Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
II

kU Lili -- NOMO

I

PAHiA A l'Afll'AL G l.t AHIKM OMIK SIO Mu PAA PORTE
Por tres mezes aaiantadoa
Por sei ditos dem......
Por um anuo dem.......
Cada' numero avulao, do mesmo dia.
6000
120000
240000
dioo
DIARIO DE
PA-M DE DEZM BE 1886
PARA ULV1HO E FURA DA PROVINCIA
Por .seis meses adiantados.....
Por nove ditos dem.......
Por om anuo dem.......
Cada numero avulso, de das anteriores.
13J50G
200000
270006
0l^>
RNAMBUGO
$)ro})ril>at>e re Jlatwcl iiguctra it Jara 4 S\)os

WM

Os 8m. Ametlc. Trlac C
de Pars, silo os nossos agentes
exclusivos de annuncioa e pti-
bllc ic5cs da Franca e lugla-
terra.
Aviso
.Aos Srs. subscriptores deste Diario avi-
sa a respectiva direccSo quo, do 1." de
Janeiro prximo em diaate, far-se-ha a ar-
recadaco das assignaturas pela forma se-
guate :
Na cidade do Recife e lugares para onde
nao se paga porte. 6:5000 por trimestre,
adiantado ou durante o 1. mez do mesmo
trimestre, C$500 nos 2. e 3. mezes.
No fm do trimestre ser suspensa a re-
cessa do Diario aos que nao tiverem sa-
tiafeito o seu debito.
Fora da cidade, nos lugares para onde
se fazem as remessas pelocorreio, 13^500
por semestre, pago as mesmas condic3es
cima.
Aos quo quizerem pa^ar o anno alian
tado, faz-se-ha o abate de 1-5000, par ato-
dos os assignantes.
TELEGRAMMAS
SES7ZS0 SA Limu SAVA*
(Especial para o Diario)
BUENOS-AYRES, I. de Dezernbro.
Na regi6r* da Repblica Argentl'
na. InfealadaM pelo ctaolera-morbns.
deram-sc no dia de hontem r cao
novo e bitos.
PARS, 1." de Dezernbro.
A* pedido do governo. a Cmara
do Deputados votou om crdito*
para a orcupaco de Madagasonr
lelas tropas friincciai.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
1. de Dezernbro de 1886.
A forma de enverno tem ido sempre como qne
patriarcbal. O imperador simultneamente so-
berano e pai da todos os seas subditos, que de um
extremo a outro d> imperio formara ama nica fa-
milia, sem diatioeco de castas ou hierarchiaa. As
dautriuas de Confacio teem contribuido prineip l-
mente para conservar s netituices chiurzas a sua
estabilidade.
Confueio viven no scalo VI antes de Cbristo.
Oa sena livros, sendo como que o evangelho do Im-
perio Celeste, sao estudados por todos os que teem
que sujtitarse aoa exames habilitara par os ttu-
los Iliterarios e para o ezercicio do] cargos pbli-
cos. Contucio nao foi legislador, nem teve auturi-
dade para promulgar leis ; mas cnsinou a sabe-
doria. na pratica das doutrinas pir elle pro-
fessadas aseenta todo o edificio poltico e relig|
na China.
Segundo elle, a moral dos antigos sabios,
a da verdade ra e eterna sabedoria, consiste na
observancia das tres leis fu i (lamentaos das rea-
coes entre o soberano e os subditos, entre o pai e
os filhos, o entre o marido e a mulher ; e t inbem
em pratiear as cinco virtudes" capitaes (que aa i :
a humanidad-, isto urnacandadeuniversal para
cora todos os individuos da nossa especie sem dis-
tinecao ; a justica, que da a cada um o q le lbe
devido, sem favorecer um em prejuizo de outro ; a
confjrmidade aos ritos proscriptos e ao3 usos esta-
belecidos, a fim de que os que formina a soejedade
tenham urna manara commum de viver, e nartici-
pem todos de iguaes vantagens e de iguaea ineom-
modos ; a rectido, ou a interesa de espirito e de
coraco, que faz que cada um busque a verdade,
sem se deixar cfi'uscar pelo intereese, proprio ou
all io ; a sineeridade o boa f, ou a lisura e con-
fianza, que exclu* toda a distim ilaceo e toda falsi-
dade, quer nns actos qui-r dhs palavras).
Os seus principios religiosos fundamentaes s3o
os seguintes. O t-o o principio universal, a ori-
gem fecunda de que tjdas as cousas procederam.
Os nessos antepassados, d' lie oriundos, ioram a
origem das g'iac_-s seguintes. Dar ao co teste-
mnnbos de agradecimento o primeiro dever do
homem ; mostrar gratido ros antepassados o
segundo. E' por isso que FjU-H estabeleceu
ceremonias era honra do co e dos antepassados.
(Continua)
INSTRCCIO POPULAR
HISTORIA ANTIGA
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO K DAS E8COLAS
(Co ntinu aqa'o)
CAPITULO IX
OS C II I > S
Sao se conhece a duraco da sociedade chineza,
qual as suas tradicoes maravilbosas atttribuem
80:030 a 100:000 annos de existencia. O que
certo que o povo chin 'z muitissimo antigo, ha-
vendo as suas tradicoes mais ou menos certas,
conhecimento de fictos anteriores 3:503 annos
a Cbristo, >, desde o seeulo XXVI damesma era,
historia positiva que apreseata seguidos annaes.
Ignora se completamente quaes foram a orgem
e o modo de formaci dos cbins,habitantes do Ce
leile Imperio ou Imperto do Heo. At ao seeulo
XXI antes de Chriato os imperadores eraos electi-
vos ; daquclla epocha em diante esUbelee-u-se o
principio heriditario na succ-sso, modificado n'um
ponto (e era que os grandes dd imperio podiam
escolbor entre os filhoa do soberano defuncto o que
julgassem digno de suceder Ihe).
O imperador Yu fui fundador da dynastia dos
II i, que durou qutro sculos e que ae.bou no
ineio de grandes d-sordeos e de urna atroz tyrao-
nia. A segn ia dynastia, a dos Chang, foi tunda-
da por um principe de inereciinent superior cujas
virtudes fonm celebradas por Confueio, e veio a
acabar como a anterior, i-endo o seu ultimo repre-
sentante um tyraiinoaboininavel, desthronado por
Wu-Wang, principe d.- Tehit, que contra elle se
revoltn. Este, tomando o goveroo, reorganisou
o antigo tnouoal da historia, cujos membros
tavam de inamobilidade, que Ibes assegurava a
Honorio de Souza Monteiro.Facam-se as no-
tas da portara de liccoct.
Bernet & C.Negase provimento, por quan-
to avista das informaces do Dr. administrador do
Consulado se nao recorro do despacho seu profe-
rido sobre qualquer materia, mas levanta-se sim-
p.esmeute reclamaco-s, tantas vezes repetidas e
que nSo proceda contra o imposto decretado pela lei.
Pontos dcTlnstituto Vaccinieo, Escola Normal e
Bibliotheca,Ao pagador para os devidos fins
G ta, Caetano Cvriaco da Costa Moreira, Pereira
Carneiro & C. e Manoel Joaquim Pereira.Res-
titua-se.
uilhermiaa Lucinda de Araujj Camello.De-
ferido nos termos das informacoes.
Manoel Joaquim de Souza Neves.Deferido,
dando-se baixa na fian?a.
inspectora se ral da Instriicco
Publica
DESPACHOS DO DIA 30 DE NOVEMBEO DE
1886
Anna Alexandrina de Mattos Cavalcan-
te, professora particular.Informe o dele-
gado litterario.
Anisia Augusta do Amaral, profaasoro
publica.Prorogo por 30 dias.
Jo5o Mauricio Pires.Informe o dele
gado litterario.
Abaixo aasignado de moraderes Pao
Branco.Infirme o delegado litterario.
Anglica Maria Roberto de Jess.En-
caiuiab-.i-aa.
Innocencio Mendes L?pes de Mendon-
Secretaria da instrucco publica de Per-
nambuco, 30 de Novembro de 1886.
O porteiro,
J. Augusto de Mello.
PERNAMBUCO
COI
independencia.
Durante esta dynastia os reinos feudatarios da
China,que j detde autiga dataexistiam, augmen
tram at ao numero de lt, e na China consti-
tnio-seum verdadeiro feudalismo. Este, porm,
acabou em perf ita anarchia ; o imperador chegou
a absoluta i npotencia, e U'n dos sms feudatarios
offereceu sacraficio ao co '.(prerogativa exclusiva
do soberano), e prendeu no palacio o ultimo impe-
rador daquella dynastia. Comecou nova dynastia,
a dos Thsin que destru ndo todos os pequeos prin
cipad s, recoostruio com sua uniJade e podero o
grande imperio. .
Um imperador d'ella Chi-Hoang-Ti, ccncluio
aquella transtormacio, abri grande numero de
estrada?, perfurou montanhas e, para impedir as
correriasdoa trtaros nmadas mandou construir
a qramkmuralha, que mede 2:500 kilmetros de
comprimento. Tornou-se porm, tristemente cele
bre pel .perseguco dos letirados e pelo incendio
dos livros. .
Na sua tnorme vaidade, quena qae tuao datas-
se do seu remado e pretenden assim apagar os
vestigios do paaaado. Nao pode, fejzment matar
todos os sxbi >s, nem destruir todos os livros. A
monarehia chineza, que n'aquella data foi pertur-
bada por to violento e insensato reformador, vol-
tou dupoia se a tradicional quietacao; os sabios
recuperaran) a ena influencia ;co paiz augment'ju
Cinsiderave'mente 'm prosperidade.
Mas depois, minada por vicios de dissolucao in-
terior, nao teve forca para resistir as invases dos
Monges que transpondo a grande muralb, foram
Ciusa da divisao da China em dous reinos, cepera-
dos palo rio Azul, e nos quaes honve oifterentes
dynastias, que todas tiveram urna existencia obs-
cura. Li-Aug tornou a reunil-os no anno 618 da
era actual ; mas nao consrguio robustecer o impe-
rio restaurado, de modo que pudesse resistir ls re
netidas inv-soes monglicas. Estas invases con-
tinuaram durante a liad- Media, e sao j extra-
nhac ao assumpto do presente livrinb.
E' a eivilisaco da China urna das mais antigs
que se coohecm: mas, ap'zar d>so, aque menos
tem progredid ou, melhor direm s.a que por maior
decuro de tempo tem permanecido estacionaria.
Tem sido causas desse estaciooamento o tempe-
ramento proprio d raca chineza, a sua forma de
MRTE 0FFICU1
Ciovcrno da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 30 DE
DEZEMBBO DE i8tf6
Arthur Naziazeno Ferreira dos Santos.Infor-
me o Sr. Dr. (befe de polica.
Bacbare! Estevo Carneiro Cavalcante de Albu-
querque Lacerda.Justifico as faltas. Depois de
notado na secretaria do governo, remetta-se este
requerimento ao Sr. inspector da Thesouraria de
Pazeoda para os fins convenientes.
Henrique Vianua da Paa. Informe o Sr. Dr.
ehetc de polica, ouvindo o administrador da Casa
de Detenco.
Jos Mendes de Preitas. Informe o Sr. fiscal
da companhia Recife Drayoage.
Jos B-fino de Barros.Iuforme o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Maria Joaquina da Coneeica >. Indeferido, i
vista da informaco do brigadeiro commandante
das armas.
Teen te Ursino Teixeira de Barros.Deferido.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 1 de Dezernbro 1886.
O porteiro,
"*^ Francelino Chacn.
ReparcSo da Polica
SeccSo 2*N. ] 163.Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 1 de Dezernbro de
1886.- Illm. e Exm. Sr.Partecipo a V.
Esc. que foram re;olbidos Casa de De
tenyao os seguintes individuos :
A' minha ordem Cosme Maia e Alfredo Luiz,
por embriaguez.
A' ordem do Dr. delegado do 1 districto da ca-
pital guedas Campos, por offensas a moral pu-
blica.
A' ordem do subdelegado de Santo Antouio,
Antonio de Hollanda Cavalcante, Leopoldo de Al
ni' ida. J. ao Fernandes Trixeira, Manoel de tal,
Jos Domingos de Souza, por disturbios.
A' ordem do do Io districto de S. Jos Maria
Francisca da Aunuuciacao, por Crimea do terimen-
tos graves.
A' ordem do do 1" districto da Boa-Vista Can-
dido Jos da Silva, preso em fltgraote por criine
de ferimeatos leves e Jos BOares da Silvs, por
disturbios
A' ordem do de Belm, Ant nio Gomes da Silva,
Joao de tal, por disturbi> s.
Communicou-me o subdelegad do Io districto
da Boa-Vista que, pelas 5 1/2 horas da tarde de
| non em no lugar Coeibos da mesma freguesia o in-
dividuo de no'ne Candido Jos da Silva, ferio a
Manoel Balthazar de Oiiveira Barcelios e a Fran-
cisco de Paula Borges, sendo o del'nquente pieto
i-m rligrante pelo cabe da guarda cvica, Porfirio
Jos de Anlrade. e recuihido Casa de De-
tenco.
A autoridade respectiva mandando proceder a
vatoria pelo Dr. Cerq leira L-it.-, reconheceu ser
leves os ferimentos, centra o delinquente aorio se
o inquerito.
Peio subdelegado de Santo Antonio foram re-
metidas a esta repartico : duaa facas de pouta,
urna pistola e um esmpasso, tomados a individuos
desordeiros.
Dcus guarde a V. Exc. Illm. eExro.
Sr Dr. Pedro Vicenta de Azevedo, omito
digno presidente da provincia. O ohefe de
polica, Antonio Domingos Pinto.
Assembla Provincial
IS86-PROJECTO N. 103
A Asscmbl* L-gisiativa Provincial de Per-
nambuco, resolve :
Artigo nico. Picam approvados os actos da
presidencia da provincia, datados de 28 de Junh i
e 4 de Agosto do correte anno, e em vigor a le
n. 186) de 11 de \gosto de 1885, qoefixou a re-
ceta e despeza para o exercicio de 1885 a 1886,
emquanto uo for votado novo orcamento.
Revogam se as disposices en conturio.
Saladas Seae6;s, 1 de Dezernbro de 1886.Go-
mes Prente.Amaral.-Domiogues da Silva Pe-
aro Gaudiauo de Ruis e Silva.Antonio Vctor
Correia.Luiz de Andrada.Vigario Augusto
Frankliu.Reg Barros Herculano Bandeira.
Barros Barreto Jnior.Ferreira Velloso.-Dr.
Costa Gomes.Julio de Barros.Goncalves Fer-
reira.
Caixa Econmica e Monte de Soc-
corro de Pernambuco
Blameles en SO de \oicmbro de
iss
CAIXA ECOSOMICA
Activo
Thesomaria de Fazendaconta de
depsitos
Thesouraria de Pazendaconta de
juros
Monto de soccorroconta de pas-
sagem
Juros
Caixa
plena-
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DtA l DE DEZEHBKO DE 1886
Luiz de Paula Lopes, Fraociaco Gargel da Ama-
ral e Cramer Frey & C. Certifique-se.
Prets e folhas do Crpo de Polica e Guarda C-
vica.Examiuem-se.
Antonio Henrique RodriguesIndeferido, por
quanto das informacoss resulta que a collecta dis
tiuctada mei-agna n. i ra do CamarSo d'aqael-
la do predio n. 46 ra da Imperatriz datando do
exerci^iode 1880^81, foi determinada poroecuoa-
c->o de diversos-ioquilinoa; aii.da porque a falta
de redamacio em tempo exclu i a referida di-
lecta, que assim produzu todos os seus effeitus.
Gerente da estrad > de ferro de RibeirSo ao Bo-
nito.Informe a seceo do contencioso.
iceas da Silva Guarni, Antonio Hermino de
Lima, Joaquim Luci'lo de Siqueira Varejio e Di
recu r da Escola Normal..Iuforme o Sr. contador.
Manoel Pereira da Rocha.Deferido, sendo-
lhe abonada a importancia referente a porceuu-
gem.
Contas do vigsrio Fioriano ^e Queirot Couti-
nho, do Dr. Procurador dos Feitos e da Matriz
de Olinda.Approvadas.
Fnncisco Bezerra de Vasconcellos Passariuho.
Informe]' Ur- &,c*1 da collectoria de Bezerro.
Prets e folbaa do corpo de Polica e Guarda C-
vica.Paguem-se.
gnea Marques da Cunha, Amorim Irmaos & C.,
e Francisca Montes Lofler. Deferido, ficando ir-
responsavel pelo debito anterior o novo inque
lino que estabel.'cer-se na casa n. 9 as Barreiras
governo a sua rel-gao e o solamento em que a na- ao Caxanga, n. 4 4 praca da Aasembl ns. 89 e
fio je tem conservado a respeto do resto do|4i 4 roB ao Visconde de Itaparica, visto provar
mundo. acnar fchala edesocupada.
642:381^100
242:294*645
75:478*752
818*000
458*000
961:430*497
Paisivo
Depsitos em coutas correntes
MONTE DE SOCCORRO
Activo
Emprestnos sobre penhores
Valores depositados
Movis
Cadernetas
Ap cial
961:430540'
Despezas geraes
Aluguel da casa'
Retorno de juros
Lucros e perdas
Caixa
Pasivo
Capital
Cautelas de penhores
Juros
Caixa econmicaconta de passa-
ge o
Thesouraria de Fazendace ata de
emprestimo
Cadernetas archivadas
saldos de pcuhurea vendidos em
leiio
Sald s de ponbnre prescriptos
Gastos com leiloes
119:810*376
153:122*377
6:0554227
317*404
1:000*000
13:091*396
1:309*000
473*820
27*638
3:726*040
298:933*278
18:760*047
153:122*377
12:411*399
75:478*752
34:998*845
83*800
3:915*028
112 o 2il
50*310
O Sr. presidente lev mtou a sessSo designando
a seguinte ordem do da : 1* discusso do pro-
jecto n. 20 ; 2 dos de ns. 23 e 34 e a 3* do de n.
18, t id ia deste anno.
Autoridades pollclae* Por a-tos da
presidencia da provincia de 30 do paseado, foram
nomeados :
1 supplente do delegado do 1 districto de Se-
rinhaem, Manoel de Mesquita de Barros Waoder-
ley.
1 supplente dodele/ado e Cabrob, tenente
Flix Julio Teixeira Lima.
Subdelegado do 1" districto da 2' delegacia do
termo de Serinhaem, Alexandrino Cavalcante Or-
ter Camargo.
Vlallai* prealdenciaca S. Exc. o Sr.
Dr. presidente da proviucia visitou hontem, acom-
panhado do seu ajudante de rleos, S. Exc.
Revm. o Sr. bispo diocesano, e depois os quarteis
do 14 e do 2 batalhoes de infantaria, o quarfel
do corpo de polica, o Mercado de S. Jos e a
igreja de Nossa Senhora da Penha.
Tribunal do SuryFoi hontem julgado
o reo O ympio Soares da Silva, pronunciado no
art. 201 do Cdigo Cuminal, sendo condemnado a
um mez de prsao e multa correspondente meta-
de do tempo.
Promoveu a defeca o Sr Dr. Emygdo Rodrigues
Vianna.
Facnldade de DlreltoEs o resultado
dos actos de hontem :
Io anno
Marcos Francisco Rodrigues, plenamente.
Joao Sombra, idem.
Pomplio Castro Lima e Ameida, idam.
Anchizes Accioli, dem.
Joao M;i i-ira de Frenas, idem.
Alipi' r'e.-f/H^^ttalles Pessoas, idem.
Amelio Francisc Tu vares, idem.
Olympio Bonali da Cunha Pedrosa, idem.
Um reprovado.
2 o OBllO
Ji ao Salles Pedrera Franca, plenamente.
Francisco de Oiiveira Memoria, idem.
Eduardo Alipfo da Siva Ferreira, dem.
Rodrigo de Uzeda Lima Ribeiro, dem.
Amonio Jos de Araujo, idem.
Antonio Augusto de Hollan s Costa, idem.
3- anno
Jcsino Cupertino de Albuquerque Mello,
mente.
Eduardo Corris, idem.
Jos R idrigues do Passo Netto, simplesmente.
Liberio de So.za Monteiro, idem.
Raphael Florencio de Oiiveira, idem.
Juio de Livor Paes, idem.
Sil verio Ottoni de Freitas, idem.
Arthur Porchat de Asis, idem.
Tres reprovados.
4' anno
Adolpho Jul'o de Mello, plenamente.
Manfredo Barata de Almeida, idem.
Jos Paulino de Albuquerque Sarment Jnior,
simplesmente.
Antonio Venceslao de Omena, idem.
Seis reprovados.
5* anno
Bento Jos Limenha Lins, distincclo.
Adolpho Cordeiro de Moraes Campello, plenamente.
Miguel Soarea Palmeira, idem.
Francisco Cavalcante de S Albuquerque, idem.
Alexaodre Pimentel de Barros Bit'encourt, dem.
Estes rcreberam o grao de bacharel.
Estrada de ferro do Becifo a Ca-
ruata -Iaaugura-se hoje a estacao de Ca3ca-
vel, abrindo-se ao trafego mais um trecho de 12
kilmetros d'esaa estrada de ferro.
A estaoao de Cascavel dista 76.400 metros da
do Recife e est situada na Serra das Russas,
336 metros cima do nivel do mar, e entre o 3" e
o 4S d is 15 tais que se contam na mesma serra-
N'esse trecho vence se urna difieren;* de nivel
de 175 mstros pormeio de rampas de 0,m018 por
metro, sendo o raio mnimo das cjrvas de 150
metros.
No kilmetro 71 comeca a subida da Serra, quo
desse ponto at a nova estacao se faz em rampa
de 0,ni0l8.
Alea: dos 3 tunis, dos quaes o 1 mede 92 me
tros, o 2" 63"> e o 3 32, tem o novo trecho urna
ponte de 20 metros de vio, 1 pootilhio de 5,80,
24 boeiroa de arco e 34 de outros typos.
A estacao de Cascavel a 8 que se abre ao
trafego na estrada de ferro de Caruar no periodo
le 23 meaes contados de 1 de Janeiro de 1885.
Durante o mesmo periodo foram inauguradas
no prolongamento da estrada de ferro do S. Fran-
cisco 3 estacoes, Qupap, Agua Branca e CaBho-
tinho, com 44 kilmetros de linha.
N'esse eapaco de tempo- foram pois dados ao
trafego, as duas estradas 120 kilmetros de va
frrea com 11 estacoes ; o que da em media 11
kilmetros e urna estadio por cada 2 mezes de
trabalhos.
Este resultado, bastante lisongeiro, sem duvi-
da, indicativo de grandes e louvaveis esforcos
feitos pelo actual director e pelo empreteiro para
activareai o andamento das obra* e apressarem
a conclusao das duas estradas, deiideratum que
esta proviucia espera ver realisado ha Iil annos
Considerando-s que ainda em 31 de Dezernbro
de 1884 (isto 8 annos depois do comeco das
obras), apenas oristiam 58 kilmetros de linha,
com 6 estacoes em tratego; e vista do contraste
que apresenta a mai cha do gervico desde Io de
Jr.neiro de 1885, conforme o resultado que acaba
nos de assigna'ar cima, licito crer que j n3o
est muito ionge a realisaco de tal desidertum.
Alterando essa lei e seu regulamento algumas
disposices^da lei que regula as execuces das
sentencas civis, 'mandando regerse em certos Ca-
sos pelas detrminacoes do cdigo do procsso esm-
mercialregul ment n. 737 de 25 de Novembro
de 1850, era de todo ponto requerido que o Si.
Dr. Leite Velho completaase o sen traoalho da
Monographia das ExecucSes, tomando em consi-
d. r:.cao a nova lei e seu regulamento.
E desaa incumbencia lirou-seo hbil advogado
com a sua competencia indiscutvel, fazendoem
notas a critica da nova legislacSo, que appensou
no seu folheto.
Encontrase este na Livraria Franceza, ra
Frimeiro de Marco.
t EvolncoPublicou se o n. 7, do 1 annn
deste peridico.
ConcursoA contar de 29 do mea findo,
estar aberta, na Secretaria da Faculdade de Di-
reito, at completar os dias da lei, inscripcSo
dos pro.tendentes ao lugar de lente substituto da
mesma Faculdade, vago por sido nomeado cathe-
drarico o .&. Dr. Jos Hygino Duarte Pereira.
Tbeatro Santa Isabel -No sabbado 4
do corrate, o Club Dramtico Familiar d um
espectculo, no tbeatro Santa Isabel, representan-
do o drama em 4 actos, do Sr. Dr. Carneiro Vil-
lela, Gabriella, e urna comedia do repertorio do
mesmo Club.
Mortuaria No Ccmiterio
Amaro foram sepultados em
Entatiailca
Publico do Santo
No /embro :
De 1886
De 1885
De 1884
De 1883
De 1882
20? corpos
226
228
242
3*i
298:933*278
S. E. & O. =====
O gerente e guarda livros,
Felino D. Ferreira Coelho.
HtviSTA DIARIA
emblea Provincial Ioatallou-se
hontem a seaso extraordinaria desta Assembla,
ob a presiden, ia do Esm. Sr. Dr. Jos Manoel
de Barros WanderUy, ten Jo comparecido 26 Srs.
deputados.
Ao meio dia abrio-se a sessSo e foi lid > um offi
co do secretario do governo, communicando que
1 hora da tarde S. Exc. o Sr. Dr presidente da
provincia comparecera para proceder leitura da
respesfiva talla.
O Sr presidente no-neou aos Srs. Ferreira Ja-
cobiua, Gmcalves Ferreira e Gomes Prente para
em coininieaoirecebereui S. Exc. e em seguida
susp nleu ate-sao.
Reabrrta 8,1 hora da ta da e annuicando-se a
chegada de S. Exc, foi pela commisso reeebido
e, tomando assento direita do Sr. presidente da
Assombla, leu a sua falla, retirando se em se-
gu ia, precuchidas ss formalidades do estylo.
Urna guarda de honra do 2' bataiho de linha
prettou a S. Exc. as devidas continencias, salvan-
do a fortl sa do Brnm.
Lida, foi approvada sem debate a acta da sessSo
antecedente.
Fii tambem lido, julgado objecto de deii'jera-
9J0, ndo a impiimir tmente no jornal da casa, a
requerimento do Sr. Gomes Parete, um pr.je^to
sob o. 103, assiguado por 14 Srs. deputados, ap-
provando 01 actos de 28 de Junh > e 4 de Agosto
ltimos e pon-lo em vig>r a lei n. 1860 de 11 de
Agosto de 1885 que fixju a receita e a despesa
para o exercicio d< 1885 a 1866, emquanto nio for
rolado novo orcamento.
Eerlmentd.f-le'reA's 5 1/2 hsras da
tarde de 80 de Novembro. no lu,ar Coelhos, da
parochia da Boa.V.ta, bandido Jos da Silva fe-
rio a Manoel Balthasar de Oiiveira Barcellos e a
Francisco de Paula Borges, sendo preso em fla-
grante.
Obras de Julio Teme-A livraria Co-
rzzi, dos Srs. oares Quiutas & C^ no largo Sal-
danha M.rinbo n 4, recebeu mais um volume da
edieco popular das obras do distincto litterato
Irnncea Julio Vern que tanta aceitado tem tido
entre nos.
E' esse volume a 1 parte do romance premia
do p.-U Academia das Sciencias da FrancaO
fiUioi do capito raat romance de costumes
auu-m-anof e de grande merecimento litterario e
scientifieo.
Tuesouro ProvincialNos dias 3 e4
do corr.-nte, o tb-s .ureiro do Tnesouro Provincial
pagar as slasses de empregados do Gymnasio,
Escola Normal e Casa de Deteufio, os seus ven-
ciinenr.ig de Outubro (indo.
Exantea de geometraNos exames de
geometra, havidoa ben'em, t este O resultado :
Plenamente 3
Simplesmente 5
Reprovados 2
Total 10
Ferro.va do *. Pranelsco A compa-
nhia da terro-via (iBgleza) d.. Kecife ao <. Fran-
cisco, est pagando os iesr>ctvos accionistas o
46 dividen lo, relativo ao semestre findo de 30 d-
Junho uitiu O
aiiniveraarlo Faiem smmh 47 annos
que foi promulgada a reforma do cdigo cri-
minal.
tiltil ru & Monograpbla das Exc-
rnrtlrs O ilustre aJVogado da corte, Dr. Ber-
nardo Teixeira de Moraes Leite Veho, autor d-
uma exceliente Monographia da Execuces acaba
de dar lome, alli, um* Addicoes a esse trabalho
adlicoes tornadas ludispens-veis d> piis dalein.
3,12 de 5 de Outubro de 8b5 pe. regulamento
que oaix u com o deceto n. 9,549 de 23 de Ja
ueiro do crtente auno.
A media diaria dos enterramentos no prximo
findo mez de Nivembrs foi de 6,93 corpos.
Os das de menor numero de enterramentos fo-
ram : 18, 21, e 26. em que houve quatro ; 2^ 4, 7,
19, 23,24 e 28, em que houve cinco ; e 3,17 "30
em que banve seis.
Os dias de maior numero de enterramentos fo-
ram : 25 em que houve onze ; 1, 5 e 22 em que
houve dez ; e 10, 12,13 c 20 em que houve nove.
Releva ponderar que o mez findo de Novembro
foi ueste anno o em qu a mortalidade foi menor,
e por conseguinie aquello cin que a media diaria
foi tambem a mais vontajosa.
Tbeatro Santo Antonio0 Congresso
Dramtico Beneficente d boje um espectculo de
grande galla, legando scena, no Theatro Santo
Antonio, o drama em 5 actos As daos orphas.-
Urna banda marcial tocar nos intervallos..
Tbeatro de OllndaA sociedade Me!Do-
mee Oliodeuse leva scena, no tboatro de Olio-
da, no sabbado 4 do correte, o drama Colar de
Ouro e a comedia O Typo Braseiro. sendo reci-
tada a poesa A Liberdade.
Tocar nos iatervallos urna banda marcial e
haver trem para o Recife depois do espectculo.
Hovlmenlo do porto do Hecife.
Foi o seguinte o inovimento do porto do Recife no
mez de Novembro prximo findo.
Entraram do Exterij"
14 V.ipores, lotando 23 969 toneladas.
31 Navios de vela, lotand 9:955
Entraram dos porlos do Imperio
24 Vapores, lotando 26:978 toneladas.
43 Navios de vela, lotando 9:697 -
Dando .para total das entradas
38 Vapores, lotando 33:947 toneladas.
74 Navios de veh, blando 19:652
Santram para o Exterior
18 Vapores.
22 Navios de vela.
Sahiram para os porlos do Imperio
23 Vapores.
45 Navios de vela.
Liando para total das sahicas
41 Vapores.
67 Navios de vela.
N.B. as entradas comprehende se um va-
por de guerra do interior, e as sahidas um dito
para o interior.
Companhia Ferro-Carril. Diversos
. oradores da tua do Rosario da Boa-Vista, recla-
mam contra a preten^o que tem a companhia
Ferro-Carril de sentar linh dupla na mesma rus,
em cujo ngulo com a do Visconde de Pelotas, j*
existem duas curvas.
Disem elles, e parece que teem razo, que alli
se dao frequeates encontros dos carros da compa-
nhia com os vehculos ordinarios; e reeeiam que
a linha dupl, em to estreita ra, cause senos
atropellos e d lugar a desastres.
Demais, alli ha estabelecimentos eommerciaes,
cujas portas pram almocreves e os animaes des-
tes viro a sotuer, o que concorrer para damnifi-
car o commereio que fazem os mesmos estab leci-
mentos.
Convm, pois, que autes de se levarla efieito o
assentamento da referida linha dupla, sejam atteu-
did a os iateresses em jogo ea segurancado tran-
sito pela indicada ra.
Fabrica pollo.Convidados pelo pro-
pietario da Fabrica A .olio, f.mos ver ai I i a seccao
destinada fabricacio le leos veetaos, pro-
prosito da qual, ha dias iuserim?s queixas de vsi-
nbos. -
Observamos nessa seccao o maior aceio e limpe-
za de que sao susceptives taes industiias e a au-
sencia completa do qualquer cheiro nocivo-.
Entretanto, n itain s que o cbainin da fabrican
efi divamente de pequen* altura, rasa) pela qual
o fumo qua d'ella sae, fumo s vezes espesso e
resultante da combustSo dos residuos das aumentes
vegetaes, acomia .da a.-s viajnos, quando a den-
sida le do ar faz com que esse fumo se precipite,
em vez de subir na athmospbera.
O propretano da fabrica, o Sr. Pereira da Cu-
nha, assegurou-nos, porm.quej linha ene rumen
dado mal lO metros de tubos de ferro para ele-
var a referida ehamin, acrescentaudo qao se abs-
terja de queimnr o bagaco das sementes em quanto
nao realiaasse aquede melhorainento.
Dest'arte eremos que ficar coJiplefament sa-
nado o mal que no-i referimos, ficando de p os
bons crditos da Fabrica Apollo.
Examen primarlos-Sob a presidencia
do delegado litiera'io do districc ., Dr. Cicero Pe-
segrino, .ff-ctuaram-se hout-m. os ex-mes dos
ammuos da 6. escola publica da Boa Vista, regida
peio professor Francisco Carlos da Silva tra-
goso. ,
acrvirain de examinadores o Dr. Joaquim Pe-
reira da Silva Guun raes e o prolessor da ca
deira.
Em vista das p<-ovas escriptaa e oraes produ-
zidas pelos alumnos e de aecurdo cum o r gimento
interno das ecolas, o re-ultado foi o seguinte :
Piimeiro grao
Manoel Ko Irignes do >laaciin uto, adiantado.
Francisco Joao Kibeiro de Britto, ideu..
Alberto de Oiiveira. idem
S' gundo grao
Augusto de Salles F. rre.ra, adiantado.
Autoiii.' R'beim de Arauj i, dem.
FjanciacM Geraldo Moreira T.-mp .ral, idem,
Alfredo G-mes Beserra. pouc a Fiudo o acto, e proclamado o resultado, foram
premiados pelo professor da esleir, pela assiJu
dade e apr'.veitament. que tiveram -luraute o anno
os alumnos Kraueac Geraldo M reir T mp-ral
o Alberto do Oiiveira, o primeiro con um Dici io-
nario Portugus e o segundo com um Kwo di-
dctico.
O Sr. Dr. delegado litterario dirigi ao proles
s r aoa alumnos palavras c nratultori*s e de
auim.cao era vista do adiantaiDento d stes.
ocledade necreatlva Juveniude
A bibnotheca desta go.ietade foi Irequ'nta ia, du
rante o aez fiudo, por 86 socios, qu consultaram
62 abras em 70 Vvlumes.
Sahiram para recreio doa socios 46 obras era SC
volumes. -^
Re.ceberam se as seguintes offertas : r^V
Pelo socio honorario capito Muosl Jos dr.
Bastos Mello, 25 obras encadernadas em 31 tc
lumes.
Pelo socio distincto Dr. Ferrer Manual, da Nc
gociante I vol. ene. Abcedaro Jurdico per A
Cordeiro. Lyales sur l'in-:rtitude dessigne de
la mort por M. Fontenelie, 1 vol/ene. CodSgc
Criminal do Brasil por M. Vasconcellos 1 vol.
ene. -"
Pelo Sr. Manoel Caetano de Almeida Andrade
Os jogos lesbias ou amores de Jaoninha por Cha
tenay, 1 vol. broc. A Dama das Camelias por
A. Dumas Fho, 1 vol. ene. O Salteador, romar.
co em 3 volumes, por A. Dumas, ene. Oi.Mtut. -
tyres Pernambucanos, 1 vol ene.
Pelo Sr. Dr. A. Gumaiaes, Nunes Madsvfc ,
drama pelo Dr. Aprigo, 1 vol. broc. Discursee
e diversos escrpto pelo Dr. Aprgio, 1 vol. esc
Pelo Sr. Dr Martios Jnior, Visoes-de boje, pae -
sa3, 1 vol. broc, -
Pelo Sr. Alfredo Duprat, A rainba e a ventura;
drama, 1 volT ene.
Pelo Sr Francisco R. Salgado, Eletaentarr
course ge.ographie, por S. Win too, 1 vol. ene.
Pelo-socio Manoel Jos de Sant'Anna Ara-aje
Apontamentos sobre as formalidades do procesa,
civil, por Pimenta Bueno, 1 vol. ene.
Pelo Sr. Joo Ramos a Revista lllustrada. .
Pelas respectivas redaccoes Diario de fern~
buco. Provincia. Incentivo, Joao Fernandes, Laza-
da Mgica e a EntlucaO.
Monte Pi PortugusA nova directo
ria do Monte Pi Portugez fi^ou assim composta
Directora
DirectorTbomaz Espiuea.
Vico-directorAntonio Alves Pacheco,'
Io secretarioFrederico Antonio da Cista.
2o ditoJos Ramos de Oiiveira Jnior,
lo vice-ditoJoaquim dos Santos Coelho.
2o vice-ditoAugusto"Goncalves Fernandes.'
ThesoureroJos Antonio dos Santos.
Vice thesoureroManoel Goncalves Salgado
Assembla geral
Presidente Commendador Joo Jos Rodrgate:
Mendes.
Vice-presideate^-Cesario Acencio da Silva Pa.
poula.
1" secretario Domingos da Cunha Guimaie'
Roeha. ? _. '
2o ditoJoo Paes de Oiiveira.
1* vice-ditoJ.orquim Rodrigues da Costa. *
2o vice-ditoJos Elias Soares do Amaral.
Conselho fiscal
PresidenteAntonia da Silva Ramos.
Vice-presidenteFrancisco Jos dos Pasaos Gci--
maraes.
I secretarioJoo Augusto Ignacio Moreirs-
2 dito-Joo Lopes Teixeira. __
Conselheiros .
Flix Pereira da Silva.
Antonio Duerte de Figueiredo.
Justino Taixeira de Maura.
Boaventdra Goncalves da Costa.
Manoel dos Santos Falca).
Ventura Jos da Fonseca.
Antonio Francisco da Silva Maia.
Manoel L.uiz Bibjiro.
. Antonio Barbosa da Fonseca. < .
Joao da Silva Moreira.
Joo Valente da Cruz.
Jos Pinto da Co3fa Sobrnho.
M.noel Joaquim Perorlas da Silva.
Luiz da Fonseca Oiiveira.
Joo Martina da Silva.
Jos Luiz Alves Villela.
Julio Augusto Secades.
Jaciutba Botelbo de Amorim.
Ayres Ferreira da Cruz.
Josa Barbosa de Carv. lho. ,-e.
Manoel Moreira de Souza.
SuppUntes .-
Jos da Costa Babia.
Jos Soares Fernandes de Oiiveira.
Antonio Maria da Silva,
Manoel Joaquim Pereira.
Luis Jote Lopes da Costa.
Domingos Gomes de Amorim.
Commissao de contal
Comendadores: --
Manoel Jos Machado.
Antonio Correia de VasconceMos.
Jos Lopes Albeiros.
Gremio Beereallvo Familiar O as-
va conselho administrativo que tem de regar esto
sociedade no anno de 18861887 ficou smb
composto :
PresidenteManoel Dantas Bastos.
Vice-preaidenteJos Casjbr de Araujo e Sosar*
Io secretarioAntonio Alfredo de Ca'valhoi
2o ditoJoaquim de Souza Vianna Ferreira,
Orador.Antonio Raphael Alfr do da Costa.
ThesoureroFrancisco Lucio Oiiveira Lopes
Procurador Francisco Valeriano Alves da.
Fonaeca.
FiscalLuiz Goncalves Agr.
Commissao de syudicancia Antonio Raphaei
Alves da Fonseca, Alexandre dos Santos Silva e
Ji.t Castor de Araujo e Souza. Z
Oramsso de contas Antino Carvalho, Luis
Goncalves Agr e Francisco de Asis Ferreira
Magaibea.
Directores de mezM*noel Dantas Bastos, Jo-
e Castor de Araujo e sonz i, Antino Alfredo de
Carvalho, Joaquim de Souza Vianna Ferreira,
Antonio Raphsel Alves da Costa, Alexandre do&
Ssutos Silva, Francisco Valeriano Alves da Cos-
ta, Philadelpho da Cruz Vasconcellos, Jos de
Azevedo Ltges, Antonio Carlos Barromeu do
ti-nios, Manoel Alves da Silva Maia e Francisco-
de Assis Ferreira Maga bes.
E.lelco de irmamiade-No domingo 2S
de Novembro fiudo toi eleita pela seguinte forma
a mesa regedra da irman i diside Naasa Senhora
da ^oledade do Livramento :
JuizJ s .-silvestre dos Santos Pereira,
S-cretarijSilvino Porto.
ThesoureroMan .el Joaquim do Nascisaenio
Procurador geralTheodoro Antonio de Jesse
Bor^e- :. m_
1 procursdorFortunato Francisco das Cha-
gas.
2* do-^-Joo Flix de Albuquerque.
DefinidoresManoel de Miranda Castro, For-
tunato Gomes dos Pasaos, J L Francisco da Sil-
va Mendouca, Manoel Gongalves F. dos Santosy
Manoel Cyriaco de Figu redo, Candido Jos do
SauC.s, Jo- de Miranda Corroa Lima, Cussy Jo-
v-nal do Rgo, Miguel Joaquim da Silva, Fnttt-
cisco Jos Bapiista, Barihilomeu Valeriano da
Silva e nimia' Kibeiro da Gonceico.
.Ikirectorla da* onras de conserva -
rn ilos (.orto*K..letim meteorolgico do-
di 130 d N ve,n':rn de 1886:

