Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18672

Full Text
AJINO LIII JOMEfiO 98
>

ft

>



PARA A CAPITAL E LlfiABES OMDE MAO B PAGA PORTE
Por tras meses adiantados...............
Por seis ditos dem.......... ......
Por od auno dem.................
Cada numero avulso, do mesmo dia. -.......
1*10000
23,5000
*100
QDOiTA-FEfiA 23 DE ABE DE 1887
PARA DENTRO B FORA DA PROTISCIA
Por seis mezes adiantados.............
Por nove ditos idem................ ,
Por uro anno idem................
Cada numero avulso, de das anteriores..........
13^500
20,5000
27C00
dioo
DE
NAMBUGO
Pr0pric>alrc te JHaturl jueira >e -tarta 4 Styos
TELEGRAMAS
::s?:;: :asiic:ls so diabio
RIO DE JANEIRO, 27 de Abril, a
2 horas e 35 minutos da tarde, (Recebi-
do s 4 horas e 35 minutos, pelo cabo sub-
marino) .
s. M. o Imperador uhane melbor.
Recreasoa da faienda Aguas Cla-
ran e ehegon boje a eaia Cdrie.
Kfrciiunii-e boje a prlmelra
o preparatoria da
ral i.i'ai<.iaiiva.
Eatlveram prestente*. 31 depata
dos e IV senadores.
PARAHYBA, 27 de Abril. (Recebido
s 4 horas e 50 minutos da tarde.
' MesiM- boje para Pernamfouco o va-
por IPOJUCA.
ses-
snembiea Se-
ssa7i;:
DA A*2SC1 3A7AS
(Especial para o Diario)
PARS, 27 de Abril.
O exame dos autos da questo
Hcbaoebel exigir alguna dias.
Agenrsia Havas, filial ejn Pernambaoo,
27 de Abril de 1887.
INSTRCCO POPULAR
ELECTRIC1DADE
(Extrahido)
DAS ESCOLAS E OA BIBLIOTHECA DO POVO
Oto electbico. Tubo e o.uai>ko
effeitos calobifiow, mbch4si-
PlBTOLA DE VOLTA. EoDIOMK-
EIECTBICIDAOE ESTTICA
CAPITULO X
EfPEITOS PHrSIOLOOICOB DA ELECTRICIOADE. ErEl-
TOS LUMINOSOS.
scnrru.LAHTS.
C08 E CHIMICOS.
TK0.
IConttnuago)
O tubo scintlante um cyliadro eo de vidro,
de am metro de eomprimeuto proximamaate, ua
superficie do qual esto c-Hocadas pequeas la
minas de tolha de estanto, em i oran de lisonja,
dispostas em hlice, e apenas separdas entre si por
pequemisimas soiuces da outinuidade. As ex-
tremidades do tubo sao guarnecidas por virolas de
lati que commanicam com as iolhas de estanto ;
urna desta virolas termina em forma de gancho.
Tocando com este no conductor da machina el-
ctrica, e segurando o tubo pela outra cxtremidade,
muitaa taiscas se produsiro ao mesino teinpo em
cada soluco de cootinuidade, daudo ori^era a um
brilhante rastro luminoso, que melhor se observa
na obscuridade.
O quadro scintlante outra applicaco do mes-
mo principio. Consiste n'uraa lamina de vidro,
sobre a qual collada urna longa fita de folba do
eatanho, disoosta a semelban^i de urna pauta, cada
urna das linhas da qual estivesse ligada por urna
das suas extremidades linha immediatameate
superior, e pela outra a wnuiediatamenre inferior.
Sobre esta rita deseuha-se com um eauivete qual
qaer figurA, que fica repri sentada par solucoes de
cootinuidade, em que se proluzr luz, logo que a
primeira liuha esteja em coutactu com o conductor
Ha machina elctrica a a ultima tenba commuoi-
caco com o s->l..
A faisca elctrica > So origina lux; tambero
prods calor, ecil* iuieuso que pode fundir
todos os corpoi, aiii la > s uiais refractarios. A des-
carga de nma garrafa de Leyde suficiente para
determinar a iuflam.uacao do alcool e do ether. A
descarga e urna batera n'um fio de platina ou de
ouro eleva-o a t> alta temperatura que o fas fun-
dir e volatilisar. Os phenomenos desta ordem tcem
o nome de effeitos calorficos.
Effeitos inechanicos sao as fracturas e expan-
sea violentas, o transporte de partculas, etc. A
falsea elctrica fura-laminas de vidro, despedaza
a madeira e a pedra produz a eipausa dos gases
e dos lquidos. Os effeitos mchameos da electri-
cidade demonstram-se por meio de curiosos apria-
relhos, que o redolido espaco de que dispomos nos
nao permitte descrever nesta lugar. Citares js,
entre ontros, o tura vidro, o fura cartas e o tber-
osometro de Knnersley.
Effeitos chimiecs da eiectricidade sao as com-
binaces e decomposicoes determinadas pela pas-
sagem da faisca elctrica atravez dos corpos. A
eiectricidade estatic* decompe o hydrogenio car-
bonado, o ammoniaco, o acido sulpbydrico, etc. ;
rpas os effeitos cbimicos da eiectricidade dynami-
ca sao muito mais enrgicos e variados.
A pistola le Volta serve para demonstrar os
effeitos cbimicos da faisca elctrica. E' urna caixa
de lata, que contem urna mistara de duas partes
de hydrogenio e urna de oxygenio : i caixa per-
fectamente fechada por nma rolha de cortica. Urna
sposicao particular faz com que no interior da
caixa possa prodazir-se urna faisca elctrica, que
determina a corabinaco dos dous gases. Como
esta combinacao acompanbada por um grande
desenvolvimento de calor, o vapor d rgua na es-
tado nascente adquire to grande forc* expansiva,
que tas saltar a rolha a distancia, com grande es-
tampido.
O eudiometro, apparclho usado, em chimica, para
faser analyse dos gazes, tambem fundado sobre
os effeitos cbimicos da faisca elctrica.
( Continua. )
forem postas.- Remetteu-se copia desta portara
aosjoizes de direito, municipaes e promotores
pblicos.
EXPEDIENTE DO DLA 26 DE MASCO DE 1887
Acto :
O presidente da provincia attendendo ao que
requereu Gaspar do Nascimento Rigueira Costa,
professor de ensino primario em Rio Formoso e
tendo em vista a nformacao n. 36 do inspector
geral da Instruccao Publica, resolve coaceder-lhe
tres meses de licenca sem vencimentos para tratar
de sua saade ende Ihe convier.
Officios:
Ao barao de Nogueira da Gama, mordomo
da Casa Imperial.Em resposta ao .officiols'
do corrente, transmuto a V. Exc. a carta i> usa
de 2i na qual, ao secretario desta provincia, l -
clara Augusto Hygino de Miranda, pido l>if
Tito Hygino de Miranda que alear da importancia
da psssagcm julga precisa a meusalidadel i >
francos para a educacao musical na Europa, l <
referido menor.
Ao presidente da provincia de Alagois
Rogo a V. Ex. se digne providenciar para que seja
remettida a guia do sentenciado Manoel Bezerra
Moura de accordo com o que informa o presidente
do Tribunal da Relafio do Recife no efficio de
29 da corrente mez. sob n. 2760, cuja devoluco
solicito juntamente com os do juiz de direito do
2. districto criminal da comarca desta capital,
director do presidio de Fernando de Noronba o
requerimento do mesmo sentenciado.
Ao Dr. chefe de polica Informe V. S. so-
bre as duas locaes da Provincia de 25, VioUnciat
policiaet e Surrado na cadeia.
Ao inspector da Thusouraria de Fazenda.
Remetto a V*. S., para seu conhecimento e fins
convenientes, copia do aviso de 16 do corrente, n.
15, expedido pelo Ministerio da Agricultura Com-
mercio e Obras Publicase om relacao ao angmento
do crdito votado para as despezas do tratego das
estradas de trro do Recife ao S. Francisco e a
Caruar, e bem assiin, para que construeco das
mismas estradas seja applicado o restante do
crdito da tabellaC-parte 1.* da lei 3311 de 16
de Outubro de 1886.
Ao mesmo.Declaro a V. para seu conhe-
cimento e fins convenientes, que o Exm. Sr. mi-
nistro da fazenda, segundo communiuou-me por
aviso de 15 deste mez, resolveu que o 1. escriptu-
rario da Aifandega desta provincia, Joilo Manoel
de Fre tas, continu a servir como addido na da
Babia, com ordenado na forma do art. 19 da le
n. 3313, de 16 de Outubro do anuo findo.
Ao mesmo.Communico a V. t., para os
fina convenientes que em 17 do correte mez o
padre Francisco Adelino de Britto Dantas assu
mi o exercicio dos logares de capello e profes-
sor de primeiras lettras do presidio de Fernando
de Noronha
Ao presidente do Tribunal da Relacao do
Recite. Transmuto a V. Exc. o requerimeuto
em que o seotnciado Francisco, solicita habtas-
corpiu do Egregio Tribunal da Relaco.
Ao collector das rendas geraes do municipio
de Pauellas.Devolvendo a Vmc. o accordo a
ciue se refere o officio de 11 do correte, declaro-
l'be, em solucio ao de 16 ue Fevereiro, que tendo
havido reclamaco dos interessados para o jaiao
de orpbaos acerca da classificacao approvada em
30 de Novembro do anno passado, e bavendo sido
ellas attendidas, cumpre a Vine, proceder ao ar
btramento dos valores dos escravos preferidos ;
visto qne o acto de approvacio das classificacoes
por parte desta provincia nao iuapede o recurso
judiciario de que trata o art. 34 ao Regulamento
de 13 de Novembro de 1872.
Mulatis mutandts ao juiz municipal da co
marca. .
A' D. Leonor Porto presidente da sociedade
Ave Libertas. Dou conhecimento a Vmc. do
aviso sob n. 4, de 16 do corrente em que o Exm.
Sr. ministro da Agricultura, Commercio e Ob'as
Publicas declara a esta presidencia que, nao ob-
stante as garantas offerecidas por essa sociedade,
nao podem, era vista da lei, ter postas 4 sua dis-
po8ca i as quotas do fundo de emaucipaco, que
hajam de caber ao municipio de sua sede, para
que as faca applicar por seus proprius estoico.-*.
com o fim de obter maior numero da alforrias.
Portaras:
Respondo ao officio de 14 do corrente mes,
d< clarando Cmara Municipal de Game'leira
que nalla a eleicao do presidente, desde que nao
foi observado o que se lhe reccmmendou por offacio
de 25 de Fevereiro fiudo, pois a Cmara nao pode
se coostituir com tres vereadores, chamando um
suppleute com pretenco dos vereadores efectivos,
pelo que cumpre proceder de nova referida elei-
cao, excluindo o suppleute que nao tem direito a
ter assento na Cmara. Quanto s arrematacoes
a que se refere no predito officio, dever a Cma-
ra trazel as ao meu conhecimento para se exami-
nar si esto no caso de ssrem approvadas.
Responndo ao officio de 8 de Janeiro ultimo
declarando 4 Cmara Municipal do Ex que ha-
vendo falta de vereadores em numero neceas ario
para eelebrarem-ae as sessoes (art. 22 4 a lei
de 9 de Janeiro de 1881) poder chamar um sup-
plente que substitua o rmi impedido por ter ou-
to mais votado com assento na Cmara ; cuin-
prudJ-se o art. 28 da lei dj 1* de Outabro de
1828 confjrin- a consulta de .-ecca j do imperio do
conseibo de estado de 9 de Abril de 1886, que
acompanha o aviso de 17 do mesmo anno.
^
/ARTE FFICUj
lioverao da Provincia
EM ADDITAMHHTO AO BXPEDIENT8 DO DIA 18 DE MASCO
DE 1887.
Acto:
O presidente da provincia, tendo em vista o
dispoatono art. 11 2* da lei n. 2033, de 20
de Setambro de 1871 o art. 14 2.' do Regola-
ment n. 4821 de 22 de Novembro do mesmo
anno, resclve determinar qne se obser/e a tabella
anaexa 4 esta portara, fixando a ordem da proxi-
midade reciproca de cada comarca, pela qual se
regsla' a competencia dos respectivos jnises de
direito para o julgamento das suspeicoes que Ibes
EXPEDIENTE DO DB. SECRETARIO
Offisios :
Ao inspector do Thesouro Provincial O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
niear a V. S., para os devd' s effeitos, que nesta
data proferia o seguinte despacho no recurso m-
terposto pelo procurador da irmandade de San-
t'ADna. erecta na igreja da Madre de Dus, do
qual se oceupou sua nformacao de 16 de Feverei-
ro ultimo, n. 441 : Neg provimento; ex-vi do
art. 6 da le n 1786 de 26 de Julho de 1883 e
arr. 28 da lei n. 1810 de 27 de Junho do auno se-
guinte. *
Ao juiz municipal e de orpbos do term > do
Brejo.Le ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia declaro a V. S. que nio pode ser reprodu-
zida na imprensa desta capital a copia do edita)
annexa no seu officio de 6 du corrente poique no
mesmo nao est designada a disposicao legal que
co:n os officios de escrivo de orpbaos, ausentes,
capel las e residuos desse termo, coforme exige o
art. 155 do regulamento n. 9420 de 28 de Abril
de 1885.
Outrosim, o mesmo Exm. Sr. manda lembrar a
V. S. que nao era preciso expedir ordem para que
procedesse ao concurso dos ditos officios, porqum
to easa providencia devia ser dada por V. S. logo
3ue elles vsgassem, como expresso no art. 150
o regulamento citado. Chamando a attencao de
V. 8. para as dispoMCoes do referido regulamento,
decreto de 30 de Janeiro de 1834 e leis provin-
ciaes ns. 617, 1398 e 1622 juntas por copia, re-
eommeodo-lhe que aflixe novo edital de aecordo
com as citadas disposicoes legaes.
Ao director do presidio de Fernando de No-
rouh >.De ordem do Exm. Sr. presidente da pro
vincia aeccoso recibido o offi>i> n. 114 de 18 do
corrente em que V. S. commuuica ter assomido o
exercicij de anas funecoes o c .peli&o e protesior
de primeiras lettras padre Francisco Adelino d
Rritto Dantas.
EXrBDIBSTC DO DIA 28 DB MABOO DE 1887
Actos:
O presidente da proviucia teudo conheci-
mento de que, em virtud da disposicao do capi-
tulo 1 $ 39 da tabella de itl de Abril de 1861,
combinada com os gg 44 e 56 do art. 2 da lei u.
1860 de 11 de Ag.to de 1885, anda em vig.>r, a
secretaria da presidencia cobra a quanlia ao. ...
8736 de emolumentos das cartas de aaturaliea-
cao, expedidas de contormidade com o art. 14 da
le geral n. 3,140 de 30 de Outubro de 1882 ;
Cmsideraudo qi; a citada tabella refere-se a
portaras de gracaem cuja classe, pelos seus pro-
prios te.nn.ij, a i i pjdem estar co aprehendidas un
-cartasie n&turalisafiio, das quaes, alm dieso,
areterida tabilU al> p > da cogitar, por nao se-
rum, cuta), eijjilii pj".i presidencia;
Coasideranlo qu-s, dapiu da pr omnlgacao da ci-
tadA.il n 81J, ^abiui outra provincial deter-
mina i arre:ala;i< de quaes quer tazas ou emo-
lumentos psl pre^arj on exp-jdicSode taescartas,
estando assim, portante, a 1 egislaco provincial
de accordo com a geral, que as istnta de todo e
qualquer iinpjgto (cit*d> art. 1 4 da lei n. 3,140) ;
Determina qao cesse. desde j a cobranca da
mencionada quantia da 85736, e de outras que,
porventura, se f vincial ou municipal, a titulo de registro ou outra
formalidade legal, riianti as supraditas cartas de
naturalisacao.Fizeram-se as devidas communi-
caces.
O presidente da provine ia tendo em vista o
decreto n. 2884 de l > Fevereiro de 1862, resol-
ve abrir nm crdito da importancia de_l:000000
verba Soccorros pblicos do Ministerio do
Imperio, exercicio corrente, afim de que o inspec
tor da saude do porto poesa tazer seguir sem per
da de tempo para o lugar em que naufragou o
paquete Baha urna ou mais lanchas com gente
destinada para apanbar e enterrar os morios em
putefracco ; preveuiudo assim qualquer epedi-
mia que do estado em que se achxm as proximi-
dades daquelle lugar possa resultar.
O presidente da provincia, de conformidade
com a propoBta do Dr. chefe de polica um officio
n. 298, de 24 do corrente mes, resolve exonerar
Jos Soares Correia do cargo ,de subdelegado de
Varzea Redonda, e nomear para eubstitml-o An-
tonio Prxedes de Barros.
Officios :
Ao brigadeiro commandante das Armas.
Sirva-se V. Exc. de providenciar afitn de que s
10 horas da inanbit do dia 3 de Abril prximo se-
ja postada no theatro Santa Isabel a msica de
um dos corpos de gu&rnicao desta cidade, para so-
lemnisar o espectculo que pela sociedade Re-
creio Dramtico Familiar tem de ser dado em be-
neficio dos nufragos do vapor Baha.
Ao inspector da Tbesouraria de Fazeada.
Devolvo a V. S. para os tius convenientes os ii-
vros de matricula e avprbacoJS e as copias que
acompanharam o sau officio de 26 do corrente, sob
n. 189.
Ao rnesma. Kemetto a V. S., afim de que
teaha prompta execuc&o, copia do aviso circular
de 17 do corrate, sob n. 2, om que o Exm. Sr.
Ministro da Agricultura, Cimmercio e Obras Pu-
blicas, declara que a vista da afluencia de matri-
culas e arrolamentos durante este mez, de modo a
nao poderem ser laucados at o fim d prazo mar-
cado no art. 1- do regulainente n. 9517 de 14 de
Novembro de 1835, devem os encarregados dar re-
cibo dos documentos que Ihes forem entregues pe-
los senhores de escravo?, cuja responsabilidade fi-
car salva por este modo.
Consta do mesmo aviso que, eu errada a raatri
cu a no da e hora marcados cumpre na forma do
regulamento n. 4,835 de 1- de Dezembro de 1871,
lavrar-se termo em separado em qne se mencione
o alludido numero das relacoes iuscriptas e nao
inscriptas sendo afina! laucadas todas dentro do
prazo de 30 das.
Chamo a attencao de V. S. para o final desse
aviso.
Ao mesmo.Remetto a V. S. copia da por-
tara de boje pela qual resolvi abrir um crdito
de l.OOOOX) 4 verbaSoccorros Pblicos, afim
de que mande entregar a mencionada importancia
do inspector de Ssude do Porto, oa peasoa por
elle autorisada, para dar as providencias determi-
nadas na referida portara. Comihunicou-se ao
Dr. Inspector da Sande do Porto.
Ao mesmo.Kemetto a V. S. para seu co-
nhecimento e fina convenientes, copia do aviso
circular n. 355 de 11 do correte, expedido pelo
ministerio da mannha acerca do modo de presta-
rem con tas oa responsaveis por dinheiros que Ibes
sao abonados para determinados fias.
Ao inspector de Saade Publica.Constando
que o commandante do vapor Giqui, viudo de
(ioyanna, informa ter mandado um escaler ao lu-
bar em que foi a pique o paquete Baha, que ala-
da coaserva fra d'agua os mastareos, nao tendo
podido se aproximar pelo mo cheiro dos cadve-
res em putrefacc&o que boiam ao redor do navio,
autoriso a V. S. verificado o tacto, a faser sabir
urna barcaca, ou ourro meio de transporte, que
com gente e desinfectantes poss ir ao referido
lagar, apanhar e enterrar os mortos, de modo a
evitar exalacoes pstridas e ante hygienicas.
Ao administrador do theatro Santa Isabel-
Declaro a V. S. para os devidos fins que conced
esse theatro 4 S-iciedade Recreio Dramtico Fa-
miliar para dar um especteculo, 4s 11 horas da
mauu do dia 3 de Abril prximo, em beneficio
dos nufragos do vapor BuJiia.
MtUatis mutandis a directora do theatro
Santa Isabel.
Ao inspector do Thesouro Provincial D-.
accordo com a nformacao prestada por Vmc. em
19 do corrente, seb n. 511, autoriso-o a mandar
pagar a Antonia Hermiuo de Senna, arrematante
da obra de reparos da ponte sobro o rio Sen
nhem, no engenho Pao Ssngue, a qutata di
50*500 importancia da 2 prrstcao da mesma
obra, segundo o certificado que devolvo passado
pela repartico das Obras Publicas em 8 deste
mez, j deducida a reBponsabilidade do estylo.
Goramuncou-se as Obras Publicas.
Ao mesmo.Em resposta ao officio de \mc-
de 28 de Janeiro fiado, sob n. 398, na parte em
que tras ao meu couhecimeato a opiaiSo do conse-
ibo de compras do corpo de polica sobre o cale -
do de que foi cootractante Diogo Augusto dos
Res, tomando em cuusideracao a duvida em qus
se achou o mesmo cooselho quanto a acceitac&o do
fjrnecimento, por se encontrar no contracto a pa
lavra baerro, sem se dizer de que qualidade, po-
dendo parecer outro que nao o da amostra, atteu-
deodo :
Que se be seja verdade que no contracto de
27 de Setembro de 1886, se diga -.termo de con-
tracto de mil setecentos pares de botinas de becer-
ro, a 3g800 o parcoutulo em sua integra, Be
obrigou o c utractante a fornecer de couro igual
a amostra que ficara archivada no hesouro, seodo
esta condico reconhecida e provada por zame
competente (clausula 2a) ;
Que essa amostra que de vaqueta, e tambem
se chama bettrr da trra, igual, e mesme, em
algune pares, inferior ao calcado tornecido lexame
de 24 de Fevereiro, junto por copia) ;
Que o referido calcado duradouro, va^e mais
que o pieco do contracto, sendo como fabricado
do mesmo conro da amostra (cit. exame de trez pe-
ritos, com que foram accordes o director do Ar-
senal Guerra, Dr. procarador fiscal geral e o
chefe da 1 aecco do Tnesouro) ;
Qu9 a ex.'resso beserro do coJie?o do contrac-
to nao pode se entender senao o bexerro da amos-
tra a que o coutractante se obrigou tauto mais at
tendendo que nunca em fornecimentos anteriores
se exigi couro de outra qualidade, o que verifi-
quei pessoslmente e por -ume de peritos compa-
rando um calcado com outro, e vendo que o de...
55o0 Jo mesmo couro, porm peior manafacta-
rad i (2* exame e tambem por copia) ;
Que em relacao a este calcado, entretanto, o
oonaelbo de compras seuipre o entender aceitavel
opilando por ves>-s o Thesouro ser barato e coa
vir de preferencia iadependente de praca ou arre-
matantes, qne fosse prorogad y o contracto, como
de fxcto foi em todos os ltimos exercicos finan-
ccirus, sem opposicao e com o apoio 'do ouselho
de compra, como cousta dos documentos por mim
exigidos de Vmc. e que acompinharara o seu offi-
eio de 17 do corrente, sob n. 506;
Que assin pois, se as botinas de vaqueta ou be-
xerro da trra de 5*500 eram to boas qua dis
pensavam a concuriencia, nao podem as actaaes
de 3*800, prego pelo qual o Thesouro julgou m-
possivel do se fazer fornecimento (officio n. 325,
de 23 de Dezembro ultimo), seren hoje recusadas,
em nada sendo inferiores a aquellas outras, s
porque nSo sao de b^zerro francez;
Declaro a Vmc. que nao procede, em face da
mercadoria e do contracto, as duviJas actuaes do
cooselho de compras, e mando que seja aceita a Ia
prestaco do calcado depositado no Arsenal de
Guerra pelo contractante Diogo Augusto dos Reis
que o substituir os nova pares que, nao obstante
estnrem iguaes a amostra, foram encontrados com
defeitos, sendo considerado interiompido o praso
da 2' prestacao pelo tempo a que este incidente
deu causa.Rcnetteu-se copia ao director do
Arsenal de (narra e ao commandadte do corpo de
polica.
Ao mesmo. Declaro a Vmc. para os fins
convenientes e em selucao do seu officio n. 497,
ie 14 do corrente que ama vez, qoe a cor e qua-
lidade da fazenda sao iguaes, o que se venficou
pelo exame constante do officio, do inspector da
Aifandega, de 23 do citado mez, sob n. 132, junto
por copia, approvo o parecer do conselho de com-
pras do fardamento do corpo de polica para que
sejam acetass as propostas mais baratas que sao :
De Joo Rodrigues de Moura :
Blusas de panno tunl a 15600
Calcas de bnin pardo a 3300
De Rodrigo Carvalho & C. :
Calcas de panno azul a 8*350
Blusas de brim pardo a 4*650
De Almeida Dnarte & C. :
loneta a 1*700
Compre por tanto lavrar term-> rb contracto com
os citados negociantes cujas (impostas devolvo
acjmpanhadas das amostras de fazenda. Semet-
teu-82 copia ao eommandante do corpo de poli-
ca.
Ao administrador dos eorreios. Faca Vmc.
remetter na primeira opportunidade para o Rio de
Janeiro, oa officios juntos, da ipresideaci da pro-
vincia das Alagoas.
Ao director do Arsenal de tiuerra.- Re-
metto a Vmc. para os fins convenientes, os inclu-
sos termos de exam e consumo de artigos perten-
centes a enfermara militar desta proviucia.
Ao mesmo.Mande Vmc. satisfazer o inclu-
so pedido de urna banda de s la que para seu uso
faz o alferes do 2 batalhao d: infantaria Fran-
cisco Jeronymo Lopes Pereira.Commuoiceu-se
ao brigadeiro commandante daj armas e a Tbe-
souraria de Fazenda.
Ao director do presidio de Fernn lo de No-
rotihii.Haja Vmc. de enviar-oe os signaes ca-
ractersticos do ex-imperial mariuheiro, Laurenti-
no Mano -I da Si. va sobre quem versa a sua nfor-
macao n. 147 de 19 do corrente.
Ao commandante do corpo de policia.Ao
Dr. ehefe de policia mande Vmc. apresentar urna-
una ao meio da dnas pravas afim de conduzirem
at o termo de Gravat um preso. Couirnuuicou-
se ao Dr. chefe de policia.
Portaras :
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a S. Francisco sirva-se de maular c m-
ceder passem de l1 classe, pir conta das gratui-
tas a que o goverao tem direito, da estaco de
Uua a de Cinco Pontas professora publica de
Palmares Leonor Cavalcanto de Hollanda Chacn
e seu pai Jo o Cavalcante de Hollanda Chacn.
O Sr. engenheiro chefe director do prolon-
gamento jda estrada de ferro do Recife ao Sao
Francisco, sirva-se de mandar conceder passagem
de 1* classe por conta da provincia da estaco de
Palmares a de Agua Braaca, ao conductor do 2
districto da repartico das Obras Publicas, Pedro
Ramos Lieutier providenciando de igual forma
sobre a volta do mesmo, opportunameute.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officios :
Ao brigadeiro commandante das amas.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda acensar
o recebimento do officio de 26 do corrente sob n.
162, no qual V. Exc. participa que foram addidos
ao 14 bataiho de infantaria, ate poderem seguir
o conveniente destino as pravas constantes do ci-
tado officio, as quaes hiam de viagem para corte
no vapor Babia, que naufragou.
Ao Io secretario da Assembl* Legislativa
Provincial, Dr. Francisco de Assis Rosa e Silva.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
devolvo a V. Exc. a pericao de Maaoel Gomes dos
Santos com a nformacao junta ea original pres-
tada a respeito pela Cmara Municipal de Naza-
reth.Assim respondo ao seu officio n. 27 de 16
do corrente mez.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, transmirto a V. Exc, para os
fins convenientes, o balanco da receita e despeza
do exercicio de 1885 a 1886 e o orcamento para o
de 1887 a 1883 da Cmara Municipal de Ja-
boa to .
Ao agente da Co'npanhia Brasileira de ua-
vegacAo a vapor.Sua Exc. o Sr. presidente da
provincia, ficou inteirado pelo officio de V. Etc.
de h un tem, de que o vapor Espirito Santo eu-
trado s 7 horas da raanh dos portos do Sal, se-
guir hoja s 5 da tarde para ce do Norte at
Manos.
Ao inspector do Thesouro Provincial.O
Exm. Sr. presidente da provincia, manda commu -
nicar a V. 8., para seu conhecimento e devides
fius, qua a 24 do corrente aubmatteu 4 decisa da
Assembla Legislativa Provincial o recurso de
Ferrcira Casco & Filhos, enviado com informa-
cao desse Thesouro de 31 de Dezembro de 1885,
n. 315.
Ao commandante do corpo de polica.De
ordem d> Exm. Sr. presidente da provincia, re.iti-
tuo a V. S. dous pares de botinas que foram ret -
radas da arrecadacao, a cargo do quartel raestre
para am st ras n > exame que se procedeu eu re
laca] ao anterior farnecimenta.
Ao agente da Cimpanhia Pernambacana.
Sua Exc o Sr. presidente da provincia ficou in-
teirado pelos officios de V. S. de 24 e 26 do cor
rente, de ter essa compauhia de expedir para os
portos do ?ul at Aracaj s 5 horas da tarde do
dia 29 o vapor Mandah ; e para os portos do
Norte a 31 4 mesma hora tjacubype em sub-
stituir.) do Pirapataa por ter avariado no abal-
roaineuto com o Baha.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DE MABOO DE 1887
Acto:
O presidente da proviucia teudo em vista o
officio de 24 do corrente em que o bacharel Joo
Barbalho U ha jvalcante declarou uo poder
por ora reaasumir ojexercicio do cargo da director
do Theatro Sauta Isabel, resolve nomear para su
bstituil o provinoriameute o bacharel Alvaro
Ucha Cavalcante. -Fizeram se as devidas eom-
inunic*co*s.
Officios :
Ao brigadeiro commandante das armas.
Autoriso V. Exc. se for necessano, a mandar for-
necer s pracas de que trata o seu offijio de 26
do corrente sob n. 162.
Ao mesmo.Deferindo os requermeotos do
cabo de esqnadra Theotouio Galliao Pereira e
soldados Izid ro Fidelii Ferreira e Candida Jos
R'drigoes, estado 2o batalhio de infamara e
nquelles do 14 baUnbo da mesma arma, autoriso
V. Exc de accordo com a sua informado de hon-
tein datada, sob n. 1C7, a c .njeder-lhes baixa do
servico do exercito mediaute substituto.
__ Ao conselboiro presidente de tribunal da re-
lacao do RecifeAccusando^recebimento do officio
de 26 do corrente ,sob n. 2761, declaro V. Exc
que em data de 22 dirig o officio constante da
copia aqui junta ao juiz de ausentes da comarca
desta capital para quem voltaram os aatos coucer-
nentea arrecadacao do espolio do subdido portu-
guez Antonio Correia de Vasconcellos, depois da
ultima deciso do egregio tribunal da relaco.
Ao inspector da Thesouraria de Fasenda.
Srva-ae V. S de mandar pagar a D. Maria Ar-
chanja Carneiro Leao a importancia do escravo
Affonso, libertado por conta do residuo da 7a quo-
ta do fundo de emancipacao do municipio de Ja-
boata, eonforme a reluci junta.Communicou-
se ao Dr. juiz de direito e de orphos da comarca
de Ja boa to.
Ao mesmo.Remetto a V. S. em resposta ao
seu officio de 12 de Janeiro ultimo sob n. 16 copia
do parecer do procurador da corda c soberana
nacional a quem ouvi.
Ao mesmo.Em resposta ao aeu officio de
hoje, n. 196, declaro a V S. que mande cffectuar
sob a responsabilidade desta presidencia o abono
de 6 mezes de sold aos nufragos do vap-r Ba-
ha a que se refere a ordem desta data.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os fins
convenientes, que em 11 do corrente mez Panta-
leo Pessoa de Siqueira Cavalcanti assumio o ex-
ercicio de promotor interino da comrea de lum-
bres em substituidlo do bacharel Je uino Claro
dos Santos e Silva qne f i exonerado, a pedido,
naquella data pelo respectivo juiz de direito.
Ao mesmo.Declaro a V. S., para os fins
convenientes, que nesta data, relevei os nego-
ciantes Rodrigo Carvalho 4c C. da multa de que
trata o officio desta presidencia de 24 de Janeiro
do corrente anno.Commnnicou-se ao director do
Arsenal de Guerra.
Ao cnsul geral do Brazil em Portugal, Pe-
dro Porto Alegre.Envo a V. S., em resposta ao
seu officio de 5 de Fevereiro findo a inclusa car-
ta em original que me dirigi D. Cyrillo San Ju-. n
Rodrigues da Silva, prestando iuformaedes acerca
dos parentes do fallecido Luz, pardo brazileiro,
urna das victimas do naufragio do vapor francez
ViUe de Victoria.
Ao inspecter do Thesouro Provincial.An-
nuindo ao que solicitou o inspector geral da ins-
truccao publica declaro a Vmc. que a licenca con-
cedida a professora de Gaib, Mara do Livramen-
to Nonato dever deeorrer de 17 de Janeiro ulti-
timo e nao do 1* de Fevereiro seguinte conforme
consta da portara de 11 do corrente mez.Com-
municou-se as inspector geral da instruccao pu
blica.
Ao director do Arsenal de Guerra.Remet-
to a Vmc. para os devides fins os inclu >s termos
de exame e consumo, procedido no torrador de caf
pertencente ao 2 batalho de infantaria.
EXPEDIENTO DO SECR3TARI0
Officios :
Ao brigadeiro commandante das armas.
Sua Exc. o Sr. presidente da provincia manda
communicar a V. Exc. ter autorisado o Arsenal de
Guerra a sati fazer o pedido que acompanhou o seu
otario n. 161, da 26 do corrento.
Ao Io secretario da Assembla Legislativa
Provincial Dr. Francisco de Assis Rosa e Silva.
De ordem do Exm. Sr. peesidente da provincia
envi a V. Exc para os fins convenientes qaaren-
ta exemplares impressos do relslorio apresentado
ao mesmo Exm. Sr. em 26 de Janeiro ultimo pelo
engenheiro chefe da repartico das Obras Publi-
cas.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr.presidente da provincia manda remet-
ter a V. S. para os fiu convenientes 11 ordens do
Thesouro Nacional sendo urna de n. 26 e 10 de ns.
27 a 36.
Ao vigario da freguezia de Tacara t. -O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. Rvma., em resposta ao seu officio de 12 de
Fevereiro ultimo, que a prestago de contas rela-
tivas ao reparo da matriz dessa freguezia, de que
se oceupa o citado officio, deve ser feito mediante
o disposto no regulamento do Thesouro Provincial
cujos artigos de 233 a 239 lhe remetto por copia.
Commuaicou-se ao Thesouro.
Ao gerente da Oompanbia Pernmbucaua.=-
S. Exc. o S. presidente da provincia, ficou inteira-
do pelo officio de hontem de trr essa compauhia
de expedir o vapor Giqui para os portos do Rio
Formoeo eTamaodar na madrugada do dia 30
do corrente.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 26 DK
ABRIL DE 1887
Abaixo assignados proprietarios e moradores no
povoado de Campo-Grande. -Informe o Sr. enge-
nheiro director da repartieao encarregada da coa-
servMcio dos portos.
Antonio Eremita de Santiago.Sim.
Domingos Serrentino.Informe o Sr. Dr. chete
de policia.
Fielden Brothers.Reinettido ao Sr. ius->ector
do Thesouro Provincial para mandar pagar, nos
termos de sua iuformaco de 20 deste mez, u.
573.
O mesmo.Remettido ao Sr. inspector do The-
souro Provincial p>ra maudar pagar noB termos de
sua nformacao de 20 deste mez, n. 575.
O mesmo.Bemettido ao Sr. inspector do The-
souro Provincial para mandar pagar, nos termos
de sua iaformacao de 20 deste mez, n. 574.
Francisco da Siva Vbscoucelljs.Deferido com
officio deata data ao brigadeiro commandante das
armas.
Francisco Antonio de Monra.Em vista da n-
formacao, indeferido.
Joo Rodrigues de Moura.Diga o Sr. director
do Arsenal de Guerra.
Capito Jos Benicto Rodrigues Coeibo.E'
contra o disposto no art. 13 do decreto o. 9517 de
14 de Novembro de 1865 o que uretende o suppl-
can.e.
Jos da Fonseca e Silva.Informe o Sr. inspec-
tor da Thesiuraria de Fazeada.
Tenente Jos Caudio de Souza Ferra*.Re-
mettido ao Sr. commandante superior da Guarda
Nacioual das comarcas de Floresta o Tacaran! para
mandar passar a guia de que tmta o art. 45 do
decreto n. 1130 de 12 de Marco de 1853.
Vctor Blaudino Gomes da Oliva.Deferido com
officio desta data do brigadeiro comaaudaute d.s
armas.
Secretaria d* Presidencia de Pernam
buco, 27 de Abril de 1887.
O ajudante di porteiro,
Artbur Machado da Silva.
Repartir de Polica
2. se-oyao. N. 402 Se-retaria de Po-
licia de Pernambuoo, 27 de Abril de 1887.
Ilim. e Exoa-Sr. Participio a V. Exc.
que foram houtem rocolhidos Casa de
DdtencJo os seguintes individuos :
A' mioha ordem, Altiao Jos R drigues,
ex-praya de policia, vindo de Iia-nb. co-
mo pronuaciado'em crime de morte ; Clau-
diua, escravo de Jo&o Gonyalves Pires da
Sile, Joao Calixto Ferreira o Isidoro
Elesblo da Silva, por disturbios ; Arobro-
zio Moreira de Souza Rocha, Dionizio Jos
Barbosa, Joio Jos Agostinho, Manoel
Raymundo de Souza, Manoel Honorato
Ferreira Ferro e Podro Jos de Lima, vin
dos de Femando, como sentenciados.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jo-
s Martina de Oliveira e Manoel Jos Fran-
cisco, como vagabundos e turbulentos.
A' oriem do do Io districto de S. Jos,
Mara Josepba da AnnunciacSo e Secua-
dina Maria da Couceicao, por disturbios e
offensas moral publica.
A' ordsm do do 2o districto, Manoel Pe-
dro dos Santos, por disturbios.
A' ordem do do Arraial, Emigdio Luiz
Soares e Luiza Mara da Conceiclo, por
disturbios.
A' ordem do da Boa-Viagem, Herculano
Rsymundo Alves das Neves e Jos Rufino
de Oliveira, presos em flagrante por crime
do ferimerjtos graves.
Em trras do engenho Ilhotas, do termo
do Rio Formoso, no dia 15 do corrente,
pelas 6 horas da tarde, Joao Felippe Cam-
pello, conhecido por Nunes, cortou a ore-
Iha da sua propria mulher, Joanna Maria
da Couceicao, com quem tinha so casado
ha poucos dias.
O delegado do Rio Formoso, tendo scien-
dia do facto, delle tomou conhecimento e
abri o competente inquerito.
A' offendida se acba em tratamento em
casa de inspector do 3 quarteirao do 1
districto de Una.
0 crimi.-ioso evadi se e aquella autori-
dade emprega os meios precisos para cap
tralo.
Deu-mo sciencia o delegado de Taquare-
tinga, em officio de 13 do corrente, ter na
quella data, em companhia do Dr. promo-
tor publico da comarca, ieito a visita na
respectiva cadeia, onde se acham recolhi-
dos quatro individuos, sendo dous pronun-
ciados e dous appellados. Nenhuma re-
clamaco fizeram.
Communicou me o delegado do termo de
Gamelleira, em officio de 20 do corrente,
ter naquella data feito reniessa ao Dr. pro-
motor publico da comarca, por intermedio
do Dr. juiz municipal do respectivo termo,
do inquerito policii 1 procedido a respeito
dos acontecimentos bavidos no engenho
Araqusra, do districto de SerinbSem, da
mesma comarca.
Deus guarde a V. Exc.Illm, e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito
digno presidente -a provineia.O ebefe
de policia, .Anfonto Domingos Pinto.
INTERIOR
Reforma das Facilidades de
Direito
(Jornal do Commercio da Corte)
Sob o titulo Reformas das faculdades de direila,
publicou o Sr. senador Affonso Celso de Assis Fi-
gue.ir.do um folheto de cerca de 140 paginas, con-
tando valioso trabalho acerca de to importante
assumptj.
Suspensa, pelo decreto de 28 de Novembro de
1885, a execuco dos estatutos das faculdades de
dir. ito, que baixaram com o decreto de 17 de Ja-
neiro d'aquelie anno, fjmu as congregacoes desses
estabelecmeiitos incumbidas de organisar projec-
tus de reforma. Submettidos estes approvaco do
g >verno, rt-aolveu elle encarregar o Sr. senador
Affonso Ceiso do elaborar um pr jecto para servir
de base n forma qoe, medante antorisscao le-
gislativa, se possa ixccutar.
C impulsando e examinando detida e sabiamente
nao t esse dous projectos, como outros trabalhos
apresentados uestes ltimos aanos cmara dos
deputadoa, e as lefe.rmas que desde 1854 tem sido
feltns com relacao instruccao publica, veio o Sr.
senador Affonso Celso desempeanar-se da honrosa
misoao, aue lhe fra confiada pelo goverao. Al
ideias por S. Exc. expendidas e sustentadas na
folheto, qoe temos a vistn, constituem, som contes-
tadlo, precioso e valiosiasimo subsidio e auxilio
para o elevado fim que ae procura cancar ; e,
completando o estudo que, ha anuos, nao cessa de
preoecupar a alta admiuistracu do Estado, ha de
necessariainente concorrer para que, som maior
demora, que j se torua summamente prejudicial,
conclua-se a almejadn reforma.
Trata o Ilustrado senador oiethodicamente de :
I. Consideracoes preliminares;
II. Diviso dos cursoB ;
III. Libtrdade de frequenca ;
IV. No
Noineacao do profesorado ;
V. )rgauiaaQo do eusmo de direito ;
VI. Provideucias imspeusaveis ;
VII. Despezas.
Enceta as Considiracoes preliminares observan-
do que por mau sabiamente concebida que aeja a
reforma de qualquer das disciplinas superiores :
parcos fructoa produzira seno for tambem reali-
sada a dos estados secundarios de modo a elevar-
Ibes o nivel, porquauto a este respeito achant-
nos as mais deploraveis condicoes, e urge prover
de remedio tamauho mal. Pcnsa que o Estado
deve crear ou auxiliar a cieaco, as provincias,
de estabelecimentos que miuistrem bom e solido
ensino secundario, e que aos individuos nelles gra-
duados se conceda a matricula em nossas faculda-
des sem dependencia de uovos exames, abolidas
actuaes commssoes, que to mal provara em toda
parte.
Indica que se prounva, com alguraas modifica-
eoes, a adupc> do projecto apresentado acamara
dos deputadoe, era 1836, o r iniciativa doSr. Dr.
Cunha Luito, reorganisando o entino secundario
no municipio da Corte e autorisaudo o governo
para reformar o bacharelado em lettras do collegio
de Pedro II. a modelar p >r esse typo os cursos an-
nexos s faculdades do Recife e S. Paulo, e % ron-
dar outro igual na Bnhia. As inoJi&c..$oes propos-
ta*, expHcadas e uateutadas cun a maior profia-
eucia tm por b ise : Nao dispensar materia ne-
cesaaria ; nao exigir nenhuma dispensavel.
Eniquanto nao forera creados os uovos institutos
do bacharelado em lettras acha que devem ser ad-
inittidos matricula as faculdades de dirsito oa
actuaes hachareis do collegio de Pedro II e os \ue
e mostraren habilitados nos prepratenos exigi-
dos pelos estatutos em vigor, e mais as linguas
alle.na e itidiana, mediaute rxames prestados no
referido eoUegio, ou na cu-aos isMXM de S. Pau-
lo e Recite : qoe feita a reforma e aps prazo ra-
zoave, sinente se admitan os hachareis em let-
tras graduados pelos iustitu.osdo Estado, ou pelos
provinciaes e de iniciativa privada, devi ament
KUtorisados par* couferir taes distioecoes.
Umss das innovves mais lembradas ao cog-
rar-se da reforma das escolas de direito a diviso
de suas disciplinas em dous cursos : um de cien-
cias jurdicas, outro de scicncias socUes, raoder-
uamenta denominadasseducas de Estado. Nao
se conforma o Sr. senador com si melhante pensa-
meuto, eutendeiido. de accordo com as facuidades
de S. Paulo e Recife, que a uiilidade resultante
de sua execuco uao compensar os inconvenien-
tes qne ha d<- produzr; inciiu-se antes crea-
co de um instituto privativo para o ensino regu-
lar ds ciencias ecouomco-politicas. E preciso
nao t mauter as unidades do curso as faculda-
des de direito, mas ainplial o e fortifical-o em al-
gumas de suas diviso, s ; e nesta contormidade re-
t igio projecto que apreaiutau ao governo impe-
rial.
I1EBVE1


