Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18704

Full Text
>
no. mi
meio
*--
PARA A CAPITAL LlUlRK OVDi: NAO ME PAGA PORTE
Por tres iae-ees adiantadog ... ........ 6)50
Por seis ditos dem...... ......... 120OO
Por um saino ideai................. 240000
Cada numero avulso, do mesmo da............ 0100
DIARIO DE
k
'QOfifA-FEBA 8 DEZM CE 2886
PARA DEHTRO E FORA DA PROVUMCU
Por seis mezes adiantadoi.....
Por nove ditos dem.......
Por um anno dem.....
Cada numero avulso, de das anteriores.
13*500
200000
27*006
0100
RNAMBUGO
$)n>{)ri*ira!>* t>e Jttaiwl Jti&ueira \>t -tarta 4 -filljo*

i

O Srs. Amede Priace d C
de Pars, sil os nossos agentes
exclusivos de annunnlos e pu-
ble.trSes da Franca e Ingla-
terra.
Vdso
.Aos Srs. subscriptores deste Diario avi-
sa a respectiva direcelo que, do i. de
Janeiro prximo em diante, far-seha a ar
recadacao das assignaturas pela forma se-
guinte :
Na cidade do Recifo e lugares para onde
nao se paga porte, 6*000 por trimestre,
adiantadoou durante o 1.' mez do mesmo
trimestre, 6500 nos 2. e 3. mezes.
No fin do trimestre ser suspensa a re-
rnessa do Diario aos que nao tiverem sa-
tisfeito o se u'debito.
Fora da cidade, nos lugires para onie
sa fasern as remessas pelocorreio, 13*500
por semestre, pago as mesmas condicSes
cima.
Aos que quizerem pagar o anno a lian-
tado, faz-se-ha o abite de 1*000, para to-
dos os aasigoantes.
TELEGRAMAS
-237::: mmvm 2: lbio
RIO DE JANEIRO, 7 de Dezembro, s
3 horas e 55 minutos da tarde. (Recebi-
do s 4 horas e 40 minutos, pelo cabo
submarino).
Fol Borneado conmandante das'ar-
maM da provincia do Har, o coronel
de oslado maior de 1.a claane Fran -
risco Jo so Cardo*o Janlor.
Fol declarado em elleilo o de-
creto que Dopeodco a garanta de
Jaros ao engenbo central da Para
lijba. e marcado um anno de prazo
para a eonclato dns obras do men
mo engenbo.
SB7I50 DA HICU 2A7iS
(Especial para o Diario)
PARS, 6 de Dezembro.
Prolonga me a crlae ministerial,
em que ae posa conjectarar qual
a na olurao.
NEW-YORK, 6 de Drzembro.
Diveraaa aocledadea IndoMtriaea
desta praca falllram.
WASHINGTON, 6 de Dezembro, tar-
de.
a abertura do
Acaba de ter lagar
Congresso.
Eos sua mensagem o presidente
Cleveland annancia um sald orna-
mentarlo, no prximo exerclclo. de
cerca de OOOsOOO donares.
O presidente aconselba a suspen-
tto da cunbagem da moedade prala.
e recommenda que se eatabefeca
um vapor postal directo para o Rio
da Prata e um tervlco bl-mensal
para o Brasil.
BUENOS-AYRES, 7 de Dezembro.
A epidemia de cbolera-morbus di-
miuue em grandes proporcei.
Xa* ultima* 21 boras. forana ve-
rificado.*, em todas as regioes Infec-
cionada* t casos novo* e IV bitos.
LONDRES, 7 de Deaerabro.
O'donovan Bussa. invencivel irlan-
ds, fol proclamado ebefe dos rea-
nos.
WASHINGTON, 6 de Dezembro.
o secretarlo do tbesoaro do gabi-
nete americano fasendo ao Congres-
so a espotifo do sen programma
disse que o goveroo resolveu se a
pedir a abolIcAo dos dlreltos de al-
fandega sobre as lfts.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
7 de Dezembro de 1886.
IHSTRDCCiO POPULAR
HISTORIA ANTIG
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO FOTO E DA8 ESCOLAS
CAPITULO X
o esa rcoi
(Conimv/ufio)
Esparta, inquieta pelo renascimento da sua ri-
val, envin mandatarios Persia, a tratar com ella
dos meios de ihe entregar os grego da Asia, ac -
ceitando todas aa eondie ;s. Era o resaltado do
a batimento moral e da depravscao que tinba ga-
nhado a roca bellenica. Diatruio algumas cidade
e Dersegnio diversas populacoss itijeitas a Athc-
nst, at que os excelsos tiveram am castigo.
Um dos seus generaes surprebandeu e tomou
falsa f Cadmei, eidadella de Tliebas, que eia
ento adiada de Esparta. O thebauo Pelopidas,
frente de algnas proscriptos, libertoa, parm, a
sua patria, e reuaio n'uma allianc i commum todas
as cidades da Beocia. Tendo os espartanos man-
dado contra estes povos colligados um exercito,
Epaminondasd -sbarotou-o na batalhade Leoctras
levando a guerra at ao scio do Peloponeso. Abri
caminad at aos muros de Esparta, na qual, com
tu 3o, nao pJe enjxvt-, mas, para a canter-ex res-
perto, e&icou aos seus lados Megalopolis e M'.'S-
sena, dous op'.imos pontos fortificados.
Esparta procurou por toda a parte alijados con-
tra estes novos dominadores da Greci i; mas Epa-
minondas em activa guerra eustcntnu firme a do-
minaco de Thebas, dominaejio que veio a cahir
com elle, morto no meio da sua victoria de Man-
tina.
Poneos annos depois, Felippe da Macedouia,
tende libertado o seu paiz do jug) e di influencia
dos estrangeiros, quiz engraniecel-e, aecrescen-
tando-lne a Grecia. Tomou e submetteu diff'ren-
tes pjvoacoes, com que foi augmentando o seu im-
perio, observando-se por toda a extenso da Gre-
cia urna grande falta de energa e um fraco espi-
rito de resistencia. S os atbenienses velavam
pela patria commum, guiados pelo grande cidado
e grande orador Oemostbenes, que as suas elo-
quentes oraco's moslrava os planos ambiciosos de
Felippe. Mas Alhema nao pode sustentar por si
s, durante bnga tempj, urna Inta to desigual, e
por fim teve que firmar, por onselho do proprio
Demosthenes, um tratado de paz com o rei da Ma-
cedonia.
Emquanto Athenas, descansando na f deste tra-
tado, se abandonava :is testas e s suas occopa-
Soes ordinarias, Felippe trsnpoz as Thermaphy-
las, penetrou na Pbicida, e conseguio ser adimit-
tido no couselho amphictionico. Os atbenienses
salvaram anda Pennth j e Byzanico, s quaes Fe-
liope se vio obrigado a levantar os cercos.
A voz de Demosthenes, que nSo cessava de lhes
mostrar os perigos, as suas mmortaes Felippiias
os atbenienses e os thebanos, esquecendo a sua
mutua rivalidad?, rennem os seus esforcos para
opporem ao ioimigo commum ; mas o seu ezercito,
commandado por generaes inhabeis e tal vez ven-
didos ao onro de Felippe, foi desbaratado n'uma
grande batalba na planicie de Cberona.
Depois desta batalba, Felippe propoz-se captar
a sympathia dos gregos, que tratou com as maiores
blan licias, e conseguio t>er por elles nomeado ge-
neralissitn a dss tropas destinadas a marchar contra
a Persia. Para preparar esta grande expedigS
vjltou a Macedouia, onde foi asssssinado por pau-
sanias durante a celebracao dos jogos olvmpicos.
Succedeu-lhe seu filho Alezandre com vinte e um
annos de idade. Tendo os barbaros, que sea pai
subjagra, tomado as armas, elle, para Ibes estor-
var os movimentos, levoa o seu ezercito at ao Da-
nubio, passou este rio n'uma noite ederrotoa os re-
beldes. Julgaudo os thebanos aquella ensejo pro-
picio para se libertarem doj macedonios, apodera-
ram se da eidadella, caja guarnico degollaran)
Alezandre reuni 'og> um ezercito, com qae entran
na Beocia, ezigindo delles que lhe entregasse os
autores da revolta. Coma Ih'os recusassem, deu-
Ihes batalha destrocandj j3 e tomando Thebas,
qae ssqueou e destraio.
(Continua.)
?ABTE OFFICli
inisterlo do Imperio
Foi escolhido senador pela provincia do Rio de
Janeiro o conselhciro Francisca Belisario Soarcs
de Sonsa.
Por d.apacho imperial de 27 de Novembro :
Fez-se merc do titulo de conselhe ao ministro
do soprema tribunal de Justina, Francisco Soares
Bernardes de Gouveia.
Foi noneado secretario da pro uncia da Bahia o
bacharel Joio de Castro Rabel lo Jnior e da das
Alagoas Theophilo Leopoldo Rap s> da Cmara,
sendo exonerado, a pedido, deste cargo Joo D-
nis Villas Boas.
Por decretos e cartas imperiaes :
Fez se merc
Do titulo de Visconde de Valietaro ao conse-
Ih iro Manoel de Jess Valdetaro.
Do de Barita de Desterro ao conselheiro JoSo
Jos de Almeida Couto.
Do de Bario de Santa Alda a Lacas Antonio
Mooteiro de Barros.
Da Gra-Cruz da ordem de Nosso Senbor Jess
Cbristo aos con3elheiros D. Francisco Balthazar
da Silveira, Jos Mattosa de Andrade Cmara,
Manoel Felippe Monteiro, Joo Lopes da Silva
Cont e Costodio Manoel da Silva Guimares.
Foi exonerado a sen pedido do cargo do 2 vice-
presidente da arovincia de Piauliy o Dr. Raymua-
do d'Ara Leo.
Ministerio da lustlca
Fo exonerado, a pedido, do cargo de ebefe de
polica da provincia da Parahyba, o jais de direi-
to Josqaim Simdes Daltro e Silva.
Foi declarado sem effeito o decreto de 16 de
Outubro ultimo, que uomeou o bacharel Rufino
>oelho do Reg Barros para o lagar de jais mu-
nicipal e de orpbos do termo de S. Joo Baptis-
ta de Camaqnam, na provincia do Rio Grande do
Sul.
Foi removido, a pedido, o juis de dir to Ernes-
to Pinto Labio Cedro, da comarca deltapemirim,
de 2* entranc'a, na provincia do Espirito-Santo,
para a de Cantsgallo, de igual entrela, na do
Rio de Janeiro.
Foram nomeado :
Ministroi do supremo tribunal de justica os des
embargadores : Joo Antonio de Araujo Freitas
Henriques, Tristo de Alencar Araripe, Joo Jos
de Andrnde Pinto e Silverio Fe mandes de Araujo
Jcrge. .
Cbefe de palicia da provincia da Parahyba, o
juis de direito Candido Valeriano da Silva Frei-
r.
Jaises manicipaes e de orphos :
Do termo de Goyanninha, na provincia do Rio
Grande do Norte, o ruchare! Antonio Galdino de
Arauja Cunha.
Do do Caetet, na da Bahia, o bacharel Manoel
Das Prates dos Saotos.
Do de Caravellas, i a referida provincia, o ba-
charel Luiz Josqaim de Magalhes i'astro.
Do de Tiet, na de S. Paulo, o bacharel Joo
Nogu'ira Jaguaribe.
Do de Arroio Grande, na do Rio Grande do Sal
o bacharel X'sto Xavier da Cruz.
Do de S. Joo Baptsta de Camsqaao, na refe-
rida proviucia, o bacharel Joo Valentim Vilella
de Gusmo.
Do de Grao Mogol, na de Minas-Geraes, o ba-
charel Pedro Salssar Moscoso da Veiga Pes-
soa.
Do de Abaet, na mesma provincia, o bacharel
Joo Nepomuceno de Faria Pereira.
Dos de Natividade e Porto Imperial, na de
Gayas, o bacharel Andr LonrenC/O Rodrigues.
Foram reconduzidos nos lagares de juises ma-
nicipaes e de orpbos :
Do terin do Rosario, da provincia do Mar:-
nbo, o bacharel Joo Gualberto Torreo da Cos-
ta.
Do d Sant'Anna do Cat, da da Bahia, o ba-
charel Ernesto de Paiva Lcite.
Do de Santa Luza, da de Mnas-Geraes, o ba-
charel Mnnoel Pereira Teixeira.
Por decretos de 27 de Novembro :
Foram aposentados com todos os vencimen'oa,
nos termos do decreto n. 8,30a de 9 de Outubro
ultimo, os ministros do supremo tribunal de jos-
tica : conselbeiros Manoel de Jetos Valdetaro,
Joo Lapes da Silva Couto e Custodio Manoel da
Si iva Guimares.
Foi nomeado presidente do mesmo suprema tri-
bunal o conselheiro Joo Evangelista de Negrei-
ros Sayo Lobato,
Foi expxliio o se quinte aviso :
Ministerio dos negocios da justica.2' seceo.
Rio de Janeiro, 25 de Novembro de 1886.
Illm. e E>.ui. 8r.Com o offijio n. 68, de 30 de
Abril ultimo, transmittio essa presidencia o re-
qaerimenlo dos avaliadores do juizo do commer
co 4tH capitaA, clamando providencias, para
que como taes sirvamtanAeca as processos de
tall'ncia. '"
Em resposta d clara a V. Etc. qu n&o plcele
a leclamacao, visto acbar-se em pleno vigor ss
artigos 815 do cdigo do commercio e 153 do re-
gulamento n. 738, de 25 de Novembro de 1859,
cujas disposices nao podiam ter sido revogadas
polo decreto n. 1,036, de 2? de Oatubra de 1852,
o qual como expresa no artigo 5o, limitou-se a
derogar os artigos 533 e 534 do regulamenta n.
737, de 25 de N-zvembra de 1850, quauto ao modo
e duracao das nomeacoes dos avaliadores ceados
para as execucoes commerciaes ; o qae alias na,
impede qae st-jam livremente aceitos pelos juizes
sobre proposta dos curadores fiscaes.
Deus (iutrde a V. Exc.Joaquim Delphino Rt-
btiro da La. Sr. presidente da provincia de
Pernambuco.
Ministerio la Fazeuda
Por decreto de 27 de Novembro foram Hornea-
dos :
O inspector da Thesouraria de Fazenda do Ma-
ranhao, Bernardo de Castilho Maia, para servir
em commisto o lugar de inspector da de S. Pedro
do Rio Grande do Sal ;
O inspector desta thesouraria, Joaquim Antonio
Vasques, para servir em commisso o lugar de
inspector d* de Pernambuco ;
O inspector da Alfandega da Recife, bacharel
Joo Cruvello Cavalcanti. para o lugar de 1 et-
criptarario do Thesouro Nacional.
Por decretos da mesma data faram aposenta-
dos :
O 1" escriptarario da Alfandega do Rio de Ja-
neiro, Januario Constancio Monteiro de Andrade,
a pedido ;
O 2 escriptarario da Alfandega da Bahia, Ma-
noel Josqaim de Magalhes.
Ministerio da Guerra
Por decretos de 27 do correte :
Coicedeu se ao brigadeiro Agostinho Marques
de S a ex4neraco qae pedio do lugar de com -
mandante das armas da provincia de P< rnambuco,
sendo normado para o referido cargo o brigadeiro
Jos Clarindo de Qaeiroz..
Foi nomeado capello-tenente do corpa eccle-
siastico do exereito o padre Bellarmino Jos de
Souza.'
Mandoa-se reverter primeira classe do exer-
cito o 2o cirurgio Dr. Arthur Grato Alves Car-
nabi e o tenente Antonio Jos Fernandes Lima :
este aggregado arma de cavallaria e aqaelle do
corpa de saie do ezercito, visto terem sido jul-
gadoB promptos para o servica em nova inspeccao
a que faram submettidos,
Em atte&c^ia f&ip$ requeren Cincinato Cardo
so Lopea de Barros, l.o" lente do 5* ^talhp de
artilharia, declarou-se sem effeito o decreto d r
de Maio do corren te anno, q'-ie conjedeu ao mes-
mo offlcial demisso do servico do exercito. visto
nao se ter realizado a condicional de que trata o
art. 257 do regnlamento que baixaa com o decreto
n. 5,529, de 17 de Janeiro de 1874.
Foram transferidos :
Para o 14 batalho de mfantaria o maj ic do
6o da referida arma Estevo Jos Ferras, e da-
qnelle para este corno o msjor Jos Francisca Ri -
beiro.
Para a 2* classe do exercito, de conformidade
com a immediata e imperial resoluco de 1 de
Abril de 1871, os capites de infantaria Jorge
Jos Artiagn, e Frederico Cesar Vianna, este do
12 e aquella do 20 batalho ; os tenentes tam-
bem de infantaria Alfredo Ferreira Muniz e II- n-
rique Manoel de Silva, o primeiro do 4 e o segun-
do do 9 batalho ; e o tenente do 3 regiment de
cavallaria Joo Cezimbra Jacques, ficando aggre-
gados s armas a que pertencem, visto terem sido
julgadcs incapazes do servica do mesmo exer-
cito em inspeccao de ssde a que foram submet-
tidos.
Nao foram attendidos os reos Jos Antonio Vi-
ctorino dos Santos, Tertuliano Marques das (ha-
gas e Leoncio Marques da Penha
->**ese
ninisicrio da Marinha
Por decreto de 27 do corrente foi nomeado Er-
nesto Guedes Alcoforado segundo pharmaceuteo
do corpo de sade da armada.
Governo da provincia
REL.1TORIO com que O lviu. %r. Dr. Ignacio oJoaqulm de 011
za Leo, 1. Vlce Presidente, entregoa a aduiinis
CraeSo da provincia, em lo de novembro de 18 G,
. ao Exm. ] Sr. Presidente Dr. Pedro Vicente de
Azevedo.
(ContinuagoJ
REPARTigO DOS CORREIOS
Contina na administrado dessa reparticlo o cidadSo Affonao do Reg Barros,
qae be ai preenche os deveres de seu cargo.
Por propostas do respectivo administrador foram exonerados os agentes de
Cha do Carpina, Riacho Doce, Serinhaem, Victoria Jaboatao, S. Lourenjo da Matta,
Estagao dos Prazeres, Alaga de Baixo, Laopoldina, Gloria do Groit, B6a-Vista, Gr-
vate, Cidade de Olinda. Estayao de Frecheiras, EstacSo de Limoeiro, S. Joa^ dos
Rombos, e para substituil-os, na ordem em que se acham, foram nomeados Etelvino
Cavalcante de Albuquerque, Mara Elisa Correia de S, Mara das Virgens Rocha,
tfhra das Dores Oveira Maciel, Umbelina Augusta de Mello Mc.leiros, Francisco
Aureliano do Reg Medeiros, Clara Cavalcante de Albuquerque Lima, Thereza de
Jess Cavalcante, Manoel Ferreira Escobar, Jos de Barros Correia, Jos Florencio
Caldas, Manoel Bezerra de Carvalho, Apolonia Ar 'harija da Silva Farias, Alexandrina
Cesar da Costa Campos, Pedro Monteiro da Costa e JoSo Baptista dos Santos.
Igualmente nomeei agentes para Taquaretioga, Catende e Tacarat a Jos
Bezerra da Cunha, Francisco Xavier de Fonseca e Mara Secundina Btelho, por se
achar vaga a primeira d'aquellas agencias, a segunda por estar o respectivo funecio-
nario soffrendo de alienagSo mental e a terceira por haver o serv.'ntuario fallecido.
Exonerei os ajudantes de Boa-Vista, Cabrcb e Estacio de Cinco-Pontas, e
nomeei Jeremas Jacome de Carvalho, Joao Barbosa Penna e Manoel Francisco Bastos
para exercer taes lugares.
Para as agencias de Santo Antonio do Tara, Tamandar, S. Goucalo de Una
e Estagoes de Campo Grande, Santa Rita e Marayal, novamente creada, nomeei An-
tonio de Albuquerque Cavalcante, Francisca Florencia das Virgens Santos, Manoel
Sancho da Silva, Henrique Cavalcante de Albuquerque, Mauoel Ignacio de Souza e
Prisciliano Augusto da Porcincula.
A importancia total da receita postal arrecadada nos mezes de Abril a
Outubro foi :
Fel administrado......40:4290790
Pelas agencias..... 11:6520130
Assim discriminada:
Premios de vales postaos nacionaes 7060100
sobte Portugual. 1530750
Producto de sellos......45:7740290
de cartas nao franqueadas 2:9120380
de aesignaturas de cartas 2:42401)00
Multas........I 1110100
J foram ordenados os pagamentos de tres escravos libertados no m
de Taquaretinga, um em Salgueiro e 7 em Timbauba.
Abaixo vai transcripto a portara de 24 de Maio, pela qual foi distribuida^
7.a quota, o que me refiro,
jggifo'i -'i
5.a seccSo.Palacio da Presidedcia de Pernambuco/ em 24 de Maic
de 1886. 9RM
O viue-presidente da Provincia, tendo em vista e aviso circular do Minis-
terio da Aricultura, Commercio e Obras Publicas, de 6 de Abril ultimo, d'onde consta-
que, feita a distribuigSo da 7.a quota do fundo de emancpajSo, coube a esta provincia
a quantia de 130.0000000, e a ordem do Thesouro Nacional do 12 do dito mez, pela
qual foi auto.isada a respecti/a despeza, resol ve, nos termos do art. 26 do decreto n.
5,135 de 15 de Novembro de 1872, e art. 30 do de numero 6,341, de 20 de Setembrc
de 1876, que a dita quantia sji appliuada libertacao de tantos escravos quantoe
ella comportar, nos municipios constantes do quadro juncto : servindo de base distri-
buido a totalidade da populacho escrava existente em 30 de Junbo do anno passad'
em cada i dos ditos municipios, conforme a relayao que acompanhou o officio do^
inspector da ThVsurarta r" ^azenda de 20 do corrente, sob n. 303, isto 80,374 ,
escravos.
1 Resolve, outroa... quotas distribuidas aos municipios de Floresta,
Itamb, Triumpho e Villa-Bellas -.,.. aculadas, servindo de base informajSes an-
teriores relativas ao numero de escravos u^ "da um, por nao terem sido at agora
prestadas outras mais recentes. v
* Finalmente resolve que, cabendo na divi&Q a quantia de 1<>617 para cad
escravo, o resto da distribuicao, da importancia de 3502A2. seja acrescida quota
do municipio do Recife,a qual, sendo de 15:8950110, correspondate, a 9:830 escravos,
fica elevada a 15:9300352.Ignacio Joaquim de Souza Leao. t
5/ secao. Palacio da Presidencia de Pernambuco, em 24 de ^t*i?^
de 1886.
Quadro da populajSo cscaava da provincia de Pernambuco, qual, por por-
tara de boje, se distribue a 7.a quota do fundo de emancipado, na importancia de
130:0000000, do accordo com o aviso circular do Ministerio da Agricultura, Commer
ci e Obras Publicas de 6 de Abril ultimo, pela forma constante da mesma portara.
Eespezas:
Pessoal ........
Vaterial, compre he ndendo expediente utensilios
e despezas diversas.....
ConduccSo de malas.....
Agentes .
Ajudantes.......
48:9260 i59
Transitaran) por essa reparticSo 1.010:822 objectos com 2.149:474 portes
sendo :
Officaes recebidos 36:657 com 144:822 portes,
expedidos 14:837 com 92:205
52:0810920
13:1150000
3:0970000
20:5910000
11:4760995
6460324
Particulares recebidos 591:930 com 986:385
1 expodidos 397:398 com 926:062
ELEMENTO SERVIL
Teem sido regularmente cumpridas n'esta provincia as obrigac&s que derivam
da lei n. 3,270 de 28 de Setembro do anno passado e regulamento n 9,517 de 14 de
Novembro seguinte.
Com o aviso do Ministerio da Agricultura, Commercio e Obras Publicas de
24 de Junho ultimo foram remettidos os livros, a que se rrf dito regulamento, os quaes tiveram destino conveniente em 25 do mesmo mez.
Tendo o mesmo Ministerio destinado a esta provincia, segundo o aviso cir-
cular de 6 de Abril deste anno, a quantia de 130:0000000 para ser applicada libr-
tacao de escravos por conta da 7.* distribuicao do funde de emancipacao, deterrainei,
em 24 de Maio, que se reuoissem as juntas classifieadoras, fxando o da 14 de Junbo
para as mais prximas e o dia 21 para as mais remotas.
Nos das marcados renniram se qaaai todas as juntas. Aos presidentes de
algumas, que allegaram motivos justos, designei novo dia ; assim como aos das untas
de Pao d'Alho, Gamelleira e Garanhuns, aos quaes impuz a multa da lei, por nfto pro-
cederis as razoes allegadas.
Exceptuadas as classificajSea de Palmares, Agua Preta, Buique e Cabrob,
approvadas sem reparo, todas as mais teem sido reformadas, das quaes j fram appro-
vadas as de Olinda, Jaboat&o, Iguarass, Cabo, Ipojuca, Itamb, Es -ada, Gamelleira,
Limoeiro Taquaretinga, Goyann, Rio Formoso, SerinhSem, Nazareth, Bj Timbauba, Victoria, Caruar, Bozerros, FlOres, Btrreiros, Brejo, Ingaz^ira, S. Bento,
Bom Conselho, Petrolias, Boa-Vista, Salgueiro, Leopoldina, Aguas Bellas, Bonito, Ta
carato, Pao d'Alho, Floresta, Granito e Ex.
Alm de outros, resta a clasBifioacSo do municipio desta capital.
lunicipios Numero de escravos Quota distribuida
Recife. 9,830 15:9300352
Olinda 692 1:1180964
JaboatSo 3,995 6:4590915
Iguarass . 3,159 5:1080103
Cabo . 3,103 5:0170551
Ipojuca 2,830 4:5760110
Itamb 1,503 2:4300351
Escada 5,323 3:6070291
Pao d'Alho . 2,312 3:7380504
Gloria do Goii . 878 l:4l0726
Gamelleira 1,241 2:0060097
Limoeiro 1,159 1:8740103
Taquaretinga 489 7900713
Goyanna 2,995 4:8420915
Nazareth 4,373 7:0710141
Rio Formoso 1,838 2:9720046 a
Serinhaem . 2,102 3:3980934
Bom-Jardim 2,134 3:4500678
Timbauba . 1,614 2:6090838
Palmares 1,689 2:7310113
Agua Preta. 2,685 4:3410645
Victoria 2,921 4:7230257
Bonito . 1/163 1:8800571
Panellas 999 1:6150383
Caruar 1,369 2:2130673
Bezerros 1,618 2:6160306
Garanhuns . 731 1:1820027
Buique 926 1:4970342
Flores. 264 4260888
Barreiros . 1,978 3:1980426
Brejo. 1,749 2:8280133
S. Bento . 661 1:0680837
Bsm Conselho 806 1:3030302
Aguas Bellas 468 7400586
Cimbres 2,121 3:4290657
Tacarat . 343 5540631
Floresta 843 1:3630131
Villa-Bella . 1,679 2:7140943
Ingazeira . 1,130 1:8270210
Triumpho . 658 1:0630986
Petrolioa 625 1:0100625
Boa-Vista . 207 3340719
Salgueiro . 191 3080847
Leopoldina . 208 3360336
Cabrob 308 4980036
Granito 124 2OUA508
Ex . 133 2150061
Ouricury . 217 3500889
80,874 130:0000000
Ignacio Jorquim de Souza Leo.
Contina.
EXPEDIENTE DO DIA 16 DE NOVEMBRO DE 1886
Actos :
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica, em officio
n. lili, de 18 ao corrente, resolve nomear o alfa-
res do 14 batalho de infantaria Francisco Alfon-
so do R"go Barros para o logar de delegado do
termo de Leopoldioa, e considerar por taso sem
effeito a nomeacaa do alferes do referido batalho
Vicente Magno Nanea.Communicou-se ao Dr
chefe de polica.
Officios:
Ao inspector do Arsenal de Marinha.O
ministerio da marinha, em aviso de 4 do torrente,
determina qne seja levado ao termo, no praso im-
prorogavel de sessenta das, a conetrucc&o nos
baizos das fioccas, da caa j comecada com alve-
uaria de pedra e tijulo, e que deve tervir de resi-
dencia aos guardas do pharolete all estabelecido.
Para attender a despesa com a acquisicao do
material, mo de obra e sistento de operarios cal
calado tm 84 orafSes, declara o sitado aviso
acbar-se habilitada a Tbeeouraria de Fazenda
deita provincia com o crdito de 5:225^*235 que
sabir da sorania de 100:000/000, comprehendida
na verba Pharoet.O que commnnico a V. Exe.
para os devidos flus.
ao mesmo.De conformidade com o aviso
circular do ministerio da marinha, de 4 do corrente,
recommendo a V. Exc. que remetta a secretara
d'esta presidencia at n dia 5 de Janeiro prximo
futuro com destiuo i secretaria de estado d'aqaelle
ministerio as intormaco. e pecas officaes snbdia
ras ao relatorio que tem de ser apreoentado pelo
mel mesmo ministerio em Maio de 1887 asaem
bla geral legislativa provincial.
Mutatit mutantis ao cummandante da escola de
aprendizes marinheiros-
Ao mesmo.O ministerio da marinha, em
hvbo circular de 4 d > corrente e com referencia
a acquisicSo de engajadas e voluntarios para
servir no batalho naval, declara que asprestacVs
dos premios a qne se refere a circular de 7 de
Maio d'este anuo serio aumente pagos na lrte
depois que os oito voluntarios ou engajados tive-
ram jurado bandeiraO que fajo constar aV.
Exc. para seu couheiimento e fina convenientes
Ao commaodante das armas.Commanico a
V. Exc. para os fina convenientes, que por pro-
P"Sta do Dr. chefe de polieia nomeei h je o alteres
do 14" batalho de infantaria Francisco Aff .na
do Reg Barra para o cargo de delegado do term
de Leopoldina, ficando por isso sem effeito a no
meacao do alferes Vicente Magno Mues.
Oulrosiin cirva-se V. Exc de providenciar no
sentido de ser ang-nentado com 7 pracas o desta-
camento que tem de seguir para aquella localidade
cooforme solicita o Dr. chefe de polieia no officio
a que junto por copia n. 1114, e 13 do corrente
mez.
Ac mesmo.De ceoformidade com o aviso
circular do Ministerio da Guerra, de 8 do corren-
te, recommendo a V. Exc. que remetta Secreta-
ria desta Presidencia at o dia 15 de Fevereiro
do anno viodouro, com destino do Estado
d'aquelle ministerio informa^oes minuciosas sobre
os estabelecimentos militares existentes n'esta
provincia e mais ramos de servico a cargo do
mesmo ministerio, para organisac&o do relatorio,
que tem de ser presente assembla geral legis-
lativa na prxima sessSo ordinaria*
llutatii mutantis ao director do Arsenal de
guerra pedindo informacoes minuciosas sobre os
estabelecimentos militares a seu cargo para orga-
nisacao do mesmo relatorio.
Mutatit mutandis ao engenheiro das obras mi-
litares pedindo informacoes miouciosas sobre as
obras militares sob sua direcco e mais ramos de
servicos ao cargo.do mesmo ministerio, paraorga-
nisacjlo do dito relatorio.
Ao commaodante das armas.Declaro a V.
Exc, para seu conhecimento, que, de conformi-
dade com o aviso do ministerio da guerra, de 4
do corrente, autorisei o director Ho Arse nal d
Guerra a mandar foroecer ao 2 batalho da in-
fantaria o fardamento constante das inclusas
notas, pjr copia, de 15 de Outubro fiudo organi-
sadas na repartico do quartel-mestre general.
Ao mesmo.Ommunico a V. Exc, ptra sen
conhecimento, que autorisei o director do Arsenal
de Gu rra a mandar foroecer ao 14 batalho de
infantaria, conforme determinou o Ministerio da
Guerra, em aviso de 6 do corrente, as pecas de
ftrdamentos, mencionadas na inclusa nota por
copia, de 23 de Outubro rindo, organizada na re-
part:co do quartel-mestre general.
Ao conselheiro procurador da cora, sobera-
uia e fazenda nacional.Sinra-se V. Exc. deemit
tr seu parecer sobre a inclusa consulta do aop
olente do ju municipal do termo do Granito Ray-
mundo Ferreira da Crus Filbo acompanhad de
lutormaco qua acerca do assumpto prestou o juis
de direito da comarca de Ouricury, em oficio de
27 de Agosto ultim).
As inspector interino da Thenonraria de Fa
senda.Commanico a V. 8., pasa os fins conve-
nientes que por aviso de 6 do corre i te deelarou

"