-
.

1
Hora tu o eti - Barmetro a 0 Te-aso do vapor m a 1 3
6 m wa 757il 17.5 .
9 28 7 75812 18.77 64
l 29 1 7-8n74 18.94 3
3 t. 1Stf* 6 75>76 19.08 - 6J 4 71
6 *-27> 75826 19.54
Temp r.tura n.ax in-30 25.
Dita m< auna24.2.
Evap .raco em 24 horas ao sol: 1mp V W"'
bra: 4-8
Chuvanulla.
I
J

*~-m


Diario de Pernambuco---Quinta--f eir 2 de Dezembro de 1886
v
V

-
-
Directo do vento.: ESE todo o dia.
Vel cidade inedia do vento: 2.M55 por segundo.
Ncbulosidade msdia entre 0,5 eO,6.
4,,,,,-ni te turbina Pomos honlem
?acequiados com una amostra do assucar turbi-
aado, fabricado na usina Pinto, em Ribeirao. E'
sm assuear bcut trabalhado, secco, alvo e que faz
jtoura Aquella usina.
Agradecemos.
CapoelranHontem, na fregueza da Boa
Vista, e por'occasio de ir a guarda de honra para
aa circumvieiuhar.cas da Asseutbl* Provn.cial,
fcmtera iustallada, fea a ,/obcia nm bonito creo
ao capoeirns e agarren a 11, .a qse deu o eonv-
aiente destino.
Instituto ictMleinle conforme noti-
ciamos a 28 do panado, effectaaram-ae ante-non-
SMa neste nesta collejas o sames finaea da aula
jrimaria a cargo do Sr. Souza Martina.
Poram eliminadores, alm do respectivo pro-
Jssor. 03 Srs. Francisco Carlos da Suva Fragoso
Augusto Jas Mauricio Wauderley professores
jub!ic>>, preaidindo aa3 exims o director do eata-
jel'eimeato e sendo este o resultado:
Nal" tun.ia: Joaquim Pereira da Silva, p-
jrovado c-m dstinccJo e recbenlo o Io premio
(um relogio de prata), Arthur Pi dos Santo!,
dem, recebendo o 2 (um livro luxuosamente en-
eaderiiado), Doming-os Campos Goncalves Netto,
Joo da Cunha Brandio, L'iia Mauotl de Franca
e Joo Sabino de Lima Pinbo. approvados pleua-
eite ; Viriato Franco da Cunha, Jos Soares
Marqwa de Amorim, Quintino Franco da Cunha
Ral Celestino Balthaaai- da Silveira, approva-
Na 2" taima: Malaqnias Antonio Qoacalvrs
Jilko, approvado com distinceo e recebendo o
^ico'preinio para eeta turma, (um estojo) ; Oc-
urri alendes de Cintro Jtabello, Domingos Jos
oncalves e Mauricio Bezcrra de Mello, approva-
dos plenamente ; Eduardo Jorge Pereira, Fernn-
sV-dc Meudonca Catelo Branco de Vasconeel
loa, Francisco de Paula Goncalv^s Ferreira Ju-
micr e Alberto dos Santos Maeeio, approvados.
Finds os examea oceuparam a attencao dos
eircamstautes os alumnos Domingos Campos Gon-
jalve Netto, oftjigceudo ho aeu professor em
orne s aus cullegas, um boaquet de florea na-
terae* e Jlo da Cunha Brandio presentan
do com um i p.'queua caixa contendo urna abo
Dadura c ama lapiseira com suas pertencas.
A's 8 i|2 huras da noite foram terminados os
saines e por conseguinte os trabalho* lectivos no
tsente anuo.
Bnseuboa centre-0 Sr. engenbeiro
m\. A. elilet escreveu-nos :
Soaiedide Auxiliadora da Agricultura de Per-
mhouc. en 30 de Novembro de 18&>.
Srt. eductore*.Depois da reaposta que dei.
Diario sW 23 ao proxim> pascado mez de Ou
taro, a carta aborta publcala nodia 15, em que
'-lllm Sr. Di. FiM. Draenert reputava-me vic-
de urna mystificHcSo, e de envolta com as
tremendas aecnaacoes ao representante da
Gocnpanhia Fves-Lille, discuriava largamente
acerca das vantagens da diffuaio, applicada a
srmna de assipar com machinas construidas pelas
imbricas aliemos, ao pnsso qw, dizia elle, com os
mtteh-nismos francaes at hoje experimentados,
parlicularminte eom a talhadeira, do systema
Geay, os lucros quepo.le proporcioaar actualmente
3uo duvidosos, suppuuha liquidado o negocio e
atki mais ter qne discutir com o Ilustrado lente
ja Imperial Escola Agrcola da Baha.
Com efleito, embora S. S. nao tivesae lid o o
st'i trabalho, relativo aos novo3 melhoramentos
aiciadoe n> fabrico do aesucar de canna, e parti
enJarmeute diffaso, bastavr.im os trechos repro-
ducios na ranhi respjsta, pira ell capactar-ae,
de qne estamos intcirameote Je accordo acerca do
Moro da d ffuaao, das vant^gena theoricas qne
aprerenU, e meamo da probabilidade de obtel-as
BU spplicacaJ industrial daquelle prjeesso.
O nico ponto de divergencia consiste nisto,
ime S. S. parece eatar convencido, de qne a ques-
ti fratiea aeha-se completamente resolvida ; que
84 lacros nao sao Juvidosos ; e tem qualqucr com-
aahia, cu particular, certeza de realizal-os, me-
ciente o emprego de machinas fornecidas pelos fa
Irisantes alternaos, ao paaao que, a meu ver, os en-
juosfeitos at h)je nao lucidam a parte mais
aaportaute do problemaisto a diapezi do fa-
brico ; oa luerca alo duvidoeos, quaesquer quese-
am os machinamos empregados; e por aso, nem
aa companbias uein os particu'area devem ar.'is-
r-se a contingencia de pnjuizos mais ou menos
avetados, tocando ao governo, na qualidade de
jepreaentanfe dos intereases geraes, o encurgo de
iastallar a diffusa) n'aigom dos engenhos een-
tmes aos quaea conceJtu garanta de juroa, ecor-
' je o risco dos pr< juizoa, que de ordinario iic m-
paBhm, em qualquer industria, a introdcelo de
oros proceaso.
Eutretauto, essa divergencia do opinlo n3o
B>teria que S-! preste a disen^aio; s pertenee
atos factoa decidir quem tem raza l; e logo que o
saltado finaneciro, obtido p r uina usina traba-
ando com a diffuso, m.strar que as despezas
appleiuentar' s, neeessarias para arraucar ao ba-
ga'fo o assucar que elle nao quer c der ;'s moen-
iaj, sao iuferijies ao producto da venda do mes-
sassuc ello nem aggravo. Antes disto qualquer discus-
ab iroproficua!
Veterano da imprenaa peridica, na qual ea-
Seei ha cerca de mo s-cnlo (Novembrode 1837),
mi teuho repugnancia a daeutso''8 pelosjornae ,
ijanio dellas pie resultar algiipna vantageir
oaii o publico. Ora, este nada pode lucrar, com
a* que quer iuaugur^r o Sr. Dr. Draenert, acerca
a Mperioridade ou nfi-riori lade de taca oa taes
aaotructoies de machin^smoe, cuja emprego repu-
to inda pr- maturo. Por i aso, un balado nad.ee
j3ae.-anca.de nao ter mais que occupir-me ta
eom-'a d ffusSo, baca voltado a minha atten
para assntnptos mais urgent.s no ponto de
.^ta dos j.ctuaei interesses de minha ingrata
ente,a laara da canna, e principiado uiu n >-
j.tzaballo Hccua d) frete do aeajicar as nossas
vias-ferreas, setao quando Vl-ma dea,'radavo-
aentu sn-urehei. lid >, pela oubli jacio, n Diarlo
fc dia 27 do corrute, de ora caita aberta,
e qual o inesuio Sr. r. Draenert, pret-xto, de
contradice,5-?8, qu^ tea encontrad) noa mcua es
iptop, (mas etqaeeea-M de citar), da eu me ter
sqaivado a refutar e qu-' S- S. iimH da talhadei-
itieoidras machinas cllemes em compar "^'.ialhadra franesza, etc.; Sr. Besjefcet ter
aatumniado o trabalho da talhedeira alienta no en-
pitho Barccllos a de outras iaverdade3 d) mmmtma
qoilate, aproaeuta nova eJiea, correcta^ e ac-
rese ntada, de seu paaegyrieo di diffuso e dos
jppare'.h 'S allemles I
Confesso que fiqu' i pasmado ; e nao era para
sesos, pois o Sr. Bouchet, no trocho de sua carta
de 8 de Setembro, que publiqu.i a 20 de Outnbro
asi aviaba raspaste ao Dr. Draenert, expresta i
aeerc-1 do trabalho da talhadeira aem no euge-
or> Barcellos nos termos segaintes :
O corta caimas (talhadeira) funceicnou per-
Htamente .
Eu mesmo, no trabalho sobre as experiencias
3e Jav, publicado no Diario de 10 de Dezembro
e 183, aprcciei o oierecmento respectivo das ta-
"" adeir.is raneeaa e allemi da forma seguate :
As x| erieneias .... derara o reiulUJ) mais
atiafactorio, ehegando o corta-canna sudenlur
tgiiez, posto i in movimento por urna pequea mi-
, (.. r.... afornecerera 21 horas3 2.K)
-picis (197.632 kilos) de rodinhas de 0,'JJ3 de
g/osanr-..
GCOTta C nnaa f.-ancez nio deu iguaes resul-
< ta-los ; i ara P'Tfeitas, mas a quan
i eoa 22 horas na> cica lia de I
. p. a substituicio das tac.s
s^gia muitj mais t rapo e trabt lio
ooe na nia[uiaa ailema e pjrdia-aa algum cal-
de .
O propro D.-. Draenert aiada nada disse tio
jerc a fivor di talhedulseaBssai daqual
jae reputa inimigo.
Da ini;8ina lonna, nunca disse, como pretea-
4eo Dr.
aereial i iticias inexactas deafavorave i
se us cuucurrcutcs ; nunca di i eugeuhoa
eentraes do Brasil txtraaiam 9 10 % do as?u-
ar contido n i caii'.ia, tt-nli pelo contrario acen-
sado, oa de jures garantido* desta pr ivincia, de
estr.ihir di cani, com os seua apparelhos itsa
mpe menos aaancar que oa nossoa agr
gettoi i as:ntameiitoi do Bvd.
Mdre L ib it
Tiv p>l que resolver o problema 8>guinte :
quai o intarease que pola ter o -r. Dr. Drae-
gprj .ut s falsos? A hyn.itheae do
txttonismo, c..m que me havia socorrido por oc-
SB8* i da nmi ira carta, nao baata para dar
m$ > la segun la. Fiquei poii
auit-i perp'ex', at que afinal dei com a explica
jio do :
O Sr. >rt aecumuli, s funct'ca de
tete da 1 '"* Baha, as de
ajrentc oa tante n'aquella provincia da
Sudenburg fabrek de Magleburgo, a mima que
forneceu o material de diffusJo do engenho Bar-
cellos -, nesta qualidade tem feito na Balr.a activa
propaganda em pro dos apparelhos d diffosao
construidoa n'aquella fabrica, e procurado exten-
delaa esta provincia, pelo intermedio de meu col-
lega e amigo o Dr. Paulo de Amorim Salgado
que, neste intuito, apreentou-noa, em aeaaao do
conselho da Sociedadc Auxiliadora a communica-
cao ou reclamo do Sr. Dr. Draenert.
Havia me eaquecido destaparticularidade que
alisa explica lado. O autor das cartas abertaa, qne
Vs. Se. tm acolhieto, nao o lente da Imperial
Escasa Agrieola da Bhia, e aim o agente da S-
denhmrg fabrick de Ma clucidayaj de ama questio scientinca ou indus-
trial, importante para a Lavoura da Canna, neis
neste poato estamos em perfeito accordo; tia so
mente tornar conheoida esa Peraambaoo a Snden-
bnrg fabrick, de qoem nnguesa euvira fallar, e
promover a venda de seus prodoetas, exaltando a
diffuso e ca maqumismos allemSos.
A minha carta de 17 de Setembro, relativa a
diffuso no engenho Barcellos, proporcionou ao
Sr. Dr. Draenert pretexto para um primeiro pa-
negyiico de taes maqumismos : com a leitura de
minha reapoata, ello nao ple deixar de :e ter ca-
pacitado da que nao ha iivergencia real entre iuaa
idaa c as miuhas acerca da diffuaao, nem mesmo
acerca da sup?rioridade da famosa talhadeira so-
bre a ana concurrente f rauceza ; por iato que
para, a pretexto de diacuaaao, dar enaanohaa a
nofo reclamo, empre8ta-me idaa que nunca tve,
ceneuraa que nunca profer, aaaerces inteiramen-
te contrarias s que correra sob a responiubilida-
de de minha firma, chegando a poni de adulterar
aa citacoes.
O Sr. agente da Sadenburg /abrid: de Mag-
debarga abusou da boa f da redaccao do Diario,
para inserir, gratuitamente, na Revista, reclamo
para oa productos de ana caea commercial, quan-
do e poda collocal o honestamente em outra par-
te da folha e sujeito a competente remuneracao ;
abusou da micha boa f para obter replica que co-
honestasse novo reclamo. Est tocando tambor
as minhas costas em pro dos interesses da Suden
btirg fabrick; mas desde j o aviso, que nao deve
mai8 ontar commigo para contiuusr cora cate pa-
pel de dupc. Ple escrever o que quzer, emprea-
tar-me quantas incoherencia e ms intenco.-a lhe
sprouver, nao lhe reapoaderei urna I nha ac quer.
Pelo que toca ao respeito.de qae, uo aasuiap-
to da diffuso ou ouiro qualquer relativo a Lavou
ra Ja Canni e industria aaaucareira, ae julga ero
dor o Sr. Dr. Draenert i exteade a opinioS de
seu collega o Sr Hans-Kitzsch, comopraic nesta
especialidade, devo dizer a S. 8. qe fui senh ir de
iii,-enho per espaco de 12 anuos; teuho acompa-
nbado, de 20 anuos para c, os progreesoa reali
aados na industria do assucar, na Europa e fra
d'tlla ; publicado, acerca do dita indnatria no Bra-
ailc daaqjestea conocas, tanto ou mais traba-
lhoa que o iilustrado profesaor da Eseola Agrcola
da Baha ; f.ito eom toda a probabilidade maia
assucar de canna que o Sr. llana Nitzsch, e por
sso n3 me julgo em cirenmstancias de receber
licies do Sr. Dr. Draenert e de seu collega, nem
de curvar-me diante de su i autoridade.
f Aceite o Ilustrado lenta esta deelaraci", por
despedida, e procure outro correaoondente, pois
nem mais urna palavra escreverei sobre o as-
sumpto de suas cartas passadas e futuras.
Rogo-lhes, Sra. redactores, a insercio destas
mal alhavad.is lionas, e sou, com estima e conai-
deracio, de Va Ss. atiento venerador criado e umi
ga obrigado.Henrique Augusto MUet .
MargarldaExtrahimos do Corriere Mer
caetile de Genova :
O Fgaro de Pars, que de vez i m qi-.ando se
oceupa dos soberauos e soberanas europeus, endi-
cou O seu numero de 4 do corrente duas colum-
nas Ilainha da Italia.
Elle aasim ora ca :
Tem-se untado que aa princezas baptiaadas
com o nome du'Margarida paiecc que ao mesmo
tempo reeebem do eco todos oa dona que este noue
encerra.
As duas Margaridaa de Navarra foram duas
telas finas : Marg.iriia da Austria fai em astro
de intelligeacia: a ttainha Margari.ia de Italia
junta grac-i de urna flor oa raios de urna es-
trella.
A caea de Soboia, d'onle nos veio Adelaide,
duqneza Je Borgonha, foi um uiuho resl, onde
as almas das mulheres tiven-m aemprc grandes
azas.
A rainha Margarlda pertenee duplamente
eaaa de Sbela pelo nascimentc c pelo matrimonio.
A duqueza de Genova, sua mii, teve certa-
mente a intuico dos aeua altea destinos. Ella a
duc .u como urna d'aquellas princezas do secuto
XVI, que peuaavam orno philosoph.-a e fallavam
com > poetas. Eleonora de ste e Kenata da Fer-
rara nio tiveram maior aciencia e erudicao- A
juvtnzinha censideram aa linguaa vivas, e entre as
mortas, o grego e o aaoacrito.
A princesa Margarida veio a aer muaiciata,
pintora e eacriptora : teveoouvilo mnsical e can-
tou com fresca voz de Soprano : emfiui aa suas
mosinhas se exerciUram a exeentar aquclles bor-
dados maraviihosos trdusmittidos das castelhauas
do novo Leculo : esperando o Paaaaro Meu, ou o
l'riucipe Soave, Margarida de Saboia tradnzia em
arabescos de ouro ou em fl >rea, as esperances que
ella bal.uciava em versos suaves clesconhecidos.
Esta adoleseencia evi.cou aa reeordatjo.-a do3 con-
toa daa fadaa.
r>ra Gordinha e deliciosamente loura, q jando
ella ae casou com o prncipe Humberto. A Ilainha
Margarita est hoje no apogeo do seu esplendor
feuoinino.
No Q urinal, na pimpa dos grandes bailes
offieiaes, quando ella pasaa debaixo das auas nu-
Vi la de lidie braneo e daa ondas daa rendaa com o
fulgor daa j las no hombro e o diadema na fonte,
verdaderamente urna encantadora, una d'a-
quellas que imperam sobre os horaens e os ele
in-'ntoa, o desbarotam na pugna os heroea'do Taaso
e do Ariobto.
O Fgaro confirma as tytnpathias daRaiuhi
pela Franea,' e a doacreve de um m;do muito
,s -n.'ero franca.
Contino depoia fazendo o horario diario da
Uaiuh i quando est es Mouza.
Aqni, diz o Citadino, ha um elogio para as
nossas scohoias italianas.
H-iver urna filln de Eva mais seductora dn
que um i gran le dama itaiain?
Cjutinuan a o hi rario :
A'a 8 jantar, dspois conversacao c music
meia noita.
Os wIhum B;nghi ^Minghetti, celebres e3-
criptore, |;5:m a Rainha ao corr-rntc das obras
novas qn: apparecem no estrangeiro.
Coneiue asaim :
Na liale'ia daa Soberanas msderna~, a Rai-
nha de Italia representa a Suavdade (charmf).
O Rei Humberto o primeiro que soffre a aua
nflu-ncia ; a Rainha nao so env-Jve jamis em
pritica, mas diz se que o Soberano deseja sempre
aceitar os co isclbos que a sua consorte Ibe d,
comprehendidos em um sorrisi.
Conquistadora depois da conquista, tila se
ao.>lerou de Roir.a, de aples, de Florenca e de
V i za.
Quem sabo se ella nio reeonciliar um dia o
Q lirnal com o Vaticano. Esperemol-o.
Di-NcoHerta medicaExtrahimos do Ci-
tadino du R a.a :
Sabemos de fonte segura, que o Dr. G. B.
Polli, medico .italiano, que parti para a America
ha 18 annos, deacobrio all um novo remedio, ou
antes um m.derno sjratssia interno de medicaeao
antiinicrobica con propriedaJe vulneraria, ou ci-
catrizante em grande grao, O que o torna pre-
cioso as doancas crurgics8, e principalmente nos
hlpitaes raiiiiares em temp de guerra, onde os
sollados morrem aos militares de iufeccao pora-
lenta.
O dito dou+or, e.tab'leeilo hoje em Genova,
tra-a de peJir ao ministro da gu.rra autorisacao
espacial com anlogas experiedems peranfe urna
c min-asao de mediana e entendidos, onde aeja
lo maravilhoso.
Ao dito eyatema da cura tile chama septipa-
thia, e jura aob aua hjnra que curr muitaa ulceras
cancerosas, e mesmo nmitos cancros. Sj f sen
flores flireseero.
/,,.iii!<4.Efeotoar-ae-hio:
Hoje :
Pelo agente Modesto Baptista, a 11 horas, na
travesea do Carpo Santo n. 23, de miudezaa, per-
fumaras, ferrageni, etc., etc.
lelo agente Martins, s 11 horas, no 2 anlar
do sobrado da ni do Imperador n. 50, do mo
veis, lencas e videos.
Pelo agen'e Pestaa, a 11 horas, no armazem
da Aunes, de pagsa'.
Pe) agente Brito, a 10 1/2 horaa, na roa do
Pedro Aff.aso n. 43, de urna parto do sobrado n.
37 na mesara ma.
''elo agente Qusmao, >u 11 hora, ni ra do
z de OuJ u. 19, de movis diversos.
Athauha :
Pelojagente Pinto, a 11 horas, rna do Mr-
quez de Olinda n. 6, de toalhaa felpuda e diver-
sas tazendaa.
" Sabbado :
Pe'o agente Pinto a 11 horas, em Fora de Por-
tas, do cventeme de um navio.
Pelo agente Silveira, a llhoraa, na ra estreita
do Rosario n. 24, de predios.
PaiaaagelroNSahidos pa-.a os partos da
Europa no vapor allemlo Pernambuco :
Manoel Armindo Rodrigues, Jayme Baptista da
Silva, Antonio Vicente da Silva, Arnold Gehrig
van der Lin le, P. M. Brink e F. Picreck.
OperarAM etrnraricaaForam pratica-
daa no hospital Pedro II, no da 1 de Desembro,
se aeguinses:
Pelo Dr. Malaqaiaa:
Ampatacio do penis pelo proecsao de Guyon,
indicada por eyitelwena da glande.
Pelo Dr. Mese js :
Peetlioteaaia peto processo de Ricord reclame da
por phimoeis.
Boda ta Parlona-Por esta casa foram
vendidos oa aeguintei premios da 4' lerie da 21*
lotera em favor doa ingenios da Colonia Isabel:
31337 20:000400'
1360 6r000*OC
392 2:000*000"
13293 2:00>*000
37357 2:0005000
16354 2:000*000
18430 1:000*000
35452 1:000*000
9365 1:000*009
8377 1:000*000
11457 1 .-000*000
38416 1:000*000
4274 1:000*0.0
31336 App. 2:'!00*000
31338 2:000*0 X)
Aasim como 207 premios de 101*.
,o!erla Lista dos nmeros premiados na
1' serie da 24* parte das loteras em favor dos
ingenuos da Colonia Isabel, extrahida no da 1
do correuts :
7552 240:000*000
37958 40:000*000
31337 20:000*000
28840 10:000*000
1360 5:000*00<
PTlEtlIOl ne 2:000*000
392 136-8 21618
5204 16354 30727
13293 16671 37357
FBEMIOS db 1:000*000
1005 8377 11457 22205 35452
4017 8518 15026 25511 38012
4274 9365 16534 8U15 38416
4732 10000 18430 33974
8051 10568 19595 34986
N. mais alto 38416 1:009*000
N. maii baixo 392 1:000*000
aPFBOXIMACoaS
7531 4c000*000
7533 4:000*000
37957 3:000*000
87950 3:000*000
31336 2:000*000
31338 2:000*009
28S39 1:000*1(10
28841 1:000*009
1359 850*nOO
1331 8504000
Os na. de 7,501 a 7.600 estilo premiados com
409*, excepto o da sorfe grande.
Os na. le 37,991 a 38,000 estao premiados com
200*, excepto o da aorte de 4 J contos.
Oa na. de 31,301 a 31,409 eatSo premiados com
1004, excepto o da sorte do 20 cont03.
Todas aa centenas, terminadas em 32, estilo pre-
miadas com 100*, inclusive a da sorte grande.
TjJ s os na. terminados em 2 e 8 eatao premia-
dos cem 21*.
Lotera da provlaca.Quinta-feira 2de
Dezembro, aa 4 horas, su extrahir a 1'23 parte
da 1.* lotera em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife, pelo novo plano appro-
vado.
No conastorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceico dos Militares ser leita a extraccao
pelo syatema da machina Fichet.
LolerlnA 12' parte da 1* lotera da provin-
cia, era beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recife, pelo novo plano, cujo premio grande
100:000*00'! s:rextrabida no dia 2 de Dezem-
bro.
Os bilhetes garantidos acham-se venda na
Casa da Fortuna, ra Primeiro de Marco nume-
ro 23.
Tambera acham-ae venda na Casa Feliz,
praca da Independencia na 37 e 39.
Lotera Extraordlarla do Vplrati
ira-O 4." e ultimo sorteio das 4. e .' series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000*000, ser extrahida no dia 16 de Desem-
bro.
Achara se expostoa venda os reatos dos hi-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Maree
o. 23.
Tambcm achara-sc venda na praca da Inde-
dendencia na. 37 e 39.
IVoierta Uo llloA 2 parte da lotera
a. 36, do novo plano, do premio de 100:000*000,
er extrahida no dia .. de Dezembro.
Oa bilhetea ach ;m ae venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambcm aeham se venda na praca da nae-
peu leticia ns. 37 e 39.
Lotera do CearaA 8.serie da 21 lote-
ra desta provincia, cujo premio grande e.....d
2 0:090*000 aera extrahida no dia .. de Dezem-
bro.
Os bilhotcs achara-se venda na Roda da For-
tuna na Larga do Rosario n. 36.
Lotera cIh rdrteA 3 parte da 201a lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:00
ser extrahida no dia 4 de Dezembro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro da Marco n. 23.
Tamb'm achara-se venda na prac da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Ualadouro E*abllcoForam abatidas nc
.' idouro d* Cabanga 81 rezes para o tousumo
lo dia 2 de Dezembro.
Seudo: 64 rezes pertenecutsa Olivcira Ctstre,
ic C, e 17 a diversos.
Daa 61 rezes pertencentcs aoa Srs. Olivcira Cas-
tro 4 C,. 1 foi para a caldeira.
Mercado Municipal de S.
movimento deste Mercado uo dia Io da
foi o ae quinte :
En'raram :
34 bois pesando 5,162 kiloa.
523 kilos de peixe a 20 ria
81 cargas de farinha a 200 ris
28 dtaa de fructaa diversas a 300
5~iaboleros a 200 ria
12 Suinos a 200 ris
Foram ocenpados :
26 columnas a 600 ris
24 compartimentos de farinha a
500 res.
23 ditos de comida a 500 ris
_' ditos do Icgumesa400 ris
16 ditos de suino a 700 ria
11 ditos de tressnras a 600 ris
10 talhos a 2*
4 ditos al*
A Oliveira Castro & C.:
51 talh js n lj ria
2 talhos-* 500 rea
lar sido arrecadada neste dia
a qnantia de
Uendimento dos dias 1 a 30 de Nj-
vembro
INDICARES BTE1S
Medican
O Dr. Lobo Moscoso, do volta de sua
viagera ao Rio de Janeiro, contina no
excrcicio. do sua profiesao. Consultas daa
10 s 12 horas da manhl. Especialidade
operarles, parto molestias do sen horas e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Barrete Sampaio d consultas de
rn.io-tiia s 3 horas no 1." andar da casa
a rus. .J- Barao da Victoria, o. 51. Resi-
dencia ra Seto do Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudado n. 25.
O Dr. Castro Jess tea o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 25,
sobrado.
Dr. Gama-Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio : ra Larga dr> Rosario n. 24 A.
Consultas das \ \ horas da rnanha s 2 da
tarde. Especialidade : molestias e opera-
res dos orgios genito-urinarios do hrcem
e da mulher.
.tilvogailu
O Dr. Henrique Millei tem o sou es-
criptorio de advog.tcia ra do Imperador
n. 22, 1." andar.
Drogara
Francisco Manoel da SUt/a & C depo-
stanos de todas aa especialidades pitarra*
coutieas, tintas, drogas, productos chimice
e medicamentos hotnoeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
errarla a Vapor
Serrara a vapor e oficina de carapino
: Francisco dos antos Maoedo, caC3 do
Capibarte n. 28. N -jste grindo estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, asaim como sepreparam obrar
do carapira por machina e por precos cem
coir""*'""."-!.'
trocarla
Faria Sobrinho & C, droguistas por at-
acado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
n Liaaits a rumio
memorial dirigido ao Tribunal da
Jos-0
Desembro
10460
164200
rs. 84400
1*0'J0
24400
15*600
124000
114500
264200
1142a0
64GOO
2040W
140O0
514000
14000
2004560
5:8824860
Precos do dia :
Carne verde di 320 a 490 ria o kil.-.
Carneiro de 720 a 801 ria dem.
S uno) de 560 a 640 ris dem,
b'annha de 200 a 320 ris a cuia.
'lito de 280 a 320 ris idem.
Perji I a 640 idem.
Foi multado e suspenso o trabalhador Cosme
Damiao dos" Santos, em 10*000.
Cemllcrio publico Obituario do dia 30
vembro :
Joao Jo8 da Silva Costa, Pernambuco, 23 n-
noa, 8olteiro, S. Jos ; rheumatiamo.
J. Vicente Fer-eira Lrma, Pernambuco, 4i an
nos, eolteiro Boa-Vicia ; cachera c.ncrrosa.
Manoel, Pernambuco, Santo Antonio ; aspliisit
ao naacer. *
Miria, Pernambuco, Boa-Viata; aapbixia ao
nascer.
Manoel,Pernambuco, 2 meses Oraca ; pelo sub-
delegado.
Um recc-mnascido, Pernambuco, 8. Jos; pelo
subdelegado.
Relajo
Antea diato, ignorando o reeorrente em que I M EsmgkB. Sraa. quei com a3 sua, presencas, tor-
lngar da parochia do Poco allegou o recorrido naram mal) solemne es3a ccremonia ; ao distinc-
residir, porqae o editai de 2 de Outubro nao o
disse, lhe era imprssivel obter eadoeumentoa pre-
ciaos para contestar eaaa falaa allegacao.
O dia3l f.i domiogoeo 1 de Novembro diado
Todoa ca Santoa. de forma que oeatea dous diaa,
