Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18621

Full Text
T
ANNO' L. NUMERO 270
i
-
j

PARA A CAPITAL K LIHARUS OVI>K \iO SB PAG A POBTE.
Por tres mezcs adiantados................ 6*000
rforseis duos idem........... #^......12*000
Por um anno idem............i>.....S43000
ada numero avuiso ...... .. .. #320
------
QUARTA FE1KA 28 DE NOVEMBRO DE 1874
PA 11A OE.1TBO B FOB A DA PBO VIVO A.
Por tres mexes adianlailos................
Por Mis ditos idem ............ .
Por now ditoa idem.................SOSMO
Por am anno idem................ *70s
DE PERM
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA FILHOS.
i Antonio de
Irs. Cerarao Antonio AheaA Filhos.no Par*5 Gonc4i>es d Pinto, no Maranhioj Joaqnim Jose de Ou'veira A Filho, noCearij #tonio de Lenios Brafa, no Aracatj } Joio Maria Julio ChMes, no Ann; Antonio Marques da Sihra, Natal; Jose Juatias
Pereira d'Aimeida, em Mamangaape ; Carlos Auxencio Monteiro d* Franca, aa Parabjba ; Antonio Joed Gomel, na Via* da Penha; Be'armino doa Santos Bnlcio, em Santo Ant* ; Domingos Joss da Costa Braga, em Bazarelhj
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoaj ; Alves d C.,na Bahia; A. Xavier Leite d C o Rio Janeiro-
PASTE OFFICIAL.
jiovt'rno da
provincia
CXrBOIEM'E DO DIA 4 DK AGOSTO DE 1874.
/.* secgao.
Offlcios :
__ Ao Kxm. brigadeiro commandante das r-
mas. Especa V. Exc. suas ordens afim de que
doa; offlciaes superiores da guaroigao tlesta cida-
da comparecam neste palaci uu.dia 10 do cor-
rente, as 12 horas do dia, para f.ze'rem parte da
iuata de justi^a, que era ultima inslancia tern do
idlfar os soldados do corpo de pclicia, Amaro Jose
de Lyra e Quiniiliano Pae* Barretlo.
Ao director do arsenal de guerra. Era ad
ditamento aos meus offlcios de 23 dejulho ultimo
a de bontem datado?, declaro a Vine, que pode ser
d qualquer adarme o arroamento, que noandei
fcraeeer aos commis.-arios de policia de Iguarassu
eBarreiros.
~ Ao raesmo. Ao sargento da guarda local
do oronicipio de Bom Jardim, Mantel Easlaquio
Cavalcante de Albuquerque, mando Vine, forne-
cer 10 espingardas completas com seus accesso-
ry, de qoahoer adarme. .
Ao mesmo. Cora a inclusa copia do offleio
do Exm. brigadeiro commaddanted3s armas, re-
ferentes a informs cao prestada pelo presidento da
commissao de exame das espadas com batnnaa de
aco, remettidas ulliraamente da edrte e da qual se
Tdrifica ter havido engano era nieucionar-se no
respectivo termo de exame 25 espadas, quando
ellas eram 21, dou soluejo ao *eu olllcio de 25 de
julho proximo findo. sob n. 671, devendo neste
senlido considerarse rectiflcado o rererido termo,
ma junto devolvo.
__Ao engenheiro das obras militares. Apre
soote Vmc. o or^amento da despeza a fazer se com
o forro da capella do hospital militar, utilisando-
se para isso das taboas ah exisientes; e bero assim
com a pintura da mesma, e coilucayao de ura re-
poateiro simples e de tapete.
2* secgao.
Offlcios :
Ao Dr. juiz de direito da 1* vara desla ci-
Ua4e. Alim de que V. S. faca o relatorio do es-
tylo, perante a junta da justica que no dia to do
corrente as J2 horas do dia, neste palacio, tem de
julgar em ultima instancia os soldados do corpo de
policia Amaro Jose de Lyra e Quintiliano I'aes
Barretto, incluso remetto-lhe os respeelivos pro-
cesses.
Ao juiz de direitc da comarca de Itambe.
Km resposta ao offlcio de Vmc, de 28 de julho ul-
timo, cousultando si deve soraente alistar se na
guarda local aquelle que tiver sua resideucia fixa
na localidade pelo inenos um anno anteriormente,
eabe-me dizer Ihe que, em face dos artigos 6 e 8
do respectivo regulamento por Vmc. citados, ne-
ahama duvida pode haver a esse respeito, uma
vez que o 1* daquelles artigos se refere ao tempo
do atteitado de moralidade e o segunto ao tempo
la residencia, exigiudo um anno pelo menos.
Oatrosim, devo dizer-lhe que em igualdade de
&s&&tfwmffi w&sfltkw"*aud ,iver
- Ao commandante do corpo de pjlicia. Ao
.-argento da guarda local do municipio de Bom
Jardim, Manoel Euthymio Cavalcante de Albu-
querque, mande Vmc. fornecer fardamento, ex-
cepto calcado e gravata, para dez pracas, corres-
poadente aum anno, de conformidade com a res-
pectiva tabella.
3.' secgao.
Actos:
0 presideote da provincia resolve nomear o
f escripturario da 1' seccao do thesouro provin-
cial Pedro- Alexandnno Machado para o lugar
vgo de 1* escripturario da 4" secgao, na coofor-
tridade do art. 157 do regulamento de 30 de junbo
0 presidente da provincia resolve noraear o
3* escripturario da i* secgao do thesouro provin-
cial bacharel Aun-nco Fernandes Trigo de Lju-
reiro para 2 escripturario da I' seccio, na con-
formidade do art. 157 do regulamento de 30 de
junho deste anno.
0 pre9idente da provincia resolve nomear o
pratisaote da seccio do contencioso do thesouro
provincial Pedro Barbosa de Aranjo, 3* e^criptu
ririo da 4" seccao, na conformidade do art. 157
u..- fegularaento de 30 Je junho deste anno.
0 presidente da provincia resolve nomear o
^x-esenpturario da repartigao das obras publieas,
cujo lugar foi supprimido pelas disposicoes com-
plomentares do reguUmento daquella repartigao,
d;- 21 de fevereiro deste anno, Frederico Aogusto
Neiva Junior para praticante da secgao do cooten-
eioto do thesouro provincial.
Offlcios:
Ao inspector da ihe&ouraria de fazenda.
Iransmitto a V. S. para os fins conveniences a in
clasa ordera do ministerio da guerra, de 27 de
julho proximo fiudo, a que se acha annexa a pro-
visao de reforma do soldado Isidoro Elisbao da
Silva.
Ao mesme. Transmitic a V. S. para os
lias convenientes a inclusa conu da despeza na
importancia de 3:58333i, feita com a construe
cao no arsenal de marinba, em virtude de autori-
'-agao do ministro da marinha concediJa pelo aviso
de 4 de seterabro do anno passado, de uma lan-
ha des'.inada a capitania do porto do Oeara, para
onde vai ser remettida na corveta Nictherolty.
Ao inspector do thesouro provincial. Re-
motto a Vmc. o incluso pedido mensal da reparti-
cad das obras pnblicas e autoriso-o a mandar en-
iregar ao respectivo thesouro a importancia de
9:700/1, aOm de occorrer as despezas contantes do
raencionado pedido.
Ao mesmo. Remetto por copia esse the-
M)uro provincial o orcamenio da ponte do trapi-
che, na importancia de 3:1703, bem como as
I'lasulas especiaes para que seja posta em arre-
matacao.
Ao mesmo. Pica Vmc. autorisado a con-
iratar com Ignacio Francisco Pereira da Silva a
obra de reconstruccio dos 300 metros de empe-
dramento e 600 de reparos na estrada da Victoria
entreos roarcos II e 12 mil braga?, cujo orcamen-
to e clausulas especiaes deverSo ser remettidos a
esse tbesouro^irovjncial pela reparUgao das obras
pablicas.
Ao mesmo. Mande Vmc. paear ao padre
Francisco Antonio Pereira Bastos, coaljuctor da
fregnezia de N. S. das Dores de Caruaru a sua
congrua correspondente ao same-tre derorrido de
Janeiro a junho deste anno, na conformidade do
attestado inclnsn.
A'i RMsnm. A' vista da inclusa e>mta que
tr^nsmiito a \ inc., i:i.nJe pagar a Costa Irmaos
4 C. a importancia de 970, proveniente de ob-
jectos mandados vir por encommenda para o
expediente da secretaria desta presidencis.
'Aomesm>. Aatoriso Vmc. a conira'-ar,
precedendo edities, o forntciraento dos moveis
tonstantes da relaclo inclusa para cada uma das
Hscollas do sexo femenino. ultimamente criadas.
Ao mesmo, Ao sargento da guarda local
do municipio de Bom Jardim, Manet 1 Euthymio
Cpvalcantede Albuquerque, mande Vmc forne
cer os livros. de que irata o art. 43 do respectivo
regulamento.
Ao mesmo. Nesta data autorisei o the-
soureiro das loterias a entregar ao prefeito da
Penha, frei Venaneio Maria de Ferrara, o produc-
io liqmdo da lotetia ultimamente extrahida em
!',-.vor da nova igreja da Penha, bem como o de
-V-ialquer ontra que se houver de extrahir com
igual appliracao, podendo entrar para esse Ihesou-
coui o recibo que passar o referido prefeito; o
Siue coinrauoico a Vine, para seu couhecimeulo e
ins convenientes.
4.1 secgilo.
Offlcios :
^%ti Exm. presidente da provincia do Ceara.
Comirunico a V. Exc que pelo arsenal de ma-
rinha datu provincia e remettida na corveta Nic-
Iheroy uma lancha, que foi construida no mesmo
arsenal, em virtude de ordera do ministerio da ma-
rinba, cxpresSH em aviao de 4 de setembro do an-
no (tassado, com destino a capitania do porto des-
sa provincia.
Ao ihesoureiro das loterias. Autoriso Vmc.
a entregar ao Rvm. Frei Venaneio Maria de Fer-
rara, prefeito do hospicio da Penha, o producto li-
quiJo da loteria ultimamente extrahida em favor
da nova igreja da Penha, bem como o de qualquer
outra que se bvuver de extrahir com igual appli -
cagao, podendo entrar para a thesouraria provin-
cial, a quem nesta data offlcio, com o recibo que
passar o referido prefeito.
Ao juiz de paz presidente da junta qualifies-
dora da frpguezia de Nossa Senhora da Gloria de
Goyta. l).-V(i|vo a copia da li-ta dos cidadaes vo-
latile.- quahficados netsa freguezia para que Vmc.
faca desappareeer a irreculandade nella existente,
juntando a copia do acto da formacao da junta
qnaliflcadora, conforme deterraina o art. 21 da lei
de 19 de agosto de 1816 e aviso- de 15 de marco
e de 26 de abril de 1847.
5.' secgao.
Offlcio9:
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publieas. Gonformando-me com as razoes cons-
tants do sen offlcio datado de liontem, sob n. 219,
relalivamente a outro do li.-e.il da < Locomotora
Pernarabueana, tenho a declarar a Vmc. que.sera
perda de tempo, mande contar e receber os paral-
lelipipedos que sobraram da reposicio do calga-
mento levanlado pela mencionada empreza, res-
ponsabilisando-a pelos que faltarem ale a definiti-
va, e faca cessao dos mesmos a companhia Fer-
ro Carril para o fim de empregal-os do calcas
mento das ruas que nao estiverem calgadas, si
aquella empreza nao quizer ter preferencia ao-
mesmos para igual lira.
Ao mesmo. De acordo com a sua informa-
cao sobre o requerimento de Ignacio Francisco Pe-
reira da Silva, constante do offlcio datado de 3 do
corrente, sob n. 221, autoriso-o a mandar ao the
souro provincial oorcameuto e clausulas especiaes
da obra de recoostruccao dos 300 metres de era-
pedramento e 600 de reparos na estrada da Vic-
toria, eutre os roarcos 11 e 12 mil bracas, alim de
que aquella reparticio lavre o respectivo eontrac-
to com o raesmo Pereira da Silva.
Ao engenheiro fiscal da companhia do trilhos
urbanos do Recife a Olinda e Beberibe. Recom-
mendo a Vmc. que expega suas ordens alim de
que tenht passagem gratuita por 30 dias nos car-
ros dessa estrada de fei ro o agente cobrador da
recebedoria de rendas geraes, capitao Man>el Pe-
reira Magalhies, sempre que for aservico publico.
Igual ao engenheiro liscal da companhia de
trilbos urbauos do Recife a Caxanga, em vista de
145.
Ao engenheiro fiscal da empreza < Locomo-
tora Pernambucana. Em resposta ao seu offlcio
de 10 do uiez de junho proximo passado, sob n.
27, declaro a Vmc. que nesta data offlcio a repar-
tigao das obras publieas mandando receber, me-
diante contagem, os paralielipipedos de que irata o
mesmo offlcio, e responsabilisar essa empreza pe-
los que fall rein ale a entrega delinitiva, os quaes,
depois de recebides^deverao ser cedidos a compa-
nhia a Ferro Carril para o calgamento das ruas
que estejam por calcar se ; dando se, entretanto,
preferencia a essa empreza, caso 03 queira rece-
ber para o mesmo iim.
EXPED1EKTE DO SECRETARIO.
2.' secgao.
Offlcios :
Ao commandanle superior interino de Carua-
ru. 0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
accusar o recebimento do offlcio de 25 de julho
ultimo, communicando haverem os conselhos de
revisao da guarda nacional deste municipio con-
cluido os sens trabalhos em 19 desse mez.
Ao Dr. chefe de policia. 0 Exm. Sr. pre-
sidente da provincia mauda accusar o recebimen-
to do offleio de V. S., n. 930, -de liontem datado,
communicando haver tornado posse o commissario
de policia de Palmares em 27 de julio ulti mo.
4.a secgao.
Offlcios :
Ao inspector da instrucgao publiea. Para
os fins convenientes communico 'a V. S. que S.
Exc. o Sr. presidente da provincia por actos de
hontem resolveu remover as professoras das villas
de Floresla e de Pesqueira, Maria Magdalena da
Natividade e Francisca Maria Lumacu Migueis, pa-
ra as cadeiras de Duarte Dias e de Panellas, na
ordera em que fad inscriptas.
Ao raesmo. Remetto ;a V. S., para cs devi-
dos effeitos. copia da portaria de hontem pela
qual S. Exc. o sr. presidente da provincia resol-
veu rema.ver a professora noraeada para Santa
Maria da Boa Vista, Rita Francisca dos Aojos Cha-
con, para a cadeira do sexo feminino de Nosso
Senhora do 0' de Maranguape.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda enmmuuicar a V. S. que nesta data
autori sou o inspector do thesouro provincial a
contractar, precedendo editaes, o fornecimento pa.-
ra cada uma das escol s do sexo feminino ultima
mente creadas, dos moveis csnstantes da relacao
que V. S. ioviou cam offlcio de hontem datado.
Ao biblictbecario provincial.De ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, remetto a V.
S., para a bibliotbeca a seu cargo, tres exempla-
res impressos, sendj dous que constituem al'e
i' partes das nogoes de corographia do Brasil por
Joaquira Manoel de Macedo, e breves considera-
5828 sobre a historia e cultura do cafeeiro e con-
sumo de seu producto, pelo' Dr. Nicolao Joaquim
Morei-a. Mutatis mutandis a directoria da ins-
trucjao publiea, ao regedsr do Gymnasio Provin-
cial, ao lostituto Archeologico, a bibliotbeca da
Faculdade de Direito e a colonia Isabel.
5." secgao.
Offlcios :
A' direccio da associacao commercial. S.
Exc. 0 Sr. presidente da provincia manda accusar
0 recebimento do offlcio de Vv. Ss., em que scorn
municam haver tornado posse da nova directoria
dessa associaga i, eleita para 0 anno social de 1874
1S78.
Ao engenheiro -hefe da reparticSo das obras
publieas.S. Exe. u 6r. prcSldenh) da provincia
maud 1 corainuuicar a V. ^., em re?posta ao sou
offlcio de hontem datado, sob n. 222, que nesta
data autorisou-se 0 tbesouro provincial a mandar
entregar a importancia do pedido mensal que acom-
pannou aquelle sea offlcio.
Ao mesmo. S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia, em resposta ao seu offlcio de hontem, sob
n. 220, manda communiear a V. S. que nesta data
ordenou se pozesse em praca a ponte do Trapiche,
cuja planta lbe devolve.
EXPED1ENTE DO DIA 5jDE AGOSTO DE 1874.
1" secgao.
Actos:
0 presidente da provincia resolve nomear
Firmino Gandido de Figueiredo para exercer inte-
rinamento o lugar de escrivao do almoxarifado-
desse arsenal de guerra.
mente o lugar de almoxarifado do arsenal de
guerra.
Offlcio*:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.Declaro a V. Exc. para sea conbeeimeoto
que nesta data dei provideaeias do sentido de ser
salisfeito o que V. Exc. solicits em seu offteio de
3 do corrente, sob u. 602, aeerca do concerto do
apparelho collocado na guarda do palacio da pre-,
sidencia.
Ao mesmo. Traasmitto a V. Exc. a inclusa
copia do offlcio do engenneiro fiscal da estrada de
ferro a S. Francisco, afim de que, tomaodo conhe-
cimento do facto critniaoso, praticado por um sol-
dado do 2 batalhao de infantaria, na noite de 31
do pas-ado, tenlando penetrar na estacao das
Qnco Pontas por ctma do respectivo portao, pro-
videncie em ordem a que o culpado seja pu-
nido.
Ao presidente do conselho de compras do
arsenal de guerra.
Devolvo a V. Exc. as proposlas que vieram
annexas ao seu offlcio de 18 de julho proximo fin-
do, afim deque esse conselhosubmini&tre os escla-
recimentos, de que trata a contadoria de fazenda
no parecer junto, que me sera restiluido com 03
deraais papeis, alim de sobre elles resolver delini-
tivamenle.
Ao Inspector do arsenal de mariuha.Defe-
rrado 0 requerimento de Joajmm Baptista da Sil-
va, sobre que versa a sua informacio de 29 de ju-
lho ultimo, sob n. 81, autoriso V. S. a mandar
desligar da companbia de aprendizes marinbeiros,
0 uieuor Joio Jose do Naseimento, filho do suppli-
cants, afim de ser entregue ao mesmo, depois
que houver indemnisado a despeza feita pelo di
to menor, durante 0 tempo que esteve na referi-
da companhia.
Ao mesmo.Autoriso V. S. a contractar eora
a diana ate 4*000, de conformidade com as or-
dens ja expedidas, a Jacqnes Germane, que Ihe
sera apresentado pelos eugenheiros encarregados
do estudo do porto, afim de servir de interprele
aos trabalhadores.
Ao director do arsenal de guerra Ao sar-
gento da euarda loctl do municipio do Rio For-
moso, Vicente Ferreira de Franca Carvalho, man
de Vmc. fornecer 24 pares de sapatos, de que re-
mettera uma conta polo preco porque 0 governo
geralos paga, afim de ser indemnisado pelo the-
souro provincial, 8 macos de cartuxos embalados
para armas de espoletas do adarme 13, 12 espo-
leleiras de couro e 100 eapsolas fulminanles.
2.' secgao.
Acto :
0 presidente da provincia' atlendendo ao que
requefeu Jose Antonio Serafico de Assis Carvalho,
tenente-coronel commandanle do batalhao n. 55,
da guarda nacional dos municipios de Barreiros e
Agua-Preta, resolve considerar sera effeilo a por
taria de 21 de novembro do anno proximo passa-
do, que lbe concedeu guia de passagem para esse
municipio.
Offlcios :
Ao juiz de direito da comarca do Ouricury.
Nesta data respondo ao presidente da junta de
classificacao de escravos do municipio de Graoi-
10, cm soiucau ao aeu offlcio de 5 de julho ulti
mo, dizendo que deve dirigir se a Vmc. para do-
junta. na forma do art. 28 do regulamento n.
5,135, de 13 de novembro de 1872, uma vez qne 0
adjunto nomeado ainda nao solicitou titulo, ccs-
sando, porem, 0 exrrcieio daquelle, logo] que esie
se apreseutar; 0 que eommuniro a Vmc, para sua
sciencia.
Ao commandante superior de Caruaru',
Nao lendo 0 tenente cimrgiao do batalhao n. 55
da guarda nacional dos muuicipos de Barreiros e
Agua-Preta, de que trala 0 offlcio de V. S., de 20
de julho ultimo, satisfeito o que dispoe 0 art. 45
do decreto n. 1,130 de 12 de margo de 1853, nao
pode ser aposlillada a sua patecte, como solicita
V. S. no cilado offlcio.
Ao commandante superior de Barreiros e
Agua Preta.Paraos fins convenientes, communi-
co a V. S. que por portaria desta data resolvi con-
siderar sera effeilo a de 21 de novembro do anno
proximo passado, que concedeu guia de passagem
dos municipios de Barreiros e Agua Preta para 0
desta capital ao tenente-coronel Jose Antonio Se-
rafico de Assis Carvalho.'Mutatis mutandis ao
desta capital.
Ao commandante do corpo de policia In-
forme Vmc. quantas blusas forneceu ao commis-
sario de policiv do municipio de Nazareth.
Ao mosmo. Ao soldado da 5* companhia
desse corpo, Manoel Correia da Silva, pode Vmc.
conceder quinze dias de licenga para ir a villa do
Bonito a negocio de seu particular interesse, li-
cando assim respondido seu offlcio n. 319, de hon-
tem datado.. -*
lAlafoas;
dar qne se execute e observe 0 regulamento e
posluras abaixo transcriplos :
Todos os armaaens, depositor, casas de nego-
cio, a}iaf>eleeiu>enlo* de industria de qualquer
naiurcza que sejam, Qxos, volantes ou amburaotes,
onde se compre- era grosso ou a retalho, mercado
nas 00 genera* soiidos ou liquidos, que seja ne-
cesiafio pesar on medir ; tolos os individuos quo
veudarem peias rqas fazendas ou mereadorias do
qualqper quaMdade, nao ex:eptuando, leite, mel,
azeilea feijao, milho, arroi, etc., etc., os que vende-
ivra liquidos eiu barris ou ancoras, qualquer one
seja a^especie^Do cootHieole ou conleiilo, 0? que
se servirem dd regoas, qualquer q'ue seja 0 tama-
nbo ott ma'.eria, como sejam os carapinas, pedrei-
roi, ctnt6os, vended ores de madeiras e quaesquer
outro qu-. deltas se uiiluarem por effeito de sna
prortaSao, offleio ouinduslrit; sao obrigados a
ler pafeose raedidas aferidas, segundo -0 systema
metrido decimal, decretadffpela lei n. 1,157, de 26
de junbo de 1862, a instruegSjs que baixaram
com o-"deereto n. 5,089, de 18 de seteraoro de
1872.
a A afcTicao dos pesos e medidas sera feila pela
caman municipal, ou per empregados seus com-
missiotados neste servigo, pela qual cobrara as
seguirtes taxas :
c Art. 1 Por cada meJida de metro ou regoa
que tenha dou melros de comprimenlo 24 ; por
cada metro ou fraccao de metro que exceder,
HOOOi
Art- 2.* P.ir cada kilogrammo de peso cera
reis ; e por peso menor de kilogrammo cincoenta
reis.
c Art. 3.' Por cada b?laopa quo supportar ate
0 pesode 500 grammos 15 ; dila que supportar
ate 200 kilogrammo.- 2} ; dita que supportar ate
300 kilogram 11 os 5 J i dita que supportar mais de
300 kilogrammos lOfOOO.
\ Aft. 4." Por cada vazilha qua servir para me-
diJa di ssccos ou liquidos, ate a capacidade de
dous Iftros cem reis ; por cada dons litres ou
fraccie que exceder, mais cem reis.
1 Nenhum estabelecimento fixo ou ambu-
lante, podera de xar de tor pelo menos cineo me-
didas, desde a ds dou* litros ale de meio deca-
lilro.
t S 2'. A- lavernas e armazens de generosali-
menticjos sao obrigados a ter lantos ternos, quan-
tas forem as qualidades de liquidos que esliverera
a venda.
t Art. 5*. As ancoras ou barris que forem em-
pregados aa veuda, ou conduccao de liquidos de
qualquer qualidade, pagarao 500 reis cada uma,
e nao fleam sujeitas a revisao.
a Art. 6. A-s estag5ss publieas, das estradas de
ferro, o.matadouro e 0 mercado ou outro gualqoer
estabeiecimenlo municipal, estao sujeitos a afe-
ricao. -
a Art. 7". Todas a medidas e pesos aferidos
astao snjeitos a revisio, pela qual sera cobrada
a metade das taxas determinadas nos artigos ante-
cedentes.
Art. 8\ A afaricao effectuar-se ha durante
os raezes de oulubro a dezerabro e a revisao de
abril a junho.
Art. 9*. A falta da aferipiio ou revisao sera
pnnida com as multas determinadas nas in3truc-
coes que haixarara com o decreto n. 5,089 de 18
abaixo transcriplas :
a Art. 1. E* probibido 0 uso de pe50s e medi-
das que nao sejam as do systema metrics deci-
mal decretado na lei de 26 de junho da 1862 e
instrucgoes que baixaram com 0 decreto de 18 de
setembro de 1872.
Os infra'lores serao puoidos pela primeira vez
com prisao por 5 a 10 dias, ou multa de 105 a 205,
e nas reincid ncias com 10 a 15 dias de prisao
ou muili da -20.5 a 30j.
Art. 2*. Na mesma pena incorrem aquelles
que nsarem dos pesos ou raedidas do systema
decimal para venderem pelas denominagoes an-
tigas.
t Art. 3J. Os apparlho3 actualmento erapre
gados para as illuminaeoes por meio do gaz serao
conservados com tanto que nos recibos se indi-
que a quantidade do consumo na unidade aniiga e
na do svstema melrico.
Art! 4. Os apparelhos ou instrumentos coma
os areametros, alcoolmetros ou outros empregados
para delerminar a quanlidade de malerias que
constituem 0 valor de productos, ficam sujeitos a
aferigao.
Art. 5*. Fica prohibido 0 uso de pesos ou me-
didas que nao estiverem aferidas ou cujos cami-
nhos ou mareas sejam falsos ou alterados.
Os infraelores serao punidos no primeiro caso
com 10 dias de prisao e 40$ de multa ; e no se-
gundo caso ccra 15 dias de prisao a 505 de multa,
na conformidade do art. 3* da lei de 26 de junho
de 1862. Nas reincidencias serao dobradas as
junto nomeado ainda nao solicitou titulo. Cam-
pre, porem, que cesse 0 exereieio daquelle,.na
qualidade de membro dessa junta, logo que este
se apresenlar
BXPEDIENTE DO SECRE"VAMO.
/.' secgao.
Offlcio :
Ao director do arsenal de guerra.Tendo si-
do.nesta data nomeado Firmino Caadido de Fi-
gueiredo e Jeronymo Ferreira Codlbo, para exer-
eerem iaterinamente este 0 lugar de Bel e aquelle e
do escrivao do almoxarifado desse arsenal ; assim
0 declaro-a V. S. para>sea conbeeimeoto. .
2." secgao.
Offlcios :
Ao commissario de policia do municipio do
Cabo.-O Exm. Sr. presidente da provincia manda
communiear a V. S., em resposta ao sea offlcio de
hontem, que opportunamente resolveia sobre 0
augmer to do numero de guardas locaes nesse mu-
nicipio.
Ao do municipio ao Rio Formoso.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda accusar 0- re
cebiraer to do offlcio de V. S., do 3 do corrente,
communicando haver tornado posse de seu ear-
go em 30 de julho ultimo e ter alistado 4 pracas
na guuda local.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da proviacia, communico a V. S. que nes-
ta data se ordenou ao director do arsenal de guer-
ra que Ihe fornecesse os sapatos e cartuxames de
que trata sea offlcio de 3 do corrente, assim como
12 espoleteiras de couro
3" secgao.
Offlcios :
Ao inspector da thrsouraria provincial.S.
Exc. 0 Sr. presidente da provincia manda commu-
niear a V. S. para os 6ns couvenienles, que por
portaria d'esta data foi nomeado para escrivao da
collectoria provincial do municipio de Limoeiro 0
tenente Pantaleaod'Araajo Pessoa da Costa.
Ao Sr. Bernardo Ferreira de Barros Campel
lo.- Era resposta a sua carta de hojo datada, te-
nho a dizer-lhe'que prociso do3 servicos do sar-
gento Jose Antonio de Farias para organisar a
guarda local de Santo AntSo, sendo minha inten-
cao promove lo apenas for possivel. Seu substi-
tute e pessoa idonea e com elle V, S. se harmoni-
sara perfeitamente.
Ao commissario de policia do municipio do
Cabo. Rospondendo ao offleio de Vmc., de hoje
datado, tenho a dizer-lhe qne nao pode ser oonsi
derada sem effeito a remocao do sargento de guar-
da local desse municipio para 0 de Santo Antao,
porque assim-convem ao servigo publico.
3" secgao.
Acto :
0 presidente da provincia resolve declarar
sem efleito a portaria de 13 de junbo Gndo, que
nomeiou Estanislao Gomes de Abreu e Mtllo para
escrivao da collectoria provincial do municipio de
Limoeiro, por nSo ter acceeitado ; e nomear para
0 referido lugar 0 tenente Pantaleao de Araujo
Pessoa da Costa.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo por portaria desia nomeado Jeronymo Fer-
reira Coelbo e Firmino CandiJo de Figueiredo, es-
te para exer ioterinamente 0 lugar de escrivio
do almoxarifado do arsenal de guerra, e aquelle
para exercer tambem interinaraente 0 lugar de
llel do almoxarifado do mesmo arsenal ; assim 0
declaroa V. S. para seu conbecimento e fins con-
venientes.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os fins
convenientes, que nesta data autorisei 0 inspector
do arsenal de marinba a contractar a Jacqnes
Germano, mediante a diaTia de 4,8000, afim de ser-
vir de litflrprete dos trabalhadores empregados
no servigo dos estudo.- do ruelhoramento do
porio.
Ao inspector do thesouro provincial. Para
os fin- convenientes comraonico a Vmc. que em
30 de julho ultimo, toraou posse do cargo de com-
missario de policia do municipio do Rio Formoso
0 tenente Jose Jose Felix da Silva Lobato.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar a Fr. Pauli-
no da Soledade, aoadjuctor da freguezia de Nossa
Senhora do O' de Goyanna, a sua congrua corres-
pondente ao tempo decorrido do 1* de fevereiro a
30 de jnnbo deste anno ; na conformidade do in-
cluso attestado.
4.' secgao.
Acto :
0 presidente da provincia, son proposla da
Illma. e-imara municipal do Recife, constanie do
offlcio n. 64, de 19 d.-i julho proximo findo, resolveu,
penas.
* A earaara municipal podera commissionar
empregados para aferir pesos e medidas nos esta-
beleciraentos, pagando-se 25 0/0 mais do imposto
da aferigio ; e nomeara uma commissao do seu
seio para inspeccionar esse servicp.
Ficam revogadas as disposicdes em contrario.
Offlcio :
Ao provedor da Santa Casa da Misericordia,
Para resolver sobre 0 requerimento de Guima-
faes & Luz, a que se refere 0 offlcio de Vmc. ,de
17 de julho proximo passado, n. 45, cumpre que
essa provedoria declarese 0 arrendamento de
que se trata e por todo 0 predio a rua Duque de
Caxias, n. 77, ou se somente pelo pavimento ter-
reo ; assim como de quantos andares e 0 referido
predio.
Portaria :
A' film, camara municipal do Reeife.-Re-
metto a Illo\ camera municipal do Recife copia
da portaria desta daia pela qual approvei provi-
soriamente 0 regulamento e posturas, que a me3
ma Illm. camara enderegou com offlcio de 11 de
julho proximo passado, n. 64, para esse fim.
5.' secgao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe das repartigio das
obras publieas.Devolvo a Vmc. as plantas e or-
camento approvados por esta presidencia para a
canalisacio d'agua no theatro de Santa Izabel,- a a
DESPACHOS DA PRES1DKNC1A, DO DIA 23 DE NOVEUBRO
DE 1874
Antonio Goncalves Ferreira:Passe portaria.
Arsenio Affonso Pereira Borges.Iolorme o Sr.
juiz municipal e de orphaos do termo de Trium-
pho.
Brazilina Augusta Lumachi de Mello. Sim, nao
havendo incoaveniente.
Doraingos Joie Ferreira & C Aguardem os
supplicantes que o governo imperial resolva sobie
o augmento de credito pedido. -
Damiao da Costa Leitao. indeferido, em vista
da informagao do inspector da thesouraria^ de fa-
zenda.
Francisco Luiz Beltrao.Dd se.
Joaquirg Pedro Barreto de Mello Rego.Passe
portaria na for na requerida.
Jose Ceciliano 8essoni de Almeida.Como re-
quer.
Miguel Archanjo da Silva Braga. Informe o
Sr. inspector geral da instrucgao publiea.
Manoel Felix do Nascimento Informe o Sr.
inspector geral da instrucgao publiea.
Manoel Joaquim Baptista. Reralide o suppli-
cante o sello dos documentos as. I, 2, 3 e 6, de
conformidade coja o art. 31 do regulamento res-
pectivo e v He qaerendo.
iKepttrtiyuo da pelicia.
J.* secgao__Secretaria de policia de Pernambnco,
24 de novembro de 1874.
N. 1403.Illm. e Exm. Sr.-Farticipo a V. Exc.
qne foram hontem recolhiJos a casa de detencao
os individos seguintes:
A' minha ordem, Theotonio Francisco d^Souza,
Manoel Francisco Rodrigues e Manoel Ferreira da
Silva, vindos do termo do Bonito como sentencia-
dos appellados, e Ricardo, escravo de Theotonio
da Silva Vieira, por andar fugido.
A'ordein do subdelegado de Santo Antonio, An-
selmo, escravo de D. Cecilia Augusta, a reqeri-
mento da mesma; Pedro de Brito Lima, Florencio
Corr6a do Nascimento e Marcoliao Gorrfia do Nas-
cimento, por disturbios.
No dia 8 do corrente, no lugar Gito, do termo
do Bom Conselho,' foi eapturado Antonio Soares,
pronunciado no art. 257 do cod. criminal, no ter-
mo de* Palmeira dos ludios, da provincia das Ala-
gdas.
No dia 3 do corrente, no lugar denominado La-
deira Vermelha, do termo do Bom Conselho, Fran-
cisco de BritoJ ferio gravemente- a Joao Borges,
censeguindo evadirse. 0 subdelegado respectivo
procedeu a tal respeito nos terraos da lei.
Em 12 deste mez foi recolhido a cadeia do termo
de Aguas Bellas, o criminoso de morte Camillo Al-
ves Feitosa. E Joao de tal, conhecido por Joaozi-
nho, morador em terras de am engenho do
termo delpojuca. em accesso de loucura, ferio
gravemente, no dia 16 do corrente, a sua propria
mulher e 4 filhos, vindo um delles a fallecer pou-
cos momentos depois. 0 delinquente evadio-se, e
contra elle procedeu o delegado respectivo nos ter
mos da lei.
Deus guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia.-0 chefe de policia, An (onto
Francisco Correa de Araujo.__________________
parlaenealo l(aliae>. disci
que leu neosa snlnanidadr.
poit mc prlncipalaaeale aa quenU*
do piano para a rrorganiHara*
linanciiH do paia. e daa clou
maatcr u aesraranca publiea
reiao.
Madrid SS.An forgus d. jrovri
perseguMii iiiiorom dds aSTonsista*. O ruarrrhal
rnno fara uma rxraria* as
vinrlas do norte ao mei de
eoabro.
Madrid S4. O general Lase
commnndante das fore am da
verno, rteyraharcou em Sanlnnder
com um eorpo.