X


i MifflWjr


I
Diaria 4c PernambucoCuarta-feir 8 de Dezembro de 1886

^
me o Eiu i-o da fazsada haver expe-
dido ordem pr qvrregreaacd Alraadeg desta
Erioci rario JoSo de Asis Pereira
chaqu se ada lerviado como addido na do
laxa.
Ao mesmo.Mande V. 8. pagar, noi^termos
da aaa DiormBc.ae de 6 do corrente, n. 78) a im-
portancia de 6/'.)00 proveniente das passagena de
r: trata a inclusa conta, conceiidas nos carras
estrada de forro do R'cife a S. Francisco em
Agosto ultimo por canta do Muiisdetia da .Mari-
aba- C.unm.inicou-ee ao aaaBxiuaaaderrm.
Ao mesmo.O msniexareo da 'I ubi em
viso de 4 ao jrrente, de taras na sjae aeja levada
termo, no pr aso i na m mi de seseosas diaa
s eoostruecao, nos basaos daa Xoccas, da asa ja
oocaecada com hlvenaasa de medra e tijnlo, que
deve servir de residsnaaa aaa guantes da hare-
fcte al I i estabelec da.
Para attender a deaassa eam a acqeiaico da
aaa tena I, mo de obra ata aestento de operarios,
eaJcalad) ain 810 racoss decla~a o citado aviso
aefaar se habilitada essa th 'souraria com o ere-
dito de 5:225/235, que sahir da somma de.....
IttkOOU/000 comprchenaida na verba Phares
que communico a V. 8. para oa devidoa fins.
Ao mismaO Ministerio da Mariana, em
aviso-circular de 4 do corrente e com referencia a
aaaoiaieao de eagajados e voluntarios pera servir
a* batalhao naval, declara me as prestares dos
aramios a que ae refere a circular da 7 de Maio
deste-anno sera o smente pagas na corte depcis
qpe os ditos voluntarios ou eugajides tiverem ju
3do bandeira. O qae faco constar para os de-
vddas das.
Ao mesmo.Declaro a V. S., para os fias
convenientes, qae de conforinidade com o aviso
de*Ministerio da Guerra de G do corrente autor-
as* ? director do Arseaul de Guerra a mandar for-
aaanr a* 14 batalha* de infartar i a as pecas de
.fcadnasanto meacionada na incusa n-ia, por co-
pas* de 23 d-! Outubro findo organiaada na repar -
Sejb de quartel-mestre general.
Ao mesan.Declara a V. S. para os fias con-
aaieatea que de conformidad? com o aviso do Mi
tino da Guerra, de 4 do currante, autoriaei o
director do Arsenal de Guerra a mandar furuecer
*s> 2* batalhao de infantaria e companhia da
escama arma da provincia da Parahyua o farda-
seroso c instante data ciuco inclusas notas, por
copia, de 12 e 15 de Outubro findo, organisados na
SBBerticao de quartel mestre general.
Ao mesmoRemctto a V. 8. para os fins
soavenieatea copia do aviso de 6 do correte, sob
a> 21, na qual o 8r. ministro da agricultura c
sucio e obras publicas declara que o pee' j do
aseraro Florencio, residente no municipio de Be-
sarros, e pode s*r entregue noa casos previstos no
seise de 25 da Setembro de 1677.
Ao ioepeetor do Theseuro Provincial.He
CDaemendo a Vmc, que preste com a mxima bra-
ndarle os e;;!aPecimentos exigidos no aviso junto
BD* copia expedido a (i do corrente pe > Exm. Sr.
pTUiideate do conseibo de ministros com relacao
* Snancas ua provincia.
A meamoDeclaro a Vine, p ira oa .devidoa
5b, que de accordo com a sua informarn de 8 do
errente n. 251, ficam justificadas as taitas de
sbhii o do Io escriptnrario de thesonro, Thom
Jsasjnias da Reg Barros, concernentes ao mea de
Qotubro ultimo atienta a prova de molestia por
>Be exhibida;.
Ao mesmoDec'aro a Vm?. cm soluco aos
aeas cffieios ns. 117 e 238, de 2 de Setembro e 30
de Outubro ltimos, que tica approvado o contrato
de arread imento, por tres amo?, da casa perten-
xaie a .Manoel Vianna de Souza Barros para ser-
vir de cadeia e qnartel era Gravat pelo preco de
MOdOOO annuaes e a coutar do dia 1 de Abril ul-
mas defeaa ; Seb istao Jos de Sant'Anna, Jero-
nytee Autouio dos Res, Mara Balbiaa da Coa-
ceiclo e Francisca Mari daUjaceicio, por distur-
bios.
A' ordem do de Apipueos, Joo Silveira da Sil-
va e Joaquim Lipes de Sant'Anna, por embria-
gues e disturbios.
A' ordem do da Ba-Viagem, B.raedicto Jos de
Sant'Anua, por disturbios.
m ofiijio de h'"'^"" o aabdele^ado do 1. dis-
trasto da Baa-Viata, oB>aaaeou-m qae na mea-
iit data maaattan o De jnia de dimito do 4."
diaaaato caaajnaJ, inqsaato policial que praeav
cedaaa cootaa Caaasado Jas da Silva preso esa
ti igiaate por flar Vaido levemente a Manoel Bal
ihaaar de CNivaka Bareellos e a Francisco da
l'anla fiorgaa, taada este ajae tere lugar no dia 39
do mac paaaado.
O daiegAda d> assaarca 4a B*-isi*, em oaBeio
da 10 de Narembro ultiose, eoaaaauaaaam me qae,
no dia 7 duquelle mez foi preso Gabriel Pereira
dos Santos, no lagar 'acco Torto do mesmo dis-
tricto, por ter descarregado em Irineu Pereira Mar-
ques, diversas macnadadas.
Da vistoria a que se procedeu reconbeceram os
peritos seren graves os feriaentos.
a ^utoridada Jyocal aAEe BUMaxatd a Mtmtmwmx
nos termos da le.
Dcaa gaurde a V. Exc. Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pddco Vicente de Azevedo, rauito
digno presidente da provine. O chele de
polica, Antonio Domingos Pinto.
DE
Ao director Jo Arsenal de Guerra.Mande
Tase.fornecer ao 14 batalhao de infantaria confor-
aae determina o ministro da guerr i, em aviso de
-do corrente aa pa^aa de fardamento mencionados
aa inclua nota de 23 de Outubro findo, crgaoiaa-
ai oa reparticSo de quartel mestre general.
Ao mesmo.Mande Vmc. fornecer ao 2o ba-
(jdldc de infantaria e a companhia da mesma arma
da provincia da Parabyba, conform' determina o
misterio da Guerra, em aviso de 4 do corrente
fcrdamento constante da* cin?o inclusas nofS
da 12 e 15 de Outnbro fiado, erg-guisadas na re-
wrti(2o do qnartel mestre general.
Ao juia de directo da comarca de Beserros.
Keraetto a Vmc. para os fins convenientes copia
da-aviso de 6 do corrente, sob n. 21 no qual o
Sr. mililitro da agricultura, corcmercio e
publicas declara que o peculio do escravo
Florencio, residente nessa comarca, su pode ser
atrege nos casos previstos no aviso de 25 de Se-
Insbro de 1877.Mutatis mutaiidis ao juiz muni-
faL
ExrxsaurTE DO secbetabio
Oficios:
Ao agente da Companhia Brasileira. O
xa. Sr. presidente da provincia manda acensar
oseeebimento do officio de hontem, un que V. Exc.
rtteipa que o vapor Mandos, ebegado n'aquelle
dia, s 6 horas da inanb, dos pirtos do norte, se
-rair para es do su], as 4 da tarde.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
9 Exm. Sr. presidente da provincia manda acen-
sar e recebimento do c-fficio de hontem, em que
W. S. participa que essa companhia expedir o va-
pe Pirapama para os portos do nsrto at Carnos-
as*, no dia 20 do eorrente, s 5 horas da tarde.
Ao inspector da Tbesouraria de Fazenda.
>Exm. Sr. presidente da provincia manda remet-
Ssr a V. S seis ordena, sendo duas do Ministerio
dfe Guerra e qaatro do Thesouro Nacional, de ns.
J35 a 238.
Ao engenbeiro chete da Repartico das Obras
.NWicas. O Exm. Sr. presidente da provincia
Sata inteirado pelo officio de b a 204, de haver V. S. mandado lavrar termo de
ebimento defioitivo da obra de reconstrucedo
bomba de Q i< imada?, na estrada do norte e
e certificado de pagamento a que tcm di-
i o respectivo arrcmatan'e.
As mesmo O Exm. Sr. presidente da pro-
/tacia ficou inteirado pelo offieio de hontem (ruta-
sav sob n. 203, de haver V. S. mandado lavrar ter-
sa de recebimento definitivo da obra de recons-
taaeeio da bomba de Catende, na estrada da Vic
aai e pascar o certificado de pagament > a que
"Jtm direito o respectivo contratante.
Ao director do presidio de Fernando de No-
Teoba. De ordem de 3. Exc. o Sr. presidente da
3r**incia, recoouncado a V. S., le com a mxima
urgencia, transmitta copias authenticaa de todos
Ta d-cuaientjs de que trata o aviso por c pia do
Kaiaterio dos Negocios da Jastica, de 3 do cor-
M*ie. para proceder-se a reforma do prucesso do
Autonij Feneira la Silva.
Actos :
O presidente da provincia, para execaedo dos
arta. 3o e 4o do decreto n. 4824 de 22 de Novembro
Je 1871, reaolve determinar que no prximo anuo
da 1887, os juizes substitutos da comarcado Iieci-
3rTeo-jper sebstituam do modo segjiute.
Ser&o immediatos snpplentes :
O 1* Juiz substituto da varacivel ;
O2* Juii substituto da vara da provedora de
aseellas e rrsiduos;
v 3' Juiz substituto da vara de orphios e au-
Thcwwiiro rovlncal
DESPACHOS DO DIA 7 DE DEZEVBRO
1886
Maaocl Camerro de AlbuqaeBSjue^Caaspra-se
cegiatre-se e fcum-se oa asaentamenlos.
Officio do Dr. procurador dos feitos.Informe o
contenciooo.
Jeta Fanstiniano das Neves, Modesto Mendes
de Araujo e Pinto Oliveira & C. Informe o Sr.
contador-
Jos Joaquim da Silva Barreto e Mau Goncalves Braga.Hija vista o Sr. Dr. procura-
dor fiscal. \ ___
Adjlpho Jos de AraujoPagela
<<+ o provlacial
DESP' JIA 3 DE DEZEMBRO DE 1886.
.ii Jo das Santos e Josquim de
carros Lins Wanderley. Informe a 1.a
seccao.
Manoel Francisco de Almeida. Indc-
ferido em vista das informales.
Manoel dos Santo? Araujo e Barao de
Petrolina. Sim.
Antonio Pareira da Cuuha. A 1.* sec-
_ 6 -
Francis;o Manoel da Silva & C. A
1.a seccao para informar.
Jos Soares doAaaral Cerkifique-se.
Braga & C. laforme a {.' seccao se
os Bupplieantes rommuniearata ou nao o
facto de terem acabado com o seu estabe-
lecimento.
Do Dr. procurador dos fcitos.Informe
a 1.a secgao.
Do Dr. procurador dosfeitos, o mesmo e
JcSo Walfredo de Medeiros. informe a
1.a seccao.
Amaro Jos Francisco de Paula e ou-
tro, Carlita Leopoldina de Andrade Bre-
derodcs e seus rmaos e Frarrcisco Ferreira
Tavares. Deferido em vista das infor-
mucSes.
Izabel Grojeam, Rufina de Barros Wan-
derley Lins e Araujo viuva de Manoel
Jos de Sant'Anna Araujo e Eduardo Car-
doso & C e Luiz da Cruz Mesquita.
Deferido de accordo cora as inforraas5ea.
Joaquina Delaa de Mello. Sim vis-
tas as informales.
Izabel Mara da Fooseca Soareo. De-
ferido em vista das informaso'es.

64 Jnia substituto da vara do couimercio;
O 5* Juiz substituto da vara dosfeitos da fa-
aeaaV
Na substitaicao dos juizes substitutos se obser-
fars> ordem em que se acham collocados.
Esta sabstitaicio reciproca ter lugar anda
joe eaaos em que nao se tratar de actos de juris-
dajeio plena sempre que, por impedimento ou vaga
doaresgotado o numero dos tres supplentes de cada
saeatituto para o efieito de passar a jurisdicclo
rpento ao preparo do3 feitos do substituto imrae-
aiato oa eos seas respectivos supplentes, e assim
pee diantf, indo ter a vara aos vereadores da ca-
sara municipal sostente quando esgotado toda a
aeaJa dos substitutos e seus tres respectivos sup-
jseates.
Repartico da Polica
Seccao 2*N. J186.-Secretara da Po-
Sia de Pernambuco, 7 de Dezambpo de
i886.-Illm. e Exm. 8r.Partecipo a V.
Exc. que foram rejolhidos Casa de D-
jeselo os seguintes individuos :
A' minha ordem, Bento Ramos da Silva, como
tKeaado, afim de ter o conveniente destino.
A' ordtra do sublelegado de Santo Antonio, Bo
sima MaaW da Coneeicdo, Manoel Joaqaios Flor,
aeto Pinheiro, Francisca de Sonsa
| Victorino Gomes, Severo Joe Fran-
m Franoisoo de Lima, per distar-
Usar
A* ordem da de 1* distrlcto de 8. Jos, Jos
ioraasa de aeiua, Joe Manoel, por disturbios.
A' ordem da de 1. diatricto da Boa-Viesa, Iai-
4wo Diaa dos Santas, por disturbios e nao de ar-
RECIFE, 10 DE DEZEMBSO DE 1886
noticias do Paeiflco, Rio da
Prata e sul do imperio
O paquete nacional landos, entrado hontem do
sul, trouxe as seguintes noticias e as que constara
da rubrica Farte-Offieial :
Pacifico
Datas telegraphicas at 28 de Novembro :
O congresso chileno foi convocado extraordina-
riamente pra o dia 22, afim principalmente de dis-
cutir os orcau entos.
Santiago, 28 de Novembro. Continuara os boa-
tos sobre a retirada do ministerio; porm nada
consta oficialmente at agora.
Bio da l*i h l m
Ditas de Buenos Ayres at 21 e de Montevideo
at 19, e telegraphicas a2 de Novembro :|
A direccao da asistencia publiea de Buenos-
Ayres declama oficialmente, no dia 18, a popula-
cao da capital argentina que se se tiubam dado
alguna casos de cholera bem caracterisados, esla-
va muito longo ainda o fiagello de ama epidemia.
Pelo contrario, os casos noeram numerosos e pro-
duz'iim-se quasi ordinariamente em zona determi-
nada, na ettremidade sul do municipio, sem pro-
pagar-se cem intensidade no centro da cidade A
con8tituic3o medica reinante, accrescenta a de-
claraco, apresenta-se desUvoravel para a saade
nublica pela frequencia e algumis vezes excep-
cional intensidade dss perturbacoes gastro-intes-
tinaes. Deram-se e continuam a dar-se casos que
o nemprovam, ezigindo estes medidas particulares
de precaac.
A direccao da assistencia publica aaiegura ao
povo qae todas as medidas necesaariaa esto to-
madas ; que tem todos os elementos para combater
at onde aeja possivel urna epidemia, se esta in-
teliamente desenvolver-se; que todo o cu pessoal
est ao servico do municipio, e que seos actas se-
rio efficazes para evitar, na esphera de a<*us re-
cursos e possibilidade, a propagaco de quaJquer
germen,inticcioso .
Um facto inesperado abalou a coofianca de qae
se mostrava possuido o animo publico, perturban-
do-o profundamente. No hospicio de las Merce-
des, asylo do mais de 600 alienados, deram-se ea
sos de cholera, sem que a enfermidade existase na
cidade com carcter epidmico.
Nao faitaram explicaces do facto oc:orrido ;
parecendo mais verosmil a que o attribaia a um
alienado que, evadindo so do hospicio, foi preso
em Barracas ou na Boca, lugares inficcionadoa,
sendo dalli recooduzido para aquella asylo. Esse
louco foi um dos atacados do mal.
No Rosario, declarou o Dr. Wernicke ao chefe
poltico que alli existia o cholera, a despeito Ja
affirmaco em sentido contrario de outros mdi-
cos : Aqui no Rosario, disse, ha cholera-morbus
e a mortalidad* do mal de mais de 60 /o dos
dos atacados. Nao se acha o mal limitado em saa
origem em um nico foco. Os caaos s dninaera
apparentemente ; mas nesses conventilhospara
os quaes olha-se com indifferenc,a, um dia, que
aio se est longe, ho de inficcionar se criados de
pessoas eonhecidas e levaro o germen da enfer-
midade a classe social que se considera elevada,
a lavadeira completar esta obra levando o ba-
cilas de sua possilga as casas a que presta os seus
servicos >.
A commani cacao do Dr. Wernicke caasou
pessima impresso no povo e naa autoridades do
Rosario, que o hostilisaram e insultaram a ponto
de obrigal o a regretsar a Buenos-Ayres, de on-
de tinha sido enviado pelo governo para prestar
um servico publico e da maior importancia.
^Secundo noticia La-Prensa, o agente da com-
panhia de navegacao italiana La Veloee receben
telegramma annunciar>do que aquella empresa re-
solver suspender as sabidas dos seas vapores.
Ao mesmo dia commonicou o seu corresponden-
te em Montevideo que, no dia 17, os facultativos
consultados pelo general Santos sobre o estado de
sua aaede e se podexia sem risco continuar at
Marco na direccao dos negocios pblicos, decla-
rarais conveniente que -ibandonasse a poltica e
se retirasse vida privada. Aceitando este con-
seibo, o general Santos reaaaoiou o cargo para a
oal a asaembla geral nomeoa o general Mximo
ajes, senda este substituido ae cargo de minis-
tro da guerra pelo coronel Len.
O senado coacedeu ao general Santos licenca
para tratarse.
O novo presidente da repblica declarou qae
continuara a poltica de concihacao.
Cremos poder assegurar, disse El Siglo, que
o general Tages ser leal e decidido continua lor
da poltica de conciliacio, mantendo nos seus car-
gos os eidadoa que recentemente foram chamados
a tomar parte no governo e fortificando a situaco
com actos qae satiafacain as aspiracoas'populares.
Montevideo, 23 de Novembro :
Embateau a toado do paquete Magdlan o Sr.
Ar. Juan Alvsmas f Conde, secretario da legacao
. .aaicat.il aa Imparto, ue vai reasaumir suas func-
a4as no Ka de Jtaamro.
Bu-'ii le-Ayses, 27de Novembro :
A epi4aaaa do cholera contina a flagellar a
cidade eaaasMure4are3 eaaa a meama intensidada.
E' aiiiitJ 4s4V.'il mader dar a relacao exacta das
Hontro o Congresso Argentino fechou as suas
portas, passando esta ceremonia quasi desaoerce-
bida no meio da preoccapacao geral.
H je um terriwel accidente entristeeea ainda
mais a cidade. Durante os exercicios effectaados
pelo corpo dos bombeiros, desabou parte de urna
das ruinas. O numeras dos morios e dos que fi-
caram gravemente teridos elava-se a 23.
Montevideo, 28 de Novembro :
Como complemento do decreto ordenando o fe-
chamento de todos os portos da Repblica Orien-
tal s procedencias do Paragu-.y. o governo de-
cidi que ama quaroutona de qninze diaa fosse
imposta s embarcacoos proveoicotes Jde Matto
QroBso.
A situacSo sanitaria da repblica continua ex-
cellente. O general Maxim) Santos, ex presidente
da repblica, deve embarcar amanh com a sua
familia para Ceno ai, a bordo do Norte-Amrica
(da Companhia Italiana La Veloee), que tara es-
cala pelo Rio da Janeiro.
Buenos-Ayres, 28 de Novembro :
O calor contina a favorecer o dcsenvolvimento
da epidemia Iloje deram-se na cidade ci^co caaos,
sendo d.us mortans. *s aoiicias vindas da Boca
Jo Riachuelo e do Rsaris s:l) maito contrac-
torias.
Montevid), 29 de Novembro:
Desabou boje sobre a capital e os ardedores
grande tempestade, acorapanhada de saraiva.gros-
sa. O estragos causados na cidade sao de pouca
importancia, mas os jardins soffreram muito, e na
cainpauba as colhetas acham-se seriamente com-
premettidas
Por motivo de sale, o general Mximo San-
tos retardou de um da o seu embarque.
Buenos-Ayres, 29 de Novembro :
Li o b-iletiin do cholera na noite passada e no
dia de boje at < 5 horas da tarde.
No Rosario h >uve 35 casos novos e 23 bitos ;
no Paran 10 casos, das quaes qiatro foram fa-
taea, e em Cordova, de cinco doeutes atacados mor-
reram quatro.
Aqui, a temperatura foi refrescada pola chuva,
por a ainda foraa notados na cidade propria
mente aita 18 casos e aete mortes.
Rio Cirantle do Nal
D.itis at 24 de Novembro :
llouve na capital, no da 16, urna reunio de
mdicos e ficou deliberado que urna commisso,
composta dos Drs- Amedeu Masson, Ramiro Bar
cellos e Henrique Reii. tratar, de accordo com a
junta de bygiene, do saneamiento da cida le.
A cmara municipal da meama cidade mandou
tirar a oleo o retrato do finado general Portinho,
para cortocul-o na sua sala de honra.
Na inanhi do 22 naitio ds Bag para a linha
divisara urna forca de 100 pracas do 12u batalha ,
afim de reforjar o cordo sanitario.
No dia seguate devia partir d'alli tamben para
ref-ircar o mesmo cordo um eoatigeute do 2o ba-
talliSo de infantaria sob o com man Jo do Sr. capi-
tiio Joiio Aicno de Faria e eomposto dos Srs. capi-
to Carne Viva, tenente Daltro, alferes Cynilo de
Castro, Villa, Caldas e 100 pracas de pret.
O comonado daa armas noavon o mij.r gra
aaado refocavado Javeneio Jos Fraga para presi-
dir os eonaalhos de guerra que forem instaurados
na guarnifao de Uruguayana.
Suicidou-se em Pelotas o ex-proprietario ao ho-
tel Pemey, Jos Moreno Permey.
Falleceram na capital: Emilio Hormain, o ex-
negociante Antonio Joaquim de Oliveira Lima, e
D. Manoela de Lima.
Santa Catmarlna.
Datas at 26 de Novembro :
A presidencia da provincia e a cmara munici-
pal da capital uoroearam diveisas cominiseoes para
fiscalisarem o asaeio tauto dos logradauros pblicos
como das casas particulaies.
m. Paul
Datas at 29 de Novembro :
As noticias car-cem de nteresse.
Minas Uerae<
Datas at 25 de Novembro :
Acba-se recolhido cadeia da capital o pa-
dre Vieente dos Santos Bastos, italiano naturaii-
sada e vigario ncommendado da freguexia de
S. P,-dro de Jequitinnonha, municipio da Ualho,
aa provincia de Minas.
0 padre Vicente Bistos, sacerdote de idade
avanzada, acba-se pronunciado no art. 192 do c-
digo criminal na provincia da Baha, para onde
seguir brevemente.
Fallecen em Jniz de Fra D. Florisbella Au-
gusta Barbosa Lage.
Rio de Janeiro
Datas at 33 de Novembro :
Leaos no Jornal do Cmmercio de 30 :
Approvado o acto pelo qual a directora da
empresa da ferro-via do Recite ao S. Francisco
conceden licenca por tres meses a John James
Briggs, gnarda-livros do almoxariiado para ir
Inglaterra, foi ao mesmo tempo, declarado que a
referida licenca, nao sendo motivada por molestia,
ni i dever onerar o cusleio.
Trata se de despesa relativamente insigni-
ficante, qual dever provir da substituico do em-
preado, mas o zelo fiscal nao ha de ser menos
vigila ite para nao arredar do Estado, por seren
de valor diminuto, responsabilidades que Ihe nao
caibam.
Nao ha que estranhar, seno que louvar este
rigor, mas duro que por outras decieoes, cerno
aejam as relativas a despezas de impostos, seguro
de edificio?, e outras, persi-ta o governo na sua-
tentaco de doutrina a que fallecem a:gument03
valiosos. Ainda peior, porm, a instabilidade
da hermenutica administrativa, que ora veda im -
putir ao custeio despezas ja reputadas por taes
em liquidfcco^s anteriores.
Este oijecto est reclamando exame mais pro-
fundo do que se Uie tem dedicado. Cumpre ata-
Ihar que, anno por auno, semestre por semestre,
tornem discusso entre as companhias e as cem-
inisio-.'s liquidadoras qoesto relativas ao custeio,
algumas ja resol vidas, e versando quasi todas so-
bre gastos de pequeo vulto.
Este conflicto permanente de pequeos inte-
resses tornou-an capitulo invariave) dos relatnos
das directoras de Londres e os (ffeitos Je seme-
Ihante pregio ndo sao para abonar o crdito do
Imperio. R gras geraea e equitativas estableci-
das na forma dos contractos e de accordo com a
sua lettra, poriam certamente termo s queixas e
reclamaeoes motivadas pela falta de definifdo clara
e positiva das despezas de custeio.
Ante-hontem, s 11 huras da noitf, alguna
individuos estavam jogando a dinheiro a b.rdo da
fala denominada Tentativa, que se acha ancora-
da na p-aia D. Manoel. Surgi de reponte urna
altreselo entre dous delles de noraes Joao (Jardos j
e Nicolao de tal, a qual degenerou em lucta. Ni-
colao tirando entdo do bolso um punhal cravou-o
no lado direito do pto de Cardse e evadi-ae.
Momentos depois Cardoso foi encontrado es
tendido na praia D. Manoel e dalli transportado
para a 3* estar;:"o policial onde falleccu, tendo an-
tes declarado que Nicolao era o seu assassino.
O subdelegado do Io distrlcto de S. Jos man-
dou remover o radavor para o Necroterio, abri
inquerito para descobsrta do criminoso, e, tendo
denuncia da qne este se achara oceulto no bote-
quim da ra da Misericordia n. 136, para all se
dirigi con algumas pracas. Nicolao, que com
iff-ito alli fora trocar por outra a roupa, tinta de
sangue, j tinha desapparecido.
< Piearam detidos na 3a estaclo policial Manoel
Francisco dos Santos, Anacieto Joo de Soasa,
Joo Mara e Jos Manoel dos Anjos, por haver
suspeitas ae que derain fuga ao criminoso.
O Dr. Tnomaz Coelho antopsiou hontem no
Necroterio o cadver de Cardoso e varificou que a
punhalada savia lhe atravessado o palmao di-
reito.
Cardoso tinha apenas 25 annos de idade. *
Eetatnio a lei de 28 ds Setembro do anno
prsximo paseado qne, na acto da nova matricula
dos eacravoa, ser declarado o valor deates pelos
senhores, filando a lei os valores mximos segun-
do a tabella seguiute :
Escravos menores de 30 annee 900*1000
de 30~a dO^annos 800*000
de 40 a 50 annos 600/000
de 60 a 55 aanos 400/000
de 55 a 60 anuos 200/000
Taes volores terio de regular para a alforria
que venba a ser concedida por conta do fundo de]
emaocipacSo oa a titulo oneroso entre particu-
lares.
A lei nao fes nenhuma excepcao, quanto a ro
bustez physica do escravo nem quanto a outras
circuinstaucias que naturalmente infiuem para de-
terminar o valor effectivo desta anmala proprie
dade, de mancira que a ulforiia ter de ser nui-
taa vezea mais custosa do que o prego venal,
nrmente as provincias onde mais adiantada vai
a depseeiaelo do braco eicravo. Ni Piauby.
por eacmela, a propriedade esoaaaa vale muito
meaos na realidade do que os prmjTa cima tasa-
dos. Kiamnem cogitar alli de samlr a pseco de
900/ owme 600/ a nenhum eacrasro, qu< squer qate
aejam aaeadade e aptidfta -asa ae tratanda de
venda eatre particalares.
< Por isto entraro em duvida os encarregados
da nova matricula naquella provincia se cabe aos
senhores o direito de del arar o valor mximo ci-
ma mmeonado, ainda quando se trato de rema-
tricular escravo enfermo ou que recouhecidamente
Yevea assav ^eaera imu ror.
lediante consulta da presidencia exphcou o
ministerio da agricultura que tal direito perfei-
to, nao tendo outia limitadlo o arbitrio do senbor
a'm da degradocao do valor segundo as catego-
ras de idade filadas na tabella.
As.im quiz a lei, assim devclcumprir-se. Ob-
servaremos, entretanto, que os valores da tabella
sao valoras mximos, nada obtando qae os senh >
es oonscieneiosos, ea que nao desejarem caotra-
riar os uaturaes e legtimos interesaes da liberda-
de. Jen aos matriculandos o aeu valor exacto.
Os
nidos
)i ngentes fiscaes bem poJSr.'aai 8e
de explicar este meEaftal8aio da letl
um
ojchanismo da le aoa porta-
dores das re'acoea qu3 deven, servir de base
nova nv;t:iu",a. Nao s possivel mas natural
4ue nicamente por defeituosa interpretacao da
le nenbuin senhor tenha at agora declarado se-
nao o valor mximo dos matriculandos
C-liirio Munto
Datas at 1 de Dezembro :
Prosegua em seus trabalhos a assembli pro-
vincial.
Chegara, para estacionar na Victoria, o cru-
zador Imperial Marinheiro.
Na ireguezia do Riacho no dia 9 do corrente
cahio um raio sob^e o eogenho da fazeiila Saby,
do Sr Francisco Ribeiro Pinto de Mattos.
A faisca destruio todo o telhado do edificio.
O menino Arsenio, de 8 annos, filho do ne
gociante JoSo Seraphim da Victoria, de volta
18 de Novembro da eseol, cm companhia de ou-
tros collegas, foi banhar ts na praia dos fundos da
ra Cliristiauo Ottoni e ahi pereceu de aspbyxia
por submerso.
Nio f>i encontrado o cadver da inditosa crian-
5, apezar dos csforcis para tal I ra empregados
Sab o titulo Urna herona de annos escre-
veu a Provincia de 27 :
Maieee este qualifieativb a coragem da me-
mina Ornalcia, filba do Sr. Elias Jos Gregorio
da Silvn, demonstrada na tarde de antebontom.
N'aquelle dia brincavam junto inar, d*
prcamar, nos fundos da casa de residencia de seus
pas, o pequenino Martruho, filhj do 8r. Libanio
de Lirio, e outros seus rmaos, mais velhos do
que elle.
Ae travossuras de Martinli i flzerun-n'o cahir
n'ngua e aprofundar-se.
Os seus iunozmhos correram amedroutados,
deixando-o as rnicces de urna morte imminente
e quasi certa. N'esse crtico momento, smaaaaas
a pecurruchita Ornalcia, moradora na casa visi-
nba aquella em cujis fundos dava-se a triste in-
cidente, o, corajosa e intemerata, correu a salvar a
victima preates a afogar-s Com um sangue fri
admravel ca aun idade e em seu sexo, a menina
esteudeu de trra os bracos ao pequeo que de-
bata se na mir, cas:guindo, por uo ter forca
para arrastal-o para o caes, dctel-o sobre as
aguas at qne, obegai.do o pai da victima, o Sr.
J. E.einbe-ge litros, retiraram o eorpo da crian-
ca j exhausta de forcas.
A menina Ornalcia, muito fatigada e pallida
sps o triumpho de sua coragem, derramava la-
granas sem duvida de contentamento pula huma-
nitaria aceito em que tora protogonista.
Mil felicidades colmem a vida da geuerosa
Ornalcia
Que os cos protejam e fecundem o seu in-
fantil curaco to seusivel ao soffrimento alheie.
Sobre a estrada de ferro da Victoria ao Rio
Pardc, cosainuaicaram mesma folba :
Foram submettidos, hontem, approvaco do
governo provincial a planta geral de.toda a linha
e os estados definitivos de 136 kilom. trecho que,
eoneta-nos, deve, em .breve, entrar em conBtrnc-
cao, tendo, segundo a ultimas noticias, partido
de L jndres no dia 24 do corrente o representante
dacompauhia acomp/nhado de alguns engenhei-
ros.
A eonstrucco d'cste trecho, por si s, impor-
tar em fcennos habilitados a receb r por viacao
farrea, toda a producel i do sul da provincia.
Os 70 kilmetros restantes, cujos estudos es-
to definitivamente contratados com o eagenheiro
ilermaun Schindler, viro approximar-nos da es-
trada de ferr de Leopoldina e eom ella entroncar-
se ponio-nos cm communicacao com as provincias
de Minas, S. Paulo e Rio de Janeiro por estradas
de ferro.
E' ditficil calcular-se a somaa de beneficios c
de engrandecimeutos que de tal acontecimento
deve resultar para a provincia.
Sejam urna realidade as nossas fagueiras es-
peranzas.
Babia
Datas at 4 de Dezembro :
Lemos no Diario de Noticias, de 3 :
Devido s acertadas provideacias dadas pelo
Sr. Dr. Domingos Quimares, digno chete de po-
lica da noasa provincia, foi capturado, na Villa
Nova da Rainha, Jos Mar:ios da Silva, que
aecusado de introduzir moeda falsa, nSo s no
eentro desta provincia, como na de Pernambuco.
Este cavalheiro de industria, as diversas lo-
calidades por onde tem andado, dava eempre no-
mes suppostos; ltimamente, quando fui preso,
dizia chamsr-ss Jcao Monteiro Lata.
Foi tambem capturado um outro individuo,
companheiro de Jos Martina.
Rediu a Altandega em Novembro :
Direitos geraes 949:410/336
Ditos provinciaes 84:837/053
Alagfiaa
Datas at 6 de Dezembro :
Nada referen) as foihas que merec meucao.
LViSTA DIARIA
tssembla ProvincialNao houve hon-
tem sessilo por terem comparecido apenas 10 Srs.
deputados.
_ A reunio foi presidida pelo Exm. e Revm. Sr.
vigario Augusto Frankiin Moreira da Silva.
NSo houve expediente.
Promotor publico Por acta da presi-
dencia da provincia de 4 do corrente foi nomeado
promotor pnbtico da comarca de Boa-Vista, o ba-
cbarel Philadelpho Barroso da Silva.
Adjunto daa promotores publico*.
Por portara da presidencia da provincia, de 4
do corrente, foi nomeado adjunto dos promotores
pblicos da comarca do Recite o bacharel Bento
Jos Lamenba Lins.
Tribunal do Jury do Recite.Func-
cionou hontem este tribunal para julgamento dos
reos Rufino Joe Epobanio da Paz e Francisco
Avila de Mendonca, pronunciados no art. 201 do
Cod. Crim sendo condemnados : o primeiro a 1
anno de prnao e multa correspondente metade
do tempo, i o segando a 6 mases e 15 das de pri-
sao e na mesma multa.
Promoveu a defeaa de ambos o Dr. Luis Drum-
mond.
Foi encerrada a seasio.
Faculdaue de IrlreitoEis o resaltado
dos actos de hontem :
/" anno
Joo Marques de Carvalho, plenamente.
G'egorio Thaumaturgo de Azevedo, idem.
Frederico Pires de Sampaio, ideas.
Julio Lastosa do Amaral Nogusira, simplesmente.
Joo Barroso de Mello, idem.
Joo Pacifico Ferreira dos Santos, idem.
Cicero M. Pessoa, idem.
Estephauio Barroso da Silva, idem.
Leonio Jos Pacheco, idem.
Joo Rodrigues Cerdoso, idem.
Theophilo Leopoldo Raposo da Cmara, idem.
Elias Firmno de Sousa Martina, idem.
. anno
Alfreda Alexandre de Jess Ferreira, plenamente.
lieminiano Jas da Costa, idem.
Joo da Matta Ramos Costa, simplesmente.
8.9 anno
Antonio Coelho Pinheiro, plenamente.
Benjmim de Sonsa Rubi n, idem.
Joaquim O mes de Mattos, idem.
Alfredo C-lso Correia de Araujo, idem.
Americo Silvestre de Faria, simplesmente.
Thomaz Coelbo da Almeida, idem.
Reprovados no 6.
Faltn um a oral.
Sero chamados amaub no 1 anno os ns.
283, 284, :3, 6. 7, 9, 10, 13, 15, 16, 24, 29 e mais
tantos quantos forero neoessarios para completar a
turma.
Examen preparatorios-Eis o resul-
tado do de inglez prestados hontem na Faeuldade
do Direito :
Jos de Miranda Costa, approvado.
Josa Geraldo Gonc-alvea Querr, idem.
Jos dos Santos Souza Filho, idem.
Jos Bonifacio Powoa de Mello, dem.
Jo.-c Alcibiades da Silva Frota, idem.
Jos da Fonseca Nanea de Oliveira, plenamente.
Luiz de Franca Pereira, idem.
Luiz de Franca Maia e Silvs, approvado.
Leopoldo Pires Feneira, idem.
Barth.domeu Portella Pessoa de Mello, idem.
Joo Paulino Marques Jnior, plenamente.
Joaquim Jo& de Fiuho Goncalves, approvado.
Manoel Theophilo de Araujo Lima, plenamente.
Francisco de Reg Barros Pessoa, idem.
Quatro nao foram admittidos ral.
Eis os resultados do de geomjtra :
8.a turma
Jos Wenceslao Rj^ueira Pinto de Souza, plena-
mente.
Aprigio d; Miranla Castro, idem.
Jos da Silva Liyo N-ttu, simplesmente.
Jos Antonio Pinto Jnior, dem.
Jo*quJmEV)co Allt"2S-Jc Almeida, idem
seo da itocha Salgado, To^fli-_______,
Carlos Nuiles Ferreira Coimbra, idem.
Antonio Emilio d_- Salles Abreu, dem. '
Antonio Henrique Cardim, idem.
Alfredo Oaorio de Jerqueira, idem.
Antonio Vctor de S Barreto Juoijr, dem.
Alfredo da Silvo Liyo, dem.
Antonio Francisco Regucira Pinto de Souza, idem.
Cinco reprovados.
4 turma
Manoel Ferreira de Mello, simplesmente.
Thom Joaquim de Bal ros Gbson, plenamente.
Joao Joaquim Correia de Oliveira, idem.
Francisco Gomes Prente Filho, idem.
VValfrido Bas'os de Oliveira, idem.
Manoel Barbosa de Freitas l'orJeiro, plenamente,
Jos Nicolao Taleutino do Carvalho Jnior, sim-
plesmente.
Gustavo Krause, plenamente.
Joo Tavares de (.'arvallu e Silva, simplesmente.
Antonio Jos Seabra, idem.
Cicero Seabra idem.
Seis repr?vad'S.
Um retirou-sc.
s-'acto trateHontem, poncode.iois de meio
dia, u o moco que, ha pouc s das, foi graduado
em scieocias jurdicas e aociavs, praticou um acto
revoltante, iodo c:si n 10 da ra de Paulino
Can ir i, afim de, ora o a.xil o de alguns prctis,
cu I zir violentaineoto um movel.
Encontrando piosifo de duas senhoraa, cffen-
deu p'nysicaraent-: urna deltas ; depois do que
evadi ae, dcixand) all alguna oe te^, que Uvara
um seu cri..do.
O facto attrahio mu tas p.'ssoas, que ficaram in-
dignados.
O subdelegado da paro.-hia de Santo Antonio
mu dcllc conlieciuiento, abr'uido inquerito, e
sendo a uffendida viatonada pelos Srs. Drs. Adrio
c Cerqueira Lite.
r. Roa e Stlva No paquete nacional
Mandos chegon honteui da corte o Dr. Frauc seo
de Asis Rosa e Silva, deputado geral pelo 10.
distrlcto, sendo recebido din festas que lhe prc-
pararam os seus amigos e o commercio U'esta ci-
dade, pelas asscciat -s Commcrcial Beneficente e
Commercihl Agrcola.
E3tavam emb&ndciridoa os ntvios mercantes
surtos no porto e a prac,a e rna do Commereio.
no caes tocava a banda de msica do corpo de
polica, e foram atacados muitjs foguetes.
Esperavam o nosso amigo, no caes, crescido nu-
mero de amigos e comraissoss das associacoes
Commercial Beneficente e Commcrcial Agrcola, e
S. Exc. foi acolhido cora vivas e acclamaces.
Lavado at o palacete da Associaco Commer-
cial Beneficente, alli pelo presidente d'esea socie-
dade lhe fi entregue o diploma de socio honora-
rio da mesma corporaco, sendo proferido um dis-
curso, a que respondeu agradecendo o Dr. Rosa
e.Silva.
Fallaram tambera os Srs. Jos M*ria de Andra-
de e Baro de Nuzareth, sendo este como presi-
dente da Associaco Commercial Agrcola, lendo
o discurso que vai publicado em seguida, o qual
foi precedido e succedido de algumas palavras.
Depois, a Exma. Sra. D. Eza de Barros, filba
do Sr. Baro de Baro de Nazarsth, offereciu ao
Sr. Dr. Rosa e .Silva um lindo ramalhete de cra-
vos brancos.
Em seguida foi o Dr. Rosa e Silva de carro, e
acompanhado por diversos outros em que ism seus
amigos, para a casa de ana residencia na Pasaa-
gem da Magdalena, onde foi servido um lauto al-
moe -, trocaudo-se muitos brindes.
Seja bem vindo o illus'.ro representante da na-
co.
Eis o diecurs i do Sr. Baro de Nazareth :
Illm. e Exm. Sr Dr. Francisco de Assia Rosa
e Silva.A selecto que,, de minha humilde pes
soa, fez & Associaco A?ricola Commercial para
honrar a obrigacao era que est para com V. Exc ,
germinon em mira duas emocoes difieren tes, nma
de jubilo e outra de desprazer.
E', pois, sob o iufluxo de sentimentos to op-
postos, qne agora fallo a V. Exc.
O contentamento que arrebata-me foi des-
pertado pela ventura de abracar boje o amigo
particular que, depois de prolongada ausencia, se
restitoe provincia natal, e de cingir no mesmo
aroplexo o denodado athleta, o incansavel lididor
que eombateu sempre na vanguarda, e de modo
condigno a confianza d'aquelles qne lhe outorga-
ram o mandato pura a defeza de seus direitos.
O desalent que experimento, motivado
pela falta de urna im*giiraco viva, que nao pos-
sno, para' esbocar, ao menos, a cffuso dos senti-
mentos que ora enlevam-me a alma e a intensida -
de do profundo reconhecimento da mesma Asso-
ciaco, em nome da qual fallo ; reconhecimento
esse que foi conquistado pela devoco de V. Exc
causa de urna classe, caja sorte ella eompar-
tilha.
Sim No momento em que o indifferentis-
mo pelo infortunio da lavoum, ou, autes, o pro-
posito de ainda mais aggraval-o, parece ter tocado
so eme ; a lioguagem fallada ou escripia simu-
lara debalde a seus mananciaes o cabedal neces-
sario para colorir o reconhecimento que a Asso-
ciaco Commercial Agrcola de Pernambuco vota
aquel le que, com um grito de alarma, vota do le-
Ihargo em que jazia, os poderes do Estado, figu-
rando lhes em fdelissimo quadro u estado agoni-
sante da lavoura, u'esta previncia.
A xpansao de sentimentos to intimis, no-
bres e elevados nao se traduz pela palavra, sem-
pre impotente para interpetral-os.
Quem quiser avahar ou comprehender, em to-
da a sna intensidade, esse affecto d'almas, procure
primeiramente sentil-o em si, ou advinhai-o no co-
r.ic,;io albeio.
V. Exc, portanto a q em a Associaco Com-
mercial Agrcola ora anuda, nao pesa asatisfaco
ntima de que ella se acha possuida, tanto por es
sas palavras, como pelo pensamento que encerram;
e ao qual se associam todos os nossos comprovin-
cianos .
bolos destinados a perpetuar a memoria de cida-
dos benemritos, confia a Associaco Commercial
Agrcola que a tradico, ao recordar os emble-
mas gloriosos dos feitos nobres das geracoes p.s-
sadas, ha do ementar ao menos cssas singelas fo-
ihas que nos escrinios de V. Exc. ora dispe a la-
voura de Pernatrbuco, colhidas dos altos louros
que virentes se osteotam as espessas mattas e
as bastas flirestas qae Iheassombram o solo.
Assoclarao Pitrtosaea de Benefi-
cenciaPelos fundamentos constantes do offi-
cio abaixo, a directora da Associaco Portugueza
de Beneficencia nao poude celebrtr. hoja a festa
anuiversaria de sua installaco, como de cos-
tume.
Lembron se, porm, dos pobres; e remetteu-
noa 25/000 para distribuir com viuvas necessi-
tadas.
Agradecendo a incumbencia, assim nos desem-
penhuos della :
A' viuva D. Laura, na ra do Man-
guen. 26 5|0')0
A' viuva D. Miquilina, na ra da
Nogueira n. 12 5/000
A' viuva D. H-rmin'a S tte, ra
Viiconde de Alboqnerque n. 64 5/000
A' viuva D. Maria \utran, ra Mr-
quez do Herval n. 137 5/00J
A' viuva Joanna Pires, ra Pedro
Affbnso n. 76 flOOO
- Recife, 7 de Dezembro de 1886. Illms. Srs.
A directora da Associaco Portugueza de Bene-
ficencia, era Pernambuco, t-mdo obrigaejo de fes-
tejar o 14" anniversario de sua installaco no dia
8 do corrente, e nao o podendo fazer com a solem-
nidade precisa, devido a raotiy,o.--r;c'-;,'";hr-C; "
jyMH'a.ejB.'.empb'op'portutio dir conhecimento aos
' associa'ios no relatorio geral, resolveu que 'a terca
parta (25/000) da quota establecida para a mes-
ma, foaae enviada a Vv. S8. para ser distribuida
por essa redaeco viuvas necesaitadas.
Espera esta diiectoria que V v. Ss. a encarre-
guem desta mis.-ao aeccitando a referida quantis,
que acompanha o presentp, cosdjuvando a desta
forma, a dar um testemunh de que o seu dia an-
niversario nao ficoi esquecido.
" AproveitandD-me da opportunidade, permit-
tam Vv. Sa. que Ihejmanifest oa mjus protes-
tos de subida estima e"consideraba>.
Deus guarde a Vv. Sa. Illms. Srs. redac-
tores do Diario de rernnmbuco.O Io secretario,
Manoel Tavai\s da Costa Marti.is-
((henea Muwicul Pernambacano
Etta sociedade, reunida ein asaembla geral no
dia 6 do corrente, procedeu a eleifo dos novas
funcionarios do conselho, que ficou assim consti-
tuido :
PresidenteManoel Theophilo da laixo.
Vice p esidente15 uto Al ves da Silva.
1 secretarioSantino Aiv>'3 Carueiro Pinto.
2 ditoJos Antonio Civalcante.
OradorManoel Targino Le >poldioo dos San-
tos.
Bibt thecirio Bellarmiuo Marques da Silva
(reeleito).
Thesour.-iro^Ludgero Lopes Lima.
CousuIhsiBesJoto Alvea da Silva, Galdino
Augusto Pires Ferreira e Uo ildo Baptista Fra-
g isu.
Coictniasiio de entes A'fredj Lopes Gama
(re-leito), Luiz de Franca dss Cbagaa (reeleito) e
Jeo Nepomuceno.
t oi il.'si_;iiad ~ o dia 17 do corrente para a festa
da iuaugurafo da biblioibeca e 4 sarao musi-
cal.
Para esta festa tem sido expedidos muitos cou-
Vtl 8.
Manir de polica -Eis o programma ds
pecas que a msica do C> rpo d? Polica tem de
x-cut u- hoje, dia da festa de Nossa Seahora da
Conceico do arco da ponte d> Red".
Rimeubrauzedel Passato. Fantusia. G. Filippu.
Gran Polonesa di Concierto. D. Teod Elexpur.
Fatnitz v de Supp. Put-piurri. Franconier.
L'Etoile d'Angleterre. Pdki de Concert. A.
Latnotbe.
Ouverture e Dramatique. G. Wetege.
Concert para Saxophone. A. Ciardi.
Ma vie. Valsa. Lumbye.
B iccacio de Snpp. Port-pourri. Candido Filho.
Batalha da Havahy. Trecho militar. Elias da
Cunha.
Garibaldi. Symphonia. Perolini.
Venzamo. Valsa. Strauss.
D. Juanita. Pot-pourri. Candido Filho.
Stephanie. Gavotte. A. Cribulka.
Faust de Gounod. P.it p'.urri. A. Carreiro.
Ingenoos da Coionla IsabelE'ami-
nhi que tcm de ser extrahida, no onsiatorio da
igreja da Conceico dos Militares, s 4 horas da
tarde, a 5' serie da 24a parte das loterias em fa-
vor daqnella instituico.
Bellezas do ReciteE o titulo de urna/
nova polka adietada pe a casa dos Srs.
Pralle, Suecessores, ra do Imperador
Composicao do Sr. Misael Domingues, antor das
j publicads Catauro, Vamos Dansar? e Zata,
como estas, linda e alli encontrada venda.
arco da ConceicoE' boje que celebra-
se cora a devida pompa a festa de Nossa Seahora
da Conceico no arco que existe na ra do Mr-
quez de Olinda, entrada da ponte do Recife.
A julgar pelos atavos que desde j se vn no
referido lugar, de esperar que enteja ella na al-
tura que corresponda aos desejos dos seus encar-
tegados.
A' noite haver iiluminac > luz elctrica.
Conceiro dos Militare* A irman-
dade da Conceico dos Militares celebra hoje, com
toda a p>mpa, a festa do sua padroeira.
Alm das vespera:, que tiverara lugar hontem
noite, haver li je s 11 horas da maob missa
solemne com tertias; pregando no Evangelbo o
Rvm. Sr. commendador Maaoal Moreira da Gama
e no Te-Deum o Rvm. Sr. Dr. Manoel Cavalcante
de Assis Bezerra de Menezes.
Rege a orchestra o prolessor Joo Polycarpo
Soares Rosas, que executar urna das mais lindas
missas do seu repertorio.
Imprenaa.Recebemos hontem :
N. 22, de 30 de Novembro, da Estacao, in-
teressante revista de modas, a qual traz figurinas
coloridos e folha de moldea.
N. 19, de 5 de Outubro findo, da Illvstragao,
revista critica e litteraria, trazendo fioissimas
grasuras.
Um folheto de 50 paginas com o titulo.W-
ministrago do Exm. Sr. Dr. Ernesto A. de Vas-
concellos Chaves.
Agradecemos.
A ticova das Princesas e cainitas
A empreza Noutes Romnticas, de Lisboa, est
publicando um livro asim intitulado, e coutendo
diversas historietas e pequeos romance0, de um
realismo atroz.
E' de Julio Baujoint, autor francez, vertido pa-
ra portugus por Jos G. Costa : e assigna se na
Livraria Corazzi, no largo de Sa'danha Marinho
n.4.
A tradueco nao boa, e os taes romances, e
historietas sao detestaveis pelo erotismo desemxa-
bido que transudam.
OlindaPor nao estar concluida a pintura do
altar de Nossa Senhora da Conceico na igreja do
convento de 8. Francisca em Olinda, foi transferida
a festa da mesma excelsa seahora, para o dia Id
deste mez.
Pospondo as divereoes la corte e seus passa-
te nipos ao cumprimento exacto da mandato que lhe
foi outorgado, V. Exc. assegurou a confianca de
seus constituintes, o respeito e a consideraco da
classe agrcola que tanto contribue para o bem es-
ta*- nacional.
Nesta manifestarlo da qual V. Exc, agora
alvo, resumbra tambem o tributo de justa bomena-
hem a umes pirito privilegiado, cujas primicias pre-
si.giam profusa messa.
O engenho com qne V. Exc. preludiou os ar-
canos da sciencia econmica, para debellar as cau-
sas delectorias qae atrophiam a lavoura, nao con-
firma menos a contenso de pujante mentalidade,
ao que a justeza de inspiradas iodicacoes para u
tranfuso as arterias daquelle organismo, de san-
go.) vivificador, e eaiaz de restaoelocer-lhe a cir-
euluco to essencial a vida que de da em dia
parece mais approximar-se do termo fatal.
A Associaco Comm.rcial Agrcola, tendo em
can*ideraco v acrysolado amor de V. Exc. cau-
sa de urna classe, cojos ioteresses ella to natural-
mente representa, sent nao poder cffertar-lhe um
testo digno de sea alto mereciraento
Estas congratulares, pois, da Associaco que
aqui represento, longe estn de rivaliaar com o
preito convinbavel ao elevado patriotismo de V.
Exc.
< Acontecendo, porm, que nao sejam sempr
em tudo semelhante, nem mesmo parecidos os sy m
;./
CoIIcko de itossa Senhora da Paa
=No dia 5 do corrente, s 5 horas da tarde, per-
ante a commisso examinadora composta dos Srs.
Drs. Maneel Coelho dos Res, presidente, Jos Ho-
racio da Costa e Virginio Marques Carneiro Leo,
examinadores, auxiliados pelos Srs. Dr. Claadino
Rogoberto Ferreira dos Santos, e professor Augus-
to J. M. Wandcrley e, perante grande numero de
pessoas gradas, realsaramse os exames das alum-
nas deste collegio.
A tala, adornada de flores, tinha um aspecto
encantador, realzando assim a expoaico de diver-
sos trabalhos feitos pelas alumnas, alguns dos
quaes de merecimento artistico.
A impresao esusada foi agradabilsima e a
festa deixou a todos gratas recordacoes.
O resultado dos exames foi o seguate :
Portugus: Ia classoJoaquina Mendes Peres,
distineco, Auna I. M da Rocha, plenamente,
Anna 8. de Freitas, idem.
2* classeMaria Itubid Pinto Oaorio, distine-
co. Maria Miraud lina Cabra!, idem, Antonia dos
Guimares Peixoto idem, Adelia Nunes da Silva,
plenamente, Mara Isabel P. da Costa, idem, Ma-
ria Amelia Mngalbes, idem.
Aritbmetica: 1* classeAnna Severiana de
Freitas, distineco.
2* classeMaria Itubid Pinto Oaorio, distineco,
Maria M. Cabra!, idem, Antonia dos Gaimares
Peixoto, idem, Adelia Nunes da Silva, idem, Maria
Isabel f. da Costa, plenamente, Mara Amelia Ma-
galhes, idem.
Geogeaphta: 1 classeAnna S. de Freitas, ds-
inego, Anna G. M. da Rocha, idem.
2 classeJoaquina Mendes Peres, distineco