MHH!
Diario de ferna
mbucuQninta-feira
^M

SS,
r& 28 de Abril de 1887
.e-
A suppressio de*ii**is> sbrigutona para o
alumnos doi curaos de mstrucco apersar, idei
inspirada no intuito de reorg.nisal a conforme as
doutnnas mais adiassssdas, est condemnada pela
experiencia de qaaaioite annos, que veio pateotear
que no estovamos anda preparado para admit-
Ul-a entro nos. Beoonhecem todos, escreve o Sr.
senador, que longe de aproveitar ao ensiao supe-
rior, a generosa innovsco prejudicou-a, especial-
mente as escolas jurdicas. Alm de que os esta-
dos retrogradaran! sensivelmente neaa* nmosa
scieocias ella abri ensanchas a abasos vssrade*-
rsmente escandaloso
SustenU que a BOfgvessmfrda fstjquerjsssaxbrb.
gatoria e a dispensa d*syfce*sabhatinas fiaermn
desapparecer os esttssic srsssv As conseqosmciaa
ersm facis de prev k>g*sMnas>e8taime: de-
clinen a instrueco superior lapidaecoosidaravel-
mente. E' facto ineeattoverto e abonad pelo
testemunhos mais autorisada.
Anda prosegue: No se encontra em parte
alguma o systema establecido pelo decreto de 19
de Abril, e nu se pode contestar queessa reforma
foi prematura Achamo nos, pois, relativamente
tos estudos de direito especialmente, em aituacao
por demais lamentavel e da qual urge sabir. Como t
Ponqu meios? E' esta a questo.
Depois de aaalys*r diversa ideas manifestadas
a este wepeito, conclue propondo as seguiates me-
didas- : restabelecmaoto das licoes e sabb.trnas
jobr mestdes de vespera indicada palo ante;
suppreseo do quarto de hora denominada de es
per*, devendo cada lente explicar dorante urna
hora, pelo menos, e chamar lico por mais 15
minutos ; restabelecimento dos pontos, impor:ando
20 taita na justifica las em cada aula a per Ja do
lugar da nscripcao, e sendo o alumno admittido a
exame tmente depoie de esgotada esta ;. e 40 a
obrigaco de.prestal-o.nas condicoes estabelecldas
para os estadantes de facuidades livres ou cursos
particulares ; para estes alumnos o exame recahir
sobre qualquer ponto do programla do enrso e
durar tempo duplo; nao serio admittidos a exa-
mes os alumnos de fuculdades livres ou cursos par-
ticulares, sem certificado de asedudade, que nao
ser concedido desde que o pretondente houver
faltado 40 veres durante o anno ; querlnas facul-
dades do Estado, qoer naa livres e nos cursos par-
ticulares, a frequeucia ser comprovada por um
termo diario de chamada e presenca autenticado
pelo respectivo lente.
Para a nomsco do profesorado a facoldade de
direito de S. Paulo de parecer que se matenba o
rgimen vigente, com algumaa modificares na
forma da vutacas e abolida a prelecco de impro-
viso ; a do Recife euteoda tambem quo nao b
razo para innovar- se a este respeito. O Sr.
nadur adhere ao pensamento das duas faculdades
o concurso como regr ordinaria ou geral, orza
nis-do de modo que menos chancas deixe afilha
dageia e ao patronato, e nao podendo embaraca
que o gov algum hornera tllustre, cuja requisico lhes d
honra e proveito. Sempre que congregacao fr
possivel cfferecer ao governo um ou mais nomes
de notabilidades na materia deve fiear reservado
o direito de tazel-o, propondo a suspenco do con-
curso, assim como ao governo o de ordenal-a e
reahsar a nomeaco, ouvidas as faculdades e o
eonselho superior de instrueco nacional, que con-
fesa instituir. O nomeado servir dous nnnoa, e
se durante elle, a juixo do governo, consultada a
congregacao con armar os motivos da preferencia,
ser definitivamente prvido na cadeira.
Quanto questo : ae os sub>tifutos devem ser
ou nao distribuidos por cadeiras, ou seccoes de
disciplinas, eutende, de inteiro accoriocom a Fa-
euldsde do Recite, que o lente substtuti deve ser
habilitado para regar qualquer cadeira odisticta-
meute.
Tratando da organisaco do ensioo de direito,
comee affirmando que urna boa reforma das fi-
eolddes de direito exige a elevacao do curso a
x\s annos, e que se addicione ao programma al-
gumas cadeiras.
Sexuado este plano, sao precisos 17 lentes para
as seguintes materias: 1 de encyclopedia de d-
reit, 1 de historia de direito nacional e herme-
nutica jurdica, 2 de direito constitucional brasi-
lheiro e dinito administrativo, 2 de direito inter-
iiitmanl e diplomacia, 2 de economa poltica e
Snancas, 2 de direito civil, 2 de direito commer-
cial, 2 de direito criminal e militar, 1 de direito
romano, 2 de theoria e pratica do processo, e 9
3ubstitatoi.
Haver assim um augmento de 6 lentes e 3
substitutos.
Este plano supprime a cadeira de direito eccle-
siastieo e nao crea as de hygiene, medicina legal
e Pandectas, lembradas em outros proj-ctos.^
Passa depois a tratar das providencias indpen-
taveitExtirpar uo vicio radicado : o tempo con-
sumido em divagaeoea alheias materia ** ca-
deira e a respeito da qual limita-se o professor a
meras gen-ralidades. Para este fim lembra : 1.*
organisacao do programma do auno lectivo por
liees, que eomprehendam toda a materia, ao me-
nos era s.-ui pontos eapitaea ; 2 prorogaco da
aula emquanto o profeaaor naa preencher o pro
gramraa; 3." jubilaco toreada, mas depois de es-
gotadas provi Jencias mas brandas e verificada a
impissibilidade de despertar a consciencia ao pro-
fessor refractario.
Importa rein -ver outro perigo : o abandouo dos
livroa ou desprez > do eatudo por parte dos profes-
tores. E" precia) crear obrigaco positiva que,
forcanlo o professor a acompanhar a marcha aa
cendvnte d* civiliaaco, permita ao m-smo tempo
tirar a prova de qU'.- effectivament" o tai, nao se
contentando em repetir quasi macninalmsnte pelo
habit > que apran-teu em remotos annos. Neste
sentido boa providencia a creaco da Revista
sobre os cursos theorieos e praticos das faculda-
des. mas a cargo de todo corpo docente.
E' tambera acertado exigir maior activdade dos
fentcs MOatitOtoc, que nao devem nicamente sup
Tirir as faltas dos cathedr.ticos, cumpriudo con-
gregacao designar para cada um dos substitutos a
materia de um curao complementar, que no a
repetico do principal, seno o maior desenvolvi-
mtnto dado a certoa pontos importantes, que n'a
quelle s per summa eapita podein aer tratados.
Pensa que o decreto de 19 de Abril de 1879 es-
tabeleceu, com amplitude de que ni ha exomplo
em paz nenhum do mundo, a liberdade de confe-
rir graduaci!S scieatifieas a par da liberdade de
eosino. Como a coraraisiao da instrueco publica
da Cmara dos Diputados, d- opiaiao que, por
emquanto, cumyre apeuas fomentar o enaino, sem
todava permittir que coucorra com o estado na
eollaco de graos scientificos.
E' de mister que alguma cousa ensatemos no
sentido de facilitar aos nstitutoa de inatruecosu
perior a obtenc) de patrimonio proprio, alm da
dotaco orcamentaria destinada ao custeio, para
que a respectiva renda se applque sustentaclo
de cursos annexos ou complementares, ccoeeBea >
de premios a professores e alumnos, impressos
acquisiso de obras, etc. Pode-ee comecar por
permittir que as faculdades de direito recebara do-
nativos, eonvertenio-os em apolioes da divida pu-
blica, de cujo rendimento diapor' para taes tins.
A lei de 1827, que creou os cursos jurdicos,
proraetteu aos respectivos lentes os vencimentos
de de desemhurgador, alm das mesmas honras e
tratamento
A primeira parte deata promessa est por com -
prir-se ; e ao Ilustrado senador parece opportuno
realisal-a por occasio da reforma, que trar mai >r
trabalbo a esses funeciooarios, vedando-lhes toda
e qualquer aocumalacao deempregos de que fruam
vnntagena pecuniarias.
As taxas de matricula devem continuar, dispen-
sados os alumnos das faculdade de qualquer ootra
contribuico para exames, salvo se os prestareio
fra das epoehas ordinarias, em qne devem pa-
gal-as, assim como oa alumnos dos cornos particu-
lares, como receita publica, o que compensar em
parte o augmento dos veocimeotoe do corpo do
tente.
Adoptada a reforma que o Sr. senador propoe,
haver o augmento de despera de 55:6404 para
cada faculdade, o para as duas 111:280* que,
accrescidas despeza actual 269:565#,do o total
de 380:835*000.
Estando calculado o rendimento das matriculas
era 142:110/, o sacrifico do estado ser de
238:725/ pra regenerar os cursos de direito.
Augmentados, porm, es veocunentos a despeza
oom cada faculdade ser de 208:900/ e o total
subir a 417:800/, que comparada com a actual,
269:555/. vira a excedel-aem 148:245/000.
Segu-se o projecto elaborado em 17 artigos e
a tabella -'os vencimentos e outras despesai.
Para maiores eeclarecimento vaem annexos os
aeadros comparativos das differentes organisseoea
decretadas ou prejictadas ;
Deor to de 28 de Abril de 1854, 11 lentes ca-
tedrticos e 6 substitutos, despeza 70:800/000.
Decreto de 26 de Abril de 165, 12 lentes ca-
thdraticos e 6 substitutos, despeza 75:000/000.
Decreto de 19 de Abril de 1879, 20 lentes ca
thedratieos e 10 substitutos, despeza 126:OJ0/0O0.
Projecto da commistao de instrnecao publica da
Cmara dos Diputados, em 13 de Abril de 1882,
30 lente casfcedratusos 11 siibtitos, despesa
129:000/000. _.. .
Projecto do Sr. depuUdo Almeida e Ulivetra,
em 17 de Setembro de 1882, 16 lentes cathedra-
ticos e 7 substitutos, despea* 97:800/000
Decreto de 17 de Janeiro de 1885, 22 lentesi c-
thedratico e 11 substitutos, despesa 138:60J/0O.
Projecto da Faculdade de Direito de S. Paulo,
da Marco de 1886,14 lentes cathedraticos e 9 sub-
atitrtto, despea 9*:*Q0/O0& ^. ...' ,2
Pr>jrto d PaosOaWe o Bireito do Recite, da
Mar* de 188&, 18 wt-s eatkedratioo 9 subjti-
tuto113:400/0QV
RHAIBDCO
tavacU
Project
A commi8s5o de redaccao de parecer que fique
assim redigida a resoluco constante do projecto
u. 12 deste anno :
A Assembla Legislativa Provincial de Per
nambuco resol ve:
Artigo nico. Ficam prorogados por 3 anuos os
contcMte de dizisao de gadu, fe.toa por diverso
arrematantes, relevando-se lhes o pagamento do 3o
anno da prorogacao, como indemnisayo dos pre-
juizos qu sofireram.
Revogadas as disposicea em contrario.
Sala das commissoes, 26 de Abril de 1887
Gaspar de Drummond.Barros Barrete Jnior.
EM.EXUAS APEBSESTADS E APPBOVADaS NA
3* DISCDS8AO DO PROJECTO H. 22 DESTE
ANNO (ORCAMENTO MUNICIPAL.)
N. 79. A Cmara Municipal do Recife abrir
concurrencia para o se-vico do matadouro, fateodo
o cjntracto, cujo praao oo exceder de 3 anuos,
com quera melhores vantagens offorecer, nao po-
dendo em caso algum esse servic) ser feito por
admioistracSoReg Barros.Amaral.Rodri-
gues Porto.
N. 80. Fica a Cmara Municipal da Caruar
auterisala a pagar oqueestiver a dever de custas
ao Dr. Estevo de Lacerda.- Rodrigues Fort.
N. 81. Fica a Cmara Municipal de Bezerros
autoriaaJa a contractar com Guilhermino Tararos
de Medeiros, ou com quera melhores vautageos offe-
recer, a conatrueco de urna caaa de mercado na
cidade do mesmo nsme, mediante as seguintes con-
dices:
1.' O custo do edificio nao ser inferior a
6:000*.
2. Ao contractante pertoncer metade de tidos
os imposto cobrados no meamo mercado pelo lem-
po mximo de 12 aunes, find) o qual entregar o
edificio em perfeito estado de conservaco, perca-
bendo a indemnsaco nunca superior metade
do valor do mesmo.Reg Barros.Regueira
Costa.
N. 82. Fica a Cmara Muaicipil de Goyanua
autorisada a pagar de preferencia o que estiver a
dever ao Sr. Franeao LaovigilJo de Albuquer-
que Marauhao.Julio de Barros.Soares ae A.m.-
rim
N. 83. A's disposicoes geraea :
Fea a (;.muia Municipal de Taquaretinga au-
torisada a contractar a coastruec.) na sJe do
municipio de urna caaa de mercado, percebjodo o
contractante por espaco de 15 annos quautia cor-
respondente m-.tade d)8 impostos existentes pelos
gneros expostos veuda, e desapropriaudo a c-
mara logo qu; fiude este praao a referiJa casa,
in i. muiaando o sen proprietano de metade do
valor, achando-se esta em pertoito estado de con-
servacao. Reg Barros.
N. 84. Ao 41 do art. 1, Cmara de Cimbres :
Ao n. 3 em lugar de 200,), diga-ae 250*.Reg
Barros.
N. 85. Fica a Cmara Municipal de Ciruar
autorisada a pagar ao advogado Juvencio Ta-
ciano Mariz e qu estiver a dever do custas.
Amaral.
N. 89. Fica reduzido a mil ris o imposto
creado sobre animaes que forem sottos nos cam-
pos d* municipio de Ta^uaretiuga, pela le n. 1866
do anno paasado. H irculauo Bandeira.Joo
Al vea.
K. 90. Ao 2. :.ccresceute-Ee : ao n. 7 20)/,
tiran io-se do n. 12.Ferreir Velloso.Gomea
Prente.
N. 92. Disposicoes geraes : Fica a Cambra
Municipal da cidade da Victoria autorisada a pa-
gar a Marcelino Jos Mara de Almeida o que
estiver a dever-lhe de custas judiciaes Rats e
Silva.
N. 95. Ao 6o. Ao eacrivo do jury da Vic-
toria, em lugar de 600/, diga-se 800/.Rita e
Silva.
N. 96. Ao n. 5 do 6*. Ao administrador do
cemiterio da Victoria, em lugar de 50u/ diga-se
600/. -Rats e Silva.
N. K3. Fijaaatirisada a Cmara Municipal do
Brejo a pagar as custas que forem devidas ao Dr.
Luiz da Silva Guaino, j.iiz de direito d. inesma
comarca J. Mara.
N. 106. Onde coubcr. Fica a C imara Munici-
pal de Paneliaa autorisada a pagar ao escrivo
Jos Matheus de Oveira Guiuiai'ea, o que Ihe
deve de custas judiciaes, sendo feito o pagamento
pelo saldo existente no cofre da mesma camjra.
Regueira Costa.
N. 113. Ao 53 n. 9. Em lugar de 20 /. pelo
rrabalho da aferico diga-se 10 ']0. Rodrigues
Porto.
N. 115. Ao art. 1 n. 12. Eoi vez de 400/030
diga-se 500/.Gomes Prente.
N. 116. Fica a Cmara Municipal do R-cife
autorisada a effectuar o pagamento previsto no
art. 77 da lei n. 1,882, logo que se realisar o
acord que promovem Peuna, Motta & C, com a
mesma Cmara, erattindo para isso apolices a
juros de 7 "/..Reg Barros.
N. 117. beja destinada a arborisacao da cidade
de Goyanna a verba aupprimida no % 51, isto ,
200*, que perceba o administrador do cemiterio
de Uoyanmuha.Julio de Barros.
N. 119. Fica a Cmara Municipal de Cimbres
autorisada a pagar o que estiver a dever de cus-
as ao escrivo Eduardo Aotuuer Je Albuquerque
.Wfcllo.Rodrigues Porto.
N. 121. A Cmara Municipal de S. Beuto fica
autorisada a pagar o que eativer a dever a Lean-
dro Goncalves de Soura.Sopbronio Portella.
N. 122. Subemenda a emenda n. 10 ao art. 1
46 : N. 5. dem do servente do cemiterio 365/.
Sophronio Portella
N. 123. Fica a Cmara Municipal de Cabrob
autorisada a p*;ar a Antonio Jos de Andrade a
quantia de 300/, que lhe deve de custas.Reg
Barros.
N. 125. Ao art 1. % 2. n. 8. Em vez de 600*
diga-se 800/004, como na lei vigente.Gomes
Prente.
N. 126. A' emenda n. 79 accrescente-se: Esta
disposicao nao ter effeito durante a prorogacao
do actual contracto, que fica approvadj.Ritis e
Silva.
N. 127. Addittivo. Fie appravado o contracto
celebrado entre a Cantara Municipal de Goyanua
e o commendador Ivo Antonio de Andrade Luna
com a seguinte moditicacao :
Na clausula 11" onde se l 1C % diga-se 9 "/,;
oa clausula 12 accrescente-se; deven io fazer
parto dessa commisso o eogenheiro provincial do
districto com audiencia do director das obras pu-
blicas.R'go Barros.Rxlngues Porto.
JJ. 128. A emenda n. 81 accrescente-se : ficando
o coutracto dependente da approvaco da Assem-
bla.Costa Ribeiro.
N. i29. Ao art. 1" 1. Cemiterion. 4De-
pois da palavraguardaaccr- sceate-se : que
passar a denominar se coadjuvante.Costa Ri-
beiro.
N. 130. A Cmara Municipal da Victoria fica
autorisada a c -utractar com Theodomiro Christo-
fia do Nascimento Valois, ou com quera melhores
vtntagens cfferecer, urna casa do mercado n'a
quella cidade, mediante as seguintes condujo '8 :
1.* O custo do edificio nao s-r inferior a dez
cantos de ris;
2.* O contractante anbmetter a approvaclo da
Cmara a planta do edificio' antes de comecar os
respectivos trabalhos;
3.* Ao contractaute perteucerao metade de todos
os impostos cobrados no mesmo mercado pelo
tempo mximo de 12 annos, finde o qual entregar
o edificio em perfeito estado de conservaco, per-
cebendo nma indemnisaco nunca superior a me-
tade do valor do mesmo ;
y4.' Os impostos do mercado duranle os doze an-
nos do contracto e.uente podero ser arrecadados
por arremstaco em prava publica, annuuciada
com antecedencia de trinta dias, por editaes, pela
imprensa.Sophronio Portella.Ratis e Silva.
N. 132. Cmara Municipal de S. Beuto. Ao 52
do art. 1*. Depois do n. 20, aocrescente-se : 200/
ao escrivo do jury, sem ter direito a reclamacio ;
deducida essa quantia do n. < do mesmo .
Rodrigue Porto.Regueira Costa.
N. 133. Fica a Caraira Muoicip-tl do Recife
Luis
autorisada a psgar o que deve -d costas a
Cordeiro de Benevide.Reg Barros.
N. 134. Ao art. 1 camarade Pao-d'Albo ao
n. 14: diga-se senda 600/ para pagamento da
divida de Manuel Olavo do Reg Barros, arre-
matante da ponte do riacho Cassaby.RegD
Barros.
N. 136. Fica acamara municipal da cidade de
Oliuda, autorisada a pagar o que estiver a dever
a Companha de Santa Thereza do fornecimento de
agua e la.Ratis e Silva.
N 137. Onda couei : dentro da praso de tres
ssezes a cantar io 1 d > do novo exercicio, a Ca
asara Municipal io Rjcile formular posturas para
ssatuco 4o ditaosto.no 11 do art. 66 da lei do
'lde OutssVo de lHa8 que sarao kpprovada de-
fissstvamesss *> nsMsideots da provincia.G.
de- Prumrssssst i Rgeir* Gasta.Rogoberto.
X. 133. Ao artigo uddsavo a disposicoes ge
raesK,
Art- A' eanaritnsaaMatfal d R'Osfe, o psaase
de tres mezes, a datar da publicacio da presente
resoluco regular o tervico de criado confeccio-
nando para eate fim a precisas posturas-
Por cri'ido de servir entenle se toda pessoa
de eondico livre que mediante salario convenci-
nado tiver ou quizer ter oceupa^o de moco de
hotel, hospedara ou casada paaso. casinbeiro,co-
peiro, coeheiro hortolo, de ama d leite, ama
seca, engommaieira ou costurcira a em geral o
de qualquer servioodomestico.G. de Drummond
Regueira Costa-Rogoberto.
N. 139. Onde couber. Acamara municptl'do
Rio Formoso pagar de preferencia integralmente
a qualquer outra casta a importancia de 300* que
est a dever ao tenente Jos Ignacio dos Santos
de custas em que foi conlemoada pelo Tribunal da
Relaco.G. de Drummond.
N. 140. Additivo as dispjsicaes geraes. A C-
mara Municipal do Recife dentro do praso de tres
mezes a contar 1a publicaco da presente resolu-
co e de accordo com o 2' art. 66 da lei de 1
de Outubro de 1828, designar local fra do pe-
rmetro da cidade onde sej.a depositado e incine-
rado o lixo da cidade.
1 Para eate tima Cimara Municipal poder
despender t a quantia de 20:000/, contactan-
do o servido por meio de concurrencia publica,
com quera meihorea vantagens offerecer e cora ap-
provac) do presidente da provincia. G. de
Drummond.Regueira Costa.Rogoberto.
N. 141. Ao 4 do art. Io Eleve-se verba do
n. 6 de SO/ a 400* a porcentagem do n. 10 de
10 0/. a 15 [0 Reg Barro.
N. 142. Fica a cmara municipal da Gloriado
Goit autorisada a pagar de preferencia ao escri-
vo Antao Borges 150/ db que lhe deve de cus
tasSophronio Portella.
EMENDAS APPKKOVADAS NA 3a DI3CUSSAO
DO PROJECTO N. 34 DE 1886
N. 1. io art. Io 1. Substitua-se pelo seguin-
te :
Dentro de seis ni.-zes a contar da data desta
le, far-se-ha a av-iliaca.) de indemnisai.-ai das
obms da actual empresa do gas, nos termos da
clau.-ula 13 do contracto de 26 de Abril do 1856.
numeando o presidente da provincia para esse
fim pessoas que esteja u as con lie s de conhe-
cer Bao s o preco do material empregado, como
tambem da raii de obra de trabilbos similares.
A avaliaeo ser detalhada c especificada para
qne se posea couhecer qualqn?r diminuicc de
valor entre a poca da avaliaeo e a da eatrnga,
attenuando ae a deterioraco do material e obras
durante o prazo do contracto.
Ao 2J Era vez de por espaco de 90 diaa an-
nuuciados, digi-se por espaco de seis mezes-in-
nunciada oor editaes m.s'a cidade, na cita do
imperio, X iva Yoik e principaes capitaes da Eu-
ropa ticaudo o preci tente da provincia autorisado
a abrir o crdito necessario para soccorrer as rei-
pectivas despezas, podendo prorogar o prazo so
fr aecessario.
Ao 3.o Em lugar d: 50:000/ diga-se 25:000*
Ao 6. Em lugar de effectuar dita ndemuisa-
co U dias antes diga-se : devendo a indemnisa-
co ter lugar de accordo com a clausula 3 do
contracto actual ; ficando o material e obras da
actual empreza byp,-itbecadas~ provincia at que
estoja realisada a indemnisuco, pelo ma ios de-
positada a respectiva importancia.
Ao 8. Accrescente-se : nao podendo exceder
de 260 rs. o metro cubico de gaz, faaendo-se urna
redueco de mais 30 /0 para os esiabelecimentos
de caridad i e beneficencia e reparticoes publicas.
Ao 9. Accrescente-se: Se fr mais conve-
niente.
Ao 11. substitua-ce pelo seguate : A inten
sidade miuima da luz s.-r equivalente a de des
velas do espermacete das que queimam 7 gramolas
e 80 ceutigrammas por hura, correspondentes a
120 graos lagleaes.
Ao 14 substitua-sc p 'lo seguinte : O con-
tratante ser obn gado a collocar e construir
sua custa, um ou mais gasmetros, se houver ne-
cessidade, nos lugares qus o presidente da pro-
vincia designar e a iutro luzir todos os melhora-
inentos de fabrico, medico e illuminaoao que du-
rante o prazo do contracto se forem descobrindo,
urna vez adoptados na corte do imperio, ou em
alguma capital da Europa.Gomes Prente.Dr.
Pitanga.Ferreira Jacobina.Rosa e Silva.
Barros Brrelo Juaior.Reg Barros.Goncal-
ves Ferreira.
N. 2. U pagamento da illutninacao publica e
particular ser feito em moeda do paiz, sem at-
tenco oscllaco de cambio.Jacobina. Rjsa
e Silva.
N. 6. Onde couber. Para as despezas com a
fiscalisaco do aervico de illuminacao o contrae-
tanta concorrer annualinente com a quantia de
3:000/ que sero recolbidoa ao Thesouro Provin-
eial.=Brros Barrete Juaior.Rosa e Silva.
N. 8. Ao | 3. O deposito a que se refere o }
3a nao ser retirado pelo contractante senao fiado
o coutracto servindo de cauco para os pagamen-
tos de multa o fiel cumprimento da clausulas.
B. Barrete Jnior.
N. 9 13 substitua-se pelo seguinte : A con-
ti actaote ser obrigada a ter na provincia um re-
presentante com plenos e illimitados poderes pira
tratar e definitivameoto resolver as questoes que
se suscitarem quer com o governo, quer com os
particulares, ficando sujeitos todos seus actos as
leis e regulamentoa e a jnrisdicyo dos tribunaes
juJici-inos i u administrativos do paiz. Barros
Barreto Jnior.
N. 10 15 accrescente-se o seguinte : deven-
do orgaoisar o servico da fiscalisaco de modo a
poder ser esta urna realidade. Barros Barreto
Jnior.
N. 11. Ao suostitntivo n. 2 reducido conforrte
0 veucido 3.
O contractante poder orgsnisar companbia, a
qual ficar subrogada em todos os direitos e obri-
gactis do contracto.
O contractante, tindo o privilegio, ter direito
de indemnisaco do material e obras seno fr re-
novado o contracto.Luiz de Andrada.
Soccorros aos nufragos do va
por < Bahia
Transporte do Diario de Pernam-
buco a. 90
Tenente-eoronel Ernesto Silva, sua
quota como escrivo do commerco
nos autos do protesta e vistoria da
companha de nav.-gac) vapor,
pelo naufragio do vapor Bahia
Su erripco promovida na comarca
de Caruar, entregue pelo Diario
de Pernambuco
Ilem da escola publica do Limoeiro
dem dos professores e alumnos mes-
tres da Escola Normal de Per-
nambuco
1 Jera entre os passageiros do paque-
te fraacez Niger, remet id a pelo
Sr. Bereoger, coramissario do mes-
mo vapir e entregue pelo Sr. A.
Labille, agente da companbia de
Messagcne Mantimes
dem a augmentar da Companhit
dos Trufaos Urbanos do Recife a
Ollnda e Beberibe, qnantia sub-
scripta pelo director secretario
Laureotino Jos de Miranda
Martina Viegas & C, pelo Jornal do
Recife
Oa meamos, idem para a familia do
immediato Silverio Antonio da
Silva
Recita da companbia de zarzuelas
rbeatro Santa Isabel, r a noite de
31 de Marco prximo passado
22:230/280
2.)1/000
102/50")
4/620
94/500
293/750
50/000
20*000
5/000
1:842*400
aos nufragos do vapor Bahia, sendo essa qnantia
o resaludo da subsetipeo promovida pelos em-
pregado d'esta repartico para o mencionado fim.
Boa com toda a consideracio. De Vv. Ss. atien-
to venerador e criado obrigada Antn o 3omin.
gos Pinto.
Recife, [4 de Abril de 1887.
Dr. Antonio Domingos Pinto 10/000
Dr. Joaqnim Francisco de Arroda 5/000
Francisco Geraldo da Silva Barroso 5/000
Pedro Go.icalvcs de Arroda 5/000
Antonio Affonso Ferreira 5/000
Manoel Aprig > de Moraes 5/000
Agoatinho Jos de Oliveira 2*000
Abdisk) de Vasconcellos 2*iX)0
Joaqnim Francisco Borges Ucha 2/OGO
Manoel Agopiio da Cunha 1*006
Joaquim F
42J00
Arrudt.
Commisso de soceorros aos nufragos do vapor
Bahia. Recife, 5 de Abril de 1887.Illm. Sr___
Esta commisso receben a carta de V. S., acom-
panhando a quantia de 42/000, qne V. S. e os
einpregadoa d'esta repartico concorreram em au-
xilia dos nufragos do vapor Mahia.
A earamisaodar a devidu applicacao a aquella
quantia e agradece a V. S e a aquellas embrega-
dos a sua caridsa esmola.
Dous guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. Antonio
Domingos Pinte, muite digno ehefe de polica da
provincia. Jos Joo de Amorim, presidente.
S. de Barros Barreto, secretario. Luiz Duprat
thesonreiro.
Sala das sesses do Congresso Dramtico Bene-
fieente do Recife, em 5 de Abril de 1887.Illms.
Srs.Tendo esta sociedado no dia 1* do crrante
mea, realisado no theatro Santo Antonio, um es-
pectculo em beneficio das victimas aa lurrivel
catastrophe do paquete nacional Baha, a com-
misso abaixo aaaignada, encarregada de promo-
vel-o passa as mos de Vv. Ss. o respectivo sal-
do na importancia de 490/420, afira de que se
dignem dar a conveniente applicacao.
Cumpra dec.arar a Vv. Ss. qu9 as meninas
Luiza, Eoedina e Feliebella, victima tambem no
naufragio, muito auxiliaram a esta commisso na
passagem de bilhetes e obtenpo de esprtelas,
por cujo trabalho, meiecem especialmente a sua
estima e gratido, palo que espera Vv. Ss. to-
mar? na devida conta o servico por ellas pres-
tado.
Dens guarde a Vv. Ss.Illms. Srs. presiden-
te e mais membros da commisso central de soc-
eorros aos nufragos.
Manoel Antonio O. Brandan.
Suvestru M. da S. Ferreira.
Joaquim F. Sant'Anna.
Manoel Vctor de S. Ribiiro.
Manoel G. da Silva Monte.
Commisso de soceorros aos nufragos do vapor
Bahia, ecife, 5 de Abril de 1887.Illms. Srs.
A commisso de soccoros aos nufragos do va-
por Bahia," com o officio d* Vv. Sa. de hoj
datado recebeu a quantia de 491/420, liquido pro-
ducto do espectculo realisado palo benemrito
Congresso Dramtico Beueficente do Recife no
theatro de Santo Autouio na noite de 1 do cor-
rete em beneficio das vietiraas da catastrophe
daquelle vapor.
A commisso agradece a Vv. Ss. este impor-
tante obulo de caridade o toma em conaidera^o
o auxilio que V". Ss. prestaran) as meninas Lii-
za, Euediua e Felijbella victimas do naufragio, na
passageui do bilhetes e obtenc,o de esportulas
para o referido espectculo.
Deus guarde a Vv. Ss Illms. Srs. Manoel
Antonio de Oliveira Brandan e mais membros do
Cragreaso Dramtico Beueficente d > Recife.
Jos Joo d'Auaorim,
presidente.
S. de Barros Barreto,
secretario.
Luiz Duprat,
theaourciro.
Illms. Srs. presidente c mais membros da com-
misso central de soceorros aos nufragos.A
commisso aoaixo assignada, constituida para or-
ganisar um bazar de prendas em beneficio dos
nufragos do vapor Baha, basar que d;vm ter
lugar no jardim da praca do Conde d'Eu vera
depositar as mos de Vv. S*. a quantia de
250/000, que conseguir juntar, cotisahdo-se al-
guna outros moradores desta freguezia. Assim
procedendo a commisso abiteve-se de seo pri-
mitivo projecto, em vista das circumstaac:as, que
obst vam e obstain actualmente a realisavo de
um bazar.
Tendo concorrido o quanto em ai cabia para
minorara condico dos uaufragis salvos do Ba-
hia, pede a Vv. Ss. que aa dignem de fazer a
devi ia applicacao da quantia indicada.
Deus guarde a Vv. Ss.Illms. Srs. presiden-
te e mais membros da commisso eentral dos soc-
eorros aos nufragos.
Figueiredo & C*
Pedro de A. B. Castro.
Jos TheotoD'o Dimingues.
Jos de Souza Braz.
Jos Mina de L. Duart'.
Olavo Antonio Ferreira.
Jos Isidoro Martins.
Ernesto Jos Souza Leal.
Odilon Dnarte.
Commisso de soceorros aos nufragos do vapor
Baha, R-cife, 5 de Abril de 1887.Illms. Srs.
A commisso de. soceorros aoa naufr.gos do va-
por Baha aecusa recebido o officio de Vv. Ss.,
bem como a quantia de 250*000 que o acompa-
nhava, a qual Vv. Ss. em commisso consegui-
rn) obter na freguezia da Boa Vista, em benefi-
cio dos nufragos do referido vapor.
A mesma commisso agradece este caridoso
olmli e procurar applical -o conforme os huma-
nitarios sentimentos de Vv. Ss.
Deus guarde a Vv. Ss.Illms. Srs. Figuei-
redo & C-* e mais membros da commisso da fre-
guezia da Boa Vista.
Jos Joo de Amorim,
presidente.
S. de Barros Barreto,
secretario.
Luiz Duprat,
thesoureiro.
24:897/050
Iilms. Sr. presidente e mais membros da com-
misso de soceorros aos nufragos do vanor Ba-
ha.Transmiti a Vv. Ss. a quantia do 42/000,
constante da relaco juata, afira de ser applicada
Secretaria do Club Drammatco Familiar em 4
de Abil de 1887.Illms. Srs.A commisso encar-
regada pelo C'ub Dramtico Familiar da ma-
tme realisada no da 3 do correte, no Theatro
Santa Isabel,em favor dos desventurados nantragos
do vapor Bahia tesa a satiaf aco de pausar as mos
de Vv. Ss. a quantia532/46'J, producto liquido da
referida matine.
O Club Dramtico Familiar lamenta pro-
fundamente que oa saus esforcos nao tenham sido
melhor correspondidos por parte de alguna cava-
Iheiros que, por motivos quesoalbeiosao Club,
nao manifestaran) aquella generosidade que era
de esperar em urna festa de caridade, promovida
para um fim to santo.
No entente, confessa que da parte de alguns
coraepes, bem que em limitado numero, foi a sua
expectativa plenamente satisfeita.
Ao Club Dramtico Familiar, porm, resta
a consciencia de ter feito quanto em suas forcas
esteva, no intuito de auxiliar a essa Ilustre com-
misso, na gloriosa tarefa que tomou sobre seus
hombros.
Aproveitando o ensejo, a commisso infra-es-
cripta protesta a Vv. Ss. a sua estima e conside-
ra cao.
Deus guarda a Vv. Ss.Illms. Srs. membros
da Commissi Central de Soceorros aos.nufragos
do vapor Bahia.
A commisso.
Jos Elias de Oliveira.
Jos da Costa Reg Lirra.
Affonso Olindense.
Julio Falco.
Adolpho Carneiro Cavalcanti.
Antonio de Moraes.
Bento de Souza Mira.
Commisso de Soceorros aos nufragos dr/vapor
faAia, Recife 6 ae Abril de 1887.Illms. Srs.
Esta commisso tem a satiafaco de aecusar o re-
cebimento do officio de Vv. Ss. datado de hontem,
com o qual remetteram a quantia 532/470, pro-
ducto liqnido da matina promovida por Vv. Ss. e
realisada no Theatro Santa Isabel no dia 3 do cor-
rente, em tavor dos nufragos do,vapor Bahia.
A commisso procurando desempenhar da melhor
forma possivel este encargo, afim de que aquella
quantia tnha a devida applicacao, louva a Vv.
Ss. os seus esforcos e egradece o sea caridoso aa
xilio.
3Deus guarde a Vv. Ss.Illms. Srs. major Jos
Elias de Oliveira e mais membros da commisso
do Chib Dramtico Faliliar,
Jos Joo de Amorim
Presidente.
S. de Barros Barretto
Secretario.
Luis Duprat
Thesonreiro.
niPor Cear.Parabyb, 3 de Abril de 1887.-
lllra. Sr. commendador Luiz Drupat.Pernam-
bucoAmigo e Sr.A presente tem por objecto
eommunicar a V. 8. que aqu aportaran) dois nu-
fragos do Baha, como do teiegramma que lhe di
Um del les o Sr. Manoel Rodrigue de Pai.va So-
brinno, este mooo alvou-se milagrosamente, per-
<*ondo su 4 mal com roapa e algum dioneiro que
ella condusia para pagamento de sua matricula
* 1" nno, na Academia de Direito.
Acha-se impossibilitado de poder segis a falta,
da recursos, por serem seus pas pobrissimos. E'
de glande justica que elle seja amparado pela
commisao de soceorros com alguma quantia, ao
meaos 200/, para fazer alguma roupa e poder no-
vameute seguir, sendo que a matricula e attestado
qua tem de mandar tirar no vameute,, a isto pouco
mais ou menos importa em 150/000.
Peco ao mea amigo suaefficas intervenco como
tbesoureiro da commisso de soceorros, no sentido
de dar-me suas iostruccoes, soccorrendo-se este
pobre moco, e attendendo qne eu aqui despeza al-
guma effeetuei com elle e o cadete, por se terem
recoihida ao centro de suas familias.
Aguardo sua prompta deliberaco, certo de que
o meu pedido lbs merecer toda a consideraco.
Subscrevo-me com particular estima etc.
De V. S. migo mu to attento e criado obrigado.
Augusto Gomea da Silva.
Pernambuco 4 Abril.Augusto Gomes.Para-
byha.Pode supprir conta commisso soccotos
200/000, naufrago Paiva Sobrinho.
Ao cadete poda dar 100/003 se elle precisar.
Duprat Thesoureiro.
Commisso do Soceorros aos nufragos do vapor
Bahia.Recife, 7 de Abril de 1887.Illm. Sr. Au-
gusto Gomes e Silva.Parahyoa. Agradeca a
participante que V. S. dignou-se fazer-me era 3
do correte (tento-a igualmente recebido pelo seu
tele^raram) de haverem ah aportado doas uau
fragos do vapor Bahia aos qu es n> teve de
supprir de momento auxilio algum por se terem
recolhido ao centro de suas familias.
Recommeuda porm, aos cuidtdos desta cora
raisso o de nome Manoel Rodrigues de Pivu So-
briuh, em favor de quem passou ura certiSeado.
que foi acolhido com o empenho que commis-
so merece, no deeej ) de correspiuJer i sua es-
pontanea misao de caridade.
Em resposta telegraphei no dia -1 o seguinte :
Pode supprir conta oramissi soceorros, du-
zeotoa mil lis naufrago Paiva Sobrinho.
Ao cadete pode dar ccoi mil ris si elle pre-
cisar.
Esta commisso p ir esta mala dirig'-se a V. .S.
e aos demiis agentes da Compauh^ Brasileira
de Navegaco, solicitando-lhes informales muito
necessarias era auxilio dos passos e i'seUr.'Cmie-i-
tos que ella precisa obter para sueco rer 3 fami-
lias dos que pereeeraui
Espera merecer a attmco de V. S. di: quera
mo subscrevo com particular consideraco. D:^
V. S.Muito attolto venerador, criado conrea-
do.Luiz Dupr.it, thesoureiro d.i e. imia.ssio.
Illms. Srs.Os abaixo assi^nados C. A. Silvei-
ra e W. Burmeatre, naufrago di vapor Bahia,
louvando os scutimeiitos enridosos da commis?o
de Soceorros, vera agradecer raesma commiss >
os offerecimentos que ella lhes tem teito e decla-
rar qu ros que to dignamente est destribuiudo pelos
seus cempanheiroa necessitados.
Aproveitando a opportunidade e reconbeeendo
o importanto servico prestado pslo mestre e tri-
polantes da barcaca Murtha que sal/>u 31 dos
nufragos e os con.iuzi a este pirto, fratando-os
e soccorrendo-oa com verdadeira dedicaco, vem
igualment" solicititar da di^na commisso que,
qualquer importaucia que alia eaten lase dever
consignar aos abaixo assiguados, de appcar co-
mo gratificaco a cates bons homras, cumpridores
de seu dever e de to nobres seatimentes.
Com quinto a commisso j os tenba gratifica-
do com a quantia de cera mil ris, pedem qu i esta
gratificaco seja augmentada cora aquella verba,
tendo os abaixo assignados a certeza de que in-
terpretara neste prasamento os sentimentos i' te-
dos os nufragos salvos pela referida barcaca.
Deus guarde a Vv. Ss.R-.'Cife, 5 de Abril de
1887.Illms. Srs. membros da commisso de soc
corros aos nufragos do vapor Babia ).Wii-
liam Burmester. C. A. Silveirs.
Commiso de Soceorros aos nufragos do vapor
BaAt'cr-Recife, 9_ de Abril de 1887.Illms. Srs.
Sendo o fim desta com mi'sao soecorre aos
nufragos nocessitados do vapir e aa familias dos
que fallecern! que precisaram de soceorros e de-
clarando Vv. Ss. que arjradecem mas nao necessi-
tam delle, nao pie esta comraiaso attender ao
pedido de Vv. Ss., apreciando uo enlamo os sen-
timentos de reconhecida gratido que manifestam
pelos tripulantes da barcac Mariha, k qual i
esta commisso gratificou com a verba que julgou
possivel.
Deus guarde a Vv. Ss.Illms. Srs. C. A. Sil-
veira e William Burmester.
Jos Joo de Amorim.
Presidente.
S. de Barros Barreto,
Secretario.
Luiz Duprat,
Thesoureiro.
Pernambuco, 6 de Abril de 1887.Illm. Sr.
C >mraendador Luiz Duprat. Os honrados e dig-
nos artistas e trabalhadores desta Companha,
bem como o pessoal da eacri.dorio, nao foram sur-
dos aos soffrimentos dos nufragos do vapor Bahia
pois que, promoveram urna suoscripco de accor-
do cora os seus flacos recursos, qual produzio
65/120, que nesta occasio remette a Vv. Ss. e
assim satisfaco ao pedido q<.e elles me fizeram.
D Vv. Ss.Raspeitador obrigado criado.
Gustavo Antunes, diructor secretario.
Relaco da importancia subscripta para os nu-
fragos do vapor Bahia, pelo pessoal da Compa-
nha de Edificaco :
Escriptorio 22*00 J
Olaria 21/000
C*noeiro8 o carroceiroa 3/100
O oras n. 6 8*900
tasn. 8 2l00
Ditas n. 13 3/i2o
D:tas n. 14 2/600
Ditas n. 15 /700
Ditas n. 16 1/60O
65/120
Commisso de Soceorros aos nufragos do va-
por Baha.Recife, 11 de Abril de 1887.Illm.
Sr.Esta comm.sso aecusando o recebimento da
c~rta de V. S. datada de 6 do c-rrente, com a
qual remettea a quantia ue 65/120, producto da
subscripto feita entre oa hnralos e dignos ar-
tistas, trabalhadores e o pessoal do escriptorio
de-sa C mpanhia em proveito dos nufragos do
vapor Bahia, pede a V. S. o especial favor de em
seu nome apresentar a aquellea senhores o seu
agradecimiento por to valiosa esmola.
Deus guarde a V. S.Illm. Sr. Gustavo Anto-
nes, digno director secretario da Cimpanhia de
Edificaco.
Jos Joo de Amorim,
fresidente.
S. de Barros Barreto,
Secretario.
Luiz Duprat,
Theresouiro.
6 de Abril de 1887 Illm. Sr. eommendadcr
Joo Jos do AmorimPassa ss mos de V. S.,
afim de que tenha a devida applicacao, a inclusa
quantia de sessenta mil eseiscentos res, que en e os
guardase officiacs s^b meu commando, contribuem
pare soccorro aos nufragos do vapor Bahta.
Sou com t)da a consideracoDe V.S.Atten-
to venerador e criado muito obrigado.
O commandante g-ral interino,
Luiz Jote Antones.
Commisso de Soceorros aos naufrago do vapor
Baha.Recife, 11 de Abril de .1887.Esta com-
misso aecusa o recebimento da carta de V. S.
de 6 do corrente, oom a qual remetteu a quantia de
6' 1/600, importancia da snbscripclo entre V. S.,
ofhiaes e guardas sobseu commando em favor dos
nufragos do vapor Bshia.
A commisso dar a conveniente appcaco
a aquella quantia e agradece a V. S. e aquilea 1
briosos offieiaes e guardas por to importante e
generoso obnlo.
Deas guarde a V. 8.Illm. Sr. Luiz Jos An-
tones, muito digna commandante geral interino da
Guarda Cvica.
Jos Joa de Amorim,
. Presidente
8. de'Barros Barreto,
Secretario.
Luis Dupart,
Thesoarairo.
A' commisso de soceorros aos naofragos, offe-
recemos para a familia de Antonio Silverio da Sil-
va, immediato do vapor Baha.Recife 4 de
Abril de 1887. '
Jo vi na A. de Miranda Veras.
Mua F. de Miranda Veras.
C mbss8sSo de socorros aos nufragos do vapor
Bahia.Recife. 11 de Abril de 1887.-A com-
misso de soccorrosaos nufragos do vapor "Baha ,
aecusa o recebimento da quantia de 20/000 qne
Vs. Excs. dignaram-se remetter em auxilo da fa-
milia do inditoso immediato daquelle vapor.
Esta commisso dar a applicacao destinada a
aquella quantia e agradece a Vs. Excs. em nome
daquella familia o seu caridoso obulo.
Deus guarde a Vs Excs.IlimH. e Exm". Srag.
DD. Jo vina e Mara de Miranda Veras.
Jos Joo de Amorim,
Presidenta.
S. de Barros Barrete,
Secretario,
Luiz Duprat,
Thesoureiro.
Directora do Arsenal d^ Guerra de Pernam-
buco em 12 de Abril de 1887.N. 1011.A mor
parte do pessoal militar e civil deste Arsenal e a
quasi totalidade dos operarios militares e ciris das
respectivas officinas, compungidos pelo deploravel
aconteeimeoto Ja naufragio do vapor Bahia, de-
liberaram auxiliar na proporco de suas forcas, az
victimas de to horrorosa catastrophe por meio de
urna subsenpeo, cujo producto confiou a esta di-
rectora afim de, como interprete de seus senti-
mentos, remettel-a commisso de soceorros de
qu V. S. mu digno presidente.
Aceitando agradecido semelhante incumbencia,
filha de sentimeutos nobrea c altamente humani-
tarios, teuho a honra de passir as moa de V. S. *
aa relacoea aunexas, naa quaes se acham apunta-
dos os donativos -ubscriptos na importancia total
de 114*o00 que igualmente entrego a V. S. para
que ae digne dar-lhco conveniente destino.
Dsus guarde a V. S.Illm. Sr. Jos Joo de
Amorim, digno presidente da commisso de boc-
corros aos nufragos do vapor Bahia. A-ntouio
Villela da Castro Tavares, major director.
Oj idSeaes c cmpregaJos do Arsenal de Guerra
da Pernambuco, abaixi assigaados, offerecetn
Suas esportulas aos nufragos do vapor Bahia.
Major Antn o Viiel.a de Castro Tavares 30/000
I)r Jos de Miranda Curio 10*000
Jos Francisco Rib-iro Machado 5/000
Antonio Pedro Dionisio 5/000
Cap Padre Ljouardo Jo > Greco 23000
Jos Francisco de. Paula Vellez 2/000
f'e'ix Antonio de Alcntara 2300(1
Antonio rjiu ii Costa Want-rley 2/OOJ
Vlarcas Evangelista Correia 23000
Napoleo O.ympio Frates 2/0J0
Uiysses Flonaoo do Re^o Birrete 23030
Miguel Antonio da Cate e Silva 2/000
Jui Climico -ios Santos BernarJes 23000
Arthur Moreira Di^s 230)0
Manoel Caetauo Visir a da Paz 1/000
Joo r'ereira da Silveira I/OJO
Antbino Alfredo de Carvaiho 1.3000
Emilio Rizendo da Suva 1300 I
Joaquim de Souza Vianua Ferreira 1/000
Joaquim Aleebiades Pereira Caldas 1*000
Joo Carlos Mendes 1/0)11
Joaquim Antouio de O.ivera Baduem 1/000
Manoel de Siusa Taixeira 13000
l).oo Antouio dos Santos 1*00<)
Hermino Jos de Az-vedo Pedra 1/000
liaymundo de Almoida Sampaio I iW
Bei'iario Falco de Souza 1*000
Beut Pereira Bastos 1/000
87/00(1
Arsenal da Guerra de Pernambuco, 11 de Abril
de 1887.Jos Francisco Ribeiro Machado.
Relaco dos operarios do Arsenal de Guerra que
resolverara fazer, entre si, urna sub3crpco em
favor das infelizes nufragos do vapor iiahia.
Candido Goncalves Ges Talles
Genuino Luiz Nunes
Antuuio S. das Merces Proto
Jos Antonio Camello
Manoel Al ves Cerdoso
Ildefonso Lucio Monteiro de Franca
Torquato Jos Monteiro
Flix de Valois Cantalicc
Jos GoncaK'es de Mederos
Thomaz Antonio Francisco Barreto
Joo Jos Cruz Prazeres
Manoel Joo Das de Amorim
Alfredo Cavalcante Ribeiro da Silva
Antonio Aquilino Pires
Manoel Joaqaim Paes Barreto
Francisco Jos dos Prazeras
Joaquim Silvano das Mercj
Joo Francisco de Mattos
Aceudino Cesar Ribeiro
Jacintho Martins de Jess
Jos Pedro de Alcntara
Al'Xandre Jos da Silva Leito
Joaquim Jos de Sant'Anna
Estanislao Alves de Vasconcellos
2/000
2/000
2*000
2/000
24000
2/000
2*000
2/000
2/000
13000
1/000
1*000
1/000
/500
3500
500
<5500
3500
3500
3500
3500
*5"C
*500
,5500
27/500
Arsenal de Guerra de Pernambuco, 11 de Abril
de 1887. Jos Francisco Ribeiro Machado.
Cemmisso de soceorros aos naufragis do vapor
Bahia ..Recife, 14 de Abril de 1887.- Illm.
Sr.Esta commisso tem a satiafaco de accuaar
o recebimento do officio da V. S. acompauhando a
quantia de 114*000, importancia da subscripfo
entre a maior parte lo pessoal militar e civil des-
se Arsenal e a quasi totalidade dos operarios mi-
litares e civis das respectivas officinas, em fa-
vor dos naufragas do vapor Baha .
A commisso dar a devida applicacao aquella
quantia, e agradeeendo apreienta a V. S. o seus
protestos de estima e considerace.
Deus guarde a V. S.Illm. S. majo.- Antonio
Vilella de Castro Tavares, digniasimo director do
Arsenal de Guerra Jos Joo de Amorim, pre-
sideote.S. de B. Barretto, secretario.Luiz Du-
prat, thesoureiro.
Recife, 13 de Abril de 1887. Illm. Sr. com-
mendador Luiz Duprat. CumPro o grato dever
de Dasaar s mos de V. S. a inclusa quantia de
85J000, importancia de um subscripeo aberta
eutre os guardas e marinbeiros desta Alfandega,
em favor das innecentes Felisbella e sua irm
Luiza, salvas do naufragio do vapor nacional Ba-
bia ,
Dando V. S. o destino que eonstituio a inten-
co dos subscriptores, concorrer para o desem-
penho do mandato confiado ao
Da V. S. attento criado obrigadiseimo. Jos
Silveira do Pilar Filho.
Commisso de soccoros aos nufragos do vapor
. Bahia .-Recife, 11 de Abril de 1887.Illm.
Sr.Esta commisso tem a satisfsco de recusar
o recebimento da carta de V. S., cem a qnal re-
metteu a quantia de 83/000, importancia da su-
bscripeo promovida entre os guardas e mar
nheiros desta Alfandega, afim de ser empregada
em beneficio das meninas Felisbella e Luiza, nu-
fragos do vapor Bahia .
A commisso dar a applicacao indicada aquel-
la quantia, e em nome daqaellas meninas agra-
dece a V. S. e a seus guardas e marinheiros por
to caridoso obulo.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. Jos Silveira
do Pilar Filho, digno guarda-mr da Alfandega.
Jos Joo de Amorim, presidenta.S. de Bar-
ros Barretto, secretario. Luiz Duprat, thesou-
reiro.
Os artistas dramticos, que actualmente traba-
lhain no theatro Santo Antonio assocfaado-se
grande idea humanitaria de suas irms, vem res-
peitosamente offerecer distincta commisso de
soceorros aos nufragos do vapor Baha, um es-
pectculo em favor dos infelizes, victimas de t
horrivel e lamentavel catastrophe.
Dma commisso composta de tres artistas en-
carregar se-ha da passagem dos bilhetes para o
referido espectculo que ser realisado no aabba-
do 2 de Abril, com o drama em 1 prologo e 5
actosO Dedo de Deas, oa o naufragio da fraga-
ta Minerva.
Os artistas abaixo assignados, esperan qae a


