara, aproveitem festa! !...
Mobsck.ra grande sortimento a vontade do ire-
quez, vende-se de 400 a 560 o covado, venbam !...
Bitinctas !!!... esplendido e importante sorti-
mento nesse artigo, sendo brancas, pretaa e de co-
res, lavradas e lizas, o que se pode desejar em bom,
vende-so de 400 a 600 o covado.
Temos mais !!!...
Casemira de todas as qualidades e cores, e fa-
zemos costumes de 30/ a 60*00, barato e em
covados de 2*500, cousa fina c que a todos agr-
dato, appirecam !
Acreditem ?...
Venham ver, para crer !!!...
Madapoln de 1 qualidade de 4*500,1 5*500.
6*000, 7*500, 8*500 e 10* a peca, e que ha de
melhor.
Algodo de 3*5C0 a 7*500 e 8*000 a peca tem
20 jardas.
Camisas de meia de cores e brancas de 800 a
1*800 e 2*000.
Colcha de lindos desenlias a 4*0C0, casta 6*000
cm outras casas.
Pannos da costa do melhor que ha casta apenas
2*750, o metro, pichincha !
Bramante de linho a 1*800 a vara, 10 palmos,
para a cabar.
dem dealgndoa 1*300, palmos tambem bom.
Algodo emfestado, 10 palmos a 900 rs. o metro,
muito bom para lrncoes.
Alem das fazendas j mencionadas temos muitos
artigos de modas como seja, leqncs de fioo gosto,
grvalas, colarinhos, puuhos, meias etc. etc.
Alheiro &C.
BA DA IMPEBATRIZ N. 40
Attencao
A Loja das Estrellas
A' m Dibb le Caxias i SK
Querendo liquidar diversas artigos para nao
entrarem em bataneo, resolven vender por
menos 50/0 de seu valor.
Como sejam :
Damasco de algodo a 320 rs. o covado.
Casemira Othemana a 320 rs. o covado.
Zepbir de urna s cor e quadros a 100 e 120 rs.
Alpacas de todas as cores a 240 rs. o covado.
Brin de sores a 320 rs.
Algodo com duaa larguras a 700 rs. o metro.
Bramante com 10 palmos de largara a 1*500 o
metro.
Merinos de todas as cores, 2 larguras a 800 rs.
o eovado.
Fusto branco muito fino a 400 rs. o covado.
Plsss, finissimes a 400 e 500 rs. o metro.
Panno'fino preto, 2 larguras a 1*200 rs. o co-
vado.
Percalles finas a 240 rs.
Nansuk lindos desenos a 160 rs. o covado.
Toalba alcoxoadas a 2*200 a dusia.
Atoalhado com lindos desenhos a 1*300 o me-
tro.
Guardanapos pequeos e grandes a 2*500 e 4*
dnzia.
Meias inglesas para homem a 4*000 a duzia.
AsBm como gronJe quantidade de retalbas de
sedas, tetinetas, lans casemiras, chitas, etc., que
se vendern pela terca parte de seu valor.
Para eugenliee
Grande sortimento de algodo da Bahia, Bio,
Americanos, brancos e de cores, que se vendern
liquidos e com descont.
Para a reata
Novidades recebidas pelos ultimas vapores.
Cortes de etamyon ricamente bordados de 30* a
60*000 um.
Mantas andaluzas para soire.
Setim mulsumauo de todas as cores a 1*000 e
1*200 o covado
E muitos outros artigos que se vendern sem com-
petencia, i
Liquidago
Chpos modernos, palmas,
udo por preco muito barato.
plumas flores e fitas
Mme. Niquelina
Sua das Crures n. 39
Quinina os Pelletier
ou das trez Armas
O Sulfato de Quinina Pelletier
preferido por todos os mdicos, por
ser inteiramente puro, contn a*
Enxaqueca, as Nevralgias, OS
Aoceaaoa da f ebre.contraasf ebres
intermittenA.es e paludosas, a
gota e rheumatismo.e os aores
nocturnos. Cada capsula, da groe-
sura de urna ervilha,contm 10 centi-
grammas de sulfato, e nella l-se
PELLETIER. Estas capsulastem.
accao mais prompla e maisf
segura do que as pilulas e' _
confeitos, e engolem-se mais fcil-
mente do que as hostias.
Deposito em PARS, 8, Rna Vrvienne
e nn prinoiptu Phtrmicii i Drofrisi
EXTRACCAO
DA
6.' serie da 24 lotera que se exlrakir na igreja da tonceico dos Militares
EM 16 DE DEZEMBRO AS 4 HORAS
SOB O SEGUINTE
M WLi A. MB
PARA EXTRACCAO DE LOTERAS NESTA PROVINCIA
A
COLONIA ISABEL
CIICEDIU PELA LE POVINCflL I. IMf, E IrTlH0 PELO EXM. SB. VICE PSESIOENIE Di PROVINCIA
POP. ACTO Dt l DE SETEMBRO DE 1886
4o,ooo bi'heles em vigsimos i i$ooo ..... 800:000$
Despezas............ H8;8ooS
68M
i premio de,
i dito de .
1
i
1
9
23
dito de
dito de
dito de
ditos de
ditos de
2:000
1:000$
240:0001
40:0001
20:0001
10:000*
5:0001
18:0001
23:0001
40:0001
1:0001
1:0001
39:6001
19:8001
9:9001
8:000
6:0001
4:0001
2:2001
1:7001
96:0001
96:0001
681:2001
Esta lotera ser dividida em 20 series de 4,000 dezenas. Qaando as terminarles do i. e 2. premios foren?
iguaes, a d'este passar ao algarismo immedialamente superior. De9 passa a 0e de 0a1. Os premios sc
pagos sem descont algum.