trft
lei
Paris S3. Nas eleleoes aaa
paes, a que preeentenaeaie se
eede na repualtca franeesa. foi elei-
ta. em todos os departameutas. asm
srande maiorla das eaadldatas re-
publleanos.
0 presidente da provincia resolve nomear de conformidade rom o art. 2 da lei de 95 de ou-
Jeronymo Ferreira Coelho para exercer interina-ltubr'o de 1831, approvar provisoriamente e man
que se refere o'seu offlcio de 3 do corrente, sob
n. 223.
Ao engenheiro flseal da estrada de ferr>do
Recife a S. Francisco.Envie Vmc com toda ur
gencia a esta presidencia, afim de satisfazer o
que foi exigido em aviso circular do jninisteno
ca agricultura, commercio e obras publieas, data-
do de 18 de junho proximo passado, sob n. 12,
uma tabella indicativa da qualidade e quantidade
dos objeclos especiaes de que annualmente pode
prccUar essapmpreza, e que gozam de isengao de
direitos de cor.sumo. Igual aos engenheiros tiscae?
das compaunias do Gaxanga, : Oliuda, Recife
Drainage, Ferro Carril, Locomotora Pernanibu
cana, Illuminacao a gaz, ao, gerente da de Santa
Therezae ao director da do Beberibe.
Ao engenheiro fiscal da companhia Recife
Drainage. Providencie Vmc. para que seja con-
certado o apparelho collocado por essa companhia
na guarda de palacio desta presidencia, visto co-
mo-segundo me coramunica o general comman-
dante das armas, acha se em estado de nao po-
der fnnccionar.
Ao presidente da junta de classificacao de
escravos do municipio de Granito.Em resposta ao
offlcio de Vmc, datado de 5 de julho ultimo, te
nbo a dizer-lhe que deve dirigir-.-j ao juiz de di-
reito* r.espectivo afim de nomear promotor ad hoc
para fazer parte dessa junta, uma vez que o ad
(aGEN'CIA telegraphica havas redter.).
^^>*V%^s9 ^tte^im^iV-
Montevideo *1 de novembro. I
Ate agora tem se mantido perfeita
a tranquillidade na cidade de Bne-
noH-Ajn'. Todos os estrangeiros
acbam-se garantidos e llvres de
perij^os. A revolucao eontinUa a
tlmltar-se ao interior do pals n'uma
dlstuncla bastante conslderavel da
capital. A navegagao commercial
continua Inteirainente livre e des
embaracada. Alguns navios de
guerra estrangeiros acham-se fun
deados entre as eidades de Bue-
noe-Ayres e de Montevideo. O
commercio da Bepubllca Argentina
soffre bastante com essa revolucao.
mas todos os bancos e easas cos-
merclaes acbam-se ainda abertos.
e proseguem em suas transaccoes.
O banco Argentlno reabrio se. mas
restrlngio suas operac6es. Em Mon-
tevideo relna tranquillidade abso
luta.
Paris *9. O governo franeea
aenba de publicar aua resposta ao
governo Sicwpanliol acerea da nola
ultimamente expedlda por este go-
verno.
Meboa S. OSr. Murray vai del-
xar Linbon. sendo substltuldo, no
carfro de ministro brltannlco junto
ao governo portugues, por lord
ILytton..
llflfemfetatftG M\^% !..%
Berllm SS. O Banco de
elevou a sels por cento a teas dia
deseosuo.
Bahia OaiKh.eiBa. da tarde
Aqui acaba de cbegar o paqnele
ingles SOH.lT.-l, da linba da PaciHeo.
procedente do Bio de Janeiro.
Llsboa SS. Cliegou aqul. proce
dente do Brasil. o paqaete Ingles
GALL1CIA, da linba do Pacific*
Babla S41 a 1 a. e 40 m. da tarde
O paquelc Ingles SORATA,
panhia do Pacillro. satalo
IO honiH da ma nil a para
buco. Chegou boje o pnqnete
elonal BAHIA e sabe a tarde
Maceld e Pernambnco.
NOTIC1AS COSSBBCIaJM.
Londres S3.-Continua a ser
quatro e meio por cent* a ia\a i
desconto na praca. conoiida
de S O/O, for account, a SS a t. Fun
brasilelros de r. O/O. da anno
I860, a 100. Care t catena t
Ormes sem alteraca* t a eai
mento do navio GUST AY foi vendii
a 90 s. e d. por cwt para
terraaeo. Assaear 1 iransaccae*
quasi nullas 1 precos nomlaaes.
Liverpool S3. Algodaa 1 calmo ;
precos Ormes sent alteracaoi ven-
deram-se boje qnatorse mil fardas.
sendo mil e noveeentos de proce -
rtcuuatb Ancrli-a Sad ( m ran
de Pernam buco a d. par libra.
Assncar t calmo 1 precos Brines sem
alterar&o.
Antuerpia SS.Care > Idem t ideaa.
Havre *3. Cafe : Idem; ideaa.
Algodao 1 transaccdes regalares;
precos muito Armes 1 0 ordlnario
de Pernambnco 9S franeas par *rO
kilogrs.
Hamburgo S3.-Care : iraaMreses
quasi nullaa 1 precoa nominaos.
Marselha S3.- Cafei tranacc*ea
regularei ; precos malt* Brnae*.
Assncar 1 de Pernambnco SSfras-
cos e SO centiraos por SO kilogra.
Xew-Yorlt S3. -Camblo sobre l*m-
dres !-;. Ouro 111 S/4. Cat* :
calmo ; precos flrmes sem alterac*s
odo Rio fair 18 1/4. e a good 18 3/4
cnt por libra. Algodao : naedaaa
uplanos 14 4/8 cbnts por libra; as cBh?-
-adas de boje aos portos amerlea-
nos elevaram-se a vlnte mil Bar-
dos.
Bio de Janeiro S I.Camblo sobre
liondres sen* alteracao.
Bahia s 1. Camblo sobre i.ondrr
SA 1/4 d. bancario. c particular.
[A6ENCIA AMERICANA.)
Madrid 23 de novembro.0 governo
continua a tomar medirlas rigorosas pan
coin os membros do parlido a(Ti>nsista. O
general Lazerna desembarcou com tropa*
em Santander. Dizem quo 0 tnarechal &jr-
rano, vat ao norte no proximo mez de de-
zembro.
Paris 23.A julgar-se pelas noticias re-
cebidas, os republicanos ganbaram as elei-
56es municipaes em todos os depsrtamea-
tos.
Liverpool 23 .Algodao : o mercadc
continua fir me; de proceioncia brasUoi-
ra venderam-se hoje 1,900 fardos
precos inalterados. Assucar : esti quiet.'
hoje venderam-so 3,100 saccos ds Para-
livba a 21 i\i, 1,150 de Maroim s 22,
3,140 da Bahia a 2 lj'J. Cafe: susteo
U-se firmo ; o do Ceard cotou-se hoje a 81
1[2.
Havre 23. Cafe : sem alteracao ; va-
das de hoje 800 saccos. Algodao : merca
do firme ; venderam-se 2,000 kilos a 91 >
92 fr.
Berlim 23.0 Sr. Webel, ministro re-
sidente da Allemanha na corte do Rio eV
Janeiro, foi tievado a catbegoria de minis-
tro plenipotenciario.
Rio 2 \ aos 15 m. da tarde.Sabio pan
Pernambuco a barca portugueza SAPHI-
RA.
Montevideo 23. Chegou, procedente di
Pernambuco. 0 patacho brasiloiro BOJI-s
JESUS,
Babia 2> as 10 h. da manha.Vao ss-
hir : para Pernambuco o vapjr inglez SO-
RATA, que chegou hontem, e para o
portos do norte 0 paquete nacional BAH 11
que tambem chegou hontem.
Rio 2i*5s 2 h. da tarde.Sahio para a
Kuropa, com escala por lisuia c IVrnatnbtt-
co, o paqflete portugqez JULIO hlNlZ.
Rio 21 ds 2 h. da, tardeC^mbio soitre
Londre% 26 11* bancario, 50 3|8 ^ i(2
particular ; sohre I'ar.s 358. Becebeaos
noticias 4o Rio
Boma S3. O rel Victor Emma
nuel abiii? pessoalmentc hoje o
. estd parada.
I tinn,
>v
ua
Vrata.
A revolu^io
..rlo-se 0 congresso arfi-


**m
**"---------


~T
-.* *
o paaue!
francez]
Lisbon 2V.Ch**goa
GYRONUE, pfccedefite
Pelo Brawl. ~
Bahia i is 3 h. 30 ra. da tarde. ~
Cambio ebre,iLondres 46 1|4 tanto banca-
rio como particular.
INTERIOR.
imfflm
Keferiim eleUoral.
A elei'.-ao directo nonhuin
partido a quer, Mm pode ser
a bandeira da urn ho mem
^..j prudente,
Ella presupyCe a reforma
de uds poueoc de artigos 4a
cou;t;tuigao.
0 priinetro dos seus eflei-
tos e dar itiju.-tu iuflueacia
as summidades contra a mas-
N geral dos volantts.
{Conselhsiro Zacharias, 1867)
A eleicao directa e a repre-
seDtajao da burguezia, ex-
duindo todo o poro de ele
ger. Foi obra sua a revolucao
franceza de 1848.
(Conselheiro Nabuco, 186 i).
0 desideratum destes tem
pos e dar expansio e ampli-
tude ao direito do sufl'ragio c
e a lugloier/a danlo em 1832.
o direito .le vuto a classe me-
dia, chaniaudo em I860
mats tie jjuus milhSes de ar-
Uitas ;ira os comicios elei
t.-racs.
t? ir.elhor nao rel'ormar
do que reformat tiraudo di-
reitos de qua o p^iz ja esia
le posse, nao digo ^em ti-
ruado, mas direi sopmsraaa
-do, aonullando esse direito.
(Conselheiro Nabuco, 1870.)
a eo.\STiru-ii;.-\o e a reforma.
ii
E' o Mo urn direito politico? E' um mandate
etu nome da communhao? f urna fanccao so-
cial?
Da resposta a estas interrogators depende a
qtKStao de saber se os preceitos constitucioaaw
subre o veto podem ser reformados pelas legis.a
tnras urdiuarias, ou se, envulvendo malaria pro
priamenle coustilucional na forma do art. 178 da
coostituican, .-omeoie o podem ser pelo modo pres-
eri^tu no.- arts 174 a 177.
Ficon ja demoustrado que.reeonhecida a corope-
leueia do legislador ordiflurto para alterar os pre-
ceitos onsiitucionaes sobre o voto e sett exercicio,
hnplicrtamiuto se bouvera deixado as leis ipgam'-
cas a facul lade de alterar o pensa:::ento cardeal
da Cfii'tiiuicao, qual 6 garanlir a txistcucia de
nm governo nionarchico eonsiitueional raj-Te^n-
talivo.
Coui elfeito, assim e.
Nao seodo o voto urn direito politico, mas sira-
pjesaiente uma (ancrao social, tiadt tolhiria o le
gisjador onliuario de, como bein adverte o Sr. con
selbeiro J. de Aleiicar em urn livro d-: 1868, anue-
xar o exercicio do voto a propne Jade iaanoYel,
-esiabelcccuJo assiui uraa arista*aeia ^rn orial u
entrcgaudo o go i ruo do pat* a uma cuntasima
parte da popul.t<;ao
Nem ros observem qge, ua disposicao do 14
do act. 17!) pela luiiudo aos caigos publicos, litates. aetn outia liilerenfa .jne a d>s.(u^i/os
fjt'(fci,.eiicoiitraria o legislator urn cjrrectivo
cunrtiucional ao si-u atbitrJn uo regular o cxerci-
cio da funcQBo eleUaral.
Umade duas :-ou os talrntose vo(tides podem
ser aleridos pela mantfaslacao da reeda, ou nao.
-No primeiro caso, o legislador nao encuntraria ne -
sa disposicao utj lim-te a seu arbitrio, sendoltie
inteiramente llvre lixar em mafor ou meuorsom-
ma a reuda necessaria a dernmstrar.a capacidade.
0 perigade ver aluido pela sua base o systems re-
presentative licaria o mesoio. No s'gundd" caso,
ncdefK'nlondo da renda a verificicao dus talentos e
viiludes, o legislador nao teria direito, sob pena
de offender o preeeito c >ajtitucional de adoptar
uma raeJida de vorilica^ao oude a ccnsiituicao a
nao adoptou.
A natural conehsao a que sao levados os sofre
gos reformists e, por lanto, esta. Reconhocendo
a competeiiv-ia regulamentar em ludo quanto con
cerna ao direito de vot, ellei implicitamente re
._ conhecein quo a uma Ic-rislatura ordinana pods
"serlfvro alrribBO- a ftDighfremitaria .TTinra rraree,
a uma cerla manifestacao de capacidade, a que
nio possa attingir a grande maioria dos cidadao
REVISTADlARtA..-
Fllc|tM^MO.Ascrciedade Amor a Beneti-
cencia dos Taibadores de Carne Verde, tendo ido,
segundo noticiaraus u"uma das paisadas Revistas,
em 31 carros, precedidos de nra band com a ban-
da de masica dos meuoroa do arsenal de guerra,
cuuiprimentar ao Exm. Sr, coujelneiro Joao Al
fredo Corr-4a de Oliveira, ao offdreeer-lhe um de-
licado ramalhete de fljres, apresentou a seguinta
feiicitaQlo "
Illai. Exm. St. cselheiro.-A inferiorida-
de de no3&a postgao sojiai nos eoipedia de termos
a aoragem precisa para virmos a presence de V.
Eie. prestar uraa aomenigem ao saber, aa pa-
triotismo e ao amor a Jiberdade e it iastitaicoes
de nos3o belb paiz, de qua V. Exc. tem dado tao
sobejas provas durauea fecunda aJmiui.-lragau do
miaislerio 7 de nacfn, de qoe V. Exc* um dos
mais brilhantes ?wewos.
a Exm. Sr.
active, c assim pcrvei ter, desnaturar, alollr o sys-
tema que n is rege.
0 direiio do voto nao ficaris gesnte cxposto a
incessani-js o-cillaQoei e neertezas. Snb--tituiudo
o voto direito pelo voto-funccjio, o funecionario
sub-lituiria o cidadao. 0 eleitor deixaria do exer-
cer um direito proprio para exercer um mandato
em nome de um manJau'.e inugiaario. 0 systema
tepresentattvo estaria a merce" de cada legislatura,
stimenle no veto eonstitucional encontranio uma
resisteucia lemporaria.
Ba.-ta attendor a estes mons'.ruosos corollarios
para que a nova doutriua do votofuncrio se re-
vele em toda sua nudez e com todos osseus peri-
gos.
A interpretafao em todos os tempos dada a
constituicao pelos mais distioctos pnblicistas do
Rrasil noni-a ousou, ao menos que saibamos, des-
pojar o voto da sua aatureza de direito politico. 0
tal veto func.rSo e doulrina de data receniissima,
sophisma grosseiro quonaotocoao espir.to da ve-
lha gera^iu de nossos estadi>tas.
A nossa hisioria parls.mentar o provaexuberan-
temente.
0 projecto de constituij;ao, cuja discus.ao foi in-
terrompida pela dissolufao de 12 de novembro de
1823, e ao qual a constituicao promulgada em 26'
de marco do anoa immedialo pedio o mais valioso
subsidio, resava assim no art. 29:
a Os direitos politico* cotuisUm era ser se mem-
bro das diversas autoridades naci jnaes e das aulo-
rldades locaes, tanto municipaes como administra
tivas, e em concorrer-se para a eleicao dessas au-
tundades. t
Eleger e ser eleito eram assim os unicos direi-
tos politicos reconbecidos pelo projecto.
Nao reproduzindo a debnigio do art 29, a cons-
tituicao de 1824 traosporton t.davi* para os seus
arts. 7. e 8. as regras stabelecida3 pelo projecto
nos arts. 31 e 32 no que diz respeiti ao modo pelo
qual se suspendem e se cerdem os direitos Doliii-
cos.
A identidade de pensamento e evideote. Ocon-
fronto dos dous textos deixa ver pelo meno3 que a
doulrina por esse tempo em voga racoaaecia no
voto, nao so um direito politico, mas o direito poli-
tico porexcellencia.a^uella de que todo* os outros
derivam.
Outra fonte hislorica de grande importaacia e o
-codjgo.criminal, obra de 1830, redigido por Ber-
nardo Pereira de Vasconcellos, a approvado por
ama legislatnra onde tinham assento, como bem
ponderon o Sr. conselhei.o J. de,Alencar em um
receote discurso, os homens mais ominentes da in-
dependencia e os redactores da constituicao.
Naaa seria mais natural do qae nio permittirem
o? reiactorae da eonstituicao que usca lei organi-
ca, elaborada em desempenho da exprtssa proines-
M consiitucional consagrada no art. i79, g 18,
desnaturassc em ponto da primeira imnortancia c
pensamento da lei fundamental.
.:_H** *e T^> Pr4m> 6 qne Tin.f.0 o iu do codigo
V. Exc. ujlo deve aquilatar o va-
lor dos sentimentes pelo contoroojda phrase, pela
elegaucia da dic^o e pela retumbancia dos ter
raos empolados, e na singeleza das palavras do
nutico homeaa do trabalbo, que seencontra a in-
genuidade e ibanheza do sentimento stngelo, mas
tiibo da verdade.
NQ3 peroauibucanos, posto qua humilde soja
ins-a posicie, nao deixamos deser dotados dos at-
tributes caracteristiccs de qne derara exuberan-
les provas tantos outros Olnog desteameoo solo e
quo racrilicaram sua vida em holocauato a liber-
dade e porisso recmhecemos quanto fernam
buco e feliz, por ver oa allura dos primeiros es-
tadistas do pojante imperio da Santa Cruz, um de
seus fllbos que por Uutos mudos sa ba feiio dis-
tiucto e estimado do povo brasileiro.
< A lei que com grande prudencia e lino des-
carregou o mais certeiro e elucaz golpe sobre a
escravidao, promeltendo extiugair essa mancba
unica que, empauna o brilbo dopavilbio aun-ver
de, a animacao a instrucgao do povo, que, por um
:alculo sem rzao nem funiameuto torn vivido se-
pultado nas trevas da ignorancia, a lei da reforma
judiciaria. que hvrou-nos do arbitrio e prepoten-
cia dc autoridades pouco escrupulosas ; a iei do
recrutamenlo, que Igualou o pobro com o rico no
conlingente que deve prestar a defcza do e*lado ;
emfim a reforma da guarda national, que livruu a
classe artistica e laboriosa do paiz do pesadissimo
onus qua soffreu por tio dilatados annos, sao ou
tros tantos florSes no ccntro ujs.quaes.se acha'em-
moldurado o glorioso brazao do gabine'ie 7 de mar-
co, em que tao brilliantemen.e tigura o auspicioso
nome do V. Exc.
a Rogamos a V. Exc, se digne aceitar as nossas
respeitosas bomenagens de estima e apreco, e as-
Am como um voto de gratidao pelo muilo que V.
Exc. ha feito a provraoia de Pernambuco. Sala
di* sessoes da sociedale Amor a BeneGcencia dos
Tslhadjres dtCaroe Verde, aos 17 de novembro
de 1874. filoriudo Graciau da Sitoa, presideole.
-Albino Leite de Faria, 1 secielano. Gatdmo
Antonio Somes, thesoureiro.
CousbUiciro Joao .Vifrcdo.Recebe-
raos honum 4 tarde o sejiainte telegramma de
Maceio, que nos foi eoviadn por um amigo :
Aqui chegamos, a bordo do Jmjtiaribe, as 9
horas da manna, com viagem regular. Foi ex-
traordinaria a recepcao, tanto official comopojo
lar. 0 enthusiasmo foi inunfnso. Alem do diver
s*is festijos, havera a tarde jantar solemne, a noite
passciata, com musica e toguetes. pelas ruas' da
capital, e em palacio baile, qde se espera seja
sumptii'so e cjneurridissimo. 0 largo d-i palacio
da presidencia esia oruad) de forma qua parece
um parque, com rcadas, etc. o
Vclicitacuo. A camaia municipal de Gi
raelleir-i euvi m uma commissao a felicitar o Sr
couselheiro Jyae Alfred'i'quando S. Exc. alii tocou
ei SQa viagem a colonia orphanulogica Izabel.
Eis e^sa feliciUcSo :
I l.n. Exm. Sr. consilh-iro JoSo Alfredo Cortoa
de Oliveira:-Sinto com todas as f -rcas do minha
alma nao estar na tltura c!e desempeuhar conve-
uieulemenle a miseaa de cumprimentar a V. Exc.
que por esta ccmara immerecidnmertte mofoicon-
tiada: faltam ma os recursos da inlelligcncia, u
siuto-me desfallecer ao dirigir miniia bumilde pa-
lavra a am audilorio trio illustrado, ",ue, deeper-
tando-me apprehemees e neceios, vencer-me-hia
pelo embaraco, se nao fiira lembrar me quo tra
hir essj voto de conQanga e ctnsideraiuo, seria
falta gravissima e cobardia imperdoavel. "
Assim, p .'is.'peJ ndo a benignidade da V. Exc.
e dos mais que me ouvera, vou, c mo me cumpre,
exercilar a ardua e espinhosa tarefa, qua s6 por
amor do reconhecimenlo, sem resislencia aceitei.
Desculpai os atavios da linguagem, mas acre-
dilai nasincerilade de nossas manifesta;6es.
A' eanura mujiicinAl ilflUa_'iia-i*
,fde Pernambuco Quarta feira 25 de Novembro de 1874
)f I O/./.l.
L 11
ftrctida, queproQiga o tic. e acaticia a "eur-Jme^na porta principal da matri*. teiA.Kba.amen. .ia, app^lado Joee oa :x3 ftr.eu ipeca]wtra aleaaesr o poder qT>u|- quo woSa policia e da serem pri*o7em flaewnta d*-
ma a parctabdi-le a que pcrtencatn desojattdo-o fid*; nao seado ao meoos vistos uem cJneur,p de
:6rneute para por em pr* tea u giaades Mow, nio pro que, aos pnngeules gritos do paceute aifluio
v^o aen eomprebendo razao para estigmattsar-ae,So lugar do coulliclo p"*ueuie' ai"ul
aquella que a. realisar antes so deve aniraa-la, Consta-me que a autoridade procedeu a cor-
cercaja de forpa e eresltgjo prra que deslumbra- po de delicto. proi-auou
m CoMinaam os pdvoados de--Piranbas e Entre
Monte pchrados das visitas semanaas do vapor Je-
|ai, qua nio pode sabir dette porto pela vasan-
t do rio.
Facdd de medir as dasvantagens rasoltantes
flaasa wregularidade para o coramercio. Entre-
tanto, em quanto nao tiveraios vapores apropria
dos a aaregagao, comaremos com ease tropeco
egoismo, sempre nps mezes em que o rio toea a sua maxi
t Miroi ma vaaaate.
damente manifestanJo ao paiz as soaaboai iaten-
c5es, satiifaca as aeceaslladet for este reeUraa-
das.
Essa importantissima reforma, impriioiBde em
caracteresinJ<4eveiS'na nossa hisioria o vbeso no-
me e o de vosnos companheiros, devia neoessaria-
meiuie esoreve- nos oora'.'Ses de todos o? aaetarios
da liberdade, verdaloiro aprepo e tubiJa coasiJe-
rai;ao, e se o r.ao revelam, e por qae o
abafaavauifestacaodos mats -cau.
e poroi ma vasaste.
geotiaawtos. V ^ | Lrt*.-A qaae aeha a-veada Hi6>
Occupar-nosde todos os vossos actos, oue sao abeneBcio da igreja do Rosario de Serinhiem
diguos do iouvor, sr. conselheiro, nao oos i pom-
rel oa prvsente oecasiio.
utros m.iis rersados nomovimento politico,
ja cumpriram essa obrigacao, nosso dever limitou-
que corre no dia 28.
LellSo. Amaohi, na Feira Semaual, a rua
, do iraperador, havera grande omiraento de tras-
les, quinquilbarias e imraens is artigos do uso do-
se apena* em mo.-trar-vos, se bem em termos s.m- mastico, que serao vendidos a troco do barato -
pies, que conratutamD.aos com as vomas glo- principia sempre as 11 horas, pouco mais ou me-
nas.
Antes por; m, de conciuirmos, seja-nos licito
appellar para o prestigio e dedicac^ao de V. Exc.
nos, o queima.
Hoje effoctua o agents Dias, o leilao
bens e dividas pertencentes a ma^sa fallids
en favor dos agncultores da provmcia, qae baldos Rostron Rook & (1, era o primeiro andar do
de recursos ja se approxjmara as portas" do abys-
mo.
Os sous productos depreciam diariaraente de
valor, e eimprssivol melhorar-se com o systema
d etrabalho, que sendo exce(sivamecte caro edit
(icultoso, os pua fora da competencia com os merca-
dos estraogeiros.
dos
d
so-
li
brado- da rua do Marquez de Olinda n. 37, as
horas da manba.
Sextafeira, 27, deve ter lugar o brifto de
moveis, por intervencao do agente Pinto, no pri
meiro e segundo audares do- sobraio da rua do
Bom Jesus n. 42.
Sabbado, 28, effectua o
. roesaio ajrente o
Aperreicoar se o systema 6 diulcilimo, porque leilao do sitio, no Salgadinho. e um terreno no
jo se obtem capitaes com difflculdade quasi insu-, Porto da Madeira, no sitio Aguasinha, as 11 Ij2
horas, em seu escriplgaio a rua do Bom Jesus
n. 43.
Hospital Pedro II. -0 raovimento deste
estabeiecimeuto, de 16 ao dia 22 de nuvembro, foi o
seguinte
ptravtl, e com juros de 12 a 24 por cento ao an
no, quando os luiiros liquidos que podem tirar os
agricultores nio citegam para amjrtisafao da-
qulies.
Hi ires aouos qae lutam iufrucliferamente,
os recursos estio pre.-tas a extinguir-se, e elles |
nao terao remedio seuao render se a discrigao
tendo someote como tropheo de tantos esforcos o
desalento e'a miseria, se umf providencia nao
for immedialamente tomada.
-Os gritos de-sa classe rompem-se com irape-
tuosidade de toda a parte, sendo quem Orma o
equilibrio do coinmercio e das rendas do estado.
A^reagio de bancos ruraes e hypothecarios,
nosquaes enconlrem-se os recursos, mediante ju !
Existiam 190, entraram 26, sauiram 23, falle-
ceram 4, eiistem 187, sendo :
Homens 227 e mulheres 15S.
Adverlencia.
Foram visitadas as enfermarias nestos dias:
A's 6, 6, 6 l|4, 6 1|4, 6, pelo Dr. Ramos ; as 7,
9 IA 7 l|i, 7 1(2,7 1(2, 7 l|2,7, pelo Dr. Pereira
da S>ilva ; as 8,8, 8 l|4, 8, 8 1|4, 8 1|2, 8, i|2, pelo
Dr. Malaquias;as9, 9 l[2, 9 1|2,9, 9. 9 li2, 9 li2
pelo Dr. Murillo Vianna.
ros modicos e com a araortisacao ienta, 6 o unlco | Fallecidos
remedio p,ra levanlar a agricultura que esta qua. | Doraingas Helena da Conceicao, tubereulospalmo-
si mort''
nares.
0 trabalbo seraaperfeioado pelo emprego das i Maria, debilidado.
maebmas para isso indispaasaveis, que certamente i Manoel Joao.epilepsia.
proporc.onando oma fonte de economia, lornarA; ftosa Maria da Coneucao, tubercjlos pulmonares.
I i?sepha_Maria da Conceicaq, bexigas.
pulmonares.
vosso espirito emprebeniedor.
Mostrai a sagrais a vossa proviucia, mais forte e ardente se
torna cada dia que desponta.
Arrancai nos do precipicio profuudo, que ju-
raraos uesta hora solcrane, nuoca mais esquecer o
vo.-so nome.
certos da efflcacia*do nosso appello bra-
damns:
Viv,'. o distinr.to e illustrado pernambu -auo
o conselheiro Joao Alfredo Correa de Oliveira.'
Francisco Josh Meiiiros.Frucluoso Dias Alves da I
Siku.
Jury do Etej-ife.
cao.Movimento da casa
de detencao do dia 23 de novembro de 1874 :
Existiam 314, entraram 9, saliiram 5, existem
318.
A saber :
Naeionaes 236, mulneres 9, estraogeiros 29, es-
cravos 42, escravas 2.Total 318.
Alimentaios a custa dos cofres publicos 247.
A saber:
Saos 232 eenferraos 15.Total 247.
M ivimento daealermaria do dia 23 de novembro
de 1874 :
Tiveram baixa :
, Emiliaoo Jos6 do Pinho, febre.
Gomparecendo hontem Procopio Jo:6 dos Santos, idem.
25 juizes de fact..., dos quaes 2 foram dispeosados,' Manoel Vicente Ferreira, Mem.
iuou o sorteio com o resultadj
Recife.
Silvino Antonio Rodrigues.
Santo Antonio.
Zeferino Jos6 da Costa Valentc.
Frauejsco Antonio de Brito.
Jose Gouc/ilves ce Medeiros.
Ildefonso Joe da Silva.
Francisco Antonio da Rosa
Jcse Laurentino de Azevedo.
Jose Joaquira da Cos la Fajozes.
Darae'trio Acacio de Araujo Bastos.
Angela Custodio Rodrigue> Pranca.
S. Jose.
Manoel Vtnancio Alves da Foneeca.
Boa Visia.
Firaiiuo Herculano Baptista Ribeiro.
Antonio draciudo de Gasmao Lobo.
Manoel Joaquira da Costa Mascareuhas.
load Raymnndo da Natividade Sildanba.
Julio Cesar Paes Barrelo.
Carlos Joao de Souza Correa.
C orindo Ferreira Latao.
seguinte
ver vos em seu recioto, e desvapece sa por ter oc
casiao opportuna de provar-vos a sua immorre-
doura gratidao, pelo zelo qua empregais na pro-
cura do bem estar desla provincia, que por a'sim
dizcr jazia esquecida, apezar deser uma parte iui
portaote de nossa chara patria.
a Nao c-xageramos, nem ns afa tames de nossa conseiencia : e a logie| IrTesisijval
dos factos que solemneraente nos alflrma, que as
avemlas do poler erara cruelmente fechadas aos
peruam ueanos cujos gritos, ou se perdiara sem
echo, ou eram suffocados poraquel.es queseacha-
vam c llocados na cupola social.
o Raiou felizmente em seus horisontes o dia 7
de marc... V. Exc era miuisiro do imperio, e o
ostracisrao come^ou immediatamea'.3 a ser des-
bancado.
f A mocidado pernambucana trasbordando em
jubi'o, saudava agradecida essa nova era politica
em que V. Exc. tioha lavrado a sentenca da re-
dempcio de sous Jireitos que sepultados, 'reviviam
com vigorasombra da dedicacao do pernambu-
cano illustre.
Se porera, alguns liberaes, ou desgostosos, tem
offerecido a V. Exc. a laca araarga dos dlssabores,
oh I nao desanimeis por isto ; a fraqueza e a par-
tilba fatal da huminiiade, esperai tranquillo o se-
vero veredictum da pnsleridade, que affrontando a
injustija do presente, atara era vossa fronte os