f
ulo de urna/
Srs. Victo
or n. 55.

,

MTIllO
i mo


Diario de PernambucoQuarta-fffra 8 de Dezembro de I

Mara M. Cabral, i.lem, Maris Isabel P. da Costa,
plenamente, Ma.ia Amelia Magalhies, idem.
Frauee.z=An;>a S. de Freitat, plenamente, Joa-
quina Meudes Pan, dem.
Examen prlmarionSob a presidencia
do respectivo delegado litteiario, capitio Aotonio
Satneo de Lyra e Meilo, realisaram se no dia 1.*
do correte os enantes daa alamnas da 4.a cadeira
da fregneiia de S. Jos, regida" pela professora
publica Pelismina Adolphi da Uunha Salles,
que forara dadas com habilitadas, servindo de
examinadores, aleo) da profesaora da cadeira, o
professor Tranquilino da Cruz Ribeiro. Eis o re-
sultado :
1." grao
Belisa Ferrara da Silva Araujo, adiantada.
Mari.'. A nalia Arcelina de Lima, idem.
Elisa Alaria do Couto, ponco adiafctada.
3. qro
Mara da Conceicaa Salios Bernardes, com ds-
tinecao.
Jos-pha Laopoldini do Albnquerque Salles, idem.
Isabel Mara do Lugo Moreira, approvada plena-
mente.
Philadel; li i Luiz Nuoes, idem.
No dia 4 io crrante, sob a presidencia do
delegado litterario, o Sr. commendador Jos Pe-
dro das Neves, sendo examinadores os Srs. pro-
fessor Joo Lanielino Dornellas Cmara e o da
cadeira, I: rain exames os alnmnos habilitadla
das esv i orna (3.* cadeira) c nocturna da
fregu/.!. i. Fre Pedro Gonca'ves do Recife,
regidas ]' o profesa >r Beojimim Ernesto Pereira
da Silva.
Em vista das pravas escripias e oraes produzi-
das pelos examinandos c de conforraldade com o
novo regiment interno, deu o seguinte resul
tado :
Escola diurn ~lQ grao
Jola Baptista dos Santos, milito adiantado.
Manoel Mertius do Sacramento, idem.
Jos (iulii'lma Verdese, adiantado.
Eduardo Uciia de tusmo, idem.
Edmundo Xavier de Olivcira, idem.
Augusto Marciano Ficher de Gouvi, ilem.
Carlos Clemente Ferreir* Guiraaraes, dem..
Joaqu'in Viauua os Santos, pouco aliautado.
2 grao
Jcao Paulo da Silva, muito aiiant. 1 .
Eduardo ci Ai vea de Brillo, dem.
Alfredo Alvos i C -irvalho, iJem-
Joa Martius de Sonza, em.
Jjige V'ic ate Ferreira, idem.
Acola nocturnal."grao
Octavio Ferreira Padilha, adiantado.
Constancio da Silva Cirvalho, idem.
3.* grao,
Arthur Januirio Gonv-s de Oliveira, idem.
Dcixarain de comparecer ao exime d us alum
u?3 do 2 grao da escola diurni.
No da 4 do corrente, sob a presidencia do
delegad i li't mri do 1." disiricto da Grasa, Dr.
Joo Francisco liibeiro Machido, (ffectuaram-so
o exames dos alumnos da cadeira de S. Jos da
Manguiuho, da mesana freguezia, regida pelo
profr^sor Manoel Antonio de Albuquerqne Ma-
chado.
For.im examinadores o professor Antonio Jovi-
no da Fonseea e o di cadeira.
Em viati das provas produzid is, escripias e
-oraes, e do aecordo com o novo regimiento das
escolas, deu o seguinte resultado :
/'. grao
Manee) Domiuguea G. Carvalbo, muito adian-
tado.
Jos de Calazan-, idem.
Tomaz Cantuana Mendes, adi&ntado.
_. grao
Joao Alves Villa Bella, inui'.o adiantado.
Arthur Odilon di Fonsec.i, idem.
Manoel Antouio de Freiti.s Botelhl, adi .otado.
3." grao
(Jijases Ferreira de A, approvada cem distinc-
cao.
A 2 do corrate tiveram lugar es exames
primarios daj alumnos do ias'.ituta de S. Fran-
cisco de Assis, era Pregnicas, sob a presidencia
do respectivo delegada literario Felippa Neiy de
Farij.3 Salles, servindo de examinadores Fran-
cisco de Gusoiio Barreto, o director e professor
JoSo Hernogeaes da Silva Braga.
De aecordo com o regiment interno, o resolta-
do foi o sega'ote :
1 grao
Joao de Paiva Cavalcanti, adianfado.
Joao Cancro de Britto, i i
Apolinnrio Jos da Silva, muito adiantado.
Pedro Antunes Corre i, idex.
Antonio da Costa e Silva, idem.
2 grao
Apjlinario Jos da S'Ivo, adiantado.
Pedro Antunes Corre i, idem
Prisco Joaquimde Souza, iem.
Joo Goncilves Pontea, muito adiantado.
Antonio di C..-' a e : i:va, idem.
8 grao
Antonio Ja Costa e Silva, plenamente.
Jos Antonio de Mello, distinecao.
Em seguida fez-se entrega dos diplomas, fal-
lando n'esta < ccasiao o pr .fessor Braga, que foi
saudado peles alumnos Antoni) Costa, Jos de
Mello e Joao Pontea. Da novo falln o professor
Braga, coacedundo ferias a seus alnmnos, os quaes
offereceram nm lunch aos senhores presentes.
No dia 4 do correte procedeu-se aos exames
dos alumnos da escola publica do sexo masculino
dos Milagros, ira Olinrfa, peraute a comraissSo
examinad ira, composta do delegado litterario Dr.
Caetano Mara de Faria Neves, do examina Jor
nomead i profesa ir Antonio Candido Ferreira e da
professor da cadeira Tertu'iano Ernesto de Mo-
raes Carralb), cujo resultado foi o seguate:
1grao
Livino Aaetricliano Mafra, adiantado.
1 grao
Jos^Pas'.or de Oli/eira Ferrer, adiantado.
No dia 1 do corrente, na escola publica mix-
ta da eidade de Palmares, regida pela piofessora
D. Lonor Cavalcante de H ,llanda Chacn, sob a
presidencia do delegado litterario Dr. Francisco
Pcthier R drgues Li.-na, e preenchidas as forma-
lidades que determina o regiment interno, pres-
taran) exame as alumnas cojo resultado foi este :
/" grao
Mana Felicia Cmara, adiantada.
2o g o
Mana Amalia le Queiroz, muito adiantada.
Felismina Mara d* Canecile, adian'ada.
Carlota Silva Rio?, dem.
Maria Eovlia F rreira, dem.
Pedro M-ieh .do de Q.jeiroga. idem.
No dia 4 do correut-, e de cooiormidade com
o rj'vo regimeuto, foram submettidos a exame das
materias que constituem o 1* grao, os alumnos da
eseoli publica do sexo masculino do Bem-te-vl,
regida p lo professor Francisco Marques da Trin-
dade, dando o seguinte resultado :
Jos de Geuveia Barros, adiantado.
M-.ii 'i-I Veiljso da Silveira, ideo).
Jo&> V>ll>so da Silveira, dem.
O acto foi presidido pelo 1" juiz de paz o Sr. al
brea Leonardo Orlando de Barros, por impedimen-
to delega lo litterario, o servirn) de examina-
l o Sr. Floriumundo Torres Maranhao o o pro*
fessor da cadeira.
Depoii de concluidos os trabalhos o respectivo
profeesor dignou-te offerecr aos eeus alumnos c
e nvdados uin modesto copo d'agja, no qual, fo-
ram trocido) rnuitoj brindes.
fgj No dia 3 do corrente, na cscjla publica da
Capuoga. sob a presidencia do delegado litterario
do distrieto Jos Francisco Ribeiro Machado e da
commissao co uposta do professor publica Manoel
Aotoiiio iie A'buquerque Machado c o da cadeira
Jos Joaqun Borg-s UcLi, prestaram exame das
materias do 2o grao, d.i couformidaJe com o novo
regiment, os alumnos n'eilas habilitados, dando
o seguinte resultad >:
Manoel Lzaro da Crn*, muito adiantado.
Carlos Jote Pemra L:mos, idem.
Firrnniano Jos Ribi ro xle Maraes, idem.
Joao Naaario de Piubo Borges, adiantado.
Deixou d.'! comparcer ura alumno dos da lisia
dos eliminan li 2.
IliiiltfiruO paquete Balda levon para:
Alag.,as 24:000X000
jj^fa 2:0 OiOOO
Rio de Janeiro 14:714*000
O oajuetc Mandos trono do sul para :
Diversos 23:700*000
O v.ip>r Jacuhype 1 v-u pira :
Parar y ba 31:500J00
Natal 20:886*170
Maeo 1 :t)00*C0O
Mysioiip publlea-Coi) t mos o interior
de noss.is c.'.shs.
Q :?as naVo de ve pasear de-
apertebido da vigilancia municipal e meihor -1 ida
da bysie.ie publn-a, porque a qoantidade das pes-
floas, a un respiraeS >, e as suas secreces i bastante para visitar o ar das casas e nos Jareo
onito que Uiar para depois poder se imopdir as
auaa eonsequeucias, aobretudoem oceasioeXde epi-
---------------.------------. ,-
demias ou qu indo se reeeia a sua invasao p
eutao nos schariamos inteiramente perturbados.
Como isto ainda paroeeito pouco, muitos teem a
man i de assoeiar a sua ompanhia de outros ani -
maes, e as veses em mullida >, taes cemo caes, ga-
tos, gallinhas, e algunas veses lamben porcet as
eaaaa de cimpo, e macacoa as da cioade.
Os gatos s3o necessarios para fazereo afugen
tar os ratos, que tantos prej lisos causan e tam-
bera tanto emporcalhiu) as babitacoes, principal
maat-. as velhas ; os caes sil > indispensaveis para
quem gosta de caca, serven) de guarda casa, e oa
cstabelecimentos se os teem tambera por simples
divertiment e quasi por compamhia, tolrese.
Evite-se, parm tel-oa sempr e igualmente o
dormirem no interior da casa, e trate-se da nao
augmentar a infeecao de sjus escrementcs, e das
suas emanacoes snossas
Que se dever pois dizer daquelles (e que nSo
sao poucus) que leteem estes animaes tamben nos
seus quartos de dormida?
Que bom ar nao respiran) olles !
V-se as veses aessoas da classe pobie que ape-
nas teem ura pi para viver, terem mais de um
destes animaes na sua casinha composta muitas
vezes de um s ambiente mas situado, e mal ale-
jad >, nei'e ajuutar tambe n as gallinhas que com
( seus excrementos infectara muito o ar exhalan-
do acido carbnico em qnnntidade, deste acido quo
ainda nao ha muitos das vimos morrer a-phyxia-
dos dous individuos e o fedor o mais repugnante.
Fallando de gallinhas, quem deseja tel as para
gosar dos sens productos, procure commodos, pio-
prios, como um sotam, ura grande pateo, e meihor
i.inla um quintal.
De qualquer modo quem as tiver deve com fre
quencia todos os dias, varnr o lugar ondeestive-
rem e o mais prudente seria que nossa mu2cipali-
dade imitando as cidades mais cultas, prohibase a
sua conservado, as cas> s, principalmente as
insalubres de andar terreo.
Itireetorla dan oDras de rsnserra-
fo dos por IonBoletim meteorolgico do
JiiCil Dezemhro de 1886 :
Horas Barmetro a 0 T> aso do vapor o a 1 12 i s a
6 ra. 9 12 3 t. 6 236 27> 1 28-3 28-1 274 759- 19 /761-0.' /760"84 \759i18 158">92 18.74 20.33 18.61 19.24 20.18! 87 77 60 68 75
aedicto da Carvalbo, padre Jeto de Omeno,
Baraardioo de Vaeeoaeelloe, Antonia Jas de
Araujo, Manoel Seno* Jnior, Margrrida J. de
Lima, Rtmiro A. Monteire, Marcos F. Rodrigues,
Dr. Antonia J. Pires, Francisco V. B. Vianna,
Emilio Dedier, Femando R da Certa, Looreoco
O A. Maranhao, Jase C. A. Mar.nnio, Alfredo
A. taimarles, William Annacker, Jos de B.
Taveira, Jos Tavares da Costa, D. M. A. C. Al-
baquerque, Eurica de Caldas, Dr. Antonio da C.
Pinte, Dr. Augusto P. Cerdoso, Arthur de Olivei-
ra Cavaquinho, Jos A. d Costa e Silva, D. Ma-
ria Brilhaate, D. Antonia Lopita, Mixael Lopes
Teixeira de Pinh', Dr.. Celso Caldas, Dr. Fruc-
tuoso de C. Brand&o, Jos F. Alves de. Oveira,
Dr. Americo C. do Passo, Jos C. da Costa, Dr,
Miguel Gomes Palmeira, Manoel Soarcs Palmeira,
voluntario Jos Joaquim de Sant'Auna, soldado
Jos Jorge dos Santos, Joo F. Pontea e Rufiuo
Jos Francisco.
I'rorlnmai de ransknaento Foram
lidos na dia 5 de Dezembro na matriz de Afoga-
dos, os s^guintes :
Antonio Carneiro do Nascimento com Josepha
Mara da Conceico.
Mathas Cesario Moreira Mattos com Mauoell:
Barbosa da Silva.
Antonio de Burgis Ponce de Len com Maris
Leopoldina Pereira da Silva.
Cana de DetencoMovimento dos pre-
sos do dia 6 de D sembr :
Existiera presos 339, entr. ram 18, sahiram 18,
exist m 339.
A saber :
Nacionaes 311, mulherea, 5, estrangeiros 11, es-
era vos sentenciados 5, procesiado 1, ditos de cor-
reocao 6.Total 339.
Arracoados 312, sendo : bons 30 doentes 11
Total 312.
Movimento da enfermara :
Ti .rara baixa :
Joaquim Pereira da Silva.
Manoel Antonio Machado.
Felippe, escrava do Bario de Caiar.
Joe Theodozio Camello da Silva.
CHROfflCA JUDICIARIA
Tribunal da Rela^o
SESSO ORDINARIA EM 7 DE DEZEMBRO
DE 1886
PRESIDENCIA
smente condecido uSo a neeta
como em todo o Imperio.
provincia,
CON-
IiOleria da provincia do Rio de Ja-
neiro Eis os numeres mais premiados na 4a
parte da 33 lotera 7l parte da 366") em benefi-
cio da instruccio publica, extrahida em 27 de No-
ve mbro :
pbemios de 100:000*000 a 1:000*000
Temperatura mxima29.0.
Dita miaima23",5.
Evaporacio em 24 horas ao sol : 6, ; som-
bra : 4",1.
Chuval,"'l das 5 horas e 35 minutos 3 6 ho
ras e 40 minutos da manhi.
Direceo do vento : Etodo o ia (com intervalo
de 3 hiras de calmara).
Velojidade media do vento : 2,m13 por segundo.
Nebulosidade media 0,4.
A ceroromlo (conservaclo dos velhosEx-
trinba e extravagante inveacio de tempos aati-
quissimos foi a dagerocomia, inspirada na idea
do que os eorpos jovens e robustos emanavam urna
aura de vida, que os velhos podiam absorver em
sen proveito.
David ni Biblia applica a gerocomia, e Reine-
sio, ha crea de um secul >, descobrio em Roma
urna iiucri;',-aO, que diz que um tal Ermippa v-
veu 115 anuos e 5 dias cora o bafejo das mpa-
ngas.
O Dr. Cohaus-eu coinmentava esta inseripfio,
cora urna displaci publicada na priucipio deste
si culo (Evmippus redivivas) e conclou que para
campar de velho conven respirar nos la'oi:s de
alguma rapariga pela manbl e a noute.
Na Italia a gi-rocoura foi renovaba por um ano-
i.ymo autor napolitano no lvro Della salutare
inspir,.sionee por Salvi.rcse, taubem napolitano
no livro -Da salubriJade dos habites jovenis res-
peto os carps velh-is.
II je temos o espiritismo e a f na forc) pajrthl-
ca qu.? passa de um hom-111 a um outro biinm tem
necossi ia le dos cinco sentid >s, por aso nao seria
de admira:, que ee teutasse a gerocomia e so es-
tudasse qual e quaota parte de forca vital poda
P'issar atrav z di pelle de um carpe Joren e vi-
goroso a um corpo velho e caduco.
Na idade m"dia, esta grande doenc.a psyehca
da Europa, g'rou anda outras asneiras que a ge-
rocomia, que fizeram eom que os astrlogos e al-
chim stas se propuzessem a alongar a vida bu-
mana, vndenlo a peso de curo o admravel se-
gredo.
Entre esses especuladores media idade da im
b eidade humana, Paracelsa foi um dos maiores,
pcis venda o segredo da p dra podcsophal, que
consista exactamente cm prolongar a vida e em
transformar es metaes ignobeis em oura e prata.
E note-e que para elle urna vida longa devia ser
de 900 1,000 annos ou ao menas de 00 )
O enxofra vegetal, com que elle curava todas
as enfemidades e prolongava indifiuidamente a
vida, nio era senao ura tnico aualogo aoLicor
de II f man, e nao Ihe servio parque morreu na
idade de 48 annos.
A petulancia foi em todo o tempo urna grao
dissim f rea e Paracclso nio s foi c nsultado
por principes e soberanos, mas tainbem pela Sabio
Eratmo. E'le comecou a sua obra principal 0901
estas moJeslas palanas :
Deres seguir me e nao eu seguir-vos. Atrs
demnn,oh: oh 1 A,vieeiiiii, Bi3es, G.'lcno, oh !
Moyss. Alr.iX de mim vs todos o nao eu atraz
de voz, oh ni-dieos do Fariz, de Montplier, da
Suecia, de Colonia, de Vienna, voz que hibitaes
as margeos do Danubio e do Rhen>, ou as i.has
domar; stras de mim, oh! Italia. Dalmacia.
Alhenas, Grecia, Judea. Atraz de mim, atraz de
mim I A moDarcba, eis a miulia parte
Um outro charlatao nao menos notavel em ple-
no seculo XVII, que vivia na corte de Berlim, foi
o famoso Thurneisen, o qual era astrlogo, chi-
mico, cirurgio, fabricador de folhinhas. typigra-
pho e livreiro, mysterus muitos diversos que nio
obstante nio o impediam de ser um hornera de
bem. A bibiiotheca defWlim poisue mu tos va
lumes das suas consaltas a entro cssas se achano
cartas da rainha Isabel de Inglaterra.
jeHAen.Effic'uai -se-hio :
Amauha :
Pelo agente Pinto, s 10 horas, na ra da Mr-
quez de OnJa n. 6, de tzendas, miui'-zas, mi-
veis, loucas, vidros, etc.
Pelo agente Silveira, As 10 '/2 hora?, na ra do
Rosario Estrcita n. 24, de dividas.
Sexta-feira :
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, na ra do
Imperado! n. 30, de predios.
Pelo aqente Pinto, 4s 10 horas, na ra do Mr-
quez de Olinda n. 51, de movis.
Pelo agen'e Pestaa, s 11 horas, na "rna do
Vigario Thenorion J12, de pianos, movis, loucas
e joias.
PaawageironCbegados dos porlos do sul
no vapor nacional fondos :
Dr. Francisco ds Ass ahora c 1 criado, Ernesto Silv.i, Antonio Wan-
derliy, D- Josephiua B. Cuaba Souto-Maior, Jos
Peruambueo, Miguel Pernambuce, Marcelino F.
Rosh, D. Maria Amelia Cavalcante, Luiz Fischer,
Dr. Femando C. de Souza, Ernesto Dias Mon
teiro, majar L-iiz Cintra, Francisco G. deQoei
ro, Dr. Pedro Peixoto Veras, J. E CiesalliceorH,
Joanna e 1 filha, Firmino C. de Fiueiredo, Mi-
guel de Oliveira. Jos Jacintho de Sant'Anna,
JcsJ. Moreira, Ovidio C B de Mella, Joi> Fa
gandes, Manoel Alves Baptista, tenente-eoronel
J0S0 N. de Mederos, Art >ur C. de Toledo, alfe.es
Antonio P. de A. Souza, Eurieo G. P. da Costa,
J0S0 F. da Silva, tenente Achiles V. P-rdernei-
ras, Anna Jovita Pereira, Manoel C. V. Filho,
Jos R- de O.iveira. Di'go Maranhao, Jet I
Avila Jnior, Pedro T. du Mello, Joia Poutual
Rangel, Pedro Rocha, ltaphael C. de Oliveira,
Eduardo de Oliveira, Afl raso M. Loyalla, Joio
M. Urchet, Adolpho J. Torrea, Francisco Das
Costa, Jos C. de Crvalho, Wilbelm Gildermeis,
Joo B. de Carvalbo, D. Mathiide A- Guerra, D.
Angela M. G. t. e l fi he, Carito Jos de Castre,
fiugen o Goutscbe!, L no A. da Carvalbo, Doa in
gOB L-o, Aitoni A. Feitosa, Maria M. da Con-
ceico, Propicio Barreto, Mana A. ds Espirito-
Santo, Joo Luc o Marques e sua senhora, Ce
mente M. da Silveira, Mhnoel Jos C. Guimares,
14 pracas duexereito e 12 sentenciados.
Sabidos para 03 partos do sul na vapor na-
cional Babia :
Tbomaz Francisco de Salles, Marcos G. dos
Sanios, Francisco Pereira de Bar elip-
pe Suntia.'e, LJfees Alvis Pequeo, Joio Leonor,
Anna M. Glfoo^ Vicente Lomour, Vi:torio, Rufo
da Costa, J aqe.iin Pinheiro, Plaeidi (escravo),
Dr Guilherme M. Vianm, Dr Manoel L. Fci.airi
Pinto, D, Rosa A. da Silva, Tiago Colac, **
baatiaua A. de Santiago Caldas, Salvador Hade
Mattoe Saoza, Antonio Caniid) Vieira, D.-. Be-
9142 100:000*000
0571 20:000*000
7873 5:000*000
2829 2:000*000
6310 2:000*000
916 1:000*000
2930 1:000*000
4115 1:':00*000
769 1:0000000
9777 1:000*000
11893 1:000*000
j irPBOXIMACOES
9141 1:000*000
9143 1:*000000
0570 6005000
6572 600*000
7872 400*000
7874 400*000
2828 300*000
2830 :).'iiin
6309 300*000
6311 300*000
l'EEMIOS DE 500*000
1800 5148 8411 9949 12535
1296 7014 8478 10473 13792
4154 8128 9768 12093
PREMIOS DE 200*003
855 5090 8171 9568 12725
2224 7125 8690 10378 13167
3402 76 6 9124 11049 13424
3987 7682 9229 11237 13848
4913 7999 9353 11841 13898
PREVIOS DE 100*000
145 4573 7377 92)6 11696
382 5133 7425 9318 11839
782 5247 7530 94 '2 12110
1456 6061 8122 9647 12287
1783 6151 8398 9720 12591
2151 6224 8809 10479 12630
2274 6259 8815 10647 12797
2280 6379 8953 11264 19866
3112 7078 9354 11473 13242
3211 7113 9I 11568 13438
INTERINA DO EXH. SR.
BBLHEIBO FfcEITAS HEURIQCES.
Secretario Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costme, presentes os Srs. desem
bargadores em aunes lejal, foi aberta a sessao,
depoia de ida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e paseados os fetoa deram-se os
seguiutes
JULGAMBNTO
Habeas corpus
Pacientes ;
Frederico Augusto Villar da Silveira e outros.
Conceden se a ordem, contra os votos dos 8rs.
conselheiros presidente interino e Queiroz Bar-
ros e desembargador Oliveira Maciel.
Recurso eleitoral
Do RecifeRecorrente Antonio Rodrigues Ta-
vares, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargado^ Toscano Barreto.Negou-se provimen
to, unnimemente.
Recursos crimes
Do BonitoRecorrente o juz>, recorrido Fran-
cisco Antonia Pereira. Relator o Sr. consclheir:
Queiroz Barros. Adjuntos oa Srs. desembarga lo-
res Pires Ferreira e Toscano BarretoNegou-
se provimenta, unnimemente.
Do BuiqueRecorrente o juizo, recorrido Au-
touio Carmelitano da Cunha. Relator o Sr. des-
embargader Buarque Lima. Adjuntos os Srs.
desembargadores Pires Gancalves e Oliveira
Maciel.Negou-se provimtnto, unnimemente.
De JaboatioReorrenfe o juizo, r corrido
Miguel Ignacio de Oliveira. Relator o Sr. d s-
embargador Oliveira Maciel. Adjuntos os Srs.
desembargadores Ajves Ribeiro e conselhero
Queiroz Barros. Ne'gon-se provimeuto, unnime
meute.
Appellacio crme ""-^,
Do RecifeAppellant o juizo, appeliado Jos
Candido de Oliveira. Relator o Sr. desembarga-
dor Alves Ribeiro. Coafirtsou-se a sentcnca,
unnimemente.
Appellacocs com nerciaes
Do RecifeAppellantes Ernesto os Leopoldo,
appellada a massa fallida de Flix Gomes Coim-
bra. Relator o Sr. conselhero Queiroz Barros.
Revisores os Srs. desembargadores Buarque Li-
ma e Tolano Barreta. Foram recebidos os em-
bargos, contra o voto do Sr. desembargador Tos-
canaBirr.to.
Do GoyanuaAppellant Jt.J> Cavalcante de
Arruta Cmara, appellada D. Hermelinda Maria
de Jess. Relator o Sr. desembargador Toscaao
Barreto. Revisores os Srs. desembargadores
Oliveira Maciel e Pires FerreiraCosfirmou-se
a seutenca, unnimemente.
Appellacoes civeis
Do RecifeAppellant Antonio de Paiva Fer-
reira, appelludod Marcelina Maria da Rocha e ou
Iros. Relator o Sr. desembargador Toscano Bar-
reto. Revisores os Srs. desembargadores Olivei-
ra .Maciel e Pires Ferreira. Foram
Foi assim, que no dia 14 do mez de Ou-
tubro, polas 7 horas da manhZ, segui S.
Exc. Rvma. acompanhado das au'.orida
des do tagar, e grande multidSo de povo,
e ao som de ama banda marcial para a
igreja do Bom Conselho.
Na frente da mesma igreja estavam to-
das as meninas do Collegio em numero de
70, vestidas de branco com a tacha azul,
grinalda de flores, formando duas alas e
tendo cada nma em suas mos ura peque-
no estandarte.
Mais adiante estavam as 12 Irmas Ter-
ceiras trujando seu habito proprio, e outras
alumnas externas, conservndose junti
porta da igreja os tres religiosos capuchi-
nhos : Frei Caetano, prefei, Frei Clemen-
te de Leonessa, capellao ds estabeleci.nen-
io e Frei Faustino deGrumes, sendo quo o
Rvd. prefeito estava de roquete e estola
para dar o aspersorio ao Ilustre visitante.
Ao entrar S. Exc. na capaila f.-z se oa-
vir o cntico -Eoce sacerdos magnus ea-
toado por algumas Btenianfl e a^ompanha
do ao som da seraphina pela hbil profes-
sora de msica do estabeleci ment D. Hsr-
raina Cabral. Fiada a orajao S. Exc.
celebrou o Santo Sacrificio da Missa, quo
tambera foi acorapanhala a cnticos, pe-
rantu numeroso concurso de fiis, servindo
da assistente8 os Rvds. conego Araguo e
padre Joao Soarcs, dando no tira a com-
raunbao'a todas a3 aluranas e Irmas da or-
dem era numero de 87.
Dcpois da missa sabio S. Exc. Rvma.
cm\procissao com as meninas at a por 11
do Hospicio dos Missinarios, 'e retiran-lo-
sa as m.-.is pSMOS para o collegio e outros
pontos, ahi ficou o"t>ridoso prelado, para
tomar modesta rtfii,ab --nom. os religosos
capu.-hinhos, os sacerdotes de sua comitiva,
as autoridades do lugar, Drs. juiz de di-
roito, juiz municipal, promotor, capitao
CordeiroeDr. Bent Cioiliano, doputido
geral.
Mais tarde o inclyio prelado cora os ca-
valhciros supra mencionados voltou para o
collegio. Ahi em um vasto corredor.cheio
do arcos e flores, destacara-se era ura dos
arcos, l-.tras de ouro o distico Ego sum
pastor bomis -e em muitos estandartes es-
tavam a3 armas da
Br.i8leira.
Ouvio o byamo da despadida f ue <
cantou ae plano, agradceu a toda 1
aluranag e louvou o zelo e ddicasla t
Ordena doa Capuchinhoa, relembraadn i
altos servigos prestados por eihi na di
Na occasi3o da bengo, aquella pequen
e csaolbido rebanho prorompeu em vivan
religiSo catholica, ao supremo paatoc la
igreja universal, ao pastor da igreja per
nambucana, a S. Magcs'ade o Imperador
e NacSo Brasileira.
Tomando a palavrn o Rovd. protesta,
Fr. Caetano do Messina, agradceu eor-
dialmeute em nome de todas as pessoaa e
collegio tio honrosa visita, e accentuaodo
sua gratido pela feliz lembranja, que -o
Sr. bispo conservava de seu finado lia,
fundador daquelle estabelecimento de ca-
ri iade, pedio que continuasse a dispenaar
sua benevolancia para com a Ordem das
Capu-liinhcs, visto serum ellos seas cjaps-
radores as santas pelejas do Senhor, proseguase tambem a proteger aquella
casa de caridade que tao bellos fructoa %t
havia produzido, e havia ainda de proia-
zir cm bonefioio da religiao c da huratai-
dade.
Por ultimo sahiram todos ac.mpmii
do a S. Exc. Rvn., que maitas vezis da>"
rante o trajecto mo3trou-se penhorado pela
bom acolhimento que teve, e muito raae
ainda por tur encontrado, no collegio im
bom Conselho, espirito religioso e adtaa-
tumento de todos aquellos conbecimentaE
que ornam o coracao da mulber e a prepa-
rara para o cumprimento de sua misaXo
sublime sobre a trra.
(Da .durora.)
O %r. Jos Mariano
QUOCSQUE TAKDBM i'ATKl.INA,
ABDTKBE PACrESTIA ROSTB !
XVI
que que na vida mate
itulher e os filho*?
A. LIBERDADE O
se presa do que ella ?
Mas o que mais presamos para os nassas
charos de que a liberJade-^-AAssimo homem
o aniaul, o que nao d, o que^n^p faz por (Una
A propna planta defiaba se lbe fah4ivre esjwee
para ezpandir-3;. ^~^^^
Nai so ut eadeia qu3 o himem est s^ns
be'dade. A que miseravel caadieco niia est m-
duzido o homem snjeito vontade e caprichos ie
oatro homem ?
desprezados
os embargor, unnimemente.
n-!^ZR?"25JiS!? r^^S. e_.B" !do' ouvio S- Exc- ^versas pegas de
sica, ex^cutadas a piano pela professora do
estabelecimento e tambara pela Exraa. es-
pos do Dr. juiz do direito, Francisco de
Castro Ra bello.
Foi nessa occasio, que urna interessan-
te meniqa de seis annos, proferio ura ele-
Lotera da provincia. Segunda-feira 13
de Dezembro, as 4 horas, so extrahir a 13 parte
da 1. lotera em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife, pelo novo plano appro-
vado.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceico dos Militares s pelo eyatema da machina Fichet.
I, oleraA 13 parte da l1 lotera da provii -
iia, em beneficio da Santa CaSa de Misericordia
do Recife, pelo aovo plano, cujo premio grande t
100:000*001 s:r extrahida no dia 13 de Dezem-
bro.
Os bilhetes garantidos acham-se venda na
Ca3a da Fortuna, ra Primeiro de Marco nuatc-
ro 23.
Tamoem acham-se veuda na Casa Feliz,
praca da Independencia ns 37 e 39.
CiranUe lotera da provinciaA 5
serie desta lotera em beneficio dos ogeuuos da
Colonia Isabel, cuj 1 premio grAnde 240:000*000,