0 premio grande de cada serie acha-se garantido por um deposito equivalente e igual quantia no Banco
Rural do Rio de Janeiro.
9 de Dezembro de 1886.
O THESOURE1RO,
francisco Goncalves Jorres.
400 ditos de 100$ para todas as centenas, cujos dous algarismos
forem iguaes aos dous ltimos do primeiro premio inciusive
1 dito de 1:000$ para a sorle, cujo numero na exlraccao for mais alto
1 dito de 1:000$ para a sorte, cujo numero for mais baixo
400$ para toda a centena do 1 premio.
200$ idem idem do 2 premio .
100$ idem idem do 3o premio .
para o Io premio ....
dito ....
dito ....
dito ....
dito
99 ditos de
99 ditos de
99 ditos de
2 apps. de 4:(
2 ditas de 3:000$ para o 2
2 ditas de 2:000$ para o 3o
2 ditas de 1:100$ para o 4o
850$ para o 5o
2 ditas de
4,000 terminacSes de 24$ para o Io premio inclusive
4,000 IcrminacOes de 24$ para o 2o premio inclusive
NOVA
LOTERA do cear
A 3:: serle da v. lotera corre no da 8 de Dezenoro
2OO;O00$0O0
Esta lotera est a cargo de um novo
thesonreiro, que prestou urna grande flanea
para garanta dos premios.
0 portador de dous vigsimos
d'esta importante lotera est habilitado a tirar
20:012$000
Logo que chegue o telegramma da ex-
traccao sao pagos, immediatamente, os pre-
mios.
BILHETES A VENDA
ROM DA FORTUNA
50Ra Larga do Rosario36
Aosl000:000$000
200:000*000
100:0001000
liUnilr
DI 3
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologiea Isabel
lotera
PROVINCIA DE PERNAMBGO
Eitrap i 1S de Domon dt 1886
0 thesonreiroFrancisco Goncalves Torres
A Kevoluco
A' ra Duque de Caxias, resolveu vender
os seguintes artigos com 30 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a 1^500 o covado.
Mirina de cores finos, a 900 e 14200 o co-
vado.
Ditos pretos a 1200, 1J400. lOOO. 1/800 e
2JO0O o covado.
Lis mescladas de seda a GOO ris o covado.
Ditas com listrinbas, de seda a 560 ris o dito.
Ditas com bolinhas a 600 ris o dito.
Lindas alpacas de cores a 440 ris o covado.
Las com quadriobos, a 400 ris o covado.
Gaze com bolinhaa de velludo a 800 ris o co-
vado.
Satim maco lavrado a 1J300 o covado.
Seda palba a 800 ris o covado.
Ditas do cores de 2f por 1J0O0 o covado.
Setim maco liso a 800 e 1/200 o dito.
Grs de aples preto a 1/800, 2/000 e 2/500
o covado.
Setinetas lisas a 320 e 400 rs. o dito.
Ditas de qnadrinhos a 320 rs. o dito.
Ditas pretas finas, a 500 rs. o dito.
Fustoes brancos e de cores a 320,400, 440,
500 e 800 rt. o dito.
Zepbiros finos, escosseses, a 500 rs. o dito.
Zephires de qnadrinhos a 180, 200 e 240 ris O
covado.
Zephires Usos a lfOOO o dito.
Alpaco de cor para palitot, a 1/000 o dito.
Velludilhos lisos e lavrados a 1/000 o cavado.
Cretones finissimos a 240, 260 e 240 e 300 ris
o dito.
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 440 ris o dito.
Colchas brancas a 1/800 urna.
Seda escos8eza a 360 rs. o eovado.
Colchas bordadas a 4/, 5/, 7/, e 8/000 urna.
D:tas de crochet a 8/5U0 dita.
Camisas bordadas para homem a 30/000 a du-
zia.
Ditas para senhoras a 30/000 a dita.
. Cortes de casimra finos de 3/ a 8/000 um.
Casa eos de laia a 10 {00 um.
Fichs de retros a 1/009 um.
Ditos, de pellncia a 6/500 um, (bordados).
Cachemira de cor a 1/600 o corado.
Flanella americana a 1/400 o dito.
Cortinados bordsdos a 6/0JO e 7/000 o par.
Ditos de crochet a 24/000 o par.
Meias para homens de 2/400 a 9/000 a du-
zia.
Ditas para s:nhoras de 3/000 a 12/000 a du-
zia.
Mantilhetas de seda a 6/000 urna.
Eapartilhos de couraca a 4/000,, 5/000, S/000
e 7/500 um.
Toiktt para baptisado a 9/000 e 12/000 um.
Lencos brancos e com barra a 2/O00 a duzia,
Anquinbas a 1/800 rs. nms.
Brim de linho de cor a 1/000 a vsra.
Dito pardo a l/OOO a dita.
Esguiao amarello e pardo a 500 ris o covado.
Chales de mirin lisos a 1/800 um.
Ditos estampados a 3/000, 3/500 e 4/000 um.
Cortes de cachemira para vestidos a )8/00l>
QD3.
Redes Hamburguesas a 10/000 urna.
Panno de crochet para cadeiras esot a 1/000,
1/2O0, 1/600 e 2/000 om.
Henrique da Silva Morara.
Vende-se urna armacSo propria para pharmacia
de drogara
numero 34.
a tratar na roa larga do Rosario
e


Diario de reriiamhiicoSeita-feira 10 de Dezembro de I
L!TTRATl)V

xavier de mntEnn
TRADUC^AO
DE
P1LERHO DE 1 ABIl
CAPITULO I
SEIS HOBAS DA JANHA
(Continasela}
No momento em que apresentaraos em
scena Mauricio, tros anuos haviam decor-
rido desde o momento em que ti vera aquel-
la perda irreparavel, e oceupava se cora
toda a aetividade da realisacjlo do maie
querido sonho da sua vida artstica ; que-
remos fallar de uto quadroquo devia, pen-
sava elle, colloi'al o immediatamente entre
as mais brilhantes estrellas da mocidade
contempornea.