louros que irooiortalisara aquelles qae, guiando-se
pelas oormas da equidade e justiga, querem*con
duzir os governados ao apog>}o. da f-?!icidade.
Permitti uma ligeira digressao.
a Quem vos falia neste momeuto nao e" conser-l
vador, e nunca aspirou posicao algcma official.
E'liberal, e di lo com orgulho aie hoje naoj
maculoa as suas crenca^^ mas e!:<.s nio Ihe im-
poem4 terrivel comproroisso de ceD-urar p:.r ays
tema, e nem tao pouco de desconhecer o merito
dos adversarios que soliritos pretecl;m al:angar o
bem coramum.
E se tanto exigireai aquelles qae commungam
as raesmas ideas, pretiro e isolamento e o sepul-
chro politieo a ser colloeado entre freae'.icos ap
plausos na summldade do capitolio.
0 proeedimento diverso tem degradado a opi-
niao publica a tal ponto, qae infelizmente hoje a
opposigao tao preconisada pelo nosso systema de
govern> esta exclnida catjapietamaute de mereci-
meato e importancia de modo que a politica domi
nanto so depoe as armas se secte-se absolutaraeate
gasta. quando rauitas vezes i difficil, se uao im-
possil apagar os vivos tracos qae as.irrdexees
e desvarios deixa.-am gravaaos so paiz.
Quero a liberdade, eomo qoero a propria vida,
nao trepidarei raeswo pelas prosperidades de meos
concidadaos derramar no altar da patria a ultima
gota de saogae ; mag quero do mesmo modo o im
perio'das i.-tiiU4joe-erea'ia-, a bomeoagem para
aquelles quo, posdo a aargera os odias poliucor,
so que, desviando-se dease* precsitos, possa. a cc.isura
produzir oa seas ligitimoa o verdadeiros e!I-;ito.
Pouco vale para raiu, portaa^i, o nome com
qae se inscreve s bacdeira politica da V. fisc.
Joao dos Santos Porto.
Fnncisco de Paula e Silva.
Ceciliano Rodrigues dos Passes.
Jovino Binleira de Mello.
Paralsyba.Ccrrem noticias
des-a provincia vizinha.
Mathias, escravo da Silvino, idem.
Capitulino Bezerra Leite, embarago gastrico.
Tiveram alta :
Man el Soarus de Lima.
Joao Francisco de Araujo.
Ct;:u:terio publicu. Obituario do dia 23
' do corrente:
Rita Maria da Conc^igao, pardi, Pernambu:o
j 22 auuos, solleira, Santo Antouio ; phtflica pol-
monar.
Jos6 de Azevedo Ramos, branco, Portugal, 19
i annos, solteiro, Boa- Vista; febro permciosa.
Toereza, parda, Pernambuco, 11 mazes Graga ;
coovulsoes.
Emilia, parda, Peraambuco, 6 mezes. Boa-Vis
ta; tetaoo.
Joao dos Santos Teixeira, pardo, Pernambuco,
38 annos, casado, Santo Antooio, casa de deten-
cao ; pbtysica pulraonar.
Valeriano, escravo, pret\ Pernambuco, 18 an-
nos, solteiro, Boa Vista ; phtysica.
Strena, escrava, preta, Parnamiiaoo, ao mh^,
Santo Antonio; variolas.
i .. r. j-. n_________,wr Jim fti( i ->
lite.
Miquilina Maria do Rosario, preta, Pemambuc),
48 anuos, solteira, Santo Aulonio ; diarrhea chro
; oica.
desagradaveis i Francisco, branco, Pernambuco, 2 annos, S
Jose; tosse convulsa.
Joaquira Teixeira Peixoto, branco, Pornambucd,
Dizem que trinquillidade publica fcra pertur-
bada nas coraarcas do Inga e Campioa Grande, on- oG annos, casado 5. Jose ; bemilegia.
de grupos armados era nomero consideravel, apre-1 Antonio, branco, Pernambuco, 8 mezes, Boa-
seoiarara se nas s6des das comarcas vociforands' Vista ; convulsdes.
contra impostos raonicipaes e desrespeitando ao | Lauriano da Costa, pardo, Ternambuco, 20 an-
autoridades conslitmdas. 0 delegado da cidade Qos. solteiro; S. Jose; bexigas.
de Campioa, com a pequena forga de poiicia da lo-
calidade, foi apupado" e reduifdo a inactividade.
A presidencia achava-se em difflculdades para
conter os desordeiros, por falta de forga publica.
Referent que houveram espancamentos e mais al-
guma cousa de serio; enlretanto jalgamos pru-
dente nada mais accrescentar ate que tenhamos
mformag5es roais precisas sobre a gravidade dos
acontecimentos.
Ai-romata^uPM provinclaes. Vao a
prapa, perante a junta do thesouro provincial: a
TRIBUNAL DA BL VClO.
SESSAO EM 24 BE NOVEMBRO oE 1874.
PRESIDENCIA DO EXM. SK. CONSELURIRO
GAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgtlio Coelho.
A's 10 horas da manhJ, presentes os Srs. des-
embargadores Silva"Guimaraes, Lourengo Santia
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Motta,
26 do corrento (quinta feira), o fornecimealo de procurador da corda, Accioli, Domingues Silva e
moveis as escolas dos sexos masculioo e ferainino, Souza Leao, abriose a sessao.
mencionadas no edital que vai publicado no lugar | Em seguida o Dr. secretario procedeu ao sorteio
competente; a 3 de dezembro, a obra da bomba dos ailuntos para os recursos e aggravos de pe-
de Fragoso, orgada em 840*027, e a da ponte de ti^Se :
Moes, sobre o rio Tapacura, na estrada da Victo-1 N. 90.Aggravante Francisco Nary dos Santos,
na, orgada a:n 1.485$. 'aggravado o juizo de ausentes. Foram sorteados
Exames de prcparatorf*a. Houve-!os Srs. deserabargadores Doraingues Silva e Sauza
ram hontem, na Faeuldade de Direito 31 exames Leao.
de lingua national, seudo 3 plenamente, 15 sim- j N. 91.-Aggravante Francisco de Paula Oliveira
plesmente,e 13 reprovados. ; Villas B6as, aggravado Ignacio Luiz de Brito Ta-
rerimento Em 3 do corrente Francisco borda. Foram sorteados os Srs. deserabargadores
de Brito ferio gravemente a Joio Borges, no lugar Domingues Silva e Almeida Albuquerque",
denommado Ladaira .Verraelha, do termo do Bora julgame.ntos.
Lonsalho. 0 dolinquente evadio-se. I Habeas,corpus.
a i-to do loucara.- Um individuo de nb-1 J'acientes Jose Vieira Dantas e outro.Conca
aie Joao, mas cenhecido pelo de Joaoiioho, e que deram ordem, pelindo se informacao ao respecti
morador em terras de am eogenho do termo de vo juiz de direito da Anadia.
gos.
Appellacoss-coitmereiaes.
Di Recite AppeHaateStaarlo A. Barle, ap.
pellados Oliveira &;F;l!ios.-Desarezados os cm-
tiargos.
Appellantes curadorcs da massa de Jose" Antonio
da Silva Machado, appellada D. Anna Julia da
i-osta Machado.-Dasprezadosos embargo*.
PASSaOEKS.
Do Sr. desembargador Sdvi Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Appellagoes crimes.
De Morici.Appellante o juizo, appellado Au-
gusto Pereira da Rocha.
Do Reeite.Appellante Josu Emigdio Ferreira
Lima, appellada a ju-tica.
Do Sr.desembargidor Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
AppellacSes crimes.
De Itamte.-Appellante Jos6 Joaquira Dias, ap
pollada a juslica ; appellante ojuizo. appellado Ga-
briel Jose" de Brito.
Appel.'acSes civeis.
De Olinda.-Appe lante Manoel Elias de Monra,
appellado Manoel Caldas Barreto.
Do Recife.Appellante a fazenda, appellado o
visconde de Snassuna.
Do Recifa.Appellantes Seixas Azevedo Jt C,
appellada a fazenda.
Appellagao commercial.
Do Recife.-Appellantes Moreira & Piato, ap-
pellado os curadores da massa de Francisco Jose
da Lota Guimaraes.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque ;
AppellacOes crimes.
Do Cabo.-Appellante FrancUco Caetano Ribei-
ro, appellada a ju^ttga.
Do Pilar.-Appellante Antoaio Pereira Maciel,
appellada a justiga.
Do Sr desembargador Almeida Albuquerque
ao Sr. desembargador Motta:
Embargos reueltidos.
Do Recife.Erabarganto Joaquim Francisco de
Albuquerque Santiago, erobargada D. Francisea
Thomazia da Conceicao Cunha.
Appellagao civel.
Do Recife.-Appellaute Corbiniano do Aquino
Foaceca, appellado Luiz Cleineutino C da Lyra.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellacoes crimes.
De S. Joao.Appellante Bernardo Nogueira de
Carvalho, appellada a justica.
De Pao d'Albo.Appellante o juizo, appellado
Licinio Marques Gomes.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Accioli :
Appellagao civel.
Do Rc:ife.Appellante o visconde de Suassuna,
appellados Manoel Pires Ferreira e outros.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desem-
bargador Domingues Silva :
Appellagao crime.
Do Recife.-Appellante Joaquim Martins Gomes,
appellada a justiga.
De Villa Bella. Appellante Maaoal Francisco
de Moura, appellada a justiga.
Do Sr. desembargador Doraingues Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao :
Appellacoes civeis.
Do Recife.Appellante Jose, por seu curador,
appellado Dr. Nabor Csraeiro Bezerra Cavalci nte.
Da Areia.Appellan.e Manoel Valerio dos San
tos, appellado Florentino Antonio Cabral.
Appellagao commercial.
Do Reiife, Appellante D. Maria Candida Gon-
galves, appellados Francisco Antonio Pereira e
outros. "
Appellacoes crimes.
Da Tacaratd. Vppellaute Joaquim Jose Vieira,
appellada a justica.
Do Recife. -Appellante J.oao Gomes da Co9ta,
appellado Manoel Odilon &?. Lixa Duarte.
De Tacaatii.-Appellante o promoter, appella-
do Dionizo Antonio da Silva.
Do Sr. desembargador Souz Leao ao Sr. des-
embargador Silva Guimaraes :
Appellagao civel.
Do Recife.-Appellante herdeiros de Miguel Ar
chanjo de Figueiredo, appellados os adrainistra-
dares da massa de Manoel do Amparo Cajd.
Embargos infringentes.
Do Recife.-Erabargante Jose Joaquim Pereira,
einbargado Antonio de Souza Rego.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador promolor da justiga :
Appellante o juizo, appellado Joaquira Pedro
Patriota e outros ; appellante VLtor Jose" Mareia
oartidSs os-coatratoi teems* de Antonio Gomes
Pircs Jt CDeferido.
Do Ji*e L;pes Alheiro e Manoel J.-e de An
apreserlaodo a regbtro o di-trato social la am*
AlBeirc i Ar4njo. Vista ao Sr. de embaica-; -r
BjpaL
De Anna Mr.ria Virginia Falque e Carlo* Joio
Baptistn Lcclerc, submeltendo a registra a es.:rip-
tura ante nupcial por elles eamkrada.Seja i-egis-
trada e ptiblrada.
com o paRF.cn fiscal.
De Miguel Joaquira do Rego Barros e Bertarlt-
no Alves Barbosa, registra do seu distrato -,xial.
Regisire-se oos termos do decreio n. 4,;'.H.
De Ji.s; Alves Barbosa Jmmor, negocianti :na-
triculaao, soiicitando a revoMfio da delibtra;io
qae o cmsideroo faliido. Adtedo.
Nio haveads mais aada a.1e?pa*har, o \xm.
St. co^elheiro presideole encerrou a sessio as II
horas e l[2 da mauha.
J
Poolc d(.s Canalhos.
Aos tabeliaes publicos.
Lendr no Diario -le Pernambuco de 30 de *o:a-
bro ct rreute, urn annuocio de Brasiliano d Ha>
glhae< Castro, respond n Jo outro de 'im %m4tir4
do cm Mo liuado Joao Francisco Paas Barreto,
o sendo o abaiio asigoado ecaseohor Ja pr ;'.-
dade Poota dos Car*aHios, par tar ccapra to aa
partes a don herdeiros, veai tambe.ii o ;
assignado pr.;testar contra qnalqoer aforanaata
feito, por jnlga-lo illeg al e criminoso ; e pide
que ninguem taca n^gocio coin o rcferido Brass.
liano sovire a mes>- a propried?de. Declaro jue
nesta data vcu prop r ao mesrao Brasiliaoo a ic-
cao com;,uteote, para o que o cbamei a con ;-
gao.
Recife, 20 de novembro de 1874.
Joao Chrysjslomo it Oliveira Pel1
Doctor in AbsenUa
Os profes^ores em artes, letras e acieneia*, n-m-
bros d clero e magistrados ; todo o medic*, ri-
rurgiao, deotisla e artist., qae de.-eir.ra ob er o
titulo e diploma de doumr, ou baoharel honor .r.
podem dirigir se* a Medicos, rua do R-i, 46, era
Jersey (fnglaterra) o qual Ihes dara gratuita .wa-
te tolas e quaesquer iuforraacoes sobre a Uui-
versidade.
L. T. PIVER a'fcWs"c*"
it airii.
(pojuca, em am accesso de loucura, de que foi ac-
commettido em 16 do corrente, ferio gravemente,
Recuros crimes.
De Nazareth.Recorrente o juizo.
recorriio
Sr. des-
to so a sua propria muiher como os qaatro filhos. Antonio Francisco Carneiro. Relator o
embargador Silva Guimaraes. Sorteados os Srs.
deserabargadores Sooza Leao e Reis e Silva.-Ira
procedsote.
Do Recife.Recorrente o juizo, reoorrido Anto-
nio Valerio dos Santos Neves. Relator o Sr. des-
embargador Lourenco Santiago. Sorteados os
Srs. deserabargadores Accioli e Souza Leao.Im-
w,rSJ end-seJ:.-Do* crimes contra o Ji- nma ee qae teodes reajisado umas, e iokiado ou
0131 OOZO 4 **** An. ^u,;. ^trag ^^^ iraportenlwsjffiitS/ qae 'f0ram e fl0.m
* < A quest*, do eUmento strvil qua.taati preoe
cupava os espiritts liberaes,'em cuja soio^ao ante
viam um grande melkoramento a eJucs;ao, e ao
jaagmento da produccao pelo traoalho livre,foi por
vre fjozo e exercicio dos direilos politiccs dos cida-
aaos, diz assim ao primeiro de seus artigos:
Impedir ou obslar de qualquer maneira que
votem nas eleigSes primarias ou seeundarias os
oidadios activos e os eleitores que estiverem nas
cirenmstaucias de poder e de dever volar.
enas :-ctc. V09 a nossos comvaabeiros resolvida, ronjpendo'as
sees, dos quaes um veio a fallecer raoinentos de-
pois ; e feito o que evadio-se, segundo diz a res-
pe.tiva parte.
austKuto Vrciic*aoiro e Ceogra-
phic.Araanha deve haver sessao ordioaria,
no lugar e hora do costume.
Kccife Drainage. Terminam no dia 30 -
da corrento os prazos raarcadflfc^M-a o pagamen-1 procedente.
to, no consulado provincial, dos apparelaos enca- Do Recife.-Recorrente o juiu, recorrido Mar-
aamentos, dinereQcas e aoHaidades devidas a com- colino Pernandes da Roea. Relator o Sr. desem-
panhia Recife Drainage, correspondentes aos se- bargador Almeida Albuquerque. Sorteados os
me,tres de jnlho a dezembro de 1872 e de Janeiro Srs. desembargadoras Accioli e Doraioaues Silva
ajunho de 18/3. Improcedeate.
Pao de AsHuear. 0 Jornal detua loca- Do Rio Fcrmozo.-Recorrente Justine Rodrigues
Made, na provincia das Alafoas, narra o se-. da Silveira, reeorrido o joizo. Relator o Sr. des
gorate : .._ embargador Souza Leao Sorteados os Srs. desem-
So dia 17 de outubro, Jose Brasil, morador no bargadores Doaiugues Silva e Loureaco Santiago.
lugar deuominadu Barra da Canda, deste districto, Deram provimento e depronnnciaram o recor-
Jodos os mais artigos desse tKuio, 100 a 106,
Booem deiictos de nature?a analoga.
E' escasado accrescentar, para que os ;ue co-
nbece u a historira parlaraeutar, que a legislatara
de 1830 nio elevou uma so objeecao contra a
qualifieagao da direitos politicos dada ao direito de
sufl'ragio.
Pelo projecto da constitainle, como pelo codigo
criminal, flea assim fora de duYidaque os patriar-
chas da nossa bistoria politica nunca viram n...
'"oto uma simples fuatcao social.
Os que hoje se afanara em desempoeirar sedicos
argumentos, apaobados nos indices alphabeticos
ae compiUdores de eonstituigoes, certamente fa
i i i "l?'"0* M. Para reconstruir o pensameuto do
jegtMaaor constitoinle, reeorressem as f-mles que
ine stemos ladiea-lo, e as qae ainda Ihe indicate
mos.
(Nncao.)
disparou uma cpiogarda sobre e neilo de Joao
Gomes, matando-o instactaueamente.
" Prceedeu se immedialamente a corpo de de-
licto o inquerito poiieiaJ, declarando as testemu
nhas qne se dizia ter sido a morle effaito de uma
brineadeira de Jo 4 Brasil, de quem era Joao Go-
mas prirao.
Entreunto, ha versoes em ontrario, e as mes.
mas testeraunbas oa algumas deltas declarsram
qne oaviram o esiampido do tiro, se achaado no
lado opposto da caia, e qne voltasdo ao lugar d'on-
de elle soon, ja nao encontraram flrasi).
mais serias difflculdades, a vencecdo a nais re-
ahida einjusta opposigao.
a E quando dava se obre el!a a ultirrtf. palavra,
quando se libertava essa nova ger:$ao do jugo bar
baro e tyrannico que a civilist gao e a religiao con
demnam, quando finalmente o Brasi", eedaudo aos
jnstos aos impulsos da epeca, obeJecia aos mais
antog ree'amos do rnuodo iatdlro, vos liar-ds atran
premio pela reaiiaa^ao dassa )e:u a graii'lo idea
acres impracagoes, accufav dastambera daquellas que devii:a c/.-oar-vos na
hora solenme d triuinpht. da mais uJbre e <
da aspiragao do spi/ partido...
a E qua a ineunsfiuiocia reverber"a 14 na p j justo e do honcSto.
posicao pt>lo sim ft pelo nao, e %<-pa davjna .. .-_, falli aucianidade.
tem.. seguido por lodaaaa p'iio-a- o paiz, ytMna j Da povoa refractarlo dos pitei-ilos Bnaiaes mais s-Jutiie-,!cemmnnfeam 0 seguinte :
subsersivo do justo e do booe:ito, e c.. s jjuiuto I As rixas daqni ja vSo produzindo cbnfllctos
raento inaceiiavel peraBte a nfjniJs sensala 0 re-l Pelas 8 Ij2 boras da noite do 17 do corrente
rente.
Appellacoes crimes.
Do Cibo.-AppeUauie Miguel Pereira de Cam-
lho, appellada a justrca.Improeedente.
De Nazareth.Appellante Rodopiano Rodrigues
de Souza, appellada a justiga.Absolveram 0 ap
peiiante-
Appellagoes civeis.
Da Rtcife.Appellantes Silva & Joaquim Felip-
pe, appellada a corapanhia do Beberibe. Confir-
mada a sentenca.
Do aeeue.Appellante Amaro Jose dos Praze-
No enrso do proeesso que se val inslanrar,; res, appellado Manoel Marques da Silva.-Nao 10-
ereraos, se descobrira a verdade. 1 maram eoobeciraento.
Falleceu no dia 3 do raesmo mez, na povoagaoj De Camaragibe.-Appellante Dr. Ambiorio Ma-
de Santa Anna do Panema, Emereneiano Rodri-, chado da Cnnha "Cavalcante, appeila Ja D. Garlola
goes Gaia, contando cerea de cem annos de iJa.de. Accioli de Barros.D> sprezados 03 embargos.
0 faHecido deixeu nma prole superior a tre-1 De Ma'aio. Appellante Pedro Aflooso Valiada-
ztas pesroas qae habitam daqnella povoaclo pa- res, appellada iria, por seu curador. Reformsda
ra a Malta-Graade, entre cuja nnmerosa proeeiea- a sentenga.
-ia ontam-se faraiiias repeitaveis. De Pao d'Albo.Appellante Antooio Bao, ap
De condacta regular, vivea e morrea, mere- pellado Joio de Azevedo Soares.Detprezados os
ce dor dos respe;to.$ e da consideragao que fazemv embargos.
0 attnbuto de ama vida maroada pelo eunbo do', Do inga. Appellante Bernardo Gomes de
Poucos chegara b ja a tao Moura Coutinho, appellado Jo=e Pereira Filguei
ras. Confirmada a seutenga.
no, appellada a justiga ; appellanle 0 juizo, appel-
lado Jos6 Vieira da Silva ; appellante Manoel Joa
quira Bda-sorte, appellada ajustija.
Ao Sr. desciriDaraaor procuradcr da co5a :
App llante 0 juizo, appellado 0 curador da Vir-
glnio; appellante a admiuistracao dos recolhi
meotos da Nossa Senhora da Conceicao de Olinda,
appellado Jose Dativo dos Passos Bastos; appel-
lantes os religiosos do Carmo, appellada D. Joa-
quina Rosa deSanl'Anua ; appellante 0 procura
dor fiscal, appellado Guilherme Augusto Lodrigues
Sette ; appellante Galdlno, por seu curador, ap
pellado Antonio Machado Pereira Vianna.
Assignou te dia para julgamento dos, seguntes
feitos :
Appellag5rs crimes.
Appellante 0 juizo, appellado Jo5o Baptista Al-
ves Monteiro.
Appellagoes civeis.
Appellante barao de Nazareth, appellados Je-
suino Cerneiro da Cunha e outro; appellante 0
juizo, appellado Clemente Jose de Franca, por seu
curador.
Appellagao commercial.
Appellante Jose" Felix da Camara Pimenlel, ap-
pellado Henrique Antonio de Siqueira Cavalcante.
DISTRlBUigOES.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Da Paimeira dos Indios.Recorrente 0 juizo, ro-
corrido Dr. Jose Zeferino de Mendonga Uchoa.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Do Recife.Recorrente ojuizo, recorrido Manoel
Ramos da Silva.
Ao Sr. desembargador Souza Lead :
Do Recife.Recorrente 0 juizo, recorrido Lau
rentino Lopes da Silva.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
De Nazareth.- Recorrente 0 juizo, recorrido
Joao Francisco de Aguiar.
Ao Sr. desembargador Lourengo SanHago :
De Barreiros. Recorrente 0 juizo, recorrido
Luiz Antonio da Silva Cavacc
Appellacoes crimes.
- Ao Sr. desembargador Domingues Silva:
Da Paimeira dos Indios.Appellante Antonio
Felix de Menezes, appellada a justiga.
Ao Sr. desembargador Souza Leao:
Do Pao de Assucar.Appellante 0 juizo, appel-
lado Francisco Rodrigues da Cruz.
AoSr..desembargador Silva Guimaraes:
Do Bom Jardira.Appellante 0 juizo, appellado
Joaquim Francisco de Lima.
Appellacoes civeis commerciaes.
Ao Sr. desembargador Motta :
Do Recife.Appellante Salustiano Augusto P. de
Souza Peres, appellada a massa de Manoel Jose
Mooleiro Torres.
Ao Sr. desembargador Accioli:
De Anadia.Appellanle Luiz Jose do Nascimen
to, appellado Joaquim da Cunha Meirelles.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva:
j)e S. Joio Appellante Quiteria Maria de Je
ns, appellados os herdeiros de Agostinho Moreira
de Carvalho.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
De Olinda.Appellante a camara municipal, ap-
pellados Manoel Luiz da Veiga e outros.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes:
Da Independent.Appellante Luiz por sea
curador, appellado Miguel Antonio Sitbral Fiel.
Encerrou-se a sessao a ama bora e trcs quartos |
JUNTA DOS "ORRETORES
-\ I'raca do Secife, ft de navp i-
br de 19*4.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOBS OPF1C1AES
Algodao da Parahyba | sorte 7 kilos posto a bordo a frete de Jv >-
5 OiO.
^L 44-1.A praga aaiversaJ. Em
todas as regiues e cutre as pessoas do toim acma-
pagoes e proQsid-s, prevalecera as rnfnrmi# if
pulmonares.
Pottanto, 0 gran la a airairaral re.-nelio eoira
alias a que produz a sua complaU ani<|uiu^k>
0 Peiloral dc Afiictliiila 0 qaal as deve ?e^t-
guir, e em seu devido tempo as pcrsecuir;. ia-
defectiva Lenta atea's mais remote coaflai i>
in undo.
Os soldados nos acamparaeatos, 0 raineiro i>is
minasde ouro, 0 colrao nas fr.nteiras, 0 lavrs* .-,
0 viajante por mal e por terra, e espeeula te
todas as pessoes sujeilas a padecereoi de hsse,
consiipagoes, re-friam?atos e catarrbos, broochU>,
asthma e on'.ras affecgOes nao menos ifllictiTas ca
gargauta e dos organs da respiracio, e que tic L-
cilmente se desenvolvem e pr pagaio nos lugare<
humidos, a inclemencia da almotph.-ra, acb .rio
com a raiis graU salisfacap, no Peiloral de m -
cahuila, um rornedio iKesishvei e a- sotulo, \a a
0 comploto subjug^racnto de tao perigosas m
midades.
Compre se em tempo, pois e bom es'.arse pre-
venido.
CAMMERCM.
mffl^toft, msma\m 4swik -
kites.
0|0.
posto a bordo a frtte de
1
Cambio sobre Loadres a 90 d|v. to 7;16 d. [ ;r
la, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. to l|t, e do b
26 l;t d. por 1*000.
Dito sobre dito a 3 d|V. 26 d. por 1*001', d
banco.
Cambio sobre Usboa e Porto a 90 J|v. 10: i>
da premio, do banco.
Cambio sobre Lisboa a 3 d|v. 108 Ojd de ptt-
mio, do banco,
'iambio sobre 0 Rio de Janeiro a 8 dt*. Id f- 0
de premio, do banco.
Oito sobre dito a 20 dpr. I|2 0|0 de deser r
Deseootode letras 10 e II 0|0 ao anno.
i. de Vasconeeiios
Presideam.
A P. de Lemos,
Saeretanc.
\LPANP8GA
^acdimanio do dia 2 a 23. .
Idem do dia 21.
662:7^3l '.
52 618/9 1
nw-MuvA)
Descarregam ko]t 25 Je novembro da 1871
Vapor inglez Seen (esperado) merealor:. *
amostras para aifandega, e bagagens pira
o trapiche Concei^o.
Brigue portnguez Rio Vouga Undo ja des-
pachado para 0 caes do Apollo.
Patacho inglez Georqma -kerosene para 0 trapi-
che Conceicao, para despachar.
Brigue hespanbol Fra nciscopi pas vasis ja *e
pachadas para terra.
Brigue aliemao Yol'.ig ur farinha ja despacnaiia
para 0 caes do Apollo.
Lugar portnguez -Ciiralvinho para deposrto no
trapiche Cunha.
Do Rocife.Appellante Luiz Francisco da Albu-
querque, appelladas Anna e Maria do Albuquerque.
Desprezados os embargos.
Do Rocifo.Appellanle Matbjas Lopes da Costs
Tribunal do couauiercio-
ACTA DA SESSAO DE 23 DE NOVEMBRO DE
1874.
P&BSIDEWCU DO KUa. SR. CONSELEEIBO ANSKLMO
fBAKCISCO PEI'JCTTl.
A's 10 boras da raanha, presentes 06 Srs. de-
pijtados secretario Olinto Bastos, Lopes Maehado,
Alves Guerra, e 0 Sr. snpplenta Sa Leitao, S. Exc.
o Sr. conselheiro presideole abrio a sessao.
Lid), foi depois approvada a acta da sessao ante
cede ate.
nr-KOIENTE.
Offlcios :
Do presidento e secretario da junta dos eorreto-
res, remettendo 0 boletira das cotacces offlciaes da
semana Jo 16 a 21 do corrente. Mandoa-se ar-
chivjir.
Foram distribuidos 03 segointes iivros: diario
e copiador de Rego Irmaos k C, s^oiador de Sil I
va A Aires.
DESPACHOS. I
R&iuerimenfos :
DeJese AntoriJo Googalves r'-- r--dindoporl
3ESPACEOS DE EXPORTACAJ SO DU 23 Hi
OUTUBRO DB 187k,
fora os portos do exterior.
Na barea ingleza Fanny, para Livarpr o!,
carregoa : T. Christiansen 20,000 puntasdebo
Na barea naeional .ImtzodV, para o Ric da
Praia, carregau : J. F. BalUr 300 barrieas cm
SG.C09 ki'o- de assucar branco e 300 dims oirt
37,096 1|2 dit-s de dito mascavado.
No lugar hespanbol Ikemoloo III, para o Hw
da Praia,carregou : Araorim IrnUos A C. 730 bar-
rieas com 80,221 kilos de assucar branco. 75 Aiu<
com 8,537 1|2 ditos de dito'mascavado, a 25 pv-s
com 12,000 litros de sguardente
Na barea naeional Claudia, para 0 Rie da
Praia, carregou : Araorim Irmaos AC 100 pi) aa
com i8,000 litros de aguardente
No navio naeional Harinko, para 0 Rio da
P.-ata, carregoa : A Loyo 200 barrieas cm
24,268 kil is de assucar branco.
No vapor inglsz Douro, para Southaaapl 1,
carregou : P. J. de Siqueira 2 volumes com ISO
kilos de safe e doce.
No navio portuguez S. Lorif#, para a IIha
de S. Miguel, carregoa : B. J. de Medeiros 2 ei<-
xas com. 12 litros de vinho de cajd.
No patacho bespanhol Felitm, para 0 Mo da
Prata, carregou : P. Carneiro, Maia & C 20 afaM
com 9,600 litros de aguardenla.
No vapor inglez Neva, para 0 Rio da halt,
carregou : M. L Paes Barrelo 5 volumes com SO
abacachis.
Para os portos do mt rior.
Para 0 Rh Grande do Sol, ao logar poro-
gu'z Laia, carregoa : P. Carneiro Maia A C t9
arrieas com 16 303 kilos de assucar branco, P.
Ciseao & C 11 dilas com 1,092 Uitos de dito ; 0N-
veira Filhos A C 130 saeeos com 11,280 dtoa U
dilo.
Para 0 Rio da Janeiro, no hiate national Hi-
col, urregtfii : C. L. U.mes Maia 200 saccoa a ra
13,000 kilos -le *socr oraaco.
P-ra Mo-soid, aa oarcaca ?-'eroica, one-
gou : C J. R.telho Arrnda 3 pip.U CocaLjkM
l.lr j3 de atibari.^ata,
CirAl a*' >r-A
isaoimento do uia 2 a ii.' U:hMaajJ
i.iaui do a* n v 31sdi
I2:033ir