ser extrahida no dia 9 de Dezembro.
Os bilhetes acham-se venda na Reda da Foi
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera uo BloA 2 parte da lotera
1. 3r!6, do novo plano, do premio de 100:000*000,
er extrahida no dia .. de Dezembro.
Os bilhetes acham-se 4 veuda na Casa da Fo -
.una ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda oa praca da nae-
aendeacia ns. 37 e 39.
Lotera Extraordlarla do Yplran
a O 4. e ultimo sorteio das 4. e 5. serit
desta importante lotera, oujo maior premio dt
150:000*000, ser extrahida uo dia 16 de Dezem-
bro.
Acham se expostos venda oe restos dos bi-
es na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marcr
u. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
dundencia ns. 37 e 39.
Lotera do Cear-A 8 serie da 2 lote-
ra desta provincia, cujo premio graode e.....d
2 0:019*000 ser extrahida na dia 8 de Dezem-
bro.
Os bilhotes acham-so venda na Roda da F)r-
tuaa ra Larga do Rosario n. 36.
. Lotera da rorte A 3 parte da 201 lo
cria da corte, cujo premio graode de 100:000>
ser extrahida amanba 9 de Dexembro.
Oa bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na prac da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Maladoaro PublicoForam abatidas nc
Matadouro da Cabanga 85 rezes para o consume
lo dia 8 de Dezembro.
Sendo: 67 rezes perteucentsa Oliveira Castr ,
C e 18 a diversos.
Mercado Municipal de lomO
movimento deste Mercado uo dia 7 do corrente
foi o ge quinte :
Entraran) :
34 bois pesando 5,164 kilos.
1032 kilos de peixe a 20 res 20*640
109 cargas de farinha a 200 ris 21*80 1
24 ditas de fruetas diversas a 300 rs. 7*200
3 taboleiros a 200 ris 600
25 Suinas a 200 ris 5*600
Foram occupedos :
261/2 columnas a 600 ris 15/90:-
23 compartimentos de farioha a
500 ris. 11*500
23 ditos de comida a 500 ris 11*50)
64 ditos de legumes a 400 ris 2560
16 ditos de saino a 700 ris 11*2''0
11 ditos de tressaras 8 600 ris 6*G00
10 taihos a 2* 20*000
3 ditos a 1* 3*000
A OliveiraCastroiC:
51 taihos a 1,} ris 51*000
2 taihos a 500 ris 1*000
)eve ter sido arrecadada neste di
a qaantia de
(ieodimento dos das 1 a 6 de De-
zembro
Foi arrecadado liquido at hoje
Prccos do dia :
Carne verde di 320 a 480 res o kilo.
Carneiro de 720 a 80) ris idem.
Sum. de 560 a 640 ris idem.
farinha de 320 a 4'JO *i a cuia.
Milho de 2) a 320 ris idem.
Feijao i. 560 a 64) ftlem.
215*5 :t
1:164*980
1:380*520
rce Correia, appellario Beluoiro Jos de Atnorim
K:!afor o Sr. desembargador Toscano Barrete.
Revisores os Srs. desembargadorea Oliveira M-
ciel e Pires Ferreira.Csnfirraou-se a seutenex,
naninwnwnte.
Embargos infringentes
D-' Podras diFogaEmbargantes Dr. Joaquim
Francisco Vieira de Mello e outro, embarcados
Manoel Vieira Bernardes Jnior o outros. Rela-
tar o Sr. cause, huiro Queiroz Barros Revisores
os Srs. dcBcmburgadorcs Boaione Lima e Tos-
cano Barreto.Foram desprezados os embargos
contra o voto do Sr. dosembaraador Buarque L
ma.
PASSAGEN8
Do Sr. canselheiro Queiroz Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lidia :
Appellacio civel
De S. JooAppellant o collector das 1 ondas
geraes, appeliado Joaquim Martina de Farias
Castro.
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Tojcano Barrito :
Appellacoes crimes
De G..ynnaAppellant o padre JoS) nfarq
de Souza, appeliado Antonio Vicente Pereira
Andrade.
De PitimbApp -llanto Antonio Tavares
Lima, appellada a justica.
Da Sr. desembargador Oliveira Macid ao
lesemoargador Pins Ferreira :
Appellacoes crimes
De GraranbunsAppellant Bellarmino Correia
de Moara, appellada a justica.
De Pedrns de FagoAppellant o juiz >, appel-
iado Fraucisco Jos de Vasconcellos.
Da IngaAppellant Jos Alves Barbosa So-
brinlio, sppellada a justica.
De TaquaretingaAppellaute Jos Constancio
Nem t na cadea qui falta ao hom m a n-
Santa Oe e a oa-iwc^o bordad?, nem n> o hamem eseravos de outro hn-
I mem que nao a Um.
Sentando-se era um throno D3m prepara- ; E' este ? ultimo 8rf d? ?'amento, a borrare-
1 1 smente infame condicr/ao a que pode descera
dignidade i'.umana, em tal estado de toda pee
NSo quer o hornera ser livre -coma a ave. ene
finde os ares som constrangimeofa por vontsdf
alguna; nem coma a ten ou outro ani-nal en
inviaa serras em que a nao persegue o hornera-
porque l mestno estes animaes se persegu eac
devoram uos ac3 outros, e quasi sempre sen tota
g-.nte dis urso, que muito commoveu o co-' nem "*fc"i que. quando raras res di se, Jet
rayao do animadj pastor, cuja presenta
fra logo a principio saudada com um
liymm ao som do piano.
Urna outra menina offereceu ao Sr. bis-
po ura ramalhete de flores artificiaes pre-
parado naquelle collegio, e quando chegou
a vez de beijarera, duas a duas, O sagrado I natural dignidade a libecdade, porque nao a
annel do prelado, fez e3te urna to?ant'! al-
locujao, manifestando o prazer qu? Ihe ia
dentro d'alma por ver-se em urna casa fun-
ila.'a por aquelle que elb tanto 03timava e
respeitava, e que sendo dirigida por in-
da ser singular.
Quem invejaria, pois. esta liberdade d->s cainsM.
das selvas dos fres, cm que assustados seasare
u.is das outros vivem todos os animaos ?
A liberdade, estatu grande en>stesmunio3ee-
dentaet, a maieor questao desde que Jess Christo
(a q'iem ockiam tanto os pensadores livres, os ns-
sitiviti-.s) ni-.-elania as clusses, levantou o han
es cansaveis cooperadores do glories) aposto-1,
^e lo desta diocese, mereca as suas mais vi- pr
toJo o homem e a nao tem inteira ? Porque os he-
mens de toibs as classes que a tem menor oc
quns n nhum, t.:uto se esforcam pira alean-
cal-a, i' muitas vezea tanto pad cem por testar
havcl a ?
Tel a toda iutei'a, seria ninguem ser livre. 4e-
v ;m limbrar-S'1 todos s-mpre disto que cada ar
s-;be. Seria o mais faite ter o mais fraeo sen-
de
pro sob o seu j go.
va* attencSes. E qu>m seria o fraca e qnem o f.>rte ?
epois deste acto teve o Sr. bipo oeea- U v"oedjr Pela., ff emum momento, cahitU
1 F .1 i-c r m en pouco aa ariil do mai3 fransino. de ana
Br. -siao de peieorrer todo o eufa 10, e ficou j crPlnC:i Csp?rt*.
admirado por encontrar naquellas alturas] Vcio lei restringir o livre arbitrio e rneik,
urna casa tilo bem edificada, grande e bem ; e dizer a liberdade da homem, e os horneas vieran
dirigida.
Com estas bellas irapress(5;s retirou-so
S. Exc. para a casa de sua residencia
con a illustre comitiva que o acompa
nhava.
de Mello,"appellada a justica. No sabbado. 16 do raesmo mez, pelas 5
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr. I noraR fja tarde, voltou o Sr. bispo para o
desembargador Monteiro de Andrade:
Embargos 1nfr1.1g.ntes f ,
De MaceiEmbargante a extincta firma cem tendades do lugar, sendo no1 rae 10 do ca
mercial Silva Lco & C, embargados os herdei- minho recebido pelos religiosos capuchi-
ros de Manoel Antonio Supardo.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. conselhero promotor da jus-
tica :
Appellacao crime
De GarauhansAppellatte o iuizo, appeliado
Jos Paulino da Silva.
Com vista s partes :
Appellacao commercial
Da RecifeAppellant Joao Il.Imeo, appellados
Casemiro Fernandes & C.
distribuicOes
Aggravos de peticio
Ao Sr. conselheiro Araujo Jorge :
Do comm rcio do ReciteAggravante Manosl
Paulino da Cuuha Gauveia, aggravados Cardozo
& Irmao.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Do RecifeAggravante Thomaz Holmes, ag-
gravado o juizo do cammercio.
5 Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
' Do commercio da RecifeAggravante Leopol-
do Jos Felippe Santisgo, aggravado Jos de Oli-
veira Castro.
Recursos crimes
Ao.Sr. desembargador Alves Ribeiro :
De" Alagis Kecorrente Lucio Joaquim de
Araujo, recorrido o juiso.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barro3 :
De Tiuobu^a Kecorrente o subdelegado Joa-
quim de Albuquorque Andrade loima, recorrido o
juizo.
Enccrrou- so a sessSo meia hora depoia do ineio
dia.
nhos.
Entrando
no collegio, seguio directa-
a givernar s, a fazerea-ss reciprocamente asna
accao dentro da espbera oa faculdade definida oc
prescripta pela lei.
lato fra desde o principio. Mas se ahberiaie
do homem nao estava a merc do ardil do maia
esp rto oa do braco mais forte, as classes se aa-
parnram, e l bomens das mais fortes fizeraai-ee
senhores das culras. E 03 vencedores deraa x
leas vencidos. E constituio-se a servidas4b
homem d-sde cnta) al hoje, nao obstante a paixie
e a dontrina de Christo, em varia iissim grao.
Se lei dos senhores e o habito da servilisine p^e.
impatencia contra o forte jugo, resignou o hornesc
c-'ndieQ.io do servo, o instincto da liberdas!e
nunca deixou de revelar por suas revoltas test-
c aos ilotas dos diversa*
mente para o jardim, que se achava linda- ^?'U: s 1aeA.n03 Parits
paizee, e diversos tempes nao se tinbam ext
O Mr. bispo no collegio do Bom
< ouselho cm] Papacaca
De urna pessoa que se acha nesta eida-
de, colhemos algumas iafonuayoes sobre a
visita quo nosso amado bpo fez ao Colle-
gii> do Bom Conselho quando ltimamente
esteve em Papacaca, e julgamos til tra-
r,el-as luz da publie:dade.
R-etirando se, diz o informante, da mis-
'll-o, que acabava de dar, o Rvd. padre
prateit) da p^nha Frei Caetano de Messi-
na, juntamente com seu esmpanheiro Frei
F.mstino de Grumes era S. Jos da Lig<\
as Alag 18, seguio carainho para Papaca
5a (nesta provincia de Pernambu-o) onde
se achava era visita pastoral o Exn. Sr.
bispo diocesano D. Jos Pereira da Silva
Barras.
Immcdiatiraeute, aps ach"gada, o Rvd.
Frei Caetano convidou ao Exra. Prelado
para visitar o Collehio de Nosa Senhora
do Bora Conselho, fundado pelo seu finado
to Frei Caetano da Mesaina, da anulosa
memoria, e diiigidopor doze Irmas Torce-
ras, sendo director actu-ilmcnto daquelle
estabeleciiueiit) o Rvd. Frei Clemcnt! de
Lionessa, sob a imraediata iospeccSo do
Rvi. padre prefeito dos miseionario capu-
chihos desta diocese.
Da boa vontade aco'.heu S. Exc. Rvn.a.
o convite, mostrando vivo desejo de, visitar
csse importante estabelecimento, vanaaja-
mente decorado com arcos e flores. g(|jda 0
Ahi depcis de ter tomado ass;nto, dep>is mana,
de ter conversado cora as alumnas, a pedi-
do do Rvd. prefeito, comecou a examinar
as ineuinas sobre os principios du nossa
religiao, passando depois a dirigir-lhes
perguntas sobre nojSss de historia patria,
sobre costuraes de religiao e posigao do
Brazil, sobre nogSes de geogrtphia geral,
e vendo que ora tudo as meninas respon
diam com certa franquez, adiantamento e
s- ntim utos da dignidade ns
desambaraco, raostrou se suramamente sa-
tisfeito p;la educar^ao, que orphaos pobres
e desvalidas all recebiam com tanto pro-
veito, e para patentear mais vivamente sua
satisfacjSo distribuio alguns presentes s
mesmas meninas.
No dia 17, aioiaS. Ex;. Rvma. cele-
brou a missa e deu a communhao ao pes-
saal do collegio.
Houve depois urna missa ca-.tada p?los
tres religiosos e assistida por S. Exc. a
raeio pontifical. Estavam presentes o Rvd.
conego AragSo e padre Cicero, vigario de
Agua-Branca, pregando ao Evangelho o
Rvd. padre,Moura, que discorrendo sobre
a opportunidade da visita pela primeira
vez naquella villa e igreja, teve occasiilo
de elogiar a benemrita ordera dos Capu-
chinhos, pdos relevantes aorvicos que tcm
prestado e continua a prestar dioceae.
Depois da mis3a, cuja musi-ia fra con
fiada s alumnas sob a direerjao da res
pectiva professora, deu S- Exj. Re Ima. a
b^nyo com o Santissimo Sacramento que
se achava solemnemente exposto.
Em acto continuo tevo lugar a adminis-
tracao do Cbrisma, voltando depois S.
Exc. para o Hospicio dos religiosos.
Ahi por occasijo do almorz, onde troca
ram-se alguns brindes, o Rvd. prefeito em
nome das orphSs agradceu ao principa da
reja pernambucana a honra da visita que
bavta feito, e concluio padindo que si dig-
nasse a continuar na protcejao ao collegio
do Bom Conselho.
Na vespera do dia em que o Exra. Sr.
D. Jos devia concluir sua visita pastoral
na villa de Papaoaca, quiz dar o a leus da
despedida aquella estabelecimento de cari-
dade, que muito deve heneficeneia do
goverco provincial, e mais ainda abne
gayao, zelo e desinteresse dos religiosos
eapuchinho que se acliam frente de
sia direccao.
Entretanto o amado pastor no collegio,
seatou-se em aua cadeira epis:opal rodea-
do de todas aa*BJOiaa8, do petsoi do
colegio e da autoridades do lugar.
m E
Por mais horrivel quefiisse a esersvido anttga
e ainda U no oriente onde a douti ina outrs,
nada tao monstruoso como esse resto della, iste,
daquella mais dura u infame, que ain la existe entre
povo chrislo.
Nao sao horneas Dizia a nobre (patricia)
romana dos eseravos que a acompanhavam e en
cuja presenea entrava nua ao banho Nao san
hamena estes entes objetos fritos para o ser-
vico dos horneas Mas entre nos, eutre os christasa,-
somos todos irmSos ; esujeitou-se o hamem ao pe-
der o ho re'.ho dos irmaos.
NSo porm s esta desrresada classe que pa-
dece do arbitrio do mai forte pelo cargo qe a
lei constituio para proteccaa de tolos, ou parontro
poder qualquer.
Em toda a parte vieram os homens e, olkaaic
para o solo, disseram, cada um por sua vez, desig-
nando um ponto : Esta trra minha,
Nio sao, porm, 03 seus donos que cultivan a
tenas; sao os desherdados d'ellss, em proveis
dos senhores das fl restas, das frutes, das ansas.
O capital em dinheiro e outros instrumentos e
solo dao se as raaos e portanto a lei ; e o reste c
povo, hoje chamado livre na Europa e Amenes,
recebe a lei e o jugo mais ou menos doce ou dnro,
embira concorram com os seus suffragios para c
poder que constitue as leis e as executa, em amas
partes por mais numeroso corpo, n'outras por mase
limit -.11 numero de cleitores.
Se nao f ssem os vicios na educaca des caseos
pelas antigs praticas, tado homem maior dever
ter igual direito govcmaoe,* de estado por seo
concurso na escolha dos seus agentes; e tedos ee
goveruantcs poderiam ser de eleicao na opaiCc
de mis: outros, porm, entendem o contrario. Ta-
do isto quer dizer que uns quercYn que a povo te-
nha mais lih.-rdade e outros o julgam j con li-
berdade de mais.
Os d'esto partido querem mais arbitrio para e
nutoridade, e os do outro bradando contra esa
pratica e sus abusos, so esforcam para connegste
em favor da inultido instituido.s mais livres. O*
hom. ns de sentiuientos mais generosas eon as
multi;io_'3, se cellocaiD n'este partido, que par sato
se chama liberal; os que so diz.-m mais prudentes
e temem os arraacos ila anarcbn, coocaio se, d-
zindo-se defensores Ja oidem, sem a qual nio ka
liberdade, uo outro partido a que chamsm conser-
vador, e entre nos ji foi de antiga cu-cundame.
Cima ha horneas de cr- ncas do um e do entes
partid", ha tambem os velhacs de cada um (fal-
les; uns quer em nome da lberda le, outros tae
em nome da ordem, f iz m d'estes nomes, useios,
iustrumintos de sua ambicSo.
A ordem nao mave as massas, n3o as arrastx
acs grandesempreendimentos.no abre oa as rnut-
tid s os caininhos conquista das institaicSer,
aogarre'.e dos abusos e da eruelia es e das tar-
pi zas dos despotismos com qie em sen uome ae
ligelrn e corrompe as naco.'s : a ordem 11S0 der-
roca as bastilhae, nem levanta as instituiceea
sobre os principios do direito do honem, emnora.
com o sacrificio do r;os de 6angu-. ; ao contrari
levanta as u>.co a pan conservar umpivoqun ar-
ranca c utra a torpetude de ttfS *
das eiaesea privilegiadas.
Sua missa, c >u.o o diz sen^^H 'var
e muitas reze3 pira isto r n
partilo carcunda, boje eo.-iserHB^rfP ci
regressi.it 1, parqu com effjito qu
1
i
r
[



.-^'. -,-- -
> de PerDambuco(luarta-feira 8 de Dezcmbro de

as instituicoea derrocadas, eliminando, como de- i A's 11 horas da manhi de domincro 12 d
ooii fiera, algumaii dan mais livres. Sua arma, reate, com a preaene, do Exin. e Revm. Sr. bispo
diocesano, Exms. presidente da provincia, qpm-
mandante das arma), Dr. chafe de polica, outras
autoridades civil e militares e distinctoa eavalhei-
ros qne se achato convidado*, ser celebrada no
altar da padroeira, no salSo de honra do estabe-
I cimento urna missa em honra a raeama Senhora,
pelo Revm. secretario do bispado padie Dr. Jos
Alfonso de Lima e S.
Em seguida a esse acto entrar a sesso magna,
t jcando nessa occasio a banda do corpo de poli-
ca o hymno s artes, obsequiosamente escripto
para a soleinnidade.
Declarada aborta a sesso, sera dada a palavra
ao orador da casa que far o histrico de todo o
raovimento do lyceu de artes e officios no corren -
te anno, cabendo em seguida a palavra aos de-
mais oradores e representante das associacoes
convidadas na ordem da iuscripclo.
Terminada a sesso litteraria, ser inaugurado
o museu de artes e aberta a 6a exposco de pro-
ductos artsticos e industriaes.
Tocars durante o acto, alin da mencionada
banda do corpo do polica as do 2 e 11 batalho
de lufantaria.
lodo o edificio acba-se galbarda e primorosa-
mente decorado, sendo o principal salo da expo-
aico Iluminado a luz eleetrica e achar-se-ha
franqueado ao publico durante a solemnidade,
tarde e a noite e as seguintes, mediante urna re-
tribuico qualquT em beneficio da iastituico.
A directora t-.-m euvidado todos os eaforcos a
seu alcance para que a solemnidade, exposco e
museu offjr eau> intorease o d(jspjrteT) a curiosi-
dade do publica pela sua importancia e pelos be-
neficios e incremento que podem trazer a classe
dos artistas e particularmsnte ao deseavolvmento
das artes entre nos.
A directora confia e espera que todas as auto-
ridades, associae 'S e cavalheiros convidados se
dignen) de bonrar esaa feata das artes e do pro-
gresso, comparecen lo e animando a com as suas
prescncs e antecipa desde j os seus mais since-
ros agradecimentos por semelbante honra.
A directora convida timbera a todos os incm-
bros da associaco, cm telas as tuas categoras,
paa tjmarom parte no acto.
Outroim, pele a todas as passoas qne tcm de
expr productos para figurarem na exposico o
obsequis de remetieren) nos at as 6 horas da Ur-
da do dia 11. / a
Secretaria da Imperial Sjeiedade dos Artistas
Mecbajsiens e Liberaes, 7 de Dezembro de 1SSG.
.x O secretario,
Jos Castor.
A fos Bonifacio
Sahio vivo da vida ; pois vibrando
Seu verbo desluiobroso a Patria o tcm
N'alina, a saudar o dia que l vem
Cun a Eap'iranca a noite lluminaodo.
A. Liberdade o vio passar cantando
E ergueu-lhc um viva, um cintico tamb'-m.
Sou teu irrao. Apostlo do B m -
Respendej Ihe, ao escravo abincoaudo.
Nao, nao morrou : nao tii.-b i a Marte aeco,
N m poler de apagar aquelle sol,
Da Liberdade polo de attracco.
Sua alma, di Verdad.' no ciysol,
rtlamp"javaF escravidao
Com isiif brilho que as luzes do arrebol.
Palla Barros.
(Do Rio de Janeiro).
a, nao a attitude imponente da multiddes,
nem os seus arrancos heroicos ou furiosos; o
> militar raoveodo o sabr, o fuzil e o canbi'.
D'antes nunca descera praca publica; depois
que o povo nio foi mais a canalha para ella, mui-
tas voies se atira disputando o tnumpho aos libe-
raes; mas os seus ouvintes do paito ama pleia
ie de convenci acercada de alguns clientes. A
massa popular que l se oneontra, nao sn. Es-
li como em observacao dos planos e tatca de
xm ioimigo; e nao obstante os conservadores al-
guma* vesos levam de vencida os liberaes, ora
quando as classes meaos pobres temem os seus
avances, como ltimamente na Inglaterra, ora
jomo entro nos, quando nao havendo mais queato
de ideas entre os partidos, os nao contemplados
na mesa do banquete da naci, procurara o outro
pai tido para Ibes saciar a ambicio de tolo o ge
aero, mais ou menos alta, ou acudir com um p: ta-
jo de pi ao famlico estomago.
Mas ha umita gente cujos livres sentimentos sao
em grao tio alto e nio s as medias, baizas,
como as altas claases, que se preudem ao partido
liberal t'o dedicados, que nio Ibes inquirem por
aeu3 Titos bous ou mi s, j nio digo pira re ie-
gal-o neste caao, que nio Si-riaiato motivo para
tant mas nem ra^am i para critical-oi on oppor-
lhe a menor resistencia a seu* dosra indos anda os
uns perniciosos. E' o que d razio de ser aoside-
inago^os, o que anima a sua auda :ia, o principio
om que elle asseuta tolo o plano de sua ambicio
de fortuna e po 1er.
Liberdade. liberal, noss partido, sao pila-
vras de magia to fascinantes que vibratn as cor-
* das de todos os coracoes dos hoincns de sentimen-
tos livres, assim os mais atilidos como os mais
ignaros, s ao ouvil as.
Aquelle que mia repete estas ezpresaoos, bra-
dando b^m alto que pela liberdade, pelo povo a
que seu coracio portenco, o mais amado dis tur-
bas, de todo o homem de sentimentos livres em
maior grao, tocados da tempera do odio contra os
homeus da ordem
O demagogo sabe disto, conhece p- rfeitam "nte o
sublime" destes sentimentos do quj seu coracio
nio participa um ceitil, conhece o fraeo destes
aentimmtoj, e quando dlecega e cegas condjz as
almas mais generosas a ;s:u- fina, para o paiz,
Sara todos, para o proprio part lo a que d; sacri-
car se, sempre nefastos, tu mos para si quitn
"do logra escapar se s catastroplies que se nio
i' n regrn..0J ;smtga, muitas vezes depois das des
*r cas que patria trouie tudo sem miis reme-
dio.
Mas o demagogo e ebria, e quanlo chogam as
desgracas a que elle couduz a pitria, sempre .ty
rinnia se elle chega a ecus hns, o arrepcndimnto
dos que se fizeran seus degros tardo. .Has
entio a liberdade de que sao aposto'os ai almas
generosas qne formam o seu sequito, j a identifi-
cara ou a personalisam no seu hroe ; e justificado
desde o principie por seus sequazes, nao sio cm
grande maioria os arrepeniilo9,poia anda Ihe res
tam muitos para serem os instrumentos de su ty
rannia e suas viugancas, sempre em nome da li-
berdade, que justifica tudo.
Ah .' liberladr, s como a cruz : tens os teus
grandes apo3tolos, os teus grandes martyres, cujo
gojo s sabem encontrar nos sacrificios com que
servem patria, coro que t; servem, Densa que-
rida, san? t liberdade, ditada por Deus ao homem,
resgatada por sea Chriato de tod s as torpez ,s das
distin:coes das claaaes do pigaoismo. Tena teus
grand.s apostlos, tais grand;s martyre3, como
tens os teui bypo^ritas, que s penaain no sicri-
ticio para com sagacidade evital-o, que ( peu'um
em ti para gosar te s, com exclusio de todos, de
[uemplaneja fazer-se senhor.
E's como a cruz, como a verdade ebristi, com
seus grandes, immensos e innumeraveis apostlos,
unios sacrificios slo os maiores martyiios que em
infindas paginas, se deacrevem como teicm os seus
hypocritas que em nome de Cbriato e con a sua
imagem em punho, encbtram o mundo de horrores
de que anda faz sentir caafrios a geracio pre-
sente, com os negros e cacuros ergastulos, com as
horrorosas torturas e as fogueiras da in^uisici).
Como os hypocritas da cruz, ti* os hypo^ntas
da lib'rdade.
Aquees teem o seu typo nos jesajtas, estes sio
todos os demagogos.
Ambos se odeiam porque ambos querem a do-
minacio do povo para sua grandeza e pod r.
Ambos anda odeiam outra cousa : os priinci-
ros a toda a liberdade a mais pura e b m medida ;
os outros nrsta epoclia, entre nos, a todo o culto
ohristio, a todo o culto, a tudo que a Deas perten-
ce, em que nao ci, como em cousa alguma, s nao
nos meios conducentes a sua ambicio.
Contianemos a eatudar o nesso hroe e veremos
se nio achamos tudo isto, o demagogo nelle.
R-cife, 5 de Dezembro de 1886.
Affomo de Ahuquerque Mello.
de Rodrigues, Santos & C, residentes na Babia e
nio tari o mesmo com o Thesouro porque o te -
nente Luna pagar asfavas que oA'NO PRE-
TOcomer. O Dr. Jeronvmo Materno Peroira de
Carvalbo se acha incumbido, segundo nos consta,
por parte da Luna para requerer a desistencia de
tal fiauca.
Aguardemos nltimos resultad >s ..
Bom-Conselho, 30 da Novembro de 1886.
Mario.
A quem nteressar possa
Germano Brazilno Emery, declara muito ter-
minantemente a quem nteressar possa qne, as
trras do sea engenbo Ressurroicio, demarcam
pul i lado i'o norte com a parte do engenho Ra
chao que foi comprada p.lo fallecido Jos Affon
so Ferreira, a um dos herdeiros da sesmaria a que
boje cbamam Macelo ; e por tanto protesta con-
tra nio ter sido ouvido nem citado para a demar-
oacio que ltimamente pretenderam faser de dita
sesma, ia, contra u qual nada tinha alias que al
legar ; sendo que lhe consta que para dita pre-
tendida deinireaci) pelo lado suido engenbo
R acbo, s foi citado Miguel Attbnso Ferreira,
a menos que o official nio tenha pasando certidio
falsa : e quando anda tinba de ser citado seu
irmio, com quem elle demarca anda pelo la-
tente, e nio com trras do engenho Iropreosa, que
nio o foi tambem. '
Portanto faz bem claro este seu protesto de
bem fazer valer o seu direito, poia que, as trras
de compra ao fallecido coboclo Caetaoo Alvos
tambem feita pelo fillecido Jos Affonso, e em
que rdifieau o engenho Uiachi, aumente pegam
segundo a cs-iiptura de compra, da barra do
do RiachoRiachio, do rio Pirangi-aea, abiixo,
meia legua at encontrar se com trras do tam-
bem fallecido coronel Antonio Ftijde Mello; (em
cujo rumo, o fallecido engenheiro inglez Guilbcr-
ine, em vez de 1,200 bracas como devia ser, aebou
1,185; e cuja birra est frra nuito di llrente
ponto de latitude e longitu Je do rumo da sesma-
ra Jatob onde pretendem chegir os interessados
do engeuho Imprensa.
Palmares, 30 do Novembro de 1886.
Por procurajio de Germano Brasilino Emery,
J. A. Emery.
Imperial soeledade dos Artistas
Mechanlcos e Liberaes
Programma da fiesta do 45 anniversario de sua
fundacio, 6' da aatallacio d lycen de artes e
officios, abertura da ezpoeicio artistico-indus
trial e inauguradlo do mustu attistico..