ftHNH l
{
sai



(Diario de Pernarofrueo(uinta-fcira 28 de
3




j
c\




.
diitincta commiaaao acceitara este pequen
em favor desse infelise*-
Recife, 27 de Marco de 1847-
.atooio Carvalho biabo.
Joaqun Faiippe Teixeira.
Augusto de Lima Peres.
Francisco Pereira Lyra.
Manoel Gomes Manhooca e sua lenho'a.
Thomasia Mana Lucci.
Jeronyno Sllveira.
Antonio Pereira do Valle.
Joio de Soasa Jnior.
Hermina Coimbra.
Antonio Coimbra Juator.
o obalof Rejeiton-se, depois *rar 8r. Lourenco da
I S, a emenda n. 107 ao projecto n. 22 deate anno
(o-oament municipal) empatada na seaaio ante-
cedente.
Approvou-e em 1 discussao o projecto n. 41
deste auno (fixacio da torca policial) pedindo o 8r.
Illms. Srs.Em nona de meas collegas artis-
tas do the -tro Santo Antonio, tomo a liberda^e
de offerecer a quaotia da 1:000X00:) producto li
quido do espectculo, qae em favor dea infeliaaa
nufragos do vapor Babia teve luear no dia 2
de Abril no mea o theatro, restando ainda a co-
brar atgumaa cadeiras, que, contorme o aeu rece-
bimento thea sera entregue.
Aproveitoa occasio para agradecer a tasa 1-
lostre commissao o ter acceitado o pequeo obulo
de tao humilde corperaclo.
Deua guarde a Vv. Sa.Illms. Sra. membros da
C immisslo de Soccorros aoa naufragoa.Antonio
Teixefra de Carvalho Lisboa, artiata dramtico.
Commissao de Soccorros aos naufragoa do va-
por Baha..Recife 16 de Abril de 1887.Illms.
Srs.=Esta commissao accasa o recebimento doa
officioa de Vv. Ss. e com o ultimo a entrega d
quantia de 1:0005000, liquido producs do espec-
tacnlo do theatro de Santo Antouio na noite de 2
Jo corrente.
A mesm* commissao. aj;r?dece a V v. Ss. e aoa
Jema-s a rtiatas do referido theatro este importan
te auxilio que prestam aos infelizea naufragoa do
vapor Babia que serlo sempre reconbecidoa aos
3eutimento8 de caridade do povo perdambucano c
am particular a Vv. Ss.
Deua guarde a Vv. S.-IHms. Sra. Antonio T.
de Cirvaiho Lisboa e mais Sra. Artistas do thea
tro de Sinto Antonio.
Jos Jola de Amorim,
Presidente,
de Barros Barreto,
Secretario,
^uiz Duprat,
Theaoureiro.
Pernaraouco, 1G de Abril de 1887.Iilm. Sr. Joe
J. d'Amonm.-De oriemde Sr. capitlo Jlo Paulo
Moreira Temporal, eeuhor do engenho Bom-Jar-
dinj da comarca de Brreiros, temos a satiafacao
de remetter a V. S. a quantia de 20*000, para aer
applicada em favor doa naufragoa do vapor
Baha..
Somos com subida-suma e consideracao.Ue
V. S.__Amigos Meatos e obrigados.Leal c
Irmao.
(Jommisso de socconca aos nufragos do vapor
Balda.Recife, 1G de Abril de 18S7. Illms. Srs.
Esta commiaaao t;in a satisfacio de accusar o
recebimento da carta de Vv. Ss., acompauhando a
3uantia de 2U000, jua por ordem do Sr. capillo
olo Paulo Moreira Temp >ral, senhor do engenho
Bom Jardim, da comarca :Ic Barreiros, remettem
Vv. Sa. p*ra eer erapregai* em auxilio aoa nu-
fragos do vapor Baha-
A comaiis.-lo dar a deviia appcaclo a aquella
quantia e roga a Vv. Ss que airvam-ae agrade-
cer a aqueiie earidoao cavalneiro a aua esmola.
Deua guarde a Vv. Ss. Illms Srs. Leal & Ir-
mao.Jos Jlo de Amorim, presidente.S. de
Barroa Barreto, secretario. Luiz Doprat, the
soureiro.
Secretaria Ja Sociedade M^nti-Pio Popular
Pernambucano. 14 de Abril de 1887.-Illma. Sra.
A Sociedade Moata-Pio Popular Pernambucano
represautsda pela eo.amisslo abis) assigoada,
compartilhauio do 8 -ntimento de toda popu laclo
deata cidade, palo naufragio do vapor Bahia, de-
liberou promover entre oa seua asaociadoa urna
subscripeo em favor dos infelices que sobrevive-
ram a tao horrenda eatastropbe, cujo resultado
deu a importancia de 9.000, que paeso a moa
de Vv. Ss., e em nom- da Sociedade pede que ha-
jam de dar referida uantia o conveniente dea-
tino, t
Deua guarde a Vv. Ss. Illms. Sra. membros
da coramiaslo contra! de soccorros em favor dos
naufragoa do vapor iihia.Dr. Mello Gomes.
Rodolpho O. Quedes de Lacerda.- Benjamn A.
Jos da Fonseca. -Joaquim de Gouveia Coideiro.
Anselmo Ayres de Azeredo.Henrique Cecilio
Barreto de Almeida, thesoureiro.
Commissao de soccorroa aos naufragoa do vapor
Baha, Recife, 1G de Abril de 1887.
Iilm. Sr.A commiasao de seccoros aos naufra-
goa do vapor Baha, com o oflicio de Va. Ss., rece-
beu a quantia de 95, importancia da subscrip-
clo promovida por Vv. Sa. em favor doa nufra-
gos daquelle vapor.
A commiasao dar a devida apphcacao aquella
somata e em nomo daquellea infelizes agradece a
Va. Ss. o acu caridoao auxilio.
Deua guarde a Vv. Ss.Iilm. Sr. Dr. Mello Go
mes e mais Srs. membros la commissao da socio -
dadaMonte Po Popular Pernambucano.Jas
Jlo de Amarim, presidente.S. de Barros Bar-
reto, secretario.Luiz Duprat, theaoureiro.
Pernambuco, 18 de Abril de 1887.
Illms. Srs. remos a eatisfacao de remetter a
Vv. Sa., com o presente, a quantia de 50* que os
Srs. Catilinaft Dutra da Babia, offerecem, pela fa-
brica de tecidoaBomfim, para aoccorrer oa
nufragos do vapor Baha.
Desempenhando-nos, por este modo, da incum-
bencia dos referidos senborea, noa prevalecemos
da opportnnidade. para apresntarmoa a Vv. Sa. os
protestos de estima e onaideraca), que Ihes tribu-
tamos.
Deua guarde a Vv. Ss.lllma. Srs. presidente e
mais membros da commiasao de soccorros aos
naufragoa jdo vapor Baha.Machado & Pereira.
Commiasao de aoccorroa aoa naufragoa do vapor
Baha, 20 de Abril de 1887.
Illma. Srs.Esta commiasao tem a satiafacao
de accusar o recebimento da carta de Vv. Sa., da-
tada de 18 do corrente, com a qual remetteram a
quaotia de 50, por ordstn dos Srs. Catilina & Du-
tra da Babia, -m favor doa nufragos do vapor
Baha.
A commiasao dar a devida applicacao aquella
quantia e roga a Vs. Sa. que eirvam-se agradecer
em aeu nome a aquelle* cavalbeiros e aceitar aeus
protestos de estima e conaiieracao.
Deua guarde a Va. Ss.Illma. Srs. Machado &
PereiraJos Joao de Amorim, presidente.S.
de Barros Barreto, secretario.Luiz Duprat, the-
aoureiro.
[Contina).
que
24
34
atiiSIA DIARIA
Aatemtsln Provincial Funccionou
hontem sob a presidencia do Ezm. Sr. Dr. Jos
Manoe' de Barroa Wand-riev. tendo comparecido
34 Sra. deputadoa.
Foi lida e approvada sem debate a acta da aes-
sao antecedente.
O Sr. Io secretario proceden leitura do se
gumte espediente :
Um olficio do secretario do governo transmittin-
do o balango e orcani'.'nto da Cmara Municipal de
Alagoa de Baixo. V commissao de orcameato mu-
nicipal.
Uutro da Cmara Muaicipil de C'abrob remet-
iendo copia de seu ornamento para aer convertido
m loi.A' commissao de ornamento municipal.
Approvou-si; um paracer da commissao de pe-
ticoea declinando para a de legialacao o conheci-
meoto do que requeren Rodrigues Jacome Martina
Pereira.
Foram a imprimir os aeguintes projectos, sendo
e de n. 'J preceiido do parecer da commissao de
ornamento provincial.
N. 69. Autorisaodo a concessao de urna proro-
gacao at 3 annos Oompanhia de Santa Therea
do praso marcado as clausulas 7 e 8 da innova
co do seu coutracto.
5. 70 Autorisando a abrir-se concurrencia pu-
blica para a cjnstrucca de urna fabrica de riacao
e tecidos na cidade de Limoeira.
Achando-ae sobre a meza foi a imprimir um pa-
recer da commissao de redaeco sobre o projecto
a. 12 deate anno.
Approvoo-sn cem dusa emendas dopoi- orarem
os Srs. Jos Mana e Joiu de'Oliveira o parecer
da referida commiaaao sobre a do projecto u. 1
deate sano.
Orou pila ordem o Sr. Joi Mara, sendo sus-
pensa a aesaao por cinco minutos.
Passoa se 1* parte da ordem do dia.
Jos Maria mas nao obtendo dispensa do in-
tersticio.
Pissou se 2 parte da ordem do da.
O Sr. Jos Maria, pela ordem requerou,
fosse subaiettido 3a diseessio o projecto n
deate anno (crditos 8npplementares.)
Encerroa-se a 3' diseuaao do projecto n
de 1886, (contracto de lluminaco da cidade
do Recife) sendo votadaa nominalmante, a reqne-
rimento do Sr. Ferreira Jacobina as emendas, e
orando p-la ordem diversos Srs. deputados.
Approvou-ae em 1* diacusso sendo dispensado
do intersticio a requerimento do Sr. Soares de
Amorim a l'-discussao do projecto n. 40 deate anno
H.vacao villa da povoaco de Noaaa Senhora
do O' de Goyanua)
Eocerrou-ae a 1* discusaao do proj cto n. 51 de
1886 (officiosde Gamelieira) tendo orado o Sr.
Jos Maria. que enviou meza um requerimento
de adiamento da diacusaio por 24 horas, assignado
tarahem pelos Sts. Bario de Itapisauma e Lourouco
de S.
Adiou-se a 1 discusso do projecto n. 49 deste
anno.
A ordem do dia : 1 parte : discussao nnica
das emendas offerecidas em 3 ao projecto n. 22
deste anuo; 2* parte: continuaco da antecedente
e mais l discussao dos projectos ns. 35, 47 e 65
todw deate anno e discussao nica das emendas
offcrecidas em 3a ao projecto n. 34 de 1886.
Antorldade* policlae*------Por portara
da presidencia da provincia de 25 e proposta do
Dr. chefe de polica de 22 d corrente foram no-
meados :
Subdelegado do districto do Verde do termo do
Bonito, Vicente Pacheco Raposo.
1, 2 e 3." sappleotea do referido subdelegado
Fiorismundo de Torres Maranbio, Manoel Sabino
das Mercs, e Simplicio Martins na Silva, na or-
dem em que vSo cellocados.
Por outra de 26 e sob proposta de 23 foi no-
meado 1. supplente da 1." delegacia do termo da
Escada o capito Z ferino Auieliano de Figucire-
do e Mello.
Tribunal hontem seaao neste tribunal, que funcciouou com
40 juizes de facto.
Foi julgapo o reo Jos Bello dos Santos, que a
15 de Maio do anno passado furtou de urna loja
da ra da Imperatriz n. 40 estabelecimento de
Antonio Joaquim Moreira urna peca de casemira
preta.
Foi preso em flagrante, processado e pronun-
ciado no art. 257 do Col Crim.
Nao trouse defensor pelo que Ihe foi dado o Sr.
Dr. Eioygdio Vianaa, advogado dos pobres.
Formou-ao o co isnlho. que ae compoz doa Sra. :
Dr. Caetano Maria de Faria8 Neves.
Dr. Alberto de Uliveira Coelbo.
Joo Cavalcante Moreira Campos.
Antonio Leonardo de Menezea Amorim.
Amaro AfTonao de Oliveira.
Maneel Joaquim Machad?.
Joao Duarte Carneiro da CunhaGann.
Jo8 de Azevedo Maia Silva Jnior.
Sydronio Silvano Nunea Sette.
Dr. J jsi' Franciaco Bibeiro Machado.
Gustavo da Silva Antunea.
Dmiogo8 Joaquim da F'onseca.
Submettido oreo interrogatorio responden cha-
mar se Jos Bello dos Santos, do 21 annos de
idade, natural deata provincia, sapateirn, resiieute
em Goyanna deede que nas.-eu, analphabeto, aa-
ber a causa porque estpre', nao t*r motivos par
ticulares a que poasaatfribuir este proceaso instau-
rado contra elle, e finalmente, que ns praticara
o furto porque aecusado, e que isso fora prati-
cado por um outro aeu compauheiro, que depois de
o fazer fngira abandonando o ubjeot > turtado.
A promotoria sustentoa o libello e justificoucom
os deponn^ntos das testemunhas a circumstancia
aggravaote da noite, pelo que pedio a condem-
naco do ru uo grao mximo do art. 257 do
cdigo criminal.
A defeaa baseou se nos proprios depoimentos das
testemunhas. Demonatrou, que nao houve a fla-
grancia e bem assim, que o ru nao tirou para ai
a peca de casemira, porque as testemunhas de-!a-
rou, que a peca de eaaemira cabio na clcala e foi
entregue ao aeu dono.
Ali'm de tudo aegundo dizem as testemunhas
eram dous os individuos, que nessa occasio (a que
se diz do crim") por all paaaavam. Ambas fugi-
rain, s'ndo seguro.o ru, perguntaelle qnem ti.-ou
a peya de case aira o ru, ou o que fugio ?
Aa taatemunhas nao dizem que viram o ru, ou
qualquer outro tirar tal peca ds casemira, mas
aim que ouviram a dita fazenda cahir na calcada
e voz p g-i ladra, viram doua individuos cerre-
rem. Nao ha autor conhecido do crime, si o crime
houvo, o que se uega, e nem a circunstancia ag-
gravante da noite eat provado, como procurador
para se perpetrar o tal crime de furto,
Conclue pedindo a absolvico do reo.
O consclbo retirou-se para a salla secreta, d'on-
de paeaados 30 minutos voltou trazeodo a con-
demnaco do reo 2 annos 5 meses e 5 di'ia de
priso simple", mi lio do art. 257 do cdigo crimi-
nal combinado com o art. 49 do mesmo cdigo
Hoje aera julgado o reo Manoel Franciaco dos
Anjos pelo crime de furto.
i'.r,i sendaAo Dr. juiz de direito do 2 districto
criminal apreaentou hoatem o Ia promotor publi-
co, Dr. Freirs H-.nriques, deuuuea contra o ins-
pector da Thesouraria de Fazenda. Antonio Cae-
tano da Silva Kelly, com incurso na incrimina-
do do 4o do art. 129 do cdigo crimi ial pelo
facto do desfalque, verificado nos cofres daquella
reparti^o, em 9 de Setembro do anno passado.
Acham-se agora denunciados todos os que fo
ram indigitados como responsaveis pelo referido
desfalque em vista do inquerito a que se proceden.
Appareceu o dono Entregamos hon-
tem ao Sr. Victorino Xavier de Simas, negociante
ra do Vigarion. 16, o chapeo de sol, que ha
via sido depositado em nosso escriptorio para ser
entregue a quem provasse ser o dono.
Cortn a orelba<>e sua propria mulher
Joanna Maria da Conceico, cortn a orelha Joo
Felippe Campello, conhecido por Nunes e morado!
em trras do eng nho Ilbotas do termo do Rio
Formoso.
O que fez a mulher nao sabemos, o que podemos
accrescentar e isto ainda maia aggrava o acto dd
Nunca, que elle e e'la eram noivos, poia tiiham-
se casado ha pnucos das.
O delegado do termo procede a inquerito e a of-
endida est sendo tratada em casa ds um ins-
pector de quarteiro.
O criminoso evadio-se e ainda o polica nao po-
de apanhal-o.
Visita legalFoi a que fizeram o r. pro
motor publico e o delegado de polica de Taquare-
tinga respectiva cadeia e encontraran] tudo em
estado regular.
Oa detentos nenhuma reclamac) fizeram.
Peata artiwtlea A conheci la artiata dra-
mtica Apolima Silva prepara para aabbado 7 de
maio prosimo, um attrabente espectculo uo thea-
tro Santa Isabel, em seu oeneficio.
A novidade da peca easolhida e os talentos da
beneficiada devem]provocar nma concurtenciacor-
respondente.
A peca prodcelo do intelligente J. G. Silvei-
ra Carvalho e denomina-BeLicinia ; um drama
de coatumea ; em 5 actos, cuja accao paasa-se no
Bio de Janeiro noa annoa de 187278.
Terminar o espectculo eom o 2 acto de um
drama do mesmo autor, denominadoTrabalho e
dedicaco ou oa nufragos do Baha ; a acea re-
presentar o convez do vapor em viagem, onde fi-
gurarlo o commandan'e, immediato, tripolaco e
pasa igciroa, e pnico e confueSo de todos ante o
perigo da submerao do vapor, que pouco a pouco
desapparece.
Ser recitada urna poesa do Sr. Belisario Per-
nambuco anloga ao naufragio.
Agradecemoa o convite eom que fomos mimo-
seados e des-jamos a beneficiada urna grande con-
currencia.
tsela de 4-oyanna Recebemos ease
peridico que d ae aeguintes ooticiaaa :
Na praia de Carne de Vacca snicidon-se Jos
Angosto de Souza. destechando na cabeca um tiro
de revolver.
Para as bandas do lugar Poco do Re urna
mulber tentou suicidar se, dando com urna nava-
Iba grande taino no pescoco.
A autoridade policial proceden como devia, e a
infeliz, gravemente doeu e se acha em tratamen-
to.
Providencie a aatorldade eosnpe.
lenteMorador no pateo do Terco pede-noa que
reelamemoa providencias contra o procedimeoto
irregular e perigoao de um paralytico, morador
na meema ras, qae diverte-se, dando tiro de re-
rslver, arma esta que aesapre tras oowigo, cau-
sando assim suatos aos mo.adores dalli e tran-
sentes.
Estamos convencido de qae a autoridade com-
petente se apresentar em tomar conhacimento
desae facto e providenciar como for de lei.
Faculdade de OirelloEis o resultado
dos actos de hontem :
/.* aimo
Lnis Diogo da Silva, plenamente.
Manoel da Invenco Senna Jnior, simples-
mente.
Thomaz de Aquino Fonseca, dem.
Eugenio Lamartine de An.irade, dem.
Joo Das de Freitas, idem.
Julio Goncalves do Valle Pereira, idem.
Trez reprovados.
3. anno
Joo Vicente da Silva Costa Jnior, plenamen -
te.
Adolpbo Feruandes S Antunes, idem.
Abiho Pereira de Souza Lima, aimpleamente.
Ovidio Ferreira da Silva Filho, idem.
Coraelo Evangelista de Queiroz, idem.
4.' anno
Ezequiel de Souza Pond, plenamente.
Leopoldo Ferreira Monteiro, aimpleamente.
Salvador Rosa, idem.
Flix Candido de Souza Carvalho, idem.
Um reprovado.
Amanh proceder-se-ba a ultima chamada
dos actos do 1." anno.
Actos acadmicosD'amanb em diante
os exames do 4. anno na Faculdade comecaro
as 10 horas da manh.
Malrls da Boa-Vista No aabbado s 6
e meia horas da manh dar-se-ha principio nessa
igreja aes piedoaos ejercicios do mez de Maio, os
quaes sero feitoa como nos annoa anteriores.
Theatro anta Isabel Nao tendo se-
guido pira a Babia a compauhia de zarzuellas
hespanbola, levou ante-hontem acea a zarzuel-
la i iz e Sombras cujo libreto da peona do poe-
ta D. Narciao Serra e muaica do maestro Cabal-
lero.
Como peca dramtica Luz e Sombras, urna
linda balada que attrahe mais pela b?lleca do es-
tylo em que est escripta, do le pelo argumento,
e contm alguna dilogos, um pouco maia exteo-
soa, do que oa commumeote empregadoa cm pecas
densa uatureza.
Como prodcelo Iyrica a partitura baatante
agradavel, apezar de alguna leves defeitos.
Filala a parte cantante msica italiana, tor-
na-ae attrabente logo aoa primeiroa nmeros de
msica da aria daa florea.
Tem como parte maia importante a de Aurora
cabalmente deaempeahada pela Sra. Pl, que fez
de cega e ointou com inteiri correcelo os trechos
de seu papel i particularmente aa arias.
Jines foi bem interpretado pelo Sr. Garrido,
pelo que receben bastantes applausos, na canelo
do priineiro. como no duettobuffo da segundo acto.
Oa Sra. Ramos. Manao, Durand e a ara. i>u-
cls, fortm regularmente no d setnp-'nh i de auat
partes, botan io se. porm na parte do Goncalo
grande pobreza de msica, pois a bonita aria can
tada noa baatidorea fazia eaperar ,miior deseovol-
vimento da parte do maestro compositor.
S 4 iio-5 : a alludida zarzuella a ci neiia Bazar
ile Noivas composicao dos Sra. Lastra e Hernn
dez.
Nao eaaa peca mais do qua urna imitaco per-
feita daa operas Uneclassede mademoisselles e das
Mulheres gtttrreiras, mas em todo caso agrada,
principalmente pelo inoioporquo foi desempcuhi-
da pelos Sra. Ramos, Garrido, e p-das Sras. Pl.
A. Sacaoelles e demais.
Faz boje beneficio a prim-iira typle absoluta a
Sra. Josepha Pl, cujo talento artstico tem sido
reconhecido e festejado p:lo publico.
Os seus admiradores preparam-lhe urna bonita
testa.
O espectculo de hoje consta da zarzuella c-
mica em dous actos Sobrinhos do capilao Gran', e
do 3o acto da Campanone.
No 2 acto dansam o bailado chileno La Zama-
cueca.
FallecimenloVictima de urna congesto
heptica, falleceu na segunda-feira prxima pas-
sada, Laurinda Pereira Guimares, esposa do
alferes Damio Lopea Pereira Guimarea.
Era urna aenbora virtuosa e estimada de quan-
toa a couheciam.
Paz aua alma.
Em favor dos nufragos do Babia
Coro o aeguinte oflicio recebemos hontem a quan-
tia de 208200, que hontem mesmo entregamos ao
Sr. Gurgel do Amar al :
Directora do Club Ensaio Dramtico Pao
d'Albense.Cidade do Espirito Santo, 25 de Abril
de 1887.
* Iilm. Sr. Paseamos s itios de V. S. a quan-
tia de 208,5200, producto liquido arrecadado no
espectculo em beneficio dos nufragos do vapor
Baha, que realisou o Club Ensaio Dramtico Cao
d'Aih-nae, no theatro Santa Theresa data cidade,
n do'oingo, 17 do corrente mez, cujas cuntas vio
juntas.
Encarecemos, portanto, V. S. o especial ob-
sequio de dar o destino conveniente referida
quantia : o que, desde j, summamente agrade-
cemos.
Ao terminar, manifeatamoa V. S. oa noaaoa
ainceroa protestos de subida eatima, consideradlo
e reepeito.
Deus guarde V. S. Iilm. Sr. Dr. Miguel
de Figueira Faca, digniaaimo Redactor priuci-
pil do muito conceituado Diario de Pernambuco.
Porfirio Tavares da Silva Coutinho, director.
Firmino Venancio de Araujo, theaoureiro. o
Paquete Ceara Seguio hontem a 'arde
para o norte eate vapor da Companhia Brasileira.
Mez Mari annoNa igreja de Nossa Se-
nhora da Penha os Revms. capuebinhos fazem
durante o prximo mez os religiosos exercicioa da
devoclo do Maiia, tendo lugar a abertura deaaea
exercicioa no aabbado 30 do corrente, s 5 1/2 ho-
raa da tarde.
Todos os das htver missa e bsnco do Saotia-
aimo Sacrameato a 7 horas da manh e terco s
6 horaa da tarde.