m 11 ma


,

.


_ >M
DifOid^,P6iaiboaD^r 'Quanta: ftm 25 de Novembro de 1371
>

.
I

VOLUMES
li.. ula 8 a S3
Mo dia 24. .
Prunaira pom
Ssganaa porta
f srceira porta
Fivp-icce Ccni
70
64
4U
64
29,408
^lArtflfP de;
WiCO MALUTIMO
Sescarregad.s ao trapichs da
alfandeas.
Hi dia 2 a 2ft......
No dia 24. &
e trapicbe iiC*!Qio
46
KKCB8SIKM
f
(Undiment
JsTi do dia
tlMdimento
kleci do dis
46
DB REiNDAS LNTi RISAS GE-
DB PRRNAMBUd
la 2 a 23 45:628/449
1:512*230
47:140*679
ULADO PROVINCIAL
2 a 23
Di:ii094
3:437*302
95:598*396
K^adiraento Jed
Idem do dia 14.
*:CIFE DRAINAGE
ia 2 a 23. ..
35:623*840
189*000
35:812*840
AGUC1AS PROVffiCIAES
Liquidos espirituosos.
Rendiraento de t a 21 4:463*913
Ida.n do dia 2> 226*950
I'mdimen'.o de 2
Idem do dia 23
Baealbao, etc.
a 21 4:568*088
*
Generos
Rendimento de 2 a 21
Idem do dia 23
de estiva.
4:013*130
228*140
Farinlia de trigo, etc.
R*udimento de 2 a 21 5:743*072
4:690*863
4:568*088
4241*270
do irnporfo, assiitT come
sobre predios, generos a fi
wntra fogo
ondas. ^t
Agental? iowaim Jose" GoncaWes Beltrio
' do*f> Iirt*> p. 6. 1 andar.
esss
ssssamae n mi u
mmn do port
X
Navio sahido no dia 23.
Liverpool -Vapor inglez Warrior, comtnaodama
Joa Hogres, carga assuear, algodio e outroe-
geaaros.
Nadu entrados no Ha 24.
Santos18 dias, escuna lagleza Jane flood, de I
tone adas, capita" > Robert P. King, equipagem
em lastro ; a Carroll & C.
New York37 dias, palhabote americano J. P. An
ger,49 202 toneladas, capitao Bedell, equipagem
7, carga varios generos ; a Jorge Tasso.
Navio$ sahidos no mesmo dia.
Canal-Escuna ingleza Mary Lizzie, capitao Dow-
nie, carga assuear.
Hampton Roads Palacho americano Frances
Jane, capitlo Harvey, carga assuear. ,
Observac&o.
Saspendea do lamarao para 09 portos do sal a
escuna ingleza Camelford, capitao Campbell, com
a mesma carga quo irouxe de Terra Nova.
mm
vo escrivao fez passar o presente edilal, pelo theor
do qua*-, chaai ciio e bei por citado o rcferido
sfjpilcaft* JO*pi*>dv Sauza
tro do refenUo termo de se:
iMMMHtai por si ou por stfk
gando e provando o que ffra _
sob. pan a de revBa.f*Pofttfi
* i, aMgarajf eo|n
quTfquer pessoa, parente
3aL_ giytnilicado Ibes firao rcienta^e yWgfcojet,
E para que cbegue ao coafieciuaento de
todos, mandei passar o presente, qne serA
pubiiiado pela inpraoaa alliiado nos lu-
garegdo costume.
Recife, 23 de nftvombre de l7i;
n^ Ernesto Hoehado Fraire Peaira- d<
I, escrivao, o subscrevi.
Sebastido do Jtego Barros de Lacerda.
EDITAES.
Idem do dia 23
Raadimento de 2
ia;m do dia 23
-------------g:7i3*072
Fumo, etc.
a 21 2:464*069
*
Vinagre, etc.
Ker:dimentode2a2t 1:581*008
Idem do dia 23 *
2:464*069
1:381*008
23:288*370
Tnesouro provincial do Pernambuco, 2i
de uovembro de 1874.
O escrivSo,
J. CM. daSilva
jntos.
240,000
300,000
276,000
300,000
300,000
mm
Commercial k Braga
Jorge Tasso.
37Rua do Amorim37
Saca qualquer quantia a prazo cu a vista so
bre estc Banco ou >uas respectivas agendas nas
a^uintes cidade* e villas de Portugal, ilhis adja-
centes e Hespanha a saber :
Portugal
Araarante. Guarda.
Anadia. Guimaraes.
Arcos. Gouveia.
Aveiro. Lagos.
Agueda. Lamego.
Arco de Baulbe em ca- Lisboa.
becoiras de Bastos. Louie.
Baroa. Melgaco. Mirandella.
Barcellos.
Beja. Mon?ao.
Rraganca. Mealnada.
('.haves. Monte mor c velbo.
i ;ounbra. Oliveira de Arsmeis.
Coon. Ovar.
Covilha. Penafiel.
Castello Branco. Pinhel.
Caminha. Ponte de Lima.
Elvas Portimao
Estremos. Porto.
Evora. Povoa do Varzim.
Esposende. Port'Alegre.
Famalicao. Povoa do Lachcso
Fin. ''eoa.
Figueira. Silves.
Fafe. Santo Thvr30.
Tnomar. Villa Real.
iavira. Vinhaes.
Torrea Novas. Vizeu.
Vteaea. Villa da Feira.
V.anna. Villa Ponca de Aguiar.
\ ilia do Conde. Villa Real d3 S. Antonio
Villa Nova da Cerveira Moimenta da Beira.
IlUas.
Funchal. Fayal.
Hegpanltn,
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orense.
Vigo. Cornna.
Puenteaveas Badajcz.
HAUTIMOS
CONTRA O FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidt
QrSta praja, toma seguros maritimos sobrc
uivios e seus carreg8mentos e contra fogt
ca edificios, mercadorias e mobiltas: n
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SEGUHOS
Mrilimo c contra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambuoana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro oontra-fogo
<:iiK LIVERPOOL 4 LONDON* GLO>
INSURANCE COMPANY
Agentca
SAUNDERS BROTHERS* C.
liCorpo Santo11
Companhia Indemaisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000^000.
T'umaz de Aquino Fonceca & successores
agent es.
Beta companhia toma seguros maritimos e ter-
r :^tre3, dando nestes o septtmo anno gratis aos ge-
girados.
Baa do Vigario n. i.
COMPANHIA ALLIANCA
e^guros maritimos e terres-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
capital 4,oeo-.oowooe.
fojaa segnro de mercadorias e dinheiret
Consulad > provincial.
Para seieneia dos cootribuintes do iraposto da
decima urbana e os effeitos legaes, em seguida pu-
blican) se as alteracoes veriQuadas no laucaraento
do mesmo iraposto no corrente anio Unanceiro de
1874 a 1875, Rcando aberto o prazo de 30 dias,
nos termog do art. 38 do regulamento de 6 de
abril do corrente anno as reclamacSes que por
ventura possam ter a (azer os interessado*.
Alteracdes veriQcadas pelo langador loa-
quim de Gurmlo Coelbo, no langamento da deci-
ma urbana da freguezia de Santo Antonio, no anno
correate de 1874 a 1875.
Rua da Palraa.
N. 20. Alexandre Jose da Silva, uma
casa terrea por
>'. 28. Joaquim Antonio Pereira, uma
casa terrea por
N. 30. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 64. Luiz Jose da Costa Amorim, uma
casa terrea por
N. 15. Manoel Alves Santiago, uma
casa terrea avaliada por
N. 31. Manoel Antonio Vieira, nm por-
tao que da eBtrada para nm terreno
com um telheiro e oito quartos, tu-
do por
N. 45. Joaquim Fi-iippe da Costa, uma
casa terrea por
Mar.juez de Herval.
N. 6. Viuva e herdeiros de Jose Bom
Ramos de Oliveira, uma casa terrea
por
N. 8. Manoel Jose de Carvalta, uma
casa terrea por
N. 14. Francisoo da Silva Rego, uma
casa terpea por
N. 16. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 18. 0 mesmo, uma casa terrea por
.N. 20. 0 mesmo, uma C3sa terrea por
N. 28. Luiz Caetano Borges, uma casa
terrea por
N. 48. Padre Joaquim do Aragao Ebla,
uma casa terrea por
N's. 1,3 e 5. Mirandolino dos Guimaraes
Peixoto e outros, tres caixoes de ca-
sas arrendados por
N. 17. Herdeiros de Pedro Dias dos
Santos e Antonio de Paiva Ferreira,
uma casa terrea por
N. 29. Joao de 3a Cavalcante de Albu-
querqje, um SDbraio de 2 andares
e lcja por
N. 31. Dr. E:tevao Cavalcante de Albu-
querque, um sobrado de 2 andares
e loja por
N. 37. Joao de Sa Cavalcante de Albu-
querque, uma casa terrea por
N. 49. Praxedej Francisco Martins e
herdeiros de Joto Franc sco Martins,
uma casa terrea com um telheiro no
fundo por
N. 63. Cariota vietra niDi.iro, uniacusa
terrea com soUo por
N. 67. Joaquim Antonio Pereira, uma
casa terrea por.
N. 73. Ffincisco Guedes de Araujo,
um sob ado de I andar e loja por
N. 79. Rosa Candida Goncalves Ferrei-
ra, uma casa terrea por
N. 95. Jos6 Francisco da Costa, uma
casa terrea p^r
X. 97. 0 mesmo, uma ca3a tcr ca por
Largo da raceta.
N. 5. Josd Cetano de Carvalho, uma
casa terrea por
X. 7. 0 mesmo, uma Casa terrea por
X. 9. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 11. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 13. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 15. 0 mesmo, uma meii agua com
6 quartos no quintal, ludo por
Rua da Cadeia Xova.
X.v3. Candida Maria Ferreira, uma casa
terrea por
N. 3. A.'Antonio Jaeintho Borges, 6 ca-
sinhas por
X. 11. Antonii Ferreira Piuto, uma
casa terrea com uma porta ao lado
que da entrada para outia casa no
fundo, tudo por
X. 15. 0 mesaio, uma casa terrea por
Primeiro becco da Cadeia Nova.
N. 5. Joio Manoel de Siqueira, uma
meia agua'de madeira por
N. 3. Maria Joaquina de Oliveira Cam-
pos, 1 casa terrea por
N. 9. Manoel Joaquim Pereira Junior,
uma casa terrea por
N. 11. 0 mesmo, uma casa terrea por
Segun 10 becco da Cadeia Xova.
X. 1. Jose Maria Sodre da Molts, uma
casa terrea por
X. 3. 0 mesm->, nm.-. casa terrea por
N. 5. 0 mesmo, uma meia agua de ma-
deira por
X. 7. 0 mesmo, uma casa de madeira
por _________________-
0
720,000
360,(XO
600,000
700,000
300,000
300,000
300,000
300,000
660,000
240,000
360,000
GO0.O0O
1:600,000
1:727,000
6 0,000
420,000
813,000
573,000
1:000,000
300,000
273,000
273.000
500,000
500,000
500,000
5U0.000
500,000
636,000
237,000
480,000
396,000
38 i.OOO
72,000
144,000
144,000
168,000
120,000
120,000
96,000
96,000
/MO jJoiSr. spator de tbjsouro provia-ia
raanda fazer publico, qne em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 24 de
agosto ultimo, tem de ser contratado perantb a
junta do mesmo tnesouro, no dia 1? do corrente,
o fornecimento dos moveis precisos para as esco.
Is do soxq feminiuojde Tejucupapo, Paratibe, Rio
Poce, Colonia Isabel, Pedra Molie, Giquia e rua
Imperial, oi quaes vao dedarados na tabella ahai-
o tranatjripti,,
As pessoas qae qulztrem contratar o fornect-
mente, oompacetaqi ax sal* daa reMiJei da mewna
junta, pelo meio dia do dia acima indicado.
Secretaria do thesooro provincial de Pernnnua-
o, 9 TABELLA. m .
7 quadros com efflgle do Senhor CrUxIlteadb
flora 0,m66 de altura e 0,m44 de largura a 10:000
cadaura.70 000.
. 7 mesas de araarello com l.rall de eomprimen-
(o, 0,m63 de largura e 0,m75 de altura. com pee
torneados e duas gavetas, uma 22^, l'6if.
7 cadeiras de bracos, de amarello, uroa 16/,
U2.
14 cadeiras singellas, uma 83, 1123.
7 estrados de louro com l,m60 de comprlmento,
l,m40 de largura c 0,15 de altura, nm 20,,, 1404.
21 classes ou mesoes de amarello com 2,m84 de
eomprimento, 0,m44 de largura, 0,m72 de altura
na frente a 0,m76 do lado opposto, com pes tor
deados, contendo 4 tinteiros e 3 traIados em qua-
oros, nn 3**, 238#.
28 bancos de amarello (assento de palhinha) com
2,m64 de comptimento, 0,m2o de largura e 0,m45
de altura, com pes t >rneadps, um 254, 700|.
7 pedras para calculos com l,mO de eomprimen-
to e l,mS de largura, uma 104, 704-
21 cabides de amarello cem 8 tornos um
1054000. An
7 regoas de jacaranda, uma 500 rs., 34o00.
7 escrivanias de metal, uma 54, 354.
7 theares singelloa, um 104, 704.
7 jarras uma 54, 354-
7 oocos de folha dfe ferro, um 13, 74.
21 bacios com tampas, um 25, 424.
7 tubes de amarello, um 74, 494
0 secretario,
Miguel Alfonso Ft>rreiraJ___
0 Ulm. Sr.-inspector do tliesouro provincial
manda fazer publico, que em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 23
do corrente, tem de ser arrematada no dia 25 de
novembro proximo vindouro, perante a junta da
fazenda do mesmo tnesouro, a obra dos reparos do
empedramento do 1* e 2* lancos da estrada de
dalmares, orpida em 11:8804,. e debaixo das con-
Pigoes abaixo transcriptas.
As pessoas qne se propozerem a esta arremata-
C,ao, comparecam na sata das sfssoes da referida
junta, no dia acima indicado, pelo meio dia.
E para constar a quern interessar possa, se man-
dou faze- publico pelo pre-ente Diario.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 30 de outubro de 1874.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao
das obras.
"
As obras de reparos e empedramento do 1 e 2
lancos da estrada de Palmares a Pimenteiras, na
imoortancia de 11:880s, serao execuiadas da con-
formidade com o respsc:ivo orcameoio e desenhos
juntos, approvados pelo Exm. Sr. presidente da
provincia, e instru^co.'s do eagenheiro encarrega-
do da Dscalisaeao dos trabathos.
2.'
prazo de 15 dias, e os conciuira no de 5 mezes,
este ultimo prazo contado depois de Undo o pri
-"'-" Mi
Os pagamento? serao fcitos em quatro prestagoes
ignaes, a prvporcio dos trabalhos executados.
4.*
Finalmente, em tudo mais qne aqui nao vai e-
peciricado, seguir-se-ba o que a respeito dispoe o
regulamento de 21 de fevereiro de 1874.
Cabo, 16 de outubro de 1874. Assignado, o
engenheiro Joaquim G Coelbo.
t onforme. -0 official Joa9 Joaquin de Siqueira
Varejao.
Conforme. -Miguel Affonso Ferrera.
iasUiuli) Arctool igicj
piiic s Pcmainbucaaa.
Haverd sossao ordinaria quinta-feira, 2G
do corrente novembro, pelas 11 horas da
manha.
ORDEJl DO DIA
1 DiscussSo '.'o balancete sprsenlado
pelo Sr. thesoureiro, trimestro de julbo a
seteoibro de 1874.
2." Pareceres e mais trabalhos de com-
rpissoes.
3. Palestra litteraria.
Secretaria do Instituto,23 de novembro de
1874.
J. SOAUES D'AZEVEDO,
Secretario perpetuo.
do Campo Grande, estrada no-
Campo Verde, N 8. do 0'
de Maranguap^T^QI kunino, 1' cadeirs. de X.
S. da Grata, na Capot Ewmo se ve da tabella
abaixo mencionada.
As pessoas que quizercuTBfcratar o referido
fornecinsento, corapan.-gam rfl| aala das essoels
oda referida junta, no dia aciagi indicado, pe a
meio dia.
Secretaria do thessuro provinoali de novem-
bro de 1874.-0 secretario,
Miguel Affonso FgWiira.
TABELLA
6 quadros com a efllgie do Senuoj Crucilh-ado
co 0y66 d alturj e 0,ra44 de largura, um 104-
rnspas de amarello "com l.mll d;amprimen-
to, 0,vCo 4b Ugpura e 0,m75 de altura* com pes
toroeajoi edws gavetas, uma 22*.
sadeiflw da bracos, de amarello, oaaa 164
49 ca jeina singelas, nraa 8?.
6 estradSTde lour* com l,m60 de aailprimento
l,ro40 de lagura e 0,ml5 de altura, nm 20'.
18 classes ou nusoes de amarello coa2,m6'i d*
eomprimento, 0,m44 de largura, 0,m7^de altura
na frente e 0,m76 de lado opposto, coot des tor-
neados, contendo 4 tinteiros e 3 traslados em qua-
dros, um 34-.
24 bancos de amarello (asstnto da palhinha)
com 2,m64 de eomprimento, 0,m25 da largura e
0,m46 de altura, com pes tornesdos, am 234-
6 pedras para calculos com l,m0 deaomprimen-
to e l,m* de largura, uma 10 (.
19 obtdes d amw)lo com 10 tornaa, um 54.
6 regoas de jacaranda, uma 800 rsf
6 escrlvaainhae deimetal, uma BJ. I
6 tbeareasiegelos, um 104.
6 jarras, uma 54-
6 cocoa de relha de ferro, um 1 J.
18 baoios eom tamp,**, um 24-
6 cubos de amarello, um 72.
-Goofarne.
______________________M. A. Ferreira. _________
llioii!;i/. Se Aquino Fonceca & C.
Successores
saccam por todos os vapores, sobre at seguintei
pracas:
Lisboa. Regoa.
Porto. Chsraas.
Braga Villa-Fior.
Vianna. Miiaadella.
Viseu. Ald.
Guarda. Faralos.
Coimbra. Braganra.
Guimaraes LagMfo.
Rk) de Janeiro.
Xa ma do Vigario n. 19.
"SANTA CASA DA M1SKR1CORD1A DO
RECIFE.
A fllma. junta admimstrativa da Santa Casa da
tfiserieordia do Recife, inanda fazer poblico que
aa'sala de suas sessoes.o dia 18 le novembro,pe-
as 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
paem mais vantagena offcrec8r, pelo tempo de um
i tr-js annos, as rendas dos predios em seguida
leclaradoa.
ESTABELEaMEXTO DE CARIDADE.
vidal de Xegreiros.
Casa terrea n..94.......30140C6
Rua larga do Rosario.
f andare loja n 24 A fecbada 3104000
l- andar n. 24idem......4084000
1/andar n. 24 A idem 2514000
Rua de Antonio Henriques.
Casa terrea m 26...... 994000
Largo da Campina.
.dem n 11 (fecbada). idem. 1204000
Rua do Coronel Suassuna
1* andar do s brado numero 94 38640O0
PATRIMONIO DOSORPHiOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30.......8004000
Rua da Mocda.
i>asa terrea n. 21 fechada).. 4004000
Becco das Boias.
Jasa terrea n. 18...... 42I40W
Rua da Lapa.
;asa terrea n. II.......20240OC
Rua do Amorim.
iobr-do da 2 andares n. 23 602^000
iasa tenea n. 34......240o0
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......1534000
Rua do Vigario.
! andar do sobrado n. 27fcchala 2434000
! andar do raesmo idem .... 2404000
Loja do mesmo fechada.....300400C
Rua do Encantamento.
JoLraio du 2 andares A-12 (fueUaila). 1:40040^0
Rua da Semalla velha
Idem n. 16........209400C
Rua da Guia.
Casa lorrea n. 25.....2094001
idem n. 29.......2014000
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800400C
Idem n. 14.........6OO4OOO
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 103......207400C
Os preftndentes deverao apresentar no aeto da
arremat as suas fiancas, ou comparecerem
acoupan s dos reapectrroa Cadores, devendc-
pagar aio v renda, 0 preruio da quantia em
que for se&, 0 predio que contiver estaboleci-
memo com nl, assim como 0 serrieo da lim
peza e precc apparelhus.
Secreuna ntt Casa daSMiserjeordla do Ri
life, 17 de sstembro do 1874.
0 escrivao,
Pedro Bodrigues de Suuza. ____
Moreira deSonza porxecueSo ieFranefecsPe-
reira de Meirelles.
Santo Antonio
do corrente
em beneficio do
vio-
Sexta-feira 2t
Kspectaculo coneerto
lonisla Franeelino Doraingues
de Muura Pessoa.
Alem de outras pecas, execntara a grande
pbantaiia e variagoes sobre 0 Xorma era uma
so eorda do violino.
NOVISSIMO /
ApparijSo e desappariQdo de oma menina
de 14 annos, que beoe, come e falla com
o espectador.
0 professor Grls d'Appremont tem a honra de
participar ao respeitavel publico desta cidade, que
sue essa verdadeira maravilba, qne agradou ex-
iraordioarianieoie uio so >m Franca e na Allcma-
nha, como na I tali 1, e outros paizes onde tem
estado. As familias nao devem perder a oecaiiao
de ver objeeto tio eurioso.
RUA DA JMPERATRIZ N. 1
. Eolrada 12000 por pessoa, e 500 rB por
criauca.
AVISOS MARITIMOS.
COUP Will \ BRASILKin.1
DE
VAVEGACAOAVAPOR
Portos do none
Seal*.:
Sola de violtat
Una piano forte, uma mobiiia de jacaraada, com
I sofi, t comobs com pedra, J catena # fcra-
50s e 12 de guarnicao, qoadruj eom flnas |rav-
ras, lancos e cortinados, venezianas, 6 laditaa 4a
balanco, 2 mesas de sofa, 2 duas redoodaa, a eslei
ras forro das^alas e quartos, 2 cemotoa de jaca-
randa ccm pedras.
Salsa de JHiifur
UnU awsa elaatica, I guard* loaea, I appirador
de armario, 2 ditos torueado*, 1 guarda c imida
de arame, 2 cadeiras de balaoco, 1 retafki, 12
de guaraicao, i t 'pete de coco, 1 flltro, 1 |fare
II10 de louga para jour, 1 dito para eha, I 4*
para sobre mesa, 1 apparelho de electro pi ale, ft
duzias de colheres, 3 duriasdefacas cabos da aaar-
fim, garfos de metal, 1 galbeleiro, copoa, caliee.
garrafas, campoteiras, bandi-jas, loalbas da mesa c
guardanapos de linho, um relogio, e t cabids par-
cbapeos.
QiiHriats
Uma cama franeeza, uma dita de hri ntr*
t pessoas 1 dita de ferro parasalleiros, cumn o1a.,
mesas redondas, mesas eom gavetas, guarda* roo-
pas, espelhos, lavatorios, eabides, cadeiras, e u-
dros.
1 saiulia dioaaeaMMa.
Mesas de pinho, flandres, poles, trem de eosinka
a outros objecti s.
A 1 HORA KM POXTO
Veoder-se-ha tambem am rioo gaarte roaas
com espelhv) na porta do meio, 1 magpilico iilet
e 1 bom lavatorio c 'm tarapo de pedra, lulu da
mogno massico e em optimo estalo de coo-erva-
cao.
Sexta-feira 4 tte liezcnahro
POR INfERVEXC.V) DO A6EXTE PIMO
Na Passagcns da i!agdlena, casa junto a pas-
te grande, em que irmrtvam os empregados da ea-
?a commercial d-j I'iiipii- I'r.tiers&u*.
As 10 boras e 15 jfliuut partira da estario da
rua do Bruin um bonds que conduira gratis t
concorrentes do Ieilao
O Ieilao principiara as 10 e meia hora a.
Commandante Gullherme Wa-
dington.
E' esperado dos portos
do sul ate 0 dia 27 do
corrente e seguira para
os do norte depois da de-
mora do costume.
Commnndantc C. A. Gomes
E' esperado dos portos do norte
ate 0 dia 28 do corrente e se-
guira para os do sul, depois
da demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
Agentes
Para Lisboa
vai sahir com muita brevidade 0 lugre portuguez
Julio, e receba carga e passageiros : trata-se com
os consignatatios Tbomaz de Aquino Fonceca &L.
Succes-ores, a rua do Vigario n. 19.___________
Real c^npanhia de paqnetes 6-
gleics a vapor.
No dia 26 do cor-
rente esperase da En-
ropa o vapor inglez
Neva, commandante
Wert. o qual depois
da dernora do costu-
me seguira para Bueno- Ayres, tocando aos portos
da Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
No dia 28 do corrente espera-se dos portos do
sul o vapor inglez Douro, commandante Twaites,
o qual depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, frotcs, etc., trata-se na agencia
ra* do Commercio n. 40. _______^^^^
Companhia .lliunc niaririnaa
portnense
Empreza de navegaciio entre o Brasil o Pot
tugal
PARA 0 PORTO
Barca portu^ueza Joten Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recede carga e passageiros : a
tratar com os seu? conrignatarios Jose da Silva
Loyo & Filho._____________________
HAS
dividas ac.ivas na importancia de........
8:073502 perlcnci-ntcs i massa LUida
de l'aulo rernanios de Mello Guiiearies
UOal.
A's 11 horas da manha
lNo escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 63,
primeiro anlar.
Por maudado do lilm. Sr. Dr. jnii especial do
commercio desta cidale, o agente Pinho Botfia le-
vara a novo leilio as divida*aci:sa derlaradas, i-
clusivamente 3 lettras: os Srs. preteodenles podeai
desde ja vir examinar a lista dos devedote* d
mesma rnassa no escriptorn arima indicado
Agerde Pcslana
Ieilao
D\
nrioacao, generos e mais utensilios da tarer-
na sita a rua da Concordia n. 211.
HOJE
As' f 1 horas erst port to.
0 preposio do agent-; Pestina fara Ieilao, per
conta e risco Je quern perlencor. d'ai .naca. fee*
ros e mis uten liio* da muilo afregnezada I ivernr.
da rua da Concordia n. 211.
Em cm aa mais lutes, a vontade in Sr* eunv
pradores.
Na mesma occasiSo vender se-ha umb rador para caf6 e nm moinho.________________
Dr. Sebastiao do R-;go Barros de Lacer-
da, juiz de direilo especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
buco, par Sua Magestade o Imperador,
que Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente cdital que Eduardo
Alexandre Burle, por sen advogado me dirigio a
peticao do tbeor seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Diz Eduardo
Alexandre Burle que havendo intentado acgio de
assignacao de dez dias contra Francisco da Costa
Mai'a, e J aquim da Costa Maia, para o pagamento
da letra constanto da certidao junta, e tendo de-
cahido delta na partc relativa a Joiquim da Costa
Maia, por nao ser este o devedor signatario da le-
tra e sim joaquim de Souza Maia, que por essa
razSo nao foi condemnado, quer o suppllcante para
o flm d ser esta igualmente condemnado, intenlar
a presente accao, pela qual reqner s? Hie assig-
nem os dez dias da lei, para d.ntro delles pagar a
importancia da referida letra, seus juros e custas,
on all-gar os embargos que o relevem, fie in Jo
logo citado para todos os termos ate final. E como
quer que seja o referid) Maia ausente em lugar
incerto, quer o supplicaute que se faca a sua cita-
cao por editaes na forma da lei, admittindo assim
a ju9tificar a incerteza do lagar em que se acha
o reo, I'dde a V. S. assim o mande, contando-se
os dez dias, depois de verificada a citacao do edi-
tal-E R M. Recife 9 de novembro de 1874.-G.
Alcoforado. Bst&va nma estarapilha do valor de
duzentos reia, legairaeote inutiiisada. Distribuida,
como requar. Recife, 12 de novembro de 187'*.
Barros de Lacerda.
E nada mais se ccntinha em dita peticao e des-
pacho aqui delineate copiados, epor for^a do mes-
mo despacho fdra feila a distribuicao* ao escrivao
deste juiw Ernesto Machado Freire Pereira da
Silva, e produiindo o snpplicante as suas testemu-
nhas que depozerarn convenientemente acerca da
ausencia do supplicadi Joaquim de Souza Maia, o
respectivo escriviio, fazendo sellar e preparar os
aotos, nros fez condusos, e nelles dei a sentenga
do theor seguiuts.-Hei por justiflcada a ausencia
do supplicado,peio que mando seja citadu por
editaes com trinta dias de prato, affixados e publi
cades nos Jornaes: custas ex-causa. Recire,
de novembro de 174..--R.ih.ietiao
de Lacerda.
COXSUL\DO PROVINCIAL.
Nesta reparticao arrecadase novamente du'an-
te o corrente mez as importancias dos apparelhos,
encanamentos, differencas e annnidades devidas a
companhia Recife Drainage, no trimestre de julho
a dezerabro de 1872, pelos predios sitos as rnas
do Marquez do Herval e Padre Nbrega, isto de
conformidade com a portaria do Sr. inspector do
thesonro provincial e as novas relates em subs-
tituicao as primeiras.
Consulado provincial de P.-rnambuco, 2
de novemmbro de 1874.
0 a iminislrador,
Antonio C. Mm-hado Rios.
Gabintte portagoei de Leitura.
(Oirectoria)
Pedc-se aos Srs socios effectives que sc acham
era atrazo para com a thesouraria do gabinete,
6 obsequio de darem cumprimento a piimeira
pane do g 2.' do art. 12 dos estatutos, aQm
de qae a direcloria possa dar as providencias
quelhe hao sido exigidas por alguts socios e
bem assim poder cumprir o que estatue o 3."
do art. 69. '. .
Secretaria da directors, 18 de novembro de
1874
V. Ferreira Chaves Junior,
Secr6tario,
Thesouraria de fazenda
Manda o Illm. Sr. inspector annunciar, que de
ordem do Exm. St. ministro da fazeuda foi espa-
to" ate o Gm de junho de 1875 o prazo raareado
para se dar principio a subs'.ituicao das notas de
503 e de 2 da quarta estampa.
Thesouraria de fazenda de Pernambuco, li ae
novembro de 1874 o Redrfgues d
JucundianSecretano dae Oliveira,
junta.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE.
0 Sr. -Ofbeniano de Aquino Ponseca,
caixa da companhia do Beberibe, acha-
se autorisado a pagar no seu escripto-
rio & rua do Vigario Tenorio n. 19, das 10
horas 4s 3 da t*rde, o 53 dividndo dosta
companhia Undo em 31 de outubro do
correute anno, napropor$3i de 39000 por
apolice: previne-se aos Srs. accionistas
que o pagamento sera1 realisado em moeda
de cobre.
Escriptorio da companhia do. Beberibe,
14 de novembro de 1974.
0 secretario,
Luis Manoel Rodriguez Valenfa.
Companhia periiainhneaua.
Porto do Aracvitv.
A carga que de hoje era diante for embarcada
nos vapores da Companhia Pernambucana cm
destino 10 porto do Aracaty, sera entrrgue na ci
dade do mesmo norae, sendo transporlada da bar-
ra, (onde os vapores costumam fundear), em lan-
chas de propriedade da mesma cfmpannia,inde
pendeuta de qualquer exigencia do pagaraenlo
por este servi$o
Da mesma forma sera transporlada a carga
que for embarcada no porto do Aracaty para
quaesqucr outros portos da escala.
Recife, 16 de novembro de 1874._____________
Para o Macao
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote nacional Jwen Arthur, recebe carga e pas-
sageiros : a tratar com o seu consignatario Anto-
nio Luiz le Oliveira Azevedo, a rua do Bom Jesus
n. 57.
Terceiro
LEILAO
hllida
COiNSULADO PROVINCIAL
De conformidade com a portaria do Sr. inspec-
tor do thesouro provincial se declara aos contr
buintes que deixaram de realisar o pagamento de
seus debitos devidosa companhia-Recife Draina-
ge -no semestre fiado em junho de 1873, pelos
apt-arelhos, d fferenga dos mesmos, encanamentos
e annuidades, que o podem faztr, visto achar-se
prorogado o recebimenlo ate o llm do corrente
mtz. ,
'Consulado provincial, 18 de novembro de
1874.
0 administrador,
Antonio'C. Machado Rios.
Pelo thejonro provincial se manda fazer pu-
blico, que v5o novamente a praca peranta a jun-
ta do mas no thesouro, no dia 3 de dezerabro pro-
ximo vindouro, as arrematacSe* seguinles :
Obra da bumba doFragoso, orr;ada em 840*02/,
e a obra da ponte de M es, no rio-oTapacura, na
estrada da Victoria, orgada em 1:483*000.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, em 23 de Novembro de 1874.
0 secretario,
Miguel Aflopso Ferreira
\\m o Rio (! Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o brigue
lsabel,Xem parte de seu carr'garaeuto engajado :
para o resto que Hie falta, trata-se com o seu con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesus n. 57__________
Costa d'Africa
Segue da Bahia em 30 deste mez, para o porto
de Oonim, na Costa d'Africa, a barca portugneza
Josephina, tendo bons commodos para passageiros
esterlinas.
Compdnhia Fidelida e
Seguros maritimos e terrestras
A agencia desta companhia toma eegnros mari-
timos e terrastres, a premios razoaveis, dando nos
ultimos o solo Hvre, o o setimo anno gratuitao
segurado.
Felieiaoo Josd Gom&s,
________________, Agaqte.
0 Hlnv~Sr. iaspeuor do tnesouro provincial
ADMINISTRACAO DOS COHRE103, DB1 PER-
NAMBUCO, 23 DE NOVEMBRO EE 1874
Malax a expedlr-se
Pelo vapor naeional S. Salvador, esta adminis-
tracjto espede *ks para Maceld, Penedo, Ara,.
csjii e Bafcia. hoje J'i
aecebem-se jornaes, impressos de qualquer na.
tureza, eaartas a registrar..a|6 1 hora 4a ta/de,
cartes orBarlaa al* 3 horas, e estas al3i|l'
eom porta dwplo.
0 administrador,
Affonso do Reg^Q Barro3;
Libra
7endem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n
DOS
bens c dividas pcrtenccnles i massa
de ltistron It.xiJi A C.
QinSTA-FfilRA 25 DO CORRK.NTF.
S I i h>ra. da m*iiil "i
Em o 1 andar do sobrado da rua do Sarjoez
de Olinda n. 37.
0 agnate Dias. jami pda tPR-eira vez I
por despaclio do Illm. Sr. Dr. juiz especial ooeoni
mercii, no dia e hora acima indieados, os bens t.
dividas perttneentes a m.is-a faliidi d? '.j.-trcc
Rock & C, os quaes ala os seguiates :
Os 'ircitos que teem os referid s ftllid-.-; no d
minfo a pos^e na metade d>-s terrenos ie itariclu
ritos dc Caes do Ramos, e aforados porpot.; itnen!
ao conselheiro Felippe Lopes Netlo, torren- a\-
liad skdos em "i6.624 COO.
0 diieito que teem n'uma casa e sitio to larg
da igreja da Torre, tendo a frente psraonoj;.
com 200palmos, e o fuhdu para o sul com 3U), (
canduenlre o >ilio do Sr. Gmtier e a pr. prioLii-
da familia do B irao do Uio Formoso, ava
3.000|000.
E ts dividas n? importancia d,- 273.V2.
0 m3ndado em u qual se a'-h m descr pt ? r
deve.lores corn as repeptivas qn-n'is- a d..ta i
vesciaMBtoa dos naaaa, e todos os m^*s ?ela^
cimeutos preci-os, acha s- cm poder do apeile, m
de dtjde ja pode ser exaniinido pelos Srs. pretto-
denies.__________^_^__^___^^__________
Agent e Pestana
Ieilao
DE
70 barricas con carvcji Bis?, cm b;
inteiras e moias ditas, e 2 ciixas cxa aa*
porior cbd verdo
0LINTA-FC1RA 2G DO CORRF.^IT:
ASH HORAS LM PONTO.
No armaicm 1 S.". .%;
0 preposto do ageut^ Pestana fara MBo, |
conta e risco do quern p"rten:er, de 70 tn
com cerveja Bass, em botijas inteiras e:a
dita. e 2 caixas com aaparlar ch vera>,
Em nm on mais lotes, a vuuude d i r
pradores.
42.
tEiiOEf
Feira Semanai
"" No dia 27 do corrente, as t horaa da ttrde,
8ada a sndieneia do Sr. jnls de pat da rreanezu
de Santo Antonio, a qual tera lugar na sals das
anfienaas, vao a praga para serom arrecoa|a"lM
' 18 cadeiras de junco, em^nMsa
LEILAO
DE
casas terreas
Travessa do Pdcinho n. 38, ou rua do Bartholo-
mew tendo um qnarteirlo de ca^as ns. 1, 3, 4, 5,
6,7e 8, as quaes rendem 12*000 mensaes cada
uma, com as commodidades seguintes : 1 sala e 2
quartos.
Na rua Vinte e Qaatro de Maio, autiga travessa
da Cadeia Nova, ns. 37 e 39, tendo cada uma 2
salas, 3 quartos, cozinha fora, quintaes murados,
cacimba e cambrone.
ha tt 1|* horas
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 53,
primeiro andar.
0 agente Pinho Borges, autorisado, vendera as
referidas casas em Ieilao, por conta e riSco de
quem pertencer, e qualquer esclareeimento, com o
mesmo agente.
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE_____
maDda fazer publico, qne am cumprimento da or- a quea mais der, -
dem do Exm. Sr. presWente da provincia, de 14 Idas de prew, por 60*. 1 par da console, eaverni
17 do andante mez, tem da ser coutratado perante a aadas, por 10#, 1 sofa de janco ij-j $Q$r t par de
do Rjgo Ba'rro* [ junta do meemo thesouro, no dia 26 do corrente, jlauteroas per IV* qnadros <'jim moldtfra aonrada
l-fornncj negto dr mTer? preeis rtn **-cHa^p$r->f*"- ; os quaes ['Jfrxa peolioTados ?. MWoet
LEILAO
DB
naovela, Una crystal, louca eob-
jAotaa da electro-plate
Braff-fffri 4 it dneafro
mobilias completas de jac\-
randa e amarello, saiitna-
rios, mesas elasticas, 1 ri-
aaaofctaria, espelhot coi
molduras douradas, qua-
dros com tiaas gravura^.
camas francezas de jaca-
anda e^mareUo, guarda
lou^ap, pianos, commodas
e meias ditas, cryrttae.
objector deouro e prata.
relogios de algibeim dc
ouro e prata^ miudez*s di-
versas, martiuezdcs krgo^
eestreitos, 2 espingardaji
de 2 canos, guardas comi-
das, liguras de porcelana,
jarrospara flores, quarti-
ukeiras, cabides, guarda
roupafguarda vestido, um


de Pernambuco Quarta feira 25 de Novembro do 1874.
lustre de gaz carbonico,
redomas devidro, machi-
nas de costura, grande
quantidade de trastes avul-
bos, e immensos artigos do
uso domestico, que serao
vendidos a queima roupa,
por conta de diversos
yUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
A's 11 horas da man ha
m
FEIRA SEiVlANAL
16Rna do Impcrador16
ARMAZEM
JNovo leilao
DAS
armag6es, rnoveis, drogas e tnais utensilios
existentes em a botica denomiaada Popu-
lar, sita em a rua da Imperatrizn. 71,
perteocentes 4 massa fallida de Goncalves
Fialho & C.
Uuinta-feira 10 de dezembro
A'S II HORAS DA MANHA
0 agente Dia-, competeDtemente aalorisado po-
lo 111m. Sr. Dr. juiz especial do comraercio, levara
ovamente a leilao, no dia e hora acima indicados,
asarmacoes, rnoveis, drogas e mais utensilios exis-
tentes em o referido eslabelecimento.
Omaolado contendj todos os esclareciraentos
precnos aeha-se em poder ai mesmo agente, oade
pode desie ]a ser examinado pelos Srs. pretenden-
tea._________________________________
Leilao
DE
movei*, louca, crystaes, candieiros a gaz,
carteiras e hurras
Nendo :
C,L"m piano forte, 1 mobilia de jacaranda, 1 lus-
tre de crystal, I dito de bronze, arandellas a gaz,
lancas para cortinados, 4 pares de coriinados e es-
carradeiras.
Uma mesa elastica, I guarda-louca, 2 aparado-
res com taropoa de pedra 2 ditos envidracadoe, 2
ditos torneados, i garrafase outros objectos.
Uma cama frsueeza de jacaranda, i gnarda rou-
pa, 1 toilette, 4 lavatorio, 2 marquez5es, 2 caaas
de ferro para ineninos, e muitos outros objectos
tie casa de familia.
Duas carteiras e 2 cofres.
SEXTA-FEIRA 27 DO CORRENTE
AO CORRER DO MARTELLO
Por iiKerveiH'iio Uo agents Pinto.
No primeiro e segundo andares do sobrado da
ma do Bom Jesus n. 42.
LEILAO
DE
54o palmos de terreno 8o sitio Aguasinha no
Porto da Madeira, em Beberibe, na estrada que
vai a 'cidade de Olinda, pelo Forno da Cal, do
quarteirio de 1,040 palmos, em seguimento ao
terreno vendido a Antonio de Souza Itego, sepa-
rados por uma estrada.
SABBADO 28 DO CORRENTE
as 11 1|*S horas
Por intervencao do agente Pinto
Em sen escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
Cozinheiro
Na rna da Alegria n. 40, ainda ie precis* de am
cozinheiro, prefere-se escravo
Giziobeira
Precisa-se de uma boa coziuheira, paga se bem :
na rua do Bario da Victoria p. 44, foja.
Engaminadeiras
Para casa de familia precisa-se de duas boas
engommadeira*, que entendam de costura e en-
aboado, paga-se bem : no Maoguioho, sitio n. I,
com portao de ferro e muro cinzento, antes da rua
da Amizade.
Cozinheiro
Quem precisar alugar um escrav* cozinheiro,
de idade, mas bastante rubusto e eniendido na
sua arte, dirijase a roa do AUiho n. 9, oiUo da
caixa d'agoa, na Boa-Vista._________________
CRIADA
Na rua do Visconde de ltapariea n. 32 preeisa
se de uma criada que seja sadia, para andar com
crianca._________________________________
Preeisa se alugar um criado que entenda de
service de casa e de sitio : na Capunga, entrada
da barreira, sitio n. 2.
Preeisa se to mar a premio de 5 a 6 contos
de re, com hypotheca em nm predio que vale
o dpbro, nos suburbios desta cidade : a tratar na
rua* da Conceicao, oa Boa Vista n. 18, das 7 as
10 do dia e das 2 as 4 da tarde.
EXPOSigiO UNIVERSAL DE 1855
MDALNft DC I.* CLASM
AL. LABARRAQUB & C/

OOINIUM LABARRAQUE
APPROVADO PELA ACADENIA OE MEOICINA DE PARIS
"
Aluga-se
Um eseriptorio no primeiro andar da rua do
Commercio n. 4 : a tratar no armazem da raes-
ma' casa. ________________________
Aluga-se o prinleiro e segundo aodares do
sobrado sito a roa de Lomas \ alentinas n. 86,
com bons commodos para grande familia, bem
como o primeiro andar do sobrado sito a rua de
Marcilio Dias n 83, com commodos suffleientes
para peqnena familia : quem pretende-los, dirija-
se a rna Nova n. 17, que achara com quem tra-
tar____________________________________
Bom negocio.
Para nrincipiante aluga-se a casa n. 279, a rna
Imperial, com uma armacSo nova, ou vende-se a
mesma armacSo, conforms se conveneionar : a
tratar na casa contigna, de p&riao. __________
LEILAO
Do sitio com boa casa de moradia.
SABBADO 28 DO CORRENTE
O agente Pinto levara a leilao, a requerimento de
D. Alexandria Maria do Pacramennto Pereira, in-
ventarian!" dos !;. ns deixados pur scu marido, e
por despaetie dN.Illm. Sr. Dr. juiz da l vara do ci
vel, o sitio do Salgariinho n. 3, o qual tera vendi-
do para p3gamento djs credores, as 11 horas do
dia 27 do correnie, no escriptorio do referido
agente, na rua da Bora Jesus n. 43.
ui
[I
eiiao
DE
Diverse objectos, abaixo o'eclarados.-peT^"
tencentes ao pacho Invencivel, nufragn-
dj3 na barra do Assu'.
QU1NTA-PEIRA 20 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
Jllo cacs do (rapiche do I.oyo.
0 preposto o agente I'e-tana, cr-mpetentemenle
autorisad fara leilao por conta e risco de quem
pertencer, dos salvado^ do pataeiio Invencivel, nau-
fragado na barra do Assri, em um ou mais lotes,
a vontade dos Srs. cempradores.
A saber :
2 mastros de peroba usado
1 arco dc gsvia.
1 retr-nca de pinho.
1 caranguejo.
i lote de cabos alcatroad)*.
1 bujarroua.

hMi
DE
JOIAS
No dia 3 de dezembro proximo, se fara leilao por
intervencao do agente Marlins, de todos os penho-
res constantes das cautelas sepuiutes, visto ter-
se findo o prazo das transaci;oes e seu? donos nJo
as reformarem.
A saber:
1502. 1503, 1363, 1383, 1784, 1835, 1868,
2050, 2091, 2095, 2192, 2284, 2256, 2282,
2397, 2436. 2148, 2458, 2481, 2617, 2712,
2738, 2750, 2799, 2802, 2807, 2867, 2871,
2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034,
3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3096, 3110,
3151, 3174, 3173, 3185, 3190, 3193, 3194,
3197, 32*15, 3206, 3207, 3211, 3213, 3218,
3223, 3227, 3234, 3235, 3242, 32?0, 3251
3260, 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285,
3293, .1298, 3300. 3304, 3309, 3312, 3318,
3321, 3326, 3327, 3334, 3339, 3341, 3354,
3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3415, 3419, 3432, 3444, 3460, 3468, 3480,
. 3300, 3508, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
3556, 3572, 3579, 3589, 3596. A' travessa da rua
do Duque de Caxias n. 2, 1 andar, podendo di-
tas cautelas serem reformadas, pagando o premio,
ou resgatadas ate o bater do martello.
Nf
1936,
2342,
2737,
2896,
3037,
3149,
3195,
3220,
3254,
3288,
.3320,
3358,
3410,
3493,
AcQoes entre amigos.
SO premioB.
Visto ter-se perdidg os accSes que tem no ta-
lao os numeros seguintes : 92, 94, 95, 96, 97, 98,
99, 100, 112, 113,114,116, 117, 118, 119 e 120, i
declara-se pelo presenta que ficam sem effeito.. j
Quem precisar de uma boa araa de leite po-
de dirigirse a rna da Unlao p. 33 __________|
0 abaixo assigoado declara ao publico e com
especfalidade ao commercio, que nesta data com-.
prou ao Sr. Gregorio Jos6 Garcia a sua t?,verna'
sita a rua do Pombal n. 16, livre e desembaraca-
da de qualquer onus: se alguem se Julgar credor,
qneira apresentar seus titulos no prazo de tres
dias, a contar desta data, Qndos os quaes nao se
responsabilisara por qualque debito que possa
apparecer.
Recife, 23 de novembre de 1874.
___________ Silvino da Costa Machade.
Alugam-se duas boas casas para passar-se a
festa, no lugar do Caxanga.sendo pcrto do banho e
da estacao : quem pretender, dirija-se ao sitio da
Una, que achara com quem tratar.______
Manoel Jose Monleiro
Torres.
Keller & C., administra-
dores da massa fallida de
Manoel Jose M. Torres, pa-
gam aos credores da mesma
massa o primeiro dividendo
a razao de 19 por cento.
AttenQao.
Massa fallida de Bento da
Silva & C.
Constando ao arrematante das dividas da massa
fallida acima, que alyuem sera autorisacao, o cri-
minosamente, recebeu diversas dividas, dando
quit3coes autidatadas, e que pretende receber
outras ; declara-se que a nao ser laes quitacSes
passadas nos documentos, ou contas extrabidas
dos livros em que declarem os objectos origina-
rios de taes conlas, nao serao atterrtidos, recor-
rendo-se assim aos tribunaes competentes.
Faz-se tsta declaracao porque tendo alguns
devedores pedido ao advogado da massa que nao
mencionasse seus Domes em relajio que tivesse
de ser publicada, depois, declararam jd Icrem
poyo ; o que bem prova o que consta ao arre-*i
matante.
E, por tanto, estando o arrematante disposto a!
fazer qualquer traosaccao razoivel, rfSclara aos
referidos devedores, que o unico autorisado a isto
6 o coronel Decio de Aquino Fonceca..
Ao commercio.
Os abaixo assignades fazem publico, e com es-'
peeialidade ao respeitavel corpo de commercio, que ;
nesta daia dissolveram amigavelmente a sociedade'
que linham na taverna sita a rua estreita de Rosario
n. 19, que gyrava sob a razao de Olivefra &Dias,i
ficando o socio Dias com o activo e passivo da
mpsma firma, e o socio Oliveira pago de seu ca-
pital e lucros e desonerado de toda e qualquer
responsabilidade.
Recife, 19 de novembro de 1874,
Jose Alves Dias.
Doraingos Jorge Oliveira.
0 Quhiiiiiii Labarraque e um vinh oeminen-
temente tonico e lebrilugo, destinado a substituir todos
os outros preparados de quina.
Os vinhos-de quina ordinariamente empregados em
medicina, sao preparados com cascas de quina, cuja
riqueza de elementos activos 6 extremamente variavel;
accresce ainda que em razao d'esse modo de praparacao,
estes vinhos conWm apenas alguns vestigios dos ele-
mentos activos.
0 Qiihilum l.almrruqilc. approvado pela Aca-
demia imperial de medicina, constitue pelo contrario
um medicamento de composicao determinada, rico de
elementos activos e com o qual podem sempre contar
os medicos e os enfermos.
Pode-se dizer hoje como uma verdade incontestavel
que nao ha indisposicao continua sem principio febril
do qual, quem soffre, nao tem conhecimento algumas
vezes, mas que nem por isso deixa de existir. Por isso
as pessoas fracas e debilitadas, quer por diversas causas
de esgotamento, quer por consequencia de molestia, os
adultos cancados por um crescimento rapido de mais,
as raparigas que tem difficuldade em se formar e desen-
volver, estao sempre submettidos a uma accao febril
continua. E n'estes casos que o Quinium Labarraque
pode ser administrado com a certeza d'um exito com-
"pleto. Nas convalescencias, o Quinium e o tonico por
excellencia : junto com as Pilulas de Vallet, produz
effeitos maravilhosos.
Nos casos de chlorosis, anemia, e cdres pallidas, elle
6 um poderoso auxiliar dos ferruginosos. Junto por
exemplo com as pilulas de Vallet produz effeitos nota-
veis pela rapidez de sua accao.
< Aconselhei o uso de Quinium Labarraque a um grande numero de
doentes, tanto na minha casa de saiide como na minha clinica externa.
Como trato especialmente as affeccdes cancerosas, procurei por muito
tempo um tonico poderoso. Tendo-o encontrado no Quinium, o qual
considero como orestaurador por excellencia das constituicSes exhaustas.
D" Cabaret
f
A Snr.* A... de Coiubyn.com vinle e oilo annos de idade, tinha febie
sob differentes typos, ha dezoito mezes. Ella tomara uma enorme quan-
tidade de sulphato de quinino, de maneira que seu estoraago nio podia
mais toleral-o, mesmo mislurado com opio. 0 estomago achava-se de tai
sorte fatigado que nem mesmo podia supportar o sulphato de ferro; este
sal provocava-lhe colicas e uma ezcessiva repugnancia. Foi n'essas con-
dicoesque receiteio vinho de Quinium, cuja apparicao era recente. Estando
pouco familiarisado com seus effeitos, grande foi minha surpreia ao ve>
com que proniptidao, elle fizera desapparecer a febre -da Snr.* A..., que
ha dous annos n3o tem tido, a raenor recahida. >
0 Sflr R..., de trinta e dous annos de idade, proprietarie-cultivador
em Ygrande, teve durante os verdes precedentes alguns accessos de febre
que cederSo com o uso do sulfato de quinino. No mez de Agosto de 1859,
foi de novo atacado pela mesma febre; mas, d'esta vez, o sulfato de qui-
nino n3o produzio o resultado acostumado. Occasionava-lhe grandes dores
de estomago, e, em seguida, uma repugnancia invencivel. A febre aug-
menUva de intensidade: Apparecerao o fastio, grande fraqueza e tristeza
com o pensamento que elle succumbiria, visto que n3o podia tomar nem
supportar o unico remedio capaz de o curar. Receitei-lhe quatro calices
de vinho de Quinium por dia... A febre desappareceo; o doente recu-
perou de novo o appetite, o somno e a alegria, e so faz uso do vinho, dimi-
nuindo as doses de dia em dia.
A Snr." P... de vinle e seis annos de idade, eslava devorada por uma
febre, haviadcinco annos. Apezarda sua mocidade, apresentava o aspecto
da velhice : pelle c<3r de terra, olhos embacados, etc." Desde seu casa-
mento que datava de seis annos, residia n'uma casa bem siluada na appa-
rencia, sobre uma collina, achando-se entretanto no alto do tanque de
Meillers. Ora a metade d'esse tanque esta secca durante o verao.
Receitei-lhe o vinho de Quinium por doses de quatro calices por dia.
Passados quinze dias, o marido veio dar-me parte de grande melhora do
estado de sua nuilher. A febre desapparecera completamente, a peUe
tornara-se alva o appetite e o somno voltario; mas e tal o medo que tem
de recahir doente, que eUa reclamou-me ainda uma garrafa de vinho de
Quinium.
< D' Reghaclt.
Ha alguns annos que trato os doentes da fabrica de Mazeline et O;
receitei sempre com exito constante o vinho de Quinium Labarraque como
febrifugo e Jonico em todos os casoa que os operarios (em numero de 800
a 1,000) achavao-se enfraquecidos pelos miasmas paludosos que exlialao
os terrenos do Eure.
0 S'. Mazeline mesrao, achando-se em estado de magreza assaz grave,
por causa do excesso de trabalho, n'uma localidade onde as febres sSo
frequentes, foi regenerado pelo vinho de Quinium tornado em dose de um
calice pela manha e a noite, recuperando d'esU sorte sua perfeita saude
D* Bellivuk.