eetand oa cartorioa fechados, nao poude o recr-
rante tambem conseguir que o seu recurso fosso
tomado por termo, meamo pelo facto de eatar
residindo em comarca extrauha o eacrivi priva-
tivo do jury, no lugtr denomiuadeVrrombaiios
de Olinda.
Anda nssim, e para vencer os ardis da chacina,
requereu o recorreente ao juz recorrido no dia 1
de Novembro, que, na anaencia d'aquellc serven
tuario, mandasae tomar por termo o aeu recurso;
mas etao juiz nao o qu z attender, declarando-lhe
que nao era obrigado n despachar em da tanto.
Pelo exposto ae \ que o praao anda por ete
lado nao ae poda vencer nem no dia 31 de Ou-
tubro, nem no dial de Nov-mbro p>r seren estes,
nao simples dias f- rial s, porcm santificados.
O reeorrente ao seu recurso juntou para provar
a nao residencia do recurrido c contestar o attes-
tado do cdado Jlo Baptista Pereira Lobo, que
nio exerce um ceitil de autoridade na parochia do
Poco da Panella, oa atteatadoa do juiz de paz
Jeito Ignacio Ribeiro Romafl 8, do' respectivo
pircctio fl 0, do eubdelegado do,districtofl 7,
e do delegado do 1.* diitricto da capital fl 14
i-m o qual al declara esta autoridade o lugar da
residencia do recorrido, na parochia de Santo
Antonio.
Recif-, 1 de Dezembro de 1886.
O Superior Tribunal da Relacao tem de d.cdr
brevemente o recurso uiterposto por Manoel Ra-
mos Chaves da decisao do juiz de direito do 5-
dttricto criminal desta comarca, que mandou iu
cluir no alistnment da parochia do Poco da Panel-
la Manoel Lipca Vicira, embira residente e estab-
lecido ueata cidade ra de Francisco, da paro-
chia de Santo Antonio.
O juz recorrido limitou ae, na aua contra minu-
ta, a declarar que nao devia ter provimento o
dito recurso por ter aido interpoato fra do prazi
legal.
Antea diato mandou dar illega'mente vista dos
autos ao recorrido para allegacis e juutada de
novo documento falso, nao dgnando ae de mandar
ciuvir sobre esto o reeorrente, pondo o asaim em
pcores cndilo is que .quelle.
O juis recorrido tirmou, sen: duvida, o seu ulti
mo despacho era nm editai publicado no j >rnal
Provincia ae 2 de Outubro ultimo.
Esse editai apenas poderia servir para dar cc-
nhecimento uo recorrido do deferiinento de aua
peticao, maa nunca para dellc ae contar o prazo
para o recurao. porque eate s comeca a ser con-
tado da data da publicacao da reviso completa do
alietacoenlo.
O dito editai apenas enumera urna relacao d-o
romea sem declaracao doa motivos das inclusoes no
alisl.ment, nem das residencias dos novos alia
tades.
A reviaao do aliatamento nao ple ser publica-
da antea do dia 10 de Outubro, porque, at este
da, o juis obrigado a caperar pela juntada doa
documeotoa a peticaa que lhe foram entreguea
at o di* 30 de Setembro para aa iucluaoes e cli-
minacoes do al8tamento.
Aasim o prazo para oa recursos do3 eleitores pe-
las inclusos individas no alistamento, s podia
exprar-se, o mais cedo poaavel, a 10 de No-
vembro.
O prazo principia a correr para todcs em certo
dia e termina tambem para todoa em um mesmo
dia.
O juiz leeorrida no mesmo jirnal Provincia.
numero de 13 de Novempro prximo, publicou
novo editai as condicoes do primeiro, relacionan-
do novos uomeo que foram incluidos no alista-
mento, d'onde ae conclue que o editai publica-
do na Provincia de 2 de Outubro, nao foi, nem
poda aer, da reviaao do aliatament.
Se o fosse, teriamos o contra-senao da deaignal-
dade de prazos para oa recursos das inclusoes na
mesma reviso, findando-se um prazo no da l"
de Novembro e outro no da 13 de Dezembro !
A le nao admitte divisos naa listss da meaina
natureza.
O art. 48 do Regul. falla de tres listas quede
VS rao conter : a 1' es nomes do individuos reco-
nheeiJos eleitores e os dos eleitores incluidos no
alistamento da comarca por terem mudado de ou-
t:a o seo domicilio ; a 2* oa nomes do3 eleitores
transferidos de parochiaa, diatrictos de paz' aec-
coa comprehendidaa na mesma comarca, era 3*
os liomes dos eleitores elimina loa do alistamento
da cintarca, cora a declaraco doa motivos da
eliminacaoRegul. arts. 35 e 41.
O juiz recorrido fez publicar nos nmeros da
Provincii de 2 de Outubro e 13 de Novembro nio
a lista das iuelusea no aliafamento organisada nos
ti mos da Ici, poim simples relacoea de nomes ;
reata agora reunir eaaea uomrs cm urna lista em
forma, com todos os requisitos mencionados no
Moldo n. 1, 1* parte, miexo ao regulamento, e
della mandar extrahir tros copias para ter o te-
guinte destino : ' dente da provincia, ou'ra ao tabelliao para o re-
gistro geral e outra ou outraa pa.a scri-m publi
cadas por i ::?.es afiliados ns portas das matr '
z-'s ou e n outro3 lugares pblicos, e, quando fr
possivol, pela imprenea.
A le que is'o determina e que nao foi observa
da ptlo juiz recorr lo a seguate :
Regulamento 8 213 de 13 Agosto de 1881 :
Art. 50. Ab inclusoes e alterado a feitas no alis-
tameuto e as climinacoes de eleitores do meamo
n alistamento serio publicadas, com a declara-
cao-dos motivos por editaea atusados naa portas
das matrizes e capellas, ou em lugares pblicos,
e, quando for poaavel, pela imprensa.
Esta publicacao aera fe 11 :
Na cabeca da comarca, no prazo de 10 diaa
de que trata o art. 48, p do juiz de direto dest,
ou, tendo a comarca mais de um juiz de direito.
i peloa diveraoa juizea de direito da rae8ina co-
marc, cada um quanto i parto relativa ao
aliatamento do respectivo districto criminal.
Nos outros municipios da comarca etc.
a Art. 48. No prazo de 10 das, em seguimento
do de 30 estabelccido no art. 31 para as deci-
eo'3 doa juizes de direito na revisao do alista-
ment des eleitores, os mesmoa juizes farao ex
trahir do cada urna das tres listas de que tra-
Isas os arts. 35 e 44 as segaintes copias qu^c-
rio por elles assignadas o rubricadas cada nma
de suas fallas e remettdas no mesmo prazo :
I. Urna ao ministro do impeli na corte, e nal
provincias nos presidentes ;
11. Outra ou outras ao tab. lliao ou tabelliaca
da cabeja da comarca para o registro geral a
n sen cargo nos termos do art. 51.
III. Outras comprehendendo cada urna a
parte das mesmas listas relativa a cada muni-
< eipio da comarca, rxceptuado o da cabeca deata,
aos respectivas juize3 inuuicipaes para a njnibli-
n cacao t p ra os registros parciaes de que tratara
a os arts.' 50 3 parte e 52.
O reeorrente declara, entretanto, ao respeitavel
Tribunal da Relacio, que antea do dia- 2 do No-
vembro lhe era impossvil ntrpro feenrao;
vieto aer ebatado per motivo de torca maior.
Nos autos a tt 5 existe ora documento que prova
isio.
Para intcrpdro recurso, pediu o reeorrente em
13 !e Outubro certidio do alistamento do recor-
r lo e esta tin* fot passada no dia 30, depois de
decorridos 17 dias do em que foi entregue a
peticio aoescrivio para certificar.
Bonito
No da 22 a 23 do corrente mez honve aessio de
jury nesta villa presedida pelo juiz de direito
Joaquim Moreira Lima, suppos se que, sement,
para multar aos assignantes do abaixi asaignado.
em qu< o censuraram pelo desacato, que praMcou,
mandando cercar a cisa do Rvd. vigario por 10 tu
12 piscas e um sargento, como toda a villa pre-
senciou no da 23 e admira quo o Sr. juiz muni-
cipal, D'. Juliao negue-o c:n urna reaposta do
ofBcio ao Dr. Moreira !
E un >]! aiat i de forc, assim, na porta d'um
cidaiao exigilo pes: i de sua familia, pira ir a
presencad'uma autoridade, nio cerco, diga o Sr.
Juliio o que cerco a casa em urna ra"?!
A le diz que o conselho militar prefere ao juiy,
o Sr. Moreira Lima presidia, cutio, ao conse-
lho?... -
D'ahi a poiico esti elle negando iato. como do
sen costume e conforire nega na miserias que
praticou no dia 23 c 24 de Setembro pissado :'
Suspenden o jury no 2 dia de 8easao, coino que
ja tiveesem decorrido 15 dias de trabalho, diz qu-
por falta de jurados. Nunca se vio qui d'isto !
Mas o que ha de esperard*um juu de direito
que efH ia a um presidenta de provincia, partici-
pando ter aasumidn o commando do destacamento
de sua comarca ?!
Bonito 27 de Novembro de 18S6.
O verrina.
to maestro pernambucano Euclides Fnseca pela
magistral direceo que deu orchestra ; aos Ilus-
trados o peritos engenheiroa, os Sra. Hereulano
Ramoso Antonio Pereira Simoes pelo cabal des-
emp.'iiho qne deram a sua commiseao de preparar
o seuano o ornamentar o recinto do theatro ; ao
publico em geial; e finalmente a todoa que direc-
ta ou indirectamente concorrer im para que a ce-
remonia eativease na altura d'aquelleem honra de
quem foi ella celebrada.O secretario, Dr. Bar-
ros Sobiinho.
CiratidSo
E' a gratidio o maior, e o mais sublime dos aen-
timpntos humanos.
E' por esta razio que nio posso calar o multo
que devo a diversos cavalheiros que, no periodo
em que estivo docnti do urna pneumona no pul-
mio direito (moleatia de que le todo me ao acho
curado, porm com melhorai consderaveia), esten-
deram-mo suas vistas b 'nefic s e salutarea.
Venho do pranalto da imprensa dar-lhea os
meus agradec atentos do cordial gratidio, e mui a
particularmente ao nobre Visconde da Silva Loyr,
diatincto cavalheiro a quem muito sou deved. r.
Ao Ilustre clnico desta cidade, o mlico atten-
coso c activo, nobre e despretcncioio, o Exm.Sr.
Dr. Ermirio Cesar Coutinho, quo ptr do3 coahe_-
cimentos vastoa que diapoe da grande seiencia da
medicina, rene o fino trato da mais filalga e
apurada educaeio; a esse amigo sincero de todos
os tempoa, pr,test a minha mais subida gratidio
e eterna amizade.
Arrala!, 23 de Novembro de 1886.
Antonio Ignacio de Torres Bandeira.
Palmares
Ao Bode Vellio qu3 berroi na Provincia de 26
do prximo p,-asado mez, recommenda se mas
moderacao para cons gur o juizalo municipal
desse termo.
O cabrito.
L
Bonito
4 \h
uL.
Errala
Em respoata ao que no Jornal do Recife le 21
do corrente sob a epibraj.li'; Bonito vi publicado,
decitro foao fallando :i esplendido encontr d>
do juz Moreira Lima, cuj i numero de cavalheroa,
foi de diz a doze, constantes na maior parte de.
creancas o pesadas insignificantca) que nao assas-
sinei ao delegado Girio e apenas o acompunhei a
pedido d'elle at o engenho Iiha de Flores, nem ao
Rvd vigtro constou semeibante deligencia, piis
at nem na villa se achava, n'essa occasiio, maa
limitando raiuba resp-'sta, 8em refutar a cada
mentira escripta n'easa nojeota ptiblcacio, peco
ao meamo Dr. eh.-fe de polica, que exige, do actual
delegado de polica teuente Joaquim Flix Bezerra
Cavalcanti explicac.-a a reapeto da ida do alferea
Cirio ao engenho do coronel Pedr za, iato qual
o motivo d'easa jornada, ahavam-ae all ladros
de cavalloa postoa ao tronco, oa nomes destoa, em
que estado entio se achavam e que fim levaram
do ei'g;uho do virtuoso coronel, a quem a es c adu
lador infa'. e dera o titulo de clt-.-fe do partido
conservador d'esta infeliz coma'ra.
Bunito, 28 de Novembro 1886.
Jos Fernandes de Albuqucrque Mello.
Ao Dr. Telcsphoro Gomes de
Aranjo, jlilz de direito uteri-
no da comarca de Iguarassu'.
Pergunta-se ao muito iilustrado Dr. Telesphoro
de Aranjo se lhe permitlido p"la nosaa le disen-
tir poltica em autos eleitoraes ? !
Sabemos que S. S. asaegura nao ter medo de
nada, urna vez que tem muito bons amigas n'esta
cidade, mas entendemos que mais acertado andar
se cohibir-se de c*rta3 inmoralidades, taes como
a que acaba de praticar no recurso eleitoral, que
sobe, agora, para o Tribunal da Relacao e co qual
reeorrente o capitio Antonio Alvs Barbosa.
Pois era li:ito S. S. allegar em sua contra-
minuta para suatentarn illegalidade que praticou,
que o mesmo capitio pretenden, depoia da ascensio
do partido conservador ao poder, tal e qual em-
prego e que nenhum d'elles pode obter? !! !
S. S. abuaa muito e bem pode acontecer que,
l em urna de suas dcscahidas, leve o diabo a sua
audacia.
E porjue erafeus escaldados arrazoados fere S.
S., por modo tio estupido, a riossa pobre gramma-
tica ? !
Onde ouvio S. S. dizer que correcto cacrever-
8e foi ou nio eivados de espirito poltico 03 at-
testados? !
Ora, meu caro dontor, nio foi sem razio que os
sens collegas do Academia, tendo em ..ttencio a
aui asaiduidade, aaaeguravam quo V. S. auppria
com o asaento o que lhe faltava a cabera !
Infinitus est numeras camellorutn bipedorum.
Se houvesae termo de bem civer jurdico, o foasil
Dr. Telesphoro (que aturaron pelos j maes nio
querer o aobrenome de Salles, pr lhe a r pre-
judicial aos aeua altos interesis) estava no caso
de assignal-o.
Na aconselhamos S. S. que use dos lavato-
rios de cilao de intelligeneia.
A descoberta maravilhosa c tem produzido
muito bons reaultadoa.
Ah vi.i a receita :
Bora aenso 2oncas.
Milo condnsale 1 otava.
Oleo contra-pedante 4 oitavaa.
P de lbulos Meia libra.
M. Para injeccao todas as n-ites ao deitar-se.
Aaseguramoa qu S. S. adquirir 'umitas luzea
e deixar de saracotear.
Concluiudo por hoje, pedimos a S. S. que nao
esqueca o comproraisso quo contrahao com a visi-
nha da Rosa, isto com a Camelia.
Oa dez fu8to?a promettidos, por intermedio do
guarda-costas de S. S-, uinla nio chegsram ao
aeu deatino !
Recite, 1 de Dezembro do 1886.
Molla.
Engenho Vas-zea Grande
O Sr. Ignacio Leopoldo repete no Diario ae
h je urna coeccao de falsidades, em completa op-
rjosicao a provas dos autos e sentenca firaj,
de que elle nao appellon.
ISio ma.darii ao trabalho de urna nova roluta-
cSo, sem que o Sr. Ignacio Lepoldo rompa o si-
leneio, que tem guardado sobre i. 3 lettns falsa-
mente acceitas pelo seu consfituinte era data muito
anterior A da iutportacii do papel, cm que foram
impresaas. S-1 uao era verdadeiro o debito, pelo
qual estava sendo accionado o constituinte do Sr.
Ignacio L-'Opoldo, qual sera a vantagem deasa
fraudulencia ?
Aguardo a resposti, notando desde j que as
lettras aironlada8 foram qaatro, de 5:000*000 cada
urna e nao tres,
gecife, 1 de Dezembro de 1886,
Oliveira Foneeca.
nuil MBMaMiciiistd'
Esta sociedaie, eumpre o grato dever de agra-
decer a tolos aquelles que cavalheroa e patrio"
ticamente deram o seu cbulo-para qne ella p.des
se levar-a effeito a seasta fnebre em hjmenagem
memoria do inclyto brazileiroJos Bonifacio
de Andrada e Silva ; a S Exc. o Sr. Dr. presiden
te da provin3a,.--pela obsequiosa concesaa do
theatro Santa Isabel afim de ter lugar essa sessio.
As authoridadea, a corporicos e a?a funceiona-
r03 publicoa que se dignaram eomparecer ; aos
oradorea que tanto raalcaram a ceremonia, eepe-
cialmente, ao Exm. Sr. deaembirgador Domingos
Antonio Alves Ribeiro qua dignou-se aceitar o
honroso encargo de ser o Orador oficial da nesaao,
Na Revista Ccminercial publicada no Diario de
quarta-fera deram-se alguus engaes:
N ia acces de fewo carril garauti Jas de 2ftQ^ a
180 e nao como est.
as cota(5es das arcos da companhia de Bebe-
ribo de 10J5 a 150 e nao como est.'
As letras bypo'hecariaa com juros a 96 e sera
juros a 93 e nao como foi publicado.
Algcdio 1.* sorte a 61* e nao como sihio.
Cjuroa bccccs salgados a 560 rs. o k'lo e nao
como foi dito.
Milito a 60 rs. o kilo.
Baealhso a l) a barrica.
Aa mocas do 12 a 15 anuos absorvem urna tal
quantidade de alimentos, na cdoc* di puberdade,
qad man sempre o estomago pile digert-os. Nes-
i.- caso os mdicos recirrem alimenacio p.or
Miadas Peptonas de Chapoieanl, intfFisi.-as so-
bre 03 orgaoa digestivos, por'-iuo ellas contm a
carne de Vicca digerida pela pepsina. Ou seja a
Conserva, que se p-.de toa ar no leite, no caldo,
ii de ibistur.i com qualquer doce; ou 31 ja Vinho
de Peptonas; qualquer dos dous productos aug-
menta o peso do corp repara as torcas perdidas e
pode e 11-i le ar-se como um preservativo da tisicp,
que .tio frequente n-ssa poca da vida.
---------------=S&SO------------------
O i-'f f.xi ."> o <>!<:> ue llgnttlo le ba
rallio r
10O
_A resposta dependa da qualidade do genero. O
oleo puro medicinal de ti gado de bacalho de Lsn-
man & Kemp, ex'rahido dos ligados frescos do
peixe acabado decolher, tem verificado taes curas
de tysica, complicada com escrfulas, que seria
mui dfficil encontrar iguaes no3 apnaes da medi-
cina, j
Tanto nos. hoapitaes como na ptica privada,
dos mdicos 03 mais distinctos, os doentes exte-
nuados e apparenteinente desengaados em conse-
quenca de se verem atacados dos caaos mais agu-
dos das enfetrmidades do pulmio, da garganta, re- -
tabeleeeram-se com o_seu uso, com urna rapidez
tal, que 03 profegsnres de medicina confessam que
nao tem parallelo em 8ua experiencia. Se o espaco
nos pjrmittsse apreseatar aqui 03 casos de curas
transcriptas por ditos mdicos e extrahidos de
suas memorias, assombrariara 03 leitores. Nil des-
perandum.
Nunca deaeapereis cmqnanto tiverdea mi este
remedio puro.e jocomparavel naa curas daa affec-
coe8 pulmonares. E no entanto elle bi acha sem-
pre ao vosao alcance.
Acha-ss venda em todas as boticas e lejas de
perfumaras
Agentes em Pernambuco, Hcnry Foster & C,
ma do Commercio n. 9.
xito maravilboMo
Pilila lpllia. 7 Julho.
Profcssor barry.
Presado Sr.Tendo perdido o cabello durante o
tempo que estivo setviudo ni China, era eu com-
pletamente calvo no alto da cabeca. No-meu re-
gresso a Fhiladelphia foi me aconaelhadi que ex-
perimentaase o seu Trlcofero de lnrry. e
expe^imentando-o julguei me communicava ca-.
heca urna S'. naagio de frescura agradavel. Isto n-
duzio-mc a comprar mais dona frascos, e antes de
concluir o tercei'o comee;ou-me o cabello a cresc-jr.
Tenho desde entio continuado a u-al-o e encon-
tro-me hoje con cabello fio bom c abundante eomtj
na minha juven'ude. Autcrisu V. a usar esta carta
como lhe a proa ver.
Sou, etc.
Charles Lte.
X.
.

j
J-
Olnida
Diversas possoas que nao podem ser in-
differentes i gr^.nd'zas q 10 aiodu restara,
embora em estado de ruinas, nesta cidade,
renniram-se na casa da residencia do Exm.
e Rvm. Sr. cnnegD Or. Luiz- Francisco
de Ataujo, para o fim de coirA>inar,;m nos
raeios de reparar o oagesto^ templg de
N. S. do Carmo hoje tao arruinado.
Esudados os reparos e senciaes pelo k-
telligente e pratico ongenheiro arcliitecio,
Dr A. Pereira Simoes. que do boa ven-
tade a ioto se prestou, e est pro'iaaLf'a
dirigir a parto technica d.o trabalho, foram
eleitas duas coramiss5es : urna g'ral, com-
posta do Dr. H. S.' Tavares de Vaseon-
cellos, presidente, tenente Manoel^J. de
Castro ViHela, secretario, paire Julio Ma-
ra do Reg Barros, thesoureiro ; e outra
de esmolas, composta do desembargador
JoSo Francis=o da Silva Braga, presiden-
te, Antonio Estenio de Oliveira, se reta-
ro, eonego Manos-.l Jo2o Gomes, c conego
Dr^ Joaquim Graciano da Araujo.
As comm3s3 s trabalham com esforjo
para obter 03 recursos necessarios efv -
titidado do intento, que emprehanderam e
dd esperar que eneontrem npoio e ;. i-
PUfito da pirte do todos aqtelles, um
quaes rocor erem para fim tao piedoso.
Nesse sentido vao dirigir circulares.
i
Dr. Cotilo Leite
Medico, parteiro e operador
Rezidencia ra Barao da Victoria n. 15. andar
Consultorio ra Duque de C'axias n. 59.
D consultas das 11 horas da manhi s 2 da
tardo.
Attendo para os chamados a qualquer ho.rs
telephoue n. 449.
Oculista
1
Dr. Barreto Stimpaio, medio ocu-
litta, ex-chefe do clnicai do Dr. de
Wecker, d consultas de." meio dia s
3 horas da tardo, no 1." andar da casa
n. 5l ra do Bario da Victoria, ex-
cepto
Keriiaencia ra ocre ae omcuiuiu u. r\
34 Entrada Dla roa da Saudade n. 26. Jf
* *
i
1

t


Diario de Pernambucofluinta-feira 2 de Dczeinbro de 1886




*
Quatro illustres mdicos brasl
lelros residentes na I ni por
tanta cldadc de Pelotas
Dr. Miguel Rodrigues Barcello, vice
presidente- da provia ia, medico da Santa
Casa do Misericordia, condecorado peles
governos da Alle.nanLa, de Portugal e da
Italia.
Dr. Vicente Cipriano da Maia, medico
da Cmara JIunijipil, comnnssario vacci-
uador da mes na, oapitlu cirurgiao-mr do
cornmanlo superior da guarda nacional do
municipio, delegado da sale publica, etc,
Dr. Serajini 3 os Rodrigues de Araujo,
ex-me.lico da Caara Muuieipa', cx-dele
gado da sau'.lc qubliea, cavalleiro da im-
perial ordem da Rosa, etc.
Dr. Octaclio Aristides Cmara, mdico
homeopatha, tirurglao honorario da arma-
da nacionol, etc.
Attest j que o xaropa Peitora de
Cambar, preparado pilo Sr. Jjs Alvares
do Souza Soares, etubelectdo nesta cida
de, goza do propriedades emolientes o fa-
cilita a ilespectoracaj, e o considero como
um exceHente meio para alliviar e curar a
tosse quaudo convenientemonto pros-
cripto.
O referido rerdada e o affirmo sob f
de meu grao.
Pelotas, 21 de Fevereiro de 1884.- Dr.
Miguel Ro 'rigues Barcellos.
Attesto que o Peioral de Cambar
do Sr. Jos Alvares de Souza Soares, pre-
parado de una arvore aromtica deuomi-
nada CAMBARA' que vegeta na Serra
dos Tapes, desta provincia, um excel
lente balsmico c expectorante, e como tal
o teuho expregado serapre co.a bom resul-
tado nos affecy.oe3 pulmonares.
O o referido vr-rdade c o juro sub a f
de m.u grao.
Pelotas, 23 daFevenin de 1884.
Dr. Vicente Cyprirno da Mata.
-'- Att :sto qu o Peitoral de Cambar,
proparado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soare?, um cxcellente medicamento em-
pregado com muito bons resultados n.;s
molestias broucho-pulmonares.
C por sor venale passei o presente qu
assigno em f de meu grao.
Pelotas, 38 d; Fevereiro de 1834.-
Dr. SerajintJos Rodrigues de Araujo.
Attesto quo o Peioral de Cambar, |
preparado pelo Sr. Jos Alvares de Soasa
Soares* tero urna acollo especial sobre a
mucosa das vas respiratorias, curarirjo ou
alliviando muitas molestias dcstas mesmas
vias, o q'je prova cabalmente a sua crescen-
Dr. Joo Paulo
UEOICO
Especialista em parto, molestia de icabarai e
de enancas, com pratica naa principad inat-rin-
dades e hospitaes de Paiis e de Vieana d'Austria,
f..z todas as operadlos obsttricas e cirurgicas
conccrncntes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Bario da
Victoria (antiga mi Njva) n. 18, 1- andar.
Coueultas das 12 s 3 horas la tarde.
Telepbone u. 467.
'\
"ilisla
Dr. Fonvra da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
cousultori, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Clnica medico cirurgica
DO
Dr, Alfredo Gaspar
E3pecialidadcPartos, molestias de senhoias e
ci ancas.
Residencia Ra, di Iraocratriz n. 4, segundo
andar.
Dr. Pirula Lopes
De volta di sua viagen E
abri seu consultorio ra do .Marq'i z de |
Olinda n. 1. I
Especialidades Molestias de creautai c
nervosas.
Tratatncntos pda el.erieidade (Electro
!' therapia)
Consultas : De 2 hora s 4 da tarde.
Residencia : Ru* da Soldade n. 56.
Telcpltoneit is. 35 e -tS
Aviso
O Dr. K. Owglan Bonnet Medico pcU
Faculdade de Medicina de Paris.
Condecorado com a meialha dos baspitaes.
Socio correspondento : das Academias da Med
cia do Rio de Janeiro e de Barcelona ; da So-
ciedado de Medicina pratica de Paris e da Socis-
dade Franceza de Hygiene, ex-director do Mineu
AnatomoPatolgico da Faculdade de Medicina
do Rio de Janeiro, tcm a honra de prevenir o pu-
blico que durante a sua estada em Peraambuc
fiei a disposico dos doeates que desejarem hon-
ral-o com a sua ccnlianca.
Chama'!-s e consultas de 1 s 3 horas da tarde
ra do Mrquez de OiinJa t?. 51, 1.* andar: re-
sidencia na hcsDcdaria de D Astonio (Caminho
Novo).
Especialidades : molestias das via respirato-
rias coraeao, estomago, figado, etc., mcl-.-stia-"
uvas, c syphiiittcas.
Dr. Fernandes Barros
Medico
t; procura o aceitadlo, que ainda nao teve ,
*. i i Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
producto algum cffi:inal nesta provincia. I Consultas de meio dia i 3 horas.
O refer lo verdade, o que affirmo em Residencia ra da Aurora n. 127.
f do meu grao.
Pelotas, 23 de Fevereiro de 1834. Dr
Octaclio A Cmara.
nicos agentes e dep:sit03 geraes cm
PcrKimbuco
FRANCISCO MANOLL DA SILUA & C.
Ra Mrquez de Olinda n. 23
Telephone u. 450
C, Heckmano
sinas de cobre, iatao e ron.ze ee d
Golitzcr Ufer n. 9. Berlini S O.
Espeealidade:
Construcf ao de machi-
nas c apparclhos
ADV0CAC1A
O co selheiro Dr. Manoel do
Nascimento Machado Portella
contina no exerdeio de suar
profissao de advogado podenden l
{ser encontrado era seu escripto-j '
(rio a raa de Imperador n. 65,| I
jl. andar, das 12 s 3 da tarde. \ )
N. 8. Na tisica pulmonar a potencia
da Eraulsao Scott como remedio mara-
vilbosa. Restaura o sangue ao seu esta
i do normal. Sana as inflammacSes de gar
ganta e dos pulmoes. Calma a tosse e a
para fabricas de assucar, destillacoea e re | rouquidao. D cor s faces o aumenta a
finacSes com todos os aperlejoamentos carne e as forjas.
modernos.
INST^LLAgAO DE:
Engenhofft assucar completos
Estabelecitconto filial na Ha-ana sob ?
mesma firma de C. Hcekmann
C. e San Ignacio n. 17. '
lricos representantes
Haupt GebruMer
EIODE JANEIRO
Para informafSes dijijamse ai
Polilmaii &C