fabrico de quaijos para veodereaa em Piranhaa,
Jatob o ostras luesrss.
A Cmara Municipal do oorrente quatriennio,
depois de empossada em Janeiro ultimo, elegeu
para sea presidente o distincto cidadao, capito
Jovioo Ribeiro Torrea, para vice-presidente o ci-
dado Joo Aires da Carvalho, e nameou secreta
rio o cidadio Martinho Martiniano da Costa Agr,
sendo o primeiro conservador e os dous ltimos li-
beraos. Juramentou o 1 jais de paz, capito An-
gelo Ernesto da Costa Agr, nomeou procurador a
Amnelo Raptista da Sirva o eremos que nada
mais tez. Compoe-ae essa Cmara de seia liberaea
e um conservador e oa tres primeiroa juizes de paz
sao liberaos e o ultimo conservador.
Devemos dizer qne encontrar ella muitas
diflieuldades para desempernar bem aa suas obri-
gacoes, pois que a transacta deixou oa seua cofres
sem um real e urna pessima arseeadaclo de ren-
das.
E' preciso, pois, que a nova Cmara inspre-
se no sentimento do dever que compete a nma m-
stituieao deaaa natureza para com oa seus munici-
pes de quem immediata representante.
Deve proper a arrecadacao de suas rendas oa
por administraco ou arrematadlo, conforme julgar
mais conveniente, vista da autoriaaco que Ibe
concede a lei n. 1,791, de 27 de Julho de 1883, se
gundo j Ih'o declarou em otficio o Etm.,Sr.Dr. pre-
sidente da provincia; mandar proceder a limpeza
das ras que esto cheias de mattos e pedras, fa
zendo vergonha vel as; obrigar os proprietarios
a mandarem rebocar a frente de suas casas, mui-
tas das quaes esto sem reboco e sem cale-idas ;
deve, finalmente, mandar fazer outras muitas cou-
8a a que a Cmara velha nao fez, cumprindo-lh*
tasar*
* Espsramos mais patriotismo dos actuaes edis,
e muito confiamos no distincto cidado que ojeupa
a cadeira presidencial da nova Cmara.
Passando do civel ao ecclesiasco, pedimos ao
Erra, e Rvm. Sr. biapo que ae digne nomear um
vigario para esta localidade, cujoa fiis nao teem
a tempo e hora um padre que Ih.-s administre oa
80ceorroa da noaaa santa e sublime religio.
O vigario que rege eata freguexia o da de
Cabrob e all reside, sendo-lhe portanto, difficil
deaempenhar ao mesmo tempo aa suas obrigacoes
em ambas as freguezias, tanto mais sendo Cabrob
distante 14 leguas desta villa.
Aqu morre-se sem confisalo, enterram ae oa
calaverea aem encommcndaco, ouva-se missa aps
trea ou quatro mezea urna da outra, esperain os
noivos muito tempo para caaar-sa e aa criancaa
para baptiaar-ae.
Pedimos, poia, ao noaao distincto e preclaro
bispo que se digno por um paradeiro a ease istado
de cousas, uorneando um vigario para esta fregue-
xia.
Passenros polica. O primeiro districto da
villa est sem subdelegado e supplentes desde Ju-
lho do anno passado. O subdelegado effectivo,
Caetano Pereira da Silva Leite, retirou-ae para o
termo do Salgueiro, onde tixou reaidencia e, cou-
seguintemente, nao havendo supplentes aomeadoa
e aubdelegado, est o referido districto em urna
acepbalia policial.
Cmsta-uos que o Dr. juiz municipal do termo
j repre/seotou ao Exm. Sr. Dr. presidente da pro-
vincia e ao Dr. chafe de nolicia, sobro a necesai-
dade de screm nomeadaa aquellaa autoridades.
Contina aqu urna torca de liuha do 14 ba-
talblo de infautaria, aob o commando do alferea
do mesmo batalhao, Francisco Alfonso do Reg
Barros, que tambem o delegado de polica. Este
official tem procurado bem cumprir os seus deve-
res, nao s em mant'r a ordem publica, que se
achava aqui ameacada quando chegou, como em
exercitar os sus soldados na arte militar.
Com os seua osforcoa foi construido o mercado
publico desta villa, o qual uuuca podo sel-o pela
transa :ta Cmara. Comquaoto pequeo, todava o
novo mercado offerece aos almocreves melhor aga-
zalho do que o existente outr'ora, denominado
palhoca.
Acham-se pronunciados deade 22 de Dezem-
br i do anno fiad >, na cadeia publica deata villa oa
trea es-soldados do corpu de polica que deixaram
evadr-se o criminoao Manoel Flix, conhecido por
Jos Pallado, cumplice da moeda falsa.
Basta. -J fallamos as chuvas, Cmara Mu-
nicipal, igreja, polica, mercado e presos ; guar-
demos outras cousinhas para a segu ute missiva,
em que fallaremos daa aulaa publicaa, neceaaidade
de urna collectona provincial, de um adjunto de
promotor publico, etc.
Au revoir.. 5 de Abril de 1887.
Operac5es cirureicasForam pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 27 do correte, as
seguintes :
Pelo Dr. Malaquias;
Extirpaco de dos lipoma daa regidas lateraes
do tronco.
Posthotomia pelo processo de Ricod indicada por
phismoses.
Pelo Dr. Pontual :
Uretbrotomia interna pelo processo da Mason-
neuve indicada por eatreitamauto da nrethra.
No hospital do convento de S. Bento em
O linda:
Foram praticadasno dia 27 aa srguictes :
Pelo Dr. Maduro ajudado peloa ra. Berardo e
Seve :
Exeiso de um epitelioma do lado eaquerdo da
lingua
Exeiso e cauterisaco pelo thermo cauterio de
elepbantiases dos pequeos labios e vegetacoea
aypbiliticaa do perineo.
Directora das obras de conserva
Ja o dos portosBoletim meteorolgico do
ia 26 de Abril de 1887 :
Bom Jardim Do nosso correspondente,
recebemos com data de 24, o aeguinte :
Contina acata comarca o pauperismo de no-
ticias, que intereasem.
* Esta convocada a 2.a sesno do jury para 30
de Maio vindouro.
Por aqui tem chuvido com regularidade e
abundancia.
Como diese na ultima missiva, vai ter lugar
prximamente a eleiclo de vereadores e juizes de
paz ; e desde que cousteu oue a Presidencia ba-
via marcado dia para esse fi.n, comecaram oa can-
didatos a pedir votoe, aem plano e aem ayatemo.
" Depois da eleic.lo dos representantes da na-
ci, a de vereadores e-de juizes de paz, a mais
importante e que mais interessa aoa municipios ;
e provera a Deus que os ii03soa partidos polticos
as localidades comprehendendo a elevada tnisso
das municipalidades, e a importancia das funecoas
dos juizes de paz, elegessem para desempenhal-as
um pessoal correspondente em todos os sentidos.
A falta de escrpulo na escolba do pessoal, e
a cegueira poltica sao causa do atrazo moral e
material doa municipios, cujas cmaras as mais
das vezea nem conhecem a aua lei orgnica.
A Cmara, cujo mandato findou-se, nao pro-
cedeu mal; pjdia ter feito mais em prol desta co-
marca. Para isto nao Ihe faltou boa vontade ;
mas nao encontreu o auxilio, que era de eaperar,
para (-Efectuar certos melhoramentoa. Entretanto,
deixou ella duas ruaa calcadas, que d'antes eram
iotransitaveis ; sempre fez alguma couaa, e antes
pouco do qae nada.
Deu-ae ltimamente um facto que levado ao
conhecimento do juiz de direito Dr. Castalio Brau-
co, deu lugar a qae este so dirigiese em cfficio ao
delegado de polica e ao juiz de paz para que pro-
videnciassem sobre o mesmo facto, cuja explica-
co ou narraco nao taco aqu, porque vai ella
narrado na copia, que pude obter, do tal oflicio, e
que Ihe envi para publicar, se assim tatender
conveniente.
Depois da elcicao, que a em que se falla,
por aqui, Ibe eacreverei referindo qualquer prin-
cipio que ae tiver havido.
Leopoldina Do notao correspondente re-
cebemos o aeguinte:
c Nao obstante a grande distancia que nos se-
para da rossa Ilustrada e conceitaada folha, va
mos d'aqui pedir-vos um pequeo lugar as co-
lumnas deaaa folha para a publicaco das noticiae
deata localidade proporco que ae forem aceamu*
lando na uo8aa carteira de notas.
Copiosas chuvas cahiram aqui durante todo o
mez de Marco e nos termos vainhos, a ponto de
cauaarem grandes cnchentea nos riachos, acudea,
varzeas, etc. Os sertanejos alegraram se ao prin-
cipio com isso ; mais tarde, porm, tiveram de la-
mentar os prejuizos causados por esaas chuvas em
suas lavouras, acudes e criacoes.
Todava, esto ellea boje oceupados no grande
9
Uorae a- o ?52 3 o ao Barmetro a 0 Ttaalo do vapor a a o a 9 a
6 m. 22'8 76003 17,86 87
9 25-3 761>34 20,30 84
12 299 76076 21,49 68
3 t. 289 759>59 19,09 64
6 269 759">66 19,i)5 73
Joo Baptiatr. Saraiva, M. Martines San Martin,
Jos Garcia, Guiseppo Massara, Vicenso Picinno,
Antonio Baptista Nogueira, Arthar de Mello, D.
Elvira de Medeiroa, Franciaco T. da Rocha Be-
zsrr*, Bernardino de Soasa Daarte, Thomas Pom-
pes Pinto Accioli, Joaquim Jos doa Reia^Victo-
rino J. Pereira de Abreu, sua senhora e 2 filaos,
Antonio G\ Nabuao Barreto, e 10 pessoas da com-
panhia italiana-
Casa de DetencaoMovimento dos pre-
sos da Casa da Detencao do Recifa no d ia 27 do
corrente :
Esistiam397 ; eutraram 40; sabirsa 3Exis
tem 434.
A saber :
Naeiouaea 390 ; mulbercs 15 ; estrangeiros 14 ;
escravoa sentenciados 7 ; idem proceisado, 1 ;
idem de correlo 7.Total 434.
Arrav'oados 379.
Bono 359 ; doentes 20.Total 379.
Movimento da enfermara.
Teve baixa .-
Ambrosia Moreira de Souza Rochi.
Lotera da corteA 204 lotera da cor-
te, pelo novo plano, cujo premio grande de....
30:(>)OJOOO ser extrahida no dia .. de Mar-
eo.
Os bilhetcs acham-se venda na praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-ae venia na Casa da For-
tuna ra Primeiro deMarco.
Lotera do tiruo Para- A. lotera desta
provincia, pelo novo plano, cujo premio grande
40:000^000, ser extrahida no dia 30 do cor-
rente.
Bilhetcs venda na Casa do Ouro, roa do Ba-
ro da Victoria n. 40 de Joo Joaquim da Costa
Le te.
Tambem acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da provincia do Paran
A 12 lotera desta provincia,pelo novo plano, cu-
jo premio grande de 15:000*000, ae extrahir
no.dia 3 de Maio.
Bilhtea a vonda na Casa da Fortuna, ruu
Primeiro de Mareo n. 23, de Martins Fiuxa & C.
Lotera da Paran y baEsj* lotera cujo
premio grande de 20:0J0000 ser extrahida no
dia .. do corrente.
Os bilhetea acham-ae venda na Casa do Ouro
ra do Baro da Victoria n- 40 de Joo Joa-
quim da Costa Leite.
Lotera da provinciaA 15a pa^teda
Ia lotera em beneficio da Santa Casa de Miseri-
cerdia do Recite, ser cstrahida qu*nio for an-
nuuciada.
Os bilhetea acham-se esposto3 venda na the-
aouraria daa loteriaa ra do Baro da Victoria
n. 14.
Cemilerlo publino Obituario do d a 23
de \bril :
Umbelina Domngaa do Espirito Santo, Pernam-
buco, 48 annos, aoiteira, (iraca; esostosis ar-
tica
Mara, Pernambuco, 2 mezea, Santo Antonio ;
espasmo.
Jos, Pernambuco, 3 mezea, S. Jos; atrepsia.
Jos Zacharias, Pernambuco, 14 annos, soltei-
ro, auto Autonio ; anasarca.
LauriuJa Jeronyma da Silva, Pernambuco, 38
annos, solteira, S. Jos ; gastrite.
Mfria, Pernambuco, 3 mezes, S.Jos; atrepaa,
Maria Thereza de Jess, Pernambuco, 32 an-
noa, aoiteira, Ba-Viata; tubarculoa pulmnna-
rea.
Joao Pire3 de Freitas, Portugal, 29 annos, ca-
sado. Boa-Vista; edema heptico.
Silvino Nunes do iioaario, Pernambuco, 38 an-
nos, soltiro, Santo Antonio; erysipella.
Luiz Gomes da Silva, Paruhyba, 54 ann03, ca-
sado, Santo Antonio ; leoo do coraclo.
Julio, Pernamoucc, 18 mezes, Boa-Vista ; me-
nengite.
Anna Maria da Conceico, Pernambuco, 38 an-
noa, aoiteira, Poco : dilataclo artica.
Maria Lydi de Castro Torrea, Pernambuco,
15 annoa, aoiteira, Graea ; febeo typhica.
Baltbazar da Rocha Nazarcth, Pernambuco,
Bda-Vi3ta ; pela aubdelegacia.
Recem-naacido, PeruamDuco, S. Joa ; uasceu
morto.
24
Autinio, Pernambuco, 8 mezes, S. Jos ; con-
vu ladea.
Domingos Eliseu do Amaral, Rio Grande do
Su!, 28 annoa, solteiro, Ba-Viata; febre ty-
phica.
Manoel, Pernambuco,6 mezes, Bi-Vista ; dyar-
rhi.
Fania da Silva Araujo Brandlo, Pernambuco,
23 annoa, casada, Recite ; alienaclo.
Esmerina Maria do Riaario, Pernambuco, 75 an-
noa, viuva, Santo Antonio ; e ie -nli liita.
Maria da Conceico. Cear, 20 annos, casada,
Grac* ; dyarrha.
Meuoel, Pernambuco, 8 dias, Boa-Vista ; t-
tano.
Francisca de Panla, Pernambuco, 69 annos, ca-
sada, Ba-Vista ; dyarrha.
Austricliuo de Castro S Barretto, Pernambu-
smmsammmmasBBa
Conasaltorlo HossceopaMco
O Dr Miguel Tfiemudo, medio so
moaopatioo, tem o sea cooaultorio ra ds
Bario da Victoria n. 7, 1." andar, onde
d consultas diariamente daa 12 s 3 ho-
raa. Chamarlos por egeripto a qualquer
hora do dia ou aa noite.
muiou seu esoriptorij de
ra do Duque de Casia*
O Dr. Met
advocada para
n. 50, 1." andar.
Drogara
Francisco Manad da Suva dt C..
stanos de todas aa especialidades pharnia
oeuticAS, tintas, drogas, productos chimic*
a medicamentos homceoDaticos, ra do Mr-
quez de Onda n 23.
. Drogara
aria Sobrinho & Q. drogaista por ata-
cado, ra Mrquez de Olinda n. 40.
Serrara a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapina.
de Francisco dos Santos Maccdo, caes
de Capibaribe n. 23. N'este grande esta-
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra-se e vendo-se madeiraa
de todas as qualidades, serra-se rnadeiraa
de conta alheia, assim como so preparam
obras de carapina por machinas e por pre-
90 sem competencia Pernambuco.
PUBLIGiCOES i PEDIDO
Reunio dos magistrados
DISCCSSAO do ccete
IX
(Continva$a)
PresidenteSilencio, meus Senhores.
alabar, e v<-jao o que podem fazer
para evitara rovoada auu nlo tarda a desabar.
O Sr. Sefeiche(com medo). Rtsistir. (naa
anotados).
3 Sr. TelimCapitular (apoiados).
Sr. Ljalo loeeQuem e que resiste a tan-
Paia que estas bravatas ? (muito
O Sr.
I)":x iu-o
0
sera o urimeiro a
fazer. O que
nao procure a
tos cacetes ?
bem).
O Sr. Carosa. O Sefeiche
correrJa muito ennheado ..
O Sr. NegromonteO Sr. Caroxc. pode inter-
ceder por nos, visto o aeu prestigio entre o ini
migo.
O Sr. Caroxa.Agora que sabe que tenhc
prestigio? Mas u juca se lembrou de mim e nem
do meu prestigio, para nomear-me curador .'
Arranje-se.
O Sr. NegromonteS ajora conheco ; andava
| Iludido ( vozes salve-nos, uosso amigo Ca
roza).
Sr. CaroxaIsto nlo posso
i posso pedir para queo caite
j cubica e aim o lombo. Venbam para o meu lado
oa adiogauos. (oa advogadoa aentam ae a esquer-
i daonde eat o Sr. Carxe os magistrados fi-
cam a direita. Pur muitas vezes ^ssenhores Li-
mao duce e Negromonte teutam tomar a ban
cada dos advogados, mais o Sr. Presidente man-
0 Albino condusi os a seus lugares.
O Sr. PresidenteMeus senhores aproveitem o
tempo e evitem o asalto, (agitacao).
) Sr CaroxaVejam agora se tenho ou nic
| prestigio eutre os cactea (vozaoh si tem !..
I (Quito).
O Sr. PresidenteSr. Manejse veja se desco-
bre algum meio de salvar esta pooie gente.
O Sr. Manejseas Ibe vejo geito.
O Sr. Limao doce Manejseeu te peco
morena Ignacinha do Bom Sucessopor
mero pelo teu poema, p-la tua criada
fiuha, salva-nos. Poupa-nos a vergonha
opprobio (vozeasalve-nossalve-nos).
O Sr. Manejse(reffectiudo) S vejo u
O Sr. Limao doceQual ?
O Sr. ManejseUrna aincura < ontricao e
: plorar a Deua o ataatamento do duro instrumento, e
I o perdi dos seua peccados.
O Sr. TelircDevemo3 implorar ao povo ou ao
cacito ?
Donde vem a aooerauia ?
O 81. SefeicheDo povo.
O Sr. CaroxaDo ccete.
O Sr. Limao doceDo dinheirc.
O Sr. Manejseninis potcstas a Deo. E
a Deus que os senhorea devem implorar o perdi
de tantos peccados.
O Sr. Negromont.Seja quem for, vamos logo
com isto.
Piu8 EneasO que convm evitara o ccete,
8eja qual for o meio.
O fira justifica os mcios.
Foi sempre eata a minha doutrina.
Cresa(desgrenbada
pela
Ho-
.Ze-
e o
vejo um meio.
n-
tica.
Temperatura mxima30,50.
Dita mnima22,75.
Evaporaco em 24 horas ao aoi: 3,i8 ; som-
bra: 2,9.
Chuva0,">6.
Direcco do vento : S e S8E eltornados de meia
noite at 11 horas e 23 minutos da manhl ; SE
e SSE at 2 horas e 43 minutos da tarde ; S e
SSE at 4 horas e 54minutos da tarde; SSW at
9 horas e 49 minutos da tarde (com interrupcio
de S durante 10 minutos); SSE e SE alternados
at meia noite.
Velocidade media do vento : i ra,47 por segundo.
Calmara durante 1 hora e 30 minutos pela ma-
nh.
Nebulosidade media: 0.62.
l,eili-%Eftoctuar-Be-nao:
lioje :
Pelo agente Alfredo Guimares, s 11 horas, na
ra do Visconde de 6-yanna n. 61, de movis,
loucaa, vidros e espelbos.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na ra do Bom
Jess n. 43, de velas stearinas avariadas.
Pelo agente Modesto Baptista, a 11 horas, ra
10 Livramento n. 7, de movis.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, na ra do
Bom Jess n. 14, de movis.
Peto agente Martins, s 11 horas, na ra Du-
que de Caxias n. 66, da armaclo e mercadorias.
Amanhl:
Peto agente Gusm&o, a 11 horas, ra do
Mrquez de Olinda n. 19, de espelhos.
Sabbado :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, no pateo de .
Pedro n. 17, de movis, loucas, vidros e cristaes.
Misas fnebre.Serlo cel obradas :
Hoje :
A's 7 horas na igreja de S. Goncalo por alma
de Jos de Barros Sette: s 8 horas no convento
do Carmo por alma de Flavio Goncalves Lima,
Amanhl :
A'e 7 1/2 horaa, na matriz da Boa-Vista, por
alma do acadmico Domingos Eliseu do Amaral.
Sabbado:
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, por
alma do teueute-coronel Austriclino de Castro S
Barreto
A's 8 horas na capella de l'reguicas, par alma
do tenente coronel Austriclino de Castro S Bar-
reto.
Passaifelros Sabidos para o norte no
vapor nacional Car :
Arthur do Amaral Assis, Porphiris Nogueira
Lima, Aristidea F. de Oliveira, Francisco Bono-
fin, Albino Antonio da Roaa, Benedito Barreto do
Rosario, Antonio da C. F., Oetaviano de S*nt'
Auna, Vctor Barreto, Joaquim Luiz dos Santos,
Jalo Baptista Barreto, Manoel Joa di Aodrade,
Jos de Faro B., Carlos Augusto de Mesquita,
ImZZZSE7M?ie PHllida, Qa?m me
^ctodeStri^QuemaerSMrrf0^
O Sr. ManejseEu, com o mais velho da re-
unilo.
O Sr. Negromonte Angustiado momento !..
O Sr. Lirno-doce E Deus ainda me ouvir
Manejse ? Elle uao se lembrar dos juizes ? E
demais voc nao padre.
O Sr. Manioa-Us theologos enainam quecer-
toa actos de noaaa religiio produzem o efFeito de-
spjado ou operaop.rata ou opera operante .
Assim, pois, apezar de nao ser sacerdote e de nao
estar em a graca o acto vale por s meamo, in -
dependente do meu nlo merecimento.
O Sr. Preaidente Varaos meus senhores, evi-
ten) o assalto (ouvem-se solutos do lado direito).
O Sr. Manejse (levantaudo-se)Peccadores, s
um arrependimento sincero vos ple salvar. Ten-
de f e nao duvideis da misericordia Divina. J.
Christo veio ho mund 1 para salvar os borneas e
amou-os at ao fim. a lo tiuein dilexit eos As
vossas prevaricaces, as vossas iniquidades pro-
vocaran) o merecido castigo. (Commovido) Irmlos,
es sofFrimentoa sao a obra do homom, e, ao mes-
mo tempo, a obra de Deus. Do homem, porque os
soffrimentos uao existiriam sem o peccado, que
obra sua; de Deus, porgue tambem nlo exitiriam
sem a sua justica.
Obra de Deus e do homem elles sao um mal e
um bem ; um mu porque abrem a porta a todas
as dores ; um bem porque abrem caininho ao ar-
rependimento e a esperanca Slo um mal porque
alo urna pena e uro bem porque rehabilitara
(Commocao gerul). Imploremos a misericordia di-
vina e aproveitemos o momento para rehabilita-
ba 0. (O orador sobe a urna mesa fronteira ao Sr.
presidente chama o Sr. Limao-doce e o Sr. Negro-
monte e ajojlha-os, um a direita e o outro a es-
querda Puer aseanius ajoelha-se dentro do
boleo de Cresa ).
O Sr. Manj s Ajoilhem-se todos 03 da di-
reita. Os da esquerda fiquem de p. Baixem a
Sabsca, batam nos pitos e digam coramigo : (to-
dos quantos esto de joelbos, repetem a oracao) :
aenhor, prevariqu i, tenho prevaricado e sinto-me
com tendencias para continuar a prevaricar. Pe-
aa-me senhor, de vos ha ver otfendido ; mas propo-
nho-me ajudado de vossa divina grac-1, emendar-
me e nun a mais prevaricar. Senhor, premetto jul-
gar srm odio, sem umisade, sem prevencio e sem
avareza. Prometto dividir irmamente as fallencias
nter amicos et inimicus ad soladura advocato-
rum quebradorum A fu gen tai, senhor, o duro
instrumento, a solus hortus usque ad oceasus.
Emolumentura quotidianum da nobis hodie et
aemper, magis quam regimentus dixit. Ne nos
inducas in tcntationem amicorum, compadro-
rum, profeasorum et correspondentorum sed, li-
bera-me acredit.uribus nostris .
O Sr. Manejse (encoatem a cabeca no chao, e
digam com muita f) : Domine euxandi oratio
nem meam et clamor meus ad te veniat Domine
in manua tuas comeudo ossea mea .
O Sr. ManejseAgora, cinco minutos de ora-
rlo mental e um P. N. p.ir alma de el-rei D. Di-
niz, como manda a nossa ordenaclo desculpe. Ou-
vem-se aolucoa de todos oa lados. O Sr. Negro-
monte chora amargamente (flerit amari O Sr.
Limao doce, amarissime .
O Sr. Maujoa (depiia de cinco minutos de pau-
sa).Agora levantem-se e emendem-se. Deus Ibes
d juizo c alguma eousa mais .
Themis.
(Contina)
nos, solteira, S. Jos; hyatero epiletico.
Francisca, Pernambuco, 5 mezes. S. Jos ; con-;
vulses.
25
Beatriz Maria da Conceico, 31 annos, casada, I
Recife; tubrculos pulmonares.
Vicente Coimbra da Silva, Pernambuco, 39 an-
nos. casado, Boa-Vista ; ictericia.
Virginio Joa de Freitas, Pernambuco, 20 an-
nos, casado, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Manoel Pinto, frica, 80 annos, solteiro, Ba-
Vis'a ; bronchite.
Joa Flix Damaaccno, Pernambuco, 16 annos,
solteiro, Ba-Viata; nepbnte.
Tbeodora Maria da Conceico, Pernambuco, 44
annos, casada, Ba-Viata; abeesso do ligado.
Dt. Jos Maria de Albuquerque Lima, Pernam-
buco, 52 aunos, viuvo, Boa-Vista ; beribri.
Joaquim Jos Martins, Portugal, 44 annos, ca-
sado, Boa-Vista t leso do coraclo.
Arthur Alexandrino Goncalves dos Santos, Per-
nambuco, 29 annos, solteiro, S. Jos; ttano ex-
pontaneo.
Antonio da Silva, Pernambuco, 70 annos, sol-
teiro, B.i-Vista ; rbeumatismo.
Julo Jos Correia, Pernambuco, 38 annos,
casado, Becife ; padecimentos intestinaes.
Maria do Carmo, Barbosa da Silva, Pernambu-
co, 23 annos, casada, Recife ; tubrculos pulmo-
nares.
Francisco Caetano da Silva, Pernambuco, 40 an.
nos, casado, Recife; cynhese hepatict.
Amancio, Pernnmbuco, 2 annoe, Graca ; Ver-
mes.
Maria, Pernambuco, 17 dias, Boa-Vista; gastro
enterite.
INDICARES TEIS
Mdicos
O Dr. Lobo Moscoso, de olte de sua
viagem ao Rio de Janeiro, conntua ne
oxeroicio de sua profiaaSo. Consltuas das
10 s 12 horas da nanha. Especialdados
eperacSes, parto e molestias de s-nhoras e
meninos. Ra da Gtaria n. 39.
Dr. Barreto dampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra-i? Barao da Vistona, n. 51. Resi
dencia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jetas tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado. ^
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, reaidencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das l horas da manh a 2 da
tarde. Especialidade : molestias e opera-
c3es dos orgaos genito-urinarios do homem
e da mulher.
Dr. Joaqaim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1.-
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Monteiro.
Dr. Manoel Argollo. Residencia e con-
sultorio ra Duque de Caxias n. 86, 1 *
andar. Consultas das 11 horas a 2 da
tarde nos dias uteis. Telephone n. 283.
O crime de Pao d'Aiho e o ex-
Mibdcl fi;nlo supplente da
Luz. sfoio de SSqueira Paz
Voltou-ma a carga no Jornal do Reei/s
de 17 do corrente o Sr. Siqueira Paz, e