COMMERCIO
ii.a coinuierclal de Pernam-
l>uco
SECIFE, -7 DE DEZEMBRO \>E 18S-.
Ab tres Loras da tarde
Cambio sobre Londres. J d|V. 22 9(16 e do banco
22 5,16 d. por l>00o, hontem.
Cambio sobre Paria, 3 d[V. 430 rs. o franco, do
banco, hontem.
'-oatoe* offiaet
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Carnudo C. G. Alcoforado.
l'arn H. Exc. o Sr. presidente Ja pro-
vincia er e o nim. tir. commenda
dor i a !<< i o r da Tttcsonrarla de
Facen da.
O tenonte J;s Fernandos Tenorii Luna, ilu-
dido em sua boa fe, leve a infelicidade de asi-
gnar urna fiauca perante a Tbesouiaria de Fa-
zonda desta provincia, em favor do Francisco An-
tonio Tavares, actual collector das rendas geraes
deste municipio, mas, informado e convencido do
mo estado de fortum de T.ivar.'s, procura reti-
rar a alludida tim.-i para evitar maior prejuizo,
visto como o dito Tavares, dentro do ulti mo se-
mestre do anno fiuanceiro fiudo, recebera na The-
souraria de Fazenda cerca de um cont p qui-
uhentos mil res mais ou menos em estampi'h >s e
toda osfa importancia negociou a tro:o de fzcn-
das com Martins c Ridrigu s, residente na ci-
dade do Peo 'dj na provincia das Alaga is ; d*s
reipeitaudo d st'aite o que a le expressamente
(.r hibe de se negociar com diuhclros da ncelo.
Constan lo, porm, a Francisco Tavares, que seu
fiador, procurava acabar com ossa malfadada fian-
za, coroprou, paraINGLEZ VER-'uma casa de
taipa a Trajaao Jos de G.-s, e trata de fazer al-
gunsconcertos afin de offerecer oPREDIO
MODELO p ira garautia de sua fian?-.. Nio acre-
ditamis que o irovemo appzar daELEVADA
r-Olf'O POLTICA- de Tavares, cons>nta
neste escndalo sem nome ; easc Tavaros o mes-
mo que teve a habilidada de deizar cantaudo
serena estrellaa importante firma coramercial
nomanza
( Brancois Copeck. )
><0 L'amcur ? Q i'est-ce que c'est ?
F. Coppte.
Qu.n-do pens em sua frorte,
Porque minh'alma suspira ?
Porque sentida, eh irosa,
Gome, canta;imfim delira ?
E' que,nao sei porque,Cosetta
Nao qus aeccitar ... rosa.
Recifo.
C. M. M -M. M. J.
Ver os lacos desatados
Urna nao a despedir...
Dius amigos abracados
Un ficar, outro partir.
Sexta-fcira, 3 do Dezembro.
E ao ver o teu r.sto all
( O que sio cousas do mundo) !
Cuidei logo que ama estrella
Tivesse cabido ao fun lo.
10526 de Dosembro de 86.
Porque meu corpo definha ?
1865-18851886.
Francisco .Crsi.
0 Sr. taGUnl Leonel Jos Ha Rosa
Ao publico e a aatorldadew. csjpe-
clalmente ao* Sr*. presidente da
provincia e mlnlslro da jaatic*.
Hontem ama e meia hora da ta de o Sr. ba-
charel Leonel Jos da Rosa, tentou haver por
forca, um movel qne lhe nio pertencia, para con
seguir o que, invadi armado e acompanhado de
oito carregadores, casa do negociante Sr. Jos
Antonio Perira.
Como a senhora e urna irmi do Sr. Jos Anfo
nio Pereira se recusassem a dar o movel, cuja
posse o 8r, Leonel pretenda, este gredio as vio-
lentamente, ferindo urna dolas na face. Aos gri-
tos de soccorro das pessoas smeacadas, fugio o
assa'iante, protestando eommetter novas aggres
aoes sendo immediatamente da 'a queixa autori-
dade policial.
Fazemos esta publicacio, chamando especial
mente para o facto a attencio dos Exms. Srs.
presidente da provincia e ministro da justica.
afim de que a nossa magistratura nio venha mais
tarde a manchar se. contando entre seus men-
bros o Sr. Leonel Jos da Rosa, cujos destinos
numerosos e dignos da mais severa punicio. re-
clamara greves medidas de repressio.
R;cife, 7 de Novembro de 1886.
Jo" Antonio Pereira.
(jira ti da o
r"p- iT?ron
^KNDlMENla PBLICOS
41 -.i de Dezembro de 1886
ALFANDEGA
. Ia6 178.1484600
i--ti di 7 40:678.022 i
MMOk PBOVaC!4t
Del a6
:dem ce 8
30.43552l
5:43Y4384
'OCK'IMOOKIA!) 1 a 6
.-ni de 7
'SSOLIDO IBOHUCIAL
dem de 7
-ua.6
ir i'kaywqx 'o t a 6
'dem d.- 7
218:826^622
35:8721905
2:69. 527
8.638.771
1.3824142
10:020*913
7:983*092
780.903
8:7634995
2:1204626
27743o6
2:397/92
Vianna < C, 2 a Oito Bohres Successor, 2 a II.
Nusch & C, 1 o.dem, 3 a G. Ltport & C.
Manteiga 2. caixas a Charles P.uyn & O,
Masas alimenticas 3 caixas ordem, 5 a It.ua
& Quriroz
Ornamentos para igreja 2 caixis ao bispo de
Olinda.
Objectos para escriptorio, papel e livros 4 cai-
itl a Jos Nogueira de Souza.
Papel 6 canas a G. Laport & C 2 a Francisco
Mannel da Silva & C, dito de embrulho 50 fardos
a Joio Fernn les de Almrida, 60 a Souza Basto
Amerim & C. 75 ao consignatario.
Qaeijos 20 caixas a C. Pluya & C.
Roupa 1 ca xa a Fonseca Iimio.
S da 1 caixa a Thco. Just.
Vinagre 2 caias a Joio Cb.-istiani i C.
Vinho 1 barril a W. R bilhard, { orl-m. 1 a
W. Hood, 1 a Ramos A C, 2 a li:rnet & C, 1 i
Prente Vianna & C, 5 caixas a Joio Christiani
& C, 50 a Paulino O.iveira M-.ia, 4 ordem.
Vidros 1 caixa a H. Nuscb.
A' ralnba de Helicn a Esnin.
Sra. D. Hara Amelia tueiroz em
straia memoria do d'a 5 de !<
siembro de ISSO na cldade dclil
mooiro.
Das Glacis a mais sublime
Preciar inni da memoria,
Em toscos versos decanta
Mioha lyia merencoria.'
( Do inculto autor infra.)
Btm saudoso e triste o insulso vate
Do ti, rainba, despedir-ss vem !
El'e, qu'a a servs nunca so ouro abate
De curvar se ao Genio orgnlho tem !
Rutila estrella, do Parnaso a deusa,
Rival emrita do Tasso e Dante,
De inim recebe, soberana alteza.
Os votos d'nlma a sorrir instante !..
P. d'Alho, Dezembro de 1886.
Joaquim Elias de Albuquerque Reg Barros.
DESPACHOS DE IMPORTAgO
Vapor francez ironde, entrado dos portos da
i-uropa no dia 4 do corrente e consignado a A.
i.-ibille, manifestou :
Ameixas 9 caizaa a Rosa fz. Queiros, 9 a Car-
vilho & C, 7 a Gnimiri.>s Rocha & C.
Artigos de moda 1 eaixt a N Maia t C.
Azeite de oliveira 15 caixia a Rosa t Quoroz
1 a W. Hood.
Batatas 50 m^ias caixas a Joio F. de Almcida,
5 ) a Risa & Queiros.
i'ognac 16 caixas a Solzer K lufi'manu & C, 2
N Jcio Christiani & C.
Chapeos 1 caixao aos meamos.
Cbampanba 2 caixas i ordem. _
O nservas 5 caixas a Ramos & v, 10 a Paulino
da Oliveira Maia. a Carvalbo 4 C
Fructas 2 gigos a G. L ip >f; C.'
Impressos 1 caixa a Sulzer KaufFminn & C, 1
u i rdem.
Joias 2 caixas a Eugenio G >etiohel, 1 a A_-
) R'gO & C, 1 a .1 >seph Krauso & C.
Ladrilh i 10 caixas a Launudo de Moracs P-
as 1 cauta a ordem.
Vapor francez Ville de Vacei, entrado d> Ha-
vre e Lisboa no da 6 do corrente e consiguado a
Augusto F. de Oliveira & C, manifeston :
Carga do Havre
Alvaiade 10 barricas a Rouquayrol Freres.
Amostras 7 v luinea a diversos.
Batatas 200 caixas a R isa & Queiroz, 100 a
Paiva Valente k C, 100 a Silva Gnimari-is & O .
100 a Augusto Labille, 75 e 50 gigos ordam, 25
e 10U ditos a H Nusch i, C.
Crystaes 1 caixa a Solazar & C.
Campeche 2 birrcas a Antonio Jos Maia
& C.
Chapeos 1 caixi aos mesmos, 1 a Carvalbo Ir
mi > & C.
Conservas 12 caixas a Guimaries Ricba t C ,
5 a Ramos & C.
C'Tvi-ja 9 caixas C Pluyu & C, 10 barricas
ordem.
Ca'cado 1 caixio a A Fornandes, 1 a Albino
Cruz & C, 1 a Manoel de Barros Cavalcante, 4 a
Xunos Fonseca 4 C, 3 a Thomaz de Carvalbo &
C, 2 ordem, 1 a F. Ramos da Silva & C.
Couros 1 caix i a Braga 3c S, 1 a Antonio Jos
Maia & C., dito e calcado 4 caioes a Ferreira
Barbosa & C.
-5 Doces 1 caixa a C. Pluyn C.
Drogas 3 volumes a Paria S brinho 4 C, 23 a
F Manoel da Silva Si C, 2 a J. C. L vy & C, 5
a F rreira Irmi-, 10 a Rouqua}rol Freres, 2 or
dem.
Espelhos 2 caixas a A. D. Carneiro Vianna.
Fusis 1 caixa a Silva Alvos.
Ferrag'ns 11 volumes a Miranda & Souza. i
Grvalas 1 caixa a Nunes Fonseca Sr. C
Livros e objectos para typograpbia 13 volumes
a G. Laport & C.
Manteiga 55 barra a 95 meios ditos ordem,
15 e 20 a Guinnr&s t Porman, 70 e 70 a Paiva
Valente t C. 10 o 20 a H. Nueach & C, 90 e 135
A. Labille, 30 e 40 aj. H. de Carvalho, 50 e 10J
a Saares de Amual Irmios, 20 e 30 a Ferreira
Rodrigues t C, 15 eOa Jos de Mazado, 20 e
40 a Fernandos & Irmi'o, 25 e 25 a Joio Fernan-
dos de Alineida, 30 e 39 a Souza Basto, Ainorim
& C, 10 barris a Joio F. da Cata, 18 caixas
ordem, 14 a Joio F. de Aimeida, 9 n Paiva Va
lente < C, 12 a Scuza Basto, Amorim & C, 8 a
Otto B< hres Successor.
Merendonas diversas 1 volme a A D. Carnei-
ro Vianna, 5 a F. L.uria t C-, 4 a Eugenio 4
Vieira, 4 a Prente Vianna t C 3" a H uescb
t C, 6 a Oliveira Basto & C, 18 ordem, 1 a
N'etto Campo t C, 6 a Martina Vicgas 4 C., 2 a
A. Raphel, 1 a Samuel P. Johnston dt O 1 a E.
icadoms div-rsas l caixa a Manoel da Cu- Q q^ 2 a J. M. Guimsries, 1 a Medeiros &
^aldanba, 1 a M.uwl 1 C, la Prente' Cj 6 e Dtutiok 4 C., 2 a W. Ha lday t
C, 2 a Guimaries Cardse, 3 a Maia dobrinho 4
C, 1 a Silva 4 Uvaro, 2 a Gomes de Mattos Ir-
mios, 1 a Otto Bohres Successor, 4 a Salazar 4
C, 2 a Ant.ni- Jo^ de Azevelo, 1 a F. Petro-
celli 4 Irmi i, 2 a Ferreira Guimaries t C, 3 a
Manoel V. Nevos, 1 a Jos Ferreira, 1 a H. Baile
4C, 4 a Guim.riee Irmios 4 C-, 1 a C. Tran-
(atlantescb.
Mortadela e mantenga 4 caixas a Carvalho 4
Companhia.
Movis 4 caixes a A- D. Carneiro Vianna.
Materiaes para engeuho central 7 volumes e pe-
cas a A. Labille.
Mascaras 2 caixas a Joaquim Bornarlo dos
Res 4 C.
Productos cbiuiicos 5 volumes a Antonio Jos
Maia 4 C.
Pianos 4 caixes a V. Prealo, 3 a H. Vojely.
Papel 1 caixa a Sodr da Motta 4 Filno, 1
O.iveira Basto & C, 1 a Manoel Cardoso Ayre?,
2 a Gomes de Mattos Irmios. Dito para mpres-
cio 4 fardos a Guimaries t Pcrnnan, 2 ordem.
Perfumara 2 caixas a Manoel joaquim Ribeiro,
2 a F. Lauria t C
Q leijo 1 tina a P. de Oliveira Mais, 1 a Jos
Joaquim Alvos 4 C, 50 caixas a Saundres Bro-
thers 4 C, 60 a Domingos Cruz 4 C, 30 a Jos
Joaquim Ufes 4 C, 33 a Fernondes t Irmio, 30
a Scuza Basto, AaioHm 4 C, 20 a Antonio Jos
Soares \ C, 15 a F. G. de Aranjo, 11 a D. F. dr,
Silva 4 C, 15 a Paiva Valente 4 C, lia Carva-
lho & C, 25 a Otti Bohres Su-cessor, 137 or
d ai .
Trcidos diversos 1 vuluuoe a A. Vieira 4 C, 21
ordem, 3 a J. Bastos, 1 a Ferreira t C, 2 a H.
Burle 4 C., 8 a L. A. Sequeira, 1 a Machado t
Pereira, 1 a F. G. do Amara I 4 C., 1 a A. C. de
Vas oocellos, 1 a D. P. Wild 4 C, 1 a Couto San-
tos 4 C-, 15 a Bernet 4 C, la F. de Azevedo
Companhia.
Vidros 18 volumes a F. Manoel da Silva t C ,
6 ordem, lia Rouquayrol Freres.
Velas 7 caixas a Rasa 4 (ueiroz, 25 ordem.
Viuho 4 caixas a Rouquayrol Freres.
Vermouth 10 caixas a C. Fluya 4 C.
Carga de Lisboa
Amendoas 10/2 barricas a Fraucs:o Ribeiro
Pinto Guimaries C.
Aceite 80 caixas a Domingos Cruz 4 C, 50 a
Oilva Guimaries 4 C 5 a Domingas Ferreira da
Silva a C.
Agua ingleza 1 ciixa a Gomes Maia S C.
Bagas 1 barrica aos meamos, 2 a r'iuto 4 C.
Batatas 51/2 caixas a Ferreira Rodrigues 4 C
CasUnha 51/2 caixas aos mesmos, 50 a Domin-
go! Ferreira di Silva t C, 10 a Jo B. di Cir-
valbo.
Cabos 29 rolos a Beltrio 4 Oasis.
Commhos 5 sacaps a Francisco Rioelro Pinto
Guimaries 4 C-, .6 a Silva Guimaries t C.
Cevada 5 barricas a Lopes t Arauj >.
Ceblas50 caixas a Silva Guimaries 4 C, 30 a
Ferreira Rodrigues t C. 20 a Gomes Maia t C,
20 a Siqueira Perras 4 C, 20 a Jos B. de Car-
valho, 6 a F. A. da Silva Barbosa.
ConsiMvas 74 caixas a Joaquim da Silva Car-
neiro.
Carnj cm conserva 12 cains a Cuuha Irmios
& C
Lgouies 10 caixas a Siqneira Ferraz 4 C.
Macis 3-y2 caixas a Domiogoa Ferreira da Sil-
va 4 C.
R ilbas 1 sacco a Joaquim Felippc t Aguiar.
Vinbo 3 pipas e 15 b*rrs a Maia Sobrinho 4
C, 20 barris a B ,ltar Irmios tC, 17 a Joaquim
Felippe 4 Aguiar, 1 a Antonio Jos de Azevedo,
6 caixas a Cunba Irmioa 4 ('.
Joaquim Francisco de Souza Chaves, Melchia-
des Rodolpho da Silva Chaves, Joaquim Francis-
co da Silva Chaves, Belmiro Oiympio da Silva
Chaves, Emilio Lcopoldino da Silva Chavos, An-
tonio Capitalino da Silva Chives e Leonila Hr-
molinda da Silva Chaves, espoea e filhos, agra-
dceem silceamente a todas asp-ssoas, que ex-
pontaneamente se prestara"! a soccorrer sua
esposa e mi: D. Cordolina Engracia da Silva
Chaves, no acto de incendiar-ge, e com especiali-
ade aos distnetos cavalheiros Dr. Mano 1 I) i ar-
te de Farias, teneute R uni Poplo do Andrade
Limae Americo Fortunato da Gama, tambem do
coracio agradecen) a bondade e cavalheirsmo do
muito digno vgari, que pontualmente prestou-se
com a mxima vuutadc, cm horas adiantadas da
noite a soccorrer-lhe com os uitim nossa gratdio estonde-se at aos distiuctos amigos
Deodato Mnteiro, Mancel de Barros, Joio Ro
marico Filbo e Guilhermc Muniz de Soaza, pela
prova de amigos sinceros e attitude que tomaram.
Nio podem deixar de manifestar sua eterna
g.-atidio ao Illm. Sr. Dr. Aquilino Porto pela alo
cucio que tez no acto do enterro, assim como
tambem muito digna sociedade Philarmouica
Escadense que expontaneamente se presentou to-
cando urna marcha fnebre.
Approveitiim a o. casias para convidar a todos
os seus parentes c amigos para assistirem a miasa
do 7." dia, que ter lu^ar na matriz desta cidado,
quinta-feira, 9 do correute, s 8 horas da manbi :
por este acto de religiio e caridade se confeasam
auminaiEonte gra .os.
Despedida
K-.ymundo Vinbaes e sua senhora, s> guindo no
dia 8 do o rr uto para o Maranbao, a bordo do va
por Manos, e nio podondo despedirse p ssoal-
mentc de t.dos quautos os honraram com as suas
amisadea e atten^oos, serve se deste m*o para
offerecer-lhes os seus insignificantes prestimos em
aquella provincia.
Recife, 7 de Dezembro de 1886.
Bonita fe si a
Realiou-se sabbado, 4 do c rreate, as ferias da
escola particular sita ra Velha n. 36, regida
polo professor Julio Stares de Azevedo, sendo por
esta eccasiio submettidos a exame das materias
que constitaom o programan de omino prisarin
da referida escola, 10 alumnos, cuj i rerultado fui
o mais satisfactorio possivel, serrindo de exami-
nadores os Srs. Raphael de Azsvcdo, Luiz G. Ba-
cellar e A. Accio'y :
J. Fonseca Magalhies, distinccio.
V'an-dcr-Lindeu, plenamente.
3emvenuto Laceria, idem.
Molcbiades de A. Barreto, idem.
Estevio N. Castellao, ,d--m
Manoel B. de Albuquerque, idem.
Dimingos B de Allnqucrque, id' m.
Adi ano B. d Albuqiwrque, simplesmente.
Jote P. de Abren e Lims, idem.
J. Carneiro de A. Maranhio, idem.
Fiado os eximes, que toada comeo s 11 horas
da manbi, terminaran) s 2 horas da tarde, oram
dirigidas pelos examinadores aos alumnos oximi-
nandos palavras de congratulares, e retribuidos
per estes com habilidade o gentileza.
A' noite, r dibtinctas, academios e professores, tave ciopco
um sro dansante, que teruiinou pelas 2 horas da
madrugada, sendo por es'-a occasiio offerecido pelo
professor da referida escola aos seus convidados,
um profuso copo d'agua, onde foram erguidos inul-
tos brindes por tod-.s os cavalheiros.
L-'vantou o brinde de honra ao bello sexo o ta-
lentoso poeta Rangel Sobrinho, que em phases
eloqnentes e maviosas elect'ison a todos que o en-
viara.
Foi urna bonita festa como so ser as featas da
iastruccio: simples e importante ; mas que mui
to honram quem as promove
Dando esta noticia da esplendida festa que o
nosso amigo professor Julio Soares do Azevedo,
nos proporcionou, da qual anda conservamos as
mais gratas e doces reminicencias ; recoba o deli-
cado preceptor da iufancia as mais cordeaes felici-
tacoes.
Parabens.
Um convidado.
Oleo paro medid bacalliao, de L,anuan A kemp
40
A opuo unnime dos mdicos de todos os pai
z"s, que o oleo de ligado de b tcalh >, o reuie-
dio inais poderoso que at agora se descobrio para
as enfermidades dos palmo j e da garganta.
O fallecido Sir Benjamn Brodie, dizia :
c. Quando tudo o maia intil, este sa;va miu
do a "ida do doente; pircn deve ser puro. En-
tre os ypos mais finos deste genero, sobresane
por sua pureza o oleo de figado de bacalh'i, de
Li'.man t K-mp, elaborado com os ligados aios
dos peixes apanbados de frescos, e cuja conaerva-
V'i i em todos ss paizes se garant-.
Na America do Su1, as Antilhas, M xico e Aus-
tralia, elle tido como artigo de primuira classe,
e na Inglaterra onde recentemente foi introduzdo,
se o considera superior tilos os mais olcoj de
figado de bacalbo que exist-m no mercado. Para
a toaae, pneumona, pleureaia, tysica, bronhites,
trachites, aff ociu do figado e debilidade goral,
cro-se que realmente o modicam'uto mais uti!,
de que a ma'erii medica so ple mostrar ufana.
Acba-se venda em todas as boticas e lojas d.
perfum iras
Agente3 cm Pernambuco, Henry Foster 4 C,
ra do Commcrcio n. 9.
O Xarope de Vida de R<*uter. :\. 3.
o maior purificador do sangue conhecito em me i-
eina, infallivel antidoto contra todos os inos
humores o doenets reaultaut-a do impurezas do
silgue, moa humores hordaioa e ra destias coa-
tagiosas. Absolutamente deatrj o exp lie por
ineio doa rins, intestinos c poros, os germens da
denca, que flictuam no sangue, na urina e na
transpiracio e aasim cura prnupta e radicalmente
quandi todos os ontros intitulados remedios depu
rativos ; cooseguem prolongir o mal e f'a'.hir no
fita.
Neata eat-.cio a9 ciiaacia de tenra idade esto
sujeitas crupcois da p lie, czagre que se esten-
dc pela cabeca c pelo rosto, c a inch icio das glau
dulas do pescoco; soffrera) perdem o npp.-tito e o
rosto torua-se paludo. Oa medicamentoa, que, hu
20 annos, 03 mdicos recitan) contra estas aff'cc-
goes sio: phosphato de ferro do Leras, d lutor cm
sclencias, cimo antianomico rconstituute dos os-
eo3 c do sang'V, e o xarope de rabio lodado de
Grimault 4 C, como depurativo superior no oleo
de fig-.do d: bacalho e ao xirope antiaeorbutico.
Aquellos doua preparados tr.uini:i-.m rapidam ate
de todos esses accidentes.
N. 1. E' maravilhosa a rapidez coin que
os tisioos, os anmicos, oses:rofu osos, os de-
bis e os que padecen do p_ito e da gar-
ganta restabelecem se depois de terera tq-
raado a Enmlsao de Scott.
portos do sul em 7 do correnti e consig-
dado ao Visconde de Itaqui do Norte, ma-
nifestou ;
Carga do Rio de Janeiro
Amostras 2 volumes ordem.
Chapo do sol { caixa a L-ite Bastos
& O.
Caf 200 saceos a Souza B istos, Amo-
rim & C, 150 a Domingos Cruz A C,
100 a J. M. Ragerio da Silva, 50 a Eduar-
do Gomes, 50 a JoSo Fernandos de Al-
raeda, 50 a Ferreira Rodrigues a Soares de Amaral & Irma o.
Cognac 15 r-aixaa a Jo.to V. Alves Ma-
theus.
Couros i caixa a J. R. da Silva.
Chapeos 1 caixo a Riphael Dias & C-,
S a J. J. Samarcos, 1 a Aiolpho & Fer-
r2o, 1 a Augusto Fomaodes.
Fumo 75 volumes ordora, 50 a A. P.
da Cunha, 6o" a Sodr da Motta & Filhe,
20 a J. V. A. Matheus & C, o a A. de
C. o Silva, 2 a J. P. Pontea Dito eai fo
lha 10 fardos a J. F. L ito.
Livros i caixio a Medeiros <& C.
Morcadorias diversas 24 volumes cr-
dera.
Panno de algodo 5 fardos a Olinto Jar-
dira & C, 10 a Machado & Pereira. 5 a
Luiz Antonio Siqueira, 17 a M. Cordei-
ro & C 18 a L. Gomes, 12 a Baltar Ir-
raaos & C.
Sola 5 rolos ordem,
Vinho 30 barris a J. V. A. Mathsus
4C.
Vinagre 20 barris a C. A. Barbosa, 5
ordem.
Vinho 30 barris a J. V. A. Matheus
&C-
Carga da Babia
Extcrnato H. Luiz
Cono o nome acuna abrir-se ha no dia 15 Jo Ja-
neiro do anno prximo futuro de 1887, um estatele
cim uto de educacio, or.de eosiuar-se-hio todas
as materias do curso de prepara"orio3, havendo
tambem um curso nocturno J-.i mestnas materias,
o un outro comraercial, no qual ensillar so-ha f
mente francez e inglez, theorica c praticaraonte,
aendi este das 9 s Itl 1/2 da noite-
Estatutos
Art. 1' Os paes, tu'-ores on correspondentes,
deverio acompanhir o estudante no dia da mitri-
cula, para nio 6 matriculal-o, como tambora para
tomar conbeciment do rogim-n disciplinar do es-
tabelecimento.
1 o Aquollea que nio tveret quem os apr-
sente, tambem serio aceitos masricula.
Art. 2. O pagimeuto das matricula ser feita
meiisul e adiautadameotc a comecar da occasiio
da matrcula.
1." Tor cada matricula pagar o estudane
5Ol!0, havendo urna differenca de conformidaac
com o numero de materias que c3tuar no eatnbe-
lecimento.
Art 3 o Cada au'a constar de 1 1/2 hora, sen-
do urna para tomar a lci> do dia antecedente c
meia para explicar a do dia sogninte.
Art. 4 Nio havor aulas s quintas-feiras,
porm todos os alumnos devem comparecer no cs-
tabelecimento u'estes dias hora de suas respec-
tivas aulas, para urna abbatina, segundo a qual
os directores dario attestados ni poca dos exa
mes.
OB'iPAOHUS m KXPORTACAO
Etj 6 de Dezembro da 1838
Para.
o exterior
No patacho alloman Alidj, carregou :
Para Hull, C. P. de Lomos 50,00 kilos lo ca
rojos de a'godio.
No vapor inglez Paratnse, carrejaran) :
Para Liverpool, J. Pater & C. 179 eacoi.s com
Na estabelecioienfo encontrarlo os Srs. pais,
correspondentes ou tntores e os Srs estudantes os
estatutos como accrescentamento de tudo maia
que aqu se omitte e qae os scientifieario do que
houver de mais particular, e bem assim da con-
veniencia do methodo n'este estabelecimento em-
pregado.
Oa directores,
LaizJ. de F.e O. Sobrinho.
Augusto J. C. Braga.
Duas rpidas curas (2)
Illm. Sr. Jos Alvares de Souza Soa-
res Pelotas, 12 de Novembro de 1884
Tem esta por fim scientifical-o de mais
duas esplendidas curas devidas ao seu pre-
cioso peitoral de Cambar
Por occasiao de effectuar-so o ultimo
bazar em bsneficio da Bibliotheca Publica
Pelotese, fui atacado de UTa forte br^n-
cbite que me levou ao leito.
Vendo-me prostrado e desojando o meu
restaboleciraento o mais prompto possivel,
delibere! usar o Peitoral de Cambar, e o
fiz cora tanta fclicidade que, no terceiro
dia da molestia, pade raassumir as minhas
funcces do bibliotbecario naque lie estabe-
lecimento.
Xa raes na poca foi a miaba filhioha
Juliecta atacada de una tossa impertinen-
te, cora carcter asthm&tieo. e applicando-
Ihe cu o mesmo offi:nz medicamento, vi a
restabelccida cm poucos dias. Subscrcvo-
me, etc.
Francisco de Paula Pires
Uoicos agentes, e depositarios geraes em
Pernambuco
Francisco M. da Silva & C.
Ra Mrquez de Olinda n. 23.
I* sUito Dezcnova de Abril
Exames da aula inf.inlil
Com^aram no dia 9 pelas 9 horas da
raanhil os oxaiues dos lurano3 da aula
priiii ira perante a coramissSo composta
do Dr. Ayr.-sda Albuquerque Gama como
presidente, o dos professoro3 Ricardo Fon-
seca de Medeiros e Jos Joaquim Borges
Uclioi, como examinadores.
Foram julgados habilitados os soguiot?s
alumnos :
4* serie
1 Alberto Fio k Pinto.
2 Antonio Alves Barbosa.
3 Artbur Napolean Duarte.
4 Augusto Martins Saldanha.
5 Ernesto Soares do Amaral.
6 Francisco de Barros.
7 Graciliano Octavio da Cruz Martins
Filbo.
8 Joiio Joaquim Alves Guerra.
9 JoSo Evangelista Silveira.
10 Jos Francisco Martins
11 Manoel JoSo do Amorim Junioi.
3* serie
1 Americo de Azevedo Marques.
2 Arthur Souza e S.
3 Augusto Vict>r Martins.
4 Claudio Pereira da Cunha.
0 Eulogio Epiphaneo Antuocs.
6 Hcitor de Azevelo Marques.
7 Jos Firraino.Flore8.
5 Jos Teixtira Coimbra.
9 Mano'l Gomes de Oliveira e Silva.
10 Manoel Guimaraes.
11 Manoel Cirneiro de Albuquerque.
12 Pedro Teixeira de Araujo.
13 Vidal Molesto da Silva Mello.
2* serie
1 Amelia Clcmcntina Pereira de Carva-
lho.
2 Braz Augusto Carneiro L 'ao.
3 Carlos Gomes de Mattos.
4 Francisco Goncalves de Medeiros ix-
nior.
5 Joao Francisco Nesme.
6 Jos Augusto de Castro Monteiro.
7 Mara Emilia de Medeiros.
8 Manoel de Souza Teixeira.
9 Manoel Gonjilves Torres.


car bronco ; A- R. Branco 1 caixa com 90 kilos
de doce.
Para Penedo, A. B. Correia 5 cairas cajoru-
beba.
No vapor nacional Mandos, carregaram :
r-ara o Para, P. Alves & C. 30 volumes com
1,5C0 kilos de asa-car branco ; A. Babia 12 pipas
com 5,760 litros de agurdente ; F. A. de Azeve-
do 300 barricas com 20,879 kilos do assnear
branco.
Para Manaes, P. A. de Asevedo 120 volumes
15 373 kilos de algolii e 1,500 sacaos com 112,501) i cotj d,591 kilos de assucar branco ; H. Oli .eir
68 20 barricas com 1,225 kilos de assucar branco e
20 b -rris com 1,920 litros de agurdente.
Para Maranhio, Maia & Rezende 10 saceos com
750 kilos de assucar masca vado e 20 dit.'s com
1,500 ditos de di so branco.
kilos de assucar masen vado ; ulio 4 Irm'io
saceos com 5,t00 kilos de aisuear raascavado.
No vapor inglez llerchanl, carregoa :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 1,000 saccis com
74,029 kilos de a'godao.
Na barca norueguense -Va, carregaram ;
Para Liverpoil, S. Brothers 4 C. 5'JO saccas
com 39,177 kilos de algodab.
Na birca inglesa Rose of Deaon, carregoa :
Par Liverpool, J. H. Boxwell 110 saccas com
8.320 -kilos de algodSo.
Ni birca norueguense Dux, carregou :
Para New-Y.rk, M. J. da Rocha 2,000 sa os
com 150,000 kilos de assucar masca vado.
Na barca italiana D. Lanata, carregaram :
Para New-Yirk, Julio t Ir ojo 721 saceos com
51,070 kilos de assucar maseavado
Na barca americana Batrice, carregaram :
Para N w-York, Julio & Irmio 2,000 sacos
com 150,000 kilos de a asnear maseavado.
Na barca americau* M. O. Rced, carrega-
ram :
Para New-York, J. S. Loyo & Filbo 1,599
saceos com 119,925 kilos de assucar maseavado.
f
Vapor nacional Mano$, entrado
dos
Azeite 5 barris a D. '.'ruz & C.
Alhos 30 canastras a P. Valente & C.
Chapeos 7 caix3cs ordem.
Charutos 1 caixo a Joaquim Bernardo
dos Res & C 1 a A. Ma.-hado & C, 1
ordem
Fio do tilgodao 64 saceos a J. F. Leite.
Fumo em folhas 40 fardos ordem.
Dito preparado 4 pipas a Meuron & C., 3
ordem.
Pelles 68 amarrados a J. C. Carvalho.
Panno de algodao 81 fardos a Ferreira
<& Irraao, 31 a L. A. Siqueira, 6 a L,
Maia & C 3 a G. de Mattos Irmaos, 5
ordem, 30 a Machado & Pereira, 20 a
Cramcr Frey & C, 10 a A. Lopes & C,
10 a A, Vieira & C, 150 a F. R. P.
Guimaraes & C.
Hiate nacional Aurora, entrado da Pa
rahyba ej> 5 do corrento o consignado a
. A. de Araujo, manifestou :
Assucar 820 saceos a Reis & Santos.
No brigue noruegueuse Vaarbitd, carrega
rain :
Para Montevideo, Am.rim Irraaos C. 1,750
barricas cora 186,010 kilos de aasucar branco e 75
ditas com 9,523 ditos de dito maseavado.
Para o Interior
No patacho nacional Sol, carregarar: :
Para Porto-Alegre, P. Carneiro & C. 1,4 JO vo-
lumes com 107,860 kilos do assucar branco e 880
ditos com 67,450 ditos de dito maicavado.
No patacho allemao D. Pedro, carregaram :
Para Pelota3, P. Carneiro 4 C. 10 pipts com
4,800 litros de agurdente.
No lugar nacional Amelia, carregaram :
Para Pelotas, Maia & Rezendo 425 birricas com
34,188 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Bahia, carregaram :
Para o Rio d- Janeiro, P. A. de Azvedo 200
saces com 15,000 ki'os de assucar brano ; Burle
tC. 200 saceos com 1 ,000 kilos de assu"ar bran-
co ; V. T. Coimbra 1,000 saceos com 60,0 ;0 kilos
de assucar branco ; F. M. da Silva & C. 25 cai-
xas coro 800 kilos de oleo de neino ; M. do Nasci-
mento 50 saceos com cocoi, fructa ; J. Glacis 1
caixa com 60 kilos de doce.
Para a Baha, J. M. Dias 100 barricas com
12,066 kilos de assucar branco
No hiate nacional Geriquity, carregaram :
Para o Natal, P. Alves 4c C. 6 barricas com
600 kilos de assucar refinado ; Fernandas S Ir-
mio 460 saceos com tarinha de mandioca.
N vapor nacional lp juca, carregaram :
Para Acaraba, E. C. B.ltro 4 Irmio 4 barricas
com 450 k'loa de assucar branco.
Na barcaca Aurora, carregaram :
Para Maco, Oliveira C. l barricas com 60)
kilos de assucar branco.
No vapor nacional Principe to
carregaram :
Pata a B.'ha, F. A. de As-vedo 100 barricas
Grao Para,
rara a
cosokK518 kilos do assucar branco ; Baltar Ir-
miOfc C. 250 barricas com 24,224 kilos de assu
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 7
Rio Grande do Sal37 das, brigue noruegueuse
Fren, de 246 taneladas, capito N. Pederset?,
eqoipagem 8, carga peixe e gorduras; a H.
Lundgren & C.
Rio de Janeiro 16 dias, lugar nacional Sarah,
de 722 toneladas, capito Joao Dias da Silva
Cura, equipagem 12, carg* varios gneros ; a
Fonseca Irmos & C.
Liverpool 49 dias, patacho dinamarqus Frita
Gaarn, de 180 toneladas, capito L. J. Hanse-j,
equipagem 7, carga carvao de pedra : a Browai
&C.
Rio de Janeiro e escala -6 li2 horas, vapor ni.-
conal Mandos, de 1,999 tonelada:, co-nmandan-
te Guilherme Waddington, equipagem 60, cr-
Si varios gneros ; ao Visconde de Itaqui do
orte.
Navios sahidos no mesmo dia
Liverpool Vapor inglez Paraense, comraaadau'e
G. F. Sedsbothau, carga varios gneros,
Liverpo >1 Vapor inglez Lykus, rcommandante
Wilham Phlisteat. carga varios gneros.
Santos e escala -Vapor francez Ville de Ma.i,
commandante Panchevre, carga varios gne-
ros.
Camossim c escala Vapor nacional Jacuki/pi,
comman lante Jos Joaquim Esteves Jumo-,
corga varios genero*.
Rio de JancircErnu nacional Nicolao I", ca-
pitlo Luiz Ivancick, carga sal.
Ro de Janeiro area norueguense Alexandra.
capito F I. Folkuinberg, carga varios gene-
ros.
Ro Grande do Norte Hyate nacional Fiar h
Jardi/rt, inestre Joaquim Jos dos Santos, car-
ga varios gneros.
VAPORES ESPERADOS
Auctor
Magellan
Advanct
Elbe
Para
Finance
Rio
Pernambuco
Patugoia
Ktpirito Santo
Neua
Bahia
de Liverpool boje
do sul hoje
do sul amanha
da Europa a 10
do norte a 13
de New-Port News a 13
de Hamburgo a 16
do sul a 17
da Europa a 21
do norte a 33
da Europa i 24
do sul a 27
l
1


Diario de PernambucoQuarta--feira 6 de Dezcmbro de 1886

Martinho Tix 'ira do Agaiar. Medeiros.
11 Olyrnpio Bundeira Carnero Leo.
12 Theodorico Padilha.
1* serie
1 Alfredo Porera Santos
2 Antonio Carlos Lopes L^raos.
3 Arthur Soares da Silva.
4 Cesar Roroulo Silveira.
5 Len Paul Munier.
6 Manoel Jos Gomes de Ainorim J-
nior.
7 Thomaz Alves Gueira.
Os alumnos serao examinados pelo pro-
oTimnia do onsino publicado nos estatutos
iraprossos no principio do anno expirante,
abaixo transcripto.
4a Serio
1 eitura cerrente, interpretativa de pro
sa e verso. Declamacao.
2J Aritlimcti a Propor<338 e su s appli-
c3es.
3 Oilligraphi* at latir de pbantasia.
4o- Geoinetii* : Noc3?s applicadas arebi-
teefura.
5 Grammatica : Synl.xe.
G Redacto : Exercicios originaes.
7o Nocas gneralissimMS de Geologa.
S NocSes de Geographia.
'.)" Noco's de Historia do Brasil.
S Serie
Io L itura .corrente de prosa e verso.
2o Arithmetiea: FraccSas e metrologa.
3* Calligrapbia at cursivo.
4* Dezcnho linear: problemas sobre as fi
gur.s em geral. Kstudo desolidos.
0 Orara rcatiea : L-xicoIagia, analyse le-
xicologi 'a.
0 Exorcicios de redaecSo. Descripcao de
quaJros o p.iysagens.
7o NoeS-'s de Physica e Meteorologa.
Npc3ds de Cosmographia.
2* Serie
Io L^ilura cerrente de prosa.
2a Arithmetia. OperaiSs fundamentaba.
'5 Calligrapbia al bastardinho.
4o Lines de coasas applli -adas geome-
tra
Dr. Coelbo lie
Medico, parleiro e operador
Sezidenc'a rua Bardo da Victoria n. 15, i andar
Consultorio ra Duque de Caxias o. 59.
D consulta das 11 horas da manha a 2 da
tarde.
Attende para as chamados a qualquer hor*
telephoue n. 449.
Dr. Paula Lopes
De volta de sui viagem Europa, re-j
abri seu consultorio ra do Marques de.
Olindan. L. \
Especialidades : Molestias de creancas e j
nervosas.
Tratamentos pela elsctricidade (Electro
therapia)
Consultae : De 3 hora s 4 da tarde.
}\ Residencia: Rua da Soledad n. 56.
TcIppIonoN ns. 95 o 15%
Consultorio niedico-
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 anno;
de escrupulosa observaeo, reabre consultorio nes-
la cidade, rna do Bom Jess (antiga da Gru
n. 23, i.o andar.
lloras de consaltas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8
as ciernis horas da noite ser encentrado nc
sitio travessa dos Kemidios n. 7, primeiro por -
lo eequerda, alm do penan do Dr. Cosme.
Ljeei de Artes e Olficios
De ordem do respeitavel irmo director fac/o
publico a quem oterasear posea, que em vista de
alguna expositores nao terem podido acabar os
productos que tenocionavam expr e pedirem a
esta directora a transferencia da abertura da 6'
Exposicao Artstico Industiiul marcada para o
dia 21 do corrent)', e como a directora vase que
d'ahi traria bein oo s aos expositores, como tam -
bem Exposicao, que se enriquecer de mais
productos, houve por bem designar nlo s a
Exposicao, como tambem o scu aunivertario para
o dia 12 de Dezembro futuro, esperando que os
seus esfo'cos sejam coroados do melbor xito pos-
si vel.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos o Liberaes de Pernambico, em 19 de
Novembro.
Jos Cattor, 1<> secretario.
Juizo de paz da Boa-Vista
Arreualacao
Depois da audiencia deste juizo, que ter lugar
no dia 10 de Dezembro, iro em hasta publica
para sereno, arrematados os bens seguintes :
Um marquezac d amarello, 1 cabido de p, 1
babu de o'lia, 1 machina de costura, 1 mesa
gran if, 1 binen, 1 uiarqnpza, 1 caleira e 1 ban-
co, trens de cosinha, diverso objejtos de ouro e
prata e 1 corte de vestido de chita ; cojas bens
vo praca por execuco que move Anicet > Cor-
rea Lopes contra Jo3epha Mara da Uonceicao.
Freguezia da Boa Vista. 29 de Novembro da
18860 eserivi-,
Alfredo 1-Vui. i;c, iU. Souza.
COMPANHA DE SEGUROS
CONTRA FOI.O
North British k Hercantile
CAPITAL
t:ooo.ooo de libras sterllnaa
AGENTES
A domson Howic & C.