Desde muito que a sua raagiaacao ama-
durecia a idea mo deste quadro; rauitas
Tezes j a sua mo febril tinha esbozado a
sua composizlo em tra9oa rpidos e gera-
es, sobre o pape! ou sobre a tela.
Conhaceremos mais tarde, era breve, por
certo, o resultado destes numerosos en-
saios.
Por emquanto vamos reunir-nos a Mau-
ricio na gare do caminho do ferro de Or-
lans, onde continua a passeiar com im-
paciencia.
E agora que j os nossos leitores conhe-
cem a fundo a situacSo moral, a posis^o
sooial, e o pbysieo do nosso hroe, nada
nos impede de continuar, para nao mais
interromper, o fio da nossa narradlo.
Mauricio acabava de fumar o segundo
charuto, e dispanha-se, para acalmar o
aborrecimento qua causa esperar, a accen-
der o terreiro, quanJo o silvo estridente
da ocomotiva resoou ao long, repercutin-
do-se cem vezes as arcadas sonoras da
cpula de vidro da estago.
Chegava o coiuboyo expresso.
Mauricio dirigiu-so inmediatamente para
a sala onde estacionavam 03 empregados
da fiscalisazao, e, grajas benevolencia de
um destes, poude penetrar ni interior da
gare.
Mal entrava, quando o comboyo se apre-
sentou, approxioiando-sa com um anda-
mento magestosamonta decrescente, e os
viajantes impacientes, mostrando s port-
nholas as curiosas _abes, posto que an-
da um tanto adormecidos, saltavam uns
apz outros dos wagons iramobilisados, ao
mesmo tempo que a machina dava o ulti
mo sopro, exactamente como um cavallo de
corridas, exhausto, que entrou na cavalla-
rica, depois de ter dado victoriosamente
urna carreira bastante longa e difficil.
Um dos primeiros que saltou foi um ra-
paz de cabellos loures, corado, de aspecto
sympathico, e andar rpido e desembara-
zado.
Cuidadosamente envolto n'um sobratudo
de pello coraprido, a cabeza coberta por um
bonnet de viagem, que Ihe chegava s orc-
lhas, trazendo na mao um indispensavel
de eouro, e debaixo do brazo urna grande
pasta prota, chciade papis, dirigiu-so rpi-
damente para a sala das bagagens.
Ae vel o, Mauricio correu ao seu en-
contr.
Gilberto, exclamou elle, por aqu,
meu amigo, por aqu!
Mauricio respondeu o recem-chega-
do, lanzando se nos brazos do artista, e
abrazando o com effuslo. Pois tu ests
aqu, meu querido amigo ?
Creio que sim, Gilberto.
Ah 1 realmente de urna delicadeza
extrema teres vindo esperar-me u'ma ma-
drugada, tilo fra Palavra que nao iraa-
ginava
1
Nao tinhas escripto, dizendo-rae queeha-
gavas esta manha ?
E' verdade ; mas confesso-te que nlo
esperava encontrar te na estago.
Bem vs que te engaavas.
Sim, tens raslo, enganamo nos sem-
pre que te nao suppomos capaz das mais
delicadas attencdeBl
Lisongeiro !
Nlo sou, nlo ; bem sabes que tenho
raslo.
Os dois rap&zes trocarara um segundo
aperto de mo, depuis, aquelle a quem ou-
vimos chamar Gilberto, prosguiu, tirando
do seu porte-monnaie o bilhete da bagagem,
e desafivelando as correias de urna grande
mala.
Vou dar as bagagens a revistar, e,
era seguida, sou todo teu.
E chamou um dos guardas fiscaes, que
se apresentou immediatamente.
Nao traz nada sujeito a direitos?lhe
perguntou este em tora solemne.
Nada absolutamente ; s se o estar
eneantado por mo ver aqui, respondeu o
viajante sorrindo; nao supponho, porm,
que esta minha legitima satisfazlo pague
direitos de entrada em Paris.
Bom rapaz, apesar dos seus ares solom-
nes, o guarda dignou-sa sorrir.
Sem se dar ao trabalho de fatigante e
minuciosa iaspeczlo, tragou sobre a tampa
da mala um signal hieroglyphico com um
pedazo de gz.
Gilberto cntregou a mala a um mozo,
deu o brazo ao seu araigo, e ambos se di-
rigirn) para a ra onde esperava a carrua-
gem que tinha conduzdo Mauricio.
Alguns minutos depois, seguiam ambos
a direecao da praya da Basillia.
D-me noticias da tua boa me, dis-
sera Mauricio ao tomar lugar na carrua-
gem.
Obrigado, Mauricio, respondeu Gil-
berto, a saude de minha me excellente.
Continua a .iver na casinha que tu co-
nbeces, e que domina o anaoradouro de
Brest. Nao entra um s navio no porto,
nao sae um nico, sem que ella o veja do
alto da sua janella, entrada e sabida.
Como se resolveu ella a deixar-te par-
tir para l'aris, ella, que depois da tua pri-
meira o nica viagem capital, nao quiz
separar-se de ti durante mais de tres me
zes?...
Oh 1 meu querido, esse o assump
to de ama longa historia quemis tarde te
contarei, sa m'o permittires, porque, n'es-
ta occasiao, estou morto de fome e canja-
90. Doza horas consecutivas de caminho
de ferro, de Nantes a Paris, precedidas do
trajecto em diligencia de Brest a Nantes,
mal nos deixam no goso mediocre das noe-
sas faculdades intellectuaes. O que u'este
momento oie interessa saber para onde
me levas.