LIO
m. Cern IA
MEDICO
T.:m o seu eseriptorio a ra Duque de Ca-
as d. 74, das 12 as 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia pa da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
ohoras e (-riancas, telephene n. 326.
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
criancas, dos orgias respiratorio das
senhora s.
Prestase a qualquer chamado par*
or di cipit-il.
i
I

II
}{
l
sil
AVISO
Todos fB chamadas devem ser ding
dos pharmacia do Dr. Sabino, ra do
| liaraj da Victoria n. 43, onde se indicara
| 1 sua residencia.
Consultorio medico-
cirargico
O Dr Castro Jess, contando mus de 12 annot
de escrupulosa observacao, reabre consaltorio nes-
ta cidade, ra do Bom Jess (antiga da Crut
n. 23, 1. andar.
floras de consalas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
noito : das 7 s 8
as dentis horas da noite ser encontrado nc
itio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por-
tao esquerda, alm do porto do Dr. Cosme.
Oculista
:^^
Dr. Matloa Barreto, ex ehrfe da clini-
ca de olhjs do l*r. Uoura Brasil e da
policlnica geral do Rio de Janeiro e mc-
di.o aggrcgado do hospital Pedro II
desta tiJado.
Consultorio, roa do Impera lor n. 65, !
andar, das 12 s 3 horas da tarde.
Besidenci, Cun.inho Novo n. 159.
As opercoes s3o feitas sem der, por
meio da cocana.
C bres.
Leonor Porto
Rua do Imperador n -15
Primeiro andar
Contina a executar os mais diiceis
figurinas recibidos de Londres, Paris,
Lisboa c Rio de Janeiro.
Prima em perfeicaode costura, em bre-
vidade, modicidade em precos' e fino
gosto.
Licor depurativo vegetal Mtfi
DO
Medico Quintclla
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de tilo grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheumatica
e de pelle, coma tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das c chronicas, cancros syphiliticos, inflamma
ces visceraes, d'olbos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diatheriecs, assim como na alopecia ou qaeda
do abello, e as doencas determinadas per satu-
racao mercurial. Do-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas exp riendas feitas com est?
especifico nos hospitaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Fas-se
descont para revender..
Deposito em casa de Paria Sjbrinhs & C.
Rua do Marqus de Olinda n. 4.
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e rtulos das
suas preparares na junta commercia do Rio de
Janeiro de conf; rardade coro as prescrip^es das
lea do imperio do Brasil, declaram e participan
aos interessados, qnc como nicos propietarios,
tem direito exclusivo de usar as mareta indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura
fabricacao e venda das guies preparado :s ;
Agua de Florida de V urray c Laman.
Tonio Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanm-in & Kemr
Emulso de .oleo de figado de baealho com hy
pophosphites, de Lanmam & Kemp.
Salsapamlha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portante, perseguirlo a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sejain castigados com toda
a severidade da le.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquellea que intentam substituir as nossas prepa
racoes cima mencionadas com artigos falsificado*
que levam rtulos ou marcas industriaes que imi-
tan) as nossas.
Lanman & Kemp.
EDITAES
(le soccor/o
lili lO DE IOI.1W
Ete estabeleeimento far leilo no dia 15 de
Drzembro prximo, por intercedi do Re.ite Mar-
tina, rua do Bom Jess n. 32. s 11 horas di
manh, dos objectos que nao forem reegatados
at a vespera, das seguintca cautcllas, a dinheiro
de contado.
Estsro em expcsicJo tres dias sntes.
11.632Um annel de ouro com brilhante, urna
pu'.seira, urna coircnte e medalha parare-
logio, no de lei.
11.633Um par de roselns e um annel com bri-
lbautes.
11.115Urna pulseira de ouro com brilhantes.
11.705Um rclogio oura du Ki. .
11.976Urna eorreute para relogio ouro de lei,
um relogio de ouro e um paliteiro prata
do lei.
11.981Urna pulseira ouro de lei.
11.988Um anuel de ouro o tres bjtos com bri-
lhante-i, urna volta de ouro eom medalha,
duas correntos, dua< medalhs para re-
lugio, um par de brincos o seis moedi-
nhas de ojro em bolos.
12.010Um par de rosetas de ouro cjm brilh-in-
tcs.
12.022Urna pulseira ouro de lei.
12.025Um anuo! de ouro.com brlhantcs, urna
pulseira, um broche, um par de brincos,
um dedal ouro de lei, urna pulseira, um
broche, um par de brincos, ouio baixo.
12.107Umt pulseira de ouro com brilhantes,
quatro anucis com ditos, um corrento
de ouro para relogio, urna g&rgantilha,
urna pulseira, dous brochas, dous pares
de brincos curo de lei, um relogio de
ouro.
12.168Urna cruz de curo com brilhautes.
12.202Um unucl de curo com brilhantes o tran-
celn}, ouro de lei.
12.302Un annel de ouro eom um Urilhante,
daaa coias do ours de lei, urna mieda
de ouro com laco, um cordo e um cora-
cao de curo, ouro baixo.
12.308Cinco anneis ouro de le.
t.319Duas pulseiras, tres broches, um par de
brincos, doas ditos argoloes, um dedal,
quatro anneis, ouro de lei, um broche,
dous pares de brincos, um par de argo-
loes, um de bolees o um annel, ouro bai-
xo, urna salva, um esplendor, urna conch.i
para ,> i o 17 colheres de prata.
12.324Urna volta de ouro cem midalha, ouro
do lei.
12.329Um annel de curo com brilhante, um ro-
sario e urna coi.t de ouro, um cordilo,
um par du brincos o urna cruz, ouro
baixo.
12.335 Um traneem, urna vclta de dito, urna
cruz urna figa, urna onedinha de ouro,
dous anneis e tres rozetas, ouro d lei.
12.336Um aunel de ouro com brilhante.
12.346Uui brocha, ciuco pares de rozetas, urna
~*"\ medalha, tres anneis e um loneto, ouro
\ do lei.
12.319-Um annel com brilhantes.
12.360Um relogio ouro da lei.
12.361Um trancelim e urna medalha. ouro de
lei.
12.362Um cordo e urna medalha, ouro de h-i.
12.370Um trancelim e um annel ouro de lei.
12.371Um relogio, ouro de lei.
12.376Dous trancelins, duas medalhas c duss
cruzes, ouro de lei, 13 colheres para cha,
e um marac prata baixa.
12.381Um relogio, ouro de lei.
12.387Um relogio ouro de lei.
12.391U | tranc.lim e urna cruz ouro de lei.
12.392Urna volta de trancelim e tres teteias,
ouro de lei.
12.394Urna pulseira ouro de lei.
12.402 Urna corrente e medalha, para relogio,
ouro de lei.
12.405 Um par de brincos de ouro c:m brilhan-
tes
12.406Urna pulseira, um alfinete, um par de
brincos de ouro com pcrolas c esmeral-
das, ouro de lei.
12.407 Urna salta prata de le.
12.408 -Urna pulseira de ouro com brilhante,
urna volta-de ouro com Leo e urna meda-
lha, ouro de lei.
12.409Um broche para retrato com brilhan-
tes.
12.111 -L~.ua corrente de ouro, e um relogio curo
de lei.
12.412Urna corrente dup'a para relogio ouro de
lei, >-
12.416Dous pares de brincos, dous ditos de ro-
zetas.
12.431Urna corente para relogio ouro de lei.
12.438Um cordo ouro de lei.
12.439Urna redoma ouro de lei.
12.441Urna con ente e medalhi para relogio,
ouro e platina, upa dita ouro de lei.
12 449Urna correte dupla com medalha e um
relogio, ouro de lei.
12.46247 moelas de prata de differentes valo-
res.
12.463Dutis pulseiras, um par de biincos, nma
volta de trancelim, urna moedinba de ou-
ro com laco, e dous anntis, ouro de lei.
12 467Um par de rezetas de ouro com brilhan-
tes.
12.472Um annel de ouro com um br'hante.
12.473Um trancelim, urna medalha, um alfine-
te e dous anneis, ouro do lei.
12.486Urna corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
12.497Um tranceln ouro de lei.
12.501Urna corrente dupla com medalha para
relogio, duas pulseiras, tres pares de
brincos, duas medalhas, iuas moedinhas
de ouro com laco, tres anneis, nma volta
de coutas de ouro com cinco teteias, ouro
de lei.
12.505Tres anneis de curo com brilhantes, um
trancelim, ouro de lei, um cordo e jm
annel ouro baixo.
12.510Urna corrente e medalha, ouro de lei.
12.511Um alfinete e um par de brincos ouro de
lei.
12.517Duas lunetas do ouro, um trancelim, qua-
tro voltas de ditos, um alfinete, duas me-
dalhas, dous pares de brincos, quatro di-
tos de rozetas, um par de botes, dous
dedaes, dous anneis, um ponteiro e oito
teteias ouro de lei; urna salva, um pali
teiro, "m marac, 25 colbcrea para sopa
e cha e duas conchas de prata.
12.521Um annl de ouro cem um brilhante e
um par de rozetas com ditos.
12.524Dous pares de rozetas de ouro, e annsis,
um par de botos com brilhantes, tres
correntes, duas medalhas para relogioe,
urna dita para senhora, um par de bo-
tos, ouro de lei, e um relogio de ouro.
12.525Urna cruz com brilhantes e urna volta de
trancelim, ouro de lei.
12.531Urna medalha, um emblema do Espirito-
Santo e 4 aunis, ouro de lei.
12.532Urna corrente e um relegio ouro de
lei.
12.533Dous anneis de ouro com brilhantes e um
par de rozetas, um bracellete com requi-
fifes, ouro baixo e um par de rozetas ou-
ro diamantea.
12.538Una pulseira, dous alfinetes, dous an-
neis, oUro de lei.
12.551Urna volta de ouro para tenhora.
12.552Duas correntes e ama medalha para re-
logio e trez botoes, ouro de lei.
12.561Urna volta de peroas e urna er.uz erare-
jada de diamantes.
12.583Urna pulseira e dous botoes, ouro de
lei.
12.534Dous castici.cs com anglicas um palitei-
ro, 18 colheres para sopa, 28 ditas pa-
ra cha e urna dita pira arroz, prata de
lei.
12.594Tres voltas de trSncelim ouro de lei, urna
moeda de ouro de cinco scil res, trez
ditas, dollars e um cordo ouro baixo.
12.595Urna corrente pira relogio (incompleta),
ouro de lei.
12.596Um par de botes para pnnho, ouro de
lei,
12.603Um par de esporas de prata.
12.614--Um cccnlo de ouro, urna volta de tran-
celim, urna mcedinha, no par de rozetas,
ouro de lei, um fio do contas de ouro, um
emblema do Espirito Santo, e um p.r de
botoes ouro de le.
12.621Um aunel de ouro com cm brilhante
Srande.
m annel da ouro com brilhantes o uira
pulceira, ouro de lei.
12.628Um trancelim ouro de lei.
12.630 Urna redoma e uui cordo curo baixo.
12.633Dous botes de ouro com brilhantes e um
annel com dito.
12.636Uuia escrivaoia, prsta baixa.
12.669Urna pulceira, uro d; le.
12.672 Um par de rozetas de ouro cm dous bri-
lhautes, d jus anneis .com ditos, um dito
com dito e rubina.
12.684.) 'U.i nnnois de ouro cora brilhantes.
12-693Um annel de ouro com brilhante.
12.694Um a niel de ouro com um brilhante, um
par de rozetas cravejada de diamante:,
urna pulceira ouro de le.
12.697Um alfinete e um par de rozetas, ouro de
lei.
12.704Um par de rozetas de ouro com dous bri-
lnantes e urna cruz c m ditos. *
12.714Urna pulceim, um alfinete, u> a meialha,
um par do brincos, um dito de rozetas
ouro de lei.
12- 717Urna corrento para relogio, e um relogio,
tudo prata de lei. ,
12.719Urna volta de trancelim ufa cordo, urna
cruz, um par de brincos, um dito da ro-
zetas, dou alfiu-.tes e urna redoma edous
anneis de ouro.
12.724Um trancelim o urna cruz ouro de le.
12.7.6Urna medalha ouro de lei, duas cruzes
curo baixo, um calix com colher, um pt-
liteiro o urna salva du prata.
12.742Urna correte para relogio e 4 anneis ou-
ro de lei.
12.714Urna cruz e tres botoes do ouro eom bri-
lhantes.
12.746Um alfinete quatro bot*, um trancelim,
dous cordSes ouro de lei e seis moedinhas
de ouro em botoes.
12.<47Um par de rozetas do ouro cravejadas
de brilhantes pequeos e perolas, um an
nel com um pequeo brilhante, urna pul-
seira ouro de lei.
12-749Um relogio de ouro para senhora.
12.750L)m melalho de ouro cravejado de bri-
jA.lliintos, urna pulseira de ouro com bri-
lhantes e diamantes, duas medalhas (Ja
ouro coin ditos, urna volta de ouro para
seuhora, um medalho ouro de lei, dous
fios de perolaa.
12.755 Um trancelim, urna volta dj dito, duas
mciulhas, um cordo e um auucl uro de
lei.
12.757Um cordo ouro de lei.
18.764Urna medalha ouro de lei.
12. '65Um relogio ouro de lei.
12.771Urna cruz de ouro com brilhantes.
12.771Una pulseira, um par de briueos e urna
figa, ouro de lei.
12.779Um relogio curo de lei.
42.786Um annel de ouro cem brilhante, urna
pulseira, um alfinete e um par de brin-
cos, ouro de lei.
12.787Urna medalha o um pr de argas ouro
de lei.
12.788Um relogio de ouro.
12.790Um par de brincos e urna medalha ouro"
de lei.
12.792Dous pares de brincos, um alfinete pe-
queo, um casto, dous anneis com po-
dras e urna figa de ouro de lei; um alfi
nete, um casto ouro biixo.
12.793Urna corrente para relogio (incompleta)
e um relogio, ouro de lei.
12.794Um relogio ouro de lei.
12.802Urna pulseira ouro de iei.
12.809Um annel de ouro com brilhante, um di
to de ouro o umuolta do trancelim ouro
de lei.
12.811Urna cirrente e medalha para relogio c4
um annel, ouro de lei.
12.847 -Um annel ouro de lei com briihante.
12.850Uma pulseira, um volta de trancolim,
un par de brincse uma ernz ouro do lei.
12.Tj5Um par de rozetas do ouro com brilhan-
tes.
12.879Dous relogios ouro de lei.
12.871Um trancelim e uma cruz, ouro de lei.
12.873Um par de rozeuis e quatro botoes ouri
de lei, e um palitiiro de prata de lei.
2..878Uma n-'dalha de cnix, contendo brilhan-
- es.
12.883Um par de brincos, um alfinete, nma vol-
ta de trancelim e um cordo, ouro de
lei.
12.889Um anuel de oura com brilhantes, uma
correte para relogi?, um traii^elim pe-
queo c um par de brincos, ouro de lei.
12.895Uma pulseira ouro de lei, treze cclhes
para cha, prata baixa.
12.912Dous botoes de ouio CJm brilhantes.
12.914Urna pulseira ouro de lei.
12.918Uui paliteiro prata de lei, treze colheres
para sopa, dezeseis ditas pira cha, prata
baixa.
12.922Um alfinete e tro rosetas, ouro de lei,
uma pulseira ouro baixo.
12 924Duas pulseiras e um trancelim, curo de
lei.
12.935Urna corrente para relogio, un par de
rozetas e um annel, ouro de lei.
12.936Uma corrente o medalha para relogio,
ouro de lei.
12.937Uma pulseira e um tranceln, ouro de
lei.
12.949Um trancelim, dous pares de botoe3 para
punhos e um relogio, ouro de lei.
12.950Uma corrente para relogio c um relogo
de ouro de lei.
12.953Dona anneis de ouro com brilhantes,
uma moeda de ouro Ib., nma dita de 20
francos, uma dita de 10 e quatro dol-
lars.
12.955Um relogio curo de le para senhora.
12.960Duas correntes o duas medalhas para
relogio e duas pulseiras; ouro de lei.
12.965Urna corrente para relogio, ouro de lei,
nm relogio de ouro.
12 966Uma corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
12.978Ura trancelim ouro de lei, uma cruz ou-
, ro baix).
12.980Um annel de ouro com brilhante.
12.987Ua par de brincos de ouro e um annel
com brilhantes.
12.988Urna medalha, um par de brincos e um
dito de botos, ouro de lei.
12.989Um alfinete de ouro com brilhantes, nma
vernica, nm dedal, uma cruz, ouro de
lei.
12.991 -Urna corrente com porta-ielogio para se-
nhora e um alfinete, ouro de lei.
12.995Uma volta de ouro, uma medalhi e uma
Eulseira, ouro de lo.
'm annel de curo com um brilhante e
dous rubina.
13.004Uma volta de ouro, um alfinete e um par
do brincos, ouro de ouro de lei.
13.00")Uma volta de cordo, ouro de lei.
13.006Um annel de ouro com brilhante.
Circular a. 2'*
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 1 de
Dezembro du 1886.O contador, servindo de ins-
pector, tendo em vista o cfficio da presidencia da
provincia de 2S do corrente, tratando da provi-
dencia tomada no sentido de nao seretn homolo-
gados polos juizes de direito e municipaes os ae-
cordos ou arbitramentos caprichosos, sobre os
precos dos escravos libertandos por conta do fun-
do de emancipaco, visto haver se verificado, pelo
empreg) da 7 quots, que, em alguna municipios
da provincia, os collectores geraes accordo com
os senhores de escravos sobre os mximos precos
da tabella do 3 do art. 1 da lei n. 3,270 do 28
de Setembru do anno passado, sem atteuderem a
que esses prtfos sao simplesmeute os permittidos
para a nova matrcula, mas nao p :dem nem de-
vem sor almittidos cm abstluto ; quer porque o
7a do art. 3<> da citada lei, determina que conti-
nuem em vigor i.s providencias do art. 37 e so
quintos do regulumento n. 5,135 da 13 de Novem-
bro de 1872, quer por ser indeclinavel a neceesi-
dade de reconhecer se, por inspeeco ocular as
cendiecoes physicas o quaesquer .deleites dos li
bertndos, de acttordo com a ordem. circular do
Theoouro Nacional n. 44, de 16 de Jnlho do 1883 ;
chama a uttcnco dos s;nhoros collectores ds
rendas graea da 'provincia para a observancia
escrupulosa e fiel do que fica exposto, (cando, po-
rm, ua inteligencia de que procoder com todo o
rigor, do accordo com a mencionada circular, con-
tra aquello cu aquellos dos senhores colleetore
que olvidaren! ou tn*nsgredirem a citt.da recom
mendacao, que feita com tunto maior emponh >
quo vantajoso o emprego justo e equitativo do
fundo di emancipaco, em favor dos escravos.
Manoel Antonio Cardoso.
Edital ii. 38
3 praca -
Do ordem do Illm. Sr. inspector se faz publico
que na 11 horas do dia 4 do correcta mez, ser
vendida em praca no trapicha Concec/So, a mer-
cadura abaixo declarada :
Marca F. M. da Silva & C, 1 cuixa sem numero,
vinda do New Yoik no vapor americano Amazo-
nense, entrado em 5 do Ju'ho do corrente anno,
contendo 59 kilos de cartazes anaunci03 de mais
de uma cor, abandonada aos direitos por Francis-
co Manoel da Silva & C.
3' seccao da Alfandega de Pernaubuco, 1 de
Dezembro de 1886. O chefe,
Cicero B. de Mello.
Udllal n. 9
O administrador do Consulado Provincial faz
publico a quem ntereesar possa, que ua forma
do respectivo regulamento ser effectuado por
esta repartico, no espaco de 30 das uteis, con-
tados da data deste, a cobranci independente de
multa, dos mpostos do dcima urbana e 25 0|0
3obre a read dos bens de raiz, perteneentes
corporaeoes do mi) morta. relativos ao 1- acms-
te do exercicio de 1886 87.
Consulado Provincial de Pernambuco, 1 de
Dezembro de 1836.
F. A. de Carvalho Moura.
EMPREZ1 D CU
Ped-se aos Senho-
res coDsumraidores que
queiramfazer. qualquer
c niuniGacao ou reda-
maca o, seja esta feita no
eseriptorio desta em pie-
za riado mperador u*
89,' oiide tambem se re-
cebera qualquer cont
que queiram -pagar.
Os nicos cobradores
extemos sao os Senhores
llermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manod
Antonio da Silva Ol-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tas CarvaHio,
Durante a

assigiia
Estrada de trro doR-
cife ao S. Francisco
Aviso
Pelo presente Bao convidados os senhores accio-
nistas desta companha 2 yirem receber na esta-
cio das Cinco Pontas o 46 dividendo concernente
ao semestre findo em 30 de Jui.ho do correte
snno.
Eseriptorio da superintendencia, no Cabo, I" do
Dezembro de 1886.O superintendente,
Wells H.od.
Minilerio da Miiriiilni
REPA^TigO DE PHAROES
Aviso aos navegantes
Substituido de luz
Pbarol da barra do Rio Grande
Provincia do Rio Grande do Sul
Brasil
(4* 1886)
Era referencia ao aviso aos navegantes, j pu-
blicado, annunciando a prxima nauguraco da
I luz provisoria do pharol da barra do Rio Grande,
i avita-se que foi ella effectivamente 'inaugurtda
| hontem, 4 do corrente mez
R* pxrtico de phar'es, Rio de Janeiro, 5 de
Novembro de 1886. (Assignado) Pedro Benjamn
de Corqueira Lima, espito de fragata, director
geral.
Conforme.Capitana do porto de Pernambuco,
27 de Novembro de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Azevedo.
I-
De ordem do Exm -Sr. conselhero director in-
terioo, de conformidad*..com o aviso do Ministerio
dj Imperio n. 465ide 29 de Outubro ultimo, abai-
xo transcripto, fac j publico que fica marcado o
praso de seis mezes, contados da data deste, para
a ic8cripco dos que pietenderem concorrer ao
lugar de lente substituto desta faeuldade, que se
acha vago por ter passado a cathedratico o Dr.
Jos Hygino Duarte Pereira
Pelo que, tolos os pretendentes ao dito lugar,
13007.Uma fivella de ouro, um annel cravejado | podera apreseutarso desde j nesta secretaria
de diamantes, um par de rozetas eom para assignar seus nomes no livro competente) o'
brilhantes pequeos, ouro de lei.
13013.Uma corrento medalha para relogio e
um relogio, ouro de lei.
13014.Um par de rozetas e um annel contendo
brilhantes, unja pulseira, ouro de lei, um
relogio, ouro de le.
13016.Uma pulseira, uma corrente e medalha
para relogio, uma volta de ouro, um t.an-
cellim, uma medalha, uma dita pequea,.
um par de brinecs, ouro de lei.
13017-Us par de brincos, um.i medalln, dois
anneis, ouro .de le ; sete ditos, curo
baixo.
13018.Um cordo, ouro de lei.
13J19.Uma corrente e medalha para relogio,
ouro de lei.
13024. -Um relogio, ouro de lei.
13026.Um alfinete para retrato, uma medalha,
um trancellim, dois pares de brincos, um
aiin.-l, ouro di le.
13038.Tres alfinetes, um par de brincos, um de
rozetas, ouro de lei ; uma pulseira, um
par de rozetas, ouro baixo : um marac e
um grampo de prata.
13040.Duas pulseiras, dois trancellins, ouro de
lei ; um cordo, ouro baixo.
13044.Uma corrente e mqdalha para relogio,
ouro de lei.
13045Duas pulseiras, dois pares de brincos, um
dito d rozetas e um dedal,ouro de lei.
13i.58.Uai trancellim, um alfinete, dois pare/
de brincos, tres anneis e uma cruz, ouro
da lei.
13061.U-j cordo e uma cruz, ouro baixo. -
13037.Uma volta de ouro com medalha, dois
trancellins pequeos, dois pares de brin-
cos, um dito de 'r-zetas, uma moeda de
54, com laco' um emblema do Espirito
Santo, um annel, um c meio par de be-
toes, ouro de lei.
13069.Urna volta de ouro e uma medalha, ouro
de lei.
13073.Um relogio, ouro de lei.
13076.Uma voltaje trancellim, ouro de lei.
13079.Udia crrante para rcKgi>,ouro de lei.
13 80. Um par de huncos de ouri com brilban-
teg pequeos e tres aunis com ditos.
13038.Uma corrente, medallia e um relogio, ouro
de lei.
13091.Uji annel de ouro com pequono brilhante,
uma coi rente o sinete para rilogio, seis
bot s, ouro de Id.
13092.Um cordo e um redoma, ouro de 16 ki-
lates.
13035.Uma corrente e medallin, ouro do lei.
13096.Uma corrente dupla com medalha para
relogio, euro de lei.
13097.Urna pulseira, um slfinete c um par de
brinco-, ouro de lei.
Recife, 27 de Novembro de 1886.
O ge.rente e guarda-lvros,
Felino D Ferreir Coelho.
que Ibes permittido fazer por procurador, se
estiverem mais de viato legoas desta cidade cu
tiverem justo impedimento.
Devem outro sim arresentar documentos que
mostrem sua qualidade de cdado brasileiro e
que esto no geso de seus direitos civis e polti-
cos, istj certido de baptismo, folha corrida no
lugar de seus d.micilios e mais o diploma de dni-
tor ou hachase! por uma das facilidades de direito
do imperio, ou publica forma, justificando a im-
possibilidade ia apresentaco do original, e na
mesma occisio podero entregar qusesquer do-
cumentos que algarero convenientes, ou i orno
titulo de habilitadlo, ou como provas de servicos
prestados ao estado, humauiiade ou sciencia,
dos q ua93 se Ihcs passxr recibo; tudo de con-
formidade com os arts. 36 e 37 do decreto n. 1286,
de 28 do Abril de 1834 e 111 e seguintei do de
n. 1568, de 21 de Fevereiro de 1855.
E para que chogne ao c mhecimento de tedos,
mandn o mesmo Exm. Sr. conselheiro director in-
terino, hffixar o presente, que ser publicado naB
folbaa desta cidade e as da corte.
Secretaria da Faculdade de Direito do R-cife,
29 de Novembro de 1886.O secretario,
Jos Honorio B. de Menezes.
2" directoria. Ministerio dos Negocios do Im-
perio.Rio d-: Janeiro, 29 B Outobro de 1886.
Declara a V. S., em resposts ao seu officio de 5
do corrente, que se devo proceder a concurso na
couforicidade dos vigeut.'s estatutos psra o pro-
vimcnto dos lugares de lentes substitutos que se
acbar vagos nessa faculdade e dos qu; vierem a
vagar. Declaro, outrosim, a V. S. que deve con-
sidera! se Pulida a inscripeo dos candidatos que
se tenbam inscriptos para o concurso que nao se
realisar, annunci >do por edital de 18 de Maio do
anno passado, c queiram concorrer no que te vui
abrir.
Dous goaide a V. S.Baro de Mamor.Sr.
director interino da Faculdade de Direito do Re-
cife. Conforme. secn-tario,
Jos H. B. de Menezes.
Hospital Portuguez de
Beneficencia
Assembla geral
De ordem do lino. Sr. provedor, convido os se-
nhores s--dos deste hospital a reuoiremise em
assembla geral no proxirrs domingo, 5 ci De
zein3ro, s 11 horas da manh, na sdc social,
fim ie dar sn cumprment diBuoticao dos esta-
tu s no art. 18 e 3- do art. 17 que tratam da
eUicao da nova jauta admi istrativa para o anno
de 1887.
Secretaria do Hospital Portug-cz de Beaefi--
cencia, 29 de SoVemhro de 1866.
Feliciano de Azevedo Gomes,
! secretirio.
icia
na
Europa todos o recibos
dessa cuspreza deve-
roserpassados einta-
locs carimbados c fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que n#
forte valor algn?.
George Winflsor,
-Ensino pirlicolar
Por esta secretaria e de ordem do Sr. Dr. inspec-
tor geral se faz saber aos profoss-res constanec
da nlaco infra e dos dtmais professores particu-
lares e directores de collegios de ensino primar:;
ou secundario,'tambem particular, que, sob peus
de multa de 10ji a 50000 sao cues obrigados re
meticr a esta secretaria, no corrente mez por a-
termedio do delegado litterario competente, urna
nt< Jaf'i dos ajumnos que leccionam em suas escola;
e collegios e do3~J98e-8_Jf-Conara em casae parti-
culares, cem declarars da naturlidsdo. id*de, fi-
liacao e aproveitamento delies i'art. r6r-^_2*, art-
190 paragrapho nico e art. 192 do reglain&flL
vigente)
Sexo masculino
Jos Antonio da Silva.
Julio Soares de Azevedo.
Amaro de Souza Pessoa.
Luiz de Franca Bezerra.
Jos de Souza Cardoso Pimentel.
Gregrio Joo de Souza Lvra.
Joo Ribeiro Pessoa de Oveira.
Fortunato Ooeniano da Costa L-miim.
TheleBphoro Goncalves Lima.
Frnncise.0 Alvos Dantas.
Jos Raymundo Ferreir de Mcrses.
Luiz Jcs da Silva Cavalcsnte Filho.
Henrique de Paula Ferreir Rabel!o.
Anto Bcrnardino da Roda Arago.
Salustiano Cavalcantc Correia de-Mello.
Jos Francisco de Soares lotera mnense.
Man ol Vicente Elias Cavalcsnte.
Minervico Francisco Lobo.
Antonio Cardoso de Aguiar.
Thomaz avalcante da Siivcira Lius.
Antonio.Hermenegildo Bezerra.
Joo Baptista dos A 'jos.
Quintino Freitas Noguera.
Mancel Gomes dos Passos.
Francisco Wauderloy.
Manoel Ribeiro.
Laurindo Piuto Seabra.
Pedro Martina Braga.
Mano I Ve: issimo do Reg Barres. -
Valentino Goncalves Alendes de Britto.
Alejandre Olympio de 11 llanda Chacn.
Antonio de Vasconcellds e Silvn.
M.iiio 1 Ribeiro da Silva Pontea.
J- ao Baptista de Medeircs.
Joaqnim Bellarmino de Mello.
Gai riel Cabral de Guerra.
Tertuliano Severino Pereira de Souza.
j^Firmino Pi mpeu de Mello Falco.
Claudino Ferreir de Macedo.
Manoel Jo? da Roda.
Flix Pessoa Camello.
Joo Braga.
Joo Rcndal Wirccrter.
Luid lino Rocha.
Jos Duarte Calisto.
Z ferino Ferreir de Audrade. <
Padre Joo Servulo Teixeira.
Jos de S-uza Cordeiro.Simoes.
Jcao Januario dos Santos.
Vicente Ferreir Fonseca Carvalho.
Antonio Clementino Bezerra.
Luduvino Augusto Soares Barreto.
Leodegario F. j. Santcs.
Ji.o Alvcs da Silva Viunaa.
Aut^nio Xivier Ribeiro.
Jcsquim Cavalcsnte Leal de Barrofc.
Jos Candido Fonseca de Mcdeiros.
Biauor Gadcul* F. de Medeiros.
JooH. da Silva Braga.
Wltiani T. R.bssoo.
Manoel C. da Silva Braga.
Antonio Marques.
Antonio Cesario Moreira Dias.
Jos de Olivtira Cavalcant.
Argemiro Lcodegario de S. Santos.
Alexan Ir Jus Rodrigues Filho.
Joaquim Francisco Pereira da Silva.
Vigario Jos Francisco da Silva Brp.ga.
Rsymundo Nonato da Silva Braga.
Joaquim Jos de. Sant'Anna.
Antonio Bcnicio Cavalcante.
Jos Arnaldo Feitosa.
Chilon Heraclito l'cixoto e S Iva,
M n ,ol Ribeiro da S. Campo?.
ZeKriuo Candido Galva Filho.
Birtholomi-u G. de Anchieta e Silva.
Jos Antonio de Miranda.
Jos A. de S o Odveira.
Elysio Alvcs Fiueira.
Man el Francisco de Medeiros.
Severino Cyrillo da Costa.
J< o Hcrmogenes da Silva lr.iga.
Francisco Aureliano do Reg Medna.
Justod"de Faria Mide!.
Salustans Cableante Correia de Mello. .
Manoel da Silva Chaves
Jouquim Goncalves de Souza.
Malaquiss Jos reri ira.
Man el Francisco Alces.
Anto Alvos de S-iut'Anus.
Jo- Ac-i.li Cavalointe de Albuquery ,
L'onardo Jcao Grcgo.
M.uuel Alvos Viaiii: -/^
Himiur- Rodrigan de Sfqueira.
Dr. Mar. el S-.bast.o de r .ojo Pcdr sn.
Augusto Hygino de Miranda.
Dr. MaBOel Barbosa de iraujo.
Dr. Joe Antonio Mreir Dial.
Francisc i R. Res Lima.
Francisco Delfino da S'\ a.
Padre Fr*n:ijco Adcuo de Bflto D.mtaa
Dr. Jiaqi.ini Jos F. da R cln.
Ascenc rio Mcira de Vasc:::