Depoiito em Paris na casa, L. FRERE, 19, rua Jacob
Na pharmacia de P. Maurer & C. rua do Barao da Victoria n. 25.
.rw.
tlTIS
n
18
AVISOS DVERSOS
Caixeiro
Precisa-se na rua de Marcilio Dias n. 24, com
14 a 16 annos.
Aluga-se o armazem eoJ. andar do sobrado
da rua dos Burgos n. 11, assim como uma quarto
por detraz da rua di Sanzalla Velha. (Becco Tapa-
3o) e uma outra casa na rua doLobato n. 4 (fre-
nezia de Santo Antonio): a tratar na rna da
Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Declaracao
O visconde de Sna9una tendo visto no Diario
de hoje (24 de novembro) nm annuncio para ir a
leilao de venda o sitio da Torre, do largo da igre-
ja, d. 6, como pertencent* a massa fallida de Ros-
tron Rook & C, vem declarar qne e3se sitio e de
sua propriedade, queo comprou em praca do juizo
da nm ha muitos annos, e qne delle sempre
tem estado de posse, e por i9so protesta contra
4oem o comprar, e contra elle mantera o *eu di-
reito. E para que oinguem 9e cbame a ignoran
cia, Bitolto assignailo, proenrador do mesmo
yt'?in,le' faz Presente annuncio.
Hecife, 24 de novembro de 1874.
Basiho Luiz Cotlho.
0 abaixo assignado declara ao respeitavel
publico, que ninguem faja negocio de qualidade
algujia com sua sogra o Sra. D. Maria Alagdalena
Telles de Vasconcellos, sobre a casa n. 19 do pa-
teo da Paz, nos Afogados,visto ella t-r de dar centa
da parte que coube em partilha a sua mnlher D.
Isabel da Costa Nogueira.
Recife, 21 de novembro de 1874.
______Manoel do Nascimento Pacheco Medeiros.
ESCRIPTORIO i;STACAO PRINCIPAL.
a rua da Corapanhia Pern.im- a rua Kova de Santa Rita
j bucana n. 2.' ns. 55 a 59.
I Esta empreza de transporte d^ihercadorias, inaugura o trafego de suas linhas no
, dia 10 de agosto do corrpnte anno.
Scrvico da ExiacSo das Cinco Pontas para o fteeffc.
A emprpza encarrega-se da entregadas cartas vindas pela r-strada d> ferro aos seus !
freguezes, dp tirar e entregar lues ate as 8 horas da manha, as amoslras do assucar
chegado na vespera, pagar & vista do conhecimento o respectivo frete e fazer condozir o
assucar eos outros generos com amaior promptidao para o armazem dos compradores
ou recebedorcs.
Opreco do transporte comprckendidos os servifos acima mencionados, a carga,
descarga, e arrumacdo no armazem 6 :
Por S8cco de assucar................ 120 rdis.
Por fardo de algodao............... 160 reis,
Ancoras ou barris d razSo de.......... 2000 ceis'a pipa.
As cargas destinadas aos engenhos c remetlidas pelos freguezes da empreza serao
tfansporladas graluitamente paraaestaoao das Cinco Pontas, eserao recebidas nao sd
ondeixislirem os trilhos, mas em qualquer ponto dos bairros do Recife e Santo An-
onto.I
Servico do Forte do Iflattos para as ruas de Apello e Bruua.
A emprezeancarrega-se de rec+ber com 0 seu pessoal os assucares e mais genero .
dos trapiches ou do caes, com direcrao aos armazens das ruas do Appollo e Brum BI
quaesquer outras do bairro do Recife na proximidade de" suas linhas.
0 preco de transporte comprehendida a carga e descarga e arrumacdo no arma-
zem e :
Por sacco de "assucar................. 80 reis.
Por fardo de algodao................. 100 reis."
Por ancoras ou barris & razao de........ 10300 reis por pipa.
Recife, 1 de agos,to de 1874.
Precisa-se dj um escravo de meia id*de para
mtvico de sitio ; pa rna do Marqaez de Olinda
JO- i"
Aos 4:0000000
Bilhetes garaatidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 50, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 7004000 em
meio bilbete de n. 3671, e um oilhete inteiro de n.
24i0 com a sorte de 100, alem de outras sortes
menores de 40*000 e 20*000 da loteria que se
acabou de extrahir (123"); convida aos possuido-
res a virem receber, que promptamente serao
pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,que.nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesmes
aununcios
Acham-se a venda os'muito felizes bilhetes ga-
;antidos da 1* parte da' leteria a beneflcio da
igreja do Rosario de SerinhSem, que se extrabira
00 dia sabbado, 28 do corrente mez.
Preoos
Inteiro 4*000 I
Meio 2*000 I
De 100&000 mmrm eiia.
Inteiro 3*600
Meio 1*750
Recife. 12 df novembro de 1874.
____________'" Joawtm da Costa Ltitt
Engommadeira.
Preeisa ve de uma engommadeira para engom-
raar para duas pessoas: a iralar na traveisa da
rua do Vigario n. 1, das 9 boras as 4 da tarde on
no segundo sitio, depois da estacao do Chacon.'
PRESERVAT1V0 DA IRlfflLA
DO
CASA 130 OUHO WBacl,arel ^an,,el k Si(lueira Nan
>i 1. V V>.j
tf^4^S
Remedio efflcaz, nSo so para curar qualquer ataque de erysipela, como
para impedir o seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, acha-se a disposicJo do Publico
,com as respectivas rastruccoes, attestados de pessoas notaveis! e de Medicos'
do grande reputacSo.
Depositos unicos.
- Recife: rua do Barao da Vic* ria (rna Nova) n. 40, casa do Sr.
Rocha Siqueira.
Rio de Janeiro : Corte, rua do Ouvidor, n. 78.
Gratis aos Pobres.
AGUA DECfflNOUN4
PARA TI\GIR INSTANTANEAHENTE OS CABELLOS
PREPARADA POR
BARTHQLOMEO & C.
Phariuaceuticos da Casa Real de N. 51. F !-.'! Rei de Portugal
premiados em diversas cxposif des eoiu o prcaseirs nremio de
sua classe.
Unico composto, cuja b;.se principal s3o principios vegetaes, que pode p*>r isso ser
usado porlempo indefiniJo sem 0 menor receio de alteracSo de saiide. Esta agua admi-
ravel da" aos cabellos, 3m poucos minutes, uma cdr 0 bi'ilho natural, desde 0 caslanfco
ate"o negro, e ao contrario detodas as tinturas conbecidas. tern um aroma agradabilissi-
mo, que facilita 0 seu uso a's senboras, ainda as mais difficeis. Affiancam-te os seus rc-
sultados e effeitos inoffensivos, quer a appiicagao soja limitada a barba, quer eomprcber.-
da os tabellos da caber;a.
11FPOSITO GEBtL
Pharmacia e drogaria
34Rua larga do Rozario34
Pofos (ubulams inslanianeos
DE
Estes pocosjque tem provado ultimamente muito
bem em todas asfpsrtcs aonde foram collocados, emcoa
sequencia dos aperfeijoamento- nelles introduzidos, con:>
nuam a vender-se por precos muito baratos.
A tratar na pharmacia des Srs Maurer d C.: rua
do BarSo da Victoria (outr'ora Rua Nova) n. 25 das 8 b>
ras da manhfi ate ds 4 da tarde.


I IMIIIFM If
Constructor e afioaor de pianos
55Kua do lmperador55
FALSIFICA?OES
DAS PILULAS DE BLANCARD
Quern scientamaata Tode Dm mediuaeAo hliileado oeatra-
fciio se fai cnmpliM de in f.lsirle moliu vein camproiHtta
i cands do doeute ttpoia da abnar da am eontine^a.
A repsbeflo cada vei maior de oossas pilulas
tem animado em quasi todo.i os paizes a audacia
dos falsillcadnres. A cobicia Ut mesmo com que
muilos d'elle- 1cm se atre'ido cm substituir o
iudurelo de ferro pelo vitrisloM !
Rogamus aqoi encarecidaiaente aos oossos fre-
Juezes para quesempres e certiGquem rta origem
as pilulas que traiem o nosso nome, appellando-,
entre onlros meios praticos, para a boa fe dos
nossos collegas os paarmaceuiicoi. Sem dufida,
Am vgrw'tlelr Wli.li.it *c Blanfrd e aehii* em baa* akarautalaa
estes honradoi lotermediarios Jolgarlo qne lb.es
in cum he o dew de comirar lao somente as tei-
hiiuhas riLULs > blncbdqner om nossa casa
em Priz. quer em casa
dos nossos correspen-
dem -, queremfimnas
casas de mais repata-
c5o de seu pair.
Pharmaceutico, rua Bonaparte, 40, em Paris,
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel 4 Herz, e antigo direc tordar
officioa da casa Alphonse Blondel. .,,-.
Tem a honra de declarar ao respeitav-1 publico desta cidade, que tem aberto
sua casa de concertos e afinacdes de pianos, qualquer que seja o e&tadp do instnmento.
A' mesma casa acaba de receber nm grande sortimento de pianos dos melbo-
res fabrfcantes de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herze Alphonse Blondel) todo
os pianos sahidos da casa Dbibant sao garantidos
_________Compr*-se e recebese em troca os pianos usados.
J
I
II
Lindas popelinas de linb.. com salpicos edc listras
assetinadas pelo baratissimopreco de 20 rs. o cova rua Primeiro de.Marco n. 13, loja das columnas, de
Antonio Correia de Yasconcellos.


:'
.

Diario de Peraambuoo Quarta feira 25 de Novembro de 1874.
GELO
NJLo
HA MAIS FALTA HIS, C.YXO
AGORA HA COM ABUNDAN&A
Gelo para almo Gelo para lanahe Gelo para refrescos
Gtelo para jantar Gelo para sorvetes
Gelo para ceia Gelo para remedio
Gelo para vinho Gelo para banhoa
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
Gelo para conservar peixe
Gelo para conservar carne
Emfim, gelo para Todos; e para qualquer Uso *
NA
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe n. 38.
Aberta nos dias Meis das 6 horas da raanba ate cs 5 toru da urde, e nos domingos e dias
Santos at* as 11 boras da manhi. "
N. B. Os pedidos
feitos com anteeedeneia.
ESCRIPTORIO
de quantias grandes para os vaporea on para fora da cidade devem ser
Rua do Commercio d. 40.
FUNDIQAO DE FERRO
I* m do Barao do Triumpho (rua do Brma) ns. 100 a 104
CARDOSO AffiMAO
AVISAM aos senbores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral qu
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machina s ne-
eessarias aos estabetecraentos agricolas, as mais modernas e melhor obra qoe tem vindo
eo mercado.
V aDOreS de force de 4, 8 e 10 cavallos, os melbores que tem vmdo ao merado
OalaeiraS OLOenQaS mteiraS e raeias moendas, obra como nunca aqni veio.
TaJXaS fUildidaS e batidas, dos melhores fabricates
IvOQ&S u agua COm cnbaje de ferro, fortes e bem acabadaa.
RodaS dentadaS de todos os tamanfeos e qualidades.
Relogios e apitos par. eTapora.
oOniDaS ArauOS &e diversas qualidades.
Formas para assucar,grandese pequenas.
YarandaS de ferro fundido, franceias de diversos e bonitos gostes.
JOgOeS trancezeS para lenha e carvSo, obra superior.
DitOS ditOB para gaz.
Jarros de ferro fundido
P6s de ferro
Machina
Valvulas
para ardim.
para mesa e banco.
para gelar agoa.
para bomba e banheiro.
CoiTeiasiuglezaS para macbinismo.
oanCOS e SOiaS com tiras de madeira, para jardim.
OoncertOS concertam com promptidao qualquer obra oc macbma. para o quo seem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
BnCOimnendaS mandam v>r Por encommenda da Enropa, qnalqcer m.acbmkmo,
psra o que se correspondem com nma respeitavel casa de Lrmdres
com urn dos melbores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandsr ssnta
titas mauhiuas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bruini ns. 100 a 104
F U H D I C A O DE CARDOSO & IRKAO.
PUNDigAO DO BOWMAN
RDA DO BRDH N. S2
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engcnho e outros agricultores, e compradores de ma
thinismo o favor de fazeruma visita a seu estabelecimento, para vecem o novo aortimen
to complete que abi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao ; o que com a ins-
trucgio pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUG AH DE SUA FUNDICAO
V apOreS e rOdaS d agua dos mais modernos systemas e em taraanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senbores proprietarios e para descarocar
algcdao.
Moendas de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
RodaS dentadaS para aoimaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MachinismOS para mandioca e algodao,e para serrar madaira.|MP SSS.'ffi
BombaS de patente, garaotidas........ Iff Jfc "*""'
lOdaS aS maCIlinaS e pecas de quo se costuma precisar.
Faz qualquer COnCertO de machinismo, a preco mui resumido.
cOrmaS G6 ierrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
iSinCOmmendaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo & vontade dot
clientes, .lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedia de pessoa
enttndida, e que em qualquer necessidade pdde lhes prestar auxilio.
Arad0S amerioanOS e instn.mentos agricdas.
RUA DO BRUM. N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
ESCRAV0 FUGID0.
Fngio no dia 11 de outnbro proximo passado o
eseravo Jose, molato, altnra e eorpo regulares,
lenias arqueadas para fora, pes cbatos, falta de
lentes na (rente, levou oami=as brancas e de al-
godao de listras, calcas de caemira e de argodao,
chapeo preto de feltro. Esto eseravo ja foi regadn
no eogenho Carrapato, termo do Itio Formoso. ^
de presurnir que toma^se o uie?roo desliao : roga-
e as autoridades policies e capiUes de campo a
sna jfpprebenaio, e leva lo a rua D. Maria Cesar,
outr'ora Senzala Nova, n. 30. qvui ;e gratiQcara.
Na rua das Flores n. 7, precisa ?e alogar
nma escrava para irafego de rua.
Aluga sea casa da rua da Pat ma d. 63, roui
to fresca e com grandes accommndaiSes para fa-
milia ; a eotonder se com o Sr. Bernardino Pon-
tnal, a ma da Hadre de Deos n. 36.
Na rua do Rosario
crava para alogar.
n. 16, ha rn.is nma es-
(Ju 'm precisar de urn official de m&chinista
ferreiro com as habiiitacoes necesaarias'para qual-
quer trabalho tendente a ferro oq metal, e tomar
coma do manejo de engenho, sendo fora desla pro-
nincia, pode dirigirse a ma larga do Kourio n.
18 que achart com qaem iratar.
" Aluga se uma casa terrea com sotio, a ma
do Amparo n. 14, em Olinda : a tratar na rna da
Moeda n. 3, andar.
Alienee
\luga-se uma casa com aotao, na raa da Boa
Rora d. 6, em Olinda : a tratar na ma do: Gua-
rarapes n. 10. on em O'.mda, no Varadouro n. 4.
ODILON DUARTE & IRMAO
aBELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
TJiPERATRtZ
jt. ANDAR.'j
i
RUA
ctr.FMlO
SFfvmMS I
DA
1MPERATRIZ
l. ANDAR.
Aluga-se o lerr^iio andar do suliraio n. 12
sito na ma de Marc'itio Dias (outr'ora rua Direita
derrpnle do oitao ia ipreia do LivranKtito, por prv
co.modico: quera precisar, dirijvsc ao prtmeu
andar do sobrado n. 36. pa mesma ma.
~MWiminiiiiinii i'i
Dr. Alexandre de Soata Pereirn du
tarmoi
0 abaixo assijfasdo maoda tielebrar, pelo eterno
descanso d'aliua do seu prciado e serapre lem-
brado amigo o Or. Alexandre de Souza Pereira
do Carmo, uma missa as 9 horas da mauha do
dia 28 do cerrente, uo convento de Nossa Se-
nbom do Garrao, e cocvida nio so a Exma. fa-
milia, parectes a amtgos do iliujtre liua Ju, como
tawibem atra seus aoteoa para assistirem a esle
aclo pio e religiose, pelo que desde ja se coufessa
eternameote agradecido.
Joaipim Bernardo de Haadoaea.
Acnuam de retormar o seu estabelecwnento, cx>Hocando-o nes melhores con-
dic?6es possiveis de bem ser vir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
quillo que for tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo pera senhoras, tupeVe, chignon,
coques modernissimos, tran^ss, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu
mutares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que iia de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
perfei^So no trabalho, agrado, sinceridade e prego razoavel.
Penteara senhoras, tanto no estabelecimento eomo fora ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensllios pertencentes A arte de cabelleireiro.
ISSENCIA CONCEN
C^%
Premiada nas expo-
sicoes de Pernambueo
s Rio de laneiro.
MEDALHA l& PDATA.
41 Rua do Imperador 41
O novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o fim de
conservar os creditos de unico neste genero, tem reformado e melhorado completamente
O mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeicao em todas as prep*racoes, aceio c medicidade nos precis,
compativel com este genero de drogas".
Chegou a grande remessa que fizemos de pharmacia homeopatkica de J.
Epss & C, de Londres, composts de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Rhus, de JBuvonia, de Arnica e dep6s especiaes para dentes.
Tem d disposiQao dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure me
Tem carteiras de giobulos e tinturas de 12 medicamentos ate" 120, A escolha do com-
prador .
WSTOCAORS
Pharmaceutico
Fela
esrola de
Successor de
Paris
Premiada na expo-
sirao de Vienna d'Aus-
tria.
MEDALHA DE MEBITO
!!!
i mo mi
\p\\h para o fuliiro
On a futura. .
Tempo ou oecasiio
Em qu* se devem .
Realisar. ...
'.puns casamentos
Para o gue. .
Desde ja e ja. .
A confeitaria. .
Do Campos. .
Sem rival. .
Esta se preparando
Para fornecer tudo que e
Necessario. .
Aos noivus e ao^> convidados
Isto e. .
Biujuett-s de novos gostos
Bandejas de novos go^tos.
Tudo a capricho
Dos proprietario" da. .
Confeitaria do Ca.iipoa
21 Imperador 24
.E no intuito de merecer a preferenei', nao tem
po'upado despeias para aprcseatar
O que ha de melhor e nunca vfcld.
os sen ho res
pintores.
Olet^ de linhaeii a 18800
o
<" arnia?in
!pera amordedura de cobras.
, Chocolate homeopathico.
Para bexigas como preservativo. Cafo homeopathico.
China cruzeiro, para inUrmittentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras. .
Tarantula, para paralysia.
Tintura m2i d'arnica, para contusdes, cor*
tes, etc.
ria.l
enao A CHEGAREM
Elor d'araruta..
P6s para dentes, inglezes.
;Jeric6, para rheumatismo.
Matta-matta ou jaboti, para tosses.'
Espirito
ra.
de fiahereman ou de campho-
mm SA1SSET J. SODM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriQcador do sangue. sem mercurio.
A Essencia de Caruka e um remedio hoje reconhecido como nm poderoso depura-
tivo e especial para cura de todas as molestias que teem a ana origera na irapureza do sangue.
como sejam : as molestias Syphuiticas, Bqubatic/.s e Escrofdlosas, Rheumatismo, mpingens, Dah-
tbos, Ulceras, Eropcoes, etc. etc.
Os prodigiosos eSeitos que tem produziifo a Eesencia de (aioba, por toda parte
onde ella tem sido apropriadamente experimentada, a tem feito adoptar como um d os medicamen-
tos mr.is seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza*- ajphiilica
boHbctica.
A cada frasco aeompanha uma instruccao para a maneira de usar.
gala?)
de tintas da rua lo
dor n. ii>.
tmpera-
o
lisa-se Juear uma oegrinha para earr
!; -. .1 ..
n. 1*9.
! i mezes :
Aluga e a sala e aicova do l.
no todo o 1- andar, proprio para (
pt^uena. ramilia : .1 tratar n-^ rua
'-axiis dji fnja n. 35
;u> .... e mi s-
'io i a
do I);'i|!i3 da
Pomada anli-darlrosa
Contra as affeceCes eu'.aneas, darlhros, comiehCes, etc., etc.
Ingoento de i.mh
Para cura das boubas, nlceras, cbagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
R0UQ0AYR0L IBMAUS, SUC? ES ORE
Botica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTIGA RUA DA CRUZ )
l\a b ttiais rabclb
bmuM,
-Tintur.T japontta.
> auicA-.anpnAada pelas a-ademiaB da
;'- iin.'M,i superi r a toda que
tem :\v-'-rni'i>io al6 b'o|e. uVpostto i-:inci-
pal dru-a Ja Cadeia ques de OJio !,i n. 51, r mdar, em todas
as boticas e cas;.s du cabelleireiros.
Qpodeldock d'Arnica.
DitodeRhus }.
>para rhematismo.
Dito deBryoniaj
Acha-SH .loiistantemente a testa do estabeleciraente e inspeccionando todas
cara^des o Sr. De. Jesuino Augusto dos Santos Hello.
COftSULTORIO HOMEOPATHICO
Cactuc grande florus, para pneumonias
molestias do coracdo.
as pre-
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N.45 A.
LO JA DE JOIAS
DE
JOSE JOA01HI DIAS DO REGO.
Is to ina JA iiito 6 lic|uIda-Io t e qaeima !
O protirietario deste nov.i estabelecimento atnrdido com o inesperado estridor dos gritos que
urcem de t->d >= ^ngoio? desta gra-'de cidade, anounciando a liquidacao dos estabelecimentos de ioias ;
e receioso de flcar >OSINHO, apenr de bem avaliar as grandes vantagens que neste caso deveria an-
ferir tomou a inabalavel resoluclo de QUEIMAR todas as suas joias, com o unico fim de eneorporar-
se a grande caravana, e, Mm ella, seguir em romaria para.......e segredo f
A pyra e*ta ardente as vjctimas aguardam brilhantes o momento do sacrificioso fa
os sacrifieadores. .
I>to potto, espera se, com justa razao, nma grande concurrencia dos amantes da econ
qne nao devem perder o enejo de se oroverem de objectos taes; e devero-n'o ainda assim fazer,
que depow de todaa es^as liqnidacSes, com o novo anno, acabam-se as JOIAS desta cidade, e nao
tera publiio aonda dellas posa prover.
Aellas! A ellas !
Salsaparrilha de Ayer
PARA PDBIFICAR O SANT.rK.
Bods pianos.
mm DE ML
Gurgel do Amaral & C, a rua P imeiro de Ma'co n- 20 A, receberam um grande sortimento
de chape g de sol de seda, lisa e trancada, com bonitos cabos de unieorce, marfim e madeira, e
vefrdem-o8 a 0i e 7#, aendo este preep metade do sea valor.
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Rua do Barao da Victor.a, outr'ora Nova' N 7.
O dono deste estabelecimento tendo de ir a Europa, vende a precos baratissimog cdos ossens
atngos, como sej* m : v r *
Calcado francez
para homeni
enhora,
meninos
meninas.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Milias de vime e de ftia.
O renome do qno goza este ex-
cellente remedio e" devido a milha-
res de cures que tem operado, mu-
itas das quaes sao verdadeiramcr.te
maravilhosas. Innumeros sao os
de
Vende-se muito' em conta, cadeiras avuisi I Ue
balanco, de bracos e de dobrar.
Perf'umarias.
Finos e^tractos, batihas, deos, opiata e pos den
irifice, agua de flor de laranja, agua de toilletc,
divina, florida, lavaode, pos de arro;, sabontes,
cosmeticos, muilos artigos delicados em perfama-
ria para presentes em frascos de extractos, caixi-
ojias sortidas e garrafas de differentts tamanhos
d'agoa de Cologne, tudo de primeira qualidade
dps bem conb.er.1do9 Dos melhores e mais modernos raodelos
Blonde) : vende-se. troca se e aluga-se.
Quinquilharias.
Artigos de diifereutes gostea r
phahtnnias.
Espelhos, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinbas
camvetes, caixinhas de costura, albuns, quadros.
e caixinha8 para retratos, bolsinhas de velludoi
ditas de couro, e cestinhas para bracks de meninas,
enreotes, bengalas, ocnlo, pmce-nez, ponteiras para
charutoi e cigarros, eacovas, pentes. carteirinba de
aiadreperola, tapete para lanternas, malas, bolsa?
de viagens, venesianaa para janellas, esterioco-
pos, lanternas magica,cosmoramas, joges da gloria,
i uWa*' de baBate,la. quadroa com paisagens,
giubos de papel para illuminacSes, machinas de
later CafA ruunnlnrui ilui.^U; >.n>Uw,a Ar, m~L*
aser caf6, egpanadorea depalhas, realejos de veio,
accordaos, carrinbos, mamadeiras de vidro
dar lute is criancas. e
para
. moil s i utros artigos.
Bririquedos para, meninos.
A tuaioi vanedade qu^ se pode deaejar da to
dos, o, brmquedos. far.ricados em liiCft.rntea partet
aa fcuruoa. para eou-etimentoa das criancas. tudo
pmw mais re?iim.i;s5ivat;
promptamente restituido a saiide.
As affeccoes e desordens, ncgraTa-
das pela contaminacao escrofulosa,
UK produzirem dores mortificantes.
Mm Hdc torn radical e tam geralmente curadas por eUe, em
todos cs pontos do Impeno, que o publico mal precisa de ser
Informado das suas virtudes e do modo de usal-o.
0 veneno escrofuloso e um dos mais destruidores inimieo*
da raca. humana. Ore. senhor8a.se occulta e traicoeiramenW
do nosso organismo e dejxa-o fraco e inerme contra molestias
tttaes. Ore, patenteia a infeccSo de que corrompen o corpo
e entao, em momento opportuno, lavra rapidamente sob algTi-
ma de suas hediondas formas, ja na cutis ja nos orcams
vitaes. Neste ultimo caso deposita, muitas vezes, tuberculos
nos pulmoe. no figado, no coracao, etc., quando nio se man-
lfes ta em VeSet, tnmores, etc.
EA inim^> She perigoso e tam perfido nunca se deve dar
anda, c p.-vem. o 6 sempre melhor do que combattel-o.
b^T.,8,".' a,Precerem os proprios Qmplhotna* actitxx,
23J?" a?LS?J->*" resultauos fanestos. -
Aip6rtMq>M softr-m de XTry.tpela,, Fogo de 8. An-
*to> Bartro,, Empigen, Rheumatismo, Tumores,
metro*, e sensibilidade dolorosa nog ouvidos, olhos, 4c-
anos OSSOS! Dypepita ou Indigeetoei; Bydropeeia,
arotestias do Coracao e do Figado, Epylepiia, Jfev-
ralgia n de varias outras affeccoes do systhema muscular
oervoso, acharao seguro allivio usando desta saxsaea r-
KIZ.BA DE AYER. "^^
A SyphilU ou Moleetiat Venereal sao curadas com o
sen uso, poeto que seja necessario mais dilitado espaco da
tempo pu-a subjugar tam impcrtinentes enfermidadesT^
A Zetieorrhea, ou Eloree Branca; as ulceracdes uteri-
nos e em geral as molestias das mulheres sao tambem allivia-
das e uiteriormente curadas por sea effeito purificador e
vieorativo. # r ,
O RhmntaAsmo e a Gotta, quando causados por accu-
muJacoei oe materias extraahaa ao sangue, cedem-lhe facit-
mente, de mcemo modo o Mal de Figado, Congest ou
Inflaminacao do Figado, Ictericia, quando sao oriundaa
ae maus reeiduos no sangue.
A 8 aaparrilhii e um exceUente raUuridor da
rbri-ii e vigor do ysthema.
Asim, todos os que soffrerem languor, Phlegma. Bet-
mtaioi, TnsomnUt e que sSo incommodados com Appro-
memoes e Temor A'ervosos ou qualquer outra affici
proreiiiento de Debitidade, aclmrao do seu poder r
0 mais seguro expedlente de prompta cura.
PARA O
Natal-folia
Pa f-Jta todos desejam
Ver o dia resplendente,
Dia que nos leva a MM
Uo intiniro as altn"Vis
Onde oi anjos q amor beijam
E a caridade iestejam,
Term as a'mas sepultoras
Nas estrcilas qne flammejam 1
E nesse dia em qne tem
Do jubilo rargar o ?ek',
Saindo Ibe bem do roeio
A ciatera da alegria :
E' preciso que < amantes
Da pura gaMronomia,
Venbam ja e quanto antes
Do Campos ao atmaiem.
Porqne so assim terio
A rciencia do praxer :
Comer bem, melhor bebcr
Sem reeeio da maldade
Nein da vil sniiersticlo,
Qne jama is conseguirio
Supplant, r a liberdade.
Nos carceres dain.^uisii^io t
Bloa do liiipcrailor i. 28
Do prr in viva o requinte
Alegre coao o truvio,
E da mea a de?cripca
Rtvarem : i a *-guiate :
Mesa gignnta.
Presnn'.o*, Oainbre*, pav, ehi ar;fa,Ml'fcicha.-
e linguicas ; l.rr.bos de p aves em wtenja, pe ixea e toucinho ; eaaiaroen
oslra, lap. Ma* e cf* bos com beiTilhas; conaerra*
legumes e champigWMS ; qatiioa H'ineng9,pra-
loaa lon(rini)!> ; d-ce* rm catda e de gmt-a ;
fructas em consrrva, ia>.a?, imeudoas, mMt* *
atneizac ; ah tria, talharim e macarrao ; ararnta.
to;ii;ca e ciucinnta i,u;.lidadis de n,a?8s liaas e
nutrientPi : rlia, mate, caf e ch eclale ('ancez,
bespanfetfl, portuguei e naciooal ; bolac liBtU",
bolinho? e coofeii'", manteiga inglez* e fraaceza ,
bar.ha, arnz, batata?, cbolla, a!his, coniaho*.
pin ecu, mo-taida e muliw inalez; cervejaa, ci-
dra, cham|>.- hitters-, Kaorca de Lis-hoa, Figueira, Careavellw, Cellars Bair-
rada, Bastos, Potto, Rrgcnba e Itttdcaut, ci-
garros, chatutos e uma grande i giganta 1 < qoao-
tidade de victuallias rarae e rxciiantej, nio laJ-
lando na^ allemaes irgleze, tor-oh, chine7e, hollaadezes.
tialiaco?, prusisianos, hambnrgnezes e tiaeriear
uos I
Alem do que:
En< onlra-fe nm immen'O depoaito de *, mU-
des, como stjam : velas turada>, (?) Ureidas i!) e
de ecores, bilha*, qnartinha*. e oatD. moi-
tos objectos de gr.nndes phzntas,a ; a> maravilhc^o oleode amaaaH pnpania .xpre*-
aroante para coafratera pgaffamaaai e appla
car o systerr.a nervoso Vt para c^er.
Distr^C(;oes:
O? amantes das paanra Ina i .. nc u-
tr^ra no (Dado in ertaferMciaeate, a rm it mai-
t" fresco p agM fria. I s M n- ss as-
sf:iJ?, des inadas aa tervici do K mtaaoa aaantm pud, ran laMNavca a. m am-
vioso do uma 'legante mosk*a ' Ihi.res canl-res american< s e o, e s*o r,
por uma Mebaria aawrtJta a aanaMaj
Moralidad dacou^a.
E' iimntnso a sor'.iaeaM
E se nde pelo cnMo. *
Pelo <\w e muiti j i-t9
?6 ao C .rr|. \x ;
VkM que e um IMI
Dos generis n "! 1 ,r 1
Preeitate atafai nmaeecravi
na rua da Im eratriz n. t.'i, ? andr
Triumplio da

:'v^ \ -




- ... -'
at


?''v

v*

untemposm m
meoto <>pe ur.iuKii.jr ra
i-urar aiiteriormci.io an a

W1WU BE lltl
I
TAMO ) TRATAMENTO
D*
IosSet ,..rx>,
AsthaMi, Tiii6ia,
Rouquidao, Resfriam
Broadatea,
Teaao Coan i
Dores ,le i'eito,
Eipeetom^iB de Sawat.
/ Com.-j em tda a paaJa ana ai,
dado da ^rpaaaa, do P*ifdot
OrSa da rc.pirarA, ,;
stormentam e fazeoa M,ffrer a ha ,
i maneira antiga de corar naiaalii ra|.
meute na applicacao di miiliiiiia ^c.
gnas sarjar ou applioar cxteriorin.'ute un-
^uentos fortissimos compost.is de substan-
o.as vPsicantes, afun de nnfluzir emuoll aa ;
cujos differentcs modos da eatw, a0 haaaa
senao onfraquecer e diminuit as forcas fa
pobre docnte, contribuindo por esta foica
d uma maneira mais faei! .- ,e:la para a ea-
ternndade a destruicao i.iiviuvel de sua
viclima I Quam dMhWBte ti pois o efl-ito
admiravel do
PEIIOSAL.DE AMCiSUIU I
fc.m vez de irritar, mortific.ir e cauzar ina-
ditos soflriraentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor
Allivia a irritacAo.
Desenvolvo e entendimem<-
Fortifica o corpo
e faz com quo o vstpma
desalojo d'uma maneira prompta e rap da
vestigio da enfermidade. Ot
ate o ultimo
ritEPARADA POR '
J. C Ayer & Ca* Lowell, Mass., E. V,
Chimieot Practices e Analytical.
VENDB SE POR
melhores votos em medicina da Eur,.pa
eutes dos collegios de medicina de Ber'li n-
testificam serem cxactas e verdadeiras es as
relacoes analogicas, e alem disso a ene-
nenciade milhares depessoas da Aman^
Uespanhola, as quaes foram curadas cca
PtITORAL DE ANAC.4B11TA I
Deve-so notar que este remedio se aci a
inteiramente isento de vtnenos, anto min
raes, como vegetaes, emquanto qne alguitt
destes ultimos, e particularmente aquells
que sao dados sob a forma de opio, a acr>
do hydrocianico, formam a base da mai,*
parte des Xaropes, com os quaes tao ta-
cilmente se engana a crodulidjtie do pu-
blico. A composicao de anacahuita pearv
ral acha-se linda e < liriosamente engarrafaca
em frascos da medida de cerca quartilho eada um, e como a dose qua aa
toma e so d'uma .-olher jwquene. bmaa
geralmeuto a applim^ao d'nm on duu fraj*
eos para a effectual de qualquer cura.
Acha-se a veuda em todas as bwti'ai.
H. Frosteis & C, agentes.
J