O que para onde te levo ?
Mas parece-me...
Levo-te para minha casa, ou antes,
para a tua, interrompeu Mauricio.
O que 1 nlo me levas para um ho-
tel I
Decerto que nlo. Dizias-me na tua
ultima carta que te demorarias em Paris
um anno, pelo menos. Pensei que este
espayo du tempo era bastante longo para
que fosse necessario pensar em te estal-
lar convenientemente. Um quarto de ra-
paz esta va vago na casa em que habito ;
aluguei-o, mandei-o mobilhar, o, a estas
horas, est tudo prompto para te receber.
Encontrars em minha casa cama, um bom
fogo e a mesa posta. Convem-te?
Se me convm ? Creio bom qua
sim ; a tua idea foi admiravel ; desse mo-
do vamos vi ver quasi juntos.
Assim o julgo.
Oh que bella e encantadora exis-
tencia varaoi passar I
Deliciosa 1
Ja sinto crescer-me agua na bocea.
Esta anno passar-se-ha como um sonho.
Ds-me licenza qua te faza urna per-
gunta ?
FOLHETIM
0 OOKCUNM
POR
PAULO T7AL
SEGUNDA PARTE
0 PALACIO CE HSVEfiS
(Continuazao do n. 282)
m
os lellftea
Nlo, respondeu Passepoil. E quando
o encontraste em Barcelona ?
Tamb:m nlo.
Com quem ia.
Com urna moja.
Bonita?
Muito.
E' singular ; tamqem estava com
urna moga bonita, muito bonita, quando o
vi em Flandres. Lambrs-te do ar, do ros-
to o do vestuario da moza ?
Cocardasse respondeu :
O trajo, o ar, o rosto de urna en
cantadora cigana de Ucspanha. E a tua ?
O ar modesto, o rosto de um anjo, o
trajo de urna moca nobre.
E' singular disse por seu turno Co-
cardasse : e que idade pouco mais ou me-
nos ?.
A idade que teria a pequea.
A outra tambera. Anda nao disse-
mos tudo, meu velho. E no numero da-
quelles que esperara a sua vez, depois de
nos, depois do Sr. oavalheiro de Faenza e
do Sr. bario de Saldanha, nao contamos
nem o Sr. de Peyrolles, nem o principe Fe-
lippe de Gonzaga.
A porta abri se. Passepoil s teve tem-
po de responder :
Quem viver ver.
Entrou um criado acompanhado de dous
Urna, cero, mil.
Pois, meu amigo, esse masso de pa-
pis qua trazas debaixo do brazo excita
extraordinariamente a minha curiosdade.
Ah ah 1 exclamou Gilberto, rindo,
notaste ?
Por certo, n2o sendo completamente
ceg...
O facto que monumental; nlo
tenho a menor dfiuuldado em dizel-o.
O que diabo trazes tu ahi ? Serlo,
por a .aso, notas do banco ?
Gilberto toraou uns ares, pelo menos,
tilo solemnes como os do guarda da alfan-
dega, cuja diguidade observamos no exer-
cicio das suas funccSes.
Batsu sobre 03 papis, o respondeu:
Aqui dentro, meu amigo, ha mais
do qua notas do banco ; ha o tracto de de-
toito mezes de trabalho, ha a gloria e a
riqueza da futnro, ha milliSes talvez, tai-
vez a immortalidade...
Urna mina do Pern'... o verdadeiro
Pactlo. um br. 50 do Sacramento...
urna fracsSo dos placers californienses...
Ha contiauou Gilberto, redobrando
de seriedede, ha aqui dentro urna comedia
em tres actos, ora prosa, para o Theatro
Franccz, e o plano de um drama em cinco
actos, tambem em prosa, para a Porte-
Saint-Martin. ..
O que me dzes ?... exclamou Mau-
ricio admirado.
A verdade.
Entregas-te litteratura ?
E' cora ella que cont para passar
posteridade na tua uompanhia.
De acerdo; mas ao menos nao con-
tas cora ella para andar de carruagem c
por esto mundo ?
E porque nlo ? Tcnciono, espero vi-
ver da minha penna.
f principalmente com os dez mil
francos de rendimento, que tua mai te
con crva.
Julgas entlo, Mauricio, que nao po-
derei adquirir a riqueza, segurado a nobre
carreira das letras ?
Nao julgo nada, mas imagino que
nao contra os proventos das tuas espe-
ranzas litterarias que tu hypothecas os jan-
tares quotidianos deste anno.
A fallar a verdade, nlo julgo illudirme
muito, esperando resultados immediatos
do meu trabalho. Aceitei nicamente urna
ordem de mil escudos que minha inSi mo
deu para um dos baoqueiros de Paris.
Quera chegar aqui nicamente com al-
guns luizes para gastar; emquanto nao
apresentava a minha comedia, a lia o fazia
p3r em scen9. Oh oh 1 vers meu que-
rido Mauricio, vers, logo que tenha dado
os pasaos necessaros, como reconhecorao
depressa o valor da minha obra I... An-
tes de tres mezas, todo Paiz applaudir o
meu nome, e todas a3 noites, magnficos
direitos de auctor farao transbordar a minha
bolsa.
Emquanto esperas por esse resulta-
do, de que te vejo tilo certo, tornou Mau-
ricio sorrindo, vamos almozar porque so-
mos chegados.
Moras longa do Theatro Fransoz ?
perguntou Gilberto, com alguma inquieta-
cao, ao descer da carruagem.
Muito, nao ; a p, caminho para
um quarto de hora ou vinte minutos.
E' porque tenciono logo inanhS ir
at l e solicitar urna leitura.