#
;
i
j





Diario de Pcrnanibuco Quinta-fina 2 de Dezcinhro de I3*:6
Br. JemiDO Lopot de Miranda.
Lenidas Silva.
J*s Mara da Hollanda Cavalcante.
Be < lovis Bevilaqua.
Jm Ferreira da C'ru Vieira.
9c Affonso Oliodeose Eibeiro de Soma,
Jaa Marques Acau.
Dr. Lua da Costa Ferreira Porto-Carreiro.
J>. 0>ympia Afra de Mendmca.
Jee Antonio Pereira da Silva.
Dr. Jos Dinii Barrete.
Dr. Joo Feliciano da Motta e Albuquerqae.
Mdame Levy.
D Leonor Philomena da Silva Vianna.
Jttio Baptista Feln.
F. P. Rose.
Jaaies Fant tone.
Trqaato Laurentino Ferreira de Mello.
Adolpho Schaebel.
Aatonio Claudio de Oliveira.
Mo Jos Rodrigues.
Bolonia Isabel.
Lyco de Artes e Offieios.
Cario* Ferreira ,Porto-Carreiro.
Sexo Jeminino
A. Maria da Purificacao V. da Silveira.
9. Maria do Carmo Rodrigues de Almeida.
O. Adorinda Simplicia Santa Ros..
O- Olindina Theophila do Sacramento.
O. Maria Candida Vilella.
O. Plorinda Maria de Carvalho.
Q. Mirandolina Bo.'ges Pestaa.
0. Josepha Gomes de Souta Ferraz.
O. Maria Joaquina de Salles Braga.
JA Maria Evangelina Ferreira.
IX Arcelina Maria de Araujo.
1>. Idalina Vernica do Amor Divino.
IX Aaaeha da Silva Pinto.
O. Francisca Barbosa de S Leitilo.
D. Orete Tavares da Silva.
O. Maria Umbeliua da Costa.
. Francisca Maria de Araujo.
Madame Blancbe d'Uerpeat Torgo.
IX Philadelphia Ernestina de Almeida Fortes.
D. Auna Virginia Waaderley de Albuquerqae.
Miss Anua Caroll.
. Carlota A. F. Belfort.
O. Frtlneeliua Oornellas Pessoa.
O. Amelia Suzana Z >cher.
-O. Josepba L. Marinbo Sarment.
"O. Sita de Jess Barros.
O. Fortunata A. de Almeida Fortes.
JX Amelia Jacobina Romaoguera.
IX Emilia Angosta Alder
O V .IdetruJes Primitiva da Foneeca Telles.
Di Porcia C. dd Mello.
a>. Alara Candida Bandcira de Magalbes.
J>. Anglica F. de S. Viat.
Irma V. Janoscr.
O. Anna do R. Almeida. i
O. Vicentiua Cesara de Melb.
IX Maria Helena da RDcba.
'IX Augusta deOrnellas Bettencourt.
O. Augusta Carneiro.
9. Prescilla S. M. de Albnquerque.
IX Zima R< xo Lima.
IX Mara Coclho da Si'va.
O. Maria Capitalina Martns Ribeiro.
D. Leopoldina de Siqueira Varejo.
Hdame Adour.
JoUegio de S. Jo.
Irma L?sa#t.
Secretaria da Instrncco Publica de Pcrnambu-
ao, 5 de Novembro de 188G.
O secretario,
Pergentino Saraiva de Araujo Galvo.
Conipanhia de Eililicayo
Coasnanica-se acs Srs. accionistas, que por de-
Jberaeo da directora foi resolvido o recolhi
xeato da quinta prestacao, na razo de 10 par
-Esta do valor nominal das respectivos a:ces, a
Ta! dever rnalisar se at o dia 5 de Deiembro
proaimo futuro, no escriptorio d8J_^rnpa/ubia_4-
3rea da Concordia a-3,_^--'" '
Recife, 5 dg^embro de 1886.
Gustavo Antunes,
director secretaiio.
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. inspector desta reparti-
lo, faco publico que nos das 3 e 4 do correte
me*i pgaoi-se as classes de Gymnasio, Escola
Normal e Casa de Detenco. sendo no dia S as
duas primeiras e no dia 4 a ultima, tudo relativa-
mente aos veneimentoa do mes de Outabro pr-
ximo passsado.
Pagadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
uco, em 1 de Dezembro de 1886.
O escrivo da despea,
- Sil vino A. Rodrigues.
COMPAfflA DE SE6DB0S
CONTRA I <>.<>
Nortb British k Mercantile
CAPITAL
I ooo.ooo de libras ate r lina*
A GEN ES
A domsoii Howie & C.
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em i 153
CAPITAL 1,000:000*
SDISTROS PAGOS
Al 31 de dezembro de I84
Martimos..... 1,110:
Terrestres,. 316:
4I-Rua do Commerelo-
I8RG*
CONTRA FOGO
he Liverpool & London Glob
INSIRRANCE COMAN i
ta
AGESTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N.
Segarosi mariilaaoa terrestre*
Ne=tes ultimo a nica companhia nesta pract
que concede aos Srs. segoradia isenpgiode paga
ment de premio em cada stimo anuo, o qse
equivale ao descont de cercars 15 por ceat^ em
avor dos segaiados.
Companliia de Edilkacfles
O escriptorio desta
companhia acha-se in
stallado na pra$a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da manh as 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucQes e reconstruc-
(jes.
Recebe-se informa-
jes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesrno escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da m e s m a
Companhia.
Estrada de Ferro do Recife a Caruar
De ordem do Illm. Sr. director engenheiro ebefe, faco publio que no da 2 de Dozembro
ser entreg ne ao trafego a estaco de Cascavel, vigorando, pra visoriamente, d'aquella data em
diante, os horarios seguintes.
As tarifas poder!) sn consultadas as estaces, pelos interesados.
Recife, 30 de Novembro ac 188C.
O secretario,
Manotl Juveneio de Saboia.
E. F. v,. C.
HORARIO DOS TREXS D
A' vigorar do 2 do Dezembro
SUMA
llunliu
KSTACOES
1.
Ilecife.................
Jaboatao..............
Mi.renos..............
Tapera................
Victoria ...............
Pouibos...........
Casca vel..............
Chegada
Estrada de ferro de
Ribeirb Bonito
De ordem da directora sao convidados os se-
ikores accionistas a r colherrm no London & Bra
Bise Bank, no prsso de 60 dina, a contar de
&e, a terecra entrada de 10 % do valor nomi-
-m! de suas ac(oes.
SI* seriptorio da emprera sero distribuidas
jeWs senbores accionistas as suas acedes, median-
ai exhibico das cautellas dos recolbimentos da
1*,3 e 3 entradas. Recife, 5 de Novembro de
1886.O gerente,
Hypolito V. Pederneiras.
SEfillROS
[ARJTMOS CONTRA FOG)
Per-
Companhla Pheuix
nambacaoa
Ruado Commercio n.
8
Companhia
Imperial
S. R. J.
Sarao bimestral em 5 de Dezembro
Seientifico que os convites para este baile acna-
ae s disposicao dos senbores socios na secretaria
ta aooi.'dade, csim omo os ingresses em mo d*
-Se. feesoureiro, os quaes devero ser procurados
-tt dia 4 de Dezembro. Previne-se qne nao se
.4*rtte Mggregados.
teeife, 25 de Novembro de 1886.
Jos de Medices,
2o secretario.
SEGUROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadoria*
Taxas baixas
Promplo pagamento de prejt'itoa
CAPITAL
Ra. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. 5Ra do CommercioN. 5
Estrada de ferro do
Recife a Caruar
Horario dos tren* le aubnrbios
DAS uteis
M1NH
Recife...
Tigipi..
JaboatSo
Morenos .
Tapera..
Victoria .
C. I. ()
Victoria .
Pombos .
Cascavel
9.55
10.25
10.52
11.21
11.56
12.25
Partida
Tarde
BSTACOES
Todo* on dins P. 3.
9.20
9.58
10.30
10.55
11.30
12.
Cascavel.
Pombos. .
Victoria .
Tapera .
tt-rettea .
JabHt2o
Recife...
ft nos dias jptciwumS
C. 3.
Recife...
Jaboaro
Morenos .
Tapera..
Victoii- .
-Hollejos de Eduardo Baptlsta
O club Carlos Gomes, propagador nesta cidade,
Joa eolf.-jos de Eduardo Bptista, avisa ars se-
vsliflrea socios alumnos, e a qu m interssar possa,
3e saba de lhe ebegir nova remessa desta pro-
ora4a obra, a qual se acba venda na sede do
Mt, ao poder do Sr. tbesoureiro.
Secretaria do club Carlos Gomes, em 24 de
loveutbro de 1886. O 1- secretario,
P. C. Casanova.
COMMERCIO
isa commerclal de Pernam-
bnco
ECIPE, 1 DE DEZEMBRO VE 188o.
As irea horas da tarde
t'otacet oijiciact
95o houve.
, O presidente,
Pedro Jos Pinto.
U secretario,
Candido C. G. Alcoforado.
-------
ilftOlM&NTOS PCB.IC0S
M Dezembro de 1886
ALFANDEGA
Oe 1 53.817>604
raoriBciaL
Oat
TmomtmocMiA !) 1
9.593 001
flSOUTIIIO l'BO.'ISCIAr. 1)9 1
uvaAon
3:0794161
2:371*191
71J126
B3PACHUS D EXPORTACAO
Em 30 de Sovembro de 1835
Para o exterior
lo vapor inglez Lykus, carregar m :
. i** Liverpool, J. -aier & C. 1,000 saccDB com
"sftC kilos d^ assucar mascavado.
Na Iwrca luglea* J. D D., earregaram :
Para Liverpool, Pohldinn & C. 884 saccas com
,751 kilos de alg da-.
Na btre jngi-a Rose of Devon, carregou :
Par Liv-rp., J. H. toxwell 500 saccas com
<,39 kilos de algido.
W barca nurnagaense 2fat, carregou ;
* Liverpool, J. r. de Sant'Aana 7y9 saccas
.3,839 kilos de algodo.
London and Brasllian la
Limited
Sua do Commereb n. 32
"'acca por todos os rapores sobre as ca
do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N
Porto, ra dos Inglezea.
conPi\iii% ne. neglho
\0RTIIKR\
de LOniin e Aberdeeu
Polr Onnnrrira (Oei.imliro 188S).
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos aecumuiados 3.134,34o*
Recella annaali
Di premios contra fngo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John. B- Boxwell
BA COMSIEROOC-IO *. *6 1'aXOiR
No vapor inglez Paraense, carregou : -
Para Liverpool, M. J. da Rocha 700 sacers com
51,241 kilos de assucar mxecavado.
Na barca americana M. (i. Uced, earrega-
ram :
Pra New-York, J. S. Loyo ft Filho 500 aacco3
com 37,500 kilos de assucar mascaiudo.
Na barc* italiana D. Lala, enrregou :
Para N-w-York, M. J. di Rocha 1,500 saceos
com 112.50J kilos de assucar mascavado.
Para o Interior
No lugar nacional Amelia, carregou :
Para Pelotas, A. Bah'a 35 pipas coa: 16,600
litros de agurdente.
No patacho noruegaense Nefert, earrega-
ram :
Para Porto-Alegre, P. Carneiro & C. 900 bar-
ricas com 76,053 kilos de assucar hranco
MOVIMENTO DO PORTO
Navios sahidos no dia 1
Parabyba Barca inglesa Eltrer, capito Willian
Sopp ; f m lastro.
Porto AlegrePatacho dinamsrqnez Anne Johan-
..e, capilo S. H. Lorirnscn ; carga assucar.
Halifax Barca inglesa Laviiia, capitj Jaymes
M. N. Mitchell; carga asurar.
Obiercacda
Nao hoave entrada.
EstUQOPS
S. 1.
Recibe .
T'gtf
Jaboato
S. 3
Recife. .
Tigipi .
Jubos lao
o
7.18
7 35
9.18
9.35
'|
3.50 4.11 4,43 5.14 5.50 3 301 3.55 4.16 4.47 5.19
7.40 8.21 7. 7.45
M. Z.
Victoria .
Tapera ..
More- os .
Jxboa'ao
Tigipi..
Becif*...
Ch'gada \ Partida
3.7
:.:'5
4.12
4.37
5.5
5.43
C. *.-(*)
Case ivel.
Pomb<>..
Victoria .
Facultativo- taiide
<11.
11.40 11.60
12 23 12 30
1.3 1.10
1.50
c. t.
Victoria .
Tapera ..
Morenos .
Jaboato
Recife...
6.30
7.3
7.35
7.0
8.20
9.36
10.25
2.42
3.10
3.46
4.15
4.42
5.8
6.
6.35
7.8
7.40
8.
"9.
9.41
Liuted SUiles & Brasil Mi.il S. '8.
O vapor Advahce
E' esperado dos portos do
sul at o dia 9 de Dezembro
y depois da demora necessaria
seguir para
Maranho, Para, Barbados., S.
Thomaz e lewVork
Para carga, passagens, e encommendas tracia-
ie com os
. AGENTES
0 paquete Finance
Espera-se de New-Pprt-
News, at o dia 13 de De-
zembro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Pira carga, passagens, encommendas e diiibeiro
a frete, tracta-se cora os
AGENTES
Henry Forsler & C.
N. 8 RA DO COMAi.KC-10 N. > 8.
/ andar
CilAKI.rlKS KLIMS
Companhia Frauceza de %'avega-
coa Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santoa
Espera-se 3os onrfos do
sul at o dia 3 He Dezembrc
seguindo depofs 'da indis-
pensavel dem< ra para o Ila-
re.
Conduzem medico a bordo, sao de marcha rpida
e offerecem excellentes commodos e ptimo passa-
dio.
As pascagens poderao ser tomadas de antemlo.
Recebe carga encommendas e pacsageiros para
os quaes tcm excellentes accomjnodajoes.
i ' 3.
3.40' 3 50
4.23 4.50
&.30 5 4C
6 2<>|
(*) U irciia ; I tttt ciau reilua Unos VeatM por o ^. u ; .. ui i'i',ai a t- xi.ia-iuiiaa.

(i Estaques
7.0.
7.20
ce
o

9.0Q
9.20
S. 2.
.lab alio
Tigipi
ti cite
S. 4.
lab T.gi.i..
ReClio .
8.6.
)ab'>at2
Tigipi
Itecife
6.15
-
a
6.00
0.17
6.35
8.15
8.35
10.15
10 35
8.00
8.17
10 00
10.17
THEATRO
ANTO ANTONIO
Loig-resso Dramtico Beneficnte
QUINTA-FEIRA, 2 DE DEZEMBRO
E. Honrado com a presenta de S Exc. o Sr. Presidente da Provincia
Logo que S. Exe. compan-ca no 3. u camarote, ser cx-cutado rrn scena uberta c perante a ef-
figie de S. M. o Imperador, u Hyinn Nacional pela orchestra da socictade, dirigid'i p lo macs:ro
Antonio Maitlns Vianna. J
Seguir se-La a 2.* e ultima represent cao do spplauo*ido drama em 5 actos ou 8 quadros
As duas orphls
io
E' esperado da Europa
n dia 6 de Drzembro, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para* a Ba-
bia. Rio rte Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. irnportadcyes de carga p?los
vapores desta linha,aueiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng. )aai-
quer reclamaco concernente a volumes, qud po-
Vfntura tenham seguido para os portos do sul.afim
deje poderem dar a tempo aa providencias neces-
9 a ras.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageire par
'i quaes tem excellentes aecomodacoes.
Augusto F. de Oyeira i (,
.% <;i':.vr i-;-;
42 -ROA DO OOMMERr!IO-42
Para
Ornavio Sarah, espen do do Rio de Janeiro,
contrata alguuia carga para o porto cima ; tra-
ta-se com os consignatarios Ponseca Irmaos Su
Companh a.
Lisboa
in. ara ao S limas.
DE TAKDP
Estaques
o
&
o
6
S. 5. ;
1
Recife .
Tigipi .
Jaboato
S. 7.
Recife
Tigipi .
Jaboato
S. 9.
Recife
Tigipi .
Jaboato
ce
o
-
Estaces
4.48
5.5
4.3i
4.50
S. 8.
Jaboato
Tigipi .
Recite .
S. 10.
Ja bo ai So
Tigipi .
Recife .
a
a
&
o

10.15
10.35
5 45
6 5
o

10 00
10.17
5.30
5.47
Urna banda marcial obsequiosamente cedida por S. Exc. o Sr. presidenta da provincia, abii-
Ihantar o i'spectaciilo t> cand 11 "& intervallos.
Os bilhet'* p dem ser procurados na casa do Sr. tenante Paula Mnfra ra po Imperador, ra
da Florent'na n 3t, Tibaearia P .pillar, no C-if Ruy, raa Nora n. 56 e na bilneteri* do theatro no
dia do espectculo das 10 horas da manb rm di:mte.
Ljco de ArtcsOnScios,^^^^^}
Paquete Magellan
Segu com brevidadj a barca portugueza Pe-
reira BorgiS i para o rest da carga que falta,
tra'a se com tiva Gomarais A C, ra do
Commercio n. 5.

LEILOES
DAS SANTIFICADOS
MAKIil
De ordem do respeitavel iruio director, face
publico a qu m interesrar pussa, que em vista de
ulgun- < xp ti tures n-i terem po lid., acabar os
productos que tencionavam < xp- r.e pedirem a esta
directora a transferencia da abertura da sexta
eiposieoartistico-indU'trial, vareada para o din
21 do correte, e como a directora visse que d'ah
traria bem nao t aus expositores, com; tambem
exposicic, que se enriquecer de. mafs productos,
houve por bem nao s a rxpisivo, como tuno 111
o anmversario, de6goar paa o da 12 de Dezem-
bro futuro, esperando que os seus e&fareos s.jam
coroados do melhor xito pussivel.
Secretaria da imperial sociedade dos Artistas
Mechuoicos e Liberaos de Pernambuco, em 19 de
Novembro de 1886 O 1 seeretano,
Jos Castor de A. Souza.
Espera-se dos portos do
sul ateo dia 7 de De-
zembro seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do eos! ume.
MiuTiMGS
Estaces
S. 1.
Recife .
Tigip .
Jaboata
8-3.
Recife .
Tigipi .
Jaboato
SS
a
-
3
7.18
7.35
9.18
9.35
se
o
7.00
i.a
9.00
9.2
Estaqots
S. 2.
Jaboato
Tigip*.
Recife .
8. 4.
Jaboato
Tigipi
Recife .
S. 6.
Jabrato
Tigipi .
Reeife .
es
o
es
00
Qv
6.15
635
8.15
8.35
10.15
10.35
se
O,
6.00
6 17
8.00
8.17
10.00
10.17
DE TAROB
Estaces
-
o
e)
O
3
VAPORES ESPERADOS
Bahia
Girondt
J Principe do Grao
Para
Auctor
Vle de Maranho
Ville de Aacei
MagtUan
Manos
Advance
Obe
Para
Finance
Rio
Pernambuco
Patagonia
Espirito Santo
Neva
Bahia
do norte
da Europa
amanha
a 4
da Bahia a 5
de Liverpool a 6
do sul a 6
do Havre a 6
do sul a 7
do sul a 7
do sul a 9
da Europa a 10
do norte a 13
de New-Port-Ncwi a 13
de Hamburgo a 16
do sul a 17
da Europa a 21
do norte a 23
da Europa a 24
do sul a 27
8.5.
Reeifa .
Tigipi .
Jaboato
S. 7.
Recife
Tieipi
Jaboato
8.9.
Recife
Jaboato
Tigipi .
8. 11
Recife .
Tigipi .
Jaboato
2.58
3.5
4.48
5 5
7.18
7.45
8.481
2.30
2.50
4.30
4 50
7.00
7.30!
Estaces
o

ta

85t
9.5 ...... Recife
8.8.
I a bota ao
Tigipi .
rtecife .
8. 10.
Jaboato
Tigipi .
Recife .
S. 12
Jaboato
Tigipi .
el
o
el
CU
Compait.ii la liras I le Ira de uve
gacoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
ComniBiidante 1- tenente Ouilherme Wad-
dington
E' esperado dos portos do sui
at o dia 7 de Dezembro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os porto
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas e valoree
tracta-se na agracia
PRACA DO CORPO SANTO N. 9
PORTOS~~DO SUL
0 vapor Baha
Cammandardt Sverio Antonio da Silva
E' esperado dos rtos do
norte at o dia de 3 Dezem-
bro e depois da demora in-1
Esle paquete e os que doi
em dianle seguiren. tocaro em
Plymoulh, o que facilitar chc-
lamn os passageiros com mai
brevidade a Londres.
Para carga, passagens, encommendas e in-
heiro a frete tracto coro os
AGENTES
\\ ilson ttons A < .. I Imiitil
S. 14- RIJA DO COMMERCIO N. 14
Hoje, 21 dtve t-r lu^ar o leilo de movis, lou-
cas e vidros na ra do Mrquez de Olinda n. C.
bezn-reira 3, s 10 e meia horas em pinto da
armaco e balco da^Joja do. sobrado da ra do
Mrquez de O inda n. 31.
A'a 11 horas o de ft-ndis, camisas, bicos, cal-
cados para meninos, exi-tentes no armazem da
rus do Mrquez de Olinda n. 6.
Sabbdo 4, o dt urna catraia forrada de cobre
per occasij do leilo do cavername do navio.
Ao m o din o da nrmaco e pertenues da loja
da ra do Baro da Victorin n. 42.
Leilo
De l
piano, 1 mobili?, quadros, espellios, mesa
elstica, guarda-vestido, mesas e cadeiras, fi|:
trop. jarr<'S, c rveja e outros artigos.
Hoje, 4e Dezembro
A's 11 Loras
Agente Pinto
Ra do Mrquez de Olinda n. 6
Leilo
lOHI'tMIIt l'lICVttDIlttVI
DE
.^aTegaeo Costeira or Vapor
PORTO DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear e Acarahu
0 vapor Ipojuca
Corumandante Costa
Segu no da 7 de
Dezembro, s 5 horae
da tarde. Recebe
carga at o dia 6
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
4 3 horas da tai de do da da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Perwmhuwia
n. 12
3.45
4.5
6.15
6.35
8.00
8.20
3.30
3.47
6.00
6.17
7.45
8.2
NOTANos dias de festa
horario dos dias uteis.
nacional regular o
dispensavel, seguir para
os ptoe do sul.
Recebe tambem Cirga para Santa Catbarina,
Grande d> Sul, Pelotas e Porto Alegre.frete mo-
dic .
Para carga, passgens, encommendas e valores
trata-ae na agencia
PRAQA DO CORPO SANTO N 9.
t'oinpanhia Haitiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, tenedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
O VAPOR
Principe do Gro-Par
Commandante J. F. Teixeira
E' esperado dos oortop aci
ma at o dia 5 de Dezembro
e regressar oara os mea-
mos, depois da demora docos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
s frete Iracta-se na agencia
7tiua do Viga-rio7
Domingos Alves Ma'.heus
co
r%*iiii>: -b hennaug
falES HARITinE
IJNIIA MENSAL
0 paquete Gironde
Commandante Minier
,^j i Espera-se da Eu-
Ev !?TI'"'SW/^(1VnS. 0< zembroseguin-
res, tocando na
Babia, Rio de Janeiro e Moate
video
Lembra-se tos senbores passageiros de tudas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne se ao ssenhores recebedores de merca
dorias que s se attender as reclamaces por fal-
tas nos volumes que forem reconbecidas na occa-
sio da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
afrete: tracta-se com o
AGENTE
iupste Lab lie
9 RA DO COMMERCIO -9 I
De importantes movis, ricos espelbos ptra
consolos, jarros finos e nm bonito espe-
lho oval.
Sendo : urna linda raobilia de nogueira, enta-
lh:ida e encost de paihmha, 1 sof, 2 dunguer-
ques, 12 cadeiras de guaruico e 4 ditas "defbra-
cos, 2 grandes espelhos com m .louras douradas
para consoles, 4 impoi tantea figuras grandes de
biscuit, 2 grandes jarros de bacc.rat, 2 escarra-
deiras finas, 1 tapete grifnde para sof, diversos
tapetes para portas, 8 eanefas douradas, 6 pares
de cortinados e 2 etagers.
Urna imporante cama francesa de Jacaranda, 1
bonito toillet de dito, 1 lavatorio com pedra, 1 bo-
nita guarnico para lava torio, 1 marquezo nara
enanca, 1 berco fingindo cama, 1 pequea banca
para quarto de dormir, 2 meias coamodas deama-
rtllo, sepdo urna para crianca, 1 cabide de^colum-
na, 1 cadeira retraite, 2 jarros e diversos cabides
de mola para parede.
Urna moblia de jonco com encost alto, tendo
12 cadeiras de guarnico, 2 aitas de bracos, 2 di-
tas de balanc, 1 sof r- 2 consoles com pedra 8
cadeiras de Jacaranda, 1 banca com estante para
livros, 1 armario, 1 serpeotina, 6 quadros de oleo-
graphiss, 1 guarda-louc de xmarello, 1 grande
aparador com pedra; 1 mesa elstica d amarello,
l quartinheira de columna, lavatorios de fer^ro
banqoiohas de amarello, 1 pete forro de quarto
e 1 estera para quarto.
8>8 mappas anatmico!. 4 figuras de gessosdi-
tas, 12 cadeiras de junco, 1 sof de dito, 1 mesa
de carvalho eotalhada, 1 poltrona entalhada 1
rica espingarda do carregar pela culatra e cu-
Tos muitos movis todos de gosto e bem conser-
vados. _
tuinta elra 9 de Dezembro
No 2.' andar do sobrado n. pO da ra do
Imperador
A's 11 horas
O agente Martins far leilo dos movis e espe-
lhos perteneenfes a urna familia que se retira para
O Ku de Janeiro, os quaes foram transportados
para o referido sobrado o sero ve.didoa.
Ao correrdo marteilo
Leilo
Em continuado
De miudezas, perfumaras, ferragens, >
res, realejos e urna machina para Jazer
plisss +<
Quinfa elra. 9 de Dezembro
A'a f 1 boras
Na travessa do Corpo-Santo n. 23
Agente Modesto Baptista
i