AGENTK
Miguel Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESS-N.
Seguro* mnrilisna* e terresttrea
Nestes ultimo a nica co:npnhia Beata praca
que concede aos Srs. si-guradis iseaipcSods paga
ment de premio em cada stima anno, o spm
equivale ao descanto de cerca, do 15 por cont em
avor dos segurados.
II
inued States Brasil iiS.S.1.
O vapor Advance
EDITAES


5 Gramraatea : Prosodia c ortliograplii \ ;
analyseo.
& R ligito.
1 Siie
1 L"itura :.t soletracto.
2' Lir(;3es ile cousas .pplcadas Arith-
metiea.
">" Calligraphi i at bastardo.
O director,
Augusto Porto Carreiro.
Ao publico
Os abaixo assignados, tejido registrado e depo-
sitado as suas marcas udustriaes e rtulos das
suas preparacoes na junta commerciai do^Rio de
Janeiro de conf rm/dade cora as prescripcoes das
leis do impeno do Brasil, declarara e participan
aos interessaios, que como nicos proprietarios,
tem din ito exclusivo de usar as marcas indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura
tabricacao e venda das s guies prepara:5:s ;
Agua de Florida de V urray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitori! de Anacahuite.
Pattilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemp
Emulsao de oleo de figado de bacalho com hy
pophnsphtes, de Lanmara & Keinp.
SMlsapamlha de Brstol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Briatol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
c que, portanto, perseguirlo a todos os faisificado-
res ou imitadores das ditas marcas udustriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados com toda
a severidade da lei.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquelles que intentam substituir as nossas prepa
i-acoes cima mencionadas com artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas mdustriacs que imi-
tara as nossas.
Lanman & Kemp.
Huilla
Diversas pessoas que nao podero ser in-
ifferentes s grandezas q le ainda restam,
_ timbera em estado de ruinas, nesta cidade,
reuniram-se na casa da residencia do Exra.
e Rvm. Sr. conego r. LoM Francisco
Je Araujo, para o fm'de cornbinarein nos
n eios do reparar o magestoEO templo de
'N. S do Carino boje tao arruinado.
Estudados os reparos e sencia tolligente e pratico engenheiro architecto,
Dr A. Pereira SimSes. que do boa von-
tade a Uto se prestou, e est proropto a
dirigir a parte technica do trabalho, t rara
eleitas duas coramissSes : umag'ral, coa-
posta do Dr. H. S. Tavares de Vascoo-
oellos, presidente, tenente Manoel J de
Castro Villela, secretario, padre Julio Ma-
ra do Reg Barros, thesoureiro ; e outra
de esmolas, cornposta do desembargador
Joao Francisco da SiUa Braga, presiden
te, Antonio Estevao de Oliveira, sereta-
io, eonego Manoel Jo2o Gomes, e conego
_)r. Joaquiro Graciano de Araujo.
As commissS s trabalham com esforc
jara obter os recursos necesarios effec-
-.ividade do intento, que emprehenderaro e
; de esperar que cncontrem ap>io e ai i-
.oajSo da parte de todos aquelles, aos
'quaet reconerem para fim to piedoso.
Nesse sentido vao dirigir circulares.
"Clnica medico clrnrgica
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senhoras e
.naneas.
Residencia Rua da Imoeratriz n 4, segund
ndar.
Oculista
"
Dr. Barrete Sainpaio, medico ocu-
liita, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 a rua do Barao da Victorio, x-
cepto nos domingo3C dias s.ntihcados.
K.-i.lencia rua Seto de Setembro n.
34 Entrada pela rua da Saudade n. 25.
>
A\iso
O Dr. K. 0gln Bonnet Medico pe
Taculdade de Medicina de Pars.
Condecorado com a meialha dos hospitaes.
. Socio correspoiident.': das AcadesMMe Met
na do Rio de Janeiro < de Barcelona ; da So
. iedade de Medicina p-atic* de Paria e da Sooie-
"lade Franceza de Hygien-. cx-director do Musen
"\natoin>Patolgio la Fjculdade de Medicina
o Rio de Janeiro, tem a honra de prevenir o j>a-
,lico que durante a sua estada em Pernambuco
a disposicao dos doentea que desejarem hon
al-o com a sua confianca.
Chamad-se consultas de 1 s 3 horas da tarde
: ua do Marque de Ooda n. 51, L andar : re-
sidencia na hospedara efe D Aatomo (Caminho
Novo). ,
Especialidades : molestias das va resptrato
coraeo, estomago, ligada, etc, molestia
e syphilitrcas.
l-:llial n. 9
O admi-strailir do Cnsul..dj Proviocial fai
publico a quem interessar possa, que ua forma
do respectivo regulamento ser effeetuudo por
esta reparticio, n> espado de 30 das uteis, con-
tados da data deste, a cobranza independente de
.iiullH, dos impostos dn Jrcima urbaua o 25 0(0
sobre a renda dos brns de raz, pertencentes
corporacoes do nidj morta. relativos ao 1- semes-
tre do exrccio de 1886 87.
Consulado Provincial de Pernambuco, 1 de
Dcxembro de 1836.
F. A. de Carvalho Moma.
O Dr. Tkomuz Garcez Paranhos Montene-
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
cio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Dais guar-
de, etc.
Faz saber aos que o presente edital vireni oa
d'elle noticia tiverem que se ha de arrematar em
hasta publica depois dt respectiva audieneia do
da 9 da Dizembro do corrente anno com as f r-
malidades e pregues do estylo os bens Eeguintes :
I'ma chso terrea c. m sotao interno na rua dos
Coclhcs n. 15, freguezia da Bi-Vista, medindo 7
metros e 50 centmetros do trente c 19 metros e
80 centmetros de fundo, com urna p ra e duas
indas de frente e tres no oitao, sendo dual era
baixo c urna em cima com sala na frente c atraz,
cinco quartos c cacimba meeira, outro quintal ao
lado com porteo na frente, estando o sotao em
aberto e edificada em chaos toreiros Cmara de
Olinda avaliada em 3:500*000.
Um sobrado de quatro andares e sotao interno
n 31 ua run do Commereio com fundo para a rua
do Turres, freguezia de S. Fre Pedro G ngalves
medindo 4 metros e 40 peutiiretros de frente e 14
meires e 4o ceotimetros de fundo com duas portas
na frente no pavimento terreo duas ditas no 1 e
2" andares com sarcadas e duas janellas no 3* e
4o andares, o pavimento terrej acha-te em aberto
o 1 andar tem urna sala e um quarto sendo a sala
de detras oceupada por urna eseada de volta e os
mais andares tem duas salas um quarto e edificado
o predio em terreno de ,-nariniia por 18:000X000
sendo aparte do do execotado correspoudente a
tres oitavos avallado por 650JO0O.
Cujos bens vo praca por execrcao av n-ov
Joao Jos Marques contra Luis Ain nio rfreir.
E nao ha vendo lancador que cubra o ?rec> da
avaliiicao a arrematado ser frita pelo preco da
adjudicayao e com o abatimento da lei.
para que chejue ao conheeiment? de todos
passei o presente edital e mvs dous de igual theor
que ser i pub'icado pela imp:rnsa e sffixado no lu-
gar do cestume.
Dado c i assado nesta cidade do Recife, em 19
de Novembro de 1886.
Eu, Jos FrankUn de Alentar Lima, eserivao. o
eubscrevi.
Tliomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Montenegro,
commendador da Imperial Ordem da Roso,
juiz de direito especial do commereio desta
cidade do Rec'fe, capital da provincia de
Pernambuco, por Sui Magestade Impe-
rial e Constitucional, o Sr. D. Pedro II,
a quem Detts guarde, etc.
Fas saber aos que o presente edital virem ou
dcllc noticia tiverem que se ach designado o dia
11 do corrente ao meio da, na sala das audien-
cias, para ter lugar a recniio dos credores da
massa fallida de Gustavo Lesiaseno Furtado de
Mendonca afiro de nomearem administradores a
dita massa e proceder se nos termos da le, ceito
os credores que nao s r admittido por procurador
sem que este exhiba procuraclo especial para o
acto, a qual nao p der se.- conferida a d-vedor do
fal ido e que sei havido o cred r que til campa-
recer como adher nte as resoluces que tomar a
raaioria dos que coinpuncer 'in.
E para que chegue ao conhecmento de tdos,
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e affixado no lugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 4 das do mes de Dezembro de
1886.
Eu Jos Franklia de Alenear Lima, eserivao o
subscrc-vi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
De ordnn rl-i T1V Sr. inajor dirtv i 'e-'e ar-
senal, sao cbauaiins as costureiras nMiittalada
desta repartidlo para reforman m suas cartas de
fianza, at o dia 31 do corrente.
Sii retara do Arsenal de Guerra de Pernambu-
co, 4 de Dezembro de 1886.0 secretario,
Jos Francisco Rbeiro Machado.
Correio geral
Malas a expedirse lio je
Pelo vapor nacional Mandos, esta administraco
expede malas para osjportos do norte, recebendo
impresEos e objectos a registrar at 1 hora da
carde, e cartas ordinarias at 2 horas, ou 2 12
com porte duplr.
Administraco dos correios de Pernamba !0, 8
de Dezembro de 188!. O administrador,
Affonto do Reg Barros.
Club de Regatas Per
nambueano
O conselho administrativo tenlo de efrectuar
urna reunio familiar dansante na noite de 18 do
corrente. e aem assiin a inauguracao dos jugos
Croquet e Larontennis no dia l.l tambem do cor-
rente, s 2 horas da tardo, convido os senhores
socios qu3 estiverem quites, a apresentarem suas
listas de convidados na sede deste club, das 7 s
9 horas da noite, atui ce se expedirem os respec-
tivos convites, e receberem do Sr. thesoureiro seus
ingressos. Previno que s ss expedir convite a
chefe de familia.
Secretaria do Club de Regatas Peroambucano,
em 7 de Desembro de 1886.O 1 secretario,
Osear C. Mo'iteiro.
E' esperado dos portos de
sal at o dia 9 de Dezembro
depois, da demora necessaria
seguir para
O agente Silveira, por maudado e com assis-
tencia dajixm. Sr, Dr. juiz especial do commcr
ci e a requerimento do administrador da massa
fallida de oo Rufino Barbosa, levar a leilo as
referidas dividbr.
Segundo e ulti no
Le!lao
Da dous ricos espelhos novos, grandes e
douradoa em utia caixa
Quinta felra, 0 do corrente
Ao meio dia
No armazem da rua do Mrquez de Olinda
n.6
_ O agente Pinto, ievaa novamente a leilo 2
lindos espelhos, que fazem parte dos bens da massa
fallida de Caetano Ramos & (\, servndo de base
a maior offerta obtida no leilo do dia 4 do cor-
rento mez.
Leilo
Urna carteira.
Urna secretaria.
Urna mesa com armario.
Urna prensa de copiar eartas.
Urna burra prova de logo.
Cadeiras mochos.
Sabbado 11 do corrente
A's 10 lj2 horas
O agente Pinto levar novamente a leilo e em
maitos e diff rentes lotes, os objvctos cima men-
cionados, pertencentes mansa de Caetano Ramos
& C, isto por despacho do Exin. Sr. Dr. juiz es-
pecial do cimmertio, em virtude do parecer do
depositario da referida massa.
Leilo
Haranho, I*ar, Barbados, 8.
Thomaz e New-York
Para carga, passagens, e encommendas trac ta-
je com os
AGENTES
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 13 de De-
zembro o qnal seguir depois
da demora necessaria para a
Baha c Bio de Janeiro
Para carga, passagens, eucommendas e dnheiro
frete, tracta-se com os
AGENTES
Ilenry Forster i C.
N. 8 RUA DO OMlttJtrtClO N.
1- andar
BOYALMIL STI PAGUT
GOIPANY
0 paquete Elbe
E' esperado da Europa no dia
10 do corrente, seguin-
do depois da demora necessa
ria para
DECLA8ACES
Secretaria da veneravel orfera terceira do
Sernphico Padro S. Francisco no Reci-
fe, era 4 de Dez'.rabro de 1886
De ordem do carssimo irmo ministro, convido
a todos os se inores candidatos approvados para
entrarein de irmos e os nossrs carissimos irmos
novicos approvados para pnfessarem, quer pelas
anteriores administraces, quer pela presente,
a comparecerem uns e ontros no dia da Immacu
lada Concricao de Nossa Stnhor, qnarte-feira 8
do corrente mez, pelas 8 horas d manh, na
Igreja de nossa veneravel ordem, para realsarem
suas entradas e profissoes.
Arthur Au usto de Almeida,
Secretario.
Uecebedona de rendas geraes
No dia 20 do corrente mez, fiuda-se o praso
para o pagamento dos impostos de industrias e
profissoes, predial, 'axa de es ravos, do exerccio
de 1885-188, com a multa de 6 0(0, depois do
que ser pago com a multa de 10 0|0, guindo se
a cobranza execntiva.
Recife, 1 de Desembro de 1886.
Os recebtdores,
Joaquina Hiigolino da Silva Fragoso.
Manoel G. Ferreira da Silva Jnior.
Yeeravcl contraria de Santa Ri-
ta deCassia
Do ordem, do nosso earissimo irmo regedar,
convido aos nossos carissimos irmos. vfim de
as88tiren: a missa, que em louvor da Imroaculada
Conceico de Nossa Senhora, manda celebrar o
conselho administrativo ipACria 8 do corrente, s
9 horss da manb, sendo* acto acomp>nhado
de cnticos sagrados serphina, oa quaes sero
entoados por um Oro de senhoras, que exponte-
n ament se prestas. abrilhantar raesmo acto.
Consittorio da veaeravel coofraria de Santa
Rila de Cassia, 6 ie Dezembro di! 1886.
O secretario interino,
Mam el Bandeira Filho.
Sarao em 11 de Dezembro
Sao convidados os senhores socios a procurar
os seus ingressos na sede do club, todas as noites,
a contar do dia 9 do corrente, das 7 s 8 1|2 horas
di noite, em mo do Sr. thesoureiro.
Secretaria do club Carlos Gomes, em 7 de
Dezembro de 1886. 0 1- secretario,
P. C. Casanova.
Arsenal de Guerra
Do orden do lllm. Sr. msjor director, distrbue-
se costuras nos dias 9, 10 e 11 do corrente mez
s cos:areiras de ns. 251 300, de conformidade
com os annuncios anteriores.
Secfo de costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 7 de Desembro de 1886.
Feliz Antonio de Alcntara,
Alteres adjunto
(OMPANHIA
Imperial
KEUl'BOtt COSTEA FUCO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Promplo pagamento de prejuixo
CAPITAL
EU. 16,000:00(1 000
Agentes
BROWNS 4C.
N. Rua do CommereioN. 5
(OMPt\UIA Oi M.i HOS
NORTHERN
le liOmireK e iberdeeu
Panlr Onanrelra (Dezembro IKN5)
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Becella animis
D premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John. H- Boxwell
11(1 COHHERDOCIO M. 2 1 >!
SBGIBSi
CONTRA FOGO
The Liverpool & London & Glob
IXSl'RRWCE COMPAW
SaQBiljrs Brottiers & G.
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda em <.
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
4t 31 de dezembro de 1S 84
Hariliiiios..... 1,110:0008000
erreslres,. M:
4J Una do Commereio
Condn and Brasillan Ba
Limited
Rua do Commereio n. 32
Sueca por todos o vapores sobre as ca
do kiesmo anco em Portugal, sendo
rm Lisboa, rua dos Capellistas n 75 N-
Porto, rua dos Ingleses.
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
^Pnipanhla Phenlx Per-
nambucana
Ruado Commereio n. 8
Maceta, Baha, Rio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres
Para passagens, fretes, etc., tracta-se tt os
CONSIGNATARIOS
Adamsoii Howic & C.
i'owiM.vni.t PKitt.iVArci'.u"
DE
.%avegaeo Costeira por Vapor
Fernando de Xoronha
O vapor Giqui
Coraraandante Lobo
Segu no dia 13 de
Di'zcmbro,pelas 12 ho-
ras da manba.
Recebe carga at o
dia 11.
PassagcS at as 10 horas da manha do dia da
partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Psmambucana
n. 12
De fazc-ndas francezas o inglezas
CONSTANDO
De bordados e cntremeios de corea, collarinh s
de linho, punhoe, carabraias, panno para forro de
buhares, velbutina, pellucias, cam' raa de salpi-
cos, lencos de linho, maripozas, batistes, Camilas
de linho, e outras muitas tazendas e miudezas.
4|uinta felra, 9 do corrente
A's 10 horas
Agente Pinlo
No armazem da rua do Mrquez de Olinda
n. 6
Por liqildiico
Ultimo Leilo
No i.rmazenda rua do Mrquez de
Olinda n. G.
Constando de fazendasymiu'ezas, sapa-
tos do charlte e de castor para iiutaens e
senhoras, movis, louca, vidres, filtros, jar
ros, quadros, espelhos, cerveja, cognac,
papel pautado e muitos outros objetos exis-
tentes no armazem da rua do Mrquez de
Olinda n. 6.
Quinta feira 9 do corrente
A'S 10 HORAS
O ag- uto Pinto tondo de fizer entrega da cha
ve do arnazem da rua cadea n. 6, levar
a leilo un correr do martello as tazendas, movis
e mais artigos all existentes.
Amtieg efFectuar se-ha no mesmo dia e em
24 horas.
O leilo comecar s 10 1[2 horas.
Da retinagao sita rua do Visconde de
Goyanna n. 217, que foi de Manoel Car-
pDtfiro y Souza.
* Constando
de divisSeS -de madeira para assucar em rama,
caixoes para dito refinado, bancas para trabalho,
4 caldeiras de cubre com filtros, 21 techos de co-
bre, 1 caldeira grande, 1 filtro de cobre, 1 balac-
ea com ptsos, encanamento e bicos de gaz e ou-
tros uteuciliis.
Sabbado, 11 do corrente
A's 11 horas
O agente Guarnan far leilo porconta e r
de quem pertcncer, da refinaco cima menciona-
da, em um ou mais lotes, ventade dos comprado-
res, larantn se as c1 *n "sa.
Irande leilo
De bull iuuVi..-, x i-- l' l'ixiij, p6feia-
nas, crystOa a gi-auu qu nfdade de
plantas par a exc diente casa defront; da igreja do Poco
da Panella, residencia do lilao. Sr. Antonio Jero-1
nymo de Oliveira
Opportunamcnlc ser annunciado com minucto-
sidade os cbjrctos e o dia do leilo.
Por interven9ao do agente
(usmo
DIVERSOS
Aluga-se casas a 8#0C0 "rib~becco dosCoe-,
Ihos, junto de S. Goncatlo : a tratar Ba rua d
Imperatriz n. 50. x^_^
Agente Pestaa
Leilo
Offerece-se um homem de meia idade para
proteos r de portugus, latino, francez e geogra-
phia. com estas habilitaces, para algum engenho
ou em alguma povoaco no interior dessa provin-
cia ; a tratar na loj* n 3, relojoaria suissa, rua
do Mrquez de Olinda.
Precisa-se de uins ama para tomar eonta de
urna casa com-tres meninos, e qce d fiador de sua
conducta : a tratar na rua do Rosario n. 41, das
6 horas da manh s 2 da tarde.
Precisa-se de urna boa cosinheira e de u-n
eriado : na rua da Aurora n. 109.
v Precisa-se de um criado para vender em
tabeleir >, que seja de boa c nducta ; na rua da
Mitriz da Boa-Vista n 3.
COMPANHIA l'KK\IHTM
DE
ftavegaco costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Fenede e Aracaji
O vapor Jaguaribe
Commandante Baptista
Segu no dia 14 de
Dezembro, s horas
da tarde.
Recebe carga at o
dia 13.
Encjmmendas, passagens e dinbeiros frete at
3 horas da tarde do dia 14.
ESCRDPTORIO
Vmm% da Companhia Pemambn
cana n. 1%
de um piano, movis, louga, vidros e joias
Sexta feira 10 do corrente
A's 11 horas
No armazem e agencia de leiloes da rua [ Aluga se o 3- andar da rua do Harao da
(lo Vicario n. \2 | Victoria n. 52 ; a tratar na mesma casa nopri-
O agente Peetana rudera, por eonta e risco de j meir0 andar.________________________________
quem pertencrr e ao correr do martello : Precisa se de orna boa cosinheira, para casa
Um piano, 1 cofre francez, 1 guarda- vestidos, de familia, e que durma cm casa; a tratar na
1 guarda-pratos, 1 juard-i louca, 1 guaria-rouoa, rua do Baro da Victoria n. 39, loja.
1 lavatorio, 1 carteira, 1 armario para escriptorio I--------:-----------------------------------;
1 mesa elstica de 4 tab>as. 1 commoda, 1 crin- ~ Precisa-so da boa cosinheira e que seja lim-
moda de Jacaranda nova, diversas loucas.. can- P1
dieiros de pendurar, latas coui fuo avariado,
barricas com mate em p, 8 pares de jarros finos. J I I I"l
1 relogio e cadeia de ouro para senhora, 1 par I I 01 CI
de rosetas com brilhantes, 1 barril com vinagre ., .
branco de Lie boa e cutres muitos objectos que P'eeife-se de urna ama para engommar e outros
sero vendidos ao correr d, martello para fecha- rvicos domesfeos : no 3- andar do predio n. 42,
ment de coutas. I : r"a. D.uque de Caxia.5 por cima da typograph.a
--------------- do Diario.
na tua da Aurora n. 155.
engommar
Leilo

Caixeiro
De 1 piano. 1 mobilia de Jacaranda coro 1 sof,
2 consolos, 4 cadeiras de bracos e 12 de guarn- | tcg d(J molhado e fiador de gna eondjcga na
5o, 1 mesa redonda, 3 qaadroi, 1 espelho doura- ^a Nava Q Salta Riu n j A
do, 1 santuario de Jacaranda, 1 m?sa para escrip- ^_____^^_____^__--------- .
torio, 1 estante envidracada, 1 dita com pratele- A _
ras para livros, 1 sof, G cadeiras, 1 secretaria c XX. V Jal)
1 cadeira de mola. ,1 Borstelmann & C. participara ao corpo commer-
Uma cama franceza, 1 to.let de Jacaranda, 1 ^ mudam ^ Pscriptorio para a rua do
guarda-vest.ao, 1 guarda-r,,upa 1 I,ratenc, 1 Commercio u 3 v Rndar.
cabide de columna, 1 commoda de jacirauaa e 1 ____________;_____________________________
Urna mesa elustic-, 1 guarda-lonc, 1 ppara- xlllla^Sly
dor, 1 sof, 12 cadeiras. 2 e ..solos 3 mui, gran I o 3obr)tdo roa ^ j hj]0 ClIvalll0 n. 29 d(s, 1 filtro, l jarra, copo.,, g=,rn.te O o uros -I 5ntaA) 8 a d, 8,br;.do "rua dttS
t.gos de casa dP fa,D,l,a Lar;l ,!ris 26, S*u-., Ther.zn n. 13, casas na
SCXta-feira, i O do Corrente frecuezia de Santo Anto.o, c 2- andar da rua
No primeiro anJar da casa de arnlejo da rua do, dc g0 n jegU3 ,,. ]f a fr^g0ezia U> Recife ; a
Mrquez d'Olmda n. t I trnar com o Piuheiro i rua Duque dc Caxias n.
O agente Pinta levar a leilo os movis e mais (j 0jA de m;u lezas.
objectos aciir.a mencionados, existentes no primei-
ro andar do sobrado da rua do Mirquez d'Olinda
n. 51, em que morou o Sr. Cr. Oasiau Bonuet.
O leilo principiar s 10 horas em pinto, por
ter o mesmo agente um outro trabalho 1 hora da
tarde.
Ama
Precisa se de urna sma para cosinhar em casa
do pouca familia ; no largo de S. Pedro n. 4, pri
meiro andar.
Leilo
4a
DampfschiOTahrls-GeselIschaft
O vapor Rio
Espera-se de HAMBURQO,
via LISBOA, at o dial6 do
corrente, seguimlo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, pasagens e encommendas e dnhei-
ro a frete tracte-se com os
Consignatarios
Borstelmann & C.
RUADO VIGARON. 3
i* andar
Para
O navio Sarah, esperado do Rio de Janeiro,
contrata alguma carga para o porto cima ; tra-
ta-se com os consignatarios Funseea Irmos &
Companhia.
Lisboa
Spgue com brevidado a barca portugneaa Pe-
reiro Bargas para o resto da carga que falta,
tratase com Silva Guimares~& C, rua do
Commereio n. 5.
LEILOES
Qointa-feira, 'J, o ultimo leilo das fiiendas,
miudezas, movei, vidros, erplh^s e mais objec-
tos existentes no armazem da rua dj Mrquez de
Olinda n. 6.
Lei'o
de dividas na importancia de
20:092(883
|nlna feira. do corrente
s 10 12 horas
No armazem rua Estreita do Rosario
d. 24
de guiiHa-roupas, guardn-vestidos, guarda-lu-,
cas, camas francezas, marquez'?. 12 cadeiras de
junco avariadaa, bercos, coininoas, aparadores,
mesas, caixo de phosphor s, espelhos, copos, c-
lices, facas, colheres, miudezas e muitos outros
artigos.
Sexta feira, iodo corrente
A's 11 h'.ras
No armazem da rua do Mirquez de Olinia
n. 19
Por intervengo do.agente
Gusmo
Leilo
De 2 casas terreas
Sexta-feira, i O do corrente
A's 11 horas
No armazem da rua do Imperador n. 30
O agente Burlanuqui por mandado e aasiatencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito privativo de or-
phos e ausente*, a requerimento do n?eutariau-
te dos bens deixados por Prxedes Francisco Mar-
tina, vender um i casa terrea n. 49 a rua do Mar
quez do II rv:l com l porta, 2 janellas, 2 salas, 4
quartos, cosinha externa, soto cm salo, tem agua
e gaz encanados, quintal murado, solo foreiro^
Urna dita a rua da Psl-ns u. 6, com portao e
janella, terreno fcieiro, com cochvira para bois: os
Srs. pretendenti s diadej'i podem examinaros ditos
predios e para qualquer informaco o mesmo agen-
te dar.
4os 100:0008000
.
4o e ultimo leilo
Da armaco e pertencr.s da loja da rua do
Barao da Victoria n. 42
Em differentes lotes
A saber
I'ma armaco envidracida e envemizads, com
um bu I oo.
Cundieiros, arandelas e registros.
D'-us espelhos douradoa grandes
Um relogio, 1 cabide.
Duas nrmacSes iuglezu
Duas mesas grandes para f.izaudas.
Urna eseada e urna quartinheira.
Um repartimento de escriptorio.
18-Lua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus ven-
turosos liilhete3 garantidos os premios si-
guiles : o n. 1961? com 2:0005000, o n.
15038 com 2:000000, o n 060 com
2:0005, o n. 16466 com dOOfJOOO, on.
214.'S com 5C06, os ns. 14221 a 14230
com 100000, nos ns. 12131 a 12140 com
606 da 12 parte da Ia lotera.
Convida-se aos possuidores a virem rece-
ber sera descont algum.
Acham-so venda os venturosos billr-
tes garantidos da 1J* pirte da 1* lotera di
provincia era beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife que so exirahir
segunda feira 15 de Dezembro.
Prejos
1 Vigsimo 10000
sendo quantldade superior
aoo^ooo
Adezena 90000
Joaquim feres da Bit-va.
Jo' l.iiiiU.iNilia l'olic
Jos Fernandes da Silva Potte, e todos da ij-
miiia agradecein :i tadaB as pessoas que se digna-
ram assistir ai enterro de seu mnito presado pri-
mo c socio Jos Luiz da Silvu Potte, e as convi-
dara para assistirem as missas que cm de man-
dai rczir pelo 7o dia, ua matriz da cidade da lie
cada, no dia 9 do crrente, pelas 10 horas da ma-
nila.
AU BON MARCH
31Rua Duque de Caxias{
PARA ACABAR