Ao menos nao perdes o tempe, Gil-
berto.
Preciso de urna deciso antes de oito
das I
E se a obtiveres antes do fim do an-
no, poders considerar-te extraordinaria-
mente favorecido, murmurou o artista, pa-
gando ao cocheiro.
Depois, voltandose para o aeu amigo
que nao tinha largado o masso de> papis,
accreseenton :
" Sobe, Gilberto; meu criado vira bus-
car a tua bagagem.
Cinco minutos mais tarde, os dous ami-
gos, sentados diante de um excellente al-
mos junto de um fugo, despejavam urna nar
officiaes medidores. Nem mesmo olhou,
to oceupado estava, para o lado dos nos-
sos hroes, que se esconderam no vo de
urna janella. .
E depressa diese o criado, marquei
para amanha. Quatro p3 quadrados por
toda a parte.
Os dous operarios puzeram-se immedia-
tamente a trabalhar
Emquanto um media, o outro marcava
com o giz cada divisao de quatro ps e pu-
nha-lhe ura numero de ordem. O primeiro
numero foi 927.
Que diabos fazem elles ? perguntou
o gascio espiando do esconderijo.
Nao sabes entilo nada ? replicou Pas-
sepoil ; cada urna dessas linhas indica o
lugur de urna soparagilo e o n. 927 prova
que j ha .nais casinhoias na casa do Sr.
principe de Gonzaga.
E para que servem essas casinho-
ias ?
Para fazer ouro.
Cocardasse arregalou os olhos. Passepoil
prpcurou explicar o grande presenta que
Felippe de Orleans tinha feito ao seu ami-
go predilecto.
Como exclamou o gascSo, cada bo-
ceta destas vale tanto como urnas trras
em B tu e ou em Brie Ah! meu velho,
agarrerao-nos a este digno senhor de Gon-
zaga.
Continuavam a medir e a marcar.
O criado dizia :
Numero 935, 936, 937 ; meza isso
bem, oh I homem. Lembre-se que cada
compartimento vale dinheiro 1
Louvado si-ja Deus disse Cocar-
dasse ; entilo sao cousa boa, esses papesi-
nhos ?
To bons, replicou Passepoil, que o
ouro e a prata eato quasi a desappare-
eer.
Vis metaes I disse gravemente o g -s
co : roerecem n'o. Mas com os diabos !
nao sei se pelo costume, mas tenho um
fraco pelas pistolas.
Numero 941, disse o criado.
Restam dous ps e meio, disse o me
didor ; nao d !
Ai de mim I observon Cocardasse,
chega pora um hornera magro.
M.nde os marceneiros logo depois da
assembla.
Assembla de que ? perguntou Co-
cardasse.
Pro :uremos saber ; quindo se est
ao facto do que te passa em urna casa,
tem-so meio caminho andado.
Cocardasse, com aquella observacSocheia
de preciaSo acariciou o queixo de Passepoil
garrafa da Bordoaux, para celebrar o pra-
zer que sentiam por se verem juntos.
CAPITULO III
NABRAylO COMEDIADA
Quores que te h\& um acto da mi-
nha comedia agora mesmo ? Duzentas ou
trezentas linhaa, nicamente ? perguntou
Gilberto, saboreando a pequeos goles o
excellente cal qua Jos acabara de deitar
n'uraa bonita chavena do Japao, collocada
diante el -lie.
Mais tarde, mau tarde, meu amigo,
respondeu Mauricio rindo e enrolando en-
tra es dedos um cigarro, com a prover-
bial habilidade de um touredor emrito.
Confesso-te francamente que, ntste mo-
mento, seria um ouvinto muito profano e
muito pouco atiento ; e, por consequoncia,
inapto para comprehender e apreciar as
bellezas do teu estylo e os encantos de teu
espirito. Antes de conhecer o resultado,
sem duvida feliz, des teus trabalhos, fica-
ria extremamente satisfeito se na disses-
ses porque aerie e circumstancias chegas-
to a querer tornar-to conhecido pelas le-
tras. Ha tres anuos qua nos vimos pela
ultima vez, e, nos3a poca, se bem ma re-
cord, moetravas-te disposto a empreiien-
der operares commorciaes, semelhantes s
que permittiram a teu pai juntar honrosa-
mente um bello capital nos negocios mar-
timos. Nao tinhas tengSo de associar-te
com um dos principies armadores de
Brest ?...
Meu querido amigo, a tua memoria
fial, e as loeordaz^es silo maravilhosa-
mente exactas.
Concordas ?
Absolutamente.
Explica-ma entilo como e pirque tilo
absoluta mudanza se manifestou as tuas
ideas, e te langou tSo repentinamente em
um caminho t3o differenta do primeiro.
Ser-me-hia fcil, coraprahendel-o de-
certo, fazer-te urna grande tirada, em tom
el-.:vado, era estylo chammejante, inspira-
do, potico, a respeito da reveluzao instan-
tnea da minha vocacao Iliteraria. Pode
ra fallar-te da lingua de fogo, descendo
sobra a minha fronta durante o somno, e
accrescentar, parodiando um bello verso-da
Lamartine:
* Quand je me roveillais, j'taispotes !..
Prefiro, porra confessar-te, simples e
francamente, a prosaica verdade. Talvez
perca, a tens olhos, urna parte do meu
prestigio...
Tranquillisa-te a esse respeito, inter-
rompeu Mauricio sorrindo, esse prestigio
no existe ainda, nj te vejo nenhuma au-
reola.
Ora ainda bem Em todo o caso
prefiro que acredites men.s na minha vo-
cacao e mais na minha confianza, a confes-
so-te que o amor das letras me foi inspi-
rado por outro amor...
Ah I ah Entilo est namorado,
senhor poeta ?