v
v
i

<^
i

Liifflffl



MM
Diario de Pernambucul^uintateira de Dezembro de 1886

I
I
Leilo
le fazendas inglezas e francezas
Quinta felra i de Dezeiubr
m A's 11 horas''
Agent Pinto
Xo armazem da ruaN^^fflarquez de Olinda n. 6.
Leilo
(i ni tonilnnaco)
De 12 cadeiras de janeo novan, 2 lindos
consolos dourados cotn ricos eapelhos,
movis nvulsos novos, usados, diversas
qualidades de bebidas, ruiudezas, fa-
zendas e muitos outros objectos. ^
Quinta felra. 9 do corrate
No armuzt-m da 'uh do Mirquez de Olioda
As 101|2 horas
POR INTERVENGO DO AGENTE
Gusino
Leilo
Lrilsw
De passaros cantadores
Sendo: 1 s*bi, 1 etaecbo, 1 curi, 1 azulo,
1 corrupiao, 1 gallo de campia e outroo mnites
p.issari'g
tiiinia felra, do frrente
o segundo andar do sobrado da ra do Impera
dor n. 0.
A's 11 horas
Pelo agente Martins.
De um completo cavername de um navio, todo
cintad-i de madeira de icupira c amarillo, fl
Undo-lbe comente o tabnadn de costado, tendo as
8fgu 3J,ni35 de quilhw, 8,m24 de pental e 7,'10 de bocea
Labbado s de Dezembro
A's 11 hpras
JSa qfficina de carpinteiro da repartidlo das
Obras do Porto em Fora da Portas
O agente Pinto, legalmente autorisado levar a
leilao no dia e lugar cima mencionados o cavsr-
name de um navio tal qual abi ee acba.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-ae casas a 80C0 no becco dos Coe
Ihos, junto de S. Qoncallo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
Alaga-te a casa n. i da ra da Frineeza
Isabel, bairro di Boa-Vista, com coiomolcs para
grande familia, contundo pavimento te-reo, pri
muro andar e asta?, .muito fresen, tem despejo,
gaz e agua : chaves ra da Auiora n 85.
Aluga se duas casis na puvoacao da Torre :
a tratar na ra Primeiro de Marco n. 25 A.
Aos 100:0008000
Tiari Llaia
PARA TrNGIRA
barba e os cabellos
: .'
Agv ute Pestaa
Leilo
D> 40 caixas coru passss novas e finas
Quinta felra, de Doembro
A's 11 horas
A' porta do armazc do Sr. Annea, para fi cha-
meato de eontas
3 leilo
DE
Agente Brito
O ag-ntecima, a mand.ido do Exm. Sr. Dr.
;uiz de direito c da puvedoria, levar a leilo os
ieguintea :
Urna parte do sobrado n. 37. ra de Pedro
Affnso, na importancia de 2:G08iO. para pa-
gamento de legados a despezas ; uietade da casa
:errea n. 15 ra d Camaro ; 2/5 partes da casa
terrea ra do Camniao, servindo de base :i
offe'ta de' 500-i, eeses pertcncentis ao acervo de
Antonio Martina de Carvaihoe osubrado a rrque-
rimento de D. Anna Maria dos Santos.
tilinta-felra 8 de Dezembro
A's 11 horas
.Vo armazem ra Pedro Affonso n. 43
lluga se a casa terrea n. 42 da ra da Ma-
tiiz da Boa-Vis a, com 2 quurtos, sol 3o, quintal e
cacimba; a tratar na ra do Pi ar n. 6ti, taverna,
dCficis das 4 horas da tarde
Precisa se de um criado para vender em
tabeleim, que seja de b >a c nducta ; na ra da
Mitriz da Boa-Vista n 3.
Aluga se os andares superiores do predio n.
51 ra do Imperador, com exc-clleutea accommo-
dacocs para familia : a tratar com N. I. Lidatonc.
ra doCommerc'O n. 10.
Vende se o cstabcleciinemo de uiolbados sito
prHca do Conde d'Eu n. 15; a ti atar u mesino.
Pncisa te de um caix iro de 14 115 auno),
e que trnha pratiea de molbados ; a tratar ca
rea de Marcio Diaa n. 124.
Prcpara-se bandeja paia casam-otos, e
qualqufr encowmenda para cha ; na entrada da
ra de ChristovSo Colombo n. 3.
Aluga e o 3- andar da ra do Barao da
Victoria n 52 : a tratar na mesma casa no pri
meiro andar.
Qw m precisar de urna ama com b un e abun
dante leite, dirij i-se ra d Hortas n. 18.
16-Kua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus ven
turosos bilhetes garantidos os premios so
guintes: as dezenas de b'621 a 6630 e as de
6681 a 6690 com 2000, 8115 a 8120 com
600 da 11a parte da 1 lotera.
Convidase aos possuidores a virem rece-^
ber sera descont algura.
Achara-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da 12* pirte da Ia lotera ds
provincia em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Rocife que so extrahir
quinta feira 2 de n-znmbro.
fre$os
i Vigsimo 14000
Sendo qnantldade superior
a i4>iooo
A dezena (j 90000
Joajuim Pitres da nava.
tintura tinge a barba e os cabellos ins-
tantneamente, daudo-lhes urna bonita cor preta
e natural, inofensivo o seu uso simples e muito
rpido.
Vende-se na BOTICA FRANCEZA E DBO-
; JA.^q* de Ruqu*yrol Freres, successores de A.
00 rU* do 0ln"Je8UJ (antiga da Qruz
Olioda
Aluga se na rui Vinte Sete de Jnnciro urna
boa cass^'com b>ns commidog para familia, achan
do se caiada e pintada, c>m agua e giz canalisa
dos ; a tratar no pateo do Corpj Santo u. 17, 3-
andar.
Capun^
a
Aluga-Ee urna boa casa, pintida de novo, com
sitio, na trav.'ssn das Pernambucanas n. 1 ; a
tratar na ra do S a. i>2.
cmmn
Aos 100:000^000
nilJIE'IEN 1A<&.\ SUMS
^raca daindependen
cia ns. 37 e 39
O abaixo assignado venden da 11a parte
da 1* lotera extrabida boje, 25 do corren-
Le, os seguintes premios : de 2:0000 em
o n. 19983, de 5000 em os ns. 2551 e
5603.
Achamse venda os felizes bilhetes-
garantidos da 12 parte da 1 lotera a
beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Rejife que so extrahir a1 2 de De-
zembro.
MEGOS
De cada vigessirao 10000
EraporjSo de 1000 para cima 900
Antonio Augusto dos iatuo* Porto
Leilo
le fazenJas, lindezas, mobilias de Jacaranda,
junco e po-car^a, movis avulsos, louca, espelbos.
im i arma^) e baka, vinho em barns, um lus-
ii e a gaz e muitos objectos para casa de familia.
Armazem ra de, Pedro Affons) n. 43
Quinta-feira 2 de Dezmbro
xigente Brito
A's O lj2 horas
Leilo
De tima arrn*-$3 Ja e envernisada e um bako com tampo
le pedra, servindo de base a offerta ob-
da.
Siextafera, 3 do corrente
A's 10 l.'"2 boras cm ponto
O agente Pinto levar a leila a armac&o e per-
fenees da b-ja do Sobrad ru* do Mrquez de
Olioda n. 31.
A's 10 l|2 horas, em ponto, por ter nm outro
leilo de fazendas na mesma dia.
Leilo
Do hotel denominadoRoeambole s'ti
ra Vidal de Negreiro?, a:itiga Pateo do
T-.rvo n. 7.
Sexta feira. '! do corrente
A'8 11 horas
Constando :
~D mesa elstica de 5 taboas, aparadores, 1 fi-
teiro grande, quadros, etag-res, jarros, 1 mesa
grande, espelbos, loucas, vidr>, diversa bebidas,
Veas de cosinha e muitos outros utensilios. Em
eguida ser vendida urna mobilia de amarello.
O agente Gusmo autorisado far leilo do botel
icima mencunalo, em um ou ma8 lotea vontade
los compradores.
Garante-se as chaves da casa.
Le'li*
De toilhas felpudas, sargelira, cretones,
fianela, veludo, bicoos e rendas pretas,
e camisas do linbo pra horens.
Sc\ta felra 3 de Dezembro
A's 11 horas
Vo armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 6
O agente Pinto levar a leilo, par mandado do
Eira. Sr. Dr. juiz de direito especial do commer-
io, era virtcJe da reqoerimento do curadar fiscal
; depositario da massa fallida de Caetaao Ramos
>^J4 C., 5 volum-s com fazendas de le, ltimamente
'iradas da Alfandega e existentes no armazem da
_aa do Ma/quaz de Olinda n. 6.
Em pontinuaco
Vender o mesmo agente difierentts cairas com
aariposas, baptista, calcados_ para
;aixas com calcados para meninas.
meninos e 2
Leilo
3a armaco envidracada, balco, spelbos doura
J|dos, cindieiros a gaz, csrteiras, cadeiras, me-
jsaa, repartimentJ de cscriptorio, mesa com ma-
china de copiar carto, e maia pertences da ar-
m8cao da loja da ra do Baro da Victoria
n. 5.
s ihl.lo I do oriente
As mti'J dia
O agente Pinto levar novamento a leilao a ar
naeao e mais objett s cima mencionados, por
andado do Exm. Sr. Di. ui* especial do com
lerdo, em virtude do requerimentj do curador
\tvA e depisitano da massa fallida de Caetano
[ta nna 4 C. __________
Lei'o
Aos 2,500 neseas
A que corria boje, da provincia, fija trans-
ferida para a 3' deste mesmj mez.
Ama
Xo becco da ling^eta n 6, precisa-se de urna
ama para esM de p> quena familia.
Kste remedio precioso tem gozado da accelta
fo publica durante cincoenta e sete annos. cc-ra-
ecendo-se a sua manufactura e venda em 1827,
Sua popularidade c venda nunca forlo tio exten-
sas como ao presente; e islo, por si mesmo,
oflerece a melhor prova da sua efficacia maravil-
bosa.
X.o hesitamos a dizer que 30 tem delicado
rm caso algiun de extirpar os vermes, quer em
creancas quer cm adultos, que se ncharo afflio
*os destes inimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestacoes de mdicos em favor da sua ctricacia
admirave!. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificates, de
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
rxaminando o nonic inteiro, que devia ser
Vermifuac fle B. A. FAHNESTQCK
Attencao
A Loja das Estrellas
A' raa" Dnaae le Caxas n. 56
Querendo liquidar diversos artigos para nao
entrarem em bataneo, resolven vender por
menos 50/0 de seu valor.
Como eejam :
Damasco de algodo a 320 rs. o covado.
Cacemira Othemana a 320 rs. o covado.
Z> pb r de urna t cor c quadros a 100 e 120 rs
Alpacas de todas as cores a 40 rs. o covado.
Brin de ores a 320 rs.
A'godo com duas larguras a 700 -s. o metro.
Bramante com 10 palmos de largura a 1/500 o
metro.
Merir.* de todas as cores, 2 larguras a 800 rs.
o eovado.
Pusto branco muito fino a 400 rs. o covado.
l'lises fioissimes a 400 e 500 rs. o metro.
Panno fino preto, 2 larguras a 120Q rs. o co-
vado.
Percallcs finas a 240 rs.
Nansuk lindos deaeuhoa a 160 rs. o covado.
Toalhas aleonadas a 2j';'00a dusia.
Atoalbado com lindos deieulus a 1/300 o me-
tro.
Guardanapos pequeos e grandei a 2/500 e 4/
a dnzia
Mriis inglezag para hornera a 4/000 a duzia.
Aseira como gran le quantidade de retaihjs de
sedas, retinetas, lans casemiras, chitas, etc., que
se vendem pela terca parte d<- seo valor.
Para casenho*
Grande sortimento de algodo da Bha, Rio,
Americanos, brancos e de cores, que se vendem
lquidos e cem descorito.
Para renta
Novidades recebidas pelos oltiinis vapores.
Cortes de etamyun ricamente bordados de 30/ a
60/000 um.
Mantas andaluz'8 para soire.
Se'irn mnlaumano de todas as cores a 1/000 e
1/200 o covado
E muitos outros artigos que se vendem sem com-
petencia. _
PO CLERY Vende-se em toda i parte
De urna catraia forrada de cebre
Sabbado 4 de Dezembro
Agente Tinto
Per occasio do leilo do cavername de um na-
vio, em Fra de Portas. __________________
Leilo
DE
Sabbado, do corrente
A's 11 horas
A' ra estreita do Rosario n. 25
f agenta Silveira, devidamente autorisado le-
Mt i lei'o nm sobrado de 2 andares, n. 6. ra
la Lapa, freguesa de S. Fr. Pedro Goncalves, em
rreno proprio. _. -
Uaia casa terrea mesma ra o. 4, em terreno
^Achave do primeiro andar do sobrado pode ser
procurada na casa terrea n. 4.
Os senbores preU-ndentes desde j* podem exa-
ainar.
isimiiit!)
AOS
100:000$008
Ra do Baro da Victoria n. O
e casas do cos time
BUHETEu mkwm
O abaixo assignado acaba de vendei
dos vigsimos de n. 7,148, e 1!), 134
com a sorte do l:0C0i5OOO e dous ditos de
ns. 8,189 e 21,416 com a sorte de 5000
da 11a parte da 1. lotera que se eztrabio
a 25 do corrente.
O mesmo abaixo assignado convida aos
pussuidores virero receber na conformi-
di le do costume, sem descont algum.
Acbaai-se a venda os afortunados bi
hetea garantidos da 12.a parte da 1.a lote
ra a beneficio da Santa Casa de Miseri
cordia do Kccife, que se excrabr a 2
de Dezembro.
| Presos
1 vigJssimo 1(J000
Km qnantldade malor de iou
1 vigessimo 900
At Joaqun* da Costa LeiU.
As 100:000|(i00
BILHETES-GARANTIDOS
23ra Primeiro de Hargo25
Da 11.a parte da 1.a lotera da provincia,
venderam Martina Fiuza & C, os seguin
tes premios g rantides :
6,699 I0l>:00'000 7,024
8,133
16,256
17,933
9,562
6,129
9.472
18,651
12,543
I3,94
1,513
13,163
871
23,331
1:0000000
1.0000000
1:0000000
1.0000000
OOjjOOO
5000000
5fX)0OOO
10:0100000
4:O000O0
2:0000000
2:0000000
1 .-000*000
1:0000JOO
1:OOO0(KX)
Acha so venda os afortunados bilhetes
garantidos da 12 a parte Ha mesma lotera,
que se extrahir quinta-feira, 2 de Dezem
bro.
Precos
1 vigsimo 10000
ISai porcao de loo A par- cima
1 vigessimo 0900
Regulador da Mari-
nha
Este importante estabelecimento de re
lojoaria, fundado em 1869, est funecio-
nando agora ra Larga do Rosario n. 9.
O seu: proprietario encarregado da Ra-
gulamentac3o dos relogos: Arsenal de Ma
rinha, Estrada do Ferro de Liraoeiro, Com-
panbia Ferro Carril de Pernarobuco, As-
sociacao r.ommercial Beneficente, Estra-
da de Ferro do Recife a Caxang, Estra-
da de Ferro do Recifo a Olinda e Beberibe
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelligentes e habis auxiliares, faz con
certos por mais diffiueis que s"jam, nao
s em relogios do algibeira, mas de pendu
la, torre de igreja, caixas de msica, ap-
parelbos elctricos e teh-graphicos.
O mesmo acaba de receber variado sor
limento de relogios americanos que ven
de de 70 a 200 de parede e de mesa, des
portadores de nikel.
Aos seus collegas vende fornecimeto em
grosso e a retalho : e aceita encommendas
para seu correspondente em Pars.
Acha-se bem montado neste estabeleci
ment um observatorio pelo qual regula to-
dos os relogios martimos o terestres.
Recebe asssignaturas para dar a hora cer-
ta desta cidade pelo telephone n. 458.
Preco commodo
Em frente, de seu estabelecimento se
acha collocado um relogio, cujos mostrado-
res poderSo ser vistos pelos passageiros da
Ferro Carril, r,endo sempre a hora media
desta cidade determinada pelas suas ob-
scrvajO'S astronmicas.
Antonio Jos da Costa Araujo.
DOMESTIC
Sao reconheciaas ser as nia>
elegantes, as nials durareis
era todos os sentidos.
AS MBLHORBS
Para precos, e circulares com
illustracoes de todos os estylos, dip
jato se
Domcstic Scwng Machine & C
NEW YOR, U. S. A.
Te'ephone n. .58
tr.u UCi '.uno ti figu. uvU' i u.u
de Siqunra, gearo e filbo da finada Angela Cua-
todia de Riqueira, convida aoa seus prente e
amiges para assistirem a mista de stimo dia do
seu passament, t 6 1|2 boras da manba, na
matria da Boa-Vista. Desdo j antecipam se em
agradeor-lhe por aoielhante acto d- cwiidade.
BANHOS DE MAR
Superiores coslumes de excellenle fazenda pa a
Para senhoras...... 10^000
Para homens...... 8^000
Para crianpns...... 5#000
Promptamente prepara-se qualquer cos-
tume para o que temos os iwlhbi es lucidos.
No mesmo (estabelecimento nc continuara
a encontrar constantemente verdadeiras pe
chinchas.
1.20
JUNTO DO LOIVRE
i um i
NOVA
LOTERA do cear
A 3- serie ie 2: lotera correno ie.....de Dentro
2OO;000*0O0
Esta lotera est .a cargo de um noy
thesoureiro, que prestou urna grande fianca
para garanta dos premios.
0 portador de dous vigsimos
desta importante lotera est habilitado a tirar
20:012$000
Logo que chegue o telegramma da ex-
tracao sao pagos, immediatamente, os pre-
mios.
BILHETES VENDA
RODA DA F0KTNA
36Ra Larga do Rosario36
CZ5
as
05
2
02
Chapeos o chapnas
6 A40PRCA DA INDEFENDEIA--36140
B. S. CARVALH0 & C.
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento pajtecipam
as Exroas. familias e ao publico era geral, que mensalmente recebem
das priacipaes casas em Pars e Mancbester o que de melhor e de.
^' apurado gosto ha em chapslinas e chapeos para senhoras e meninas
C e das primoiras fabricas do Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para homens e enancas, e muitoa outros artigos eoncernentes
chapelaria.
Flores artificiaes para ornamento
CS#2


\
5
00

.SAP
5

i
9
GOWVITE
JOSEPH KRAUSE ft C.
Acabam de augmentar o sen j bem conbecid
mportante estabelecimento rna l-
de marfo n. 6 com mais
3Qi saklo no 1 andar luxnosamente prepa-
rado e prvido de urna exposi-
ffee ttvts de prata do Porto eeledrt-plate
dos mais afamados fabricantes do
mundo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seos nume-
rosos .amigos c freguezes a visitaren,
o seu estabelecimento, am de
apreciarem a grandeza bom gosto com que
no obstante a grande
despeza, o adornaram, i-m honra
desta provincia.
GHA-SE ABERTO DAS 1 A'S DA HOHB
OMUT


S
4
FUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON ft C
N. 44Ru i do Brum--N. 44
JUNTO A E? f A^AO DOS BONDS
Tem para vaader, por prc, mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSes d"?iiverso3tamanbos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas anguiaros, idem, idem.
Varandas di ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modela
Portasd foiaii.ia.
Bancos de ferro com serra circular.
Oradeamento para iardim.
Vapores de *ora de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollogadas de panaduia
Rodas d'agua. systema Leandro.
Er-carrcgaTD-se de coneertos, e assentaraento de aucbiu3ino
traballio com perfeirS e presteza.
execaiara qnai-
i


6

Diario AjeTS Chorrj Pectoral)
Luz brilhante, sem Fumo
oleoImatico
Hygienico e Econmico
PARA LAMPARINES
1
r0SS:'.AST!!MA KOXCHITE.
CoQUftUCHE OuTbsS CONVULSIVA
Tsica Pulmgnar.
Alnga-se
pera recolher algodSo ou outro qualquer genero o
predio da roa da Moda n. 85 ; n tratar na ra
Prmeiro de Mareo n. 20.
Aluga-se
a casa n. 3 em Beberibe ;
M. Reg.
a tratar cora J. I. de
Alugd. -se
o segundo andar da casa ra d\ Aurora n. 81,
jento a estacao da estrada de ferro de Olinda ; a
tratar na roa do Commercio n. 15, escriptorio de
Sebastio de Burros Barreto.
\liiga-se
j
predio n. 140 i rna Imperial, proprio para eB-
belecimento fabril : >i tratar na ra do Commcr-
rio n. 34, coin J. I. de Medeir u R;go.
Aluga se barato
Ba do Bom Jesus n. 47, 1 andar.
Ba de L mas Val utinas i. 4, com sotao
Largo do Mercado n. 17, I ja com agua.
As casasda ra do Corone;' Suassuna n. 141
Largo do Corpo St.uto n. 13, 2. andar.
Boa da Palma n. 11.
Trata-se na ra do Con mercio n. 5, 1* andar
escriptorio de Silva uimaraee & C.
Aluga-se barato
O 1" e 2 andares do sobrado ra do Brum n.
36, cada qual com bastantes commodos para fa-
milia, vista nprasivel c uiuito ar.jado, alugue. ra-
xoavel ; trata-ss na ra larga do Rosario n. 34,
oharmacia.
Aluga-sc
2' andar da ra estreifa do Rosario n. 32, com
cemmodos para familia, tem agua ; a tratar na
ruada Imperatriz n. 1G, 1- andar.
Ama
Precisa se de urna cosinbeira para casa de pe-
quena familia ; a tratar na estrada nova de Ca-
sanga, no sitio do Er. Vale oca, ou no escriptorio
'etteZDiario.
Criado
Precisa-se de um triedo que soja bom copeiro :
na caa n. 5 da ra do Prncipe.
Menino perdido
Desappareccu m da 29 do corrente, da casa de
Manoel Jos da Cinta, o seu eaiieiro de neme
Antonio Jos da Silva ; pede-se i pessoss que
delle tiver noticia mandar direr em sua easa
ja Imperial n. 232, ou lvalo mesma caaa, ou
ra da Imperatri n. 42.
HABTBTS* BASTOS
Pernanthueo
NUMERO TELPHONICO : fJ* 33
Agua florida. ExtraLic'a de flores bra-
sileiras pelo seu delicedo perfume, suavida
deesuas propriedades benficas, excede
a tudo quo neste genero tem spparecido de
uiais celebre.
Tnico americano.-- E' a primeira das
preparacSes para a icnservacSo dos ca-
bellos. Extingue as caspas e cutres mo-
lestias espillare?, faz nasccr os cabellos,
impede que embranquecan e tem a grande
vantagetn de tornar livres Je habitantes as
cabecns dos que os usam.
Oleo vegetal- Compcsto com vegetal
innocente, preparado para air, a ciar, for-
tificar e dar brho aos cabelles.
Agua dentifricia. Exctente remedio
contra a carie dos dente, fortifica as gen-
gives e faz desapparecer o iro hlito.
Vende-so ra3 pn'ncipaes casas desta ci-
dade e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n. 161.
TELEPEONE K 33 _
Tricofero de Barry
Garante-se que faz nas-
cer ecrescer o cabelloainda
aos mnis cairo, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas -
co da cabe.. Positivo-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranciuo-
cer, e infc.l'.ivJmente o
torne espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
irada segunda a formula
i usada pelo inventor em
1829. E'o nico perfume no mun-
do que tem a approvaijao oicial de
um Govorno. Tem duas vezes
mais fragrancia que qutlrjuer ontra
ednraodobrodotempo. E'muito
mais rica, suave o deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quaito do
doentr. # E' especifico contra a
frouxidlo e ilebilidadc. Cura as
dores de cabera, es cansacos e os
des-maios.
lampe e Yifla ie Rener No. 2.
VERDABEIROT T} T)C\\[ LIQUIDO
PURGATIVO Lll U I PILLAS
ANCIEHNE
PHARMAODE OTTIM
ENDBB.DE LB BOT
Pl'BGATIF LE RO
TIlIrTUB PtnCATlVI DI CODEI Dl'UWI
Os Purgativos Le Roy justicam
sua reputaeflo secular e sua superjo-
dade por niilhares de curas; hoje s5o
adoptados por toda a parte, de preferencia
qualquer outro para cura rpida e pouco
Ru de S
nonerosa da.
MOLESTIAS CHRON1CA8
mal conhecidas, mal curadas, e consideradas sem
razo como incuraver".. Nao existe medicacao mais
fflcax contra os humores, pituitas ou biles alterada
_ue provocara ou entreleein estos longas afTeccoes; niio
reconslituiote mais enrgico contra as reincidencias.
Afim o evitar as Oontrafajocs :
Se devi recusar como mefficaz ouperigoso qualquer Purgativo
' -Boy liquido ou em pilulas que nao salas da i S1
rPharmacia Cottin, genro do Cirurgi&o L,e Boy { Rne de Seine
nao trazendo a (asignatura ao lado sobre o rotulo. PARS
Aos l.000:000$0v0
200:000*000
100:0001000
IITIII
lili IMl
DE 3
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA
PROVINCIA DE PERNAMBUGO
Extracco a 15 o Dozomon De 1836
0 thesourciroFrancisco Gon$alvcs Torres
*<
niunniuiiiimtsf
SABONETEdALCATRAO
PARA A TOILETTE, OS BANHOS E CUIDADOS A PiB AS CRiANCAS
Este 8ABONETE, ferdadriro antisptico, o mala efflcaz para a cura de todas as
____ MOLESTIAS DA PELLE
SAPO CARB0NIS DETERGENS
Lavas vossas Cria-teas com o SAPO c.titito.Ms itETURUESS aflm de p,-otegel-os contra
o-. a 8ARA"pi a VARIOI-A e a FEBRE ESCARLATINA
-stes BABOAETF.B sao recommondados pelo Corpo medico lntelro porque prevlnem as
MOLESTIAS EPIDMICAS c CONTAGIOSAS e te adapeto a qualquer clima.
MARCA DE FABRICA NOS EN%'OLUEBOS E NOS PaES
Deposito craral W.V.WRIGHT &Z, C% Southwark, LONDRES II
EmPernamiuco : Fran" 2j. da STirv-_A. & ZJ
-^^^^^^A^a.^^^^^-^^^^.^.^^^^..T.11t|
ttfimmtfimj
Ao publico
Ao commercio
O abaixo aseignad^, propnetario da fazenda Antonio Martina Gon es, avifa ao corpa cero-
denominada Erna ou Ga..9orra, sita ao rio Xicu- mcrcial desta piac, e aqurm mais possa intere=-
ru, provincia da Parabyba, comarca do S. JjJo, sar, que Bfllla data con prou o Sr. Prancelino
protosta contra a usurpaco des limites, de que
est sendo victima por parte dos visinhes da ie-
ferida fazend*.
Rccife, 20 de Novcabro de 1886.
JoSo Carneiro Leitao de Mco.
rbosa de Oveira, teu estabelccimento, sito
Vidal de Negreiros n. 2, livre e desembara-
Barbasa
ra
cado de quiilqucronts, tujo cubJceim ntogyra-
ra eob a fima du Olivetra & C, e se Iguem se
jular credor do mesoio queira sprrsentar suas
c;ntaB no rraso de 8 das a contar da data deste,
& ra do Nngueira n. 1.
lecife, 24 do Noverabro de 1886.
Cozinhcira
Precisa-se de una ama para
cozinbar: no d andar da ra
IlllfllIP llP fft\l II 19 PAVJtssma Pret'sa se; ejima preta engommadeira
llUqUC Ue LdAltlb ll. 4, j O tinia para casa do pequea familia, dando se
Engoinipdeira
HITES DI Zilr O. DEPOIS DE VSAlr-.
Cura poritiva e radical de todas os formas do
scrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec^oes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com p'rda do Cabello, e de todas as do-
incas do Sanyuejjigado, e Kras. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e renova o syetcma inteiro. ^ -i
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian.
aas e para a cura das moles-
tias da pelle de todas as especies
+ em todos os periodos.
da 'ypograpliia di) Diario.
preferencia smdo cscrava, a tratar
Caes da Companhia n. 2.
na
IMOLSi
DE
SCOTT
DE OLKO 1 UliO DE
Figado de bacalho
COM
flypophosphiios de cal e soda
ipjH'ovada pela lauta de lly
gieue e autorlsada pelo
goveruo
E' o roelbor remedio at boje duscoberto para i>
ilwlca broncbttCN. eacropliuiaM, ra
riiitiN. uik-c) la, i:ei>illtta<]c em geral.
ileliixo-., ionkc clironlca c affcc^eo
to pello c da enri;niln.
E' muito superior ao ole simples de figado de
aacalbo, porque, hliii de ter cln-iro e sabor agra-
Javcis, possuc tcd3 as virtudes mediciones e nu-
tritivas do oleo, aiem das propriedades tnicas
reconstituiitis dos bypo{-ht.apliiio3. A' venda n*
irogarias e boticas.
Deposito em Peruambuco
Feitor
Prccisa-ee de um ill p.'ira u.n sitio em Btbe-
rib" ; a tratar uo ees da Companbia n. 2.
Pilulas purgativas c depurativas
de Campania
Estas pitlas, cuja preparadlo 6 puraaieute ve
gctal, tei ra sidj por mais de 20 uunns aproreitad:s
com os mclbores resultados nas eeguiutes moles-
tias : affcccocs da pelle e biles, escrfulas, chagua inveteradas, ^rysipelaa c
gonorrhas.
Modo de uMal-a
Coma purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, i,e
Dmdo-se aps cada dsc um pjiico d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : tome-so um piiula ao jantai
Estas pilulas, de invcu^iXo dos pbarmacenticoe
Aimeida Andrade c Filhos, ieem veridicium dos
Srs. mdicos para sua melbor garanta, tornndo-
se mais reccmmendaveis, por sercn um scguic
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem sei
asadas cm viagem.
ACHAM-SE A* VEXDA
a drosaria de Faria Nobrlubo (&
4l BA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Criado
Precisa-sc de um criado para casa de f.mil :.
dando se preferencia a cscravo ; no caes da Ccm-
panhia n. 2.
Preciea-se de urna costureira, preferc se que j
(enha trabalhado en alguma fabri~a de chapeos ;
a tratar na ra da Crur._no llecife n. 51, terceiro
andar.
Aviso
As pessoas que se julgarcra eredores do fa luci-
do Luis Ferreira de Almeid* ou de sua viuva,
aprtsentem cuas co tns no escriptorio do Dr. Go-
mes Prente para sercm pagas.
" iSoOllMiNSlET
NA
Livraria nu
DE
&a
i*,,** Chl0S0Srf' nemia Catharropulmonar,-Bronchitechronica,
Laiharroda Bexiga, Phtslca, Tosse convulsa, Dyspepsia, Palidez,
Pardas semtnaes, Catharros antlgos e complicados, etc.
Boulevard Denain, 7, em PAJUZ, e nas principas Pbarmactaa.
Prapassarafi'sta i Porlas e anelb '
Aluga se urna ptima usa na Boa-Viagem, I v
perto dos banhos e com encllente- aceotnmoda- Pscriptcriii dcste Diiinoie dii qnem precisa
coes para familia, preco razoavcl; trata-3e na ra ^'"ni!:ra'. a portas de 12 1|2 pnmos d altura e
arga do Rossrij n. 34, pbsrmacia.
-A-limentacjo racional
das MES, CrtIANCAS, AMAS A CONVALESCENTES
Por uso di PHOSPHATMXA tfttiirv*.
PARIZ, 6, Avoniic Victoria, 6, PARIZ.
fcKSiUriM m Per/iimbuco FilAN H. da SILVA k CT*.
Ao publico
Telephooe n. 34H
Os abaizo asoignados proprietario da refinariu
rna do Coronel Suaeeuna n. ?, avisam ao pu-
blico e aos Srs. freguezes que em seu modesto
fstabelecimento encontrarlo sempre assucar refi-
nado de 1', 2a, 3*, especial e candy, assim como
assucar de carolo de todas as qualidades.
Alm de slnceridade e agrado em eeus tratos,
encontrarlo tambi'm muita modicidsde em pre-
co.
Eecife, 25 de Novembrod Viuva Barres & C.
i
61
rtdeBJett
3f-)T-A TOO A* AS
MOLESTIAS s VAS OPJNAEIAS
^srECuurzRva
Gatsvro c irnico a JSsxlga,
Irrtela;} to canal de urjtrr,
/.alesnas de orostate,
ieHtinsp.eta da Urina,
fa na urina, etc.
fiiSWAWM, Pharrcattutira-Chjmtao. I
MCUWV, 1, .9ARI3 3
Peiioral de Cambar (3)
Desoclra c preparadla de Alvares de S.
Soarcs. to Pilotae
Apf r.-.v.'.do p' la Exxa Junta Coutral de ITygie-
ae Pub> alo pc!o govtruo imperial, pre-
!o com as medalhas de ouro da Acadimia Na-
cional d.- Pars e Exdo8c4o Brailira Ailem de
1881, e rodeado do valiosos ntli atados mdicos e
de muiros outr s Ai p*ttdt> eora'das do: tossrs
s:mpl.?, bronthiti p,athma, n uquidao, tsica pul-
monar, coqu4ucl|P}"eecarri.8 de pangue, etc.
Precos nas agencias :Frascas 2500, meia
dasia 13000 e duaia 24J0OO.
Precos nas sub^gencias :Frasco 2^800, meia
dusia 15<00O e doui t 28*000.
.Agentes d^positiria geracs nesta provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C,
xua Mrquez de Olinda d. 32
Deposito em Peruambuco casa de
Franei jo Jlanoel da Silva & C.
Bazar de passaros
a do Bom aoMun n. s*
Nesteestabeler-imentoencoutra be sempre gran-
de sortimento de especiaes passaroi e gaiolas,
naeicnaes o cstrangeiras, fruc".as de diversas qua-
lidades, balainhos para uin'n a de caarles do
imperio, jarros e cestos du timb, trtbalho muito
aperfeicoado, a saberesa in.eiita cm conserva em
lindos fra.'quinbos vindes da America, pelo barato
preco de 120 is. cada um, e outros muitos gne-
ros, que ie toruam cnfador.ho mencionar, tudo por
precos m dices.
SUSPENSORIO miiLEREn
^Elstica, tta ligaduras debalxo dascois
~W Vara evitara* falsi/icacocs, C
9tdgi'*fbrma do Inventor, en:umpadaa
etn coda suspensorio.
FHBAS DE TOBOS OS SISTEMAS!
MEIAS PARA VARIZES
MILLERET, LE GOSIDEC. SBCc?ssor, Psrts. 49,r.J.-J.Bonsjfia I
KBGl^IRADO
48 janePas de. 8 palmos, tu lo de louro ou amarillo.
Para quena precisar de baiihos
slgados c ares salitrosos
Aluga se per proco barato urna casa tin Olinda,
ra 'le Francisco, concertada de novo, caala e
pintada, ew 4 quartoe, 2 sxlas e cosinha fra,
i uilo fieeca e con linda vista pura o mar, fica
muito perto dos banhos e tan.bem da estacao de
Carmo : a tratar na rna do Imperador n. 31, ar-
m.iztm do gaz, e as chaves istio na tavern i jau-
to a estacao dcJCarmo.
Uienco
Alufra se a casa sita na travessa do Corpo San-
to n. 1G, c m urna bra aru.agao (nvidracada, faz
se qualquer negocio ; n tratar na ra de Maris e
Barras n. 14, arirazom defemts.
Pcrdeu-sc
a cautela do Mrnt de Soccorro d'esta provincia
n. 12.007; quem pode dirigir ae roa do Vipsn> n. 5.
Elixir carminativo e tnico do
pharmaceutico Ye as
Remedio que eora dytpeptiaa, gattralgiu e to
das as perturbac.oes ligadas desarranjos de ra-
tomago e I r val k s di
nicos dos mais eonc laci.ia.'e, i cha-si
venda excliisiVi-.iinite na pharmacia BinercaB*
de A. ia. .eras & C., ra Daqoe d
mt rn fi7.
IQE9TES BF VIO'MG
VINHO GILBERT SEOUIN
Academia ci XCecUolna do Francia
SSENTA ANNOB DE EXPERIENCIA
Qtestavel como Antiperiodico para cortar as Pebrvs,
Convalescenna*, Debilidade do Sangue,
ao, Mnappeteneia, DiaestOes d ti icis.
Approvado pela Academia
de KCedioina de Franca
ttj A.S DE 8E88ENT* AHNOS DE EXPERIENCIA
Vlnno de urna elficacia incontestavel i
e como Fortificante nas Coi
Falta ae Menstruaco, Mnappeteneia, nigentem dif/icis.
lunfertmdadeg nervosas, Debilidade.
Pharmacia jteposilanos em Pemambuco : FP.AN M. da silva e Q.
Criad
sacordote
Precia-te de nm sacerdote para celebrar nma
miesa de Natal no ngenho S. Miguel, distante da
estacao de Cuytmbuea lego e meia. iffereic-se ?,ue ''"co"heelnieDto do sua conducta ; na ra ,10
llom Jesus n. 28.
.Precisase d ade, que eaiba 1er e eecreeei alguma censa, e
ajoia do70i)0, dando so conriuecao da mesma
estucSo para o *ngcnho O sacerdote que cao
cstiver compromettido e quizer aceitar a tfferta,
escreva para o mesmo engenho, no r. Antonio
Pedro da Costn, eta9ao de C'uyambuca, at o dia
10 de Dezembro.
Dysp
Ai:
rhea,
Dobtadt das
cu
elixir mt
TNICO-DIGESTIVO
com Quina, Coca Pepsina
Adoptado era todos os Hospitaes
MEDALHAO AS EXPOSjfOES
I PARIS.f La Brcv?e,-94, e em [odas as Puarmacis.
Precisa se de u cssa de pequea familia, dando-se prefo
reacia sendo escr va, c tratar no Caca da
Companbia n. 2.
Caix
Tr)kll)ador
Precisa-se de uru preto para tijudar em
um tit:o e.-n (rabalbQ do cnxada, dando se
preferencia sendo escravo, a tratar co Caes
da Companbia n, 2.
eiro
Hrecisa-sa 'fe nm caineiro, prefre-se que tenha
pratiea do rcfiaaej e d fiador de feu ccmpnrta
meiit". ; na ma do ViscnJe de Inhama n. 43.
yWWVIfWWyVWWyyyyyyyyy
PANCREATINA DEFBESNE
Adoptada officialmmtt nos Hoipilats de Pars
c na iarinha Francesa.
O maJs poderoso d'enlre todos os arenles
digestivos conhecidos, a fanereatina />-
fi-pane emprega-se sempre com resultado
provado contra :
hastio I Oastrltes
Ms dlgestSss Gastralgia
riatnlenelas do estomago
Somnolencia nps os rot'elcSos
Vmitos determinados pela grarldes
Zmicrmldados do gado
Tomada dcpols das refelcOos despena e excita
oappeiilodosconvalosceiiles. cembale o dcleni
o emagrecimuuto dos liseos.
.iKanc\'eatUia "'frein* em pi c em
fiuins ranae-eo em todas as piiarraaclas.
a
lisac Victoria
Largo do Conselhnro Saldanha Marinbo n.
4, antigo Matriz de Santo Antonio
PFI1.\.4 II BUCO
os
l\VISIVEIS DE [ ISBOA
E BOMAIICEEM 6 VOLUUES
OBIOIMAL PE
Gcrvnsiojiibat & Ja y
me Vctor
Desenhos de Maniael de Macodo
Executadospelo novo proceeso Ignio Eberle
e pelo processo Gillot
Pulilir&co mental por volumen
1$800 ris cada um
O Io VOLME DISTRRIBUIR;SE-HA EM 1 DE
JANEIRO DE 1887
O que o romance
O* InTlnivelM Je LUboa um romance
onle se estudam c descrevem cora verdade aecn-
tecimentos notaveis, lypis, coslumes, eo vivar in-
time nas differentes regioes da cociedade portu-
guexa e brasileira, estreitameote ligadas pelos
mesmos latos de sangue e de familia, sera que to-
dava dcixe de ter todos os attrativDS do romance
verdsdeiramentn popular.
Pela ampiitude da aceito e m complicada ur-
didura o novo romauce abracar esses dous pai-
xes que fallam na mesma lirgaa, vivem como ir-
milos e se coadjuvara como i.uiigos. E pelas pa-
ginas des seus capitules o publico brasileiro ver
desdobrur se as rideutes paisagens d'esta adora-
vel regfao da America, personagens e costumes
seus conhecidos, de todas as casses, de todos 03
grupos, desde a vida servil (Ja ro?a, na provincia,
al a vida coofortavel da chcara, na corte ; ten-
do demais occasio de cenhecer pelo cstudj d'a-
prs nature que d'elles se efirrece os costumes, os
typoa e a sociedade cm Portugal.
Alm d'estas qualidades exccpcionacs que apre-
senta o romance O In vial el?) de I.iwliua
outras rerdadeiramenie importantes despertaro
a attencao dos seus loitores. Sem deixar do at-
render a tudo quanto r qaer urna obra Iliteraria,
nao te preoecupar, porm, com principios de es-
colas, e ter apenas em vista torur-sc excessiva-
meate popular, ao alcance de todas as intelligen-
cias e de todos os paladares, com um assurapto
extremamente euredado, aceas pxloitantes, si
tuacoes imprevista?, tendo sempre fixa e presa s
attencle do leitor em teda a sua acedo, ora com-
moventc e altamente dramtica, ora humorist.ca e
cortndade episodios ce micos.
Oh IiiviwiveiM se.-ao como quo a historia
dos crimes mais aotava dos ul'imos tempes, oc-
corr;dos e n Portugal e no Brasil, todos os efiei-
tus ui fastos c trgicos de uma sociedade terrivel,
que preoecupa todos os espirilos e vastamente se
ramifica pelas capilaes des dous paizce. E' um
romance de sensaeo, a que a verdade das perso-,
nagens e dos acontecim ntos Jar m grande in
tereese.
Ao publico
A abaixo assignada provine a quem icteressur
possaque nao tem a menor le.-pinsabilidade ju-
ridicn em qualquer traussccS) qu-! proivovo a sl-u
marido Antonio Machado dos Santos e Candido
Ave'ino de Albuquarque Mello.
MK^cife, 29 do Noveinbro de 1886.
Mura da (,'oneticao Sexas.
Cal tirgeiD de Jaguaribe
Abri se, ra do Bora Jess if.~23
ura arraiizem onde so vendo "constantemen-
to a superior cal virgem de Jaguaribe,
acondicionada cm barricas proprias para o ,
fabrico do assucar.
Esta cal, em nada inferior que nos
vem do estrangeiro, vendida pelo prego
fixo de 6f>000 a barrica por contracto que
fez c Sr. Vicente Nascimento com o Sr.
Jos Costa Pe reir propnetario do engenho
Jaguaribe, elija* pedreiraa lhe d o nome.
,' encarregado da venda nicamente
uesta cidade o Sr. u:b-.stia Bezerra,
com escriptorio ra do Bom Jesus n. 23.
mamm
wnr u iuaiouiiia i,
roirtcMw^iado pele (L* u^
laserr^j lutliiiJ. r/ -fn
'Ir a assinaturi : y \y
CHOCOLATE com SANTONINA
ariUIYU pira dflfWalr ai LOMIRIOAS
i:".* Vermfugo rec
sei irUr tjraaarel e coeserri
- fir//r ai
ParI.Ph"COLlET-i!,iiCE. lr(niak!'..raAll M.!iSaA.t:'
riuw .......nmmmmw
Ao commercio
Os abaixo asignados purticipam ao respeita*
vel cerpo commercial, que compiaram viuva de
Luiz Ferreira de Almiida o rstabdeeimento de
seceos e molhados, siio ra do Viseonde de In-
hama n. 09, livre .e desembiracado de tode e
qoalquer debito ; se algu: m se julgar cem direito
ao mesmo ap-senete-se no rraso de r< s dias.
Becife, o de Novembro de 18S6.
liamos &. Santo?.
Profesara
Uma senbera que eusina pria.ciras lettras,
des-iiho, piano, flores, bcrdadoi e,todos 03 traba-
Ibes de igulh, prope-se a iceionar em casas
particular! 8 por mdico pre9o, garantsndo grande
adi&ntsttKntO de suao discipulas : quem desejar
utitar se de seus (erVOB, queia dirigir se
ra do Cf-ldciriiro n. 2, 1- Mtdar, onde achara
com quett tratar.
a /Vi animo
^.r.ajisii'aae*
"aue.l?IS,,5JfSE,0 fl?. U,n f."5.1? ValaveJ. adopUd com prando ezlte ha =
*--! ao2JS?^t 22? ml"ores Hedlco de Pariz, cura os efluxo, i-ip*. Pon,
Cvlvrv u*, arriate 4 z*u. das Fo* wismin la Bxii
& MARTIN
forntotdont dt Su atayrstatfi a Rtltht dt IntltUrn,
do erdto s d KtrliHit brltinlct.
CRAIXA brilhante LIQUIDA
GRAXA^pasjtaJJNCTUOSA
OLEO para AEIiEIOS
EUdoiwniitceturio wriiirainu'Mta*)
M tclu as Nraiai.
DEPOSITO QBRAl EM L.OT1C
r, Blgh llolborn, 97
t. hrMkoei: TUXr a. U HLTAkl
i
se
um carro cem boi, cm bom esado, paia s:rveo de
engenho ; a tratar com FrcJerco Chaves, no lar-
go de Pedro II, 1<> andar do sobrado ll. 75.
Criado
No largo do Corpo Santo n. 19, 2- f.ndar, pie
cisa-se de um criado que raiba 1er e eccrever.
4 Aleova das Princezas e
Ralobas
POR
JtViIO B\I31013T
TRAUCglO DE J. C. DA COSTA
A obra, verdaderamente notavcl, que vamos dar
estampa, ser de certo bem resebida pelos nos>
nos assignantes, porque, alm das innmeras alten-
turas galantea que encerra, aventuras cujas proto-
gouistas foram testas coroada3, couim a descrip-
vSo histrica das ana o costumes das pavos do3
diversos p.izes em que 33 d.-raoi os cpisados que
constituem este livro, desde o emp > d velhi Ro-
ma dis Cesares at qxis a actualidade, e prava
que a iminuralidade c a devassido em t^mpo al-
gum faram apanagio exclujiva das cldS3is prole-
tarias.
Esta vasta galera, em que Gguram Cleopatra,
Messulna Joanna, rahaba e Jeruilm, Cathirina
II, da Ruisia ; Leonor Tellcs, de Portugal ; M ira
Stuait, Maria de Hdicis, Anua d'Austria, e tan-
tas outras ranhas, e que revelando os terrive3
-nysteros da torre de N'sie, teroiina em Maria
AntonietU, euj eabec/a embranqneiJa na pnsao
n'uma noite de angustia, caho noecsto da gclho-
tins, pode afoitam'mte denominar-se :
Distribui;ao do 1 volume no da 4-de Dezem-
bro.
empresa mt! mmm
EditorFrancisco 1 Ciliares
Olirax pulilicatlas
PAULO DE KOCK
O Bnrbciro de Parla, 2 volumes
Ilustradas 2100
A Hullier de 3 Cara*. 2 volumes
Ilustradas 23400
O Joo. i volume ilustrados 2400 _
Anill o alaojano, 2 volumes il-
ustrados 2/40O
A Lcllcira de Uontrermcil. 2
volumes 24C0
O Amante da l.ua. 5 volumes 5^000
PAULO FEVAL
O Bel dOM Mendigo, volumes
Ilustrador 52C0U
t'ONSOX DU TERRAIL
O Juramento ts Uomena
VermelnoM. 2 v lumes Ilustrados 2400
On NablcrraneoN le Ruquev,
2 volumis illutrados 240
O Cavallielro Xrcro. 1 volume il-
lustrado 500
A Valla de Bocanibole, 4 volu-
mes ilustrados 4000
JULES LERMISA
An aiil e Uma Sluliaeresi. 4 vola-
mes illastrados (osg ) 4000
FERNANDEZ Y GONZLEZ:
O* llenherdaiio. 5 volames Ilus-
trados 5^000
Os Filaos Perdido*. 5 volumes il-
glustr.idos 5C0O
O Pantclelro de Madrigal. 0 vo-
lumes Ilustrados 5000
HCTOR MALOT
PadreN c Beatos. G volumes illus
trados j 6000
CONSTAXT GUE 'ULT
*. Novas Proezas de Boeam-
liole. 4 Vlum^a Ilustrados 43000-
LUIZ D'AISE
favorita de Bou A mema. 5 vo-
lumes ilustrados ."000
CAULLE BONHEUR
O Bel do Criiue. 4 volumes ilus-
trados 4j5000
XAVIER DE MONTE PIN
On Ciganos da Bcgcncia. 5 vo-
lumes Ilustrados 53000 ,
- V. L. PARRENO
A laiqiaisico. o Bel e o Mo\o
Mundo. 5 vo'umes Ilustrados 5^000
VIAttESS JI.4IV1LII0S4S
AOS
6
GRANDE EDigQ POPULAR DAS OBRAS
DE
JTCFX*H> YEKBFB "
Preeo 80! rc-.s um rolme brochado e 1*200
cucidernaeo-
mUMiS PffliNIES
XA
LIVRAR1A CORAZZI
E
$:im (Quinte & .
L'rgo do (lonsplh- iro Saldauha i\Iarinho n,
4 (antigo da Matriz de Santo Antonio);
PERNAMBUCO
\
*