i**m m mmittm^i^'-Qfitma, mtb 25 d*> Nwantea to m*
I
,. ,.,.--
Toda atfcencao
Ifetatha Se, com frente para a rua da Atnizade,
sobre iOi palraoi do fundo, oma porcao de opliiio
terreoo para edill a'CAn, tirada do sitio contiguo
a igreja de S. Jo8 do Maogolnno, da preee de
50* por palmo. Aqoella frtBte e toda murada,
beui como a parte posterior e a lateral extrema :
? prel-iidanies polem enten'er se com o Sr Dr.
Witruvio
Afilh-adose afilhadas de A.n-
tonio de Azevedo Villa-
rouco.
Manuel Aievedo de Andrade, teStamenteiro do
lD3d j Antonio de Aievedo Villarouco, faz sciente
para c aheciraento dos interessados, que ate hon
tern, 10 do currents mez, Ihe foram apresentadas as
eertidde* de baptisrao dos afiihados e afilhadas do
dik fioajo em numero de 8, e sao as seguintes :
Antonia, fllha legitima de Manoel Banto de Mendon
fa e de sua muliier Roza Maria de Je as -Anto-
Bio, filno legitimo do Dr. Miguel Joaquim de Cas-
tro Mascareohas e de sua mulher D. Isabel Emilia
Goncalve* MasearenhasUmbeiina, filha legitima
do Jose Ferna "de* Bastos e de sua mulher Candi
da H^li dora de Jesus BastosAntonia, filha legi-
tinia de J so de Azevedo Villarouco e de sua rou-
Uvr Maria Fraocisca de Brito-Jofepbina, tilha le-
Stima de Joao Machado Brandao e de sua mulher
>za Maria dcOliveira-Maria, fllha legitima de
Francisco Xavier de Sa Leitao e de sua mulher
Rita Baptista de Sa Leitao -Joao, filho legitimo de
Antonio Goncalves Ferreira Junior e de sua mu-
Ibtr Huilhermina Goncalves de Paula Ferreira
Carolina, filha legitima de Francisco de Amaral e
de sua mulher Emilia Roza de Je.-us.
Faz mais sciente o abaixo assigns do, que, peran
te o lllm. e Itvm Sr. vigario ger.il deste bispado,
*Aa um filho do fioado Joao Martins Ribeiro pro-
duiindo sua juMificacao afira de provar que lam-
bem afllhado do referido Villarouco, visto que a
certidao de baptismo por elle exhibida nao prova
e hastaote para poder ser attcndido.
Declara mais o abaixo assignado, que tendo
mandado publicar em Portugal um annuncio con-
vidando os atilhados e afilhadas do mesmo Villa-
rouco que n'aquelle reino houvessem, a igualmen-
te se habiiiiarem com suas certidSes de baptismo a
concurrer ao legado que lhes foi deixado; aguar-
da a chegada de proximo paquete da Europa a 25
ou 26 di> crrento mez para ver se por efle vem
alguma certidio ; e logo em acto continuado pro
ced-ra a divisio da qnantia deixada com a igual-
d>de roeoromendada pi lo testador.
Recife, 11 de novembro de 1871.
Manoel Azevedo de Andrnde.
MTITBfO mim
RuadaRoda n. 48, sobrado.
Primp r*s Mtrss, porluguez, francez, in-
gb?i, r)snbo linear e mtisica.
Sob a direccao do professor HVrminio
Rodrigues deSiqoeirafuoccionam ditas au-
las lodob oi dies oteis.
R-ci'be alamnos interims, meio pensio-
sistasf exteroos ; f'-rneeetodo o mat'rial
para escrtptfl p. livros aos principiantes, por
yrrqi s muito razoaveis.
Alugam
Boas casas de
Poco ii I'auella ;
Ta-:- .
se
eampo na Cruz das Almes
a [ratar com o commendad
Boiis banhos e dormfda fres-
t ci no Monteir .
All se ;i!i por preco commodo ami c.ifa pe
qn | t-m 2 .-alas, 3 quartos, eciinha e boa
' p rto dj rio : a tratar na rua Nova,
Vilkido hhnarcs
Na padaria denoaiinada Maurily, nU na pra^a
deste nome, ca.-a de -zuIhjo, n. 2, nV-ta villa, esta-
beleeimento de Francisco Serapbico de Asms Ves-
cou iellos, fabrica-.'e com a major perfeicao, li-
peza barateza, pao, bol .cha, e tudo qaanto se
pode obter da farinha de Irigo 0 annuneiaute
protesta servir com esmero e agraJo a todos quan-
tosquizerem honrar seu estabelecimento e se cons-
tituirem fregnfies e conjumidores.
Moleque lugido.
GratiQca-se com 50,000 reis a quem pegar For-
tunato, moleque de 13 a 14 anno?, preto, baixo,
ch-io do oorpo, ro*to e cabe$a redondos, nariz
chato, cabelto3 carapinhos e cortados de fresco ;
ausentou se na tarde de 10 deoutubro do corrente
anno, com camisa de ma dap Ian, ealea de brim
de cor, desbotada, e ehapeo de massa preto. Gra- J
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, oo na
rua da Aurora n. 165.
ADVOGADO
,B ACIAREL JOAQEIH GUESSES B
SUVA HELLO.
S3 Baa e8(rela do Rosario 3
primelro andar.
Na. trayesssu da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro 'sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia,
Na mesma casa
CotopTa-Se os mes-
mos metaesepedras.
AlTlfl PlBcisasede nmaytrm, forra ou es-
Olmda) n 5t, 3. audar._______ v
r^recisa te de ami arm para fiozinhar
para casa de familia de tres pessoas :
a enlender-ae na rua do Cabaga n. 3, Ua do Col-
lar de Ouro.
Ama
Ama de leite
Preeisa-se de ama ama de leite : na rua de S.
Bora Jesus das Crioulas n. 40.
Aos 5,000 covadofrcfcla
A JLGO rs.
Na loja do Pavao vende se lizinhas de muito
bonitos irostoi e delieados padrdss, fazenda nova
no raercado, pek) dimioalo prtc/i de 160 n. eada
um covado ; quem deixara de fazer vestidos de
Ii tao bonitos e por Uo pouco dinheiro? Forne-
cem-se as amostras: na rua da Imperatriz nurae-
ro60.
LIQUIDACAO.
Yendo-se
ama casAn* villa de Barreiros, na nu do Co
mercio, por preco modico : a tratar com Taw
Irmaoj & C. ~
, Precisa-se de nma ama que cozinhe e com-
pre : na rua da Cmcordia n. 43.
-* Precisa se de uma ama~para coraprar e'
eozinhar para pouca familia, que seja livre on
escrava : na roa da Cruz n. 32, 2. andar. |
Ama Pre8ase de nma ama qne safba en-
mm, 4g,m n" Com, Peffe'C*o para casa de la-
mllia : a raa Duque de Caxias- n. 91.
Precisa se alugar nma escrava para vender &Bo,iDas de du'raqiie, de cOres, com
pa rua : a tratar na ma do Cattnga n. 3, fr andar ^.i^'5 x/ a s'? "I
Precisa-se de uma ama escrava, de boa con-
ducta, para toda o serviuo de ama casa estrangei
ra dajMuet familia : a tratar na rua da Aurora
0 Paris n'America esta liquidaodo os cal^ados
pelos seguintes prejos
caono alto e
5 Consnltorio medico
1 DO
ii Dr. Murlllo.
ft RUA DO VIGARIO N. 1, ANDAR.
d Recem-chegado da Europa, onde fre-
J qaenton os hospitaes de Paris e Londres,
fti podera ser procurado a qualqaer hora do
"j dia ou da noite para objecto de sua ro-
fS fissao.
Consultas das 6 is 8 horas da manna" e
do meio dia as duas horas da tarde.
I
GRATIS AOS POBBES.
Especialidades: Molestias de senhoras,
da pelie e de crianca.
38 QC Cravos
Na rua da Uniao, atraz do Gymnasio, ns.
47 e 49, vende-se sempre cravos brancos e
encarnados.
ALU&A-SE
uma grands casa terrea com bastantes commodos,
ma na estrada do Lucas : a tratar a rua do VI-
garin n 31.
Do-.inpareceu d.? uma casa de familia, ho
arrabalde i'arnamoiriiu, um par de Lrincos de ou-
ro, em forma de gLbo (p:ira um pine..' nez de mola, inalez, ^com o nome
do fabricante, um trancelim nn", preso ao mesmo,
tudo de ouro : chama-se a altencao da policia so-
bre o rapt.T de taes objectos, assim como pede-
se a quaiq ier pessua qae noticias delle liver, ou
Sue lhescjiiii masmo ufferecidos a negocio, abon-
ade de dirigir se a esta lypographia, onde dir-
se-ba quoin 6-seu legitimo dono.
ioj
Criado
i da Alegria n. 40, Se precisa
8-i i ipi i de coziiilia.
de um
Casa no < 'axanga.
Aiuga se duas rasas na povoacao de Caxan-
ga, tenio nma duas sal.is grandes, 8 quartos e
1 gabinet,-, 1 prando torrapo e cacimba ; e outra
com dua* pcqncnaa calas, 3 quartos c cozinha.
ambas pcuxiroas an rio e a ettacao : a tratar a
roa dos Pins n. 22.
ill'-4* Pi"eci*-8e de nma ama escrava,
AltI/i 3^,!.'^ enomrnar,^ mais servigo
Neva a. M
de casa de peqnena farhilii : na rua
Botinas de duraque, de cores, bordadas. canno
alto, a6* III
Botinas de duraque com laco a 34.
Botinas pretas gaspeadas, canno alto, a if, St e
6^000.
Botinas li-as e enfeitadas, para meninas a 3f,
Bi (inas de Suzer, de cordovSo com ponteira ee
verniz, pa.a horaem a 8i. Aproveitem, que e
barato. .
Esta encouragado!!!
Apr ua mole em peilra dura
Tan to da at* qae afura.
Roga-se ao Dim. Sr. Ignacio Vieira de Mall
scrivao na eidade de Nazareth desta provincia, j
favor de vir a rua Dnqne de Caxias n. 36, a eon-
oluir aqaelle negocio qae S. S. se compromettea a j
raaliaar, pela tereeira chamada deste jornal, em
fins de dezembro do 1871, e depois para Janeiro,
passoa alfevereiro e abril d'e11872, e nada crimprlo;
por este motivo e de novo chamado para d
am, pois 8. S. se deve lembrar que este neaoci
de mais de oite arflios, e qoaado o Sr. sen filho
achava nesta cidadn.
Ama JagamaCMlna":, Cura das hernias, pelasfun-
Ahiga se barato I ^as ^e borraoha.
o andar teitee do sobrado da rua do Vhconde 9 n^,horos e mais aperfeicoadas das ate hoje eo
de Albaqnerque, outr'ora da Matrix, n. 24 a nneci(la9- _. _
ratar na roa do Cabhgi ii 11, loja.
compras:
4^%%
Compram-se
as collecgSes de lois provinciaes de Pemam -
buco, dos annos de 1849, 1853, 1866 e
1869 : nesta typographia.
"CHUMBO"
Velho
Compra-se cbumbo velho, col.re e IjUo : no
armazemda Ma amarela. a Iravessa da rua do
Imperador.
nbecidas.
vende-se
na
Pharmacia e Drognria
de
artolomeo A C.
A'
84. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vaccina.
Tendo b Sr. Dr. Jos6 Lourengo de Magalhaes,
montado na cdrte am complete servtco deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
mais recente, cajos tabos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34-rua larga do Rosario 34.
:enao
Contiooa-se a fornecsr comedorias para fora,
m-in'!andj-5e knur em casa d em cent i do que em outra parte ; tambem nos
encarregamos de fazer eontida para qualquer col
legio que os Srs. dircctores tenliam de pa^sar a
festa : qr.i-m preeisar dirija se a rua estreita do
Rosario n. 35, defront. do escriptorio do Dr. Leo-
nardo.
Aluga-se
0 2." andar e armazem da rua de Pedro Af-
fonso n. 59, o sobrad> de um andar e solao da
rua do Ho-picio n. 65, e o 1* andar e armazem do
sobrado da rua do Bom Je.-us n. 63 : a tratar na
ru;i Mr 'itar;- n. 3t
AO COMEKCIO
; ^ Baltar, Olivt ira & C. scientificam ao respeita-
Festejos
Grande ilquidagSo de fazondas finas o do
melhor gosto, para vestidos de festa, na
loja n. 44, & rua Duque de Caxias.
Popelinas de modernissimos padroes, covado a
600 rs.
Ditas de ditos a 15200.
E' \ l\VI filWllV Ditas de ditos a 1*400.
. A. IIEiLUUilllEi Ditas de ditos a 1*600.
24-Roa do Harqnez de.0liada-24 l?SwS KSSSSSSK.'Sa
Esqnlna do beeco Largo Smttado" zU* P"a VeSt'd''' brdad5 9
nla n. 24, onde encontrarao um grande sortimento : TETSW2S2ULS2?*wL tnL noin
de relogios.de parede, americanos, e cima de me- JPfiffSS. SSSftU TO.*"* P
Camisas francezas e inglezas, de diversas quali-
dades, a 1*500, 2*, 2;50) e 3*.
Collarinhos de linho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalhas de linlio para Fosto a 400 rs.
Lencos finos com barra, duzia 1*400
Ditos-ditos brancos, duzia l?50u.
Metins esc eezes, inteiramente novos, proprios
para chambres, covado 240 rs.
Me*as finisjimas, para senhora, duzia a 3 ~500.
Lazinhas, chitas, cambrias, madapoloes, algo-
dSes, brins, por precos baratissimos, bem como
ootros muitos art g03 que se acham expostos para
que em outra qualquer pane, finalmente tudo,
tndo se a cha em liqnidacao.
Tauchoilz Edition
COLLECTION OF BR1TI-II-AUTII0RS
Each voluras-1 200 .
Popular Library, run >ova n. 59
! Imperial fabrica de rape
area fina de Moreira db C.,
da Bahia.
Deste excellente rape, que se torna recommen-
davel aos amantes da boa pilada tem estabeleci-
x do esta fabrica o seu deposito a rua do Coramer-
Vende-se uma pequena armacao d fiver- cio *n- 5' qQe veaiem Por Junt0 e a retalho, fa-
zendose vantagem a quem ctrapnr porcao.
Fio de algodao da Bahia.
Teem para vender Joaquim Jose Gonfalves Bel-
trao & Filho a rua do Commercio n. 5.
Salsa parrilha do Para.
Cbegada recentemente teem para vender Joa-
quim Jose Gancalves Beltrao & Filho, a rua do
Commercio n. 5.
Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaquim Jose Gancalves Bel-
trao & Filho, a rua do Commerch n. 5.
na com todos as suas pertencas, nos Afogados a
rua do Bue : a tratar na mesma.
sa, dos melhores go-tos e qualidadcs, relogios dc
algibeira, de todas as qnalida.es, patente suisso,
de ouro e prata donrada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
fabricante?, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
de tod?s as qualidade3, tado por precis muito ba-
ratos.
O Monte Lima
tem um completo sortimento de galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoadura* dotiradas para officiacs, canutilhos e
enfeUes para bordadn. Tambem se encarrega de
Proprios para baftes.
Chegiram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimo3 cortes de seda com largas lislras
acnamaloladas c lindissimas cores ; cortes de tar
latana com palmas bordadas a prata, proprios
para Dailes : so na laja do Passo. a rua Primeiro
do Mar^o n. 7 A.
LIQIJIMCAO
Loja de fazcedas
Da
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas muito boa* para ronpa
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretas, SHperior, a 400 rs. o covado.
A\p acas de cores finas a 320 e 360 rs. o eovad<
So se vendo.
Ditas com Hstras abertas, fazenda fina, a 600 rt
covado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o covado.
Cretones, o.melhor qne tem vindo ao mereado ,
400 e 440 rs. o covado.
Cawbraias braccas, bordadas e abertas, faxend.
mais fina qae tem vindo ao mereado, e faxead.
de 2*000 o metro, por 1*000 a vara ; a m
eaoncba.
Ditas pretas com floras miudas a 200 rs. o eovado
Cambraia transparente, fina, a 3* a peca.
Dlta Victoria, fina, a 4*000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, com l
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o eovadt
E' pechlnoha.
Cortes de casemira de cores modems a 5*800 <
eorte ; e fazenda de 8*. E" peehineha.
Camisas de linho finas, lisas, a 35* a duzia, d fa
senda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
MadapoUo francez verdadeiro, 24 jardas, a
7* a peca.
Algodie T, largo e superior, a 8* a peca.
Gorgorio preto de seda para vestido e para eoUev
a 3* o covado
Toalhas alcochoadas a 4*500 a duzia.
Colchas grande* a 3*500 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* um.
Lencos de linho, abainbados e em eaumha*
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainbados a 3*M0 a db
zia.
E outros muitos artigos que se vende por
nos do qae outra qualquer parte e para se d
So ua torem queiram mandar ver as amoslrat
enganaja de
Gnilherme k C.______
Para o fabrico de chapeof
A NOVA ESPEP.ANCA receleu o arame propn
ANCA
para armat;5o de chapeos.
BAZAR
DAS
FAMILIAS
Rn^ Baqae de Caxias d. 60
1
araa
^est
a
E' sempre assim.
AO SEXO AMWEL.
A Nova Esperanga, 4 rua Duque de Caxias n.
63, toma a liberdade de avisar ao bello sexo, que
acaba do receber diversos artigos dealta novi-
dade, os quaes estao expostos a vunda em dito
estabelecimento, e bom que venham aprecialos
para por esta forma satijfazerem os capricbos da
saas elegantes toilettes.
A Nova Espersnea, nao qn-rendo tornar-se
raassante, limita se a meacionar alguns artigos
luuud-) da.- uiuvma, us i|ua->
tlYl ...
sao os seguintes :
! Liados cint> s de couro e flligrana.
Modernos botoes de aco para vestidos.
Novos leques, grandes, matisados.
Elegantes fiveilas de a50 para ve;tidos.
Uelicad s ramos do (lores de larani?ein.
Bolsas de couro efiligrani, proprias para tra-
z^-r pcndintes ao cinto,
desk
fina?
if ss tirrtttasta^ s" *
com 0 socio Fran-isco Ferreira Baltar Junior,
que se reiirou, coi.t nua a sna casa commercial no
mesmo gyro d- negocio e com os demais socios,
debaixo da mesma razao commercial.
Recifi-, 31 d-. novembro de 1871.
Aluga-se a casa terrea n. 58, a rua de S
Joao, para peqnena familia, pr. co de 14 000 por
mez : a tratar na rua fstieita do Rosario n. 17,
das 10 as 2 horas da tarde.
Z^^J
Aluga-se a casa da rua do Viseonde de Ale
b".: 1 n. 2-'>, (enlu u a anlar, sotao e pavi-
rr i i xeo, eom tffua e gaz, pintado de novo ;
.r na rua do Vig rio Tenorio, armazem de
HI .fir- U. o.
A!uga-s-! s:-.la e a alccva do 3. andar do
scbrado n 70, a rua Duqae de Caxias, proprio
para Di poi s Itelros : a Iratar na loja.
E annare -co no dia 12 da cirrente, da ilha
do Nugufira, um boi manso.de carroca, sendo
grandee gnrdo, de e6r castanho al.-acentn, com
a^ |.!:- Faralas, a> pescojo marcas da canga,
1 lo checalbo grande en uma correia de fola
eom ii c un pndaco de corda nos chifre-.
Ii toda probabiiidade de ter sido furtado :
Tin soubsr notlcia c-rta deste animal, dirija-se
a. e;rn' ilha. qn-sera, gpnerosamentegratificado.
~ Preeisa-se de dui.- amas, sendo uma para
:ir e eompYar e outra para engommar e
: I oa r.ia da Hnnc rdia u 43.
- IngaleTloja do sobrado n. 29 da rua da
I i! arvaino : a tratar na rua das Larangei-
ras d. 18, I- andar.
tASA m ruiill!:\i
AOS 4:000*000.
BttBETJS aRAMIOO
A rua Pnr/*6iro de ,if crpo (outr'ora rtt*
Cnajii}; n. 28 e casas do costume.
talins, pastas, espadas, drajionas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento d
ranjas, galao falso para ornameoto, cordio de la
com borla para quadros e cspelhos (conforme 0
gosto da encommenda) tudo por muito menos
preco que em outra qualqaer parte: na praca da
Indenendencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Aiugm t,e tres casas na rna no Coronet
Suassuna, preparadas de novo, e com commedos
suflicientes : de ns. 103, 193 e 198: a tratar na
rua Direita n 8.
Afuga-se
os armazens ns. 65 e 69. na praca do chafariz era
F6ra de Portas, um onde teve tenla de ferreiro
jo fallecido E. Mahult. 0 outro que esteve occu
-': pado com venla de molhados, para 0 qne 6 op
I timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
0 abaixo assignado, tendo vendido r.os nr.s f? e desembaracados de impostos: a tratar com 0 com-
lizes biluetes 11m meio n. 1S64 com 4:000*000, um mendador Tasso.
inteiro n. 3970 com 2<0*000, e butras sortes de
40* e 20* da loteria que se acabou de extra-
hir (125'), eonvida aos possuidores a virem re-
ceber na conformidade do eo.tumesem descon-
to algurr.
Acham-se avenda os felrzes bilhefes garantldo!
da parte das lctenas a benefiyo da igreja
do Rosario de Ser.n'naem (li6')( que se extrahi-
ra sabbado, 28 do convnte mez.
PriEgOS,
Bilheto inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
Em porcao de lOOS prra rlma
Bilnete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Marling Fiuta.
DeeiaracSo.
Neves, Irmao & C. pelo pr. sento declarant te-
rem pi'rdido uma letra de seu saqae datada de 5
d m iki i-'jt aano a 5 mezes de prazo, aceita pe-
-. Manoel Jose Mendes Bastos de Garanhuns,
d qiantia d? 8..0*. euja letra loi perlida em
Siagem de Garauhuns para esta eidade, rogam
a q'inn*quor que.a lenha achado 0 favor de
entr-gal a nesta eidade no armazem Baliza, a rua
do Liv! i.'it-ul n. 38, vi-to de na la servir a re-
feriija letra p r :. *r preveniJo 0 aceitante da
n ma q ie 96 ;"g;.ra aos abaixo assignidos.
K*cit>, 19 de novembro de 1874.
Neies, Irmao 4 C.
Ao Sr. Justino Pereira de
Mora.es.
PARA 0 PDBLICO VER
Moflnn
Por que razao 0 Sr tenente Jose Caetano da Sil
va nSa indnmnisr ao ^r di Alia n ;Viil de
0 Barateiro, a rua 1 de Mar^o n. I, acaba de
receber grande sortimento de entremeios e babadi-
nhos tapados e transparentes, de todas as largu-
ras e vende a 1,000, 1,200 e 1,500, fazenda que
sempre Cbstou* 2,500; a uma experiencia no3 os
convidatnos
Livros novos
Alnga se a casa da rua do Viseonde de Pe-
lotas, antiga rua do AragSo n. 1, com 2 salas,
corredor separado, 4 quartos, bom quintal e por
tao : para tratar na rna da Ponte-Velha n. 20.
0 ac'.ual administrador da grande propriedade
Apipucos, acbando so era embarajos para poder
regularisar 0 mt^resse de todos os consenhores da
mesma propriedade, por isso pede aos mesmos con-
senhores que tvnhara a bondade de comparecer
no escriptorio da caplla de ncssa propriedade, as
t 3 horas da tarde do dia 29 do corrente, para uma
0 abaixo as-igaadi arrc.natante das divides da! reuniio extraorainaria, afim de mostraros emba-
roassa fallida de Joao HvJno de ;>3Uia, psde T10 racos'qne tem encontrado em sua actual adminis-
Sr. Justino Pereira de Moraes, morador na Imma- traQao, assim 0 espera 0 mesmo admininrador que
culada, 0 favor de vir a rua Direiti n. 21 uitirnar
sua cont-4 com refereacia a mesma massa.
Recife, 23 de nveml>ro de 1874
li'te Ricardo Faria.
Cuidado
SiUfilis.
Alaga se 0 silio dos Buriti, no Armial, com
plantac-i rle n iioca, raacacbeira e grande baixa
de eapiii, inm excellent- caa para moradia, ba-
ch, e muitM arvores fructiferas : a tratar no
m mo sitl 1 das 6 as 8 horas da manb3 e das 5
it 7 la iinle, ou na rua do Amorim n. 56; das
HI a- I 1I1 ta^de, nos diaa ntei?.
kiuit se 0 primeiro andar da casa da rua
Clorfino n. 69 : a tratar na praca da
' Defi n l5* c 20.
Precisa-se fallar ao Sr Libanio Residio deCar-
val'oo, escrivao da eoleetona de Santo Antio, a
negocio que nao deve igaorar : no largo da As-
semblea n. 7.
t a-xeiro
Offerece-se nra menino para calxeiro de taver-
na, com alguma pratica : a tratar na rua Direi-
ta n. 10, refuracao. _________ ________^^^ -
toques de cabelio.
A3.Rna Duqiie deCeixias. 53
Auffusto Porto, recebea lindos e elegantes co-
3ues de cabelb verdadeiro, cintos de coaro com
velas de metal, popelinas de seda e linho, rieas
toalhas e lene/w de labirintho qae vedde por
commodos precos.
Vv. Ss., alem de sous InterBases comparecam no
dia aciraa indicado. Apipucos, 14 de novembro de
1874.
Aluga se pelo ttmpo da festa uma boa casa
muito fresca, sita a estrada da Torre, afmargem
do rio : na rua do Marquez de Olinda n.62.
Alnga-se a casa terrea n. da rua do C -
pitao Antonio de Lima, em Santo Amaro : a ta a
tar com Maternus Lunz a rua da Gala n. 84, pra
daria. Com 0rnc-rai contrata se um amassaior-
Aluga-se a casa n. 17 da rua do Progresso
aSuledade) : trata-se Da rua do Bario-de 8. Birla
)n. 54.____________- ________________'
No dia 16 de mm de outubro proximo pas-
sado, do corrente anno, desappareceu da casa de
sua senhora, 0 negro Manoel, sem nenhuma razao,
0 qual parece ter 50 annos annos, e de allara e
grossura regularcs, muito preto,1 tem denies sSos e
cria barba, com alguot cabellos brancos, tanto na
barba como na eabeca ; levou ves tldo calja
azule camisa de rises do, e foi comprado a Joa
3aim barbosa de Siqanira, morador em Pesqueira,
Vnde c 0 negro filho. Qnera 0 pegar leve-o a
casa de sua snhora, na Pas'agem. da Magdalena,
rua de Paysandu n. 42, que sera bem recompen-
sado.
Prficlsa-se fallar com os seguintes senhores,
na rua Primeiro de Marjo n. 16, primeiro andar.
Dr. Candfdo vieira da Cunha, de Sergipe.
. I Tito Antonio da Cnnha, da Bahia.
Da-so 2:200* a joros sob aJuuma easa Mr" 1 Domingos Olymplo B. Cavalcirite, Bobral do
rea e mats algum em escrava: najrua do Coro Ceara.
nel Suassuna n. 86. [ Manoel Panlaleao da Silva.
Goethe Fan-to, 12,
Moreira Genio dss treva=, 12
0 Protestaotismo de hoje em defeza do
Catholicisnio, 12.*
Kaempfen A chavtna de cha, 12."
Soares A liberdade do. commercio, 8.
Regras da vida christa
Vianna Relampagos (poesia) 45
P.'Chagas Terremoto lie Lisboa, 8.
Murger Scenas da vida da Bohemia, 8
SimSes Dias Coroa de Amores, 8.*
Lobato Os fidalgos do corafao de
ouro, 2 vol., 12.*
Rodr.gues E-iludanles e costureiras, 8
Milner Resumo de gramraatica ingleza
Escrich i;asamenos do diabo, 3 vol.
com magnilicas estampas
Este notavel romance e do mesmo anter
da Mulher Adultera. Acha-se quasi
e?gotada a edu/ao.
Pon Dito MocidaJe do rei Henrique, 5 vol.
Dito S; gunda mo:idade do rei Henri
rique, 2 vol.
Dito Os bastidorcs do raundo, 3 vol.
Souvestre 0 rei do man do, 2 vol.
Camillo 0 demonio do ouro, 2 vol.
3*000
1*500
1*000
liOOO
3*000
500
1*500
1,500
2 000
2*000
3j50J
2^000
1*800
4*500
Livrarla Popular, a
11. 59.
4i00d
9*000
4*000
5*000
4,000
3,;000
Breu, breu, breu.
No armazem de Jorge Tasso, rua d* Amorim n.
37, e no caes do Apollo, ai mazem de farinha de
trigo, dc commendat'or Tasso.
Aos Srs. deengenhos
Chila com 4 palmo; de largora, fazenda muito
superior, a 260 rs. e covado, proprias para escra
vos: so a rua do Crespo n. 20, loja de Gui-
lherme A C.
Doce lino de goiaba
Vende-se no deposito do pateo d 0 Torco n'. 4 e
a, pelo barao preco de 800. 900, 1*000 0 1*200 ;
6ssim como gran Je sortimento de caixo-s peque
nos, preprios para embarque ; ha requeijao todas
as tercas-ffiras e sabbados, por preco commodo.
A loja Agrado e Seriedade, sita a rua da Im-
peratriz n. 16, vende por baratos precos la para
bordar, de lindas cores, e fitas de sarja de todas as
cores e larguras, assim como de setim.
(M verde e preto
Amaral, Nabuco & C. declaram a seus amigos
e freguezes que receberam pelo ultimo vapor
de Europa, nova remessa do cha verde e preto,
garantera sna boa qua'idade e vendem no seu
Uazar Vbtoria, rua do Barao do victoria n. 2.
rue 1%'ova
uma balanca decimal das melhores que tem
parecido neste genero, podeudo pe*"'' "6
kilos : na armazem n. 3 da rua do Vigario.
ap-
500
Sal do Assu.
Vende-s
_e
a tavera:-, da traveisa db Peixoto n. 30, livre e
desembaraca.da de qualquer debit) : a tratar na
mesma.
Vende-se
a ca a terrea n. 47, sita a rua Bella, em Palmares
00 melhor ponto de negocio : a tratar na rua do
Livramento n. 4, loja.
Qual e a loja que vende ba-
rato ?
E' na rua do Livrament n. 4.
0 que vende ?
Queira ler para saber.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, a bordo do. palhabote Jolien Arlvltr : a
tratar com o capita- a bordo, ou no seu escrip-
torio, a ma do Bom Jesus n 57
Vende se nma casa terrea na rua deP ay-
sandu, e3trada da Magialena, com 4 qoartos, 2
salas, corredor indepenlente e forrada, com quin-
tal raurado : trata-se na rua de Hortas sobrado
n. 48.
Precisa se de 1:500j a juroii, ()ando-se por
seguranea hypothec* em nm prwlto que rende
24*000 mensaes, pagandn se os jaros todos os
mezes : a quemflconviei, annoncie, para ser pro-
curado.
Fazendas, oli tpeos e roupas fcltas.
Perfeito sortimento para todaas classes.s
Pannos finos e caserairas, brins do linho branco,
pardo e de cor, ditos de Angola, ditos de algodao
brando e de ccr, gang.s'de linh) e de algodSo,
de cur e amarello, madapoJao de diversas quali-
dadcs e precos, algodao branco de lislras e azu
Boa acquisicjio.
Uma pessoa que urgi ntemente precisa retirar-
se desta provincia, vende por 3:500* uma heran-
ca de 16:000* solidamente garantida. Nao e um
pleito que se va tenter exposto as contingencias
do julgamento, mas um direito ja liquidado e
apurado por senteaca proferida pelo supremo tri-
bunal de justica, em grao de revbta. Na rua de
R achuelo n. 22 (outr'ora rua do Destino se dira
quem vende.
uTande-NoYiuadc.
Chapios de sol de seda trancada muito bi, ar-
macao especial, a 7*000. So na rua l de Marco
a. 14, loja de Gusnmo & Leal.
Rua do Crespo n. 20.
Alpacas lhas eom barra, fazenda muito larga
e de lindas cores, para vestidos, e presta-se para
de varias marcas e precos, chitas, metins e per- roupa de meninos ; vende-se pelo diminuto pre
AP A.-^ K titlfil flO IV ^ A ** rt r\ A J^ am ^ fm lljam ^ Lu.tLj___l a.! _^ __ a A ^ a rjaCir\____ j. __ ^ -^^ j a a k .A-& ba^. lb___._i.____- __& _
cales, baptistas brancas e de cores, brilnantinas,'co ae 280 rs. o covado, aproveitem se antes "que
alp cas de lindos desenhos, ditas com palmas de se acabe : a rua Jo Crespo n. 20, loja das tres
SP.da R listras de seda 0 listras de eda, ditas pretas e" brancas, portas, de Guilherme & C. Dio se amostras com
chapeos de sol para homem e senhora, meninos e penhor.
meninas, ditos para eabeca de homem. senhora, I Vende-se
meninos ~
8
T^T',\ g"52e v".,edad| a.de riio-4 rua de Pedro Affonso n. 61, bem afreg
vdosdecastorii e 2* cam.sas de todas d0) ,anl0 para omato ^^ VJg
qualldades e precos, para homem e men.no, 'para qaa,|uer princtpiante em razao deteVn.
dnas.de nw;as, eeroulas he precos de um a tres ^gTtrrtg no LeTLXraoTn 24 V
tantaria de Lisboa.
mil rtis, calcas, colletes e paletots, havendo gran
de quantidade para escolher a vontade ; tambem
da eambraras branca* e de cores ; assim como,
muitos outos artigos que delxamos de publicar : ^ Soleiras, hombreiras, capiteis e sicadas, a ven-
chegaem ao amigo do bom e.barato, a raa do da por pre?o commodo : a tratar no armazem u.
Livrame no n t4.
Reis e Silva & Gnimaritc?, proprietaries
bem conhecido estabelecimento de fazenda* .
convidam aos sens fregnezes e am gos a sortireu
se dos artigos indispensaveis para a festa, artig-
da ultima moda e de fino gosto, os quaes se ren
dem por modico preco, de forma qae ignal ni, s
encontra em nntra parte.
Ahiii de que o publico aval:? o cue levam di:
offerecem a :-ua preciosa con^ideracio a segnin:.
mc-ngao:
Riiiuissimas polinaises de gorgorio preto, rica
raente enfeitadas, pelo dimi-uto pr-co de 36*.
Lindissimos casaquinhos de gorgirao preto, ri
camente bordados, sendo cnrtinhr.s conforme a m'-
da, pelo diminuto preco de I20co cada am.
nt(Bliilaai i.id.. do b*ila, d H 0 ead, ur.
senhtra, intoiraraente noviiade, pelo drroiru'
preco de 12*000. .
Lindis3imas capinha-- de la c seda inteiramen-
te nividade, pelo iasignificante preco de 8*000
10* 00 cada ama.
Ri.|oiss:mus cacbini ts de la e seda, pelo diminn
to prefo de 6^000 cada um.
I'm completo sortimento Je .-500113.' cf.m veto d
blonds, proprias para noiva.% pelo ciminuto prei-
de 104, loa e 20* cada uma. E' oarato E et
mo sao lindas ?!
Riquis:imos lacinhos com flvela. ftmptm par
pesccco de s.nho^spelodiminato preen ie l*5i
cada uma.
Lindas gravatinhas 1e cor, pronrias para senh
ras, pelo diminuto prero de 1*000 cada nma.
Liudissimas rqsas com alfiuelcs, propnas par.
peito de senhora', pelo dininufo preco de l*.^^
cada um.
Cambraias brancas, bordadas de cores a la, fa
zenda Bodentehaa, pelo pivpi de 5i0 rs. o e.
vado.
Cambraia transparent*, com ton larcura--. pel.
preQo dc 13*(KX) a peca.
Cambraia transparente fina. Men, a 6*500
pe^a.
Cambraia muito fina, Victoria, a "200 a peci
Meias de cures para Itomrm, pel. d.minuto pr>-
c.a de 8*000 a duzia. E' barato I
Riquissimas caiririha; cada uma ccm nma do
zia de lenc s de linho ja abainhados, p- Jc dim
nulo preco de o*yi.O, C*, 6loQti e 7*.
Grosdenaphs preto, fazenda mnito superior -
1*200 o covado.
Setim branco, Macau, fazenda sup?rior, a 2*2''
o covado.
Riqui.-.-imo sortin-rr.to de D lo diminuto preo. > dc 440 e 300 rs. o covado.
Riquissimas faias d2 s. da, fazenla moderc:-
ma, pelo eoa raodo preco de 2*200 o covad.
Popelinas de linho e sedi, p.dides Inteira
mente n vos, a 1^6Cj c 1*80!' o covado. E' ba
rato I
irosd^napols.' c?r de rrsi, fazonl: muito *np"
rior, a 1*600 e 1 700 o covado.
Um completo sortimento de las e alpacas de se
da com listras a 700, 800,90;> e 1*. E' muito ba
rato I
Um complelo s-rtimento de las, a MIL 200, 21f
320 e 380 rs. o covado.
-Madapoloc, Elephastc, ccm V v;rr>, a 4*4
a peya.
MadapoUo, Maravilha, com 20 jardas, a 5*.V<"
a peca.
MadapMao fran:cz, Madraste n iiu, a 6*200 a
peca.
Madajolaj superior francrz n. 60, a 7*000 s
peca.
Assim como um grande sirtimcnto de chitas es
curas, clara" e culms artigo*.
REIS E SILVA & OtnXABiK
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de receber ama!
lea milagros.js anuciseJectricos, enra infalHve! c
nervosos.
Aos cigarreiros
. A NOVA ESPERANQA vende panel de lak
proprio para cig;.rros, de diversas larguras.
Insignia5 maconicas e cadei-
ras para viagem
Amaral, Nabuco 4 C. vendem insi?nias iraconi
cas para divtrso* graos, e eadeiras a abrir e fecewr
proprias para viagem : no Bazar Victoria, *fM i*
BarS i da Victoria o. 2.
Maripoza
A SSO ra. covado
Sdna rua do Oueimaid,n. 43.
JUNTO A LOJA DA MAGNOLIA.
Maripoxa brmc- coro lindas tistras abertas *-
fio dirarnato prec" de 320 rs. o covado ; aprovei-
lem qae e peehineha, so o 43Baraietre seal
igual.
Dao-se amostras com pnbor. ^^^^
' B da travessa do Corpo Santo.
Precisa s de uma ami escrava de boa eoo-
dueta, para todo o servico de rr>a easa esaraa
geira de poac fatni'la : a trator na na da A*r*-
ar .p. 189
PAGINACAO IHCOHfflU