LVaVaftafaflai
Diario de Peroambucotyuinta--feira 28 de Lbril de 1387
deaU vea appareceu armado cora urna jus-
tiucacJo engendrada i sorrelfa, no juiso
municipal do Pao d'Alho, sem citacSo da
parte iotereeaada, a viuva do Sr Francis-
co X Caraairo da Cunta, urna vea que a
mesma justificado teve por fim probar a
innocencia de Pedro DamiSo, procurando
se deatruir os depoimentos das duas taste-
muohas preseociaea, Umbelina e Joao Ca
cula.
O Sr. Siqueira ra servio apenas de
instrumento nessa justifisacSo, mas ojuiz
municipal devia tar mandado intimar a
parte interessada para assistir, s assim a
fallada justificacSo poieria ser considera-
da um documento serio; como esta, nao
passa de um arranjo inieoente, e bastar
ler-sa oa depoim sotos para reconhecer se
peh redaccao delles que as tres testemu
nha aue figurado na justificaclo contaram
um recado ostudado, ipsh verbis, ipsis
virgalit.
de maU, nao devo perder a ocaasiao
para prevenir ao Sr, Dr. Elyaio da Cu-
nha Pinheiro, juiz nuaicipal, ..e que o Sr.
Siqueir* Paz est coartanteuiente fazendo
jogo cora o sen norae, espalhando na po-
voacS da Luz, que Pedro D i-ai.lo Pinhei-
ro, pelo fado di ser prente p r bastarda,
do Sr. Dr. Efysio Piahairo, nada soffrer
no processo contra si instaurado pala nor-
te de Francisco Vavier, e quo o kabeas-
corpus ltimamente obtido, o f6ra por in-
fluencia sua.
Todas essas historias o Sr. Siqueira Paz
conta publicamente na Luz, e ainda com
maior enthusiasmo, quando esqueota o ce-
rebro na venda do Lyra com cerveja,
comprada por seu amigo Pedro Daraiao.
Eu, pela minha parte nao quero, nem
devo acreditar nestas cousas, porque eatou
convenc i* do que, o Sr. Dr. Elysio Pi-
nheiro, magistrado com repnUcao a per-
der, e seus crditos a selar, nao ha de
dar oonfianca a Siqueira Paz, dizen lo-lbe
o que este com tanto destacamento pro-
pala.
Eu nao quero tomar ao serio o Sr. Si-
queira Paz, homem analpbabeto que as-
signa o papel qua Ibe apresentatn, e nao
tem portanto reputaclo a perder.
Nao couoluirei, porera, sem diser Ibe
que, sempra fui administrador do enge-
nho Collegio, e nao feitor, com o Sr. Paz
quar chimar-ine conesrto daspreso.
O Sr. JoSo de Siqueira Paz, a quem
eu conheci como almocreve, e dos mais
ordinarios da freguezia da Loa, o menos
competente para molestar a qu^m sempre
o encaro com despjesi asco.
Engenho Collegio, 23 de Abril de 1.387.
Hermogenes Francisco de Silva.
0 Exra. Sr conselbeiro Portella
(Do Lidador. da Victoria)
Sem ser esperado chegou a esta cidade no trem
da tar le de 18 do crrante mes, o aosso prestimoso
e destiocto amigo e chee poltico o Eim. Sr.
Cooselheiro Manoel do Nascimeato M ichado Por-
tella.
Poi por demais pequea a demora de S. Ex-,
uest cidade para receber ai inaaifestacoea de
apreco a que tem incontestavel direito, pois no
dia -eguinte 8. Ezc. regressou para a uapitHl,
teodo ido primeirainente at a estaco da Cas-
cave!.
O Exm. Sr. Couselheiro Mauoel Portella, que
tem em caracteres indeleveis, firmado os ci edites
da sua robusta intelligencia e de sea acrisolado pa-
triotismo, aue tem sabido obter applauso* nacio-
naes viugandoos nossis direitos n rofligndoos
abuz f, e que sabe conquistar affectos pal > suas
mauoiras Ihanas e affaveis, a su presen?*, nesta
cidade nao podia deizar de ser m -tivo c grande
coutentamento.
8. Ezc, que um poltico lotoso, um beueme-
rito pernambucaao, que dispOj do muita iufl leu-
cia e prestigio, quer esteja ao goveruo oa aa oppo-
sicao, e que tem urna reputaco inmaculada a um
uome endeosado e preconisad*>, e ser sempre
respeitado pelo seu real merecimento e illuitracao.
S. Exc. nao um illuttre detconhecido ; j por
maltas veces tem dado sjbejas provas de sua im-
partancis.
Ainda em 1884, lora do fastigio do poder, guer-
reado por am partido arbitrario e violento, e per -
perseguido por urna horda de individuos sangui-
narios, alcancoa espleudorosa victoria no 1 dit-
tricto desta provincia, teve do brioso eleitorado
a prova saliente de sua acceitacao, derrotando o
chefe dos abolicionistas.
O Exm. Sr. Conselheiro Portella, quo nanea ae
esqueceu desta provincia, cajos loteresses e autho-
nomia com inezeedivel zelo tem advogado, digno
da gratido dos peroambasaoos, que felizmente,
tem sabido retribuir condignamento cooferidno
S. Ezc^por diversas veses o mandato de sea repre-
sentante na Asreinbla Provincial e na cmara
temporaria, e incluido sea nome o lista trplice,
at as pocas msis difficeis < arriscadas.
Saadando a I. Ezc. por sua auspiciosa visita
a esta oidade.fazomos ardentes votos para que
sampre seja feliz em suas aspiracoes e qae como
poltico proeminente, eleve esta provincia a altara
a que tem incontestavel direito.
A humilde redaeco do Lidador, agrudecendo a
S. Ezc. a honrosa visita que se dignou fazer-lbe
e as palavras de animaejo que Ibe dirigi, se or-
galba de significar a tao bom migo os protestos de
sua subida estima a elevada consideracio.
Vctoiia, 26 de Marco de 1886.
Conferencia abolicionistas
t Domingo, 1 de Main, ao meio dia, no theatro
deVariedade; ser realisada a segunda d'essas
conferencias, erando o Sr. Dr. Jos Isidoro Mar-
tina Juior.
Depois di contereucia haver ama parte re-
creativa da qual seencarregam graciosamente dis-
tioctos artistas a convite da sociedade Pernambu-
cana contra a escravidSo.
as entradas exteriores as commissoes recebt-
rao os donativos com que o publico queira con-
eorrer espontneamente para a propaganda abo-
licionista.
0 1* secretario,
t. Carneiro.
O Sr. Dr.
Fra'aelsco Machado
Pedrosa
O domo distincto amigo o Sr. Dr. Francisco Ma-
chado Pedrosa, ex-juiz de direito da comarca de
S. Luis do Parahvtinga, removido para esta, por
decreto do 31 de Dezembro ultimo, ao deizar aquel-
la comarca foi alvo de sincera manifestabaj de
aprec) e coosideracao Je seus ez-jurisdiccionados.
O novo luisense, admirador dos ezcellentes attri-
butos que ezorno o carcter do Sr. Dr. Pedrosa,
congregado pelo mesmo pensamento, offcr u
S. >. am fino estojo, conteudo urna canneta e pen-
ua, lapis e sinete, tudo de onro, sendo apresentaJo
por urna distincta cominisso. A populacao em
attenco aos relevantes serrinos qua o mesmo pres-
toa Amocog&o Lttraria Lmense, da qual f j
presidente e fundador o Sr. Dr. Pedrosa, maudou
tirar o sea retrato para o collocar na salade suas
sessous, conieriudo lhe aquella o titulo de socio
benemrito.
Os luisenses, as3rn procedendu, testificaran! jus-
ta e merecida homenugem ao Ilustrado magistrado
pois a administracao da justica de S. S all e
aqu foi e ser earacterisada pela imparcialidad,
autonoma, circumspeccao e illnstracao.
Piseram bem os luisenses em offertar, ao Sr. Dr.
Pedrosa, o valioso pr-sente, por quanto, elie o col-
locando sobre a mesa de seus trabadlos, ha d : se
recordar sempre que, eui S. Luiz, onde distribuio
justicaquic por espaco de \2 annos deizou iu
numeras sympathias ; que seu nome nunca ser
esquecido. Nunca, porque, o corsco a placa
onde a amisade dagarrcotypa a imagem daque!-
Ics que estimamos e veneramos.
No dia da partida, o Sr. Dr Pedros, foi acompa-
nbado por muitos amigo o admiradores de S. S.,
( Dj ("rograso de Lorena, de 20 do c-jrrente)
Pao d'Alho
0 Club Easaio Drataatico Pao d'Alhense agra-
dece cordialmente aos Illms. Srs. Elias Bsptista
da Silva Ramos, alferes Severiano Jos Freir,
Julio Emilio de Carvalho, Jos Francisco Pinhei-
ro Ramos, Jos Pedro Moreira e Franciseo Anto-
nio Brayner de Sonsa Rangel o valioso auxilio
qae prestaran), na qualidade de membros das duas
commissoes nomedas ao espectculo realisado pelo
mesmo Cub em 17 do corrate mez, no theatro
Santa Tberesa desta cidade, em beneficio dos nu-
fragos do vapor Baha e agradece igualmente a
todas as pessoas que se dignaram coucorrer ao re-
ferido espectculo.
Pao d'Alho, 25 de Abril de 1887.
J.Pl
Urna lagrima
A' sentida morte de Julio Por-
to Carrelro
Tal a nossa vida s engao,
E no meia do riso qne se morre.
J. A. P. C.
Oh morte, inda urna vez nao trepidaste
Em ceifar urna existencia preciosa ?
Jm ferir com tua seta um coracSo
Como fre o sol ardente a casta rosa ?
E nao te commoveu o amargo pranto
O.. m2i que tante carpe o filho seu ?
Nao ouviste o soluco, a dor, o pranto
D oirmSo, que chora outro quo morreu ?
E, do vistes que era cedo, que su'alma
Promottia um futuroriso eluz ?
E como vens assim sem piedade
Transformar o prazer emtriste cruz ?
Que destino cruel, que fado ingrato
E' o tea sobre toda a geragao !
Enchendo os coracoes de acerbas dores
Transformando a alegra em aficcSo !
Goza o triumpho teu, triumpho amargo,
Que derrama a tristeza em nossa mente.
Se acaso elle morreu, tilo cedo anda,
Vivera em Dois'alma eternamente.
A vida nao mais do que um pranto ;
E' qual flor da manha cheia d'orvdho,
De tarde, desbotada, aecca, e inurcha,
Pendendo tristemente do seu galho.
Basta, oh I basta de pianto, pois assim,
E' conquistar o que pertence Deus ;
Que se em peito christlo a f nao mente,
Elle ir merecer os premios seus.
Limociro, 24 de Abril de 1887.
________[Jos Augusto Porto Ccirreiro.
Brado doloroso!
Os povss desta fregaesia do Altinho clamam ao
governo diocesano para que se digne de acudir s
suas necessidades. Um lobo que temos e'u vez de
pastor deix n.orrer a miogua de pasto espiritual
grande parte de sea rebanad Elie o precipita
e devora escandalosamente como j deve constar
a 8. Ezc. R.-vnia.
Esper imcs que nos ouca o nos tavoreca sem de-
mora snb pena de haver aqu muita desgraca. Um
pi de familia justamente indignado e altamente
afrontado pelo Sr. padre Viceuro de Moma e Vas-
concellos.
As abaizo assignndas encarregadas de promo-
verem os sufFragios das a.'mss dos que pereceram
no naufragio do vapor Baltia os quaes foram ce-
lebrados pelas 8 horas da manh do dia 2[do cor-
rente na matriz de Santo Aafciniu do R-cife, vem
do intimo d'alma agradecer a toJas as pessoas qne
as ajudaram nessa dolorosa misso, e com especia-
lidade ao Ezm. Sr. D. Jos bispo diocesano, ao Kv,l.
conego vigario da freguezia commendador Mauoel
Moreira da Gama, aos religiosos do convento do
Carino e ao Illm. Sr. Maa >el Goocalves Agr, que
gratuitamente prestou toda a armacao para o
acto.
Jftvcife, 27 de Abril de 1837.
Mara Tbeophila Peizoto.
Mana Augusta da Costa-
Thereza de Siqueira Alves.
---------SCSMaCr-------------------
Aligoas-iiovii pomada
Est venda entn* nos mais urna loteria das
Alagoas, ao preco de 500 ris cada dcimo : ora,
quem havia de dizer que para chegar ascusfins o
tic, thesoareiro Manoel Jos de Pinho se le robrar ia
de tal; tal preco e taes bilhetes s e s tem por
fim tancar um rtde cujas malhas apertadissimas
colhero grande numero de incautos, e ebegamos
esta conclusao, porquanto muitos sem tazerem re-
paro darn naturalmente no mnimo por cada um
lfOOO, peca que smente descobriro quando por
acaso tenbatn de receber o chamado mesmo di
nheiro 500 ris. Sirva isto de prevencao a todos,
e vejam que qnaado moito nao deem mais de 600
ris por cada dcimo, tendo ainda em vista os
compradores, que custanao os bilhetes todos.....
80:000 smente do em premios 48:0004 o que
d para beneficio e despezas a enorme cifra de
40 / moito peior que toda as outras loteria, que
quasi todas do em prcoiio 70 / como o Para, a
Parahvba e o Paran, a corte, o Rio de Janeiro
Eleif&o
Dos devotos que hSo de concorrer para a
testa da Gloriosa Sant'Anna da igreja
da Santa Cruz, no dia 21 de Agosto do
correte anno.
Juizes
Os Illms. Srs. :
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro.
De8embargador Quintino Jos de Miranda.
Capitulo Tbeolindo Augusto do Reg.
Marianno de Figueira Faria.
Commendador padre Manoel Moreira da
Gama.
Frei Augusto da Immaculada Coojeijao
Alves.
Arthur de Moura Ribeiro.
Major Joao Francisco Antunes.
Major Jos Elias de Oliveira.
Manoel Antonio Cardoso.
Manoel Gongalves Agr.
Jos Lopes Ferreira Maia.
Antonio Rodrigues do Sonza.
Tenente Antonio Jos de Soaza e Silva.
Jos Jeronymo Bastos.
Juizas
As Exmas Sras. :
D. Guilhermiua esposa do Sr. major Jos
Clementino Henrique da Silva.
D. Anna esposa do Sr. Antonio Martins
Moreira.
D. Mara esposa do Sr. Julio Pire.s Lobo.
D. Constanya esposa do Sr. Joaquim de
Pinho Soares.
D. Anna esposa do Sr. major Joaquim
Doiringucs da Costa,
D. Francisca esposa do Sr. Dr. Henrique
lillet.
D. Mana esposa do Sr. Bento Manoel de
Castro Araaral.
D. Pfcili.mcna esposa do Sr. Antonio Au-
gusto de Lemos.
D. Riti esposa do Sr. Jos Francisco de
Figueiredo.
D. Mara espjsa do Sr. Henrique da Cos-
ta Carvalho.
Deodato
Pinto dos Santos.
Outro abuso, estao se igualmente Tndendo aqu I r. r a n A n .
de ama grande das liara* que nunca correr .U' Jo*nn P>aa lo Sr, Porfirio Peixoto
e o Paran, a corte,
senda ella portanto, moito inferior a da nossa pro-. D. Maria esposa do Sr. capitSo
vincia.
COMERCIO
B IM oinnierciat
CotacOks' officiaes da junta dos cob-
hectobes
Recife 27 de Abril de 1881
Cambie sore Para, 30 d/v. com I 0/0 de des-
cont.
Dito sobre dito, 90 d/v. com 3 U|0 de descont.
Jambio sobre Umdres. 90 d|v. 21 1)2 d. por lf,
do banco.
Cambio sobre Lisboa vista, 150 0/0 de premio
do banco.
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario.
Eduardo Dubeuz.
Hiiiiinmio bastearlo
BECIFK, 27 di absu. oa 1887
Os bancos mantiveram boje no baldo a mesma
taza de 21 1/2 d. por 1*000 sobre Londres.
As tabellas, portanto, qae vigorarais cfiicial-
roente toram estas :
Do London Bank :
*obre Londres, 90 d/v 21 1/2 e vista 21 1/4.
Sobre Pars, 90 d/v 442 e vista 446.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 548 e vista 554.
Sobre Portugal, 90 d/v 248 e vista 250.
Sobre Italia, vista 446.
Sobre New-York, vista 2*350.
Do English Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 21 1/2 e vista 211/4.
Sobre Paris, 90 d/v 442 e vista 446.
Sobre Italia, vista 446.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 48 e vista 5U.
Sobre New-York, vista 2*350.
Sobre Lisboa e Porto, 90 d/v 248 e vista 250.
Sobre as priucipaes cidadea de Portugal, vista
255. s
Sobre liba dos Acores, vista 258.
So ore Una da Madeira, vista 255.
creado de assacar e algodo
BECIPB, 27 DE ABBIL DB 1887
Asnicar
O mercado de astucar conservou-se na mesma
posicao, regulando as vendas pelos precos seguin-
tes:
1 baizo, por 15 kilos, de 2*0(0 a 2*100.
i." regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200. .
',.' boa, por 15 kilos, de 2*200, 2*300 e 2*400.
3 superior, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
.franco turbiua pulverisado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*400.
- nos, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
Mascavado, por 15 kilos, a 1*200 a 1*300.
Bruto, por 15 kilos, do 1*100 a 1*200.
Uetames, por 15 kilos, de 840 a 1*000.
O mazimo un mnimo do pieco* sao obtidns
csof>rme o e.rti ment.
Algodo
O mercado de a'god&o conlinuoa froaxo.
As ultimas vendas, para o de Pernambuco e
boas proce iencias, em trra, foram feitas a 7*000
por 15 kilor.
Faz boje sua fusta artistiea a iutc'ligeote ar-
tista J. Pl, iucontestavelmente, a primeira figu-
ra da compaahia Zarzuela que ha doas meses tra-
balha em uosso ~auta Isabel, com geral aceita-
co.
Se nao fra bastante, por si s, seu graude ta-
lento artstico para recomtneudal-a b Je as atten-
coes do ilustrado publici de nosso theatra, que
tanto se tem distinguido; saa conducta cheia de
virtudes, honradez e trabalho, estamos certos.
conquistara as hoicenageaa que, esperamos, lhe
sero boje dispensadas.
Assim, ao menos, ella sentir, deixando Per-
nsmbuco, lenitivo para a grande magua que ulti-
mameute a ferio, perdendo aqu parte de cu ser,
Nlo enlatemos a festa que sei digna da artis-
ta e do pub ico.
Taes sao nossos votos.
0 nome de Pedro
Dos doze toi o primeiro
Que teve a sorte de ser ;
Km Roma ebete eordeiro
Com torcas par valer.
Sempre amante das verdades
Nellas p-is eu devo crer ;
Nossas vidas tem azares
S Pedro as pode valer.
Os qne tem firmeza alcauca
Ja inais pode eemorecer;
S pode gosar bonanza
Quem Pedro quizer valer.
Cabo R. Barrelfo.
O do cemiterio.
t
de
Estrada de assoear e algodo
HEZ DK ABK1L
FSTBA.DAS
Barcacas.....|1 26
Vapores.....1 26
Estrada de ferro de Ca
ruar.....II 26
Animaos.....1 27
Estrada de ierro de S.
Francisco I 26
Estrada de ierro de Li-
moeiro.....
1 26
-5. a
36.590
3.149
6.073
4.516
46.305
2.064
i]
aq
2.281
8.314
245
8.816
3.393
1.794
98.697 24.843
Vapor nncionul Cear
Sabio bontem para os partos do norte, levando
a seguinte carga :
Para Maranbio
30 barricas com assucar branco.
21 fardos com zarque.
Para o Para : ^
50 saceos com assacar branco.
796/2 barricas com dito dito.
930/4 ditas eoni dito dito.
405 barriquinhas com dito dito.
20 latas com dito dito.
25 fardes com zarque.
100 saceos com milho.
15 caizas com oleo de ricino.
5 ditas com calcado nacional.
63 pipas com agurdente.
200/5 ditas com dita.
64 rolos de sola.
Para Manaes :
97/2 barricas com assucar branco.
40 barris com agurdente.
45/5 ditos com dita.
Carregaram diversos.
Vapor Insrlez Aunterlity
Sahio hontem com destino a New-York, levan-
do nm carregamento de 26,*i5t( saceos com assa-
car mascavado.
Carregaram Jchnstou Pater i. C.
-------
Banco de Crdito Real
At o dia 15 do mes vindouro, devem os ac-
cionistas do Banco Os Crdito Real de Pernam-
buco realizar a tereeica entrada do valer no-
minal de suas acc5es, na razo de 10 0/0, levan-
do-a sede do banco, na raa do (Jommercio n.
34.
Este banco est pagando o sea primeiro divi-
dendo i razio de 4*000 por aeco ou 10 0/0 do
valor realizado de cada ama.
O pagamento fac-se na sede do banco, das 10
horas da manh s 4 horas da tarde dos das
atis.
Mata* do Tnenouro dilacerada
O recolhiosento de notas dilaceradas est sendo
Tenente-coronel Autrlcll*io
Castro s) Barreto
(CIRCULAR)
Palmares, 25 de Abril de 1887
Illm. Sr.
O partido conservador de Palmares, querendo
dar um testemunho de saudade, religiao e aroisa-
d' ao seu sempre lembrado *chefe o tenente-coro-
nel Austriclino de Castro S B&rreto, que Coi tao
graude em suas dedieacoes, quatiro infeliz em sua
c.arrcira de homem poltico, resol ven fazer o sen
funeral, que ter lugar uo dia 24 de Mai, 30 da
de seu passauteuto, na matriz desta cidade, e para
isto uomeou em comums.i i os abaizo asrignados,
>iie se dirigindo a V. S., pedem, nao s o seu eom-
pareeimento como amigo que foi do finado, como
ainda um obulo para ojudal-os oa reaiisucao d-
ta obra de caridade, leligio, sauJade <. amisade.
Os abaizo ussignados, sao com o devido respei-
to de V. 8. amigos attenciusos, veneradores e cria-
do?.
Fiel de Torres Grangeiro.
Jonquim Lopes da Silveira.
Joo Feliz Pereira.
Urcino Teizeira de Barros.
Adolpho Firmo de Oliveira.
Jos Prente Oliveira Firmo.
Joaquim Augusto Xavier da Maia.
grande das aiagoas qne ......v... wncia,
por nao estar de ac-ordo com o aviso de 7 de Fe-
vereiro, j por .nao dar o imposto e o beneficio es-
tipulados sello, etc., que vo a cerca de 30 (
quando ella smente descoma 25, colisa por tanto
iinpossivel e contraria a lei e anda principilmen
te porque nao sao os bilhetes inteiros ou frac-
coes relativas a formar inteiros, visto quo > vic-
simos smente um quarto, diz ter o th^sonreiro
licenca oude essa licenca ou autorisacao do Sr.
ministro da fazend ; pura avnelo, por quanto
i loi iostado para aprese otar essa escopeo e
nada de novo.
Cuidado, niuguem os compre que isso espe-
cular com a boa t dos out.-us; mais boa f Sr
thesoareiro ; e os vendedores u'aqui serio leigos ?
O indigiado.
Professora
L'.oa senhora competentemente habilitada, pro-
ooe-i < a leccionar em callegios i casas partcula
es, as seguii tes materias : portaguoz, francez,
msica e piano ; a tratar na ra do Mrquez du
Herval u. 10.
Sao se engaen)
O terreno alagado que comeca da esquina d
Pombal at a ponte, na estrada de Luiz do Res,
annunciado venda em praC;a publica, pila Pa-
zenda, no da 29 do crente, nao de mariuha e
sim proprio dos herdeims de Manoel Luiz da Vei-
ga, pois este terreno foi vendido pela FazenJa
Real, em pracn publica, no dia 7 de Dezembro de
1763, viuva do mesrre de campo Jote Vaz Sal-
gado, e posteriormente vendido pelos herdeiros
Ueste a Manoel Luiz da Veiga, como j declarci
pelo Jornal do Nedfe ns. 202, 203 e 204 dn mez
de Setciubro prozmo passado, sob a episrraphe
Para evitar duvidas, por occasio da Theaoura-
i ia de Fazeuda ter chamado os herdeiros do Vis-
conde de SuHssunu, a tirar titulo do terreno de
marinas, iu logar denominado P.'inbal, e como
consta do protesto que por esta meaina occasio
fis peraute o Illm. Sr. inspector da Thesouraria
de Kazendu.
Recife, 26 de Abril de 1SS7.
Joio Demetrio Fernanaes Vianna.
A\OG\DO
DR. CLODOALDO LOPES
KOA ESTREITA DO ROSARIO N. 4
Advosad
feito na Thesouraria de Fazenda, as tercas e
seztas-feiras, das 10 s 12 horas da manh.
Pauta da Alfandega
atml DE 25 A 30 DE ABRO. DB 1887
sao.
Alcool (litro)
Algodao (kilo)
Assucar refinado (kilo)
Dito branco (kilo)
Dito mascavado (kilo)
Borracha (kilo)
Cacao (kilo)
Cachaca (litro)
Cat bom (kilo)
Cafrestoibo ikilo)
Carnauba (kilo)
Carocos de alj-odio (kilo)
Carvo de pedra de Cardift(t03.j
Couros seceos espichados (kilo)
Ditos salgados (kilc)
'itos verdes (kilol
Farinha de mandioca (litro)
Fumo restolho (kilo)
Oenebra (litro)
Me! (:.tro)
.vlj'u (kilo)
Taboaaos Ue amareilu idu^ia)
218
400
151
131
067
1*26S
400
077
460
320
366
040
16*000
58
500
27
500
40
20
04
04
100*000
I
(Foro civil c ecclesiastieo)
Bacharel Antonio d- L;llis e Sooza
Pont.
Ruado Imperador n. 37 Ir andar.
EnoorCaco
BBCIF8 26 DB AbllIL DK 1887
Para o exterior
= No vapor ioglez Attslerly, carregaram :
Para New York, J. Pater & C. 1,500 saceos com
112,500 kilos de assucar mascavado.
Para o interior
No Vapor allernao Mary, carregou :
Para o Sio Orande do Su), J. M. Dias 450
braricas com 42,715 kilos de assucar branco.
i No vapor nacional Strgipe, carregaram :
Para Baha, F. A. de Asevedo 100 barricas cont
10,200 kilos de assucar branco ; A. Lopes & C.
43 eaccaa com 3,052 kilos de aigodo.
No vaper nacional Cear, carregaram :
Para o Para, E. Barbosa 300 barricas com
17,852 kilos de assucar branco ; T. de Azevedo
Souza 150 barricas com 9,4 0 kilos de assucar
branco; J. M. Dias 10 pipas e 100 barris com
14,401) litro* de aguardent> ; Baltar Irmos & C.
190 volames com 13,08 kilos de assucar branco ;
r'. A. de Azevedo 300 barricas com 20,200 kilos
de assucar hnu>co ; P. Alves & C. 30 barricas
com 900 kilos de apencar refinado ; H. Oliveira
630 meios de soa ; Bracea e S 10 meios de sola ;
Baltar Oliveira & C. 100 saceos com 5,000 kilos de
milho ; M. J. Alves 6 barricas com 396 kilos de
assu'ar refinado ; F. M. da Silva & C. 15 caizas
oleo de ricino.
Para Manos, H. Oliveira 20 pipas e 25 btrris
com 12,000 litros de agurdente e 20 barricas com
1,000 kilos de assucar branco.
IVavlom a carca
Barca noraeguense Glitner, Ru',2.
Brigue allero Jox Genebra, Santos.
\ Barca noraeguense Brodrene, Bltico.
Barca noraegueose Dovre, Bltico.
Lugar noraeguense Hans Tode, Montevideo.
Lugar nacional Juvenal, Rio Grande do Sul.
Lg^r noraeguense Air ana, Hull.
Lugar noraeguense Speranza, Canal.
Lg.^r ingles May, HulL
de Vasconoellos Castro.
O. Maria esposa do Sr. Joo Casemiro da
Silva Gouveia.
D. Alejandrina esposa do Sr. Antonio
Soares Pinto.
D. Auna esposa do Sr. Manoel Luiz Ri-
beiro.
Escriviea
Os Illms. Srs. :
Antonio Martiuiano Veras.
Joi Castor de Araujo Souza.
Antonio Joaquim do Sana'Anna.
Manoel Bandeira Filho.
Alteres Teohal lo Augusto de Moraes.
Fran.isc Autouio de Albuquerque Mella.
Dr. Jy= Alves Cavaleante.
Zeferiuo Louren.o Martins.
Qeminiano Augusto de Miranda.
Manoel Jos da Cunha Porto.
Fraucisco Pinto de MagalhSes.
Antonio Casiiiiro Gouveia.
Padre AgOitiuliO de Lima Cavaljante de
Lacerda,
Augusto H-norato de Miranda.
Antonio Marques de Oliveira.
EscrivSs
As Exmas, Sras. :
D. Maria esposa do Sr. Joaquim Francis-
co da Costt..
O. Candida esposa du Sr. Luiz Alves
Lessa Pimental.
D. Amelia esposa do Sr.' Arsenio Joa-
quim Ouarte Souza.
D. Maria esposa do Sr. Joa Xavier Faus-
tino Hamos Netto
D. Amelia esposa do Sr. alferes Augusto
Leopoldino da Silva Neves.
D. Luiza esposa do Sr. Severino Francis-
co Regia.
D. Maria esposa do S. Jos Nery de
Souza.
D. Maria esposa do Sr. Ignacio das Ne-
ves.
D. Deolinda esposa do Sr. Joo Rodri-
gues de Moura.
la 26
dem de 27
Renda provincial
De 1 a 26
dem ce 27
622:642/550
93:977*480
96:6774587
4:304*094
646:620*030
100.981*681
Importa^o
Patacho allernao Cato, entrado de Ham-
burgo em 25 do correte, e consignado a
H. Nueacb & C, manifestou :
Barras de ferro 900 aos consignatarios.
Cimento 1,500 barriquinhas aos mea-
mos.
Cerveja 340 caizas aos meamos.
Dynamite 200 barricas aos meamos.
Espoletas 1 caixa aos meamos.
Enzcfre 50 barricas aos meamos.
L0119 21 gradea ordenr
Mercadorias diversas 8 volumes a Ma-
noel Joaquim Ribeiro C., 3 a Oliveira Lugar ailemlo fie/ene, Montevideo.
,A ,, Al, D 8 f-ataeho nacional Padre Cacique, Rio Grande
Basto & C, i a Otto Bonre8 bucoessor, 1 '
a Ferreira Guimar&es & C.
Papel para impreasao 5 fardos a Mo-
nhard Huber A C. Dito para embrulho
1,800 fardos aos consignatarios, 28 a Es-
naty Rodrigues A C, 203 ordem, 20 a
Oa8omiroFernandes <& C.
Pregos 90 caizas aos consignatarios.
Phospheros 80 caiz8es aos consignata-
rios, 65 em transito para o Cear.
Salitre 100 barricas aos consignatarios.
Vidros 12 volumes a Bernardino Duar-
te Campos O, 1 a Pereira Guimaraes
dC.
do Sul.
Patacho allernao Mary, Rio Granie do Sal.
\avlo* descarja
Barca norueguense or, varios gneros,
^axca inglesa Beltreet, bacalho.
Escuna aJIem Cato, varios gneros.
Lugar ingles Kalmia, baca I nao.
Patacho nacional o oven Correia, zarque.
Patacho nacional ftival, zarque.
Pt.tacho nacional Andaluza, zarqae.
Vapor nacional S. Francisco, varios gneros.
Vapor inglrz Luelid, varios gneros.
Vapor nacional Jacuhype, varios gneros.
le 1 a 26
dem de 27
De 1 a 26
I,i -'. de 27
Oa J a 26
dem de 27
Recebedoria
Consulado Provincial
Becile Drainage
747-601*711
39.046*376
6:502*256
45:548*632
23:750*1544
215/608
23.966*252
10:253*190
219;218
10:472*408
D. Auta Carolina de Oliveira.
D. Helena Laura Cavalcante.
M. Maria Alves Vilella.
D. Lydia Cardoso Ayres.
D. Carolina Acacia de Oliveira Costa.
O. Mura Claudioa dos Santos.
Mordomos
Os Illms. Srs. :
Laureatioo do Nascimento azevedo.
Candido Bernardo dos Reis.
Jos Marchado Bntndlo.
Affonso Banks.
Francisco Feliz Croncalves.
Francisco Botelho de Andrade.
Theodomiro dos Santos Selva.
Manoel Jo2o dos Santos.
Mano 1 Francisco da Costa-
Vicente Jos da SiUa.
Francisco Jos Baptiata.
Matheus Ramos da Cruz;
Davino Pinto.
Eduardo Palu-.eira.
Joo Nicas Muniz Filho.
Francisco Tondella.
Manoel Bicudo de Albuqnerque.
Mordomas
As Ezmas. Sras.:
D. Nympha da Silva -Guimaraes.
D. Eatephania Luiza Tavora.
D. Mar Epiphania Alves de Oliveira.
D. Hermina Emilia ,de Sant'Anna.
D. Maria do Carino e Silva.
D Carolina Perolina da Costa.
D. Clotildes Costa.
D. Macionilla Duarte de Figueiredo.
D. Francisca da Costa GuimarSe6.
D. Candida Rosa de Carvalho.
D. Maria Jos de Carvalho.
i). Maria da Gloria Ferreira Franja.
O. Brasilia Amalia da Costa Carvalho.
D Maria Grata da Cmara Martins.
D. Maria Amelia da Costa.
D. Francelioa Mazimiana de Gouveia
Freitas.
D. Rita Moura.
Consistorio da veneravel irmandade da
Gloriosa Senhora Sant'Anna da igreja da
Santa Cruz, em 23 de Abril de 1887.
O vigario,
Augus'o Frankhn Moreira Silva.
Antonio Raphael Alves da Costa,
Secretario.
31
O crneo torna-He maltas vezea
>st*ril causa de descuido e deleizo. Urna
annlyse chimica uus forneco os constituintes do ca-
bello e os elementos vegetaea do maravilhoso e in-
enmparavel Tnico Oriental, se conforma exacta-
mente a elles. Esta valiosa preparacao encerra em
si as materias requeridas pola natureza, para for-
mare aperfeicoar a jabelladura, fornecfndo e pro-
duzindo nos casos onde fa-tam completamente. O
resaltado que o crneo, o mai^ improductivo e
estril, torna-se fecundo sob sa admiravel in-
fluencia e um cabello basto, luzidio e formoso, co-
bre promptamente a cabeca, e o adorno cem-
pleto.
Os vasos que nutrem o cabello, requerem tom.
fta taes casos, e esta essencial accao vigorosa,
proporcionada por esta admiravel eimpagavel pre-
paracao vegetal.
Enc.ntra se venda em todas as pbarmacias e
drogaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ra do Commercio n. 8.
Advogado e professor de linguas
O bacharel Eduardo Alfredo de Oliveira tem
aberto seu escriptorio de advogado ra 1 de
Man,-) n. 4, oude tambein pode ser procurado para
leccionar o ingles, francez e allemo, pratica e
fh'-lricamente, nos collegios e casas de familia.
Tambem para a commedidade dos estudantes
b empregados do commercio, resolveu abrir um
curso nocturno das ditas liuguaa. A tratar no
escriptorio cima referido.
Dr. Joo Paulo
MEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de crianzas, com pratica as principaes entcrni-
dades e bospitaes de Paris e de Vieona d'Austria,
faz todas as operacoes obsttricas n cirurgicaa
coacernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na raa do Bario da
Victoria (antiga ra Noval n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 3 horas d tarde.
Telephone n. 467.
Patacho nacional Jorem Correia, entra-
do do Rio Grande do Sul em 21 do cor-
rente e coasignado a Amoro Irmaos V C,
manifestou:
Sebo 150 barricas com 14,323 kilos.
Xarque 154.080 kilos a Balt= r, Oliveira
& C.
Dlnheiro
O vapor nacional Cear levou para
Pnrahyba
Natal
Cear
7:000*000
300*000
14:066*260
Rendimeatos pblicos
Re oda geral
IQU 01 ABRIL
Al/aniega
Mercado Municipal de loa
O movimento deste Mercado no dia 27 de
Abril foi o seguate :
Entraran) :
36 bois pesando 4,768, sendo de Oliveira
Castro, 23 ditos de 1* qualidade, 3 ditos
de 2a dita 10 ditos de particulares.
731 kilos de peize a 20 ris 14*620
122 cargas de farinha a 200 ris 24*400
10 ditas de fructaa diversas a 300 rs. 3*000
8 taboleiros a 200 ris 1*600
13 Sninos a 200 ris 2*600
Foram ocenpados :
23 1/2 columnas a 600 res 14*100
23 compartimentos de farinha a
500 ris. 11*500
21 ditos de comida a 500 ris 10*500
81 ditos de legumes a 400 ris 32*400
18 ditos de suino a 700 ris 12*60G
11 ditos de fressuras a 600 ris 6*600
10 talhos a 2* 20*000
10 ditos a 1* 10*000
A Oliveira Castro & C.:
5*4 talhos al*
Deve ter sido arrecadada nestes dias
a quantia de
54*000
2n*920
5:416*660
5:634*580
Rendimento dos dias 1 a 26
Foi arrecadado liquido at boje
Precos do dia :
Carne verde de 320 a 400 ris o kilc.
Carneiro de 720 a 800 ris dem.
Sumos de 560 a 640 ris idem.
annha de 200 a 320 ris a cuia.
Milho de 280 a 320 ris idem.
Feijao de 640 a 1*000 idem.
Matadouro Publico
Foram abatidas no Matadouro da Cabanga 94
reses para o consumo do dia 28 de Abril.
Sendo: 67 rezes pertencentes a Oliven Caitro,
& C, e 27 a diversos. <
Vaporesi e navio esperado*
varona
Bkamenyde Trieste boje.
Maie
Valparaizodo aul a 1.
Manosdo norte a 3.
Seaegalda Europa a 4.
Financede New-Port-News a 6.
Ville de Maceido Havre a 6.
Ouabydo sol a 6.
Parado sal a 7.
Mondegoda Europa a 10.
Pernambuco do norte a 13.
Marinerde Liverpool a 13.
Tamardo sal a 14.
Argentinade Hamburgo a 16.
Espirito Santodo sul a 17.
Ceardo norte a 23.
Taguada Europa a 24.
Manosdo sul a 27.
NAVIOS
Amandade Hamburgo.
Apotheker Dirsende Santos.
Ameliado Rio Grande do Sul.
Albanade Carditf.
Anne Catharineda Bahia.
Anne Charlottedo Rio Grande de Sul.
Bernardas Godelewus do Rio Grande do Sul.
Carolinado Rio Grande do Snl.
Diadado Rio Grande do Sal.
Danurede Terra Nova.
Enjettado Rio rande do Sal.
ratede Hamburgo.
Evorado Rio Grande do Sal.
Maggiede Terra Nova.
Mimosado Rio Grandj do Sal.
Marinho VIIdo Rio Grande do Sul.
Mar. udo Rio Grande do Sul.
Nordsoende Liverpool.
Nautitusdo Rio de Janeiro.
ur Anniede Buenos-Ayres.
Premierdo Rio de Janeiro.
Positivodo Rio Grande do Sul.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sai.
Rabbido Rio Grande do Sul.
Sparkde Terra Nova.
Stellade Terra Nova.
UIsterde Terra Nova.
VVithelminede Hamburgo.
no violento do porto
Navios entrados no dia 27
Rio Grande do Sul 40 dias, patacho nacional
Joven Correa, d 199 toneladas, capitSo Manoel
Gomes da Piedade, equipagem 9, carga xrqae
e gorduras; a Baltar Oliveira C.
Santos 26 dias, patacho nacional Taborda, de
132 toneladas, capitao Felippe Rodrigues Maja,
eqaigagem 8, en? lastro ; a Aatooio de Oliveira
Maia.
Navios sahidos no mesmo da
New-YorkVapor ingles Austerly, commandan-
te James Cawie, carga assocai.
Mauos e escalas Vapor uucional Cear, corn-
mandante Gnilherme Pacheco, carga varios g-
neros.
Observacda
Procedente do Chile, tundeou no lamario o va-
por francs Suez, consignado a casa Wilaon Soaa
&C
Nao communicou com a trra por vir de porto
afeccionado.
*

/
Jf'


1









\
X
Diario de Pernambucu(Juinta-eira s2 de Abril de 1887
Em hooienagcm verdade
. Acontec mentos se dio na vida humana que
comquanto relativo a um s individuo, nteres -
aam, tcdavia a todos, em geral.
Nesta ordem de faetos, est indubitavelmaute
adstricto o da conservacao da vida, isto da vida
cosn aade.
Ha quem diga, de si para si, que a nica coo-
vicco firme aquella que ae funda as provas
que cada um adqnire pessoalmente e nao aquella
que se transmite ao iudividuo por faetos que ae
do com outrem. Ma-, enea assercao, sobre nao
ser mais do que um paradoxo inacceitave, e mais
do que isso, pois significa a exprsalo maia anti-
pathica do egosmo.
Pois justo eadmissivel que s acreditemos
em nos mesmos? Pola nao haver, n aquel les
ae nos roJeiam, Dessoas que merecam tanta coo-
fianca"co.no a que temos no que expenmentarnos
OU no que presenciamos ,
Auuclies que lerem esta. lianas, far aos-hSo a
justia de crer na sinceridade d'ella. ; nao as-
8lpois abi est a reepo-ta mais lgica aos argu-
mentos capciosos dos qu nao crem nos eloquen-
tea attestados p*ssdos ra favor dos prodigiosos
eff^itos do Peitural de Cambar, preparacao cujas
materias compoueutes nao sao, em nada, nocivas
ssde e, alm disso, permittem que esse reme-
dio sfja o preferido pelas seuhoras, creancas e
peesoas de paladar delicada.
Em liommagen verdade, pois, e rigoroso dever
de quem, como nos, sabe das innmeras curas
produzidas pelo Peiloral de Cambar, apressar-se
a faz-r publicas essas mesmas curas, afim de, com
isso, piestar relevante ervic- a humanidad*.
A voz da verdade.
Kecife, II de Abril de 18S7.
rogado
O bacharel Julio de Mello Filbo tem o
seu escriptorio de aivoeacia ra Primei-
ro de Marco n. -, Io anuar, onde pode
3er encontrado drs 10 horas da manb s
3 da tarde
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chife de clinic. do Dr. de
Weckier, d consultas de raeio dia s
3 horas da tarde, no 1." andar da casa
n. 51 ra do Barao da Victoria, ex-
cepto nos domingos e das santificados.
Residencia ra Sete de Setembro n.
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
Esco'a niixla
partilo a eobranca, livre de multa, os impostos
seguintes, relativamente ae 2- semestre do ejer-
cicio corrente do 1886-87.
3 0/0 sobre o gyro de casas coinmerciaes a re-
retalho. .. .
10 0|0 aobre esUbeleeimeoto fora da cidade.
12 0|O sobre escriptonos de advqgados, solicita-
dores, cartonos e consultorios medico.
20 0(0 sobre estabelecimentos da cidade.
2U0# por escriptorios de descontos de letras.
l:0lH)f por casa de garantir bilnete*.
l:LKAl por casa de vender bilhetes de outras
provincias.
24500 par tonelada de alvarengas, canoas, etc.
SO. i por escravo empregado em servico me-
cbanico.
200 rs. por baralho de cartas de jo^ar.
Imposto de reparticaocntnpreheaden jo :
Parte 1"
1 Casa* de como issoes de consignacoes e de
coinmissods e consignacSes.
2 Ditas ou deposito* de vender em grosso car-
vio de pedra em terru ou sobre agua.
Parte 2*
3 Lejas de vender joias somente, ou joias e re-
logios.
4 Ditas de vender relogios somente.
5 Ditas de vender pianos, msicas e instru-
mentos musicaes.
Parte 3
6 Fabrica de rap Meuron.
7 Ditas de sabio, oclusivo a que se acha na
freguesia de Afogados.
8 Ditas de crveja, vinagre, ^inhos, genebra,
licores e limonadas gazozas.
'.' Ditas de gaz.
10 Ditas agencias e depsitos de gaz.
Parte 4
11 Empiezas anonyinas ou agencias destas.
12 Companhia de Bebcribe.
13 Bancos, agencias filiaes e representantes dos
mesmos e cusas bancarias.
14 Couipanhiae, agencias ou casas de seguro ou
qualquer pessoa que no carcter de agente de
companhias de seguro fizer contrato desta natu-
reza ou promovel os, com exeepcio dos que teem
sede neata provincia e contrataren o servido es-
pecial do are. 13 desta lei.
15 Armazuus alfandegados, de depsitos ou de
recolher.
1(3 Casas de jogo de buhar.
Consulado Provincial de Peruambuco, 20 de
Abril de 18S57.
F. A. de Carvalho Moura.
iada em 400# pertencente a Jos Soares de Ol-
veira.
Casa mei'agua i travessa da ma do Pnncipe n.
16, com 4 metros e 60 centmetros de vio, 7 me-
tro! e 30 centmetros de fundo, l sala, 1 quarto,
quintal, avaliada em 30 J, perteneente a Joaquim
Martina Monteiro.
A terca parte do sobrado de um andar ra de
Luiz do Reg n. 11, com 8 metros e 25 centmetros
de vaa, e 10 metros e 55 centmetros de fundo, o
1 andar com 2 portas de frente e copiar, 10 ja-
nellas em cada oiti), 2 salas, 6 quartos, cozinha
fura, o andar terreo com 1 porta e 3 janellas no
oitio, repartido em 3 lojas, tendo cada ama 2
quartos. cocheira, sitio murado na trente com por-
fi de ferro e viveiro, avaliada dita terca parte
em 1:4004, pertencente a Joaquim Rodrigues de
Amorim.
Boa-Viagem
C isa ra da Ganielleira n. 14, com 7 metros
e 95 centmetros de frente, 13 metros e 30 cent-
metros de comprimento, 2 portas e 2 janellas de
frente, 2 salas, 2 quartos, cozinba, 1 quarto exter-
no, quintal em aberto, por 800J ji feito o aba.te da
lei, pertencente a Joao Manoel Poutual.
Giqui
Casas a estrada do Giqui a Jsboat&o n. 271 e
269, com porta e janella, 2 salas, 1 quarts, cozi-
nha externa, aquella avaliada em tOg e esta cm
70/, Derteocentes a Guillermina Jesuiua Freir.
Caxang
Casa n. 2, em solo proprio, com 13 metros e 40
centmetros de vio, 8 metros e 10 centmetros de
tundo, divididos em 2 tendas sem repartimento,
oceupada aom padaria, e r.utra cjih 2 janellas e 1
por'a de frente, 4 janellas e 2 portas no oitio, 2
salas, 3 quartos, coziuha e 2 quartos externos,
quintal em aberto com cacimba, avaliada em
3u0j e pertencente a Ma.-ia Bacallar de Oliveira.
Recife, 26 de Abril de 1387.
VENERAVEL CONFRARIA
DI
San'a Rila de i.ssia
^M
Eleirt
De ordem do cnnselho administrativo desta con-
fraria, convido a todos os nossos carissimos ir-
mios para que, reunidos no consistorio pelas II
horas da manhi de domingo 1 de Maio prximo,
se proceda a eleicaj de conseibo administutivo
qne tem d reger a mesma contraria no anno com-
promissal de 1887-1888.
Consistorio da veneravel contraria de Santa
Rita de Cassa, 27 de Abril de 1887.
O secretario intorino,
Manoel Bandeira Filho.
\i
b-
DECLRACOES
particular
Urna senhara competentemente habilitada tem
iberto um cutso primario ra da Concordia n.
163. Eniitte como o melhor dos attestados oapro
veitamento immediato des seus discpulos.
Pode ser procurada a qualquer hjra na mesma
sua.
Leonor Porto
Hua do Imperador u 45
Primciro andar
Contina a executar os mus difficeis
figurinos recebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicilode costura, em bre-
Ividade, modicidsile em preco c fino
f g osto.
. na n
1 ceute
f I liado
Dr.
H<>tiico. parieiro e operador
ejjdencia ra Bardo da Victoria n. 5, i- andar
Consultorio ra Duque de Caxias .1. 59.
D consultas das 11 horas .la malina s 2 d*
ULre- 1 A W
Attendt' par.i ^'8 chamados a qual.|er hor>
relephone n. 449-
) MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira

Especialidadesfebret, molestias das
eriancas, dos ergios rospiratorios e das
enhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
J
( ) Todos "s chamada devem ser dngi-
I J doB pharraacia do Dr. Sabino, roa da
!) Baro da Victoria n. 43, onde se indicar
j sua residencia.
Medico
Dr. Silva Ferreira, de volta de sua viagem
Europa, com pratica nos hospitaes de Paris, Vi-
enna e Londres, onde dedicou-se a estudos de
partos, molestias de senheras e da pelle, ofierece
os seus servicos mdicos ao espeitavel publico
desta cspital e ora d'elb, podf ndo ser procurado
no seu consultoriora da Cade-a n. 53, de 1 As
3 horas da tarde, ou em sua residencia tempora-
ria Ptnie d'Ucha 55.
'bulista
Dr. Fen^ira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, 11. 20 ra Larga do
Rosario.
Dr.
MEDICO
Tem o seu escriptorio ra Duque de Caxias
a. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
-ern diante em sua residencia ra da Santa
Cruz n. 1.
Especialidadesmolestias de senhoras e crian
Jas.Tolephone o. 326.
Clinicamedicocirurea
DO
Dr, Alfredo (.aspar
Especialdads P-irtos, miics.ias de seahj.-as e
eriancas.
Residencia Ra da Imperatrix d.4, segunda
andar.
Consultorio medico*
cirargico
O Dr. Castro Jess, contando mais de 12 annot
de escrupulosa observacio, reabre consultorio nes-
ta cidade, ra do Bom Jess (antiga da Crui
3. 23, 1." andar.
floras de consaltas
De dia : das 11 as 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8. ,
as demais horas da noite ser encontrado nc
sitio travesa dos Remedios n. 7, primeiro por-
tad eequerda, alm Jo poro do Dr. Cosme.
EDITES
Edital n. 13
O administrador do Consulado Provincial, dan-
do comprimento ao que dispe a lei n. 1860, faz
publico a quem interessar possa, que no espaco
mprorogavel de trinta das uteis, contados de 2
de Maio prximo, dar-se-ha principio nesta re-

Jaizo dos Felos da Fazenda
Nacional
Eacrivo Bego Barro
Perante o Sr. Dr. Lindolphi Hisbello Correa
de Araujo, juiz substituto des feitos da fazenda
deata provincia de Pernambuco, se vender em
praca publica no dia 29 do corrente mez de Abril,
pelas 11 horas da manha, depos da audiencia do
tr, remo juiz, os bens seguintes :
A casa terrea de tijolo e cal 11. 29, sita ra
Imperial (firguezia de S. Jos), pertencente a
Joao Francisco Paredes Porto, situada rm solo
foreiro de marinha, avaliada por 8000J0.
O dominio til dos terrenas de marinha us 296
e 296 A, sitos ra Imperial (treguezia de S.
Jos), cujos terrenos principiara do oitio da casa
n. 27 e terininain na de n. 55 da mesma ra Im-
perial, ambos com aliceices na freute, medindj
. in toda extensa.) de frent. 37 metros e 6U cenli-
111. tros e 11 metros e 40 centmetros de fuudo,
perteocentes a Prxedes da Silva Gusmio, e ava-
hados por 160*000.
O dominio til do terreno de marinha alagado,
sito rus de Santo Amaro (freguezia da Boa-
Vista), o qual principia da esquina do r\>mbal
at a pontesinh* da mesma ra. com a extensio
na frente de 70 metros e 80 centmetros, perten-
aos herdeiros de Jos Vaz Salgado, ava-
por 150*000.
A casa terrea de tijolo e cal n. 70, sita ra
dos Gnu- arapes, edificada em terreno foreiro de
mariiiha, perteuceote a Rodrigues Duarte 4 Ir
nao, avallada por 1:200*. ,
A casa de taipa n. 6. sita ra do Sol (fregue-
zia da Varze), com quintal aereado e diversos
arvoredos fructferos, pertencente a Manoel An-
selmo de Figueiredo, avaliada por 400*.
Os quaes beus foram penhoraJos pela fazenda
nacional e vio ser vendidos para seu pagamento
Recife, 5 de Abril de 1887. = Eu, Jos F. do
liego Barros, esenvio, o escrevi.
O solicitador,
Luiz v achado Botelbo.
Jiiizo dos feitos da fazenda na-
cional
ESCBIVAO CISTBA
No iia 29 do corrente mez depois da audiencia
do Sr Dr. juiz substituto da faz- ada se ha de ar-
rematar a quem maia der o segumte :
S. Jet
A casa terrea n. 83 a ra de Hartas com 4 me-
tros de largura e 12 metros e 40 centmetros de
fundo, porta e janella de frente 2,alas, 2 quartos
e cosinha fra avaliada em 8'J*0 ) para paga-
mento da que deve a fazenda provincia! Francis-
co de Souza Reg.
Sannto Antonio
Urna armacao e balcio de amare I lo existente no
estabelecimento u. 12 a ra do Bario da Victoria
avaliada em 6 lOOOU, peuhorada por execucas da
mesma fazenda contra Sebastiio Martins & C.
Recife
Um bauco, 1 carteira e 0 caduras de junco exis-
tente no estabelecimento 11. 20 a ra do Cemmer-
cio avaliados por 58*00 penhorados por execuso
da mesma fazenda contra R. K. Canoll.
Afogados
A casa terrea n. 45, a ra da Mjtou ilomb, fre-
guezia dos Afogados com 3 metros e 13 centmetros
de vio 4 metros e 10 centmetros de fuudo com 2
salas, 2 quartos, 1 porta e 1 janella de lreute, quin-
tal mura-to avahado em 50*000 para pagamento
do que deve a mesma fazenda Autojio Jos da
Silva Santos.
A armacio de madeira de amarello envernisnda
;.>::; todos os seus uteneilios existentes no estabele-
cimento n. 7 a ra do Bemfica^pehonrada por exe-
cu(i> da meerua fazenda contra Loureiro &C a?a-
liada em 100*000.
A casa n1 4 na Torre, freguezia do3 Afogados a
ra do Rosario, avaliada em 200*0U0 penhorada
por execucao da mesma fazenda contr. Joio Car-
neiro Rodrigu s Campello.
Recife 26 di Abril de 1887.
0 solicitador da fazeda,
Luna i reir.
Juizo dos Feilos da Fazenda
Eserivo Torres Bandeira
No dia 13 de Maio prximo irao praca, por
venda a quem mais der, os predios abaixo decla-
rados. penhor3dos por execucio da Fazenda Pro-
vincial :
Reeife
Sobrado de 2 andares ra de Domingos Jos
Martins n. 36, com 6 metros e 60 centmetros de
largura, 17 metros e 40 centmetros de fundo ? o
1" andar com 3 janellas e varanda de ferro, 2 salas,
5 quartos, cozinha interna ; o 2* andar c:m es
mesmos commodos e sota com 2 quartos c- cozi-
nha, pjr 2:810*000 j feito o abate da lei, perten-
cente aos i'ideiros de Joanna Mara da Trindade.
Casa ra do Areial n. 6, com 3 mttros e 80
centmetros de frente, 15 metros e 50 centmetros
de fundo, 2 salas, i qnarto, cozinba fra, avaliada
em 400*000, pertencente Antonio Gonsalves
Ferreira Cascio.
Casa ra do Areial do Forte n. 4, com 6 me-
tros e 40 centmetros de largura, 6 metros e 5 cen-
tmetros de fundo, 1 sala, 1 quarto, cozinha inter-
na, por 320*- '00, j teito o abate da lei, perten-
cente a Joio de Souza Pereira.
Santo Antonio
A quinta parte do sobrado de 2 andares roa
das Larangeiras n. 12, o qual tem 6 metros e 30
centmetros de largura e 13 metros e 40 centme-
tros de fundo, o 1" andar com varanda de ferro, 3
portas de frente, 2 salas, 2 quartos, o 20,andar
com varanda de pao, 3 oottas de frente, 2 salas, 3
quartos, cozinha externa e sota, a loja com 2 sa-
las, quintal, avaliada a dita quinta parre em 60u*
pertence .te aos filhos de Manoel Jos da Costa
Pereira.
S. Jos
Casa ra do Padre Floriano n. 66, com porta
e janella, 4 metros e 26 centmetros de vio, 12
metros e 50 centmetros de fundo, 2 Balas, 2 quar-
tos, cozinha fura, quintal e cacimba, avaliada em
700*000 pertencente a Antonio Jos da Cista.
Boa-Vista
Casa mei'agua ra do Socego n. 17 A, com 2
portas e 2 jan. lias de frente, 18 metros e 50 cen-
tmetros de comprimento, 5 metros e 30 centme-
tros do largura, 2 salas, 2 quartos, cacimba, ava-
De ordem do IHm. Sr; Dr. inspector, faco
publico que no dia 5 de Maio prxima vindouro,
ir praca, conforme determinou o Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, em otficio de 22 do corrente,
o fornecimente de 100 capotes para a guarda c-
vica, iguaes em fazenda e manufactura ao exem-
plar que existe nesta Secretaria.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 26 de Abril de 1887.Servindo de secreta-
rio, Lindolpho Campello.
Companhia le Cavallarla de Per-
nnnibin >
Esta companhia vender em hasta publica no
dia 3 do mes prozimo \indouro, s 11 horas do
dia, em frente do respectivo quartel, 12 cavados
que se acham inutilisados para o servico.
Qrartel no campo das Princesas, 28 de Abril
de 1887.
O tenente, Jos C. Maciel da Silva,
agente
COMPANHIA DE
0 escriptorio d'esta
companhia a c h a s e
funecionando no largo
de Pedro II, n. 77, l.
anda.
1 mcumbe-se median-
te contrato e a paga-
mento em prestares,
de construefocs e re-
construcfdcs de pre-
dios, cujos projectos c
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No escriptorio se en-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquary, tendo sem-
pre yenda: tijolbs
massi(os de al venara,
ditos para ladrilhos,
diversos formatos, te-
lhas romanas, franee-
zas, de capote com en-
ea i xe, de crista; canos
c curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e tijolos fon-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c en-
comendas. no escripto-
rio central.
Os recebedores da recebedoria declarara aos de-
vedores dos impostos de industrias e profssoes e
predios, do 1* semestre, e taxa de escravos de
1886 a 1887, que estio procedendo a cobranc > de
ditos impostos nos domicilios dos devedores as
freguezias da cidade e de fra, com a multa de
6 0/0. Recife, 18 de Abril de 1887.
Joaquim Hurgolino da Silva Fragoso.
Manoel G. Ferreira da Silva Jnior.
Serapbim Vctor de Miranda.
Estrada de ferro do Recife a
Carnar
De orJem do Illm.Sr. director se faz publico que
at o dia 3 de Maio prximo futuro recebem-se
propostas para o servico de carga, descarga de
mercaduras as esta cuj do Reeife, Victoria e seu
transporte das mesmas estacoes ao domicilio ou
deposito dos destinatarios, e vice- versa : median-
to condces que serio estipuladas em contracto
celebrado com a adminiatracie da mesma estrada,
tendo por base as especifica^oes organisadas pela
directora e que os interessados encoDtrarao nos
escriptonos central e do trefego ra de S. Joio
n. 38.
Neste ultimo escriptorio podero os mesmos in-
teressados obter quaesquer iuformacoes e escla-
recimentos a respeito.
As propostas serio apresentadas no escriptorio
central e abertas no dia cima referido ao meie
dia.
Secretaria do prolongamento da estrada de
ferro do Recife ao S. Fraucisco e estrada de trro
do Recife a Caruar, 25 de Abril de 1887.
O secretario,
Manoel Juvencio de Saboya
siegues
CONTRA F060
The Liverpool & London & GEobe
INSURANCE (Mm
ters & G.
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabeldda em **&&
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de fi8J
Santa Gasa Ob MisBricoodla ffo
Martimos.
Terrestres,.
t-ftilua do
fl
.,MO:000$000
316:000^000
C'ommereio
Na secretaria da Santa Casa arrendare, se os
seguintes predios :
Ra do Bom Jess n. 12, loja e J andar.
dem idem n. 13, 2- e 3- andares.
dem do Vigaiio Tbenorio n. 22, 1' andar.
Id m do Mrquez de O inda n. 53, 3' andar.
dem do Apollo n. 24, 1 andar.
dem da Madre de Deas n. 20.
dem idem n. 10.
dem da Moda n. 45.
dem idem n. 47.
dem idem n. 49.
dem da Lngoeta n. 14,
dem da Guia n. 25.
Beceo do Abreu n. 2, 2-
dem das Boias u. 18, sobrado de dous andares
e.loja.
Ra da Aurora n. 37. 2' andar.
dem da Deti icio (dentro do quadro) duas
casas.
1' andar,
andar.
MARTIMOS
imed States k Brasil M- S. ft t
0 paquete Finalice
CONTRA FOt.O
NTtli British & Mercantile
CAPITAL
t:OOO.OOo de libras sterlina*
AGEN2E
Adomson Howie & C.
spei-a-se de N**-*-irt
News, at o dia 6 >e Maio
o qual eguir i >ep rs 1
demoranece^iarn ./a
>;aac5rw
r. -i.las :dnlie;rci
Companhia
Jmperia
DE
Companhia de Trilhos litaos do
Recife a Oliitda e Beberibe
Assembla Cieral 3.aconvocaco
InsistiDcio a directora na reuoiao da As-
sembla Geral, nos termos das duas ante-
riores oonvocacSS, por ordem de S. Exc.
o Sr. Dr presidente convido ao Srs. Ac-
cionistas a se reunirem no dia 2 de Maio
no escriptorio da companhia s 11 horas
do dia, segundo a lettra da lei, sendo esta
a terceira convouac&o, funcionar a assem-
bla com o numero de accionistas que com-
pareeerem.
Recife, 22 de Abril de 1887.
O secretario da Assembla Geral.
Jos Antonioo de Almeida Cunlia.
MEC ROM contra FOCiO
EST: 1803
Edificios e merctaioriaj
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuitos
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. 5Ra do Cemmercia.
Correio geral
Eiame oara o proilmeoio de qua-
tr< luiiircN de pralicanieM
Paco publico que at o da 16 de Maio prximo
futuro echa se aberta nesta admiastracSo a 1118
cnpco pra o exime dos candidatos quatro va-
gas de p'raticantes, devendo o exame comecar no
dia 18 do dito mes, a 11 horas da manb.
As materias, eobre as aiia^s versar o exame,
s2i : exereicio de aligrapii e oithograpbia, ari-
tbmetica emectar, eomprehendendo o uso do sys-
tema mtrico e nocoes geraes de geographi!;.
O conheeimento das linguas estrangeiras ari
direito a preferencia,
Para serem admittidos i inecripcao, deverao os
preteudentes provnr com certido que nao tem
menos de 18 era mais de 30 annos de idade, e
aprsente eerllfleads medico de oj* sate e
qnaesqui-r outro3 documentos que 03 abonein.
Administracao dos correos de Peruambuco,
de Abril de 1887.
O administrador.
AffoDSO do Reg Barros.
>>
Lotera de 4000 contos
A grande lotera de 4000 contos, em 3 sorteios,
fica transferida para o dia 14 de Malo vindouro,
imprcterivelmente, nos termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de boje.
Thesooraria das Loteras para o tundo de
emancipaco e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
Derembr > de 1886.
O thesoureiro,
Francisco GoncalvesTeires
Tendo de se emittir 3000- tres mil accoes desta
Companhia para completar o capital >ocial aug-
mentado por deliberadlo da assembla geral em
18 do corrente mes, convida-se a aquelles que
quir.erem suhscrever para a dita emisso a virera
inscrerer seus nomes no competente livro, neste
escriptorio, do dia 2 a 6 de Maio prximo vindou-
ro, das 10 horas da manha as 2 da tarde.
A emisso foita as seguintes condicoes :
1.
Por subscripcao publica e franca a prejo de
cenlo e cincoenla mil ris actual cotacao da praca.
2.
O pagamento da emisso ser devidido em tres
prestacoes. 1. des por cento no acto da inacrip-
co ou subscripcao. 2. de cincoeuta por cento
durante trinta dias subsequentes da subscricao,
c 3.0 de quarenta por cento no correr de noventa
dias contado do dia da subscripcao perdendo o
subscriptor o direito as entradas realisadas se
por ventura nao effectuar o pagamento integral
nos prasos determinados.
3.
O possuidor das novas accoes ter direito ao
devidendo contado do primeir.i de Maio do cor-
rente. .
A cada um dos subscriptores se fornecer um
exemplar da proposta justificativa do augmento
do capital social, com o parecer da commisso
fiscal.
Reeife 26 de Abril de 1387.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina
Director secretario.
C niVaria do Meohor Bom Jesim
da VIa-sacra da -igreja da San-
ta Cruz.
5LEIQAO
De ordem da mesa regedora, convido a todos os
nossos eonfrades a comparecerem em nosso con-
sistorio no sabbado 30 do corrente, s 6 hjras da
tarde, afim de reunidos em numero legal de mesa
geral, proceder-se a eleicao para os novoa func-
cionarios que teem de reger esta eonfraria no
anno compromiasal de 1887 -88.
Consistorio, em 26 de Abril de 1887.
Francisco Antonio da Silva Beiris,
E9crivo interino.
SEGUROS "
HARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia PhenSx Per-
nambucana
Ruado Comrnercio u. 8-'
<; O US % Vil IA D sS-SEC; JROS
NORTHERN
de Londres e Atterdeen
Pomlco Onanceira (Dezembro 1885)
Capital oubsotipto 3.000.000
Fundoa aceumulados 3.134,348
Beceita animal t
Da premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O ASENTE,
John. H- Boxaell
KLA OOCOMHERCIO *. I *%!?* H
THEATRO
N
Baha e Rio de
Para carga, passagens.em;
frete, tracta-ae com ><
AGEN'i'^'
Heury hrster k C.
8 RIJA'..o (..OADERCIO 8
/ anda
aniprschiiTahrts-GeselIschafl
0 vapor Valparaizo
EMPREZA ARTSTICA
OMPANHIA DEZARZUELLAS
HESPANHBLA
Director de scena
D. Valentn Garrido
Maestro-director
D. Antonio del falle
Grande e extraordinaria
luncrao!
o
Oiii ta-feira, 28 do corren!
BENEFICIO,
DA 1 TIPLE ABSOLUrk
. JOSEFA LA
Desejosa de manifestar ao galante publico des-
ta capital a profunda sympatb-a que pe inspira e
a homensgem de respeito e adniracacqne lbe tri-
buto, resolv por sob a proteccio das amavelM
e vlriuona damaM da wocledade de
Pernambuco a minh* FESTA ARTSTICA,
escolhendo para ella as pecas constantes d'esfe
proijramma.
Benvolas e admiradoras da arte, espero qne
acolbero gentilmente a minha humilde dedicato-
ria, prova ingenua de reconhecimento e gratidao
Josefa Pl.
PEOGRAMMA
Estra
Actos 1 e 2 da appa^atosa e divertida zarzue-
la cmica baseada sobre a condecida e repatada
obra de Julio VerneOs Fi'hos do Capito Grant,
e trarisplantada pelo distincto dramaturgo D. Mi-
guel Ramos Carrion, com msica do notavel maes-
tro Caballero, denominada :
LOS SOBRINOS
DEL
E' esperado dos par-
tos do sul at o dia 2
de Maio e seguir de-
pois da demora nece-
saria para
Lisboa e Hamburgo
Para pasagens. tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RA DO COMMERC N. S
1' andar
(OIIIMMIH PRMAlfBtJCAXA
DE
Mavega^o coste!ra por vapor
r-ORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Babia
0 vapor Jacnhype
Comraandante Esteves
Segu no dia 30 de
Abril, s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at -j
Encommendas, passagens e dinheiros frete at
i)s 3 horas da tarde do dia 28.
ESCRIPTORIO
A Caes da Companhia Penvimbucan/i
n. 12 -
9
i Lisboa
AGENTE
liad Jos Atoes
N. 7RA DO BOM JESS-N.
Seguro marltitBoa e terrestre*
Nestes ultimo a nica coxpenhia Beata praca
que concede as Srs. segnradis iseaipviode paga
ment de premio em cada stimo asno, o qos
equivale ao iavt/nXa de cerca da 1!^ por eseij
avor dos se^nrados.
sLr don and Urasllian Ba
I I ni He;
Ra do Comrnercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca-
as domesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas n. 75 No
Porto, roa dos Inglezes.
PERSONAGENS
Soledad, madrilea....... Sra. Pl.
Ketti, escocesa............ Sra. Sacanellcs (A.)
La portera............... Sra. Duelos.
El medico Mirabel........ 'ir. Garrido
Sir Ciyron, escoces........ Sr. Ramo3.
Mochila, teniente retirado.. S:. Duran.
Escolstico............... Sr. Manso.
Um general chileno.. ----- Sr. Ramires.
Um commandante........ Sr. Jjrds:..
Visinbos, visiohas, inarinbeiros, grumetes, sol-
dados, chilenos, chilenas, fumistas, coro geral e
acompanhamento.
Ttulos dos cnadrojs
Acto 1El canuto. Cnfcdro 2oA bordo do
vapor. Acto 2UViva Chile. As fumistas. Cuadro
4oCuatro tiros.
No 2o acto bailar-se-ha o precioso bailado chi-
leno
LA RAMAilU
pelo Sr. Ramrez e sua interessante eenhora, que
com toda gentileza se prestara fazer eete obse-
quio BENEFICIADA e ao distincto publico
pernambucano.
*"- -Acto 3* da applandida zarzuela
il Sffl PacM
Vapor extraordinario
O vapor Nilc
De 3,039 'enteladas de registro
Sabir do porto do Rio
de Janeiro no dia 1 de
Junho prximo com es-
cala para Babia e Per-
nambuco, seguindo depois de pouca demo
ra com malas e passageiros para
LISBOA E SOUTHAMPTON
Desde j recbese encomrnendas par*
camarotes na
AGENCIA
Ra do Comrnercio n. 3
1 andar
Adamson Howie l C.
AGENTES
(OnPt\IIIE DES HESAB
RES siaritihes
LINHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
Espcra-se da Eu-
ropa at o dia 4 de
Maio seguin-
do depois da de-
|mera do costume
para o Rio de Ja-
ro, tocando na
Babia
Lembra-se 03 senhores passageiros de tocus
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que pocem tomar em qualquer tempo.
Previne-se ao saenhores recebedores de meri'a-
dorias que s se atteuder as reclamacoes por fai-#
tas nos volumes que forem recouhecidas na occa
siao da descarga.
Para carga, passagens, eucouimeud.is e dinber -
afrete: tracta-se com o
AGENTE
Aogoste Labille
9 RA*"DO COJIMERCIO9
COI
A'n S liora*<
Presos do CStume
Haver trena para Apipucos e Olinda e bonds
para todas as linhas.
Nota A BENEFICIADA pede desculpa s
Exmas. familias pela falta de nao ir peasoalmente
s anas residencias, 'o que nao faz em virtude de
suas occupaces de familia.
Oa bilhetes se acham venda desde j na bi-
lhetaria e em poder do Sr. administrador do thea-
tro.
panh.i Franceza Se XaTega-
^o a Vapor
Linba quinzenal entre o Havre^ Lia-
boa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
0
Commandante Pancbvre
E'/ esperado da Europa
at o da 0 de Maio, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
ha. Hlo de Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. irr.portaderes de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
das a contar do da descarga das ^Ivarengi. -juaJ-
quer reelamr.cae concernente a volumes, que po-
ventnihtenham seguido para os portos do sul.afim
de se poderem dar teroijo as providencias neces-
sarias.
Eip;r.--o o referido praso a companhiioa c r
reaponsabilisa por extravos.
Para carga, paesagens, encommendas e dinheiro
a (rete: irata-se cun o
Augusle Labilie
b RA DO COMMERCIO 9
P"ra Ciiiiiiissini
Segu no da 30 do cerrente a escuna Jtaquin*,
reecbe carga ; a tratar com o Pessoa, ra da
Moeda ?. 1.
ILEGlVEl


6
^^fl
__^_^__^__^
Diario e PeraambueoQmnta-feira 28 de Abril de 1887


^__^^_^___
-

HI PRB!*AMI.:CAlf
Hategafio C9Ulr* psr Vapor
Rio Forme se Taraandar
O vapor Giqui
Comandante Lob o
Segu no dia 30 de
Abril, pelas 4 ho-
ras da manh.
Recebe carga at o
'dia 29.
Encommendas, paasagens e dinheiros a frete
at s 4 horas da tarde do da 28.
ESCRITORIO
cae* da rmpanhla Iera.aain
cana o. I a
Leilo
LEiLES
Hoja, 28, deve ter lugar o leilio de velas stea
rloas avariadas, maysena e vinhos em caixas e em
barris.
O leilio de movis, looca, vidros e crystaes ane
aanciado por intervencio do agente Pinto dev
ter lagar no sobra io do pateo de S. Pedro n. 17'
Leil
ao
QUINTA-FEIRA, 28 DO CORRENTE
A'a 11 horaa
No 1 andar da ra do Livrameuto n. 7
O agente Modesto Baptista, autorisado compe-
tentemente, far leilio de l mobilia de mogno coco-
posta de 1 sof, consolos, l jardineira, 2 cadei-
ras de braco e la) de guaru'cio, 2 marquexdes, 2
aparadores, 1 mesa de amarello grande, 12 ca-
deiras de junco, 1 bidel, 1005a, 12 copos, 12 cau-
ces, 5 quadros, 8 jarros, 3 candieiros para kro-
rene, 24 colheres, 6 talheres, 1 tapete para sof e
diversos artigos de casa de familia.
Leilo
De 28 caixas com velas ster.rinas avariadas
Quinta-jeira 28 de Abril
\\ 11 horas
Na ra do Bom Jess n. 43 o agente Pinto le-
vara a Idilio por conta e risco de quero perteacer
38 caixas com velas, descarregadas de bordo do
nario Bruno & Mara com avaria d'aqui do
mar; as 11 toras do dia cima dito no escripto-
rio da ra do Bom Jess n. 43.
Em continua^o
vender o mesmo agente
50 caixas com maisen, 22 ditas ern: cognac,
3 ditas com vinho do Porto e 40 barris com vi
nho verde.
Agir ate Pestaa
Le* la o
Be 1 importante bilhar com todos os sens per-
tences, 1 guarda roupa, de amarello, 2 secretarias
de mogno, 2 carteiras de amarello, 1 fiteiro de
dito, 1 commoda envernisada de preto, 2 toilletes
com pedra, 1 jardineira de Jacaranda com pedra,
1 par de consolos com pedra, 2 camas para meni-
nos, 1 cama franceza para casa), diversos mar-
quezes de amarello, novos e usados, 1 armario,
1 par de aparadores de dito.
Bancos para jardim, mesas de amarello e de
louro, 2 cadeiras de bravos, de Jacaranda, 2 em-
panadas da rame, 6 candieiros para gaz, 3 bra-
cos para ditos, 3 registros de ditos, urna porcao de
bebidas de varias quahdades.
Molduras douradas para fazer quadros, junco
para fazer palha para empalbar cadeiras, 1 pren-
sa para copiar com a mesa, i mesa redonda com
tampo de pedra e columna de ferro, i armacao de
ferro com pratelleiras proprias para dispensa e
milites outros objectos que se ^chario patentes no
acto do leilio.
Quinta fel ra ''do correte
A'a 11 horaa
No armazem da ra do Bom Jeso.3 n. 14
De movis, louca, vidros, crystaes, jarros
para flores e tapetes
A aaber:
Um piano, urna mobilia de Jacaranda com 1
sota, 1 jardineira e l consolos com pedra marmore,
2 cadeiras de bracos e 12 de gnaruicao, 4 casti-
9 es e mangas, 2 pares de teto* para flores, 1
candieiro i gas de suspendi, 2 cadeiras de ba-
taneo de Jacaranda, 4 tcarradeira finas e 1 ta-
pete forro de sala e 2 de qutrtos.
Urna mohilia de junco com tatopos de pedra.
Urna cama fraticeza aova, 1 guarda-roup, 1
guarda-vestido, 1 mesa de amarello, 1 dito Je cos-
tura, 1 cabide, 1 lavaton 1 Oerco, 1 niarquezao,
6 cadeiras de junco,
Urna raesajelastica com 8tabcas, 1 guarda-louca,
2 apparadores, 12 cadeiras de pao carga, 2 de ba-
lanco americano' 1 apparador esm armario, 1 re-
logio de pared, 12 cadeiras de junco (novas),
apparelhos para cha e jantar, copos, clices, gar-
rafas, compoteira*, talneres, colheres, mesas, ca-
deiras, marquesas, camas e muitos outros objectos
de casa de familia.
Sabbado, 3o do corrate
Agente Pinto
No sobrado da esquina do pateo de S. Pedro
n. 17
O referido leilo principiar s 10 1/2 horas ; a
entrega effectoar-se-fca no mesmo dia.