I
1
rjsm

>

ij
i



Diario de Pernaiubuvo(iiarta-fc-ii 8 de Dezcmbro de 1886
i
i

(Aye-sCherry Pectoral)
Para Adlti DE CoKSTVXfto.
ISS,ASTIMA BrOMHITE.
Coqueluche ouTosse Convulsiva
Tsica Pulmonar.
ni> to D.-J C AYIBSClUo? M.tlv
Aluga-se
a casa terre ad na Augusta n. 274, com bastan-
tes commdos ; a ti atar na ra do Apoi'i n 1
a casa n. 3 em Beberibe
M. Reg.
Aliiga-se
.
a tratar cora J. I- de
Alug a
se
o segando and ir da casa ra di Aurora n. 81,
jonto a cst ifao da estrada do ferro de Olinda ; a
tratar na ra do Commerclo a. 15, escriptorio de
Scbastiao de Barros Barreto.
Alug-a-se
predio n. 140 ra Imperial, proprio para ei-
ibelecimeoto fabril : a tratar na ra do Cominer-
a n. 84, com J. I. de Medeiros Reg.
Aluga se barato
Ra do Bom Jess n. 47, 1 andar.
( Ra de Lomas Valentinas i. 4, com sotilo-
Largo do Merend n. 17, I ja com agua.
As casasda ra do (Corono! Suassnna n. 141
Largo do Corpo Santo n. 13, 2. andar.
Roa da Palma n. 11.
Tratk-se na na do Coirimcrcio n. 5, 1* andar
escriptorio de Silva Guimarea & C.
Aluga-se barato
O 1 e 2* andares do sobrado ra do Brum n.
36, cada qual coco bastantes eommodoa para fa-
milia, vista aprasivel c niuitJ arejado, aluguei ra-
roavel; trata-se na ra lavga do Rosario n. 34,
pharmacia.
Aluga-se barato
O sitio da ra de S. Miguel n. 99, em Afogados.
O sitio travesea do Motocolomb n. 4, em Afo-
gados.
A casa ra de S. Jorge n. 26, no Recife.
A casa pequea no becco do Fuodao n. 5, na
Boa-Vista; a tratar na ra de Santa Thereza
numero 38
Aluga-se
o terceiro aniar ra do Barao da Victoria n.
52 : a tratar na mesraa casa, no 1 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama pf ra todo o servico de
urna e pessoa ; na ra Velha (Boa-Vista'i nume-
ro 95.
Ama
No becco da lingieta n. 6, precisa-se
ama para casa de pequea familia.
ds urna
Ama
Precisa-se de urna cosinheira para casa de pe-
quea familia ; a tratar na estrada nova de Ca-
xaog, no sitio do Sr. Valtnca, ou no escriptorio
i'este Diario.
Ama
Precisa-se de urna ama peifeita cosinheira; a
tratar na ra do Cabug n. 14, 1- andar, do meio
dia as 2 da tarde.
Ama
Precisa-se de urna ama
larga do Rosario n. 46.
para cosinbar : na ra
Ama
Precisase de. urna ama
mero 52, 1- andar.
na ra da Guia nu
Ama
Precisase de am.i ama para
familia ; a tratar na ra larga
loja.
casa de pequea
do Rosario n. 20,
Ao publico
Telephonc n SJ 8
Os abaixo asignados iroprictario da n finara
Toa do Coronel Suassun n. 7, avisam ao pu-
blico e aos Srs. freguezes que em seo modesto
estabeleeiment> encuirmao atinpre assucarrefi-
nado de l, 2, 3', cipeaiai e cuudy, assimeomo
assucar deearo^}de todas mb qn&JiSades.
Alm d. inW,rid a:. .: iWr*lo ya iju, tfatue,
ncontrarao tan ui[i modicidade tm pro-
cos.
Recife, 86 de Kovembro de 183&
Viuva Sarros & Filho
Luz brilhante, sem Fumo
OLEO AROMTICO
Hygieico e Econmico
PARA LAMPARINAS
MARTDTS* BASTOS
Pernatnhuco
NUMERO TELEPHONICO : N" 33
Agua florida.- Extrsbii a do flores bi'ft-
sileiraa pelo seu delicado perfume, suavida-
deesuas propriedades benficas, excedo
a tdo quo neste genero tc-m rpparecido de
mais celebre.
Tnico americano. E' a primeira das
prepararles para a irnservecSo dos ca-
bellos. Extingue as caspas e outras mo-
lestias en pillares, faz nascer os cabellos,
mpc.de que embran quejara e tem a grande
vantagem de tornar livres de habitantes as
cabecas dos que os usam. '
Oleo vegetal- Compoelo cm vegetal
innocente, urap^radrpiira amaciar, for-
tificar e darTirilbo aos cabillos.
Agua dentifricia. Exc lente remedio
contra a carie dos cUntes, fortifica as gen-
gives e fas despppurecer o ao LJito.
Vend:-se ras prineipaes casrs desta ci-
dado e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 1G1.
TELEPHONE K 33
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cerecrcscer o cabello tunda,
aos mais cairos, enra a
tinba e a caspa e remeve
todas as impurezas do cas-
co da cabera. Positiva-
mente i mpede o cabello
de cahir on de embranque-
cer, e infallivelmente o
tome, espesso, macio, lus-
troso e ol undante.
Agua Florida de Barry
r.iparr.da aagrmn'a a formula
original usada pelo inventor em
U8 E'o nico perfume no Mun-
do qno tem a approvnco official do
ura Govemo. Tem duas vezes
iimis interne c-ii que qnilqmr ontra
i -.'.iraodobro do tempo. E'muito
mais rica, suave u aelidoea. E'
umito mais fina e delicada. E'
Bata permanente e agntdavel no
lenijo. E' dnas vezas mais refres-
cante no br.nho e no quarto do
doenl." O E* espeoinoo contra a
frouxidao e debiliaede. Cura as
dores de cabcea, os cansacos e os
desrnaio.
Xarope fle Viia le Eenter No. 2.
AXTES DE rSAI/-0. DP0IS DE U5AL-0.
Cura positiva e radical de todas as formasde
fscrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec^'5e6, Cutneas e as do Courc Cabel-
ludocom perdado Cabello, e de todasas do-
sncas do Sangue,Jigado, e Kins. Garantc-sa
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e renova o systema inteiro. 0 -.
Sabao Curativo eRenter
Para o Banho, Toilette, Crian,
cas e para a cura das moles-
tias da pella de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito ero Fernambu'o op.sa de
Francisc. JI-.noL da Silva & C.
Por 22:000 rs.
Aluga fo o 2- i.ndar e totSo ra de Lcmi.s
Valentinas n. f,0 ; a tratar na roa Primeiro de
afargo n. 7-A, livraria.
Oiiida
Precisa se (': umu crndu psra cesinhar ; na
ra do Baro dn Vid trfa n. i.
Olinda
Profesara
Urna senhira que rnnina primciras lettras,
iesenho, pian, flores, berdados e todos os traba-
lhos de Bgnlhii, propo-ft; a hcc-ioimr e particulares por modie prego, garautsndo grande
-.d.Mntfcmen'0 de suarj discipulas : quem desejar
utilisar-se deseos icrvic's, queira dirigirse a
ra do Caldcireiro n. 2, 1 andar, onde achara
com quera tratar.
Urasacerdote
Precisa-se de um sacerdote pura celebrar urna
missa de Natal no ng-nh 1 8 Miguel, distante da
;stacao de Ci ajoia de 7'J^OiX), daudo-ae conttaecao da metma
estacSo para o ngf uho O sac-rdote que nao
estiver compromet ido e quizer aceitar a ollera,
escreva para o cesmo engcnho, no Sr. Antonio
Pedro d't Cott<, eiitacao de Cuyambuca, al o dia
Dezembro.
Aluga se na rui Vii:to ?tto de Janeiro urna
boa casa com b-aueomaBodo* para familia, acliau -
dT se ca;M rji agua r g.3 cin.'i'isa
dos, peit da estafa co Carttn e d s hanhos sal-
ead-s ; a tratar no pateo c Corp Rapto n. 17,
3- tMir.
^s^isia\irozzzzzzzzz0ii
ITHSRHOMETRO MEDICO
de Lon BLOGH
(bvbmum)
5 Si/stemu extra-nensivel
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro com pratica de ta
rema ; na ra do Marques do Iierval u. 29.
Que nao experimenta variarlo algasia
de vida a contracc&o do vidro.
Adopttdo pela Ac,tml dt Itstllclni dt PtHi
i 22 dt tep'.embro de 1835.
^JZ^J)
l
T*oi os meas Tastrameotoi triz j
miaba Aisiflatan:
cha-te as prineipaes Casas de Instrumentos
de Crurgia.
Venda en Grosso: 18. raa Albouy, m PARIZ
Deposito em feriaatiM :
FRAN" M. da SILVA & O
e as prinoipae Pharmaciis.
uz
y/tjffr:/.\\\\\\\\\
Box casa de todos os Perfumistas e Cabelleiretros
da Franga e do Extras geiro
^a a oto r^ T-*____
PBBPABADO COM BISMTHO
Perfumista
FJLRIS, TIvlbl de la. -Paiac, B, PARIB
Aos 1.000:000$000
200:000*000
100:000000
LOTERI
En favor dos ingenuos da Colonia Orpianologica Isalie!
PKOVJNG A. DE
a 15 He
PERNAMBUGO
0 thesourciroFrancisco Goncalvcs Torres
1
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pilulas purifleab o Sanue, correm todas as desordems de Estomago b
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das constituepes delicadas, e sao d'um valor incrivel para toda? as enfermidades I
peculiares ao sexo feminino em todas as edades. Para es meninos asum como tambem para as
pessoas de idade avanzada a sua eflicacia e incontestaveL
ssas medicinas s3o preparadas rnente no Estabelccimenlo do Professor Hollowav,
78, NEW OXFORD STREET (antes 5:13. Oxford Stroot), LONDRES,
E vendemse em todas as pharm?cias do universo.
compradores sio convidados respeitosamen'.e a examinar os rtulos de cada ca:'a e Pote f s nio teca a j
direccao. 533, Oxford Street, sao falsicacoes. g
I K*T Os com
P*>rapassarafcsta
Alupaee urna ptima 2sa na Boa-Vi.igem,
perto des bnnhos e c.'Bi exccllrntc acconmoda-
r;3es para familiu, pre(o rasaesd ; trata-se nu ra
arga do Jiosuiin n. 34, ihr.imacia.
Portas e j^iellas i)
>w DE ^Jtt
arca!......-**
Xo eseriptori deste Diario se dir q'icm prensa
comprar 2 poita d 12 1|2 plesna ii altura p
13 juii m s. tu -o de leen <;u amasvllo.
aribe
PreeM-ae de um erido do 12 15 annos t.c
dae>, que saiba Irr e eserevn algnaa coups, o
que d coubeeimeato du sua condaeta ; na ra >lo
Hora Jess n. 28.
Compras por atacado
O Peliornl de C ambara
tem presos especiacs para acuelles que compra-
rem grandes porcoes. DistribU'rase impressos a
qut m (s pedir, contendo as condicoes de vendiie :
narria dj Mrquez de Olinda n. 23, drogara dos
nicos ; gentes e depositarios geraes
Francisco M. da Silva (^ C.
MORSONs PEPSINA
e
urgen
Abrite ra do Bcm Jesna n. 23
ma-
te a Boperior t;>l trrgero r!e Jnguaribo,
acondicioDade e barrii'i ; pi jifias para o
,'.r.
Esta cal, em oad i n r que nns
vem do estmngfiro, vend 6xo '' 6)9(000 a br.rrica p r contracto que
fes o Sr. Vicente Nascimento com o Sr.
Jos Costa Pcrcira proprietario do engenho
Jaguaribe, ^ujas pedreiraa lhc J o nome
E' encnrrrg:do da venda nicamente
nesta cidade o Sr. SebaatiSo Bezerra,
com escriptorio ra da Bom Jess n. 23.
ri* rnasATT a
INDIGESTAD
Sob a forma de
FRASCOS, POS
jCL0BjL03.
VNDESE no MUNDO INTEIRO.
PREPARADOS DE
fVpus'na Morgn
Muito recommendatias
pelos prtncipaes Mdicos.
ORION Si SON
SoutbimptOD Rot, Russell-Sqiure
LONDON
lHISltrisiePernamtooo :Fraiie"M.(IjSrx.vAeiOl*.
Barato
Qupm quizer comprar ties cusueB de caehorr -
nhos do reino, braucjs, felpudos, s ndo um grande
e dctis pequeo?, m nuncio por este Diario.
/ww iaeuiatjifei
A PEPT0MA
SabarorrnarioVlNHOeiPEPI.'OliA
J preparado per 2?o resan a> Fsr, u.-u'
AmedicamoBtoqae mcuy cun'ribue (ara fac-,
-.'. litar as fu necee lo istomago, e regalara a j
\ yestio, UDicr o eic Avcracer i natnc 4
f oo domta. i
Sanniiiaere ia ezper^amist fcHa pslos*
; neis i'amf.dos m dicos 4s Vavii e -utro!
f.ios demstraraT a efUaii do VI2HHO
tDE .VEPTONA DBFR3ITa; na ins-.
i ycasiiilidade em que est^*s de rprodmir i
*toda as man cartaK, BJ.tamo-ioj a apr-4
raesgtar ajcii atarla diriyjia j>o Sr Defi-ar. v
5 por om ficuirafivo, cujo UM o a sma iU,
5 besa conhecidos pelo mundo niedkai.
ti o I* aOet ao SBr l)eft taso:
V iJanUs, a ') la Ma-co ds 1881 [
- lasao o josto ds Iho bioj i festar a Wr,
teafei que tire com i va Ftiptona, f9}ot<
cta renutaon Q6e coa lia ^canees aos
eisos gravea om q-^e a teub en pregado.
! Semen quando tiie de bat um ecte-
j^pj catisat^ -lente ou com \ As diget !
toes prepara^: alrvioa o
ejc::te..'Ma>?ior>ii>tiS-lhe ao funcf53 Jigeli-<
va, sauitaa u"Uk>re idbsas, obir/j*
Vierucai < a-eninc rac>;icos devm af
^aeda c a da Pvptona. Por isa. Sea*
S oasidero ctva um \?rdade>io dscr o re
y-inmsnd!-.?. ca meu s doeves r.'-j n (panfa
? punxaro de cs&t:
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fisrado de >aealho
o
coa
de cal e soda
4pprovada pela Sunta de Hy
glene c autorizada peto
goverao
E' o melhcr remidi at boje de*cobert:f para a
(Inlra hronrhfieN. eMcropliiiSnM, rn
rhlttn. anemia, i etiilldadc ein uoral.
defiDiu, tii clirwnira e alTccefie*
uu pello c da uacuanin.
Waniito superior ao olee simples de ligado de
bacalhio, perqu, iilm de ter cli iro e sab-r agra-
daveis, pr.ssue todas as virtudes ir.ediciuKes e nu-
tritivas to oleo, alm das propriedades tnicas
roconstituinti s dos hypoi'hosphitos. A' venda na*
i regaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
CONTRA
Delux^a, Grippe. Bronchitaa,
Zrrita5es do Peito, o XAROPE e a PASTA peitoral
de NAT le DELANGRENIER fto de urna etca certa
6 verificada por BftsBbrM la A&nlrniia da Medicinada Franca.
Sem Opio. Mor>hna nom Codna ilA-e sem recelo as
criena? asTeotadaa VAiilS. ra Viviran-, &3, PARS
K KM TODAS AS PHARMAClAB
DO MUNDO.
B
LOTERA
VPROVISICIl
DO
-PARA
f VINHO E GRAGEAS. VIVIEN
EXTRACTO NATURAL DE FIGADO DE BAGALHO
Premiado com medalhaa de Ouro e Prata
PELA ACADEMIA NACIONAL
Ordenadi. no hospltaea da Franja, America, Inglaterra, Bnwri*,Ms.
Administrar sob forma mui faci! e agmdavel todos os elemento curaToa 4o atoe
evitando assira o chelro e sabor nauseosos d'este; alem d'isso esta preciosa preparada
tem urna superioridade incontestavel sore o oleo porque pode ser usada dorante o
grandes calores em quanto o uso daquelte impossivel, tal o eminente serrleo prtataae
pelo Doutor VIVIKN; experiencia tem conBrmado o bom xito d'esta producto.
Eligir a firma do inventor H. VIVIEN em duas cores ao reda." do crgalo d oaa
garrafa com o Sello de uniao dos Fabricante /o, bonlevard Strasbourg, tm PARS.
NOVA
LOTERA DO CEAR
A 3- serle Ua 2: lotera correno flia 8 HoDezefire
2OO;OO0*000
Esla lotera est a cargo de um novo
thesoureiro, que prestou urna grande flanea
para garanta dos premios.
0 portador de dons vigsimos
esta imporlaiile loteraesl habilitado a tirar
20:012
Logo que ciiegue o telegramma da ex-
traeco sao pago immediatamente, os pre-
mios.
BILHETES A VENDA
RODA DA FORTUNA
36-lua Laro do Rosario
o
HfflS
TIfi/ *tm? 1111^ \* Approvndos pela J
3#/ GRAInS \* Agentes, womack
unta Central de Hygiene da Corte.
j c ,- Aperientes, cstomachicos, purgativos, depurativos, contra a
de odlue I* Falta do appetitt*, Priso de ventre, Enxaqueca, Vertig-en,
du docteor ti congestes, etc. Dose ordinaria : /. i s orSo.
Jt, Exigir Mlt'at'i'IC'WJti-M com rollll ciu 4 cores, ea
^.tRAWCK SJT as W;1 F.l I i 111: liWiY*.' I *T1 as>enatur A. {(/l'Cire em tlitl le mi
Em PABIZ, Pharmacia ILROV.
- EM TODAS AS PBINCIPA1
]iproxiinandc-s3 o flm do asmo c dse-fa-
jando apresenttir aos nossos bons c benvolos
freguezes um sorlimcnto completa mente novo,
liquidamos apicgosbaratissimos urna grande
variedade de artigos e tecidos de seda, la,
linho c alguiis cortes de casemira. ditos em
pefas, algodoes,madapoloes,topIbas felpudas
para rosto c banho c muitos outros artigos
que nao deixaro convir. J
Costumes de exceilente fazndas para
senhoras 10j$000.
Ditos ditos ditos para liomens 81000.
Ditos ditos ditos para criaiicas 5$000.
Una PriinBiro fle Drcs i i
DO

OPPRESSAQ
CiTUflDa'LOM
IIEVRL&t
tLsplra-ee a fuas-J que penetra no pello acalma o ayinptoma aervoso, faciitt
a expectoraa e rotisa as funecoes dos orgas respiratorios.
ca* ea S. EtPIC. in,m fci-Lsitrt, em Parla
tt*ia*itario$tm Iftrttmmbu**JB4f_c?_ff..;. 'ijjA & c.
Aviso
CONCEDIDA PAUA A CONTRUC^AO DE
NOVO HOSPITAL PARA A SANTA CASA
DE MISERICORDIA DE BELEM
UM
sw
Efb.-:rafopor4:U0i>S
L)uas es>
nma pa ri
t>.e, reinif


Criado
Precitn-te de um
rna Iir.p lia! n 17.
i v;ioprat;cadocosaomedicorstecd* 1
Prst M acuca vVs 1831 j 830, piriodo em\
Jn a fiecssidaoV de (figrir oa' alimentos, i
* i.r.r/icdiutarnente cnso.-nf os era menos ia-!
PPi-iosa do que hoje^en'Ao tu eonstitlicoes
jj' s .' -r^da; d'um robusto appetne. favor ridat
r cbo fTinde ?bundan-."i Je torcos gas
incoe \te ^evocava a prorapta ran;'?oiin-
pc eos star.entos bm refractarios.
0 Icje, porro, i4 qno os estmagos defctli-.
UJos earecem de energa, 4 convenieata
tfetaf aio ds todas ar eabstancias ru U-
citiUin a dipestSo, como, Mr axumi'la, d
na S'^;re-t:na.
i 0 preceito de h^iene msU impertsaU,
; orr-rr. fr.a'.s desprota^o este : G&ater.
mudo eara revirar ut*. P este o se-,
gredo da saude, e durinte muita tempr es
mf.n.-. estn.rint tiverara este atsimpto |ior
Brincp otjeeto; alm d'isso a -nuihi si-
[tp'ifio ele medico naRepailicSo de Genull-'
ceasta d'esta cidade, em que os tscrofolaaesj
o lTir.phtti;o* tbundam rora de oedids rae
fiparmitte.u fiztr muitu felites i^pcacoas*
? de neus exrsiii-ntss productos. ?
9 -:iia-sb o deposito de to vacmo aiedi- x
camento em PhariBacjas e Drogarits li'essa
Icidsde. E'yreci te ain icoit.;r as imitacoes, .;xiginlo
5flsa rasrdsdairotrUJHO OBTi
0 Sr. C Collapo
ltente fo Jornal C'arldnde
E' ihmado ra Duque de Caiias n. 61, para
nal tratar ' nonciar suu morada para at.r procurado
EXTRAC^AO
SEMANAL
EMMJS8A0 50.060 I1IL1IKTE3 DE 20*000,
EXTKAH1DOS EM VIGSIMAS PAUTES
1 Premio...... de 2UO:00(J
1 . ..."... 4":0O0J
1 . ....... 20G00I
1 . . 1O.-0O0
4 .... 5:000
JO . ....... 2:000#
20 ....... 1:000*
99 .. (Mira a centena do 1.
premio..... 200*
99 pera a centena do 2."
prsalo..... 100*
99 para ti ti ulcnu do 3." m
premio. . L0i
99 pura n c premio..... 40*
499 . pira todcs os nme- 1. rr. 100*
ros cojos duis ltimos 2." pr. SOe
499 algrioios sejair. i- 3." pr. 50*
499 . guaesas teimiiitoes do . 4. pr. 40*
2 n roxi'ms^o' do 1. pnmio 2:000*
a 2." 800*
2 3* 4(0/
2 4. 11^
4999 tcrro!ba(,o.'8 do 1 ^
o 2o c T
Total 19436 premios
Petra, 30 de Outubro de 1886.
Os sbaixoassignades scientificam ao publicoe
com especialidad,; ao corpo con inercia! desfa pra-
C, qje disso verain amigavelmcute a sjciedade
que tinbam no tetibclecimento de reiina^o de
aaeucar, sito ru-i Vidal de Nfgreirrs*is 4S e4S,
que cyrava sob a razio f ocial de Joao Antonio
Francisco Alves A C, sabindo o sxo Joaqnim
Silvestre T.ixeii p.Tgu c satisf:i:o do seu capital
e lucros, ficanda o activo c paesivo da exiincta
firma a c rgo do ex socio Joao Antelo Francisco
Alves, tob cuja firma individual contm i o gyro
do mesmo negecio. Recife, 30 de Xovembro de
lfi86.
Joao Antonia Francisco Alves.
Joaquim Hlvcctrc Teixeira.
l-i.

PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
cor-
au-
i
i
MpSTl
Arreinataco
No di i 14 do
reate, depois da
dieneiado Dr.juiz mu
nicipal do temi de
lpojuea ser arreni:.*
tado de veuda o enge-
nho Tapera a va liado
por eineoenta contos
de ris.

czi

^S
O Remedio mala efficaz 0
Seguro que se lm descocerlo ale
hoje para expe'Hr as ion trigas.
IOQillAVOL IREBES
Cosnhcro
vs
ir-
5
Precisa se de nm cosinhetro ; a tratar oa roa
do Puysnnd 11, 19. Pka*agem da Magdalena,
Criado
Pr"cis-Be de uu. i-riai. ; u 1 uia Nova n 15.
Pastillias vermifag-as
de Nfing
o meihor efp'cifico c ntia vertr.is : deposito cen-
tral em caa de Faria Sobrlnhofe C, ruado Mar-
que* de Olind n. 41.
\_rno.


Diario de PernambucoQuarta-fcira 8 de Dezembro de 1686
>




VENDAS
-__ Vende-f o um p quyio esUbeleeimento de
molhados em urna das melhore localidades : a
tratar na ra da Dettucilo n. 19'
Vend eu o cstabelcciinenio de molhados sito
pract do Conde d'Eu d. 15; a ftutnr n-i mesino.
A evoluQo
M. ^B
A' ra Duque do Caxias, resolveu vender
os seguintes artigos coro 25 /0 de me-
nos do que era outra qualquer parte.
Zephiros fino1, lindos padroes, a 500 rs. o covado
Lia de quadros, a 400 ri o covado.
Ditas lavradas a 400 res o dito.
Ditas com bolinhas a 500 e 600 ria o dito.
Ditas com lislrinhus de seda a 560 ris o dita
Ditas aiescladas de seda a 7(10 ris o dito.
Cachemir* de cor a 900 e 1200 o dito.
Ditas preUs a 1*200, 1 500 e 2*000 o dito.
Ditas de cor bordada de seda a 1*500 o dito.
Linhos escoaseres a 240 rs. o covado.
Zephiros de quadriuhoa e lisos a 200 ris o co-
lado.
Liabas lisos a 100 ris o ovado,
Setim macao a 800 e 1*200 o dito.
Dito damass a 320 rs: o dito.
Setinetas de (padrina s a 320, rs. o dito.
Ditas escocesas a 440 rs o dito.
Ditas matizadas a 360 rs. o dito.
Cretonas nnisaimos a 360, 400 e 440 ris o co-
Chitas escuras e claras 240, 280, 300 e 320 ris
o covado.
Nansc finas a 300 ris o dito.
Enxovaes para baptisado de 9*000 uin.
Colchas bordadas u 4*, 5*, 7*, c 8*000 ama.
Seda crua a 800 rs. o covado.
Colchas brancas a 1/5^.0, a 1*800 urna.
Oobcrtas de ganga a 2*800 urna.
Fecbs prateadosa 2*500 e 3*000 um.
Ditas, de pe luasia a 6*000 um.
Ditos de i a 1*000, 2*000, 3*000, 3*500 4*0uu
e 5*000 um.
Panno prtto fino a 1*000 o covado.
Cortes dj caaemira a 3*000, 5*000 6*00f
A' Florida
Rna Dnqne de Callas n. IOS
Chama-te a attencao das Exmas. familias para
os procos seguintes :
Luvas de seda prcta a l*000.o par.
Cintos a 1*500.
Luvas de pellica por 2*500.
2 eaixas de p*pel e envelopes 800 rs.
Lavas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
O par.
Suspensorios p ra menino a 500 rs.
dem amer.canos para hornera a 3*.
lletas de Escossia para enanca a 240 rs. o par.
ritas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ramea de flores finas a 1*500.
Lavas de Escossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrati, a 500 rv, 1*. 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Rosetas de brilhantes chimicos a 200 rs. o par.
Guarnico.'s de idem idem a 500 rs.
Anquinhas de 1*5M), 2*, 2*500 e 3* ama.
Plisss de 2 a 3 ordens a 400, 500 e 600 rs
Espartilho Boa Figura a 4*500.
dem La Figuiine a 5*000.
dem estreitinhos com 10 metros a 800 e 1*000
a peca.
Feotes para coco com lascripcao.
Babadores com pintara' e intcripcoes a 500 rs.
Para toilct
Sabio de areia a 320 rs. um.
dem phemeado a 500 rs. um.
dem alcatrio a 500 rs.
dem de amendoa a 300 rs.
dem de alface a 1*000.
Agua oleste & 2*000.
Agua divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Maceos de seda a 100 rs.
Meias brancas para senhora a 3* a duaia.
Estojos para crochel a .$000 rs.
Linhas para crochet cor de creme 200 rs.
Linbas para crochet de seda mesclada 300 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largara a 3*000. 4*000 e 5*000 a peca
BARBOSA & SANTOS
Leitura para senhora?
Brolhes nikelados e dourados a 2*000.
Bonitos grampos dourados a 500 Veis o maco.
Esplendido sortimento de galoes de vidrilbo.
Grande variedade de le ines de sitim, a 4*000.
Frisadores americanos paia cabello a 3*000 o
maco.
Betas de phantasia para cabello.
Bonita colleccio de plisss a 400 ris.
Brineos, imicao da bnlhanto, a 500 ris.
Aventaes bordados para enancas a 2*000.
Chapeos de fustio e setim para criancas
Sapatos de merino e setim idem, idem.
Meias brancas e de crea, fio de Escocia.
Pomada de vozelina de diversas qualidades.
Sabonetas finos de vozelina e alface.
Extractos fiaos de Pinsad, Guerlaine Lubio.
Lindas bolsas de coura e vellado.
Fechs de 12 para senhora a 1*800.
Sapatos de caaemira prcta a 2*0(10.
Tesonras para costara, de 400 ris a 3J000.
Pacotes de p de arroz a 300 ris.
Fitas de todas as qualidades e cores.
Immensa variedade de botdes de phantasia.
E milhares de objectos preprios para tornar ama
senhora elegante, e muitos outros indispensaveis
para aso das familias, todo por precos admiravel-
mente mdicos.
Na Graciosa
Roa do Ctespo n.
Doarte & .
Crep para cok rU a 1*000 o covado.
Cretone para cubtrta a 400, 500 re. o covado.
Leneoes a 1*800 um.
Bramante d' linb > a 2000 a vara.
Dito de algodo a 1*200 a dita.
Dito de 3 larguras a 900 ris a dita.
Panno da costa a 1*400 c 1*00 o BWYfld*
Dito adamascado a 1*800 o dito.
Espartilhog de ouraoa a 4*000, 5*000, 5*500, de Caxias n. 47.
*000 e 7*500 um.
Cortinados bordados a 6*500, 7*500 e 9*000 o
Cocheira venda
Vende-se urna cocheira com bon3 carros de
passcio, bt-m localisada e afregoezadL, por preoo
muito mdico, em razio de sea dono nio poder ad-
ministrar por ter de faer ama viagem : os pre-
tendentes achanto com quem tratar ra Duque
Vende-se
par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Lencos de 1200 a 2*000 a duzia.'
VelludilhoB lisos e lavrados a 1*000e 1*200 o 0 D0tel e ho icd.ria Estrella do Norte, na Lin-
covado. goeta. O proprietsrio deste hotel tendo de reti-
Anquinbas a 1*800 rs. uuis, | rar-ee para fra desta cidade, vende o seu esta-
Panno de crochet para cadeiras esofi a 1*000, j beleeimento por prreo bastante commodo ; trata-
1*200, 1*600 e 2*000 um. ; se no menino, i ra Thom de Soasa n. 8.
Henriipie da Silva Moreira.
Vende se
WHISKY
OYAL BLEND marca VIADO
Este excdlente Whisky Escesses preteriv
"_.f?!! !.CCr..S!?.S.Unf0!.' ." /"". h coenac on guarden* de canua, para fortifica
5 corno.
Vende-se a retalho nos i>. ibares armazent
oolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cujo n.
me e emblema sio registrados para todo o Brasi
BROWNS 6 C, agentes
aroprio para principiante : a tratar na roa do
Coronel Suassuna n. 91 O motivo da veada se
dir ao comprador.
Serrara a vapor
Caes do Capibaribe o. t
S'esta serrara encontraro os sf chores fregue-
ses, um grande sortimento de pir-hi de resina de
einco a dez metros de comprimen e de 0,08 a
8,24 de esquadros Garante-ee preco mais como- j Je 3X9, 4X9 e 3X'2 ; vende-se na serrara a va-
to do que em outra qualquer parte. por de Climaco da Silva, caes Vinte Dous de No-
Francisco dar Santcs Macedo. rembro p. 6.
PIMO DE RIGA
(Molestias da Garganta
PASTILHAS DE PALANOI
da Chlorato da Potaaaa e Alcatrio
^
^
^
Para as enfermidades da bocea, inflammaeio da garganta, aphtas, ulcerafao das
gmgivat, seccra da linguae do paladar, rouquido, inehafao das amygdalas, etc.,
no ha remedio mais efficaz e rpido do que o chlorato de potassa. Si se he junta |
o alcatrao cujas propriedades balsmicas e purificantes sao r"jversalmente reconhe- [
cidas, accelera-se a cura destas pequeas enfermidades e evita-se sua repeticSo, |jj
dando ao mesmo tempo niaior forca aos orgaos.
As Pastilhas de Palangi se dissolvem lentamente na bocea e obrSo como gar-
garjo; passao, depois para o estomago e dalli para o sangue que se purifica sob a
benfica influencia do alcatrao.
Estas pastilhas sao muito usadas pelos Cantores. Advogados.Prgadores e todas
as pessoas que sao obligadas ful jar em publico.
Deposito em Pas. S, Raa Vjrienne, e em todas as Pharmaclas.
''.
CAMEIRO DA CUNHA ft C.
Peden, as Exmas. leiloras 5 minutos de alien, ao para os se-
gantes artigos, alias baralissimos!
Bonitos sortimentos de merinos de todas as cores, a 600 re. o covado !
Linda escolha das roc-lhores cachemires, a 500, 600 e 700 rs. o dito !
dem idem de quadros, novidade, duas larguras, a 1^600 e 1#800 o dito !
Setinetas de phantasia, a 400 e 500 rs. o dito !
Caxemires felpudas, duas larguras, a lfJOOO o dito !
Limor.s com palmas de seda, a 800 rs. o dito !
Merinos pretos, dfsde 900 rs. a 2A3O0, o dito I cOr g.ranti.ia.
Lindes vestuarios de 1H para criangiis a 7(jl500 o 8#00.
Ricas gusrnigos de crochets para cadeira e B'.f, p r 8J000
Velludinbos de todas as cores, a 1$000 e 1200 o covado !
Sctins Mseo, verdadeiro, a 800 e 1,J000 o dito !
Luvas de seda de todas as coras, a 2(5000 I
L?ques de phantasia, a 10000 e 10500 I
Meias para criancas, a 2500 a duzia I
Esguio para casaqoinhos, a 4000 e 455000, dez jardas !
i'ambraia branca bordada, a 6)9000 o 85000 a pega !
Actoalbados, bramantes para todos os precos ; algodoes, madapoloss bara-
ttssimos e muitos outros artigos que se liquidara por menos que cm outras partes.
59Ra Duque de Caxias59
J**^^^*s>M*V>A*V>W<***M^AA****A***A**A*sWl
i

ELIXIR &VINH0
Digestivos
TROUETTE-PERRET
de PAPAINA (Pepsina vegetal)
sio os mais poderosos digestivos conhecidos at agota, para combater as
AFFECQES DO ESTOMAGO: GASTRITES, GASTRALGIAS
DIARREAS, VMITOS, PESO NO ESTOMAGO, M DIGESTO. ETC., ETC.
CM (UUQB LOGO DEPOIS DA COMIDA BASTA PARA CURAR OS CASOS MAIS HBBELDES
vsnda as principass Phannacias s Drogaras.
Venda en grosso em Paria .TROUETTE-PERRET, boulevard Vollaire, 064
Deve-se exigir Sello do Oovarao rraaoea sobre os Frascos para evitar as raJaincaoftea.
Dwltm m ftriUHRtwa.'nuril. da XXVA* OS sss prlaristMFkiraastSL
Wi^M^^^^^^^^rVtAsV^sV^^tKs^s^sSi^^^^MSasVMsV
INJECQAO DE GRIMAULT E
Prep*nUU oom m fblhM de l*oe
ijiprarad* pe Jauta d'Hygiene do Rio-de-Janein.
Esta injec^Uo preparada com as folbas 4o Mattoo do Pora para con
da blennorrhagia, adquiri em pouco tempo urna reputacao universal por
ser a tnica innocente, contendo apenas vestigios de ses adstringentes, que
se encontrao em outras em grande quantdade. Em poucos das ella acaba
com os corrimentos mais dolorosos e mais rebeldes.
Deposito em Pars, 8, Roe Viviena, 8
Crn* trmMoo l*rm a mmro d fabrica, a firma a o amllo da noaaa caaa.
Grande reforma U...
Realmente foi grande a que se fez na Loja dos
Bsrateiros.
Ina da Impcrairli n. 40
E sao os nicos que tem as seguintes especia-
lidades MI...
IA e slpacas, grande e importante sortimento,
e lindissimos padroes, o mais tino e apurado gosto
que tem vindo, e por proco baratissimo, de 500 600,
700, 800e lOOO.o covado, porm fino e bom .'...
Querem ver ?... apareeam !!!...
Ezmss. senhoras !!...
Temos um lindissimo sortimento de iailhe, que
a vista agrada a mais excepcional freguesa ; ato
por menos do que em outra qualquer casa ; t n.
48 !....
Pois custa 600 rs. o covado.
Temos mais lindos sortimento de fustoes a 600
rs. o cor ido.
Chitas 'mas, especialidad'-, porque honve gosto
na escolh i, e vende se por 240, 280, 320, 360,400
e i.u rs. o ovado, 6 n. 40.
Tambem temos!!!...
Lindos padroes em baptista de 180 a 200 rs. o
covsdo.
Cambraia victoria e transparente tinas e boas
de 3*300 a 8*000 a peca
Bnm branco de linho specialidade de 1*500 a
3*500 a vara pechincha !
Brim pardos liaos e trancados do 700 a 1*600 a
vara, aproveitem festa.' !...
Mohsckim grande sortimento a vontade do fre-
quet, vende-se de 400 a 560 o covado, venham !...
Sitioctas !!.'... esplendido e importante sorti-
mento nesse artigo, sendo brancas, pretas e de co-
res, lavradas e lizas, o que se pode desejar em bom,
vende so de 400 a 6C0 o covado.
Temos mais M !...
Caaemira de todas as qualidades e cores, e ta-
semos costumes de 30/ a 60*00, barato e em
covados de 2*500, cousa fina e que a todos agra-
dara, apptrecam !
Acreditem ?...
Veuham ver, para crer !!!...
Madapoln de l> quaiidade de 4*500,] 5*500.
6*500, 7*500, 8*500 e 10* a peca, e que ha de
mi-lhor.
AlgodSo de 3*5C0 a 7*500 e 8*000 a peca tem
20 jardas.
Camisas de meia de cores e brancas de 800 a
1*800e2*000.
Colcha de lindos desenhos a 4*0C0, casta6*000
em outras casas.
Pannos da costa do melhor que ha custa apenas
2*750, o metro, pechincha !
Bramante de linho a 1*800 a vara, 10 palmos,
para a cabar.
dem dealgodSoa 1*300, palmos tambem bom.
Algodo emftstado, 10 palmos a 900 rs. o metro,
muito bom para Icncoes.
Alem das fazendas j mencionadas temos muitos
artigos de modas como seja, lequcs de fino gosto,
gravatae, colarinbos, punhos, meias etc. ete.
Alheiro &C.
RA DA IMPEBATRIZ N. 40
Atten($o
A Loja das Estrellas
A' m Dun le Gaiias 156
Querendo liquidar diversos artigos para nao
entraren) em balanco, resolven vender por
menos 50% d* aeu valor.
Como sejam :
Damasco de algodSo a 320 rs. o covado.
Casemira Othemana a 320 rs. o covado.
Zephir de ama s<5 cor e quadros a 100 e 120 rs.
Alpacas de todas as cores a 240 rs. o covado.
Brin de sores a 320 rs.
Algodo com duas larguras a 700 rs. o metro.
Bramante com 10 palmos de largura a 1*500 o
metro.
Merinos de todas as cores, 2 larguras a 800 rs.
o eovado.
Fustio branco muito fino a 400 rs. o covado.
Plisss finissimes a 400 e 500 rs. o metro.
Panno fino preto, 2 larguras a 1*200 rs. o co-
vado.
Percalles finas a 240 rs.
Nansuk lindos desenhos a 160 rs. o covado.
Toalbas alcoxoadas a 2*200 a dasia.
Atoalbado com lindos desenhos a 1*300 o me-
tro.
Guardanapos pequeuos e grandes a 2*500 e 4*
duzia.
Meias inglesas para homem a 4*000 a duzia.
Assim como granJe quantidade de retalhas de
sedas, eetinetas, lana casemiras, chitas, etc., que
se vendem pela terca parte de seu valor.
Para eugenboa
Grande sortimento de algodo da Babia, Rio,
Americanos, brancos e de cores, que se vendem
lquidos e com descont.
Para a reata
Novidades recebidas pelos ltimos vapores.
Cortes de etamyon ricamente bordados de 30* a
60*000 um.
Mantas andaluz s para soire.
Setim mulsomano de todas as cores a 1*000 e
1*200 o covado
E muitos ontros artigos que se vendem sem com-
petencia._________________________
LiquidaQo
Chpos modernos, palmas, plumas flores e fitas
udo por preco mmto barato.
Mme. Niquelina
Ra cas Cruzes n. 39
Oleo para machinas
Em latas contendo cineo galoes, a 9*000 ; ven-
de-senos depsitos da fabrica Apollo.
DA
COLONIA ISABEL
*
C
No din 9
EXTRACQO SEMANAL
5.' parle da iV Miria
ORRE
de Dezembro de 1886
Intmsfcrml I I&trattsf$rv$l I
PORTADOR DE UM VIGSIMO ESTA' HABILITADO A TIRAR
12:006$200
Esta lotera est garantida, alm da fianza, por nm deposito
no Banco Rural do Rio de Janeiro equivalente ao premio grande
de cada serie.
BILHETES V YENDA
0
\A
RODA DA FORTUNA
36Ba Larga do Rosario30
Bernardino Lopes Alheiro.
EXTRACCAO
DA
.' serie da 24 lotera que se extraliir na igreja da Conceicao dos Militares
EM 9 DE DEZEMBRO AS 4 HORAS
SOB O SEGUINTF.
PARA EXTRACCAO DE LOTERAS NESTA PROVINCIA
lA
COLONIA ISABEL
CQNCEDiDAS PELA LE PS01INCI1L 1.184/, E APPRWA80 PELO BOL SI. VICE PflESIDENIE
POR 1CT0 DE Z DE SETEMBRO K ""
4o,ooo bi'hetes em vigsimos l$ooo .
Despezas..........
800:000$
U8;8oo
82
1 premio de,
i dito de
i dito de
i dito de
i dito de
9 ditos de
23 ditos de
400 ditos de
forem iguaes aos
1 dito de
1 dito de
99 ditos de
99 ditos de
99 ditos de
240:0001
40:0001
20:0001
10:0001
5:000*
i8:000*
23:000*

40:0001
1:000*
1:0001
39:600*
19:8001
9:900*
8:000*
6:000*
4:000*
2:200*
1:700*
36:0*0*
96:0004
"681:200*
Esta lotera ser dividida em 20 series de 4,000 dezenas. Quando as terminacSes do 1.a e 2. premios forem
iguaes, a d'este passar ao algarismo immediatamente superior. De9 passa a 0e de 0a1. Os premios sf-
pagos sem descont algum.
0 premio grande de cada serie acha-se garantido por um deposito equivalente e igual quantia no Banco
Rural do Rio de Janeiro.
24 deNovembrode 1886.
O THESOUREffiO,
troncheo Goncalves Torres.
......2:000^
1:000$
para todas as centenas, cujos dous algarismos
dous ltimos do primeiro premio inciusive
1:000$ para a sorte, cujo numero na extraccao for mais alto
1:000$ para a sorte, cujo numero for mais baixo
400* para toda a centena do Io premio.
200$ dem idem do 2 premio .
100$ idem idem do 3o premio .
2 apps. de 4:000$ para o Io premie ....
2 ditas de 3:000$ para o 2o dito ....
2 ditas de 2:000$ para o 3 dito ....
2 ditas de 1:100$ para o 4o dito ....
2 ditas de 850$ para o 5o dito ....
4,000 terminales de 24$ para o Io premio inclusive
4,000 lerminacOes de 24$ para o 2o premio inclusive .
I
1
i
1
i
m



>
Pcrika!iibuc-tyuartafGra 8 de Dezembro
ue looo
UTTEHAM'.