-' !
r
Diario do tiemwumoo Quarta ;feira 25 de isfavetiiLiio de 1&74.
\

*.
i

0
-
Ao barateiro
A' rua 1 de Har Coufronte ao arco de Snnto
Antonio.
Os proprietaries ittie estabelecimento, teqdo
gaude deposito de fazendas de la, lioho, seda e
algodao, e achando-se.proxima a occasiao do ba-
ianco, resolverara fazer grande reduccSo cm pre-
cos, aflm de que naquelle tempo nao lenham gran-
ae trabalho em balaaeos ; a saber :
GORGORAO de seda preto, para collete, um
carte por 2*. E' fazenda que seuipre custoa 7*.
AMAZOMAS, linda fazeada para vestidos de
passeio, a 500 rs. o oovado.
GROSDENAPLES de cures, verde, encarnado,
hrauco, cor de rosa e cravo, a 900 rs., 1* e
1*200 rs 0 covado. Qaem 6 que aao eoraprara?
POPELINAS de linho, de quadros e listras, bo-
nitos gostos, a 800 rs 0 covado. Aproveitem.
POPELLNAS de linho e sed, gostos inteiramen-
te novos a 900 rs.
OiTAS com listras largas assetinadas, 0 mais
moderno que tem viodo ao mercado, a 2*T
CRETONE fraueez com listras e de quadrinhos
dc cures e pretos a 400 e 440 rs. 0 covado. Isto
so do barateiro I
D1TO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 rs. ; pois so se veil Jo se podc
crer.
ES iU AO de lioho e algodao, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3*300, e
com 10 jardas a i*o00 a peca.
MUSSUL1NA branca, com listras, para vestido, a
400 rs. 0 covado. E' pecbincha I
MAOAPOLAQ trances c(m 20 varas, por 4*500.
E' barato.
CASEMIRAS dn cores, para costumes (roupa de
ftomem) a 3* 0 covado. Ver para crer I
LAS eseorezas, estamos acabando aos precos de
120, 180 e 203 rs. Apressem sel
CHITAS escuras e Claras, fazenda ftsa a 210,
260 e 280 rs. ; so a rua Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para seubora, a
2*000. E' admiravel I
BRIM brenco d. 5, exposhjio superor, a 2* a
vara.
C A HIS AS de cretone francez de ceres, a 2*500
uma.
CAMISAS branca?, inglezas e francezas", gran
de sortimento por procos baratissimos.
BRIM pardo trancado, para 280 rs. e 400 rs. 0
covado.
BRIM Angola, superior, a 800 re. 0 covado; isto
so na loja do Barateiro t
CHAPEOS de sol de seda para homers, fazeada
superior, a 8*300, 9*000 e 10*000.
BAPTIST AS inatisadas, gostos miadinhos a 300
rs. e 360 rs. 0 covado ; so coafronte ao arco de
Santo Antonio I
LEKCOS de linho superiores, abanhadoi a 3$,
i*500 e 3*000ja duzia.
TOALHAS felpudas superiores a 6*500 a du-
zia. Em outra parte vendem por 9i I
MEIAS onus, supenores, para horcem, a ttf,
4*300 e 5*. E' pecbincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4*500 0
par.
ATOALHADO alcochoado, fazenda superior, pa-
ra mesa, a. 1 *500 a vara.
ALGODAOZINHO branca, com pequeno toque,
a 3*500, 4* e 4*500, 0 marca T, a 3* a peca.
Alem das fazendas acima mencionadas, eacon-
. trarao muitas outias qae sgradarao em quaiida-
de e precos, eque para naotnassarraosa paciencia.
de nossos freguezes, as deixam.s de enumetar,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. I.
Loja de Agoslinho Ferreira da Silva L^al & C.
Nio se ecgatem
Pois sao os verdadeiros barateiros 1
Aos legitimos fogoes econo-
rrriGOS.
Acabam de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros ibgOeseconomicos, ja muito conhe
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
hia e Alagoas, aonde tera merecido do .pu-
blico a maiur aceitagao possivel, e sao ja
preferidos aos de qualquer outro systems,
conhecido pela sua muita solidez, espeda-
lidade na collocagao, moderno systeraa,
e sobretudo grande ecocomia no combusti-
vel ; trabalham com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
ahes, proprios para casas de pouca, regu-
iat, o ao fiiuua laiiiin.., wiiw^ij^, uOieis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aoude se darao todas as
explicates necessarias: 11a rua do Viga-
on. It
Grande liquida<;ao de fagendas
NO
BAZAR MACHINAL
N. 7 2.Rua da
I m p e r at r i z S. 7 2
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietaries deste estabelecimento resolvido diminuir o grande deposito le fa-
zendas, entenderam fazer esta grande liquidacao, como se ve dos pregos abaixo mencionados :
ChlUs largas a 160, 200 e 280 reis.
Vende-se chitas francezas e Unas a 120,280 e 320
o covado.
Lazi alias a 120 reis.
Vende se la^inhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a GiO reis.
Vende se alpacas de cores, fin as, para vestidos do
senboras, a 640 rtiis o covado.
Metim de cores a 320 rth.
Vende-se metim de cdres para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas fiaas a 280 reis.
Vende se cassas francezas. inas a 280, 320 e 360
re"is o covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se camfcraia Victoria para vestidos a 3*,
3*300 e 4*000 a pec*.
Cambraia transparente a 2 e 3*000.^
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3*,
33300, 4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
Vende se cortinados bordados para camas a 14*'
16* e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de ssnho-
ras e roupa parameninos. a 400 re"is o covado.
Brim de cures a 400 reis.
Vende se brim pardo e de cores para calgas
400 reis o covado.
Tualhas para ro^o a 700 reis.
Vende-se toalbas de linho para roato a 700 e 800
reis cada uma.
Chaies de 13 a "GiO reis.
Vende se ehales de la de quadros a 640 reis, cha;
les de metim a 1*160 reis, chaies de mtrind
lisos a 2*, e chaies de raennd estampados, a
3*600, 4* e St.
Aberturas a 2^009.
Vende-se aberturas de linho bordadas. para ea-.
misas, a 2* e 3*300. Ditas de algodao a 200 p
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende se cort: s de caserairas Gnas para calcas a
5*, 5*500 c 6*
Covles de brim a 1*400.
Vende se co.rtes de brim de cdres a 1*400. Ditos
de brim de Angela a i*-'00 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*000.
Vende-se colchas de fustao para, cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 8;000 rs.
^ Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
3,000 rs. ;'calcas de casemira preta'e de core
le;es de casemira preta e de cores, e outra s
tas roupas feitas har.itas e fazendas qae est
quidaBdo no Bazar Nacional, a rua da im
Iriz n. 72.
No ascfitorfo da Thomaz de Aqolno Ponceaa k
.CSaccessore*, i rQa de Vigario n. 19, primeiro
aadar:
Cimeuto Portlaud verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho dj Porto em caixas, fiaUsimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
fletroz.
Pio.
VENDE-SE
Na rua do Vigario n. 19, vende-se o seguint
Cimento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, nnissirao, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, iDglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
A.' rua do Cs'Jiijja n. 1 A.
Os proprietaries da Predilecta, no iatuito di
ccBservar o bora concoito que teem merecido do
respeitavel publico, distinguindo o sen estabeleci-
mento dos mais que cegociam no meemo gencro
veem scientificar aos seas bons fregu,ezes que pre-
reniram aosseus correspondentes nas diversas par-
kas d'Eurcpa para lhes enviarem por todos os pa-
i]uetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
Jaquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
fesia, em qae o bello sexo-desta linda Veaeza
mais ostenta a riqueza de suas toillcttcs ; e co-
mo ja recebessem pele paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem pateatear alguns
fazendas e
DE
artigos
Kovidade
XA
de alta
LOJA DO PAS
M Primeiro de Marco a. 1 A.
d'entre elles qae se toraam mais recommendaveis,! ,,.U3
esperando Co respeitavel publico a costumada
concurrenae.
Aderecps de tartaruga os mais liados que teem -
viudo ao mercado.
Albuns com ricas eapas de madreperoia e d '
velludo, secio diverscs tamanhos e oaratos pre-
os.
Aderecos completos de borracba proprios para ;
into, tamtieo se ventkm meios aderecos muito bo-
aitos.
Botces de setim preto e de cores para ornate At,
pestidos de senhora ; tambem tem para collate
alitot |
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimas-'
der seda, de paiha, de ^chagrim, -etc., etc, por'
barato preca.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de loujc-,
como de cra, de borracha e de massa ; ehama- j
mos a atteccao das Eimas. Sras. para este artigo.'
pois as veses tornam-se as criancas um pouco im-!
perlinentes por falta de um objecto que as en- i
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados j
para ho mem, vendem-se por preco commodo.
itoiuciro Vimdei A C, proprietarios
ieste importanto estabelecimento, no louvavel pro-
iroaito de nao desmentirem o conceito que os
Ceroulai de linho e de algodao, de diversos pw-; -.idas de armiut'o.
Humerosos freguczes lhes tem dispensado,
tcabam de receber de sua conta o mais ncosor-
:imento de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
iraa moda em Paris, e continuarao a receber
por todos os "paijuetes daquella procedencia ; por
sso chamam a attengao de seas freguezes e os
jiividam a darem um passeio ao seu estabeleci-
iiento.'garantiudo-lhes que encontra/ao a reali-
iade do que fica dito, e para pr. va dao urn pe
;ueno resumo, cujo iufallivelmente despertara a
ttencao dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
imostras mediante penhor.
.Vrltitofc dc alia novidade c
iiimn moda.
Cortes de vestido de linho guarnecidos de bico
ia mesma fazenda e cor, irazendo fivella, bolca,
'.into, etc etc.
Riquissimos cliapeos para senbora, de ceres e
jretos.
Cortes de earsaraia brancos com lindos bor-
>ados.
ri u de cores com enfeites da mesma fazenda,
.'rino, etc. etc.
Capas de is t-sra meninas e senhoras, guaroe-
\
e-se
Wilson Rywe 6x L. -vendem ao seu araan*
a rna do Commercio n. 14 :
verdadtiro panno de algodao aiul ameneano.
Sxcellente Qo de vela.
Cognac de i* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as uualidades.
A 120 rs. o covado.
Na raa da Iroperatriz n. 60, vende se para aca-
bar uma grande quaoiidade de las, rostos de di
versos s rtimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
lando-se que, quando havia sortimeutos comple-
tos, se vendiam a 1*280 e 1*600 o covado, ha
grande vari> dade em padr5est os qup primeirc
chegarem melhor pechmcha farao, a ella a rna d>
Iraperatrtc n. 60-
Na loja do Pavao vende-se madapoloes france
zes muito incorpados, com 20 jardas a 6,000 rtis,
dito niuit > lino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sist como nm grande sortimento de madapoloes
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz o.60,,de Pelix Pereira da Silva.
w remessa.
Vhiho verde dc Amaraiile
Convida-se os apreciadores a virera apreciar j
qne ha de mais excellente neste artigo; vende-
se em deciiiiO.- e a rctalho, em cda de P6cs
4 C, a rua istreita do Rusario n. 9, junto a
greja._______________J____________________
.Ilitalhus de las.
0 Pavao vende uma porcao de retalhos de las
para vestidos tendo grandes e pequenos, que li-
quida barato para aeabar, assim como uma por-
[ cao de ca. ?ai e chitas pre tas qae se vendem pur
t qualquer prc-Qo para aeabar: na rua da Imp r
' trir. n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 3*500, 4* e 5-',
0 Pavao vende um bonito sortimento dos mais
mode nos esparlilhos que Vciide a 3*5'. 0, 4* e I
5*000.
Pechinca cm lencos branc s a 2 500.
0 Pavao vende duzi s de hncos finissimos de i
: cambraia branca para mao, seudo fazenda que j
. serapre se vendeu a 4.-.L00 a duzia e ii<|uida-~-e a.
2*500 por ter grande porcao de dnsia*, ditos abai-,
nhados a 2 .ditos cbinez-s muito finos e ditos
[ francezes escnros muito finos para quem toma.
rape".
Cassas de cores a 240 rs.
Vende se eassas de cores para vesiilo a 240 rs.
o covado : na loja do Pavao a rua da Imperatriz j
n. 60.
Camisas.
Vende-se uma grande porcao de camisas bran
cas com peito de linbo e de algodao,
menos do seu valor,
valbadas, assim como
godao a
aeabar:
E Ihuilo
As alraofadas bordadas de la mitladaf tp* f>
ct-bea a Nova Eaperanca, a rna Baaiw it
Cortinados para cam as
Na loja do Pavao vende te uoi grand. stthara-
to de cortinados bordados proprias iara r,aaa
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs.
par, assim como colchas de darrasco par* .- raas
de noiva a 10 e 12,000 re*s-e paalMU: a
rna da Imp. ralriz n.60, de Kelix hvdra da
Silva.__________________________________
SedinhaH a 1^500 o cov
Veuham antes qne *e acabeo): na loja d.> I *>
a rnal.* to Marro n. A. ^________
Au'M h:iqocin vonJa Mm la m
Gama c\ Brito, com ;rmazem de molh-t I do
largo da Santa Craz n-. 2 4. veodem in.t'ii ip in-
gleza em barril a bOO e 1,000 rs por call *'*,
grau.mas ; vinho de maci a t,200 a g*rrfa Jito
Figueira a 440 a g..rrafa, a Canada a 3.V C rs.,
gaz (Devos) liquido aiiO a gamh, vrUs -tea*
a 560 o oiaco, velas ecoarmica a Tft) u u aco,
cha perola a 3,200 rs. cada 450 s'i n us -i-l al-
jofar superior a 3,000 rs. cada i50 y/nmmm, u.a
ci.mpleto sTtimento de bise-itos un iaia,qa -.
vendem por pr-co baratissimos, teivillia* ii-*nct-
tas a 64u a lata, ii.arn elada uiuitu liiu a r
a lala com meiakilo,queijos frascoi, hmi *i
j de Lisboa a 640 a garrita, assucar de p- nn an
por muito! s rte a 320 rs. o kilo, dito de signmU M0M a 28
por estarem" um ponco enxo-, o kilo, dito de terceira sorte a 240 kilo. vi.
o stronlas francezas e de al- j Porto, em barril, a 800 rs a garrafa. ditj .r
lj580, ditas de linho a 2* e2t500para rafado das marcas mais acrediuJas a
na loja do Pavio rua da Imperatriz n. 60, 1,200 c 1,500;: o que i61e; haver <.>. m i i.rf
de Felix Pereira da Silva. | lU(Jo mais a vmtade dos eoraprad-ires, on !c
Roupa para homem para aeabar ate ao Om : que encontrarao a sjMhff sin^e>i.la4e *>*!
do anno. j possivel : no largo da Santa < ruz us. 2 t 4, aroa-
Na loja do Pavai liquida se uma grande porcao, zem de Gama & Silva Brito._____________
dc roupa para in.m.m cv,mo sejara : caixas de! Vfnrlo t*
Sacco:
Vende se saccos de estopa c-m um pequeno |
defeito, prt prios para ensaccar farinha, milho, etc.,
pelo diminnto pre^o de o20 rs cada um : na lo-
ja do Gnilherme 4 C, a rua do Crespo n. 20.
Casaquinnos
Casaquinhos de go> gorao de seda, pretos, pro-
prios para senhoras, fazenda*vnuito fina que sem-
pre se vendeu por 20*, estamos uadendo por
6* cada um ; Uto so na loja do Guilherme & C.
a rua do Crespo n. 20.
* Linho d'Alsacia
-Linho de Alcacia com listras, abertis, fazenda
muito iarga, padroes lindos e inteiramente novos,
proprio para vestides de senhoras e meninas, pelo
baratissimo preco de 440 rs. o covado ; dao se
amosiras : a rua do Crespo n. 20, lr ja do Gui-
lherme & C.
Sargelim
Sarg*lim de cor trancado proprio para forro de
vestidos e outra qualquer cbra e vtade se pelo
djtuinuto.preco de 160 rs. cada covado : a raa
Crespo n. SO, loja do Guilherme $ C.
na rna do Vigario n. 19, prim< iro andar :
Vinho do Porto engarrafado, cm hrrris e em
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, suier.'jr q.<4J*
Hi titz do Porto.
Cimento Portland, l^gitimo
e 6^000.
Na loja do I'avao, veude-s** cortcs lie m-
semira pnra oal^a a i9_, 5J <:b 00, i Im
muito liD'Sde uma s do, fazenda que semprc sr vrnli u ide
109000, liquida se a 60OO p..ra aivil^r:
a rua da imperatriz
da Silva.
n, 60, dc. Feiii P r Ml
Cal de Lisboa novissiraa
Vende se em grandes e pequtnas tuc5es : ta
dua Direita n. 14.
Para coiicertar BMMi
A NOVA ESPERANgA, a rua Duque ir .
n. 63, rerehrt?! ce Asunicas verdadeir
..
iichas aamburgaeza.-
ns n? do Var/iiitiz d*
Qa^ ven
1
"V- .
e
Aos Bieiiws
A NOVA ESPERAXCA, a rua Duque d Caxias
n. 63, acaba dc receber um bom sortiments at. fi.
nas bonecas qae fallam, que ri6m-se e choram;
lambeui as tem madas e surdas ou surdas-madas
venham ver se nao e vmdado.
E'BOM SARER-SE
Qae a NOVA ESPERANGA, a rua Dugue d
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
ieus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encoramendas de mer. acorias de sua
repartiuao, qae pela eleganci. bem mo3tra aptidao
e bom go-to de seas ahtigos correspondentes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Daque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, aQm de apreciarem ate
onde toca oprimor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer eclrar no nu-
mero dos massantea (verdadeiros azucrics) com
extensos annancios e nem preteude descrever a
immensidade de oojectos quo tem expos to s a ven
da, o qae serla quasi impossivel, mas limitar-sa-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liber Jade de aconselhar ao bello sexo,
que a visiteai coustantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nao se arre-
penderem, a vista do bom e escoihido sortimento
qae ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra qae qualquer senhora do bom torn,
nao podera eompletar a elegancia de seu toilet
sem que dd um passeio a NOVA ESPERANCA, a
raa Daque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguinus artigos de luxo e inteira novida-
de :
Mcdernas settas para prender os cabellos.
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailcs para senhoras e meni-
i nas.
Intefessantes gravatas para senhoras.
Elegantes facbas de touquim.
- Bons aderecos de madreperoia.
Oelicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto novo).
COB,
Caixinhas com musica, o que ha de. mais Undo,.
com disticos nas tampas e proprios para presen- j
te
Coques os aais modersos e de diversos forma-
tos.
. ChaDios Dara senhora. Receberam um sortimento
aa ultima moda, tanto para seuuoi*, umu yara
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para moaiaas.
Entremeios estampados c bordados, de lindoi
"lesenhos.
Escovas electricas para denies, tem a propria-
<1ade de evitar a cane dos domes.
Franjas de -seda pretas e de cores, existe am
grande sortimento do divercas larguras e barato
preco.
Pitas de sarja. de gcrgurao. de setim e de cha
"" p t' de diveraaa larguras e ionitas cores.
Cora dos eslreitaento duretra
pela facil applicatjao das
SONDAS ouvaes
DE
. GOIMA ELAST1CA
Al mais modernas e aperfei^oadas de todas
as conhecidas
Yendem-se
* NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & 0.
34 Rua larga do Rosario 34
para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatlnhas qn
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 43, acaba
de receber I
Fachas Oe *.rBir.-r, mnitn lindas
Fi. res- artifioiaae. A PreuiieSa jnuu ~ .,_
crvar sempre am bello e gTande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos cbellos, como
ambem para ornato de vestido do noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
os et de diversas core?.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas eorat
para sennora.
Liga de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
peroia, marfim, dsso e velludo, tudo qae ha da
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimooto de madre-
peroia, maram, 6sse e donrados por barato preco.
Perfomarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao s6 em extractos, eomo em oleos
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel; sao iudiepensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
-Jsados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta am bonito sora-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa eo-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptiaado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno recebea a Predilecta
de or aruo preco, para dear ao alcanca
qualquer bolsa.
II, etc
de^aSftas
VO-mmv m.___
de fla
Fondas Herniarias
ELECTRO-MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar
radical-
rcecte
as quebraduras
Essas fandas estabeleeidas sobre os conheci-
mentos medicaes e anatonicoi maotem as quebra-
duras as mais volamosos e diffioeis, impedindo a
sea desenvolvimento. Elles team uma accao elec-
trica qae na generalidade dos casos opera uma
cura radieal sem qae o doente se sujeite a pres-
cripcao alguma, 4 excepcSo do uso continuo del-
las. A cura opera-se no periodo de 12 a 90 me-
zes conforme a hernia mais on menos antiga.
Unico deposito em Pernambuco, pharma-
cia e drogeria de Bartholomeu w C.
Rua la>ga do Ro.ario n, 34.
Popelinas a 1$ e 1$500 o
covado
0 Desengano recrbsa um grande sortiment) de
popelinas de seda, de lindissimos padrSes, fazenda
que se vende por 2S5V0, esti vendendo pelos di-
minulos precos de 18 o Ij&OOo covado. E' grande
pecbincha ; a ellas, antes qae se acabera : na raa
i ae Margo n. 25, junto a loja da esqaina. D5o-se
33 amostras com penhor.
CASA
Ye.stuarios para baptisado.'
P.iquissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de uiadrepcrola, para noiva?.
j'iicas colchas da seda, para casamento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito ppeto.
Sedinbas dc dolicades padroes.
Seiim Macao de todas as cores.
Srosdenaples pretos e de cores.
:.Tellndo preto o damasco de seda.
5ranadine preta e de cores.
?il6 de seda brauco e preto.
?iicas basquinns de seda.
Casacos de merino de cores,
Santas brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cures, ai(as mariposas braaeas, de
ores, lisas e bordadae.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
3rins de linho para vestidos.
fustao de cores.
irande sortimento
iordadas. para homem.
Meias de cores para homem, senbora, meniaos
> mesinas.
Sortimento de chapeos de sol para homens e
enhora. <
Merinaa de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bombazina, can-
to, alpaca, ete. etc.
Atoalhado de linho e algodao para toalhas, e dito
ardo.
Damasco de la.
3rim de linho branco e de cores.
Setins de lindas cores com listras.
Chaies de merino de cores e pretos
Ditos do touquim e ditos de casemira
Camisas de cuiu para homem n ditas
teila.
Ceroalas de lioho e ditas de algodao.
'annos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
-encos bordados e ditos de labyrinth'o.
Rieos eortes de vestidos de tarlataoa, bordados,
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Ejspartilbos lisos e bordados.
.-iulard de seda, liadas cores.
Heias de seda para senhoras e meninas.
Jasemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temos am variadissimo sortimento,
uo so em gosto como em qualidade.
Las
:om listras de seda, ditas con pal-nas bordadas,
'as transparentes e de oatras muitas guahdades.
Lavas
w pellica brancas a de cfires, do verdadeiro fa-
-rioante Jouvin.
- iuulmenl* ;
apetes para aoia, cadeiras, cama, entrada, etc.,
-ambraias brancas, chitas de todas as qualisiades,
uadapoloes, esguiao, i retanhas, bramantes, alge-
lSes, eollariohos, ponhas, meias para homem e
enhora, punhos e oollarinhos brancos e da ce-
ss para senboras, gravatas para homem e senfao-
i, peitos bordados, lencos de Uuho brancos e de
;res, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
iasapos, panno fino, etc., ete.
Loja do Passo
Rua Primeiro d Mar^o a. TA
antiga de Crespo.
Pentes giiafe.
Pentes girafe, proprfot para sentors, ( sHtasa
moda): a Magnolia a rua Duque de Cax e so quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera qae ch-
mam papai, mamai, choram, andam, etc So Ba
m as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n, 4o, par-
icipa ao bello sexo qae acaba de receber da Eu-
opa, um completo sortimenio de artigos de ulti-
na moda, e como acha desnecessario fazer am
mfadeabo anuuocio, por ja ser bastante conhe-
cida, t caprichar sempre em tor bons correspon-
lentes, sendo a primeira que apresenta o que ba
le mais moderno e por precos mui razoaveis, por
sso limita-se a deecrever somente o segumte:
ieUaa douradas.
Sicos de cdres, tanto de seda como de guipure.
deques doarados, de madreperoia, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
tabidas de baile.
.Preaentes* diversos artigos.proprios para pre-
sentes.
Mulinbact e punhos.
wnuai para missa, cam capa de madreperoia,
tartaruga, .marlim, velludo, etc.
?qputinliam de setim para baptisado.
camisas bordadas para senhoras.
Uias de seda.
franjam mosaicas.
auere^uM de tartaruga.
v oitaa de madreperoia.
PulaeiraS. de madreperoia.
Lindas flores para cabeya.
loisas de velludo.
PerfNuuarlaVs dos melhores e mais afamados
fabrieantes.
msyfe^fri w1 MHiuffffjiygs
Moscas.
tjuereis livrar-vos dastes malditos insectos? com-
;rai uma machina de matar moscas por 3000
u Magnolia, a raa Daqae de Caxias n. 45.
Galvice.
A Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 45, ven-
le o verdadeiro Vigor de Ayer, qae impede a
ahida dos cabellos.
iriraras.
Vende-se ou aluga se uma casa terrea em Olin-
(jraiolas, gaiolas.
Cimeoto Portland
i
A Magnolia, a rua Duque de (Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
; proprias para passaros; a ell u antes que Se Aca-
0 verdadeiro cimento Portland em barricas de *
180 kilos: vendem Lebre & Reis, A raa do Amo-
rim n. 88.
Vinho verde.
ultimo
Colchas para comas
Nalnja do Pavao vende-se colchas de fustao
branm- ..,-\ paro a 2^00, ditas de dito de cor
Especial ebegado no
vender em barris de
decimos, ao seu escriptorio a raa do Commercio J raaaapoiSo a .10M): a raa da 1 nperatriz
a.. 5, Joaquha Jose Gonjalves Beltrlo k Filbo. de Felix Pereira do Silva. fc"""
vapor, tem para j a 4,000, cobertas ue chita e de cretone, de U900
quinto e de Colares em para cima n -Silas fa metim escarlate forradas com
60,
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quem quer; porque a
dagnolia, a rua Dqque de Caxias n. 45, tem para
'ender a verdadeira Cuticoleria, gae faz desappa-
aoer eatas mancbas em paacos dias.
Grande descoberla
Ourativo das molestias do
peito pelo
Xarope de sulphite de seda
M.. HER NET
Este importable medics mento que acaba de ser
reconhecido pelos distinctos Drs Zalloni e Paras-
:hevas como um verdadeiro especifico contra a
phtysica, segundo provaram nos grandes nume-
ros de casos por elles experimentados, como se ve
na sessao da academia de Paris de 24 de marco
do .coffente anno, encontra-se unicamente ao
Deposito da pharmacia e drogaria
de
Bartbolamen C.
N. 34 Raa larga de Rosario N. 34
I brim d'Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
' cor de G& ate I2-, ditas de brim de cores, palitots
. e fraks dc panno preto, de alpaca e alpacao, as-
' sim como de casemiras de e< res, colletes brancos,
. pretos e de cores, sssim como roupa branca de to-
| das as qualidades, nao se olha a prejuizo, o que se
quer 6 liuuidar ate ao li a do anno.
Cambraia Victoria e iranspannte
Na loja do Pavao veude-se um grande sortimen-. LOrtC3 de CaSlIIlira 4 $,
to de cambraia Victoiia e transparente para ves-1
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3,000 para
cima, isto na rua da Imperatriz n GO de Felix Pe-
reira da Silv*
Cillarinhos de linho para aeabar a is
a duzia
Na loja do Pavao liquida se uma grande porcao
de dnzias de collariuhus de liuho, por eslarem um
pouco enxovalhados, pelo bar..to prego de 4 a
duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
7$ 6. pechincha : a rua da Imperatriz n. 6, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chaies de casemira a is.
0 Pavao vende chaies de casemira com gostos
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
deu a 71 e 8;, liquida a &$ Ditos de la, muito
encorpados, com listras, a 3;. Ditos de quadros,
azenda muito ba 2. ; assim como, um bonito
forti.nento de ditos de merino, lisos e de quadros,
vende de 2$ ate 5 j e G. : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de F. Peroira da Silva^,,
Popelina de linho a 400 rs. o covado.
0 Pavlo recebeu um elegante sortimento das
mais bonitas popcli&as iistradas para vestidos que
vende pelo barato preco de 400 rs. o covado, la-
vando-se nao desbotam ; assim como, bonitas e
modercas lazmhas com listras de seda a 640 rs.
o covado. Ditas transparente3 com palmmhas a
; 500 rs., sao bonitas. Bareges de uma to cor, pelo
barato prego de 400 rs. o covado, 6 pechincha :
, na raa da Imperatriz a. 60, loja de Felix Pereira
da Silva.
Cortes de vestidos para liquidar.
0 Pavao venie a 4:, Si e 6 corte do cam-
braia branca com enfeites bordados dc cor, la- possivel pan morada, e quem qui er/ltlea
zenda que sempre vendeu a 71 e 8j, e liquida a
if para aeabar. Ditos brancos de cambraia aber-
ta com listras e lavradinhas, que sempre se ven-
deram a IDS, liquidam se p. r of. Ditos Benoatao
com lindos enfeites de cor, fazenda que val 12..,
liquidam se a 6}. Ditos de cassa de cores com
7 varas a 'M, ; ii pechincha : na ma ua Impe-
ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2*300 a duzia.
Toalbas de fu-tao i ara mesa a 2.300.
0 pavao vende toalhas de fustao para mesa de
jantar pelo bar. to preco de 2^300, e pechincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
Icja de F. T. da Silva.
Gros preto a 1J.
0 Pavao vende grosdenaples preto a li o co-
vado e dahi para cima, ate* 4 : na rua da Impe-
ratriz n. 60, loja de Felix Peieira da Silva.
Briiis de Angela a 2s, 2:S00 e 3f.
0 Pavao vende eortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2;, 2*300 e 3* ; 6 pechincha : na raa
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
Metins a 280 rs.
0 Pavao vende b -nitos metins de cores para
vestidos, pelo barato prec.o de 280 e 320 rs. o
covado; assim como, um bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padrSes raodernos e fixos,
pelo barato preco de 280 ale 360 rs. : a rua da
Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Siiva
3 pr %U~if9t WA o < tiii jnnt m
ja de S. Jos^ do M.mgu nhn, com nasa de \,.. nix
.ssobradada e outras MMMStacdev, i i .i iira-
do, com duas frentes crvi'as por i r.'o At f> rro,
daado para a rua d Anizade <* para a do Xae-
guinho. Tem dc terreno ptsariu MM n^hntode
hrgura e 334 *e fumlo ; e a casa m dc- 32 pal ucs
de frente e 84 da fui.do. A situ jai ear
0 Desengano esta quei-
mando
mm m nm
V pia^a circular do Apollo
ende-se:
TIJolos de marmore, de differentes ta-
manhos e qualidades.
TIjolos francezes, sextuplos.
Cimento Portland verdadeiro.
Aulejos grandes muito proprios
para rodapes.
Aasdejos aeraes aaurellos, taawnho
regular.
If Aquinas de descarocar algoddo.
Cadeiras de ferro, assento de palhi-
uaa, proprias para campo.
Salsa pariilha
Muito
novae grossa.
. Vende-se por barato preco, em porclo ou a ra-
talho : na rna larga do Rosario n. 34.
If
com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Daque de Caxias n.
36, acaba de receber boas meias de seda proprias
para noivas, e os apreciaveis ramoi do larangeira
0 proprietario deste estaDeieciuucuvj \m m|
vido vender as fazendas exbtentes em seu estabe-
lecimento, por menos do qae cm outra qualquer
parte.
Vanzinese de seda.
Vende-se esta fazenda de lindos patroes, de lis-
tras e palmas, pelo diminuto preco de 320 rs. o co
vado, por ter uns toques de mofo, e grande pechin- j
cha. Esta fazenda tambem serve para Into, per -
ser toda preta; 6 fazenda de 2*500 o covado.
Damasco de la.
0 Desengano esta vendendo damasco de la de
lindos padroes e de duas larguras, pelo baratissi-
mo pre?o de 1/000 o covado, e" fazenda de 2*500.
Aproveitem qae o Desengano esta queimando.
Casaquinhos de gorgnrdo de seda.
0 Desengano esta vendendo casaquinhos de gor-
SDrio de seda, enfeitados, pelo baratissimo preco
b 6*000 cada um, e grande pecbincha. A elles
antes qae se aca bem.
Organdys a 320 rs. o covado.
Vendem-se Organdys de listras, branco, pelo ba-
rato preco de 320 rs. o covado. Aproveitem.
Madapoloes de 49000 a peca.
0 Desengano esta vendendo madapolao francez
com 20 varas a 4* a peca; dito muito fino, a 5*,
5*500, 6* e 7* a peca ; e grande pechincha.
Algodao marca T, largo, a 4*, 4*500 e 5* a
icos chapeos de sol de seda, com cabo de mar-
fim, a 12* cada am; e pechincha.
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. o covado.
Lazinhas de cores, bonitos padroes, pelo diminu-
to preco de 160 e 200 rs. o covado. A ellas antes
qae se acabem.
Cambraia Victoria, a 3*500, 4*. 4*300 e 3* a
peca.
Alpacas de cores, li e seda, bonitos padroes, a
500 rs. o covado ; e grande pechincha.
Metins de cores, bonitos padroes, a 280 e 300 rs.
o covado.
Chitas claras de lindos padroes a 240, 260 e 280
reis.
E outras muitas fazendas qae deixa de mencio
na-as para aao se torn.ir enfadonbo, por iaao o
proprietary convida a todas as pessoas a fazerem
uma visits a sen estabelecimento, aflm de sorti-
rem-se do bem e barato. Raa do Crespo n. 25
junto i loja da esquina.
bastante terreno para isto, pel" lado da n
Amizade. Tem a gamas plantac,oes do gozo i re-
creio, havendo bastante agaa fu. uccida por rua*
caeimbas, un a das quaes e nova. A euUoi<~" se
com o Sr. Dr. Witrnvio qum o p>st ndT.
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se laxmha< i.ip.inn
de cores muito modernas pelo bvNliMBB |MM
de 300 rs. o covado, para aeabar ; r. OaSi m jaa
e fazenda qae jamais se vendeu p ir i.i.'n. de
dois cruzados ; ja ha poeets : a rua i lr< m n Tii
n. 60, loja do Pavio, de Frlix P^rei a 1- Sitr>.
Para p; darias c tavernas
Sal fino e muita alvo : vende to na rua lap
rail n. 5, armazem.
Lazinhas brilhautes a 720 rs.
0 Pavao recebea um bonito MNMSM i das r. a.r
lindas laziohas brilbantes, sendo de sjsaMMJM
miudinhos, parccendo de uma .-o c(>r, o m-io Jib-
rentes cores ; esta fazenda tern am br Iho cc k
seda e bastante largura, t vende-. covado : na rua da Im; eratriz n. 00. loja le F> its
Pereira da Silva.
l.ozinhas model nas a 32C rs.
0 Pavao vende bonitaa lazinhas de ^ua lr ui M.
tendo de tolas as cores, pelo barato preside I2S
rs. o covado; sendo fazenda que itmpm se vro>u
a 300 rs., e pechincia : na rna da Iinpcratra a.
60, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cadeiras.
0 Psvin vende uma porcao de psM it cro-
chet, proprios para encono dc .h. ... v )0.
tts, <\ da Imperatriz n. 60, toja de F.-i Parana da
Silva.
Curies de organ lv a 2$.00
0 Pavio recebeu am bonito SNMBt Je edite?
de organdy, matisados, para ves ido, que vmde
pelo baratissimo preco de 2-400 o corte, e pesMa-
cba : na rna da Imperatriz n. 60, loja dr F i -
Pereira da Silva.
Sao de listras
Lazlnlaas a '< rs. cov.idc
Sd o 43Queimado- S6 o 43
JUNTO A LOJA DA MAGNOLIA.
Lazinhas de listras, gostos a prus iain, fazcaik
maito liada a 200 rs. o covado
Aproveitem antes qae se acabem.
_______Dao-se amostras com petiln r.
Pedras de marmnre
Vende-se pedras de m, rmores, de 8MBBS ta-
manhos, com duas polegadas de gros ura, propriis
para muitos misteres : a tratar com Ms Joe i*
Conha Lages.
Bartholomeu & ft
eoiilas
PARA
vendem por barato preco
Farinha demandioca supe-
rior.
Tim para feeder, Joaquim Jose" Goncal-
ves BeltrSo <& Filho, a bordo do paihabou
Rosita, fuDdeado o pd do caes dok)lregio,
e para trataf a brdo ou no seu escriptorio:
A nia do Commercio n. 5.
Chocolate do Maranhao
Unico devwlt nesta cidade, em casa de Jost
Tavares Cariein> di C, rua Direita n. 14, onde sf
vende pelos pieco* h vautagHus da faariea
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luis de Oliveira A
vedo, no seu escriptorio, a rna do Bom Jesos un
mero 57.
SALSA-PARRILHI
DO
PARA'
34-HUA LARGA DO ROSARIO -H>
Vende-se.
A armacte exisleote na rua do Bara.. da ksa-
ria a-61 propria para qualquer negfi", gaianaav
do-se a casa; a tratar na raa estrj-ita do RwsasS
a. 40.
E' pechincha.
A 160 rs.
Lasiahas de cores, padroes maito linlos ;r-
prios para vestidos de senhoras menina, e "
de-se pelo diminnto preco de 160 n. otmA,
por este preco so se encontra na rua 20, loja de Gaimejme & C ; din < n ir..
Leques gigai i tes
So qnem tem dos mais mo-ler.i".
a rna Ouque de Caxias n UL______________
Vendose o auna/.em a. 15. -.-
Capibaribe, tendo -m terreno <"
[rente para o n.esmo tacs a 19R d
oa que quizer, dirija-M a rua F oi
Vende se a uverna sitt i t l"SWj
296, tem poacos fundot, pasarU para aIMM
principianto : a tratar aa mesuw.
O (M ii
j.