Em eootinuaco
Da armacao e mercadorias da lfja da na Jo
Duque de Caxias n. 66, para liqnidacio final ao
correr do martillo.
QunU-feira 28 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENCO DO AGENTE
Martin s
Agente Burlamaqui
Leilao
De um sobrado de 2 andaras ra de
Marcilio Das n. 121, em solo proprio.
e urna casa terrea 110 largo da Casa For-
te n. 27, em solo foreiro. com bastantes
commodos, 3 portas de frente, com co-
sinba e grande quintal-
A's 11 horas
No armazem da ra do I aperador n. 30
O agente cima, por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de lireito de orphos, a r que-
rimento do inventariante, levar a leilio o sobra-
do cima.
Quinta feira 28 do correnta
Eaa continuaco
vender 1 piauo, 1 cofre, pranches de pinho de
diversos tamanbos, prensa e machina para copiar,
cantoneiras e outros mais que estarlo patentes
no seto do leilo.
Leilo
de movis, I. un. vidros e es-
pelhos
Constando de 1 piano de armario, um mobilia
composta de 1 sof. 2 consoios, 4 cadeiras de bra-
cos e 12 de guarntcao, nm rico espelho oval, qua-
dros. jarros, 3erDeotinas c tapetes.
I Urna cama franceza pan casal, 1 toilette de
Jacaranda, 1 lavatorio com pedra, 1 guarda-rou-
pa, 1 guarda-vestidos de marello e 1 commoda.
Urna mesa elaatica, 2 guardas-louca, 1 guarda-
comida, 2 aparad res, 12 cadeiras de junco, 1 ap-
parelho para jantar, 1 dito para cha, capos, cli-
ces, garrafas, compoteiras, trarfos e facas.
Urna mesa de cosioba, trem da meema e muitos
outros objdetos de casa de familia.
Quinta felra. J* do rorrete
A's 11 horas
Na ra doVisconde de Goyanna 61
O Sr. Joio Louieiro e sua familia tendo da reti-
rsr-se para o Europa, far leilo por intervenco
do agente Alfredo Guimares dos objectos cima
mencionados.
A entrega ser em acto continuada. ,
Leilo
De 3 caixas com esptlhos avariados vindo
pelo vapor Paranaqu
^SEXTA-FEIRA, 29 DO CORRENTE
A's 11 hors3
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 19
En contlonac-o
De 2 mallas francesas para vigen, escovas finas
de Vieona para cabello e futo, camisas e casacos
bordados para eenhora, camisa para hornero, cha-
pees para dito, caixas com garrafas d'agua mi-
neral, armnicos, um gande eortiinento de sabo-
netes de diversas qualidades e mui'as outras
mercadorias que serio vendidas para fecbamento
de coutas.
POR IMTBRVESgAO DO AGENTE
Gusmo
AVISOS DIVERSOS
Alaga-se casas a 8*000 no becco dos Coe
ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na roa d
Imperatriz n. 66._________________.....
= Precisa-se de urna ama j na 1 ua do Bom
Jess n. 42, qaarto andar._______ ___
AMA Precisa-so de urna, de boa conducta
para cosinhar e lavar para pouca familia ; na ra
da Matriz da Boa-Visto n. 3.________________
__ AMA Precisa-se de urna ama para co-
sinhar em casa de pequea familia ; a tratar na
roa do Bom Jet us n. 50, 2- andar._____________
~ Offerece se urna moca para acompanhar urna
familia que se retire para fra da provincia ou
mesmo para algum engenho perto da cidade :
quem precisar dirija se ra estreita do Rosario
n. 42, 1- andar._____________________________
Aluga se a casa da ra da Conceico n. 2-A
do po*oado da Toire ; o 1" andar b aloja da ra
do Padre Ploriano o. 69, e a loja da travessa da
Bomba n. 4 ; na ra do Apollo n. 4.__________
= Vende-se um deposito de cigarros, na ra
estrrii.. do Rosarlo n, 15 : a tratar no mesmo.
A pessoa que qniser adjuntar a quantia de
68S000 para a alforria de urna escrava que sabe
lavar, engommar e cosinhar. pira a escrava lhe
pagar com snns servicos, dirjx-s'- a ra do Mai-
quez do Herval u. 23, loja.
= Precios-se de nm menino para casa de fami-
lia, d< 10 a 1? HDD08, que ri boas infonnajes :
na ra do Kang-'l n. 42.
Artenda-se o sitio das Jaqut iras, com gran-
de casa de viveoda, todo c-rendo, e mais tres
pequeas no mesmo correr, pirvindo perteitam-n-
te para penso ou hotel : a tratar no mesmo sitio.
Precisa-se de um:i ama de boa conducta,
para undar com urna enanca ; ua ru de Deo
Fa'ias n. 49
Pedimos .iuila urna v-z ao Sr. Mancel Joa-
qaim de Mattos Peixoto Guimaraea que. (guarda-
da : i '"i.tidade de pessoa), fra deduvida irmo
do di^uu Cldado Sr. Jote de Mattos, em cojo tra-
piche na esquina do Gorpo Santo com ra do
Commercio em .l.i sen eacriptorio ; naocrciaque
temos o m- 1/09* de antecip.idinen e julgar al-
W der/uiei ou ignorante. Oque pr ora lhe
pedimos, e que in.mde j a este ascriptorio ra
da Cruz'o. I s-.t-fiz r s 11 empromisso, que
por Certo bem leve e coj* Jravi lule nao ignora.
Ufan-el Xavier C. de Aibuquerqne.
Criaco
Precisa-se de um criado ; 110 largo da Penha n.
4, ho-e. ___ ________________^^
Advocado
O bacbarel Antonio Ribeiro de Albuquerque
Maranhao tem sua banca de advocscia na praca
de Pedro 2o n. 75, no mesmo escriptorio do Dr.
Manoel Netto Baudeira. _______
Atten^ao
No dia 3 do corrente chamei ao Sr. Jos Del-
fino da Silva Carvalho para ir travessa do Prin-
cipe n. l-C, afim de tratar de negocio seu, nao
appareeeu ; passando mais quatro dias chamei
por um bilbete postal, nao me respondeu ; dahi a
dous dias chamei por ouiro, dizendo a este senhor
que viesse pagar-me, nada ; depois mandei urna
carta com o son eacripto ao Sr. Dr. administra-
dor, e devo estar certo que este senhor est
aciente deeta carta, nlo me resp ndeu ; portanto
chamo diariamente, at que me pague.
Recite, 23 de Abril de 1887.
Antonio da Silva Guarni.
Corveta, alem
l'iiniiira qnaliilailt'
Offerecem por precos mais baratos Herm Peter-
sen & C. Successores, ra Mrquez de Olinda nu-
mero 22._______________________________________
Amas
Precisase de urna para cosinha e mais servico
de casa de familia, e urna rapariga honesta para
cuidar de criancas uo interior da casa ; na ra
Bella n. 43.____________
Vinho dedoilares
Legitimo, superior, e om barris de quinto e d-
cimo, ha para vender no armazem de Francisco
Ribeiro Pinto Guimares & C, ra do Bario
do Triuuipho n. 96.
Quem achou
Perdeu-se dous pequeos livros de recibos de
talo, com as rubricas da Baronesa de Bemfica,
um e outro com a de Jos de Oliveira Castro :
quem os achou, querendo restituidos pode lvalos
ra de Santa Ceeilia n. 18, que muito se agra-
decer e ee reeomprosar, e nao ple sproveitar
senao aos interessados.
laliosqne
TraBpa8sa-se um em b> m lugar ; informa se na
travessa do Arsem>l de Guerra n. 9.
CONTRA
Delux js. Grlppe, Broncbltas,
Irrit a?5e3 do P sito, n XAROPE r a PASTA paitara! I
'le NAF ir. DEL ANGRENIER .-&o de urna cfflraci certa I
t Tcrflcada por Mee:', ros da Academia de Me iictoa da Franca. 1
Sem Opto. .Vnrphina nem ('odrina d-ae sem receio s '
cri*cca affactmas de Toase o;i Coquelucbe.
PARS, ra nrietute, 5, VARIS
E :U TODAS AS PHARMACIA3
DO HUNDO.
Trcofero de Barry
Garantes qnefaz nas-
oer ecresoer o cabello nda
aos amia cairos, cura a
tinha e a caspa e remore
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Poaitira-
mente impede o cabella^]
de cahir ou de embranquo-
rer, e infallirelmente o
torna espesso, maco, lus-
ti oso e abundante.
'%41jV
v n
'MWiV-
Agua Florida de Barry
Preparada segunda .1 formnla
original risada pelo inventor em
1829. E1 o nico perfume no mnn-
do que tem a approvacao ofiicinl de
um Goremo. Tem dnas vezes
mais fragrancia qnaqnalquer outra
e llura o dobro do tempo. E'rcuito
mais rica, suave o deliciosa. E'
niuito mais fina e delicada. E'
mais pertinente e agradavcl no
I len9o. *' anas ~ezas mais refres-
I cante no ban::o no ?nnrto do
doente. E' especifico contra a
fronxidao e debilidade. Cura as
dores de cabera, os cansados e os
I desmaios.
Xarope Je Vida le Reiter lo.
AJTTES DI SllV-O. DETOIS DE USAI^,
Cora positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Con re Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
neas de Sangue,.Figado, e Rins. Garante-se
qne purifica, enriquece e vitalisa o Sangus
restaura e renora o systema inteiro. 0 |
Sabao Curativo de Reuter
Ama de leite
Procisa-se de
Arago n. 35.
urna ama de leite : na ra do
Paga-se bem
Na roa do Imperador n. 45, 1 andar, precisa-se
de tima boa coainheir. urna engommadeira e um
menino ara recado. E' de coudicao, dormindo em
casa.
Piiuias purgativas e depurativas
de unpanha
Estas pilulas, cuja preparnQo puramente ve"
^etal, tecm sido por mais de 20 amius aproveitadat
eom os melhores resultados as seguintes moles-
tias : affeccoes da pelle e do ligado, svpbilis, bou
b5es, escrfulas, ehagas inveteradas, erysipclas e
gonorrhas.
Modo de nsal-as
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, oe
oendo-se aps cada dse um ptico d'agna aaoca-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras ? tome-se um pilula ae jantar
Estas pilulas, de nvcneao dos pharmaeeutieos
Almeida Andrade & Filhos, teem veridietum dos
Srs. mdicos para sua melhcr garanta, tornande-
ie mais recommendavije, por aerem um segure
purgativo e de pouca dieta, pelo que poden, sei
isadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
*> drocaria de Faria Siolirinho '*
Al Rb'A DO MAKO.UEZ DE OLINDA 4}
xjmtTxxx
COLLARES ROTES
Mifntlc
MS Se ienticki" umut 1
-------BE8
I MU FACsUMI i unt us atufa!
Os COLLARES 9t~*k,mb*mtiM ha mais
de 25 SUUMM, siv o* vaicM o a* pwaer'io
realmeaU aa craanfasUs CCrUVULSOEs
ajudtmtU m mtmm tsmso a .
Para evitar a raliWiiBiln aa _
t*n. *sns *> fatriea ,tm-
e o 9tr>aa*
WOLFF
N. 4-fiA O
& c.
-14
Para o Bonho, Toilette, Crian.
Sas e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
em todos os periodos.
Approvados e autorisades pela inspecto
ria geral de bygienne do Rio de Jaoeiro.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
UASA iiA FORTUNA
As 5:0001000
B! he!ci garantidos
23 RA PRIMKIRO DE MARCO -23
Martina Fiuza i G. tem i xposto a ven-
da os seus afortunados bilhetes garanti-
dos da Ia lotu.'ia da provincia a beneficio
da Sonta Casa de Misericordia do Re.^ife.
PRECOS
1 DUiro 3"00
1 t-rco 15000
lias porcao de 1O0*jO0 para
cima
1 inteiro 2*700
1 terco 900__________
Engenho para ar. emitir
Arrenda se o engeho Si'rra, d'stante meia le-
gn da estacio do Cabo, mu com agua c tem
todas as obras fbi bnm estado ; quem o pretender
dirija-ee a" sen proprietario no Kecife, ra Im-
perial n. 203, ou ao engenho Novo do Cabo.
Hdame Fanny Mlva
Madame Fanny Silva, modista e costureira
ra do Imperador n. 50,1 andar; psrtindo para
Pars, no corrente mea aguard.. as ordeus de suas
Ezmas. tre^uezas, e apreveita a occasio para
giaoecer a proteccSo e considericao, que lhe dis-
pensaran as casas com quo teve transaccoes cotu-
merciaes. e dr-clsra qao nada deve a pessoa al-
guua nesta praca, e que nao deixa pessoa algu-
ma encarregada da sua officina de c isturas e mo-
das, e que foi sunpre nica cortadera e directora
nao tendo nunca quem a substituisse ou repre-
sentaese, Visto que todo o trabalho era feito e ad-
ministrado por ella mesmo.
Engenhos e casas pa-
ra 7ender
Por prepos baratinsimos vende-se :
O engcUho Boa F, mar^em da estrada do
prolongamento. era Barra de Jangada, movido a
agua, cem boas trras.
Metade do Forc&Uza, e tres legoas da estaco
de Catendp, eom Casa de vivendx, distilaco, es-
tribara, casa Je rarinha e de moradores, e cerca-
dos bons ; ainb'^s na comarca do Bonito.
O sobrado .le um nndar e aoto, na roa das
Trincheiras n 31.
A cata terrea n. 18 da roa de Santa Cecilia,
nova < ci'm ?. to.
As casas u, 1, 3, 5, 7. 9, 11, 15, 17, 19 e 32 da
travessa do Bandera, ni ra Imperial.
'O sitio n. 3 da estrada de Jaboatao, com casa,
arvores fructferas e tr^s viveirs.
A tratar com o r. Claudino de Mello, ra
das Trinchoiras n. 34, 1- andar, das li horas do
dia s 4 da tarde.
Quinina aePelletier
ou tas trez firmas
O Sulfato de Quinina Pelletier
preferido por todos os mdicos, por
ser inteiramente ijiro, contra ai
Enxaqaecas, as Nevralgias, os
Accessos de febre,contraasfebres
intermitientes e paludosas, a
gota e meumatismo.e os suores
nocturnos. Cada capsula, da gros-
sura de urna ervilha,contm 10 centi-
grammas de su""to, e nella le-se
PELLETIER. Esta^<;apsulastem
aeco mais prompta e maisf
segura do que as pilulas e'
confeitos, e engole;n-se mais fcil-
mente do que as hostias.
Deposito em PARIS,8,RndVivienne
e as prinolpae Phtrmaciti e Drolrias
Scmdietaesc.il modifi-
cares de costumes
Laboratorio central, ra do Viconde d
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
EspcciGcos preparados pelo piar
maceulico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvados pelas juntas de hygiene da Corte
Repblicas do Prata e acadcmi/i de industria d>
Pariz.
Elixir de imbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejecces difficiea.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debelia a hj poenm
mtertrepical, rtconstitue os hydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de flor da arueira e mu tamba
Muito recommtndado na bronchite, na hemop-
trse e as tosses agudas ou ehrenieas.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
nismo, na tysiea.
Plalas ante-periodicag, preparadas -.-.ova
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febrea intermitientes, re
mittentes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tambera Car
rugino8<>, preparados em vinho de caj
Efficazes as inflamma^oes do figado e bac
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado as eonvalescencas das parturiente
retico antefebril.
Francisco Manoel da Silva k C
RA MRQUEZ DE OLINDA-
rofessor
O bacharei Joaquim Gavaloante Leal de
Barros ennina iiiatb-matifias pelos novos
progratnmaa e prepara hIimidos para exa-
mes na corto.
Tambero se prnp5; a ensinar om casas
particulares outras materias.
5 Ruar da IBalma-9 3
Ao publico
Pelo pns ate -mmnnico que esumi o com-
mando do pelbabit-1 hespsnhol Dos Hermanas,
desde o dia 20. tendo se retirado do mesmo o ca-
pito D. Juan Mol', fi and i pagas todas as contas
relativas ao refeiidj navio Pernambuco, 21 de
Abril de 1887.
Tomaz Mascar.
TpDenii- rnronei 4u! i iclino de
C'UHiro N Barrete
Dr. Deomedes Tbeodoro da Costa (auBentej e
Francisco Lopes, mandara celebrar na capella de
Preguicss urna missa s 8 bors da manh de 30
do corrente, por alma de seu amigo o tenente-co-
ronel Austrieno de Castro S Barrete, stimo dia
de sea p:sc:aeoto, e para isso pedem a seos pa-
rentes e amigos, assim como aos do finad a as-
sistirem a este acto de religiA, pelo que desde j
e conteesam gradecido?.
Vinho co Ds\ Forester
t Qolm lerristso e 55 Cascan de Uranias
TNICO RECOBTSTZTtriNTE
Reaelo seber&nfc
-HA A
ciiioao u. ahsuia, 0MMS Dos ossos.
nii'/M,
n:.'..... a he cKir'swo.
ESC -'QE,
I TTPHCfOI
T6.


AS
Enfermidades Secretas
BLENORRH AGAS
GONORRHEAS
FLORES BRANCAS
CORRIMENTOS
recentes ou antigos sao curados em I
poucos dias em segredo, sem rgi-
men nem tisanas, sem cncer nem
moles'ar os orgaos digestivos, pelas|
e injecgo de
KAYA
DO D0T0R FOURNIER
Cada Pilula tem gravado Kmm, Sn*u*i^
PILUL, 6 FR. INJtC{IO. 4 FR.
i PARS, aa, Place de la Madeleina
iMedalha ds OURO. Pars 18851
ITJMW
hohiais[_
P1* *?LERY
Vende-se em toda a narts
Catxciro
Precisa-se do um menino pare caixeiro, com
pratica de taveraa, que d fiador sua preferc-sc brasileiro ; a imt ir no Camiulio Novo
numero 91.
Engenho Serr-nova
Arrenda-se o engenho ti"-rra-nova, na freguezia
de Agua Prcta, distante nm quarto de legoa da
estaco de Preguios, moeute e corrente, com boa
machina a vapor, bone terrenos para p!antaco-s,
podando safreJHr 2,000 pes biinimliuente ; ta-se na ra Primeiro de Marco n. 17. 1- andar.
^i este multe onhecido estabelccmen-
to encentro ra. o reupeltavel pnbllco o mais
variada e cotxipleto sortimento de JO!\
receFtidas sentpre directamente dos melho-
res fabricantes da Europa, e pelo apurado gerto do mundo elegante,
Ricos aderecos completos, linda* pulsei-
ras, alfinetes, voltas de uro era vejadas co;
brilhantes, ou perolas, annels, cacoleta',
botoes e outros muitos artigos proprios
des te genero.
ESPECIALIDADE
tita relogios de ouro, pratu e nickelados.
para bomens, senboras e meninos dos niai
acreditatlos fabricantes daEmop c Ame-
rica.
B"ara iodos te-se a boa qualidade, assicn como a modici-
dade nos preces qw silo sem eontpcti oicia.
'esta casa tambem concerta-se qual-
f|iier obra de ouro ou prata e tanabem rto-
gio.*i de qualquer qualidade qn* seja.
4Ra do l'abug-4
' X


iHtmA DE HONRA
0 U3 CHEVRIER
d8ln!ecUo pelo Alcatro,
torneo btltamico, o Que muito
augmant aa propiedades do
0 OLEO de FIGADO
DE BACALAO FERRUGINOSO
l unics prepancSo cua permita
lOmi ,(ra' o Ferro ttm pro-
duiir Priado do Veotre, n*r*
iDcommodo.
DIPOSITO gwal en PIE
21, roa do Faoi'-Ioatmartrc, 21
DIPLOMA DE HONRA]
-<&e
!>c.uco de VOgfc&t'*'
* %*l Ord,m d, l**
BBCKITADO POR TODAS A3
Celebridades Medicas
DA FRAMfA E DA EUROPA,
ou
MOLESTIAS 00 PEITO, .
AFFECQES ESCROFULOSAS i
CHLOROSIS,
ANEMIA. DEBILIDADE,
TSICA PULMONAR,
SRONCHITES, RACHITISMO
Vinho de Coca
LICENCIADOS PF.I.A INSPECTORA HE HTGIKSE DO IMPERIO DO BRAZIL.
De todas as fazendas existentes na antiga casa de
Os seguintes arligos compro va a realidade em vista dos seus presos
Cortes de f'ustao para coletes, a 1,5000, 1*5200 e ljJSOO!
dem ci oaseuiira de cores, a 2JOO0, 2^500 e 35G00 !
Casemiras pretas e flanellas, a 800 rs., 1^000 e 1&200 o covado, urna largura I
dem diagones, a 2^000, 25200 o dito! duas larguras.
Brins de puro linho, de cores, a 800 rs. e lfJOOO metro 1
dem idem, branco n 6, a 1)5500 o dito !
Las de todas as qualidades para vestidos, a 200 e 240 rs. o ovado om reta-
Iho para acabar.
Cachemiras idem, a 400 e 500 rs., o dito !
Setins de cores, a 600 e 800 rs. o dito !
FustSes branco e de cores, a 250 e 320 rs. o d.to 1
Meias Ivas para meninas, a 2(5500 a duzia !
Camisas inglezns, tinas, a 3b'(5090 a dita !
dem francezas, branca e de cores, a 24)5000 a dita!
Gu^rdi-napos grandes e de n'ao, a 35500 a dita 1
Ceroulaa bordadas, de 200000 (para acabar) a 125000 e 15000 a dita 1
Esp-rtilhos, de 8,5000 e 1O0OPO (vende-se) a 4,5000 e 5^000 I
AJbdapoliio americano, a 6^000, p=gas de 20 jardas I
EsguiSes para casacos, a 4,5000 a dita de ditas 1
Cambraias braacas bordadas, a 5,5000 e 50500 a pega !
Grandi sortimento de chapeos para senbors, a 40000 e 50000 1 para liquidar.
Fichs e capas de 13, a 20000, 40000 nm !
Bramantes de linho puro, de 30000 (par;i acabar) a 20000 o metro I
Setineta8, a 280 rs de todas as cores.
PaDnos para mesas, atoalhados brancos, algud5es, tr finalmente liquidam-sa
odas as f'f.zendas por monos 40 /0 dd seu valor as que tstiverem abertas as pegas.
Antiga casa
DE
CAMEffiO M CUNEA
59Run Duque de Caxias59

'PH0SPHAT0 & GAL GELATINOSO^
lie E. LER0T, Parmaceotco de 1" Classe, 2, ma Daenoo, PARS
OSTBOGHKEO tara DjHnvoHimeato e a Deuttfo it Grlai(aa, costra o Backitiisio a a Holntla in son.
Recommendaraos este Xarope ais Mdicos e aos Doentes. de um sabor agradavel, de assiml-
laco fcil e mil vezes superior a todos os xaropes de lacto-phosphato Invernados pela especu-
lacao. Todos sao cidos ao posso que o Phosoliato de Cal Gelatinoso nao o e-
O Sor l'rofessor BoucHT, Medico oo Hospital das Cnincas. (Gtntte du Hpltaux, 19 de msio do lfr.l
VINHO PHOSPHATADO DE LEROY m"f?*
Anemia, Contumpco, Bronchite chronicajlsica, Fraqueza orgnica, Convalescenpas ditcala.
Depositarios em Pernambuco : FBAN' M. da SILVA c C*.
s
0>ooo J>09l
W ciradMa *
d arvros, cravos
Virus, Ulceras
PELO
DEPURATIVO CHABLE.
Em Uta as Poarmaeiai do DsiTino
Onde se encontra gratis a
latida Ciaste.
36
**e Vv\e^e
CHABLE
9 curadi da *
Gonomih, Flores brancas,
Perds seminaes,
EseOTAmEHTO, etc., ate.
PELO
CURATO DE FERIO GRABLE
Em todos as boas
,y*-a
jc\
o rwse

IEEIVR 1


I^MH^^H
MH|

MB




*





-
.*

Diario de PernambncoQuinta--f eir 28 de Abril de 1887
AIuM-se
Ama
_ casa com commodoa par* grande familia,
itio arborisado ; na Ponte de cha n. 10.
Alagase barato
Ana dos Guararapes n. 96.
Ra Viaconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ba do Vijcondc de Goyanna n. 163, com agua
Largo do Mercado b. 17, loja com agua
Ra Viaconde Goyanna n. 167, com agua e ga
Ra Corcnel Soassnna n. 141, qoarto.
Tnttk-se na ra do Commercio n. 6, le andar
aaeriptorio de Silva Gaimarie & C.__________
Alagase
casa terrea ra do Vhoonde de Albuquerque
m. 17 a a loja do predio ra do Marque do
Herval, travs do Pocinho n. 33 ; a tratar no
xgo do Corpo Santo n. 4,1 andar.__________
A luga-se
\ cae a de ma do Pilar n. 37, com 6 quartoe,
4 sala, coeiuba e apparelho tora, caiada e pinU-
tada ha pouco tempo; tratar na rna da lmpera-
triz n. 56.___________
Precisa-* de urna boa eosinheira, para casa de
pequana familia ; a tratar no Caes da Companbia
a 2 Prefere-ae eacrava e deve dormir em casa.
Precisa-se de ama ama para cosinhar e com-
prar ; na rna Primeiro de Marco n. 25, loja.
Aviso
Ama
Precisa-se de urna coainbeira
po Santo n. 17, 3- andar.
Ama
Precisa se de urna ama para servicos domsti-
cos a tratar na ra da Roda n. 16.
Ama
Precisase de ama ama para cosinhar
de Pedro Aflonso n. 58, aotiga da Praia.
Ama
Aluea-se
O armarem e pavimento superior da ra da
Moeda d. 35. multo r-roprio para deposito de g-
neros, assim como o 2 andar da ra do Impera-
dor, n. 67, tendo excellentes accomodacoea para
familia, a tratar na roa l" de Marco n. 20-
Vinho da Mourisca
Proprlo para mesa
Joao Ferreira da Costa, ra do Amorim n.
64, acaba de recibsr urna partida d. vinhos em
cascos excessivamente grandes, e como deaeja
tornar bem couhecida sta superior qualidade, que
se faz recommendado pela sua pureza e bom pa-
ladar, resalve v.-nji r esta remessa no seu esta-
bfleci'meiito em b.irris de quiuto e da dcimo, por
precos mnko rsaoaveis, para o que cbamam a
atteucao doa aenhoret apreciadores, assim como
nos dunes di- botis.
Em retalbo vende se em casa dos Sra. Justo
Teixeira Se 0. Suecessore raa 3a Penha n. 8
Menina e menino
Preeisa-se de urna menina de 10 a 12 annos de
idade, para caea de familia, para andar cem urna
criancDba de dous annes, trata- se bem e d-sa
de vestir, e o menino para ta2er compras, median-
te um pequeo ordenado mensalinente ; a tratar
na ra Velha n. 36, collegio. ________
Precisa- se de urna ama que compre, coainbe e
engomme com perfeico, para duas peaioas, e que
durma em casa ; a tratar na ra de Gervasio Pi-
res n. 91.
Ama

Procisa-se de urna ama para engommar e mais
outros servicos internos, prefere-se que nao saia
ra ; na rna da Princesa Isabel a. 6.
Ama
Precisa-so de orna ama para cosinhar ; na ma
de Santo Amaro n. 14, sobrado.
AMAS
Tillan liana
PARA TINGIRA
barba e os cabellos
Precisa-se de ama para coaiabar e mais servi-
dos de casa, e de outra para menino ; na ra da
L'niao n. 31 A.
Vina deleite
Piecisa-se de urna ama de leite ; a tratar na
ra dos Pires n. 53.
Ama de leite
Anda precisa-se de urna ama de leite ; na ra
do Alecriui n. 63.
Ciuz das Almas
Em frente & chcara do Sr. Tura
Aluga-se urna casa com todos os commodos para
pequea familia, edificada a moderna, entre as
dnas estacSes da va frrea ; a tratar na ra Pri-
meiro de Marco a. 25.
tintura tDge a barba e os cabellos ins-
tantneamente, daudo-lhes urna bonita cor
e natural, inofensivo o sen uso simples e
rpido.
Venrlr -se na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Ronque rrol Freres, snecessoree de A.
CAORS, ra do iom-Jesus (antiga da Cruz
n. 2>_____________________________________
Peitora 1 de Cambar
c)
PREQOS
as agencias : frasco 500, 12 duzia 13$ e
duzia 24000.
Naa sub agencias : frasco 2800, 1|2 duzia
15*000 e duzia 28*000.
Agentes e depositarios geraes em toda a pro-
vincia-Francisco M. da Silva & C, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Fabrico de assucar
Apparelhos econmicos para o cozimeo-
ta e cura. Proprio para engenbos peque-
Dos, sendo mdico em preco e ef-
feetivo en operaeo.
Pdese aj untar aos engenbos existentes
do systema velho, melhorando muito a
quadade do assucar e augmentando a
quactidade.
OPERACO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenbos centraos,
majhinismo aperfeicoado, systema moder-
no. Plantas completas ou machinismo
separado.
Especificacoes e informacSes com
Urowas -".
5RA DO COMMERCIO-5
J. C. Levy avia* ao publico que Ernesto &
Leopoldo, ez-socio8 da firma J. G. Levy 4 C,
tendo tomado posse da massa fallida, reaponsabi-
lisando-se pelo pagamente aaa credores, de con-
formidade com a concordata concedida a aceita no
juico do commercio, ficando assim livre e desem-
baracado peraote os credores daquella massa,
offerece seus servicos aos seus amigos e fregueces
na pbarmacia Central, roa do Imperador n. 38,
achando-se a referida pbarmacia reconstituida e
rgo de Cor- premunida doa medicamentos mais novos a eape-
cialidadea pharmaceuticas de todos os traa acre-
ditados fabricantes.
~AVISO~
Coneertam-se machinas de costara de
qualquer fabricante, bombas e toda e qual-
i quer quadade de machinas movidas a va-
por, ou gaz, etc.
PREgOS SEM COMPETENCIA
ffljg lio iom-JesQg-39
Aos Srs. propietarios e edifica-
dores
Na antiga e bem acreditada otaria de liento dos
Santos Rames, ra do Vieconde de Albuquerque
(outr'ora da Gloria) a. 85, encontrarao os Srs.
proprietarios e edificadores, os seguintea objec-
tos:
Tijoloa de alvenaria batida.
Ditos quadrados de diversos tamanbos
Ditos para forno de padaria.
Ditos de tapamento.
Ditoa para cacimba.
Telbas.
O proprietario dessa conceituada olaria cient-
fica aos interessadoa que todos oa sena productos
sao manufacturados com o ezcellente barro d'agua
doce, do lugar Taquary, tornando-se por conse-
guinte recommendaveis nao so para a aade, por
nao ser hmido, como o sao s d'agua salgada,
mas tambem pela duraco. Outrosim, scientifica
igualmente, que a forma de suas telbaa maior do
que qualquer outra, sendo estas, ao meso, o tempo,
ma3 leves por ni i reoeberem durante o invern
grande quantdade d'agua, como succede com as
de barro d'agua salgada. Prego mdicos. 87,
ra do Visconde de Albuquerqae, outr'ora da Glo-
ria, 87, Entrada pelo lado do caes, defronte do
passadico.
Materiaes de construyo
Presos red uz Idos
A Companbia de Edificacao, tem resol
vido d'ora em dianie, pra as vendas dos
productos da sua olaria a vapor do Taqua-
ry, o seguinte :
Tijelos de alvenaria grossa,
formato commum, descarrega-
dos em qualquer caes, o aii-
Iheiro 22000
Ditos, formato ipglez, idem
idem 180000
Ladrilhos idem 350000
Telhas communs, idem 38)5000
As compras de ce.no a quinhentos mil
ris, terao um descont de cinco por cen
Jalroph
Manipocira
Esse medicamento de urna eficacia r couhecida
no beriberi e outras molestias em que predomina a
bydropesia, acba-se modificido em sua prepara-
cao, Tracas a ama nova formula de um distincto
medico deata cidade, sendo que somente o abaizo
aasignado est habilitado para preparal-c de modo
a melhorar lbe o gosto e cheiro, sem todava alte
rar-lbe aa propriedadjs medicamentosas, que se
conservaos com a meama actividade, se uo maior
em vista do modo por que elle tolerado pelo
estomago.
laico deposito
Na pharmaca Conceico, ra do Mrquez de
Olinda n. 61.
Beierra de Mello
Tamancos do porto
para homem e aenhora. o quo se pode desejar de
mais aperfeic'.ado.
Semeiites muito novas
de hortalizas e flores
Selas
Amores perfeitos
Pocas Mendes & C.
I Sua ageita do Rosario n. 9, junto a igreja.
CASA
Aluga-se o 1- e 2- andares do predio n. 27
rna do Imperador, caiado e pintado de novo, tendo
bous commodos e agua ; a tratar na ra Duque
de Caziae n. 47.
Tinta preta
INALTERAVEL
i'oiimMcuii a
PHARMACIA CENTRAL
38 Ra do Imperador 38
Peroambaco
Serve para escripturaco mercantil e d 3 ou 4
copias de urna vea.
Gotta, Rheumatismo, Dores
Soluqo do Doutor Clin
Ltuntdo d* FtculM o Uedioint d Ptrii. Premio Uontyon.

A Verdadeira Soluo CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As AffecQes Rheumatismaes agudas e-ehronicat, o Rheumatismo gottoso,
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessarlo calmar os
soffrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solugao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
U23 Umi BxpliotgSo dettlhada aoomptnha cada frasco.
Exigir a Verdadeira Solucao da CLIN & Cie, de PARS, que se emontra em
^________________ caaa dot Droguistas e Pharmaeeuticot. _________
VENDAS
Cimento
PILUL AS B GUILLI
mnfikTnis
doD
PILULAS de xtmcto do elixir &ntco ati-Catarrhal do flr GUILLI
PAUL GAGE
Phar" de Ia clase, D'era Medicina de la Faruttadt de P*rii
CHICO PROPRIETARIO D'ESTE SEDII1HEIT0
PARS, 9, rui de QrenJle-St-Germain, PARS
E*Us Plalas -ont^m dfKai\o de nm pequeo Tolume ispropnav
mdestoni-puri^stivudoElixir Gullll, o qual remedio mnherido,
Ka mai< le esi na sanos, ] i r >ei i.m dws mais ecnoruicos,owno
Furgante e Deparatlvo.
DESCOHIiB as FAtSlFICACES, exiair 1S LEGITIMAS PILLAS BDILLI infinSM for PAOL iAGE.
lleposlbuios Ulll 'enimivuco : FRAN- M. da SILVA e C.
Febret
Epidmicas
Flutoes do peito
Molestias
des lltulheres
e das Criancat
4chan)-.ve o\ pos los venda os bilhetes da
lotera das Ala das
Sorte grande
13:000^000
DIVIDIDOS EM DECIMOS
as casas da Fortuna, ra \, de Mar^o
23.
Feliz, pra 39 e na ra
n.
Casa
ns. 37 e
n. 24 A.
O dia da
annunciado.
da Independencia
larga do Rosario
extracto ser brevemente
Exigir r
Fr*nae
'ello
SOLUCAO COIRRE
Exigir o sello
Frenos*.
AO CHLORHYDRO-r*!OSPHAT& DE CAL
p*deroo diia reconatltalntea adoptado por lodos oa Medlcoa da Boroaa aa
rerai. Anemia, CAIorosU, Tilica, Cackexia, BtcrofUUu, PzcJHtumo, Defame
resamento ifllcil alas enancas. Patito, Dyiftpstai.
til, COIRRE, Fk^MiHjJtorekaJidl^^^ PharaarfM.
*miutt* feral.
es estos, Cresct
PHARMACIA CENTRAL
38Ria do imperador38
Tendo paesado por urna completa reforma acba-se mootada a satisfazer com
' io as indicaSrtS medicas, tendo para esse fm meiramentos de prmeira qua-
frompt
dade e especialidades pharmaceuticas doa primeiros fabricantes
PERFUMARA
PARIZ
Segredo da Juventude
AGUA LAFERRIRE
Para o Toucador.
POS LAFERRIRE
LAFERRIRE
PARIZ
Segredo da Juventude
OLEO LAFERRIRE
Para os Cabello.
ESSENCIAS DIVERSAS
Para o Hoeto. *^^H WWF^ Para o Lenco.
PRODUCTOS HYGIENICOS para conservar a BeNeza do Rosto e do Corpo.
DpoUBrto.m/Vi-ai>c,rRAN-M diSILVAAC e naa prinripie' Parfamaria e Cahellereira.______
to, e d'ahi para cima dez par cento.
Passageni da Magdalena
Aluga-se urna excellente casa e sitio ra do
Pemfica n, 38 ; trata-ae com Jos Antonio Pinto
Companbia Pernambucana n. 6.
Ao commercio
Previno ao corpo commercial desta praca que
deizou de ser meu caixeiro Francisco Salvino da
Silva, oelo que detta data em diante nao m res
ponsabiliso por qualquer tiansaccSo por elle feita.
Recife, 2t de Abril de 1887.
Joe Custodio Goncalves GuimarSes.
Obras de vime e vinho
da Mourisca
Justo Teizeira k C. Successores, ra da Pe-
nha n. 8, receberam de Lisboa pelo ultimo vapor
os costumados cestos, balaios e roupeires de vime,
elegantemente acabados, que vendem por prc,os
muito razoaveise ao alcance dos senbores pi ten-
dentes, pelo que cbamam a att^n^o; como bem,
tem exposto venda o ezcellente vinbo da Miu-
risoa, o melbor vinho de pasto, actualmente ueste
mercado, e que p-r sua pureza e superior qua-
dade, auto tem agradado ; nao preciso recom-
mendal-o, elle proprio sp recommenda
Piano
Compra-se um fsiano pequeo, forte, d e rez cor-
das, em bom gestado d conservaco, qnem tiver
Bppareca ra de Marcilio Das n. 60, loja.
Flaaio Gonralvea Lima
Angola Baptista Goncalves Lima, Mara Isabel
Goncalves Lima e Francisco de Paula da Silva
Reg (ausente), esposa, filba e enteado de Flasio
Goncalvea Lima, convidam aos seus prenles e
amigos e aos do tallecido, pura assistirem as mis-
saa do trigsimo dia, aa quites terao lugar na
quinta-feira 28 do crrante, na igreja de N. S. do
Caroco. s 8 horas da manha. Agradecem cor-
dialmente As pessoas que comparecern).
3*WW
jixi- de Barra* Crrela Sette
Candida de Carvalbo C rn-ia Sette, seu filho,
irmaes c sobrinbo ngradecem todas as pessoas
que se dignaram acompanhar ao cemiterio publico
os restos mortacs do seu preaado esposo, pai, cu-
nbado e tio, Joe de BarroB Correia Sette, e de
nevo convidam a t-dos srus parentes e amigos
para assistirem a missa do stimo dia que man-
dxm celebrar na igreja de S. Goocalo. s 1 horas
da manh de quiuta-feira 28 do correte, pelo que
si> cbnft-ssam summaurnto arratos.
Fonseca irmaos & C. vendem cimento inglez,
marca pyramide, e cimento hamburguez, por me
nos preco que em outra qualquer parta.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1AD
Este excellente Whisky Escasssz ti .eriv
*o cognac ou agurdenle de can na, para ortifics
> corpo.
Vendese a retalho ooa tu ibores armasen
nulhados.
Pede ROYAL BLEND marca v*lADOcujon^
ue e emblema sao registrados Dar todo o Brasil
BROWS8 de C, agentes
Aos 100(1:000^0110
200:000$000
100:000#000
LOTfiSIi
Em favor des ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA
PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Ii raecu a u fle Mi mi 1887
0 thesenreiroFrancisco Goncalves Torres
Acadmico innnia Elixea do
Ansaml
O msjor Clandino de Aimeidae sua familia con-
vidam os collegas e amigos do finado acadmico
Domingos Eliz a do Amaral para uuvircm as mis
sas qne por sua alma sero celebradas s 7 1/2 ho-
raa do dia 29 do crrante na matriz da Boa-Vista,
bfm como a t' mrcir. luto al pase da._________
f
TeneMle coronel Auslrirllno de
estotro Ma Brrelo
Maria Cavalcante d Sa Barrote, seus filbos,
filhas, genros, oras e netos, prtseutea e ausentes,
Hgradecem a todos os amigos o parentes que
Hcompanbaram os restos mortaes de seu sempre
lembrado esposo, pai, sugro e v, o t nente-co-
ronel Austriclmo de Castro S Brrelo, ao cemi-
terio publico, e de no\o os convidam para assis-
tirem 4g missas de eetixo dia, que mandam cele-
brar naa mntrizes de Santo Antonio do Rpc te e
de Palmares, no di* 30 do corrente (sabbado), 4a
8 horas da mnnhii.
Vende-se
um sobrada com bastantes commodos a rna de S.
Jorge n. 13, com grande armazem no fundo com a
frente para a ra do Pharol ; vende-se tambem
urna casa terrea na mesma ra n. 33, cem o fundo
para a mesma ra do Pharol ; a tratar na rna do
Baro da Victoria n. 65.
Cabriolets
Vende-se dous cabriolets, sendo nm descobert.
e outro coberto, em perfeito estado, para um ou
dous cavallos; a tratar ra Duque de Caziat
n. 47.
Pinlio de Riga
MATHUES AUSTIN & C, receberam ltima-
mente um completo sortimento desta madeira,
como sejam : pranchSes e taboas para assoalho,
da melbor quadade e de diversas dimenses, e
que vendem por precos commodos, e reduzidos,
couiorme os lotes ; no armazem do caes do Apollo
a. 51, ou ra do Commercio n. 18, 1- andar,
A' Florida
Rna Duque de Caxias n. ios
Chama-te a attencao as Ezmas. familias par
os precos seguintea :
Cintos a 1 000.
Lnvas de pellica por 2500.
Luvas de seda cor granada a 24, 2/500 e 34
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs n. 5 a 400 rs. c
metro.
Albuns de 1/500, 3/, 3/, at 8.
Ramos de flores tinas a 1/500.
Lnvas de Escossia p>:ra menina, lisas e borda
das, a 800 e 1/ o par.
Porta-retrato a 500 rs 1/, 1/500 e 2/.
Pcntes de nikel a 600 rs., 700 e 8<>0 rs. um.
Anquinhas de 2/, 2/500 c 3/ urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs
Espartilbo Boa Figura a 4/500.
Idevi La Figurine a 5/000.
Pentea para coco com inscripeio.
Enchovaes para batizados a 8, 9, e 12/000
1 eaixa de papel e 100 envelopes por 800 ri
Cap lia e veus para noivas
Suspensorios americanos a 2/500
La para bordar a 2/800 a libra
Mo de pupel de cores a 200 ris
Eslojos para crochet a .$000 rs
Bico de cores 2, 3, e4 dedos
de largura a 3/000, 4/000 e 5/000 a peca
Leques transparentes a 3/000
dem preto a 2/000
Lindos Broxes a 3/000 1 JOCO e 500 ris
Leques para menina a 200 ris.
Linha para machina a 800 ris a duzia, (CBK)
Bordados com deis dedos de largura 600 ris,
3 dedos 800 ris, 4 dedos 1 /200
Garrafa d'agua Florida 800 rs.
Leques com borlota a 800 rs.
Bicna branc s pira s -tinta, cretone e chita pa-
ra correr babados a 1/000, a 1/50J a peca com
0 varas, barato.!
Albuns de chagrem, velndo e verbotioa para
50 e 60 retratos a 6/, 7/ e 8*000.
Meias de Escossia para senhoras, a 1/500 o par.
Lencos de linha em lindas caixas,
Bico das Ilhas muito fino proprio para toalbas
e saias.
dem japones proprio para alvas e requets e
toalbas de altar.
dem brancos com 5 dedos de largura, a 3/000
a peca com 10 varis.
Caixas com snrtes de jogo de mgica r> rr'c~
para salo, a 5/000.
Sabonetes de diversas qualioades.
Bolsas de couro para menina de escola.
Collarioho de linboa 3( 0 ris uro.
Grande perlilncba em enparfilbon
de llnno a 3#O0O. um.
BARBOSA & 8A0NTS
lu bom negocio
Vende-se a passe 1 kiosque da rna Hova ao
p da ponte da Boa-Vis'a ; a tratar no mesmo.
ORIZA LflCTE CREME ORIZA -ORIZA VELOUTE
aos Consummidores
PERFUMARA oriza
PARS 207, Ra Saint-Honor, 207 PARS
OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORIZA L.LEGRAND
dernn aew mici-enso e favor publico .*
1' Ao tildado ruidoso cim qne i 2* A na qsalidadi iDalteriTtt i
sao labricjo. j i niTidadt do seo piriune.
MAS SE IMITA OS PRODUCTOS DI PERFUMARA ORIZA
tem jttingir ao seu grti de delicadeza e perfeicSo.
Qa A apparencia exterior destas imitacSes sendo idntica aos Verta- dj
fjk OeiroM Producto Oriza, o's consummidores ii'venlo se jj
^tt precaver contra este cominercu. Ilcito e considerar como aTmf
^JV cOHtrafacco qualquer producto de quaiidaie inferior ,Jl3>
a> vendido por casas pouco honradas. *tX^
SAVON- ORIZA/ VELOUTE
Iteof a do Catalogo illumtrado & pedido tranqueado.
*J
Silbar
Vende-se um bilfaar cm suas pertencas, a pre-
co c n. 42.
Quasi de Graya
Vende-se urna raobilia estufada, f.irrada de seda
e com prego dourados, por ter o dono de embar-
car ; a tratar na ra das Trincheiraa n. Si. 1'
andar, com o Dr. Claudino de Mello.
AREVOLUCAO
0 48 ra Duque de Caxias
Chama a attencao des Exmas. familias para um esplendido sortimento de fa-
zendas qui; vende pr.r presos 8era competencia.
bom ver-se para acreditar-se
Etamine de Il com palmas de seda, 105000, a peca.
Carabraia bordada com 10 jardas, 5)5500, a dita.
Guarnieses de veludilho bordadas a vidrilho, 7000, urna.
Lindas cachemiras broche, 1A500, o eovado.
Cachemiras de cores, 800 rs 1#000 e 15200, o dito.
Damass de seda, 1(5400, o dito.
Setim Macau, 800 rs 1$000 e 1^200, o dito.
Dito preto, 1^200 e lf5400, 20000, o dito.
Gorgurinas de listrinhas. 320 rs., o aito.
Setim damass, 320 rs o dito.
Lidas las de quadrinhos, 400 rs., o dito.
Ditas alpacas lavradws a 3eda, 320 rs., o dito.
L8 com listrinhas de seda, 560 rs., o dito.
Ditas com bolnbas, r500 rs., o dito.
Fustao branco, fino, a 400, 440, 500 e 600 rs. o dit:.
Cortes de cachemira para vestido, 20i$000, um.
Cretones escuros e claros, 240, 280, 320, 360 e 400, o eovado.
AlgodSo de duas larguras, 800 rs., o metro.
Bramante de quatro larguras, 1200, o dito.
Dito trancado de duas larguras, 1^200, o metro.
Madapolao gema de Ovo, 65500, a p5a.
Co/tinados bordados, 6500, 7,5000, 80000 e 90000, o par.
Colchas bordadas, 50000, 60000 e 70000, urna.
Ditas de crochet, 80000, urna.
Grinaldas com rico* veos, 100000, urna,
Leques de pao, pretos e de cores, 500 rs., um.
Ditos de papel, novidade; 700 rs. e 10000, um.
Artigos para hmens
Cortes de casemira de cor para costumes, 250000 um.
i-itos de dito de edr para calca, 50, 60, 70, 80500, um.
Ditos de fustao para col-ste, 10000, 10800 e 20500, um.
Ditos de la e seda para oolet*, 60000, un.
Casemiras de cores para 10600. 30000, 30500 e 40000, o eovado.
Dita diagonal e alcochoada, 20500, 40000, 50000 e 60000, o dito.
Dita Sedao, 20800, o eovado.
Cheviots azul e preto, 10200 e 30800, o eovado.
Grande sortimento em brins brancos e de t es, casinetas moleskins, meias,
gravatas, lencos e outros artigos que se lembraro na preeenca dos fregu zea.
Henrique da Silva Morcira.
ga
A LA REINE DES FLE'JRS
Ramalhetes Hoyos
L T. PIVEfem PAIS
Mascotte
PERFUME PORTE-BONHE'JR


Extracto de Corylopsis do Japo|
PERFUMES EXQUISITOS :
Bouquet Zamora Anona du Bengale
Cydonia de Chine
Stepr-ania Australia
HelSotrope bl.-.no Sardonia
1 Bouquet do l'Amir.i White Rose of Kezanlik PolyUor oriental]
Brise de Nice Bouquet ce Reino des Prs, etc.