ata*


?

Diario de PernambaeoQninta-fcira 2 de Dczcmbro de I&86
VENDAS
A Kevoluco

m
A.' ra Duque de Caxias, resulveu vender
os seguint'8 artigos com 25 /0 de me-
nos do que ein outra qualquer parto.
Z'pliiros fino', !indo3 padroes. a 500 rs. ocovado
Las de qiihdros, a 400 rii o covado.
Ditas lavradas a 400 rcis o dito.
Di'ae com boliuhas a 500 e 600 ris o dito.
Ditas con listrinhas de sola a 560 ris o dito.
Ditas mescladas de seda a 7iX) ris o dito.
Cachemira de cor a 900 e 13200 o dito.
Ditas prctos a 1*200, 1500 e 2*000 o dito.
Ditas de eor bordada de seda a 13500 o dito.
Linhos escosseres a 240 rs. o corado.
Zephiros- de quadrinhja o lisos a 200 ris o co-
vado.
Linh's lisos a 100 ris o cavado,
Setim-ujaco % 800 c 1*200 o dito.
Dito daniHss a 320 rs. o dito.
Setinetas de quadriuh;'S a 320, rs. o dito.
Ditas escocesas a 440 rs o dito.
Ditas matizadas a 'O rs. o dito.
Cretones finissiraos a 360, 400 a 440 ris o co-
vado.
Chitas escuras c claras 240, 280, 300 e 320 ris
o covado.
Nansuc finas a 300 ris o dito.
Enxovaes para baptisado de 9*000 uro.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Seda croa a 800 rs. o covado.
Colchas brancas a 1*500, e 1*800 urna.
Cobertas de ganga a 2*800 urna.
Peebs prateados a 25(a e 3*000 um.
Ditas, de peilussia a 6*000 um.
Ditos de la a 1*000, 2*000, 3*000, 3*500 l*00u:
e 5*000 um.
Pauuo tirela filio a l*000*o covado.
Cortes da casimira a 3*000, 5*000 6*00
am.
Crepj para coberta a 1*000 o covado.
Cretono para coberta a 400, 500 ra o covado.
Lencoes a 18;)U um.
Bramante de linho a 2*000 a vara.
Dito de algodao a 1*200 a dita.
Dito de 3 larguras a 900 ris a dita.
Panno da costa a 1*400 e 1*00 o arlad*
Dito adamascado a 1*300 o dito.
Espartilhos de curaca a 4*000, 5*000, 5*500,
6*000 e 7*500 um.
Cortinados bordados a 6*500, 7*500 e 9*000 o
par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Lencos de 1*200 a 2*000 a duzia.
Velludilhos lisos c larrados a 1*000 e 1*200 o
eovado.
Anquinhas a 1*800 rs. urna.
Panno de crochet para cadeiras e sof a 1*000.
1*200, 1*600 o 2*000 vm.
Henrique da Silva Moreira.________
- Cochcira venda
Vende-se urna coebeira com bons carros de
passeio, bm locasada e afreguesadL, por proco
muito mdico, em razio de seu dono nito poder ad-
ministrar por t"T de fater urna viagem : os pra-
tendentes achaio cora quem tratar ra Duque
de Cazias n. 47.
Rna Duque de Caxias n. 103
Chama-te a uttencSo das Exmas. familias para
03 procos seguintes :
Luvaa de seda prcta a 1*000 "o par.
Cintos a 1*500.
Luvas de pellica por 2*500.
2 caixis de pspel e envelopes 800 rs.
Luvas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Suspensorios p ra menino a 500 rs.
dem amer.canos para hornero a 3*.
Mema do Escossia para enanca a 240 rs. o par.
Titas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuua de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Kara:s de flores finas a 1*500.
Luvas de Escossia para menina, lis is e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rv, 1*, 1*500 e 2*.
Peores de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Rosetas de bnlhantes ehimicos a 200 rs. o par.
Guarnicoes. de idem idem a 500 rs.
Anqninhas de 1*500, 2*, 2*5C0 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 ordens a 400, 500 e 600 rs
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
dem cstreitinhos com 10 metros a 800 e 1*000
a peca.
Penteo para coco com ioscripeo.
Babadores com pintura e insenpeoes a 5C0 rs.
Para toilet
Sabio de aris a 320 rs. um.
dem phemeado a 500 is. um.
dem alcatro a 500 rs.
dem de amendoa a 300 rs.
dem dcalface a 1*000.
Agua celeste a 2*000.
Agna divina a 1*500.
Agua Florida a 1*000.
Mac eos de seda a 100 rs.
Meias brancas pira senhora a 3* a duiia.
Leitura para senhorar
Brolhes nikeladoa e dourados a 2*000.
Bit03 grampes dourados a 500 ris o maco.
Esplendido aortimento de gares de vidrilho.
Grande variedade de le les de sitim, a 4*000.
Frisadores americanos paia cabello a 3*000 o
maco.
Setas de phantasia para cabello.
Bonita collcccao de pliaas a 400 ris.
Brineos, imitaco de bnlhante, a 500 ris.
Aventaes bordados para enancas a 2*000.
Chapeos de fuato e setim para crianzas .
Sap.ito de merino e eetim idem, idem.
Meias brancas o de coree, fio de Escocia.
Pomada do vozelina de diversas qualidades.
Sabouctes finos de vozelina e alface.
Extractos fios de Pinaud, Guerlain e Lubin.
Lindas bolsas de cours e velludo
Fechs de la para senhora a 1*800.
Sapatos de casemira prcta a 2*000.
Tesouras para costura, de 400 ria a 3J000.
Picotea de p de arroz a 300 ris.
Fitas de todas as qualidades c cores.
Immensa variedade de boluca de phantasia.
E milhares de objectos preprios para tornar urna
eenbora elegante, c muitos outros indispensaveis
para ubo das familias, tudo por procos admiravel-
mentc mdicos.
Na Graciosa
Rna do Ctespo n.
Duarte & .
DA
U
COLOMA ISABEL
Eslojos para crochel a .$000 rs.
Linhae para crochet cor de creme 200 rs.
Linbas para crocb t de seda meaelada 300 rs.
BARBOSA & SANTOS
Grande reforma !

Vende-se
Oleo para machinas
Em latas contendo cinco gales, a 9*000 :
de-so nos depsitos da fabrica Apollo.
Tecidos de linho
A 500 rs. o covado
Na loja da ra da Impi-ratris n. 3, vende se
am bonita sortimento de tazendas de linha para
vestidos, tendo largura de chita fnnecza, com
muito bonitas coros e palminhas bordadas, pe-
ehincha a 500 res o covado, na loja de Pereira da
Silva.____________________________
Serrara a vapor
Caes do CapSbarlbc n.
N'estn serrara cncnntraroos srnbon's fregue-
ses, um grande sortimento de pir.hj de resina de
cinco a dea metros de compnmeuo e de 0,08 a
0,24 do esquadros Garante-ee preco mais como-
4o do que em outra qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
UquidaQo
Chpos modernos, pilmas, plumas fluri
udo por precT mu t o barato.
Mine. Miquclina
O estabelecimento de molbados sito ra deD.
Mara Cesar n. 9, proprio para principiante por
dispor de poucc8 fundos, cu admitte-se um socio
com capital, o motiv* o dono precisar de reti-
ar-se por incommodo de sade.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este exccllente Whisky Escnsses preferivs
o cognac ou agurdenle de canna, para fortifica
3 curpo.
Vendese a retalho nos iu lheres armazena
nolbadoe. ?.
Pede ROYAL BLEND marca VIADOcujonc
me e emblema sao registrados para todo o Brasil
BBOWNS & C, agentes
plumas flores e fitas
Ra '-na Cruzea n. 39
PARA
ACABAR
A BOM MARCH
Rna DnicB fls Caxias i. 81.
Completo
metado de seu
sortimento
valor.
de tazendas
por
Aproveilem!
PIMO DE RIG4
de 3X9, 4X9 e iX'2 ; vende-se na serrara a va-
por de Climaeo da Silva, caes Vinte Dous de So-
vembro p. 6.
SUAVIDADE
coinoontr-acjao
CREME OSMHEDIA
SABOXRTB, EXTRACTO\
AOVA DO TOUCADOB
P3 de ARROZ
COSMTICO, BRILHANTINA
OLEO, POMMADA; VINAGRE
A Pertumari* OSMHEDIA assegura aot
fLlEKTES f IBIS
avmtnde eltrna e Cor sem igzal
Hl lib Pmambuco.- FRAN<* M. da SILVA C1*.
AO N. 17
Vende-se na rna de Hortas a. 17, gneros por
> precos sem competencia, alm de muitos outros :
O fino c igoac.
O fino vermoutb.
Viahos 6nos do Porto.
Dito Borieauz.
Dito do {'orto fino, a retalho.
Dito Figueira.
Dito especial puro engarrafado.
Cervejas das melhorea marcas.
Macas para sopas.
Conservas n.vas.
Azeitonas.
Amelias.
Pateas.
Doces finos.
Vellas finas.
Chocolate novo.
Le te condensad}.
Farinha de ararnta verdadeira.
Copos finos a 2*650 a duzia, s na ra de Hor
: tas, esquina ao voltar para o largo de S. Pedro.
NICA i TNICA
O. FIL.UIOL DE FiLLIOu
INSTANTNEA pira a barfea. J ROCADA par. dir io, caballo
84 um f:dro. um prepiracia o oraocos
Km liragea. | ana Cor primlfiTa
sfosstral tu Ptiria: FlXLIOI, 17, rna lirienae, Fl'al
a >trna>r.t>..ca : FRAIS~ M. da 8IXVA.C*.
Realmente foi grande a que ce fez na Loja dos
Baratejros.
Ba da Imperalrla n. i
E sao os nicos que tem as seguintes especia-
lidades !!!...
La e alpacas, grande e importante sortimento,
e lindissimos padroes, o mais fino e apurado gosto
que tem vindo, e por preco baratissimo, de 500 600,
700, 800e 1*000,0 covado, porm fino e bom !...
Querem ver ?... aparecam !!!...
Exmas. srnhoras !...
TYmoa um lindissimo sortimento de failhe, que
a vista agrada a mais excepcional freguesa ; isto
por menos do que em outra qualquer casa ; e n.
40 !....
Pois custa 600 rs. o covado.
Temos mais lindos sortimento de fustes a 500
rs. o covado.
Chitas finas, especialidad?, porque honve gesto
. na escolha, e vende-se por 240, 280, 320, 360,400
e 500 rs. o covado, n. 40.
Tamben] temos!!.'...
Lindos padres em baptista de 180 a 200 rs. o
covado.
Cambraia victoria e transparente finas e boas
de 3*300 a 8*000 a peca.
Bnm branco de linbo especialidade de 1*500 a
3*500 a vara pechincha !
Brim pardos lizos e tr.incadoa de 700 a 1*600 a
vara, aproveitcm festa! I !...
Mobsck:m grande sortimento a vontade do fre-
quez, vende-se de 400 a 560 o covado, venham .'...
Si:netas !!.'... esplendido e importante sorti-
mento nesse artigo, sendo brancas, pretas e de co-
res, lavradas e lizas, o que Be pode desejar em bom,
vende so de 400 a 6C0 o covado.
Temos mais !.. .
Casemira de todas as qualidades e cores, e fa-
zemos costumes de 30a a 60*00, barato e em
covados de 2*500, cousa fina e que a todos agr-
dam, appircc.im !
Acrediten] ?...
Venham ver, para crer !!!...
MadapolSo do 1 qualidade de 4*500, 5*500.
6*o00, 7*500, 8*500 e 10* a peca, e que ha de
melbor.
AlgodSo de 3*5C0 a 7*500 e 8*000 a peca tem
20 jardas.
Camisas de meia de cores c brancas de 800 a
1*800e2*000.
Colcha de lindos desenhos a 4*0C0, casta 6*000
em outras casas.
Pannos da costa do melbor que ha custa apenas
2*750, o metro, p( chincha !
Bramante de linho a 1*800 a vara, 10 palmos,
para a cabar.
dem dealgodaoa 1*300, palmos tambero bom.
A'godJo emfestsdo, 10 palmos a 900 rs. o metro,
muito bom para lcncoes.
Alem das fazendas ja mencionadas temos muitos
artigos de modas como eeja, lcquca do fino gosto,
gravatas, colarinhos, punhos, meias etc. etc.
Alheiro &C.
RA DA IMPERATRIZ N. 40
Camisas nacionaes
A lsoo. sAooo e 8*500
32=" Loja ra da lmperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimeuto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e punhos dj linho como de algodo, pelos
baratos p-eos de 2*500, 3* e 4*, sendo tazenda
muito melbor do que as que veem do estrangeiro e
?cito mais bem feitas, por seren cortadas por
am bom artista, especialmente camiseiro, tamben-,
se manda fazer por encommendas, a vjntade dos
fregueses : na nova loja da ra da lmperatriz n.
3J, t Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazer Jas
j8 Rna da Impe i = 3*
DE
FERREIRA DA Si^VA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
pjitavei publico um variado sortimento de tazen-
das de todas as qualidades, que se vendem por
precos baratiasimos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para homens, e tambero se man-
da fazer por encommendas, p r ter um bom mos-
tr alfaiate e completo sortimento de pannos finos,
caseinirus e brins, etc.
EXTRACQO SEMANAL
5.a parte da 24.a lotera
CORRE
No dia 8 de Dezcmbro de 1886
Iixransf$rivl! Inr3asf$rT$l!
0 PORTADOR DE UM VIGSIMO ESTA' HABILITADO A TIRAR
12:006$200
Esta lotera est garantida, alm da fianza, por um deposito
no Banco Rural do Rio de Janeiro equivalente ao premio grande
de cada serie.
BILHETES A' VENDA
RODA DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosario36
Bernardino Lopes Alheiro.


I.
i:
I
EXTRACCO
DA
w a
o.
serie da 24 lotera que se extrahir ua groja da Coneeico dos Militares
EM 8 DE DEZEMBRO
SOB O SEGUINTE
P
VWL* A Mil
PARA EXTRACCO DE LOTERAS NESTA PROVINCIA
01 DOS 1
.
DA
CARNEIRO DA CUMA t C.
Peden, as Exmas. leitoras o minutos de alien* ao para os se-
goinlcs artigos, alias baratissimos!!!
Bonitos sortimentos de rnerDs de todas as cores, a 600 rs. o covado !
Linda escolha das raelhorca cachemires, a 500, GOO e 700 rs. o dito !
l&*.ra idem de quadrop, novidade, duas larguras, a 1600 e 1(5800 o dito !
Setinetas de phantasia, a 400 e 500 rs. o dito !
Caxemires felpudas, duas larguras, a 1^000 o dito I
i Limons com palmas de seda, a 800 rs. o dito !
_. Merinos pretos, desde 900 rs. a 2?$30lJ> o dito I cor garantida.
Linds vestuarios de 1.1 para crianzas, a 7|5!500 e 8U00.
K ns gusrmco'S de crochets para cadeira e sfrf, p^r 85000
Vc-IIudinhos de todas rs cores, a lj$>000 e 15200 o covado !
Setins Maco, verdadeiro, a 800 e 1(5000 o dito !
Luvas de seda de todas as coras, a 2)5000 I
L*ques de phantasia, a 1j5')00 c 1!500 |
Meios para criancas, a 2(5500 a duzia I
EsguiSo para casaquinhos, a 45000 e 455000, dez jardss 1
Cambraia branca bordada, a G5000 e 8^000 a peca !
Actoalhados, bramantes para todos os precos ; algedSes, nadapolSes bara-
tiasimos o muitos outros artigos que se liquidara por menos que em outras partea.
59Rna Duque de Caxias59
a*
;oa
iojoot
12*001
12/CXX
5*5
6*501
8*001
3*CMX
1*60
1*0W
XAROPEd REINVILLIER
Laureado pela Academia de Medicina
^^
OSp
Caa//ie/ro ta Legiio de Honra
S-A.TOdeC-A.3L. GrSX-"*-
r&&
o&
O Miosplialo de cal 6 a substancia mineral mais abundante do organismo e toda vei que sua
anUdade norinul imlnue re- i.ta nniaaif -cao or.anlca grave.
Mais do cinco mil curas, a mor parto irufosores e Mdicos das Faculdades
foiao obtias ultlinamcnte e flzer cono orneo Xarope Uo W Reinrillirr fosse elassifleado
Tisica pulmonar, Broachlt* hroalea, Anemia,
Kacbitis ao, Dcbllldade do Organismo. Q tarop do Mi' ReKCilUer administrado
i-nlc as crli "J e o cresciinento :nas m5es c amas de lelle torna o
lelte mellior; impede a carie e que. lies tto frequeDtes dcpols da prenhez.
.Deposito: Pharmacia vrEEirQDE, 8, Place do la Magdeleine, TAMIZ.
co: FR.4K" yi. SMIjYA b C", a un principan Pharmacias Drofrln.
Raa da lmperatriz M
Loja de Pereira da Silva
Ne6te estabelecimento vende-se as ronpss abai
o mencionadas, que sao ba* < n.as.
Palitots pretos de prpiH aiagonaes e
acxilcboados, senao tazendas muio en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cardao muito
bem rcitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melbor
Ditos de flanella azul sende ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorao pre;o, acolchoado,
sendo faz>-nda muitr encorpada
Ditos de casemira de cores, sendo muita
bem f.'itas
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de mulcskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Heroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem. feitas a 1*200 e
Colletinhua de grcguella muito tem foitos
Assim como um bom sortimento de lencos d
inho e de algodo, meias cruas c collarinhss, etc
to' na loja oa 'ua da lmperatriz n. 3>
Sen, ellnetas e Ittzinlian a SO
r, o covado
Na loja da ra da lmperatriz n. 32, vende-
un grande sortimento de istes brancos a 5C(
rs. o covado, laziuhas lavradas do furta-coret.
(: zonda bonita para vestidos a 500 rs. o covad:,
o setinetas lisas muito largas, tendo de todas si
cores, a 500 is. i covado, pichincha : na loj,
o Pereira da Silva.
tlgodozlnba franeez para lenrn
a iioorii,, i* e esoo
Na loja da ra da lmperatriz n. 32, vende-s
superiores algodaozinhos franceses com 8, 9 e 11
palmos de largura, proprios para lencoes do un
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1*000
metro, e dito truncado pa- a toalhas a 1*280, a*
sim como superior bramante de quatro largura,
para lencoes, a 1 500 o metro, barato na loj
d9 Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A 4, 450 o 6&
Na nova loja da ra da lmperatriz n. 33, e-
.ende um variado sortimento de vestuarios p
prios para meninos, sendo de palitosinho c ca'ci
aha curta, feitos de brim pardu, a 4O0O, ditoi
ie molesquim a 4*50C e ditos de gorgorao r
imitando casemira, a 6*, e3o muito baratos ; ni
Ijja do Pereira dn Silva.
COLONIA ISABEL
CONCEDiDS PELA LE PdOVfKCIAL i \Ul,[ PWiSfl PELO EXU. SB. VICF PAESIDENTE Di Mili
POR ACTO Di l DE SETEMBRO DE 1886
40,00o foleles em vigsimos ISooo ..... 800:000$
Despezas........... .181800$
68-ioo|
1 premio de.
i dito de .
i dito de ,
i dito de .
i dito de
9 ditos de.......2:000S
23 ditos de ... '. 1:000$
400 ditos de 100$ para todas as centenas, cujos dous algaliamos
forem ignaes ao dous ltimos do primeiro premio inclusive
1 dito de 1:000$ para a sorle, cujo numero na exlraccao for mais alio
1 dito de 1:000$ para a sorle, cujo numero for mais baixo
99 ditos de 400$ para toda a centena do 1 premio.-
99 ditos de 200$ idem idem do 2 premio .
99 ditos de 100$ idem idem do 3o premio .
2 apps. de 4:000$ para o Io premio ....
2 ditas de 3:000$ para o 2o dito ....
2 ditas de 2:000 para o 3" dilo ....
2 ditas de 1:100$ para o 4o dilo ....
2 ditas de 850$ para o 5o dito .
4,000 terminacSes de 24$ para o Io premio inclusive
4,000 terminacOes de 24$ para o 2 premio inclusive
240:0001
40:000*
20:0001
10:0001
5:0001
18:000*
23:000* '
40:000$
l:000f
1:000*
39:600*
19:800*
9:900*
~8:000*
0:000*
4:000*
2:2004.
l:700*x
96:0001
96:000*
"68.-200*
n
ooesxDOB.'VaA.ga.ies
Esta lotera ser dividida em 20 series de 4,000 dezenas. Qoando as teriiinacSes do 1." e 2. premios forem
guaes, a d'este passar ao algarismo inmediatamente superior. De9 passa a 0e de 0a1. Os premios saf
pagos sem descont algum.
O premio grande de cada serie acha-se garantido por um deposito equivalente c igual quantia no.- Banco
Rural do Rio de Jinciro.
24 de Novembro de 1886.
O THESOUREIRO,
Francisco Goncafoes Torres,
/