Completamente I
como se dizia outr'ora,
encantadora menina, cuja imagemo meu
corazo reproduz constantemente, como um
fiel daguerreotypo, e cuja lembranza oceu-
pa constantemente os meus pensamentos.
Pego explicaco e, sob:tudo, porme-
nores.
Vou dar-te urna e outros.
Muito bem.
Explicacao e pormenores serlo tal-
vez um pouco extensos...
Melhor!
Mas nao desejo qao venham inter-
romper-rae na melhor occasiao.
Consagro-te todo o dia, o nlo nos
interrompero... pelo menos assim. oes-
pero. ..
Maravillosamente.
Falla, pois, com tantas flores orato-
ria! quantas ulgares conveniente. A tua
' e religiosa-
am Oaviata como
ser bm acolhid
mente escotada.
Esplendido l E's
eu grate delles.
So s difficil. Os Sentares oradores
da cmara legislativa e do senado quere-
riam, quando sobara a tribuna, encontrar
alguns ouvintes tSo fovoravelmente dispos-
tos como eu*
Nao esteu na tribuna, e dispenso a
agua cora assucar ; enche-me, no entanto,
ura clice do cognac, cujas qualidadeg t-
nicas o digestivas muito aprecio, depois do
suceulento almozo que acabas de offerecer-
me.
Aqui tens.
D-me um cigarro.
Toma l.
Lusne, se fazos favor.
Tens a phosphoreira ao p da tua
railo.
Tudo caminha pelo melhor dos raun
do3, como no tempo de Panglosso. O cog-
nac est bebido, o cigarro acceso, corao-
ZO...
E ou escuto.
Subas que, quando ti ve a desgraza
de perder meu pai, estava ainda no colle-
gio?
Sei.
Tinha apenas quinze annos, e minha
mi, que no podia continuar sosinha a di-
rigir a no3sa casa commercial, decidise
a vcndel-aa ura dos nosso3 parentcs. ..
J me contaste isso dez vezas.
.Que diabo 1 dixa-mo principiar pelo
principio. Toda e qualqnar peg bam feita
deve ter a exposigo no primeiro acto O
caminho quo sigo u.n pouco extenso,
verdade, mas o nico que me conduzir
ao fim.
mili
re-
como um pai temo que sorri intelligencia
precoce do filho querido.
O criado e os medidores tinham partido.
De repente ouvio se um grande ruido do
lado do vestbulo.
Ouvio-se um concert de vozes que gri-
tavam ;
Para mim I para mim I tenho a mi-
nha inscripzSo. Nada de pretericSes I
Vamos a este agora, disse o gascV
vamos ter novidade !
Paz, por Deus paz ordenou urna
voz imperiosa na soleira da porta da sala.
Sr. de Peyrolles, disse fre Passe-
poil ; nao nos mostremos
Metteram se mais no vio de urna janella
e puxaram a cortina.
O Sr; de Peyrolles naquelle momento
transpunba a soleira, seguido, ou antes em-
purrado por urna raultidSo compacta de
pratendentes. Pretendentes de especie ra-
ra e preciosa, que podiam dar muito di-
nheiro por um pequeo espazo.
O Sr. de Peyrolles trazia um costume
de urna riqueza extrema. No meio das on-
das de readas que lhe cobriam as rnos,
viam-se brilhar os diamantes.
Vamos, varaos, meus senbores, disse
elle, entrando e abanando-se oora o seu
lenzo guarnecido de rendas de Alengon ;
coDservera-se distancia ; na verdade, os
senhores faltara ao respeito.
Ah velhaco, soberbo suspirou
Cocardasse.
Tem o fio disse frei Passepoil.
Era verdade. Peyrolles tinha o fio. Ser-
via-se da bengala que trazia na mo para
afastar aquella multidao de escudos anima-
dos.
A' sua direita e sua esquerda estavam
dous secretarios, munidos de enormes ca-
dernos.
Guardara pelo menos a dignidad?,
continuou file, sacudindo alguns grlcs de
rap de Hespanha que estavam sobre a
caaa;a ; dar-se ha o caso que ha paixlodo
ganho ?
Fez um gesto to bonito que os nossos
loes mestres de armas, collocados como
dilletantes era camarotes de rotulas, tive-
raa desejos de applaudir. Mas os nego-
ciantes que estavam all no se pagavam
absolutamente cora essa moeda.
Sou nu gritaram, sou eu, o primei-
ro gritavam 4de todos os lados; a mi-
nha vez.
Peyrolles temou urna grande attitude,
e disse :
- Meus senhoros
I nmudiatamente fez-sa silencio.
Contina ; nilo te interromperei
mai*.
Obrigado. Portante, minha rali ven-
deu-a, mas reservou-rae por urna clausula
especial o dircito do poder, mediante a
apresontazlo de fundos, cujo valor fra do
ante-mlo combnalo, associar-rac ao novo
possuidor quando tive3se ebegado aos vin-
te e tres annos.
Era razoavcl e prudente; ora o pen-
samento e o acto de uraa boa mli.
Sabes se minha mli prudente e
boa. Apenas terminei os raeu3 estudos,
entrei na casa co.nraerciil como caixeiro,
com a intenzlo de habilitar-ma o mais r-
pidamente possivel a tratar de negocios, e
poder por este modo tornar realisavel e
fructfero o projectj de associazlo.
Parece-me, se bam me record, in-
terrompeu Mauricio, que a tua viagam a
Paris devia preceder apenas alguna meze3
a tua entrada definitiva na antiga casa do
teu pai na qualidade do associado...