ESSENCIAS CONCENTRADAS ttiM OALIDADE EXTRA
^pesito aas princtpaes Periumarias, Pharuaoias e uabeiieieiros u-
r
MUTILADO
~i
'


mMBB
de 1887
TTERATUft
m
do j foi presentad e apprsvada pelo siste em Mitr a patria com sua pesaoa No da seguinte augraentaram de ardor e
Instituto urna proposta do nosso consocio I e bens, pesso* e bens por ella saorificou,
lastituto Archelogie c e.
graphiro PeraaMbacano.
BELATOBIO APEESESTADO *LO 1." SECBE-
TAMO DO IHSTlTTO ABCHEOLCGICO^E
GEOGEAPHICO PEKAMBUCAHO, KA SKSSAO
MAGSA ANIVERSARIA DE 27 DE JANEIRO
DE 18S7.
(ContinuajSo)
Mais do que a bibliotheca, foi o nosso
archivo enriquecido, nos dous ltimos an-
bos, iom a acqusijSo de numerosos docu-
mentos, uns ero original, outros por copia,
outros iropressos, alguns offertados por dis
tinctOB cavalhciros e quasi todos relativos
ucta hollandeza que se feriu entre nos
no seculo XVII e mandados copiar por
conta do Instituto.
Entre as offertas, 3obrese a que nos
fez o nosso consocio o Sr. Dr. Joaquira
Portella, da copia do decreto de 2 de Mar-
co de 1821, pelo qual foi dispensado Cae-
tano Pinto de Miranda Montenegro dopro-
cesso, que deveria correr, para justificarse
dos successos de se terero apoderado do Go-
verno de Pernambuco, no anno de 1817.
Por parte do Coronel Francisco Benicio
foi-nos tambero offerecida orna interessan-
to descripjSo do Bonito era 1811 e urna
narraco do combate havido entre as for-
jas legaes e os Bonitenses, reunidos na
Serra do Rodeador.
Apres'-ntou-nos igualmente o Sr. Major
Godeceira, como offerta sin, nSo s o ori-
ginal dos decretos de amnista, concedida
aos revoltosos de 1848, como o inventario
impresso das fazendas, dinbeir.n o mais
objetos existentes no palacio do Governo
desta provincia e apprehendidos por occa
aiSo do saque, havido na cidade do Raeife,
ero Setembro de 1831.
O Sr. Dr. Cicero Peregrino offereceu-nos
alguns nmeros antigos do Diario de Per
nambuco'eo ex PresideutedaParahyba Dr.
Bandeira os Jornaes da Paraliyba conten-
do o relatorio em que o engenheiro de mi-
nas, Francisco Soares da Silva Retumba
deu eonta do resultado de sua excursSo ao
interior da Provincia.
-De %dos os documentos, porm, que
entraram, nos dous ltimos aonos, para o
nosso archivo, os que avuluro pelo nume-
ro e pela impjrtancia sao os que o Dr.
Jos Hygino copiou na Hollanda e na ci
dade de Londres, ero deserapenho de sua
commiseSo e os quaes interessam geo-
graphia e historia civil, administrativa,
ecclesiastica, militar, diplomtica, litteraria
e das artes desta provincia e do Brazil em
geral-
Como a bibliotheca e o arcivo recebeu
o nosso rouzeu algunas offertas de grande
valor.
A esforjos do no.=so consocio o Sr. Che-
fe de DivisSo Jos Manoel Picaneo da
Costa, foi para elle transportada do Arse-
nal de Marinha e assentada na competen-
te carreta, urna peja de bronze, que se
fundiu ero 1629, a qual tero tres metros de
compriraeato e pesa tres tonclladas.
Havendo servido na guerra hollandeza,
achava-se n'aquelle Arsenal e foi c edida
para o nosso rouzeu pelo Exra. Sr. Minis-
tro da Marinha, a quero pediu o Instituto
a guarda dessa preciosa reliquia.
O nosso consocio Sr. Dezembargador
Oliveira Maciel offertou-noa diversas moe-
das d cobre, antigs e modernas e o ex
Presidente da Parabyba Dr. Heculano Ban-
deira o facsmile da inseripjao, copiada pe-
lo engenheiro Francisco Soares da Silva
Retumba, de uro rochedo da povoajSo de
Pdra Lavrada.
Embora nilo tenhamos ainda uro Chara-
pollion, que possa decifrar esses bierogli-
phos e assiin esclarecer na phraso de Bur-
ton, muitos pontos obscuros dos ternpos
prehistricos do Brazil, comtudo incon-
testavel a utili lade que resulta da copia
e conservaeo de todas as ioseripjo'es, ex
istentes nos rocliedos de nossa provincia e
das que nos ficam visinlias, e nesse sent
Dr. Cicero Peregrino.
Sen querer prevenir o juizo da secjSo
do archeologia, que, a respeito, tea de in-
terpor a sua opni&o, pireoe-rae que a ins-
cripcSo, que nos remetteu da Parahyba o
Dr. Bandeira, f5ra gravada sobre alguro
monumento prehistrico, porque, tendopor
cosame os mound builder* ou constructo-
res de monumentos, dar s suas construc-
j3es a forma de qualquer animal irracional
ou mesmo de um ser humano, verifica se
claramente que a pedra. era que se acham
os caracteres da inscripjSo, representa um*
cu beca vista de perfil, coro urna notavel
depr*s3.1o da fronte.
Fez-nos tambero o nosso oonsocio, Dr.
Irineu Joffiley urna offerta de grande va-
lor paleontolgico.
Refiro-ine a alguns ossos fosseja de uro
animal gigantesco, deseobertos na coroaroa
de Campia Grande e que elle nos envin
da Parabyba para o nosso muzeu por in-
termedio do Dr. Msximiano Lopes Ma-
chado.
A sciencia de Cuvier, a quem, como
nos mostra Cortarobert, bastava ter sob os
olhos um osbo, urna masilla, urna parte
qualquer do corpo de um animal, para re
construir o ser com todas as suas pegas e
poder dizer os seus hbitos, seas instinctos
e sua LabtajSo, nio tero sido devidaroen-
te cult!vada no Brasil, pois, alem do sabio
Lund e do professor Hartt, que nos deixa-
ratu preciosissimos trabalhos, rarissiroos sSo
os qua boje se dedicara entre nos aos es-
tados paleontolgicos.
Entretanto, conforme nos refere o Dr.
Irineu, na carta que acompaoba o san pre-
sente, s na comarca de Campia innme-
ros sao os fosseis que se tero desenterrado
as fazendas do Campo Formoso, Piabas,
Aldeias, e Ol/io d'agua das Betlas e aos
quaes nSo ae ero ligado o valor scientiBco,
j pagando no carcere o crime de tentar
lib rtal-a, j ab'rindo a sua bolsa para ani-
mar aquella gloriosa revolujSo e soccor-
rer os seus corapanheiros de infortunio;
finalmente tecer o elogio do cidadSo que
ao ver camiohar o sol da repblica para o
occaso, como que perdeu o uso da falla, e
s quebrou o silencio, que se havia iropos
to, quando o povo, rcconhecendo-lhe os
servijos, elegeu era 1821, para Presiden-
te da Junta Provisoria do Governo desta
provincia.
E, si ero sua vida era digno o benem-
rito parnarabucano da honra que o cida-
dSo Romano merecora, vendo o seu busto,
por ordero da Pollioa, collocado entre as
imagens dos mortos celebres, boje, que se
lhe abriram as portas da iromortabdade,
tem elle o iacontjstavel direito de oceupar
uro lugar distincto ao lado de Domingos
Jos Martina, Jos Luiz de Mendonca,
JoSo Damacano e Francisco Muniz Ta-
vares. *
(Contina).
O SEGREDOD DANIEL
POE
JULES DEGASTYNE
-(>-
Prlineira parte
(Continamelo)
VII
Antes da partida de Daniel para a Fran-
ca, Anna de Serves nunca se tinha sepa-
rado de seu marido' Longo di o dissua-
dir de emprehender essa viagem, ella o
tinha pelo contrario incitado, porque o via
soffrer, ralado de inquietado, e senta que
a sua posijSo se aggraVavado dia para dia.
Se os seus haveres ficassem compromet-
seria de seus
perguntar a
Daniel como havia empregado o dinheiro,
qoaes erara os seus receios, coro medo de
augmentar ainda mais a sua dr, ou de
que merecam.
O3 ossos, que nos remetteu o nosso con-
socio, foraro encontrados n'aquella ultima
fazenda, no centro de urna rocha iromensa, tidos, se se perdessem, que
ero urna especie de tanque, que actualmen- filhos ? Nao so aniroou
te se acha entulbado e onde vigorosa a
vegetaco; parecendo-lhe que as aguas,
violentamente impulsionadas por qualquer
causa, tivessem acarretado para aquella
grande cavidade os aaimaes mortos pelo
cataclysroa, assiin coroo pedras e trra,
que obstruir o o tanque.
Qualquer que seja, porem, a opiniSo que
se formo a esse respeito, nSo se pode con
testar que os ossos, que boje possue o
nosso muzeu, fossem de uro animal de
proporj5es gigantescas e de ama especie
j ex'iucta, pois s um de seus dentes
besa pouco mais ou menos um kilo e, pela
forma mamillosa que apresenta, indica ter
pertencido a um mastodonte.
Reconhecendo a importancia da offerta
transformar a sua angustia em verdadeiro
terror. Tinha-lhe dado una prova de
grande contianca e de grande ciedicacSo,
no se lastimando e nao augmentando com
perguntas indiscretas as torturas que elle fora a caiDa.
soffriat S depois de estar longe o Sr. de
Serves, foi que ella medio toda a extenso
da abngamito de que tinba dado provas,
quando se vio s, qu->si sem recursos, ro-
deada de trabalbadores a de criados, nos
quaes nao poda ter grande confianca,
com o coracao confrangido pelo medo de
ver seu marido ter um roallogro, voltar;
aero dinheiro, desesperado .. Que ha-
de coragem. Se por seu lado oonseguissera
aigum resultado antes da sua votta, que
sorpresa !
Paasaram se oito das aero noticias. Co-
mo parecern tristos e longos Entretan-
to a primavera enchia oa campas de ver-
dura e de flores Se elle estivesse l !
Passaram-se mais oito dias.
A anciedade comecou a penetrar no co-
racSo da esposa.
Ral e Alice, vendo sua m3i triste, nao
tinha m vontade de brincar e cavan
noite quietos ao lado dola.
Logo pela manbS Mme. de Serves per-
corra febrilmente os jornaes.
Reeiavara todas as catastrophs agora.
Para que tinha elle partido ? Para que
o tinharo d-ixado ir Se morrease longe
delles Nao se fazia ido* de o nlo tor-
nar a ver e o seu espirito estava cheio de
pensamentos sinistros.
Urna manhl nSo lhe trouxeram os jor-
naes hora do costuroe.
Tocou a caropanhia.
A mulher do jardineiro, a mexicana, ca-
jos olhos tinbam prendido o zuavo, de que
j fallamos, aprsentou-se com os olhos
vermelhos, enxugadoa pressa no canto
do a venial.
Os jornaes ainda nSo chegaram? per-
guntou Anna.
Ainda n5o, minba senhora, e nao
vm koje, respondeu a criada com um ar
embarazado.
Por que ?
Nao sei, foi meu marido quem me
dase.
N3o vieram cartas?
Tambem n2o, minha senhora.
A mulher tinha j feito urna reviravolta
e afastava-se.
Anna chamou-a.
Mara I
Minha senhora.
Mas ouvi tocar a campainha esta ma-
nhl, vi o correio chegar.
1 Era para nos.
Vi-o entregar dous jornaes a seu ma-
rido.
Mara fez-se escarate e deixou-se cahir
do joelhos.
Minba senhora, minba senhora, nao
me obrigue a diz el-o.
E rompeu ero solucos.
Mme. de Serves assustada saltou para
Ral e Alies.ainda deitados levantaram-
se precipitadamente-
Atir^ram-se nos bracos de saa mli, que
os a porto u de encontr ao peito com trans-
fiortns frenticos cobrindo-lbes o rosto de
agrinias.
As criancas cboravam por ver chorar a
mili, sem saber por que.
Meus filhos, meus pobres filbos, bal-
buciou a infeliz sem poder dizer outra
cousa.
Mas, mam3, perguntoa Ral, que
aconteeen f Diga nos;
Ja, nao tero pai.
As duas
do Dr. Irineu, resolveu o Instituto que ae viam de fazer entlb 1 Nio poderiam me8-' mou.
Que ha? falle Mara... Acnnteceu
alguma desgraja ao Sr. de Serves ?
Mu marido prohibiu-me... murmu-
rou a criada por entre lagrimas...
Anna saccudiu-lhe o braco e gritou :
r Falle I Falle I
O-E/jeranjanaufragou.
Mme. de Serves ferida no corayao excla-
Ihe consHgrasse na acta um voto d* louvor,
e se officiasse ao Presidente da Parabyba,
chamando a sua attencJo, no interesse
scicntiti -o, para as jazida* fosseis de Cam
pina Grande.
Faltara eu a um imperioso daver, se,
mencionando os donativos, com que du
rante o biennio, forara enriquecidos a bi-
bliotho-a, o archivo e o muzeu du Insti-
tuto, deixasse em esquecirnento a valiosa
offerta que nos fez o Sr. deserobargador
Goncjilves Pires.
Qusro fallar do retrato em busto d Ger-
vasio Pires Ferreira, o primeiro Presiden-
te Constitucional que vio o Brasil, o qual
nos foi offerecido por aquello distiouto ca
valbeiro.
Diz Djmoartier, citado por uro notavel
philosopho, que todo o clogi d'um grande
homem se enterra no seu nome.
) realmente pronunciar o nome de Ger-
vasio Pires Ferreira tecer o elogio do
martyr da revolufSo de 1817, o martyr
desees tempos, ero que o querer ser livre
mportava ter um p 00 cadafalso ; te-
cer o logio do pa'.rioU que, compreben
dendo com Lovis que o patriotismo con-
FOLHETII
JOSLARONZA
POR
JACOES I) FLOT E PEDRO MAEL
s i; a. 1 > 1 v pabt
O PIR.4TA
( Continua-;.".o do n.
IV
93)
mo voltar para a Franja, e alm d'isso, Desgranada, ora sso que quera es-
nao os esperava a misoria tanto em Fran- | conder-me.
ca como no Mxico ? Adivioha-se os i Depois antes que a mulher voltasse a si
transes pungentes por que passva a alma [ do terror que a dominava, Anna tinha des-
da pobre senhora. I cido a escada quatra a quatro.
Entretanto, resolveu ter resguacio. Entrn como um furaco no quarto do
Tomn coro fimeza a direccSo dos tra- 'jardineiro, agarrou nos jornaes que tinhan
balhos e fel-os proseguir como se Daniel os-1 ficado ero cima da mesa, raagou aa tiras e
tiveaae presente. Sea filbo, as boraa va-1 leu com a vista turva, com os ouvidos
gas que Iba deixavam es estudos, ajuda-' atordoados, todos os detalbes do terrive
va-a como poda. Era muito forte e in-1 naufragio. O Esperanza tinha sossobrado
telligente. At Alice quera ter a sua j ao mar sito, sem tempestado, abalroado
parte nos trabalhos. Occapava-se espe- j por um outro paquete que o tinha quasi
cialmente coro os arranjos de casa. Os 1 cortado em dous. Desapparaceu oom ama
trabalhos ^ontinuaram, pois, como se o rapidez de meteoro. Nao se pode salvar
chele estve-ase presente. De dous em dous' nada. Os passageiros, na maior parte
dias recebia se urna carta de Dauiel, carta dormindo nos beliches, acordaram de re-
cheia de esperancas, da palavras de ani-: pente no tundo do mar, sem mesmo sabe-
criancas soltaram ao mesmo
tempo uro grito de dr.
Nosso pai morreu ?
De um modo terrivel, em um acci-
dente.
E contou-Ihes, com as palavras entre
cortadas pelas lagrimas, o que tinba ldo.
As criangas pasmadas, aterrorisadas,
a voz.
Seria possivel!
Havia ainda idgumas semanas que elle
estava all junto delles... brincando com
elles. ..
E agora !...
Na imaginacao viam-n'o debaixo das
ondas... a luctar, e todo o peso dos seus
8offrimentos cahia sobro elles I
Na casa havia agora nm silencio sepul-
chral.
Anna de Serves tinha se deixado cahir
ero urna cadeira. All ficou perdida nos
seus pensamentos, sein movimento, sem
falla.
Lembrava-se dos dina paasados, dos
dias de felicidade, va agora as horas si-
nistras cahirero sobre ella, correram coroo
as nuvens negras que se amontoam antes
da tempestado.
Que ia ser della e seus filhos '! Nunca
mais o tornara a ver I Tal era o pensa-
mento que lhe encina o cerebro e a torna-
va como urna allucinagSo. Procurava
lembrar e das suas feigas, que tanto ti-
nha amado, e sentia um verdadeiro terror,
reconhecendo que as nao tinha mais em
si, que a imagen querida tinha perdido j
os contornos e o relevo, como os de urna
roedalba antiga que o uso apaga.
O dia passou-se deate modo.
Ninguem se lembrou de comer.
As horas das refeicoes passaram-se sem
trazer appetite. S noite a pobre mai
lambrou-se da fazer tomar algum alimento
a seus filhos.
No dia seguinte receberam-ae outras
noticias, mas essas noticias, s fizeram
augmentar a funesta certeza que se tinha
da norte de Daoiel de Serves. Nenhum
pagamento tinha podido escapar. Apenas
dous ou tres marinheiros conseguiram li-
tar tona e foram recebidos por um outro
barco. Nem mesmo se tinha podido orga-
nisar urna lista exacta dos passageiros.
O nome do Duque de Serves nilo se acha-
va na q e tinha sido publicada, mas di-
zia-se que havia uns dez mortos cuja
identidade nao foi possivel reconhecer.
Se o fidalgo Solonez, nao estivesse entre
aquelles desgranados, elle teria escripto,
dado noticias suas, roas nada se tinha re-
cebido. ero nada recebaran, e os lei-
tores sabem por que, e Mme. de Serves,
que se abram lentamente appareciam ca-
ras aindas inchadas de somno. Os curio-
sos lanoavam um olhsr para a ra espe-
rando que as carruagens passassem, depoi
fechavam-nas coro horror, tendo antes ati-
rado aos visinhos essa palavra na qual ha-
va um certo terror roysterioso :
Forjados !
Eram effectivamento forjados que cju-
tinbam as fnebres carruagens, forjados
que iam embarcar para a Nova Caledonia.
Reinava j uroa grande aniroajao no
porto, quando sppareeerara as carruagens
que foram logo cercadas por uroa rr.ulti-
dio de vadios e curiosos. Apeiarara os
presos. Aquelles desgrajados eram cerca
de quarenta, com a cabeca e a cara rapa-
das, uniformemente vestidos com urna blusa
cinzenta, parecendo se muto pelos olhos
torvos, pestanpjando, p-la aejao da luz que
enebia o porto e o mar,'pelos seus movi-
mentos equivocas e quaai tmidos, com os
carangueijos, cobertos da vasa, que fogem
para debaixo da areia ou dos ro .hedos
aproximajSo do transente.
Nesse momento o boggy entrou em urna
longa avenida, que passava bruscamente
junto de urna varanda de roarmore. ''f.W
a vista apanhava um horizonte maravilho-
30 de mar e de florestas.
Tinharo chegado.
A quinta de Jahar Siog era uta vj.-tia-
deiro palacio. Ero segmda varanda ha-
via urna sala de paseos perdidos, coro chao
de mosaico a tecto pintado freseo e sus-
tentado por columnas de jaspe. Dabi en-
trava-se directamente para os aposentos do
nababo.
Introduzirara Arband no quarto do doer.
te, ao qual tinham aonanciado a chegada
dos dous mdicos francezes.
Em nm vasto leito, de cabeceira muito
alta, estaba deitado um homem, cujo es:a-
do desesperado o doutor reconheceu i. pri-
meira vista.
Jabar Sing tinba as faces contrahi as e
paludas. Lia-se um soffrimento indizive
oas suas feijSes alongadas e nos seus olhos
amortecidos. A pelle estava seca, rog-
la e ardeute, s vezes gelada, o pulso ira-
co e inter/nitteate. A bocea pareca qu?i-
mada, a lingua estava indiada, e o
azulado, ero cousequencia de um respira-
jJo panosa. Por momentos, manchas ver-
Respondeu lentamente e com difficulda-
de s pergun'as do joven medico.
Quac'.o mais indagava, mais Maximiliano
se convenca de que a sciencia eatava em
prosenja da uro deaaes mysteros temiveis,
inexplicaveis oa, pelo meaos, inexplicados,
que desesperara os mdicos da Europa.
Em todo o caso, o que sabia era que nao
podia curar a molestia singular que tinha
Ua-ado o nababo.
Ao mesmo tempo urna idea fixa, sem
cau- recooliecu 01 julgava reconhecer os indi
o* dees mola6ti, couaa absurda, sera
durida fji na Europa que a vio.
Jahar Sng era de cjustituijb robusta.
A sua idade cito podia explicar nada de
anormal.
Maximilieno, com cuidado meticuloso,
passou tudo ero revista. Quiz tudo saber,
quiz ver os alimentos do moribundo e ad-
quiri a sertas* de que, se, como pensoa,
o veneno era a causa loase estado mrbi-
do, nao foraro os criado* dedicados do il-
lustre enfermo que o tinharo propinado.
O nababo tinha cinco 'OU e cinco anuos.
Por occasio a insurreijao do Bengala,
em 1857, tez causa commum com os seus
compatriotas insurgentes. Mas, corabaten-
do valoroeamente os dominadores da sua
patria, dea prova de urna nobreza e da
u oa geoerosiddo que lhe grangearam o
reconhacimen'.o do governo da rainha.
Deixaram-lho o seu titulo e a sua fortuna,
cora ai eondijao de ir inorar longe de Jes-
pore, seu puneipado. Tinha aceitado, bem
que a contra gosto, das mitos do principo do Galles a autorisa-
j-So para voltar aos seus dominios.
Uro Inglez, suppunua elle, tinlia-o auxi-
liado muito nos seas esforcos. Esse In-
glez, negociante rijo, chamado LewisJubb,
noroe que Arand coahecia bem, tinha em-
penhado todo o seu poder para conseguir
provar a Bia gratido, o principe indico ti-
nha declarado pjuli;am"nte ao insulano que
saberia distinguir a sua amizade. Era pu-
blico e notorio qiu do testamento de Jahar,
Lewis Jubb gurava como herdeiro dos
bens que yossuia em ','aylao. Ora, esses
bens, palacio e domiaioji represantavam
'dous oulhoes s rupias, Mr& de dous mil
I COlltOS L;-: ri9
O propne doenle .oniirmou tudo sso.
' El*;* k segun'Ja vea no mesmo da que o
melhas ou violceas appareciam na epider- QQ:, quissimo, sem concur-
aae.
Arband interrogou o doente.
Soffre muto ?
Muito, articulou es'.e com mf
[reme <.. itr*!ia, ehogava-lbe aos ouvi-
Idou, .,.-,.,, 7 em narrativas siog llares.
O jov>- r aoabOH a noite cabe-
ceir. .obre doente. Pela ma-
raajao, de promessas de um prximo re
gresse. Na ultima missiva, participa va
que a embarajando no paquete Esperance
prestes a partir para a Franja. O tempo
esUva sobarbo, o cu de um azul brilbante,
o mar calmo.
A esperaoj entrou de novo em todos
os corajdes- Eram dous mezas apenas que
tinham de esperar, depressa se passavam.
drugada o nababo annanciou que as dores
parecan diminuir. Nao se enganou. Fo-
ram dimiuuindo o desappareceram durante
o dia. O moribundo de pouco antes le-
vantou-se do seu leito de dr com grande
regozijo dos seus servidores consterna-
dos.
Es o que vai dar prazer ao nosso
veneravel senhor 1 exclamou aquello que
na vespera tinba do buscar o medico.
Sim, respondeu Jabar Sing. Mande
atrellar o boggy. Quero en mesmo ir le-
var-lhe a noticia.
Maximiliano interveio.
- laso nao prudente, disse elle.
O nababo sorrio.
Peusa isso, doutor ? Se soahesse co-
mo eu me sinto bem. Nao ha mais vesti-
gios da molestia. Posso andar vinte leguas
a cavallo.
Arband julgou dever insistir. Tinha um
como present ment sinistro.
Bero, disse coro pezar o principe.
Subroetto roe. Mas, ero to lo o caso,
apromptem o carro. Quero que o meu ve-
lho mestre venha ver-me.
A ordem foi executada.
Meia hora depois voltou o boggy.
Maximiliano entSo vio apparecer um ve-
lho de barba branca comprida, trazando
na cabeja o turbante sagrado dos brahma-
nes.
Ao vl-o, os. Indas ajoelbararo, com a
fronte no cho.
O nababo contentou se, como prova de
deferencia, de beijar a tnica branca do
pontfice
Arband comprimentoa-o nos termos con-
sagrados. .
Salam, Saranai Sahib !
O brahmane pdz-lhe tres dedos na testa,
bem como na do seu joven collega, para
abenjoa-los.
Sahar Sing, muto satisfeito, dirigi lhe
a palavra :
Pai sagrado, tu me encontras vive.
Nao ests satisfeito ?
O velho sorrio tristemente.
Doa grajas a Visebnu, o Conserva-
dor, que contanta o mea filbo e recua de
algumas horas o termo de sua exist-ncia.
Que queras dizer, pai ? exclamou o
nababo assustado. Estarei eu ainda amea-
jado ?
O brahmane coro gravidade digna e am
gesto chcio de mansuetude :
Quero diaer, meu filbo, tornou elle,
que os nosso8 dias estilo contados e que
nilo cahe um ente vivo, cuja estrella celes-
te nSo fossa extincta na Aroharavati, mas
rem porque l tinham sido precipitados.
Quo inorte !
Em um momento a casa enchou-se de
gritos e de solujos.
Anna de Serves corra pela casa, des-
va rada, com os cabellos soltos, as roupas
em desalinho.
Maria e seu marido seguiam-n'a, gritan-
do e chorando tambem.
a hora sempro ebega em que Sva e Rou-
drani obrigam os fiis de Brahma a tornar
a entrar no seo do pai.
Sm, disse o nababo, tranquillisado,
mas essa hora parece-me ainda afastada.
Entretanto,]quero festejar a tua viuda, bem
como a destes Francezes, que fizeram vol-
tar a esperanja a esta casa.
Sabio,* deixando o velho padre s com
Maximiliano.
O brahmane approxmou-se desta e disse-
lbe em inglez soffrivel :
O senhor medico ?
3im, padr.
-- Ah E coa he ce a molestia de meu
filbo.
Maximiliano hesitou. Depois, arrepen-
dido do seu amor proprio :
Nao, respondeu smplesmente.
Bem, meu filho, responden affectuo-
smente o brahmane. E' sincero. NSo po-
dia combater o mal. Eu o coaheco.
Eoto, por que nao o trata ?,
O Velho tornou a sorrir enigmticamente.
Meu filho Jahar est envenenado.
Envenenado 1
Sim, eu o conhejo o veneno.
Bem, disse bruscamente Arband, mas
deve tambem cenbecer o antidoto ?
Sim.
E nao o applica ?
O velho approximou-se de Arband e dis
se-lhe ao ouvido, em voz baixa ;
E' tarde. O doente est perdido.
Ha um mez que lhe ministraram o ve-
nen*.
Que importa ?
O contra veneno deve ser applicado
dentro dos primeiros oito dias. Ora, os
primeiros symptomas s apparecem ao cabo
de dez.
. Ah entao, na sua opiniao, o doente
tem da roorrer ? -
-~* Dentro em poucas horas.
Mas, perguntou o mojo, exasperado
por essa serenidade imperturbavel, nao se
pode tentar alguma cousa ?
Nada.
Mas essas melhoras ?
SSo apenas indicios do nm. Todo o
esfirca intil. NSo amarguremos os seus
ltimos momentos. *
E accres'ientou:
E' uroa bella morte. Cahir som ne-
nhuma dr, debaixo do sorriso de Sourya,
o bemfeitor.
Maximiliano nSo podia crer no que esta-
va vendo.
E o senhor, o senhor, seu mestre,
o senhor, eeu amigo, que me annaneia, a
Ral e Aliee iam chorar por mnito tempo,
sempre talvez, o marido e o pai que ti-
nham perdido.
VII
Qaatro horas da manhS soavaro no forte
S. JoSo, de Maraelha, quando a ponte le-
vadiza se abaixou, e cinco carruagens,
cinco d'estas carruagens sinistras, fachadas
e tristes como as vezes se vm sabir da
Rochella e atraves&ar correr as ras, es-
coltadas por guardas; cinco carruagens,
diziamos nos, desembocaran debaixo da
abobada do forte, atravessaram a ponte, e
voltando esquerda dirigiram-se a trota
para o portSo. A' direita e esquerda ca-
roinhavam tres companhis de guardas.
Quando o fnebre cortejo entrou na cida-
de, os arredores aeordavam. as janellas
mira, um estranho commovido, essa sen-
tenja terrivel, sem sentir o menor pezar, a
menor sorpreza ? I
O brahmane levantou as mSos para o
co.
Rjinou Si, disse elle em voz profun-
da, tem visto morrer muitos filhos uos ho-
rneas. Vio morrer os seus oito filhos e
curvou-se sob a le de Kbalee sem protes-
tar. Espera que chage a sua hora ha no-
venta circuios do sol.
Depois, vendo que a ndignajSo de Ar-
band cedia o lugar sorpreza, disae com
um sorriso brando :
Jabar Sing grande perante Sva.
Combateu pela India. Desejar-lbe outro
fim, seria querer-lhe mal.
O medico comprehendeu que nSo havia
nada a oppSr a esae fanatismo sereno.
Depois, nesse momento, o nababo entrou
na sala.
Com urna boa vontade encantadora, con
vidou os seus hospedes a ir para a sala
das testas, onde um verdadeiro festim os
taperavs.
Os mojos notaram que havia servijo du-
plo, porque os Indus nao podiam comer
dos meamos manjares que elles.
Comejou a refeijSo, Maximiliano sentia
a garganta presa como em annel de ferro.
A imminenoia da catastrophe prevista tor
nava intoleravel esse repasto em presen ja
do condemnado. Por maior que fosso a
energa do seu carcter, o brahmane, taro
bem, parecia preza de um mal estar ana-
logo.
S Jahar Sing e o medico do Jean Bart
almojaram coro bom appetite.
Entretanto, tudo foi bem at o fim. Le-
vantaram-se da mesa alegres, e Maximi-
liano peosou que o velho brahmane tinba-
se engaado.
Infelizmente, a sentanja de Romou Sa
era bem fundada.
No momento em que o nababo, apoiado
ao brajo do velho, diriga se para a varan-
da, para all sentarse sombra deum do-
cel de seda, debaixo dos abanos dos cria-
dos, um cal a fro abalsu-o dos ps 4 ca-
beja.
Quiz fallar. Os labios abriram-se, mas
os dentes continuaran cerrados. Os bra-
jos cabiram inertes, os olhos, hornvelmen
te dilatados, pararan. E se o brahmane,
auxiliado por Maximiliano, nao o tivease
sustido, teria cahido como urna massa.'
Todo o soccorro era intil. O nababo es-
tava morto.
Entretanto, os doos Francezes tentaram
chamal-o vida.
Os guardas tinham-n'os mandado formar
rpidamente, em voz alta, acompanhando
de soceos e de empurroes as suas ordens.
Coro uro papel na mSo proeediam cha-
mada. Quando chegaram ao ultimo, um
movimento He curiosidada se produzo en-
tre o publico.
O desconhecido ? pronunciou o vigi-
lante.
Presente! respondeu urna voz.
Todos os olbares se dirigiram inimedia-
tamente para o mysterioso personagem,
que tinha dado aquella resposta, e cujo
processo estava ainda na memoria de to-
dos. L?mbravam se da obstinajao do in-
feliz era esconder a sua identidade, da co-
ragem que tinha tido durante os debates,
do encarnijaroento, que empregaram em
interrogal o, mas que nenhum resultado
produzio. Lembravara-se tambera que o
condemnado, apesar da criminoso de um
assassinato, parecia ter motivos que quasi
justificavam o seu crime, e que era princi-
palmente ao seu mutismo inexplicavel que
devia a sua condemnajao, porque j sua
attitude tinba exasperado os jurados. Alm
d'is30, apesar de vestido como os outros,
de cabeja e barba rapadas como elles, nSo
tinba no seu olhar nada de sinistro, nem
de faroz. Pelo contrario, lia-se-ltie nos
olhos urna grande dojura e por momentos
parecas humedecidos pelas lagrimas re-
primidas. O homem ia e vinha machina!-
mente, segundo as indicajoes que lhe da-
vam, imitando os seus camaradas, sem a
menor apparencia de impaciencia ou desis-
tencia. Parecia mais urna machina inerte
do que um homem. A attenjSo de que
era objecto, tornava-o tmido, embarajado,
incommodado. Vase que tinha pressa de
ser tirado d'sll e ero estar longe de todos
aquelles curiosos que rodeavaro a turma,
como outras tantas moscas varejeiras.
Mas se Daniel de Serves tinha presea,
os seus companheiros e os guardas nSo
pensavam como ella .. a partida demora-
va-se. Os outros forjados tiuharo se senta-
do na rea, pedindo tabaco ao publico,
rindo e gracejando coro os marioheiros.
Daniel deixou-se cahir atraz de um far-
do a que se tinha encostado, e c ms jrva-
va-se calado, pensativo, com o olhar per-
dido para o mar, cuja immensidade o sea
pensamcuto transpunha, voando para Peu-
bla, para os entes queridos que l tinha
deixado, e que talvez nuu:a mais tornara
a ver. Que ia ser d'elles, sem fortuna,
talvez ero breve sem pSo 1 Esta pensa-
mento era mais cruel para ella do que to-
dos os seus pensamentos.
Entretanto, o transporte que devia levar
a turma aoeendia as caldeiras no porto.
(Continua).
Urna sangra 1 arriscou tmidamente
o segundo cirurgiSo.
Arband j se tinha lombrado disso. Ras-
gn a manga e embebeu a lanceta profun-
dameate.
Apenas urna ou duas gottas de sangas
appareceram. O sangue j estava fri e
coagulado.
S entao Maximiliano teve urna rocord-
jSo precisa. Lembrou se de tudo.
Meu pai, disse elle de si para si, aa-
sastado, meu pai morreu assim.
O cadver j estava gelado, rgido. Na-
da podia vencer a rigidez dos msculos.
Arband e o collega tinham-se ajo-lhado
ao lado do corpo, emquanto o brahmane,
de p, raurmurava orajoes.
Os servidores, desvairados, enchiam O ar
com os seus gemidos. >
Maximiliano levautou-se muito paludo,
mas animada de urna reaolujSo invenci-
vel. Tinha erguido o punho da camisa.
O seu brajo vigoroso emerga da manga
branca.
Pejo licenja para proceder autop-
sia immediata.
Ramou Sa abanou a cabeja.
As nossas leis religiosas oppSem-se a
isso, a nSo ser por vontade expressa do
defnnta. Alm disso, intil. Eu lhe ex-
plicare tudo.
Desta vez fallou era lingua tarooul, dia-
lecto que o medico francez comprebeadia,
mas qne o sea joven collega nao enten-
da.
Sorprendido, Maximiliano fitou o velho.
Os olhos da Ramou Sa tinbaro-se prega-
do nos delie com tenacidade singular. O
brahmane tomou a mSo do doutor e exami-
nou-a attentamenta.
Subj ugado por essa fasoinajSo, Arband
nSo oppoe raistencia.
EntSo, o padre, com urna entonajSo de
brandura infinita, comejou a atual-o.
Filho, acabo de reconhecer te. Ha
tres anoos trataste e curaste, em Janao,
urna menina atacada de consumpjSo, nao
verdade ?
E', respondeu Maximiliano, coma
sabes ?
Os ohios do velho humodeceram-se.
Era minha filha. Depois disso Dour-
ga lerou-a para o seu palaciojle perolas.
Li o teu nome na tua mSo.
Maximiliano Arband.
Tu s o Dr.
(Continuarse he )
T,P
do Diario ra Oaque te C*xi*s a. 4*

i
/

r
MUTILADO
"1
noffiH