Diario de Pernambiicoiuinla-feira 2 de Dezembro de 1886
L!TTRATbA
CASAMENTO II DEVOLVER
POR
JULES MARY
(Continuajlo)
XU
Gabriella nao respondeu.
Mas Bertara correa para o marquez,
ncrarrou-lhe as mos e levou-as aos la-
bios.
As lagrimas fallavam por ella.
Pai e filha conservavara-so nos brajos
uva do outro ppertando-se.
Norberto interveio :
Mlle. Gabriella contar lhs ha ludo,
mais tarde.
Adivinbo o que Gabriella vai dizer-
me... Sr. Norhcrto... Salvou-a ?....
Do corto, correu perigos ?... Poderei
algura da provar-lhe quanto Iho sou reco-
cbecido TI!
Gabriella escutava, muda, aterrori
sada.
Nlo tinba sido," engaado I Bertara era
o joguate de Norberto.
"Entraram tados no castello; a joven
p.-lo brajo do velho, arraat.ndo-se a custo
to aasustada com o que se passava a seus
oihos, que j nao ouvia o que lhe di-
zia seu pai e esquecia-se de responder-
le.
F.ntlo, o que que tena ? perguntou
Bertara.
Tenho soffrido tanto 1 respondeu
ella.
Norberto uelinou-se-lhe ao ouvido :
Nao se esqueja I disse elle... Se-
rei implaoavel 1.. E, para que nlo jul-
gue q"ue c urna araeaja vi, vai ter a occa-
silo de ver por si mesraa.
E, dirigindo-se a Bertara :
Tem a bondade do ir ver sa o quar-
to de Gabriella est preparado ?... Du-
rante esse teropo vou levar Gabriella
sala de jantar.
O velho apressou-se em obedecer.
Quando elle sabio, Norberto to.ou a
campainha.
Entraram Jous homens corpulentos, um
delles do cabellos castanhos era Bon-
temps, o assassino de Smelo; o ou-
tro do cabellos castanhos escuros, am-
bos de olhos azues claros e de exprsalo
falsa.
Pararam diante do marquez.
Papillon e Bontemps, disse Norber-
to com voz imperiosa, qual a missiio
de que esto "eacarregados no castello
por ur. homem ao qual nlo quere-
riam obedecer, n*em com urna ameaja de
morte ?
r, Estamos encarregados de vigiar Ber-
ta ra.
E se fugir ?
De mtalo I
Se desconfiar do que pretendemos...
do que fazemos ?
Mtalo !
Se receber as confidencias de sua
filha?
Mtalo !
Se Gabriella procurar evadir-se, re
sistir ?
Estendel-o morto, com urna bala na
caheca!
E Papillon e Bontemps tiraran das al-
gibeiras dous rewolvers carregados.
Papillon perguntJU, com um sorriso si
nistro:
Chegou a occasilo ? E' preciso ?...
Estamos proraptos I...
Engatilhou o rewolver e olhou para a
porta...
Ouviam sa passos pesados, no quarto
vizinho... que se aproximavam...
Era Bertara que voltava.
Gabriella, pallidu, sentia-se desfalle-
cer. .. nlo tenJo mais forja para dizor
urna paluvra...
Nao se esqueja, Gabriella disse
Norberto, calmo. Nlo se esqueja !
Bertara entrou, foi beijar a filha e aper-
tar as roaos de Norberto.
Como sou f.-liz dizia elle. Se sou-
bessera quanto sou feliz.
Bontemps e Papillon tinham sahido, a
um signal do marquez.
Sr. Bertara, disse Norberto, qual-
quer destes dias Mlle. Gabriella tora todo
o vagar para cootar-lbe os perigos que
correu, desde o dia em que foi raptada
na ra d'AUemagne. Esses oerigos, tendo-
lhe provado que poda contar com a minha
inteira dedicajo, influiram-lhe no espirito
e mudaram a resolujlo que tanto me fez
soffrer...
E lentamente, accentuando cada pala-
vra:
O Sr. Bertara, nlo deixei de amar
Gabriella... tenho a felieidade do ser
correspondido... Persiste na idea de con-
ceder-ine a mito della ?
Gabriella estendeu machinalmente o
brajo i-orno para repellir um pesadello I
Bertara ia responder. Norberto fez um
gesto indica do que aiada linha alguma
coma que dizer.
E' preciso que saiba tudo. O se-
nbor herdeiro de um irmlo que parti
para a America ha trinta ou quarenta en-
nos e que, tendo-se retirado para Constan-
tinopla, l morreu. A fortuna que deixou
mraensa. Gabriella j nlo portanto,
urna operara pobre, precisando trabalhar
para viver. .. Os milhSes de seu to as-
seguram-lhe um futuro do festas, de luxo,
um futuro deslumbrante.. sua fortuna
actual d-lhes o direito de mostrarem-se
exigentes... Minha fortuna pessoal, em-
bra seja consideravel, nlo pode-se compa-
rar sua, mas raeu nome, que so agora
conhere e que oceultei lne outro dia para
nlo ferr-lhe a modestia, um dos mais
nota veis da Franja... Responda agora !
Curvme ante a sua decisao.
Bertara olbava ora para Noberto ora
para Gabriella, julgava-se o ludibrio de um
sonho...
Entilo, disse elle, tudo isso verda
de ? Estamos ricos ?... E tu o sabias,
Gabriella ?
Sibia-o 1 respondeu Burdamente a
joven.
Cousa notavel : esta noticia nlo pare-
ca causar grande impresslo no espirito
enfraquecido do velho...
Mova a cabeja de vagar como se j es-
perasse por ella :
Eu nilo dizia serapre que nlo mor-
rena na miseria ? murmura va elle... Pois
bera, realizou-se a minha idea !... Agora
estou tranquillo I...
Norberto tinha fallado em milhBes, mas
B-rtara nlo lhe prestara attenjlo ; a enor-
midade da somma nlo o impressionava; s
o facto ineressava-o.
Sr. Norberto, disse elleconsinta que
continu a dar-lhe este nomenenhuma
duvida me resta sobre a lealdade de suas
nt-ncois. J amava minha filha antes
que fosse rica. Agora que rica nlo sei
por que nlo ser assim. Quando o sechor
pedu me qela primeira vez a mo de Ga-
briella, deixei-a livre de acetalo ou de
recsalo. Peoso boje do mesmo modo. Mi-
nha vontade ser a de minha filha, minha
resposta a que ella der...
Responde, tu mesma, ao Sr. Norberto,
minha filha !
Gabriella calava-se, com os labios para-
Iysados pelo raedo...
Que situajlo atroz !
Era cu -plice de urna abominavel ma-
china jilo, ouroplice de um crime.. cuja
primeira victima era ella I...
Gabriella, disse o marquez com ter-
nura, hesitar por acaso ?...
Falla, minha Gabriella, dizia Berta-
ra; conta-nos o que |se passa no fundo do
FOLHETIH
0 flOKCUNM
POR
PAULO FUL
PRIMEIRA PARTE
os mesises caimas
(Continuajlo do n. 276)
' VI
A Janella baixa
teu -rarajlol... O que recetas, junto de
nos?...
O que reaeiava !...
' Gabriella repetiu Norberto, olhando-
a filamente. responda !
Tinha introduzido a mo direita no bol-
so do sobretudo e a joven, cheia de tror,
va reluzir entre os ledos do miseravel a
coronha do rewolver...
Entlo com urna voz to iraca que fo
ram obrigados a inclinar se para ouvi-
rem:
Sim, serei sua mulher !...
E caiubaleou, mas Norbrto susteve-a,
ap'-rtoua us brajos e murrnurou-lhe ao
ouvido:
Era tempo 1
Norberto, quasi mmeediatamente, reti-
rou-se para dar suas ordens no castello;
tenio ficado sos, pai e filha, olharam-se por
muito tempo em silencio; Bertara, feliz
por tela encontrado e por ver-se rico, s >r
ria-se quanto a Gabriella, morda os labios
para nlo chorar; isso, porera, foi intil,
rompeu em solujos
O que tens, minha pobre filha ? Por
que choras ? i
Os solujos sufficavam-n'a.
Assustado, Bertara quiz tocar a campai-
nha, mas Gabriella precipitou-se para im-
pedilo de o fazer.
. Nada tenho, disse ella... choro... mas
de alegra I...
O velho observava-a com ar desconfia-
do.
Quem sabe ee me escondes alguma
coma ? Nlo te agrada esta casamento ?...
Por que entlo consant'S ?...
A joven interrompeu-o com um gesto...
olhando ao redor.
Cale-se !... Nlo, nada lhe o ocul-
to I... Engana-so ; este casamento convera
me perfeitamente I
Amas ao marquez ?...
Nlo rene elle tudo quanto preciso
para ser amado?...
Emtin, tu o amas ? Responde sem
rodeios.
Sim, eu... eu amo o I... disse ella,
oceultando entre as mos o rosto rubori-
sado pela febre, hmido de lagrimas...
Nesse caso nlo ha de que envergo-
nhar-se, disse o velbo rindo-se... B-lla des
graja Elle tambera te ama, e, dentro de
quinza dias ou tres semanas, far-se ha o
casamento !...
Agora, conta-me o que te aconteceu
Foi um novo supplcio.
Teve de inventar pormenores. ..
E vinte vezes, no correr da historia, es
tevo a ponto de grit*r ao pai:
Estou mentinio 1... Nlo vs que
horrivel tudo o que sou forjada a dizer
te?... Estou mentindo!... Nada disto
verdade... Nlo amo a Norbert)... elle
causa me horror I... Se consinto neste ca-
sament), porque delle depende a tua vi-
da, meu pobre pai Estou mentindo e o
que ha de mais odioso, no triste papel que
represento, que cada urna das miabas
palavras augmenta tua estima por este ho-
rnera, por este miseravcll...
E quando acabou de inventar, de dizer
como, tendo sido raptada por infame.- que
lhe cebijavam a fortuna, tinha sido salva
por Norberto, que at arriscara a vida :
- Ama o bastante, minha ilia, disse
Bertira... Foi urna divida que contrahis
te para com elle... e que s lhe poders
pagar com todo o teu amor.. OeVes-lhe
mais do que a vida, j que lho deves a
honra... Nunca o esquejas!
Gabriella pegou as mos do pobro ve-
lho.
Brilhavam-lhe os olhos, com um ciarlo
sinistro ; tremiam-lhe os labios, descobrin-
do lhe ob dent:s, que pareciam prestes a
morder.
Nlo, meu pai, respondeu ella gra-
vemente, nunca o esquecerei!
Norberto nlo perdeo tempo e os prepa-
rativos pira o casamento comejaram des-
de logo.
Confiando na submisslo de Gabriella,
Combinam a nosso raspeito
Nada vejo, disse ella. Felippe, on-
de est9 ? Lagardre estendeu lhe a mo,
que ella apertou contra o corajlo.
Lagardre estremeceu. Sento lagrimas
nos seus olhos.
Felippe, Felippe, disse a pobre moja,
ests bem certo de nlo teres sido segui-
do ? Estamos vendilos, estamos trabidos
Coragem, minha senbora, balbuciou o
Pariziense.
Foste tu que fallaste ? exclamou ella ;
olha que fico louca 1 nlo recouhejo a tua
voz.
Em urna das ralos tinha o embrulbo de
que o Sr de Pijrrolles e o seu companbeiro
tinham fallado ; com a outra apertava a
fronte, como para fixar os peusamentos re
voltos.
Tenho tantas cousas a dizer-te con-
tinnou ella. Por onde comejarei ?
Nlo temos t^mpa, muruvirou Lagar
dre que tinha pudor de sorprehmder cer-'
tos segredos ; apressemo-nos, minha se-
nhora.
Por que r*zlo esse tora gelado ? por
qOa Dio aa chamas Aurora ? Ests zan-
gado commigo?
__ Apressemo-no, Aurora, apressemo-
nos.
Obe.lejo te, meu qu-rido Felippe,
9bedecer-te-hei seopre! Ah ten a nossa
queridinha, tomt a, j nao est em s*-gu-
ranja coajtnigo. A minha carta dev ter-
te instruido,
urna infamia.
Ella estendeu a crianja, que dorma en-
volvida em urna roupa de pelles e seda.
Lagardire recebeu-a sem dizer urna pa-
lavra.
Deixa-me beijal-a ainda exclamou
a pobre rali solucando ; entrega m'a, Fe-
lippe. Ah julgava que o meu corajlo
era mais forte sabe Deus quando torna
rei a ver minha filha.
As lagrimas abafaram-lhe a voz.
Lagardre sentio que lhe estendia um ob-
jecto br*n<-o e perguntou lhe :
O que isto ?
Bem sabes. Mas ests to perturba-
do como u, meu pobre Felippe. Sio as
paginas arrancadas ao registro da capella ;
todo o futuro de nossa filha I
L-gardre pegm nos papis em silencio.
Tema fallar.
Ofc papis estavam em um enveloppe com
o carimbo da capella parochial de Caylus.
No momento em que os recebia, um
som de corneta plangente e prolongado ou-
vio-se no valle.
Deve ser um signal, exelamou a me
nina de Caylus, fog, Felippe, foga I
Adeus disse L .gardra, represen-
tando o seu papel at ao fim para nlo es-
magar o corajlo da joven mli : nada re-
eei.s, Aurora, tua filha est em seguran-
ja. *
Ella levou-lhe a mo aos labios e bei-
jou-a ardentemente.
A no tf disse ella por entre as suas
lagrimas.
Depos fechou a janelb e desappareceu.
VH
llenn contra vate
Er cor eff ito um signal.
Tres homens, traaendt cornetas de pas-
tor estavam postados na estrada de Arg-
a, qu o duque de Nevera devia seguir
para ir ao castello de Caylus, onde o i-ha-
navara ao m-smo tempo uma'earta sup-
plice de sua joven es pona a a insolente inis-
iva do cavalheiro de L-gardero.
O prim-'iro homem devia tocar a corneta
no momento em q e Nerers passasse Cla-
rab lu o s-'gundo quan lo entrassa na flo-
resta, e o terceiro. quando -ohegaste s
prinieiras i-asas da aldea de Tarridos.
Havia ao longo d'cste caminho exoellen
tes I g r.-s pra comni'tter-sa um assassi-
nats. M s Felippe do Gonzaga nlo linba
(o de at .car de frente. Quera
>nr o s-a liuuc.
sabendo que a dominava e que esta alo
podnria escapar-lhe, era mesmo procura-
va oceultar o casamento, que tornou so pu
blieo em todo o districto.
Correram os preg8cs, tanto em Corbig-
ny como em Paris.
Havia momentos em que Gabriella jul-
gava que ia ficar louca e tinha chegado ao
ponto de realmente.desejar a loucura, como
um meio de evitar aquella vergonha...
For varias vez-s, aconteceu lho perdsr
de tal modo a nojlo das cousas, que, ao
n-c brar a razio, pareca encontrar-lhe so-
lujoes de continuidaJe.
Tres ou quatro das depos. que chegara
a Bos Tordu dias que havia passado em
urna especia de lethargia o marquez man-
dou pedir-lhe que di.-a,:esse a sallo.
Embora se sentase to doente que mal
poda cons-'rvar sa em p, obedeceu.
Norberto ulo podia estar s; l estava
tambera um hornera quo coraprimentou
GabrielU, respeitosa e amavelmente.
O Sr. Samuel, dono de urna casa de
modas em Pars e que lhe traz seus vesti-
dos de noivado, minha cara G*briella, disse
Norberto. Tonha a bondade de experi-
mntalos. .. O Sr. Samuel est i suas
urden 8.
Samuel passou a ralo pelas soijas, exa-
minou Gabriella cora um olhar, e, acto
continuo, coinprmentou-a inulinando-se
at o chlo.
Cinco ou seis vestidos magnficos esta-
vam espalhados pilas cadeiras e sof: o
vestido da noivado, com o enmprid veo
e grnalda deflires de laranja : o vestido
simples cora qua Gibriella ilvia viajar
depois da ceremonia j o vestido de baila
enfetado de fl .res e rendas preciosas, ele-
gante e decotado; o vestido mais serio
para as visitas ; o vestido para ir opera ;
o vestido ilos dias de rec-'pjlo...
E Samuel caroplacentementa presenta
va cada um dos ricos vestuarios, fazendo-
l.io sobresahir o valor a Gabriella, que
nem sequer o ouvia.
Narberto approximou se lhe e em voz
baixa :
E' prenso I d838 elle...
Entlo, machinal nente, como victima
resignada ao sacrScio, prestou se a expe-
rimentar os vest tos sem dizer urna pala-
vra, se n mostrar qual o seu gasto, a sua
opinlo.
Todo aquello luxo nlo tinha podido des-
pertar-lhe agarridice.
De tsrapos era tempos, Samuel, cujas
perguntas .tL-avam sera resposta, dizia cora-
sg >, un pouco admirado daquella scena
eotranha :
Eis urna futura marqueza, que nlo
ser alegre I
Samuel empregou o dia inteiro em ra-
tocar os vestidos e depois retirou-se.
Quando Gabriella voltou para o quarto,
acbou sobre u-u aparador, sobre urna mesa
de trabalho, sobre a cama, por to J-i a par-
te, urna profuslo de diamantes, collares,
anneis, braceletes, osmeraklas, saphras,
aghatas, topazios, opalas, turquez is, ame
tnystas; pelas janellas abertas o sol derra-
mava ondas de luz sobre aquellas riquezas,
que despeJiara seintillajSes vermelhas,
verdes, azues, que offuscavam...
Gabriella fechou as palpebras para nlo
ver, mas diante de seus olhos contiauaram
a brlhar as joiap, com maior fulgor... '
Por um momento tudo esqueceu !...
Reappareceu a mulher... essa mariposa
que tantas vr.-zes vai sa queimar na luz...
Passou-lhe pelos labios um vago sorriso
de admirajlo e tocou com os dedos tr-
mulos niquelles nbjectos tentadores.*. Nlo
lhe partencia tudo aquillo e nlo tinha o
direito de usar daquellas joias, j que era
rica?
Aquellas pedras emittiarn brilhos que
par- ciara reunir se em urna s charama,
que fluctuava-lhes p >r craa, o onda con-
funda n-sa o encarnado vivo dos rubis, o
azul puro das saphiras, o verde das esme-
raldas, o amarello dos topazios, o roxo das
r.roetnyst-.is e o vermelho escuro e violceo
das granadas.
- Como isto bello! murranrava ella
fascinada, como bello I...
Com as ralos nervosas ora prenda nos
louros cabellos um enfeite de diamantes,
ora tirava o para substituilo por um dia-
dema digno de figurar na fronte de urna
rainha
E, olhanlo-se ao espelho, que reflectia-
Ihe o rosto gracioso :
Assenta-me perfeitamente I... como
estou bella!...
Mas, da sbito, vio no espelho, ao seu
lato, a imagen de Norberto, que acabava
de entrar da manso.
Empalli leceu e, reunindo todas as pero-
las, collares e diamantes, atirou-os aos ps
do marqu>z, com um moviraento de cole-
ra, envergnhada de um momento do fra-
queza.
Nunca me ver com estas joias I
Quem sabe ? ser pena, porque es-
tava encantadora I... dUsa elle, com um
olhar apoixonado...
Sua preaenja me odiosa, e o se.
nhor deveria poupar-me esse sacrificio.
E' preciso, entretanto, que se habi-
tu a ver-jne, j que estamos destinados a
viver juntos, daqui por diante.
Ser isso passivel, meu Deus, excla-
mou ella com urna especie do desvario...
Nlo; sem-lhante crime nlo se realisar;..
e de
O assassinato devia chamar-se vinganja
e passar, por bem ou por mal, por conta
do Caylus-Ferrolho.
Eis o nosso bello Lagardre, o incorri-
givel batalhador, o louco, a primeira espa-
da da Franja e de Navarra, com ama
cranja de dous annos noa brajos.
Estava, conven jara-se, muito embaraja
do com a sua pessoa ; pegava a crianja
sem geito, balan java-a as mos, pouco
acostumadas aquelle novo ofi io. S tinha
urna preoccupajlo neste mundo : era de
nlo acordar a cranja I...
Do, do I ... dizia elle com os olhos
hmidos, mas nlo podendo deixar de rir-se
Dessera mil a todos os guardas do cor-
po, seus antigos camaradas ; nenhum te-
na adivinhado o que aquelle tarrivel bata-
lhador fazia naquelle momento na estrada
do exilio.
Estava todo entregue sua misslo de
ama secca : olbav. para os ps para nlo
dar solavaneos cranja, que dorma ; b
desejava ter urna almofada de penn s em
cada rolo.
Um segundo signal mais] prximo sol-
tou a sua nota pUngente no silencio da
noite.
Que diabo isto diise comsigo La-
gardre.
M*s olhava pa"a a pequea Aurora. Nlo
ousava beijl a. Era ura entesinho lindo,
claro e corado ; as palpebras fechadas dei-
xavara ver os longos cilios de seda que
herdara dn sua mli. Um aojo, um lindo
anjo : Daus adormecido. Lagardre esou-
tava-lhe a respirajlo tilo calma e to pu
ra ; Lagardre adrairava aquella calma
protunda, aquelle repouso que era um lon-
go sorriso.
E esta alma, este repouso, dizia elle
comsigo, no momento em que sua ralichi
r, no momento em que seu pai... Ab !
ah interrompeu, iso vai mudar as cou
sas. Confiaran) urna cranja a este louco
de Ligardre... pois bem, para defender
a cranja voltalhe o juias*
Depois continuou :
Como isto dorme. Em que poder
pensar esta pequea fronte coroada cora
as suas raadeixas anglicas ? E' urna al-
ma que est l dentro ; nina mulher capaz
de encantar, ou de amar e de soffrer...
E depois :
Como deva ser bora ganhar pouco a
pouco, forja de cuidados, forja de ter-
nura, o amor dessas creaturnhas, espiri-
tar Ibes o sorriso, esperar a primoira oarl-
cia, a como deve ser fcil dedicar-ae a gen-
te toda inteira sua felieidade !
E mil outras loucurss que a maior par-
te dos homens de bom sens nlo poderiara
encontrar. E mil ingenuidades ternas, que
fariam sorrir os homens, mas qua teriara
feto chorar todas as ral'i3. E, finalmen-
te, eta palavra, esta ultima paLvra, par-
tida di fundo do corajlo como-um acto de
usntricjlo.
Ah nunca carreguei em meus bra-
jos urna cranja.
Naquelle momento, o ter.-eiro signal par-
ti de traz das cabanas da al lea de Tar
rides. Lagardre estremeceu e despertou.
Sonhara que era pai. Ura passo rpido e
sonoro f-z se ouvir do Udo opposto da es-
talxgem da Macl do Ado.
Nao podia confundir se cora o andar dos
bebados que all estavam ha pouco.
Ao primeiro rui lo daquellas pasjos, La-
gardre disae comsigo :
- E' elle I
No fin de um minuto apenas, Ligard
re, que adirnbava agora que aqu-ll< ques de corneta no valle, no basqu i e na
montanha eram para Nevera, vio-o passar
diante do morrlo que illurainava a imagem
da Virgem, na estrada da ponte.
A bella cabeja de Felippe de Nevers,
pensativa, apezar d* joven, ficou Ilumina
da claramente durante um segundo ; de-
pois nlo se vio mais do que o negro vulto
de um hom-m de estaturi altiva e elevada,
depois o homem desappareceu.
Nevers descia os degr da pequea
escada colloi-ada na borda do fosso.
Quaudo tocou o solo do fosso, o Pari-
ziense sentio que elle collocava a espada
na rolo e que murmurava entre dentes :
Dous homens com tochas nlo eram
de mais aqui.
Avanjou tai-ando. Os montes do feno
dispersos p lo chlo faziara-n'o tropejar.
- Dar-se-ha o caso que aquelle diabo
da Lagardre me quera fazer jogar a ca-
bra cega, disse elle com um pou;o de im
paaiencia.
Depois, parando :
Hola Nao est aqui ninguem ?
Estou eu, respondeu o Pariziense, e
approuvessse a Deus que estivesse s.
Nevers nlo annuio absolutamente se-
gunda parte desta pergunta. Dirigio-se
vivamente para o lugar de onde tinha par-
tido a voz. .
Mos obra, o*\valheiro excUmcu
elle, encost smente o ferro para qua eu
saiba onde est. Nlo tenho muito tempo
a dar-lho.
O Pariziense continuava a baloujar a
cranja, que dorma cada vez melhor.
E' preciso primeira que me ouja, Sr.
duque, disse elle.
Norberto fez ura gesto de orgulbo
desprezo.
Dentro do quinze dias ser mi-
nha mu'her 1 Amo-a, Gabriella, o todos
os dias augmenta-se o meu amor, porque
todos os dias acho-a bella,' adoravel entre
todas... Amo-a, Gabriella, a ponto-de tudo
esquecer projectos de ambijocs, do glo-
ria, de8ejos de luxo, de fortuna... Nin
guem a po leria amar mais do que eu, pois
que meu amor criminoso... Nunca amei
como agora... Gabriella, oihe para mim -a
senhora eulouqu- ce-rae I
E deixou-se cahir aos ps della, humil-
demente.
At entlo, Gabriella nlo o havia acre-
ditado... julgava qua elle raentia.
Da sbito, pore, vio distinctainonte o
que se p issuva no corado daquella ho-
mem.
O amor tal vez o tivosse tocado 1...
Entlo approximou se do marquez,
olhou-o de frente, fixameute, com urna
persistencia singular...
Se amava-a, ialvez ahi eitivvsse a sal-
vacio !
Assim, disse ella, diz que me ama ?
E amando a corro ura perigo de
morte, porque aquelle de quem dependo
e quo lanjou me no seu caminho, dis-
sc-rae ;
Principalmente, tenha cuidado em nao
se apaizonar por ella !... Disso depende
sua vida I >
Se fosse verdade o quo diz, nlo
quereria tornar me infeliz I... Como acre-
dtalo, j que me tortura 1
Amo-a, Gabriella; quando veio o
amor j o crime tinha sido commettido ; o
amor, nasceu demasiado tarde.
Mas eu nlo posso amalo !
Nlo diga isso, Gabriella, far-me-hia
enlouquecer... O ttropo apagar suas
recordajoes. Esqueccr.
O tempo tornar meu odio mais profun-
do, torn-ando mais amargos os meus peza-
res... Nlo tenha illusoes... Nunca
esque'-erci !
Norberto ficou ura momento com a fron-
te inclinada... De repente, levantou-se.
Estava extremamenta agitado ; foi exami-
nar as portas para assegurar-se de que
ninguem poderia ouvilo e, voltando para
junto de Gabriella:
E se eu lhe provasse que nlo sou
to criminoso como par'jo ; que cedi am-
bicionando sua fortuna, a um momento
de lou :ura ? Sa lhe dissesse : Gabriella,
abandonemos ambos esta riquezo, que
a causa de tillo; f lijamos em corapanbia
de sou pai para longo, o mais longe que
puderraos. .. Ob I emquanto eu ldr ir-
te, nlo soffrer miseria... Se lhe disses-
se isso, para provar-lhe que amo-a, es-
queceria o passado ?...
Se deixassa meu pai partir, pro- ^
metiendo protegei-o ; se me restituissfa
liberdade, sim, eu esqueceria...
E dexaria que en a amasse? Amar-
me hia?...
Gabriella re;uou, como nlo podendo
vencer o horror que sentia,
N3o, disse ella, isso uunca !
Lembre-ae Gabriella, que um pou-
co de ser. amor mudara minha vida l
Amo... ,Bem sabe aque.m!...
Norberto fez ura gasto do colera.
Valentim Sabe que sou capaz de
mtalo .'... Mais um crime... o que
isso ?
Oh I saber defender-se... E' ra-
lente 1
Norberto levantou os hombros com des-
prezo.
A janella estava aberta de todo.
O sol continuava a brilhar no co adml-
ravelmente puro.
Os passaros chilreavam no jardim.
Ouvia se, na areia da alameda, um pas-
so lente e pesado.
Era Bertara que passeava, de costas
para a janella.
Norberto proseguio, em voz baixa e pre-
cipitada :
Gabriella, a senhora poderia impe-
dir me de cahir no crime,.. Olhe, Ga-
briella... tenho as mos a sua vida e a
de seu pai, como um aia erei a de Va-
lentim...
Tirou do bolsa o rewolver, que nunca o
deixava, e engatilhou o...
Bertara tinha parado a vinte metros de
distancia perto de urna moita e estava cor-
tando ura ramo de lilazes...
Nerberto apontou-lhe o rewolver...
Veja se minha ralo treme...
Estava to calmo como se estivesse em
urna sala de tiro...
Gabriella fechou os olhos... paluda
como urna defunta...
Bertara continuou seu passeio e eiacc
minutos depois desappareceu no fim da
alameda...
Um mclharuco. de cabeja negra, pu-
sou sobre o raesmo galbo, donde Bertara
tinha colhido urna flor. ..
Desafio a persuadirme disto, inter-
rompeu Never3, depois da carta que rece-
bi esta manhl.
Vejo-o agora, oavalheiro, em guarda.
Ligardre nlo tinha pensado em des-
embaraar a espada, que de ordinario sal
tava s para fra da bainha : pareca ador-
mecida como o lindo anjo que elle tinba
nos brajos.
Quando lhe mandei a minha carta
desta manhl, disse ello, igoorava o que sei
esta noite.
Oh I oh 1 disse o joven duqua com
um tora irnico ; vejo que nlo gostaraos
de bater-nos s escuras.
Dnu um passo com a espada levantada.
Lagardre desembainhou a,espada, di-
zen lo:
Ouja-me nicamente !
Para continuar a insultar a menina
de Caylus, nlo verdade ?
A voz do joven duque tremia de colera.
Nlo, dou-lhe a minha palavra ; quo
ro dizer-lhe. .. Que diabo de homem in-
terrompeu, aparando o primeiro ataque de
Nevers ; tome cuidado !
Nevers furioso julgou que gracejavam
cora elle. Cabio a fundo com toda a for-
ja sobra o seu adversario, a atirava lhe
botes sobre botes com a prodigiosa viv-
cidade que o tornava to temivel quando
se batia.
O Pariziense parava, a principio, sera res-
ponder. Depois, coroejau a recuar, pa-
rando seropre, e todas as vezes que atira
va para a direita ou para a esquerda de
Nevers, repeta:
Ouja-me I Ouja-me I Ouja-me !
Ndo, nlo, nlo I respondeu Nevers,
acompauhundo cada resposta com urna for-
te estocada.
A' forja de recuar, o Pariziense sentio
se preso de encontr parede. O sangue
suba lhe cabeja. Resistir tanto tempo
em retribuir urna estocada, eis o herosmo I
Ouja-me, disse elle ainda urna vez.
Nlo, respondeu Nevers.
Bera v que nlo posso recuar mais I
disse Lagardre com acceto de tristeza que
tinha o seu lado cmico.
Tanto melhor, replcou Nevers
Qua raio de homem I exclamou L--
gardre, ser preciso abrr-lhe o crneo
para impedir de matar sua filha !
Estas palavrss prodaziram o effeito de
ura raio.
A espada cabio das rolos de Nevera.
Minha filha rapetio elle ; minha fi-
lha em seus brajos I
Lagardre tinba envolvido no manto a
sua preciosa carga.
Depois de ter saltitado, da um lado e
de outro, soltou alguraas notas que termi-
naram por um gorgeio suave, em que pa-
reca fallar comsigo raesmo. ..
Machinalmente, Gabriella abri os
olhos.
O canto desse passaro incommada-
me. disse o marquez.
Apontou-Ihe o rewolver durante um se-
gundo o fez togo. A cabeja saltou es
migalhada.
Um instante, o mclharuco decapitado
ficou immovel sobre o ramo. Depois
desprenderam-se-lbe as patas e cabio pesa-
damente. .
O marquez tornou a guardar o revol-
ver.
Gabriella, disse elle, promette reflec-
tar ?. .
Para salvar meu
pai,
consent om
i
'I
ser sua mulher. .. Quanto ao meu amor...
nlo... mas o meu odio sempre! Meu
odio, emquanto ti ver urna palavra para
dizer-lh'o.. .um olhar para dar-lh'o a en-
tender. .. meu odio 1 emquanto me reatat
um sopro de vida !
Norberto suspirou e ficou calado, um
minuto.
Assim o ter querido disse elle.
Coraprimentou-a e sabio.

{Continua) i
as trevas, Nevers julgara at entile
que o Pariziense servia-se do manto enro-
lado no brajo como de um escudo. Era c
costume ; o sangue gelouse-lbe as veas,
quando elle se lembrou dos botes furiosos
que tinha atirado ao acaso. A sua espada
poderia ter...
Cavalleiro, disse elle, um louco, co-
mo eu e tantos omros, mas um louco de
honra, um louco de valenta. Se me dis
sessem que se tinha vendido ao marquez
de Caylus, dou-lhe a minha palavra que
nlo o acreditara.
Obrigado, disse o Pariziense, canja-
do como um cavallo vencedor, depois das
corridas; que chuva do mlpes I E: uta
moinho de estocadas, Sr. duque.
Dme a minha filha ,
Dizendo isto, Nevers quiz levantar o
manto. Mas Lagardre fez-lhe abaixar a
mo com urna pequea pancada.
De vagar! disse elle ; olhe que a
acorda-----
Mas ao menos diga rae...
Qua diabo da homem I nlo quera
deixar-me fallar, e agora quer obrig<.r-rne
a contar-lhe historias. D-lhe um beijo,
ande, mas devagarinbo.
Nevers fez machinalmente o que lhe di-
ziam.
J vio alguma vez era urna sala d'ar-
mas um torneio como esta ? perguntou La-
gardre, com ura orgulho ingenuo; sus-
tentar um ataque a fundo, o ataque de
Nevers eucolerisado, sem responder urna
nica vez, com urna cranja adormecida
nos brajos, com umacrianja que nlo acor-
da 1
Era nome do co supplcou o joven
duque.
Diga ao menos que foi ura bonito
trabalho I Com os di.bos I estou alagado.
Quera s >ber, nlo verdad ? Basta de
beijos, pap deixe-noa agora. Somos j
amigos veihos, a pequenina a eu. Aposto
cera pistolas, e os diabos me levem se as
tenho I em como vai sorrir para mim quan-
do acordar.
Cobrio-a de novo com a ponta do manto
com um mida-do e urnas preo-.ujB'S que
nem sempre t n a* amas. Depois deitou-a
em tima di feno, dehaixo da ponte en ;oa
tada muraltia.
Sr. duque, accresoentou elle, reto-
mando a sua expresso seria e maseula ;
sob a minha palavra, respondo por sna fi-
lha, acouteja o que .acontecer. Fazmdo,
expi tanto quanto em mira cabe a falta de
ter fallado levknamente de sua rali, que -
uma boa, urna nobre, Urna santa mulher.
Typ. do Diario roa Duque de Gaxas n. 42.
r
f
f
7

f
t