/
I

\4VIER 0E MOMTPIX
TRADC^AO
DE
P1LERMO DE l'ARIl
CAPITULO I
SEIS HORAS DA MANHX
SenhorI... Souhor !...
Heiu?... O que?. .. O que ?...
SSo horas de se levantar...
O que dizes ?. >.
Digo que s3o horas de se levantar...
Est souhaudo, Jos ?
Ko, senhor, no sonbo. Talvez
se ja o senhor...
Que horas so ?
Seis horas da coaiiha.
Isso um deploravel gracejo, Jos !
Desdede quando tenho eu por costume le-
vantar-me antes d aurora ? Nao sab-s
que estarnos em cezeiubro... uSo sa-
bes que ha nev e vento, e que o meu
thermometro marca va hantem noita dez
graos abaixo de zero ?...
Sm, senhor, sei tudo isso...
Ento, =e o sabes, vai para o dia-
bo!.. .
Nao, senhor, nao vou.
Vamos, imbcil, deixa-mo dormir.. .
Isso u3o pode ser, senhar. .
E nSo fars favor de me dizer por:
que ? i
Ent3o esqueceu sb ?
O que, maroto, o que esquejo eu ?
HoatenK qando veio pira casa,
meia noita menas dez minutos, o senhor
fei--me a honra de me dizer assim:
Jos Jos, amanh o dia 22 de de-
zembro. Sim, senhor. Jos,
acordarme has s seis horas da macha,
sem falta. Sim, senhor. > E aqui
est a razie porque venho accordal-o s
seis horas em ponto. Quero que o senhor
me mande para o diabo, mas quero ficar
na sua companhia.
__Ah verdado O que o somno!
Tinha esquecido tuda Tens razio, Jos
e ff.50 te os meus elogies. Vamos depres-
\o de ter velado toda
que d>
xar de ser
sa, accende o fogUo, e prepara tudo quan-
to nocessario para vestir-me. Nao tenho
um segundo a perder. O Bcelerado cami-
nho de ferro de Orleans exacto como
um chronometro.
Pronunciando estas ultimas palavra,
um alto e bello rapaz de vinte e seis a
vinte e oito anno3, que ouvimos dialogar
ha um instante, mas que ainda nSo vimos,
afastou repentinamente as roupas em que
estava envolto at aoN)escogo, saltou da
cama abaixo, parecen/o deixal-a com tao
vivo e natural peasf, vestio-sa rpidamen-
te, e apertou na cintura por meio de um
cord3o de s Ja um chambre de Hanella
vermelha, e, finalmente, calgou urnas ele-
gantes chinelas que estavam junto do leito
sobre urna pello de urso.
Terminado tndo isto, deu dous passos
em frente, parou, tifastou as pernas, le-
vantou para o tecto os dous bracos, e, na
posigao de um X maiusculo, bocejou, e
espreguicou-se enrgicamente.
Brrrr exclamou elle em seguida,
estremeeeudo, e girando sobre si roesrao.
Quando me lembro que ha miseraveis se-
res, e ha muitos, bastante abandonados
pelo co e muito maltratados pela socieda-
de para serem obrigados a levantar se to-
dos os dias a esta hora '... NSo me lem-
bro qual era o artista ou escriptor que no
podia trabalhar senSo ao romper do dia...
NSo admitto esta- anomala senSo com a
F0LHET1M
O OOKCNI) A
POR
PAULO F7AL
SEGUNDA PARTE
O PALACIO EE SSVBSS
(Continuado do n. 281)
I t II
On reMuacilado*
a noite, por-
em de'espirito a dei
o como triota e seis
couves, dispertando i seis horas da roa-
nha. A mim, ser me-hia, impossive!, com-
pletamente impossivel, ligar duas ideas.
O nosso rapaz int' rrompeu este longo
monologo para so dirigir ao seu criado, a
quem diese :
Anda, Jos, faze-me a barba depres-
sa, v se deixas de ornar-me a cara com
algum lanho, e corre em seguida a buscar-
me a carrugem. Creio que tenho ainda
alguns instantes de meu.
Jos, pois assim so chamava o criado,
metteu mSos obra immediatamente, o
pareceu manejar o pincel e a navalha com
toda a destreza de um Figaro emeri'.o.
Aproveitomos o momento em que amo
e criado est&o oceupados, para darmos aos
nossos leitores a respeito de um e outro
alguns pormenores indispensaveis.
E comecemos primeiro, segundo o cos-
tume dos autores dramticos, por tragar
sem demora rpido esbozo dos lugares em
que se passa a scena que doscrevemos.
Quando se conhece o lugar, mais fcil
por em scena os personagens. .
J dissemos ou ouvimos dizer, o que
exactamente o mcsuoo, que estamos a 22
de Dezembro, e que sao seis horas da ma
nh3.
Posto isto, nao admiraremos ninguem,
acerescentando que o quario em que aca-
bamos do ponotrar, estava Iluminado nes-
te momento pelas velas de um candelabro
oollocado sobre urna mesinha de p de
gallo.
Este quarto bastante grande dava para
a ra. e tinba duas janellas ; era notara!
pela singularidade da ornameftagao, em
que os e8tylos das mais Jffereutes pocas
se confuftiwTn'"'e juntavam em pittoresco
-apnrate, sem que no entanto se ferisse o
clhar de um observador o de um enten-
dido.
Com certeza, esta casa servia ao mesmo
tempo de quarto de dormir, de gabinete
do trabalho, e talvez de sala ao 3eu pro-
pietario.
Assim, no fundo de urna espagosa aleo-
va, via-se um leito de volho carvalho, de
columnas torcidas, qne sustentavam um
pesad} docel preciosamente esculpido.
Espessas cortinas de um estofo oriental
cor de porpura envolviam este leito em
Bas dobras caprichosas e magistraes.
As paredes eram guarnecidas par ara-
bescos de ouro avermelbado sobre fundo
cinzento.
O fog3o desapparecia quaBi completa-
mente sob urnas cortinas de um estofo igual
ao do leito.
No centro desse fogao estava collocado
um relogio inuito curioso, de laca verme-
lha com a forma de obelisco ; o mostra-
dor, constellado de hlgarismos ndicos, oc-
cupava a extremidado superior.
L>e cada lado deste singular, relogio, vin-
do directamente de Bagdad ou delspahan,
brilhavam duas jarras de prata finamente
cinzeladas, obras incont-staveis de um dis-
cpulo de Benvenuto Cellini, sa por acaso
nao tinham sabido das habis raaos do pro-
pino mestre.
Duas grandes talhas do Japao, de mara-
simples cruz de b-no os descarnados bra-
cos do voias salientes.
A' direita, um grupo de velbo Svres,
quasi to encantador como os de Saxe de
Dumas filho, fazia symetria "ao busto da
cortesa quasi real.
Um pouco mais longe va se urna delicio-
sa cabega de adolescente, adoravel pastel
de Latour, n'uma moldura oval, cinzelada
como urna j>ia.
Um grande bahu de carvalho, do estylo
de Luiz XIII, sombro e severo como o
reinado do cardeal-ministro, oceupava a
parede em frente do fog3o.
No meio da rasa erguia-se urna inmen-
sa secretaria de Boule, carregada de livros
papis, albuns, desenhos, e enorme multi-
dao de accessorios querevelavam de modo
inuontestavel as oceupagoes, ou, pelo me-
nos, o gosto artstico do seu proprietario.
Entro as duas janellas, urna mesa pe-
quena de pau rosa sustentava enorme can-
delabro de bronze florentino.
As velas Jesto candelabro illuminavam
n'este momento a casa que descrovemos.
as paradas podia admirar se, alera do
pastel que j mencionamos, urna Virgem,
vilhoso esmalte, urna bonita lampada de verde.
de Tintoret; urna kermesse, de Teniers ;
um veterano, de Charlot; as raulhores tur-
cas no banho, de Daz ; urna redcelo
penna da Smala, de Horacio Vernet; os
Amores de Frazonard; urna scena amoro-
sa, de Watleau ; urna marinha, de Morel-
Fatio; eacavallos, de Alfredo do Dreux.
Separando cada um dos quadros, tro-
pheos de'Aechas das Maldivas, langas in-
dianas, escudos do concha de tartaruga,
urinas rabes, partazanas, capacetes do so-
culo XII, arcabuzes e espadas de combate.
As cadeiras consistiam em um largo di-
vn de forma turca, coberto com um esto-
fo da India, dois fauteuils, tres cadeiras
estofa Jas, e alguna pou/s.
As cortinas das janellas eram de seda,
de rucado de brilhantes cures.
Dois repusteiros da mesma fazenda co-
bram as duas portas fronteiras urna ou-
tra.
Accrescentemos, para completar definiti-
vanento a descripgao desta excntrica or-
naraentagilo, quo o tecto representava um
co nublado, pintado com muita verdade
de tona, e sobre que esvoagavam urna du-
zia de passaros de saintillantes pennas,
suspensos por fios imperceptiveia.
*jovantando o repostero da direita, pe-
netrava-so n'um pequeo gabinete guarne-
cido do prateleiras, sobre que estavam col-
locados muitos frascos cora lettreiroa, re-
tortas, alambiques, em resumo, todos os
instrumentos necessarios para o estudopra-
tico da chimica.
Urna fornalh de grandes dimensSes, com
tecto inclinado, oceupava um dos cantos
daquella casa.
A porta da eseada dava accesso para
um vasto atelier com todos os petrechosda
pintura, e rico dessas phantastioas orna-
mentagSes que causam a alegra dos artis-
tas.
Nao podemos entrar em minuciosa des-
cripgao desta especie de basar, onde a arte
e a phantasia de todas as idades e de to-
dos os paizes tinham representantes au-
thenticos.
Recebia luz por urna parede envidraga-
ds, coberta por um store movel de s-irja-
O criado, bateado o quaixo, e cera o
riz guasi t3o vermnlho como a camisola,
appareceu a ama das portas.
Entlo, lhe perguntou o amo, a car-
rugem est porta?
Sim, senhor, respnodeu o criado, u^as
nao a arranjei sem difficuldade. Os cochei-
ros da estagSo mais prxima a3o queriam
sair.
E como os resolveste ?
ra, ora, offereei-Jhes urna boa gor-
get*.
Depois de ter ouvido esta resposta, o
rapaz saiu do quarto rindo, desceu os cinco
anaares, abriu a portiahola de u n coup
que estacionava diante da porta, e saltou
com agilidade para o interior.
Par onde vamos, patr3o? perguntou
o cocheiro, approximando se.
Ao caminho de ierro de Orleans, e
depressa.
Havemo3 de chegar rosmungou o
automedont, subindo para a almofada cora
esso raau humor chronico, que urna
das feig5es caracteristicas dos cocheiros de
praja.
' Eh I Cocotte gritou elle ainda ao
seu cavallo, applicando-lhe urna chijotada,
vamos I
O desgrajado animal, bruscamente ar-
rancado s doguras das suas locubragoes
raatinaes, caracolou por um instante entre
os varaes, e decidiu-se finalmenta a um
andamento quasi sitisfatorio.
Meia hora depois o coup parava junto
da c8tacSo do caminho ue ferro de Orleans
do laio da chegada.
CAPITULO II
O ENCONTR
O madrugador desceu da carrugem, deu
ordeno ao cocheiro para o esperar ; depois
vendo um erapregado
gare, perguotou-lhc:
que atravessava a
de dizer me se j
Nao foi bastante collocarmos os bo-
toes as espadas, era preciso defender La
gardre, nosso discpulo querido.
Nosso mestre f disse Passepoil des-
cobrindo-3e coi um gesto involuntario.
O ga*co apertou-loe a mao e ambos fi-
csram um instante pensativos.
O qu esti fsito, est feito, disse fi-
nalmente Oocardatse. Nao sei o que te
acontecen depois, mas eu nao fui feliz.
Quando o cannHia de Currigue nos carre-
gsu com as carabiaas, voltei para o cas-
tello: Tinhas desapparecido. Em lagar de
cumprir M suap proraessas, Peyrolles des
pedio nos 00 da seguate, sob pretexto de
que a nosa preseuca n'aquelle lugar con-
firmara as Buspeit j despertadas. Era
justo. Pngou-nos assim, assim. Partimos.
Passei a fronteira, perguntando por toda a
parte por noticias tuas. Nada I Fixei re
c-idencia primeiro um Pamplona, depois em
Burgos, depois em Salamanca. Fui para
Madrid...
Bo tetra I
A faca subsiitue a espada ; como
na Italia, que a nilo ser isso seria um ver
dadeiro Pariziense. De Madrid jjassei a
Toledo, de Toledo a Ciudad Real; de-
pois, caneado dj Casttlla, oode contra a
miaba vontade oS<) estava maito com
o alcaide, entrei no reino da**Valecia.
Quo bom vinbo l bebi Sahi ter servido um licenciado que quera des-
fazer-se do um primo. WA Catalunha tam-
bera vale alguma cousa >* es-
trada entre Tortosa, Tarragona e Barcelo-
alcool, destinada a accender charutos, e
um boiao eom tabaco, de porcelana da
Cbina, completavam a guarnilo de um
fogSo rico e original.
Um grande e bello esp'-lho de Veneza,
facetado, estava iuclnado na sua moldura
de bano por cima do relogio.
A' esquerda, um pedestal de Boule sus-
tentava delicioso busto da Dubarry, attri-
buido a CouBtou.
Ao redor desse busto via-se, junto das
paredes urna colleccito de enxota-moscas
de brilhantes cores.
Um pouco mais longe, um magnifico
Cbristo, da edade media, de marfim ama-
rillecido pelo tempo, estendia sobro urna
na encontrara se fidalgos... mas de bolsos
vasios e compridas duriodanas. Afinal sen-
t que a voz da patria me chamava e vol-
tei sem um maraved. E' a minha histo-
ria.
O gas:ao virou os bolsos.
E tu ? perguntou elle.
Eu, responden o normando, fui per-
seguido pelos cavallos de Carrigue at Bag-
nres de-Louchon, ou quasi. Acudio-me a
idea tambem de passar para a Ilespanln ;
encontrei um benedictino que, pela minha
apparencia decente, toraou-me ao seu ser-
vido, la para Kehl, no Rheno, receber
urna heranca em nome da sua communida-
de. Parece-me que lhe carregoei com a
mala, com o sacco de vagem e talvez tam-
bem com o dinheiro.
Com ob diaboB disse o gaseSo com
ternura.
Chegnei a Allemanha. Que paiz de
salteadores!
Fallas da faca ? Ao menos de ajo.
L s se batem aos caneaos de cerveja. A
mulher de um estalajadeiro de Mayence
deserobarajou roe dos ducados do benedic-
tino. Era bonita e amava me.
Ah int-rrompeu ^lle, Cocardasse, meu
valente corapanheiro, por que razao tenho
a desgraca de agradar assim s mulheres ?
Sem ellas, poderia ter comprado urna casa
de campo, para passar os meus dias na ve
bice ; um pequeo jardira, urnas trras e
um rio, com o seu rooinho.
E no moinho, urna moleira, interrom-
peu o gas"3o. Tens isca.
Passepoil bateu no peito.
As paixoes -xclamou olla, levan-
tando os olbos ao co ; as paixSes fazem o
tormento da vida e impedem um rapaz de
por alguma cousa de lado.
T-m lo desse modo formulado a s3 mo-
ral da sua philosophia, fre Passepoil con-
tinuou :
Fiz o mesmo que tu, corr de cdade
em cidade, paiz chato, estupido e aborre
cido, de estudantes magros e cor de assa-
frao; poetas vadios, que cantam ao luar ;
burgo-mestres obesos, igrejas onde n3o sa
cantam missas ; mulheres... mas n3o pos
so diz'-r mal desta sexo, cujos encantos
tm eubellenado e cortado a minha carrei
ra! finalmente carne crua e cerveja em
lugar de vinbo.
I disse Cocsrda-se resolutamen-
te a aeraeihantfl paiz.
vieuia, .Francfort, Vienna, Ber
Ji e militas osstras cidadea escu-
> de vadio
onmo une eodiebrados. JHh
lsp. M
raejo:
que ca
Duas portas, hbilmente dissimuladas,
estabelec'am as commuoicagSes, urna com
o quarto, outra com urna cacada particular,
destinada especialmente para os modelos
dos dois sexos.
Digamos, para terminar j com estas
descripc.o'as locaes, que a casa oode acaba-
mos de transportar os nossos leitores esta
va situ-ida ao quinto andar de um magni-
fico predio da ra Pigale.
Soavara seis e tros quartos ao relogio
de Noasa Seohora do Loreto, exactamente
no momento em que o nosso rapaz termi-
oava o seu vesturio matinal.
Eovol/eu-se cuidadosamente as quatro
vultas de um enorme cache-nez, envergou
Ter a bondade
chegou o expresso !
Ainda n3o, senhor, respondeu o era-
pregado parando, mas d'aqui a vinte mi-
nutos ouvir o aignal da locomotiva, ac-
crescantou elle vendo o relogio.
O rapaz agradeceu com um gesto, e, ac-
cendendo um segundo charuto nos restos
do primeiro, comecau a passeiar em todas
as direcgSes no vestbulo que corre ao lon-
go das salas da espera.
Que diabo dizia elle a meia voz,
batendo com forja os ps para dar algum
calor s suas extremidades entorpecidas,
sr podesse imaginar que chegaria vinte
minutos antes da hora, teria dormido de
boe vontade mais um quario de hora Es-
t u.u fri digno da Laponia, e nlo conhe-
50 nada mais dosagradavel do que a noita
da manlia!... Emfim, j que preciso
esperar, esperemos !...
E depois desta concluso emine.ttemente
philosophi a, continuou a passeiar com mais
rapidez do que at all.
Agora, com a perraissao dos aossos lei-
tores, vamos preenaher o espago do tempo
que anda nos sopara da chegada do com-
boyo, tao impacieutemente esperado pelo
OOS30 madrugador, travaudo com elle mai-
perfeito, intimo e completo conhecimento.
Desbrevemos com algum cuidado o in-
terior da casa da ra Pigale.
E' tambem ndispensavel, segundo jul-
gamos, tragar o retrato do seu dono.
J d888mos que era um bello rapaz de
vinte e seis a vinte e oito anuos, e talvez
fizessemoa mal em empregar o epitheto de
bello, que nao d urna idea exacti do todo
do personagem que pura03 em scena.
A sua physionomia era mais intelligente
do que bella, as suas feig3es mais agrada-
veis do que regulares.
Alto, delgado, bem feito e elegante, ti-
nha as extremidades finas e correctas.
A oval do rosto era alongada, a fronte
espagosa, as raizes dos cabellos admravel-
mente dispostas.
Os olbos, de grandeza meda, mas bem
fandidos, tinham pupttlas negras e vivas,
cujo irradiamento animava a physionomia.
A bocoa talvez fosse um pouco grande
e o nariz um tanto alongado ; roas urna
magnifica barba escura lhe emmoldurava
as faoes, e esta barba, extremamente cui-
dada e perfeitamenta escanhoada no quei-
xo, ligava-se nos cantos dos labios com o
bigode sedoso e bem talhado que lhe guar-
neca o labio com perfeita regularidade.
Pouco cuidadoso com as exigencias, tan-
tas vezes ridiculas, da moda, o nosso h-
roe vestia-se segn lo a sua phaiitasia, e
principalmente segundo a sua commodida-
de.
No emtanto, se s vezes a sus, apparen-
cia era original, nunca fura ridicula, ou
mesmo excntrica.
Cbama-se Mauricio Torcy.
Tinha perdido seu pai nos primeiros an-
nos da inoculado.
Educado pelos cuidados de sua mae quo
o adorava, acbava-se ao sabir do collego,
senhor de escolher urna carreira, e tinha,
desdo os primeiros instantes, manifestado
muita inclinagao pelas bellas-artes.
D'alli a pouco Camillo Roquerplan, de
tilo saudosa memoria, contava-o no nume-
ro dos seus discpulos, e, reconheccndo-lbe
zelo, aptidao p>ixo pela arte, e amor pelo
trabalho, agourou-lho um futuro brilhaute
se p^rserverasse aos seus laboriosos estu-
dos.
Mauricio bem depressa devia raalisar a
predi gao do seu mestre.
Aos vinte c um aoaos partiu para a
Italia.
L iuspirava-se com a vista e estudo
da3 esplendidas telas que nos legou o ge-
nio dos iraraortaes cultores de todas as es-
colas italiaoas ; ligava-se com artistas do
merecimoato, cujo bom gosto o exeelloate3
couselhos lhe desenvolviam nasceutes fa
culdades, e, no firn de dous annos de con-
8cienciosos trabalbos, voltava a Pars, e
fazia-se representar no sallo de pintura
por um quadro notavel, e quo dispertou a
uttengao.
mesmo que tu, aborrec-rae e atravesse a
Flandres, e Aqu estou I
A Franga I
Nobre paiz 1 "
Patria do vinho 1
Ma dos amores I Meu caro mes-
tre, continuou fre Passepoil depois daquelle
do, em quo tinham lutado com lyrico en
thusiasmo, foi nicamente a falta absoluta
de dinheiro junto ao amor da patria que
te fez passar a fronteira ?
E a ti foi nicamente o aborrecimen-
to do paiz ?
Fre Passepoil meneou a cabega, Cocar-
datse abaixou os seus olbos terriveis.
E' urna outra cousa, disse elle. Urna
noite, ao voltar urna ra, encontrei-me ta-
co a face com... advinh s com quem ?
Adivinho, continuou Passepoil. Um
encontr semelhante fez me deixar Bruxel-
las presaa.
Com aquello encontr vi que o ar
da Catalunha nito me valia mais nada.
Nao urna vergouha ceder o passo a La-
gardre, oh I nao.
N3o sei se vergonha, mas certa
mente prudente. Conheces a historia dos
aossos compaaheiros ao negocio dos fosaos
deCaylus?
Passepoil abaixou a voz para fazer esta
pergunta.
Sim, sim, dissa o gascao, sei a his-
toria. O pequea disse : HJo de morrer
todos s rainbas m3os !
A obra caminha. Eramos nove na
occasiao do ataque, contando o capitao Lor-
rain, chefe des contrabandistas. J nao
fallo dos seus horaens.
Nove espadas excelentes, disse Co-
carlasse com um ar pensativo. Entre os
nove, Staupitz e o capitao Lorrain foram os
primeiros a partir. Staupitz tinha familia
apezar de parecer um lapuz. O capitao
Lorrain era um homem de guerra, e o rei
da Hespanha tinha-lbe dado um regimen-
t. Staupitz morreu dentro da sua pro-
pria casa, perto de Nurembert I morreu de
urna estocada aqui, na testa : entre os
olhos. Pasaepoil collooou o dedo no lugar
indicado.
Por instincto, Cocardasse fez o mesmo,
dizendo :
O capitao Lorrain morrea em apo
les, de urna estocada entre os olhos I para
aquellos que sabern e que se recordara,
como que o carimbo do viogador.
Os outros seguiram seu caminho,
continuou Passepoil, porque o Sr. Oonza-
um sobretodo que podia lactar em gran-
deza e espessura com os do nosso amigo
Mery, e acceudeu um charuto.
No meio das primeras alegras do xito
obtido, foi ferido por urna graude e irre-
paravel desgraga.
Perdeu sua mao.
Mauricio tiaha votado excellente si-
uliora amisade sem limites.
A aderagao por sua ma era ao mesmo
tempo amor e culto.
Ficou de certo modo como fulminado,
aniquilado por aquella marte, que por pou-
co nao destruio o que aa decepgoas do to-
dos os genero3, que soffrem os artistas ao
comego da sua carreira, uo tinha podido
abalar.
Apoderou-se'delle e dominou-o profun-
do, inmenso, nvencivel desanimo.
Os seus araigo3, receiando que o terri-
vel deoesparo que delle se apossara o le
vasso ao suicidio ou loucura, fizeram to-
do o possivel, mas sem resultado, para o
arrancar dor.
ur-nto seis metes Mauricio viveu b,
em quasi completo isolamento, recusando
obstinadamente receber os seus melhores
amigos, sem ter a forga moral necessaria
para que do seu cerebro brotasse urna s
idea.
Os seus olhos averraalhndos pelas la-
grimas, e ochados pela insomnia conser-
vavam-se fixos e sem expressao em fren-
te da pagina branca de nm lbum ; o li-
pis girava lhe entre os dedos, sem ao me-
nos precurar tragar algumas linhas de nm
desenho original.
Finalmenta sobreveio urna violenta Ca-
bro cerebral a esta absoluta alteracao do
organismo.
Durante tres mezes Mauricio esteve nes-
se plano extremameote inclinado que se-
para a vida da morte, mas por fim a mo
cidade predominou a pouco e pouco, a
existencia voltou quelle corpo quasi por
ella abandonado.
Mauricio readquirira saude e forgas ; o
corag3o ficou ulcerado pela perda que
tiun soffrido, mas o espirito restabele-
ceu-se.
Urna viagem de alguns mezas pela Hes-
panha terminou a convalescenga, o o ar-
tista voltou a Paria com um lbum bem
guarnecido spor novos e curios'os estudos,
e por urna imaginagao iacendida pelas ma-
gnificas p3rspoctiva3 o poticos aspectos do
esplendido paiz qua acabava do visitar.
Suano tinha-lbe deixado apenas o
rendimento do urna pequea propriadade
que possua em Pars.
Este rendimento era approxma lamente
de qua'ro mil fraacos annaaes.
Mauricio, pelo Beu trabalho, ganhava
dez mil.
Modesto, como quasi todos os verdadei-
ros artistas, nao sabia, a respeito de cal-
culos financeiros, seuao o necessario para
equilibrar a receita cora a despeza ; nua-
ca tinha pensado, como a cigarra da fbu-
la, era economiear no presente para dou-
rar o futuro.
Nao contrada dividas, mas dispendia
exa:tamento tpdos 03 seus rendimeutos, e
q'uaudo, uo fim do annj, se havia conven-
cido deste resultado, feleitava-so ingenua-
mente palo seu adiuiravel procedraento, e
votava a si proprio par unanimidade, calo-
rosos elogios.
Bom, sociavel, obsequiador, coasidera-
va como outros tantos amigos todos aquel-
lea a quem apertava a mo. E como nSc
tinha nunca necessidads de recorrer s.
elles, emquanto que o contrario aconteca
muitas vezes, nao tiaLa tilo ainda occa-
siao de ir de encontr a urna dcsillusao
qualquar, aendo-lhe esta totalmente deseo-
nbecida ate entSo.
Mauricio, era, pois, prodigo do amisa-
de ; mas, em compensagao, um outro sen-
tiraenta, o amor, pouco lugar oceupara por
emquaato uo seu coragSo.
Algumas eternas paixoes de tres mezas,
matisadas com reciprocas infidelidades, ti-
nham-lhe oceupado de longa em longe,
quando nao fosse o c^raglo, pelo menos a
cabega.
Portanto, com sauda, o coraglo livre,
excellente disposiglo de espirito, estava
sempra alegre, e os seus momentos de
tristeza e de absorpgo provinham nica
mente das saudades serapre vivas qua lhe
causava a perda de sua m3i.
(Continua.)
VARIEDADES
ga s se esqueceu de nos as suas fran
quezas. Pinto casarase cora ama senhora
de Turim, o Matador tinha urna academia
na EscosBa, Joal de Jugau comprara um
solar nos limitas da baixa Bretanha
Sim, si.n, disse ainda Cocardasse ;
estao tranquillos e sua vontade. Mas
Pinto foi morto era Tarim, o Matador em
Glascow.
Joel de Jugan foi morto em Morlaix,
continuon fre Passepoil; todos ao mesmo
tempo 1
O bote de Never. 1
O terrivel bote de Nevers I
Callaram-se por um instante. Cocar-
dasse levantou a aba do chapeo para on-
chugar o suor da fronte.
Resta ainda Faenza, disse elle.
E Saldnha, aceres;entou fre Pas-
sepoil.
Gonzaga tinha feito muito a estes
dous ; Faensa cavalheiro.
Saldanha bar.ao. A sua vez ha de
chegar.
Mais tarde ou mais cedo, murmurou
o gascao, a nossa 1
A oossa tambem I repetio Passepo
estremeeendo.
Cocardasse voltou-se.
E entSo I exclamou ella, como nm
homem que toma urna resolugSo, sabes,
meu velho ? quando elle me esteoder com
aquello buracc entre as duas sobrancelhas,
pois sei perfeitamente que nao se lhe resis-
te, digo-lhe como outr'ora : Ah 1 peque-
o, estende-me nicamente a tua mao, e,
para que morra contente, perda ao velho
Cocardasse Eis o que se ha de passar.
Passepoil cao pode reprimir urna careta.
Proaurarei fazer com que elle me
perde tambara, disse elle, roas nio tao
tarde.
Fazes bem I Emquanto espera, est
exilado de Franga. Era Pariz, pelo me-
nos, estamos certos de a3o encontral o.
E esta repetio o normando com um
ar pouco eoovencido.
Finalmente, neste mundo o lugar
em que temos mais probabilidades de evi-
ta l-o. Vim para c por isso.
Eu tambem.
E para me faxar recordar ao Sr. de
Gonzaga.
Deva-aos alguma cousa.
Saldanha e Faenza nos protegerlo.
At que sejaraos fidalgos como elles.
Com os diabos I havemos de fazer
um bonito par.
O gasg&o fez urna pirueta o o nj
respondeu seriamente :
Visto-me bem.
Quando perguntei por Faenza, con-
tinuou Cocardasse, responderam-me: O
Sr. caralheiro n3o pede fallar. Sr. cava-
lheiro lepetio elle, encolhendo os hom-
bres recordei-me do tempo em que o fa-
zia andar roda como um catavento.
Quando me apresentei porta de
Saldanha, continuou Passepoil, um ?mordo-
mo medime de alto a baixo e disse-me
grosseiramente : O Sr. baro n3o rece-
be. >
Ilein exclamou Cocardasse, quando
tambem tivermos mordoraos, quero que o
meu seja insolente como um criado.
Ah suspirn Passepoil, se tivosse ao
menos urna governante I
Safa 1 meu velho, has de tel-a. Se
nao me engao, ainda nao viste o Sr. de
Peyrolles.
Nao ; quero dirigir-me directamente
ao principe.
Dizem que agora est rico e que tem
milhoes !
Milhoes! Aqui a casa do ouro, co
mo a chamara. Eu, rao sou soberbo,
toroar-me-hei fiuaoceiro, se o quizerem.
Ora I homem de dinheiro. Meu aju-
dante.
Tal foi o primeiro grito que escapou
do nobre coragao de Cocardasse Jnior.
Mas conteve-se e accrescentou :
Triste queda I Entretanto, so ver-
dade que se fazem fortunas aqui dentro...
Se verdade I exclamou
com eothusiasmo ; mas tu nao sabes en-
t3o !
Tenho ouvido fallar em muitas cou-
sas, mas nao acredito aos prodigios I
E' preeso acreditar. As maravilbas
abundara. Teas ouvido fallar uo corcunda
da.ra Quimcambaix ?...
O que eropr sta a corcunda aos en
dossantes de aegoes ?
Elle nao empresta, aluga-a e, ha
mais de dous annos ganhou, dizem, cem
milhoes e quinhentas mil libras.
N3o possivel I exclamou o gascao,
soltando urna gargalhada.
Tao possivel que vai casar se eom
urna condessa.
Um milhao e quinhentas mil libras !
repeta Cocardasse ; um simples corcun-
da.
Ab 1 meu amigo, disse Passepoil com
effusao, perdemos por essas trras bellos
anuos, mas chegaroos oa boe occasiao.
Imagina que basta a gente abaixar-se para
apanhar. E' a pesca milagros! Amanha
os luizes de curo alo vlera mais de seis
pratas.
Como se casa ao sul da llollanda
Um jornal hollandez diz que, apesar do
progresso dos terapos, sa tem conservado
at ao preseuto o estranhp costume de con-
tractar casamento no mz de Outubro, as
provincias meridionaes da llollanda.
Os quatro doroiugos sao distribuidos da
seguinte maneira.
No primeiro 03 rapazas e raparigas da
povoagao passeiam uas ras, examinndo-
se mutuamente, sem Sa cumprimentarem e
fingindo que nao se coahecem.
No seguado fazem a sua escolha, cura-
primentando a preferida. .
No terceiro os mancebos approxi mam se
da sua eleita, com o fim de lhe declarar
a paixao que os devora, sendo acceites ou
repellidos nesta occasiao.
Na vespra do 4. domingo o noivo
manda de presente noiva um pastel, c
ao dia immediato vae tomar caf em casa
della. Se esta lhe offerece urnas migalhas
do papel, c que eet definitivamente resoi-
vida a acceital o por esposa ; se lhe offe-
rece um pedago grande, que est jar-
rependida, e que nao quer mai saber do
casamento.
Justo o casaraeuto, celebrara se as bo-
das poucos dias antes do Natal.
Cocardasse passou a lingua pelos bei-
gos.
Ora, dize c, por estes tempos que
correm quanto pode valer urna boa estoca-
da dada eom arte e limpeza ? ,
Falla mais baiio disse Passepoil,
olha que ahi vem gente.
Depois, approxi mando se e abaixando a
voz :
- A minha opiniSo, dsse"elle ao ouvide
do seu antigo amo, que deve ainda va-
ler um bom prego. Antes de urna hon;
espero saber isso ao certo, mesmo da boc
ca do Sr. de Gonzaga.
III
O* leile* r^
A sala onde o nosso normando e o nosst
gascao conversavam assim tranquillamente,
era situada no centro do edificio principal.
As janellas guarnecidas de pesadas tpeca-
rias de Flandres, davam para urna estreita
tira de relva o d'ora avante devia pomposa
mente chamar-se o jardim reservado da
senhora prinecza. Ao cootrario dos outros
aposentos do pavimento terreo e do primei-
ro andar, j invadidos pelos trabalhadores
de toda especie, nada havia aiada sido mu
dado.
Era realmente o salo de estado de um
palacio prieipesco, com a sua mobilia opu-
lenta, mas severa. Era um salao que c3o
devia nicamente ter servido para divert-
meatos e festas, porque defronta da im-
mensa cbamin do marmore preto, eleva
va-se um estrado coberto por tapete u
Turqua, que dava ao aposento nao sei que
physionomia de tribunal.
Ahi effactivamenta se tinham, reunido
mais de urna vez os Ilustres membros das
casas de Lorraine, Chevreuse, Joyeuses,
Aumale, Elbeufe, Nevers, Mercar, Mayen-
na e os Gu:z9, no tempo em que os ba-
rijs dirigiam os destinos do reino. Era
preciso toda a confuso que reinav boje
no palacio de Gonzaga, para deixarem os
nossos dous homens penetrar em tal lugar.
Urna vez l entrados deviam estar mais
socegados que em outra qualquer parte.
O grande saUo guardava por um da
aiodn, a sua nviolabihdade. Urna solemne
reuniao de familia devia realsar-se n'essa
'arde e s no dia seguinte os trabalhado-
ea toroariam posse delle.
Urna palavra ainda a respeito de La-
gardre, disse Cocardasse quaode o ruido
dos passos que tinha i atorro mpi to a con-
versa Be afastou, quando o encontraste na.
cidade de Bruxellas, ella estava ( ?
______(Cowhnuqr-w
Typ. do Diario roa baque le Cax'uu n. 42.
sWSvr
LMfliiiOO
/