Recordaste perfoitamante ; ma3 de-
verias accrescent .r, raou querido amigo,
que es3a viagem do qua fallas foi no co-
raezo de 1845, que a repblica era procla-
mada quinze dias dapoia da minha volta a
Brest, e que na Bretanha, exactamente
como era Paris, era lugar de tratar-se de
Estou captivado, negocios, quebravara os vidros, gritando :
por uraa bella e "" A03 lampeSes Aos lamp:03s! nos
lampeo :s
Ora esta revolugao de quo tanto se es-
perava, continuou Gilberto, e que, como o
inferno, estava cheia das melhores inten-
cSes, deu um terrivel golpe no commereio,
e todos entlo o jul^aram mortal. As fsi-
lencias e ruinas completas davara-s por
toda a parte. As mais solidas casas aba-
laran* se, e o pnico foi ainda maior as
provincias do que era Paris. Era resumo
e successor de meu pai nilo foi mais feliz
do que os seus mal aventurados collegas...
Soffreu perdas consideraveis.
i No entanto, grazas importancia dos
seus capitaes pessoaes, a sua probidade
snm macula, e sua bem firmada reputa-
Zlo, achou meio de fazer face a tudo, e
nlo auceumbio.
< Era presenza deste espantoso cata-
clysrao commercial, minha pobre
ceiou pelo futuro.
< Como tu sabes, possuimos apenas dez
mil francos de randimento.
Para entrar com o capital combinado,
era necessario real3ar metade do nosso ;
era necessario perder nesta transaczlo;
era forzoso aventurar es^e capital n'uma
industria ameazada e quasi agonisante.
< Minha mli nlo pode conforraar-se
com a idea de atirar para o abysrao, talvez
sem fundo, o fructo dos trabalhoa de urna
existencia laboriosa.
KecuDU.
Supplicou me que renuaciassa s mi-
nhas ideas commerciaes.
Pedio-me para que diligenciase col-
Iocar-rae convenienteraenta n-uma posizlo
independente em qualquer carreira liberal,
onda, pelo raenoa, nlo tinha do arriscar-
me a urna ruina fulminante.
4 Ura simples desejo de minha mli de-
via ser para mira uraa ordora.
a Devo confessar-te, alera disto, que
nao tiva grande difficuldade, era raerezo
louvores, por lha haver feito a vontado ;
as suas novas resoluz^as contrariaram-me
mediocremente.
a O coramercio nao ma tanta va.
Tinha abrazado aquella carreira, me-
nos por causa do amor infinitamente mo-
derado que ella me in3pirava, do que por
ter passado tola a minha vida u ouvir di-
zer querer a nica que se apresentava.
c Deixei, pois, o mais depressa possivei
a casa em quo nlo tinha a fundada espe-
ranza de ser senhor ura dia, c, para matar
o tempo, coraacei a administrar a nossa
modesta riqueza.
Ora, comprehende3 sem a menor dffi-
culdade, via-raa rauitas vezes embaraza-
do para passar os dias.
a Aborrec sempre a ociosdade.
Nlo sou dessa gente que passa di.r.
inteiros a fumar, passeiando nos caes ou
nos passeios, trocando algumas palavras
com 83 seus correligionarios, ou que, oom
os cotovellos apoiados sobre a mesa de um
caf, lm 03 jornaes desde o titu'o at ao
nome da typographia, absorvem quanti-
dades de absyntho, grogs ecabaze3, jogam
o buhar, as damas ou o domin, desda
pela manha at noit, e desde o primeiro
de Janeiro at ao dia do S. Silvestre.
a Nao penses, porem, que pretendo ter
merecimento polo que acabo de dizer te.
Sinto pela odosidade urna veraao
inexplicavel e nvencivel; eis tudo.
a Procurava, pois, com todo o ardor
um meio qualquer de satisfazer a minha
aetividade natural.
(Continu'a)
Pedi-lhes um pouco de calma, conti-
nuou Peyrolles.
Represento aqui directamente a pessoa
do Sr. principe de Gonzaga, sou o seu in-
tendente. Vejo por toda a parte cabezas
cobertas.
Tiraram todos os chapees.
Grazas a(Deus I continuou Peyrolles.
Eis ahi, meus senhores, o que tenho a di-
zer-lhes :
Silencio I silencio I escutemos t dis-
seram todos.
Os balc5es dosta galera serlo con
struidos e entregues amanhl.
Bravo I
E' a nica sala que nos resta. Slo
os ltimos lugares. O resto est tomado,
menos os aposentos do Sr. principe e os da
Sra. princeza.
O curo continuou:
Eu I Estou inscripto. Nlo deixo ti-
rar-me a vez.
Nlo me empurre, senhor!
Est incommodando urna senhora.
Porque havia mulheres, as avs daquel-
las mnlberes feias que, nos nossos dias,
horrorisavam os transentes, s duas horas
da tarde, as proximidades da Bolsa.
Brutos 1
Malcreados I
Imprudente l
E em seguida pragas e gritos de rega-
teiras.
Chegou o momento de se agarrarem pe-
los cabellos.
Cocardasse e Passepoil inclinavam a ca-
beca para ver melhor o motim, quando a
porta do fundo, collocada por detraz do
estrado, abrio-sc.
Gonzaga I murmurou o gasclo.
Um milliooario I accrescentou o nor-
mando.
Por instincto descobriram-se ambos.
Gonzaga appareceu efectivamente no
alt) do estrado, acompanhado por dous jo-
vens fdalgos.
Estava ainda bllo, apazar de approxi-
raar-ae dos cincoenta. A sua altiva atti-
tude conservava toda a agilidade. Nlo ti
nha urna uni :a ruga na fronte, e os cabel-
los admiraveis e perfumados, cahiam em
anneis brilhantes como azeviche sobre o
fraque de velludo preto.