8
Diario de Pernambuco Quarta feira 25 de Novembro dd 1874.
LITTERATURil
Secledade Propagarfora da I as-
triiccSo Public a.
D1SCURSOS PROXUNCIADOS NA ESCOL.V NORMAL,
POR OCCASIAO DA DESTRIBUIAO DOS PRE
M10S A08 ALCMXOS DESSE ESTABELECIMEMTO
NO DIA 22 DO CORRE.NTE.
Discurso do Sr. Dr. Aloaro Uclwa Caval-
canti.
Senhores. No dia era quo esta escola
vai proceder a entrcga dos diplomas btid >s
pelos alumnos*que conclaipaui seuststndos.
e a lestribuigio dos premi >s que olsnnQara o
c= vj.io mai> se destinguiram por sua >'edi-
cagai ao trabalho, p>r sua applicagao e
eproveitamento ; -no d a em quo o esforgo
e o merecimento v3o ser gdardoados ;
no dia em que, iinalmente alguns dos que
frequentaram este curso so vao apirtar de
seus mestres ode seus companheiros de lide
escolastica, e outros vem roceber o publico
t^stemunho de sou merecimento, o o incen-
tivo para proseguirem na sen Ja que tao !oa
vavel e modestameuto torn sabido trilhar,
6-me, grato dirigir-vos algumas palavras
que, se uao sao para v6s uma novidade,
tem entretanto inteira opportunidade n'esta
solemne occasiao.
Annuuciando-vos, o motivo d'esta mo-
desta festa escolar, u3o vos sorpreuierei,
occupando-me n'este momento de assumpto
quo seja estranho, ou nao tenba a mais in
tima relagSo com o fiai para que hoje nos
congregamos.
Aquilatar o merito. destingui-lo e pre-
mia-lo com justifa, foi sempre urn acto de
emulacao, e nosestabelocimentos deinstruc-
3o e o mais poderoso incentivo para o es-
^tudo e aproveitamento d'aquelles que os
frequentam ; e eis o motivo porque o re-
gulametito d'esti Escola peruiitte ao corpo
docento conferir premios aos alumnos que
se destinguem e fazer raengoes honrosas d'a-
quelles que mais se desvelam no cumpri-
roento de seus deveres cscolares. E see cer
to que, infelizmente, tem-se visto alguma
vez ser a destincgao antes deterrainada pels
affeiga}, do que pelo merecimento, etra-
duzir am ac.o de extrema coudescendencia,
quando devia revelar urn sentimento de
justice, o que sem duvida diminuird o seu
valor ; a isto tcuhq a oppor que outro tern
sido o procedimento d'esta Escola, e una
prova tendes no facto de, funccionando ella
desde 1861, ser a solemnidade quo ora te a
lugar, a primeira, ate boje, para ess tincgGes, o que veda quo a meuor suspeita
se atreva contra seu zel o e severo escrupulo
no exercicio do lao importante prerogativa
e, tao pouco, contra o merecimeato dos
alumnos premiados, cujos nomes passo a
annunciar-vos.
Dos alumnos mestres que concluiram o
curso, foram premiados os Srs. Luiz Eus-
taquio da Conceigao Pessoa e Manoel Sabas-
tiao de Araujo Pedrosa ; equello com uma
obra em trcs volumes, intitulada Confe-
rencias I'edagogicas, e este com outra em
um volume, sob o titulo de Gurso Tbeorico
e Pratico de Pedagogia por Michel Carbon-
neau ; e nos annos anteriores, obtiveram
mengOes bonrosas 6s estudantes Pedro Pe-
icira de Souza Lima, Joao Luiz de Serra
Cavalcanti e Thoraaz Antonio Maciel Mon-
teiro ; este do segundo e aquelle do priraoi-
ro anno do curso.
Mencionando com iudisivel satisfagdo os
nomes d'estes cinco alumnos, com elles me
congratulo peio subido aprego que hoje lhes
testemunha esta Escola ; e nao desconheceu-
do quauto e vasto o piano que lhes resta
ainda a percorrer, para nao se contentarem
com o que fizeram, com os louros que tem
colhido na sua vida escolar, julgo a pro
posito recordar-lhes o compromisso que
hoje contrahom, de nao desmerecerem mais
tarde as destiucgdes que lhes sao agora con-
feridas. E quanto aos outros que conclui-
ram o curso, aos qaaes pela ultima vez me
dirijo, penso que tenho a cumprir mais ri
goroso defer.
N'este momento em que alguns dos alum-
nos mestres, chegando ao termo de seu ti
rocinio escolar, teem do receber os seus di-
plomas de capac.idade professional, era na-
tural quo lhes reeordasse as suas posigoes
nacarreiraque vao iniciar, os deveres que
lhes irnpoe a profissa\> qn o;oolhcr sua maxima responsabilidade na oducacan
da infancia. Sinto mesaio que nao podia
fazer selecgao de assumpto mais importante
para despertar as suas attengoes, e que or-
re-ino o dever de annunciar-lhes n'esta oc-
casiao a santidade do sacerdocio que abra-
garam e a iraportaucia dos inleresses que
lhes s5o confiados. Penso que naodevecia
occultar-lhes que o mestre, segundo o modo
porque desempenhar o seu ministerio, po-
derd influir de modo muito eflicaz sobre a
sorte dos discipulos que o cercam, que.d'elle
recehem as suas primeiras ideas, as suas
^rimeiras impressoes e os seus primeiros
scntimentos ; que a elle compete princi-
j.3!mente despertar nos coragoes d'aquelles,
r :ja educagao lhe foi confiada, o amor e
j: atica do hem; que apostolo tambem da
ro'igiao que visa simultaneamente o tempo
a oternidade, nunca devera" esquece-la no
exercicio de seu sagrado ministerio, con-
crreuio para a fehcidade das famdias, pre-
paranlo cidadaos virtuosos para o estado e
\er ladeiros fieis para a igreja : em uma pa-
lavr i, finalmente, lhes poderia fazer ver com
Re! i que : o mestre e um homem a cujas
coafiou Jesus Christo um certo numero
d .or;as, que resgatou com o seu san-
gue, o por quern deu a vida, nas quaes ha-
Eita c i:no em seu templo, a quem considera
"corao' os seus membros, como os seus ir-
D)3os, omo seus herdeiros....
M is '..iuta e a confianga que me inspiram
os alu DiHM mestres hoje titulados d'esta
Escola que me animo a calar os conselhos
quo por ventura poderiam ainda ouvir de
mim n'e>te momenfo.
Quan '.) frequentaram as aulas da segunda
cadeira do te'ceiro anno d'este curso, ti-
verani lo loa occasiao de estudar nos seus
livros, > aprender no exemplo do seu digno
professor o que agora imperfeitamente de
mim pi.leriam ouvir; e persuado-me de
que ainJa n'o esqueceram e naohao de es-
quecer as liroes e praticas que com tanto
desvelo lhes foram transmittidas.
N3o prosegoirei, pois, na recordac3o dos
sssrados deveres e da maxima responsabi-
lidade que acercam a cadeira do mestre ;
mas, me permittirao que ao transpsrem o
limiar d'este instituto, eu lhes faca um pe-
diJo, lhes dirija um >oto, sem, entretanto,
nada supp!icar para mim, mas para si rae=-
mos e para esta Escola, a^ que sempre de*
vera o ser gratos.
A Escola Normal de Pernambuco vos con-
os esforr;os para honrar estes titulos, profar .poa, faz a analyse daluz e diz que am
que sois verdadelramcnie dignos d'ellej, dos raio compde-se de sete cores, explica o $eu
premios qui vos destinguiram e da con- systema do mundo, e na idale de vinte a
fianca que raerecestes de vossos dignos mea- una annis acha uma serie de quantidades,
tres. jque se aproximsm continuamente das que
So este Tier a ser, como e de esperar, se buscam e por ellas vai achar no ceotro
vosso procedimento, nobilitareis a institui- de gravidade de todas as curvas, os solidos
q8o de que sois filhos, merecereis o conceito formados pelas suas revolu^dea e as super-
de vossos, concidadaos e attrahireis as ben
jaos de todos que vos confiarem o cuidado
d'aquelles por quem mais estremecem.
E v6s futuros preceptores da infancia
vos sentireis com forca bastante, ou antes
d'masiada fraqueza para esquecer o polido
que n'este momento solemne e ante tao res-
peit vos dirijo?
Por mais de um motivo o doveis gravar
em vossa memoria :0 vosso proprio inte-
resso o exige ; a vossa felicidade o recla-
me ; e'o credito da Escola que vos titulou
vo-lo impoe.
Mas, quando por amor de v6s mesmos e
zelopelo futuro da instituicSo d'ondesahis,
nao acolberdes o pedido quo ora vos faco,
permaneca ao menos nos vossos coracOes o
imperioso dever da gratidao em que ficais
para com o destincto pernambucano o Exm.
Sr. conSelhoiro Dr. Joao Alfredo Corrfia de
Oliveira, muito digno' ministro e secretario
de estado dos negocios do imperio, que veio
honrar com sua illustre prosenca este acto
escolar, e que tanto confia na Escola Nornal
de sua provincia.
Inspirai-vos, pois, no patriotismo que
anima a tao conspicuo parlamentar e con*
summado estadista no desenvolvimento e
exccuc.a.0 do preoeito constitucional qua as-
segurn e garaute a mais solida instruccSo a
todos os brasileiros.
Concluinlo, devo agradever ao illustre
auditorio sua benevola attencao, sua res-
peitavel presenca a esta modesta festa es-
colar.
Sao estas as palavras que assentei profe--
rir em virtude do que deliberou a congro-
gagSo d'esta Escola.
Approximai-vos sonhores alumnos, e
recebei das mSos do Exm. Sr. conselheiro
Dr. J. A C. de Oliveira as recompenses de
vossas fadigas escolares.
Discurso do Sr. Luis Eustaquio da Con-
ceifdo Pessoa.
Faltaria, sonhores, com um dos mais sa-
grados deveres se como interprete desta cor-
poracao nao exigisse do v6s um iostante de
silencio. A coijtianca, quo depesito em
vossa atteiif;ao e kionevoleucia, t't/.-me pres-
cindir de etiqudtasrV
Nao nos deve sobresaltar os excessos das
erupQdcs vulcanicas, nem os arrojos das
inunJagoes do ocoano. Entre a luz do dia,
e as trevas da noite, entre as estrellas do
ceo e a areia do mar s6mente o homem e
digno dos eucomios da voz universal. En-
volto nas densas noites de sua ingenuidade
encontra na agua, que bebo ; na ar, quo res-
pira; no sol, que o aquece ; nos auimas,
que o sustentam ; nas folhagens, que o co-
brem ; nos fructos, que saborea ; na gruta,
em que habita ; em uma palavra, no mun-
do, em que vive, os meios necessarios para
sua conservagao. Mas quando Iho cbega o
conhecimento distincto de sua porsonalida-
de, quando a reflexae e a experiencia se
vaj desenvolvendo pelo esforco da activida-
de intellectual, nao temos mais o euto expel-
lido pelo iustincto ; porem, sim, o ser lilho
da sabedoria e da verdade. Assumindo
desta maueira o caracter, ou a posigao que
lhe e digna e natural, elle nota que todas
as cousas sao objectos de seu conhecimen-
to; o desejo dosaberentao inunda-lh? forte-
mente o espirito, como as torrentes impe-
tuosas as margeus de um ribeiro. Convicto
dos caprichos de sua intelligenoia provoca-
dos pela liberdade da alma, ora calculanio
o tempo, ora medindo o espaco, impda si-
lencio aos mares, dirainue a furia das ven-
tanias, revolve as eatrauhas da terra e ras-
ga o veo do firmamento. Seu pensamento
traspassando por assim dizer a esphora
de seu proprio ser, percorre o universo in-
teira e esbarra-se no inlinito, onde pasma
sua magesUde e abysma sui omnipoten-
cia.
Sonhores, a grandeza da intelligibi.idade
humana nSo data s6meute d* aa a:"a
hint--?-, vm itjsiomunha de todas as ida-
des, nos fornece as provas evidentes de sea
immensuravel esplendor tanto nos tempos
antigos, como uos tempos modernos. Nos
tempos antigos, isto e, antes de Christo,
entre muitos vult is distiuctos que deram luz
ao mundo, citar-vos hei Thales de Mileto,
Pythagoras e Hypocrates.
"0 primeiro de volta do Egypto descobre
a propriedade do triangulo isoceles e ensioa
aos gregos os fundamentos da astronomia e
geomelna.
Pythagoras eleva-se como philosopho,
musico, astronomo e mathematico. Deter-
mina geometricamente por meio de um mo-
nocordio inventado por elle as proporciona-
lidades dos sons e estabelece um 'systema
musical, acha o quadrado da hypothenuss,
inventa uma taboa para a multiplicacao dos
numeros, explica o systema do universo, e
foi o primeiro que demonstrou a immobili-
dade do sol, a orbita dos planetas em torno
delle, a redondeza e os dous movimentos da
terra, e a esphericidade dos astros. Theo-
rias estas qne mais tarde foram sustentadas
e desenvolvidas por Cope.rnico ao depois por
Galileo como seus fieis continuadores.
Hypocrates brilha como medico e mathe-
matico, como mathematico acha o meio de
dobrar um cubo por duas proporcionaes
entre duas linhas dadas, a avaliacSo de sua
area, bem como a de todos os solidos esphe-
ricos, e como medico creada a anatomia e a
medicina empirica elle a eleva d medicina
dogmatica e analogica, ou fundada nos da-
dos da experiencia e da razao. Alguns se-
calos depois apparece Harvey demonstrando
a circulac&o do sangae como seu fidelissimo
successor.
Nos tempos modernos, isto e, depois do
Christo, citar-vos-hei somente Descartes,
Newton e D. Pedro Ponce.
Descartesobresahena arena dasciencia como
philosopho abalisado, chimico analytico, e
mathematico profundo. A sua (Jtioptrica e o
seu methodo provam a forca de seu genio.
ficies destes solidos.
D. Pedro Ponce, monge hespinhol, in-
venta um methodo para ensinar os sardos-
mudos a fallar e c jmprehonder o discurso,
applica os principios de sua invengao nas
linguas latina e hespanbola, e um de sens
discipulos a falls em ambas. E' pena elle
nada ter escript j sobre sua descoborta.
Eis, senhores, a elegante posicao do ente
racional no grandioso panorama do univer-
so, eis como elle se eleva com o auxilio da
experiencia e da reflexSo acima de todas as
eousas creadas. A reflexao e a chave do
progresso. e o progresso e" a fonte da perfec-
tibilidade. Com a perfectibilidade impera o
elemento scientifico sustentando o aureful-
gonto estandarte dalibsrdade da intelligentsia,
unica divisa da moral e da religiao. Nao da
religiio imposta, mas da explicada ; ndo da
religiSo do anathema ; mas a do amor e da
verdade onsinada a todos os homens pelo
martyr de Golgotha. E' obvio, que quan-
do a s:iencia de maos dadas com o Evange-
lho est^nder o seu dominio sobre todos os
pontos do universo, as armas do guerreiro
serao substituidas, ou pela penna do escrip-
tor, ou pela liogua do orador; entao cada
homem sera um mestre, e cada mestre um
legislador da natureza. Para.isso basta sd
mente a independencia absiluta da razao
em tudo que e\U comprobende.
Gragas a philosopiia moderna I
Com tudo quem sera' mais digno de at-
tencao ? Bruto manJando executar seus fi-
lhos pela liberdade de Roma, ou Hyparco
descobrindo a tiigonometria espherica ?
Senhores : Ao ver de muitos, as leis de
Kepler excedem aos thesouros de Cresso,
para mim ha mais gloria em Socrates be-
ber a cicuta do que em NapoleSo veneer
Warteloo, e no pensamento da actua'idade
a palavra expellida com intelligencia e cri-
tejio tem mais echos nos espiritos sensatos
do que o estrondo de mil bombardas.
Tal (i o dogmatismo da epoca t
Devo,nos attender agora, senhores, que o
principio fundamental de tudo isso e indu-
bitavelmente a instrucQao e sd a instruccao,
ella e o porno nutrificante do espirito, e os
alicerces do grande edificio do progresso
social, e o alvo da prosperidade de uma
nagao; 'pois no centro de suas evolucoes
cresce o desenvolvimento das artes e multi-
plica-se o brilho das letras. Propagai _a
instruccao entre o povo que vereis a comple-
ta metamorphose das cousas. A velha Gre-
cia ainda sente nos musculos a rigidez da
palavra de Pericles e a forca dos raciocinios
de Plata,), e nas faces enrugadas do caduco
Egypto ainda se percebe tambem os traces
de uma scientifica virilidade.
Meus collegas e excellontissimas senho-
rras: Agora que passamos da vida ideal
para a vida real, agora, que temos diante
de b6s horisontes ne luz o que nos resta ?
Deveis lembrar-vos, que a mocidade e o
periodo da vida, em que as faculdades men-
taesse acbam completamente dispostas para
as sublimes concepgoes do espirito. Somos
os Aswherus do seculo; portanto p*ra cum-
Erirmos fielmente a nobre missao, que nos
a de ser confiada, & mister nSo retroceder
um s6 passo na grande estrada do progres-
so, e no longo itinerario de nossos deveres
tenhamos sempre por biculo o livro, por
guia a razao; o livro 6 a humanidade, a
razio e Dens.
Ulms. senhores directores, e senhores
professores : 0 viajante, que debaixo dos
raios do sol de Cancer sulca fatigado as tor-
ridas e arenosas solidoes do Sahara* so en-
contra suavidade reclinado na macia alfora-
bra de alguns sombrios oazes; o nauta, que
em noites de tempestade luta braco a braso
com os elementos entre o desespero, e a
morte s6 tem contentamento quando depara
com os primeiros aorrisos da bonanza; e
aquelles que sao gratos so tem verdadsi-
ra tranquillidade de espirito quando dao
as provss de seu mais firme reconhw'''0'1"
to. Como n_iift1--r- J- -""lQ> 1ue
Bwu o povodelsrel para a terra da pro-
missao.ou comoa estrella, que guiouos reis
do oriente para adorar o Messias; assim
tambem v6s, ora com os sorrizos de amigo,
ora com os cuidados de pai uos guiastes
para o escarpado monte da instruccio, em
cujo pincaro se acha garbosamente edifica-
do o magestoso templo da verdade.
E qual deve ser a vossa alegria e o nos-
so contentamento ? A' vista disso em nome
de meus collegas, e dasExmas. Sras., asse-
vero-vos que entre os quatro ventos da ter-
ra, n6s com os olhos fitos no ceVconserva-
remos com todo o enthusiasmo da alma a
cabeca e o coragao ; a cabeca para sempre
trazer retratada na memoria estas qualidades
nobres e sublimes, com que vos dotou a na-
tureza, as quaes se acham acima de todo
elogio, e o cxacao para cada vez mais dedi-
car-vos os nossos sinceros votos da mais al-
ta estima e elevada considerac&o.
Respeitavel auditorio, a sublimidade de
vosso magnanimo coracio, o deslumbre
immensuravel da luz de vosso entendimento
sao tao fortes e vivificantes que purificam os
espiritos os mais grosseiros e denegridos. E
em virtude disso c tao profundo o respeito
e veneracSo, que vos tributamos, que nesta
occasiao-solemne entre nossa pequinhez e
vossa magnitude tambem depositamos na
sagrada ambcla do dever as gottas de nossa
mais sincera gratidao. 0 jubilo de nossa
principios liberaea poderatD ser firmados por
aquelles que constituiram a nossa naciona-
|ijade, a divulga^do do eosino foi solomoe-
mente rejonhecida e elevada a cathegoria
de um dos nossos dogmas politicos pelos
sabios estadislas que collaboraram na nossa
Constituirao.
Iofelizmente esta promessa constitucional,
implicitamente conssgrada no a-t. 179 "32
da ConstituicSo, nSo tem tido o desenvolvi-
mento desejavel ; e, se n3o quizarmos attri-
bui-lo d causas complexas, mais ou menos
conhecidas, forga e confessar que tem sido
a culpi it todos.
Mas ainda ndo e tudo pra t8o grande
commettimentn. Nos paizos rogidos por
ins ituigoes livres como, sem a raenor du-
vida, e o nosso, a opiniao, quaesquer que
sejam as causas que, em circumstancias da-
das, a fagam sopitar, afinal impda se natu-
ral e pacificamonte, como um principio de
ordem e uma explendida prova de vitalidade
do espirito publico.
E se, como obscuro cidadao, regosijo-me
ao ver que por to Jo o Brasil so dosenvolve
uma das mais nobres aspiracdas nacionaes,
qual o diffundimento do ensino, como per-
nambucano orgulho-me em proclamar que
a nossa provincia deu para isto o primeiro
passo, organisaulo a S^ciodade Propagado-
ra da Instruccdo Publics.
Folgo de reconhecer que o g >verno de
nosso paiz n3oso tem deixado ficar dqurem
desse goueroso movimento, cumprindo-me
fazer especial mencio do illustrado ministro
pernambucano, cuja respeitavel presence na
nossa mod esta festa e mais uma fianga do
interesso que continua a desenvolver por
esse ramo do servico publico d seu cargo.
0 conselbo parochial d; Santo Antonio, sec
g3o dessa associagao. fundando este instituto,
visou dous importantes resnltados: i a
creagio de um nucleo de habilitagdo para
o magisterio, cuja falta se tornava cada vez
mais sensivol em uma epoza em que nao e
mais 1 cito pdr em duvida quo o progresso
e felicidade de uma nagao repousa sobre
a sua eluagao intellectual e moral, ou, an-
tes, sobre a escola primaria, base e princi-
pal fun lamento da illustragao de um povo;
2" a resolugao daquillo que, sendo para
mim am problema, para outros uma Utopia,
a experiencia tem mostrado ser umi foliz
verdade a aptidao das pessoas do vosso
sexo para a cultura do espiritj.
Na verdade, Sras., ndo basta crear esco-
las ; e preciso tambem crear o magisterio,
preparand i o mestre e adoraando-o dos re-
quisitos necessarios ou indispensaveis d trans-
missdo do ensino.
A importanoia e proficuidad: da escola
estd na razdo directa do valor do mestre,
disse, com tanta razao como experiencia,
um dos Dittos mais destioctos comprovincia-
nos, d qaem muito deve a instruccao pu-
blica.
Por outro lado, aberto, como foram pela
ultima reforma da instrucgao publics pro-
vincial, novos horizoutes ds vossas aspira-
goes, largo campo se vos offerece ; e muito
tem a provincia a esperar de vos.
Permitti-me, entretanto, que ao vos des-
pedirdes do n6s, vos lembre que a profissao
que ides seguir e t3o brilhante e auspicio-
sa como ardua o cbeia de perigos.
Graves responsabilidades pesam sobre
aquelles d quem incumbe guiar a infancia.
Innocular-lhe no espirito, d par da cul-
tura intellectual, o cumprimento dos deve-
res moraes, a obediencia us leis, e todas as
mais virtudes christdas que nobililam o ho-
mem ou a mulher, o contribuem para a
bda ordem social e o objectivo do mestre.
Certo de que ndo olvidareis estes preceitos,
assim como que ndo descancaris ns lirla A
que vos dedicastes, esforgando vos sempre
por aprofundar e estender os vossos conne-
cimentos, acompanhando osconstantes pro-
gressos do ensino, conto desde jd com os
vossos triumphos e antecipo-vos os meus
parabens.
mesmas.
RELATOHIO APRESENTADO AO MINISTRO DA
JOSTigA PELO ADXMI6TRADOR DA SIGURAV
f.V PULL1CA E DAS PRISONS DA BELGICA
Sr. Minittro:
Entre os progresos, qua tana elevado
tao alto as instituigoes da Balgica ua op -
Discurso de
Marinho
alma nao conhece limites, quando temos
felicidade de apreciar tio belloj predicados.
Mas como se prova ou se explica tanta de-
dicagao ? Ah 1 aqui a palavra encerra-se
no pensamento reconcentra-se o pensamento
no espirito, e o espirito envolve-se no manto
da mais pura fidelidade.
Deus nos con fir ma rd.
Discurso do Sr. Dr. Olympio Marques da
Silva.
Se grandja deve ser o vosso jubilo, vindo
hoje receber os vo>sos titulos de habilitsgao
para o magisterio, adquiridos depois de um
penoso tirocinio escolar, como premio da
Inventa a prensa hydraulica," applica a alge-j vossa applicagao e aproveitamento, nio e
bra, a geometria, admitte para exprimir a menor o da Sociedade Propagadora da Ins-
segunda potencia entre duas quantidades j truegfio Publica, do conselho parochial de
o algarismo dous para o cubo tre3, para a j Santo Antonio, e principalmente de vossos il-
quarta potencia o algarismo quatro e assim lustrados e dignos mestres, em verem em vos-
por diante, e ensina com muito aproveita-[sos diplomas o rosultadu de seus esforgos A
raento e intelligencia a chimica, a physica e,bem da diffusSo da instruegfio publica, pa-
a philosophia. ', triotico emprehendimento que a provincia
Newton extasia o mundo intelligente no de Pernambuco teve a gloria de iniciar a
deslumbre da sobrenaturalida-Je de seu ge-'elovar d altura de um programma.
Emilio Ambrosio
Falcao.
Exm. St. conselheiro ministro do impe-
rio.Exm. Sr. commendador presidento
da provincia.Srs.Nao soment" -a --
. vuuiuim eniuQii> ujuiuos em touvor
dos factos sublimados que engranJecem seu
autor no conceito dos povos, ou que nos
revelam mais uma vez a perfeigao da obra
do Incriado : tambem, senhores, o fraco
trinador participaudo da alegria que derra-
ina a aurora polo espreguigar do plogistico
astro no seu despertar illusorio, solta enthu-
siasticos gorgeios de tanta expressao quanto
e o seu esforgo no laudatorio cautico.
Assim permitti que depois dos mais elo-
quentes discursos que foram pronunciados
neste festim da sciencia; eu com expres-
sdes rudes ; por6"m, sinceras .manifesto o
regosijo que expande meu espirito por occa-
siao tao importante em que vejo o alto po-
der dj estado symbolisado ua pessoa do
eminente estadista o Exm. Sr. conselheiro
ministro do imperio, galardoar os filhos do
plebeu que por sua dedicagdo e labor littera-
rio semostraram dignos de um diploma que
lhes franqueara ingresso no importante mi-
nisterio de preceptor da infancia nos seus
primeiros passos da romaria scientifica.
Sr. ministro, em todos os tempos, em
todas as epocas, como boje tem rugido
iracunda maledicencia, tremido desesperada
a insensatez que loucamente ha pretendido
turvar o esplendor dos lucidos astros que
por sua excel&a altura ndo podem ser attin-
gidos nem pelas artimanbosas lamentagdes
nem pelas ridiculas vociferagdes.
Se retumba empequenos recintos a grita-
ria dos naufragos da canfianga publica que
em vios esforgos aspiram restabelecer-se no
conceito do povo variando a todos os movi-
mentos a bandeira arvorada, enfraquecidos
em principios, desbaratados em disciplina
sem mestre e sem pilotos conceituados;
na vasta extensdo desta provincia, bergo de
muitos e eminentes her6es, ouve se que com
frenesi de enthusiasmo se expre.ssam o reco-
nhecimento e o applauso dos actos liberaes,
pugnadores do progresso nacional, e dos
mais vitaes imeresses dos povos, emanados
do patriotico ministerio de 7 de margo.
Sr. ministro, o esplendido acolhimento,
que vos ha feito este brioso povo, certamen-
te que mais eloquente que minims palavras,
nos ha assegurado a subida estima em que
sois tido pelos vossos comproviocianos, que
vosadmiram como uma das mais scintillan-
tesestrellas^da constellagdo politics,'a qual a
consliluigao chamou poder executivo. A
mulliplicidade de felicilagdes que ha via re-
cebido de commissoes e corporagoes littora-
rias, scientificas, administrativas, commer-
ciaes eagricolas, os publicos votos de adhe-
sao, de veneragao e de applauso exhibidos
applicagao as lettras 6&i sciencias, que aca- [ vessem Ugatfo coma adminitlracao ia*
ba do vos fazer os filhos dos plebeus, vos------------
sdo mui honrosos ; e gravarSo nas paginas
da historia patria o vosso eminente merito
politico.
Discurso da Sr.* D. Juvenlina A. C. Mon-
teiro.
Exms Srs. dignissimos conselheiro minis-
tro do imperio e presidente da provincia.
Mui honrosa, excellentissimos senhores, e a n,ao da tur0P. reforraa penitencian.
vossa presenga ao acto solemne da distri-|occuP8' sem contestagao, um lugar ia
buigdo dos titulos de ;apacidade Dara o ma- Portnt0-
gisterio das disciplinas da intrucga prima-' *** Pns0e destinadat d eocerrar e I pc-
ria, conferidos pela primeira vez pela Esco- nir Pela pnwslo da liberdade os culpadc*,
la Normal das senhoras, ds que, depois de 1ue Por suas "frcc* cnminaes sii
penoso tirocinio de dous annos, exhibiram, ^mporana ou Par sempre retirados da so-
provas d'os merecerem ; mui honrosa, di "J!1.*8' sio 8ob Ponto de T,st' soc,al
go, e para u6s, que nos rigosijamos de ver P0,lllC(> mstituigdes fundamentaes, e cons-
por Vv. Exes, presidido este acto de aprego|t,tuern' de al8u|n sorte, a sancgao das leis
de nossos esforgos na busca de sermos uteis \ PeJ}aes-
d patria pelo encargo de amanhar oiotel-i aagundo for bena, ou mal orgawsado o
lecto da infancia com os rudimentos da SVite,na pemtenciario, as leis se comolida-
sciencia ; insinuar em seus coragdos os vor-] rao ou toroarS,J inefficazes e. sob este
dadeiros principios do bem ; e co.no desve- Ponto. a lados cultores, coufiados na bsnemerencia jxinaa ,nnuoncia sobre a orde,i aortk-
do seu labor, auferir o houesto salario, que, dade-
nos pondo ao abrigo das urgentes necessi- \ ", oatras nsgdes podera dispuUr ao not-
dades, forga dard ao nosso espirito a man-ls0 Paiz a 8loria ,,e terecn promo-ndo gran
ter-so na altura de respeitavel dignidade|des. rflJrmas, que modificaram as relacjda*
pessoal de mulher. jsociaes. a Belgiua pdJecora justo orgulho
Nao menos honrosa e a v6s, excellentis-KeiT'nJi(:i,r a 8la- nao meaos iwrejavel
simos senhores, como uma prova do vosso de ^er s,,, a Pr'raeira a romper com-as tra-
ompenho pela diffusao da instrucgao, com id'96es birbaras em mitoria represiva, ap-
a qual este povo hero.co por muitos feitos Pllcand & Casas de delengfto as ideas hu-
eleve seu merito scientifico d altura de seu man' valor bellico.
Serd uma exhibigao de facto registrado
pela historia contemporanea ; e de que sao
testemuuhas oculares estes centenares de ci-
daddos das differontes classes socides e de
diversos credos politicos, para nullificar os
rudes tragos, com que alguma penna irre-
flectida que apparecer possa, mystifique a
nossa historia patria negrojando, por effeito
do despeito, os actos sublimes, que a Vv.
Exes, ddo direito a um lugar distincto entre
os benemeritos da nossa provincia..
Respeitaveis senhores professores.Com
prudencia e lhaneza conduziste-nos nas
sendas difliceis d > ensino, guiand i-nos a
estudar os compendios, e comprehendersuas
doutrinas ; eaexhibir, pela pratica, provas
de que os baviamos entendido ; ensinaste-
nos tambem por V0S30 exemplo a transmit-
tir ds mais ignorantes que n6s o que de vos
colhem.os.
Assiduos e infatigaveis, pacientes e do-
ceis, attenciosos e respeitaveis, tendes direi-
to a esta gratiddo, sempre observada pelo
coragdo da mulher. Eu, que tenho conscien-
cia dos nobres sentimentos, que animam a
cada uma das minbas collegas, em mu no-
me e em nome deltas vos asseguro que so-
mos reconhecidas e gratas.
Os vossos nomes serao sempre repetidos
por cada uma de n6s com aquelle affecto,
com aquella reverencia, com que pronun-
ciamos os daquelles que nos deram a exis-
tencia.
Agora tot, queridas collegas.Cora a
chegada a raeta da Jornada scientifica estdo
rotos os lagos, que nos approximavamos
quotidianamente neste recinto da sabedoria;
obtivemos a victoria : de boje avante a nos-
sa missao nos obrigaa divergir do caminho
para que cada uma era local differento dif-
funda, com o exemplo dos nossos sabios e
respeitaveis mestres, o que destes apron-
dera.
Se nossas pessoas se afastara deste am-
plexo vesperino de todos os dias, nossos es-
piritos cada vez se approximar&o pelo reco-
nhecimento dos mesmos corolarios, que
iromne pnlhor doa vurjaJbb a luJuj uualuo-
das ; e esta fraternidade que desenvolvera
o ensino simultaneo, nos dard coufianga de
sermos doserabaragadas de algum estorvo,
que encontrarmos, recorrendo & luz das que
mais proximo estiverera.
Este foi o grande principio de harmonij e
firmeza nas verdades aprendidas, estabele-
cidopeloFlho do Homem, quando;congre-
gou os discipulos e juntos os instruio : as
consultas dos Apostolos confirms>" a sua
grande convenient"
t'iiu annos de communhao nas fadigas nos
tern enraizado nos peitos firmeza de amiza-
de, pela qual nos consideraraos quaes
irmds.
Que sejais felizesna sublime missao, a que
tao voluutinamente vos dedicais, e 0 que
decoraga.) vos anhelo ; e imploro ao A'.tis-
simo que no vosso apostolado sejais outros
tantos luzeiros, que esparjam a luz, que
recebestes ; e com ella animeis os neopby
tos, que comvosco procurarem se instruir.
Quostao penitenciaria.
fere hoje o diploma de capacidade pr .fes-|ni". Descobre a theoria das cOres e de-1 Praz-me recordar-vos uosta occasiao que pelas assosciagoos democraticas, fce agora
iional, e eu vos pego que |empeuheis todos l'muustra, quo depeuJe 8a espessura dos cor- em nossa patria, desdo qu os g ucrosos Um. seuhor, a oUerenda de ui symbolo de
ESTADO DASPRISOES DA PRUSSIA.
Resposla aos quesitos formulados pzla
Commissdo organisadora do Congresso
penitenciario de Londrcs em 1872.
(Continuagao.)
Uma parte das nossas prisoes necessitam
ser reconstruidas desde os alicerces.
Outras exigem absolutamente reconstruc-
g5es interiores.
E' urgente, que a separag3o dos presos,
durante a noite, seja adoptada como regra
geral ; e que as medidas tomadas sobre o
isolamento dia e noite sejam mais araplas.
Reclamamos, como regra, a applicagao
do regimen cellular em todos os casos de
prisdo preventiva, e do penas de curta
duracao.
Tambem o julgamos indispensavel no
principio de todas as outras penas, e por
isso desejamos o augmento proporcional das
cellulas.
E' preciso ao mesmo tompo tratar dos
meios de fazer trabalbar os presos ao ar li-
vre, mais do que no regimen actual ; e or-
ganisar systematicamente estes trabalhos,
de maueira que esta nova modida possa ser-J
vir de um preparativo para o -goso da li-
berdade.
Aletn disto, serd indispensavel cuidar
melhor, do que ate hoje, na educagdo pre-
paratoria dos funccionarios e empregados, e
mesmo serd preciso, en geral, augmentar
a cifra de seus vencimentos actuaes ; e tam-
bem conceder-lhes a faculdade de poderem,
depois de um certo tempo de servigo na
administragio das prisoes, passar sob con-
dicgoes favoraveis d ouaos ramos de adrai-
distragSo.
Emfim, para cortar as dilliculdades que,
ate hoje, tem impedido uma reforma efficaz
do systema penitenciario de nosso paiz, scria
preciso, antes de tudo, satisfazer a uma
primeira condicgSo, preliminarya creacdo,
desde jd, para todas as prisdes do paiz,
sem olftar para seus destinos especiais ; de
uma inslancia central, convenienteaietUe
organisada, que tivesse d seu cargo todas
as qmtdes rfe quatqwr nilureza, que ti-
minalistas cphitantropos do seculo 18-." se
timam feito apostolos.
0 bralo da ref jrmi laugado por JfM-
tesquieu e Servan, por Filangieri a Beat-
ria ja, havia tempos, que resoava : a neces
sidade de uma reforma peual tinhi conven
ci lo os raelhores pensadores, e entretanto c
estado das prisoes na Europa era aioda p
mesmo dos tempos dabarbaria, em que o
direito de punir se coufundia, por assim
dizer, com o direito de vinganca.
A Belgica, assim como os outros paizes
da Europa apresentavs a este respeito, o
quadro o mais contristedor : por toda a par-
te as prisoes offereciacn o espe taculo da
mais hedionda degradagdo, triste resultado
de uma promiscuidade era que os sexos e
as idades se confundiam.
Hoje que, gragas a iniciativa do Govarno
e do esclarecido concurso de nossas Assaoi-
bleas legislatrvas, nossas cizis de prizio
tornaram-se lugares, em quo reina a or-
dem, a disciplina e o trabalbo, nio e tem
interesse remontar aos tempos psssados, e
exarainar, por que medidas conseguio o Go-
verno realizar melhoramentos no regimeu
penitenciario, e harmoniza-io com os pro-
gresses feitos na fegislagao criminal.
Este rapido estudo demonstrari, segundo
penso, que o governo seguio nestas trans
formagdes o caminho que lhe tragavam os
progressos realizados nas scieacias sociaes.
e que nao recuou nunca diante da nenhuma
dilficuldale, para assenter o regimen das
prizues sobre bases soli Jas e duradouras.
Si nestes melhoramentos nio se tem ca
rainhado com a celeridade, com qua se tem
realizado outras reforraas uteis: se masuko
uma parte da grande obra encetada ainda
estd por acabar, devem^s att-ibuir antes i
grandeza do monumento, que sa Irate d-
elevar do que ao Governo.
A transformagao do regimen das prisoes
e uma obra importante, qne demanda mui
ta prudencia da parte dos homens d'Estado :
toca tao de perto A ordem sjctal, que e pre-
ciso as maiores precaucoes do poder adiui
nistrativo, para poder facilitar-lhe a mar-
;ualquer passo irreflectido compromette-
ria, nao so os interesses mais graves da or-
dem moral, como tambem teriara consequan-
cias desastrosas para o ihesouro publico.
Dous systemas se achavam em campo, e
ainda hoje dividem os melhores espiritos.
A' qual dos dous dar a preferencia?
u governo estudou com cuidado os dous
systemas oppostos: cornpenetrou-se d is van-
tagens e dos inconvenientes de am bos i con
sultou os dados Jd experiencia e, so entio,
pole assentar difuiitivamente a sua opiniao
e a seguir resolutamente o camLho, que lhe
pareceu melhor, e, pondo-se de accordo com
as camaras legislatives, dotou o paiz coir
muitas cazas de delengdo cellulares.
Terd o paiz de lamentar os sscrificios que
se impoz, para esta transformagao ?
A experiencia, jd adquerida, respoode sa-
tisfactoriamenle a pergunta, o ndo me cus
taria demonstrar, que o Governo deve per-
severar no caminho encetado e conclair a
obra tambem emprehendida.
Estou certo de que d Adraunistragao oak
faltard p generoso concurso dos poderes la-
gislativos, para apressar o cordamento desta
grande transformagao ; e ouso esperar, qu<
em breve a Belgica poderd monlar urn con
juncto de prizoes, cuja orgsuizagao nada te
rd d invejar aos estabeleciment is da mesrar
natureza dos piizes mais adiantados.
Que me seja permittido, para melhor se
apreciar a imporlancia dos malhoramentc*
introduzidos nas nossas prizoes, langar um:
vista relrospectiva, e tragar em algumas li
nhas o estado destes estabelociraentos nos
tempos passados.
Como jd disse, 'as prizOes no seculo 18
erara f6cos de molestias e de immoralida
des.
Nenhuma idea de classificagao, protais
cuidade a mais completa, auzencia de to-
do o trabalho, tal era o regimen de entao.
si se pode dar este nome a auzencia absolu-
te de qualquer organizagao.
Este deploravel estado, nos ultimos annot
daquelle seculo, havia dispertado a atten
gao dos philantropos, e dos homens d'Es-
tado.
John Howard tinhs, bem como outros
flangado um brado d'alarma, a este brack'
nao devia ser perdido para a humanidade
Um grande cidadao, cuj > nome aioda
hoje e lembrado com respeito em Flandras
o Visconie Vilain 14 nao escutaodo et-
nao a voz da humanidade cuidou em refor
mar estes abuzos numerozos; o seu appel
lo achou eco no coragao da uma Sobarana.
cuja memoria e sempre cara ao pan.
A prizao de Gand foi decreteda am 1772.
Este vasto estabelecimento, que ate hop
causa admiragao aos estrangeiros, foi defioi-
tivamente inaugurado em 1775.
As ideas, que presidiram a sua organisa-
gao, assignalaram um immenso progresso
no regimen das prizoes.
A confuzdo dss idades e dos sexos, a
ociosidade, a immoralidade e a desordem
succederam a separagio dos homens, das
mulheres, e dos menores, o trabalho, este
poderoso sgente de moralizsg3o, a ordem
o a disciplina,
[Continuar-tt'ha)
\

Yf DO DIARIO. -BUA UVQUfi DE QUUa