O seu luxo d8j sa parocia com o de Pey-
rolles. O gblo valia cincoenta mil libras
e tioba cerca de um milbio de diamantes
no collar, do qual s urna pequea ponta
appareoia por debaixo do jaleco de setim
branco.
Os dous joveos fdalgos que o acompa-
nhavam, Cha7erny, o devasso, seu primo
por parte dos Nevera, e o irmlo ma3 mo-
fo da Navailles, vinham ambos empoados
e mosqueados.
Eram dous rapazes encantadores, um
tanto afeminados e gastos, masj um pou-
co alegres, apezar da hora matinal, por
urna pinga de champagne, e usando e se-
das e velludos com urna admiravel insolen-
cia.
O irmlo mais mozo de Navailles tinha
vinte e cinco annos ; o marquez de Cha-
verny caminbava para os vinte. Pararam
ambos, para ver o motim, e soltaran! urna
gargalhada.
Meus senhores, meus senhores, disse
Peyrollea descobrindo-se, um pouco de res-
peito, pelo menos, para com o Sr. prin
cipe.
A multidao, prestes a ir a vias de fac-
to, acalmou-se por encanto ; todos os can-
didatos posse de eompartimentos incli-
naram-so em um momento ; todas os se-
nhoras cumprimentaram-o.
Gonzaga saudou-os ligeiramente com a
mo e passou, dizendo :
Despcheos Peyrolles, preciso desta
sala.
Oh I que bonitas caras I dizia o pe-
queo Chaverny, olhando de soalaio.
Navailles ria-se at s lagrimas e repe-
ta :
Oh I que bonitas caras !
Peyrolles approximara-se de seu amo.
Esto quentes murmurou ella ; pa-
garlo o que quizermos.
Ponha em leillo, exclamou Chaver-
ny; servir de divertiraonto.
Silencio I disse Gonzaga, nlo esta-
mos aqui mesa, idiota.
VARIEDADES
pareceu-Ihe boa, e aceres
Mas a idea
centou
Seja I vamos por em leillo. Qual de-
ve ser o prezo ?
Quinhentas libras por mez por qua-
tro ps quadrados, respondeu Navailles, que
queria encarecer o negocio.
Mil libras por semana 1 disse Cha-
verny.
Ponhamos mil e quinhentas, disse
Gonzaga ; ande, Peyrolles.
Meus senhores, disse Peyrolles, di-
rigindo-se aos proponentes, como estes slo
03 ltimos lugares e os melhores... serlo
dados a quem mais offerecer. N. 927, mil
e quinhentas libras !
Houve um murmurio e urna voz se le-
vanten,
Espera, primo, disse Chavemy, vou
dar-lhe um empurrlo.
E approi imando-se :
Duas mil libras, exclamou elle.
Um cadver roubado
A 25 de Outubro morreu de pulmonite
em Nova-York, Cornelia Mitchell Stwart,
viuva do E. T. Stwart, que era chama-
do o principe dos negociantes americanos,
pelas riquezas collossaes que tinha aecu-
mulado.
Ao rctirar-se a familia Stwart, foi com-
mettido um dos mais originaes delictos que
os annaes judiciarios recordara. O cadver
de Stwart foi roubado do tmulo por causa
de um resgate
A viuva teve de desembolsar grande
aorama para recuperar o corpo do caro es-
poso.
Dister Cornelia Stwart, ha pouzo falle-
cido em Belfort, na Irlanda. Depois da
norte do marido, viva retiradissima, e
nlo va mais ninguem, excepto algumas
vezes, sua irml mister Cbinch.
O patrimonio que a viuva deixou e im-
menso. Calcula-se era 50 milboes de dol-
Iars, que o mesmo dizer 250,000 mi-
lhSes de francos, 100.000:0C05000.
Os pretendentes olharam uns para os ou-
tros com angustia.
Duas mil e quinhentas disse o irmlo
mais mozo de Navailles.
Os candidatos serios estavam consterna'
dos.
. Tres mil gritou com a voz estran-
gulada um gordo negociante de 11.
Ajudicado disse Peyrolles rpida-
mente.
Gonzaga lanzou lhe um olhar terrivel.
Peyrolles era um espirito curto. Julgava
encontrar o fim da loucura humana.
Isto vai bem, disie Cocardasse.
Passepoil tinha os mos juntas. Escuta-
va e olhava.
Numero 928, continuou o intendente.
Quatro mil libras, disse simplesmen-
te Gonzaga.
Mas... igual ao outro 1 objectoa
urna adela, cuja sobrinha se tinha casado
cora um conde, pelo preco de vinte mil lui-
zes que ella tinha ganho na ra Quinca-
poix,
Tomo-e eu 1 exclamou um botica-
rio.
Dou quatro mil e quinhentas gritou
um quincalheiro.
Cinco mil I
Seis mil !
Adjudicado 1 disse Peyrolles. Nume-
ro 929...
A ura olhar de Gonzaga, accrescentou :
Tenho dez mil libras !
Quatro ps quadrados disse Passe-
poil.
Cocardasse accrescentou gravemente :
Os dous tercos de urna cova !
Entretanto o leillo continuava. A ver-
tigem apoderava-se dos nimos. Disputa-
vara o numero 929 como urna fortuna, e
quando Gonzaga poz o numero seguinte por
quinze mil libras, ninguem se admirou.
Notando-se que pagavam ^vista em di-
nheiro sonante cu ero bilhetes do'Estado.
Um dos secretarios de Peyrolles recebia
o dinheiro, o outro notava no caderno o
nome dos compradores.
Chavemy e Navailles j nlo se riam,
admiravam.
Loucura incrivel I disse o marqueza
E' preciso ver para crer, respondeu
Navailles.
(Continuar se-ha)
Trp. do Diario roa oqae de Caziai n. 4S.
'-
uliO
t.;t